Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09532


This item is only available as the following downloads:


Full Text
F
r
AIIO XXXVIIi. IDMB M.
i** I juidi ni i
>
'

*
\


'
fc'>
'
Ptr tres.neiesadintaits 91000 -,
Pr Cre Muei TtidiM *|00 J.w.n^i g
:
an >>fi
ODAfiTi FEIfi 2 fiE ABRIL DE 1862.
4.
Ptr bo adiaiitado .9|00O
Porte frtiee tara e sibterieter
PEBIVAMBUCO.

E.NCARREGADOS DA SUBSCRIPTO Do NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silra;
Aracatv, o Sr A. de Lemoi Braga; Geari o Sr.
. Jos de Olivera ; Maranhio, o Sr. Joaquim
Marques Rodrigues; Para, Justino ;. R.ro:
Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO SDL
Alagoas, o Sr. Claadino Falli Dias; Baha,
o Sr. Joa Uartios Aires; Rio de Janeiro, o Sr
Joo Pereira Martina.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Olinda todos os dias aa 9X boras do da.
Iguarass, Goianna, e Parahyba as segundas
e sextaa-feiraa.
S. Antio, Bexerros, Bonito, Cantar, Allioho
e Garanhuna as tergs-feirai.
Pao d'Aiho, Naxaretb. Lirooeiro, Brejo, Pea-
queira, Iogaxeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouriciry Ex. aaa quai tas-feira.
Cabo, Seriobaem, Rio Forraoso, Una, Barreiros
Agua Preta, Pimentelra o Natal quintas feiras.
[Todos os crrelos partem as 10 boras 4a manhia
EPHEMERIDES DO MEZ DE ABRIL.
6 Quirto erescente aa 4 horas e 31 aainatoi ds
manbaa.
14 Lea cbeia aos 16 mina toa da manbaa.
SO Quarto miot/iante as3 borss s21 niatos 4a
tarde.
t8 Lea noa aa Choras e 45 niatos da nanbia.
PREAMAR DE HOJE.
Prineiro as 6 boras e 6 niatos da machas.
Segando aa 6 horas 30 niatos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol ate Alagoas i 5 e SO: para o norle
ate a Granja 14 o 29 da cada mez.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Beeife: do Apipucos 61x9, 7, 7 ii2, 8
e 8 1|2 da m.; de Olinda as 8 da m. o 6 da I.; de
Jaboatao s 6 1|2 da m.; do Caxang e Varxta
a 7 da m.: de Btmfica s 8 da n. '
Do Recite : para o Apipucos s 3 1|S. 4, 4 1(4,
4 1|2, 5, 5 1|4, 5 1|2 e 6 da t.; para O/inda I 7
da n. e 1|2 da t.; para Jaboatao a 4 da t.; para
o Caxang e Varzea a 4 1|2 da t.; para Bemkca
aa 4 da t.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES ya CAPITAL'.
Tribunal de commercio : segundas quintas.
Relaco: tereas sabbados slO hora,
Fazenda : quistas s 10 horas.
Juize do commercio : segundas ao neio 41a.
Dito de orphos: tercas esta* s 10 boras.
Primera rara do cirel: tercas a i ex tas ao neio
dia.
Segunda vara do cirel: qaartat aabbados 1
hora da Urde.
DIAS DA SEMANA.
31 Segunda. S. Balbina v. m.; S. A mus propbj
1 Terca. S. Macario ; S. Valerio.
2 Cuarta. S. Fraocisco de Paula fundador
3 Quinta. S. Ricardo rei ; S. Benedicto f.
* Sexta. Commemoracio da pelxo da J. C,
5 Sabbado. 8. Vicente Ferrer ; S. Irla r. m
8 Domingo da paixio. 8. Marcelino m.
A8SIGNA-SE
no Recite, en a lirraria da praca da Indepen-
dencia ds. 6 e 8, doa proprietarioa Maooel Fiauei-
roa de Fana & Filho. B
PAUTE 0FF1CHL
eOVtRNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia de ruarlo
ele 186*
ODcio ao brigaJeiro sommandante daa armas.
Queira V. Exc. designar um dos eirargiss do
corpo de sa le, a fin de ir quanto antea para a
cidade da Victoria, medicar as peasoas indigentea
que all forem accommeltidas do cholera -morbo,
devendo elle en leader-ae con esta presidencia
antea de partir.
Dito ao meamo.Coavindo que um do* cirur-
gioe* do corpo de sa Je siga com bre vida Je para o
termo de Olinda, afim de nedieer aa peaaoaa indi
genlea que all forem accommeltida do cholera-
morbus, percorrendo para isso o legares que mala
precisaron) de seus soccorros, solicito da V. Exc.
a expedigo de orden oeste sentido, devendo o
que ior designado entender-ae com esta presiden-
cia antes de partir.Communicou-se ao juii mu-
nicipal do termo de Olinda.
Dito ao Dr. chela de polica.Repoudo a o offi-
cio que V. S. dirigio-me em 17 do correle, *ob
n. 448, acompanhsdo de copia de outco Uo dele-
gado do termo do Buoilo, dizeudo que j-em 21
de Janeiro ultimo, e em virtude de req:sico
comida em ofncio de V. S., n.79, de 18 do mes-
mo mez, mande! orrar os concerloa de que pre-
cisa a cadeia daquelle termo, ordem que ora rei-
tero ao director daa obra poblieas.Officiou-se
ao director daa obraa publicas para mandar Jaatr
o ornamento.
Dito ao meamo.Respondo ao officio de V. S.
n. 459, datado de bontem, acompaohado de ou-
tre do delegado do termo de Santo Anto, qae
devolvo, dizendo qae em vista das commnnica-
coes que o'alli recebi do vigario e juiz de direito
da comarca, mandei hontem qae a eate fosse en-
tregue a quaoti de 3009, urna ambulancia -e ius-
tracyoes para o tratameolo do cholera-morbus, e
fiz partir para all um medico.
Dito ao inspector da theaourarla de fazeada,
Em vista da coota junta em dapuesta qae me loi
remettida pelo director das obras militares com
officio de hontem, sob o. 53. mande V. S. pagar
a dita conla da quaolia de t63#, importancia de
dous apparelhos Cambrouoe, que veodeu para
o quarlel de cavallaria.Communicou-ee ao di-
rector daa obras militares.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Transmita V. S. secretaria da presidencia as
represeoticoes que lbe foram remettidaa com o
officio de meu antecessor de 15 do correte, as
quaea os moradores de Santo. Amaro, Passagem
da Magdalena, Remedios e BemQr.a, pedem a
collocacao de chafantes naquellea lugares, para
abastecimento a'agua potavel.
Ditoao com mandante auperior da guarda na-
cional de Tacaral.Respondo o officio de V. S.
de 31 de Janeiro ultimo, duendo-lhe que mande
proceder a qualificago da guarda nacional aob
seu commando superior, na poca e com as for-
malidades marcadas por lei.
Dito ao capilo do porto.Concedo a auloriaa-
cao quo V. 9. soltcitou em officio n. 36, de 28 do
correte, para nomear a Juao Nepomoceao Alvea
alacie!, eflm de exerceriolerinameoieasfuacces
de secretario da capltsoia, visto que o secretario
Joaquim Pedro Birretode Mello Reg tem de to-
mar assento como roembro da assembla legisla-
tiva provincial.Communicou-ae ao inspector da
thesouraria de fazenda.
Dito ao meamo.Recommeodo V. S. que nao
d destino at segunda ordem aos recrutaa de
marioha Casimiro Lucio Tavares e Umbelino Poa-
sidooio de Barros Brsodo, que lbe foram apo-
sentados com o meu officio de 28 do correnle.
Dito ao inspector do arsenal de marioha.Res-
pondo ao seu officio o. 140. de 20 do correnle,
remllenlo-lh* por copia as ioformages que mi-
nistraran! o Dr. chefe de polica eo aubdelegado
da freguezia de_ Santo Antonio do Becite, relati-
vamente a prisio do africano lirre Loureogo, que
se acbava empregado no ser vico daa obras do me-
lhoramento do podo.
Dito ao inspector da aade publica.Mande
Vmc. apromptar, afim de ser enviada para a ci-
dade de Olinda, ama pequea ambulancia de me-
dicamentos necessarios a epidemia reinante.
Dito ao meamo.Mande Vmc. apromptar, para
serem remettidoa ao Dr. Pedro Aotonto Cesar,
medico em commisso na freguezia de S. Loo-
rengo da Malta, os medicamentos mencionsdos
na relaco junta por copia.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. fornecerao commandante da compaobiade
cavallaria, como aolicitou o brigadeiro comman-
dante das armas em officio desla dala, dez pares
desapatos para recrutas, por conta do fardamen-
to ped lo no de Janeiro ultimo.Coumuuicou-se
ao commaodante das armas. i
Dito ao mesmo.Fa;a V. S. encaixotar con-
venientemente os artigos de armamento e corra-
me que lbe forem remellidos por parte dos com-
mandantea doa corpo de primeira lioba, com des-
tino a colonia militar de Pimenteiras.Commu-
nicou-ae ao commandante das armas.
Dito ao juiz de orphoa da capital.Em vi3ta
do que pondera o aubdelegado de policio da fre-
guezia da Varzea, em officio de 28 do correte
junto por copia, com referencia aoa menores Ma-
noel, Anna e Rita, filboa do finado Joo Ferreira
da Fonceca, haja Vmc. de providenciar acerca
destes, como de direito.Commanicoa-se ao
chefe de polica.
Dito ao cirurgio Francisco Marciano de Araujo
Lima.Recommeodo Vmc. qae quanto antea
v medicar aa pessoas indigentes accommeltidas
do cholera na fregezia doa Afogados, d'onde re-
gressar logo que poderem aer dispensados os
seus servicos.Communicou-se ao Dr. chfe de
polica.
Despachos do dia S de marco.
Rtqutrimtntoi.
Amaro Jos.Informe o Sr. Dr. ebefe de po
licia.
Gaspar Pralt e Guilherme Armand.Informe
Sr. inspector do arsenal de marinha.
Irmandade do SS. Sacrameoto da freguezia da
Boa-Vista desla cidade.Informe o Sr. inapector
da thesouraria proviocial.
Paulino & Irmo.Informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
COMBANDO DAS ARMAS.
Quartel-general do commando das
arma* Je Pernaubuco na cidade
do Becile era l de abril de 186*
ORDEM DO DIA N. 54. .
Convindo tomar providencias qae melhorem e
regulsriaem o servico daa bandas de musicaa doa
corpoa desta guarnido, por occasio de tocarem
ao recother, nao s para qae ellas teoham lempo
de estojar ede slgum descanco, como para qae
o instrumental se nio estrague com o continua-
do servico que tem tido at aqui, em grave pre-
juizo daa respectivas calas : -
Determina o general commaodsnle das srmss,
que de ora em diinte se observem aa segnintes
disposicoes, Qcando aem effeito quaeqaer ordena
em contrario.
1.a As msicas dos corpos s tocarlo ao neo-
lher aos domingos e quintas-feirss de cada sema-
nas, para cajo fim se reanirlo nesses dias a hora
conveniente, formando liaba en frente do palacio
da preaideoda, ua ordem segainle : 4. batalhao
de arlilharia ap, 2., 9., a 10.-de intentarla.
2.a as quiotas-feiras, aasim col locadas asna-
sicas, e logo depois que os cornetaa e tambores,
1de, s> acompanharem, abrirem o toque, exeeu-
tar cada urna de per ai e sucessivamenle quai-
quer peca de msica, desfilando da diretta para a
esquerda na ordem de columna, quando a ultima
das bandas liver concluido o toque, e em cuja or-
dem se dirigirlo para o quartel general, onde for-
madas em lioha, executarao o meamo que em
palacio, retiran do-se depois para os seus quar-
teis.
S.j X*$ domingos, reunidas do mesmo modo,
so tejeario eacolhidas pegas de harmona, deven-
do para isso eslarem munidas das necessarias es-
taat-ts, para nellas colloearem os papeia de mu-
sica que devem ser executadas, bem como, tan-
ternas de quatro vidros convenientemente dis-
poslas: no primero domingo compatir a pri-
meira banda de msica levar aa estantea ; no se-
gundo domingo a segunda, e asslm sucessivs-
menle at a ultima.
4.a Na retirada aosdomiogos, tanto de palacio
como do quartel general, serio as pracas que con-
duzirem as lanternas destribuidas pelos flancos,
de modo que sejam sempre aa bandas acompa-
ohadaa de luz, aaguindo na retarguarda as pracas
que co.oduzirem as estantes.
5." O corpo a que tocar dar estantes, ser a-
companhado de todos os seus cornetas on tam-
bores disponiveis, para que formado a direila
daa bandas executem o que vai determinado na
disposico sogunda.
6.a Urna escolla de i2 pracas inclusive 2 ca-
bos, commandada por um inferior, acompanhar
a msicas, guarneciendo pelos flanco, ten Jo um
cabo na frente e outco na retaguarda, para man-
iereis a ordem das mesmas; e prevenirem quaes-
quer disturbios. '
Esta guarda ser sempre dada por ada corpo
ordem lucessiva marcada para as bandas.
7.a O ais antigo dos mestres dirigir sempre,
nos casoa preciaos, a ordem em que cada urna das
bandas deve comecar o toqae, aem qae jamis se
iogira na regencia das mesmis, que privativa
dos respectivos mestres, salvo o caso em que ss
execucoes forem geraes ; porque entao s um as
regeroSH que a ordem eharmona sejam divi-
daa-ento conservadas.
8.a Finalmente, 6 ou S dias sotes daquelle
qae sto considerados de fesls nacional, como
sejam o 2 de dezembro, anniveraario oatalicio de
sua mageaiade o Imperador, o 7 da aetembro, da
proclamarlo da independencia do imperio, o 45
de marco, do juramento a consiituigo pglitica
da nacao, e bem assim, o 11 dentario, annirer-
ssrlo natalicio de sata magestada a Imperatriz,
baver ensaioa geraes dos bymnos imperial e da
independencia para aaudarem a aurora dessea
dias, e ao recolhsr a norte seguiado-se ludo maia
que j se tem praticado.
O general commandante das armas espera que
os Srs. com man Jantes do* corpos tomando o maia
vivo interesse pela eiecugao das disposicoes que
vo cima exposlaa facilitem aos mestres de suas
msicas lodos os meios para que alies possam por
sua parle esmerarem-se^o aperfeicoamenlo das
bandas que Ibes esto eomiadaa.
Assigaado. Solidonio Jote Antonio Pereira
de Lago.
ORDEM DO DIA ADDICIONAL A DE N. 54.
O geoeralcommandante daa armas faz publico a
guarnico que hontem mandou considerar preao de
correico no hospital militar, o Sr. teoeole do 2o
batalbao de infantera Joaquim Antonio de Mo
raes, por tero respectivo Sr. coronel comman-
dante em officio de.31 de marco ultimo aobn. 227
participado ao quartel general que este Sr. tenenle
estando no commando da 4a compaohia em todo
o mez, no dia 29 deixou de comparecer no quar-
tel nao obstaote ter recebido ordem do Sr. capi-
lo fiscal para que estivesse presente, atiento ao
alrazo em que estavam os papis de coolabilida-
de de sua compaohia, que deriam ser recebido
no acto da prxima revista de mostra. No diase-
guinte querendo esteseobor official continuar na
mesma Calta, pedio dispensa, allegando encom-
modos de saude, mas que no dia 1 do correte
compareca na revista de mostra, e que quando
isto se lhe negasse dara parte de doenle. Ea-
tendendo o mesmo Sr. coronel commaodante que
nao devia consentir nesta especie de convenio,
deliberou que o referido Sr. taoente fosse para o
quarlel cuidar da promptificaco doa papeia da
compaohia que commandava, e a resposla a esta
deliberacao, toda fundada as conveniencias do
servico da disciplina; fui recebar a arojectada
parte de doenle ; pelo que ordanou ao aenhor fa-
cultativo do dia ao batalbao, que lhe passssse a
competente baixa .para o hospital militar aa for-
ma das orden em vigor.
Faz publico igualmaote.qae approvou o eoga-
jameolo qae no dia 29 do mez passado contrata-
ran) o anapecada Manoel Antunes da Costa e o
soldado Miguel Luiz da Purificacao, ambos da
companhia de artfices desla provincia, para aer-
virem por mal seis aooos oos termos do decreto
e regulsmento do 1' de meio de 1858, conforme
panicipou o respectivo Sr: capilo commandante
em officio de 31 do dito mez de marco sob o
o. 62.
Finalmente, que no dia 31 do sobredito mez se
appresentaram no quarlel general rindo da corte
com destino a provincia do Cear, demorando-ae
neata provincia oimervallo da chegada de um ou-
tro vapor, oSr. alteres do corpo de estado-maior
de 2a classe H-nrique Ere val i i ao Biltencourt
Tourinho, ajudante de orden da presidencia da-
quella provincia ; das Alagoas Cum destino de re-
col her-se ao seu corpo o Sr. alteres do 2* bata-
lhao de iofantaria Joo Barbora Cordeiro Feitoza,
que tendo igual permisso para demorar-se all,
,excedeu-a por ter adoacido, aendo a sua moles-
lia comprorada em inspeccodeaaude, conforme
coraraunicou a respectiva presidencia em ofncio
de 29 do pretrito mez.
AssigD ado.Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
Conforme. Candido Leal Ferreira, capilo
ajudante de ordena encarregado do detalhe.
ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL.
SESSO DE 31 DE MARCO DE 1862.
Presidencia do Sr. Visconde de Camaragibe.
{ Conduelo.)
E' lido, spoiado, entra em discussio o appro-
va-ae aem debite o aeguinte parecer :
A commisso de poderes, tendo exsmioado os
diplomas e actas qae lhe foram presentes relati-
vos s eleices do Ia e 2* districtos, conheceu
que_ elles foram feitos regularmente a que a apa-
rarlo feita pelas cmaras muoielpaes competen-
tes se acba conforme ao resaltado de cada um
dos collegios de qae aquellas distados- se com-
pem, pelo aae de parecer, que sejam reco-
nbecidos e dectarsdos deputsdos pelo 1* distric-
to os Srs. viiconde de Camaragibe, Dr. Augusto
de Souza Leo, bario de Munbeca, Dr. Joaquioi
P. Machado Portella, Dr. Tbeodoro Machado
Freir Pereira da Silva, Meooet Coelho Cintra,
Dr. Cypriano Fenelon Cuedes Alcoforado, e pelo
2 distrelo, approvando-se a ele^o da freguezia
de S. Lourenco deTejacupapouHlmamente feita,
os Srs. bario de Vara-Crui, Joaquim Pedro Bar-
reto de Mello Reg, Drs. Joo Joveacio Ferreira
de Aguiar, Francisco Joo Carneiro da Cunha,
Joo F. de Arroda Falca o, Honorio Fiel de Si-
maringa Vateocado, Joo Fraocisco do Amaral,
Dr. Jos Mari Moscoao da Veiga Pessos. E
porque a cmara aparadora do 1* diitricto, bem
como os collegios de Olinda e Iguarasa do 2*.
com a respeclira cmara aparadora, foram omis-
sos no cum primelo do dever imposto pelo srt.
79 da lei regulamentar dak eleices, anda a
commisso de parecer que se officte ao presi-
dente da provincia para Ibes commtnar as penas
do art 127 g 1 os 1 e 2 da mesma lei.
Sala das commtsses, 31 de marco de 1862.
Joaquim de Souza Rei. Ignacio do Reg Bar-
ro Brrelo.-Henriqne Pereira de Lueena. .
Sao declarados depotados todos aquelles se-
ohores a quera se refere o parecer cima.
E' lido, spoiado, e entra en dlscasso o ae-
guinle parecer :
as elei?oes do 5o districto ha apenas a notsr
que os eleitores da freguezia de Salgueiro, que
aao em numero u"e doze, devendo azer collegio
com os da freguezia de Oureury, na s le desta,
como fol designado pela presidencia da provin-
cia, pretenderaar faz-los' com os ds freguezia
de Gabrob, de cojo termo faz parte aquella mes-
ma freguezia, e nao convindo isto- aos eleitores
de Cabrob, se reaniram em ama cass particu-
lar aob a presidencia do juiz de paz maia votado
da sua frtguezia, mas oa villa de Cabrob, e
proeederam eleicio que coaita da acta qae re-
metierais. *'
Ora, considerando a commisso que, nio obs-
tante a irlegalidade coto que procedea ti presi-
dente da provincia, contemplando a freguezia de
Salgueiro no collegio de Ouricury, quando aquel-
la freguezia faz parte do termo de Cabrob, pelo
que digno de censara, devendo-se-lhe Iszer ef-
lectiva a responsabilidade por tal acto, todava
nao podiam os ditos eleitores reuoir-se em ou-
tra parte que uio fosse a villa de Ouricury, e
com os eleiiores da freguezia deste nome ; e por-
que assim nio proeederam, entende a commisso
que sua reunio foi illegal, e nulla i a eleico que
UzeraoJ.
Assim anoallada esta eleiejio, nada bavendo
que affecte a legalidade daa eleices dos dEfe-
rente collegios de que o districto se compoe,
o resultado o mesmo que foi verificado pela c-
mara apuradora, que tomou em separado a vota-
cao dos referidos eleitore de Salgueiro, o que
nao leria alterado, quando mesmo diversamente
se julgasse.
Nestes termos a commisso de perecer que
sejam recoohfl'cidos e declralos deputadoa os
Srs. vigario Manoel Lopes Rodrigues de Duros,
Dr. Francisco de Araujo Barros, Dr. Antonio
Bapdsts Gilirsnns Costa, padre Margal Lopea de
Siqueira, vigara Francisco Pedro da Silva, cone-
go Joaquim Pinto de Campos.
Os collegios de Tacarat, Boa-Vista e Villa-
Bella deixaram de rametlar as respectivas actas,
e portanto se deve offlciar ao presdeme da pro-
vincia para que faga recibir sobre elfos aa perras
da leu
Sala das commisidef. 31 de marco da tafia
Joaquim de S)uza Reis. Francisco do Reg
Barre Barretto.Henrique Pereira de Lueena.
O Sr. Baro de Muribeca julga que se a assem-
bla proviocial approvar o parecer da commisso
de poderes pela manelra porque elle est redigi-
do, praticar um acto em Inteira desharmonia
com um precedente havido na cmara dos Srs.
depulados em idntica questo, e por isto chama
toda a atteocio de seas nobres collegas para o pa-
recer e para a sua votacio.
Talvez devldo a odens mal dada, mal dirigi-
das, ou mal entendidas, a freguezia de Salgaefro
voiou ni eleico geral fazendo um colregio sepa-
rado, e nem por isto deixou esta eleico de ser
approvada pela cmara dos Srs. depulados ; co-
mo, pois, quer hoje a commisso de poderes que
a assembla provincial aeja mais exigente e re-
prove a eleicio de salgueiro?I
Nao advoga interesses de pessoa alguma, nao
desejs mais do que ver harmooia entre o acto ds
assembla proviocial e o da cmara doa Srs. de-
putados, harmona tanto maia fcil de existir,
quanto nenhum prejuizo dalla resulta, pois qae
seja qual for a deciso da assembla, o resultado
da eleico f o 3.* districto sempre o meamo.
Termina, declarando, que lhe parece maia re-
gular approvar-se o parecer supprimindo-se a
parte qae aonalla a eleicio de Salgueiro.
O Sr, Souza Reis sustentando o parecer da com-
misso de poderes ds qual relator, expe os
motivos qae levarsm essa commisso a pedir que
seja annnlladaa eleico de Salgueiro.
Vai meaa, lido, spoiado e entra em dlscas-
so o seguinte requerimento:
< Requeiro quo a questo fique sdiada neata
parte, para que ae pegara ioforraaces ao presi-
dente, ae este officiou destazando o aeu engao,
para que o collegio se reuniese no lagar desig-
nado por lei.A. Cuoha e Figueiredo. o
Julga-se a materia discutida, e o requerimento
posto votos regeitado, sendo approvado o pa-
recer da commisso.
Sao declarados depulados os senhores de qae
tratara o parecer da commisso.
E' lido, apoiado e entra em discussio o parecer
da commisso sobre a eleigo do terceiro districto.
Vai a mesi lido, apoiado e entra em discusso
o segfiole requerimento :
< Requeiro o adiamenlo da parte do parecer
relativo a eleico de Agua-Prel at que a assem-
bla seja constituida.G. de Drummund. >
O Sr. Drummond : Nao devolveu seu dis-
curso.)
O Sr. Baro de Muribeca : Nunca desejou
que houvesse urna discusso Uo ampia como a
presente e entretanto deaconfia que se vote o
parecer da commisso sem mais debate.
Nao tem formado anda o aeu juizo sobre a
eleicio do 3a districto, apenas sabe de alguma
cousa que ali se deu por noticias particulares, e
eotretanto tioba muita vontade que algumas
pessoas bem informadas lbe patenleassem aa
miserias e nullidsdes qae lhe consta se deram
naquella eleico.
Ioleressa-se mui pooco pelo 3o districto, con-
serva delte maltas recordaces, por ter ali mora-
do e trabalhado em eleices, e deseia que os
seus verdadeiros interesses sejam respeitados o
garantidos.
Nao ple oeste m o mente deixar de lastimar o
estado de abjeceo a que estilo reduzidss certas
influencias eleilorses de nossa trra, aa quaea ao
menor accesso de qualquer aatoridade, ainda
mesmo das de carador mui secuadario, se cur-
vara, e obsdecem cegamente.
Tem noticias particulares de que oas ultimas
eleiges se proceden de urna maneira muilo mi-
ervel em alguns collegios eleilorses, aconte-
cendo at que em alguna nem ae quer se fizeram
eleices,eapenaa arraojaram-ae votacoes a bicco
de peona, chegsndo se a contar votos de eleito-
res ausentes. Chegaram as cousas s tsl ponto,
qae foi tesiemuaha da levlandada de alguem,
que todo contente e saiisfelto chegaolo a esta
cidade ao dia em que ae apararan oa votos do
collegio de Santo Antonio effirmava aaber com
cerlexs, e antecipatamente do resultado da elei-
co da Escsda e Santo Antio I Como amigo do
systems representativo lastima semelhaotes tac-
tos, a deseja instaatemente ver desspparecer
semelhantes basas, porque elles a podem trazer
em resaltado o discredito de urna to excelleota > Padre Tilo de Barros Corr&a .
instituico. Ih-. Fraocisco Jos F. Gilirana.
nao esperara pelo resultado havido na volaco Joo Braulio Correa a Silva.
do parecer que tratara da eleico do 5 circulo,
mas sssim mesmo nao lastima tanto este resal-
tado quanto lastimar am mo resaltado oa
questo que se discate, visto qae 11 nao se
offeodlam interesses de pessoa alguma, entretan-
to que aqai tal rez s venfaam a ferir direitos de
pessoas que os tem bem adqueridos.
Admirs-se nao ver lancsr-se oa discusso os
nobres_ membros ds commisso de poderes, a a
sua admiraco sobe de ponto vendo eocolhe-
rem-se os depulados desee clrcolo. Provoea e
chama para a discussio esses seus nobres
collegas, e desoja deltas oovir coasas, que o
habiliten! a dar um voto consciencioso,
Em refereocia urna aaseversco feita pelo
oradorjiue acaba de fallar, tem smeote a dizer
que nao lastima tanto a perda de urna eleico,
quanto lastima a impudencia de certas autorida-
des, que ae attrevem publicamente a negar a
verdade conhecida. Reffere-ae a quem aaseve-
rou na commisso dos senhores deputsdos que
a villa de Agsa-Preta era apenas una freguezia
quando eitava jl osa localidade revisiida da
calhegoria de villa.
Como lhe conste certas cousas, como lhe ta-
nhsm dito por exmplo, que em Serinhem nao
se installou a mesa elsitoral, ou ao menoa, que
l nao tenha havido acta de initallaco da me-
sa ; que em Rio Formoso o collegio nao precisou
reunir-se, e ontras cousas mais, por isto que
emprega todos os esforcos para que se sbra ums
discusio franca.
O Sr. Cunha e Figueiredo:[Nao devolvea
seu discurso.)
O Sr. Drummond:(Nao devolreu seu dis-
curso.)
(*Sr. Netto julgarido multo oecessario o adia-
manto propoito, pede a eaaa que vote por elle.
O Sr. Barros Brrelo d as razes qae levaram
a commisso a formular o parecer conforme fol
submettido considecaco da casa.
Vai a mesa, lido, apoiado a entra em dis-
cussio o seguinte requerimento:
Requeiro que pensando o adiamento e parecer
volte commisso liara dar a sua opinio sobre
os depulados acerca doa quaes nao affecte a nul-
Udade do colle^ovda Aga-Preta.Figueiredo.
1.' lida, apoiada % entra em discussos seguin-
te emenda: ao reqoertmaoto do Sr. Gaspar aug-
mente-seficando tainbem adiada a eleico de
deputados, a cuja verifleaco sffocla a collegio
de AgtM-Preta.S. R.J. de Mello 'Reg.
_ Vai a mesa lida, apoiada e entra em discus-
so s seguinte emanda:
Que ae appro ve a eleico de Agua-Preta e
que aeja declarado deputado o Sr. Drummond
em lugar do Sr. Ferraz.Baro de Muribeca.
O Sr. Luiz Felippe sustenta o parecer da com-
misso, e julga que elle deve ser approvado pela
casa.
O Sr. Bario de Muribeca depois de verlas ob-
servaces aerea da eleico da Agoa-Preta e do
procedimento do presidente da provincia em re-
lacio a reunio doa eleitores naquella villa, ter-
mina auatentando a emenda que offereceu e pe-
ilindo D> pprT00'7. ---------
Julga-se a materia discutida e posto saccessi-
imenie s votos os requerimentos 'cros Srs.
96
W n
88
76
62
60
52 a
51 a
i
37
36 0
25
24
19
17
1' 0


,0

Miguel Archanjo de Almeids.
Padre Frsnciaco Paixoto Doarte. .
Dr. Jos Tbeodoro Cordeiro .
Luiz de A. Maniz Pereira ....
Aprigio J. da Silva Guimaraes. .
Luiz Paulino de Hollauda Vascon-
cetlos ..........
Joiqoim Antonio de Castro Nones
Cooselheiro Dr. Francisco de P. Bip -
tisla...........
Tenenle Antonio VilelU de Castro
lavares.........
Dr. Francisco Augusto- da Coala. .
Or. Manoel Antonio da Fonceca. .
Jos de B. Correa Sette. ....
Dr. Joaquim Borgea Carneiro. .
manoel de Fonceca Medeiros .
Dr. Marcos Correa da C. S. .
Luiz Aurelio de Godoy.....
inclusive o voto em separado do eleitor de Gara-
nhuns_ Antonio Cordeiro Manco; resultado este
que nao poda ser alterado quanto aos cinco pri-
meiroa votados qualquer que seja a aorta do col-
legio de Baique, porque em Agais Bellas obti-
veram votos:Dr. Catanho 28Dr. Mello Reg
28-Dr. Witruvio 28Dr. Castor 24-Teoente
Vilella 20Padre Duarte 19Dr. Uilirana 12 e
Dr. Bandeira 8; em urna eleicio da duplicata do
BuiqueDr. Mello Reg 40Dr. Bandeira 40
Luiz Paulino 36Dr. Castor 34Dr. Catanho 28
Dr. Witrovio 28Padre Duarte 20 Padre Ti-
to 13e Miguel Archanjo 1; a na outra eleicio
da duplicata.Dr. Mello Reg 31Dr. Castor 32
Dr. Witruvio31Dr. Catanho 30Padre Duar-
te 25e Dr. Gitirana 21.
E' portanto a commisso de perecer que sejam
recoohecidos e declarados depulados peio4. dis-
tricto os Srs. Dr. Lourenco Francisco de Almeida
CatanhoDj. Francisco Raphael de Mello Reg
Dr. vntonlo Wilruvio Pinto Bandeira Accioli
de vasconcellosr. Aolonio Raogel de Torres
Bandeira, mandando-se proceder a eleicio de um
deputado para preencher a vga deixada pelo fa-
lecimento do Dr. Rodrigo Csslor de Albuquerque
Maraobo, e quo fique adiado o reconhecimento
do 6a deputado para depois que esta assembla
tiver aparado os votos e documentos cima re-
queridos.
Os collegios de S. Benlo e Bonito nao remet-
ieran) as competentes setas; entende, pois, a
commisso que se deve offlciar presidencia da
provincia para que lhes sejam impostas ss penis
da lei.
I Sala daa commisses, 31 de msreo de 1862.
Joaquim de Souza Reis. Ignacio do Reg Bar-
ros Barretto.Heorique Pereira de Lueena.
Vai a meaa, lido, apoiado e eotra em dis-
cusso o seguinte requerimento:
Requeiro que seja adiada a discusso 'na
parta em qae admilte a eleigo de Bonito e
Grvala, e exclue a de Bexerros, at quo a c-
mara esleja devidamente constituida.S. R.
Braulio.
O Sr. Braulio sustenta o sea requerimento.
Julga-ae a materia discutida e posto s votos o
requerimento regeitado, sendo depois appro-
vado o parecer da commisso.
Sao declaradoa deputados pelo 4 circulo os
* ^' "*'*. w tt^ssrStoT^ttmiSS
tlcando prejudicada a emenda do Sr. Mello Re
ao requerimento do Sr. Drummond, a a emena
do Sr. baro de Muribeca ao parecer.
E' lido, apoiado e entra em discusso e appro-
va-se sem debate o seguinte parecer:
A commisso de poderes em cumprimento
da votac&o havida agora na eaaa de parecer
que aejam declaradoa deputados pelo terceiro
districto os Srs.:
* Dr. Maooel Buarque de Macedo Lima.
2 Jos Antonio Lopes.
3* Dr. Alvsro Barbalho TJcha Cavalcaoli.
4 Vigario geral Antonio da Cuoba Figaeiredo.
5a Dr. Manoel Netto de Souza Bandeira.
6* Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leo.
7 Dr. Luiz Filippe de Soasa Leo.
8a Dr. Pedro Affonso Ferreira.
O Sr. -Braulio relira-se da sala das sesses.
O Sr. Presidente declara que vai-se officiar
o presidente ds provincia partitipando-lbe que
a assembla acha se com numero safficiente de
deputados para poder ser installads, e levanta a
sesso,
Eran 3 horas e 3/4 da tarde.
SESSO PRESIDENCIAL DA ABERTURA EM O
1 DE ABRIL DE 1862.
Presidencia do Sr. Visconde dt Camaragibe.
As 11 boras da manha reunidos no salo da
assembla diversos Srs. depulados.
O Sr. Primeiro Secretario participa-Ibes qae
o secretario do governo officirs communicando
que boje a urna hora da tarde o Exm. presidente
da provincia vira 1er o sea relatarlo, e abrir a 1*
- -------------------- uu xiitif luvtn na i
a Sal das commisses 31 de marco de 1862. sesso ordinsrls da presente legislatura.
Barro Bsrreto.P. de Lueena. > I O Sr. Presidente convida aos Srs. deputados a
ii*V"m S52!?0 ***** oarecer : irem assistir na igreja do costme a missa voti-
f .SEi0-4 d,,tr'c.lc-...... I va ao Divino Espirito Santo.
a Compoe-se o 4a dutriclo de seis collegios, a Retiram-se todoa.
" *l a. A meta hora depois do meio dia reunem-se de
aiHnhn n r"aaUCca,n,S.fre8ufI^de8,enon,e' novo na sal das sesses ds assembla os Srs.
I &flXSSS* S- c,elno da RP" ; deputados Visconde de Camaragibe, Piulo de
- v a! ^"aQhuns 1 Campos, Clnlra, Arroda Falco Mello Reg (Joa-
l a 2! ^"P?"?0 quim) Pedro Aflonso, Ferreira de Aguiar. Luce-
m.*~tm "ooito com as freguezias deste nome,f Da, Moscoso da Veiga. Netto- Cunha e Figuei-
.,Z Jcd .' i,ed. Souza Reia, baro de Muribeca, Feoeloo,
1 ? B Wilruvio, Torras Baodeia, Barros Brrelo, Aa
Ci de poderes qae affeciaisa legalidade da aos Srs. Fenelon, Baarque
8US.( resPeclva eleices, notando apenas que o Moscoso.
collegio de Garanhuns so tomou em separado o '
voto do eleitor Aotonio Cordeiro Manco, por te-
rem alguns eleitores opina lo que, nao obstante
ter a aorte decidido a aeu favor em concurrencia
com outros de igual numerado votos, ns ultima
eleico de deputados geraes, novo sorteio se de-
va fazer.
c No collegio do Bonito somante se reunirn
os eleitores daa fregaeziaa deate nome e de Gr-
vala, volando os de cada ama em separado, por
nao terem sido alada recoohecidos os de Bonito.
Os eleitore da fregaezia de Bezerros, porm, se
constituirn! em collegio distiacto sob a presi-
dencia do 5 rotado para jais de paz na freguezia
do Bonito.
Ne collegio do Buique so reaniram os eleito-
res da freguezia de Aguae-Bellas e eleiiores em
duplcala da do Buique, todos alada nao reconbe-
cidoa.
Nao tendo sido remettidas esta asiemblea
as setas, assim das eleices primaras das fregue-
ziss de Aguss-Bellas e de Buique, como da se-
cundara do respectivo collegio, entende a com-
misso que nao se dore pronunciar jaizo algum
sobre taes eleico-j, sem quo sejam presentes
esta assembla aa referidas actas ; pelo que re-
quer que com toda a argeocia ae as requesite por
intermedio da presidencia da provincia, bem
como a portara do governo quo approvou a elei-
go do juiz de paz do Buique o quaesquer deci-
ses do governo geral a reapoito.
i Pelo que reapeita a eleico do Collegio do Bo-
nito eotende a commisso que deve ser ella ap-
provada contaodo-se os votos asslm dos eleito-
res de Bonito como de Grvala, por nada coos-
lar que as invalide. Quanto porm a reunio
dos elaltores da fregaezia de Becerros em sr-pi-
rado, sendo ella illegal por mais de ama r*zo
substnncial, entende s commisso que se nao
pele toma la em cosideracao e ae deve annular
a eleico por ella feita.
Assim pois, pelo ezposto sao liquidas as elei-
ces dos collegios de Cunar, Bonito, Garaohus,
Papacaca o S. Bento, cujos eleiiores formam
grande maiora do districto, o apuradoa os seus
votos o resultado o seguinte:
Dr. Lourenco Frsclsco de A. Catanho 167 tolos.
de Macedo e Veiga
a chegad do
Dr. Fraocisco Raphael de Mello Reg 128
Dr. Aotonio Witruvio Pinto Bandei-
ra Accioli de Vasconcellos. 119 >
Rodrigo C. de AibaquerquMaraoho '117
Antonio Rangel de Torres Bandeira 106
Suspendeu-se os trsbalhos at
Exm. presideote da provincia.
A ama hora da tarde continuara os trabalhos,
e iotroduzido pela reapecliva commisso o Sr.
presidente ds provincia que depois de tomsr aa-i
sent l o seguinte :
RKLATORIO.
< Srs. Membros da Assembla Legislativa Pro-
vincial.SI ao ver-me oeste lugar exercendo a
fuocc9o porveotura mais relevante do cargo qae
ora oceupo, experimento aubida honra em assis-
tir ao acto solemne da ioatallacio da assembls
legislativa da miaba provincia, sinto-me igual-
mente possnido ds mais viva aatisaco ao consi-
derar que, deputado provincial tanbom, dirijo a
palavra collegas, eom os quses teria de echar-
me hoje reunido, o cujos irabalhos talvez breve
tenha de compartilbar.
Haveodo apenas decorrrido o curto espado de
11 dias depois que, obtendo s demissio que soli-
citara de preaidente desta provincia, pasaou-
me a respectiva administrado o Exm. Sr.
commeodador Antonio Marcelino Nanea Goncal-
ves, jolgo qae satisfago o proceito do art. 8.*
do acto addicional coostituigo poltica do im-
perio, offerecendo, como ofiereco, voasa Ilus-
trada considerago, o importante relatorio, que
em virtude do aviso de 11 de margo de 1818, me
foi por elle apresentado.
Neate minucioso trabalbo que bem revela a es.
clarecids intelligencia, coohecimentos adminis-
trativos, o inaonteatavel zelo polo aervico em
qaem o elaborou, encontrareis nao s circuns-
tanciada expoaigo e jodicioio aproclamento doa
negocioa pultlieoa em Peroambuco, qur propia-
mente provinciaas, qur asnea, aeoo tambera
as providencias qae aquello lllustro administra-
dor Indica no intuito do melboramento da pro-
viocia.
Entretanto, nao devo prescindir de dar-ros re-
sumida noticia do que de maia momeoloso ha oc-
co'rrido depois da entrega desse relatorio.
Mu grato, senhores, me anounclar-vos que
contina inalteravel a precioss sale de S. M. o
Imperador, de aaa anguila Consorte, o dos charo
penbores da djroaatia imperial.
Folgo aummameote por ter de declarar-vos que
acba-se a provincia na mais perfeita paz.
Dan do-vos a lisongeira noticiado que, legan-
do commuoicou-ma o juiz de direito d-j comar-
ca de Nazareih, acha-so all extioeta a epidemia
tjasete, quo celfra nao psqueno Rumoro de Ti-
das, sinto duer-vos que esse terrivel flsgello ou
tem recradeseido como nss fregnezias da Laz a
de 9. Lourenco da Malta, onde j ia em mui
grande declinagfio, ou tem feito ana appuico
como os ridades da Victoria e de Caruar e oa
treguezia de Iogaxeira. Para todoa essea lugares-
tenno expedido promptameote aa precisas provi-
dencias, remetiendo ambulancias e inatruece
Rara o traramento do cholera, e fazeodo a con-
SBoieates recommendaces s autoridades lo-
ca es.
Inspirando-me serio recelos a cidade da Vic-
toria, em eonsequeoeia das ms condicoes by-
giemcas da sua localidade, que tanto concorre-
ram pata os funestos resultados, que ezperimen-
tou dessa epidemia em 1856, e devendo merecer
particular cuidado por aer lugar da feirs de rau-
do parte do gado de couiummo desta capital jul-
guei prudente mandar para alH, alera daquelle
soccorroe, um facultativo para medicar imme-
diatamente aa pessoas que fossem aff >ctada; e
poder assim prevenir maior desenvoivimenio do-
mal que se rruba maaifeatado, fazendo sxente
cuas victimas de 22 a 27 do passado.
Iguaeo providencia foram toasdas rea.iva-
mente cidade de Caruar, onde a epidemia ap-
pareceu fazeodo 27 victimas dentro de mui pou-
cos diss._ O digoo juiz de direito da ce marca do
Bonito nao hesitou em rnterromper a li enea, em
cujo gozo se acbava nesta capital, para seguir
immeiiiataaeote par aquella cidade levando
comsigo o medico e mais aoccorros ella desti-
nados ; e de esperar que o interesse, qae elle
maniftsta pela aorte dos seus comrcaos, concorra
para anima-los em lio- critica conjanctura.
Quanto- esta capital e seus arrebaides.grajas
Providencia Divina, contina a epidemia com
carcter muilo benigno, e muito branda em seus
effeilos, como o demonstra a estaitatica moriua-
ria computando em 31 os casos fataes bavides de
20 do mez prxima findo at hontem.
A inaeguraco da tercaira secgo da estrsda
de ferro, nao pode verincar-se no dia 25 de marco
ultimo,que para isso havia sido designado. A
copiosisaimis chuvas, que cahiram durante a
aoite odia antecedentes,destruiram dous peque-
os atierros nos pontos denominados Olaria e
Minas-Novas, fazendo com que os Ireos destina-
dos inauguraco nao podessem ir alm do en-
genbo Contendas, 3 leguas distante da villa da
Escada. Est-so procedendo sos reparos preci-
sos, e segundo me informa o eogenheiro Bacal
brevo poderaer franqueada ao tranaito publico a
referida aeceo. Entretanto, julguei conveniente
declarar ao meamo fiscal, que em vists dsquells
incidente nao devia elle considera-la inaugurada,
e que s pedera ser aberta ao trafego publico)
depois que, repetindo elle a necessarias espe-
rienciss exames, que eram de esperar do seu
zelo, emittisse o sea juizo oa conformidad* do
aviio de 10 de oalubro ultimo, afim de a presi-
dencia prefixar novo dia para a inaaguraco.
Srs. deputados pruvinciaes, encetai vossos trs-
balhos : seja esta sesso legislativa assigoalada
por actos de verdadeiro amor da patria.
No deaempenbo da vosst bonross raimo, po-
dis cootsr com a msis decidida coadjavacio em
ludo o que de mim depender, assim comoeu
cont sem a menor hesitsgo com o vosto auxi-
lio, com a vosaa illustrago. A nossschara pro-
vincia reclama de todos reciprocidtde de esfor-
cos em pro do seu engrandecimento e da sua
prosperidad.
Finda a leilur do relatorio relira-se o presi-
dente da provincia com as mesmas formalidade
com que fra ialroduzido.
Le-se e approva-ae a acta da ultima sesso
preparatoria.
O Sr. Primeiro Secretario menciona o 3f guite -
EXPEDIENTE.
Um officio do secretario do governo remetien-
do copia do officio que approvou a eleicio de
juizss de paz do Buique, e declarando que oa
actoa da eleico primaria do Baiqoe e Aguas-
Bellas foram remettida ao governo imperial.A'
commisso de poderes.
ORDEM DO DIA.
Eleico da mesa.
Procedeu-ae a eleico da mesa que fica com-
posta pela maneira aegainte:
PresiOente.
O Sr. Visconde de Camaragibe.
1* Secretario.
O Sr. Luiz Pelippe.
2 Secretario.
Mello Reg.
Supplentes.
Torres Bandeira.
Wilruvio.
Feoeloo.
Passsoda-s a eleigo das commisses ficam
aasim constituidas.
Commisso de eonstiluico e poderes.
Oa Srs. Souza Reis.
Barros Brrelo.
Feneloo.
Commisso de orcamento provincial.
Os Srs. bario de Muribeca.
Barros Barreto.
Souza Reia.
Tendo dado a hora o Sr. presidente designa a
ordem do dia e levanta a aesaio.

0 Sr.
OSr.
REVISTA DIARIA-
Hontem, depoia da miaaa votiva do Espirito-
Santo, a que assislirsm os Srs. deputsdos aa igra-
ja do Corpo-Santo, foi inatallada a sesso da as-
sembla provincial pelo Exm. Sr. vice-presidenle
que por essa occasio leu una addico das oc-
currencias havidas, depois queaseamtoa admi-
nistrago da provincia, offerecendo*o relatorio con
que lhe pastara o Sr. Nunes Goocalvee a nosna
admioistrsco.
Retralo S. Exc. em seguida can aa formalida-
des do estylo, o acompanhada pelos Sr. Feoe-
loo, Baarque e Moscoso, nembros da comoiissae-
oomeada para a aua recepgo, proeaaaa-se no-
lacio da mesa ; a qual fieou compeeea das Srs.
Visconde d Camaragib, preaidente.
Barn de Vera-Cruz, vice-presidenle.
Luiz Felippe, secretario.
Joaquim Mello Reg, 2a dito.
Constituida a mesa, passou-se a eleicio daa
seguinte commisses, cujo resaltado tai o se-
guinte :
Constltalco e poderes.
Barros Barreto.
Souza Res.
Fenelon.
Fszoads o orgamenlo.
Bsrio do Muribeca.
Barros Barreto.
Souta Reis.
Na ooticia que domos acerca dos deputadoa
reconhecidos, perteocontet ao S* districto esca-
pou-nos mencionar o nome do Sr. vigario geral
Dr. Antonio da Cunba a Figueiredo ; o que ora
resta bolseemos com estas patarras.
Fallecen hontem nesta eiaade a Sr. con-
mendsdor Aatoni; de Paula Soasa Leio, aenhor
do engrana) H-iUs, a tem de ser sepultado boje
s 4 horas da tarde.
Homero, alsUocta par sus familia a por seo amor
0 trabalbo, o commeodador Antonio da Paula
goxou sempre de geral oslina des seos con cid a-
do, e por mala do ama voz foi considerado pelo
governo eom s commenda do Christo a offidalato
da Rosa, alm de sor fidatgo cavalleiro da casa
imperial.


"a
1
II
r-^i\ fr-1


DIARIO DE PEBNAMBUCO.
_
A su* A&rft 8 poistMlida*p'OTleos nuttlerbsos*
amigos e por seus diatinctos fllho, b '-Trniotjej
por todos que tiveram & honra de conhece-lo e de
apreciar o seu cmcter. { '^| J j..!,. ;.*<.-ag"
De nossa parle damos nosiot TwdaleirOi peza-
mes aua numerosa taaMll* ots ereciklIMte *
seu Gibo e nosso amigo o Sr Dr. Ignacio Joaquim
de Souza Leio
Itif.irmam-uos que a estrada de Pao-4*
cha-se completamente arruinad*, a ponto de di
tjculiar o transito, rendo per isto urgente que
eflectuera taes concerios. o* ao meso* que
aierrem cerlos buracos, que nalla existen.
E' igualmente preciso que se atienda ao atad
que era aprsenla a ladeira do Liberato, rame
ma airada. Tendo-se gasto o respectivo
(framento, ache-se cheis de regos, e por conse
z.uinte reduzit* a uin precipio paca- transito de
Vehculo?. #
Isto posto, importa que algunas providencias
sejam dadas nu inieresse meamo de evitar maio-
rea desperas.
A c-cusacao perqu paaaou,.va prisa qeje
ora sotfro o religioso carmelita Fr. Ilerculaoo, por
queixa de um Sr. ae en gen lio da comaica da San-
to Auto, em consequencia de pedir o referido
religioso o honorario i do aeu ministerio na quali-
dade de capello daquelle Sr. de eogenho, um
desees (autos que remitan*'os nimos, -(eremos
coraces menos roclos, e dio margen a pensar-
se, que s deve v i ver neate mundo quem pratiea
o ml actntosamente.
Ser i>lo um eieesso de pessiaiismo, mas for-
ra oovir em qae a elle se i levado em face de
taes emergencia*.
Corr effeito, quando nos recordamos de que em
nossa preseoga o Sr. coasetheiro Cuaba.e Figuei-
redo pedio a esse religioso, que aaitaaae aquella
comarca, e por ventura a todo esse lado da pro-
vincia, da inraso do typho, occasiooada pela pu
trefacglo de uiloceotes cadveres, que all exis-
iiaoi insepulto*, ae passo que ao servgo da in-
faumacaa oppuuha resistencia a tropa, e elle re-
.
SOb
T JJ 1 ti &tl' *\! "'
'0 Sr. ur. Pedro de Aguantara de Miranda
Vnai delegado do termo de Ouricury, auxiliada
pelo Sr. cauilao de primeira lmha Manuel da
GnaaT WBlerley coosrguio capturar o crimi-
no dav-agrie na provincia ao Rio Grande do
norte Francisco Luir de Araujo Galdioo.
r Telo Sr. Simio Geraldo de Gar*albo dele-
gado do termo do Exi foi preso o criminoso de
4um'/r **"*
4 bE ABRIL DE 1864.
ai
rafega Viegre de Sat-
^^fllfelz'^P
ubde
coaseg
do autor do plano de isurreigio que devia ter
regar naquette engerrbp- e~ tnrrrjBf disttictos
Muribeea.
' A priso vericou-ie por iatormaoea do Sr.
alfefs Jote Antonio de Albuquerqaa, subdelega-
do deste urtiae-distrktjo que tndicou exactaanen-
te a casa em que aqueile sagaz preto viva ho-
mislado. i
No termo de Agua-PreU, o lugar denomi-
nado Montes-i, Jo* da Rocha rTenderley ferio
coni um tiro s sea contra-parele Jea Vicente
Oe Oliveira, que (alleceu powco depois.
Diz o delegado que o Tacto fol casual ; ojo
obstante esl preso e procetsado o mencionado
WenOerley.
Reparti oa policu. {Extracto das par-
tes Je 30, di de ruargo e 1 de abril.)
Foram recuihidos casa de deteugo no da29
de margo :
A' ordem de lllm. Sr. Ur. chele de policia Da-
miio ftafeerio Ltns.de 21 anoos da Idatfe, alfaia-
te, e Claudiao Peteira Pinto Cavalcauti, ae 34'
sanos, agricultor, ambos brancas, para recrutas.
A* orden-de subdelegado de-Sinto Afqtenio o
pardo Jos da Rocha Cirneiro, de 28 aunes de
ida le, servente por embriagues e desorden) ; e o
joulo Jos, de 20 armes, copeiro, esera*o de
Apptllagiti ciotit.
Appellable, D. Seohorioha Genoveva
ral ; appellado, o bario d.& Atalaia.
Appellaote, Beatrii Ermelioa Garnelro
nha ; appellado, Joaquina Aurelio de Gu
Ucbo*.
Appellaco crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco An-
tonio- de."

] veeeragio, a homenagem da nosia profunda gra-
do Ama- lidio aoa veneran loa palriarchas da regenerado I
I poltica de. Brasil, aoa bravos veteranos di sua
==
ade#< idfact*.
l4
Coma vasta ao
iusUcjfrtaysegui
II
anta.
o julio
Appellante, o eacravo Aleixo; amellado, Joa- res
nB5 uppuunn rtrsisieucia a 'iiopa, o a ena 10- crioulo Jos, oe W armes, copeiro, eacravo 06
pugnav toda a poputacao ; quaado nos lernbra-^ aj^nciscu Joaquim Pereira Lobo, por lufraccao
moa, de que aceitando elle essa commissao de-
abaega^ao dos lempos primitivos, parti para a
cidade da Victoria sem deteuga, e ahi, cora a ca-
zada em urna mao e a cruz do Salvador na outra,
congregou algamas pessoaa, em quem atada li-
aba poder a religiio, e logreu sepultar lodos os
cadveres, salvaado atinal a comarca de Santo
Anta o do exiorarimo.; quaodo lioalmeute taes re-
cordiges nos-occorrem, e ceroparamos o presen-
te coai o paseado, nao podemos deixar de pender
para o pessimismo oaa coueas humanas.
E ocssa mesma trra da Victoria, que um va-
rSo to apostlico, que o *eu salvador, elevado
aos tribuuaes por um acto, que em outro qual-
quer lugar merretia na trsasmissao noticiosa de
:ni oulra pessoa ? I
E nessa mesma comarca de Santo Aniso, que
um Sr. do engenho, a quem a candada evang-
lica desse Sino de Chrislo ^alvez-salvasse da perda
total a respectiva fabrica, leva i barra de umjui-
10 criminal, pede e ubteat sua condemnncio ? !
E porque tuda isto ?
O silencio dag reticencias maia eloquente do
<]ue quantaa palavras foasem ditas acerca-disto-
..............................t..ri.i>irti.
E' este por certo um dequelleicaso, eos que
ae podem applicar t palavras do Ghristo, pro-
nunciadas na occasiio de ser levado a ciucfica-
cio. Se esles se calsrem, as mesmas pedias ca -
znarao.
Stm.'Qs que nao somas 'al li, nem meaai em
tempo e!gum l morimoa, serviremos da padra
clamaot ; visto que-a ingraiide lera chegado ao
ponto de nao ser ao meaos lamentado por um
Vutorieose sequer semelhaole (acto, alias repul-
sivo e digno de analhemalisacao gersl.
No entauto lal estado deve ter um paradeiro.e
t lo-hs or certo.
O processado em que avultam nove oallidades,
est hoje presente ao superior tribunal da rela-
co, de cuja justiga ha ludo a esperar.
Teauos noticias da tcegueiia de Gravita, as
quaes dam-nos a existeocia do ce pit o Goocalo
Teixeira de Carvalho noexarcicio da subdelegela
d'alli, em cujo cargo vai prest judo oa boas serv-
Cus que eram de esperar de seu carcter e liria*
dea cvicas.
Os dekictos j se nao succedem uns aos oulros.
como eia ciassico naquella (regue?ia 4 os Uiroes
de ova los j levaataram o poiso ; e os (crimino-
sos pantoso.
l'Vu.ita.'iios poia aoa habitantes de Grvala por
este et.ido de seguranza eordem, de que ora go-
2am, grac.is a policia do Sr. capilo Goofalo Tei-
i'-ira de-.Carvalho.
Eis a nonagsimo primeiro
blttim ofU*a.
u Em um of&cio de 29 do met linio, dirigido
da cidade da Victoria presideocia da provincia,
disse o juiz de direilo da comarca de Santo An-
to Dr. Jcs Felippe de Souza Leo, que de-
pon do dia 7 desse mez lio ha na fallec 4o do cho
lera morbus tres pessoas naquells cidade e seas
-suburbios, e tres no Ingar do#mQ*da S. Joau
dos Pouibs., e que ae acbavara afectados sote na
aiesmi tilaie e seus suburbios.
< Oisse oais, que a epidemia s ia atacando as
pessoas indigentes e loma va incremento, e que
elle parta 00 dia seguinte para a villa da Es-
cada, am de abrir a primeira sessio do jury des-
ee termo no dia 31 do refer lo mez, sendo de
presumir que voltasse antes do dia 12 do cor-
rete.
a Em outro cilicio de 31 do meamo mez, diri-
gido da villa da Escada i S. Eic. diese o mesmo
juiz de direito, que linha deixado de enmprir a
determinagao de S. Exc. constante de aeu officio
le28 desse mez.: l.u, porque a epidemia nao
iinha tomado grande incaemento na cidale^da
Victoria ; 2., porque o jury desse termo nao
funccoiiava, havia mais de cinco mez.es, e na
jdea da referida villa eiisliam pessoas que de-
viam er julgad.-s !go ; 3.a, porque no da 28 ti-
olia uomeado un.a comuiiaso para com o pro
duelo Ca subscripeo montiar ura hospital e soc-
correr ae pessoas indigentes que fossem accow-
nietlidae .; 4.", porque estando elle naquella vil-
Id, poda prestar servicos na dita ciliada ; a 5.,
corque-e oelegado era muito. activo, e em sua
ausencia poda dar todas as providencias relati-
vas recommeodacao de S. Exo.
Em uta oQcio de 30 do mez inJo, dirigido
da cidade da Victoria i S. Exc, disse o Dr. F-
lix Moreno Brandan, que ten Jo sido honrado com
a roiitiaiiQi de S. Exc. pira ir medicar os infeli-
ces pesliferados dessa cidade, havia partido desla
capital no da antecedeote pelas cinco horas e
meia da tarde, e que tioba chegado all se II
horas da noite.
< Disse mais, que a epidemia na mencionada
(lale nada ai>reenlava de assuslador, e que elle
tinha viiitado iodos pa doentes, em numero de
oito, dos quaea ficavam mal uma menina, um me-
nino e um homem, e que Ibes havia applicad
medicamentos,.teodo sepultado no dia da data
de seu officio um menino de foro.
Disse mais que em muitos pontos por tora
.;e tem declarado o mal, taes como ejn S. Joao
dos Pombos, Cooceicao e Tabai-Meirim, e que
pretenda ir percovrer no da aeguiata todos os
lugares em que se houvesse declarado a epide-
mia.; accrescentaodo que tinha encontrado all
a melhor orden e boa vonlade, e que, se haven-
do tomado as provi encas desejaveis, elle linha
hju boas esperaasas de que aena feliz m saus
trabalhos.
x Em um officio da boje, dirigido de S. Lou-
roogo da Malta a S. Exc, disse o Dr. Pedru Go-
zar que o numero das pessaas acoommetlidas no '
de posturas,
A ordem do de S.-Jos o pcriugaez Aotohio
de Oliveira GarvaHiv, de 26 anoos de Hade, cai
xeiro por desobedieocM^insullos i um inspector
de quarteiro, os pardos Januario Aires do Nas-
cimeoto, de 25 anuos, alfaiale, e Joaquim Ignacio
de Mello, de 20 annos, leuoeievj ; Defina Rosa,
branca, de-35 annns, coatureira, a a cnoula Mar-
cellina da Silva Pees Brrelo, de 25 annos, tata-,
bera costareira, todas por bnga e insultos.
30
A' ordem do lllm. Sr. Dr. cliefe de polica
Francisco Duarte de Oliveira, branco. de 32 anuos
de i-lade, sapateiro, para avenguacoea.
A ordem do subdelegado de Santo Antonio An-
tonio Vicente Per reir de Souza Mu ni?, branco de
29 anoos, sapatetas-, e o pari Joao de Souza
Eugenio, de S5 annos. mafcSnelro, por lerera en-
contrados brrgaado alia noite, o crioulo Silvestre
Francisco Louvenco do Monte, de 19 annof". car-
pina, por crime de armas defezas ; Naajel dos
Santos da Silva Maia, branco, de 35 anuos, ferrei-
ro, por fazer alarido fora de. horas ; o crioulo
menor, Eustaquio, ndreiro, escravudo Dr. Bus-
que,- o Africano Jorge, de 50 annos, ganbador,
ambos por disturbios.
A ordem do do Reeife, o-crioulo Gabriel, de 30
anoos, canoeiro, escravo de Aona Mara Cavl-
canti de Nasareth, por andar fogilo.
A' ordem do da Boa-Vista Flix. .Sev'erino An-
tonio da Conceigao, pardo, de 25- abos, ganha-
dor, eo crieolo Manoel Xo5o da Costa, d 20 an-
nos, tararieni gabhadnr, ambos por briga baau
comoHoberto, crioulo, de '38 anoos, catraeiro,
escravo do bario do Ljvramenlo, por andar .f-
gido.
31
A'ordem do lllm. Sr. Dr. chele de polica o
preto Pedro da Costa, de 25 anuos de idade, g-
ohador, para recruta. e a preta Simoa, de 32 as-
nos, coztabeua. escrava de Antonio Carueko da
Cuoha, requisicao deste. > .
A' ordem. do subdelegado da Santa Antonio o
pardo Pedro, de 11 annos, sem odelo, escravo de
Jos Joaquim de Lima, por insultos, e o Africano
Ignacio, de 4S annos, ganbador, escravo de An-
tonio Porto, por.ser encongado depois do toque
de recoHler-
A' ordem dojde S. Jos Jos Justino do Nas-
cimeoto, pardo, de 21 annos, canoeiro para re-
cruta, e o crioulo Tarquiui > ou Turpinn, de 40
anuo, ganbador, eacravo de Fellippe Santiago,J
por ser encontrado depois do loque d recolh-r.
A'ordem do da Magialena Cosme Jos D*-
miau, crioulo, de 12 anoos, jornaleiro, por furto
de cavallos.
A' ordem do do Pocoda Paoella Joao Haiinhe
do Espirito Santo, pardo, de 29 annos, taooeiro,
por derordem e uso de armes defe/as.
O chefe da z* seceo,
J. G de esquita.
Maiadolro publico.
Uatazaa-se para o consummo desta cidade no
dia 1 de auril, 97 retes.
MOKTALIOADE DO DIA 1 DE ABRIL:
Adam D-iny, Luxembourg, 40 auuos, solteiro,
Boa-Vista ; diarrha.
Amonio M.irnns de Araujo, Pernambuco, 22 so-
nos, solteiro. Boa-Vista ; syphilei.
Emilia, Peruambuco, 3 oaez.s, Sauto Antonio, co-
queluxe.
Antonia Mara do Rosario. frica, Santo Antonio,
casada, 55 annos ; apoplexie.
Joio,Pernambuco, I2dias, Saulo Antonio, ferida
na bocea.
Balbino, Pernambuco, 4 anoos. Santo Antonio,
inferite.
Jalio, Pernambuco, 45 tss. Boa -Vista ; espasmo.
Vicente Teinzo, Italia, 25 anoos, solteiro, Boa-
Vista ; febre amarella.
Manoel, frica, 90 annos, solteiro, Santo Anto-
nio, escravo ; gastro-intente.
Ildefonso Raymundo Jorge, Pernambuco, 27 an-
nos, solteiro, Santo Antonio ; cholera.
Leonor da Paz Jorge, Portugal, 66 annos, viuva.
dr/ qutm Bsf.6tna.dl Sllfl. .
. Com vista ao Or. curador gersl ,
Appellante, o solicitador de ca paltas ; appel-
lado, os administradores dos conralos de Olinda
t Iguarasat.
Com vista ao Sr. desembargado^, procurador
d cero*
Appellante, a fenda ; appellado, Maria Vlc-
torrna Vieha da Cunha.
Ao Sr. desembargador procurador da corda.
D1STRIBCICES.
Ao Sr. desembargador Caetaoo Santiago :
Apptllacao civel.
Appellante, Fernando Francisco de Aguiar
Mootarroyos ; aopellaoa, a fazenda.
Appeilantes, Gerardo Jo e sua mulher; ap-
pellado, Jos de Meodqnjs Alarcio.
Apptilacao crime.
Appellaote, o juizo ; appellado, Manoel Al-
ves Viinna.
AO Sr. desembargador Silveira:
ApptllcSts crtmu.
AopelTtote, o promotor ; appellada, Brasilino
Jos di Silva.'
Appeilantes, Jos Tbom de Souza outro
appellado, o juizo. ;
Ao Sr. desembargador Gitirana :
App'ellagoe* crimet.
Appellante, o juizo; appellado, Antonio Fran-
cisco dos Santos.
- maptnr. fttrnmrtiarrwr vutnitaitii-ln ira sjaaj
oscio reconhecids, que, agrupada en torno de
am principo prestigioso, contempla extasiad* e
aercorre enternecida tolas as paginas de um
grande livr de pedra em cajo iroeteeaicVo se 1*
em caracteres indeleveis Estatua Equeaire do
Senhor I). Pedro L-s e eea todas as oatras, gra-
tidio e 8audade.
o canbio, essa pragoeiro de des-
gracias I Silencio 1 Delxsi que livremenle tro-
veje rasa bocea que abrindo sempre es-
1 i destruicao Klbr*'
unci hoje apenas
reconhecimento ;
Aquelle, a quem
ics, o eximio Pund
archia da Ameitcat
rnos. Si le ocio .1 na
pstriotico, era que-
sappsai o seu
eo ponen te do
dMMP pOVO
enaaacipacao
eiaa*a uoita
leja,? dea-lempos
lea ajorsaalasr esse
coMuasa poros a
Que espectculo magestoso 1 Qse exempo su-
blime e enteroecedor I
NOVO BtNCO
IMHWValilCO
mn mi
O novo banco
12$ por accao.
Rendlmena**
"jagao 8* dividendo de
Volames a^aradaeeoraraeendWo.
> at>ra-a*nas*>s. f
-aVraa fcancaia.. Crand Cond, para Marseilto,
carregaram :
Xissel-frarte 4 c. 800-saeeos con 4.000 an-
bas de assucar.
Barca nacional Cat>oea, para os partea da IUo
:l? piatVc,iS8SatB' :
*^7ofltrsnrn Tttet-^ C, 222 barricas com 1.337
arrobas e 20Jlh(M de assucar.
tiWseJirfc ale ro4sis lateraa*
SPrsaa Je k?eramaBs.aee>
Renallstellsi do^ 1...... 1:352*418
Volames
lahidos
a
com fsxendsa..
cea ganaros..
133
26
249
-= 275
Appellante, o juizo appellado. Blarmino de
Farra. ^
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
Apptllacao crime.
Appellanfe, o. juizo ; appellado, Manoel do
,Anjos do Wascrmento.
Kevista civel:
Recrrante, Thom de Souta Barbosa ; recor-
rido, Lu Perira de Souza.
Ao Sr. desembargador ttutta :
Appellaco crime,
Appellante, o julio ; appellatp, .J0S0 Aires
Fetreir,
Appellaco civel.
Appellante, a fazenda; appellado, os religiosos
do Carino.
Ao Sr. desembargador Peretti ; .
, Xppthgoes crimet,
; Appellante, o jaizo ; aojiellado, Antonio Berr
nardo da Silva.
ecurto crime.
Recurrente, o.juizo; recorrido, bacbsrel Anto-
nio Firmtno Figaeira de Sabis.
Appel'ico civel.
AppeHante, Joaquim Jos de Veras ; appella-
do, Amonio Athaoazio de Mpraes Reg.
Ao Sr. desembargador chOa Cavalcanti; r
Appellaco ciuel.
1 Appellanle, Caijsto Jos Ferreteaeite; appel-
lado, o juizo de ausehtss. _
. Appellaco firme.
Appelliote, Loufenso Jos Caruoiro; appellado
o- joizo.
A' urna e meia horas da taie encerrou-sa a
sessio.
Communcdos.
Sarito Antonio : chilera.
Boa-
an-
Sebastiao, Pernambuco, 10 annos, escravo,
Vista; febre amarella.
Emiliana Co'reia da Silva, Pernambuce, 22
nos, solleira, Boa-Vista ; dirrliea.
Maria Rodrigues Chaveg, 75 annos, soltelra, San-
to Antonio : cholera.
X
primeiro djstricto daquella fregue/ia depois de Appellante,
sua ultima commuoicaco era de 18, 6 00 dia so
27,. 5 no dia 28, 5 no.dia 29. 3 no dia 30, e 2 00
dia 31 ; teoio fallecido duaa das que estavam
em grande perigo na data de seu ulumooCQcio,
duaa das que naviam sido atacadas depois.
A's 6 horas da tarde do 1.* de abril da 1852.
c Dr. A quino Fonceca.
Em trras do eogenho Queimadasdo termo
de Sanio Antio, foi aasassiaado a Meadas por
Hsnoel Francisco Xavier um individuo de norne
Joao do Reg.
A policia local fez aula de corpo de delicio,
mas nao linha conseguido aioda a captura do
assaasiao, cijos signas sao oa aeguiotea:sl*o
de cor, estatura baila, 18 aeoos de idade, ca-
bellos crespos e pretos, olhos pretor, oariz afila-
do, bocea e grossura de corpo regular, auito fal-
lante e um pouco taxi bitate.
Na freuezia da Gloria do Jermo de Pao
o'Albo, fot ferido coa uma tacada um loividuo
de nome Pedro Coelho, por outro de noi^e Ma-
la chas. Daraa-ea aa providencias para a cap-
tura do criminoso que alada nao foi encon-
trado.
No aaaae districto appareeeu eoforeada
00 engenho Palmeira uma escrava de nome
Hareolina, qua se suppoe ter-se suicidado, k*
-policia precedi aa avengnacei.
CHRONICA JUD1CIARIA.
Tribunal da Relaco.
SESSAO EM 1 DE ABRIL DE 1862.
PIlESlUENf.IA DO fcX. SR. DESEMBARCA00R ERMELINO
DE LE.VO.
A's 10 horas da mantisa, presentes os sondares
desembargadores Ca-taoo Santiago, Sil'eira, Giti-
rana, Lourenco Santiago, Molla Pretll, Ucbff
Cavalcanti e Guerra, procurador da coros, abri-
se a sessio.
Passados os feitos, e entregues os distribaidos
deraa-ae os segoiates
JCLOAMEST09.
Recurnt crimet.
Recrreme, Barroca 4 Medeiros ; recorrido,
Joao Chrysosiomo Pacheco Soarea.
Relator o Sr, desembargador Uotta.
Sorteados 01 Srs. desembargadores Peretti,
Lourenco Santiago e Ucha Cavalcanti.
Improcedente.
Foi proposta a peticio de Pr. Herculano do
Coraqo de Jess Brito, pedindo ordem de ha-
beas-orpos, qu lhe foi concedida para o dia 5
do correte, s 11 horas do dia, ouvida a compe-
tente auloriddde.
Apptllacdet civeit.
o juizo; appellado, llenry Gib-
Conflrmada a seolenee.
Appellanle, o juizo; appellado, Joaquim Jos
dos Santo*.
Conlirmada a senten^s.
Appellante, Joaquim Vieira de Simpaio ; ap-
pellado, Jos Luis da Silva Penoa.
Reformada a sentenca.
Appelacies crimet.
Apoc.llanle, Manoel Francisco dos Santo* ; ap-
pellado, ojuizo.
Annullou-se o proceiso.
Appellante, o juizo appellado, Jos Beroar-
dfno dos Sanios.
A' novo jury.
Appellante, Joas Vertuliano de Macedo ; ap-
pellado, Marianoo Joaqaim da Silva.
Confirmada a senlenga.
Appellante, Domiogos da Costa e Silva ; ap-
pellado, Angelo da Costa e Silva.
Improcedente.
Fui proposta a peticio de Jos Francisco Ray-
Uodo, pedindo ordem de hbeas-corpos, que
foi -Qcedida para o dia 5 do correte, s 11 to-
ras do dia*, po*da a autoridade competente.
.dsinacXo e* pa.
Assigoou-se alia para julgamento das se-
jalntea
O publicoadesta cidade lera; sea duvida, lido o
Diario de;Pernambwto da- 29 de marco, eter
eocoatrarto em uaja carta de- um correspondente
do Rio Grande do norte a noticia de haver sido
exonerado do logar, que all oecupara de inspec-
tnr da thunurarM provioeial, o Sr. Joao Carlos
WanoValaJUa ,
Como natural, o fado de uma exonerac.ao
dessa ordea quasi sempre crea no espirita do pu-
blico desprevenido urna certa impresso desfa-
yoravel conlr a reputacao daquelle qua a suf-
ireu. E' preciso, pos, desvaaecer etsamim-
prasaa.i. l^i
Conhecemos bem de perto-aa virtudes cibicas,
jue adoruaiD f pesaaa do Sr. Jna Carlos e com
quio louvavel probidade o hoar4oe desrtupo
nha va o lugar- que tao digoamonte oceupava ; a
sua demisaio, poia nao podsa ter um aaottvo
plausivel. R, ssswndo cartas de amigos, aae nos
refaraa aquelle facto, a causa motora delle as-
seata tudo ao seguate :
O Dr. Amare deve ae cofre provioeial do Rio
Grande do norte.26:000 ; o Sr. Joao Carlos, ze-
loso no cumprimelo de seu dever, 110 flia 10 de
margo expedio ordem aoprucurador fiscal da fa
zenda provincial para dar andamento euecucio
que ji antes navia mandado tataarer centra o
l)r Amaro; este, que, com ardis e atmanbss
que o caracterisam, ha conseguido iaflueaciar
completamente o animo da Exm. Sr. Leo-Vallo-
so, actual presidente do Rio Crande do norte, ob-
leve delle a exurieraco do Sr. Josa Carlos no
da 21 do meamo mee de margo I
Causa ceriamenie estraulieza, qualquer que
olha as cousas pelo lado do desinteresse, esse ac
lo do Exm. Sr. Leo Velloso, .qua moife desdiz
do eea carcter de admiuiatraoor de uma pro-
vincia, por que em vez de luuvar, como era do
seu dever, o procediuieuio do Sr. Joio Carlos,
bem ao contraro sellou-o com o estigma da re-
pru'ago. (*)
Consta-nos lambem que S Exc. hara demt-
tido ao Dr. Feroandes do lagar de promotor da
comarca do Mossoi, para o qualo bavia .ha pou-
co nomeado, pelo simples faci de nao haver
.elle, com o carcter de independencia e prohija-
do que lhe proprio, querido adherir ventada
soberana do Dr. Amaro Da sssembla provincial.
....... ., 1
A estatua cquestre do Senhar D.
Pedro I.
Com a chegada do vator Paran, procedente
dos portoa de sol, espalhou-se hontera n'esta ci-
dade, a n'ella circulou com eairaoba veloeidade,
a grata noticiad ter sida definitivamente desig-
nado o dia 23 do corrate, para o'elle ter lugar
a inauguraeae sotemos da estatua equeatre do
Seuhor D. Pedro I, o grande obreiro da inde-
pendencia Idate niz, o praga da Constituieio
da capital do imperio, em presenta do vintuoso e
preclaro herdeiro de anas glorias, o sabio e mag-
nnimo Senbor D. Pedra II, imperador do Brasil,
e eu perpetuo defensor.
E'asaiai que, pela mais feliz das combina-
goes, a iaaugaraaao da estatua eqeestre do fun-
dador do vaato imperio da SaBla Cruz, acha-ae
eloquentemeiite assotiada ao granee acto do ju-
rameoto da liberal coostiluigio, que em pocbaa
tumultuosa* recebr* o Brasil do here do lpy
ranga.
D'agora em diante o mesmo dia lembrar
igualmente aos brasileiros o aulhor da sua Le
fundamentar, agrande obra, que desuas raaos
sahira..
Descendente de hornees que abragaram fervo-
rosamente O apostolado da regeuerago poltica
deate paiz, e que, pugnando nos campos de Pi-
raj pela sacrosaula. causa da liaerdade, tlrma-
ram maia larde coa o gladio iriumphaoie as oos-
sas iostituigoesvictoriosas, nao podemos vr com
indifrrenga o famoso da 25 de marco, que ora
se revost de aovas gallas, nem abalar na peito
os generosos aentimei.tos, que o'elle tumultuara,
e menos anda recusar d lestemunho ae nossa
Que llcgio proficua edificante 1
Perante a grandeza de ama tal coneepgao tudo
se araesquiuha, e desappirece : em face da exa-
eugio de obra tao gjgaatesca a, maravilhosa, o
espirito festeja e applauda o eogenho,- que se
celebrUa por laae oroiufcaa ; e o ooracaa ai
p le encerrar no peito as mgicas centalhas do
delirante enthuaiasBo, que d'ells transborda em
oqdas de frentico patriotismo.
Salve, dia 23 de margo 1 salre 1 sslre I
Tu has de- ser sempre um dos marcos maia
gloriosos da historia do Brasil, e jiorvantura a
drova mais cabal e facunda, mate opulenta e sig-
nificativa du amor estremecido, a da nossa cons-
tante dedicacio i cafa de Braganca.
Nao vs.como os Lniaugos 4a monarchia se
refugiam espavoridos no negro antro de ,suas
ulopiaa.?.. m.
Salve, pois, dia 25 de margo 1 salre I salve 1
A geragSo actual, fasta pelo matsrialismo des-
te scalo ue. ataca a aociedade nos seus precei-
tos mais stlulsres, nos seus mais solidos funda-
mentos, ao dca ainda pela nossa indolencia,
senio revoltante isgradido, para coa Aquella,
que, por seus cooslaates alfargos, conseguir*
co 01 lito ir-us em poderoso e flereceule estado ;
mas, a posteridade, esta juiz inn>xivelf aaa Ou-
vida nos, rezervaria, sa nao houvessemos dea>
pertado alada ea tempo do vergooboso torpor
em que jaziamos, aqaellas palavras severas, pe-
rm justas,, que foram. a dulornas-penieaa de
longo esqueciment de Porlugal pelo aublimado
genio,, que com.os seus cauto* a>immortahfra.
Feiim*nie, emboa hora- a dizemos, nao es-
tamos mais sb a esmagadora pressao de tao
ignominioso pesadelo.
. Merco de.Deas, ji esii paga pela cacao braai-
ieita essa divida tagradj, essa comproaaiaao de
honra, cunirahido oaW'ara as augustas maoa do
Immortal Fundador do Imperio.
Hoje, temo-la rea^atada essa dida de honra.
que sobre na pesara, gragas aos generoso es-
firgos dos oossos irmio* do sul, os quaes to-
mando a iniciativa nesso gloriosa cruza la pod-
ram levar & effeito tao patritico pensimeoio,
lio suspirada e grandiosa idea, 1
Buje,, a nossa gratido um facto consuma-
do ; ailesta-a um monumento.colosaal, em caja
base os tilhos do Brasil veem depot coraa de
louro de perpetuas, em honra 4o nclito e Ve-
nerando Lidadorda nacionalidade brasileira.
Hoje, finalmente, podemos levantar a fronte
orguihosa, e dizeraos filhos da outra America:
se erigiste* famoso* monumentos ao primeiro
camueso de vossa liberdade na laeibem perpe-
tuamos a memoria u'Aquelle quem tudo devo-
raos ; se as cuate*** estaluas, que levantis to-
dos o das ena louvor dos voseos grandes ho-
mens, commeu.oraru seus fetto* eslrondosos,
nos, que somos o*Espartanos do seculo dezeoo-
ve, os Romanos do Novo-Mundo, tambem cele-
bramos, como podemos,, e nos compre, o* De-
cios e Fabricios, oa Lenidas e Scipie*> que
e*t* trra lenxproduzido,
Reeife. 31 de margo de 1S64-
4 de Barros.
fesisaaHado
niedoilal .
provincial
Desearreaem hoje 2 de abril.
Barca inglezaFleeting-Cloudcarvao.
Barca inglesaOlioda dem.
Barca inglezaRonderfazendas.
Barca francesaOceidantai lena.
Escuna inglezaCoilaidem.
Patacho sardoMerceliomercadorias.
Brigue suecoTritnfarioha de trigo.
Headioicnto da all'andega de Peraara-
buco 00 mez de marco do correte
auno finaoeeiro.
Importaco.
Direitos de imporlago para con-
sumo........................... 887:474JI78
Oitos addicionaes de 5*/0......... 37:tl6o9'>a
Ditas addicianaes de 2%......... 269s79i
Ditos de baldeaeie e reexportaeio 4339068
Expediente dos gneros estraegei-
ras ea vagados pot esbotagem.. 952^33
Ditos oes gneros de paiz........ 1:897a80
Ditas dos gneros lima........... 2351015
Araaazeaagere.................... 1:211*275
Premio des assigaados............ 3309365
Detpacho -martimo.
Ancoragea........................ 2:833|J03O
-Direitos de 5 "/, na compra e van-
da das embarcaces............ 150f000
Bxportaco.
Direitos de 15 / exportaeio do
po-brasH..............J........ 6789750
Direitos .de 5 /0 de exportagao... 60:07*9837
Ditos-deS 7, addieiou'es......... 24.0318107
Expediente da capstatia.......... 1:5169080
Interior.
nllar............................ 6829433
Sello do papel flxo................ 749JOO
Dte de papel properciooal...... 3859549
Emolumentos -.................... 3*9600
Imposto dos despachantes........ 243a75l'
Eafreordirrarta.
37:99lfM
Dizimos de provincia d'AIagoas...
Ditos da provincia da Parahiba....
Ditos de provincia do Rio Grande
do Norte........................
161:422$395
4-4738136
1^788053
8039403
COnlribuigao d-caridade.......... 2099310
___________
2200S453
ErWMfENTO X HESA DO CONSULADO PRO
VINCIAL EM O-HEi DEMAROO DE 1862.
A SABER :
Direitos de 90' n. por (Jl da as-
sucar ezporlado. .......
Dito de 20 rs. por caada d'agnar-
dente. ele......................
Dito de 7 01o do mol ..,....
Dito de 8 por cerKo do couros
seceos, verdes e espichados.....
Dito 2 01o idem do algodo expor-
tada...............
dem idem de 5 dem dos mais
gneros exportados.......
Capatazia de 320 rs. por sacca da
aigodao exportado .......
Drama dos predios urbanos .
309 sobre escravos exportados .
209 rs. por raei ska de esa
cravoa. ...*..........
10 por cenio de nevos e verbos di-
reitos dosemprcgadoB provia-
ciaes...............
Emolumentos de policia.....
2001o do consumo 'agurdente .
Impasto de 12 por calo sobre
diverso* estaoatecimeotaa .
8 0|0 sobre coosultorias aedicea.
e eseriptorie............,.
300$ rs. sobre cada caes sea
emissae, eoapeobMs anvnjmae
etc.....................,.......
Imposto sobra careos, mnibus,
earrwgaa e vehculos........
HeioOio suere e preducto- de ca-
da le lio. t.....................
Multas por infraeces ........
Imposto de 4 per cento sobre di-
versas esUbelectmentos fra
da cidade......................
Dita de 2 OfO sobre os premios
maiores das loteras............
Imposta'509 rs so tire casas de
chapeos, perfumsiias e roapa
feita; modas e nilhir.... \......
Sello de herartcase legados. .-..

..... f
do consolado
*
\
7l89e 53*788 t
4:768fMaft
1:9449*0
6469011
616g40f> fjajpaj '75fOOO 1
1:836f60O-
111|497 I1940O 8050000
12:483$60
6699600
1:800f00oV
399f08O
6019(12 2249490
t
468:2869297
Rendimeoto do mez de marco
d 18C0-tt-1801................. 319:9029564
Rendimento do mez de marco
dal59ar860................T. 511:886.938
Mesa
de-
provincial
613948
2109000
1:2508000
75S536
18>343
r7696*:942B
1.- de abril
O escriplurario,
Antonio Rodrigues de Albuquerque.
Alfindega
1868.
Pora o Ilini. Sr. Or. chefe de poli-
cia \r.
Jualiga de um bacaare tuntia4o em direito na
academia do Reeife e delegado da infeliz comarca
do Cabo.
Cuntenle que o caccereiro conserve na ala II-
vre da cadeia preso* de rooite e do tentativa de
muite. Nao conaeot* porm, que o carcereiro
teuhs preso aa mesma sala, indamesmo com li-
cenga delle delegado, a presos de correigao, que
voluntariamente requeren! para cumprir a pena,
,que Ihes foram impostas de lou meza* de pri-
-ao simples por crime de injurias vecbae* : a
este* manda, que aejaui meludoa na enchuvia da
immunda cadeia, porque asaim euteude o ba-
charel os arls.- 44 48 do cdigo panal 111 At
quando, infeliz comarca durai ala aorta.......
Explicaramos esta usliga do Dacharel Joao
Gonaaga Bacellar. mas por oa couvai guardar-
mos silencio porque deve tomar canta do laclo a
auihoriJade que a le incumbe velar sobre taes
fjccionarios. '-
Cabo, l de abril de 1862.
Jos Paulo do Reg Barrete
_ .
Para o Exm. Sr. presidente da provin-
cia \r.
Nio obstante pender do Exm, presidente da pro-
vincia, a decisio da represeutago [illa la
Exc. contra a medida lomada pelo* em pregados
da vja frrea da suppreisio da estagaoda I'ocle-
inha, consta que hoje se mandou demolr a re-
enda ealagio como de facto ae demoli 1 11 -
Compre declarar aqu que am. mao du supe-
rintendente existe uma proposta cerecida por
um particular, olerecendo cem mil tis measaea
Selo ren li ment da dita eslagio livro de toda a as
eSpeza* sendo somente a companhia obrigaala
a condzir os gneros e passageiros. daquelle
ponto.
De vemos tambem declarar que na. representa-
gao a qu nos referimos deixamos desjuntar do-
cumentos probatorios pasa prova do que allega-
mos a respeito do rendimento da referida eslago
porque taes documento* 00a era imoocaivel ebier
daquelle empregados que diznm nao ser obriga-
dos a J-los; sendo qua S. Exc. para coohecl-
mento da nossa verdade os pode exigir de; taes
emoregados, podendo al mandar vir a aoa pre-
seuga os litros que serviram na referida estagae.
Estamos firme que S. Exc. olo deiiar passar te-
aielhante medida, Ulha smente do capricho.
PootezJahs, 1* de abril Jos Paulo do Reg Brrelo.
1 1 ni 1 mu
Movimeato do porto.
.*) Sr. ** ach*-se por demais unpressuiua-
1 do por ms informales, e se deixa levar por jui-
zos apresssdus de pessoas cuja dolce (amiente
foi rompido pelo (xa. Sr. Dr. ,L*io Velioso.com
o fim de fazer eflectivas dlspOiigdes de leis, que
ala agora biviaa sido letra morta. E* auito f-
cil apregoar carcter independenle e probo, tab
a capa do anonymo, e a'nda maia avaogar propo-
siges do jaez oesaas que se leem cima, mas
difcil senao impoasirel sustentar i peitu desea-
berto uma discussao-nesse terreno. O Exa, Sr
Dr. Leio Velloio nio necesiiis dea elogios da-
quelle* que ( querem s calquem as le* aos pos,
e que te salte por sobre lado, por que lea apre-
elagao juila a raxoavel da homena importantes,
qua seguiram tua marcha administrativa as pro-
vincias de Alagas a Harannio.e gnern a ac-
tual 00 Rio Grande do aorle. E' quaoto en-
ttndemos dzer en rasposU ao Sr. *, deixando
c mais ao oosso corre*ppadent* do Natal.
W' 4 rtdaceao,
f Caixa Filial do Banca.
EM 1* DE ABRIL DE 1862.
A caixa descoma aa letras at 4 mezes a 10 */
e recebe diuheiro ao premio de 8 */
*0V0 BANCO
DE
i Pernambuco.
EM 1 0B ABRIL DE 1862,
O banco deseonta na presente semana a 10*/*
ao anno at o prazo da 4 aezos, e a 12 / al o
de 6 meses, e toma dinbeiro em cents* oorrente*
simple* ou coa jaro* pelo premio e prazo que i
couvencionar.
Fraca do Hecife 1 de
abril de 186S.
Va ^uatro Vio rus 4a tarde.
Colacot da junta de corretores.
Casaba
Sobre Londres -90 "l" d- Pr #000.
J. ,1* CfH Haaaaoprendante.
John fiaUs-ivoeeretario.
de Pernaaboco 31 de msVco de

O 4* oseripiorario,
Joao Bernardo Diniz Pessoa.
Importavo.
Vspor inglez Magdalena, procedente da*Earo-
pa, manifestou o senuntH :
25 caixa queijos ; a Tasso & Irmaos:
10 ditas ditos ; a F. G. d' Araujo.
2 ditas dos, 2 ditas cha ; a M. J. G. Ponte.
2 ditas diioa, 2 volumes amostras; a Soulhall
Msllors.
1 caixa el fardo fazendas de aigodao e de lia ;
aos mesaos.
1 barrica presuntos, 1 caixa queijos, 2 ditas
lencos e vestidos do seda, 2 volumes amostras ;
a Wil & Just.
15 caisas qeips, 1 dita presuntos; s Krabb
Thom t C.
2 canas chapeos de aol, i ditas camsss, 3 di-
tas chales de lia, falcadas de dito e ditas de se-
da, 2 volumes amostras ; Joao Keller & C.
2 caixas calgado*. 1 dita sedas, 2 volumes a-
mostras; a E. A. Burle A C.
1 eaisa fazenda de linhay, 8 ditas fazendas de
aigodao,2 volumes amostras, Obarris manleiga ;
a Saunders Brothers 6i (1.
I 4 caixas calgado e chapeos de sol; a A. C. de
Abren.
I caixa (reos de cargado, 2 volumes amostras ;
a S^ve Filhos & C.
16 eaixaschi, lembruiko amostras; a H.Fors-
ter 4 C. -
1 caixa fazenda de seda, 1 dita chapeo* de sol;
a Kaikmann Irmaos & C.
1 caixa botos de porcelana ; < ordem.
1 dita fazendaa de sed* ; a Monbard & C.
8 canas cha ; a Luiz Jos da Gasta Amorim.
20 ditas queijos ; a Brender a Bvaodia.
8 ditas fazendas de aigodao, 1 embrultio amos-
tras ; a J. Ryder.
60 ditas cha, 40 ditas fazendas de algodio, 2
volumes amostras; a Hemy Gibson.
3 calas sedas, Otas, reodas ; a Monteiro Lopes
& C.
1 caixa joiaa, 1 embrulho amostra* ; a P. Sau-
vage A C.
. 2 caitas joias, 1 volume amostras; a Rabe S-
chmetiau & C.
3 caixa* medicamentos, 2 dita mercurio ; a Pa-
rese Van na & C.
40caixa* obra* de ferro; a companhia da es-
trada de ferro.
1 eaixa alpacas preta*, 1 dita chapeos de sol
de dita, I embrulho smastras; a Perreira A A-
ra ojo. i i
1 cesto sanguesugs 10 caixas velas de cera ; a
Maihens & Rodrigues.
1 caixa amostras; a F. Dragn.
1 volume ditas; a Akwnght J C.
1 dita dii.s ; a C. J. ,AMky & C.
2 caifa* ditas a 1 dita pilulas : a J. A. Moreira
Pas.
1 volume dita*; a Linden Wild & G.
1 dito dita*; a L. Chopelio.
1 dita dita* ; a Kosiroo Rouker & C.
1 dito chaves, 2 dito* amostras e 1 embrulho
deaenhoi; Adamsou Ilewi-4 C.
1 dito amostra*; a Patn Nah & C.
i caixa salsa parrilh. ; a C. H. Loase.
1 embrulho amostras ; a Caors 4 Barbosa.
1 caixa roupa; a W. E. llurst.
1 dita dita ; a Samu-I Johnslon & C.
1 dita fitas e rendas; a J. B. G. Alcoforado.
1 volume amostras; a J. frebtre* 4 C.
1 caixa reiogios; a Aranag Hijo 4G.
1 volean roupa ; a (i Cooper.
1 dito jornaes; C. W. R. Chapmao.
1 dito ditos e 1 enrbrulbo deseahos ; a J. Whi-
tetield.
1 oRo ditos ; a C. L. Gambronne. I
1 dito papis; a A. Schramn.
1 encapado liros ; a A. M. C. Soares.
1 flandras retratos; D. J. P. Guimaries,
1 volume publicaces; a J. H. Fertreira.
1 dito dito* ; a Gailherm P. Crvalho.
Se caixas mercurio; a F. S. Rabello 4 C.
1 lila joiaa; a J, Jos de Carvalho Moraes.
5 dita* lifiRuigas, 15 dita doces, 1 Olla penes ;
a Marque* Bario* 4 C.
1 caixa calgado; a J. P. Arante*.
1 dita livro*; a Jos H, Ferreua,
1 dita pilulaa; a P. G. de Oliveira Lobo.
1 dita medicamentos; a Jarnos Raymond.
Batnargasjrfca
Do dia i na abril.
Galera ingleza O/anata, pare Liverpool, carre-
garam :
Augusto M. Machado, 600 arrobas de otaos.
James Ryder & C, 80 saceos com 4,000 arro-
bas d assucar.
Barca porluguecs Sifencio, para o Porto, carre-
garam:
Amo'im Iraos, 190 saceos e 2 barriqninhas
coa 959 arrobas de assucar.
Patacho hoilandez Jenannet Luixa, para o Rio
da Prata, carregsraa :
Aaoria irmaos, 475 saceos coa 3,301 arrobas
e 11 libras de assucar.
BriKU nacional Eugenia, para o Porto, ctrre-
garam:
Carvalho NoRuaira & C, 200 aeios de sol*.
Feliciana Jos Gome, 200 saeco coa 1,000
arroba* da aasucar.
Hule nacional Artista, par 01 portot do Rio
da Prata, carregsraa:
Amorim Irmaos, 400 barricas com 9,999 rro-
baj 7 libras do apencar,
lYutuo sehidot no dia 1.
Marseillebarca Uaacmia Santo-Btpirito, capi-
lo Guille!, carga assucar.
Rut de Janeirohiate brasileiro Piedade, capillo
Jos Marque* Vanos, carga assucar ; e 1 es-
cravo eotregar.
Observagio.
Suspendeu do laaario para Macei a barca in-
gresa Albxnut, capito Charlea Wataoe, ca c
n.e.iiio laatro que trouxe de Santa Melena.
Nao bouveram entradas.
ftciltaes.
O lllm. S. inspector da thesonrsria pro-
vincial manda fazer publico para conheciaeoto
dos lotdreesaOo* o art, 48 da lei provincial n
510 de 18 de junho de corrente anno.
Art. 48. E' permiitido prgar-se meta liza
dos escravas comprados em qualquer tempo an-
terior adata da presente le iuoependcnie de re-
valdagio e multa, uma voz que os devedores
actuaes deste imposto, o fsgam dentro do exerci-
cio de 1861 a 1862, os que nao o zerem ficarao
eujeito* a revalidagio e malta em dobro. sendo
um tergo para o denunciante. A thesourana a-
ri annuneiar por etfial nos primeiro* 10diside
cada mee a presente dlspoco.
B para constar se maoJou afflxar o presente a
publicar pelo Diarto
Secretaria da thesoarsria provincial de Per-
nambuco, 8 dejulho de 1861.
O secretario,
.A F. da Asaumpgic.
O lllm. Sr. inspector d* thesourana pro-
vincial, em camprimeuto d* ordem do Exm. sr.
presidente da provincia de 14 do corrente. man-
da fazer publico qe no dia 10 de abril prximo
futuro, perante a junta da fatendada mesma ibe-
souraria, se ha de arrsm.tar a quem por menos
tizer a obra do aterro a fazer-s na* ras do Sebo
e Trempe, avahada ea 5:972j000 re*.
A arremalagao seri feita oa forma da lei pro-
vioeial n. 343 oe 15 de maio do 1854, e sob ss
clausula* especiaos abano copia las.
As pessoas que se propozerem a essa arreaa-
jagao comp.regam na sala das seisoes da referida
tunta, no dia cima mencionado, pelo meio da e
competentemente habilitados.
E para coosiar ae mandou afflxar o presente a
punliaar pele Diario.
Secretaria da theaouraiia provincial de Per-
nambuco 18 de margo de 1862.
O aecretario,
A. P. da Annunciagao.
Clausulas especises, psra a arrematarlo.
1* O arrematante dar principio as obras
qulnze das depois de lhe ser entregue o respec-
tivo termo do contracto, e conclu L*-ha ao
prazo de tres mezes; seguindo-.ie na (alta de
qualquer destas coudigeea o qua acerca asilen
dispoe o capitulo 3 da lei provincial o. 296.
2*O arrematante obrigado a seguir recta-
mente na execogo da obra a plaUa a orgamenlo
approvado, asaim como a cumprir instrictamente
as insirocges do engenheiro incumbido da ins-
peegao da obra.
3oO arrematante Oca sugeito a observar aa
toda sua plenitude as obrigacoes que lhe sio im-
postas no capitulo 3* da lei provincial n. 286.
4*O pagamento ser feuo em fres presiagdce
iguaea correapoodeodo cada uma a Urca parte da
obra total e quando essa terca parte esuver aca-
bad*.
5"0 arrematante nio ter direilo a reclama-
gao alguma, tendente a iadetnisigao, qualquer
que seja a naiureza das allegag6;s em que se
fundar para tal fim-
Conforme, o secretario,
A. P. da Aonunciscae.
0 Illa. Sr. inspector da tbeeourana pro-
vincial, em cumprimento ds ordem do Ksaa. Sr.
presidente da provincia de 14 ao correnta, man-
da fazer publico que no da 18 de junho prutiree
futuro, perante a Junta da fazenda da Baama Ihe-
touraria, e ha de arrematar, a qaea por meooe
Ozer a obra do calg*meolo a faier-se as ras do
sebo e Trempe, avallada s braga qoadrada de
empedramento pele syslema Mac-Ad.m em 30*.
e de caigamenlo de pedra* irreaularea em ria
I65OOO.
A arrematacio seri feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 da 15 de aaio do 1854, as ctao-
sulaaespeciaes abaixo copudas.
Aa pessoas que se propozerea s aesaa arra-
mtucao comparegaoi na aala da* aesaoos da refe-
rida junta, na dia cima mencionado, pele meio
da. competentemento habilitad.*.
E para conilar se mandou aluzar o presea** #
publicar pelo [Diario.
Secretaria ia tbesduraria provincia! de Per-
namouco, 18 de margo de 1862.
O aecretario,
A. P. da Aoonotiecae.
Clausulas especises psra arrematacio.
1.*O arrematante dar pnncino obia lego
que for para eaae fia avisado pela directvna daa
obraa publica* e a coocluir no.praeo de seu me-
zes coudos da data do avise.
2."O arrematante 4 obligado a seguir
mete na execugao da obra, a planta
approvados, aasim como a cumprir restricUaea-
ta as nairucge* do engenheiro inca a basan de
nspnccAo da obra.
3.aO arrematante fica augeito a obaarvar ana
toda aua plamUide aa obtigacoea qao Iba ato Isa*
pastas no capitulo 3 da le provioeial a. 9M.
4.aO pagamento ser feilo por presugoes
mensas conforme o nuaero da bracas 1

-t-
-111
l\
I
V


\
'*
*k*o&<+Mfflf. $ 'rmnmti^M^k rf^-.
niosoodo, porm, um nuoerrlnarior a sexta
aS**- _5*~0 arremtenlo aio terMfttMa
a.
c/ao alguma leudante a innW>la.Se. qualq
redara ta-
po?
uo-
tS4tt
a.
uociago.
thesouraria provin-
* larstematago do
terrenos occupadoar
*:
oaa planta- eVoes-im eoprania fui transferid
para a da 10 de abril prximo vind&uro.
B naea ooaster semidea afljr o presea te e
pabjicar, poto Diario. I
'fctetafis da thesoqrtria.>roflu _ A. F. fl'ftrrtmir?a{aw.
- Haanii'
i

Ue<:.ara ^^.
'' i .. i.
Conse.ho administrativo.
O cooielho admioiatratuo para orneciraento
oo arsenal do guerra lem de comprar osobjectos
Huiotea : ,.
Para o completo do ardeaieolo da compaahia
fixa do Rio Grande do Norte
19 covados de cagemtra verde.
fttt provimento das rmaseos do almoxarifado
do arMBil.de guerra.
3 arrobas de lati em leocl de 13 librea ca-
da um.
4 arrobas de lata o em leocol de 17 libras ca-
da um.
Odem quizer render taes objectos aprsente as
anas propostas em carta fechada na secretaria do
conseibo, s 10 horaa da manbia do da 9 de
-abril prximo viodouro.
Sala das sessdes do conselho administrativo
para fornecimeoto do arsenal de guerra, 7 de
marco de 1862.
Antonio Comea Ltal,
Coronel director e presiden le interino.
Frtmmm Joaquim Peretrm Xoao,
Coronal vogal secretario interino.
^ubdtlegacia dos Afogados 1." de abril
de 1862.
Acham-sa depositados 5 aavaUoa, sendo das
coras seguales : 1 ruco grande, 2 estn hos, e
2 alases, os quaes (orara apprehewdidos, e os
seus conductores que se achara procos : quem se
julgar cora direito aos meamos, probando legal-
mete, sero entregues.0 subdelegado,
Moraea.
Subdelegada dos Atogados 1.- de abril
de 1862.
Atha-ae reeolbido casa de deteugo, por an-
dar fuito, o prelo escravo diz elle ser do nego-
ciante Franciaco Joo de Barros : quem se jul-
gar com direito so mesmo, a presenle-se legal-
nenie que aera entregue.O subdelegado,
Mora es.
sobre na eerda desde o-palco Mea qus
dam de camarote*, por madama Freir.
nasa, jB/fillVr.4 $Jors.
tejo egjketJtaco,>tt|SBa4r* das .elhoree
t J^^1all^afla (^najarais, que *
Benenciaaos tem a honrs de offerecer ao respei-
J 9MhO;.^m^at>. >)Cjel Moeram a
lloajgto do acolhimeoto e generosa proteccio
.,*'^WrWh?cdo,^sefurando Ihe dea-
de ja qe am seus coracss pequeninos ha..ti
sempre em grande quaolidade gratidao e reeo-
nhedimnto, pwa aquellos que os acolhem com
pptausos.
O resto Id oilhtes acham-se venda do
thetro.
filai*oc#orlo. LOITIMA
jen
Aaotaarcn pc*ua^rirl)sapiqu II, eaptl
lio Maooel Lopes Duarte, de primeira classe-, for- R *<** daJtexta parre da primeira
li!!mt&!m[Sll "hr-^S. t0d, k*eT31 bnficio do Gymnaiio Per-
*mXES "^C^23Tm0Fr- att,l>ucano andarao impreterivelmente
S*lif3adrpa Dos *<> dia quinta-feira 10 de abril


-
alisos anuaos.
Para
.
ma esc r a va

perfeita cosiaheira, en-
gommadeira e tavadeifa par todo
preco.
QUHTA-FEIRA 3 DK ABRIL.
Oagnte#Juimoraes nao havendo effectusdo a
vMa da escrava snnanciada para o dia V. do
cerrente levar em leilo oo dia cima as 11 ho-
j^tac, em seu^aimarem na rwodo Imperador a.37

Correiogeral.
Relacao das cartas seguras existentes na admi-
aisiracao do correio desta cidade para ossenho-
res abaixo declarados:
Agosimho Jos dos Santaa.
Amaro Francisco de Olivira Moura.
Antonio Brgs Antonio Peiiro Hartios'.
Bn(o Jos Laraeoba Lins (devolvido).
Dli>hirn Cirios le Cuvnlho (devolvido).
Conolano Augusto de Loyula.
*3el6no de Aieve-io Viiaroueo.
F^tippe "a Cosa Douralo.
Fr^derico Miguel de Souza. '
Francisco de Carvaltio Prates.
G incali Vieira de Mello Prado.
Josepha Francisca Pinto fUgueira Ramor.
Igoacio de S Lopes Fernaaaes.
Ju venci Veris un. o dos Anjos.
Joaquim Dias da Silva Gomes.
CoMula Maria Honteiro de Parva.
-J'iaquiui Rodrigues Cbvs. jg>
-Jo de Aquino Fooseca (2)
J Tnomaz de Campo** Qxaresma.
Miguel Ircbeojo da Cunha.
llanoel Accin Santiago Ramos.
II. IldeComo de Sauz* Liosa.
M. Joaquim dos Sanios Paturv.
Pedro Aifiindrinn dos Prasares.
Viuvi Nevos A Cardoso.
Directora geraidft iostrueco
publica.
Por esta repartirlo se faz publico que o Illrn.
~Sr. Dr. Brai Floreniioo Heodques d Souia, as-
cumio as funecoes de director tere! interino, no
dia 28 do crrente, por haver o Exrn. Sr. Dr. Joa-
quim Pires Machado Po.rtella, turnado conts do
governo da provincia, na qualidade de vice-pre-
cideote.
Scretara da inslrucQo publica de Pemambu-
eo 31 de mar?o de 186.
O socretario interino,
Salvador Henrique de Alboquerque.
O IIIai Sr. inso tor da Ihesouraria provin-
cial manda (azar publico, que do dia 2 do cor-
rete por diinie pagam-se os ordenados dos em-
prega ios proviociaes vencidos no mez de margo
prximo Gndo.
Secretaria da thesouraria provinci.il de Per-
aambuco i. de abril de 1862.-O aecretario,
Antonio Ferreira d'AoQinciaco.
THE ATHO
DE
Santa Isabel.
Ultimo espectculo da coaa-
panhia aerbata-.
Sabbado 5 de abril de 1862.
EM BENEFICIO DOS JOVENS
Lindo amor xe Alberto
Freir.
Acompaohia acrbata tem a honra de pre-
sentar ao Ilustrado publico deta ciVade um es-
colhido e variado espectculo, em beneficio de
dous de seus membrus, que melbjr tem agrada-
do, como pro*a de gratidao.
Primeiro quadro.
CORA FORTE HOKISONTAL,
aa qual o joven Lindo Amor fm diversas evolu-
(des dignas de sua teore idde.
Em eetroMa m0emoia*ll> GtroliM -eceeartora
lindos pasaos de diosa, Serainamio pelo* aaltas
Madama Freir dar fim a este quadro dau-
ean a GAVOTA, e Secutando sorprendentes
equilibrios.
Segundo quadro.
AS PYRAM1DES do egypto.
sobre grrulas, cadira o baas, executando o
jevan Alberto o mais dtfflcaltiise equilibrio qee
ae po obra auna garrafa, aem auxilio de roaos e dispa-
raado duas pistolas ao meante fesnoo.
Tereeiroqmdro.
OS JUGOS ALCIDJCOS
xeeatedos p.|o. j.,.pn Hyppalito, terminando
com o mmnho d vnuto.
Qtmrto quadro.
os jocos malabares
caes hlaa atuis e *uubi, pviu jec Alberto,
aabrxt6o de A.rrhel (rame).
Quinto quadro.
EXERClLl GYMNAvrii;OS E DE 0ESL0-
C a COKS.
asar mademotseUe Carolina a os jovass Hyppolilo
Sexto quadro*
0 PaSSO STYRIANO
laosado a carcter com msica e trajes anlogos,
por m*aanMitP-c.ru>. e iwmi Aborto. ^
Stimo quadro. *
Terminar o espectculo preciosa arriscada
a baria nsejonal muitatbtoT^aale tem paste da aeu carregamente
a bordo ; para o resto qu lhe falta, trata-ae
com os seus consignatarios Antonio Lais deiOii-
wira Azevado& C., oo seu escriptorio, rda da
ruz n. 1.
Pan Lisboa.
At o dia 2 de abril pretende seguir para Lis*'
boa o veleiro a aem onhecido brigee nacional
Eugeoia. de prmaira marcha e primeira clas-
e, s recebe alguma carga miuda e pasaageiros
para os quaea tem excellentea commelos : ira-
ta-se com os seas consignatarios Antonio Lniz.
de Olivira Azevedo & C, ne aea escriptorio ra
da Cruz n. 1.
Para o Porto
A karca portagueza Silencio, capitio Fran-
cisco Martina de Carvalho, pretende aohir com to-
da a brevidade ; quem oa mesma quizer carregar
ou ir de passagem, dinja-seao consignatario Ma-
ooel Ferreira da Silra Terroso, oa ra de Apollo
numero 28.
Para Lisboa e Porlo.
Pretende seguir para oa doas partos cima
com muita brevidade o veleiro e beta eonhecido
brigue nacional Eugenia, capitao Manoel Eza-
quiel Miguis, de prieieira oiasse e primeira mar-
cha, pregado e forrado de cobre, tem parte de
aeu carrega meato prompto : para o resto que
Ibe falta, trata-se com os seus consignatarios
Antonio Lniz de Olivira Azevedo & C, ao seu
escriptorio, ra da Cruz n. 1.
Rio de Janeiro
Pretende seguir com moUa brevidade a velei-
ro brjgue nacional Veloz. tem parte de su
csrregameoto prompto pira o resto que lhe Taita
trata se com os seus consignatarios Antonio Lniz
de Olivira Azevedo & C. so aeu escriptorio roa
da Cruz o. 1.
Bahia,
0 hiate Sania Rila, segu em poucos dias, re-
cebe algume oarga a frete : trila se com os con-
signatarios Marques, Barros 4 C, largo do Cor-
poSaoto o. 6.
Rio de Janeiro
pretende seguir com muita bravidade o brigue
escuna Joven Anhur, tem parte de seu carre-
ga ment.prompto : para o resto que lhe /alta,
traa -se com os seus consignatarios Antonio Luis
de ohveira Azevedo & C, ao seu escriptorio roa
da Cruz n. 1.
Para Lisboa
Se acba proposto o bem eonhecido brigueper-
uguez Relmpago. Tem a maior parte da
carga eogajada e para o reatante e passagtires a
quem offerecs boas accommodacoes tratt-se
com o consignatario Thomaz de Aquino Fonseca
oa ra do Vigario n. 19, primejro andar.
>io de Janeiro
0 bem eonhecido e veleiro brigue nacional
Almirante pretende seguir com muits brevida-
de, tem a bordo parte de seu carregamenlo ; para
o resto que lhe falta, trata-ae com os seus con-
ignatarius Antonio Lniz de Olivira Azevedo &
C, ao aeu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para a Baha
A veleira e bem conhecida escuna nacional
< Carlota pretende seguir com muita brevida-
de, tem parte de seu carregamenlo prompto : pa-
ra o reato que lhe taita, trata-ae coa) os aeua
consignaiarioB Antonio Lotz de 0lieira Atevedo
&C,no eu scripterio ra da Cruz o. 1.
Para em direitura,
Sihe brevemente o bem eonhecido e veleiro
brigue escueta Graciosa, caiUo Joao Jos de
Souia, por ter parte do aeu carregamenlo cuutra-
tado : para o resto trata-so com os consgnala-
ros AlmeidaComes. Aires & C, roa daCr/az nu-
mero 27.
Pa-a o Cear
obiatsOeribaidi>, asMtraCaHodi Joa tan-
a, aahe isspteietivataMale a o ata do-ntrenle
coa* a sarga que tt: a tratar com Tssso Ir-
maos.

: a'iii
~
i.
prxi-
mo, no conmtoi lo da igreja de t. '$.
\ do Rosario de Santo Antonio pelas 8 f |2
horas da manhSa. Os premios de
4:000,j( ate os de 8Jf ser3o pagos neise
mestno dia da extraccao de urna hora
da tarde por diante, e os outros no dia
seguinte logo que se tenha feito a dis-
trtbuic9o das listas. Os bilhetes e meioi
blhetes acham-se a venda na thesoura-
ria das loteras ra do Crespo n. 15 e
as casas commissiostadas do costume
at a Tespera da extraccao as 10 horas
da traite, e no dia somente na respecti-
va thesouraria at o momento de an-
darem as rodas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soirza
Quem tiver omaesersva fiel qae queira alu-
sjatpafa o serviee de ra, dtrljs-se a ra do Tor-
resn. 14, primeiro andar.
Botica raneeza e
dragas.
de
>
wsmm
Quinta-feira 3 do corrate.
O agente Pestaa vender por canta e risco de
quem perteoear ISO barrio pequeos de superior
touiaho de Lisboa desembarcado altimameote,
b qual ser vendido em um 9a mais lotes a ven
tade : quinra-teira 3 dn correte, pelas 10 horas
da manhaa, no armazen. defronte do guindaste
-da al(andega.
em latas
HOJE
assa-se
a loja de miudezas da ra ala Cideis lo Recite o.
5, com todoa ss mercadorias existentes oa aero
ellas: qnem a pretender, dirija-ae a masma ra
n. 16, toja de Fonseca & Silva.
Continua
a precisar-se arrendar um sitio com
casa de mora dia e proporcoes para plan-
^ tar capim, e ter-se algums Taccas, pre-
irindo-se perto da cidade: na ruada
Cadeia do Recife, n. 50.
Francissco Jos di* Santos, mora-
dor e proprirtario do hotel da villa da
focada, declara ao respeitavel publico,
que de hora em diante chama-se Fran;
cisco Jos da Silva Santos, visto ter en-
contrado nomes iguaes.
Aluga-ae a loj do sobrsdo n. 3 da ra do
Ces que segu ds casa de deteo?ao ru Im-
nal, erija repartida e tem quintal e cacimba,
pOTpeeeo'de^.me3aea: atrater ao mesmo
aobrado.
0 agente Pestaa tender em leilo por conla
de quem pertenrer 140 tatas ceja eqgutas-em Is-
tas oe 1 e 2 libras mais superior que terr- vinde
a este mercado : boje 2 do correte pelas 10 ho-
ras da mscha, no armazem ao Sr. Aunes da-
fronte da alfandega.
DE
Urna armado.
Terca-fmralde abril.
Costa Carvalho faritOaa no dia cima da ar-
roajao envidiada da loja da ra estreita do
Rosario n. 17, para arrancar entregando por todo
preco.
LEILAO
Sexta feira 4 do correute as
10 horas em pouto.
0 agente Pinto ai leilo a requer ment do
curador fiscal da eaaeea fallida da Manrjei Ribei-
ro da Silva e por mandado do Illm. Sr. Dr: juiz
especial do commercio da armacan a- m.Jti
da naearia as rm> imperial n. 187, asim como
de 10 barricas com f algibeira e outras obras de uro e um cavsllo*
objectos perteocenies s meama masaa. O referido
leilo ser effectuado no dia e hora cima men-
cionado ne mesma padaria.
LEILAO
Quiote-ftiiri
goipakhu penMwtcaiu
J\avegaca*jcosleraa vapor
Macei e escailas.
*b vapor Persnung, commaodante loara.
sahir pava Micei e escalaa no dia 5 do cerren-
4*6'mes de abril aa 4 horas da tarde.
Recebe canga at o dia 4. Euc<>romendas at o
dia oa sabina ao meio dia e paessgeiros at as 3
oras: eacrietuno da compaahia largo da As-
aembloa o. 1.
AdvartA-seque neohum passageiro aera rece-
tado a bordo aera nilbete da genwicia.
I
Janeiro.
No di 2 do corrente sana O palhabote Pieda-
de. sA recebe eacra*ea a (aete j a tratar com Oaa-
tao Cyiiaco da C. M. & Irma, no lado do Corpa'
Santo o. 23.
Para.
o pal betartu bralas recabe caVga a trata 1
a tratar com Caetano Cyriaao da C. M. & Irmio,
no lado do Corpo Santo n. 13.
DE
MMav.
3 do correte.
Na roa do Imperada! o. 6, Bazar
Pernambucano.
SEM LIMITES.
0 dono do Bazar Peruambucaoo teodo com-
prado um rico sortimento de lerendas lar leilo
no dia cima s 11 h<>ras eco ponto, per ioter-
venQo no agente Coala Carvalho do mais com-
pleto sortimento de fszendss proprias para a
quaresma e outras muilas fazendasque sero en-
tregues ao correr do martello.
M
Um rico carro
O agente Euzebio far leilo de m excellente
catoche envidrando, obra de apurado gosto, um
cabriolet o cavaMo, pelo que os pretondentes
queiram ler a boodade de examinar com atteocio
oa objectos cima as corheira doSr. Tbomsz Jo-
s dos Reta uarua de Santo Aojare junto ao so
brado dn Sr. Dr. Sabino: effeduar se -ha na qnar
ta- Miguel Esteves Al ves vss a Portugal,
cebar a heraoca de doas orpbos, os quaes
sua compaohia.
era
re-
ao
Ouwta-feira 3 de abril depois da audiencia
do Sr. Dr. juiz dos feitos d* fazen inu s 1 horas
do dia, s tiao de arrematar em prag publica, a
quem mais der, os bens seguintes :
0 escravo Pranciseo, Mocambique.com 39 en-
nos de idade, do ser vico do campo, avuliado
em 500.
A esersva Maris, Angico, com 38 aonos de
S*d*i *dia, do servico do campo, avallada em
OUUJOO'
0< quaes foram penhorartos por execuco da
razeoda provincial contra "Francisco l.ms Caldas.
O sobrado entaipado oa travessa da Tua los
Martyrios n. 5. com 2 salas. 3 quarlos e mala que
serve de cosinha. com 46 l\i palmos de freole e
35 1|! de fundo, tendo 2 lojas as quaes ha em
cada umadellaa 1 quarto e outro que serve de
cosinha, precisando de alguos reparos, avallado
em 6:0U0#, penhorado por execu?o da fazenda
provincial contra Francisco Antonio das Chagas,
fiador de Francisco Gavalcaoti de Alboquerque.
Um carro de 4 rodas com todos os seus per-
tences, n. 44, em bom estado, avaliado em 600*
peohorado por execuco da fazenda provincia
contra Auguato F^cher, por execuglo de Joo
Lias Cayaleenti de Albuquerque.
Um dito de 4 rodas, pintado de verde, avalia-
do em 4U0. penborade por execuco da mesma
uzeada contra Augusto Fichar, por Antonio Lios
Calas.
Uro sobrado ae 2 auarea uu ljr0 a !.,..
o. 49, uaela-agua, com 25 r*i"t da Largura e 10
de fundo, tendo oo 1* andar urna s sala e no 2o
alem da sala, mais 1 quarto, quintal murado, com
cacimba, avallado emSOOa, peaborado por exe-
cogao d mama aze ia contra a viuva e her-
deiros do marquez do Recife.
Urna casa terrea de taina ua povoacao do Ca-
sanga, com 32 palmos de freole, 40 de fundo, co-
sinha fura e um quarto e copiar na frente trazei-
ra, quintal cercado de madeira e com algu-
as fructeiras, seodo o solo loreiro, avaha-
da em 1:2009, peohorada por execuco aa meama
tazeoda coutra Vicente Ferreira da Costa Miranda.
Os preteodentes polero comparecer as sala
dos auditorios no dia e horaa indicadas.
D-se a quantia de 250 pelo alugael de
urna negra para o servio interno e externe de
orna casa de pequea taiirta : a tratar no segun-
do andar dosobrado do ra do caes do Apollo
n 17.
i ______i
O abaixo essigoalo teodo visto o seu nomo
no Diario n. 75. chamando a negocia oe elle
de tacto nao ignora, avisa a quem quer que assim
procedeu e a qasntos mais que segujrem oexem-
pto deste, que alm re desoecessarle ser esse seu
procedimento de mala intil por quanto o an-
nuociante avisa a todos que tiverem contas com
o mesmo oo "poder sasisfaze-las agora, visto co-
mo teodo estado grande varte do anno pasaado
(gravemente-informo em virtude do que, alm de
eatarem *ar*lisado aeus negocios, fez ffeipezas
extraordinarias com mdicos e boticas, as quaea
devem estar em primeiro lugsr do que quaeaquer
nutras, pelo que prometi a todos que s 'depois
de satisfeitas estas, satssfarS asraaarasseveraodo
porisso serem improfleoosqualqaeprocedimea
lo eu ameac^s tendentes a oMerem essa satisfa-
co-com a tnaior btf iade. Recife 11 de marco
de 1862 JoaquiofTeiaerra Pelxoto Fllho. ,
Grande laboratorio, de la-
Yagem.
Os don os dos ou meros abarro mencionados
podem mandar buscar as roupas que elo prom-
Paa: 971.228, 5, 195. 286. 316. 831, 351.
9,247, ST, 211, 259, 21,>W,196,R6. 44.
49 v D* iowqat de Aqvjfne ^
0 Fooseca sta' residindo por al-
guas das na ra de Aurora n.
9 74, e pode ser bi eewrtkado
9 das 6 as 9 horas da tnanbaa. e.
Scen caaos urgetste*. be 5 at 5 da
tarde.
do Brasil e Portugal.
30 Ra MootholoD Pnris.
A proprietaria deste estabelecimento reenm-
da encarecidamente sos Illoas. Srs. viajantes
portugueses ebrasileiros, que lenhsm de vir ne
Correte anno a esta grande e bella cidade de
Parii, de honrarera seu bello estsbelecimento pa-
ra o que naoae tem poupado em aformova-lo
coro ricos movis em todas ae salas e qusrtos,
como tambero teda a casa se acba ferrada de ta-
pete, cortinados novos em lodaa as janellae e ca-
mas ; tinalmente em tudo (oi obriesda a fazer
urna reforma geral, Um dos Srs. hospedes terem
todas aa commodidades como se faz preciso, e
nao como se achavam mal servidos 00 tempo de
sus antecessora mcame Schorou.
O estabelecimento tem o numero de criados
e criadas necease nos para de prompto os hospe-
des serem" servidos 00 que poseaos precisar;
igualmente tem bous cosinbeiros seodo a comida
a portuguezs e fraaceza a voutade dos meamos
senhores; hsveudo lambem no mesmo estabele-
cimento quem falle o portuguez, como tambero
interpretes para mostrar os monumente* desta
capital e fora della aos Srs. viajantes. O esta-
betecimenlo tem para maria de cincuenta quartos
como tambero differeotes satas para familias es-
rem vootade e com iodepeadeopia ; eendo
mesmos Srs. viajantes.
A proprietaria.
Hdame Julia.
Alesaodriao Cartas M"ia dectsra que dis-
aolveu a aociedade que liona com Antonio Joa-
quim do Nsaeiojente Barro, teodo principiado a
liquidarn da dita firma desde o 1* de Janeiro do
correte, Arando ambos os socios respooeaveis
pele passivo ae mesma at Anal, sendo encarre-
gado Oa direceo do activo o aocio Alexandxino
Cirios Itam*. Hecife 31 de am5u de 1862 Ale-
xandrioo Carlos Maia.Antonio Joaquim do as-
cimento Barres.
Aviso
Teodo de Andar se a srro Oda atento do engento
Novo do termo de lf Mians. perleucente a pro-
prietaria Oo mesno eogeeho' D. Aena Joaquina
Teixetra Oa etta avalosrvN, (ello a Franoraoo
verissimo da Reg Barros em liis do correte
oao de 1862, a mesma proprietaria arreodo-o
pero lempo de trea anno, a trataT com seu Bln
Jos Teix^ira da Motta Cavalrami ao ofimo eo-
genho, ouaa sjlla de Iguarass, ra da Malru,
casa n. 9.
Na cdn OireiUi, Sffbfe*ode ora anar n. 39,
rtefrenie do Qicho. vendem-se doces de calda a
mal 11 alea qaalllaS
38-Rua do Imperador-38
P. Maurer ^ C, tendo aberto seu estabeleci-
mento de pharmacia na roa du Impera lor n. 38,
com um completo sortimento de drogas, medica-
mentos e especialidades pharmaceuticas. Os $rs.
Drs. em medicina o publico em eral eocon-
trarao oeste novo estabelecimento lodo O cuida-,
do e atteneso necessaria no avfirneoto de qoal-
quer receita que a seu estabelecimento reanda-
ram, ei
A eapeciauaaoea verdadeiras
Precisa-se de urna ama.para compras e ser-
vico de urna pessoa : na ra estreita do Rosario
o. 21, primeiro andar.
Fugio do eogenho Pirana da comarca da
Goianna dans eaeravos, sendo-um de nome Gon-
calo. edr fata, altura regular, representa de 28 a
90 annos, no andar um poueo eorcuado, tem
roa marca de ferida em um dos ps, levou cha
peo de fellro ordinario com fumo ordinario nelle.
paletol de caigas de riacado, levou mais roUpa
Rroasa de servido, rouito ladioo. e ausentoo-se
do eogeohoaio dia 12 do correnta. A outra urna
mulata de lime Maria, idade 40 aonos, tpouco
mais ou menos, ja tea alguna cabellos biencoa.
rosto coroprido e bem ladina no fallar: quem os
pegar ser bem recompensado, ou no referido
eogenho ou na ra a Cadea do Recife n. 40
primeiro aodar.
-* Aluga-te sota o da eeea Ds travessa da
oiba n. S, aa varios ceamndos : a tratar na
s Has Cruaes u, M.
-* LeoBoTio Jos Rodrigues Brsga, Portuguez,
retira-se para o Rio de Janeiro.
Na loja de Campos & Lima, ra do Crespo
n. 16, existe ums carta para ser entregue ao Sr.
Joo Francisco da Cuoha.
~ Precisa.se de um bom coziohelro, ou cozi-
oheira, preferiodo-se escravo : na ra da Santa
Cruz n. 64
Por este declarado Sr. Maooel Monteiro e
Macedo, reodeiro do engeohp Maogueira, aito na
freguezia de Agoa Preta, que nao pode mais l-
ser obra alguma no mesmo eogeohe, desta data
por diante, seno conservar as que existiam quao-
do all estere no mez.proxioao pasaado. de pas-
sagem^ com alnunsfmigos. Ouiro sim declaro,
que nao se pede demorar no dito eogeoho, seoi
que veoha passar nova escripiu'a de arreoda-
mento. Recife 5 de margo de 1862.
Tiburcio Valeriano da Silva.
Roga-se ao Sr. Eduardo Joaquim Fereira
Bastos o faor apparecer oa ra dos Martyrios n.
36 para se lhe entregar urna carta.
Foio do&iingo 3 de margo urna escrava de
nome C-saria. secta do corpo e bstanle balxa,
com marcas de beajas ao roste, (alia com em-
barazo, roaos ps pequeos, unbas feias, e tam-
bero feia de rosto, tem ama ferida no hombro
direite, duales todos quebrados, levou vestido de
ronpo -de cassa braaao com flores azuo, chales
branco de cassa adamascada, tsmencos nos ps:
qnem a pagsr dirija-se taberda de J0S0 Jos
Lopes da Silva, no neceo das Barreiras oa Boa-
vista, que ser bem recompensado.
O Sr. Sabino Bruno do Rosario que fmgou
a Manoel Gre^or-io das Chagss os ttuguis da ca-
sa da ra dos Pescadores n. 111, da qual o abai-
xo assignado arrematante, nao pode o Sr. Sa-
bino desistir da fiaoga em quanto nao entregar as
chaves, e pagar os alaguis qoe seu aflangado
deve. Recita i; de abril de 186.
Joaquim Ugolino da Silva Fragoso.
0 COQselheiro Sebastian d Kego Barros,
tendo de partir para a Europa, e nao podeodo. oor
fla fh-*h.fM ..ka.Mk.-l.tf-. _..__.*> '.
INGL2
Novo Mtlwdo para aprender i ler,
a escrerer e a fallar logia em 6 me-
ies, por H.G. QilendorfF: 1 rol. in 8-
encadernado. Vndese na ra do Quei-
rna'do, lojo de fazendus, n. 18.
Joi Soares d'Azeredo, profestor
de lirtgoa e litteratura nacional noGym-
nasio Provincial de Pernambuco, tem
emprogondo para isso medicamentos uovw abert em sua residencia, ra \or-rio
'cialidadva verdadeiraa ie aoe
hanta Rita n. 47, a aulas da
GECMJRAPHIA. E HISTORIA
LINGOA FRANCEZA
PH1XOSOPHIA
ORATORIA E POTICA.
-JWaubs sao todo o das uteis de tar-
de: eomecams i horas, eacabarn 7.
5 3-Rua estreita d Ifti 4 J
I Francisco Plato ozorio continua aaoK- fla
fj> locar denles artificia es tanto por uaio 4m 9
molaa como pela presso do ar, nao re- flj
i ceba paga alguma sem que as obras nao 9
fiquem a vontade de seus dooos, tem peo flk
outras preparsQes as maii acredrtaaaa fla
f# para conaervaco da bocea.
GABINETE PORTUGUEZ
DE
-LEIT11M.
Nao tendo comparecido sessao de 30 de sar-
go prximo pasaado numero legal 4* Srs. socio
accionistas par* sanecionarem o projeclo le re-
forma de estatutos, sao por ordem do Illm. Sr.
presidente do conselho deliberativo colindados
o mesmos senhores a reonirera-se de nevo em
sessao extraordinaria de assemMa geral para o
mesmo flm, domiogo 6 do correte, pela 11 ho-
ras da manhaa, na.sala das.sesses do mesmo
u a o neie.
Advert-se que segando estatu o asa 32 dos
estatutos vigentes, o qual abaixo L|||H1 _
integra, as deliberarles dos socios presentes
rao validos e obrigatoriosi-ara lodosos mais.
e-
Artigo 32. A assemlila geral areo^o da
se terfem augmentado os seus soffrimentos, des- >i0<1<>* > socios scciooistas na casado Gabinete
pedir-se pessoalmeote de seus amigos e daquel- lalmente convoclos por anr.uncins puaiicos
- pblicos
em um ou mais penodieos por tres das consecu-
tivos : urna hora depois da marcada dos aonao-
cos, ella se julgar constituida com a presenca
da quarta parte dos seus membros. qtaodo
rm.ae rao rena este na mero far-ae-ha '
convocaco pela maneira
las pessoas que o honraram com suss visitas, fa-
lo por este jornal, e pede que o desculpem.
Aluga-se urna escrava qe [saibs coziohar,
engonmar e rvar, 4>ara o servigp de urna casa
de pouca familia : quem a tiver pesias condices
e qutzer alugar, dirija-se ra da Cadeia do Re-
cite n. 53, escriptorio de Leal & l^mo.
Attenco
Vende-se um pardo de 22 annos, proprio para
M*ta. de boa figura, e rom algum-principio de
stfaiate : a testar oa ra ds Santa Ifjruz n. 7.
Voade-se urna preta de maia'idade porpre-
cn enmmndo : Da ra da Praia. armazem n. 55.
...~ *enoe-se urna canoa graooe Que leva t snn
t.joloe.por preco commodo : a Ar ^^^^mW^^M^litgtln
ranjam baadoyas de bulos de nifferentes modelos,
proprias t>ers casamenios. beMee, a eof-itUos
eom ramos, figuras de molo que lo ara apet-ci-
do, tambem se faz pab-de-lo, bolos ingleses,
(ranese*, arrea do leise, paotepa ae au de car-
o% paaiap, pasleloes, lorUa, iremodeira; e Uat-
bam so.faz a coaaida d4aria par Jil^uroj ,paaoa
flUPrPrenjoaa, um *aseio oaom rpado awca. .
M** J*0 *
aWsbs-ao fallar
mos, aesdmicos;
oe rniuaraw
co de Souza Leo, no Remedio, ou nesta traca
em casa do Dr. Angelo.
50,000 ri
Fugio no dia 16 de marco prximo paasado, da
casa de seu senhor, o escravo da Borne Laureoti-
no, crioulo, de idade 24 annos, pouco mais ou
menos, com os signies seguintes : a|lo, cheio do
corpo, porm nao muito, rosto redundo e picado
ne beiigas, cor preta, bastaote urabiguoo, pois
que difirenos-se Bem, falla de deotes r.a frente
da bocea, falla gago, tem om pouco grossas as
caeetias das pernvs, filho de Nazarelh, foi es-
crsvodoSr. teoenie-coronel ManoelGomea, mo-
rador no lugar dos Patos, do que se roga a este
mesas senbor que ao csj d'eile por l Ibe ap-
parecer o mandar prender e mndalo l-var a
seu proprio senhor no lugar abaixo mencionado,
levou camisa e calca do algodo, sendo a camisa
de riscadoe a calca de azu'o, quaodo anda
bastante pressido, procuris urna pessoa' para
lhe dar urna carta para procurar senhor fora riea-
ta cidade em nome de seu seohur.; por isso ro-
ga-se aos capites de campo ou qualquer pessoa,
e autoridades policiaes, que o prendsro e levem
padaria do pateo da Santa Cruz n. 6. O escravo
lem signa! de calos as cestas das aos de amas-
isr farlnha.
* #
Irmaudade do Diviuo Espirito
Santo, erecta no convento
de Sduto Antonio desta ci-
dade.
Em virtude do convite da irmandade do Senhor
Bom Jess dos Passos, convido os Basaos charis
simos irmloa para comparecerem selxta-feira. 4
do corrente, s 3 horas da tarde, no consistorio
da nqssa irmandade, aQm de acompajnasrmos a
procissao do meamo Senhor, que sahira do con-
vento do Carmo do Recife O secretario,
M. C. Honornlo
O abaixo assignado >ie novo avisar aosdeve-
dores de Joo Paulo de Souza, que nao paguem
seus dbitos a pesaos algama seaio ao proprio
abaixo assignado, ou a quem apresentar procura-
gao bastante passada para tal Um, e adverte mais
que teodo-se extraviado algumas letraa e valea
de ditos devedores, nao devem pagar taes ttulos
nao seodo apreseotados pelo abaixo assigoado,
que protests proceder como for de direito contra
quem dolosamente effecluar tal cobraoca, que nao
levar em eonta a quem indevidameale pagar
fiectfe 1.* da abril de 18*52.
Vicente-Ferreira da Silva.
I ra a nd a d acadmica de S
do Boni Couselho.
Em virtude do convite feito pela mesa regedo-
ra da ir man tade do Senhor Bom Jesua dos Pas-
sos, sao convidados os nossos charissimes Unaos
para, encurporados e paramentados, aceropanrra-
revaxla-feir roxiaia,4 do correte, is 2 ae-
ras da la de, a procissao do mesmo senhor Bom
Jess dos Paaaoa. qae lera d]e aahir do eouvento
do Carmo. Scrotaria l.*de *ril de tffSt. '
Orympio E. de A. Gslvao.
Secretario ioterioo.
Irmrndade das almas da ma-
triz do Corpo Sa uto.
A mesa regedors por convite da irmandade do
Senhor Bom Jess dos Passos, convida a lodos os
aona irmos a- convparecerom cexu-feira, 4 do
corrente, s 2 horas da tarda, para, eucorpora-
dos, acomdaoharem a procissao do mesmo Se-
nhor.O esemao,
Joa-Monteiro Siqueira.
^mm a feeee* ivee aoonrtetoe qaaeaveo ^soa- no
mam casado com pouca familia .par* enaioar em
um agaou porto desta cidade aa Unguas por-
tugueza, Iranceja e Utim, aeudo que para dito
-flm qooira ova moco solteiro, com os precisas
hahiiitares, por quanto alm de ter quast lodos
os preparatorios paostadas no f a cuidada -de di-
reito (vbtendo sempre aparovacoo como praa
po-
aeva
cima indicada, e oes-
te caso se abnraoos trabalhoscom o numero que
comparecer, sendo as suas deliberares v.iilaa
e obrigstorias para lodos os membros do G>b-
nete ^
Pe
Secretaria do Gabinete Portugus de Leilura ea
iroambuco i.* de abril de 1862.
U. Soares Pinhtirc.
1." secretario.
Btrai fax **r a
a seo ca ti erro
Antonio Iguscio Pereira Coelho em sua Ur>ern*
sita na roa da Senz-la No-ra a M, gjrando de
ora em dianln na razio de Silva 4 Pereira. Re-
cife 2 de abril de 1862.
Attenco
i
g
O abaixo assignado perdeu um lirro
de suas notas relativas as questoes de
que procurador no foro deita cidade,
e coi o s a elle seja o mesmo livro ne-
cessario, roga a quem o achou que quei-
ra ter a boadade de o levar a ra do
Imperador n. 42, no terceiro an lar,
ou na mesma ra a. 75 no primeiro
andar, que se lhe agradecer' este favor.
O solicitador,
Joaquim Jos de Abreu.
Consultas plicas
Sero dadas todos os dias pelo Dr. Cos-
me de S Pereira no '.eu escriptorio, ra
*a Cruz n. 53, desde s 6 at s 10 horas
da manhaa menos aos domingos sobre:
1.* Molestias Oe olhos. .
S.# Molestias de corceo e de peilo.
3.* Molestias dos orgos da geracc e
do anus.
O exame dos doeutes ser feito n or-
dom de suss entradas, comecondo-se po-
rm por aqutlles que sotTrerem dos
olhos.
Iosiru melos ch i micos, acsticos e p-
ticos sero empregados em suas coasol-
tajoes e proceder com todo rigor e pru-
deocia para obler certeza, ou ao roenoa
probabilioade sobre a sede, naiureza e
causa da molestia, e daai deduzir o plano
de tratameuto que deve destrui-la ou
curar.
Varios medicamentos ser oambem
empregaoes gratuitamente, pela cer-
teza qne tem de aua verdadeiraqualidodo,
promptido em seus effeitos, a a oocosai-
dade do seu em prego urgente que se usar
delles.
Frailear ah mesmo, ou om casa *a
ODles toda e qualquer oporaco que
julgar coaveaieoie para o reatobeteci-
ment dos mesmos, para cujo tim a icao I
prvido de urna completa eolloecao do 3
instrumentos indiapeaasvasl ao medico
operado*..
I
Alti'Dco
O abaixo assignado aaligo professar (articular
da frogas inglesa juaga eoaveeteeas fazer-so
remorar aos seus numerosos asnigos e conheci-
dos, e para que em ceosequencta oe terem por
aqui apparecidu alguna novoa oonenrreateo aawaa
ansrau, nao julguesa que ell doma ao-coetenear
s exorcer a sua proftssao. SHo eiana ceaMNaao
aieociuoar particularmente Osla lioaoa pelo sye-
tema de Oleodorff, u qual inceatesUvelmeota
o aoolt) r que tem at hoja ahita uo prlu; ta-
te aeiav, que o orne acUeJoaeate auiao
neo prtooipaos collegios oe Europa ptra analoo
do diversa Unguas eoicangairo*, pula eat oaaa
cido que os quiiro Oiffareulea eaorakloa que
discpulo obrigade a fazer ao nansa tempe,
iste 4,'ler, traouiir, aacrevwr o tallar. concorm
Miitu-oem do-vida, para (acuitar o oaa aperfai-
-tsooanoaio. O moarno orelusaor toe a linecaa*
do' Jezer Saaabem Inaibrar, oaj* (oi elle o priasot-
ro que leociunou asta provienta pelo refarioo
com oa aeua ceniBcadoi) lem mais a paatlca do meibodo a hogoa iogieza, oaaim eooe alada mo-
ensmo partMUUar.daa tariss rafatidftv aanua-j m os mesma roa do Qlvna 83. .
ci para ser proctifSld. .Jrrjv 0 1 Geo Q. Marlbas.. >,-
!

^_____1


Lfcfcsita- ingles
Dlo-ie danoite do hotel ftfoces ; tratir
roo da Cruxn 1.
Aluga-ae os primeiro o segundo indoreo do
taso o Xfoim do Amoro : o tratar na mes-
ooo ru o. 46.
Ama.
Preclsa-se de urna ama do meia idtde para co-
zinher : na roa Imperial d. 315 taberna.
Quem tiver para alugar urna es
era va que teja fiel 'que cosinhe e en-
gorme para urna pequea familia, di-
rija-se a ra da Cruz n. 45, armazem.
SYSTE MA MEDICO HODBLLOWAY
PILLAS HOLLWOYA.
Este inestimavel especifico, cmaoslo inteira-
UftMDV hartas rjksdkiaaes, aso Mea ttercu-
rio nam algumo outra substancia delecteria. Bei
Digno nuil toara infancia, o A compltelo mas-
delicada, igualmente prompto e seguro par;
dosoneigor o nal na oomprei^o mais robustas
enteiramoote innocente em tuaa operacftoso of-
f.itos; pois busca e remo ve as doencas de qual-
quer especie e grao por mais antigs e tonazet
y ]* aojam.
Entre mimares de pessoas curadas cora .esto
remedio, muilas qne j estavam 8 porus da

morte, preservando em seu, uso conseguirn!
recobrar a saudo e fonjas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais afflictas nao devem entregar-oe a des-
etforacao; fac.am um competente ensaio das
efficases effeitos desta assombrosa medicina, o



prestes recoperarao o beneficio da saude.
"Nao se perca lempo em tomar esto remedio
Aara qualquer das seguintes enfermidadeo :
cadentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
A reas ( mal de).
Aslhma.
Clicas.
Consulsoes.
Debilidade ou extena-
cao. '
Debilidade ou falta de
forjas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidade no ventre.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqoeca.
Herysipela.
Febre biliosa.
Febre intermitente.
Febrelo da especie.
Gotta.
Hemorrhoidas,
Hylropesia.
Ictericia.
Indigestes.
Infla mmacOes.
Irregularidades de
menstruacao.
Lombrigas de toda es.
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis,
Abstrucgao do ventre.
Phtysica ou consump-
5o pulmonar.
Reten^ao de ourina.
Rheumatismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
h RA DO UEIMADO RM
PAhpjgEANDEXOSTIMEKTo
Vendem-se estas pilulas no eslabelecimento
geral de Londres n. 224, aStrand, eualoja
de todos os boticarios droguista e o u tras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna dellas contem urna instrucc,o om porlu-
guez para explicar o modo de se usar destas pi-
lulas.
O deposito giaal em casa do Sr. Soura
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
Bambuco.
REMEDIO INCOMPAIUVEL .
UNGENTO HOLLOWAY
Milhares de individuos do todas as nac,6ei
poder testemnnhar as virtudes desteremedio
incomparavale provaremcaso necessario,que,
pelo uso que delle fizeram tem seu carpo
membrosi a teira mente saos depois de haver em-
hiiAj
T~.il.

pessoa poder-se-haeonvencor dessascuras mi-
ravilhosas polaleilura dos peridicos, quolh'ai
rolatam todos os das ha muitos annos; o a
maior parte dellas sao to sor prndenlos qu
admiram os mdicos mais celebres. Quantai
pessoas rocobraram com este soberano remedie
o uso de seus bracas e pernas, depois dedui
permanecido longo tempo nos hospitaes, o toi
deviam soffrer a ampula$ao 1 Dellas ha imu
casquete vendo deixadoosses, asylos depado-
timentos, parase nao submoterem aessaope-
rajao dolorosa foram curadas completamente,
mediante o uso desseprecioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfuso de seu reco*
nhecimento declara ram estes resultados benfi-
cos diante do lord corrogedor e outros magis-
trados, afim la oais autenticaren! sua a firmativ
Ninguem desesperara do estado desande s<
tivesse bastante confianza para encinar este re-
medio constantementeseguindo slgum tempo c
trasmonto que necesstasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provarincontestavelmonto.
Que tudo cura.
A ungento he til, mala par tica
lurmen te nos seguintes casos.
Inflammacao da[baxigi
Alporcas
Caimbras
Callos. ..,
Ancores.
Cortaduras
Dores de cabeca.
das costas.
dos membros.
Eofermidades da cutis
em goral.
Dius do anuo.
Erupcoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
* calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchaces.
nflammacao do figado.
SortimeDto completo do sobrecaaacos de panno o 258, 28|, 309 e 35|, caaacos muito,hem
faitai a 258, 28|. 30f e85f, palelole acaaacadoade panno pretodo 10 at x5*. ditos da oaaenira
do eer o 15, 18$ e 208. polttots soceos do panno e easemiro de 8} at 14*, ditos saceos do alpaca
mciin o la do 4* al6#, aotre do alpaca o merino de 7| at 108, calcas pretaa de casemira do
8| al U$, ditos do como 7 at lOf, napas para menino de todos os tamanhos, grande sorti-
monto do roupao de brins como aeiam calcas, palotoU o coilotas, sorUmento de olletas pretoa da
aetim, casemira velludo de 48 a 9f, ditoa para casamento a 58 e 88, paletots broncos de bro-
mante a 48 o 51, calcas braceas moito finas a 5|, o nm grande aottmento de faiendas fina se mo-
dernaa, completo sortimento de casemirao inglesas para homem, menino e aenhora, sroslas de
lioho o algodio, chapeos do ool de oedo, lvaa do seda de Jouvia pora homem o aenhora. Te-
moa urna grande fabrica de alfaiate onde rocebemoo oncommendao de ondee obras, que para
isso est ooodo administrada por nm hbil moatre de aomelhante arte o um peosool do mais ds
clncoenta obreiros eacolhidos, portanto executamos qualqaer obra com promptidao e mais barato
do que em oitra qualquer cosa.
Novo paquete das novidades
23 -Ra Direita-2a
Neste novo eslabelecimento achira o publico om grande sortimento tendente a molhados
tudo por precomaia barato do que em outra qualquer parte :
Uanteig inglesa especialmente eseolhids a 800 e 960 rs. a libro. ,
)
Dita francesa a melbor do mercado a 720 rs. o libra.
Queiios flamengos chegados no ultimo vapor o 28800e 3f.
Cha hyson e preto o 28 e 98880 o libra.
Vinho engarrafado doa melboreo autorea a 18 o 18200 a garrafa.
Vioho de pipa proprios para pasto a 500 e 560 o garrofa.
Marmelada imperial dos melbores autores a 900 rs. a libra.
Ameixas portaguezae a 480 rs. a libro.
Passas muito novas a 500 rs. o libro.
Latas com bolacbinbas de differenteo qualidades a 1|400.
Conaervas inglexaa as melbores do mercado o 800 rs. o frasco.
Massss, Ulharim, macarrio o aletrio o 440 rs. a libra.
Cerveja das melbores marcas a 560 a garrafa.
Genebra dehollanda saperlor a 500 rs. o botija. .
Velas de carnauba a 440 rs. a libra.
Ditas de espermacete a 760 rs. a libra. _
Vinagre paro de Lisboa a 320 rs. a garrafa.
Arroz a 100 e ISO rs. a libra.
Alpiste a 160 rs. a libra.
Toucioho de Lisboa a 360 rs. a libro.
Alm dos gneros annuncisdosachar o publico um grande sortimento de um ludo tenden-
te a molhados mais borato do que em outra qualquer porto.
ARMAZEM
ROUPA FWPA
Joaqnim F. dos Santos.
40Ra do Queimado40 s
Defronte do becco da Congregado letreiro verde.
Neste estabelecimento ha aempro um sortimento completo do roupa foita de
todas as qualidades o tombem so manda ezecutar por medida vontade dos fregue-
zes para o que tem um dos melbores profassorss
"*5IS
da matrii
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Palmos.
Queimadelas,
Sarna.
Supurares ptridas.
Tinba, em qualquer
parto quo soja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulares.
Veias torcidas ou no-
das as pernas.
Vende-so esta ungento no estabelecimento
Ssral de Londres n. 944, Strand, e na loja
i todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda t
America do sul, Havana o Hespanha.
Vendo-so a 800 rs cada bocetinha conten
urna instruocio em portuguez para explicar o
modo de fazor uso doslo ungento.
O deposito gerej i em casa do A. Soum,
pharmaceutico, na ra do Cruz n. 32, em
Peroambuco.
Aluga-se o sitio do fallecido padre Capis-
trsao, na Gspunga : a tratar na ra dss Caica-
das o. 6.
O ababo assignado deseja enlender-secom
40 Srs. Manoel do Hollaada Covalcanfi e Fran-
cisco ioa de Sant'Aooa, oa quaea o primeiro co-
mo vendedor e o segando como Dador, contrata-
ran e effeetuaram em 1849 a venda de om nu-
lstioho de aome Raymundo que enlao tinha 9
anuas de idade, t como ignore o lagar onde exis-
tem pede que os mesaos ssounciem anas resi-
dencias ou se dirijan) a casa do meamo abaixo
ssigoado oa travesa do Carmo sobrado n. 1,se-
gundo andar,
Jeio Frederico de Abroo Reg.
Perderam-seduss cbaes presas em orna
corrate do lati: quem oe aebou pode entregar
um Ous csixeiros do Sr. Jos ds Rocha Faro-,
abo*, botica o. 88, da ra Direita.
Pracioa-eedeum bom mesira da masaeira :
na padarii d rga dos Pasesdorea ps. 1 e 3, pa-
-H boa." r
Caiacas ao panno preto a *40f,
Sf o 308000
Sobrecaaacos do dito dito o 358 e 308000
Paletots de panno preto e de co-
rea a 358. 808, 25, 108,188 e 20&000
Ditos de casemira de coreo a 228,
158,128.78 a 9000
Ditoa de alpaca preta golla de
velludo francesas a 108000
Ditos de merino setim protos o
de coro a 9| O 88000
Ditos de alpaca de corea a 58 o 88500
Ditos de alpaca preta a98,78.58 a 8|500
Ditos da brim de corea a 51,
48500,48 e r 38500
Di'?a ds bramante delfnho b an-
co a 68. 58 e 8000
Ditoa de merino do cordSo preto
a 158 e 88000
Calcas de casemira preta o de co-
reo a 198, 108, 98, 78 o 68000
Ditas do princeza e merino do
corda o preto a 58, 68500 e 48500
Ditas de brim branco ede cores o
58. 48500 e 8500
Calenda ganga da coras a 38000
Gollete de velludo preto e de co-
res lisose bordados a 198,98o 88000
Ditos do casemira preta o ds co-
res lisos o bordados a 68,
58500,58 38500
Ditos de setim preto 58000
Ditoo de seda e setim braneo a 6 o 58000
Ditos de gorguro de soda protos
o do cores a 78, 68, 48 o 5000
Ditos de brim e fustao branco a
38500.98500o 38000
Ssroulaa d brim de lioho a 28 o 28900
Ditaa de algodio a 18600 e 1$280
Camilas do peito de fustao branco
ede corea a 98400 a 28900
Ditas de paito de lioho a 58, 48 o 8MM
Ditaa do madapoln brancao e de
cores o 88. 28500, 28 a 18600
Chapaos pretoa de maaaa franceza
forma da ultima moda a 108,
68500 a -78000
Ditos do feltro a 68, 58, 48 e 2*000
Ditos de sol de seda ioglezoo o
frsncezes o 148,128, 118 7000
Colsrinbos de lindo muito finos
nawosfoitios da ultima moda a 8800
Ditos do olgodio 8500
Relogios do ouro patente e hori-
zontal a 1008, 908. 808 o 708000
Ditos do prato galvaniaados pa-
tento e horisontaea a 408 o 80800o
Obras de ooro, aderecos o moios
aderecos, pulceiras, rozlos e
anoio o y
Toalhas de linho dutia 108, 68 o 99000
Ditas grandes para mesa urna 38 e 4000^
Para s provincias de Pernambuco, Parahiba, Rio T,
Grande do Norte, Ceara e Alagoas, a saber:
Folhinha de porta, contdmdo o kalendario, pocas geraes, nacionaes, dias
de galla, tabella de salvas, notims planetarias, eclipses, partidas
de correio, audiencias, e resumo de chronologia, a res r60
Dita com almanak, contando o kalendario, pocas, noticias planetarias,
partidas dos correios, tabellas de imposto, etc. etc. e o almanak
cvil, judiciario, administrativo, agrcola, commercial, e indus-
trial, desta provincia, a ras. 1#000
Aluga-se um carro para o trajeo da alfan-
dega na raa Direita o. 10, se dir quem alog;
na mesma caga tambero precisa-ac de om caixei-
ro portuguez que tenha de 13 a II aonos paro
deposito.
N da S do abril andante, pelas 10 berso
do manbls, por mandado do Dr. joizdeorphaos,
vas a lolla tenrto por baso o bslaoco, a loja do
atllairo alo rao Mjva n. 28, pertepcento a o fasal,
do BoT9B(tra Pireira Pwdi,
-mmmmmmmmmmmmmimmmmmmm-mmm
-- Precfsa-se de urna ama
comprar: na rus 86 Imperador
andar, entrada 4 direita. '
para 'dosinhar o
n. 87, segando
ivv u I.U..UU, mu uso oraoco multo nno s 640 a rsra, dito bordado
odas por procos commodos, assim cmo m grande sortimento de
admira : na fojo de Paredes Porto.
ASSENHORAS.
IL1P
LOJA AMARELLA
i
11-Ruada Cadeia-H
a 4f o co-
tas priocipaes
258.
VESTIDOS PRETOS.
Superiores vestidos pretoa de moreantique de oeda por 728 o corta
vado, eata fazenda a mais apreciada para vestidos e muito em moda
pracaa da Europa o do Uto de Janeiro.
GROSDENAPLES.
PretoB de diferentes procos e qualidades para 28, 28400 e 21600.
MANTELETES DE FILO'.
a-, ,Jni dernoa monwletoa de fil preto.lfsos e com bobodos a 208 e
ditoa ulto ricos do eiUo de tapa a 508. !
MANTELETES DE SEDA.
Cottprldos ao rigor da moda, aban hados de superiores franjas de sedal 258 e 308.
CAPAS A PROPHETA.
Sao aa que mais se vendem presentemente por eslar muilo em uso e que temos
recebido por vezes de encommenda para diversos, sao do feiUos elegantes e contem
em si os preparos para ama aenhora, preso .508 e 608.
VEOS E MANTAS.
Prets: NOVADA DE.
Chapeos a Gaxibaldi, ditoa a hespsahola, chapelinas, todos eofeitados com a
> me,.n,1P*'n* ('lx,, re*li* le blonle com manta, capella etc., ditoa de cambraia
/ft bordados, espartMfcs, leqvea, lavas, manguitos, cintos, enfaites para esbeca, cassas fl-
oaa de cores, lanzinhas, sedinbss lisss e de qusdros, saias a. bailo, perfumaras, ves-
tuarios para baptissr crianzas o maitas outras fazendas que seria enfadonho mencio-
nar ; de lodas dam-se e mandam-se amostras.
FEBREIBA VIUEU
DA
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Rom'oto CalMBSjp* n, 18,
tssteo da
Relxatoa por ambrotypo, por melaiootypo, oo-
bro panno encerado, aobre talco, esteciaoo ta
pulcoiraa. alffnetea'ou caasTelas. rfi mesas
eaoo aiioto um completo abundante sorUmento
do axtofactos (raacazea a americanoo poro o al-
do lei; retratos em photogropois dss priacipaoo
perooaagaas do Eoropo ; stofoooooaoa vistoo
atereoacopicas, anim como vidroa para ai
o cbimlcaa pbotograohicaa.
Gabinete medico cirurgico..
SRua das Flores n. 37.
Serio dadsoconsilUfl medicss-cirurgi-i
Seas polo Dr. Estevio Cavolcoati do Alba-
qaerquedo 6 ss 10 horas ds manhs, ae-
9 cudiado sos ehamadoa com a maior bre-
vidade possivel.
Ia* Partoa.
2. Molestias de pello.
3.* dem do olhos.
4.* dem dos orgaoogonitaes.
Prolicaritoda equalquer operaco a
aeu gabinete oa em csss doa dooatoe coa-
formo Ibes fr mais oonvaniento.
i
l
Sitio para alugar.
Aloga-ae um sitio com grande cosa, coebeiri,
eitribario. etc.: no logir dos Remedios defron-
te da igreja ; tambom se aluga o tarceiro andar
tar caoa da ra da Cadaia do Recita a. 4: a Ira-
da o armazem do meamo.
i
NOVA
LOJA
O Dr. CoroUnc Fran-
cisco de Lima Santos.
iadou-se do rao doa
rozos poro a do Im-
perador, sobrsdo a.
817, em frente da igre-
ja de S. Fraficitco, on-
# do continua no exerci-
# do da sus proflssao da
9 medico.
Jos Bento Gil Carmines.
Ra do Rangel numero 1, fim da ra do Queimado.
Fabricam-ae e concertam-se banheiros, bahs, badas, canecos, laolernaa de carro, cande-
labros, candiairos de azeite ou gaz, porcelana, crystal e outras oqras concernenles a dita arto.
Abrem-se leitras para marcar. Tendo-se tola attencao com oscuncertos, pois se faro com pon-
tualidade e seguranca e por barato prego.
Aos Srs. agricultores.
Tendo-se de vender algum ou algans bens do
heranca do finado Jos Fernando da Cruz para
occorrerao pagamento dao dividas a respectiva
herdeira e inventarianto est resolrida a reqae-
rer oo jaizo do Inventario autorisaclo para a
venda do engenho Quiaombo, contiguo ao ecMje-
nbo Piotoa, de terraa excellentes. Por tonto
em qusnlo se trata de requerer a respectiva au-
toriiagao, os Srs. agricultores que quizerem exa-
minar dito engenho ou obter informscoas podaos
dirigir-se a mesma herdeiro no ooganbo Pintoo
ou ao seu Qlho Joio Fernsndo ds Cruz, residente
rao Novo desta cidade n. 65, segundo sudar:
Perdeu-se no aabbado de heite 29 do cor-
rente umo puleeira de ouro, desde a roa dss
Cruzeo a igreja da matriz do Santo Antonio, e
deala a igreja da Coaeoicio do raa Nova : quem
ochar dirija-so a na das Cruces n: 88, primeiro
ndir, qus ser recompensido,
8-M. ffilli-i
Deposito de chapeos de sol de seda
das fabricas franceza e ingleza.
Vendem-se em por^o e a retalho.
O dono deste novo estabelecimento, na sus recente viagem Europa, honrado com a conQan-
ca dos primeiros fabricantis destes gneros, tem nfferecer ao publico os productos daquellas fa-
bricas, e por precos nanea vistoa cesta praca, como consta na tabella abaiso :
Chapos de sol de seda francezesde 20 e 24 pollegsdas por......... -jSOO
dem dem idem de 26 ditas,................................... ,. 5000
dem idem idem de 18 ditas........................................ 68000
dem idem idem Ingresas da 26 ditas ................................ 88000
- dem idem idem de 28 ditas........................................ 9*000
dem idem idem de 30 ditas....................................... 10&000
PRESOS FIXOS.
e em por?o de 1 duzi para cima,
15 por ceiito de descont.
Dentista de Pars.
15Ra Noya15.
Frederico Gautiar, cirurgiao dentista
fas todas as operaedes decua arte a e co-
loca dantos arhViaao, todo com -80010
rioridade o porfeicao que as pe8Soas-,an
tendidas Ihe reconhecem.
Tam agua e nos dentudos, etc.
o "~ ^fgonU",e ao Sr- Kti *..... V0 S.
S. modlOcar ao poetarse municipaeo impondo sos
infractores do or. 18 titulo 4* dss masmaa pos-
turas (por especial favor, ja se cabe) a multa do
10j>? E se no mencionado srtigo seboa 8. S. a
faruldade que o ao iofraetor de eacolber entro
malla imposta e oa oito dias do prisio qae lio
marcados por lei ? A resposla de S. S. muittf
guiar ao
Myope. '
O secretario da rraandade de N.
S. do Terco eonvida a todos os seus cha-
ros irmos, para em corporac^o acom-
panliarem a procisso do Senhor Bom
Jess dos Passos, sexta-feir- 4 do cor-
rente pelas 2 Ij2 horas da tarde.
ESTRADA DE FERRO DO RECIPE A S. FRA\i IS< O
Abertura la 5a. sec^o.
Com a partida dos trens e os precos das passagens sero regalados pela tabella seguate.
ESTATES
Cinco Puntas...........
Afogsdos................
Boa-Viagem..........]..
Praaeree .................
Hha......................
Villa do Cabo............
Ipojuca..................
Olinda...................
Timb Ais.............
Escada...................
Frexeiras...............'
A'ipib.................,
Ri bei rao.................
Gamellpirs.......... _J
TBENS l'AHA O INTERIOR
Dias de trabalho
RAsnua
Horas
8
8
8
8
9
9
9
9
9
10
10
11
11
11
ESTACOES
Uamelleira............,
RibeirSo...............,\
A npib....;. ..........
Frexeiras,...............
Escada ...,A............
Timb Asia..............
*m.y...............
l^'-A................
Villa do Csbo............
t'ho......................
prasereo..'..;.'.......-.'...
Boa-Viagem.............
Afogados............... 1
Cinco Pontai..;........
Mo.
15
22
33
40
1
15
30
44
57
10
40
ao
45
TARDE
Horas
4
4
4
4
5
5
5
5
6
6
M'n.
30
37
48
55
16
30
45
59
12
25
Duuiiugus e das
santos
HANHAA
Horas
7
7
7
7
8
8
8
8
8
' 9
9
9
10
in
Mo.
15
22
33
40
1
15
30
44
57
10
35
55
15
35
TARDE "
Huras
6
6
6
6
7
7
Mm.
30
37
48
55
16
30
TRENS DO INTERIOR
Das de trabalho
XANBAA
Horaa
Mm.
TARDE
Hora.
12
1
1
1
_ 2
12 2
85 2
40 8
55 3
ti 3 3
36 3
47 4
55 A
Hin
4U
25
45
15
27
40'
55
10
23
44
51
2
10
DomliiKus o
r santos
das
MAJiHAA
Huras
6
6
6
6
6
7
Mm.

13
34
41
r 52
TARDE
lluras
2
3
3
3
4
4
4
4
5
5
5
sr
6
6
Min.
50
10
30
50
15
27
40
55
10
23
44
51
?
PhECOS DE BUCHETES
Viagem de Ida
!.
400 rs.
Ifl200
1$400
2s700
3i00 s>
3*900
45500 a
S100
58-00 t>
&9000
65iK)
7$000
79500
CLASSES
300 rs
900
19100
sgapo
2870'
35000
38-200
3400
380O d
-iaOOO
48*00 o
4800
aamo
3.a
200 n.
500
600 o
18100
1*400
1J6O0
13900
21200 >
S500
2J800 a
38000
3S200 >
3.5no
Viagem de Ida e volta
CLASSES
1
600 n.
1|8"0 >
28000 o
48000
58000
5*800 d
78000 a
78700
9*000
9500 >
"08500
118000 d
Hx5flO >
500 rs.
I84O0
18600 >
38200
4SO00
4*51-0
48800 >
5*100 >
58700
68000
6*300
7J20O >
71.500..
3.
300 rs.
800 o
900
1*700 >
2*100
2*400
2J900
3*100
3*800
4*200
4*500
4*800
52A0
PRESOS DE B1LHETES
Viagem de ida
CLASSES
1.a
"
700 rs
1*700
2*400 b
3J3O0
3*900
4|50O
5*200 >
6*000
6*800
8oo
7H-d
7*300 a
7*500 a
2."
500 rs.
H8200
8800
2*200 d
2*600 o
38i'00
3*600 a
48000
4*200
41500
41700 >
4*800 b
58000 o
3
300 ra.
700
1*000
1*400
18600
2*100
2gS00
8*600
3*0(10 o
3*100
S|2UO
38500
Viagem de ida e volta
CLASSES
1."
1*000 rs.
2*500
3f00
5*000 o
5*800 >
1*900 0|7oO
7*800
9*000
9*500
108200
tottoe
1*000 >
In00
2.
700 ro
1*800
29700
3S300
3*000
1*500
5*400
6*0.0
6(800
6*800
7*000*
7*200
7*500

500 rs.
1*000
1*500
Sata
2*400
8*800
3*100
3*300
3*900
4*300
4*600
4*800
5*900
.A* aorao maroodao sao aquellos em que devem psrtir e ebegar os trens, mas a companhia nao garante que em todos os casos posaa lar
lagar essa pontualidado, e nem ser respooiavel pelao demoras ; comUdo, os trens abo parlirao das eitaQdea anteo do lempo eipecifioodo.
Os meninos de seis annos pagarao meisde. I '
Oa bilbeles de ida e volta serem para 24 horas, ou 48 cuando nellas se eomprobeodem domingos ou diasnotiBcadoe, Oa do Primeira
laso* oesse ultimo coso ser#m pira tres dias.
Rogase encarecidamente aoa Srs. oaasageiros que tragara sempre o diobeiro correspondente ao prego da viagem que Uverem do (atar, tara
so oo'verem por falta de troco as esU^oes na cooriogeocia da nao Mgulrem, aendo como corto que mais fcil Ibeo o Irazerem 0 dlabaaio 4a
seus biibeMa juito, do que aa es1?es terem indennidamenio o Hoco para dar o todos. v >
BaGaGEM E PASSAGEIROS Os passagelroa poderio transportar gratuita meo le e seb sua respbnaabilldade. a btgsgva de bSs peto infe-
rior a urna arroba, que possa sor collocsdo por baixo do seu asiento, o sem iaeammodar os demais viajantes. Sata eoneeseeo- nlo oo esleado ata
objecos preciosos.
,.l Ao begageni o cavolloo que Uverem e> seguir ~ nos trens, dosrlo achar-se nao estacos so varnos 10 atlnutoo antea do hora maiClo
As portas das estarces serio fechadu 5 minutos antes do hora marcada ai tabella, depois do "ajae ni^aao^adg rs-la bilhaUo.
SuperinUaOait*.


"""........"...... ''
>

UatitlftM. WMUMBUQO,^MMpt Milu a l)B ABRIL DE uei
""JSIU
&'
sobrado o. 193 e cata terrea n. 191 da ra Impe
"" : -*r,Ur M Aora b. 86.
Offerece-se am homem iem familia para
I* f P5 para tratar de doentea por ter
tido pratica
letraa :
dirija-;
P
ico de
rim arma
primeirae
i aliUaar,
B.
'*
Atteneo
captiva para o aer-i
narui 4 Amo-
Primeiro andar para alugar
Alugi-ie 9 primairo andar do aobrado da pra-
5 da Boa-Vista : a tratar na rtta la Imperatriz
B. 46.
ESTRADA JE FERRO
lecife a Sao Francisco.
Aviso.
A abertura da 3a scelo aaauneltda par o dia
25 do correrte ficou trausferida at outro a?ito.
A partida doa trena na Ia seccao e preco das
pasiagena continuarlo como antea da publicado
da ora tabellaa qual i ter rigor depois
de aserta 3* aeceio.
AssigoadoE. H. Brsmah,
Superintendente.
Vende-ae o 1, 2 e 3* tomo das biogra-
phiaa de alguna poetas a entres homeui illuatrer
da provincia de Pernambuco pelo commendados
A. J. de Mello, com beitaa poeaiaa, acta, offl-
cioa, mnitaa patentes de capitana na guerra doa
Hellandezes, entre as quaes acuario as dos seus
aacendentea maitaa dai familias, nao s de Per-
nambuco, mas tamben da Parahiba, Rio Grande
do Norte, Babia e Rio de Janeiro, e ostros mui-
tos documentes historeos e polticos, nao s
curiosos, mas de grande importancia. Em mo
do sulor.
Roga-ia Vos Srs. absixo declarados o favor de
dirigirem-se ra da Cadeia do Recite d. 55, a
negoci que oa mesmoa aeubores nao ignorara ;
poia se o contado flzerem declarar-ie-ha por ex-
tenso qual o negocio.
Aloe ud da ALmeWa Albuajeroa:
Maooel Jernimo de Albuqu wquf.
UoaAfcrea da Costa. .
de Acerada Urna.
Alolda Gomes. |
Francisco de Parias GuImarSes.
Antonio Alfredo Tasares.
Joi de Souza Pereira de Brito.
Ajtopio Julio da Miranda Oliveira.
Castao Jos Garcia.
Tente Jos Avelino da Silva Jacquea.
Joaquim Domingues Vieira Aragao.
Maaoel Lopes Moreira.
Joaquim Teixeira Peixoto Filho.
Antonio Din Fernaddea.
Antonio d Sonta Pereirs de Brito.
Antonio Joaquim de Figueiredo.
Antonia BrasiRno de Oliveira.
Jos Antonio de Oliveira Jnior.
Porario Uto a da Silva Mello.
Affonso de Albuquerque Maranbio:
Francisco Antonio Coelho Jnior.
Manoel Gomes de Oliveira.
Maooel Laarlndo Vieira.
Guilherme Coelho Gordeiro Cintra.
Augusto Carlos de Soma Migalhes.
Laurentino Crrela de Barros Araojo.
Jos Colombino da Silva.
Antonio do Reg Pacheco Jnior. *
Joaquim Milet Mariz.
Joo Valentim Dias Vilella.
Manoel Bante Aires de Macedo.
Joaquim da Silva Neves.
Daarle Artbur de Macedo.
Manoel Jos de Castro Viinn*.
Joo l'aes deOlivaira.

-
'
ao
Saques sobre Portugal.
O abaixo assigoado agente do Raneo
Mercantil Portnenae neata cidade, aaca
erleclivamentfl por todos o paquetea ao-
bre o mesmo Banco para o Porto a Lia-
boa, per qualquer somma avista e a pra-
io, pudendo logo os saques a prazo serem
descontados no mesmo Banco, na razo
de 4 por canto ao ando aoa portadores
que aasim Ibe eonvier : naa ruaa do Cres-
po a. 8 oa do Imperador a. SI.
Joaquim di Silva Castro.
___m
Fartaram am civallo rugo, carnudo, capa-
da, com pintas amarellaa, cabano, cascos pretos,
com urna baixa naa coatellas, ripado, com a cau-
da curta, mancha vermelha no queixo, com urna
pisadura na coalella mindtnha qae nunca nasetu
caberlo, cujo cavado ferrado nos qasrtos e no
querco : quem o achsr entregue na prensa da
Maneel Ignacio de Oliveira Lobo, que aer grati-
ficado, ou em Pedra Tapada, no lugar Capella de
S.Vicente a Jos Belarmino de Aiiumpc&o, seu
legitimo dono.
Recebe-se roupa para lavar e engommar, e
tambem para engommar somonte, por precos
rouito mdicos, mandando-se buscar e entregar
em casa de seue donoa: quem precisar deaae ser-
vico procure na Boa-vista, rui do Dsilioo n. 20,
oa annuncie.
Um rapaz que tem pratica de caixeiro, offe-
rece-se para urna arrumaco de cobraoca ou ar-
mazem, promette empregar toda actividade no
dessmpenho de seu dever : a pesaos que delle
se quizer utrlisar, jiirija-se a ra Nova de Santa
Rita n. 4, ou annuncie por esta folha.
Aluga-se umaoaaa de pedra e cal caiada
e pintada, com aala na frente e atra, um quar-
to, cozioba fra, copiar e quintal, por 8*000
mensaes, na Torre : a tratar no mesmo lugar na
taberna do Caneca.
Aluga-se ama easa na Torre com duas sa-
las, tres quartos, cozioha fra, copiar, bom quin-
tal com arvoredos, por 168000 mensaes : a tra-
tar no mesmo lugar na taberna do Caneca.
The anoual meeling ef Brtish Residente in
accordance wlth the Act. 6 Geo. IV cap. 87 will
be oeld at thia office on Friday the 4 th. prximo
inetaot at Noon or ihe Election of Iruatees of
the British Episcopal Choren, Hospital, and Ce-
metery and for the Despatcb of the Business re-
lating to those Eatabshments.
Britisb, consulste,
Pernambuco, march 27 tho 1862.
G. Leooon HunL
H. B. Ms. cnsul.
O abaixo asstgnado previne ao Sr. Joaquim
Ugolino da Silva Fragoso, arrematante da casa
da ra doa Pescadores n. 11, pertenuenle Santa
Casa da Misericordia, que s ae reepoosabilisa
pelos alugueia at o Qm deste mez. Recife 29
de margo de 1862.
Sabioo Bruno do Rosario.
Veneravel ordem tereeira de
S. Francisco do Recife.
Em virtude do convite da irmandade do Senbor
Bom Jess dos Pasaos, o abaixo assigoado coa-
vida aoa seus chariesimos irraos a comparece-
rem no dia 4 de abril prximo futuro, pelas 2
horas da larde, paramentados de aeus hbitos,
?a igreja de nossa ordem, aQm de encorporados
-acompanhar a procisso do mesmo Senbor que
em deaabir do conrelo de N. S. do Carmo.
Secretaria 28 de marco de 1862.
Luiz Maooel Rodrigues Valonea.
Altencao.
D-se dinheiro a premio sobre penbores de ou*
rd ou brilhaotes : na ra do Gueimado o. 45.
ACTK1BG.
Na taberna n. i no becco do antigo porto das
canoas no Recife, precisa-se fallar a negocio de
interesse com os Srs. Leonel de Souza Machado,
Manoel de Carvalho Paea de Andrade. morador
em Iguarasi, Joaquim Jos de Carvalno Cabref-
ra e Basilio Luis Coelho.
Imperial Instituto de N. S. do
Bom Conselho.
No dia 2 de abril prximo aer aberto o curso
de geometra, potloaohia, geographia e rhetori-
ca. As horas sao- convenientes sos estudales do
collegio das artes. O pxofeisore lo os meamos
do curso das ferias.
No dia 8 de abrif, fiada a audiencia do Sr.
Dr. juiz municipal da 1.* vara, aera arrematado
por execucio de Francisco da Cucha Araujo Pi-
nheiro contra osherdeiros de Marcelino Antonio
Pereira, duas casas terreas na 142 e 144 oa ra
das Cinco Pontas, avallada uiua por 2:5009, e ou-
tra por 2:7009, escrivao Santos, >
Aeha-se justa e contratada a venda da cass
errea e 4 mei-aguas na ru Inop-erial o, 5: quem
tiver algam embarazo a oppdr, an.iuncia por este
IDiirl.
Estrada de fierro do Recife
S. Francisco.
A abertura da 3.* scelo annunciada para o dia
25 do correnle, flea transferida at antro aviso. A
partida doa trena na 1.a e i.* leccao cootinuario
as horas do costme.
Preciaa-se de am carroceiro na ra dos
Pescadores padaria n. 1 e 3.
Preciaa-se arrendar um aitio qae teahs
proporcoes para plantar-se eaptm tarso algu-
nas vaccas, preferindo-ae para aa bandea dos-
Afagados oa outro lugar que oio dista muito
desia cidade : na ra da Cadeia do Recife o. 50,
loja.
A abaixo assigoada moradora na ra da
Santa Cras n. 4, viuv de Joo Sergio Cesar de
Andrade Mello, declara ao reapeitavel publico
que, alm da anounciante, ninguem mais da fa-
milia de seu finado marido sabe o remedio con-
tra a hydrophobia empregado pelo dito seu fal-
lecido marido aempre com feliz resultado. Aa-
sim, poif, quem precisar curar-se deste lerrivel
mal e quizer aproveitar-se dessa remedio, que
aempre esteva em segredo durante i vida de aeu
mando, e s foi revelado-a ann uncan te, pode
procura-la em cas de sua residencia onde con-
seguir salvar-se'desta horrivel molestia. Re-
cife 22 de marco de 1862.
Maris Juliana Lopes de Miranda.
15000,
Aluga-se um aitio pequeo com casa de vivea-
da e cacimba de agua de beber, tendo a casa 3
qusrtos, 1 soto, 2 salas, costaba fora e copiar
pos. 15y mensaes, em Ssnto Amaro, sitio em qae
mataram o frsde.
6J00.
Aluga-se em Saoto Amaro, ciminbo do Cam-
po Grande, nma casa contendo 1 sala, 2 qaartoa,
1 pequeo quintal, e com agaa de beber, por 69
Aluga-se o segundo andar oa raja da San-
zalla Velha a tratar oa loja do mesmo o. 46.
Ama de leite.
Preciaa-so de urna mulher sem filho para ama
mentar ama criaoca de doua mezes, paga-se tem;
a tratar na praca do Cerpo Santo n. 19.
Anda ae precias de am criado de 12 a 14
annos, que seja fiel, para comprss, etc., de casa
de pouca familia : quem assisn estiver habilita-
do, dirija -se a ra de S. Francisco, sobrado n. 8.
Na travesea da ra das Cruzes n
2, paimeiro andar, tingese para todas
as cores com presteza e commodo prec/J.
Urna casa estrangeira de pouca familia pre-
cisa de um cosioneiro ou cosinhelra forra ou es-
cravo, comtanto que seja perito no seu officio: a
tratar na ra do Trapiche n. 36.
Tem chegado urna rica peca de msica pa-
ra piano, muito sentimental, intitulada a dor
extrema da naeao portagueza, offerecida aua
mageslade fidelisslma D. Louiz 1.* rei de Portu-
gal : vende-se na casa de A. Gelooch, reloeiro,
ra Nova n. 22.
Aluga-se a loja do sobrado n. 33, aito aa
ra da Praia de Santa Rita : a tratar oa ra da
Cadeia o. 62, segundo andar.
Precisa-se fallar ao Sr. Ignacio
Ferreira Mendes Guimaraes, que mo*
rou na ra da Conceicao da Boa-Vista :
nesta typographia.
Aluga-se urna casa terrea na travesa dos
8uarleis, outr'ora ra de Sao Bom Jess das
roulas : tratase na ra Direita n. 8.
r Ama de leite.
Pr ecisi-sa da tima ana de le!te forra seas cria:
a tratar na loja de chapeos do Mala Irmaos. ao
arco d* Santo Antonio. '
Jos Martios Ferainde!, subdito portuguez,
vai ao Rio da Janeiro.
Joia Goacalvea da Carvalho, subdito portu-
gus, vai ao Rio de Janeiro.
Porque razo
se ha da consentir que urna pleiade da Gui
atrevase as raaa com aaaa sai ai a btlio corren-
do os acougaea, psrando nis tabernas, e descan-
sando naa qaiUadas, atropellado a todas com
orna camota pin a festa dui Prazeres ?
Nao teri eaaa caca de Dos mdltss cssu que
rendam o sufflciente para a grande festa?
gizem qua iim.
quem tem cuips de ver um ebristao esse es-
pectculo to lepojieote ?
Nao teoham pressa qu eu logo digo.
BUL :
Precisa-sfl de orne ama psTi o servico interno
a externo de eaaa de urna peaaoa : na raa da
Gala n. 7, primero andar.'
Caixeiro.
Para caixeiro de portas i deotro, ou mesmo do
ra, ae offerece ao Sr. commerciaote que preciie,
um moco poftugoet'de idnea condaets, moder-
no no paiz, pratico oo commercio, e na escriptu-
racio mercantil: na raa eatreita do Rosario n. 4,
oa na travesea da Madre de Dos n. 11, ir-
mazem.
OtttVionaaaa vai a Europa,
Precisa-se de ama ama Torra ou captiva
para cozinhar : e tratar na ra da Roda o. 29.
Juiz dos feitos da fazenda na-
cional. 9
No d.ia 3 do correte, as 10 horas da machia,
deppis da audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz doa fei-
tos, ae vender em praca a casa de aobrado aila
oa ra Velhi da Boa-viata, avallada ene 4:000,
pertencente sos herdeiroa do fioado Antonio Du-
Casemira preta a
covado11!
ff. 2Na rojtte esquina que volta
o becco do Padre-N. 2.
..Ven^-se easamlra'preta a lJjOOO o covado oa,
V500c> corte, aailm-como mantas pretas de fil
pelo baratissimo preco de 6|000 cada
bretinha com 10 raras a 2JO00,
bordadas
a, pecas da
todo uto pira
cavar.

Pechincha.
i -.
m que se est aca-
bando.
A 1 f 280 tfil?!
Grosdanaple preto multo bom : na ra dd
Queimado n. 47. ~
A 15jj|000.
Palelota de panno Ono forridoa de seda : na
ra do Queimado o. 47. .
* WOf 0 a pMa,.:
Tramlas para babadoi coa 30 varas : na roa
do Queimado n. 47.
A 4^500 aduzia.
Meiai ruaa inglszai para meniao, muito boas :
i raa do Queimado n. 47.
la ra da Imoeratriz
ravao, de Gima &
a 25Q6.
ito bonitas a 2|500
iriz o. 60, loja do
chegar a loja
Da
Urna carrosa e un boi
Vende-ae nma carrosa' e um bonito boi, ou
urna carroca tudo em perfello estado, proprio
para carregar estreo, ou materiaes: na ma do
Sebo a. 8 4 tratar.
Lindas bonecas de dille-
reates tamarihos e qual-
dades.
A loja da agaia branca acaba de receber a sua
arte Ferreira Valno. ouja ciaa se vendepua pa- eocommenda de lindas e bem vestidas boneca
gamento da fazenda nacional. francezaa de 2 e 2 112 palmos de altura, aa quaes
Recite I. da abril da 186a.O solicitador, I na verdade vieram to perfeitn e bem arrani-
Francisco Xavier Pereira de Brtto. das que quem as vir iofallivelmenle deseia com-
Precisa-se de urna ama para todo aervico pra-las, porque urnas alem da formoiura tem
da urna caa de duaa peaaoae: na ra do Sebo bellos cabellos cachrado, outraa bonitos cha-
numero 15. : pozinhoa a Garibaldi etc., etc., e todas em flm
frecisi-ae de am orneire que entmda per- j aa iodiapenaaveia aiias balao ; saim como rece-
reitameote de seu officio, paga-se bem : oa pa- ; beu igualmente outro bello eorfimento de bone-
dana de Santo Amaro. (cas de choro taoto de maesa como de eera sendo
, estas de olboi movdiops e de differeutes la ma-
chos at 3 palmos. Agora pois
Uftima moda
Dei chapeos pretos fiooa pello de seda copa alta! na qaesejs iua fllha, pareot/ou conhecida, di-
regular, para homena, chagados ltimamente na rigindo-se primeiro (munido de dinheiro) a loia
loja . a melbor oc-
casiao de qoslquer piasoa mimosear urna meni-
para a Googregacao, mandados vir especialmente comprar urna dessas bonecas ou
da Europa, pelo mdico preco de 99 cada um. cousa de agrado.
Ditos de Miro finos a Garibaldi superior qui-
lidade com variado aortimeuto a 5$ cada um.
Preciaa-ae de urna aoea para o aervico de
casa,que saiba coiiohar e comprar para duaa pes-
aoas : quam pretender dirija-ae a Boa-Vista em
o lugar denominado Campo Verde casa o. 20, a
outra qualqaer
Aviso.
qualquer hora.
Joo Teixeira da
Vende-ie urna taberna na povoaco dos Api-
pucos : a tratar na mesma povoaco na taberna
do Machado.
Rocha sbito portuguez
vae a Portugal. **. TI
Irmandade de Nos [fl jeCCclO BrOW
sa Senhora M3p dos v
- 4l(encao
imik
%
Precisa-te de urna ama forra ou esptiva para
todo o servido de casa de orna petaos : tratar
na ra das Laraogeiras o. 5, primeiro andar,
Precisa ae de um hornera casado que tenha
pouca familia para enainar lalim, francez e por-
tuguez n'um engenho distante deata praca 6 le-
oaa: quem pretender dirija-ae botica do Sr.
oaquim de Almeida Pinto na rus doiQaarteii n.
10, que achara com quem tratar.
A-fuga-se urna bala para escriplorio oa ra-
paz aolteiro, oa ra da Craz o. 18, aegundo an-
dar : a tratar oo erceiro andar do mesmo.
para
Aluga-se um sitio cofrgraode casaV-cocheiri,
estribara grande, oo logar doa Remedios defron-
te ds igreja ; tambara aa aluga o terceiro andar ena folha, poli devem-se lembfar
da Rasada wa da Cadeia do Racjen. 4; a Ira- mesma estagicia gsbaram do quffteram.
tar no armazam do meimo. Umbalioo Bandeira da UUo.
Precisase de ama ama para cozinhit > I Joaqnim Sissdea, subdltd panagjer, vai s
nil i9 pequea fmula; na ra.Nora o. 7. .'Europa tratar de sua ssode.
Joao Antonio Coelho, sangrador e dentista, avi-
sa a todoa os seus fraguezea e ao respettavel pu-
blico, que aemudou da ra eatreita do Rosario
para a do Imperador n. 69, aone pode ser pro-
curado para sangrar, tirar denles, ou limpar e
calcar os mesmos, para applicar ventosaa e bi-
chas, tudo com perfeico e delicadeza, e tambern
te alugam e vendem-se excedentes bichas de
Hamburgo, as melhores que ha no mercado.
Casa para alugar em
Olinda.
Traspaisa-se o arrendameoto da casa de um
andar no principio da ra de S. Bento em Olin-
da, com bons commodos paaa urna familia, e por
preco maito commodo : a tratar com Manoel Al-
rea Guerra, na ra do Trapiche o. 14.
Norat Irmaos, pe-
dem aos seus devedores que se oo prazo de oito
dias nao tiverem saldado suaa contal, sero
perseguidos por meioa judicias.
Aluga-se urna casa oa Passsgem da Magda-
lena junto a ponte grande, com 2 aslae, 6 quar-
tos, soto e cozinha fra, quintal todo murado,
e ptimo banho oo fundo : aa pesioas que pre-
tendere m dirijam-ae a ra Direita u. 3.
Precisa-se alogar.um moleque que airra pa-
ra recados, compras, e outros servicos de urna
caa de familia, psga-se bem agradando : a tra-
l" 9 jua da Aurora n. 80, segundo andar.
U Dr. Cala-Nova, mudou o I
S-3U cnsul torio homeopathico da
ra das Cruzes, para o largo da
da matriz de Santo Antonio casa
n. 2, aonde pode ter procurado
fp a qualquer hora.
AlBgS-se ame ama com axeellente leite, e
vendern-se i vaccaa.paridas ds primeara barri-
ga e I bol velto para carroca: na timbea do
Carmo n. 23 .
-U IV' a
sa Senhora Mae dos
Homens.
O abaixo aistgnado de ordem da mesa convi-
da a todos os irmaos da corporacio cima, que
se dignem oa aezta-feira 4 do preaente mez a 2
e li2 horas da larde comparecerem na igreja da
Madre d Dos, aflm de acompanharem a pro-
cisso do Seuher Bom Jess dos Peaaoa para o
que tivemos convite. Recife x de abril de 1862.
O escrivao,
Joa Antonio Pinto Serodio.
Irmandade do Senhor
Bom Jess das Portas.
De ordem da mesa convido a todos os irrros
para comparecerem aa igreja da Madre de Dos
no dia 4 do crrante mez as S e tjz horas da tar-
de afim de encorporados acompanharem a pro-
cissao doSoohor Bom jess dos Pasaos de quem
tiremos convite.. Recife 2 de abril de 1862.
O escrivao,
Jos Antonio Pinto Serodio.
Alugs-se um excellente sitio na Oapunga
Velha recendo a vantagem do embarque muito perto :
quemo pretender dirija-ae a ra da Moeda n. a,
aegundo andar, qae achara com guem tratar.
infallivel
contra as gnor-
recentes. nico depo-
Cruz n.
tiompras.
Compra-se
emseguoda mo a obra intituladaA Co&fede-
raco dea Tamoyose quatro deferentes obraa
contendo multas eslampas que aeus assumptos
versem sobre diversas materias, em portuguez,
francez ou mesmo em inglez ; na ra do Rangel
n. 46. p
Compra-se urna carroca para cavillo qae
esteja em bom eitade : quem tiver annuncie para
aer procurado.
Remedio
rheas antigs e
ito na botica franceza ra da
22. Preco 3$
Vendem-se duas escravas urna das quaes
urna mulata nova, de boa figura : na ra da
Cadeia do Recife n. 28, primeiro andar.
; Vendem-ae 12 cadeiras com pouco : na ra
Nova o. i.
Loja do beija flor da ra do Queimado
i numero 63.
Vendem-ae luvaa de pellica de louvin brancas
e pretas para senhora e bomem, cfaegadaa nelo
ultinro paquete.
S ao armazem do barateiro
do Passeio tjdIco n. 11,
vendem-ae aa segaiotes fatendas por meos do
que em outra qualquer parte, eomo aeja : rnada-
52S21 nD<.1ue P"8Ce casia lisa a 6&VW0, 5500, e
4JHKW, chHas escuras, padres bonitos, a 180 o
COma0* franceza, padrees imitando cassi
a 260 o covado. brim de quadrinho a 160 o cova-
aSSPv6" de brin> de eore,> nonios padr8es, a
-B5UO o corte, peitos para camisa de corea a 160
cada um, chitaa de coberla matizadaa a 220 o co-
rado, asaim como outrae fazendas que s vista
dos compradores niouieixar de comprar.
Vestidos a 3|000 e 2$500
Vende-se dortes de vestidos brincos com bar-
raa e babados a3 e2$5f)
o. 60, loja e armazem d
Sftva.
Saias bord
Vende-se saiaabord
cada urna : na toa da _
Pavo, de Gama t Sur.
Baldes do Pavo.
Vende-se baldes de brsminta frsncez com ar-
cos tendo oa que tem melhor armaco pelo di-
minuto-arego da 3j> i3#500: na ra da Impera-
Saias com arcos de linho.
Vende-se as acreditadas saiaa com arcoa de li-
nho que fazem aa vezes de balo a S|S00 e a 4
cada urna, eata fazenda s ha na loja do Pavo :
ra da Imperatriz o. 60, loia e armixem de Ga-
ma & Silva.
I adiaras a 240 rs.
A ultima bor acaba de
do Pavo.
Esta fazenda inicuamente nova de qaadrinbos
imitando as sedas, fazenda muito encorpada e
de core delicada proprla para vestidos de le-
nnora e roapas para meninos e meninas pelo di-
minuto preco de 240 n. a covado : na loja do
Pavao raa da Imperatriz n. 60, da Gama & Silva.
Vende-se urna escrava de bonita figura e
moca, que engamma e cose perteitamente : a
qaem quizer comprar se dir o motivo da rend:
oa ra da Cadeia Velha n 35.
Loja do beija- flor da raa do
Queimado n. 63
Vendem-se bonecas de chouro a 400, 500, 640,
800 rs., pulseiras pretal a 800 rs., bandejas flnai
a 23 -e 49, tesoaras finas a 800 rs. a duzia, gram-
poa de aegurar eneites o par a 800 rs., caixiohaa
de obreiss de cola a 160 e 100 rs., pentes virados
Imitando tartaruga a 1 e 1J*200, ditoa sem ser
virados a 710, $00 e 900 rs., botdea de metal pa-
ra caiga a 400 rs.. ditos de ac a 240 a roza, al-
finetes pretos a 640.
Loja do be'ja-flor da ra do
Queimado n. 63.,
Vendem-ae franjas e trancas, fitas de velludo
preto para a quareama, maia modernaa que ha no
mercado, e maia barata que em outra qualquer
parte.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se tiras bordadas da diversas larguras
a 700, 800,1J e 1(200 a tira.
Loja do beij a-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se facas finas, cabo de balanco de 9
botoes a 6s800, ditas para doce a 5(800. ditas de
um bota o a 6|200, di tai para doce a 59200, ditas
pretal cravada a 3|600, ditas brancaa a 39400,
ditaa roligaa a 39 a duzia.
Loja do beija flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se fitas de seda propria para de-
bram de vestido preto, dita branca de linha, litas
de seda de 5 dedos de largura com pinta de mo-
to a 320, ditas limpaa a 640, 800 e 1$.
Loja do beija -flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-ae grvalas pretas de setim a 19, ditaa
eslreitas a 19, ditas a 800 re., pennas de ac de
langa, 500, a 720, ditaa de maozinha a 800 ra.
Loja do beija-fior da ra do
Queimado n. 63.
Vende se papel em caixinbas de diversaa corea
a 19 e 640, branco pautado a 800 rs., anvelopes
de cores a 800 rs brancos a 19, reama de papel
de quadrinhoa a 49700, sinto encarnado a 440,
dita azul a 320.
ra.
re.
corea a
rs.
A victoria
.- -.
Na ra do Queimado n. 75 jun-
to a leja de cera.
VENDE MUITO BARATO.
Clcheles franceses bons em cartao n
r*> cartio. w
Alfioeles francezes cabeca chita i*n
a carta. w
Papeiicom cecto e taotos alfloetes a 40 rs
o papal.
}'DhsrJctoria em carrito! com 200 jardas
a 60 ra> '
Ditaa de 200 judas de'Alexaoler a 900 rs. a
duzia
Ditai de 100 jardas brancas e de cores a 30
re. o car rite!.
Ditie de Pedro V em cartio brancas a
40 ra. o eordio.
Drtai de miada de peso verdadeiras a 240
a miada.
Ditas de dita cabeca branca e emcarnadi a
izu ra.
Grimpos mallo boas a 40 a 50 ra. o maco.
EnOadores brancos de algodao e linho a 60 a
ou rs.
..,"leirilin" coa sortimento de igulbis a
300 rs.
Phosphoros do gsz muito bons a 320 ra. a dozii.
Ditoa em caixa de folha a 100 ra. qua e a
cana val dinheiro.
Ditoa de seguranga porque evita incendio a
loU rs. a eaiia.
Ditos da cara caliit grandea a 400 ra. a caixa.
franjas de borlla para cortinado a 49200 a
pega.
Ditas sem ser de borlla a 29800 a peca.
Di las estrella brancaa a da corea a 120 ra. a
Vlfaf
Pentes de baleia para alisar a 240, 280, 320
4UU ra.
Camisas de meia finas a 700 ra.
Capellas e ramos para noivaa a 49500.
Enfeitea de florea muito lindoa a Caivetes linos de duaa folhaa para pena a
200 rs.
Ditos de urna folha a 120 rs.
Agulbas franceza*o melhor possirel a 240 ra.
a caixa.
Eofeiles modernoa para aenhora a 59 a 6f.
Meias para homem a 140, 160, 200, 240 e 280
rs. o par.
Ditis para senhora a 240,280,320 e 400 rs. o
psr.
Ditas pira menina e menino a 160, 200 e 240
rs. o par.
Fitas de linho a 40, 50 e 60 rs. s pega.
Liohis croxel nvelos grandea a 320 rs. o no-
velo.
E outraa muitas miudezaa que ae vende mnilo
barato.
para a quaresma.
Ricos cortes de vestidos pretos bordados a val-
lado, prego 809 pira acabar: na ra do Queima-
do n. 11.
Nao ha quem yenda pelos
presos,
Viado,
n 8.
s na loja do
na ra JNova,
Eil vendendo luvas de torcal
melhor que se pode encontrar
Vendas.
Bandos ou crescentes de
cabellos humanos.
Bandos de dina muito grandes e bem
. feitos.
A loja d'aguia branca avisa todas as senhorss
que haviam mandado procurar e encommendar
esses necessarioa creacentea de cabellos humano
(e mesmo ai qae de novo precisarem) que elle
acibaro de chegar, to bem arranjadoa como jus-
tamente tedesejava aendo o aortimento de pre-
toi, cosannos etc. e muito bem lecidoa noi pe-
queos pentes queservem psra prender, trazen-
do ao mesmo lempo enchimento, do que resulta
que urna senhora com um par desses crescentes
pode markvilhosamente fazer o amsrradilbo de
seo cabello aem que deise perceber a falta que
delles sentis, cusa cada par 59 ; tambera ha
bandos de dina mu grandes e bem feitoa o me-
lhor que em tal genero se pode dar vendem-se
| 29 o par, tudo uso na bem conhecida loja da
aguia branca ra do Queimado n. 16.
3
AUenco a
O abaiio usignado peda ios Srs. passigiiros
do trem de volta lo esminho de (iameleira, que
aaiteram na Eicada.e que compraram diversos g-
neros de comida na taberna do -racimo abaixo
asiignado, hajam de Ir.pagar par) nao terem a
diiubor de versm os etra nemes-putHcidos por
a*9. oa
Grosdena-
ples especial!
De gosto inleiramente dittincto por ser guar-
necido de palmas de igual cor, solas a muito
miudiobas fazendi de superior qualidade pelo
diminuto pregodeSJ o covado.
Dito largara monstra liso superior qualidade
a 29600 o covado.
Dito dito com corpo de gorgurao mais estrello
a 29500 o covado.
Dito dito igual largura tambera bastante en-
corpado a 29 o covado.
Dito dito tambem maia abaixo poeto a 19800
0 covado.
Dito dito mais abaixo fazenda interamente
pechincha aem defeito algum a 19700 o coado.
Preces.eatea qae s com a vista se ver ejue
sao mais comedidos que em outra qualquer par-
te, e portento esperamos a atlengaorto rejpeits-
vel publico para a loja da ra do Queimado o.
43, esquina qae volts para i Congregagao.
Idmiravel peehiDcna ftf
Na ra do Queimado n. 43, esquina que volta
para a Congregacio vendem-ie mantia de blonde
de leda muito grandea e largie bdrdadaa a vel-
ludo peto diminuto preco de 109 cada ama.
1 Dita de blonde de seda com flores tecidn qua-
lidade bam conhecida cada urna 89.
Tudo por maito meooa preco qaa em outra
qaalquer paste para chantar a att
Fnolia 1.....
?Wdm.ae ssecos'cdm firinha a 49500 e fa
relo a 9f na taberna grande da Soledad*.
Rival
sem igual.
Miudezas erap.
Ra larga do Rosario numero 36.
Laa da cores sortidss, libra a 69400.
Colcheteacom duaa carreiras a 60 rs.
Ditoa de urna a 40 e 60 rs.
Agulbas francazss curtas e com cridas a 60 r
Ditaa cantofas a 120.
Pentea de masaa para atar cabello a 500 rs.
Ditos da dita idem (dooradoa) a 19200.
Carretela de retroz de cores a 320.
Escovaa para cabello muito boas a 800 e 19.
Cartea de alfinetes a 80, 100,120 e 140 ra.
Escoras para unhas maito boas a 320 e 500 rs.
Franjie pretaa com vidrilho a 320 e 400 rs.
Trangas pretas com dito a 240.
Bicos pretos muito bons a 180, 240, 320 e 400
ris.
Carreteis de linha a 30. 60 e 80 rs. /
Eofeitea de retroz com franja a 59300.
Meiaa para senhora (duzia) a 2g500.
Ditas cruaa para homem a 9400 e39.
Tesouras ordinarias a 30 rs.
Franjas de la estreitai (pega) a 900 rs.
Sabonetas de bola finos a 640.
Fraicoa de diversos cheiros s 320.
Linha de Pedro Va30 rs.
Botoes para cnaveqne a 20, 30 e 40 rs.
Rap Paulo Gordeiro (verdadeiro) a 19600.
Dito gatse grosso e meio grosio a 19600.
Dito dito Uno a IJ280,
E oatraa muitas mais miudezas que com a pre-
senga doa bons fregueses se venderao baratas.
Retratos e paisageus por da-
guerreotypo, ambrotypo,
pfaotograpbia, etc.
Vende-se urna excedente machina com doua
'h'k* da f4Drica dt> randa Secretan, nlo s
trabilha com o menor tempo ponivel, como d
os mais pequeos detalhes : est complata com
todoa os apparelhoa neceasarios, e arraojad de
maneira para trabalhar por qualquer doa ivste-
mn cima menciooadoa, podendo-ae fcilmente
tirar qualquer retrato ou paiiagem, sobre lamina,
vidro, papel, etc.: eil tambem complata de qii-
micas, laminae, papel, vid ros, e com uro. rico
sortimento de quadrinboa e caixlnhas guameef-
daa de; velludo e madreperola para collocaco
dos relratOB, piiiagim, ete.! si quimicas e mais
objeclosfonm igualmente comprados ms primei-
raa casu : vende-ae por prego malte razoaval,
no armazam de Thomis Teixeira Basloi, ra da
Craz no Recife a. 14. ..
Cambraias de carocinhos
S no Pavao.
Vende-se nissimoi cortee d cambriia branca
com carocinhos brancoa a de corea tendo cada
P'S* 8J|21 varas a. 49 a pega: na ra ds Impe-
ratrlx 60, loja e armazem do Pari, de Gama
a silva. ^.
cambraias adamascadas.
Vende-ae cambralaa adamaaaadu fazenda mo-
deroiaimaa para tenidos a 4# a peca: na loia
do Parid raa' da Jmoeratrii n. 60, de Gama &
Silva,
Quadros de moldura dou-
rada e preta.
Lindos quadros de moldura dourada e preta
com estampaa a 49500 cada um : na loja da vic-
75, junto a loja de
loria na ra do Queimado n.
cera.
. .T~ Vende-se um carro de 4 rodas novo, rece-
nido ltimamente de Frange, todo forrado de se-
da, com os competentes arreios pratiados, obra
de muito bom gosto, sendo este caleche o mata
bonito quehoje existe nesta cidade ; a tratar na
ra do Trapiche n. 14, primeiro andar.
Cambraias.
Vendem-se cambraias de cores
elegantes desenhos a 280 e 320 rs
raa da Imperatriz, loja n. 20.
de bonitos
o covado : na
Oliados.
com vid:.,no
em bordados
800
Vendem-se olisdoapiotados de lindas vistas e
pauagens, larguras de 6, 7, 8 e 9 palmos, pro-
prios pira mesas de jantar a 2g o covado: na
ra da Imperatriz, loja n. 20.
610.
Chapeos de sol de panno a 640 : na ra do
Queimado n. 44.
Relogios.
Vende-se em casa de Johnston Pater & C,
ra do Vigario n. 3, um bello sortimento de
relogios de ouro, patente ingles, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
urna variolada de bonitos trance!!ins para os
mesmos.
Malas para viagena
Vendem-se malas psra viagem, de qualidade
mediana, e tambem da meihor qualidade qae se
fazem ni Europa : na ra da Cadeia n. 86, arma-
zem de Augusto C. de Abren.
Charutos da fia vana.
Vendem-se charutos da Havana d
superior qualidade em casa de N. O.
Bieber & C. successores, ra da Cruz
n. 4.
Obras de metal prateado.
Em casa de N. O. Bieber i C. succes-
sores, vendem-se apparelhos completos
para almoco, porta licores, garios, fa
cas, colheres para che sopa, galhetei-
ros, copos e outros muitos objectos des-
te bem conbecido metal, pela sua boa
qualida le e duracSo : na ra da Cruz
n. 4.
Vende-se
ama barcaca de lotacao de 20 a 25 caixaa, a pra-
zo ou a dinheiro, aendo esta ora e bem cons-
truida : o pretendentes dirijim-aea roa da Praia
numero 9.
O' que pe-
chincha.
Na raa do Queimido n. 39, loja de 4 portas,
vendem-se corteada venidos de seda pretoa e de
cpres, pelo diminuto prego de 20f cada corte ; a
altea, antea que aa acibem.
Manteletes de Ol.
Vendem-se os maii modernos manteletes de
fil preto em modelo decipis cbegidos pelo ul-
timo vapor ria ri da Imperatriz n. W loja e
armazem do PTlt, de Gana & Silva,
Lavas tambem de retroz lem serem bor-
dados a.......... 40
Ditas ditss de dito para meninas a 500
Ditaa ditas de seda para ditaa a 500
Ditaa ditas de dita para aenhora a 1J0OO
Ditaa ditaa de dita bordadas para aenbo-
ra a............ i$600
Ditia ditaa de seda de todas as cores a 1)600
Trabas e franja* pretas
Mu delicadas trangas de seds prets com vidri-
lho sendo de todas aa larguras, de 310 a 500 a
vara ; franjai de seda com vidrilbo sm ella
de 320 a 500 ; bicos pretoa de lodss as largaras,
tanto com vidrilho como sem elle, por baratis-
simo preco, e outros muitos objeitos para qua-
reama, que a vista dos compradores nap se en -
geita dinheiro.
Faam fogo no viado.
Seda lavrada a melhor que se pode eocootru
de bom e delicadosgoitoa, que a vista do preo
nlo hs quemeixe de fazer um rico vestido tre-
lo para quaresma, pois, aproveitem a eccasiii
poia quem nao zer agora, nao faz tao cedo '
esta loja flea bem conhecida, por ficar bem con-
jroote a eambos do Cirmo, e ter o viado pe-
tado.
Aes fabricantes de velas.
O antigo deposito de cera de carnauba e sebo
Pm f,ax e em 'elM' e,labe|8cido 00 largo ds As-
amblea n.9, mudou-se para a roa da Madre de
lieos n 28, qaaai defroote da igreja. onde conti-
na a haver um completo sortimento daqae'lfs
geoeros, que ae vendempor procos razoaveie.
- #a>
Srs, academicosf
Nao acreditem, tao ver.
9 Vendem-se fados completos de snpe- *
rior casemira de cures escoras vindos de
#J Inglaterra em dlreitura para 9 bem co-
onecida loja de Guimaraes & Villar : oa
ra do Crespo o. 17.
t !
venda se o melhor paize engata em ltiw
da 1 e 2 libraa, pelo fabricante Thomaz Kmght a
500 rs. a libra : em casa de James Cribtree &C.
ra da Cruz n. 42.
-- Vende-se urna eicrava cabra, de idade2l
a 23 anoos, a qual cose, fsz labyrintho e cozinha
o diario de urna casa : quem a pretender, darije-
se a traveiss da roa daa Cruzes, loja de calcado
numero 4.
Fumo de Garanhuns.
Vende-se fumo de Garanhuns muito bom oa
camboa do Carmo n. 10 a II a libra, e em por-
cao ie fsr abatimento.
Ricos manteletes de vel-
ludo bordados.
Na ra do Queimado, loja n. 18. de Manoel ai-
beiro de Carvalho, vendem-ia ricos mantelete*
de velludo brdelos, ditos de grosdeotple com
ncaa franjas e guaroiQio de vidrilho por diminu-
to preco, asiim como grande sortimeoto de groi-
denaples pretoa de todas as qualioides, 1 roprie
para a quareama.
Agua embreada
para banhos do rosto e do
corpo.
A loja d'aguia brinca acaba de receber aova
remeasa da proveitoaa e mui procurada agua
ambreada, cojos bona effeitos de refresca a cu-
lia, tirar o ardor que deiza a navalha quaodo se
fas a barba e acabar o mo balito proveniente
do tranapirar iso ji bem cooheeidos, salas co-
mo as senhoraa por nao aodarem 10 sol u
conservar perfettameote o brilho do relo. A to-
doa quaotoa lem usado d'agaa amaMada nao i
eatranhoa eaaea efTeitoa e elles serio sioda maia
cooheeidos por aquellea que munidos do I9 aja)
diiigirem a loja d'aguia branca raa do Qaeisoa-
o o. 16, onde nicamente 10 vende.
Vende-ae os freguezia de Ipojuea o enge-
nho Diamante, todo bem montado, cosa casa da
viveoda, senzsla, olaria, distilacio, estribara,
casia para lsvradoree, tudo de tijolo e cal, moa
d'agua e muito bom de prodocelo, com tema
para dar mala de 3,000 pies aooualateaie, ceas
tensa anda por deseabrirem matas : qaep pre-
tender comprar, pode diiigir-ae ao meaaaa aage-t
nho tratar com o proprietario. ou no Recife con
o Illm. Sr. commeodador Lemoa Jnior.
Vende-ae a armacio da leja da roa Direita
p. 66, propria para algum priocipiante, por t
muito commodo a preco: a trata; 00 largo da
'Terco n. 28, segando andar.


'" esa
WRK^DB fBWIIMBWO <**? niftft*+ft *&*!*
v

NO

Poto ih Indi.
Vende-se em casa de N. O Bleber &
C, successores, ra da Cruz n. 4-
ARMAZEM
, ,j j
Francisco Feraandes Duarte
Largo da Penha
Vende-se ueste armazem de melnados os melhores ge-
neres que vem a esto raereado e por monos 5 a 10 por canto do quo em outra qualquer parte,
sar.utiodo-se *bea favor de mandarem su.s encowmeodas ao ermatem Prqgresio, Hm de verem oinerenca ae
pre?o e qaslidade que faz, se fosaem comprados em ouira qualquer parte.
Ma^telga Hg\eiA ae primeira qualidade a 800 a 1*000 Hbrs. e em barril se tara
batimento. J
M iUlft^a tr titelo maU a,J?a 640 r, libra a em barril. 600 rs.
'^Vt^ak ^ySOB 0 mai8 uperior que ha no mercado a 2J600 2*500. a libra.
CVi IkUXilIl imitaolo a perolaTpela saa superioridsde a 3*000. e 2#600 a Hora.
G\\' pT*iX onico pars os doentes que se tratam com a homeopatbj| a. 2*500 libra.
^UClJO A TeViaOehegedoine,l9 ,iUm0 vapora2$800, ditos chegados no ultimo
navio a 2&500
Qa^l j OS Y0HflLTVssl08 0 que ha de bom nes,e genero a 1*000, a Ubra e em porcio te
faz abatimento.
Qufti \ l*te*MltttO ilg\eX pata Hambre milUo novo a 500 rs. a libra, e em por-
reo te far abaliaieolo.
C '4Ste\.A*S \ aglt2.aS propas para flambre a 800 rs. a libra em poreSo a 700 rs.
Pf eZUIltO d TiUO dt fapttior qualidade a 480 rs. a libra o intero. 440 r.
S-4\\t*.Wi 0 mMhor oolisco que pode haver por estar prompto a toda a bora 4| a libra, e
em porcao a 900 rs.
T Olietata* 40 r5s.aO mait0 <,, t280 rs. a libra, e em barril de 8 arrebae 7*000.
Ckoar^aS p&OS A \0n\b0S a 640 ri. Hbra, m porcao se laz abatt-
Ra oa Senzalla Nova n 4*
Vend*-se em casa deS. P. Jonhston & C,
saliios silbos inglesas, caodieiros e casticaes
brorJieadoe, lenas inglesas, fio de wla, chicolef
para carros entontara, arraios para carros da
Zi?"cawlu'e re,ogw, e onro ptlM,a **
' Libras sterliaas. < MireaiHqti3S <*e CO-J
d.rrKff;^^ bofcitas a 2:000
Vndese m eaevava cabra, do 22 a 23
annos de.idede. a qual eos*, faz labynntho per-
faitea ente,, esstm come oottnba rt4rt# *'"
casa : tratar na ir. veas. Ua ra das frutes n.
4, loja de calcado. i -jf
Bicos espellios
Vendem-ae dous magoicos espelhos em pon-
i grande, com moldura doorada : a tratar na
rea da Cruz n. 27, primeiro andar, ou em balso
no etseriptorio.
A loja d'aguia
branca um deposito de
perfumaras finas.
Eits loji por estar constadlemaeie SOHber
parfumarias loas de sosa pTDri*,eommedas>
bom m pode^oizer qee )stHMiftiis m-oapo-
mm% DEZ POR CINTO
NOS ARMAZENS
! e 2e500 o covado
C Ba do Crespo d. 17. Guimaxaes & '
W Villar.
y

mwfto
:

scm segundo
Na rus do QiMiassdo o. 55 loja do midezas
de Jos de Azevedo Raa o Silva, ast vendando
todas as miudejas por presos j sabidos e co-
nfiedlos :
Groias depennsa.de a$o de todas a quali-
dadesa
Nvelos de liaba qua pelo lamanho a todoa
admirara a
500
DE
1U Alt I I s C.
36 ra das Cruzes de Santo Antonio 36.
Csixas de egulhas fraocezas a
. qae estacootiitmoT um oepo- Calas cora alfloetes muito Baos a
sito de ditas, tendo-aa samare, .dos melhores a Caixas com apparelbo para entreler ma-
mis acreditados fabricaoles, tomo Lubio, Pirer, nios a
Coudray e Sociel Bygic ique, etc., ate; por Ditas ditos grandes a
issb, qem quiter prover-se do bom, dirigir-s Barafhos pottogu^zes a 120 e
.loja d'aguia branca n. 16, qn* Croza da botespequeos pa
Teaouras para uahss multo Boas
a ra do Queimado.
achara aempre um lindo e completo aartimonto,
toado de masa a maia a elegancia dea frascos, a a
bartela por que se vendem convida a nina ao
osmprador.
Capachos.
Vendem-ae capachos redondas e'compridoa e
de diversos tamaobes, o os melhores qae tem
Indo a este mercado; plo baralissimo preco 600, 700 e 800 rs. cada um, e tambera ha capa-
chos muito grandes o proprios pars sof e mar
qaetaa para IJfiOO cada um : na ras do Queima-
do, na bem coaaecida loja de mladesas da boa
lama n. 35.
pequeooa para taiga a
Ditaa para costura muito superiores a
Baralhos frsacezes para voltarete muito fi-
nos a
Agalbeiros com agulbss fraocezas a
Caivetes de aparar pennas de 1 folha a
Pecas do tranca de lia com 10 varis a
Ditaa 4a tranca de lia de todas as cares s
Pares de aapatos de tranca de Ka a/"
Cartaa de alfioeVas francotes a
60
140
500
200
120
400
400
320
80
80
200
800
13280
100
ment.
VataS COIH, CaOaTlaSjipromptdspTjragecomervindsaaprimairafexaeste
mercado a 2#0t)0 cada urna.
^&ll\\a Ve |*OTCO retinad & em Ula com 10 libras por 4500 cada urna.
f&Iiia de pOrCO mau0 jna aifa a 450 rs. a libra a em barril a 400 rs.
^larmeiada mpriai d0 afamad0 Abrau a deontros maitos fabricantes de Lisboa
a 800 rs. a libra, e em porcao se faz abatimento.
iLaAa com traas d^ doee eva ca da como aejao pera, damascos pe-
cego, alpeze, e gioga, a 800 rs. cada lata.
Mermelada de hiperxe em lat9g del Ubra por I42OO cada ama.
aculas COm am^adOf&S COatett^daS contendo mss confeitos estacar
candi, multo proprio para mimo, a 2)000 cada urna.
Doee da CSC1 d* goitalia muito-fino a 800 rs. e em por?io se faz batimento.
W UCC S CCO e e?S3l Calda de dieterentes qu.lldades, em latas de 4 e 5 por-
29500 cada urna.
Cr- rtoe com bollo traaeez. propriog par. mimo a 5eo ra.
PftPSafl em Caxiab-a d 8 libras muil0 n0VJ8 por l|J50O e a relalho a
480 rs. a libra.
F "gO!S &a C smm*4M muit0 OTOi> em cax de g libras por j^soo, ditas cora 4
por 18500, ditas com 2 muito bem onfeitadas por 900ri. cada urna e a relalho a 320 rs.
libra.
320
100
200
40
20
60
100
para engenho.
Grande redueco nos precos
para acabar.
Braga, Son & C teas para vender a ra da
Moeda taixas ae ferro ruado do mui acreditado
fabricante Edwio Maw, a 100 rs. por libra, as
mesmaa que aa vendiam a 120 rs. : quem preci-
sar dirija-se a rus do Trapiche n. 44, armazem
de fazeHdas.
Soahall Mellors & C, taodo reoebido or-
dem para vender o seu crescido deposito da rajo-
gios visto o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; convida, portento, s peasoas que qulzetem
poesuir um bom ralogio de ouro ou prata do c
lebre fabricante Kornby, a aproveitar-se da op-
porlunidade sem perda da lempo, para vir com-
pra-Ios por commodo pre;o no seu escrlptorio
ras do Trapiche n.28.
N. O.Bieber & C.saccessores.raa daCrex
n. 4, tem para vender relogios psraalgibeira de
onro e prata.
Gneros baratos.
Vende-se msnteiga franceza a 640 rs. a libra,
cha a 2f400. toucinho a 320 rs., arroz a 106 e
120 rs Horuqa a 560 rs., passas a 500 rs., ba-
nha de porco a 440 rs., velas ae spermacete a
760 rs., de carnauba a 400 rs.. batatas a 60 e
120 rs., psinco a 160 rs ervilhas a 120 rs., gar-
rafes com 5 garrafas de vinagre a 18-200 cada
um, agurdenle de canna j engarrafada a 200
rs. a g>rrafa, esprito de vioho a 1?>400 a ranada
e 240 rs. agarrafa, azeitedecarreeato a 460 rs.
a garrafa, dito da coco a 480 rs.. milho a 320 rs.
a caia, arroz de casca a 200 rs. em saceos mais
barato: na travessa do pateo do Paraizo n. 16,
frente pintada de asoarella com oitio para a ra
da Prorenioa.
Pare* de luns fio da Escocia muito finas a
Ditas ditas brancas groases a
Bscovas para limpar denles muito finas a
Masaos com superiores granpos a
Candes com colxetes de algum deleito a
Ditos de ditos superiores a 40 e
Dedaes do fnodo-de ac muito superiores a
Cofiadores psra vestidos de senhora com 4
varas a 80
Caixaa com colzetes franceses a 40
Carlas de alfioeles de ferro a 80
Charuteiraa muito finas a 1*000
Tinleiras de vidro com tinta a 160
Ditos de barro com Unta superior a 120
Arela prata e atul muito fina a libra a 120
Teoho nova remesaa de labyriotho para ven-
der por todo preee, eseim como tenho trancas da
seda differeotes cores para vender por todo di -
nhairo que ofterecerem.
Muita atten^ao.
Na loja de Silva Cardozp, ra do Im-
perador n. 40, vende se roupas eitas
de todas as qualidades pelos presos
mais baratos possiveis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os reguezes com-
prar porque pechincha.
Algodo da Baha.
Proprio psra ronpa de escravos e saceos de ss-
sucar : vende-se na rus da. Cruz n. 1, escriptorio
de Antonio Laiz de Oliveira Azevedo & C.
ftrvUbas f raaeezaa e portaga?ias em iata, d81 ubra, por ew rs.
ditas em meias latas a 500 rs.
TV!fs.1*ide tomate em latas de t libra por 800 rs.
% meadoas de casc molo muil0 na9 a 3z0 rs. a libra.
UV&e a 120 rs. a libra, e 3&000 a arroba.
\*aeX%8 trailC"taS e m lata8 com 3 llbrsspor 2800, ditas com 1 lf2 por 1500.
\m*VX.a8 portaga* ZaS 320 rs. a libra e em caia se Isr abatimento.
CllOCOlate aeS^wbol, t{i500i dl0 [ran6ez a 1$200 dito porlegit a 800 rs. a libra,
aQan;i-se a boa qualidade.
BolaXiaia de S01ia em ia[8S COm differentes.qulidades, a 1J440 rs.
jftaaC, p.ra *-pa ieriai maCarro e talharim. a 400 rs. a libra e em caita porSSOOO rs.
Pft-iltOS de dellteS iiaij05i molhos com 20 mscinhos por 200 e 280 rs. mullo finos.
*^^r*>jaa em frasCos com 1 e 1[2 libra por 800 rs.. -
1 l^*lO francezpars limpar facas s 200 rs. cada um, em porgao se faz abatimento
.*VX\aU^ ia^leZa a ma9 DOva do mercado a320rs. a libra a em barrica a4500
ejt ">mm% para engommar, muito alva a 100 rs. a libra e em ssoca se faz abatimento.
VeVxe d6 post, em utas das melhores qualidades de peixe que hs em Portugal a 1$600 rs.
\tr*|*eTm.aeaet* superior de cinco e seis velas por libra a 760 rs. a em cslxa, a 740 rs.
S sa raiailvkS de Nantes em latas muito novas a 400 rs.
iYtpia *a muiio novo a 160 rs. a libra e em arroba a 4*500 rs. -
A.Zet e em caixa s 9ft
W iallOS eaglkWaiaaOS ao duque do Porto e de outr.s muilas marcas acreditadas
nesle mercado a 1*200 rs. a gsrrafa eem caica a 12(000 rs.
ViaUOeSft f>U% porto, Figueir*eLisboaa560 sgarrafaeem caada3500, 49e4500.
S^rVe^a ta ma;9 scredUadas marcas a 59 rs. a duzia, a em garrafa a 500 rs.
* lm|ag*e das marcas mais superiores qae ha no mercado a 15 e 22|000 rs. o ggo
C*vgaae logleZ a lotooo rs. a caiis e 1200 rs. s gajrafa.
GeUebra de Aollauda Terlaleiraem fratqueira a 6#000 ra. e o (rasco 560 rs.
"Gf iebra de latis|*i a 7^000 rs. a doxia a am frascos a 640 rs.
Geoebra ingleZa 10000 rs. a dwla e a rotalho a 1000 a garrafa.
P*.\U8 d* glZ a 2JJ00 rs. a gross.
Sal rPfiuad0 em pites grandss a 500 rs. cada om, em porcao se far abatimento.-
a*t iaado o que se pode desdar oeste genero s 320 n..i libu e em arroba a 9J500, dito mais
baixo a 280 rs. a libra e 8J000 arroba.
SeVttdiaaa de Franca a mais nova do mercado a 280 rs. a Ubra, em porcao sa fax abati-
mento.
R>* g njQUo nov0 e alvo s 320 rs. s Ubra.
IV nTlftlia rjo reino das marcas SSS e galega a 140 rs. a libra.
IJlla o Haranho alva e ebeiroza a 160 rs. libra e em arroba a 4*800,
Cera de carnauba de pri-
meira qualidade.
Vende-se em porcao e a relalho de urna saces
psra cima, e por commodo preeo na roa da la-
dre d* Dos confronte abotfra o. 80.
Liquidacao
Roupa feita muito 1
barata. 2
f& Sobrecasacos de panno proto muito fi--fs?
a no, paletotsde diio, palelois de casemi- af
2^ ra de edr, ditos preos, ditos de fustSo, 2
%P ditos de ganga de cores, ditos de brim S
Sfe decrese brancos, caigas de casemira $fc
^k preta e de cores, ditas de brim bmneo e ^
de coree, ditaa de gangas. Colleles de J
fP veltB-io preto e de cores, dilos de goc-
%h gurso, dilos de fusto,ditos de brim bran- JSA
, co, camisas de liabo, ditas de algodo .
W braocas e de cores, seroulas de lioho,
dj^ ditas de slgodao, chapeos de sol de seda f$
ioglezes os melhores em lamanbo e qua* **
lidade, ludo se vende por brato prefo a J
5?9 dinheiroi'ista, na loja dss 6 porias ra 9>
g do Queimado emfrente do Lmsmealo, &tt
: est aberta at as 9 horas da noite. I
A loja de, marmor^
Bournus do csserolra para senhora a 10f &
Manteletes de grosdenaple a IOS '
' Leques de sndalo a 59
Bournusde ca>emira para meninos
8 de todas as idades a 5y
Grande sortimento de ssscirrilhas,
ja trancas e fitas de todas as cores psra en-
$ feites de vestidos por precos rn*ia bara-
m tos do quo em ontra qualquer parte
4 boa fama
venda fivelas para cintos o mais bem dourado que
posaivel e dos mais lindos gostos que tem viodo
a este mercado, pelo baralissimo preco de 2*300
cada urna, carteiraa com agulnaa aa mais *em
sortidas que se pode desdar, e em quaoto a qua-
lidade nao pode haver nada melhor, pelo barato
prego de 500 rs. cada carteira, pennas de e$o ca-
ligraphia verdadeiras a 2S cada caixinha com 12
duzias, ditas de langa verdadeiras n. 134 a 1*200
cada groza, ditas muilo boas ainda nao conbeci-
das a 500 rs. a groza : na ra do Queimado, na
bem~conhecida loja de miedosas da boa fama nu-
mero 35.


."
1T>
interesse publico.
Offerecido pela loja, de]
marmore.
A loja de marmore tendo de a presen-
tar concurrencia publica o qae ha de I
msis novo em faxerroas, tanto pa>a se-
nhoras como pera hmeos e msninus,
sendo que para este fim espera de seus
correspondentes de Inglaterra, Franca e
Allemanha as remessas de aeus pedidos,
tem resolvido, otes do apresentsr o no-
va sortimento. liquidar as fazeodas exis-
tentes, o que effctosr por pregas m-
dicos e psra cujo fim convida o respeita-
al publico a aproveitar-se desta emer-
gencia.
Caivetes finos pa-
ra pennas
Caivetes fios para aparar peona, de duas fo-
Ihas, a 200 ris cada um : na loja da Victoria ns
ra do Queimado n. 75, junto a loja de cera.
Caivinhas para confeitos e
presentes.
Milito lindo sortimento de caixinhss muito lin-
das para se botar confeitos ou mesmo com ellas
vazi8 se mimosear um. menina, pelos barat-
simos creeos de 320 at<2*500 caa urna : na lo-
ja da Victoria na rus do Queimado o. 75, junto a
loja de cera.
Quadros de moldura deli-
rada e preta.
Lidos quadros de moldura dourada e preta.
com estampas, pelo barato prego de 5 que s a
moldura val o dinheiro : na loja da Victoria n
roa do Queimado n. 75, junto a loja do cera.
Panno de algodo da
9 Larpro do Canso O
Os areprietsrios desles acreditados arroazeos d* molhados participara aos seus nurae-
808 freguezes que por todos os vspores e navios ds. Europa, recebara de sus propria eaoosaoMasJa
os melhores gneros, pois que para isso tem pessoas euearsagadas ara divarsos pomos da Eoropa,
para os ecolhereo, aos vendem por manos 10 por cento do qua em outra qualquer parte, por isso
1201 r08,~8e '0^0, &*' d praea, de engenho o lavradores o favor de man4arem suas encommendas
[tO aos nossos rmateos, afim de verem a superior qualidade de gneros a diflaranea de prt^os.
Mail te i ya tnu, leztl de primeira qualidade a 800 000 r. a libra a am barril aa
far abatimento.
Ma Ilteiga fra UCeZa a maUaova a 700 rs. a libra a am barril a 600 rs.
l_ylUl IiysSOn 0 mais superior que ha no mercado a 29400 a 29800 a libra-
Cll llUXiin oqUi nade naelhornesteganaro a 2*500 a 3000 a libra.
V/fta pretO muito#uperior viodo a primeira vez ao nasao mareado 2*200 a libra.
Olla t)y S 11 o raalhor qua vem do Rio, am latas da urna libra por 1*800 a am porpro
se far aba ti meato.
a* O I
Q lieij (>8 navio a 20400 cada um.
Q11 e j OS 10n(i r III US o que ha de melhor neste mercado a 800 rs. a libra.
\iulJOS pratO como nunca veio ae nosao mercado a 1*100 a libra e inteiro a 19000.
I a IOS f (llOUMC S muito novos a 560 rs. a libra eem porcao se fsri abatimento.
Listas COID lillril4ySj prorapus para se eomar a teda hora, rindas a primeara
vez a o nosso mercado a 1*800.
PeiXe eili iMtaS 9diversos umanhos,savel, sardo, pargo. pascada,avalla, liogai-
dos fritos, atura maraado, robllos a lulas de ligelada, de 1360 a 20000 a lata.
ToUCinho dO l- IIO muito novo a 320 rs. a libra e 9*500 a arroba a timbara
temos para 240 rs. a libra e 6*500 a arroba.
Bail ft de pOl CU em latas com 10 libras por 4400 e 480 a libra.
M a miela (U imperial de todos os conservaros de Lisboa, em latas de libra e
meia e 2 libras a 750 rs.
LataS CCMll fl'Ut1S em Calda comosejam^ra, pecego, damasco, alper-
xo, ameixas a ginja, a 700 rs. a lata.
Viamielada Ov Alpei'ce em latas de 2 libras por UOOO cada uaaa.
Doce da CaSCa. da ^Oah' 700rs. e em pocro se far abatimento.
D CeS keCC0S de diCaremes qualidades em bcelas muilo bem arranjsdas a 3*000.
Ca'toes COm bulto fratlCeZ proprios para mimo a 500 ra.
i -'asteas em eaxinlias de 8 libr s a22ooe440rs. % libra.
FigOS d COllridrtf muiio novos em cixinha de 8 libras e muito bem enfeadas e
a l|200 e 320 rs. a libra.
tfrvhas francesas e portuguesas ,64o 720 rs a bu.
MaSS i de tom >te em tatas de 1 ltbrra a 800 rs.
AnteII(loag d& e<>.SCU lUOle BUUo novas a 400 rs. a libra.
I> OZes muito novas a 200 rs. a libra.
AlIieixaS frolleZ S m' latas com 5libras por 4000 e a 13000 a libra.
Cll COL.te llt'Spanllol a 1*200, francez a l*000epo.togoeza 800 ra. alibre.
Bol xllha de SOda emlaias com difterentes qualidades a 10400 a lata.
Maag^S pa ra SOpa macas-rio e talharim a 240 rs, a libra e a raixa por 50000.
Letra muilo nova a 320 a libra eOfOOO a caixa.
PalitOS XaduS p4ra denles em molhos com 20 macinhos a 200 rs.
Se reja S u frascos de libra e meia a 700 rs.
T'Jol FCrt tlCeZ para limpar faess a 180 rs. e em porcao se far abatimento.
lspermacete SUperiur sem awil a 740 e em caixa a 720 rs. a libra.
Sardillhasde NanteS maito novas a 400 e 600 rs.


VerVWliaS aflcas muite novu a 160.rs. a*llbr.
lf el&# \>Vl* d0CB d,e Lisboa a 720 rs.s garrafa, aftapca-aaa boa qualidade
\ ItiagrQ Lisboa a 2Wrs. agrrat8e em caada a 1*800.
Y lsYiO cherei a 156OO a garrafa e em ciilse fsz abalaafsjto.
HilO fr-foco e nuil superior que hS no eierca1lopro,pio para missa a 40 rs. a gsrrafa a em es-
cariada 4g80.
i
Novo sortimeuto (te cascarri
Ibas de seda
A laja d'aguia branca acaba de reeeber um novo
e bf lio sortiuisHiio de eascarrilhas da^eda de
muuas e diflereniea cAres, e vetide-ae 4 1*580
e t>500 ris ucea, na ra do Quemado' luja
d'aguia oranca n. lo.
Meias pretas de seda 1:000
o par.
Vende-se meias pretes de seda, e de mi boa
qualidade, para senhoras, e padres i 1*000 o
par, por ealarem principiando a mofar, e estando'
ellas calcadas nada aaounaece r*H/do Qaet-
mado lo]s d'aguia branca n. 16.
Gobre de forro.
Vende-se no eacrlptorio de Antonio Luis da
Oliveira Azevedo dt C, ra da Cruz n. 1.
Novos e lindos
enfeites p*r* vestidos pretos
ede cures, e roupinaode
cria o cas.
Em aproprtado teropo recebeu a loja d'aguia
branca umOMlo e completo sortimento de enlei-
tes de seda para vestidos pretos e de cores, e ron-
pmhas de crianzas, sendo trancas e bordados de
riuos e lindta-aasenhoe.-e dTOceis lucidos, com
os quaes uode-se- coin posto e modernlsalmo en-
eiiar qualquer vestido ou roupinhu de enanca.
Ao aaso-que Hitos enfeites a todos geralmente
agradam, a eommodidade dos preces enhna ao
comprador, e este ve -dad* aera verificada por to->
des qee ae dirigirejp dita loja d'aguia branca,
ra de (Jrt4iBtto a.H6,jjos precm^ eatioaaar-
cados as amostras, is qaes se darao com pe-
aborea.,
LtiTaj de pttfiica
graness e de corea cara homam a senhora, eha-
gadaa ulmamente pur 28500 u. o par : oa loja
do viado na ruaftovj n..
Alpsta muito nova a 160 rs. a libra e 4*500 arroba.
AZeite doce refinado de diverjas marcas a 801 rs. a garrafa e OOOWa duzia.
Bolacllillilb ingl.zaa mais nova do mercado a 300 rs. ahora o 40200 a barriea.
Goma muito alva a 80 rs. a libra e 2A00 arroba.
V inllOS engarrafados duque do Porto, genuino. Porto fino, MMM> Carcavellos, nc-
tar, teiteria, velho secco, Mu-catel a 1 *200 a garrafa e 12*000 a duna.
DitOS em pipa Porto, figueira e Lisboa de 500 a 600 .agarrafa ede 4*000 a 4*500 a ea-
nada.
SerV< ja das mais acreditadas marcas a 500 rs. a garrafa e 50000 a doria.
Ol' mpa IIhe das marcas mais acreditadas que h no mercado a 14 e 20 o gigo.
Cognac nglez a 10*000 a caixa e 10000 a garrf.
Ginebra d* Holi llda verdadera a 60500 a frasqueira e 600rs. o fraaeo-
ita de ara!)l a 6500 a dusia e 600 rs. o frasco.
J )ta llgl BU ff duzia a 800 rs. a garrafa.
Pi llt S do gaZ a 20500 a groza e 240 ra. a duzia de caixas.
S 1 refinado em pacotes de maw de urna libra a 240 rs. eem porcio lera abatimeoto.
Cafe do RO o melhor que ha no mercado a 280 rs. a libra o 8a500 a aeraba.
Seva lllha de Fr^llCa amis nova do mercado a240 rs.a libra.
""vagll' muito novo a 320 a libra.
Farfulla du itlarailhO mnito alva e nova a 160 rs. a libra e 080O a ar-
roba
Veis de cirnaiibu e de composi^o .aon. *m
a arroba.
Vinagre purO de LSboa ,aw ra. agarrafa a OSOO acanala.
G l'O de biCO muito novo a 200 rs. Vibra.
eras Sece^S eill tXlah .Sdeoiialib*aaa20)0ea40o..lil.
Marrasquij Vr.,.de.roda>, uw-jj."** lrrr~l
curaco: ros. suWima e outras quafida. de 10500 a 2* a pirata.
Bat *tS em gigoa de urna arroba por 000 e 80 rs. a ttn.
Coillinhi.S os mais novo do erada a W rs. a libra
Erva ^OCe muito nava a 400 is. a likaa.
Caiiell < superior a I a libra.
CharUtOS verdaderos superiores a 2* a caixinha ale 50.
^attVMi : t| Uta* ii*^aJjlbrasoinarSBem afranjado qua tem vindo aa mar
cado a 1400. ^
VIatlte fga eili Vata* eom4 Kbra*a melhot do raereado lacrado arMiliaasBaTai a
3*800 cada urna. i
Vinagre rrlog com 5.ganatas de aupatior a^tUade a ttlOO,
Por bal. .10. .ornea pretorio alfa fca^gad. doarlmeiro v. indo d.^rara.pel^, vTendam FarsaaaVlaan. 4 C na *>HJ^^;^T^ ^6*'
VA capero novo aoriimaoU e oto aerei pregui5dao em o pioTicar ao eafgvUTel p.bfteo. .|neia n. 87.
! Vende-be BmTrieieirs mo, inotlo em coala,'
saceos da oaia da eurnaua
aa ra larga o lanlo n,
AaTlitU wrdadatra muito nova a 320 !%. ^
Wr *aatss ganar" r-----"*" o respeilsvel publico em nonos arausans
w




jN#uft *wmim&rm*^nm*9if*imiii>*i**


Guiaaraes & Ui, dorio da leja de salud ezss
di iiidoQraiwto n. 35; boa fema participan)
aopeblieo -(|e sa eetabeleeiasento e cha
completamente pro v1dWde*metJ*eref marcador i s
tendentes ao meeoM MUNleeMMt, e muitos
oolroa objecios Se gosio, sendo qual todos rece-
tados de suas proprlss eooommendas ; e estando
elle* ioieirameate reeolvido Dio Tenderen
Dado, afuoQMB teo4er mate barate do quo ootro
qualquer ; e juntamente peder aoi aeus devedo-
res que Ibes maadem ou vaobam pagar os aeui
dbitos, so pena de seretn justigado. -'
Chegaram de Lisboa no brigue .Eugenias,
doas bonitos bersos e ente barre, os quaes se
vender por barate prego : para ver, na cocheirn
do largo da Asamblea o. *,. pare tratar, no es-
criptono de Antonio Lat de OIIeir Atevedo.
MI
Fundico Low-Moor,
Ba da Senzalla IVova a. 48.
Neste estbele i ment cootinua haver nm
completo sortimento de motadas e meias moen-
das pata engenho, machinas de vapor e taixas
de ferro batido e coado de todos os lamanhos
para dito,
Ra da Senzalla Nova n. A%
Neste eitabeleciment vende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. dem
de Low Moor libra a 120 rs.
Fivellas douradas e esmalta-
das, para cintos.
A loja d'aguia branca acaba de receber por
amostra orne peqeena qaeatidade de tivellas
douradaa e esmaltada para cinioa, todas de no-
voa ebonitos molde, e tarobem dourada que
parecem de euro de lei. o que s eom etperien-
cis se conbeceri nao o aeren, estando no mesmo
caso as esmaltad**, e aasim mesmo vendem-ee
pelo barato prego de 2J500 rs. cada ama, na ra
do Queimado loja d'aguia branca o. 16.
Gestionas ou cabases para as
meninas de escola.
0 tempo proprio das menioss Irem para a
escola, e por laso bom que sao compostaa com
ama das oras e bonitas cesliobas que ae Tn-
dem ca raa de Queimado loja d'aguia branca
n. 16.
Vendeoi-se barros gordos e manada: no
engenho Jurissaes, do Cabo: a tratar all toare
Sr. Domingos Francisco de Sowza Lele.
Arados americanos e machina
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston A G ra da Senxalla Nova
xx. 42.
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DE-
BASTOS k 8EG0
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Dm grande e rarlado sortimento de 9
roupas le tas, calcados e fazendaa e todos %
astee as reodem por pracos omito modi- *
cados como de seu coslume.assira como I
sejam aobrtcaaacoa da superiores pannoa JE
a casaco feitoa peloa ultimo Bgurioos a 1
6j>, 18$, 30j a a 359, paletots doa mesmoa
pannoa preto a 16f, 181. 10 a te,
ditos de casemira de 6r saesclado e de
| novo padrea a 14, 16. 189. 20j> e 249,
S ditos saceos daa mean a a eaaemiraa de co-
ros a 99. t<>9. l^d e a 149, ditos pretos pe-
lo diminuto preco'de89.109. eilf.dlto
de sarja de aeda a sobracaaaeadea a 15,
8 ditos de merino de eordo a 129, ditoa
de merino bines de apurado goato a 159,
Sditoa de alpaca preta a 79, 89. 99 e a 109,
ditos saceos pratos a 49, ditos de palha de
aseda fazeoda muito superior a 49509, dl-
Stos de brim pardo e de fusto a 89500, 49
e a 49500, lito de fusto brinco a 49,
S grande quantidade de calcas de casemira
preta e da cores a 79, 89, 99 e a 10, ditas
.5 pardas a 39 e a 49, ditas debrlm da cores
jf Moas a 4J50O, 39, 39500 a a 4f ditasde
brim. brancos Anas a 49500, 55, 59500 e a
ff 60, lita* de brim loni a59 e a 6$, colle tes
de gorguro preto e de cores a 5$ e a 6|.
$ 'Utosde casemira da cor pretos a 4 $500
i e a 59, ditos de fusto branco e de brim
3 a 39 e a 39500, ditoa de brim lona a 41,
S ditos de merino para luto a 49 a a 49500,
ealgas de merino para luto a 45500 e a 5J,
8 capas de borracha a 99. Para meninos
de todos os tamaohos: calcas de casemira
I -reta ed cor a 55, 69 a a 79, ditas dita
5 i, orirn a 2|. 39 e a 39500. p ale tola aac-
I eos ue caaemira preta a 65 a a 7, ditos
9 deeor a 69 a a 75, ditos de alpaca al3ji,
s sobrecasacoa de panno preto a 12$ a a
I 14, ditoada alpaca preta a 59, bonets
H para meniao de todas aa q aalidadea, ca-
misas para meninos de todos ostamaoboa,
meios ricos vestidos de para meainaa de 5 a 8 nao com cinco
babadoa liaoe a 89e a 125, ditoa de gorgu-
ro de cor e de lia iSjei 69, ditos de
brim a39, ditos de cambraiarieamente
bordado para baptiado,e muitaa>outraa
fazendaa e roupas feitas qae deiiam de
ser menciouadu pela asa grande qaanti-
lade; aasim como recebe-se toda, e qaal-
qaer encommenda de roupas para se
mandar manufacturar e que para este flm
tamos um completo sortimento de Cazen-
das de goato e anta grande officia de al-
faiata dirigida por am hbil mostr qae
pala euaprornptid a perfeigo nsdadei-
: xa i desajar.
Palmatorias de vidro e de la-
ta** para valla a
Vendem-se boaites-palmeftfvea de sldro lapi-
dado para velles a 19400, a arte* e lateo mui
novas e limpa* a 400 rs, : na ra do Qeefmatfo,
loj aa Aguia bfaajtar*. / -.T* t. 7T .;s
Po 4e fus^ Uv^aa*o;pAr
camisas a 500 rs. c,ada um.
Vendem-se Bonitos peitos ds fusto lavrado e
trancado para camisas a 500 rs. cada um, fazen-
da mui boa e encorpada : na ra do Queimado,
loja d'agaia-branca n. 16. ,
Novo sortimento de tiras bo
dadas em ambos os lados,
A loja d'aguia-braoea receben nm novo e Ha-
da sortimento de tiras bordadas em ambos oa la-
dos, e contina a vender baratamente a 19&00
cada tira, o outra* de bordados muito largo a
29808, o melher qae possivel em tal genero,
a todas ellas, pela largara qae teem, podem ser
divididas So mel, pel que se tornara baratsi-
ma : oa raa do Queimado, loja d'aguia branca
o. lb\
Vende-se um caxao'de casa terrea em ter-
reno proprio, e pelo respaldo na raa Imperial n.
226, de muito boa construccio, a sobre'bons sli
cercas, e estes com capacidade de receber sobre
alies 2 ou 3 andar de om -obrado, com 23 pal-
ma de frente e 70 de fundo, a 500 palmos em
tedo terreno at a beira-mar do rio Opibaribe :
a tratar us mearos raa acims, casa n. 168.
predio venda
Veode-se a casa de dous anlsres e sotio, m*i-
gua, no becco das Miudiahaa a. 8, avallada em
2 0009, a qual rende 1 1|2 por cento ao mee ; na
ra do Trapicha n. 14. primeiro andar, ba pessoa
aatorissda pelo proprieurio para effecluar a ven
da da mesma casa.
Eatremeios
bordados em cambraia
transparente.
Ha loja d'aguia branca se acha um bello aorti-
meolo de ntremelos bordadoa em fina cambraia
transparente, e cobo de seu costnme est, ven-
deudo baratamente a 1&200 a peca da 3 rsras,
tendo quantidade bsetarite de cada padrao, para
restidoa ; e qnem tiver dtnheiro approveitar a
oceasiao, e roaoda-lo comprar na ra do Quei-
mado, loja d'agaia branca n. 18.
Aguluas imperiaes.
Tena o fundo dourado.
A loja d'aguia braoaa tendo em vista searpr*
vender o bom, mandouvir, a acabam de chegar
iqui (pela primeira vez) aa superiores agaMlas
imperiaea, com o faado dourado a mal bam fal-
lar, seodo para alaiates a coslarairaa, e custa
sada papel 160 ra. A agulbe aasim boa anima
e adiaota a quem coa com ella, e em regra si
maia baratas do qae as eatraa ; quem as com- [
arar os ra do Queimado, loja d'aguia braoaa n
16, dir sempre bem dallas.
Colleccoes de estampas.
Acaba de chegar a loja da aguia branca urna
pequea quantidade de colleccoes de finas e
grandes estampar a fumo, representando elles os
martyrioa do Senhor em 14 quadros, os quaes
sao bem acertado para qoalquer igreja ou.mes-
mo casa de qnem leona gosto de aa posauir ;
chegou igualmente outra pequea porga das
procuradas eslampas morte do justo e a mora
do peccador : acham-se a venda somente na rila
oo Quenado loja da aguia branca n. 16.
Tal bares para crian cas.
A loja da aguia branca acaba da receber a aua
encommenda dos preciosos tal ha rea paracriaocaa
e os est veodendo a 320, 400 e 500 ra. coofor -
me a superioridade delles: na ra do Queimado
loja da aauia branca o. 16.
Vende-ge um balcSo de volts de amarillo,
por pouco dioheiro na padaria da ra dos Pes-
cadores n. 1 e 3.
Novos bonets de velludo, e
marroqum dourado.
Na loja d'agaia branca vndese mui bonito
bonets de velludo, e marroquim dourado, oa'
quaes sao agora mu necessarloa psrs os mani-
os que vo para a escola a qnem os quizer com-
prar mala barates aiair-se ra do Queimado
loja d'aguia branca o. 16.
As verdadeiras peanas ingle-
zas caligraphicas-
A loja d'aguia branca araba de receber sua
encommenda daa verdadeiras pennas da ac
iglezas caligraphicas, doa bem conheeidos e
acreditados fabricantes Perry & C, e apesar da
fslta qae bavia dessas boas pennas, eom ludo
vendem-se pelo amigo prego de^OOO a caixiurra
dw urna groz, quantidade easa que aa faiaifica
(das oo traiem. Para livrsr de engaos, as ca-
lichas vo marcadas com o rotulo que diz. Loja
d'aguia branca ra do Qaeimado n. 16.
Sal de Lisboa.
xx "
cortes de vestidos" brancos
bordados
Vendem-se ricos cortes de restldosbrsncos
bordados com 3 bsbsdo pelo bsratissimo preco
de 59 o corte: na raa do Qneirasdo o. 22, aa
bem conhecida loja da boa fe.'
Camisas inglezas.
Vandem-se superiores camisas inglezas coro
pregas largas pelo baratissimo pre;o de 359 du-
zia : na loja na boa f, na ra do Queimado nu-
mere 22.
Ricas gollinhas e punhos
com botoes
rs::
Vendm-se ricas golliobaa e punboa de cam-
braia a fasto ricamente bordada* eom lindos bo-
ioes, pelo baratissimo preto de 29 cada gusroi-
co : na roa do Qseknado o. 12, na loja da
boa f.
.

240, 320 e 400 rs. cada urna : na tua do Cres-
po sobrado amarello o. 18.
Milho 4000 rs.
Arroz 3$ a 3.500.
Vende-se cada ama sxea, na travesa do pa-
teo do Paraizo o. 16, frente de amareflo com oi-
lo para a rus da Florentina.
Fizendas baratis-
simas
Superior bramaste de lioho cera duaa varaa de
lsrgura a 29*00 a vara, atoalbado da lioho ada-
mascado com duss larguras a 2950O a Vara, brim
branco da linbo muito superior a IJ440 a vava,
dito de cores, fasenda mutto suaarior a 19, dito
pardo de lioho paro a 800, 19 e 19200 a vasa, di-
to de qadriobos muito propaio para calcas, ja-
quetas e paletots para meninos a 20a>ra. o cesa-
do, gangas francesas muito superiores a 400 rs. o
corado, caaibraiss franetzas muito unas e de
multo bonitos padrees a 260 e 280 b cavado
cambraia lisa muito una a 4J, 5 e 69 a paca com
8 1|2 varas, cambraia. com aalpicoa tambam com
8 t2 varas cada pecas a 4JJ50, dita muito supe-
rior o melbor qae ha neste genero a 11$500 a pe-
ca com 17 varas, ou a 800 ra. a vara, chita fraa-
cezaa de maito boas qualidedea e daltndoapa-
drdes a 240, 280, 300 e 320 o corado, fil da li-
oho liso multo tino a.720 a vara, tarlatana bran-
ca e de core a 760 a vara, loalhas da Kobo para
maos a 79 a dila, ditas pelludaa multo superio-
res a 11 a duze, gollinha de cambraia borda-
das a 800 rs.. manguitos e Rollas de cambraia ri-
camente bordaras a ?9 o .par de manguito com
urna golla, lencos broncos muito Idos com bico,
renda e labyrimho a 1J280 cada ao,. ditos de
cambraia de linhu para aigibtira pelo baratissimo
prego de 4, 5 e 69 a duzia, e aasim una complete
sortimento de fazeucias da todas as quadades,
que sendo > dioheiro vista se venderao por pre-
co mui baixo : na bem conhecida loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Barato assim barato de mais
9a bonete fioo*.
A loja d'agaia branca recebeu urna crescida
quantidade de sbooetaa unos para barbea, oa
quaes coovm a todos compra-Ios mesmo para
mo, avista do diminuto preco de 39 porqaaote
se eat vesdendo a dusia. Para aatiafaxer-ae aos
bons freguezea aa vender tambam o menorea
poredee, porm quem maia comprar maia lucrar,
porque aasim barato nao ser fcil tornar a ha-
ver, e mesmo agora s ha na ra do Queimadr
loja d'aguia branca o, 16. '
^oraes.
Em massinhos a 500 r. cada um.
Em Sos a 640 r. cada um.
Em voitas de 3 Tos a 2*600 cada ama.
Vende no a moiio boas corees, em massinhos,
fioa e volt de 3 Bo, 'pelos barattsaimos presos
cima: na ra do Queiarado loja d'aguia braoc
o. 16
Escravos venda.
Vbnde-se um preto bom csrreiro, proprio paral
yaj^7B0..eoaa ajeraa que lea) algums hab
^2**1' p2f Prc,> barassimos : a tratar cem
o Sr; Josa Pedro do Reg, aa ra da Crasas
na ra do Crespo n. 17. ,
ifyyas-' faze ndas pr etas pa-
ra a quaresma na loja da
Arara na ra d Imperatriz
n. 56 de Magalhes A Men-
des.
Vende-ss groaden/ple preto eocorpado a l|tfa\
19800, 28, 29200 p cavado, alpaca pralas a 500
600 a 7S0 ra. o eova calcas e paletots a 560 e 640 rs a cavado, val-'
ludo prsto a 2A500 o corado, eufeites preto de
sores 29500, 3, 5f500 e 6f.
Panno preto.
Panno preto para calcas paletots a 19700,
19800, 29 e 29500 covado, corles de caaemira
preta entestada a 39. 39500 e 4para saleas, sor-
tea de chitas fina com 13 covados a Sg500, ditoa
de riscado chines a 29500, ditos da popelina a
29600, chitas s 160 e 200 rs. o corado, ditaa fran-
eezaa a 240 e 280 rs. o covado, cortes de fusto
pars caigas a IglO, ditos de brisa a 19180
I96OO, cobertores de algodo al.
Algodo e mada-
polo.
S MagalhSes & Mendos.
Venda-se pecas de slgodio trancado america-
no com pequeo toque de cuptm com 20 jatdes a
peca a 39500 e 49, peca de madepolo entestado
sem deleito a 89, urna duaia da meias eraa pa-
ra hornero por 19200 um par 120 re., ditas floaa
2f90. tima dusia de lencos branco com barra
por 19*00 um lenco 120 rs., parea de meias para
senhora a 240 e 320 rs. maito Anas, urna dusia
de abertura ou peitos pars camisa 2J400 urna
abertura 200 rs., mantinhaa de crox para se-
nboraa andar por cass 200 rs. esda urna, pegas
da chita 4e cora eieuras com pequeo taque
da mofo porm logo que se lava tica perieita com
38 covados por 6& eo*ado 160 rs., laziohas para
veSUdoa a 2H0 e 400 rs. o covado, sintos doura-
do a *;).
Laazinhas sussis para ves-
tidos
Liszinbas iussis para vestidos de senhora e
roupa para meninos maito fina fasenda que se
pode lavar a 560 rs. o cova lo, caasas suissa de
quidrir/hos para vestidos s 280 rs. o covado, fas-
to de quadUnho maito unos era vestido da
senhora a 280 e 320 rs. o covado. popelina de
corea a 240 rs. o covado para vestidos, gorguro
de linbo pira vestidose roupa psra meninos
Sementes
de Hamburgo.
Liquidaco.
1
Braga, Silva & C, em Uquidago, convidara
aos seus devedores a virem saldar seus dbitos
dentro de 30 das, e participara que medidas ter-
mioantes sarao empregadas contra oa que nao
eomparecerem.
Urna barcada,
Vende-se ama barcaca do porte da 35 calzas,
ncalhada 00 estaleiro do mestre carpinteiro Ja-
ciotho Elesbo, ao p da fortaleza daa Cinco Pon-
tsa,sonde pode aer vists a examinada peloa pre-
teudentes ; veode-se a prazo oa a dinheiro ; a
tratar com aianoel Alves Guerra, na raa do Tra-
piche a. 14.
Vende se a bordo da barca portugueza aEspe-
tanga, sal de Lisboa limpo e redondo ; a tratar
oa ra do Trapiche o. 17.
Veode-se um terreno em Santo Amsro,
noto ao hospital ingles, com 700 plmoade fren-
e, em muito oom estado, a tratar oa roa do
Trapiche n. 44, armazem de Braga Son &.
uvas pretas de torzal
para meninas a 500 rs. o
par.
Vendem-se luras pretas de torga! em bom es-
tado para meninas de diversos tamaohos a 500
rs. o par: na ra do Qaeimado loja da aguia
branca n. 16.
Agua de lavander e pomada
Vende se superior agaa de lavander iogleza
pelo baratisaimo prego de 500 e 640 rs. cada fras
eo, pomada milissimo fina em pua grandes a
500* a 19, *end* ae por to barato prego pela
ramio quantidade que ba : na ra de Queimado
oa loja de miodnzaa da boa fama o. 55.
Bicos de iinho barato.
Veode-se bonitos bicos de linbo de dous a
quatro dadoa de largura faoa muito aaoerior
pelo baratissimo prego da 240. 320. 400 e 480 rs
a vara, vende-se por tal prego pela r.iio de ea-
tarem multo pouc* couaa encaldidos, laasbem sa
vemiem pecas da reodaa liaaa perfeitameniebuas
casa 10 varas cada pega a 790, 890 e 19. ditas
rom satpiroa muito boaitss e diversas largura a
19300, 19600 e 29 a pega, Oilaa de aeda a 9 ca-
da urna pega: na roa do Queimado oa bem co-
ohectda loja de miudezaa da boa fama n. 35.
LiuhdS de cores em nvelos.
Vende-se linha de cores esa nvelos fazenda
em perfeitissimo estado pelo baratiaaimo prego
de 19 a libra : na ra do Queimado tejad miu-
daza da bo fama o. 35.
Mobilia.
Na ra da Camboa do Carmo loja n.
12, vende se toda a qualidade de mob.
Ha tanto ao goato moderno corno anti
ga, ohanthaiia etc. por preco mais
com modo do que em outra qualquer
parte, faz-ie toda a qualidade de obra
de encommenda com a maor brevida-
de e o maior apuro da arte. .
para njos.
Vendem-se ns raa da Sosala Nova 0. 30, csi-
xinhas eom doce por prego commodo, rdcomman-
daret* par* oa aojos da procissao.
Papel de peso aSja resma,
Vaode-sa na ra do Queimado toja de miade-
zas da boa fama a. 35.
Salitre refinalo.
Vaode-se na ra do Queimado loja de ferra-
gena o. 13, a 88500 arroba e em porgto se
vender por muito menos.
Escravo venda.
Na ra das Cruses n. 28, segundo andar, ven-
de-se um preto proprio para todo o servigo, por
prego cummodo.
Genuino e Yerda-
deiro viuho da Madeira, ul-
tiraaraut*i chegado.
Veoda-ae na ra do Vigario n. 9, primeiro an-
dar, escrJutgrlQ 4a Caivalbo, 8ottie(fa 4 C.
Preservativo universal,
45Kaa Direita45
O-hein l.
Urna das intelligeocias melher esclarecidas n
sciencia de Hipocralea, depois de langos aonoa
de eiercicio de curar e matar convenceu-se afi-
nal, qae o nico preservativo iofalli*el de qael-
quer epidemia, por mais mottifere que fosse. ara
conservar a cbga fresca, veotre desembaragado.
e PES QUENTES. Ora, viajando por abi urna
epidemia,que anta geole come qualquer ouira,
occaaio de pormoa em pratica eeta principios,
usando pouco do chapeo a aempre som-
bra ; tomando de 15 em 15 das um tasante de
sal de gUuber, o mais acrrimo inimigo da epi-
demia, segundo a opioio e a pratica de um dos
ornamentos da nosaa magistratura ? e laagando
ao cisco todo o calgsdo voltio, dirigiado-se todos
ao armazem da raa Diresta n. ib, onde o respec-
tivo proprietano a todas receber com cortezia,
aturar aa massadaa, aquecer os ps cum ei-
cellente calcado, segundo o gosto, e estado fi-
nanceiro de cada nm, e vejara :
Homens.
BOftZEGDINS' dos 'meMires fsbrlcsnfs,
fraocezea. teglezes e brastleiros a 138, '
129.119.10|. 99500, 89 e..~........... 59500
SAPaTOBS a 79500. 68500, 59500, 59.
49500 at................................ 2900U
Mt-ninos.
SAP ATOES a 58500. 59. 49. 39590 a...... 19600
Seh'ras
BOTINAS de fabricantes francezes, iogle-
ie, allemaes e americanos federaes
69,59500, 5, 48560. 38500 s........... 29500
1 Meninas.
BOTINAS s 49500 a...................... 49OOO
Um cmatelo sortimento de sapales para e-
ohora de couro de lustre virado a 500 ra., de ta-
pete a 800 rs de lustro (oa 32 e 83) a 800 rs.,
da tranca franceses a 19300, portugueses 29, espa-
tos de borraxa para booiem seabora e manios,
muito couro de lustre, de porco,cordavn,mrro-
quim, bezerro francez, sola de lastre, couriohoe,
vaquetaa, sola etc., que lado veade-ee como em
oeuhuma parta.
VuBileiro e tidraceir.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31Ra Direjta-prdl.
Neate rico e bem montado eatabelecimeoto ao-
eontraro oa freguezes o maia perfeito, bam aca-
bado e barato 00 seu genero.
URNAS de todas aaqualidades.
SANTUARIOS que rivalisam com o Jacaranda.
BaNHEIRus de todos o tamaohos.
SEMICUPlAS dem dem.
BALDES idem dem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
POLI! A em canas de todas as grossuras.
P RATOS i mi laudo em parleigo a, boa porcel-
laoa.
GHALE1&AS de todaa a qualidade. -
PANELLAS idem idem.
COCOS. CANOIEIHOS e flandres para qaal-
<;uer sur limen to.
V.'OAOS em caisaa a retalho de todaa oa U-
niaodau'do-se maohos, botar dentro da ciliada,
em toda a .arla.
Recebem-s,' encommendas de qualquer nata-
re, ^pncartoa, .5ua lado ser desempanhado a
contento. 1
De hortali^* e flores.
Vindss pelo ultimo vapor Ingles : aa ras ds Ca-
dete Aos Srs. consum
dores de gaz.
Nos armszeos do caes do Ramos ns. 18 a 36 e
o roa da Trapiche Novo (00 Recre) n. 8. se
vend gaz liqeido americano primeira qualida-
de e retenlemeole chegado a 149 lata da cinco
galloea, assim como se vendom lataa de cinco
garrafas em garrafas.
Pee hin eha
Pechiiifha admiravel na
lija fio Pavo alOJ
Vende-se pecas de bramante de inho
{)uro bastante encorpado proprio Ipara
encoes, toalbas, seroulas, camisas pan
I rtotsetc etc tendo cada peca 2, va-
raspelo baratissimo preco de 10$ 7 pe-
ca, etambem se vende meia peca po-
0$ u se retalha a 400 rs. a vara : na
ra da Imperatriz n. 60, loja e arma
zem do Pavo, de Gama Rival
sem segundo.
Na roa do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, est disposlo s vender tado por prego que
admira, assim como saja :
Frascos de agua de lavando muito gran-
des a
Sabonetea o melbor que pode ha ver a
Ditos grandes multo Unos a
Frascos eom rheiros muito finos a
Ditos ditos maito bonitos a
Garrafa de agaa celeste o melbor a
Prseos com banha muito superior a
Ditos dita de urco flojsima a
Prascos de oleo babosa com cheiro a
Ditos dito dito s
Ditos dito nito a
Ditos psra ttmpar a cabega e tirar caspa a
Ditos dito phitocome do verdadeiro s
Ditos com banha transparente a
Ditos com superior agua de colonia a
Dita, fraseos grandes a
Frascos de macaca oleo a
Ditos de opiata pequeos a 320 e
Unos da dita grandes a
Tm um resto de Isvande ambresda a
Liaba branca do gas a 10 rs., e tres por
dous, e fina a
asila de catibo redro V, com 200 jardas a
Dita dito drl com 50 jardaa a
Carreteia 0 linha cem 100 jardas a
Dusia de metaacruas maito encorpadas a
Dita da ditas muito superiores a
Dita de ditas brancas pars senhors, mui-
to finas a
Vara da bico da largara de 3 dedoa a
Dita de franja para toalhaa a
Groza de botos de louga braaecs a
Duiia de pbospboros do gz a
uita dediles de vela muito superiores a
Pegas de fita para cus de toda as lar-
garas a
Carteiras com agulhas.j
A teja d'agaia branca acaba de despachar car-
teiraa com agulhas de mei boa qualidade, e es-
colente sortimento, e aa eat veodendo a 500 rs.
cada urna ; assim como recebeu igualmente no-
vo aorlimanto da agulhaa Imperiaea, fondo dou-
rado, qa continuara a ser vendidaa a 160 rete o
papel, isso oa rea do Queimado loja d'aguia
branca o., 16.
Argolas de ac para chavea
vendam-se 200. 240, 320. 400 e 500 ria, ua ra
do Queimado teja d'aguia branca n. 16.
Froco fino e e^da frouxa pata
bordar
vende-se na raa do Quelreado loja d'agaia branca
n. 16, onde sa achara completo aortimento.
Madapolo a 3$.
, Vende-se pega de madapolo enfestado com
Madapolo com pequeo toque de 14 jsrdea a 39 a pega : na ra da Imperatria n.
FazejMlas pretas
oa loja do pavao, ra
da Imperatriz n. 60,
de Gama Silva,
Veode-sa baratissimo por ser lempo de "loa-
reama as fazeaaa seguintes :
Ricos manteletes de velludo prvto rica-
mente enfeitados com fraejaa Isrgaa os
maia modernos que tem vindo a
Uodernissimos enfeiles pretos a torca
Jaribstei
Ditoa mais simples a
Ditoa de vidrilho maito moderaos a
Chales pratos de merino bordadoa com
vidrilbo a
Ditoa de fil preto mailo fioa a
tirosdeoapies pretoa fareadi maito en-
eorpaoa a 1500, 1600, 11*800, 2f e
Sarja preta beapaobola, covado a
Meiss da aeda pretas para senhora a
Ditas de l a de laia para padres a
Lufas de retroz bordsdss com vidrilho e
sem vidrilho a 500 ra. a
Ditas pretas liaaa de seda muito fina a
M** preta maito floaa a 560, 640,
800 e
Da lulo dio-se amostras com penhor : .
da Imperatriz n. 66, loja e armazem de Gama
Silva.
HsSaal
m
1>00
2?fl(ja
lCOfl
iz>bO
649
<009
o ra
a
t80 rs. o covado, chitas noos aquille propnas
para mupas de aenhoras com lietriohas muito fi-
nas a 280 rs. o covado tem 4 palmos de largura,
lato s oa arara na ra da Imperatriz loja e ar-
mazem o.56.
4?o de Milao.
Vende-se ac a 23$ o quintal: qa raa do Quei-
mado loja deferrsgens o. 13 ; bem como se ven
de nests mesma loia um completo aortimento de
ferrageos e miudetas da todas aa quadades, ta-
do por diminuto prego, visto o proprietsrio que-
rer entrar em liquidaco.
Camisas eceroulas
Vendem-se superiores ceronlas de lioho maito
finas pelo barato prego de269 a dazia, ditaa tran-
cadas de algodo, mea de maito boa qualidade, a
175 a duna, camtaaa brancas francezas a St. 24|,
26 e 300 a duzia. ditas para meninos a 22f a du-
zia, ditaa para hornera com aberturas de cores a
229 a dezia : na bem conhecida loja da boa f
na ra do Qaermado n. 22
Lencos brancos para algibeira.
. Anda se vendem lencos branco finos para al-
gibeua pelo barnii?irao prego de 294PO a duzia :
na loja da boa f, na ra do Queimado n. 2t^
Ski S para smkora.
Vendem-se meiss finas pata senhora pelo ba-
ratisaimo prego de 3*600 a duzia : na rea do
Qaeimado o. 22, na bem conhea.da loja da
boa f-
Pechincha
Na loja de 4 portas da ra do
Crespo n. 8
800
320
160
500
19000
13000
240
600
240
320
500
720
900
900
400
500
100
500
800
500
20
60
20
30
29400
500
3J000
1211
80
120
240
240
320
Pannos pretose casemiras
Na loja do Pavao.
Vende-se panno preto maito boa isztorfa
1J600, 19S0O e tj o covado, e dito qee val 8) a
>-ov*di semiras tretas awaasesj a
3. 3S200 e 3500 o corle, ditas de urna 6 Us>
gura de todoa oa pregse qualidadea, atlim pres-
to da China para Caigas paletots o rolletes c. m sj
palmos de largura a 3| o covado: na ra da Im-
pertir n. 60. luja e armazem de Gama Juta.
Sedas de quadriuhos a 72U rs.
Na loja do Pav5o na ra da Im-
peratriz n. 60.
Vende-ae muito delicadas sedis de quadreho
a 720 rs. o cosdo : na raa da Imperatriz loja
armazem de Gama & Silva.
Chales.
Grande pechincha na loja do Pavo.
Vende-se os mais ricos chales eom pona re-
,donda e bolotas, tendo as barras de vallado ou sa-
seiinadas, imitando ss capinhas mais moderna,
pelo baratissimo prego de 49500 cada um < m
de qnatro pootas a 4(500, ditoa a Gaiibsldian
sendo muito grandes s 5J : oa ra* da Imper-r.ru
n. 60, loja do Pavo de Gama a Silva.
Briihantiuas auiericnuss
Vende-se brilhsnlinas americana eom !''-
simas cores sendo fazeoda inteirarreot nova e
moderna de 4 1(2 palrooa de largura a 400 ra.
covado : na ra mazem de Gama & Silva.
Espartilhos a 3,500,
Vende se espartilhos ingleses qae sao oa m-
Ihores pelo diminuto prego de 3(500 caa nm :
r>a ra da Imperatriz n. 60, luja e armazem te
Pavo, de Gama & Silva.
Para menioos a 4$500 rs
Vende-ae vealidinhos de seda para meninaa a
ditoa de fpsto qara menines muito bem er.Vt-
lados pelo baratissimo prego da 49500 cada no:
na ra da Imperatriz n. 60, Iota e armazem d
Pavo. j
Gorguro de liaio a 280 ra.
Vende-se gorguro de linbo da qoadrmhos
mesclados propnoa para senhorss e roosa da
meninos e meuinas a 280 rs. o covado : aa raa
da Imperatriz o. 60, loja do Pavo, de Gama 4>
Sila.
Grande pecbincha em cortes
de vestidos na loja do Pavao.
Veode-se finissimos corles de cambraia bran-
ca bordados com 2 babados grandes e de dea
saias pelu baratissimo prago de 49. dito*d eana-
braia de seda com babados bordados a 49500, 'ti-
lo de phanlasia fazeoda que sempre se tendea
por 129 pelo baratissimo prego le 69 caa sa :
na raa da Imperatriz o. 60 toja e armazem Jo
Pavo, de Gama & Silva.
a va ta a 4|.
Dito largo fino a 5f a peca.
Algodozinho liso encorpado a 2^800
e3|a peQa.
Chitas largas de cores ixas a 220 rs,
0 covado.
Ditas rxas estreitas com pequeo to-
que de mofo com'38 covados a 5J500 a
peca e em covados a 1 riO rs.
Tamancos baratos.
Vendem-se tamancos maito bem fritos ba-
ratos para homam, seohoras e meninos taoio a
reulho asa a> porcao t na raa da Lirramen-
to n. 36, loja de cera.
Meias pretas de seda.
Vende-se meiss de seda pretas para aeaao
fazeoda muito auperlor pelo baratissimo piuco
de ijj o par; na ra do Queimado na bem co-
nhecida loja da boa fama n. 35.
Fazendas pretas
superiores.
Grosdanaole preto mallo superior pelo dimi-
nuto preco de B o cn*ado. panno preto mailo 0-
0,1' 3, 4. 5. 6. 7 e 98 o covado. casemira preta
n.uito Ooa a 2$, 2500. 3, 3500 e 49 0 C0*do,
manta pretas de bloodn rr nito superiores a 128,
manteletes de superiores grosdeoaples pretos ri-
camente bordeos s 359. sobreessacas da panno
preto muito lino a 908, casaca tambero da panno
preto multo fino a 309, paletots de panno preto
fino a 18 e 209, dit-a de Casemira de car mes-
ciada a I89, superiores gravatiobaa eatreitsa a
l#, ditaa de selim maro e de gorguro muito su-
periores para duas v0|ta* a 89, ditas eatreitinbas
com lindos slfloetes a 29, superior gorguro pre-
1 oara colletes a 49 o corle, ricos enfeiles pretos
1 6. e assim outraa o ailas fazendas que aeado a
dioheiro vista, vendem-se por precos muito ba-
ratea : oa ra do Qaeimado n. S, na bem conhe-
cida teja da boa te.
Venda-se urna batanea romaoa quasi nova
com grade para pesar couros ate. : a. tratar na
ra da Cattalo Recife n. 4.
Superior al d Lisboa.
Tem par* tenderaro porgo a a raUlbo Anto-
0,0 L"'s de Oh veira Aiedo criptorio ra a Crui n. 1.
Objectos de phantasias
Vulseiras de missangAS.
A loja d'aguia branca acaba de receber um
bella e earolhido sortimento de pnlseirasde mis
sangascom borla*, peodeotes, obra de muito ros
tp. e o que d mais perfeito sa pode dar em taa
60. loja e armazem do Pavo,
Oh! que pechincha
Veode-se palitos lindo e foliados fino para
dente & masaos com 40 massinhos por 400 rs. aa
roa da Imperatriz loja da Arara a. 56.
obteotoe, as est vendando a 19500 cada urna,
I tanto para senhoras como para meninas pela
novidade do guato a apura de modaolo tardarn
am se acabar as que ha aa Joja d'aguia brinca,
nu do Queimado o, 16.
armazem de fazendas
DE
Saatos Coelho
Ru* do Queimado n. 19.
Lencoes de bramante de Iinho a 39.
Coberta da chita finas a 89.
Ditas a prego d IsOO.
Cambraiaa prelaa mano tina.
Colchas da fusto maito liodas a 69
Eatairaa da Iodia da 4, 5 e 6 palmos de largo
propria para forro de cama e sala.
Lencoes 4 panno de Iinho tino a 29'
Algodo- mooslro a preco de 600 ra. a vara.
Toalhaa de Iinho para mea a 4j
Ditas de fusto para mo, cada ana 500 rs.
Baldea para meninaa.
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Caasas Iraoeasas de bonitos gostos a
320 rs. o covado, luvaa de trpgal preta
e d seda a 500 ra o par, chitas france-
zas largas escaras s 240 re. o cesado,
ditas finaa a 260 a 180 rs., fil de Itnho
liso a 640 ra. a vara, tarlatana fina de
todas as cores a 800 rs. a vara, leagoa
brancos com barra de cor a lytQOa du-
sia 120 ra. cada am, meias para ho-
rneen a IftOO a daxia e ItO re. o par,
cbitaa para cubera de bonito dese-
nkoe a 220 rs. o covado, pegas de bre-
tanha de rolo a 29. titas de cambraia l com 6 1|1 varaa a39. musa-lina encar-
nada a 240 rs. o covado. calciohas pare
menina de escola a 19 o par, peiloa
para esmiaa brancos e de cores a 900
rs., pegaa de cambrai* branca de salpi-
co a 3*500, algodo entestado o melhor
a TOO ra. a vara, oito branca para toa-
lhaa a 1| a vara, enfeitea doa maia mo-
dernos a gsribaldi a 6a. a loja eat abor-
ta at as 9 horas da aoite.
Vende-e um mualo Om SO uno, que ca-
staa basa, 4 eopeiro, aapatairo. eenteade da bo-
lealro, ai tea vicie, a tem boa conducta, tesa-
ban* se troes por urna caaa, dando ae o reato eos
urna laica da boa firma: a tratar oa raa Moa a.
19, tercelro andar.
5$ Roa da tayeratrit 55
Sempre ha para venier eneaianaa de diversos
lmannos eom fitas de linha ela, corda verde
Kscra^os fegiot
Escravo fgido,
50#000.
Est fgido desde 16 ae fevereiro preiimo ; -a
sado o preto Joo que trabalhoa coro Joaqira
.un dos Sanios Villaverde, ni padaria da r%ra
Imperial n. 199, e ltimamente eslava ns p.(ri
junto a caixa o'aaaa rom o Sr. Miguel Jt. t rY|
xetra d'oo'ie se ausenu u, tem os segmnie- iaj
na es : corpo e altura regulares, mos e pe,. ->
des, costuma andsrde barba grande ior-Usi'e ti
gode, tem andar giogador, e as vetes aula l
psletot ordinarin e calgado ; recomroend*-.. -ja
senbores da polica e aos capies de cam-. ;>
o pegar, levem-o ao largo do Carmo ao t>- \i
assigoado, ou a fabrica do sabo, que aera "'a-
flc*do com 509.
Nsrriso Jos da Coste Perer*.
Fugio no dia 8 *" fevereiro prximo pass-
do da eogeoho Rdia termo da Eseada, om aserti-
vo de nomo An*eioio, idade 28 aonos punco mil
ou menos, cor fot, cabellos carapinhus, r-rj
falta de dentes na frente, teste saliente, allofaj
regular, pernas tnas e sem nenhurna b>-1>.;, 4f
natural do Rio Grande do Norte : recomo en lo SS)
as suioridsdes policiaet e espites de campen
capturado referido escravo, podaodo gue no Recife ao Sr. Bruno Alvaro Barbosa \
Silva ra da Cruz n. 45, segando anda -, ou ao
engenho cima mencionado, que ser generosa-
mente recompensan.
Fugin no dia 20 do correte de berrn rj
patacho Capuaro, o esersvo criollo oannhet-
ro de om Antonio, idade 19 aonoa pt>orn mata
ou menos, altura regular, rosto comprldo roo
alguna aignaes da bexlgas, leou catea e camisa
azul : quem o pegar leve-o se escripli>riu do
Antonio Luiz de Oiveira Arevado 9 C. raa ala
Cruz q. 1, ou a tordo do du patacho quu seii
generosamente recompensado.
100$0
tambera conceda aa mesmas por prego com modo aodar, oa ao referido engenho.
D-se a gratifleaco de 1009 a qnem tegar a
esrravo Manuel connecido por Maooel Francisco
rujo escravo do balso arsigoado, tem us alfa-
na es aeguiniee : cor motete, catatara regalar, ca-
bellos rara pin hu, us dous dentes de tm rf
IreDte grandes, rosto comprilo, quand anda 9
n-uito eapjgado, maito desembaragado do tallar
b-m felo da ps e aos, diz que case s>aT'i d alfeiei, este esersvo foi do finado trfseato-
coronal Beroaido Antonio de Miranda aor *
engenho do Brum, no Casanga aanda lu asee-.
do e criado e t muito conhecida naqaeile iirt
tanda ate veodi io palo Sr. Dr, Gradan Se Pava-
la Ba ptala no dia 22 da fevereiro proun-a ...-
aado e fugio o dia 16 do measao mes. a*s> ea
crav j eaieve fgido qusado era do Sr. B>i>e-
ta, para as banda da diada deOliods a hVbea)
tibe e vmha vender cervo neate cMaaW unto
qaa fot pegad aa raa da Cate eom car*
de carao, muito de supper qae leoha madatl-
o noe e que ae intiule de forro : roga so aa
saioridadea policiaca e ca pitaes de campo a a;>
prehenfao do dito esc ravo, aanm COBO s "tt-
flea con- a qaanlia arima a quem trovscr as
der onticia cria aonde eat assim como da i a
ae protesta coaita quera quer qa o teaha asad
tedo.
Albino da Salva Leal-
Fagio doeogenbo Boa Ssperanga camama
do Limoeirn, em diaa do mes da Janeiro no re-
rente anno, am esersvo parda de oesae Ftassaav
ci, idade 30 anona pnneo mate oa asen, ca|p
eacravo natural do Forno da Cal, teas prense
oo Recite e Ga tuc, por isso 4 aapv a ?-
teja orculio por qualqoer dealaa lagares, ri-saia
manda ae as sotoridaaes ooliciaoa a e*e dj
campo s cantara do referido eatiava. q* f*a
de ser entregue aate prag ao S. Braao i
Barbosa da Silva, oa ra dafrazo. 49,
SSHS
j. ^zr-r+
: i
. V _


V
DIARIO DE PMNAMBGO. ^ QUARTA FILA 2 DE .1R1L D it6
Variedades.
>'\
Brado coulra uiu proverbio.
Parla, 17 de farereiro le 1864.
{Concluso).
Aiada iilo era o amos, se tesis leal o espirito
da camaradagem. Ji tiohamos vsteos leigos a da-
rem-se reverendissima e lodos sabemos* historia
sC doua borneas honrados ; um son eu e outro
vec dir quem & Mas aos leus amigos pesa
duramente 6" proprio jugo da camaradagem.
Sahem da syntgogs e dizem uns os cairos oa
cidade o que s elies sao capases de iOTeotar.
' insignificante o livro que eitea logiaram.
Vale menos qus a de Jos Daniel a prosa que
ules chumaran) cinica. Faz lembrar a Pe-
dreida > o terso que coroaram oa vespera. Pica
aendo inerte, nebuloso e pesado o eaiylo que
prccUmaram vivido, rutilante e ligeiro. Afirma-
ra m que o autor de um lino era intelligente, le-
tooroso e spplicado. Qual historia um ma-
iandrioo e vadio, igooraole como um leigo ber-
nardo o mais estpido do que urna torta. Isto
com os amaradas. Dos outros nao se falla.
E too enronhadus rirem oeste systema, que
ji Dem acreditsm que baja outro possivel- Se al-
guom diz bem do seu semelhante, teimam que
por mofa, e assim cooseguem injariar dous em
^ez de um. Quem acreditasse o que lhes on*e,
cuidara que em Portugal nao ha homens de me-
reeimmto. E' como na poltica. O que nao di-
jera os polticos nos dos outros ? E, ao cabo de
ludo, rio jantar juntos I Que vida 1
Chegou a ser molestia nerrosa o prurido de
insultar o prximo. II a vis gente que nao junta-
va core apetite no dia em que nao poda tosquiar
nlguem. Diem perJidi, exelaaiara, affastaodo
as sopas. Vae a eivilisagao fechando a porta dos
jernaes iojuria e ao aleive. J todos 1*h des-
cobrem a orelha azioina de algum interesse bai-
xc e srdido, destes loleresses que fazem ore-
ihas e olvidos de mercador, como diz o poro aos
dictames da prudencia, da Justina e da conrrater-
nidade.
Nao tem duvida. Erigem-se patbulos especiaos
para esta especie de viciimas. Vae-se longo onde
hija umafolha decouve. bem secca e bem mu-
rada, aguardando a chnva do escndalo para re-
verdecer na venda de alguns nmeros. Peasam
escapar naquelle escondido lugar ao castigo qu>
li.es reserva i opiniao publica, como salteador
que accommette de noite eem sitio ermo para
que o nao conhegam nem venba a Justina impe-
dir o feito. E' o proverbio em fuga vergonhosa.
Consolemo-nos. Na capital ja se nao assassioa.
Com o lempo ha de lambern haver ssgunoca as
provincias,.
Creio que a a Revista Contempornea de Por-
tugal e Brasil oasceu para lavrar protesto so-
lemne contra esta mesquiohs e abjecta usanca,
cootra o descariioso proverbio. Alli flearam re-
gistradas as qualidades pessoses e os dotes hue-
ra rios dos homens notareis do noaso lempo*
Queira Deus se uo desvie do bom casninho, ser-
viudo de instrumento s vingancas particulares
da qualquer concilibulo, de qualquer liomem ou
de qualquer familia.
Sa tal aconlecesse, comecaria ento com geral
prejulzo a decadencia de urna das melhores pu-
i:.cacos porluguezas, que teriadeir repousar no
tmulo onde jazem sepultados pelos meamos co-
veiras muitos peridicos famosos.
Alguem disse que os redactores da Revista
tinham fundado nella a compaohiado Elogio Mu-
tuo. Nao verdade, ao menos na parte biographi-
ca. Ninguem paga alli as suas dividas, mas, se as
pagssse, antes em raoeda de louvor do qte nos
sujos cobres da mentira e da diffamagio.
Tambem posso dizer desprendidamente a mi-
ri-he opiniao a respeilo. Adquir esse direito ea-
quivando-me s benvolas solicitacosa com que
ce pediram a minba modesta biographia. A his-
tcia da minha vida em um livro meu eescripta
por mim ser um desformo nal contra mil con
(os absurdos com qae maldizeotes e apologistas
me teem mioha revelia composto phanlastics-
uente a existencia, ora conce i en Jo-me vsntagens
que nao disfructo, ora negando-me qualidades
de que me ufano, porm, escripia por outrem
nao instruira cabalmente o eitor nem me conten-
tara mim.
Na verdade, provocarla riso ver o busto desle
imples e transitorio obreiro collocado na galera
dos homens iMustres eotre 01 mestres de arte.
Nao consent neste engao sgerages filaras,
i: Gz bem, porque me fot licito agora ser juiz on-
de a minha acquiescencia me teria transformado
em pleiteante.
A Revista um archivo precioso dos trabalhos
da nossa pocha. o campo neutro ondeos
enimos sincero e leaes podem reuoir-se para
celebrar a gloria de todos.
All, ao menos at agora, e segundo parece c
de looge, nao se obsta crtica deceote e come-
dida, e na le cooslitucional dscasa est escripto
o principio da confraternidad?. Nao o vi infrin-
gindo al hoje seco pelo revisor nos artigoa que
eu escrevo.
Isto nao le tira merecimento.
A benevolente coofrateroidade da Jeiusa um
feliz acaso. Em regra geral, os homens de letras
co desapiedados uns contra os outros, salvas ra-
rsimas, porm, brilbanles excepgoes, disole das
caaes me inclino com affectaosa reverencia e
profundo respeilo.
Onde ha verdadeiro meretimento Iliterario exis-
lem quasi sempre boas qualidades moraes. Pode
alma excepcionalmente espsrriohar at cabe-
es, mas o seu contacto normal com as solas das
totas.
Eu desapprovo, mas entendo a rivaldade acri-
moniosa dos homens que pretender egual em-
prego Iliterario. Correm airas da meama noiva.
Nao se podem querer mullo. Porm que se de-
teste m e guerreiem os que vivem separados e dis-
tantes as diversas provincias da repblica das
letras, e que andem de mascara no rosto pelas es-
tradas do reino a esfaquearem-se na reputacao,
deixando em silencio os escirptos, declaro que
nem approvo, nem entendo.
Tenho pedido um favor nico aos homens de
letras queme honram com a sua estima e que
me distinguen! com as auas communicacoes. E'
que se amem e respeitem mutuamente, que for-
FOLfflETIN
ORIGINAL DO DIARIO DE PER1MMBUC0.
i CARAPCFLE SEI TO
oc
RECORDARES DEUM HOMEM VELHO.
por
YOUMALE.
(Conlinusgao do Diario a. 71.)
XXII
E ento I___e ento I exclamou brus-
camente o cantor, no momento em qae por elle
la passando distradamente.Vas assim andan-
do sem fallares com a gente ? I
Ah I s t, Jorge ? I disse-lhe eu voltao-
do-mee abracando-o cordealmente. Quem di-
ra que le havia da encontrar i estas horas na es-
trada ? 1
E tu tambem, meu aquelle ; julgava-te an-
da no Rio^entre as bellas Fluminenses, e venho
dar comtigo passeiando aqui pela estrada, absorto
e meditabundo como um verdadeiro frade capu-
cho : mirabile catu I Mas, nao importa ; veoita
te l outro abraco. Quando ebegaste ?
Desembarque! hontem tarda, meu charo
iorge; respondi-lhe abracando-o de novo.Ain-
da bem poucas pessoas sibem da minha ebe-
gada.
Aposto que, assim que podeste, foste logo
visitar o nosso incomparavel commendador Feli-
csimo ? I
Por que dizes t isso ?
Por nada ; apenas urna idea minha.
Pois engaas te; anda ninguem visitei, i
excepcao do Menionza.
Slml.... Sim 1.... isso.... tolo que iou 1
E por esse motivo que j boje te encontr s
duas horas da msohla, vagueando pelos campos
enamorado deste bello luar?!.... Ah ah ah!
meu Julio; ninguem pode negar o aeu destino :
fila. uoUntem ducunt. nolenlem irahunl.
Ora, Jorge 1 ests hoje Impertinente coa as
tusa ckaedes Julgas que todos loram a mesmt
vida,que todos sao lio vadios como t?
Vadio I.. eu, que tanto me empeoho em
jperfei-;oar-me no coohecimeoto do eoragio hu-
maoo!
mera classe e.que obriguem o publico a trbutar-
lhes a devida veaesac^o.
Nunca aolicitai oaitra cowa daquellas para cu-
ja gloria trabaihel. Nio ptdla pata mfm. Suppli-
cavam para elles proprios* Recrutava contra o
proverbio.,
Aconlajce na litteratura o que succede na pol-
tica. De causas idnticas resultados uniformes.
Eotre os polticos corro a cada nstente cootra os
adversarios a vox de ladrBo, estpido, venal, cor-
rupto e ioimigo de Dsus e dos homens. O novo
aetedila, e as snas iras contra o vldro encaixi-
Ihado confunde a oireita coma-is^uerda.ppa-
dioho dos progressislas com o chefe doseosir-
vadores e o ministro com a opposico. E' recente
o exemplo. -
Pola, ae houvessem tumultos Iliterario?, acon-
tecaria outro tanto. Seriamos todos vicmaa. O
povo dira : Nao ha que escolber entre essa gen-
te. Sao todos mus. Elles proprios o proclamara
a cada hora. E o povo seria lgico na sua seve-
rdade. ,
Quando demolimos o edificio da reputacao
albeiaaem advertir em que as paredes prendera
com as nossas e arrastam-aa ira sua queda, o
vulgo aenta-se as ruinas a contemplar a fragili-
dade da coostrneco magnifica que linda hontem
admiravaeri nossa casta.
Psssa no dia aeguinte a ver sej cahiram os
que n3o vieran tarra com o prinseiro choque
Sabe qoeho-de cahtr. E' qoeataode tempo.
CooQam-se com difficuldade aos homens de le-
tras as missoes importantes e os encargos de ele-
vada respoosabilidade.
Quanlos contaes no corpo diolomatico ? Q jan
tos as cadeiras episcopaes? Quaotos. as duas
cmaras ? Quanlos no conselho de estado ? Q jan-
tos no thefeouro, co tribunal de comas ou no con-
selho do ultramar ? Observae e reapondei. Sao
raros ? Pois nao foi pelo que eu disse o'elles. E
pelo que elies disseram e espalharam uns contra
os outros. O effeilo e a causa ji se encontrara un
camente em Portugal.
Se houvasse critica Iliteraria, cessaria a male-
dicencia. Mas se ninguem sofTre que Ihe criti-
quen as obras I fila odios inveterados'por causa
de pteervaQoea impressas acerca de um adjectivo
e vivera oa miis santa harmona os que por des-
enfado se atassalham mutuamente o crdito em
cooversacoes diarias.
Parece que nao gostamosda verdade Impressa,
e qua se nos d pouco da mentira vocal que nao
chega directamente aos nossos ouvidos 1 Fraque-
za I Miiio grande fraqueza 1
Ha gente cajo carcter mu resistiu educacao
materna, aos principios religiosos e moraes, ao
esludo, convivencia, aeco do tempo, influ-
encia da civiluaefio e ao contagio da bondide
alheia.
Nisceu para o liar e nao pode vencer este ma-
lvolo destino.
Mordera em si, quando nao pudesse morder no
prximo. Pois que odeia.e que morda. Servir
de exemplo contra os mus senlimentos. Ser x-
posta na praga como o escravo embriagado e nao
aalvar o proverbio. Morrer com elle.
Tenho f em que ha-de chegar o dia da regene-
rarlo moral e da reuolSo dos homens de letras
em corporacao respeitavel, nio pr4 gastareis
metade dos epilhetos do diccionario em se Iou-,
varem por escripto, e a outra metade em se vUq,-
perarem de palavras, mas para se prestarem bons
ofncios reciprocamente, para, vigiarem palo res-
peilo da classe e para manteremqu antes, crea-
rem a critica Iliteraria, decujo deiuvolvjmen-
to depende o progresso da arte e o aperfeijoa-
mento individual de cada artista.
Enlo se ha de dissipar o denso nevoeiro que
exista entre o encomio assigoado e o insulto ano
oirao, caliginosas trevas onde a malevolencia das
palavras, a conspiradlo do silencio, a intriga trai-
oeira, o odio covarde e o cime insensato. Bri-
Ihar no largo espago, ora encoberto, a critica dos
escriptos baseada no respeilo das pessoai, a con-
fraternidad Iliteraria limpa das impurezas da ca-
maradagem e a luz da civiliaacao do progresso
para eosiuo de muitos e proveito de todos.
E' o silencio o peior systema da nossa siluaco
Iliteraria. Nao aliu lo aqu ao silencio.acerca des-
tes ou daquelles escriptores, ridiculo ardil com
que a vaidade pueril de alguns, cuida sonegar
posteridide o nome dos que nao sao seuscompa-
dres. Ddsse j eu tralei. Fallo do silencio a res-
peilo das cousas uleis.
Quem nos diz em que trabalha a academia rea[
das scieocias, o conservatorio real da arte dra-
mtica, o Instituto de Coimbra e aa sociedades
industriaos do Porto, como fuocciona s Univer-
sidad, que ideas vogam nella acerca de cada ra-
mo dos conheoimentos humanos, que progressos
sa manifestara as polytechoicas, que melhora-
mentos sa realisaram naa escolas de medicina e
nis de agricultura, que resultados se obiiveram
dos lyceas, que beneScios produzia o aperfsi-
goamento da educacao industrial e em que pro-
gressao vae o ensino primario? Creio que de lu-
do ha reblnos ofticiaei, mas neohum homem
de lettras se oceupa de taea miserias. Silencio
em toda a linha I
Houve relrma nos esludos ecclesiaslicos, pro-
gredlram os esfor^os para geoeralissr os traba-
lhos estatislicos, melborou o servico astronmico
dos nossos observatorios, tiveram incremento no-
tavel os trabalhos geodsicos e geolgicos, e, fi-
nalmente, um grande numero deempregados iu-
telligentes, iofatigaveis e modestos persisten
ha algons annos era dar impulso civilisac,o
portoguezs. Quem iostrue o publico acerca de
negocios que tanto lhe devera importar? Silen-
cio em toda a lnha I
Temos um plano de communicacoes rpidas
pormeio de caminos de ferro. Prendo cora a
realisac9o deate progresso a riqueza e prosperi;
dade nacional, a reforma da diviao administrati-
va, ecclesiastica, militar e fiscal, a alteraeo de
muitos fados econmicos importantes e ama re-
volucao pacifica na existencia social do reino in-
teiro. Quem vae gradualmente ensinando ao po-
vo qu essaa mudaocas aerao para seu proveito
e como e quando se pode verificar o beneficio ?
Silencio em toda a linha I
Exigem esludos e reforma os negocios relativos
fazenda e economa publica. Nao tem a Eu-
ropa cuidados maia graves do que estes. Sao as
quesldes diarias. Empenham-se os governos em
que o povo as entend bem para que acceite as
ionovacoet o facilite a execuci deltas. Os ho-
Dize antes do coraclo femenino e dirs a
verdade.
E por que nao ? Nao a mulher qae faz o ho-
mem ; segundo disse nio sei que diabo de philo -
sbpho?!.... Olha, mea charo; com toda a ttfa
senedade e presur.ipc.ao, nunca chegars a saber
tanto como oa: radio, como dizes, anda ma res-
ta o recurso de ser frade....
i E por isso que ests a esesrrar latim tol-
lo e direito ?
Doixa estar que eu anda o saberei de sobra
para engrolsr o man breviario :
Eu soaum pobre estudante,
Que muitos bolus chuchei;
Mss, sei dizer em latim :
Afile.... Miierere mei\
aua
A
te
zef
ens de leUrfca^ aropous>iir*erdeculpam com
espectalidade deatas materias. Estndam. com-
parara, aoalysam, crlticam oa approvam os arbi-
trios adoptados e langam no monte commam a
a-fols. parte de instrlccao e de raciocinio.
a reformas precede discuiaao prolongada. '
Eotre nos quem esclarece o povo a semelhn-
respetto man largamente do que o podsm fa-
ros joros es poltticos r Qaem se emprega em
geaeralisar os principios econmicos e as soten-
cas das Bnancas? Quem revela ao povo as ms
conoequeoeas ds principios falsos? Qasm o
advert de que a sua desventura pode,, nesta ca-
so, depender de eleicdes abandonadas ou impru-
dentes ? Silencio em toda a linhs!
J me disseram que este silencio provtnhs do
odio e aversao de que nos deixsmos elvar una
contra os outros. Eu creio qae sim. Parsinstrolr
neceisano amar e nos sd amamos as nossas
proprias pessoas. D'ehi proveo o desenvolv-
ment individual e o atraso e Ignorancia da mul-
tidao. Por isto me insurjo conira e silendo. E'
Olho do proverbio fratrecida. Devs tambem pe-
recer com elle.
Nao digo qae os homens de lettras ae appll-
quem nicamente i importantes e serias ques-
toes qae notei de passagem. Nio veleu menos a
seneuade e importancia da poesis, da historia,
ao drama e do romance. Slo axcelleotes instru-
mentos de civilisaeo e podem preparar os espi-
raos para as ideas novas e inocular suavemeote
os bons principios em todas as classes soclaes.
urna eousa uo exclae s outra.
Poasuimosaioda a torga energa da velha ra-
ga porugueza. Por ella vvelos e sustentamos a
nossa srnscada iodependendie; las, se nos dal-
lamos corromper dos vicios inherentes deca-
dencia das naces, se os espiritos que o estudo
punHcou de paixes podee I obres nao dio o
exemplo dos ssntimentos generosos e sublimes e
se nao retrogradamos do malquerencoso e odien-
to camioho do baxo imperio, nio ha fuluro pos -
svel para nos. r
E' fcil o remedio. Abilxo a inimisade entre
os officiaes do mesmo officio. Abaixu as intrigas
o calumnias cootra os que trabalham para honra
propria e gloria da naco. Abaixo aa iotejas Iras-
loucadas e as paixes deshonrosas. Abaixo n mu
proverbio e as suas ioiquaa consequeodas.
. A. A. Ttxeira de VatconttUos.
Os passaros do commendador lachado
nos tribnnaes francezes.
Paris 19 de fevereiro le 186.
No oa 8 do correte estavam marcados oa ta-
bella da segunda cmara do tribunal civil do Se-
na vsros procseos. Um dos primeiros dizia res-
peilo heraoca do Sr. commendador da Gama
Machado, de cujo aiogular testamento deram no-
ticia os jornaes portuguezes.
Presidia o Sr. Perno, que eu conhego e que oj
leitores nao teem necessldade noca tentaclo de
conheeer. Oceupa va m o honroso banco dos ad-
vqgados meatre Lon Da val o mestre Nicolet, ju-
risconsultos de grande notoriedade e crdito em
Pans eem Franca; qoer dizer, na Europa.
Temos cansa de arrombadiziam os cario-
sos. E' caso com gente grla. Mestre Duval e
mestre Nicolet I Negocio grave 1 Aproximmo-
nos.E tomavam assento om aspecto mals se-
rio do que nos outros das.
Abundam de invern os devotos da eloqueocia
jurdica. A a dores dira com aatoridade o Ili-
terato de polpa, que nunca largou daa praias da
terrt porugueza. Nao o digo oa. Sao ou devana
ser mals acantellados os que vivem onde con-
tagioso o mal francez de que Fililo Elyslo em-
prehendeu curar-nos forga de latim.
as audiencias de Paris, atm da gente do fo-
ro e dos que por uecessidade sempre triste-
acodero a elle, ha na estajSo fra muitos indivi-
duos de ambos os sexos que, para nio gaslarem
carvio oem lenha, vio passar duas ou tres horas
na benigna temperatura do palacio dejustiga.
Sao homens e senhoras de cineoenta a setenta
annos. De formina apoueada ou de grande ava-
reza. Curiosos das qaestdes de direito oo Invli-
dos do numeroso exercito dos demandistas. O
seu fim principal escapar ao fro, Acodem ao
palacio de justiga porque" os diverte mas do qae
a bibliotbeca ou qualquer. outro eatabelecimenio
aquecido cuita do Estado.
Coohecem todos os juizs, advogado, procu-
radores, officiaes dejustiga e pleiteantes, dio rs-
qoissimo repositorio de casos julgados e de pro-
cesaos clebres. Ouvem com grande aUengo as
oragoes dos doatores e em um ou ootxo ponto
manifestara a sua approvagio cora discreto movi-
meoto de eabega. Consoltam mol cortezment '
sabida o advogado de quem nio entendern bem
concluaoea. A'a-veas choram, sa o requer a
phraae do orador. Sao a laque do theotto ju-
dicial.
Occupam sempre o mesmo banco. Quandocbe-
gam tarde, nio encobren a indignseo cootra
quem ousou usurpar-lhes o lugar. Se alguem
conversa oo auditorio durante as oragoes dos ad-
vocados, nao dio tempo ao presidente para re-
commendar attencao. Com gesto enfadado ou
com umpajis quss raneo raso, impe sileaaio aos
espectadores e a turba obedece i iniciativa audaz,
como ella costuma fazer em todas as occasies.
Sem elles seria menos-grave o-juiz, meaos elo-
quente o advogado e menos pomposa a audien-
cia. Hs demandistas oue os teem por Calixtos e
que pagariam para os exilar a eem leguas da au-
diencia. Eu digo que o palacio de justica j nio
os pode dispensar. Souberam crear ama neces-
aidade. Fura misler cdnvida-Ios e pagar-lhes, se
nao viessem espontneamente.
Deixemos philosophias inuteis e vsmoa ao que
importa.
O porteiro do tribunal i apregoou a primeira
causa ecitou os contendores. Isabel Perrot, sol.
teira, eu alguem por ella. Presente, murmura
mestre Duval. O- Sr. Trpagoe ou aguem por
elle. Prompl, responde mestre Nicolet A ques
lio versa acerca do susteoto necessario para os
passaros do Illm. e Exea. Sr. J. J. da Gama Ma-
chado, fidalgo da casa de sua magestade fidel-
sima, commendador da ordem de Ghristo, con-
selheiro de legagio e aulhor da Thorie des res-
semblances, ji fallecido.
A Sr. Isabel Perrot urna solteirona de SG an-
nos. Fol durante quarenta e aeis primaveras, e
outros tsntos estios, ou tomos e Infernos, cria-
da o governaota do osooNndador. Por morte
delle, coabeJHi. o legado do 80:000 francos an-
nuaesdaranft a sus vds, s mobitia, os passaros
o logar no carneiro onde jazem os despojos mor-
aos do to volho amo.
Duvldaa da validada do testamento oa paren-
tes do defuoto. Rio saso novo. Peass mu
diversamente a respeitavel doozella. Tambem se
lem visto. Vae agora a justica resolver a pen-
doncia e seotar-ae mesa deste opparo banque-
te. E do vulto a heranga. Deus loavado 1 D
para lodos.
Em qusolo os ntegros magistrados nio pesam
ni balanga as razoes da Srs. Perrot e dos seus
antagonistas, pe-e-se embargo em ludo e entre-
garam-se legatarla em deposito aquellea delica-
dos e habilidosos paisarinhos, que eram o pas-
satempo e as delicias do nobre commendador.
AS. Trpaime tocou por decreto judicial o en-
cargo de adeinistrar a heranga.
Diziam no meu tempo em Angola que um pro
to se alimentava com meio tostio, 15 ris de pei-
xe o oulro tanto de (arlaba de mandioca. Era
comer para nio morrer e Deus sabe quanlos mor-
riam. Dol vieram algumaa das estimadas ave-
siohas doSr. Machado, msa nio trouxeram cora-
sigo os hbitos do sobriedade da raga negra. Co-
aDsef?ienea| 6U de,cubro coPSo. .! como
Quer-lhes mullo Isabel fotrot. Assisliu -lhes i
! *Cn' fcT',to"- oofermidades. Vive
com alies ha tantos annos. Sao amigos velhos:
Porm i proverbio amigo: Amigos, amigos,
negocio parle. A justica nio resofve se os na,:
tses ):000 francos. Pois eolio que os alimen-
te. A poleo Mlhvvae-soarruinando em alpista
e miiho mludo. como um jaoota francez d cabo
do- aera tem fi forca de nutrir oatras aves no ca-
f inglez e oo sMalson dore
Valem muito diobeiro os passaros do commen-
dador. Perteocem heranja, que soffreria des-
falque, se morreasen tome oa por mau trata-
meoto. ;Pois pagaem-me o que eu j gastel
com elles e arbitrem-lbes mesada suficiente pa-
ra os sustentar. Palavras. da Sra. Isabel perante
os seusjuizes. Nao ha aqui tirio oem guarte
Mozada ou morte. Venha dinhelro ou morre to-
da a passaralhada !
O Sr. Trpagoe nao quer que os passaros mor-
um. Nem fallar oisso bom. Ha um russo que
offerece por elles 18 cootos de ris, 4:000 libras
esterlinas, psra os levar a perecer de fro em
Moscow ou em S. Petersburgo. Mas l na idea
doSr. Trpagoe, homem leigo, semeonhecimen-
tos ornithologlcos nem grande paixio por piola-
silgos e pardaes, meia duzla de francos encham
de hervas e gratnha mals de noventa gaiolas 1
Isatji responde...Trpagne replica.,.
S ilaocio, hornera de eoragio duro, alma in-
differente aos gorgeios do metro azul, verdadei-
rosicarobro despresador da sciencla e das artes!
Silencio, velbs legatarla, ebfronhada em historia
natural I A vossi Diada nao presta. Escutae.
Vae Surgir outra melhor. Tem a patavra meatre
Lon Duval, o advogado da autnors. Silencio
profanos. Nao mofis dos passaros teceloe. Cal-
lae-vos.
Ah I se aquelle verso de Virgilio
Continuare ornaos, intentique ora tenebant
nao andasse lio enfalado desde os lempos don-
rados de Roma al os nossos acaohadiasimos das,
agora eu nunca pedia o caso que o applicasse.
Nao pode ser. Matade da gente aabe latim me-
lhor que Marco Tulio e a outra metade finge
que o sabe como... Santo Breve da Marca I
Nada de oomes proprios nem de textos.
Comegoo mestre Duval.,..; Alto l. Eu nao
posso resumir a orago do distlncto advogado
francez. Dar a mioha desleiTada prosa em vez
da sua, que tio engrasada e- flaente I Sacri-
lega audacia 1 Nao m'a perdveriam em dez an-
nos os leilores. A consciencia nunca. J nao
pequeo atrevimento intentar a- traduegiu do e*
loquete e chistoso discurso do patrono da Sra.
Isabel. Agora elle quem falla-:
Meatre Duval 5 O commendador da Gam
Machado, fidalgo da casa de sua magestade el-
re de Portugal e eorj.elheiro da embaixada por-
ugueza, morrea em Pars a 9 de jooho de 1861,
deixando grande riqueza, testsmenlo acompa-
nhado de setenta codtellos, herdeiroaconssngui-
neos, legatarios de todas especies, e entre estes a
donzella Isabel Perro, .a quem deu 30000 fran-
cos de renda vitalicia.
Eotroa a donzella Perrot, na edade de 20
anoos para casa do commeadador. Sonta boje
sessenia e seis, e durante este meio scalo too
cuidadosa foi no aervioo de sea amo, que os
mais respeiteveis amigo do commendador vie-
ram a concider-lhe a sim amisade, que se cor-
paspoodem com ella parsooagens da primeira
plana da Qdalguia portugaeza, e que, finalmen-
te, o Sr. Machado lhe deatioou lugar ao seovlado
na propria aepultura.
<; Er obrigagao sua, e das qae ella>cumiria
cora aiiladissimo esmero, tratar de urna eoltec-
gao de avisinhas mu] raras, mis eem passarinhos
vivos, apaobados as incgnitas quebradas das
Indias Onentaes, nos canaviaes de Ganges e nos
silvados do ilimalaya. Tinha o commendador
empregalo a vida i'oleira no estudo dos passa-
ros. Fot urna-phantasia que degeneren em pai-
xio. Dizia elle que os volateis escaparam ao
grande signa! de inferioridada estampado por
Deus oos ootros animaos r.
Pronaque quam specteot aoimalia
MfM.
os passarinhos poden contemplar
ous o vagar, livremeote no espago.
c Gostava o commendador de observar os pas-
aaroa fallantes (ha os qu imitan a voa humaoa
de modo vergonhoso para nos), os psasaros te-
oelaos, os pssaaros pedreros e os passaros geo-
grapbos, que os ba capazes de se orieatarem nos
areaes deaertos oa na vastidio do marea com
exictidao superior a da bassola.
a Dava-se por feliz vendo os pintacilgos tira-
rem agua de urna especie depogo com regulari-
dade mecbaoica. Prosura. a principalmente des-
cobrir com certeza at qae ponto verdade
Brevie** est nominara quam coroicum vita
e com esto intuito lavrava asseotos de nasci-
ment dos paaaaros que visea vida mais
prolongada, tomando* aa provtdoocias necesss-
rias para que passassem da mi para mao e de
amas geraotoi i apirea at ao totopo
O malro azul, qae ello .deu ao Sr. Geoffi
Hilaire, oro um mrtagre o' duracie.
Amava o Sr. Machado o n.rezs com amor
profundo. Aceaaava Descartes da lojustiga con
Ira os animaes. Elle suspirara que liaram al-
sfif-i!"h,-"-0_a?il-
Da
qae se contrahiram em
distaros e qaal compe.k
cada passarite para niosserr
< Sim, senhores, pera alo
sabe que as aresinhas ai*
lamento digno'&. ,.. 6 qiz'no'ente oY.su"' fi "J."'M T**JL
querido estorolnho levadora galo,. pe|o ^ZSS^T^i-ff^J^
ccalera ter-
o aiul dos
t Mofam das suas ideas a respeilo das cores I
E porque, de certo, igooram o triumpho qae
elle alcangoa perante os sabios. Tinha oo seu
viveiro passaros que, toado recosido do Eterno o
eogenho de Jaequart, j em poca muito ante-
rior teciam pecaa de seda, pequeas, verdade,
mas sufficienles pars confundir incrdulos.
a Ali experimentou elle ousadameote a theo-
na daa cores e buscou passaros da outras espe-
cies, mss que as penas e no colorido deltas fos-
sem eguaes aoa pasearos lecdaos. Procurou,
porveotara, tambem identidade ou semelhanca
de orgensagio ? Nio o sabemos. O faci que,
apenas o commendador poz as gaiolaaa seda em
rama, os gudilbes, oomegaram os passarinhos
recemebagadoa a tecer como os outros. Este foi
o melhor dia da sua vida, s sua crus de S. Luis.
Come ae poder duvidar da inteiligencla dos
aoimsea? Ha tribus de negros que s contara
at dez, e os bfalos do Egypto, ssbendo qus Ibes
cumpre dar sem vollas m que fazem girar,
param espontneamente ao completar esto na-
mero I
c A ultima provs da ssgacidade do commenda-
dor foi convidar para o seu enterro os corvos do
Louvre. Veu diter-lhes como elle se houve.
Morara no caes Voltaire. Noa ltimos seis sa-
nos maodavs por todos os dios ss tres horas da
tarde na sua janellas de sacada varios pratos com
carne cortada em pedaciohos e os corros nones
faltavam atrefelgao. No tesiameoto ordeeou
aoa he rdeiros que o soterr fosse as tres ho-
ras. Neohum dos corroa do Louvre deisou de
comparecer, e seaintengao do commendador era
ter no aahimeoto quem 'mostrease afligi ver-
dad eir cooaeguln-o as mil maravilbas. Os cor-
vos, apenas vlram que nio havia a costumads
ragao flzeram grasoada inferoal e propriaa da
occaaiio. Ovantes gutiuri corvi... Eu vi pes-
soas serias, homens sabios, que se tinham em
cnola de poderem dar ligues acerca de passaros,
voltarem do enterro do commendador com o es-
panto que causara os prodigios inexplicarels.
Ha ama obra do Sr. Macrfado, magnfica-
mente impresas, acarea dos trab>lhos s que con-
sagrara a sua loriga vida. Abi explicou elle as
suas Ideas a respeito dos passaros e dos grandes
problemas da alma e da physiologia. Aioda ha
Pouco a Revista de Edim-ougo fallava rom
respeito da tbeoria do commendador relativa, a
heranga do carcter e extraordinaria heredita-
riedadedo suicidio em certas familias.
a Estadava o commendador, observara e or-
ganisava os seus systemas em face destes passa-
rinhos, primores de srte da espleodrJe nelareza.
Correspondan}-se com elle todos os sabios da
aua poca. Vioham os principes da aciencla ri-
aitar com cariosidade os seas riveiros. Porm
quanlos cuidados nao custava ludo isto I Qvio
grande diligencia e exaelidao I
Ha entre estas aresinhas algumasque pre-
cisara de calor graduado pelo seu organismo e de
ar vivo e puro. Na ra du Bec nao duraran oilo
das. A Sra. Isabel conhece-os todos. Elles to-
dos a coohecem. Amam-se e dizem-no e pro-
vam-nc Ella d a cada um o que melhor lhe
coovm, a imitagio possivel do ar natal, .vista
dos Castanbeiros dasTulherias para supprir a fal
ti dasarvore? da India, simutatogttg magnii ?er-
oarao. Finalmente, ella a nica legataria pos-
sivel de to maravilhosa collecgjo. Foi a olla
quo-o Sr. commendador M-schado deixou os seas
passaros .
Nao fcil descrever o aspecto do auditorio:
Peodiam tododa facundia-de meatre Duval. Im-
punham respeito a grave catadura do presidente,
a seriedade do advogado e a proprio eatranheza
do assumpto. Os espectadores rnaisalbeios aos
amores orolthologicos e mais dominados de peo-
sameotoe terrestres sentiam-se transportados as
mais eleva das regies do espago ou-aos pontos
mais affastados do globo, (lomo que recaavam
cahir de tamaoba altura ou nao roltar de lio
loogioquas ierras. Era geral o silencio. O riso
que as vezas sssomava aos labios de mestre Ni-
colet'nao ae commuolcava as demais pessoas.
Neste ponto oiicou mestre- Uuval qae havia
letigio acerca da heranga poY pane de prenles
que residen) em Portugal e na Gria-arfetanha,
'leas distancias demoravam a decisao, e que,
entretanto, era icdispensavel cuidar dos passari-
nhos, q9 a Instiga no meara o Sr. Trpagoe pa-
ra administrador provisorio, porm qua este hon-
rado tabellio era poda ser obrigado a tratar
dos passaros nem osaberia laier, oque, por Isso,
requereodo embargo nos viveiros, cons|tltuira de-
positara a Sra. Isabel Perro. Passiram, pois,
os passaros de serum propriedade sua a serem
seu aquilinos, o mister que alguem pague o
austento delles.
c Ora oontinuou mes tes Duvalnao so trata
aqu de canarios vslgares que se su^steatem de
bisccHilo ( colifichei ), mas de passarinhos para os
quaes a Proviueocia manda ao ananaz, ao limio
e roraaa que amaduregam. Ha menino destes
que nio pe o biquinho nos doze mezes do anuo
seoaoem avia, outro carece de sustento animal,
vermes pulverisadoa de acafrao e insectos vivos.
Este come nicamente baSa o ovoa com assucar.
Aquelle est acoetumado a bolos ( pain crusin)
e confeites, e volta a cauda eom despieso para
qualquer outra comida 1
< E preciso madrugar com estes senhores,
por que elles iio dormem a manbia na cama.
Cumpre deitar agua fresca as tinas porque o
banho nio s6 acto de praaer para certos- passa-
ros philosophos, tambem remedio e tomam-no
sempre com aioizads atiengao. Soffijem na po-
ca da emigragao crises fataes para conterem e
dominarem o impulso da aatureza. Alguns cu-
ra m-ae a ai proprios, como Nlaton, outros ven-
cem o mal estudio lavandi. Cunsols-us entao a
boa Isabel. Conhece-lhes- o carcter como elles
maz at se resolveren as taeetoe* relativas a
heraoj4.
Respirou o auditorio. Coociaira meatre Dava.
Perguotova cada espectador a si proprto se, esa
elTeito, era aquelle um process real serie em
se a justica, abaodonaodo a natural graviS4,
admittira oa proiimidade do carnaval eosa esi-
noio deseufado. Em quauto mestre Miaeias i
punha o gesto, o presidente rameakaa o
e alguns espectadores osis Motos sorHam cea
estrondo ama deacommaaal pitada, coarersarsoj
oalros a respeito desta original demanda.
senhora qaeria que eu lhe eserevesse todos os
das, sem que ella me respondesse jamis urna
palavrs. Comprehendea o erabirago em que me
hsvia de achar?
Sim; esgotava-se todo o ten fardel amato-
rio. Edepols?
E depois?.... magara-me constantemente
sobre o srtigo cosorio. T deves saber dos meus
principios respeito, e o quanto sou inimigo do
estado matrimonial?....
Sei que alardeas de inconstante e roluvel;
mas por que ainda nio eneonlraste urna, que le
soubesse ensinar e tirar-te todas essas pretengoes
i D. Joao.E' s isso qua me teos a dizer de no-
| vidades?
Ah nio. Sabes que se casa o commendador
Felieissimo?
Isso ji se dizia muito tempo antes da mioha
vigem ; respoodi procurando desfarcar a emo-
gio que me causavam semelhaotes palavras.
Nada ; agora o negocio parece aer verda-
deiro ; disse me Jorge, irreflectidamento. Elle
j fez o sea pedido e fol scetto.
E'mpossivell exclame! arrebatadamente,
nao podendo mais cooter-me.
Nio sei se isso impossivel; o que te digo,
porm, o qae tenho ourido. repetir i todo o
mundo.
Escuta, Jorge; disse-lhe eu, tomsndo-lhe
urna das mios e procurando fazer calar o violen-
to palpitar do meu eoragio.Escuta I sabes t o
que ests fallando ?
Se sei 1 pois enlio aou algum tolo, para nio
saber o que est ou dizendo ?!....
Fallas de Liara ; nio verdade ?
Sim.
E' com ella que dizes, casa o commendador
Felieissimo?
Homem, eu nio to affiaogo laso con certe-
za ; espondeu-me o meu amigo, um pouco aa-
sustado pela extranha e adocicada lnfiexio da mi-
oha voz o pela frieza que me notava as mios
Digo;le somante o que tenho ourido coatar & te-
do o mundo ; ao doutor, tau to e at ao pro-
prio commendador.
Ah I ah I ah I exclamei dando urna risada
Viole mil fraoeos o mais dezoito m per
son dizia oo ro bavxa asa cambista tallado a
potro relho que lhe ficara prximo excede c
juro do capital. Se o rumo nio di pelos pseae-
roi mais de eem mil fraoeea, a deapeaa nio Jera
exceder tres mil. E ento agora coa a ceatrer-
sio de 4 e mel por cont.
Cato gente rica nio sabe o que b sra fexer
ao dinheiro responda o relho.V o eme nos
vale para chegar algum vintem aos pobre*. Ha-
via de ser o caso commlgo e rertam. frandera
passear os paasaros e venda as gaiolas. Quero
dizer que rends todo.
O' homem. Pois roc nao sosia 4o aasaaii
nhos ? rolreu o oulro Eu tenho aa canario
o nio o.dou por eem francos.
Sao goslos. Ea morro por am paeeariabo
qae cante bem, mas quero-es na gsiola de Deas,
qae o Universo, e susteatados a cuita da beasa-
nidade e nio a mioha. Dezoito mil francos de
alpiste, milho miado, liohaee, ovoa, carne croa,
bichinbes, aras, bolos e contatos 1 Ora, malta
obrigado I E aioda por cima ora baobo diario o
outres acepipes I
Mas nao v qae sao paasaros tecelaoa ?
Sim. aeohor. V saber qasntos colletes ti-
nha o commendador lacidos pelos passarinhos
Paiaratas, mea amigo. Modos de casaer dinhei-
ro. Os mals finos destes pastaros sao a Isabel e
o doutor Duval. A arpista psra otles. Sio
bisaaus 1
Gessou roz sonora de mestre Nicolet o br-
baro clamor do desalmado e pareo a estirada serla
de btasphemias contra a retigiio do orolro azol,
do piotaiilgo e do estorolnho. O presidente dis-
sera :Tem a pala*ra meatie Nicolet, aeevogaeo
do Sr. Trpagoe.Voltou ao silencio antis o a nu-
merosa assemblea.
Mestre Nicolet representa o administrador pro-
visorio; cojo principal devor conservar a he-
ranga e nao disaipa-la. O inventario conclua ae
da 25 de outubro. Se a Sr." Isabel so agora pede
alimentos para os passaros, nio eulps Co Sr.
Trpagne. Pedase mala cedo. 600 francos no dia 27 de julho o 1,080 em M de
novembro. Em conscieacia, nio se lhe ple dar
mais.
No fim de tudo, cestiaoou mestre Nicolet,
vot tan do-se para o seu contendorconrean alo
acreditar inleiramente na maravilhosa narrarlo
lueacabaes de recitar e cajo principal empenbe
toi convencer-oes- de que e Sr. Machada ato se
oceupava de nutra cousa a-nao d'esaea pasearlos.
Affirmaei que necessario um logar escolblde
para os riveiros do commendador. Representses
aquelle honrado velho estabelecendo os seea que-
ridos paasaros a dona pssso das Tulberias, no
caes Voltaire, para dar quellae-ialelligeocias sin-
gellas urna lmagem dar florestas virgeos da sua
patria o para que os castanheirea das Tulberias oa
devisasen de soobar com a aealeolada sombra
daa regioes tropicaeSi
t Ora o caes Voltaire justamente o sitio maia
fro de Pris. Niogoem m'o pode negar. C para
que os passaros do commendador, mesmo ea ou-
tra estsgio, observassem as arveres das Tulbe-
rias alguna semelhsoga com a poderosa vegata-
go e com aa cores viras produzldae pela luz dos
trpicos; careciamviste de lynce.
Ocaao- muito mato simples, meas senhores
O commendador linha- ao caes Voltaire, come po-
deria ter ea qualquer oeiro sitio, a eea habita-
ao. os seus riveiros e es asas passaros. A Sr."
sebel Perrot guarda-ee agora na cesa em qao
habita em Ternes, a psssaros ccotam e fazem
ruido- Mas os visinhoevao-se acootmodando a o
propietario nao ae quetxs. Eolio pars qua ae
pede 1|500 rrancos per mez ?
Sem dovida, o voesa lempo seeodido aoe
cuidados que exigem aquellas avasiabas. Nao O
negamos. Mas calculemos, avlleseos, conteooa
o que necessario para aastooUr essaa paqueaos
animaos. Fagamos como o grande poeta trgico,
que tarabea um dia soabe ser eagiagado cbas-
queador, fagamos a coala
Du fpiuaui peut raoor une pal $ en jour
do feno que pode comer por dia ama gamona I
A quanto montar essa despeza loara ero graioba?
Queris i francos ? Queris 2 fraseos 50 cnti-
mos ?'Queris 3 francos ? Contar!ido. Mas que
a Sr.a Perrot, se aprsente coa artista, como
profeasor e nos queira obrigar a retribuir o seo
talento, esaa de mais 1
Nao a tienda rao a que ella trabalha a cuida
dos pasearos como in rem sajas. Queseto 100
francos-por mez ? Queris 150 francos letvex ?
Oro, adeus I E' pretengio insensata e sacnAcio
excesaivo loacara do nosso corameadader. To-
da va, nao dizemes que oio. Porm rir aoai pe-
dir 4*090 franco, 5,000, 1,000 de capital e 1,000
francos por mes para alimentos d'esoa familia vo-
ltil, na verdade, absurdo.
(Continuar -soha.)
Nunca fui rato 'egreja,
Nem as gslhetas virei;
Mas, se te vejo, esmorego:
Jfie.... Miserere me I
S viro o por ti suspiro.
Des qae teus olhos bispei;
Toraei-roe chorio de amores :
Mise.... Miserere met
Deixa-te de asneiras I Anda I.... dize-me o
qao tem harido da novo por aqui, depois ds mi-
oha partida.
Nada que val ha a pena: sempre as mesmaa
caras, sempre a mesma monotona. Ah 1 verda-
de I temos aqui o cosi amigoXico do collegio..
lembras-te?
Aquelle da oseada de cordas, de qaem tan-
to cegoamos?
Esse mesmo.
Onde est elle ?
Est aboletado em casa do nosso bom dou-
tor.
Qual ?
O Dr. Moura ?
Aioda eitai elle tio inflimmavel como
d'aotei ?
Quem?.... oXiquinho ?l.... Ah ah ah
como querea derrigar uo pobre rapaz 1 Pola sabe,
mea charo, que fallas do querido das bellas, do convulsa; fol por isso qae mea tio tanto se
preferido de D. Leopoldina. eaforeou em rae ditsuadir de ir i casa do Ven-
Gomo? I nio eras tuque lhe tendas as mais doozal.... fol oor oisso que o tal commendador
tocantes finezas?
' Ora l'eu j romp com olla, e isto ha mais
de um mez.
Seria para admirar, se assim nao succedes-
se; mas porque tompeate t?
Bom !.... em primeiro logar, por que etia
Umanha careta fez ao encontrar-se comigol....
Pul s e ocon traste -lo ? I.. fallaste com elle ? I .
Obi mas eu hei de confundl-lol hei de
obliga lo a prestar-se aterrorado i meus ps, pe-
diodo-me gragal.... Infame) julga que pela sua
riqaszs pude fater tudo o que qarl..,. pode
iouhar-me impunemente o eoragio d'aquella qae
amo.... destruir, calcar aos ps a nica feheida-
de que possuo na torra I Nio 1 mil vezea nio !
oio seri assim como crs 1 Desmascarar-te-hei,
atirar-te-hei na lama com essa mascara de bypo-
orsia e tolice, que to serva tio bem, e marcar-
le-hei na fronte com o stlgma Infamante do cri-
as I Corramos I.... corramos im medala mea te
casa do Mtndonza I
Peosas maso ?!.... i oslas horas? 1.... per-
goatou-me Jorge sssastado e segursndo-me pe-
lo brago.
Que importa 1 respoodi-lhe ioteiramente
transportado de cholera. Que importa I toda i
hora propria para confuudir um criraiooso, pa-
ra punir um miseravel aasassino 1 Vs t I dis-
se-lhe ea, balendo oo peito; tenho em minhas
mios a vida d'aqaelle tratante.... tenho aqui com
que faz-lo enforcar I
Mas.....D.Laura......
Ah stm ; Lanral...... E lembrar-me de
que aioda ha poucos momelos estivo com ella,
que lbe fallei, nao faz aioda ama hora.....e nem
nma palavra me disse semelhante respei-
to!........ Pelo Inferno I dar-se-ha acaso qae
ella me engae ?! darse ha acaso que como
tantea outras, ella tambem se deixe arrestar pela
deslumbrante perspectiva do ouro e aceite a mi
dauueile abjecto e estpido velho I Nao nio,
mea Deus! isto nio 6 possivel! eu oio o posso
acreditar 1......
Pola, por isso meimo ; escata 1........ urna
palavra 1
Falla 1
Queres ir agora a casa do Mendonza ?
Inmediatamente.
E ae D. Laura stlver insciente de tudo ?...
se ella nio ttrer dado o seu consontimonto.... se
oio tirer sntorlsado as pretengoes do commen-
dador?
E d'ahi ?
Ignoras a inconreniencia de um tal pssso...
do espalhafato que retultart indo assim accor-
dar toda urna familia semelhante hora da
oonte ?!
Mas.... nio vs lu que eu nio pono espe-
rar ?!.... que a ra va e a durlda se embstem em
meu seior...... que tenho necesstdade urgente
de fal lar-lhe.... de desengaar-me o miis brer,
possivel ?!
Sim ; mss, nio vs to tambem o\ie vis
promover um escndalo.... comprme ter talvez
a repatagio daquella que amas?!..-.,
E' verdade I.... verdade '. etclarnei ainda
encolerliado, mis ji indeciso,
Tem pois alguma paciencia ; | nao aojas
to egosta. O dia nio pode tardar e eolio te-
remos teapo de sobra.
Oh! m as eu hei de fazer-lhe conheeer o
eu le abjecto que pretende esposa-la I
Concordo.
E ae fr preciso, hsi de esbofetea-lo na Sea
preseoga....
Quanto isso, mea querido Jallo ; melhoc
saris que procraseos socegar. Receio que
commettas alguma loucurs.
Nio lho respond; asseolei-me sobre uaa
enorme pedra, que eeecbava ali na >eira da
estrada e cobri o resto com as mios. Jorge
sentou-ee silenciosamente meu lado.
XXUI
Eolio, tu amas-la muito? pergaoloa-ae
Jorge, dspois de passado um momento.
Mais que a mioha rida ; tanto com a sal-
ragio eteroa. Perguula antes ao nauta se ama
o frgil lenho em que desde a meninio*, se em-
bale docemente sobre as vagas do caprichoso
ocesno; pergunts oo pobre desterrado se quer
toroar ver a sua trra natal ou ao tnste escravo
ae por ventara desoja alcaogar a lber dade ; mas
nio me ioquiras sofcre a forga do amor, que lhe
tenho; porque en sinto, sei e digo que nio ba
expressdes, oio existem patarras humanas que
jamis i possam bem manifestar.
Mas, se amas tanto........assim; nio
compreheodo como nio toabas procurado obter
de D. Luiz 1
E julgas tu que, sendo a mlohs unics felici-
dade, s mioha s ambigio panul-la, Ou nio o
tenha tentado ? respoodi com aba tinento e tris-
teza.Acreditas que, podendo obl-la do pae, en
deixasse chegar as cousas um til extre-
mo ?Pedi-a; maa fal recasado: eis o que
causa agora a mioha afflicgio a o que eom lio
negras cores me obriga eocarar o Ututo.
R-cusado I..... to...... joven, inlelligenle
e bom ?!.... e porque?] ,
Porqbe? porque sou pobre, porque nio son
comaeodsdor..... porque finalmente nao posso
competir com o Sr. Felieissimo Afortunado
da..*., da...;..
Dosdisbos! aut ouocumaue alto nomine
oaude* / bradou Jorge sentenciosamente.
Nio pode deixar de sorrir-me i essa grotesca
cooc*usio.
Ji res qae, por ssso lado, nada tenho
esperar.
O que me admira que, sabendo D. Luiz
que te na mora vas cora a filha e lendo-t'a elle
refutado, nio to rodim o ingresso do can oa
i


peto menos nio to prohibise qae Iba conli-
nuasses i fazer os teua caaspiimcntcs! Porqa
oio fez elle isso ?
Eu se?! vae tu perguntar-UTo. S ao
teabro do que elle en tio me disse : Como ?!...
cassr com Laura eal tolo ?! Jvlgs qae voa dar
a minha filha am creaogola, coao voc; qeo
demais mais nio lem na riatoa de sen o
nenhuma posigio oceupa oa sociedade i'!... Oro,
deixe-se de asnelrss e nio ae torne fallar
otsso?.... quando nao !......
E tu soffreste calado lio insultaste re-
cusa ?!
Que reaedio t
Mas, D. Josephioa ?......
O que lea D. Josephiaa ?
Ella tarabea sabia o ton smor pars coa a
filha ? ^
ignoro-e-, e ainda qu o Manosee pouco. asa
Importa.Danzis, coniiouei procurando liber-
tsr-me das alohas tristes preocuoaces a aoi-
mando-me gradualmente; hei oe mcslrsr-lhea
que tamboa v*lb abjoaa censa, abaleado o
eatulto orgulh do ral Afortunado.
Ah verdade I j a segunda oa terreara
rez, que ae repeles Isso. Que tencieaes
fazer ?
Quero v-la, prlaetro que teda; qeraro
fallar-lhe ; depois....... depois....... naa oa
mesmo sei a qae tarei.Olbal cochees te esta
letra ? perguntei-lne, tirando do bolso ato paletct
ama carteira vermelha e do dentro- delta ama
carta.
Ests doadotl pergenios-me Jorge
tado.Com qae luz queres qae asrargae
letras ?!
Com a claridade da la.
impossivel!...... noa que ea fosse algn
galo.
Affirma-te bem que ji as distingues.
Ora, qual 1 responden elle, notiooe os
olhos quasi dentro da carta.Mas, espara......
parece-me que tenho aqal igaos charutos a
phosphoros.
E eotroa remecher as algibeiras, tirando
alguns charutos e cigarros da mistura e finalmen-
te urna caixinha da phosphoros.
CoiHfoadr-a-a.)
PiRN.TYP. DE M F. OE FARU FILHO. W,
"UKT

J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMAJAFC84_TE3FBW INGEST_TIME 2013-04-30T20:36:58Z PACKAGE AA00011611_09532
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES