Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09529


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIO niVIIl. IQMfiuu 73.
td
L
ffj o
sah id i
,tti> -*
fr trs aeres liudas 5|000
ra tres im vencidos 6g000
*
i
.
3U*VA *aH 5KT 0'HAl'i
SABBiDO 29DEMARCOE IS62.
Ptriiio taifcJt i9|00O
Parte fraiea tari t subscriptor
-------fcn
DE PEMAMBICO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Amonio Alexaadrino .i-
mi; Nittl, o Sr. Antonio Marques da Sum ;
Araealy, o Sr. A. da Lemoa Braga; Ceari o Sr.
. Jos da Olireira; Maranhio, o Sr. Joaquina
Marqaea Rodri Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SL
Alagoas, o Sr. Claudino Faleo Diaa; Baha,
-o Sr. Jos Martina Alfas; Rio de Janeiro, o Sr-
Joio Paraira Martina.
PARTIDAS DOS COEREIOS.
Olinda todos oa diaa as 9}i horas dodia.
Iguarass, Goianna, o Parahyba naa segunda
a eextaa-feiraa.
S. Anto, Becerros, Bonito, Caruar, Altinho
e Garanhun as tergaa-feira.
Piod'Alho, Naiareth. Limoeiro, Brejo, Pes-
queire, Iogazeirs, Florea, Villa-Bella, Boa-Viata,
Ouricarye Ex naaquaitas-feirss.
Cabo, Seriohem, Rio Formoso, Uos.Barreiros
Agua Preta, Pimentelraa Natal quinta feiras.
(Todos os correios partem aa 10 hora da manhaa
EPHEMERIDES DO MEZ DE MARCO.
8 Quarto crescente ss 2 horas e 40 minitos ds
manba.
15 La cbeia as 2 horas 35 mi tos da tarde.
SI Quarto mi Rante aa 7 horaa 8 ninutoa da
manhaa.
29 La nova aa 5 horas e 4 niatos da manhaa.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro aa 3 boras e 18 minatoa da manhaa.
Segundo as 3 horaa e 54 minatoa da tarde.
FABT1DA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sol ate Alagoas 5 e JO; para o norte
at a Granja 14 e 59 de cada mez.
PARTIDA DOS MNIBUS.
|"! o Beclfe: do Apipucos 61(2, 7. 7 1|S, 8
e 8 1|2 da n.; de Olinda i 8 da m. e 6 da t.; de
Moatao s6 1|2 da m.; do Caxang e Yarzea
s 7 ds m.: de Bemfica s 8 ds m.
, P Rec5 : Pa o Apipueot s 3 1|2. 4, 4 lt4,
4 1|2. 5, 5 1|4, 5 1|2 e 6 da t.; para Olinda is 7
da m. e 8 1|2 da t.; pira Jaboato s 4 da t.; para
o Caxang e Varzea 4 1)2 da t.; para Bemfica
aa 4dat.
AUDIENCIAS DOS TRIBL'NAES DA CAPITAL.
Tribunal do commerco : segundas a quinta.
Relago: tergas a sabbados s 10 horas.
Fazanda : quintas a 10 horas.
Juizo do commerco : segundea ao meio dia.
Dito de orphio: tarjas e sextas a 10 boras.
PrinSeira tara do jirel: tercas e aextas ao meio
dia.
Segunda rara do airal: qiarta e sabbados 1
horada tarde.
PARTE OFFICIaL.
das da semana.
24 Segunda. Ioatiluigo do SS. Sacramento.
25 Tero. c$o Aononciaco de Nossa Seehora.
26 Quarta. >. Ludgero b. ; 8. Braulio b. a.
27 Quinta Ss. Fileto e Lydis saa mulber.
28 Sexta. A sacratissima corda de esp. de J C
29 Sabbado. S. Bertholdoc ; S. Pastor m.
30 Domingo. 4. ds quaresma. S. Joio Climaco.
ASSIGNA-SE
no Recife, em a lirraria da praca da Indepen-
dencia 119.6 e 8, dos proprietsrios Manoel Figuei-
roa de Faria 4 Filho.
GOVERXO DA PROVINCIA.
S.* eecco.Secretaria do goreroo de Peroam-
buco 26 de margo de 1862.
EDITAL.
Pela secretaria do gorerno se (az ptblico para
conhecimeoto de quero interessar possa, que ten-
do a lei proviacial n. 504 de 29 de maio do an-
?0 passado creado dous officioa de partidor em
cada tersoo desta proriocis, accumulando un as
unccoe de contador e o outro aa de distribuidor
nos termos m que houver distribuido, acbs-se
em concuo os do termo do Brejo aBoa de que
os prstendentes se babilitem e apreseotem os
seus requerimeoto instruido na forma do de-
creto n. 817 de 30 de agosto de 1851 e aviso n.
252 de 30 de dezembro de 1854.
Joao Rodrigues Chava.
Expediento do dia SC de miarlo
de) 186*
Offlcio ao Etm. |preaidente de Goyaz.Aecu-
aando recebido o offlcio de V. Exc.sob n. 3 e data
de 20 de Janeiro ultimo, cabe-me dizer-lhe que
nao desertor doa corpo e companhias solada,
em guaroico oesta provincia, como V. Exc. me-
lor rer da ioformigao do brigadeiro comman-
dante das armas constante da copia junta, o indi -
riduo de nome Manoel da Costa Soares que se
ach recolbido a cadeia dessa capital.
Dito ao proredor da Santa Casa de Misericor-
dia.Em repota ao offlcio que V. Exc. me di-
rigi am 22 do correte, cabe me dizer-lhe qae
em data de 17 de ferereiro ultimo solicitou-se
do Exm. Sr. miaistro da agricultura, commerco
e obras publicas providencias para aerean devol-
vido s esta provincia, ae ao governo imperial
sao approurer dar outro destino, os dous reos de
aacrario e ambula da igreja da Misericordia de
Olinda.a que allude aquello officio e o de 14 do ci-
tado mez de fevereiro.
Dito ao commandante das armas.Deferindo o
requerimento de Thom Josquim do Nascioiento
sobre qae versa a informacao de V. Exc. datada
de 17 do correte, o autoriao a mandar dar balxa
ao filho do supplieaote Antonio Pinheiro de Fa-
ria Burgos, que se schs com praca no 2o bata-
lbo de infamara, visto ter-se provado com cer-
tido de baptismo ser elle meoor, derendo o eup-
ficante moetrar que restituio a thesouraria de
izanda a quaotia que a titulo de premio se hou-
rer abonado ao dito sen filho.Gommanicou-se
a thesouraria de fazenda.
Dito ao meamo.O pedidos a que allude o
seu officio n. 586 de 18 do corrente, foram aio-
ormar thesouraria de fazenda em 13 de fere-
reiro ultimo, logo que me sejam devolvido os
tomarei em considerado.
Dito ao meamo.A vista doa inclusos papis,
que me serfio devolvidos, queira V. Exc. informar
.se foram posto a dispoigo desse commando de
armas com destioo ao exercito, e em qae tempo.
os recruta Manoel Baptista dos Ssotos, Manoel
de Almeida e Silva, Manoel Joaqun de Santa
Aun e Joao Paea da Silva, riodoa do termo de
Florea.Officiou-ae ae capito do porto para in-
formar ae Ihe foram entregues os recruta Joa-
qun Jos deSaota Anna, Manoel Frtncisco Ta-
rares e Joao Antonio de Souza.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Conmunico a V. S. que em officio n. 127 de 7 do
corrente, participou o inspector do arsenal de
marinha a esta presidencia ter nomeado 00 dia 6
deate mez o escreventedo meamo araenal Anto-
nio Jos da Cucha Guimares para exereer con-
juntamente o lugar de professor de primeiras let-
tras durante o impedimento do professor effeetiro
Uanoel Antonio Viegas.
Dito ao meamo.Recommendo a V. S que
tendo em vista o atteslado qae derolvo em du-
plcala, cobarto con officio do brigadeiro com-
mandaote das arma de 12 do corrente, n. 511,
nande pagar ao sargento do corpo de polica
Antonio Saraira de Araujo a quaotia de 89OOO
que segundo ae evidencia de aua informacao de
22 do corrente, sob o, 230, compele ao mesmo
ssrgento por harer apprehendido o soldado deser-
tor do 10- bitalho de infantera Jos Cordeiro
dos Santos.Communicou-se ao commaodante
daa armas.
Dito ao mesmo.Restituiodo a V. S. oa papis
que vieram annexos sea informacao de 2-2 do
corrente, sob n. 229, relativos ao pagamento que
pede o tsente do 2' batalho de infantaria Luiz
Jos Ferreira Jnior, da quaotia de cem mil rs.
por harer apresentedo pira oservigo do exercito,
oa qualidade de recrutador as freguezias de San-
to Antonio e S. Jos desta ctdade, os cioco vo-
luntarios constantes do mesmos papis, o auto-
riso a mandareffecluaresse pagamento visto nao
harer inconveniente, segundo consta da citada
intormago.Communicou-se ao commandsnte
tas armas.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Atiendendo ao que expoz o director das obras
publicas em oficios de 18 de fevereiro ultimo e
24do corrente, sob ns. 33 e 53, no primeiro dos
quaes se refere s sua informacao de 3 deate mez,
n. 128, recommendo a V. S. que derolra a se-
cretaria desta preaidencia o ornamento a que se
refere a citada informagao, visto ter-se verificado
que foi frito nos reparos da casa perteocente ao
hospital de caridade da ra do Pilar n. 97 (au-
merago publica) e nao nos da casa do patrimo-
nio dos orphos o. 97 (oamerego particular) sita
na mema ra.
Dito ao commandanfe superior do Recife.
Sirva-se V. S. de expedir ordem para que um doa
corpo da guarda nacional aobseu commando su-
perior preste urna guarda de honra para acompa-
nhar a procissao do Ssohor Bom Jess dos Po-
bres Aflictos qua tem de sshir da igreja de S.
GoncMono dia 30 do corrente ss 2 1;2 horas da
tarde.
Dito ao mesmo.Expega V. S. as suss ordeos
para que um doa corpoa da guarda nacional sob
seu commando superior preste urna guarda de
honra para acompanhar a imagemdo Seohor Bom
Jesua doa Martyrios, que tem de sahir da respec-
tara igreja en procissao na tarde de 28 do cor-
rete.
Dito ao commandanla do corpo de polica.
pode V. S. fazer substituir pelo psisaoo Antonio
Jos de Medeiros o guarda da secgo urbana Jos
Leio de Mello, a que se refere o seu oficie n. 110
de 13 do corrate.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Com
a incluss copia do officio que esta preaideocia
dirigi ao proredor da Santa Casa de Misericordia
desta ctdade, em 14 do crreme, Oca asUsfeita a
aua reqoisigio contida no oficio de 24. sob n.
146.
Dito o ngecheiro Bacal da estrada de ferro.
Haja V. s. de ioformar-me acerca do que se
diz em urna publicago pedido incerta no Diario
de Pernambuco de 22 deste mez, relatiramenle
a suppressio da estagio da Pontezinbs.
Dito ao juiz da orpsjaos da capital.Commu-
nicando-me o Sr. risepude de Lemont, cnsul da
Franca neata provincia, ds cooformidade com o
disposte no artigo 7 da convenci celebrada em
10 de dezembro de 1860. que falleceram neste
cidade Luiz Roberto Baodeichod Hiddeodorp
Francisca Felcdade, riuvs, subdito franceses;
esta no dia 21 e aqualle no dia 18 do corrente
ambos com kardeiros presentes: disso dou scieu-
cia a Vmc. para aeu conhecimeoto.Respondeu-
se ao cooaul.
Dito ao juiz municipal supplente de Caruar.
Scienle pelo aeu officio de 21 do corrente de se
haver manifestado neste termo a epidemia do
choUra-morbus, acabe de providenciar cono con-
vela, enviando ao juiz de direito da comarca una
ambulancia com as instrucgdes necessarias ao tra-
tamento de mal.
Dte ao juiz de direito de Naiareth.Congratu-
lo-me pela satisfactoria noticia constante do seu
officio de 21 deste nez de que eetaa-ae extincta a
epidemia do cholera morbos que grajeara oessa
comarca, cabe-me agradecer e lourar o xelo e
actividada com que Vmc, pondo-se, a frente das
providencias tomadas pelo gorerno e direecio
dos soccorros psra abi enviados prestou muito
bons servigos em quadra to arriscada. Recom-
mendo-lhe tambem qne transmita aos cidados
que mais ae distioguiram por actos de obrigago
e solicitud em soccorrer e salvar os indigentes
affectados do mal nos differentes pontos dessa
comarca e de que faz Vmc. meocao em seu dito
offlcio o necesssrio louror que Ins tributo por
essa prora de pbilaotropia e sentimentos de hu-
ma nidade. Aguardo ss suas ulteriores informa-
coes acerca da estatlstica da epidemia.
Dito so juiz de direito do Po-d'Alho.Sciente
do cooteudo de seu officio de 17 do corrente e
spprovando as providencias por Vmc. tomadas
com referencia a epidemia reinante, tenho a di-
zer-lhe que j abi deve ter chegado a ambulancia
a que allude.
Dito ao presidente e rereadores ds cmara mu-
nicipal do Buique.Inteirado do que Vmcs. ex-
poem em seu officio de 22 de fevereiro ultimo,
acerca do estado saoitario do seu municipio, e
dos receios da epidemia reinante, tenho a dizer
que opportuoameoto aera attendida a requisigo
de ambulancia que Vmcs. fazem em seu citado
officio, derendo essa cmara communicar a esta
presidencia logo que o mal abi ae desenrolva.
Dito ao director da colonia militar de Pimen-
teiras.Pode Vmc. mandar dar consumo aos me-
dicamentos a que allude o aeu officio o. 13 de 11
do corrente e constam da nota junta, devendo
ter em atteng&o a informagao do delegado do ci-
rurgiao-mr do exercito datada de 20 deste mez,
da que Ihe remetto copia.
Nota dos medicamentos a qu se refere o officio
do Exm. Sr. presidente da provincia desta
dala. >
Liohaga em p 7 libras.
Dita em grao 5 libras e 46 ODcas.
Mostarda em grao 12 oogas.
Dita em p 11 libras e 14 ongss.
Cevada 11 libras e 7 oncas.
Ipecacuanha em p 12 oitaras e 26 graos.
Ungento de alteia 1 libra e 8 oncas.
Asaucar 2 arrobaa e 8 libras.
Dito ao commandante do presidio de Fernando.
No hiate Santa Rita serao enviados para esse
presidio, adm de cumprirem ah as sentengas a
qne foram condemnadoa oa 11 sentenciados in-
dicados oa relagao e guias qua inclusas remetto.
Relaco dos sentenciados de que trata o officio
do Exm. Sr. presidente da provincia desta
dala.
i Amaro Jos.
2 Antonio Pe reir Lima.
3 Leandro Aprigio da Parificago.
4 Manoel Flix.
5 Eitanislo Nunea da Silva.
6 Jos Rodrigues da Silva.
7 Miguel Pereirs dos Aojos.
8 Joao Baptista de Vasconcelos.
9 Francisco de Salles.
10 Esperidiao, escravo.
11 Roberto, dem.
Dito ao delegado de Nazareth. Recebendo
com agrado a noticia de achar-se extincta a epi-
demia que reinara nesse termo, cabe-me dizer-
lhe em resposta ao seu officio n. 10 de 21 do
corrente, que o louro pelos serrigos prestados
por ocessiao da mesms epidemia.
Portara.Os Srs. agentes da companhla brasi-
lera de paquetes a rapor, mandem der transporte
para a capital do Rio Grande do Norte no rapor
qua ae espera do sul em lugar de proa destinado
para passageiroa de estado, a Agostinho Vieira,
que. teve baixi do corpo de imperiaea mari-
nheiros.
Dte.Os Srs. sgentes da companhia braaileira
de paquetes a rapor mandem dar transporte por
coota do ministerio da guerra para a capital da
Parahyba no rapor que se espera do aul, ao bri-
gadeiro inspector Manoel Muoiz Tsrsres e seu
secretario Manoel da Costa da Fonseca e um sol-
dado que os acompsoha.
Dita.O riae-preaidente da prorincis, atlen-
dendo ao que requareram Amorlm & IrmSos con-
signatario do brigue nacional Veloz, reolreu
conceder permisso a Lauriaoo Jacintho de Cr-
valho para mairicutar-se independente de apre-
aentago de carta de piloto, como capito do re-
ferido brigue, na riagem a qae esta destinado
para o Rio da Prata, ficando porm obrigado a
exhibir a predita cirta para outra qualqaer ria-
gem que pretenda fazer.
DitaO rice-presidente da prorincis, ahon-
dando ao que Ihe represeotou a sociedsde Uoio
BeniBcente dos Artistas Selleiros, instituida nes-
ta cidade, e em vista do que dispdem o 5* do
art. 29 do decreto n. 2711 de 19 de dezemnro de
1860, resolve nomear para o lugar de presidente
da mesma sociedade o cidado Francisco Jos dos
Psssos Guimsries.
Expediente do secretarlo do
governo.
Officio so Dr. Braz Florentino Henriques de
Souza.Tendo S. Exc, o Sr. rice-presidente da
proriocis,.por portara de 22 do correle desig-
nado V. s. na quslidade de membrodo respac-
tiro eonaelho director, para substituir o director
geral da instruego publica durante o aeu impe
dimento, assim o communico V. S. de ordem
do mesmo Exm. Sr. aflm de entrar em exercicio.
do, derem aempre entender que essa ordem ae
refere nicamente a licenca para as poderem
prestar, e nunca para que oa interessados deixem
de sstisfazer a importeocia de taes exportlas,
conforme o secordo ou ajoste que hoorerem en-
tre elle e os mesnos Srs. commsodsntes ou pes-
soas para isso autoriaadas.
Recommenda outro sim, o mesmo general, que
quaesquer requisicoes que forem feitaa directa-
mente aos referidos Srs. commandantes para
prestarem as suss msicas e que as queiran con-
ceder, participen immediatamente ao quartel
gtneral para conferir a necesssria permissio.
Faz publico o sobredito general psra conheci-
meoto da guaroigio e devido effeito, que a pre-
sidencia attendendo as justss reciamagdes dos
Srs. commandantes de corpos.com respelto a ali-
mentago das prsgas de pret, reaolreu na data
de hontem, sobre informagao do Sr. inspector da
thesourtria de fazenda, elevar o ralor da rago
da etspe qae ora de 445 rs. a 485 rs. disrids,
tendo esse augmento lugar comente emquanto a
epidemia que aqu reina, nao declinar sensivel-
mente.
Asigoado.Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
Conforme. Candido Leal Ferreira, capito
ajudaote de ordeos encarregado do detalhe.
gao internacional, pelo menospreco aos regula-
ra en los a s autoridades do paiz.
i* ^br? i "por Belem de 1"e ,ne falle n*
minba ultima correspondencia e no principio
desta, eis o que demats notarel ha acerca da aua
construeco, marcha e accommodagdes.
a Este rapor tendo aahido de Liverpool em 21
de quareotena
S. Exc. Rvra., que abi ae achara
desde 16 do corrente.
c as agua da galeota seguan muilos esca-
leras, o que produzia um effeito agradarel.
c Ao partirn d'alli aslrou o forte ; ao passa-
ram pelos rasos de guerra, foram SS. Exea, sau-
. dados com riras, e por novas aalvas, que foram
de Janeiro ultimo, foi obrigado quarenta horaa de- repelidas pelo forte de S.Luiz, quando SS. Excs.
pois s arribar ao mesmo porto em consequensia se spproximaram da trra,
das avarlas que soffreu na borda a caara de c Na rampa, que ae eleva ao largo de palacio
P t2k ** p,1 le"Pral 1ue ocontrou do gorerno, esteva o cabido, todo o clero secular
,BB fa regulsr, a caara municipal, o numeroso con-
c no oa do passado, tendo feito os necessa- curso de povo, que tomara o extenso baluarte, e
nos reparos parti noramente para aqui, porm o qaasi todo o largo do palacio, onde se achara
encontrou pela altura da ilha da postada a tropa de linha e os batalhes da guar-
Madeirs o obngou a procurar o abrigo d'aquella
ilha, aonde aedemorou 8 das, ssguindo d'ali pa-
ite, aonde recebea carvao, e depols en
ERRATAS.
No expedienta do governo de 22 do correle,
publicado no Diario de antea de hooten, eob o.
71, no offlcio dirigido ao juiz municipal de Igua-
rass, leia-se: juiz nunicipal de Ingazeira; e
na portara noneando o Dr. Braz Florentino Hen-
riques de Souza, para substituir o director geral
da instruego publics, em lugar de nenbro da
respectiva commisso director, diga-se membro
do respectivo conselho director.
(MIANDO DAS ARMAS.
Quartel-greneml do commando das
arma Je Pernambuco na eidade
do Beciie 8 em de marco de
186. ^
ORDEM DO DIA N. 52.
Sendo as msicas dos eorpos alimentada em
grande parte com o producto daoexportulaa que
recebem quando tocan noa theatros, nos bailes
pblicos e particulares, naa testas daa igrejas, etc.,
cojo producto especialmente applicado na ac-
quisicio da instrumentos, concert dos mesmos,
gratificaodes pagas aos mestres e msicos enga-
jado e contratados; e nao derendo por nenhum
principio serem prejudieadae os respectiva cai-
xas em suaa receitaa, o general commaodante das
armas ten por conveniente declarar aos Srs. com-
mandantes dos eorpos, qae quando receberem or-
dem do quartel general para prestarem aa mu-
sicas a qualquer particular que as tenha solicita-
DIARIO DE PERNAMBUCO.
Dos joroaes e cartas, que foi portsdor o r ra-
por Oyopock, procedente do norte do imperior,
com dalas do Amazonas at 8, do Para at 20, do
Maraohao al 22, do Cear at 25, do Rio Grande
do Norte at 26, e da Parahyba at 27 do cor-
rete, extrabimos as noticias abaixo.
Amazonas. Nada encontramos nos jornaes
que temos vista.
Para. Dursote o anno prximo passado fre-
qaentaram e porto da capital cento eoltenta em-
barcagea, aendo : 67 nacionaes, 30 americanas,
25 portuguezas, 25 ingleza, 18 francezas, 7 ham-
burguezas, 2 hespanholas, 2 dinamarquezss, 1
austraca, 1 hollandeza, 1 aueca e 1 lubequeme.
O ralor official da exporlago, no mesrro
periodo, foi de 4,783:9399257, producto dos se-
guales gneros :
2,302 arrobas de algodio, 81,256 ditas de ar-
roz pind, e em case, 25,430 ditas de assucsr,
441 potes com aseite de andiroba, 175,993 arro-
baa de cacao, 11,903 couros seceos de"boi, 717,857
libras de ditos salgados, 77,196 ditas de ditos sec-
cos.de veado,3,426 ditas cumar, 35,002klqueires
de csstanhas, 279 arrobas de craro, 778 ditas de
farioha secca, 11.860 alquelrea de dita d'agua,
1,324 arrobas de grude de peixes, 719 libras de
guaran, 49,984 ditas de oleo de cupaybs, 1,014
arrobas de piscara, 451 libras de puxlry, 1.255
arrobas de aalsa-parrilha, 127.682 ditas de bor-
racha de diversa qualidades, 1082 ditas de fari-
oha de tapioca, 32,434 estacas de acap e maga-
randuba, 284 duzias de taboado de dirersss qua-
lidades, 4,098 toros de dirersas madeiraa' 1,700
vigas de diversas qualidades e dimensdes, 320
duzias de ripss, P,397 arrobas de uruc-
Aloa disto, quaoto mais occorreu acha-se
comido na presente carta de nosso correspon-
dente :
Anda por eata rez o rapor do sul Oyapock
nao conduzio para o norte a mata da Europa, que
a esse porto deris ter chegsdo a 12 do corrente,
00 paquete da carreira fraoceza ; apenas trenos
a do rapor ioglez con o atrazo de dez das, as
noticias que igualmente j tlvenoa pelo rapor no -
ro Belem da companhia do Amazona, entrado
de Inglaterra a 9 do presente nez.
a E' esta a quarta ou quinta res que semelhsn-
te falla se d, depois que no Rio de Janeiro fo-
rsm muldadasa partidas dosraporea da compa-
nhia nacional para 4 e 20 de cada mez.
a Ben haja a praga de Maranhao que, por taes
irregularidades, represenlou ao governo imperial,
infelizmente no Para nao ha o que se chama pre-
ga do conmercio, e nao sei porque, a fim de pug-
nar pelos seusdireiloseinteresses mercsntls, co-
mo em toda a parte, em que ha negocio e nego-
ciantes ; entretanto consta que o corpo consular
se reunir n'um doa diaa da semana finda, pa-
ra pedir ao governo providencias tendentes a
obstar os inconvenientea da demora e retarda-
mento da correspondencia, europea em Pernam-
buco com que por cerlo soffre gravemente o com-
merco em suas traosaegoea e inlereases.
Nao sei a fundo, o que se discutio na tal reu-
niao dos cnsules, porque o negocio por em
quaoto secreto ; mes o que Ihe posso dzer que
os sgeotes do connercio estraogeiro delibera-
ran representar psra a corte, sen que esteja in-
fernado sobre as bases da representaco.
_ Ao nenos rjanos ae con taes denonstra-
ges, e reclamos to justos e to aignificativo o
governo na corle ae move a olhar para os inle-
reases do Haraoho, Piauby, Para e Amazonas,
por que do Cear para o aul ha mais ou menos
communicago rpida, em consequenci das l-
nhaa de vapores pequeos, que aatiafazem aa fal-
tas e inconvenientes que as quatro provincias
spontsdas soffrem.
Pego-Ihe mea charo redactor, que enrideos
seus esforgos e redaos pelo seu Diario, a ben
dos nossos direito norlistas.gravemente prejnd-
cados por falta de coosidersgao pela prosperldada
desta parle do Imperio Braaileiro.
a Ante-haotem as 3 horas da tarde a qui che-
gou o Oyapock aem ser esperado, senao para o
da 20 ou 21 do correte ; fundiendo aa quatro,
Qcou in pedido pela risita de aaude por trazer a
carta su ja dessa provincia ; maa a presidencia de
accoidocom a proredoria do porto,resolveu admit-
tir o rapor a lirre pralica, depois de desinfecta-
do segundo os preceitos da ciencia. Aa seis
horss foi o afio desembargado, e este acto foi
em geral applaudldo por todos que conhecem que
seriamente contra as epidemias fracoa ao os re-
cursos humanos; assim pois os timoratos ficaram
com o coracao socegado quanto a traoamisso do
mal, e os que desojen vencer difficuldades pelos
ioteresses commerciaea ficaram tamben satisfei-
tos, porque a presidencia atienden aa exigencias
e cuidados de todos. Ten-se suscitado neste
ltimos diasums questao imprevista pela infrac-
gao, que commetteu o brigue francos Belem que
estando carregado para partir para o Harre, sa-
bio do norte das dez psra as ooze horaa de 14 do
correte a reboque do rapor de geerra francez
L'Entrecasieaux, mas sem ser risitado pelos com-
petentes registros do porto e da altandege.
c A imprenaa lem clamado contra esla offeoss
aoa regulamentos marilimos e flscaee do paiz, pa-
receodo eite acto un menoscabo a dignidade do
Brasil ; e cada jornal, segundo o partido que re-
presenta tem dito algums couss sobre a materia :
mas cada um deffendendo os sea amigos que se
cham a testa daa repartiges, quem compete a
fiscalisacao daa visitas mirilimas, policiaes eadua
neiras.
c Has o tacto real que o brigua mercante
francas aproveitou a ssbida da caohoneira de aua
nago, para com ella safer-ee rebocado o de noi-
te, sem que as risitss competentes, nen a forta-
leza da barra nada lbe podessen oppr.
O facto anda aa torna nata aggrarants por
qae o Belem consigoado a una casa, cujo chefe
actualmente o agente consular de Frangal
c Esiou persusdido que o governo da provincia
nao deixar pastar esse facto inclume ; porque
convengo-me que o gorerno i mperial ter delle
conhecimeoto para satlsuxer derida reclama-
direitura para este porto, d'onde trouxe 8 das def gueu para fazer oraco
vigam. aua
O BeUm da mesma lotagio e igual marcha
do.Arando, porm as accommodagoea para paa-
ssgeiros sao superiores s deste ultimo, devido
isto plaots que d'aqui envlou o gerente daquel-
la companhia o Sr. Pimenta Bueno para Ingla-
terra.
Este navio constrnido nos estileiros do Sr.
Laird de Birkenhesd, aonle o foram tambem o
Mandos e Inca, qae to bem tem desempsnbado
a suatarefa e esperamos que igual successo tenha
tenha o Belm.
O collegio de Nossa Ssnhors de Nazareth pa-
ra a educgo de meninas, tere sua installaco
a 9 do correle, como j Ihe noticiei.
a A concurrencia, j brilbante por si, era real-
zada anda pela presenga animadora doa Exm.
Srs. bispo diocesano e presidente da prorincis.
A chura, embora consiente, nao prejudlcou o
brilhanlismo dests (esta Iliteraria.
c S. Etc. Rrma. improrisou um discurso, em
que rimos hbilmente combinadas a religio e a
sociedade.
a X oecessidade daeducago da mulher, cha-
mac pelo christianlsmo a encher urna miisao
sublime e importantissims, foi o ponto do discur-
so. A educago da intelllgencia, a educagao do
corago.
E depois de mostrar quanto derem todos con-
correr para que germine e fructifique esss semen-
t de regenerado, chama as beogos do ci so-
bre o novo esiabelecimeolo, humanamente ga-
rantido pelas preciosas quriidades da institui-
dora.
da nacional.
Subindo rampa, S. Exc. Rvm. recolneu-se
por alguns instantes na capella, que all ae er-
Um elegante brinde fechou o acto, durable
o qual tocou a msica do 3 de artilhsria.
Em attengio s medidss que coorem adop-
tar contra a epidemia do cholera morbus, < ue
pode inradir a populago deala provincia, a 1 7
horas da ooite do dia 10 do correte reuolram -se
no palacio do governo todos os mdicos desta :a-
pital en numero de quioze, e ahi presididos por
tir-se.
Revestido de suas vsstes episcopaes, S. Exc.
foi d'ahi conduzido debaixo do palto psra a s
episcopal, precedido de todas as irnandadea, e
acompanhado de immenso povo.
"c Ao psssar pela frente da tropa, teve aa de-
vidas continencias.
< Km urna daa raras do palio, pegara S. Exc.
o Sr. presidente da provincia.
a O palio foi conduzido por eolre as alas de
trops e povo, por baixo de arcos eofeitados de
murts e embanderados: era um espectculo dig-
no de obserrar-se!
a Recebido na S, depois de ter assistido so
Te-Deum, diriglo-se S. Exc. Rrm., acompanha-
do de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, e
grande multido de poro para o seu palacio, on-
de, recebendo oras continencias, dere sem du-
rida estar satisfeito com os signaes de amor e
reoerago, com que foi acolhido, e de que to
merecedor.
Segundo consta de participages offlciaes,
foi asssssioado, na villa de Pastos-Bons, no da
13 de ferereiro passsado pelas 11 \\l da noite o
rigario Alexandre da Silva Moaro.
a Sendo ouvido, essa horss o estampido de
um tiro, acudiram logo o commandante do des-
tacamento com quatro pragas e o Dr. juiz muni-
cipal, e percorrendo diversas mas na indagago
dos motivos, porque havia sido disparado seme-
lhante tiro, deram por fim com o cadver do ri-
gario, esteodido naa proximidades do muro ds
essa do tenante-coronel Joo Manoel de Mga-[
lhes, denotando que haria sido arrestado, para
ser talvex laceado de um despenhadeiro que all
existe, pois tinha as cxas raladas e sujas de bar-
ro vermelho, quando alli a trra negra.
t O corpo estar vestido de chsmbre e esmiss
nicamente, com as meias e botina quasi fora
dos p. Procedendo-se corpo de delicio, re-
ricou-sa que tinha sido a morte feita com um
tiro, do qual foram empregados 11 bagos de chum-
eada qual, conforme suss affeicea e desejos se
perde em ras conjeetures.
* O noaso vice-prestdente prosegue com cfr-
cumspecgao no desempenho de sua tarefa : quasi
que se tem limitado ao mero expediente ; e faz;
muilo bem, qem v a barba de seu visinho ar
aendo, poe as auas de mOlho.
c J saber qne fallando assim me refl.ro a
proceso mandado instaurar ao ex vice-presiden-
te MeDdes, e que ltimamente veio para elle res-
ponder.
Sao rinte e sete os srtigos de accasago, do
quaes apontarei alguns para queseas leitores ara-
nera da futilidade de qaasi todos, e da mesqui-
nhez d'alma de quem deu essa denuncia ao go-
verno imperial. Ignoro se por ventura se ter sr-
repeodido de tamanha miseria, mas sem duvida
ter considerado como um castigo ds providencia
i paramen 0 oslr8c,,mo que foi condOTnnd0i e tf reposig
que se Ihe mandn fazer da ajada de custo qu
recebeu, quando depois de sua ultima presidencia
foi disputar urna cadeira na caara temporaria.
Lembrado do parce sepultis absler-me-heid
asgmeotar a affiicgo ao aUTicto.
E' acensado o vico-presidente Mandes de ter
dado a um devedor da fazenda proriocial urna
prestagao de cinco annos, firmado em urna lei an-
terior que auloritava es presidentes a fazer essa
concessoes quando aa julgassem de jostiga : de
ter prorogado ao fiador de um individuo qne ti-
nha em seu poder uns quatro eontoa de res do
hospital de caridade a juros, a praso de respecti-
vo pagamente, pagando o mesmo ju. a que es-
tara obrigado seu affiangado capitalisado de seis-
em sexs asneo al final embolso (que mais de
um anno se realisou) dando oras gtrantias. D
ter raformsdo dous offlciaes de guarda nacional
em melhores circumstancias do que outros qu
haviam sido reformados por seu antecessor, e d
muilos offlciaes superiores reformados pelo go-
rerno imperial etc.
E' aecusado de ter mandado fizer algumas
despezas que julgou necessarias dependentes da
approvago ds assembla (que a deu na prxima
seguate reuoio ; de 1er feito outras de pequea
quintias autoriaadas por lei, mas que a juizo do-
denunciante nao deviam ter lugar etc.. etc., etc.
Ora, j v Vmc igual patacoada ? Se nao fosse o-
proposito em que cima lbe digo que me acho,.
de, na pbraae dos nossos matulos, nao dar em.
caboclo deitado, ea faria urna ligeira aoalyse d
comparago entre a rice presidencia |do Sr. Mon-
des e s admioistrago que a precedeu.
a Passemoe a outra materia.
Tem harido nao pequeoo barulho por occa-
siao do processo que o ex-presidente o Sr. Dusrt
da Azeredo mandn instaurar aos eleltores da.
paroebia do Aquiraz por causa ds falsIBcsgo do-
livro das actas oa eleigo para deputados kirovin-
ciaes.
S. Exc. o Sr. presidente da proviocia, que oaka- e urna baila qua entrando na espadua do la-
via convidado, discutirn largamente quaes aa a direito sahira debaixo do peito esquerdo. Fa-
proridencias nedicas que convir por em pra' tea z9ndo-se as necessarias pesquizas, descobrio-se
nesta cidade na presente coojunctura, em |ue Junl ao mur0 um capote e um par de chinellos
estamos meagados da lnvaso de tal moleilia. pertencentes ao referido tenente coronel, o qual
S. Csc. orientado por esaa discusso assegojrou n* manhaa desse dia haria sabido em um burro,
que tria pondo em pratica as nedidas lembradas, Oizeodo que ia fazer urna riagem.
prbporgo que as circumstancias aasim o los- < Com a echada destes objeetos toda a suspeita
sem exigiodo, nao s com o Qm de evitar a, in- recahia no tenente-coronel Magalhes de ter sido
troduego de semelbsote flagello na provincia, **>tor desta morte.
como tambem para soccorer a huma nidade, no Sendo cercada a saa casa e danio-se busca
caso de que fossem baldados todos os esforgos ao amanhecer do dia seguinte ;,nada encontrou-
empregsdos com aquelle proposito. S. Exc. fera- se, nen se rio, seno urna arrastadura, que par-
oeceu em nome do gorerno imperial a abneago ta desde a porta, d'onde ae sobe para a cosinha
e desioteresse que manifestaran! todos os Srs. at o lagar, onde foi achado o cadarer, e as pe-
rnateos, prestando-se, como declararam, gratu- gadasde ama pessos que descia o precipicio: Io-
ta mente para acudir aoa doantea pobres, que ne- go abaixo se encontrou palba, que baria sido pos-
ta animal debaixo de urna pequea arrore, bem
como um chicote de agoutar carallo, um clavi-
nole fino descarregado, e varios objeetos de mon-
tarla, todos perteocentes ao lente coronel Ma-
galhes ; e d'alli, por um estreito camiobo, fo-
ram ristos os rastos de um burro. Tudo isto de-
pois deu lugar que se crea, que com effeito o
autor do attentado foi o tenente-corooel. Urna
a la-
torio,
nao
outra
peza era certas habitegdes.
< Felizmente por aqni ramos agora com
lubridade desta prorincis em estado satisfac
por que a mortalidade regular, assim como
tem harido casos de febre smarella ou
qualquer epidemia.
< Tiremos aqui a procissao de Passos desta rez
com toda a pompa.
Na qotota feira pelas 6 horas da tarde
a imagem do Seohor dos Passos, do Carmo,
sabio
para
ocia,
e da
cesiitassem do uxilio da medicina, no ca
qae a epidemia chage a deseovolrer-se n
de nossa populago.
Em coosequencis das medidas que 3
de adoptar immediatamente a bem da asad
bllca, j comegaram risitas feita pelo del
de polica deste termo, pelo Dr. inspector di au
de publica e pelos fiscaes da cmara municipa
em differentes armazeus de rireres, tabernas, e forca aeguio logo no seu encalco sem que tiress
ranos domicilios, sendo alguns taberneiros mol- podido alcanga-lo.
lado por renderem bacalho e outros gneros
damnificados. < Refera notar que os precedentes do tenente-
As visitas continuara em das interrompido, e cornelo abonavam como cidado pacifico e de
comn Minpre 8e co,ne beneficios psra a asede I boe noral; a o faeto de encontrar-se o cadver
publica, porque aempre bs mais cuidado na ven- \ do padre vestido nicamente de camisa e cbam-
da de genero em bom estado, e mais slguma Um- bre ; a arrastadura, que partir da raranda inte-
rior da casa, st o lugar onde foi encontrado ; a
circumstaneia de achar-se a gorra do padre no
bolso do chambre, d'onde ss deduz que nao era
possivel que elle estivesse ao retento aem ella
na cabega ; as relages de smisade e franqueza
que havia entre elle ; o profundo silencio que
reiosva na caaa do tenente-coronel Magalhes,
quando toda a risinhsnga despertou com este
acontecimeoto ; e sobre tudo o ter-se encontrado
o chambre da victima completamente intacto,
quando na camisa estaram oa buracos dos chum-
bos e da bala, explicagao que o desespero e a
ringanga, em qoesto de honra, levaram o te-
nente-coronel a perpetrar to grave crime.
No dia 28 do dito mez de ferereiro, na ca-
deia da rilla o criminoso de morte Jos de Men-
donga, armado de urna faca de ponta, ameagra
matar as autoridades, e at seas companbeiro
de priso, se isso se oppuzessem.
c O subdelegado de polica, para conl-lo, e
mette-lo em tronco ou em ferros, requisitou o
auxilio do commandante da forga. Sendo em-
pregados todos os meios brandos, para que o cri-
minoso, que se achara em estado de desespero,
e que continuara em suas ameagaa, enlregassefa-
instrumento e se contiresse, a nada atienden, o
zeodo alias todos os esforgos para quebrar a gra-
de da priso. Empregsds depois a forga, e car-
regando as pragas sobra o criminoso para o se-
gursrem, este, saltando fora da cadeia, salvando
se daa baionetas, languu-se sobre o subdelegado,
que.escapou fugindo. Tendo aido o preso por-
seguido pelas prdgaa, que procuraram aalrar
aquelle funccionario_; ioreslio de repente costra
ellas, ferindo os soldados 'Joo Joaqulm de
Araujo, ponco abaixo do pello eaquerdo, o qual
morreu instantneamente, e Luiz de Pranga aa
lado direito da espioha dorsal, tres pollegadas
cima dos rio. Neste conflicto foi tanben mor-
to o criminoso.
c No dia 5 do dito mez de ferereiro, perto de
sua casa, recebeu um tiro pelas coalas o cidado
Heorique da Silra Raposo, qne felizmente j ae
scha lirre de pertgo. Suppde-se ter sido este at-
tentado commettido por um seu proprio escravo,
que jijeoosta achar-ee preso.
Ceari.Haria seguido para o Cralo, por or-
dem Oda presidencia, o Dr. Antonio Manoel de
Medeiros, con todos os neios necessarios ao soc-
corrinento das pessoss atacadas do nal reinante
naa comarcas do Grato, Ico e Jardn
Nosso correspondente dis-nos :
a Tenho interrumpido mea noticiario em con-
sequencia de ama pequea riageag, que fiz ao in-
terior rolto a tomar coota de aseo encargo, que
a igreja das Mercs, sendo acompanhada por S.
Exc. Rrma., o Exn. Sr. presidente ds prov
diversas autoridades, officialidade da arnada
guirda nacional, e grande numero de cidado
de todas ss classes, e recebids porta da igreja daa
MercM pelo Bxm. Sr. commaodante dasirmas
e toda a officialidade dos eorpos de linha.
O templo, que grsgss a rontade ener|;ci e
pia derogo do Sr. marechsl Francisco Sergo de
Olireira, secundado pelo Sr. coronel Francisco
Jos de Carralbo, ae acha hoje quasi remegado,
esfera brilhsntemente illuminado edecorad.
< A banda de msica do 3* batalho de arti-
Ibaria oceupava o coro principal, execntando
harmonias apropradas 10 lugar e ao acto.
< Na sexts regresiva a imagem em pro
migesioss pelas cinco horss da larde para 11
iiso
Car-
mo, e fot igualmente acompanhada por tolaaas
linha,

a
<

c
e
autoridades mencionsdas e pela tropa de
que fechavam o palio.
A tarde e noite deste dis, eslreram mu bel-
los, e por isso honre ums coocurrencia immensa
de povo a visitar os Passos do Seohor.
c Fecho esla hoje, deixando de fallar em ne-
gocios commercises, que ficar para outra occa-
aio.
As sltersgSes martimas sao ss seguate :
A descarga
Brigue inglez Aracafw.
Hiate americano Adebxoase.
A' carga :
Hiate nacioosl Progresso.
Escuna inglesa Tit Bit.
Barca portugueza Linda, que sahe para Lon-
drea no dia 23 do corrente:
c O rapor Oyapock parte hoje s 8 horas da
manhaa para os portos do Sul.
Maranhao. L-se no Puficodor Jfaro-
nhense :
A nons cidade de S. Luiz do Maranhao ter-
hoje una grande testa. S. Exc Rrdm., o Se-
bispo D. Fr. Luiz da Conceigio Saraira,! desear
bircou eata manhaa, (21) e acha-se tnstallado no
seu palacio junto ao convento do Garmo.
a Todas ss providencias foram dadas por S.
Exc. o Sr. presidente da provincia e pel gorer-
nador do bispado, para tornar este acto o mais so-
lemoe e grsndioso.
t A's sete horss em ponto, S. Exc. o Sr. pre-
sidente com seu sjudaotes de ordene, acompa-
nhado pelos Exms. Sr. gorernador do blsoado,
chefe de policia e commandante da eatjag&o na-
val, capito do porto e muitas pessoas gradas,
embareou-se na elegante e bella galeota do go-
reroo, e diriglo-se para o forte da Ponta d'Area,
quasi una legua de distancia, pata roteber 4
bem ou mal irei desempeohtodo eono o permit
tiren ninbaa forgis e a muMi dade
afaxeres.
de meas
_-
Comegsrel pela parte poltica, que sempre
a que costuma marchama vanguarda.
c J saber que ae fez peraote a cmara muni-
cipal a apuracoo da eleigo para senador: foi con-
posta a lista trplice dos Drs. Miguel Fernandea
Vieira, omiogos Jos Noguelra Jaguaribe e Rey-
mundo Ferreira de Araujo Lima. Falta apenas e
desfeche, a cscolha imperial, sesoeilo da que!
i
Foi feito o processo pelo juiz municipal do
Gascavel o Dr. Costa Miraoda, e acham-se nelle
compromeltidos uns dezeseis individuos : leudo
vindo ao promotor para reapooder, disse este em
seu parecer qua o processo estava nullo por ter
oelle funecionado como escrivso umdos compro-
metido, e que alm diiso depozers como teste-
munha (era justamente o escrivo do juizo) nao
obstante iso bouve pronuncia, foram alguns dos
compromeltidos presos e outros oecultaram-se.
Du-se porm qae um sugeito dests capital insi-
nuara aos presos que sahissem da priso, e aos
oceultos que se spresentassem : nao posso ssse-
verar-lhe a exactido desta circumstaneia, o que
certo que assim succedeu, e que mandando o
juiz muoicipal substituto intimar aos egressos,
que se recolhessem priso, foi esesrnecido e es-
pancados os officaea de justiga, instaurando-so
por esse motivo um outro processo de resistencia.
Tendo andado ha diss|oa cidade dous dos com-
promeltidos, foi honten por orden do Dr. chefe
de polica corrida una osa, em que se dizia es-
tarem hospedado, mas j haviam sabido; hojo
porm anda um outro passeaodo oas raaa da ci-
dade, sem que ninguem o iocommode.
< Tendo-se procedido no dia 1 do correte a
eleigao da ora mesa administrativa da Sania Ca-
sa da Misericordia, tomou posse no dia 19. O no-
vo rice-proredor o Dr. Manoel Franco Fernandos
Vieira, homem sisudo e psesto como todos o co-
nhecem, fsr sem durids urna exeellente admi-
nislrago, porque estas qualidades rene muita
caridade e amor do prximo. -
A administrado transada dispondo de re-
cursos duplos dos que tem a actual, e deixando
em caixs um pequeo sold, legoa sua succes-
sora nao pequeas difficuldades, que o publico
espera todava ver desapparecer ante a dedicago
e firmesa dos novos nomeados.
c Nao mioha iotengo langar sobre os caval--
leiros que compozeram a admioistrago finda, *
mais leve pecha, e menos que todas a de prodi-
ga : nao, a mess tere alm das despezss iodis-
pensaveis com os indigentes, de pagar a um es-
tado maior de empregados, que a actual est de-
cidida a reduzir afim de entregar a seus succes-
sores esse po estabelecimeoto, polo nenos no>
mesmo p em que o encontrn, e sem que tenhn
de tocar em seu pequeo patrimonio.
ss igreja matriz as exequiss do finado rei de Por-
tugal D. PedroV.com magnificencia muito aupe-
rior que era de esperar dos traeos recursos, do
que anda dispomos.
t Celebrou de pontifical S. Exc. Rrma. o Sr.
D. Luiz Antonio dos Ssntos, e redtou a oraco
fnebre o Rrd. rigario da capilal Carlos Augusto
Peixoto d'Aleacar. Seja aqui dito de passsgem
que o illustre pregador anda mais urna vez fes
osteotago de seo talento oratorio, e eleroa sea
discurso 6 altura do assumpto.
< As exequias de D. Pedro V tem sido por toda
a parte meos a satisfago de etiqueta para con
as cinzas de um soberano, do que a expresso da
dor e saudade maternas, paternas e filiaes par
com um filho, um irmo, ou um pai muito
amados I
c De poneos res sou affoigoado, e de pouquu-
simos enthusiasta, mas no csrscter do finado rei
de Portugal ha tanta forga de sympatbia. to for-
te attractivo de amor, que se me fosse licito iden-
tificar meu ser com qualquer dos grandes perso-
nsgeos que nao existen, preferir ser o monarch
da pequea lusitanla, morto no primeiro quartel
da existencia, com sea cognome de muito ama-
do e nao o magnifico Luiz XIV frente de um
das maiores naces do globo, com sua dourada
existencia, seu longo reinado de 64 annos e seu
cognome d Grande Re I O que sobretodo tor-
nar sobremaneira gloriosa aos rindouros a me-
moria da D. Pedro V sao suas Ideas acerca d
pena capital, o O cadafalso mais ignominioso
psra a aociedade, qae o levanta do que para o
desgragado que nelle expa seus crime.
Outro sssumpto.
c A popalago de nossa provioeis acha-se, co--
mo dere crer-ae. sobresaltada com a approxima-
go do terrivel flagello cholera-morbus, mas to-
dava nao tanto quaoto pareca natural vista
das terriveis discrpgoes do estrago que o fermi-
darel Ahawerx tem por toda a parte spalbado
aps seus passos. E' isto de bem agouro: se ti-
rermos de infelizmente ser assaltados por essa
epidemia medooha, aoffreremos eonparatiramen-
te tanto menoa, quanto mais simosameete a
encararnos : queira a Providencia Diviea conser-
rar no poro estas boas dispoeigoes.
Vai ben nosso In vareo, e aspramos ter urna
boa olheila para o carrete anno, 0 cat (tires


OIUME
DIA110 DE PEaNAMICO. *r SA|AI>0, 2t DI M4BQO DE IMi.
" -----------------------** J --- ___ I
eje **r VM**,*mTIffarnfa noTben*; porque t tata deixando 4 ser travada eom
. ?ir!v!lii h l ...... *m** t"^"M"' eleitoraas.e por labtlla com osseus
Al a valla do rawr^ que tenda ido i CdUB protectores, Amia reduzida snente
Grao,, UBparofaodft.-^dftIClf|aKM*fclres de engeoho. que por fim ha.iam
JO do correte. t.PAMij ffllMf'T que msis vale plaolar menoicaona
Uto-Grande do Aforra,A. presente ce* Aj corjfbtscos deserabaTecados da polica, edajus-
tioaso correspondente da quanlo per tli ha digno tic do que mais orna ou duas tsrefas della com
de oieaeo:
: Contina era sua mnrrhj^wtrnin
Uontina era sua m a rcrgt ate-la a> aaqajp
bla provincial; do seu seio alada &o sabio
6 medida alil das que necaeaita a#aovtacis>
Com tres, e quatro dia de cataate poren te
essao, ou nada tem feito, o M akjnaia cousa ka
obrado, rsdo no sentido stapoltiaa, to a,
seotido, deque mesmo te davaria tratar;, poaaa*
o publico, o que quer eajrer d%4inhero fera
remedie* as suas necessidade.
Tem havido por c moscas por carde: os
conservadores vrmelas fizeram pacto com os
liberaes extraaos o 'intuito de derrotaren os
moderados capitaneados peto Dr. Amaro. Di-
2em-me, que luetn parle deesa uova-alianca os
Drs. Aladiao. e Vrosndes, que d'aai vieram
formados este anoo. Agora oo sei, -se o Sr. Dr.
a* ; Haac
os daquelle,
dal

og
'* dJtfftg
toes, p.
perdac, b
dade: a \
haixad*
ais orna ou auas trelas aeua com
qve tem con tas a ajualar ao rol de
Aladiao aioda pretender,qae oo lejaclassiticedo da, que o cholera invadir a nossa comarca do
na alguma polrtka. Esta ioaperada juoccao (ee Serid, e se aproximara da villa de Pao dos Per-
Stresnecer a untara dos conservadores, made- > <** m./4.j _... ..mi a------**Z.
rados, e pola dous dedos da-sepultura, qve
ao os 2 nicos otos, em que ella excede ep-
poeicao; de oode-se ve, que falfaou o calcule do
Dous de eitmbro, toa otto por id, e qve fot
tnais acertado o meu, quando disse, que realt-
sar-se a hypolhase desle consorcio, a couaa ica-
a arto arriscada. Assim mesmo nao esmore-
cern os moderados, e sos esf orcos dos da aliauca
para derraba -lo, "responden com iguaes fiara se
sustentaren] em seu posto.
Osprojectos. -que, me cenata, tem sido apre-
seotsdes para melborar o uosao misero estado
linaitoeiro, sao os seguidles: um litando em
409 re. o imposto proporcional sobre a venda de
escravos; outre creando circuios matores para a
arrecsdaQo res impostes, e outro aetonsando a
presidencia a--reformar a iheaouraria a secreta-
ria do goteros. 'Tudo isto acha-se en discusso,
e aada decidido; e como estarnas j d* meio
para fian de sesso, e seo se falla-etn prorogagao
este anno, natural, que no fim de cootas passe
ludo em um dis, como tem acontecido em oulros
araos. Nada porm levaulou tan ti celeuma,
corno fosse o prnjeclo do deputado Dr. Jos Ma-
ra de Albuquerque e Mello, decretando, que se
nao pagssse o subsidio aos membros da assem-
tlea nos das, em qve fallassem ia sessoes. Oh!
ieus-nos acuda! As trovas eobriram o mundo ;
o cu uoio-se Ierra, rasgou-se o veo do tem-
ilo, e
........Apollo da tervaa
c Vm pona) a luz perdeu como en fiado.
-Sobre este assumplo, alias lio simples, e de
fcil solucao, hoaveram tmprovoi, que se gas-
taran quatro cinco dias cstudaodo em casa, e
decorando; a poltica foi esgraratadn defond
comis desde quando os boroena tomaram o
prudente accordo de pela primeira vei reuoi-
rem-so em soeledade : foram indbmmodados no
o abundante Camlelo, o arrebatado Mirabeau, o
manso, e sereno Vascooceltos, o doce, e melifluo
miro, e oulros estadistas, oradores, cufos
"<"' me nao record mais.
* E o resultado foi. ou que o autor retirou o
eu projscto, ou, que cabio logo na primeira
refrega, ou ento, que li est dormiodo o somno
da atemidade em urnas das pastas dos seubores
ecrearios.
E assim devi aer, porque o projecto ifivolvia
queslao de dinbeiro, e queslo de dmheiro boje
m tis queslo ttait ntci; eoenhum ebria-
tao, que observa nica os precaitos da lei de
Jess Chrislo pode, ou deve suicidar-se mesmo
por oenhum extremo, quanlo mais porque o Sr.
Reputado Jos Mara sssim o quer. Pela minha
jparte, Sr. correspondente, uao hesito em diier,
que se fosse depotado, seguramente nao abrira'
boca para dizer urna so palavra coolra essa ve-
leidade do Sr. Dr. Jos Mara, porque sou gago,
aSjMjstbado
etasMts ngec
sM de ser,,
dVlim mi
8dsjem ui
le esi(
oikpc
Tinha atdo all capturado um clebre
de cavados sselos, de nome Ramos,
nem os dos proprios irmaos estavaat
etm. la ser procesaado, cono ji o
oulros seas consocios.
A carne e a tarioha ten dado altos
sendo os demats gneros reputados em
preforcao
He
H*
resislitta, e quando nao aproveitasse asaaresis-
tenciai fra, escreverla c para o emige;Tjff cjr
dade, que se poria logo na ras de poeto en
braveo, e, ou o assassioo ora sollo e passeiaria
per estas ras em trumpho, ou ento terse hia
de v-la fea eaa cimas, orno se fosse a condem-
osda Cartbago.
Creio que j lite disse en minha caria passa-
nao sei fallar; mas hsvia carregar a miuha
arma, e quando a fra me passassa pela espera,
disparavs-lhe, e a deilaria por trra.
* Pois o que A' quem porleoce o homem ?
Ao pascado, ou so presente ; anliguidsde, ou
actaahdade ? i|
< Se o homam perteoce sua poca, como
tnnguem ousar negar; se a antiguidade nao
inalado que a litcao escripia, ou Iradiciouql, que
nos eesina viver na aclualidade, se esta fea do
oinheiro, seja em metal, sejn em papel, seja em
crdito, esae numerario illiruilado, como ocba-
asa JLamartina, porque razao se ha de ceder aisim
*ons /acn do primeiro de toaos os meios de exis-
tencia phisica, e de perfeicao moral ? E ceder
favor de quem ? De oulros individuos, como eu,
de outros em pregados do mesmo cofre.
Masquem ha ah assim, que igoore, que o
oireito. natural manda, e ensina, que os officia
rga sosobrelevam aos officios erga alios ?
.Qusl o estudsnte de latim, qoe nao lsse
mais, ou menos o tratado, que Cicero deu o
nomeDe oflitiie, em que vem lo excelleote.
e magistralmente parapbraseada esta these?
Eeseogaoemo-nos. Sr. correspondente ; j lase
foi o lempo, em que os soldados romanos fiziam
guerra sua cusa, e quaodo voltavam victo-
riosos deila. jara para a cadeia, porque nao po-
fliam pagar as dividas, que em sua ausencia uas
avulheres hariam contrahido para dar de comer
aos albos. en
< Ninguen ha de ver mais ootro Cincinalo,
chaado para exercer o cargo de dictador de urna
grande repblica despedir-se de sua querida
AUilia. duendo-Ihe estas palavras.
Hinha velha, voee cuide em notto rogado,
porque ta perdermos e.'le legume, morremot
fome, vUlo que-lodot os nossos recursos h cifram
As cousas mudaran de rumo: um nosso
deputado, iuando vem l do sertao, em vez de
recommender a sua esposa o trabalho, e a eco-
nomia. pelo contrario prometta-lhe que quando
o lar ha de levar-lhe aderezo, rico vestido de
balao. chapeo -Ganbaldi.e muita cousa mais.
E ee elle np receber o subsidio, ou se o
receber com um rebate de 80, 40 ou 50 V
como cumprir a pelavrs dada sua Allilia ?
que hoje ninguem mais desconhece, que um dos
atrazos da nossa jusMca, e de nossa polica, se-
rem pela maior parle administradas por substitu-
tos de juia municipal e delegados, que para exer-
cerem eesae fuoccea, nao recebem estipendio,
oa retribuicaoelgums porquaoto seropra mai
servido, como ais o.autor oo Conselheiro do Po-
o, todo o emprego, que o servealuano nao tem
medo de perae-lo ; e* por isso que as fuoccoes
gratuitas nao sao smente a ruina da adminis-
trarlo e da jurtica, se nao tsmbem a desgraca da
moral publica.
lato qtMe diz dos enpregados pblicos tem
apphcacaoaes enhorca depuiadoa, ^ua sao em-
bregados do povo, e al do proprio goverao. que
- oempregado da nacao.
Queris saber, ais ainda o mesmo autor, o
qae um goveroo barato ? C'est le sol en js-
chre ; c'est je peuple i l'aumone ; c'est le
jt ouvrier la mieere.; c'est la civiliaatiou au
rebus I
Estas proposioees, que per sua nesna na-
tueta sao de evideate e fcil deaionstracao, du-
plicsm de valor sahiado, comoeahiran. da pen-
aa de um homem que nao s poeta e historia-
dor, nao igualmente um grande estadista e sa-
o recoobecido por aL Pelo que. em minha
piniao.Tepiio, um aeofeor deputado deve receber
o seu subsidio por loteiro, anda que oso diga
ama s palavra. nem navata aoeha\ p na c-
a, o o cofre ds provwct. brade am illas vozes,
duendo ^-ConiuatmaaMaas; porqaaolo isto de
foiat l para a turba-ataUa das secretarias, e
oao para os mandatarios do paco, que-sioo mes-
mo pavo, qoe ik e nao recebe a lei.
< E Xeoha paciencia afir. De JoeMatia, qae
de oulra vez, .en oulras coaaas concardsrei
cpn elle.
< Foi dtmillido do lugar de inspector da the-
aoararia provincial o Sr. Joao Carlea Waoderlev,
e ooneado para suaaliiui-lo o oftcial-mairva
secretaria dogovaroo^ lago Fraucisco-Pwheiro,
m quem coocorrem todaa as habilitaces preci-
m\ para esaeUeatemaata desempeobar euo
m. 0 subdelegado de polica de S. Jos fez ago-
ra una boa diligencia : praodeu a Manoel Ha-
lheiras do Nascimetoo, qM M ,CDt O0 tricto. desde o anno paseado, quando natou oo
Cear-aurim Sebaatuo Xeoorio, per nao que-
rer pagar a este 480 ra. que Um de vi a de carnea
que Um haaia conprado.
A polica aqu oao dorna mais o soaaao da
outraa eras ; raro hoje escapar-se pristo, de-
pois da se ha ver praticado e dalicte.
8a nao bouveeaem eleicea (oh se ala hou-
MIS alaices I) cieia,
ros na da Maiaridade, para onde J foram todos
os soccorroe vecesssrios.
Agora dtega noticia de que no lugar Tapuia,
quatro leguas distante da povoagSo de Nova Cruz
fdra accommettida do cholera urna escrava de um
fulano Joo 'Goncalves. S. Exc. maodou fmme-
dil(ueo subdelegado requisitou, e mais Irezeotos mil res
para despeas, sendo estes entregues commis-
so oo meada para os distribuir.
a Como nao vejo chegarem aqui doas e tres
portadores por dia, e observo qae s populscio
desta cidade acha-se na naior tranquillidade e
segurao^a, devo soppor que s cousa nao soda
muito lea r por fra.
Cima cousa tem merecido reparo ; vem a ser
qae de Serid s se pedio remedios, e nao mdi-
cos, que diapenssvam ; o mesmo de Nova Cruz;
e consta que em ontras povoar;5es esto os mo-
radores no mesmo proposito. O que quarer di-
ier isto ? 'Qaerer dizer que os mdicos matam
mars do que o cholera, ou pelo menos que ma-
lsn aos accommettidos, que o cholera nao ma-
tara ? Este negocio tem chiste ; seria bom io-
daga-lo. Pela minha parte apenas sei que si-
guas eharlataes qae por ahi andavam de carteira
eo-tempo do cholera em 1856, tanto exagersvam
o oumero dos afTectados que elles ditiam ter tra-
tado, como o daquelles que sfBrmavam, ter-lhes
salvado a vida : mas dos mdicos nada sei, cem
mesmo que usassem desta experteza para alle-
gerem servcos eimporem de grandes dioicos.
Seja l como for, um dos maiores consolos que
lemas por aqui possui-los, e mui acreditados
oo meio de nos.
Para fazer-lhes Justina devo coofessar ama
fraqueza : qvando estou sio, gosto e divirto-soe
muito de ler epigrammis feitos aos mdicos;
quando, porm, sioto-me doeote, quero ver jun-
to de mira ainda que seja o pachorrento Dr. San-
grado de Gil Braz com as suas sangras e agua
moma.
NSo ha mais novidade.
Parafctoa.Ainda nos limitamos carta do
nosso correspondente:
Nestes ltimos dias notem chegsdo noticias
do interior acerca do cholera-morbos, do que
querem.alguns coocluir est extincta a epidemia.
Nesta cida.de e depois daa noticias que lhe trans-
tnelti derajn-ie tres ou quatro casos fataes.
Falleceu em Campia Grande o Dr. Joao de
*ouza Reis, juiz de direilo removido da comarca
do ico para a de Goianna. Esse passamento foi
devido a consequencias do cholera que assolou
horrivelmente aquella villa.
* prcado de sua desolada familia e no leito
da dr, embora em trra desconhecida, eocon-
Jrou elle nos Drs. Jos Tavares, juiz municipal e
Manoel Carlos, medico intelligente, lodo o cuida-
do-queem taes emergenclssse pode dispensar.
E mais ooi magistrado honrado, inlelligenle
e cheio de servicos que suecumbiodo deixa um
nome respeitado.
O vigario de Talp falleceu de um tumor de
carcter maligno, e o seu coadjutor do cholera-
morbus.
O tinado tigario era considerado e estimado,
e o coadjutor, embora envolvido as lulas das
parcialidades, suecumbio chelo de servijos pres-
tados na epidemia que invadi aquellas pa-
ragens.
Annuncia-se uma nova publicacao. ou aot-a
um novo jornal ver a luz na lypographia do Sr.
Jos UodnguesdaC ata.iypographo intelgeote e
muiio perito em a sua arte. Ter4 o nome cao Pa-
rahiano ser um novo orgao das ideas conserva
doras, e oceupar-se-hs com a defeza dos ioleresses
dos grandes agricultores da provincia, sacrificados
a avareza de alguos negociantes.
Que ventos propicios o conduzam a porto de
seu desttoo, e *de esperar dos caracteres que me
constan, esto a frente do mesmo e sao Drs. Lio-
dolpho. Rabello,padre Pinto e Dr. Antonio Carlos.
Na anterior deixei de noticiar-lhe o funeral
que leve lugar na cidade de Mamsnguape, em
honra a memoria de Saa Magestade o Sr. D. Pe-
dro V. -
Cooata-me que houve asseio e goslo e que
lora orador o pregador da cspella imperial, com-
mendador Dr. Lindolpho Jos Correia dasNeves,
de nome feito no paiz.
Naoprocurei ioforroacoes completas porque
acredito que o seu correspondente daquella cida-
de lhe dir o que si li se passou.
E' bem para estranhar que os portuguezas
residentes nesta capitel se esquecessem de seu re
poisnem sequer mandaram reiar-lhe por alma
um responso?
Falla-se em o adiantaraento da assembla
provincial, mas nao sei quaes as razes suDcien-
tes essa noticia.
Aodamos aqui aociosos por noticia* ; pois a
mt-daoca ds partida dos vapores cosleiros. sen,
proveito algum para o norle e em prejuizo da
companhia, tem-nos posto a ver o signsl.
Caprichos dos grandes sempre preiudicam os
pequeos.
Um dos padres que mais servigos ha presta-
do na poca desastrosa, cujo termo parece prxi-
mo, o sacerdote Jos Antonio Pereira Ibiapina,
que conseguio montar duas casas de caridade,
urna na cidade da Ara e outra em Alaaoa-
Nova.
A historia do carvio que nessa provincia vo-
gou, nesta causou algumas victimas, pois ha gen-
te lao ignorante que acredita que oa trea car5o-
zinhos echados no Cundo do poie curara o cholera-
morbus.
Essa noticia ers apadrinhsda com a pslavra
domissionarioque ninguem outio e nao se
sabe onde falloo.
O numero das victimas da epidemia at hoje
e em referencias as ultimas noticias sobo a im-
portante cifra de 2096.
A 25 do correle houve cortejo, sem parada
por causa da saiubridade publica, foi uma me-
dida de prudencia e aconselhada pelos eoten
didos.
ca
is
sanee
te a
dad* |
da lKOBjBMflH^holpraa^K'etadas M
o tiaWcci&ate lili i JiKa.ru, ad,
por occasiao de se recolherem as msicas de ba
a*
saJjH
et# lega!
lerados
offlci, da hoje, dirigido do Poco da
Exc", apresemos o cirurgiio Frao-
a Silva a nota das pessoss fallecidas
morbus naquella freguezia, do da 1*3
d carraate sl a referida
qpaaai&Torara as victimas.
* *'* horaa da tarde
1862.
Dr.^minoFomtm.
Teve honteoj luga n, aataara unicipal,
nteoseu respectisa freafcaenta. a Dr. juiz
data, pela qual se v
de 28 de narco de
---------------- -----....."" uiuiic un ua- r;
fap, que tuilLam ido loxax i paWia, a que ha-. Sri.
vian aconpanhado a una procisso, asseverao-
do-te-oos qve na ultima Tva fra un urbat*
espaecado fertenente, por querer abalar o en-
thusiasmol
Ora, taes insolencias sao insupporUveis ma-
T11Jlo lr?, i lhe? 0' 86u 80 UUe IStO nraticam na nirunn, Hnii- ^n._ n. n.ui.. n ,.
le direito da S varat v
eda, publico o sorlelo dos'4
| le servir ua prxima
pa dia 21 de abril, atim
I 'de paschos. aat__
Poram sorteiados porjim menor o
Luis Antonio Jscome.
Domingo das Naves Teiieire Baslos.
Jos Rodopiaoo dos Santos.
Luiz Borgeade Siqueira.
Jos Correia Leal.
Jos AfTooso do Reg Barros.
promotor
. que tem
S'Mala pan o
da-lsira depois
seguales
seque isto praticam oa toscieDcia dellespot cer
te. S pois, instamos por un providencia, que
em taes occaside* faga os imhusiastas se mode-
rsrem com o magnetismo de algn junco, que
estsbeiec.a un contacto elctrico con a pelle
delles.
E' vedado pelo Bxn. bispo diocesano a ce-
le*rac.o da missa a qualquex sacerdote, que nio
saia de esas com habito talar, sob pena de sus-
penso ipso /befe.
Esta providencia restringe-seas igrejas ou C-
pellas desta cidade e daquella de Oliada.
E' igualmente vedado o uso de oulros vestidos
.que nao aejam pretos, ou quasi prelos, quando
trajado a secular, devendo o chapeo ser compa-
hvel com a dignidade do carcter sacerdotal, sob
a masma peoalidsde.
E' ordenado com igual commioagao, que sa-
cerdote ou clrigo algum de ordena' sacras ae
"presente sem habito talar as igrejas por occa-
sio de qualquer fesuvidade.
Remettem-oosa seguinte noticia sobre una
receita para p curativo da hydropboba, a qual
apreasamo-oosa publicar, aura deque seja apre-
ciada a sua efficacia.
Sr. redactor da Revista Diaria Lendo o
obituario da cidade publicado en o Dtorto de
Pernambuco de un dos dias da semana passada,
deparei com o nome da um individuo raerlo de
ydrophobia, e como seja eu possuidor de urna
recelta, cuja efcicia dizem ser reconhecids, tan-
to mais que dando a eu a um medico mea ami-
go, este disse-me que nao poda duudar do bom
resultado de sua applicacio, atientas as drogas
poderosas de que era composta : e estando eu
intimamente cooveocido da philaolropia de seu
corajao, e desejaodo fazer um keuelicu a hu-
manidade, vou rogar o obsequio de fazer publi-
car em saa conceiluada Revista, a receita se-
guinte, submettendo-s.a opiniab dos Srs. douto-
res em medicina, para que elles estudando-a
digam, se pode destruir veneno ioooculado no
corpo daquelle, que liver sido mordido por al-
gum cao atlacado de bvdrophobia ; e nesle ca-
so, a ser possivel, fazerem a experiencia em um
destes ammaes que liver sido mordido por outro,
pars ver se produz o effeilo desejado.
Com a publicago da presente muito obriga-
r ao seu constante leilor.
oilavas.
dita.
escropulo.
PERNAMBUCD.
REVISTA OVIRIA.
Hoje corcecam as seu5esprepsralorias da aa-
sembla provincial, cuja inslillago deve (er lu
gar no Io de abril.
Acha-se nomeado o Sr. Msooel Mara de
-Caldas Braodo para o lugar de ajudaote do por-
teiro do tribunal do commercio, que eslava va-
go por fallecimeolodo respectivo servenluario.
Pelo ultimo vapor francs chegoo casa
do Sr. Deloucbe, na ra Nova n. 22, uma bel
lisaima pega de msica, que em Pars conquisto*
grandes applausee pela idea sentimental, que
nella desenvolvida com riqueza oe coracao.
Fallamos da saudade a pronto da naci portu-
aaaapela perda de Sr. D. Pedro V.
A sympalhia de que goza a memoris do fal-
lecido manarcha, un garante certo da boodade
dessa poca, sem duvida insairada por ella ao
illusire compositor.
Est convocada para o da 21 do futuro
aaez a segunda aesso judiciaria do jury desle
termo. '
Do Liraoeiro eacreven-nos em dala de 18
do aorrente, nataetaado-se-oos que ns Malhadi-
nba anda rema a epidemia de modo mortfero.
Fallava-se qae no^Espiafca-Prelo, distante
t leguas da rilla. llrrlan aeua caaos igual-
mente.
A reuna do joiy eetava mareada para o dia
28 do vindouro; e havian seas receios ceres
de eooseguir-ae isto pela situscio aetaal. No
atento ser am mal notare!, porque
----- .. _>.-.T.f r.j.o oo anno
aua o aaania 'mJitn ^* boare nsquelle termo nma sesiao ape-
q o egoofo m BHtto .Mf umo sido impoeairel reanir-ie a aegioda.
Receita.
Theriags....... 2
Quina em p... 1
Mercurio doce. 1 _
Mistare e faca nove plelas, que tomar-se-ho
ero 9 dias consecutivos, ou dissolva em vinho
branco que tomar um calix por dia, e no mes-
mo esi'ago de lempo.
Com data de 27 temos noticifs de Iguaras-
fu, procedentes porm directamente do engeobo
Aguiar, e deltas consta que vai porslli o cholera
fazeodo seus estragos, sendo muitos os accom-
mettijus e morios.
A pobreza all soffria horrivelmente, parecen-
do mais desgranada do que em outra qualquer
parte; tambem parece que nao haver quem
trate mais do entertameoto dos mortos, con-
tinuaren! as comas como vio iodo de presente.
Ao Sr. UtH nosso assignarUe do Para,
que nos enviou uma missiva, sgradecemo-la e
me aviaamosque se oao dS ao trabalho de con-
tinuar aescrever porque s necessitamos de um
correspondente, quej aili temos, o que quando
quuer elogiar alKu*ra recorra i outros meios
que nao esse empregado. principalmente sendo
oa elogios feitos Uomeus por demais canAeci-
dosem sua proviocia ualal, por ca vallaras alias.
Hoje sao esperados: do sul do imperio uro
dos vapores brasileiros, e da Europa o vapor
ioglez.
O vapor Iguarass, tira hoje, s 3 horas da
tarde, a mala para os porlos do norle at a
Granja.
O subdelegado de Santo Antonio condem-
nou Manoel do Nascimento, como incurso no
artigo 297 do cdigo criminal, grao mximo, em
se8senla dias de prisao, mulla correspoodeote
raetade do tempoe perda da arma constante que
lhe foi apprehendida.
Ter hoje lugar na sala do estado-maior
do corpo de Delicia a primeira sesso do coose-
Iho de juigamento que dee responder o cabo
Antonio Aones da Costa, em virtudede delibera-
gao tomada pela juota de justica que declarara
oullo o primeiro conselho, pelo qual foi o reo
eoodemnado 2 aonos de prisao com tra-
balho.
Eis o oclagesimo stimo
Rolttim o/ficial.
il \"" m offlc"> de ,9 d0 co"11^. dirigido da
villa de Cimbres presideocia da provincia, dase
o respectio juiz municipal e de orpbos, Dr.
Joaquim Theolooio Soares d'Avelar, que o cho-
lera morbus j se tinha desenvolvido all, mas
beniguameote, e em um prelo escravo, e que na
povoago de Jeoipapo. a 6 leguaa de distancia,
baviam morrido no dia antecedente duas mulbe-
res. e tinha fleado en ms condices uma creso-
ja, uao sendo estes os nicos casos, poia que ou-
tros j se baviam dado em diversos pontos pr-
ximos a essa villa ; e cooclue pediodo providen-
cias, vigo que alli nao exista medico, nem ha-
via medicamenlos.
i. Emom ofliciot dirigido da villa de Pao de
Alho S. Exc, disse o Dr. juiz de direito interi-
no Dr. Francisco Telxera de Sa, que o medico
alli era commjssao, Dr. Silva T.vares, tinha se
gnido oo dia 18 do correte para a fregueaia da
Luz, onde o mal havii recrudescido. levando
uma ambulancia de medicamentos coosUotes de
nota remettida, e que. lhe tendo participado esse
facultativo que a epidemia reinav* con ioteosi-
enoS. eQ6eobo Concordia, Baila Rosa e Ala
goa do Matto. e exigido segundafproviso de me-
dicnenlos, havia aatiafeito a sua requisicao.
Disse mais que naquella freguezia o cholera-
morbua tinha apparecido en outroa lugares aio-
da nao accommettidos, e qu elle coulioaava a
distribuir os soccorros mdicos necessarios aos
indigentes desses lugares de accordo coro as ios-
iruccoes impressas, que lhe lioham sido renet-
tidaa pela presideocia.
Euj un oficio de hontem, o Dr. cheie de
policia levou ao conhecinento de S. Exc. que ti-
nha fallecido do cholera-morbos oodia antece-
dente pAlas duas horas da maoba na enfermara
da Yonetavel Orden Terceira de S. FrancUoo a
parda Tenaucia Mara da Gama, que alli havia si-
do recolhide.
Era um offlcio da mesma data, dirigido da
cidade da Victoria a S- Exc, disse o respectivo
vigario. Francisco Xavier dos Saolos, que aquel-
la cidade havia aido accommettida pelo cholera-
morbos, e que de quatro peaaoas que tinbam ai-
do sffectadas, haviam fallecido deas na noite an-
tecedente ; pelo que pedia providencias en no-
me de seus parochianos.
c Ira officio da nesna data, dirigido da mes-
ma cidade a S. Etc., disse o juiz de direito Jos
r-ehppe de Souia Leo. qae o cholera-noibus
eslava lazendo estragos na populaco daquelle
termo, tendo accemmeiiido do dia 22 do corren-
te ao da data de sen officio cieco pessoas, daa
quaes duas haviam succambido e uma ficava en
estado do oo escapar. Diese mais que torada
cidade diversas pessoas lioham sido atacadas be-
nignamente, e pedio que S. Exc. mandasse para
a referida cidade um medico com uma ambulan-
cia provida dos remedios necesasrioa para o ira-
amento das pessoaa niseraveia : e coacluio di-
zeodo que is promover ana aubacrip^aa para ler
meios de moolar um hospital, e soecorrer s
pessoas desvalidas que orem accorameuidas pela
epidemia, e que julgava caaveniente que o me-
dico fosM prevenido de meios pecuniarios para
occorrer a alguna daapeu extraordinaria, pon-
derando que os enterramentos dos cadveres
toroavs-te diipeodioso por ser feito looge da ci-
dade.
Dr. Galdino Ferrera Gomes.
Fraocisco Gomes Csstellie.
Manoel Lopes Machado.
Augusto Pater Cesar.
Jos lleunque da Silva.
Dr: p.O Autrao da Mala Albuquerque (conse-
Fraocisco Cavalcsnti de Albvqeerqae Lins.
Manoel Juvencio de Saboia.
Geraldo Heariqae de Mira. *
Jos Thoma Pirea Machado Porlella.
Jos lzidero Pereira dos Rea.
Francisco de Paula Borges cboa.
Jos Florencio de Olveira e Silva.
Fraocisco Antonio das Chafas.
Manoel llomo de Carvalho.
Antooio Goufalves de Moraas.
Joo Jos de Azevedo Saolos.
Dr. Joaqun Fraocisco de Miranda.
Coronel Antooio Pedro de S Brrelo.
Dr. Miguel Joaquim de Castro Mascarenhas.
Jos Francisco de Souza Los.
Luiz de Franca Leile.
Joaquim Francisco de Albuquerque Santiago.
Joao Luiz Vctor Lieuthier.
Dr. Tarquioio Braulio de Souza Amarantho.
Dr. Jos Raymuodo da Costa Meuezes.
Jofto Chrisostimo de Albuquerque.
Jos Ignacio de Abreu Lima (general.)
Jos Aolooio Bastos.
Coronel Jos Carlos Teiieira.
Jos Francisco Pires (teuonle-coronel )
Joo Fraociaco Pardelbas.
Francisco de Souza Kego Monteiro.
Claudino Beoicio Machado (najor.)
Antonio Pereira da Caara Lina.
Manoel Jos Baptista.
Dr. Jos Leandro de Godoy e Vaaqoocelloa.
Dr. Basilisno Correia Passoa de Mello.
Francisco Igoacio de Medeiros.
Manoel lzidoio de liveira Lobo.
Fraocisco Meodes da Silva.
Rkfajvuco da polica.(Extracto das par-
tes de 27 e 8 de margo.)
Foram recoildoi casa de deteocao no dia 26
do mesmo :
A' orden do subdelegado de Santo Antooio
Jos, preto, de idade de 36 anuos, escravo de
Jos Feliciano, por briga.
A' orden do da Boa-vista Jos, pardo, de 18
anuos de idade, sapateiro, escravo de Arislides
Dantas Porlella, por ser encontrado fra de
horas.
A' ordem do dos Afogados Amaro, prelo, de 40
anuos de idade, marinbeiro, escravo de Jos
Francisco de Barros, por fgido.
Dia 27.
A' ordem do lllm. Sr. Dr. chee de polica Jo-
s Martina Pereira, pardo, de 22 anuos de idade,
boleeiro, por briga ; Ignacio Fraociaco de Amo-
rim. branco, agricultor, de 37 anuos; e Antooio
Francisco Sobral, leubem branco, de 20 annoa,
fogueletro, ambos para recrulas.
A' ordem do suodelegido do Recite Josephs,
Africana, de 50 annoa de idade, coziobeira, es-
crava de Miranda, por embriaguez e iasultos.
A' orden do de Santo Autonlo, Belizario Go-
mes do Carmo, menor de 11 aonos, fumleiro,
por suspeitas de ser escravo, sendo encontrado
fra d horas ; Canute Jos de Souza, preto, de
faunos, csnoeiro, por desorden ; Jovinieoo
Patriarcba de Gusmao, pardo, de 20 aoaoe, ca-
noeiro, por se oppor uma prisao ; Aotonio
ftoinguas Vaqueiro, branco, de 21 anuos de
idade, coebeiro, por disturbios ; e Jos Francis-
co, preto, de 00 anoos, escravo de um Rosado,
por ser eocunlrado depois do recolher.
A* ordem uo de S. Jos, Msnoel Goocalves de
Oueiro* Albuquerque, branco, de 19 anos, cai-
xeiro, por insultos.
O chefe da 2'secgio,
J. G. de iletquita.
. Passageiros do -vapor nacional Uyapock,
vindo do Para e portos intermedios :Jos d
Carvalho Paes de Andrade, Eduardo Flix. An-
tonio dos Saolos, Jos Francisco da Silva Sobri-
nho, Jos Rajmuodo da Costa Valerio, Francis-
co Rodrigues dos Santos, Antonio Jos da Silva
Fraocisco Correia da Silva, Joo Goocalves Fer-
rera, Justino Manoel Ramos, Manoel Francisco
Botelho e 2 escravos, Antooio Correia da Silva,
Antonio M. Ferreira Juoior, Aotonio Ferreira d
Alcntara, Manoel Pacheco de Andrade. Raphael
Archanjo Gatvo e 1 criado.
Seguem para o sul.
Feliciano Antonio da Rocha, Antonio Martina
Ferreira, Jos Segundo de Campos, Los Alves,
Seraftro Tavares Nogueira, Jos Luiz Valverde,
l.uiz Igoacio Felisardo Forte,Abel Francisco Cor-
reia Leal, Joaquim Torqueto Pinheiroda Cmara,
Francisco Antonio Ferasndes e 1 criado, 53 pre-
ces 1 desertor e 14 escravo.
Movimento da enfermara da casa de de-
tengao do dio 28 de marco de 1862.
Tiveram alta da enfermara :
Lourenco de liveira Jardira.
Francisco Antonio da Costa.
Eloy (escravo de Pedro de Oliveira Coelho.)
Jos Aotonio Viegas por ter seguido para o hos-
pital dos Srs. Ramos e Seve.
Teve baixa para enfermara.
Luiz Perasndo de Frangaparotide.
Matadouro publico.
Mataram-se para o consnnmo desta cidade no
dia 28 de marco, 68 reies.
aoRTAMOAnE oo oa 28 de marco :
Antonia, Pero a mhuco, 9 dias, Santo Antonio:
espasmo.
Augusto, Peroambuco, 28 snoos, solteiro, escra-
vo, Santo Antonio; cholera.
Aodr Francisco de (Lima, Pernambuco, 42 an-
uos, solteiro, S Jos typho.
Jos, Pernambuco, 9 mezes, Recite ; enierile.
Miguel, Peroambuco, 2 mezes, S. Jos : exeu-
ihene.
Calharioa, frica, 50 aonos, solteira,escrava Boa-
Viata; hydropesia.
Marcelina, Pernambuco, 7 aonos, parda, exposta,
Afogados; cholera.
Joo Baptista Barbosa Uunior. Peroambuco, 25
aoaos, casado, pardo, Boa-Vista ; cholera.
.am baje 29 de narco.
- jespaoholaMara Lionerascarne.
* tagiM ^Bt4wna|r4i<|Bd--carvao.
Barca logleaHerniooe-ayiazeodas.
B.rea iaaeee-OM.d--&zendaa.
Barca francezaAmaidem.
Correspondencias.
Srs. redactore*. Como assiguantedo seu acre-
dilado jornal laio sempre na Revista Diaria al-
gumas linhas que mandan inserir pessoas que se
mostram amante do bem publico oa defensor dos
lugares de suas habliacoes, oeste caso seja-me
licito publicar o que ha occorri lo em meia duzia
de eageahoa da ribeira do Aseripe, qoe sao: Pin-
dobinha Diamante, Agaiar, Improviso, Mussupi-
nboe Mussupe, os quaes pertencen a freguezia
da S. Lourenco da Malla, terne do Recife, que
por aeren mais iocantilados tem por sorte vive-
rem mais esquecidos do bem e des soccorros p-
blicos, o chalara tem ceifado por aqui na de 30
40 victimas entre livres e esersvos, do dia 8 do
correte para c, e quando ae suppde j ter pas-
sado ella reapparece, de domiogo 23 al terga-
feira 25, morreran 15 no engenbo Diamante, 2
no Aguiar. e 7 esa Mussepinho legua e meia, do
primeiro ao ultimo, o tente coronel Francisco
Pereira de Arruda Cunara, perdeu at esta data
7 captivos, no engenho Mussupe, o Sr. Joo Luis
Caalcanli senbor do engeoho improviso, perdeu
uma escrave, e o Sr. Francisco Havier Soares de
Albuquerque Juoior, lavrador do Aguiar 3, este
homem taa sido nartyr do cholera, a ponto de
flear reduzido a miseria ( e apa elle ostros mui-
l0.,) alguos escravoa que lhe reata oo ebegra
a iodemniaar aos cradores, causada mesma pela
cholera da 1856, breve aataro sos alta e a m-
Ujwr, ana digna aeohora rica ata virtudes, mi
consoladora da 9 tliboa menores.
A fon* e a miseria ten sido a canas nator da
notto da alguna iafelizes, o lugar rsesme um
Pohco critico Qsiui etiigtei do primeiro o al-'
O Sr. Maooal de Araujo, en Muasupiohe, nio
tendo sida muita atacado, aaaaas algans ases da
cholera* em passoaa da (aamilia, tiaaa-ae dad,
e tem um eaaravo da sua eefitiaaca que raparse
remedios e manlimentos todos os dias coa aquel-
leaaeaa neradures, aae aeffrem do nal, e en
proporgo todos os mais praprietarios oa confor-
midade de suas possesses.
Por aqui ludo val bem en quanlo a autoridades
neate segundo e terctlro districto, nao temos Sub-
delegado, nem inspectores e nem juizes de pac, e
que lalve por esta causa ao leona o qae noti-
ciar-lhe em quaoto a desorden gracas a boa
vootade doa povoa a a boa harmona dos pro-
pietarios.
Sirvam-se seoberes redactores inserir em sea
eooceituado joraak estas tortuosas liabas, e lor-
oaret ae me conseotir quando estiverem limpas
aa minhas rogas e nao liver o que fazer e tiver o
que comer para
O posttinao da roca.
fubiiCdiyes a pediao.
Discurso proferido ao dia 24 de marco
de 4862, pelo lllm. Sr. Dr. Jos Soa-
res de Azevedo, oa Cesta da iuaugu-
racao offieial e solemne doImpe-
rial lustiluto d Bom Cooselho,
amigo collegio de Nossa Seohora do
Bom Conselho, propriedade do Sr.
Dr. Joaquim Barbosa Lima.
Os mais poderosos ageotes de progresso e de
riqueza oa ordem pbysica, sao o vapor e a elec-
tricidade: na ordem moral, sao os incentivse
as honras. Se o homem de vootade, disposto s
grandes emprezas, depois de haer meditado o
plano, reunido os' msterises, chamado os opera-
ros, distribuido os trsbalbos, comecado a obra
por entre espinhos, so principio tmido e in-
certo, depois com mais atento e mais esperance,
d ah com augmento de torga e a vista cravada
n uma aurora prxima de feliz e completo xito,
oao v em pouco a mo do alto deixar-lhe calar
oa cabeca algumas folhas de verbena, ou os para
bens dos contemporneos iocendiarem-lhe o es-
pirito que va, aquella vootade decidida aroxa,
aquella esperance viva desfallece, aquella erapre-
za atrevida morre.
Mas, quando o governo inlelligenle de um es-
tado sabe o valem estmulos para fomentar estu-
do. o que valem distioeces para acorocoar traba-
lho, e quantos tructos de boogo produz a actvi-
dade em bom camtnho, ento a zona dos melhu-
ramentos alarga-se Inifinida, o campo das ten-
tativas ostenta-se prodigioso, e para lodos ha lu-
gar, e para todos ha conforto, na magnifluica of-
licina a que chamado o eogenbo. E' o que se
ve felizmente no Brasil, aonde, ao sopro benfico
d'am governo Ilustrado, as scieocias em suas di-
versas applicsQdes, as arles em seas diversos pro-
cesaos, camioham a par, e appresenlam j resul-
tados superiores aos que eratn de esperar u'um
paiz que apenas conla 40 annos de emancips;o
poltica. Sao as estradas de Ierro que comecam a
cobrir o territorio de oossas principaes provin-
cias ; a abertura de canaes que comecam a por
em commuoicago muilos dos ros do imperio, e
que assim abrem ao commercio interno do Brasil
uma late de riqueza inexgctavel: sao aa iosti-
luices especiaes de industria agrcola, plantadas
sob o patrimonio dosoberaoo; sao aa combioa-
soes raciooaes de estado oas faculdades e, acade-
mias do imperio, d'oode vo sabiado, como de
utets viveiros os eogenbas que teem de honrar a
admioislrac.ao publica e de fszends, os magistra-
dos que ho de prover justica e a seguraoca
publica, os horneas qae bao de dirigir a nosaa
manara, os que se bao de encarregar dos traba-
lhos civis e mililares do estado, os que devem
responder pela publica anude, e oa numerosos
membros das proflsses arlisucaa ;sao Qoal-
mente os estabelecimeotus Iliterarios e de educa-
gao, que por toda a parle mantfeslam a t le do
saber, e o flesejo de tornar rico e prospero este
paiz da formse Allaoiids, que Alvares Gabral
denunciara ao mundo amigo.
foi um desses Dafejos do governo, em sua so-
licitude pela usirucgo publica, um desses gra-
ciosos sorrisos do monarcha, primeiro cultor das
letras patrias, que acaba de cooverler o anligo
collegio em que nos acharaos em Imperial Insti-
tuto de Nossa Senhora do Bom Conselho. Este
signal de adheso que vem de lo alio, esla com
peusacao lisongeira a tantos sscrilicios, oo ser
um orvalho benigno eahido em Ierra estril. Ser
antes um poderoso incitamento ao anordo eusi-
ao, que far multiplicar os recursos, esforcar o
animo e oQammar a abnegagao do Sr. Dr*. Joa-
quim.Barbosa Lima, para continuar a desenvol-
ver o esteoso desenhoqueba comecado a por em
pralica, com o Um de amanhar o terreno iotellec-
tual das vocaces, e formar o corsco e o espiri-
to da mocidaue que lhe confiada, segundo as
vistas e aa necessidaaea do aaculo em que vi-
vemos. ,
Possam as suas generosas deligeocias ser co-
rdadas do mais feliz resultado, debaixo do augus-
to patrocinio que ora se impem a este Insti-
tuto.
A lostrucgo offieial tende hoje toda a redazir
o eusino publico a um aystema luminoso, carac-
lerisado pela uoidade de um grande pensamenio,
que prepare as intelligenciaa em flor, e aa venha
a tornar robustas e vlidas para aa funeces posi-
tivas da vids social. Eos collegios e iostituicoes
particulares vao fazeodo o importante servico de
sjudar o goveroo nesle nobre empeaho, e de
mostrar praticameole s familias anciosas a sua
incootestavel supenoridade sobre o amigo sysle-
na que, desde a idade media, havia doninado o
ensino ata o seculo actual.
A tes la desta reforma tse acha o Imperial Ins-
tituto de Nossa Senhora do Bom Conselho. Os
professores desta essa, modestos cooperadores do
Sr. Dr. Barbosa Lima no arar do terreno que elle
cultiva, fellcitaaj-no sinceramente, e a si mesmos
se coogratnlam, pelo transcendente motivo de
semelbanle solemoidade, oa qual to bella parle
cabe a cada um ; e esperam que o novo estimulo
que a munificencia imperial veio dar-lhes nao
ser de certo infructfero para os destinos do Ins-
tituto, nem deslembredo d'ora em duele pelos
que vieren depois da nos e se oceuparen com
ioteresse da eduesgo publica do paiz.
timo destes eogeohos, dista trea leguas, e ai va.
zea procura-ae ana caa de larinba e nao se acha
pelos pobres, s en easa doa prepciaaarkis.
O tenante coronel Arruda sendo o mais funda-
do, con tudo ten una pesada familia, a veadaa
sua fabrica quaai toda accommettida, un mortos, zaai
e oulros morrendo, nao teodo na occaaiu piUMf'TMlera ffaoceza-Grand-Cond-idem
habilitada que o a]ud.sse, ella mesmo e seus fl- Brigue porUigatt^RelamoaVo -.vario. *.
Ihos eran osaoferaaaaaos, aain asno n fal- ^Imiiiria^a, g *'
rpar^X^eJ^aSis'. Kf. nS^tSi'K ?T>-. *-
manl^ 5S^i""fi! 0deMv.ccD.,e
u^?3 ^rco> 45 cm" queijos. 200 i-
Sfci.TE'. ?2"em.ieQd,,,e''g0,,o: Tidr0'-
ifl csixss fszendas de algodio, de lia e seda
xoupa, booels, chapees de Mira, florea srtifl-
claes, calcado, etc., 15 barris e M meios maotei-
ga ; a geva Pilboa 6 C ei
g'gos batatas, 6i caixaa fszendas de algo-
d ^ chsles de dito, mussulinas, pannos.chapeos
para homem e senhora, papel, etc. : a E. A
Burle c C
8 canas trastes e marmrea ; a E. P. WiUon
1 dita velas ; a H. Dumonl & C-
22 ditas papel, couros eovernizados e mercia-
na, 1 embrulho amostras; a Prente Viaona
& L.
p 'i75*"^8 e 25 inei08 manlei* Jobonstoa
iaJ5-L"!.8 e l fard0 fendas de algodo. de
w, chales, peitos de camisa, colerinhos, grava-
n PtfnSih icellD 1 embruihn amostras -r
l !*, ,^M-. ? odio, etc. 50
gigos batatas, 1 cana ameiai. 4 barris cognac.
Sembralhos e 1 carxa amostras ; s SchaheUlio
28 baixas e t fsrdo fszeoda de linho, de algo-
do, de dito e la, da dita e algodo, de sedare
algodao, paonoa, chapeos para homem e senho-
ra roupa, florea artiiiciaes. chales de seda e al-
godo. etc. 9 eaixas sabio, 1 embrulho amos-
tras ; a Joao Keller & C.
16 caixaa Utas de seda, fszendas de lis, lencos
de algodao, bonets, couros, etc., 1 embrulho
amostras ; a Kaikman Irs. & C.
33 calas e 7 fardos fazendas de algodio, de
las sede, edita e algodio, esmisas, chapeos de
pa na, de seda para homem e senhora, flores ar-
ttciaes calgade, couroa preparados ; a F. Sau-
3 caixas balsamo tranquillo, drogas e obras de
flaodres ; a Joo da Silva Prla.
* caixas calcado ; a J. P. Arantes.
1 dita livros ; a J. A. Morara Das & C.
Paria &F.lnoP.61, "" fm M"el F" de
2 daa chapeos; s Caucaos* & B.
7 ditss e 1 fardo chapeos, couros, botdes, etc.;
Qhrisiiaoi Irs. '
5 caixas e 3 fardos tinta verde, vidros, papel.
ele 2 caixas chapaos ; a B. Fraocisco de Souza.
1 cana balangss, livros. etc.; s L. Margot.
calas galoes e marroqutoa para carros ; a
GoogaUes Malveira.
1 dita perfuara e tuertearla ; a Cmara &
Outraaraea.
10 caixaa velas. 3 ditas livros, miudezas, papel
eobjeetca da escripto; a Almeids Goocalvas
2 caixas fazendas de algodio; a FtMonhard
& L.
22 ditaa faiendas, toacas de seda, chapeos de
tetiro. de laa, de merm, etc., vidros. cidos,
drogas roupas, etc., 1 cana amostras ; a H.
Adour C
15 barris e 50 meios maoteigs, l a Isidoro Halliday C P F '
1 barrica cognac ; a Buessard Millouchs.
8 caixas c ryataes, escoras e perfumariaj; a
Uenter Barroso. '
8 caixas quioquilharia, papel, aldoetes. Cha-
les, etc ; o HeuriqueA Aieveoo.
1 caixa mercadura; a I- L. Boagard;
18 ditaa papel, merciaria, couros ; a Alvea
U ti
10 ditas papel ; a J. Marcelliao da Rosa.
1 caixa couros eovernizadaa ; a Maiheos Ro-
drigues.
7 ditas e 5 barricas fajeadas de algodao, ins-
trumentos, perfumarla, estovas de denles, bar-
ras, chapeos de feltro, de las, espoletas, pregos.
etc ; a Monteiro Lopes 4 C.
1 embrulho anoatraa; a Antonio Jos Paria
Juoior.
20 barra e 30 meioa maoteige; a P. A. de
Finho ; e man 10 caixas roedicamenlof, chic-
les couros, formas de oo, crystaes. cylindros de
vidro. velaa, etc. ; a F. A. de Pinho.
iC*1,48papel pat* c'8rros, ether sulfrico
papel para flores e productos chymicos ; a E. d
Cunha Medeiros.
15 caixas fszends de algodo, chapeos psrs ho-
memi ditos de palha, de feltro e seda, alflnetes,
espelhos, boloes, missaogss, couros envernisados
etc.. s Ferreira 4 Araujo.
25 barris e 50 neios manteiga : a Tasso &. r-
meos.
Dupr0>iCSXCS 'iDh0>, dUa' P8DD0' 5 Ran,0S'
7 caixas e 5 barricas vidros, medicamentos
charopes, gomma lacre, oca encarnada ; a Caors
\ Barbosa.
3 caixas couros envernisados, boloes, etc. ; a
Rabe Schametteau AC. '
2 ditas papel para cigarros, caiiimbos, bolsar.
fumo para cigarros, etc. ; a J 8. dos Reis.
1 cala porcelana; a Fragoso & Vare.
4 caixas fazendas de algodo, carnizas, Kvro.
trastes ; a Luiz A. Siqueira. *
9 caixas porcelanas, marroqurns, perfumera
boloes de metal, agua deColoois, earles vasies!
pentes de chifre ; a Vz & Leal
7 fardos fazendas de algodio, 10 caixaa porce-
lana, 1 dita amosiraa ; a Nicolao O Bieber &C
11 caixas e 4 fardos fazendas de las, linho e al-
godo, 1 caxa e t embrulhoa amostras ; a C. J.
Astley C.
1 caixa papel ; a Santos l C.
5 barris e 10 meios manteiga ; 3 ditos e 2 cai-
xas velas, couros, papel, luvas, flores, calcado ; a
A. Roberl &Fiihoa.
1 barril vioho, 28 caixaa alneles, agolhas,
chitas, papel, ootes, calcado, couros, marceara,
seda en flo' lunetas, chapeos, perfumara ; a
Mello Lobo & C.
5caixas productos cbimicos, perfumara, papel
para cigarros, e objecto3 diversos; a Manoel
ai C.
Vapor nacional Oyapock, vindo do norte, ma-
nifeslou o seguinte:
1 caixa charutos, 1 barrica mostarda, 3 i
fazendas ;.a Scbafheitlin & C.
GOMffittftt:i4
Praca do Recife 28 de
martjode 1862.
iVs quatro Uorus da larde.
Coiaees Ja jaita de cor reto res.
Cambios.
Sobre Londres90 djv. 25 Si.4 d. por ly.
Sobre s Baha15 o/ ao par.
Descont de letra's.
10, el2 0i0aoaooo.
J. da Cruz Maeedopresidente.
John Gatissecretario.
SOVOltNCO
. DE
PERNAiUBIJCO*
O novo banco paga o 8' dividendo de
12,? por ac^ao.
412:145*318
15.9169607
428 061|025
endiment da dia 1 a 27.
Idtta da dia 26. .
Movlneemto ala m___
Velames entrados com fazendas
> ora geaeroa..
Vdlanes sabidos sen faiendas..
ora cenaros..
770
^r- 377
15 ssecos alfazema ; a Andr M. d'Arruda.
3 fardos e 1 caixa chapeos do Cbili; a Aransga
Hijo & C.
30 saceos arroz, 25 barricas sebo ; a ordem.
2 cumies ignora-se; a Ignacio F. da Silva.
1 embrulho idem ; a Kalkmaon Irmao.
1 caixa idem ; a Clemente A. Lima Juoior.
1 dita dita ; ao major F. C. P. Lscerda.
Brigue sueco 7W(on, viudo de Tiume, consig-
nado a N. O. Bieber & C, manifesiou o se-
guinte :
150 remos, 36 calas papel, 1 pacote amostras
de dito, 2,334 barricas farinha de trigo: aos con-
signatarios.
100 cuohetes de ac; a Rabe Scbameltau &C.
Exporta vito
Do da 26 oe marco.
Barca ingleza Flyng Fish, para Liverpool, car-
regaram :
Sourhsll Mellors &C, 24saceos com 112 arro-
bas e 24 libraa de "Igodao.
Patacho ioglez t7ndine, para reeoock, carre-
garam :
Klabbe Thom 4 C. 1.600 saceos con 8,000 ar-
robas de assucar.
Barca fraoceza S. Esprit, para Marseille, car-
regaram :
Tisset freres, 1,000 saceos con 5.000 arrobas
de assucar.
Patacho holl ta, carrpgaram :
Kaikmann Irmo & C. 190 saceos com L03*
arrobas de algo lo.
Barca portugueza Silencio, pira o Porto, carre-
gar m :
l.uo'ifbas"6'" **""' W C0UtC" dereru,con
Aotonio Luiz da Andrade,170 neios de ala.
. M,,4n^AF''r^er da S11* Tarroso. 300 saccea
com 1,500 arrobas de assucar.
Brigue nacional rtto, par, M porioj do Blo
da Prata, carregaram :
Am1Lim lra>>", 50 barricas a 100 harriquiobid
com 368 arrobas e 8 libraa de a atusar.
Barca frincera 5. sVrlf,"iwi Harellle, cir-
1 ~ ~___ *
.


Tisast freces
robas da
Patacho ingl
garam :
Krabb Thom & C.,
baa de aasacar.
Barca pontemMaa^
regaran :< I
liaaoel Ferrelr*d
130 saceos com 600 arro-
eW, erre-* ttelrlfWj,
prelo Jos, que diz ser
do* palhabote Btpadarie,
Francisco Aires
ra Tarroio,
esia da 8aolo Ao-
a recolbido casa
Moma aubdelegacia o
pertencent. tripol.QSo
e ser escravo, por ser
encontrado depoia do loque de recolher. Recife,
accos
eno para Lisboa caire-
veiro, 4*0 saetas osea
-uior, 880 saceos com
4.000 arrobas de asaacar.
Barca nacional Carioca-, para os porto do Rio
1 Prala :
Johaaton Pa(4c
com 2,067 arroba
anecebedot aW oKF fdMi lntM
aieraesj da> Pernambaeo
-
&. 2 barricas e 93 meias
V^Oumite
sus Jnior.
1**
w
lino.
Para
i
Contra lado provincial.
de da la 27. 68 888.777
s> da 2eV.....; 2:4199*32
!
71:3089109
jHiovimeato do porto.
' Vasto entrados no Ha 28.
Liverpool64 das, b.rcs ingiera Rhondda, de
810 loaelaaae, capiao Joho Gallie, eqvipagem
11, carga f.zenda* e ouiroa geoaros ; a-Johas-
ton Pater 4 C.
Hrnburgo87 das, bsrea dinamarqueza Fae-
rtvet Min, S. 990 toneladas, capillo B. P.
Otea*, -sqatiawgem 14, em lastro ; aKaikraan
l G.
Para e portos Intermedios7 das e 23 horas, e
da- Hio porto 11 horas, rapor Dscional
Oj.apock, c.mmaodante 1. teaente Pontea Bi-
beiro.
iwansea48 diss, brigue ioglez Herald, de 188
teo.leda., capitio Callechaa, equipagem 9,
carga carvo do podra ; a James Crabtree
o houvesam sabidas. aa.-
Edil
aes.
O lflra. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimenle da ardem do Exm. 3r.
presi lente da provincia de 14 do correte, man-
da fazer publico qe no da 10 de abril prozimo
futuro, pernote a junta da lateada da mesma the-
souraria, se ka de arrematar a quero" por meos
fizer a obra do aterro a fazer-sa oas ras do Sebo
o Trompe, avahada em 5:9729000 ris.
A arremataos* sera feia na forma da le pro-
vincial a. 343 de 15 de maio de 1854, e sob as
clausulas eepeciaes abati copiadas.
As perseas r|o se propozerem a essa arreraa-
jacao comprela >n na sala das aeasdes da referida
tuota, no dia cima mencionado, pelo meto dia e
competentemente habilitados.
E para conatar se mandou afiliar o presente o
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambaeo 18 de margo de 1862.
secretario,
A. F. da Anounciagao.
Clausulas especi ses, psra a erremalar-ao.
Io O arrematante dar principio as obras
quioze diss depoia de lhe ser entregue o respec-
tivo tero)o do contracto, e conclu laa-ha no
prazo de tres mezas; seguindo -se na falta de
qaslquer destas condicoes o que acerca dellas
disoe o capitulo 3o da lei provincial n. 286.
2#O arrematante obrtgado a seguir recta-
mente na eiecofo da obra a plaUa orcimeulo
approvado, assun como a cumprir instrietamente
as iostruccoes do eogenheiro incumbido da ins-
peceo da obra.
3O arrematante fica sugeito a observar em
toda sua plenitude as obrigacoes que lhe sao im-
postas no capitulo 3 da lei provincial o. 286.
4*O pagamento ser feito em tres preslaces
iguaea correspondeos cada urna a terca parte da
obra total e quando essa terga parle esttver aca-
bada.
5oO arrematante nao ter direito a reclama-
gao algasia, tendente a io-iemnis-cao, qualquer
que aeja a nalureza das allegages em que ae
fundar para tal Um.
Conforme, o secretario,
A. F. da Asnonciseao.
O lllaa. Sr. inspector ds thesouraria pro-
vincial, em cumprimento da ordem do Etna. Sr.
presidente da provincia de 14 do correte, man-
da fazer publico que no dia 18 de junho proslmo
futuro, pernote a junta da fazeoda da mesma tbe-
sourans, se ha de arrematar, a qs.m por menos
lizer a obra do calc/mento a fazer-se oas ras do
Sebo e Trompe, avahada a braga quadrada de
empedrameoto pelo systema Mac-Adam em 30$
e de caigamento de pedras irregulares em ris
168000. .
A arrematarlo ser feits na forma da lei pro-
vincial a. 343 de 15 de maio de 1854, e as Clau-
sulas especiaos abaixo copiadas.
As pessoes que se propozerem a mesma arre-
matngo comparegaro na sala das sessesda refe-
rida junta, do dia cima mencionado, pelo meio
dia, competentemente habilitadas.
E para constar se randou afiliar o presente e
publicar pp lo i Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
oamouco, 18 de margo de 1862.
O aecretario,
A. P. da AoouociagSo.
Clausulas espacises para a arremataco.
I.*O arrematante dar principio obra logo
que for para eaae lira avisado pela directora daa
obras publicas e a coocluir oo prasode seis me-
zes contados da data do aviso.
2.*O arrematante obrigado a seguir eiata-
mate na eiecagao da obra, a planta e orgamento
approvados, assim como a cumprir restrictamen
te as instrueges do eogeobeiro incumbido da
lDspeccao da obra.
3.*O arrematante fica sugeito a observsr em
toda aua pleoitude as obrigacea que lbe alo im-
postes no capitulo 3 da lei provincial n. 286.
4.*O pagamento aera feito por prestagoes
mensaes conforme o numero de brsgss promptas,
oso sendo, porm, um numero loferior a sexta
psrte da obra total.
5.aO arrematante nao lera direito a reclama-
gao alguma tendente a indemnisago, qualquer
que seja a natureza das allegagoesem que se fun-
dar para tal um.
Conforme.
A. F. da Annuociago.
O lllm. Sr inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que a arreaaalago do
imposto do 10 0)0 sobre os terrenos oceupados
com o planto do caxim de planta fui transferido
para o da 10 de abril prximo viadouro.
B para constar se mandou afiliar o presente e
publicar peto Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 28 de margo ae 1862.O aecretario,
A. d'Anounciaco.
KMe Janeiro,
a barca aaoianal cAmelia pretende seguir com
muita brevidade, tem parte da aeu carregamento
o bardo ; para o rosto que lbe falta, trata-so
com os seus consignatarios Antonio Laiz de 011-
veira Aievedo V C, oo aeu eecriptorio, ra da
ruz o. 1.
Para Lisboa.
At o alo 2 de abril pretenda seguir paro Lis-
boa o veieiio e bem conheciao brlguo nacional
Eugenia, de primaira marcha a primeira clas-
se, s recebe alguma carga miada e paisageiroi
para os quaes tem excellenies commodos : tro-
ta-se coa os seus coosigoatarios Antonio L.iz
da Oliveira Aievedo & c., no son oscnplotio ra
da Cruz n. 1.
Para o Porto.
A barca portagueza Silencio, capitio Fran-
cisco Martina de Carvalho, pretendo sabir com to-
da a bravidade ; quem na mesma quizar carregar
oa ir de passagem, dirlja-seao consignatario Ma-
ooel Ferreira da Silva Tarroso, na ra de Apollo
numero 28.
eciara>-0*.
Correio.
Pels administracao do correio desta cldade so
fas publico que hoja (29) petaa 3 boras da Urda
eoa panto aera* fechad a malas qao deve cno-
dazir aspar brasilesra Oyapoek, chegaio hon-
tem dos portos do norte, a com destino aos do sul.
Pela coDledotia da cmara moaieiMal do
Becifase faz pualico que- o prazo marcado para
o pagamento do imposta ae eslabrlecimentos
Sods-ae so ultimo do correnta mez, e aquellea
fue nao pagarem dentro do prazo marcado Besas
aujeitos a respectiva multa.
Contadura muntcipsl do Recife 27 de margo
de 186}.O contador, Joaqun Tarares Rod-
valho.
Teodo a directora das obras militares de
nsodsr faaer atguas cocenos no qasrtel ds com-
paohtade uttca e ums casa para banhoa das
pravasi do asame fo.,ui; a asn como da man-
^a5nfc2*,a' 'Umadtos do qnartel
4o 9< aalalnaa, aaoviii* as pesaoas que uestes
ssWfigasijS> ajpaiMm incumbir, a apresaatirem
aasprat>ostaanwdias27, t8 e 20 0> CWiaote,
O" a 1 da Urde na dHa djrw-
do
daa 9 horas
toris.
. fcntaaaa aaaaataa asiiitarea d, ft-n-jabuno
9da) sjja^d1aafi,-^asu^1?ra
Joio Mooteiro de *
COMPAKHU PERNAIBUCANA
DI
JNavegacao costeira a vapor
Parahiba. Rio Grande do Norte, Macau
do Assu', Aracaty ,Cear e Acaracu'
O vapor lguaratt, commsodsnte Vianna,
sshir para os portos do norte de sua escala at
o Acaracu do dia 29 do corrate mez s 5 horas
da tarde.
Recebe carga at o dia 28 ao meio dia. Eocom-
mandas, passageiros o diubeiro a frote at o dia
Bhida as 2 horas : esetiptorio no Forte do
As n. 1.
Tara Lisboa e Porto.
Pretende seguir para os dous portos cima
com meita bravidade o velairo e bem coohecido
brigue nacional Eegenia, capito Manoel Eze-
quiel Miguis, de primeira cUsse e primeira mar-
cha, pregado a forrado de cobre, tem parto da
seu carragamento prompto : para o resto que
lhe falta, trata-ae com os seus consignatarios
Antonio Lniz de Oliveira Aievedo & C, no seu
escriptorio, rus da Cruz o. 1.
Rio de Janeiro
Pretende seguir com muita bravidade o velei-
ro brigue nacional Veloz, tem parte de seu
carregamento prompto psra o resto qne lhe falta
trata ae com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo& C-. oo seu escriptorio rus
da Cruz n. 1.
Baha,
0 hiato Santa Rita, aegue em poneos das, re-
cebe alguma carga a frete : trata ae com os con-
signatarios Marques, Barros & C, largo do Cur-
po Santo d. 6.
Rio de Janeiro
pretendp seguir com muils brevidade o brigue
escuna aJoven Arthur, tem parte de aeu carre-
gamento prompto : para o resto que lhe falta,
trata-se com os seus consignatsrios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
da Cruz n. 1.
Para Lisboa
Se acba proposto o bem coohecido brigue por-
tuguez Relmpago. Tem a maior parte da
carga engajada e para o restante e passageiros a
quem offerece boas aceommodages e trata-se
com o consignatario Thnmaz de Aquino Fonseca
na ra do a. 19, primeiro andar.
M&
sy
Rio de Janeiro
O bem coohecido o veleiro brigue nacional
Almirante pretende seguir com muita brevida-
de, tem a bordo parte de seu carregamento ; para
o resto que lhe falta, trata-se com os seus con-
ignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, do seu escriptorio ra da Cruzn. 1.
Para a Babia
A veleira e bem conhecida aacuna nacional
Carlota pretende seguir.com muita brevida-
de, tem pane de aeu carregamento prompto : pa-
ra o resto que lhe falta, trata-se com os seus
consigoaUrioa Antooio Laiz da Ovetra Azevedo
& C no aeu escriptorio ra da Cruz o. f.
^ark em direitnra,
Sahe brevemente o bem coohecido o veleiro
brigue escuna Graciosa, capitio Joao Jos de
Souza, por ter parte do aeu carregamento contra-
tado : para o resto trata-ae com oa consignata-
rios Almeida Gomes. Al ves & C, ra da Cruz nu-
mero 27.
(CffiffllPMlIIJi
DAS-
Messagenes imperiales.
No dia 81 do correte esvert-ee daa sortea do
sul o vapor fraocez JVavsrrf, oommasdante F.
Vedal, o qual depois da demora do costme se-
guir para Bardeaux toeeeide aaa S. Vieeou
(eade ha-am vapor em correapondeoaia com
Gore) e Lisboa.
.A coae*e*rt encarrega-sa desaaararas mes
asdorias embarcadaa a bordo dos vapores, sasica
asmo tambero recebe diabjairo a objectas de va-
lor com destino a Loodrea em transito por Bor-
de ux o Boulogoe.
Para as eoodigoe, (rata a seessgens a tratar
m agencia ra ee f rapices n. 9.
Imprestioo marUimo
'P. N. G. Schmidt, eapirjrf do brrgm hambur-
Geort Bnrio*, vlado ds CataaRa
Lciie.
LEILO
DE
(AVARUiK).)
A V do corrente.
P. N. C. SckttStdt, capHo do brigue hattbor-
Rsez Georg Heinrich (consignatarios N. O.
BieberAC-saceoseotes), fsr leilo "procedida ^^^t^l^f^S^Vt^*^'^*'
a competente autorisago do lllm. Sr. Inspector U, .23 ,Q con0ucra : na roa das Cru-
da slfaodega, em presenga do um empregsdo -
desta repanigo para o effeito nomeado o do Sr. l\Ua da Rotla II. 6.
vico-coosul da Hamburgo, par sonta e risco de Precisa-se alegar um areto awa iM
quem perteocer e por iaterve.gto do agente Oli- ae, paga-se bem. PW* *"' Mf,l "lef-
veira, de cerca 350 saceos com arroz avariado, r% ^ _
7Z^^T!^1^Si Procissao do-Seahor Bom
cM?U^^??'aM* Je8"8 08 Pobre3 Afflctos
em S. Gootjalo.
do correte, s 10 hora, da manhaa em pasto ^^SS^TlS^i0 *"rio Jrmandada do
(tendo o ageste de seguir logo apos a ostro lei- f*"B,^r *"/",u d" Dores em S. Gongslo, de
lio) no armazem alfaodegado do bario do Uvra- "* ft"."**"ld? 8 ,od" ,rm*0. P
ment, no caos d'Apollo. comparecorem no domingo 30 do correste. pelas
2 horas da tarde em ponto, aflm de acompanha-
rem a mencionada prorisslo que tem de percorrer
aaroas seguintes:S. Gongalo.ras dsGlons.straz
ds matriz, praga, becco de Veris, rus Velha
pateo da Ssnta Cruz, Rossrt, ra da Ceoceigo!
Hospicio s voltar pela ruc Formoza, Aurora W
frente a ra Nova, Cabug. roa larga do Rosario
a voltar pola pracinba em frente a roa do Livra-
mento.rua da Penha em frent a voltar pela tra-
vessa de S. Pedro, pateo do Csrnro, cambos, ra
dss Flores, emdirecgo ao aterro da Boa-Vista
Arago, voltando ao pateo da Santa Cruz em*
a recolher-se.
Joo Manoel Lino da Rocha.
LILAO
A 31 do corrente.
P. N. C. Schmeidl, capillo do brigua bambur-
guez Georg Heinrich (consignatarios N. O. Bia-
ber & a ssccessoresj fsr lello precedida a com- .
pelete autorisaglo do lllm. Sr. iospector da al- !"?"
fandega, em preaenga da um empregado desta re-
pariicao para o effeito nomeado, e do Sr. vice-
cnsul de Hamburgo, per coala e risco de quem
perteocer e sor inurveogo do agente Oliveira,
de cerca 3,000 libraa de forro de cobre ou
metal velho, extrahido do dito brigue para oc-
correr aoa gastos por oecssio de seu actual re-
paro neste porto, onde srribou com agua aberte
na recente viagam que fazia procedente o*e Cal-
cuta com dealino a Hamburgo :
Seguuda-feira 31
do correte ao mel dia em ponto, no armazem
alfandegadodo barao do Livramento, no caes de
Apollo.
Avisos dhrersos.
Os Srs. asignantes des-
te Diario que esto em debito
da subscripto queiram man-
dar satisfaze-las at o ultimo
do mez, para lhe nao ser sus
pensa a entrega ou remessa
da foiha no 1* do mez de abril.
Grande laboratorio de la-
vagem.
Os donos dos nmeros abaixo mencionados
podem mandar buscar as roupas que esto pro ti-
pias : 87, 271. 228, 210. 245, 327, 184. 225. 231,
198. 137, 195.266. 335, 130. 172. 155, 350, 288
173 316. 331, 35f, 16. 241, 86, 163, 44.46, 183,
O Dr. Joaquim de Aquino
Fonseca esta' residindo por al-
guns das na ra da Aurora n.
74, e pode ser ah consultado
das 6 as 9 horas da manhaa, e,
em casos urgentes, das o as 5 da
tarde.
F.STlfOIS
liOTlKl
As rodas da sexta parle da primeira
lotera a beneficio do Gymnasio Per-
nambucano andarao impreterivelmente
no dia quinta-eira 10 de abril / proxi
mo, no consistoi io da igreja de N. S.
do Rosario de Santo Antonio pelas 8
horas da manhas. Os premios de
4:000$ at os de 8/jf serao pagos nesse
raesmo dia da extracc3o de urna hora
da tarde por diante, e os outros no dia
segrate logo que se tenha feito a dis-
tribuidlo das listas. Os btlhetes e meios
bilhetes achnm-se a venda na thesoura-
ria das loteras ra do Crespo n. 15 e
as casas commissionadas do costume
at a yespera da extracrSo as 10 boras
da noite, e no dia somente na respecti-
va thesouraria at o momento de an-
darem as rodas.

O theSOUreirO, Cinco Pona.........
Antonio Jos Rodrigues de Souza Afogados................
Furto de cabra no dia 26 para 27 do prazeres66'
corrente.
Fortarsm da porta da taberna n. 45 da rna da
Espe ranga su Camin o Novo, urna cabra de leite
(bicho) com duas criss, fllhas da mesas cabra,
6 esbraoquigada, fio do lombo preto com chifres,
tem 3 peiios, orna fllha da mesma cor, a outra
preta com malhas brancas e brincos nsturses:
prm-sta-se a todo o lempo contra quem a tiver,
e sen dono grstiflea a quem o levar a mesma
toja.
Preciss-se de ura csixeiro para urna taber-
na na Paasagem, com pouca prstica ou sam l,
de ida ie de 12 a 14 annos, preferindo-se dos
chegados ltimamente do Porto: a tratar oa ra
do Arago n. 36. ESTAQUES
Traspassa se
a leja de miudezaa da ra da Cadeia do Becifo o.
5, com todos aa mercadorias existentes ou sera tiamellerca...
ellas: quem a pretender, dirije-se a mesma ra Rvbeirbo.....
O. 16, loja ds Fonseca & Silva. Aripiti......
Antonio Joaquim Das Medronho, retiran- fj
do-ae para a Europa, deixa como seus procara- Escurra.........
dores aos Sea. Graealiaoo Octavio da Cruz Martina Timb Ass.....
em primeiro lugar, Augullo Caora em segundo, '
o Joo Barroso de Csrvalho em terceiro.
Fscravo fgido.
No dia SI do correte fuglo o preto de. nome
Jos, do sitio Cajueiro, boje Hospital Porluguez,
levou veatido caiga escura e camisa baaaca, esta-
tura regular, desdentado aa frente, e cor preta :
quemo pegar levs-o ao meimo sitio, casa n. 3*
que sari recompesaado.
Pelo juizo da z^vara civaL eacrivao IIotte,
se ha de arrematar par *sada o dominio directo
dos terrenos em que asaentam as casas oa, 1. 6 8 '
12, 16 tO, ai, 24 e 16 sitas na ra das Cruies da
freguazia de Santo- Asime, caja praga teri lu-
gar no da 29 do correte aifec -de margo, depoia
da audiencia, conforma o eacripto e edital que
se acba na avo da aatteito, par ezecugso de Ua-
osel Ribeire fiaatea contra o coronel lenlo Jos
Umenha Lias.
Que tive urna sacra va Oal ^u, qa,,, ,iu.
ar para o sersice da sus, dUija^, r-a 4, ?
m D, 14, primeiro andar.
Ha
as
l?
gund. feirs, fl-de sorreot. ^ m uelo "^^r^^,^ ^'^
aoucaaiHliapar..a.ioar lalim. HigaSM-
J"U!JfL"m "o dlstsnle desta pri^f%-
S V^^l^****' ***** M Qrteis n.
10. <|M achat com quem tfaUr,
n.7*ta1frl",.l"Da i'1!^"* /criptorlo ea ra-
EfTi*2L-t "" WW segundo an-
^n! Va1 Mdss.-da mesmo.
1. ?'" fr80,,lodecl" ta praga, porm ae alguam.aaxular mu uaitor
'ZTVtS3 -0n'a ^p"ode3dias paTstr
gama : oa ra b tiv^amento n. i%.
A.._ Aotonlo de Paira Ferreira.
tiJ ato irC,8*r de nm t,1xeir9 1P 'em pra-
^Lu ^* e d onhecWetito de sus
%!:d,r^-'
rre com duss sa-
wz^rjmpfcsn&
{fM quarlo, cozohs fra. copiar, bom qoio-
1*1 com aftofedt'Sf, por 16P0 mensses a tia-
far no mesmo lugrja taberna do Canees.
Bdlfl ^dlald / W. juii de paz dol* d(s-
ei? d* "'gueiia da Boa-'isla, fe de Ir a pra-
ga per renda, por execugo de aUgttsl Teixeira
da Coste coolr Francisco Luiz dasitva os bens
eguiotes : um sof com sssnlo de palinha, ds
amarello. doua cooslos da mesma madefra, e
seis cadiras lambem de amarillo : a audiencia
$ as 9 horas.
The aanual meetrog o Brilish Reaidents in
aecordanee witb lee Act. 6 Geo. IV cap 87 will
be bald al Ibia office en Tbursday neit ihe2nd.
instaot al Noon for lhe Blactioo of Irsstees of
toe Brilish Episcopal Church, Hospital, and Ce-
mstery and for the Daapatch of tbe Baaloess re-
latiog to Ihsse EstablisbmenU.
Brilish, consolis,
Peroambuco, marn 97 lhe 1661.
G. Lennon Huot.
H. B M. coosul.
Precisarse de orna ama para esgommat e
lazarillo para duas pessoss ;qum quizer diri-
ja-sea ras da Imperador n. 37, armazem de
leudes.
Precisa-se de uma ama
deleite, paga-se muito bem:
oa ra da Aurora o. 50.
P<> asases .
rgS*ade.B|Ov

im&.
m
rsa,- par. am mmi^ tOttt^fi'
mazem, premetts em pregar toda srlfffd.d e
dessmpenUo. ds seu,; a ^ssea-^Hto
s qoizr filmar. diSfa-ae a ru, ffara'S J55
Mita n. 4. os ar,BOTtcje por ia foIn/s ** a*
M ITtWBM.
ro7..AWWri A'T" U** reta-e P". a Eu-
- Nelarge da AsseisMea n/t&'asMas se ah.
um bom conoheiro ; tsmbrm oa asee. .'/! **
dss de um moleqe para conduzT^XS.*''"
ister o mala serrirjo de cars, ta*lra
q-Z*^""** "*ed0,a 0i iraandadb ff, c da
Soledade erecta no- hlvmmente. eoosida
aeoacharissimos irmaoa psra no aomin* ff*
correlo, pels. hora, da larde. comSeJSeJ
osquell.doo.utorfo.8-m de eocorpor"Sos^a
psoh.r a procissao do ft.Dhor Bom *eiuS SaTrT
res. que tem lu.ar naqwli, dia. ?S aij"
Francisco Jos de Almeida,
Secretario.
rr.T P M B?Ue *e correte mes e#*
f J0rno".e ,^". d il.de 30 anona tT
lo secco. rosto descarnado e .rea. de barte
cabega rapada com navalha. pernea "oas es^
Preci.a-.edeuma'."m7rp.r. todo servigo de doV.'b.^M^
o. barba afonV^ JSo^.SSK
V

O professor de msica Franciae
o Libanio Golas, teodo de retirar-
se no prximo vspor com sua fa-
milia para a provincia do Mara-
shao, e nao podeodo ir peaaoal-
mant. deapedir-se de todo, os
aeu. amigos, o faz por meiodeste
jornal, offerecendo-lhes e seu di-
minuto presumo n'aquella pro-
viucia, protestando desde j a asa
eterna gratido como peobor das.
inequvocas proras de amissde*
com que sempre foi trstado por
tao distioctos cavslheiros. Oulro
sim, juiga nada dever a esta pra-
ga. Entretanto, se slgoem bouver
que se jwlgue seu credor. haja de
o procurar em casa de sus resi-
dencia ra de Santa Isabel, n.
11, para ser satiafeito.
e
Ama de leite.
Precisa-se de uma.ama de leisi forra sera cria :
a tratar na loja de chapeos do Maia Irmos, ao
arco de Santo Antonio.
Aenca a lirincadeira.
0 abaixo assignado pede aos Srs. passagrijos
4o tr.m de volu do caminho de Gameleira, qaie
saltaram oa Escada.eque compraram diversos g-
neros de comida na taberna do mesmo abaixo
assignado, hsjam de ir pagar para nao terem o
di.aabor de Terem.os aeus nomes publicados por
esta folh*. pois derem-se lembrar que na
mesma4slsgao ae gabaram do que fizeram.
Uinbelioo BtDdeira de Helio.
Engomma-se maia barato dnque em oujlra
qualquer parle : do Pnrinho da Paoella n 23.
ATTENgO.
O abaixo assignado faz scieole a seos credd
que no prazo !e tres dias hajam da aprsenla ,.
auas comas em seu deposito no pateo do-Caimo
n. 43, para serem pagas em transacglo de le
que lem assigoadis por occ.siao de venda
mesmo estabelecimento. Recife 27 de marge
1862.Francisco Cesario Braoco.
AMA.
Precisa-se de uma ama para o servigo de i
casa de uma moga solleira, que saiba comp-ar,
cozinhar e eogommar: oa ra das Laraoaeire 9 o
5, 1" andar
Si lia para alugar.
Aluga-se um sitio com grande casa, cocheira,
estribarla, etc.: no lugsr dos Remedios defrnn-
t da igreja'; timbeni se aluga o terceiro andar
tar casa da ra da Odeia do Recife B. 4: a
da o armazem do mesmo.
urna casa de familia : na ra da Lingoela a. 1
Attenijao
A ageoeia commercial entre a Eseada e a Re-
cife Onda os sens trabslhos no dia 31 do correte,
em virtnde da falta de concurrentes e do gra.de
prejuizo, qus no espsgo de sm .nao tem tido.
O mesmo ageDte pede desculp. da alguma falla
iovolanlaiia eemmetiida oo desempenho de seas
deveres, sssim como pedo encarecidamente acuel-
les seohores, que por ves, lhe coa&arana multas
e graodes eomma. em dinheiro, se alguma vez
acharam qualquer dilereoga em cousa que ser-
vase de desabono a elle agente, najara de o de-
clarar pela, folhaa msis publicas, do que lhes n-
csr summameole grato. Essada, 26 de marco
de 1862.
O agole
Bernardo da Silva Cardozo.
Antonio Ferreira Lima avisa ao respeilavel
poblico, que deizou de ser sen caixeiro, desde 27
do correte mez, o Sr. Antonio Jos Borges.
Um mogo suf&cientemenle habilitado para
escrever em qualquer estabelecimento ou escrip-
torio se offerece para isto, mediante o prego coo-
vencionado : a tratar ua rus Formosa, n. 1,
das 4 boras da tarde al s 6.
Vende-se ums morada de casa terrea em
chaos proprios, sita no pateo do Carmo n. 87 de-
fronte do portao de Santa Thereza : a tratar na
ra Nova n. 18.
MONTEPO POPULAR PERNAM-
BUCANO.
De ordem do conselhn administrativo scientifl-
co aos Srs. socios effeclivos que em sesso de 5
do corrente fol concedido o praz a corttr des-
sa data ao ultimo de maio prximo para aquel-
los que estiverem em atrazo pagarem seus d-
bitos 4 caixa. Assim, pois, sao convidados os
que se acharem nesl.s circumstancias, e que
nao possam ser encontrados pelo cobrsdor ou ir
ca do thesoureiro, a comparecer tf cass das
sessoes, onde se reunir o prelilo consefto todas
as quietas feirss noit*.
Secretaria do Monte-Pio Popular Peroambuca-
oo, 27 de margo de 1862.
Io secretario,
Benjamn do Carmo Lopes.
reita sem una e meio groa.o. cor ful cilmatot
t.m costme d. onde qer que chegue de dS3
que ferro : recemmenda-se a quem o pegar om
o lave ...a MDbor oa ro, do l# labe^f *
que aera bem recompensado. *
i.rh.Ceb6'8e r0Bf,a pa" ,4T8r eogommar,
lambem para eogommar someote, por prsoa>
muito mdicos, mandando se bn.c.rVm3
em cas. de seus donos : quem precisar deasa 5-
:sr Bo-"s,-ru5 d-..
Desappareeeu hootem por volta das 11 ho-
ras do dis iodo compras, um menino de nome
Faustino, braoco. cabellos louroa. natural de pro-
vincia da Parahiba. o qual bastante ladino
multo s.dio: qoem o pegar ou delle liver noti-
cia dignando-ae levar roa Augusta n. 6 itar-
ae-ha alguma gralifleagao. *
Oescrivao do commercio Manoel d* Car-
valho P.ea de Andr.de. deseja que o senhor da
taberna do becco do asligo porto das canoas do
Recife declare qual o negocio de sea inters**
oomodizems.u aonuncio estsmpado no Bada*
quarta columna, da quart pagina deste uiarie no
da 28 do corrente.
aseo cincho Cgpo g YAgfciCft
VcYtiamftucatta.
Doroino 30 do correte, s 10 horas da ma-
u h,'er seo extraordinaria do conse-
ino director.
n.'m'1"'*^!! Asiocico Typographica Per-
narabucana 17 de margo de 1862.
Juvpdco Cesar,
. 1* aecretario.
o Mi Vo i,SuJrihJ Lobo ,unor {,t Publicofaue
o bllhete o 747 da 6." parte da 1/ lotria embe-
neficio do Gymnasio Pernambucano (3. conces-
sao) lhe perteoce.
Joaquim Gongalvea Torrea da Costa reti-
ra-se para fra do imperio, levando em sua
companhiadous fllhos de menor idade.
~!iAnUgl"e orimpiro "dar d" sobrarlo da
ra os l enha n.29 : quem o pretender dirija se
ao visinho loja de aurrador.
ras
do
de
ma
ra-
Deposito de chapeos de sol de seda
das fabricas franceza e ingleza.
VendHm-se era porco e a retalho.
.. Ll31&!*tT. e8(ube'ec'menl<>. ote vi.gem Eoropa. honrado com a eooBso-
g do, pnme.ros fabnc.nt.s dsslea gneros, v.m edssretar so publico os productos daqoellss fa-
bricas, e por prego, nunca vistos nesta praga. como consta oa tabella abaixo aa,*u'"""
Chapeos de sol de seda francezes de 20 e 24 polleaadas oor Jnknn
i dem idem idem de 26 ditas...................... v ......... S52.
dem idem dem de S8 dita.........................*............... LES
dem ilemidem inglezes de 26 ditss........................... RjMion
dem idem idem de 28 dltss................ ................. oSion
dem idem idom de 30 dita............................'..... uShn
PRECOS F1XS................ ^^
e em porco de 1 dnzia para cima,,
15 por cento de descont,
ESTRADA DE JPEHBO DO EC1FE A 8. FRANCISCO-
Abertura da 3a. sec<3o.
Com a partida dos treos e os precos das passageas sero regalados pela tabella seguinte.
Ilha
Villa do Cabo............
Ip0|ncs.................\
Olmda.........4.......[
Timb6 Aas...^...,..,
Eseada...................
Frezeias...............
Afipib............i.....
Ribeirao.................
Gamell^ira...............
Oliada
IpojUCB..................
Villa do Cabo............
Hhs......................
frazeres.................
Boa-Viagem.............
Afogados...............
tinco Portas............
PwEyws e i;ii tu 11 s
Viageiu de Ida e volta
200 r.
5m)
600 a
191011
19400
1S600
1D00
2&?X)
2^500
2*800
3S0O0 >
3$2l>0
:<-V>0
600 r.
1*8"0
2s()UO
4f000
5*000
5o800
TiOOil ii
7d7C
9000
9500
iOOO
lljOlii o
M-fliiO
CLASSES
~2?
500 rs.
I84I0
13600
320O
4-5l)nO.
-DJK)
ij>800
51CD
5j7mO
6s000
630il
TgiOO
7 .VIO
PRESOS DE BII.III'TES
3."
300 r
8110
90J s
1*700
2l 00
29400
2(900 *
3j>100
3s80n
4>ZOOs.
4*500
4JW00
52o0
Viagem de Ida
700 rs
l7o0
24O0 u
3*300
3|900
4|500
5>OO s
6a000
6300
6g*00
7a> 00 b
7300 a
7#i00
500 rs.
1(200 .
12800
200 b
26()0 b
38000
36oa>.
48000
4o2O0
43500
48700
4j800 b
580UQ
300 rs.
700
laOO
lOiOO
18600
laooo
29100
28*00
23600
3a 100
3J200 >
3jO
Tlagem de ida e volta
-----------S)
CLASSES
1.

19000 rs.
SaSOt
3fa0*>
59OOO *
st'
T>|7r0J m
79evK> OS
9iOO(l >
9-500 a
30iaa. 1U82HO s
109500 a
11*4100
IS500
2.'
700 rs
090
S700
3*300
39900
49500 >
59400 a
09OO
6*200 a
69800 .
700 a
79WO
7*9il0 a
3"
500 rs.
1*000 a
U500
atoe
2*400
2v8ta)
8M0O
3*300
3a900
'49300 a
49500
4981 Ha
59*"0
,,. <,^,flnhn01r,^i?,JCa<,l" a2ue11" em V* ,e^!m P"-*- che' o reos, mas a comoaohia ajo arante que en. |d%a oa casos nosa*
Os bilhetes de ida e volt servem para
cause nesse ultimo eso servem psra tres dias.
Koga-.e encarecidamente aos Srs. passifeiros que Iragam i
as nia v.rem por falta de troco oas eitag8dr oa----:-------:-
lloras, oa 48 qapndo nellai se comprehendem domingos ou dias asnliflcadoa. O* de primis*
stdjmre o dinheiro correspoadenlaao prega da viagem que livsrem de fazer paast
ao Pgulross, sendo como 6 certo qne maia fcil Ibas o trazaram a dUeJmre da
. .ano gillUW UBI HlOyUllI U O COO II ge 0 CI a d fj j 0 SV|
ua tulhete justo, do que as esl*goes terem indeflnidameelo o tro,CO psra tfjr a todos.
rf- JrPA k'"1 E PASSAGEIROS Qa paasageiroa podero transportar graioitameole e sb toa reapoBsaiiilidaaa. baaas.m ds m pesa iafa-
priio ^* 90Ut "M e0f0" P0BiUO d0 en "eato, o om inTOiomnd.r oa demaia viajaotea, -, ul^SSSa &>ZM*n
sgalr nos trens. devero chtr-se nasasfaerjag ao menos 10 minuto*anta, deber marcada.
H Kl 4 nPJ Bllrcaa. O lai^a, seooA 4o qu% JLH .enamai. Whetee.
Oa* al ..aaiabe. r;*:.** a*>ifna4a--r "AH'
.^.asassaol. Sup.rlntend.ole, riteab
objectoa preciosos.
X bagageai a cavalloi que tiverem de sagalr nos
A fV 4t e|tittei ferio rechaM B
avtiv ,*:saO aslu- i
WM2,ad4!Ja8! jio.


DUftiP D* PWHUHMWrt m MMtDO .MMMttt 4 *-
SYSTE HA lEDieO HODELLOWAY
Esto ^mavel e^pecifieo, e^aaeto tateira-
mente de heme medicinaee, nao ceotm mereu-
rio riera argumaoutra substancia Meeteria. Bei
' nigne maistnra infancia, e a coupleicio mas-
delicada, igualmente prompio aseguro per;
desaneigar o nal na compleicjio mais robustas
tetramente innocente em rou operacoes e ef-
feitos; pois busca e remo ve as doanc,as de qual-
quer especie e grao por mais amigas e tenate*
que sejam
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, amitos que ja estavam is portas da
morte, preservando em seu uso eoasegulram
recobrar a saude e forcee, depois de haver tonta
do intilmente todos os outros' remedios.
As mais afflictas nao devementregar-tea dea-
espersc.o; faeam uro competente eosaio das
effieazes effeitos desta assombrosa medicina, o
prestos recuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca lempo em tomar esto remedio
Aara qualquer das seguales enfermidades:

ccidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areias ( mal de).
Asthma.
Clicas.
Convulsoes.
DabiliJade ou extena-
Sao.
DebUidade ou falta de
forjas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Oor de garganta.
de barriga.
nos rios.
Dureza no ventre.
nfermidade no ventre.
Ditas no figado.
Ditos venreas.
Enchaqueta.
Herysipela.
Pebre biliosa.
Febreto da especie.
Gotto.
Hemorrhoidas,
Hydro pesia.
Ictericia.
Indigestos.
Infla mmagdes.
Irregularidades de
rjfenstruacjSo.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis,
Abstrucc,o do ventre.
Phtysica ou consump-
c,o pulmonar.
Reteneo de onrina
Rheumalismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
Febre intermitente.
Vendara- se estas pilulas no estabelecimento
geral de Londres n. 224, Strand, enaloja
de todos os boticarios droguista e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do Sal, Havana e Hespanba.
Vendem-se as bocetinhas a' 800 rs., cada
urna dolas conten urna instruccao em portu-
gus para explicar o modo de se usar destas pi-
lulas.
O deposito giaal em casa do Sr. Soura
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambuco.
Ama de leile.
Preciaa-so de urna mulber em fllho para ama-
mentor urna crianca de doua mezes, paga-ae bem;
a tratar na praca do Cerpo Santo n. 19.
Preci$a-se de urna ama forra ou
captiva que cosinhe e engcmme para
urna pequea familia : Da ra da Cruz
n. 45, armazem.
Quem tiver para alugar urna es-
crava que seja fiel que cosinhe" e en-
gomme para urna pequea familia, di-
rija-se a ra da Cruz n. 45, armazem.
REMEDIO INCOMPARIVEL
UNGENTO HOLLOWAY
Milhares de individuos de todas as nac5ai
poden testemnnhar as virtudes destaremedio
incomparaveleprovaremcaso necessario,que,
pelo uso que delle fizeram tem seu cerpo a
membrosi n te ira men tesaos depois de ha ver em-
pregado intilmente outrostratamentos. Cada
pessoa poder-se-haconvencer dessascuras ma-
ravilhosas pala I eitura dos peridicos, quelh'ai
relatam todos os dias ha muitos annos; a a
maior parte deltas sao tao sor prndenles qui
admiram os mdicos mais celebres. Quantai
pessoas recobraran com este soberano remedio
o uso de seus bracos a pernas, depois dedar
permanecido longo tempo nos hospitaes.o mi
deviam soffrer a amputado 1 Dallas ha imu-
cas queiavendodeixado asses, asylos depade-
timentos, parase nao submeterem a essa ope-
raco dolorosa foram curadas completamente,
mediante o uso desseprecioso remedio. Al-
gunas das laes pessoa na enfusao de seu reco-
hecimento declararam estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, afim la mais autenticaren! sua a firmativ
Nioguem desesperara do estado desande si
tivesse bastante confianza para encinar esto re-
medio constantementeseguindo algom tempo o
tratamiento que necesstasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provar i ncon testa val man te.
Que ludo cura.
O ungento he ntil, mais partleu
rmente nos seguintes casos.
Alporcas Inammacao dalbexig
Cambrai
Callos.
Ancore i.
Cortaduras
Dores de cabera.
das costas.
dos membros.
Enfermidades da cutis
em garal.
Ditas de anus.
Erup^oes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor oes extremida-
des.
Frieiraa.
Gingivas escaldadas.
Inchacdes.
nflammac,ao do figado.
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmes.
Queimadelas.
Sarna.
Supurares ptridas.
Tinha, em qualquer
parta que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulares.
Veas torcidas ou no-
das as pernas..
Vende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, c Strand, e na loj
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana a Heapanha.
Vende-se a 800 rs cada cetinha conten
urna nstruoeio em pemgaez para explicar o
modo de fazer uso desto ungento.
0 deposito geral ^ em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na ra de Cruz n. 22, en
Pernambuco.
Precisa-se
Oe iffl eotioheiro e ama cosinheira livre ou
cecearos, tambem precisa-se alegar um eacravo
idoio para servicos de casa e ra: no deposito
** lafcaratorio de lsvlgem no paleo do Carmo
junto a casa de baohor.
Aiud ae prectoa de um criado de 12 a 14
boos, que aeja fiel, para compris, etc., de eaaa
Ce pouca lamilla : quera astim ealiver habilita-
do, dinje-se a roa de S. Pranciieo, sobradon. 8.
O abaixo assignado declara que Joio Ramos
da Cruz delxoo de aer aeu caizeiro deade o da
25 de marca de 1662.Gaita v Bouiset.
*- Precisa se de em caizeiro de 10 a SO annos:
o armazem da roa da Cruz n. 5.
Preciea-ee alugar urna ama para orna ta
de posea familia : a fratar na rae da-Cras o. 21,
primeiro andar. sobrado, amarillo defrente do
iafari.
Gabinete portugoez de
Leilura.
F*
. ul* ordem d0 Illm- & presidente do conselho
deliberativo tao coovidadoa oa enhorca aociot
accionistas a reunirem-ie em seaaao extraordina-
ria da assembla geral para oe fina designados no
5 6 do artigo 34 combinado com o art. SI doe es-
tatuto! ; domingo 30 do correte, aa 11 horaa da
raantiaa, na sala da aeisoei do meamo Gabinete.
Secretaria do Gabinete Portugus de Liitura em
Fernambuco 24 de marco de 1863.
M. Soares Plohairo.
1. secretario,
Furtiram do sitio Amboi, proprtedade doa
herdeiroa de fallecido Jos Liborio oa freguesia
4a Varsea em poltro rodado sem nada, leudo
oo lado direito um ferro, e no eiquerdo doua, 4
manao, alada nao tem andares, penas passo, e
galopa besa, tem ligaal encoeetto ; fui furtado ao
amaohecer do da 24 de mirgo correle: quem
o pegar, leve-o ao indicado sitio que ser recom-
pensado, ou ao reverendo Damaao d'Assampeo
Pires, oa mensa Varzea, a quem eertence dito
poltro.
CONSULTORIO ESPECIAL HOlEttAJHICO
do nouTon
n SABINO 0.L. PINHO.
Huade Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
ConaoiUaa todos os diss atis desde aa 10 horaa
at meio da, aceres dss seguales molestias :
nolutias da muhtrtt, moUttiat da$ crian-
te, molutiat da ptllt, moittliai dot olhot,mo-
Uttias lyphilitxcat,todat s ttptcitt de ftbrtt,
ftbrtt inltrmtUnttt s tuai eonttqutneiat,
PBABJUCU BSFICUL HOMOr ATHICA .
Verdadeiros medicamentos homeopsthicos pra-
farados som todas aa cautela oeceaaarias. n-
alliveia em seas effeitos, tanto em tintura,eomo
mglobuloa, pelos prejos maia commodos pos-
iveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino ao
anicamente vendidos em saa pharnacia ; todos
que o forem (ora della a o falsas.
Todas as carteiras ao acompanhadas do in
impresso eom um emblems em relevo, tendo ao
reopr as segaintss pslsvrss : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico braaileiro. Bate emblema poato
Igualmente aa liata dos medicamentos que se pe-
de. As carteiras que nao levaremesseimpresso
aasim marcado,emborstenbam natampa o no-
e do Dr. Sabino eio falsos
Norat Irmos, pe-
dem aos seus devedorea que se no prazo de oto
dias nSo tiverem saldado suas contaa, aerao
perseguidos por meios judiciaes.
No dia 29 do correte, depoia da audiencia
do Dr. juiz municipal da segunda vara, que ter
lugar ama hora da tarde, tem de ir em praci a
eacrava crioula de oome Isabel, de idade de 33
annos, avaliada por 900*. por execucSo de Ig-
oacio Barroso de Helio, contra D. Vicencia Fer-
reirs d'Albuquerque Nascimento.
No ela 29 do correte, depoia da audiencia
do Dr. juiz muoicipal da segunda vara, que ter
lugar urna hora da tarde, tem de ir praca a
eacrava Vieeocia, crioula, com 40 annos de ida-
de, de servico domestico, avahada por 6000000,
por ezecu;o do Dr, Augusto Caroelro Monteiro
da Silva Santos, contra D. Britea Mara da Con-
ceiQao tobo e outros.
Aluga-ae urna casa na Paaaagsmda Magda-
lena junto a ponte grande, com 2 salsa, 6 quar-
toa, aoto e cozinha fra, quintal lodo murado,
e ptimo banbo no fundo : aa peasoas que pre-
teuderem dirijam-ae a ra Direita u. 3.
Estando vencidos os foros das casas os. 22
e 24 da roa doa Poiaoa, e bem assim do terreoo
da ra Imperial entre aa casaa ns. 259 e 261 da
mesma rus, e igooraodo-se a respectiva morada
doi donos, rogase aos meamos de irem receber
no sobrado da ra do Caca o. 1, que segu da
casa de deleocao ra Imperial.
Precisa-se de urna ama para caaa de pouca
familia : na travesa do Livramento n. 18, se-
gundo sndar.
J. D. de Souza Mello volta Parahiba.
Precisa-ae alugar um moleque que airva pa-
ra recados, compras, e outros servicos de urna
casa de lamilla, paga-se bem agradando : a tra-
tar na ra da Aurora o. 80, segundo andar.
Precisa-se do urna ams para o aervico in-
terno de urna caaa de pouca familia: a tratar na
ra da Praia, taberna o. 43.
Estrada de ferro doRecife ao
S. Francisco.
A abertura da 3.Baecc8o aonunciada para o dia
25 do correte, fica tranaferida at entro aviao. A
partida doa treoa oa !. e 2." aeccao cootiouarao
aa horas do costme.
Precisa-ae de um caizeiro para taberoa de
idade de 15 a 16 ancos a fallaa na ra da San-
zalla Velha n. 48.
Para casa estrangeira.
Precisa-se de urna ama forra ou eacrava que
eateja prompta a fazer qualquer aervico, e seja
fiel e de bom comportamento paga-ae bem oa
ra do Crespo o. 26 primeiro aodar ou ra do
Crespo o. 2 eacriplorio.
Preclia-ae de um carroceiro na ra dos
Peicadorea padaria o. 1 e 3.
Preciaa-ae de am foroeiro que eotsnda per-
feitamente de seu officio, paga-se bem ; na pada-
ria de Santo Amaro.
Precisa-se arrendar um ailio que .tenha
proporQdes para plantar-se captm e ter-se algu-
nas voceas, preferiodo-ae para aa baodaa dos
Alegados ou outro lugar que nao date maito
desia cidade : oarua da Cadeia do Recite n. 50,
loja.
A abaixo assigoada moradora na ra da
Santa Croz n. 4, viuva de Joo Sergio Cazar de
Andrade Mello, declara ao respeitavel publico
que, alm da aoouociaote, nioguem mais da fa-
milia de seu finado marido sabe o remedio con-
tra a hydrophobia empregado pelo dito seu fal-
lecido marido sempre com feliz resultado. As-
sim, poia, quem precisar curar-se deste terrivel
mal e quizer aproveitar-se desse remedio, que
sempre esteve em segredo durante s vids de seu
marido, e a foi revelado a anouociaote, pode
procura-la em caaa de sua reaideocia oode con-
seguir salvar-ae deata borrivel moleatia. Re-
cite 22 fie marco de 1862.
Maria Juliana Lopes de Miranda.
fnroi
Ofierece-se um Portuguez para aer feilor de
qualquer um sitio, e di fiador a sua boa conduc-
s : a procurar oa roa do Arago o. 36.
Aluga-se um ailio oa Poote de Ucbda de-
fronte do Ceg : a tratar na ra larga do Roaario
numero 10.
Preciaa-ae de um criado para o arrvico bai-
zo ; na ra da Aurora o. 50.
Saca-se aobre Llaboa e Porto, oa ra do
Vigario o. 9, primeiro andar, eacriplorio de Car-
valho, Nogueira & C
A padaria do leo do norte da ra do Coto-
vello precisa de um bom trabalhador de mas-
seira.
Aluga-se um sobrsdo com mellos boos
commodos, freico, a por prego razoavel: a Ira-
lar com Higino Jos de Miranda oa ra da Praia.
Bernardo de Cerqueira Caatro Monteiro vai
ao Rio de Janeiro e deixa por aeoa procuradores,
em 1. logar sua mulber Rosa Antunes de 011-
veira Monteiro, em i." aeu socio Cuatodio Anto-
nio Soares, em 3.* Jos Joaquim Teixeira.
mm- o%

Casa de saude
NA
Passagem da Magdalena pro
priedade do Dr. Ignacio
Firmo Xavier.
Neste estabelecimento recebe-se doentes de
ambos os sexos e de diversas cathegras, em-
pregando-se tambem a homeopathia no trata-
mente w
PRECOS DAS
. Eacravos
2'ordem
Ia ordem
A tratar com o Dr. Firmo a roa nova de San-
Rita n. 7 aobrado de um andar confronte pa-
ra a ribelra do peize oa no seu estabelecimeoto.
Aluga-se o segundo sndar na ra ds an-
Mlla Velba a tratar oa loja do meamo d, 48.
ARIAS.
IfSOO
2J000
3f000
Para as provincias de Pernambuco, Parahiba, Rio
Gsande do Norte, Cear e Alagoas, a saber:
Pottaiafaa de porta, con tendo o kalendario, pocas geraet, nacfonaes, dias
de galla, tabella de salvas, noticiis planetarias, eclipses, partida
de crrelos, audiencias, e resumo de chronologia, a ris ,
Dita com almanak, contendo o kalendario; poca, noticia/ planetaria,
partida do correio, tabella de impodto, etc. etc. e o almanak
ceril, judiciario, administrativo, agrcola, commercial, e indu-
trial, desta provincia, a rea......, l#O00
AGITADO BYPJAHICO
no D0UT0R
smus i. ra.
Para a preparact dos medica-
mentas hameopathicos.
Os medicamentos preparados por esta machina
slo os nicos, com que se podem contar no cu-
rativo daa molestias perigoaai. E como seja o
CHOLERA MORBUS ama d'aquellaa que nao
admitiera deloogas e experiencia, cumpre pre-
ferir esses medicamentos a outroa quaesquer, se
quizersm tirar da homeopathia oa vantajosos re-
sultados que ella asaegura.
Acham-ae a venda carteiras o meias'carteiraa
especiaes contra o cholera, acompanbadas das
arma iwims^u
DA
para ategar em

Olind.
Traapaasa-se o arrendamento da casa de um
andar no principio da ra de S. Bento em Olfo-
da, com boos com modo pasa urna familia, e por
preco maito commodo : a tratar com Manoel Al-
rea Guerra, na ra do Trapiche n. 14.
Alinelo
Joao Antonio Coelho, sangrador e dentista, avi-
sa a todos os sea frsguezes e so respeitsvel pu-
blico, qae aa mudou da ra eitreito do Rosario
competentes inatrucedes, pelos precos conbeci-1 Pari a do Imperador o. 69, aonde pode aer pro-
ma curado para aangrar, tirar denles, ou limpar e
calcar os mesmos, para applicar ventosai e bi-
cbaa, tudo com perfeicio edelicadeza, e tambem
ae alugam e vendem-se exceilentea bichas de
Hamburgo, as melhore que ha no mercado.
Precisa-se de urna ama para coiinhar e com-
prar: oa ra do Imperador, o. 37, aeguodo an-
dar, entrada i direita.
doa, na pharmacia tsptcial homiopathica,
de Santo Amaro (Mundo Novo) o. 6.
N; B. Oa horneo de bom seoao reconbecem
certamente que sendo o Dr. Sabino a fon te pura,
d'onde eraanou a homeopathia em Pernambuco
e em todo o norte, elle o nico immediata-
mente intereisado no seu crdito e no seu pro-
gresao, e por conseguiote tao somante oelle
que se pode encontrar garanliaa, quer em rela-
cao 4 applicaco da ciencia oo curativo daa mo-
lestias, quer em relaco i preparacao dos me-
dicrnoslos.
Na pharmacia do Dr. Sabino trabalham cons-
tantemente debaixo de auas viataa immediataa,
noa lempos ordinarios, dous empregadoa [um
braaileiro e outro francez quem paga ordena-
do vantajosoa), oa quaessao ajudido por maia
trea ou cinco pessoas, quando o aarvi(o o exige,
oa deilillaco do espirito de vinho e d'agua, oo
manejo das machina, na deaecaco doa glbu-
los, os distribuiclo daa dilulcoea etc., etc.
E' evideote que para o Dr. Sabino exercer a
homeopatbis, como geralmente a exercem, e
preparar medicamento como por ahi preparara,
oem eram precisas tantas despeiss com o pes-
sosl, com machioas e com a obteosao das subs-
tancias as msis parss possiveis, e oem taota vi-
gilancia e trabalho oa preparacao doa medica-
mento ; maa elle nao ae contenta com o bem,
que j tem feilo, dando homeopathia a popa-
laridade de que goza: elle quer eleva-la ao
maior grao de perfeicao dando aoa seos remedios
a maior iofallibilidade poasivel em seus effeitos
0 Dr. jabino nao aspira aomente os gozos ma-
teriaes da vida; elle ae desvanece em ler nos li-
vroa estraogeiroe que a sua propaganda emPer-
nambnco\foi too brilhante que nao Um na Eu-
ropa ntnhnma analoga (JORNAL DE MEDICI-
NA HOMEOPATHICA DE PARS, tomo 4.% pa-
rna 691 ; e CONFERENCIAS SOBRE A HOME0-
ATHIA, por Granier, pagina 102); maa a aua
ambicio muito mais elevada ; ella se dirige a
legar aa geraedes futuras um nome estimavel
pela gravidade e importancia doa aeua servicos,
pela ainceridade de auas cooviccoes, e pela fir-
meza do seu carcter.E' por isso, e para isio
que elle trabalha ; e trabalba muito...
15/000.
Aluga-se um sitio pequeo com casa de viven-
de e cacimba de agua de beber, tendo a casa 3
quillas, 1 soto, 2 salas, cozinha fora e eoplar
por 159 meosaes, em Santo Amaro, ailio em qae
mataram o frade.
6/000.
Aluga-se em Santo Amaro, caminbo do Cam-
po Grande, urna caaa conteodo 1 sala, 2 quartos,
1 pequeo quintal, e com agua de beber, por 6)
-
Gabinete medico cirurgico.
8 Ra das Florn. 57.
Serio dadsaconssltaa medleas-cirirgi-
esa pelo Dr. EttevaoCavalcanti de Albu-
querque da 6 as 10 horaa da manhS a, ac-
cudindo jos chamado com a maior bre-
Svidade possivel.
1'* Partos.
0 2.' Molestia de pella.
3.a dem do olhoe.
4.* dem doa orgos genitaea.
:Praticaritoda eqaalquer operaco em
seu gabinete ou em caaa doa doentes con-
au forme lhes fr maia conveniente.
Na travessa da ra das Gruzes b
2, pjimeiro andar, tingese para todas
as cores com presteza e commodo preco.
Urna cssa estrangeira de pouca familia pre-
cisa de um eosioheiro ou cosinheira forra ou ea-
cravo, comtanto que seja perito no aeu officio: a
tratar na ra do Trapiche o. 36.
Lices de inglez.
Dao-ae de noite no hotel francez ; a tratar na
raa da Cruz n. 1.
Aloga-se os primeiro e segundo andares da
casa o 27oa ruado Amorim : a tratar oa mes-
ma ra o. 46.
*;-
9 Vendem-se botinas de pellica $$
O branca para senhora e ditas de O
setim para dita proprias para
0 casamento : na loja de u rl eg$
^ Jnior Si Martins, ra do Cabu-
# g n. 16. m
Ama.
Precisa-se de ums ama de meia idade para co-
zinbar: oa ra Imperial o. 215 taberoa.
Ama.
Precisa-se de urna .ama que aaiba coziohar
bem : oa ra Nova n. 47.
Tem chegado orna rica peca de msica pa-
ra piano, muito sentimental, intitulada a dor
extrema da oaeao portagueza, offerecida aua
magestade fldeliaima D. Louiz 1. rei de Portu-
gal : vende-se na casa de A. Deloocb, reloeiro,
ra Nova o. 22.
Aluga-ae a loja do aobrado n. 33, sito na
ra da Praia de Santa Rita : a tratar oa ra da
Cadeia o. 62, segando aodar.
Precisa-se fallar ao Sr. Ignacio
Ferreira Mendes Guimares, que mo>
rou na ra da Gonceicao da Boa-Vista :
nesta typpgraphia.
Offerece-ae para caizeiro de taberna um ra
paz que tem pratica, e d& coohecimento de sua
conducta : na roa Direita o. 84.
Aluga-se urna sala com alcova em um pri-
meiro andar na ra da Cadeia do Recife o. 13,
proprio para eacriplorio : a tratar oa meama caaa
Aluga-se urna cass terrea na travesa do*
Suarteis, oult'ora ra de Sao Bom Jess das
rioulas : trata -se oa ra Direita n. 8.
Precisa-se ue urna ama forra para cozinbar
e eogommar: na praca de Pedro n. 37.
Oa abaixo assignadoa fazem sciente ao pu-
blico e eom especialidade ao corpo de commei-
cio deata pra;a, que amlgavelmeole e de com-
mum accordo diisolveram em data do 1. de f-
voreiro prximo passado a aociedade que eotre
os meamos abaixo assignadoa exista na loja le
fasendas sita na rea do Queimdo n. 48 debis)
da Arma -social de Julio & Conrado, fleando fe
data da dieaoluclo cima referida o attivo e pai-
sive ds sobredits sodedsde a cargo de Antonio
Jos Conrado. Recife 21 de marco de 1862.
Julio da Coata Ribelro.
Anlooio Jos Conrado.
Louise Cecile. viuva Latn, retira-so para
a Friosa oro (rea fllho menori.
V Aluga-se um quarto andar com excel- _
leotea commodo: na ra da Cruz n. 53. 2
*- 4M4M
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso,Santos A C. acam e tomam
aques aobre a praca de Liaboa.

8
:
A Y1RGEH DA TAPERA
belissimo romance pelo Dr.
J. C. Lobato.
Chegaram alguns exemplares,
e eatao venda por 29 na loja
da raa Nova o. 11.
s
Honorio Rodrigues Freir segu para o Rio
de Janeiro.
Offerece-ae um bornem sem familia para
fora deata praca para tratar de doentes por ter
lido pralica, ou meamo para enaioar primeiraa
letraa : quem de seu presumo se quizer utilizar,
dirija-se a ra daa Cinco Pontaa n. 93.
Nesta typographia precisa-se fal-
lar ao Sr. Felippe de Santiago.
Est para aiugar-ae o segundo andar do
sobrado n. 193 e casa terrean. 191 da ra Impe
rlal : a tratar na ra da Aarora n. 36.
3

i
O bacharel Witruvio po-
de aer procurado na ra
Nova o. 23, sobrado da es
quina que volta para a
camboad Carmo.
5
*r9a9ri999*99e9s>
Primeiro andar para alugar.
Aluga-ae o primeiro andar do sobrado da pra-
ca da Boa-Vista : a tratar na ra da Imperatriz
n. 46.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife a Sao
Aviso.
A abertura da 3* seceso annunciada para o dia
25 do correte ficou transferida at outro aviso.
A pirtida dos trens na 1* seceo e prego das
passagen cootiouarao como antea da publicacio
da nova tabellaa qual a ter vigor depoia
de aberta a 3 seceo.
AssignadoE. H. Bramab,
Superintendente.
Tende-ae o Io, 2o e 3o tomo das biogra-
phiaa ae alguns poetas e outros horneas illustrer
da provincia de Pernambuco pelo commendados
A. J. e Helio, com bellas poesas, actas, offi-
cio, muitas patentes de capules na guerra dos
Hellandezes, entre as quaea acharao as doa aeua
ascendiotea muitas daa familias, nao s de Per-
nambuco, mai tambem da Parahiba, Rio Grande
do Norte, Babia e Rio de Janeiro, e outros mui-
tos documentos historeos e poltico, nao s
curiosos, mas de grande importancia. Em mo
do autor.
No dia 1* de abril Anda a audiencia do Sr.
juiz municipal da primeira vara, vae a praca por
ter lindado os dias da lei, duas casas terreas no-
vas de pedra e cal, doua viveiros e urna olaria,
que tudo se acha em bom eitado, sitiados ra
de S. Miguel noa Afogados, por execuc.ao de by-
potheca que move Jos Joaquim Lima Bairao,
contra Praociico Jos de Sanl'Anoa e sua mu-
lher, ultima praca.
i Saques sobre Portugal.
O abaizo assignado agente do Banco
Mercantil Poriueose neita cidade, aaca
effectivamenle por todoa os paquetea so-
bre o mesmo Banco para o Porto e Lia-
boa, por qualquer aomma avista e a pra-
zo, podendo logo os saques a prazo serem
descontados no mesmo Banco, na razo
de 4 por canto ao anoo aoa portadores
que assim lbeconvier : naa ras do Cres-
po n. 8ou do Imperador o. 51.
Joaquim di Silva Castro.
fiWCMMKWQN Bifl^gffiBiBeiMiftt
Furtaram em civallo ruco, carnudo, cepa-
do, eom piolas ama relias, cabano, cascos preto,
com urna baixa as cottellaa, ripado, com a cau-
da curta, mancha vermelha no queixo, com urna
piadura na coatella mindlnha qae nunca nascau
cabello, cujo cavallo ferrado nos qusrtos e no
queixo : quem o achar entregue na prensa de
Hanoel Ignacio de Oliveira Lobo, que ser grati-
ficado, ou em Pedra Tapada, no lugar Capella de
8. Vicente a Jos Belarmino de Assumpcio, seu
legitimo dono.
D-se a quaolia de 800 a juros aobre hy-
polbeca em casaa : quem quizer, pode vir ra
do Alecrim n. 4, que ae dir quem d.
Aluga-ae urna eacrava para todo o servico
interno de urna casa, menos coziohar : a tratar
ha ra do Hospicio n. 64.
Na taberna do beceo do amigo poilo daa
canoas 00 Recife, precisa-se fallar a negocio de
seus iotereases, aoa Sra. Leonel de Souza Macha-
do, Manoel de Carvalho Paee de Andrade, de
Igaaraaiu, Joaquim Jos de Carvalho Cabreira, e
Basilio Luiz Coelho.
Attenco.
Urna paaaoa de caa das enligas piohoias ds
roa Nova, ae propeem a vestir aojos para as pro-
eisses com toda a perfeicio e asseio possivel pa-
ra o que j tem v6Sluarioa oovoa promptos a von-
ladf dos preter denles os quaea ae pdem dirigir
ao pateo de Carmo o. 22 que ecbarao com quem
tratar.
mmtim pingo ai be ummu
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
CvArC SBCdlCSMES
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS


De Ricardo kiik
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
r.,,- &m.^ta8^APA^E!fP0-,uTiCA8-EWSPA8TiCA8 obtom-se urna cura radical e in-
axtornas,como do figado, bofes, estomago, baco, rins, ulero, peim, palpiJao de corceo, r-
gaita, olhos, erysipela, rheumat.smo, par.lysia todas as affecSes ervos?, etc., elTiJual-
mente para as differentes especies de tumores, como lobinhos eecro ulas etc.,seit qual foto mu
Umanhoe profundeza por meto da snppuroeao serao radicalmente extirpados.
O uso dellas aconselhado e receiudas por habis e distinctos facultativos, sua effleaia in-
contestavel, e as innmeras curas obdas o fazem merecer e conservar a confianca do publico
qae ja tem a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia a de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, tendo lodo o cuidado
de fazer as necesarias explicaces, se as chapas sao para homem, senhora ou crianca, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, se na cabeca, poscoco, braco coxa, pama, p, ou tronco
ao corpo, deoiarando a cicumferencia e sendo inchaeoes, feridasou ulceras, o molde do seu
tamanho em um pedaco de papel a a declaraco onde exisiem, afim de qae as chapas sejao da
tojmaj da parteafectada e para scrembem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas serao acompanhadas das competentes explicaces e tambem da todos os acces-
orios para a c ollocagio dellas. "
...i,.,*0118!!: *m Kl di8narem hoar" com a sua connan^a, em seu eaariptorio, que
tacharu abertoe todos os das, sem excepeao, das 9 horas da manhaa is da tarde.
119 Ra do Parto ||)
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
ms#
$^MllH3l
s m pers ftWBaco
Para as encommendas ou informajoes dtnjam-se a pharmacia de JosAlexandra Ribeiro
ra do Qbeimado n. 15.
:f3=s=
Especial hOmeopatliico
id ib* smM,
Ra das Cruzes n. 30.
Resta consultorio pode ser procurado o respectivo propietario qualquer hora, havendo
ahi sempre grande sortimeoto dos verdadeiros medicamentos homeopathicos, preparados em Pa-
rs (as tinturas) por Catellan e Weber, oa mais acreditados pharmaceuticos do universo como
preparadores de remedios de homeopathia.
O proprielario deste consultorio nio pretende, todava, que sejam os seus medicamentos
infalliveis, porque nada ha infallivel em tactos humanos; nem tao pouco superiores aos que por
ahi se preconisam, porque certo que o que nos fazemos, outro o pode egulmente fazer tao bom
seno melhor. Mas afianca que nelle nao ha traficancia, e que o servico da preparacao corro
pelo mesmo proprielario, que nao tendo grandes coramercio de carteiras, acha-se suficiente para
satisfazer s necessidades daquella preparadlo.
Neste consultorio acbam-se venda elementos da homeopathia, acommodados intelligencia
de qualquer pessoa ; assim como presta-se gratuitamente o seu propietario, com seus esforcos o
medicamentos, todas as pessoas necessitadas, sem distinc^ao alguma, que o procurem, pois
que o seu maior prazer ser til bumanidade sofiredora.
Consultorio medieocirnrgico
3-U\j A. H\ GLOKW CVSV DO F13ND&03
Consulta por ambos os systemas,
Em consequencia da mudanca para a aua nova residencia, o proprielario deste estabeleci-
mento acaba de fazer ama reforma completa em todos os seus medicamentos.
O desojo que tem de qu edios do seu estabelecimento nao se confundam com os de
nenhum outro, visto o grande e que sempre gozaram e gozam ; o proprielario tem tomado
a precaucao de tbscrever o se todos os rtulos, deveodo ser considerados como falaifica-
dos todos aquelles que forem a .seutadoa sem esta marca, e quando a pessoa que os mandar com-
prar queira ter maior certeza acompanhar urna conta assigoada pelo Dr. Lobo Hosaozo e em pa-
pel marcado com o seu nome.
Outro aim : acaba.de receber de Franca grande porco de lindura de acnito e belladona, re-
medios eatea de summa importancia e cujas propiedades sao tao conhecidas que oa meamos Sr*.
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsos qur em tubos qur em tincturas custarlo a ly o vidro.
O proprielario deste estabelecimento sonancia a seus clientes e amigos que tem commodo
tufficientes para receber alguns escravos de um e outro sezo doentes ou que precisem de alguma
operaco, affiancando que sero tratados com todo o disvelo e promplidao, como aabem todos
aquelles que i tem tldo escravoa na caaa do aoounciante.
A aituacao magnifica da casa, a commodidade dos banhos salgados sao outras tantas vanta-
geos para o prompto restabelecimento dos doentes.
As pessoas que quizerem fallar com o annuociante devem procura-lo de maoha at 11 horaa
e de tarde das 5 em diante, e fora destss horas acbaro em casa pessoa com quem se poderao en-
nder na ra da Gloria o. 3 casa do Fundo. Dr. Lobo Motcozo.
J FERREIRA VILLELA
RETRATISTA
DA
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Boa do Cafoug n. 18, 1.* andar,
entrada pelo pateo da matriz.
Retratos por ambrotypo, por melaiootypo, so-
bre panno encerado,sobre talco, especiaes par
pulceiraa, alQoetea ou caeaoletas. Na mesma
caaa eziate um completo e abundante aortimento
de artefactos francezea e americanoa para a col-
locacao dos retratos. Ha tambem para sata mes-
mo Am cassoletas e delicados aloele de ouro
de lei; relrstos em pbotogrsphia das principaes
personageos da Europa ; atareoacopos e vistas
itereoicopicas, assim como vidros para ambrotyp
chimicaa pbotograpbicaa.
KfiMeneneiceKMttie aeoeaeg
* Dentista deParis.
15Ra Nova15.
Frederico Gautier, cirurgio dentista
fas todas aa opera^oee desua arte a e co-
loca denles artifiejaes, ludo eom -sdeln
rioridade a perfeicao que as pejsoar.aQ
tendidas Iba reconbecem.
Tan agua e pos denuncios, ale.
, amasa CMCaWMOCIHI
*******
s
O Dr. Carolioo Fran-
cisco de Lima Santos,
madou-ae da ra daa
Cruzes para a do Im-
perador, sobrado n.
17, em freote da igre-
ja de S. Francisco, on-
de continua no exercl-
cio de aua profissao de
medico.
:
i
Se ***** ********
Compaihia da estrada de ierra
DO
Recife a Sao Francisco
(LIMITADA.) '
Do dia 31 do correte em diante sera fechada
restarlo da Pontezioha, e a cootar desse da oe
trena nao perarao mais o'aquelle ponto para to-
mar ou deixar psssageiros.
AsiignafloE. H. Bramab,
Superintendente.
Para Europa
Offerece-ae urna francesa para acompanhar al-
ama familia i Europa, mediante rstoaveis con-
l?6es : para informa;5ee, podem dir!fir-se 4 ra
de Saolo Amaro n. 6, casa do Ir. Dr. Sabino.
Precisa-se de ama ama forra en captiva que
cosinhe para casa de homim solieiro na raa Os
Praia n. i.
Precisa-se'de me pveta eaptiva para o aer-
vico de capta* pouca familia : ama do Amo-
rim armazem n. K.


i.
*!*
mp*
jjg*v--
ftuni,mnin^trt aiMpa >wuMft ,.
fciti
!il'iSSdtMft,T
. luiz municipal
matar a armaco
ahilhofTci
zo de orpbfM afararBvnrfrRntar ama parlo 4o
sitio Cajueiro, oode exilie o hospital portugus,
por execucio de Mathiea Lopes de Corta' Maia
contra sea deredora D. Hada de lesna Cordeiro
qne corre pelo cartorio 4o eacriv&o Brito, cojo
escripto esleta m Pa%d octeto fcfuiM.
- ^A"*" PWiWvindou-
ro, fioda a audineia > Sr.
da primeira
teawea. C0srMsldt%sAelc1rtsrfllhira!lDes,
canteiros, petosemedidas, batanea e um cid-
5w'o i es, tedo avallado por 2001, penbora-
dos a feto Daerte Maginaria, por execucio e
Antonio Pedro Martina, para pagamento de ala-
guis de caa.
No dia 1* de abril ai 10 horas do da Onda
a radiancia do Ilim. Sr. juiz de paz do primeiro
ostricto do Recite,tem de ir em praga oa mo-
vis aeguiotes : in aof, dous consoloi, urna ca-
ma de armaclo,cinco cadeiras todo de amirel-
io, doai babs tendo am de flandres e outro de
couro e una meta de pinho, cajos bena vio a
Sraca por execucao que move Jlo Francisco
[arquea contra Marta da Cooceigo Mallo, por
ser a ultima prsca.
|fiuilne-se a |quem|]pretender comprarla
caaa 27 do pateo do Carmo, annunciada "ero o
Dimrioik Pernamiuco de hontem, qne a pro-
priataria em o dia 20 do crtente, tendo contra-
tado vender essa meima caa, e fizado o respec-
tivo proco, recebea logo por conta a quanlia
constante do recibo qne val abaixo transcripto e
aescriptura passads com todas as deipezas fei-
aa a dcimas pagas para ser em abatidas no ajus-
ta da meama.
Recebi da Sra. D. Mara Joaquina de Abreu, a
quantia de 700*000 por conta da casa da Sra. D.
Mara Joaquina da Paz, do pateo do Carmo o. 27,
qne se est passaado a escriptora, coja quantia
ser levada em conta quaado essignar dita es-
criptare, Recife 20 de marco de 1861Como
procurador da Sra. D. Maria da Paz, Manoel do
Ampare CajRs. 700JWOO.
(Esteva reconhecido).
Milho
Arroz 3
compras.
-Compram-se as obras completas de Boca-
ge: a rea do Rangel n. 46.
Compra-se
em segunda mi a obra intitulada Coafede-
rafiio dos Tamoyoie quatro differentes obrai
ntendo multas estampas o que aeus assumptos
versero sobre diversas materias, em portuguez,
raneez ou mesmo em inglez; na ra do Raogel
Q. 46.
Vendas.
Ricos
cortes de vestidos brancos
bordados.
Vendem-se ricos cortes de vestidos brancos
bordados com 3 babados pelo baratissimo preco
de 59 o corte : na rna do Queimado n. 22, na
bem conbecida loja da boa f.
Camisas inglezas.
Vendem-se superiores camisas inglezas com
pregas largas pelo baratisaimo prego de 359 a du-
zia : na loja da boa f, na roa do Queimado nu-
mero 2S.
Ricas gollinhas e punhos
com botoes
Vendem-se ricas gollinhas e punhos de cam-
braia e fustao ricamente bordadas com lindoi bo-
toes, pelo baratiasimo preco de 2 cada guarni-
Vh W fUa d Qteln,ad0 n- **> na loja da
Vendem-se dous terrenos, sendo um em
esquina com 200 palmo de frente e 150 de fun-
do, no lugar do Campo-verde, freguezia da Boa-
vista, a frente para a ra da Traicao, e a outra
para a ra do Deaeogano, com a matada dos fun-
dos murados, tem 4 quartos que rendem 2is por
ares, nao precisa de atorros, propro tambem
vendem-se oa 50 palmos, e outro terreno na ru
Imperial com 219 palmos de frente e fundo ao rio
Capibarlbe, nos fundos ae acham aa paredes de
urna porta d'agua para viveiro, foreiro mari-
nba: quem o pretender dirija-se a ra do Sebo
numero 8.
Grosdenaple espe-
cial,
de gosto altimameoe distincto, por ser guarne-
cido de palmas de igual cor, solas, muilo miu-
dinhas, fazenda de superior qualidade, pelo di-
minuto preco de 2J o eovado, dito de largura
moostra, liso, de superior qualidade, a 29600. di-
to dito com corpo de gorguro maia estreito a
29500, dito dilo, igual largara, tambem bastante
encorpado a 29, dito dilo, igual largura, mais
abaixo poucoa 19800, dito dito, mais a baixo fa-
zenda inteiramenlepechincha, sem defeito al'gum
a 19700._ Precoa estes queso com visia se ve-
r que sao mais comedidos que em outra qual-
quer parte, e portento eaperamoa a atteoco do
reapeitavel publico para a loja da rna do Queima-
do o. 43, esquina que volla para a Coogregago.
Admira vei pechin-
cha!
Na ra do Queimado n. 43, esquina que volla
para a Coogregago, vendem-se mantaa de blon-
da de seda multo grandes e largas, bordadas a
velludo, pelo diminuto prego de lOg cada urna,
ditaa de dilo de aeda com flores tecidas, qualida-
de bem conbecida, cada urna 89, tudo por muito
menos preco que em oulra qualquer parte para
chamar a atteoco.
Ultima moda
de chapeos pretos fios, pello de seda, copa alia
regular, para borneas, chegados ltimamente na
loja da ra do Queimado o. 43, esquina que vol-
ta para a Congregago, mandados vir especial-
mente da Europa, pelo mdico prego de 99 cada
asa, ditos de eltro finos Garibaldi. auperior
qualidade, com variado sortimento, a 53000 ca-
da um.
forro.
& C, na raa da Ca-
Cobre de
Vendem Prente Vianna
deii o. 57.
Pechincha
do
de
Na loja de 4 portas da ra
Crespo d. 8.
Madapolo com pequeo toque
a varia a 4|.
Dito largo fino a5|apeca.
Algodaozinho liso encorpado a 2#800
e 3# a peca.
Chitas largas de cores fixas a 220 rs,
o eovado.
Ditas rxas estreitas com pequeo to-
que de mofo com 38 covados a 50500 a*
peca e em covados a 1 b'O rs.
Manteletes de fil.
Vendem-s oa mais modernos manteletes de
fllo preto em modelo de eapas chegados pelo nl-
.7I: a Ma da Imperatriz d. 60 loja e
armazam do Pavio, de Gama 4 Silva.
Bengalas

a 240, 320 e 400 rs. cada ama: na ra do Cres-
po sobrado amarello n. 18. '
Vende-se urna balanca [roman, qaasi no-
vs, com grada para pesar couros ate, l a tratar
o ras da CidvU d0 Radie d. 4.
Vende- cada ama iaeca,tna travassa do pa-
teo do Paraso o. 16, frente da amarillo com oi-
lao paras ra da florentina..
Fazendas baratis-
l.; simas
Superior bramaale de Hnho com duas varas de
largura a 29*00 s vara, atoalhado da Hnho da-
mascado com duas largaras a 29500 a vara, brim
branco da liaba muito auperior a 1J140 a vara,
dito de sores, Uzeada multo superior a 18, dito
pardo de linho paro a 800, 19 e 19200 a vara, di-
to de quadriohos mullo proprlo para caigas, ja-
1 netas e psletots para meninos a 200 rs. o cova-
o, gangas francesas muito superiores a 400 rs. o
eovado, cambraiss francezas muito finas e de
muito bonitos padroes a 260 e 280 o eovado,
cambraie lisa muito fina a 4f, 5 e 69 a pega com
S 1(2 varas, cambraia com aalpicos tambem com
8 1|2 varas esda pegas a 490OO, dita muito supe-
rior o melhor que ha neste genero a 11 $500 a pe-
ga com 17 varas, ou a 800 rs. a vara, chitas fran-
cezas de muito boaa qualidades e de lindos pa-
droes a 240, 280, 300 e 320 o corado, fil de li-
nho liso muito fino a 720 a vara, tarlatana bran-
ca e de carea a 760 a vara, toalhaa de linho pare
maos a 79 a d'uia, ditas pelladas muito superio-
res a 119 a duzia, gollinhas de cambraia borda-
das a 800 rs., manguitos e Rollas de cambraia ri-
camente bordadas a 29 o par de manguitos com
urna golla, lencos brancos muito fios com bico,
renda e labyrintho a tj{280 cada am, ditoa de
cambraia de linho para algibeira pelo baratissimo
preco de 4, 5 e 69 a duzia, e asstm um completo
sortimento de fazeodas de todas ai qualidade*,
que sendo s dinheiro vista se venderao por pre-
co* mui baixba : oa bem coohecida loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Cera de Carnauba.
Veade-se em primeira mo, muito em conta,
saceos de cera de carnauba muito boa : a tratar
oa ra larga do Rosario o. 24. loja de joias.
CALCADO
Preservativo universal.
45Ra Direita45
Olhem!...
Urna das intelligencias melhor esclarecidas na
scieneia de Hipcrates, depois de longos annos
de ezercicio de curar e matar conveneeu-se afi-
na!, que o nico preservativo iofallivel de qual-
quer epidemia, por mais mortfera que toase, era
conservar a cabeca freaca, veotre desembarazado,
e PS QUENTES. Ora, viajando por ah urna
epidemiajrue mata gente como qualquer outra, 4
occar.ao de pormos em pratica estes principios,
asando pouco do chapeo o lempre som-
bra ; tomando de 15 em 15 dias um laxante de
sal de glanber, o maia acrrimo inimigo da epi-
demia, segundo a opiniio e a pratica de nm dos
ornamentos da nossa magistratura; e laucando
ao cisco todo.o calcado velho, dirigiodo-se todos
ao armazem, da ra Direita n. 45, onde o respec-
tivo proprietario a todos receber com corlezia,
aturar as msssadas, e aquecer os ps com ex-
cellente calcado, segundo o gosto, a estado Q-
oanceiro de cada um, e vejara :
Ho me I1S.
BORZEGUINS dos melhores fabricantes,
fraocezes, inglezas e brssileiros a 138,
129, 119, lOf, 99500, 89 e............... 5500
SAPATOES a 79500, 65500, 59500, 59,
49500 at................................ 2*000
Meninos.
SAPATOES a 5S500, 59. 49, 39500 a......19600
Senhoras
BOTINAS de fabricantes francezes, iogle-
zes, allemaes e americanos iederaes
69,59500, 59,48500,3S500o........... 29500
Meninas.
BOTINAS a 495O0 e...................... 49OOO
Um completo sortimento de espatos para se-
nhora de couro de lustre virado a 500 rs., de ta-
pete a 800 rs., de lastre (os. 32 e 33) a 800 rs.,
de tranca francezes a I93O, portnguezea 29, aapa-
tos de borrara para homem senhora e meninos,
muito couro de lustre, de porco.cordsvao.marro-
quim, bezerro francez, sola de lustre, courinhos,
vaquetas, sola etc., que tudo vende-te como em
nenbuma parte.
vidraceiro.
Genaftf> tjP MT$i-
dewfcvwlyi d^yadeira, uj-
timamente chegado.
Vende-se na raa do Vigario n. 9, primeiro an-
dar, escriptorlo fe Garvaro, Eogvelrs & C. "'
Vende-se
* taberna da traversa d Queimado 3: a tratar
Com Gabriel Antonio de Castra Quintaos.
Manteletes de superior
giosdenaple.
Na rna do Queimado n. 18 esquios que val
para a roa ettreita do Rosario, loja de Carvalho
& Basto, tem pira vendar rico mantelete de
grosdenaple pretos, sendo pelo diminuto preco
de 209, ditos melhore a 259, ditos superiores
309. No meamo estabtlecimento tara grosdena-
ple preto de variadas quilidades, aendo a 19500,
dito a 19700, dito a 29400. dilo auperior a 29600,
eofeites preto* de retroz, lavas de torcal, chales
pretos muito finos bordados a vidrilho, e outros
muitos objectos proprios pire a quaresma, tudo
por prego muito commodos.
Superiores cortes
de seda pretos pa-
ra vestido com babados
Na ra do Queimado o. 18 A, esquina que vai
para a ra eatreita do Rosario, loja de Carvalho
4 Bastos, tem para vender cortes de seda pretos
para vestido, com babados, sotando-se que tem
26 1|2 covados de seds, psrte lisa muito lustrosa
e encorpada, a parte lavrada que para os ba-
bados.
Escravos a yenda.
Vende-se um preto bom carreiro, proprio para
engeoho, e urna escrava que tem algumas habi-
lidades, por pregos bsratissimos : a tratar com
o Sr. Jos Pedro do Reg, na ra das Cruzei ou
oa ra do Crespo n. 17.
O
Agaa i|i^rada
para banhos do rosto e do
corpo.
.^" A.m'x* hT.,aci C,b d recebar, nova
remana da proveitoia e ftsj protarafJa ana
embreada, cojos boos effeitoa da refrescar a au-
h Eii Irdor1? detea navalha quXse
*V.-^!^.?,T7r.0 io hBl,t0 Proveniente
^S*!" conaaeidos, astim co-
conservar perfelumante abfilho do rosto. A to-
dos quantos tea usado iVMaraada nao ao
estr.nhos es.es effeTo. e ea airT.ind. mais
5J!J" p.r juelles que munidos de 1 ae
diriglrem a loja Tagala branca ra do Queima-
do n. If, onde nicamente te vende.
Fazeadas pretas
U oa loja do pave, ra
dalmperatrizn.60,
de Gama Silva,
rJ ttJsL^srten,po de qo"
Ricos manteletes de velludo preto rica-
mente enfeiudoa com franjas larcas os
u 5M25?* len> *do a
GaiSaYdi10* enfeite P'0 turc* e
Ditoa maia simples a
Ditos de vidrilho muito modernos a
Chales pretos de merino bordados com
vidrilbo a
Ditoa de fil preto muito fino a
Grosdenaples pratos fazendi muilo en-
corpada a I9500, I96OO, I98OO. 28 e
Sarja preta hespanhole, eovado a
Meias de seda pretaa para senhora a
DiUs de la e de laia para padres a
Luvasde retroz bordsdas com vidrilho e
sem vidrilho a 500 rs. o
Ditas pretas lisas de seda muito fios a
Alpacas pretas muito finas a 560, 640,
Loja dt
Vendem-se .
tOO rs.. pelseiris ar
s 29 e 49, leiouraiaaas
Sos de segurar eolsite* o
e obreiss de cola a 160
1 400, 506, 640,
*., bandeja* fiase
a duzia,-grasa-
00 re., calafa ha*
|s., penles virados
309000
68000
29OOO
800
I29OOO
38000
28500
29OOO
19000
19600
640
640
Bolacha do gaz.
Velhs o. 84 a 298OO por
800 e
19000
Na raa da Senzala
arroba.
Novas fazendas pretas pa-
ra a quaresma na loja da
Arara na ra da Im peratriz
n. 56 de Magalhes & Men-
des.
Vende-se grosdensple preto encorpado a 1600.
19800, 29, 29200 o eovado, alpacas pretaa a 500
600 e 720 rs. o eovado. sarja preta de laa para
calcas e paletots a 560 e 640 rs o eovado, vel- !
De tudo dio-se amostras com penhor : na raa
da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Gama &
dllTIa
Pannos pretose casemiras
Na loja do Pavao.
Vende-se panno preto muito boa fazenda a
19600,19800 e 29 o eovado, e dito que val 89 a
49500 o eovado, casemiras pretas enfeatadas a
39, 39200 e 39500 o corte, dita de ama s lar-
gara de todos os presos e qualidades, setim pre-
to da China para calcas paletots e colletes com 6
palmos de largura a 3f o eovado : na ra da Im-
peratriz o. 60, loja a armazem de Gama & Silva.
Sedas de quadriohos a 720 rs.
Na loja do Pavao na ra da Im-
peratriz n. 60.
Vende-se muilo delicadas sedas de quadriohos
a 720 rs. o eovado: na ra da Imperatriz loja e
armazem de Gama & Silva.
Chales.
Imitando tartaruga a 19 e las* dito sem ser
viradoi a 720, 800 e 900 rs., botoes de metal pa-
ta calca i 400 rs.. ditos de ago a 2t0 a grozs. al-
fioftes pretos a 640.
toja do be'ja-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se frnjese trancas, fitas de velludo
preto pata tquaresma, mais modernas que ha no
mercado, e maia barato que em outra qualquer
parte.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se tiras bordadas da diversas larguras
a 700, 800,18 e 18200 a lira.
Loja do beija-flor da ra d o
Queimado n. 63.
Veodem-se facas finas, cabo de balanco de 2
botoes s 68800. ditaa para doce a 58800. ditas de
um botio a 6|200, ditaa para doce a 5*200, ditaa
pretaa cravadaBa 31600. ditas brancas a 39400,
ditas rolicas a 39 a dazia.
Loja do beija- flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se fitas de seda propria para de-
brem de vestido preto, dita branca de linha, fitas
de seda da 5 dedos de largura com pinta de mo-
to a 320, ditas limpas a 640, 800 e ifc.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se grvalas pretaa de selim a 19, ditas
estreitas a 19, ditas a 800 rs., peonas de ac de
langa, 500, a 720. ditas de maozinha a 800 rs.
Loja do beija-fior da ra do
Queimado n. 63.
Vende se papel em caizinhas de diversas cores
a 19 e 640, branco pautado a 800 rs., anvelopes
de cores a 800 rs brancos a 19, resma de papel
de quadriohos a 49700, sinto encarnado a 440,
dita azul a 320.
Rap fresco.
Rsp Paulo Cordeiro a 1600 a libra, dilo mea-
ron a 19040. dito Lisboa a 29700, dito gaase gros-
so e meio gresso a I96OO, dito gasse fino a 1928O:
na loja do rival sem igual, ra larga do Rosario
numero 36.
Caixinhas e cabazes para
presentes de meninas.
Muito lindo sortimento
psra as meninas trazerem
a 40 rs.
amado Queimado n.75 juu-
to a loja de cera.
VENDE MUltO BARATO.
o Mrtio M r8Dceie8 80M m c"tio "
a fafta?1" raDceie$ cabeca chala 20 rs.
Papis com cenlo e tantos alflnetei
Liohas victoria
a 60 rs.
Ditas de 200 jardas de Alexanier
duzia
Ditas de 100
rs. o carrilel.
Ditas de^edro V em cartao branca a
40 r. o cordo.
Dita de miada de peso veradelrae a
a miada.
Ditas de dita cabeca branca e emearnada a
izu rs.
Grsmpos muilo boas a 40 e 50 rs. o maco.
Bufiadores brancos de algodao e linho a 60 e
em carriles com 200 jardas
jardas brancas e de
a 900 rs. a
cores a 30
cores a
240 rs.
com sortimento de agulhss
rs. a
alisar a 240, 280, 320 1
lado preto11 21500 o eovado, enfeites pretos e de i Grande pechincha na loia do Pavao.
cores .29500, 39. 58500 a 68- 1 Vende-.eV. mais rico, chale, com pona re-
Parnio preto.
80 rs.
Carteirinhas
300 rs.
Pbosphoros do gaz muito boos a 220 rs. a dasjj.
piloaemcaua'defolha a 100 rs. que a a
cana val o dinheiro. q '
ifin>1rT.(!e ."^nca P>" FrlanSiad.eerh TUS" g"aiet a 400 "*"
rraDjas de borlla para cortinado a 49200 a
Ditaa sem ser de borlote a 298OO a peca.
Ditas estreita brancas e de cores a 120
Peotes de baleia para
400 rs.
Camisas de meia finas a 700 rs.
Capellas e ramos para noivis a 49500.
EDfettes de flores muito lindos a 4/
^aniveles finos de duss folhas para pena- a
Ditoa de urna folha a 120 rs.
Agulhas francezas o melhor possivel a 240 r.
b cana.
Enfeitea modernos para senhora a 59 a 6.
Meias para homem a 140,160, 200, 240 e 280
rs. o par.
Ditas para senhora a 240,280,320 e 400
PflFa
Ditas para menina e menino a ICO. 200 t
rs. o par. '
Fitas de linho a 40, 50 e 60 rs. a peca.
velo'0 nvelos grandes a 320 rs. o no-
baraU,r" mu t>s miudez" 1oe nde muilo
Panno preto para calcaa e paletots a 19700,
18800, 29 e 295OO o eovado, cortea de casemlra
preta enfestada a 39, 39500 e 49 para calcas, cor-
tes de chitas finas com 13 eovado a 28500. ditos
de riscado chines a 29500, ditos de popelina a 1
29600, chitas a 160 e 200 rs. o eovado, ditaa fran- !
cezaa a 240 e 280 rs. o cevado, cortes de feato
para calcas a 18120, ditos de brim a 19280 e
19600, obertores de algodao a 1.
Algodao e mada-
polo.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Neste rico e bem montado estabelecimento en-
contraraoosfreguezeso maia perfeito, bem aca-
bado e barato no aeu genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS que nvalisam com o Jacaranda.
BANHEIRoSdetodoso lmannos.
SEMICUP1AS dem idem.
BALDES idem idem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em caizai de todas as grossuraa.
PRATOS imitando em perfeisao a boa percal-
lana.
CUALEIRAS de todas as qualidades.
PANELLAS idem idem.
COCOS. CANDIEIROS e flandres para qual-
quer sortimento. F H
VIDROS em caitas e a retalho de todos os ta-
mandando-se manhos, botar dentro da cidade.
em toda a parte.
Recebom-se encommendaa de qualquer nata-
reza, coocertos, que tudo ser desempenhado a
contento.
Cheguem a pechincha, que se
esto acabando
A 1#280 oeovado.
Grosdenaple preto muito bom, na ra do Quei-
mado n. 47.
A15^000 rs.
Palitots de panno Qoo forrado de seda, na rus
do Queimado n. 47.
A
12#000
rs.
Manteletes de seda preta ; j esto acabando na
ra do Queimado n.47.
Barato assim barato de mais
Sabonete finos.
A loja d'aguia branca racebeu urna crescida
quantidade de sabonetes finos para barbas os
quaes convm a todos compra-los mesmo para
maoi, avista do diminuto preco de 39 porqaanto
se est vendendo a duzia. Para astitfazer-se aos
boos freguezes se vender tambem em menores
porgoes, porm quem maia comprar mais lucrar.
porque assim barato nao ser fcil toroar a ha-
ver, e mesmo agora s ha na ra do Queimadc
loja d'aguia branca n. 16.
Coraes.
Em massinhos a 500 n. cada um.
Em fios a 640 rs. cada um.
Em voltas de 3 fios a 29500 cada urna.
Vendem-se muito boos corss, em massinhos,
fios e voltas de 3 fios, pelos baratiasimos prego
*ima: pa ru* d0 Queimado loja d'aguia branca
o. 16.
Objectos de phantasias
pulseiras de missangas.
A loja d'aguia branca acaba de receber nm
bello e eieolhido sortimento de pulseiras de mis-
singas com borlas pendentes, obra de muito gas-
to, e o que de mais perfeito aa poda dar em laes
objectoi, a ss est vendando a 19500 cada um*,
tanto para lenbotaf como para menina, e pela
novidade do goato a aparo da moda nao tardarlo
am se acabar: aa que ba S loja, d'iguia trance,
ra do Queimado p, 16.
donda e bolotas, tendo as barras de velludo ou as-
selinadas, imitando as capinhas mais modernas,
pelo baratissimo preco de 49500 cada um a ditos
de quatro pontas a 48500, ditos a Garibaldina
sendo maito grandes a 5|: na raa da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao de Gama & Silva.
Brilhantinas americanas.
Vende-se brilhantinas americana com liodis-
simas cores sendo fazenda inteiramente nova e
moderna de 4 1|2 palmos de largura a 400 rs. o
eovado : na ra da Imperatriz n. 60, loja e ar-
mazem de Gama de Silva.
Esps^rtilhos a 3,500.
' il Vende-se spartilbos ingleses que sao os me-
mores pelo diminalo preco de 3(500 cada um :
na ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavao, de Gama & Silva.
Para meninos a 4#500 rs
\ ende-se vestidinhos de seda para meninas e
dito e fustao qara meninos muito bam enfel-
tadoa pelo baratissimo prego de 49500 cada um ;
na ra da Imperalriz n. 60, loja e armazem do
Pavao.
rs. o
240
S Magalhes i Mendes.
Vende-se pegas de algodao trancado america- '
no com pequeo toque de cupim com 20 jardas a
peca a 39500 e 49, peca de madapolo entestado
sem defeito a 39, urna duzia de meias croas pa-
ra homem por 19200 um par 120 ra., ditas fiuas
28400, urna duzia de lenco* brancos cora barra
por I92OO um lenco 120 ra., pares de meia para
senhora a 240 e 320 re. maito finas, urna duzia ] MadapolO a 3$
de aberturas ou peitos psra camisas 28400 urna vnd 10 nor h__-.__.- 'p', ,
abertura 200 rs.. mantinhas de crox para se-' 14 id. a%S J. TJ'?^ eTnfeitad <"*
nhoraa andar por caaa 200 ri. cada umi, pec.a 60 Jfoiae armazem Vn P.vi^ da ImPeratr11 n-
de chita, de corea escuras com pequeo toque ,W'l0,a e arm"e,n do P.
de mofo porm logo que se lave ficaperfeita com
38 covados por 69 eovado 160 rs.,
vestidos a 280 e 400 rs. o eovado,
dos a 29.
Lazinhas
laziobaa para
sintos doura-
suissas para ves-
tidos
Laaziohas snissas para vestidos de senhora e
roupa para meninos maito finas fazenda que se
pode lavar a 560 rs. o eovado. cassss suissas de
quadriohos para vestidos a 280 rs. o eovado, fus-
tao de quadrinboa maito finos para vestidos de
senhora a 280 e 320 rs. o eovado, popelina de
cores a 240 rs. o eovado para vestidos, gorguro
de. linho para vestidos e roupa para meninos a
280 rs. o eovado, chitas novaa aquille propriaa
para roupa de senhoras com listriohas muito fi-
nas a 280 rs. o eovado tem 4 palmos de largura,
islo s aa arara na ra da Imperatriz loja e ar-
mazem n. 56.
Farinha de supe-
rior qualidade,
bordo do hiate Santo Amaro
Fraga & Cabral, oa a bordo.
a tratar com
Vendem-se os quadros de mausuleo das
exequias feitas a D. Pedro V, na igreja do
Espirito Santo, ricamente litbographadoa
a 500 rs. cada um : na ra eatreita do Ro-
sario o. 12, na livraria dos Srs. Nogueira
& C. ra do Crespo, ra do Queimado n,
16, na ra da Imperatriz ioja do Pavo e
na lithograpbia ra da Cadeia n. 52, pri-
meiro andar.
i
i
!
KHSMM89M 3K feMeWtMMSil
Aos senhores cocheiros e
mais senhores que pos-
suem cavallos.
Farello em aaccos grandes s 59, e de milho a
38800 e 39500, em caa a 240: no armazem da
estrella largo do Paraso n. 14.
Ac de llo.
Veode-ie a$o a 23$ o quintal: oa raa do Quei-
mado loja de ferragens o. 13; bem como ae ven-
de nesta meama loja um completo sortimento do
ferragens e miudeas de todas aa qualidades, to-
do por diminuto preco, viato o proprietario que-
rer entrar em liquidacao.
Camisas e ceroulas
Vendem-se superioaaf ceroulas de linho muilo
finas pelo barato preco de 269 a dazia, ditaa tran-
cadas de algodao, mes de maito boa qualidade, a
179 a dazia, eamisss brsocas francezas a 229,24|,
26 e 309 a duzia, ditas para meninos a 22| a da-
zia, ditas para homem com abortaras de cores a
229 a dazia : na bam coohecida loja da boa f
na ra do Queimado n. 22.
Gorguro de linho a 280 rs.
Vende-ae gorguro de linho de quadriohos e
mesclados proprios para senhoras e roupas de
meninos e meninas a 280 rs. o eovado: na raa
da Imperatriz n. 60, loja do Pavo, de Gams &
Suva.
Grande pechincha em cortes
de vestidos na loja do Pavao.
Vende-ie finisimos cortes de cambraia bran-
ca bordados com 2 babados grandes e de daas
aaias pelo baratiasimo preco de 49. ditos de cam-
? "V60"" com bbados bordados a 49500, di-
tos de phantasia fazenda que aempre se venden
, por 129 pelo baratissimo prego de 69 cada um -
na ra da Imperatriz n. 60 loja e armazem *i
Pavao, de Gama & Silva. T \
Gambraias de carocinhos
S no Pavo.
Vende-se flnissimos cortes de cambraia branca
com carocinhos brancos e de corea tendo cada
pega 8 li2 varas a 49 a peca : na roa da Impe-
ratriz n. 60, loja e armazem do Pavo, de Gama
: & Silva.
I Cambraias adamascadas.
Vende-se cambraias adamascadas fazenda mo-
dernissimas para vestidos a 49 a peca : na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva. **
Vestidos a 3#000 e 2#500
Vende-se cortes de vesifdos brancos com bar-
ras e babados a 39 e 29500 : na ra da Imneratriz
n. 60, loja e armazem do Paveo, de Gama &
Silva.
Saias bordadas a 2#500. *
Veode-ee saiaa bordadas muito bonitas a2fi500
cada urna : na ra da Imperatriz n. 60, loja do
Pavao, de Gama & Silva.
Bales do Pavo.
Vende-se baldes de bramante francez com ar-
cos sendo os que tem melhor armaclo pelo di-
minuto prego de 39 e 39500: na ra da Impera-
PL?' ,0J* e srmazem do Pavao, de Gama
& Silva.
Saias com arcos de linho.
Vende-se as acreditadas saias com arcos de li-
nho que fazem as vezes de balo a 39200 e a 49
cada urna, esta fazenda s ha na loja do Pavo :
ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Ga-
ma & Silva.
Indianas a 240 rs.
A ultima hora acaba de chegar a loja
do Pavao.
Esta fazenda inteiramente nova de quadrinboa
imitando as sedas, fazenda muito encorpada e
de cores delicadas propria para vestidos de se-
nhora e roupaa para meninos e meninas pelo di-
minuto prego de 240 rs. o eovado na loja do
Pavao raa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vende-se ama eicrava de bonita figura e
moga, que engomma e cose perteitameote : a
qaem quizer comprar se dir o motivo da vend:
na ra da Cadeia Velha n 35.
de caixiohas e cabazes
no brago pelos dimi-
nuto pregos de 320 a 29500 cada urna : na loja
da victoria na ra do Queimado n. 75, junto a
loja de cera.
Quadros de moldura dou-
radae preta.
Lindos quadros de moldura dourada e preta
com estampas a 49500 cada um: na loja da vic-
toria na ra do Queimado n. 75, junto aloja de
cera.
Vende-se um carro de 4 rodas novo, rece-
ido ltimamente de Frange, todo forrado de se-
da, com os competentes arreios praliades, obra
de maito bom gosto, sendo este calecbe o mais
bonito quehoje existe nesta cidade ; a tratar na
ra do Trapiche n. 14, primeiro andar.
Cambraias.
Vendem-se esmbraias de cores
elegantes desenhos a 280 e 320 rs
ra q"a Imperatriz, loja n. 20.
Oliados.
Vendem-se oliados pintadoa de lindas vistas e
psisagens, larguras de 6, 7, 8 e 9 palmo, pro-
prios para meaas de janlar o 2S o corado : na
roa da Imperatriz, loja n. 20.
lival sem igual.
Bom sortimento. *
Pentes de massa finos lisos a 500 rs., ditos dou-
rados a 1^280, carreteis de relroz muito bom a
30, escovaa para cabello muito boas a 800 e 1S
cartas de alfioetea de latao a 80,100, 120 e liO
escovss para unhas a 320 e 500 rs., linha de car-
tao de cor e branca a 30 rs., novelloa do gaz a
30 rs., fitas de velludo de cor e preta de 120 a
18 : na ra larga do Rosario, loja de Pedro Ti-
noco o. 36.
de bonitos
o eovado : na
610.
Chapeos de aol
Queimado n. 44.
de panno a 640 : na ra do
Lencos brancos para algibeira.
Anda se vendem longos brsncos finos para al-
gibeira pelo baratiasimo prego de 29400 a duzia :
na loja da boa f, na ra do Queimado n. 22.
Meij$ para senhora.
Veodem-se meiss finas para senhora palo ba-
ratissimo prego de 39600 a duzia : na raa do
Qaeisaado n. 99, ni bao coohecida loja da
boa f.
Batatas.
As mais novaa do mercado a 28 o gigo
urna arroba a 8 libras : ao largo do Carmo
a ra das Cruzei n. 36.
com
o.9
Oh! que pechincha
Vende-se palitos lidos a Miados fios tara
denlas 2 masaos com 40 massinhos por 400 rs. na
loa da Imperatriz lajs da Anta o, 5*.
Relogios.
Vende-se em casa de Johoston Pater C,
ra do Vigirio n. 3, um bello sortimento de
relogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
urna variolada da bonitos trancellins para es
mesmos.
Malas para viagem
Vendem-se malas para viagem, de qualidade
mediana, e tambem da melhor qualidade que se
fazem na Europa : na ra da Cadeia n. 36, arma-
zem de Augusto C. de Abreu.
Vende-se um ptimo moleque de idade de
Ib annos, o urna escrava de idade de 25 annos,
que cozinha bem o diario de urna casa : na ra
Direita n. 3.
Charutos da Havana.
Vendem-se charutos da Havana d
superior qualidade em casa de N. O.
Bieber & C. successores, ra da Cruz
n. 4.
Obras de meta, prateado.
Em casa de N. O. Bieber & C. succes-
sores, vendem-se apparelhos completos
para almoco, porta licores, garios, fa-
cas, colheres para cha e sopa, galhetei-
ros, copos e outros muitos objectos des-
te bem conhecido metal, pela sua boa
qualida ie e duracao : na ruar da Cruz
n. 4.
O ether sulfrico
em garrafas: vende ie na ra da Cruz
n. 4, casa de N. O. Bieber & C. succes-
sores.
O' que pe-
chincha.
Na raa do Queimado n. 39, loja de 4 portas,
vendem-se cortes de vestidos de seda pretos e de
cores, pelo diminuto prego da 209 cada corte ; a
elle, intes qne se acibem.
Hilhtt novo.
O sacco 4J000.
Tem Fernandas Irmo*. ltimamente cb
do Rio de Janeiro pelo brigue Veloz, em
armazem na Uavaisa da Madre de Daos n. 13, o
do trapicha Bario do Lrramento.

Escencia de .ail.
Para engommado.
Vendem-se frasquinhos com escancia de ail
tousa excellente para engommado porque urna
gota della baatante para dar edr em urna bacia
da gommai lendodemaisa maisa praclosidade de
nao manchar a roupa como maitas vezes acon-
tece com o p de ail. Casta cada fraaquinho
ouu rs. : na ra do Queimado loja da aguia brac-
CA U. 10,
para a quaresma.
Ricos cortes de vestidos pretos bordados a vei-
ludo, preso 80 para acabar: na ra do Queima-
No ha quem venda pelos
presos, s na loja do
Viado, na ra Nova,
n 8.
Et vendendo luvas
melhor que se pode
de torcal
encontrar
com vidrilho
em bordados
800
640
500
500
i;ouo
10600
19600
Luvas tambera de relroz sem serem bor-
dadas a........
Ditas ditaa de dito para menioaa a*1 *. '.
Ditas ditaa de seda para ditas o ,
Ditas ditas de dita para senhora a' .
Ditaa ditas de dita bordadas para senho-
Ditaa ditas de seda de todas as cores a !
Trancas e franjas pretas.
Muj delicadas trancas de aeda preta com vidri-
lho sendo de todas* as larguras, de 310 a 500 a
vara ; franjas de seda com vidrilho e sem elle
de 320 a 500 ; bicos pretos de todas as larguras,
tanlo com vidrilho como sem elle, por baratis-
simo preco, e outros muitos objectos para qua-
reima, que a vista dos compradores nao se ec-
geila dinheiro.
Facam fogo no viado.
Seda lavrada a melhor que se pode eocontrar
de bom e delicados gostos, que a vista do preco
nao ha quem deize de azer um rico vestido pre-
to para quaresma, pois, aproveitem a occasio.
pois quem nao fizer agora, nao faz to cedo ;
esta loja flea bem coohecida, por flear bem coc-
jronte a eamboa do Carmo, e ter o viado pia-
lado.
Para acabar.
Vende-se urna porga o de espiguilha branca e
amarella, faz-se todo negocio que para fechar
urna factura : na rna do Queimado n. 47.
Bicos trastes.
Urna pessoa que se retira para a Europa vende
alguna movis com poudj uso, de mogno de pri-
meira qualidade e gosto moderno, os quaes sao :
1 guarda roupa com espelho, 1 dito sem espelho,
urna commoda, urna secretaria e um apparador,
tudo com tampo de pedra marmore, duas mesa
elsticas para sala de jar.tar, ama secreta, camas
de ferro com eolia o elstico e sem elles, tres ri-
cos relogios para cima de mesa algumas machi-
na* modernas para lavar roupa de diversos lma-
nnos, etc.; assim como um excellente piano de
Jacaranda inteiramente novo : para ver e ajustar
na ra do Imperador n. 55, fabrica de pianos.
Aos fabricantes de velas.
O antigo deposito de cera de carnauba e aebo
em pao e em velas, eslabelecido no largo da As-
sembla o. 9, mudou-se para a ra da Madre de
Dos n. 28, quasi defronte da igreja, onde conti-
na a haver um completo sortimento daquelles
gneros, que se vendempor presos razoaveis.
-
Srs, academicosf
Nao acrediten, vao ver. #
de supe- #JI
ndos de O
bem co- 0
Villar: na >
Vendem-se (actos c
rior casemira"d/
Inglalerra em dllVt rfava
nhecida lojade GuiaiarSes &
ra do Cresj)*) n/Hi
Vende-se por preco commodo 100 pares de
pedras de moinho: no trapicha do Ces do
Ramos, .
SSWfitC 9NMS9K ltQ*WMMQlf
Vendem-se '
tre casas pequeas de pouco dinheiro,
em choa proprios, de pedra a cal, no-
vas, icabadas o anno passado, para pe
quena familia, qne rende um por cento ao
mez, na Torre : a tratar no meamo lugar
na taberna do Caneca.
I
Tamancos baratos.
Vendem-se tamancos muilo bem feitos e ka-
ratos para homem, senhoras e meninos tanlo a
retalho como em porjio : na raa do Linimen-
to o, 36, loja de can.


da*
^Hdo *+*+**mmA-.
ARMAZEM PROGRESSO

Francisco Fernandes Duarte
largo da Penlia
Vende-se oeste armazem de molhados os melhores ge-
oeroi que Tem este mercado 8 For meos 5 a 10 por cento do qae em oulrs qaalquer parte
Rarantindo-se a boa qualidade, por isto rogs-se a todos oa Srs. da praca, de eogeoho e lacadores
favor de maodarem uas encommenas ao armazem Progresso, iflm de vereoa a differenca de
prego e ojuatidade que faz, te fossem comprados em outra,qnalquer parle.
WlamXeiga lllgieA de ptimeira quaiidade a 800 e 1JO0O a libra, e em barril ae ar
abatimento.
9foutatg* franecia a ma8 nofaa 640 rf a llQra # #m btrril( ^ ri
* y*^* o mais auperior que ha no mercado a 5*800 e 2*560, a libra.
%~iHa UU.X11II imitando a perola, pela aua aoperioridide a S000, e 2*600 a libra.
U llil prt5VO unc0 psra 0J joeniea que 8e tratam com a homeopathia a 2*500 a libra.
Sf ^5J*S O reAO chegedoi ueste ultimo Tapor a 2*800, ditos chegados ao ultimo
navio a*2j|500
Qnij*s umdrmos 0 que ha di bom nesle genero a l000( a llbra t em B0. w.
faz abatimento.
vueij pravo 0 maig saperlor que lem find0 a egle mercado a isjoo a iiDra#
P rezmnU Ugtaz para namb m(lit0 n070.500 .. iibr.. e Por-
cao ae ar abatimento.
Casteletas aglezas pr0pti paru fiatnbre, m a Hbra e enl porcao a 700
^*5zun\a a* temo da lap#ri0r qUaiidade, 430 ra. a tufa uaek*,440 ra.
Salame melhor oellaco i pode haver por estar prompto a toda a hora a 1* libra. a
em porcao a 900 ra.
Queah** do remo mnUo n0T0 a ^ ri a Ubrai e em barrU de 3 arrobag a y^
Cacaricas e paios de lombos a wo a 1bra> em por5io se aa abati.
ment.
Hl CUOuriljaS j prompt para se comer viudas a primeira vez a este
mercado a 2*000 cada urna.
Ban*a de poreo refinada em lala com 10 libra, por ^ it uma
Banna de parco ma^0 flna alFa a 480 rs a llbra 9 em ^^ m rg
Mar melada imperial d0 aramado Abre(I e de oalr0i Mitoa tabrlcanla, de Lllboa
a 800 rs. a libra, e em porcao se faz abalirtfento.
lalas com frutas d doce em calda
w^v ^i,a.a,. como gej0 pera damascos pe-
ceg, alpexe, e gioga, a 800 rs. cada lata.
Marmelada de alperxe em latag de5Mibra porl#200 cada um,
Latas c^m ameadoas caafeUadas conleDdo msig confetos
candi, muito proprio para mimo, a 2*000 cada uma.
Boee da cisca da goialia muit0 fino. m r, e em por5So getaabatimenl0-
Bce weco e tmcalda de di(TereDteg qa.lidadegi em UUi d8 4 5S
25500 cada uma. r
C*rt5e* com bollo rancex proptios para miffi0 a 560 rg
P^saa|em eartata de S libras muil0 n0T por250Oe a relaiho .
480 rs. a libra.
r igo& *ia c smmaafe muit0 no70t em caixss de 8 libras por ^^ ditas com 4
per 1J500, ditas com 2 muito bem enfeitadas por 900 ra. cada uma e arotalho a 320 rs.
lihra
Venda-te a casa al aS-
MttlM *******, ca^Uboa e ca*io^
bronaeados, lonas iogtaaM, % da tela, chicotea
-arfo e raootari, riaiojMra narros de
l.fmUfls\ralogios deonropAiMtA
Libras sterliaas.
da Olweira & Filao, praca do Corpo Santo ^Tl.
Gollinhas
traspasso bordadas em
cambraia fina.
Veodem-se a 2* cada urna : na ra do Ouei-
ma>, leja d'agaia bravea o. II A obra boa e
o tempo proprio ; ellas, freguezaa, antea que
te acaban.
Aloja Magua
branca nm deposito de
perfumaras finas.
Eata Toja por eatar constantemente a rustir
perfumaras goaa de anas preprias encernaseadas,
bem ae pode dizer que est coostituida um depo-
sito de ditas, tendo-a* aempre dos melhores e
mais acreditados fabricantes, como Labio, Piver,
Coudray e Societ Hjgianiqoe, etc., etc ; por
tace, quera quizer provor-ae do boa, diriKr-sa
a a do Queimado. loja d'aguia brenca n. 1?, qae
achara sempre um lindo e completo aorlimento,
teado de mala a maia a elegaocia dos frascos, e a
barateza por que aa venden convida a anima ao
oomprador.
Capachos.
Vendem-ae capacboa redondos e'.compridoa e
de diveraoa tamaohos, e os melhores que tem
$ 7^e,lL'erca<,0J' p,, b"^imo prego d.
600, 700 e 800 rs. cada um, e tambem ha capa-
cboa muito grandes e proprios para sof e mar
quezas para 1*400 cada um : oa ra doQueima-
a, na bem conhesida laja de miudezaa da boa
lama n. 3o.
Massa a lltta.
MuirealS3^|^ co-
- res bonitas a 2 OOOS
=
. .
m
e 29500 o covado
Bu do Crespo n. 17, Guimarws 4
Tillar.
Taixas
assucar
libra.
^rvilbas francezas e portnguezas em lata, de. ILbrai por 640 .
ditas era meias latas a 500 rs.
M&ca&e tomate em latag de, libra por 800 rs.
mendoas de casca mol* muit0 novag, 320 rg> a libra.
icoles a 120 r8 a libM( e 3JQQQ a arroba>
meiXaS ranCeaS e m iatM COm 3 libras por 2*800, ditas com l 1.2 por 1*500.
&m*ixs portagatias 320 libra e em caiIa ge )rS abalimenl0.
Gnocoiate nespwbola lfi500j dil0 francez a 1J200 dit0 port aanQi-se a boa qualidade. '
llOiaXlI&lia de soda em iata8 com dfjerenles quHdades, a 1J440 ra.
Hia^S para S-pauirlai macarraoetalharim.a400rs. a libra e em caita por 85OOO rs.
1 UtOS OC dentCS ixa(|0ii moihos com 20 macil,hos por 200 e 280 rs. muito fios.
3lTf5jaB em frasC03 com t e 1[2 libra por 800 rs.
fwn m
y francez para limpar facas a 200 rs. cada um, em porgio se faz abatimento
Bl*X\Ua* lttgieza a mais n07a d0 metcad0 a32or:,. a libra embarrice a4*500
"** *m* para engommar, mnito alva a 100 ra. a libra e em sacca se faz abatimento.
Uava
de posta em latas das melhores qualidades de peixe que hs em Portugal a 1*600 rs.
EiSpermasete Mpetor de cmco 8 geig 7elas por libra a 760 rgi e em caixa^ aVr40 it
S%rdinnas de NaDles lalas muil0 n0Tal a 400 rg
I\ipi8\a mul0 D0V0 a leo rs. a libra e era arroba a 4*500 rs.
i.i*lie ft'tC refinado de differentes marcas e o mais superior que ha a 800 rs. a garrafa
e em caiza i9
V rollos engarratados d0 duqu9 d0 Porlo e de outr,g muilas mareag acredUadag
neste mercado a 1*!00 rs. a garrafa eem caixa a 12*000 rs.
Ca* P^P* Porto, Figueira e Lisboa a 560 agarrafa e em caada 3*500, 4* e 4*500.
" "3* das mais acreditadas marcas a 5* rs. a duzia, a em garrafa a 500 rs.
nftl*pag*e das marcas mais superiores qae ha no mercado a 15* e 22*000 rs. o gigo
Cognac iogiez,, 10s0oo r.. a Ca e 1200 r.i.mf.
Genebra de Rollauda .erdaeiraem fraaqueir. a 6*000 rs. e o nuco a 560 rs.
G^aebra delaran} 7iJooori.adatia.,.fra9C0,, 40 .
Genebra inglesa, mm rg d(Uia e a relalh0, moo a garrafJ#
P.iit*sd*gaxa2s5oor8.agroz..
sa* reQoado em potes grandes a 500 rs, cada um, em porjo se far abatimento.
Vate iavad0 o qUe ge pode desojar oeste genero a 320 rs. a libra e em arroba a 9500, dito mais
b>ixo a 280 rs. a libra e 8J000 arroba.
sevadiniia de P(inct a mai a0M d0 mercad0 280 ri. t ilbril em porcia se fas abati-
manto. am"
* gn mnt0 n0T0 e airo s 320 r. a libra.
* "*"nna d0 reno d99 marcaa SSS e galega a 140 rs. a libra.
" *a do uaraDbao {iTa e cheiroza a 160 rs. a libra e em arroba a 4*800,
U.etvUnasieoagIBuUo n0Ta8 a 160 rt a libr(1#
^ d carnauba reQoadas a 400 re. a libra e em Liba a 12*000.
A rllC doca de Llboa a 72Q fg f farra(ii guanga. se a boa qualidade.
ir inagre dg Liiboa a 240 rg a girwrai e em t^,^ a usoo.
W tonOC|,eret a 1^600 a garrafa e esa caiii se fawbatimento.
para engenho.
Grande reduego nos presos
para acabar.
Braga, Son &C. tem para vender na ruada
Mueda taizas de ferro cuado do mu acreditado
fabricante Edwin Maw, a 100 rs. por libra, aa
mesmas que se vendiam a 120 rs. : quem preci-
sar dinja-ae a ra do Trapiche n. 4*. armazem
de fazendaa.
Souhall Mellors & C, taodo recebldo or-
dem para vender o seu crescido deposito derslo-
gios visto o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; convida, portaoto, s pesaoa que quizeram
possuir um bom relogio de ouro oa prata do c-
lebre fabricante Kornby, a aproveitar-ae da op-
portunidade aem perda da tempo, para vir com-
pra-loa por commodo prejo no aeu escrlptorio
roa do Trapiche n.28.
Vendem-se caixes va-
zios a 1 $: nesta typographia
N. O.Bieber & G.aaccoaaores.rna daCraz
o. 4,tem paravanderrelogioaparaalgibeira dt
ouro o prata.
Gneros baratos.
sem segundo.
-Ni" '?\0 Q,e,ni< 55 Uja da miudazas
na)ecld6-s?,U4*"S Pr pteo ** biiot -
Cr*" dePnn de aSo de tadaa aa quali-
*?& ^ *" P6' U""h0 *
Caixaa de agulhaa francezaa a
Caiiaa com alceles maito finos a
laixae com apparelho pan eotrele me-
Ditas ditos grande* a
Baralhoa portugueses a 120 e
Groza da botes pequeos para calca a
I escuras para udhas maito oas a
Ditasi parai costura muito superiores a
Baralhoa francezea para voltarete mnito fi-
noa a
Agalheiroa com agulhaa fcancezaa a
Camretes de aparar peonas de 1 folha a
Pegas de tranca da la com 10 varaa a
itas de tranca de lia de todas as cores a
res de sapatos de tranca de lia a
Cartaa de alfioetes francezea a
' ''.:

'!' I
NOS ARMAZENS
CEUTO
' *^Sfflffi
DE
120
ISO
60
240
500
200
120
400
400
320
80
80
200
800
1|280
---------o oiuuww iraucezea a 100
Mi^ift fl0 d Escocia muil a 320
uitaa ditaa brancas grotaaa a JO0
Eaeovaa para limpar deotes muito Boas a 200
r "t0" com *uPe,'>re grampoa a 40
Oartoes com colxetea de algum defeito a 20
itoa de ditos superiorea a 40 e so
Dedaes de fundo de ago muito superiores a 100
Koadores para vestidos de sen hora com 4
varas a 80
Caixaa com colxetea franceses a
Cartas de alfinetes de ferro a
Charuteiras muito finas a IftOOfl
Timaras de dro com tinta a jijo
Ditos de barro com tinta superior a 120
Areia preta e azul muito fina a libra a 120
Tenbo.nova remessa de labyrinlhj) para ven-
I Por_lodo pre0' Mim comi> 'uno trancas de
seda differentes cores para vender por todo di-
nheiro que offerecerem.
Muita attenco.
Na loja de Silva Cardozo, ra do Im-
perador n. 40, vende le roupas feitas
de todas as qualidades pelos precos
mais baratos possiveis que se pode ima-
ginar, puis pode vir os reguezes com-
prar porque peehincha.
Algodo da Baha.
Proprio para roupa de escravos e saceos de as-
sucar : vende-se na rus da Cruz n. 1, escriptorio
de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
DUARTE dfc C.
36 ra das Cruzes de Santo Antonio 36.
Largo da Carme. 9
Manteca in^leza / ^^-^vd.fc*Tld*
frabatimenTo **tim,n qU,,dlde a 80 ** Ubra, m Uul\
ChcThevs^n^a "Ce2a a mas nova *700 n'a Ubri e"b,rriI "
Cli h uxim """ SUperir que b" nmercad0 mo' 2*800 ,ibra-
Cha nrptn 0qU' h"dd melhorne5tenero a 2500 39000 libra.
ttttuInth0r ^ d0Ri. -* Hbn por ,*800 e e -^
Queijos do reino chegad
Vende-se minteiga franceza a 640 rs. a libra,
cha a 2S40O. toucinho a 320 rs., arroz a 100 e
120 rs,, linguics a 560 rs., passas a 500 rs., ba-
nha de porco a 440 rs., velas de apermacete a
760 rs., de carnauba a 400 rs., batatas a 60 e
120 rs., painco a 160 ra emitas a 1S0 rs., gar-
raoes com 5 garrafas de vinagre a 1g200 cada
um, agurdente de canoa j engarrafada a 200
rs. a garrafa, esprito de vinho a 1JJ400 a tinada
e 240 rs. a garrafa, aieitede carrapato a 400 rs.
a garrafa, dito de coco a 480 rs., milho a 320 ra.
a cuia, arroz de casca a 200 rs. em saceos mais
barato : na travessa do pateo do Paraizo n. 16,
frente pintada de amarella com oilao para a ra
da Florentina.
Cera de carnauba de pri-
meira qualidade.
Vende-se em porcao e a retalho de uma aacca
psra cima, e por commodo prego: na ra da Ma-
dre de Dos confronte abolica n. 30.
LiquidacaO
A loja de marmore.
Bournus decasemira para senhora a 100 I
Manteletes de groadanaple a 103
8 Leques de sndalo a 5J
I Bournusde caiemira para meninos
de todas as idades a 59
8 Grande sortimento de esscjrrilhas,
Irangas e fitas de todas as cores para en-
I frites de vestidos por precos mais bara-
m tos do que em oatrs qualquer parte
asie9ieeiie-M5^-siMKSNnididi
A boa fama
I Roupa feita maito
barata;
$r* Sobrecasacoa de panno preto muito fl-
^ no. paletotsde dito, paletoia de casemi-
#ra de cOr, ditos prelos, ditos de fustSo,
ditos de gaoga de cores, ditos de brim
fSP "acrese braceos, calcas de casemira
am preta e de cores, ditas de brim branco e
" de cores, ditas de ganga, colletea de
velludo preto e de cores, ditos de gor-
jCi gurao, ditos de fustao.ditos de brim brao-
co, camisas de lioho, ditas de algodao
brancas e de cores, seroulas de lioho
$ ditae de algodo. chapeos de sol de seda
gal inglexea os melhores em Umanho e qua-
g lidade, tdo se vende por b-rato preco a '
dinheiro arista, na loja das 6 portas ra I
B do Queimado emfreote do Lmsmento, ,
a. est abena at as 9 horas da noite.
Caivetes finos pa-
ra pennas.
Caivetes finos para aparar penns, de duasfo-
Ihaa, a 200 ris cada um : na loja da Victoria oa
ra do Queimado n. 75, junto a loja de cera.
Ciixinhas para confeitos e
presentes.
Muito lindo sortimento de caixinhas mnito lin-
das para se botar confeitos ou mesmo com ellas
vazias se mimosear ums menina, pelos bsratia-
simos oreos de 320 ale2500 caa uma : na lo-
ja da Victoria na ra do Queimado n. 75, junto a
loja de cera.
vende fi velas psrs cintos o mais bem dourado que
postivel e dos mais lindos gostos que tem rindo
a este mercado, pelo baratissimo prego de 2$500
cada uma, carteiras com agulhas as mais bem
sortidas que se pode desejar, e em quanto a qua-i
lidade nao pode haver nada melhor, pelo barato Lidos quadroa de moldura dourada e preta.
preco de 500 rs. cada carteira, pennas da ac ca- com e'nP. Pelo barato preco de 5 que s a
ligraphia verdadeiraa a 29 cada caixinha enm 12!n,0,du^, Tal dinheiro: na loja da Victoria n
duzias, ditas de langa verdadeires n. 13* a 19200 r"' do Queimado o. 75, junto a loja do cera.
cada groza. ditas muito boas anda nin mohn!. _
Quadros de moldura dou-
rada e preta.
cada groza, ditas muito boas ainda nao conheci-
das a 500 rs. a groza : oa ra do Queimado, na
bam coobecida loja de miudezas da boa fama nu-
mero 35.
KMSaKOWdKQK fiMON ettSKSstK
Interesse publico.
{Offerecido pela loja def
marmore.
A loja de marmore teado de apresen-
I lar concurrencia publica o que ha de
I maia novo em fazendas, tanto para *e-
ahoraa como para hmeos e meninos,
sendo que psra este flm espera de aeus
correspondentes de Inglaterra, Franca e
Allemanha as remessas de seus pedidos,
lem resolvido, antes de apresentar o no-
ve sortimento, liquidar aa fazeodas exis-
tentes, o que effrciuari por precos m-
dicos e para cujo fim convida o reapeita-
vel publico a aproveitar-ae desta emer-
gencia.
i
Novo sortimento de cascarri -
lhas de seda
A loja d'aguia branca acaba dereceber um oovo
e bello aortimento de cascarrilhaa da aeda de
multas e differentes odres, a vende-se 19500
Panno de algodao da
Babia.
Vende-se no escrlptorio de Antonio Luiz da
Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
Novos e lindos
enfeitespar* vestidos pretos
e de copes, e roupinhaa de
criaocas.
Bm apropriado tempo recebeu a loja d'agaia
branca um bello e completo sortimento de enfei-
tes de seda para vestidos pretos e decoras, erou-
pinhas de criancas, sendo trancas e bordados de
oovos e lindos desenhos, a dUBceis tecidos, com
os qoaes uode-se com posto e modernissimo en-
feitar qualquer vestido ou roapioho de crianes.
Ao pasea que ditos enfeiies a todos garalmeote
agrsdam, a commodidade^os precoe anima ao
comprador, a esta verdadeilri verieada por lo-
dos que se dirigrem I dita loja d'aguia bracea,
ra do Queimado o. 16, cujos precoa esta o mer-
cados as amostras, as quaea ae daro coa pe-
nhores.
n.vio 29400 cada ub.""8"^' ^ UWa ,p0r a m e dos *** *K
dirDrZdr,,,s qM "d<" z.
PaL e chZ",T'* m "Mrad0 *,",' "" ntei" **
, vM ,o .^"^" ?,,Voo!'"f"S P"" "Mm" ttd' "" ***' rn
^ofmio M,ill?'i'TS"?T''h",s""'-mio' !'. PaJ.MilU. ngui-
Vn.,...^ilT'T '"',oballos lolas de ^M'- d usoo, saeoo \l
loueinlio do r-, 1 no >.
MM^tX^^^ Pr me 48'libra'
mei. e 2 libras a 750 rs. S Conserveiros da Lisba etB ,a,as da >
Latas com fruta enioaMa
Harmelada a, Al perce m latas de 2 ibm por 19000 eda um..
goce da casca da goial, a700rs.e em p05rSosefirabalimenU).
o ees SecCOS de diCerenles qualidades em bcetas muito bem arraniadas a 3900Q
Cartoes com bollo franeeaf propriospara mimo. 500 J
?Ssasera eWWhas de 8 libr,8 ..oo.^.. libr,
0Sa m? So8!.i.[ S? nV0S em e"nha de 8 ,br,S e muit0 bem enfei,adas e
^rvilhas franceza e portuguesasa64o 720 rs. a .au.
OTassi detom,teem,aUsdel llbrraa800rs,
Ameudoas da casca mole nuh0 novas, 400 h. a libra.
r OZe* mut0 novas a 200 rs. a libra.
meiXaS irllCeZ .Sera latas cora 5 libras por 49000 e a 19000 a libra.
II 'COliftte Ilespanllol a 1#200, francez a 1000eportugueza 800 rs. libra.
iJOl- Xilina de SQda emlaias com differentes qualidades a 1*400 a lata.
Jasg S pa ra SOpa m,carrao e talharim a 240 rs, a libra e a caixa por 55WOO.
Reira muto n0Ya a 320 a I,bra eG000 a caixa.
* ltOS llX-id()S pira deates em rao|n03 com 20 macinhos a 200 rs.
^ereja S em frascos de libra e meia a 700 rs.
/ ^ "d f'ICeZ para limpar facas a 180 rs. e ara porclo 38 far abatimento.
Mspermacete SU per or sera avaria a 740 e em caixa a 720 rs. a libra.
Sardiiihasde Nantes mu,0 novasa4oo c eoo rs.
AlpiSta muito nova a 160 rs. a libra e 4500 arroba.
AZfltr' doce refinado de diverjas marcas a 800 rs. a garrafa e 9*000 a duzia.
3> JliJCIIl lilia ioglezaa mais nova do mercado a 300 rs. alibra o 4*200 a barrica.
ixOma muito alva a 80 rs. a libra e 240O arroba.
V 1111108 engarrafados duque do Porto, g enuino. Porto fino, maderra secca, Carcavellos, nc-
tar, feitoria, velho secco, Mu.-catel a 1 200 a garrafa e 129000 a duzia.
DltOS em pipa, Porto, figueira e Lisboa de 500 a 600 rs. a garrafa ede 4#000 a 4500 a ca-
ada.
3erVc ja das mais acreditadas marcas a 500 rs. a garrafa e 5*000 a duzia.
^111 U) pail II as marcas mais acreditadas que h no mercado a 14* e 20* o gigo.
UOg'iaaC nglez a 10*000 a caixa e 1*000 a garrafa.
txineOra de rlO 11 ll(ln verdadeira a 63?500 a frasqueira e 600 rs. o frasco.
Dita de iarahj 1 a 6$500 a duzia a 600 rs. o frasco.
Dita llgle Za a 9* a duzia e 800 rs. a garrafa.
r t llt S do gaZ a 2*500 a groza e 240 rs. a duzia de caixas.
*")|> 1 rennaGO em pacotes de mais de uma libra a 240 rs. a em porcao lera abatimento.
-.are CIO KlO o melhor que ha no mercado a 280 rs. a libra e 8*500 a arroba.
~ie Va iilllia de Fia ll^a a mais nova do mercado a 240 rs. a libra.
Sag'
cacada 4g800.
Por hojedeium ao m. .coio.miu w ipugiiii winiaiauu aapai aman iiaiaj
{val esparo novo sortimento e nao serei pregui^oto em o publicar so reepeitavei puWlao.
Luyas de pellica
**iaifn" ri' Brancas e de corea para homem e senhora, che-
S ocK'r palmado toja jada, ltimamente p'or 24500 rs. o par : na loja
T*. v M nnn dfl nado na ra Nova n.8.
Heas pretas de seda 1:000 nrKm.w%
o par. 1 aberna.
Vende-se aeaa pretas deseda, a da roaii Ma Vende-se unta taberna propria para um prio-
,jlidade, para seohoras, e padros i 1|000 O ipi-ole por aer bom lagar, oa esquina do Forte
par, por aataram princ i pisodo a molar, e esusnlo de faltos, taz Crate para ra da Lapa a para,
alias calcadas nada as Mohece, -- "
mado loja d'aguia bracea n. 16.
* branca m.i, superior que hl no merca<*a|po p.4aaa f46 H. a farras. <, a- ,0713^07 r7a'Cbo7aa7eTad.aj JSIw'o pmiV Tr Tbe^ Tw ma^T do Forte
- a par, po? aataram pnnciwsctdo a motar, e esUSMlo i, .n lu. u. u.u. ,,.,
Por hoje det fl\m ae. meu npn^m11t: a| chagda-ao erianeiro v.p.r vindo da Buropa, pel0. ellas desdas nada aa.eoni.ee., o. r. ejoQwi- a l.rg.em fre.te ao chahris, fiet no corre* da
o- desembarque n. 12. sonimento de tudo tendente a mslnados.
muito novo a 320 a libra.
Faruha do MarailtlO mnito alva e novaa 160 rs. a libra e 49800 a ar-
roba.
VelS de carnauba e de composico a4oon. aiibra e a 12
a arroba.
Vinagre puro de Lisboa a240 rs. agarrafa e a 1800 a caada.
GrO de bCO muito novo a 200 rs. a libra.
5>eraS SecC^S em calxillll^S deoito Vkm a 2*500 I a 640 ri. libra.
*.vlarraSC|UlUO verdadeiro de zara, de Umone, caf, menta, genepro, mandol'amara,
curacu, rosa sublime e outras qualidades de 1*500 a 2* a garrafa.
Bat tS em gigos de uma arroba por 2*000 e 80 rs. a llbra.
(JOIllillll S os mais novos do mercado a 800 rs. a libra
Erva doce mui0 nova a 400 rs. a libra.
Calle I l-i superior a 1* a libra.
C/CiarUtOS verdadeiros superiores a 29 a caixinha de 50.
8alm'HI em latas com duas libras o mais bem arranjado que tem vindo ao mor
do a 1*400.
Vlantega em latas com 4 libras a melhor do mercado lacrado ermeticamrok a
8*200 cada urna. y
V inagre 4n garrfw com 5 garrafas de superior qdalidade
rnfa.Yer(jadaira muito nova a 32l
Almdeslee gneros eucoolfar o resf.
ArarilU.verdadMta iiuitooovaa320albra.
ipeiiavel publico em nossos armazens ura compreto


V
' -
L
j cp
JSjRHo. tendo quasi todo, rece-
2uL rWnaaencemmendea ; e eaUndo
z wnmM resolvios nao Tenderen)
, lt ""S" euder mais barato do que oolro
MB-i e juntamente pedem aoi ieu devedo-
s que Ihes mndem ou renham pagar o* aeua
"""fi *0D Ben* de erem juilicad*.
" 5**f"** Liaboa no brigue EugenU,
idnea barro e ama bnrra, oa qaaea ae
Tendem por barato prego : para v6r. na cocheira
(? rargo da Assembla o. 4, e para tratar, no es-
ctrptono de Antonio Luu de Olireira Azeredo.
AGENCIA
DA
Fudicao Low-Moor,
Boa da Senzalla Nova n. 42.
Nene estabelesimento continua a ha*er nm
completo sortimento de moendaa a meias moen-
das paia engenho, machina de vapor e taixas
de farro batid e eoado de todos os lmannos
para dito,
ftua da Seuzalla Nova n. 42.
Neste eitabelecimento vende-ie: ta-
clias de ferro coado libra 110 rs. idem
de Low Moor libra a 120 rs.
Fivellas douradas e esmalta-
das, para cintos.
A loja d'aguia branca acaba de receber por
araostra urna pequea qnantidade de fiefls
doarada e esmaltadla para cintos, todaa de ho-
to bonilos molde, e tambem douradas que
pare ce m de uro de le, o que s com experien-
cia ae conhecer nao oterem, ettando no mesmo
oaao as amaltadis, e asaim mesmo Tendem-ae
pelo barato preco de 2(500 rs. cada ama, na roa
do Queimado loja d'agnia branca n. 16.
Cestinhas ou cabases para as
meninas de escola.
O lempo proprlo daa meninas irem para a
asela,* por iseo bom que to compestas com
a la noTas e bonita cestinhas que se Tn-
dem ca raa do Queimado loja d'aguia branca
B. 16.
Veodem-se burros gordos e mansos : no
engeoho Jorissacs, do Cabo: a tratar alli com o
Sr. Domingo Franciaco de Souza Leo.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa : em casa de S. P.
Johnston di C ra da Senzalla Nova
n. 42.
KMBMSMBIK M3MSMS9KC*
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DE
B4ST0S 1 REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Om graod a variado sortimento da
roupa taita, calcados fazendas e todoa
este urendem por prego muito modi-
ficado como de teu cottume,assim como
sejam sobrecasaeoa de auperiores pannoa
casacos (eitoa peloa ltimos figurino a
269, 28*. 309 a359, paletots dos mesmo
pannos preto a 16$, 185. 20* e a 2*9,
dito de casemira de cor mesclado de
novo padree a 1**. 16*. 18, 20 e 249,
ditoa saceos das mesmas enemiras de co-
ras 9, 10, 12j>. H>, dito pretos pe-
lo dimiouto preco de8*. 101, el2f, ditoa
de sarja de seda a sobrecasacados a IX),
ditos de merino de cordao a 12 *, ditos
de merino cbines de apurado gosto a 159,
ditos de alpaca preta a 79, 89, 99 e a 10*.
ditos saceos pretos a 49, ditos de palha de
seda fazenda muito superior a 49500, di-
tos de briol pardo a de fusta o a 8 9500, 49
a a 49500, ditos de fustao branco a 49,
grande quantidade de calca de casemira
preta e da cores s 79, 8*, 9* e 10, ditas
pardas a 39 e a 49, ditas de brlm de cores
Bas a 2$500, 39, 39500 e 9 4g, ditas de
brim braocus tina a 49500, 5|, 59500 a a
69, ditaa da brim lona a 59 e a 65, colletea
de gorguro preto e de cores a 5| e a 6J,
ditos de casemira de cor e preto a 41500
a a 59, ditos de fustao branco e da brim
a 39 e a 39500, ditos de brim lona a 45.
ditoa de merino para luto a 49 e a 49500*
calcas de merino para luto a 4f500 eaSf,
capa de borracha a 9*. Para meninos
de todos os tamanbos: caigas de casemira
prefaedaeor a5|, 69 e a 79, ditas ditaa
de brim a 25, 39 e a 39500, paletots sac-
eos de casemira preta a 6f e a 7, ditos
de cor a 69 a 75, ditoa de alpaca a 189,
sobrecasaeoa de panno preto 112
14*), ditos de alpaca preta a 59, bonets
para menino de todas as qualidadea, ca-
misas para meninos de todos os tamanbos,
meios ricos vestido de cambraia (eitoa
para meninas de 5 a 8 anuo com cinco
babados lisos a 89e a 12|, ditos de gorgu-
ro de cor e de la iSfea 69, ditos de
brim a39, ditos de cambraiaricamente
bordados para baptisados.e multas outraa
fazendas e roupaa teitas que deixam de
ser mencionadas pela sua grande qnanti-
dade; assim como recebe-se toda eqwal-
quer sncommenda de roupaa para se
mandar manufacturar e que para este nm
temos m completo sortimento de fazen-
das de gosto e urna grande offlein de al-
faiate dirigida por am hbil mestr que
pela uapromptida e perfeigonadadei-
1* a deaeiar.
M
uopa*
. JMS beatos palm
dsdo peta relias a tfKt,
ida** **?m *** 400 rs. :
ecimeto ae acba Peitos de fustao lavrado para
"omisas a 500 rs. cada um.
Veodem-se bonitos paites de fustao lavrado e
trancado para cimisaa a 500 rs. sada um, fazen-
da mui boa e eocorpad : na ra do Queimado,
loja d agaia-branca n. 16.
Novo sortimento de tiras bo
dadas em ambos os lados,
A leja d'aguia-braoca receben nm novo e lin-
do sortimento de tiras bordadas em ambos os la-
dos, e contina a Tender baratamente a 19200
cada tira, e outras de bordados muito largos a
29OOO, o melbor que posslvel em tal genero,
e tedas ellas, pela largura qne teem, podem ser
divididas ae meio, pelo que se tornam baratissi-
: na roa do Queimado, loja d'aguia branca
Paliatorias de li
1
1
Liquidaco.
Braga, Silva & C, em liquida gao, convidam
aos seus devedores a virem saldar seas debito
dentro de 30 das, e participara que medidas ter-
minante aero empregadas contra os qae nao
compareceris.
Urna barcada,
Vende-se ana bsreaca do porte de 35 caisaa,
encalhada no estaleiro do mostr carpinteiro J-
intho Eleabao, ao p da fortaleza das Cinco Poe-
tas, sonde pede ser vista e examinada polos pro-
teudentea ; vende-se a prazo oa a diobeiro ; a
tratar com ianoel Aive Guerra, na roa do Tra-
piche n. 14.
% Mobilia.
Na ra da Gamboa do Carmo loja n.
12, vende se toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gasto moderno como anti
ga, phanthasia etc. por pretjo mais
commodo do que em outra qualquer
parte, fai-se todaa qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
para anjos.
i ar ns 1s Ssnsafs Moas. y\ sai
coa doce por preco commodo, reconunen-
para es aojos de procissio. J
0.I6.
Gollinhas e manguitos de pu-
'nhos bordados.
Na loja da sguia-branca vendem-ae gollionbis
e manguito da puaho bordados em On* cam-
braia transparente por 29500 ludo, o que na ver-
dade baratissimo : na raa do Queimado, loja
d'aguia-branca n. 16.
predio venda
Vende-se a casa de dous andares e sollo, mei-
agoa, no becco das Uiudinhas n. 8, avallada em
2.0009, a qual rende 1 1|2 por ceato ae met; na
ra do Trapiche a. 14. primeiro andar, ba pesaos
aetorisads pelo proprietario para efectuar a van-
ea da mesma casa.
Entremeios
bordados em cambraia
transparente.
Na loja d'aguia branca ae acha um bello sorti-
mento de entremeios bordados em fina cambraia
tranaparente, e como de aeu costume est ven-
dendo baratamente a 19200 a peca da 3 varas,
tendo quantidade bastante de cada padreo, para
vestido ; e quem tiver dlnheiro approveitar a
occasio, e manda-loa comprar na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16.
5 Para a quaresma !
Na ra do Queimado!
I n. 10. <
att LOJA DE 4 PORTAS
SFerro <6 Maia.
Vendem-se as segointes fazendas :
Mantelete pretos bordado multo ricos.
afjg Castas preas bordadas idem.
E Ditas ditas lisas.
ffar Sedas pretas lavradaa a 19, 19280, 29
' e 25500.
F Grosdenaple preto covado 1, 19600, 29
8P e 295OO.
djfb Sarja preta lavrada covado 1|600 e 2J.
jjL Dita dita lisa covado a 19500 e I98OO.
W Casemira preta muito fina corte 5, 69,
$ 79. 89 e 9.
n Panno preto a 39, 49, 5#, 69, 79, 89, 99
e 109000.
W Biquisaimos cortes de seda preta borda-
jfi dos a velludo a 6O9. 709, 8O9 e 909.
m Riqoiaaimoa cortea de gros^eoaiile preto
para vestido com bsbadinhos e duae
satas a 455, 50$, 6O9 n 70g.
s
Agnlbas imperiaes.
Tem o fundo dourado.
A loja d'aguia branca tendo em vistas sempre
vender o bom, mandn vir, e acabam de chegar
aqu (pela primeira ves) as superiores sgultus
imperiaes, com o fundo donrado e mal bem (fi-
ta, sendo pira alfaiatas e costureira, e cusa
cada papel 160 rs. A agulha assim boa anima
e adianta a quem coae com ella, e em regra sio
maia baratas do qae as ontras; quem as com-
prar na raa do Queimado, loja d'aguia branca n
16, dir sempre bem dellas.
Collec^es de estampas.
Acaba de chegar a loja da aguia branca urna
pequea quantidade de olleccoes de finas e
grandes estampas a fumo, representando elles 01
mariyrios do Senhor em 14 qoadros, os qnaes
sio bem acertadoa para qualquer igreja ou mes-
mo cass de qnem tenha gosto de as possuir ;
ebegou igualmente outra pequea porcao das
procuradas estampas morte do justo e a mora
do peccador : acham-se a venda somente na ra
do Queimado loja da aguia branca n. 16.
Tal ha res para crian cas.
A loja da aguia branca acaba de receber a sua
encommenda dos preciosos talhares para crianzas
e os est vendendo a 320. 400 e 500 r. coofor
me a superioridade delles : na ra do Queimado
loja da aauia branca o. 16.
Vende-se um balcao de yolta de are a relio,
por pouco diuheiro na padaria'da ra dos Pea-
cadores n. 1 e 3".
Vende-ae orna bonita mulata muito moca,
sabe coztobar, eogommar e coaer : a tratar na
ra larga do Rosario n. 18, no tercelro andar.
Yeode-se dona bois gordo maoaos proprio
pars carro oa carrosa quem os pertender dirja-
se a Santo Amaro junto ao hospital ingles que
achari com quem tratar.
Novos bonets de velludo, e
marroquim dourado.
Na loja d'agnia branca vende-se mui bonitos
bonets de velludo, e marroquim dourado, os
quaes aao agora mui necesiarios para oa meni-
no que vio para a escola e quem oa quizar com-
prar maia baratos dirir-se i cua do Queimado
loja d'aguia branca n. 16.
As verdadeiras pencas ingle-
zas caligraphicas.
A lojao'agoia branca acaba de receber sua
encommenda daa verdadeiras peonas de ac
inglezaa caligraphicas, dos bem conhecidos e
acreditados fabricantes Perry A C, e apesar da
falta que havia de.-sss boas peonas, com todo
vendem-se pelo antigo preco de2/00O a caixiuha
de urna groza, quantidade essa que as falsifica-
das nao trasem. Para livrsr de engaos, as ca-
lichas vo masesdas com o rotulo que diz. Loja
d'aguia branca raa do Queimado n. 16.
Sal de Lisboa.
i Vende se a bordo da barca portugueza Espe-
tanca, sal de Lisboa limpo e redondo ; a tratar
na ra 4o Trapiche n. 17.
Veode-se am terreno em Santo Amaro,
oloao hoapltal ioglez. com 700 palmos de fren-
e, em muito bom estado: a tratar na rus do
Trapiche n. 44, armazem de Braga Son &C.
-< _
RA BO QEIMDO N!4
JSMNDE20STIMETO
aa
faites a 25g,
de cor
Sortimento completo de sobrecasaeoa de panno a 159, 289, 309 e 35. casacos
. 1 nulto bem
m 'Sli *5' P*leto1* acasacadosde panno preto de 16 at 15&, ditos d i caaemira
de cor a 15J, 181^e!. pal.tola aaccoa de panno e casemira de 89 at 149, ditos saceos ds alpaca
Sl";a!-U^.* **. *lf**' ,i,bte 09 at 14fi ditos de cor da 79 at lOf, roupaa para menino de todos os tamaohoa grande sorti-
mento de roupas de brin como ejam calca, paletots e colletas, sortimento de eo'lleUs breto da
setim, casemira a velludo de 49 s 9J, ditos para caaamenlo a 59 e 69, paletots branede de bra-
mante a 49* 5f, caigas brancas muito finas a 55, e um grande sortimento de fazendas fina s e mo-
dernas, completo sortimento de caaemira inglezas para hornera, menino a aenhora ieroalss de
linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvaa ds seda da JouTin para homem e aenhora. Te-
mos urna grande fabrica de alfaiate onde recebemos sncommenda do grandes obra, que para
isso eit sendo administrada por am hbil mostr de ssmelhsnte arte e um pessosl ds mais d*
cincoeota obreiros escolhidos, portalo executemos qualquer obra com promptidao e mais barato
do que em oatra gaalquer caaa.
Novo paquete das novidades
23-Rua Direita~23
Neste novo slabelecimeoto achar o publico um grande sortimento tendente
ludo por preco maia barato do que em outra qualquer parte :
Manteig iogleza especialmente etxolhida s 800 e 960 rs. a libra.
Dita fraoceza a melhor do mercado a 720 rs. s libra.
Queijos flameogos ebegado no ultimo vapor a 2J800e 3J.
Cha hyson e preto a 29 e 5*880 a libra.
Vinho engarrafado dos melhores sutores a 19 e 19200 a garrafa.
Vioho de pipa propros para psato a 500 e 560 a garrafa.
Marmelada imperial dos melhores autores a 900 ra. a libra.
Ameixaa portaguezas a 480 rs. a libra.
Psssas muito novas a 500 rs. s libra.
Latas combolaehiobssde differentes qualidade a lf400.
Conservas inglezas as melhores do meresdo a 800 rs. o frasco.
Maesas, talharim, macar rao e aletria a 440 rs. s libra.
Cerveja das melhores marcas a560 agarrafa.
Geoebra de bollaoda superior a 500 rs. a botija.
Velas de carnauba a 440 ra. libra.
Ditas de spermcele a 760 rs. a libra.
Vinagre puro de Liaboa a 320 r. a garrafa.
Arroz a 100 e 120 rs. a libra. '
Al pista a 160 rs. a libra.
Toucioho de Liaboa a 360 rs. a libra.
Alm dos generas snaancisdpa achar o publico um grande sortimento de um lado tenden-
te a molhados mais barato do que em outra qualquer parte.
-----------',_______________._____________,____________^_^_
ARMAZEM
ROUPAPBFPA
de Hamburgo.
De hortalici e flores.
Viodas pelo ultimo vapor inglez : na ra da C-
dela do Red fe loja tfe Vidal & Bastos.
Aos Srs. consumi-
dores de gaz.
Nosarmazens do caes do Ramos ns. 18 e 36 e
ns raa do Trapiche Novo (00 Recife) n. 8, se
I vende gaz liquido americano primeira qualida-
*de e recentemente chegado a 149 a lata de cinco
galloes, assim como se vendsm latas de cinco
garrafa a em garrafas.
SUVA
Pee hincha
Pechincha admiravel na
leja do Pavo a 10$
Vende-se pecas de bramante de inlio
puro bastante encorpado proprio Iparu
encoes, toalbas, seroulas, camisas pas
1 rtotsetc etc tendo cada peca 2, va-
raspelo baratissimo preco de 10 7 pe-
ca, e tambem se vende meia peqa po-
5$ ou se retama a 400 rs. a vara : na
ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavao, de Gama & Silva.

Joaquim F. dos Santos.
40-Rua do Qoeimado-40
Defronte do becco da Gongregaco letreiro verde.
Neste estabelecimento ha sempre am sortimento completo de rospa falta de
todss as qualidadea e tambem se manda ezecutar por medida & Tontada dos fregue-
ses para o que tem am dos melhores profssors.
Casacas ua panno preto a 40g,
o5a e
Sobrecasacosde dito dito a 359 e
Paletots de panno preto e de co-
rea a 359. 309, 25*. 109,189 e
Ditoa de casemira de coree a 229,
15|. 129. 79 e
Ditoa de alpaca preta golls de
velludo fraacezas a
Ditos de merino setim pecios e
de corfs a 9f
Ditos de alpaca de cores a 59 a
Ditos de alpaca preta a 99,79 59 a
Ditos de brim de cores a 51,
4#500.49e r
Ditos de bramante de linho b an-
co a 69, 55 e
Ditos de merino de cordao preto
a 159 a
Calcas de casemira preta e de co-
rea a 129, 109, 9f, 79 a
Ditas da princesa e merino de
cordao prate a 59, 69500 e
Ditas de brim branco e de cores s
5. 49500 e
Calesa da gange de coree a
Gollete de vallado preto e de co-
rea liaose bordados a 129,9& e
Ditoa da caaemira preta e d* co-
rea lisos e bordadoa a fJ.
59500,5 *
3O9OOO
309OOO
209OOO
99000
IO9OOO
8000
39500
S|500
2J.500
31000
89000
3J508
Ditos de setim preto 59000
Ditos de seda e setim branco a 6 e 59000
Ditos de gorguro de seda pretos
e da cores a 79, 69, 49 e 5$000
Ditos de brim e fustao branco a
38500,29SOO e 39OOO
Saroula da brim de linho a 29 e 29200
Ditas de algodao a I96OO e 19280
Camisas de peito de fustao branco
e de cores s 29400 e 29200
Ditas de paito de linho s 59, 49 e 3*000
Ditas de madapoln brancas e de
cores a 9$. 2*500, 2J a 1J600
Chapeos pretos de massa franceza
forma da ultima moda a 101,
8S500 a 79000
Ditos de feltro a 69. 59, 49 e 2*000
Ditos de sol de seda inglezas e*
francezes a 14J, 129, 115 a 7&000
Colarinbos de lineo muito fines
novo feitios da ultima moda a 9800
Divos de algodao 9500
Relogios de oaro patente e hori-
zontal a 1008. 909 80| e 708000
Ditos de prata galvaniaados pa-
tente e horizontaes a 409 e 30800o
Obras de ouro, aderecoa e meios
aderecoa, pulceiras, rzalas e
ansia a 9
Toalbas ae linho duzia 108, 6* 98000
Ditas graodea para mesa ama 39 e 4900o
Fejao.
linho em
: na ra
refina k

Vende-se feijo muUtinho em saceos, muilo
novo, e por preco barato: oa ra Direila n. 8.
Vanism
slnhaa co
atareis
Vende-se na ra do Queimado loja de ferre-
gena n. 18, a 88500 a arroba e em porcao a
vender por aullo menos.
Escravo venda.
He roa daa Cruzas n. 3, segnndo andar, veo -
de-se um preto proprio pa*a todo o servico, por
prs;o commodo.
m NOVA CALIFORNIA
DE
Na ra da Imperatriz uum^ro 48, junto a padaria traaceza.
Vndese sedas escoceses de bonitos costos a 109, cambraia lisa a peco a 18800. 2J500,
39500 a 49. cortes de cambraia brancas com barra de cor a 29800 e 3f, ditoa brancos bordadoa a
3*500 e 48500, duzia de moiaa pare aenhora a 29500. ditas fi las a 39500 49, ditas croas para
homtm a 29, finas a 2*500' ehle de lartstana a 640 rs., dito da algo-lio alcoioados i$. golli
nhas muito finas bordada a 610 e 860 rs., manguitas moderaos manga bailo a 800 a 19, mangui-
tos, gollinhas e camisa de crep p'reto bordado e croch a 2*. Sitos de idnihos a 2*500, ricos eo-
fetes pars seohors s 5J 5*500. cintos douradoa da bonitos natos s 2$, 2*500 e 89, cbaueoa en-
feiadoa para baptisado a 3* 4*. ditos 1 sol para senhura a 4* e 5*. ditoa de aol para bomem a
6*. leucoa de cassa grand* duzia a 2*400. ditos de cambraia bordados s 200, Me) e 800 rs., gros-
denples preto fino 1*800 2* o covado, ricos mantelete* pretos tfe groadenaple a 20*, 2t* e 259,
panno preto fino a 3$ e 89500 o covado, fil liso branco multo fino s 640 a rara, dito borde
1*200 e outra rjjuii. f.x*o roupa feiUs por procos qae admira : na leja de Paredes Porto. '
es-
a 500
da agu
Rival
sem segundo.
Na ra do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, esl diaposto a Tender ludo por prego que
admira, assim como se ja:
Frascos de age de lavande muito gran-
des a
Sabonetes o melhor que pode haver e
Ditos grandes multo finos s
Frascos com rheiroa muito finos a
Ditoa ditoa muilo booitoa a
Garrafas de agua celeste o melhor a
Frascos com baoba muito superior a
Ditoa dita de urco fioissima a
Fraseos de oleo babosa com cheiro a
Di ios dito dito a
Ditos dito nito a
Ditoa para [impar a cabeca e tirar caapaa a
Ditos dito philocome de verdsdeiro a
Ditos com baoba tranaparente a
Ditos com superior agua de colonia a
Dita, fraseos grandes a
Fraacos de- maca; oleo a
Ditos de opiata peqoenoa a 320 o
Uno de dita grandes a
Tam um resto de lavande ambreada a
Linh s branca do gaz a 10 ra., e tres por
dous, e fine a
Dita de carteo Pedro V, eom 200 jardas a
Dita dito dito com 50 jarda a
Carretela de lioba com 100 jardas a
Duzia de meisseruas muito encorpadasa
Dita de ditas muito superiores a
Dils de ditas brancas para senhora, mui-
to unas a
Vara de bico da largura de 3 dedos a
Dita da franja para toalbaa a
Groza de betoee de louca brancos a
Duzia de phosphoros do gas a
uita de ditos de vela muito superiores a
Peces de fila para ce de todaa es lar-
guras a
Carteiras com agulhas.
A loja d'aguia branca acaba da despachar car
teiraa comagulbaa de mu boa qualidade, e ex-
cellenle sortimento, e as est vendendo a 500 rs.
cada urna ; asaim como recebeu igualmente no-
vo aortimentn das sgulhaslmperiae, fundo dou-
rado, que continan) a ser vendidas a 160 ria o
papel, isso na ra do Queimado loja d'aguia
branca n. 16.
Argolas de ac para chaves
vendem-se i 200, 240, 320. 400 e 500 ris, na rus
do Qneimsdo loja d'aguia branca n. 16.
Froco fino, e seda frouxa para
bordar
vende-se na raa do Queimado loja d'agsia branca
n. 16, onde se achar completo sortimento.
800
320
160
500
19000
19000
240
600
240
320
500
720
900
900
400
500
100
500
800
500
20
60
20
30
29400
48500
8{000
120
80
120
240
240
320
7
Zuvaft pretas dfe torzal
para moluaf a~"30 rs! o
par.
Vendem-se lua^^syla>to#cal em bom
tado para meninas de diversos lamanbos
rs. o par: na res do Qneimado loja
braoca n. 16.
Agua de lavander e pomada.
Vende se superior agaa de lavander ingleza
pelo baratissimo preco de 500 e 640 rs. eada frs-
ce, pomada maiiissimo fioa em paos grandes a
500 e a 19, Teode se por to barate preco pela
grande quantidade qu ha : na ra do Queimado
na loja de miudezes da boa fama o. 55.
Bicos de linho barato.
Vende-se bonitos bicos de linho de dous a
quatro dedos de largura fazenda muilo aooerior
pelo baratissimo prejo da 240, 320. 400 e 480 rs.
a Tara, vende-se por tal preco pela razio de es-
terero muito pouca cousa encaldidos, tambem se
reodem pegas de rendas lisa perfeilamente boa
com 10 raras cada pe?a a 720, 800 e 1|. ditas
com salpicos multo booitas e diversas larguras a
19200, 1*600 e 2* a pega, ditas de seda a 29 ca-
da urna peca : na raa do Queimado aa bem co-
nhecida loja de miudezas da bes fama n. 35.
Liuhcts de cores em nvelos.
Vende-se linhas de cores em nvelos fazenda
em perfeitissimo estado pelo baratiasimo preco
de 19 a libra : na roa do Queimado loja de miu-
dezas da boa fama n. 35.
Papel de peso a 2$ a resma.
Vende-se na ra do Queimado toja de miade-
zas da boa fama n. 85.
Meias pretas de seda.
Vende-se meia de seds pretas para ae^no
fazenda mnito aaperior peto baratisaheo ^eco,
de 19o par : na ra do Queimado na bem co-
nbecida loja da boa fama n.35.
Fazendas preta?
superiores.
Grosdensple prato muito superior pele dimi-
nuto preco de 2* o covado, panno preto muito 11-
no a 3, 4, 5, 6. 7 e 9g o covado. caaemira preta
muito fina a 2g, 2^500, 3, 3*500 e 4* o cov.do,
mantas pretas de bloode muilo superiores a 12*,
manteletes de superiores grosdenaple pretos ri-
camente bordados a 35*, sobteessecas de panno
preto muito fino a 309, caaacas tambem de panno
preto muito fino a 309. paletots de paooo'prelo
lino a 18 e 20*, ditos de casemira de cor mes-
ciada a 189, superiores gravalinhas eatreitas a
!* ditas de selim macio ede gorguro muito su-
periores para duas voltas a 29, ditaa estreitiuhas
com lindos alQuetes a 2*, superior gorguro pre-
to para colletes e 4* o corle, reos eofeite pretos
a 69, e asaim outraa multas fszeadaa qee sendo a
diobeiro vista, vendem-se por precos mnito ba-
rato : na ra do Queimado n. 22, na bemeoohe-
cida loja da boa f.
Vende-se urna balanza romana quasi nova
com grade para pesar couros ale. : a tratar oa
ra da Cedea do Recite o. 4.
Superior cal de Lisboa.
Tem para Tender em porcao e a retarjo Anto-
nio Luiz de OliTeira Azevedo & C-, no sea et-
criptorio ra da Cruz n. 1.
Escravos fgido.-
Rival
sem igual.
Com bom sortimento.
Eofeites pretos com franja a 5*500, fivels de
ac muito bonitas a 1*500, agulhas francezas cur-
tas e comprldas a 60 rt carreteis de lioba de
200 jardas a 60 rs., ditas de Alezanders a 80 rs.,
ditas de 100 jardsa de cores e braoca a 30 rs.,
carloes de clcheles com dues carreas a 60 rs.,
pitos de urna a 40 e 60 rs. : na roa larga do Ro-
Mrio n. 36, loja do Pedro Tino g.
armazem de fazendas
DE
Santos Coelho
Ra do Queimadei n, 19.
Leocoea de bramante de linho a 39.
Cobertaa de chita finaa a 2*.
Ditas a preco de 1*800.
Cambraiaa pretas muito finas.
Colchas de fuilio muito lindas a 6*.
Esleirs da India da 4, 5 e 6 palmos de largo
propriaa para forro de cama e salas.
Lencoes de panno de linho fino a 29.
Aigodjo monstro a prego de 600 ra. a Tara.
Toalhaa de linho para mesa a 49.
Ditas de fuslso para mos, cada ama 500 rs.
Baldes para meninaa.
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramentu.
Csssas fraoceza* de bonilos goatos a
320 rs. o covdo, luvaa de trocal pretaa
e da aeda a 500 ra o oar, chitas trance-
sao largas escuras s 240 ra. o covado,
ditaa fins a 260 e 280 ra., fil de linho
liso a 640 ra. a vara, tarlatana fina de
todaa aa corea a 800 rs. a vara, leocos
brancos com barra de cor a 19(00 a du-
zia e 120 r. cada um, meias para bo-
mem a 1J200 a duzia e 120 rs. o par,
chitas para eoberlc de bonitos dese-
abas s 220 rs. o covado, pecas de b;e-
tanba de rolo a 29. ditas de cambraia Use
eom 6 1|2 Taras a 39, muss*lina encar-
nada a 240 rs. o co*aSo, ctlcmhas para
meninaa de escola a 1* o par, peitoa
para camisa brancos e de coree a 200
rs., pecas de cambraia branca de lpi-
co a 29500, algodao eofeaUdu o melhor
a 700 rs. a Tara, dito branco para loe-
Ihas a lf a vasa, totolea doa maia mo- ,
derooa a ga ralo i 6*.loja eat abes>j
Ib al as 9 horas da ooite.
Escravo fgido.
50#000.
Esta fgido desde 16 de fevereiro prximo pas-
sado o preto Joao que trabalhou com Joaquim
Lniz dos Santos VillaTerde, na padaria da ra
Imperial n. 199. e ltimamente estar na padra
junto a caixa o'agua com o Sr. Miguel Jos Tei-
xeira d'oode se auseoion, tem os seguiote* sig-
naes : corpo ealtura regulares, mos e pea gran-
des, costuma andar de barba grande inclusive bi-
gode, tem andar giogador, e as Tezes anda do
psUtut ordinario e calcado ; recommenda-se aos
senhores da polica e aos capules de campo que
o pegar, levem-o ao largo do Carmo ao abano
assignado, ou a fabrica do sabao, que sei grati-
ficado com 50*.
Narciio Jos da Costa Pereira.
Auiontou-se do dia 23 do correte urna e-
crava de oome Josepha, levou vestirlo de chita
encarnado panno da costs, repreaenta ter 40 an-
: m preta nariz fino e queixo, sd tem um
debe oa frente e tem o rejeito cima dos calca-
nhares, foveiro, desconfla-se ter fgido parar a.
banda de Panellaa por ter rindo deste lugar para
ser vendida oesta cidade, pede-se assutoridadey
ou a quem a pegar lera-la a seu senhor na ra \
do Imperader n. 69 ou no pateo do Carmo n. 22.
Fngio da Estrada Nova, onde perooilsva,
indo para o engenho Tres Algoas, no Crt do
Bom Jardim, o mulato escravo dos sigoaes se-
gantes : cabello carapiobo, altura regatar, chelo
do corpo, pernea groseas, cara larga, olhos papu-
dos, denles limados, falla roncee- groase, pouca
barba, espinhas no rosto, cicatrizes as na.iegas,
idade 20 para 22 anoos : quem o apprebender,
ser generosamente recompensado, levando all
ao Sr. Joaquim Travauos Ssrinho, ou nesta prs-
Sa a Andrade & Reg, ra do Crespo n. 8.
Fugio do abano assignado dous escravos.
um no dia 10 de fevemro prximo passado, e ou-
tro no da 17 de fesereiro prximo passado de
62, ambos trmaos : o 1.* Luiz, cabra, de idade 27
annos, boa ahur, tem barba, olhos abotoados e
grandes, um pouco smsrello, que eslava em re-
medio, e tem o dedo da mo direila junto ao po-
legal aleijado por ter mettido em nena roda do
mandioca ; o 2." chama-ae Jo, crioulo, ida-
de 22 annos, sem barba, testa grande, boa altura,
um pouco secco, muito prosista, a quando est&
em p direito mostra ter a barrigas flas' pernas
cihidas para trsz, tem marcas de relho na na-
degss de urna fgida que fez pars Crnangi, e iies-
eonna-se que elle fosie para Goianna c- m des-
tino de assentar prac,e, e por iaso pego a qual-
quer espitso ae campo que o prender de o eoa-
duzir a seu senhor no engenho Serra Grande, dc-
trido de Alagda Grande, termo da cidade de A-
reia, que paga-se100* por oada am.
Amonio Galdino Alvares Nabuco.
Fngio de bordo do patacho nacional Espa-
darle o escravo de nome Francisco, sfrieaoo, de
46 anoos de idade, estatura regular, eor preta e
nariz chato. Como desconheee o torra, cre-se
nao teri sahido da cidade oa sene arrabsldes:
roga-se. pois, a quem dadle souber, qoeirs acre-
senta-lo ou dar noticies: na ruada Cruz n. 3, *
escriptorio de Amorim Irmaos, qae sene recom-
pensado.
Fngio no dia 20 do correle de borflo do
patacho Cepoama, o escravo crioulo martnbel-
ro de non. Antonio, idade 19 annos pouco mais
ou menos, sltura regular, rosto comprido e rom
signos signses de bexigas, levou cal^a e camisa
azul : quem o pegar lee-o ac escriptorm de
Antonio Luiz de O iveira Azevedo 4 6. rna da
Cruz a. 1, ou a bordo do dito patacho que ser
generosamente recompensado.
I t-t. i
toosooo
9.a
D-se a gratificaclo de 1009 a quem pegar o
escravo Hanoal conbecido por Manoel Francisco
cujo escravo do abaixo atsigoado, tem os sig-
naes seguiote: cor mulato, esteturs regular, ca-
bellos carapiohos, os dous denles de cima da
frente grandes, rosto comprido, quaodo aoa
muito espigado, muito desembarazado no fallar,
b.m feilo de pea e naos, dia qae coae soffrvjf
de alfeiai., este escravo foi do finado teneote-
coronel Bernardo Aatooio de Miranda enbor do
engenho do Brurn.no Csxanga aonde foi anaci-
do e criado e 4 muilo conhecido naqueile lugar,
tendo sido vendido pelo Sr. Dr, Graciano de Pau-
la Baptiata no dia 22 de favereiro prximo ca-
sado a fugio no dia 26 do mesmo mea, ete es-
cravo j estere fgido quaodo era do Sr. Baps-
ta.para ss bandas da ciade deOlinda ou B*bao
ribe e vinha vender carrao nesta etdstte tanto
que foi pegado na ra da Guia com u*a cara-e
de carvao, mullo de auppor qae te oh mudd-
o oome e que se intitule de forro : rege se se
suloridsdas paUeiaes e capil&ea de campo a ap-
prehenaao do ato escravo, asaim como att-
flea com a quaalia cima a quem o irouxer oa
der noticia certa aonde esta assim como desde ji
.se protesta contra qnem qoer que o tenia acon-
tado.
Albino 4a SHra Lee).
i


r8
AWO-Wfc f .WUMlsCO, UftBADO 1 M MERCO DE 1M>
LitUratura.
iilr
RELIGI10.
A Messiada .
( Continuagio.)
Que fti lu, E'loh ? lhe pergunl. elle
( l'rim J. E Etoha se aproiima e diz :
L em baixo, em freole dessas columnas
d'ouro, vejo as mezas da providencia, e o lino
da vida. O sopro de immortalllade lhe abre ai
folbas ssgredis, em que meus olhos lem o no-
mes dos ehristaos quo bao de vir. Mais alm,
abre-ae o cdigo que ha de regular as 9enteo;as
do jolio universal ; essas paginas terriveis agi-
Um-se, semelhantes aos estandartes que condu-
ziam ao combate; contra os aojos rebeldes, os
seraphins heroicos e Ois. Sob essas abobadas de
prata brilham milbelros de candelabros, smbo-
los das geracoes redimidas. L'rim, tu podes con-
tar seu numero, os mundos podem contemplar
os altos feitos dos anjoi ; nos comprehendemoa
as loeffaveis delicias dos immortaes ; mas a re-
dempglo um mytttrio mesmo para oscus !...
Lobrlgo throno do juiz supremo, e o ogo que
devora, que eiecuia os decretos que caem desse
throno... A tempestado sola o elera sobre scu
camioho de nurens procellosas... Gragas o
Mesiiaal juiz do universo, tu que dispes da
corte eterna, grecas 1...
O ralo entre-abre pela sptima Tez o impene-
travel feo do .actuario, e a voz do Eterno se faz
ouT,ir, dizendo :
c Ea soa o principio do amor ; en me revele
pela creaglo, me revelsrei de novo pela coorle
de mea Filbo 1 A' hora dessa mor te, eu tos sus-
tentarei a todos, afim de que ella vos nao anni-
quille & tos, para qaem o tempo pode acabar I
Cala-se, e o sea pensamento d ao divino
fclohs ordeos, que o seraphlm communlca de im-
proviso tos habitantes do cu.
Sede bemditos, dis loha, vos que podis
contemplar Tosaa crealura-na soa misericordia ;
cusae leractir os olbos, 1Sle voasa felicidade em
eua fronte, que para vos se inclioa com paternal
)ndescedeocia. Volvei vossos olbos para Ga-
riel ; para vos que veiu elle ante o altar da
redempgio ; o Filho do Eterno quiz que todos
vos fosseis testemunhas de seu sacrificio. Vinde
celebra-lo comnosco, almas virtuosas, que ou-
ti'ora habitastes a trra. Entre aquellos de vos-
sos irmos, aioda envolvidos em seu manto de
poeira, ha muitos que perseguiram, que trahiram
0 Filho do llomem ; seus nones cstao, desde
Buito, ciscados do livro da vida. Um raio celes-
te descerrar os olhoa dos amigos derotsdos de
Jeios ; e nao vero maia no aangue da redemp-
cio, aenSo um rio .grado, que conduz do tempo
eternidade I Parli, anjos e seraphlns ; ide di-
zer aos ezecutores da Tootade suprema, que se
Frppirem celebrar as (estas da luz, e da paz
eterna. E vos, alias resgatadas d'ante-mo pe-
to Messias; e tos que sois seus paes, poia que
elle formou para si um corpo mortal, com as
cinzas dos corpos que deixsstes na trra, afim de
que amadureceise para o resurreico, eocami-
nhae-vos para o sol que allumia o ponto do in-
finito, onde consammar-se-ha o mysterio da re-
conciliado universal. Descei sobre esse raio lu-
minoso, e contemplae o Homem-Deus em seu
abalimento, em suas angustias I Jehva assim o
determina. Cus, escutae-me ; chegado o se-
gundo dia do repouso, o segundo sabbado,
maior, mais solemne que o primeiro .... Vos
cao tendes esquecido, meus irmos, esse mo-
mento em que a natureza apenas acabada, tir-
ana e mi ao mesmo tempo, se tornou a nutrir
de todos os seres creados : o iostaote em que o
Heesia8 completar a sua obra, ser aioda maior.
Apressae-vos a annuncia-lo ao infinito, esse
instante a que o Eterno chama o sabbado de al-
hanca.
A' voz d'CIoha, os anjos e seus irmos immor-
taes, as almas dos patriarchas e dos bemaventa-
rados, se dispersara atravz do espado ; s Ca-
rmel permanece firme junto ao throno. Deuslhe
da ordens para o aojo Uriel, o maior dos genios
protectores da trra ; e o seraphim se aparta, para
ir cunprir sua mensagem.
A' medida que se aproxima das regidas terres-
tres, Gabriel ouve clamores lastimosos, que pe-
der a salvagao da eapocie humana ; e, entre esses
f rwS' d0 Primeiro homem o mais tocan-
te. Abysmado em profundas meditagoes sobre
sua queda, seu pensamento abraga os seculos pes-
iados e futuros
Gabriel desee ao altar terrestre da redempcao,
cuja imagem celeste o propheta da nova allianga
vira durante seu exilio, sobre as margens de
1 alhmos, quando os rocbedoi dessa regina lhe re-
petem as lamentages dos marlyres. e as lagri-
mas das almas libertadas, que pediam ao juiz su-
premo que relardasse o dia da vingsnea.
O corpo que envolve a alma de Ado nio pas-
ca de urna nuvem vaporosa ; e todava, suave
e bella como a imagem que fluctuava na mente
eterna, quando a trra do Edn, exaltando, com
FOLHETIM
O PAIZ DO IMEDO O
POR
A. DE GONDRECOURT.
(Costantes dos nmades.)
SEGUNDA PARTE.
VI
( Continuado,)
{?8a accesos no acampamento dos Fran-
cezes bnloaram na planicie a duas leguas d'al.
Os cavallos dos nossos viajores enterravam os
cascos na arela ; e o baro Aroold voltava-se re-
petidas vezes por bumaoldade para exigir de seus
companbeirosquehouvessem eompaixo deGhrel-
lab nao o apressando lauto.
AUendei, dizia elle, que um djouad. um
cobro caTalleiro, e um chefe talTez, que condu-
zimos ao acampamento. Os seus ps delicados
nao o podem servir como os de um rustico.
Engana-se, Sr. bario, obserrava Pompidou.
tueste paiz a nobreza de espada conhece-se pela
coragem, vigor, destreza e valenta. Na Franca
e em toda a Europa os grandes nao sabem, ou
procuram esquecer, que os aotepassados devo-
rara seus pergaminhos emprezas que demao-
davam oom p e bom olho : elles nao, que por
goato fazem passar a energa dos msculos para o
cerebro ; exercitam o espirito, mas debilitara o
corpo. Aqu, a quaoto mais nos enlranharmos
cara o sul mais se cooheceri a verdade do que
digo, aqu ninguem grande, nioguem chefe
ou senbor, se nao tem, cavallo, os oelhos de
um ftetre, p os jarretes de um Biscainho, e
pe ou cavallo a coragem de um Seelorf....
Sempre o cooheci um perfeito Gasco, meu
pobre Pompidou.
Helhor I porque islo quer dizer que fui
sempre amavel. Alm disso sou sincero, e nao
sei que haja alguem maia bravo e mais Grme do
qs! V .c-': e.a Pf0T que ha quinze annos
nao desuno anda de urna empreza, na qaal
da um de nos tr.balha com o corago na
Perdi meu amigo, esqaecea-se de urna
pessoa que todos os da. d ligoes de firmeza
nos ambos, e aos mais intrpidos de nossos ami-
E' verdade : madama Thereza o modelo
dos modelos ; tambara ella mais do que um
homem. mae. Oh I Paciencia divina I nao p-
dennos nos enviar-lbe alguma boa noticia deste
Paiz do Medo, que nioguem conhece, eonde va-
mos j to sdiantadoi....
Adiantados I Aioda nem ao sul chegamos.
Obrigado V. Exc. I Nao sel mais qan-
tos das partimos de Argel, achsmo-nos j
cem leguas distante da costa, e hoje 19 de n-
ventelo fax aqu um calor abrazador I ...
Bati, qaeixa-se por isso ?
aT.i ^,.!linh0ur: "" ni0 chegamos atada
ao sul, quando chegaremos ?
rfJL^.M* u? Pail alem de Laghouat me
desconhecido abeoluumente, e oa seus habitan-
tes fogem-nos com tanto culaado.que me nao tem
do possivel obler o menor escaVcimento! Os
Jadeas e os peregrinos calam-se quando sao in-
terrogadoe, ou toroam-8e mya||afcsos. O Paiz
do Medo talvex um paiz qtTt encou-
cootra as legeadas, como euea de que fallam oa
cootos da minhs velha Allemanha.
Ghrellab escutava com Tiro interesse a couver
J Vid Diario a. 627
doce estremecimento, a superabunda naja <}e ana
ora vida, transformou 98 sob a mo da Crea-
dor, para raalnar sea pensamento.
Agitado pela esperance, e pelo terror, Adi di-
nje-se para Gabriel com passo inserto, e diz-
lhe: i a
Eu te saldo, bamareotaralo seraphim ; tan
aspecto, minha alma enche-se de alegra; por-
que conhego a mitsao qae vaaa cumprir, Ah
que nio posas eu seguir-te, e contemplar de teu
lado o Messias, sob a humilde forma que escolbeu,
para resgatar os horoens que perdi 1 Qae nio
posea banhar de lagrimas o lugar, onde alie ora,
e onde soffre pelos meamos homens I Que me nao
sej per mi (lid o ver de novo essa trra, onde re-
cebi a ida I Acha-la-bia maia bella, que os ral-
les do Edn, essas plagas devastadas pelo analh-
ma da morte porque oella esto aa pegadas do
Redemptor.
E Gabriel responde.
a Eu lhe darel scieocia de leus votos e desejo;
espero que se dignar de permltlir-te contemplar
a gloria celeste, em seu abalimento voluntario,
para salvar tua raga.
Ado lhe agradece por um sorriso melancli-
co, e o seraphim reassuae o seu too para a
trra;
Terra bemdicta I as vozes que rompeos do in-
finito a proclamara rainha dos mundos, amiga dos
cus, confidente do Messias, que a escolheu para
oella contummar seu sublime sacrificio. J as
estrellas viajantes a circumdam de suas doces
claridades matioaea; porm, a frescura, e o som-
no habitara anda em aeus valles, a expessas nu-
rens cordam o cimo das mootsnhas, que Gabriel
(oca com os ps. Dobrando pressa seas azaa
azues, Gabriel marcha, arenga, buses o Fllhj do
Eterno, e o eocootra adormecido ora ama das
mais sombras quebradas do monte das olireiras.
Ferido de admirago, para, e o adora em silen-
cio. A cilma, e o amor celeste respiran sobre a
face do Messias, erabelecido com todo o brilho,
que o reflexo da Diriodade pode dar forma hu-
mana. Um sorriso melanclico, e benvolo lhe
roga os labios, urna lagrima lhe scintilla da pal-
pebra cerrada, e revela o amigo dos horneas. O
somno, cubrindo-o com suas papoulas de cores
dnvidosas, oceulta o Deus, mesmo aos olhos de
Gabriel. assim que a trra, quando o creps-
culo de urna tarde de primavera a envolve, appa-
rece a estrella polar, que se eleve cima de um
horisonte deserto, e convida o sabio a deixar aeu
retiro pacifico, para contempla-la, e beber em
seus nios misteriosos o presentimento da im-
mortalidade.
(Klo Ps Tocs.,1
P. de C.
cao e Gato.
Aventura de carnaval.
Amelia.com um roupo alvo como a nev, es-
lava assentada ante sua mesa de trabalho. Ab-
sorta em seus pena amemos, fazla gyrar em torno
de seus delicados dedos nm pequeo papel ma-
chucado,mas cujas dobrasatteatavam anda a for-
ma to conhe cida, da carta amorosa.
O favorito galnho de Amelia, que, por causa
da preoccupiciio de sua seohora, vie-se privado
das caricias a que esta o habituara, dobrava suas
airas e macias costas sob o oiveo e assetinado
brsco da joven eeohora.
Queres consolar-me. pobre Minetto, diz el-
la, acariciando ligelramente o animalsiobo ; ,'coi-
tadinho 1 tu me amas mais que meu marido,'qe
d cartas de amores a mascaras desconhecidos,
entretanto que qual outro Othelo atormenta de
ciume a sua malher, que o ama mais que a si
propnal E-s o que tu nanea fariaa minha querida
Minette I
O gatinho lngara sobre sua senhora olhares
em que se revelavam muita intelligencia e inte-
resse, mais infelizmente nao poda eeccar es la-
grimas que rebentavam dos olbos de Amelia.
Esta estivera um pouco iocommodida na ves-
pera, tanto tere de renunciar e um baile de mas-
cares, cujo dia fra por ella e seu marido espera-
do com muito prazer e Impaciencia I
Vctor qaizera tambem ficar em caaa e fazer
companhia a sua mulher, mas esta insisti forte-
mente .ara que elle pelo menos se nio privasse
do prszer qae ambos esperavam gozar, e... elle
parti so para o baile.
Amelia ficou ; mas, casada de fresco, e nio es-
tando anda acostamadi s passar ama noite sem
seu marido, o tempo para ella audava com len-
tidao de desesperar; cada quarlo de hora lhe pa-
reca lao loogo como urna noite inlelra.
Seu pensamento inquieto segua a seo marido
oo baile, e o espirito acompanhav cada um de
seus passos.
Poder elle divertir-se sem que eu l es-
teja 7 pensavaella. Conversar com outraa mu-
Iheres? Em verdade. desejaria ardentemente
ssber em que estar elle se oceupando. e o que
estar dizendo 1
Urna idea sbita lhe reio ao pensamento.
Bom gracejo I exclamou ella ; vou sorprnde-
lo no baile, e achar-me junto a elle, sem que o
desconfe.
sagio de Aroold e Pompidou, porque contava re-
gular a aua conducta e a sua linguageai. Aasim
caminnava com o pssso firme e apressado para
conservar-se ao alcance da voz dos seus interlo-
cutores, o que foi tido petos spahis como um acto
de submisso.
Os soldados acabavam da eua ragio da noate,
quando a pequea tropa chegou ao acampamento
com o prisiooeiro.
Os primeiros caidados de Arnold foram pare
Pompidou que soTria cruelmente da sua fenda :
conduiio-o ambulancia para ser examinado.
O pobre collado tioha quebrade a clavicula direi-
ta, e ouvlo com desespero pronunciaren:-lhe a
sentenga que o condemnava um mez inleiro de
repouao absoluto.
Santsima Trindade I exclamou elle. Sr.
barao, teoha a bondade de velar bem sobre esse
patife que me causou tanto mal; olhe que nio
lhe escape ; desejo conhece-lo : um famoso
atirador que pode gabar-se de levar as lampas
muitos dos nossos caladores de cabritos.
O bario.depois de desejar ao companheiro ama
boa noate, voltoa ao acampamento dos spahis
com qaem obtivera autorisago para marchar du-
rante a campanba. Enconlrou oa tres spahis
que o haviam ajudado a conduzir Ghrellab diante
da tenda de am oficial indgena : um dalles se-
gurava n'uma taga de caf, que de suas mos de-
va successi va mente passar para de seus cama-
r&Qsi*
~" ?,meu Prioofo ? perguntou o baro.
* Alt est, Sidi, bem na tua preaenca.
Arnold fixou a vista no ioterior da tenda, e nao
ficou pouco admirado de ver o prisioneiro sen-
tado em urna esteira muito sua rontade, lendo
o cachimbo n'uma das mos e na outra urna chi-
cara de caf, com a physionomia triste, mas tran-
Depois de ter trocado rigorosamente todas as
formulas de polidez com o offlcial dono da tenda
o barao de Seelorf foi sentar-s% em frente d
Obrellab, e lhe dtsse : .
Se me tivesses feito prisiooeiro, seria eu
e9ta hora to feliz como rodeado de numerosa
coropaobia. bebendo e fumando com o coraco
tranquillo ? *
Nao, respoodeu Ghrellab com tal aulacia
que muito se accommodava altivez dos seus
ourintes musulmanos. A' esta hora estarlas
morto, e a tua cabega espetada oa ponta de urna
linca porta do meu ksar (1)
E se tambem eu maodasse separar-te a ca-
bega do corpo ?
__ Qiiem t'o impede ? Nao eu por certo. Aqu
s senhor absoluto.
Nio te arrancare! a rida ; mas tambem oo
quero deixar-te a liberdade, de que ests Ro-
zando.
Chamas Uto liberdade ? Olhi.
E Ghrellab lerantoo o aeu barnons mostrando
os ps solidiaente ligados am ao outro por fortes
cordas.
Bem, replicn o bario : estou mais tran-
quillo. E's mea prisiooeiro: amanha conda-
zir-te-hei ao campo do nosso chefe, e l decidir-
se ha da toa sorte.
Seja feta a rontade de Deas I
Ser maito suave o tea destino, se conver-
sando commigo toree sincero.
A sinceridade nio me custa ; ao contrario
Odio a mentira. De que queres filiar ?
Do deserto. Coofaecea-lo ?
E* a minha patria : na trra o paraso dos
homens.
Viejaste alguma vez no Paiz do Medo ? ,
, Sim : um paiz terrivel.
E nio 6 l que habita am chriatio, que se
tornou musulmaoo, e chefe de musulmanos ?
lM- lfr caslello, cata forte. Vade o pre-
Ene idea produzlo tanta vlvacldade di
to de Amelia, qae de repenlajdesac
a enx.queca. Chattaa a tada1",
louseoftas computa
"portado hotel.
ctoajlrcorrii'o baila com
itrahioo, Ama va com ternw..
J6e,de que ella vira-se obrigada a
r "*iMn>enlo impacientemesUe
^- Kio obstmte, a anlaagio
lio que susaWsava em torno delle, e as
divertidas travessuras dos mascaras prodaxiram
em aeu espirito mais altgria e attraccao ; porque
bem poucos mascaras femiolnos passavam junto
ao bello mancebo que lhe nio dirigisiem alguma
phase espirituosa e provocedora.
Ioteroou-ee pela multidio, e bem depresea
detxou-se arrestar por essa aeductora embrleguez
ao baile de mascaras, de que sempre fdra multo
apaixonado.
Urna mulher de domin preto dirigio-ee arre-
batadamente para elle, qae rebateu com graga oa
seas ataques. Bem depressa vio-se empeohedo
em ama eooversaco qae excitava o mais possi-
vel a aua cunosidade. Evidentemente nio ere
desconhecido o mascare que lhe filiara. O do-
min recordava alternativamente os mais charos
e arrebatadores auadros da aua Infancia, fallara
delles com lauta fascinago e riracidade, qae Vc-
tor sen to-se attrahido irresistivelmente para sua
interlocutora.
Vctor era urna dessas naturezas apaixonadas,
virtuosas someote em quanto se nio aprsente a
occaao de enfraquecer. Amara o bom, mas
amava tambem o oe/fo, e, se depois de casado
ne tioha qae ee acensar do menor desvio, era
maito menos por aua constancia, que reclamava
a honra disso, do que pelas amaveis e encanta-
doras qualidades de sua esposa.
A conversagio de Vctor com o domio torna-
vs-se cada vex mais aolmada, intima a efflrctlva.
Algumas vezes o mascara, a quem elle dava o
brago, pareca fazer esforgos para desembsragar-
eo. e entio Vctor punba ama das mios sobre o
creci, e levaotava a outra com eolamnidade,
como um homem que d um juramento. O do-
min pode em urna das occasies subtralr-se a
um tio eloquente galanteio e perdea ee por al-
gum tempo na multido, mas pouco depois esta-
vs outra vez Victor seu lado ; cheio de emocio
e perturbagao, introfluzio lhe furtivamente na
mao ama cartinha ffe um lindo papel cor de rosa
e dobrada com delicadeza. Desta vez anda o
mascara affastou-se, mas sem duvida para deixar
o baile, porque nio fot mais visto dorante toda a
noite.
. Nao sou ea ams pobre Iones, diz Amelia,
relendo ainda urna vez a cartinha cor de rosa, nio
a mim, a mim sua mulher, que meu marido di-
rige todas essas palevraa de amor? Elle nio sa-
bia, verdade, queeu estava ao baile, e que era
a mim que dava esta cartinha ; mas se eu soube
conquistar o aeu amor sob um trajo disfergado,
nao se deve ver nisso urna prova evidente do po-
der aympathioo que nosattrahe um paraooatro?
Cedeu mysteri03a influencia da Iembranga ;
somonte o sea espirito me era infiel, mas o seu
coragao estava sempre estreitamente uoldo ao
meu....
De repente ou vio-ae um ruido na anle-camara;
um ci arranhou a porta e Mioelte atemorisada
agachou-ae aobre os joelhos e as pregas do ves-
tido de soa seohora.
A porta abrio-se e Victor entrou no quarto com
um grande e magnifico cao de caga atrar.
Veos muito tarde informar-te da aaude de
tua mulher, que sabes estava incommodada, diz
Amelia, occullaodo oo seio a cartinha.
E' verdade, responden seccamente Vctor.
Quando o iocommodo de sua mulher nio lhe im-
pede de fazer, muito tarde tambem, visitas noc-
turnas, o marido ofleodido pode deixar de ter
muita pressa em fazer-lhe a visita matinal.
Que queres'dizer?
Que hontem e noile a senhora, depois de
haver pretextado urna indlsposlgio, sem duvida
para affastar-me, achou conveniente sabir a
carrol....
Sabea?....
Sim, sei o porteiro teveo cuidado de dizer-
me ; mas quero saber tambem que vsgem to
urgente tinha a senhora a fazer hootem a noite ?
Pergunta ao porteiro, talvez que e'le possa
tambem dar a chave desse mysterio 1
Nada de gracejos, senhora, quero siber on-
de foi lao tarde ?
Provavelmente em busca de aventuras.
Anda urna vez, senhora, peco-lhe que nao
graceje, Oisse Vctor procurando conter-ae.
Quem te disse que estou gracejando, fallo
seriamente ; procarava hontem a noite urna
aventura.
Urna aventura amorosa?
Juatameote. adevinhaate.
Por Dous 1 Semelhaote cooducta excede
todos os limites, exclamou Victor, levaotando-se
com arremego da cadetra trmulo de colera.
Amelia tambem se levantara e fjxava sobre seu
marido um olhar inquieto e doloroso.
Os dous esposos conservaram-se. por momen-
Conhego a historia de que queres taller. Ha
longo tempo am homem rindo de paizes lon-
ginquos, alem dos mares, fixou entre nos a sua
residencia com urna filha sua anda muito verde
tm annos.
Que edade teria esia filha ? perguajtou o
barao vivmoste.
Nunca sabemos da edade un dos ostros.
Nao deves ignorar esta circomstaneia, pois que
fallas correctamente a nossa liogua. O que posso
asseverar-te que ha anda bem poucos annos
vi essa joven, eachei-a de urna belleza singular.
O seu nome ?
Slamia,
E o do seu pretendido pae ?
Si-Maosoar : hypocrita e renegado que por
aatucia vlajou duas vezes Meca. Sabe que eu
ou seu ioimigo pessosl.
Tul
Sim, eu.
B por que razo ?
Por que aou um enviado do senhor Todo
Poderoso, e elle nio mais do que um impos-
tor. Dara o meu sangue mais puro em troca da
aa derrota.
Emo para que s de seu partido ?
Sou do seu partido, por que nio posso ser
ebertamenle seu adversario. Elle possue a tor-
ga em seu poder, e conselheiro do piedoso
eberif Abd-AIlah.
Neste caso o cea acaba de reunir dous odios
rmplacaveis ; porque oa eu tambem ha quinze
annos ando em busca desse malvado. Queres
auxiliar-mena minha vingsnga ?
Nio : o propheta prohibiu a allianca do
crete com o infiel.
Queres ao menos guiar os meus passos ao
alcance de Mansour ?
Isto sim, poderla fazer se estiresse lirre :
por que Mansour nio um crate, mas am vil
impostor, como j disse.
Se me serrires no meu odio, nao s res-
lituir-te-hei a liberdade, como tambem te co-
brirei de riquezas.
As riquezas do deserto me pertencem ; re-
titee-m'as, que eu despreso todos os outros bens
da trra.
* Sers livre n o diaem que me pozeresfsee
face com o raptor de minha filha : pois sabe
qae Slamia minha filha. roubada no proprio
lar domestico I
Cumpre a toa promessa, que esse dis tl-
vez esteja bem prximo. Sio horaa de repouso ;
lenho o corpo alqoebrado de fadiga. Amanbia
fallaremos dos teue projectos. Di ordens aos
teus para que respeitem o meu somno, se Deus
permittir qae am dos seus mala fiis e humildes
servos possa dormir com os ps assim ligados,
como urna ovelha que se condaiiase ao mata-
douro.
Arnold desatou as cordas, que prendan! os ps
de Ghrellab, e disse-le :
Dorme em paz, como se fosses lirre. Eu
velare! em quaoto dormiros.
Obrigado. respondeu Ghrellab, que anvol-
vendo-se no seu burnous, pensou l eomsigo
mesmo fechando os olhos : Isto nio vae muito
bem ; hei de costar a sihir-me de semelhante
a ventura. Vejamos 1 a noite boa conse-
Iheira.
VII
Em quaoto Ghrellab combatamulto mais por
prazer que por necossidade no posto por elle
eecolhido para defender a cauda do rebanbo, qae
haviam roubado aoa Ouled-atimoum. Sidi -Man-
sour oceupara-aecom a maior actividade em fa-
zer aeguir a frente desse mesmo rebaoho na di-
reccio do oasis de Laghaaat.
O accommeltimento dos spahis pelos dous flan-
cos lancou alguma desordem neese massa enor-
me de anisases : maa os cavalleiros de Si-Man-
sour cem o mekitib Debbah i sua frente desea-
um defronto do oetro, am um silencio qae
justara a mais trate tempestada.
*oeate um miase berrivelmenle doloroso
fes a. vi, jjtio dollee. O sio de Vieter egsr-
a pobre Mrnette peles oralhas, e sao e gato
itasn to rtelentaaente quaato marido e
la
Minette, pobre Mioette I exclamou doloro-
aameute Amella, procurando aubtrahir a gstiobs
as mordeduras do cao.
Pa. paz I exclamou Vctor com toz de tro-
vio, puchando violentamente o ci pela col-
leira.
Cao egato median-se com os olbos faiscantea
de colera.
Marido e mulher trocavam olhares em que se
llam resentimento e censura.
* Sabe, seohora, disse emfim Vctor, com o
voz trmula de desgosto, sabe porque aamulhe-
res mostrara tente predilecgio pelos gatos?
E o senhor sabe porque os homens mos-
trsm tanta sympathia pelos ciee?
Sim, senhora, porque o ci um nobre
animal, que sempre se mostra aubmisso e naba-
Iavelmente fiel ao senhor que o ama. O cao
a imagem do homem I ,0 gato, pelo cootrario,
perfeilameote a imagem da malher ; falso,
traidor e cruel ; eabe tio pouco conservar em
memoria am beneficio, que o seu bemfeitor, e
aquello que o acaricia e aliaga, pode um dia, du-
rante o somno, sentir as garras do prfido ani-
mal enterrar-se-lhe no pescogo para estrangul
ii ymp'lB'a do homem pelo ci; dahi
a predilecco de malher pelo gato.
' Diga-me agora, senhor philosopho experi-
mentado e profundo, diga-me qae especie de
sympathia levou certo marido hontem a noite a
dar, a certa mulher, maito incera, disfargada
em domin, a linda cartinha que aqui vedes ?
-* Que 6 isto ? perguntou Vistor com es-
panto
Um pequeo papel, coja cor muito se pare-
ce com o rubor, que, para honra de meu charo
marido, vejo sublr-lhe aa faces neste momento.
ictor nio ousava levantar os olhos ; estava
interdicto e confuso como um criminoso, quando
ainda ha pouco ere um juiz implacavel.
Sabes qaerido Viclor, acrescentoa Amelle,
aproximaodo-ee vagarosamente psra elle ; sabes
porque a mulher ama o gato, entretanto que o
homem affeigoado ao t\o\ vou dizer-te, meu
amigo :
O bomem a persontficsgio do fri egosmo e
da ingratidio ; mostra-se tyraoo, cruel e at ciu-
mento pelo objecto de aua mais chara ternura ;
o ci, a quem pode impunemente fazer soffrer,
pisar aos ps, sem que a sua psciencia ou fldeli-
dade diminua, deve ser para elle am companhei-
ro, ou antes, um eacravo, qae elle distingue e
prefere.
A malher, pelo contrario, a abnegagio gene-
rosa e desinteressada ; els porque se sffeigoa ao
gato, anda que nio ignore que amando-o, pro-
digaliaa sua afteigio a um ente sem f e incapaz
de reconhaciment ama !... porque ama I___
Que lhe importe o mais, a aua satisfacio pessoal
nao entra no seu.... ornar I Me comprehendes,
charo Vctor ?
Oh I Amelia I exclamou Victor fra de si, e
aportando sua mulher contra o coragio.
..A. Al.*. ....#......... ................
A calma e harmona tfveram entio entrada n.
cmara de Amelia ; a gatinha |e o bello ci de
caga estavsm apaziguados, e brincavam agora
como irmos sobre o macio tapete, e seu olhar
intelligente parecia applaudir a reconciliagio dos
joveos esposos. {Monde.=Ulissei.)
A MULHER, A FAMILIA E A CIVILISAQAO.
Parte segunda.
Importancia, tublimidade e grandeza da mulher
no seto do catholxcitmo.Bella e magestota re-
habilitarlo da familia.Terriveit effeitos das
doulrinas protettantet.A civilitaco decor-
rendo da Cruz.Concluso.
IV
Da grande madanga operada pelo enristtanismo
na condigio da mulher nasce urna cooseqiencia
to legitime e tio Terdadeira, como as premiisas
de que deeorrem a bella e majestosa rehabili
tacao da familia, o seu completo restauramen
to oa ordem da natureza, se nio falhe o prin-
cipio de qae o melhoramento do todo se regula
# te mede pelo dessovolvimento e aperfeigoamen
to parcial de cada ama de suas partes.
E' desta consequencia qae passamos nos oc-
cupar.
Foi urna grande patarra a que proferia Ghristo
no ultimo momento de suas agonas ; foi a nlli
ma palavra da regeneragio humana. Consum
matum ett----Depois deate estridente brsdo do
Calvario, nada mala havia fazer, a obra tinha
atiiogldo o termo final da aua perfeigio; faltara
somonte que a poderosa aegio do tempo como
lidasse as suas coosequencias na ordem da ha
maoidade; uto faltava que os homens, re
conhecendo a aublimidade da le e o esplend
da verdade, que pela vex primeira fulgurava bri
lvzn -i-i.
volveram tente energa e deslresa no sea orBcio
de esbarradores, que os bois, camelos, ovelhas,
e cabras se precipitaran! quasi todos as direr-
sas passagens com que deparavam no sea ter-
ror, e assim chgaram ao territorio de Laghouat
aem aalor cataalrophe.
Peaatrava Mansour n'am pequeo valle que
costeara o Oued Djeddi (2) quando percebea, a-
pesar da escuridio da noate, urna tropa de caval-
leiros, que se dirigiam para o lado em que se a-
chava elle, os quaea reconheceu logo ser urna
escolta de algum personagem importante. Se-
guido de Oebbah approximoa-se do grupo, a oo
ficou pouco sorpreso vendo o proprio cherf Mo-
hammed-ban-Abdallah montado em sua mala, e
buscando a direegao da porta oriental de La-
ghouat.
Mansour chegou-se ao cherif, o qual sem parar
a sua cavalgadura, aceoou apenas ao recaman-
do psra que sa collocasse ao seu lado.
Oode vas? perguntou Mansour.
Encerrar-me em Laghouat.
Nio isto ams imprudencia ?
Urna imprudencia, porque ?
' Por muito forte qae seja aos olhos dos Ara-
bes essa cidade, nio resistir com ludo arti-
Ihari dos Franceses.
O piedoso a valente Bou-Ziaon fez face
aos Francezeo no oasis de Zaatcha.
Sim ; mas isso custou-lhe a vida, e a final
o estandarte dos christios tremulou sobre as fu-
meg>ntes ruioaa de Zaatcha ....
Depois de ua tongo assedio, que o or-
gulho e a forc dos musulmanos, interrompeu
Abdallah : o mesmo ser em Laghouat. Hei de
explicar-te os planos e projectos que tenho em
mente : s forte de espiritohas de approva los.
Por agora poupomos patarras iouteis : os chris-
los oo contentes de me haver expulso de El-
Reg, seguem de perto as miohas pisadas.
Vejo-te com ama escolta muito fraca ; que
Qzestes da tai grate ?
Deixei os meas cavalleiros postados al-
gunas leguas da Laghouat ; elles observarlo os
cbristos como o falcio a sua caga. A' menor
raquea, menor hesitagio do ioimigo sari elle
logo castigado. Vejo que embregaste bem o dia :
este rebanbo ser mu bem receido de nossos
amigos.
Entretanto perdi quasi a terga parte delle.
Os Franceses andaraaa-me pista, e talvez que
anda me aigam : porm Ghrellab l ficou para
entrele-los, e fragas elle iremos urna dadiva
excellsote aos Laghouat. Qaeres que me encer-
r comtlgo no oasis ?
Quero aim, por que nao posso passar sem
os teus censalhos e coragem. Eis-nosentrados
no recinto dos jardios ; nao tardam a vir ao meu
encontr os principaes da cidade, e justo que
ma recolha um pouco em mim mesmo. Adeus
por alguna momentos: qusndo tirar feito a mt-
nha entrada, a apear-ne, vem procarar-me ; te-
mos muito que conversar. Entretanto expede as
tuaa ordene para que a presa aeja recolhida
cidade.
Manaour delxouseguir Ben-Abdallab, e poz-se
frente de aua escolta.
Debbah, disse elle ao mekatib, para aqui;
depois qae passar toda o rebanbo, rolla ao en-
contr do meu amigo Ghrellab, e diz-lhe que o
espero em Laghouat para tratarmos de negocios
argentes. '
Debbah volrsu os olhos ao cu, agradecendo
essa occaaiio que se lhe offerecla de juotar-se
seu senhor ; uesperou affectando summa pa-
ciencia qae passasse a ultima cabega do reba-
nbo.
Visto o nosso amo a senhor Ghrellab ? per-
guntou elle i um dos cavalleiros da rectaguarda.
(1) Laghoust tica situado margara do Oued-
Bieodi.
ihsnto s Hmpida sam as maocbaa do ebssureci-
mento antigo, despindo-se dos inveterados pre-
juizos de sae mi philoeophia, sbjurassem o erro,
em que Manan at entio vivido, a ao eompene-
trassem da que s seg.indo as pegadas do Fho
da Mana poderlam fazer respeilar sua dlgnidada e
entrar naa vias da verdadeira civilisegio. E tem
sido este o trabalho dos seculos ; dasoito aeeu-
los tem ee encarregedo de provar ao mundo quaes
os benficos resultados da applicagq da lei do
Christo, e a sua inleira harmona com a consti-
tuigio da natureza humana ; e ha de aer anda o
trabalho do futuro ; se nio mente a marcha pro-
gressiva dos poros christaos.
Partindo de urna fonte segura e assentando nos
didos infalliveis de urna lgica divina, a reforma
trazlda pelo Ghristo devia necessariamenle con-
solidar as lea da familia, daado lhe ama base fr-
mele esta vl, que nada livesse temer do jogo da
accao do tempo ; porque era indispenssvel que a
reforma se inlernasse no lar domeatico para da-
hi diffundir-se pela aociedade poltica e operar a
r* d a emancipago. E' este o eosino da
pbilosophia chrisla, de conformidade com as
doulrinas de Jess Christo e por consequencia
a lgica divina. O facto do primairo milagreaer
operado em beneficio da famila falla bem alto.
O principal empenho do catbolicismo foi extir-
par o systema egostico qne dominando na anll-
guidade constitua a fonte de todas'as suas mise-
rias, e plantar o espirito de fralernidade, baae
primordial da nova le ; porque a consequencia
da fralernidade a caridade, e a candado a vir-
tade, rainha de todas as virtudes, e coodigao de
todas as gragea. Ora ioegavel que esse coo-
grassamento universal tere sen asseoto na socie-
dade domestica, a familia que se rmara toda no
poder exclusivo do chefe, fflhodo homem, passa-
ou ser repartido tambem pela mulher, como
elemento indispeosarel. condigio tins aua non
da possirel estabelidade da familia e do
real cumprimento de sus missio. Foi a lei da
traterpidade que originou esta tranaformagio ;
por ella o homem comprehendeu que devia consi-
derar a mulher como sua companheira e sua
egual, e aprenden acatar o seu pudor e respei-
lar a sua personalidad ; e desta nova doutrina
brotou urna serie de coosequencias que Qzeram
da primeira sociedade, ama sociedade perfeita,
o espelno de todas as outras. Acabada a tyra-
nts do chefe, desappareceu o escravsamento da
esposa e da mi e a familia subi de novo ao ca-
pital de aua grandeza primitivas
Eolretanto o christianismo eatabelecendo esta
especie de daplicidade do poder de modo al-
gum quebrou a sua unidade, elle anda apertou
mais os seas lagos e fez com que esta unidade se
apressentasse bella e magestosa como diviam ser
% Df? COmo 1uerisni dss do paganismo.
Qual fra a uoilade domestica na aotiguidade ?
A familia ante-ehrista se arrimava em dous
principios ioteirameote discordantes que coosti-
tuiam-Ihe um fundamento bem frgil ; de um la-
do se ostentara o poder dominado do mais atre-
vido orgolho, de outro se via o sentido: vacillan-
te e como que desconfiado; foi por causa des-
tes elementos de divisao que perdendo-ee o sen-
timento da personalidade, a familia rolou ao ul-
timo gru da abjeceo : a o despostimo urna
condigio devida para a variedsde. De sorte
que com elemeotos to heterogneos, nio houve,
nem poda haverjuoidade na familia |pagaa. Hou-
ve urna unidade; mas quo unidade ? a unidade
material da forga personificada no despostimo do
chefe ; porm a anidado de aentimantos, a uni-
dade moral, aquella que d vida s familias, es-
ta toda filha do catholicismo : ninguem lhe ti-
rar gloria de have-la creado.
A unidade cbrlstia diversifica inteiramente da
unidade pega ; nesta o seu carcter o exclusi-
vismo, n'aquella a divindade se manisfela em le-
dos os seus altributoa; a unidade christaa engen-
dra a pluralidade sem que com ella se confunda :
Deus mltiplo em suas pessoas Padre, Filho,
Espirito Santo, e entretanto a aua essencia urna
porquanto nao ha mais que um a Deus e esta
bella harmona da unidade e da pluralidade divi-
nas o qae conslitue o maior mysterio da f
chriitii; no paraizo terrestre nota-se o mesmo
a pluralidade nascendo da unidade sem des-
trui-lo : Eva procede de Ado, Abel engen-
drado por Adi e Evo, e Abel, Eva e Ado sio
urna mesma coasa : sio o homem sao a natureza
humana.
< Ado o homem pae, Eva o bomem mi,
Abel o homem Bino. Eva homem como Adi,
mas nio pae, homem como Abel mas nio
filho ; Alio homem Como Abel sem ser filho,
e como E-va aem aer mi ; Abel homem como
Eva sem ser mulher e como Adi sem ser pae.
ID, Corttz) Em Christo a sua natureza di-
vina e humana, e a humanacorprea e espiri-
tuala oo obstante a unidade existe nelle, por-
que elle urna s pessoa : a pluralidade se coo-
cilia com a unidade maa nao a absorte. Na e-
greja a mesma coasa: militante na trra, pur-
gante no lugar da expiago e triumphante no cu,
ella offerece meditagio tres faces bam distioc-
tas, trea varieces bem caractersticas, sem que
todava deixe de ser urna porque um o aeu fuo -
o seu camioho.
Nio o esperes, disse um segundo carallei-
ro, por que eat merlo esta hora.
Morto I exclamou Debbah, sitiando com
impeto ao pescogo do desgragado, que dra essa
nova. Ests bem certo diato ? Viate-lo mor-
rer ?
Vi alirarem sobre elle, e ri-o desapparecer
com o seu cavallo. Sabes que elle monte va Mou-
rafreh, e Mouraweh nunca dea um passo em
falso.
Nio morreu, est prisiooeiro, accresceatoa
um tercelro cavalleiro que veio juntar se aos ou-
tros: eu mesmo vi-o cahir, e parei para ir soc-
corre-lo ; mas osioimigos cercaram-n'o logo, de
sorte que nada pode fazer.
Es um poltrio! exclamou.Debbah : diz an-
tesque nio ousaste.... '
Nao tinha mais cartukame, e a minha es-
pingarda estava descarregadV
Pois bem, replicou Debbah, vou mostrar
todos vos que vos julgaes bravos como o leo, e
astutos como o chacal, o que um filho do seio do
mar (3) oasa emprehender para salvar seu se-
nhor. Ide, traeos bichiohos que eois.
Debbah foi o ultimo que entrn em Laghouat, e
procurou immediatamente Si-Mansour, que con-
ferenciara com o cherif, assistidos ambos por al-
guna chefes nmades e pessoas ootaveis da ci-
dade.
Eolio 1 exclamou Mansour ao avistar o me-
katib. O meu amigo Ghrellab te acompanba ? S
elle falta ao cooselho.
O meu senhor Ghrellab prisioneiro dos
christios, respondeu o negro. Deus reoha em seu
auxilio I
Esta aoticia consternou todos os eoraces.
Ghrellabo veuturoso, o iavencivel e invutnera-
velfeito prisioneiro I Melhor fra que livesse
morrido.
Maneoar mal dissimulava s sua dr: o cherif
esforgava-se por domioar a decepgo por que o
fazia passar esse terrivel occidente; e se senlia a
perda do mais intrpido dos seas auxiliares, sen-
ta em maior gru ver deavanecer-se a melhor vi-
cissitude de successo, a aua esperanga mais s-
lida.
Permittis-me que eu v soccorrer meu se-
nhor ? perguntou o mekatib.
Vae, respondeu o cherif; neste mundo a tua
dedicagao aera paga por beneficios sem conta, e
n outro encontrars eternas feUsidades.
; Escolhe entre todos os meus cavalloa aquel-
lo que te agradar, disse Mansour.
'r Nao peco recompensa, murmurou Debbah :
prometi qae heide aqui trazer meu aeobor Ghrel-
lab morto ou vivo ; ou ento auceumbiret no meu
mpeoho, e os meus oasos serio a prora da miaba
fldlelidade.
lebbali sahiu da salla do conselho, e dirigiu-se
estribarla, onde escolheu dous cavallos perten-
ceates i Ghrellab. Mandn qae Ibes dessem de
beber, e ama forte rago de cevada, tendo-oa
pramptos para urna expedigio nocturna.
Feito isto, o mekatib ioternou-se pelos quar-
teiroas maia despreziveis da cidade, e entrou
n'uma cass habitada por uma familia de negros
maito conhecida no paiz.
As pancadas no tam-tam, cujos sons acres ou-
vlam-se ao longe, os accentos faohosos da cha-
ramela, e as notes melaocholicas de algumas vo-
zes cantando ariaa de Sondan- '
que havia testa n'aquella caaa.
O que isto! exclamou Debbah parando
/T? atnb' Praoeote e inalteravei dos
Metes diTinos e humanos ? Sera collocar a fa-
55i ft,*P* u",?io toda excapeiooaL sera
pd-la fra das condigas da hunulfla
despi-Ia de sua Uo bella magnltql>-T
emeaqottrhaudo-a cooduzlria ao sen
ment moral. O estudo da anluWaad.
prova corroborante de que nio Uafisioa 0.
cipiosdalogica. e ^w*2RiEfc
A familia chrisla por conseguinte, ae mostra
uma e plura ao mesmo lempo : pra plural
poucaoide seus membros, una Mo W-u^
une A sublioid.de deste I.co eleSffd!
familia. O seu fundamento o amor; l
o amor humano, porque camor puramente hu-
mano, no dizer do profundo Lacordaire. uma
erJerrescencia passageira. produzida por cau-
aasque tambem em ai ao} de pouc. durago
nasce de manhaa para fenecer de ter-de. > E em
uma tal base a familia nao subsistira.
O amor que? sustenta a familia chriitia am
senilmente summsmente elevado, sublime em
sen principio, grande em seus meios de vida
magestse em seu nm ; elle coagrasss os fami-
Hares e forma delles ama importante pessoa mo
ral, que pala sua gravidade, infunde respailo ao
mundo esympatias ao homem: internado no
corceo da familia o amor a selva, ..J!
menta, a alma qae lhe d vida e que regula s
normaa de soa marcha devolutiva. *
ZJLFiri OS****** diI oemditissimo
raarquez de Valdegamas ; e, porque fecundo
engendra todas as comas mltiplas e diversas
sem quebrsr sua propria unidade ; e, porque
amor, resolve em sua unidade, aem destrur-lhe
?^ijtincges ou as diETerengas, toda a multipli-
E'juatamente o qae ten lugar ns familia : o
amor appdera-se de dona corages, e, como i
mais bel a consequencia, vem o casamento pren-
de-los at o ultimo momento de aua existencia
terrena ; e os filaos nio tardam a apparecerosra
[Ti rI^n\da ,,mu' A f,mil ** ini
se mulliplicando pela superveniencia de novos
fruclos. o numero dos familiares vae aealargan-
aeu moral : plura pelo aeu lado phiaico, quere-
mos dizer. pela mulliplicid.de das pessoas. ella
nao peda a sea anid.de moral, porque este
de"q-eeell. BrST 'WOt *">lha empre,?a *>
O amor a mesma familia em sua-essencia
emr.'himUa ol^cuIomaisPur*o:
mor sobre a trra. "
Sem a unego de amor a familia perde o sen
aZ'V'Tl1 de8ene"- e em lugar de uma
S!, r d8 b9n, l0rnae ae uo> fco de
Si,.^rm?-D,a-Ura/8U: razio por qil
t i",?" Chr,laa merecedora deate nome
tambem a razo por que a della podem sabir
as mximas da verdadeir. educagio, capaz de
aperfeigoar o individuo ecivillaar a scied.de O
2bl?A moJ" "."^P"1 d" ocied.des. como a
familia sua- primeira expresso.
rfrF.'fi? lmoiiooifiDTI e mysterioso que engen-
fidada^r ""'i" U*. Pq tata eatabi-
.Ih rMUJu,,o unidade : o divorcio.
Ern-""" ?0lyj8.,nia uccessiva, a neg.gi
da monogamia. E'pela unidade moral que vi-
vera aa familias e prosperam aa sociedades.
Iksva unidade pela qual o chrisljanismo rere-
nerou a familia bem dirTerente da que exista
SS,.r p"ao* ?Aoe oi a cau d degradacio
de aua familia ; j fizemos senti-lo, vamos ama
desenvolver a idea. 'mongtri
dQ?edda? ?.Ui!nH rB,Md0 eri r6do pel" en-
aurecidas leis da forga material e que as leis
moraes do .mor eram inteiramente desconnoei-
ass, a unidade da familia era toda impregnada da
influencia do materialismo da poca eb.seada
na aupenondade phisica do bomem sobre a mu-
l8n-.; iesSi ?ldem de idj* "'ovinha toda a ab-
jeegao da mulher e toda a tyrannia do marido ;
por ella, se estiBcava ss arbitrarias e injustas
SSS^tf ieisdM lombrdos.
germanos, indios e dos romanos at a promul-
gagao da ieij Julxa sobre a autorld.de marital.
nin 'nn!! Ji ^ "*' Ul UDd'de *na
nao poda .diantar-ae um passo no caminno
de seus progressos.de necessid.de ella devi. re-
trogradar porque se achira virtualmeat viciada
nem mesmo estacionaria poda se conservar '
mS&iSXSS** de Stta, ora Pfoponder.nte o
tSsi abllhara Para > o circulo de .uas
tyrannias, e ento, resenlmdo-se de .uas terri-
veis consequencias, a familia corra a pasaos
agigantado, para a sua completa degeneracio.
Recife, feveroiro : 1862.
J. GlENKES DA SaVA MELLO.
{Conlinuar-ie-ha.
uVce.miho.rerPOndeU A"be coolio-ando ?0ualflCr,.r.a,nm!!8 *> dao"ria <*-
a
?:,. -q .a atniao Pulavam, saltavam
n uma esteira rota, repetindo urnas aps outras as
uas cabriolas. Que folia esta I PoU em ves de
orar Deus na vespera de um grande combate-
estaes ah a dansar e a canter I
Recebemos ordem de eosaiar para amanha
bonitos jogos e folgangas, respondeu o chefe da
tamilia. Somos os msicos do governador da ci-
dadei; e sem importarmo-nos cem oa negocios
pblicos, s cuidamos em satisf.zer nosso amo.
S iu bemvindo.Debbeh; mas deixa-nos conti-
nuar os nossos exersicios.
Pois sao estas exerccios que veoho ioter-
romper. Quinto gsnharos amanha pelos fol-
guedo. que execulardes?
Trea douros.
Quero eu ser o preferido: ofleieco-vos seis
douros pelo servigo que desejo me prestis eeta
ooute.
Estamos promplos, com tanto que nao exi-
jaes de nos sena o daosas, musi e cantonas.
r TI u ""i601 o." espero de vos. replicou
uebb.h; e dirlgindo-se ao chefe accresceotou :
t.ooheces em suas mais pequeas particularidades
a ceremonia de Lilel-el achoura t
Se coobego 1 E* o divertimeoto mais alegra
\ l0 V 0$ ,Jue ealao em u, no P,ix tt areias
edas tmaras: a testa com que celebramos de
vespera a entrada do novo auno. Em todo o deser-
to nao ba um a.velho taciturno que nao desen-
rugue a fronte s scenas graciosa do Liltt-el-
achoura.
Prepara immediatamete ospersonageosne-
cessarios para esse jocoso ealreteoimealo; mu-
ne-te dos vestidos e instrumentos iodispeosaveis.
j, pois va moa partir.
Nem peoa.a em tal ebusa I Estamos muito
longe do anno novo.
Nao importa: as pessoas. quem vamos
divertir, nao busc.ro aaber porque razo ante-
cip.mo. a poca Dxada paia um folguedo.de qae
elles nao tem eonhecimeoto.
Anda assim impo.sirel. Nio tenho quero
faga de Arlequim (4J.
O que I Estes mogos oo podem dessmpe-
nhar um p.p.l que s ex*ge um pouco de espiri-
te, e muita gilid.de? *
Fallas como qaem nao entende. E' mais f-
cil eacontr.r-se um bravo e corajoso eav.lleiro
como tu, um senhor generoso como Sidi-Ghrel-
io, um sabio como Si-M.osoer, e taires um che-
ru piedoso com o saato Abd-AIlah, do qae um
Arlequim da forga do meu filho maia velho. Ora,
meu filho asta asta hora em Ousrgla ; eis por-
que nao te posso scompanbar, o festeja! o Lilet-
el-achoura: a fama, deque goso, sofJreria min-
gua.
Pois nio sejss lao orgulhoio cem a tea fa-
ma, replicou Debbah s gargalbadae. Olha para
mim, e repela, se s capaz, que ningaea ha que.
possa substituir teu filho.
(Conriawar-e-Aa).
(4) No sul alm do oasis de Ousrgla, oo gran-
de deserto, no Oued-R'rir, Sou e jord (pas da
palmeira), at em M'zab e Marrocos, por occasio
da entrada de novo *nne a feata de athoura so
celebra por brincos e folguedo semelbaatos ao da
''-. "" u.iausuuaicai ae aigum.. vo- que fallamos. Nessa poca o Arlequim da farca
cantando anas de Sondandavam a entender italiana s. aprsenla no fundo do Sahara con as
, n .r,.,ll. .... JaM TelUmtBU1 Clmi0|, e phsotasladM'sU
ch.pu a espadlnha. De onde ptoveio asa iaai-
poria ae um quarto onde algumas doze pessoas de tagio. e como explicar a apparicao do ArUauim
ambos os sexos e diversas edades porfi.vam no paiz das areiaa? Ignoro: maso tacto con ser
qual batera mais rijo n'uro t.m.vjor ( dere-ouha ), .....--- -*- *-- "
qual sopraria com mais forrea as gaitas de Mies,

e.tranho nio deixa de ser verdsdeiro.
;3) Oa rabes do su', dio ao Niger o ooae m
"ir-eJ-ffifnsc do Rtlo, V4e prefacio, [Prtlf
,TTP. OE X I, DE FAWX 6l FILHO. \W*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFJIRNJKL_0B2YSV INGEST_TIME 2013-04-30T22:06:54Z PACKAGE AA00011611_09529
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES