Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09528


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A /
_
HO UXVUL Ifil 72.
3 .uoumutKn aa oma, ;
r imaeititiiMU^sSiaoo
Fr trtt fties uicUm 6|000
usavra
EXTA FfilB 21 BE liRCfl DE It62.
Pw ani* diaiUd* 49|00O
Parte traieo im iibscriptor
ENCARREGADOS DA SUBSCHIPCAO DO NORTE
Parahyba, a Sr. Antonio Alexaodrloo de Li-
as ; natal, o Sr. Antonio Marques da Silva
4T"i"*tr,J 8:..A-f** k"0* Br,K"i Caara o Sr!
. Jos do Oliveira ; Maraal, o Sr. Joaquim
Marques Rodrigue; Para, Justino I. Ramos:
Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCAO DO SOL
Alagas, oSr. Oeadino FalsJo Dias; Babia,
o Sr. Jos Martina Aires; Rio do Janeiro, o Sr-
Jlo Pereira Martins.
PARTIDAS DOS CRRELOS.
Olinde todos os dias as 9) horas do dii.
Iguaraas, Goiaona, Parahyba as segundas
e aextes-feiras.
S. Anta, Bererros, Bonito, Garnar, Altinho
e Garaahans as tercas-feiras.
Pi d'Alho, Nazaretb. Limoelro, Brejo, Pes-
qaeire, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouncary e Ex Bssqusilas-feiras.
Cabo, Serinhiem, Rio Forraoso. Une, Barreiros
Agua Preta, Pimeotelraa e Natal quimas (eiras.
EPQEMERIDES DO HEZ DB MARCO.
8 Quarto erescente as 2 hor e 40 minatoa da
manhaa. *
15 La cbeia aa 2horas e SS niatos da tarde.
ti Quarto mi anta as 7 horaa a 8 minatoa da
maohia.
29 La novs as 5 horas e 4 Dinatos da manhia.
PRRAMAR DE BOJE. *
Primeiro aa 2 horas e 30 minutos da mancas.
|(Todos os cor reos psrtem as 10 horas da maohaSegaodo aa 2 horaa e 6 minatoa da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sal at Alagoas I 5 a SO; para o norte
at a Granja 14 e 29 de Cada ves.
n n "RTI* DOS OHHIBTS.
- B i a asi,' V ""PVwJ* 61|2, 7, 7 1,2, 8
e 8 1|2 da m ;de 0/nda 8 da m. e 6 da t.; de
Jaboatao s 6 1|2 da m.: do Coarano e Varsta
"1 "V de Bem/5 s 8 da m.
i S Vfi i. vVi2 *& 3 *. 4 1i4.
4 1,54. S, Dli4, 5 112 e 6 da t. ; par* Olinda 4a 7
da a. # 8 1[2 da t.; para Jaboatio ia 4 da l. para
0 C\**T Varxea 4 *l2 da Pr Bemfica
as 4 ds t.
PMTE.0FF1CHL
GOVERKO DA PRQVINCIA.
Expediente do dia *-t de mareo
de 186*
OtBcio aoEiTB. presidepte do Par.Opportu-
S'f-'i ,er4 eo,Uao <> Exm. ministro do Bra-
J residente em Pars e officio qae, para ter ease
sstioo, V. Eic. me trsosmiUio com o sea datado
de 9 Jo corrate.
Uito ao Exm. preaidents das Alsgoas.Rogo a
V. Exc. qe ae digne de mandar dar traotporte
para a cid de do Peoedo em algum dos vapores
da companhia babiana. ao f sargento Joaquim
Jos de Souza Lima, qae acompanhtdo de sua mu-
lher, aegee para essa capital ne vapor Persinun-
ga, afim de reunir-se ao corpo de guaroicao aa
?illa de Tacaral.
Dito ao commandante das armas. Tendo-se
*Ci*M do imperio em dsta de
1U do correte, que para ter andamento o reque-
rimento do teoente do 9* batalhao de iofantaria
Leopoldo Borgas Gal vao Ucha. pedindo aer no-
meado cavalhero de urna das ordeas honorficas
do imperio, faz-ae preciso que o supplicsnte apr-
seme folbe corrida e f de officio ; asaim o com-
m nico a V. Ex<\ afim de que Ih'o liga constar.
Dito ao mesmo. Considerando que atiento o
mo estado sanitario em qae se acha ests capital
a que poder aggrarar-ae em consequencia do
tempo cha voso que ora fez ser talrez inconve-
niente qualquer arramamento de tropa, tenbo re-
solvido que no dia de amanbaa, anaiversaro do
uramenlo da conslituigio do imperio, leona uni-
camente lugar o cortejo do coatame a effigie de
*, .o Imperador; ficaodo diapenssda a parada
que baria ordenado em mea officio de 20 do cor-
rente, o que eommunicj a V. Exe. para aeu co-
nhecimeolo a Om cooveaieote.Igaal commuoi-
cacao ao commaodante auperior da guarda naci
nal do Recife.
Dito ao mesmo.Qaaira V. Ese. ordenar ao te-
nante-coronel reformado Jos Aotooio Pinto que
se presto a servir na commissao que, de confor-
midade com 0 aviso da repartido da guerra do
1 do corrate, tem de ezminar os objectos viu-
dos da cOrte na barca Traviata com destino a
ests proviDcia e outros do norte, preveoindo a
eiae offleial de que sao membros de aemelhaote
couelho o corooel Franciaco Joaqaim Pereira
Lobo e o major Sebastiao Aotooio do Regu Barros.
Dito ae inspector da thesouraria de fazenda.
Estando nos termos legaes os iaciasos docomeD-
tos em daphcata, mande V. S. pagar aoS nego-
ciantes. Baodeira & Barbosa a importancia dos
vencimentoa do destacamento da guarda nacional
da villa do Bonito, a contar do 1* at 18 de no-
vembrodo auno prximo passado, dia em quefoi
dissolvido o mesmo destacamento, aeguodo coos-
>a de offlcio do reapectivo commaodaoie superior
datado de 2o do citado mez de oovembro. -
Dito ao mesmo. Em vista da conta junta em
duplcala, que me foi remeltida pelo director das
obras militares com offlcio de 22 do correte, sob
n. 49, mande V. S. pagar a Jos Pereira de'Al-
cantara do O' a quantia de 169*480. dispendida
com os concerlos que presidencia maodou exe-
cutar com urgeucie aaquariel do 9o batalhao de
infantera.
Dito ao mesmo. Transmiti por copia a
para sea conhecimento e execugao na parte
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Iraaoal do eommerdo : aegundas e quintas.
Relacao: tercas e sabbadosslO horas.
Faxanda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio : segundss ao meie dia.
Dito de orpbaos: tarcas e sextas is 10 horas.
Primeira vara do dvel: tercaa a sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel
hora da tarde.
qaartasa ssbbados 41
DIAS DA SEN AMA.
24 S'guoda IoatitaicJo do SS. Sacramento.
,as Terca, cga Aoounciacao de Nossa Senhors
:25 R."'!'- !' L".,1gero S- "> b. o.'
27 Quinta Ss. Flelo e Lydi. saa mulher.
JU Sexta. A sacralissima corda de esp. de 1 C
29 Sabbado. S. Bertboldoc ; S. Pastor m *
30 Domingo. 4/ ds qusresma. S. Joto Qimsco.
ASSIGNA-SE
no Recite, em a livraria da praca ds InrfcBen-
denca ns. 6 e 8, dos propristarios Naooel Ftorei-
'roa deFaria 4 Filho. B
ine locar o aviso de 10 do corrente. em que o Exm.
Sr. ministro da marioha nao s recommeada a
esta prssideocia a expelicio daacoovenieotes aro-
yidenciaa, afim de qae o t tnsate Mmoel Mar-
tins de Arauj'o Castro volte ao servico da arma-
da, mas lambem declara haver expedido as or-
deos ao quartel general da marioha para que o
taca embarcar em algum. dos navios da estacio
nacional, visto ter-se mandado vender em rusia
publica a escuna Lindoya, de qae era comman-
danleopredito-10 tente.Igual communicaco
se tez ao commaodante da estacio naval.
Dito ao meamo. Transmuto a V. S. afim de
ser psgs, s inclusa conta em duplcala de 12 ar-
robas de assucar braoco refinado de primeira qua-
.dade que, segundo consis de offlcio do presi-
dente do conielho administrativo do arsenal de
guerra de 22 do corrente. aob o. 27, foram com-
pradas a Jos Rodrigues ds Silva Rocha pela
quanlia de 66J com destino ao hospital militar.
Communicou-ae ao preaideote do referido coo-
selho.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Recommendo a V. S. que estando nos termos le-
gaes aa duis contas juntas que me foram remet-
idas pelo chefe de polica com officio de 22 do
?% '2.b..D"m' m" P a quaotia de
7*&, dispendida com o sustento dea presos pobres
da cadea de Florea nos mezes de jaoeiro e feve-
reiro ltimos, e bem asaim como as diarias abo-
nadas a tres dos meamos presos que vieram da-
quella villa e acham-se recolhidos a casa de de-
tencio.Communicoa-se ao chefe de polica.
Dito ao mesmo.Autoriso a V. S. nos termos
de sua informaco de 21 do corrente, sob n. 176,
a contratar com Joao Chryaostomo de Oliveira
Pelagio a factura dos reparos de que precisa a
ponte do Gindaby e a aua conservado p ir esparo
de 3 annot, sem eslipeudio algum dos cofres p-
blicos, permillindo-sa apenas ao contratante a
coocessao que pede para estabelecer urna barrei-
ra na predita ponte, aa qual nao poder cobrar
pedagio maior daquelle que ora ae paga as de-
ntis barrelras da provincia e observando -se no
respectivo lermo asregras eslabelecidas para esse
fldano art. 50 ds lei n. 431 de 28 de junho de
1B57, mandado vigorar pelo art. 45 da lei do or-
camento vigente.
Dito ao commaodante superior do.Brejo.Para
se poder resolver acerca da requisicao, constante
do seu offlcio de 6 de fevereiro ultimo, faz-se oe-
cessario que V. S., de cooformidade com a ia-
(ormaruo por copia inclusa da contadoria de fa-
zenda, eovie-me um orcamenlo da despeza a
fazer-se com a acqmsicao dos livros de que ne-
ceasita esse commaodo superior, afim de ser en-
tregue a respectiva importancia ao capttao quar-
tel mestre. *
Dito ao inspector do arsenal da marioha De-
feriado b requerimento do serralheiro belga Louia
i'ran5*l Hennequim. sobre que V. S. ioormou
ea efflclo n. 136 de 15 do correte, o autoriso a
dar por fiado o contrato pelo qual elle se obrigau
a servir Oesse arseoal, promoveodo V. S. pelo
meio que lbe parecer man econmico o regresso
do sapplfcanle para a Eucopa.-CommuDicou-se
ao inspector ds thesouraria de fajeada.
Dito ao presdante o vareedorea da cmara mu-
nicipal do Recita Iatirado dequanto Vmcs.
cxpozeram em sua inforjBS'cio datada de 17 do
correte com referencia a peligao de direraos mo-
radores da povoacao do Maoguioho, teoho a di-
zer-lhes qae convm apressar o aterro do charco
que existe peno da mestua povosco.
Dito aos meamos.Expecam Vmcs. $ suas or-
dena ao admioistrador do cemiterio afim de se-
ren recebidos sepultados os cadveres de cho-
lencos qae durante a noite vierem da freguezia
dos Atlogadot, aagmentando para isto o numero
de envares se for abaoletameote necessario.
Dito a cmara municipal do Ex.-Remlla-
me Yac. as cootas das d^spezas dessa cmara
qae deixaram de aoocapaohar o aeu offlcio de 29
de jaoeiro do corren! anno.
Dito ao Dr. Sarment.Depositando em Vv.
Ss. a mesoaa eoofianca que levoa o'mea digno
antecessora designar a V. s. pava fater parte da
commissso do mdicos, nomeada para o auxilia-
ren] aa adopcio de medidas convenientes a com-
ba ter a epidemia do cholera qae infelizmente
reina nesta provincia ; espero que continuando a
prastar-ae com o mesmo zelo e dedlcae&o com
que o lea feito"Vv. Ss. ae auxiliar com a coo-
perario de suas luzes e experiencis, certo de qae
encontrar em mim todo o apoto necessario.
Igaal aos Drs. Joaquim de Aquioo Fonseca, Fran-
cisco Firmo Xavier Jos Sergio Ferreira, Joao
Ferreira da Silva.
Dito ao inspector da aaude publica.Mande
Vmc. preparar urna ambulancia na quanlidade
que achar conveniente, dos medicamentos men-
cionados ao officio iacluso que me ser devolvi-
do do juix de direito da comarca do Limoero.
Dito ao juiz de direito do Cabo.Respoodo aos
offlcios desse juico de 13 de junho e 27 de bo-
vembro do son passado dizendo que em vista
da doutrioa do aviso de 18 de Janeiro deste au-
no deva subsistir a oomeacio interina f-ita por
esse jaizo de JosGoncalves de Paiva para es-
crivao privativo do jury, pondo-sa novamente
em concurso esse officio nos termos do decreto
n. 817 de 30 de agosto de 1851, e aviso n. 25*
de 30de dezembro de 1854, observsndo-se fi-
nalmente Dor essa occasioo que foi ltimamen-
te recomdreadado por aviso circular do ministe-
rio da Justina de 25 de oulubro do anco pas-
sado.
Dito ao juiz municipal desta cdade.C>m as
inclusascertides ministradas pelo Exm. presi-
dente da provincia em 18 do correte Oca satis-
feito o que Vmc. solicitou em sea officio do 1
desle mez com referencia ao sentenciado Joao
Baptiata de Vasconcetlos pertencente aquella
provincia.
Dito ao corooel Antonio Gomes Leal.ParU-
cipaodo-me o corooel Beoto Jos Lemenha Llns
am officio desta data que por molestia nio poda
comparecer a algumas das sesses do conselho
administrativo, assim o declaro a Vmc.'afim de
que faca o mesmo cooselho faoccionar com tres
membros altala a urgencia que ha de suas rau-
nies.Gommunicou-se ao coronel Beato Jos
Lemenha Lins.
Dito ao director do arsenal de guerra.Estan-
do limitado a 30. segundo as disposic,5es do avi-
so ds repartirlo da guerra de 19 de outubro de
1S61, o numero de serventes desse arsenal, nio
pode por isso ter lugar a admisso do que V. S.
aolicita em aeu offlcio n. 76 de 15 do corrente
para coadjuvsr o cirurgo e enfermeiro da en-
fermara dos aprendizes menores, podendo esse
servico ser feilo de cooformidade coa o que in-
dica o inspector da thesouraria de fazenda na in-
formado por copia ioclusa datada de 18 desle
mez.
Dito ao mesmoFsca V. S. embarcar no Ma-
le Santa Rita 13 csixoes com artigos de farda-
meoto, destinados as pracas dos batalhoes 4 de
arlilharis a p, 9o e 10 de infamara destacadas
no presidio de Fernando, previoindo ao mestre
do mesmo hiale de que nio deve largar do porto
desla cdade aem ter recebido a correspondencia
official dirigida ao commandante daquelle pre-
sidio. v
Dilo ao mesmo.Trsosaitto por copis V.
S. para os fias convenientes as prmeiras visa
dos coohecimeotos dos objactos viudos da corta
na barca nacional Traviata com destino aos ba-
V. S. telhSea os. 2 e 9o de intantaria.
Dilo ao mesmo.Ministre Vmc. a commissio
Compromisso da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife.
ClPlTULOI.
luHOoagao /nt da irmandade.
Art. 1.a A irmaadade da Miaericordia Batalla-
da na cidale do Recife, ea virtade da iei o. 450
de 12 de junho de 1858, teri por padroeira Njs-
sa Sao hora, do Paralao. aa caja igreja foi aob a
protectorato de S. M. o Imperador erecta com a
denominado de irmandade da Santa Cas de Mi-
sericordia do Recife.
Art. 2.* A irmaadade tara a sea cargo a admi-
metracao dos seguidles eslabelecimenloa pos :
S Os eslabelecimentos decavidade, que sao
o Hospital Pedro II, o dos Lazaros, o da Miier-
cordia de Olinda, a a Casa dos Expostos.
2." Os collegios de orphios e de orphias.
S 3.* 0 Asylp de Meadieidade, e quiesquer
outros eslabelecimentos instituidos em favor da
pobreza que ae crearan na capitsl da provincia
sob a influencia do governo.
Art. 3. 0 seu fia a pratica de obras pias, e
de misericordia ea favor dos pobres e enfermos
desvalidos.
CAPITULO II
Do numero, qualiiaie e admiiso dos irmot.
Art. 4.* O numtro de irmios illimiti-lo, e s
o poder ser aquello em que concorrerem as se-
guales condicoes!
." Ser cetnolieo, apostlico romano.
Ser do recoobecida e escrupulosa mora-
Ser maior de 21 annos da idade.
Saber 1er, escrever e contar.
Ter meios de decente e segure subis-

*."
lidide.
3.
8<"
5.
teocis.
Art- 5. A admlsse ter lugar a requerlmento
do candidato, ou proposta d'am membro la jun-
ta, e nio poder ser volada antes ds segunda
aeasio depois da em qae (dr apreseatado o reque-
rimeolo oa proposta.
Art. 6. A votacio ser por escrutinio secreto,
sendo necessario para approvacio dous tercos
dos votos dos membros presentes, que nunca ser
menos de um terco de toda ajuats. A espherss
is spprovam, e as prelas reprovam.
aerao
terra!Jninet'.,M,l0pre!e0l*J0.'ecnM0'qae ,!i?. ,eQ,re 01 *****< d jvota ou a sua substituidos pelos saus substituios
do S? Ve2S2L *'cumo o parecer Art 37. O provalor ser subsiitaido pelo vice-
lado^n l'!!! ir*- oaccusado. ser vo- provedor: esto e o thesourero pelos merdomos
ia oataa? lii i?e,.reto PP'ovado no caso e estes pelo substituios, guardida a ordem oa-
meabros nrMftnu.1 M Pr d0US UtS8 0* n,eric' dei|na, Plo Prileate da provincia.
Art IS a m *rt. 38. 0 membro da junta que nao quizer
sesso deairaad? ?Sl"f* M* W""1" na cootinuar no exercicio do seu lugar, pedir ao
crtotc?i^an.'.1>5iaIl"ad,8,pQr-?' Pr6"fl?la Proviocla em urna represent.gio
So atar.ti -ae"7 Ju,,lo.,eSun,lo o art- motivada a sua dispensa ou escusa. O presideo-
* a" 19 Oe t;u"er',la se.""d1- -, I 5 conceder communic.r a juoU a sua reso-
aaMranarriia ni ? julgimento. deve luco afim de cumprir-se o disposto nos artigos
2nUr?fS .f .Di" aCt"' ^ l e,to n,m n" 'ecedeotes. quanto a devila aubatituica...
o nome do raemcro da junta Art. 39. A junta f.r sessio ordnVria as
no dia seguio-
convencionada
fez d7. a m.,m" a luaU .Art- *' junta far aessio
aJ> p Q80B 0.*u* fo reUlor dl ac" Pn-Wri de cada semana, ou
lrt, f '''o /' coolra o accusado, te se esta for impedida, a hora
..;.!. Prai de. 'ulaie dl" correr pira por ella am aua primeira sessao.
que fez
cu
pod
o presidente ds provincia ; sendo que s fiado
osle prazo, oa no caso de a preiileocia nao dar
provimento ao recurso, ser o nome do accusa-
do rucado da pauta d.os irmios, e posla mar-
gem do respectivo termo d'eotrada a ver da de
e iminacio. com declarado da acta em que fei
ella decretada. H
primeira sessio. e extraordinaria
quando occorrer algum caso urgente, por convo-
csgio do provedor, ou reclamaco de dous mem-
bros.
Art. 40. Nio poder haver sessio sem qae es-
tejam reunidos p provedor, ou vke-provedor, o
thesourero equatro mordomos, ou cinco
.. na falla
Art 9ft n n..j r ? lheouretro. Sao nullas todas as deliberaces
ficio orden,? .P "l9 da Pr0T,0Cia P" ."".f- ton,"M com meoor oumero de membros. e estes
1.IJ ? q-8 *""*" a lw6o responssveis por seus bem pelos preiaizos aue
do irmao que se achar incurso incurso nos 7, assim causarem a Ssnta Cisa.
prejnizos que
a "
Arl. 41. A sessao nao poder ser levantada
emquanto nio for vencida a discusso, e por isto
durar o tempo preciso, nao excedendo com tudo
do quatro horas.
Art. 42. Reuoidos os membros da junta em
numero aufficienle, e a hora deaigoada, aasenta-
provedor a cabeceira da mesa e os mais
do o
8 e 9 do srt. 13.
% CAPITULO V.
Da aimtnislrago da tanta casa.
Art. 21. A a lmioistragao e goveroo geral da
sania casa compete juota administrativa ; sob
a mspeccio do presidente da provincia.
Art. 22. A janta administrativa nio pode adop-
IV. .1lrt6M """'" dtspoiicoea exprs- | membros aos ladoa dalla, aem distlnccio nem
vine. ""pro'"", dai lel geraes a pro- precedencia, dar o provedor principio aos traba-
tr.nlm't.i* ? ?"r e ordens 'V lna foreB> Ilh0* Mwio es* berta a sessio, e terminados
iransmitlidas pelo presidente da provincia. estas pora Bm a elles dizenlo est fechada
Ari. s. \ junta administrativa exercer as
suas funccoes por blennios : os seus membros
poderio ser recoodnzidos emquanto bemservi-
rem.
AM. 24. A juota administrativa q'na tomar de-
liberagoaa etcepcionaes, e contrarias aos inte-
resies da Santa Casa (ser^responsabilisada em
seus membros, que para isso concorrerem cora
sessao^
Art. 43. Aberta a sessao ser, lida, discutida e
approvada a acta da antecedente; o provedor de-
clarar a materia que entra em discusso, man-
iendo nesta a ordem, dando a palana ao pri-
meiro que a pedir, e fazendo observar a decencia
e civilidade eolre os membros.
Art. 44. Se algum membro qae estiver fora da
Art. 7. Ajuntateremmuitaa'ttencioasqu- S?M?l!,|t?,.^8mn8'01l0" S,BtaS"a dS P." ;rdem quIz." ,ollar a elli P'*> lidades exigidas para serirmio. mas si discutir !&LS! l"*ieB.Aao,ado '_?a.an,,"-M *!?%' BSS*H a Paa' i aa & a callar o far as-
acares da idade, podendo at exigir documento
auleotico que a prove.
Art- 8* Approvada a admissio do candidato e
verificado haver pago a respectiva joia, designar
o provedpr a sessio em que deve prestar jura-
mento, o que far pondo elle a mao direita em
um dos livros dos Santos Evangelhos, e dizendo
em voz inteilgivel: Juro cumprir religiosa-
mente o compromisso desta irmandade.
Art. 9. Prestado o juramento, o esctlvao la-
vrar em livro competente o respectivo termo
d entrada,que com onovo irmo assigoar : ues-
te termo far expressa mencio do nome por in-
teiro, naluralidade, idade, estado, proflsso e re-
sidencia do lrmo ; depois do que transcrever
sea nome na paula da irmandade, que deve exis-
tir ns sala daa sesses da juma.
CAPITULO III
Das obrigacou dt irmot, e mu ditlinctivo em
oomeada de eooformidade com o aviso da repar-
tirlo da guerra do 1" do corrente e de que lbe
dei sciencia em officio de 21 desle mez, os es-
clarecimientos que forem precisos afim de poder
ella examinar os objectos remettidos pelo arse-
nal de guerra da corte na barca nacional Tra-
viata.
Dito ao director das obras militares.De coo-
formidade com o regu I a ment dessa reparticio
mande V S. fazer os coocertos de que oecessita
o quartel da compaohia de artfices, n9o exce-
dendo a despeza da quantia de 379J891 em que
foi por Vmc. oreada.Communicou-ae a thesou-
raria de fazenda.
Dito ao mesmo.De cooformidade com o offi-
cio por copia iacluso do commandante do bata-
lhao n. 9 de intantaria mande Vmc. fazer com
urgencia os ladrilhos de que necessita o quartel
do 9* bstalhio de iofantaria, apresentando de-
pois a conta pars ser satisfeita.Cimmuntcou-se
ao commaodante das armas.
Dilo ao comniandante do presidio de Feroan-
do.Faja V S. regressar para esta capital na
primeira opportunidade, como requisitou o ju'/.
municipal da primeira vara em officio de 22 do
corrente, o sentenciado Aotonio Jos de Oliveira
que existe oesse presidio.
Dilo ao admioistrador do crrelo.Transmit-
i por copia a Van. para seu coohecimeato o
aviso da reparticio da agricultura, commercio e
obras publicas de 5 do correte dando provi-
dencies para qae sejam observadas as disposiedes
dos arts. 197 e 209 do regulamento de 21 de de-
zembro de 1841.
Dito ao gerente da Corapanhia Pernambucana.
Por conta do ministerio da guerra mande Vmc.
dar passagem para a capital das Alagoas no va-
por Persinunga ao sargento Joaquim Jos de
Soaza que vai reuoir-se ao corpo de guaraicio
deata proviocla, bem como a sua mulher Sabioa
Candida Mara da Gama.
Expediente do secretario do
- governo.
Officio ao commandante do corpo de polica.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda re-
raetier V. S o paissno Diogenes Camello Pes-
soa afim de que o conserve preso at segunda
ordem.
Despachos do dia SI de marco.
Rtqutritntntot.
Bernardos Haes C. Grolas e Gaspar Jacob
Traos.Informe o Sr. inspector do arseoal de
marinha:
Diogenes Francisco Pessos do Nascimento.
Informe o Sr. Dr. chee de polica.
Fraocois Bal.luforme o Sr. inspector do ar
aeoal de marinha.
Jos Eloy de Paiva.Nao tem lugar o que re-
quer porque subsiste a nomeac&j interina teiu
pelojoiz de direito em vista do aviso de 18 de
Janeiro deste anuo.
Joa Aotooio Ferreira Vinosa. Informe o Sr.
Dr. ebefe de polica.
Joio Chryaostomo de Oliveira Pelaglo.Diri-
ja-se ao Sr. Inspector da thesouraria provin-
cial.
Major Joio Bernardino de Vasconcellos.Naol
tem lagar.
Manuel Pires Cara pello de Almeida.Ao su-
plicante deve-se nicamente a quantia de dous
conloa cenio e nvenla e tres mil trezentos e
irinla e dous ris. depositado como garanta da
entrega definitiva da obra que arrematou. pelo
que nao tem lugar o qae requer.
Mailieus Clercloforme o Sr. inspector do
arsenal de marioiia.
uvaaaenta com seos beos nos termos de di- hlr da sata, consultando primeramente a junta ;
" ae nao se quizer sujeitar a esta ordem levanta-
ciPiTfi vi | r o mesmo provedor a sessio. A junta delibe-
. vhiu,lu vi. : rara ns sessio seguinte se esse membro est in-
fla junta administrativa, tua nomtaco. poiti curso em algua dos do art. 13.
esubtlituico, ordem de seus trabalhos e mo- Art. 45 Teudo- fallado sobre a materia os
do de deliberar, suas atribuices e de cada um, membros que quizerem, o provedor estabelecen-
d seus membros. do o ponto ds questio sobre que deve recalar a
Art. 25 A jnla administrativa aera composta votacio, a pora a votos, e dando o sea em ulli-
0 presidente da provincia, usando da auloriaa-
cio que Ihe contera o art. 43 da lei provincial
n. 519, de 21 de jonho de 1861, resolve reformar
o compromiso da Santa Casa da Misericordia do
Recife, e manda que je observe o seguale
corporacao.
Art. H) Os irmios sao obrigados:
1." A aceitar e cumprir bem e fielmente os
encargos que lbe forem dados.
t. A acudir coa promptlio, ao chamado
da junta a do provedor.
8 3.* A comparecer ns jgreja da Santa Caa
nos das em que a irmiade deva apreseatar-se
em corporacio.
4.* A pagar como joia d'eatrada, antes de
prestar o respectivo juramento, a quantia de 25>
(para aagmeato do patrimonio) se fr solteiro, e
a de 359 se fr casado.
Art. II. A irmandade se apreseotar em cor-
poracio as seguintes aetos:
8 f.* Na festa de sua padroeira a Seohora do
Paraso.
2. Na quiota-feira santa para na igreja da
Santa Cisa assistir a exposicio e fazer quartos ao
Santissimo Sacramento.
3.e as pro:isses d'eoterco e de Corpus-
Cbristid mitriz deSsato Aatoaio.
4. as eacommeadacoes, ou offi:ios de cor-
po preseote que aa celebrarem na igreja da Ssn-
ta Casa, por qualquer irmio fallecido.
5. Naa execucoes de pena de morte, que f -
rem cumpridas nesta cidade.
O cadver do irmao fallecido ser acompanha-
do ao cemiterio por quatro irmios nomeadoi
pelo provedor, e o do exectade. caso nao teaha
aido pedido pelos prenles, ser pela irmandade
conduzido para a igreja da Santa Casa, onde
immedialameole e respectivo capeilo o encom-
mendar, a d'atli seguir para o cemiterio a ex-
pensas da Santa Casa.
Art. 12. A irmandade nos actos religiosos osa-
r de capa preta, (balandro) tendo a do provedor
ao lado direito urna cruz de vahado azul claro, e
a dos outros membros da junte, igual crusao la-
do esqaerdo. O provedor trar urna cruz de ma-
deira prata : iodo os trente da irmandade dous
mordomos mais mojos ; um com a baodeira da
misericordia, e outro com a cruz tambam de
madeira preta. O sachristio levar a campa.
CAPITULO IV
Das causas, e do modo por que devem ser elimi-
nados ot irmot,
Art. 13. Os irmios pdem aer eliminados nos
eguintes casos.
1." Ser de lio spera condijio, que sirvam
de perlurbacio ou dlscrelito irmandade.
2, Viverem entregues vicios que os des-
moraliaem.
3. Proferir palavras injuriosas, e de escn-
dalo, em acle publico qae assislr ajaata ou
irmandade.
4," Niocamprir.seaiapadimenio legitimo,
as otens, oucommissoea de que for encarrega-
do pela junta, ou provedor.
5 o Revelar, aendo membro da janta, o s
greda que for exigido por inleresae da Saota
Casa.
J 6. Infringir, de qualquer modo, as dispoii-
coes do art. 100. v
J 7- Recusar-se a prster coalas : az-lo com
dOIo. ou ficer alcaojado as qae prestar dos di-
nheros da Saota Casa seu cargo.
8 Delapidar suas readaa, deteriorar seus
beus, e finalmente proceder de qualquer molo
contra os interesaos da Ssnta Gasa.
9. Ter sido coademaado por qualqaer cri-
me, que, nio sendo poltico, exceda o mximo da
pena um anno de soilnment.
Art. 14. Qualquer membro da janta pode pro-
por a ehmioasio do Irmio que ae achar ocurso
nos 5 do artigo antecedente, indicando na pro-
postau respectivos, asmente ser esta juleada
objecto de deliberacio, a for approvada por um
tergo da votos dos membros presentes.
Art. 15, Approvada a proposta, o escrivao, em
nome da juota, commuaicar ao aecussdo a ar-
guicao que se Ihe fez, sem declarar quem, e o
aoovidar para que na segunda aessio (nuoea se-
rio menos de quioze dias) depeis da aecusacio
aprsente por escripio a sea defeza.
Art. 16. Apresenuda a defeza oa sessao indi-
cada oo artigo antecedente, o provedor a entre-
gar a um dos membros da junta, para aa sessao
inmediata, visto dola e da aecusacio, dar co-
mo relator o seu parecer, e o escrivao convidar
aq accusado a que comprela naquelu 1Bsu>
pato, asifoUr so seu jvilgaaeato.
de 17 membros, que sio : um provedor; um
vice-dlrector; umihesoureiro e 14 mordomos,
tendo estes por substitutos, igual oumero de
irmaos ; haver.porm, mais mordomos, a outras
substituios, ea a juota assim julgar preciso,
e o presdeme da provincia por proposta della
os cresr.
A-t. 26. A junta ser nomsada pelo presiden-
te da provincia por portara expedida a junta em
exercicio na 1* de maio do ultimo biennio, con-
servaododim terco dos mambros da junta que
fiada, eacolheado o outro entre os substitutos,
dos mordomos, e norueaado o terceiro d'ealre
os irmios, que j ha sais mezes pertencerem a
mo lagar aoouaciar o resultado, que ser o que
vencer a maioria de votos dos membros presea-
tes ; teado o provedor -o de qualidade, no caso
de empele.
Art. 46. Nenhum membro da junla pode vo-
tar em negocio de seu ioteresse particular, nem
de seus amigos, ou ioimigos e parales at o se-
guado grao.
Arl._ 47. As acias da junta serio escripias pelo
escrivao, por extenso, sem emendas, raspaduras,
borr as, enterliuhai, algarismos breves, ou cou-
aa que duvida faca ; declarando nellajas materias
submeliidas a diaoussio; as propostas ou iodi-
cacoei; os requerimeoios, as mojoes e as emen
irmaadade. Os substitutos serio escoltados d'ea- <* qae'seoBarecerem, por quem e qual a dis-
* mesmas coudicea. Nao po- '
juota prenles at o se-
Ire os irmios naa
deai servir ai mesma
gunlo grao. .
Art. 27. Asaim os mordomos, como os seus.
subttulos serio ctsssicados numricamente pa-
ra se regular a ordem da aubsliluigio. A vaga
de qualjuer substituto ser logo preeochida, afim
de que haj sempre o numero marcado por esta
compromisso.
Arl. 28. A junta em exercicio archivando a
portara de nonieacio mandar levar a cada um
canasto.
Art. 48. Nio se reuniodo numero sufficieote
de membros para haver sessio. o provedor, ou o
aeu substituto maadar lavrar um termo com a
declaracao dos nomes dos que edmpareceram s
dos que oio compareceram.
Art. 49. Q jando por falta de membros da jun-
ta deixar de haver duas sesses seguidas ou baii
roceio de que se nio reunam em oumero auffi-
cienle para a que pela urgencia e importancia da
materia se fizer precias, o provedor con enteca-
dos nomeados, para Ihe servir de titulo, urna co- dencis convocar taolus substitutos quantos ta-
pie autentica della. rem necessarios para haver sessao ; estea porm
Arl. 29. Os irmaos que aceitarem a nomeacio cederaoo lugar aos mordomos logo que elles se
eoviarao os seus ttulos ao escrivao da Sania Ca- apresenlem.
sa al o 1. de junbo; escusao1o-se algum ou al-
guna, e julgando o presidente da provincia, at-
tendiveis os motivos da eseusa oomear outros.
O escrivio da Saota Casa far registrar os ttulos
dos que aceitarem, e os convidar em noma do
provedor a comparecer no dia 1. de julho para
tomar posse o entrar em exercicio; oeste dia Ihes
entregar seus tilulos, depois de prestado o jura-
mentn, caja declaracao far oelles.
Art. 30. No dia 1.* de- julho do primeira anno
do biennio s 10 horas da maohia se reunirio
na igreja da Santa Casa os membros da juota em
exercicio, e os nomeados, e tomarao os dona pro -
vedores ssseoto aa cabeceira da mesa ; ficaodo o
em exercicio a direita, a o novo a esquerJa, e os
mordomos na raesroa nrdem aos lalos da mesa.
Art. 31. Assim reunidos uos e outros, o pro-
Art. 50. O presidente da provincia, como ir-
mao protector, poder assistir quando queira a
sessao da juota, tendo asseato i direita do pro-
vedor ; porm oio presidir nem dirigir ojtra-
balhos, nem sssignar a acta, ou outro qualquer
documeato ; teado someote vol consultivo. Se-
r recebido e despedido a porta .da sala das ses-
ses, por urna commissio de dos membros no-
meados pelo provedor.
Na veipera da primeira sessio, que se fizer no
principio de cada trimestre, ae far aviso ao mes-
mo presidente, para que possa elle comparecer,
se assim o quizer.
Art. 51. Os empregados da Santa Casa pode-
rio comparecer as sesses psra requerer oa dar
ioformaces acerca do que estiver a seu cargo ;
este comparecimeotu obrigatorio sempre que
vedor em exercicio declarar iostallada a junta ,lhe tur ordenado para objecto do servico que lbe
para a possa dos oovoa membros, e defirir so esteja affecto.
novo provedor o seguate juramento : Art. 52. Compete a junta:
< Juro cumprir bem e fielmente os deveres de; 5 '- Administrar os bens que constituem, ou
provedor que me sio impostos pelo compromis- ; *ierem constituir o patrimonio da Santa Casa, e
so.
E depois as vice-provdor, theaoureiro e aos
mordomos, cada um por sua vez, oos mesmos
termos, mutalis muiandia.
Art. 32. Prestado o juramento o antigo prove-
dor dirigiodo-ae aolemoemeate ao novo Ihe far
eolrega do compromisso da irmandade, a am-
bos ; bem como tomo lodos os mais memoros da
junta troca rio os lugares.
Isto feilo, o amigo provedor dirigndo-se so-
lemnemente ao novo o relatorio, em que deve ex-
por circumatanciadameote os suceessos occorri-
dos na Santa Qasa durante o biennio, e as medi-
das que forao adoptadas para os melhoramen-
tos dos differeotea ramos de aua admiaistracio.
Este relatorio ser registrado em livro proprio,
e depois archivado ; remellen io se nma copia del-
I le ao presdeme da proviocia.
Art. 33. Lavrada immediatameote pelo escri-
vao a acta da posse, aa qual apenas se far men-
jio da leitura do relatorio, e de se terem prati-
cado aa solemnidades recooomeodadas nos art*
gos antecedentes, ser assignada por todos os
membros presentes deumaeoutra junta, sendo
em primeiro lugar pelos noves,- e em seguodo
pelos amigos, mas em grupos distioctos, de mo-
do que elles possam exiremar-se primeira
vista.
Depois de assigoada a acta dir o novo prove-
dor : est concluida a aessio ; flcando assim ter-
minado o acto.
Art. 34. Someote os membros da juota, que
forem nomeados ne novo, preatario o juramento
determiaado ao art. 31, e seguir-se-ha o proces-
so da posse com a conveniente modiflcocao, eer-
valis servandis.
Arl. 33. Para o aclo da posse nao preciso
que se reuoa o oumero de membros exigido para
haver sessao da junta ; effaotuar-se-ha sempre
oo dia 1* de julho com o numero que estiver
preseote.
Art. 36. Lozo que qualquer membro da junta
se achar impedido por motivo juslo, dar parte
ao proedor. Se o impedimento for temporario,''
e oio xceder de Irinu das, o provedor enea**
regar um dos outros membros daa funccoes de
impedido ; porm aa o impedimento exceder de
trila das ; sa for por aorte; por sabida para
fora da proviocia; pnr abandono de lugar per
quinte dias ; pac escusa .acalla palo presidente
da provincia, es membros a regpeito dos qaaei

tero goverao econmico della.
2." Fiscalisar por meio de urna commissio
nomeada d'eotreos seus membros se a arrecada.-
jio das rendas se faz bem e devidamente, e se
sao ellas despendidas conforme o orcamento.
3.a Promover a reiviadicacio pelos meios
competentes de todos os bens do patrimonio, e
a arreesdaco dos valores a que este teoha di-
reito.
4." Nomear os empregados dos eslabeleci-
mentos que nio torera da nomeacio d.> presi-
dente da proviocia; au*peade-los de trila dias
at tres mezes, por correccio de erros ou faltas
que liverem commeltido, havendo a per Ja do or-
denado eorrespoodenie ao tempo da suspenso :
demillir os mesmos empregados qaaudo teoham
commetlido erros ou fallas gravea em prejuizo
dos iateresses da Santa Casa ; sido omissos e
deleixados em seos deveres: as demissoes serio
dadas por portaras sssignads pela juota.
Serau ouvidos previamente para procfuir a aua
defeza com documentos, ou razes, que confron-
tados com os documentos accusatorios possam ab-
solve-los, oo crimioa-los. A demissioser fun-
dada na jualiga e na prudencia, com recurso
dentro de oito dias para o presdeme da pro-
viocia.
f 5." Suspender at trinla dias coro perda dos
veocmentos, os empregados|de uomeajodo pre-
aideote, dando a eate parte imme liatamenie ; ca-
bendo ae empregado suspenso recurso para o
masmo preaideote, e a eate resolver neste ou
naquelle caso o que Ihe parecer justo.
6." Propor ao presideote da proviocia os
meinorameotos e reformas que juigar necessario ;
bem como aa obraa novas qua forem precisas, of-
fereceodo logo aa plantas e ornamentos respecti-
vos, a que deve mandar proceder e dar-Ibes
execugao depois de aulorisadas.
7." Celebrar oa cntralos que forem necessa-
rios, submettendo-os previamente i approvagio
de presidente da provincia, inclusive os de ar-
rendamenio de beos de raz, quando excaderem
de irea annos ; proceder a srremaiacio do or-
necimento de viveras, gneros, matenaas para as
obras, etc., ou aulorisar a respeouva 'compra,
quando nao caaveoha, ou poasa'reatletv-ae a ar-
remalacao. tu
A iunta nos contratos que celebeat esta balace-
ra contra os que faltaren: as suas condiees, mu.
Xas recnnhriascohTis proopUtfenre, a a res.
cisao romediata dos mesmos contrato ; teri to-
do o cuidado qae sejam redigidos com clareza,
naoaa eacrevendo palavras sasceptiveis de inter-
preiaeoes scieotificas e de inteligencia de douto-
res, das quaea resulten) ouastes e duvidas fo-
re08J9 e orootaea iocompativeH, com a simpli-
cidade dos term >s a todoa daros e perceptiveis.
que am aemelhanlea contratos requer e costura
a praticar a boa f. Alm daa condicoes ajusta-
das procurar-se ha estipular nos contractos ose-
guiote: que o contratante renuncie todos oa car-
sos fortuitos ordinarios ou extraordinarios, soli-
tos ou inslitos, cogitados oe nao cogitado, e
que em lodos e cada om deltas fica sempre obri-
gado, sem delles se poder valer, nem os allegar
em tempo algam, e para qualquer effeto que te-
ja, qae todos os seus socios presentes e futuros,
e aos que com elles liverem ioteresses, ficam
obngados cada am in solidum, toda por m. e
um por todos ; poslo que todos nao aasignem o
coolraio. por que a quanlidade de interessados
osconslitue sempre fiadores legaes n sobredite
forma, o
8. Discutir e deliberar sobre o orcamento
annusl da receila e despet'a, e verificar a exacti-
do dos balsogos.
9. Propor ao presidente a venda de quaes-
quer beoa que perlengam ao patrimonio da Santa
Casa, para aer o seu producto convertido em apo-
lices da divida publica ; facer avaliar taes bens
judicialmente, e realisar a ana venda em hasta
publica parante si, quando o presidente a euto-
nse. Em todo caso neabuma vaada se jalgar
definitiva menta feita aem approvagio do presi-
dente da provincia, que a dar a reapeilo dos
bens de raz, sempre qae aua renda fr meuor
que os juros-das apolioea. calculado sobre o maior
prego offerecido, ou qaaode ae achtram em tal
estado de ruma, que pan rapara-tos seja preciso
compromeiter as rendas do patrimonio, ea de-
rimenlo da manutengio dea respectivos estabe-
lecimentos.
8 10. Inventariar os bene da Saota Casa, clas-
aificaodoos de molo que alies ae dtiogam ae-
guodo o estibelecimeoto cojo patrimonio cons-
tituir.
11. Calcular na ultima sessao. de cada mez a
quantia precisa para as despeza de mes eagaio-
te, e aulorisar o thesourero a tirar por aaeio de
cheques, do banco em que estiverea os diotaei-
ros da Saota Cisa, o preciso para ellas,aaaaoal-
mente, sendo os cheques cheios pelo escrivio,
assignsdos pelo thesourero, a rubricados pelo
provedor.
3 12. Em casos omissos tomar aa proidencias,
ou resol usos que entender conveniente aos io-
teresses da Santa Caaa, e ao melhor deaeaaaenho
de suas attrtbulgoes, submeltsndo-ss a approva-
gio do presidente da proviocia antes da exe-
cugao.
Art. 53. A juota ministrar ao presideote ds
provincia as ioformago-s que este exigir; cum-
prir e far cumprir aa suas determinag*s; re-
presentar, porm, aules, sempre que ellas lbe
paregam contrarias aa disposiges expressas deste
compromisso, e dss leis geraes e proviocises.
Art. 51. O provedor ser pessoa de recooheci-
do mrito, e de diatioegio e caritativo. Exerce as
aeguintes allribuigaa:
$ 1." Correspoodsr-se officialmeale com o pre-
sidente ds provincia, e qeaesquer autoridades ;
como orgo que da juota e da irmandade.
2." Execuiar e fazer exacutar aa disposiges
deste compromisso, e de todas as leis e regola*
meatos relativos a adminislragao da .Sania Casas
seus eslabelecimentos; benveomo as deliberacOes
decisoes da juota expediodo ordena e iostruc-
ges adequadas a boa exeengao do que tica dis-
posto.
3.* Exercer a superior administrsgio em to-
dos os estabelecimeolos e negocios da Santa Casa,
telando os seus iateresses, zelsndo pela arrece-
daco das suas readaa, e daa dividas activas ;
visitando e inspeccionando os mesmos eslabele-
cimentos, prevendo as necessidades que o caso
exigir, e corrigiado as filias, e pralicaa abusaras
que encontrar; admoestando com urbaaidade os
que precisaren), e suspendendo at 10 dias con
perda dos vencimentot os empregados omissos em
suas obrigiges, dando de ludo parte juota na
sua primeira sessio para que esta resolva o que
julgar de justica.
8 4. Mandar (azer eff-clivas, por despachos ou
portaras as despeas deslgoadas oe respectivo
orgamento, e as que forem autorissdas palo pre-
sdeme da provincia.
Proferir os despachos para certides, ou tenden-
tes a ex-gir esclarecimentos e informages para o
preparo dos negocios acerca dos quaea a junta
tiver de deliberar.
5." Dirigir o expediente da secretaria em ge-
ral, para qae elle se faga o mais conveniente, e
sem atrazo : rubricar, abrir e encerrar os livros
qua liverem de aervir em todoa oa estafaeleci-
meotos e repartiges da Santa Caaa ; podendo no
caso de afluencia de trsbalboa dar commissao
para isto a qualquer membro da junta.
8 6." Visitar frequentemente os rmaseos do
almoxarifado; dar-lhea balango e fiscalisar os
artigos oos mesmos existentes; examinar o es-
tado dos predios, e fiscalisar as obras ; providen-
ciando como julgar conveniente, dando cooheci-
meato de ludo a juota, que resolver como me-
lhor Ihe parecor.
$ 7.a Deferir juramento e dar posse aoa em-
pregados de nomeagao do presidente da provio-
cia e da junla.
8 8 Indicar junla ludo quanto vir que por
detiberagio della pode ser adoptado ou proposto
ao presidente da proviocia para melhor adaiois-
tragio da Santa Caaa, maior deseovolvimenlo, o
mats severa arrer.adsgio dos xeudlmenlos do pa-
trimonio.
I 9." Fazer o relatorio de que trata o art. 82.
10. Fazer os, ultima sessio da cada mez a
listribuigio do servigo meosal dos mordomos, e
exercer quaesquer outras altribuigdea propriaado
seu cargo quer ettejam ou nio deaigoadas expres-
samente neste compromisso.
Art. 55. Ao vice-provedor compele :
nico. Substituir o provedor nos ae.us impe-
dimentos temporarios, assumiodo todas as anas
attribuiges.
Arl. 56. O thesourero deve ser um irmio de
recoohecida probidade, que lenhi renda solida, e
emenda de escrptaracio commercial. Corcpe-
te-lhe:
I Receber todas as quanlias pertencentea i
Santa Casa, seja qual fr a proveniencia della,
recolhendo -as a um dos bancos da proviocia em
coala correle, logo que a arrecadagio ou recebi-
mento fr auperior i daspeza orgsda semanal-
mentd. Em cada nma aessio apreaentar a nota
das quanlias recebidaa, dispendidas e das rece-
(billas ao baoco. m
' 2.* Assigoar como escrivio no livro caita, as
artigos de receila.
} 3. Cumprir as ordene da justa e do psove-
dor, que Ihe forem a presentadas para entreoa das
quanlias que tiver de dispender; asjataaes s se-
rio pagas visia da nota assigoada pele erapre-
gado que tirar averbado o pagamento sassigoa-
do com a paite no respectivo livro ou folha,
cando archivados os despachos e corsarias.
4. Nj principio de cada mez entregar ao
provedor o batanele do que tier recebido e dia-
pendido no mez anterior, para ser examinado e
apirovado pela junla.
$ 5. Este balancAe ser aniado por urna
coannUsao de tres mordamos nomtados pelo





proveer, i romsafoTOpon'ua u* ctJpk i p^ftolonTo Jn^mwti
D1A1IO DE PKtNlWWJCO. m $U<
loso xsme apreseutar por escriba-
do Val, q Vinha jul-
cooveuiente facer chegar ao vonhecimento
d S. Exc^o spparecimento do cholera morbus
lente, e q*t>, nao obstante nao trater
a e-
ew, i virto do qual a juota deliberar ae deve se*
o nao pprov.do. Hlfl> l!Slife*
.' No caso de ser PO^***^*^*^-^*!*^ 'dor.troba j feilo do es-
vedor que aeja publica* 'f**Mnfr#nM$ rj- ptt cavo contraro ordenare ao *ha|Mt^S8S.a^ ,AW,-fFect*o, doi qaaea ama dava poucas espe-
urato da 48 horaa improrogavel TOdTnnrtre orT raocaa de vida : tendo sido o roaior desenvolvi-
fre da Saota Gasa o que indpaidjjngqla, luer
suspendido.
5 7." Se no praro signad* o itoeoautairu ojsri
User alisfeito o que Ihe ivrrejateo4to-vetiflcpn>-
do-se qo.e houve d*lepidacae^t^oa*ror remm*- dej
ter o mesmo balancele, *"*r *lr*"l Mwlf imn> I
loa ao advegado da Sania Ca*a -paa su Mu moja en
uno irmeo, pera que este fa;smraeader (bWmsb o
i-daTWav
ihesoerairo na ontotruidade
csuviriiu u ^.uuiui imuaue Alas lera. ^~~
Atl.57.fls. qtulone tuotdono*, tww^WtK m
buido pela- tnaoeira segalule : qu atro para o
hospital Ped 1L; que ira para o dos lazaroa, col-
legw dt prpMoK. igrej* da Misericordia e pre-
dios de Olmda ; tres para a casa dM eteoeto e
coHegvo ds orpiSass-; Bou* par* cuidar de cea-
ervacao da igreja de Non Seo hora de Paratto,
da edificarlo reparo dos pf atoe desla dede,
en paja cuidar das d*m*ed*a em que a Saeta
Casa for da qualquoc modo loteressao, e>*o-
demeote do proceeao dos presos pobres.
A distribuida doa asordamos ser feito pelo
prevedc-r, segundo aa h*bilitacoes de cada um e
aiaerearao meosslmeote catre si, meaos o das
pendencias judiciaei.
/Con iimar-ae<*a,j
panel* de seguros martimo* Nova Per
do Rio de Janeiro. Ajunteen* o* esl
companhia Nova Permanente, e o auto d
dos coostituiota*.
Outro da Tiara Amerito & Filho, ped)skto a
regiitro da conta das despetas do costeio cW*bdt.
guo ncantadar-.Como requer.
Outro de Lula Antonio Rod
fl*JMn
~i
rt
MBM
ooirato
ador Ui
e da J
peditto
1 DI M4RCO DE UM.
fc
de Almeida,
o formiaj* metamor-
o en formlga grande.
S quitara um minuto 6 na vida,
Gozar ser chamado bestslhso.
roesm* ctdsdQ_& 8. Ere i
dirigido da ciedade.Ni forma do parecer Qscal.
TJUXflxTD sttji.-
E' tyslem* meu
averna* dos out
eu ando de dejas
ira o ar, a ando
pando as escurada*
suspiros de quenas
soto bellos pedamos
trma, ele ele,; Ata
aempre
qnatro
pernee
cima;
>ia, co -
Sisaaatura, eu
%,Waviata,
ja, a pataca, viole e dos mil setecentos a Tinti
ris. Oitenta botijas com genebra da terrs, a meta
pataca, doze mil e oito-centos ris. Trata raa-
cos com mostsrds. sem vslor. Qnatro frseos de
doce em calda a duzeolos ris, oito cofia* ris.
Tresgarrefinhas com mol to a duzenlos ris, seis
iliWnlvfl, .Itl^^aial >#?%
odo ao-
PEMAMBUte.
REVISTA OURU.
fa impedimento do Exm. Sn director gerai d
inatruccao publica, foi nonieaao aara subatltut-
ioaSr. Dr. Braz Florentino Honriqucs deSouia,
mambro d respecli'a commiaso directora.
--atoja troae coroocar pelas ti tietaa da ni-
abas i* acto do concurso a oadeira de Ingles do
curet pretkaratotio aonexo i (acuidad* de di-
raito dests cidsd*.
a Nam aempre ands ao agrade**! annexo o
ulil, a n'este caso aeha>ae a illuinioac-o Ras
**M a* templos. O derraman.enW d'eele, que
costuma dar-se raais-ou meaos ordinariamente ;
e que prodat um chairo oauteabutido a indigno
da casa do Deo* viro, autonsa a nossa asser(o,
e lea-nosa lembrar (jjo aienassejam illumina-
daacom eaaa materia'os corredores a o exterior,
ea que o sejam jmaia osaltare*.
A conveniencia desla lembrau^a nio pode ser
d*ort*xida ; e na ignorancia da ter sido ou
*sm apreciada em seue fundamentos, qu* ofte-
reoemo-la atteocao dos senhoras incumbidos de
ordeoarem u'a.
No di* 24 lava lagar, citaro noticiamos, o
acto inaugural cora que o Sr. Or. J Birbosa
Lima salemaisou
pente do juismunicipal em erercicio, Jos Fraa-
cisco d'AieTedo Lita, que o hulera aarbus se
18 dasse nwz st a dala de saa aflicto j itawa
feito cinc* victimas, eiittmdo autaaa aOvaaadaa.
Disse mais que n*p reaUT* duvida de que tosse-
0 cholers-morbus que reioava, visto que alguna
dos meti* tieham aprasentsdo diarrh, rotni-
tos, eaimbraa e rastriaetente, peda aoccorros,
vrsio que esse lugar te achara despieveaida.de
medicamentos propries, nao obstante existirem
all dous pharmaceuttcos.
" Em um offrcio do hontem. dirigido ds fre-
guezis da Luz S. Gxc, disse o Or. Ernesto Pe-
lici*** da Silva -lavares que, em cumprtmflrrto
da ordem da presidencia da provincia, se lioha
dirigido, em companhia do oelegvdo de oaiicta
desae termo, aquella rregoezia, e havendo per-
corrido a povoar/n e os engenhos Nova, Barra,
Gupe, Collegit, Topacurd e Caluanda. tinha re-
aonneeido extsrirem oesss povosr^So dous iodi-
v i dos que. atlacados benignamente pela epide-
mia; segundo informac&es do respective inspector
j se achavan em roovateseeove. Oisse mais
que poucoe eram os sccommeltidosaoa referidos
pontos, i excepcao dos dous ltimos, ande o mal
reioava com inlenaidade, tendo feito n-ao peque-
no nuujero de victimas, e que baviar aido infor-
mada no lia, em que dtou seu officio, que a epi-
derniace tinha manifestado nos engenhos Con-
cordia. Bella Ro$aeAlaga do Maibe, sendo an-
da mu limitado o numero dos accommeilidos
dos fallecidos.
A's 6 horas da tarde de 27 de marco de 1862.
Dr. A quino Fo-nceoa.
Br.PAiiTig.lo o* polica.(Extracto daa par-
tes le 23, 24, >2S e 26 de marco.)
Foraui recuihiJos casa de detencao no dia 22
do mesmo :
A' ordom do Illm. Sr. Dr. chefe de polica,
Diogenes Francisco Pessoa, de 22 anuos de ida-
de, caixeiro.para recruta ; DelQna, crioula, de30
aunos, quitanJeira, esrrava de Francisco Antonio
Cardozo, por aodar fgida, e Jos tambera criou-
lo, de 35 anuos, ganhador, viudo do termo de
1 Nezarelh como fgido do poder de sua sentora ;
-----------a caocesso da raca imoetia,,
denominar-se o seu esisbeleriment de edu- \ ID1-1 4me""? A"f0S Co"\a 6J S va' 'V1"
ao litlararia Impeiiat Instituto de Nossa Se- denle em S. Chnstovio, provtarcia do Rio de Ja-
do
mjio
chora do Borneo o sal no,
A asea faocco coacarreram ariaa peSsoss no-
Uveis da- noesa sociedad*, oomeadaraenta o*
JBimsk Stt. presidente da provincia, vrsconde de
Sa**uo*, dreotorgeval da inetfuccao publica,
profeasore* do Gjsan-asio, ote. ate ^ e a concurren
esa nioteve ouiras propofees pelo muito cho-
ver 'aquello diat
Houve algn* discursos cera relarao ao acto,
os quaes se seguirsm ao do respectivo director.
O edificio eslava dovidamt'Dte decorado, e-li-
aba.elevada* ae armas imperiaes, cejo uao fora
igualmaute concedido.
Urna banda de msica locou o hymoo nacio-
a* nebeu ae iatervailloe com outras pe?as
mmicas a, que delaitavam aos assistentes.
A *e*emnisacioUas referidas grscas foi por
certa ooadiRoa sua concessao ; eaasim maoi-
taatJr Or. J. Barbosa Lima o muito em que
tama avalla, que de s-u estaberecimento forma
ana mageslade o Imperador.
Remeltem-nos as seguales linhsa, oue of
ierecemos aos entendidos, para o tlm solicitado :
Entrando eu em ouvid sobre a correceo
deata* locugoes, na aabeodo qual u'ellas deva
preterir, vou rogar-I he o favor de publicar o eon-
?ile que far;o aos seohores professores da lingua,
para que hajarn de dar a sua opiuiao a respeiio,
dlgaaodb-se V. S. aceitar as respostaa que lhe
nouverera de mandar; a< quaes para seren de-
vidimeute apreciada*' devem-se- publicar no
anaaioo da, na aua precos reviia ; o que espero
de sa tmiijade.
A' qttt lempo tu escreues este (toro ?
Ma oue samad tu etcievtt He litro ?
S.
Damos em seguida e rra proprias expreiea
urna pequea explicacao dos Bra. Giroeiro e Ri-
beiro Jnior, sobre o tacto Iludido em um tre-
cho de nona fevula de henleu.
Sr. reductor da levita Diaria, Teirdo
appaseeido e aua AevtsJa de hoje em urna no-
ticia assignsda peloindignadoem que contan-
do o que sa dea eorjk-dous-cholenco* que foram
atacados na roa do Seve e l suceambirara, trata
de utas receita que sendo mandada aviar, um bo-
ticario da praca da Boa-Visls sa tinha negado,
aaesar desiaosr qu4m alli s*o//erec*sw a {orne-
Ctr medicamento gruli aos pobres.
Declaro que neobuma receita foi apresentada
o raen esta bal eci aren to, e que nio s tenho for-
oecido rnuitos remedios aos districtos que me of-
fereci como tambem ao oitevo diatricto e oulros,
* quaodo olfereci aos Boa-vstanos pobres medi-
asmeatos pera s presente epidemia, nao tive em
mal* seno o bem da humaoidade como j o a
n epidemia porque pa**ou esta provincia em
JjHBVi
Boa-Vista, 26 de marco de 1802:
Jos Mana Freir Gameiro.
Sr. redsetor.Veoho declarar por meio de
aua Heviua, que nao sou o boticario que se oe-
ou a aviar a receita para o infeliz da ra do
Seve, accommettido do cholera, pelo contrario
aviei duaa, passadas pelo Sr. Dr. Seve.com te-
jo a promptido, aero o menor pagamento como
pravo com aa receilas existentes em meu poder,
como foram leslemuohaoa Srs. Joaquim Textira
Peixoto a Manoel Gomes Viegas, e estoo promp-
ta a cumpnr o ofterecimenio que de miuha mu
spootsnea voniade fiz ao goverco.
Oueira publicar estas Imhas com o que ar um
favor ao seu constante leiior e aaaigoante.
Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior.
Tiveram hoatem lugar na sala das audien-
cia*, as que fazern semanatmeote o* Drs. juntas
de direito da fazenda o segunda vara criminal.
Dea>oia da publica^o dos feito* respectivos,
ptaoedeo. s peante o juiz da lateada arrems-
tacao de quatro eacnvos penhorados, dous dos
quees foram vendidos por preeo em pouco su-
perior ao da avalia;o.
Parante o juiz crimiaal, e-cem assistencia do
Be promolor publico, compareceu o reo Manoel
Antonio de Araujo, pronunciado emerime do re-
mienda rneos legae* pela Dr. juiz municipal
da segunda vara.
O reo foi deridamenle interrogedo, e em se-
guida foram inquiridas as lestemunhas da defeza,
orTereoida pelo advogado do aecusado.
Eoviam-nos o seguinte*
c Sr. redactor do Diario.Tem-se publcalo
muilos remedio* para a epidemia reinante o cho-
lera, e tem-se dado muitos conselhos sabr die-
ta da que ao muilos bao*, prudente* e necessa-
na*. e ae ossem seguido* haviam de minorar
muito os estragos feilos por aquella moleslis,
mss parece me que nio se tem dado bastante pe-
sa a oulras molidas preveotivss qoe sao tamcem
da valoraiaim como nao conservar roupa mo-
lhada do corpo e guardar os pea. o estomago e a
barriga, to agaaalhados e protegidos como po-
stea* sar.
-Para o ultimo muito bom velir camisas
de flanela ou da badia, ou quando nao amaca-
misa inteira, aervia urna tira de flanela ou basta
da meio co**do da largura e a roda do corpo, e
P*nctpalm*Dte de eoite.Preveoco melhor do
Q*w a cura.E como oto peda fater mal, oin-
ga*ra deve ter merlo de tentar urna cous.a to
simples. Se querem metier algum enofie na
oaia poda encontrar tambem as ideas dos bo-
attmaatha*.
*m**bida que em qualqaer expedtco
cilitar mandada para fora da Europa, cada praja
faraeeida com um cinto feilo da proposito e
"o ante-cholera, e que tem aido de muito
anclo a tem peupao muita* vidas. 0 coto
t0?Jt!5J?'"?"- de b,l'' auit" P"os
phllantropbicaa da rao o* relos para o* pobre
camprirem o que fosse preciso pira o fim dese-
jado. como lambem tem fetto.
a Um subscriptor. >
Ii* o octogsimo sexto
c Bolelim offteiai.
Em um officio da 20 do correte, dirigido d*
cidada da Caruaru presdaosla da provincia,
o respectivo praaidaota da cmara muniei-
neiro.
A' ordem do Dr. juiz municipal da primeira
vare, Juo da Coila Viarraa, criotilo, de40 anuos
de ifjade, soldado do dcimo batalho de infao
tarta-, como sentenciado.
A' ordem do subdelegado de Recre, o marojo
fraocez Gentil Auguste Marie, a requUieao do
cnsul respectivo.-
A' ordem do subdelegado de Santo Antonia,
o pardo Joao, de 20 anuos d idade, cozinheiro,
escravo de madama Falque, por-tr Sido encon-
trado Jepois do toque de recolher.
A' ordem do de S. Jos, Manoel Lzidro, tam-
bera parlo, de 40 aonos de idad.'pombelro, por
infraccao de posturas.
A'ordem do dos Aogadas, os pardos Mmoel
Antonio Lucas, de 40 annos de idade, e Joaquim
Francisco Pereira, de 35 aonos, ambos oleiros,
por suspeitos-eco furto de cavallos.
2$ -
A' ordem do Illm. Sr. Or. chef de polica;
Francisco de Paula Mittoa, seml-brsnco, de. 19
annos de idade, ferreiro; os pardos AotsbFrau-
cisco dos Santos, de 2i aonos, boiieiro ; e Komo
Jote da Costa, de 19 annos, carpi; e ocrioul'o
GiIdino Esteiao.de 32 aonos, lanoeiro, todos por
iofrac;o de postura.
24"-
A' ordem do subdelegado do Recife, o belga
Van Baik Nicolaa Joseph, de 3i anuos, de idade,
e o huliaudex ltuss l'ieter Rubert, de 38 annos,
ambos trabalhadores da estrada de ferro, e por
estaretn embriagados; bem como o pardo Inno-^
ceueio Jo- Francisco, de 3% annos, ecobarcadico,
por crii; A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
o crioulo Manoel, de 38 annos de idade, ganba-
dor, escravo da barooeza da Victoria, como f-
gido.
25
A' ordem do Illm. Sr. Or. chefe do polica,
Bernab Vicente Ferreira, pardo, de 20 annos de
idade. pedreiro.
A' ordem do subdelegado de Sanio Antonio, q'
africano Juo Jos, de 38 annos, ganhador por
desordem.
A' ordem, o pardo Pilippe Soares de Brito, de
20'anoos de idade, boiieiro; o crioulo Manoel-
lzidro da Circumcitao, tambem de 20 aonos,
marcineiro, este .or insulto e aquelle por em-
briaguez.
A ordem do da Boa-Vista, Firrr ino dos Santos
Lima, pardo de 83 aonos de iJade, ca.rpina, por
se loroar suspeito e por insultos dirigidos pa-1
Irulha que o quiz rrconhecer.
O chef da Ia seccio,
J. G de kletquita.
Movlmenlo da enfermara da-casa de deten-
gao do dia 27 de margo de 1802:
Tiyeraoi baixa para a enfermara:
Firmino Thoro de Suuza, nevralgia.
Antonio Jos do Nascimeulo, urticaria.
Marceilino (escravo sentenciado), intermitente.
Malhiss (escravo de Salvador Lucio Cuuha), io-
termitente.
Matadouro publico.
Mataram-se para o consummo desta cidade no
dia 7 de marco, 41 rezes.
MoiiTALiiiADE no da 27 db siarco :
Mara, l'ernambuto, 5 annos, H. Jos, garroti-
Iho.
Delllna Mara doGarmo, Peroambnco, 18 annos,
solieira, Santo Antonio, bepatite.
Damio, frica, 40 annos, casado, Recife, con-
gesto cerebral.
Joao Pinto de Viveiros, Porlogal, 32 aonus, sol-
leiro, Boa-Vista, hidro pericardio; "
Bernardina, t'eroambuco, 9 mezas, Santo Anto-
nio, tumor.
7bs Ferreira, Pernambuco, 50 aonos, solteiro,
Boa-Vista anazares.
Gerlrudes Mara da Penha, Pernambuco, 90 an-
nos, solleira. Boa-Vista, phlisica pulmonar.
B'elmiro, Pernambuco, 3 metes, 9. Jos, convul-
se*.
Eugenia, 40 annos, solteira, escrava, Recjfe, cho-
lera.
Vicencia Mari* da Gama, Pernambuco, 25 anno,
solleira. Sanio Antonio, cholera,
Antonia de Luna Freir, Pernambuco, 86 nos,
solteira, Santo Antouio, amolecmeoto da meD-
dula espinhal.
"anTffiln" Unala* PTalT- **a -
Hesqoita Juoior,,Dediodo liceqc,a naia f*zer um*
viagem ao centfjj da provincia, allm do restabe-
tecet sus ssude. apreseoUado para seu prepos-
io a Aureliano. Augusto de Oliveira. Ajunte s
popjfacao do pceaotto.
>lro de Jos Munizde iUmeide. vi*to.-palo>
Sr. deiembargador fiscal, pedinio o lugar da
agente de leilSes.Preste Banca*
utro da Jos Soarea Filo Crrela a Jos Luis
Jfdnteiro da Franca, pedintto. o registro do seu
contrato social. *- V'nta ao Sr. de*embargador
Bical.
' Outro de Tasso Irmibs, pedindo se lhe pase
por certidao quera o proprietario do hiate San-
ta Luzia.U&: te.
0 tribunal nomeou Manoel Marta da) Calda*
Brsndao para o lugr de ajudaote do poiteiro
deste tribunal, vago por falleclmenlo do que o
exerria.
Nada raais houve.
SES6A0 JUDICIARIA EM 27 DE MARCO
DE. 1862.
PntES!DK5CtA DO EX. SU. DESEMBARCABOR
MOZA.
Seerelario, Julia Guimaret.
A' meia hora,, o Exm. Sr. presidente abri a
sesso, estando prsenles os seuhores de&embar-
Sadores Villares. Silva Guimaiaes, e depuudus
ego, Lemos, e Bastos.
Lila, foi approvaia a acta da sessao ante-
rior.
'.Pui lido um officio db Exm. cooselheiro pra*
silente da relQao, communicando haver desig-
nado o Sr. desembargjdor Peretti pira seguir a
reviso da revista que pende oeate tribunal;
em virlude disto, o Exm. Sr. presidente oJficiou
oeste sentido ao mesmo Sr. desembargador.
JULGAHENTOS.
Appellaute, Anlooio Rodrigues de. Souza ; ap-
pellado, Luiz Antunio de Souza Ribeiro.
Designado o dia de hoja
Sorteados os Srs. depulados Lamo* e Bastos.
Relator o Sr. desembargados-- Silva Guinisrkes.
Foi reformad* a leotouca appellad*. **
PAfiSAGSNS.
Appellanle, J"5o de Siqueire Ferro e outro ;
appellados, Soulhall Mellors Companhia.
Di Sr. desembargador Villares oSr.desem-
bargador Silva Guimaraes.
Appellanle, Joi Teixeira Leite ; appellados,
Manoel Joaquim Noraes de Campos e oulros.
Ao Sf. desembargador Silva Guimates.
. AGGRAVOS.
Aggravante, Joao Pinto de Lemas Jnior ; g-
gravado, Manuel.Camilla Pire*.Falcao.
O'Sr. presidente concedeu privimento.
Ag^ravanje-, Jos Joquim da Cuoha ; agita-
ra lo, Jo,aquim Francisco de Albuquerque Sao-
liego.
O Exm. Sr. presidente denegou provimeDlo.
Aggravantej Antonio da Silva Guimo Jnior.;
agg/avadoa. Ser, Filboai C.
O Exm. Sr. presidente negpu provimento.
Aggravanle, Clemente Ferreira deCarvalho;
aggravado, Luiz Pereira de Fatia &C.
O Exm. Sr. presidente aegou provimento.
Aggravaotes, Magalh&es e Silva ; aggravado,
Joaquim Lucio Monteiro da Franca.
"O' Exm. Sr. presidente na'o tomou conheci-
dienio*.
Angravante, Benlo Joa da Costa ; agjgxavada,
D; Mara Dorotha Joaquim.
O Exm. Sr. presidente deu provimento.
Nada mafs havendo a tratar, o Sr. presdanle
encerru a sessao. '
mim o* dons dv) qw-6'irptoda', esclarece-me
inlalhlfinfia par* r**pnnrlar i qiiam me
a*ma*c-Hamr.. atea em^caasteo* i
Treta ara
Ski*
&mt. T'
ole Oc* sugeito a observar em
toda sua plenitude a* obrLgacea que lhe alo im-
pM4aMfJ(Blsn llT^lovinc*! o. 286.
ir9i?^iP'^* "*ftUo por pre8i'*>
men**e* comoTme o numero d* bracas promptas.
ceno. r.7"0*Tro m"^Uiu"^TtK Uff&&&
dous tu*toaa, oitocento. ri*. Dezesele massos P'k^"fJitL -a-...............____
rbj
toa
ela
*t>H*i |
DlapuBluu iu iiuvu feato, qne tit sombra aos
poeta* brasilelros 1 Quem esse vllo 1 d'oode
surgifi... Ah ea agora tambem eslava ....
remontando a* minhas ideas. Qual genio I Ora]
na realidad Eu Dio tinha reparado, E' urna
for miga, qu* deeeeiio.de querer ser graod,
nio passa d'um polichinello para o velhe e hon-
rado pal de famijia, que nio podendo aquilatar
a 'ua capacidad* cont a do formigao, v-te em.
papos de aranhas para responder aos seus subli-
mes e *rr*6a(*a*k>rt pospactioot.
O soneto uro* poesa, que deve ser aberla
com urna chave de prata, a fechad* com ontra
de ouro : o formigao abri com a chave da g-
tjaanto i pontuacib, Jess para se ter d.
Mtttfitsr;* sooeto 6 urna cacophonia-emaoada d'um* cachola
como a do formigio.
Adeo*. minha flor, qack**me bem, e vej* que
nao sou falo netn tenho o cabella pegado.
O pae de familia.
Bdlirame par* a provincia do Maranhao o
no*** director e regente da orchestra do Santa
kaaat, o Sr. Francisco Lbenlo Golas e sua- fa -
mili.
Qu* os venios sejim propicios, e boasneosos
os msree a-este dislincto artista; que tanta honra
iaz i clame i que perlence."
* .
Correspondencias,
9rs. Rodadores, t- Tendo sido minlia prezadt
rnolher atacada- violentamente pv-lo ehotera-mor-
bus, implore! ao IUm. Sr. Br. Moscoso para que
a-soecorrease em to horrorosa conjunctura. O
meamn Illm. Sr. Dr. Moscoso, com a sua pro-
verbial boodade e cariduro empenho, trstou mi-
nha mulher e modo tal. que, poucos dias de-
pols. achou-se resisbeleeida ? prompta para cui-
dar dos eus afazeres domsticos ; e tutfo isto
sem o menor interesae de um real, perqu bem|
vio 0 Illm. Sr. Dr. Moscoso qu- eu era nimia-
mente pobre para pagT-lhe o seu trabalho.
Querr o Todo-P toroso enther de beneficios a
esse grande facultativo e prolongwlhe sua exis-
tencia para bem da pobreza, de quem lio im-
portante arrimo.
Nao podendo patentear minha gratido. por
nutro modo, como tanto deiejava, publico estas
linhas em signa! verdadeirn da gratidio, que
eu e miorra familia nos acharaos possuidos em
favor de lio benemrito eidsdan.
Santo Amaro. 27 de marco de 1862
Manoel Pereira Garda.
CHRONICA^HJDICIARIA.
Tribnaal do coauuercio.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 27 DE MARCO
DE 1863.
ritE8IDBKCI*DO BXM. R. DESEMBARCADO
r. A. DBSOL'ZA.
A's 10 hora* ds man ha a. reunidos os Srs. de-
pulados Reg, Lemoa, Baalos a Silvatra, a Sr.
presidente deelarou abarla a seasao, sendo lidas
e approvadas aa actas das duaa ultima*.
BXPBDlBItTB.
Um officio do secretorio do merilissimo tribu-
nal do commercio da provincia da Baha, da 12
do corrento, acompaobaodo urna relacio das
comroereiantes matriculado* all, da agallo da
asno prximo passado a ieveretfo do correte.
Aceuse-se a reeepcio e archive-se.
Outro do jujt especial do eommarcl, de 10 do
correle, salMsteodo o ofeiodo tnbnual de 13.
Ha ja vate .ao seohor desembargador fiscal.
Foram presantes as cotaceee o&ciaes doa pro-
cos corrente* d* prta, da' ollima semana^Ar-'
chive-se.
DE*rACH08.
. Um requarimenlo de Daniel Tarares Coelho,
padiodo que s* lhe declare por certidio ae foi re-
gistrado neste tribunal o seu contrato da socie-
dade com Antonio Msrtiosde Carvalho Azevado.
D-se.
Outro de Jos Jacojce Taiso, Francisco Joto
do Barros a Joa* la Silvs Regadaa, pediado o
glstro d* procuitMsfc que Ibes outorgoa a com-
CtrYtMKKClOe
NOVO tUNCO

DB
PERNAMBUCO.
O novo banco paga o 8- dividendo de
12$ por accao.
Praca do Recife 27 de
margo dfe 1862.
\s (v^atro horas da Urde.
Colantes da junta de eorretores.
Cambio.
9ore Londres 99:d\i. 29|4 d. por J.
Descont db letras.
i5 0)0 ao anno.
J. da Cruz Macelo presidente.
John Gatissecretado.
Altan
Rendtmentode da 1 a
Idam do da 27 .
ega.
20. .
* '
386:645S16
25.499*502.
412:145|318
Movlmenlo da alfandesa.
Volames*ntrado* comareadas.. 317
a a aora ganaros..
Veame*
a
lahidos
a
eom laten das-..
com eneros..
503
490
820
581
Oescarrcgam boje 28 da marco.
Barca ingleziOliodafazenda*.
Barca inglezaliermioneuendas.
Barca (raucezaAzudem.
Calera franceza Grand-Cond idem.
Barca ingleza PleetioK-Gloudcarvo.
Brigue porluguezRelmpago vario* genero*.
Polaca hespaohula-Maria Lloberascarne.
Uecebedoria le remata Internas
ayeraesi las Pnveisabueo.
Raadimenlo do dia 1 a 26......43i569514'
dem do da 27......... 7O7330
44:276|8it
Couaulado provincial.
Raudimento do da 1 a 26 65:4640266
Id.m ao di* 27......; ^u!24711
6*888*777
Movimento dd porto:
Publici$oe& a petlMo.
AGRADECIMENTO.
i .
Os artista* da compantria acrbata, em estre-
mo penhorados pelo aooilviment reoeaido em os
ltimos espectculos, faltaran ao mnis sagrado
dos deveies, o de retida, se nio viessem ser
vir-se da impreoaa par ngradecerem quaata
boodade e protecce*) IheaJia dispensado o publi-
co desta cidade, aaaegorandD-lheique flearao in-
deleveis em seus coracoes eme* testemunhos
iaeawiroaiis.de eslimmquetea recebido.
Mr. e nadan a Freir t hu fdhot.
O abaito assignado, tendo lido um annuncio
de su sogra Luiz Antonio de-Souza Ribeiro,
muitas veies repetido neste jornal, em resposl*
a outro que o abaizo aeaignado neste mesmo jor-
nal izera publicar, julga do seu dever declarar
ae seu dito socio que se revent osdevedores ds
Arma Rodrigues rjr Ribeiro de qu* nao maisde r
veriam pagar seus debito* ae dita Ribeiro foi pe>-
ach*r-se este privada, da (acatoade de effeetuer
taea reeabioieotaa por urna aeatenca jl proferida
e publicada aporque o abako assignado deseja
peupar questas cora aquellesque iodevidsmen-
te fuerera lies pagamentos, deixaodo o meio le-
gal que em laeseaaes o depoailo.
Ouaato inmoaaco qna se contera o annun-
cio de seu dito socio acerca do facto de- haver o
abaito aiaignsdo effecluado recetamentos ds fir-
ma depois que esta foi declarada em liquidacao, o
abaito aaaign*do> nio pode deiiar da protestar
contra lemelhante iasroaa^o pois a *xei>cao do
aluguel de uaa das casas da sociedade immedia-
tamente applicado ao pagamento da respectiva
daeiina e da das outras j vencida para evitaras
cuaiaa da eaeoucao da fazeoda e que s ticesse
em debito para com ests, como est por um nao
di decimasa caa em qoe dito Ribeiro tem toja,
ea excepeo de-mata daas pequea* quanttaa que
devedorea da firma rieran) pagar quaudo o seu
dito socio achava-ae j mais da um mee fora
desla cidade sem que nam so meaoa o abaito ci-
sionado livesse netreta de onde elle se actrava,
ludo isso pralicado em manifest proveito da fir-
ma e communkada ao seu mo sacio logo que
cbegoua esta cidade,nenhoma quanliamaitemsre-.
cebido e ie o seu dito socio sabe da osjtras, usa
da franqueza a. abataoha-ie da i&aioeacesqae
ttazem responsabitidade a quem a* faz.
O abaito aaaigoado se quitesse usar de repre
salas poderia eipor aqui todas as queixa* que
produzio em juizo contra seu dito soeio e ss quaes
j constam a autos pblicos, sendo urna dallas
o nao ter seu ocio dada coala dos recebimen-
toa que tem feilo desde setemro do aoaa paisa-
do, estando alias obrigado adar ess* cout no
fim de todos os metes ; nao sendo, porm, o um
ae abaito aasigoada descooceituar nem injuriar
niogoem, limita-ae *a qe acaba da expender,
levado pela neccssidsd* da nio deixar pasaar
sam reapa*M inainuacode qaa parecem calculadas
pera prejudicar nu futuro a seu direito a pera
nao ser mais provocado a oceepar a atteocao do
publico com anouncios sobre esl assumpto.
Recite, 37 de margo da 1863.
Manotl Joaquim Rodrigues d* Sonsa.
Naoios enliados no dia ti.
Havre.38. das, bares franceza Occidente de 239,
tonejadas, capito Coindel, equipag^m 13, car-
ga mercaderas ; a Tissel Frere 1 C
Navios lahidos no mesmo da.
CdizPatacho ioglez Harriel, capio Williaru
Mahon, carga asaucar.
Observaco.
Fundeou no lamaro urna parca dinaniarqueta
mas.nao leve commanicacao com a trra.
72
o.
Horas.

* *
Almotphera.
S "
es
o
B
ai
pa
(9
Oireceo;
I
| Inlentidadc.
00
S- c*
00
K>
Farhenheit.

3
KS
-
I
| Centgrado.
i___
^ S 8 ^ ca. fjjizayoaaalro.
Cttemo hydro-
metrica.
o
co
f
re
BU
si
SS1
2 9
?r2
o
2

>
en
A noite clara com alguns agu*ceirot; vento
ESE regular e auim atnanheceu.
osciLacto da aaa.
Sreamar aa 11 h. 6' da manhaa, altura 6 0 o.
aixa-toar as 4 b. 30* da tarda, altura 1,2 p.
Ob*arveaorie do arsenal de marnba 27 das)
margo de 1862.
rosmno snrrxs,
1* lenle.
UUtaci.
O doutor Tiistao de Alencar Araripe, oflkiai da
imperial ordem da Rosa, e juiz de direito espe-
cial do coramercio desla cidade do Recife c-
' pital da provincia da Pernarobuco,| por Sua
Mageslade Imperial e Constitucional o Sanhor
D. Pedro II, que Deua guarde etc.
Paco saber sos que o preseote edital virem,
e delle noticia liverem, que no di* 7 de abril do
correte anuo, ae hao da arrematar em hasta pu-
blica deste juizo, por venda quem mala dar, na
sala das audiencias, os objectos seguinteg que fo-
ram penhorados a Jos Starea.Leite 6 Costa, par
etecuco que contra ella move Francisco Alves
Monteiro Jnior :
Batala gsrrsfts ds vinho a quatro cantos ris,
vinte e oito mil res. Quiote garrafas de vinho
Xerez s tresentos e vinte ris, qustro mil a oito-
ceios ris. Quareota e nova e mala garrafas
com licor, a lastao, quatro mil nvenlo e cin-
coenu ris. Viole e nove garrafas de ffcr ffuo
a traaantoa e vate ris, nova mil a duzenlos e
oitenta ris. Quinta-garrafas de vioho muscatel,
a quinbentos ris, seto mil e quinhentos ris.
Tres caadas de vioho ordiuario a tras mil res,
nova mil rea. Setenta um* garrafas de cerve-
com pali
bacas br-
os e
tustes, ,3
dous tu
quatro v
treteotoa
dente de
sessenla ris, Quatro chicaras pintadas s qu.{
Tat*BS Ira*aa4*a a vente reta Noventa e urna
pegas de louca da trra, de barro, a quatro vio-
tens, sele rail e duzenlos e oiteola tis. Deze-
dovo garrafas grande* e pequeas, a duas pata-
caa, doze mil c*uto sasaeusa ris. Tres caitas
com viole e oito libras de masss, adoua tasioes,
cinco mil e seiscenios ris. uas libra de ca-
nella a quinhentos tt, mu ris. Tro* molhos de
cebol**, sem valer. Quatro frascos de vidto,
bocea larga, a dous crusedas, tres mil a dten-
los ris. Dezeaeis ftaodre* vatios para maatelga
a tuatao, mil o seieceotos ri*. Trini* a data 11-
brasde tapioca a tustao, trea mtl e duzenlos ii*.
Viole libra de veila de carnauba a tretenlos *
viole ris, seis mil e qustroceBtos ris. Cent pe,
cos-do-cofdss por doa* ail-rto. Deteset* libras
da algodo por d*t tuatea. Um alqueire de ssl
por dez tuties. Oito libras de alaseme, sam va-
lor. Bou* barra asios, sem valor. Urna bar-
rica, com quatro arrobas de feriaba de trigo, a
dous mil ris oito mil lis. Cinco barricas pe-
quenas, sem valor. Quatro libra* de pimeota,
dous lustoaa, o tcenlos ris. A/maclo, medi-
das, pe ios, e mais pertences ds arma cao coas
dous.bracosdagaz com maaga de vidro, cento e
ctncoenla a.it ri. Trea cadeiraa- americaaaa
mil e quinhentos ris, quatro mil a quioh*nlos
tis. Urna mesa de quatro ps de amarelto. por
tres mil ris. Um mocho-de. pao per dtenlos e
quarenl* ris. Diversas dividaa dos lirros Auxi-
liar e Razio que foram avahadas na importaocta
de trotelos e sesseota e dous mtl trotelos a
cincuenta ris.: o objectos e dividas aqui rela-
cionado sero srrematados oajalla de licitantes
pelo prego da adjudicado com o respectivo abs-
timeoto da lei.
E para que chegue ao conhecimenlo da todos
os licitantes msadei psssar editaes que serte sffl-
tadosoos lugares docosiume, e publicados pela
imprenta.
Ua do e passado neaia cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco aos 27 de marco da
1862. Quadrageeimu primeiro da independencia a
do imperio do Braail. *
Eu Manoel de Carvalho Pae de Aodrade, es-
crivio subserevi.Jkistao de Alencar Araripe.
0 Dr. Triao de Alencar Araripe, ofltcial da im-
perial ordem da Roas, e juiz de direito especial
do commercio desta ctda-ie do Recife eseu ter-
mo, capital da provincia d Pernambuco, por
S. M. I. e.C. o.Sr. D. Pedro II, que Deus guar
da, etc.
Fago saber pelo presente, que nao podeodo ter
lugar' a praca anouoclada para o dia 24 detle
mez, oovameoto marcado o dia 31 do mesmo,
afim de seram arrematados os escravo* se-
guinte* :
Maria, muleta, de 32 annos de idade.fouco
mais ou menos, avallada em 1:0001000 ;. Nicolao,
mulato, de 8 anno de idade, avahado em 500$ ;
Luiz, mulato, de 6 aonos de idade, avallado em
3509; Ano*, mulata, de 1 anno de idade, filha
da sobredila mulata Ma.-ie. avallada em 15UJ: os
quaes sao pertenceoles a-Mmoel Jos Goncaives
e vo i prac* por eiecugao que contra elle eoca-
mioham Artwight & C.; e o* falta de licitantes
sero arrematados pelo prego da adjudicago com
o batimento da lei.
Epara que chegue a noticia a quem convier,
mandei passar editaes, que sero affixados e pu-
blicados.
Dado e passado o esta cidade do Recife, aos 26
de marco de 1S62.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Aodrade, es-
crivo o subserevi.
Tnsto de Alencar Araripe.
_ O Illm. Sr. inspector, da Ihesouraria provin-
cial em cumprimenlo da ordeot do Etm. Sr. pre-
sidente d provincia de ti do correle, manda
fazer publico que a concurso para o lugar de se-
gundo escriplurario da meama ibesoursria, lera
lug.r no dia 28 de bril prximo vindourc-, de-
pendo oa preteodeotes ser examinados na gram-
tuaiica de lingua naaional, eacripluraco por par-
tidas dobradas, arilhmelica e suas applicares,
com especialidade a redcelo de moed*, pesos e
medidas, ao calculo de descont e juro* simples
e compostos, seodo preferidos os que tirerem
boa lellra e aouberem linguaa estraogeira.
Os pretndeme* devero apresenlar seus re-
querimeolos nesta tbesouraria, com certidao em
que proveen que sao amores de 20 annos.
E para cooslar se rnaodou aflitar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Per-
nambuco 24 da marco de 1862.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Aoounciacao.
0 IUm. Sr. iospector da Ihesouraria pro-
vincial, em cumprimenlo da ordem do Etm. br.
presideote da provincia de 14 do correte, man-
da fazer. publico que no dia 10 do abril protimo
futuro, peraote a junta da fazenda da mesma ihe-
souraria, se ha de arrematar a quem por menos
flzer a obrs do aterro a fazer-se as ras do Sebo
e Trempe, avallada em 5:972*000 res.
A arrematarlo ser feita na forma da lei pro-
viudal o. 313 de 15 de maio do 1854, e aob aa.
clausulas especiaes abano copiadas.
As pessoss que se propozerem a essa arrema-
jacio compareram na sala das aeasoeada referida
tunta,, no dia cima mencionado, pelo meio da o
competentemente habilitados.
E para constar se msndou aluzar o. presante a
publicar pelo Diario.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Per-
nambuco 18 de marco de 1862.
0 secretario,
A. F. da Aonuociaco.
Clausulas especiaes, para a arrematacao.
Io0 arrematante dar principio as obras
quioze diai depois de lhe ser entregue o respec-
tivo termo do contracto, e conclu lae-ha no
prazo de tres mezes ; seguindo-se na falto de
qualquer deslas condjeoea o que acerca, dellaa
dispoe o capitulo 3? da lei provincial o. 286.
2*O arrematante obrigado a seguir recl-
menle na execucab da obra a planta e orgameuto-
approvado, assim como a cumprir instriclamenie
as inslruccoes do eogenheiro incumbido aa ina-
peccao da obra.
3O arrematante ca sugeito observar em
toda asa pUaUude a obrigac.es que lhe sao im-
postas no capitulo 3? da lei provincial n. 286.
4O pagamento ser feito em tres preslacaes
iguaes correspondendo cada urna a.Urcaparteda
obra-total e quando essa terca parle estiver aca-
bada.
5"O arrematante nao ter direito a reclama-
ci alguma, tendente i iodemnisscio, qualquer
que seja a nsluret* das allegscoes em que se
fundar pai* tal fim.
Conforme, o secretario,
A. F. da Aonunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesooraria pro-
vincial, em coanpriaaeeto ds ordem do Exm. Sr.
presideote da provincia de 14 do correte, man-
da fazer puMico que no dia 18 de juoho protimo
futuro, peranlea junta da fazenda da mesma the-
iouraria,ae hade arrematar, a qaem por menos
Mzer a obra do calcameolo a fazer-se oas roas do
sebo e Trempe, avallada a braca qoadrada de
empedrameoio pelo systema Mac-Adam era 309
e-de calamento da podras irregulares eraris
169000.
A arrematacao ser feita na forma da lei pro-
vincial o. 343 de 15 de maio de 1854, e as ciau-
sulas especiaes ^baixo copiadas.
As pessaas que se propozerem a metra* arre-
mstaclo comparecam na sala das sessesda refe-
rida juota, no dia acissa mencionado, pelo meio
dia, competentemeote habilitada*..
E par* conalar se msndou afiliar o presente e
publicar pelo\Diario.
Secretaria da tbesouraria provincial de Per-
nambuco, 1S de marco da 1863.
O secretario,
A. F. da Aonuociaco.
Clausulas espaciae* para a arrematacao.
1.*O arramalaote dar! principio obra logo
que for para ese fim visado pela directora daa
obra* publicas e a coocluir no pcaaode seis mo-
zes'contados ds data do aviso.
2.*O arrematante obrigado a seguir exala-
mente na execujio da obra, a planta e orcameato
approvados, assim como a cumprir restrictamen-
te ss inslruccoes do eogenheiro incumbido ds
nspeccio da-obra.
>e nio ter direito a
te a iodemnisscio,
dss allegaces em qu
recia ms-
qualquer
e se fuo-
Con forma.
A. F. da Anounciaco.
leocar Araripe, offlcial da or-
it especial do commercio desla
M. imperial e constitucional,
Fa$o saber aos que o presente edital virem.e
del I* noticia Uvera, que no dis 38 de marco
se ha de arrematar por vena I quem Bnii4sr,
em prsca publica dosis juio. as Z hura de larde
na toja de lelleico da ra Nova o. 5, oa obraeloa-
segutnle* :
eJ,ms.r,,"tio e eu*- W'teot**, **ali*d* tar
5009: 14 sellius a l2g. 168; 1 dito usada, 8 ;
3 ditos pequeos de sulla ao af ecult 59, 15f :
2 siihMs da camurca a- 12x 3tt>c 1 ditode ve-
randa 129500; 7 dito mofados a 89. 569; 1 m*io
de sola 209; meio cauro de poico ; 8 datos de
carnairo litados 89; 8 diloa par* vivos 8: 3
Pf1,1"' ue camurca 39; 4 couros e meio para ca-
ntroes s 10J. 4S T parea- da- csuhocs pal* o
IIT "A*^ W ; 9 c.becaoa* de Ijoho a 49,
365 5 21 ditas gaidas 29, 48s; 38-de ceoro do
A"cly 19. W#; 10 dhaa de-couro da trra a
500, 59; O dita* de couro de lustre a 11500, 99;
10 redea desollado A race! y a;2IO n>, 2*400 :
3 ditas de fitas s 500 rs. 1S500; 1 rebicho ioglez
500-rs. ; 18 dHos- de sola a 3B0; *J-; T arto de
sola do Arecaiy 168; 3* pares de loros ionlezes
3J ; 16 ditos sonidos 160; ditos de sella do
Araaatj a 500rs., llf: 1 lonnho para silba 10;
46 parea de abee n Ha a 800 rs., 3M ; 38 dita*
de algodo a 200, 79600; 14 dita* 160 I*.,
25210 ; 10 cilos para pagem a 509 r*., 5J); 16
dito esleiio. a 160 ra., 9560 ; 40peeade fitas
a 29500. 1005; 916 varas de fitas a 260 rs.,
1089300; 148 pacas da file* de algodo a 19500,
2229; 73 cilo* de borracha a 160 rs.. H968O;
16 fundas sortidas a 1950, 349! 17 fundas ao
Porto s 320 rs., 51440; 2 macas da lustro a 39,
6j ; a caldea francote* a-* 10; 8 dilos a 39.
2(9; 17 mantea de panno fino 51 f ; 1 mana de
roaracaj 49; 26 cochina de linhe a 29. 509; 8
spales ds ierra a &00'ra., 49^ 5 ailhaa meslrasa
500 rs., 29500; 6 varas e meia de lona a 640 rs.,
49100; 52 co vados de baste a 500 rs., 269; 132
covados e meio de ftenetli a 240 rs., 299380; 47
covados o meio de velbulina de cora* a 500 rs.
239750: veras de estepa a 200 rs.. 400 r. ; da
covados de panno fino a 21, 569; 158 Irbres 00
linhs prela a 640 rs., 1018120 ; 42 ditas de cor;p
s 800 rs., 339600 ; 10 arrobes de fio de colcheo
a 4g, 409; 23 libras de fioa de cores a 19, 23J : 8
ditas a 54M res, 439500 ; 8 chiclas de baleia7a
19000, 8*000; 3 ditas pequeo, a,500 re, 199005
8 dito* de martello a 29009,169OOO ; b pool** s
chicote a 320res, 18000; 17 re-leas para selim.e.
320 rea, 59440 : 8 pica deiras largas a 2/002
IO5O8O; 6 dozias depicadaira de tdetal a 19OO8
729000 ; 9 picadeiras ocee a 200 rrls. I98OO ; 2
ditas do Porto a 500 res, II9300; 100 grosas de
pregeos I9OOO, iOOgOOO ; 17 fivellss d psgera a
500-reiaj H9MH ; 2 pares de eslrtbos de concha a
39000, 0900 ; 10 dilos de metal, 209800, 7 ditos
de lato a IgOOO, 70O0 ; 8 ditas de mollas a 88.
549OOO ; 6 dito* de casqujtarro a 59006, 3090001 ;
10 ditos de ac a- 29000. 20JJO00 ; 14 pares de es-
00ras a HOOO, 14*000 ;* duzias de casquioho a
5900; 209000; 2 dunas e 6 eeporae da seo a
59000,129500 ; 87 c*eess de selim s 200 res.
179400; 56 sses a 106 rer. 59606; 138 bocees
de bsyooetas a 100 res, 199800 ; 10 refead,* sar-
gento a 320 res, 39200 ; 29 grvalas de lustre a
240 rea, 69HU ; 1 par de- eopo*pra garoso, if ;
IB escovinhes e oonei a200 res, S9460 ; 7 gro-
tas da ftvellas dobraoas a 160000. 709000 ; ci e
meia ditas cobarta* a 8*000, 28*000; 9 manos
de Qveltae a 1*000, SgOOfl ; 4 grozas de fivellas a
1*600,65 ; 17 ditas do Porro a- TOO reis, l$7oO r
264 de tivellas surtidas a 1*000, 2648000 ; appa-
relboapera barretinas, 10*000 ; 181" tudea, surti-
das a 19000. 181 $000 ;1 grota- de firella por 500
reis ; l8 oiilheiroe do tara grande a 200 res
3*600 ; 9 almofedae te maca a- 320 res, 2$880 ;'
15 de estribos ceixa de pao a 29000. 309000; 100O
suvellas por 5*4)06 ; 48arvgde* de pagem a I9,
48*000 ; 102 armacoes de payera a 19500, 1539 5
g ferros a 640 rea, 5fJ760 ; 7 saceos de tapete a
29,1*9; 1 liAvosseiro grande por 400 reis; 1 colxo
graoe por 3*000 ; 1 dito bstxo por 29100 2 ditos
baiio a 19, 3# ; 3 ditos grandes a 59,15$; 8 tra-
vesseiro* do la 500 rs., 49", 2 ditos de velbuti-
na a 19, 2 ; 2 ditos de seda a 1*. 2* ; 20 ferros
paraeetin a 40 t., 800 ; 8 cauros de cabra a 320
rs., 29560 ; 3 travesseiros de mtrroquim a lg, 39;
31> varas de panno de hoho oa colxo, a 330 rs.,
95920 ; 65ditas de algodio a 210 rs., 159600 ; 13
peca de panno de colxo cora 507 varas a 300 rs.,
1539100; 4'aolxdee rasioraffy, 4B;fl dilos gran-
de* 19600, 99 ; 3 dilos ditos a 19500, 39 ; 1 di-
to ssceo por 19*00; 2 amentos de seflb, 2; 2
ooltotras par cachorro, 80o rs. ; capim luca 1 ;
I priora para litar capa, 3089.; f artelra e 1
cadeira por 109 ; l relogie db parede 10* ; meia
libra de cera, 320 rs ; urna porco de ferramenta
de uso por 159 ; 1 marhina de ilhoses4f ; 1 bur-
ra de ferro por 60* ;-9 patea de crrelas ae espo-
ra a 100 rs., 900; Tf eormasde picadeira a 100
rs., IglOO ; uro porcoo d lia de canoa 50$; las
de bol 29; dita-de adradlo 566 ; 24 crrelas de
foceirs a 160 rs\, 3*840 ; 1 mel da sola da trra
por 2* ; 26 bacalhos de couro cru a 160. 4*160 ;
8 caOeiras usadas de amarello a 29, 209 ; 1 guar-
d roup de amarello, 25*; 1 marqueza de ama-
rello 159 ; 1 meas redonda 15g ; 1 commoda usa-
da 15 ; 2 banquinhas de abrir 20g ; um espelho
graode 15S ; 1 relogo americano 109 ; 1 cande-
labro de vidro 109 ; 1 m'eaa elstica para janlar
de amarello 15S ; 4 cadenas americanas usadas
69000 rs.
Os quaes sio perteucenle* a Diogo, Filhos & C.
e vo prac* porexeeueo que lhesmovem Mo-
reira dt uarte.
E nao haTeodo.laocador que cubra o prego da
avaliacao, a arrematacao ser feita pelo valor da
adjudlcsco com o abaiimento da le.
O presente seta publicado pela imprensa e a fifi-
xado nea lugtres do costme.
Recife 15 de marco de 1901'.Eu, Manoel Ma-
ris Rodrigues do Naicment, escrivo o subs-
erevi.
'Erslio de Alencar Araripe.
seura^ck*.
Gorreio.
Pal* admioialracio do correaos fat publico
que a manhaa (29) pelas 3 horas da larde em pon-
to serio fechadas as malas que deve conducir o
vapor costeo IguaraitD com destino pro-
vincias da Parahiba. Rio Grande do Norte, Cia-
r e portas intermedios..
Pela adminittrscio dd- crrelo dests cidade
Se fat publico que em virlude na conveoceo pos-
tal celebrada pelos governoa Drasilairo e Prao-
cez, serlo espedidas mal* para a Europa no dia
31 do crrante de cooformidsde com o annuncio
deste correio, publicado no Diario de 30 deja
neiro de 1860. Aa cartea aerio recebidae al 2
horas antes ds que for marcada para a sabida do
vapor, os jornae* at 4 horas anles.
Adaioisfraco do correi de Pernambuco 17
da msreo de 1862.O administrador,
Domingos dos Passos Miraoda.
Pela adminislraco do crrelo' desta cidade
se faz publico, para (ros convenientes, que em
virlude do dispocto tro art. 1S8 do reguSmento
dos correros df 21 de dezembro de 1844 e art. 9
de decreto n. 785 de 15 de mslo de 1851, se pro-."
ceder s consumo das esrtsa existentes ua admi-
rristracio pertenceotea ao mez de marco de 1861,
00 dia 2 de abril prottmo s 11 horas da manhaa,
na porta do mesmo correto, e a respectiva lista
se acha deadej exposta sos iotereisados.
Gorreio de Pernambuco 27 de marco de 1862.
Domingos dos Passos Miranda,
Administrador.
Tribunal do commercio.
Pela secretaria do tribunal do cammareiode
Pernambuco se fat coolar que 6a data da 22 do
correle fui registrada netle aecreterie a cootrato
da Joao llailio* de Barro* a Aatooia Jos Sarao
do Brasil, residentes e etUbetoadoe neata atoado
soba firma da Barros A Silva ; aceado aata *o-
ciedade durar por lampo illiaallado. eaotar do
1. da- jaoeiro doale aoaa, com o capital da
150:7445552, foroecendo o aocio Brasil 77:3189126,
t o socio Barros 73:4169426.



.."
Secretaria
emboco 27
Br& Hss r* irM; ***torio Bo *orti ao
Para Lisboa e Porto.
rT?M??8 L I
Pela cootadoria da
Recite ae fea publico que
o pagan
fiada-te
eujeitos a respeclira re
Cootadoria muorclrnl
Joaquim
Offlcisl-maior.
cmara municipal do
o prazo marcado para
"J^cimeiito
o prizo marcado cam
fcecWli2*eYc
lavare Rodo
t-'\\
wats Militar* d<
(Mii'Ma-
para banhot das
pravas do meimo quarlel; aiaim como de man-
dar ladrilhar slguos cornaar meatos cb o,aarU>
do 9.* hatalhao, convida aa peisoas que deatea
servidos ae quejejim inerotif, a apresentStem
toria.
Dirsctaria dea obra* militaret de Pernambuco
26 de srr;o Joo Monteiro de Aodrade Malvinas
Pela tubdelegtctatt trafasiaa oV9aa> An-
tonio ae fax publico que ae acha recolhido caee
de detaaoao e,.ordaat da ateai subdelegada o
preto Jos, que diz ser pertimcent* trrpoliQao
do palhabote Ekpadarlt, e s* esCraro, por ser
*wootwo de(>is no'*jqs de racolber. Keetfe,
a0demeteo-tt186.
O subdelegada ,
Manoel Antonio de Jess Jnior.
Pseai
THEATltO
cima
oohecido
igoe naeieual Eugenia, capito Manoel Exe-
M'*CWi. d^neielra oUaa. a primeira mar-
cha, pregado e forrado de cobre, tem parte de
rrtgatasolo aroasoto : pera o tata ue
Ite, trats-ee ota ee seos aasignatafioj
ntooio Lniz deOlfrelra aYsestcw 4 C, o* Mu
eterlpiorio, na de Crut d.4.
pertencere per-
adas de rorro He cobre o
de cerca 3.O0 lo
metal velhe.-MtrWIModo-dito-btigoe por ocrrt-
siao de aa actual5palrDeate porU, ood* a*-.j>
nbou com agir aberta na recente riagem que
Taxis procedente'de Calcot com deetlno a HtS-
burgo \
Seguna-feira ai
do corrate -as mel 41a eoveoato, no armare
eUapdegadodo baro do Lirramento, no caes de
Rio <*e Janeiro
Pretende seguir com multa brandase o telei-
ro brrfcue nacioosl Velor, tem parte de seo
carregamento prompto Rara, o reato que Ibe falta
trlo se ceeiei n coatigutarioi Antonio Luis
de Oltveira Axeredoi C., no seu eacriptorio ra
d Cru o. t.
Babia.
O bbrte Sania Hit; segu em poeee das, re-
cebealguma carga a (rale : trata te ceatt es con-
signatarios Marque, Barro A C, largo do Cof-
po Sanio o."6.
rn.-jm.rn. jw ^m mu
Sexta-feira fc&'ile marco de 8B2.
ENBUCW BA ACTSIZ
S&nna J^atta (SweJ.
Bea>oa que oa professore* da orchestra execu-
taret taa brilhaote ourertura, a companhis
drenelie representar* a engra-ada comedia em
** teto,
Minha Sogra,
Dar Qm 10 espectculo oe trabalhos da fami-
lia Freir, que tantos applaesos tem receido do
publico deata cidade.
fcrimeifo quadro*
A\a*a pwpndfcnlaT.
Segundo quadro
As pyramides de Archimedes.
Terceiro quadro.
Os volteios. aeris.
Ro de Janeiro
preteDde'sesuir coro muita brevldade o brigue
acunaJoven Arthur, tem parte de seu Crre-
g'amento prompto : para o resto que Ibe falta,
trata-se eom o seos consignatarios Antonio Luiz
*e Ollrtlra Are vedo & C, oom eacriptorio roa
da Cruz o. 1.
Para Lisboa
Se acha proposto o xjpm conhecido brigue por-
tugwu Relamp'go. Tem a mefor parte da
carga engajada e para o reatante e passagairos a
qnem offerece boas acommedac5es e treta-se
com o consignatario Thoroai de Aquino Fonseta
na rus-flo Vigarlo n.'49, prisa eiro aoifcr.
A beneficiada esoera merecer do philaotropico
povo PERrJAMBUCANO a coslumada protecgo
que tadisiinciamente prodigaliaa aos artistas que
'6 elle recorrem. Agradece Umbem a todos os
seus collegas que gratuita mente ae prestam a
trabalharem oeste espectculo.
*

LOTB14
A chambee a veada billjetee e naeios
tdc>oeervH, it<-M l-fc to.p.^bjt tratar
*-wt*WWngajiras n. 5. orimeiro andar,
..7J12X?'*' ** *" WeWfcVcseaao i" nha
pouaa familu pe #inw aelira. francs; e por-
?Jl221 er,88Bh0 distaete deata praca 6 e-
&HL^^JteLtM*r ^,-M botica do*.
P. que achara com q.em catar.
AUento
billictwtra lejftR ^We a prirttefra lo- m&,-m a*
feria a beneficio io Gymoaiio Pernam- **** : **
bucano (3 conce$So.)
P tiieioureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza
9 U 0r. Jtiaqulm de futri #
f| FoHieca etta' reaidindo por al-
8gum diat na ra da Aurora n.
Ti, e pode ser aba consultado
das 6 as 9 horas da manhaa, e,
0 em casos urgen tes,-das 5 as 5 da
tm tarde.
#-Il!,1f,,'^0,ob^dD-30d rtf P'reila, da par-
s do nterlor..gjuL hablUda^M.* nauUiareapo.
bres, existe juoto s cozioha um sumidouro da la-
m e *' Parida; comamos a atteecAo da
autoridad*, eepeteote para qee maedcefaLihar
esseoo de Immadices, a btm d.^MeTe.""!
" 7? .' ru W* Crea n. 1%, Segunde S-
^r: aOraUr.no te^iro^.r^eSrr "
i. n,!!r,!2,,,!,d? **^*1rw d es-
S
!
para
e ciiota al-
-. >
Abasos fefrititeKi^.
io de Janeiro
bem conhecido e veleiro brigue nacional
miraate> preteode seguir com muita brevida-
tem a bordo parte de aeu carregamento ; para
.ato que Ihe falta, trata-ee um os seus con-
datarlos Antonio Luiz de Ol?eir Azevedo c\
C, no aeu escriptorio ra da Cruz n. 1.
/ Para a Babia
A veleira e bem conhecida escuna naciooal
Carlota pretende seguir com muita brevida-
de, tem parte de seu carregamento prompto : pa-
ra o reslo que Ihe Taita, trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Olivetra Azevedo
& C no seu escriotono roa da Cruz o. 1.
Para em direitura.
Sabe brevemente o bem conhecido e -veleiro
brigue escuna Graciusa, capilao Joo Jos de
Souza, por ter parte do aeu carregamento contra-
tado : para o reslo trats-se cornos consignata-
rios Almeida Gomes. Alves & C., ra da Cruz nu-
mero 27.
COMPAHHIA BRASILEIRA
DE (
f&PfrTI & ftfm.
At6 o dia 48 do correle, esperado dos
partos de norte o vapor Oyapock, co/mmaiidan-
te o primeko teneote Antonio Marceliuo Pootes
Ribetro, o qual depois da demora dio cusime
seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se paasageiros, e, engaja-se
a carga que o vapo* poder cooduzir, a qual da-
veri ser embarcada no dia de sua chegavda.diohei-
ro a frete e encommondas al o dia 4a sabida ?s
2 horas da tarde : "agencia ra da Grux n. I, es-
criptorio de Antonio Luiz de OllTeira Azevedo
rara
Rio de Janeiro,
a barca nacional Amelia pretende seguir com
muita brevidade, lem parte de seu carregamento
a bordo ; para o resto que Ihe falta, trata-ae
com os aeus conaigoatarios Antonio Laiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu eacriptorio, ra da
ruz n. 1.
C0MPANHA BRASILEIRA
DE
E* esperado dos portos do sul at o dia 28 do
correte um dos vapores da companbia, o qual
depois da demora do costme seguir para os
ponos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder cooduzir a qual devo-
ra aer embarcada no dia de aua chegada, en-
emmendas e dinheiro a frete al o diajda sabi-
da as 2 horas : agencia ra da C'uz o. 1, escrip-
orio de Antonio Luiz de Oli'eira Azevedo & C.
WNSSBM
DAS
Messagenes imperiales.
No dia 31 do corrente esperi-se dos portos do
sul o vapor francez Savarre, com mandante F.
Vedal, o qual depois da demora do costme se-
guir para Bordeaux tocando em S. Vicente
(onde ha ra vapor em correspondencia com
Gore} e Lisboa.
A companhta encarrega-se de segurar as mer-
cadorias embarcadas a bordo dos vapores, asaim
como tambem recebe dinheiro e objectos de va-
lor com destino a Londres em transito por Bor-
deaux e Boulogoe.
Para as condiQoe, frete e passagens a tratar
oa agencia ra do Trapiche o. 9.
Impresiimo martimo
P. N. L. Schmidt, capito do brigu hambuf-
Rtiez Georg Heinrich, viado de Calculta com
carga de arroz e outros generos'com destine para
Hamburgo. entrado neste porto para concertar
as avarias, que o dito navio teve na viagera, pre-
cias a risco martimo da quaotia de pouco mais
ou menos quinze coutos de rissobre o casco
frete e carregamento do dito navio. Offertas em
cartas fechadas no consulado de Humbargo at
segunda feira, 31 do corrente mez, ao meio
dia. _________________^^_
LEILO
es
O. Sr. Josa Gonc;alv5i ViTaverde hto
tratar da venda da loia sem eatender-se com Lin-
den Wild & C.
AWENCO.
O abano aisignado faz acleote seas credorea
que no prazo de tres dias hsjam de apresentar as
toas contal em seu deposito no pateo do Carmo
n. 43, para serem pagas em transaeco de ltra
que teas ecsignadsa por oceaaiio de venia do
mesmo estabelecimento. Recife 27 de margo de
1862.Francisco Cosario Branco.
'*HA
Precisarse de urna ama para o sarvico de urna
esa de urna moc,a solteTra, que saiba comprar,
eoziohar eeogommer: aa ra das Laraogeirassv
*, andar. ^
Sitio para alagar.
AUga-se um sitio com grande casa, cocheirs,
atribaria, etc.: no lugar dos Remedios defron-
te da igreja ; tambem se aluga o terceiro aodar
tar casa da ra da C>dia do Recife n. 4 : a tra-
da no armetem do mesmo.
O professor de msica Francisco Libtnio
Coles, tendo de retirar-se no prximo vaporcom
sua familia para a provincia do Maranhao, e nao
podando ir pessoalmeote despedir-se de lodos oa
seas amigo, o fax por meio deste jornal, offo-
recenJo-Ihes o sea diminuto presumo n'aquella
provincia, protestando desde j a sua eterna^ra-
tido como penhor das inequvocas proras de
amtsade com que semprejjoi tratado por tan dis-
tloctoscavalheirot. Outro sir, julg nada de-
vera esta prac*. Entretanto, se a'lguem houvar
que se jalgue seu credor, hsja de o procurar em
casa de sua residencia i ra de Santa Isabel, n.
11, para ser satisfeito.
Aluga ae urna casa de podra a cal caiad
e pintada, com sala na freote e atrs, um Toar-
lo, corintia fra, copiar e quiotsl, por 89OOO
mensaee, na Torre : a tratar no mesmo lugar na
taberna do Caneca, *
Alagase urna oaaa na Torre com duas sa
las, tres quartos, cozioha fra, copiar, Oom quin-
tal com arvoredos, por 16#000 mensaee : a tra-
tar no mesmo lugar na taberna do Caneca.
No dia 29 deste corrente nrex, depois de
Onda a audiencia do Sr. juiz de paz do Ia dis
Iricto o fregoeiia da Bos-vista, lem de r a pra-
ca por veoda, por execuoo de Miguel Teneira
da Costa contra Francisco Luiz di Silva os bem
aeguiotes : um sof com asseoto de palian*, de
amarello, dous conselos da mesmn roadeira, e
seis cadeirss tambem de amarello : a audiencia
as 9 horas.
Thp, annual meeling of British Reaidenls in
accordance wiih Ihe Act. 9 Ge. IV cap 87 will
be heM at ihis office on Thursday next the2nd.
inslant at Noon for th Election of Irustees of
the British Episcopal Church, Hospital, and Ce-
melery aod for the Despateb of the Buiiness re-
lating to Ihose E'tablisbmeuts.
British. coosulaie.
Pernambuco, rrsrch 27 trio 1861.
G. Lennon Hunt.
H. B Ms. cnsul.
Precisa-se de orna ama pfra engommar e
lavar isto para duas pessoas :quem qnizer drri-
ja-se a ra do Imperador n. 37, armasem de
leiles.
Precisa-sede urna ama
deleite, paga-se mijito bem:
Ha ra da Aurora n. 50.
Aloga-se o pritieiro andar do sobrado da
ruada Penha n 29 i quero o pretender dirija -ae
ao visinho loja de surrador.
nodo asa nao 9* a Hender
ra do Liv rameo lo'. 17.
Amonio de t?wll ferefre.
SSTS'T' Pf "*'* W arteirWftflrl.
~L^ ZL9 #D8*,w *& hHas Ihes par-
-t*e*, e mesmo paca pievt>otrem B qualquer oes*
TT Ttam^^ M^o. paraje
* *g*-. >o chamem a rgooranc fluaode
mmmVl!S2m}Sftm ,,,r*i,t, ^ue >e. per*
?. ?egu"* *ocum*me de seus ante-
SSo:du0r u2*Z ^dntr 80 ar*caa,e
2S,1^.^ W' ,,I,nd0 dB wurpadores
SUL Ieh.fl,,U' .** '"gos documeutoi
~*!tn* o'lemp, posioiam terrea na Ibu-
aSasse o sr n0"1""0 E9,i'a ae cim- *tuaiot
'St ---J1 tHo P0"0 WPO. e que-
-iwido^vender o engenho Aguas-bellas que ahi
H. ieve pnmelr.menle fatr demareca". para
oue sia venda seJa rJesembarac>da. e e.i. de-
oiarcacao perteqce ao Sr. Lima como mais mo-
derno, e nos promptos estamos para Uso, e ver
aeesr. Lirira tem rnao no que disse, do coa.
trano Dcard com o mesmo vocabulo que nos deu.
LffiL0 %ti*n.,ll* no empre Armes 00
qje ditem. R^Cif V de mrco de'ISfia.
n Os herdeiros.
,iZ A.m Prec,s,r de ora caixeiro que tem pra-
Uia de taberna e qe d conheclmeoto de aua
o>os?o'" d,MJa",e a ru da Senxali-velha n. 48,
'T< Prec,";se d um pequeo Portuguez com
P aa 'aberna. e diligente em suas obriga-
5oes, e de fiador a sua conducta : da ra das Cru-
Ra da Roda d. 6.
Precisa-se alugar um pretopara servico exter-
no, paga-se bem.
Procissao do Salior Bom
Jess dos Pobres Afflictos
em S Gpoeale.
O "abaixo assigoa.Jo escrivo da ifmaodada do
Senhor Bom Jess das Dores em S. Gonzalo, de
ordem da mesa convida a todos os irmaos. para
comparecerem no domingo 30 do correte, pelas
2 horas da tarda em ponto, atim de acorapanha-
rem a menciona a proeisao que tem;de percorrer
as ras saguintes:S. Goj15alo.ru> da Glona.atraz
da matriz, praQa. becco do Veras, ra Velha,
pateo da SsotaCruz, Rosario, ra da Conceicao,
Hospicio a voltar pela ra Formoza, Aurora eoi-
frenlea ra Nova. Cabug. ra larga do Rosario
a voliar pela praciohaem frente a ra do Livra-
meoto.rua da Penbaem fre'dte a voltar pela tra-
vesea de S. Pedro, pateo do Carmo, camboa, ra
das Flores, em direceo ao aterro da Boa-Vista,
Aragao, volteado ao pateo da Saola Cruz, em-
frente a recolher-ae.
Joo Manoel Lino da Rocha.

56 mm:W* LOJA
.Ski m&




Jos Dent Gi carmines.
'RUa do Rangel numero 1, fim da ra do Queimada,
FalVKam-^ieonaerfam-se baoheiros. bahJ. b'ia. Caneco, lantrnas de farro. 'rtMe-
labros, capduuos de azeite ou gaz, porcelara. cryetal e dulr*s obras cooceroenles a dito atto.
Abrazase letUavpara marca/. Teodo-setola attencaocoa oseuncertos, pois-ae breo
tuahdAde e s^urancLeeor barata nreco.
cem |
Deposito de chapeos de sv\ 4e se$a
das fabricas franceza e iiigteip.
Vender-se era prco e a retalho.
r. ha. 1iM!k51^Bm el)lbJsBia, oa sua recente viagem Europa, honrado coa a eonflsn-
siaa. K.^.Ii5?l *ltJ *neros- ,,n Crecer ao publico as prodactos daqoelbs ra-
neas, O por taraor* ttuoca vtitda neata pra^a, como coosla na tabella abaiio :
Chayos de sol da seda franuezes de 10 e 24 pollesadas oor aSrtiT
dem dem idem de 26 ditas,............... ....."iftnn
tem ideo dem de 28 ditas......................................... 2Si
dem idem dem ioglezes da W ditas .......... .................. Mfl
Iden dem dem 28id. as.......................................... p^ooo
dem dem dem de 30 ditas....................................... j^qo
PRESOS FIXOS.

e em porco de 1 duzia para cima,
1S por cento de descont,
AS SENHOR AS.
Para Lisboa
Al o dia 2 de abril pretende seguir para Lis-
boa o veleiro e bem conhecido brigue nacional
Eugenia,a de primeira marcha e primeira eras-
es, s recabe alguma carga miada e paasageiros
para os queea tem excelleniee commodos : Ira
ta-se com os seus conaigoatarios Amonio Loiz
de Olireira Atevedo & C, oe seu escriotono ra
da Cruz u. I.
Para o Porto
A barca porlugueza Silencios, capito Fran-
cisco teartios de Carvalho, pretende eebir com to-
da abreviede ; quero na meama qabar carregar
<>u ir de passagem, diriia-seao consignatario Ma-
noel Ferreira da SUra Tarroso, oa ra de Apollo
uaacott.
G01PJ.UU ffflNAlBUG4lsA
eosteiraa va|NM
PartzjJJfc. &) Grande doNoi%, Macau
do Assu', Aracaft.Cfarasi Acaracu'
O '' l9?T*i "*no>*ndaote Viaona,
isTlaJa) 'oiiDraB
MtWcafla s edfett .o mefatfla.xrabrtt-
(AVAftlAUO)
A 29 do corrente.
P. N. C. Schmidt, capito do brigue hambur-
cuez Georg Heinrich (consignatarios N O.
Bieber & Q. euceessores), rara leilo precedida
a competente autorisago do Illm. Sr. inspector
da alfandega, em presenta de om empregado
desta repariicoo para o efferto nomeado e do Sr.
vica-coosul de Hamburgo, por coola e* risco de
quem pertencer a por intervencao do agente Oli-
veira, de cerca 950 aaccos coca arres variado,
seodo parte d earregamanto dartotirigue, des
carregado oeste porto, onde arribou com agua
aberla na actual viagem qae fazia procedente de
Calcula com destino a Hamburgo : *
Sabbado 29
do corrente, s 10 horas da manhaa em ponto
(tendo o agente de seguir logo a pos a oulro lei-
lo) no armezeni alfandegado do bario do Livri-
menlo, no caes d'Apollo.
LEILO
Alleucao!
p-ergunta-se a cerlo gallego das arralas da Ga-
llza com que animo teve a ousadla de dizer, pa-
rante varias autoridades e mais pesspas, quereo-
do desmoralisar a um bratileiro honesto, braoco,
caslo e proprietario, eru corto palacio, que nao
poda o mesmo ser prior da ordem Iterceira do
Carmo, por ter sido ha muilos annos sollado de
polica ; e por isso tambem se pergtiota ao mes-
mo Sr. gallego se s elle que love o privilegio
de ser prior . dade de aer criado de servir do fallecido Antooio
Lviiz Goncalvns dos Santos (angolisl
que foi no aterro da Bja-Visia como
e queoo pode negar, respooda a es
pergunta que para o reslo c o espe
OGambS.
Sexta-feira 2 do correla, dep|ois da au-
iencia do juiz municipal da primeira vara, aera
arrematado pelo prego da adjudicarlo o eoge-
nho Aguas-bellas, por execucio de J w_Fausti-
no de Lemos, contra Jos Rodrigues de Oliveira
Lima.
LOJA AMARELLA
23Ra da Cadeia-tl
VESTIDOS PRETOS
Superiores vestidos pretos de moreanltque de seda por 7t o corle e a 49 o eo-
vado, esta faienda a mais apreciada para vestidos e muito em moda as prioerpeea
pravas da Europa e do Rio de Janeiro.
GRQSDENAPLES.
Pretos de diferentes precoa e qualidades para 2jj, 20400 e 2)600.
MANTELETES DE FILO'.
Os mais modernos manteletes de 616 preto.Usos e com habidos a 103 e 259,
ditos muito ricos do feitio de capa a 505.
MANTELETES DE SEDA.
Compridos ao rigor da moda, abanhados de superiores franjas de seda a 25Se90.
CAPAS A PROPHETA.
Sio as que mais se vendem presentemente por estar muito em uso e que temos
reCebldo por vezes de eacommenda para diversos, sio de feitios elegantes e contera
em si os preparos para urna senhora, prego ,bD e 60$.
VEOS E MANTAS.
Pretas de fil de lioho muilo bias a 109, iue sempre se venderam por 169 e 1S9-
NOV1DADE.
Chapeos a Garibaldi, ditos a hespanhola, chapelinas, lodos eofeitados com a
mesotapalha e pluma ; vestidos de blondo com manta, capella ele, ditaa de oambraie
bordados, espsrtilhos, leqoea, luvas, manguitos, cintos, enfeites para cieeca, cassas fi-
nas de cores, lanziohas, sedinhas lisas e de quadros, ssias a balo, perfumaras, ves-
tuarios para baptior crianzas a muitas oulras fazeolas que seria eofadoobo mencio-
nar : de todas dam-se e mandam-se amostras.
morador
foi publico
a
a
primeira
m
HOJE
O agenta Peslan vender por coola' le queto
pertencar b.rric om M^aliSUaes se-
rio vendidas em lotes a vootade : hoja 28 "da
arco pelad 10 horas d manbia no amazem o
Annes defronte da alfandega.
A 31 do corrate.
Precisa-se de urna ama para todo servico de
ama casa de familia : na ra da Lingoeta n. 1.
Joaquim Gon;alvea Torres da Costa ret
ra-se para fra do imperio, levando em sua
compaohiadous filhos de menor idade.
Aitei.yo
A agencia commerciat entre a Escada e o Re-
cite linda os seus trabalhos no dia 31 do coi renta,
em virtude da falla de concurrentes e do grande
prejuizo, que no espado de um aono lem tido.
0 mesmo agente pede desculpa de alguma falta
involuntaria cnmraettida nodesempeoho de seas
deveres, assim como pede encarecidamente quel-
les seohores, que por vezes Ihe cooQaram muitas
e grandes sommas em dinheiro, se slguma vez
acharam qualquer difirela em cousa qae ser-
viste de desabono a elle agente, hajam de o de-
clarar pelas folhasmsis publicas, do que Ibes fi-
f-eari summamente tafo. Estada, 26 de marco
do 1862.
0 agente
Bernardo Olireira Cindoz.
Antonio Ferreira Lima avisa aa respeitwel
pnblico, que deixou de ser seu caixeiro. desde 27
do correte mez, o Sr. Antonio Jos Borgaa.
Ura mogo sufficientemeole habilitado pera
eicre'er em qualquer eslabeeciniento ou escrip-
torio ee offerece para isto, mediante o pre^o cob-
veocionaOo : a tratar tta ra Formse, o. 1
das 4 horas da tarde at s 6.
Vende-se urna morada da cata terrea eai
ehoe propvio, sita no palta do Cvrmo n. 27 de-
fronte do portle de Saeta Therezs : a tratar na
ra Nova o. 18.
MONTEPO POPULAR PERtfAM.
BUCANO.
De ordeai do couselbo. admiuislrativoscienlil-
eo aos Srs. socios effeclivos que em sesso de 5
do correnta foi concedido o prazo e correr des-
ea data ao alilmo de meio prximo para aquel-
lo* qua otlvoi<*m era atrito pegarera seos d-
bitos carxt. Assim, poii, to qtf*_s nlo poseaos ser-encorrtrsdo* 'piefe oobrador a Ir
6 Cata do Ihesourelpc-, a comparecer na cass das
sosses, on*e s reunir* 'pfeiltoitenbeflro tefbs
as quinta* felrae I oferta. >
" SCrWtrfs aV Mente P^ Popollir Pernembuca-
ne, S7 de mateo de 18Wr
Io secretlo,
Beojamin o C**o topes.
JJcciiAmhucAua. -.,.;
Domingo, a do correhfe, s'WHofes de toa'
Mtra, HtrveM aeuo ilfiordicrarl *t ftssam-
a|eW. '
Batferbrf d AsotaSo TjrpovrOflMei Par
ItialNrlMka-'*? de atbrgo 8> Wfcl
Juv^Wo Ceaar,
^iS*B*rb.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite forra sera cria :
a tratar na loja de chapeos do Maia Irmaos, ao
arco de Santo Antonio.
AUenco a briiiedeira.
O abaixo assignado pede aos Sr?. passageiros
do trem de volta do caminho de Gameleira, que
Sltaram na Escada,e que compraran) diversos g-
neros de comida na taberna do mesmo abaixo
assigoado, hajam de ir pagar par nao terem o
ditsabor de verem os eus nomes publicados por
csia folh, pois derem-se lembrar que na
mesn estecao so gabaram do que tizeram.
Umbelino Bandeira de Mello.
Precisa-aa de urna ama forra ou captiva que
cosinba para casa de homem solleiro; ua ra da
PraU n. 2.
Precisa-se'de urna preta captiva para o ser-
vico de casa de pouca familia : na ra do Amo-
nto armazem n. 56.
Vende-se o 1, 2o |e 3* tomo das biogra"
phias de atajaos poetas e outros homeus iltustra*
da provincia de Pernambucu pelo commen lado r
A. J. da Mello, com bellas poesas, actas, ulfi-
cios. muit.is patentes de capitaes na guerra dos
If-Uaodezes, entre sa quaes acharo ai dos seos
ascendentes muitas dat familias, nao s de lVr-
nanboco, mas tamben da Parahiba, Rio Grande
do Norte. Babia e Rio de Janeiro, c outros mu-
tos documentos histricos e polticos, uo s
curiosos, mas de grande importancia. Em mo
do sutor.
No dia Io de abril Qn?a juiz municipal da primeira vara, vae a pra;a por
ter findado os dias da lei, duas catas terreas no-
vas de pedra e cal, dous vjveirot e urna rifarte,
que t do se acha em bim estado, situados ra
de S. Miguel nos Afogados, por execugSo de hy-
potheca que mote Jos Joaquim Lima r-aira a,
coutra Francisco Jos de Sant'Anna e sua mu-
ther, ultima prar;a.
Precisa-se de um forueiro qoe eotaeda por-
feitamente de seu cilicio, paga-se bem ; na pada-
ria de Saolo Amaro.
Eogomma-se mais barato do que em outra
qualquer parte : noPocioho oa Panella n. 25.
I -> Bit t l>l III 1 I MllO ilO til i II I A S. aTKAACIlSCO
Abertura Jd9s Irens e os precos das passagens sero regalados pela tabella seguiute.
TBI
Com a partida
ESTAtOES
lENS PARA O INTERIOR
Olas de trabalho
NANSfiU
Cinco Puntas
A fugados-----
Boa-Viagem.............
Prnzeres
liba......................
Villa do Cabo............
laojuca..................
Olinda...................
Timb A}..........",a
Eicada...................
Piexelras...............
Aiuit..................
Rbeiro............___JJ
^"""^...............
a.
ESTVCOES
Gimelleirs.............v.
Rbeiro..............,
Aipib...............,
Prexeiras................
Evada ...............,
Tmb Asta..............
Otnda ..............v.k,
Iiojuca..................
Villano Cabo............
tha,...................
ptiiwrae...........I.a...
Ba-Viag*m..........
Atinados...............
Liico Ponrat..,jj-,.iu./J
af*^^^^v^Pw^-B
Horas
~T~
8
8
8
9
9
9
9
9
10
10
11
II
1f
M o.
15"
52
53
-0
1
15
:o
u
n
10
40
50
5
TARDE
Horas
4
4
4
4
5
5
5
5
6
6
M'n. Horas
30
37
18
55
16
30
45
59
12
25
Di un iu^ros e das
santos
MANHAA
7
7
7
7*
8
8
8
8
8
9
9
9
10
tn
Mm.
15
22
33
40
1
15
30
44
57
10
35
55
15
35
TARDE
Horas
6
6
6
6
7
7
~
Mrn.
30
37
18
55
16
30
TREN! DO INTERIOR
MANHAA
Horas
6
6
6
6
f
Mm.
.....
18
3t
41
M
TARDE
Horas
2
3
4
4
4
!
5
5
5
Min.
50
10
30
50
15
27
iO
55
1
23
44
51
A
l'HEt'OS DE K1I.1II TKS
Viascni de Ida
t
400 rs.
18200
1J400
2^700
3t00
390O
49)00
5JI00
59^09 a
65000
63500
7S000 *
7JS500
CLASSES
"SL
30Ors
900
1I00
2J200
2J70'l
ajooo
3$-oo
3400
33800 B
4000 &
41X00 b
4j800
5O00
3.a
200 rs
500 b
600 a
19100
l40 b
19600 a
13900
29200
29500
25800 a
SfOM
3200
3500
Viiijeiii de Ida e volt*
CLASSES
1
600 r*.
I981O
25000
4j000
58000
5b800 b
78000 d
797OO
99000
9j5U)
109500
11800(1 b
111)500 >
2.a
500 rs.
18400
1&600
3S200
49000
49500
J980O
59100 >
59700
63000 B
69300
78200
7*5*10 b
3."
300 rs
800
900
19700
29IOO v
29400
2J000 0
39300
39800
492OO
49500
49800
52tK) a
PRESOS DE RILHKTES
Viagem de Ida Viagem de ida e volts
CLA9SE3
1.a
700 rs
17o0
29400 a
3*300
41
59-200
68000
69300
6$800
7911OO
79300
300 rt.
700
19000 >
19100 a
18600 >
18900
29IOO
28100
296QO >
39000
39100
380O
3|500
CLASSES
1.a
___-~~
1000rs.
29500
35BO0 >
5JW00
59800
61700
9i000 >
9(500 b
I10S20D >
109500 a
119000
119500
700 rs
19800
2|700 a
WfOO
agioo
49500
59400 >
69OO
m
79OOO a
7*200
79500 o
3.*
que derem partir, e^beirt/ os treos,^as
r/mtiMo, oVlrtthr ni
a co'moantiU n8o gsraole que em Indos os Csot potas ter
o parliro las estagei antes do lempo especificado.
se csmpreheMteaa domirigo ou aliieentitteae. Os de priStefta
As horas mareada lio aqaeltas em
lujar esta pontualidade, e nem ser responsavel pelas demoras
Os meSifte de *eta aim.,s panarao meWa. .? Os MMMes de id e olla terrea para 24 beras^oa 40 uuassde aellas
tlaaenesse uimao bee sepram pira tres dias. ei
- ?affX^,"a"5^Ll!l?r*: 08*o^ir0.8 1ue ff8n empre o dinheiro crres#eaante-eo yteb rl .ia?.m qae liwsss de fr, para
*l*V!22t JL^n..h. ^2."* fonuogeocu.ad ru aagateapi. Moda eomo certar qoe mait fcil w o tretaram o Whaira
aauBimHl*-hw w ** iS?^? ^08?*10^"^? ***^geroI Pode,i' 'HSpoib frattamente e s6b Sua retpoDtwbHtdade-. i ** la Um peso IB*-
**"*** *,f %* peieaeer'selroceaJo per bauo do seu asseata, e seafsaeotalmodar os demais ?isjaete. ata SSaaSuto se esteallr sh
aafWtos pteclbaes.
A? baia#ein a^eastMae qu tiaerem Sa ssRutr doe amas, deaaraaa-
As psws-dt eJtft**s seras fethtsiaS aunwo**e4aa da aoi
b sl: aa-1
.S ,auaisa
'l
i .
k\ II
Jr
aa estaedes so Mw tfj minutot trttaa dstru
tafcsHa( depois es que ro te Tend**reala kahesust
*sSf|naaRc M. RslRA
SuptrinteadsaU.
t
\1.
I I



SYSTE Ni MEDICO HODELLOWAY
PILLAS HOLL|K>m.
Este iaesumavel especifica), mhgHe ratera-
mente de hervas raedinaes.^fo fltmtm mercu-
rio nem alga raa ostra substancia delecten. Bei
wgnt^ mastadjra irjfancia, e a complticao mas-
Uca^ igualmente prompto e seguro par;
desanelgai o mal oa complei^o mais robusta*
eolei ramate innocente em suas operaooos a ef-
f.itos; pois busca e remove as doencas de qua)-
quer especie e grao por mais amigas e tenazas
que sejam. '
Entre milhares de pessoas curadas cora este
remedio, mu'uas que ja" eslavam s portas da
morte, preservando em sea uso conseguirn)
recobrar a saude.e torgas, desos de ha ver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais a Alicias neo devota entregir-se a des-
espera-io; facam am competente ensato das
efficazes effeitos desta assombrosa medicina, o
prestas' recuprala o oeaeecio da sande.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
Aara qualquer das seguinles eafermidades;
c-identes1 epilpticos. Febreto da especie.
SE

Gafcinele p*ygn de
aa?E=
Alporcas
Ampolas.
A reas ( mal de).
Aslhma.
Clicas.
ConvuUoes.
Debilidade ou extenua-
eao
Debilidade ou falta de
forcas para qualquer
colisa.
Deeieteria.
Dor de garganta,
de barriga,
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidade no ventre.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueca.
Herysipela.
Pebre biliosa.
Gotta.
Hetaorrheidas,
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestes.
Infla rrimaces.
Irregularidades de
menstruacSo.
Lombrigas de toda es*
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na eutie,
Abstruc^o do ventre.
Phtysiea ou consuaap-
co pulmonar.
Reter^ao de ourina.
Rheumalismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
Febre intermitente.
Vendem se estas pilulas no estabelaeiment
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna dellas contem urna instrucgo em portu-
guez para explicar o modo de se usar destas p-
talas.
O deposito gaal em casa do Sr. Soura
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
ca mbuco.
Urna de leile.
Precisa-so de urna mulher sera filho para ama-
mentar urna enanca de dous mezes, pagi-se berc;
a tratar oa pra~a do Cerpo Santo n. 19.
- Precisa-se de urna ama forra ou
captiva que cosinhe e engomme para
urna pequea familia : Da ra da Cruz
n. 45, armazem.
Quem. tiver para alugar urna es-
crava que seja fiel que cosinhe e en-
gomme para urna pequea familia, di-
rija-se a ra da Cruz n. 45, armazem.
REMEDIO INCOMPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAY
Milhares de individuos de todas as nacSes
podem testemonhar as virtudes desteremedio
incomparaveleprovaremcaso necessario,que,
pelo uso que delle fizeram tem seu carpo
membrosuueiramentesaosdepoisde haver em-
pregado intilmente outrostratamentos. Cada
pessoa poder-se-haconvencer dessascuras mi-
ravilhosas pelaleilura dos peridicos, quelb'ai
relatam todos os dias ha muitos annos; a a
maior parte dellas sao to sor prndenles qui
admirara os mdicos mais celebres. Quantai
pessoas recobraram cora este soberano remedie
o uso de seus bracos e pernas, depois dedut
permanecido longo tempo nos ho'spitaes.o tea
deviam soffrer a amputado 1 Dallas ha imu
cas queuvendo detxado esses, asylos depade-
timentos, parase nao submeterem a essaope-
rario dolorosa foram curadas completamente,
mediante o uso desseprecioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfuso de seu roco-
ahecimento declara ram estes resultados benefi*
cosdianta do lord corregedor e outros magis-
trados,afim la ais autenticarem sua afirmativ
Ninguem desesperara do estado desaude s
tivesse bastante confianza para encinar este re*
medio conslantementeseguindo algom tempo c
tratamento que necesstassa a natureza do mal,
cujo resultado seria provarincontestavelmente.
Que tudo cura.
O ungento he til, mais particn
lamiente nos seguintes casos.
Alporcas
Caimbras
Callos.
Aneares.
Cortaduras
Dores de cabe;a.
das costas.
dos memoras.
Enfermidades da eutis
em geral.
Ditas de anus.
Empopes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falla de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchacoes.
nflaramaqao do figado.
lnflaramago dajbaxig
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras da reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Queimadelas.
Sarna.
Supurares ptridas.
Tinba, em qualquer
parte que seja.
Tremor da ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das arliculacoes.
Veas torcidas ou no-
das as pernas.
Vende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, Strand, a e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana a Hespanha.
Vende-se a 800 rs., cada bocetinba conten
urna instrucijo em portugus para explicar o
modo da (azar uso desta ungento.
O deposito goral em cas do Sr. Soum,
pharmaceutico.' na ra de Cruz n. 22, em
Pernambuco.
Precisa-jse
De seo eoaiaheiro e urna cosinheira Ime ou
e-cravo, tarobem precisa se artigar um escravo
iOat* par* servidos de caaa e ra : no deposito
do laboratorio de lavagem no pateo do Csrmo
junto a caaa de banhoa.
Alad ie precisa de um criado de 12 a 14
annos, que teja flej.para compras, etc., de casa
do, dirija-ee a roa de S. Franciaeo, sobrado o. 8.
O abaixo essigoad o declara que Joo Ramos
da Cruz delxoa de ser seu caixeiro deade o dia
25 de marca de 18ftL-Gualat BouueU
Precisa se da am caixeiro de ib a 20 annos:
no armazem da roa da Cruz o. 5.
Precisa-Be alugar urna ama para una usa
de pouca familia : a fratar as ra da Cruz o. 81,
primeiro andar, eabrado itmi f*Uo defronte do
chafan.. ....
Por ordem do IllsaVSr. presiden le do eoosalho
ilehbuaUTo gis convidados o* enriara* socios
accionistas a reuoirem-seemsesso extraordina-
ria da as*embka geni para oa loa designados no
6 de artigo Si combinado com o art. 61 dos es-
tatuios'; domingo SU do correle, is 11 horas da
manha, oa tala ds sessett da meamo Gabinete.
Secretarla do Gabinete Porloguez de Leitura em
Pernambuco 24 de marco de 1863.
M. Sosres Piohtiro.
1.- secretario,
Purlaram do sitio Amao', proprledade dos
herdeiroi do fallecido Joa. Liborio na freguezia
da Vanea um pollro rodado aem muda, leudo
oo lado direito um ferro, no esquerdo dous, 4
manso, anda nao tem andares, pcats' pasao, e
galopa be ai, tem signa)-encole/to ; fui feriado ao
amaohecer do dia 24 de tmrc.o correnle : quem
o pegar, leve-o ao indicado sitio que aera ret
pensad, u ao reereodo smaao o'Assum'pcao
Pires, na meama Vanea, a quem perlence dite
peltro.
CONSULTORIO ESPECIAL HOMEdPATHlCO
a*o eauTO
. SABINO A. PINHO.
Ruade Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas ledos oa dia* ateia deade as 10'horas
it meio di, acerca de aeguiutes moleatlaa :
mnltttias da mulh*rt$, mo**tim$ 4a$ erian-
-oa, moUttiat da p*U*. moltstiat do olhoi, mo-
tmtiat typkiliticas,todat o ttptcitt di ftbrtt,
ftbrtt inttrmilUnis ii*c eomiqumciat,
rUARHACU KSPBCI4L liOUBOPAIHICA .
Verdadeiroa medicamento* bomeopathieoa pre-
faradoa aom todas aa caatel* neceasariae. in-
alliveis em sena effeitoa,tanto em tintura,eamo
am globuloa. pelos presos maia commodoe pea-
alveia.
N. B. Oa medicamentos do Dr. Sabino aio
ankamenterendidoaecc sua pharmatia ; todoa
que o forera fdra della sao falsas.
Todaaascarteiras o acompanhadas de am
impreaao com um emblema em relevo, tendo ao
reopr as seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblemas poeto
Igualmente na Hala dosmedicameotoa que ae pe-
de, Aa carteiri* qe nao lavarem eas* impreaao
aasim marcado, emboratenham aatampa o no-
no do Dr. Sabino aio falsos
- Norat Irmos, pe-
dem sos seus devedo'res que se oo prazo de oilo
dias nao li-erem saldado suas contas, serio
perseguidos por aseios judieiaea.
No dia 2t do correte, depoia da audiencia
do Dr. juiz municipal da segunda vara, que lera
lugar urna hora da larde, tem de ir em prac4 a
escra-a crioula de nome Isabel, de idade de 33
annos. avalisda por 900JS, por execu-o de Ig-
nacio Barroso de Mello, contra D. Viceocia Per-
reire d'Albuquerque Nascimento.
No ela 29 do correte, depois da audiencia
do Dr. juiz municipal da segunda vara, que ter
lugar a urna hora da larde, tem de ir praca a
escrava Vicencia, crioula, com 40 annos de ida-
de, de servido domestico, avahada por 6O0gO00,
por execu-ao do Dr, Augusto Carnelro Monteiro
da Silva Santo, contra D. Brites Mana da Coo-
ceicoLobo e outros.
Aluga-se urna casa na Passagemds Magda-
lena junto a ponte grande, com 2 aalas, 6 quar-
toa, aolo e cozinna fra, quintal todo murado,
e ptimo banbo no fundo : aa peaioas que pre-
tenderen) dirijam-se a ra Direita u. 3.
Estando vencidos os foros dsa casas os. 32
e 14 da ra dos Poisos, e bem assim do terreno
da ra Imperial eotre as casas ns. 259 e 361 da
mesma ra, e ignoran Jo-se a respectiva morada
doadooof, roga-se aos mesmos de irem receber
no sobrado da ra do Caes o. 1, que segu da
caaa de deten;o ra Imperial.
- Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : na travessa do Livramento o. 18, se-
gundo andar.
J. D. de Souza Mello volta i Parahiba.
Precisa-se alugar um moleque que sirva pa-
ra recados, compras, e outros servicia de urna
caaa de lamilla, paga-se bem agradando : a.tra-
tar na ra da Aurora n. SO, segundo andar.
Precisa se de urna ama para o servido in-
terno de urna casa de pouca familia : a tratar na
rui da Praia, taberna n. 43.
Sexta-feira 38 do correte, floda a audien-
cia do Sr. Dr. joiz dos orphaos, ser arrematado
em praca publica um sitio de Ierras foreiras, com
caaa em mo eaiado, bastantes aorados de trac-
to, cacimba e trra- para plantacio, na Piraoga,
freguezia doaAfogado, avallado por 1:6000000, e
vai pra;a com o abatimento da quinta parle, -
cando assim por 1:280$, a ultima praca, por in-
erlecutorio do juiz para pagamento do credor
hyioihecario o commeodador Joo Pinto de Lo-
mos.
Estrada de ferro doReeife ao
S Francisco.
A abertura da 3.* seccSo annunciada para o dia
25 do correnle, Oca transferida at entro aviso. A
partida dos trens na 1.a e 2.a seccao continuarlo
as horas do costume.
Precisa-se de um caixeiro que tenha algu-
ma pratica de taberna, que tenha idade de 13 a
16 annos : oa ra do Mondrgo n. 97.
Precisa-se arrendar um sitio que tenha
proporces para plantar se captm e ter-se algu-
nas vaccas, preferindo-se para as bandas dos
Alagados ou outro lugar que nao diste muito
desta cidade : na ra da Cadeia do Recife n. 5Q,
loja.
A abaixo assigoada moradora na ra da
Santa Cruz n. 4, viuta de Joo Sergio Cesar de
Andrade Mello, declara ao respeitavel publico
que, alm da anouncianle, ninguem mais da fa-
milia de seu finado marido aabe o remedio con-
tra a hydropbobia empregado pelo dito seu fal-
lecido marido sempre com feliz resultado. As-
sim, poi-, quem precisar curar-se deste terrivel
mal e quizer aproreitar-se desse remedio, que
sempre esleve em segredo durante a vida de seu
marido, e s foi revelado a annunsiante, pode
procura-la em casa de sua residencia onde con-
seguir salvar-se desta borrivel molestia. Re-
cife 32 de mar;o de 1863.
Mara Juliana Lopes de Miranda.
X
b )ic
Folhinha de
ra as provincias de Pernambuco, Parahba,
Grande do Norte, Cear e Alagoas, a saber:
porta, contendi o kalendario, pocas geraes, nacionaes,
de galla, tabella de salvas, notieiit planetarias, eclipses, pa
de correioi, audiencias, erasumo de chronolgia, a ris .
Dita com almanak, contendo o kalendario, pocas, noticias planetarias,
PPf^M jjf^ C0F5IS0 tabellas deimposto, etc. etc. e o almanak
ce-fif,.jodiario, administrativo, agrcola, commercial, e indus-
trial, desta provincia, a ris* ....... 1
160
agitados. \mmm)
DO D0LT0R
Mam id. 4. ipnini.
Para a preparacao dos niedica-
' mentos homeopathieos.
Os medicameatos preparados por esta machina
aio os nicos, com que ae podem contar no cu-
rativo das molestias perigoaai. E como seja o
CHOLERA MOHBUS urna d'aqueilas que nao
admittem delongaa eexpeiienciai, cumpre pre-
ferir eases medicamenloa a outros quaesquer, ae
quueram tirar da homeopathia os ventajosos re-
aultadoa que ella aaaegura.
Acham-se a venda carleiraa a meiaa tarteiras
especaes contra o cholera, acompanhadas das
competentea inslruccoes, pelos pregos cooheci-
doa, na pharmacia teptcial homtopalhiea, ra
de Santo Amaro (Mundo Novo) n. 6.
N. B. Oa homena de boto senso reconhecem
certamen te que aendo o Dr. Sabino a fon le pura,
d'onde ereanou a bomeopalhia em Pernambuco
o em todo o norte, elle o nico inmediata-
mente interetsado no seu crdito e no seu pro-
gresso, e por cooseguinle to aomente nelle
que se pode encontrar garaoliaa, quer em rela-
cao 4 applicaco da acieocia no curativo das mo-
lestias, quer em relacao preparacao dos me-
dicamealos.
Na pharmacia do Dr. Sabino trabalham cooa-
tantemente debaixo de suas -islaa immediaias,
nos lempos ordinarios, dous em pregados {um
brasileiro e outro francs & quem paga ordena-
dos vantajososk. os quaes sao ajudados por mais
tres ou cinco pessoat, qaando o servico o exige,
oa destillaco do eapirito de viobo e d'agua, oo
manejo das machinas, na dasecaco dos glbu-
los, os distribuicao daa dilulfdea etc., etc.
E evidente que para o Dr. Sabino. exercer a
homeopalbia, como geralmente a exercem, e
preparar medicamentos como por ahi preparaff,
nem eram precisas tantas despezas com o ses-
toal, com machinas e com a obteuso das subs-
tancias as mais puras postireia, e nem tanta ai-
gilancia e trabalho oa preparacao dos medica-
mentos ; mis elle nao se contenta com o bem,
que j tem feito, dando homeopathia a oopu-
laridade de .que goza: elle quer eleva-la ao
maior grfio de perfeico daodo aos seus remedios
a maior iofallibilidade possivel em seus effeitas
0 Dr. Sabiao nao aspira aomente os gtfzos ma-
teriaes da vida ; elle se desvanece em ler nos li-
vros estrangeiros que a sua propaganda em Pc-
nambuco'Joi to brilhanle que nao tem na .-
ropa utnkuma analoga (JORNAL DE MEDICI-
NA HOMEOPATHICA DE PARS, tomo 4., pi-
gina 691 ; e CONFERENCIAS SOBRE A HOMEO-
PATHIA, por Granier, pagina 102); mas a aia
ambicio muito maia elevada ; ella ae dirige a
legar aa geraedes futuraa um nome estimavil
pela gravidade e importancia dos seus-servigoi,
pela sinceridade de suas convlccoes, e pela fir-
meza do seu carcter.E' por isso, e para isst
que elle trabalha ; e trabalba muito...
15J000,
Aluga-se um silio pequeo com casa de viren-
da e cacimba de agua de beber, tendo a casa 3
qusrtos, 1 solo, 2 salas, cozlnha lora e copiar
por 159 mensaes, em Santo Amaro, sitio em que
uataram o frade.
6;j00Q.
Aluga-se em Santo Amaro, caminbo do Cam-
po Grande, urna caaa contendo 1 sala, 2 qaartos,
1 pequeo quintal, e com agua de beber, por 6$
fooo
Casa para alugar em
Olinda.
Traspassa-se o arrendameoto da casa de um
andar no principio da ra de S. Beato em Olin-
da, com bona commodoa paaa urna familia, epor
preco mallo commodo : a tratar com Manoel Al-
res Guerra, na roa do Trapiche o. 14.

Attenca
Joo Antonio Coelho, aangrador e dentista, avi-
aa a todoa qs seus frsguezes e ao respeitavel pu-
blico, qae se mudou da ra estreita do Rosario
aera a do Imperador a. 69, aonde pode ser pro-
curado para sangrar, tirar denles, ou limpar e
calcar 03 mesmos, para applicar ventosas e bi-
abas, ludo com perfefco edelicadeza, e tambera
se alugam e vendem-se excedentes bichas de
Hamburgo, as melhorea que ha no mercado.
Precisa-se de urna ama paracosinbar e com-
prar: na ra do Imperador, o. 37, segundo an-
flar. entrada direita.
Aluga-se um quarto andar com'excel-
lentes commodoa : na ra da Cruz n. 53.
:
Sociedade bancaria.
acam a tomam
Amorim, Fragoso,Santos 4 C.
a quea sobre a praga do Liaboa.
A VIRGEM DA TAPERA
belissimo romance pelo Dr.
J. C. Lobato.
Chegaram alguna exemplares,
e esto venda or 20 na loja
da ra Nova o. 11.
:
s
Honorio Rodrigues Freir segu para o Rio
de Janeiro.
Olferece-se um homem sem familia para
fura desta praca para tratar de doentes por ler
lido pratica, ou meamo para ensinar primeiras
letraa : quem do seu prealimo se quizer ulilisar,
dirija-se a ra daa Cinco Pontea n. 93.
- Nesta typographia precisa-se fal-
lar ao bv. Felippe de Santiago.
Eat para aiugarse o segundo andar do
sobrado n. 193 e casa terrea n. 191 da ra Impe
rial : a tratar na ra da Aurora n. 36.
*99*9*9*999a>9t:*
S
I
O bacharel Witruvio po-
de ser procurado na ra
Nova n. 23,sobrado da es
quina que volta para a
camboad Carmo.
Gabinete medico cirurgico.^
Ruadas Flores n. 37. 4
I Sero dadasconstltaa medlcas-cirurgi- i
1 cas pelo Dr. Esteva o Cavalcanti de Albu- (
1 querque da 6 ss 10 horas da manha, ac- i
1 cudiodo aos chamadoa com a maior bre- 4
1 vidade possivel. 4
1 Partos. (
2.' Molestias de pella. <
3.* dem do olhoa. 4
\ 4.* dem dos orgoagenitaes. 4
1 Pralicartoda equalquer operacao em 4
1 seu gabinete ou em casa doa doontea con- 4
l forme lhes fdr maii conveniente. I
Na travessa da ra das Cruzes n
2, pjimeiro andar, tinge se para todas
as cores com presteza e commodo preco.
Urna casa estrangeira de pouca familia pre-
cisa de um cosineiro ou cosinheira forra ou es-
cravo, comtanto que seja perito no seu officio: 1
tratar na ra do Trapiche n. 36.
Lines de ioglez.
Dlo-ae de noite no hotel francs ; a tratar na
ruada Cruz n. 1.
Aluga-se os primeiro e segundo andares da
casa n 27 na ruado-Amorim : a tratar na mes-
ma ra n. 46.
Vendem se botinas de pellica
branca para senhura e ditas de $
setim para dita proprias para |g
casamentos: na loja de Burle fc
Jnior & Martin?, ra do Cabu-
gn. 16. ,' 1
Offerece-se um Forluguez para ser failor de
qualquer um sitio, e d Dador a sua boa cooduc-
t 4 procurar na ra do Arago n. 36.
Aluga-se um sitio na Ponte de UchOa de-
fronte do Ceg : a tratar na la larga do Rasarlo
numero 10.
Precisa-se de um criado para o srrvi;o bai-
xo ; na roa da Aurora n. 50. .
. Ssca-se aobre Lisboa e Porto, na ra do-
Vigario o. 9, primeiro andar, escriptorlo de Car-
valho, Nogueira & C.
A padarla do leo do norte da rardo Coto-
vello precisa de um bom trabaihador de maa-
seira.
A luga se um sobrado com muitos bona
comrcoios, fresco, a por prego razoavet: a tra-
tar com Higiao Jos de Miranda oa ruada praia.
Bernardo de Cerqoeira Castro Monteifo vai
ao Rio de Janeiro e deixa por seos procuradores,
em 1. logar sua mulher Rosa Antunes de. Oli-
veira Monteiro, em 2." seu socio Custodio Anto-
nio Soares, em 3.a Jos Joaquim Teiieira.
Gasa de saude
NA
Passagem da Magdalena pro
priedade do Dr. Ignacio
Firmo Xavier.
Neste estabelecimento recebe-se doentes de
ambos os sexos e de diversas catbegrias, em-
pregando-se tambem a homeopathia ao trata-
ment, i .
PRECOS DAS WAaiAS.. io
Eacravus 18600
2* ordem a#800
r ordem SfOOO
A tratar com o Dr. Firmo ua ra nova de San-
ia Mita o. 7 sobrade* de^m andar e-airante pa-
ra a ribeira do s*ia o no seo eatabetadmeoto.
-- Aluga-se o safado andar na ra da San-
zalla velha a tratar aa loja do meamo o. 48.
I
Ama.
Primeiro andar para alugar
Aluga-se o primeiro andar do aobrado da pra-
ca da Boa-Vista : a tratar na ra da Impera triz
b. 46.
JtCtQCiQSM iWirm'lT ^'-asawwaaaa
3* *' arau -t-n;--i vnfV flrl U vTRV ?* Ja*1 wW
I
Consultas medicas.
Precisa-se de urna ama de rneia idade para co-
zinhar: na ra Imperial n. 215 taberna.
Jos Joo Goncalves, subdito portuguez,
retira-ae para fora da provincia.
Ama.
Precisa-se de urna ama que saiba cozinlar
bem : na ra Nora n 47.
Tem ebegado umarica pega de msica ca-
ra plano, muito sentimental, intilalada a dor
extrema da nt-So poitagueza, offerecida i su*
magestade fldeliaaima D. Louiz 1." rei de Portu-
gal : vende-.se oa casa de A. Delouch, reloei,
ra Nova n. 22^
Aluga-se a loja do sobrado o. 33, sito na
ra da Praia de Santa Rita : a tratar na ruada
Cadeia n. 62, segundo andar.
Precisa-se fallar ao Sr. Ignacio
ferrara alendes Guimaraes, que mo-
rou na ra da Conceicao da Boa-Vista :
nesta typograpbia.
Offerece-se para caixeiro de taberna umra
paz que tem pratica, e d coohecimento de la
conducta : na raa Direita n. 84.
Aluga-se orna ss|a com alcova em am pi-
metro andar na ra da Cadeia do Recife o. 3,
proprio para escriptorio : a tratar na meama eisa
Aluga-se uma casa terrea na travessa les
guarleis, outr'ora roa de Sao Bom Jess Jas
rtoulas : trata-se oa roa Direita o. 8.
Precias se ue urna ama-forra para cozinbar
e engommar; na prace de Pedro a. 37.
-Os abaixo aasignados ftze'm acicate ao ju-
bileo e com eepeciaiidade ao carpo de comm/r-
cio deata prai-a, que amiflavelmeole e de um-
aun accordo diasiveram em data do 1. defe-
vareiro prximo paseado s eciedade que mire
oe meamos abaixo aasignados exista oa lo da
faaaodaa sita na roa de Oueimado a, 48 denrixb
da Orma social de Julio <& Coorado, cando da
data dadissoluQo cima referida o activo epas-
aive da sobredita sociedede a carga de An oao
Jos Conrado. Reeife 21 de mar-o de 1862,
Julio da Coala Ribeiro.
Antonio Jos Coarado,
Sero dadas lodos os dias pelo Dr. Cos-
me de S Pereira no seu escriptorio, ra
da Cruz n. 53, desde s 6 al s 10 horas
da maoha menos aos domingos sobre:
1.* Molestias de olhos.
5." Molestias de corceo e de peito.
3.* Molestias dos orgaos da geraco e
do anus.
O eiamexdos doentes ser feito na or-
dem de suas enlradaa, comecaodo-se po-
rm por aquelles que soffrerem dos
olhos.
Instrumentos chimicos,acsticos e p-
ticos sero empreados em suas consul-
tares e proceder com lodo rigor e pru-
dencia para obler certeza, ou ao menos
probabilidade sobre a sede, natureza e
causa da molestia, e dahi deduzir o plano-
de tratamento que dve deslrui-la ou
curar.
Varios medicamentoa ser oambem
empregados gratuitamente, pela cer-
teza que tem de sua verdadeiraqualidade,
promptido em seus effeitos, ea necesai-
dade do seu emprego urgente que se usar
delles.
Praticar ahi mesmo, ou em casa dos
doentes tods e qualquer operacao que
julgar conveniente para o restabeleci-
mento dos mesmos, para cujo Um se icha I
prvido de uma completa collec;ao de 5
instrumentos idispensavel ao medico m
operador. 2
mmimk dKM8 eteteacae|
Precisa-se de uma preta que saiba vender
boliohos, e servir em casa o trafico domestico :
quem quizer alugar, dirija se a ra das Cruies^
sobrado n. 2, primeiro andar, que achara com
quem tratar.
Pela ultima vez roga-se ao Sr. ca-
pillo Manoel d Souza LeSo Jnior se-
nbor do engenbo Gurjau', de vir a ra
da Aurora n. 86, primeiro andar, tra-
tar de negocio de seu interesse-, isto no
prazo de 3 dias a contar desta data.
Recife 26 de marco de 1862.
s
8
$>eieM6N MM9M MHMttftX
Saques sobre Portugal.
O abaixo asaignado agente do Banco
Mercantil Porluenae nesta cidade, saca
effectivamente por todos os paquetes so
bre o mesmo Banco para o Porto e Lis-
boa, por qualquer somma avista e a pra-
zo, podendo logo os saques a prazo serem
descontados no mesmo Banco, na razo
de 4 por canto ao aneo aoa portadores
que assim lheconvier : oas ras do Cres-
po n. 8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim di Silva Castro.
m
Furtaram um Civallo ruc,o, csroudo, capa
do, com piolas amarellas, cebno, cascas pretos,
com urna baixa as coalaUas, ripado, com a cau-
da curte, mancha vermelha no queixo, com uma
pisadura na coatella miudioha q.e nunca naac*u
cabello, cujo cava lio ferrado nos qusrtos e no
queixo: qoem o aohar estregu na prensa de
Manoel Ignacio de Oliveira Lobo, que ser grati-
ficado, ou em Pedra Tapada, no lugar Capaila do
S. Vicente a Jos Belarmino de Asaumpgio, seu
legitimo dono.
D-se a qusotia de SOOf a juros sobre hy-
potheoa em casas : quem quizer, pede vir mi
doiAlectiaa ir 4, qv d.l^fU^A K
Aluga-se uma escrava para lodo o servido
ioterno de urna oasa,' msioi'tmaujr : a tratar
na ra do Hoaoicio a. 64. m; .
Na taberna do becco do antlgo poito daa
canoas.no Recife, precisa-se fallar a negocio da
leas ioteresses, sos Srs. Leonel da Soaso. Macha-
do, Manoel do Carvalho Paea de Andrade, de
Iguaraaa, Joaquim Jos de Carvalho Cabreira, e
BsiilioLuUcSlU^
4l*PR0VA!t AITOWSA0 ,
.0I10H *i m mdDA
miMMm DWEISaLII EtlfiOIA
E JUNTA CENTRAL DE HYGIEHE PUBLICA
CrAS SSCOiCSlHe
ELECTRO*MAGNTICAS EPSPASTICAS
DeKieardo Hlrk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
111 i00 e?US ^APAS-E"CT*-^<-i-iCA8-Eangi'ASTiCA8 obtenvsa urna cura radical e in-
lallivel em iodos os casos de inflamraaco ( cantado ou falta de retpirario ), sejam internas ou
xiernas,como do figado, bofes, estomago, baca, rins, tero, paito, palpitacao de coracio, gir-
g*ata, olhos, erysipela, rheumatismo, paralysia e todas as affeeces nervosas, etc, etc. Igual-
mente para as difieren tes especias de tumores, como lobinhos eserof ulas ete., seja qual fdr o sea
Umanho e profundeza por meio da suppura~.o serio radicalmente extirpados.
O uso dellas aconselhado e receitadas por habis e distinetos facultativos, sna fflcaia in-
eontestavel, e as innmeras curas obtdas o fazem merecer e conservar a confianza do publico
qae ja tem a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia e de pratica.
As encommeodaa das provincias devem ser dirigidas por escripto, tendo todo o cuidado
de fazer as necessarias expiieacoes, (se as chapas sao para homem, senhora ou enanca, decla-
rando a em que pane do rorpo exista, se nacabeca, pescoca, htuo cata, perna, p, ou tronco
do corpo, deolarando a cicumferencia e sendo inchages, feridas ou leeros, o molda do seu
Umanho em um pedaco de papel e a decaraco onde exislem, atni de que as chapas aejio da
toimaj da parteiaffectada e para scrembem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas serao acompanhadas das competentes explicaces e Umbem de todos os'acces-
orios para a c olloca$8o dellas.
Cnsa: seas pessoaa que o dignarem honrar com a sua conaa^a, em seu esariplorio, que
tacnariu abertoe todos os dias, sera elteepcao, das 9 horas da manha s da tarde.
||9 Rua bo Parto ||9
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
Para ss encommendas ou nformacoes Jam-se a pharmacia de JosAlexandre Ribeiro
ra do Qbeiraado n. 15.
Ispecial hOiueoiiatliieo
Ra das Cruajes n. 30.
Nesta consultorio pode ser procurado o respectivo proprietario qualquer hora, havendo
ahi sempre grande sor ti ment dos_verdadeirwmedicamep.es homeopathieos, preparados em Pa-
rs (as tinturas) por Calillan e Weber, os mais acreditados pharmaceuticos do universo como
preparadores de remedios de bomeopalhia.
O proprietario deste consultorio nao pretende, todava, que sejam os seus medicamentos
infalliveis, porque nada ha infallivel em factos humanos; nem lao pouco superiores aos que por
ihi se preconisam, porque ceno que o que nos fazemos, outro o pode egualmete fazer to bom
seno raelhor. Blas afianca que nelle nao ha tracancia, e que o servico da ireparacio corra
pelo mesmo proprietario, que nao tendo grandes comraercio de car tetras, acha-se suficiente para
satisfazer as necassidades daquella prepararlo.
Reste consultorio acham-se venida elementos da homeopaihia, acommodados intelligencia
de qualquer pessoa ; assim como presta-se gratuiamente o seu proprietario,*cora seus esforcos e
medicamentos, todas ss pessoas necessiudas, sem distineco alguma, que o procurem, pois
que o seu maior prazer ser til humanidade soffredora. \

Consultorio medico cirurgico
a -aV\: V tt V GLORW C\S\ DO FOHOVO ~3
Consulta por ambos os systemas,
Em consecuencia da mudanca para a sua nova residencia, o proprietario deste estabeleci-
mento acaba de iaer urna reforma completa em lodosos seus medicamentos.
O desejo que tem de que os remedios do seu estabelecimento nao se confundam com oa da
nenhum outro, visto o grande crdito de que sempre goza ram e gozam ;o proprietario tem tomado
a precaucao de inscrever o sea nome em todos os rtulos, devendo ser considerados como falsifica-
dos todos aquelles que forem presentados sem esta marca, e quando a pessoa qae os mandar com-
prar queira ler maior certeza acompanhar uma conta assignada pelo Dr. Lobo Mosaozo e em pa-
pel marcado com o seu nome.
Outro sim : acaba de receber de Franca grande porco de lindara de acnito e belladona, re-
medios estes de summa importancia e cujas propriedades sao tao conhecidas qne os mesmos Srs.
mdicos allopalhas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsos qur em tubos qur em linduras castarao a 1| o vidro.
O proprietario deste estabelecimento annuncia a seus clientes e amigos que tem commodos
tufficieote- para receber alguos escravos de um e outro sexo doentes ou que precisem de alguma
operacao, afflaocando que sero tratados com todo o disvelo e promptido, como sabem todoa
aquelles que i tem lido escravos na casado anouncianle.
A aituago magnifica da casa, a commodidada dos banhos salgados sao outras tantas' vanta-
gens para o prompto restabelecimento dos doentes.
As pessoas que quizaren fallar com o annunclanie devem procura-lo de manha al 11 horas
e de tarde das 5 em diante, e fora destas horas acbaro em casa pessoa com quem se podero en-
nder na roa da Glora n. 3 tasa do Fundo. Dr. Lobo Moscoso.
.1 FEKREllll MUELA
ETRATSTA
A
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Ba do Cabug n. 18, t. andar,
entrada pelo pateo da matriz.
Retratos por aaobrotypo, por melaiootypo, so-
bre panno encerado, sobre talco, especiaes para
pulceiras, alDnetes ou cassoletas. Na mesma
casa existe me completo e ahondante sortimentq
de artefactos fraccetes e americanos para a col-
locadio dos retratos. Ha tambem para eate mes-
ara cassoletas delicados alQnetes de ouro
de ee)a>hok>gra|hi-i das prneioees
I da Bnrppaf; stereov&pof te vistas
m IteDtist de Pars.
15rRa Nova-15.
FredericoGautier, cirurgio dentista
fas todas aa opera^oes decs arta a e co-
Icca dat# aitlii-w/ju^Ccorn -sdeln
rioridade o sarfieao ua as passoas-,ep.
tendida Uie reconhecem. > I r-
\ Tana' sguiepos debliioios, eta.

O Dr. Carolino Fran-
cisco de Lima Santos,
mudou-se da ra daa
Cruzes para a do Im-
perador, sobrado o.
17, em frente da igre-
ja de S. Francisco, on-
de continua no exere-
do de sua prossao de
medico.
:
o*t9et9*tS 9
4
Precisa-se de uma mulher capas que saiba
bem cozinhar para ser ama de ama casa de fami-
lia, nio para andar na tu, e que de conbeci-
meolo de sua coodacta : a tratar na raa do Ran-
go! n. 7, siguDdo andar.
Compaoiiia da esirada de ferro
Recife trsStf francisco
' (LIlifrADA.) Ii3
Do dia 31 do correnle em diante ser fechada
a estacioda Pontezinhs, e a contar desse dia oa
Para Europa
Offerece-se una traocesa par acompaohar al-
guma familia i Europa, mediante rasoaveis con-
dicoes : para Inforoaa-oes, podem dirigr-sa 4 ra
Uto** Amia n.firtm1* #.,*,-"
J* -. ^r. -
Trnr
_


na
--'.;
-*r<

tMttfmQi^ cfWffcflJKvrTff^ :n
u
^Uma pessoa de ciirffs antigs plnhoiis ds
na No, se propeem a vestir ojos par* ai pro-
cissoes cora toda a perfelgao e aiseio poeatvt. pa-
ra o qae ji Una vestuarios no*oa promptos a Ton-
tada dos pretendentes qi quaea ae pdem dirigir
ao pateo do C
traur.
Predi
idade da 15
zalla Velba
Par
Precia-se de
o d. *2 que stharao com qeem
a eajaMroba
rf'Ot
ra liberna da
na da San-
a estrangeira.
_ urna ama forra ou escrava que
MUja prompta a fzer qualquer. servico, e aaja
fiel de bom comporlsmento pags-se bem na
iua do Greapo n. 96 priaeiro andar ou ra do
Crespo n. S eacriptorid.
Pracisa-se de im carroceiro na ra doa
Peacadorea padaria n. 1 e 3.
Leuie Cecile, vluvs Lain re
a Frange con trea lhos menores.
________________
ESTRADA DE FERRO
DO
ftccife
a Sao
Aviso.
A abertura da 3* seegao annuMisda pan o da
25 do correte ficou trausferida at outro aviso.
A partida doa treos na 1* scelo e prego das
pasaagenscootioaaro como antea da publicsgso
da ora tabella*. qol s ter vigor depoia
de aberta a 3 socgao.
AssignadoE. H. Bramab,
_____________ Superintendente.
Arroz 3^ a 3.500
> Veeda-ie cada ama aacca,"|na travesea do pa-
teo do Paraizo o. 16, frente da amarello com oi-
lo pir a taa da^jorenJifli. ^^
Fazendas baratis-
simas
Superior bramante de linho com duas varas de
largura a 29100 s vara, atoathado da liobo ada-
mascado com dus lrgurss a 89500 a vara, brim
branco de linho niuit .superior a 1J440 a vara,
dito de corea, faltada routto superior a 19, dito
pardo de linho paro a 800, 19 1200 a var, di-
to de quadriohos muito proprio pira caigas, ja-
Saetas e paletota para meninos a 200 ra. o cova-
o.MMasfrajnfezas muito superiores a 400 ra. o
^covado. cambrs'tss francezas muito Dnss e de
muito bonitos padrees a 260 e 280 o covado,
cambra a lisa muito tina a 4f, 5 69 a pega com
8 1(2 varas, esmbraia com salpicos tambem com
6 l| varas cada pegaa a 49500, dita muito supe-
rior o melhor qae ha neste genero a ItfSOO a pe-
ga com 17 varas, ou a 800 ra. a vara, chitas frao-
cezas de muiio boaa qualidadea e de liados pa-
droes a 240, 280, 300 e 320 o covsdo, fil da li-
nho liso muito fino a 720 a vara, tarlatans bran-
ca e de corea a 760 a vara, toalhas de linho para
mos a 79 a duzia, ditas pelladas muito superio-
res a 119 a duzia, gollinhas de cambraia borda-
das a 800 ra., manguitos e ollas de cambraia ri-
camente bordadta s 29 o par de manguitos com
urna golla, lencos braocos muito finos com bioo,
renda e labyrimho a IJ280 cada ara, dito de
cambra! de linho para algibeira pelo baratissimo
prego de 4, e 69 a duzia, e assim uta completo
sortirr.eDto de fazendas de todas as qualidades,
que sendo a dinheiro vista se venderlo por pre-
cos mui baixo : na bem conhecida toja da boa
f, na ra do Queimado o. 21.
dejro \ii^W( }* Madera, in-
timamente chegado. ..y
Vende-se na roa do Vigarlo n. 9, priaeiro an-
dar, escrlptorio de Garvalho, Eoguetra 4 C.
Veirfe-se
taberna da traress do Queifcado n. 3 : a (rain
Com Gabriel Antonio de Castro Quintaas.
Manteletes de superior
TE
Compras.
Compram-se moedss de ouro : na botica
da raa do Cabug n. 11.
Compra-se
em segunda mo a obra intituladaA Coufede-
ragao loa Tamoyose quatro differeotes obras
contando multas estampaa oque seus assumptos
yersem sobre diversas materias, em poriuguez,
frenes ou mesrao em inglez ; na ra do Raogel
n. 46.
Yendas.
Fazendas pretas
superiores.
Grosdenaple preto muito superior .pelo dimi-
nuto prego de 29 o covado, panno preto muito -
no a 3, 4, 5, 6, 7 e 9$ o covado, casemira preta
muito ina a 2, 29500, 3, 39500 e 49 o covado,
anotas pretas de blondo muito superiores a 129,
manteletes de superiores grosdenaples pretos ri-
camente bordados a 359, sobrecasacas de panno
prete muito lino s 309, casacas tambem de panno
5reto muito fino 309, paletots de panno preto
no a 18 e 209, ditos de casemira de cor mes-
ciada a 189, superiores gravatinhas estreitaa a
19, ditas de setim maco ede gorguro muito su-
periores para duaa voltas a 29, ditas estreitinhas
com lindos alfioetes a 29, superior gorguro pre-
to para colletes a 49 o corte, ricos eofeites pretos
a 69, e assimoutraa muitas fazendas que sendo a
dinbeiro vista, vendem-se por pregos muito ba-
ratos : na ra do Queimado n. 22, na bem conhe-
cida loja da boa f.
Vendem-se oa quadros de mausuleo das i
exeqaia's ertas a D. Pedro V, na igreja do 3
Espirito Santo, ricamente lilbograpbadns
a 500 rs. cada um : oa ra estreita' do Ro-
sario o. 12, na livraria dos Srs. Nogueira
& G. ra do Crespo, ra do Queimado n,
16, na ra da Imperairiz ioja do Pavo e
na litbographia ra da Cadeia o. 52, pri-
meiro andar.

8
X
BMHK*XM ttt eHKSf9N9S9a
Ricos
cortes de vestidos brancos
bordados.
Vendem-se ricos cortes de vestidos braocos
bordados com 3*babados pelo baratissimo prego
de 59 o corte: na raa do Queimado n. 22, na
bem conhecida loja da boa f.
Camisas inglezas.
Vendem-se superiores esmisas inglezas com
pregas largas pelo baratissimo prego de 359 a du-
zia : na loja da boa f, na ra do Queimado nu-
mero .22.
Ricas gollinhas e punhos
com boies
Vendem-se ricas gollinhas e punhos de cam-
braia e fastao ricamente bordadas com lindos bo-
tos, pelo baratissimo prego de 29 cada guarni-
go : oa ra do Queimado n. 22, na loja da
boa f.
Camisas ecerou las
Vendem-se superiores ceroulas de linho muito
finas pelo barato prego de 269 a dazia, ditas trao-
~ada de algodo, mas de maito boa qualidade, a
79* duzia, camisas brancas fraacezas a 2*9, 249,
26 e 309 a duzia, ditas para meninos a 225 du-
zia, ditas para bomm com aberturas de cores a
229 a dazia : na bem conhecida loja da boa f
na roa do Queimado n. 22.
Leamos brancos para algibeira.
Ainda se veodem leogos braocos finos para al-
gibeira pelo baratissimo prego de 29400 a duzia :
na loja da boa f, na ra do Queimado o. 21.
Mei s para senkora.
Vendem-se meias finas psrs senhora pelo ba-
-aiisiimo prego de 39600 a duzia : na raa do
Queimado n. 22, na bem conhecida loja da
boa f.
Aos senhores cocheiros e
mais senhores que pos-
suem cavados.
Farellj m saceos grandes a 59, e de roilho a
3f800 e 3*500, em cuis a 240: no armazem da
estrella largo do Paraizo n. 14.
Vende-ie um ptimo moleque de idade de
16 annos, a ama escrava de idade de 25 annos,
que cozinha bem o diario de urna ciga : na rus
Direita n. 3.
Salitre refinado.
Vende-se na ra do Queimado loja de ferra-
gem o. 13, a 85500 arroba e em porglo ae
vender por muito menos.
Ac de Milao.
Vende-se ago a 23f o quintal: na raa do Quei-
mado Ioja de ferragns n. 13; bem como se ven-
de nesta mesma loja um completo sortimento de
ferragos e miudezas de todaj as qualidades, tu-
do por "diminuto prego, visto o proprieWrio que-
rer entrar em liquidgo.
i ^bw^wk 9b9M9V51*J9!v^
vendem-se
trea casas paquenan.de, pouco d
em chaos proprio, de idre e
vas, acabadas o anno paaaado, pai
quena familia, qae rende um por centa ao--
mas, na Terra : a tratar so msima lu.ar
na taberna do Caneca.
dinh
II.
heiro,
n*o-
Cera de
Vende-se em primeira mo, muito em coota,
saceos de cera de carnauba mnito boa : a tratar
na ra larga do Rosario o. 24, loja de jolas.
para bauhos do rosto o 4o
ih
corpo.'
A loja d'aguia brtnc acih da receber Bflv
faaaaaaa da proveitoaa a mui procarada agua
embreada, cajos boas effeitos de refrescar a an-
tis, ttrar o ardor que deixa a navalha quando se
faz a barba e acabar o mo hlito proveniente
do-transairar to j bam coaheerdoa, asaim co-
mo naa senhoraa por nao aadarem ao sol l*i
conservar perfeltamenteo^rilho do rosto. A lo-
dos quaotos taq |^# >, amAeada nao sao
eslraohosesseseffifoiieftes serio ainda mais
eonbecidos por aquelles que munido de 1 se
dfrtglrem a loja d'tgola branca roa do Queima-
do n. 10, oode nicamente aa venda.
Loja da beija
Queim
Vendeja se boaecas
800 rs.. pulseirta preta
99 e 49. tesoara So
K
Na ra do Queimado n. 18 A, eaqaina qae vai
para a ra estreita da flosario. loia de.Cjrvalho
& Bastean fiaajpara tender ricos manteles de
grosdenaple pietos, sendo pelo diminuto prego
de 20, ditoa alborea a 259, ditos superiores
309. No eame eatabtleeimento tam grosdana-
ple preto de variadas qualidades, sendo a 19500,
dito a 19700, dito a -29400, dito superior a 2J800,
eofeites pretos da retroz, lavas de torgal. Chales
preto muito finos bordados a vidrilho, e ouiros
muitoa objectos proptios par a quaresms, tudo
por pregos muito commodot.
Superiores cortes
de seda pretos pa-
ra vestido com babados
Ns ra do Queimado o. 18 A, esquina que vai
para a ra estreita do Rosario, loja de Garvalho j Serja'preta hespsbp'la, corado a
& Bastos, tera psra vender cortea de sed pretos j .Meias de seda pretas para senhora a
para vestido, com babados, notando o que iem Ditas de la e de laia para padres a
26 1(2 covados de seda, parte lisa muito lustrosa i Lavaade retroz bordadas com vidrilho e
Fazendas pretas
na loja do pavo, roa
L dalmperatrizn.60,
de Gama Silva^
Venda-te bantiatimo por ser lempo de qua-
resma as fazeud., aesjoiatea :
Ricos manteleteade vallado prato rica-
menta enfejudos com franjas largas os
maia modernos que tem viado a
Hoderuiisiraoa enfeiles pretos a turca e
Gsnbaldi
Ditos mais simples a
Dito* da vidnlbo mnito modernos a
Chales pretos de merino bordadoa com
vidnlbo a
Ditos da fil preto maito fino a
Grosdenaples prtos fazends muito eo-
corpada a 19500, I96OO. I98OO. 2S e
da ra4o
63
o a 4C0, 300, 640,
r., bandejas fiis
rs. a duiia, gram-
800 rs., caixinha*
peme virados
dito aem ser
otea de mtrtrl pa-
2(0 a groza, al-
A victoria
%
saca vidrilho a 500 ra. e
Ditaa pretas lisas de seda maito fins a
Alpacas pretas maito finas a 560, .640,
640
640
De tudo dio-se amostres com peohor .
I da Imperatriz o. 60, loja e armazem de Gama
i Silva,
19000
na raa
&
' ^^^ ^aW IrWT
Preservativo universal.
45Ra Direita45
Gihem!...
Urna das intelligenciss melhcr esclarecidas na
scieocia de Hipcrates, depois de longos annos
de exarcicio de corar e matar coavenceu-se afi-
nal, que o uoico preservativo infallirel de qual-
quer epidemia, por mais mortfera que fossa, era
conservar a cabega frese, veotre desembargado,
e PES QUENTES. Ora, viajando por ahi ama
epidemia,que mata gente como qualquer oulra, i
occasiao de pormoa em pratica eatea principios,
usando pouco do chapeo a sempre som-
bra ; tomando de 15 em 13 dias um -lazante de
sal de giiober, o mais acrrimo ioimigo da epi-
demia, segando a opioiao e a pratica de nm dos
ornamentos da nossa magistratura ; e langando
ao cisco todo o calgido veiho, dirigiodo-se todos
ao armazem da rus Direita n. 45, onde o respec-
tivo preprietsrio a lodos receber com cortea,
aturar as massadas, aquecer os ps com ex-
celleote calgado, segundo o gosto, e estado fl-
nanceiro de cada um, e vejam :
Homens.
BORZEGUINS dos melhores fabricantes,
francezes, inglezes e brasileiros a 138,
129.119, 10J, 99508, 89 e............... 5500
SAPATOES a 79500, 6S500, 59500, 59,
49500 al................................ 29OOO
Meninos.
SAPATOES 55500, 59, 49,'3*530 a...... I96OO
Senhoras
BOTINAS de fabricantes francezes, ingle-
zes, allemes e americanos federaes
. 69,59500, 59, 4J5O0. 3JS00-a........... Sj^OO
Meninas.
BOTINAS a 49500 e...................... 49OOO
Um completo sortimento de sapalos para se-
nhora de rouro de lustre virado a 500 rs., de la-
pete a 800 rs., de lustre (os. 32 e 33) a 800 rs.,
de traoga francezes 19300, portugueses 29, sapa-
los de bnrraxa para hornero senhora e meninos,
muito couro de lustre, de porco,cordavao,marro-
quim, bezerro francez, sola de lustre, coariofaos,
aquetas, sola etc., que lado vende-se come em
nenbuma parta.
Funileiro e vidraceiro.
Grande e nova ofTicina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
N'este rico e bem montado estabelecimento en-
contraro os freguezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS que rivasam com o Jacaranda.
BANHBIROSde todos os tamaDhos.
S&MICUP1AS dem idem.
BALDES idem idem.
BACAS idem idem.
BAIIL'S idem idem.
FOLHA em caixas de todas as grossuras.
PRATOS imitando em parfeigo a boa portel-
lana.
CHALE1RAS de todas as qualidades.
PANELLAS idem idem.
COCOS, CANDIE1ROS e (landres para qaal-
quer sortimento.
VIDROS em caixas e a retalho de todos os ta-
mandaodo-eemaohos, botar dentro da cidad
em toda a parte.
Recebem-se encommendaa de qualquer nata-
reza, concertos, que tudo ser desempenbado a
cootentq.
Cheguem a pechinch, que se
esto acabando
A 1^280 ocovado.
Groad enaple preto muilo bom, na ra doQuei-
madn n. 47. -
A 15#000 rs.
Palitots de panno fino forrado de sola, oa ra
do Queimado n. 47.
A 12#000 rs.
Manteletes de seda preta ; j esli scabando oa
ra do Queimado o. 47.
a
Barato assim barato de mais
Safconete fino.
A lojadjagiia branca recebeu urna crescida
quantidade de sabonetes finos para barbas, o
quaea convm a todos compra lus mesmo para
m8o, avista do diminuto prego de 39 porqaanto
se est veodendo a duzia. Pa'ra satiafazer-se aos
boos freguezes se Vebdec tambem em menores
porgoes, porm quem maia comprar maia lucrar
porque assim barato do ser facl tornar a ha-
W, e mesmo agora s ha na ra do Queimadr
loja a aguia branca n. 16.
doaes.
Em massinhos a 500 r. cad u.' i,i
Em fios a 640 rs. cada um.
Em voltas de 3 fios a 29500 cada urna.
Vendem-se muito boos coraes, em masaiobos,
" voltas de 3 fios, pelos baralissimos pregos
1. 16 : ri" d Queia<,:1 lo>*i<*?aJuiai brancj
Objectos tepfcfantasias
.. pnlseirasdemissangas.
" A loja d'agui brinca acaba eVrfieber um
bello e eseolhido soniraentb de'palsairas de mia-
siogascom borlas pendentes, obra de muito vtm
lo, e o qu de mal perfeito aa pode1 dar eal *s
objectos, e as est vendendo a 19500 esda urna
tanto pira senhorta wtoo para meninas, a pM
oovrdade do gosto e ijnto d moda** tardario
em ae acaar is qae ba o loja d'>|uia brpca,
rv do Queimado d. 16.
a encorpade, e parta lavrada que para oa ba-
bados.
Panno de algodo da Baha.
Vende se no eacriptorio de Antonio LaU de
Oliveira Azevedo, raa da Cruz o. 1.
Escravos a venda.
Vende-se um preto bom carreiro. proprio para | PaMlCS DretSC CaSeillraS
engenho, e ama escrava que tem alguejas habi- T ^" w^v/ \*v
lidades, por p*egos baratissimo! : a tratar com j Na loja do Pavao.
o Sr. Jos Pedro do Reg, na ra das Cruzes ou 1 Vende se panno preto muito boa fazenda a
la raa do Crespo o. 17. 1&600, I98OO e 29 o covado, e dito que val 89 a
.' 49500 o covado, caiemita pretas eofestadas a
1 39, 39200 e 39500 a curte, ditas de urna s lar-
' gara de todos o pregos e qualidades, setim pre-
to da China para calgaa paletots e colletes com 6
pos de segurar tjfeites
de obreias de cola s ir
Imitando tartaruga a 1
virados a 710, 800 e 900
ra caiga s 400 rs.. ditos de ago
finetes pretos a 640.
Loja do be'ja-flor da ra do
. .Queiuwflo n, $3. s
Vendem-se franjse-(rangas, atas de velludo
preto para aausscsms, mais modernas que ha no
mercado, e mais barato que em oulra qualquer
parte.
LoJ do beija-flor da ra do
Queimado n 63.
Vendem-se tira* birdndss .do diversae larguras
a 700, 800, 1| a IpOO a lira.
Loja do beija-flor da ra o o
Queiinado n. 63.
Vendem-se facas finas, cabo da balango de 2
botes s 62800. ditas para doce a 5$800. ditas de
um botao a 6J200. ditaa para doce a 59200, ditas
pretas cravadas a 3(600, ditas brancas a 39400,
ditas rotigas a 39 a duzia.
Loja do beija flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se fitas de seda propria para de-
bram de vestido preio, de sed de 5 dedos de largura com pinta de mo-
to a 320, dita limpas a 640, 800 e 1g.
Loja do beija flor da ra do
S Queimado n. 63. .
I9OOO Vendem-se gravitas pretas de setim a 19. ditaa
19600 estreitis s fj, ditas a 800 rs., pennas da ago de
langa, 500, a 720, ditas de mozinha a 800 rs.
Loja do beija-fior da ra do
Queimado n. 63.
Vende se papel em caixlnhas de diversas cores
la e 640, branco pautado a 800 rs., anvelopes
de cores a 800 rs brancos a 19, resma de papel
de quadrinhos a 49700, sinto encarnado a 440,
dita azul a 320.
Na
309000
6f000
29OOO
800
I29OOO
3$000
ua do Queimado n.75 jun-
to a loja de cera.
VENDE MUITO BARATO.
Clcheles francezes boos em eartao a 40 rs.
o crtalo.
Alneles francezes catega chata a 120 rs.
a cana,
o peh Cm CCnl tMl" ,0wl *0 rs.
Lio has victoria e
a 60 rs. ,
-Dilasde200jjrdasde Alexaler
dazia
carrilel com 200 jardas
a 900
rs. a
le 100 jardaa brancas e de
cores a 30
cores *
cabega branca e emearnada
com sortimento de egulrus a
Bolacha de gaz.
Na ra da Senzala Velhs o. 84 a 2g80O por
arroba.
Pechinch
fios e
acuna
palmos de largara a "3| b covado : na ra da Im-
peratriz o. 60, loja e armazem de Gama & Silva.
, Sedas de quadriohos a 720 rs.
Na loja do Pavao na ra da Im-
peratriz n. 60.
Vende-se muito delicadas sedas de quadrinhos
*T_ r a 720 r. o coado: na ra da'Imperatriz loja e
Na tOja de 4 portas n. 8, ra armazem de Gima &Sila.
do Crespo Chales.
Madapolo com pequeo toque de Grande pechinch na ioja do Pav5o.
avaria a MMil e Atf a rwra VeD,le-|e <" niais ricos chales com poeta re-
arana a OfWWe 40 a peca. donda Moub, tendo aa barras de velludo ou aa-
Uito rnurto linos a a^ a peca. selioadas. imitando aa capiohas msis modernas,
Algodozinho liso encorpado a 2800 Del baritissimo prego de 49500 cada um e ditos
w? -_. r de quatro peotas a 4J5O0, ditoa a Garibaldina
,. P^^' K0,0 muito grandes a 5 : oa raa da Imperatriz
Cintas largas com pequeo toque de o. 60, loja do Pavao de Gama & Silva.
mofo a 220 rs, o covado, sendo decores Briihantiuas americanas.
ixas, dao-se amostras. Vende-se brilhantinas americana com lindis-
simaa cores sendo fazenda inteiramente nova e
nva fa*7PlifiQC nrolac no- t00""" de 4 1|2 palmos de largura a 400 rs. o
11UV*S ldCUUci9|HC(>tl9 pl- covado :na ra da Imperatriz n. 60, loja e r-
ra a quaresma na loja da
Arara na ra da Im rera triz
n. 56 de Magalhes A Men-
dos,
Vende-se grosdenaple preto encorpado a I600,
19800, 29. 29200 o covado, alpacas r.reas a 500
600 e 720 rs. o covado, sarja pela de la para
Caigas e pile tola a 560 e 640 ra o covado, vel-
ludo preto a 2&500 o covado. enfeiles pretos e de
cores a 2*500, 39, 55500 e 6g.
Panno preto.
Panno preto para caigas e paletots a ?700,
15800, 29 e 295OO o covsdo, cortea de casemira
preta entestada a 39, 39300 e 49 para caigas, cor-
tes de chitas finas com 13 covados a 2J500. ditos
de riscado chinez a 29500, ditos de popelina a
29600, chitas a 160 e 200 ra. o covado, ditas fran-
cezia a 240 e 280 rs. o covado, corlea de fustao
para caigas a 1J120, ditos de brim a -19280 e
19600, cobertores de algodo a 1>.
Algodo e mada-
polo.
mazem de Gama & Silva.
Espartilhos a 3,500.
Vende-se espartilhos ingleses qae sao os me-
lhores pelo diminuto prego de 3|500 cada um :
oa ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavo, de Gama & Silva.
Para meninos a 4$500 rs
Veade-se veslidinbos de seda para meninas e
ditos de fastao qara meniocs muito bem enfei-
tados pelo baratissimo prego de 49500 cada um :
na ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavao.
Madapolo a 3$.
Vende-se pega de madapolo enfestado com
14 jardas a 39 a pega : na ra da Imperatriz n.
60, loja e armazem do Pavo,
Gorguro de linho a 280 rs.
Vende-se gorguro de linho de quadriohos e
mesclados proprios psra senhoraa e ronpas de
meninos e meninas a 280 rs. o covado : na raa
da Imperatriz n.60, loja do Pavo, de Gams &
Silva.
Bareges a 6$ o corte.
Vende-se cortes de
bareges com 22 covados
para vestidos, ditos com as saias ja feitia a 68 o
corte: na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
S Ma{jalhes & VIendcs. |
Vende-se pegas de algodo trangado america- Grande pecbilicha em COrteS
no com pequeo toque de cupim com 20 jardas a j vt.tidna
pega a 39500 e 49, pega de madapolo enfestado
em defeilo a 39, urna duzia de meiaa cruas pa-
ra hornera por 19200 um par 120 rs., ditas fioas
25400, urna duzia de lengos brancos com barra
por I920O um leogo 420 rs., pares de meias para
senhora a 240 e 320 rs. muito Anas, urna duzia
de aberturas ou peitos para camisas 25400 urna
abertura 200 rs., mantinhas de croi para se-'
nboras andar por casa 200 rs. cada urna, pegas ,
de chitas de cores escuras com pequeo toque i
de mofo porm logo que se lave rica perfeita com i
38 covados por 69 covado 160 rs., lazinbss para
vestidos a 280 e 400 rs. o covsdo, sinlos doura-
dos a 29.
na Ioja do PavSo.
Vende-se Onissimos cortes de cambraia bran-
ca bordados com 2 babados grandes e de duas
saiss pelo baratissimo prego de 49. ditos de cam-
braia de seda com babados bordados a 49500, di-
tos de phsntasia fazenda que sempre se vendeu
por 129 pelo baratissimo prego de 69 cada um :
na ra da Imperatriz n. 60 loja e armazem do
Pavo, de Gama & Silva.
Lazinhas
para
suissas
tidos
Laziobas snissislpara vestidos de senhora e
roupa para meninos maito fiaas fazenda que se
pode lavar a 560 rs. o covado, cassaa suissss de
quadriohos para vestidos s 280 rs. o covado, fas-
tao de quadrinhos maito finos psra vestidos de
senhora a 280 e 320 rs. o covado, popelina de
cores a 240 ra. o covado para vestidos, gorguro
de linho pira vestidos e roupa para meninos a
280 rs. o covado, chitas novas aquille proprias
para roupaa de aenhoras com listrinhss muito fi-
nas a 280 rs. o covado tem 4 palmos de largor,
isto s na arara oa ra da Imperatriz loja e ar-
mazem n. 56.
Farinha de supe-
rior qualidade,
a bordo do hiate Santo Amaro: a tratar c
Praga & CabraJ, ou a bordo.
Cambraias de carocinhos
1 S no Pavo.
Vende-se inissimos cortes de cambraia branca
com carocinhos brancos e de cores tendo cada
paga 8 Ij2 varaa a 49 a pega : na ra ds Impe-
ratriz n. 60, loja e armazem do Pavo, de Gama
& Silva.
Cambraias adamascadas.
Vende-se csmbrsias adamascadas fazenda mo-
dernsimas psra vestidos a 49 a pega: na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a 3#000 e 2$500
Vende-se cortes de vestidos braocos com bar-
ras e babados a 39 e 29500: na ra da Imperatriz
n.60, loja e armazem do Pavo, de Gama &
Rap fresco.
Rap Paulo Cordeiro a 1A600 a libra, dito mea-
ron a 19010, dito Liiboa a 2*700. dito gasse groa-
so e mtio gresso a 19600, dito gasse Dno a 19280:
oa loja do rival sem igual, roa larga do Rosario
numero 36,
Ca.xinhas e cabazes para
presentes de meijioas.
Muito lindo sortimento de caixinbas e cabazes
para as meninas trazerem no brigo peloa dimi-
nutos pregos de 320 a 29500 cada ama : na loja
da victoria na ra do Queimado n. 75, junto a
loja de cera.
Quadros de moldura dou-
rada e preta.
Lindos quadros de moldura dourads e prela
com estampas a 49500 cada um: na loja da vic-
toria na ra do Queimado n. 75, junto a leja de
cera.
Vende-se um carro de 4 rodas novo, rece-
bido ltimamente de Franga, todo forrado de se-
da, com os competentes arreioe pratiados, obra
de muito bom gosto, sendo este caleche o mais
bonito que boje existe nesta cidade ; a tratar na
ra do Trapiche n. 14, primeiro andar.
Cambraias.
Vendem-se cambraias de cores de bonitos
elegsntes desenhos a 280 e 320 rs o covado : na
rea da Imperatriz, loja n. 20.
Aitss de 100
rs. o carritel.
Ditas de Pedro V em csrtao brsncas e
40 rs. o cordo.
Ditas de miada de peso verdadeires a 240 rs
a miada.
Ditai de dita
120 rs.
Grampos muito boss a 40 e 50 rs. o maco.
Bufiadores brancos de algodo e linho a 60 e
ov rs.
Carteiriohas
300 ra.
Phosphoros do gaz muito boos a 220 rs. a duii.
Ditos em cana de folha a 100 rs. que s
cana val o dinheiro.
Ditos de segntanga porque evita Incendio a
lbU rs. a cana.
pl.0n.d.eAerKCVV g^aDde *00 caixa.
rranjas de borlla para cortinado a 49200 a
Ditas sem ser de borlla a 298OO a peca.
Ditas estreita brancas e de cores a 120 rs. a
? saTS*
Peotes de baleia para alisar a 240, 280. 320 e
4UU r#.
Camisas de aeia finas a 700 rs.
Capellas e ramos para noivaa a 49500.
Enfeites de flores muito lindos a */
onknTele8 flD08 de <,u" olh" P"a Pa a
Ditos de urna folha a 120 rs.
Agulhas francezas o melhor posslvel a 240 r.
CB1XS,
Enfeites modernos para senhora a 59 o 6f.
Meias para homem a 140, 160, 200, 240 I 280
rs. o par*
Ditis para senhora a 240,280,320 e 400 rs. 'o
par.
Dilas pira menina e menino a 160. 200
rs. o par.
eSO
Fitas de linho a 40, 50 e 60 rs. a pega.
Linhis croxel nvelos grandes a 320 rs.
velo.
o no-
Oliados.
indas vistas e
palmos, pro-
o covado : na
Vendem-se oliados pintado de I
paisigens, largaras de 6, 7, 8 e 9
prios psra mesas de janlar a 25
ra da Imperatriz, loja n. 20.
uval sem igual.
Bom sortimento.
Pentes de masa linos liaos a 500 rs ditos dou-
rados a 19280, carreles de retroz muito bom a
320, escovas para cabello muito boas a 800 e 19,
carias de alQnetes de I ta o a 80,100, 120 e 1*0,
escovss para unhas a 320 e 500 rs., linha de ear-
tao de cor e branca a 30 rs., novellns do gaz a
30 rs., fitas de velludo de cor e preta de 120 a
1$ : na ra larga do Rosario, loja de Pedro Ti-
noco o. 36
640.
lAIvaro & Magalbaes.g
Eslabelecidos com loja de fazendas na W
f$ ra da Cadeia n. 53, e chando-se de
A posse de um novo estatwleciment na *g|
f ra do Crespo n. 20 B, participara a to- "
7 doa oa aeua amigos e ao publico em ga- *9
fral que dispoe de um grande a vatiado A
sortimento dofazeoda qae tem resolvi- S
do vender dinbeiro por pregos bata- 9.
O tissimos. Roga-se aquelles que Uve- sB
M reta de comprar qualquer artigo da fa- jsv
? zeods de se dirigirem ss noasaa lojas 3
W cima indicadas qae serio optimimente W
servidas. gh
Oh! que pechinch
Vende-ae pa
dente 2 mas:
falos finos para
s ior 400 rs. na
rna da Imperatriz loja da Arara o. 56.
para ojos.
Vendem-se be na da Senzala Nove o. 30, tal*
liabas com doce por pre{o eemwodo, reeommen-
Gaveis para os snjos de procissfo.
Silva.
Saias bordadas a 2#500.
Vende-se saias bordadas muito bonitas a 2J500
cada urna : na ra da Imperatriz n. 60, loja do
Pavo, de Gama di Silva.
Bales do Pavo
Vende-se baldes de bramante francez com ar-
cos sendo os que tem melhor armaco pelo di-
ario uto prego de 3# e 39500 : na ra da Impera-
Bsiivs "m8zem dp Pava' de GanM


Saias com arcos de linho.
Vende-se as acreditadas saias cora reos de li-
nho qae fszem as vezes de bslo a 39*00 e a 4|
cada urna, esta fazenda so hs ns loja do Pavo:
raa da Imperatriz o. 60, loja e armazem de Ga-
ma & Silva.
Indianas a 240 rs.
A ultima bor acaba de chegar a loja
do Pavo
Esta fazenda intelrsmente nova de qaadrinhos
imitando as sedas, fazenda muilo encorpada e
de cores delicadas propria para vestidos de se-
nhors e roapas para meninos e meninas pelo di-
minuto prego de 240 rs. o covsdo: na loja do
Pavio na da Imperatriz n. 60, de Gama iSllvr.
Vende-se urna fescrva de bonita figura e
moga, que eogomma e cose perfectamente : a
qtstJBJ quizee comprar aa dir o motivo de venda:
oa rus da Cadeia Velbs n 35.
Batatas.
As vais novas do mercado a 2| o ggo com
urna arrob e 8 Jibras : ao largo do Carmo o. 9
e raa dasCmes o. 36. ss Kfaii>s i
Chapeos de sol de panno a 610 : os ra do
Queimado o. 44.
Relogios
Vende-se em casa de Jobosloo Pater & C,
rus do Vigsrio n. 3, um bello sortimento de
relogios de onro, patente inglez, de um dos msis
afamados fabricamos de Liverpool; tambem
urna varielade de bonitos irancellins para es
mesmos.
Malas para viagem
Vendem-se malas' psra viagem, de qualidade
mediana, e tambem da melhor qualidade que se
fazem na Europa : na ra da Cadeia n. 36, arma-
zem de Augusto C. de Abreu.
Papel de peso a 2$ a resma.
Vende-se na ra do Queimado toja de miude-
zas da boa fama n. 35.
Charutos da Havana.
Vendem-se charutos da Havana de
superior qualidade em casa de N. O.
Bieber S C. successores, ra da Cruz
n. 4.
Obras de meta, prateado.
Em casa de N. O. Bieber & C. suches-
sores, vendem-se apparelbos completos
para almoco, porta licores, garfos, fa
cas, colheres para chae sopa, galhetei
ros, copos e outros muitos objectos des-
te bem condecido metal, pela sua boa
qualida Je e duracSo : na ra da Cruz
n. 4.
O ether sulfrico
em garrafas : vende se na ra da Cruz
n. 4, casa de N. O. Bieber & C. succes-
sores.
Eoutras muitas miudezas que se vende mu:(o
ralo.
Ksceocia de ail.
Para eogommado.
Vendem-se frasquinbos com eecencia de ail
couss excellente para eogommado porque urna
gola della bastante para dar cftr em urna baca
da gomma tendodemaisa m.is a priciosidade de
nao manchar a roupa como maitas vezea acoc-
tece com o p^ de ail. Gaala cada frasquinho
500 rs : na ra do Queimado loja da agaia bran-
ca o. 16.
para a quaresma.
Ricos cortes de vestidos pretos bordados a ve>-
ludo, prego 80j> para acabar: na ra do Queima-
do n. 11.
Nao ha quem venda pelos
precos, s na loja do
Viado, na ra Nova,
n 8.
Ett vendendo luvas
o melhor que se pode
de torgal
encontrar
de retroz sem serem bor-
LuTas tambem
dadas a .
Ditas ditas de dito para meninas a .
Ditas ditas de seda para ditas a '.
Ditas ditas de dita para senhora a .
Ditas dilas de dita bordadas para senho-
raa ............
Ditas ditas de seda de todas as cores a !
com vidriiho
em bordados
800
640
500
oDO
l00t)
19600
19600
O
que pe-
chincha
N raa do Queimado n. 39, loja de 4 portas,
vendem-se cortes de vestidos de seda pretos e de
cores, pelo diminuto prego de 90? cada corte ; a
elles, antes que se acabem.
Milho novo.
O sacco
Tesa Fernanda Irma** aWatameate chegado
do Rio de Janeiro pelo brigue Veloz, esa sea
armszem na travesea da aladre de Daos o. 13, s
no trapiche Bario do LivrajBaato. ,
Trancas e franja pretas.
Mui delicadas traogas de seda prela com vidri-
lho sendo de todas as larguras, de 310 a 500 a
vara ; franjas de seda com vidrilho e sem elle
de 320 a 500 ; bicos pretos de todss as larguras,
tanto com vidrilho como sem elle, por baratis-
simo prego, e outros muitos objeUos para qua-
resma, que a vista dos compradores nao se en-
gaita dinheiro.
Facam fogo no viado.
Seda lavrada a melhor que se pode encontrar
de bom e delicados gostos, que a vista do prego
nio hs quem deixe de fazer um rico vestido pre-
lo para quaretma, pois, aproveitem a ocessio,
pois quem nao flzer sgoft. nao faz tao cedo ,
esta loja Ara bem conhecida, por flear bem cor.-
jronte a eamboa do Csrmo, e ter o viado pin-
tado.
Para acabar.
Vende-se urna porg5o de espiguilha branca e
amarella, faz-se todo negocio que para fechar
urna factura : na ra do Queimado n. 47.
Ricos trastes.
Urna pessoa que se retira para a Europa vende
alguos movis com pouco uso, de mogoo de"pri-
meira qua'idsde e gosto moderno, os quses sao:
1 guarda roupa com espelho, 1 dito sem spelbo,
urna commoda, ums secretarla e um apparador,
todo com lampo de pedra marmore, duaa mesas
elastiess psia sala de jaotar, uoia secreta, camas
de ferro com colxao elstico e sem elles, tres ri-
cos relogios para cima de mesa lgumas machi-
nas moderos para lavar roupa de diversos lma-
nnos, etc.; assim como um excellente piano de
Jacaranda inteiramente novo : para ver e ajanar
oa ra do Imperador n. 55, fabrica de pianos.
. Meias pretas de seda.
- Vende-se meias de seda pretas para senhora
fazenda muito superior pelo baratissimo prego
de 19 o par : na ra do Queimado na bem co-
nhecida loja da boa fama d.35.
\os fabricantes de velas.
O anligo deposito de cera de carnanba e sebo
em pao e em velas, eslabelecldo no largo da As-
sembla n.9, mudou-se para a ra da aladre de
Dos n. 28, qaasi defroute da igreja, onde conti-
na a haver um completo sortimento daque'.les
gneros, que se vendempor pregos resoaveis.
$
SrSa acadeftiieosf
Noacieditem, vao ver. #
8
I
Vendem-se fados completos de supe-
rior casemira de cores escaras vindos de
Inglaterra em direilura para a bem co-
nhecida loja de Guimaries & Villar: na
ra do Crespo n. 17.
Vende-se por prego commodo lOO^aresde
pedras de moioho: no trapiche do Caes de
Ramos,
Vende-se urna balanga romana quaai nova
com grade para pesar couros ote. : a tra'Ur na
ra da Cadeia do Recife n. 4. /
rV
Vendem-se tamsneos mnito bem feitoe e bs-
rstos para homsm, senhoras e meninos lano a
reulho como em porgao ; na ras do Llvrameo-
to n. 36, loja de cera.


Dmt!w^\ij*mmM^wmmw*ms
NO
ARMAZEM PROGRE!
"MMW3D *
Francisco Feraandes Duarte
Largo da Penlia
Vende-se neste armazem de molhados os melhores ge-
oeroi qua vera a este mercado e por manos 5 a 10 por cento do qu* em mitra q*al*.u*r parte,
narsnndo-sa a boa qualidade, por iasa rogi-se a todos oaSn. da pr*ra, de eogenho e labradores o
favor de manarem suas encorameodas ao armszem Prograaso, afim de verem a^lffereoQa de
preqo e qualidade que fai, ae fossem comprado* em outra qualquer parte.
KlaUteiga lUgVeXa de primert qualidade a 800 e 1*000 a llora, e em barril ae far
batimento.
j\r*i\lilga vraotix, mall n0Ta, M0 tUtt UhM # m iMpjiia^Hi
*^* y8Stt1B o mais auperior que ha ao mercado a 1)600* 21590, a Ubri.
Vttt\ 11UX.1111 imitando a perola, pela sua suparioridsde a 3*008, e 2*600 a libra.
vil. jpVCrw ^ujgo par, 0a doeates que se tratara com a homeopalhia a 3*500 libra.
V^^H^8 TtJimO ehegedoi oeste altimo vap*r a 2*800, dito* chafad** no ultimo
afio a 39500
V1**1!**'WHTIBOB 0 que ^ jejjjMj, n(ste geBero 1*000, a libra e em por$ao se
faz abatimeolo.
^glieiJ'O pTftlO 0 njjjg superior que tem vindo a este mercado a 1*100 a libra.
memkm* ing\ex para Hamb m.ie-Mvo soo fea. em por-
Oo se far abalimento.
Gt>8te\et*S agieZaS ptoprias para Mimbre a 800 ra. a libra e em prelo 700 rs.
Vff 7.111119 Ttina d, 9iliaUTO 0 malhor oetisco \\i pode haver por estar prompto a toda hora a t* a libra, e
em porgoo a 900 rs.
x oueiniio ao reino mail0 n0T0 a ^Q ri a libra> e <,, DarrU de 8 atWD. a 79ooo.
CAaouTicas e paios de lombos w M.. Ubra, 6m porc,0 ,e faz ttau.
meato.
V^al.a'B COfll CllOtlTltjaS^ prompUs para se comer viadas a primeira vez a este
. mercado a 2*000 cada urna.
Bamba Ae -paveo retinada em Uli Cm 10 libr por im) ^ ,.
Banba de pareo mait0 Qoa al?a a 480 rs a hbra t em bartil m r,
.larmelaaa mpeTiai d0 aia(na0 Abreu deoutros m*itoa fbricantes de Li.boa
a 800 rs. a libra, e em porgao se faz abaUmento.
Latos com frutas ne doee em calda como 8ej5o pera, damaC0S pe.
ceg, alpexe, e giogs, a 800 rs. cada lata.
Marmeada de alperxe lalas de2 Ubra pot l200 cada UBa.
Latas ctm am^ndoas cunf Hadas con,endo oli, tmlm sucar
candi, muito ^roprio para mimo, a 2JO00 cada urna.
Boee da etsca da goiaba muit0 flQ0, m por?St) .esbatimento.
D vlCe S eCO e CS& Calda de diferent** qualidade*, em laUa d* 4 f e 5 por
25XO cada urca.
C*not>a com WolU francez propriO para mimo, 560 rt
Patata em cax'inn^ de 8 libras muil0 n0TSS por 250O e retalh0,
480 rs. a libra.
P JgOS at C '>>inmadre mit0 noroti era C1xas de 8 libras por *#500. ditas com 4
por 1(500, ditas com 2 muito bem enfeitadas por 900rs. cada urna e a retaiho a 320 rs.
libra.
Ervilbas traneeza e portngntzas em lata, de, Iibri( pot m ,
ditas em meias latas a 500 rs.
^eade tmate em it de i t*. porsoo .
.\mendos de casca mole muil0 noTas a 320 rs. a.
^OJ.et a 12o ra. a libra, e 3000 a arroba.
.\^aici&as tancezas e j ialaa com 3 librS ^ 29800> ditaa com t lt2 por 1^500,
\ft*'lX*S portngniXtS 320. libr. em C.U .esr* .batimento.
* oco i ate nespnnola tj500i dil0 francez a l2oo dto porugtet a soo rs. a itbj
aGaoQi-se a boa qualidade.
uO&aXinna de 90(Ja em iatag com difftrentes qulidades, a lg440 rs.
SaJ 8 para a^pailrla> macarrSoetalharim.a400rs. a libra e em caita por 85000rs.
Ve-lltOS Oe aenteS ixado3, molhos com 20 maciohos por 200 eS80 r*. muito finos.
^reja8 em fr8SC0S com l e 1|2 libra por 800 rs.
a ljll francezpara limparfaeasa 200 rs. cada um, em porgao se fai abatimento
Ol?Xlnna ingleZt a mai3 QOVa d0 merCsdo a 320 rs. a libra em barrica a 4f500
" pea engommar, muito alva a 100 rs. a libra e em sacca se faz abatimento.
rClxe de poeU em ialas das me|hores qualidades de peixe que hs em Portugal a 10600 rs.
EiSpeTmaSele auperior de cioeoesei* velas por libra a 760 rs. eem cala, a 740 r.
a?tinnaS de Nantes ero latas muito aovas a 400 rs.
JVipiSia muilo novo a 160 rs. a libra e em arroba a 4#500 rs.
A Leile Owee refloido de diCtereotes marcas e o mais superior que ha a 800 rs. a garrafa
e em caixa a 8ft
\ nnOS engarraaOOS d0 duque d0 Porlo e de oulr,g muilas marcas acreditadas
oeatemercado a l$t00 rs., a garrafa eem caixa al2$000 rs.
innO eHI. Ppa port0i Figueira e Lisboa a 560 agarrafa e em caada3*500, 4!Jety500.
^CVeja d(8 ms\3 acreditadas marcas a.5# rs. a^uzia, a em garrafa a 500 n.
' nampta^ne das marcas mais superiores que ha no mercado a 15g e 22)000 rs. o gigo
ti.gnaC lDgieZ a i0{000 n. a caixa e 1200 rs. a gairaft.
Genebm de 11 Alan-la verialeiraem trasqueira a 6000 rs. e o frasco a 560 ra.
G-*webra de latan} a 7000 r$< a duiis, ,m {ra,cos a 64o rs.
Genebra IngleZa a 10gooo rs a d*zia a a retaiho a 1*000 a garris.
P*llt9S da g*Z aja .. gr0M.
^ai refinado em potes graodas a 500 rs. cada ua, em porco s* far abatimento.
V-i&ie lavad* o que se pode desejar ueste geoero a 320 rs. a libra e em arroba a 9J500, dito mais
baixo a 380 rs. a libra e 8$000 arroba.
SevadAafea-
merrta>.
>* gn. mBiia.0ovo e *Wo s 320 rs. a libra.
Aloja d'aguia
branca um aposito de
perfumaras finas.
Esta loia por star o*Mta*temante a' rb*r
KrfumaeiM flsw*}* mm roflPi<*iKamslds,
..m'e*^*l1^'^s4*>W* um to de ditas, tencas Nain 'os melhom
mais acreditados fabriKts, como UWo, Ptrar,
Cwtdray Societ Hygi.niqoe, etc., ete. ; T>or
Js%.q*em quizer prover-s* do b*m, dirrrlr-**
a na do Qua.oMdo.1*)* v*aHrbn*r ir. ii.-q
achara MBpn um lindo completo eortimrmto,
*s(to de mais a mais elegancia dos frascos, *
MHfteza por que ae vend*m convida anima so
oamprador.

Vendem-se capachos redondos e'.compridoa >e
de diversos tamaohos, os melhot** im tem
"2ki%!l'tii*Ka4'>' ^>^^it*jo1pr** 600. 700 e 800 ss. ada-um, a tasofcwsa ha upa-
eha* muito grandes a proprios para sof a mar
quezas para 1*400 cada um : na ras do Queima-
do, ua bem coahecida loja de miadeas da boa
fama n. 35.
Vend*-se tm eau ds S. P. loiht&t 4 C,
bropieados.-lonag jiajliiis, fio de vela, chieotos
para carros a DMauria,. arreios par carro de
um a.aWiu cavalUa, e relogios ae oaro sataasta
tBgltt.
Libras;ftUirUaa*. VA
d*Obwebra 4 Kho, atacado Cara*3,0*0". lt.
GoUinhas
*e traspasso bordadas am
eanrferaHrfina.
f^iisKsVaisjia brnaxoUI ,*>** toa
O tempo propno ; a lias, freguesas, antes qu
*1tafifc-iecin-cWie^.o 'fiiBct &
C, 8ucce*ot,. ru da Cruz n. 4
sa acabem
bm
qu*
Capachos.
para eogenho.
Grande reducyo nos presos
para acabar.
Brag, Son & C. tem para vender a roa da
Moeda taitas d* ferro uado do mui acreditado
fabricante Elwin Maw. a 100 rs. por libra, as
mesmas que se vendiam a 120 rs. : quem preci-
sar dirija-se a ra do Trapiche n. 44, armazem
da fazeodas.
SohaII Hellors & C, ttndo recebido or-
dem para vender o sea rascado deposito derslo-
gios v|sto o fabricante ter-aa retirado do nego-
cio ; convida, portanto, s pessoas que quizersm
possuir um bom relogio de ouro ou prata do c-
lebre fabricaat* Kornby, aproveitar-sa da op-
portooidade sem parda da tempo, para vir com-
pra-Ios por commodo prefo no seu eacriptoro
ra do Trapiche n.28.
Veadem-se caixes va-
de Franga a mais nova do mercado asO rs. a libra, em patrio se faz abati-
-:
I
V r inna 0 ^^ as vntctt SS8 e galega a 140 rs. a libra,
f a de H^aohio j l va e theiroza a 160 rs. s libra e em arroba 4*800,
H**.V\baS nui mait0 n0Ta# i6d ra. a libra.
W eia de carnaoba refinadas a 400 rs.a libr* a emJKflba,*, 11*000.
A*l*ed0M4e u,^, a7J0rs. garrafa Asnea se a boa qualidade.
Y lUagl B da Liaboa 240 rf t gatfa[4f e m Canada a 1*800.
VllP*Sajr*i v'ifoe a ajeanta *m caixs se f.z abatimeat*.
lttvBC0 e miis supatlor qoeMoo metcaoa aawao e*ra rata* a
caada <|*)0.
Tor hoje dei fim ao meu repraterie at a ilii|djai li ri*s*ira ***or i
fuil espero novo aortiments t nao serei aragaloyio em o publicar ? unitavel patuco.
.
ziosal$: nesta tjrpographia
N. O.Biebar & G.saccessores.rua da Cras
o. 4, tem para vender relogio s para algibera da
ouro a prata.
Gneros baratos.
Vende-se msnteiga franceza a 640 rs. a libra,
cb a 25400. loucinho a 320 rs., arroz a 100 e
120 rs,, linguica a 560 rs., nsssas a 500 rs., ba-
nha de porcoa 440 rs., veas de spermseeta a
760 rs., de carnauba a 400 rs.. batatas a 60 e
120 rs., psiuco a 160 rs ervilhas a 110 rs., gar-
rafdea com 5 garrafaa de vinagre a 1*200 cada
um, agurdente de canoa j engarrafada"1 a 200
rs. a garrafa, esprito de vioho a 1*400 a caoada
e 240 rs. agarrafa, azeite a garrafa, dito de coco a 480 rs., mitho a 320 ra.
a cuia, arroz de casca a 200 rs. em saceos mais
barato : na travessa do pateo do Panizo o. 16,
frente pintada de amarella com oitao para a ra
da Florentina.
Cera de carnaoba de pri-
meira qualidade.
Vende-se em porgao e a retaiho de urna sacca
psra cima, e por commodo prego : na ra da Ma-
dre d* Dos confronte abolica n. 90.
XI ItCWMS a>59i55#t"9S5?tC5ic5 9t 38
' Liquidacao
A loja de marmore.
IBoarnus de csseraira para senhora a 10*
Manteletes de grosdenaple a IOS
SLeques de sndalo a 5*
Bournusde casemira para meninos
de todas as iifades a 59
Grande sortimento de cascjrrilbas,
I traogas o fitas de todas as cores para en-
* faites de vestidos por presos mais bara-
tos do que em ootra qualqaer parte.
BS86?M^-M6i*taV5IMIWn9IHI9K
A boa lama
vende Qvelas para cintos o mais bem dourado que
possivel e dos mais lindos gostos que tem rindo
a este mercado, pelo baratissimo prego de 2*500
cada urna, carteiraa com egulfiaa as mais bem
aortida* que se pode desejar, em quanto a qua-
lidade oao pode haver nada melbor, pelo barato
prego de 500 ra. cada carleira, peonas da ac ca-
igrapnia verdadeiras a 2* cada caixinha com 12
duzias, ditas de langa verdadeiras n. 134 a l}20
cads roza, ditas muile baas ainda ni* conheci-
das a 500 rs. a groza : na ra do Queimado, na
bam coahecida loja de miudezas da boa fama nu-
mero 35.
MM39K9M mm mm mm*
Interesse publico.
Offerecido pela loja de
marmore.. m
A loja de marmore tendo de apresen- 1
tar & concurrencia publica o que ha de 1
fmais novo em fazeodas, tanto' para se- j
ohoras como para homena e meninos,
I sendo que para este um espera de seas
fi correspuodeoies de Inglaterra, Franja a
S Atlemaoba-aa remessa* da *ous pedMos,
I tem resolvide, altead*apresot*r oo-
8vo sortiaaealo. liquidar a* fazeudas-exis-
tentes, o que efl dicos a para cojo Bm convida o reat-etis-
vel publico a aproveitar-se desta emer-
gencia, i
Mmmmmmmmmmm
Noy sortimento de cascarri-
lhas de seda
A toja d'agoia branca acaba de receber um novo
e bello sortimento de cascarrilhaa d* seda de
MireaptHiiwde co-
res bonitas a 2 000
e "2,300 o covad
vj.e do Crespo n. 17, Guinataes A tt
I
sena _
a-k!S,!!!l*!llwSMM SMaavaaa andoste
33da : M* Pr IWM ** abWo* **"
ros*s depeooaa de ago da todas as quoli-
500
aM*a>l
Nvelos de linha qa pelo Unauho a todos
admirara a jqq
Calas de sgulhas francezas .a |
nios a 2^q
Banahos portisiswzaj a lto e $
Groza da botes pequeooa para calca a 120
Te*araaparaunhasmoito Soasa 400
unas para costura maito superiores a '400
Baralhos francezei para voltarete molto fl-
aas a qq
Agalfaeiroa com agu has francezas a 80
Caivetes da aparar peona* de 1 folba a O
retas de tranca lia com lt> varas a : 9*0
Bltaa de traoga de lia de todas as cores a 00
mes de sapatos de tranca do lia a 11S80
Carlas de aiaaetesfraocezes a loo
Pares de IavJ8 fio d Escocia multo finas a 320
Bitas ditas brancas rossas a '1QO
Escovas para limpar deotes muito Unas a 200
Masaos coa upaiiara* BMaHsaia 40
tartoes com colxetes de algum defeito a 20
Ditos de ditos superiores a 40 e 60
Dedaes de fundo de ajo muito superiores a 100
sonadores para vestidos de senhora 'aras a
Ciixas com colxetes francezes a 40
Cartas da alfinetes de ferro a 80
Charuteiras.muito Baas a i*0O0
Tioteirasde vidro com tintas 160
Ditos do barro- com tinta superior a 120
Areia prela e azul muito fina a libra a 10
Tenho nova remessa de labyrintho para ven-
der por todo prego, asstm oomo tenbo trencas do
seda difiranles core* pora vender por todo di-
nbeuo que offerecer*m.
Minta Bttenco.
Na loja de Sika Cardozo, ru do Im-
perador n. 40, vende se roupas feitaa
de todas as qualidades pelos precos
aliis baratos possiveis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os reguezes com-
prar porque pechincha.
Algodao da Babia.
Proprlo para roopa de escravos e saceos de as-
sucar : vende-se oa rus'da Cruz n. "1, escriptorio
de Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo & C.

|SHitt P0?lC*ITO
. .JaS/ARMiErS
q oi;
VI
' l

UA1ITE dfc C.
36 ra das Cruzes de Saoto aintoaio 36.
\m l^^^^^^.^^^ ******* seus nume-
---------------. _f P^'' d Uvradores o favor de maadarem saas encommendas
i.
*
barril so
ffamento,. ^^ **"*, 80 a 900 "' 1bF- M
Cha'aWason'11 nCeSa a "^n0Ta*70" *"* N" -oo
I"Cha hu* """ super'r qne^no merc,d0a **m **800"bra-
Tfa \m qu'h*d9 melhorne'to8enero a 2*500 3^00 *Ubra-
Cil hvsl?,0!PBOr Vnd Prmera m ,0D0M0 m^o a.2*200 a libra.
ffarf ll0eBh0r T ^ d0R' ^^ ^iff.alWt
Queijos do reino chtgtd
vio a 2*400 oda um.
Queijos londi inos
Qi^aprato
| Roupa feita muito 1
m barata.
B Sobrecasaces de panno proto muito fi. A
^ no, paletots de dito, paletois de casemi- sm
^. ra de cor, ditos pretos, ditos de fuslSo,
9 ditos de ganga de cores, ditos de brim ^
fj^ de cores e brancos, caigas de casemira Sg
^ preta e de cores, ditas de brim braneo e *
" de cores, ditas de ganga, colletes de
velludo pretoe de coves, ditos de gor- ^
|tA gura o, ditos de fusta o,ditos de brim bran- ^
co, camisas de linho, ditas de algodao 2*
brancas e de cores, seroulas de linho, %&
$$ ditas de algodao, chapeos de sol de seda A
g| inglezes os melhores em tamanho e qua- ^
lidade, tdo se vende por burato prego a *$
dinheiro avista, na loja das 6 portas ra A
^| do Queimado emfrente do f.tvrsmenlo, ft
,^ est aberta at as 9 horas da noite.
Caivetes finos pa-
ra pennas.
Caivetes finos para aparar peona, de duas fo-
Ihas, a 200 ris cada um : na Koja da Victoria o*
ra do Queimado n. 75, junto a loja de cer*.
Caixinhas para coaeitos e
presentes.
Muito lindo sortimento de caixinhas muito lin-
das para se botar coofeilos ou mesao com ellas
vazias se mimosear umi menina, pelos barat-
simos pregus de 320 at2*500 cala urna : na lo-
ja da Victoria oa ra do Queimado o. 75, junto a
loja de cera.
Quadros de moldura don-
rada e preta.
Lindos quadros de moldura dourada e preta,
com estampas, pelo barato prego de 5* que s a
moldura val o dinheiro: na loja da Victoria a
roa do Queimado o. 75, junto a loja de cer*.
Panno de algodao da
Babia.
Vende-se no escrlptorio de Antonio Lulz d*
Oiiveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
No vos e lindos
enfeites para vestidos pretos
e de cores, e roupinhaa de
criaocas.
Em aproprisdo' tempo receben s loja d'agaia
branca un bello e completo sortimento da enfei-
ln da seda para vestidos pretos a de cors, a rou-
ziinhssde ensogas, tena tranca* e bordados de
ovos e lindo* d*enhos, difficeis tecidoa. com
os qoses poda-a* om .oslo a a>odenissiaio en-
TeiUr qualqaer vetide oa roupiaho de criaoga.
A* passo que dita* esvleite* a todo* (ramente
gred*a,a comsnodidade 0** precos anima ao.
coeaprador, esta verdade aera veriQoada por to-
tias qa* sadirigtneai A dita -laja 'agui* branca,
roa do Queiaaado n. 16. *ios presea **tao mar-
cados as amostres, as quaes se (tarso cora pa-
basa
los neste ultimo vapor a 29600 e dos chegados no ultimo
o que ha da melhor neste mercado a 800 rs. a libra.

tres.


III

rs. a
Luvas de ellica
TSEXa'rt^TZZZ ^.V'ft6"?* 1^? Branca* e de ora* para homom aanboa, aba
s asir." 'i **-^ pnxtostesiT' ? r -;
Meias preta de seda 1,000. Tahprtlll
i*
i
o par.
Vende-se meia* preUs de*da, c de mal boa
M-,1 qualidade, para aenboraa, a'padre* 1*000 o
par, pot asUrejaa priacipiando a aaoar, a aataodo
lias calcadas nada a* oaohaca, na ra* do Qt**t-
raado loja d'aguia branca n. 16.

Vende-se orna taberna propria para um prin-
cipiante por aer boas lagar, na esquina do Porta
n. .o ton, 3l.,?,iS^p," '*" Mm,r ",d h- *"*"
.^^f P*'* 240 ,,br S^SOO a arroba.
Dnha (le pOi CO em hmtomMlbm por moo a 4S0 a liara.
Alrmela da imnersal L
LataSxeCamilfi,llta8;enm ^^ como sejam pera, pecego. dantas, alper-
re, ametxas a gtoja, a 700 rs. a lata.
Uarinelada Alperce mIala8 de 2 libm I>000^ umt
O0Ce da CaSCa da gOIll>a ,700rs.e em pocrio.f.rabatiraento.
xCeS -CCCOS de difJerentes qualidades em hcelas muito bem arraniadas a 3*000.
Cartees com bollo fraiieeapro[,riospmmmo. 500rs>
FZ TJ!* C*Xlll*,S de 8 ,0riS .00. 0 i,, a libra.
k T -Ia t muil novos em cxinha de 8 libras e muito bem enfeilidas e
a 2*200 e 320 ra. a libra.
Eryilhas francezns e portuguesas a64o 720h.. i.ta.
MaSS 1 (leOin 4e em latas del l-brraaSOOrs.
Amendoas d* ci*sca mole nul0 nova8,40o rs. a bra.
A oze* roul0 nov8S a .200 rs_libra
AmeiXflS' ir.nr*tZ Sem hrtaa com 5 libras por 4*000 e a 1*000 a libra.
^11 COI- te neSpanllol a 1*200, francez a l*000epottugueza SOO rs. ai libra.
**Ol Xilina C* SOda em latas cora differentes qualidades a 1*400 a lata.
^TiaSS'1 S pg, I*a SOpa nucarrao e talharim a 240 rs, a libra e a <-aixa por 5*1000.
l^etrirl muito nova a 320 a libra e 0*000 a caixa.
alltOS llXKlOS pra denles em molhos com 20 macinhos a 200 rs.
T^J^ ^ era fr,scos de bra e meia a 700 rs. '
L JOlO V V flSpermacete SUeriwr sem avaria a 740 e em caixa a 720 w. alibra.
Sardinhasde Nantes muio novas a 400 e eoo rs.
AlpiSta muito nova a 160 rs. a libra e 4*500 arroba.
AZtrll-;' doce refinado de diverjas marcas a 800 rs. a garrafa e 9*000 a duzia.
S.>laClllltha nglezaa mais nova do mercado a 300 rs. alibra 9 49200 a barrica.
vrOIlia muito alva a 80 rs. a libra e 2*400 arroba.
V inilOS engarrafados duque do Porto, g enuino. Porto fino, madetra secca, Carcavellos, nc-
tar, feitoria, velho secco, Museatel a 1*200 a garrafa e 129000 a duzia.
Lili S em pipa Porto, figueira e Lisboa de 500 a 600 ra.agarrafa ede 4*000 a 4*500 a ca-
ada.
3tirVt ja8 das mais acreditadas marcas a 500 rs. a garrafa e 5*000 a duzia.
*-nt nip'rlllll' jjg marcas mais acreditadas que h no mercado a 14* e 20* o gigo.
oOguaC inglez a 10*000 a caixa e 1*000 a garrafa.
Ginebra de Hol I llda verdsdeira a 6*500 a frasqueira e 600 rs. o frasco.
Dita de laranj 1 a 6500 a duzia e 600 rs. o frasco.
Dta inglesa a 9 a duzia 8 800 rs. garrafa.
t <. ilt S dO g'aZ a 2*500 a groza e 240 rs. a duzia de caixas.
'1- I retinado em pacoies de mais.de urna libra a 240 rs. aero porcao ter abatimento.
L flfe Seva lillha de Fl'aliya amis nova do mercado a 2 40 rs. a libra.
^ajjfll muilo novo a 320 a libra.
Fariliha do jHarailh&O mnito alva e nova a 160 u. a libra e 4*800 a ar-
roba. %
VeluS de carnauba e de compositpao a4oors. aiibra ai
a arroba.
Vinagre purO de LSboa a**0 rs. agarrafa e a 1*800 a caada.
Grao de blCO muito novo a 200 rs. a libra.
''eraS SCCCJS em ea\xnhaSdeoilibrat2*500ea*34r. a libra.
ivlarra5(|UinO ver.ladeiro de zara, de liraone, caf, menta, genepro, mandormara,
curacu, rosa sublima e outras qualidades da 1*500 a 9* a gaTraia.
Bat i-.tri H em gigos de urna arroba por 2*000 e 80 rs. a Ubra.
Com n ll OS os mais novos do mercado a 80f n. a tata
Erva doce muito nova a 400 n. t libra.
Canelld superior a 1* a libra.
CharUtOS verdadeiros superiores a 2* caisinha de 50.
*ki
" J '

tado a
eJsa l*taS 4u*8 libras o ais beta arranjado que tein vindo o mar
a 1*400.
lanteio-a ern
3*200 hada tusa
com 4 libras a melhor do n
iT A
.
V Ua re m wmtSim lo 5 agarrafas de auejtrior qufdada a 1*200.
Aramia mdndair* muito nova a 320 al ara.
o' a altos, fas frente paw a ra 4a Lapa aera I Aft^ M ^^^ atiaoattar *aPtt*l fM* "M"0 *^M

um



GnjaurtwA,tvj. dpnpi, d loj do miudpz*.
9 Mbll^.qM. o sea. ei**tfeTwrtal tendeles..o intimo, eslaJHtfecimentft,, e multo.
2l,^luSW MP.. w4a.quM todo. rec.
SiS lqSleIraWW reaoUldiot nio vender
naao,. BH5gLMD^tr miisbaralo do que outro
eui devedo-
TO nu lha m/andm ou veob.m p*g*r o* eut
MWo.jde serem iuUc,do,
. *~ Cbegarasn. 4e Lisbo ao brigue Eugenio,
ao boftltoAP^nai e ma.buj.M-o^qiue*
vendem por barat preco : par ver na cocheir
do largo da Aijembla o, 4, e para tratar, no es-
cnptorio de Antonio Luu de Oliveir* Azevedo.
AGENCIA.
Fundido Uw-Moor,
*Ws ala Stonzalla Nova n. 4*.
Neete estibermiment continua a haver um
completo sortimento de raoandss a meias moen-
das par eoeenho, machi ras de vapor e laixas
de ierro batid e eoado de todo* os lmannos
para dito,
V>ode-,ae um terreno na ra do Hpapieio
qoaai defronte do qoartel, preprio pare edificar-
aa ame casa, tendo 40 pemos de frente e 146 de
fundo, com licerce : a tratar na ra do Trapi-
che n. 14, primeiro andar.
Ra da Seiizalla Nova- n. 42.
Nwte eitabelecimento vende-se: ta-
cha de ferro coado libra i 10 r. idem
d-: Low Moor libra a 120 rs.
Fivellas douradas e esmalta-
das, para cintos.
A loja d'aguia branca acaba de receber por
amostra una pequea qu*Dlid*de de fivelUs
dourada* e esmaltada* per Cinto, toda de no-
vos e bonitos moldes, e tamben doerad que
parecem de ouro d le, o quo 6 coa eiperien-
cie e conhecer nio o sereto, estando bo mesmo
caen as esmaltad s, e assiro mesmo vendem-se
pele barate prego de 2J500 rs. cada urna, na rea
do Queimado loja 'aguia bravee o. 16.
Cestinhas ou cabases para as
meninas de escola.
O lempo proprio das meninae irem para a
escola, e por isso bom que vio composlaa com
ma das aovas e benita cecnha que se vea-
dem r. ras do Queimado loja d'aguia branca
D. 16.
Vendem-se burros gordos e mamo : no
engeoho Jurissacs, do Cabo : a tratar all coa o
Sr. Domingos Francisco de Seis Lea o.
Arados americanos e machina
para lavar roupa: em casa de S. P.
Johnston & C ra da Senzalla Nova
Pahsatorias e vMjTft e dfc la-
, _- cas es e orffipRiiilr. irV""m\
tao*r*w*a.
Vend*m-s bonitas palmatorrn de vldro lapi-
dado par. T*Jl...J#fi0/*djt.t de>tl#*ul
MVee e hmpas a 406 rs. : na ra do Qoeimado,
Poja d Agola bTsrres n. 16, F '
PeiioA-.dft fu* labrado para
camisas a 50a rs. cada um,
Vsodam-M benito* paitos de fustao lavrado e
transado per* camiau a 500 re, cada um, (asea-
da mu boa e eecorpad* : na ru do Queimado,
loja guia-branca n. 16. -
Novo sortimento de tipas ho
dadas em ambo os lados.
A loja d'aguia-braoca recebeu um novo e lin-
do sortimento de tira bordadas em ambos os la-
dos, e contina a vender baratamente a 1*200
cada tira, e outraa de bordsdos muito largos a
2*000, o meibor qne posslvel em tai genero,
e todas ellas, pela largura que teem, podem aer
divididas so nieio, pelo que se tornara barsllssi-
m*iV D" ru" do QuelB>*do, loja d'sguia branca
o. lo.
Gollinhas e manguitos de pu-
niros bordados.
Na toja 4a aguia-brancm vendem-* galllonba*
raaoguitoa de puohe bordado* em flna caro-
braia transparente por 29500 ludo, o que na ver-
dad barati**iao : n* roa do Queima4o, lo)*
d'aguia-braoca o. 16.
predio venda
Vende-ae a caa de deus andares e sotao, mii-
gua, do becco das Miudinhas n. 8, avallada em
2:000, a qual rende 1 112 por cenio ao met; na
ros do Trapiche n. 14, primeiro andaT, ba peuoa
autorisada pelo proprietario psra effec(ur a ven-
da da mesmo cae.
ntremelos
bordados em cambraia
transparente.
N* loja d'aguia branca se aobs um beklo sorti-
mento do ntremelos bordado em fio* esmbraia
transparente, e como do *eu coslume esti ven-
dendo biratemenla a 19200 peg do 3 rara,
tendo quaotidade bulante de cada padro, para
vestidos ; e quem tiver dtnheiro approveitar e
occasiao, e manda-loa comprar na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16.
Acaba de
chegar
ao novo artmxem
mnik reg
Na ra Nova junto a Coo-~
ceico dos Milita-
res n. 47.
Um grande variado sortimento do
roupas eitai, calcados e fasenda e todos
estes saveodem por proco muito modi-
ttcado* como 4 de seu coatume.assim como
ejam obr*casacos de superiores panno*
-i casaoos feitoe pelos ltimos figurioos a
i&t, J8, 303 a 358, paletot do* mesmo*
pannos preto a 16J. 18|, J0| e 24*,
ditos de easemira de cor meaeledo e de
novos pidre* a 14. 16, 18, 20 e 24$,
dito* saceos daa mesmaa easemira de co-
res a 9. 10}, US e a 14, dito preto pe -
la diminuto prego de 8#, 10, e 12$, ditos
j de sarja do seda a obrecsaacadoa a 15S,
i ditos de merino de cordio a l|, dito*
de merino chine* de apu rado go*lo a 15,
dito de alpaca pret* a 7, 8#, 9} o a 10,
ditoa aaceos pratoa a 4|, ditoa de pala de
eda fazenda muilo superior a 4500, (*i-
tosdebrim pardo de fustao 3 $500, 4
e a 4#500, ditos de fustoo braaco a 49, S
},grand quaotidade de calcca deceaemir* *
: preU e de cares a 7, 8|, e a 10, dita
pardas a 3 a 4, ditas de brlm de corea
Maasa2f500, 39, 3*500 a 4f, ditas de
brim braocos oas a 4J500, 5|, 5500 a
AS, dita*de brim Ion* a 5 Gf, colleles
degergurao preto ede cores a a|e a 6f,
ditoa de easemira do cor o proles a 4 J500
i a 69, ditoa defusto branco e da brim
a 3 e a SfSOO, ditoa de brim lona a 4f,
ditos de merino para luto a 49 a-49500;
calcade merino para luto a 4f500 e5|,
capas de borracha a 99. Para meninos
de todos os lmannos: calcaste caaemira
probad* cor a 5$, 6 e a 7, dita dita
da brim a 2\ 33 e-S 3$500. pile tota as-
eos de easemira.prota a 6g e a 7, dito*
de cor a 69 e a 7f, ditoa de alpaca al3,
aobrecasacos de panno preto al2Se a
14, ditoa de alpaca nreta a 59, benet
para menino de todaa a q ualidades, ca-
misas para meninos do todos os tnjannos,
meioe ricos vestido do eambraiafeitos
para meninas de 5 a 8 anoos eemeinoo
babadolio8ea 12f,dilode gorgu-
rao da cor e de laa a 59 e a 69; ditoa d
brim a39, ditos de oambraiaricamento
bordados para bapsados.o muit*,outra
fazendaa e roupaa eitas que deiism do
ser mencionadas pels sua grande quaotl-
dade; sim como receb*-** tod q*l-
quer encommenda do roupa* para te
mandar manufacturar o que para este fim
tamos am completo sortimento de faten-
daa do oslo e urna grande offieio*dal-
faiate dirigida por m hbil mestr* que
pela auapromptid eperfeicio n*d*dei-
xa desojar.
. Para a quaresma
Na ra do Queimado
f n. 10.
tt LOJA DE 4 PORTAS
aSk; DE
Ferro MaiaJ
P Vendem-se ss seguinta fazendas :
Jar Manteletes pretos bordados muito ricos.
gh Caasaa preas bordadas idem. a%
^ Ditas dita lisas.
: Sedas pretas lavradss a 19. 19*80, 29 .
Q e 21500. a
f Grosdenaple preto covado 19, 19800, 29 2
W e 29500. *B
gb Sarja preta lavrada covado 1(600 e 2jf. fifi
Dita dita lisa covado a 19500 e 19800. 2
w Csemira preta multo fina corte 5, 69, w
(i 79, 89 e 99. t$
A Panno preto a 89, 49, 59, 69, 73, 89. 99 s
|k e 109000.
W Riquiasimos cortes de seda preta borda- w
0. dos a velludo a 60, 709, 8O9 e 909. A
a**. R!quiimos cortes de grosdenaple preto
psra vestido com bsbadinhos e duss ^
saias a 45$, 509. 6O9 e 70g.
SorUmooto completo de sobreeasacos do pane* a 859, 289, 30 e 359. casaeoa muito basa
:rVa % ? I. paletou .c..codo.Pd 9.0.0 preA ? a Ai"S d".^ro,r".
de cor a 159, 18 e 20|. palalot* saccotda ptoao caaemirade 8 at 149, dito* Mecos de alpaca
mnn6s la d* I at 6. sobre do alpaca merin do 79 t 10, clcaT preU. de e.semir. d
89 5te 148, ditos de cor o* 7 at 10|, rosna paro manin da todo o tamanhos, groado *orti-
mento da roupas de bros como sejim s*lc*s, paletots o colleles, sortimento de collctoo pretos de
seUm, easemira a TeUudo de 49 9|/diUat.ar casamento a 59 o 99. paletol branco de bra-
mante a 4* 5/, calras branca muito fioaa a si|,e um gnode orliroeato de fazenda* fin 1 e mo-
derna, completo soriimenlode*WB9rai iogVoaas psra hornera, menino* o aeohora, ero*las de
lio ho ealgodao, chapees 00 ol de sed, luve.de ed de Jottvin par homem e senhors. Te-
mos urna graade laerlea de alfainte onde recebemos Mcommradaa do grande* obra qae par
isso esti sondo administrad* por um hbil mostr de *melhante arle o uro pesaocl de msis da
cincoenta obr*iroi escolbido, port*Dto execulsmos qualquer obra com promptido e man barato
do que emieutra qualquer ca.
L
Braga, Silva & C, em tiquidaco, convidara
aos seua devedores a virem saldar seas dbitos
deotro de30 das, e participara que medidas ter-
minantes serao empregsdae coutra os que nao
compsrecerem.
oia barcaca.
Vende-se ame bsresca do porte de 35 caijas,
oncalhada no estsleiro do meotre carpinteiro Ja-
cimho Elesbo, ao p da fortaleza das Cinco Pon-
tai, sonde pede ser vista e examinada pelo* pre-
tenden tea ; vade-se a praio e 1 dioheiro ; a
tratar com Maooel Al ves Guerra, o* roa do Tr*-.
Pichen. 14.
Na ra da Camboa do Carmo loja n.
12, vende-se toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti
ga, phantbasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, az-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
Agolhas inperaes.
Tcm o fundo dourado.
A loja d'aguia branca tendo em vais sempre
vender bom, msndou vir, e acabara de ebegar
aqui (pela primeira ves) aa superiore* agulha
imperiaes, como fundo dourado e mal bom fal-
tas, sendo para alfaiaUs e costureiras, e cusa
cada papel 160 rs. A agulha aasim boa anima
o adtanta a quem cose com ella, e em regra sao
mais baratea do que as outraa; quem aa com-
prar ns ra do Queimado, loja d'aguia branca n
16, dir sempre bem dellas.
Golleccoes de estampas.
Asaba do chegar a loja da aguia branca urna
pequea quaotidade de collecces de fina e
grande estampas a fumo, representando elle os
martyrios do Senhor em 14 quadros. os quaes
sao bem scerladoa para qualquer igreja ou mei-
mo casa de qaem lenha gosto de as poesuir ;
ehegou igualmente outra pequea porco das
procuradas eslampas s morte do justo e a moile
do pescador : acbam-re a venda somonte os ru*
do Queimado loja da aguia branca a. 16.
Tal bares- para crianzas.
A loj da aguia branca acaba dereeber a sea
encommenda dos preciosos Ulhares para crianzas
e os eit vendeodo a 320, 400 e 500 rs. confor -
me a superioriade delles : oa ruado Queimado
loja da aguia branca o. 16.
Vende-se um balcAo de volta de amarello,
por pouco dioheiro na padaria da ru* do Pes-
ca dore n. 1 e 3.
Vende-ae urna bonita mulata muito moca,
sabe cozinhar, eogemmar e coser : a tratar na
ra larga do Rossiio o. 18, no terceiro andar.
Vende-se dous bois gordos mansos proprio
para csrro ou csrroe* quem os pertender dirja-
se a Santo Amaro junto ao hospital ingles que
acbar com quem tratar.
Vende-se ums mulata escrava de 20 annos,
boa cozinheirs, eogommsderra e perfeita costu-
rero, com um filbode 6anuos : na ra do Quei-
mado n. 44.
Novos bonets de velludo, e
marroquim dourado.
Na loja d'aguia branca vende-se mui bonitos
bonets de velludo, e marroquim dourado, o
quaes sio agora mui oecesianos para oa meni-
nos que vao para a escola e quem os quizer com-
prar mal* baratos dirigir-se rus do Queimado
loja d'aguia branca o. 16*
As verdadeiras |>eunas ingle-
sas caligraphicas.
A loja d'aguia branca acaba de receber i soa
encommenda da* verdadeiras pennas de t^o
inglesa* caligraphicas, do* bem conbeeidos o
acreditados fabricantes Perry & C, e apegar da
(alta que novia deseas boas peonas, com lado
vendem-se pelo antigo preeo de2/000 a caixinha
da urna groza, quaotidade essa que a falaica-
daa nao irazeas. Para livrsr de engaos, as ca-
xiuhas vo msrcadaa com o rotulo quedis. Loja
d'aguia branca rna do Queimado n. 16.
Sal de Lisboa.
Vende se a bordo da barca portuguesa Espe-
taoga, asi de Lisboa limpo e redondo ; a tratar
oa ra do Trapicne n. 17.
Veade-so um terreno em Santo Amaro,
noto ao hospital ioglez, com 700 palmos de fren-
e, em muito bom astado: a tratar na ra do
Trapiche n. 44, armazem de Braga Son & C-
Novo paquete das navidades
23-Rua Direita-2a
Neste novo estsbelecimento achara o publico um grande sontimeolo tendente a nrolhados
ludo por preco mais barato do que em outra qualquer parte :
Manleig ingles* especialmente escoMrida a 800 e 960 rs. s libro.
Dita francesa a methor do mercado a 720 rs. a libra.
Queijes flemegoa->cnegaos 00 ultimo vi per a Sjco e 3S.
Chi hyioo e preto a 2 e 1*680* libra.
Vinho engarrafado dos melhores auloro a 1 e 1S200 a garrsW. 1 .
Vinho de pipa proprio* para pialo a 500 e 660 a garrafa.
Marmeiadaimperial doa nclbore alore* KlO rs. a libra.
Ameixas portuguesa a 480 rs. a librar.
Passas muito novas a 500 as* a libra. .
Latas com bolrchinha*de dirTeconloa qualidade* a lg400.
Conaervas ioglexaa s melhorea do mercado a 800 rs. o frasco.
Massa, taibarim, macanao e aietria a 440 rs, a libra.
Cerveja da* melhores marcaos 560 a garrafa. ,
Geoebra de bolianda superior 500 r. a botija.
Velas de carnauba a 440 rs. libra.
Ditas de esper mcete a 760 rs. libra.-.
Vinagre puro de Lisboa a 320rs. s garrafa.
Arroz a 100 e ISO rs. a libra.
Alpistaa 160 rs. a libra.
Toucinho de L'sboa a 360 ra, slibr.
Alm dos genero annunclados achar o publico um grande sorlimento de um lado tenden-
te a molhsdos mais barato do que em outra qualquer parte.
. o *
LVeijao.

ROUPA FUTA
Joaquim F. dos Santos.
40-Rua do Oueimado-40
Defronte do becco da Gongrega^o letreiro verde.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa falta de
lodss as qnaHdadeae tambem se manda ezecutar por medida l vontade dos fregue-
zesxiara o que tem um doa melhorea protaor*a.
Casaca* ue panno -preto a 40$,
35{ e 30*000
Sobrecasacoad dito dito a 35$ e 3OJO00
Paletots de panno preto o de co-
rea 35. 30, 25, 10|, 18 e 10*000
Ditos de easemira decoras a 22$,
15$. 12). 7*, 9*000
Dito* de alpaca preta gelia de
velludo francesa a 10*000
Ditoa de marin seiim preloa e
de corf s a 9| a 8*000
Ditos de alpaca do corea a 5* 8*500
Ditoa de alpaca preta a9*. 7*. 5* 3*500
Ditos de brim de core* a 51,
4*500,4*6. r 3#50O
.Ditos da bramante detinho b as-
co a 6*. 5| e 4*000
Ditoa de merino de cordao preto
a 15 e a>000
Calca* de easemira pret* o de co-
ros 18, 10, 9*. 7 o 6*000
Ditas de princeza e merino de
cordao preto a 5* 6*500 e 4*500
Dita de brim branca ede cores a
5. 4*500 e 8g500
Calca de ganga de corea a 3*000
Gollete de vellido preto o de co-
reiliiose bordados a 1z*,9*s 8*000
Ditoa d* caiesaira preta e d co-
res lisos bordados a 6*.
5*500,5 8|500
Ditos de selim preto
Ditos de seda e setim br.o a 6 o
Ditos de gorguro de icdi pratoa
a d cores 7, 6, 4* o
Ditos de brim e fustao branco a
3*500. 2*500 e
Ssroula da brim de linho 2# e
Ditas de algodo a 1*600 a
Camisa do peito defastao branca
ede core* a 8*400 a
Ditas de peo de linho a 5*. 4| e 3*000
Dita* de madapolao brancaa do
corea a 8*, 8*600, 8* o
Cbapaoa preto de mataa francesa
forma da ultima moda a 10a,
8*500
Ditos d feltro a 6*, 5, 4* e
Ditos de sol de sed ingleses s
francesas a 14|, 15*. 11*
Colarinhoa.de linho maito fino
novos feitio* ultima moda
Dito da algodao
Relogios do ouro ostento hori-
zontal a lOOf, 90*. 80| 70f090
Dito de prata galvanissdo pa-
tente e herizoalaes 40* SOfOOo
Obris do oaro, adereco meios
aderece, pulceira, rzalas o
aoeis a *
Toalhaa de linho duxia 10*. 6* e 91000
Dita grandes par mea ama 3* e 4*00q
5*000
5*000
5J000
3*000
2*800
isaso
a*8o*
1*600
7*000
8*000
7*000
fM|
9500
1
f
Vende-se teljao mal.linho em saceos, muito
00*0, e-por proco barato: na rna Direita o 8
m^S$ r"l8","r"-
Escravo venda.
Na ra daa Crasas n. 88, segundo andar, ven-
de-se um preto proprio para todo o aervijo, por
prreo commodo.
Na ra da Imperatriz numero 48, junto a padaria iraoceza.
o^a Ve,e 8ed* eacocezaa de bonito gosto* a 10, esmbraia lta a peca a 1*800. 81800,
39600 e Ai. corte de esmbraia brancas com barra de cor a 2*800 e 3*, ditos braocos bordsdos
39000 e 4*500, dutia de meia* pare aenhor* a 2*500. ditas Blas a 3*500 a 4*. ditas cruas para
homim a i, finas a 2*500' chaleade taritana a 640 ra., ditoa de algoiao lcozoadoa a 1|, golli
nbas muilo Boas bordadas a 40 e 800 rt.. manguitos moderaos manga balan a 800 e 1*. mangui-
tos, gollinhas e camisa te reno preto bordado a croch a 2>, ditos de idnlhos a 8*900, ricoa en-
feites para senhora 5| p 5*5*30, cintas doarados ds bonitos gestos a 81, 2*500 e 8*, chapeos en-
fetaeo. para ba plisad o a 3* e 4*. ditos da sel pata sanhora a 4* e 5*, ditos de sol para homem a
6, lencos de eassa grandes ddzla a 8*400, ditoa do cambraia bordados a 800, 840 e 800 rs., groa-
deniples preto floo a 1*900 2 o covdo, ricos manteletes preto* de grosdenaple a 80, 82* e 25*,
p*oao preto fino a 3* o 8*500 o covado, fil liso braoeo multo fino a 640 a vara, dito bordado
1*200 e outraa muita fasenda* por precos commodos, asaim como um grande sortimenlo dar
roupa* feties por pre;os que admira ; ns loja de Paredes Porto.
Dehortalitji e flores.
Vindaa pelo ultimo vapor ingles: na ros da Ca-
de! do Recite loja de Vidal & Basto*.
Aos Srs. consumi-
dores de gaz.
Noaarmazens doces do Ramos ns. 18 e 36 e
na roa. do Trapiche Novo (oo Recite) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira qualida-
de e recentemeote ebegado a 14* a lata de cinco
galloes, assim como se vendem latas de cinco
garrafas o em garrafas.
Pee hincha
Pechincha admiravel na
leja do Pavo a 10|
Vende-se petjas de bramante de nho
fmro bastante encorpado proprio lpara
enopes, toalhas, seroulas, camisas pas
1 rtotsetc etc., tendo cada peca 2, va-
rospelo b&ratissimo preco de 10$ 7 pe-
ca, e tambem se vende meia peca po-
5$ ou se i etalha a 400 rs. a vara : na
ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
zem do Pavao, de Gama & Silva.
Ri va 1
sena segundo
Na ra do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, est diapoato a vender ludo por preco que
admira, assim como sejs :
Frasco* de aguo de lavando muilo grn-
'' *. 800
Sabonetes o melhorque pode haver a 320
Ditoa grandes maito finos a 160
Frascos com rheiros muito finos s 500
Ditos ditos muito bonitos s 1*000
Garrafas de agua celeste o melhor a 1*000
Frascos com banha muito superior a 240
Ditos dita-de urco flojsima a 600
Frascos de oleo babosa com cheiro a 240
Ditos dito dito a 320
Ditos dito nito a 500
Ditos para limpar a cabrea e tirar caspaa a 720
Ditos dito philocome do verdadeiro a 900
Ditos com banha transparente a 900
Ditoa com auperior agua de colonia a 400
Dita, frascos grandes a 500
Frsscos de maca- oleo a 100
Ditos de opiata pequeos a 320 e 500
Ditos de dita grandes a 800
Tem um resto de lavando embreada a 500
Linhi branco do gaz a 10 ra., e tres por
dous, e fina a 20
Dita de cartao Pedro V, com 200 jardea a 60
Dita dito dito com 50 jardaa a 20
Carreteis de lioba com 100 jardas a 30
Duzia de meiaacrnas muito eneorpadas a 29400
Dita de ditas mnito superiores a 4*500
Dita de ditas brancaa para senhora, mui-
to finas 3*000
Vara da bico da largnra de 3 dedos s 120
Dila de franja para toalhas a 80
Groza de botos de louca branco* a 120
Duzia de pbosphoros do gaz s 240
Dita de ditos de vela mnito superiores a 240
Pecas de fita para coa de todaa as lar-
guras a 320
Carteiras com agulhas.
A leja d'aguia branca acaba da despaxhar car-
teiras com agulhas de mui boa qualidade, e ex-
cellente sortimento, e aaeata vendendo a 500 ts.
cada orna; asaim como recebeu igualmente no-
vo sortimento das agulhas imperiaes, fundo'dou-
rado, qne ceotiouam a ser vendidas a 160 rls o
papel, isso na raa do Queimado loja d'aguia
branca n. 16.
Argolas de ac para chaves
vendem-ae i 200, 240, 820. 400 e 500 rie, na ra
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Proco fino, e seda frouxa para
bordar
vende-ae na ra do Queimado loja d'aguia branca
n. 16, onde se achara completo aorlimento.
Rival
sen igual.
Com bom sortimento.
Enfeile. pretos com franja a 5*500, fivelss de
ac nraho bonitas a 19500, agulhas francesas cur-
ta e comprldas a 60 rs., carretel de lioha de
200 jardss a 60 rs., ditas de Alexanders a 80 ra.,
dita de 100 jardas de core e branca a 30 rs.,
carioca de coleheteacom doaa esrreiras a 60 rs.,
ditos de urna a 40 e 60 rs. : na roa larga do Ro-
s,rio o. 36, loja do Pedro Tino g.
LOJsWM
armazem de fazendas
DE
Santos Coelho
Una do Queimado n, 19.
Leocoe de bramante de linho a 3*.
Cobertaa do chita fina a 89.
' Ditas a preeo de I98OO.
Cambraia preta maito fina.
Colchas do foatio muito linda* a 6*.
Batetas da India da 4, 5 e 6 palmos de largo
prepriaa para torro de cama e aalaa. *
Lencoea de panno de linho fino a 2*
Algodio moostro a preeo de 600 rs. a vara.
Toalhas de linho pera mea a 4*.
Ditas de fustao para mi, cada orna 500 rs.
Baldea par menina.
Zuvas ppdmr fe* torzal
.jp^sT^iiinas-a'^ r&T q
^par.
yendert-eojuvas preta de loocaUm bom es-
tado para menina de diversos lamsnfbos a 500
rs. o par: na ra do Queimado lo** da* atuja
branca n. 16.
Agua de lavander e pomada.
Vende-se superior agua do lavander ingiera
pelo baratiatimo preco de 500 o'6*0 ra. cada fras-
eo, pomada muitissimo fina em pao grandes a
5006 '9, vende-se por to barato preco pela
grande quaotidade que ha : na ra do Queimado
na loj de miudezaa da boa fama n.' 55
Bicos de linho barato.
Vende-se bonito* bkos do linho dodous a
quatro dedos de largura fazenda muito luperior
pelo baratsimo preco da 240, 880, 400 e 480 rs.
a var*. veode-ao por tal preco pela ratio de es-
t*rem muito pouc* causa eoealdidoi, tambem ss
vendem pacas de renda lisas perfeita mente boas
com 10 vara* cada peca 720, 800 e 19. ditas
com salpico* muito booiUse divoraas largura* a
1*800, 1*600 e 2* a peca, dita de seda a 8* ca-
da urna peca : n roa do Queimado bom co-
ndecida loja de miudezaa da boa fama n. 35.
Lionas de cores em nvelos.
Vende-se linhasde corea em novelo fazenda
em perfeilissimo estado pelo baratissimo preco
de 1* a libra : na roa du Queimado loja de miu-
dezaa da boa fama n. 35.
Superior cal de Lisboa.
Tem para venrJer em porcao o a reUlho Anto-
nio Luis de Oliveira Azevedo & C-, no sen e-
criplorio ru d Cruz n. 1.
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livrame.ntu.
Caeaas franca zas de bonitos gosto* a
320 rs. o covado, luva* de trogal preta
" e d seda a 500 rs o par, chitas france-
zs largas escuras a 840 rs. o covado,
dilsa fina a 260 e 280 rs.,.BI de linho'
liso 649 r*. a vara, taristma flna de
' todas as cores a 800 rs. a' vara, lenco
branco com barra de cor a 1*<00a du-
zia e 120 rs. cada um, meias para ho-
mem a 1*100 a duzia e 180 rs. o par,
cbitaa para coberta de bonitos dese-
nos 220 rs. o covsdo, pecas de bre-
tsnha de rolo a 2*. ditas de cambraia lia
com 1|S varas a 3*. musselioa encar-
nada a 240 r*. o covado, esleinbas para
meninas de escola a 1* o par, peitos
para camisa braocos e de cotes a 200
rs., pecas de cambrai* brinca de salpi-
co a 3*500, algodio enfestado o melher
a 700 rs. vara, dito branco para toa-
Ibas a If a vara, enTeite* do mais mo-
dernos a sribaldi a 6*. loja esti a ber-
ta at aa 9 hora* da ooite.
Escravos fngioofc.
Escravo fgido.
50^000.
Esti fgido desde 16 de fevereiro prezimo pss-
sado o preto Joo que trabalhou com Joaquim
Luiz dos Santos Villa verde, na padaria da ra
Imperial n. 199, e ltimamente eslava na padaria
junto a caiza o'agoa com o Sr. Miguel Jos Tei-
xiira d'onde se ausentou, tem oe seguioles sig-
Mssj : corpo ealtura regulares, maos eps gran-
des, costuma andar de barba grande inclusive bi-
gotfe, tem andar ging*dor, e *s vezes anda do
paletot ordinario e calcado ; recomraenda-se sos
seobores da polieia e aos capit&es decampo que
o pegar, levem-o ao largo do Carmo ao abaiso
assigosdo, ou a fabrica do sabio, que sei amti-
flesdo com 50. *
Narciso Jos da Costa Pereira.
Auzentou-se no dia 23 do correte urna es-
crsva de nome Josepha, levoo vestido de chita
encarnado paooo da costi, representa ter 40 an-
nos bem preta nariz fioo e qoeizo, s lem um
denle na frente e lem o rejeito cimo do* calca-
nharea, foveiro, desconfia-se ter fgido para a
banda de Paoellaa por ter viodo deste logar para
aer vendida nest* cidsde, pede-se aa autoridades
ou a quem a pegar leva-la a sea seohor na ros
do Impersder n. 69 ou no pateo do Carmo n. 22.
Fogio a 12 da mez passsdo urna escrava
do poder de soa senhora Aona Joaquina de Fi-
guetredo, por nome Antonia crionla idade 20
annos, de bo* altura seca do carpo tem marcas
de bexigss no rosto e o bra^o direito mais fino
do que o esquerdo, sabio cnchales azul escuro
de mirin e cottnm* tragar o chale* a direita
por causa do braco, tsm sido encontrad* algunas
veze n* ru* quem a pegu leve-a na ra da Glo-
ria o. 50 que seri raeompeuado.
Fugio da Estrada Nova, onde pernoitsva,
indo para o eogeoho Tres Alsgoas, no Crato do
Bom Jardim, o muate escravo dos signaes se-
guioles : cabello carapinho, altara regalar, chefo
do corpo, pernaa grossas, cara larga, olhos papa-
dos, deoles limados, falla ronca e grosaa, pouca
barba, espionas no rosto, cicalrizes nss nadegss,
idade 20 para 22 annos : quem o apprehender,
ser generosamente recompensado, levando all
ao Sr. Joaquim Travaaaoa Ssrinbo, oa nesta pra-
ca a Andrade A Bego, ra do Crespo o. 8.
Fugio do abaixo assigosdo dous escravos.
um no da 10 de fevereiro prximo paseado, e ou
tro no dis 17 de fevereiro prximo passsdo de
62, ambos irmo : o 1.* Luiz, cabra, de idade 2T
annos, boa sitara, cem baria, olhos abotoados e
grandes, um pouco amarello, que eslava em re-
medio, e tem o dedo da mao direita junto eo po-
legal aleijado por ter meltido em urna roda de
mandioca ; o 2. chanta *e Jo, criolo, ida-
de 82 snnos, sem barba, testa grande, boa altura,
um pouco secco, muilo prosista, a quando est
em p direilo musir ter as barrigas ds* pernas
cabidas para Iraz, tem marcaa de relho na na-
degaa de urna fgida que fez para Cruangi, e des-
confia-se que elle fosse para Goianna cm des-
lino de assentar praca, e por isso peco a qual-
quer capitio de campo que o prender, de o coo-
dazir a seu seohor no engeuho Serr Grande, dis-
trido de Alagda Grande, termo da cidade de A-
reis, que psga-selOO* por cada um.
Antonio Galdino Alvares Nabuco.
Fugio de bordo do patacho nsciooal Espa-
darte o escravo de nome Francisco, sfricaoo, de
46 annos de idade, estatura regular, cor preta e
nariz chato. Como drsronbece a trra, cre-se
nao ter sabido da cidade oa leu* arrahaldes:
rofta-se, pois, a qaem delle soober, qseira arre-
sen ia-lo ou dar noticias-: na rao da Cruz n. 3,
eacriptorio de Amorlm Irmos, qne seri recom-
pensado.
Ausentou-se da casa do abaixo assigna'lo
no ssbbado 8 do correte, o aeu escravo de nome
Fernando, cor esbra fula, altara regular e corpo
reforcado, seodo o dito escravo canoeiro ds fa-
brica do Mooteiro, consta que as vosea anda nn
Campo Verde onde tem coobeeimeotos, tendo
por costume tocar rabees e viola : roga-se por-
tento as autoridades policiaea e capites de cam -
po a sua aprehenco, levando-o a ras do Apollo
n. 6, deposito da fabrica do Mooteiro.
Jos Guilherme Guimaries.
Fugio no dia 20 do correte de bordo do
patacho Capuam, o escravo crioalo mariohei-
ro de noma Antonio', idade 19 annoa pouco mais
oa menos, altura regular, rosto comprldo e com
siguas signaes de bexigas, levou caiga e camisa
azul : quem o pegar leve-o ao eacriptorio de
Antonio Luiz de Otiveira Asevedo V C. rna da
Cruz n. 1, oa a bordo do dito patacho que ser
generosamente recompensado.
Fugio no di* 16 do correle, da cas* de seu
senhor, o escravo de nome Liorentino, crioulo,
de idade de 24 aooo*, pouco msis ou menos, com
os sigues aeguintea : alto, chelo do corpo, pica-
do de bexigas, sem barba, rosto redondo, tem
falts de denles na frente, (alta gago, tem no la-
gar daa canellaa da poma oa poooo grossss,
laven camisa de riseado de algodao americano,
calca do meamo algodio azul, ji foi vteio com
roupa branca troita cidade, procurando qaem Ihe
deseo ama caria en nomo do seobor para poder
ssbir psra fora da praca a titule de procurar se-
nhor, filbo de Nazsrelh, seu officio pedeiro :
roga-se, portelo, a todua s autoridades poli -
ciaes que o prendsm e o mandem levar i pada-
ria do pateo de Santa Crua n. 6; ou capitiea de
ampo, ou qualquer peesoa que o levan Jo aa dito
aeu aenhor ser bem recompensado.
1008000
D-se a gratificado de 100* a quemoeger o
eacraro Hanoal conhecido por Hinoel Francisco
cujo eacravo do abaixo arsignado, lem os sig-
ues seguioles: edr mulato, estilar* regular, ca-
bellos caripinhos, os dous denles de cima da
frente grandes, rosto comprido, quando anda
muilo espigado, maito desembsracado no fallar,
bim feilo de ps e mios, diz que cose soffrivel
de alfaiaiv, asta eicravo foi do finado tenante-
coronel Bernardo Antonio de Miranda senbor do
engenho do Bru>n, oo Cixaogi sonde foi nasci-
do e criado e muilo conhecido naquelle lugar,
tendo sido vendilo pelo Sr. Di, Graciano de Pau-
la BapUata no dia 22 de fevereiro prximo pas-
ssdo e fugio no dia 16 do meamo mez, este es-
cravo ji eateve fgido quando era do Sr. B*ptis-
U, para a* banda* da cidade deOHnds ou Baheo
ribo e vinba vender carvio nesta cidsde tanto
que foi pegado na ra da Guia com ama cargo
de carvio. muito de suppor qne leona modad-
o nome e que se intitule de forro : raga se sa
autoridades policiaes e cipil&e* d*>caa*P* 8 *P-
Srehenso do dito escravo, assim i se graU-
ca com a qiaotia cima a que l*W*s01r ou
demolida certa aoode est assim como desde ji
se prtesis contra quem quer qae o tenha acon-
tado.
Albino di Silva Leal.
A




Literatura. T?>
lkitaco que (re como reeposla que o governo
deJ*?'. iflPw,il' ftloha sido moMa.tf tal
Patente dea, portaoto que Ul cassaco do exe-
qutur nanea ao othos do goveroo imperial,
fulmiind., tre por Andamento aomif?* pro-
fedimeiilo repreh.osirei. O toUor;sisp6 j das
pec,as do procesio, e poderfi julgsr se ellas a>c
taro a probidad jtxj ancciooa'rlo,' Ol se antea a
redacgao da locrirnitaili oota nao Bere ser con-
siderada, nomo documento dos consiente desatas
de evitar qoe/aisdlts porlugueies desimlufir
a qualquer desharraooia, pugnando respeitosa-
ente ao-mesow tempo pe
eiposco dos motivos que uvera para escrever Afia d demonstrar, purm, a diaposico' -
a nota de 34 do abril, e enderegou-a' ProPr' g?erno brasileiro oos rerios ministerio
" >
Er,boce Bisfraiuic de Js Bautista
Mtreira, baro de Itreira. coisui
geral de Portal*]. Ho de 4i-
neirt.
(Conlinuacao do o. 68.)
Espaciado pelo rigor do procedu;eiUo, tm ap-
pareocia provenirte de um passo e.m q>ie julg-
ra, so contraria, ser agradavel ao governo bra-
sileiro e til aos seus concidados, rigor talvez
em realidedeosseido de iuexactas iuyruiacjes de!" u.ua,4"" aesnarroonia, pugnando reapeiiosa
cstraiigeiros, redig'u o cnsul geral urna miada |meole 8<> mesmo te copo pelo bom oome da naco
eXOOSiciO dOS IllUlIVoS HI1P livor. >. .,. 1 AGm da dmnatrr n,irom 1 i rwii/-.i (Jo
-r .----.- -- > omii, e enaerecou-a '": "'" >>
ao miuistro residente de S. M. F., enlo recera- 1ue haviem precedio .
ebegadu, Joaquioi Cerar de Figam e Mouro ftt 00r,r P,rt com o commendador Moreirs,
ao que assim utgra de
diremos que, todos os ministros e secretarios de
estado dos negocios estrsogeiros no Brasil, que
Sollicitou o referido ministro residente do go- i oo oos negocios estrsogeiros no Brasil, que
remo imperial eiplicecoes por escriplo dss cau- j er?"o durante o lempo em que este caralheiro
sas que o hara* levado a proceder com.sera- 8erIu.n legacao, foram unnimes em attestar com
ndade contra o commendador Mor.-ir (52), sol- ""1 "'henlico tealaraunho a estima e coasi-
te\\ r__.___a deraCSO Oue este dinlnm.la mprerAr/i aamnra an
(52),
{51) Eiplicagu tfa Joo Baptista Moreira, dos
motivos que tere para fazer publicar a nota que
d erario
goreroo
(Tambera ter el_le_ observado, com profundo
que este diolmata merecer sempreao
brasileiro-(54). fc
dea cauta a retirar-lhe o governo imperial o ('rabera ter elle al
Exequturda sua patente de cnsul geral wa,in*0l0 4 gralidao e respeuo, quenuatcaji
de Portugal. msliae retietiram faeto
de Portugal.
Illm. e Exm. Sr.Sorprendido complelameote
ao receber a participacio que m fizera o Sr. con-
elhelro Candido Baptista de Oliveira, ministro e
rio de estajo dos negocios estrsogeiros.
rt -* me participar que, avultandoalguas subditos por-
~.w f.u...viKi 4U-?, aiuiiauuoaiKuus SU03UOS por- ioergao e esiima. a. S tic. o Sr. cooselhei-
tuguezes oas reunies populares que appareciam ro C indi lo Baptista do Oliveira./oaauim Ctsar
em alguna sitios, cumpria que eu pela mioba de Figanire e Mouro.
e todos os meios nara o* di.i. (53^ Resposta do ministro Candido Baptista de
parte empregasse todos os meios para os dissua-
Cir de um compromeltimento que to fuaestolhes
podena ser. Anda que eu eoleodia mu prova-
velmente teriam sido exageradas as uormacoes
dadas a S. Exc. o Sr. ministro e secretario de es-
tado dos negocios estraogeiros, nao deiiei cora-
judo de apreciar em extremo as maneiras conci-
liatorias por aa quaes S. Exc. pretenda antes
prevenir os excessos, do que ter de castigar os
culpados, como egaalmeute de agradecer a mul-
ta urbanidaJe com a qual havia sido tratado ; e
nesse sentido empregaodo eu todos os meuscui-
dados e desvelos em cooperar da mioba parte pa-
ra o desvaneciinento de qualquer arguijo que
podesse ser feila a Portuguezes.enlendi que, nao
podendo lalve chegar a toda parte a minhas ad-
moeataces, mormeole no estado afB'.ciivo em
que me achava, alguma cousa rasis cumpria que
fsse teito, para previoir os iocaatos e advertir
os lludidos (se alguna houvesse ) oo sentido de
uesvanecer qualquer arguicao.
O excelso doowu zelo pelo bem-estar de meus
patricios rae levou a pensar qut, respondan Jo
eu a S. Exc. o Sr ministro des negocios eslrao-
giros naauelU sentido, eu o qual liz dirigir a
nota de U de abril e pblic.nio-a, depois de Ih'a
naver diugido, (azis um duplicado servico sos
meus compatriotas, asaim em Ibes fazer vero
conceito em que os tinha, e por o qual me havii
jurado seu defensor perante as autoridades do
pau em que reidiam, como em compromelti-
mento Por a palavra que eu em sau noiue havis
flado, de que por nenhum modo se envolveriam
em as quesles que lhes nao diziam respeito, fa-
zsndo-lfaes sentir e apreciar a grandeza do seu
compromeltimento, pela altura da fioeza que ha-
v.im recebido da parte do Sr. ministro e secreta-
rio de estajo dos negocios estraogeiros, que nao
fluvidava prescindir de toda a etiqueta, somente
pira torrar ao desgosio de empregar man ao-. tanterneote a eslirna e cooaideracaa
VGf fl anmnoal p.\ J M.irMA .- i,;, ui _..__..- ,.-^
-------------------O-------- 'w v-i*#Kivftli, SMW47 O-
veras admoeataQOtfS, como as leis Ih'o permittiam
para com aquells que desconhecessem a com-
pleta oeutralidade que deviam guardar, em urna
questo que Ibes nao diza respeito, e acerca da
qual linham por dever o calar mesmo qualquer
expressao que podesse dar a suspeilar que elles
nao saLuam guardar a indilerenca que sobre taes
assumptos lhes pertence observar. E para que
em todo o eitio nao podesse o apparato das pa-
tavras enastar osiocauloa, empreguei as expres-
S oueadida; porque, sendo a oceurreocia, que
se prelendia acalmar, assim denominada pela el
fervescencia dos desvairados, nao desejsva eu
que a pretextos especiosos ae preterissem as mi-
aas admoestaces por patarras seductoras, que-
rendo em todo o caso fazer-ihea sentir que, qual-
quer que fosse a linguagem, ainda mesmo a da
oacionalidade offendida, com a qual os prelen-
flessam acariciar, nunca per qualquer pretexto
oevenam elles deslisar-se de urna conducta obe-
diente s leis do palz, e zelosa observadora da
oeutralidade, em quesles a que deviam
celos.
;^kv"^^^
que me levaram a proceder pelo modo que deixo
relatado, protesto a V. Exc. que hei sido leal i
raiona coosciencia e verdade ; porque nem dos
precedentes de mioba vida publica, nem de qual-
quer oulra parto se podem tirar motivos para
acreditar que minhas iolenges podessemser por
qualquer msoeira hosiis, ou ao respeito e coosi-
deraeso pessoal do Exm. Sr. conselbeiro Candido
Baptista de Oliveira, ou dignidade, quer do go-
verno quer dos subditos de S. M. o imperador do
Brasil. Enesla miaba pura e sincera confisso
que eu fundamento a justifa com que veoho re-
correr a V. Ex. para que, inlerpondo a efficscia
de seus bons ofljcios no concert de urna dalla
vel, pelo Dio conhecimento dos motivos o
ocessionaram, obleado do governo imperial a re
paraco do mal que se causara, oulorgando-se
me de oovameole o Exequtur da palele de cou
tul geral de S. Al. P. ueata curte.
Deus guarde i V. Exc. Rio de Janeiro, 3
de
- anlogos, .tapuis que S.
M. u Sr. D. Pedro II. chega-lo maiortdade, go-
vernou por si mesmo.)
Cassou, pois, pelos motivos expostoi o eterci-
co das func fina I n i tu a mib^... .^_k..^ ii ..
suereisno de estajo dos negocios estraogeiros, u" l"?:i;oas coosuiares neste imperio, sam
doste imperio, de ser incompativel com a digai- Ia*. 'O"".** governo portuguez 11,e retlrassej-
dada do governo imperial a continuago de mi- mM* 8_eu llt'1,0 9 8 reiteragie das provas de $9*
ribas relaedes diplomticas, e de, por cre mofiro, C0B
naver-se feto cessar o Exequtur da miaba pa- tt'
tenle de cnsul geral neale imperio, declaro a V. .
Exc. que por multo tempo nao puta atinar com a JJ|n"
causa que podesse ter dado lugar a urna tan se-
vera demoostracao. da parte de um governo que
eu tanto havia sabido acatar em todas as occa-
siobs ; to (arta era a convierto, em que eu ha-
ra permaoecido al entao, de em Dada haver
faltado as eooveoieocias devidas ao governo de
tima naco to amiga, como respeitada I I O tem-
xio, porera, que dra espago aos diversos modos
de loterpretir o meu procedimento, mui differto-
lemente das minhas intences, veio revelar-me
e^uillo de que eu sempre estivera alheio ; e a
succinia, mas fiel norragao das causas que me
determinaram era aquello procedimento tao es-
traaha Jo, amostrar V. Exc. a pureza de minhas
ltencoes. o nenhum conhecimento do mal que
me imputado, e meaos ainda qualquer inlen-
fio de o praiicar. Atormentado com dores
cruelissimas, jazia eu em a minha casa do Clle-
le, desde muitoa dtas autes, sem potar compa-
recer no esenptorio da legaco e consulado, quao
do comegaram os disturbios que derradeiramente
se presenciarais nesta cidale ; e cea a pouca al-
tencao que poda prestar s pessoas que por me
risitarem coocorriam raiaha casa, jazia eu qua-
si na completa ignoraacia de tuJo quanto se pas- O abiix assiguado, miislro resideale da S.
sava^quanlo succedeu que o Sr. mioisiro dos oe- M. fUelisima, ronova por esta occasLao ao Exm.
gocios estraogeiros, desla imperio, por excesso ministro e secretario de esta lo dos negocios es-
e sua boodade, viesse minha residencia, para Irangeiros os protestes de aua mais perfeita coo-
(Qe Particioar aue. avullaniln Isiin* auhrlitna nnr. lidenrin a aiiim. __k C r. c. _____ii_ -
Resolveu, portanto, reg essar sua patria eob
"o a cajapecliva licenca do sau governo. Dese-
jdo 01 aublitos portuguezes dar-lhe um teste-
munho irrecusavcl da alta coosideragio, e at da
gralidao, quena qualidada de ciJaJos lhe de-
viam, diiigiram ao nobre cou-ul geral e ex ea-
curegado de negocios ura eloqueole vol de agr-
deciaeoto, tanto mis significativo, quanto nem
sequer elle exercia parcella alguma de poder.
Nesse agraJeclmento, apreseniado aos 2 de agos-
to de 1839. se exilia a aftaiclo de todos os Por-
tuguezes para com o homem que nos dias mais
dillkeis hiviaas encontrada sempre sua Tente.
Ah se pinta, a efficscia de eu desvelos e a
afijbilidade de'suas man-iras no prompto desem-
penho Jos mais arduos Iraballios. Ahi se formara
votos para jue, a juslija que presidia aos coose-
Ihos da soberana Iho dsse a reparacio que Ibe
era devida, galarioando-o a regia munificencia
pelos valiosos servaos que a lodos os Portugue-
zes havia prestado no vxerciciode sois fuocedes
quer diplomticas, quer consulares (55).
rainha fidelsima das causas que possam ter mo-
vido o de S. M. o imperador a proceder COm a
severidade referida contra o commendador Mo-
reir, na duplicad* qualidada de encarregado de
negocios e cnsul geral.
0 abiixi assiguado. ministro resideale da
sideracao e estima.A. S Exc. o Sr. conselhei-
do ministro
Oliveira. de que nenhum motivo houve, alm
da publicado daquella nota.
O abaixo assignado, do conseibo de S. M. o
imperalor, ministro a secretario de estado dos
negocios estraogeiros, tenda a honrs de oceusar
a retepgo da ola qu-i lhe dirigiu, era data de 2
do coirente, o Sr. Joaquim C-sir de Figanjre e
Mouro, ministro residente de S. M. Glelissima,
pediudo explicaces relativas ao procedimento
que o governo imperial iwera com o Sr. Joe
Baptista Moreira, julga nao poder saliafazer rae-
Ibor sos desejos que mamfesla o Sr Figanire
do que remetiendo lhe oor c^ia, lano a nota
que dirigi em data de 24 Je abril Codo, o dito
Sr. Mor6ira, como a que lhe passou o abiixo as-
signado em 16 dii mesmo me/. O abaixo esaig-
nado renova ao Sr. Figauire os protestos uesua
perleita eatima e disela considerado.
Joo1"0'0 <,,' Rip de JQairu. en 4 de maio de
1839.Candido Baptista de Oliveira.
(54) Atlestados dos ministros e secretsrios de es-
lado dos negocios estraogeiros, que serviram
durante o tempo que J. B. Moreira fot encar-
regado de negocios,
Antonio Paulino Limpo de Abreu, eavalleiro
professo.oa orJem de Christo, desembargKor da
relami do Rio de Janeiro. -
Atiesto que em iodo o tempo que dirig, como
mioisiro e secretario de oslado, a reparliQo dos
negocios estraogeiros, o governo do Brasil nao
leve o mais leve moitvo de desconledfamenlo do
Illm. Sr. commeadador Joo Baplisla Moreira,
ou fosse na qualidade de cnsul geral da naco
portugueza, ou na qualidade de encarregado de
negocios; antes, pela prudencia e circomspec-
Cio, com que exerceu as func^es daquelles car-
gos, sem fallar energa, cora que Itie cumpria
desempenhar os seus deveres, mereceu coos-
do mesmo
governo.
E por ser lulo isto verdade, e querer dar ao
dilo senhof um lestemunho do couceito e apreso
era que sempre o Uve, passei a presente, feita e
assignada de minlii letra e firma.
Rio de Janeiro, om 4 de abril de 1839. An-
tonio Paulino Limpo de A&reit.
Gustavo Adolpho oe Agular Pantoja, eavalleiro
das ordena de Christo e do Cruzeiro, desem-
bsrgador da relagao do Rio de Jmeiro, etc.
Atiesto que, durante o tempo em que serv de
rnioistro e secretario de Pstido dos negocios da
justiga, e.interinamente de impecio u'eaHraagei-
ros, nunca foi dirigida ao gbveruo imperial qnei-
xa ou representagao alguma contra o Illm. Sr.
commendaiar Joo Baptista Moreira, cnsul ge-
ral o eoesrregado de negocias de S0 M. fi lelissi-
ma. Pelo contrario, o Sr: Joao baptista Morei-
ra, em razo do seu excedente comportamenlo,
merecen sempre a mais distiocta considerado
do governo imperial, como om diplmala que
sabis eminentemente conciliar a urbanidade.e
ser alteogo devidas ao governo, juoto ao qual es-
lava acreditado, com os importantes deveres que
o servico e coofiaoca de sua au-
lelligeoci. nucid, de urna^su.eptibilidade razo." T- esUlDflr8- 0i0 recbeu <"?">> e S.
re, pelo nao couheciraeoto So. n. ""'. "?.,mpe".,lor 51WM ou ^Pr?*ent.Q_.o alg.ma
gusta soberana. E,aprovelto esta "occasio para
testemunhar solemnemente aoSr. J. B. Moreira
a minha particular estima, como urna divida al-
tamente reclamada pelo seu mrito.
E por ser pedida a presente attestacao, a pas-
sei, firmando-a com o meu oome, e com o sel-
lo das miohas armas. Rio de Janeiro, 45 de fe-
vereiro de 1839. Gustauo Adolpho dAguiar
Pantoja.
Francisco G Acajaba de Montezuma, dignitado
da imperial ordem doCrureirb, etc., etc.
Atiesto que, durante o lempo que serv de mi-
oisiro e secretario de estado dos negocios da jus-
ticia e estraogeiros, nao reesbeu o governo de S.
contra o Illm. Sr. commendador Joo Baptista
Moreira, ancarregado de negocios de S. M. fi
deliaaims, e seu cnsul geral neatt corle ; antes
em repelidas occasioes recooheceu o governo o
Ilustrado zelo e prudencia com que este digno
merabro do corpo diplomtico e consular procu-
rara sempre mantera melborintelligenciae har-
mona em suss relaroes com o mesmo governo
pelo que sempre Iba merecer muita estima
consderacao, lisungeaodo seo abaixo assignado
de deparar esta occasio para dar -ao Illu. Sr.
commendador Baptista Moreira mais um leste-
munho aulhentico dessa estima e ooosideraco.
E por me ser pedido, passei o prsenle Rio de
Janeiro, 23 de Janeiro de 1839. Francisco G
maio de 1839.Illm. e Exm. Sr. Joaquim' Cesar
(5SJ Nota do mioisiro residente de Porlugal pe
diodo explicagoea do procedimento do gover-
no imperial.
Legaco portugueza no Rio de Janeiro, em 2
de maio d 18'vi
0 abaixo assignado. do coaselho de S M fide 'iT"0k ^ 29 IT
lissima, e seu ministro junto ao s lLo impe-' *"-6fl-* MoUta:
rado, referindo-se communicajao verbal que
S. Exc. o Sr. conselbeiro Candido Baptista de 0-
liveira, rnioistro e sstretario de estado dos ne-
gocios estraogeiros, foi servido fazar-se era 27
do mez de abril prximo .passado, cerca da no-
ta que se expedlu ac commendador Joo Baptis-
ta Morelra,_annunciando-lne a termioaQio de
suss fuocedes diplomticas, junto do governo
imperial, ede se haver cassadoo Exequtur que
se lhe coacedera como cnsul geral de Portugal
nesia corte ; o que foi tambem publicado ofli-
aalmente por copia nos peridicos dests capi
tal, assim como a participado desle fado, por
circular ao corpo diplomtico ; ao pssso que re-
conhece, pala propria declaraco, e pela atten-
Cioss rrcepcao que no seu carcter de mioisiro
de Portugal, o abaixo assignado recebeu de S.
Exc que nao era da mente do governo impe-
rial, no passo que acabav. de tomar, ofTender o
de S. M. delissima ; comtudo, ao ministro da
mean* augusta senhora cumpre, em desempo-
nho do seo d.vtr, pedir a S. Exc. ;o Sr. conae-
Iheiro Candido Baptista de Oliveira a explica-
?oes que o caso requer, afina do abaixo assigna-
do se habilitar a dar coala cabal ao governo da
*'** y w*>i* nao ojviiit.u'iiu.
Antonio Peregrino Miciel Montairo, do couselho
de S. M. I., ofcul da ordem do Cruzei-
ro, etc., etc.
Atiesto qu#, durante o periodo em que exerci
ai func(des de rnioistro e secretario de estado dos
negocios eatraogeiros, nao tere o governo de S.
U. o imperador motivo algum de quelxa ou des.
coufiauga do Illm. Sr. commendador Joo Bap-
tista lloreira, cnsul geral e encarregado de ne-
gocios de S. si. fidelissima ; muito pelo contra-
rio, sempre se applaudis d^s formas civis e con-
ciliadoras, de que sempre revesti os assumptos
que houve de tratar o mesmo Sr. commendador
com o gabinete a que pertenci ; coolribuindo,
quanto coube aaji.ua algada, para amaoutenjao
eenrobuslecioaH a das relaces amigareis, sut>-
sisteotes enlfjjj Blnus governos.
E por ser P, e querer dar ao referido
senhor om documento da considerado e da es-
tima que sempre Iba nei pateoleado, lhe passei
o prsenle, em que me assigao. Rio de Janeiro,
12 de setembro de 1841. Antonio Peregrino
Maciel ilonttiro.
(55) Eis o voto de agradecimento.:
Illm. Sr. Os subditos de S. M. a raiaha de
Pertugal, que ora resides) cesta crte-do impetl
,^!lB0'f',r,t?*Wmtma Pe MaT-
tes no Rio de Janeiro por auactnacem
rea por que considuiM
lado o seu jMte^)||B. ttaltM
*W9f Py' f" f'Europe, um euv
-^JlPyv^" P"fe umi riufcommenda
of| LlXiy' *w,butM, dizeodo-lhe
IWCideza que. aasim como o decralo
quarrWi confenu lhe (aria sempre lembrar osdis-
tioctos servicos qua pretiera i causa da liberdade
nacional, oaquettoa lempos mmguados da lealda-
de portugueza, assim Um vivarla esta insignia a
idea da gralidao dos Portugueses no Rio de Ja-
neiro (56).
Relirou-e a 7 de outubro de 1839 para Portu*
gal, onde o governo, os seus companheiros da
trabalhoi e aarrijos, corporales as mais raspel-
Ureu e particulares, tudo o acolheu com bracos
abarloa como a um benemrito.
Logo depois da sua chegada, a diroeco da A-
aoctarjao Comtnercial do Porto eleroe ao throno
de M. F., no Io de maio de 1840. urna respei-
tosa aupplica, declarando que ella proceda como
orgaudos saotimentos dos negociantes d'aquella
praca; rememorando os valioaoa servicos pres-
tido! pelo contul geral a todos os Portuguezes. e
mu particularmente ao commereja d'aquella pra-
ca e do Reioo; representando a coadjuvago que
delta continuavam a eaperar para suas justas re-
clama;des a expoodo os desejos de o>erem res-
liturdo gerencia do seu cargo (57).
Em seguida e no da z de maio do mesmo au-
no, a AsociacSa Mercantil Lisbonense, pela ros
de sua direccao, como orgio de sana associados
que consumaos a praca da Liboa. sollicitou
do Brasil, dalejam expraasar V. s. ua se un caen-
tos Je gralidao qae os anima por a efllcaz coad-
juvagao, que sess'pre encontraram aa expedicio
de seus negocios, oa^stea correase pela tepsr-
U?ao do consulado geral, ou elle psrteucesaem
secretaria da legaco no tempo em que V. S. te-
re a seu csrgo o expediente de qualquer d'aquel-
I?,cralD0, ao8erT5 nacional. Os ttulos com que
V. S. soubera ganhar a affetco de seus compatrio-
tas naquellea lempos difficeis, nos quaes o noma
7 Portuguezera um opprobrio, e sua liber-
dade um problema, jamis podero ser riseados
da mamona daquelles que viram, oo que senti-
ram a eficacia da aeus desvelos, a a aTabilidaJe
de suas maneraa no prompto desempeoho dos
ais arduos trabalhos, que eolio sa lhe suscita-
ram por a crise dos temos. Sua gratido assim
adqitenda custa de tanfbs sieriflcios, em couss
alguma tem desmerecido st o presente ; a a coo-
vicc.o que o de ve acompanhar de que a saulade
qaa deixa aos Portuguezes estantes neata parle da
America, uascida do coragaorque ro dos la
Dios, servir para suarUaram granle parta as
mortificaedes que o leram a sepsrar-sa de nos, e
que por mal merecidas se esperara vencidas.
Possa a justica que preside aos coaseibos de
nossa augusta soberana, dar V. S. a reparacSo
que Itie devida, o sua munificencia g.lardoa-lo
pelo valiosos aervi5oe que a lodos os Portuguexes
ha prestado no exeretcio de sua fuucces quer
aiolomalica, quer consulares.
Rio de Jaoiro, 2 de agosto de 1839.
Illm. Sr. commendador Joo Baptista Moreira
cnsul geral de Porluajal no Ro da Janeiro.
Joao Ventura Rodrigues.
Or. Antonio Jos Coelho Louzada.
Antonio Ferreira de Noronha Feital.
O conselbeiro Joao Fernandas Tavaras
Dr. Antonio Soares Cardozo Cuetes.
Dr. Joo Joaquim Pestaa.
Or. Francisco Antonio Barroso.
Commendador Antonio Jos Pudross.
Joaquim Pereira de Paria.
Minoel Pedro de Alcntara Ferreira eCosta.
Commendador Joo Bonifacio AlvesdaSilva
Luiz Querial Mural.
Joaquim Eleuterio Mooteiro.
Maooel Mooteiro Alrareoga.
Joo Antonio Barroso.
Joo Cardia da Fonsecs.
Ixoacio Antonio Pereira.
Francisco dos Santos Tarares.
Joaquim Jos Cortea.
E mais 138 assignatura, todas reconhecidas pelo
tabelliao Joaquim Jos de Castro, e a deste reco-
nhecida pelo vice-coosul Jos Marcellino da Ro-
cha Cabral.
(56) Era assim que aquellos cavalheiros se ex-
primiera quando lhe ofterlavam a refsrida com-
menda :
Illm. Sr.Os Portuguezes abaixo assigoados.e
residenles nesla cdrle do Rio da Janeiro, deso-
jando mostrar sua gratido por o betu, que V. S.
soubera desempenhar as fuoccoes, de que fdra
encarregado por o governo de S M. F., tanto na
qualidade de seu encarregado de negocios junio
ao governo de S. M. o Imperador do Brasil, como
as do consulado geral, loraam a liberdsde de of-
lertar-lhe a commenda da orden de Nomo Senhor
Jess Christo em brilhantes, que lhe ser apre-
sentada poi a peasoa que par este iim (em as-
colhdo.
Assim como a merc da orden que S. M. bou-
ve por bem conferirlhe, far lembrar V. S os
disliuctos servicos, que prestara ceusa da li-
berdade nacional, naqaelles lempos minguado
da leaidarid portugueza, aasim a insignia que ora
e lhe olferla, far-lhe-ha recordar a gratido
daquelles a quem, por sua prompdo. e boa
vontade no expediente dos negocios do seu cargo
soube captar as sjrmpathias, e fazer despertar
saudade de quem por tantos lempos e airares de
tantas criaes. soubera fazer reapeitar em todas al
las nacionahdade de aeus compatriotas
Sirva esta lembranse, to sngala como espon-
tanea, de mostrara quem o inquirir, que os Por-
tuguezes residentes nesta corle nao costumam
descoohecer em nenhum tempo os servicos
daquelles que, como V. S., sabem conciliar os de
veres do emprego que exercita com a affabilidade
e desinteresse que a todos sao notorios.
E possam as demonstrarles geraes que sempre
recebe. daquelles que lhe foram subordioadoa
oesmeotir aiuvejs dos mulos, a supplaotar a in-
Irfga de quantos lhe malquerem, porque soube a
mu grado dos estraohos propugnar pela honra o
dignidade nacional.
Rio de Janeiro, 16 de agosto de 1839.
Illm. Sr. commendador Joao Baptista Moreira
cnsul geral de Portugal no Rio da Janeiro.
Joo Ventura Rodriga*.
Dr. Antonio Jos Coelho LouzaJa.
Antonio Ferreira de Noronha Feital.
Antonio Jos Pe ross.
O conselbeiro Joio Paroandes Tarar.
Heurlque Doarte Rodrigue.
Joo Joaquim Pestaa, e mais 53 assi'gna-
tutas reconhecidas todas pelo tabellio.publico
deaia eftrte Joaquim Jos de Castro, e a deste
peto rice-couul Jos Mareellino da Rocha Ca-
bral.
(57) Senhora !-A direccao da Auociaco Com-
marcial do Porto, orgo dosaeotimentos dos ne-
gociantes desta praca, rem respeilosaraente aos
ps do throno de roesa tnagestsde expflr os seus
desejos de rer restituidos ao consulado geral de
Portugal no Rio de Janeiro, o actual cnsul g*-
ral J.,o Baptista Moreira. Os valiosos serricos
prestados polo dito consol em geral a lodoa os
subditos de rossa magestade, e mui particular-
mente aos commerciaoles desta praca serricos
que mereceram a especial consderacao ) augus-
to pae de vosa, magestade, de saudosa memoria,
e tambem os felos desda enlo, cm todas as oc-
casioes ao commercio portuguez, e a proteccao
que este tem echado quando tem recorrido sua
aaaistencta, abonara sufficieotemente a conftanca
com que a dirccjo ousa pedir a sua comer-
vaaoa
Alera disto, o dito Joo Baptists Moreira, ha
dous annos foi encarregado, por mullos dos ne-
gociantes desta praca, de reclamaces importan-
tes de prejuizos soffridos pela guerra da Inde-
pendencia do Brasil, e que tem sado pelo goveano brasileiro. Por-todos estes
motivos aBireccoCommerctaldoPoito Pede a
vossamagestada haja deannuir & saa vsuppiiea,
dando aspfovidecias para que o governo de S. SI.
o Imperador no Brasil reslitua ao sobredito Joo
Baptista Moreira o Exeouatur do seu emoiMO.
E. R. M.-Porlo, Io de maio de 18.
Joao Ferreira dos Santos Silva Jnior, presi-
dente. ^
Joaquim Augusto Kopki. rice-presidole. { I
Jos Vieira de Carvalho Juntar, secretario.
Francisco de Oliveira Guimares, dito.
Directores :
Joo Anlonio de Souza Guimares.
Francisco Perry.
Jos de Aimeida Csmpos'Juoior.
Jus Joaquim Ribeiro.
Ajntooio Jos da Silva.
Maooel Joaquim Gomes Guimares. s
Domingos de Aimeida Ribeiro.
Albino Jos4Dias Guimares.
Joa Perry.
Jos de Amorim Bragj.
*'??.' y*ot repruaentacto. qua o cnsul ge-
i5*5Sf- ei,reer rfo, at-
lagitimidada, aea salo, o o prealimo
loba deaempeonado.o durares do seu
a aaior axactlJio. my
- comasandador Moreira, como lhe cum-
pria, agradecido to xcepctoaaee provas de apre-
co. recebeu dessas distioctas corporacoes a ojal
honrlas raiposU. (5. ^
1.-A0 governo perteoce a apreciacio dos servicos
pblicos ; mas qusolo ao desempenbo das func-
50es consulares, quanto proteccao dada ao com-
mercio e navega$o, bem como aos cidsdos que
se oceupsm neste importantes ramo da publi-
ca nqaeza, sao desles a daa respectivas praca
cujos interesses mutuamente se ligsm, devem
e*cutr-e o juizos fundamentado e inauapei-
ioa Eis ah, pois, como de J. B. Moreira falla-
Tan nicamente a praCa do Rio de Jaaeird (con-
gregado separadamente os seus membros por-
tugueses e brasileiro.) ; eis como se eiprieaiam
a pravas do Porto a de Lisboa. Onde se iu
lamis coocailo o confiaoca superiores por parle
de tao reapeitareia corporales ? E' porque esse
empregado nunca prejudicara a pessoa alguma ;
nunca oflendera a quem quer que fosse ; bene-
uara a todos emqusoto eslava ao a.u alcance ;
paienteera em teda a occasiodes desinleresse
e espirito servic.l ; e as pocas normaes, tanto
como as criticas, tinha aempreaido um cidado
ii o Preuttoaoso. fiel observante do derere
oegou 0Q ?'* ,"" l"IDC, tw 8Terno ,he
,i,R|eiilr".0 ort,D Pota o esfor<;os do gorerno
real sobasta preiso geral do commercio portu-
S.! ..f *ff .. ,er do imP"oor a suapeoao do
u acto, ;utic.a qua mais tarde foi lcanCsda de
urna admioislraco recto, bem como da suprema
Denaraiencia do enguato chefe do Estado.
Voltou cfjrie de Rio da Janeiro aos 19 de
outubro de 1840, a at que lhe foi restituido o
exequtur, corJtiouou bem merecer do seu psiz,
apesar de circumscripto a esphera menos ampia
do que no lempo em que exercia eonjanctamen-
te as tanecoe diplomtica e consulares. Assim
mesmo nunca deixou da tornar aa prestadlo aos
aeus concidadaos. do que daremos algwos exem-
plos, que fcilmente multiplicaramos se a esta
?lrl!l Phta fdra licito ultrapassar certos
Imitas de extensao.
Coocorreu activamente, com os dignos funda-
oorea da Soaedade Portugueza de Beneficencia
para que se dsae o nolarel e progreaalvo aug-
mento, que desda logo ae rerelou, coolribuindo
para que se orgaoisasse a escriptura^o e para 6
impulso dado i administrado de to piedosa
obra. Ewes serrinos lhe forana recompensados
quando a immediata directora, presidida pelo
Sr. conselheiro Alberto Antonio de Moraes Car-
rlho, em 27 de Janeiro de 1816 lhe expedio o
diploma de socio benemrito, tamben estigoado
como secretario, pelo Sr. Antonio Maooel da
Fonsecs. (60)
a Pa'oral!9lel0 d8 ** B,l deM6 mesmo aono
de tB4o, foi nomeado vogal e secretario da eom-
miMo mixta luao-btaiieira, creada pela eoo-
vengo addlcional ao tratado da independencia,
para o nn de liquidar a reclamacoe dos gover-
oo e dos particulares, cargo que desempeohou
com summa hibilidade durante aete annos, reca-
bando sempre do goreroo de Sua Magestade lou-
rores pelo bom deaempenho de auas funecoes
as qtaes ulteriormente pedio exooeraco, por
toe nao deixar o aiercicio do seu espohoso
cargo tempo para ae dUtrahir com outros nego-
cios, embora do interesan do Estado, declarando
sua magestade uo respectivo decreto de exoora-
Vo' ,!?' ,Wo 8er"'l muito a seu coolen-
lo. (61)
Matado que oinguem contribua para o prospero
resultado da subscripto promovida por occasio
dos estragos caasadoa pelo terremoto da Ilha
ierceira, pois, coadjorado pelo acrysolado pa
tnotismo de aua generosos concidados, pude
ram us ineessaotes deligencias ang.riar para
tal Um a importante- somma d rs. BO:87lSO0.
o goreroo receben, como secretario das com
missoes que se orgaoiaaram, os elogios que teve
ordem de transmittir aos respectivos mem-
bros.
Aioda lembra com terror e aocedade aquelle
da medooho, o 4 de maio de 1849, em que.
vista das prsias do Rio fe Janeiro, a magestosa
(58) Senhora 1-A direccao da Associaco Mer-
sanu Ltsbooense, como orgio dos seus aasocia-
dos. vera perante o throno de vossa magestade
respeilosaraente manifestar seus desejos para que
o consulado geral de Portugal no Rio de Janeiro
cootmue a ser exercido pelo actual cnsul geral
Joo Baptista Moreira.
Por mullos subditos de vosss magestade tem
aido sempre apregoados os importantes servicos
que o dito cnsul geral prestou causa da legi-
timiJale portugueza, e o muito zelo e conhec&o
prealimo com qu;desJo lanos annos tem des-
empenhado com a maior exactido os deveres do
seu cargo ; sendo por todas circumstaoctas que
a direccao da Associaco Mercantil Lisbonense
ousa reconmenua-to protec5o do governo de
joesa magestada, manifestara Jo por esta forma o
esejo que ten de que aquelta consulado geral
continu a-aer ervido #or to digno empregado.
A direccao, pois pede a vossa mageitade se
digne attender a esta respeitosa aupplica, nao s
Pa a eooservacao do emprego de cnsul geral
na pessoa de Joo Baptisla Mo;eirs, mas tamban
para que se tomem as providencias cooducenles
a que ogoverno de S. M. o Imperador do Brasil
anona | resUtuico do exeouaturdo mencionado
cnsul geral-. R. M.-Associac.o Mercantil
Lisbonense, 22 de maio de 1840. ert"n
Jos Cordeiro Feio, presidente.
AlexanJre Jos Ferreira Braga, vice-presidente.
Francisco Jos de Miranda, secretario.
Caelano Alberto de Mendonca, director.
,kqC1C0 Barbos le Brito. dito.
el rlllLZ?\ eMmt rejPts d Associa-
co Lommercial do Porto :
del!im;^7F-,Z 5re8eole d direccao
"".. Aocia5ao Commercial o atteocioso oficio
i. h in..,efe boodoe de lhe dirigir com da-
I. i i.Corret"e m"' retribuindo-lhe.com
a mais Usongeira xpressoes de agradecimento.
o inieresse que ella lomara perante o governo
de sua magestade acerca da aua reatituico ao
Z^iM8,, V; ,? ''""tu exercera de
cooaura%eral da Portugal na corte do Rio de Ja-
0611*0.
A direccao, sobremodo penhorada pela delica-
2JZZ Q* lJalida- e m8is inu tloa offe-
recimeutos, que V. S. dignou dispensar-lhe
de seu .valioso presumo oaquella c6rte, folgar
de o rer loteirameote restituido ao seu antiizo
emprego. ese congratula com V. S. se por rea-
tura a sua limitada influencia pJe de algum
modo contribuir para este fim.
A coorenieocia que derira da acquisico
boos empregados nao de tio pouco momeo
para que se poupem fadigas na sua escolha e
cooserva5ao : e o goveroo de sua magestade.
reslabelecendo a Y. S. naquelle consulado geral
nao deixou de ter na devida couta os servaos
que era favor d patria e do commercio V. S.
tem prestado.
O que ludo a direcao me encarrega de eom-
municar a V. S. sgradeceuJo-lhe multo particu-
larmente bs seus ofTerecimentos.
Deus guarde a V. S. muiloa annos. Porto
secretaria di Associco commercial, aosSdea-
goslo de 1840.
Illm. Sr. Joo Biplisla Moreira. cnsul geral
de Ponugal no Rio de Janeiro.
J. Vieira de Carvalho Jnior,
/ni c secretarlo.
louj bociedade Portugueza de Beneflcenci, no
Kto de Janeiro.O director da Socieaada Portu-
gueza de Beneficencia, devendo por um acto de
rigorosa juslifia, dar ao mui digno aocio o Illm.
or. commendador Joo Baptista Morejra, um tes-
teutunbo de reajonhecimearto em nom'e da mesma
soctedade. accrdou, em aesso de |t de Janeiro
de 1846, usando da faculdade que he coofere o
art. dos estatutos, loscrev-lo' na listados
Deoemeritos della, cujo titulo, confirmado pelo
presenta, o premio mais valioso com que
directora dado galardoar aarvi^os relevantes
Mitos- a prol deata'ijtUissima e philanthropici
ssociaco.
Secretaria da Sociedade Portugueza de Benefi-
cencia na Rio de Janeiro, aas 27 de Janeiro de
luto. Director, Alberto Antonio de Moraes
Carvalho Theaouruo, Jote Antonio de Sou-
za Basto. Secretario, Antonio Uanotl da Fon-
lito.
(61) Em 6 de abril de 1853 :
Attendendo ao queme represeolou o conselbei-
ro Joo Baptisla Moreira,hei por bem exooera-lo
do lugar de vogal da commisso mixta portugue-
za e brasileira eatabelecida no Rio de Janeiro,
am virtudu da convenci addicional ao tratado
de 29 de agosto, de 1825 o quil ella serviu
muilo a meu coolepto, elCi
< Rainha.
> de
uto
oo Falco A.aj*. vidtima de paanprtro, dei
aarvorava, uneacupdu a cada momento aocobrar
ou espedscar-au aa acula, aau'Undo mil portu-
guezes as onda. Tkofuir deaaovolvau ausa
oceaailo solemne sua notoria actividad, pediado
e a'caocendo com a maior promplido, todos oa
aoecorroa do imperial arsenal da marinha, a da
CQmnsnhis Reaalla;.. L---------S%__ _------------
da nn modo lamenla'vel. Muito fantiat bu-
lad., c.rru a condene.das i pS. ; maior
oam.ro, quu iran du pafe|a tanssenlo,
neodlcidadl. k^f^S^UJiro Moreira
seus dignos compatriota Horado rpiaTLauriano'
i? -*.6 v"eof. Igoado Jos da Cunha Por-
^ltirt^,Ia R"w^ys|sMiB juntar
? di.tribafAn0nF,nch,,> qo" "">"' fer
a dtotrirjuiclo pelo* mal necessilados como
em torra.'naua m.isihVquVpr^TdVn^arpota, Sf5wfoSo?.i5.r'deCu,n, que'lhe foi
gracas cooperacio da. autoridades de marinha, K. .??.pr?Idf?t?.e ^_TB?o re-
o possire eslava tentado. Enlo julgou conve-
niente ir pessoalmeote collocar-ae no thsatro da
catastrophe.
O vspor Serpent*, qu eslava sendo preparado
pelo digno constructor Jos Ferreira Campos, oo
se achara ainda coochido
mpanbta Braaileira de paquetes a vapor, maa-
daedo -ae loga aabir a fragata D. Affinto, a o
paquete Peryxambucan^ conduzindo o primoiro
parl da gusrnlco da corveta porlogueza Irit. J
am Inrra natAat m>U i. l._____ ,_
ie.rldILVoB!rs' "0 ,6 de "'embro de 1853 (651
J era 12 do mez anterior, o governo oor !.-
do.Sr.vi.conu. de Athoug'uia. eSM.iqnio0,?
lamente sua magestade a rainha baria ereri.rfn
aquelle aerlCo (6). e em 13 de Janeiro de 1854
e.cha. .inda coochido; mas seu proprieta- rtZlZullS"!****^*^***-
rio. o patriota Thom.z da Costa Ramos, genero- donai^
aaraentooarrieou.m.ndandooatodaaSpreaaa Su.d twi Potuezea cada ,ez mtf
promptar a expensa sua, para ir ao lugar do n 2J no!nf ,. fni......
oistro judar % .airar a nao. Noto s. que UT D0",u.*',"' 1** \^! P"! ,od' a *****
mdaciosa (cora- .P..""ef! 5 .e"qu? D,Vet? D0 trouxe a
si.
nario era da urna eoostrucco audaciosa (com-
P"mn'0 **u*l. oito larRuras) ; que aa suas
qualidades nuticas nao tioham aido experimeo-
tada., qUe inda catara por concluir, e nem se
sania ae alguma circumstancia podera prejudi-
car i seguranga ; e qua a serras de mar esta-
ram no ocano por tal arle temerosas e embra.
vacidaa, qu.ua so., rimo, no. grandes ternTote. fren?d"?enla H""d"- Cawpxiso. a.u. on-
da faosa baha da Biacaia. E-a quasi un te- ,D feTeres- "dere?ou, com mantos nutro Por-
meridada conRar-se a tal nario, en dia aeme- t.' "'.LiU!.iS- .t60*6* magea-
lhanta; e Unto que sendo franqueado a quem
nelle quitesse ir, apenas treze pessoas, a frs o
dono e o cooslructor, nelle embarcaran). Fomos
do numero desses treze, mas j a bordo rcharaos
n rnnaisl Ama., i J^J______?*_r_ _
toso el-rei regente, lestemunho de fldelidsde quo
ot-ret acolheu com distincto favor (8).
Apenas chegou a infausta noticia da tomo aun
acabrunhara os infelizes habitantes do archipe-
consul. com o qua'l s'eguim'o's." r7veMadV DL n --I-V. ^'ll0."6. em S*"8 -
barra. tempo em que um possaate nario inglez f o 2rr!mor?m ,CtoB0 P,-Bto fle S
l.llregressara, t.lrez por considerar impru- aTS^SSTV^l^TfS^t^^-*1^
dencia affronlar as ragis colossaes que dos op- r^niimii iV SSaw" de }tX^ toI*m de
posto lados se* crusvam furiosas. Pairamos i l ( f"S "".f1 eljio'r,rBD'- ba"
rodesndo a nao. offarecendo cooper.co. i dw- Ch& ""Si elc- )'l,ue ll *>*h* inda an-
necessarlr. atiento o efllcaz soccorro cbeg."o lt!flah?.Unetram ."oa la melropole. Par
sote, do nosso. e s quando foi re.poudido8," v.rno'lovoS^^^ dirigirn o go-
vores, e o governador civil da provin-
astava todo concluido, e quando vinos a o
avancar rebocada, rollamos a traospdr a barra,
e ao aocoradouro. Em lodo este tempo, o cn-
sul se porioujcom a maior dedicaco e placidez,
aie quando, ^or varias occasioes, a frm ds
conslruccao do uavio o exuoz a golpes taes, que
pareca impossivel deixar de submergir-se.
Era a nao entrada no porto, e oessa mesma
noute eslava o coosul a bordo della, penetrando
airava daquelle horroroso desmsotelameato, e
onerecendo ao aeu commaodante, offlctalidade e
passjgeuos todos os auxilios.bavendo j disposto
as cousas em trra, por suppdr que a catastrophe
ttouvesse produzido grao numero de morte e
feriraeotos.
Dosenvolveu-se eoto entre os Portuguezes
um daquelles impulsos patriticos e nobres. que
sao disltoctivo dos oossos conterrneos oo Brasil,
e sempre productivos de boas a grandes cousas,
quando algum 1 amentovel elemento de discordia
os nao veem desvairar. Quasi todos desejavam
concorrer, com o sen bolo, para que os reparos
da nao ja tessem custa dos Portuguezes no
itio de Janeiro, e nesse sentilo se encelaram os
tranaioos. Houve porra certo numero de Por-
uguezes que, aliameote favorecido da fortuna, e
deaejoaos de prorarem seu amor da patria, r-
solveram cotisar-se para, por ai sos, fizerem face
tolos os (tastos, quaesquer que fossam, para
completa proeapticscd da nao. Era de ver p
eotnusiaamo com que esses cidados se presta-
vam a tal sacrificio. Ainda abi porm o coosul
empregou todo os estoicos para harmonisar os
rinte e cioco generosos contribuintes, entre oe
quaes um boure (Sr. risconde de Condeixa) que,
por motivos asss sabidos, mas em que intil
tocar, .aiistaz cavalheirosameute nao urna, porm
duas quotas.
Nessa mesma occasio, desfez os planos de
quem deligenciava que todas aa despezas fossem
dirig Jes pelo, alias dignisstmo. commandante
ledro Alexandrino da Cuuha, cusa do estado;
o que tudo fez patento ao seu governo, que a elle,
/i,80 J10 Mo,eira. em oome da rainha louvo
(>2j e deu orden para exprimir a gratido do
mesmo governo a esses cavalleiros, por sua acri-
solada devoco cvica, em quanto aua magestade
a ratoha o oo fazia, de modo mais patente ainda
(W), como pouco depois acontoceu.
' No seguinte anno, de 1850, o terrivel flagello
da tabre amarella agoilou ests cidade e seu por-
to, atacando de preferencia os martimos e os es-
trangeiroa recem-chegados, por tonto Portuguetes
sobre tudo, por ser eats a naciooalidade que em
muito mais larga escala aporta a estas parageos.
Admlravel foi enlo a actividade, zelaf. e torca
de animo do honrado cnsul. A maior parte dos
habitantes ( enlre os quaes vanos collegas seus)
fugia da empestada ctdade ; maa ella nanea de-
samparou os seus patricios ; permaneceu Arme
em seu posto, e sempre de accordo com o go-
verno imperial, nessa crise se desvelou. Dava
as mais acertadas providencias ; visitava a miudo
os navios portuguezes no aocoradouro ; nao hesi-
tava em ir directamente ao foco do contagio :
eslabelecia oos navios ioslrucces sanitarias ;
fazia executar as dispusieres hvgienicas; animara
os doentes nos hospitaes ; mostrava-se em tudo
seperior ao perigos que de todos os lado lhe
ameacavam a exisloocis. Seu zelo caridoso, e
por oinguem excedido, lhe grangeou nao s os
louvores do goveroo, seoo tambera o litlo do
conselho, graca conferida nesse mesmo anno, e
coro expreasoes que muilo o distinguem e hon-
rara (64).
Dous dos primeiro vultos da heroica lula; da
liberdade os ministros Jos da Silra Carralho e
Rodrigo da Fonceca Magalbea, dirigiram-se ao
beoemerito commendador Moreira, pedindo-lhe
que promoresse dooaliros para na praga do Ro-
eio de Lisboa se erigir urna estatua ao Sr. D. Pe-
dro IV. Como deixaria elle de enridar quaolos
esforcos lhe coubessem, para assim honrar a
memoris do immortol restaurador da patria, do
dolo de lodoa oa Portuguezes, do soberano, que
o tratara como amigo ?
Na secretaria de estado dos negocios do reino,
e no archivo da commisso respectiva coostar
que a somma, por aeu intermedio agenciada para
tal Om, passou de 16 cootos forte.
Osr.rialose multiformes serricos de Jo
Baptisla Moreira induziram sua magestade fide-
lissima a galardoa-los enlo com a commenda de
Nossa Senhora da Cooceicode. Villa-Vicosa, por
decreto de 10 de abril de 1852, ordem de queja
era eavalleiro desde o anno de 1827, sendo-lhe
concedido o foro de fidalgo caralleiro aos 15 de
abril de 1853.
Assolr* o oidium tuckeri a liba da Madeira
(6) Em 5 de julho de 1849 :
Pelo seu officio de 10 de maio nllimo vi com
satisfacao a releco circumstaneiada, que Vmc
nelle faz, das diligencies que empregtra para se
poder soceorrer com promplido a efficscia a neo
vasco da Gama, no risco inminente em que se
achou rlsla desse porto ; e em nome de Sua
Magestade dou a Vmc. os merecidos loorores.
pelo zelo e eoergia com que desempeohou urna
das mais importantes funece do seu cargo, na-
quello critica conjuntura.
Conde de Tojal.
(63) Esta foi a circular, que. em desempenbo
das ordens do gorerno foi dirigida aos cootri-
buintes para os repirus da nao :
Illm. Sr.O gorerno dflS. M. a rainha a quem
foi presente o meu officio de 12 de maio do eor-
renteanno, dando conta do rasgo de generosida-
dee patriotismo que tiveram graode numero de
nossos concida laos aqui residentes, offerecendo
os fundos preciso para reparar os estragos que
sorTreu a oo Vasco da Gama i riela deste por-
to, me ordenou em officio de 5 de julho, que eu
dsse a to dignos subditos de S. M. Fidelissima
os devidos lourores e agradecinentos. E par
que seja cabal a satisfacao que V. S. dere ter
por ser um dos concurrentes de expontaneo do-
nativo, incluo neste copia do raferido despacho
do 5>r. conde de-Tojal, aproreitaodo ao mesmo
lempo esta occasio para significar-lhe os protes-
tos de micha eslima e considerago. Dos guar-
de a V. S. muios annos. Consulado geral de
iJaU Ri0 d Janeiro, am 20 de agosto de
lcJ4i7.
Joo Baplisla Moreira.
(64) E nao menos digno de aprego o ardor
com que os ministros i porfa se apressaram em
prornorer esta distiQQio. Eia aqui o officio do
ministro dos negocios do reioo ao dos negocios
estrangeiros de 18 de outubro de 1860 :
Illm. e Exm. SrEn reaposta ao officio que
v. txq. me dingio em 5 do correte mez, men-
cionando os serricos do consol geral de Porlugal
no Rio de Janeiro, Joo Baptista Moreira, tenho
anonrade larar ao caotucimento de V.'Exc.,
que j seaoha preenchidop flrp do sea odelo
por harer j S. M. a rtfha, por decreto de l)
dejunho do correte aono. conferido o titulo do
eo, COOMlbo 80 dito eonul eral.
Conde de Thomar,
inesperada e tremenda noticia do pasaamento da
rainha santa.
Para o conselheiro Moreira ara perda irrepa-
ravel, pois sua magestade qusai abrir, os olhos
vendo o fiel aevttdor, cuja conat.nto toald.de
tantas occasioes ella tivera de recoohecer, e to
generessmento galardora. Cunpridoi aaus ou-
cia e presidente ds cmara
mentos (69).
municipal agradec-
[Continuarse ha).
(65) Damos o extracto do agradecimento aua
a cmara municipal do Funchal mandou ao Sr
rtrr?,^,f-*>0re.lr*- tHor.ci Urpia, Ignacio Jo
da Cunha Porto e Launaoo Joa de Vascoocellos
que formaran .a commisso da subscripcao d
soccorro para a liba da Madeira.
.... Digoem-se pois VV. SS. aceitar por este
meioo tenue, masaiocero testemuoho da grali-
dao deste municipio, ede, em oome delta, agra-
decer a lodos os gaoerosos brasileiros e portugue-
zes que_ por qualquer modo eoolribuiram para a
realisacao daquelle pensamanto, com espectali-
d,a.e.Sr. Joa da Silva Ramo, presidente da
aocedade Phil'Euterpe, que pela su. parta f
remena em separado de rs. 5508. moeda forte.
Devo nesta occasio acrescentar que, segundo os
seus duiejo, a distribuico dos soccorros enria-
dos ser taita por umtcommiss&o eapecisl. com-
poata dos Srs. rigarios daa fregaezias:
Deu. guarde a W. SS. Funchal, em 16 de no-
rembrode!853. i
Joo Augusto da Silra Carralbo, prndente.
A. j. da Silva Bilteocourt, vereador.
J. J. d'Oroella Cabral, dito.
J. de Freitas Correia da Silra, dito.
/ Lu de Lagos de Teixeira, dito.
I66.).....Sua Magestade, a cujo superior co-'
ohecimenio me apressei a levar o contando do
seu citsdo officio, com os documento que o
acompaphavam, quer que em seu real nome eu
louve a Y. S. e aos niembroa da commisso pelo
ervico queacabam da fazer e que a meina au-
gusta aenhora atleotanente aprecia. >
(67) t Com muito satisfacao vejo qus V. S. pro-
segue no louvavelempenho de promover por ai
o augmento da receita na subscripcao para o
inrelizes habitantes da Ilha da Madeira, a contan-
do eu com o feliz xito de seus esforcos, anleci-
pu-me a dar-lhe os bem merecidos lourores por
lado quanto tem praticado neste importante ob-
jeclo.
.... V. d'Alhonguia. o
(oo; Assim se expnmiu o Sr. riscoode d'Aihou-
Tendo sido por mim levado aquelle documen-
to augusta preseoca de S. M. el-rei regento, foi
o mesmo recebido com especial agrado, mandan-
do que em aeu real oome d a V. S. e ios sig-
otarios delle os devido. louvores por esto prov
do seu acrisolado patrioliamo e fidelidade nunca
desmenlida, dereudo ser publicado oo Diario do
Governo para conhecimento do publico.
(69) E's aqui as princip.es pecas deste synpa-
thico processo. *^
Au offerecimento que lhe foi feito pelos agentas
da companbla de paquetesLuso-Brasileiras
Srs. Victorino Pinto de S Passosi C, respondes
ocorameodador Moreira com este officio :
Illm. S.Accusando o officio de VV. SS. da
9 ao correte, em que me participam que, da*
sejando cootriboir no que estivesse no seu al-
cance par. o allivio da iofeliz popularlo da ilha
de Santo AotSo, oo archipelsgo de Cabo-Verde,
ofiereciamem nome da companhiaLuso-Bra-
sileira o paquete portuguez D. Mara 11, para
transportar gratuitamente todos os geoeros que
eu tivessede remetterpara a dito ilha eumpre-
me responder-lhes. qne. agradecendo e tomando
na devida consderacao e.t. generosa oftarta, te-
nho nesta dala levado ao alto conhecimento do
governo de Sua Mageatade to digno acto, e co-
pia do aeu supracitado offi io.Deus guarde a
vv. SS.
Coosulado geral de Portugal, etc., em 11 da
novembro de 1855.
Em officio n. 66 de 19 de novembro de 1855,
annuociaado secretaria de estado dos negocios
estraogeiros a remeasa de 1,138 volumes, pa-
ra Cabo-Verde, exprimiu-se o conselheiro des-
i arte :
Noo cessarei de continuar a promover mais
donativoa em favor daquelles povos, lendo sido
zelos.mente auxiliado pelo commendador Victo-
rino Pinto de S Passos, que como je dase em
meu officio de 12 do correte, fsculiou tambem
como agente de companhia Luso-Brasileira. o
transporte gratuito de todos os geoeros nos res-
pectivos vapores.
Na mesma data offieiou assim secretaria da
marinha :
Tusss o. agentes da companhia Luso-Brasi-
lera;poto minh. disposico o vapor D. Maria
II, para tran.porle de quaesquer genero, que
Uvease de remelter, livrede frete, loga depois se
me associou para promover quaesquer donativo.
o Sr. commendador Victorino Pinto de S Passo.
chele da referida agencia.
O gorerno portugus, por orgo do Sr. riscon-
??-Alhou8uia' rePndeu em 13 de Janeiro de
1856 t
a Pelo seu officio n. 63 rio o governo de Sua
Magestade com grande satisfacao a maneira por-
que V. S., levado do seu zelo pelo servio, e
querendo aecudir de prompto aos matas que af-
fligem os habitantes da ilha de Santo Aoto, da
Cabo-Verde, pela escassez de mantimenlo. que
alli se experimento, promover nessa capital, as-
aociado ao commendador Victorino Pinto da Si
Pnsjos, ura subscripsSo de que resallla e abun-
dante-recurvo que o vapor D. Maria II trouxe
quelles infelizes, e que continuavam no mesmo
louvavel empeaho para to justo fim.
Sua alagestade, a cujo superior coohecimento
nao poda deixar de ser levado esie acto da too
acrisolada philantropia, manda que em sen real
nome louve a V. S. por esta prora da sua dedi-
caco....
E sobre o mesmo assumpto, diz ainla em data
de 12 de fevereiro :
c Vou'parlicpr ao minfaterie da marinha a
agradavel noticia que V. S. d de haverem sido
embarcados a bordo do vapor D. Pedro II os
socrorros destinados aos povos da Ilha de! Saoto
Aotao. de Cabo-Verde, cumprin:o-me aqui dizer
V. S. que tao importante aervico taiio hu-
manidade afilela ser sempre tido na devida con-
sderacao pelo governo de Sua M.igst.de.
Nao ludo ; em um despacho de 4 de marco do
mesmo anno to-se o seguan psrsgrapho ;
c Ao goveroo de Sua Mageatade foi por extre-
mo agradavel a comnaunicaco que V. S. faz no
seu offlcie de 19 de jaaelro. de haver remeltido
pelo vapor D. redro II, para aoccorra dos habi-
lantes da ilha de Sanio Aniso, no archipelago da
Cabo-Verde, os genero* constantes do mesmo
officio j sendo sem durida por eftello do zelo a
dedicaco, que V. S. tem empregado nesto servi-
3o quesetemcothtdo o, mais* v.ntojosos re-
sultados em beneficio daquelle iofelizas, pelo
que se torna V.S. digno do louvor do mesmo
goveroo.
m
PIRN.TYP. DE U 9, DE FARIA dt FILHO.|t8fl2.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9ZXDVEC6_UNM5JF INGEST_TIME 2013-05-01T00:20:57Z PACKAGE AA00011611_09528
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES