Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09522


This item is only available as the following downloads:


Full Text

1110 IIXV1H. HOMERO 6.
Ptr tres mezesadiantados 5)000
Por tres mezes vencidos 6f 000
DIITA FEIRA 20 DE MARCO DE 1862.
DIARIO
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NCHTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexaodrino de Li-
lil ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silra;
Aracaty, o Sr. A. de Lemos Braga; Gear o Sr.
. Jos de Olivelra; Maranhio, o Sr. Joaquim
Marque Rodriguet; Para, Justino J. Hamos;
Amazonaa, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SL
Alarias, o Sr. Claudino Falco Dias; Baha.
o Sr. Jos If artina Airea; Rio de Janeiro, o Sr*
Joo Partir Martina.
Pop anno adantado 19|00O
Porte fraico para subscriptor
PARTIDAS DOS COBREIOS.
Olinda todos os diaa aa 9) horas do dia.
Iguaraaa, Goianna, e Parahyba as segundas
settas-feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Garuar, Altinho
Garanhuos as tergas-feirai.
Pao d'Alho, Nazareth. Lisooeiro, Brejo, Pes-
queira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vists,
Ouricurye Ez nasquartas-feirss.
Cabo, Serinhem, Rio Forraoio, Una, Barreiros
Agua Preta, Pmenteiras e Natal quintas feirss.
(Todos os correios partera as 10 horas da manha
EPHMERIDES DO MEZ Dfi MARCO.
8 Quarto crescente as 2 horn e 40 minutos da
msnha.
15 La cbeia as 2 horas e 35 mina tos da tarde.
11 Quarto mi guante as 7 horas 8 minutos da
miinhla.
19 La ora a 5 horas e 4 minutos da maoha.

PREAMAR DE UOJE.
Primeiro as 7 horas e 42 minutos da manhas.
Segundo as 8 horas e 6 minutos da tarde.
FARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sal at Alagoaa 4 5 e 10; para o norte
at a Granja 14 e 19 de cada mez.
PARTIDA DOS MNIBUS.
Para o Recite: do Apipucos fia 6 li2, 7, 7 A 8
eji|9 da m.; de Olinda s 8 da m. e 6 da I.; de
Jatoatao s 6 1|2 da m.; do Cazang e Varita,
s 7 da m.: de fiem/ica s 8 da m.
. PS \* :. pa" PPco s 3 li. 4. 4 i|4,
4 ll2. 5. 5 li4, 5 1,2 e Oda t.; para Olinda Is 7
ds m. e 8 lia da l.; pira Jaboatao s 4 da t.; para
o CatangaeTarzeo s 4 li2 da t,; para fiem/ica
las 4 da t.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Rea sao: tergas sabbadoss 10 horas.
Fasenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio segundes ao meio dia.
Dito de orphlos: torgas e sextas a 10 horas.
Primeira rara do cirel: tercas e sextas ao mel
Segunda rara do cirel
hora da tarde.
quart -i libados l
DAS DA SEMANA.
\l 5e8"nd!' S-Ptrcio ap. da Irlanda.
\l n"5V ScG.'ble, "cbBDJ S-Narciso are.
19 Quarta. S. Jos esposo de Nossa Senhora.
20 Quinta. S. Martinho Dumiense are.
^t*.0 P,ecioro "ogue de Jess Christo.
22 Sabb.do. S. Emigidio b. m.; S. Beovenoto.
23 Domingo. S. Flix efseuscompanheiros mm.
ASSIGNA-SE
no Recite, em a lirraria da praca da Indepen-
dencia ns. 6 e 8, doa proprietarios Hanoel Figuei-
roa de Faiia 4 Filho. 8
PaRTE OFFICIaL.
60VERN0 DI PROVINCIA.
Expediente do da 17 de marco
de 186*
OSicio ao Exm. bispo diocesano.Passo as mios
e V. Exc. o requerimento que me eoderecou o
administrador das obras da nova matriz da fre-
guezia de S Jos desta cidade, sflm de que se
sirra de informar acerca do que elle solicita.
Renoro a V. Exc. os meus protestos e conside-
rarlo.
Dito ao commandsnte das armas. Queira V.
Exc. informar sobre o que solicita o commandan-
te superior da guarda nacional dos municipios de
Olinda e Iguarasi no incluso offlcio que ser de-
volvido.
Dito ao chefe de polica. Sirra-se V. S. de
expender suas ordens para que nao sejam aban-
donados a porta do hospital Pedro II como re-
quisitou o respecliro proredor em data de 5 do
correle, qusodo nao podem ser alli recebidos
por falta de raga, os doentes remeltidos por au-
toridades policiaes.Communicou-se ao referido
proredor.
Dito ao mesmo. Na impossibilidade, por nao
harer vags, de ser recebido no hospital de cari-
dado o mendigo Joaquim, a quera se refere o
offlcio de V. S. o. 386, de 14 do corrente, deixa
de ser satisteita a requiaigo oelle contida.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Arista do que V. S. expoz emsua ioformago da-
tada de 10 do correnta, nomeei o chefe de sec-
go dessa thesouraria Francisco Jos Marlios Pe-
na, para de conformidade com o arito da repar-
tido da guerra de 11 de ferereiro ultimo, coad-
yuvar o brigadeiro commandante das armas na
inspecgo a que tem de proceder no arsenal de
guerra desta provincia Communicoa-se ao bri-
gadeiro commandante daa armas e ao director do
arsenal de guerra.
Dito ao mesmo.Reverlo V. S. os papis re-
latiros ao pagamento que pede o pharmiceutico
Uraz Marcellino do Sacramento, dos medicamen-
tos que foroeceu para o tratamenlo das peisoas
pobres aecommeltidas do cholera-morbus na co-
marca de Goianna, am de que mande effectuar
esse pagamento de conformidade com a sui io-
formago de 14 do correte, aob o. 205.
Diloao mesmo.Psrticipsodo-me o brigadeiro
commandante das armas em offlcio de 15 do cor-
rente que nomera naquella data o 1 sargento
do 4 batalhao de artilbaria a p, Loiz Ignacio
da Silva, para o emprego de almoxirife da forta-
leza do Brum, do qual fui exonerado o aargeolo
Uaspar Heorique Jos dos Reis ; asaim o com-
munico V. S. para seu conhecimeoto.
Dito ao mesmo.Avista do que V. S. ioformou
em offioio n. SIS desia data, o autoriso a remet-
ter ao commandante do corpo de guarnigo a
quantia de 13:400$ para occorrer aos pagamentoa
dos veoclmenlos dos respectivos offlciaes e pracas
at junho prximo viodouro; derendo essa quan-
tia ser eotregee mediante as cautelas necessarias,
^^apessoaqueobriga^eiroijgaajssjj \J&T13nt-
InliS-Bsfgnr'pals'codazi-la. Communicou-se
ao brigadeiro commandante das armas.
Dito ao mesmo. Transmiti V. S. para os
convenientes exames as contas em duplcala da
despeza do hospital militar eoncernente ao mez
de fevereiro ultimo, acompaohadas de capia do
parecer da junta militar de saude, que approvou
as ditas conlat.
-

Dito ao mesmo.Vislo qua, segundo consta de
sua informado de 15 do corrente, sob o. 208,
nao hi inconveniente no pagamento da quantia
de 89 a que tem direito o soldado da compaohia
urbana Antonio Marcello de Andrade, por harer
apprehendido o desertor do 4 batalhao de Arti-
lbaria a p 'fristo Francisco Das, como se v
do attestado junto em duplcala, que me foi re-
manido pelo brigadeiro commandante das armaa
com offlcio tambem junto, n. 476 de 8 do corren-
te, autoriso V. S. a mandar effectuar esse paga-
mento. Communicou-se ao commaodanle das
armas.
Dito ao mesmo. Transmiti -V. S. psra os
fin conreniantes a inciuaa coota em duplcala dos
medicamentos rendidos]|por Caors & Barbosa so
cooselho administrativo do arsenal de guerra
com destino ao hospital militar, os quaes j se
acham recolhidos a botica do mesmo hospital se-
gundo declarou o presidente do predito conseibo
em offlcio de 14 do correte.1
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Em rista dos documentos que devolvo, e a que
se refere a sua ioformago de 15 do corrente, sob
n. 164, mande V. S. pagar ao Dr. Joo da Silra
Ramos a quantia de 490$ proveniente do curati-
vo de 8 presqs da casa de deteogo que foram
tratados da rariola na casa de saude do mesmo
doutor, segundo declara o chefe de policia em
offlcio de 26 de ferereiro ultimo, n. 180.Com-
municou-se ao chefe de policia.
Dito ao mesmo.Respondendo o offlcio que V.
S. me dirigi em 10 do corrente, sob n. 150,
aompanhado do processo que derolvo, relativo a
apprehena&o feita em urna quantidade de sibo
pertencente a Jos Simplicio de S Esteres e na
baresfaque o eonduziasem que estivessem pa-
spa qa respectivos direitos, teoho a dizer que fica
designado o bacharel Domingos Jos Aires da
Silra para funeciooar nessa causa como procura-
dor fiscal ad hoc, visto harer-se arerbado de
suspeito o respectivo proprietario bacharel Cy-
priano Fenelon Guedes Alcotorado como se r
do mesmo processo e consta do citado offlcio.
Communiaou-se ao bacharel Domingos Jos Ai-
res da Silra.
Dito ao proredor da Santa Casa de Misericor-
dia.Mande V. S. admittir no hospital Pedro II,
logo que hourer raga, afim de ser conveniente-
mente curado a Generoso Aotonio de Vasconcel-
lo, que se achaem estado de indigencia.
Pilo ao commandante superior do Recite.
Sirva-se V. S. de expedir suas ordens para que
urna guarda de honra tirada de um dos corpos da
guarda nacional aob seu commando auperior es-
leja postada em frente da igceja de Nossa Senhora
do Lirrameulo no dia 21 do corrale, s 3 horas
da tarde, afim de acompanhar a procisso de Nos-
sa Senhora da Soledsde, que tem de sahir da-
quella igreja,
Dito ao inspector do arsenal de mancha.Fi-
cando scieole pela leilura do seu offlcio de 14 do
corrente, de harer V. S. mandado alistar na li-
nbade aprendizes msrinheiros por estar as con-
dignes legaes os menores Aotonio Pereira doa
Santos e Maooel Luiz de Franca, tenho a dizer-
lhe em resposla ao citado offlcio que dere re-
mellar para o collegio dos orpbos'os de nomos
Joao Ignacio Correa de Lima e Cosme Damio,
risto que nao podem ser alistados naquella com-
paohia nem na de aprendizes artitlces.
Dito ao commandante do corpo de policia.
Maulle V. S. apresentar ao Dr. chefe de policia
boje as 2 horas da Urde, 4 pragas di seccio vo-
lante do corpo sob seu commando, afim de es-
coltaren! 2 criminosos que rao responder ao jury
no termo do Cabo.Communicou se ao chefe de
policis.
'niD,!S"i0upr,,^eBU 0* Mnu" municipal do
Pao d Alho.Em resposla ao aeu offlcio do 1* do
crrante tenho a dizer que j dei as necessarias
proridencias para aer mootada nessa villa ama
enfermara para o (ratamento doa desvalidos que
orem actommelUdos da epidemia reinante.
Dito ao presidsuie di cmara municipal do Ll-
moeiro.Ioteirado do conteudo do seu offlcio de
4 do corrente tenho a diser-lhe que approro a
deliberarlo que Vme. tomou acerca do enterra-
mento dos cadareres cholericos desse municipio,
conviudo porm aue es sepulturas que se Ibes
destiaarem sejam feitas em lugar separado na
rea do cemiterio, marcadas, para que nao se-
jam para o futuro abertas, cumprindo que Vmc.
faca reunir quanto antea a cmara municipal pa-
ra reaolver sobre a escolha de terreno e cons-
trueco de um cemiterio em que se sepultem os
que tallecerera do cholera.
Dito eo juiz de direito do Limoeiro.Scieole
do que Vmc. me communicou em offlcio de 19
do corrente com referencia a epidemia reinante
no lugar de Hilhadinha, tenho a dizer-lha ara
resposla que approro aa proridencias por Vmc.
tomadas para o prompto soecorro dos desvalidos
que alli forem della affeclados.
Dito ao director geral da iostrueco publica.
Mande Vmc. admittir no collegio dos orphos de
Santa Tbereza o menor Tito Peaquiliano Roga-
berto da Silra, que lhe ser apreaentado por
parle do inspector do arsenal de marinhaOffl-
ciou-se a este para remelter os menores.
Dito ao primeiro juiz de paz do primeiro dis-
tricto da uribeci.Attendendo ao que me ro-
presentou Jos Rodriguea Paz, e arista de sua
informado de 10 deste mez, declaro a Vmc. pa-
ra aeu conheciraento e direcc&o que teodo termi-
nido o anno de aeu exercicio como primeiro juiz
de paz do segundo dlstricto dessa freguezia, nao
poda Vmc. a pedido do segundo rotado que se
achara impedido por molestia continuar a exer-
cer aa funeces desse cargo, como fez e confessa
em sua citada informaco.
Cumpre, pois, que Vmc. passe quanto antes o
exercicio de taes funeces ao juiz de paz elello
em terceiro lugar, nico substituto legal do se-
gundo em suas fallaa ou impedimentos, e nao
Vmc-, que assim procedeu irregularmente.Re-
metleu-se por copia a cmara municipal do Re-
cite.
Dito ao commandante do presidio de Fernan-
do.Fs^a Vmc. regressar esta capital na pri-
meira opportuoidade o sentenciado Antonio
Francisco Romo, coohecido oesse presidio por
Manoel Aolonio Francisco Romo, o qual' dere
ser apresentado ao juiz municipal da primeira
rara.Communicou-se ao juiz municipal da pri-
meira rara.
Portarla.Os Srs. agentes da companhia bra-
sileira de paquetes a vapor maodem dar trans-
porte para a corte por coota do ministerio da
guerra, no1 vapor que ae espera do norte ao se-
gundo tenente do 4 batalhao de artilharia a p
Jos Antonio Ribeiro de Freitas, que rai praticar
na escola de tiro, e os recrulas menoionados na
relago inclusa.
Relago a que se refere a portara do Exm. Sr.
presidente desta data.
Francisco Antonio de Guimao.
Feliz Franciaco da Silra.
Maooel Henrique.
Aotonio Joaquim Caetaoo. 1
Joaquim Jos de Saoi'Aona,__^"~'"" "
TTie+-i^lrrc>-u"a"'SIra;
Francisco Aires da Costs.
Francisco Bezerra de Aojo.
Cimmnnicou-ae ao commandante das armas.
Dita.Os Srs. agentes da companhia brasi-
lera de paquetes a vapor mandem dsr transpor-
te para a corte no vapor Apa, por coota do mi-
nisterio da marinha a 10 recrulas que o capito
do porto tem de remelter para a curte, e cujos
oomes eonstam da relago inclusa.
Relago dos recrulas a que ae refere a portara
do Exm. presidenta da provincia desta data.
Sebaslio Mauricio Ferreira Campos.
Mauoel Francisco Pioho de Mello.
Jos Francisco dos Siotos,
Jos Joaquim de Sani'Anna.
Vicente Ferreira da Molla.
Jos Ferreira Luna.
JoSo Venancio Ferreira da Silra.
Luiz Francisco do Reg.
Aotonio Jos dos Santos.
Marcelino Jos de Saol'Anna.
Communicou-se ao capito do porto.
Expediente do secretario do
sjroverno,
Offlcio ao inspector da thesoursris de fazenda.
9. Exc. o Sr. presidente ds provincia proro-
gaodo por um mez e por despacho desta data o
prazo de 3 concedido ao Dr. Joaquim Jos de
Campos para apresentar o seu titulo de secretario
di repartigo da policia desta provincia, assim o
manda communicar V. S. para seu conheci-
raento.
Despachos do dia IV de marco.
Rcqucrimcntos.
Amancio Aires Diniz.Nao tem lugar por ser
contra a lei.
Braz Marcelino do Sacramento.Dirija-sa a
thesouraria de fazenda.
Feliciano Marques Vanos.Estando j arre-
matados os reparos de que precisa a estrada do
norte, nao tem lugar o que reqaer.
Franciaco Joa Machado.Informe a cmara
municipal de Goianna.
Generoso Antonio de Vsscoocellos.Opportu-
namente aera atiendido.
Irmandade de Nossa Senhora da Soledade erec
la na igreja de Nossa Senhora do Lirramento
desta cidade.Dirija-e ao commandante su-
perior a quera se expediram as convenientes
ordens.
Manoel da Silra eras.Passe.
Miguel Jos di Motta Jnior.Dirija se a lhe
souraria de fazenda.
Zeferlno Rodolpho Delgado.Passe, nao ha-
vendo inconveniente,
c Quer a cOrte .de Roma, escutando os con-
selhos pacficos, aceite a mediacio do goreroo
do imperador para tratar com o gorerno Italiano,
quei, persisliodo na sus obstinagao, recusa, co-
mo ise pode aereditar, qualquer accordo justo e
razoarel, de maneira que ae torne necessario che-
gar soluco da questlo por outro meio ; em
todo! o caso preciso que Roma aaiba conduzir-
se de maneira que poaaa demonstrar ao masmo
lempo a plena e inallerarel confianga que tem
no futuro, e os sentimentosde dedicado de que
est] animada para com o chefe supremo da
igreja.
Urna vez que se (rata de urna queslo que
assents noa inlereases religiosos, os quaea os
partidarios da corte de Roma procuram faser
acreditar que esto compromettidos pela aboligo
do poder temporal, o goreroo d'el-rei dere tran-
quillisar a este reapeilo oa poros, a os gorernos
catholicos ; e dere fsze-lo nao s offerecendo-
Ibes garantas que possam ser formuladas e es-
tipuladas em um contrato, maa dere tambem,
primeiro que ludo, traoquiliaa-los, mostrando-
Ibes pelos fados que os poros da Pennsula, lon-
go de reoorarem a confuso feita pela Arte de
Roma entre a religio e a poltica, eslo firmes e
de accordo para querer a todo o cuato recon-
quistar a sua nacionalidade, uniudo-aeaobo scep-
tro de um s rei; que, por outro lado, esto
igualmente firmes e de accordo para querer man-
ler intactas aa crencas reiigiosaa dos seus ante-
paisados, e que gaardam para com o chefe da
igreja e para com os seus ministros sinceros os
mais ros sentimenlos de renerago.
< Roma a sede do calholielsmo e muito
natural que a maior parte desta tarefa ros es-
teja designada, romanos ; a ros romanos, que
primeiro do que a qualquer outro poro da Italia
perieoce fornecer ao goreroo d'el-rei a prora
maja fundada que se dere dar Europa, prora
mais efflcaz para tranquilisar as consciencias t-
midas.
Actualmente importante para a salrago de
Roma, e para a da Italia que oa romanos se aba-
lenbam de qualquer acto que posss parecer me-
nos respeiloso para com a religio e para com o
chafe risirel da igreja catholica. Em summa,
importante que lodosos rossos actos sejam ama
ora prora de que ros conservis catholicos e
sinceros, ao mesmo tempo que nao queris que
se ponham peas ao direito que tendea de ser
italianos.
Nao se podara cortamente pretender nem
esperar raaoarelmente, e nao se quereria mes-
mo que os romanos que con correr m com os do-
mis poros da Italia, por seotimentos e por obras
para a redempgo da patria commum, permane-
cessem espectadores frise indiferentes, em urna
occasio em que efflcazmente ae emprehendeu
urna aolufio de que em grande parte depende a
salvago da Italia ; a de Roma est inteirameote
ligada a iato.
Se se_apresentar pois occasio psra fazer de-
monstrages pacificaa de seotimentos nacguaes,
e essas occasioes nao ae bao de fazer eaperar, a
commisso em vez de as desapprorar, convida-
ros a faze-las. Mas dereis recordar-vo! no ca-
s que ellas se malogren), de que os lourores
que tendesmerecido.de toda a Italia, em coose-
quencla da maoifestago de 18 de Janeiro, me-
recesle-los por barerdes demonstrado que aabieia
conciliar e unir no rosso corago a igreja e s m-
cao, a religio e a liberdade.
< Os romanos finalmente derem conduzir-se
de maneira que a;am persuadir Europa de
que, quando um dia ao Santo Padre faltar o ap-
poio dos nobres soldados da Franca, ha de en-
contrar a sua completa seguranza na renerago
que os romanos conservara pelo chefe, assim co-
mo pelos ministros da igreja.
A commisso julgaria fazer-roa injuria se ros
exhorlasse a depor os odios e os raocores que
urna looga aujeigo a um goreroo ioimigo ros li-
resse podido inspirar. Coobecendo o rosso ca-
rcter generoso, est bem persuadida de que
nao querareia conserrar-ros atraz das oulrss ci-
dades italianas, que, na queda dos gorernoa que
as opprimiam, souberam lodos sem excepgo
fornecer Europa um testemunho je moderago
e de generosidade, assim como a historia, tes-
temunho que nao s o melhor dos loiros da Ita-
lia regenerada, mas sim urna das principaes ra-
zos da sua resurreigo.
c Grandes e magnficos cerlamente, nao infe-
riores ao passado, nao de ser os noros deslinos
de Roma, que a nago desigoou para sua capital;
mas os deveres que a nova ailuago impor ao
seu povo bao de ser igualmente grandes. Da-
veis mostrar que sabis cumpr-los, dando desde
j provas de torga d'alma, de sabedorla a de rec-
tido.
a Alera disso, tndo a commisso a conscien-
cia de baver cumprido com os seus dereres, e
de poder continuar a cumpri-los at ao mo-
mento em que Roma fr restituida Italia, julga
ter direito de ros pedir que depositis oella con-
fianza plena e Ilimitada. Uoi pois as rossas fi-
leiras, maniendo a mais completa disciplina, e
eritai aceitar insinuaces ou executar ordeos qua
nao reoham poriotermedio dos chefei recoohe-
cidos da opposigo nacional,
a Romanos I para bem merecer da nago, pa-
ra Iriqmphar dos artificios bypocrilas dos oossos
inimigos, psra que Roma, sede da religio ca-
tholica, ae torne dentro em pouco de tacto, como
j est de direilo, a capital da Italia, eis a nossa
palarra de ordem, a nossa divisa: Vira o Papa
nao rei I Vira Vctor Emmanuel II, rei da Ita-
lia I
< Roma, 6 de ferereiro de 1862.
< (A commisso nacional romana), a
EXTERIOR.
ITALIA.
A Cbrretpandence Italitnt publica a seguinte
proclamado, dirigida pela commisso nacional
de Roma ao poro romano :
a Romanos :
c Pela nota que o gorerno franeez dirigi ao
seu embaixador em Roma, tendea comprehen-
dido que a questo do poder Umporal dos papas
chegou a tal ponto, que ae pede prerer a ana ao-
lugo para urna poca prxima.
< Aioda que a commisso nacional tenha to-
das as razdes psra acreditar que ros que hsreis
dsdo proraa de sabedoria duraole a poca passa-
da, na qual se juntara aos outros males que te-
mos experimentado urna iocerteza penosa, quan-
to ao resultado a Anal, sabereis tambem ser sa-
bios agora que ae den um passo de esperangs,
com ludo julgo derer dirigir slgnmas pslarras
convenientes a respeito da staselo.
a A commisso j urna res tere occasio de
declarar que o sacrificio reclamado dos Romanos
pela llslia era qm sacrificio de paciencia de
looganimidade, Este sacrificio tendea ros sabido
conserrar at agora com exemplar sbnegsco, e
a Italia reconhecida por isso ; maa nada se co
Iberia do pssssdo se nao soubesseis no futuro
mostrar-ros digaos dos altos deslinos que ros es-
perara, e cujo cumprimento depender em gran-
de parte da vossa sabedorla e da rossa con-
ducta.
INC.LATEBBA.
A sccledade doa armadores de Liverpool dirigi
a seguinte carta ao ministro dos negocios estran-
geiros de Inglaterra :
c Ltrerpool 13 de Janeiro.
a Mylord.
a Chegou ao conheoimento da associaco dos
armadorea de Lirerpool, por ria dos jornaes, que
o goreroo federal dos Estados-Unidos, fizera
atondar urna esquadra carregada de cedras no
principal canal do porto de Charlestoo. Este ac-
to nao pode deixar de produzir um embaraco se-
rio e permanente entrada do porto.
< A aasociseo recela que, nao ae fazeodo promp-
tamente queixas e represenlages enrgicas, se
siga desde logo urna conducta aemelhanle res-
peito dos outros portos dos estados conferados. A
assocsgao nao julga necessario iosistir muito na
importancia deste negocio que alecta os ioleres-
ses geraea do commercio, mas como este repre-
aeota interesses importantes, julgou dirigir-se a
este reapeito V. Exc. E' por este motivo que a
associago me encarrega de chamar respeitosa-
mente a seria atlenco de V. Exc. para este ne-
gocio.
< Tenho a honra da ser. mylord, humilde e
multo obediente criada de V. Exc.
Franei$ A. Clint,
presdante.
Esls caria obtero a seguala resposla em nome
do goreroo britannico :
e Miniaterio doa negocios estrsogeiros, 15 de
Janeiro.
a Senhor.
c Sou eocarregado pelo conde Russell da ae-
cuaar a recepgo da carta que lhe haris dirigido
em 13 deste mez, em ooma da sociedade dos ar-
madores de Lirerpool, psra chamar a sua altea-
cao para a conducta a que o goreroo federal dos
Estados-Unidos tere, fechando a principal entra-
da do porto de Charleston, e metiendo a pique
navios carregados de podras ; nessa carta mani-
teataea o receio que a associago tem de que se
se nao dingirem promptsmente so gorerno fede-
ral represenlagea e queixas enrgicas, setos se-
mejantes so reproduzam relativamente aos do-
mis portos dos estsdos confederados.
Estou encarregado de ros pedir que declaris
associago dos armadores de Lirerpool, que o
goreroo de S.M. tem prestado a sus sttengoaos
boatos espalhados ha algumaa semanas, e segan-
do os quaes o goreroo dos Estados-Unidos se
propuoba a praticar actos iguses aquello de que
fallamos ; em consequeocia disso foi o ministro
de S. M. em Washington, informado de quaes
eram as ideas do goreroo de S. M. a respeito da
desiribuigo dos referidos portos.
< Lord Lyoos foi informado de que um plano
to cruel parecia anouneiar que ae desespera do
restabelecimento da Uoio, que o Qm risirel ds
guerra, porque o gorerno dos Estados-Unidos
nunca poderia ter desojo de destruir % cidades
destinadas a produzir ao seu proprio paiz urna
parte das suas riquezas a ds sua prosperidada.
Semelhante plano nao poderia ser adoptado
senao como urna medida de vioganga, com o fim
de fazer um mal irremedlavel a um ioimigo.
< Lord Lyoos foi tambem informado de que um
semelhante acto oo teria justificago mesmo
n'uma guerra apaixqpada e sanguinario. Seria um
ataque feito ao commercio de todas as nages
martimas e liberdade das relages qua libre-
mente se trocam entre os estados do Sui da Ame-
rica e o mando civillsado.
Lord Lyos foi encarregado de fallar oeste sen-
tido a Mr. Sewand que, se espsrara, desapprova-
ria este projecto illegal.
E' por isso que agora que o projecto parece ter
sido posto em execugo em Charleston, lord Lyos
hs de ser encarregado da mlsso de lazer ooras
representares, com o fim de impedir que da
mesma maneira nao renham a ser destruidos ou-
tros portos.
t Tenho, etc.
a E. Enmona.
Estados-Laido.
A Gazeta de Londres, publicoa a seguinte ola
dirigida por lord Lyoos, embaixador ioglez em
Washington, a lord John Russell, sobre as pro-
videncias que o governo americano enteodeu de-
rer tomar para obstruir alguns portos dos estados
do sui :
Washington, 14 de Janeiro de 1862.
c Mylord Ha traz dias, depois de receber as
ordena de V. Etc. quo fallel a Mr. Sawsrd do
projecto qua este governo tinba de obstruir a en-
trada de alguns portos dos estados do sui, aton-
dando oa pasaagem de navios estregados de po-
dras.
Mr. Seward fez obserrar que era um com-
pleto erro suppor que este plano fosse concebido
comgi flm de prejudicar os portos d'ama manei-
ra -asnete. E' slmplesmeote urna medida
militar de momento, adoptada para auziliar o
bloqueio. Na primavera ultima, o governo dos
Estados-Unidos, com urna marinha muito pouco
preparada para urna to vasta operago, empre-
hendeu bloqueiar mais de 3:000 milhas da costa,
a O aeeretario da marinha declarou que pode-
rla fechar os grandes portos com os seus navios,
mas que nao poderia fechar os pequeos. Por
consequencis,julgou-se necessario lechar es mu-
tos pequeos portos, afundaodo navios as pas-
sagens. O governo dos Estados-Unidos ftr desap-
parecer essas obstrueges todas logo, que a uoio
esliver restabelecida. Comprehende-se que esta
urna obrigago que incumbe ao gorerno federal.
< No fim da guerra com a Gra-Bretaoha, eate
gorerno foi convidado a extrahir um navio que
tinba sido atondado no porto de Savannagh, re-
conheceu a obrigago, e por coosequencia exlrs-
biu o navio. Alm d'isso, os Estados-Unidos es-
lo actualmente envolvidos em urna guerra civil
com o sui. Talrez, acrescsntou Mr. Seward co-
mo opinio de guerra, haja o direilo de destruir
para sempreos portos do ioimigo, mas nao o
que preteodem fazer as circunstancias actuaes.
Os rebeldes afundaram navios para prohibir o ac-
cesso nos seus portos aos cruzadores dos Estados-
Unidos. A mesma medida toi adoptada pelos Es-
tados-Unidos para tornar completo o bloqueio.
No Qm di guerra, a extracc.o deaaaa obserra-
ges aera s urna queslo de despesa, e oo aera
urna cousa muito difficil.
Demais, assim como j se fez no negocio de
Porto Real, os Estados-Unidos abriram um porto
melhor do que aquello que se fechou.
a Perguotei a Mr. Seward ae a principal entra-
da do porto de Charleston nao linha sido recen-
temente fachada pelos navios mandados atondar
por ordem deste governo, e Qz-lhe obserrar que
a abertura d'um noro porto a 30 ou 40 milbaa
mais longo nao saliafaria mais a popalaco da
grande cidade de Charleston do que a destruigo
da seu proprio porto.
Mr. Seward disse que a melhor prora que
me poda dar de que o porto de Charlestoo se
oo tornou ioaccessirel, era que apeaar dos na-
vios afuodadoa do bloqueio, um vapor ioglez car-
regido de contrabando de guerra, tioha consegu*
do entrar naquelle porto.
Teoho a honra ele.
(Assignado) lord Lyoni.
Q mipistro dos negocios eslraogeiroa dos Esta-
das-Unidos dirigi o seguinte despacho acerca
dos negocios do Mxico aos ministros da Fraoga,
Inglaterra e de Hespanha :
c Washington, 4 de dezembro de 186.1.
c O abaixo assigaado, secretaria de estado dos
Estados-Unidos, tem a honra de aceuaar a recep-
fo de urna nata datada de 30 de novembro que
he dirigiram os Srs. Gabriel G. Taaaara, minis-
tra plenipotenciario de S. M.a rainha de Hespa-
nha ; Heori Marcier, ministro plenipotenciario de
S. M. o imperador dos francezea ; e lord Lyoos,
ministro plenipotenciario dos reinos unidos da
Gra-Bretaoha e Irlanda,
cOs mencionados ministros juntirsm a esta do-
cumeuto o lezlo de urna cooveogo concluida em
31 de outubro, entre oa indicadoa soberanos, e
qe tem por fim obter salisfago das suas queixas
contra o Mxico por meio de urna acgo com-
mum.
No prembulo, dizem as sitas psries contra-
tantes que a conducta arbitraria e abusiva dsa
autoridades mexicanas as obriga a reclamar me-
lhor pratecgo de propriedade e de pessoss pars
os seus subditos, assim como o cumprimento das
obrigsc.es da repblica mexicana estipuladas por
meio dos tratados, e que por isso tinhsm julgado
cooreniente coocluir urna conrengo, afim de re-
gular urna acgo commum para conseguir asse
fim.
Pelo artigo 1, obrigam-se ss altas psries con-
trallles a fazer immediatameate depois da as-
signatura da convengo, os preparativos necessa-
rlos para a partida combinada de tropas-da Ierra
e de mar para as eoslss do Mxico, cujo effecti-
vo ser fizado por meio de ama troca ulterior de
communicages entre os respectivos gorernos,
dorando essas torgas ser sufflcientes para tomar
e conservar oooupadas as diflerentss fortlficagsa
e posicoes militares das costas do Mxico. Os
commandantes daa tropaa alliadas sero authorl-
sados a por em pratica qualquer operago que
irra para reUsar da melhor maneira, o fim in-
dicado, a principalmente para assegurar urna aut-
nciente protecgo aos estrangeiros residentes no
Mxico. Estas medidas sero tc-.das em nome
por coota daa altas partes contratantes, sem dis-
tiacgo de nacionalidade das tropas que forem
encarregadasda sua execugo.
Pelo artigo 2. obrigam-se as altas parles
contratantes a nao tratar pela execucao daa me-
didas coercivas previstas pela presente conven-
gao do seu engrandecimenlo territorial, e a re-
nunciar a qualquer influencia que possa atacar
os direitos da nago mexicana na escolha da for-
ma do seu governo, e de se constituir livremenle.
Pelo art. 3* concordam as altas parles con-
tratantes na nomeaco de uma commisso com-
postas de tres membros que perteogam a cada
urna das tres potencias, commisso munida de
plenos poderes para regular as questes relativas
a oceupago dos diferentes pontos, e a diviso
das sommas que se receberam do Mxico, garan-
lindo os direitos daa partes contratantes.
, Pelo artigo 4.# estipulam as altas partes con-
tratantes que, immediatameole depoia de assig-
natura da presente convengo, seja entregue uma
copia della ao governo dos Estados-Unidos com
o convite de adherir a esta conveogo, e que os
seorespectivos ministros em Washington sero
autorissdos a cooeluir e assignar o acto que dere
regular esta adherencia, quer seja em commum,
quer cada um delles pelo que diz respeito ao sea
governo, com a pessoa a quem o presidente dos
Estados-Unidos conceder podemos para este
fim.
Ao mesmo tempo manifestara o desejo que
tem de que as medidss que se propoem tomar
nao aprsente um carcter excluaivo, e recoohe-
cem que o governo dos Estados-Uoidos tem
os meemos direitos psra proceder contra a
repblica do Mxico. Mas com as partes contra-
tantes se exporiam a faltar ao fim que se propo-
zeramse adberissem a execugo dos artigos 1 e
z da convengo, resolveremos em relago adhe-
rencia dirigida doa Estados Unidos, a nao demo-
rar o comego das operages combinadas para
alm da poca em queaa tropas alliadas se dizem
achar reunidas em frente de Vera Cruz.
a Na sua nota dirigida ao abaixo assignado, os
plenipotenciarios convidam os Estados-Unidos a
acceder convengo. Tendo o abaixo-assignado'
leradoo aasumpto daquella notaao conhecimeo-
to do presidente, apressa-se a communicar a sua
opinio a este respeito.
IO abaixo assignado j tom a honra de di-
zer a cada um dos senbores enviados que o pre-
sidente nao pode e nao quer por em duvida o di-
reito que leem de decidir por ser, nem enmioar
se as queixas de que tiobam a pedir a salisfago
carecem de uma guerra contra o Mxico.
IIOs Estados-Uoidos tem um alto io teres-
se,e cooslderam-se felizes de pensar que essa
ioterease lhe commum com as altas partes con-
tratantes e com os demais estados emulados,
em que os soberanos coocluiram a convengo oo
procurem obter oenhum eograodecimenlo terri-
torial, nem nenhuma outra rantagem que nao
fosse adquirida pelos Estados-Uoidos e pelos de-
mais estados civilisados, e que nao querem exer-
cer influencia alguma em detrimento do direito
que o povo mexicano tem de escolher e de esla-
belecer livremenle a forma do aeu governo.
a O abaixo assignado renova nesta ocoasio
a expresso dssus salisfago asscnie na declara-
do das altas partea contratantes de que reconhe-
cem este Intereses, e est autorisado para mani-
festar a salisfago do presidente dos Estados-
Unidos.
E' verdade que os Estados-Uni! i tem pela
sua parte queixas contra o Mxico, como suppem
aa altas partes contratantes. Depois de madura
reflexo o presidente dos Estados-Unidos de
parecer porm que oeste momento oo bareria
meio de pedir salisfago dessis qveixas por um
acto de adherencia convengo. Eutre razea
que inspiraram esss revolugo, e aut o abaixo as-
sigaado est sutorisado a communicar, deve men-
cionar-ae :
IQue os Estados Unidos preferem, tanto
quanto fr possivel, manter a poltica tradicio-
nal recommendada pelo pai do seu paiz, confir-
mada por ama feliz experiencia, que lhe prohibe
fazer alliangas com as oagoes eslraogelras.
IISendo o Mezico viainho dos Estados-Uni-
dos nesle continente, e possuindo, quanto a al-
gumaa das suas mais importantes ioiiituicoes,
um sysiema de goveroo anlogo ao oosso, os
Estados-Uoidos professam sentimenlos de amisa-
de para com aquella repblica, e lomam o mais
vivo inleresse pela sua segursnga, pelo seu bem
estar e pela sua prosperidade. Animados destas
intenges, os Estados-Unidos nao eslo resolvidos
a recorrer a medidas coercivas para salisfago das
suas queixas, em um momento em que o gover-
no mexicano esl profundamente abalado em coo-
sequencia de diaseoges internas e em que est
envolvido n'uma guerra extensa. Estes mesmos
sentimenlos Impedem os Estados-Unidos, aioda
com mais razo, de tomar parte em uma alliaoga
com risos de ama guerra contra o Mxico.
IIIO abaixo assigaado est tsmbem autori-
sado a proraraos seohores enviados, afim de que
elles hajam de o referir aos soberanos de Hespa-
nha, Franga e de Gra-Bretaoha, que os Estados-
Unidos leem seriamente a peito a seguraoga e a
prosperidade da repblica mexicana; que deram
plenos poderes ao aeu ministro acreditado junto
daquelle governo para a concluso de um trata-
do com aquella repblica destinado a prestar-lbe
auxilio, e que, seguode esperamos ha de collo-
ca-la em estada de aatisfazer s justas reclama-
Qoes dos mencionados soberanos, obstaodo as-
sim a guerra que querem empreheoder contra o
Mxico.
IVE' intil dizer aos soberanos que esta pro-
posta feita ao Mxico nao de maneira alguma
inspirada por uma iaimisade contra SS. MM..
mas sim por um conheciraento francamente de-
dicado da situaco, e pela esperanga de que o
Mxico eoooatre neale tratado os melos e a von-
tade de negociar com as potencias, afim de sus-
pinder ss hostilidades que sao objeclo da con-
vengo de que trata esta nota.
VO governo dos Estados-Unidos nao sabe
aluda o que o aeu ministro no Mxico tem prati-
ca do no sentido das suaa ioatrueges,e espers no-
ticias a este respeito com riro-ioteresse.
VINo csso destas negociagoes justficam ama
proposta que se dere fazer s potencias contra-
tantes em relago ao Mxico, o abaixo assignado
ha de appressar-ae a lera-lo ao seu conheciraen-
to. Mas para observar que o Mxico derer
annuir a um semelhante tratado, e que parega
acceitavel ao presidente dos Estados-Uoidos.
VIIAo mesmo tempo, levado ao conheci-
raento das altas parles contratantes que o presi-
dente reconhece como um derer, cooserrar no
golpho do Mxico uma flotilha sufflcieote para
garantir os interesses dos cidados americanos
emquanto durar o conflicto que pode sascitar-se
entra aa altas partea e a repblica do Mxico es-
t em relago com as parles belligerantes para
prevenir qualquer ataque Involuntario s justss
preleng&es dos Estados Unidos.
VIHEipondo s altas partes contraanles as
vistas a os seotimentos do seu governo relativa-
mente a este imporlante assumpto, com espirito
pacifico e amigare!, nao s para com o Mxico,
mas tambem para com aa altas parles contratan-
tes, o abaixo assigoado eapera que estas nao ve-
r q neilas precauces cousa alguma que lhei pos-
as inspirar inquietaco,
O abaixo assignado tem a honra de assegurar
aoa senhores ministros de Hespanha, Franca a
tira-Bretsnha, da sua alta considerago.
,t w" B. Seward.
[/orna! do Commercio de Lisboa.)
DIARIO DE PERNAWBLCO^
Hoolem amaoheceram fuodeados em nosso
porto os vapores Apa e Persinunga, trazando
carias e joroaes com as seguiotes datas: Ama-
D,"5-Par49. Maranho 12, Piauhy3, Cear
15. Rio Grande do Norte 17, Parahibi e Alagoaa
lo, e Sergipe 4 do correle. Eis as noticias qua
colhemos. *
AmazonasLe-se na Ettrella :
No dia 16 do passado, pelas 5 horas da tarde
sabio do porto desta capital o rspor de guerra
Piroja com desuno ao lio Puras am de explo-
ra-lo at onde for naregavel.Levou seu bordo
encarregado das obserrages alheias nsregico
o Illm. Sr. Dr. Joo Martina da Silva Coutinho.
Felizmente pode o Exm. Sr. Dr. Manoel Cle-
mentino realizar na ana administrado uma ex-
pedigo, que promette disaipar todo o 'neroeiro
do desconhecimeoto dessa parte do nosso impe-
rio, e com ella abri para a provincia a sua ad-
mintstragao uma poca em que tairez se tenha
de registrar paginas de grande inleresse para o
seu progresso e desenvolvimento.
Os Illms. Srs. Tarares commandante do va-
por e Dr. Silra Coutinho, nao deizaro de certo
nada a desejar da visgem que vo fazer.
Foi tambem no mesmo vapor o botnico ai-
lemo Gustsro Wallls, que infallirelmente ha
de encontrar muitas preciosidades ainda des-
conhecidas, com que tem de enriquecer a sua
sciencia.
Levado pelo seu genio observador e amante
da slmplicidade natural, e de uma louvarel cu-
riosidad e oSr. Henrique Strauss quiz fazer com-
panhia aos viajantes do Puros.
Deus queira guiar a barca Piraj com boa
riagem e faga regressar felizmente para restituir
as suas familias, e ao seio de seus amigos os dis-
tinctos cidados, que se prestaram sem a menor
hesitaglo para esta riagem, que calculada em
60 dias no meio de Innmeros cara paos ns, piuns
bordas de selrsgens brarios, e com o risco de
lerrireis sezes, e outras febres.
O Exm. Sr. presidente, Dr. chefe de policia,
e alguns outros cidados forsm despedir abordo
OS viajantes.
Pard.K caria do nosso correspondente em
extremo minuciosa, e dispensa-nos o extracto
dos jornaes, que nada adiantam ao que ella con-
tera :
Nada mais massante e dessgradarel do qet
trabalhar ao domingo, da por lodos oa motivos
que se deve respeilar e guardar. Mas os vapo-
res nao tem domingos, aada do tempo, e por
lano nao ha remedio seno submettermo-nos s
leu e conveniencias do progresso social.
Nao me enfado de eacrerer em taes dias para
o seajoroaL uma obrigago qua cootrahieque
com salisfago a cumpro ; porm a accumulaco
de outros trabilhos de escripia, em semelhante*
occasioes, queincommodam, porque nem sem-
pre sao dos mais agradareis.
O que mais aos tem aqu zangado, e todos
quantos tem ioteresses e relages para a Europa,
a falta aioda por esta rez da mala do vapor in-
glez, que ahi devia ter chegado no principio do
correle mez.
Estamos, nao obstante, agora, condemnados
a so termoa ooticiaa daqui quioze das ou mais,
conforme o vapor que vier do sui I
Todos ca mam,.todos se queixara nesta pre-
ga ; infelizmente as supplicas do Para bem doa
seus interesses, que geralmeote fallando, tambem
sao de todo o imperio, nao tem sido atteadidas.
Nao presuma que o aeu correspondente s
quem falla, os jornaes msis notaveis da provin-
cia e de poltica opposta, clamam ainda com
mais energa, porque o interesse de todos qu
na Europa tem interesses.
Eis o que diz o /orna! do Amazonas de hoje,
O Apa oo Irouxe a mala da Europa !.. ucea-
do assim demonstrado que todas as reclamagoea
da praga commercial do Para sao levadas ao
vento.
Se toramos Minas, Babia ou Pernambuco se-
riamos alleodidoa ; mas que importancia merece
o Para para ser ouvido aioda as suaa mais justas
reclamagoea ? Sofframos todos os Inconvenientes
de uma demora talvez de 15 dias, comanle que
o vapor adianto umou dous ; basta iaso. Entre-
tanto todos sabem, que tanto na corte, como na
provincias muitas vezes sao os vapores demora-
dos por motivos bem futeis I...
Eis como falla o Diario do Grao-Para :
O paquete a vapor Api que fuodeou do por-
to desta capital oa madrugada de hontem, nao
nos trouxe a mala da Europa, E' notavsl esta
irregularidade na sabida doa paquetes ds corte,
na qual parece ha ver o firme proposito de
prejudicar as provincias do norte em ludo e por
tudo ; psra a oompanhia o Brasil s se estende
at Pernambuco ; at quando durar isto ?
Este desprezo pelas cousas de uma provincia
importante, como o Para, especialmente na parte
commercial mo, porque o desgosto val lavran-
do a pouco e pouco ; coovm pois que os digooe
redactores do Diario de Pernambuco, envtaem
os seusesforgos pugnando, como at aqui, para
os vapores que vierem para o norte, se demorar
um ou meis dias, al poderem trazer a corres-
pondencia da Europa, o que muito fcilmente aa
pode conseguir nessa provincia, ordenando o res-
pectivo presidente essa demora.-
c Assim pois sobre negocios conmercises, em
refereocia a traosages e vendas de gneros pou-
co oa nada ae fez com a chegada do vapor, aue
por certo em nada augmentoa as noticias do pa-
quete transacto ; entretanto ,lgttD8 gneros ues-
tes quioze das ltimos tem conservado, commui
5e,?eDflaUeraSao*os.pteS8 que deram, e sem
dunda fleam mais animadores, especialmente pi-
ra a borracha, da qual se venderam algumas par-
tidas tinto doui mii reis a arroba.
Nao obstante dizer em sos daa minhaa car-
ias, quelas quabras tiuham diminuido, nao tem
sucoedido assim oestes ltimos dias, pois que es-
ta semana talltram os cemmerciaotes de relalbo
Augusto i Braga, assim come tres taberneiio*.
Nao tem por emquanto hivido grande altera-
do na ulubridade publica, comtudo nnslaa duas
ultimas semanas falleceram de repente os nego-
ciantes Joo Ferreira Cuimaraes e Jos da Caoba
Braga, ambos deixaode alguma fortuna.
De uma desgraga tambem fallecen lo rigario
geral desta diocese, oarcediago Raymundo" Sa-
verino de Mallos.
c Tendo ido ver ama casa que eslava concer-
lando na roa do Norte, arrebeotou-se-lhe uma
laboa debati dos ps, e veio ao chao, de grande
eost'iaq mJ>MS0 r"'oo urna
..{A1!!! causado, com mala oa manos alter-
nauvas fot progredlndo. e no dia 28 de /erereiro
readeu a alma ao Creador.
a Acompaoharam o corpo S. Exc Rra. com
todo o cabido, cajos membros segaravam as fi-
las do caixo ; algumas lrmandades o aamlaariav-
iss; Ss. Exea, os Srs. presidenta da provincia a
commandante das armas, chele de policia ; va-
rios empregsdos, e numeroso concurso
c O finado, natural desla provincia a maior d
sessents annos, era muito estimado o merecedor

T_-------. .


1JPV"
coBiiderIo pela sea >t*ade "> wnsadj peleda primeira digoidade, e entran- re* e lavradore.
de toda a
neirs.
Conala-no. qoe o Rvm. bise* aea*er. para
vinario geral ao cooego Sebseliio Borgei de Cae-
tilho, vigario da segunda freguezia deiti ca-
pital.
< E' um sacerdote reepeKavel e a ma eicolha,
se exacta, foi muito aceitada.
Os empregados da gerencia da compsohis
do Amazonas maodaram tirar oleo o ratraledo
seu digoo gereote o Sr. Manoel Antonio Pimente
Bueno, e acabam de collocalo n'usaa ds salas
principees do escriptorio.
c Assim, o retrato do Sr. Pianenta Bueno easa
o do respeilarel Sr. bario de Mau, que tambera
l existe, representam as dus bases principies
da prosperidad daquella comparjjiia.
No acto de offerecer o retrato urna commis-
sao dos empregados leu o seguiote discurso :
_ lllm. Sr. gerente ds compaohia de navega-
cao e commercio do Amazonas:
Os empregados da eompanhia em eommis-
aao nesta e na provincia do Amazonas, eocsrre-
garam-se de, em oome de cada um dos ds rela-
5o inclusa, pateolear-voa o aeu recooheclmento,
pelas maoeiras delica tas com que ae ufanam de
ter sido sempre tratados, Dio i eso psrllcular,
como tambero oas rossas ordeos para o Dom des-
ernpenho do serrico da mesma compaohia.
Assim, pois, Sr. gerente, recebei esta horae-
nagem de noaao recoohecimeoto, e permitti 11-
cenca de collocar vosso retrato no escriptorio do
expediente da gerencia da companhis, como
symbolo da harmona reapeitosa que felizmente
tem presidido e reina entre as hierarchias do*
empregados, e qoe esperamos continuar, em
quanto tivermos a ventora de ter para exemplo
de nossos deveres, a delicadeza e a energa que
vos tem caracterisado como rhefe.
Os da commissio cuaiprem gostosos este
mandado, porque a exoreasao flel do* semi-
nemos que nutren. Jos Antonio Alfonso.
Joao Jos de Freitas Guimarea.Aotonio Jos
Pe reir Leal
O Sr. Pimeota Bueno responden :
< illms Srs. membros da rommisso.
Agradecen lo muito a lembran;a dos empre-
gados da compaohia de navegado e commercio
do Amazonas, peco-ros, senhores, que aceitis
meu sinceros protestos de gratidao e que mani-
fettei* a cada um dos nossos compaoneiros de
trabalho, o meu recoohecimeoto, por to assig-
nalada prora de amUade.0 gerente, Manoel A.
Pimeota Bueno.
Relacio em qae cima se falla.
Jos Aotonio Affooo, Joao Jos de Freitas Gui-
** Jos de Caralho Serzedello, Antonio
Jos Pereira Leal, Ansclelo Eiysiario da Silva,
Jo* Aotonio R. O. Catramby, NunoAlves P. de
M. Cirdnso, Joaiuim Rodrigues le S. Arsnha,
Manoel Pereira de Figueiredo, Heorique Fuvr
Ke, Frelerico Antonio de Abrnnches, Maooel da
Costa Barro*. Frederlco C. Mangeoo, Joaquim
Jos Meo les Pereira, Francisco Carlos Delduque,
Augusto Orelioo.
Tiremos o eotrudo com as suas folias de
mascaredos pelas ras da cidade, de bailes pbli-
cos notbeatro e outros divertimeotos.
o A sociedade Terpsicore deu a sua partida
raenssl, maa deata vez com visos de baile mas-
carado, porgue grande numero de mascaras ahi
comparecern).
Houre urna reunio particular, de sociedade
nteiramente escolhida, dada na prlmeira noite
de entrudo, palo Sr. Dr. Ambrozio Leito da
Cunha.
Ahi esteve reunido o primor da sociedade
paraense, em um sarao costume, reinando mul-
to prazer por parte dos convidados, assim como
muita satisfagan do* dono*da caa.
O sarao foi dado pelo referido doulor ao
digno co omandente da caoboneira aBelmonle.a
estere animado e brilhaote.
- Hontera foi igualmente dado outro sarao ao
digno chefe de polica Dr. Olyntho Jos Meira,
em tributo de gratidio de seus amigos, pela re-
tirada de S. Kxc. da provincia, viato ir fazer ama
viagem ao aul para cujo fim oblirera liceoge.
o O Dr. chefe de polica s dere sahir daqui
no prximo paquete ; entretanto incontestavel
que esta demonairaco digna do magistrado que
a recebe, porque o Sr. Dr. Meira, quer como par-
ticular, quer como homem publico, tem quali-
aaes mu apreciaveis, e que o ditlinguem ato-
dos os respeilo*.
a Nada mus ha de noro, te nao que boje a*
quatro hora* da tarde dere ter lugar a abertura
do collegio de Nossa Senhora de Nazareth. para
ensinoe educago do sexo feraiuino, e em par-
te subvencionado pelos cofres pblicos.
A* alterarles martimas sao aa aeguintes no
mez de ferereiro Godo :
Eotraram de porios estrangeiros 6 navio*
com 1,51o toneladas e 75 peasoas de iripolsco.
a D,porius nacionaea 2 navios com 29* tone-
ladas e 21 pessoaa de Iripolacio ; 3 vapores mer-
cantes e 1 de guerra.
* ^5ioain para Prl estrangeiroa 6 navio
com 1,626 tonelada e 65 oestoas da tripolaco.
o Para porto* oacionaes 2 navioa com 310 to-
nelada* o 21 peisoas de Iripolacio e 3 vaporea
nacionaes. r
,iLEs!.rsngeiT ?Dlraaos S sahhios desta pro~-
vincia no mez 55 fe,ereiro ndo :
girados: oortuguezes 7, inglez 1, ameri-
cano 1, somma 9 ; sabido*, poriuguezea 21. alle-
mas 1, francezea 3, hespanhoee 1, italianos 2,
prussisno 1. boliviano 1, somma 33.
A'-carga oeste porto :
Escun* ingleza Til Bit.
Patacho americano R. A. Fischer.
A' descarga :
Barca portugueza aLinda.
Hiate eacinoal Prugresso.
P.-S. Ha doua das chegou a corveta de
guerra Imperial Marinheiro. dos porlos do sal.
Acaba de cbegar (5 horas da tarde) o novo
vapor Belm, da compaohia de navegaco e
commercio de Amazonas, procedente dos porto*
de Inglaterra, tocando apenas na ilha de Ma-
deira.
Cooata que traz breve viagem : por esta vez
flca compensada a falta de noticias da Europa, e
que deviam vir pelo Api ; mas como nem
seropre-na dequellea vaporea, conlinuam subsis-
tentes as minhas ideas e reclamos acerca da viu-
da da msla europea peloa vaporea do aul.
Maranhao.Corra que, harendo ido reco-
nhecido alcanzado em 33:OOOjOOO futir o the-
seureiro da caixa filial do Banco do Brasil em-
pregando a polica todos os meios ao su alcance
para a sua captura.
Por cartas da cidade de Caxias, conitava
haver aido aasastiosdo em Pastos-Boos o Rvm.
Alexandre da Silra Mourao. sem serem aioda co-
nnecidos os pormenores do tacto.
A quareolena nesta provincia limita-se
como nos dizem cartas p.rtjcularea, t pesaoa
qe se ach.m bordo, Ucaodo delta isenUs os
empregados do porto, que passam horas i bordo
voltanJo i seu salvo para trra I
L-ae no Publicador ilaranheme :
De ordem do lllm. e Rvm. Sr. goveroador
do biapado faz-se publico para cnnbecimento de
todos, o segumie programma para a recepclo do
Exra. e Rrm. Sr. bispu deata diocese :
1." Logo que der fundo o vapor, e verificar-
?.Ch.e8JdB deS Exc' **" iowho *"><>*
? d 1? \ ".* ,i00s da '""I. companha-
i-i,r!Dd0,'s de fugete, os quaes derero
L.T^'4 ameoU "poodidoi no meamo
dn u?.P: n ii 0idii e convenio* d,
capital; e o Il,m. Rvra. Cbiao ben) com ,
do o clero da c.thedr.l. e dem.i. clero ecm.re
regular da capital, parocho*. contrarias e irmn!
dades. reunidos na calhedral, aeguirio processio-
nalmente para a rampa de desembarque, aesundo
f uas antiguidades e precedencias
." s rampa do desembarque em lugar de-
cente estar armado um altar, sob pavilhao em
cujo ceotro estar collocada urna cruz com a i'ma-
gem do Redemptor, estando ao lado o palio ou
baldaquioo, urna credencia para os paramentos
e um geoaexorio. '
n 3." Desembircado o Exm. prelado encaml-
nhar se-ba para o altar, onde a priraeira digoi-
dade revestida de pluvial branco, Ihe oferecer
para oscular a cruz, e abi eotoar-se-hs em se-
* anUphona Eece Sactrdot Uagnui.
4. Coocluidoesteceremooial seguir Q pres-
hiixl'Ji fa,hedra'. ,0f, o Eim prelado de-
taVidad.. !.?* pfe,'aen,8 da provincia e mais au-
cam.r. n,,!",P!r,0.rM' ""^roe lustrisaima
adUn i. ?." e cid,di0 diatinctos, indo
i \LV. '. fora,,Qdu orpo com o Exm prelado:
1 ul.V/ ?'w cruiM P^ochiaes. das coof sri.i
hT.'.."7 eQlreUo, o clero cantar algum
7". P8"10 excepto o Te-Dtum
..* 5- Ao ehegar o preatito a calbedrat a nrimai
sordoBDBU'ae4receraao Elm- P o .?.?:
orlo, logo o Incens, depols do que ser i".
*-
DIARIO DE PERNAMtJB l QOkt* FRA
eslao BOHQMiMmoi: eozaiikml
rtnl lat.M..UKll .**
;o-.?t.r ?' Mr ?' "" V.o--.T.d.idV mal, ia.U..veertra SSBr^JP
ao altar do SS. Sacramento, onde far urna breve [seguranc iDdtvidaalcMtMsjMH nA.i^
InXV "T" d" qUal 8eguir P"ra '. 'este. i. Densquedafruc SrS,^.D"ld^
dianid8A"fl#x-? PermaDecer. i" Pri"" o cholera, e eti.essemos em
digaidade recite a oracao propria, depols ds qusl' tancia. nanceira*
receber do solio as saudacdes do clero e dovo : Vm r.h.n a._____
__5oes do clero e povo;
ento dat a oragio do padroeiro eser conduxi-
pela cabido e naia clero a ajvo,
P9it, por este progrmala convidados
pelo lllm. Rvm. Sr. gomnador do biapado, o
clero aecular a regular, os saeajbroi da illswtfu-
Sims amara municipal, to4a autoridaa e
empregados publipos, as onfraiii* e umMrfades
religiosas, os offlciaes militires de Iidsj* e da
guarda nacional, os cumulas estsangeiret, o cor-
po do commercio, os membros dos tribunaes
juatiga.e das aisociacoea Iliterarias e mechamcas
e finalmente o poro catbolico dests espita!, pan
que se digne de acolher o recebar com o devtfJtj
amor e respeito o oosao paator, o Exm. Sr. D. Fr,
Luiz da ConceicSo Saraiva, digoiasimo bispo des-
la diocese; rogaodo o aaeamo Sr. goveroador do
biapado, coofiado oo espirito religioso dos habi-
tantes desia capital, qae se dignem de adornar
com cortinas as portas e jaoellas de saas casas, *
juncar de flores e folhas aromticas as ras por
onde houver de psssar o Exm o Rvm. prelado
com seu scompanhamento, bem como que illu-
minem auas casas por tres das consecutivos. >
Piauhy.Nada de imporlaaie occorreu.
Ceard. A cmara municipal procedeu, no dia
8 d correte, i apurado da eleicio para o se-
nador que tem de preencher a vaga deixada
pelo desembargador Machado, fleando assim nr-
ganiaada a lista trplice:
Dr. Miguel Fernandes Vieira.
Dr. Domingos Jos Nogueira Jaguariba.
Dr. Raymundo Ferreira de A. Lima.
L se no Pedro II, de 4 e 10 do correle :
Coosla-nos que o cholera j se scha em S.
Jcao do Rio do Peixe, que dista do Ico quinze
leguas. '
A populaclo est bastante atterrada com
es*t noticia, e consta-nos que as respectivas au-
toridades mandaram pedir ao Exra. vice-presi-
dente a remeasa de ambulancias, mdicos e d-
nheiro para a despera a fazer com a pobreza.
Em circunstancias tao meliodrosas reuni-
mos nossa voz dos Icoeoses, e emprazamos
a. Exc, cujas boaa intencoea fazemoa a mere-
cida justiga, que se digne acudir aquello ponto
com oa aoccorros que solicita e que devem ser
acompanhados de outras medidas que esle am
par da situarlo.
Talvez toase conveniente nomear eommts-
soe* no Ico. Pereiro. Telha, Lavras e nos lugares
qe ficaaaem mais expoatus ; remetter slgumaa
pegaa de baeta ; mandar preparar de aaWmo
hoapitaea onde se recolba a pobreza no casjsvde
invasao d molestia ; e dar inslruc^es aosVe-
dicos sobre os pootos de observado que devem
oceupar e modo por que uevero prestar seus
lernco* no caao de serem atacados isolada ou
aimulianeamente alguns lugares.
O Sr. capitio Manoel Felippe Bastos que
aqu se acha. se eoteodeu pessoalmente com S.
Exc, e Ibe fez ver o estado do Ico, offarecendo-
Ihe conduego para alguna remedios que qui-
zesse enviar desde logo. Tambem recebemos car-
ta do Sr. maior Joaquim Pinto Nogueira, delega-
do Ic, corff dala de 21 de fevereiro, que assim
se exprime :
Nesta data officiei por um proprio ao presi-
dente ds provincia, participando-lhe que o cho-
era se acha distante desta cidade 15 leguaa no
lugar S. Joao. Em Pombal, cidade de Souza e
Aiagoa-tapad, por todos estes lugares tem fei-
f J'Cttmas. O Dr. Rufino diz que s cholerioa
J apparecida nesti cid*de, maa o Dr. Teber.e
nega e combatea opinio do Rufloo. Deas per-
muta que Qquemos nisso, o que duvido, visto a
marcha rpida com que iovade algumas partes
K*pero que a presidencia despache o meu porta-
dor e nos mande os recursos de que precisamos,
remedios, mdicos e dinbeiro para acudir os po-
bres. Estou tao desapontado que nao sei o que
Chega nesle momento o padre Sarment
vigand de Maria Pereira, que tondo ido ver
familia na Parahiba, confirma o que cima digo
toasla-nos que o cholera em dala de 27 de
Tevereiro se achara perto da villa de Milagrea.
Eiso que diz urna carta que d'aili recebemos
de pessoa fidedigna :
O que por ora nos preoecupa a terrivel
noticia do apparecimeolo do cholera em Souza
no Pedregulho, diatante de Milagrea 18 leguas e
na Picada que fica para o lado ie S. Jos de Pi-
raohasem irecgo a villa ue Milagrea.
Todos o* estamos merc de Deus, que
quem nos pode valer, porque os homens o'aqui
nada enteodem de medicina, e quando soubes-
sem, nao ha remedios alguos.
O presidente deve ajudar-nos em conjectu-
raa tao melindrosas.
Sentimos que as nossas previsoes vio sendo
tristemente realisadas, e que ao depois, quando
r de combater o mal, j seja um
Va chegando o Prinetx
aqui, e fecho eala, aotes qi>
ParcJmb*.Li
n*o saaspo
Wat, quest
ca SJH ce upa o
buojldawta,
di|Hfj
c
d Us04Ba('tVi
^v
186.
1
M
adores df
De oulra
e fevereiro o-
sairda opraio e de-
peza aos pro-
Wstrerr acaarunhamento que peza aos
prietario d%e^s>ahos, cuja mainria est soffreo-
*M IwrueBjSJJiTeUos do monopolio eolhrooisado
e descommunal exercido por urna
caaa que com
tarde, em
victimjs,
pouco
razao os lureoj apparecido slgumaa
Rio Grande do Norte.Abaixo publicamos a
carta de nusso correpondente, que relata quanto
ha de importante:
. Chegaram olicios do juiz de direito do Seri-
dO presideocia, participando haver aportado
urna povoacao daquella comarca o cholera-nor-
bus, qae j lioh* feto sete victimas.
Deaencantou-se emfim o serto, que se jul-
gavs (j^eu assim tambem acreditav*) inruloera
vel. Felizmente eatamos bem preparados de co-
ragem e da providencias, para recebermoa a vi-
sita do Aomem. At agora o Sr. Dr. Leo Vel-
loso nao tinha vinlem para gaatar com eala verba ;
pelo Oyapock, porm, o goveroo imperial habili-
lou-o para esse fim; estamos, pois, trsoquillos
quauto ae pode estar em ama coojanctura peri-
gosa como esta: e aqui na capital eolio abunda-
mos de remedios; nao temo* meos de tres bo-
ticas, e urna sorlida em ponto grande para ss ne-
cessidadea da ierra.
A aaaembla provincial vai marchando, quand
meme, mas uso como il faut: estamos com um
mez de reunio, e poucos sao os diss, em que se
tem trabaihado, e neaies meemos aioda ae nao
iniciou urna s medida respeito de nossa criae
nanceira.
Da empreslimo nao ae trata, oem de impos-
ios ; faiia-se ou em diminuir o oumerosiasimo
unccionaiimo, ou ibaler uos 20 por cerno sobre
os seus ordenados; e este segundo alvitre parece
qae aera o proferido, porque foi ella o proposto
pela presidencia.
A polmica amigavel entre o Correio Nata-
lenie e o Uous de Dexembro, fez descoorir, que
harendo-se recolhMo aoa cofrea publico no de-
ceodio de 1850 1859 a quantia de 985 408#109
a o funcciooahamo abaorveu deata somma a nor-
me cifra de 666:517j>148, tocando apenaa para
obras publicas no mesmo periodo 75:3558351, qoe
nem esses mesmos seriam todoa gastos em me-
lhoramentos maleriaes, porque, como todo o mvn
do sabe, o dioheiro para obras publicaa tem a
propnedade de se agarrar muito s mo* daa pes-
soaa, que para eaae fim o dialribuem, de forma
que pelo menos um terco, seno metade nio tem
apphcaco ao seu destino. A' vala disto nao ha
maia que admirar de ae percorrer eata provincia
sem se encontrar urna s obra provincial, que
mereca a pena de olhar-ae para ella : oeste par-
ticular parece, que anda somos a antfga comar-
ca desss provincis de Pernambuco.
O Correio Nalalense atira eata culpa para a
aembla provincial, o Doui de Dezembro, po-
rm, varre-a l para aa admioialracoes; e cada
um delles permute demonstrar a sua proposico
veremos. E' verdsde. que a primeira bala rasa,
que o correto despedio contra o Oou, de o
m*tter pique, e teobo psra mim, que Ihe ha de
ser cusioso salvar-se ; porque emfim o Correio
ralla urna lloguagem, que nunca menlio, a lio-
guagem das cifras, e o Dout. creio, que em por
ah com argumentos ralione : Lavemos ver no
m de comas, quem tem mo.
Eu sei, que hi muito qae dizer das admiois-
tracoes; porm, meu seohor, mnguem poder
ne8,r I"8 a aenhoraa assembla* tem feito ces-
s*r ludo quaotu a musa amiga canta. Nao a
o esbaojamento dos dinheiros das provincia, o
seu meo crime, ellas se deve a desgracada
JirisSo civil, eccleaiaatica e judiclaria do imperio ;
se j nao temos mais vigarios do que freguezea,
mais juizes, do que parles, nio lardar muito
que assim aconlega.
Consta, que a nossa assembla vai crear mais
duas comarcas ; e urna, a do Cear-meiim j paa
\c*aruiin
*afjrb
iveiajaraeilc
nunal exer..
palarr.s docea poude, por aasim dizer, lornar-sa
arbitra do resultado do trabalho do juila* fa-
milias.
a De toda paita erguem-ae cam pedes em dU
leza do commercio, ou antea da caaa a que no*
referimos*>a poderosos teem meios para re-
compenureme os traeos amigos que os deffen-
dam,; ou aotes a verdade ha de tyumphar.
Conheco alguns agricultores que mandaram
saus aaaacarea a eaaa caaa ; mas nao contiouaraii
por que aliaal tinham de recebar a importancia
d .eu trabalho, como Ih'a queriam pagar, pelo
prego maia baixo pago durante a praca.
A redaccao do Mercantil ParanybaHO. ou
anles o Sr. De Lindolfo Jos Correa da Neves.
na sido sggredido de um modo desabrido, por
haver erguido sua voz considerada, em favor da
agricultura. Nesta luta est elle entreido e
acompanbado pelo Detperlador e pela Gyromo-
co. que teem perfeitameole deffendidu os ule-
reise da agricultura.
Alm deata queslio, urna de outra especie
existe entre aquella redaccao e quatro outros ca-
valleiros. Eaie* aio o Dr. Diogo Velho, o D.
Aoiiio, Mindello eSilvioo. e aquella como disse,
represeolsda pelo Dr. Lindolfo, contra quem
os quatro, cada um por sua vez, se appreseots-
ram na Regeneraco. verdade seja que as armas
de todos nao moatraram o bnlho da. do perfeito
cavalleiro e os dous ltimos nio recuaram ao
ioaulto e mesmo referiram lactoa, para os quaea
o publico nao pode ser juiz.
Nesta capital goza-ae de tranquilidado a ex-
cepsao de doua pequeos ferimeotos, um feito
por paisano e oatro por soldado de linha, passa-
se sem novidsde dessa ordem. De quando em
quaudo brigam os soldados, e em resultado al-
urnas conluzes, supapos, arraohdes, e o peior
o conselho peremptorioque do exercicio a
praoch*. Ora por iaso se nao pode dizer que o
corpo de guarnicao eat ralachado, que o aeu
coramaodante nao presla etc. Affianco-lhe que
o coronel Ernesto Emiliano de Madeiros, um
distiocto militar, que o corpo de guatnico est
em perfeito p de disciplina e que as praca* do
goral leem ptimo comporlsmento.
Nao ha de ser o despeito de quem quer que
seja, baatanle para marear os galea de um ve-
terano do exercito, que os hs feito alargar a cus-
la de muito sacrificio pessoal e de muito exforco
e dedicac.au.
f Na cidade de Souza Manoel Baptisti inlrn-
duzo na circulaQao alguna patacea falsos, dos
quaes foram apprehendidos pela polica una vinle.
a L para l'ianc Antonio de Barros, foi aa-
sassiuado por Antonio Rufino, livrando este tal-
vez ao cholera o trabalho ou antes o prazer de
victimar.
Nao sei quando deixar-no*-h| o cholera, que
tantaa victimas tem feito. Nesta cidade o nume-
ro de morto* nao passou de tres; entretanto que
grasa geralmenle os prdromos da epidemia, que
vao ceden iu a qualquer tratsmeoto.
Sem querer offuscsr o mrito de quem quer
que se] sou torcido a trazar o oome do disliocio
e illustrado e preslimoso medico Dr. Antonio da
Cruz Cordeirp, em cuja presUbilidade tem tido
o governo um dedicado auxiliar. Sobrecama-
do de ffazerea ; pois est encarregado da en-
fermara militar e medico da Santa Casa, nio
se furia sos continuados chamados prestaodo-se
com bondade a todos que o procuram.
a Para que poasa fazer urna idea completa da
forja e exteoaio da epidemiadeclaro-lhe que
a,!^!ln,,.8 numf<> das victimas est elevado a
1,75911
A freguezia de Santa Rita, que dista desta
capital, a sede, duas leguas, eat a bracos com
a epidemia que, a principio benigna, vai an-
do carcter grave.
As ebuvas continuara,, em mais ou menos
forja. 7
lagoat e Sergipe.Nada occoneu que mereca
mengao. *
REVISTA DIARIA.
Hoje, pelas 11 horas e oteia da manhla, passs
S. Exc. o Sr. Dr. Antonio Marcellioo Nunes Gon-
Qalves, a adminiatracio da provincia, ao 2 vice-
presidente Dr. Joaquim Pirea Machado Pottella,
em conaequencia de ter de tomar aasento na c-
mara temporaria, o Io viacoode de Camaragibe.
S. Exc. depois desse seto, ir resi r no edificio
ds rus do Imperador n. 3, onde estere o com-
mando daa armas.
Achs-se mercado o dia 31 do correte mez
para a reuma) do jury do termo de Olinda.
E' a eessio no presente aooo, e lera presi-
dida pelo Sr. Dr. juiz de direito da 2* vara Maooel
Jos da Silva Neivas.
Amaohaa tem lugar o procissio de Nossa
Senhora da Suledade, erecta ua igreii do Livra-
meoto.
Pela procuradura fiscal da fazeoda provin-
cial foi mandado proceder judicialmente a cobran
?a dos dbitos provenientes de rendas do patri-
monio doa orphaos, relativos ao. anno. de 1859
60 e de 1860 61. No entinto a mesma procu-
ra loria coocede dez das, datados de 18 do cor-
reme, para o pagamento respectivo iodependen-
imente de execucio ; e como pos acootecer
que sejaoi repelidas rendas j pagas com relacio
quelles referidos apnos, sio convidados os in-
quilisos a produzir os seus recibos para sanar ease
defeito, com baixa oo debito que posssm estsr
contemplsdos iQdevidamente.
Coosta-nos qoe lera lugar no dia 15 do cor-
rente a abertura da 3 seccio da ta frrea, que
oeste meamo dia ser entregue ao tranaito pu-
blico, loformam-oos igualmente que oio haver
inaugurarlo aolemne, e que todas ss pesaoas que
quizerem visitara lioba frrea atGamelleira oa-
quelle dn poferao comprar na ealaciodas Cinco-
tontas o respectivo bilhele. Em Gamelleira ha
botis, e dizem-oos que se prepara um bsrracao
para os visitantes com pouro dispendio gozarem
das delicias da localidade. E' urna bella opporte-
nidade para lodos que desejam ver lio bellos si-
tios. Acham-se igualmente reduzidos os precos
ds paassgens, com grande vantagem para o pu-
blico.
No dia 18 do correte faileceu, victima da
labra amarella, o 8r. Luiz Roberto Baodichon,
ubdito frocez. emoregado em caaa do Sr Vg-
ne. fabricante de pianos, na ra do Imperador.
O vapor Apa, tira a mala para o aul do Im-
perio, hnje s 3 horas da tarde, no correio.
Pelo Sr. Aotonio Marques de Hollaoda Ca-
valcanu, delegado do termo da Sacada, foram
preso., o cnmioo.o de morta Manoel Jos da
Silvs, coobecido por Manoel Bacalbo, e o deser-
tor da armada Joaquim Jos de Sant'Aona.
De S Loureo;o da Malta temos, em dala de
18 do correte, aa seguiotes noticiss :
A epidemia, que ha perto de um mezsems-
mfeslou oeit freguezis, vai apresenlando i al-
guma declinago.
Nos primeiros diss depois do seu appareci-
meoto mosiiou se tao benigna, que lodoso* doeo-
les se reslabeleciam logo com qualquer aoccorro ;
porm nos das 10, 11 e 12 tornou-.a lio irada,
que fez 9 victimas.
i No ultimo desses diss foi o delegado so Re-
cite, e larde vimo-lo ehegar. irazeodo em sua
compaohia ao Dr. Pedro Cesar, j aqoi bem co-
obecido.
De caminho foram logo viailanda aquellea
doenles queficavam margem daeslrsda. dahi
pordlante ludo camiohou bem; porque de 54
atacados que haviam. smenle tem succumbido
6 depois de sua
Ealamos com xcellenle inreroo; os creado-
tor do logar, qM8 o fez im'medUlamenU recew,
admlnistraado-lhe da promplo alguns remedios
confiados
a de lempo ao
os, que com-
o ; porm j o eocon-
ndo-lhes o itispector que
elle se achara do ultimo
O outro ara am menino de
ataque foi lio forte que nio dea
aoccorrtAo.-fraj-'
Pedro Casar M*la tavsUa s 5 bo-
da maohaa, e m coamds* do plegado oa
bdelegado. do c.pitjSlTl^. ^te joio
lio.. Qscsl dests freguezia ealfcaa JSo^Ribetro,
ercorre os ponto, maia acoomajatllidos, acudiodo
rompa meo te a todos MvjtatjMos Ue Ihe fa-
iem, appiicando ella.erogHa os H^udAftl e fazeo-
oo ncgaes, sjadado por seus compaoheiros : e
U Tzes recolhe-|e. alta noite, ensopado da
chuva. coberto de lama, exhausto. ooutro da
da repeticio dos mesmo trabalho., o meamo
lidar do dfa que passou.
A populago deata (reguezia, chela de racp-
nhecimeoto, agradece ao Exm. presdanle da pro-
vincia o beneficio promplo a valioso que Ihe
preatou, mandando em aeu auxilio o distacto me-
dico Dr. Pedro Antonio Cesar, altendendo tao be-
nignamente ao pedido do nosso delegado.
No domingo passado tiremos aqui urna pro-
cissao de penitencia, a nio obstante o mo lempo
que fez, foi ella basisnte concorrida. Pregou na
oecasiio de se recolher a mesma procissao, o
Kd. padre Grego, que se mostrou muito agalla-
do eom os pai. de familias a as donzellas. Acho
que o padre oio teve razio de se pronunciar da-
quella maneira.
Neasa noite (de domingo para aegunda-feira)
cabio mulla chura com grande trovnada, e foram
atacadas durante ella 11 pessoas. Ha cerca de 30
convaleiconle. e 4 doeotea em grande perigo, so-
breiudo ama mulher caaada que tere o parto ao
terceiro dia do aeu ataque, que foi muito forte.
Se esta fr salva, ser qussi um milagro.
Tem sido muito difflcil obstar que os doen-
les se slimanlem durante a molestia. A primeira
cousa que ae faz oa caaa oode cabe um doente,
matar ama gallioha para dar caldo* ao enfermo,
e lato tem dado causa maior parlados casos fa-
laes que tem hsvido.
O seobor do engeobo Tiams, o coronel Joa-
quim Mauricio Wanderley, foi seriam eme ataca-
do, depoi. de haver perdido 3 eacravos.
Coosta-nos, porm, que j se acha muito
memorado, ou quaai livre deaae mal e em cami-
nho de prompto realabeleciment. Foi elle trata-
do pelo filho o Dr. Vicente Wanderley, que veio
de Limoeiro toda a presss em aoccorro de seu
pal.
A populado est muito animada, a tem toda
a conliaoc. o medico e na. pa.aoa. que se teem
dediesdo ao seu tratsmeoto.
a As autoridades teem sabido cumprir bem o.
seus deveres.
G. a
Aote-honiem foi visitado officialmente pelo
Exm. eommaodante das armaa o araenal de guer-
ra, aeudo S. Exc. ento reeebido pela compa-
ohia de aprenduea menores do mesmo arsenal,
com asjormalidadea militarea que Ihe aio devi-
dis. Iaformam-nos que Exc. mandara que os
mesmo. aprendizes fizessem em sus presenta
mais outraa eroluces, das quaes, oio obstante o
acanhado espaco em que foram executadas, pa-
receu oio haver ficado descomente.
Por aecimenludo Rvd. vigario de Maman-
guape, lendo de aer prvido o lugar de visitador
da provincia da Parahiba, que era oceupado por
aquelie finado vigario, vem proposito lembrar-
mo* para esse lugar o nome do vigario collado da
villa de Alhaodra, daquella provincia.
Seria urna acertada nomeafio, porque o oome
que temos lembrado da ordem deases que lio
sempre acompanhados dss bengios dos que o
conhecem ; visto qae em tsnto importa urna ton-
ga serie de precedentes honrosos, que garaotem
ser exereido com o lusimenlo condigno esse tio
importante emprego, por quem com laota digni-
dade, aoxiliado nicamente pelos mdicos recur-
sos de que dispe, se ha sabido msoter, na altu-
ra de aua posicio, na pofcTissima freguezia de
Alhandra.
O Sr. Dr. promotor publico do termo ioter-
poz nonteio urna denuncia peraute o subdelegado
ua treguezla de Smto Antonio contra um empre-
ndo da capitana do porto por crime de estellio-
oado. Expediu-se mandado de nulificado s
testemunhas para deporem no proceaso que ae
proceder aem perda de lempo.
P rf tuiaicio do coniui de S. M Catholic,
o ir. Juao Aoglada Hijo, iolerpoz o Sr. Dr.
promotor publico urna queixa criminal contra o
contra meatre de.um dos narj.aatlo.nete por
lo, por crime de offeosas phisicaa perpetradas na
pessoa do subdito bespaohol, Jos Arantes, pes-
soa misersrel. Correr o proceaso ante o aubde-
legado da freguezia de S. Frei Pedio Connives.
Ioformam-noa que aabbado voltario ace-
a, noSaota Isabel, as companhias acrbata e
dramtica, com o programma que ser annuncia-
do ; e que breve lera lugar am outro era bene-
ucio doa jovena Freirea, principaes membros da
primeira, que lano tem agradado, e para o quil
e de esperar coocorra o publico.
Ei. o .epluagaslmo-oilavo
Buletim o/ficial.
a Em um offlcio de hoje, dirigido dos Afoga-
g'do. ao Exm. presidente da proriocla, diz o Dr.
Alcibiades Jos de Azevedo Pedra, que nessa fre
duezia nio ae tem dado caaos nem mesmo de cho-
lerioa, desde odia 12 do crreme, e conclae dis-
to ser lisongeiro o estado sanitario do dislricto
medico cooado aos seus cuidados,'e poder ser
dispensado desse servico.
De oenbum outro poni recebeu S. Exc. com-
muoicacoes offlciaes relativas aocbolera-morbus.
* A 6 horaa d larde de 19 de marjo de
Dr. quino Fonceca.
uepou d maohaa se deer eitrabir a pri-
meira parte da primeira lotera a beneficio da
matriz de Taquarilinga, do coosiatorio da igrejs
S- d0 Ro,ario de Santo Antonio. Satama-
nhaa s 10 horas da notle ae deverio veoder os
respectivos bilheles.
Conctuio-se na corle o jury de julgamento
dos objectos apresenlados exposicao nacional,
derendo ter tido all lugar a destribaicio doa
premios dos expositores ds corte o provincis do
Rio de Janeiro, no dia 14 do correle. Deixamos
de publicar a relami das pessoss premiadas, por
nao virem designados os productos e a qualtdade
dos premios.
Paasageros do vapor nacional Persinunoa,
vindo de Macei : '
Major Jos Guedes Nogueira, Aotonio Teixeira
finio, Antonio Joaquim de Mello, Maooel Perai-
rl .n,8 Gr'"0' Dr-Joa Antonio Baha da Cu-
nna, 1 Qlha menor e 1 criada,Dr. Theophilo Fer-
nandos dos Saotos e 1 eacravo, Eroeito Piotj
Lnbo Cetro, Maooel Machado Lomos. Francisco
fernandes dos Sanios. Dr. Aotonio Nobre de Al-
!* c"-o. Dr. Maooel Lourenco da Silvelra,
Jos Nicolao Gomes, Domingos da Silva Torres,
Jos Teixeira da Cunha. Elias Jos de Almeida,
Jos d Souza Guimariea Juoior, Joaquim de Aze-
vedo Maia. Vicente Ferreira de Paula, 1 escravo
de Gonjallo d'Aquioo F. de M.
Paasageros do vapor nacional Apa, viodo
dos portns de norte :
Ariilides Jiflto Mavl^nier, Joaquim Msris da
Silva e 2 meoores Bernardo eMnoel, Bernardi-
00 da Coala Neves, J Antonio ds Silveira, Ber-
nardino Lopes de Carvalbo, Jame. Atkioaoo, Fe-
lippe Luiz Goocalres, Raymundo Tneodorico da
Coala e Silva, Maooel Ildofooao de Souza Lima,
Maooel Jos dos Saotoa, aua senhora e 1 criado,
Joaquim de Carvalho Caatro, Anbal Possidooio
de Almeida Fortuna, 1 desertor do 9* batalhio
com sua mulhr e 2 praca. que o acompaoha,
Francisco G. Marque, da Foo.ee, Joaquim de a!
Pereira Jnior, Manoel Goncalvea Moreira, Joio
Jos Veoaocio, Antonio Paulo Jos Loureiro.
Seguem para o sul :
Antonio Pedro da Silvelra Frade, sua senhora,
1 criada e % eacravos, MaoueliCalitto, Jos Joa-
quim Vianns, Lupercio Franciaco de Suuz Mu-
a, Dr. Antonio da Rocha Miranda Filho, Pedro
Augualo Borges e 1 irmaa, Mariano Cardoao de
Almeida, 21 praraa de pret, 4 mulheres 50-
Ihos. Fraocisco Jos da Coala Jnior, 9 esersvos
a entregar.
Passageiros do brigae brssileiro Imperial
Pedro, rindo do Rio Uraade do Sul t
Alberto Francisco do Espirito Santo e Fran-
cisco do Espirito Santo.
Passageiros do brigue porluguez Relmpa-
go, viodo de Liaboa :
Amonio Pinto esas senhora, Candido Jaime da
Coila Lira, e Jos Msrlios Leitao.
Movimeoto da enfermara da casa de deten
gao do dia 29 de margo de 1862'
Tiveram alta da enfermarla
Manoel Pedro Pereira.
Jos Barbo* do Na.clmeelo.
Isidoro (escravo sentenciado.)
Liborio Joa Tarares de Mendeoga.
Pedro (eacravo de Jlo Carlos.)
MORTALIDAD! DO DIA 19 DE aUft0 :
Joanna Maria da Cooceicio, Pernambuco, 5San-
* no, tolieira, Ba-Vista ; marasmo.
Catharioa, frica. 34aonos,.olteirs,escrava, San-
to Autooio ; tubrculos pulmonares.
Anglica, Pernambuco, 20 annos, solteirs, escra-
va, Santo Antonio ; cholera.
FraoclacaA AUs vfca&a, p^rna
anno, easada, Boa-Ylata ; canc
AntoDio fraocieco Pereira, Pernal
nos, O^lro, Recite ; aneoai. '
m
., -',,, ii -;. fy
Corpespondencia*.
Tributa de gratidao.
Senhore redactores. QuDdo tomel a irreflec-
tida reaolufio de fazer.ocied.de com am homem
que .uppunh honesto e de boa f. compromet-
iendo meu pequeo capital, e nio tendo parle na
gerencia do eslabelecimeoto, nunca me passou
E i Tole que *u l6ra de On*r ni mioha li-
berdade, e em minha reputacio, caso por algum
acto de improbldade daquelle gerente, ou por
circumatancia. involuntaria., viesse o estabeci-
mento a suspender seus pagamentos. Eotrelaoto,
"5?. D" ,contacea. Porque tive de soffrer os
effeitos de urna proouncia em quebrs culposa, da
qual felizmente (ui livte pelo recpeitavel tribunal
da relacio, para quem reccorri, e qae reconheceu
s minha boa f e innocencia, restituindo-me ao
aeio de miaba familia, e ao gremio da socie-
dade.
Meus votos de gratidao aos dignos Srs. desem-
bargadorea que ae houveram com justica para
comigo. sao para mim urna divida de boora.
Maa oio se limita a estes dignos oroamenlos
da magistratura brasileira o meu recoohecimen-
to, a prisao, aioda como custodia, um tor-
meoto moral, e nio ha expresaos que msnife*-
lem atas o quanto de gralidio merece a um co-
racao bem formado o benvolo acolhimento da-
quellea a cuja guarda tomos confiados, e que pro-
curaram aligeirar-ooa por suas delicadas alten-
{oes o peso do desgosto lohereote a urna prisao.
Deiando, portaoto, o estado-maior do quartel
do corpo de polica, que foi desigoado para mi-
nha custodia, nao posso deixar de consignar um
voto de recoohecimeoto aoa Illma. Srs. capilio
fiscal Joa Pereira Teixeira, capilio Franciaco
Borgea Leal, lenles Jos Cuneguodes da Silva
e Manoel Fernandes de Albuquerque Mello, e al-
teres Mauoel Soares de Albergara e Joaquim
Uerculaoo Pereira Calda. Jnior, o. quaes se
mostraram fios cavalheiros, e souberam perfei-
tamente alliar os deveres ds disciplina com as
delicada, maneiras do. horneo, esmeradamente
educado*.
Queiram, pois, esses digoo. ofBciae. do corpo
de polica acallar oa apontaneoa votos de meu
recoohecimeato, certos de qae aproveitarei com
satisfacio qualquer eosejo, em que pos*, tradu-
zir por actos os seotimentos que me animam.
Recite, 17 de marco de 1862.
Antonio Francisco de Souza Magalhet Jnior.
Sen/lores redactores.A. repelida, calumnia,
de que oeata villa me tem feito victima um ole
despresivel, que aqui agente e instrumento do
Sr. Francisco Carlos Brandio, obnga-me a vir
impreosa provoca-Jo a urna discusso franca.
Se ao Sr. Brsndio, no inleresse de segurar a
sus cadeira de deputado, que Ihe psrece querer
escapar, licito assalsr contrs mimosea rafeiro,
nioguem contestar o direilo que me aasiste de
demonstrar a toda a las quanto aafsro nio o
mueravel bordio a que se arrima o mesmo Sr.
Brandio.
O professor publico dests villa o espirito ma-
ligno que paira entre nos. fszendo da intriga e da
mentira tluloa de bem servir so aeu amo, sob
cujos auspicios ou proteccao trata tambem de
arranjar a vida.
Nao sei por que meios arranjou-ae de proca-
rador interino da cmara municipal ; o que aei
que noprocurou para a cmara, procurou para
si, tanto que em pouco lempo achou-se em um
alcance de trezento. tantos mil ris.
Como protegido do Sr. Dr. Brandio, qae aqu
roso nos processo. de Impedimento, a outras
questoes matrlmoniaes que correm per.nte mim.
Sou de Vmcs. etc.
O vigario geral,
Antonio da Cunha e Figueirido.
iaZ e STm- SrEovio V S. Rvma. o
etmo uclaao da Impedimento matrimonial con-
?ri frf *!.S- Sr* profi,or d0 bispado.de li-
1! VF9*^ em aua '"alidada, bem co-
mo c.omjBipeass1 do Exm. e Rvm. Sr. bispo dio-
ceqo. do* peoelamos daa freguezias da cidade
do Recite, e proclamado, sem impedimento nes-
ta. onde tuha boje de realisar o aeu cassmento
que tica ustado t ulterior determinado de V.
S. Rvm.
Deus guarde V. 9. Rvma.
Villa da Eicadt, 28 de tevereiro de 1862.
lllm. e Rvm. Sr. Dr. Antonio d Cunha e Fi-
gueiredo, dignissimo vigario gersl do bispado de
Pernambuco.
Simao de Kxevtdo Campo,
Vigario da Escada.
Srs. redactores.Heodo os attestado re-
querimeoto de Jos Salgado d'Aibuquerque, con-
tra o aclual subdelegado do dislriclo do Bom Jar-
dim, o Sr. lente coronel Joio Barboaa da Sil-
va, como se v desses requerimeotos ealtestados
dados estampa no Consd'iuciona/ a. 124 de 23
de agosto de 1861, e assigosoo tambem cootra o
dito subdelegado e seu sobriobo o Sr. Dr. JJen-
rique Pereira de Lucena, urna correspondencia
quu corre impressa 00 Diario d* Pernambuco n.
254 de 4 da novembro do mesmo auno; as quaes
pessss sao recheiadas da. maia virulenta, e ca-
lumniosas imputacoes contrs esses dous senhore
de nenhuma das quaes temos scieocia ; e por isso
para que nao paire 00 animo de quem quer que
seja o menor vislumbre desairador da illibada
conduela dos mesmos aeohores de quem nunca
recebemos a mnima offeass, e para o'alguma
forma reparar a revoltaote e injusta aggressao e
ultraje, que Cuernos honra delles, declaramos
livre e espontneamente, que o. dito, alte.tado.
e assignaluras, que prestamos, nio foram de ac-
cordo cora a nossa coosciencia, e sim por termo,
sido completamente illaqueados e Iludidos.
Queiram. senhores redaclorea dar um caotinho
no aeu estimavel e bem cooceiluado jornal, es-
te grito da nossa consciencia ; e possa elle de-
sagravar a reputado do. calumniados que lio
niquamente ofrendemos.
Com a inaercio deatas toscis linhas, muito 0-
bngro Vmcs. aoa
Seus respeiladore. e criados.
Aotonio Vicenta da Costa Jnior.
Joaquim de Souza Barbosa.
Joaquim Jos d'Aquiar.
Beraljo Bezerra d'Araujo Mello.
Queimadas, 12 de margo de 1862.
Publicares a pedido.
mj L---------------; --" 1- t-' "!" h ciiiuo ue respon.aoi dade h aun
Zncu.Cr>a*VquUanda-- Deohum* Proi- contina a acceit.r mediante um. me quinha
deOCia a ha tomado nara niiar sin nriurln.. n.. mcaiiuinua
dencia se ha tomado para pueir easa prevaric*-
?ao ; mas tendo eu na qualidsde de secretsrioda
ca jara, me oceupado desse negocio, e nio tendo
o professor meios de pagar o alcance, pelo des-
crdito em que tido, correa Dft -OlM-cidsde.
inventando que eu o quera malar.
Deste modo cooseguio deixsr sua esdeira sem
licencia, a nio ser o seu seto considerado abando-
no de emprego, ao mesmo tempn que enconlrou
no Sr. Bradio lio viva protecgo, que al pre-
tendeu intrigar-me com o presidente da cmara,
a ver ae assim eu seria demitlido, ficando o aeu
agente livre de um impertinente, que aoa varea-
dores fallkssedo tal alcance....
Ease procedimento quer do Sr. Brandio, quer
do seu agente me tem demoradamenle rebul-
tado.
Procurando viver regularmente na sociedade,
muilo me tem magoado esse embuste de que te-
10 queijido tentar contra a vida de alguem....
(ente, porm, chegando eata villa o Dr.
reito, e reconhecendo aa falaidades cora
vjam impressiooado, nio teve duvida em
m aitestado que Ihe ped, em abono
Feliz
juiz de
que o h
dar-me
meu.
Este,
siio op
Por a
proles
estio s
Deix
para ir
me for
placar
Nao
outros documentos guardo-os para occa-
orlun.
;or nio quero perrder tempo com esse
r, cuj replselo e cooceito nesta villa
laixo de lodo o calculo,
que conlinue a abandonar a sus cadeira
advogar em Alagoa.; ma. ae urna vez
forcoso cabir-lbe em cima, bei de ser im-
il.
conclurei esta .em renovar o que em ou-
lra j diste, e que administrarlo policial do
Sr. major Pedra tem trazido esta comarca reses
beneficios.
Em Tacaral o imperio di lei e da juitica co-
mega a flrmar-se, emquanto o dominio dos man-
des caminha a desspparecer.
Conlinue na delegacia esse brioso militar, que
esta cimara ser mais larde urna das mais gover-
narei i da provincia.
Villa d Tacaral. 5 de marco de 1862.
Francisco Vicente da Cunha Valpasso.
Srs redactores.Tendo Vmcs. em sua Revis-
ta D ria de 3 do correte, daodo a noticia do
aaaaaiioato do porluguez Luiz de Souza e Silva,
affirmido, aem duvida por noticia, ioexactaa,
que o mencionado Souza e Silva recebera a pu-
ohl la no corredor da escada da mioha caaa,
quando elled'abi aahia com seu papis em regra,
fim 1 le tomar o wagoa da via-ferrea da Eacada,
devo sai abono da verdade e em ractificacio a
eata assercao, declarar Vmcs. qae eu oio havia
dado deapcho algum para o casamento do dito
porluguez na freguezia da Escada, a ao cootrario
haia eu impelido este casamento, logo queme
constbu que Souza e Silva tioba ofTeodido a ir-
mia de Aotonio Jos Alpieres.
No
receuj
o porluguez Souza e Silva, depois de haver ofteo-
dido
dia 28 de fevereiro prximo passado appa-
perante mim Alpieres declarando-me que
com promesas de casamento a aua irmaa
Felismioa, eatava para se casar oo dia seguiote
com nutra oa (reguezia da Escada ; em consa-
quencia do qae maodei immediatamente ordena
ao revereodo vigario da Etcada para tomar por
termo o impedimento d'squelle caaamento, o que
aendj logo cumprido pelo vigario, como Vmcs.
verso do alucio junto, me foi entregue no dia pri-
meira) da> correte s 11 hors do di. o termo do
impedimento.quando eu eslava a aahir para o pa-
lacio da Soledade, oode me aebava a chamado
da S. Eic. reverendsima, quando recebi a no-
ticia d'aquelle dessstroso asssssioato perpetrado
no corredor da escada do meu escriptorio as tres
huras da lardo.
Quem souber qae o* impedimentos .ornete
podem ser purgado* por seotenca dada em um
proce**o no qual se interrogara as partes, e o
promotor publico ecclesiaatico d a sua promo-
5io allegando as regres do direito canonice em
pro! da moralidade publica e a bem dos preceitos
da igreja, nio poderla affirmer que um impedi-
mento reeebido 00 dia ultimo de fevereiro e en-
tregue na vigararia geral no di. primeiro de mergo
tosse nesle memo dia julgado, da modo que
Souza, a quem nio cheguel a ver, podesie ji lar
reeebido o. ieu* papel* em regra na occesiao eoj
que oi apuobalado.
Concluiodo posso allirmar Vmc*. e ao publico
qae dorante o meu exarcicio na vigararia geral me
hei tornado nimiamente ecrupuoo e at rlgo-
o lllm. e Eviu. Sr. ministro da guerra
e Exra. Sr. presidente da provincia
para lerem.
O triumpho do erro
ephemero e o da verdade
eterno,
vamos do alio da impreosa erguer a nosss fra-
cs voz para eaclarecer ao goveroo e sociedade
quem esse hornera, que levaotou a sua voz em
defesa do moral e material do preiidio de Fer-
oaudo de Noronhaqueremos fallir d'um escrip-
to infame publicado no Litera/, tendo por asig-
natura O Lampeo d'aldeia, Esse homem,
depois de laucar as mais atrozea calumnias
honra, sempre reSpeitada, do lllm. Sr. coronel
Burlamaque, como eommaodante do presidio da
temando concluio.dizeodo que : Se o Sr.
coronel Burlmaque julgara-se offeodido na sua
boora, o chamasse aos tribunaes.
Oa prenles do distioclo coronel Burlamaque
que tinham autortsacao, acceitaram a luva sura-
da lao covsrdemenle. Intimando-.e, escudan-
do-so na lei, a entrega do autographo. Qual
nao foi a nossa admiracio, quando deparamos
22! Qnome ae Peoru 'Alcntara de tal mei-
rinho ? I Ueirioho este que tem sido expolso
do seu carcter, e por mais d'uma vez tem ido
cadea por crime de responsabilidad.- ; e qua
psga.
Quem nio deprabende daquelle escripto infa-
me, menos que nio seja algum idiota, que ja-
mis preteoderam provar as suas alrozes calum-
nias cootra o ^ vejerano dajodependencie.
Tanto maia quanto o dito meirinho ha quinze
das que se acha n'nm povoado denominado Afa-
rtco/a. Quem nio iofere daquelle escripto infa-
me qual o Um que ha de fazerem acreditar se-
melbantes infamia ?
Sempre diremos : O Exra. Sr. presidente da
proriocla deve trazer mu presente na memoria
o faci da tomada do grande earregamenlo de
agurdente, no preaidio de Fernaodo. pelo dis-
iracto coronel Burlemaque ; dere-se igual-
mente lembrar, altendendo se o fino laclo admi-
niatrativo de que dotadoqoe um dos inieres-
aadoa um militar, que pelas suaa astucias tem
passado por homem boorado. Porm, V. Ezc.
Sr. preaideote, j o coohece ; e que sescompa-
nheiros d armas repousam as suas coosciencias
fados, alias hialoricos, de um indigno militar
que maia larde hio de vir i lur.
Sabe V. Exc. qual a razio de tanta presss ?
tra porque o vapor fraoces tioba de ehegar n'oo-
tro da. Esse militar indigno e seus alliados re-
melteram psra o Rio aquella correspondencia in-
fame, atim de ver se abalara os nimos do go-
veroo, dando a demisslo do diatiocto coronel
Burlamaque, porque linha ido sem reaposla. Oh I
infamia I Oh I corardia I
Os parete e amigo, do Ilim. Sr. coronel
Burlamque e.tio continuando cora o proceaao
afim de levar para a cadeia o dito meirioho.
Exm. Sr. presidente, se V. Exc, anda que de
leve, tem alguma duvida aobre a admioiatracio
do distincto coronel Burlamaque, pedimoa a bem
da reputacio, firmada por relevantes serrinos fei-
to* ao paiz, que V. Exc. mande ama commiasio
Fernando para yndicar os factoa do mesmo co-
ronel. Eoiao V. Exe. ver como a commis.io
voltar ufana de ter por collega um offlcial co-
mo o disllncto coronel Burlamaque.
Recife, 19 de marco de 1862.
1. S. M.
Nos abeixo assigoados declsrsmos, qae pelo
uto proprio, peio de nossa familias a pelo que
temos visto applicar o prompto mili vio mais
remedios de Radway sempre temo, tirado e vis-
to tirar feliz reauliado, aem que al o presente
tenba deixado irritacoes ou infiero mandes i nin-
guem, mes tem pelo cootrario curado easas
affecQes ; desejamo*, pois, que o goerno con-
ceda- nos star ao abrigo deste* medicamento,
nio etlorvaodo a coatiouacio de aua venda.
O a He res ajudaote do 9," batalhio de infantaria,
Luiz Antonio Torrea Juoior.
Ionoceocio Monteiro de Paula Borges, silio da
Estrada Nova da Capuoga.
Antonio Airea de Moreea, ra do Amorlm n. 9.
Antonio Jos Rodrigues de Paula, ra de Sania
Rila n. 95.
Fraocisco Jos Porfirio, morador oa cidade de
Granja.
Laurenlino Jos de Miranda.
Jos Joaquim da Silva Guimaraes, ru do Hos-
picio o. 25.
Thom Carlos Perelli, Boa-vista.
Antonio de Souza Porolide, ra da Cruz.
Joao da Costs Lims Juoior. dem.
Pessoss de minha familia tem ussdo externa-
mente com feliz xito.Francisco Igoacio Ti-
noco de Souza, Passgem.
Joio Pereira da Cunha. Soledade.
Antonio da Silva Ferreira, Ponte d'Ucbo*.
Maooel Zeferino Dias Brrelo, rus da Gloria
n. 90.
Frederico Chaves Juoior, ras da Ira pera triz
n. 19.
Manoel da Silva Nev. Coulioho, aJangainho.'
Maooel Joa Pereira de Mello, paleo do Carino.
Franceiino Xavier da Fonaeca, ra da Madre de
Deo.
Vicente Teixeira Baeellar, Apipucoa.
Antonio Martin do Rio, rea do Sebo.
JoaCaroeiroda Cunha, Boa-vista, la de Baila
Cruz.
Auguato Ferreira de Carvalho, Afilelo
n "2V,qUa> B,rWU' TU* d Li,rUB",
Franciaco Caatano de Souza, rea Velha a. 77.
Alexandre Correa Jnior, ra do Corredor da
Biipo a. 24.
Cosme das Tmsa Teixeira, roa da Penha.
n (
rrs:

r~-~j0~



DIARIO DEPENAMBCO -. QU1
> DE MARCO DE 1861.

iU
Jos Pereira de Miranda Caoba, Soledade n' 5.
Gomprei appliquei a pessoaa de miaba fa-
milia o mei prximo paaaado e julgo o remedio
otil, roa doaPrazerean. 10.
Joaquim de Azevedo Pereira.
Joo Zeferino Pires de Lyra, rea Nora a. 45.
Virgilio de Castro Oliveire, pateo do Paraizo d.
88.
Joo Joi de Carvalho Horaea Filho, ras da Au-
rora o. 62.
Padre Lourenco de Albuquerque Loyola, con-
vento do Carmo.
Padre Candido Ferreira da Caoba, roa do Im-
perador n. 75.
Candido de Albuquerque Maranho, ra estreita
do Koaario n. 27.
Jos Bento Pereira do Reg, roa do Hospicio n.
26.
Manoel Erasmo de Carvalho Mouri, estrada de
Belem.
Manoel Rufino Jorge de Souza.
Jos da Ponceea Guimares, ra dos Pires d, 30.
Antonio Feliciano Rodrigues Sette, Belem.
Antonio Teiieira Peixolo ra do Vigario.
Joo Manoel de Siqueira, ra da Concordia.
J. llunder, ra Nova 67.
Jote Hygiuo de Miranda, praca da Roa-Vista n.
Jos Luiz de Uliveira Azevedo, (Fora de Portas)
largo do Pilar n. 8.
Herculano Geraldo de Souza Magalhes, ra da
Soledade n. 35.
Joaquim Monte Crez, ra do Imperador o. 79.
Francisco Aires de Ploho, ra da Conceicao n. 3.
Vicente Herculano de Lemos Duarie, csuiboa do
Carmo n. 24.
Antonio Augusto de Souza Navarro, ra da Ma-
triz da Boa-Vista n. 42.
Joaquim Moreira Pinto, travesaa da Madre de
Dos.
Cosme Jos dos Santoa Callado, ra do Vigario
n. 8.
Francisco Jos Goncalvea da Silva, ra da Impe-
ratriz n.78
Manoel Jos de Campoa Barboza, ra da Aurora
o.62.
Bellarmino Barbosa de Campos, estrada de ferro
Boa-Viagem.
Agoiiinho Ferreira Jnior, ra do Imperador
o.45.
Manoel Fraocisco de Jess Veras, roa do No-
li ru.
Ignacio Jos Machado, eogenho Campo Alegre,
(Cabo.)
Fraocisco Jos da Silva Mayer, morador na Ca-
puoga.
JooThomaz rmenla, ra das Cruzes nume-
ro 1.
Egydio Francisco das Chagas, ra do Fogo nu-
mero 13.
Norberto Moniz Teixein Gaimares, ra da Con-
cordia n. 61.
Manoel Gomes Leal, ra do Queimado nume-
ro 10.
Joo Goncalvea da Silva, ra do Principo nu-
mero 2.
Benjamn Vlres Dutra, ra da Gloria nume-
ro 89.
Francisco Jos da Costa, ra do Prazeres.
Francisco Pereira dos Res, ra dos Prea n. 25.
Jos Flix de Brilo Macedo, ra do Brum nu-
mero 6.
Manoel Francisco l)jarle,, ra da Soledade.
Jos de Souza leixeirs, ra do Vigario nume-
ro 20.
Jos Quintino de Souza Travassos, ra dos Pues
0.68.
Antonio Cezario Moreira Das, ra do Sebo nu-
mero 39.
Jos Mara do Ligo Draga, ra do Mondago.
Jacques Bosneond.
Jorge Rodrigues Sidreir, rus da Esperance nu-
mero 2.
JosLourenQO Goocilves.
Miguel Joaquim Cirios Cardozo, ra da Cruz nu-
mero 11.
Fraocisco Duarte das Neves, caes do Apollo.
Aolooio Fraocisco de Souza Magalhes Juoior,
ra de Hortas o. 102.
Manoel Joaquim Geucalves, ra da Imperatrz
0.88.
Msnoel Pedro Aodrade.
Manoel Pereira da Cruz, ra do Queimado.
Jos Emilio Alves da Silva, ra da Imperatrz.
Francisca Cerqueira Mano, ra do Queimado nu-
mero 29.
Maooel Ferreira Garrido, ra de Hortas.
Fraocisco Rodrigues da Silva, ra do Queimado
n. 9.
[Continuarse- ha.)
Mov me ato ate axl tendeara.
Valemei entrados comfazeodaa.. ti
> eom gtneroa.. 18
Valunies aabidoa som fazandas..
c > on gneros..
i
45
66
tas?- ill
DescarrsMm boje 20 de margo.
Hrigue ioglezRosaliebacalhlo.
Polaca hespaobolaMara Lloberasecarne.
eeebedorte de rendas internas
eraesj de Pernambneo.
Reodimeoto do dia 1 a 18. 32:9271262
Idam do dia 19......1:359|498
Consulado provine!
Reodimeoto do da 1 a 18. .
Idam do dia 19......
34:286>760
47:9679412
2:828|925
50796*337
Editaes.
Movimento do pono.
ar-
Navxos entrados no dia 19.
Para e portos intermedios9 dias, e do ultimo
porto 12 horas vapor brasileiro Apa, de 917
toneladas, commaodante Jooquim de Paula
Guedes Alcoforado
Macei22 horas vapor brasileiro Persinunga,
de 422 toneladas, commaodante Maooel Ro-
drigues dos Saolos Moura.
Rio Grande do Sul20 diss brigae brasileiro Im-
perial Pedro, de 210 tooeladas, rapaoVilal
Jos da Motla.equipagem 10, carga 11,000
robas de carne; a Maia & Espirito Sanio.
Lisboa39 dias brigae porl.iguez Relmpago, de
235 toneladas, capilo Augusto Antonio
Couto, equipsgem 12 carga fsrello vinho
tros gneros ; a Thomsz de Aquino
Savios saludos no mesmo dia.
Greoockbrigue inglez Melina, capilo William
Stabb, carga assucar.
Gibrallar patacho inglez Queen of the Usk, ca-
pilo Alexandre Liddle, carga assucar.
Marseille^bngue raocez Augusto, capilo
Risals, carga assucar.
Barceloossumaca hespanhola Ardella, capitao
Jaime Ferrer, carga algodo e couros.
GreoocW patacho ioglez Orienta*, capilo John
Simpsoo, carga assucar.
Canalcscuin iogleza Mischicf, capilo
leer, carga assucar.
de
e ou-
Fonceca.
L
J. Ba-
0 93
c
3
c
Horat.
Atmosphera.
I
C/3
V)
Pl
Direcco.
co
o
a
t V
Inlentidade.
Pela Ihesouraria proviocial ae faz publico,
qie oo dia 27 do correte vai oovameote a praca
para ser arrematado a quem mais def a reoda das
casas abaixo mencionadas, perleoceolaa ao pa-
trimonio doaorpbos.
Ra do Sebo o. 12, caaa terrea 1603000 por aooo
Ra do Rosario o. 14, dem SOlgUOO por aooo.
Ra da Lapa n. -II. idem 18x9000 por aooo.
Ra da Cacimba o. 65, dem 3009000 por aooo.
Kus dos Burgos n. 68 dem 20&&000 por aooo.
dem dem n. 69, 1259000 por snoo.
Ra da Seozala Velha sobrado de dous andares o.
79, 6509000 por anno.
dem idem aobrado de dous andarees o. 80,
6509000 por anno.
Ra da Guia o. 83,1629000 casa terrea por aooo
dem idem o. 84,1689000 idem idem por aooo.
Ra do Pilar o. 96,1579000 idem por aono.
Ra da Madre de Deus o. 35, 1:6219000 idem
por aooo.
Estrada de Paroamerim sitio o. 1, 500$000 por
aooo.
dem, idem n. 2, 1209000 por aooo,
Foroo da Cal litio o. 5, 3529000 por aooo.
Secretaria da ihesouraria provincial de Per-
nambuco, 15 de marco de 1862. O secretario,
A. F. d'Aonunciacio.
O lllm. Sr. inspector da Ihesouraria pro-
viocial, era cumprimeoto da ordem do Exro. S .
presdeme, manda fazer publico, que oo 27 des-
te mez, parante a junta da fazenda, se ba arrema-
lar a quem mais der, o reodimeoto do imposto
de 10 0[0 soDre os terreos occopados com o
planto do capim no municipio do Recita, ser-
viodo de base a esta arrematado o offerecimento
feito por Ionocencio Mooteiro de Paula Borgea,
da quanlia de 2:1009 por aono.
A arrematado ser feita por lempo de 33 nie-
les a cootar do Io de dezembro de 1861 a 30 de
juoho de 1864.
As peasoas que quizerem arrematar o dito im-
posto, comparecam na sala das sesses da refe-
rida junta no lia suprameociooado, pelo meio
dia e competentemente habilitadas.
E para constar se maodou aCQxar o presente e
publicar pelo Diario,
Secretaria da Ihesouraria provincial de Per-
oambuco, 14 de margo de 1862.O secretario,
Aolooio Ferreira da AoouociaQo.
Alfaodega de Peroambuco, 24 de jaoeiro de
de 1862.
Bento Jos Fernandes Barros.
O lllm. Sr. inspector da ihesouraria pro-
viocial manda fazer publico para coohecimeoto
doa iotdreasados o art. 48 da le proviocial n.
510 de 18 de junho do correle aooo.
Art. 48. E' permillido pagar-se a meia siza
dos escravos comprados em qualquer lempo an-
terior a dala da prosete lei independente de re-
validarlo e mulla, urna voz que os devedores
actuaesdesleimooaio, o agam dentro do exerci-
cio de 1861 a 1862, os que nao o Qzerem ficaro
aujeitos a revalidado e multa emdobro. seodo
um terco para o deuunciaule. A Ihesouraria ta-
ra anounciar por edilal nos primeiros 10 das de
cada mez a presente disposico.
E para coostar se maolou aflixar o prsenle e
publicar pelo Dxarto.
Secretaria da Ihesouraria proviocial de Per-
nambuco, 8 de julho de 1861.
O secretario,
A. F. da Asiumpcc.
O Dr. Trislo de Aleocar Araripe, juiz de direito
especial do commercio desta cioade do Recite
e seu lerroo capital da provincia de Peroam-
buco, por S. M. 1. e C. o Sr. D. Pedro 11, que
Deus guarde, ele
Pa^o saber pelo prsenle, que pelo merelissimo
tribunal do commercio .foi ordenada a abertura
da (alinela do commtrriantn matriculado Jos
Alves Fernandos, o se acba ella aberta pela sen-
tenga do Iheor seguinte :
Teodo em coosidersco o estado de iosolven-
vencia do commerciante Jos Alves Fernandes,
coostanle dos presentes autos, e cumprindo o
despacho superior a lis. 3i, hei \ or aberta a fal-
leocia do dito comtnerciante a datar do dia 22
de fevereiro prximo passado ; e mando que se
pooham sellos em lodos os seus beus. livros e
papis para seguirem-ae as demais diligencias
legaes.
Nomeio curadores fiscaes da massa fallida a
Prente Vianna & C. e depositarios provisorios a
Monteiro Lopes & C, deveodo aquellos prestar o
juramento do esiylu e estes assigoar termo de
deposito.
Fsca-se publica a falleocia por editaes, e se-
jam os credores convocados para o dia 21 do cor-
rente mez, s 12 horas da manha na saladas
audiencias.
Recite 15 de margo de 1862.Trislo de Alen-
car Araripe.
E por (orea da mesma seolenca sao convocados
lodos os credores do referido comuiercianle para
comparecerem no dia e hora iodicados, aura de
tralar-se da nomeago de depositario ou deposi-
tarios
E para que a lodos chegue a oolicia, mandei
passar editaes que sero aluzados e publicados.
Dado e passado nesla cidaue do Recite, aoa 19
de margo de 1862.
Eu Maooel de Carvalho Paes de Andrade, ea-
crivo o subscrevi.
__________Trislo de Alencar Araripe.
Correio
Pula administrafio do correio deata cidade a*
tai publico, que hoja (20) pelas 3 horas da tarde
em ponto sero fechadas as malas quedeve coo-
duzir o vapor brasileiro Apa, chegado honlem
dos portos do norte, e com deslino aoa do sul.3
Conselho de compras navaes.
Promove-ae em sesto de 26 do correte mu.
sob as condices do eatylo, a compra dos seguln-
tea objeatoa do material da armada.
Para os navios o arsenal.
20 feixea de arcos de ferro, 4 compacos, 400
colhares de ferro, 10 arrobaa do estopa de algo-
do. 6 enchea de carapioa, 4 eagnadros de ferro,
10 tooelladas de ferro bruto, 6 ferroa de plaioa,
26 arrobaa de feltro, 40 pes de gomma elaatica,
60 paos do lacre encunado, 20 marlellos de oro-
Iba, 20 grozas do peona d'aco, 80 reamas de pa-
pel a I maco, 20 arrobas de pregos de 4 pollega-
das, 2 arrobas de pregos ropa roa de cobre, 100
pies de ferro, 10 serrotes, 2 serrotes de flxas, 40
libras de tanas de cobre, o 16 vammas finas
sortidas.
E convida o cooselbo aoa pretndenos a apre-
seotarem auaa propoataa oaquelte dia al as 11
horas da manha.
Sala do conselho de compras navaes em 19 de
marco de 1862.O secretario,
Alexaodre Rodrigues dos Aojos.
. A risos mantillos.
i^mM^
COMPANHA BRAS1LEIRA
_______ DK
MWDIVIS & TOMML
E' esperado dos portos do sul at o dia 28 do
correte um dos vapores da compaohia, o qual
depois da demora do coslume seguir para os
portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir a qual deve-
r ser embarcada no dia de sua chegada, eo-
commeodas e dioheiro a frete al o dia da sabi-
da as 2 horas : ageocia ra da Cruz o. 1, escrip-
torio de Aolooio Loiz de Uliveira Azevedo & C.
Maranho e Para
Brevemente sahir para os iodicados portos o
veleiro brigae escuna Graciosa, capilo Joo
Jos de Souza, por ter parte do seu carrega-
mento contratado : para o resto tratase com Al-
meida, Gomes, Alves & C, ra da Cruz o. 27.
Rio de Janeiro
pretende seguir com muila bravidade o brigue
escena Joven Arlhur, tem parte de seo carre-
gam.Jto rompi: para oralo que Ihe falta,
trata-so com os seus consignatarios Aolooio Luiz
do Oliveira Azevedo & C, no sau eecriptorio ra
da Cruz o. 1.
uf
oes.
LEILO
A 21 do correte.
E. A. Borle & C. faro leilo por iolerveoco
do ageote Oliveira, do mais completo soriimento
de fazeodas de seda, l, lioho o de algodlo as
mais proprias do mercado e da presente estaco,
e as qoaoa mailo espera agradaro a seus (regu-
zea a quem especialmente convidara para o mes-
rao, que ter logar
Sexta-feira 12
do correte, a 10 horas da manha. em seu ar-
mazem sito na ra da Cruz do Recite.
LE1LAO'
4PPR0YAC0 E AllTORISACiO
DA
ASAfSEBDA C1PI8M BE MMUM
E JUUTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
CHAPAS MEMORA
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
ira radical a iu-
sejam internas ou
Para
Rio de .Janeiro,
a barca oacional Amelia pretende seguir com
muita brevidade, tem parte de aeu earregameolo
a bordo ; para o resto que lhe falta, trata-ae
com os aeus consignatarios Antonro Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seu escriptorio, ra da
Cruz n. 1.
Rio de Janeiro
O bem conhecido e veleiro brigue nacional
Almirante pretende seguir com muila brevida-
de, tem a bordo parte de seu carregamento ; para
o resto que lhe falta, trata-se com os aeus con-
signatarios Antonio Loiz de Oliveira Azevedo &
C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio Grande
do Sul ;
aegua com loda a brevidade por ter quasi todo o
seu carregamento promplo, a barca Malhildev,
aiada pode receber algumas barricas a frete : a
cralar no eecriptorio de Manoel Alves Guerra, ou
lom o capito l'iolo.
Para o Porto
A barca porlugueza .Silencio, capito Frao-
cisco Marims de Carvalho, pretende aahir com to-
da a brevidade ; quem na mesma quizar carregar
ou ir de passsucm, dirija-se ao consignatario Ma-
noel Ferreira da Silva Tarroso, na ra de Apollo
numero 28.
O
SEXTA-FEIRA 21 DO CORRENTE.
Costa Carvalho far leilo em seu escriptorio
oa ra do* Imperador o. 6 junto ao Bazar Per-
nambucano, de 4 caaaa terreas ns. 23, 25, 27 e
29 sitas na ra da Esperance na Soledade em le-
guimento ao Camioho Novo, teodo cada ama 2
salas, quintal morado, cacimba, em solo proprio,
as quaea sero entregues pelo maior preco en-
contrado.
LEILO
A 22 do correte,
Matheus, Austin & C. faro leilo por inter-
vengo do agente Oliveira. de cerca 800 barricas
de farinbade trigo,sob diferentes marcas, va-
riadas a bordo da barca americana Imperador,
capito Pouwer,.na sua recente viagem proce-
dente de Philadelphia para esto porto :
Sabbado 22
do correte, s 10 horas da maoha em ponto
(visto que o ageote tem de seguir para nutro lei-
lo de fazeodas dos Srs. E. A. Burle & C.) em seu
armazem, roa da Seozala Velha.
LEILO
Hoje 20 do corrente.
Jos Aolooio Moreira Dias & C. conclui-
rlo por iotervenco do agente Oliveira, o seu
leilo de grande sortimento de ferragens finas
e grossas, cutileris, armamento perfumaras o
ludo mais perlencente ao negocio de miudezas,
contando com a mesma animacodeseua fregue-
zei, cuja coocurreocia eaparam aeja igusl a doa
dous dias aoteriorea:
Quinta- feira 20
do corrente, s 10 horas da manha, em nonto
em seu armazem sito na roa da Cruz do Keclfe.
LEILO
Para os Srs. armadores e proprietarios
de carros fnebres, de espegulhas
por lodo e qualquer preco.
SEXTA-FEIRA 21 1)0CORRENTE ASlt HORAS.
O ageote Guimares vender em seu armazem
nsjrua do Imperador o. 37, por coota e risco de
qfem pertencer urna grande por^o de espegui
Ihasque inuito coovjr pelo seu preco.
Aosfers advogatios e aca-
dmicos.
Quiola-feira 20 do corrente haver leilo de
mullas e diversas obras de direilo e lilleratura
doa melhores autores.
Coro estas Chapas-elbctro-magneticas-epispasticas obtem-se urna
fallvel em todos os casos da inflammacao ( cansado ou falta de respirar/) ),
exiernas.corao do ligado, bofes, estomago, bacp, rins, tero, peiio, palpitado de corarlo, gar-
ganta, olhos, erysipela, rheumatisrno, paralysia e todas as affecedes nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as difieren tes especies de tumores, como lobinlios escrof ulas etc., seja qual fdr o seu
tamanho e profundeza por meio da suppuraro sero radicalmente extirpados.
O uso dellas aconselhado e receitadas por habis e distinctos facultativos, sna efficaia in-
contestavel, e as ionumeras curas oblidas o fazem merecer e conservar a confianza do publico
que j tem a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia e de'pralica.
As encoramendas das provincias devem ser dirigidas por oscriplo, tendo todo o cuidado
de fazer as necessarias explicagoes, se as chapas sao para homem, senhora pu enanca, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, brajo coxa, pama, p, ou tronco
do corpo, declarando a cicumferencia e sendo Dcnacdes, feridas ou ulceras, o molde do seu
tamanho em um pedaco'de papel ea declaracao onde exisiera, afim de que as chapas sejo da
tojmal da partetaffectada e para scrembem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer pouto do imperio do Brasil.
As chapas sero acompanhadas das competentes explicacoes e tambera, de lodos os acces-
orios para a c ollocacao dellas.
Cosa: seas pessoae que o dignaren! honrar coma sua confiaba, em seu esariptorio, que
tacharu abertoe lodos os dias, sem excepcao, das 9 horas da manha s i da larde.
||9 Ra do Parto ||9
- PERTO DO LARGO DA CARIOCA
E EM f RAttlB0
Para as encommendas ou informacoes dirijam-se a
ra do Qbeimado n. 15.
pharmacia de Jos Alexandre' Bibeiro*
C03IP&NHU PERNilBUGANA
LNavegaco costeira a vapor.
O vapor Persinunga, commandante Moura,
sahir para o sul locando as escalas no dia 24
do corrente as 5 horas da tarde.
Recebe carga ateo dia 22 ao meio dia. Eucom-
mendas, passageiros e dioheiro a frete at o dia
da gahida as 2 horas: escriptorio no Forte do
Mallos n. 1.
LEILO
Ispecial hOnieopatliieo
Ra das Cruzes n. 30.
Neste consultorio pode ser procurado o respectivo propietario qualquer hora, havendo
ah sempre grande soriimento dos verdadeiros medicimenks homeopathicos, preparados em Pa-
rs (as tinturas) por Catellan e Weber, os mais ac.rcdiados pharmaceulicos do universo como
preparadores de remedios de homeopalhia.
O proprielario desle consultorio no pretende, lodavia, que sejam os seus medicamentos
infalliveis, porque nada ha infallivel em fados humanos; nem lao pouco superiores ao3 que por
ahi se preconisam, porque cerio que o que nos fazemos, outro o pode egualmeiile fazer lo bm
seno melbor. Mas afiauca que nelle nao ha tralicancia, e que o servico da |-reparaco corro
pelo mesmo proprielario, que nao leudo grandes commercio de carleiras, acha se suflicienle paia
salisfazer s necassidades da<|uella preparaco.
Wesle consultorio adam se venda elementos da homeopalhia, acommodados inielligencia
de qualquer pessoa ; assim como presta-se gratuitamente o seu proprielario, com seus esforcos e
:nediaeraemos, todas as pessoas necessiladas, sem dislinc^o alguiua, que o procurem, pois
que o seu maior prazer ser til humanidade sofredora.
iti^T'i-r
oo 00 25 00 Farhenheil. B O
en "-4 o tu Centgrado. M H O
-4 -I os a ygrometro.
| Ciilerna hydro-
melrica.
o
o
-4 -4
-I
3
-4
Francez.
IO ce oo to
CO
o
3
"o
co
o

Ingles
O
co
C/3
W
so
<
2^
S o
_> r
SM
m S
n ni
I i
o
o
o
ieciara^oc.
A noite clara com alguns nevoeiros, vento E :
ESE variavel de iniensidade e assim amaoheceu.
OSClLACiO DA AR.
Treamar as 6 h. 30' da maoha, altura 7,4 p.
Baixs-mar as 0 b. 42' da tarde, altura 0,8 p.
Observatorio do arsenal de marinha 19 de
marco de 1862.
RORANO STBrPLR,
1* lente.
COflfKRCIO.
Arsenal de guerra.
Por ordem do lllm. Sr. coronel director do ar-
senal de guerra, ae faz publico, que nos termos
do aviso do ministerio da guerra je7 de marco
de 1800, ae lera de mandar manufacturar o se-
guinte :
78 sobrecasacas de panno azul.
78 cairas de dito paooo.
78 frdelas de brim.
28i calcas de brim.
234 camisas de algodo-zinho.
234 pares de polainas de panno prelo.
509 saceos de baetilha para cartutos.
Quem quizer arrematar o fabrico de ditos arli-
f1 gos no prazo de 20 dias, compareca na sala da
directora do mesmo arsenal pelas onze horas da
manha do dia 21 do corrente mez, com sua pro-
posta em que declare o menor preco e qual seu
liador.
Arsenal de guerra de Pernambuoo 17 de mar-
co de 1862.O amanuense,
Joo Ricardo da Silva.
Conscllio ailminislralivo.
NOVO BlKCO
DE
ri:it Wfiiti < o
O novo banco paga o 8* dividendo de
12jj por acc5o.
AI la ortega,
Reodimeoto do dia 1 a 18. i
Idam do dia 19.....
275:996*012
16.412*449
292.408*461
Cfc=A
oocaa ale 1/2
0 conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comp ar os objeclos
segrales:
Para o corpo da guarnidlo da Paralaba do
Norte.
3 corddes para cornetas.
2 caldeiras de (erro para 50 pracas.
2 casticaes de lato.
1 colher de ferro.
1 copo de vidro.
10 enchadaa de ferro.
8 paz de ferro.
1 temo de pesos de chumbo d ;l
arroba.
1 pralo detouca.
1 talha para agua.
Quem quier vender laes objeclos aprsenle as
propostas em carta fechada.- na
conselho, s 10 horas da maoha
correte mes.
Sala das sesses do conselho
para fornecimento do araenal de
marco de 1862.
Benlo'iosi Lamenha Lins,
Corooel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interioo.
COHPAKHU PERNA1BUCAIU
DE
Mavegact cosleira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte,
Macau do Assu', Aracaty e Cear
O vapor Iguarass, com manos ote Vianna,
sahir para os portos do norte de sua escala al
o Cear no dia 29 do correte mez s 5 horas
da larde.
Recebe carga at o dia 28 ao moiodia. Encom-
mendas, passageiros e dioheiro a frete at o dia
da sabida as 2 horas: escriptorio no Forte do
Mallos o. 1.
Para o Assu'
segu em poucoa dias o brigue nacional Trova-
dor, anda recebe algunu carga e passageiros,
para os quaes tem eicnllentes commodos : quem
pretender, dirija-se a Manoel Joaquim Ramos e
Silva di Genros, ra do Vigario, armazem o. 10.
Para Lisboa e Porto.
Pretende seguir para os dous portos cima
tom muila brevidade o veleiro e bem conhecido
briguo nacional Eugenia, capilo Maooel Eze-
quiel Miguis, de primetra clsase e primeira mar-
cha, pregado e forrado de cobre, tem parle de
seu carregamento promplo: para o reato que
lhe falta, trata-ae com os aeus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu
escriptorio, ra da Cruz o. 1.
secretaria
do dia 21
administrativo
guerra, 14 de
Baha.
O biate Sania Rila, segu em poucosdias, re-
cebe alguma carga a frete : trata se com os con-
signatarios Marquea, Barros & C, largo do Cor-
po Santo o. 6
Para a Baha
A veleira e bem conhecida escuna nacional
< Carlota pretende seguir com muila brevida-
de, tem parle de seu carregamento promplo : pa-
ra o resto que lhe taita, Irata-se com os ssus
cooaigoatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, oo seu escritorio roa da Cruz p. 1.
Sixta-feira 21 do corrente.
O agente Pinto far leilo por despacho do
lllm. Sr.. Dr. juiz d* orphos de um escravo
crioulocbm 18 annos de tdade o urna mulata de
50 annos. bens pertencentes ao inventario de
Mara Severioadas Virgen?.
LEILO'
DE
Livros de direito e Htteratura.
(Para os Srs. advogados e aca-
dmicos).
QUINTA-FEIRA 20 DO .CORRENTE.
O agente Pinto far leilo por coota de quem
pertencer e sem reserva de pre;o de importan-
tes obras da direilo e lilleratura como sejam a le-
gislaco brasileira, ordeoacoes do reino, Merlin,
Lobo e muitas outras obras que eslaro avista
dos pretndeme*, s 10 horas do da cima men-
cionado no sobrado da ra do Imperador n. 34,
onde se effectuar o leilo.
Ayso* diTersois.
Resumo
de gcographia do commercio,
pelo Dr. Manoel de Fignei-
ra Faria.
No dia 20 do corrente ser encerrada
a subscripcao para o presente livro. As
pessoas que assignaram, ciueiram man-
dar buscar as tres primeiras formas, na
livraria ns. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia.
L0TIRI4
Depois d'amanbaa 22 anda rao im-
pretenvelmente as rodas da primeira
parte da primeira lotera a beneficio da
matriz de Taquaritinga, no consistorio
da igreja de N. S. do Rosario de Santo
Antonio. Os bilbetes e meios bilhetes
acbam-se a venda na thesouraria das lo-
teras ra do Crespn. 15 e as casas
commissionadas. Os premios serao pa-
gos depois da distribuicao das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Consultorio medicocirurgico
ft-l\13Xll\ GLOUW CASA. 1* Y13WD\0--$
Consulta por ambos os systemas,
Em consecuencia da mudanca para a sua nova residencia, o proprielario desle eslsbelecl-
ment acaba de fazer urna reforma completa em lodos os seus medicamentos.
O desejo que tem de que os remedios do seu estabelecimeoto nao se confundm com os de
nenhum outro, visto o grande crdito de que sempre gozaram e gozara ;o proprielario tem tomado
a precauco de ioscrevero seu nome em todos os rtulos, devendo ser considerados como falsili.a-
dos todos aquellos que forem apresentados sem esta marca, e quando a pessoa que os mandar com-
prar queira ter maior certeza acompanbar urna conla assigoada pelo Dr. Lobo Mosaozo e em pa-
pel marcado com o seu nome.
Outro sim : acaba de receber de Franca grande porco d lioc'.dtt de acnito e belladona, ro-
medios estes de summa importancia e cujas propriedades sao lo condecidas que os mesmosSrs
mdicos allopalbas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsosqur em lubosqur em tiucturascuslaro a 1$ o vidro.
O proprielario desle eslabelecimento annuncia a seus clientes e amigos que tem commodoa
sufBcieules para receber alguna escravos de um e outro sexo doentes ou que precisem de alguma
operaco, afflancando que sero tratados com todo o disvelo e promptido, como sabem todoa
aquelles que i tem tido escravos oa casa do annunciante.
A ailuaco magnificada casa, a commodidadadoa banhos salgados sao outras lanas vanta-
gens para o prompto resta be leci ment dos doentes.
As pessoas que quizerem fallar com o annunciante devem procura-lode manha al 11 horas
a de larde das 5 em diante, e fora destas horas achsro em casa pessoa com quem se podero en-
nder na ra da Gloria n. 3 casa do Pundo.
Dr. U}bo Motcozo.
Agradecimento.
O sbaixo assignado, tendo de seguir para a
corte com licenca do governo imperial, nao pode
deixsr de manifestar ao publico o quanto deve
ao lllm. Sr. coronel commaodante, officiaes, e
mais companheiros do 2" batalho de iufautaria
a que tem a honra de pertencer, pois confessa-se
grato aos mesmos Srs. pelas maneiraa attencio-
sas em que foi tratado durante o lempo que ser-
vio no mesmo batalho, o saudoso oa deixa, of-
fereceodo o seu fraco e limitado presumo em loda
a parte onde sorle o levar. Hecife, 19de mar-
co de 1862
Francisco de Paula Ferro Iran,
1* cadete Io sargento.
KISSEL FILHO, relojoeiro, coocerta
relogios inglezes, suissos e chrooometros
___o qual adiauca por um anno, e por mais
Darato do que em oulra qualquer parte : na ra
Direita d. 19..
As pessoas que Uverera contas com o finado
Thomat Dixon Lowdeo, ex-gerente doa emprei-
teiros da ponte de ferro queiram apreaentar ditas
contas no escriptorio dos Srs. Horace Green &
C., ra da Aurora o. 8.
Pela lerceira vez, appareco'contestsndo o que
dizem oa berdeiros de Aona Joaquina do Nasci-
mento em seu asnatico annuncio publicado no
Otario de Pernambuco n. 64, onde dizem, serem
senhores duma parle de Ierras onde est edifica-
do o eogenho Aguas Bellas, que, nao sao annun-
Precisa-se de 3:0001000 a'juroa com o pra-icios seriamente publicados, que do direilo de
. \ ..... .a____r_ _. _____(._._ ... i... .. >A**nr41*HA ma aim IIhIau .a :...iIR...aih >
&:
t O Dr. Carolioo Fren- 0 A
0 cisco de Lima Santos, #
5v 9 mudou-se da ra das Q 9
ft ff Cruzes para a do lm- 9 A
0 perador, sobrado d. %
3P (i 17, em frente da igre- 0 w
j 9 ja de S. Francisco, oo- % f
*i do continua no exerci- 0 g*
0 co dess prutissao de 0
-!?3 0 medico. m O

g Jp
mmmmm*
O Sr. Jos Columbino de Araujo Lima
chamado fundico da Aurora para negocio de
aeu interesse, por esles 8 dias.
AttenQo
8o de 9 mezea, daodo-ae hypolhecs em tres es-
aravos mocos e pecas ; quem quizer aceitar eale
contrato dirija-se ra do Hospicio o. 40, que
se dir quem pretende, ou aoouocie.
Joaquim da Costa Maia pede aos seus cre-
dores para aaccar auaa letras em cooformidade
de sua concordata de 12 de marco, para que de-
pois deaceitaa e garantidas, serem entregues aos
mesmos credores cora oa dez por cento em di-
oheiro, a Um de receber seus litlos.
Jos Joaquim Texeira, Portugus, vai para
o Kio de Janeiro.
propriedade, mas aim litlos que justifiquen) a
poaae : e desde j previoo a esles senhores, que
quaoto antes, avista dos litlos que possuem, de-
marquen] a sua propriedade, pois esse ser o
meio de saber o que possuem, afiaocando-lhes
que, eroquanto nao o fizerem aerflo lidos por
usurpadores do que Ihea oto pertence.
Jos Rodrigues de Oliveira Luna.
Offerece-se um rapas de idade de 16 annos
para qualquer caixeiraria deseceos, ou para co-
branca, d fiador a aua conducta: na ra dos Coe-
llhos numero 13.
Oa berdeiros da fallecida D. Aooa Joaqaioa do
Nascimeoto, senhores dositio Estiva de cima, no
lugar da Ibura, fazem sciente a loda e qualquer
pessoa que arrematar o eogenho e trras denomi-
nado Aguas-Bellas, que os mesmoa berdeiros sao
senhores de urna parte de terrea onde se acba
edificado o dito eogeoho, e por iaao protestara
em todo e qualquer lempo ir haver do poder de
quem o tiver, e para que nao se chame .igno-
rancia para o futuro, por isso fazem publeo os
berdeiros.
Precia-ae o 400| a premio com seffrao-
ca em urna ptima escrava muilo boa cozloheira
e de todo o servico "de urna caaa, ficando a es-
crava em poder da pesaos que der o dioheiro, que
por espaco de 4 meses: quem pretender ao-
ouocie.



OIA1I0 DE PERNAMBUCO. QUINTA FEIRA 20 DE MAIOO DB 1861.
S-MOTCl
do Brasil e Portugal
30 Rua Motholoa Parig.
A proprietaria deste estabelecimetilo recom-
da encarecidamente aos Illms. Srs. viajantes
portagueses e brasileiros, que tenham de vir no
corrate anno a ella grande e bella cidade de
Paria, de hoorarera sea bello eslabeleclmento pa-
ra o que nao ae tem poupado era aformozes-lo
com ricoa movis om lodaa as salas e quartos,
como tambera toda a casa se acha forrada de la-
pete, cortinados novos em todas as janellas e ca-
mas ; Analmente em ludo foi obrigada a fazer
urna reforma geral, afim dos Srs. hospedes lerem
todas as commodidades como se faz preciso, e
nao como se achavam mal servidos no lempo de
sua antecessora madame Schorou.
O estabelecimento ter%o numero de criados
e criadas necessarios para de prornpto oa hospe-
des serem servidos no qoe possa m precisar ;
igualmente tem bons coainheiros sendo a comida
a portugneza e reanceza a vontade dos meamos
ssnhorea; baveudo tambem na meamo estabele-
cimento quem falle o portuguez, como tambem
interpretes para mostrar os monumentos desta
capital e fora delta aos Srs. viajantes. O esta-
belecimento tem para mais de cincoenta quartos
como tambem differentes salas para familias es-
tarem vontade e com independencia ; sendo
tado por precos rszoaveis como observaro os
meamos Srs. viajantes.
A proprietaria,
Madame Julia.
Machinas americanas.
Em casa de N. O. Bieber & C-, successorss,
ra da Cruz n. 4, vendem-se :
Machinas para regar hortas e capim.
Ditas para descantear milho.
Ditas para cortar capim.
Selins com perleoces a 109 e 20$.
Obras de metal principe prateadas.
Alcalro da Saecia.
Verniz de alcalro para navios.
Salsa parrilha de primeira qualidade do l'ar.
Vinbo Xerez de 1836 em caixas de 1 duzia.
Cognac em caixas de 1 duzia.
Arados e grades.
Brilhantes.
Garrocas pequeas.
SYSTE MA MEDICO H0DEL10WA
PILLAS HOLLWOYA.
Este inostimavel especifico, cora posto inlei ra-
mete de hervas medicinaos, nao contera mercu-
rio era alguma outra substancia delecteria. Bei
nigno maistenra infancia, e a compleicao mas-
delicada, igualmente prompto e seguro par;
desaneigar o mal na compleicao mais robustas
enteiramete innocente em suas operacese ef-
feitos; pois busca e reraove as doencas de qual-
quer especie e grao por mais antigs e tenazes
que sejara.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muilas que j estavam s portas da
raorte, preservando em seu uso conseguiram
recobrar a saude e torcas, depois de haver tenta-
do inultimente todos os outros remedios.
As mais afilelas nao devem entregar-sea des-
esperado; facam um competente ensaio das
efficazes effeitos desta assombrosa medicina, o
prestes recuperarlo o beneficio da saude.
Nao se perca lempo em tomar este remedio
para qualquer das seguintes enfermidades :
Dirimo do capim de planta do
municipio do Recife.
O ai-arrematante Francisco Lins Caldas aria
aos sabores plantadores, que podem dirigir-ie
a pajar o que devem dentro de 15 das, na loja
dos Srs. Martins & Burle, raa do Cabug n. 16,
alias o arrematante usar do sen direito. Recife
14 de marco da 1862.
Precisa-se de um forneiroe am amassador:
na padaria da ra da Matriz da Boa-Vista o. 26.
Precaa-ae de um feitor: na Soledade de-
fronte do palacio do hispe.
Furtaram do lugar denominado liarla Sim-
plicia, no dia 6 do crrante, doas cavallos de om
comboy que vioha para esta cidade, sendo am
caslaobo, gordo, frente aberta, ps e mos calca-
dos, iguaes bebe em branco, urna cicatriz de den-
tada na mo direita cima do joelho, e outro
pedrez, castrado, com mal de bestas na anca es-
querda, e mais abaixo um O e logo mais am sig-
nal assim 3 e um sigoal branco na venta esquer-
ds, ambos tem marca de ferro : quem dalles der
noticia, dirija-se a Olinda ao Rvm. Sr. Uanoel
Joa da Triodade, que sendo verificada ser re-
compensado com 205 porcada cavallo.
a
5
:
3Roa estreita de Rosario3
Francisco Pinto Ozorio continua a col-
locar denles artificiaos tanto por meio de
" molas como pela presso do ar, nao rje-
9 cebe paga alguma sem que as obras nao
tj fiqaem a vontade de seus donos, tem pos
outras preparares as mais acreditadas
para conservago da bocea:

Precisa-se de urna mulher de maior idade
que aaiba cosinhar para ser ama e tomar conta
de casa de um homem solteiro e que de conhe-
cimento; na ra do Torrea n. 12.
Na ra Nova n. 33 precisa-se de ama Moa
que saiba cozlohar, preferindo-se escrava.
Aluga-se ou vende-se o sobrado da ladeira
da S em Olinda : quem pretender, dirij
ra dos Guararapes n. 46.
Recebe-ae roapa para mandar lavar
a-se a
gommarcom muita brevidade e por mdico pre-
um rasa a m
10
Para as provincias de Pernambuco, Paralaba,
Grande do Norte, Cear e Alagoas, a saber;
Folhinha de porta, oontendo o kalendario, pocas gerae, nacionae, das
de galla, tabella de salvas, noticiis planetarias, eclipses, partidas
de correoi, audiencias, e resumo de chronologia, a res .
Dita com almanak, contendo o kalendario, pocas, noticias planetarias,
partidas dos crrelos, tabellas de imposto, etc. etc. e o almanak
cevil, judiciario, administrativo, agrcola, commercial, e indus-
trial, desta provincia, a ris. ........
160
1^000
AGITADOR DYMCO
s
DO D0UT0R
e en-
iga-se
urana
con-
foram
scrip-
ua 00
a 3 da
quitago, que Uve-
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areias ( mal de).
Asinina.
Clicas.
Convulses.
Debilidade ouexlenua-
cao.
Debilidade ou falla de
forjas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta,
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidade no ventre.
Ditas no figado.
Ditas venreas. *
Enchaqueca.
Herysipela.
Febre biliosa.
Febreto da especie.
Golta.
Heraorrhoidas,
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Infla mmages.
Irregularidades de
menstruacao.
Lombrigas de loda es-
pecie.
Mal do pedra.
Manchas na culis,
Abstrucco do ven ira.
Phtysica ou consump-
co pulmonar.
Retencao de ourina.
Rheuraalismo.
Sympiomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
Febre intermitente.
Vendem-se eslas pilulas no estabelecimento
geral de Londres n. 224, Slrand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pessoas
oncarregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna dellas contem urna instruccao em portu-
guez para explicar o modo de se usar destas pi-
lulas.
0 deposito goal em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambuco.
GRANDE
HOTEL CENTRAL
LISBOA.
Este estabelecimento, consideravelmenle aug-
mentado, e completamente mobilhado do novo,
rivalisa com osprimeiros hoteis da Europa, pelo
seu conforto e excellente servido.
Tem magnifica vista sobre o Tejo, e com modos
especiaos ao alcance de todas as bolsas.
Os empregados do hotel fallara as lioguas por-
(ugueza, francesa, ingleza e allema.
m O hotel tem tambem caf e roslauranl a la car-
ie, banhos, salao de leilura com os jornaes quo-
tidianos do paiz, e mullos dos estrangeiros.
Tem embarcacoea especiaes para passeios so-
bre o Tejo, e carroa para Cintra, Mafra, etc.
Como os senhores passageiros vindos directa-
mente do Brasil, leem de fazer quarentena no La-
zareto, podem dilli, querendo, prevenir-se, dsn-
do suaa ordens (pelo correio diario do Lazareto
para Liaboa) ao proprietario do hotel. Os senho-
res viajantes encontrarlo no hotel todos os es-
clarecimentos de que precisarem e empregados
para o srico de sua bigagem.
A. Butz,
Proprietario.
(o : na ra do Livramento n. 17, e encarr
de mandar bascar e entregar.
ew Anauncio.
Ao Sr. Dr. procurador fiscal da thesd
provincial foi ordenado que procedesse contra os
devedores de reodas dos predios pertencei tes ao
Palnmoi dos orphos dos annos de 1859 a 60
e de 1860 a 61; podendo acon'ecer porem que
muilas dessas rendas que deveram aer cojbradas
pela extincta admioislrscolestejam paga
vida-se pelo presente aos inquilinos que
dos referidos predios a comparecerem no
torio do meamo Sr. Dr. procurador fiscal,
Imperador n.41, das 9 horsa da manha
tarde com os documentos de quitarlo, q__
rem, dentro do prazo de 10 dias, a contar de ho-
je, para verificarem ou pedirem a sua illimina-
gao da relacao, afim de que nao se proce a con-
tra elles: assim como convida-se aos que quize-
rem pagaros seus dbitos para tira rem ai com-
peienlea guias dentro dos mesmos 10 diai, visto
que lindos elles se proceder executiva nenie.
Recife 18 de mergo de 11862 O solicita, or da
fazenda provincial, Joo Firmiano Coma de
Araujo.
Na ra de S. Francisco n. 8, precisi -se de
urna ama que aaiba bem eogommar e co liahar,
assim tambem pretisa-se de um criado para com-
pras etc., e cass de homem solteiro com pouca
familia. '
Freciaa-se de um amassador: na ra da
Stnzala Velha n. 84.
Desencaminharam-se do poder do abaixo
assigoado as seguintes ledras: urna sacada po
Vaz & Leal em dala de 13 de agosto de 1861,
aceita por Luiz Melaneo Franca e endosaada por
Joaquim Francisco Franca, a vencer-se erd 13 de
abril prximo faturo, da quanlia de700j]| e ou-
tra aseada por Paronte Vianna & C. em 28 de fe-
vereiro de 1862, aceita por viuva Neves V Car-
dozo a vencer-se em 28 de maio do corrente an-
uo da quantia de 711*480 rs., pelo que se Iprevl-
ne aoa Srs. aceilantea e aacadores que hao as
pagaem se nao ao abaixo assigoado que plrotesta
provar o seu direito. Recife 17 de mafeo de
1862.Por Joaquim Jos SilveiraAntonio Joa-
quim de Vasconcellos.
Precisa-ae de ama ama forra ou cliptiva,
paga-se bem : na ra do Hospicio n. 62.
Ama de leite,
de leite: na ua do
Para a preparace des medica-
mentos homeopathicos.
Os medicamentos preparados por esta machina
sao os nicos, com que se podem contar no cu-
rativo daa molestias perigosas. E como seja o
CHOLERA MORBUS ama d'aquellas que nao
admittem deloogas e experiencias, cumpre pre-
ferir esses medicamentos a outros quaesquer, se
quizeram tirar da homeopathia oa vantajosos re-
sultsdos que ella asaegara.
Acham-se a venda carteiras a meiaa carteiras
especiaes contra o cholera, acompanhadas das
competentes inslruccoes, pelos precos condeci-
dos, na pharmacia especial homeopathica, raa
de Santo Amaro (Hundo Novo) n. 6.
N; B. Oa homeos de bom senso reconhecem
cortamente que sendo o Dr. Sabino a fonte para,
d onde emanou a homeopathia em Peroambuco
a em todo o norte, elle o nico immediata-
mente intereisado no seu crdito e no seu pro-
gresso, e por cooseguinte tao somonte nelle
que ae pode encontrar garantas, quer em rela-
cao applicago da acieocia no curativo das mo-
lestias, quer em relaco i preparacao dos me-
dicamentos.
Na pharmacia do Dr. Sabino trsbalham cons-
tantemente debaixo de suas vistas immediatas,
nos lempos ordinario, dous empregados (um
brasileiro e outro francs & quem paga ordena-
dos vsntajosos), os quaes sao sjadadoa por mais
tres ou cinco pessoas, quando o servigo o exige,
na deslillaco do espirito de vioho e d'agaa, no
manejo das machinas, na desecaco dos globa-
los.na distribuido das dilulces etc., etc.
E' evidente que para o Dr. Sabino exercer a
homeopathia, como geralmente a exercem, e
preparar medicamentos como por abi preparara,
nem eram precisas tantas despeas com o pes-
soal, com machinaa e com a obteuso das subs-
tancias as mais paras possiveis, a nem tsnta vi-
gilancia e trabalho na preparago dos medica-
mentos ; mas elle nao se contenta com o bem,
que j tem feito, dando homeopathia a popa-
laridade de que goza: elle quer eleva-la ao
maior grao de perfeigao dando aos seas remedios
a maior iafallibilidade possivel em seus effeitos.
O Dr. Sabino nao aspira somente os gozos ma-
teriaes da vida ; elle se desvanece em ler nos li-
vros estrangeiros que a sua propaganda em Per-
nambucotfoi too brilhante ouc nao Um na Eu-
ropa nenhuma analoga (JORNAL DE MEDICI-
NA HOMEOPATHICA DE PARS, tomo 4.', pa-
gina 691 ; e CONFERENCIAS SOBRE A HOMEO-
PATHIA, por Granier, pagina 102); mas a sua
ambigo muito mais elevada ; ella se dirige a
legar as geragoes futuras um nome estimavel
pela gravidade e importancia dos seus servigos,
pela sinceridade de suas convieges, e pela fir-
meza do seu carcter.E' por isso, e para isso
que elle trabalha ; e trabalha muito...
Os Srs. Ivo Martins de Almei-
da e Anastacio Pires de Almeida,
tenham a hondade de dirigir-se
a ra do Crespo n. 17, a nego-
cio.
Prestem alte 11 rao
Jayme cabelleireiro, pede as pessoas que-lhe
alngaram cabellelras e barbas pelo carnavalee
que ainda n3o as entregaram) de o fazer no pra-
zo de 4 dias a contar da data deste, pois se as-
sim nao a flzerem aero saus nomes publicadas
por este jornal.
Precisa-se de um amassador para padaria,
qae seja perito, d-se bom ordenado : na ra do
Rngel n. 69, deposito, se dir com quem deve
tratar.
Criado.
Precisa-se de urna ama
Hospicio n. 48.
O bacharel Nabor Carneiro Bezerra
canle, parte para o Rio-Grande do Norte,
19 do correle mez, e lofferece o seu diminuto
presumo,
utilisar.
por 2 mezes, quem delle se
Caval-
no dia
quizer
Julio Augusto da Cunha Guimares pede
aos amigos colUgas do fallecido Sr. Tho-
m Rodrigue Peixoto, para aasislirem
misaa que em saffragio de aaa alma se ha
de celebrar no .abbao 22 do correte s 7
horas oa laobaa na matriz da Boa-Vista.
I Consultas medicas;
Sero dadas todos os dias pelo Dr. Cos- 5
me de S Pereira no seu escriptorio, ra
da Cruz n. 53, desde s 6 al s 10 horas
da manha menos aos domingos sobre:
1.* Molestias de olhos.
2.* Molestias de coracao e de peito.
3.* Molestias dos orgaos da geraco e
do anus.
O exame dos doentes ser feito na or-
dem de suss entradas, comegando-se po-
rm por aquelles que soffrerem dos
olhos.
Instrumentos chimicos, acsticos e p-
ticos sero empregados em suas consul-
tares e proceder com todo rigor e pru-
dencia para obter certeza, oa ao menos
probabilidade sobre a sede, naturesa e
causa da molestia, e dahi deduzir o plano
de tratamento que deve deslrui-la ou
curar.
Varios medicamentos ser oambem
empregados gratuitamente, pela cer-
teza que tem de sua verdadeiraqualidade,
promptido em seus effeitos, e a necessi-
dade do seu emprego urgente que se usar
delles.
Praticar ahi mesmo, ou em casa dos
doentes toda e qualquer operago qua
julgar conveniente para o restabeleci-
mento dos mesmos, para cajo fim se acha
prvido de urna completa collecco de
instrumentos indispensarel ao medico
operador.
Precisa-se de um criado forro para casa de um
homem solteiro : a tratar na ra da Cruz, arma-
zem n. 26.
Ama.
Por dellberagao do lllm. Sr. Dr. juiz de di-
reito especial do commercio, alo convocados to-
dos oscredores dos fallidos Machado & Souza
para no dia 22 do corrente, s12 horas da ma-
nha, comparecerem na sala das audiencias, afim
de se traUrem das diligencias consignadas no ar-
tigo 842 do cdigo.
Monte Pi popular Per-
Hambucano.
De ordem do conselho adminfslraliuo scienti-
co"os enhores socios effectivos qae em sesso
de 5 do corrente foi concedido o prazo a correr
aessa data ao altlmo de maio prximo para aquel-
les que estiverem em atrazo pagarem seas dbi-
tos caixa. Assim pois sao convidados oo que
se acharem nestss circumstaneias, e que nao pos-
sam ser encontrados pelo cobridor ou ir casa
do thesoureiro, a comparecer na casa das sessoes,
onde se reunir o predlto conselho todas as quin-
tas-ftiras noite.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernambuca-
oo 7 de marco de 1863.
Bemjamin do Carmo Lopes.
1.* secretario.
TJ*0 Rleir0 LopW 8aMit0 Pr,BUM re-1 tra tenha a lwnd.de da declarar ana i
uta-H para Europa. pw, ler procurado a negocio de rst imerette.
Precisa-se de ama ama para todo o servigo de
urna casa-de urna s pessoa : na ra das Laran-
geiras n. 14, segundo andar.
15J000.
Aluga-se um sitio pequeo com casa de viven*
da e cacimba de agua de beber, tendo a casa 3
quartos, 1 soto, 2 salas, cozinha fora e copiar
por 159 mensaea, em Santo Amaro, sitio em qae
mataram o frade.
6000.
Aluga-se em Santo Amaro, caminbo do Cam-
po Grande, ama casa contendo 1 sala, 2 qaartos,
1 pequeo quintal, e com agua de beber, por 6}.
Vendem-se casaes de ro-
las de Hamburgo pardas e
brancas a 1$ o casal: no bec-
co do Pocinho n. 16.
Irmandade de N. S. da Soleda
de erecta na igreja do Li
vramento .
Francisco Jos de Almeida, secretario desta
irmandade, com ordem da mesa regadora, con-
vida aos reverendos sacerdotes e aos seus cba-
rissimos irmos para que no dia 21 do correte,
palas 2 1(2 horas da tarde comparegam na con-
sistorio da referida irmandade afim de acompa-
nharem a procissio do Senbor Bom Jess da A-
gonia e Senhora da Soledade, assim como o mes-
mo secretario faz sciente ao respeitavel pablico
que a mencionada procisso transitar pelas ruaa
seguintes : ao sahir, pateo do Livramento, Qaei-
mado, Praga de Pedro II, Imperador, travesa de
S. Francisco, Crnses, Prsga da Independencia,
Cabug, Nova, Flores, Gamboa do Carmo, pateo
do mesmo, Hortas, Harlyrios, pateo do Terco,
Direita, travessa da Penha, pateo da mesma, Ran-
gel, a recolher-se. Seguir o sermo, sendo o
orador o reverendo pregador da capaila imperial
Fr. Joaquim do Espirito Santo, assim como o
mesmo secretarlo pede encarecidamente aos mo-
radores das mencionadas mas de mandarem lim-
par as testadas de suas moradas, que o mesmo
ficar maito grito.
Alaga-se um segundo andar do sobrado do
becco Largo o. 1, concertado e pintado de novo.
| por prego commodo : a tratar ao p, onde est a
chave para se ver.
Saques sobre Portugal
O abaixo assignado agente do Banco
Mercantil Portuense nesla cidade, saca
e lectiva mente por todos os paquetes
sobre o mesmo Banco para o Porto e
Lisboa, por qualquer somma a vista e
a prazo; podendo.logo os saques a pra-
zo serem descontados no mesmo Banco,
na razo de quatro por cento ao anno
aos portadores que assim lhe convier:
as ras do Crespo n. 8, ou do Impera*
dor n. 51.
Joaquim da Silva Castro.
O Sr. Dr. Guilnerae Cordeiro Coelho Cin-
Ama.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva,
que cozinhe e engomme: na raa da Cruz n. 45.
Officiaes de alfaiates.
Precisa-se de officiaes de
alfaiates, para obras miudas
e graudas: na fabrica de rou-
pa feitas de Bastos fe Re'go
junto a Conceicao dos Milita-
res n. Al.
Jos Vellozo Soares, proprietario da casa
n. 26 do pateo do Livramento, pretende vende-la
e j est justo e contratado a faze-lo, mas, que-
rendo desvanecer qualquer penaamento que por
ventara possa por em duvida a legilimidade de
seus ttulos, convida e pede a quem quer qae se
achar habilitado a contestar a mesma legilimida-
de de que se apreseote por este Diario neiles
3 das- Recife 17 de margo de 1862.
Aluga-se urna loja com armadlo,
balanza, pesos etc., etc., propria para
taberna, em boa ra do hair> o do Re-
cife, assim como tambem um andar e
soto muito fresco e por preco commo-
do : a tratar na ra da Cadeia n. 33,
com Jos Ribeiro Lopes.
Attenco
Joio Antonio Coelho, sangrador e dentista, avi-
sa a todos os seas fraguezes e ao respeitavel pu-
blico, qae ae mudou da ra estreita do Rosario
para a do Imperador n. 69, aonde pode ser pro-
curado para sangrar, tirar denles, ou limpar e
calgar os mesmos, para applicar ventosas e bi-
chas, tudo com perfeigao e delicadeza, e tambem
se alugam e vendem-se exceilentes bichas de
Hamburgo, as melhorea qae ha no mercado.
Precisa-se de alugar um moleqne qae te-
nha de 1* a 16 annos: a tratar na ra de Hortas
n. 41.
-- Domingos Fernsndes Grillo segu para o
Assu no brigue Trovador.
Frederico Chavea aluga sea casa de sobrado
sito no Pogo da Panella, com os commodos se-
guintes : 4 salas, 7 quartos, despensa, cozinha,
casa para criados, cocheira e estribara para ca-
vallos, jardim aos lados, terrago e cacimba : quem
a pretender pode dirigir-se a raa da Imperalriz
numero 19.
Feitor para engenho.
Na ra da Guia n. 5, primeiro andar, precisa-
se de um homom que enlenda de agricultura, e
que aeja de bons costumes para feitor, paga-se
bom ordenado.
Attencao.
O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
publico e a quem inleressar possa, qae quem se
achar rredor do seu fallecido sogro Manoel Joa-
quim Ferreira por conta de livro ou letra, ou
outro qualquer documento, haja de o aprosentar
no prazo de 3 dias para ser immediatamenle pa-
gas, assim como tambem pede a todas as pessoas
que estavam devendo ao mesmo fallecido seu
sogro, tanto por letras j ha muito vencidas como
por escriptos e cartas pedindo certas quantiaa,
assim como tambem de aeas trabalhos, o favor
de lhe mandar satisfazer as ditas quaotias, cartos
de que o nao fazendo ter de usar de meios para
este um. Recife 17 de marco de 1862.
Jos Bernardino Aires.
O abaixo assignado comprou a taberna da
ra de Hortas d. 106 ao Sr. Jos Googalves de
Souza, com o coosentimento de seus credores
pelo prego e quantia de 599J992, como consta d
balaogo dado no dia 9 de margo do corrente, e
assigoado pelo dito Souza : o mesmo abaixo as-
sigoado declara que s sero obrigados os credo-
res pelo que Ocar livre e desembarazado dos di-
reitos e aluguel da casa, dando 3005 om dinheiro
e o restante a prazo de 3 mezes, e fora dos cre-
dores que combinaram oa dita venda : se alguem
se julgar com direito de credor apparega na ra
do Livramento o. 39, deposito, no prazo de tres
dias. Recife 18 de margo de 1862.
, Pedro Alexandrino do Amparo.
As casas de familia.
Vendem-se superiores maesas em caixas, sen-
do mscarro e talbarim, pelo diminuto prego de
2a a caixa ; a ellas, que eato se acabando : no
armazem do Annes defronte da slfandega.
Gabinete porugoez de
Leilura.
Por ordem do lllm. Sr. presidente do conselho
deliberativo sao convidados os senhores conse-
Iheiros a reunirem-se em sessao exlraordidaria
quinta-feira 10 do corrente, s 6 horas da larde,
na sala das sessSes do Gabinete.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leilura
em Pernambuco 16 de margo de 186S.
A. J. Moreira Pontes.
!. secretario.
Aluga-se o primeiro andar da ra larga do
Rosario n. 31, sendo a entrada pelo corredor n.
29, com bons commodcs para pequea familia :
a tratar no segundo andar do mesmo, ouno quar-
tel de polieia com o capilo Teixeira.
Offerece-se para caixeiro de qualquer esta-
belecimento um pequtno de idade de 13 a 14
aonos, dos ltimos chegados do Porto : quem
precisar dirija-se a ra Direita n. 30, deposito.
No mesmo estabalecimento tambem se compra
constantemente diarioa e jornaes para embrulho
a 120 rs. a libra.
Alaga-se a casa terrea em Santo Amaro, de-
fronte do hospital ioglez, com bastantes commo-
dos e com am pequeo sitio bem plantado : quem
a pretender dirija-se a ra do Cotovello n. 8.
Aluga-se urna parda escrava para comprar
e cotinhar, sendo em casa terrea : a pessoa que
precisar dirija-se a ra do Queimado, loja o. 33,
que achara com quem tratar.
Preciss-sa arrendar um sitio que tenha pro-
porges para plaotar-se capim e ter-se algumas
vaccas, preferiodo-se para as bandas dos Afoga-
dos ou outro lugar que nao diste muito desta ci-
dade : na raa da Cadeia do Recife, loja o. 50.
Precisa-se de urna negra para o servigo in-
terno e externo de urna casa de pequea familia,
piga-se bem : a tratar no caes de Apollo no se-
gundo andar do sobrado n. 17.
Antonio Jos Marques Ferreira Pombal faz
sciente ao corpo do commercio que temjastoe
contratado com o Sr. Joaquim Pereira Ramos a
taberna da ru de Hortas n. 18 : ae alguem se
achar com direito a mesma, aprsente seus do-
cementos no prazo de 4 dias.
MHk
Precisa-se de ama ama qae tenha bom leite,
forra oa escrava, advertiodo-ae que tenha bem
cemportaraento : a tratar na ra da Guia o. 38,
segando andar.
Manoel Jos de Agaiar vae a Portagal tra-
tar de sua siade, e vende a saa taberna sita na
ra do Vigario n. 13, a tratar na mesma.
Fica exposto a venda bilhetes psra os m-
nibus Apa e Beija-flor, no bairro de Santo An-
tonio loja de fazendas da ra do Crespo n. 8 dos
Srs. Andrade & Reg, e na ra larga do Rosario
fabrica de charutos do Sr. Joaquim Bernardo dos
Res.
a
O bacharel Witruvio po-
de ser procurado na ra
Novan.23,sobrado daea
quina que volta para a
camboad Carmo.
*9t999<991*99*99e>te)ej
Pedido.
Iioga-se aoSr. Carlos Justiniano Rodrigues de
mandar desempenharseu documento no valor de
829 receido em obras de alfaiate, em oulubro
de 1859, na raa Nova n. 67.
Primeiro andar para alugar.
Aluga-se o primeiro andar do aobrado da pre-
ga da Boa-Viala : a tratar na ra da Imperatriz
n. 46.
Precisa-se fallar ao Sr. Ignacio
Ferreira Mendes Guimares, que mo*
rou na ra da Conceicao da Boa-Vista :
necta typographia.
Madamotaelle Cari de la Charie, discipula
premiada do conservatorio de msica de Pars,
continua a ensinar piano e canto, conforme o gos-
to moderno : pode ser procarada em sua casa,
rua Nova n. 23, 2o andar, por cima da loja de
chapeos de sol.
Aluga-se os primeiro e segundo andares da
casa n. 27 na rua do Amorim : a tratar na mes-
ma rua n. 46.
Pede-te ao lllm. Sr. G. G. A. M.
de mandar a rua da Cadeia do Recife,
eteriptorio n. 47.
Na travessa da rua das Cruzes n.
2, paimeiro andar, tinge-se para todas
as cores com presteza e commodo preco.
Urna casa estrangeira de pouca familia pre-
cisa de um cosinheiro ou cosinhelra forra ou es-
cravo, comtanto que seja perito no seu okio : a
tratar na rua do Trapiche n. 36.
Licoes de inglez.
DSo-se de noite no hotel francez : a tratar na
rea da Cruz n. 1.
TROCA-SE
Urna imagem de Santa Thereza, recentemente
cheada da Babia, sendo a escultura de um dos
melhores artistas ; tem dous palmos de altura,
incluindo a piaa; quem quizer ver dirija-se a
rua das Trincheiras n. 29, queaehar com quem
tratar.
T. W. Guist vae para a Bahia.
Antonio Joaquim Dias Medronho vae a Eu-
ropa.

l FERREIRA YILLELA
RETRATISTA
DA
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Boa de Cabug n. 18, i.* andar,
entrada pelo pateo da matriz.
Retratos porambrotypo, por melainolypo, so-
bre panno encerado, aobre talco, eapeciaes para
palcelras, alfinetes ou cassoletas. Na mesma
casa existe am completo e abundante sortimento
do artefactos francezes e americanos para a col-
locago dos retratos. Ha tambem para este mes-
mo fim cassoletas e delicados alfinetes de ouro
de lei; retratos em photographia das principaes
personsgens da Europa ; stereoscopos e vistas
stereoscopicas, assim como vidrbs para ambrotyp
e chimicas photographicas.
aMCBHMg
Dentista de Pars.
:
s
A VIRGEM DA TAPERA
belissimo romance pelo Dr.
J. C. Lobato.
Cbegaram alguna ejemplares,
e esto venda por 2-j na loja
da raa Nova n. 11.
VSJ9S)Q *>
rrecisa-se alugar urna escrava para o ser-
vigo de casa : na rua da Cadeia Velha n. 52, ler-
ceiro andar.
Offerece-se um homem sem familia para
(ora desta praga para tratar de doentes por ler
lido pralica, ou mesmo psra ensinar primeiras
letras : quem de seu prestimo se quizer utilisar,
dirija-se a rua das Cinco -Ponas n. 93.
Nesta typographia precisa-se fal-
lar ao hr. Felippe de Santiago.
Est justa e contratada por compra a me-
tade da casa da rua Direita dos Afogados n. 21,
pertencente a D Rita Ribeiro da Silva Moraes
viuva da Joio Jos do Amaral, quem se achar
com direilo a mesma annuncie no prazo de 3
das.
Na rua da Cadeia do Recife n. 12, acha-se
um bah que aem duvida deixaram ahi fiear por
engao: quem se julgar seu dono dirija-se ao
lugar cima indicado que dando os signaes ver-
dicos ser-ihe-ha entregue.
Arrenla-se o engenho S. Gaspar sito na
freguezia de Serinhem, beira rio, com ptimas
e immensas trras de vargens lavradias mni pr-
ximas da moenda, pingue cercado e exceilentes
matas e mangues : a tratar na raa do Hospicio
n. 17.
Attencao.
O abaixo assignado respondendo ao annuncio
que seu ex-socio Manoel Joaquim Rodrigues de
Souza fez publicar no Diario de Pernambuco
de 3,4, 5, 6 e 7 do corrente, declara a esse se-
nbor e aoa devedores da ei-firma Rodrigues &
Ribeiro, que a seotenga referida pende de deci-
so do tribunal superior e tendo sido appellada
nao produz por ora effeito algum. Isto nao obs-
tante o respndeme nao receber dos devedores
da ex-flrma referida quanlia alguma por parte
da mesma firma em liqaidago, e antes aconse-
lha aos Srs. devedores que recolham a deposito
as importancias de seus dbitos vencidos por
conta da mencionada firma em liquidagio e com
intimago a ambos os ex-socios e liquidantes, fa-
zendo o abaixo assigoado igual protesto contra
aquellas quanlias que forem pagas ao ex-socio
Manoel Joaquim Rodrigues de Soaza, com recibo
deste nicamente, visto como um tal pagamento
nao desonera ao devedor caso em que considera
aquelles que j tem feito alguns pagamentos e
sirva isto de sobre-por aviso aos credores da ex-
firma carrejando o ex-aocio Rodrigues com as
cooiequenciss que d'ahi resultaren). Recife 7
de margo de 1862.
Luiz Antonio de Souza Ribeiro.
15Rua Nova15.
Frederico Gautier, cirurgiao dentista
fas todas as operages desua arte a e co-
loca dentas artifkiaeSj-tudo com -sdeln
rioridade o perfeigao que as pessoas-,ec
tendidas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentificios, etc.
I
CONSULTORIO ESPECIAL H01EOPATHIGO
DO DOUTOR
SABINO O.L. PINHO.
Ruado Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas lodos os dias atis deade as 10 horas
at meio dia, acerca das seguintes molestias :
molatiat da mulhtrtt, moitstiat dai crian-
cas, moltsliat da ptlli, moltttiat doolhot, mo-
Uttiat iyphiliticat, todas at especies de febres
febres intermitientes suas consequencias,
PHARJUCIA ESPECIAL HOHIOFATHIOA .
Verdadeiros medicamentos homeopathicos pre-
arados som todas as cetela neceasariaa, in-
falliveis em seas effeitos, tanto em tintura,como
emglobalos, pelos pregoa mais commodos pos-
siveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
anicamente vendidos em sua pharmacia; todos
que o forem tora della sao falsas.
Todas as carteiras o acompanhadaa de am
Impresso com um emblema em relevo, tendo ao
reopr as seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
de, As carteiras qae nao levarem eaae impresso
issim marcado, emboratenbam natampa o no-
me do Dr. Sabino aio falsos
-
Gabinete medico cirurgico.#
Rua das Flores n. 37.
0 Serio dadsscons<as medlcas-cirargi-m
9 cas pelo Dr. Estevo Cavalcanti de Alba- #)
querque da 6 as 10 horas da manha, ac- **
cudindo jos chamados som a maior bre-
fk vidade possivel.
0 l- Partos.
^ 2.* Molestias de pella.
3.* dem do olhos.
4.* dem dos orgaos genitaes.
9 Praticar toda eqaalqaer operago em
0 seu gabinete oa em casa dos doentes con-
9 forme Ihes fr mais conveniente.

REMEDIO INCOMPARAYEL
UNGENTO HOLLOWAT
Milhares de individuos de todas as naees
podens teslemunhar as virtudes desteremedio
incomparaveleprovaremcaso necessario.que,
pelo uso que delle fizeram tem seu corpo a
membrosinteiramentesaosdepoisdehattrem-
pregado intilmente outrostratamentos. Cada
pessoa poder-se-haconvencer dessascuras ma-
ravilhosas pelaleitura dos peridicos, quelh'as
relatara todos os dias ha muitos annos; e a
maior parte dellas sao to sor prendemos que
admiram os medieos mais celebres. Quantas
pessoas recobraram com este soberano remedio
o uso de seus bragos e pernas, depois dednr
permanecido longo tempo nos hospiues.o tea
deviam soffrer aamputago 1 Dellas ha imu-
casquehavendodoixado esses, asylos depade-
timentos, parase nao submeteress aessa ope-
rago dolorosa f oraa curadas completamente,
mediante o uso desseprecioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfusao de seu reco-
nhecimento declara ram estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, afim da mais autenticarem sua a firmativ
JNinguem desesperara do estado desande se
tivesse bastante confianga para encinar este re-
medio constantementeseguindo algum tempo o
tratamento que necesslasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provar i nconteslavelmenle.
Que tudo cura.
O ungento he til, mais particu-
mente nos seguintes casos.
Inflammagao da|bexiga
:
:
s
i
Ensino particular.
Urna pessoa habilitada eqoe tem pra- ;
W tica de ensino propde-se a tomar licoes f
A em casas particulares de francez, in- A
& glez, grammalica e aoalyse da lingua
portugueza, arithmetica e primeiras le- W
fj? tras : a fallar na rua do Cabug n. 3, se- A
d gundo andar. n.
Ama
Offerece-se para aaa de caaa de homem sol-
teiro ou de pouca familia, qae sabe lavar, eogom-
mar e cozinhar : qaem pretender, dirija-se
camboa do Carme n. M, junto ao sobrado aero.
Est psra alugar-se o segundo andar do
sobrado n. 193 e casa terrea n. 191 da rua Impe
rlal : a tratar na rua da Aurora n. 36.
Alagase um armazem na rua da Cruz n.
2'J, com sabida para a roa dos Tanoeiros : a tra-
tar no pateo de S. Pedro n. 6.
Um caixeiro.
Precisa-se de um caixeiro com habilitagoes pa-
ra vender fazendas por cata cidade e fora della,
como para cobrar dividas no mato, dando fiador
idneo a saa conducta; peder dirigir-se a rua
de Santo Amaro n. 26, at 9 horas da manha e
das S 1 [2 s 4 horas da larde.
O abaixo assignado participa ao commercio
e a quem mais interesaar possa, que Jos Do-
mi o gues Pereira deixou de ser sea ssixeiro desde o
da 17 do corrente.
i Joo Jacintho de M. Resude.
MI&,
Precisa-se de urna ama para comprar e coii
nhar, lavar e eogommar: na rua daa Larangei-
ras n. 5, primeiro andar.
Alporcas
Caimbras
Callos.
Ancores.
Cortaduras
Dores de cabera;
das costas.
dos membros.
Enfermidades da cutis
em geral.
Ditas de anus.
Erupgoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade oa falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchacoes.
nflammaco do figado.
da matris
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmdes.
Queimadelas.
Sarna.
Supurarles ptridas.
Tinha, ea qualquer
parle que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulares;
Veias torcidas oa Bo-
das as pernas.
Vende-se] este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana e Hespanha.
Vende-se a 800 rs cada boeetinha con tea
urna instruccao em portuguez para explicar o
modo de fazer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na rua de Cruz n. 22, ea
Pernambuco.
8
aj Precisa-se de urna mordoma, de um
sinheiro e de criados copeiros :
Aurora n. 50.
co-
na raa da
Aluga-ae o segundo andar do sobrado da
rua da Lapa o. 13; a fallar na loja do mesmo.
Precisa-se de ama aaa para cosinhar e com-
prar: na rua do Imperador, n. 37, cegando an-
dar, entrada direita.

Aluga-se um qnerto andar com excel- #
# lentes commodos: na raa da Cruz o. 53.
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso,Santos 4 C. acam e tomam
aques sobre a praga de Lisboa.


^M
==
-
DIARIO DB PEHNAMBUCO. QUINTA MIRA 10 DE MAR0O DE 1861
i ...
;_____:____~ -- -
-
Compras.
Compra-se
urna rede para peixe qee tenha de 20 i 80 bra-
sas : na ra Nora n. 16.
Deaeja-a comprar id par de veoezianas :
qaam a tirer annuncie por este Diario para ser
rosando, o jliriji-M ao segundo andar da ra
largado Roiano d. 31.
Copram-se moedsi de ouro de 16 e 20:
na rna da Cadeia n. 83, loja.
Compra-se urna escrava
de meia idade, que saiba cozi-
nhar o diario de urna casa:
na ra Nova n. 47, junto a
onceioao dos Militares.
para carneiro.
Compra-ae uro selim para carneiro : na ra do
Raogel d. 69.
Coropram-ae diario: na ra da Imperatriz
numero 45.
Comprara-se 100 barra de mel : no trapi-
che do Ramos o. 10.
Yendas.
Vacca leiteira.
^3 Vende-se urna excellente vacca
com cria que d diariamente de 16 a 20
garrafas de leite chegada hontem de
Lisboa no brigue portuguez Relmpa-
go a qual de ver desembarcar lioje: a
tratar com F. S. Rabello & Filho: lar-
go da Assemble'a n. 12, escriptorio.
Batatas a 1#000 rs ca-
da arroba: no armazem da
ra do Amorim, n. 47.
Roupa feita muito
barata.
Sobrecasacoa de panno preto moito fi-
no, palelola de dilo, paletots de caserai-
ra de cor, ditos pretos, ditos de fustao,
ditos de gaoga de cores, ditos de brm
de corea e brancos, caigas de casemira
preta e de cores, ditas de brim branco e
de cores, ditaa de gangaa, colletes de
reliado preto e de cores, ditos de gor-
gurao, ditos de fustao,ditos de brim bran-
co, camisas de linho, ditas de algodo
brancas e de cores, seroulas de linho,
ditas de algodo, chapeos de sol de seda
ioglezea os melhoresem tamanho e qua-
lidade, tado ae rende por barato prego a
dinheiro avista, na loja das 6 portas ra
do Queimado emfrente do Lirrsmento,
est aberta at as 9 horas da noile.
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Casaas francazas de bonitos gostos a
320 rs. o corado, luras de trogal pretaa
e da seda a 500 rs. o par, chitas france-
zas largas escuras a 240 rs. o corado,
ditas linas a 260 e 280 rs., Pil de linho
liso a 640 ra. a vara, taris tana lina de
todaaas cores a 800 rs. a rara, lencos
brancos com barra de cor a ljjiOOa du-
zia e 120 ra. cada um, meias para ho-
rnera a lglOO a duzia e 120 rs. o par,
chitas para coberla de bonitos dese-
nlio a 220 rs. o corado, pegas de bre-
tanha de rolo a 29, ditas de cambraia lisa
com 6 1(2 raras a 38, musselina encar-
nada a 240 rs. o corado, calcinhas para
meninas de escola a 19 o par, peitos
para es misa brancos e de cores a 200
rs., pegas de cambrait branca de salpi-
co a 38500, algodo entestado o melhor
a 700 rs. a rara, dito braoco para toa-
lhas a lj a rara, enfeites dos mais mo-
dernos a fzaribaldi a 69,1 loja est aber-
ta at as 9 hora da noite.
ende-se fitas para caralheiro da Rosa, #
# ditas para commendador da Rosa, ditas
(9 verde a amarella para independencia, lu- 4$
0 ras de camurga branca e amarella, ditas #
O de algodo branca para guarda nacional a %
200 rs. o par : oa loja de Nabuco & C. na
ra Nora n. 2 m
# $
Algodo da Bahia
proprio para roupa de escraros e saceos de assu-
car: rende-se oa ra da Cruz n. 1, escriptorio
de Antonio Luiz de Olireira Azeredo.
Na loja de ferragens n. 44, na
ra da Cadeia,
rende-se urna balanga com pouco uso, contendo
brago do muito antigo, e acreditado autor Ro-
mao, correntes de (erro e conchas de madeira
chapidas, muito propria para armazem ou eoge-
nho para peso de assucar, colla da Bahia de pri-
melra qualidade, graxa ingleza dorerdadeiro au-
tor Day Martin, e urna trare de magarandubi
fre 75 palmos de comprido e 10 pollegadas em
quadro, e canoas de amarello de dirersos com-
primentos, a rontade dos pretendentes.
ALtenco.
Vende-se um eicellente piano de Jacaranda,
com muitoj)oas rozes, e urna cama franceza tam
bom de Jacaranda, ambos com muito pouco uso :
a tratar na ra da Matriz da Boa-vista n. 33, se-
gundo andar
CALCADO
Preservativo universal,
43Ra Direita45
Olhem!...
Urna das intelligenciaa melhor esclarecidas na
sciencia de Hipcrates, depols de longos annoa
de exercicio de curar e matar coorenceu-se afl-
nal, que o nico preserratiro infallirl de qual-
quer epidemia, por mais mortfera que fosst, era
conserrar a cabera fresca, rentre desembarazado,
e PES QUEMES. Ora, viajando por ahi ama
epidemia.que mata gente como qualquer outra,
occasio de pormos em pratica estes principios,
usando pouco do chapeo e aempre i som-
bra ; tomando de 15 em 15 das um laxante de
sal de gtaober, o mais acrrimo inimigo da epi-
demia, segundo a opinllo e a pratica de nm dos
ornamentos da nossa magistratura; e lanzando
ao cisco lodo o calcado relho, dirigindo-ae todos
ao armazem da rna Direita n. 45, onde o respec-
tivo propietario a todos receber com cortezia,
aturar as massadas, o aquecer os ps com ex-
cellente calgado, segundo o gosto, e estado fl-
nanceiro de cada um, e vejam :
Homens.
BORZEGUINS dos melhores fabricantes,
francezes, ioglezes e brasileiros a 13J,
128,118, 105. 99500, 8 e............... 58500
SAPATOES a 79500, 6J500, 58500, 58,
48500 at.....,.......................... 28000
Meninos.
SAPATOES a 5(500, 58, 48, 38530 a......18600
Senhoras
BOTINAS de fabricantes francezes, ingle-
ses, allemea e americanos edenes
68,58500, 58, 45500,35500 a........... 29500
Meninas.
BOTINAS a 48500 e...................... 48000
Um completo sortimento de sapa tos -para ae-
nhora de couro de lustre rirado a 500 rs., de ta-
pete a 800 rs., de lastre (os. 32 e 33) a 800 rs.,
de Iranga francezes a 18300, portngaezes 28, sapa-
tos de borraxa para homem senhora e meninos,
maito couro de lustre, de porco,cordario,marro-
quim, bezerro francez, sola de lustre, courinhos,
raquetas, sola etc., que tndo rende-se como em
oenhuma parte.
S no novo armazem em
progresso, de Jos de Jess
Moreira fe C, ra estreita
do Rosario, esquina da ra
das Larangeiras n. 18.
Neste eatabelecimento rendem-se gneros dos
melhores que rem a este mercado, e por menos
do que em outra qualquer parte, por parte dal-
les rirem por coola do proprietario : manteiga
ingleza flor a 960 e 800 rs., dita franceza a 720,
em barril Taremos abatimento, cha hysson da !.
sorle a S98OO a libra, queijos do ultimo rapor
por 29880, milboa 48a sacca, e 280 a cuia, mui-
to noro, arroz a 120 e 100 rs. a libra, axeite doce
a 800 rs. a garrafa, carrapalo a 440, garrafo com
rinagre saperior a 18200, farinha do reino a 120
a libra, amendoas muito oras a 330, nozes mui-
to noraa a 160, massa de tomate a 800 rs., em
lataa de 1 libra e 1 l|2. marmelada imperial do
melhor fabricante a 900 rs. a libra, passas a 560,
massas a 320, espermacete a 760, caf maito bom
a 260, toucinho a 280, rioho da Figueira a 560 e
400 rs. a garrafa, dito bordeaux a 800 rs. a gar-
rafa, chocolate francez a 900 rs. a libra, mcoa de
palitos de dentes a 160 o mago ; alem disto tem
ludo mais que ae procura tendente a molhados,
por menos qaeem outra parte.
Funileiro e vidraceiro.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31Ra Direita31.
Neste rico e bem montado eatabelecimento en-
contraro os freguezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todas aa qualidades.
SANTUARIOS que riralisam com o Jacaranda.
BAN11EIROS de todos oa lmannos.
SEHICUP1AS dem dem.
BALDES dem dem.
BACAS dem dem.
BAHUS dem dem.
FOLHA em caixas de 'odas as grossuras.
PRATOS imitando em perfeigo a boa porcel-
lana.
CHALE1RAS de todas as qualidades.
PANELLAS dem dem.
COCOS. CANDIEIROS e (landres para qaal-
quer sortimento.
VIDROS em caixas e a retalho de todos os ta-
mandando-semanhos, botar dentro da cidade,
em toda a parle.
Recebem-se encommendas de qualqaer oatu-
reza, concertos, que tudo aera desempenhado a
contento.
Vende-sc o melhor salmn lProul) e junta-
mente o afamado peixe enguia o melhor que
tem rindo a este mercado pelo fabricante Ino-
ra az Koight em latas de 1,2 e 3 libras : em casa
de James Crabtree &C, ra da Cruz n. 42.
Vs distinctas pernambu-
Milho novo.
O sacco 45000.
Tem Fernandes Irmos, ltimamente chegado
do Rio de Janeiro pelo brigue Veloz, em seu
armazem oa travessa da Madre de Dos n. 13, e
11 1 trapiche Baro do Livramento.
Vende-se um mulato mogo de boa figura e
muito habilidoso : na Boa-vista, ra da Sania
Cruz n. 28, das 4 horas em diante.
loja do sertanejo,
ra do Queimado n. 45
ha para vender o seguinte, por metade do casto :
ricos cortes de reslidos pretos bordados a vellu-
do, pelo baralissimo prego de 858, 7U8, 60500O e
408000.
Feijo.
Taberna.
Vende-se urna taberna propria para nm prin-
cipiante por ser boa legar, na esquina do Forte
do Natos, fax frente para a roa da Lapa e para
o largo em frente ao chafariz, ca no correr do
desembarque n. 12.
Vende-se ama escrara parda, de bonita fi-
gura, cozinha o diario, segomma o lara bem de
ssbau : quem a pretender, dirija-ae a ra do Im-
perador n. 69, loja, ou ae paleo do Carmo o. 21.
Vendem-se dous bancos e multa trramen-
te de carapina, vende-se tudo em conta : no lar-
go da ribaira de S. Jos n. l.erqaiba de Santa
Rila.
Pechincha
A1#S80 o covado*
Grosdenaple muito preto,-fazenda muiio boa:
na ra do Queimado n. 47.
A 1$ o par.
Meias pretas de seda para senhora ; na ra do
Queimado n. 47.
Aviso.
Na rna do Brum n. 55, armazem defronte do
chafariz, rendem-se ps de coqueiros para plan-
tar ; quem pretender dirija-se.
Vende-se urna porco de anzoes fellos na
trra, de diversos lmannos; na ra do Queima-
do, loja de ferragens n. 33.
Sementes
de Hamburgo.
De h o itlica e ti ores.
Agua ambreada
para bnhos do rosto
do
receber non
corpo.
A loja d'iguii branca aeaba d
remesas1 da proreitosa e mui procurada agua
ambreada, cajos boas effeitos de refrescar a eo-
lia, tirar o ardor que deixa a naralha quando se
fax a barba e acbar o mi hlito proraniente
do transpirar sao ji bem conhecidos, sala co-
mo as senhoras por nao andarem ao sdl faz
conserrar perfeltarnente o brilho do rosto. A lo-
dos quanloi tem usado d'agea ambreada nao sao
eslranhos esses effeitos e ellas serio ainda mais
conhecidos por aquellos que munidos de 18 se
dirigirem a loja d'agaia branca roa do Quteima-
do n. 10, onde nicamente se rende.
Fazendas pretas
l na loja do pavo, roa
dalmperatrizn.60,
de Gama d Silva,
Vende-se baritissimo por ser lempo de cua-
resma aa fazendas aeguintea :
Ricos manteletes de reliado preto rica-
mente enfeitados com franjas largas os
maia modernoa que tem rindo a
Moderniasimoa enteites pretos a turca e
Ganbaldi
Ditos mais simples a
Ditos de ridrllbo muito modernos a
Chales pretos de merino bordados co
ridrilbo a
Ditos de fil preto mnilo fino a
Grosdenaples pratos fazends maito
I corpada a 19500, I96OO, l$800, 2$
i Sarja prela hespanhola, corado a
Meias de seda pretas para senhora a
308000
68000
2*000
800
Luras de retroz bordadas com ridrilho
sem ridrilho a 500 rs. e
Ditas pretas lisas de seda muito fina a
Alpacas pretas muito finas a 560, 641
Viudas pelo ultimo rapor inglez: na roa da Ca- *< Pil" de l de 1,ia P"a pedrs a
deia do Recite loja de Vidal & Bastos.
Novas fazendas pretas pa-
ra a quaresma na loja da.
Arara na ra da Im peratriz I tSS^tgfSfTSSf
n. 56 de Magalhes & Men-|Sla*
des. Pannos pretos e case
Vende-se grosdenaple preto encorpado a 1S600, Na loja do Pavo.
18800, 29, 29200 o corado, alpacas pretas a 500 I Vende-se panno preto muito boa
600 e 720 ra. o corado, sarja preta de lia para 18600,18800 e'> o corado, e dito
caigas e paletots a 560 e 640 rs o corado, re- ; 49500 o corado, casemiras pretas
lado preto a 2J500 o corado, enfeites pretos e de 38, 3*200 e 39500 o corte, ditas de
12*000
35OOO
2S500
29OOO
18000
18600
640
640
18000
na ra
Gama &
tiras
qu
fazenda
ral 88
s a 28500, 39, 5J500 e 63.
Panno preto.
a
a
enfeitidis a
urna s lar-
gura de todos os pregos e qualidades, aetim pre-
to da China para caigas paletots e colletes com 6
palmos de largura a 3J o corado : na
, peratriz n. 60, loja e armazem de Ga
Panno preto para caigas e paletots a IjTOO, Sprlns rif* miirri nli nc o
19800, 28 e 29500 o corado, cortea de casemira | oeuas ue qUdarinnOS a
Na loja do Pavao na ra d
peratriz n. 60.
Vende-se muito delicadas sedas de
preta entestada a 38. 38500 e 48 para caigas, cor-
les de chitas finas com 13 corados a 2g500, ditos
de riscado chioez a 29500, ditos de popelina a
29600, chitas a 160 e 200 ra. o corado, ditaa fran-
cezes a 240 e 280 rs. o corado, corles de fustlo
para caigas a 1(120, ditos de brim a 18280 e
19600, cobertores de algodo a 18.
Algodo e luada-
polo,
S Marjal lia es Si M en des.
Vende-se pegas de algodo trancado america-
no com pequeo toque de cupim com 20 jardas a
pega a 38500 e 48, pega de madapolio entestado
sem defeito a 38, urna duzia de meias cruas pa-
ra homem por 18200 um par 120 rs., ditas finas
2(400, urna duzia de lengos brancos com barra
por I92OO um lengo 120 rs., parea de meias para
senhora a 240 e 320 rs. maito finas, ama duzia
de aberturas ou peitos para camisas 2J400 urna
abertura 200 ra., manlinhas de crox para se-
nboraa andar por caaa 200 rs. cada urna, pegas
de chitas de cores oscuras com pequeo toque
de mofo porm logo que se lave tica perfeita com
38 corados por 68 corado 160 rs., laazinbas para
reslidos a 280 e 00 rs. o corado, siolos doura-
dos a 29.
Laazinhas suissas para Ves-
ua da Im-
a i Silva.
'20 rs.
Im-
.-buadriohos
a 720 rs. o corado: oa ra da Imper itriz loja e
armazem de Gama & Silva.
Chales.
Grande pechincha oa loja d Pavao.
Vende-se os mais ricos chales com ponta re-
1 dooda e bolo tas, tendo aa barras de relindo ou as-
setinadas, imitando as capiohas mais modernas,
pelo baralissimo prego de 48500 cada um e ditos
de quatro pontas a 4(500, ditoa a Garibaldina
sendo muito grandes a 5 : na ra do Imperatriz
n. 60, loja do Pari de Gama & Silva.
Brilhantinas americanas.
Vende-se brilhantinas americana com lindis-
simas cores sendo fazenda inteiramente ora e
moderna de 4 12 palmos de largura la 400 rs. o
corado : na ra da Imperatriz n. (U, loja e ar-
mazem de Gama & Silva.
Espartilhos a 3,^00.
sao os me-
cada um :
armazem do
para
tidos
Laazinhas suissisjpara reslidos de senhora e
roupa para meninos maito finas fazenda que se
pode lavar a 560 rs. o cralo, cassas suissas de
quadriohos para reslidos a 280 rs. o corado, fus-
tao de quadrinbos muito finos para vestidos de
senhora a 280 e 320 rs. o corado, popelina de
cores a 240 rs. o corado para reslidos, gorgurao
de linho para reslidos e roupa para meninos a
280 rs. o corado, chitas oras aquille proprias
para roupas de senhoras com iistriohas muito fi-
nas a 280 rs. o corado (em 4 palmos de largura,'
isto s na arara na ra da Imperatriz loja e ar-
mazem n. 56,
Vende-se a metade de urna caa
em Fora de Portas na ra do Arraial n.
2: a tratar na mesma ra n. 24.
Vende-se espartilhos inglezes que
lhores pelo diminuto prego'de 39500
na ra da Imperatriz n. 60, loja
Pavo, de Gama & Silva.
Para meninos a 4#5u0 rs.
Yelde-so restidinhos de seda para meninaa e
ditos de fustao qara meninos maito bem endi-
tados pelo baralissimo prego de 49500 cada um :
na ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem do
Pavao.
Pechincha
Veude-se feijo malalioho em saceos, muito
novo, e por prego barato: na ra Direita n. 8.
Vende-se a casa sita na ra Imperial n.
194, defroote da Cabanga.
No da 16 do correte mez ausentoa-se da
oasa de seu senhor o escraro de nome Laureo ti-
no, crioulo, idade de 24 annos, pouco mais oa
menos, leroa camisa de riscado e caiga de algo-
do aznl, tem falta de dente na frente, falla bas-
tante gago, e tem as pernas, no lagar das canel-
las, um ponco grossas, filho de Nazaretb, para
onde se desconfi que elle foi, em rirtude de elle
ter dilo que ia pedir alguem que dsse urna carta
em nome do aaohor para procurar senhor, e ss-
sim poder passar em qualquer parte : por isso
rogarse aos capites de campo e autoridades po-
liciaes que o prendam e lerem i casa de seu se-
nhor na praga da Santa Cruz, padaria n. 6, que
aarlo bem recompensados ; o dito escraro pa-
deiro.
Flix Sauvige, cidado francez, retira-se
para Europa.
Prestem attengo ao leo de
ouro.
Na bem conhecida loja do lelo, de Jos Gon-
galves da Silva Raposo, ra do Gabug n. 2 G, re-
cebeu-se ltimamente os melhores enfeites de
retroz com franja e belotas ao lado, os quaes est
rendendo por prego mdico.
Tesouras proprias s para
abrir casas de camisas
O leo de ouro, rus do Cabug n. 2 C, rende
Ihesouras proprias s para abrir casas de camisas,
de qualquer tamanho, as quaes est rendendo
muito barato que admira.
Vende-se por qualquer negocio urna quarla
parte do sitio- e casa de rirenda no lugar do Pe-
res, freguezia dos JVfogados, sendo a casa edifica-
da a 4 para 5 annos, de padra e cal, muitas er-
rores fructferas oras, cacimba priocipiada de
agua doce, estribara, etc., tendo a casa 4 qu ar-
tos, 2 salas, cozinha fora, porto : a tratar na
ra do Queimado n. 47.
Aluga-se ama casa terrea na traressa dos
Quarleis, outr'ora ra do Senhor Bom Jess des
Crioulas ; trata-se na ra Direits n. 8.
O abaixo assigoado, arremataole das dividas
activas da massa fallida de Jos Ribeiro Fontes,
previno aos seus deredores que nao paguem a
pessoa alguma se nao ao mesmo, ou a possoa por
elle competentemente autorisida. Recite 19 de
margo de 1862.
Bernardo de Barros Brrelo.
miti&w.
Urna pessoa habilitada offerece-se para ensinar
e receber alumnos, nao s de grammalica porlu-
gueza e primeiras letras, como francez, inglez,
geographia e historia : a tratar na ra do Crespo
n. 2, primeiro andar.
Aviso.
O agele Coste Carralho, tendo acabado com o
seu armazem silo ia ra do Imperador n. 35,
avisa a seos amigse fregueses, que ae tem mo-
dado para mesma ran, tf, junio ao Bazar Per-
nambucaoo, onde sempre o aobaro prompto
pare camprir os ministerios de sea profissao,
assim como roga todas as pessoaa que tirerem
trastes em seu antigo armazem, de oestes tres
dias rirem buscar, do contrario serlo rendidos
pelo maior prego encontrado.
a 3^ a pega com 30 varas
Irammas para babados de diversas obras : na
ra do Queimado n. 47.
N. 4 RU4 DE IIORTAS N. 4
Joo Ferreira dos Santos,
arisa a lodos os seus freguezes que de outr'ora
negociaram com elle, que se acha estabelecido
oa ra de Hortas n. i, parede-meis da casa son-
de foi caixeiro, que est rendendo mais barato
do que em outra qualquer parle, como seja:
manteiga ingleza tina a 800 e 1 s libra, dita
francesa a 680, lata s com 4 libras de manteiga
proprias para mimo ou condugo para fora por
29880, loecinho de Lisboa a 300 rs. a libra, e
89500 a arroba, presunto para paoella a 400 rs.
a libra, banha de porco a 440 a libra, macarro
talharim e aletria a 280 a libra, sag a 320, ce-
radinha a 240, toucinho do Maranho a 160, al-
pista a 160, farinha do reino a 100 e 120 a libra,
gomma a 100 rs. a libra, e 29560 a arroba, vi-
nhos engarrafados superiores a 19200 a a 19 a
5arrafa, rinho de Lisboa e Figueira em pipa a
00, 480. 560 e 600 rs. a garrafa, caada a 39200,
3g500. 49 e 48500, superior rinho verde a 480 a
garrafa, rinho bordeaux a 8C0 rs. a garrafa, licor
fino a 19 a garrata, reas de espermacete a 700
rs. a libra, ditas 1e carnauba decomposigo a 360
e 440 a libra, massos de palitos para dentes en-
tallados a 240 o masso de 20 massinhos, assim
como tem muito; gneros que se torna massante
menciona-los, rista dos compradores se ven-
derlo pelo menos que poder.
Vende-se a casa n. 24 da ra dos Pogos, de
pedra e cal, com 19 palmos de frente e 44 de fun-
do, rende-se pelo baralissimo prego de 2508 : a
tratar na roa estreita do Rosario o. 4.
Alvaro & Magalhes.!
Eilabelecidos com loja de fazendas na *
s
Etlabelecidos com loja
rna da Cadeia n. 53, e achando-se de
posse de um noro eslabelecimento na
ra do Creapo n. 20 B, participara a lo-
dos os seas amigos e ao publico em ge-
ral que dispe de um grande e rariado
sortimento de fazenda que tem resolri-
do render dinbelro por pregos bara-
tlssimos. Roga-se aquellos que llre-
rem de comprar qualquer artigo de fa-
zenda de se dirigirem as nossss lojas
cima indicadas que sero ptimamente
servidas.
2
Oh! que pechincha
Vende-se palitos lixados e foliados finos para
dentes 2 massos com 40 massinhos por 400 rs. na
rna da Imperatriz loja da Arara n. 56.
para anjos.
Vendem-se na ra da Senzala Nora n. 30, cai-
xinhascom doce por prego commodo, recommen-
dareis para oa aojos de prociislo.
Madapolo a 3$
Vende-se pega de madapolo en estado com
14 jardas a 30 a pega : na ra da Imperatriz n.
60, loja e armazem do Pavo,
Gorgurao de linho a 280 rs.
Vende-se gorgurao de linho de quadriohos e
mesclados proprios para senhoras roupas de
meninos e meninas a 280rs. o corado : na ra
da Imperatriz n. 60, loja do Paro, de Gama &
Silva.
Bareges a 6$- o corte.
Vende-se cortes de bareges com 22 corados
para restidos, ditos com as saias ja feitas a 68 o
corte: na ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavo.
Grande pechincha em cortes
de vertidos na loja do Pavao.
Vende-se finissimos cortes de cambraia bran-
ca bordados com 2 babados grandes e de duas
saias pelo baralissimo prego de 48. ditos de cam-
braia de seda com babados bordados a 49500, di-
loa de phaotasia fazenda que sempre se vendeu
por 129 pelo baralissimo prego de 68 cada nm :
na ra da Imperatriz n. 60 loja e armazem do
Paro, de Gama & Silva.
Cambraias de carocinhos
S no Pavo.
Vende-se finissimos cortes de cambraia branca
com carocinhos brancos e de cores tendo cada
paga 8 1|2 raras a 48 a pega : na roa da Impe-
ratriz n. 60, loja e armazem do Paro, de Gama
& Silva.
Cambraias adamascadas.
Vende-se cambraias adamascadas fazenda rao-
derniasimaa para restidos a 48 a pega : na loja
do Paro ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Vestidos a 3#000 e 2#500
Vende-se cortes de vestidos brancos com bar-
ras e babados a 38 e 29500: na ra da Imperatriz
n. 60, loja e armazem do Paro, de Gama &
Slra.
Saias bordadas a 2$ 500.
Vende-se saias bordadas muito bonitas a2J500
cada ama : na ra da Imperatriz o. 0, loja do
Paro, de Gama & Silva.
Bales do Pavo
Vende-se bales de bramante francez com ar-
cos seodo os que tem melhor armago pelo di-
miouto prego de 39 e 38500: na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem do Pavao, de Gama
& Silva.
Saias com arcos de linho.
Vende-so aa acreditadas saias com arcos de li-
nho que fazem as rezes de balo a 38200 e a 48
cada urna, esta fazenda s ha na loja do Paro :
ra da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Ga-
ma & Silra.
Indianas a 240 rs.
A ultima hora acaba de chegar a loja
do Pavao.
Esta fazenda inteiramente ora de qeadrinhos
imitando as sedas, fazenda muito encorpeda e
de cores delicadas propria para restidos de se-
nhora e roupas para meninos o meninaa pelo di-
minuto prego de 240 rs. o corado '. na loja do
Paro rea da Imperatriz n. 60, de Gama & Silra.
Loja do beija-flor da ra ftb
Queimado n. 63
Vendem-so bonecaa de ehouro a 400, 5110 140
800 rs., pulseiras pretss a 800 ra., bandejas filas
a 28 e 48, tesouras finas a800 rs. a duzia, la-
pos de segurar enfeites o par a 800 rs., cajiiohaa
de obreisa de cola a 160 e 100 rs., pentes rirsdos
imitando tartaruga a 19 e 19200, ditoa sem ser
rirados a 720, 800 e 900 rs., botes de metal pa-
ra caiga a 400 rs.. ditos de ago a 240 a groza, al-
finetes pretos a 640.
Loja do be'ja-flor da ra do
Queimado n. 68.
Vendem-se franjase tringas, fitas de velludo
preto para a quaresma, mais modernas que ha no
mercado, e mais barato que em outra qualquer
Prte.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63,
^ndo^"8.e-UrBS brtdas de diversas largura!
a 700, 800,1J e 1J200 a tira.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se facas finas, cabo de balango de 2
botn a 69800. ditaa para doce a 5J800. ditaa de
um bollo a 6|200, ditas para doce a 59200, ditas
pretaa envidas a 3|600. ditas brancas a 38400,
ditaa roligaa a 39 a duzia. tr.v,
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se fitas de seda propris para de*
brem de restido preto, dita branca de linha, fitas
de seda de 5 dedos de largura com pinta de mo-
lo a 320, ditaa limpaa a 640, 800 e If.
Loja do beija-flor da ra do
Queimado n. 63.
Vendem-se grarstas pretas de selim a 18, dilaa
estreitas a 18, ditas a 800 rs., pennas de ago de
langa, 500, a 720, ditas de moznha a 800 ra.
Loja do beija-ior da ra do
Queimado n. 63.
Vende-se papel em caixinhas de diversas cores
a 19 e 640, branco pautado a 800 rs., anreiopes
de cores a 800 rs brancos a 19, reama de papel
de quadrinbos a 48700, sioto encarnado a 440,
dita azul a 320.
Vende-se um escraro crioulo de bonita fi-
gura ; na ra do Queimado, loja de ferragens
numero 13.
Ricos manteletes
de seda pretos en-
feitados.
Na ra do Queimado n. 18 A, esquina que ra
para a ra eslreita do Rosario, tem para render
ricos manteletes de grosdenaple preto enfeitados
de ridrilboa, pelo diminuto prego de 208, ditos
muito boos a 258, ditos superiores a 309000: no
-mesmo eslabelecimento tem muitas outris fa-
zendas proprias para a quaresma, bem como se-
jam enfeites pretos, grosdenaples de todls aa
qualidades, tudo o mais barato possirel.
Rap fresco.
Rap Paulo Cordeiro a lg600 a libra, dito mea-
ron a 18040, dito Lisboa a 28700, dito gasse ros-
so e meio gresso a I96OO, dito gasse fino a 19-280:
na loja do riral sem igual, ra larga do Rosario
numero 36.
Caixinhas e cabazes para
prsenles de meuiaas.
Muito lindo sortimento de caixinhas e cabazes
para as meninas trazerem no brago pelos dimi-
nutos pregos de 320 a 29500 cada urna : na loja
da rictoiia na ra do Queimado n. 75, junto a
loja de cera.
Quadros de moldura dou-
rada e preta.
Lindos quadros de moldura domada e preta
com estampas a 49500 cada um: na loja da vic-
toria na ra do Queimado n. 75, junto a loja de
cera.
Ganivetes finos pa-
ra pennas.
Caniretes finos para aparar penns, de duas o-
Ihas, a 200 ris cada um : na loja da Victoria na
ra do Queimado n. 75, junto a loja de cera. .
Vende-se um bonito cavallo castanho, pro-
prio para sella, sellado e eofreiado : a tratar na
cocheira de Thomaz Jos dos Reis, no Mundo
Noro;
Vende-se um carro de 4 rodas noro, rece-
tado ltimamente de Franga, todo forrado de se-
da, com os competentes arreios pratiados, obra
de muito bom gosto, aendo este caleche o mata
bonito que hoje existe nesta cidade ; a tratar na
ra do Trapiche n. 14, primeiro andar.
Cambraias.
de bonitos
o corado : na
Vendem-se cambraias de cores
elegantes desenhos a 280 e 320 rs
ra da Imperatriz, loja n. 20.
Oliados.
Vendem-se oliados piolados de lindas vistas e
paisagens, larguras de 6, 7, 8 e 9 palmos, pro-
prios para mesas de jantar a 2 o corado: na
ra di Imperatriz, loja n. 20.
lival sem igual.
Bom sortimento.
Pentes de masa finos lisos a 500 rs ditos dou-
rados a 19280, carreteis de retroz muito bom a
320, escoras para cabello muito boas a 80O-e 18.
carias de alQoetes de lalo a 80,100, 120 e 140,
escoras para unhas a 320 e 500 rs., linha de car-
to de cor e branca a 30 rs., uorellna do gaz a
30 rs., fitas de velludo de cor e preta de 120 a
i$ : na ra larga do Rosario, loja de Pedro Ti-
noco n. 36.
A victoria
Na ra do Queimado n. 75 jun-
to a loja de cera.
VENDE MUITO BARATO.
em cartio a 40
rs.
i 120
alnetes i 40 rs.
carmel com 1200 jardas
a 900 rs. a
cores a 30
corn a
Clcheles francezes bona
o cariao.
a carta6'" ranceies cabea ch,l **> "
Papeie com ceoto e tantos
o papel,
Linhai victoria em
a 60 rs.
pilas de 200 jardas de Alexander
Ditas de 100 jardas brancas e de
rs. o carritel.
DiUi-di Pedro V em csrlo brincas e
40 n. o cordo.
Ditas de miada de peso rerdadeiras a 240 rs.
miada.
Ditas de dita cabeca branca e.emcarmdi a
120 rs.
Orampos mallo boas a 40 e 50 rs. o maco.
EnQadores brancos de algodo e linho a 60 e
ou rs.
Carteirinhas com sortimento de agullus a
<>uo rs.
Phosphoros do gaz millo bons a 220 rs. a dnzia.
pilos em caixa de folha a 100 rs. que s a
cana ral o dinheiro.
Ditos de segdranga porque erita incendio i
iou rs. a caixa.
Ditos de cera caixas grandes a 400 rs. a caixa.
mujas de borlla para cortinado a 48200 a
pega.
Ditaa sem ser de borlla a 29800 a pega.
Ditas estreita brancas e de cores a 120 rs. a
T8ffl
, Peoles de bsleia para alisar
400 rs.
a 240, 280, 320 e
Camisas de meia finas a 700 rs.
Capellas e ramos psra noiraa a 48500.
Enfeitea de flores muito lindos s 4/.
Canireles finos de duas folhas para pena a
Ditos de urna folha a 120 rs.
Agulhaa francezas o melhor possirel a 240 rs.
a caixa.
Enfeites modernos para senhora a 58 o 6f. .
Meiaa para homem a 140,160, 200, 240 e 280
ra. o par.
Ditis para senhora a 240,280,320 e 400 rs. o
par.
Ditas para menina e menino a 160. 200 e 240
rs. o par.
Fitas de linho a 40, 50 e 60 rs. a pega.
Linhas croxelnorelos grandes a 320 rs. o no-
relo.
E outras muitas miudezat que se rende muito
barato.
Escencia de ail.
Para engominado.
Vendem-se frasquinbos com escencia de enil
eousa excellente para engommado porque urna
gota della baatanle para dar edr em urna bacia
da gomma lendodemaiaa mais a preciosidade de
nao manchar a roupa como mailaa rezes acon-
tece com o p de ail. Casta cada frasquinbo
500 rs. : na ra do Queimado loja da agaia bran-
ca n. 16.
para a quaresma.
Ricos cortes de reslidos pretos bordados a rol-
lado, prego 809 psra acabar: na ra do Queima-
do n. 11.
GR4NDE I4BR1G4
DE
TAMANCOS
DA
Ra Direita esquina da tra-
vessa de S. Pedro n. 16.
Conrida o proprietario deste eslabelecimento a
concurrencia do publico em geni, pois est pr-
vido de um rico sortimento de tamancos feitos a
moda do Porto, assim como de todas aa qualida-
des dos outros que se rende tanto a retalho co-
mo em pequeas e grandes porgdes muito bara-
tsimos, o eslabelecimento tem sempre um ef-
fectiro de 1,000 a 2,000 pares promptos para
qualquer encommenda por grande que seja, nao
ha demora, c s emcaixolar, a humidade nos
ps concorre muito para iogresso de quslquer
molestia principalmente a que infelizmente est
reinando.
Nao ha quem venda pelos
640.
Terrenos perto da pea.
No sitio do Cordeiro em Sant'Anna rende-se a
retalho o resto dos terrenos psra liquidar. Alu-
ga-se a casa grande do mesmo sitio e rende-se
um grande porto de ferro que fin encostsdo a
meema : dirijam-se a L. A. Dubourcq no escrip-
torio da rna da Cruz n. 40, e para mediges ao
eogenheiro Selle.
Chapeos de sol de panno a 640 : na ra do
Queimado n. 44.
Relogios
Vende-se em casa de Johnston Paier & C,
ra do Vigsrio n. 3, um bello sortimento de
relogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambera
ama varieiadi di bonitos trincellins para os
mesmos.
Vende-se urna muala escrara de 20 annos,
boa cozinheira, engommadeira e perfeita costu-
reira, com um filho de 6 annos: na na do Quei-
mado o. 44.
AUenCao!!!
pre Viado,
n 8.
s na loja do
na ra Nova,
Est rendendo luras de torgal
o melhor que se pode encootrar
.............
I.uvas tambem de retroz sem serem bor-
dadas a...........
Ditas ditas de dito para meninas a .
Ditas ditas de seda paja ditas a .
Ditas ditas de dita para senhora a .
Ditas ditas de dila bordadas para senho-
ra a .....;......
Ditas ditas de seda de todas as cores a .
com ridrilho
em bordados
800
640
500
500
19000
1*600
19600
Vende-so o compendio de llermeoeutica jur-
dica e de theorica e pratica do processo ciril do
conselheiro Dr. Francisco de Paula Baptista, reu-
nido em um s lirro a procurar no escriptorio do
mesmo Dr. Piula Baplisti na ra das Trincheirss
n.19, das 9 horas dd dia at3da larde. Os com-
pendio* que se renderem em outros lugares sao
extraviados ao sea autor e nem tem a Herme-
nutica.
Ricos
cortes de seda pretos com
babados.
Na na do Queimado n. 18 A, esquina que ral
pan a ra estreita do Rosario, tem para render
ricos cortes di seda preti tarrada com babados,
se Tendera por baralissimo prego.
Trancas e franja pretas.
Mui delicadas Irangas de seda prela com ridri-
lho seodo de todas ai larguras, de 320 a 500 a
rara ; franjas de seda com ridrilho e sem elle
de 320 a 500 ; bicos pretos de todas as larguras,
tanto com ridrilho como sem elle, por baralis-
simo prego, e outros muilos objectos psra qua-
resma, que a rista dos compradores nao se en-
geita dinheiro.
Vendc-se um terreno na ra Imperial que
Cea no oitao da casa n. 259, tem 18 palmos de
frente e 145 de fundo, foreiro. esl alterrado e
promplo : a tratar com Luiz Manoel Rodrigues
Valenga junto a fabrica do gaz, aobrado n. 1.
Para a quaresma.
A 15#000
Paletots de panno fino forrado de seda : na ra
do Queimado o. 47.
A 1#500 o covado
Grosdenaple preto bom : na ra do Queimado
A 14$000
Visilaa de seda prelas : na ra do ueimido
n.47.
Vende-se um escraro, pardo, mogo e de
bonita figura, e hbil para todo o serrico : quem
0 pretender dirija-so a ra do Imperador n. 48,
lerceiro andar.
Pechincha
Pechincha admiravel na
loja do Pavo a 10$
Vende-se pecM de bramante de linho
{mro bastante encorpado proprio para
encoes, toalhas, seroulas, camisas, paa
1 rtotsetc, etc., tendo cada peca 2T r*-
raspelo b&ratissimo preco de 10# a pe*
ca, e tambem se vende meia pe^a po-
5fl ou se retama a 400 rs. a rara : na
ra da Imperatriz n. 60, loja e arma-
tem do Pavao, de Gama & Svt.


6
DIARIO DE PERNAMBUCO QUINTA FEIRA 20 DE MABCO DE 18*32
NO
ARMAZEM PROGRESSO
Francisco Fernandes Duarte
Largo 4a Penha
Vende-se oeste armazem de molhados os inelhores gef
eros garantindo-se a boa qualidade, por isso rogi-se a todos os Srs. da praga, de engenho e lavradores o
favor de mandarem suas encommendaa ao armazem Progresso, afim de vorem a differenca de
prego e qualidade que faz, se fosaem comprados em outra qnalquer parte. .
ftlamleiga lllgiexa de primei,, qualidade a 800 e 1)000 a libra, e em barril te arS
abatimento.
i.aui.taiga Traneexa, mai, n0Ta, 640 ttt a mtt e,m bartU> 600 .
*" UySSOH 0 mais fup6ror qu6 ha no mercado a 2)800 e 2*500, a libra.
Vj Ul\ UUXim imtaD(j0 a perola, pela sua superioridide a 3*000, 2*600 a libre.
\.t Y\A prCiO unco para 08 doeDies que se tratam COm a homeopalhia a 2*500 a libra.
^|U51jOS dO TlatOchegea0i neale ,1110,0 Tapor a 2*800, ditos chegados no ultimo
navio a 2^500
vuqijos ouariaios 0 que ha da bom nesl9 genero a ivQW)i a i,Dra e em por5ao L
faz abatimento.
"^* JO pralO o maig 8apeti0r que lem Tnoo a e8le merCado a 1*100 a libra.
PtezuiUo ing\oz pata Uambto muit0 DOTo500 a.. iibr.. em por-
gao se far abatimento.
COStOletaS inglesas proprias para fiambre a 800 rs. a libra e em porcao a 700 rs.
lrTOZUntO O.O TClllO d9 ,ap#ror qUaldade a 480 rs. a libra elnteiro, a 440 rs.
adame 0 melhor oeliscoque pode haver por estar prompto a toda a hora a 1| a libra, e
em porcao a 900 rs.
X OUClftllO dO reillO muUo novo a28o ri> a ubrai e em batrii de 3 arrobas a 7*000.
CIioiitcj&s e paios de lombos. M0 .. libt em porQao se {al ab.u-
ment.
aLai&f*1 OHl C1V0U.T1&S J promptas para se comer viudas a primeira vez a este
mercado a 2)000 cada urna.
Baaua Ae porco retinada em lala com 10 libral por 4S500 Cada....
Haniva de porco muil0 flna alva 480 rs a libra ( em birril a 400
Nlarmelada imnetVa\ d0 afamado Abren e de outros maitos fabricantes de Lisboa
a 800 rs. a libra, e em porgo se faz abatimento.
Latas eom frutas do doee osa calda como 8ejSo pera, d.ma.co. Pe-
cego, alpexe, e gioga, a 800 rs. cada lata.
Marme\ada de alporxe cm lta- d0 ui,*. por 1*200 c.d.....
Latas com auiondoas eontektadas conlend mj. C0Dfeil08 e agucar
candi, muilo proprio para mimo, a 2*000 cada urna.
l>0ee daCtSea da gOiaba muil0 fiD0 a800rs.eem podse faz .batimento.
DOCe St CCO e OH Calda d0 diferentes qualidades, em lats de 4 e 5<3 por
2*500 cada urna.
Cartoes com bollo Crancex proprios para mimo, 560 m
Paisa* em eaxnu* de 8 libras mu0 0VSS por nm rela!h0.
480 rs. a libra.
r igoH a.a c%mmadro muUo nof0t> em cx de 8 ljbras por ttM0 ditas com 4
por JJUO, ditas cora 2 muilo bem enfeitadas por 'JOO rs. cada urna e a rotalho a 320 rs.
em latas de 1 libra, por 640 rs.
libra.
ervilhas franeexas e portuguoxas
ditas em meias latas a 500 rs.
Macado tomate em ial3S de i iu>ra porsoo rs.
Ameudoas de casca mol muil0 novas, 320 t libra
i\0Xe8 a 12o rs. a libra, e 3*000 a arrobs.
Ameixas trncelas e ra ialai com 3 ,ibras por 29800j dila8 com x ll2 por ,Jt5O0-
^**i**s portngntxas a 320 a libra e ,m caUa ge ,sra abalimento.
t-.UOCO late neSpi&nola 1g500| dl0 franeei a 1J200 dito porteguez a 800 rs. a libra,
aiaiiQi-se a boa qualidade.
lOlaXinna de 80da em latas com differentes qulidades, a 1$440 rs.
lSa\aJ* S para S6 pa ietrlai macarro e talharim. a 400 rs. a libra e em caixa por 8J000 rs.
IraHtOS de dOUteS ixdos, molhos com 20 macinhos por 200 o 280 rs. muito Ooot.
SerOjaS em fraScos com e 1)2 libra por 800 rs.
*J"*0 [rancezpara liraparfacas a 200 rs. cada um, em porjo se faz abatimento
ttOlaMna nglCXa a mai8 nova do mercado a 320 rs. a libra em barrica a 4*500
lOUllIlt p8ra engomraar, muito alva a 100 rs. a libra e em sacca se faz abatimento.
* "lXe de posla em latag das melhores qualidades de peixe que lu em Portugal a 1*fi00 rs.
VSpermaseie .wperior de cinco e seis velas por libra a 760 rs. eem caixa, a 740 rs.
Sar&innaS de Nantes em latas muito novas a 400 rs.
iVlpiola muito novo a 160 rs. a libra e era arroba a 4*500 rs.
iVCXllQ UOCe reQoado de differentes marcas e o maissaperior que ha a 800 rs. a garrafa
e em cair-i s 9fl.
W 1HUQS engarratadOS d0 doque d0 Porto e de outr.n muitas marcas acreditadas
neste mercado a 1*200 rs. a garrafa eem caixa a 12(000 rs.
W llinO Clk PlP* Parto, Figueira e Lisboa a 560 agarrafa eem caada3*500, 4*e4*500.
Oes Gja das m8s acreditadas marcas a 5* rs. a duzia, em garrafa a 500 rs.
"**Pa*" das marcas mais superiores qae ha no mercado a 15* e 22*000 rs. o gigo
Cognac inglex a mmrl- a caiia e 1200 rt> a gajtaf
txenenra de llOllanda verdadeiraem frasqueira a 6*000 rs. e o frasco a 560 rs.
Goaebra de laranja a 790oo.. duzia .m frascos. 64o rs.
IxOnenra ingleXa a 10jooo rs. a dazia e a relalho a 1*000 a garris.
Palitos do gax a 2*500 rs.. ,.
Cal
*J*E refioado em potes grandes a 500 rs. cada um, em porcao se far abatimento.
Vj1C lavado o que se pode desojar nesle genero a 320 rs. a libra e em arroba a D;J500, dito mais
baixo a 280 rs. a libra e 8(000 arreba.
Sevaamiia de Franca a mais nova do mercado a 280 rs. a libra, em porcao se faz abati-
mento.
^ag muito novo e alvo s 320 rs. a libra.
Varvnba
*** do Haranho alva e cheiroza a 160 rs. libra e em arroba a 4*800,
tVerwlnas gecaa mui(0 norag a 160 rg# a iibra#
Velas
de carnauba refinadas a 400 rs. a libra eem arroba a 12*000.
Aiette
doce de L(ib04 a 70 rg> f garrafa> afi,nca.se a boa qualidade.
W lnagre de LUboa ^^ ,girrafa, e em caada a 1*800.
w uno cherei, 1yM0 a garraa e em cajxj e Uz abaliraeDl0<
UllO braocoe rais superior que hS no mercado propio para missa a 640 rs. a garrafa e em en-
canada 4(800.
Por hojedei fim ao meu Mpretorio al a chegada do primeiro vapor vindo da Europa, pelo'
qual espero novo sorlimento e nao serei preguic^so em o publicar ao respelael publico. |
i _
Ra da Senzalla Nova n. 42
Vendarse em clsa de S. P. Jonhston & C,
sellios e silhes inglezos, caodieiros e caslicaes
bromeados, lonas ioglezas, fio de vela, chicotes
para carros e montara, arreios para carros de
um a dous cavallos, e relogios de onro patente
ingles.
Libras sterlinas.
Vndem-se no escriptorio da Manoel Ignacio
de Ohveira & Filho, praga do Corpo Santo n. 1.
Gollinhas
detraspasso bordadas em
cambraia fina.
Vendem-se a 2* cada urna : na ra do Quai-
mado, loja d'aguia branca n. 16 A obra boa e
o lempo proprio ; a ellas, reguezaa, antes qua
se acabem. '
A loja d'aguia
branca um deposito de
perfumaras finas.
Esta loja por estar constaotemame a receber
perfumaras finas de suas proprias encommendas,
bem se pode dizer que est constituida um depo-
sito de ditas, tendo-as sempre dos melhores e
mais acreditados fabricantes, como Lubio, Piver,
Coudray e Societe Uygianiqne, etc., etc. ; por
isso, quem quizer prover-ae do bom, dirigir-se
a ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 16, que
acbar sempre um lindo e completo sortimento,
teudo de mais a mais a elegancia dos frascos, e a
barateza por que se vendem convida e anima ao
oomprador.
Capachos.
Veodem-se capachos redondos e(compridos e
de diversos tamanhos, e os melhores que lem
viudo a este mercado, palo baralissimo pre;o de
600, 700 e 800 rs. cada um, e tambera ha capa-
chos muito grandes e proprios para sof e mar
quezaa para 1*400 cada um : na rus do Queima-
do, na bem coohecida loja de miudezas da boa
fama n. 35.
Taixas
para engenho.
Grande redueco nos precos
para acabar.
Braga, Son & C. tem para vender na ra da
Moeda taixas de ferro cuado do mui acreditado
fabricante Edwiu Maw, a 100 rs. por libra, as
mesmas que se vendiam a 120 rs. : quem preci-
sar dlrija-se a ra do Trapiche o. 44, armazem
de fazendas.
Souhall Mellors & C, tando recebido or-
dem para vender o seu crescido deposito derslo-
gius v|sto o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; coovida, porlauto, s peasoas que quizerem
possuir um bom ralogio de ouro ou praia do c-
lebre fabricante Kornby, a aproveilar-se da op-
portuoidade sem perda de tempo, para vir com-
pra-loa por coramodo preso no seu escriptorio
ra do Trapiche n.28.
Vendem-se caixes va-
nos a 1$; nesta typographia
N. O.Biabar & C.successores.rna da Craz
n. 4,tem paravenderrelogiosparaalgibeira de
ouro t prata.
Gneros baratos.
Veode-se msnleiga franceza a 640 rs. a libra,
cha a 2JJ400. toucinho a 320 rs., arroz a 100 e
120 rs lioguiga a 560 rs., passas a 500 rs., ba-
nha de pnreo a 440 rs'., velas de spetmacele a
760 rs., de carneaba a 400 rs., batatas a 60 e
120 rs., painco a 160 rs ervilhas a 110 rs., gar-
rafes com 5 garrafas de vinagre a 1*200 cada
um, agurdeme de canoa j engarrafada a 200
rs. a garrafa, esprilo de vinho a 1*400 a cenada
o 240 rs. a garrafa, azeite de carrapalo a 400 rs.
a garrafa, dito de coco a 480 rs., milho a 320 rs.
a cuia, arroz de casca a 200 rs. era saceos mais
barato : na travessa do pnleo do Piraizo n. 16,
frente pintada de amarclla com oilo para a ra
da Florentina.
Potassa da Russia.
_ Vende-se emeasa deN. O Bieber dt
C, uccessores, ra da Cruz n. 4-
gMoireantiques de co-g
res bonitas a 2 OOOlS
e 2ft5Q0 o covado.
S> ViSaUr8.d Cre,P 17, Gui,nr, & ?
500
120
120
60
240
500
200
120
400
400
sem segundo.
a i* r,uaJdo Queimado o. 55 loja de miudezaa
de Jos de Azevodo Maia e Silva, est vendendo
nheddM? "S Pr pre5s j "bidS e 0"
Crozas de peonas de a$o de todas as quali-
UflU68 al
Nvelos de linha que pelo tamanho a todos
admiram a
Gaixas de sgulhas francezas a
Canea com alBnetes muito finos a
Lauas com apparelho para entreter me-
II1 Q OS S
Ditas ditos grandea a
Baralhoi portuguezes a 120 e
Groza de botes pequeos para calca a
esouras para unhas muito finas a
mas para costura muito superiores a
nosi rsnceze, para 'oltarete muito fi-
Agulheiros com sgulhss francezas a
Lamveles de aparar pennas de 1 folha a
lecas de. tranca de la com 10 varas a
Ollas de Iranga de la de todas as cores a
Pares de sapaios de iranca de la a
tartas de alQoeies francezes a
li a 1U.V" d Escocia mui, naaa
lillas ditas brancas grossas a
t-scovas para limpar deoles muito finas a
Massoscom superiores grampos a
m!? Ci'm colxeles de "'guai defeilo a
unos de ditos superiores a 40 e
Dedaes de fundo de ac muilo superiores a
bufiadores para vestidos de senhora com 4
Caixas com colxeles francezes a
Carlas de alfiaetes de ferro a
Charuteiras muito finas a
Tinteirasde vidro com tinta a
Ditos de barro com tinta superior a
Ama preia e azul muito fina a libra a
dpr".".T* remeS" de labyf'"ho Pa ven-
p" lodo Pre?o. assim como tenho trancas de
nh.. ireren'es coreg para" veDder P<>r todo di-
nheiro que olferecerem.
320
80
80
200
800
1J280
100
320
100
200
40
20
60
100
80
40
80
1*000
160
120
120
Oh que pechincha.
Na ra do Qieimado o. 39 loja de 4 portas,
veode-se cortes da vestidos de seda pretos e de
cores pelo diminuto preeo de 20* cada corte, a
elles antes que se acabem.
CaixDhas para confeitos e
presentes.
Muito lindo sortimenio de caixinhas muilo lin-
das para se bolsr confeitos ou mesmo com ellas
vaziss se mimosear urna menina, pelos baralis-
simos precos de 320 at2*500 cada urna : na lo-
ja da Victoria na rus do Queimado o. 75, junto a
loja de cera.
Cuadros de moldura do-
rada e prela.
Lindos quadros de moldura dourada e preta,
com estampas, pelo barato prego de 5* que s a
moldura val o dinbeiro: na loja da Victoria n
ra do Queimado n. 75, junto a loja de cera.
Panno de algodao da
Baha.
Vende-se no escriptorio de Antonio Luiz da
Oliveira Azevedo 4 C, rua da Cruz n. 1.
Novos e lindos
enfeitejs para vestidos pretos
e de cores, e roupinhasde
criancas.
Em apropiado tempo recebeu a loja d'aguia
branca um bello e completo sortimento de enfei-
tes de seda para vestidos pretos e decoras, e rou-
pinhasde changas, sendo trancas e bordados de
novos e lindos desenhos, e difficeis lecidos. com
os quaes pode-se com posto e modernissimo en-
fetar qnalquer vestido ou roupinho de enanca.
Ao passo que ditos enfeiles a lodoa geralmeote
agradara, a commodidade dos pregos anima ao
comprador, e esta verdadeser verificada por to-
dos que se dirigirem dita loja d'aguia branca,
rua do Queimado o. 16. cujos pregos esto mar-
cados oas amostras, as quaes se daro com pe-
nhores.
Luvas de pellica
Brancas e de cores para homem e senhora, che-
gadas ltimamente por 28500 rs. o par : na loja
do viado na rua Nova n.8.
exposi dieirosdegaz.
Na rua Nova ns. 20 e 24.
O proprietario deste novo estabel*cimento lo-
ma a hoora de participar ao ptblico qae tata de
novameote chegado a este estabeleeimeolo usa
riquissimo sortimento da can.dieiros de todas si
qualidades que se podem desejar, assim como
grande deposito de gaz hidrogenio da l. 2
3.a qualidade, pelos pregos maia razoavais que
se podem encontrar oeste meresdo, assim como
lambem ae vendem meias latas e latas de um ga.
lo, e em garrafas a retalho, aaaim como lam-
bem variavel aortimeoto de caoquilhsria de bom
gosto, que muito agradar ao publico qae visitar
eale eslabelecimento.
exposi laria.
Na rua Nova n. 20, loja de Carneiro
Vinna.
O proprietario deste eslabelecimento avisa ao
publico em geral, que tem recebido em riquissi-
mo sortimento de ferragens e catilaria, daa ae-
guintes qualidades : facas de marfim da 1.* qua-
lidade para meaa e aobremesa, dilaa de todas aa
mais qualidades, ps de ferro patente calgadas
de ago, eoxadas de ago, camas de ferro, bombas
de japy, metaes fusimos para servigo de mesa,
e outras muitas cutilaras que por costo se po-
dem comprar : na rua Nova n. 20.
Muita atteneo.
Na loja de Silva Cardozo, rua do Im-
perador n. 40, vende-te roupat feitat
de todas at qualidades pelot presos
mais baratos possiveis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os freguezes com-
prar porque pechincha.
Algodao da Baha.
Proprio para roupa de eacravos e saceos de as-
sucar : vende-se na roa da Cruz n. 1, escriptorio
de Antonio Laiz de Oliveira Azevedo & C.
Vende-se o engenho Atalaia, moentee cor-
rete situado ns freguezia de Ipojuca, movido
por agua, com proporgea para safrejar de 3 a 5
mil pes: a fallar com Jos Pereira de Araujo
no enganho Visqueiro da Escsds. ou no Recite
com Firmino Harlinianno Carneiro na rua das
Cruzes n...
NOS ARMAZES
PROGRESSISTA E PROGRESSIVO
Na rua das Cruzes de Santo Antonio, 38.
d
E NO
Cera de carnauba de pri-
meira qualidade.
Vende-se em porgo e a retalho de urna sacca
para cima, e por commodo prego: ua rua da Ma-
dre da Dos coufronle abolica n. 30.
Liqnidacao
do reino das marcas SSS e galega a 140 rs. a libra.
A loja de marmore.
Bournus de cisemira para senhora a lOj) &
Manteletes de grosdenaple a 108*9
Leques de sndalo a 5$ tt
Bournus de casemira para meninos
de todas as idades a 59
Grande sortimento de cascirrilhas,
trancas e litas de todas as cores para en-
-. faites de vestidos por precos mais bara-
Jm los do quo cm outra qualquer parle
Aboafama
vende Ovelas para cintos o mais bem dourado que
possivel e dos mais liodosgoslos que tem vindo
a este mercado, pelo baralissimo preco de 29500
cada urna, carteiras com agulhas as mais bem
sortidas que se pode desojar, e em quantu a qua-
lidade nao pode haver nada melhor, pelo barato
preijo de 500 rs. cada carleire, pennas de seo ca-
Ijnvankia r,.pHn.lni.o a> CVai nuil. mUf..L ----. .i
d
cad
das
ben. .
mero 35.
KmttMBSK&i&see enea* mmen*
* Ioteresse publico, i
[Offerecido pela loja dea
marmore.
A loja *de marmore tendo de apresen- *
m tar coocurrencia publica o que ha de $
I mais novo em fazendas, tanlo para se-
C ohoras como para homens e meninos,
Iaendoque para este 6m espera de seus
correspondentes de Inglaterra, Frsnca e
AIIemanha as remessas de seus pedidos,
tem resolvido, anles de apresootar o no-
vo sortimento, liquidar as fazendas exis-
tentes, o que effactuar por pregos m-
dicos e para cujo ttm coovida o reapeita- jj
vel publico a aproveitar-se desla emer- 8
H gencia.
xmmmmmmmmmmm
Novo sortimento de cascarri-
lhas de seda.
A loja d'aguia branca acaba de receber um novo
e bello sorlimento de cascarrilhas de seda de
muitas e differentes cores, e vende-se 1500
fr/m6fga UgIeZa qU Pde Chamar nor de 8 a 90 a libfa-
nn0;oaflCeZa a primeira da safra nova 70 rs-e ra bari60o rs.
yueiJOS flamegOS chegados no ultimo vapor a2800.
QlieijOS lUQdriaOS a 800 rs. a libra,
Cha hySSO muito superior a 2800 e 3000 a libr.
GrLdeMco,Mh'de','''rn,S,8geD',0,iod0' 'ri-h*~- Bk.. u^. o8 P. INN.
p ulco maisnovo do mercado a 200 rs. a libra.
Paior^Shn0rtUgU6/'eS VndosdoP^^=-Paricu.ar.500rS.a.ibraein,eiro a 460 rs.
Vinho S*8 mui, novas a 600 a libra eem barris de arroba a 15. H
. 13Oo7lTColDUduz8adl,POr,0, Porw flno--!'CrAv.Ho,. velho, secco Feitori. chamisso de 19200 a 1300 a garrafa,.
ViU Br(leaiU de suPeror qualidade diversas marca's de 800 19 a garrafa ede8500. 10*000 a duzia
V1I1O muscatel a OOO a garrafa e 100C0 a duzia.
mJI? *^ P aSt d Prt0' FSUera' LUb0a da 50 60 "' a 8arraf ^ 4W00 4800 c.n.ds.
Marmelada a 750 rs. a libra.
Latas COm peixe nvel, pescada, guraz, pargo c outros de 1)300 a 2000.
Latas COlll ervilhas pomiguezas e francezas a 600 rs. e 720 a libra.
Latas COm bolachillhas de soda de todas as qualidades a 1440 rs.
FlgOS de COmmadre em caixinhas de 8 libras a 2200 a caixinha e 320 rs. a libra.
FeraS Mm a 200O a caixinha e500 rs, a libra.
AmeixaS francezas em latas de 8 libras por 49000 e 1J00O, libra.
PaSSaS a 2J200 a caixinha, e 440 rs. a libra
LoriUthiaS para pudim em frascos de 1 liS'a 2 libras a 1500 1800 o frasco, e a 800 rs. a libra
LaiXinhas proprias para miraos, com passas, figos, ameixas, peras, amendoas, e nozes, d. 29000 a 59000 rs. acaxinba.
Conservas iQglezaS .portnguezas a 600 e 800 res o frascoa 9 a caixa.
- Macarro a talharim, muito novo, para sopa 320 a libr. e 6000 a 'caixa.
duzas, ditas de langa verdadeiras n. 134 a 1)200 Offima a 100 rs. a libraa a 29560 a arroba e sendo em sacra a 29400
cada groza. ditas muilo boas anda nao conheci- Amfnil > i-,
das a500 rs. a groza : na rua do Queimado, na : mouuoas de casca molle a 400 res a libra e nozes a 200 rs. eem porcao ter abatimento.
bem conhecida loja de miudezas da boa fama nu- flhmnQnU i n_ i nn-nA^
uuaiupanne das melhores marcas, de 15?a 20)000 reis o gigo.
UnoCOJate portuguez. francez, e ioglez, a 900 rs. a libra e hespanhol muilo superior a 19200.
Cervejas das melhores marcas a660 rs. a garrafa, a 5)500, a duzia.
tOgnac muito superior a 19000 agarrafa e a 109000 a duzia.
Genebra de Hollauda a 600 rs. o frascoa 69500 a frasqueira.
Vinagre de Lisboa puro a 240 rs. a garrafa, a 19800 acauada,
DltO em garrafeS < 8 garrafas, por 19200.
Espermacete Superior a 7*0 rs. a libra 720 rs. em caixa.
ArrOZ da India a 100 rs. a do Maranbo, a 120 rs a libra e de 3)000 a 3200 a arroba.
LentltbaS francezas o melhor de todos os legumes a 400 rs. a libra,em porcao lera abalimento.
Caf do Rio de superior qualidade a 8)500 a arroba e a 280 rs. a libra.
Latas com sardinha de Nantes a 400 e 600 rs. a lata.
MaSSa de tomate em latas de urna libra a 900 rs.
AlpiSta a 160 rs. a libra e painco a 240, a 5) a arroba do al pista ea 6400 a do painco.
/'Otes grandes COm Pal refinado 640 tambera tamos em pacotas, muilo propriosjpara meza a 240 e200rs. a libra.-
Lna h VSSOU o melhor que vem do Rio em latas de 1 libra a 1)800, e em porcao lera grande abaliineatoc.
Doce da casca da guiaba de 1*000 a 1200.
Azejte doce purificado, a 800, a garraf, e 99000, a duzia.
FalltOS llXadoS paradentes. os mais bem fallos que tem vindo ao mercado, a 200 rs. o maco com 20 massiohos.
S-gS bncan'e.'"" d ^do lo'a Bolachinha lllgleza nu.to nova a 400 rs. a libra e 59000 a Sbarnca.
\M iii\rt rtnik 11^ rltfXnf-k.1. J ^i A \ I Al 1H H t n A > L\ T 1 n K <\ m o ,1A ____
Meias pretas de seda 1.000
o par.
Veode-se meias pretas de seda, e de mui bda
qualidade, para aeohoras, e psdros 1)000 o
par, por estarem principiando a mofar, e estando
ellas calcadas nada se conhec*, na rua do Quei-
mado toja d'aguia branca n. 16.
ToUCnhO de Lisboa a 320 reis a libra a 109000 a arroba e o da safra velha a 240 rs. a libra e a 6f5a00 a arrob.
Velas de Carnauba ecomposicao a 400 rs. alibra e a 12*500 a arroba.
Araruta a melhor que se pode desejar a 320 rs. a libra.
Sevada chegada ltimamente a lt-0 a libra e a 4* a arroba.
r rutas era latas da todas as qualidades quo ha em Portugal, como peras, pecegos, damasco, ginga e outras a 700 rs, a lata,
/
ite^.


_
tHlHQ Og mHa\MBr30 ^ QlHtA- fhlBA >Bt llttH 4 4*M
Atteoco
Guimarse. & Lar, dono* da lojt da miudazas
di ra* do Q.eim.do D. 35, boa f,, p,rti|p"
ao publico q.o o ,en estabelecimento eacha
un7.'ne.U.meDle pr0Td0 d" elbor m,rc.drU.
232Ve u..0,n*e ?S,' ,end0 q"i odo. rece-
fllin!au 8pr?prl'8eDCOmmend; e estando
fiado fl!B,eBla ""'"lo. DSo veoderem
lau S'-" !eder B,i omto d0 vV ?..i? e luolmeote peden .o. eui devedo-
dMt .1* """"" u <">>" p.gar o .eu.
aeDiiog od pen. deserem jusiigado*.
*r" ~ne?8ram de Lisboa oo brigue Eugenia
dou. bonito, burro, e ama burra, o. qu.es se
d?ll.D0rba,a,0wPxr'S0 :.p,r* *er' Da eoehelr.
L. g0 AMembla *. Para tratar, ooes-
crlpiono de Antonio Luis de Oliveira Azeredo.
IVGEKClrV
DA
Fondicae Low-Moor,
Raa da Senzalla Nova n. 4.
Neste estbeles i ment continua a haver um
completo sortioiento de moendas meias raoen-
das para engenho, machinas de rapor e taixas
de ferro batido e eoado de todos os lmannos
para dito,
"".^Dde-e um terreno na ra do Hospicio
quaai defronte do quartel, pr.prio para edificar-
se urna casa, teodo 40 palmo, de frente e 146 de
tundo, com alicerce : a tratar oa ra do Trapi-
cne d. l*. primeiro andar.
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimento vende-se: ta-
cha de ferro coado libra 110 ri. idem
de Low Moor libra a 120rs.
Fivellas douradas e esmalta-
das, para cintos.
A loja d'aguia branca acaba de receber por
amostra urna pequea quantidade de flvellas
dourada. e esmaltada, para cilo., todas de oo-
tos e bonitos moldes, e tambem douradas que
parecem de ouro de lei, o que s com experien-
cia se conbecer nao o serem, estando no meimo
eseo as esmaltad s, e assiro mesmo venf im-se
pelo barato prego de 25500 rs. cada urna, ua ra
do Qaeimado loja d'aguia branca n. 16.
Cestinhas ou cabases para as
meninas de escola.
O lempo proprio das meninas irem para a
escola, e por isso bom que vio compostas com
urna das novas e bonitas cestinhas que se ven-
dem ca ra do Queimado loja d'aguia branca
D. 16.
Farfolla de
mandioca.
A bordo do hiale aSanlo Amaro, tundeado
confronte to trapiche do algodo, vende-se fa-
rioha de superior qualidade a preco commodo : a
tratar com Feruaodesi Irmo, em seo armazem
travessa da Madre de Dos n. 13 ou a bordo com
Jos Feliciano Machado.
Veodem-se burros gordos e mansos : no
eugenho Jurissacs, do Cabo : a tratar alii com o
Sr; Domiogos Francisco de Soasa Leao.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa : em casa de S. P.
Jonhston & C ra da Senzalla Nova
n- 42.
Palmatorias de vidro e de la-
to para aellas.
Vendem-se bonitas palmatoria, de vidro lapi-
dado para vellaa a 1*200, e dilaa de lati mui
pov,, e Umpaa a 400 ra. : na ra do Queimado,
loja da Aguia branca d. 16.
Peilos de fus to lavrado para
camisas a 500 rs. cada um.
Vendem-se booitos peilos de fusto lavrado e
trancado para camisas a 500 r. cada um, fazen-
da mu boa e eacorpada : oa ra dolQueimado,
loja d aguia-braoca b. 16.
Novo sortimento e tiras b&
dadas em ampoa os latfos,
A loja d'aguia-braoca recebeu um novo e lin-
do sortimento de tiras bordadas em ambos os la-
dos, e contina a vender baratamente a 1*200
cada tira, e oulras de bordados milito largos a
^Ko, o melhor que poaaivel em tal genero,
aim pela ,arBur 9U teeia),' podem ser
aiviaidas ao meio, pelo que se toroam baraliesi-
mas : na ra do Queimado, loja d'aguia branca
Gollinhas e manguitos de pu-
nhos bordados.
Na loja da .guia-branca vendem-se gollinnha.
e manguitos de puoho. bordado, em fina eam-
braia transparente por 29500 ludo, o que na ver-
dade baratiaaimo : na roa do Queimado, loja
d'aguia-braoca n. 16.
predio venda
Veojle-ae a cata de dous andar, e sotao, m*i-
aiei.no becco da8 Miudi>hM n.18, avallada em
2.000, a qual rende 1 1|2 por cenlo ao mez ; na
ra do Trapiche o. 14. primeiro andar, ha peaaoa
autorisada pelo proprietario para effectuar a tan-
da da meama casa.
ntremelos
bordados em cambraia
transparente.
Na loja d'aguia branca se ocha um bello sorti-
mento de entremeios bordadoa em Coa cambraia
tranaparente, e como de seu coatume est ven-
dendo baratameols a 1*200 a peca de 3 varas
tendo quantidade battaote de cada padrao, para'
veatidos ; e quem liver dloheiro approveitar a
occasiao, e manda-Ios comprar na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca o. 16.
Agulhas imperiaes.
Tem o fundo dourado.
A loja d'aguia branca teodo em visita sampre
veDder o bom, mandn vir, e acabam de ebegar
aqui (pela primeira vei) as superiores agulhas
imperiaes, com o fundo dourado e mai bem hi-
las, sendo para alfaiataa e costureiras, e cusa
cada papel 160 ra. A agulba aasim boa anima
e adunia a quem cose com ella, e em regra ao
oais baratas do qua as outras; quem aa com-
prar nii ra do Queimado.Joja d'aguia branca o
lo, dir sempre bem dellas.
Acaba de
chegar
novo armazem
DE
BASTOS & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Um grande o variado aortimento da
roupa. (eitas, calcados e fazeodaa e todos
este, .a veadem por preco. amito modi-
Ucadoe como 4 de seu coatume,a.sim como
ejarn aobraca.aco. de auperiorea paonoa
a casaco. feito. pelo, ultimo, flgurinos a
16*. *8*. 30* a a35*. paletots do. me.mos
panno, preto a lbg, 18|, SO* e a 14*,
i dito, de casemira de cor mesciad o e de
novos padres a 14*. 16*. 18*. 20* e 24*.
ditoa saceos da. mesma. ca.emira. da co-
res a 9*. 10*. 12* e a 14*. ditoa preto. pe-
lo dimiuuto prego de 8*. 10*, e 12J, dito,
de sarja de seda a aobreca.acadoa a 12*,
dito, de merino de cordo a 12}, dito,
de merm cbioez de apurado goato a 15*,
dito, de alpaca preta a 7*. 8*, 9* a a 10*.
dito, asccos prato. a 4|, dito, de palba da
teda fazenda muito superior a 4*500, di-
tos de brm pardo e de fusto a 3*500, 4*
e a 4*500, ditos de fusto braoco a 4*,
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de cores a 7*, 8*. 9* e a 10, ditas
pardas a 3* a a 4*. ditsa de brim de corea
ana. aiJ5O, 3*. 3*500 e a 4f, ditas de
brim brancos Anas a 4*500,5$, 5*500 e a
6*. dita, de brim loni a 5* e a 6f, cclletes
de gorguro preto ede corea a 5f e a 61
ditas de casemira de eor e preto. a 41!
e a 5*, ditos de fusto branco e de brim
a 3* e a 3*500, dito, de brim lona a 41,
ditos de merino para luto a 4* e a 4*500,
calcas de merino para luto a 4J500 ea5|,
capas de borracha a 9*. Para menino,
de tojos os lmannos: calca, de casemira
preta eda cor a 5f, 6* e a 7*, ditas ditas
de brim a 2|, 3* a a 3*500, paletots sac-
eos de casemira preta a 6g e a 7, dito,
de ora 6* a a 7f, dito, de alpaca aIS*,
sobrecasatoi do panno preto a 12* a a
14, ditoa de alpaca preta a 5*. bonete
para menino de todas as qualidades, ca-
misa, para meninos da todos os lamanhos,
meios ricos vestido, de cambraia feitos
Eara meuinas de 5 a 8 annos com cinco
abados lisos a 8* e a 12f, ditos de gorgu-
ro de cor e de la a 5* e a 6*. ditos de
brim a 3*. dito, da cambralaricamenta
bordados para bapti.adoa.e multas outras
fazeodaa a roupasfeitas que deixam de
ser mencionadas pela sua grandeqaanti-
dade; assimcomorecebe-aetoda eqaal-
quer encommenda de roupas para ao
mandar manufacturar e qua para cate flm
temos um completo aortimento de f azen- '
da. de gosto e urna grande offlcioa de al-
faide dirigida por um babil mestra que
pela sua promptidi eperfeigao nadadei-j
xa a desojar.
Liquidaco
Braga, Silva & C em liquidaeo, convidara
aos dentro de 30 dias, e partieipam que medidas ter-
minantes sero empregadas coulre os que nao
com parece reas.
Urna barcada.
Vende-ae ama bsrcaoa do porte de 35 calas,
eocalhada ao eataleiro do medre crpinteiro Ja-
cintho Ele.bo, ao p d. fortaleza da. Cinco Poo-
taa, tonda pode *er vista e examinada pelo, pre-
tndeme. ; vende-se a pr.zo oa a diohelro ; a
trataron Maooel Aires Guerrs, ni raa do Tra-
picho 14.
Para a quaresma
Na raa do Queimado!
i n. 10.
# LOJA DE 4 PORTAS
d DE
Ferro & Maia.3
Z Vendem-se as segulntes fazendas : W
9 Manteletes pretos bordados multo ricos. 9
@k Casia, pretas bordada, idem. arfa
luas ditas lisas.
Sedaa preta. lavradas a 1*. 1*280, 2* V
& e 2J500. xak
r Grosdenaple preto corado 1*, 1*800, 2* W
9 e 2*500. ^ W
^ Sarji prela lavrada covado 1600 o S*. Uk
g| Dita dita lisa corado a 1*500 e 1*800.
r Casemira preta muito fina corte 5*. 6*.
9 7*. 8 e 9*. ^' ^' A
g'Tioa83*'4*'5*'6'7-8'9
9 Biquissimos cortes de seda preta borda- tt
9 .dos a velludo a 60*. 70*. 80* e 90*. g|
*a Riquissimos cortes de grosdenaple preto II
para vestido com babadinhoa e duaa V
saias a 45$. 50*. 60* e 7UJ.
:
Colleccoes de estampas.
Acaba de chegar a loja da aguia branca urna
pequea quantidade de colleccdes de finas e
grande, estampas a fumo, repreaenlando elle. o.
mariyiios do Senhor em 14 quadros, os qnae.
sao bem acertado, para qnalquer igreja ou mes-
mo caaa de quem lenha gosio de as posauir ;
chegou igualmente oulra pequea porcao da.
procuradas estampas s morte do justo e a mora
do peccador : acham-se a venda somente na ra
do Queimado loja da aguia branca n. 16.
Talhares para crianzas.
A loj da aguia branca acaba de receber a ana
encommenda dos preciosos talhares para enancas
e os est vendendo a 320, 400 e 500 rs. confor
me a auperioridade delles: na ra do Queimado
loja da aguia branca o. 16.
Grvalas da moda.
Na loja da boa f, na ra do Queimado n. 22,
ae encontrar am completo aortimento de grava-
tas de aeda pretaa e de cores, que se reodem por
precos baratisslmos, como sejam: estreitiohas
pretas e de Modas cores s 1*, diiss com pootas
largas a 1*500, ditaa pretaa bordadas a 1*600. di-
tas pretaa para duas rollas a Sf ; na mencionada
loja da Q0 f, na ra do Queimado n. 22.
Facam fogo no viado.
Seda lavrada a melnor que ae pode encontrar
de bom e delicados gostos, que a vida do prego
nao ha quem deixe de fazer um rico vestido pre-
to para quaresma, poii, aproveitem a occasiao.
poi. quem nao flzer agora, nao fsz to cedo ;
esta loja flea bem coohecida, por flear bem coo-
jrouie a eamboa do Carmo, e ter o viado pin-
tado.
Novos bonets de velludo, e
marroquim dourado.
Na loja d'agoia branca vndese mui bonitos
bonets de velludo, e marroquim dourado, oa
quaes sao agora mui oacessarios para os meni-
nos que vo para a escola e quem os quizer com-
prar mais baratos 6 dirigir-se ra do Queimado
loja d'aguia branca o. 16.
As verdadeiras pennas ingle-
zas caligraphicas.
A loja d'aguia branca acaba de receber sus
encommenda daa verdadeiras pennas de ajo
inglezas caligraphicas, dos bem conhecidos e
acreditados ftricantes Perry & C, e apesar da
falla que havia dessss boas peonas, com lado
vendem-se pelo aotigo prego de2/000 a caixiuha
de urna grozs, quantidade essa que as falsifica-
das oo trazem. Para lirrsr de engaos, as ca-
lichas rao marcadas com o rotulo que diz. Loja
d'aguia branca ra do Queimado o. 16.
Sal de Lisboa.
Vende-se a bordo da bares portuguesa Kspa-
taoca, sal de Lisboa limpo e redoodo ; a tratar
aa roa do Trapiche n. 17.
Veode-ae um terreno em Santo Amaro,
unto ao hospital ingles, com 700 palmos de fren-
e, em muito bom estado: a tratar na ra do
Trapiche o. 44, armazem de Braga Son 4C-
Vende-se mscarro, aletria e talharim a
240 rs., arroz a 100 e 120 rs., caf muido puro
a 360 rs., erra mate a 240 rs., sabio branco a 100
rs., alplsti a 160 rs., assacar branco a 100 e 120
rs. proprio para doce, gomma a 100 rs. a libra, a
2*560 a arroba : est torrando, Santos & C. rus
ao Cordonix n. 1.
I
kKA 3)0 QUEIMADO N.46
f iH>rirPB^DE20KTIMERTo
^DASEROPKSF
bem
asemira
Ipaca
caaemira da
grande sorti-
mento de roupas de brins como seiam calcas, paletola e collet.s, sortimento de colleras preoa de
SUS! ffl T,6Uu de a ?* 2iloa para "a.mento a 5* a 6. paietot. brinco, de bra-
TSS1 t&J&J&tSX i"1.1,".. e "m 8"nda aortimento de fazenda. fln. mo-
derna., completo aortimento de c.emiraa ioglezas para homem, menino e senhora.
Iinbo e algodao, chapeoa do aol de aeda, luvaa de aeda de Jou vio para homem e senhora Te-
mos urna grande fabrica de alfaiate onde recebemos encommendaa de grandes obraa que para
isso est sendo administrada por um hbil medre de aomelbanle arte e um peaaoal e mais d<
cincoeola obreiroa escoltados, portento execulamosqualquer obre com promptido e mais barato
do queem outra qualquer caaa. aaapsnaj
IXovo paquete das novidades
23-Rua Direita-23
Nesle dovo Mtibelecinienlo ichirl o poblico um raDilt aortimento tendente a molhsdos
ludo por preco mais barato do que em outra qualquer parte : muinauo
Manteigs iogleza especialmente escolhida a 800 e 960 rs. a libra.
Dita franceja a melhor do mercado a 720 rs. a libra.
Queijos flamengoa ebegados no ultimo vapor a 2*800 e 3.
Cha hysoo e preto a 2* e 8*880 a libra.
Vioho engarrafado dos melhores autores e 1* e 1*200 a garrafa.
Vioho de pipa proprios para pisto a 500 e 560 a garrafa.
Marmelada imperial doa melhores autores a 900 rs. a libra.
Amenas portuguezaa a 480 rs. a libra.
Passas muito novas a 500 ra. a libra.
Latas com bolachiohsade differentea qualidades a 1J40O.
Conaervaa inglezaa as melhores do mercado a 800 rs. o frasco.
Massas, talbarim, macarro e aletria a 440 rs. a libra.
Cerveja das melborea marcas a 560 a garrafa.
Genebra de hoilanda superior a 500rs. a botija.
Velas de carnauba a 440 rs. a libra.
Ditas de espermaceti a 760 rs. a libra. *
Vinagre puro de Lisboa a 320 rs. s garrafa.
Arroz a 100 e 120 rs. a libra.
Alpista a 160 rs. a libra.
Toucioho de Lisboa a 360 rs. a libra.
Alm dos gneros annunciadosachara o publico um grande sortimento de um lado tande-
le a molbsdos mais barato do queem outra qualquer parte.
. i
ARMAZEM
ROP AFEITA
Joaquim F. dos Santos.
40Roa do Queimado40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Neste estabelecimento ha sempre um sortimento completo de roupa falta de
todss as qualidades e tambem ae manda executar por medida Tontada dos fregue-
ses para o que tem um dos melhores profassorts.
Catacas ae panno preto a 401.
35| e *
Sobreca.acosde dito dito a 35* e
Palelota de panno prelo e de co-
res a 35*. 80*, 25*. 10*. 18* a
Ditos de casemira de corea a 22*.
lSf.12*.7 e
Ditoa de alpaca preta golla de
velludo fraacezas a
Ditos de merino selim pretos
de corrs a 9f
Ditos de alpaca de core, a 5* e
Ditos de alpaea preta a9*, 7*. 5* e
Ditos de brim de cores a 51,
4*500, 4* e r
Ditos da bramante dellnbo b an-
co a 6*. 5f e
Ditos de merino de cordio preto
a 15* e
Calca, de caaemira preta ede co-
rea a 12*. 10*. 9f, 7 e
Ditas de prnceza e merino de
cordo preto a 5*, 6*500 e
Dita, de brim branco ede cores a
5*. 4*500 e
Calesa de ganga da cores a
Gollete de velludo prelo e de co-
res liaose bordados a 12*.9* e
Ditoa da casemira preta e d* co-
rea lisoa e bordadoa a C*.
5*500,5* '
30*000
30*000
20*000
9*000
10*000
8*000
8*500
SS500
3*500
4*000
8*000
6*000
4*500
2|500
3*000
8*000
8|50O
Ditos de setim preto 5*000
Ditos de seda e setim branco a 6 e 5*000
Ditos de gorguro de sadi pretos
e da cores a 7*. 6*. 4* e 5*000
Ditos de brim e fusto branco a
31500.2*500* 3*000
S.reulaa de brim de lioho a 2* e 2*200
Ditaa de algodo a 1*600 e 1*280
Camisas de peiio defuato branco
ede corea a 2*400 a 2*200
Ditas de paito de lioho a 5*. 4* e 3*000
Ditaa de madapoln branca* e d*
core* a 3*. 2*500, 2* 156 00
Chapaos pretos de massa (raneen
forma da ultima moda 10},
8J500 7*000
Ditos de feltro a 6*. 5*. 4* e 2*000
Ditos de sol de seda iogleza* *
francezea a 14$, 12*. 115 7*000
Colarioboa de lindo muito finas
novo* feitios da ultima moda a *800
Divos da algodo *500
elogios de ouro patente hori-
zontal a 100$. 90*. 80J 70J000
Ditos de prala galvaniaadea pa-
tete e horiiootaea a 40* 30J00O !
Obras de oero, aderecos meio*
aderecoa, pulcelraa, rzala* e |
aneis a y
Toalhaa de lioaoduxia 105, *>9 91000 1
Ditas grande* para meaa ama 3* 4*0O0^
NA NOvAtALlFORNll
CARTOES
DB
VISITA
mw DITO
Cartes de risita de novo gosto
Cride* de visita de ooro goalo
Carlota de visita de ooro godo.
Umaduzia por 16#000.
Urna duzia por 16|0O0
Urna duzia por 16*000
Urna duzia por 161000.
Retratista americano.
Retratista americano
Retratista americano
Retratiata americano.
Ra do Imperador.
Raa do Imperador
Raa do Imperador
Ra do Imperador,
Aos Srs. consumi-
dores de gaz.
Noa armazeoa do cae do Ramos os. 18 36 e
na raa do Trapiche Novo (no Recite) n. 8. se
vende gaz liquido americano primeira qualida-
U 1 recentemente chegado a 14* a lata de cinco
galldes, aoim como ae vendem lata* de cinco
garrafa, e em garrafas.
Superior cal de Lisboa.
Tem para vendar em porco e a relalho Anto-
nio Luis de Olivefra Azevedo & C., no seo es-
critorio ra da Cruz o. 1.
Vende-ae um carro (chamado da alfaodega)
para cooducco de gneros dentro da ctdade, por
prejo commodo, a tratar na ra Nora. n. 33.
Rival
sena segundo.
Na roa do Queimado o. 55, defronte do sobrado
noro, est disposto a reoder tudo por preco que
admira, assim como saja:
Frascos de agua de lavando muito Bran-
des a
S bonetes o melhor que pode haver a
Ditos grandes muito fios a
Frascos com rheiros muito finos a
Ditoa ditoa muito bonitoa a
Garrafaa de agua celeste o melbor a
Frascos com baoha muito superior a
Ditoa dita de urco fioissima a
Pra.cos de oleo babosa com cheiro a
Ditos dito dito a
Dito, dito nito a
Ditoa para limpar a cabeca e tirar caspas a
Ditos^oito philocome do verdadeiro a
Ditos com baoha transparente a
Ditoa com superior agua de colonia a
Dita, fraseos grandes a
Praacoa de maca: oleo
Ditos de opiata pequeos a 320 e
Unos de dita grandes a
Tem um resto de lavande ambresda a
Linhs branca do gaz a 10 rs., e tres por
dous, e fina a
Dita de car to Pedro V, eom 200 jarda* a
Dita dito dito com 50 jardas a
Carretel, de lioha com 100 jarda* a
Duzia de metaacruaa muito eocorpadas a
Dita de ditas muito superiores a
Dita de ditas branesa para senhora, mui-
to fina, a
Vara da bien da largara de 3 dedos a
Dita da frsnja para loalbaa a
Groza de botos de louca brancos a
Duzia de phospboros do gaz a
Dita de ditos de vela muito superiores a
Pecas de fita para cs de todas as lar-
guras a 320.
Carteiras com agulhas.
A loja d'agoia branca acaba da despachar car-
teiras com agulba* de mu bfia qualidade, e ex-
cellenle aortimento, e aa est vendando a 500 rs.
cada urna ; aasim como recebeu igualmente no-
vo sorlimaolo das agulhas imperiaes, fundo dou-
rado, que cootinuam a ser vendidss a 160 ris o
papel, isso na ra do Queimado loja d'aguia
branca n. 16.
Argolas de ac para chaves
rendem-se 200, 240, 320. 400 e 500 ris, na raa
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Froco fino, e seda frouxa para
bordar
vende-se na ra do Queimado loja d'agaia branca
n. 16, onde se achara completo sortimento.
PEIXE
Duarte Gompanhla
800
320
160
500
1*000
1*000
240
600
240
320
500
720
900
900
400
500
100
500
800
500
20
60
20
80
2*400
4S500
3J0O0
12u
80
120
240
240
receberam pelo ultimo vapor as seguintes quali-
dades de peixe o mais bem arranjado que se po-
de desejar em Uus lacradas hermticamente pe-
los precos da 1*200 a 3J a lata :
Chourica. fina, prompl...
Peecada assada e cozida.
Pargo asssdo.
Roblos dito.
Cavalla em azeite.
Guras assado.
Nula.de ligelada.
Savel assado.
Sarda em azeite.
Congro.
Linguados fritos.
Oatros. -
Atura marinado.
Tambem receberam pacotesde sal refinado a
240 rs. cada um e lalta com feijo verde a 800
ra.: noa armazeos Progreaaivo e Progresis!* no
largo do Carmo o. 9 e roa das Cruzas o. 36.
armazem de fazendas
DE
Santos Coelho
Una do Queimado n. 19.
Leacoes de bramaole de linho 3*.
Cobertas de chita fioaa a 2*.
Ditas a preco da 1*800.
Cambraias pretas muito fioaa.
Colchaa de fustio muilo lindas a 6*.
Esteiraa da India de 4, 5 e 6 palmos de largo
propriat par* forro de cama e .ala*.
Lencoea de panno de lioho fino a 2*.
Algodo maestro a prego de 600 rs. a vira.
Toalha. de linho para me.a a 4*.
Ditaa de fu.io para moi, cada ama 500 r*.
Balde* para menina*.
Xuvas pretas de. torga.
-parar^Beninas a &0*>-*gr-o
par.
Vendem-ae luva. preta.de torca 1 em bom ca-
tado para menioaa da diversos tamanboa a 500
bV eP" :iB* "" d Queil"<,0 ,0J* da 8ul*
Agua de lavander e pomada.
r.J'l09 ',- !nPer,or de laraoder iogleza
relo baraliaslmo preco de 500 e 640 r*. cada fr.s-
o pomada m.iliasimo fio. em pao. grande* a
1. rende ae por lio bsrato preco pela
grande quantid.de que ha : na ra do Qurtmado
na loja de miudezaa da boa fama n. 55.
Bicos de linho barato.
Veode-se bonitos bicoa de linho de dona a
quatro dedo* de largura faznnda multo auoerior
pelo baratisaimo preco d. 240, 320, 400 e 480 ra.
a rara, veode-ae por tal preco pela razio de es-
ta rem muito pouc cou.a encaldidoe, tambem ae
venoem pecaa da rendaa lisa* perfeitametMe boa*
com 10 vara cada peca a 729, 800 e 1*. diia.
com salpiro. muito bonita, e diversa* larguraaa
1*200, 1*600 e 2* a pega, ditaa de aeda a 2* ca-
da urna peca : na roa do Queimedo oa bem co-
ndecida loja de miudezaa da boa fama o. 35.
LiuhdS de cores em nvelos.
Vende-ae linhaa de cores em ooveloa fazenda
em perfeiiissimo estado pelo baralissimo preco
de 1* a libra : oa ra do Queimado loja de miu-
dezaa da boa fama o. 35.
Papel de peso a 2$ a resma.
Veode-ae na ra do Queimado toia de miude-
zaa da boa fama o. 35.
Meias pretas de seda.
Vende-se meiaa de aeda preta* para senhora
fazenda muilo auperior pelo baralissimo preco
de 1*o par : oa ra do Queimado na bem co-
nhecidalojada boa fama o. 35.
Aos fabricantes de veas.
O anligo depoiito de cera de carnauba e aebo
em pao e em velas, eatabelecido oo largo da As-
sembla n.9, mudou-ae para a ra da Madre de
Deoa o 28, quaai oerunte da igreja, onda conti-
na a haver um completo aortimento daquelle
geoeroa, que ae vendem por precos razoaveis.
Barato assim barato de mais
Su bonete finos.
A loja d'aguia branca recebeu ama crescida
quantidade de s.boneles finos para barbaa, o*
quae* coovm a todoa compra-los mesmo psra
moa, avista do diminuto preco de 3* porquento
se est vendendo a duzia. Para aaliafazer-ae aoa
boaa (regueies ae vender tambem am menores
porcoes. porm quem mais comprar maia lucrar,
porque assim bsrato nao ser fcil tornar a ha-
ver, e mesmo agora s ha na ra do Queimado
loja d aguia branca d. 16.
Coraes.
Em massinhoa a 500 rs. cada um.
Em fios a 640 rs. cada um.
Em voltag de 3 fios a 2*500 cada urna.
Vendem-** muito bons coraes, em massiohos.
Dos e voltaa de 3 fios, peloa baratiasimos precos
cima : na ra do Queimado loja d'aguia branca
o. 16.
Objectos de phantasias
pulseiras de missangas.
A loja d'aguia branca acaba de receber am
bello e eaeolhido aortimeoto de palaeiraade mis-
singas com borlas pendentes, obra de muito gos-
to, e o que de mais perfeito se pode dar em taea
objectos, a aa est vendendo a 1*500 cada urna,
tanto para senboraa como para meninas e pela
novidade do gosto e apuro da moda olo tardaro
em ae acabaras que ha os loja d'sguia branca,
ra do Queimado o. 16.
Rival
sem igual.
Com bom sortimento.
Enfeites pretos eom franje a 5*5(>0, fivelss de
ac muito bonitas a 1*500, agulhas fraocezaa cur-
ta* e compnda. a 60 r... carretela de lioha de
200 jardas a 60 rs., ditas de Alezanders a 80 rs.,
ditaa de 100 jardas de cores e branca a 30 rs.,
cartes de colcbete.com daa. carreiras a 60 rs.,
dito, de urna a 40 e 60 rs. : na ra larga do Ro-
sario o. 36, loja do Pedro Tioo 2.
Veode-ae a casa da ra dos Acougiohos o.
25 : a tratar na ra larga do Rosarlo o.'23.
Escravos fugioos.
Gaiolas.
xHS) Na ra da Imperatriz numero 48, junto a padaria traoceza.
o-tftA ''"de *e edaa e*cocezas de bonitos goslos 10*. cambraia lisa peca a 11800, 25O0,
3*500 4, corteado cambraia braocaacom barra de cor a 2*800 e3S, ditos brancos bordados a
3*500 e 4J500, duna de meias pare .ahora a 2*500, ditas flda* a 3*500 e 4*. ditas cruas para
hornero a finas a 2*500* chales de larlatina a 640 rs.. ditoa de algoio alcozoados a IjJ, golll
nhas muito finas bordadas a 6(0 e 800 rs., manguitos moderaos manga balao a 800 e 1*. mangui-
tos, gollinhas ecamia da crep preto bordado a croch a 2, ditos de idlhos a 2*500, ricos en-
feites para senhora a 5f e5*500, ciatos dourados da bonitos gostos a 21 2*500 e 3*, chapeoa en-
tenados par* baptisado a 3* e 4*. dito* de sol para senhora a 4* e 5*, ditos de sol para homem a
6*, leacos de csss* grandea duzia 2*400, dito* de cambraia bordadoa a 200, 240 300 rs., gros-
denaple* preto Uno s 1*800 e 2* o corado, ricos manteletes pravo da grosdenaple a 20, tt e 95*.
paono preto fino a 35 e 3*500 o covado, fil liso branco muito Ana* 640 a tara, dito bordado
I 1*200, e oulraa multa* fazeoda* por precos commodoi, assim como um graode sortim*nlo de
roupas feitas por pregos que admira : na loja de Paredes Porto.
Liodas gaiolas do rame, proprlaa psra passa-
rinhos da astimaco ; vnde-si o* ra, do Quei-
mado a. 53.
IHobilia.
Na ra da Gamboa do Carmo roja n.
tai vende-se toda a qualidade de mobi.
Ka tanto ao gosto moderno como anti -
ga, phantbasia etc. por prec,o mais
commodo do que em outra qualquer
parte, fez-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de eo maior aparo da arte.
Fugio de bordo do patacho Diciooal Espa-
darle o escravo de oome Franclaco, africano, de
46 annos de idade, estatura regular, cor preta e
nariz chato. Como desconbece a trra, ere-ea
oo lera aahido da cidsde oa seus arrabsldes:
roga-se. pois, a quem delle aouber, queira apre-
sen ta- lo ou dar noticias: na ruada Cruz o. 3,
senptorio de Amorim Irmos, que ser recom-
pensado.
No dis 7 do correle fugio de um sitio de
Paroameirim, do abaixo assinado, um escravo
de oome Luureoco, que representa ter 35 annos,
preto crioulo do seito, sito, magro, com pouca
barba debaixo do queizo, andar ligeiro, muilo
regrista e velhaco, e as vezes tem a mania de a*
inculcar por forro, levou vestido camisa de chi-
ta, caiga e casaco de forro de farda, eom chapu
de couro velho na cabeca, levou oulro da feltro
pardo, e tambem am preto, e mais diversas pe-
gas de roupa alguma lavada, fuho de Pajea, e
consta ter aido all escravo de Agostioho Pereira
da Paz. foi acerca de dous annos comprado ao Sr.
Francisco Cavalcanle de Albuquerque, morador
na Torre, consta ter sodado oestes dias pelo
Arraial e Casa-Forte; quem o aprehender e
levar ao dito sitio, oa so armazem da ra do
Am rim o. 41, ser bem gratificado, igualmente
se roga s autoridades policiaco a ana cap-
tara
Recite, 12 de margo de 1869.
Francisco Quedes de Araujo.
Auseotoa-se da caaa do abaixo aasignado
oo aabbado 8 do crreme, o sea escravo de nomo
Fernando, cor cabra fula, altura regular e corpo
reforgado, seodo o dito escravo canoeiro da fa-
brica do ontetro, consta qe as vezes aoda oo
Campo Verde onde tem coahecimentos, tendo
por coatume tocar rabees e rila : roga-.e por-
tan to as autoridades pollciae. e capile. decam-
po a sua aprehenqao, levanlo-o a ra do Apollo
O. 6, deposito da fabrica do Mooleiro.
Jos Gailherme Ouimaries.
Fugio no dia 20 do correte de bordo do
patacho Capuana, o escravo crioulo mariohei-
ro de nomo Antonio, idade 19 anaoa poucomaia
oa menos, altura regular, rosto comprldo e com
alguns tigoses de bengas, levou caiga e camisa
azul : quem o pegar leve-o ac escrlptorio de
Antonio Luis de O Iveira Azevedo a> C. roa da
Cruz o. 1, ou a bordo do dito patacho que aera
generosamente recompen*ado.
Fugio do engenho Santos Mandes, na co-
marca de Nazareth, de Laarentino Gomea da Ca-
oba Pereira Beltro, em 18 de fevereiro do aono
de 1881, nm escravo de oome Aotomo, de idade
de 30 annos. pouco mais on menos, pouca barba
edr oo muito preta, corpo e altura regulares*
roito comprldo, ps nm pouco apalhetado*
grossoi. tem falta de unhas em alguna dedos por
causa de blcboa que teve, olhos pequeos e ra
galados, carreiro, e eoleode do officio de ca-
noeiro, um pouco regrists, da Angola, parda
muilo ladino; foi ewrao do tinado Aoiooia da
Cruz, que morou em liarla Fallaba, aasim como
tem estado em diversas praiae, por isso taires to-
me esses lagares. Boga-se is aotoridados poH-
cises e caplties de campo a appreheosao de mes-
mo, e lera -lo- ao referido eogeobo. o alo Rectfe
na praga do Commercio eos 9n. stawel Ignacio
de Olireua & Fno, queieteberlo 200f de gra-
UBctcio.


!
SE
=
Litleratura.
As tres irmas.
TERCEIRA PARTE.
III
(ContiDMQio. )
Alberto foi. Fugia-lhe o corago spa da sau-
dade, a razio ia pedir forjas esperones. Pe-
dia coaielho 4 iua lia para eacrever Laurentl-
oa. Reapondeu Jeronyma que essa conceaaio olo
entrara no plano do dalgo. Ao mesmo lampo
Laurantina pedia ao pae liceo para escrerer
Alberto. O relho reapondeu :
Diie o que queree raandar-lhe diier, que
u ci Ih'o eecrero. Maoda-lhe um preaeote de
equeiro de geropiga pelo recoreiro da Rogos.
E da miaba parle duaa duziaa de chouricoa
ecrascentoe o padre-meetre.
Eataa oras iam mitigar ai saudades de Jos
4 Fonseca, j enllo nos Acores, e aferrorar-lhe
as crencoe na proidancia doa booa da eoracio.
De l pedia Jeronyma que fosee menos prodiga
m beneflcioe para com elle ; ejuuure, porm,
logo, que o dinbeiro della tioba matado a fome
de mullos emigrados, que riviam de auaa aopas.
Escreria 4 Alberto eTangelicos preceitos, e
eaposa cooaolaces, que Dio tioha em ai, mas o
artificio da linguagem Ib'aa data.
Outra carta de 1831 snnunciara da llha Tercei-
ra que ame eequadra ae (aria rea em breves
das, em expedicao sobra as costas de Portugal.
IV
Laurentina.
Completara deioito aooos em 1832.
Era gentil, aeoo formosa, e daa tres irmia* a
maia propensa s affoiteaas, ao desembarazo
quasi alrerimento, que desdoure muilse reies a
{raclosa meigmce, que mais iofeiu a mulher.
aureoline motero tordoa a tiro nos olireea : e
a raiga va oa potros, que aeu pae temia, e os
criados, cospidos da sella, deixsram (ugir. Lia
oa boletine secretos, que chegaram s maoa dos
llberaes do Ooaro, e tallara em guerra com trans-
portes, quando suas tias contaran) assemblee
quantos oros de perua tinham riogado da ultima
ninbada.
Costeara ji as ribaa de Portugal a frota do di-
que de Briganca. Diziam os apaxooados da li-
berdade que os libertadores aproaram e praiaa
de Villa do Conde ou Vianna. Lairentina pediu
instantemente ao pae que a deixeese ir eo Porto,
aesittlr i entrada doa liberaes, e s alegras de
O. Jerooymi e suaa irmea. Nao fallou de Al-
berto ; maa o relbo marmurou : < bem te emen-
do e accresceatou:
E quem te disse a ti qae os liberaes entram
ao Porto I Cuidas tu que um exercito de oi-
ttota mil bomens ama ourem de mosquitos de
adga, que ae matam com o fumo da polrora ?
Os libereea bio de entrar no Porto Idisse
Laurenlma com riril rebemencia, em qe o re-
lero mulheril sobreasis mais pela flccio do ges-
to e da roz.
Se elles entrareis no Porto elalbou (
egressoquero eu ter oa liogua a gota que teoho
o este p direito.
Vamos ao Porto, meo pae ?tornou a D-
dalga, rollando as coataa ao cipellao.
Bem te entendo repetiu o relho. Olha
que Alberto anda eat no lerceiro anno.
Has Alberto pega em armas, e rae para onde
stiver o pae.
J sei, j sei ; e tu ? pelos modos queres
lambem aentar praca ?
Temos Joanoa d'Arc, ou Grites de Aliubar-
rota Iacerescentou o capellao.
Estio a xombar de mim Idisse Laureo-
tina.J disse qae desojara rer a chegada do
emigrado a sua casa. O pae rem, nao rem ? E'
um pasaeio... A gente rae pelo rio. Ver que
espectculo ramos gozar.
O relbo nao desejara menos qae e Alba ir ao
Porto, j para rer o espectculo annenciado,
como para rer Jeronyma. aua affeicao aeoil e m-
morredoura. Se a amara ainda !.. Nio aei que
esperancas lbe briocaram j lio Urde com e
pbaotasia 1 Esriara-lhe no corceo o saogue ;
mas o ideal da belleza, aprimorado pela rirtude,
como elle o coacebera, quiaze aonoa antes, lo-
mara consistencia no trato intimo d'aquelle longo
apaco, e consubstancira-se-lhe na rida.e seria
aua derrodeira luz. Esperara ainda o relho... o
que 1 Realisecio de chisteras, como as concebe
a moeidade, e expira, apalpando-as j naa som-
bras da marte ? Esperara ligar Jeronyma aos
aess ltimos aanoa, e perpetuar oa elernidade a
uaiao que o aol da trra pouco lempo alumiaria ?
Nao aei ae elle assim formulara aa suaa ideas.
Sei que a amara a peito, como d'elle dizia o rer-
naculo padre-mestre.
Desceram a correte do Douro, e saltaram na
Rlseira, quaodo as tropas da guaroic&o marcho-
ram, umaa commandalaa pelo general Santa
Martba sobre as praias do Lar, outraa para
Villa do Conde, aob o commando do brigsdeiro
Jos Cardoso de Ueoezes. O rebolico e a desor-
dem eram tumultuosos na cidade. Aa priocipaes
familias, sem excepcio daa maia derotadaa pre-
cedentemente aoa principios cooatitucionaes,
abandonaram aa catas, receiosas de arritcarem
as vidas, permanecendo, quando as autoridades
fugiam. Na vanguarda doa magistrados, clero, e
fuoccionarios pblicos iam os caixotea do diobeiro
da fazeoda nacional e da companbia dos rinhos.
A heroica cidade tere horas de terror diaute das
tormentas com que baria de aer prorado o aeu
herosmo.
No dia 8 de juibo de 183, ditsereis que o Por-
to oo vitia a dar de si o gigante da liberdade, o
Anies de cem bracos de ferro, que estalaram
em suas roscas a bydra daa mil cabecas atina-
dsimas. Em raros semblantea relumbrara o
prazer da ora. Todos diziam que a esquadra
dos lirres relejara em frente de Lessa ; todos se
resguardaran de exprimir o cootentamento, que
a desesperance abalara, e o terror do castigo
tambem.
Cbriatorio de Lebrim e Laurentina foram en-
contrar a familia do emigrado quebrantada de
paror. As pobres seohoras, e ao ardente moco
agurara-lhu a esperanza, de to longo alimen-
tada, que o exercito libertador, basteada a ban-
rJ" d,a Ubr logo all milhares de cidados em armas. Poim
ao rerem qae muitos dos octultos obreiros da
liberdade iam fugindo, eomo se inimigos os a-
meacassem do mar, cahiram da seua alelos no
austo geral, ej pediam a Deas que os oastitu-
cionaea nio aaltaisem em Ierra.
O morgado, preralecendo-ae de auaa relhas
profecas, aggrarara mais o temor das mulberes.
Predissere elle aempre que oa liberaes seram
loucoe, aenio rlessem em numero duplicado dos
realiataa. Firmara elle a base, alii racional,
de seua prognosticos. no supersticioao amor, que
o exercito, e o clero e a populaca tinham ao Sr.
D. Miguel. Na indiffercnca, aenio desaaocego
doa portuensea, e fuga doa maia graduados ex-
plicara elle a exoccio dos seus raticioios.
Duaa almas, porm, se lerantaram contra o
propbeta, e reaoimaram as lamentosas senho-
ras; eram Laurentina e Alberto. Este disse ao
morgado que elle nio podia sabor qual bravura
era a de um bomem, aedento de patria e de fa-
milia, coocluindo assim da rictoria doa poneos
obre os muitos. Laurentina, toda palpites e
lospiracoes, aaaererara qae os liberaea aabiriam
vencedores, porque eram oa protectorea da me-
nina. N aquella poca era aqaelle o commum e
"."'. pi5et? q,u,e P*M0M fteiQoadat daram
5 Sr. D. Mara IIsanta laudada para quem ae
rae com o eoracio a buacar remenlaeenciaa de aua
infancia 1
Sabia Alberto a escotar o confuso rumor do
poro, e finga animacio diante doa seus ; maa
em secreto, dizia os aess e os geraea reeeios a'
Laurantina.
Tenha f, Alberto Iacudi ella, eothu-
aiaata e aerera com a tibieza do mogo.Nao teja
mulber, aenio eu faco-me bomem, e depoli nao
o amo I
B o mala que o mo?o apaixooado aorria-ae
d'eate gracejo, dito em tom de aeriedade.
No da 9 de jalao, entre aa duaa e trea boraa
a machia, ouriu Alberto graode eatrepido de
rallara, e o compaseado trilhar de marehs.
mir *.' faiB},a. niu a indagar o temeroao
Vollos em delirios de alegri
ilibartadc
isinhoi.
DIARIO DI f ERMAMBOCP. QUTk FBIBA ao >fc MAfAt DE 186i,
sembarque, e a marcha do exercito libertador s(
bre o Porto, pela estrada de Malboain
J esto o poro eatrondeara em clamorosos
transportes de alegrie, como para deiforrar-ie
do ulenco em que o paror lhe represara os ins-
llnctos de laudar quem ebega, com boaa appa-
resciaa de triumpho. A chamada geste aiaada
e prudente, sem rendo eracuada a cidade, jul-
gou inclume o aeu eothuslasmo. Entre a arrala
miada nao ae rlam homeoa de alto porte ; e o
poro, oa sea hora de omnipotencia, nem mesmo
da f que lhe faltevom caudilhos.
Foi Alberto entre e chusma a eaperar a aran-
Cada do exercito i encontr* o 2* e 3 batalbes
de cernedores (ora da cidade: Foi de frente a um
oficial, o perguotou-lhe em que batalhio mili-
tara o Dr. Joa da Fooceca.
Em voluntarioi da ralnhareapondeu o of-
icial.
O bravo regiment vioba no troco do exerci-
to. que eeguia o Sr. D. Pedro pela estrada de
Villa do Conde. Ladeou Alberto direita em de-
manda da eatrada, e renceu duaa leguas al aria-
lar a nu vera de p que ondeara frente do exer-
to. Parou, empioou-se sobre o muro latteral da
estrada, e recooheceu o pae. Rompeu por entre
a soldadesca desordenada, e foi abracar o alferes
de voluntarios da rainha, que fraqueou premido
pelo abraco do fllho.
Tua mi ?exclamou Fooceca.
Est douda de alegra Ireapondeu o Dlho.
-Lelao todos douloa I... Que botaa trax tio ro-
as, meui pae I Calce as mlnhaa ; aenle-se que
eu Uro-lhe esasa.
Deixa-me aa botas, fllho... L ramoa para
caa. Vio ah coronis com as bolas mais rotas
que eatas.
Eu quera ama arma Iexclamou Alberto.
Tome l a mloba espingarda, camarsda,
que eu j nio posso com ella ; mas, se o inimigo
mostrar a crista, passe-m'aci pt'as aohasdisse
um dos voluntarios.
Alberto tornou gostosamente a arma.
Quer mais urna, 6 amigo ?disse oulro.
Venhe, que ainda pono com mais qoatro
respoodeu Alberto.
E tomou aos hombros seis espingardas de seis
roluntarios, que sacudiam maia folgadoa as mo-
xillaa.
A' entrada da cidade, no Carralhido, estaram
Jeronyma, e Maria. Eulalia Acara com Lauren-
tina, porque o morgado achara imprudencia ir
elle sugeitar-ae a algura insulto da geotalha, que
ocoohecesse como tidilgo de principios realistas.
Laurentina adrogri o bom seoso da gantalba ;
porem, o relho nem mediocremente pendeu e
fiar-se do bom seoso da gente miada, e flcou em
casa.
O ariitarem-ae Maria e aeu marido foi um lan-
ce, que fez parar oa aoldadoa circumstanlea, e
marejar de lagrimas olhos requeimadoa no ar-
dor das balalhaa. A traosportida seohora to-
mou-o ao eolio, e chorara e ra O'aqselle rir
nerroso da elegria, que vibra as cor Jai todaa doa
coracoes eatranhos. Ealraobo nio havia eoracio al-
gura alegra d'aquellaa horaa delirantes. Era urna
so a familia dos sete mil quinhentos, que remoca-
rom aob o cu da patria, e rioham a plantar
nella um marco de cirilisacio, ou a pedir-lbe
um tmalo.
Quaado Jos di Fooceca pode deeeolacar-se
dos bracos de sua mulher, acorcou-se! de Jero-
one, e beijou-lhe as miot, ao laocat-lne ella
os bracos.
Deixe fallar aa miohaa lagrimas, Jero-
nyma 1...dlsse-lhe elle.Poucas maia ter o
eoracio... Eitaa lhe pude reservar do fogo da
saudade...
Nao podiam deter-se em espectculo enterne-
cedor, quaado o exercito ia marchando. As se-
ohoras affastaram-ae roz do commasdante, qae
nio podia immolar a disciplina s eipreases doa
esposos:
Ascena da felicidade domestica, quil devia aer
nos dias subiequentes, seria indeacripUrel, ae nio
rieaaem a agua-la oa interrallos de aobresallo e
temor daa superveniencias que, e cada hora, nu-
blavam oa horiaootes. E' triste coadicao dos
piolores de quadrosde rentura nio polderem elles
deter-se largo espaco e alargarem a obra em com
binadoa matlzea de felicidade. Para debaxar tris-
tezas, a negrsa corea, qae maia peale o huma-
no espirito, quer aeja de lbe sahirem do intimo
as sombras, quer se tema de que o (altor ee dea-
compraza naa descripcoes de urna duradoura fe-
licidade. lito aera, por rentura. Mau que o
romancista nos Tenha augurar de aua imagina-
dlo aliada e florete jardioa em primavera eter-
na, que e ride em rerdade nio tem.
Que tristezas, pois, assombrarad a alegria
d'aquella familia? Eram as tristezas commuos a
todos os liberaes. Busquemo-Ias oo dizer de um
reridico historiador d'aquellea dias:
No meio da toda esta fortuna corto que
pela tarde do mesmo dia 9 de julho j todos oa
espiritos reflectidos, e menos abrazados em chi-
merai, e pouco creduloi na magia do nome de
D. Pedro, comecaram a conbecer todo o precario
de aus melindrosa aituac.io : os emigradoa paa-
maram de rer o eatado moral do paiza faror de
D. Miguel, e particularmente o do Porto, d'onde
tinham aahido, abandonando auaa csis todas as
pessoaa notareis, para seguirem a sorte da usur-
pado, ioclusiramenle alguna indiridaoa de re-
putado constitucional; a sua admiraqao, porm,
redobroa ciada mais, quando conheceram a in-
diffcrenca de muitos d'aquellea mesmqs, que li-
oham Qcado oa cidade, eem harer peasoa de ul-
to, ainda mesmo dos comprometidos e presos
polticos, que publicamente tornease parte as
roetes da recepcio de D. Pedro, ou quizesse par-
tilharasua aorte, ideotiOcendo-se com e sua
usa. Os habitaotea do Porto tinham com ef-
feto razio bastante para assim proceder, pare-
ciendo- Ihei realmente impossirel que la pequea
torca de oito mil homena, de que o exercito li-
bertador se compunha, pudesse resistir por muito
tempo s numerosas tropas... > (1)
Outro historiedor confirma a desalentada tris-
teza dos braros, que tinham aota riat o rompi-
mento de corajea lrrea, aoffreadoa pele deses-
pranos, e o armarem-ae em legides oa que aau-
aoa recelos do rolsotarlo da Ral-
tremor, sem quebr,
de mulher. Foi Lao-
sasenttodo
nha.
Urna a roz aoou sem
em o tom compadecido
rentioe qss exclamou:
Gente sem f I En se fosee bomem. enrer-
gonbere-me de timanha fraque I Que feria o
eeshor doulor, es os inimigoe nio ugissem
Naturalmente morria de puno, quando Ihea ria-
18 9 Ce" 11 I
Jos dai Fonceca enoaron em Laurentina. sor-
riu-se, e disse effectuosemente t
Se Portugal fosee Bethuiia. urna Judilh
nos libamos [.. Ora renha c, mioha aenhora,
conle-me o que lhe diz o aeu eoracio a respeito dos
nonos destinos. A innocencia dere aer a inter-
prete dos designios do cu. Que preientimen-
los tem T r
Os da rictoria 1exclamou ella.
E o norgado atalhou :
Nio faca caao do que diz esss rieonaria. O
mais acortado, emqusoto a mim, partirmoa im-
medutamente pan o Douro. Sao horas de cs-
sarmoa estes notros de tres anuos.
E' cedo, seohor morgado disse Foncece.
Eu tenbo espose, e sacrifico a mlnha vida pa-
tria ; nes fllho a poder aer bom marido, de-
pois de ter sido um bqm cldadio.
^V
Alberto.
O Sr. D. Pedro, conscio do mo successo que
Urera o tro?o do seu diminuto exercito, no re-
conhecimeato do inimigo, alem de Vallongo, a
a de julho, resolveu na noute desse dia mar-
char em peasoa com o restante do exercito, sobre
KlO-llOtO.
No Porto Acaran uaicameole os rolanlarioa
alistados recentemeote. e a companbia de arti-
Inetros ecademicoe, qual pertencia Alberto.
Jos da Fooeeee tinha sabido, com o seu ba-
talhio ao recoohecimento.
Ao sol-posto do dia 23 derramou-ae no Porto
a noticia da rictoria de Poote-Ferreira. Illumi-
naram-ee aacaaaa, fealejarem os aioos s eothu-
siutica alegra do poro, aahiram ra as familias
irrequietas de sua felicidade. como a desafoga-
rem-ae dos suitoa; n reciprocidade dos jbilos.
lff ? "bi dlier *>tt,nao >era. nem por
quem riera a fausta nova. Querlem-no assim,
Juh!2 a """n aa esposas, as irmias e as
Ulnas dos liberaes.
Mal acabedaa trea horas de resosiio. que, a
um lempo de todas as praca, grupos SJis
noticia de derrota do exercito liberal, surprehen-
q.n, DuCa!IP0 pil8 dT,io d0 eneral realista.
santa Martin. Oaram j o duque do Bragance
em fuga pera embarcar em Maihoiinhos, e os
qutnze mil homeos do general Poroas a martha-
rem sobre o Porio. -
Niegueni foi superior ao pnico desta m nore,
daJboParC6 0 0 lnai, ,Teri2u<,0 1ue
O gorernjdor militar D. Thomiz de Msacare-
i'Ji 0Mia i,ma Hf** nra, e lio deste-
mido depon em Souto Redoodo e egregiamente
mono o., linha. d. Li.boe. (3) confirmara?com
.1 :.- t"0r publlco- Meria' u POeo antei
ILkolher,,s "" embriagede da geral alegria,
soubea sbita noticia da derrota porlh'a dzer o
abrupto monmento que ouriu as ras, e os di-
verso! clamores da gente esparorida. Quiz ,,_
lenier-lhe Jeronyma o impeto da effliccio, dia-
suadiodo-a de aahir ; mas a desvairadi seohora,
com os cabellos sollos e sem cobertura, que lhe
escoodesse o desalioho dos resdos, sahiu a ra
no intento de pedir ao fllho, que a acompanhaa.
se ao campo da batalhe. Segulram-na Eulalia,
Jeronyma Laurentina contra a rootade de seu
SLi neumalieo dalgo que. depois de j ter
gritos de MarUn' resmuneou' ***** pelos
~Imo er" wfle ver I Por mais que eu lhos di-
ga, nao se acabam de conrencer que a rinda de
o. Pedro foi ma tolice I
E acreiceotou j mais despert e humano :
l nTH**? S8i pPxarece o doutor. e ramoa para
Lobrigos. que l nio entram oa da Aleada.
Eocontraram as seohoraa oa ra do Bom Jardim
! i?.0'510 d8 acaden>coa, e Alberto entre eilet.
A missao ospootanea doa corajosos e impassi-
Im ""V "* *" diaiuadiodo o terror
noSri. .li'm'r"3. l muUiao" q o" havia
noticia alguma offlcial da derrota. Generosa il-
usao dos relentes I Tent como a popslaca a
n. i'rl's? !" depol, 1 *tn nbarar
2, -4bllCm,, corre8edor. eauditor, e grande
numero de offlciaes dispooireis.
oa.,.LC,dlfn,iC0S' cheBaodoi Praca-Nora, atao-
nhV m" h co,n dua Poqoonaa pecaa do nxnta-
oha. Milharea de peasoaa rodoerem os mocos
ni "U e",e"ein Prodigiosos aleides a
quem o deseooforto a desesperado daram um
prestigio miraculoso.
Laurentina, furtando-M
sgola.ta mr ,fIeta"" *nxlda de
.TTi 1*2* B,BB noca I Deixe l fallar o
pateta* daa autoridades. D. Pedro nio genhou
rictoria de conuquenctoa; maa mantera a hon-
ra do aeu exercito. Nio tardam ahi os nossos
homeos, e o sen ba de rir laureado como os
potros. Volte para aua casa, upere-o com um
jantar reparador. Eu nio lhe offereco o meu
eavaiio, porque rou e toda a pressa desengaar
o commandante das forcaa naraea ioglezas e
quem ped que austiresse at mioha chegeda a
ooticia da derrota qae elle quera dar para o seu
goreroo. (5)
Maris Acou perplexa entre a durida a couQan-
?a que lbe mereca o nico da boa-nore. Sen-
lou-se beira de estrada, cogitando, e recobren-
do alelos. Nascia o eol de 24 de julho. com
quautos esplendores elle traja ao cu de Portu-
gal. Tere a eaposa do offlcial um qmrto de
hora de reconcentragao e de lagrimee, em que
narie muito agro de aoguslie, e maltas accoes
de grac.es ao Senhor. Reparou ella qae oa li-
rradorao d'squelleo sitios iam tranquillos para a
\ua t*r*fs como nos dias de paz, e disse entre
ai: Seeu tireaae assim nascido e vividoI.... Se
o mes aterido a esta hora ignorasse todo, e
riruae igoorado comigo n'uma cboupaoa I
Esperiou-a deate dorido seis mar a passagem de
caralleiros militeres. que roltaram deauas inda-
gacou com semblante alegre. Aoimou-se Maria
a perguntar ao capillo de caralleria Simio lo-
ra ole de Lacerda (5) se era certo ter rencido o Sr.
u. redro.
mtZtFs'1?' moha obora disse o militar,
admirado do aspecto paludo, e doaaliobo, e me-
neras. que risirelmente denunciarem urna
enhora.-Tem alguem no exercito?
"~ Tenno meu marido, o doutor Jos da Fon-
Bem sel, alferes de voluntarios. Cooheco-o
da campeohe dos Acores, e da aua candado com
nfJW0,* "- em LoBdfes. e em toda a parle,
onde havia lamilos.
Nio morreo, nio ?
.7m!8 S* "t,0"100. ter-m'o-iam indicado
os emisurios que fleam recta-guarde. O exr-
Porlo 8" S qU,lr0 ou cinco hor" ,0
Lembrou-se entao Maria da consternacio em
?h "J"!.11" BOra wriem suasiroiai e A-
loo. pediu ao capitio, que lhes fizesse saber
deatino deUa, indicendo-lhe a
a espada |para derra-
absurdo de costa acime !
ella rsgarosamente at Rio-Tinto, e
as
- attences daa se-
nboru, iotrometteu-aeentre o* acadmicos, que
ZffKZill'Tm ,ug"' Aproximou!
o < e ai,,e->hee meta-ro :
Est conrencido de derrota ?
,.7. u: No Ibe po,so nentir, porque sei
ode.,e.a,mainn,hne0fa;mPr-lhe' ""< ***
L.7reo.nu.08e?",,Me Cm al" ""******
,r Fugir' BlBnaenhora! Os acadmicos mor-
rem equi nesle posto, com Iraoquillidade de
espirito com que morreriem em suas esmas.
Nos principiamos hoje, e precisamoa de pagar
as poucas horas o tributo que deremoa pe-
fnr![eDt0aJeUro"J.coni 0S oIho a4' enxutoa,
toreada pela chegada de um ajudanle de ordens do
f Y dor mil'Ur' .iue eh8Q,ou de Parl8 Aler-
lo da Fonceca para Ibeduerque o inimigo esta-
ra a entrar or instinto. ,..> .___.____
e que a tropa ia mar-
real de D.
a. w ,K;n,le B Santa Marlha ia fugindo.
i.u^"r"abraca"ns8todaa a um tempo.
rlsTda. d.a..TaHle ,Mocl" rrebaUdo
Sheri. M "" "B*rud0 *"
O morgado, de aburrido que estera no nha
nomeao da retirad, do gen.?.!! "1 ffi
osohto abraso. Claro que a poliUca, n'aqoolle
lance, apertou ana renda noa olhos de moral o
que tem acontecido multas outraa ruee com
multo mais molestia do pudor e da digoldade
UUUllul.
Logo en seguida rulgou-se a ooticia do de-
daram dae ribee maritimaa a bandeira
Maria II. Vejamos ;
Mas que vista melanclica foi esta airada
triumphsote do exercito libertador para aquelles
cujas cabecas nio estarem viradas com o delirio
do momelo !.. Rem um carello traziem para
uso dos offlciaes de ostedo meior : D. Pedro mes-
mo Tioha montado n'um garrano, dadira do dia.
A artilbarla ersm tros pecas ligeirss puxadaa por
homena... Estaa multas ostras circunstancias
notadas aquella occaalio, causaram um abat-
meoto, e trales refleiei, nos peitos de mul-
los obserradorea alientos, acostumados, ha-
IwiJ*0.POBeBwpo, rerislas da numerosos
batsihoes de um exercito que bem se sabia con-
tara maia de oitenta mil homeoa. Oa presos po-
lticos, e os escondidos, ainda que ae achavam
na aua plene liberdade, depoie de tantos aonoa
de prisao e priraedos, nio ae apressaram a pe-
gir em armes em defeza da caua pela qual tan-
tas miserias tinham j aoffrido ; em msitos cssos
abandonaram a canea por se retirar al auaa ca-
aaa, e alguns, que Azeram requerimentos, alle-
gando aesa padecimeotos, e pediado iademoisa-
5oes. receberam em reapoele : Pegue em armas!
e eolio requeira.Essa foi um golpe mortal s
uporancu de muitos que cuidaram tomar posse
doa rlcoa beoeAcios e empregos dos ausentes j
chsmadoa rebeldea. Alguna, vendo-se logrados
o esses planos, e qae os negocios alo corriam
bom, embarcaran para paizea aslrangeiros, a es-
perar o resultado da conloada: (2) '
Duculpem aa enfadosas citaedee ao romaacia-
la. que precisare autorisar a declaradlo doa dis-
sabores do Jos da Fooceca, noaeio doa tres an-
joa que a porfiara m em festas, em rapios de ale-
grie, e recordacSes do paaaado, ludo pouco, po-
rm, pera deariar-lhe o espirito da ngridio do
futuro.
Mesa booa aojosdizia ellenao encare-
Caes a felUidade : mea agradece! comigo a Doua
estas horas de refrigerio. As tremendas Utas e
tourteza principlam hoje. Eu ria no exilio e
-?*aX*airra?a' **/;? -A.orosi as rutauracio, a paz, a
uniio da familia porlugueza, que nio rejo hoje.
Barreirao de profuodoa odloa noa soparam : ha-
remoe de der ee mioa oa lrmioa da muma pe-
ina, quando os cadarerea extreraaaarem dos fos-
aos, que nos eparlam raneoroua inimigos. Vol-
e!BMi..!.aterr.0Vou tilw a1ui ""r-Toa oa
ultimoa das de mioha rida para maiores ago-
nas, maia irremediareie seudedee ?
Aperlou-o aoeeo eotoeante a espose. Jero-
nyma escondeu oo regaco o rosto eoberto de !-
grimas. Eulalia pediu amparo aos bracos do
consternado sobrioho. O morgedo gesticulara
(1) e Historia do cerco do Porto por Simio
J. daLuzSoriano, lOvol. pag.477. ^
{*) A guarro dril em Portugel, o aillo do Por-
to, a morte de D. Pedropor um eslrengairo
Londres 1886.
entrar por instantes,
harperaaFoz.
A trope que r,disse Alberto :-o aca-
o.?hCafi.nao vao' ,?m mem cara ao '"migo-
u_s chefea que meoospresam a aua digoidade.
nao em que rer comooaco. Cada um de os.
mi.!!4 "peraBCa d Mlwsio, chefe de si
mesmo. Queira dizer isto da parte dos acad-
micos eo gorernador militar.
d.Uante de 0^deB, p,rllu> e Alberto, rolla-
holera: c,m,r,d"' d,M. ioflsminsdo de
irnTrff4 I"? Ter0BBa 1<* uu flquem e ou-
HaJ i g9nte arm,da Ta6 Parlr Pa'a a Foz.
Receio que nosaos camarades, postados na Tor-
i! L a"C*' ,l'icUdo Pelo terror das autorida-
aeal**!lf *&*"* torreD,e- R-
radasl "r Dno8 aM B0,,0, cama-
gro^*1110"'"" xclBniBrB01 *odoe de. um,s
JSS&l i Iorre da """"a ie*eaaodo-ae no
!,D0rte daa du" pe" de montaohe, ajuota-
r5. *ll,eua* q-e. Pnaniam fiis i onju-
faclo de morrerem bem ringadoa.
anrt'uPi,.ar,eCeu l08<> o gorernador militar, lendo
aos estudaotea a ordem de ir ocespar e prorer
de defeza o castalio da Fox. v v
.iJIil0. T,B,0S' exclaB10l Alberto. Nio
acceitamoa a capa com que ae ioteota dissimular
"D' "?ue"- aV*" .PBeta: naa rirer
L n h0Dr,a iInomB,a- A eebida da pouce
tropa que eat oo Porto. Sr. D. Thomez de Maa-
!'5i !k* ""I td,,.1,dBlre npsro esperao-
?a de milhares de lanillas. A confusio da fuga
n0,'1.'."""1' "V """d* d iiigo. Que-
",?. ,a0er.a ,,ueBl 0eai '"eos. Se alguem
scadenucoa, nao Ih'aa procurom nss costas.
O gorernador nao redarguiu, e cauou a ordem
JueUdd-,d0- a B'te"a iVr.\T,i0. p,r0Ci.eder di" aca1enlcos naquella
ora de turracio horrenda :
O proprio gorernador a lea ( ordem) oea-
soalmente na Torre da Marca ao. .""alea,
?"? !> m acharom postados. Urna reraluci
*< SrL!b.\0" ",lcu,BPriB>'"o da fatal media.,
i KIE! utm "H"0" esdemicoe. uaiea gente
Bu Ba oecaiao u apresentou com coragem
i 's?' pro,f8UBdo B*o marchar ubre aVoi
< sem rr primeiro o rosto ao ioimigo. cortaram
KSu- S,Be",M ."] aae orcoi.mente ae
dede d4j g MBd0BB otsl da cl-
Eotretaoto, Maria, farorecida peles chusmas
compactes, que rertiginoeamente ae inredaram
e aerpeoteavant de ra em rsa. fuglu so grupo
/.""l e d,I1L,""tlBa. Isocou-se aoaioha
estrado de Vallongo. A maia legua do Porto.
rt'd'.T-'"1" id0.d" W' "A" rir para
a cidade sm carallelro. que a reconheceu.
.I.T.Pti?k"e' '^w-diMe-lho o commer-
!! ? ami* ? i" Mo-?a procurar
o Jos entre os morios ?
o
- reaidencis, e o
nome do fllho, qae o militar j coohecia da
rada procl'B>aSao da Pera aos seus cama-
D'a, foi
esperou.
Quando es aenhoras deram pela ralla da
irmae cuidaram que ella irla procurar Alberto
iorre da Marca, e chegaram a tempo que o moco
estare respoodsndo ordem proferida pelo pro-
prio gorernador militar,
buda"" mae ?-diMe-lbe Joroorma, j altri-
Pergunta-me por ella a mim, mlnha lie?
Apsrtou-se de nos I Que destino teria,
aanto Deus ? _
O destiuo que os Teria mos, se tiressemos
um mando no campo da batelhadiste Leuren-
tioa.Foi procura-lo. Permita Deua que elle o
encostre riro. Pode aer que elle esteje ferido,
e os cuidados dalla o aalrem da morte.
Alberto acbou natural o deatioo de sua mae, e
pensou na moru;tambem pessirel de seu pae. A
impressao daa oobrea paloma de Liurentina foi
a ultima que lhe tocou o eoracio ; e ella tio mo-
destamente e sem artificio] dissera, que nem
repsrou na indifferenca de Alberto.
Eulalia e Jeronyma sentaram-se alquebradia
nos degros do palacio doa Carrencas, que ento
era o aposento do Sr. D. Pedro de Alcnta-
ra. Liurentina flcou ao lado do acadmico, es-
perando que elle se cobraeeo do torpor em que
Sr. Alberto, disse-lhe ella, tenha forca. A
coragem mostra-ae em tudo. Nao ha nada que
o faca imaginar que aeu|pae est morto.
E que teoho eu a meu faror para imaginar
iue meu pae est riro 1.... murmurou elle.
Os preseotimentos do meu coracao e a
cooariQa na misericordia divina, mae que la-
dos Urna santa como sua mae, e um Alho como
o Sr. Alberto, nio quer Deua que flquem assim
sem esposo e sem pae. Ajuote a sua alma
mioha f. D-me o aeu corceo para aentir com
o meu os mesmos preseotimentos, e rer que se
reanima, e fortalece pare rebaler quantos golpes
lhe apootar a desgraca, ae tirerem de ser gran-
des, u mea amor ba de conseguir rigora-lo.
juaodo a natural traque o frustrar, slm, Sr.
Alberto,
Tanto mariosidade tinham oslas expresses,
que Alberto, arocado, pela celestial msica d'a-
quella alma, doa eeus ntimos terrores, apertou-
ine a mi, e disse com roz mal firme:
Se eu morrer, chore-me, e lembre-ae...
em quanto rirer na aua alma a imagem do ho-
raem, que aamou quatro anoos com tantas sau-
dades I Coneole assim mioha pobre mi e miohas
tas, porque ae lagrimas de eatranhos sao a m-
xima consolagio de quem chora a perda, que nao
e seoao do para os eatranhos.
Nao talle em morrer Iatalhou ella, coo-
trarazeodo relor.Que desanimacio I
Nio lhe desse nome, que isto o resulta-
do de um proposito de intrepidez. Se o inimigo
entrar, nio fujo, oem me entrego. Resisto, e
morro ioeritarelmeote, que impouirel durar
oa resistencie, e ochar ao meu lado muitos cama
radas que me amperem a rids.
Mas essa coragem loaca e irracional 1in-
terrompeu ella.Se os geoeraes fogera, que tem
que o Sr. Alberto se poupe a urna morte certa ? I
O generaea fogem porque aeotem frouxas
as connecoos que os trouxeram o esto luto. Os
generaos lio os homeos do posicao, eu sou o sol-
dado de bandeiro. Os generaea querem acrei-
csntar-ie em honras, querem despregar da ban-
deira as insignias com que bao de coalhar o pei-
to das fardes ; eu airro a bandeira dos lirres, so
por ella aer a expreaaio da liberdade, da ciriliea-
?ao, e da redempso. Eite guerra comprehendo
a como lula entre escroros e senhores, entre o
prejuizo das races e a aubserrieocia humilhante
de milhares de borneas, entre os quaea o meu
espirito se sent aeorreotado. Se eate lance de
resgsle se perder, nio tira outro, na minha ri-
da, a Portugal. A peraeguicio rasgarlas fauces
do sua ferocidode, e eu e todos os que se leran-
taram contra ella seremos espostejidos sem glo-
ro, sem honra, aem a compaixio doarindoaros
que rasgara da hiatoria as paginas dos sofTrimeo-
tos corardes, como rergonhosas para um poiz
oio affeito o rergoohas. Se as ba em Portugel,
datam ellas desde o dia em que entregamos os
pulsos Inglaterra pera que a Franca nao ousas-
se quebrar-noe os sigamos, quej c libamos.
Esta luta a que noa ha de lavar, .daa manchas,
nao, maa erguero espirito altura danossa dig-
oidade e independencia, aerencermoo; e, oe nio
vencemos, ento nem a Inglaterra querer miii
aujar aa auaa botaa oa lama em que ba de flear
attaacada a nona honra.
Quasi
o casa.
S '"^ Aqul m8 ,en T. on tul-
seVa^u ,empre POr tB" or'Sa
% Fr.nri. i i,,es" ,0, 'eoerandos frades de
Pnrtn h-' IncIBn*'l< do uu convento do
offlcia'l d. Hho%h0,Spedara c?aores V. que um
esposa rfrtord'de/"ditars em oratoes da
HraHdao m ..'. b0B '"des rompiom es
O .I. lidO CV.CrV0,d" d9 8DCer rlS D8D0
mar saogue humano! E'eb.
rade prineiro canceller os pagines de Bihl'i.!
que obroprloJ.hor.h, seoU do. exfr ^
eterno |W m.ndora ao aeu poro pess,r 4
ooencalgo de sen marido chema Mari.
pella. Aodou de bracoi em bracos daa iraslao
de L.urintina ; abr.cou tambem o morgedo, que
eaUro pt,m,do do que ouri. abracari. t?"
ioimigoi, aa juaticas que lhe cooflsesram os beos
se ellas ali estivessem. '
Toda as bonancas d'aquellea doua aonoa eram
curts 9 revezadas por tempestades, alrorocos.
desmsiofe, e agonas de quem a cada hora espe-
rare o perda d urna rda.
Nio rbm oo ponto amiudar noticiaa acerca das
campasb, repelidas em redor desta heroica ci-
oaae. bio hymnos de gloria immorredoura, tan-
tas rezds centedos, e as criancas os appreodem
dos paeia. e seus fllhos os dirao eos rindouros
de modo que o futura prosperidade desta cidade,
berco. baluarte, e padrio eterno da liberdade
haja orguliio, oobilissimo orgulho, de ler sido
ramosalpelo guerra antes de se desenlranher em
delicia* de cmlisaco.
Jos! da Fonseca e seu fllho acompanharam a
guerrajem todas as suas pbases. Sabiram de to-
N h0*-?0?*' e nao pou" TezM com ferid"-
NO hoipiui de saogue em Lisboa estere a morte
A1lghUn.ld,,,83T,c,llanle cabeceira do grbalo de
Alborto Sua mi, tias. e Laureotin., s o sou-
oeremL depois que a bale ae ideotiflcou ao peito
oode lentrra para nunca mala sahir. Jos da
d^Ti^Ski* *"** iorencirel fadiga
fu rlu alDa0: Que P"'01 doa "Oluntarios
ds ranhe, na odyssee da liberdade, n'esse gran-
foinJema' que V trtM vSo screvendo eeus pro-
h*?.S0Di0 Ul or.a ,e """ en. granito es
S- a-V "? muDdoa escbenos, e dss balalhaa
rL ui p.e.BdencJt l Qtt8m ao loria na exposi-
ao industnal de ha das o que a phlosophia do
passado escreria nos mosteiros da Batelha e de
nem a % i' n' pedrs- lecifraes o esforco do
genio e do braco, aqui, no espectculo das obras
uLZSTtk' qe vi8le, ,ena impulso que a
liberdade lhes deu.o abrirem-se as azas de ouro
e ezul crislida tio loogas eras, intorpecido no
seu |nrolucro de ferro, ferro de que eram fundi-
das as algemas do genio I
Agora me dizem que nao lera muito geito
de romance este arenzel. E' justo o reparo, e ea-
uemos a historia.
.Jfhm'nada a &uer. o doutor Jos da Fonseca
acolheu-se ancioso ao abrigo, que sua cunhada
...U' an PM, maior nunero de seus
camarades Ucaram no capitel s portas das secre-
tarias, mais assustadoa dea injusticas dos minia-
tros do que tinham estado as trincheiraa.
-. ,e.u,.refu8ef dulcissimo remanso, que Jero-
oyma diliciara com quantos bens o seu smore
gratidao poda inrentar, riersm procura-lo aa
honras, os cargos, e a fortuna da politics. resu-
de pechesbeques e rutilante de lantejou-laa
da
Honras; occellou" Jos da Fouseci VuieamVatV o
de o procurarem para Ih'aa offereeerem : cargoa
oenhum quiz : abra o uu escriptorio de adfo-
gado. e sorriu aos primeiros seis riotens, que lhe
deram por um requerimento. O caseiro, que o-
.dH,.aBeU, bD\quand0 80,De 1" os eecuto-
" dB flMB BaMonsvsoi a propriedede do anli-
n? .H,.Te,0kPergQ.nt,r-l5e 8e cBa a dar-
lhe a elle os beos de renda.
de~Fn? d.amelhor T00tade reapondeu Joa
?" 0"* mm ; mea a rerdade
fh.i"IBBa 8aDlda da p'tr,a- oa deii hypo
d.?> .Um PrUo com juros tees que
Vm* a f aDS0"idl. Eolenda-ae
rmc. com o meu credor.
amEtVe *0B,-e d u,urario. 1e eu nio repito
!?Ji,pV10 C,Dlas d# BtB nom1D. a quem os
uecrologios des gezetes chamaram cdsdo hon-
rado, pae dos pobres, e raledor de iofelizes. Ge-
!rtVn que eume nao a,reT0 a desmeolir, ouc-
cede o quesucceder. A juitiCa do Deus que oo
se faz pelo que lalbam os peridicos.
r. n.^,!,^",er?di?end0 que redor j esta-
.*rfr!ih0aaflta,e'a.ro*'dB qual quaalia pas-
i... -CID SraJ DA 'ro"/"" L. que YOre
pagar em nome da Sra. D. Mari, Josd Fonse-
ca, poucos das antes.
irm7.?Q'lBHS.,a0.a !?? d" 8ua '"'"Je, minhs
urnas?- disse Jos da Fonseca a Jeronyma.
recoohecimento, respoodeu ella.
Lembra-se da carta que me escrereu ao
ZSS eIlv"- ,lrand0-a da rteire, e leu o periol
LL L, ,'ncta.no* revetes; mait do que iiso
evUa-Jof por meto do comante trabalho, da eco-
"W eJ0' "forco, a conseffir inde-
%r *M9nl p0iSio ondi ponamos
mfnk *0S, que tndem, Tudo cooseguiu
Fn.MrBl'J." pr08euiu commorido Jos d
fbad.'aViT ma-" a f0B,e 80ment8.,rou" a
abundancia a casa de sua irmia ; ainda mais
eTSFSL*** BB*WBBe dousanno.
isto ainda pouco
rieCc6m. ?.i9m .de letr de aeigadaa on-
Par. ioV.. ".* Po.M8C, B,B"M zeameodoa
inr i,.i. *">*"' Os leitores comecaram a "di-
Hrqdo .oV.VrSK' P-d,a" Tilbantemenle
risla. Achl.m mnari08 de a,uni f"d8 faloer-
cha rrh.?*S 8eraflcoa de mois para a po-
"aura Se .rnde U,t0pia8 de "aien.rio, que
fumo di Dl,a 8,blnate. e nunca cheirra o
Os proprietarioe des g,zet recommeodaram-
he mais poltica e menoe idealW.du ,,7a-
lyses dos homens e menos poaderacio dos orlo
5.cn.C',0B.-" Js da enseca, e0p.o,oSm
a mar?. ,i?BClVU8 a nu do e8,ado aP'oed
mm a iflafumad0,; ma8BBec.disse: Debelde
Bra&AapUT1 desceu -*-
comT.du.0f.dm0.i.'de Sfi T J!**
lhe acheeum justa a phaotasia de -
feliz, se a desgraga o deitasse
lempo. Mario, mais taciturna
e,Ba P,eB,flwie. ere quem dar. sempre'a
chara das reminiscencias, eenlersra-unodxet
^SSE '"Pido e insinan o"
Ihano. como a rerdade extrehida em soa nudei
do eoracio. Jeronyma fallar, s rezes ees Pe"
nhar-fir Am mgua 1"e o pobre moco nio
tioha familia de quem podesse esperar inspire-
P?rf,1f.ia,erAfelu- Aerl.d.meDle o dhiaPqSe
ni. IVv,'6-' 8em P,e"' separad0 de i"
maas, solitario em seu eoracio. esperndose
caos como preouoci.e de elvura da mort.lhe
eJ?.". P0ia,. 8ua,e vi?er di Jos da Poo-
g*5...B. "a anilla, quando um triste acaso lhe
deparas desgostos de tal porte, que os seus pro-
Pra0eHe?,"0S '*"*" B "h h'vosm coa-
Paesare assim o caso :
.rl>!;qUeoll!ff<1,g0 que C0BJPra oa beos de Du-
Suii. 0,Itrecera caaa e rendmenlo de urna
"a,!*w". era "aliata. .m.v. ir.dieco"
os lempos em que seus avs lbe grengeerem o
SL rei; ma8 Dao offendera ,ib"a"
uS0"^'a POrra de feia cubica- e Toladoa a
fJret2 das cVCua,,lanC'as favorereis o maior
numero do regeliss, qualquer que fosse a impu-
reza da origen., deram contra o fldalgo libello
por Bdemniaacou, allegando que o presidente
da.leed, de 18i9 se hospedara^ em casa d'elle.
i,U8,r,a..d,.lg0 deixsodo os seus harerea ea-
treguee Iimidoa mordomoa, que tambem fugi-
hln.' 8baQdoo8ndo juslica dos vencedores os
beos de seu amo,
que elle seria
rirer at aquello
ou mais entrada
Do
para aalrarem a rida propria.
seu escondrijo escrereu o fldalgo ao Dr.
a i rauu> Pendo-lhe proteccio, e offe-
receodo-lhe em recompeoea do seu patronato a
quiote que elle escolhesse.
Fonseca leu a carta
lhe
ua cunhada e disse-
1.1" *?* B0B,em Pg"-ne generosamente aa
Itcoea de seus netos; mss, sendo elle rico, este
fado nada ralena, ae nio fosse honrado. Nesta
conta o tire aempre. Nio me consta que elle of-
fendease alguem. Sabia oa meue priocipioo e
respeitara-os, quando oa oio acceilara como
jusios e humanos. Se minha cunhada me deixa
ser adrogado por eate rez aomenle, eu rou curar
de salvar os bens do fldalgo, e salrar os meus ca-
radu da futura ignominia de lh'os roubarem.
r I disse Jeronyma esse homem dar
a minha pobre irmaa a abundancia que eu lhe
nao pedia. *
Sahiu ampo Jos da Fonseca em defesa do
fldalgo sequestrado por indemnieeedes. e conse-
fuiu enmquillar a baae do processo.
rebocadas? n,aluereS"' os ^i, u injuries
-nS,hfqBk,Dd0 a Iin"Dca Preclssra respirar por
epithetoa bem mordentee.chamaram-lhe realista,
x^iizar*'caipira e 8finai iadr>d0t
niflHd.i,g0 lB,,and0B Perguntar Jos da Fonseca
qual das quintas queno. Responden o .drogado
fei0g?i,ae eB CBwwtoe se recolhesse eo
rorto. elle escolhena a quinta feira da primei
semana para lhe dar um abraso,
auXioVl iLB,,M qi" elle oha recebid0 duaa
quiotss en rez d ama.
*J!uf~ feali8laa 1ue a dofoaa do dalgo lbe
der la ler custedo a meior porte da aua caaa.
au'Z'am0.dOUt0^ ouvlndo tud0 i,l de reflexo,
que o mundo era aempre o mesmo, e prophetl-
ura, que em 1862 hara de ser a mesma couaa.
Enganou-se redondamente: isto
melhor.
VI
ffa vida como na morte.
agora est
(3) 5 de utembro de 1835.
MJ Historia do cerco do PortoVol. pag.
Assim fallara o acodemico eolerada Leuren-
liua, que, por milagro do amor, entenda e
acompanhara a eleracio d'aquelle ardente espi-
rito.
Desculpemos ao acadmico a vehemencia do
uu dizer, e acredtenos que existirn, o'aquel-
la poca, mojos de tio alto peosar. Depois
que reio a poca dos quadros dissolrentes, e ex-
ttoguiu-ae a raga.
V
O vencedor.
un do* prineiros batelb6os, que rompiera a
marcha, na rolla de Ponte-Ferrelra, era o doa
roluotarioa do rainha. Maria, eocoalada a urna
janella baixa de tarerna, buacara, entre a cerra-
da ourem de p. o marido. Nio ae enganera o
capjaao do avallara. Jos da Fonseca l rinha.
com um ramo ds loara oa barrelioo ; louros tra-
zsm todos, excepto os que l flearam escorren-
do saogue, que deria regar maia ricoaos e mere-
cidos loareis nos futuras batalhas. Verdadera-
mente laureados por morte de memoranda honra
toram o commandante do balaihio fraoeez. e
Narciso de S Nogueira, teoeote de cacadores V
um doa mal prorsdoa em raleolia eotre os bra-
oa do exercito libertador. (7)
Vio Joa da Fonseca de relaoce aoa esposa.
Nfio o contere a disciplina. Sahiu da marcha,
apertou-a ooa bracos, e disse-lhs:
Adiriohara-ts o meu coracao j rem eomo
podores, meu pobre aojo, que eu nio posso
(4) Idem-pag. 518. "
(5 Bario de Sabroso, depois.
(7) Cooheci urna dama de alto naacimento tio
do eoracio affeicoada ao gentil offlcial, que rite
e cinco aonoa depois, lhe rebeotaram lagrimas
ourtndo proferir o nomo delle. S Nogoeire fo
o primeiro offlcial morto do exercito do Sr, D P-
- para e eue grande alma .
maodou-me fertos recuraos, que me deram mui-
tos amigos por que j ramos irmios na desgraca
h!V? Tt is, ? *>"" ** ld este f.mi-
iam^1^" a ,eUVP8 : eu 8aba qe -
nam amargas a minha irmia as lagrimas que a
nossa humildade lhe fizesse rerter.Sabi. me-
odre da sua rirtude, e conhecia-lhe desde a in-
Nn n,qUe eB cha?a'e o pudor de cerdede.
Nao quer lagrimes, nio, miobe irmia ? Pois en-
tao que lhe ha-de dizer a alma agradecido des te
raav'mS'8. h8 f,mUa' que vS da, sua. mios. Je
8ah,r-lneo Prszeres da bemarenturaD-
JJ, que est gozando ?
ri.7ntque eu lhe p?5 de88e n,re* nerosa e
nsooha Jeronyma, que me d um quarto na
Hvii "".i T1lsloa-BB ananhi rae tomar posse
d ella. Preclao descaocor. Os meus quarenta e
deusaoooe pezim-me ji como a decrepilude de
outraa mulhires. Dou por acabada a minha ta-
reia.se Deus quer qve os trabalboi de minha fsmi-
lia es ejsm acabados. Agora lempo deempregar
as ultimas horaa da tardeda vida em agradecer ao
ceu oa beneficios que mulliplicou sobre mim o
sobre os meas. A minhe relbice di-me direi-
loe i exigir que me acceitem oa conaelhoa. Qae-
ro qae o mano temhpm descance. Isto mais
qoeconsolho; ordem. Se o tornar o rr no
escriptorio. adrogando, creio qae me eotristeco.
sooejom-lho recursos pora rirer em repouso de
cprpo e espirito. De que me serr o mim o res-
tante dos meus lucros de doze aooos? Todo lhe
entrego aem coodicoea oem eocargos. O meu
rmio regeta empregos que lhe offerecem. Fez
me a rootade ; que eu estar tremendo de o rr
ambicioao de rans glorias, que se nio compade-
cen: com a felicidade domesles. e roubam fa-
milia o corago, que anda disperso a pedacoa por
multas paixoes mesquiohas, relundando todas
em eleracoes e quedaa da raidade. J sabe o
destino de Alberto, d'squl a mezea. A mioha
maior gloria ter creado desde os seis a o nos a-
quella menina para elle. Fiz-lhe o eoracio do
meq, meaos aquella forc de alma, que seria o
carcter da sua fldalguia, u a dalgua nao fosse
sujeite s baixeias das mais plebeaa codicds
Poderei engaoar-me ; bem sabe quaoto avtssi eu
fui seapre felicidade do calamento ; mas Al-
berto fllho de Jos da Fonseca, e Laureniioa
tem aa ririudee que fariam feliz qualquer bonem
nSV2*& 9Vlnt0! ,88eu'ad o destino de
meo sobrioho. Nos oulros, como relhos. oio to-
?mL.q.UnP.e?ar em d<,alin8 : cuidemos en oos
iZai LiBVereatamen,e p,r omao sen fio;
tam da obscurldado da rida. como aa rioletaa mo-
, :queDM'e" B0 r,Md0 cU. l"flores-
cem, dio o* leus aromas.
Jos da Fooieca prometteu pontualmenle com-
prir os cooselhos de oa cuobada. Cuidos de
seus pequeooe bens, aogmeotou oe comprados
en nome de Jeronyma, fez casa campestre oa
aaia, onde elles erum situados, e preparas a
aoa mulher e cuohedei o prater de rirerem no
ampo, siguas mezes do anno.
Formado Alberto, cuidou-ae oo casamento.
Laureotloa. o morgado. D. Mafalda, e o padre-
Mrne.JL,,B,B0 Po,r,0> com ""de prestito de
c rJ*llCr"'- ""r-ram-se no hotel fr.n-
Va'a reHceberam a '"" do ooiro com aa forma-
em S.nim'0 e,,yl0' Cel?br0B"ae o c...meq Q
as imfl de *HgS pae-'' n,ode8la ca8a. qe
grego. "" g ,llre de ,alB
rAloitaTO dia11foraB> Procurados, j com escu-
%. "2 naV"ero' que ,e aBnciar proiSo
p.rente de D. L.urentina. Sahiu D. Mafalda sa-
la, e recooheceu seu primo. Ora. e.ie prlU de
sD.UMa;:a,ddoSeeVe.ra.,6' **"** "W-
..^T rao nora caD0Blc* de visitas, disse o ca-
Ji61^*! h0a,eni ""B"'" pode sabir
cora os morcgos ae que os norcgos nao sao
meus inimigos. Ora ramos, prima I quero eonno*
a,,rt.,.b,r.,. d" F0SeCa e L'urenlioe. Liod. se
eu que ella ero em menina de doua annos V.
mos rer se ella ae conserve fiel rae. de nossas
'A,?,"",'' qua eram 'rmaas. "'eram feo.
Sloo forai08a8 8,BhB" de Eotre-Doaro e
ii^''h Ma.falda chamar oa noiros. e rieram con
elles o doutor, e oo trea irmias.
. Sleflo'du.qUerU ,D"C" t0d<,, Um ,ea,P' 8
-ZtE hie, *a-/>a. disse o oaeiio com a
aillMIB,kB ele8,BC.,a de auaa m.n.ires.-Nio u-
perei o abraco, e rim. para que se nio dissesse
que o meu patrono i. saldar cantusnos",]
cliente. m quanto Leurentine. echo-e muito
mala liada que ae noiaaa aros, prima Mafalda
Se o primo Paulo nio aa conheceu I
conhecl; mas rou ju-
Certo que os nio ..
rar. que noss.s aros nao podiam ser tio lindas e
que> esta menina tem sobre ellas a vanismm da
mede.rem setent. ennos. em que a nqua .2
orimaVlht?1?^10- E 0,n08S0 Alberto! Smeu
primo Alberto de Fonseca I I,to um rapagio
um braro. J sai, i aei que proclamou na Prac
?.'a 1' Trra. dJ Harc" ma8 "ao cSle qS
rae historia. A historia h. de ouupar-Mi com
outra ordem de fa5aoha. que nio u suas 0^
oossos b .netos hao de uner o nome d uem
I"(,aPi"mera culUada BPHa-Be.erra|am.,
hao de ignorar o nomo do acadmico que se op-
poz ao despejo de urna cidade. e diuipou o prea-
ai.a "or. '* e,B,a "goa e troyaoq,
Aiode aisim tenbo de lbe fszar aqui urnas cen-
uras, mas ha da ser em particular. Wremoshl
o um cantinho d'eata pobre caaa do honrado n.
rao, (}ue deria ser a esta hora nm graode oo rei-
oo, e un Nababo enfullado dss opulencias do
Entraram em um quarto Alberto e o fldalgo.
E o fldalgo, tirando do bolso do ua capote de
csstorioa uma caixa de ebaoo con embutidos de
medre-perola, dase;
O Alberto dea o preaeote de ooiro ua
cSpOfd i
Pequea* ioalgniflcaoclas, qae ella repalou
em mullo.
t7'l9m*Mi**i'*mi IBB eo uhir.
fojs-lhe preseote d'elle. A si que o dou ; nen-
so qoe oo pode dar-lhe melhor deatioo.
Continuar-se-ha.)

m
PMII.TTP. DE M F. DE FAWA FILHO. 1818,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EF604X5YE_X3J81M INGEST_TIME 2013-05-01T00:03:45Z PACKAGE AA00011611_09522
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES