Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09494


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO IIIV1II. HOMERO 31.
Ptr tres nezes dianlados 5|00o
Ptr tre eies vencidos
SABBADO 15 DE FEYEREIRO DE l<2.
Por auno adiaoUd .9$00O
Porte fraieo para subscriptor
DIARIO DE PEMAMBIO
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Amonio Alexaodrino de Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;
Aracaty, o Sr. A. de Letnos Braga; Cear o Sr.
J. Jos da Oliveira; Maralo, o Sr. Joaquim
Marque Rodrigue; Para, Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Olinda todos os dias as Otf horas do dia.
Igoarass, Goianna, e Parahyba as segundas
e sextss-feiras.
S. Anto, Beierros, Bonito, Caruar, Altinho
e L-aranhuns as torgas-feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh. Limoeiro, Brejo, Pe-
queira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista.
Ouncurye Ex nasquailas-eiraa.
Cabo, Serinhem, Rio Formoso. Una.Barreiros
Agua Preta, Pimeotelras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios partem as 10 horas da manha
EPHRMERIDES DOMEZ DB FBVEREIRO
6 Quarto eresceote as 5 hora e 30 mnalos
manbia.
14 La cheia as 2 horas 25 mina, toa da man.
21 Oaarto-minguante aa 11 horas 46 minatos
da manhaa.
18 La nova as S horas e 8 minatos da machia.
PREAIIAR DE UOJE.
Primeiro as 5 hbrss e 18 minutos da manhaa.
Segundo as 5 horaa e 42 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA.
10 Segunda. S/Escolastiga t. ; S. Gailherme d
11 Tere. Ss. Lszsro, Dativo e Clocero bb,~
12 Qoarta. S. Eulalia r; m.; S. Modesto.
13 Quinta. S, Gregorio II p.; S. Catharioa v.
II Sexta. S. Vateotim m.; S. Aaxeneio ab,
15 Sabbado. Ss. Faustino e Jovila mm.
16 Domingo. S. Porfirio w. ;S. Samuel.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quinta.
Relago: tergas e aabbados s 10 horaa.
Fazends : quintas s 10 ho/aa.
Juizo do commercio : aeguodaa ao meio dia.
Dito de orphoa: tercas e sextaa a 10 horas.
Primeira rara do civel: tercia aextaa ao meio
da.
Segunda rara do eivel: quarlaie abbado l
hora da tarde.
P1RTE OFFICIAL.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUI.
Alagaa, o Sr. Claudino Falcio Dia Bahf.
EM PERNAMBDCO.
P.w'/rp1"10* d0 VAmi M"oel eiroa da
Senda*! 6. 8* '" P"S' laW'
Ministerio do Imperio.
Veereto n, 2,883 de 1 de fevereiro de 1862.
Altera os reglamentos relativos ao curso de
esludos do imperial collegio de Pedro II.
Ten do a experiencia demonstrado que algumas
materias do curso do imperial collegio de Pedro
II carecem de ser eosioadas com maior desen-
volvimento, ao passo que o estudo de outras po-
de, sem inconveniente, ficsr mais reduzido, ou
deixar de ser obrigatorio para os alumnos, hei
por bem que os regulameotos vigentes relativos
ao referido collegio sejam observados com as se-
guintes alteragoes L,
Artigo 1 O curso de esludos continuar a ser
de sete annos, e constar das materias segua-
les : portugus, latim, grego, fraucer, ioglez,
nislona sagrada, aotigs, romana, radia, moder-
na e do Brasil, geographia, chorographia do Bra-
sil e cosmographia, grammatica philosophica,
rhetorlcs, potica, literatura nacional, phildso-
phia, roathematicas, nogoes geraes de physica,
chimica e historia nacional.
Art. 2o Haver alera disto aulas de allemao e
italiano para os alumnos que voluntariamente
quizerem esludar estas materias; alera do dese-
nlio, msica, gymoastica e dansa, aproveitando-
se para estes esludos e exercicios os dias feria-
dos ou as horas de recreio, conforme o dispoito
no arl. 13 do regulamenlo n. 2,006 de 24 de ou-
tubro de 1857.
Art. 3o Alm dos capelles que sero obriga-
dos so servigo religioso, e explicacao do Evao-
.galho e doutrioa christa nos domingos a dias
santos, e a regerem as cadeiras de grammatica
porluguezs e grammatica latina e de historia sa-
grada no primeiro anno, haver mais os se-
guintes professores:3 de latim, que seguirn
lendo alternadamente e de modo que os alumnos
coroecem e acabem com o mesmo protessor as
cadeiras do 2o e 3o. 4 e 5o. 6o e 7o annos; 1 de
grego, 1 de francez. 1 de inglez. 1 de historia
antiga e moderna. 4 de historia romana e da ida-
de media, 1 de historia e chorographia do Bra-
sil, t de geographia e cosmographia, 1 de gram-
matica philosophica, rhetorica, potica e hilera-
ncas, que acompsohar os alumnos desde o se-
gando at o quinto anno, acommodaudo em ca-
da anno, conforme as circumstancias. o eusino
de anthmetica, algebra, geometra plana, slee-
reometria e trigonometra rectilnea; 1 de no-
goes geraes de physica e chimica, 1 de noges
geraes de historia natural, 1 de allemao, 1 de
italiano, 1 de msica, 1 de deseoho. 1 de gym-
nastica, 1 de dansa.
Art. 4o Fici supprimido o curso especial de
cinco annos, de que trata o art. 6o do decreto D.
2,006 de 24 de outubro de 1857.
Art. 5o Os exames do 7o anno anno sero fei-
tos como os Jos oulros annos, soraeote sobre as
materias esludadas no mesmo anno, na forma
que determina o art. 29 do decreto n. 2,006 de
24 de outubro de 1857 ; porin o exame de cada
materia, no ullimo auno em que r estudad,
ser feto por prova escripia e oral.
Jos Ildefoaso de Souza Ramos, do meu con-
selho, senador do imperio, ministro e secretario
de estado dos negocio do imperio, assim o lenha
entendido e faga executar.
P.aU,c2 do Ri0 de Janeiro, em o 1 de feverei-
ro de 1862, 41 da independencia e do imperio
Com a rubrica de S. M. o lmperador.-/os
Ildefonso de Souza Ramos.
4a secgao.Ministerio dos negocios do impe-
'oT"*10 Je Janqiro m 5 de fevereiro de
loba.
Foi prsenle a S. M. o Imperador o ofilcio de
Vmc. com dala de hontem, transmiltindo a ta-
bella da dislribuigo por das e horas das aulas
do instituto commercial, orgaoisada pela congre-
gado, e fazendo em contrario a ella varias ob-
servarles, especialmente quanto s horas em
que as aulas devem fuoccionar.
E o mesmo Augusto Senbor nao approvando a
dita tabella, determina que seja orgaoisada ou-
tra, de accordo com as observarles feilas por
Vmc. e em que se altenda melhor s convenien-
cias do emino; cumpriodo que, emquanto nao
tOr approvada a nova tabella, se observe a que
vigorou no aono prximo Ando.
Dos guarde a VmcJos Ildefonso de Souza
Ramos.Sr. director do instituto commercial.
Ministerio da fazenda
Senhor I O decreto n. 158 de 7 de maio de
18iz, tratado dos casos urgentes e extraordinarios
em que os presidentes das provincias, na forma
do art. 48 da leide 4 de outubro de 1831, podem
ordenar despezas alm das determinadas por le
e orden do governo Imperial, prevenio os se-
guales :
1 Os de invasio, rebelliao, sedigao. e insur-
reico.
2o Os de soccorros e reparos necessarios a al-
gum navio de guerra da armada nacional, ou de
nago amiga, por naufragio, arribada toreada, ou
qualquer outro sinistro.
3 Os de estragos causados por incendio a in-
uodacao, ou outro qualquer desastre, nos predios
nacionaes a estabelecimento pblicos:
4o Os de soccorro a alguna ou algomas pro-
vincias, por incendio, ioundacao, fome, epide-
mia, ou outro Infortunio semelhante.
5* Os de reparos ou concertos em caes, arma-
zens, ponte e guindastes, u qualquer outra par-
te dos ediQciosda alfaodegas, consulados e me-
sas de renJas.
6a Os de insufficieocia dos crditos, marcado
para susteotaco da tropa.
A experiencia, porm, de muitos anno tem
plenamente demonstrado, por um lado, que o re-
ferido decreto, comquanto sabiamente pensado,
nao contera todas as autorisacoes necesaarias
administrado das provincias ; e por outro lado,
que esta lacuoa d lugar a que os presidentes se-
jam algumas vezes levados a ultrapasssar o li-
mites oo arbitrio s jusiidcavei por torca de
circumstancias indeclinave e Imposiivet de
prever.
Do exame feilo no thesouro nacional, em do-
cumentos offlciaes perteocentes aos aono de 1852
a i8j9, flcou manifesta a uetesndade de ampliar
agellas disposigoes, cercando-as de novas ga-
rantas, assim para regularidade dos pagamentos
commettidos s thesourarla de fazenda.e maior
acert nos clculos do thesouro, como tambm
e principalmente para que se nao reproduzam
actos que, posto sejim desculpaveis pela origem
que tiveram, todava se recentem da falta de ter-
minagao legal que completamente os justiquo
perante o governo imperial.
O sobreditosdocumentes mostrara queem falta
de crdito teem o presidentes das provincias or-
denado detpezas, sob sua respoosabilidade, nos
casos que passo a enumerar:
1 Por atraso de pagamento relativo serrico
propnos da coloiisagao.
2 Par o recrutamento e alittamento de vo-
luntarlos com destino ao exercitoe armada.
3 Para despezas secretas necessaria polica
e seguranza publica. v
* Para sjudas de cusi de deputados assem-
mea geral.
5o Para reparos em proprio nacionaes que
ameagavam ruina, sem que todava o seu estrago
proTe de incendio, ioundacio d desastre.
6 Para pagamento de empregados civia e ec-
clesiasticos e de pensionistas do Estado.
Alera destas despezas, outras ha que alguna
presidentes julgaram de seu dever autorisar, mas
que nao entrara evidentemente na categora das
que a le leve em vala, e porlaolo devem ser evi-
tadas como exhorbitaoteadafaculdadequea mes-
m\ a quiz conferir Acuelle altos funcclonario.
A distancia que separa da corte algumas pro-
vincias, a liquidago que de mister fazer a res-
peilo de cada verba esgotada para pedir aupple-
mento de crdito, a d6mora que mutaa vezes sof-
trem estes pedidos as diferentes secretarias de
estado, proveoiente de exames impresclndveis,
e sobretudo da necessdsde de esperar por iguaes
pedidos deouiras provincias, sm de nao repilir-
se amiudadas vezes a abertura de crditos sup-
plementates, sao, em meu humilde cooceito, ra-
loes valiosas para que s procidencias do citado
decreto se juntera outras que leoham por objecto
libertar mais a acgo doa presidentes das provin-
cias, e ao mesmo lempo colher a reprodcelo de
fados resultantes de um arbitrio menos iuslifi-
cavel.
O decreto de 7 de maio de 1842. preicrevendo
no 10 do art. 1 que o presidentes prestem, sob
sua responsabilidad, o soccerro requisilado por
alguma provincia nos casos de incendio, inunda-
gao, fome, epidemia ou outro infortunio seme-
lhante, nao foi explcito quanto hypothese de
se darera taes calamidades na meama provincia
onde autorisada a despeza extraordinaria.
Esta omissao, que antes da letra que do es-
pirito do decreto, e bem assim a falta de autori-
sagao para se emprehenderem melhoramentos
sanitarios, no intuito de prevenir a invasio ou
de polo menos diminuir a ioiensidade de algu-
ma epidemia, confirmara anda mais a necessida-
de de novas disposicoes no sentido que dolxo indi-
cado.
Taes sao, senhor os fundamentos e os fins do
decreto que me parece de utilidade|publica, e ora
tenho a honra de submetter a alta approvacao de
V. M. Imperial.
De V. M. Imperial subdito fiel e obedenle./os-
Marxa da Silva Prannos.Rio de Janeiro, em
o Io de fevereiro de 1862.
Decreto n 2.884, do i" de fevereiro de 1862.
Addita novas providencias s do decreto ?. 158 de
7 de maio de 1842
Conviodo additar novas providencias s que re-
gulara o exercicio dafaculdade que teem os presi-
dentes das provincias para os casos de despezas
urgentes e extraordinarias, de conformidad com
a doutrioa do art. 70 do decreto n. 736 de 20 de
novembro da 1850 e do decreto n. 158 de 7 de
maio de 1842, mas por modo que mais efficaz-
mente se proveja assim s necessidades da pu-
blica sdmimsirac.o, como economa, ordem e
liscalisaQo, que tanto importam aos ioteresses da
fazenda nacional, hei por bem decretar.
Ait. Io As ordens das despezas expedidas an-
nualo,ente s thesourarias de fazenda, conforma
o decreto 178 de 30 de maio de 1842, nao pode-
ro ser excedidas senao as hypolheses seguin-
tes :
Ia Havendo determinado expressa do ministe-
rio respectivo, que assim o autorise, transmitida
pelo thesouro, como prescreve o art. 58 do de-
creto n. 870 de 22 de novembro de 1851.
2a Delermtnando-o o presidente da provincia
nos termos do presente decret, e do de 7 de
maio de 1812 n. 158.
Ar.t. 2o Reconbecendo-se que o crdito distri-
buido pelas sobreditas ordens. para as despezas
da provincia em cada exercicio, nao sufflciente
para satisfazer-se algum ou alguna dos servidos
le8aJ*Tiente creados, e autorisados, os inspectores
da fhesouraria de necessaria antecedencia ao ministerio a que p'er-
lencer a despeza excedente, demonstrando a in-
suficiencia do crdito aberto, o quantum e a ne-
cefsidade do augmento
Arl. 3o Quando acontecer que, as referidas
ordens de dislribuigo annual dos crditos vota-
dos pelo poler legislativo, deixe de aor contem-
plado o pagamento de servigoa que eatejam as
condges do artigo antecedente, o inspectores,
apenas as receberem, devero representar ao
ministerio competente pela mesma forma pres-
cripta no citado artigo, e no eotanto aollicitaro
aos presidentes das provincias que fagam adiar a
execugo de taea servigos, ou sobredar nelles, se
j tiverem sido comegados, nao eflectuando o
pagamento da despeza, salvo se for da natureza
das que os meemos presidentes podem autorisar
sob sua responsabilidad, e elle assim o resol-
veren).
Art. 4o Nos caso dos arts. 2o e 3 desta de-
creto, bem como nos dos arts. 3o a 4* do decreto
de 7 de maio de 1842, devero os inspectores
dar conhecimento do facto ao ministerio da fa-
zenda, anda que a despeza pertenca a outro mi-
nisterio, declarando, porm, nicamente a im-
porttncia do crdito pedido para cada ramo de
servigo a que fr destinado.
Art. 5o 'Alm da autorisacoes expressaj oo
art. 1 do decreto n. 158 de 7 de maio de 1842,
quando nao seja possivel recorrer previamente
ao governo, poder&o os presidentes das provin-
cias, sob sua respoosabilidade, e na forma pres-
cripta tanto neste. como naquelle decreto, orde-
nar despezas pertencentes a verbas j esgotadas,
oo mesmo nao comprehendid na dislribuigo
do crdito annual, nos seguales casos, que sero
tambera considerados urgentes e extraordinarios.
1" Se houver necealdade de prompto soc-
corro a qualquer parte da populago da provin-
cia, por motivo de incendio, inundagio, fome,
epiderais, oo outra calamidade semelhante.
2 Se fr urgente e de manifesta necessdsde
tomar-se alguma medida preventiva, oa empre-
hender-se algum melhoramento sanitario, no in-
tuito de evitar qualquer dos males cima mencio-
nados, ou impedir o seu desenvolvimento.
g 3 Se fr urgente pagar despezas feitas com
o servigo da colooisagao, prevista e autorisada3
em ordens do governo.
4 Se fdr iodispensavel, para completar os
contingentes de recrutadoa a voluntarios que a
provincia deva foroecor annualmente ao exercilo
e armada, segundo as exigencias dos respecti-
vos ministerios.
g 5* Se alguma despeza secreta fdr necessaria
a bem da polica e seguranga publica, ao casos
designados pelo respectivo ministerio. t
g 6 Se houver falta de crdito para pagamen-
to de judas de custo ao deputados assembla
geral, que preferirem receb-las na provincias,
e aos msgistrados, no termo da legislago em
vigor.
g 7 Se dr-se a hypothese do paragrapho an-
tecedente a respailo dos vencmenlos dos milita-
ras, empregados civis e eccleaiastieos, activos e
inactivos, e dos pensionistas do estado, que j
tenham assentameuio a eitejam Incluido em
folha.
g 8 Se fdr absolutamente indispensavel fazer
reparos em proprio nacional para evitar ruina
mmioeole, com tanto que preceda orgamento, e
a despezs nao exceds da 2 000*000.
Arl. 6o Verificada a hypothese do 7o dr> ar-
tigo antecedente, o inspectora pediro autori-
sisago aos presidentes das.provincia par* o pa-
gamento de que se tratar, ioslruindo o pedido
com parecer'do procurador fitcal, a copia dos
offlcio a demonstrages que dirigiris ou^ive-
rem dirigido ao governo obre a necessidade do
aupplmeato de crdito.
Os presidentes das provincias, se concederem
o crdito reclamado, devero abri-lo para cada
rubrica da lei de orgamento om que occorrer a
deficiencia, e sempre de quantia definida
ATI.I7* A' excepgo das despezas mencionadas
no presente decreto e no de 7 de maio da 1842,
oenhura. outra ser autorisada pelas thesourarias
de fazenda sem.crdito legalmente aberto, incor-
rendo os inspectore, se o contrario praticarem,
oas pepas do arl. 3* do 2" dos citados decretos.
Art. 8 Ficam dispensadas formalidades exi-
gidas no arl. 2o do decreto de 7 de maio de 1812
para a|autorisago das despezas compreheodidaa
nos g f, 2o, 3o, 4o. 5. 6* e 10, do art. Io do di-
to decieto, e dos g Io, 2 e 5* do art. Io deste,
urna ez que na ordeos venha expressa a res-
poosabilidade tomada pelos presidente.
Arl. 9o Ficam revogadas aa disposigoes em
contrario. .
Jos MSria da Silva Paraohos, do meu conse-
Iho, ministro e secretario de estado dos negocios
da fazenda e presidente do tribunal do thesouro
oscional, assim o tenha entendido e faga execu-
tar. Palacio-do Rio de Janeiro em o 1* de feve-
reiro de 1862, 41* da independencia e do impe-
rio.Com a rubrica de S. M. o Imperador. Jo
s Maria da Silva Prannos.
Ministerio da jastica.
Decreto n. 2,878 de 11 de Janeiro de 1862.
Rene os tarmos de Mossor, Crapo-Grande e
Apody, na provincia do Rio Graode do Norte.
Hei por bem decretar o seguate:
Art. unieo. Ficam reunidos os termos de Mos-
sor, Campo Graode e Apody, que actualmente
formam a comarca de Mossoi na provincia do
Rio Grande do Norte, sob a jurisdigo de um juz
municipal, que accumular as fuocgoes dejuiz
de orphos.
Francisco de Paula deNegreros Sayo Lobato,
do meu conselho, ministro e secretario de estallo
dos negocios da justiga, assim o teoha entendido
e faga executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 11 de Janeiro de
1862. 41 da independencia e do imperto.Com
a rubrica de S. M. o Imperador.Franeisco de
Paula de Negreiros Sayo Lobato.
2a secgo.Mioisterio dos negocios da justigs.
Rio de Janeiro, 1 de fevereiro de 1862.Foi
presente s S. M. o Imperador a repreaeotago que
lhe dirigiram oa agentes de leiles da praga desla
corte, pedindo que faga cessar o abuso que. em
prejuizo dos snpplicantes, se tem dado constan-
temente no juizo commercial de serem vendidos
pelo porteiro dos auditorios, contra as disposi-
goes dos arts. 70 e 862 do cdigo commercial, e
3o8 d< respectivo regulamenlo, os bens, fazendas
e oulros effeitos, pertencentes a massas fallidas,
sendo-o someote pelos supplicaotes quando as
partes positivamente o requerem. Fiz tsrabem
presente ao mesmo augusto senhor a outra re-
presentado do porteiro dos auditorios, Jos Ro-
drigues de Almeida Carvalho, contr a pratica
admittida polo Juiz commercial da primeira vara,
de eocarregar quelles agentes a venda de taes
bens, quando pelo art. 358 do regulamenlo cita-
do s Ihes compele essa attribuigo no caso espe-
cial de serem de fcil deteriorago, ou de eslarem
averiados os objectos sujeitos venda, e para es
1ue dentn se torna prejudicial.
X S. M. Imperial, conforraando-se como o pa-
recer do cooselheiro procurador da corda, sobe-
rana o fazenda nacional, bouve por bem, iode-
ferindo esta ultima representago, ordenar que
sejam maotidos os agentes de leudes no direito
outorgado pelas disposigoes do cdigo e regula-
mento citados para venderem os bens nellas
mencionados. 0 que tudo commuoico a V. S.
para sin iotelligencia e para o fazerconstar aos
interessados.
Deus guarde a V. S.Francisco de Paula de
Negreiros Sayo Lobato.Sr. Manoel de Jess
Valdetero.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 13 de fevereiro
de 186%
Ofilcio ao commaodante das armas.Sirva*-se
V. Exc. de espedir suas ordeos para que o des-
tacamento actualmente existente em Papacaga
seja removido para a villa de Garantaos onde
permanecer.
Dito ao mesmo.Havendo completa deficiencia
nesta capital de prsgas do corpo de polica que
se acham dessiminadas pelos diversos pontos do
interior da provincia, nao pode por Uso ser at-
leodida a requisigo de V. Exc. contida em seu
officio n. 256 e data de 8 do corrente, no sentido
de ser feto por pragas do dito corpo a guarda da
casa de deteogo.
Dito a o chefe de polica. Inteira do pelo ofilcio
do delegado de polica do lermo de Olinda, junto
ao de V. S. n. 216 de 11 do correnta de se terem
dado deus casos de cholera no diatricto de Ma-
ranguape em pessoas viodas de Goianna, tenho
a dizer-lhe que recommeode ao sobredito delega-
do que logo que o mal lome o carcter de epide-
mia me parlecip immediatamenle para provi-
denciar como convier.
Dito ao commandante superior de Garanhuns.
Sirva-se V. S. de expedir saas ordens pars
que seja dispensado o destacamento da guarda
nacional existente nessa villa, logo que ahi che-
gue o de Ia linha que mando remover de Papa-
caga.
Ditb ao commaodante superior de Santo Ao-
to.Para que possa ter lugar o pagamento da
despeza feita com o foroecimento de luz ao quar-
lel do destacamento da villa da Eicada no mez de
dezembro ullimo, faz-se preciso que seja assig-
oado o incluso recibo, segundo declara o inspec-
tor da tbesouraria de fazenda em sua informaco
de hontem, sob o. 98.
Dito ao commaodante do corpo de polica.
Pode V. S. mandar engajar no corpo sob seu
commaodo o paisano Sebastio Correa de Mello,
de que trata o seu officio o. 65 desta dais.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Declarando-me o brigadeiro commaodante das
armas que o destacamento de Ia lioha destinado
a povoago de Nosss Senhora do O'do munici-
pio de Garanhuns est dividido em pequeas
fraeges por diversos lugares da mesma comarca
e anda nao foi pago dos respectivos veoelmentos
pela collectoria de rendas geraes, como recom-
mendei em officio de 30 de Janeiro ultimo, baja
V. S. de reiterar as suas ordens para que esse
pagamento se effectue em os devidos lempos e a
todas as.pragas.
Dito ao mesmo. Declaro V. S. que em 5
deste mez, como partecipou o brigadeiro com-
mandante das armas em officio de 10 deixou o
paisano Domingos Caldas de servir no hospital
militar por achar-se doeote.
Dito ao mesmo.Dando por Justificadas as fal-
tas que. por motivo de molestia deu desde o 1
st 20 de novembro ultimo o juiz da diraito da
comarca de Flores, bacbsrel Joaquim Gongalves
Lima, como se v do requerimeolo que devolvo
e a que se refere a sua informago de hontem-,
sob n. 96, mande V. S. pagar-lhe os seu venc-
menlos correspondentes quelles das.
Dito ao mesmo.Certo do cooleudo da sua in-
formago de 17 de dezembro 4o anno prximo
panado ob o. 1213, dada com referencia a da
contadoria deu thesouraria acerca do requerl-
mento que derolro coserlo com o officio do com-
maodante da armas de 5 de novembro o. 1831.
no qml o msjor da 2a ciaste do estado-maior do'
oxercito, Sebastio Antonio do Reg Barros, pe-
de pagamento da quantia do 389 que despende-
r na commisso de que fdra incumbido na pro-
vincia das Alagdas, teoho a dizer que mande pa-
gar somonte a quantia de 179, sendo 10$ de co-
modonas a bordo do vapor Persinunga para si e
um soldado de cavallaria que o acompanhou e 7#
do aluguel do ca vallo que transportou um solda-
do de polica o qual servio de guia a esse official
desde o Pontal do Cururipe atea cidade do Pene-
do, devendo-se porm fazer o necessario descon-
t da importancia que o mesmo major recebeuda
etape correspondente aos das em que esteve em-
barcado.
Dito ao masmo. Transmiti V. S. as se-
gundas viaa das coatas do gaz consumido com a
illumioago do palacio da presidencia nos mezes
de setembro e outubro do anno prximo passado,
afim de que mande pagar a importancia dessa
despeza se efectivamente o extravio das primei-
ras vias de taes conlas tem obstado essa paga-
mento como allegsm no incluso requerimento os
empresarios da compaohia da illuminagao a gaz
neats capital.
Dito ao mesmo.Commuoico V. S. que no
dia 10 do correte, segundo oartecipou o briga-
deiro commaodante das armas em officio de 11.
foi admettido ao aervigo do hospital militar oa
qualldade de enfermeiro de cirurgia o paisano
Antonio Joaquim Coutiohe:
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Em vista da inclusa conta que me foi remettida
pelo dirtetor geral da instruego publica em offi-
cio de 8 do corrente, sob n. 37, mande V. S. pa-
gar a quantia de 7J porque vendeu Fortunato
Ribeiro Bastos 4 C. um temo de pesos para a ba-
langa do collegio doa orphos de Nossa Senhora
da Esperanga.
Dito ao mesmo.Nos termos de saa informa-
gao de 10 do corrente, sob n 80, mande V. S. res-
tituir a Joanna Maria das Neves Teixera, Candi-
da Jesuina Fausta e Joo Nepomoceno Colho da
Silva a importancia de 5 por cento que pagaram
de mais do sello da heranga que lhes coube por
morte do monsenhor Antonio Jos Colho.
Dito ao mesmo.Accuso recebido o officio que
V. S me dirigi hontem sob n. 84, acompanhado
de copia de outro em que a contadoria dossa the-
souraria pede que seja aberto um crdito aupple-
menlarna importancia de 510J073 rs., para pa-
gamento das despezas constantes da relago que
veio annexo ao seu citado officio. Em resposta
tenho a dzer que nao sendo essas despezas de
oatureza urgente, deixo por isso de abrir o men-
cionado crdito, cumpriodo entretanlo que sejam
ellas consideradas divida da provincia, afim de
serem attendidas pela assembla proviocial.
Dito ao mesmo. No caso de haver crdito
mande V.S.satisfazera requisigo que fazo pro-
fessor eocarregado do curso commercial peroam-
bucano, bacharel Antonio Witruvio Pioto Bao-
deira Acioli de Vascoocellos, de urna carta geo-
graphica commercial, para uso daquelle eslabele-
ciraento, conforme requlsitou o director geral da
inslrucco publica em officio de 7 do correle,
sob o. 35.
Dito ao mesmo. Reverlo V. S. os papis a
que ae referem os seusofficios de 30 de dezem-
bro ultimo e 10 do corrente, son ns. 661 e 78, re-
tli03 ao oagaraento do aluguel da casa que ser-
vio de quartel ao deslacamentojda rguezia do
Pogo da Panella, nos mezes de julho a novembro
do anno prximo passado, afim de que em vista
do que expe o subdelegado daquella freguezia
na informago junta' por copia, mande effectuar
esse pagamento quando houver crdito, na razo
de 10# mensaes, confrmese ordenou por offlcio
de 13 do citado mez de dezembro.
Dito ao mesmo. De con for midade com a sai
informago de 10 do correte, sob n. 79, mande
V. S. entregar ao thesoureiro pagador da repar-
tigo das obras publicas os 6:600, constante do
incluso pedido, que me foi remetlido pelo respec-
tivo director com officio n. 20 de 4 do correte,
para as despezas com as obras por admioistrago
a cargo daquella repartigo no presente mez, des-
eontando-se nessa occasio o cont de ris que
se maodou adiantar por conta do mesmo pe-
dido.
Dito ao capito do porto. Fago apresentar
V. S. o recruta marinneiro Jos Bezerra da Silva,
para que lhe d o coovenieple destino depois de
inspeccionado.
Dito ao director do arsenal de gberra.Mande
Vmc. entregar ao ajudaote de ordens desta pre-
sidencia, capito Miguel da FonsecaNSoares e Sil-
va, duas pegas de batas afim de serem remeti-
das para Bezerros.
Dito ao director da obras publicase Mande
Vmc. orgar osreparos de que precisa a casa o. 41
da ra da Lap pertencente ao patrimonio dos
orphos, am de serem ellas execuUdaa\confor-
me indica o iospector da thesouraria provincial
em sua informago de hontem, sob n. 86.
Dito ao mesmo.Recommendo Vmc, de con-
formidade com o que indica a contadoria aa- the-
souraria provincial no parecer a que se refere a
informago do respectivo inspector da 8 do cor-
rete, sob n. 72, que mande orgar quanto antea
os concertos de que necessita a casa do sitio n. 1
na estrada do Psroamelrim, pertencente ao pa-
trimonio dos orphios, afim de que possam ser
execulados taes reparos.
Dito ao director das obras militares. Ao seu
officio o. 23 de 11 do correte respondo declaran-
do, que bem entendeu Vmc a ordem de 4 de Ja-
neiro ultimo, com a qual esta presidencia Heve
em vista mandar caiar elimparosesiabelecinten-
tos militares com simplicidade e decencia, ten-
do-se em considerago a maior economa do di-
o heiros -pblicos.
Dito o juiz de direito da 2a vara. Verifican-
do se que o processo do reo Francisco Pi Pe ei-
r Campos correu por esse juizo, recommendo
Vmc. que, de cooformidade com o decreto o. 2566
de 28 de margo de 1860, informe com a brevidaOe
que fdr possivel, a inclusa petigo degraga do
referido rio, mandando addiciooar ex-officin as
pegas e documentos que para esse flm julgar ne-
cesario, visto que e reconhecidamenle pobrs o
supplicante.
Dito ao juiz de direito de Santo Antio.Ao of-
ficio que Vmc. dirigi-me em 9 do corrente, tes-
poodo dizendo-lhe que, logo que desenvolver-te
nessa comarca a epidemia do cholera-morbus,
ser salisfeita a sua requisigo, podendo mandar
tornecer pelas boticas ahi ealabelecidas os medi-
camentos necessarioa ao Iralarcento doa indigen-
tes que forem aecommetlidos, emquanto nao ebe-
gar-lhe a ambulancia que solicita.
Dito ao juiz de direito da Ia vara. Nao lendo
Vmc. devolvido com o meu officio de 5 do cor-
rele, como se v da copia junta, o requerimeolo
de Joa Domiogus da Silva, a que por equivoco
sem duvida se refere no de II do corrente, con-
vem que o faga com brevidade.
Dito ao delegado de Goianna.Congratulndo-
me com a noticia que Vmc me traosmittio m
seu oficio de 10 deste mez, deque declina sen-
sivelmeole a epidemia reinante nio s nesta ci-
dade como em oulros pontos da comarca, teoho a
dizer-lhe em resposta, que se continuare de-
clioagao a poolo de nio inspirar serios receios,
faga ragrestar a ata capital os mdicos ahi m
eommissio, devesdo desda j cortar por todas
aquella despezas que a seu juizo nao forem in-
dlspensaveis, e Vmc. continuar a communicar-
me frequenlemeDte o que fdr occorrendo a seme-
lhante respeito.
Dito a cmara municipal do Recife.Remelto a
cmara municipal do Recife copia do officio que
ao Dr. chefe de polica dirigi o medico eocarre-
gado do 1* dislricio da rguezia de S. Jos, am
deque a mema cmara atienda como fdr conve-
niente sobre o que representa o referido medico a
bem da salubridade publica.
Dito a cmara municipal do Cabo.Recommen-
do a cmara municipal da villa do Cabo que tome
em considerago, providenciando pelos meios a
mu alcance, o que representa o Dr. em medicina
Mal Thomaz de Bitteneourte Corle Raal, no
officio constante da copia junta.
Portara.Os Srs. agentes da companhia bra-
sileira de paquetea a vpor, mandam dar trans-
porte para a capital do Rio Graode do Norte, no
vapor Princeza de Joinville, em lugar destinado
para passageiro de estado, ao Dr. Antonio Fer-
nandea Trigo de Loureiro, promotor publico da
mesma capital, e a sua mulher.
nf/hi^*5"* D.d' qae nimnima, nos negocios
lormam o objecto da isa viuda.
32? P"rameD' Particular ; dos porm.
iirrd"r:,,B pon, a :
fld.n^gf' Prs""ind0- qe a ua missaoeon-
dencaf se reduz a dizer ao governo de Monte-
video pouco mais ou menos o que o Jornal do>
Commercio lhe disse no sea relrospecto annual
Mto, que o governo de Buenos-Ayres, compel-
ido pela opioiao publica, nao poder olhar cora
od.fTerenga sorte de amigos to benemritos,
se.por ventara exasperados se atirarem a abrir-
se as portas da patria eom as pontas daa suas
oa lonetas, assim como me.persuado tambem qu
estai losiouagao ser perdida perante a impoten-
cia em que o Sr. Berro se v de obrar de per si
porque o seu psrtido extremo o rodis com exi-
gencias que elle nao sabe ou nao pode rebater.
consta-no que o general Flores, desejaodo evi-
sua. patria e derramamento do Saagae
Dita. O presidente da provincia, attendendo iVJ"." T"1 e derramamento do sanRua
que lhe requereu a aociedade Monte Po Po-KP.ri Pre,,detlle Ul emissario secreto, ofle-
ao que lhe requereu a aociedade Monte Po Po-
pular Pernambucano, e em vista do que dispe o
5 do art. 29 do decreto n. 2.711 de 19 de de-
zembro de 1860, resolve nomear para o lugar de
director da mesma sociedade o cidado Francisco
Antonio das Chagas.
Expediente do secretario do go-
verno.
Circular a todos os juizes de direito.S. Exc. o
Sr. presidente da provincia manda remetter
V. S. os os. 24, 25, 26 e 27 do boletim do expe-
diente do governo imperial nos mezes de julho,
agosto, setembro e outubro do anno prximo pas-
sado. r
Despachos do dia IZ de fevereiro.
Requer intentos.
Alexandrino Marlloa Correa Barros.Informe o
Sr. director das obras publicas.
Braz Marcelino do Sacramento.Informe o Sr.
inspector da saude publica.
Henrique Augusto Milet.Informe com urgen-
cia o Sr. Dr. juiz de direito interino da comarca
do Rio Formoso.
Jo Pereira da Rocha. Aprsente o suppli- .-
cante o titulo de sua nomeagao thesouraria de mo esto constituidas, razao
fATllill ntla ana itlIikiiltJ. .________ *
fazenda para ser atlendido.
Jos Beoto dos Santos.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazends.
Jos Francisco Ribeiro Machado.Nao tem lu-
gar o que requer.
Joo Chrysostomo da Oliveira Pelagio.Infor-
me o Sr. iospector da thesouraria provincial.
Joaona Maria das Neves Teixeira e oulros.
Dirijam-se thesouraria provincial.
Manoel Dias de Carvalho.Como requer.
COMANDO DAS ARMAS.
Quartel-greneral do eommando das
armas de Pernambueo na eidade
do Recife em 14 de fevereiro de
1862.
ORDEM DO DIA N. 34.
O general commandante das armaa faz publico
para aciencia da gaarnigo e devido efieito, que
approvou o engajameoto que a 12 do eorrente
contrahio o cabo de esquadra da quinta compa-
Ziii*-Q qaaric1ba^hJoJe_aJlilj^j^4a4l-&^i^i5
de Usda Luna, para servir por mais 6 annos no
mesmo batalho com direito ao premio de 400JJ
rs., pos termos do decreto e regulamenlo do pri-
meiro de mai de 1858, conforma participou o
respectivo Sr: coronel commandante em officio
daquella data sob o. 59.
Assigoado.Solidonio Jos Antonio Pereira do
Lago.
Conforme.Candido Leal Ferreira, capito
ajudante de ordeos encarregado do detalhe.
EXTERIOR.
Montevideo 30 de Janeiro de 1868.
O successo mais notavel que na ultima quinze-
aa prenden a attengio publica foi o movimento
de Corrientes, iramediatao^ente suffjcado pelas
armas da liberdade. O general Urqaiza fez es-
forgos para sublevar a provincia, e tambem ar-
mar todo Entre-Ros para apoiar a reaego fede-
ral ; as grandes resistencias que encootrou fo-
ram-lhe porm motivo para commetter dovos
crimes, eiplngardeando o commandante Lescano
por nao ter podido cumprir a ordem do reunir
soldados. Em coosequencla deste procedimeoto,
escreveu-lhe o general Mitre de Buenos-Ayres
seguinte carta, datada de 24 do corrente :
c O abaixo assignado tem a honra de dirigir-se
s V. Exc. ponderando lhe que a provincia de
Buenos-Ayres, achando-se unida, pela razio e
fado do seu ser poltico, aos principios procla-
mados e sustentados pela da Corrientes, e com-
promettida e obrigada a apoia-los o defeode-los
com todo o seu poder, conforme o mesmo abaixo
assigoado j anteriormente leve honra de indi-
car a V. Exc, considerar como causs propria
qualquer hosiilidade que se dirija contra a pro-
vincia de Corriontes para alterar a situaco
actual.
Tendo o general Urquiza respondido satisfacto-
riamente a esta carta, cooseguio Mitre do seu
partido que traosigisse com a permaoencia da-
quelle em Entre Ros. Em consequencia deste
acord moderou a imprensa portenha um pouco
a sua lioguagem.
VeriQcou-se s fugs de Videls, ex governador
de Mendoza, procedendo-ae immediatamente a
nova eleigo popular, que fez recahir o governo
provisorio em D. Luiz Molins, com o que ficou
pacificada aquella provincia, adberindo como as
demais ao movimento de Buenos-Ayres Outro
tanto deve succeder dentro em pouco as provin-
cia de Cuyo e La Rioja, onde, segundo se diz,
j o Chacho se linha aubmetlido.
A provincia de Tucuman, imitando as suas ir-
maas, declarou'caducados os poderes nacionaes,
autoruaudo o general Mitre a convocar novo
congresso, nos termos ds conslituico refor-
mad.
Festeje, pois, Buenos-Ayres neste momento a
obra de destruigo que foi indispensavel para fun-
dar nova ordem de cousas. Quanto tempe seri
misler para construir o solido edificio que sirva
de baluarte s liberdades, s iosliluiges o feli-
cldade deitea trabalhados povos ?
A guarda nacional a o general Mitre, que j
reassamio o governo, tem sido objecto da mais
eotbusiaslicaa oveges por occasiio do sea regres-
so Bsenos-Ayres.
Reel agora o ponto negro que e autor da re-
vista relroapectiva do Jornal do Commercio coa
taots perspicacia eoxergou no borisoote da nos-
si poltica.
A viod do Dr. Pico, que anda aqui est, tem
provocado ama infinidad de conjacluras. Sup
poem uns que veio reclamar a entrega de urnas
pegas raiada, e oulros armamentos depositados
na oossa alfandega, que vieran de Frange para o
governo nacional, e que o Sr. Baudrix rlem <
garanta do que este lhe deve.
Afjarmaa outroa, que vem inlerpor os bons of-
flcios do governo de Buenos-Ayres para que ^
presidente Berro tome alguma medida qaeresti
Illa A nalria asi ,..;-^j__ ___ ..
i Mil ITIII Anol
?" De.rinsne>r elle em Bnenos-Ayre.
comanlo que alguma cousa se faga em beneficie.
dos seus compaoheiros de armas. Mas o Sr
Berro, reconhecendo que alguma cousa preciso
lazer, nao sahe das suas hesitarles e deixa-se
guiar pelos exaltado, dando a entender que obra-
r conforme o caso pedir. A'vista de tudo isto
mallo receio queso nio acabe o verosem urna
reaccao era todo o paiz, o que por certo produ-
ziria grandes males.
Alguma cousa tenho dito j daa provocacoes da
impreosa ultra-blanca o que o Pueblo responden
sustentando urna polmica sobre os feitos dos
partidos poltico. Vis o governo com desagrado
esta polmica, mas nao eocontrava modo de fa-
ze-la calar, porque de urna e outra parte seguar-
davam as formulas, eo-Pue/o dizia amargas ver-
dades com prudencia e tino ; mas outro peri-
dico mais fogoso, o Commercio del Plata, toraou
carias no jogo com tal violencia, que, levado so
tribunal da imprenaa, foi condemnado a urna
multa de 300 pesos. Sentiodo ento ferver-lhe o
saogue, publicou o Pueblo um artigo audaz, nao
tamo pela linguagem, como pelo principio qu
sustenta, e que, por mais verdadeiro que seja.
a ao descoohecimento das autoridades co-
porque ordenou o
governo ao fiscal que accnsssse b peridico, o
dentro de dous ou tres dias ter lugar o juizo
que ser ruidoso pela importancia da doutrioa
que tem continuado a ser desenvolvida pela mes-
ma folha, cujo redactor o alvo de todos os odios
do partido que est no poder.
O Dr. Carreras, que se tem coostituido o tribu-
no do partido ullra-blanco, sahio-se nesles lti-
mos dia cora um artigo, demonstrando que o
presidente Berro era solidario da malanga da
Quinteros, por lee sido elle quem levantou a vos
quando ba quatro annos a guarda nacional sa
juolou dianle da casa de Pereira, pedindoo ca-
bega dos revolucionario.
Este artigo mortificou muto o preaideote, qsa
chamou Carreras para aigoificar-lhe qno impru-
dente era, as circumstancias, escrever em se-
melhante sentido, ao que reapondeu o acensado
que nao podia carregar s com a odiosidade da
ama medida que o partido todo havia reclama-
do, tomo nio ignorava o presidente.
O governo ditigio-se commisso permsnente^.
pedindo autonsago para nomear enesrregados da "
negocios V rTfir'i&S- J^ Herrera junto.do
governo do Paraguay e o.Dr. Lp3*ffl6??>-
gabinete. :.. -
A pouca importancia poltica dos candidatos o
a falta de assumpto faz presumir que o objecto
destas duas mtsses seja principalmente propor-
cionar a esses senhures occasio de gastar com
um pouco mais de espleodor a fortuna por seus
pas amontoada. O Dr. Lapido, destioado tdr-
te imperial, a primeira vez que sauda a diplo-
macia, de modo que nao dar muito trabalho ao
Sr. Taques.
Da Bollvia temos noticiaa por trra. Do Rosa-
rio escrevem com data de 12 da Janeiro :
Noticias da Bolivis, chegadas hoje pela dili-
f;encia de Cordova, anounciam urna grande revo-
ugo oa cidade da Paz contra o presidente Acha
e a favor do general Belzu, tendo tomado parta
nella o ministro do interior Dr. Bestillos, muitos
chefes do exercito e o ex-presideote Cordova.
Sufibcada a revolugo pelo commaodante ge-
neral do primeiro departamento coronel Yanes
e preaos oa priocipaes coryphos, form estes jul-
gdo* militarmente, e acto continuo paasados
pelas arma em numero de 31, entre os quaes so
contam o mesmo ministro Dr. Bustillos, o gene-
ral "Cordova, ex-presideole da repblica e enro-
d Belzu, o Dr. Francisco de Paula Belzu, irmo
do antigo presidente, e o coronel Duloo, com-
mandante que foi em 1842 do regimenlo-escolla
de Ballibiao, cujo segundo commandante era o
argentino D. Matas Ramos Mejias.
O celebre patriota Dr. Linevires lioha falle-
cido no Chile, de enfermidade neutral.
Nao ficou sem horrivel e sangrenta vingsoca a
barbara hecalumba da paz. A 23 de novembro
rebentou nova revolugo, provocada segundo sa
diz, pelo ministro Fernandos de accordo con
o coronel Morales. Desta vez foi melhor succe-
dida.
As tropas de Yanez, ou foram vencidas, oa
fraternissram com o povo, e elle meamo, depois
de urna desesperada defeza oo palacio onde es-
lava com viole horneo apenas, no acto de buscar
evadir-ie pelo telhado, derribado por urna bala
de moiqoete, caho anda aemi-viro no pateo
e ahi foi horrivelmente mutilado pelo povo des-
pido inteiramenle e depois arrastado 'pelas
ras. r
Entre os morios de parte a parte cootsvam-so
cincoeota aoldados e paisanos, o coronel Corle
dous capiles e dou subalternos. Dentro 101 fe-
ridoa iam morreado algn.
O presidente Acha faz marchar forets sobre a
Paz apenas soobe que a cidade ae sublevara, mas
do resallado nada aabemoa por ora.
(Jornal do Comm$rcio, do Rio.]
IHTERIOR.
BIO DE JANEIRO
7 da fevereiro.
O paquete ingles Mersey, entrado hontem do>
x J" PmU> trouxe-nos data de Buenos-Ayres
at 29 e Montevideo 30 do patsado
A campanha argentina podia-se considerar ter-
minada, embora em um ou outro ponto correas*
o angue, e Buenos-Ayres entregara se inleira
s testas do trlumpho.
Resumiodo as Dolidas Irazldaa pelo paquete
anterior, disemos que Rioja e S Juan erara as
nicas provincias de que anda alguma couia se
gfrfr ,Pos b. nUIma. .petar de ao
" f!l.hf..'J^"d Vm MDoe. letm revolugi
" rillLf.8 rn,do,0lM primeira rs
lL -! .l P.8rtid0 "'olocion.rio em apofo
?i?. "** 0 Cordova urna columna expe-
dicionaria, que en Buenes-Ayres tiona-ae por
certo que Penaloza, por alcuuha o Chacho, ae
achana j caminho do Chile.
Iguaea movimento tinham rebeotedo em An-
_____

?
- ** AHo. na provincia de Cama"rcs,"d1rV-
- U011' > Jos Domiogos Bildasoa. Ao goveroa-
t7rTi .^- 7*i ""IMWW- easori Jos Domiogos Btld.M. Aogoverna-
tua a patria ot emigrados orientaos, dando-lhes or Navarro pouco aproveitariam, pois os ofie-



DIARIO DE PERNAMBUCO. SlBBADO 16 DE FEVEREIR DE 1862.
.
i. "":::=----------,-
cimento de cooperar no sentilo da causa de
Saceos-Ay res.
Em Silla ainda goveroava Todd, mas calcalava-
nfc que por pouco lempo'ftetpej uste*lar.*>
era Mendoza nao valen* Vidal arasirevolta po-
llina. Tete de fugir, ende D. tttfi oTJo no-
aneado gobernador promisoria. __
A* provincias que succ*aiamente iam adhe-
iiodo aos principios proclamada* **T Buoo>
Ayrea soguiam urnas s outras me* dttiro-
wer a futura reorganisa;oda on**ed**ao, coa-
feriodo ao general Mitre podatan par ou
boto congresso, e iuvetiudo**l (O tedas
tribuic.6es do governo naciccatt. OtMan
doi.tuu Tucumao tambe* este expedelji
realmente parece ser o Mico atiene l
jreclabelecer um tal ou qual neto entre as pro-
vtecna*.
"Emquanlo a causa de Buenos Ayros seia elar-
jando pelos conflns da'confederado, eslalavsem
Corrientes urna centra-re voIucm, a que Urquiza,
leceoso de ver invadido o seu territorio, pareca
Aspado > dar auxilio rmalo. Mallogrou-se to-
dvi a reaccao federal, cahinio prbioneiros os
principies fautores, eotre os qaaes o es gover-
nidor Rolon, e Urquizi, tornando a eacolher-se,
respondeu submieeasMute iotimec,lo que Bue-
nos-Ayres Ihe fez de que considerara como con-
tra mesma quslquer ho&iiliaade-emprehedida
eeatr Corrientes.
Este procedimeoto aplanou as nltimw dificul-
slades que se oppuoharo la Qe^ocugea da paz de
que Ur.^iea eecarr*gra o r. Carril junto do
general Mitre, e concluio-se um ajuste que ga-
rante eo gobernador de Entre-Rio a sm perma-
nencia. Contra este acord levantavam-se os mais
cuitados, que se nao contenta vaui com menos do
quea expuWo do famoso caudilbo.em quem *iam
um perigo constante para a paz da repblica ; os
liomens os mais cordatos, porm, davam razao a
prudencia de Mitre, que oso v.odo Ul^z bem
consolidada por ora a nava ordem de couaas, pa-
reca querer evitar urna lula desesperada, luta
tasto mais par temer-se quanlo era certo que as
lorc*s de Bueuoa-Ayres, derramadas porum ter-
xocio immeoao, nae se poderiam concentrar sem
neixar em risco muitus pontos onde a influencia
ios anligos caudilhoa era poierosa ainda. Como
prora desta asserco adduzia-ae o ezemplo do
Rosario, onde, s purtaa mesmo de Buenoa-Ayres,
club que ae organisou para dirigir as futuras
leicoes compoi a sua cemotissao directora de
iiomeos addictos todos ao systema decahido.
Entretanto fez Urquiza rotar a aua legislatura
urca lei no sentido das oulras provincias, relati-
vamente aos poderes que se devem conferir a
Mitre pira convocar o futero coogresao; sempre
prudente porm reservou para si mesmo a facol-
clade de fazer a investidura quando a julgaase
oportuna, e nesse sentido foi a lei volada.
No estado oriental nada occorrera que pertur-
baste o estado existente. O governo vigiava
as fronteir&, e a aprensa ministerial aflancava
quenada bavia que temer, ao passo que a oppe-
ciciouista clamara quo Coriolino, na pessoa do
enera! Flores testa de 2,000 orientaos e iofl-
nidade de ganchos argentinos, balia s portas de
Boma, e que ara mUier abr-las antes que elles
as arroaibass. D.zia-se mesmo que aquella ge-
neral mandara por um asente seu ollerecer ao
governo que obstara a qualquer iovsso median-
te algumas condicoes, daa quaea as principaes
ram : reintegrarlo dos emigrados militares nos
seos anligos postes, entrada de um co/orado>ara
D ministerio, e diviso igual dos cargos de che-
fea polticos dos departamentos, e de comisan-
tantea e maiores da nacional entre blancos eco
prados.
Pareca, porm, que o governo entenda que
para etag conceaades sempre havia lempo, e lon-
K de afTrouxar no seu rigor, metlia em proces-
en os editores do Commtreio del Prala e do
Tueblo.
A aasembla legislativa estara convocada para
13 deste mez.
O guveroo solicitara da commissao permanen-
te aulorisaco para nomear D. Juao Jos Herre-
ra eacarregado de negocios no Paraguay, e enviar
D. Octacio Lapido no mesmo carcter a esta
corte, repulaodo-se j estas uomeacoes como
feitaa.
A 21 os subditos portuguezes residentes em
Montevideo celebrara, em memoria de D. Pe-
dro V, solemnes funeraes, a que as-istiratu o pre-
sidente da repblica com os seua ministros, mu-
tas autoiidadea civia e militares, o corpo diplo-
tico e consular estrangeiro.
fia oossa correspondencia da Mouteviio, que
publicaremos, encontrarlo os leitere* mais al-
guna pormenores a respeito dos successos que
tleixamos relatados.
=
------- i !' ....."--------------------------------------------
villa, um trabalhador de trapiche da compaohia
Bapifito-Santo, deu era oulro compaoheiro tres
facadas, que o deitou i morte, e julga-se nao es-
capar ; o criminoso eva lio-se. Nao temos de-
legado de polica desde o dia 24 al hoje, e nao
sei tambem se subdelgalo.
,' mesma folha escreve de Gamboapiot:
Nao bastava o diluvio qi>o ha dona mezea tem
Qnla*essQ* eeapos. meadregacis) ossaajt-
orst Ja pademan o f*# eeaoz. o mamo
ai apoamcend* n espicha**** ; caf nao ps>
eresisr a aHi** asteeni, a**rcesni
m coaajr spalo ejpae nla> ecajastdo pas
ai vaiaej iejifllo aa>eminaaa facaok perversa, csraMw dWflDil-feifeMrvei
dosViiiBt o gesM ; lie eaMoradej a*to-
rnera conta desta destruigao ; na baila das
aguas naos perderemos o que escipou, per em-
pestiarem os campos, como seremos aceommetti-
dos de febre e outras molestias que nealas occa-
jes costumam apparecer.
Baha.Em consequencia da elevacao repen-
tina ao calor athraospherico, hsviam apparectdo
diversos casos de apopleja iluminante na capital.
teosirelmente, sendo hoje j difcultoso alcincer
as melhores qualidades a cotecao de 49300.
Seguirm para o interior cerca de 300 voluawe
por ter viudo com sse destino, l'ez-se umareei-
porla(io para Montevideo, de varias el a asea e
procedencia, de cerca de 1,800 volumes, e eim
em ser, incluindo o carregameoto completo do
afra, 1,903 barricas, 583 meias e 850 saceos
braveo. saar- **"
tttto aaaiaeavo.TenJeeacn-ae 3 elumoe de
2700 MI ai, segarar earioe lotea para Patio
aTc
Alegraricam eos
uaraja,
Cara* aecoa. Teca
va pee diminuireas sw
tipiar a safra no
Ordaaja se recebeeaaa da
asaHdapaaitoi
Ua da Peau
olumea.
procura
itoa do
um
unfetiaiil
Por decreto de 1 do correte foi exonerado do
logar de cnsul geral do imperio as cidades Iian-
aeaticas o Sr. Jos Lucio Correa, e por decreto
4se 4 foi comeado para substitu lo o Sr. Joaqun)
rereir Vianna de LWa Jun'o------------ -
re!o vapor Brasil, entrado honlem dos portas {-
do eo!, recebemos datas de Porto Alegre al 29,
do Rio Grande al 31 do passado. e de Santa C i-
ihariaa al 4 do corrente.
Am noticias ao destituidas de ioteresse.
No da 26 reuniram-se es collegios eleiiores da
provincia de S. Pedro pira a eleicao des mem-
xtros que devemeompor a neva assembla pro-
vincial.
Falleceram na capital da mesma provincia o<
St. capitao Francisco Eleulerio de footoura
Parmeira, ajudente da ordena do general cem-
niaudante das arma, e o negociante Franeisco
Pinto de Souza.
Tiohara sido arrecadados pelo delegado de po-
licia da Conceigo do Arroio 52 barra com vinho
Palmar e Tranaaodahy. lgoerava-se navio a
que pertenciam, e que sem duvida naufragara
por aquellas alturaa.
O Correio do Sul, dando noticias da Cruz Al-
ta, diz que nada constava de aovo acero dos
ttutes successos da S. Luiz, de que demos conta
no jornal de 24 do passado, nao se confirmando
os boatos de haver aido morto o matador do fe-
nenle-corooei Fructuoso por urna partida do co-
ronel FeruanS>s.
As folnaa de Porlo-Alegre dieculiam ainda
a|uelies deploraveis aconlectmentos.
OiMercaniil de 19 noticia que o fazendairo
OlUeira Fog*ca, acensado e pronunciado como
autor do homicidio perpetrado na Yaccaria na
pastos do juveq Jos da Silva Nunei, sa evadir
ala freguesa de S. Francisco de Paula de Gima da
Sarra como commandunte da eacolta que o coo-
lautU para a villa dd Sanie Antonio da Patrnlha,
ondedevia sersubmettilo a julgamento peraote
o jury.
Segando as diversas folhas, alguna outros atlen-
tados se tinham commettido cuatra a aeguraoja
individual e de propriedade.
De Santa Catharna nada temos a noticiar.
Por decretos de 5 do corrale feram aomeados:
Ctaefe de seceo da thesouraria do Cear, o 1"
aedpturario Jos Varonil Bezerra de Albu-
querque ;
Administrador das cepataiias da alfandega da
Parahiba. Belarmino Acarsio Gavaleaoti de Al-
laaonerque Vasconeellos.
Foi concedida a Antero de Mello Cesar a de-
xaiaso que pedio do emprege de chefe de aec-
o da thesouraria do Cear.
Per decreto de 3 do mez corrate foi concedida
ao Io cirurgiao do corpo de saude da armada Dr.
Francisco Ignacio Sa'lvador Cardim, e ao 2* do
mermo corpo Dr. Belchior da Gama Lobo a de-
miaso que reqeereram do servico.
O eapito-tenente Jos Leopoldo de Noronha
Torreso foi, por decreto de 4 do correte, refor-
mado no mesmo posto, com o respectivo sold,
conforme pedir, nos termos do airar de 16 de
macabro de 1790, e da primeira parte do 1" do
a. 4 di lei a. 646 de 3t de julho de 1852, visto
contar mais de 25 annos de servico e achsr-se
mpeaaiMtado de nelle eootiousr, per motiva de
aatoetla.
DIARIO DE PERNAMBUCO-
Becebemos cartas e jornaea do Rio e Babie doa
quaea fot portador a vaper ingles Oiuida que al-
caaeam 8 e 13 do corrate.
Sob ditersas rubricas, no presente numero, en-
costrarlo os leitoree, qaaota ha d esa ais importsn-
lei aleo do que apenas eaoootiamee mais o se-
pjtiate no Correio JfercfliUtil :
Do Espirito-Santo recebemos felkas al a t*
alt crrante.
Aa noticia alo dealiluidas de intereses.
Aa CorrtiQ 4* Vitoria eserevem de) llapa-
m data da 18 do passaado, o segainte :
Hontem, s 7 born da noile, ai barra daita

NOTICIAS COMMERCIAES E MARTIMAS.
Montevideo, 30 de Janeiro de 1862.
Cambio. Sacamm-se sobre a loglatorra S
50,000. Franja 600.000 frs Bio de Janeiro 500
oncas, e Baenoa-Ayres 5,000 ditas.
Cota-se o cambio :
Sobre Inglaterra : 40 1[2 a 40 3^4 d. per peso
crreme.
Sobre Franco. 82 a 83 frs. por on;a.
Genova. 82 a 83 dem.
> Rio de Janeiro, 29#800 por once.
Bueooa-Ayres, ao par.
Divida publica.Consolidada, 16 rls as caute-
las do baoco Mau.
Exigivel, 32 rls. por cento.
Novos ttulos, ou a vencer, 42 a 44 rls. per
cento.
Descont. O banco commercial empresta a
12 e recebe a 8 por cento ao anoo.
O banco Mau recebes 10 eempresta a 15 por
cento.
Na prac,a regulam de 1 a 1 1[2 por cento ao
mez.
Fretes.Inglaterra, 66 sh. couros salgados, 90
sh. ditos seceos, e42|6Jos fardos com 5 por cento
de capa.
Havre, 50 frs. eouros salgados, 100 frs. ditos
seceos, o 50 frs. os fardos com 10 por cento de
capa.
Estados-Uoilos, 3(4 cents, couros seceos, 1|4
cents, ditos salgados, e 7 pas, os fardos com 5
por cento decapa.
Brasil, carne secca 4 rls. para o Rio de Janeiro
5 rls. para a Bahia, 6 rls. para Pernambuco, e 5
por cento de capa.
Nesta segunda qoiozena realisaram-se as se-
guinles vendas de producto* do Brasil :
Do Sao-Agustino de Santa Catharna despa-
charan)-se 2,000 taceos de farinba a 5 re*.
Do Jos Len do Rio de Janeiro 74 barricas
de assucar braoco de segunda sortea 25 rls., 28
ditas de terceira a 22 li2 rls., 183 ditas de mas-
cavo primeira sorte i 21 1|4 rls., 21o ditas de se-
gunda a 19 li2 rls., e 365 ditas de terceira a 18
ll2 rls.
D j Adelante de Pernambuco 120 pipaa de
agurdente a 72 ps., 580 barricas de assucar bron-
co de primeira serte e 409 meias ditas do superior
a 26 rls. f.
Do Angelita do Rio de Janeiro 600 tangas de
sal de Setubal a bordo a 7 rls. f.
Do Mersey da mesma procedencia 140 rolos
de fumo a 6 1|2 ps.
Do Justina Vandell do Ro Grande, 275 barri-
cas e 200 saceos de assucar vello da Bahia a 23
rls., 25 caixas 250 ditas e 183 eiies do da Bahia mascavo a 18
rls., e 54 pipas de agurdente da mesma proce-
dencia a 7l> ps.
Buenos-Ayret, 29 de Janeiro de 1862.
Cambio.As operacoes por este paquete foram
de alguma importancia, pois sobem a S 150,000
em libras esterlinas e francos.
0 cambio baixou de 1 a 1 1[2 por ceolo sobre
ss cotaedes anteriores, Qcaodo ainda com ten-
dencia baixa.
As ultimas cota(dea foram :
Sobre Inglaterra. 65 1,2 a 65 sh.
Frange, 83 1 [2 a 83 fis.
Rio de Janeiro. 303 a 3O$30O.
Montevideo, 1;8 a 1(4 por cento de des-
cont.
Descont?.O ba^co recebe em moeda corren-
te a 5 e empresta a 7 por cento, e em metlico
recebe a 6 e empresta a 9 por cento.
Oocas 401 1]2. t
Fretes. EfTeclusram-se os fretsraentos se-
giiintei :
Rrigue brasleiro aAguia do Prats P*" est-
regar em Montivido para o Brasil a 4 i\2, 51(4 e
Dlirte-rtiKH-WOtet--
Brigue sueco Anne Charlotte para carregar
sebo e ceuros em Paysand para Inglaterra a 65
sb. e 5 por cento.
Rarca francesa Saint-Geerges. para carregar
sebo e couros salgados no Uruguay, a 77 1 [2 frs.
e 5 por cento.
Brigue InglezeTyne, para carregar fardos, se-
bo e couros a 45 sh. e 5 por cento.
Assucar.De Campos, 435 barriess de branco
em doposito. a 17 rls. f- ; 174 ditss mascavo, de
primeira serte, a 15 1(2 rls. f. e 561 gunda, a 14 1|2 rls. f.
Da Bahia, 90 barricas do braoco em deposite a
17 i |2 rls.
De Ternambuco, 100 barricas e 150 meias bran-
co em deposito a 19 rls. f. ; 450 barricas dem a
18 l|2rls. f. ; 355 ditas cmenos a 17 rls. ; 150
ditas mascavo a 14 1|2 rls. f., e 3,385 ditas idem
a prego secreto.
De agurdenle ha supprimentos, e de caf fal-
ta e procura das boas qualidades.
Rio Grande do Sul, 30 de Janeiro de 1862.
O rrovimento da nossa praga apresentou-se li-
songeiro pelos principios deste mez, desenvol-
vendo-se urna animacSo em auas treussecoes que
nos fez esperar um bou andamento de aossos ne-
gocios. -1
Tiveram maior sahida c azeile, assucar, fari-
nha de trigo, cerveja, viohos e varias oulras miu-
detas, maa no geral as vendas foram com poucos
resultadoa, por terem de afrouxar oa possaidores
seas prelencoes aOm de maisprompta realisaco
por estarem os generes muito divididos.
Porm nio foi muito duradoura esta animago,
porque nesta segunda quiozena tornou se o mer-
cado bastante apathico, e istoappareceu na pra^a
depois das noticias que se receberam da Europa
e listados- Unidos.
Sobre a posico do mercado em deposito de
geoerosquaei que de nenhuns arligos temos falta
exceptuando caf e azeite, de que a pequea exis-
tencia que ha nao se tem vendido por causa dos
silos preces que exigem poia seu costo, postes no
mercado ica bastite elevado.
Cambios.Sacaram-se para este paquete Bra-
sil, sobre Loodres, S 26,500; ideas para o pa-
quete Apa S 13.500. Total S 50.000.
dem sobre Paria, par, este paquete Brasil,
55,000 frs.; idem para o paquete Apa, 170,000
frs. Total 225,000 frs.
dem sobre o Rio de Janeiro, Baha e Pernam-
buco, 154.0009; idem para o paquete Apa.......
218700. Total 372700pDOO.
As operacoes sobre Londres neste paquete Bra-
til foram fechadas a 2t>{ e 21 J.
Sobre Paris a 385 e 390 rs. por fr.
Sobre o Rio de Janeiro e mais portes do impe-
rio de 2 al 2),'^ a 90 dia...
Fretes.Como naja hoje ama espeeialidade nos
fretamentos dos navios, tem sabido muito o da-
se fcilmente para carregamentos de couros sal-
gados s bandairas neutraa 70 a 75 sh. por tone-
lada.
No decurso de mez fretaram-se 13 navios a sa-
ber:
1 para Montevideo de 249 toneladas por 2:200$;
1 para os Retados-Uoidos de 275 toneladas por
4:800f; 2 para o Canal'de Inglaterra, um de 170
toaelaoaa por.800 libras esterlinas a 10 poreento
maia iodo ao Mediterrneo ; e outro de 139 tone-
ladas por 650 libras para o Canal; 1 por 57}4
sb. e 6 por cento ; 2 por 60> e 5 por cento,; 1
por 66 1 [2* 5 por cealo ; 1 por 67 lj2 a 5 por
cento ; 1 por 70 1)2 e 5 por canto ; 1 para o Ha-
vre, sendo um a 75 francos por tonelada e 10 por
cento de capa, e oulro por 80 francos e 5 por
cealo. .
Para eiaza fretoa-se um navio norte america-
no por 37 1(2 e 5 per cento.
Oa trato* para o Imperio alo lam aeOrido alle-
reejftoi
Assucar de Pernsmboeo brinco.As venda,
tecleando existencias, foram 1.619 barrics.v447
rais, 1,810 saecoa, de 8 at 4JQ00. lando obtt-
do ao principia do mea alguna lotes 4&400 e 4|500
porm que a teas proco* penco aa faz, perene
com o iotoi fupprimentoi entrou a declinar
a a com-
prade varioa carregamentos, em vista deltas
desappaieieuioda a existencia que ha vis BBCSD*
queadas, nao ebegando para varios navios, que
teem de esperar alguna dias seua abarrotes. Re-
gularim as vendas de 1*800 al 2|30O a arroba na
primeira quinzena.
Os xarqueadores boje esto mais pretenciosos :
as entradas de tropas falbaram um pouco Beata
la, a seces vai-se desenvolvendo no campo ej
tem prejudicado muito os gados, que vio Ocando
fracos, e por consecuencia esto exigiodo por car-
regamentos boos e escolhidos 2f500 a 2j600: nao
nos coosla tfbmtuco que teoha bavido por era
compras cima de 2#400. Todava ae a eslaeao
nao melnorar e nao tivermos churas, eremos que
elles conseguirlo suas exigencias, a nao serem
ellas ainda maiores.
Cettq.Botraram 142 pipas, veodendo-se el-
gumas fraccoes com existencias, como 100 pipas
do 80 a 855- Reexportarim-se algumas partidas
para Montevideo e Qcam em ser 197 pipas.
Couros.Os vaceuns salgados nao soffreram al-
terado : flzeram-se varios tratos a 155 rs. a libra
com 30 rs. meos os de vacca, com adiantimen-
mentos, mas os promptos conlinuaram a pagar-
se a 160 rs., os de fiovilho, nao os havendo hoje
para dispdr por estarem lodos tratados.
De vaceuns seceos comprarsm-se durante este
mez cerca de 40,000, pagando-se primeirameute
os pesados e escolhidos a 300 e 305, e depois de
295 a 285 a varrer. Se nao fossem as novas de-
sinlellfgenciaa occorridas nos Estados-Unidos, es-
te artiga tomava urr.a nova face, porque os espe-
culadores contando com um feliz desenlace as
quesloes polticas daquelles Estados, tam-se alar-
gando em suas IransaccOes.
Os barraqueiros rendo a paraiysaco a que vol-
veo o genero, eolraram a pagar aa carretas a 250
e 255 rs. por libra.
Gorduras.Nao ha para dispdr, e mesmo das
que se fabricarem poucas se enconlraro neste ca-
so, porque os tratos para Europa foram feitos com
quasi todos os xarquoadores.
Neste mez houve urna transacQo neste artigo
para o Rio de Janeiro, em que ae deu pela graxa
49200 e sebo 59200 a arroba. Tambein tem sido
procurada a grava em bexigas para o consumo da
provincia, e pela caresta que ha delli tem-se da-
do 490OO e 49600-
- 31 -
Cambios.Sobre Londres 211(2 ds., sobre Pa-
ris 385 [por franco), sobre Hsmburgo nominal,
Rio da Janeiro 3 e 4 por ceoto, a 90 ds., e 6 por
cento 10 ds.. Baha nominal, Pernambuco.
Fretes.l'ara o Rio de Janeiro, 300 a 320 rs.,
Rahia 360 a 400 rs., Pernambuco 50'J rs., logia-
Ierra 601|2 e 5 por cento, cinza 31 1(2 5 por cen-
to. para os Estados-Uaidos nominal.
Metaes.Oncas 329, pesos 2$, patacoes 2#, pe-
ca. americanas de 5 ulrs. IO9, ae 2 1|2 53, moe-
da nacional papel a 8 por cento, ouro [nacional) 8
por cento.
escessiz ]roelta lambem o retcahimeuto de no-
vas industria*, para as qeaes sejam precisos ca-
pitaea.
Esta moa que S. Exc. o Sr. presidente desconfie-
os esto eelado de peouria, em que a* aeba aquel-
la eatabfleetmeoio, porque alo cerr elle sob a
dtreec.aa do governo ; mas estamos lambem con-
vencidos de que se dignar attender nossa
e quando outro bem Um nio fosando pre-
te proporcionar, far-lhe-ba am servico pon-
- daroso, mandando exlrantr naatoe Ira* mezes
aHs ou tres loteras das eaacedtaas i beneficio
ato mesmo collegio.
. O Sr. C. L. P. Rinckaalaa-aaproviaoriamen-
toencarregado das fancoeaelB csmaul da Austria
Wie vice-eonsul de HLaoibntio anoto ddode, por
ter o respectivo agente consolar de ir Europa.
Amautiaa ter lujpr rr eBlrvida;de rattajoia
de Santo Amaro, da capaila de igual denomi-
nado aa Cidade-nova.
Teodo a cmara municipal da Breada rea-
lisado a arrematacao da passagem do rio Ipoju-
ca, que Ihe fica prxima creando assirn de p.ro-
pria auloridadeuma ira posico, deixou S. Exc. de
approvar esse acto por carecer de autorisacio do
corpo legislativo, que nao legislou sobre passa-
gena do referido rio, mas sim a respeito de es-
tradas e pontee muoicipae.
Acaba de obter o Sr. Antonio Jos Duarte
Coimbra a concessao de dar espectculos dra-
mticos no thestro de Santa Isabel pelo espaco
de o aono. 1
Teodo jle celebrar-se amnbia a fasta de
S. Goncalo, na Boa-viagem, hoje levaBta-so a
respectiva bandeira.
Ora na feata oRvm.Sr.frei Joaquim do Espirite
Santo, pregador da capella imperial.
Foi preso nm soldado do corpo de |polica
como indiciado na tentativa de morte do Sr. An-
tonio Nunes d'Oliveira, de cujo ferimento j tra-
tamos nesta Revista.
Terca-feira 18 do corrente dever estreir-
se a ultima parte da 9. e 1.a da decima lotera,
beneficio da matriz da Boa-vista. Os respecti-
vos bilbetes s eslaro venda at segnJa-feira
s 10 horas da noite.
O Sr. Dr. Pedro Cessr pede-nos a publica-
fio do seguioto artigo, que se refere questo
sendo especficamente mais leve do que agua [ej
oeste caso est o tecido pulmonar e muitos ou-j
D, Francesa
Iros), todava a grande q"uantidado_ d*b^*^u*t^uo Ja f.ulde oa'jes Antosio da Silva
Aigavante.
amos : aggravados, os
Amalia de Somt
nistradores da mas.
elle'eocerra, o torna especficamente!* Pm- "Se^MUaToaTKrd^
do;-ce de oulro lado, o alcool *-*"Leito; aggravado. Maoeel Camello Pessoa
grande parte da agua desae tecido e terna- o es- 0 Sr. presidente deu provimeoto ao ageravn
pecificamente maia leve, logo quando toe**- TfMff -tuuo municipal da villa do Cabo Vm
pulmonar de um individuo que nao respirou aua si0 r "*""' ei
4
8
3
2
5
a crian-
e para
outubro
Rio de Janeiro, 6 de fevereir de 1862.
Cambios sobre Lonres, 25 1/4 e 25 3/8 d. v.
1 H Sobre Paris, 375 e 377 rs. por fr.
Saccaram-se hoje quantias regulares sobre
Londres a 25 1/4 d. e sobre Paris a 375 e 377
res.
Negociaram-se : um lote de apolices g<>raes
de 6 J a 94 %, e dous pequeos ditos de acedes
do banco Commercial e Agrcola ae par, e estra-
da de ferro de D. Pedro II a 209 de descont.
Venderam-se 7,100 saccas de cal.
7
Cambio.Incluindo as operacoes regujares ef-
fectuadss hoje, sommam os saques pelo paquete
inglez Oneida
Sobre Londres, crea de S 500,000, a 25, 25
1/8. 25 1/4, 25 3/8 e 25 1/2.
Fecharam se as ultimas transaeces a 25 1/4
e 25 3/8 d fleandn o cambio Arme a esses ex-
tremos.
Sobre Frange, 1,400,000 francos, aos extre-
mos de 370 a 377 rs., sendo a maior parte de
372 a 375 rs.
Sobre Hamburgo 400,060 m. b. a
TfiO.u--------------------------------------------*
. .. Tbre Lisboa e Porto, regulou e ta-
uHa segniote:
116 0/0........ vista
115 0/0........ 30 dias.
114 0/0........ 60 idem.
113 0/0......r. 90 iiem.
Descont.Conservam-se nos bancos a 10 0/0,
e na praca a 11 0/0.
Metaes.O paquete inglez Oneida leva para
Southampton em ouro os valores seguiotes :
Embarra...... 351:5979600
Em moeda .... 39:6329000
Total...... 391:229(600
O mesmo paquete leva em papel moeda :
Para a Babia.............. 13:500*000
Para Pernambuco........ 3:2735000
medico,legal, aqu suscitada proposito
ca encontrada mota no caes do Ramos
elle chamamos a ltenlo dos leitores.
* os fins de setembro e principio de
do anno prximo passado, fsi o publico desta ci-
dado testemunha do facto de se ter achndo urna
menina morta no caes do Ramos. Sabe igual-
mente o publico que por esse molivo decenvol-
veu-se urna larga discusso medico-legali na qoal
alguns dos nossos collegas se apresentaram em
opposicao s idis por nos enjillidas no corpo de
delicio, que fizamos no cadver dessa redem-nas-
cida, por havermos dito que a menina nao ha-
via respirado, e que nao linha vivido (ora do ven-
tre malerno.
Tendo temado um grande vulto a questo de
inrantecidlo por elles agitada, e estando nos con-
victos de que a nossa opinio, nao era baseada em
principios falsos, bem que nos reconhecamos mui-
to quem dos coohecimenlosscienlificos dos nos-
sos contendores, procuramos ver ae encontrara-
mos quem, roelhor do que nos, esclarecesse a
questo; e por esse motivo vimos-no) obrigados
a dirigir urna carta ao Exm. Sr. conselheira Dr.
Joaquim Candido Soarea de Heirellesje outra ao
Exrn. Sr. cooselheiro Dr. Francisco Bonifacio de
Abreu, constando ellas de alguns quisitos, formu-
lados sobre pontos principaes dos argumentos que
nos eram apresentados. /
Suppomosque, estes dous dislicetos cavallei-
ros, sao bem condecidos dos collegas, acsim como
de todo paiz; porque alm da grande nomeada
que lem adquirido ift capital do imperio, deiida
a grande somma de conhecimeolos da sciencia
medica, exercem all, entre outrusTmuitos cargos
distinclos na aocledade, oa de mdicos do paco
imperial. /
a S. Exc. o Sr. cooselheiro BeoAfacia de Abreu,
dignou-se responder-nos carta/ que Ihe dirigi-
mos ; e como esperramos tambem pela resposta
do Sr. ceoselbeiro Soares de Mjeirelles, por isso
nos demoramos em publicar a que j se acbava
em nossas mos. Entretanto nao nos podeodo
esie seohor enviar ainda o aeu parecer, entende-
mes dever publicar aquello de que j nos a cha-
vamos de posse, e logo que recebamos o ontro
publicaremos immedialamentej allm de que o pu-
blico fique esclarecido aobre o fado que lhes oc-
cupra 1 altenco.
Traoscreveremos aqu os quisitos e as res-
Total.... 16:7735060
Caf.Nao houve vendas hoje. Os possuido-
res sustontam com firmeza os ltimos preces.
Alm das vendas de vinho que noticiamos
honlem, realisou-se urna de 6 pipas, 17 quintos
e 30 decimos de Lisboa a 28O9OOO.
Achavam-se carga, para Pernsmboeo
brigue dinamarquez Gatharina, e barca nacional
Recife.
Sahiram para Pernambuco : 6, o patacho
americano Lanxarote ; e 7, o dito inglez
Queen of Ihe Usck.
Chegou de Pernambuco, com 8 dias de via-
gem, 7. o brigue hespanhol Becario.
Bahia, 11 de fevereir de 1862.
Cambio.Sobre Londres 26 d. 1
Moedas.Doblos hespanh'ies, 31J500 a 32&000.
da patria, 319000 a 315500.
- Pecas de 69OO velhas
a de 49000
Patacoes brasileiros, 29IOO.
hespanhoes, 2*100.
mexicanos, 1|900 a 29000.
Fretes.Para Bremen e Hamburgo 62 1/2 a 80
sch. por too.
Gibraliar 60 sch por ten.
Gottemburgo 65 a 75 sch. por ton.
Canal e porto inglez 55 sch. per ten.
c Continente 60 s 65 sch. por too.
Liverpool 40 a 45 sch. por too.
New-York 50 sch. por ten.
Marselba 65 sch. por ten.


PE.NAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Ha seis ennos qne o cholera iovadindo esta
provincia, nelli fez victimas innmeras, e pro-
duzio horrores de que ainda hoje ee retrahedo-
lorosameuto a imagiaaco perante a sua lom-
brancr..
Como eleito desta causa, pelo centro, viram-
se vagando, eamo e ao maior deevalimento pos-
sivel, um sem numero de orphoc de tenra ida -
de et o estado de puberdade ; parta destes ae-
guio o caminho da perdi;o, e outra melhor fa-
dada encontrn aaylo e proterva o no collegio de
Papaeaca, fundado pete iocauaaval missionario
capuchtnho fre Caetaoo, anlo prefeito do noa-
picio da Penha, e ore commissario geral de sua
ordem neste imperio.
Esto pie e importante estabeleoimeoto, -qne
tanto servtcoa tem prestado no aoceorro libera-
lisado rpbandade desvalida, comprehendida
n'uma ree de quirenta legues, e que abriga,
educa e sustenta mais de cento e viole er-
phoa, alm de enslaar outros tantos areaines
externos, val o* entretanto enlanfueacendo por
falta de meios de subsiatencia o de alguna na
(nm para reedificaio do Immeneo collegio, que
muito ha coffrido com as nltimaa lavemos, co-
me sempre acooteoe com as coosvruceoes rurae.
A alta doa genere* alimenticios, e o fallec-
mente de algan bemfellores, qae peta fuadeco
se incumbiram de foroeeer adjaterio measeae
para o sustento, lam dado lagar a tornar-se a
alimentaee eacasss o* eoilegto, alm de eenocar
da genero mais groiaeirot; ao paaao que deca
postas conforme oo-las dirigir o Sr. conselheiro
Bonifacio de Abreu.
Priraeiro quesilo.
Se nao sao bstanles para que ce conheca ce
urna cranla moriera antea de nascer, ou depois
de^BaSCia, o exama externo de cadarere a aber-
tura do thorax, aflu de ae poderem extrihif OS
pulmes, o coraco e o thymus, e proceder-se a
experiencia docimagica pulmonar hydrostatica ?
c Resposta. Sim, geralmente fallando (ha
alguna casos excepcionaes de iosuflaceo do pul-
mo, de molestia do mesmo durante a vida in-
tra-uleiine, ou alguns dias depois do nasci-
mento.)
Segundo.
Seserindispu-tavelmente necessarioqoe, ha-
vendo-se procedido j ao exime a que se refere o
primeiro quisilo, se recorra anda tobliteraco
das arterias da veia umbelical, do canal venoso
do arterial, do buraco d* total, e anda mais ao
exame do diaphragma, dabexiga, dos intestinos
e do fijado, experiencias essas que sao conside-
radas pelos autores, que sobre este assumpto tem
escripto, como capazea de nos ioduzir ao erro, ao
passo que, as que apreseotamos no quisito ante-
cedente sao reputadas como as nicas verda-
deras?
Resposta. Fica prejudicado com a reiposta
affirmativa do primeiro quisito. -
e Terceiro.
Se finalmente o alcool nao influir sobre o
tecido pulmonar, estando essa viscera em mice-
raQo naquelle liquido por alguns dias, e se nao
ser elle sofficienle para fazer apparecer pheoo-
meoos diametralmente opposlos aquelles que
se observaram, quando se havia introduzido esse
orgo tj'urn vaso contendo alcool?
Resposta. Sim : e nao admira que nenhnm
dos collegas nao teohi explicado satisfatorlamen-
te o pbenomeno, visto como ama especie nova
de que autores de medicina legal at boje, me pa-
rece, que ainda nao se oceuparam ; apenas em
algum lirro de chimica orgnica se encontr um
pouco levantada a ponta do veo do mysterio.
' O distiocto professor Kolbe, fallando da avi-
dez de alcool para a sgua (avidez de que ce pode
fazer idea, pela difficuldado de obter-se o alcool
absolutn) diz que, o alcool scea muilas subs-
tancias que conten agua sem se combinar mesmo
com essas substancias; por isso empregado na
conservacao das pecas anatmica. Jfemftrana
animaes fieam engilhadas dentro do alcool. Viele
wasterhalliie eobslanzer, mil denen er (alkoholj
sich selbst nicht verbindet, verdeo von ihm aus-
getrockoet; daher seine Onwendung zur Aufbo-
wahruog anatomischer Preprate. Tbicrische
Membranen schrimepfen darln zusanmeo. Eis-
aqui a chave do problema ; de posse della qual-
quer dos collegas abrir melhor do que eu a por-
ta do pooto cootroverso.
Porque que a membrana fica contra bida e
engilhada dentro do alcool ? E' claro que, por per-
der grande quantidade d'agua quo' o alcool lbe
rouba, quasi com a mesma avidez do acido sul-
frico.
Figure-se mesmo que urna parte desse alcool
val substituir (nunca em sua totalidade, porque
ento o tecido nao Qcaria eo-gilhado) a agua que
a outra parte do alcool roubou ao tecido ;
claro ainda que o alcool sendo especficamente
mais leve do que agua,poder qualquer tecido
perder to grande quantidade desla, que aflnal
venha a boiar quando for laocado em am vaso
qae conlenha sgua.
a Os teeidos animaes em geral pesam muito em
consequencia da grande quantidade de agua que
encerrara. Considere-se a differenca enorme do
peso de nm cadver fresco e desse mesmo cada-
ver completamente aecco I
E' portante minha humilde opinio que, quan-
lo maior quantidade da agoa eneerrar um tecido
animal e quanto mais concentrado for o alcool
dentro do qoal esse tecido se conservar, tanto
mais fcilmente elle flotear dentro d'agua, por-
que se tornar especifica mente mais leve, em
consequencia da agua que o alcool Ihe roubsr : o
engilhamente do tecido justifica at certo ponto
0 em prego do tormo allem&o aosgetrockoet
que pareca a primeira vista improprio sendo ap-
pllcado a um tecido, qae ae coacerva dentro de
am liquide ; mas que bem sabido desde que
se toma aqu por secoo o tecido que perde
urna pofcio d'agua roubada pelo alcool, dentro
do qoal elle se conserva.
CobcIuco.
1 Se do nm lado a parle solida de um tecido,
respirou
a presen tar rtoot d'agna, depois de ter sido
conservado dentro do aleooh, um pbenomeno
opposto aqaell* jue ae observo dentro della,
antes de fer ido conservado no meemo alcool,
eate phenomano aera dvdo agrande quantidade
d'agua que. o alcool Ihe roubon, tornando o te-
cido espeesn^rnosate mato lev.
Rio de Janeiro, 18 d* uerembro de 1861.
Dr. Francisco Bonifacio de Abreu, professor de
chimica orgnica, a
Tendo S. Exc. demonstrado com lucidez, a
eausa da supernatacio dos pulmes da creaoca
achada mora a 18 de setembro do anno passado,
oigamos ter satisfeito a espectaliva do publico
que ancioso esperava pela deciso.
Agora corre-nos o dever d% agradecer do alte
da imprensa, ao Exm. Sr. conselheiro Dr. Fran-
cisco Bonifacio de Abreu, pelas bondadosas ex-
pressoos que se dignou dirigir-nos na carta que
acompanbou ao seu parecer, e juntamente pela
celeridade dessa resposta, o que prova o alto grao
de cavalleirismo de S. Exc, e o amor da sciencia
que profess.
Recife, 11 de fevereir de 1862.
Dr. Pedro Antonio Cesar.
Fizeram exame de lalim na Faculdade de
Direito, no dia 4 do corrente 12 esludantes, cujo
resultado foi o seguinte :
Approvados simplesmente....
Repro vados....................
No dia 5,10 estudantes, sendo :
Approvados plenamente......
a simplesmente....
Reprovados...................
Fieram exame.de francez no dia 7 do corren-
te 23 estudantes, eujo resultado foi o seguinte :
Approvados plenamente...... 11
> simplesmente. .. 5
Reprovados................... 7
No dia 8 12, sendo :
Approvados plenamente...... 3
simplesmente.... 5
Reprovados.................... 4
Eis o 'quadrageslmo-qusrto
; Boletim efficial :
Dos lugares, em que reioa o cholera-mor-
bus, nio chegaram presidencia da provincia
commnoicscOes officiaes.
Nao consta que nesta cidade e em suas im-
medieces haja caso algum de cholera-morbus,
e S. Exc. nao leve informac,des a respeito da mu-
Iher qe, com o oome de Josepba Thereza de Je-
ss, figura na parte mortuaria de hontem, e se
diz ter suecumbido, na Varzea, a essa affecsSo.
A's 6 horas da tarde de 14 de fevereir de
1862.
a Dr. i quino Foneeca.
Passsgeiros do vapor inglez Oneida, vfodo
do Rio de Janeiro :Francisco i. de desqui-
ta.Neves, Prancisco de Sales Ferreira Ras, Luiz
Candido dos Santos, Francisco Baptista Marques
Dia, Hanoel de Vasconeellos Jnior, Roaventu-
ra da Silva Vinhas, Macool de Souza Pereira,
Joaquim Mara Ferreira de S, Aureliano Azeve-
do Mooleiro, Constantino Noppel.
Passageiro do palhabote nacional Superior,
sahidopara o Rio Grande do Sul :J. Rauuhum.
Passageiros 00 vapor ioglez Oneida, sabi-
do para Southampton e portes Intermedios :
Francisco D. Feuerhurd, Joo Latmano, Eduar-
do A. Ryder.
_ Movimento daeofermaria da casa de deten-
Qao do dia 13 do correle.
Teve baixa para a enfermara :
Manoel Francisco de Hollanda Cavalcante, as-
thma.
14
Tiveram alta da enfermara :
Agostinho Jos Jorge Vieire.
Alejandre Jos Barboze.
BORTALIOADE OO DIA 14 DE FEVEREIR :
Antonio Rodrigues Mendes, Portugal, 22annos,
solteiro, Recife ; febre amarelle.
Cosme Jos de Mello, frica, 34 anno, sejteiro,
Santo Antonio ; gangrena.
Anna, frica, 50 annos, solteira, scrav, Reci-
fe : varilas.
Alfredo. Pernambuco, 1 anno,Boa-Vista ; asihma.
Manoel Moreira da Rocha, Pernambuco, 35 an-
nos, casado, Recife ; sbita,
Eufrasio Jos de Mello, Pernambuco, 37 annos,
solteiro, Boa vista : febre amarelle.
Pedro Joaquim Jos, Pernambuco, 40 annos,
casado, Boa-Visti; hemorrhagia.
Benedicto, Pernambuco, 9 rneze?, escravo, Boa-
Vista ; vermes;
Christiano, Pernambuco. .5 eecos, Recife
'ril' aguda*.
que sao
Aggrevente, Antonio Joaquim Bibeiro. na exe-
cucn de Pedro Atoxandrioo da Costa Machado
contra Joaooim Vctor Pereira Falcao. *
O Sr. pweideato negou provimeoto aos cggra-
voa tambern vindoe do juizo espeeial, em que-
sao:
Aggravanto, IV "sliquilioa Mara do Sacramen-
te, sai e herdeira de Filippe Nery doa Sanios
aggravado, Elaa^carinno Falco de Albuquerqu
Maraobio. .
Aggravanto, D. Carolina Jospha de Almeida -
aggravado, Jos Hygino de Miranda.
DILIGENCIAS.
Appellanles, Alvos & Compaohia ; appeUado.
Antonio Emyglio Ribeir*.
Vista s parles.
Appellanie, Victorino de Almeida Rabello ;
appellado, Manoel Jos di Silva Pimentel.
dem.
COI9fM.KRCfO
Praca do Recife 14 de
f Vs qualTo horas da tarde.
Cotaedes da junta de cor reto res.
Cambio.
Sobre Londres 90 dfv. 25 3|4 por 1J0O0.
i. da Cruz Masedopresidente.
John Gatissecretario.
Alfandeara,
Rendlmentodo dial a 13. 337:403801
dem do dia 14...... 34.040S64O
371:5344647
Movimento da alfandeiga.
Volamos entrados com fazendn.. 117
> a com gneros..
Volamea sahidoa
>
com fazendas..
com genero..
307
912
Descarregam hoje 15 de fevereir.
Patacho ingleMarsallafazendas.
Lugre inglezLileidem.
Brigue brasleiroVelozcharque.
Importayao
ltate nacional Invensivel, vindo Arecaly rca-
oifestou o seguinte:
92 molhos com 1:810 pellos de cabra, 4 barri-
cas com 403 pares de sapatos, 100 saceos com
75 alqueires de gomma, 1 dito com 15 libras de
peonas de papsgaio; Parete Vianna & C.
1 sino de brome ; a Bastos & Lemos.
65 caixas com 72 arrobas e 17 libras de velas
de carnauba, 68 saceos com 270 arrobas de cera
de carnauba, 16 barricas com 102 arrobas e 10
libra de sebo, 895 meios de sola, 302 ceuros sal-
gados com 230 arrobas e 24 libras, 5:815 couri-
nhos curtidos, 13 molbos com 325 esteiras, 4
saceos com 3 alqueires de gomma; a ordem de
diversos.
Becebedoria de rendas Internas
geraes de Pernambuco.
Rendimentododia 1 a 13. 16:278667
dem do dia 14....... 878572
17:1578239
inte-
Consalado provincial.
Rendimento do da 1 a 13 ... 46:380*190
dem do da 14....... ; .5:593*582
51973*772
nx*~ -
CHRONICAJUDiCURIA.
Tribunal do com mere i o. <
SESSO ADMINISTRATIVA EM 13 DE FEVE-
REIR DE 1862.
FRKSIDEIfCU DO EXM. gil. DESEBARG ADOR
F. A. DE SOUZA.
A's 10 horas da manhaa. reunidos os Srs. de-
butados Reg, Lemos, e Bastos, o senhor
presidente declaren aberta a sesiao, sondo lids
e approrada a acta da ultima.
EIPED1ENTE.
Foram presentes aa cotaedes officiaes dos pro-
cos correles da prega, da ultima semana.Ar-
chive-ce.
DESPACHOS.
Um requerimento de Gregorio Anlunes de Oli-
veira, viste pelo Sr. desembirgador fiscal, pe-
dindo ser nomeado agente de leiles desta praQa.
Prestada a flan;a pelo juizo especial do com-
mercio, volte.
Outro de Jos Velloso Soares e Manoel Jos
Dantas, pedindo para ser registrado o seu contra-
to de sociedade. Vista ao Sr. desembargador
fiscal.
Outro de Guiroaries & Lima, presentando um
artigo additivo ao seo contrato social, e pedindo
que se fagam no mesmo as neceisarias annota-
cftes.NSa tem logar em conformidade do artigo
307 do cdigo commercial.
Outro da direceo da companhia de seguros
martimos Iademnisadora, pedindo o registro da
parte da acta de 25 de Janeiro ultimo, que Ihe
serve de procuraco.Registre se.
Outro de Jos Goucalves Halveira, proprietario
e armador do hiate Jaguaribe, pedindo carta de
registro para o meemo.Vista ao Sr. desembar-
gador fiscal.
Outro de Antonio Domingues de Almeida Po-
c,as, pedindo o registro da nomeac,aode seu ca -
xeirO Herculano Alves de Carvalho. Como re-
quer.
Voltando o requerimento de Jos Velloso Soa-
res e Maooel Jos DantiS) info Aado pelo Sr.
desembargador fiscal, teve o seguinte despacho :
Registre-se.
Nada mais havendo s tratar, o Sr. presidente
enceirou a sesso.
SESSAO JDICIARIA EM 13 DE FEVEREIR
DE 1862.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEHBARGADOR
SOUZA.
Secretarlo, no impedimento deste, Reg Rangel.
Estando presentes os senhores desembargado-
res Villares e Silva Guimaries, e deputados Bas-
to, Lemos, Regojo Silveira, o Exm. Sr. presi-
dente abri a sessao.
Lid, foi approvala a acta da sessao ante-
rior.
JULGAMEUTO.
Appellanles, Goimaraes & Oliveira ; -appella-
do, Manoel Jos Leite, testamenteiro dos bens
do finado Jos da Silva Pinto.
Foi confirmada a sentones appellada.
rASSACENS.
Appellanles, o Dr. Juvencio Alves Ribeiro e
outro ; appellado, Antonio Gomes da Cunha e
Silva.
Recorreole, Luiz Jos de Mattos Pereira e Cas-
tro, como curador da heranca jicente do Anto-
nio Jos Alves Pereira e S ; recorridos, o Dr.
Edaardo Manoel Francisco da Silva e outro, ad-
ministradores da massa fallida de Jos Pereira de
Aguiar.
Do Sr. desembargador Villares ao Sr. desem-
bargador Silva Guimares.
AGGRAVOS.
0 Sr. presidente deu provimenlo aos sggra-
ros do julzd especial docommercio desla cidade,
em que ci :
Aggravantec, o presidente e directores da caita
fllfal do banco dd Brasil; aggravados. Jlo Pau-
lo de Sonsa o Joaquim Lucio Monteiro ds
Franca.
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 14.
Rio de Janeiro e B*hie6 dias, vepor ioglez
Oneida, de 1372 toneladas, commanilante T. A.
Bevis, equipagem 126, carga differentes g-
neros.
Liverpool40 dias, lugre ioRlez Lie, de 237 to-
nelides, cspitol. Cooper, equipagem 12,car-
ga fazendas e outros gneros ; a Soulhal Mel-
lors & C.
Rio de Janeiro 29 dias, brigue francez Augusto,
de 286 toneladas, capillo L. Ruis, equipagem
16, em lastro ; a Basto & Lemos.
Baha4 dias, crvela nacional imperial Mari-
nheiro, commendanle o cipito tenente Joa-
quim da Costa.
Navios sahidos no mesmo dia.
Southampton e portes intermedioVapor inglez
Oneida, commandente T. A. Bevis.
Rio Grande do SulPalhabote nacional Superior,
capito Antonio Evaristo da Rocha, carga as-
sucar.
Observadlo.
Sahio e fundeou no lamerlo para acabir de
carregar a galera iogteza Delphin.
C3 es T CO O) Horas.
O r* a. tr =r
3 c a ca S o* B n s 5 e I g Almosphera.
c m m a 1 O rrl
O) PJ s Direceo; < Cf n 4*
JC 35 a S8 2 : >
M oa w o a o H Pl %
8 00 00 ^a | Farhenheit. 1 H 9 K O m 3 ps H
o
f s ^1 IO Centgrado. 2 3 sd O
o> * i* W O 5
91 2 o -4 ~4 te o "4 t&> O -4 | gygrometro.
o O Ciiterna hgdr | mtrica. 0- > m
Francez.
3 '3 o "oo o O S5 a o ex ~l M ce p o o H
> Ingles
- -~ u o
A noite clara com alguos nevoeiros, vento ESE
regular que rondou para' o terral ao amanhecer.
OSCILAClO DA HAR.
Freamar as i h. 30' da tarde, altura 7,1 p.
Baizi-mar as 10 b. 18' da maohaa altura 0,9 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 14 do fe-
vereir de 4862.
ROMAHO STEPPLE,
1* tenente.
Kciaes.
i
O Illm. Sr. iospector da thesouraria pro-
vincial, em cpmprimento da resoluclo da junta
da fazeoda, manda convidar aos proprietario
abaixo mencionados, a entregarem na mesma
thesouraria, no prazo de 30 da, a contar do da
da primeira publicarlo do preseole, a importan-
cia da quola com que devem entrar para o cal-
mamente da ra do Cabug, conforme o disposto
oa lei prorincial n. 850". Advertindu qoe a falte
da entrega voluntaria ser punida com p duplo
das referidas quolas, na conformidade do art. 6.
do regulamento de SO de dezembro de 1814.
Numero 2 Jos Peres da Cruz e her-
deiros de Jos Gomes Villar 489)000
4 Os meamos 60*000
0 Jos Antones Guimaries 459000
> 8 Francisco Jos Teizeira
Bastos
a 10 O mesmo
12 Ordem' terceira de S. Fran-
cisco
> 14 Recolhimenlo da Gloria
a 16 D. A gol la Senhorioha Pe-
reira
18 Jos Brcndo da Rocha
> 5 Jlo Antonio Carpioteiro
da Silva
> 7 Irmandade do SS. Sacra-
mento do bairro de Santo
Antonio
9 dem idem
455000
SfSo
2709000
1711000
240*000
159*
mi mi A.nn'


11 Ii

MAMO M HMKJUIIOCO. MIDO J 5 M fMVAIIM 0t
*V
it Mam dem
3001000
ft4S8l|800
S para oonatar ando afufar o pteaente e
pubHctT fjlo Diario.
SecraUria da theeoareria provintial it Par*
nambuco 13 da fevereiro de 1869.O retarlo,
A. F. d'Anauneiaclo.
O Dr. Agoitioho Ermelino de Leao Jnior, ca-
vallalio da imperial ordem de Cbriato, juiz
municipal de orphaos e auaeolesdo termo de
Olioda, por Sua Uagestade Imperial e Consli-
tucioaal que Deus guarde, etc.
Paco aaber que too do sido arrecadada por eate
juizo a heranQa do Qnado Jote Luiz de Barro*, se
ba ella de arrematar em praga publica, no dia 17
do cerrente mei, pelas 9 horas da machia, na
ra dot Qnalro Cantos, em caaa do estabeleci-
mento do meamo nado, ensatando dita heraoca
de gneros de molhados e outros eojeclot.
E para que chegue a noticia de todos, mande!
pastar o presente, que ser aifiudo no lugar pu-
blico do coatume, e publicado pels imprensa, e
val por misa aaaigoado e sellado com o sello des-
te Juizo, raleado aem aello ex-causa.
Olioda, 19le fevereiro de 1862.
Eu Francisco das Ghagas Garaleanti Pessoa, ea-
crlvio de orphaos e auaentea o aubacreri.
/ Agostinho Ermelino de Leo Jnior
camera municipal deata cidade manda
publicar para conhecimento dosseus municipea e
aftfnde que seja observado, a postura ddicional
amaizo transcripta, a qual fui provisoriamente api
trovada petoEtm. presidente de provincia em
lata de 8 do corrente:
Pago da cmara municipal do Recite em seasao
de li de fevereiro de 1851.Luiz Francisco de
Barros Reg, presidente. Franciico Canuto da
Boa-viagem, official maior aervindo de secreta-
rio,.
Quarta seccSo.Palacio do goveroo de Per-
nambuco 8 de fevereiro de 1862.O presidenta
da provincia, tendo em vista o que represeotou
cmara municipal 4o Recite em officio de 3 do
corrate sob n. 9, resolve approvar provisoria-
mente o segurte artigo de postura:
Artigo nico. A disposicao do art. 9 das pos-
taras addicionaes de 10 de novembro de 1855,
que prohibe a crea-o de porcoa dentro da cida-
de, flca extensiva d'ora em diaote a todas os po-
voadoa daa (reguezias deste municipio : os in-
fractores soffrerao a mulla de 309 e o dobro na
reincidencia.AntoBio Mareellino Nunes Goncal-
ves.ConformeAntonio Leite de Piaho.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimento da resolucao da junta
da fazenda, manda fazer publico que no dia SO
do correle vai noramente a praca o contrato do
imposto de 10 por % aobre a renda dos terrenos
occupados com o planto do capim no municipio
do Recite, avallado anouatmeate em 4*1209.
E para confiar se mandou affixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 3 de fevereiro de 1852.O secretario,
A. F. d'Annunciaco.
O Illm. Sr. iaapectot da thesouraria pro-
vincial, em cumprimento da resolucao da junta
di fazenda manda fazer publico, que no dia 20 do
correle, peranle a mesma junta, se ha de arre-
matar a-quem por menos zer, e por lempo de
seis mezes a contar do 1 de marco prximo fu
turo, o fornecimente da alimenlacao dos orphaos
do collegio de Santa Thereza em Olinda e do de
erphas destacidade. a aaber:
Pao.
Caf.
Cha preto.
Manteigs
A asacar.
Caroe freaca.
Toucinho.
Arroz.
FejSo.
Peixe fresco, e na sua falta bacalho.
Azelte doce.
Vinagre de Lisboa.
Farinaa.
Sal.
Lenha.
Verduras e temperos.
Fructaa ou doces.
Batatas.
Dieta para os doenlet.
Frango ou frange.
Saluna.
Leite.
Aleiria.
Maearro.
Cha.
Doce.
Vinho.
As pessoas que quizerem contratar dito forne-
cimento aprsenteos suas propostas em cartaa
lechadas, no dia suprameocionado, nesta thesou-
raria pelo meio dia.
O contracto ser feito com a clausula de que,
serio comprados a cusa do forneeedor, pelos di-
rectores dos referidos collegios, os gneros pre-
cisos nos dias que nao forem elle foroecidos de
boa qualidade e de cooformidade com a tabella
que ser (presentada no acto da arrematarlo.
E para constar ae mandou affixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
ca mbuco, 7 de fevereiro de 1861.
O secretario,
Antonio Ferreira da Annuociaclo.
vrea so aervico de meamo araeaal, a tai a eoajo a
compra dos objectos do material da armada, aosi-
xo declarados:
Para oa navios.
4 arrobas de fia.de vela, 200 agulhas de pa-
lomo!, SO goveraaduras de escaler, 14 arrobas e
10 libras de plvora grotsa, e 230 corados de
baetilha.
Para a araeaal.
400 folhas de cobre de 28 a 30 oncas.
Em consequencia convida o oonaelho aos pre-
tndanles a presentaren! as anas propostas no
dia 18 do Brrente at u 1) horaa da manhaa.
Sala do coaaelho de compras navaes em 12 de
fevereiro de 1862.O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Coaselk adniislravo.
O conselho admiaiatraiivo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tesa de comprar oa objectos
seguate* :
Para o 10* batalhao de Infantera de linha.
445 botdea pequeos 4a metal bronzeado com
o n. 10 amarello.
Para prorimento do armazem do arsenal da
guerra.
6 arrobas de lato em lencl.
2 arrobas de rame de lalao n. 12.
5 duzias de taboas de amarello para forro.
5 arrobas de fio da vela.
5 arrobas de alvaitde.
10 arrobas de cabo de linho branco de 1 polle-
gada e 1 1/4 de groasura.
Quem qnizer vender taes objectos aprsente
suas propostas em carta fechada na atoretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do ia 17 do
corrente mez. #
Sala das sessdes do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, 8 de
fevereiro de 1862.
Beato Jote Lamtnha Li%s,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado se faz publico aos con-
tribntotes dos impostoa de 4 por cento aobre ea-
tabelecimentos de fora da cidade, prensas de al-
godS, typographiaa, coebeiras, cavallarices, ho-
teis, cs ss de pasto, botequins e fabricas ; de 12
por cento sobre os eslabelecimeolos de commer-
cio em grosso e a retalho, armazens de recolher,
depsitos e trapiches ; de 8 por cento sobre os
consultorios mdicos e eirurgicos, cartorios e es-
criptorios; de 509 sobre casas de bilhar, modaa
e lojas' que venderem roupa feila e chapeos es-
trangeiros; de 1 0008 aobre catas baocarias com
emiaao e privilegios; de 3009 sobre as casas
baocarias sem emisso, companhias anonymas
e agencias; de 2009 sobre caaaa de cambio ; de
500 rs. por tonelada daa alvarongas e canoas
abertas empregadas no trafico da carga e descar-
ga ; de 309 Por cada escravo empregado no ser-
vico das mesrnas alvarengas ; de 169 aobre cada
um carro particular de 4 rodas; de 10$ sobre os
de duas rodas; de 189 sobre oa de aluguel de 4
rodas; de llg aobre os de dusa rodas ; e de 69
sobre as carrosas e vehculos de eonduccio ; e
de 259 aobre omnibua, que oa trinta dias uteis
marcados para a cobraoca a bocea do cofre do
anno finanreiro de 1861 a 1862 findam-se no dia
19 do correte, ficando compreheodidaa na res-
pectiva multa os que psgarem depois deste
praza.
Mesa do consolado provincial de Pernambuco
11 de fevereiro de 1862.
Arsenal de guerra.
Por ordem do Illm. Sr. coronel director do ar-
senal de guerra se faz publico, que nos termos
do aviao do mioisterio da guerra de 7 de marco
de 1860, se lem de maodar manufacturar o ae-
guinte :
175 sobrecasacaa de panno aznl.
175 calcas de dito panno.
500 calgat de brira.
500 camisas de algodiozinho.
500 pares de polainas de panno preto.
Quem quizer arrematar o fabrico de ditos arti-
gos, bo prszo de 25 dias, compareea na sala da
directora do mesmo arsenal pelaa 11 horaa da
manhaa do dis 15 do corrente mez, com ana pro-
posta em que declare o menor prego e qual seu
fiador.
Araenal de guerra de Pernambuco 12 de feve-
reiro de 1862.O amanuense,
Joo Ricardo da Silva.
Iw Grande d uto.
A barcaca cNova Etparanca aahe para o Rio
Grandado Norte ata) odia 11, aitda recebe carga
a frete: a tratar no trapicheado algodio.
Paraailha de S-Miguel
sahe at o dia 20 o patacho portuguez Limas :
para o resto da carga e passageiros, trata-ae com
oa seu* consignatariss Joao do Reg Lima &
Irmio.
W1P.NHU rauunciiu
Navegado costeira a yaper
O vapor cJagusribe, commandante Lobato,
sahir para os portas do sul de aua asala no
dia 15 do correte aa 5 horaa da tarde.
Receba carga at o da 14 ao meloda. Eocom-
mendaa, passageiros e diuheiro a frete at o dia
da sabida as 2 horas: eacriptorio no Forte do
Mattoa n. 1.
Para a Baha segu o palhbeote Santo Amaro
para alguma pouca carga que Ihe falta trata-ae
com seu coasigoatario Francisco L. O. Azeredo,
na raa da Madre de Deua n. 12.
>as.
zem que foi de Joaquim lereira Silva
Santo*, cooaistindo no seguinte :
Armario*.
Guarda roupa.
Mobilia completa.
Secretaria.
Bid*.
Toalhetes.
Guarda roupa com etpelho.
Lavatorios.
Tocadoret muito ricos com espelho.
Comanodas. /
Quadros com lindas estam]
Espelhos diversos
As 11 horas em ponto no menciona
do dia.
LEILAO
BE
Um ptimo carro para passeio arreiado
e de um cabriolet com coberta, ai
reios e cavallos, a dinbjeiro ou a pra-
zo, na cocheira da ra no Imperador
n. 12.
Sabbado 15 do crrente
meio dia
PEL AGE
ao
TE
GIMAR
CoDtinuaco
Rio de Janeiro
A barca nacional Amelia tendo parle de seu
carregamento tratado, pretende seguir com muita
bravidade : para o reato qae lhe falta, os preten-
den tes entendam-ae com oa aeua consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C no aeu
escriptorio ra da Crus n. 1.
Para
Rio de Janeiro,
O veleiio patacho nacional Capnao, do pri-
meira marcha, pretende aeguir com muita brevi-
dade, tem a seu bordo dous tercos de seu carre-
gamento : para oteato que lhe falta, passageiros
e escravoa a frete, para oa qnaea tem excedentes
commodos, trata-se com oa seas consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seu
escriptorio roa da Cruz n. 1.
DE
fazenda:
ES.
o leilao
da loja da
restos loa moris pertencentes a maesa
fallida de lose Antonio da Silva Araujo.
A.sim cerno
vender' urna escrava pertencente a
mesma maua. j
LSILQ
Quarta-feira 19 do corrente.
Costa Carvalho autorisado pelos ad-
ministradores da massa fallida de Jos
Antonio da Silva Ara ujo, de novo leva*
ra' a leilao a loja de miudezas da ra
do Queimado n. 27, consistindo em ar-
maco, dividas e mais pertences da mes-
mal
Atlcncao
toja.
LEILAO
DX
Praviao^aat quem. Bompror o aillo Cawoa lis,
anounciado) qie ha urna parle perlencente ii-
tra herdeira.
O abaizo aaignado, reapondeodo ao anuun-
ci mandado inserir no Diario de Pernambuco dor
dia 14 do correte pelo Sr. Joaquina di Silva Boa-
vista, no qual declara ter jutto a coatrala o Sr. Firmiano Jos Rodrigues Ferreira Junm
a compra da loja do Passeio Publico n. 1|
meamo abaiio assignado faz aciente ao r
comprador que a loja da posse e dominio do
sbaizo a?aigoado pela escritura da ditlrato ce-
lebrado em 12 de julho de 1861 para a liquidaci
da eziincta firma social Ferreira 4 Cruz, e como.
tal o Sr. Firmiano Jos Rodrigues Ferreira J-
nior, qae mostr o titulo por onde postue a taja
para poder vender, que o abrixo aaaigoado com
liquidatario, protesta em lempo comptanlo ir
haver do comprador. Recife 14 de fevereiro da
1862.Bento Alves da Graz.
Aluga-se nm quarlo andar com excel-
leotes commodot: na ra da Cruz n. 58.
H~~ Precita-se alugar moleque: no batel
Aurora, tua da Imperatriz o. 86.
todas as
ra do Cabug n. 8
as 10 horas do dia at as 8
horas da ooite.
Cesta Carvalho continua a fazer leilao das fa-
zenda da referida loja oa correr do martelloh*
algodao,
linho e ae-
a proxi-
Pela subdelegacia do carato da S de Olio-
da, ses faz publico que no dia 6 do correte mez
e anno fi appreheodido nesta eidade.umeavallo
de edr rozilho, com o olho dlrelto ceg, por aa
ahar vagando pela dita cidade, o qual ae acha
depositado na forma di lei.
Franctaco das Chagss Salgueiro,
Sudelegado.
THEATRO
Rio de Janeiro
O bem conhecido e veleire brigue nacional
Damo pretende aeguir com mnita brevidade,
tem parte de seu carregamento engajado : para o
rasto que Ibe falta, trata-ae com os seus consigna-
tarios Aotouio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no
seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio de Ja-
neiro,
Rio Grande do Sul sah'ri impreterivelmente no
dia 13 deate mez o patacho nacional Arapehy,
recebe passageiros e escravos a frete : trata-a
com Maooel Ignacio de Oliveira & Filho, no lar-
go do Corpo Santo, escriptorio n. 19. oa com o
capitao na praca do eommercio.
JPara o Porto.
Segu em poneos dias a barca porlugueza
Flor da Mata, por ter parle do aeu carregamen-
o prompto ; quem quizer carregar ou ir de paa-
tagem, dirija-se ao consignatario do meamo em
aeu eacriptorio da ra do Apollo n. 43, segando
andar*
fazendaa groaaaa e Cuas, de
das, como as que aao nace sarias para
ma quareana.
Tem muitas cousaa proprtas para o carnaval-'
um leilao importante e lio importante quea
inguem dever etperdicar lao boa occaaiio dea
echinchar, pois se tem ludo arrematado pora
ecos to baizoa que te admira, aomente paraaa
gamento dos credores. A elle I A elle 1
LEILAO
DE
Farioha de trigo.
Segunda-eira 1% do corrente.
O agente Pinto fara leilao per conta e risco
de quem pertencer de cerca de 200 barricas com
farioha de trigo de Lisboa, muito fresca eda pri-
meira qualidade da fabrico de Joao de Brito, aa
quaes aerao Tendidas em lotes ventada dos
compradores, s 11 horas do dia cima mencio-
nado oo armazem do baro do Livramenlo cea
do Apollo.
LEILAO
Segunda-feira 17 do corrente
AS 11 HORAS
O agente Ca margo levar em leilao
publico, por conta e risco de quem per-
tencer, um carrinho paxa um e dous
cavallos, com arreios, e um cabriole!
para um e dous cavallos : na ra do
Imperador n. 20.
iifjjt
Quarta fe ira 19 do correte.
O agente Pinto tari leilao por ordem dos ad-
ministradores da maesa fallida de Jos Ribeiro
Pontes, das dividas activas da mesma massa, ai
11 horas do dia cima mencionado em aeu es-
criptorio na roa da Cadeia n. 9, onda ae poder
dar desde ji qaalqaer esclarecimento acerca,das
referidaa dividas.
IUMUM) -
Alerta senhores de engenho
Segunda-eira 17 do corrente.
DE
3 lindos moleques.
Q agente Camargo tara' leilao de 3
lindas pecas de idade de 13, 14 e 15
annos, na ra do Imperador, ao maio
dia, arme zem n. 20, vai ao correr do
martello, para pagamento, aproveitem
a occasiao.
Avisos diversos.
DE
Deeiaracoes.
Correo.
P|Pela administrado do correio deata cidade ae
faz publico que hoje (15) pelaa 3 horas da tarde
em ponto serio fechadas as malas que deve con-
duzir o vapor costeiro Jaguaribe com deslino
a Macei e portos intermedios.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguintes :
Para a companhia de cavallaria de linha.
6 davinas de fuzil com varetas.
11 espalas com bainhaa.
27 apparelhos de limpeza.
11 boleas para apparelho de limpeza.
11 bornaes para racoes.
Para a companhia de artfices.
1 talha de barro.
Para o 2 batalhao de artilharia.
32 Gtas brancas para exercicio de esqueleto,
tendo cada urna 8 palmos de comprmeme.
32 ditas eucaroadaa para o meamo com as
mesrnas dimeosdes.
Para o 1 batalhao de infantera.
20 cordes para canudos de inferiores.
3 caldeiras de ferro para 100 pracaa.
13 varaa para limpeza.
Para o meio batalhao da provincia do Cear
2 espadas com bainhaa de ferro.
2 cananas de couro eovernisado.
2 telina de dito dito.
dadores.
Para provimento do armazem do arsenal
de|guerra.
40 meioa de sola garroteada.
Quem quizer vender taes objectos aprsente
as suaa propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horaa da manhaa do dia 19 do
corrente mez.
Sala daa sessdes do conselho administrativo
para fornecimento do araenal de guerra, 12 de
fevereiro de. 1862.
Bento Joi Lamenha Lint,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Tribunal da eommercio.
Pela secretaria do tribunal do eommercio de
Pernambuco se faz publico que nesta data tica
inscripto no livro competente o contrato de ao-
ciedade que em 27 de Janeiro do correte anno
celebraram Vicente Ferreira Nanea de- Paula e
Joa Praocitco Coelho da Paz, domiciliados o es-
tabelecidos nesta praca aob a firma da Nunea &
Coelho, com o capital de 5:000 ornecidoa por
ambos em partea iguaes; devendo a aociedade
durar por etpaco de tres annos, contados da 2 de
setembro do anno prozimo lindo.
Secretara do tribunal do eommercio de Per-
aambuco 12 de fevereiro de 1862.
Julio Guimires,
OHkialmiior.
Conselho de compras navaes.
Tem-se de promover tob aa coadiccoea do ea-
tylo, o contrato de fornecimento at marco pr-
ximo de cal prela e branca, para aa obras a car-
ao do araenal de marinha, e de camisas e calcas
de algodio azul americano, para oa africanos II-
APOLLO.
poca do carnaval
Grande baile de mascaras
Hoje 15 de fevereiro de 1862
. ( Se o tempo o permittir )
0 thealro que ae acha formado em aalo, abrir-
se-ha as seis o meia da tarde, a o baile comecar^
as 8, e fioalisar aa 2 da noite.
Pre^o de entradaa lgOOO.
Sero guardados am toda plenitude os regula-
memos policiaea nzados em estabelecimentos
deste genero.
Baile extraordinario.
Sabbado 15 do correte haver um grande bai-
le nos saldes do caea do Apollo, o interessado
espera de ter urna grande concurrencia por ter
feito nm grande numero de convites de cavalhei-
roa e damas, aeri mantida a ordem do Illm. Sr.
Dr. shefe de policia, eoiradas de caralheiros 2&,
damaa gratis.
Avisos martimos.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
WKDHIIIT11S & IJUPdMEe
0 vapor Oyapock, commandante o espitao
de mar e guerra Gervazio Mancebo, esperado
dos portos de norte at o dia 15 do crrante, o
qual depois da demora do cosime seguir para
os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros, a engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir, a qual da-
ver ae embarcar no dia de ana chegada, dinhei-
ro a frete a encommerdas at o dia da sabida t
2 horaa da tarde : agencia ra da Cruz n. 1, ea-
criptorio de Antonio Luiz de Oliveira Asevedo
&C.
Para Lisboa
sahir com toda a brevidade o brigue portuguez
Constante, capilao Augutto Cirios dos Reis,
visto ter promuta a maior parte do seu carrega-
mento : para o reatante a passageiros, para os
quaea tem ezcelleatea accommodaces, trata-se
com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, largo do
Corpo Santo, no eacriptorio, ou com o capito na
praca do commetcio.
Rio de Janeiro
o hiate Novees, primeira classe, forrado de co-
bre, novo, segu com brevidade por ter tratado
meio carregamento ; anda recebe alguma carga
e escravos a frete ; trata-se com os consignata-
rios Marques, Birroa & C, largo do Corpo Sanio
numero 6.
COMPAMIA PE BUCANA
DE
Navegado cosleira a vapor
Parabiba, Rio Grande do Norte,
Macau do Assu', Aracaty, Cear
e Acraeu'.
O vapor lguaran. commandante Vianna,
sahir para oa porloa do norte da aua escala at
o Acaraei no dia 20 do corrente mez a 5 horas
da tarde.
Recebe carga at o dia 19 ao meio dia. Eo-
eommendas, passageiros e dinheiro a frete at o
dia da taida a 2 horaa: eacriptorio no Forte
do Mallos n. 1.
Leilao
em
vea
Leiies.
Lisboa.
O brigue portugus Bella Figueirease, cap
lao Jos Ferreira Lesea, sahir com brevidade
por tar a maior parle de aeu carregamento prom-
po : para carga e paaaagairoa, para oa auaes
tem excallantes commodos : trata-te com F, S,
Rabeilo & Filho. largo da Atsembla n. 12,
LEILAO
A 17 do corrente.
Augusto C. de Abren far leilao pot interven-
5S0 do agente Oliveira, de nm inteiro artimeoto
de fazendas inglesas, aa mais proprias do mer-
cado e bem conhecidas de sens freguezes, a
qnem convida para
Segunda-feira 17
do correte, s 10 horas da manhaa, ao sea ar-
mazem, ra da Cruz do Resifa.
LEILAO
Segunda-feira 17 do corrente.
PELO AGENTE
mm
Terca-teira 1,8 do corrente as
11 horas em ponto.
Alerta Srs. trapicheiros e ven-
delhes que ao correr do
martello s&m limite olgum.
O agente Camargo fara' leilao por
conta e risco de quem pertencer do se-
guinte na ra da Senzala n. 12 :
50 barricas com se^rveja. *'
Vinho Bordeaux em barris.
Dito em caixa de l'duzia.
Cognac em barris.
Dito superior em caixa.
Vinho Xerez em barris.
Vinagre. *
Sardinhas em latas e meias latas.
No mencionado da as 11 horas
ponto, a elles Srs. trapicheiros e
delhSes que e sem limite algum, ao cor-
rer do martello. I
LEILAO
DE
Superior milho.
Quarta-feira 29! do corrente
Vender-se ha em porco de
10 saceos pata cima.
O agente Pettana far leilao de 100 saceos com
superior milho, no armazem Ido Forte do Mallo
do Illm. Sr. bario do Livramenlo : quarta-feira
29 do corrente, aa 11 horaa da manhaa.
LEILAO
DE
IVIMt.
Quarta-feira 19 do corrente.
0 agente Pinto far leilao a reqoermente de
Parale Vitnna 4 C. e por despacho do Illm.
Sr. juiz especial do eommercio das dividas acti-
van doa ausentes Manoel Joaquim de Oliveira &
C, s 11 horas de dia cima mencionado em sen
escriptorio roa da Cadeia n. 9.
Os papis e alguna documentos das referidaa
ditidta podero ser examinadas desde j* no es-
criptorio do referido agente das 9 as 3 a tarde.
Por muitas vezes se tem annun-
ciadoque somente se recebem assignatu-
ras deste Diario a 5#000 por trimestre,
sendo pago dentro de 15 dias do come-
90, mas acontece que alguns de seus
assignantes demorem o pagamento alem
daquelles dias, e se juiguem com direi*
to a paga-lo a dito precc- ainda mesmo
que falte meia duzia de dias para se
vencer o trimestre ; por tanto de novo
se declara que nenhum direito tem o
[subscriptor de pagar a subscripcSo a
seu arbitrio, e sim como est estipulado,
nao servndo de desculpa o nao ter sido
procurado, por quanto nenhuma duvi-
da ha em receber-se na liviana ns. 6 e
8, da praca da Independencia, por nSo
haverem tantos recebedores, quantos
seriam precisos para encontrar em
suas casaSj a alguns assignantes.
Grande laboratorio de la-
vagem.;
Oa dooos dos nmeros abaixo declarados po-
der mandar buscar que eslo promplos : 271,
87, 285, 283, 327, 274, 158, 116, 124, 239, 196,
176, 84, 69,156.
Um homem casado, astas conhecido uesla
cidade, e sua mulher, offerecem-te para entina-
ren) as primeiraa leltrsa, bordar, cozer, etc., a
qualquer pai ou paia de faimliaa do mallo, que
precisaren] de seus services; podendo affisnear-
ae o zelo, amizade e dedicarlo que afincada-
mente se empregar no tralamento e adiam-
ntenlo doa meninos e meninas que lhe |forem
confladns, mediante mui mdica paga, a que se
sujeitarao altelo suas precisoea: para se infor-
maren), da conduta e capacidade doa offerecidos,
poderao dirigir-se ao largo do Paraso, sobra-
do n. 26, onde lambem se contratar.
liOTMUA
Terca-feira 18 do corrente, andaro
impreterivelmente as rodas da ultima
parte da nona e primeira da decima
lotera da matriz da Boa-Vista desta
cidade, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora do Rosario .de S. Antonio.
Os bilhetes, meios equartos achara-
se a venda na thesouraria das loteras,
ruado Crespo n. 15 e as casas com-
missionadas. Os premios se rao pagos
I"a entrega das listas.
O tbesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
O-padre Joao Jos da Costa Ribeiro, substi-
tuto das aulas de latim deata cidade lecciona par-
ticularmente em sua cata no pateo do Carreo n.
16.
SO Dr. Ernesto Feliciano da Silva lava-
res, medico, poda ser procurado para o eV
exercicio de sua proQsaio : na ra da bbb
Praia u. 43, segundo aojar. S
*sMsflMtt3tn mmmvnmm
Roga-se ao Sr. capitao Manoel de
Souza Leao Jnior senhor do engenhc*
Gurjau', de nestet 8 dias sem alta,-
parecer na ra da Aurora n. 86, pri-
meiro andar, a negocio de seu interesi.
Aloga-ae o sotao do obrado da rea dor
Queimado que faz esquina para o becco do Peix
Frito: a tratar no terceiro andar do sesmo da
manhaa at as 9 horas e a tar Je das 3 horas era
diante.
Oa curadores Gscaea e depositarios da mas-
sa fallida de Jote Fernandea Agr convidara ae*
credores da referida massa, cujos ttulos forana
habilitados no referido processo para aprsenla
rem oa seus ltalos no prazo da 8 dias, aos abai-
xo assigoados, travesea da Madre da Dos arma-
zem n. 16, aOm de proceder-ae o dividendo daa
quanlia em deposito, visto para isto acharem-ser
autoriaadoa por despacho do Dr. juiz de direito
do eommercio.Ferreira & Martina.Barros &
Silva.
Os senhores abati declarados queiram ter
a bondade de virem a ra da Cadeia do Recif
n. 25, segundo andar, que se Ihes precisa fallar
a negocio de manhaa daa 6 as 8 horas e de tarde
daa 2 as 4.
Os san hores :
Vicente Ferreira da Costa Miranda.
Joaquim de Oliveira Maia (morador na Game-
laira/,
Joaquim Jos Botelho.
Joaqnim Milet Mariz.
Bernardino Dias Ferreira.
Joo Pacheco Alves.
Maooel Antonio Rodriguea Samico.
Joa Florencio de Oliveira e Silva.
Francisco Felesbioo de Carvalho Rapozo. -
Joaquim Teixeira Peixolo Jnior.
Franciaco de Paula Bornes Uchoa.
Bernardino Pereira de Brito.
Jos Chrisostomo de Almeida Cotia.
Jos Joaquim de Oliveira.
Antonio Teixeira Peixoto.
Alexandre da Cunha Coelho Catanho.
Agoalioho Ferreira Jnior.
Augusto Cesar Caroeiro da Mallos.
Francisco Avilla de Mondonga.
Joaquim da Silva Alves Ferreira.
Capitao Jos Marcelino Alves da Fooseca.
Luiz Moreira do Mondonga Jnior.
Bento Tupioanb.
Jos Das Alves do Quintal.
Francisco Joaquim Pereira Pinto.
Joo Filippe dos Santos.
Antonio Joaqnim Goocalves do Cabo.
Jos Ricardo de Lyra.
Jos Benlo de Souza.
Alerta Srsjmarcineiros e paes
de familia.
O ageste cima at leilao por conta
e risco de quem pertencer dos movis
abaixo declaradlo,ao correr do martel-
lo, na ra do Imperador n. 20, arma-
MOTSIS.
Terca-feira 18 do eorrente.
Costa Carvalho fara' leitao no da ci-
ma as 11 horas em ponto, em seu ar-
mazem aa ra de Imperador o. 55, dos
Attenco. $
Quarta-feira 19 do corrente, a &
1 hora da tarde, depois da au- |
diencia do Illm. Sr. Dr. juiz 0
municipal da segunda vara na 9
respectiva sala dos auditorios te-
r lugar a continuacao da arre- $}
matacao por venda dos bens se- f}
guintes : um sobrado de um an- $$
dar sotao n. 2 sito .na travessa ^
da matriz de Santo Antonio, $}
avallado em 10:0000, urna casa $}
terrea meia agua n. 1 sita 'na ffc
8 ra de S. Francisco ata liada &
em 400$, urna dita terrea n. 1
sita na ra do Arraial do Brum A
gfe avahada em 1:000,S', urna dita a
3* terrea n. 5 sita na mesma ra fjg
a avahada em :200,s e outra dita &
| terrea n. 5 sita na mesma ra em
fe avahada em 1:0000, situadas ga
*H estas tre> ultimas em terrenos a
tde marinha, cujos bens sao per-
tencentes au espolio do padre *
sjsk Jos Leite Pita Ortigueira, e vao t
S a praca a requerimento do tes* \
m tameoteiro e inventarante pa-
Sra pagamento de dbitos.
Club commercial.
A reuniao familiar do corrate mez lera lagar
aa noite do dia 22.
Urna pessoa que ae acha empregada. desoja
fazer para alguma easa commercial alguma aa-
cripturago, ou arrumar-te de caixeiro na mea-
ma: quem de seu presumo se quizer nlilisar, di-
rija-se a esta typographia, ou annuncie para ser
procurado.
Eduardo Fales, norte americano, parta para
o Maranhao.
Ensino de partidas
dobradas.
E ARITHMETICA
DIRIGIDO POR
Manoel Fonseca de Medeiros
Duas vezes por semana tercas e sextas
Das 7 as 9 horas da noite
Ra Nova n. 15, segundo andar.
Aluga-se o terceiro andar da caaa n. 48 d*
ra do Trapiche esquina do Corpo Santo.
Precisa-se de urna ama para cosiohar e com-
prar: na ra do Imperador, n. 37, segundo an-
dar, entrada direita.
Precisa-se alugar um sitio nss proximidades
desta cidade, na Soldale,Santo Amaro ou Mag-
dalena, quera tiver dirija-ae a ra da Cruz dea
Recife n. 38.
Quem preciaar de 7005000 ris com hypo-
theca em alguma casa, diiija-ae a praQa da Bca-
Vista loja de cera que dir quem d.
Ett para alugar-ae o segundo andar do>
sobrado o. 193 e casa terrea n. 191 da ra Impe-
rial : a tratar na ra da Aurora o. 36.
Contraria de Santa Bita
deCassia.
0 juiz e mais mesarios desta confraria convi-
dan) a lodos os seus irruios para que compare-
cara no dia 15 do correte as 4 1|2 horas da tar-
de paramentados com seus hbitos, a mesma
igreja, aflm de aasislirem a beneqo doa emble-
mas da sua padroeira que ae achara promptoa, a
igualmente ot reparoa indiapeoaaveit da igreja ;
bem como pedem tambera a todos oa mais func-
ciooarios das malrzes, cooveotos, contrarias e ir-
mandades para que se digoem ordenar, que na.
occasiao em que a nosaa igreja repicar anona-
dando esle acto, repiquem lambem. Em virio-
de do convite feilo pelos devotos da Senhor da
Piedade, alo convidados os nossos irmios para as
sislirem a festa eTe-Deum da mesma Senhora
no dia 16 do corrente.
Consistorio da confraria 13 de fevereiro da
1802.0 escrivao, Joao Pedro de Jess da Halla.
Festa de Nossa Se-
nhora da Piedade
Os devotos encarregados da festa da mesma
Senhora erecta na igreja de Santa Rita de Cs$i
tcieniilicam que a festa ter lugar domingo 16doa
corrente com ruissa solemne, aermo e Ii-Deum
sendo a muaica da composico do Sr. Colas eze-
cutada pela terceira vez intitulado Dogma dai
Inmaculada Conceico.Sao oradorea da testas
o Sr padre mestre Guilhermino doa Santos Mu
niz Tavarea e do Te Deum e Rvd. padre Lino do>
Monte Carmello : o Te Deum o da Senhora
Sani'Anna : roga-se a coocurrencia doa liis pa-
ra maior ezpleodor da festa.
Precisa-se da nma ama para todo sertic.
de urna caa : na ra da Roda n. it.
Perdeu-ae na noite do dia 13 do correte,
na ra da Imperatriz, urna pulaeire de ouro s
qnem a achar e entregar am dita ra, no prtaei-
ro andar do sobrado a. 43, ser bem recompeo-
aado.
Publicages do Iostituto Ho-
meopathico do Brasil.
TUESOLRO HOMEOPATHlfO
OU
VADE-flEClll DO IIOMFOPATHA.
(Segunda edicQo cosi-
deravelmente augmen-
tada,)
Diccionario popular de medicina ho-
meoBaihico
paite na.
SABINO 0- L. PINHO.
Continua as aetgnaluraa p*f esta obras
359000 em brochuaa ati aWaraira.
Ra de Santo Amaro (Mundo Noto) n. 6.



-vi:.. -
LM DE PERNAyBCO. -* SAMADO 1| DE PEVERB0 B* 18M.
Fabrica deespiritos na
ru^Direita o. 17.
Noste estabelecimento ha constantemente or-
timanto de todas as qualidades de espirltos, co-
no sejam, agurdente do reino, genebra, aniz.
licores de todas as qualidades, tanto Ocias como
rnais ordinarias, desde o prego de 240 at 2$ a
garrafa, espirito de vinho de subida graduado, e
sera o menor cheiro, proprio para qualquer com-
puiigo, sendo os procos os mais em eonta 4o
que em qualquer parle.
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso,Santos A G. acam e tomam
aa Aluga-se uro bom sitio com omitas arvores
da fruclo, bem como om bello jardim no lugar
urna boa casa para grande familia, pintada de
novo e forrada do papel, ao lado cocheir* para
carro, quarlos para pretos, atribua para quaro
ou seis ca vallo : quem o pretender pode dirigir-
se rus da Cruxdo Recife n. 3, para tratar.
Ensino de Iinguas
EM6MEZES
[italianolatim francez,
Pelo melhodo faeillimo
DO DOUTOR
I. WSMMm.
Rua do Queimado n. 26.
Ha para alugar um terceiro an
da r muito fresco na ra do Encnta-
la ento : a tratar na ra da Cadea do
Recife n. 33.
4tfSaiS6fie Q1M1BMMIM1M1M
*" I* El wn'.'m wi^ ih.v VUJV WtBW vrav vw WWW0M
SO dentista Nuraa Pompilio.8
i
Ra estreita do Rosario n. 22
primeiro andar.
Bota denles artificiaos por molas e li- 3
S gaduras e pela pressao do er. Systema *
8 americano sem arrancar as rsizes, e faz
todas as operacdes de sus arte, com
promplidao e limpeza.
ammmm mmm mmmm
rrecisa-se de urna ama forra ou captiva,
que saiba cozinhar, comprar e engommar: na
ra da Cruz do Recife n. 25, primeiro andar.
Joaquim Esperidio da Silva Guimares faz
publico que o Sr. Joaquim Gomes da Silva dei-
xoa de ser seu caixeiro desde o dia 11 de feve-
reiro do correte anoo.
Attencao.
o
D. Anna Francolina da Cunha viuva de Anto-
nio Jos da Cuoha avisa ao respeitavel publico
que Ihe est hypothecado desde o lempo de
sea finado marido por urna lettra o sobrado de
dous andares da ra do Livramenlo n. 33, per-
teocenle a Luiz Antonio Gongalves Ferreira coja
escriptura se acba livrada as notas do tabellio
Costa Monteiro e registrada pelo competente ta-
bellio e por cujo motivo pesso alguma nao po-
der fazer negocio com o dito sobrado sem que
satisfaga a importancia da dita lettra.
Saques sobre Portugal.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filbo satcan so-
bre Lisboa o Porto:: na largo do Corpo Santo,
escriplorio n. 19.
O 8r. Julio que teve botesjuim,
queira vir a-esta typographia, a nego-
cio. *
XWHM m M9SMWMKMMKM9
Dentista de Pars.
15Rua Nova15
FrsdericGautier.cirurgiodentista.fazj
todas as operaces da sua arta eolloear
I dentesirtificiaes, ludocom a superiori-i
dadeeperfaigioquea pessoasanlendi-i
das Ihereconhtcem.
Teaaigaae posdentifricios te.
MSLfiu
\
mmmmmm
mmx
rrecisa-ee de ama ama que saiba cozinhar com
perfeigao para urna casa de familia; a tratar na
*fst&^&^i;&
jfAl o liii. deste mez!
SiHE DO PHLO
o 1' volume
DO
Rovo metliodo pratieo thcorico |
PARA APRENDER .
A 1er, fallar, screver e
traduzir o francez
EM 6 MEZES
Segnndo o facinimo systema
allemao
Mtriaica de eslaieieen !|pfl)L|Jl[||{|[)/i\
melo. VailuiiJ.!llW
i
DO
RETRATOS
DE
NOVO GOSTO.
Retratos
Retratos
Retratos
Retratos
de
do
de
de
Hawleyotypo
Hiwleyotypo
Hawleyotypo
Hawleyotypo
Hawleyotypo
Ama.
Precisa-se de urna ama que compre e cozinhe:
a tratsr na ra Nova, loja franceza n. 11.
Attenco.
Urna pessoa com as precisas habililages so
propoe a ageociar qualquer cobranza de divida
tanto nesta praga como fora della, fazendo a sua
custa as despezas precisas, urna vez que as partes
a nao possam fazer, conforma o ajuste que se fl-
zer, percebendo por iito urna commissao mdi-
ca : na ra da Alegra n. 28 na Boa-Vista, ou
para iaformacoes com o solicitador Manoel Luiz
da Veiga.
AUM
Precisa-se do urna ama para o servigo interno
e externo para casa de um homem solteiro, pre-
ferindo-se urna senhora de idade e de boa con-
ducta : quem estiver estas circunstancias diri-
ja-se a ra do Rangel o. 39 ou a ra da Praia n.
36 A, que achata com quem tratar.
Manoel Lopes subdito porluguez retica-se
para fora da provincia.
Precisa-se de urna ama preferindo-se es-
crava para o servigo de urna casa : a tratar na
ra do Sol taberna n. 29.
Preciisa se de um ofiicial de bar-
beiro: na ruadas Cruzes n. 35.
Joao Guilherme Romer, armador de corti-
nados (oa ra do Hospicio n. 37) participa ao res-
peitavel publico que tem recebido excellentes
molduras douradas para cortinados de jaoellas,
tambem vende borlas, cordo, galleras e patera
de bronze que pertence aos ditos.
A festa do glorioso Santo Ama-
ro, ser celebrada com toda aso.
lemnidade devtda em sua capella
da Cidade Nova, no prximo do-
mingo 16 do coirente.
Aluga-se o armazem, Io e 2# an-
dar e sotao. da casa n. 60, da ra da
Cadeia do Recife, esquina do becco do
Capim : a tratar na ra da Cruz n. 65.
abaixo assignado faz saber ao respeita-
vel corpo do commercio e a quem mais possa
ioteressar que oesla data tem justa e contratada
a compra da loja sita oo Passeio Publico n. 11
pertencenle ao Sr. Firmiano Jos Rodrigues Fe
reir Jnior coin a nica obrigsgao de pagar o
que elle deve aos seguintes senhores : Barroca 4
Medeiros, Schapheitlin & C, Soulhali Mellor &
C Sauoders Brothers & C, Adamson & C, R-
be Chameteau, Linden Wild ft C e James Oa-
brelree roga pois a quem tenha direito a recla-
mar cootra a realisagao deste negocio apoareca
no pnso de tres das a contar de hoje para se de-
liberar como for conveniente. Recife 14 de fe-
Tereiro de 1862.
Joaquim da Silva Boa-vista.
Bernardo Fernandes Vianna vae a cidade
da Baha a negocio.

A commissao do Monts Fio Phflarmo- ey
0} nico, convida a todos os seus contribuin- %
fe les para reunidos em assembla geral no #
Sdia aeguoda-feira 17 do correte ser dis- #
cutida a reforma dos estatutos, que tem de ai
ay serem aabmetlidos a approvaco do Exm. Z
8 presidente da provincia, tendo lagar dita g
reuniao no consistorio da irmandade de m
ay Santa Cecilia as 10 horas da manba
-- As possoas que sao aerearas a loja de cal-
cado da ra doCabugn. 16 de Borle Jnior &
Martina, tonham a bondade* da rirem saldar s
auas cootar al o flra deste joez, que do contra-
aio proceder a eobraoca judicial visto j ter es
sotado todos os meioi amigareis.
novo gosto
doto gosto
novo gosto
novo gosto
nova iuvenc
nova invengSo
nova invencao
nova invencao
nova inven(o
Precos baixado para pouco
tempo.
Precos baixado para pouco tempo
Pregos baixado para pouco tempo
Precos baixado para pouco tempo
Pregos baixado para pouco tempo
3#000 5#000 10#000 20^000
3JO0O 5000 108000 20#000
3000 5JKD0 10000 20000
3JS0OO 5JO00 10/000 20JJ004
3JS0OO 58000 10j000 20000
Para retratos
DR. H. OLLENDORFF
POR
CICERO PEREGRINO.
Obra inteiramente nova e nica escrip-
ia em portuguez por esse systema ; ap-
provada pelo conselbe director de ins-
trugao publica desta provincia 2 volu-
8 mes 79.
Recebem-se assignaturas na ra do
K Queimado n. 26, primeiro andar.
mmvmmm mato mmmm
Altenc
o,
Saoates de borracha ainda nao vistos, cujos
chegaram na occasio de servir como preserva-
tivo para o cholera, e s os ha na ra da Impe-
ratriz n. 46, loja do Vianna.
Ensino particular.
Urna pessoa habilitada prope-se aleccionar
noite aos que se dedicam ao commercio, francez.
ioglez, grammatica portugueza, e arithmetica : a
fallar na ra do Cabug n. 3, segundo andar.
Na Iiyraris da praca da Iudependencia ns.
6 e 8, precisa-se fallar ao reverendo padre An-
tonio de Mello Albuquerque, capellao do exercito
que veio ha pouco de Therezioa do Piauhy.
r- OsSrs. Celestino Carlos Coelho Gaio e Ma-
ximiano Francisco Duarle teem cartas na ra do
Trapiche Novo n. 6.
O Dr. Rocha Bastos reside na ra da
Cruz o. 16, segundo andar, sonde pode
ser procurado para o exercicio de sua
proQssao.
Para retratos
Psra retratos
Para retratos
Para retratos
Explendido quadros dourados
Explendido quadros donrados
Explendido quadros dourados
Explendido quadros dourados
Explendido quadros dourados
Vende-se machinas para re-
tratos.
O Sr. Joao Chrisostomo Cavalcante que
morou na Soledade, e teve taberna na ra das
Aguas-Verdes e tem um filho na academia, ap-
parega na ra do Rangel n. 43, a negocio que
nao ignora.
O baixo ateigoado mudeu o seu eatahelecl-
mento de loja de fazsndas da roa DireUi n. 75
para a roa do Crespo o. 23.
Higino. Augusto de Miranda.
Real eng.ish boots.
Campos & Pereira beg to announce to their
oumerous friend and the public generally, that
they nave just received a small lot of Ladiea and
Genltemens Boots of the best english manufactu-
re, very suitable for Winter Wear, wbich they
are selling at Ihe following loo prices
Genttemena bes patent cowhide boota 10*000
por [Air.
Ladies very superior calf boots 70O0 or oair
N. 32Ra da Cadeia do Recife.
CONSULTORIO ESPECIAL HOBE0PATHIC0
no DOUTOR
n SABINO O.L PINHO.
Kuade Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os diaa atis desda aa 10 horas
t meio dia, acerca das seguintes molestias :
molutuu da, mulheret, moatiai das crian-
fas, molutuu da ptll; molettias do$ olhos. mo-
(Mitos syp\xlxtica$,toda$ at especies de febril,
fiorit xntirmxUtnttt 1 suas contequtnciat,
PHMACU ESPECIAL HOMBOPATHICA .
verdadeiros medicamentos homeopathicos pre-
parados som todas as cautelas necessarias, in-
ralliveisem seus effeitos, tanto em tintura,como
ac glbulos, pelos precos mais c'ommodos pos-
ilvais. r
N. B. Os medicamentos do Dr. StLino sao
anicamante vendidos em sua nharmacia ; todos
que o forem f ora della si o falsas.
Todasascarteiras o acompanhadas da um
impressocom um emblema em relevo, tendo ao
reaor aa seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
nano, medico braaileiro. Este emplema posto
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
as, Ascarteirasque nao levaremesseimpresso
tssim marcado, amboratenham na lampa o no-
ma do Dr. Sabino ao falsos
pasta m>
Para as provfhcias de Pernambuco, Parahiba, Rio
P .u- ^ Grande d<> Norte, Cear e Alagoas, a saber:
Folhmhade po-ta, contendo o kalendario, pocas geraes, nacionaes, das
ae galla, tabella de salvas, noticiis planetarias, eclipses, partida
de correos, audiencias, e resumo de chronologia, a ris .160
Dita com almanak contendo o kalendario, pocas, noticias planetarias
partidas dos correios, tabellas de imposto, etc. etc. e o almanak
cevil, judictano, administrativo, agrcola, commercial, e indus-
trial, desta provincia, a res......... ^qqq
Especial
j
FERREIRA V1LLCLV
RETRATISTA
DA
Vende-se
Vende-se
Vende-se
Vende-se
Gaixas
Caixas
Caixas
Caixas
Caixas
Todos
machinas para
machinas para
machinas para
machinas para
de lindos
de
de
de
de
lindos
lindos
lindos
lindos
venhain
retratos
retratos
retratos
retratos
gostos
gostos
gostos
gostos
gostos
ver
Todos venham ver
Todos venham ver
Todos venham ver
Todos venham ver
Vestidos pretos mais proprios
Vestidos pretos mais proprios
Para tirar retratos
Para
tirar
retratos
A. W. Osborne retratista ame-
A.
w.
ricano
Orborne retratista americano
Ruv do Imperador
Ra do Imperador.
S* >SWl*f ^v^sji^eSi.S^^f ^W^^^K SwM
O bacharel A. F. Trigo de Loureiro tt
continua no exercicio do seu magisterio 8
de preparatorios por casas particulares e S
collegios das 4 as 8.horas da tarde, para S
o que pode ser procurado, das 9 horas da tt
8* manha s 3 da tarde, no seu escripto- *
rio, na ra do Imperador n. 40. tf
9H* ^PW 3Bv~ S^w IR sRBWwRSWSbS H
Aos serradores.
Precisa-se de urna parelha de serra para des-
dobrar ama porcao de amarello e louro : os pre-
lendentes dirijam-se a travessa da ra da Con-
cordia a fallar com o Sr. Henrique Jorge. -
O S>r. Jos Alves Ferreira, que
morou ou mora, para estrada de Santo
Amaro da Salina: queira vir a esta tv-
pographia a negocio que Ihe diz respei-
to.
Precisa-se de urna ama para com
prar e cozinhar para urna pessoa: na
ra estreita do Rosario n. 21, primeiro
andar.



9
9

O bacharel Witruvio po-
de ser procurado na ra
Nova o. 23,sobrado da es
quina que volta para a
camboad (armo.
i
S
3
9a9fii999999#a>sB)
Aluga-se urna meia-agoa nos fundos da ra
do Nogueira por 8J0 mensalmente : a tratar na
raa do Quemado o. 71,
No dia 15 do correnle depois da audiencia
do Dr. juiz municipal da segunda vara, tem de
ir a praca a escrava Joaquina, idade 26 annoa,
servico domestico, penhorada ao Dr. Candido Jo-
s Casado Lima por execuco de Luiz do Franca
Souto.Eicrivao Athayde.
Nesta typographia, precisa-le fal-
lar ao Sr. Dr. Juvencio Alves da Sil-
va Bibeiro, que reside no Cabo.
Cavalhadas.
Convidase aos que quizerem correr cavalha-
das na ra da Prala noa diaa 2, 3 e 4 de marco
vindouro, a rirem ioserever-se na ra do Crespo,
loja o. 20 A, aflm de receberem ao depois o com-
petente cartao, qae deverSo apresentar ao mes-
tre no campo do arsenal de guerra, onde ae reu-
nir o esquadro todas as lardes as 3 horas: cer-
los de que sem o referido cartao ninguem pode-
ri incorporar-se ao mesmo esquadro.
Precisa-se alugar 3 pretas para vender na
(ata! a tratar na roa dos Guararapes n, 64,
5 Moleque.
Na ra da Cadeia Velha n. 52, lercei- !
ro andar, precisa-se de nm moleque de V
p de 15 annos psra cima, quem o tiver pa- gfi|
tk ra alugar dirija-se a referida casa.
O Sr. Joao Alves Ferreira, que
mora para Santo Amaro da Salinas,
queira dirijirse a esta typographia a
negocio que Ihe diz respeito,
-Aranaga, Hijo &.C. sacara sobre
o Rio de Janeiro.
I CICERO PEREGRINO, ba-
charel em direito, continua no
~J seu escriptorio de advocada, na
I ra do Queimado n. 2ti.
Saca-se qualquer quantis sobre Portugal e
liba de S. Miguel ; ns ra do Vigario n. 9, pri-
meiro andar, escriptorio de Cirvalho, Nogueira &
Companhia.
Lices de inglez.
Dao-se de noite no hotel francez ; a tratar na
ruada Cruz n. 1.
Aluga-se o grande armazem da ra Relia
n. 42-44 que_ servio de deposito de carvo do
Exm. Sr. Rarao do Livramento, margem do Ca-
pibaribe, muito proprio para cocheira ; quem o
pretender, dirija-se a ra do Crespo n. 7 A, loja,
que achara com quem tratar.
je O bacharel Americo Fernandes Trigo j4
O de Loureiro, advoga no rivel e no .cri- o>
me, podendo ser procurado para esse n
fim.no seu escriptorio na ra do Impe S
a rador n. 40, das 9 horas da manha as 3 l
8 da tarde.
nmmmmm mmmmmx
- Os abaixos assignados, avisam a
todos os devedoies da extincta firma de
Aranaga 61 Bryan, que se esta' acabando
de liquidar, tenham a bondade de vir
saldar seus dbitos dentro de 15 dias, na
ra do Trapiche Novo n. 6, e para os
que faltarem, serao tomadas medidas
caercitivas.
Aranaga Hijo & C.
Aluga-se o armazem da ra daSenzaa que
fica por delraz da loja da ra da Cadeia n. 18 : a
tratar na mesma loja.
O professor de msica Rodolpho
Eichbaum, discpulo do conservatorio do
Leipsic, acbase prompto a 'dar licoes
de piano e cantona : pode ser procura-
do na ra da Cadeia do Recife, loja do
Sr. Antonio Luiz de Siqucira, ou na
ra da Cruz n. 10, casa de Kalkmann
limaos & C.
Precisa-se alugar um preto, dando-se o
sustento, e paga-se mensal ou semanal, para o
servico desta typographia : na livraria ns. 6 e 8
da pricoda Independencia.
23 Ba da Imperariz 23
Pianos, msicas, afina-
ces e concertos.
J. Laumooier avisa a seus fregueses que tem
um bello aortimeoto de pianos dos melbores au-
tores, assim como msicas para canto e piano ;
enearrega-se de concertos e fioacoes dentro e
fora da cidade, por precia razoaveis.
Aluga-se a propriedade na ra da Casa For-
te n. 2, a qual tem commodoa bastantes, cacim-
ba e terreno no fundo : quem a pretender, diri-
ja-se a raa do Queimado n. 13.
Precisa-se alugar urna casa de doua anda-
res ou um andar grande com grande soto, no
bairro de Santo Antonio : quem tiver, dirija-se
prega da Independencia ns. 37-39.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
ra da Senzala Velha n. 48: a tratar na loja do
mesmo.
Florista.
Maris Joaquina doSanl'Anna, florista, residen-
te na ra da Roda n. 48, participa aoa senhores
armadores e a todas aa confrarias religiosas, que
se encarregade faxer com (oda promptido toda
e qualqner encommenda de florea de todaa as co-
res e qualidade, de papel, panno, velludo fro-
co : na mesma casa se enfeitam com todo aceio
t promplidao baodejts psra casamento a baile.
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Ba da Otbug n. 18, l. andar,
entrada pelo pateo da matriz.
Retratos porambrotypo, por melainolypo, so-
bro panno encerado, sobre talco, especiaos para
plcelras, alGnetes ou cassoletas. Na mesma
casa existe nm completo e abundante sortimento
de artefactos francerea e americanoa para a col-
locaco dos retratos. Ha tambem para este mes-
mo fim cassoletas e delicados alfloetea de ouro
de lei; retratos em photographia das principaes
personageos da Europa ; stereoscopos e vistas
stereoscopicas, assim como vidros para ambrotyp
e cbimicas photographicas.
-as&@es
Gabinete medico cirurgico.J
Ra das Flores n. 37. %
Serio dadasconssltas medicas-cirnrgi-#
cas pelo Dr. Eslevao Cavalcanti de Albu- SJ
querque das 6 as 10 horas da manha, ac- *J
0 cudindo aos chamados com a maior bre- s>
9 vidade possivel. u
! Partos. 2
2.* Molestias de pella. m
3.* dem do olhos. m
4.* dem dos orgos genitaes.
Praticartoda equalquer operago em
seu gabinete ou em casa dos doantes con-
forme lhes formis conveniente Z u ZTtZZ rV a,8aarem nonrar com a sua conhanco, em seu esa
*#<) sMAAs t S US' S8m excePa0 das 9 horas da manha s 2 da larde.
como seja o
que nao
\cumpre pre-
iaesquer, se
itajosos re-
iecem
ura,
buco
,at-
ro-
AGITADOR DYMHICO
DO DOUTOR
. L
Para a preparaco dos medica-
mentos homeopathicos.
__ Os medicamentos preparados por esta machina
sao os nicos, cora que se podem contar no cu-
rativo das molestias perigosas. E
CHOLERA MORBUS urna d'aqu
sdmiltem delongas e experiencias
ferir esses medicamentos a oulros
quizerem tirar da homeopalhia os
soltados que ella assegura.
Atham-se a venda crteiras e meiai carteiras
especiaes contra o cholera, acompanhadas das
competentes instrucedes, pelos presos ^onheci-
dos, na pharmacia especial homeopathica, ra
de Santo Amaro (Mundo Novo) n. 6.
N. B. Os homeos de bom senso recoo'
cortamente que sendo o Dr. Sabino a fonle
d'ondeemanou a homeopalhia em Terra
e em todo o norte, elle o nico immt
mente intereisado no seu crdito e no seu
gresso, e por conseguinte lao somenle oelle
que se pode encontrar garantas, quer em reta-
can applica;o da aciencia no curativo das mo-
lestias, quer em relagao preparaco dos me-
dicamentos.
Na pharmacia do Ur. Sabino trabalham cons-
tantemente debaixo de suas vistas immediatas,
nos tem pos ordinarios, dous empregados (um
brasileiro e outro francez quem paga ordena-
dos vantsjosos), os quaessao ajudados por miis
tres ou cinco pessoas, quando o servigo o exige,
na destillaco do espirito de vicho e d'agua, no
manejo das machinas, na desecar o dos glbu-
los, na disttibuigao das diluleoes etc., etc.
E' evidente que para o Dr. Sabino exercer a
homeopalhia, como geralmente a exercem, e
preparar medicamentos como por ah preparan?,
nem eram precisas tantas despezas com o pei-
soal.com machinas e com a obtensSo das subs-
tancias as mais puras possiveis, e nem tanta vi-
gilancia e trabalho na preparaco dos medica-
mentos ; mas elle nao te contenta com o bem,
queja tem feilo, dando homeopalhia a popu-
laridade de que goza: elle quer eleva-la alo
maior gro de perfeigo dando aoa seus remedios
a maior iofallibilidada possivel em seus effeitos
O Dr. Sabino nao aspira somenle os gozos ma-
teriaes da vida ; elle se desvanece em ler nos li-
vros estraogeiros que a sua propaganda em Per-
nambuco'Joi o brilhante que nao tem na Eu-
ropa ntnhuma analoga (JORNAL DE MEDICI-
NA HOMEOPATHICA DE PARS, tomo 4.. pa-
gina 691 ; e CONFERENCIAS SOBRE A HOMEO-
PATHIA, por Gronier, pagina 102); mas a sua
ambicao muito maia elevada ; ella se dirige a
legar as geracoes futuras um nome estimavel
pela gravidade e importancia dos seus servicos,
pela sinceridade de suas convieces, e pela fir-
meza do seu carcter.E' por isso, e para issb
que elle trabalha ; e trabalha muito
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia, prefere-se captiva : a tratar na loja da
victoria, ra do Queima do n. 75.
Acham-se por alagar o aegundo andar do
sobrado da ra eatreita do Rosario n. 34, assim
como o segundo andar do aobrado n. 2 da traves-
sa das Cruzes, ambos pertencentes a ordem ter-
ceira de S. Francisco : os pretendientes dirijam-
se ao irmo ministro o Sr. Aotonio Pereira de
Farias, pessoa nica competente na ausencia da
mesma para alagar. Secretarla IX de fevereiro
de 1862.O secretario,
Luis Manoel Rodrigues Valenca.
Precisa-se de um cosinheiro forro ou escra-
to ; no botequim da ra da Guia o. 3f.
Jobn Niclql, subdito ioglez, retra-ae para
forana provincia.
IiOiueiiiifliieo
Rua das Cruzes n. 30.
.k i"16 consu,Jlor10 Pde ser P'ocurado o respectivo propietario qualquer hora hsvenk
ah sempre grande sorttraento dos verdaderos medicamentos homeopathicosZiELmSliR
ns (as unturas) por Caullar Weber, o. ais acreditados pharmaCS RSlS^it
preparadores de remedios de homeopalhia. universo como
. <>proprieiario deste consultorio nio pretende, todava, que sejam os seus medicamentos
n a Itveis. porque nada ha nfallivel em fados humanos; nem Oo pouco superiores ,o que or
ni m M8S ?6aD5a que nelle n0 tfinci, e que o servico da preparaco corre
sasi szsa %s*s!r a *-- r**-sS v;
a. I!fl,,e consuhori ^am-se venda elementos da homeopalhia, acommodados intelliencia
tSrrz r presla-se ri[i&mm6 seu pr;p"eiari- cm ^S
APPOVACIO E AUTORISAC^O
DA
CUMPAS ME&ieittiS
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
DeEieardo Rirk
Para serem applicadas s partes afifectadas
sem resguardo nem incommodo
Com estas Chapas-electro-magneticas-epispasticas obtem-se urna cura radical e in-
ranivel em todos os casos de inammacao ( camay, ou falta de respirado ), sejam internas ou
externas.como do Bgado, bofes, estomago, ba5o, rins, ulero, pello, palpitado de coraco, gar-
ganta, olhos, erysipela, rheumatismo, paralysia e todas as affec^es nervosas, etc., etc Igual-
mente para as difterentes especies de tumores, como lobinhos escrfulas etc., seja qual foro sea
tamanhoe profundeza por meio da suppuraco sero radicalmente extirpados.
O uso dellas aconselhado e receiladas por habis e dislinclos facultativos, sna efficaia n-
contestavel, e as innmeras curas obtidas o fazem merecer e conservar a confianca do publico
que ja tem a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripio, tendo todo o cuidado
de fazer as necessarias expheacoes, se as chapas sao para homem, senhora ou enanca, decla-
rando a em que parte do rorpo existe, se na caneca, pescoco, braco coxa, perna, pe, ou tronco
do corpo, declarando a cicumfereneia: e sendo inchaces, feridas ou ulceras, o molde do sen
famanho em um pedago de papel e a declaraco onde existem, aQm de que as chapas seio da
torraa da parte affectada e para serem bem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas sero acompanhadas das competentes explicaces e tambem de todos os acces-
orios para a colloca^o dellas.
Consulta as pessoaeque o dignarem honrar com a sua confiaBca, em seu esariptorio, que
119 Rua do Parto ||!)
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
Para as encommendas ou informales dirijam-se a pharmacia de JosAlexandre Bibeiro,
rua do Qbeimado n. 15.
INTERMTO
DE
^Estabelecido no lugar da Capunga, um dos arrabaldes^
mais prximos da cidade do Recife.
DIRECTORO BACHAREL EM MATHEMATICAS
Este estabelecimefito de educacio e instruccSo principios a funecionar no dia
10 de aneiro, e continua a receber alumnos.
Os commodos, o asseio. asboas condicoes hygienicas dos edificios destinados
s func?5es do estabelecimento. a orde*m e regularidade do servigo no intrnalo, a
dedicagao e zelo que empregaro o director e os professores a bem do aproreiU-
meoto e progresso dos alumnos, sao circumstancias que devem animar e garantir aoa
paes de familias que desejam dar a seus lilhos urna educaco regular.
adeirus de ensino.
Primeiras lettrasdividida em duas classes, tendo cada urna o seu professor
portuguei, latim, francez, ioglez, arithmetica, algebra e geometra, geographia e
historia, philosophia, rhetorica, desenlio, msica, dansa e gimnstica.
Nos estatutos do intrnalo que esto a disposigo de quem os quizer ler, se
acbam consignadas as condicQoes de entrada.
Consultorio medieoeirurgco
vWiULYDX GLORI\ CAlSA. DO 13^B\0-3
Consulta por ambos os systemas,
Em consequencia da mudanga para a sua nova residencia, o propietario deste estabeleci-
mento acaba de fazer urna reforma completa em todos os seus medicamentos.
O desejo que tem de que os remedios do seu estabelecimento nao ae confundam com os de
nenhutn outro, visto o grande crdito de que sempre gozaram e gozam ;o proprietario tem tomado
a precaucao de ioacrever o seu nome em todos oa rtulos, devendo ser considerados como falsifica-
dos todos aquellos que forem apresentados aem esta marca, e quando a pessoa que os mandar com-
prar queira ter maior certeza acompanhar urna conta assigoada pelo Dr. Lobo Mosaozo e em pa-
pel marcado com o seu nome.
Outro sino : acaba de receber de Pranga grande porco de tincturs de acnito e belladona re-
medios estes de summa importancia e cujas propiedades sao lao conhecidas que os meamos'Srs.
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsos qur em tubos qur em tiocturaa custarao a 19 o vidro.
, O proprietario deste estabelecimento annuncia a seus clientes e amigoa que tem commodoa
suficientes para receber alguna escravoa de um e outro aexo doentes ou que precisem de alguma
bperagio, amaneando que serio tratados com todo o disvelo e promplidao, como aabem todos
aquelles que i tem tldo escravoa na casa do annunciante.
\ A situagao magnifica da casa, a commodidada dos banhos salgadoa sao outraa tantas vanta-
gens para o prompto restabelecimento dos doentes.
As pessoas que quizerem fallar com o annunciante devem procura-lode manha at 11 horas
e de Urde das 5 em diante, e fora destas horas acbasao em casa pessoa com quem ae podero en-
tender oa rea da Gloria o. 8 asa do Fundi. Dr. Lobo Moicoio.
-



DIARIO DI PERHAMlCO a* AMADO 1 DE PEVEREIRO DE 1861,
Companhia per nambaca-
na de vapores eosteiros
De ordem do conselho de direcqao sSo
convidados os Srs. accionistas da Com-
panhia Pemambucana a se reunirem
em assemble'a geral no dia 22 do cor-
reate, ao meio dia, na sala da associa-
caotommercial, para lhes ser presente
o relatorio e balanQO annual. Recie
14 de fevereiro de 1862.O gerente,
F. F. Borges.
Precisa-se aluga-r tres
pretas para vender na ra :
a tratar na ra dos Guarara-
pesn 64.
Belarmina Bezerra Cavalcanti e Domingas
liara da Conceicao, tendo comprado o bilhete n.
1565 da lotera que corre a 18 do correle e ten-
do-o assignado no rerso, foi o mesmotiilbele dc-
sencaminhado ; porisso previaem ao Sr. thesou-
reiro que o nao pague seoio as aonuociantes,
moradoras na ra Bella n. 14.
D. Isabel Mara Cavalcanti Wanderley faz
aerete ao respeitavel publico que os beos que e
acham em poder de Bento Aotunes de Olireira
Liberal Gao estao sujeitos diridas de pessoas
arlgumas cenlrahidas pelo mesmo Sr. Bento, por
quaoto petteoce a abano assigoada, sim dei
os ditos bens para serrir a minha filha, casada
cora o mesmo senhor ; e para constar fiz este
nnuDcio por mim assignado. Engeobo Fortale-
za 8 4e evereuo de 1862.
Isabel Hara Cavalcanti Wanderley.
GRANDE DEPOSITO
DE
AUengo,
loa m fhmm
* DO
Barbalho (Cabo.)
41-RUA DO IMPERADOR-41.
Neste deposito existe grande qnanlidade de louca e de todaa as qualidades, o que se pode
desejar de bem fabricado e de boa qualidade de barro, com a "propriedada de conservar a agua
aemprefria, como sejam jarra., restriadorea, muringues, quartiabas, garrafas, copos para agua etc.
De obras vidradas.
Tem ricos vasos para flores, talhas, alguidarea de todos os tamsnhos, assadeiras, boioes
com lampos esem elles, paoellas para bater-ae bolos, escarolas, enfuzas, frlgideiras e muitas ou-
tras pecas que seria eofadonho mencionar.
O proprietario desta fabrica a primeira deste genero entre nos espera obter do respeitavel
publico animaco e concurrencia e para conseguir esse fim vende a sus louca mats barata do que
at aqui se venda nesta cidade.
Aprompta qualquer factura para exportar, alm dos precos commodos porque vende d 10
por cento de abate para quem comprar de 1009 P>ra cima e dessa quantia para menos erao 5
por cento.
Qualquer encommenda pode ser entregue no deposito da fabrica ra do Imperador n. 41.
e vidraceiro.
Grande e nova oflcina.
Tres partas.
31Ra DireitaSI. j
Neste rico e beti montado estabelecimento en-
contrarao oa freguezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS que rivalisam com o Jacaranda.
BANHEIBUS le lodos os tamsnhos.
SEyCUPlAS dem dem.
BALDES idem idem.
BACAS idem dem.
BAHUS dem dem.
FOLHA em cairas de todas as grossuras.
PRATOS imitasdo em pereicao a boa porcel-
laoa.
CHALElRASdetodas as qualidades. /
PANELLAS idera idem. /
COCOS, CANDIEIROS e flandrea para, qual-
quer sorlimento.
VIDROS em caixas e a retalho de todos os ta-
maodaodo-semaohos,' botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se encommendas de qualquer oatu-
reza, concertos, que tudo ser desempenhado
contento.
Taberna.
Precisa-se de urna .ama forra ou captiva que
seiba coziobar, comprar e eogommar : oa ra do
Imperador n. 17, primeiro andar.
AtteiNjo.
Una pessoa com as precisas babiltsces se
propoo a agenciar qualquer cobranza de divida
pelos sertes, Asan, Riacho de Porcos, Villas de
Pombal, Calle, Calc, e todo Serid, Serra do
Teixeirs, cidado do Martina, etc., a qual tem
muita influencia por estar a par dos raelhores
meios para fazer ditas cobrancas e ter estrellas
relaQes com es priucipaes pessoas de ditos lu-
gares, com a particularidade que recebe gados,
animaes, trras, etc., e fazer os pagamentos a di-
nheiro, conforme o contrato feito eotre as partes:
se informar dos Srs. Joaquim da Silva Csslro,
Santos Noves, Mooteiro & Lopes, FerrSo, etc.,
quedirao qual a pessoa, onde habita, e sua con-
ducta.
Sao rogados os seohores Jos Florencio de
Oliveira e Silva, Manoel Jernimo de Albuquer-
que, e Lucio Alves de Oliveira e Silva a compa-
recerem ioja n. 30 B da ra do Grespo.
A sbaixo assigoada, professora particular
autorisada pelo governo, faz saber aos pas de
suas alumoss e a quem mais possa interessir,
que se acha aberta a matricula de sua aula para
o ensino das disciplinas quecompem o curso de
xnstrucce primaria do sexo femenino, residen-
cia na casa n 68 da ra da Soledade.
Thereza Guilbermina de Csrvalho.
Precisa-se de urna ama para cozioha e mais
nlgum servido de casa de familia : na ruada So-
ledade, casa terrea n. 68.
Ao commercio. *
Urna pessoa que escreve bem, traduz aslinguas
franeeza e ingleza, e aabe arithraelica, ofierece-
se para escrever em algum escriptorio commer-
cial : a fallar na ra do Cabug o. 8, segundo
andar.
Ensino particular.
Urna pessoa que tem habilitares pratica de
ensino, prope-se a tomar ligues em casas parti-
culares, de francez, inglez, grammatica portn-
gueza e primeiras letras : a fallar na ra do Ca-
bug o. 3, aegundo andar.
Os cu radares scaes e depositarios da massa
fallida de Miguel Gomes da Silva,' convidara aos
credores da referida massa, cajos ttulos foram
habilitados no referido processo para apresenta-
rem osseus ttulos no pra'zo de 8 das aos abaiio
assignados, travessa da Madre de Dos, armazem
n. 16, flra de proceder-so e divideodo da quan-
tia em deposito, visto para isto acharem-se aulo-
risados por despacho do r. juiz de direito do
commercio.
Vende-se urna taberna muito afreguezada para
o mar e para a trra, no Forte do Mallos, ra
do Codorniz n. 4 : a tratar na mesma.
SYSTEIA MEDICO Hu) EL LO WAV
PILULAS HOLLWOYA.
Este inestimavel especifico, composto intetra-
mente de hervas medicinaes, nao contera mercu-
rio nem algumaoutra substancia delecteria. Be-
nigno mais tetra infancia, e a compleigao mais
delicada, igualmente prompto e seguro para
desaneigar o mal na corapleigao mais robusta';
entecamente innocente em suas operagoes e ef-
feitos; pois busca e remove as doencas de qual-
quer especie e grao por mais antigs e tenazes
que sejam.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam (s portas da
morle, preservando em seu uso conseguiram
recobrar a saude e forris, depois de haver tenta-
do in ultmente lodos os oulros remedios.
As mais afilelas nao devem entregar-sea des-
esperado; facara um competente ensaio dos
efficazes effeiios desla assombrosa medicina, e
prestes recuperarlo o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
para qualquer das seguales enfermidades;
Compras.
Compra-se moedas de ouro de
20)5:000, na ra Nova n. 23, Ioja.
Compram-ce acedes do novo banco de .Per-
nambuco ; oo escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo, escrip-
torio n. 14.
Compra-se moedas de 20$ i ni Ioja da sua
do Queimado n. 46.
Compra-se a overtura Zioelta para piano
impresso oa manuscribi do maestro Auber na
ra estrella do Roza rio n. 31.
Moedas de ouro.
Compram-ae moedas de ouro de 209 e 10$ com
cambra : na ra da Cruz do Recie n. 50, pri-
meiro andar.
Compra-se urna preta de 16 a 18 anoos de
idade, que seja sadia e nao leona vicio : na ra
do Jardim n. 42.
Compra-se um arreio para cavallo de ca-
briole^ eem poueo uso, preferiado-se ser ame-
ricano ; na ra Nova, escriptorio dos Srs. Quin-
teiro & Agr.
Venda*.
Vendem-e garrames com vinagre a lg-200
cada um, veas de s per mace te a 760 a libra, e em
caia se far algum abate, espirito de vinho a
15600 a caada, e 280 a garrafa : nos estabele-
cimentos de Joaquim da Silva Costa & C, ra
das Cruzea n. 42, junto ao sobrado do Sr. Figuei-
roa, e na ra larga do Rosario o. 50, esquina que
volta para a ra eatreila do Rosario.
Attenco*
i
Vendem-se duas moradas da casas assobrada-
das, feitas ha pouco, de lijlo, em chaos foreiros,
na villa do Cabo ; vende-se muito em conta : a
fallar na mesma villa do Cabo com Sebastio An-
tonio do Reg.
KRUASOEIMBQ N46
PAt>hhGEMI)E20iTIMEIlTo1ffl^
Sorlimento completo de sbrecasacos de panno a 259, 28$, 30$ e 35$, cosacos muito bem
taitas a 25$, 28$, 30$ e 35$, paletota acasacados de panno preto de 16 at 25$, ditos de casemrra
de cor a 15$, 18$ e 20$, paltols saceos de pannoecasemira de 8$ al. 14$, ditos saceos de alpaca
m erin la de 4$ at 65, sobre de alpaca e merino de 7$ at 10$, caigas pretas de casemira de
8$ al 14$, ditos de cor ae 75 at 10$, roupas para menino de todoa os tamaohoe, grande sorli-
mento de roupas de brins como sejam caigas, paletots e colletes, sorlimento de c'olietes pretos tit
setim, casemira e velludo de 4$ a 9$, ditos paracasamenlo a 5$ e 6$, paletots brancos de bra-
mante a 4$ e 5/, caigas brancas muito finas a 5$, e um grande sorlimento de fazendaa fina s e mo-
dernas,-completo sorlimento de casemiras ioglezas para hornern, menino senhora, seroulas de
linho e algodao, chapeos de sol de seda, luvas de seda de Jouvio paro hornera e senhora. Te-
mos urna grande fabrica de alfaiate onde recebemos encommendas de grandes obras, que pnr
isso eatS sendo administrada por um hbil Diestro de ss-melhante arte e um pessoa 1 de mais de
cineoenta obreiros escolfcidos, portento ezeculamos qualquer obra com promplidio e mais barato
do que em oulra qualquer casa.
Vende-se doce degoiaba
em calda.
Em barra ou em libras proprio para mimos a
tratar na Ioja ao p dj arco de Santo Antonio.
Grande pechincha
Superiores paletos de pao preto muito fino,
obra muito bem feita pelo baratissimo prego de
20$000 ris na ra do Queimado n. 22 na bem
conhecida Ioja da Boa F.
Mautas de retroz.
Vendem-ae mantas de retroz para grvalas a
500 ris na ra do Queimado o. 22 na Ioja da
Boa F.
Carro e cavadlos
Urna pessoa que se vae retirar desta
provincia vende um elegante carro
americano de bonito modelo, feito por
encommenda, com pouso uto, com 4
asientos e 4 rodas de sobrecellente ; as-
sim como urna boa parelha de cavados
novos, junto ou separadamente: a ver
e tratar no sitio do Sr. Amorim estrada
de Joao Fernandes Vieira ou na ra da
Cruz n. 4.
para anjos.
Vendem-se na ra da Senzala Nova n. 30, cai-
zinhas com doce por prego commodo, recommen-
daveis para os aojos de procissao.
Taverna.
Vende se urna taverna muito afreguezada para
o mar e para a trra no Forte do Matlos ra do
Codorniz o. 4 a tratar ns mesma.
Vende-se o engenho Timb, na comarca de
Nazareth, com boas varzeas de canna e boas ma-
tas, a dinheiro ou a pagamentos com boas firmas:
os pretendentes dirijam-se ao engenho Santos
alendes, na mesma comarca, a tratar com o seu
proprietario.
Vende-se ou arrenda-se um bom engenho
perto desta praga : a fallar com Joaquim Teixei-
rs Peixolo, na ra dos Pires n. 58.
Vende-se ums pequea cata terrea na ra
da Alegiia n. 18 : quem a pretender dirija-se a
ra Direita n. 43, segando andar.
Accidentes epilpticos
Alporcas.
Araplas.
A reas ( mal de)
Asthraa.
Clicas.
Convulses.
Debilidade ou extenua-
do.
Debilidade
ou falta de
SU-"
ELIXIR DE SALDE
itroiactato de ferro
armazem de fazendas
DE
Santos Coelho
Hua do Queimado n. 19.
Lepgoes .de bramante de linho a 3S.
Coberlaa de chita finas a 2$.
Ditas a prego de I58OO.
Cambraias pretaa muito Qnaa.
Colchas de fustio muito lindas a 6$.
Esleirs da India de 4, 5 e 6 palmos de largo,
propnas para forro de cama e salas.
Leogoes de panno de lioho fino a 2$.
Algodao monstro a prego de 600 ra. a vara.
Toalbas de lioho para mesa s 4$.
Ditas de fusto para raaos, cada ama 500 rs.
Baldes para meninas.
Pechincha
Hollanda preta a 100 rs. o covado, propria pa-
ra forro de qualquer obra : na ra do Queimado
numero 19.
Vende-se urna escrava crioula, de idade de
25 annos, cose, cozioha bem o diario, e eogomma
liso ;- oa roa Direita n. 3.
Leotillas de primeira qualidade, legume o
mais lave no estomago, veode-se na ra Novan.
22, muito barato.
Vendem-se magias aovas chegadas no ul-
timo navio a 3$, macarr&o, taiharim e aletria a
4$, tendo cada caixa mais de 20 libras: no ar-
masen do Anoes, defronte da nlfaqdega o. 2.
13oleo de^oito nu botica de Joaquim Martmuo
da Ctux Crrela., ra do Cabug n. \V,
em Peruambueo.
O Dr. K. Thermes (de Chalis) antigo pharmaceutico aprsenla boje urna nova prenaragao
de ferrocom o nome de elixir de cilro-lactato de ferro.
Parecer ao publico um luxo empregar-se um mesmo medicamento debaixo de formulas lio
variadas, mase hornero da sciencia comprehende anecessidade e importancia de urna tal varie-
dade.
A formula um objecto de muita importancia em therapeutica; um progresso immenso,
quando ella, manteado a esseacia do medicamento, o torna agradavel, fcil e possivel para todas as
idades, para todos os paladares e para todos oa temperamentos.
Das numerosas preparages de ferro at hoje connecidas nenhuma rene lio bellas qualida-
des como o elixir de citro-lactacto de ferro. A seu sabor agradavel, rene o tomar-se em urna pe-
quea dose, e ser de urna prompta e fcil dissolugso no estomago, de modo que completamente
assimilado; e o nao produzir por causa da lactina, que .contera em sua composigao, acooslipagaode
veotre frequeotemeole provocada pelas outras preparages terroginosss.
' Estas novas qualidades em nada alteram a sciencia medicamentosas do ferro, que sendo urna
substancia da qaal o medico se nio pode dispeusaa em sua dioica, de incomparave! utilidade
qualquer formula quelhe d propriedades taes, que o pratico possa prescrever sem que coBseguio o pharmaceutico Thermes com a preparagao do cilro-lactaclo de ferro. Assim este
medicamento oceupa hoje o primeiro lugar aire as numerosas preparagdes ferroginosas, com o
atiesta a pratica de muito mdicos distioclos que o tem ensaiado. Tem sido empregado como im -
menso preveito as molestias de laoguidez( calorse pallidsa cores ) na debilidade sunsequente as
hemorrhagias, as hydropesias que apparecem depois das intermitentes na incontinencia: de urinas
por debilidade, as perolas brancas, na escrophula, no rachitiemo, na purpura heraorrhas^ca, na
coovalesceocia das molestias graves, na chloro anemia das muiheres grvidas, em todos os casos
em que o saogue se acha empobrecido ou viciado pelas fadigas, atTecoes ebronicas, cache'iia tuber-
culosas, canerosa, svphililica, excessos venreos, onanismo e aso prolongado das precaages mer-
curiaes.
Estas enfermidades sendo mui frequentes a sendo o ferro a principal substancia de que o
medico tem de langar mi para as debelar, o autor do citro-lactato de ferro merece louvores e o
recoohecimento da humanidade, por ter descoberlo urna formula pela qual se pode sem rece
do ferro.
Rival
sem segundo.
. Na ra do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, est disposto a vender tudo por prego que
admirs, asiim como seja:
Frascos de agua de lavande muito gran-
des a 800
Saboneles o meihorque pode haver a 320
Ditos grandes muito finos a 160
Frascos com cheiros muito fiaos a 500
Ditos ditos muito bonitos a
Garrafas de agua celeste o melhor a
Frascos com banha muito superior a
Ditos dita de urgo floissima a
Frascos de oleo babosa com cheiro a
Ditos dito dito a
Ditos dito nito a
Ditos para limpar a cabega e tirar caspas a
Ditos dito philocome do verdadeiro a
Ditos com baoha transparente a
Ditos com superior agua de colonia a
Dita, fraseos grandes a
Frascos de maca- oleo a
Ditos de opiata pequeos a 320 e
itos de dita grandes a
Tem um resto de lavande embreada a
Liooi braoca do gaz a 10 rs., e tres por
dous.e fioa a
Dita de carteo Pedro V, com 200 jardas a
Dita dilo dito com 50 jardas a
Carreteis de linha com 100 jardas a
Duzia de meiascruas muita eocorpadas a
Dita de ditas muito superiores a
Dita de ditas brancas para senhora, mui-
to finas a
Vara do bico da largura de 3 dedos a
Dita da franja para toalba a
Groza de botos de louga braocoa a 120
Duzia de phospboros do gaz a 240
Dita de ditos'de vela muito superiores a 240
Pegas de fita para cs de todas as lar-
guras a 320.
CARTOES
DE
VISITA
DE
10 Car loes de visita de novo gosto
0 Cartoes de visita de novo gosto
Carioca de visita de novo gosto.
Urna duzia por 16#000.
Urna duzia por 16g000
Urna duzia por IfifOOO
Urna duzia por 16f000.
Retratista americano.
Retratista americano
Retratista americano
Retratista americano.
Ra do Imperador.
Ra do Imperador
Ra do Imperador
Roa do Imperador.
Vende-ie um escravo de nacao,
moco, ladino, sem achaques, nem de-
feitos, o qual sabe tratar de mesa : na
ra do Imperador, a fallar com o te-
en te-coronel Barata.
Vende-se urna porca com 5 leitoas. muilo
lia rato ; oo lugar daa Barreiraa em Olinda.-
Febrelo da especie.
Gotta.
Hemorrhoidas,
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Inflammacoes.
Irregularidades de
menslruagao,
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.j
Manchas na cutis,
Absirucgo d venie.
Phtysica ou consump-
c,ao pulmonar.
Retenrao de omina.
Rheumatismo,
Symplomas secundarios.
Tumores.
T-co doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
torgas para qualquer
cousa. *
Desinleria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidade no entre.
Ditas no ligado.
Dilas venreas.
Enchaqueca.
He.ysipela.
Febre-biliosa.
Febfe intermitente.
Vendem-se estas pilulas
geral de Londres n. 224, Strand,
de todos os boticarios droguista e euli
encarregedas de sua venda em iuaa
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocelinhas a 800
urna dellas contem urna instruegao
guez para explicar o modo d se usar destas pi-
lulas.
O deposito geaal em casa de Sr. Sourn
na ra da Cruz n. 22 em Per-
no estabelecimento
e na Ioja
as p<"co*c
America
rs., cada
em portu-
pharmaceutico,
nambuco.
REMEDIO INCOMPRAVEL
UNGENTO HOLLOWA
Milhares de individuos de todas as nac5ei
podem testemunhar as virtudes desteremedio
incomparavele provaremeaso necessario, que,
pelo uso que delle fizeram temlseueorpo*
membrosiuteiramentesaosdepoisde havar em-
pregado intilmente outrostratamantos. Gadi
pessoa podgr-se-haconvencer dessascuras ma-
ravilliosas palaleilura dos peridicos, quelh'ai
relatam todos os das ha muitos annos; a
maior parte dellas sao lo sor prndenles qu*
admiram os mdicos mais celebres. Quantai
pessoas recobraram com este soberano remedie
o uso do seusbracos e pernas, /depois dedar
permanecido longo tempo nos hospitaes,o tti
deviam soffrer a amputarn 1 Dallas ha mui-
cas que'iavendo deixado esses, asylos depade-
timenlos, parase nao submeterem aessaope-
ra^ao dolorosa foram curadas completamente,
mediante o uso desseprecioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfuso de seu reco-
nhecimento declara ram estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, afimda maisautenticai/em sua afirma-
tiva. /
Ninguem desesperara do espado desaude st
tivesse bastante eonfianja paral encinar este re-
medio constantementeseguindp algum tempo o
tratamenlo que necessiasse a natureza do mal,
cujo resultada seria provar i ncontestavelmente.
Que tudo cura. [
Ounajaento faeulil, mais particu-
larmente nos seguintes casos.
Inflammago da[bexigi
Alporcas
Gaimbras
Callos.
Aneerof.
Cortaduras
Dores de cabeca.
das costas.
dos membros.
Enfermidades da culis
em geral.
Ditas de anus.
Erupces escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falla de
calor as extremida-
des.
Frreiras.
Gengivas escaldadas.
Incbaces.
nflammacao do figado.
Vende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 344, a Strand e na Ioja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana e Hespanha.
Yende-se a 800 rs., cada bocetinha conten
urna in8lrueco em portugus para explicar o
modo de lazar aso deste ungento
O deposito geral em casa do Sr. Sourn,
pharmaceutico, na roa de Cruz n. 22, en
Per nambuco.
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peilos.
de pinos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmojes.
Queimadelas,
Sarna.
SupuracSes ptridas.
Tinha, \ em qualquer
parle que seja. ,
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das aruclaces.
Veias torcidas ou
das as pamas
no-
AA Ia^%% #
-- Vende-se urna esersva de idade de 30 an-
nos, pouco mais ou menos : no pateo do Correo,
sobrado numero 13.
Loja do viado,
RuaNovan.8.
Nova loja de miudezas con-
fronte a camboa do Carmo
Grande sortimento de objectos finos pa-
ra no i vas, como bem :
Ricas capellas brancas o que se pode encontrar
de mais moderno, e o mais delicado que ae pode
dar, pois quem as vir nao deixar de comprar to
delicada obra, e por baratissimo .preco vista da
qualidade, ricos lencos de linho e algodao todos
bordados, de apurado desecho, e pelo prego ci-
ma o comprador, ricos jarros de porcellaua para
adoros desala, mui delicidas meias de seda pa-
ra senhora a 29 e 38 o par, bicos de seda com
vidrilbo e sem vidrilho por baratos precos, frsnja
de seda de todas as cores e larguras, ditas para
cortinados mui largas e delicados gostos a 3$5C0 a
peca, ricas caixinhas de marisco proprias para
dadiva a 8$, camisas bordadas para senhora, ul-
timo gosto, a 8 cada urna, guarnicoe Para se~
nhora, camisas e manguitos c* c""a um8i 8*
linhas a croch B" "ora a 2) cada ums, ri-
cos leauo. *" madreperola pelo diminuto prego
o 149 cada um, bandos de dios para senhora a
500 rs. o par, que em oulra parte Ift; e outros
muitos objectos que vista dos compradores cao
se engeita dinheiro.
Loja do viado.
Nova loja de miudezas, perfumaras, e outros
objectos tendentes a miudezas, como bem :
Mui Boas escovas para fado pelo baratissimo
prego de 1$ cada urna, pois quem as vir nao dei-
varS de comprar, ditas muito Anas para cabello a
1#. 1500, 29 e 39, ditas muito finas para deotes
a 240, 320, 400 e 500 rs., opiata iugleza o que
mais tem approvado para eooservaco dos dea-
tes a 19500, pos de arroz em caixiohas com sua
escovioba a 19, dilo dito sem escovinha a 500 rs
de Rrsca, camisas frsncezas brancas e de cores
a I95OO e 29, ceroulas francezas de linho e algo-
dao por baratissimos precos, que avista dos com-
pradores na se engeita dinheiro, e outros ob-
jectos por menos 10 0)0 do que em outra qual-
quer parte. Este novo estabelecimento toroa-se
bem conhecido para as pessoas que quizerem
mandar buscar amostras, por Qcar bem confronte
camboa do Carmo, e ter um lindo viado na ta-
bule la.
Rival
.sem igual.
36 Larga do Rosario 36
Uascaras de cera boas a 640
Ditas de massa a 480
Carreteis de linha de cores e brancas a 30
Ditos de dita branca de 200 jardas a 60
Agulhas curtas com toque a 40 rs., e
limpas a 60
Cartoes de colchetes roiudos a 40
Ditos de ditos maiores a 60
Missangas miudas (macinho) a 160
Pegas de tranca de caracol de la deco-
res com 13 e 15 varas a 160
Duzia de meias para senhora a 2J500
DUas cruas para homcm a 2J400 e 3)000
Linhas do gaz pretas, braceas e de cores a 30
Caluogas de porcellana com 6 pollegadas
para cima de mesa a
Jarros de dita pequeos, um por
Traoca de seda cor de rosa, a vara
Dita dita de diversas cores a
Filas de velludo de cores a 200, 800 e
Toucas de la para seohora a
Apparelhos de pao, loica, e folha
de 240 a
Franja de seda a 320 e .
Pecas de bico estreitioho com 20 varas a
Enfeites moderaos muito boas a
Golliohas de traspassocom botao a
Alem destas miudezas, esta loja conserva sem-
pre um bom sorlimeato e por baratos precos.
Farelo de Lisboa.
Vendem Oliveira & Carvalho, na travessa da
Madre de Dos a. 5.
Grande pechincha na
arara .
Venden, se cortes de chitas francezas com 14
covados, com pequeo toque de cupim, pelo ba-
rato preco de 2g o corte, ditas para covado a 160
e 200 rs. o covado, fil de linho lavrado muilo
Ano a I92OO a vara, manguitos e Rolla de linho a
29500, gollas com bolozinho a 640, ditas de traa-
passo a IJ, cortes de cambraia de babadoa ajf e
3|500, cortes de fustao para caiga a 1120, ditos
de brm a Ig, 19280 e lgr300, cobertores de algo-
dio a 19, ntremelos e tiras bordadas a 19 a pe-
a,colchas de crochet a 89,ditas de fusto a 59 e
ratriz, armazem e loja da arara n. 56, de Muga-
bas* & Mandes.
Vende-ee urna taberna com poucos fondos,
muito proptia para principiante, oa povoscio do
Bario : qtem a pretender, dirija-se ao mesmo
lugar, plisando a ladeira.
t na loja do pavao, roa
dalmperatrfz n.60,
de Gama Silva,
vendem-se fazeodas pelos precos seguintes: mus-
sulioas braocas com 4 1|2 palaos de largura, co-
vado 200 rs., chitas escuras com pequeo toque
de mofo, covado 140 rs., ditas matizadas a 160,
corles de chitas escuras e alegres, fazenda fias a
2600, chitas francezas finas, o covado a 240,
260. 280, 300 e 320 rs., laazinha de quadros para
vestidos, a 280 e 400 ris o ovado, cassas in-
glerinhas de quadros pera veatidos, covado a
260. 280 e 300 rs.. ditas garibaldiuas, fazenda
muito Bna a 320 o covado, saias bordadas, fazen-
da muilo fioa a 3J e 4g, dilas com arcos de cor-
do de lioha que fazem as vezes de balao a 39200
e 49, ditas de madapolao francez, bales os mais
bem feitos que tem viado, pelo diminuto preco
de 39, 39500, 4 e 59, pegas de cambraia lisa mui-
to fioa a 2j e 29500. ditas cora tO jardas, fazenda
fioissima, a 3g, 3J500, 4 e 59, meias pretas de
seda para seohora al) o par, ditas brancas de
algodao para andar em casa a 200 e 240 rs., e
outras muitas fazendas que se vendem por precos
baratissimos, e de todas se dio as amostras dei-
xando penhor, ou nfaodam-se levar em casa dos
freguezes que quizerem comprar : na loja da ra
da Imperatnz o. 60, de Gama & Silva.
Brilhantinas americanas.
Vende-se brilhanlioa americaoa com liodissi-
mss cores, sendo fazenda ioteirameoie nova e
moderna de 4 1|2 palmos de largura a 400 rs. o
covado: na ra da Imperatriz 0. 60, loflbdo
pavao. ^r
Moirantique.
Acaba de chegar pelo ultimovapor francez es-
ta fszeoda de se Ja com o nome' de moiraotique,
sendo de varias cores e branca, propria para ves-
tidos de noiva, e vende-se por preco baratissimo
s na loja do pavo, ra da Icoaratriz n. 60.
Pannos a 1^600.
Vende-se panno preto e dilo cor de caf, fa-
zenda muito encorpala a I96OO o covado para
acabar: na roa da Imperatriz o. 60, loja do pavao
Chales pretos a 3$.
Veodem-se chales de fil pretos muilo grandes
e finos, fazenda que semprese vendeu a 89e 109,
e a 39 ; ua ra d Imperatriz n. 60, loja do pa?o
Bordados.
Vendem-se finissimas lirss^iordadas lapadas e
transparentes, e enlremeios da mesma qnalida-
do : ai ra da Imperatriz o. 60, loja do pavSo.
Manguitos e gollinhas.
Vendem-se gollinhas com manguitos de cam-
braia bordados a 19280, manguitos bordados mui-
to fiaos a 19, calciahas bordadas para meoina a
19, gollinhas nuito finas a 320, 500 e 19-; oa ra
da Imperatriz n. 60, loja do pavao.
Cassas suiscas
Vende-se cassa de quadrinhos a imitacio de
sedas de quadrinhos, propria para vestidos de me-
ninos, covado a 240 rs.; na ra da Imperatriz n.
60, loja do pavao.
Chapelinas.
Vendem-se chapelinas muito bem enfeitadjs
para senhora a 59 e 89: na ra da Imperatriz 11.
60, loja do pavio,
Sedas.
Vendem-se grosdenaples pretos muilo encor-
padosal9500, I96OO e l80O, dito cor de rosa,
egr de canna e azul, sedas lavradas de cores, cha-
malote preto e sarja prela hespanhola a I58OO :
na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavao.
Fancy a 1#600.
Vende-se fancy, fazenda de lia lisas e mescla-
das, propria para caigas, paletots, colletes e ca-
pas para senhoras, e roupas de meninos, tendo.
pma razenda 6 palmos de largura a 1J600 : na
ra da Imperatriz n. 60. loja do pavo.
Espartilhos
Vendem-se espaitilhosinglezes que sio os me-
lhores : na ra da Imperalriz o. 60 loja do
pavio.
Para meninos.
Vendem-se vestuarios para meninos e meni-
nas muito bem enfeitados : na ra da Imperatriz
n. 60, loja do pavio.
Madapolao a 3$.
Madapolio enfeatado com 14 jardas a 39 a pe-
qj ; ni ra da Imperatriz n. 60, loja do pavio.
Na ra Nova n. 19, vende-so velbutina de
cores a 500 rs. o covado.
sem segundo
de Jos de Azevodo Maia e Silva, est vendendo
todas as miudezas por precos j sabidos e co-
nheciJos :
a todos
me-
400
500
160
200
400
500
25000
400
720
59500
29000
Crozas de peonas de ac,o do todas as quali-
dades a
Nvelos do linha que pelo tamauho
admiram a
Caixas de agulhas raocezas a
Caixas com alGoeles muilo finos a
Caixas com apparelho para eotreter
nios a
Dilas ditos grandes a
Baralhosportuguezes a 120 e
Groza de boioes poqueoos para calca a
Tesouras para unhas muito finas a
Ditas para costura muito superiores a
Baralhos frsncezes para voltarete muilo fi-
nos a
Agulheiros com agulhas francesas a
Caivetes de aparar pennas de 1 folha a
Pegas de tranga de lia com 10 varas a
Ditas de tranga de lia de todas as cores a
Pares de sapatos de tranga de lia a
Cartas de aliinetes fraocezes a
Pares de luvss fio da Escocia muilo tinas a
Ditas ditas braceas grossas a
Escovas para limpar deotes muito finas a
Massoscom superiores grampos a
Cartoes com colxetes de algum defeito a
Ditos de ditos superiores a 40 e
Dedaes de fundo de ago muito superiores a
Ecuadores para vestidos de senhora com 4
varas a
Caixas com colxetes fraocezes a
Cartas de alfioetes de ferro a
Charuteiras muito unas a
Tioteiras de vidro com lints a
Ditos de barro com tinta superior a
Areia preta e azul muito fina a libra a
Tenho aova remesas de labyriolho
500
120
120
60
2-0
500
200
120
40O
400
320
80
80
200
800
15280
100
320
100
200
40
20
60
100
80
40
80
19000
160
120
120
para ven-
der por todo prego, assim como tenho traoeas de
seda differenles corea para vender por todo di-
nheiro que olerecerem.
GURGEL & PERDIGAO'. 8
Ra da Cadeia do Recife n. 23. i
A 355000.
Cortes de vestidos de cambraia brac-
eos bordados.
A 500 e 640 rs.
Laazinha decores de muito lindos pa-
drees.
A 309. 509 e 6Cg.
Cspas compridas de gorguro e de
grosdeuaples, preto e de cor.
De 29 a 139.
Manguitos fiaos e golliohas de dille-
remes feitios modernos.
A I29OOO.
Bolinas de Meli e bezerro.
De 49 a 89.
Saias bolSo de muito boa qtalidade.
ff Novidade.
Pentes de tartaruga, esmisas para se-
Sf nhora, meias elsticas, sintos e enfeites
{de cabega, chales de todas as qualidades,
chapeos de palha, camisa para meninos,
leqaes.
Nesse estabelecimento se vende muito
barato, tem um sorlimento completo que
seria enfadonho mencionar.


6


CALCADO
Preservativo universal.
45Roa Direita45
Ojhem!...
Urna das ioielligeuciis melhsr esclarecidas ni
scieocia de Hipcrates, depois da longos a unos
de eiercicio de curar e matar cooveneeu-se a-
nal, que o nico preservado infallivel de quil-
quer epidtmia, por mais mortfera que (osse, e(t
conservar a cabega fresca, veolre deaembaracado
e PS QUEMES. Ora, viajando por ah urna
epidemia,que mita gente como qualquer outra,
occaiio de pormos em pratica estea principios,
usando pouco do chapeo a sempre som-
bra ; tomando de 15 em 15 das um laxante de
sal de glanber, o mais acrrimo ioimigo da epi-
demia, segundo a opinio e a pratica de um dos
ornamentos da noasa magistratura; e laogando
ao cisco todo o calcado velho, dirigindo-se iu Jos
ao armazem, da ra Direita n. 45, onde o respec-
tivo proprietario a lodos recebar com cortezia,
aturar as maasadas, aquecer os ps com ex-
celleote calcado, segundo o gosto, e estado Q-
naoceiro de cada um, e vejam :
Horneas.
BORZEGUINS dos melhores fabricantes,
francexea, inglezei e brasileos a 138,
129. 119, 10J, 9*500, 83 e....... ....... 59500
SAPATOES a 79500, 6*500, 5J50J, 5*.
4mp\.............................. 2*000
Meninos.
SAPATOES a 5*500, 5, 49, 39590 a...... 19&00
Senhoras
liOTINAS de fabricantes francezes, iogle-
zes, allemes e americanos federaes
6#, 5*500, 5, 4J500. 38.500 a........... 2*500
Meninas.
BOTINAS a 4*500 e...................... 4*000
Um completo sortimento de sapatos para se-
nhora de couro de lustre virado a 500 rs., de ta-
pete a 800 rs., de lastre (ns. 32 e 33) a 800 rs.,
de iranga francezes a 1*300, portuguezea 2*. mui-
to couro de lastre, de poreo, cordavto, marro-
quim, bezerro rancez, sola de lustre, courinhos,
vaquetas, sola ele., que todo veode-ae como em'
nenhirina parta.
Chegaram de Lisboa no brigue Eugenia,
dous bonitos burro e urna burra, os quaes se
v.endem por barato 'prego : para ver, na cocheira
do largo da Assembla n. 4, e para tratar, noes-
criplono de Antonio Luiz de Ollvcira Azevedo.
Venda de urna escrava.
Pelo juizo de orpbos de Olinda vai em praga
por arrematado urna escrava pega de vinte e tan-
tos aonos, no dia 15 do correte ; convida-se,
portanto, a quera interesse tiver, para que appa-
rega.
Dimomnmmmm. maun m wwn m
Milho, farelo,
arzoz de csea, tudo novo.
Vende-se milho 71600 a saco*, farelo 7j90a\.
arroz de casca a 3*500, sendo em poreio ss fz
abat soto : na travesa do pateo da Paraizo n.
16, frente pintada de amarello, com eiste para *
ra da Florentina.
Para tempo de chu va.
Calgai, colletes, paletots e cuacas, apromptam-
se com brevidade pela machina de costara ; na
rus Nova n. 67. toada do J. Hunder, alfaiate.
Ph'sphatode ferro de Leras
Vende se com raioavol a batimento do preco
para fechar cootas ; no icriptorio de Almeide
Gomes, Alves & C, ra da Cruz d. 97.
Superior calda Lisboa.
Tem para vendar om porglo o a retalho Anto-
nio Luiz de Olivefra Azevedo & C., no too es-
criptorio ra da Cruz n. 1,
Vende-te um cofre : na rea do Queimado
numero 12.
As senhoras de
bom gosto/
Vendem-se espartilhos preguigosa dos me-
Ihores que ha a 2*600 e 3* : na raa di Impera-
triz n. 48, junto a padaria franceza. Esli so
acabando.
Novas velas ds composico
ue dio luz igual as de espermacete, a 500 rs. a
qU6 ubu tu* Jguai oa ua esijaiujacmu, a JUU rs. a
libra, e em caixa de 20 libras a 460 rs., cana en-
garrafada a 200 rs. a garrafa ; na ra das Cruzei
o. 24, esquina da tuvessa do Ouvidor.
A ^20 rs. ocovado, grande
pechinoha.
Vendem-se superiores cambraias francesas da
muito bonitos padrdes a 320 rs. o eovado, fa-
zenda muito fina que sempre vendeu-ae por 800
e 1* a vara, veoham por ellas, antea que se aci-
bera ; na raa do Queimado n. 22, na bom conhe-
cida luja da boa t.
Cera de carnauba de pri
meira qualidade.
Vende-se em porgo e a retalho de ama sacca
pira cima, e por commodo prego: na ra da Ha
dre da Dos confronte abotica n. 30.
Cal de Lisboa.
Chegou pelo ultimo navio, nova encommenda
de cal virgem para purificar assucar, a quil ven-
de-se maito barato para acabar ; na taberna
n. 47 da raa eatralta do Rosario.
v -------------------
ARMAZEMJJOGRESSO
Francisco Fernandes Duarte
ftargo da Penlia
a mais superior do mercado a 800 rsa libra, em barril se far
libra.
ItftsM Tapor por 3*000.
de superior qualidade e maito tro..*, s 800 inUlr0> em IIbra
AGaoca-se a boa qualidade de todo qualquer enero
qualPqua.dr0p.rt9 armaZem* ,,9im como 7ende-" ** menos 5 a 10 por ceoto do que em outra
3a'ateig% Vng\eia
batimento.
tt*atelg* Crneo.. mai8 noya, 600 ts> m ^ # 640
Qu} a 1*000.
juuu rs, o libra.
Preiuuto pa*a aambte muit0 novoi. 500 ra a llbra
UaiO I o melhor pelis- pa pode haver por estar prompto a toda a hora a 1* libra.
X OUCillhO O niuO 3o rs. a ib, arroba .9*000
Cno*ri?as e paioa cheg.d09 neita BlUB0 naTio> a 728 rs a Ubra
Banua d poreo retinada tan
se Jm barril a ^rsTlibra.' "" "* ^ """^ Pr **
Mar melada Vmp^rlaV A 4K
WUB 4 MWM de libr. por 900 _
^men\T*P?^r.^'.'"a-2 ......"'.>
' r\ll las lraneeZaS e portuguesas em l.taa de 1 Ubra, Por6iO rs. ditas em mei.s
Wetria, maearrao e talUarim,
^OieS^muit,, novas _
Bollo rancez
Aot tabaquista!.
Vaadoa-M aaperitiM leacoa fraacaiM a imi-
Ugio do. do linb^i^o^opriorpTrTS.'ti?..
rmataa por aerea* de corea eacuraa a flxn pelo
Queimado *. t, na bom onhocid. laja da boa f.
* ao lito e tarlatana.
Vende-ae auperipr fil Usa e tarlaUna branc
o de cores, pelo biraliaaimo preo do 800 rs. a
vare ; na bem coohecida loia da boa f m na
do Queimado n. 2*. J B0*n> D" ""
Ricos eafeites.
Vendem-so ricos o superiores eoftiUe m mais
modernos que ha, pretos o de cores, pelo bara-
Ussimo prego de 6 e 8*500 : na loi. d/bo# (4,
na raa do Queimado n. 22. '
Cambraias de cores.
Vendeas-oe cambraias franee, do liadas co-
re., pelo baratiaeimo prego de 280 o eovado ; n
ra do Queimado n. 22, na bem coohecida loja
da boa f. '
Cambraias francezas finissimas.
Superiorea cambraias francezas muito finas, de
muito bonitos padroe, pelo barato prego de 700
? Vi" : Da ,0* da DOa fi n ra do Queima-
do n. 22.
Cambial* Usa.
Vende-se cambraia lisa transparente muito l-
os, pelo barato prego do i o 5J a pega com 8 1|2
varaa, dita tapada muito superior, pega de 10
varas a 6J : na ra do Qoeimado n. 22. na loia
da boa f. '
Bramante e atoalliada de
Unlto.
Vonde-.e uperlor bramante de paro linho com
duas varas da largura a 20400 a vr, auim como
atoalhado adimascaiio lasbem de paro llano,
coa 8 palmos de largura a 2j500 vara: aa bem
conhecida loja da boa f, na roa do Queimado nu-
mero 22.
Corte de ea\ca.
Vendem-ie cortea da caiga do moia casemira
de cores escara, a 2f cada corle : na loia da boa
f, na ra do Queimado o. 22.
Port bouqoets,
Dourados com cabos de ma-
drep erla.
Chegaram oaportusameole para a loja d'aguia
branca os bonitos port bouqucU douradea e es-
maltados, com cabos de madreperola, conforme
ana propria encommenda, ficando aaslm remedia-
da a falta que havia deaaea port bouquels de gos-
to, os quaes chegaram bem a tempe par. os di-
versos c-asameotos e bailes que se cootam nesaei
da, por uso as pessoas que por elles esperavam
eaa que de novo os quizerem comprar dirigi-
rem-se munido, de dinheice 4 loja d'sguia bran-
ca, ra do Queimado a. 16, que encontraran obra
de bom gosto, barateza, agrado e sinceridade.
M Ai.
de cambraieta.
Vendem-ae superiores salas de cambraieta mui-
to fina, com 4 pannos, pelo diminuto prego de
5*; a ellas, que sao muito barstaa: na ra do
Queimado n. 22, na bem coohecida loja da boa f-
Ruada Senzala Noyan.42
Vands-ss a casada S. P .Jonhston C,
elliaso silh5asQglazas,c.ndsairo! castigaos
i 400 rs. a libra e em caixa a 8*.
100 rs. a libra, e 1*000 rs. a libra.
' em cartes muito enfeitados proprios para mimo a 600 ra.
(xenenra inglez,aa
se
far
das mais acreditadas marcas a 15 a garrafa e em caixa a 9* a duzia.
al6*aduiia e a 1$500 g girrafa, affianca-ae a boa
mareas a o* a darla, a
- mois superior que ha a IgOOO rs. a garrafa e em caixa
Genebra de Rollan da r
-T, 6s0oo a fraiq(wira| e 560 rs. o frasco.
Vinnosengarrafados. ^ ~
, TL T 'Knmasdo Douro a 1*600 rs. a garrafa. Porto fino Fei-
ir. 'ur,. ^u d P'"t. 1*800 em caixa se far abatimento.. '
Vi^lioBordeanx
ampagr.e de afferenle9 marcag
qualidad*.
Vwriaialn aanola cibrtana. mm mM
a 500 rs. a garrafa.
\m p\pa Porl0i Liaboa e riglieira a 3i500i 4J> e 4^500 a caada.
l&aper msete perior., 740 em caX8| e 760 r> a 1bra<
Beatas novas era gigos de uma arroba a ^
_l OCO a e os ma, SUp9riorei> heip,nhol t J200, francez a 1$. porluguez a 800 rs. a libra
Ia isos da eommadr^
320 rs muil noro,> em ca,x" de 8 libras por 2*500. eem libra a
de engommar, muito alva a 100 rs. a libra.
Vmendoas d0 Clica mle a m ra a 1bra
Mei noce reflQad0 a 800 n a ^^ e em caxa a
."autos de denles. ,
^i ... hxadoi com PerfaSao a 240 rs. o maco.
Costeletas inslezas ,
^* propnaspara fiambre a 800 rs. a libra.
Bolaxinna meleza ., nn ,
- ff a mau aova do mercado a 4* a barrica e em libra a 320 rs.
1.1)010 para Iiajpar [aeat 200 rs. caja um, em porgao se fari abatimento.
3-*eja ai frascos del e 1|2 libra muito novas a 800 rs.
tn Inlepeoiante dos gneros anounciados encontrar o respellavel publico grande sortimen-
to de gneros, tudo de superior qualidade. y orumen-
Potassa da Russia.
Vende-se eincasa de N. O Bei>er &
C, succeuores, ra da Cruz n 4-
M de Lisboa,
Vende se s bordo da barca portuguesa cEipe-
rsoga, sal de Lisboa limpo e redondo ; a tratar
na ua do Trapiche o. 17.
Paletots
broncos.
ra do Queimado n. 52, na bem 'eetaejaida loia
da boa f.
Vendem-se superiores paletots de aria braneo
do puro linho, pelo baratissi, prego de"n1 ."loOe miW.."Vt^UoT^^
CODfcBoid. I ni. i,p. Win Navalhas d'aco
com caibo de marfim.
Veade-se na loja d'sguia branca mui finas na-
ralbas d ago refinado com cabos de marfim, e
para assegurar-se a boodade dellas basta dizer-
sa que sao dos-afamados e acreditados fabrlean-
.Vih^1!?6" c> '"i* da eatqfo de duas n*-
valba. uuw: ua ra do yueimaJo, Toja u agua
branca, n. 16.
Libras sterlinas.
Vendem-se no escriptorio de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filbo, praga do Corpo Santo n. 19.
Lenos brancos mnito
Unos.
Vendem-se lengos brancos muito finos, pelo
diminuto >irego de 2*400 a duzia, graude pe-
chincha : na loja da boa f, na raa do Queimado
numero 2*2.
Gollinhas
de traspasso bordadas em
cambraia fina.
Vendem-se a 2* cada uma : na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca o. 16 A obra boa e
o lempo proprio ; a ellas, freguezss, antes que
se acabem.
Arado i americano e machina-
paralara roupa: emeasa de S.P Jos
hston 4 C. ra daienzala n.42.
Bonecas bonitas
com rosto, e meia pernade
porcelana.
Vende-se mui bonitas bonecas com rosto, e
meia peroa de poreallanaaos baratissimos precos
de 240,360,500,560. 640,720, 800 e 1*000: isso
na raa do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Luvas de pellica pretas.
Vendem-ae as luvas pretas de pellica com pe-
queo toque de mofo por prego baratissimo ; na
loja d agaia de ouro, ra do Gabug n. 1 B.
Phosphoros de seguranca.
Catuanas com mil e tantos phosphoros de se-
gurangaa 160 rs. a caixinha que s pela segu-
ranza delles por hvrar de incendio sao de graca :
na oja da victoria na raa do Queimado n. 75,
junto, loja de cera.
Meias baratas.
Meias pintadas para homem a 120 e 160 rs. o
par, ditas brancas para menina a 180 rs O par
ditas de la para o fri a 500 rs. o par: "na loja
da victoria na ra do Queimado d. 75 unto a
loja de cera. ''
Galanteras de gosto
E' o que podo haver de mais gosto em salan-
tenas deividro e porcelana como sejsm jarro.,
trasquinhos e garrafinhas, maateigaeiras o as.0-
careiroa, jarrinhos para boqueta de erara o ou-
traii muita.cousas: na loja da victoria na ra
do Queimado n. 75, junto a loja de cor*.
Sno armazetnda
arara,
Contin a vender sua. {.sendas por procos ba-
ratissimos como sempre vendeu para agradar
sens fregueses, am: pegas de madapolo fino
enrestado a 3. ditas de cambraia branca la a
1*600 e 2*. diaa finas a 3* e 3J5O0, dUs\da*
mascadas para cortinado, de 20 varas a 9a ditas
de lp varaa 4500 e 3|, panno preto para calca,
e paletots a 1*80, 2* e 2*500 o eovado. SrffiS
casemira preta pira calgs entestada a 3*500 41
brilhanlioa branca enfestada para vestidos a 280
0 SJ,a0 80r8<"5o. axenda nova para vestidos
a 320 o eovado, barege de seda a baile para ves-
tidos a 400 rs. o corado, lazinhu para veitidos
a 280 o eovado, cortes de dita, (loa, cou < -(..
vado, a 2S500. ditos a 2|400 e 1*500, fil de li-
nho de cores e brinco a 200 rs. o eovado, chita.
fe
Vende-se o en^ajjjo Santa LnzU silo na
EXPOSMjAO
DE W
Candeeiros econmicos
agaz,
Rna do Queimado n. 19.
Santos Coelho tem para
vender o seguate:
Esteirae da India de 4. 5 o 6 Olimos de largo
proprias para forrar camas e salas. B
Lengoes de bramante largos a 38 cada am.
toberla de chita a chioeza a 1800.
Lengoes de panno de linho fiino a 2*.
Toalhas adamascadas de linhofpara mesa a 41
Chita franceza com defeito de a varia a 160 rs!
o eovado.
Toalhas de fuslio para maoL a 500 rs. cada
uma.
Colchas de fuslo adamascado grandes a 6*.
Cambraia. de coro, a 160 o eovado.
2MO0 h" ricaiDeDle Dora>a| de traspasso a
Sementes de brtalices
.aT?l*e-a a da Cruz doeeife, deposito
ae pao o bolacha o. 32. sementes Ido hortilices de
da%ro 2"att** Bolcinhas de orracha
para fumo.
Huito lindas bolcinhas de borracha para guar-
dar fumo pelo baratissimo prego de lfiJOO i o
800 rs. ead. urna : n. loja 5. ,Sciori. fa ru. do
Queimado n. 75, junto a loja de cera.
Lindeza.
yenda-so fasenda denominada lirideza, ptima
par, jeatido. 160 rs. o cov.do : n> loja do- Du-
arte, ra da Imperatriz n. 20. T
Allencao
proprios
a 1^280:
sta tipo-
cm ostem
Vendem-se qaixoes vastos
para bahuleiros.funileiros etc
quera pretender diria-se a
graphia, que ahi se dir'qu
paravender.
PEIXE
Duarte Compnhla
receberam pelo ultimo vapor as seguinles quali-
aaflPS 1P flOlTa n rnx'n k,. -_.___: j.
psracarros, amoniana.arraioipara csrroda dedesejar em latas lacradas hermetifcameote do-
iurigss tinas prompts
Pescada assada e cozida.
Pargo aasado.
Roblos dito.
Csvalla em azeite.
Guras assado.
Nulas de tigelads.
Savel assado.
Sarda em azeite.
Congro.
Lioguados fritos.
Ostros.
Tambem receberam pacoie do*.i
240 rs. cada um e latss com feijo lerdea 800
rs.: nos srmazens Progressivo e Pro ;ressista no
largo do Carmo n. 9e ra das Cruze n. 36-
Sitio.
Vende-se o sitio na estrada do Rosirioho r
o ao da igreja, com boa casa de pe Ira e cal, 2
salas,gabinete, 4 qusrtos, cozioha tora e copiar,
jardini na frante, estribara e cocheir i, em chaos
proprios, lem muitos e bons arvoredes defruclo
baixa deespim, cacimba com excellenle agua pa-
ra beber, e tanque para banho : a tntar na ra
da Cadtia do Recife n. 26. loja, esqiina do nec-
eo Largo, ou na ra Nova o. 55. depo lito de p8o.
Vende-se em barris de 5." vinh> do Portu-
gal sem confeigao alguma o melhor que se pod
encontrar ueste genero, proprio par casas par-
ticulares: os pretenderles podem vfer as amos-
tras na ra de Apollo, armazem da fabrica do
Monleiro, e na ra da Uoeda, armazem de Ma-
noel Marques de Oliveira 4 C. Nesfe ultimo ar-
mazem tambem se vende cal em pdra de Lis-
boa ebegada pelo brigue Constante* por menos
prego qae em outra parle.
roflt
li-
illencAo
quida^i
Ns loja do Clavinote ra do Cabug n. 2 B
veade-se as seguintes miudeus pelos diminutos
precosi para acabar: peciobas de biabado com 15
varas de 3 a 4 dedos de lsrgura a 400 rs.. ditas
com 30 varas de diferentes larguras l|200 rs
cartoes de colxete para vestido a 40 rs., franjas'
de linho muito Anas pars caiavequi tendo. cada
pega 15 varas a 1*600 a pega, dilas de alaodo
para toalhas a 100 rs. a vara, ditas de seda pre-
- o*5 df 2 deAfs a 3 a 240 e 320 rs., dilas de 1 a
ranga delles por hvrar de incendio sao de graca: d.tdos 16 tran5 de seda branca com vi-
io differente largura a 320 rs. a vara dita di-
Miudezas baratas
Na loja da victoria na ra do
Queimado junto tr loja de
cera.
Clchete, francezes em carteo a 40 rs. "
Alfinetaafrancezes eabeoa chata a 120 rs. a carta.
Papel eem cento e lentes alflneUs a 40 rs. o
papel.
Liaba, victoria em carritol com MO jardas a 60
rs. o csrrilel.
Ditas de 200 jardas de Alezander a 900 rs. a du-
zia.
Ditas de 100 jardos brancis o de coros a 30 rs. o
carritol.
Ditas de Pedro Vbrancas e de cores a 40 rs. o
carti o.
Grampos a 40 rs. o mago.
Boftadare. brancos a 60 e 80 rs.
CarUirinhas com agulbas francesas a 320 rs.
Trancas brancas de linho a 100 rs. a pega.
Agulhas de enfl.r vestido a 40 rs. esda uma.
,ia7h r?' ""* mia" que se afflanga ven-
?irat0l|ara comprar victoria sempre
S^VALdTlr Mn,t d0 Queimad0
A loja d'aguia
branca um deposito de
perfumaras finas.
Esta loja por oslar constan tem eate a recebar
perfumaras finas de suas proprias encommendas
l,"IB.,ef.do dizer que eiU constituida um depo-
sito de ditas, tendo-as sempre dos melhores e
mas acreditados fabricantes, como Lubin, Pirer,
Coudray e Somete Hygieniqae. etc., etc. ; po
isso, quem quisor prover-se do bom, diriair-se
o rae do Queimado loja d'aguia branca n. 16, qae
achara sempre am lindo e completo sortimento
toado de man a mais a elegancia dos frascos, e
barateza por que se vendem convida o anima ao
ODmprador.
Carros e carrocas.
Emeasa de N. O. Biber
A C. successores ru da Cruz
numero 4.
Vendem-ae carros americanos mui elegantea
a laves para duas e 4 pessoas e recebem-se en-
commendas para cujo fim elles possuem map-
pas com varios desenhos, tambem vendem car-
rogaapara conduego deassecaretc.
Enfeites para senhora.
Lindos enfeites para cabega de gosto o mais
moderno que tem apparecido a 5f, 5*500 e 6*
na loja da victoria oa ra do Queimado u. 75
unto a loja de cera. '
Sebo em pao,
Vende-se sebo em pao do Porto, caixinhas de
arroba : no armazem de Arsenio Augusto Fer-
reira, ra da Madre de Dos n. 12.
Por preco muito commodo.
Ainda se est por vender o sitio do lugar da
Torre j snnunciado por este jornsl : a tratar com
o proprietario Jos Marianno de Albuquerque ou
com o Sr. Jos Azevedo de Andrade na ra do
Crespo.
larar toatangas
e brinquedos para meninos e
meninas *
Na ra Direita n. 7 defronte da grande
fabrica de tamancot.
.t? J'sU.belmenlo novo se encontrado
sempre grande aortimeato do cslUB.Tbrn-
quedos de todas as qualidado. k^JJSZ
Panno de algodao da
Baha.
Vende-se oo escriptorio de Aotoaio Lat de
Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
Riscado monstro.
Vende-se riaeado monstro, fszeada multo eco-
nmica para o uao domestico por ter grande lar-
gara e o aeu prego ser de 200 rs. o eovado: na
ra da Imperatriz, loja n. 10, do Duarte.
A.mmciA
VUNDIOlO 'LOW-MOOR
Roa daSenzalla Rtva n.42.
Roste istabaleciinento contina a kaver osa
aomploto sortiaen to demoends s em oi as moen-
d psrasnganho.mschinss de vapor staizas
te forro balido a coado.da todos ostsmanhos
pera dito,
Soahall Mellors & C, toado recebido or-
aem para 7ender o seu creseido deposito darslo-
gto. visto o fabricante ler-ae retirado do nego-
cio ; convida, portanto, s pessoas que quizerem
possuir um bom relogio de ouro ou prata do c-
.. \* r,",bric,Dle K">y. a aproveitar-se da en-
portunidade sem perda de tempe, para vir eom-
rPaa."aoVa0pricCh0eTl8? Pref "" MCrplori
Na loja da diligencia, na
ra do Queimado n. 65
tem pera vender cascarrilha redonda de nova in-
venga o a 400 rs. a pega.
Phosphoros do gaz a
2i200agroza.
BInneiro & vista.
Na ra da Cadeia do Recife n. 56 A. loia de
ferragens de Vidal & Bastos.
Collares medicinaes ano-
GELO
No deposito do gelo ru do Apollo
n. 31, vende-se gelo de hoje em diante
arroba a o#500, e meia arroba SflOOO,
e a libra a 160 ris : tambem recebe-se
assignaturas das pessoas particulares lo*
go que seja diariamente, ate' que se
acabe o gelo.
Para as senhoras de bom
gosto.
Camisas de cambraia de linho pelos diminutos
pregos de 4 e 5, brinzinhos para vestido por 600
rs. o eovado ; na roa do Crespo n. 23.
Para a rapazeada
barata.
Camisas francezas com pequea avaria a Ijl,
ditas brancas, peito de linho, pelo diminuto pre-
go de 29 : na ra do Crespo n. 23.
Passarihos raros
Vende-se uma viuva e am calfal ; na roa da
Senzala Velha n. 52, das 10 horaa da manhaa s
4 da tarde.
dinos.
que nunca
119
Para as ores da dentico, accessos,
convnlses, febres e outras enferai-
dades das cpiaecas.
DODR. TANNER (INVENTOR.)
o lllm. Sr. Burche, fllho, successor e nico
proprietario em Londres. Este innocente e in-
fallivel remedio (foiepprovado em Londres a 10
de Janeiro de 1715, por S. M. Jorge III, o re-
commendado pelo afamado e de alta reputagao
o Dr. P. Chamberlen.) dispensa de fazer tomar
as crlangas os remedios interiores,
querem tomar. (Prego flxo 89.)
DEPOSITO GBRAL
119 RUADO PARTO
Rio de Janeiro.
EEMPERNAMBCO
Na pharmacia de Jos Alexandre Ri-
beiro.
RA DO QUEIMADO N. 15.
Vende-se
na ra do Mondego casa n. 2, as seguintes se-
mentes de hortalice muito noves : couve flor di-
ta truoxuda, repolbo, nabos de cabega gride
nabicas, mosfarda. chicoria, asolees, seooulas
brancas1 e amarellas, sarga, cuentra, sebolinho
rdio e branco, tomates grandes, eiiSo, carrapato.
ervilhaa tortaa e alface arrendada.
Bolinhos.
Bandejas enfeitadas com armagao de diversos
gostos e bolinhos dos mais escolhidos do nosio
mercado para casamento, bailes, soars etc, a
tambem s os pesa em libras, assim como p'as-
telaria de diversas qualidades, pudins, bolo in-
glez, filhoes etc, tudo do melhor gosto, aceio o
do mais commodo prego destes gneros : diri-
jsm-se a ruada Penha n. 25, segundo andar, pa-
ra ajastar-se.
I turca a 960 o 320 o eovado, e entras
tendss que se dio as amostras para se
uitaa fa-
vor : oa
la preta a 300 rs. a vara, caivetes de 1 e 2 fo-
ihae maitoflno a 160 e 840 rs., teiouras muito
finas para costara a 30.400 e 500 rs.,-cofiadores
de linho para vestido a 40 rs., cahas de bfalo
par. rap diff renles modelo a 500 rs., car retis
de linha de 200 jardas autor Aezanler a 820 rs.
a duzia e 70 rs.o earritel, linha preta de miadi-
nha o masso com 0 pecas e 96 a 530 e 600 rs.,
escovas para casaca o mais fino queiha a ?-, lu-
vas de linho fio de Escossia branca 1 muito finas
a 600 rs. o par, ditas de cores a 500 rs. o par,
ditas de algodo a 160 rs., funja.larga, de cores
proprias para cortinados tendo cada pega 15 va-
ras a 29 e em vara a 160 r.., espelhols de damas
de diversos lmannos a 800, 1> e lf280, botes
de porcelana brancos para camisa a 120 e 160 rs.
a grasa, ditos brancos, pretos o de cores proprio
para caiga a 240 rs., pontea de tartaruga para
(ranea os melhores que pode haver a 31500, ditos
para alisar a 2$, ditos de marfim dejdifferentes
lamanhos e modelos a 500 rs., labyriotbo de to-
das as largores a 120,160, 200 e 240 f., pentes
muito finos fingindo uaicoroe tacto para aufssa
como para cabega a 320 rs., meia. de cores par.
homem maito finas a 1*280 rs. duzis e o para
120 rs., caia de colxele. frsncezes e 40 ra., gar-
rafas grande, de agua de colonia muito fina a 3
dKa com agua de lavande a 1#, dita, do rlenle
a 800 rs, frascos de bandoln para segurar ca-
bello a 610 rs., dita de flor de laraoja frascos
grandes 50U rs., baadeijaa de differente. lma-
nnos a 1$280, U600 e 2f, gsrrafa. de porcelana
douradas para mesa sendo garrafa, grandes a 2#
e pequeas a 1{), charuteiras muito nnaa diver-
sos tamanhos a 20 e 29500, luvas pretaa o de co-
rea enfeitadaa para senhora a 800 rs., peitoa para
camisa muito fios brancos e de cores s 29500 a
dazia e 220 rs. cada um. zafira, de toda, as co-
rea fazenda de muito bom goato a 19 a pega, e
um completo sortimento de fitas de sarja e cha-
malote aasetlnadaa de tolas aa corea e larguras,
ssim como bicos de blondo brancos e preto., di-
ARMAZEM
ROUPA FWSFPA
JanH3
Joaqoim F. dos Santos.
40Ra do Queimado40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Neste estabelecimenlo ha sempre am sortimento completo de roupa falta de
toda, as qualidades o tambem se manda executar por medida vontade doa fregue-
ses para o que tem um dos melhores professorss.
___ iseaass que se aso as amostras oara aa a* a* auim n
, m viiiwa.iinaes a menae. ) objectos que se vende por meUde de leu
valor.
Casacas ue panno preto a AOS,
35f O 30*000
Sobrecssacos de dito dito a 359 e 309000
Paletots de panno preto o de co-
rea a 359, 309, 259,109,189 e 209000
Ditos de casemira de cores a 229,
155.129,79 o 99000
Ditos de alpaca preta golla de
velludo franceza. a lOJOOO
Ditos de merina selim pretos e
de cores 9J e 89000
Ditos de alpaca de core, a 59 e 39500
Ditos de alpaca preta .99,79,59 e 3S500
Ditos de brim de cores a 5J,
4*500,49 e r 3*500
Dtoa de bramante deiinho b an-
co a 69, 55e 4&000
Ditos de merino de cordio preto
al59e 89OOO
Caigas de casemira preta ede co-
rea a 129. 109, 9|, 79 e 69OOO
Ditas de princesa e merino de
cordio preto s 59, 695OO e 4*500
Ditaa de brim branco ede cores a
69. 49500 e .,50o
Calesa de ganga de cores a 32000
Collele de vellado preto o de eo-
rea lisos e bordadoa a 129,9* e 89000
-srlloa de casemira preta e da co-
res lisoe e bordados a 09,
59500,59 31500
Ditos da selim preto
Ditos de seda e aetim branco a 6 a
Ditos de gorgurao de aeda pretos
e de cores a 79, 69, 49 e
Ditos de brim e fustio branco a
3*500, 29500 e
Saroulaa de brim de linho a 29 e
Ditas de algodo a I96OO e
Camilas de peito defustao branco
ede corsea 2*400
Ditas de paito deiinho a 59, 4* e SJOOO
Ditaa de madapolo branca e de
cores a 39, 29500, 29 e
Chapeos pretos de massa francas,
forma da ultima moda a 10*,
8*500 e
Dito, de feltre a 9.5*. 49 e
Ditoa de aol de sede ingleses e
francezes a 14*. 129, 11* o
Col.rinbo. de lindo muito finos
novos feitios da ultima moda a
Dkos de algodio
Reiogios de ouro patente e hori-
zontal a 100$, 909. 80* e 70*000
Ditos de prata galvanisados p-
tente e horizontaes a 40* e 30100o
Obra, de ouro, aderego. a meios
aderego., pulceiras, rosetas e
aoeis a
Toalhas de linho duzia 10*. 6* e 9*000
D _"_gMnde" pm me" am" *S e *fiX>Q\
59000
59000
59OOO
39OOO
292OO
19280
29200
1*600
79OOO
taoo
79000
9800
BO0
J
II
bt1 ^BSkv m araMBB Si L


w
*:
DllLBW Vt fttWLMIOCO ftMMX) 15 DE FWWWmO DE ftt*
Ca de Lisboa em
pedra,
desembarcada hontem ; vende-se mais batato do
queem qualquer outra perla : na ra de Apollo
n. M, armaran de Tatroeo.
Meias pata set\\v*ra.
Vendem-e superiores meias para aeohora pe-
lo bsraUaeimo prego de 39840 a duzia : na loja
da boa fe, na ra do Queimado n. 2i.
Entremetas
bordados em cambraia
transparente.
H loja d'aguia branca m acha um bello sorti-
mento de entremeto bordado em fina cambraia
transparente, e como de seu costume est veo-
dendo baratamente a 1#0 a pega da 3 raras,
tendo quantidade bastante de cada padro. para
reitidos ; e quem tlrer dtnheiro approveitar a
occasiao, e manda-Ios comprar na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16.
Agolhas imperaes.
Tem o fundo dourado.
A loja d'aguia branca teodo em vistis ssmpre
Tender o bom, mandn fir, e acabam de cbegar
aqui (pele primeira Tez) aa superiores sgulbas
imperiaes, com o fundo dourado e mai bem fal-
ta, sendo para alfaiatts e costureiras, e custa
cada papel 160 rs. A agulha aasim boa aoima
adianta a quem cose com ella, e em regia sao
mais baratas do que aaoutrae; quem aa com-
prar na ra do Queimado, loja d'aguia branca n
16, dir sempre bem deltas.
Zefire para vestido.
Cbegon pira a loja da victoria grande sorti-
mento de zefire para eofeites de vestido ou psra
outra qualquer obra que se queira butar pelo
barato prego de 500 rs. a pega com 10 varas : na
loja da victoria na ra do Queimado n. 75, junto
a loja de cera.
Escencia de ail.
Para engommado.
Veudem-se frasquinbos com escencia de ail
censa excellente para engommado porque urna
gota delta baatante para dar cor em urna baca
da gomma tendo de mais a mais a pieciosidade de
nao manchar a roupa como omitas vezea acon-
tece com o p de ail. Custa cada frasquinbo
500 rs. : na ra do Queimado loja da aguia bran-
ca n. 16.
Potassa americana,
Vende-se potassa americana muito nova e de
superior qualidade : no escriptorio de Manoel
Igoacio deOliveira & Pilho, largo do Corpo San-
o n. 19.
1 Vende-se um mulatiohe de iede de 9 a
rO ennos : odeposito da roa das Cinco Ponas
n. 140, defroote da esiagao do mesme nome,
achara, com quem tratar,
Nada mais barato do que
urna armaco
por 30,000 rs.
Ha para vender urna bonita armacSo nova,
multo propria para deposito ou fabrica de cha-
rutos, ou meamo taberna, sendo pequea : a tra-
tar na ra do Aragao n. 36
Attenco
Urna pesaoa que retirase para tora da provin-
cia, vende urna meia mobilia, constando de um
sota de Jacaranda, 6 cadeiras, 2 consolo, urna
mesa redonda com tampo de pedra, urna excel-
lente cama franceza tambem de Jacaranda, 1
guarda louca, novo, de amarello, 1 lavatorio da
mesma madeira com tampo de pedra marmore,
2 cabidos, 1 berco, e mais alguna objectos que ae
mitrari ao comprador : a tratar na ra daa Li-
rangeiras n. 5.
1.000$ rs.
Injecco firow
Remedio nfallivel contra as grior-
rheas antigs e recentes. nico depo-
sito na botica franceza ra da Gru n.
22. Preco 3#-
Chapeos de castor.
Vendem-se chapeos de castor de primeira qua-
lidade a 89, que j ae vendern a 169, para
acabar: na ra da Imperatriz, leja n. 20, do
Duaxte.
Vende-se un sobrade na ra das Cinco
Ponas n. 23, com muitos commodos : a tratar
na ra Imperial o. 106, das 6 s 9 da manhfis, e
de tarde das 3 as 6.
Chapeos enfeitados.
Veodem-ee chapeos enfeitados multo recom-
mendaveis para as meninas que esto passando a
festa nos amenos arrabaldes desta heroica cidade,
a prego de 29 cada um : na ra da Impeutriz,
loja r. 20, do Uparle. Na dita loja cima acharao
continuadamente os senbores consumidores um
grande e variado sortlmecto de fazendas, ludo
oaratissimo.
s
Acaba de
chegar
novo armazem
DE
BASTOS & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceco' dos Milita-
res n. 47.
Dm grande e variado aortimento de
roupasteitas, calcados e fszendas e todos
estes se vendem por procos muito modi-
ticados como 6 de seu costume,assim como
sejam sobrecasacos de superiores pannos
o casacos feitos pelos ltimos figurinos a
269,289, 30$ e a359, paletots dos mesmos
pannos preto a 16|, 18|, 20$ e a 249,
ditos de casemira de cor mesclad o e de
novos padrees a 149.169, I89,2Q9 e 249,
ditos saceos da mesma casemiras de co-
res a 9, 109,129 e a 149, ditos pretospe-
lo diminuto prego de 89,109, e 125, ditos
de sarja de seda a sobrecasacados si 129,
ditos de merino de cordo a 129, ditos
de merino chines de apurado gosto a 159,
ditos de alpaca preta a 79, 89, 99 e a 109,
ditos saceos pretos a 49, ditos de palha de
seda fazenda muito superior a 49500, di-
tos de brim pardo e de fusto a 39500, 49
e a 495OO, ditos de fusto branco a 49,
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de cores a 79, 89, 99 e a 10, ditas
pardas a 39 e a 49, ditas de brlm de cores
finas a2|500, 39, 3*500 e a 4J,ditade
brim braocos linas a 49500, 5$, 59500 e a
69, ditas de brim lona a5e a 6g, cclletes
de gorgurao preto e de cores a 5$ e a 64,
ditos de casemira de cor o pretos a 45500
e a 59, ditos de fusto branco e de brim
a 39 e a 39500, ditos de brim lona a 41,
ditos de merino para luto a 49 e a 49500,
caigas de merino para l uto a 4J500 e a 55,
capas de borracha a 99. Para meninos
de todos os lmannos: caigas de casemira
preta ed cor a 55, 69 e a 79, ditas ditas
da brim a 2|, 39 e a 39500,. paletots sac-
eos de casemira preta a 65 e a 79, ditos
de cor a 69 a 75, ditos de alpaca a|39,
eohrecasaeos de panno preto a 129 a
14, ditoa de alpaca preta a 59, bonetr ]
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos ds) todo os tamanhos,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
Cara meninas de 5 a 8 annos com cinco
abadoa lisos a 89 e a 12$, ditos de gorgu-
rao de cor e de laa a 59 e a 69, ditoa de
brim a 39, ditos de cambraiaricamente
bordados para baptisados.e muitas outra*
fazenda e roupaa teitaa que deixam de
ser mencionadas pela sua grande quanti-
dade; assim como recebe-se toda eq\-
quer encommenda de roupas para so
mandar manufacturar e que para este fim
temos um completo sortimento de f azen- !
das do gosto e urna grande offleina da al- .
faiat* dirigida porum hbil mestr* que i
pela suapromptid eperfeigo nadad el-
xa.a desojar.
*mmmm-mmmm>mm*
Opiata ingleza
para dentes.
Est finalmente remediada a falta que se sen-
ta dessa a precia vel opiata inglesa to provei to-
sa e necessaria para oa dentes, isso porque a lo-
ja d'aguia branca acaba de recebe-la de sua en-
commenda, e continua a vende-la a 19500 rs. a
caixa : quem quizer conservar seus denlos per-
feitos prevenir-se mandando-a comprar em
dita loja d'aguia branca, ra do Queimado n. 10.
Vende-se
azeitede dend ou palma, dito de amendoim que
aerve para luzes e machinas, mais barato do que
em qualquer outra parte; na ra do Vigario n.
19, primeiro andar.
Chegou para a loja1 da victoria grande sorti-
mento de cascarrilha de todas as cores e largu-
ra e se vende mais barato do que em parte al-
guma, por isso venhaa a loja da victoria na ra
do Queimado n. 75, junto a loja de cera.
Vende-se urna mulita que sabe coser, en-
gommar e cozinhar com perfeico na na do
Trapiche n. 18, tereeiro andar.
Veode-se um terreno em Santo Amaro,
junto ao bospal ioglez, com 700 palmos de fren-
te, em muito Dom estado: a tratar na ra do
Trapicha n, 44, armazem de Braga Son 4 C-
.
Vend-se nm carro patente de 4 rodas com to-
dos os seas pertences, e urna parelha de cavalloi
pretos, pelo barato prego de "1:0005: quem o
pretender, dirija-se a roa Nova n. 32, que achara
com quem tratar, e mostrer-se-ha o dito, pois
est em urna das cocheiras da mesma ra.
Vende-se
no pateo do Carmo, esquina da ra de Horlas n.
2, espermecete a 720, amendoas a 360, figoa de
comadre a 480 e 440, paasas a 600 rs., assucar
branco em caroco a 120, arroba a 33500, gomma
a 120, toucinho a 360, arroz a 120, caf em cara-
go a 240. 280, 320, batatas novas a 80 rs., tapioca
a 180, alpiste a 180, caoella 960, erva-doce a
400 ra., alfaxema a 320, cominhoa a 600 rs., velas
de carnauba a-440, e 480 fins, maoteiga ingleza
a 6i0, 800 e 960, muito fina a 19120, banha a 440
e 480, bolachinhas de lodaa aa qualidades a 320,
doce de goiaba, um caixo 15, cravo da India a
960, palitoa do gas. groza a 29500, dusia a 240,
vinho de pipa a 400, 480, 560. 640, muito fino a
8 rs.. dito engarrafado a 800, 19 e 19200, da- '
que do Porto a 19500 a garrafa, azeite doce a 800
rs., axeitonas a 640, cal de Lisboa, barrica de 4
arrobas a 75O. f
N. O.Bieber & C.-saccessores.rna da Cris
o. 4, tem paravenderrelogios paraalgibeira da
ouro e prata.
Novos cinteiros de fitas com
pon tas cnidas e franjas,
k loja d'aguia branca acaba de receber pelo
vapor ioglez os te procurados e muito bonitos
cinteiros de fitas cora ponas cnidas e franjas, e
por isso podem agora ser satisfactoriamente ser-
vidas as senboras que a desejsvam ; elles achara-
se nicamente nadita loja d'aguia branca, ruado
Queimado n. 16. 1
Fitas de chmalo -
te muito boas e I
bonitas.
A loja d'aguia branca acaba de receber pelo va-
por ioglez sua encommenda de boas, bonitas e
largas filas de chamalote braneaa e outras corea,
t quaes sao excedentes para cintos, lagos, etc.,
de vestidos para casamentos e bailes, assim como
para lagos de bouquetes, cinteiros de criangas e
muitas outras diversas cousas, e como de aeu
costume os pregos sao menores do que em outra
qualquer parte; aatim quem munido de dinhei-
ro, dirigir-se a ra do Queimado loja d'aguia
branca n. 16, ser bem servido.
Potassa da Ilussia.
Vende-se potassa da Russia da mais nova e
superior que na no mercado e a prego muito
cammodo : no escriptorio de Manoel Ignacio de
Ollveira & Filho, largo do Corpo Santo.
Ra da Senzall Nova n. 42.
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. dem
de Low Moor libra a 120 rs.
Liquidado.
Aloja de marmore.
Bournua de casemira para aeohora a 109
Manteletes de grosdeaaple a 109
Lequesde sndalo a 59
Bournus de easemira para meninos
de todas aa idadesa 55
Grande sortimento de cascarrilhas,
trancas e fitas de todas aa cores psra en-
feites de vestidos por pregos mais bara-
tos do que em outra qualquer parle.
Na loja do vapor.
Ra Nova n. 7.
Acha-se barato grande sortimento de calgado
francez e inglez, roopa feila e perfumaras mni-
to Opas, quem duvidar pode ver.
Bg5lgt3S3SH3iJiM *a .agra,,asH3gn?r3r^ag
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca a '.#.
Duzia de meias crftaa para homem a
19200 e o par a 120 rs., ditas, brancas
muito finas a 25500 a duzia, longos de
cassa com narra de corea a 120 ra. cada
um, ditos brancosa 160 r., bales de
20 e 30 arcos a 35, laazinha para ves-
tidos a 240 o covado, chales de merino
estampados finos a 59 e 69, lar la tana
branca e de cores muito fina com vara
e meia de largura a 480 rs. o covado,
fil de lioho liso a 640 rs. a vara, pe-
gas de eambraia liaa fina a 39, casiaa
decores para veatidoa a 200 rs. o co-
vado, muasulina encarnada a 320 ra. o
covado, calcinhas para menina de escola
a 15 o par, gravatinhas de tranga a 160
ra., petos para camisa a 200 rs. cada
um dusia 29, pegas decambraia desal-
pico muito fina a 39500, pegas de bre-
tanha de rolo a 29, chitas francezaa a
220 e 240 rs. o covado, a loja est
aberta das6 hora da manhaas 9 da
noite.
Aos Srs. consumi-
dores de gaz.
Nos armaiena do caes de Ramos ns. 18 e 36 e
na ra do Trapiche Novo (o Recite) n. 8, se
vende gaz liquido americano primeira qualida-
de e retentemente chegado a 149 a lata de cinco
galloes, assim como se vendem latas de cinco
garrafas e em garrafas.
Machinas americanas.
EmcasadeN.O. Bieber & C, succesaorea,
ra da Lruz n. 4, Vendem-se :
Machinas para regar borlas e capia?.
Ditas para descarogar milho.
Ditas para corlar capim.
Selins com pertences a 109 e 209.
Obras de metal principe prateadas.
Alcatro da Suecia.
Veroiz de alcatro para navios.
Salsa parrilha de primeira qualidade do Pari.
Vinho Xerez de 1836 em caizas de 1 duzia.
Cognac em caixas del duzia.
Arados e grades.
Brilhantes.
Carracas pequeas.
Ra das Gruzes n. 4,
fabrica de charutos,! vende-se charutos a 15ft o
milheiro, de fumo da Bahia, velas de composi-
gio a 119 a arroba, e em porgo faz-se abali-
mento; afianga-se a boa qutlidade.
A boa fama
vende velas psra cintos o mais bem dourado que
possivel e dos mais lindos gostos que tem viudo
a este mercado, pelo baratsimo prego de 29500
cada urna, carteiras com agulbas as mais bem
aortidas quese pode desejar, e em quanto a qua-
lidade nao pode baver nada melhor, palo barato
prego de 500 rs. esda carleira, pennaade ago ca-
ligraphia verdadeiras a 29 cada caizinha com 12
duzas, ditas de langa verdadeiras n. 134 a 19200
cada groza, ditas muito boas ainda nao conheci-
das a 500 ra. a groza : na ra do Queimado, na
bem conhecida loja de miudezas da boa fama nu-
mero 35.
Veode-se um terreno na ra do Hospicio,
quasi defronte do quartel, prtprio para edificar-
se urna casa, teodo 40 palmoa de frente e 146 de
fundo, com alicoree : a tratar na ra do Trapi-
che n. 14, primeiro andar.
Banha fina
em copos- grandes.
A* loja d'aguia branca avisa a sua boa fregue-
zia que coegada a apreciavel banha fina em co-
pos grandes, e contina a vende-la mais barato
do que em outra qualquer parte : na ra do Quei-
mado loja d'aguia branca n. 16.
Calcado inglez
Campos 4 Peieira, novamente participam o
seu freguezes e amigos, que receberim porgao
de pares de borseguios iogleze de vaqueta, entre
elles alguns de sola groasa, todos proprios psra
invern, e os vende pelo baralissimo prego de
10JOOO o par; assim como receberam tambem
urna pequea porgao de parea de botinas inglezas
para Senboras, obra muito superior, e enlao ven-
dendo a 75000 o par, na sua loja, na ra da Ca-
deia n. 32
Gaz liquido
Samuel Johnaton & C. vendem em aeu arma-
zem : ra da Senzala o. 43 latas com 5 galoea de
gaz a 149000.
Para os senhores m-
sicos.
Vende-se papel pautado para msica, pelo ba-
ralissimo prego de 60 rs. a folha para acabar:
na loja do viado, na rna Novan. 8, confronte a
camboa do Carmo.
Para a quaresma.
A's senboras de bom gosto.
Vendem-se manteletes pretos ricamente en-
feitados a 16, 20 e 259 na ra da Imperatriz n.
48, junto a padaria franceza.
Esponjas finas
para o rosto.
Vende-se mui finas esponja para rosto, a 29
cada urna : na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 16.
Carteiras com agulhas.
Afloja d'aguia branca acaba de despachar car-
teiras com agulhas de mui boa qualidade, e ex-
cellente aortimento, e aa eat vendendo a 500 rs.
cada urna ; assim como receben igualmente no-
vo sortimento das agulhas Imperiaes, fundo dou-
rado, que conlinuam a ser vendidas a 160 ris o
papel, isso na ra do Queimado loja d'aguia
branca n. 16.
Argolas de ac para chaves
vendem-se 200, 240, 320, 400 e 500 ris, na ra
da Queimado loja d'aguia branca n. 16.
4os fabricantes de velas.
O antigo deposito de cera de carnauba e sebo
em pao e em velas, estabelecido no largo da As-
sembla n.9, mudou-ae para a ra da Madre de
Dos n. 28, quasi defronte da igreja, onde conti-
na a haver um completo sortimento daquelles
gneros, que se vendem por pregos razoaveis.
Relogios.
Vande-s sm casa de Johnston Paltr 4 C.,
ra do Vigario n. 3 um bello sortimento da
ralogiosdaouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambas
ama variadade da bonitos tranceln:para o
meamos.
ARMAZEM
DE
Lou^a vidrada.
8-Rna da Cadeia do Recife-8
Grande liquidado por
todo preco.
timeTtoT "6 "0d' estabel"iee.lo com aba-
Louga vidrada de differentes'qualidadet.
Vamde d.ver.o. tam.nho. p\r, ma^eig8i do_
Jarras fiaas grandes e pequenaa.
Ditas entre-linos e mtisinferiores.
Potes de difiranles tamanhos.
Jarras e jarrees para coaioha.'
Resfriadelras [ou garrafaa) de difiranles gosto.
Quartinhas grandes e pequeas.
Copos da Baha e da terr.
Muringues finos e entre-finos.
Fogareiroa para defumar.
Baldes de pao proprios para compras, nocheirisi
e navios. ~
Escovas de lavar casa e navios.
Vassouras de cabello, piassava e palha para
vflrrcr.
Espadadores de cabello para carro, mesa etc.
Carnnhos de differenles tamanhos para menino
brincar.
Ceatiohaa para menina de escolas.
Balaios soitidos.
Cesta para compraa sortida.
Lapachos redondos para meio de sala.
nhl'?- e Vldro branCM e de co'e> Para vi-
nho, licores, agurdente etc.
E outras muitas fazendas que aeria difflcil
mencionar ai quaes se venderao aem reserva de
prego por o dono do estabelecimento ter de
re-
Aos senhores sacerdotes.
Acabam de chegar Joja da boa f, na ra do
Queimado n. 22. meias preta. de seda muJo su-
periores, proprns para os seohores acerdolea
porserem bem comprida.e muito elsticas ; ven!
d.m-se pelo barato prego de 69 o par,"a mec-
Vendem-se burros gordos e mansos rr.
eogenho Jur.ssaca, do Cabo : tratar alU com o
Sr. Domingos Francisco de Souza Leao
Froco fino, e seda frouxa para
bordar
vende-se na ra do Queimado loja d'aguia branca
n. 16, onde se achara completo sortimento
Capachos.
Srza?pr7Xc,da^rnV-rQur:
Urna bar caca.
Vende-se ama bsreags do porte de 35 caixas,'
eocalhada no estaleiro do mestre carpinteiro Ja-
...------niant i^-.t wm
Attenco
Guimaraes & Luz, donos da loja de miudezas
da ra do Queimado d. 35, boa fama, naHicipim
ao publico que o aea estabelecimento ae acha
completamente prvido daa melhores marcadorias
tendentes ao meamo estabelecimento, e muitos
ouiro objectoa de gosto, aendo quaai todoa rece-
idos d suas proprias encommendas ; e estando
elles inteiramente resolvidos a nao venderem
fiado, afiangam vender mais barato do que outro
qualquer ; e juntamente pedem aos seus devedo-
res que Ibes mandera ou venham pagar os seus
dbitos, sob pena deserem jusligsdos.
Fivelas pasa cinto.
Novo paquete das novidades
I 23-Rua Direita-23
Neste novo estabelecimento achara o publico um grande sortimento tendente a molhados
tudo por prego mais barato do que em outra qualquer parte :
Manteiga ingleza especialmente escolhida a 800 e 960 rs. a libra.
Dita franceza a melhor do ma/cado a 720 rs. a libra.
Queijos Oamengos chegado no ultimo vapor a 2j?8C0e 3g.
Chi byson e preto a 2| e 2J880 a libra.
Vinho engarrafado dos melhores autorea a 18 e 1200 a garrafa.
Vinho da pipa proprios para pasto a 500 e 560 a garrafa.
Marmelada imperial dos melhores autores a 900 rs. a libra;
Ameizas portuguezas a 480 rs. a libra.
Paaaas muito novas a 500 rs. a libra.
Latas com bolachiohssde difiranles qualidades a lgiOO.
Conservas inglezas as melhores do mercado a 800 rs. o frasco.
Massas, tatbarim. macarro e aletria a 440 rs. a libra.
Cerveja daa melhores maia560 agarrafa.
Genebra de bolla oda superior a 000 tu. a botija.
Velas de carnauba a 440 rs. a libra.
Ditas de e'sperm acete a 760 rs. a libra.
Vioagrepuro de Lisboa a 320rs.'a garrafa.
Arroz a 100 e 120 rs; a libra.
Alpista a 160 rs. a libra.
Toucinho de Liaboa a 360 rs. a libra.
Alm dos gneros annunciados achara o publico um grande sortimento de um (ndo tenden-
te a raolhados mais barato do que em outra qualquer parte.
cintho Elesbo, ao p da fortaleza das Cinco Pon-
tas, sonde pode ser vista e examinada pelos pre- i Ricas fivelas de madreperola 1
prazo oa a dinheiro ; a barato prego de 1J600: na loja da
ra do Queimado n. 75, junto a loja
tratar com Uanoel Aires Guerra, na rna do Tra-
piche n. 14.
Grvalas da moda.
Na loja da boa f, na ra do Queimado n. 22,
cintos pelo
victoria na
de cera.
LuvasdeJouvin.
Na loja da Boa F na roa do Queimado n. 22
se encontrar um completo sortimento de grava-1 8emPra se encontraro as verdadeiras luvas de
tas de seda preta e de cores, que se vendem por JUT'n tanto para homem como para senhora,
pregos baratissimos, como sejam: estreitinhas' dvertinde-se que para aquelles ha de muito
pretas e de lindas cores a 19, ditas com pontas liada cores, na mencionada loja da Boa F na
largas a 1500, ditaa pretas bordadas a 1600. di- ".".Jo QueimdO-ii'JS.
tas pretas psra duas voltas a 2$ ; na mencionada
loja da boa f, na ra do Queimado n. 22.
Mui bonitas
e boas fitas brancas de chama-
lote, franjas e trancas.
Aloja d'aguia branca acaba de receber de sua
encommenda diversos arligos de gosto, e proprios
para enfeites de vestidos de noivas ou convida-
das, aendo bicos de blond de diversas larguras,
franjas brancas e de cores, trancas brancas com
vidrilhos e aem elles, cascarrilhas brancas e mui-
tas outras cores, finas e delicadas capel las bran-
cas, bonitos enfeites de flores e cachos sollos, lu-
vas de pellica enfeitadas primorosamente, mui
bonitas e boas fitas de chamalote, e emfim mui-
tos outros objectos que a pedido do comprador
sero patentes, e & vista do dinheiro nao se dei-
xar de negociar : na loja d'aguia branca, ra
do Queimado n. 16.
Fivellas douradas e esmalta-
das', para cintos.
A loja d'aguia branca acaba de receber por
amostra urna pequea quantidade de fivellas
douradaa e esmaltada para cintos, lodaa de no-
vos e bonitos moldes, e tambem douradas que
8
Inleresse publico.
Offerecido pela loja de!
marmore.
A loja de marmore tendo de apresen-
lar concurrencia publica o que na de
mais novo em fazendas, tanto para se-
nhoras como para horneas e meninos,
sendo que para este fim espera de eus
correspondentes de Inglaterra, Franga a
Allemanha as remessas de seus pedidos,
tem resolvido, antes de apresentar o no-
vo sortimento, liquidar as fazendas exis-
tentes, o que effecluar por pregos m-
dicos e para cujo fim convida o respeila-
vel publico a aproveitar-se desta emer-
gencia.
ATTENCO
M>% i Ni KL. IPMJI'f m
Sortimento completo de fazendas e roupas feitas
N V IMaSiY TVE
N8TI.
48Ra da ImperatrizN.
Junto a padaria franceza.
Escravosfugidos.
N.
48
Caivetes fixos para abrir
latas.
Ghegou nova remessa desses preciosos cai-
vetes fixos para abrir latas de aardinha, doce,
Hr.KwdW.nrSr bolachinhas etc.. etc. Agora pela festa cmese
cia se conhecer nao o erem, estando na> memo muSi de"" C0U!" e F7 ,M0.6 ??""" >'
... ^m.w 1, m i\aaoaa ..ansala, ^iiia mnA.I. A <4 A.M.t_
caso as esmaltad is, e assim mesmo vendem-se
pelo barato prego de 2(500 rs. cada ama, na ra
do Queimado loja d'aguia branca n. 16.
Gestinhas ou cabases para as
meninas de escola.
O lempo proprio das meninas irem para a
escola, e por isso bom que vao compostas com
ma das novas e bonitas cestlohas que se ven-
dem ca ra do Queimado loja d'aguia branca
o. 16.
Novos bonets de velludo, e
marroquim dourado.
Na loja d'aguia branca vende-se -mui bonitas
bonets de velludo, e marroquim dourado, oa
quaes sao agora mui oecessarios para oa meni-
no que vo para a escola e quem os quizer com-
prar mais baratos dirigir-se ra do Queimado
loja d'aguia branca n. 16.
As verdadeiras pennas ingle-
zas caligraphicas.
A loja d'aguia branca acaba de receber sua
encommenda das verdadeiras pennas de ac
inglezas caligraphicas, do bem eonhecidos e
acreditados fabricantea Perry & C, e apeaar da
falla que havia desasa boas peonas, eom tudo
vendem-se pelo antigo prego de2/000 a caixinha
de urna groza, quantidade eisa que as falsifica-
das oio trazem. Para livrar de engaos, as ca-
xiohaa vo mareadas com o rotulo qued; Loja
u'aguii branca tua do Queimado n. 19.
um desses caivetes cujo importe 1$, compran-
do-sena roa do Queimado loja da aguia branca
n. 16, nica parte onde os na.
Gaixinhas vazias para co-
feitos.
Muito lindas caixinhss vazias para se botar
confeitos e dar de prsenle a 200, 320 e 400 rs.
cada caixinha: na loja da victoria na ra do
Queimado n. 75, junto a loja de cera.
Linhas de croxele em nve-
los monstros.
Muito boa linha de croxele para bordado em
nvelos monstros por seram muito grandes a
400 rs. o novelo : na loja da victoria na ra do
Queimado n. 75, jetlo a loja de cera.
Novo sortimento de cascarri-
lhas de seda.
A loja d'aguia branca acaba de receber um novo
e bello aortimento de cascarrilhas de aeda de
muitas e differenles cores, e vende-se 1#500
e 295OO ris a peca, na roa do Queimado loja
d'aguia branca n. 16.
Meias pretas de seda a 1:000
o par.
Vende-se meiaa pretas de seda, e de mui boa
qualidade, para aenhoras, e padres 4 1|000 o
par, por estarem principiando a mofar, e estando
ellas calgadas nada se oonbec, na ra do Quei-
mado loja d'aguia branca a. 16.
Enconlra-se neste estabelecimento um completo sortimento de roupas de todas as qualida-
des como sejam palelotsde alpaca preta de 39a 109, ditos de merino preto a 79, dito de panno
preto saceos a 79. 89 e 129, ditos de casemira de 79, 99 e 129, ditos de alpaca de cor a 39500, 49 e
79, diloa de meia casemira de cor a 49500 e pretos a 55, ditos de brim pardo e de cores a 39500 e
49, ditos braceos de bramante a 39500 e 49i de brim trangado a 49500, sobrecasaco de panno preto
a 169, 189 a 20$, ditos com golla de velludo a 189. sortimento de ealgas brancas de brim a 29500,
89500 e 49. ditas de cor a 1$600, 29, 2J500 e 39. aitas de ganga de cor a 2j700, de meia casemira
a 39, 39500 e 69, ditas de casemira superior a 6(500, 79500 e 99, ditas pretas a 4$500,79, 89 e 109,
e de outras muitas qualidades, sortimento de collete de todas aa qualidades, camisas francezas de
todas as qualidades e pregos, seroulas de algodo, de bramante e de linho por pregos admiraveis.
Um sortimento de roupas para meninos de diversos tamanhos, chapoa francezes para cabega de
todas as qualidades, cbapos\de sol de seda admiravel pechincha para liquidar a 59500 e 69, ditos
para senhora a 4$ e 59, e outras muitas qualidades de fazendas e roupas feitas que se afianga ven-
der por pregos commodos.
Meias pretas deseda.
Vende-se meias de seda pretas \para senhora
fazenda muito superior pelo baratsimo "preco
de 19 o par :na ra do Queimado Va bem co-
nhecida loja da boa fama n. 35.
Linhas de cores em novlos.
Vende-se linhas de core em nvelos fazenda
em perfeitissimo estado pelo baralissimo prego
de 19 a libra : na ra do Queimado loja de miu-
dezas da boa fama n. 35.

Papel de peso a 2# a resma.
Vende-ae ni ra do Queimado toja de miude-
zas da boa fama n. 35.
Bicos de linho barato.
Veode-se bonitos bicos- de linho de dous a
qualro dedos de largura fazenda muito superior
pelo baratiasimo prego de 240, 320, 400 e 480 rs.
a vara, vende-se por tal prego pela razap de es-
tarem muito pouca couaa encaldidos, tambem se
vendem pagas de rendaa liana perfeitamente boas
ditas
com 10 varas cada pega a 720, 800
com salpico muito bonitas e diversas larguras a
a 29 ca-
bera co-
. 35.-
19200,19600 e 29 a pega, ditas de seds
da urna pega : na raa do Queimado na
nhecida loja de miudezas da b.oa fama 11
Agua de lavander e pomada.
Vende-se superior aga de lavander ingleza
pelo baralissimo prego de 500 e 640 rsJcada iras
eo, pomada muilissimo fina em paoa grandes a
500e a 19. vende-se por tao barato prego pola
grande quantidade que ha: na ra do Queimado
na loja de miudezaa da boa. fama n,
a das 6 por-
tas em frente do Li- j
vramento.
Roupa feita muito barata.
Paletota de panno fino sobrecasacos,
ditos de casemira de cor de fusto, ditos i
de brim de cores e brancos, ditos de .
ganga, caigas de casemira pretas e de I
cores, de brlm branco e de coras, degsn- (
ga, camisa eom peilo de linho muito |
finas, ditss de algodo, chapeos de aol
de alpaca a 49 cada sm.
Taixas
para engenho.
Grande reducc.o nos procos
para acabar.
Braga, Son & C tem para vender na raa da
Moeda taixas de ferro aado do mui acreditado
fabricante Bdwin Mavr, a 100 rs: por libra, aa
mesma que ae vendiam a 120 rs. : quem preci-
sar dirja-sa a taa do Trapiche n. 44, armazem
de faxeadaa. .
. ^7 22 pret0 Jo?e> denago, idade de-55
J "no.Pouco mais ou menos, tem o pe di-
ajante virado para fora, e alUm-lhebas-
bfitJTe8' l6T?U C.hap0 de ***** "lea de
brim preto, e camisa de riacado azul com boleos
quem o pegar leve rna lafga do Rosario o. 18
tereeiro andar, que ser recompensado.
Fugio no da 11 do corrente, um
cabra de nome Constancio, de idade de
24 annos, bastante descorado, com urna
bilide no olho direito, urna pequea
fenda na canella, levou calca e camisa
de algodaozinho escuro; fo vendido
aqu nesta praca, pelo Sr. Paulino Ma-
noel de Souza Oliveira, a Jos da Fon-
ceca e Silva : as pessoas que o pegarem
dirijamsea ra Direita n. 5, que ser
gratificado generosamente.
Acha-se ausente de casa desde o dia 10 do
corrente mez a escrava da Costa de nome Balbi-
na, cara tslhada, baixa, tem na bocea falta de
um dente na frente, e no lado auperior, levando
vestido desbotado, que parece branco, e panDo
da Costa, consta ter sido vista no Recite, e anda
com um taboleiro de fructas para disfarcar-se
roga-se aos pedestres e a polica a sua appre-
SnT.m ted0: a estrada de Joo d8 Ba"s.
m?. r8DV" caDe,la da Conceigo, onde
mora seu senhor o major Joo Bernardino da
Vasconcellos, que gratificar.
Fugio no dia 20 do corrente de bordo do
patacho Capuam, o escravo crioulo marinhei-
ro de nome Antonio, idade 19 annos poucomais
ou menos, altura regular, rosto comprido e com
alguns signaes de bezigas, levou caiga e camisa
azul : quem o pegar leve-o ac escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. ra da
Cruz n. 1, ou a bordo do dito patacho que ser
generosamente recompensado.
Fugio no dia 6 do corrente as 7 horas da
noite o mulato escravo de nome Izidoro, idade
de 22 a 21 annos, tem o rosto picado de bezigas
que as leve em bastante escala, a pouco menos
de mezes, e por isso ainda tem roato preto das
marcas, escuro da cor, cabellos e barba cortada,
quando anda parece puchar de urna perna por
nao poder ainda bem sentar um dos ps ein vir-
tude das bexigas que leve, levou caiga de riscado
e camisa de madapolo, chapeo de feltro, este
escravo foi recebido em pagamento do Sr. Joo
Jos deMedeirosCorris,daParahiba, suppoese
que tomara o caminho de Nszareth ou Lagoa
Secca onde j Irabalhou de aapateiro ou mesmo
que tomasse o caminho do loga do Bacamarte,
donde natural e tem parantes e senhores mo-
gos : roga-se as autoridades policiaes e capiles
de campo o apprebendam e lsvem ao Mangui-
oho sitio defronte da capella do mesmo nome
ou so Recite rna do Amorim n. 27, escriptorio
de Jos Nunes de Paula que gratificar com ge-
neroaidade.
Fugio no dia 9 do corrente (janeiro] do en-
genho Santos Hendes, da comarca de Nazarelh,
do abaizo assignado, um escravo de nome Fir-
mino, de 28 a 30 annos de idade pouco mais ou
menos, alto, corpolento, bonita figura, nao mui-
to fechada a barba, sem achaque algom, pernas
grossase um pouco abortas, ps grandes e cha-
tos, quando falla fecha um pouco um olho,
muito ladino, e falla mdito desembarazado,
crioulo, de cor preta, bom carreiro, bom car-
gueiro, sabe comprar e vender, entende de fazer
assucar, de suppor que tenha as nadegas
marcas de chicote, foi comprado ha 12 ou 14 an-
nos pouco mais ou menos no engenho Morojo,
desta mesma comarca, onde tem muitas relagdes
assim como as tem na praia de Itapissuma e
n'outrasno Recite e serto : roga-se as auto-
ridades policiaes, capites de campo e a qualquer
pessoa em particular a apprehengo de dito es-
cravo e leva-lo ao referido engenho cima men-
cionado, ou ao Recite na praga do Corpo Santo
aos Srs. Manoel Ignacio deOliveira & Filho, que
receber 2009 de gratificarlo. Dito escravo fura
visto por dnas vezes urna em Ierras do engenho
Aldeia da comarca de Pao d'Alho, e outra em
terraa do engenho Hachados limitrophe do mes-
mo engenho Aldeia, por isso de presumir que,
ou esteja acollado por algum senhor de engenho
visinho cujo carcter com isto se coadune e com
algum pensamento reservado a melhor saptisfa-
zer os seus intentos, e conseguir certos fifis por
elle a muito desojado, ou por algum de seus
moradores, ou enlo tenha ido para o Recite on-
de tem muitas relagdes, j por ter toda a sema-
na ahi vender agurdente, ja por ir estado alli
diversas vezes por 3 e 4 das esperando res-
posta de papis, por isso de suppor que ou es-
teja no ganho ou em alguma sucia de negros e
de can al ha on em companhia de alguem ; por-
tanto roga-se aos Srs. de engenho e todas aa pes-
soas viainhas dos engenhos cima mencionados,
assim como aos senhores doa meamos engenhos,
como tambem as pessoas da praca a apprehen-
so do dito escravo que recbero a paga cima
e flearei mullo obrigado; assim como protesta
proceder com todo rigor da lei contra qualqaer
individuo que por acaso o tenha em seu poder
ou oceulto. Recife 24 de Janeiro de 1862.
Laorentiao Gomes da Cunba Pereh-a Beltro.


.J I
_




DIARIO DE PEEAMBUCO. *# SiBBAD 15 DI rEVISSItO DE 1163
LiUeratura.
0 ESPELHO.
Columna original do Diario de
Pernamnuco.
I
t REPACI.
Um Espelho no Diario de Pernambuco ?E'
verdade,e como certo que nihil sub eole no-
vum, Dioguem se admire disso.
E o que ha ueste muodo que nao tenha o seu
espelho?Coalas :
O sul ten tai espelho oa la onde to redec-
ir seus raioa amortecidos e mgicos es horas
silenciosas da noale.
O oceaoo o espelho immenso do cu com to-
das as suss estrellas de ouro, combas de rabo e
novena de breu.
A oatureza o espelho mulli-face de Deua que
retrata a sua mageslade, a sua harmona, o seu
amor. Da poesia das selvas, oo escalvado da ro-
cha, as floral i n ha 9 do ralle, no trioadoda aves
e no murmurio do arrnio. Todo o politice que
calvo tem o seu espelho no chic: por elle co-
Dhecera quando a calva est vermelha ou palu-
da, quando Iha caliera ou oascem cabellos: por-
fue os chinos polticos crescero ou dimiouem,
uroara-se bastos ou raros conforme j vegelacao
das estages.
Al aquelle que nao traz cabelleira nao dispen-
sa um tspelho, ou seja para nelle mirar os phe-
oomeaos meteorolgicos das altas regioes e mo-
far das excelencias de cima ou de biixo,con-
formo a posicao ; ou para multiplicar, por urna
illusao de ptica, aquellas bilhetes sem enderego
que recebe pela uiala eleiioral de quatro era qua-
tro annos, segundo o kalendario gregoriano.
O religioso tem tambera o seu espelho no pul-
pito, em face do qual estuda a prosopopeia dos
ouvinles e as caretas e gestos que ha de fazer
para parecer unanlo, e vender melhor as suas
perclas iJaiianae^orao Keen, o trgico inglez,
estudaodo a mimi^ em sua cmara de vidro.
A moga que bonili tem ura espelho booilo
que vae contemplar cada hora com um certo
ar.,.e um certo riso...e urna certa complacencia
para com o artista qua o fabricou, para auxilia-
la em suas tentages.
\ moga que fossa feia (se as houvesse laos:
hypothese absurda), teria tamben] o seu espelho
eio que nunca vera seno para deprimir o filho
degenerado das artes que nada enteode d'aquel-
les lapidados, ou para dar quioos no ago e no
vidro com arabescos de carmim e mosaicos de
polvilho.
O negociante tem o seu espelho Daconsciencia,
e a cousciencia no decreto do Io de iunho de
1813. J
Os lstirados tem timbem o seu...silencio !...
nem mais urna palavra sobre islo I
At os fiscaes tem um eapelho em cada lagoa
veneziana que eruprovisam as ras, mingoa
de esgotos, e onde os gondoleiros codilhariam o
Sr. Dubeux se o invern nao livesae Qm.
Dizem al que um philosopho chinez descen-
dente em liona recta de Lau-Tseu e parete do
mandarim Tching-Tchang-Tchung, est agora es-
erevendo urna obra om cioco voiumes, com um
volume de prefacios, meio volume de notas, um
appendice de iadices e um supplemeoto de epi-
graphes, total, 7 voiumes:para demonstrar que
lodas as ideas dos nossos sabios, todos ossonhos
dos teres, todas as sandices dos palurdios sao re-
lexos mais ou menos luminosos da esfrelhologia.
Nao me admiro : Zimraermano sabe de um padre
allemo que escreveu dous voiumes provaodo
que no oulro mundo s se fallava latim : como
se enteadero l os frades?
Sao bagatellas, nao ?mas a historia d con-
tas do outras bagatellas: ella dizque o czar Pau
lo banio do seu palacio de Hoscow quanto es-
pelho havia, para nao ser obrigado a eochergar
em cada caoto a sua linda figura de Gorgooa ;
ella diz mais que o autor de D. Quichote perdeu
a mi esquerda na batalha de Lepanlho, e a
pura verdade, pobre Cervantes I O meu exami-
oalor brigava com a gente, quando se nao sabia
e3Jas miudezas : scieocia de retalhos I...
O espelho tem tilo mais influencia do que se
peasa nos deslinos do mundo : lord Cisllereagh
malou-se a um espelho :houve mudaoga rai-
sisterial; em face delle Clopatra sem querer,
aleou a guerra do triumvrato romano ; Clarissa
sem querer, adorou o Tancredo de madama E.
Girara d.
Com um espelho Archiraedes tornou-se em Sy-
racusa o incendiario da legitima defeza e Roma
tremeu ;Newton encaixou o em um telescopio,
e o mundo da astronoma soffreu urna revoluco.
Ha at Lovelaces quearaeacavam ao sexo ira-
gil com a realiaago d'aquella imprecago do
Bardo deCastilho, e que em face de um espelho
desisliram desse intento.
Porque nao ter pots o Diario o seu espelho?
Um da, emquanto o Judeu Errante marcava a
trra da America russa com a sua bota ferrada
em cruz, carregava s costas um grande espelho
de salo, on Jo a estampada a cabs* mmeosa
da socicJade.
Nao era urna cabega de leao que sse do pa-
raso sacudiado a juba, como quer A. Martin ;
una cabega de lello carregada de diabos azues,
com suas forjas e bigoroas, seus sabbals e seu
Brokeo : valba a palavra de Vigey.
O Diario nao um athleta assim: carregar
um pedago apenas desse espelho quebrado, re-
tratando s vezes urna paysagem destacada, um
persoQBgetn, ou um cosame da actualidide, e
quando nao tiver que fazer, ir caminhando
assoviar como fazia Urydeo no poema.
FOLHET1M
0 PAIZ DO TOO O
POR
A. DE GONDRECOURT.
Eu quiz ,fazer ura-programma e nnuoclar as
minhas vistas, mas, como a poca dos mee-
txngso convenios, reun emsesaopara delibera
rem respeito:um sceplico enragi, um poeta
quo pedio i sua demissao, um religioso qua pas-
sou para o inimlgo com armas ebagagem, um
protestante, um espirito forte, un sanio, am
orador, um Bglez pensador, dous polticos, tres
mocas e cinco littMatos. Eis o qae diweram e
fi/enra no cooctaBulo, em vez de Iraiarera do
prograram* :
O sceptieo :Meu corceo um sbysmo sobre
o qual, para cumulo de soff>imento, vera quasi
sempre adejar un lembringa -riairaha de meus
dias de esperanga, como essas aves.msrinhas que
durante o furaclo se esconder m no rochedo e
va o depois esvoagsr sobre o ocano rerolto para
rir da sua agona. (Appoiadot).
O pqta:D'dOtes eu fazia de tudo uta ai-
sumpto de enlhosiasmo, a natareza e o homem
eram meus themas sem fim que eu cantava com
orgulho I [Muito bem I) Hoja tudo mudado : a
miuba peona um estylete de gelo, mioha ins-
pirago 6 como eslellio das ruinas I (Nao appoia-
dos) Meas peasamentos sao como os carneiros de
Polifemooceg que sahem do seu antro com
Ulysses atado barriga (Virg. Eneida.); e Dlya-
ses era a mioha musa [Bravos prolongados) I
O religioso :A boniade de Deus nao poda
condemaar olernamente a ignorancia de um mi-
nuto : a justiga creadora dando luz esaa igno-
rancia para puni-la, seria o somno da divinda-
de. Se o aojo decahido foi o culpado, ento o
mal veio do cu? (Reclamaces, nao appoiadot
enrgicos).
O protestante: ...Nao digo: lenho medo dos
sermoes e da responsabilidade, apezar da invio-
labilidad da tribuna.
O espirito forte: Os carolas sao urna especie
de aniases de orelha compridas e joelhos de
borracha, que s rivera de ouvir acocorados ua
abjecgfto. (Risadas da esquerda. Reclamaces da
direita).
O sabio : (Jotiimento de allenco)0 mal re-
lativo o erro, o bem absoluto a verdade : ea-
minhardo relativo ao absoluto, bascar o paral-
so. Disse. (Tempestade de bravos. O orador
cumprimentdo).
Ura. aparte: Magnifico 1
Oulro:E' verdade, esleve melaphysico I
Oulro : >oberbo I
O ingles:Dms est no alto; elevemo-nos I
(Somno profundo).
O orador nada dsse porque o silencio mais
eloquente do que as palavras, oa optoiao de Ci-
cero ; ura dos polticos s fallou pela.ordem, o
outro deu umnao appoiado enrgicoao espi-
rito forte ; as mogas davam apartes repetidos in-
direilando os bales ; os litteratos tomavam no-
tas com toda a gravidade, sem cizerem palavra :
tudo assim : cada cabega com a sua carapuc e
cada carapuga com a sua n am,.
Eu, por mim, antes que se dissolvesse o mi-
nisterio, pude chegar urna conciliago farendo
varias protcessas, mas assim mesmo, quei sem
prograrama e quasi tico sem pulmes. Que me
importo ? Dinguera d crdito aos programmas,
porque foi a H-spaoha que os inventou.
Agarrarei a primeira lembranga que me acudiu
apeona o disseca-la-hei ao espelbo :. elle ter
suas perspectivas, seus quadros ao acai'o, e suas
sentengas e mximas quando eu houver soohado
com o conselheiro Bastos ou com o marqaez de
Marica: *quanlo pnsso proraelter, e isso mej-
mo sub condicione: quera responde sem cere-
monias pelo futuro ou ura louco ou um orgu-
Ihoso.
O meu epilogo, por hoje, depende dos leitores
aos quaes peco urna escusa :fallei ahi tanto, em
tanta gente que nunca vi, que talvez rria aecuse
algum promotor lilterario por criraa de calum-
oia : pordo I tenho dous ineios de defza : 1.
precisava ser entendido por .todos aquelles qne
me lessero.e os Iliteratos modernos era nao ven-
do aquelles nomes proprios...um l...nao acham
pensamentos capazes, islo nao sao todos...2."
precisava sobretudo ser acreditado, e, como di-
zia a penoa espirituosa de Agrippa citando Bal-
ms, esses nomes sao urna autoridade real, um
argumento sem replica : em Hespaoha assim .
E se nao me attenderem, estou incumbido de
repetir tudo o que hei dilo, como fez nm domi-
nicano que obleve de Carlos V urna graga,
pnocipio recusada, e logo immediatamente con-
cedida pelo imperalor qjo celeu aquella amea-
ga.
Correu-se a cortina.
SOUZA BlBEIUO.
DE
Liberdade, egualdade e fraternidade.
( Concluso. )
Como noguem prophela em sua Ierra, o
polaco fra distioguir-se em barricada distante
do sea bairro, em quanto que sua porta outros
patriotas coustruiatn uaa com os m .veis delle,
eotr6 os qua^s se perderam em aervtgo da causa
alguna magos de notas do banco, que eram os
resto da fortuna deste desventuroso liberal. O
tadro foi preso e fuzilado pelo povo. mas j ti-
oha passado a sorama a um parceiro. Hpuve
justiga. Nao pdde haver repartigo do pre-
juizo.
Ioterveio a familia Czartoriski e obteve a sol-
tura do polaco que sabio da priso do Monte S.
Miguel amputado de um brago e sem meios de
subsistencia. Volveu a ensinar a liogua de Ci-
cero e de Horacio o chegou a ler numerosos dis-
cpulos, porm um professor rival deniuiciou-o
por escolber para exercicios os lugares de Tcito
mais proprios* suscitar o odio contra o gover-
no. Novo processo o nova condemnago. Dasta
vez foi expulso do territorio da repblica anda
(Gostumes dos nmades,)
PRIMEIRA PARTE.
(CoDtiouscao).
XIII
Dissemos qne o aposento, em que resida ma-
dama Thereza, compunha-se entre outras pegas
de dous quartos principaes communicando-se por
urna porta que dia e noile conservava-se aberta.
Em um dos dous quartos dormiam Magdalena e
sua vigilante ais, cujo leito achava-se quasi col-
locado junto ao bergo da menina. Madama de
Amstadt poda despertar ao menor movimento
produzido por qualquer incidente daquelle lado
Quando Thereza entrn no seu quarto, condu-
ziu o mendigo, cuja mi nao abandonara, at ama
esdeira, ondef-lo sentar-se. dizendo:
Estamos no meu aposento; pode fallar
agora.
Senhora, dase Francisco em voz baixa, nao
s bastante estar no seu aposento; cumpraque
ninguem mais seno V. Exc. oug as minhas re-
Telagoes; e talvez....
Cemprehondo ; rou mandar sahir a aia de
miuba filha.
O mendigo fez um sigoal affirmativo com a ca-
bega. Thereza paasou ao quarto de Magdalena ;
e ali foi teslemunha da.um espectculo que em
qualquer outra circumslancia t-la-hia admira-
do, e at mesmo assuala-la-hia. Apezar de ser
muito cedo, a aia se lioha deitado contra o seu
costume, e dorma um somno profundo ao lado
da menina confiada i sua guarda.
Madama d'Amitadt voltou a ler com Francisco,
e disse-lbe:
Pode fallar em voz alta ; a aia dorme, e s
acordar pela manha como costuras).
Bem, senbora, rou comegar: mal desde j
pego i V. Exc. que desculpe a incoherencia das
minhas patarras, devida commogio de que es-
tou possuido. Eu quererla de todo o meu cora-
gao pader arredar as terriveis desgratas que rejo
amantoadas sobre sua cabega....
Mas, seohor, est perdendo um tempo pre-
cioso.
Ah Sr.* btroneza de Amstadt, porque re-
geitouo amor e a mode sen primo Walter?....
Basta, seohor, interrompea Thereza com
dignidade : saiba que ninguem autorisei anda
para pronunciar este nome em miaa presenca,
especialmente aqu onde estamos.
* ~w ^"iv"] Ni0 Vl0 um 6 momento
da Tiritada da V. Exc. ; aei que exforgos castos a
rigorosos fez para parecer cruel ao homem cuja
recordsglo talvez exisla intacta no fundo do seu
corago ; e por isso que eu mais deploro....
'(fVida Diario o. 34. "-
a m nome da liberdade, da eftualdade e da frater-
nidade.
No passaporte ou guia com que o mandarim
para a frontelra estarn escriptss no alto da fo-
Iha as tres palavras symbolicas, de cuja extrava-
gante tnterpretaglo elle acabara de ser victi-
ma. Se nao recesase novo proceaso, teria rasga-
do aquella irnica papeleta no proprio inslaote
em qua lh'a entregaran ao sahir da cada.
Parti da Pars inconsolavel. Nao se Ihe dar
de ler perdido um brago, era se quexava do
roubo das nota. Os polacos etto habituados a
.nao fazerom caso das riquezas e a maltrataren! o
corpo. Oque elles querem liberdade o occa-
siao^e fundare* um crdito predial, ainda que
seja na la. Em alcangando estas duss cousas,
vivera satisfeitos.
Mas liberdade como a de Paria, no lempo da
segunda repblica, tinha elle em Varseria. Po-r
de: alguem acreditar que a polioia franceza
marcou os graos do ngulo que formara as pernas
das meninas que dangam em Mabille e no Cha-
leau des Fleuri, e que, ae alguma excade o
numero legal, posta faa do jardm, e se grszi-
D"i 9 a",oada remellida polica correccio-
nal? Quem ha de imaginar que em Franga para
rundar urna erapreza ou para exercer urna pro-
llsiao necessario gastar o lempo e o dinbeiro
em mil formaliiades e que nao se leram em
conta estes obitaculos legaes, quando a polica
pergunta judicialmente a um homem de querive
e em que se emprega ?
Meditanda tristemente oestes casos e em oatros
de egual dureza, foi o nosso desengaado polaco
atravesando a Franga al frooleira de Hespa-
nha, qual deu a preferencia, por ser a tetra em
que menos se fallava na triodade republicana da
liberdade, da egualdade e da fraternidad, se-
melhsnte i triodade do chrislianismo em ser
myslerio que se dere acreditar, ainda que se-nao
entenda.
Na primeira cldade de Hespsnhs em que en-
trn tinharn fuzilado nesso dia dona officies do
exercito que se revoltaram contra os ministros,
com o mesmo direito com que os ministros
actuaes se tinham insurgido mezes antes contra
os seas predecessores e estes contra outros, e
assim para traz sem iolerrapgao at D. Pelaio,
chefe da bernarda das Austrias contra os
rabes.
Um dos officies fuzilados ora estrangeiro.' O
polaco senlio um catafrio na espiona dorsal e
andou sempre. Assim mesmo, rosnara o pobre
homem, quando eslava s*: Antes- mellado,
preso, coodemnado, roubado, ferido, mutilado e
epulso do que fuzilado e at> soro de um hymno
liberal que urna especie de gargalhada de es-
carneo infernal nos transes da agona I h Hes-
panha republicana moda de 17931 Arreda
para looge I
Em poucos dias chegou frooleira de Portugal
com iotengao de se embarcar para a America- em
um dos nossos portos. Quera straressar e
ocano e ir descobrir no oulro continente a liber-
dade, a egualdade e a fraiernidade-qae andarn
foragidas da Europa. Mas o homen prope e
Deus dispe, como diz o proverbio fraocez, Che-
gou a Lisboa nos i-ns de 1849 e l Ceou at 1860,
em o encontr! ama tarjle no Roci ta>o salisfeilo
como se corresse ali perto o Vstula em vez do
Tejo.
Ento nao foi para a America?exclamei,
ao arista-lo.
Qual America, nem meia America r respon-
des o polaco, sorrindo..Eu estou como o Gil
Brar. Achei o casal de Liria e disse- eterno
adeus is aventuras. Que outros se divirtam.
loreni postum: spes-et fortuna ralete
Sai me lusisti. LuJite nunc alios
Vejo que ae n&o esqueceu do latim.
V o meu ganha pao- e viro contente com o
producto do meu trabalho- Iqui eocontrei a
lrlQdade liberal. NSo eat oas faciadas dos
edificios pblicos, nem ae-ioscreve por logrado
as ordens de desterr, mas vir6 no corago de
todos, que o principal.
... Pelo fue obserro, encootrou, finalmente, a
liberdade f
E completa. A reaccao d'aqui como a
liberdade das outsas Ierras, a egualdade
effeciiva perante a le e existe por affavel accor-
do de todoa na sociedade. A fraternidade a
rirtude mais geral neste paic. Que mais poda
eu desojar? Se todos os que sollrem no muodo
por amor da justiga conheeessem esta lorrio
abengoado......
E a repblica ? Pois j- nao republicano *
Sou, 8im, concluio o polaco eothusias-
madomas esta a melhor de todas as rep-
blica*.
A. A. Tei ( Commercio do Porto. )
Do I rabal lio em geral, considerado eni
relaco sua iofliMncia plivsica.
moral e social.
Precisamos ser breves, rpidos,
e concisot, mas clarosmelho-
dicos e sufrientes.
( O AUTOR.)
Inherente consliluigo humana a aclivi-
dade urna necessidade geral ; urna faculdade,
cujo exeroicio, dirigido n'uma oa n'oalra direc-
go, e para determinado Qm d em resultado o
trabalho. Em harmona com as dirersas neces-
sidade do homem o trabalho sempre urna lev.
commum a to los.
Sobremaneira til esalular a cada um, torna-
se indispensarel organisagio do corpo soeial,
conserrsgo e progreiso da civilisago.
FUh# da naUraza, vlrendo no meio delle, re-
pom effeito o homem os seus dous, que lia
largamente lhe offerece.
Por meio do trabalho alto escolhe, aperfeleda.
e multiplica estaa dons.
Por meio do trabalho satisfaz as suas necessi-
dade*.
Por meio do trabalho procura ertar e preve-
nir os malea ; proteg turea com as pronnas totgss que recebeu dola.
Por meio do trabalho, em fim, .ousa mesmo
. combsie-la.
Cresce, desenvolve-se, e sperfeiga-se, porisso
a industria humenj, eo poler do horpem, inde-
finido nos seas progre*so*. procura submetter s
suss necessidades, e s da sociedsde, de que faz
parte, todas as potencias da oatureza.1
Trabalhar porlanto um dever, urna rirtude :
vantagem e subsistencia; liberdade e inde-
pendencia,
Minifesta-se o trabalho em todos os differentes
eneros de oecupaco ou emprega, era todos os
diversos officios ou proflssdes, a que ae entregara
os horneo* na sociedade.
E assim como o trabalho destes mpregos ou
proflssdes pode ser productivo, e spreseutar ven-
tajosos e salutares resultados, para o homem e
para a sociedade, assim tambera pode influir nos
individao, que o exercem de urna manetra mais
ou menos favoravel, ou desfavoravel, e neite
caso pelas numerosas molestias, que pode pro-
vocar. r
Se com effeito o trabalho til 8 slater, quan-
do delles se faz o- bom aso, o se eserce com a
devida ordem e regularidade, tambera fra de
duvda, quenascircumstincias oppostas pode ser
oocivo e dar um resultado contrario. Muilaa
proQsses sao mesmo nocivas por effeio de con-
diges inherentes i sua pratica.
Vejamos pois em primeiro lugar qual seja a io-
fluencia physica do Irsbalho, qual a inftaencta do
exercicio dos diversos mpregos e profissoes em
geral, sobre aquelles que as exercem.
Todo o trabalho ou oteupagao habitual, todo o
exercicio de qualquer prothso que seje, inllue
necessariamonte, de um modo mais ou menos
evidente sobre a constituido pbysica do homem.
E estaa effeiios de um exercicio continuado ten
lugar tambem em todas as especies animaes, se-
gundo o qne a observago nos mostra.
O trabalho desenvolve o cerpo e aa torgas,
produz entre aa partes bellas proporgoea, favore-
ce, e entretem robusta a saude ; e nao se pode
deixar de admitttr, qua o exercicio- frequenle e
repelido de qualquer parte oa ergo do corpo,
desenvoive, robustece, e aperfeiga esse orgio, e
que, tornando maia facis o* seu* movimenlos, o
constitue em xoodigoes spropriadar t necessi-
des, que exige cada profisso.
Obaerva-se, que as occupagoer officios, ou
proflssdes, que precam de grande- desenvolv-
memo de forjas, e de am exercicio' muscular,
quasi geral, desenvolver e tornara robusto todo
o corpo, e Ihe do proporgoes extraordinarias:
Oihae para o individuo- acoslumado a um tra-
balho pesado, a transportar grandes pesos, o ma-
nla ou o homem de pu e-corda ; vede o tra-
Ibalhador dos campos, e lavrador, o serrador, o
martimo ; reporae, para essas figuras, que re-
presentara Os antigoa athletas e lutadore, e
Picareis de certo coohecendo como to grandes
e musculosos, fortes, e vigorosos esles iodivic
dos.
E' largo, e quasi quadrado o peilo destes ho-
rneas, sao largas e carnosas a espadoa*, entre
as quaes parece enterrar-se* urna cabega me-
diana, e a regio renal bem consistente dora e
solida. Por toda arparte os naus-alos e os ossos,.
sobretodo se o exercicio tem comegado na edade
da jorantude, e antes do seu completo cresci-
meotoapresentam-so muito desenvolvidos. Os
outros s-rstemas tem adquirido tambem maior e
mais proporcionado desenrolrioreoto ; mais ex-
teogao-as carlilagens, mais grossura os tendes,
maior calibre os rases; etc. Todo o carpo em
fim ten recebido, e participado do desenvolvi-
mento muscular geral.
Quando ama regao, apparetbo-aa orgio do
corpo, exercemais particularmente- o trabalho do
officio ou profisso, snto.principalmente esta
parte que se mostra constantemente desenvol-
vida.
Ninguem pode duvidar, vendo os Dragos de ura
padeiro, serralheiro, marceoeiro, serrador, e ou-
tros, que esles membros sejam mais desenvolvi-
dos e mais fortes, do que qualquer oetra parte,
oestes individuos. E' tambera evidente o maior
deseovol'imentoe robustez das peraaa-doanda-
rilho, bailarino, volteador, tecelo. Mais largo
e vigoroso o dorso daquelles, que se oecupam
em transportar s costas pesados fardos assim
comn mais rijos e vigralos sao egual mente os
msculo lomeares, e opeado dos que ae em-
pregam em certas oceupeges, em que estas par-
tes sao mais exerciladas. Toda a parle, em fim,
que fr maia exercitads, do que ouira, nao deixa
de adquirir- mais forga e desenvolvtoienlo..
E' por tal motivo, e com este fundamento, que
sedaver preferir atgumas vezes certa profisso
a outra, conforme a orgaoisaejio da parle exer-
.citada. E'' tambem pela- mesma razan, que se
dever aconselhar, em cortos estados de molestia
o exercicio de tal ou tal officio,e paia provocar o
maior desenvolvimanto de urna parte ou orgo
imperfeitamente desenvolvido.
Mas nao a maior forga, e desenvolvimeoto
natural ; que idqulrem os orgaos"com afrequen-
cia do seu exercicio; tambem desembaragaodo-
se, a maior facilidade, e a vivacidade e rapidez
dos_ seus movimenlos, quando o trabalho da pro-
fisso exigir por sua nalureza mais presteza o
delicadeza do que forga.Um pianista corre com
os dedos lodaa teclas de um teclado com urna
Jtlha disseque nao contine, talhou ma-
dama d'Amsladt levantando-se. O senhor veic
aqu de proposito para fallar de Waller de See-
Iorf?
Sim, senhora.
Neste caso retire-se, e agradega a mioha
bnndade em nao mandar puni-To pelo excesso do
seu atrevimento.
Sr." baroneza, atienda-que se fallo no meu
amigo Walter em beneficio de V. Exc. J
Seu amigo I
Sim, meu amigo ; porque eu, Sr.* barone-
za, j fui ricomuito rico; j pertenci boa so-
ciedade, onde contrahi brilhaotes amitades. Urna
houve que se conservou apezar dos meus infor-
tunios, da perda das minhas riqoezss, e apezar
dos meus olhos fechados luz: fallo de Walter
de Seelorfo brioso cavalleiro que me nao rene-
gn encontrando-me envelhecido, ceg e mise-
rando, quando me havia deixado joven, opulen-
to e iovejado dos meus semelhantesl Assim
mesmo neste estado nao hesilou em testemunhar-
me aquella confianga de oulr'ora. Passei com el-
le dous dias oa estalagem da Treib : narrou-me
os seus infortunios, o seu exilio voluntario, a ma-
neira por que se ungir morto para vir ainda um
dia sorprender a sua amada, e gosar do efleito
produzido no corago desta pela sua inesperada
ressurreigo, era aumma como fra desengaado
soffrendo terrivel decepgao. Sent que elle derra-
mara lagrimas de amargura em minha presenga ;
ouri-o maldizer os seus arrebatamentos em face
da tranquillidade e resigoago daquella quem
assim cumpria conservar-ae, pois que assim o
exigiam os seus duplos deveres de esposa e de
me. N'uma palavra, minha senhora, declarou-
ne que se V. Exc. o perdoasse l mesmo na
obscuridade do exilio, que vae de novo tentar,
julgar-se-hia feliz arrastrando o pesado fardo de
urna existencia, cojos peasamentos seriara outrA
tantas homeoagens prestadas nobreza e ao m-
rito de V. Exc...
Pois diga ao Sr. de Seelorf, inlerrompeu
'Thereza profundamente coramovida, que a aua
amiga de infancia nada tem que perdoar-lhe, pois
nunca duvidou da sinceridade do seu corago e
do seu carcter, ponto de tomar serio amos-
cas, que s foram dictadas pelo desespero. Oi-
ga-lhe mais que muito me apraz ese novo exilio,
que impoe si mesmo, to necessario ao meu re-
pouso, sua propria honra, e mais que ludo ao
fcil cumprimento dos meus deveres.
E'.tarde, senhora, multo tarde. Tudo isto
poderia ser dito hootem ; mss boje.... j nao
lempo [
Nao Ihe comprehendo.
Quando despedi-me do meu pobre amigo,
recommendou-me elle que viesse immediatamen-
te Seelisberg, e aqui pedase bospitalidade, pro-
curando depois gaoha* a affeigo de V. Exc,
misso esta que a sua boodade toroou muito f-
cil, firn de prepara-la para as confidencias que
acabo de fazor; Eis a razo por que lentei vencer
a crueldada da senhora aua '.a madama de Goo-
tlieben para que me deixasse aqui ficir por al-
gum tempo. Hoje, apezar da mioha cegueira, te-
san procurado muitas occaiies de fallar sos
com V Exc.: o receto, porm, de que alguem noa
pscuUlie paralysara-me a liogua, e obriger-m.Q
velocidade iocrivel ; e se comparirmo* as mi
deylrai e delicadas deste, com aa groases, rijas,
e pezadas mos de um ferreiro ; aa aompararmos
anda a finura e delicadeza do toque, de um a-
brdor, com a mao grosseira, sallosa, e quasi io-
ensivel de um cavador, fica provada a influen-
cia physica das diversas occupsgda, offleioa, e
proflssdes, sobre as pessoas, qae as exercem.
Eis em dnas palavras o sufflcienle pira mos-
trar em geral a influencia, que se pode dizer aa-
lutar; ou physiologia do trabalho sobre o pby-
sico do homem.
Advirtiremos, porm, que nem todos os offi-
cios e profis'es apreseotam esta vaotagem. Mu-
tas exisiem, que, por circumstaociss iuhereotes
ao seu exercicio, sao mais ou menos 'nocivas
saude dos que a exercem:
Se o abuso ou mu uso das cousas sempre
mu, nun-a poder er boro' o abuso, ou mu
uso do trabalho. O abuso ainda das mus sauda-
reis profisides pode causar males, e inconveni-
entes muitas rezes graves.
Muitas molestias podem ser o resultado do ex-
cesso do trabalho. Pouco a pouco voi sentiodo
a perda das forgas e atterago na saude, aquelles,
que se entregara a ura estado excessivo, levados
por goslo, ou propensa irresistivel.
A fadiga, as febres de diversos generas, asNin-
flamougdes agudas ou chronicas de tolas as es-
pecies, podem ser os deplora veis effatls do tra-
balho eicessiro daquelles, qe por forfc de clr-
carastancias e necessidades da vida sefabaodo-
oam irreflectidamente dia e nofte ao exercicio de
oceupagde* penosas.
Mas nao s o excesso, e o abuso- do trabalho
oo exercicio dos differentes officios e prostoes,
que pode causar damnos saude.
Mnitas ontrar coodiges, que Ihes sao propriaa,
dio eguaes resultados.
O maior gru de forga que necessaT em-
pregar m certas o-ecupaces e officiosa?altitu-
des que forgoso conservaros sccid otes que
Ihes sao proprios e iaseparareis,as materias
ou substancias de que le faz aso,o ligar, em
que se exercem,e a reuniio emflm manas- re-
zes necessarra, de grande numero de pessoas,
podem ser mais meaos nocirs saude dos qne
trabalbam.
Rompem-se tendes o mscalos, formam-se
hernias, appareeem contsses, laxagos, factu-
pas e outros accidentes desta natareza (ios indi-
viduos, que se empregam ao trabalho mechani-
co de morer, levantar, e transportar cornos mui-
to pesados, fardos e massas considerareis, de-
seovolvendo para isso grandes forgas. j
Affectam mais ou* menos a saude das pessoas
que trabalbam, as altitudes viciosas, que sao
obrigadaa a conservar, o isto segando o gru de
vacinwgo, tempo de duragio, e maior eu menor
embiraco, que produiem no exercicio das fuoc-
ges Os alfaiales, per exemplo, parecem dis-
poslos s molestias do corago, s palpilages,
hypetrophias, e aneurismas, por effeito-do obs-
tculo circulago e immobilidade dos-membros
inferiores cruzados, e sobretudo pela posigo es-
pecial de permanecerem assentados, ojuast todo
o dia sobre am banco oa estrado.
Os sapaleiros, os torneiros, e outros artistas,
aprsenla deprimida e medida para dentro a
extremidade da cartilagem xipholdea, na parle
inferior e anterior do peito ou thorax, porque
tem por habito applicar a obra sobre esta parte.
Curva-se para diante fcilmente a columna
verbal aquelles; que transportara sobre as espa-
doas corpos pesados; aos vinhateiros, por
exemplo, e em geral a todos os que trabalham
nos campos.
Accidentes mais oa menos funestos, proprio*
de algumas oecupaces, sobreven aos que traba-
lbam na fabricago da plvora;.aos chimicos na
preparago dos- pos fulminantes ; aos artilhei-
ros, que carregatn as peps. TodosTestes sof'
frem s vezes das violentas detonaces, (cando
contuzos, ou feridos, estropeares ou fractu-
rados.
E quem ignora, que os homeos, 'que traba-
llram com grandes machinas ; grandes ms, ti-
ca m muitas vezes com o* dedo* e membros fe-
ridos ou fracturados, sem elles, ouesmagados
debaixo de urna machina, ou de ama roda-?
Qo-em ignora, que os artistas, que trabalbam com
instrumentos agudos e cortantes- se ferem fre-
queutemenlo picara ou corlara oa dedos, e as
mos ?
as diversas artes e officios, era-que se traba-
lh sobre materias, que por sua natareza se po-
dem tornar nocivas, soffrem os artistas muitas-f
vezes resultados graves.
Osmetaes, que to frequentemente sao em-
preados nos trahaibos das nossae officinas, sio
seno lodos, a maior parte, mais ou menos per-
nicioso*, nao a aos que os extraan* do interior
da trra as minas, mas tambem aoaique os pre-
parara, e empregam por differeoiee- modos Bes-
arles. Egualmeote perniciosas podem ser outras-
muitas materias mineraes,as acidas salinas e
terreas ; assim conloas substanciasgazozas, qne
deltas se desenvolvem-, muitas, da* quaes sao
at mortferas.
A. preparadlo das materias venenosas, para
serempregadM-oeadiversos usoe, muiloar-
riscida e perigosa ae que a preparan.
E ainda as malarias mais innocentes, por si
mesmas podsm locoar-se nocivas, quando s&re-
duzera a p impaiparel, e formam uma especie
de athmosphera molecular em rolta dos qua tra-
balham,eotraodo-lbe pelas ras respiratorias o
obstruindo Ibes os poros cutneos. I
Na maja elevada considerado nevemos ter
sempre. a influencia do local do. trabalno sobre
a saude dos que o exercem.
Graves accidentes podem sobrevir por esta
aausa aos horneas, que trabalbam em lugares
a espreitar um momento favoravel, quando deu se
urna cataslrophe que translornou os meus pro--
jectos, expondo V. Exc. um perigo terrivel e
immioente
E qual esse perigo ?
Ei-lo.Walter ne tinha dito: c Vou.sahir
da Treib, pois que nao pono conservar per mais
tempo o meu ineogoito; escrever-te-hei qaaodo
estiveres em Seelisberg, onde deves fazer por de-
morar-te oito dias. Pede minha querida pri-
ma para ler a cart, que eu te dirigir; e afilan-
ca-lhe que ser essa a ultima vez que lera mi-
nhas expresses de ternura, como foi oulro dia a
ultima vez que mioha bocea abriu-ae para fal-
la r-l he. Na mesma carta d ir- te -hei onde me de-
ves encentrar para levar-me o seu perdo, aera o
qual alo poderei viver.
E depoia? perguntou Thereza, penetrada de
urna terrivel suspeita.
Essa carta que eu esperav recebar d'aqnl
tres ou qoatro dias, chegou pelo correio de hoje
tarde, e cahiu as mos de sua tia Ora, como
ella nao goata de V. Exc, e tem suspeitas da mi-
nha presenga aqui, e de sua caridade para consi-
go, ousou sbrir a carta e ler o que esta con ti-
nha....
O' meu Deus I
Aioda'no tudo: entregou-a tambem ao
marido de V. Exc.
E como o seohor sabe disto ?
O acaso favoreceu-me, ou antea a Provi-
dencia. Eu eslava no jardim encostado una das
paredes da queijeira : pe di que ali me conduzia-
sem tiara poder gosar dos ltimos raios do sol oo
seu oesso. Madama a viura e o sarao Aroold
eutraram oa queijeira, e como as janellas segun-
do creio estif essem m pouco abertas ouvi tudo
o que diaseram. Madama de Coolliebeu leo a car-
ta em voz alta, depois do que passou-a ao bario
que a tornou a ler tambem em voi alta. O meu
desgragado amigo entregando-se aos transportes
de urna alma terna e apaixonada compromeltea
gravemente V. Exc, pois agradeca n'aquella
carta o bom acolbimento que Ihe flzera, quando
elle panetrou oesta mesma cmara, a julgava-se
com direito s suas boas gracas: era este, segun-
do dizia, o melhor raeioqaa tinha para impetrar
o perdo por suss violenciaa. Em aumma com-
pletou a sua imprudeocia tragando no Qm de tu-
do esta linha funesta, qae s era i mim dirigida :
Eslarei esta noite ou amanha m\ Flutlen onde
te espero.
E o Sr. d'Amstadl partiu....
Para Fluelen. senhora.
Desgcagada I Estou perdida 1
Oh I sim : grandes detgragas se deve receiar
se os dous primos chegam a eocantrar-se ; por-
que Walter, comquaato resignado e dediesdo
telicidade de V. Exc, todava nao poder conter
a sua colera, quando se vir Tice face com o fe-
liz mortal, quem a aorte collocou sobre um
(hrono nesta casa. Walter detesta teu marido,
mlnba senhora, e este nao menos se ach pos-
suido de riva : o saugue correr primeira pro-
vocago que sabir de urna detsai duaa boceas
arymadas por todaa as caleras da paixo mais ter-
miJavel.
<* Agora comprahendo o em barago e as preoc-
cupagoes de Aioold 1 etcUoou Tbetez^a. wmpri-
mindo-a fronte cora as mos, como para fazer
o ah brotar um penetmento salvador. Agora
comprehendo os sarcasmos de madama de Goo~
tliebenl Sim ; isto mesmo.o crime punido,
avirtude premiada dizia ella ha pouco: allu.-
dia ao encontr dos seus dous sobrinbos I O que
lazer agora!.... O' meu Deus! inspirae-mel
Orar, senhora ; o nico remedio que vejo,
murmurou o mendigo.
O'.Deus r quanto tempo perdido I exclamou
Thereza de repeote.
E logo procipitou-se para o seu guarda-roups,
d onde tiro urna capa e um chapuzioho.. Fran-
cisco abaixou a cabega e reprimiu um aorriso.
Tbereza passou ao quarto de sua filha, loclinou-
se para ella, e beijande-lhe a fronte ternemente,
disse:
_ Dorme, meu querido anjinho, dorme: la
me se afasia um momento do teu, bergo, porque
assim 6 preciso.
Madama d'Amstadl puchou a porta sobre si,
deu duss voltas na chave, que twou ; e dirigiu-se
ao mendigo : sbito porm parou.
Nao ; nao devo confiar esta chave de nin-
guem, nem mesmo deste ceg..., especialmente
sendo elle amigo de Walter 1
E assim dizendo, depilaba a chave sobre um li-
vro na estante. Francisco observava tudo quanto
fazia a baroneza com urna anciedade hbilmente
dsfarcada.
Nao pretende ir ao encontr do seu amigo
00 lugar e nor* Poc elle marcado* ?
Nao posso viajar de noite, minha seahora ;
mas apenas o dia for apootando par-nie-hei ca-
minho.
Pois bem ; fique aqui neste quarto, e nao
abra a porta A ninguem na minha auaencia, que
Ihe serei multo agradecida.
E V. Exc. onde vae ?
A' Fluebeo... Eolio est prompto a ser-
virme ?
Com lodo o praier, aenbora.
Deixo-o flear aqui de aentinella. Minha Q-
Iha est em companbla da sus aia ; nao quero
que madama de Goolliben della se approxime
qualquer seja o pretexto.
Cont com o meu zelo. Porm, senhora,
ainda que eu nao oose combater o seu projeclo, o
qual reennhego como o nico capaz de tudo sal-
var, todava permita, V. Exc que Ihe observe
que esta viagem empfehendida por ama senhora,
soziuhs, por entre a escurido da noite...
Nada receie, atalhou. madama d'Amstadl,
nao irei s. Adeus : (eche a porta por dentro.
V descangada, minha aenbora.
A baroneza desceu a eacada toda a pressa, e
em silencio. Francisco Klein fechou a porta com
precaugo, abriu da mesma forma a janella que
deitava sobre o pateo, ali com oa cotovellos en-
costados no parapeito, exclamou com riso feroz :
Terceiro acto I A pega ten corrido admira-
velmente : nao me possivel deixir de applea-
dir. Se o enredo pouco vale, o autor vale tudo.
Tbereza ninguem ericontrou noa corredores :
stravessou o pateo, abriu a porta que deitava
para a campia ; a (ando camiohado una cem
pasaos, foi balar n'uma cazinha habitada pelo
guarda de madama de Gootliaban.
Meu bom Schm^yjjesi ella, ao guarda aqr-.
jubterraneoa e profutfdo, naa excavaces das
ninas, e oatres, sdvertlnda, que asta* irsbalhos
*ao dos mais nocivos saude por effeito de ac-
code gazea deleteros, da exhallagee pernicio-
sas, que deites lugares a* daaenxolvem, ou de
aesmoronamentos, que frequeolemenle aqui suc-
CfluOOB.
..Jf'8 *3 P,oflss5. loe se praticam em luga-
res s Hor da t9rrifl 80bre ,u)Jo fen(Jo frJoi^ hu_
miosi e sem que o ar aeja renovado muitas ve-
zes, sao das mais insalubre*.
Desgragadamenle assim se acham situadas e
disposlas a maior parle das grandes officinas. E
a nao ser o contiousd* exercicio dos que all
trabalbam, decerto qne as affecges lymphali-
css os tumores por cafarte, os catharros agndo*
echrooicos, as febres intermitentes, e outras en-
fermidades, serian mala communs, cono acon-
tece oa hypothese contrara.
Malores e maia grares inconvenientes pode-
ro surgir ainda do excessivo calor oestes vastos
estabelecimentos, seja qualquer que fr a sua po-
sigo. Esta circunstancia predispon a molestias
beliosas, e ptridas, s affecces cutnea* varia-
das e outras.
(Confnuar-a-*a.J
Variedades.
UM DEPUTA DO INOFFEUSIVO.
Fslleesn na sua redencia de Kuepp-Caitle o ba-
ronet sir Charlea Mevrick Burell,decano da.cama-
ra dos communs de Inglaterra, onde ttnha asen-
lo de,de 189* Foi Pr,8Dt(>. depatado dorante
56 annos e em todo este lempo ad propoz um bitl:,
qae nao leve seguimento, e palo qual propunha
qua fosse prohibido que as criadas) aubissem aci-
ma]das janellas para lavar as vdragas,porque po-
diam correr perigo de vida.
E' o nico acto legislativo .o q-ue |tcve a ambi-
gao de ligar o seu nome.
A PEBFURACO DOS AEPES.
Experimentarsm-se ultimamentejem Modena.a
novas machinas destioadas perfuraeo db grande
tnel dos Alpes. As experiencias foram comple-
tamente satisfactorias : 730'metros de galera1 es-
taoj preparados pelos meios ordinarios, do lado
de Franga, e 950 metros do lado de Italia, to-
tal 1:700 metros. A perforago tete-anda de
romper 10:300 metro*.
i*
CASO EXTRAORDINARIO.
Le^se no Jornal do Havre.
Deu-se ltimamente oa comraona de Bon'dy
um fado dos mais extraordinarios.
Os esposos Sr domiciliados n'aquella loca-
lidade, teem ura menino de nove mezes e urna
menina chamada Mergarida.de doin annos e-'oito
metes. Esta menina, qne muito robusta, logo
nos primeiros dia depois de seu oascimento mn-
nifestouum appetite eatraordnario, eagotando o'
leite das-amas e merdendo-lhss o peito, quando
j nao tinha leite.
Foi preciso dar-lhc- alimento mais substancial;
porm a fome reoasci sempre como lora agui-
lboada pela loia.
Ha cousade treamezeeoapaessahirsnde casa
e foram na rolta surprehenides por um? extraor-
dinario espectculo.
A pequea Margarita- laneoo-se a sea irmao,
e, a pesar dos gritos desesperados do meuino,
derorara-lhe os dedos-da maeo. A can* esla-
va cheia de sangae.
Custou muito a salvar a-creaaca da rorecidade
de sua irme. Deram-se-ao- neaino os seccor-
ros neeessanos, e o pae e-a nai tomaran* pre-
caugoes para evitar qae o-facte se reproduzisse.
Na dia-4 correte, vendo e dous filhos dor-
miodo pacifkamente cada-umaesea bergo, ot
esposos S-----julgaram qae por ponco tempo as
podam deixar sos.
Quando roltaram, os grites- terrireis, que ou vi-
rara na escada, Ihes iospiraram so terrivel pre-
sentimeoto.
Entrando precipitadamente en casa viram a
alba debrucxi sobre o maao o' deveraodo-lho
as coilas.
D'esta vez as mordeduras foram to graves que
se desesperar de salvar o menino.
Os annaes mdicos tem, registrado com a deno-
rainago de buH-mia e de anlropephagia alguna
estos anlogos. E' sobre tudo aa Russia e nos
paizes septeatriaonaes que elles- ae prodozem.
TERRAMOTO'.
Dizem de Alhenas em 28-dedaaenebr* :
Na costa ao aorte do Ploponeso houve um far-
te tremor de trra. Alhenas foi ponpada, porm
o anligo e aove Coriolho, Aigioae Potros soffre-
ram grandeo-estragos. Acamara da Grecia vo-
lou ura sotsorro de 10 mil dracenas.
preso por ve-la ali aquella hora, lembro-me de
qne me tem Aor diversas vezes offeraeido os seus
servigos : venho agora utilisar-me delles.
O' meu Deas I O que ter acontecido, mi-
oha boa senhon, que obrigou V. Eu.. vir aqu
semelhante hora ?
Preciso ir j e j i Fluebea. tome a sua
espingarda % acompaobe-me.
Miaericordia 1 Vea, j ver a espingarda e o
meu faco : espere somente qua previna a mi-
nha mulher.
Nao.; pego-Ihe qne nada, diga i Sra. Sch-
mtlt: nao quero qu ninguem, mais aaiba desta
viagem. Vamos, partamos.
Mas. Sra. baroneza, V. Exc. quer ir p
d'aqui a Treib?
-< E porque nao ? O gelo torna-se menos
aensivel quando se caminba. E de mais a noi-
te est soberba, olhe para as estrellas.
E chama a isto soberba l disse o guarda sor-
rindo-se. Ananhaa, na relago que houver de
dar madama a viuva devo contar tudo o qua fi-
zar esta noile ?
Oh l Sim, amanha... pode tudo contar
minha boa tia, respoodeu Thereza/pondo.-ae ani-
mosamente caminho.
Ora-, que ame-ira minha 1 Urna peasoa cerno
V. Exc nada faz que se nao' poasa saber. Meu
Deus t Nao cansiohe lio depreasa, Sra. baroneza.
De qae aerre ento ter oa pea pequeninoa e mi-
mosos 1...
Sou muito forte, mea bom Schmitl : ami-
ra-se disto ?
Nao, nao ; mas tenha V. Exc. sentida con-
sigo, olhe, alo caa.
Pois bem ; prometi ter sentido, com a
ooudicgo de qae nao ha de -fallar mais. Quando
se viaja conversando, diminue-se o pasee, e eu
tenho mnita pressa muita I
Schmith guardou profundo silencio ; s de vez
em quando austentava com os seus bracos robus-
toa o andar de Thereza, quem a escabrosidade
do caminho fazia varillar. Assim mesmo a nobte
daa nao recuava ; ao contrario quera correr
en lugares onde os seus pea delicados nao po-
diam pousar sem o risco de urna queda ou de un
soffrimento,
Francisco Klein conservou-se perto de um
quarto de hora na janella onde o deixamos: que-
ra estar prevenido no caso de que madama de
Amstadt se arrepeodesse e voltasse do caminho,
aflm de dar assim mais seguranga execugio
atrevida do seu abominavel projecto.
A noite eslava silenciosa, e extremamente es-
cura ; e apenas se ouvia em curtos intervalos o
crepitar do gelo, qoe era como que um doloroso
gemido da trra.
Francisco lirou a chave que a baroneza deixra
ficaroa estante; depois sacando da algibeira urna
eacada da corda muito fina para (azet om pequeo
volume, porm, to forlft,-que poda aupportar o
peso de doua bomena^aegurou-aAo parapeito da
janella. O animoso bandido abriu com Infinitas
preesuges a porta do quart.o de Magdalena.
Esse quiio rti.tllu^iido por oms lampa-
rme.
Como a -,\d, depende da lio pouco 1 mur-
"p h-'-'ixBbo o mendigo dirigiodo-se ara o
Wt da aia a. maoioa. Bita mulher dorme; awr:
tj
MDICOS EM..PAB1S.
No decurso de 1861 havia em Pars 1:729 dou-
tores em medicina e errurgia en exercicio.
Destes 440 eram memoroda Ordem da Le-
Rio de Roora, a saber : um grande afficial, 15"
eommendadores, 63 okiaes e 361 eavalheiros.
Assim, a porp o rea o dos condecorados para os
nao condecorado* de t Oa advogadoa inseriptoa-no- tribunal imperial
eram em Pars, no aooo Onde, 696, d'estes s 40
sao condecorados.
Onwneraio do Porto.
de ella neste momento, qae ser morta immvedu-
tament I... Entretantoaeriapea, porque ea nao
gosto de derramar- o sango dos fraco*.
A aia dorma, porm, um aomno profundo com
o rosto voltado para a parado.
Francisco reooiu a roopaainha de Magdalena,
fez com ella um. embrulho ; depoia apoderndo-
se da menina envolveu- a dos ps c*beg* em
stukcoberia, e arrancou-a do seu bergo-sera que.
ella. Uzease o maia pequeo movimento.
(anegado de to precioso (ardo, o mendigo fo-
chou a porta do quarto, deseen pela-aoa escada
ateo pateo, qae confias va com o parqu, e en-
trando neste ultimo, dirigiu-se para a pequea
porta, cuja chave Pompidou tinha entregue- a
Walter, e oella baleu com o p duss vezea.
Dous homeos encostados to muro da parte-de
fra acudirn, a. esse sigoal, abrirn a porta, e
apresealeram-se Francisco.
Eram os doua rabes Mohammed e Sliraan,
reggabs ou cor reos do baro de Waltea- de Se-
elorL
Francisca entregou Magdaleoa Sllnaan, que
a segurou com delicadeza, conhegoa-a ao peito,
cobrindo-a com o seu burnous. Moaammed en-
carregou-se da. trouxa com aroupasiaka da meni-
na ; e o mendigo enirou norament no parque
depois de haver por sigoaes ordenado aos dous
Arabas que nao se movessem d'eli antes da sua
rolta.
Tudo marcha rapidanente, disse ella ca-
minhando outra rea para a casa : as expedigoes
miis arriscadaa s querem um pouco de destre-
za, e muita temeridade I avante I
O raptor subiu de noro ao apoaento da baro-
neza, tirou, dobrou e guardou a sua escada de-
corda, collocou a chave do quarto de Magdalena no
lugar em que madama d'Amstadl a linha deixado,
[echou a janella, sahiu do apoaento fechando tam-
bem a porta, e tirando egualmente a chave.desceu
a escada, atravessou o parque, e tomando o cami-
nho de Lucerna sftastou-ae daquella casa, que as
suas mos malditas iam eacher de desolago.
Mysterio impeoetravel 1 Deua, symbolo de jus-
tiga, bondade e miaericordia, consente de vea em
quando a execugo doa maia negros attentados, e
deixa algumas veze aos perversos o poder do
aiBigir seus m el boros servos. A razo hurx,sna
confundida busca em vo conhecer a causa dea-
sas victoriaa de Satans ; quer saber porque a
caridade, a innocencia e a piedade tem sempre
lagrimas para derramar ; porque razo a tenra e
casta me traz em ai o lato pela perda da nica
filha,. que recebera da gcoerosidade do cu ; por-
que razo to sombros infortunios vo cahir so-
bre o lar, onde siriam estreitamente unidaa a
virtudes domesticas; n'uma palavra porque
os bens desde mundo afRuem tantea vezea para
os malvados e pervertidos 1
Vootade mysteriosa I repelimos que nanhu-
ma alna christaa dere querer aondar ; porque
nos foi ella transniltida pelo suppllcio de um
Deus ao mesmo lempo mau justo dos bornea*,
e pela, santa afflicgo de urna mulher, que no
cu a advogada da* oossas dores.
(Conlinuar-ss-Ka.]
': i '....." .
PIRN.TTP. DS F, PE FARIA 4 FXHO 1869.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGN36UP6N_JJ4UA3 INGEST_TIME 2013-04-30T22:57:50Z PACKAGE AA00011611_09494
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES