Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09480


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Mil XXXVI. HUMERO 252
Por tres meies adiaatados o$000.
Por tres mezes vencidos 6J000.
TERCA FEIR1 30 DE ODTDBRO DE 1861.
Por anno adiantado 19JO00
Porte franco para o subscritor.
\
ENCARRBGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alexan irino de Lima :
Nalal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaly, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, oSr J. Jos de Oli-
veira; Maranhao, oSr. Manuel Jos MartinsRibei-
ro Guimares ; Piauhy, o Sr. Joo Fernandes de
Moraes Jnior ; Para, o Sr. Justino J. Ramos ;
Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
PAKITUAs UuS GOKHKIO.
Olinda todos os das as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goiann e Parahiba as segundas
e sexlas Teiras.
S. Antao, Bezerros. Bonito, Caruar, Allinho e
Garanhuns as lerdas letras.
Pao d' Alho, Nu/.arelh, Liraoeiro, Brejo, Pes-
queira, Iogazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex as quartas-feiras.
Cabo, Sirinhacm, Rio Formoso, Una, Barreiros,
Agua preta, Pimenteiras e Nalal quintas feiras.
(Todos os correros parteas 10 horas da manhaa
EPHEMERIDES DO MEZ DE OUTUBRO.
7 Quaclo roinguaute as 8 horas e 45 minutos
da tarde.
14 La nova aog 17 minutua da tarde.
21 Quarto crescente as 11 horas e 51 minutos
da manhaa.
29 La cheia as 4 horas e 30 minutos da tarde
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 5 horas e 18 minutos da manhaa.
Segundo as 5 horas o 43 minutos da tordo.
AUDINEG1AS BOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Kelacao teren, feiras e sabbados.
Fazenda : tercas, guilas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio: quartis ao meio dia.
Dito de orphos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira rara do civel: tercas e sextas ao meio dia
Segunda vara do civel; quartas e sabbados a urna
hors da tarde.
DAS DA SEMANA.
29 Segunda. S. Feliciano m. ; S. Zenobio m.
30 Terga. S. Serapio b. c. ; S. Lucano ni.
31 Quarta. S. Quintino m. ; S. Lucilla v. m.
1 Quinta. ca Festa de todos os Santos.
2 Sexta. Commemoracao de todos os defunlos,
3 Sabbado. S. Malaquias b. primaz da Irlanda.
4 Domingo. S Carlos Borromeu cardeal.
E.NCRREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Das; Babia,
Sr, Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr.
Joo Percira Martins.
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do diaiiio Manoel Figueiroa da
Paria, na sua livraria praga da Independencia ns.
6 e 8.
PARTE OFFICIAL.
Gorerno da provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 26 DE Ol'TUBRO DE 1860.
Oflicio ao Exm. visconde daBoa-vista.com-:
mandante superior do Recite.Haja V. Exc. de
expedir suas ordens para que urna guarda de
honra, tirada de un dos coipossob seu comman-
do superior, assista, no dia 28 do crenle, a (esta .
de Nossa Senhora do Terco na respectiva igreja.
Dito ao conimandante das armas.Sirva-se V.'
S. de informar acerca duque pede o amanuense
do hospital militar JooTiburcio di Silva Guima
raes no incluso requerimento.
Dilo ao mesmo.Sciente pelo ofGcio de V. S.
do 24 deste mez de haver chegado a esta capital
a forca do 8o balalho de infanlarla, que sob o
Dito ao mesmo.Logo que fr possivel, man-
de V. S. pegar no empresario do theatro de Santa
l/.nbel, G. Marinagcli, em vista dos attestados
juntos, a importancia do ultimo subsidio vencido
no dia 23 do corrente mez.
Dilo ao Dr. Aprigio Justinianp da Silva Gi-
ro ares. Tendo oomeado a V. S para fazer
parte ils commisso de exames, daujffrala &
art. 20 do regulamenio annoxo adecreto, n.
1568, de 24 de fevereiro de 1855, aeim Ihe o
comraunico para su intolligencia e direcgo.
Communicou-se ao Exm. director da faculdade
de direito.
Dilo cmara municipal do Buique.Declaro
cmara municipal do Buique em solucao ao
que consulta em seu officio de 12 deste mez quo
na hypolhes^ dada de acharem-so impedidos,
por qualquer motivo legal, os quatro juizes de
paz eleitos dessa freguezia, regularmente (oram
presididas a qualificaco e eleigo, que ah ti-
2.076.Semio Correia Lima.Dirija-se a the-1 reuniao dos gencraes piemonlezes Fanti e Cialdi-
souraria provincial.
EXTERIOR.
commando do major Joo do llego Barros Falcao
havia marchado em dcligencia para o termo do verara lu8'ir ltimamente pelo iramediato em
Ouricury, lenho a dizer-lhe que haja V. S de TOl<>s aos quatro primeiros, o qual, estando jura-
mandar louvarem nome desta presidencia o re- mentado como assevera a cmara municipal, o
,ferido major e officiaes pela maneira digna e brio- legitimo substituto d'aquelle, segundo explicam
sa, por que se portaram na commisso, de que os visos de 3 de julho de 1843 e 8 do marco do
regressam, e cujo fiel xito se deve em boa par-! 1818 2." _
te ao zelo c disciplina com que se distingui a l)uo ao Ju,z de direito interino da 2.* vara
forca expedicionaria. I Ao f"cio de 25 do corrente em que Ymc. f iz ver
Dito ao chefo de polica.Altendendo ao que a. difeiildide de satisfazer a circular desta presi-
requoreu-me o sentenciado de justica Candido sidencia era 28 do corrente, respondo que deve
Bezerra do S, cuja petigo Ihe remello ioclusa,
recommendo a V. S. a cxpedigo de suas ordens
afira de que faga embarcar opporiunamenle para
o presidio de Fernaudo, sonde o supplicante tem
de cumprir a pena a que foi condemnado, a rau-
^lher o Iros filhos menores do mesmo.
Dilo ao mesmo. Ao officio de V. S. n. 1361
de 15 do correte respondo dizendo-lhe que pode
autorisar o porleiro dessa reparligo a dar ao I
Africano livre ao servigo da mesma, Joaquim Io, I
a diaria do 400 rs. para sua alimentaQao, a con-
tar do Io de setembro prximo linio, conforme j
propoz em seu officio cima citado, e se pratica ,
em outras rcparlices ; devendo a respectiva I
conta thesouraria de fazenda no Io de cada mez '
~ para o competente pagamento
Dito ao p'O'edor da Santa Casa da Misericor-
dia.Appiovo a deliberarlo que tomou a junta I
regedora da Santa Casa da Misericordia desta ci-
dade de acceitar a proposta feita peia direcgo da
associacao Commercial Beneficente relativamente
Vmc, as circumstancias allegadas, pedir infor-
macoos ao seu antecessor, sendo possilvel, e em
lodo o caso satisfazer opporiunamenle predita
circular logo que lenha conhecimento dos era-
pregados, a que se refere o art. 38 do regula-
mento, n. 120, de 31 de Janeiro de 1812.
Dito ao juiz municipal do Rio-Formoso. Em
vista de sua informacao de 20 de setembro ulti-
mo, de que se deduz quo o escrivio do jury des-
se termo Antonio Jos Pimentol nao pode por
muito lempo accumular o officio de tabellio de
notas, c escrivo do judicial que interinamente
exercia, sem grave prejuizo do servigo publico,
haja Vmc de indicar quem substitua nos termos
do art. 1. do decreto n. 1394, de 16 de dezem-
bro de 1853; convindo ainda declarar a Vmc.
que a causa allegada em sua supradila informa-
gao constitue impossibilidado de servir por de-
nuncia ; pelo que deve Vmc. proceder de confor-
niidade com o disposlo nos arts. 20 e seguinles
do citado decreto,
Proclamaco do embaxxador d'AustrUF' '.
em Roma.
O imperador, uosso*gracioso soberano, tem a
maior conta quanto os volutirios austracos teem
praticado no servido do santo padre, tanto a fa-
vor da santa causa que foram chamados a de-
fender, como em honra do exercilo, no qual rc-
ceberam quasi toda a educaco militar. Sua
Mageslade espera que estes voluntarios perma-
necern deis as suas bandeiras, e que no dia do
combate cumpram com o seu dever atao fm,
recordando-se sempre dos seos antigos compa-
nheiros d'armas cujas vistas csto sempre fixis
n'elles. O imperador, alm disso, faz os mais
sinceros votos para que os balalhes compostos
de valutarios austracos rivalisem todos, oBciaes
csoldados, em zello e em valor, aQm de que a
victoria corde os seus esforgos, se os bandos re-
volucionarios chcgarera a attaca-los.
Mas se, o que Deus nao permita, as tropas
pontificias tiverem de succumbir depois de urna
gloriosa lucia contra a revoluco, Iriomphaudo
esta nos estados da igreja o imperador nao ne-
gara a sua sollicilude aquellos dos seus subditos
que lenham desempenhado com honra e valor o
MU dever no exercilo do padre santo. Nestecaso;
o governo imperial admillir, desde logo os ba- j
talhocs de voluntarios, com a sua actual orga-
nisago, no servico de S. M. apostlica, e os of-
fciaes especialmente conservarlo as suas pa-
tentes. Todos os voluntarios austracos, offi-
cines e soldados, sabem as favoraveis desposi-
Qes que o seu imperador tem tomado a favor
d'elles. Passam elles encontrar mais um pode-
roso motivo para se mostraren) dignos do nome
de austracos, servindo com fidelidade inque-
brantavel c urna adheso sem limites a nobre
causa a que se consagraram. Tal o desejo ao
imperador.
Dardo de Bach.
As tropas fiancezas em Roma e em Civita Vec
cha tornaran) de novo o titulo de deviso de
oceupago franceza. Estadivisao composta da
seguinle maneira :
O general con Je de Goyon, commandate.
Ia brigada General de Noue : 25 regi-
communicando opportuna-
ao recolhimento de mendigos em um dos estibe- mente o resultado.
lccimentos de cari Jade a cargo da mesma santa Circular a lodos os juizes municipaes. Em
casa.com as condices expostas em officio de V. < observancia do aviso expedido pelo ministerio do
S. de 21 deste mez", que tenho assim respondido;' imperio em 3 deste mez, recommendo a Vmc.
para quo V. S. o faca constar S referida junta. o mais exacto cumprimento do cap. 8. do re-
Dilo ao commandanle superior da guarda na- gulamenlo de 30 de Janeiro de 18,4. aQm de evi- ?n o d infantaria. corone Floyd 40 regi-
cional da comarca de Santo Antao.-Na confor- ir que contiuuem a dar-se invases e devasta- mf.n.l ,Dffll'li,ria. corO"el Peyssard ; 20 ba-
midadedo art. 45 do decreto n. 113.) de 12 de C-oes de ierras publicas, que possara existir no ,a"1"d(? cadores a p. commandanle Lepage
termo sob sua jurisd ccao. aes Longcamps.
Dita ao director geral da inslrucciio publica. ? r'.S',fda ~ General Hidonel : 7. regi-
Respnndendo ao seu oflicio de 2'i do corrente, men," de "fa"l!lrla. coronel de Maussion, 62.
marco de 1353, e de sua informicao de 12 do
correte, faca V. S. expedir ao altores porta-lian- j
deira do 25 batalhaode iufantaria da guarda na-
cional sob sen commando superior, Manoel Ca-
valcanli de Lacerda Campello, guia de pnssagem
que requereu para o batatalho n. 23 da mesma i
arma.
Dito ao inspector da Ihesouraria de fazenda.
Remello i clusos os requerimentos do capito .
Joo Manoel Florindo, e dos alteres Smeoo Cor- j
roa Lima c Julio Pompeo de Barros Lima, para
que V. S. mande abonar, de conformidade com '
a informacao do coronel commandanle das armas
constantes da copia junta, as preslacoes, que el-;
les officiacs pretendere consignar de seus solios
nesia pro/incia.Communicou-se ao comman-
danle das armas.
Dilo ao mesmo.Pode V. S., conforme indica
n. 206, lenho a dizer-lhe que, coro quanto reco- regiment de infamara, coronel Ayraard.
lo conselho di- Cavallana meio esjuadrao do 4 o
u 11 _.i a necessidade apontada p
rector relalivamente creaco de tres cadeiras
para o sexo feminino, cumpre adiar essa provi-
dencia para quando melhorar o estado dos cofres
provinciaes, que nao comportam absolutamente
augmento de despezas.
Dita ao director do arsenal de guerra. Com
a inclusa cjpia do coronel commandanle das ar-
mas de 25 do corrente, sob n. 1129, respondo ao
officio, que Vmc. me diiigio em 20 deste mez
acerca dos botes de metal para 200 sobrecasacas
com destino ao 4. batalhao de artilharia a p.
Dita ao director das obras publicas. Remel-
lo inclusos os requerimentos de Paulo Jos Go-
cai sua informacao de hontem, sob n. 113, mon- raes c C. Slarr fe C, pediudo pagamento de ob-
dar entregar ao'commisssrio do navio chote des-:oclos vendidos pira a obra da casa de delencao
ta eslaco 200g. constantes do pedido junto, e que a,'m de que Vmc. informe qual o motivo por
que nao foram os supplicantes salisfeitos pela
consignacao prestada mensalmenle pera a refe-
regi-
mnnto husssrds.
Artilheria 4." e 7." batera do 16 regi-
ment de ariilli>Ti i montada ; 4.a companhia do
4." esquadrao do trem de artilheria ; 4.a com-
panhia de operarios artilheiros.
a Engenheiros 3. companhia do 2." bata-
lhao do 2o. regiment de sapadores.
O 7." regiment de infamara, o meio esqua-
dao de hussards e a 7a. balera do 16 regiment
de artilheria embarcaram no dia 15 em Toulon
para Civita Vecchia .
ni e a marcha do exercilo Piemonlez para o sul.
O general Lamoricire fez todos os esforcos pos-
siveis para fortificar ao menos Ancona. O que
era possivel visto o que j* se tinha feito para
tornar formidaveis as falsificacoes dessa praca
Tambera se cuidavde provisoes psra mais tem-
po. Mas tambera aqu a sorle nao foi em favor
do celebre general do exercilo africano. A ex-
cellente artiflia dos Piemonlezes fez duas bre-
chas en poucos das, o ahsalto nao tardou e os
Piemonlezes apossaram-se dos dous forles. Abri-
gados por essa posicao ja nos ltimos das, ata-
caram o arrabalde de Portf-pia com igual favo-
ravel resultado e os sitiados foram repellidos pa-
ra dentro dos muros interiores da cidade. Entre-
tanto a esquadra piemonteza, coraraandada pelo
almirante Persan, official celebre por sua atre-
vida coragera, nao se const rvon inactiva. Des-
presando todo o perigo, ella tomou parle do ata-
que dos forles e bombardeou Ancona com una
energa, que prompUmenle decidi a sorle da
' praca.
No dia 29 o general Lamoricire mandou um
parlamentario para o quarl ;l geral dos Piemon-
lezes afim de negociar a ca liiulaeao. e no dia 30
; essa leve lugar, a em con brmidade o general
i Lamoricire e a giarnigao se rendernm como pii-
\ sioneiros de guerra. Os Piemonlezes encon-
I Irarain em Ancooa 140 pec*s d'arlilharia e urna
' caixa de guerra cora 700 mi|l francos.
O ultimo baluirle da soberana do papa as
; Marcas cahio com Ancona. O imperador NapO-
leo.em consequencia da entrada dos Piemonlezes
nos Estidos Pontificios chamara o seu nviado
em Turin. Os rpidos prolressos das armas Pie-
monlezes nos Estados Romioos nao o induziram
passos mais serios contra a sua politici. Tudo
o que fez foi reforcar a guarnigo franceza em
Roma para proteger o papa e o aeu governo na
cidade eterna e seus disiinclos viznhos,
Nunca se espern que o Piemonte atacasse Ro-
ma, e os Francezes deniro della. ncm se pode at-
tribuir receio disso o refoico da guarnicao fran-
ceza ; mas sm que Garibaldi em suas novas
operaces ombalava planos tendentes ao expelli-
mento dos Francezes. E agora chegamosaum
ponto sobre o qual s mais tarde o lempo nos
fornecer completa clareza.
Qoando Garibaldi enlrou em aples proclamou
Vctor Emmanuel como re hereditario da Italia,
entregando os navios e amenaes da frota napo-
litana ao almirante sardo iVrsano, e instiluindo
um ministerio, cujos merabros perlenciam todos
ao partido moderado, e cumposto de decididos
partidistas de Cavour ; pouco lempo depois mu-
dou-se a posic.o do dictador, que se mostrou em
opposiQao cada vez mais spera contra a poltica
de Cavour.
Em urna proclamarlo dirigida aos Palermita-
nos elle declarou nao quer proclamar a annexa-
co da Sicilia e de Napolns ao Piemonte senao
das varandas do Quirinal. i lo depois de haver
tomado Roma outras macifeslaroes suas decla-
ravan no mesmo sentido como alvo prximo a
marcha contra Roma, e leinbravam a necessida-
de de atacar immediatamei te a Venecia. >
Ainda mais : em urna carta el-rei elle exigi
a demisso do ministerio Ca'our ; e em urna ou-
logar) nao querendo o
esposa anles de urna se-
sia (o qual acaba de ter
imperador delxar a sua
mana aps elle.
Mas o verdadeiro motivo do adiamenlo adia-
se as iiegociacoes com a Franga, as quaes fcil-
mente poderao dar conferencia de Varsovia um
outro carcter, bem dillerente co que primitiva-
mente se desejou em Vienna e Berln. Nao pas-
sa mais por impossivel que entre os hospedes do
imperador AlexaDdre se cncontrasse ao lado do
principo regente da Prussia eo imperador Fran-
cisco Jos, tambera o imperador Napoleo I
O negocio Dao parece ainda positivamente fi-
xado ; mas de Paris so fazem grandes esforgos
para esse fm, e se no nos engaamos se a Fran-
ca conseguir o seu im, a Porta Ottumana paga-
r as lavas
As cousas na Turqua chegaram a um ponto,
que s da vnnlado da Franca oda Inglaterra de-
pende a calastrophe final. Ha j alguns mezes
as tropas lurcas nao recebem sidos : e o for-
necedor de pao para a guarnicao de Constanti-
nopla j leclamou do governo a somnia de 24
milhesde piastras, apenas podendo, de vez em
quando,receber um pequeo pagamento por con-
la. Todas as tentativas do governo Turco para
fazer uro empreslimo foram baldadas, e a iosur-
reicao na Turqua Europea s oguarda o sigoal
de Paris ou do Pelersburgo Essa posicao de
certo mui seductora para a Russia, c a Franca
meslra em seduzir. A entro vista de Varsovia,
segundo vos asseveram de Berim ed6 V'enna,
linha por fin a manulencao de paz Europea e
lalvez o desfecho do acto" final da tragedia ori-
ental.
A poltica interna da Allemanha nunca se con-
servou lo tranquilla. O nico assumpto d'in-
teresse foram as discusses sobre oorcamento
no conselho do imperio Austraco. Ellas paten-
Icnran urna horrivel quadro da posicao tinan-
ceira da Austria, e obrigaram volarse una-
nimimcntc um pedido 30 governo para presen-
tar enrgicas reformas internas. Se se conside-
rar que o conselho do imperio composlo de
horaens de conlianco, todos escolhidos pela pro
te os governos do Brasil e do Portugal, assim co-
mo os de Inglaterra, se recusram a subvencio-
nar a linha : em segundo lugar a pouca regul-
ndole no servico daquelles paquetes; e final-
mente a apparigo da nova linha de Brdeos, lu-
do islo foi a causa da ruina dessa empreza. Ha-
via j tenipo que eu linha previsto esto triste
fm.
O Daily News, acriditada folhi desla capital,
publicou ha dias em seu arligo 1/oney A/a/ieque
urna companhia est para formar-se nesti praca,
afim de reunir capitaes para a coltivaco do al-
godao na Australia, especialmente na Nova Gal-
les do Sul O capital pedido ser de cem mil li-
bras esterlinas, com autorisaco porni para po-
der essa quantia ser augmentada. As operaces
da companhia deverao comecar pela cultivaco
de mil a dous mil acres de terreno, que all re-
putado excellente para aquella especie do cultu-
ra. Muitos noraes conhecidos. em relicao ao pro-
gresso das colonias inglezas, figuraran! nessa em-
preza tae3 como os de Lord Alfred Chewchilt,
membro do parlamento, Messieurs F. Bazley, M.
Marsh, VV. F. de Sals, W. C. Wenlworlh. J A.
Youl e Alberl Allom. Pareceu-me conveniente
dar esta noticia, porquo d'algum modo poder
ella iateressar ao nosso paiz, que por exportar a-
quelle artigo lucrar com a alludida iuformaQo,
pondo-se alerta p3ra concorrer vanlajosamenle
cora mais aquelle futuro competidor no artigo al-
godao. Nao este o primeiro esforco da Ingla-
terra para omancipar-se dos Eslados-Unidos, do
Brasil, e de oulros pontos, quanto acquisigo
daquella materia prima ; mas at hoje tem sido
sem resultado seus projectos. pelo que poltica e
econmicamente tem al cerlo ponto continuado
a depender principalmente dos Estados-Unidos,
que certos dessa verdade lera della lirado todas
as vanlagens polticas quando a occasio assim ha
requerido.
A Inglf Ierra vai buscar nos Eslados-Unidos,
Brasil, e outras localidades, algodo com que pro-
porciona trabalho a mais de oitocenlos mil obrei-
ros ; mas. desde que por qualquer motivo nao
; podesse d'alli oble- lo, ver-se-hia em grandes em-
pria coia.a metade pertencenle alia nobreza, j baragos para prover suslenlagao de tanta gente
era officio de 16 do corrente n. 198, requisita o
commandanle da mesma eslacao para a compra
de carne verde c pao nos dias em que esses g-
neros forem regeitados aos fornecedores pela
sua m qualidade ; devendo o referido commis-
sario pr.'siar conlas nessa thesouraria de seme-
1 liante quantia em lempo conveniente.
Dilo ao mesmo.Mande V. S. pagar ao nego-
ciante Joaquim Aniones da Silva, conforme re-
1 quisitou o chefe de polica em officio de hontem
sob n. 1403, a quantia de 60$, em que importa a
etape abonada pelo delegado de Garanhuns aos
qoatr) desertores Francisco Nerfio Pereira, Ma-
noel das Costa Loite Machado, Manoel Francisco
dos Santos e Miguel Porfirio da Vista, constantes
da rdaco junta ero duplcala.
Dilo ao mesmo.Tendo em vista a sua infor-
rida obra.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE
PERNAMBUCO.
Hambargo 5 de outubro,
O assumpto principal da altenco publica sao manobra simulada inspirada pelo proprio Cavour,
em favor dssa ma-
tra um amigo, destinada ser publicada, elle
declarou mais que nunca ira de accordo com um
ministerio que vender uiua provincia italiana
(Niza).
Finalmente elle substitua o ministerio do par-
tido moderado, o qual apresentou a sua demis-
so em consequencia das medidas do dictador,
por um outro, composto em maior parte d'adver-
sarios de Cavour.
Alguns nao querem veri nessa repentina mu-
danca de Garibaldi outra ce usa mais do que urna
ainda os movimentos da Italia. Na nossa ulti-!e com effeito muito falla-s
ma carta j referimos que Garibaldi pode pene- i neira de concepc.ao.
Portara. O presidente da provincia, alten- trar at aples e que el-rei Victor Emmanuel! Em lodo o caso, certo <[ue esse procedimenlo
deudo ao que Ihe requereu o promotor publico se decidi intervir com forca armada nos Esta-i de Garibaldi forneceu ao conde de Cavour, aos
da comarca de S Anto, bacharel Jos Mara R- dos Pontificios. Garibaldi tinha penetrado de olhos dos gabinetes eurof eus, o mais brilhante
beiro Paragauss, Jresolve prorogar por mais um Reggio at aples, sem encontrar resistencia \ pretexto para justificar a sua intervengo nos es-
Iicenga de dous mezes, sem vencimentos, que seria em nenhuma parle. A insurreicao toma-' lados pontificios.
ra-lhe a vanguarda por toda a parte. *e os exer-1 Quanto mais Garibaldi pa|recia render homena-
citos reaes nunca esperaran! a sua chegada, dis- gem ao Mazzioismo e u
Ihe foi concedida por poriaria de 8 de agosto ul-
timo, devendo comegar a contar-se a predita
prorogacao de 8 do corrente em diante.
Dita. O presidente da provincia, tendo em
vista o resultado do exame, a que se sujeitou o
professor publico de instruego elementar de Vil-
la-Bella, Joaquim Gongalves Ayres, e nforraa-
persando-se antes mesmo de avislarem um ga-
ribaldino. Toda a marcha de Reggio al ap-
les, no rigor da palavra, apenas foi um passeio,
Tanta facilidade nao encontraran) as tropas pie-
montezas nos Estados Pontificios. A insurreigo
ma poltica revolucio-
naria tendente urna guerra europea, tanto
mais justificados parecan
de Cavour no interesse da
e da paz.
A intervenco nos estados pontificios se tomou
os passos da poltica
monarchia, da ordena
gao prestada pelo director geral da instrugo pu- tambem veio auxilia-las na maior parte dos lu- I assim urna acgo salvadora,
blica, ou'ido o conselho director, resolve con- gares das Marcas e da Ombra mas o exercilo pa- j El-rei Viclor Emmanue
Francisco do Reg Barros, conforme requisitou o rao elementar, Anna Geminia da Cruz Ferreira,
commandanle das armas em officio de 22 do cor- ] e a informagao ministrada pelo director geral da
rente n. 1103. a quantia de 9005 para pagemento instruego publica, ouvido o conselho director.
resolve, de conformidade com o art. 4. da lei
das preslacoes a nove soldados all engajados pa-
ra o exercilo.Communicou-se ao commandanle
das armas.
Ditoao mesmo.Devolvo inclusos os papis da
divida de 41 $600 deque pede pagamento o aju-
' dante da companhia de pedestres da comarca de
Tacarat, Francisco do Reg Buros, afim de que Sr. presidente da provincia, aulorisando nesta
V. S. mande satisfazer esta quantia, visto estar data ao inspector da thesouraria provincial a
. semelhaote despeza comprehendida na disposieo mandar indemnisar os lenles Jos Alves Tei-
final do aviso do Io de dezembro de 1859, sendo
ta de disciplina, que sobre tudo tornou possi-
vel os resultados verdaderamente fabulosos al-
cangados por Garibaldi. Apezar disso, porem, o
exercilo papal nao eslava em estado de defender
provincial n. 429 de 13 de junho de 1857, igualar o paiz contra as tropas piemontezas. Como nos-
o ordenado da referida profeisora ao dos actuacs sos leilores j sabero, o corpo de Cialdioi que
professores. I tinha entrado nos Estados Pontificios pelo lado
Expediente do secretario do governo. \ do norte, depois de haver tomar'o Pesaro, Peru-
Offieio ao commandanle das armas. O Exm.
gia e Sinigaglia, conseguio ganhar posigo dian
le de Ancona, cortando assim a essa praca a
communicaco com o grosso do exercilo papal
s ordens de Lamoricire. Cialdini alcancou is-
,do xcira, Jos Cesario Varella do Franca, e os al- so por marchas acoderadas das suas tropas, em
porm o pagamento feito sob minlia respansab- teres Luiz Castilho de Aguiar e Semeao Correia cuja possibilidade, segundo parece, nem se pen-
lidade, nos termos do 12 art. 1 do decreto de 7 ( Lima, lodos do 8o balalho de infanlaria, da sava no campo do Lamoricire. verdade que
de niaio de 1842, por nao haver crdito na verba quantia de 195)000, qift dispenderam cora alu- fra obrigado deixar em caminho urna parte do
respectiva, como V. S. declarou em sua infur- guel de casas para sua residencia, durante o lem- seu exercilo, que nao pode resistir aos esfo.cos,
maco datada em 25 de setembro ultimo. po em que estiveram destacados no centro da de sorle quo apenas conlava com cerca 17 "mil
Ditoao mesmo.Tendo em vista o que me provincia, empregados em diligencias policiaes; homens ern lugar de 20 mil, quando chegou
expoz Jos Marcelino da Rosa no requerimento, compelindo daquella quantia ao primeiro dos Ancona. Um ataque enrgico do exercilo papal,
a se refere a sua informagao de 23 do correnle, nomeados a de 48{000; ao segundo 249; aoler- nessas circumstancias podia talvfz mal lograr os
sob n. 1105, recommendo a V. S. a expedieo de ; ceiro 84$ e ao quarto 39j, assim o manda com- resultados do adversano-.reslabelecendo a comrou-
de suas ordens para que da quantia de 3:499#180 j momear a V. S. | nicago entre Ancona e Lamoricire,e com effeiio
rs. que se est a dever ao supplicante, proveni- | Dita ao curador dos africanos livres. De or- o general Lamoricire nao hesitou um s momen-
ente de gneros que vendeu para o arsenal de. dem de 8 Exc. o Sr. presidente da provincia, to em lomara offensiva contra a posigo que os
marinha nos ltimos mezes do anno tinanceiro jcommunico a V S. que consta do parlicipago do Piemonlezes s ordens de Cialdini acabaram de
prximo lindo, seja abatida a parte relativa s, director do arsenal de guerra ter fallecido hon- tomar. No dia 16 de setembro os Piemonlezes
" o menor Joo. filho da africana livre Isa- j*f*faun tomado essa posigo, e j na manhaa do
empregada no servido do mesmo arsenal.
DESPACHOS DO DIA 26 DE OUTUBRO.
Requerimentos.
2,066.urea Geroinia da Cruz Ferreira.Pes-
I se poriaria na forma requerida.
2067 Antonio dos Sanios Pinheiro.Sim, na
conformidade do decreto o. 817 do 30 do agosto
,de 1851.
removeu 03 graves perigo ameagadores da im-
petuosid.ide do dictador, e a direcgo dos nego-
cios voltou das mos do un avenloreiro descom-
medidojpara as de urna diplomacia experimen-
tada.
A' vista disto, nao per ora possivel formar
velas stearinas, e pago o mais sob miulia res-
ponsabilidade, por nao haver crdito para essa
despeza, e achar-se ella comprehendida no 12
art. 'l. do decreto de 7 de maio de 1812.
Dito ao mesmo.Remello incluso o requeri-
mento do capito do 8. batalhao 4e iufantaria
Antonio Mara de Castro Delgado para que V. S.
mande abonar nos devidos lempos a importancia
da preslago que elle pretenda consignas do seu
tem
bel,
2,068.Barlholomeo Francisco de Souza.In-
forme o Sr. inspeclor da thesouraria de fazenda
provincial,
2,069.Jos Marcellino da Rosa.A thesoura-
ria de fazenda se expede ordem para pagamento
do que so est a deverao supplicante relativamen-
te aos ltimos mezes do exercicio do 1859 a 1860,
menos a importancia de velas stearinas, da qual
allestado legal de medico, que nao pode deixar deve apresenlar documento para se pedir credi-
do ser altendido, sem ser lido porfalso, com lo ao_governo imperial,
sold nesta provincia.Communicou-se ao co-
ronel commandanle das armas.
Dilo ao inspector da Ihesouraria proviucial.
Certo do conlendo de sua informacao de 20 do
corrente, sob n. 484, dada acerca do requeri-
mento do 1. escriplurario dessa thesouraria,
Francisco Antonio Cavalcanle Cousseiro. tenho a
dizer que, visto ter o supplicante a^reseniado
grave oftVnsa do seu autor, maode V. S. pagar
ao peticionario cujos precedentes, estou infor-
mado,o abonam romo empregado digno e zeloso,
a quantia que foi descontada de seus vencimen-
lo no me/, de setembro ultimo. '
Dito ao mesmo.Ao negociante Joaquim An-
tunes de Souza maode V. S. pagar a quantia de
1970200 rs., despendida no mez de setembro
iiliimo, com o sustento dos prezos pobces da
cadeia de Garanhuns como se v da conta junta,
que me foi remetttda pelo chefe de polica com
officio de hontem, sob o. 1406.Communicou-se
ao chefe de polica.
2.070.Jos dos Prazeres do Espirito Santo.
Informe o Sr. director das obras publicas.
2,071.Jos Cezario Varella de Franca.Diri-
ja-se a thesouraria de fazenda provincial.
2,072.Jos Alves Teixera. -Dirija-se a the-
souraria de fazenda provincial.
2,073.Jos Julio Reguoire Pinto de Souza.
Informe o Sr. coramamdonie superior da guarda
nacional do Rio Formozo.
2,074.Luiz Castillo de Aguiar.-Dirija-se a
thesouraria provincial
um competente juizo sobre a repentina vacillaco
do procedimenlo exteiiord* Garibaldi. S obser-
varemos que desde que as tropas piemontezas
ebegaram aos ltimos dias latees fronleiras napo-
litana* e esto promptas para dar a m3o Gari-
baldi para as suas ultimas operaces contra el-
rei Francisco II, se mauiftala urna nova duvida
no procedimenlo do dictador, e a sua reconcilia-
gao com a poltica do conde de Cavour faz rpi-
dos progressos.
El-rei Francisco II ainda sustenta Capua e Ga-
la, o as tropas que Ihe ficaram fiis provaram,
em differenteg combates, que nao lencionam se-
guir o exemplo dos seus anl igos camaradas. 22
de selembro at atcancaran: um pequeo resulta-
do sobre um corpo Gariba dio, expellindo-o da
! sua posigo no Vulturno, apenas oceupada ha-
via m 3 dias, pelos insurge ates, depois de um
combate sanguinolento.
A marcha dos Piemonlezes s ordens de Cial-
dini diariamente esperada ce otra as posiges reaes,
mui brevemente decidir a sorle de el-rei.
Segundo parece, um corpo maior de piemonle-
zes ir prximamente para a capital de aples,
acompanhado de um delegado do gabinete de Tu-
rim destinado lomar al i as redeas do go-
verno.
Nos ullimos dias fallou-se muito da prxima
sabida do Papa, de Roma, dizendo uns que era
para a llespauba, uniros que para a Allemanha,
afim de fixar sua residencia provisoria em Wurz-
burgo. Nada, porm, se nde dizer com certeza
este respeito. O que positivo, que desde a
derrota do seu exercilo o papa se acha em posi-
do inimigo, se achava tambem o chefe do eslado gao mais incommoda do que antes sob a prolec-
maior do exercilo de Lamoricire, o general gao das baionetas francezas, e queso a conside-
que forma: o partido conservador, poder-se-ha,
apieciar fcilmente a grave impottancia do seu
voto. Os ministros prometieran) reformas,e reco-
nheceram a imposibilidade de sustentar o sys-
tema at agora seguido. Aquelles porm, que
esperavara que os ministros apresentassem, um
plano de reforma prompto, ao conselho do im-
perio, viram-se illudidos. As prornessas que se
realisaram foram conceoidas em termos geraes,
enem ao menos designaram a direcgo das re-
formas tencionadas. O conselho do imperio, po-
rm, nao deixou de designar ao governo as di-
rceges, era que desejara ver dirigida a obra da
reforma. A esse respeilo achavam-se dous par-
tidos em frente do ministerio ; um, que quer
ver as reformas combinadas com o estado geral
Austraco, creado pelo ministerio Sihevarzen-
Derg-Bich, tomando em consideraco. quanto
possivel (or, a .autonoma dos differe'ntes paizes
pe tenceiius a cora, e o outro, que exige o
rompinK'iit i com o Estado geral, e requer urna
Au-tna federativa, fundada na independencia
das diflereutes partes da monarchia, as suas
relagdes internas. O principal ponfo de apoio
dsse ultimo partido formramos membros huo-
garos, as quaes sem excepgo exigiram uuami-
menle o reslabelecimeuto do slalu quo do anno
de 1848 para aHui.gria.e a unio federativa com
o resto da Austria. Na votagao final esse parti-
do obteve a maioria. Logo depois da votago
leve lugar o encerramenlo do consellio do im-
perio e no da seguinle o Imperador recebeu
em audiencia os membros do mesmo conselho, e
lhes asseverou que, juntamente com seus con-
selheiros, ia lomar em considerago os pareceres
do conselho do imperio, e que brevemente te-
riam lugar reformas populares, sem dizer os
meios de que se servir.
As continuadas marchas de tropas para as pro-
vincias Veuezianas, assim como a posigo em
p de guerra d'uma parte do exercilo Austraco,
mostrara a seria attengo que o governo Aus-
traco dedica aos acoutecimentos da Italia, e os
recetos d'ura atlaque dos exercilos italianos con-
tra a Venecia. O conselho officioso da Franca
de vender a Venecia, foi rejeitado.
Finalmente temos de relatar que na sexta-fei-
ra passada, 28 de setembro, se publicou official-
raeule aqui a nova constiluicao convencionada
entre o senado e es notaveis sob as bases de cons-
tiluicao de 1850.
O cnsul brasileire nesta cidade, o Sr. Jos
Lucio Correa, durante um mez lutou entre a
vida e a morleem consequencia de urna perigosa
doeoga. Sua familia consternada e desolada
prestou-lhe os maibres e sobrehumanos cuida-
dos, e as suas preces obliveram graca peranta
Deus, pois que se acha em convalescenga. A
doenga do Sr. Correa foi um bem triste e" dolo-
roso acontecimenlo, masresla-lhe ello e to-
da sua familia, a salisfago de recouhecerem
quanto elle eslimado e considerado em Ham-
burgo, porque quasi todos os seus habitantes se
foram inscrever, o inquerir lodos os dias do seu
oslado, e quando se soube quo elle estava fra
de perigo a satisfago foi geral.
dia 18 o exercilo pontificio, que se concentrara
perto de Macrala, atacou com II mil homens
pelo lado oe Casiel-Fidardo, ao passo quo a
guarnigo do Ancona fazia urna sortida com 4 mil
homens. Cialdini achou -se assim entre dous fo-
gos ; de arabos os lados combateu-se com a maior
energa, mas a deciso nao se fez esperar.
A sorlida da guarnigo de Ancona foi reoelli-
da, e o exercilo papal, deixando lodos os feri Jos,
6U0 prisioueirose 11 pegas de artilharia as mos
dos l'iemoutezes, bateu em retirada algumas ho-
ras depois. Entro ns feridos cahidos em poder
conde de Pimodan, um dos raais valeules sol-
dados, que succuinbio s suas feridas durante
a imite. Com excessiva rapidez se mostraran) as
consecuencias da batalha de Castel-Fidardo. El-
la havia sido ultima balalha da tropa do papa
om campo aberto. J no dia seguinle, 5 al 6
mil homens cpilulavara, e entregavam-se pri-
sioneros de guerra, dipersando-se o resto, em
numero de dous mil, as monlanhas, depois de
haver o general Lamoricire conseguido salvar-se
durante a noile para Ancona, penetrando com
uns cera homens por um desliladeiro, nao oceu-
pado pelos Piemonlezes
Em todo o territorio pontificio, excepto na ci-
dade d'Ancona, agora cercada ao mesmo lempo
2,075 Manoel da MollaSilveiraCavalcante. I petos lados de mar e de trra, nao havia mais
Como requer. 1 corpo algum de tropa papal, e nada impedia a
ragao de deixar Roma, e abandonar seu governo
secular, o retem ainda all. A partida do Papa
ser em beneficio do Piomonte, vislo que com
ella a Franca nenhum pretexto mais lera para
oceupar Roma, e Roma nesse caso tambera achar-
se-hla livre para a annexteo. Nao ser tambem
conveniente Franja essa partida, e especial-
mente para fra de suas vistas, islo para a
Hespanha ou Allemanha.
Da pretendida entrevista entre o principe re-
gente da Prussia e do imperador da Austria com
o imperado da Russia, em Varsovia, j fallamos
na nossa ultima carta.
O termo ttxado para a mesma entrevista, (8 de
oulubro) foi adiado, de sotte que s lera lugar l
para o dia 20. O pretexto desse adiamanto a
Londres, 8 de oulubro.
Pelo Magdktlena chegado Southampton no
dia 3 do correnle tivemos noticias do Brasil. Os
jomas desta capital publicaran) logo que o cam-
bio do Rio de Janeiro sobre Londres fra nego-
ciado a 26 d 1(4, e esta nova pro luzio aqui mui
bom effeito, lano mais quo accrescenlou o Eco-
nomista, jornal de Londres, a noticia de se espe-
rar na provincia do Rio 8e Janeiro urna prodigio-
sa colheita de caf por onde antecipam muilos que
o cambio do Brasil sobre esla praga melhorar
cada vez mais. Esla mesma folha annunciou a
quebra do Sr. Mello e Souaa, negociante de cou-
ros na praga lo Ro, deixando um passivo de
quasi cinco mil contos de ris; mas, segundo ar-
crescenta o dito jornal, os efleitos dessa fallencia
seriam al certo ponto altenuados pela concorda-
ta celebrada entre o fallido e os credores, pela
qual aquello se obriga a pagar dentro do prazo
de 3 annos e nove mezes, sem juro algum, as di-
vidas em que incorrera ; ajuste este que fra sanc-
cionado por dous tergos dos credores, que cons-
lituera a maioria legal para validar scmelhanle
accordo. Tal foi a informagao que esta praca le-
ve do importante desastre, que affectou o nosso
commercio e a quo cima alludo.
O mesmo Economista diz que por noticias vin-
das do Brasil pelo Magdalena se receia que mais
algumas quebras ventura ter lugar na praga do
Rio ; mas que, ltenla a expectativa de urna gran-
de colheita de caf all, esses receios nao proJu-
zirara nesta praga um pnico tal que as transac-
ges com o Brasil se nao flzessem sem notavel al-
terago.
Chegou ha dias a Liverpool o vapor da linha de
Milford Haven que era devido no mez prximo
passado. Affirmam-me tercessado o servico des-
sa linha, ficando a companhia em grande desfal-
que ; e segundo me dizem perderara com esse
successo grandes sommas, quatro capitalistas de
Manchester e Liverpool, que desejosos de tudo
fazerem pela prosperidade daquella companhia
haviam feito al final face s despezas da linha,
sempre com a esperanga de que viesse essa em-
preza a vingar. Mas ludo correu mal para que se
demora do esperado parto da imperatriz da Rus-1 podesse obter um bom esultado : primeiramen-
alem da ruina commercial que haveria ; e pois
trata de resolver esse problema de urna maneira
proveitosa e permanente.
Os consolidados inglezes ficara a 931|2 5|8. Os
fundos brasileiros |0 a 98 1|2 99 ; 4 112 0(0 87
1|2 3,8 ; os Hespanhoes 3 0|O 48 3|4 49 ; os Aus-
tracos 5 0(0 i l|2521|2; os Penanos 4 Ii20|0
94 112; os Mexicanos 3 0|0 25 3[8 112 ; os Purtu-
guezes 3 0|0 43 3|4 ; os Turcos 4 [0 garantidos
101 5(8 ; e os Sardos 5 0|0 811|2
O descomo no banco de Inglaterra tem regula-
do de 3 3|4 a 4 por 0|0 sobre consolidados Ingle-
zes; e no Stoch-Exchange de 3 a 3 l|2 0(0 sobre
letras de pruneira ordem a 60 dias.
As piocedencias de Inglaterja para o norte do
Brasil nesta ultima quinzena lem sido as seguin-
les : de Cardiff(20 de selembro) Sea Wave para
Pemambuco ; de Cardiff (22) Spero para Pernara-
buco; de Liverpool (27) Bosphorus para a Baha ;
de Cdrdiff(26) Uobarts para Pemambuco ; de Car-
diff (28) S, Jorge d'Aveiro para Pernambuco ; de
Swansea (5 de outuDro) Lilian para Pernambuco ;
e de Cudilf Laura (4) para Pernambuco.
Do Brasil para Inglaterra no mesmo periodo os
seguinles : do Rio Grande chegou no dia 3 do
correte a Palmoulh o Edward John. O Henrtf
Uolman da Baha para Falmoulh foi encontrado
a 3t de agosto na lai. 14. 12. N. e Ion. 33. 8. W.
O Si. Jolliffile Londres para a Baha (agosto 18)
lat. 6. 5b. N. Ion. 22. 22. W.
Os nossos gneros Gc-ioi pelas seguinles cola-
ces. Coco do Brasil 55 s. 65 s. per cwi; caf 1*
qualidade 63 s. 73 s. 2a 58 s. 6 d. 63 s. 3a 53 s,
58 s ; pao Brasil 80 s. 85 s. por tonelada ; assu-
car de Pernambuco c da Parahiba, branco 27 s.
32 s. mascavado2l s, 26 s. ; algodo de Pernam-
buco 7 d 5[8a 8d. 1(8, do Maranhao 8 d; e couros
salgados 5 d. 3|* a 7 d. 3|4,seceos9 d a 9 t i\2t
e seceos salgados 6 d. a 8 d. Ij2 por libra.
As aeges de Pernambuco ficam a descont da
< 3 l|4 a <8 2 3i4: as da Baha 7i8 e as de S.
Paulo 3(4 a 1(2.
Na minha uliima carta, referi dome os estado
de cousas na Italia, noliciei a invaso dos Estados
Pontificios pelas tropas Piemontezas. que depois.
do haverem oceupado Pesaro, Perugia, Pbligno a
Spoleto, se haviam postado ero Casielfidardo, on-
de allanadas pelo general de Lamoricire no dia
18 conseguram urna completa victoria, fazendo
6O0 prisioneiros alera da lomada de urna bandei-
ra e de seis pegas de artilharia. O general de
Lamoricire havia porm conseguido escapar-se
com alguns cavalleirose enlrou na praca de An-
cona, onde linha doixado pule de suasforcas ; o
assim lograra prolongar por raais algum lempo a
defeza daquella porgo do territorio Pontificio,
que havia sido confiada a sua guarda. Recolhido
aquella praca, o general em chefe tomou logo
todas as disposiges para oppor-se ao iniraigo
pelo lado do mar e do da trra, o que sem demo-
ra tevo de azer, pois nao tardou que por Ierra
fosse attacado pelo general Fanti e por mar pelo
almirante Persano, commandante da esquadra
combinada Sarda Napolitana, e que se achava
bloqueando o porto de Ancona anteriormente
mesmo ao dia em que Uvera lugar a batalha de
Caslelfidardo.
Ninguem contlava que as tropas Pontificias re-
colhidas naquelle baluarte podessem por muito
lempo susleul3r-se contra os sitiadores, porque
com quanto bravos erara os sitiados em numero
lo diminuto, sendo seis mil quando muilo, que
nenhuma vanlagem poderiam alcancar Entre-
tanto o general Lamoricire responJeu por mais
de oito dias ao vivo e seguido logo da csquidra
e do exercilo, e s quando no dia 28 do prximo
passado o Almirante Persano por meio de urna
bem combinada manobra conseguio destruir qua-
si totalmente as ubras exteriores do porto do An-
cona que o commandanle em chefe do exercilo
pontificio pedio capitular, certo como eslava de
que qualquer esforgo posterior para defender-se
seria de nenhom provelto e s contribuira para
derraraamento de precioso sangue de tantos bra-
vos, sem que disso podesse todava resultar nen-
hum beneficio para a suslenlicao da praca. No
dia 27 havia j o general Cadnrna tomado de as-
sallo a porta Pia, e deste modo conseguir domi-
nar a fortaleza pelo lado de ierra ; de modo que
a posigo dos sitiados tornou-se excesstvamente
desesperada.
Nesus circumstancias, o general de Lamori-
cire enviou um parlamentario ao general Fanti,
commandanle em chefe do exercilo Piemonlez, o
que cercava a praga ; oflcrecendo a capilulago
da praga, e esUbelecendo como condices asuhi-
da da guarnigo com todas as honras militares a
a faculdade de poaerem essas tropas recolher-sa
a Roma,
Era claro que vista das decisivas vantagens
oblidas pelos sititdores a ultima condigo se tor-
oava inacceilavel; e com effeito foi ella regeita-
da pelo general Fanti, com quanto concordassa
esta na piimcira. Mas as circumstancias eram
extremas para os sitiados ; e pois o general fran-
cez resolveu-se a acceilar a limitago, preferin-
do isso a render-se a discrico como provavel-
menle teria de succeder-lhe se persistase em
defeuder Ancona por mais alguns dias. Foi as-
sim que no dia 29 leve lugar a assignalura da
capilulago da Praga, figurando por parte dos si-
tiados o cavalleiro L. Mauri e o marque! Lepri,
e por parle dos sitiantes o major de Sonnaz e o
cavalletro Borlle Vale, os quaes concordaran


- r
co
DIARIO DE PERHAMBUCO. TE1HA FEIRA. 30 DE OUTUBRO DE 1860.
ITTtl
/
nas seguintes condigoes :Ia a Praga de Aneenai houvessem realisado juntar-se com exercilo pie-
com todas as auas muoiges, provisoes, cofres | monlez.
. as suas .
pblicos, armamentos, avos da guerra, e ludo
que pertencer ao governo, sari immediatamenle
entregue s (oreas de mar e trra de S. M. el-rei
de Sardenha.2.a As torcas pienioritezasoccupa-
ram a praga e suas fortifleages.3.a Urna com-
misaao mixta tomar eenta por inventario dos ,
obiectos entregues.4.a A guarnicao da praca parlamento sardo por commiseio regia
uir pela Porta P com todas as honras mili- occasio o conde de Cavour lea nerante
** nrrt ilirarnin A Tnrpnl* a r>A >WS r. a _.. ....
que o
A dea era excelleote; mas affirraa-se
plano do ataque fra muito defeituoso.
Garibaldi continua nas suas posiges de Caser-
a, Santa Maria e Haddaloni; e os Realistas em
Cajazzo, Capua e Gaola.
No dia 2 do corrente oi abjajp em Turim o
Nossa
as ca-
tares em direceo Trrela, e s ahi se oonsti-| maraa o seu profrarama politi dando ento
suiram pnsioneiros de guerra.5.a As tropas, conta de ludo quanto o ministerio havia feito
formando a guarnigao da dita fortalea, marcha- desde o encerramonlo do parlamento e do que
rasa para lora d'allia infamarla por balalhes, tenciona (azer em relagao questao italiana, e
cavallaria por corpos espeeiaes, e a artilharia concluindo por pedir uin roto de conflanga.
unida.6.a Na Trrala as tropas rendidas depo- Por esse meio revlamou aquello ministro das
rao as armas, e d'alli serao enviadas para o Pie- cmaras aulorisaco para annexar aquellas pro-
monte na forma indicada nessa ni es roa condigo.' vincias, que por livre voto manifestassem a in-
7.a Os empregados administrativos, religiosos, tengan de se unirem ao Piemoute, declarando
bera como os que serviam no correio e telegra- i quo o governo nuuca aceitara qualquer anuexa-
phos, serao considerados como offlciaes do exer- j gao com voto condicional ; alera disto o condu de
cito.8.a Os feridos ser deixados em Ancona | Cavour declarou s cmaras que as vistas do rni-
sob a guarda do governo pierooutez : os officiaes
6 todos os houiens sao de (acto comprehendidos
nesla capitulago.9.a Um subsidio estipula-
do para as (oreas rendidas al que o governo te-
lina dellas disposto : os generaes recebero 10
francos diarios; os offlciaos superiores 5 fran-
cos ; os capites, lenles e segundos lenles
3 francos ; as pravas de pretuma rago, alera de
20 cenlessimos em dinlieiro para cada una.
10. Com a entrega da praca passaram s mos
das autoridades pieraonlezas todas aquellas som
-.- -. g"TT^!T" """<* "Hut'"" 'er as anuexagoes nos termos era que emende.
mas que por qualquer titulo pertencessem ao go- Assim, pois, brevemente veremos a Ombra, as
verno pontificio. Esla caoulaeo. aue vera da-. Marches o ac rfu i;.. .,.,,,<., < c...
nisterio quanto questao de Veneza e Roma eram
respeitar o statu quo, visto que do contrario po-
deriam surgir dilculdades que prejudicassem
a umo italiana, e quanto posico actual das
cousas em aples o ministerio' pensava que
urna prompta annexago era o mais seguro meio
de fortalecer a patria commum na execuco da
obra.
Este progrmala poltico (o j approvado por
urna grande maioria ; o o governo autorisado a
fazer as annexacoes nos termos em que entende.
verno pontificio. Esta capitulacao, que vera da-
tada da villa Favorita era 29 de selembro, (oi j
TaliQcada pelos respectivos soberanos.
Quatro mil dos pristoneiros de Ancona (orara
j d'ahi enviados para Palermo, ondo vo servir
debaixo das bandeirasd'el-rei Yiclor Emraanuel.
O general de Laraoricire chegou Genova no
dia 2 do corrento & bordo do vapor de guerra
Conde de Cavour sob o commando do almirante
Persano At s ultimas noticias o governo pie-
monlez nao havia lomado deliberage alguma
quanto (utura condigo daquelle Ilustre pri-
sioneiro do guerra ; mas provavel que, so-
guindo para com elle a mesraa conducta que tem
observado cora outros pristoneiros de alta gra-
Marchcs, e as duas Sicilias annexadas Sar-
denha.
Quanto a Roma e a Veneza, sero estas loca-
lidades respeitadas pelo Pieraonte, sendo cerlo
que a Franca o a Inglaterra tem aconselhado el-
rei Vctor Emmanuel a se abster de complicages
com a Austria e Roma.
Garibaldi, submeltendo-se decisao das c-
maras piemontozas, desistir da idea de demorar
a annexaco das Duas-Stcilias ; e assira causar a
desntolligencia entre elle e o conde de Cavour:
S. M. a rainlia de Inglaterra est anda era Co-
burg, donde partir smente no dia 9 do corren-
te para Coblentz. Naquelle lugar ia o principe
Alberto sendo victima de urna desgrana, quando
duago, Ihe permitllr relirar-se para onde rae- ; no dia 2 se recolhia do campo para'a cidade
Inor Ihe aprouver sob palavra de honra do nao Achava-se S A. Real em urna carruagem a qua-
empregar-so mais no servigo daquelle em cujas tro cavallos, que elle proprio guiava, quando
bandeiras mtlilava contra o Piemonte. perlo de Coburgo os cavallos se espantaran! e
O almirante Persano esmerou-se era Iratar partindo sem governo ; e neslas circunstancias
com distincgao o seu lluslre pnsionero ; o al o principe se arremessou do vehculo a trra pre-
reiero que dissera elle ao hroe de Cooslanli- farindo isso a ir de encontr contra uraa cancella
uilas phrases allusivas ao valor o pericia de um caminho de ferro, mas nao o fez sera que
podesse ser indeferente para com pessoas que,
morreado para o mundo em razo do seus voto,
cessam com elle toda a eommunicacio, poda ser
de graves consequencias quando concedida a pes-
soas que vivem constantemente na sociedade. e
se dedieam tambera ao cnsino da inferiera. Stu
Magestade confia que V. Em., vendo todo o al-
cance desla questao, haver de erapregar toda a
sua Ilustrada diligencia, para que se consigam
pelos meios indicados, e por outros que parece-
rom conveniecles, oa fin* que se pretende, da
manutenc&o dorespeito sleis do reino : e quer
Sua Magestade que V. Em.a communique por es-
te ministerio o resultado das providencias que se
servir adoptar por virtud das regias delermioa-
coes que ora se Ihe comraunicam.
Dos guarde a V. Em.a Paco, em 3 de outu-
bro de 1860.Etnm. e revm." Sr. cardeal pa-
tnarcha de Lisboa.Albtrto Antonio de Moraes
Ciiii-a.lha.
Remetto-lh'o na integra porque um docu-
mento nolavel ; o eerlo que o poni mais dis-
putado que era o da obediencia esujeico ao go-
ral de Pars fica resolvida. restituindo-se s cou-
sas ao estado em que se acharara antes de quo o
patriarcha D. Guilherme, antecessor do actual
tivesse tido a inconveniente condescendencia de
permillir que as nossas irmaas de caridade do
hospicio de Sania Marlhs so unissem s fran-
cezas e Qcassem dependentes do prelado fran-
cez.
Este oucio (oi lido e discutido em conselho de
ministros ; o prelado metropolitano andou de
bom accordo com o governo nesta resotuco com
que os Ultramontanos se nao conormam, mas
que est em harmona com os principios re-
gahstas o liberaes e sobretudo cora as les do
remo.
O ministro de Franga nesla corte, segundo
ouvi, disse ao nossso ministro dos negocios es-
Irangeiros que achava acertada aquella medida,
e quo era da sua raissao proteger os subditos do
imperio, mas que nao vinh* quebrar lanjas por
quaesquer corporacoes religiosas.*
O alto lazzarismo nao ilcou tambera muilo
agaslado cora esta providencia governativa, por-
quanto se nao prohibe a faculdado de cada fa-
milia chamar para oseio de sua casa na quali-
dade do aia ou raeslra de seus lllhos e filhas as
eiiste em to larga escala como voz pu-
0 ministro levar provaveloiento s corles al-
Jm projeto que tenda a restituir nossa ma-
gtstroturaj devido esplendor. E' de crer que
U ayndicancia actual, segundo as les vigentes
nao resulte a conderanacao de ninguern porque
a le est aul (ta mas bom sei que da futu-
ra seja garantida a integridade dos iuizes our
orna le beim explcita.
Joio Brsjndao. que aos 27 annos linha feito
mais mortes que annos de idade, que se entre-
gara as autoridades de Arganil, como Ihe noti-
ctei, fol removido, para raaior segaranca, para
as cadeas de Coimbra.
O governo maodou mdicos a Arganil, onde o
preso se ichava doente, o decidio-se que (osse
conduzdo u'uma maca, entre urna escolta de
cavallaria.
Cunpre Bao esquecor que o mieisterto da re-
genera$o por urna portara poz disposicao do
famoso salteador da Baira as autoridades civis
e militares de tres dislriclos importantes, em
poca de eleicoes.
Esse documento totn sido impresso por varias
vezes e aibda ltimamente o reproduzio urna
oas olnas nmisteriaes para se defender da ac-
cusagao que os opposicionistas faziam ao go-
verno actual de proteger o dito Joo Brandao.
Vai lardando o julgamenlo dos reos pronun-
ciados pelo rrime de moeda falsa, mas, como
acabarara as ferias judiciaes, do crer que den-
tro em pouco tera lugar esse julgamenlo.
E esperado o Taima brasilciro do artisla Joao
Caetano dos Santos. A recepcao deve ser diana
do artista.
Abrio-so o iheatro do S. Carlos: a empreza
Cocradini& C, val iu*>liz, era aquelle theatro
depos de ter sido por alguns annos administra-
do pelo governo poder seno arruinar emprezas
particulares.
O governo deu-nos Alboni, Lolti, Tedesco,
Frascnini. etc. Artistas de primeira ordem.
Agora temos a Gazzauiga, que (oi muito boa,
mas quo j nao As outras paites sao inferio-
res s que oestes ltimos invernos aqui temos
applaudido.
Um dia destes vai scena o Polinto de Verdi.
A Travxala (oi j tres vezes fazendo quasi um
drouaverfranCeZaS' insleza9 ou lurcas qnThe a.-1 fiasco na primeira'noito".
n'nnl'nrnr, ,A. i__ L A Lttca. cantada pela Hensler, bonita mas
oote >ra n?T ? V* M ^ U *"" P' W ^ um fiasco com-
portas a dentro no seto das familias ; a educa- cemoleto
cao domiciliaria "7i" ** *-<.--- a. _
na mu
d'aquelle dislincto general. Apenas Laraoricire
havia chegado bordo, o almirante Persano Ihe
dirigi a palavra para dizer-lhe quo s o patrio-
tismo reunido de tamos Italianos seria capaz de
vencer o ardor e bravura de um to distinelo
offkial.
Oulra parte das tropas quo capitularam em
Ancona (oi mandada para a praca do Alexandria,
no Pieraonte, e d'alli ser ella provavelraeute
encaminhada para seus respectivos paizes, pois
essa porcao consta de eslraugeiros que se acha-
vam alistados no exercilo pontificio.
As tropas pieuiontezas de oceupagao nos esta-
Qcasse erido levemente no rosto e bracos. O ac-
cidento, porrn, nao levo inaiores consequencias ;
e S. A. so achava restabelecido.
As noticias da China chegara a 25 de julho ul-
timo ; e escreveru de Ta-Len-IlwauBay que no
dia antecedente comegra all o embarque das
tropas que formara a expedicao contra os (orles
do Taku e o Peiho, sendo composta de todas as
armas e debaixo do dominando do general Grant.
Oepois da toma la dos fortes do Taku, a expedi-
cao alliada subir o Peiho contra Tieu-lsin, sen-
do acompanhada de urna numerosa esquadrilha
com munigoes e provisoes. A raelhor harmona
mas
nao est
sim a quo
debaixo da sua
tera o carcter
is-
pu-
... ..,,.. r.,_.mm uu uo< ..,.a..,j uua coia- uuui munigoes e provisoes. a raetnor nan
dos da igreja se aeham hoje dominando at Ti- ( exista entre as tropas inglezas e francezas.
voli. distante apenas algumas milhas de Roma ; Por noticias de Honduras de 13 do prximo
e nao ser Roma, Ctvita-Vecchia, Vuerbo e Coi- passado sabe-se aqui que a general Alvarez apn-
neto. onde se acham as tropos francezas, ne- sionra no Rio-Negro o famoso Walker e um seu
ritiuma oulra porgao do territorio pontificio obe- coronel, levando-os para a capital, onde dias de-
dece mais ao governo temporal do santo padre, pois forara fusilados.
E de presumir que destas roesraas localidades li-
vesse j desapparecido a autoridado pontileia,
caso as populagcs desses pontos nao reeeiassem
ser comidas oa obedieucia pelas tropas francezas,
cuja guarda estao as mencionadas cidades cora
Oeste modo deixou de existir o famoso ltbus-
teiro da America central
seus territorios adjacentes ; mas apezar disso tem
havido manifostages frequeules nessas localida- ,
des contra o governo pontilicio, aconteceodo i mente aquella (ertil e importante provincia. Vai
Lisboa 13 de outnbro.
El-rei D. Pedro V parlo depois d'amanhaa
para o Alerotejo, tndo destinado visitar dolida-
anda ha pouco em Roma illuminar-sc urna parte
da cidade por occasio de alli saber-se da capitu-
lacao de Ancona !"AS autoridades pontificias nao
desconhecern como o espirito revolucionario tem
minado por toda parle.
cora elle o presidente do conselho de ministros,
raarquez de Loul, o ministro da guerra Garcez.
o raarquez de Ficalho, seu ajudanto de campo,
os generaos Passos e Caula, e o ofcial de aabi-
nete de ministro do reino Jos Carlos Rodrigues
msmmMMMm
todo caso o governo francez julgou conveniente
elevar o seu exercilo nos estados da igreja a vin-
le e cinco mil homens, como que para preparar-
se aliin de arrostar com quaosquer eventualida-
des futuras, que possam surgir dos aconlecimen-
tos politicos que vo tendo lugar na Peniusula
italiana.
Apezar de haver a Franga retirado temporaria-
mente de Turim o seu ministro, por motivo da
invaso dos estados pontificios peta Sardenha,
aim de assim significar santa sea sua desap-
provagao d'aquella poltica, ninguern todava ere ,
que aquelle successo importe um abandono do ?.
Piemoute pela Franga : ha raesnio quem creia j ?. M.anoel Antonio Velles Castello Branco, hon-
ser aquillo apenas urna farca, sendo fra de du- I radissilr magistrado, que por muitas vezes tem
vida que o imperador Napoleao destja acabar ioccupaJo presidencia da cmara electiva, a
ao menos li- 8r.aii'le contento do todas as fraeces por sua in-
Amanha domingo) lera lugar a eeigao sup-
plemeutar para o preenchimento de 14" vagatu-
ras da cmara dos dcpulados.
A eleigao deve ser muilo disputada, sobrelttdo
nos circuios de Lisboa e arrabaldes onde ha clei-
gao que 116 (S. Paulo, Santos e Santa Calhari-
na) por ondo so propoc Carlos Benio da Stlva.mi-
nistro da marinha e seu adversario Serzedello,
sobrinho dos acreditados negociantes desta pra- -
ga. No circulo dos Ulivaes pro;ie-se pela opposi- "a opposigao
cao o proprietario Vieira Caldas (do Canecas] '
moilo conhecido na localidide. Pelo governo
seu contendor o luiz do supremo tribunal dojus
com o poder temporal do Papa ou
ml-lo Roma, ste plano eppareccu ha lem-
pos esbogido em um paruphleio publicado por
uro cerlo About, que nao passou todava por ser
o verdadeiro autor daquelle livro, aliribuido por
muilos penna de Luiz Napoleao.
A santa l parece inclinada crer que o apoio
que Ihe esta prestando a Franca nao sincero ;
e al oa allocugao que em 28 do mez prximo
passado proerio Sua Sanlidade no consistorio de
cardeaesse (az mengo das proraessas da Franca
de sustentar os direitos temporaes do Pontfice,
irrealisadas porrn at hoje apezar dos ataques
por que lera passado a cadeira de S. Pedro da
parle de um monarcha catholico. que devora res
peitar como ilho obediente os direitos do Ponti-
lice. A Franga parece em verdade olhar com
ludiflerenga para esses succossos ; quer seja por
terem visla aquelle plano, quer seja por esperar
do re de Sardenha mais alguma cessao de terri-
torio ilaliano-como por exemplo Genova, iiha
da Sardenhs ou d'Elba com a condigao do deixar
o Piemoute ir por diante era suas conquistas.
Ei-iei Vctor Emmanuel deixou Turim uo dia 29
do mez prximo passado, confiando a regencia ao
principe de Carignan. Depois de haver passado
por Bolonha o Raveuna, onde oi recebido cora
grande enlhusiasmo, chegou S. M. a Ancona no
dia 3 do corrale, alim de alli tomar o comraan-
do em che(e do exercilo, o que realisou procla-
mando s suas tropas para agradecer-lhes sua
bravura e servigos e promeler-lhes que cora ellas
se acharia sempre onio estivesse o perigo. Nesta
hora em que escrevo provavel que as tropas
sardas, commandadas por S. M., tenham jatra-
vessado a fronteira Napolitana, para irem de
combinagao com as forgas de Garibaldi corear
Capua e Gaela, onde aida se cha o rei de a-
ples com mais de 30,000 homens; e realisado
esso successo nao tardar muilo que e drama
agora em aegao no reino das duas Sicilias venha
a um final resultado contra a dynaslia Bourbon
de aples.
Garibaldi proclamou j s suas tropas acerca
da entrada do exercilo piemonlez no territorio
Napolitano ; e por este (acto parece ter cessado a
desintelligencia que exista entre o patriota ila-
taliano e o conde de Cavour, em virlude da qnal
o primeiro se oppunh* prompta annexaco das
duas Sicilias Sardenha, pretendendo faz'e-la s
quanda tivesse elle oceupado a Ombra, as Mar-
Ches, e mesmo Roma.
Nestes ltimos lempos tovo Garibaldi de expe-
rimentar alguns reveses em varios combates, que
sustenten nos dias 17, 19 e 21 de selembro ulti-
mo contra os Royalistas. Estes repelliram com
vantagem as forgas do dictador nesses encontros,
fazendo-lhes mesmo muita mortandade no com-
bate de Cajazzo, donde forara os patriotas desalo-
S Ia 21 aa1u" mez depois do haverem
21? an',? muUos 6i'3 a(uelle Pn"> qe
i,hi PUB- M" 08Jrnaes le 6 do crreme
2L3??2 Te >*8PhC8. annnnciando
que no da 1. Garibaldi aleangra urna brilhante
v.ctona sobre os Realislas, que sabidos de Caen,
haviam atacado o dictador nas suas posices de
Casera e de Santa Mara. Mais de dous mil ori-
sioneiros cahiram em maos de Garibaldi; e o
exercilo de el-rei foi obligado a recolher-se a
Capua com a maior precipitagao. Este surcesso
pois, veio de novo alentar os patriotas, que, aju-
ddis pelo rei da Sardenha, esperan brevemen-
te tomar Capua e Gaett.
Parece que os geoeraes do el-rei de aples
quizeram dar aquella batalba no intuito de der-
rotaran a (oreas de Garibaldi antes que estas
teireza o imparcialdado. Os amigos do governo
nao flzeram bom em propor esta candidatura im-
portante por um circulo tao poucoseguro.quan-
do linha outros na provincia cora mais probabili-
dades a seu favor. Por Almada prope-se pelo
governo o Dr. Jos Gabriel Holbeche, secretario
do conselho do oslado. Oppe-se-lhe tira cirur-
iiio e proprietaiio daquelles sitios, Francisco
Ignacio Lopes, hornera eslimado daquelle povo-
calisago,
blico.
Creio que o ministro da justiga andou muito
be ni, eos seus leitores, collocados raaior dis-
tancia, e por isso com maiores condices de m-
parcialidade poderao decidir melho do que cu
que eslou ao p, e nao posso negar que leubo
sincera consideragao pela pruJencia, seriedade
de ca.raclur e seosalez do Sr. Moraes Car-
valho.
Publicou-se o novo regularaenlo para os tuca-
Iros incluindo o que diz respeilo ao normal.
Creou-se urna caixa de soccorros para os actores,
melhora se a superintendencia lilicraria dos es-
pectculos, e vanos potitos do adrainislragao
econmica desle estabeleciraento, que eslavara
reclamando urgente reforma.
Nomeou-se urna rommisso composta do prn-
sideolo do conselho desaude e dous engenheiros
disiiuctos, para examinar as obras do lazzareto
do Lisboa o propor as raodicaces necessariss ao
plano que se lera seguido.
O ministro das obras publicas est habilitado
com os fundos precisos para dar o maior impulso
a esta obra, e acredite que leremos um bom laz-
zareto, cora as accommodages para os quarema
navios, armazens e depsitos para a beneficia-
gao das cargas etc., etc.
Forara j publicados os regulajnent03 das les
do contribuicao predial, e do imposto industrial.
Dentro em poucos dias apparecer o da conlri-
buigao pessoal. O ministro da fazenda Avila in-
cansavel.
Estes reguhmentos imporlam um trabalhoin-
crivel, mas o ministro fiel sua missao e aos
seus caniproraissos nao se poupou s fadigas de
urna applicaco alorada.
A reorraa do thesouro vai apparecer na se-
maua prxima.
l)iz-se que o antgo jornalista Aiilonio Augus-
to de Sama Anua e Vasconcellos ser collocado
como director dos proprios uacionaes.
Falla-se na entrada do mais alguns amigos do
governo, mas lera reinado um tal silencio so-
bre esses despachos que al raesrao os pro-
pnos itileressados andara duvidosos e descon-
fiados.
A reforma da paula geral das alfandegas con-
tinua a ser elogiada pela imprensa eslrangeira
com grande jubilo do ministro da fazenda, pois
tera a cousciencia do ter feilo um bom e grande
servigo ao desenvolvimeuio da nossa industria
fabrille nao menos aos consumidores, pelas ro-
duegoesquo su levaram a efToiio nos direitos das
materias primas. Esta reforma que salva da
aecusacao do incoherencia os seus collegas que
. como deputados, claraarara con-
tra as medidas de fazenda de Casal llibeiro, por
isso que, rnodilicando-se o imposto indirecto,
compensado fica o augmento das coiitribuicoes
directas.
Neste particular tarabem a opposigao conse-
guio muilo, alterando as tabellas da contribu-
cao industrial coi ordera a ouerar rnuito menos
aquella classe.
No da 9 levo lugar o julgamenlo de Santa
Anna e Vasconcellos, o mesmo do que cima
Ihe fallei. o o.ual se achava pronunciado por
causad urna pendencia que ha lempos tinha ha-
vido cnire elle e um Ul Mr. Daubignv, empre-
gado no consulado (ranc^z em Lisboa. Ocaso foi
que o francez crilicou severa o descortezmenie
o de Mendes Leal: palavra pucha pala-
0 barytono vesgo de um olho, chamase
Fagolti, e nao agrada muito, o que nao admira,
apesor de saber msica.
O Nery Baraldi que j aqu tem vindo Ires
vezes, est cada vez mais (rio. E' bom lenor
mas depois de Frascnini, nao muito fcil pro-
duzir enlhusiasmo.
O theatro do Gymnasio vai dar nos corapanhia
francezi. O circo equeslredo Price vai tarabem
abrir ura desles dias.
No dia 15 principia ocurso superior de leltras,
comecandoLopes de Menlonca as suas prelec-
ges de Hileralura amiga e moderna.
O nosso eminente poeta A. F. de Caslilho re-
cusou esta cadeira que Ihe fra dada por el-ref.
A carta em que o Ilustro escriptor regeila a
ollera um documento notavel.
Vom no penltimo numero da Revista Con-
tempornea, e poder encontra-lo no Jornal do
Commercio de Lisboa, do dia 10 ou 11 desle
mez.
Os outros professores sao Rebello da Silva e
Vialle. Ha dous lugares vagos.
O paquete lira a mala amauhaa, s 6 horas da
manhaa.
A' ULTIMA HORA.
Recebemos os seguinles despachos teleera-
phic:
Ancona 9.
As Iropis pemontezas penetrarara no territo-
rio napolitano.
Pars 10.
Diz-se que tres das grandes potencias protes-
taran) contra a invasie do territorio, por nao ter
o Pieraonte declarado a guerra ao rei de apo-
es. Parece fue as poteucias reclamantes sao a
Austria, a Russia e!a Prussia.
apte 6.
Mazzini sabe de aples por ordem supe-
rior.
Boma (sera dala.)
O general Gnyon mandou que sejara novamen-
leoccuaadas Viterbo, Delletri e Frossinone.
. Genova 8.
Os ministros chegaram a aples, mas s con-
tinuaro em seus postos se o dictador aceitar o
programen* que Ihe iara apresenlar.
Tnrin 8.
Oizera de Napo'.es que Pallavicino aceitou a
pro-dictadura. O ministerio Conforli est oinda
incompleto e ha grande descontentamento con-
tra Crisp.
I.
A pocha
da mais ris
Porto, 11 de outubro.
era que vivemos nao por corlo
..da o austera raorabildade, mas tara-
bea) nao cromos que seja de urna corrupgao tao
geral, e tao completa, que araaldade e o vicio se
possam considerar como seu verdadeiro caracte-
rstico.
Ha quem inao admita meio termo entre o mal
e o bem, entre o vicio o a virlude, como se o
undo deviesse tocar os exiremos. Os que as-
sira pensam
, ou como
avaliam a sociedade, nao como ella
ouvinha que fosse, mas como emen-
de pensar ; quo o de-
,__--------r.-,----------..... ""r-"'- ku, -------v,o" *> ..-nes i.cm p.uavra puena pala-
nao posso prever resultado, porque os esforgos "a, a queslau azedou-se e Santa Anna avisuu o
de parte a parte lem sido enrgicos
Os ex-mnislros Fonles o Joaquim Antonio de '
Aguiar teem andado em romana eloitoral solici-j
lando votos para os candidatos do seu partido cum
urna solicitudo um lauto exagerada, mas tambera
Dio de eslranhar quo o (acam porque o maior |
empenho da opoosigao que o ministro Carlos!
Rento se estenda agora na Ribeira Nova corno o '
ministro Footes se eslendeu nas ultimas eleices I
na praga da Figueira. Moraes Ca'valho, miiis-
lal st-nhor de que Mendes Leal era seu amigo c
que nao continnasse. 0 interlocutor proseguo,
levantando urna bengala sobre o nosso patricio!
Esleque lem bom pulso o nao admitte gracas
daquella ordem, l>.rou-lh'a da mao e foi-he
dando.
Q jury absolveu Santa Anna por unanimdade,
por se ter provado que a provocagao parlira do
francez.
Doenieu o reo, com muita distinceo, o ha-
tro da justiga. Garcez', da guerra^Ha da "f zen- bil dZllanR?0.' h? muila i^'V"
da. e Trigo Hor.a, das obras publicas, lanera i no menea iSSSl i ^ifh^0 "U ^ e
so Drono7.or.im nnr ric ni!a~; Ii....... menos respeiiado como hon.cm poltico,
so propozeram por varios circuios eleitoraes,
porquanlo, htviam, pela sua entrada no gabinete,
perdido os lugares de deputados. Eslou conven-
cido que ha de reinar boa ordem pois a urna es-
t desaffronlada de qualquer press.io.
Ha poneos dias publicou a folha oficial o se-
guinte officio do ministro da jusliga ao cardeal
patriarcha do Lisboa sobre a questao das irraaas
de caridade
pela sua coherencia c gravidade.E7 elle Vm dos
redactores effectivos da Nardo.
Consla-me que o ministro da juslica vai apro-
sentar s cmaras urna propusla de lei para a
dotacao do clero.
Havia iim projecto do conego Alvos Martins
outro de Vicente Ferrer Neto de Paiva, c 0utr
do ex-minislro Martins Ferrao, os quaes se nao
chegaram a discutir. Parece que ura dos pensa
: tur8,1JU uiscuur. rarece que ura dos pensa
Ministerio dos negocios esdesiasti- menlos fundamenlaes do novo projeclo imeres
-. ._ i..s_. sar o clero ni desamortisacao.
eos e de j ustica
Direccao geral dos negocios eclesisticos.
Ia repartiro.
Emm. erevm. Sr.Mostrando-se pelo officio
de V. Em. datado do 28 de selembro ultimo, e
A eslo respoito me lembra d'uraa ancdota
quo me contava meu mestre de philosophia.
lam de jornada a consciencia, a jusca e o tne-
resse. Chegando ura ro e lendo de passar por
urnas pedrea, o interesse quo era o mais lesto,
-- *_._", -------------- -......, i auina peoras, o tnieresss que era t
viam sido communicadas. que'as irmis de cari- > Comecaram p,.^'ritin,?. ?* a(ToS0U-.se-
dade estabeleridas era congreg.gao na casa,, e 'terw Z7,J. ,1 a-'usUfrt com e tn-
-hes (oi distinada na ra de S^nfa Mario. h.vendS ^^2^e^ d^U're.uC
requerido lirenga ao prfdecessor de V. Era" para
se unirem ia irmaas francezas e ao superior geral
de Paris, por occasio de se achar este era Lis-
boa, obtiveram aulorisaco para esse Din ; sem
que pelas informnces, "e diligencias, s quies
deveria ter-se procedido sobre oslo assumpto,
podessem ponderar-se por parte da autoridade'
competente as razos do inconveniencia legal,
ou de oulra ordem, igualmente atlendivel, que
se lhes oppozessem, e fondamentassera o inde-
ferimento daquella pretengao ; e que em acto
continuado as mesmas irmaas de caridade se
constituiram em abediencia ao referido soperior
geral de Paris : e porquanto subsisten! as razes
que, depois do decreto de 9 de agosto de 1833,
determinaram em 1838 a sujeigo das irmaas da
caridade immediala e exclusiva obediencia do
carrleal palriarcha de Lisboa : o em presenca
dessns razes mal poderia ser concedida a per-
manencia de tima ordem de cousas contrarias aos
verdadeiros principios que fundamentaran! o pa-
recer do prodecessor de V. Em." de 4 da feve-
reiro de 1857, pnblicaito 1n Diario do Governo
n. 188 de 12 de agosto de 1858 : houve Sua Ma-
gestade el-rei por bera resolver, que V. Em.*
haja de considerar o objeclo de que se trata com
rolagao aos principios alludidos. afim de se adop-
tar as providencias opportunas, e que Ihe pare-
cerem mais acortadas, para que as mesmas ir-
moas da candado sejam restituidas exclusiva
obediencia de V. Em." como nico superior le-
gitimo em soa diocose, na ordem eclesistica
sem limttacao por isenco alguma, a qual, quando
passarera vias de fado. Tanto deram que ;
juslica Ilcou cxa. e o iuleresse para nao ser
apanhadofugio para a igreja, donde nunca mais
snnio.
Vamos adiante : o conselho ullramarino dis-
cute um projecto de lei de syndicarcia que o
ministro da marinha e ultramar conta levar s
cortes na prxima sessao.
E bem precisa o que mais notorio se loruou
com a questao do Barb pnel3nodo Jornal do Porto.
Este cavalheiro foi secretario geral do governo
; de Mogambique. e depois foi nomeado para Cabo
Verde, onde nao chegou a ir.
Como alli se Ihe no podesse lirar a residen-
cia, porque nao residi, e de Mogambique se Ihe
nao tirasse a syndicancia porque fra transferido
para Cabo-Verde succede que lendo o governo
desejado que Barbosa Leao fosse agjra para An-
gola secretario geral se levanta o impedimento
de nao ter sido syndicado.
O cerlo que o despacho anda so no fez
houve renhida polmica na imprensa, o hornera
nao leve culpa da lei ser absurda, e o resultado
que nao ir sem se lomar alguma providencia
legislativa.
A syndicancia dos juizes da relaglo do Porlo
anda no appareceu, mas diz-se que appateccria
brovemenle* *
A imprensa lem-se oceupado rauilo desla
questao. Com a lei actual, que exige provea ju-
rdicas para que a aposenlacao dos juizes tenh
lugar, no se pode remediar o mal, se que elle
dem, segn lo o seu modo
vera ser.
era sido, actualmente, e ha de con-
tinuar a serium composio de compensaces. As-
sim no-lo eusina a historia de ledos os" lempos
a vida civil de todos os povos.
Ha, nos nossos dias, urna classo de homens na
sociedade, ou, com mais propriedade, urna es-
pecie deseits poltica que a pretendo moralisar a
seu modo, prescrutando e analysando o viver e
o crr intimo de cada um dos raembros mais
conspicuos de que ella se corapoe. As aeces
raais sinceras, o proceder mais leal e cavalhei-
rosa, por essa goute, quasi serapre posto em
duvida.
Ver os homens e as cousas por diverso modo
que nao seja o seu, 6 vehemenlo indicio de des-
moralisagao.] Um pequeo erro do enlendimen-
lo, quando o ha, lido corao prova irrefragavel
de corrupgd.
Para simillianles apostlos da moralidade no
ha proceder possivel. Censores de hoje, nao se
lembrara do que, lalvez, forara honteni I___
O quo deiiamos dilo, trnzemos nos a proposito
do processo io conde do Bolho, aecusado como
passador de notas falsas do Brasil.
No o def, aderaos, nem o aecusamos. Tudo
! quanto at hoje temos visto publicado pelos seus
aecusadores du defensores ; pelos seus amigos ou
miraigos,habilita-nos a formar urna opiaio
sobre as mu tas miserias a que o negocio da moe-
da (alsa tem dado lugar,mas nao nos autorisa.
para uesta a igustosanctuario da iraprensa, e nas
columnas de ura jornal como o Diario de Per-
namouco. qie (az honra ioipreoss brasileira,
declararmo- ios convencidos da sua culpalidade
ou da sua innocencia. E' por isso que respeita-
mos conjuntamente, o despacho do juiz que
achou no processo motivos para a pronuucia, e o
accordam do! tribunal superior que mandou que
o mesmo juiz reformasse o despacho. Sao actos
de magisirad(os, revestidos da autoridado das leis
os quaes cumpre no desvirtuar ; porque, sendo
estas a base constitutiva da sociedade civil coo-
vm que os fioinens, que administrara a justiga,
estejam, aceicados'de prestigio moral. Faitan-
do-lhe esta oondigo, fcil aos despeitados fa-
zer vogor na opinio publica a (alia de integrida-
de o injusliga nas suas resolugees,
Dadas eslafc explicages, exporemos em breve
quadro a historia do processo que nos susciluu o
prembulo que deixaraos escriplo; processo nota-
vel por muilos respeitos, e que ha de fazer poca
us annaes judiciarios do paiz pelas consequeucias
que d'elle li ao de derivar.
O leilor hade eslar lembrado da querella dada
pelo ex-min9)lro da justiga Joo Baplista da Sil-
va Ferro de Carvatho Martins, contra o jornal
de Lisboa, o Agapito, por ter aecusado aquelle
ministro, n'uraa serie de arligos. de connivencia
com os falsos inoedeiros. A sessao do julgamen-
lo 'eve lugar no dia 8 de maio do corrente anno,
sendo o editor do jornal condeinnudo em lgOOj
mulla que corresponde em primeiro grao ao cri-
rae de abuso de liberdado de imprensa.
A connivencia do ministro eslava, segundo o
O ministorio, do qual o Sr. Avila fazia parte, ,
cahio em margo de 1859, entrando para a paste
da justiga o Sr. Marlins Ferro. Era, pois, desde
esla poca quo o Agapito se queixava do comple-
to abando a que linha sido votada a queslo de
moeda (alsa.
A increpago do Agapito posto que, quanlo ao
mencionado relatorio do Sr. Dias de Olveira,
losse yerdadeira, nao o era pelo quedizia respoi-
to ao ndiirerentismo do ministro sobre questao
de tao grande importancia ; por isso que fra
obra do Sr. Martins Ferro, a inqualQcavel lei
sobre moeda falsa do juoho de 1859. e as suas
instrucgoes, bem assim a portara de 28 de uo-
veoibro, do mesmo auno, ao governador civil do
Porto, mandando procedec s indagages neces-
sarias, para se poder coohecer se eram verdade-
ras as impuiages que se faziam aos subditos por-
tuguezes, ou as que recahiam sobre os agentes
do Brasil, ou sobre pessoas que abusavam da sua
boa (.
O ministro prosegua na queslo da moeda fal-
sa, mas por modo diverso do que pretenda o
Agapito.
Acerca da moeda falsa ha, pois, duas syndican-
cias no Porto ordenadas officialmente :a do pre-
sidente do tribunal da relagao Dias de Olveira, e
a do governador civil; visconde de Gova. A
primeira envolve personageas brasileiras, e a
segunda porluguezes de consideragao. E' urna
raedalha com dous rtulos, na qual, segundo a
maueira de ver a queslo, de lado 16-se:ciume
de outrocalumsia.ou por oulra forma, da
pane era que uns teem aquelle, pretendem ou-
tros lr esta. Nos, porm, lemos do ambos os
ladOSMISERIAS I
O ministro Martins Ferro, aperlado, para as-
sim dizer, n'um circulo de ferro, dirigio-se ao
br. Dias de Oliueira a lira de que apresentasse as
provas do que avangava nas suas exposiges so-
bre o cnme de falsificago de moeda. Esle ma-
gistrado respoudeu que nao era das atribuigoes
do presidente da relagao a polica sobre simi-
ihaaie objeclo. Trocaram-se officios desagrada-
veis entre o ministro e elle presidente da relaco
ale que aGnal baixou em termos terminantes, a
portara de 30 de Janeiro do presente anno, or-
denando-lhe que apresenlasse as provas que su
lbe haviam exigido.
O Sr. Dias de Oliveira respondeu escusando-se
a salisfazer esla exigencia. Desle conflicto re-
sullou a demisso do presidente da relagao, e de
mais alguns fuuccionarios pblicos. A estes fac
rh. Iai ver' nos seulnloa trechos a cor-
robaragio do reparo que szemos :
No meio da corrupgao dos ospiritos. que la-
vra nesto paw e que ha de acabar por envolver
na correte homens, doulrinas, o iostiiuicdes,
apparecem felizmente ainda, como proteste con-
tra essa extrema depravaco moral, individuos,'
de cuja probidade nao licito duvidar.
Julgavam. porm, ellos, os caracteres igno-
beis, poslos ao aervigo de quantas torpezas ca-
ractensam a devassido desta poca, poder im-
punemente maculara reputago do ura magistra-
do honesto e independente, que tem coragera
bastante para dar com a pona do p nas injurias
e s as loma nas mos quando preciso faze-las
recuar at s faces do calumniador.
Eogaoaram-se. Seno repelll a iojuria no cam-
po, em que ella me (ora (eita, porque a minha
dignidade o nao permittia.
Havia mais ainda. Tive receio de perturbar-
me cora as exhalages mephilicas, que se respi-
rara em certas ollicinas. onde se mercadeja cora
a consciencia, ese vendera, por todo o preco, os
louvores e os vituperios.
Quer isto dizer. Fui injuriado, em relagao a
este processo por urna certa imprensa vendida e
degenerada.
Dei com a ponta do p na injurio, e nao ui a
essa imprensa pedir a reparago da affronta. De-
gradar-me-ia so trocasse paiavras direcUraento
cora ella. Espere a occasio propria e ella che-
gou. r
Estabelecerara o principio, ho de sugeitar-so
as consequencias. A marca do golpe ha de -
car-lhes (unda. Assim o quizeram, assira o le-
nnam.
O dies irce chegou. Estavam loucos, seno con-
tavara com elle.
No sci se neste paiz ha jusliga igual para to-
dos. Creio que no. Digo mesmo affoiamente
que no, porque leuho visto a balanga da le ver-
sada com o ouro dos novos Crezos, a'iodependen-
cia dos juizes curvada diante da influencia dos
poderosos, a consciencia dos magistrados humi-
IDada vista do brilho das (ardas agaloadas dos
nobres improvisados.
Pois, seuhor : depois de eu ler pronunciado o
aggravanle, como entend que era do meu dever
e juslica, houve urna certa imprensa corrupta o
degenerrda, deensora olficiosa, ou assalariaoa do
tos seguiram-se imerpeilaces nas cmaras leis ^S60*"?'- defensora oiciosa, ou assalariaoa do
L -J-Sil*! ? coraporlaraeuto do'go- tBtfgSS VelT^oZZ'a ^Tet
yerno ua represso do crime do ruoada.lalsa, cu-
ja commisso, dando o seu parecer, conte.ilou-
se com o dizer quo havia consultado numerosos
documentos, estudando-os e analysaudo-os era
relagao ao numero de (aclos que os niesmos do-
cumentos abrangiam, assenlando, sem mais cere-
monia nem etiquetas a sua opinio, de queos
dous ltimos raiuislerios, empregaratn uo as-
sumpto de moeda alsi zulo o dedicago era des-
cubrir e fazer castigar os criminosos desle cnme
era haruiouia cora as leis eiu vigor! vista des-
lo laconismo aiiu-parlameutar, porque os pare-
ceres devem sor serapre fundamentados, o paiz
iicou sabendo o mesmo que sabia a tal respoito,
antes do parecer da referida commisso.
Os documentos, que a commisso consullou,
tiuham sido anunnciados sob o uiae,o n. 16 u'uma
das sesses em que se discuta o celebre contrato
Langlois, para couslrucgo de estradas. Esla ses-
sao inomoravcl nos anaes parlamentares, pelas
diairibes e insultos reciprocamente trocados pe-
los nierabros dos dous lados da cmara electiva,
esi consignada no Diario como una prova do
que o do quanlo pJe a tazo humana olTusca-
da pelas conveniencias partidarias 1 A opposi-
gao, deulro e (ora do parlamento, instou para
que o ameagador mago do documentos (osse pu-
blicado. Uespondeu-se-llieconten segredos de
juslica que nao convm tornar pul/lieos ;e os
documentos que couliuha o mago no virara a luz
da publicidade.
pacho
Era necessario que s injurias que me forara
reilas na imprensa, se juntassem as que me fazo
aggravanle e seu advogado E' assira que se de-
foudem as causas do cnme de moeda falsa, com
insultos aos magistrados que tem por si o poder
da sua intelligencia, a nobreza do seu carcter e
o brilho da sua reputago I Adiante. Nessas in-
jurias d-se cora a pona do p. A advogados do
tal ordera voltara ss costas.
Cooclue o aggravanle, pondo era duvida, se
w j foiuv ii uu'tuo|
sustentara o meu despacho de pronuncia.
Pois julgou quo eu nao acellava o repto ?
ganou-se.
eu
En-
Ao lempo em que estes aconlecimentos se da-
ov3er,noPcTdeoU,|,Jf ''"J"61".1^^ breve. observacfesKe a^e^os a ao
governo civil do Porlo havia sonido os seus ef- i.-^i- i.:...-.-___
(eilos.
E' justo. Honlem as honras no Capitolio Hoj
o triumpho no Areopago 1
Coherencia em todo.
Estamos em Portugal, no anno da Graca de
looO.
Desgragado paiz!
Nao sendo do uosso intento entrar em appre-
ciaces pessoaes, nem embrenharmo-nos no pe-
ngoso labynnlho das ideas e doulrinas, ques-
lionadas no processo do conde do Bolho, que
para isso fra curto o espaco destinado a urna
correspondencia, passarerao's a dar noticia do ar-
tigo cima referido, que precede as pecas do pro-
cesso dadas imprensa.
N cil*do arli8 uroraette-se dar ao prelo urnas
aggravo.
------------- -j ^.w ...... u -j'i^-l l J\* Hi t
e mais tarde a historia completa desse, como Ihe
chama o advogado do conde, monstruoso pro-
O conde de Bolho linha linha passado lista ^oVeliTo coma Z nftC|h?ent-0S. j?sliica,1ivos-
dos criminosos. Atonseina o conde do Uolhao a intentar em lem-
Geralmente se acredita que a no serem as ac- : Sela'rJv'a'ri'r.Pin0"Jlt ,JUZ "'"? aC-?f Criminal
cusages violentas do jornal Agapito, quo o mi- ^.ne C ? 'Ue ar"g0 da frma S-
mstro Marlins Ferrao julgou ser subsidiado pelo ro'nvm rma n =Q a*~*
conde do Bolho. a q^esTo da moeda falsa nao ,." M '.mJ".?l.r,?. '' VZEZ """
tena chegado a altura a que foi levada, era le- ?de i. il os magistrados a
n aeve reverenciar.que juiz e parle ao
Agapito, emno se haver iasUurdoTocessi cio^ peTureVos ^
contra os falsos moedeiros sobre a base do relato- mesmo juiz Z5S2?*lf!EZ?*3%
ria tido lugar o processo'de que ora nos oceupa-
mos, o do qual passaremos a relatar a sua penl-
tima phase.
O julgamenlo do ionpttofoi, como o leilor j
sabe, em 8 do maio ; era 4 havia o conde do Bo-
lho tirado era Lisboa, onde se achava, passa-
porle legal para o eslrangeiro ; em 5 dava-se-
lhe busca apparatosa na sua morada ; e foi no
mesmo dia 5 que o delegado do ministerio publi-
co da primeira vara no Porto deu a sua querella.
A 6 trabalhou o telegrapho cm todas as dirceges
de Portugal para o conde do Bolho ser prezo
onde quer que se enconirasse.
Foi urna aisca elctrica desprendida das altas
regios da governago publica, o que (oi sumir-
se no espago mysterioso da poltica. Todos ite-
rara pela tormenta, mas maguera se eapacitou
que livessera havido victimas. O conde do Bo-
lho appareceu depois em Londres protestando
contra a persoguigo que Ihe moviara, prometien-
do vollar ao reino, para se justificar, quando os
seus inimigos no fossein governo. O ministe-
rio de que fazia parte o Sr. Martios Ferro lar-
gou o poder e o conde cumprio a sua prornissa.
As pecas mais importantes desle processo fo-
rara publicadas em ura dos nmeros do jornal
desta cidade, o Amigo do Povo, precedidas de
um artigo do Sr. Marcelino de Mallos, advogado
do conde do Bolho. S5o ellas a peligao de
querella do delegado, o Sr. Jos Jo iquim tudri-
ques ; o despacho de pronuncia do juiz, o Sr.
Jos Maria de Almeida Teixeira de Queiroz ;
peligo de aggravo do conde ; suslentaco do
despacho de pronuncia, pelo raesrao juiz ; o o
accordo do tribunal da relacao, que proveu o
aggravo, etc.
A peligo de querella, na parle que pode in-
teressar o leilor, diz assira :
......... se emprega actualmente e j de ha
muilos annos, no fabrico e passagera de notas
falsas de dilTerentes bancos eslrangeiros, e espe-
cialmente dos do imperio do Brasil, que por si e
seus agentes tem iutroduzido na circulagiio em
dileremes pragas em caixas de folha deulro de
pipas de vioho, em imagens de sanios, e por ou-
tros meios que raelhor constara do auto decorpo
de delicio que aqui oferego como base e unda-
menloda presente querella, etc.
A parle suhslanci il do despacho de pronuncia
quo tem a data de 15 de juoho. 6 da forma se-
guiule :
. Julgo o querellado conde de Bolho
indiciado corao autor do cnme de passagem de
notas falsas do Brasil, punido pelo artigo 2 da
convengao entre Portugal e o Brasil de 12 de Ja-
neiro de 1855. etc.
A peligo de aggravo uraa peca demasiada-
mente extensa para que possaraos ero curio es-
pago abranger as ideas e os principios de direito
nena desenvolvidos. Lendo-sea peticao de que-
rella e o despacho de pronuncia em qualquer pro-
cesso-enme, pode (azer-se idea dos pontos que
leera do ser tratados o'uraa peligo de aggravo
O corpo de delicio foraece a materia para a ac'
cusagao, isto no caso ora questao, fundamen-
tado na prova das teslemunhas do Mamario o a
peiigao de querella vai buscar aquelle a base pa-
ra a accusigao. F
O leilor vio o extracto da querella e da pro-
nuncia, pela transcripgao que das mesmas llze-
mos e por isso pode presumir quaes os pontos es-
sencwes tratados no aggravo de injusta pronun-
cia. Nao ha neste documento cousa alguma de
extraordinario. E' urna pega bem escripia, se-
gundo o estylo forense, e que authorisa osbons
cSVeVa't'ros^8' Cm advSado. osr. Mar-
, A ""l^ntago do despacho de pronuncia, pelo
r a elrS d9 0ueiroz' um documento
ff p0C!' Torna- "lavel pela especia-
lidade e grande alcance do processo, pela vigo-
rosa dialctica que emprega, e sobretudo pelo
arrojo e fraaqueza. com que da sua cadeira de
juiz.langou ao papel os sentimentos raais nti-
mos do seu corceo.
:ioRueTat!",drmCr!??.cafdo i. V* Pronun-
rio do, a esle lempo, presidente da relagao do
Porto, Aulonio Dias de Olveira. Este magistra-
do havia sido encarregado por portara confiden-
cial de 23 de ievereiro de 1858, pelo entflo mi-
nistro da justia Antonio Jos de A,v>Ha. de pro-
ceder a urna alveriguajo acerca do erime de fal-
siQcagao do mooda.
2222i" suslntau eu despacho; mas nao
podemos de.xar de confessar que nos magoou a
maneira porque o tez. 6
a'x.,1"e.'.Perior ao hornera ; e mal ir
la Per a grav,dade do minisle-
K0 como nnv.P.0de!?ra 8" t0raad". Pelo vul-
go, como prova de odio e rancor.
mesmo ternpo,e que leva a audacia ao ponto
do mentir ao rei e ao povo, o juiz quo a lei ins-
liluio para admiuistrar juslica aos seus seme-
ntantes.
Consia-cos, sem comtudo podernos aOirmar
que o conde do Bolho j requereu para que
ijuiz responda a um conselho disciplinar, por cau-
sa do que escrevera na resposta ao aggravo de
injusta pronuncia, lendo o governo j mandado
ouvir o procurador geral da corda para seguir-so
depois os trnsitos da lei.
Pela sua parte, o juiz do processo, o Sr Tei-
xeira de Queiroz. parece tambera nao se des-
cuidar. Presumimos que ha urna querella contra
o patrono do conde, o Sr. Marcellmo de Mallos
por causa de urna emenda (eita na data do uraa
das prociiracoes que Ihe (ez o seu constituinte.
U juiz constderou este (aclo como falsidade, e
para verifica-la j se procedeu a exame de pe-
ritos v
Pela parte da aecusaco ha tambera interposlo
o recurso de revista ao supremo tribunal de jus-
liga. '
Ahi fica a historia resumida do celebre pro-
cesso contra o conde do Bolho; a importantes
acontecimentos ainda elle hade dar lugar, porm
o leitor ao darrao-lhe noticia da ultima scena des-
te drama, quando no convenha agora, hado en-
lao dizer comnosco.Miserias 1
O conde de Bolho chegou a esta cidade pelos
luis da semana ltimamente Iluda. Foi para o
seu surapluoso palacio da ra Formosa.
O ministerio do reino expedo urna portara
cora dala do 29 de agosto ultimo, aos governa-
dores civis de Aveiro, Braga, Porto, Villa Real
Vianna do Caslello, Coimbra, Vizeu (no conti-
nente) e de Angra do Herosmo, Horta, Pouta
Delgada e Funchal (ilhas adjacentes),que sao
os districtosem que raais so tem desenvolvido o
desejo de ir para o Brasil,ordeuando-ihes que
as listas abituarias, publicadas na (olha of&Y.ial,
sejara lidas pelos parochos aos seus freguezes *
horada raissa conventual; devendo, igualmen-
te as autoridades administrativas, fazerem aos
mesmos parochos as ponderages adequadas so-
bre ospengos a que vo expor-seos emigrantes,
aura de que aquelles as insinuem no animo dos
povos para seu coiihecimenlo e desengao com-
peiindo mais particularmente, aos referidos go-
vornadores civis, patenlearem a todas as pessoas
que Ihos solicitaren passaportes para se dir-
rem a paizes cstrangeiros no ultramar, os riscos
e daraoos a que vo sugeilar-se,
Parece-nos que o governo no obtera da exe-
cuco da referida portara os lins que leve era
vista. O desojo de ser rico, ou pelo menos re-
mediado, est nos nossos das muilo mais arrai-
gado no corago do hornera do que o estavam era
outros lempos. O lavrador anligo, julgava-se
eiiz, quando o produelo da ierra, que semeava,
Ihe dava os meios para a subsistencia da sua fa-
milia ; nascia e moma sera nunca ter sabido
parj longa distancia da povoago em que fra
creado, a qual era para elle a raelhor Ierra do
mundo. Hoje, no se pensa assim. Acivilisa-
gao moderna tem inlroduzido nasocicdade.com-
modidades e gozos, que transpondo as barreiras
das cidades e villas, tem chegado ao centro das
aldeas, e dos cazaes, creando, relativamente,
necesstdades a que o horaem irresistivel e neces-
sanaoiente tem de salisfazer. Assim, o hornera,
a quem os meios escaceiara no ninho paterno,
alonga a vista por um largo horisonte de espe-
rangas. que se Ihe imagina na raenie, o ideando
dourados planos do felicidadeei-lo ahi abando-
nando a trra em quo vira a luz do dia, e at a
propria patria, em busca do que pretendea
riqueza I
E para o Brasil nicamente que so vollam lo-
dos os pensamentos dos nossos provincianos
o seu El-Dourado.E teem razo. O Brasil no-
me to grato para Portugal, porque os brasileiros
no deixam de ser irmaos dos porluguezes, por-
que o sangue do uns corre promiscuaraenlo nas
veas dos outros; fallando ambos os povos a mes-
raa lingiia, professando a mestna religiaonao
ha quo admirar nos porluguezes, o procurarem
n'um solo em que se d, alni de laes circuns-
tancias, a de ser nrnilo mais rico que o de Por-
tugal.
Ora, desta propensao dos porluguezes de irem
para o Brasil, que nos ltimos tempos chegou a
tomar proporedes menos convenientes para for-
tugal, tem-se abusado muito. Nao vai longe a
poca em que urna certa classe de homens, aqui


DIARIO DE PERR1M1UC0. TERCA FEIRA 30 DE OUTUBRO DE 18*0.
m
chaados engajadores, e de cnjo negocio tira-
vam excessivos e dolosos lucros, percorriam a
provincia do Minho. angariando por mel de
fraudulentos contractos, os incautos aldeocs. Es-
tes engajadores aprovcitando todas as circuns-
tancias favoraveis. para calar no coraco das
suas victimas, a esperanca de fabulosas fortunas,
pesquisavamse as iromedtaces das tercas ean
quo fazinm as suas excursoes havia algum brasi-
leiro rico, ou alguem que tivesso recebido do
Brasil alguma quantia avultaJa. Mui poucas *e-
zesdeixariam do encontrar fados desla natureza
para favorecer a sita argunMatace, porque na
populosa provincia do Minho ha rouitos portu-
guezes seaao rices, ao menos remediados, que
granjearan na Brasil a toruna que possoem.
A estes portuguezes chama-lhe o povo brasilei-
ros. Mas se os meios apontados ialhavam, re-
corriam os engajadores a inultos outros expedi-
entes, que seria longo enumerar.
O li ni da citada portara procerar mais um
meio indirecto, alm de muitos outros que es-
to era vigor para se conseguir a dirainuico da
emigracao. As providencias anteriormente to-
madas sortiram alguns resultados benficos e um
delles foi o de reduzir a termos mais claros e
positivos os contractos feitos entre os agentes da
emigrarlo e os colonos, sendo subraeltida a re-
visao do contracto autoridade administrativa.
Talvez que no futuro se consiga encaminhar
Urna parte da emigracao para as colonias porlu-
guezas de frica, se o pensamento que presidio
ao aviso feito na folha ofTlcial, pelo ministerio
do ultramar aos artistas que se quizerem esta-
blecer em Angola, fr roelhor pensando
Duemos no futuro, porque offorecendo se agora
nicamente passagem cora raco, de crer que
uo seja grande o numero dos que so utilisem
do couvito. Era preciso mais alguma cousa. Os
preparativos para a viagem nao se fazem so com
palavrasnem cora estas se obtem os meios indis-
pensaveis para os gastos dos piirneiros dias era
que os colonos chegarem trra do seu destino.
E' preciso que se lhes abone urna snrama pecu-
niaria, e que so lhes prestem outros aux'lios.
Ampliando-se desta forma o convite, posi*el
que o governo consiga diminuir a emigracao para
o Brasil, e levar frica portuguezabracos
proveitosos para o desenvolvimento material da-
quella parle da monarchia.
O conselho de saite publica do reino, conti-
na com as suas louvaceis medidas preventiva?,
ra de D. Pedro sahia multo fumo, deu logo par-
te a commandinle da guarda, o qual eonven-
cendo-se de que efectivamente havia incendio,
mandou dar as torres o competente sigual.
Os soccorrosjapparecera depromplo, porm,
infelizmente, foram victimas a esposa du dono da
casa, que ara o coranercianto Florido Jos Tei-
xtira do Carvalho, una creada e dous caixeiros,
que todos morreram asphixiados.
E ainda para maior desventura, o primeira das
victimas quo mencionamos, achava-se no ultimo
periodo de gravidez. Os prejuizos orcam-se cer-
ca de 8cootos de res, causados mais peles meios
que se empregavam para combater o incendio do
que pela sua voracidsde.
As seguidles calidas cemnerciaes sao referi-
das ao periodo decorrido de 9 de selembro ulli-
mo at 9 do coirenlo:
Assucar.Eotraram do Rio de Janeiro 10 cai-
xas, 48 barricas, 25 saceos e 11 feixos ; do Ma-
ranho 313 barricas ; de Inglaterra 5641 saceos e
6 barricas ; de Hanburgo 37 barricas.
Venderam-se do Rio de Janeiro 10 caixas mas-
cavado ao prego do 2j a 2)150 ; de Pernambuco
715 saceos branco e mascavado, o primeiro de
2)500 a 2$900, e o segundo de 1)800 a 2$; da
Baha 216 caixas, 110 barricas e 217 saceos mas-
cavado de 1J700 a 1JJ800 ; do Maranho 30 bar-
ricas mascavado, oor prego que ignoramos va
de Inglaterra 26i saceos de 1)600 a 1)700.
Achava-se arraazenado na altan lega em 30 de
selembro 550 caixas, 395 feixos, 404 barricas e
12G96 saceos.
Agurdente.Entraram 250 pipas das seguin-
tes procedencias: Hespanha (pela raia), Ingla-
terra, e Hamburgo.
A hespanhola regula 215) a 235), e a iogleza
obtem do 170J a 185 a pipa.
Algodo.Entraran) do Maranho 910 saceos
(ainda por descarregar na galera Aurora) e 28
saccas de Lisboa.
Vcnderam-se 540 saccas ao prego de 145 a 150
Communicados.
Os que leram o Diario de Pernambuco do da
10 du correute deveriam ver no expediente do
governo um officio dirigido ao Sr. Or. chefe de
polica para mandar-me proeessar pela resisten-
cia por mim opposta execucao da orden de
priso competentemente expedida, contra o
guarda nacional do batalho u. 44, Estevo Ri-
beiro Lopes.
Pois bem, como por esse officio devoriam os
que me nao conhecem, flear-me olhando como
um hornera turbulento, e desrespeiloso as leis do
paiz, e as autoridades, para esses escrevo con-
tando o caso como o caso foi; e enlao espero que
me flquem tendo, nao tal qual apparego estam-
pado oessa peca ofcial, roas pelo que sou real-
mente, e lenho feito capricho para ser* isto ,
um cidadao sempre pacifico e comedido.
Isto posto, o facto que parece desairar-mc se
passou assim.
Era o da 19 de julho desle anno, o relogio do
lempo marcava 6 horas da manha, e eis que
ne chegn a nolicia de se acharen) cercadas va-
rias casas do moradores de meu engenho Con-
ceico no Rio Formoso.
Ento, dando tratos imagnaco para alliugir
a causa e motivo de tal cerco, mas nao podendo
attribui-lo a prises por falta no servlco da guar-
da nacional, visto orno por conta das prximas
eleicoes esta vara os guardas dispensos de todo el-
le, neslo estado de duvida, e para certftear-rue
tomei a resolucao de mandar pedir ao inspector,
cabo ou commandaote da fon-a o favor de fal-
lar-me.
Accedendo o personagera o meu pedido, effec-
tivamente se me apresentou, e era um Jiomem
de jaqueta sem insignia alguma que o eaMtleri?
sasse, e logo acoo>panhado do seus gens d'armes.
que, como elle, vinbam tamben, uns de aqueta,
o arratel, sendo a maior parte para consumo das "i"1!'08 era man8" de camisa, e todos armados
fabricas.
O deposito de 510 saccas do Haranhe e 50
de Peruainbuco.
Couros.Entraran do Rio de Janeiro 100 ; do
Maranho 754 ; do Para 35; de Lisboa 763.
Venderara-se 135 salgados ao preco de 160 rs ,
e 125 ditos, refugo, a 140 reis. O deposito ex-
cede a 20,000
Melago.Entraran do Rio de Janeiro e Para
para preservar o Porto da febre amarella, que o pipas, 74 barris, 4 potes o 1 garrafao.
conselho tanto receia poder ser importada nos
navios da carreira entro este porto e os do
Brasil.
Com o fin ostensivo de salvagao publica, nao
se poupa o conselho a promulgaco de medidas,
algumas das qnaes nao podemos deixar do con-
siderar seno como um veame ao commercio
martimo porluense, sem nlgnma ulilidade pu-
plica. Toinnu-so em nao deixar entrar o terri-
vel contagio na cidade invicta, e nao ha razoes
por mais convincentes, como por militas vezes
os inleressados tem apresentado. quo facam de-
mudar os membros d'aquelle tribunal do flm a
que se propozeram, que parece nao ser outro
BenS o do por peas e erabaracos navegago.
O lazareto de Vigo, quo em tempo fura ap-
provado para as quarentenasfoi-lhe retirada a
conianca. S6 em Lisboa pernitlida a benefi-
caco, e nesta couformidade l teem de r qua-
rentenar todos os navios viudos do Brasil com
destino ao Porto, embora as suas procedencias
nao sejam do portos declarados infeccionados ou
suspeitos da molestia 1
E na verdade revollante smilhante providen-
cia. Pois ha-de obrigar-se um navio, saludo de
porto em que nao grassa epidemia alguma sus-
peila, a passar pelo mesmo rigor sanitario a que
tem de sojeitar-se um outro do procedencia suja ?
Para que servem entao as cartas de sade luli-
pas, passidas pelas respectivas autoridades con-
sulares so por ellas se nao ha-de fazer obra ?
Desta forma ficam sendo documentos gratuitos
no sentido genrico da palavra, com os quaes
preciso acabar, por que em objeetos de governa-
cao publica nao se devem adraittir superflui-
dades.
Por este motivo, a benemrita associaco com-
meicial do Porto, sempre solicita era promover o
bem estar do commercio, diriga, em 18 de se-
tembro, ultimo, urna representaco ao chefe do
estado, podinlo-lho se digne ordenar, quoseja
iivrea qualquer navio optar pela quarentena em
Lisboa ou era Vigo, relevando d'aquella exigen-
cia sanitaria 03 que tragara carta de sale lim-
pa, e que Ihe nao lenha occorrido a bordo caso
algum de molestia suspeita.
Veremos o resultado que a associaco obtem
Veuderam-se 50 potes. Regula entre 3)
3)400 o almude.
Milaes.Patacas brasileras (vclho cunho) 930
a 950. ditas (uovo cunho de 2gu00) 880 a 900.
Cambios.Sobra Londres5i 1/4 a 54 7/8. Ham-
burgo 47 1/2 a 48, Paris 525 a 534.
PERNAMBUC.
pii REVISTA DIARIA-
Celebrou-so domingo ultimo, pela vez primeira,
na casa de detencao, o sagrado sacrificio da
missa.
Quatro ceios homens, seguramente, reunidos
no limitado recinto do edificio, assistiram con-
tactos ao grandioso acto; ouvirara cheios de
corapunco a santa palavra do evangelho da
bocea do ministro do Deus vivo.
Oliciou o reverendo Fr. Moura, urna das pou-
cas virtudes claustraes que contamos nos nossos
conventos.
A ordem, o aceio c a disciplina, viam-se em
estrella uniao nos presos, como no estabeleci-
monto ; sendo devido, segundo nos informara,
aos esforgos do respectivo administrador o logra-
rera os presos o balsamo consolador da religio.
No decurso da correico', esleve o Sr. I)r. Do-
ria porespaco do seis dias na casa do delengao, e
ah n.io leve motivo para fazer a menor admoes-
taco, segundo no-lo contara.
E' isto asss lisongero para aquelle eslabelcei-
mento, priRcipalmente sendo a correigo presi-
dida por um juiz severo, que ludo examinou, que
ouvo a todos os presos, e que uo poupou meio,
nem fadigas para chegar ao conheciraento da
verdade.
Por virlude do disposto no tratado postal
celebrado entre o nosso governo e o francez, as
correspondencias deste imperio com a Europa
serao dirigidas direclameniu pelas nossas rcparli-
ges do correio.
O consulado francez ou o respectivo chanceller,
a quera eslava cummettido esseservico, ca d'ora
avante desonerado delle.
- Na conforraidade do arl. 3 do decreto n.
desta nova representaco, que, naturalmente ,
ha-do ser o mesmo que tem colhido do muilas ?A.de .2,de oulubro dl!3D)1 fm de.sl?na'10 dla |
outras feitas em diversas pochas, contra o ex-
cesivo zelo do conseiho sanitario pela saJe
publica, sempre o esquecimenlol
i ii i nova violencia acabam os sanilarios de
coinmeller contra a galera Flor do Porto, que
leudo sido mandada sabir do Douro em conse-
d'araanha para a audiencia geral da encerra-
meuto da correigo, que Tora aberla neste termo
pelo Dr. juiz de direilo da primeira vara crimi-
nal Bernardo Machado da Costa Doria.
A esta audiencia devem eslar presentes todas
as pessoas com quera enlende, por forga de seus
quencia dos aconlecimenlos j sabidos pelo |ei. | empregos, a referida correigo, para o lim de re-
lor ; em lugar do tomar o rumo do Tejo, tinha- coberom S Processos, depois da publ.cacao das
se dirigido a New-Caslle a loraar carga de car- f,a3' despachos sentencas e provimentos. sob as
vao de pedra. Ha pnucoi dias, porm, chegan- co-nraunicacoes disciplinares do arl 5 do supra-
do barra do Porto, nao se Ihe permilliu a en- cUado dBecr^?..d 2 de outub dS 18a ,..
irada, e foi intimado o cap.to da galera para L ~~ Pfr ed"3' a?A con1selho de f "llc Pub,lC3
eguir viagem para Lisboa pesar de que,-como dMre,n, f?m, r0?si doraJas s"Jas de febrama-
0 de agosto prximo passado, as
se
elle diz no seu protesto, contra osla determi-
narlo sanitaria a sua procedencia ser de ponto
limpo cono provava pela sua carta de sale,
expedida pelas auloridalcs da alfandega o visada
pelo respectivo agento consular portuguez, e
nao ter tido a bordo caso algum de doenca ou
falleciraenlo dnranle a viagem.
Chegada a galera a Lisboa pareca natural, em
vista das circunstancias favoraveis em que se
achava o navio, que o mesmo fosse mandado se-
guir ao porto do seu destino, as qual, historia,
iniiuiou-se-lhe a quarentena e descarga, ou en-
tao sahir o Tejo I Sao prejuizos e despesas des-
nocsarias, que raso alguma do conveniencia
publica autorisa.
Trata-se de organsar no Porto una nova cora-
panhia com o fira de proporcionar ao governo
os meios para continuar a viac.o publica as
provincias do norte, Undo haviJo, nesse sentido,
algumas reunioes no edificio da Bolsa Comuier-
cial.e s quaes tem assislido um grande nume-
ro de pessoas influentes.
A nova companhia tomar a denominagao que
tinha a sua antecessora de Ulilidade Publica,
o nella sero refundidas as eorapauhias Vago
Portuense, o Viannenso. A todas tres deve a
provincia do Minho a feilura de algumas cxcel-
lentes estradas.
O capital da companhia projectada ser de
1,500 contos, podendo eUvar-se a 2,500. as
acedes sero de 250g rs. pagas em 5 prestages
dentro do praso de 18 mezes, Os 1,500 contos
sero. pois. emprestados o governo, o qual nao
poder deixar de applicar para estradas nos dis-
trictos do Porto, Braga e Vianna para menos de
500 enntos, devendo o mesmo governo, cora o
resto do emprestimo (1,000 contos) amortisar o
capital em debito s tros conipaohhs que dei-
xamos mencionadas, e para pagamento de di-
vida do caminho de ferro de Lisboa ao Porto,
ou para conslrucco de estradas ordinarias.
0 governo pagar o juro de 7 por cenlo al
quantia de 380 contos ; e de 6 1/2 sobre 1,120
contos depois de preenchida aquella somma.
A amorlisagao do emprestimo Qxada por 20
unos, e a companhia receber como penhor
mercantil inscripcoes de eoupons.
O Pono vai ter urna festa do trabalho. E' a
exposigo agrcola nos dias 18,19 e 20 do prxi-
mo novenbro, promovida pela sociedade agrco-
la desta cidade. Era 1857 leve logar a primeira
exposigo, e desde ento nao tor&ou a haverou-
tra. A demasiada extenso desta carta nao nos
permille dar urna idea do programma. O leitor
nada perde cora isso, porque em tempo compe-
tente Ihe havemos de descrever esta exposicao.
Por cont do estado sero conduzidos de Lis-
boa ao porto, os productos quo os proprleiarios
e agricultores das provincias do sul quizerem le-
var a exposigo. O regresso lhes igualmenie
abonado.
A feira do S. Miguel, que costuran fazer-se nes-
ta cidade oo largo da Cordoaria, leve logar este
anno favorecida por um belltssmo tenpo. A
feira corap5e-ae de quinquiLhsriM, nozes. cebo-
las, objeetos de carpintera, feitos as freguezias
suburbanas, etc. Comegou no dia 28 de selem-
bro e acabou em 6 do correnle. Oa feirantes re^
liraram-se saiisfeios, porque p negocio estofe,
na razoda concorrencia extraordinaria dos com-
pradores.
Urna grande cataaliophe acaba df acontecer
nesta cidade na noite de honlem para Jioje, re-
sultante d'un incendio era si pouco importante,
mas de consecuencias *s nas desastrosas para a
humanidade.
Seriam 2 horas da noite, quando a senlinella
da gmrda da cmara, notou que d'uma casa da
folha de Portugal, e
nos dispensa de al-
veio mente oppor-
rella, desde o 1.
procedencias do CearT
Esta noticia le-se n'uma
sua materia tal que quasi
gumas paluvras, que nos
Ihe.
Cora effeilo, que ntilidado pode ella trazer a
nao ser o arranjo do lazareto?
utra ulilidade certamente nao se descobre,
visto que, a despeito de quanta quarentena ha,
nunca evitou-se o mal, que com ella procura-se
prevenir ; ao passo que avultam, como inconve-
nientes da eonsagrago respectivo, os incornmo-
dos dos passageiros, que por ella andara de He-
rodes para Pilatos, e as vexiges sem numero s
relages commerciaes dos povo3. relagoes que re-
querem a maior celeridade possivel. .
Anda ha pouco demos o trecho de urna carta,
escripia de Lisboa, que descrovia os incoraraodos
originados da quarentena all ; e quera o liver
lido, j deve ter urna idea appronmada da prati-
ca uessa medida, quo por improficua tem sido
banda d'entre os povos mais cultos.
Quando despeito de ludo, se quer sempre a
quarentena, porjue della resultam vantagons, a
menos que seja feita por modo mais racional.
Para lados da Cabanga, no domingo ullimo
pela noite, deu um individuo urna facada em ou-
tro, ompregando-se ella em urna das coixas.
Informara-nos que proceder o facto de nego-
cios d'3mor.
Foram recolhidos casa de detengSo, nos
dias 27 e 28 do correnle, 14 homens e 2 mulhe-
res, sendo 11 livres e 5 escravos, a saber: a or-
dem do Dr. chefo de polica 2, a ordem do Dr.
delegado do 1. dstricto 1, a ordem do subde-
legado do Recite 2 e a ordem do de S. Jos 11.
Passageiros do vapor inglez Tyne, sabido
para os portos do sul :Siraphrouio O. de Brillo,
Fructuoso Vicente Vianna, Francisco Vicente
Vianna, Miguel Valle, Joo Antonio do SouzaRi-
beiro Jnior.
Passageiros da barca franceza Franc, enlra
da de Marselle : Nicolao Grcgo e Gu3eppo Roz-
zelli e Manoel Jos de Carvalho.
MORTALIDADE DO DA 28 :
Joanna, parda, 8 mezes, convulsoes.
Bernardina do Espirito Santo, parda, viuva,50
annos, aslhma.
Domingos, preto, solleiro, 25 annos, apople-
lia.
Marliniano. preto, 18 mezc3, stupor.
29
Mara, preta, escrava, 12 dias, convuls&es.
Paulo Caetano de Albuquerque, branco, sol-
leiro, 70 annos, hydropesia.
Francisco Antonio Pires, branco, solleiro, 19
annos, febre typhoide.
Lodovina. preta, solleira, 47 annos, sarampo.
rsula, parda, 9 dias. convulsoes.
Jacob, prelo, escravo,4 annos, solleiro, diar-
rhea.
Francisco de Paula Pesso de Figueiredo, bran-
co, 7 annos, ascitc
Hara, branca, 6 mezes, convulsoes.
Matadolro. publico :
Mataram-so no da28 do correte para consu-
mo desta cidade 106 rezes.
No dia 29 de mesmo 106.
Hospital de caridade. Existem 56 ho-
mens e 51 mulhere nacionaes; ($"homens es-
trangeiros, total 113.
Na totalidade dos doeotes existem 39 aliena-
dos, sendo 30 mulheres e 9 homens.
Foram visitadas as enfermaras pelo Dr. Sar-
ment Filho, s 7 horas da manha, pelo Dr.
Dornellas s 7 e 10 minutos da manha, e pelo
Dr. Firmo, s G horas da larde de honlem o as 2
horas da manha extraordinariamente.
de bacamarles, carabinas e pistolas, viudo alguns
esparlilhados de facas do ponta, que escandalo-
samente traziam nioslra !
Para esse comraandantc que assira se me apre-
sentou dirigi-me, perguotando-lhe qual seu Do-
me, o motivo do cerco, e por orden de quen ?
A estas minhas perguntas respondeu elle, cha-
mar-se Antonio Ttiemolco, purera que nao podia
dar u causa do cerco, porque eslava all cura-
prindo ordens do Sr. Persiano da Silva Lcito :
e perguntando-lhe eu ainda, se esse Sr. Persiano
era alguma autoridade policial, a resposta foi
que Persiano se inuulcava sargento da guarda
nacional, mas que ello Themuteo o via na com-
panhia apenas como simples soldado, e mesmo
assim .sempre rebelde ao servico, pelo que ha-
via por varias vezes recebido ordens de priso.
Ora, nao me satisfazendo ainda as uformages
que acabava de obler, porque o meu desider-
tum era saber qual a razo o fim por que era a
nunln propriedade invadida por urna torga ar-
mada, tomei a deliberago de escrever ao tal Sr,
remano, dizendo-lhe que eu me nao oppuuha a ;
priso de meus moradores, que pelo contraro
provam elles effectivamcnle presos na casa de
meu morador Joo Innoceocio Gomes de Brito,
onde ettavam sem que eu os livesse ainda vislo,
mas que entretanto conviuha, e eu Ihe peda que
me infurraasse a causa da priso, a ordem de
quera, e que cargo ou posicu ofcial oceupava
elle.
A resposla de tudo islo foi vollar a escolta
mais refoigada, Irazendo a frente o Sr; Persiano,
que apenas chegou a meu engenho, logo poz
a respectiva senzalla debaixo de cerco.
Sendo ento 10 horas da manha pouco mais
ou menos, e nao me achando eu em casa, em
razo de ter ido ao campo ver o servigo, apenas
fui avisado desse novo incidente, vollei, e logo
que diego, vendo o Sr. Persiano a cavallo, para
ello me dirige civil c cortezmente pedindo-lhe
que se apeasse, assim como que me dissesse a
ordem de quera exercia elle lodo aquelle appa-
rato bellico em minha propriedade.
Estas minhas palavras, alias em lom depreca-
tivo, foram para o Sr. Persiano, que ento tinha
mais de selvogom, que de homem, phriscs sol-
las no deserto ; pois que, alen de ruscanenle
regeilar o meu otferecimento para apear-se, tam-
bera me nao quiz moslrar a ordem que eu Ihe ha-
via pedido.
Nao obstante tanta rudeza e grosseiria, anda
Iho roguei para que ao menos me dissesse que
cargo exercia, ou de que carcter se ochava re-
vestido, a islo com sequido desdenhosa me res-
pondeu, que, nao sabia.
Ento (ugindo-me um pouco a fleugma o pa-
ciencia com que eslava, pondo na voz um susti-
I nido, disse-lhe, que, era extraordinario invadir
elle a propriedade albeia, assim por um modo lo
a.sul,lo. e sem ao menos saber, ou querer dizer
o carcter publico com que obrara.
A esta minha censura e exprobrago, moven-
do-se o Sr. Persiano, disse-me por monosylla-
bos que vinha cumprir ordens, e exigindo eu que
me dissesse de qum, a resposla de uraa ve* por
todas fui, que nao saba, e quo nao tinha satisfa-
coes a dar-me !
Oh I quanta falta de delicadeza, para nao di-
zer abundancia, de altivez e de insolencia.
Ao ver-me assim lo desrespeitado, live ento
de de>:tarar-lhe que eu era um capilo da guar-
da nacional, que a elle como soldado, sargento.
ou o quer que fosse de subalterno, corra por
beui da disciplina a rigorosa obrigago de respei-
tar-me, e que por tanlo eu ja nao pedia, orde-
uava-lhe, que me apresentisse a ordem em vir-
lude da qual vinha elle fazer aquellas prises: a
resposta foi dar-me as costas, e repetir o estri-
billio, que. nao tinha satisfgaos a dar-me.
A vista de um tal requinte de insubordinarlo,
ofTendido nao tanto o meu melindre de horaem,
quanto a oignidade da patente que me foi confe-
rida, dei, como devia e era obrigado, voz de pri-
so ao tal Sr. Persiano, inllraando-lhe que se
recolhesse a ordem de seu respectivo coramandan-
ledo corpo, do que alias nenhum caso fez, por-
que reliron-se, insubordinadamente dizendo que
se nao importan com scraelhante priso.
_ Deverei accrescenlar anda, que alem desla pri-
so, fiz tambem prender a ordem do Sr. delega-
do ao soldado Jos de lal um dos que corapunha
a escolta, por estar elle armado de urna faca de
ponta, a qual cora o preso entreguei ao cabo
Antonio Themotco para apresentar ao Sr. capilo
Alexandre de Barro3 Albuquerque, ento dele-
gado, a quom olTiciei, communicanlo o occorri-
do, e indicando as testemunlias presenciaes do
faci, dirigiudo tambem ao Sr. lente coronel
Jos Luiz de Caldas Lius, commandanle do bata-
lho, e o Sr. Antonio Cezar de Vasconceflo3 Cam-
pos, capilo de companhia, parte circunstancia-
da do procedimiento que acabava de ter o solda-
do ou sargento Persiano.
Ora, em face desta exposigo, que se perde por
simples, ganha por sincera, por que contm ella
una narraco fiel do facto, como sabido no Rio
Formoso, j veem lodos que sobre mim nao pode
por nenhum modo resallar o labo de crimino-
so por tomada de presos, ou resistencia ordens
legae.
nem indirectamente para se fazer urna offensa
lo grave a meu carcter.
Sira, o Sr. Dr. Ayres de Albuquerque Gama,
que arvorado em advogado na comarca do Rio
Formoso, e depois de me levar quantia avullada,
por duas vezes me fez perder urna mesmn quos-
lo, confessinde-me por suas cartas (que conser-
vo] que linba perdido por sua culpa e ignorancia,
cerlamenteque nao era o mais propicio e asado
para me fazer acintes e provocacoes: pelo con-
trario coberto de rergonba, dev'eria fugir e es-
conder-se sempre de mim!
Coberto de vergonha, ainda o repito, devera o
Sr. Ayres evitar tudo que roe podesse molestar,
ainda que de leve; pois que no Rio Formoso,
sabem lodos a maneira vergonhosa por que me
fez elle perder por duas rezes a causa de nollida-
de que intentci de urna doago. causa mortis, 03
bens da finada D. Maiioella Francisca de Moura,
dolosamente engendrada pelo bem conhecido Sr.
Joaquim Francisco de Mello Cavalcanti era favor
do seus lilhos.
A primeira queslo perd por ser julgada uulla,
em consequencia de ter o Sr. Dr. Ayres propos-
to a aegao eo contra o Sr. Joaquim Francisco, e
nao contra seas filhos, os donatarios, tendo alias
sido elles chamados a conciliaco I
Pagaram-se cusas, segunda vez propoz o Sr.
Dr. Ayres a acgo, o segunda vez ainda live de
perder, por que tornou o Sr. Dr. Ayres a enga-
nar-sejuntando a procuraco bastante apenas
com urna so testemunha, de" maneira que, quan-
do acordou e deu pelo seu engao ou descuido,
em lugar de procurar o remedio que a le d nes-
ses casos, sai-se com esta sota.
Estmdo estes autos nullos pela falla de urna
leslemunha na procuraco de II., e nao devendo
por isso perderem os autores o seu direito, que
alm du mullo claro e provado, reconhecido
por lodo, como provaremos em tempo compe-
tente ; portaDto protesto propOr a aeco compe-
tenle quando fr tempo.O advogado, A. Gama.
No meio dislo ainda houverara mullas cousas
que, dize-lae, seria enfadonbo, e at vergonhoso
pordemais; e para que dellas se possa fazer
um julzo, bastar declarar quo o Sr. Dr. Ayres,
depois de tanto abusar de si, e mais" anda de
min, ou de tniuha credulidade e boa fe, por ul-
timo dirige-rae urna carta despednd-se (felz-
mcnle) do patrocinio da causa a pretexto de
achar-se pelo aviso do ministerio da justiga inhi-
bido de advogar!... Bem pensara o philosopho^
quando dizia : a que o dolo de a ru f sempre'
achava porta para sahir. o
O que verdade que se todo esse procedi-
menlo doSr. Dr. Ayres nao occulla algum plano
insidioso, revela certamento.descuido, negligen-
cia, ou pelo que confessou mesmo, ignorancia
supina, bem eslranhavel no horaem que tem um
pergaminho, que alardea de hbil e que sob o
manto dessas cousas abre urna banca a que por
escarmentado charaarei algapo para apanhar os
incautos I
Passando do Sr. Dr. Ayres para o Sr. Dr. Luiz
Augusto Crespo, como du o rifanquo quem l-
da com frade loroa-lho as manhas, quasi que o
mesmo pralicou comigo em urna queslo de em-
bargo de obra nova, que movi contra o Sr. Joo
Rento de Gouvoa, em que tomei o Sr. Dr. Cres-
po por advogado a pedido de seu amigo do peito
o Sr. Dr. Ayres, e lo mal me dei, que cahiria
em maiores corrilas se felizmente me nao
acommudasse.
De tudo islo portanto j veem os que me le-
rera despidos de prevenco, que nao sou esse
criminoso que me quizerara pintar os Srs. Drs.
Ayres e Crespo: mas fiquem estes senliore3 cer-
tos que ao passo quo me urdem o nal sob im-
bustes e cavilacoes, eu os hei de procurar pelos
meios honestos da le, chamando-os a coritas,
pois que se Ignoram o mais, devem saber que o
advogado responde pelos prejuizos que d a parte
por sua ignorancia ou m f ; e o mais lhes direi
depois.
Manoel Elias de Moura.
Rocfe, 29 de outubro de 1860.
Ignacio do Reg males que tem causa conhe-
cida, e milito alheia as suas vontudes,- e a prova
disto lera o proprio Liberal se quizer ouvir a
influentes de seu mesmo credo poltico ; se sao
justos, certamente nao pensaram como o Liberal
nesse ponto urna vez que nao devem ter quei-
i as desses eslabelecimentos.
Hum P.. ..
BfjErfClO.
Praca do Recife 29 de ou-
* tubrode1860.
A.s tres Yworas Aa terde.
Cotaeocs oficiaes.
Cambio sobre Londres26 3|i d. 90 d|v.
George PatchettPresidente.
DubourcqSecretario.
A.Ifit aniega.
Rendimento do dia 1 a 27. .
dem do dia 29......
343:239*588
15:268*328
358:507*916
Noviinento da alfandegra.
Volumes entrados com fazendas..
cora gneros..
Volumes sahidos.com fazendas..
f cora gneros..
357
263
------ 620
29
86
------ 115
Descarregam boje 30 do outubro
Barca inglezIroogenemercadonas.
Barca americanaAzeli a faiinha de trigo.
Barca aJnericana-a-Julia Cobbtrilhos de ferro.
BriguaAaricaia*Annett mercaduras.
Brigu <~-Wjk z4.e m bay m e re adorias
Brigucpinglez-^Bedoiiiri trilhos do ferro.
Brigue inglaJfE-Byron idera
Brigue ngl-Spytrilhos de ferro.
Brigue in^zSilsarnferro.
Consulado geral.
Rendimento do dia 1 a 27. 10:183^265
em do dia 29.......1:905755
12389*020
Diversas provincias.
Rendimento do'dfcl a 27. .
dem do dia 29.7. .....
740J630
9600
750*230
Becebeloria de rendas interna
geraes de Peruaninuco.
Rendimento do dia 1 a 27. 46:419*001
dem do dia 29....... 2:057*420
48:476.34-21
Consiliario pro viro-al
Randimento do dia 1 a 27.
dem do dia 29. .
17:328:960
859960
res, depositarlo pblicos, offiriaes de justiga,
carcereiros, porteiros, adminialradores das c'a-
pellas, juizes, syndicos. (hesoureirosou prorura-
dores das ordens terceiras, irmandades e confra-
rias, ou quaesquor offlciaes d'ellas competentes
para reprosenta-las, afim de ler lugar a restitu-
gao dos processos, depois de publicadas as cotas.
despachos, senlengas e proviroentos ; flcando su-
jeilas, no caso de fallaren', s penas dsciplim-
res determinadas no artigo 5 do citado decreto,
as quaes sao : Io. advertencia com cominag
e censura ; 2o mulla at 100J000 ; 3o suspenso
at dous mezes.
E para que chegue a noticia lodos, mandei
passai o presente, que ser publicado pela im-
prensa e afilado no lugar mais publico
Recife, 27 de outubro de 1860sEu Antonio
Joaquim Pereirade Oliveira, escrivo interino do
jury o escrevi.
Innocencia Serifico de Assis Carvalho,
O Illni. Sr. inspector da thesourara pro-
vincial, em cumprimeuto da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia de 20 do correnle, man-
da fazer publico, que no dia 8 de noverobro pr-
ximo rindouro, perante a junta da fazenda da
mesma thesourara, vai novamenlc praca para
ser arrematado, a quero mais der. os iniposios
da comarca da Boa-Vista, no triennio financeiro
de 1860 a 1863, pela quaulia de 4:5O0g rs. todo
o triennio.
As pessoas que se propozerem a esta arrema-
tado comparecam na-sala das sesses da mesma
junta, no dia cima declarado, pelo roeio dia,
com seus fiadores, compelentemenle habilitados.
E para constar se mandou aflixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secrelaria da thesourara provincial de Per-
nambuco, 22 de outubro ee 1860.O secretario,
A. P. da Anuuiiciacao.
O Dr. Ernesto de Aquino Fonceca, cavalhei-
ro da ordem de Christo, juiz de orphs a
ausentes da cidade do Recife e seu termo por
Sua Mageslade o Imperador, que Deus Guar-
de, ele.
Fago saber que perante este juizo seba de
arrematar em asa publica, Dudo os dias da
lei, a renda do silio abaixo declarado:
Um silio na Capunga assento em sollo pro-
prio com IOS palmos de frenle e 243 de fun-
do, cuja largura de 34 e 1|2 palmos, com 18
larangeiras, 1 mangueira, 1 pilombeira, 1 1-
moeiro doce, 6 romeiras, 18 cafezeiros, 1 ca-
cimba com 5 palmos de bocea, sitio quo se
ocha murado na frenle ao nascenle e em parte
de fundo cora muro proprio, e pelo lado do
poente com muro meieiro a Sebastio Penna,
cemeasa de lijlo e cal, que precisa de reparos
e tem 40 palmos de frenle e 25 de fundo, co-
soio coberto sobre
18188*040
zinha interna, 2 quarlos,
a sala de jantar somenle.
Servir da base aos pregues o alugitel de
duzenlos mil rs. annuaes.
A arrematarlo sefar com as seguimos con-
Jices:
O prazo da arremalacao ser de tres annos
a contar do dia em que ella se effectuar; o
rendeiro preslai tianca idonia e fiear obrigado
a fazer, logo que lome posse do silio e sob a
Babia9 das, brigue brasileiro Ledo, de 170 io- inspeccao do tulor de orpho os concertos de
2*%^!|0.?!?8!S? de .?nh? Vicl- q"e precisa dilo silio, e a respectiva casa de vi-
venda, bem como a madar caiar e pintar a
mencionada casa sem direito a indemnisacao da
vovimento do porto.
Navio entrado no dia 28.
ra equipigern 10, carga 8956 arrobas de carne
secca, a Marques. Barros & C.
Navio snhido nn mesmo dia.
Portos do SulVapor inglez Tyne, commandanle despeza que para cumprir esta clausula houver
e ecoe. de fazer; a renda ser pasa a mezes venciiln
Mu-ios entrados no da 20. "r < veiiuuo
Bem pode ser que, como hornera lenha eu
muilas faltas e defeilos, mas Com a mo em mi-
nha consiencia asserero que o crime nunca man-
chou meus dias; e portanto venha esse processo
que se manda instaurar contra mim, quo eu an-
oosamenle o aguardo, nao para por elle defen-
der-me de algum debito real e rerdadeiro quo
houvesse commetlido, porm para ter occasio
de melhor mostrar o como caminham as cousas
d* Justina na desditosa comarca do Rio Formoso,
e bem assim que o modelo ou o retrato do ver-
dadeiro criminoso est em lodos esses, que per-
versos c astuciosos souberam calumniar-me I
Nao deverei deixar passar por alto urna mara-
vilha, e que ao passo que com tanlo zelo se me
pinta como criminoso pora o Exm. Sr. presiden-
te da provincia, deixa-se todava passar impune
e desassombrado o sargento que insubordinado
desrespeita ao superior e o soldado que acintosa-
menle infringe a lei, usando de urna arma pro-
hibida : de maneira que esses olh'os abertos para
ver o meu imaginado crime e fechados de lodo
para nao enxergar o verdadeiro de outros, faz
lembrar o que dsse Juvenal Dat veniam cor-
vis, vexat censura columbas.
Entretanto, apresentado ao publico todo esse
drama, resta ainda, c preciso fazer apparecer
os interlocutores delle. E quem ser? Tudo islo
segundo se rae diz, devo cr-lo por certas an-
tecedencias^ me machinado e tangido pelo Sr.
Dr. Ayres de Albuquerque Gama, promotor pu-
blico do Rio Formoso. auxiliado por seu fidus
Achates, o Sr. Dr. Luiz Au|usto Crespo, que alias
se conslituiram meus inimigos depois de me per-
judicaren) grandemente.
Se eu livesse agoraTo proposito de desforcar-
me e facer urna represalia, dira quo qualquer
destes senhorej se soubegsam pesar a sua digni-
dade, jamis devenam concorrer nem directa e
Saum cuique tribuere.
E' sob a impresso da religiosdade e alta ios-
tija doprincipio que tomamos por episraphc que
vamos hojeoecupara silencio do publico na im-
prensa.
A imprensa, o mais rigoroso rehiculo de pro-
gresso, nao somonte o po3le onde se acouta
as injusligas e arbitrariedades dos luraens ella
devo tambem, e de preferencia, se dedicar ao
louvor e elogio d'aquelles que, ao embate das
vicissitudes por que passa a hnmanidade, sabem
conservar a sua honra Ilesa e seguir os dicta-
mes de geu coraco anda puro e nao manchado
nesse lodacal-do vicio.
Estes principios, que sao inconteslaves era
relaco aos homens particulares, tomam mais
solidez e subsistencia quando se trata das auto-
ridades, u'aquelles que sao encarregados develar
pela seguranca da sociedade, pela ordem pu-
blica.
Era contraposigo ao systema penal, disse ura
philosopho a sociedade deveri i recompensar
os homens honestos contra quem se provasse
urna bO.i aeco. O que diremos, pois, da auto-
ridade que sabe cumprir religiosamente o seu
mandato, administrando a justica de accordo
com a lei ?
Ah est a imprensa livro, a imprensa seria,
para preencher em parle essa lacuna as leis
soclaes, paraenloar, em seus rail clarins. hym-
nos de louvor e de gloria autoridade que sane
esquecer-se do homem quando se iraia de cum-
prir a lei, de manler e segurar a boa ordem no
soio da sociedado.
Eslas linhas sao a expresso sincera de nosso
coraco ao apreciarmos os actos do Sr. Hermilo
Peregrino David Madeira, actual subdelegado du
Agua-Treta, quo saliendo al boje conciliar os
deveres do cidadao honesto, de agricultor labo-
riso cora as obrigacoes da autoridade, lera sa-
bido plantar a paz. a boa ordem em sua fregue-
za, tazendo importantes diligencias no meio da
nnimaeo e applauso de todos quantos sabem
avaliar a independencia de seu carcter, a uo-
breza e clevagode seus senlimentos.
Aceite, pois, o lllm. Sr. llermilo esta anima-
cao da iroprensa, nao como o incens podre da
lisonja, mas como a linguagem pura, a expres-
so sincera da verdade.
Serinhem 20 de outubro de 1860.
P. E. O. B.
Publicaces a pedido,
AO PUBLICO.
Ao lermos no Liberal Pernambucano de2J,do
correnle, o artigo de fundo dcssi) jornal, la-
mentamos queo seu redactor levado sera duvida
de falsas informacoes, usasse de lingoagem to
virulenta, ferindo assim a repulaco de um ho-
mem honrado Com o Sr. redactor do Liberal
lambem lamentamos que ainda se querara revi-
ver o los cstinctos, rivalidades caducas, que de
u/na vez para sempre deviam jazer no esqueci-
mento.
E' aecusado o Sr. J. J. Monteiro da, valendo-
so do lugar que exerce na caxa filial do banco do
Brasil, dirigir guerra menos justa, menos leal
Brasileiros, e de aproveilando-se da influencia,
que diz o Liberal que excrce sobre seus enlapa-
nheiros, querer po-los era vexaco. e esta para
satsfazer planos olygarchicos ; e'de apertar cada
vez mais a corda bem esticada ao pescoco dos
Brasileiros 1
Parece-me que o Lierai Pernamfitcano. de-
reria antes precisar os tactos, do que fazer-se
logo echo de vingancas de um, ou de oulro quei-
xoso, que nao pide ser juiz em causa propria.
Nao verdade que os demais directores da cai-
xa filial subscreram as delibraces do Sr.
Monteiro. E sobre ser isto urna falsidado, um
desejo de indispor com os mais senhores direc-
tores, alm do urna injuria a seus companheiros,
que teem bastante criterio para nao precisaren:
de insinuar,6es ; e nem o Sr. Monteiro lem a
preieuco de dirigi-los.
Os precedentes do Sr. Monteiro altamente re-
peler a ideia mesquinha e desvnntnjnsa que
nesse artigo, delle se forma. O Sr. Monteiro
bem conhecido pelos Pernambucaoos, a sua hon-
rade?, seus costumes provam justamente o con-
trario.
Liverpool33 dias, brigue inglez Vivid, de 168
toneladas, Capilo F. Arnold, cquipagem 8,
carga fazendas e mais gneros, a II. Gibson.
Marsolha19 dias barca franceza Franc, de 257
toneladas, capilo Luiz David, equipagem 12,
carga differenles gneros, ordem.
Calho de Lima 58 dias, galera americana Man-
lius, de 670 toneladas, capilo Ptman. equipa-
gem 20, carga guano, ao capilo. Velo refres-
car, e segu para ilampton Roads.
entregue
Editaes.
O Dr. Anselmo Francisco Perelli, commendador
da imperial ordem da Rosa, da de Christo e
juiz de direilo especial do commercio desla ci-
dade do Jlecife, capital da provincia de Pernam-
buco e seu termo, por S M. I. e Constitucional
o Sr. D. Pedro II, que Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edilal vrem o
della noticia liverem, que P.iton Nash A; C. rae
dirigiram a petico do llieor seguinte :
lllm. e Exm. Sr. Dr. juiz do commercio. Di-
zem Patn Nash & C que querem fazer citar a
Manoel Francisco do Moraes para na primeira au-
diencia deste juizo ver assignar os dez dias da
le sua lettra da quantia de 1983000, e pagar
dita quantia e os juros na mesma let ra estipula-
dos ; oppondo no decendio aos embargos que li-
ver, sob pena de revelia ; e porque o supplica-
do sendo commercianle estabelecido nesta cidade
abandonasse o seu estabelecimenlo o se ausen-
tasse, requeren) a V. Exc. digne-se admitti-los a
justificar a ausencia, e sendo quanto baste, a
julgue por sentenca, mandando passar caria edi-
ta! por trinta dias, afim de ser por ella citado o
supplicado para os termos da aeco com o cura-
dor in lilem, que for nomcado, a forma da le.
P. V. Exc. deferlmento. E. R. M.Advogado
Joaquim Dourado.
E mais seno continha e nem oulra cousa se
declarara em dita pelicoaqui transcripta, a qual
sendo-me apresentada", profer o meu despacho
do Iheor e forma seguinte :
Distribuida, justifiquen). Recife 12 de outubro
de 1860.A. F. Peretli.
E mais seno continha em dilo meu despacho
aqu copiado, em virlude do qual foi a petico
deslribuida ao escrivo deste juizo Manoel de Car-
ao tutor ou a quem legalmente o represente ou
liaj de substi mi -lo.
Findo o arrendamenio a propriedade deve ser
Je em per feito estado de concervacao e
aceio.
O rendeiro e seu 6ador responsabilisar-se ho
pelo cabal comprimenio de cada urna destas
condicoes, sobre as penas de neis depositarios
de pe de juizo.
E para conslar mandei passar o presente que
ser affixado no lugar do coslume.
Dado e passado sobre meu signal e sello ou
valba sem sello ex causa.
Cidade do Recife 18 de outubro de 1860.
Eu Floiiano Correia de Brillo esciivao o fiz
escrever e subserevo.
Ernesto a"Aquino Fonceca.
Deelaracoes.
O lllm. Sr. regedor do Gymnaso manda
declarar que no dia 3 de novembro prximo vin-
douro, principiara os exames neste eslabeleci-
mento. Secretaria do Gymnaso Provincial de
Pernambucu 29 de outubro de 1860.
Antonio d'Assumpc,o Cabral.
Secretario.
Conseilio de compras navaes.
Promove este conselho em sesso de 5 de no-
vembro prximo a compra dos seguintes objeetos
do material da armada.
Para os navios.
Lencos de seda preta 60, linleiros de estanho
10 jogos, tinta prea 20 lalas, dita verde 10 ditas,
e plvora grossa 33 arrobas e 12 libras.
Para os navios e arsenal.
Oleo de linhaca 50 arrobas, fio de vela 4 arro-
bas, papel bta para forro de navio 8 arrobas,
vergonleas de pinho de 4 a 6 pollegadas 50.
Para o arsenal
Bigornas de chifre e penna 3, escrvanas de
metal 2, folhas de Flandres dobradas 3 caixas,
linhas cruis 6 libras, bxa de esmeril em panno
valho Paes de ndrade, e tendo os supplcantes 200 folhas, pires e chicaras de metal 24 casaes,
! pregos ripares de cobre, sortidos, 20 libras, tor-
nos de mo de 4 a 6 pollegadas 10, e lorno para
buxa 1.
Para os aprendizes artfices.
Fronhas 30, o lences 60.
Para a enfermara de marinha.
Ourines de Inora 24.
Alem disso contrata o mesmo conselho em di-
la sesso o forneciinento at dezembro prximo
de calcas de bnm, dllas de panno azul, e fardas
do mesmo panno para os fozileiros navaes ; sen-
do que a cerca desle coniralo, bem como da com-
pra, devem os pretendentes apresentar naquelle
dia at as 11 horas da manha as suas propostas
em carias fechadas, acompauhadas das amostras
dos objeetos.
Sao as condicoes para a compra e o contrato,
serem os objeclos pagos, logo no mez seguinte
da venda ser o fornecimeato, bem como sujeila-
rera-se o vendedor e o contraante multa de 50
por rento do valor d.>s mismos objeetos. se nao
lorem entregues na porco e da qualidade contra-
tadas, isto, alem de ficar-lhes cargo o exce-
dente do prego delles no mercado, caso o baja,
por motivaren) essas faltas que ah sejam ob-
dos.
Sala do conselho de compras navaes em 20 de
outubro de 1860.
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Secretario.
Novo Banco de
Peroambuco.
Sao coneidado* os Srs. accionistas do
novo banco de Peniaaibuco para virem
receber o quinto dividendo de 9jf por
acc,ao, do dia 10 de setenabro em diante.
O novo banco de
Pernambuco repeteo avi-
so que fez para serem re-
colhidas desde j as notas
de 1 o,ooo e 2o,ooo da
emissao do banco.
producido suas testemunhas, que juslilicaram a
ausencia do supplicado em lugar nao sabido ; e
subindo os autos minha concluso, profer nel-
les a minha sentenga do theor e forma se-
guinte :
Avista da inquirico jnlgo provada a ausencia
do justificado em lugar nao sabido, e mando que
seja citado por edictos, passando-se a respecliva
carta com o prazo de ura mez, findo o qual, e
sendo o ausente havido por citado, so Ihe Lo-
mear curador, para cora elle correr a causa os
seus devidos termos. E pagem os justificantes
as castas. Recife 23 de outubro de 1860.An-
selmo Francisco Peretli:
E mais seno continha e nem oulra alguma
cousa se declarava em dita minlia sentenca aqu
copiada e transcripta, em virlude da qual o refe-
rido escrivo fez passar o presente edilal com o
prazo de trinla das, pelo theor do qual chamo,
cito e hei por citado ao supplicado Manoel Fran-
cisco de Moraes, para que dentro dosnbredito
prazo compareca neste iuizo para allegar a sua
defeza por todo o conteudo na petico cima trans-
cripta, sob pena de pioseguir a causa seus ter-
mos a sua revelia ; portanto toda e qualquer pes-
soa. prente, amigo ou conhecido do ante dito
supplicado, poder fazer sciente do que aciraa Pi-
ca dito. *
E para que chegue a noticia de lodos, mandei
passar edilaes, que serao afiixados nos lugares
do coslume e publicado pela iuiprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recite capital
da provincia de Pernambuco aos 26 dias do mez
de outubro de 1860, 39 da independencia e do
imperio do BrasilEu Manoel de Carvalho Paes
de Andrada, escrivo do juizo especial do com-
mercio o fiz escrever.
Anselmo Francisco Perelti.
O Or. Innoccncio Serfico de Assis Carvalho,
juiz municipal supplente da primeira vara do
termo da cidade do Recite, ele.
Faco saber que pelo Or. juiz de direilo da
primeira vara criminal Bernardo Machado da
Costa Doria, me foi communicado quo de confor-
midadecoro o aitigo 3 do Decreto n. 834 de 2 de
Essas queixas, esses clamores to altos quanto'oo tu bro de 18il, designou e dia 31 do correnle
injustos sao consecuencias da terrlvel criae mo- "
netaria, por que est passando anda a praca
de Pernambuco, nem oulra cousa se poda es-
perar da desconfianza que larra por toda parle.
Como pois imputar-sc esses males ao Sr. Mon-
teiro, e aos directores do banco nove. Ao
contrario ao tino e prudencia dos directores de
ambas as casas banicariaa se deve o nao ter ehe-
gado ainda mais de^loravel a nosea praca. Nao
se queira poi?, attrbur, ao Sr. Monteiro e Joo' distribuidores, contadores, partidores, avaliado-
para a audiencia geral do cncerramento da cor-
reico, a qual lera lugar na casa da reunio do
jury s 10 horas da manha.
Uevem comparecer i. chamada no dia, hora
o lugar designados os senhores juizes rauuupa-
os de orphos, delegados, subdelegados, juizes
a paz, promotor publico, promotor de capellas
e residuos, cazadores, thesoureiro de orphos,
sollicitadores dos residuos, lahalliaes, escriraes,
ILEGVEL


V
(4)
DIARIO DE PERNABMUCO. TER^A FEIRA 30 DE OTUBRO DE 1860.
Arsenal de guerra.
O arsenal de guerra precisa mandar manufac-
turar as pecas de fardameoto seguinles :
Para a companhia de artfices.
Sobrecasacas de panno azul 84; capotes do
mesmo panno 84.
Para a companhia de cavallara.
Sobrecasacas de pinno azul 70.
Para o 4. balalbao de artilharia.
Capoles de panno azul 225.
Quem pretender arrematar ditas pecas de far-
Jamento, nos termos do aviso circular do minis-
terio da guerra do 17 do marco docorrenle anno
no prazo de 30 dias as sobrecasacas, e no de 50
os capotes, aprsente as suas proposlas na direc-
tora do mesmo arsenal, era carta echada no dia
31 do correte, com declmelo de fiador idneo ;
o que se annuncia de ordeui do Illm. Sr. coronel
director.
Directora do arsenal de guerra, 27 de outubro
de 1860.Oscripturario, Francisco Serfico de
Assis Carvnlho.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimentc
do arsenal de guerra, tcm de comprar os objec-
tos seguintes :
Para supprimento dos armazens do arsenal
de guerra.
5 arrobas de oleo de linhaci.
5 duzias de laboas de amarello do assoalho.
10 duzias folhas de papel do lxa sonidos.
4 duzias de ferro de plaica cora capa de i li2
I>ollegada.
5 duzias de limas mucas triangulares de 6 pol-
legadis.
5 duzias de limas mucas triangulares do ." pol-
legadas.
arrobas de estanho cm verguinhas.
400 meios de sola.
\ duzia pelles de lustre.
50 resmas do papel alroico.
50 garrafas do linta preta para escrever.
85 covados fianclla para forro de sellins.
i bacia de folha de Flandres dobrada.
O'iem quizer vender laes objectos aprsente
as suas proposlas em carta fechaba na secretaria
do conselho, as 10 horas da manhaa no dia 5 do
novembro prximo futuro.
Sala das sesses do conselho administralivo,
para fornecimenlo do arsenal de guerra. 26 de
outubro de 1860.
Denlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaqun Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
De ordem do Illm. Sr. Dr. procurador fiscal
da fazenda provincial faz-se publico, que a rela-
cao dos devedores do imposto de dcimas da col-
lecioria de Olinda, relativa ao anno fiuanceiro
de 1859 a 1860, acha-sn em juizo ; o inieressa-
dos que quizerem pagar com guias da mesma
procuradoria, podem solicila-los no escriptorio
da ra do Imperador n. 41, das 9 1|2 da manhaa
s 3 da tarde, para o que se Ins d o prazo de
S co",ado.s.'|e hoje. Recife 24 de outubro utbrode'taft
de lottU.O sohritador da fazenda provincial,
Joo Pirmino Correia de Araujo.
^-u^^kraras 37 1
riH inha.
paS
de Ku.
paraw) pracas 1.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimenlo
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
seguintes :
Para completar o fardamento dos corpos de pr-
meira linha.
Panno mselo alvadio, covados 49 3i
Trancado rclroz, varas 71.
Fila de Ida conforme o fig
Para a cavallaria de p
Luvas de algodo branco pa
Para a companhia d
Caldeira do ferro fundido p
Taina do barro com p de madeira 1.
Copo de vidro 1.
Prato de louca para o dito t.
Para a casa de deiencfio.
Camas de ferro com colches e travesseiros!5.
Para o laboratorio.
Papel carluchinho resmas 8.
Quera quizer vender taes objectos aprsente as
suas propostas em carta fechada, na secretaria
do conselho, slO horas da manhaa do dia 7
de novembro prximo vindouro.
Sala das sessdes do conselho adminitrativo
para fornecimenlo do arsenal de guerra, 29 de
outubro de 1860.
Bento Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimenlo
no arsenal de guerra, em cumprimenlo ao art.
22 do regularnenlo de 14 do dezerubro de 1852,
faz publico, que forano aceitas as proposlas dos
senhorrs abaixo declarados.
Para o rancbo da companhia dos menores do ar-
senal de guerra durante os mezes de novem-
bro 8 dozembro prximo vindouro.
Joao Carlos Augusto da Silva e IJraga & Cabial:
Assucar refinado a libra a 180 rs: *
cha hyson a libra a lg800 rs.
Caf em grao a libra a 240 rs.
Manleiga franceza a libra a 600 rs*
Arroz, pilado a libra a 100 rs.
Baealho a libra a 100 rs.
Carne verde a libra a 200 rs.
Dita secca a libra a 180 rs.
Toucinhode Lisboa a libra a 320 rs.
Farnha da trra o alqueire 3800.
Feijao o alqueire a 5j700.
Azeile doce a gazrafa a 560 rs.
Vinagre a garrafa a 240 rs.
Manoel Antonio de Jess :
Paes de 4 ongas a arroba a 3J500.
Bolachas a arroba a 4$.
O conselho avisa aos fornecedores cima men-
cionados, que devem principiar a apresentarera
os genros precisos do dia t. do mez de novem-
bro em diante.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para fornecimenlo do arsenal de guerra, 29 de
Vicente e Lisboa, para passagens, encommendas
etc. a tratar na agencia ra do Trapiche n. 9.
Segundo o tratado do correio con-
cluido em 7 de julho ultimo (1860) en-
tre o Brasil e a Franca, as cartas e jor-
naes para os paizes da Europa serao re-
cebidos no correio de Pernambuco e
nao mais como anteriormente no con-
sulado de Franca o qual se aclia exone-
rado desse servico visto o dito tratado.
Leiies.
IS11A0.
Terca-feira 30 do corrente,
O agente Evaristo hovamento Cari leilo da
armaco, gneros e todos os mais utencilios da
taberna n. 50 da ra Nova, por embargo
Francisco Alvos Monleiro Jnior a Jos
da Silva Santos, as 10 horas em ponto.
LEILAO
Yaccina publica.
Transmijsao do fluido de bra$o braco as
quintas e dominios, no torreSo da alfandega, e
nos sabbadiDs ateas 11 horas da manhaa, na re-
sidencia do comnnssario vaccinador segundo
andar do sobrado da ra estrellado Rosario nu-
mero 30. !
O if. Cosme de Sa' Pe eir da"
consultas medicas em seu escrip-
torio, no bairro do Recife, ra
da Cr(iz n. 53, todos os dias,me-
nos nos domingos, desde as 6
so-
CASA DE SALDE
ateas 10 da manhaa,
seguintes pontos
de
ge-
do Sr.
Gomes
DE
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Co-onel vogal secretario interino.
THEATRO DE S. ISABEL.
COMPANHIi LYRICADEGJJRINANGELI
Quinta feira 31 de outubro.
Pnmeira representado da bellissima opera de Verdi em quatro actos
ERNANI
Principiara s 8 horas em ponto.
Sabbado 3 de novembro.
Ter lugar o beneficio da mui distineta pnmeira dama absoluta a Sra.G.CLU Beltrvmini
A distribuido do espectculo ser annunciada
Avisos man timos.
REAL COMPANHIA
Anglo-Luso-Brasileira.
OlUilford //ate, espera-se do Rio
e Baha do dia 28 a 29 do corrente,
para a Europa depois da demora do
para passage'ros etc. com os agentes
mos.
de Janeiro
e seguir
costumo ;
Tasso Ir-
Bahia.
A escuna nacional Carlota, segu em poucos
das para a Bahia, tem parle do sua carga
gajada ; para o resto trata-se com o seu consig-
natario Francisco L.J3. Azevcdo, na roa da Ma-
dre de eus n. 12.
Urna taberna.
Costa Carvalho autorisado por Manoel
da Silva & C. e seus credores fara' leilao
da sua taberna sita no pateo do Terco
n. 23, consistindo em todos os gneros
que existirem na mesma taberna : ter-
ca feira 30 do corrente, as 11 horas
em ponto,
As H horas em poni.
l\
Em frente da alfandega
DE
Bolachas de Trieste em barricas.
Fumo americano novo.
Cerveja branca ingleza.
Vinho Bordeaux, em caixas.
Conserva ingleza em frascos, mixed
pieles.
Cognac inglez superior Pal Brandy.
Dito rancez.
Charutos de Havana.
Terca-feira 30 do corrente.
Antunes far leilao e.n frente da alfandega
dos gneros cima declarados lodos de superior
qualidade que vender em lotes vontade do
comprador.
LEILAO
horas
breos
1.' Molestias de odos ,
2.' Molestias de coracao e
peit ;
3.* Molestias dos orgaos da
raco e do anus ;
* Praticara' toda e qualquer
opeijacao que julgar conve-
niente para o restabelecimen-
to dos seus doentes.
O examedaspessoarqueo con-
sultaren! sera' feito indistincta-
menle,
tradas,
e na ordem de suas en-
fazendo excepeao os doen-
tes de olhos, ou aquelles que por
motivo justo obtiverem hora
marcac a para este lm.
o senhor
ss
em Santo Amaro.
Este estabelecimento continua debaixo da administraco dos pro-
pietarios a receber doentes de qualquer natureza ou cathegoria
sea.
que
unen-
t A Zf CU.dad0,alli empregados para o prompto restabelecil
todos doentes egeralmcnte conheedo. -eiecii
Quem se quizer utilisai pode dirigir-se as casas dos propietarios
S2SST1 rUa N0V3' U o regLeC^!
Reforma deprecos.
Escravos. -..... 2$000
Marujos e criados, .... 2^300
Primeira classe 5j e. 5'50O
As operacoes serao previamente ajustadas.
Antonio Joaduim Fernandes de Oliveira, esludan-
to do terceirc anno da Faculdade de Direito desla
cidade, pede- se que venha satisfazer o que nao
ignora ; nestes termos pela segunda vez : na ra
do Crespo n. 21.
O propr
da Concordia
nha at as 9
etario do terreno n. 182 sito na ra
do bairro de S. Jos, contina a re-
talhar o meso o terreno j beneficiado, com fren-
te para a travesea Uo Monteiro, dita do Caldei-
. rojectada : os pietendcntes podem
dirigir-se a na larga do Rosario n. 18, perto do
quartel, que charo com quem tratar, de ma-
horas, e de tarde al as 3.
Manoel Antonio de Jess,
Rio de Janeiro.
A fretes baratos.
O patacho Anna, segu para o Rio de Janei-
ro por estes dias. recebe carga por baralo frele:
a tratar com Tasso limaos.
Para o Aracaty.
Segu viagem o hiale Sania Anna at o fim
da presente semana : para o restante da carga e
passageiros trata-se no escriptorio de Gurgel Ir-
maos, ra daCadeia do Recife n. 28, primeiro
dnddr
COMPANHIA BRASILEA
DE
tlBRIS iTlfOL
Espera-se dos porios do sul al o dia 30 do
crrante o vapor Oyapock, commandante o ca-
pitao tenente Santa Barbara, o qual depois da
demora do costurae seguir para os portos do
norte.
Recebem-se desde j passageiros e engaja-sa
a carga que o vapor poder conduzir a qual de-
vora ser embarcada no dia de sua chegada : agen-
cia ra da Cruz d. 1, escriptorio de Azevedo &
endes.
ara
Rio de Janeiro.
O veleiro e bem conhecido patacho Beberi-
be, pretende seguir cora muita brevidade, tem
parte deseo carregaraenlo prompto : para o res-
ta, trata-se com os seus consignatarios Azevedo
& Mendes, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Porto por Lisboa.
Vaisahir com brevidade para o Porto com es-
cala por Lisboa, o hrieue portuguez Promptido
* ulnrnl VrV'^0 de cobre' de pRIMEI-
Zt *C?A ECLASSE: para carga e passagei-
SS^VVh*" ,lCm ente cora modos,
Cear, Haranhao ePar
Segu com brevidade o bem conhecido hiate
Linio Paquete, capilo Jacintho Nunes da Costa
por ter parte do seu carregamsnto prompto ; para
o resto e passageiros, trata-se eom os consigna-
tarios Almeida Gomes, Aires tk ., no seu es-
cnptono. ra da Cruz n, 27.
Para o Aracaty e Assu',
o hale nous Irmos j tem a maior parte da
carga; para o resto trata-se com Martins & Ir-
mao, ra da Madre de Dos n. 2.
Para o Rio de Janeiro
segu em poneos das o veleiro patacho nacional
Julio ; para o resto da carga que lhe falta
trata-s cora os seus consignatarios Azevedo &
Mendes, no seu escriptorio ra da Cruz u. 1.
O agente lyppolito vender' hoje
71 burros mansos, que se acham no
armazem do Sr. Andre'de Abreu Porto,
no largo do Arsenal armazem amarel-
lo, sendo vendidos ero lotes de dous a
5 burros, as 11 horas em ponto no re-
ferido armazem.
C01IPAMII4 PE11UOIJCA1U
DE
gacao cosleira a vapor
O vapor Persinunga, commandante Lobato,
segu viagem para os portos do sul de sua es-
cala no dia 5 de novembro s 6 horas da tarde.
Recebe carga para Macei e outros portos at o
dia 3 ao meio dia.
O expediente na gerencia ser al s 2 horas
e depois de fechado nada mais se admittira.
COHPAMUA PER\lMB(ICm
DE
Navega cao costeira a vapor.
O vapor Iguarass, commandante Moreira se-
gu viagem para os portos do norte de sua escala
no dia 7 de novembro s 5 horas da tarde.
Recebo carga para Granja, Cear e Acarac
nosdias30 e 31, Aracaiy o M Rio Grande do Norte o Parahiba 5 e 6 at a
meio dia.
O expediente na gerencia ser al as 2 horas
e depois de fechado nada mais se admittira. Es-
criptarlo no Forte do Mallo n. 1.
y
COMPINHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Espera-se dos portos do norte o vapor Tocan-
Un, at o dia 2 do novembro, commandante o
pnmeiro-tcnente Pedro Hypolito Duarle, o qual
depois da domora do costume seguir para os
portos do sul
Recebem-se desde j passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir, a qual de-
ver ser embarcada no diadesua chegada .agen-
cia ra da Cruz n. 1. escritorio de Azevedo &
Mendes.
MM
Manoel Alves Guerra far leilao por conta e
risco de quera pertencer e por inlervencao do
agente Pinto, de 19 meias pipas com vinagre de
Lisboa : quarta-feira 31 do corrente em frente a
alfandega, s 10 horas.
Avisos diversos.
Empreza da illu-
minaco a gaz.
Constando empreza da illumnaeao a gaz que
algumas pessoas tem mandado augmentar ou col-
locar novos bicos e encanamentos em suas casas
por machinistas (alias aventureiros) que nao sao
empregados seus. e com apparclhos nao Tornea-
dos por ella, tem resolvido, para acabar com es-
te abuso, por em rigorosa pratica oaitigo7do
seu regulamento, o qual do theor seguinte :
a No escriptorio da empreza concerta-se e res-
ponde-se pela cflicacia dos apparclhos all ven-
didos ; porm de raaneira alguma so encarrega
de collocar, concertar, responsabilisar-se ou sup-
prir gaz pelos apparclhos alheios.
E visto quo sendo a empreza, tanto pelo seu
contrato como pelo regulamento do governo res-
ponsavel pelos damnos esinislros occorridos no
servico o fornecimenlo do gaz aos particulares,
essa responsablidade nao pode-ia existir, deslo
quo o material nao fosse fornecido por ella, e a
collocacao nao fosse feta por operarios de sua
conflanca,
Assim a mesma empreza previne aos senhores
consiimmidores que il'ora avante nm minucioso
exame ser trimensalmento feito por um de seus
machinistas, e achando este apnarelhos ou qual-
quer objectos que nao tenham sido fornecidos
pela empreza, mandar esta imniediataniente
cortar o gaz.
Portanto para evitar duvidas e reclamacoes pe-
de-se aquelles senhores que quizerem qualquer
alteraco na illuminacao de suas casas, queiram
por escripto dar as suas ordena, em um livro pa-
ra esse fim guardado no armazem da ra do Im-
perador n. onde podero dirigir-se, sera o que
nao serao atiendidos.
Recife, 30de outubro de 1860.
[ostrn.
TABAC CAPORAL
Bevosto das manufacturas impcrla.s deFranea.
para cigarros.
DENTISTA
DE
PERNAMBIJCO.
H 3Ru i eslreila do Rosario-3
1 Francisco Pinto Ozorio continua a col-
9 locar dentus arllficiaes lanto por meio
jfij de molas como pea presso do ar, nao
jj, recebe pa a alguma sem que as obras
Jg nao fiqueri a vontade de seus donos,
v> tem pozes d outras preparacoes as mais
jjjj acreditada:; para conseracao da bocea
mw$m$sm SMmmmsmmm
Na ra da Cadeia n. 24, deseja-se fallar
com os senhodes :
Ballazar Jos dos Reis.
Domingos Calilas Pires Ferreira.
Firmino Antonio da Silva.
Joaquim Clemente de Lomos Duarle.
Jos Rodrigues Cordeiro.
Cielo da Costs Campello.
Antonio de Albuquerque Haranhao.
Precisa-so de um criado que saiba bolear e
d fiador a sua conducta : na ra do Queimado
n. 44, primeiro andar.
;-zmm?mM,
Os abaixo assignados declaram que
I o Sr. Polycarpo Luiz da Paz deixou de
ser caixeiro de sua casa desde o dia 2i
de outubro de 1860___J. Soum i\ C.
Holel Trovador.
Ra larga do Rosario n. 44.
As pessoas que rocorrerem a este hotel encon-
trarao boa commodidade para una ooile, dias e
rnezes, conforme Ihesconvier, enconlraiac tam-
bem a qualquer hora do dia o noile lanche c ca-
l. O dono do respectivo hotel so obriga a dar
comida para fra as pessoas, que quizerem. as-
segurando todo o asseio. Tudo por preco com-
modo
Gravador e dou-
rador.
Grava-se e doura-se em marmore, Ieltras nro-
prias para calacumbaou tmulo a 100 rs. cada
urna, o annunciante aprsenla seus
nos tmulos dos Illms. Srs. Vires
Guerra, Tasso e em oulros mais '
d'Agua n. 52.
Attenco.
criada de
portuguesa,
meia
que
que
ra
-..-,
JLices de pianoj
e canto.
||| Tobas Pieri artista italiano d:i compa-
nhia lyrica tendo acabado o contrato com
o Sr. Marinangeli, pretende dedicar-seao
ensmo de piano e de canto, as pessoas e ff
os pais de familias que quizerem ulilisar- W
2flg so como sen prestirao podem procura-lo on
t) na ra do S. Isabel n. 9 para tratar com ||
VJ! o mesmo, quesera mui razoavel nos seus 3
feiiaiaw iBsaeteiB. wtmmmm
COMPANHIA
ALLIANCE,
stabeecida m Londres
i/tfeqrj) II mu.
A loja de marmore acaba de receber no- @
vas e lindissimas colleccoes de quadros fj
para decuraco do salas do visita,
espera e quarto de dormida.
@@@g@@gi:@@@@
Offerece-se nm menino para caixeiro do ta-
berna ou de padaria ; quem precisar, dirija-se
ao beccodas Barreiras n. 49.
C4P1TAL
Cinco >uiVUes de Vibras
sterlinas.
Advertencia
O Sr. Santos, administrador ou mesl
j sobrado que so esl edificando na ra
fqueira vir ao largo dos Coolhos, fabrica Sebas-
topool. pagar o saldo dos materiaes que romprou
para a casa do Sr. Lages ha mais de i annos.
Hait se deseja fallar com
xo declarados, na ra do Queimad
Antonio Jos dcAmorim.
Antonio Francisco da Silva.
Manoel Jos Milete Meiriz.
Joaquim Jos Bolelho.
Alugam-se dous andares do sobrado da ra
da Cadeia n. 24, tendo commodos para grande
familia : a tratar na loja do mesmo.
A'uga-se urna casa em Beberibe : a tratar
e,)'" J- I- de Medciros Reg, na ra do Trapiche
n o.
_ Precisa-se de urna senhora com ashablita-
coes necessanas, que se queira encarregar da i
educa?ao de meninas no engenho Teologal da !
freguezia de Barreiros : a tralarna ra da Moeda
n. 3, segundo andar.
Piecisa se de urna
idade preferindo se
deiador a sua conducta, pura esa do
urna familia distineta, nao se olha a
preco cumprindo os seus deveres
lhe serao explicados: a tratar na
Nova n. 38, loja.
GABINETE PORTUGUEZ
DE
LEITVRA.
A directora faz publico aos senhores associa-
oos, que em coiisequencia do balanco que tem
, de proceder na bihliolhera. deixa de haverex-
I pedculoi nos dias 5, 26. 27, 28, 29 e 30 do ror-
I rente, facultando -se no enianto a leitura dos
slre de um Jq aPS.no-dia.e, Vc cheRar vaPorda Europa.
Antonio Baptisla Nogueira,
1. secretario.

jantar,
e
Alugam-se com toda mobilia, por seus pro-
prietarios e moradores terero de se demorar por
alguna lempo nos seusengenhos do sul da pro-
vincia, o sobrado n. 27 na ra Nova, de um s
andar esorSocom 3 salas, 9 quartos, cozinha e
despensa, terraco, e por baixo deste, cocheira e
estribara, e cacimba com bomba que toda agua
Saunders Brothers& C. tem a honra de infor-|para loda Cdsat e canno de despejo ; c o sitio na
Passagem da Magdalena, penltimo antes de vi-
W Graf, 'subdito suisso, vai pora Eu-
, o obsequio
de mandar pagar o quo deve na ra Nova n. 55.
Rostron, fooker C.
Roga-se ao Sr. alferes Joao Baplista de Me-
nezes, do 9 balalho de infantaria. o obsennin
agar o quo deve na ra
Ama.
urna ama para com-
: na ra do Padre Fio-
COMPANHIA
DAS
Messageries imperiales.
boj 9,
Precisa-se de
prar e cosinhar
rianno n. 49.
Furlaram de um filio em Parnaroeirim 2
cavallos de carro, ambos pedrezes, com 2 cor-
das Dnas no pescoco. o maior esl maero o
menor bem carnudo, elles foram vistos na estra-
da pastando buscando o Arraial. e dahi desappa-
receram : quem os apprehender ou descubrir
quera os tem, dinja-se ao mesmo sitio a fallar
com Amaro Goncalves dos Santos, ou a roa da
Praia n. 34. onde ser bem graiifinado.
Quem tiver urna escrava que seja desem-
barazada para o Servico domestico de urna casa
dinja-se a ra das Aguas-Verdes n 5. '
Attenco.
Na praca da Independencia ns" 23 e 25 mullo
se deseja fallar aos seguintes senhores : Eusta-
quio Antonio Gomes e Jlo da Barros Araujo, a
negocio de eeu parifeular intarene.
mar aos senhores negociantes, proprielarios de
casas, e a quera njais convicr, que estao plena-
mente aujorisados- pela dita companhia para ef-
fecluar seguros solbre edificios de lijlo e pedra
cobertos de lelha.ie igualmente sobre os objectos
que conliverem o mesmos edificios, quer con-
sista em mobilia I ou em fazendas de qualquer
qualidade.
J.
ropa
. >luga-se por festa ou mesmo anno um si-
lio na Torre com ^ommodos, casa boa e fresca
a tratar com o Sr. Jos Azevedo Andrade, na ra
do Crespo, ou com o proprietario Jos Mariano
de Albuquerque, na estrada Nova do Caehang.
agencia dos fabricantes america-
nos Grouver & Baker.
Machinas de ciser: em casade SamuelP
o^nston &i ra da Senzala Nova n. 52
Dentista de Paris.
15 Ra Nova15
rar para 3 estrada do Remedio, murado, com por-
lo o gradeamenlo de ferro, casa assobradada e
soiao, com 6 salas, 9 quartos, 2 despensas e co-
zinha, grande senzala com muitos quartos, gali-
nheiro, estribara, cocheira, diversas fructeiras,
cacimbas com banho e cannos que levam agua
dousjardins, 2 viveiros, baixas do capim e um
cercadinho para animaes : quem pretender, diri-
ja-se a ra do Cabug, loja n. 1 Na mesma
loja deseja-se fallsr com o Sr. Innocencio da
Cunha Goianna Jnior, cuja morada se ignora.
a negocio de seu interesse.
Ama de leite
Precisa-sede urna ama do leite que tenha bom
leite : a tratar na ra do Tambia na Boa-Visia
n. 11.
quem
FredericoGa
faz todas as op
itier, cirurgiao dentista,*
|erae da suaartee col-|
locadentes artiflciaes, tudo com a upe-l_
rioridade e perieicao queas pessoasen-lf
tendidas lhe reconhecem. *E
Tem agua e p6s dentifricios etc. X
armazem na ra da Cruz n.
ra dos Tanoeiros : a Ira-
Aluga-se um
29. com sabida para
tamo Paleo de S. Pedro n. 6,
= Adverle-se a
mam ir mijar no cor
cerlos senhores que coslu-
iredorda escada de uma casa
da ra do Imperador, que a cmara municipal
nodesignou este lugir para tal mister, e os mo-
radores da casa uo eslo contentes com tal fre-
guezia.
Attenco.
Faz-se todo o negocio com a cocheira da ra
da Florentina, de grnde freguezia para o mato
contendo boas vaccas de leiie, bois e carros da'
alfandega. a dinheiro ou a prazo : a tratar
mesma cocheira, a qualquer hora do dia.
Precisa-se de um rapaz para cria-
do: na ra daCadeia, armazem n, 36.
na
1LEGVEL
Ama.
OfTzrcce-se uma ama para rozinhar ;
precisar, drija-se a ra do Hospicio n. 50.
3 DENTISTA FRANCEZ. 3
Paulo Gaignoux, dentista, ra das La- 2
>^ rangeiras 15. Na mesma casa tem agua e 3
t p dentifleo. m
Ensino de msica.
Ofrerece-separaleccionarosolfejo.comotam-
oematocar varios instrumentos ; dando as li-
coesdas7horass9 1,2danoite: a tratar na ra
da Roda n. 50.
- Domingos da Silva Campos conlina a pe-
dir aos seus devedores que lhe venham pagar,
porque tero de concluir o inventario que se est
fazendo pelo Illm. Sr. Dr. j.iiz de orphos, e
talvez alguns dos senhores que lhe devem nao
queiram que seu nome appareca.
dar ao encano. S
0 Sr. Joao Paes de Oliveira queira ter
a bondade de vir a ra da Cadeia do Recife @
n. 55, a tratar de negocio que nao ignora
Precisa-se de 300 a juros dando por garan-
te bens de raz : quem quizer annuncie para ser
procurado.
Pede-sc ao Sr. Antonio Prisco de Franca
Mello o favor de appareccr na ra das L3raogei-
rasn. 15.
Nao sendo mais prohibido o corto e venda
do po-Rrasil, o abaixo assign.ido oITerece una
porcau de quintaes desta madeira : quem quizer
comurar annuncie por esta folha, ou cscrcva-lhd
parara a cidade da Victoria.
Claudino Jos de Almeida Lisboa.
Ama de leite.
Prccisa-sc de uma ama de leite sem filho, pre
ferindo-se captiva: na ra larga do Rosario n.
38, segundo andar.
Na loja n. H da ra da Cadeia do Recife,
existe uma carta para ser entregue pefsoalmenio
ao Illm. Sr. Jos Joaquim de S e Bcnevides,
alumno da Faculdade de Direito.
Aluga-se a casa n. 84 da ra Augusta, que
esl com limpeza : quem a pretender dirlja-se
mesma ra n. 4, junto ao sobrado amarello onde
est a chave, ou na ra das Cruzes, segundo an-
dar do sobrado n. 41.
Deseja-se saber se existe o padre Eslevo
da Porciumcula Pereira, e no caso de ser falleci-
do a data e o lugar do fallecimento : quem der
inforraacoes exactas se recompensar, podendo
dirigir-se a esla typographia cem caita fechada
dirigida a Antonio Gomes de Macedo.
TOS
DO
RECIFE A S. FRANCISCO.
Aviso.
Ao senhor
Trajano Carneiro Leal, deseja-se fallar na ra
do Crespo n. 21.
K^lkmann Irmgos & C. avisara ao
respeitavel corpo do commercio que
foram nomeados agentes nesta praca das
companbias de seguros martimos de
Hamourgo.
Do Io de novemhro al oulro aviso haver um
trem nos domingos e dias santos que sahir da
villa do Cabo para as Cinco Ponas s 5 horas da
tarde o voltar das Cinco Ponas para villa do
Laboas 6 1(2 horas da tarde.
AssignadoE. H. Bramab,
Superintendente.
Os administradores da rnassa de
Manoel Antonio dos Passos Oliveira &
C, regam as pessoas que estao devendo
ao armazem de trastes da ra Nova n.
24, queiram ir satisfazer seus dbitos
at o fim do corrente mez de outubro,
visto que passado este prazo proceder-
se-ha a cobrar judicialmente todas as
dividas activas do mesmo estabeleci-
j ment.
trabalhos
Dr. Aguiar,
ra da Cai.xa


DIARIO DE PERN4MBDC0. TERCA FEIRA 30 DE ODTBRO DE 1860.
CASA DE 6ANH0
NO
na t -
> *
Assignatura de banhos fros, momos, de choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 das conseculivos. ........... 12
30 carios paraos ditos banhos tomados em qualquer lempo...... 15*000
15 Ditos dito dito dito ...... 8000
7 ...... 4000
Banhosavulsos, aromticos, salgados esulphurososaosprecos annunciados.
Esta reducto de presos facilitar ao respeitavel publico ogozo das vantagens que resullam
da frequenciadeum estabelecimento de urna ulidadeinconteslavel.mas que infelizmente nao
estando em nosso* hbitos, anda pouco conhecida e apreciada:
EAU MINERALE i
NATURALLEDE VICHY MS&
vcIa na Knlira franrpa ra iln fruz n. 52 M8I
APP!OVA(\0 E AIT0RISA(1a0
DA
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
mhfk
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPTICAS
Nsabaixo assignados annunciamos aoeor-
po do commercio que temos diasolvido amigs-
velmentc em 20 de sctembro, a sociedade no ar-
mazem da ra da Cruz u. 21, em que gyrava sob
a firm i de Pioto & Irmo, ficando o socio Gui-
lhormo Ferreira Pinto rcsponsavel pelo activo e
passivo da exiincta (Irma. Recito 20 de outubro
de 1860. Miguel Ferreira Pinto. Guilherme
Ferreira Pinto.
Miguel Ferreira Pinto participa ao respei-
tavcl corpo do commercio e a seus freguezes!
desla praca, quo achando-se extincia a firma de
Pinto & Irmao, de que fazia parle, se lem esta-
belecido cora o mesmo negocio na ra da Cruz
numero 13.
O solicitador Manoel Luiz da Veiga mudou-
se para a ra da Gloria n. 94, onde pode ser pro-
curado das 6 horas s 9 da manha, todos os das.
Os subditos inglezes W. P. Harns e Charles
Diasques rctiram-se para Europa.
Nao 6 ao Sr. Joaquira Salvador que me
proponho responder as asquerosas asserses in-
sertas no Diario do Recite de 14 do corrento,
porque sompre devotei-o ao desprezo, mas ao
publico, que nao pode avaliar do horaem que
nao conhece, e que lanca a negra e venenosa bi-
lis, que se aelia extravasada contra raeu pii o Sr.
Joo Florentino Cavalcanii de Alququerque e
meu cunhado Carvalho, e deixando ludo mais
quanlo despejadamente diz nessa immuoda cor-
respondencia, somenle. direi que sendo eu o ni-
co fillio rasado a quem alude ter meu pai absor-
vido o dote, que urna falsidado proprii do seu
carcter. Tenho ainda em meu poder o dote
que recebi, e urna pequea quantia quo tinlia em
dinheiro offereci a meu pai a premio, e elle nao
exitou pm aceita-la, conveneionando o premio
que pago, e me dando urna letra que a possuo
tudo em meu proveito ; ora, sendo nicamente
o que se deu entro mim e meu pai, se ve de que
quilate sao as historias do Sr. Joaqun), que nao
se tarta em morder na reputacao alheia, porm
nos o dosprezamos. Juvenal 22 de setembro de
1860.Joo Florentino Cavalcanti de Albuquer-
que Jnior.
Tsecisa-se de 1:600 a 2:000$ a juros, dan-
do-se por seguranza um sobndo : quem liver,
dirija-se a ruada Praia n. 47, primeiro andar.
Precisa-se de ura caixeiro para taberna e
com pralica da mesma, dando fiador a sua con-
ducta, d se bom ordenado : a tratar na ra Im-
perial o. 33.
Avisa-se a quem convier que al o dia 30
do correle mez se decidirlo as propostas que
forem apresentadas para a compra do estabele-
cimento do finado Antonio Francisco Pcreira, e
definitivamente. Recite 27 de outubro d6 1860.
O testamenteiro.
Jos Bernardo G. Alcoforado.
Precisa-se do urna ama para todo o servico
de urna casa, excepto de cozinlia : na na do Ca-
bug n. 18. entrada pelo paleo da matriz, sobrado
de um andar.
f)
fflH
DE
NA. luOJ \M\i
DE
Joaqi^im Francisco dos Santos.
40 RA DO QUEMADO 40
Defronte |do beceo da Congregago
19000
letreiro verde.
Seda de quadrinhos muilo fina covado
Enfeites de velludo com froco pretos e
de cores para caber, a desenhora da
ultima moda
Fazendas para vestidos, sendo seda la
e seda, cambraias e seda tapada e
transparenre, covedo
Luvas de seda bordadas e lisas para
senhoras, liomens je meninos
Lencos de seda rxos para senbora a
2000e
Mantas para grvalas e grvalas de
seda de todas as qujaldades
Chapeo francez formal modrrna
Lencos de gurgurao irelos
Ricas capellas brancas para noivados
Saias balo para senhora e meninas
Tafea roso o covado
Chitas franceza a 260], 280, 300, e
2500
8500
2$000
5500
#30
#/>00
Selim prelo azul e encarnado proprio
para forros com 4 palmos de largnra
o covado
Casemira lisa de cores 2 larguras, o co-
vado
Chales de miron bordados, lisos ees-
lampados de todas os qualidades
Seda lisa preta e de cores propria para
forros com 4 palmos de largura, o
covado
Ricos corles de seda prelos e de coros
com 2 satas e de babados
Dlos de gaze e de seda phanlasia
Chales de toquim muito finos
Crosdenaple preto e de cores de lodas
as qualidades
Seda lavrada preta e branca
Capas de fil e visiias de seda preta
com froco
NOSAT HUAOS
JOAMJEIROS FRANCEZES
Tem esabelecido um rico sorti-
mento de joias
NA
Ra Nova n. 48, primeiro andar.
No qual se encontraro obras de brilhanles e
ouro garantidas pelos annuncianles com 18 qu-
teles, sem betume ou qualquer oulro vicio. Ven-
den) aderemos e pulceiras de todos oa gostos eje-
cutadas pelos melhores artistas, conlendo algu-
mas batalhas da actual guerra da Italia, pinturas
de Valellu e lavas do Vesuvio, e uma infinidade
do objectos Mosaico, do Roma, Florenca etc.,
etc. Os annuncianles encarregam-se de mandar
vir do Paris qualquer encommenda, o que con-
servam naquella capital uma pessoa de sua casa,
podendo garantir a promptido e boa execueao.
J. Falque tendo de fazer uma
viagem ao Para' no vapor yapock,
deixa por seus procuradores duiante u
sua ausencia em primeiro lugar sua
mulher V," Falque gerente de sua casa,
em segundo lugar os Srs. Flix Souvage
& C, e em terceiro o Sr. Antonio M.
G. da Silva.
19600
2000
19500
C ompras.
Compra-se uma casa terrea na frrguezia de
Santo Antonio ; a tratar na ra do Sol n. 13.
Compra-se
Para serena applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo.
AS CHAPAS MEDIC1NAES sao muito conhecidas no Rio de Janeiro e era todas as provincias
deste imperio ha raais de 22 aunos, e sao afamadas, pelas boas curas que se tem obtido as enfer-
maras abaixo escripias, o que se prova com innmeros attestados que existem de pessoas capa-
zeso de distinccoes.
Com estas Chapas-electro-magneticas-ehspasticas oblem-se urna cara radical e infallivel
em todos os casos de inflamma^ao [cansaco ou falla de respiraro), sejam internas ou fxternas,
como do (gado, bofes, estomago, baco, rins, tero, peito, palpiiaco de coraco, garganta, olhos,
erysipelas, rheumatismo, paralysia e lodas as affeecoes, nervosas, etc., etc. Igualmente para as
dillerentes especies de tumores, como lobinhos, escrfulas etc.. seja qual f<5r o seu tnanho e pro- de, nascido em Portugal,para caneiro, c at mes-
Aluga-se urna excellente e fresca sala, com
uma boa alcova, Squartose cozinha, tudo do la-
do do caes, e na ra do Imperador U. 75, pri-
meiro andar.
Precisa-so de um caixeiro que tenha bas-
tante pralica de taberna e quo de fiador a sua
conducta, nao so duvida dar-se bom ordenado :
na ra du Rosario da Boa-Vista n. 54.
Quem precisar de um homem de meia da-
fundeza, por meio da suppuracao serio radicalmente extirpados, sendo o seu uso aconselhado por
habis e distinclns facultativos.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escriplo, tendo todo o cuidado de
fazer as necessarias explicaces, se as chapas sao para homem, senhora ou crianza, declarando a
molestia em que parle do corpo existe, se na cabeca, pescoco, braco, coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, declarando a circumferencia e sendo inchaces, feridas ou ulceras, o mol Je do seu ta-
manho ero um pedaco de papel e a declararlo onde existan, afim de que as chapas possam ser
bem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil*
As chapas serlo acompanhadas das competentes cxplicacoes c tambem de todos os accesso-
rios para a lollocaqo dellas.
Consultas todas as pessoas que a dignarem honrar com a sua confianra, em s escriptorio,
que se achara aberto todos osdias.sem excepeo, das 9 horas da manhaa s 2 da la
||9 Ra do Parto || PERTO DO LARGO DA CARIOCA
'---TT..
_ CONSULTORIO
H Especial homeopathico, ra de Santo Amaro g|
(Mundo Novo) n. G.
%
O Dr. Sabino O. L. Pinho, de volta de sua viagem a Europa, d consultas todos
os dias uteis desde as 10 horas at meio dia. Visita aos doenles em seus domicilios de
meio dia em diantc, e em caso de necessidade a qualquer hora, A senhoras de parto e \t '- <"*"" i* .- .>.... ~.-. .
osdoeutes de molestia aguda, que nao liverem ainda lomado remedio algum ailopa- Qil Passos para os concerlos do sobrado da Trerape
thico ou homeopathico, sero attendidos de preferencia. .
ii.ii se sujcila para ciiado de alguma casa paili
colar, para compras, recados e cobranzas, queda
fiador a sua conducta: dirija-se ao boceo da
Bomba, no pateo do Carmo n. 5.
Joao Lowis, subdito britannico, rctira-se
para a Europa.
Roga-sc ao Sr. Jos Dias Alves do Quintal
o favor apparecer na ruados Marlyios n. 36, a
negocio de seu interese.
Na ra Nova n. 7, deseja-se fallar com os
Srs. Jos dos Santos Moreira e Francisco de Oli-
veira Jnior.
Irmandade das almas do Re-
cife.
A mesa regedora da irmandade das almas,
erecta na matriz do Corpo Santo, convida a seus
irmos a comparecerera no consistorio da irman-
dade as 10 horas da manha do dia 1." de no-
vembro, afim de eleger-se a nova mesa que lem
de reger a irmandade no seguinle anoo de 1861.
Manoel Moreira Campos,
Escrivio
Deseja-se fallar ao Sr. Joao Manoel de Bar-
ros Wanderley a seu bem, o por nao saber-se sua
residencia, por islo annuncia-se ; pedindo-se uo
mesmo senhor que apenas este virou souber, ou
algum prenle do senhor, a bondade de declarar
sua moraoa para ser procurada.
Ernesto de Mello Albuqueniue S declara
ao respeilavel publico, que mandando tirar sua
cerlidao de idade, vio que se chamava Eineslino,
pelo que faz a presente detlaraco ; e aprovtia
a orcasiao para participar ao mesmo respeitavel
publico, que de hoje em diantc se assiguar Er-
nestiuo Cavalcauti de Albuqucrque, como vero
a cerlidao transcripta no Diario do Recife.
O Sr. Francisco Manoel dos Passos Coelho
venha pagar na otaria n. 13 da ra do Mmidego
os lijlos que levou de ordem da Sra. Joanna dos
a PRESSE, jornal francez que se pu-
blica era Paris, dos dias 8 e 9 de agosto
do crtente anno : na praca da Inde-
pendencia, viaria n. 6 e 8.
Compra-se um guindaste em segunda mao,
estando cm bom estado ; no caes do Ramos nu-
mero 6.
Compra-se uma escrava de racia idade, pa-
ga-s bem agradando em tudo ; na ra das Cru-
zo?, n. 22.
*j- Compram-se moedas de ouro bra-
sileiras e portuguezas: em casa de-
Arkwight & C, ra da Cruz n. 61.
Compra seum cabriole! quo seja coberto .
do bom uso, com o competente cavallo e mais ai-
reios ; quem o tiver, dirija-se a ra do Livra-
men'o. loja de calgado n. 33, achara coui quem
tralar.
Compra-se uma cadeirinha de braco para
sabir na ra, que esteja em bom estado ; na ra
larga do Rosario n. 34.
Vendas.
--largo da
Os proprietarios deste estabele-
cimento convidara ao respeilavel publico, principalmente aoe amigos do bom e barato, que se
acham em seu armazem de molhados de novamente sonido de gneros, os melhores que tem
, por serem escolhidos por ura dos socios na capital de Lisboa e por serem
viudos por coma dos proprietarios.
viudo a esle mercado
a maior parle delles






Pharmacia especial homeopathica.
Os medicamentoshomeopathicos que se vendem nesta pharmacia sao preparados
por meio de uma machina que o Dr. Sabino invenlou c fez construir cm Paris, o a
que deu o nome de AGITADOR YNAMICO.
Estes medicamentos sao os nicos que desenvolvem propriedades uniformes, e jj&
capazes de curaras molestias com a maior certeza possivcl.
Alem disso. desejando tirar de sua viagem a Europa todas as vantagens para o
progresso da homeopathia no Brasil, o Dr. Sabino nao poupou esforcos para obler a
substancias medicamentosas dos proprios lugares, onde ellas naturalmente nascem ; e
para isso cntendeu-se com um dos melhores herboristas d'Allemanlia, para Ihc man-
dar vir as plantas frescas alien de preparar elle mesmo as linduras. E' sssim que o
aconita foi mandado vir dos Alpes, a rnica das montanhas da Suissa, a belladona,
bryonia, chamomilla, pulsatila, rhus, hyosciamus, foram colhidos na Allcmanha, na
Franja e na Blgica, o veratrum no Moute Jora ele, etc. *i?
Desta sorle provida a pharmacia do Dr. Sabino das substancias que serviro para gKj
as experieucias puras de Hahnemann, descriptas as pathogenesias, acharo o medico fe^
e os amigos da homeopathia os meios seguros e verdadeiros de curarem as enfer- ^S
midades.
Os procos sao os seguirites :
Botica de 24 tubos grandes.................. 12$a16000
Dita de 36 .................. 18 a 22g000
Dita de 48 .................. 21 a 9000
Dita do 60 .................. 30 a 35J000
N. B. Existem carleiras ricas de velludo, para maior preco.
Cada vidro avulso de lindura.................... 2$000
Cada tubo avulso.................................. lH0O
Caixas com medicamentos em glbulos e linduras de diversas dynamisacoes [mais
usadas] :
De 24 ditos de dito e 48 tubos grandes............ 48J000
De 36 dilosde dito e 56 tubos grandes.......... 61*000
De 36 ditos de dito e 68 lobos grandes.......... 708000
De 48 ditos de dito e 88 lubds grandes............ 92$000
De 60 ditos de dito e 110 tubos grandes.......... 1158000
Estas caixas sao uieis aos mdicos, aos Srs. de engenho, fazendeiros, chefes de
familia, capitaes de navio eem geral a todos que se quizerem dedicar a pralica da ho-
meopathia.
s.
da mesma senhora.
Offerece-se uma ama para cozinhar e lavar
para rasa de homem solteiro ; na ra do Alecrim
n. 49.
Quem liver uma escrava que seja desem-
barazada, para o servido domestico de uma casa,
dirija-se a ra das Aguas-Verdes n. 5. .
Na ra Direita n. 52, se offerece uma mu-
lher viuva para algum senhor solteiro que quei-
ri mandar fazer sua comida fra : dirija-se a
mesma casa, que achara com quem tratar.
Aluga-se o segundo andar da casa n. 19 na
ra das Triucheiras ; a tratar no carlorio da mes
roa casa, ou na ra nova de Sauta Rila, casa u. 5.
Olinda.
Ossenhores que eslo devendo na taberna que
fui de Joao Simes rmenla, sita no Vara.louro
de Olinda, tonham a bondade de virem pagar na
mesma, ou no Recife, ra do Codorniz o. 10, isto
at o dia 15 de novembro. Oulro sim tambem se
faz sciente a alguns dos irm.os da veneravel or-
^& dem terceira que esto devendo suas eulradas e
profissao, e mesmo joias e esmolas promeilidas
gvj* para a fesla de S. Roque, e se assim o nao llze-
)|2 rem lero de ver os seos nomes por uxlenso (sem
reserva) neste Diario.
em latas de 1 libra
Para principiante.
Vende-se a loja de funileirn da ra estrella do
Rosario o. 10, com poucos fundos, ou s a ar-
macao, e o motivo se dir ao comprador ; a Ira-
lar na mesma, ou no pateo do Terco n. 16.
Vendem86 capellas de flor, de la para
tmulos por ser a flor suspiro, pelo diminuto
preQo de 5# a 5S500 ; no armazem de louca da
ra larga do Rosario n. 28.
Na ra da Florentina n. 32, ha para ven-
der-se urna porcao de ferramenta tendente a
profissao de torneiro, bem como machinas de fa-
zer parafusos ; a tralar na mesma casa a qual-
quer hora do dia.
VUocoYate
de Europa a 900 rs. a libra em porcao a 850 rs.
M.arme\aa imperial
e de oulros mais fabricantes de Lisboa em latas Je 1 a 2 libras a 800
dos melhores autores!
do afamado Abreu,
rs., em porjao de ss far algum abaiimenlo.
Maa de tomate
bor 900 rs., em porreo veude-se a 850 rs.
L vende-se nicamente no armazem progresso a 640 rs. cada huma.
Conservas l'raneezas e inglexas
as mais novas que h > no mercado a 700 rs. o frasco.
la tas de bolacninna de soda
dades a 19600 a lata
\mei vas francezas
N.I9.
com diferentes quali
is mais novas que
eem alas de 1 1|2
Vendem-se tambem machinas elctricas portaleis para tratamento das molestias
nervozas. Estas machinas sio is mais modernas e as mais usadas actualmente era
toda a Europa, lano pela commodidade de poderem ser trazidas na algibeira, como
porque Irabalham com preparares que nao sao nocivas.
t Cada uma......................................... 50j000
i<*'}
. .^?./>.V.!/y>l5
mm
0 ENTRE-ACTO,
Jornal Litterario Illustrado.
cha-se publicando no Rio de Janeiro um jornal, sb a directo de jovens importantes
no mundo das lettras, que se oecupa especialmente de criticas e revistas mensaes acerca do
movimento thealral do Brasil e Europa.
Junio cada numero vera serapre um figurino, uma caricatura, uma msica ou um re-
trato, representando personagens importantes dos ihealros, e das operas, dramas, comedias etc.,
que sbem scena no Rio de Janeiro, ludo indito, e do melhor gosio possivel.
Os figurinos, mandados vir de Paria, s poJero ser deslribuidos no principio de Janeiro
prximo vindouro.
Publicase tres mes por mez, em formato in folio, cora oito paginas cada numero, aos
presos seguinles:
Um trimestre. ..... 65000
Um semestre......IOvOOO
Um anno. ....... 20000
Assigna-se na livraria da pra^a da Independencia ns. 6 e 8.
5-3
"Licoes de pianof
I e canto, |
Mademoselle de la Charie, discipula
;:; premeada do conservatorio de msica de g
^ Paris, conliuua a ensinar e tocar piano e ?t
f cantar, conforme o gosto moderno e pode *?
f:{ ser procurado em casa da ra residencia ^
@ ra Nova n. 23, regundo andar, por cima $g
iij da loja de chapeos de sol esquina da ra $|
@ da Can boa do Carmo. @
S@@S@t^ @-#@@@
A iriLandade das almas da matriz da Boa-
Vista convida a todos os seus irmSos para com-
parecerera no consistorio da mesma matriz no
dia 1. de novembro prximo futuro, as 9 horas
da manha, para elegerem a nova mesa que tem
de reger a mesma irmandade no anno de 1961.
Precisa-so de uma senhora de idade para
fazer companhia e tratar de uma senhora que se
acha doenie : no paleo do Carmo n. 1,fabrica de
charutos,
Precisa-se de uma ama para cozinhar em
uma casa de pequea familia ; na ra do Cabu-
g, loja n. 11.
Aluga-se uma casa terrea nova e pintada
de novo, com bons commodos para familia, e
em boa roa no bairro da Boa-Vista ; a tral3r na
rna do Queimado n. 43, loja do Lavra.
Aluga-se um molequede 15 auno?; na ra
Direita n 120.
Precisa-se alugar um preto carregador, de
conducta afianzada ; na ra do Imperador n. 55,
segundo andar.
Perdeu-se na sexta-feira a noite um lenco
de labyrinlho cheio, guarnecido com Meo da
Ierra, e cora as letras M. A. S., desde o pateo do
Carmo al a ra de Hortas ; quem achou. que-
rendo restituir, levo ra das Cruzes n. 30, pri-
meiro andar, que ser bem recompensado.
Hoje depois da audiencia do Dr. julz de or-
phao, vai praca de venda o preto Antonio Ben-
guella, no valor de 1:100.
em vindo a este mercado em compoteiras, conlendo 3 libras por 35000 rs.
libra por 19500 reis
Verdadeiros gos de comadre
era caixa cora 161ib|ras por 3"0C0 rs. a relalho a 240 teis a libra.
Civinlias eom 8 libras de passas
a 39000 rs. em poicao se far algum abaiimenlo, vende-se tambem a relalho a libra a 500 r
Manteiga ingleza
perfeitamenle flor a mais nova que ha no mercado a 19000 rs. a libra, em barril se far al-
gum abalimento.
o melhor que ha nes
a 200 rs. cem 20
Cha perola
e genero a 23?500 rs. a libra dito hyson a 2#000 rs.
Palitos de dentes lidiados
nacinbos.
o melhor peixe que
oulras militas qualit
a 560 rs. a libra em
o mais novo qua ha
peixe sarel em posta
exzisle
era Portugal
em latas grandes por 15-300 rs. cada uma e de
ades que se vendem pelo mesmo preco
Manteiga franceza
barril se far abalimento.
T o uciw.lio de Lisboa
no mercado a 320 reis a libra.
Macas para sopa
era caxinhas de S libras eom deferentes qualidades por 4$000 rs.
Tambera vendem-se os seguinles gneros, tu Jo recen temente chegado e de superiores qua-
lidades, presuntos a 480 rs. a libra, chourica muila nova, raarmelada do mais afamado fabricante
de Lisboa, maca de lmalo, perasecca, passas, fructas em calda, araendoas, nozes, frascos com
araendoas cuberas, con faites, pastilhas de varias qualidades,
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de San Flix, macas de lodas as qualidades,
gorama muito fina, ervillus francezas, champagne das mais acreditadas marcas, cervejas de ditas,
spermacele barato, licores francezas muito finos, marrasquino de sara, azeile doce purificado, azei-
tonas muito novas, banha de porco refinada e outros mu i tos gneros que encontraro tendentes a
molhados, por isso p-omettera os proprietarios venderem por muilo menos do que outro qualfuer,
prometiera mais tamborn servirein aquellas pessoas que mandarem por oulras pouco pra'^as orno
se viessem pessoalmente; rogam tambera a lodos ossenhores de engenho e senbres lavradores
queiram mandar suas encommendas no armazem Progresso, que se Ibes affiaof* a boa qualidade e
o acondicionamento,
Ariiiiizeni de fazendas ba-
ratas, na ra do Quei-
mado.
Ricos corles de gazo de seda e phanlazia :om
duas saias, [pela lerca parle do seu valor) a IOJs
cada corte.
Lenges e coberlas.
Lencoes de bramante, dito de panno de lioho,
coberlas a chineza pelo baralo preco de lgSOO.
Vestidos do seda.
Ricos vestidos de seda para meninos e meni-
nas, lazenda superior, feitos no Rio do Janeiro
por urna das melhores modistas, o pelo baralu
preco de 8tf.
Chitas francezas.
Chitas francezas proprias para casa por serem
escuras, e ditas claras a 220 rs. o covado.
Colchas de fustao.
Grandes colchas de usto com ricos lavores B
5500.
Chales de merino.
Chales de merino bordados, franja de sedo, a
5S500, ditos estampados a 3fl0O.
Paletots escuros.
Paletots escuros a 2600 cada um, carnbraia
organdys a 500 rs. a vara, ditas muito !inaj a
640 rs., baldes de mnlha a 5J, ditos laiiados a 4y,
lencos brancos a ig800 e 2g, algodo com 8 pal-
mos de largo a 600 rs. a vara.
Ricos manteletes.
Os mais modernos manteletes pelo preco de-,
30JSO0O.
Vendem-se conservas de horlalice [Uixed
Piekles) em caixas de duas duzias de frascos, e
caixas com latas de bolachinha sorlidas chegadas
ltimamente, e der preco commodo: em casa do
Soulhall Mellors & C, ra do Torres n. 38.
Lo'yd esperanca.
Vende-se borracha de seda preta para borze-
guins a 2200 o covado, graixa em barris muilo
boa a 60 rs., est acabndose, flautas de bano
de Cautrot a 18 e zOS, braceletes de mozaico a
6#, la para bordar a 64o a libra, trancas do li-
nho brancas para as roupas da fesla a*800. I},
18200 o 1^600 a peca, sete padroes differeiites,
colheres finas, facas, trinchantes, ele. : na ra
do Queimado n. 33 A, Guimaraes & Rocha
Vende-se or 15$ a collecco da LegiaUfSo
Brasileira de 1855, bem encadernada : na loja da
ra do Cabng n. 18.
N'a ra Direita n. 85, sobrado, ha para ven-
der dous santuarios de bom tamanho, por preco
muito commodo, goslo muito moderno, como es-
tampas de todas as qualidadesi
Vende-se uma vacca de leile : na ra t'as
Cinco Ponas n. 114.
, S
Vende-se uma taberna com poucos fundos, pro-
pria para qualqner principame por ser situada
no melhor local que se pode desejar por Qcar ora
esquina, o a ameninidade do lugar convida aos
freguezes a fazerem pousada na casa, pois lem
grandes commodos para esse fim, como seja, um
grande sollo corrido, emfim basta dizer que o
lugar as Cinco Ponas junto as casas r-ihdas
para flear n'uma posiQo do abranger ioda3 as
vistas : porlanlo quem quizer ganhr dinheiro
dirigir-so ao mesmo lugar na Cinco Ponas ns.
proprio MllVndls0edumecWdT?scrvos. sendo um
mulaiinho do idade 13 anoos e uma negra com
28 annos ; no becco do Pombal confronte o sitio
do viseando de Suassuoa, casa piolada de encar-
nado.
No sitio do Aarraial de Marcelino Jos Lo-
pes, vendem se restos de maleriaes das obras que
se flzeram, sendo cal preta, lijlos grossos, la-
drilho c telhas.
Na olaria n. 13 da ra do Mondego, de Mar-
celino Jos Lopes, vende-se urna quantidade de
lijlos para cacimba de 6 palmos de bocea.


(*)
DIARIO DE PEfUHMllXO. TEftCA *HRA 30 bl OTDBRO DE 1860.
-1-
FABRICA
DE
immmmk i mmm si uva
Sita na ra Imperial n. 118 e HO junto a fabrica de sab&o.
Scbastio J. da Silva dirigida porFrancisco Belmiro da Costa.
Neste eslabelecimento ha sempre proraptos alambiques de cobre de diferentes dimen-
ees-da 300 a 3:0009) simples e dobrados, para disiilar agurdenle, aparelhos destilatorios
continuos para resillar e destilar espiritos cora graduago at iO graos (pela graduacao de Sellen
Lamer, dos melhores syslemas hoje approvados e conhecidos nesta o outras provincias do imperio
bambas de tojas as diraonces, aspirantes e de repucho, tanto de cobre como de bronze e ferro'
torneiras de bronze de todas as dimenqes e feilios par* alambiques, tanques etc., parafusos d
bron^ e ferro para rodas d agua, portas para fornalhas e crivos da ferro, tubos de cobre e
chumbo de tolas as dimencoes para encamelos camas de ferro com armaco e scm ella
fu.;o.53 da ferro potaveas e econmicos, lachas o tachos de cobre, fundos de alambique passa-
djiras, espumaderas, coocos para engenho, folha de flandes, chumbo era lencol e barra zinco
em lencol a barra, lences o arroellas de cobre, lengn de ferro e lato, ferro suecia inlez
da todas as dionncoes, safras, tornos e folies para ferreiros e., e ouiros muitos artigos por
rajaos prego do que era outra qualquer parte, desemponhanJo se toda e qualquer encommen-
da com prestasa e perfeico ja conheciJa e para corimodidade dos froguezos que se di^narem
Uonrarem-nos com a sua confianga. acho na ra Nova n. 37, loja de ferragens, pessoa habi-
litada para tomar nota das encomraendas.
Seus proprietarios offerecem aseus numerosos freguezes e ao pubbico emgeral, toda equalquer
obra manufaturada era seu reconhocido estabelicimento a saber: machinas de vapor de todos os ta-
manhos, rodas d'agua paraengenhos, todas de ferro ou para cubas de raadeira, moendas e meias
moendas, tachas de ferro batido e fundido de toJosos tamanhos, guindastes, guinchos e bombas,
rolas, ro.lnes aguilhojs o boceas para fornalha, machinas para amassar mandioca e para descarogar
algodao. prengas para mandioca e oleo de ncini, portoes gradara, columnas e raoinhos de vento,
arados, cultivadores, ponte*, cadeiras e tanques, boias, alvorengas, botes e todas as obras de roa-
chinismo. Etecuta-se qualquer obra seja qual for sua natureza pelos desenhos ou moldes que para
tal fin forera aprosontados. Recabem-se encommendas neste eslabelecimento na ra do Brum n.
28 A o na ra do Collegio hoje do Imperador n. 65 moradia docaxeiro do eslabelecimento Jos
Joaquim da Costa Peroira, com quera os pretendemos se podera entender para qualquer obra.
Palitos do gaz
a 2,000.
Ferreira & Martins nicos deposita-
rios ios palitos do gaz, fazcm p-iblico
que teudo recebido instruccoes do fa-
bricante estabelecerao de hojeem dian-
te o preeo de 2$ por groza. Acbando-
se o deposito supprido e esperando-se
remessas por todos os navios e desejan-
do o f.ibi'icante elevar o consumo a al-
tura que llie compete resolveu fazer es-
ta moJilieaQao e a maneira que o con-
sumo for augmentando, ira' declinan-
do o preco, portanto sao convidados os
compradores a virem a travessa da Ma-
dre de Dos armazen. ns. 9 e 1G.
>3 ":@2i*3 si S $$&@@5>
RftCebeu-M e continua a receber-se por
t todos os vapores artigos de modas pr.ra j)
homens, indurado calcado de Mclis na
Loja de innrmore.
Vende-se na escola central do methodo
caslttho, na roa das Floros, gmmmalica em ver-
so com ejemplos do annlise, lgica p. grammali-
cil a 50H rs.. Historia Romana pelolllm Sr. Dr
Dniaimnnd, compen lio para escolas a 500 rs.,
brinquedos da Puericia para leilura continua a
!g, fimo do Nanlua 1.a e 2.a parte, obras pos-
tumas a 1g.
g Gurgel & Perdgao.
, Recebera ni pela barca Bertha, chega- i
n da ullim menlo do Havre as segninles fa-
'. :endas d9 sen pedido, ra da tiaJeia do ';>
Recite n. 2:3:
m

i


i

m
Superiores cortos de rostidos branco de ,*
seda, ditos de blond com manta, ca- |>
polla, flores solas e saia de setim. "M
Superiores e modernos chapeos de palha .
enfilados para senhora. 9
Superiores cortes de vestidos de phantasia X
com 5 babadinhos c de duas gafas. 5
Superiores taimas de seda frota felo de *
crox" brincos e do cores, pelonezas etc. iif
Superior C8S8B de cor do apurado gosto, !s
organdya, obras de sndalo, pulceiras,' X
estrilos etc.
Pan marinos o verdadeiro panno azul es- f
curo que s vera a esta praca por en- **
commenda.
|* Chapeos de castor prelose brancos forma
x moderna. 0
% 3 v s s 3@@ -a ssai
Guimaraes Villlar
Ra do Crespo n. 17.
Vendem-se, para liquidar, cassas de cores e or-
gandizes a 360 res o covado.
Lencos de seda a 450 rs. cada um.
Lencos do soda a 1^000 cada um
Chitas francez3s escuras; bonitos padroes a
23) rs. o covado.
Goilinhas e manguitos, a 5#000, muilo boa fa-
zonla:
Cansas franeezas rnuito finas a 660 rs. & vara.
Vestidos de phantasia de 25 e 30a rs. por 15a
cala um.
Gollinhas e manguitos pretos a 5 rs. cada um.
Roupas de brim para criancas a 3500 rs.
Jaquntas e calcas para criaricas a 8S rs.
Vestu rios do seda para crianjas a 3# rs. para
ambos os sexos.
Ricas clnpelinas do seda e de palha de Italia
do melhor gosto possivel.
Cortes do seda preta, bordados e avelludados
de duas saias do melhor possivei.
Cortes de cirabraia branca bordada de duas
Baias a 263 e 35 rs. cada um.
Superiores manteletes com dous bicos largos
e oitris compridos, de ultima moda de Paris.
Saias bordadas as melhores que leem vindo,
de qualro pannos.
Roundes de chita 3 do cambraia bordados a
8 e 30M rs.
CMMsaa para senhora ricamente bordadas.
EspSfijAhos muilo superiores a(e 10 rs.
Vinagre branco,
superior.
Vende-se vinagre branco superior em barrisde
yunto, por pi-tuo commodo ; na ra da Cadeia
do Recite n. 12, escnplorio de Bailar Oli-
veira. *
Ainda ha algunas canas con rinho do Por-
to muilo superior a 16 a caix, e em garrafa a
1500. nao preciso gaba-lo porque *Ue mesmo
piz o que : vende-se na ra larga do Rosario
numero 23.
Queijos de qualha.
Vendem-se os melhore3 e mais novos queijos
do qualha que tem vindo aqui, grandes e peque-
os, de 12 a 40 libras, e a retalho, proprios para
mimos : na taberna grande da Soledade.
Vende-se um terreno com 105 palmos de
frente e 300 do fundo, ludo aterrado e com 50
palmos de caesj feitos. muilo proprio para nello
se estabelecer refinacoes, padarias ou fabrica de
qualquer natureza-, na ra do Brum, bairro do
Recite, junto a fabrica di fundicao de ferro, lugar
designado para taes cstabelecimenlos, cujo ter-
reno se vende por junto ou em lotes de 30 pal-
mos cada um : na ra de Apollo, arraazem nu-
mero 38.
Aos senhores armadores e
proprietarios de carros
fnebres.
Vende-se verbutina preta superior a 400 rs.
o covado : na ra do Crespo n. 25.
Attenco.
Miudezas por metade de
seu valor.
O arrematante da laja de miudezas da travessa
do Uvramunto n. 2. lendo de entregar a chave
da loja, vende sem limites todas as miudezas
existentes erKlre ellas um grande sortimenlo de
trancas e franjas de seda, fila de velludo e ver-
bntma. linhas de earrinhos de cores a 20 rs. o
carrinho, carices de edehetes a 40 rs., dedaes a
10 rs.. ditos de metal praleados a 40 rs., botes
de ac finos para caiga a 20 rs. a duzia. ditos de
louca bran.-os e pntalos a 20 rs. a duzia, bicos
do seda perfeilos a 200, 2 50 e 320 rs. avara
nhosphoros bons a 20 rs. a ciixinha, Irancinhas
de lmha lisas decores a-10 rs. a peca, ditas de
ciracol a 60 rs., estampas de cantos a 100 rs.
cada urna, meias para homem a 80 rs. o par di-
tas pintadas linas muilo encorpadas a 250 lin-
dissiraas trancas de seda a 80. 100, 120, 180 200
i.io l*^rar;/ranj* ,n,,il'"lerna de seda
a 120,160. 200, 240, 320, 400 e 500 rs. a vara e
todas as mais miudezas em propor^o ; chegum
com os cobres, que o freguez nao sahe sem fa-
zenda.
pechincha.
Na loja do Preguica, na roa do Queimado n 2
tem cobertores de algodao de cores bstanle
grandes, proprios para escravos, pelo baratsi-
mo prego de \%.
Veodemse
fazendas por meaos do seu
valor, na ra Direita
numero 68, loja de Braga
(Lima.
Corles de vestidos de phaulazia de seda a 20*.
unos ditos de chaly de sedi muilo fino a 18
Olios ditos de barege de seda e da ultima mo-
' 44oo'oaS d9 grosdenaPl0' obJecl da moJ. a
12 aSatj8 PanD mU' fin e d casemra9 de
Alpaca de seda, covado a 500 rs.
Organdys com ricos des.-nhos, vara a 500 rs-
Grosdenaple prelo muito bom de 1800 a 2a500
Cortes de colleto do fust.lo a 320.
.f0,1^! de olpaca Prela e de C0Pes- fina de 23
at 4J000.
Espartilhos francezes a 3S500.
Nesta mesma loja vendem-se chitas franeezas
ditas inglesas, madapoles. brins. algodes o cu-
tras multas fazendas por preco que admira.
CAL DE LISBOA,
nova e muito bem acondicionada : narua da Ca-
deia do Recifen. 38, primeiro andar.
Pateo de S. Pedro u. 6, arma-
zem de gneros seceos e
molhados.
Vende-se neste novo eslahelecimento saceos
com farelo de Lisboa, farinha de mandioca, rr.t-
lho, feijo mulatinho e preto, gomma de mandio-
ca, arroz de casca edito do Maranhao de su-
perior qualidade, doce da casca da goiaba, vinho
do Porto em garrafa do melhor que pode ha ver
no mercado, manteiga ingleza e francez, bsnha
de porco em latas, bolacliinhas de soda de todas
as qualidades, cerveja prela e branca da melhor
marca, queijos flamengos frescaes, conservas in-
glezas e os mais gneros que se vender por ma-
nos bree/) do que se vende em outra qualqusr
par,le,
Por metade do seu
valor.
Riia Ao Quemado n. 19.
a..,."J? l$nV Phan,'. muitos lindos, de
m c"t"' P *"a*< prco dalOfwd.
LOJA DO VAPOR-
Grande e variado sortimenlo de calcado fran-
oez, roupa feita, miudezas Unas e perfumaras,
hado por menos do que em oulras partes: na lo-
a do vapor na ra Nova o. 7. *
Taclias para engenho
Fundigo de ferro e bronze
Francisco Antonio Correia Cardozo,
tem um grande sortimento de
tachas de ferro fundido, assim
como se faz e concer ta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
Cheguem ao barato
O Preguica est queiraando, em sua loja na
ruado Queimado n. 2.
Pegas de bretanha de rolo com 10 varas a
23, casemira escura infestada propria para cal-
a, collete e palitots a 960 rs. o covado, cambraia
organdy de muito bom gosto a 480 rs. a vara,
dita liza transparente muito fina a 3$, 4?>, 59,
e 69 a pega, dita tapada, cora 10 varas a 59 e
69 a peca, chitas largas de molernose escomidos
padroes a 210, 260 e 280 rs. o covado, riqu-
simos chales de merino estampado a ?? e 89,
dilos bordados com duas palmas, faeenda muito
delicada a 99 cadi um, ditos com urna s pal-
ma, muito finos a 89500, ditos lizos com fran- '
jas de seda a 5*, longos de cassa com barra a1?
100, 120e 160 cida um, meias muilo finas pa-
ea senhora a i9 a duzia, ditas de boa qualidade
a 39 e 3*500 a duzia, chitas franeezas de ricos
desenhos, para coberta a 280 rs. o covado, chi- i
tas escuras inglezas a 5900 a poga, e a 160 rs.!
o covado, brim branco de puro linho al,!
19200 e 19600 a vara, dito preto muito eneor-1
padoa 19500 a vara, brilhantina azula 400, rs.'
ocovado, alpacas de lifferentes cores a 360 rs. o
covado, cesemiras pretas finas a 2*500, 39 e
39500ocovado, carabria preta e desalpicos a
500 rs. a vara, e ouirasmuitas fazendas que se
far patente ao comprador, e de todas se daro
amostras com penhor.
ranos
Saunders Brothers & C. tem para Tender em
eu armazem, na praca do Corpo Santo n 11
aLgunSia.F08ld0 u'llmo Rosto, recentimente"
chegadoe.dosj.em conhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Bjoadwood &Sons de Londres.
muito BroDrioiflara este clima.
<.R|NDI SORTIMENTO
iFazense obras feilas.j
KA
Gomma.
Vendem-se saceos com gomma muilo alva,
propria para engommare fazer bolinhos, assim
como saceos com milho porpreco-comraodo ; na
ra do Queimado, loja n l.
Para acabar.
Pocas de cambraia de flores a 3>200. muito
bonita, ditas do salpico muito una a 3$800 ; na
loja da ra do Passeio Publico n. 11.
Cambraia organ-
dys a 360 o covado.
Vendc-se na ra do Crespo, loja n. 8, de qna-
tro portas, cembraia franceza organdys a 360 o
covado, para acabar urna factura ; assim como
boas chitas franeezas a 240 e 300 rs., fazenda de
lindos oadroes e cores fixas : dao- se maoslra.
Apechincha, antes que se
acabe.
Na toja do Preguica, na rus do Queimado n.
2, tem saias baloes aberlas, do ultimo gosto, pe-
lo diminuto prcQo de 5$.
Ltoia e armazem
I DE
jM&Basloj
I Na raNLo Queimad) n.
46, frente amarella.
Sortimento completo do sobrecasaca de
panno preto, e de cor a 25, 28$, 30J e
3o>. casaca^ a 28$. 30$ e35$. palitots dos
mesmos pannos20. 22$ o 25g, dilos de
casemira de cOr a 163 e 18$, ditos sac-
eos das mosiaas caserairas modelo iriglez
casemira finia 10$, 12/11$ e 15$, dilos
saceos de alr atea preto a 4g, ditos sobre
fino dcalpacala 7$. 8$e0$, ditos de me-
rino setim ailhj, dilos de merino cordo
a IOS e 12$, dios de sarja preta trancada
saceos a 6J, ditos sobrecasacos da mes-
ma fazenda a 8$, ditos de fuslo de cor e
branco a 4$, IR500 e 5$, colleles de ca-
semira de c-fe preto a 5$ o 6$, ditos de
merino pretc Ipara lulo a 4$ e 5$, ditos 33
de velludo pr de gorguro de seda a 5$ e 6$, dilos de M
brim branco a| de cor a 250O e 3j, calcas S
de casomirs d cor e preto a 7g, 8$, 9$ ||
e 10$, ditas pira menino a 6$ e 7$, ditas JJjj
de merino del :ordao para nomcra a ij o i
6$, ditas de brim branco a 5$ e 6$, ditas 5
ditd de cor a1 3$, 3$500, 4 e 5$, e de |
todas estas oblas temos ura grande sor- S
limento para menino de todos os tama- B
nhos ; camisa inglezas a 36$ a duzia. Na
mesma loja h| paletots de panno preto if
para menino Mf, 15J o 16$. ditos do W
casemira para os mesmos pelo mesmo f|
preco, ditos do alpaca saceos a 3$ e S
3g500, ditos se brecas.icos a 5$ e 6g para ?g
os mesmos, ca gas de brim a 2$50!), 3$ o S
3$500, paletoti saceos de casemira de cor S
a 6$ o 7$, toa! as de linho a 800 e 1 ca- |f
da urna.
No mesrao fcslabelecimento manda-se 9
apromptar toe s as qualidades de obras J
tendentes a roupas feitas.em poucos dias, ||
que para essi flm temos numero suf- K
Gcienle de peritos ofQciaes de alfaialcs ^
rgidos por unji hbil meslre de seme- &
Ihante arle, (liando os donos do estabe- f
^* leciraento reipousaveis pelas mesmas X
i^ obras at a sia entrega. gf
Sebo e graixa.
Se' o coadoe gijaixa em bexigas: no armazem
jp Tasso Irmos, qo caes de Apollo,
a 3$ a sacca.
Arroz cora casca (ondo a maior parte pilado
proprio para galinhis e cavallos ; no Caes do Ra-
mos n. 6.
Yinho genuino.
Anda ha urna pequea quantidade de ancore-
tas deste vinho sem confeico, e proprio de doen-
tes : na ra do Vigario n.'l9, primeiro andar-
Capellas
para tmulos e catacumbas tanto de
aljfar e mortaile com inscripcCes : na
ra do Imperatriz n. 7, Ioja'do Le-
conte.
4SRa Direila ~ 45
ESCOLHIDO SORTIMENTO
DE
Vende-se na loja de
Nabuco & C. na ra Nova
n. % fitas para cartas
de hachareis a 5$ rs. a
fita.
Vende -se
EM CASA DE
Adamson Howie k C.
Vinho do Porto de superior qualidade em bar-
rise engarrafado.
Biscoutos.
Tiula do todas as couros.
Lona e flele.
Fio.
Sellins, selhoes, arreios o chicotes.
Hullias.
Ra do Trapiche n. 42.
americanos.
Exposido
E' chescado a esta loja
de metaes.
E chescado a esta loja do Vianna, um riquissi-
: mo sortimento do metaes de todos os gneros do
mais bonito queso pode encontrar, ludo a omita-
nao de prala ; na rud Nova n. 20, loja do Vianna.
Caf a\apor.
Riquissimo sortimento de machinas de fazer ca-
a vapor, approrallos na ultima exposigao de
na ra Nora n. 20 loja do Vianna.
GUINDE SORTIMENTO
DE
Fazendas e roupa feila
NA LOJA E ARMAZEM
Joaquim Rodrigues Tavares de Mella
RA DO QUEIMADO N. 39
EM SLA LO/A DE Q1ATR0 POR1AS.
Tem ura corapletosorlimento de roupa feita,
convida a lodo3 os seus freguezes e a todos
que desejarem ter ura uniforme feito cora todo o
gosto dirijam-e a este estabelicimento que em-
contrarao um babel artista chegado ltimamen-
te de Lisboa para desompenhar as obras a von-
lade dos freguezes, j tem um complet sorti-
menlo de palitots de fina casemira raodello ira-
g'ez, e muito bem acabados a 16&300, dilos
de merino setim a 129000, ditos de alpaca
pretos a 59000, ditos de alpaca sobre casacas
a 85000, dina com ge lia de veludo a 98000,
ditos de fustao, ditos de ganga, ditos de brim,
ludo a 590 0, ditos de brim de linho tranca-
do a 6*000, caiga de brim de linho muito su-
perior a 5*000, ditas de casemira de cor a
99000 ea 109000, ditas de casemira pre-
ta superior fazenda a 12*000, palitots fran-
cezes de panno fino fazenda muito fina a 259
sobre casacas de panno muito superiores a 359
o a 40*000, um completo sortimenlo de cami-
sas fracezas, tanto de linho como Je algodao
e fuslo vende-se muito em conta, afim do que-
rer-se liqiudar cora as camisas.
PI IX pontfice e re
PELO SEXHOR
D. Antonio de Macedo Costa,
Bispo eleito do Para.
Eloquente demonstrarlo do poder
temporal do Papa.
Vende-seno bairro de Santo Antonio
as livrarias dos Srs. Guimaraes & Oli-
veira e Nogueira de Souza & C. ; e no
bairro do llecie na livraria do Sr. Jos
de Mello : preco 2$.
Vende-se urna rica mobila deja-
caranda' com pedras brancas a moda
de Luiz XV: a tratar na ra Direita n.
68, primeiro andar*
t- Vende-se urna duzia de cadeiras, 1 mesa
redonda de columna e 2 consolos, tu do de ama-
relio, e 2 camas de arraeco, de condur, tudo
invernisado de novo e em muilo bom estado na
ra do Arago n. 8.
VENDEM-SE
millio novo a 4* a scc* : na ra da Madre de
Dos ji. 10.
Vende-se urna moler crioula de 11 a 12
mos, aera viges nem achaques : na ra do Pi-
lar n. 54.
Paris
Bombas de Japy.
Riquissimo sortimento de bombas de japy" de
lodosostamanhos, as melhores quose temappro-
vadoera todo o minio, pela facilidada que d a
tirar-so agua ; na ru Nova n. 20, loja do Vian-
na.
Camai de ferro.
RiquUssirao sorlioJento do camas de ferro com
onas, e para colx.io i>or preco commodo ; na ra
Nova d. 20, loja do Vianna.
Na fabrica d 5 cdldeireiro da ra Imperial
junto a fabrica de sabao, e na ra Nova, loja de
ferragens n. 37, ba utaa grande porcao defolhas
de zinco, j preparadb para telhados, e pelo di-
minuto nreco de fl40rs. a libra-
Vende-se |
Relogios patentes. M
Estopas. -1 .
Lonas.
Camisas inlezks.
Peitosparacarajieas,
Biscoutos
Emcasade Arfcwight & C, ruada
Cruz n. 61.
Boica.
Bartholomeu Francisco de Souza, ra larga do
Rosario n. 36, i inde-se os segointes medica-
mentos :
RoUl'Affecteur.
Pilulas contra sbzoes
Ditas vegetaea.
Salsaparrilha Biistol.
Dita Sands.
Vermfugo inglz.
Xarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febres).
Uoguenlo Holioway.
Pilulas do dito
Ellixir anli-astr)athic.
Vidrosde bocea
e 12 libras.
Assim como lom um grande sortimenlo de ca-
pel para forro du salado qual vende a mdico
prego.
larga com rolhas, de 2 oncas
Venden
casa de N. O.
n. 4.
-se libras sterlinas, em
Beber&C. : ra daCru*
Todas as casas de familia, senhores de enge-
nho, fazendeiros, etc., devem eslar prevenidos
com estes remedios. Sao tres medicamentos com
os quacs se cura eficazmente as principaes mo-
lestias
Pro rapto alivio de Radway.
Instantneamente alivia as mais acerbas dores
e cura os peiores casos de rheumatismo. dor de
cabera, nevralgia, diarrha, cmaras, clicas, bi-
lis, indigcsto, crup, dores nos ossos, contuses,
queimadura, erupc;es cutneas, angina, reteD-
Qao de ourina. etc.. ele
Solutivo reaovador.
Cura .todas as eufermidades escrophulosas.chro-
nicas esyp hliticas; resolve os depsitos de mos
humores, purifica o sanxue, renova o systema;
promplo e radicalmente cura, escrophulas,ven-
reo, tumores glandulares, ictericia, dores de os-
sos, tumores brancos, afer;5es do Qgado e rins,
erysipelas, abeessoso ulceras de todas as cianea,
molestias d'olhos, difficuldade das regras das
i mulheres hioocondria, venreo, etc
Pilulas reguladoras de Rad-
way
i pararegularisar o 3ystema, equilibrar a circula-
|?aodo sangue, inteiramente vegetaes favoraveis
em lodosos casos nunca occasiona nauzeas nni
dores do venlre, dses de 1 a 3 regularisam, de 4
a 8 purgara. Estas pilulas sao efficazes as alTec-
toes do gado, hilis, dor de cabeca, ictericia, in-
digestao, e em todas a3 enferraiiades das mu-
lheres, a saber : irregularidades, fluxo, reten-
epes, flores brancas, obstrueces, histerismo, etc.,
sao do mais promplo effeito na escarlatina, febre
biliosa, febre amarella. e em todas as febres ma-
ignas.
Estes tres importantes medicamentos vem a-
companhados de inslruccoes impressas que mos-
tram com a maior minuciosidade a maneira de
applica los em qualquer enermidade. Estao ga-
rantidos do falsificarao por s haver venda no
armazem de fazeuda's de Raymundo Carlos Leite
Irmao, na ruada Imperatriz n. 10, nico
agentes em Pemambuco-
Rival sem segundo.
Na ra do Quairaado n. 55, defronle do sobra-
dono vo. loja de miudezas de Jos de Azevedo
Maia e Silva, ha para vender os seguinies artigos
abauo declarados :
Caixas de agulhas franeezas a 120 rs.
Sapalos de tranca de algodao a 1
Carlas de allaeles finos a 100 rs
13H0e,hS d C0lumnas madeira branca, a
Phosphoros com caixa de folha a 120 rs.
frascos de macass perula a 200 rs.
Duzia de facas o garfos muito Onosa 33500.
Clcheles em cartao de boa qualidade a 40 rs.
tauas de clcheles batidos a 60 rs.
Caixas de obreias muito novas a 40 rs.
Frasco de oleo de babosa a 500 rs.
Dito dilo para fazer cabello corre'dio a 800 rs.
Sapalos de laa para criancas e 200 rs.
Paros de meias para meninas a 240.
Pareado luvas de fio de Escocia a 320,
Masaos de grampas muito boas a 40 rs.
Agulheiros de marfim a 160 rs.
Caivetes de aparar penas a 100 rs.
Grvalas de seda muilo fines a 600 rs.
Tesouras para costura muilo finas a 500 rs.
Ditas para unhas a 500 rs.
Pegas de franja de laa com 10 varas a 1S.
Pecas de (ranga de laa com 13 varas a 500 rs.
l'etiiho para enfeitar vestido (pega) 1$.
Linhas Pedro V, cartocom 200 jardas, a 60 rs.
Ditas dito com 100 jardas a 20 rs.
Escovas para dentes muito finas a 200 rs.
Pares de meias de cores para homem muilo fi-
nas a 140.
Cordo imcerial (pegas) 40 rs.
Grammaticaingle-
za de OIlendoriT.
Aproximando-se o lempo festivo, e sendo in-
dispensavel que as lindas e amaveis filhas da
opulenta e poelica Hauricea se previnam do ene
necessano para o resguardo dos seus mimosos
o pequentnos ps; atiendendo tambera a que
urna crinolina empavesada nao pode estar de
acord com urna botina acalcanhada ou desco-
sida, assim como um envalheiro de caiga baloo
com um borzeguim estragado, far urna tristo
figura vis-a-vis de urna bella ; considerages lao
acertadas actuaram no espirito do proprietario do
eslabelecimento, j lao conhecido pela modici-
de dos precos do seu calgado, para reduzi-los
anda mais, munindo-se de um abundante sor-
timento e sera defeito, que aprsenla aos seus
benignos freguezes [moeda em punho) pelos
pregos abaixo: .
Senhoras
Borzeguins 32 a 59. 4,^800
D,tod,ts.......4$500
Ditos ditos......4J0O
Meninas
Boizeguins29> 31. 3800
Dlos 25 a 28......5JGOo
Ditos 18 a 24......5|200
Homem
Borzeguins. ...
Ditos......
Ditos prova de fogo e d'apua.
Ditos. ........
Meios borzeguins de lustre. .
Sapatoes com elstico e lustre.
Ditos arranca pelle, bezerro. .
Ditos de bezerro. ....
Meninos
SjpatG-s........m0Q
DJV v.......5sooo
lia tambera nai variado sortimento de todasaa
'.fll8^8 xn-mo*- sendo o annunciados
somenle de pnmeira classe
ELOGIOS.
C VnTatt"HsepeiDcas' ^ Saunders Brothers ,
^.praga do Corpo Santo, relogios do afam
e thaDle R?,ske11' Pr PS" coicm. d
derpnMncn,l!n8 e cadeias "" mesn-
aeerceellDte gosto
I seguro contra Fogo
CONPAHHIA
i
9$500
8^800
8^-500
6p00
6$000
5$000
5^-600
5^000

i
I
d
LONDRES
AGENTES
J. Astley & Companhia.
Mmdwt
i Formas de ferro para ff
purgar assucar.
s Enchadas de ferro.
3
I
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: |em casa de S. P. Jo-
hnston & C. ra
Vende-se ol arrerlda se o sitio denominado
do Reduto. muito perto da praga, em chios pro-
prios. em Santo Amaro junto a ponte de Madu-
ro, do lado de Belem, com boa casa de vivenda
muito fresca, boa vista, e encllente agua para*
asto, grande baxa de capim para 4 cavallos e
urna planta com iO.000 cavas de mandioca, gran-
de porgo de arroros de fructo de todas asqua-
lidadas. boa horia, etc. : na na de Apollo, ar-
Novo methodopara aprender a lr,
a escrever e a fallaringlez em 6 mezes,
obrainteiramente nova, para uso de
todos os estabelecimentos de instruccao,
pblicos e particulares. Vende-se na
praca de Pedro II (antigo largo do Col-
legio) n. 57, segundo andar.
KLMM
eobertos e descobertos, pequeos e grandes de
ouro patente inglez, para homem e senhora
deum dos melhores fabricantes de Liverpool'
!7cn oSuthall Mellor & C.
Loja das seis portas em
frente do Livramenfo.
Covado a 200 rs.
Chilas largas de benitos gostos aitOrs.o eo-
vado. ditas estrellas a imilagao de liaziohasa
1W) rs., cassas de salpicos brancas e de cores a
W re. o aovado, pegas de esguiao de algodao
m ?nfan 3S.pe?8' dil\s de brelan"a d! rolo
cora 101 va a nscadinho de linho a 160
o covado, chales de merm estampados a 2a'
lengos brancos com barra de cor a 120 rs ditoii
^.Tm^00"" a,fodao BMrt" " guras o melhor que possivel a 640 rs. a vara
mussulina encarnada a 240 o cov.do, fil de li-
StrTdSe*1"80- A ^^t.ali
Ferro sueco.
Espingardas.
Ac de Trieste
I Pregos de cobre de com- 0
posico.
Barrilha e cabos.
* Brim de vela.
Couro de lustre.
I Palhinha para marcinei-
ro : no armazem de C.
J. Astley A C.
- Na ra da Cadeia n. 24, vendem-se os se-
guintes fazendas, per melode de seu valor para
liquidado. *a,a
Bicos de seda brancos e prelos, de todas as
arguras. vara a 160. 240, 400, 800 e 1SC0O
Um completo sortimenlo de franjas de seda e
de algodao. c
Chales de touquim a 10, 15, 20 e 35
Boloes de seda, velludo, de louca c de fuslo
de qnahdades finas, duzia a 200, 400 o 600 rs
Collarinhos bordados de 500 rs. 2g 3 e 4"
Entrnelosi finos, pecas con. 12 varas a lg!
FoHios bordados liras a 5(0, 1$, 2, 3S500
Camisetas com manguitos a 3. 4, 5 e 6 "
Enfeites de flores a 6J.
Chapeos de seda para senhora a lOg
Casaveques de velludo a 40 e 60g
Ditos de seda a 25.*.
Ditos de fustao a 8"e 12
FilJscd da e de todos as qualidades de 160
rs. a 1^500.
Ditos de velludo de 240 rs. a lg.
Ra da Cadeia do Recite
numero II,
loja de miudezas, continua a vender-sc pelo ba-
rato preco, entre todas os fazendas, os seguintes
objectos: .....
defZ8a',lIoP".aCnlradadep0rta Cm PeqUeD0
2500nJaS Pra corlinados e loalhas, peca a
Duziasde talheres a 2g900.
Ditas de dilos finos, cabo de baleia, a 5500.
Baralhos de cartas de aprecisrao a 2.
25(M)llnlS de vid^ilho 8s'os oodernos, a
Carlas de elfinetes a 100 rs.
Masaos de grampas a 40 rs.
Molduras douradas de todos as larguras a g
Franjas de sed;., laa, algodao e linho, gostos
modernos.
Enfeites para cabera, de froco, medernos
Mantas para grvala a Bellramini g
Charutos de economa, caixa com 100, a 2*500.
E muitos outros objectos que s Tisla os com-
pradores.
Vende-se um sobrado de um andar e solo
na ra do Fugo n. 35, chaos proprios ; a tratar
na ra do Livramenlo n. 30.
Vende-se urna grande porcao de lijlos ser-
vidos por barato preco : a tratar na ra do Pa-
dre rlonano n. 34.
f = Vendem-se saceos rom farello de Lisboa,
tannna de mandioca e milbo, por preco muito
em conla : no pateo de S. Pedio n. 6.
a~~~ casa de N- Bieber 4 Successorcs, ra
Jda Cruz n. 4, vende-se :
Champaflha marca Farre d C urna das mais
acreditadas marcas, muiconhecidas no Rio de Ja-
neiro.
Vinho xerez em barris, cognac em barris e
caixas.
Vinagre branco e tinto em barris.
Brilhanles de varias dimenses.
Eiher sulfrico.
Gomma lacre clara.
Lonas, brinzaos e brins.
Ac ae Milao
Ferro 4a Suecia.
Algodao da Baha.
i "
i


DJABIO DE PE11UM1UCQ. T?A FE1R4 30 AS OTUBBO DE 1860.
(?)
I
y*
V
. (
IMHKNCW
DA
FVKDIC10 L0W-10W,
Ra da Seizalla Nova n. 42.
Neste eslabelecimenlo contina baver um
completo sorlimento de moendas e Reas meen-
das para engenho, machinas de vapor e taixas
de jerro balido e coado, de todos os lamanbos
para dito,
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
No bem conhecido e acreditado deposito da
ra da Cadeia do Recife. n. 12, ha para vender a
verdadeira potassa da Russia nova e de superior
qualidade, assim como tambem cal virgem em
pedra, tcdo por precos mais baratos do que ero
outta qualquer parle.
Viiilio de Bordeaux.
Em casa de Kalkmann lrmaos&C, ra da
Cruz n. lO.encontra-se o deposito das bem co-
nheoidas marca dos Srs. Brandenburg Frres
e dos Srs. Oldekop Mareilhac A C*., cm Bor-
deaux Tem as seguinles qualidades :
De Brandenburg frres.
St. Estph.
St. Julieu.
Margaux.
Larose.
Cha .eau Loville.
Clui.eau Margaux.
De Oldekop & Mareilhac.
St. Julien
Ct. Julieu Mdoc.
Shateau Loville.
Na mesraa
vender:
Sherry em barris.
Madeira em barris.
Cognac em barris qualidade Una
Cognac em caixasqualidade inferior.
Cerveja branca.
As melhores machinas de coser dos mais
llamados autores de New-York, I.
M. Singer & C e Wheeler AWilson.
Neste estabeleci-
mento vendem-se as
machinas destes dous
autores, mostrom-se a
qualquer hora do da ou
da noiie, eresponsabili-
samo-nos por sua boa
qualidade eseguranca:
no armazem de fazendas
do Raymundo Carlos
Leite & Irmos ra da
Imperatriz n. 10, amigamente aterro da Boa-
Vista. .
Pechincha.
. Ra do Crespo n. 8, loja de
quaro portas.
Cliitas francezas malisadas muilo finas com pe-
queo toque de avaria a 200 e 220 rs. o covado,
mussulina azul perfeilamente limpa, a 200 rs. o
corado.
I
Pechincha sem
igual.
Tecas de madapolo fino, com um pequeo lo-
que de avaria, por pre:os muilo boratos : na loj
do sobrado amarello os Quatro Cantos da ra
Queimado n. 29 ou 31, de Jos Mana Lopes.
casa ha para
\
SYSTEHA MEDICO DKHOLLOWAY.
ULULAS HOLLWOTA-
Este ineslimavel especifico, compoato inteira-
mento de hervas medicinaes, nao conim mercu-
rio ero alguma oulra substancia delecleria. Be-
nigno mais tenra infancia, a a eompleieao mais
delicada igualmente promplo e seguro para
desarreigar o mal na eompleieao mais robusta ;
enteiramente innocente em suas operaces e ef-
feitos ; pois busca e remove as doemjas de qual-
quer especib e grao por mais antigs e leazos
que sejam.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam as norias da
morle, preservando em seu uso : conseguirn)
recobrar a saude e lonjas, depois dehaver tenta-
do inullirnenie todos osoulros remedios.
As mais alicias nao devero entregar-se a des-
espera^o ; facam um competente ensaio dos
eflicazes effeitos desta assorobrosa medicina, e
pre.Mes recuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca lempo em tomar este remedio
para qualquer das seguinles enfermidades:
Rap
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
A m polas.
A reas (mal de).
Aslhma.
Clicas.
Convulses.
Debilidadeou extenua-
do.
Debilidade ou falta de
forjas para qualquer
cousa.
Desinieria.
Dor de garganta.
de barriga..
nos ros.
Dureza no venlre.
Enfermidades no venlre.
Ditas no ligado.
Ditas venreas.
Enchaqueca
Herysipela,
Fehre biliosa.
Febreto da especie.
Golia.
Hemorrhoidas.
Hydropesia/
Ictericia.
Indigesles.
Inflammacoes.
Irregularidades
menslruacao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Abslrucc.ao de venlre.
Phlysira ou consump-
pulmonar.
Retencao de ourina.
Rbeumalismo.
Symplomjis secundarios
Tumores.
Tico doloroio,
Ulceras.
Venereo(mal).
Febreto intermitente,
Vende-se estas ululas no eslabelecimenlo ge-
ral de Londres n. 224, Slrand, e na loja de
todos os boticarios droguista e oulras pessoas en-
carregadas de sua venda em toda a America do
.sdI, Havana e Hspanha.
Vendem-se as bocelinhas a 80C rs. cada
urna dellas, contem urna instruegao em portu-
guez para explicar o modo de se usar deslas pi-
1 ii las-
O deposito geral em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22, em Per-
nambuco.
Pechincha sem igual.
De queijos flamengos recentemenle chegados
pelo ullimo vapor da Europa a 2$; e em caixa
sefaralguui abalioieoto : vende-se nicamente
no armazem progresso de Durte & Irmo, no i
largo da Penha n. 8.
Vende-se, de urna casa estrangeira, urna
mulatinha de idade de 12 a 13 annos, tom prin-
cipio de costura e sabe fazer renda ; para ver. !
na ra da Imperatriz n. 47, primeiro andar, as'
9 horas da manha.
Vendem-se 2 carros, cada um com arreios
para 2 cavallos, e ambos para 6 pessoas; um
mais pequeo e mais usado, outro maior. de vi-
draess ecom muito pouco oso : na ra das Flo-
res "n. 6.
nacional D.
Pedro II da imperial fabri-
ca de Jo Candido de Mi-
randa, Rio de Janeiro.
Este rap sem duvida o de melhor qualidade
fabricado neste imperio, acaba de chegar e ven-
de-se no deposito, ra do Vigario n. 23, escrip-
torio.
Barato para acabar.
Na loja da Ra do Passeio Pu-
blico n. 11.
Chita francoza fina a 220 rs. o covado, cortes
de cassa a 25)200. dito de cambrain a 2^800, cha-
peos de feltro a 2J800 e 43000, cortes de caseral-
ra a SgOOO, chales de 15a escurse 15)800, ditos
de merino bordados a 5#50i>, meias cruas a l8u0
a duzia, brins muidos a 160, ditos grossos a 260,
pegas de cambraia lisa fina coro 12 jardas a 65) a
pega, ditas muito fina a 95), camisas francezas de
cores e brancas a l$60O, casemira preta fina a
11)750 o covado, panno prcto fino a 3J, sargelim
de duas larguras para forro a 200 rs. o covado,
ganga amarella a 260 rs. o covado, brim bronco
delinho puro a lglOO a vara, cambraia de cores
muilo fina a 600 rs. a vara, lencos brancos finos a
2j)800a duzia, ditos pequeos a 2600, chita pa-
ra coberias a210rs. o covado, dila a 160, panno
da costa a 340 rs. o covado, pecas de cambraia
branca de quadro muito finas a 49 com 10 varas
cada peca, ditas rendadas com 13 a 14 varas, lar-
gura de 4 palmos e meio a 4J500.
Borba.
O fabricante deste rap nao fallando a sua pro-
mesa de o melhorar o quanlo Ihe 03sc possivel
urna romeca vinda do Para por este ultimo va-
por, j 6 muilo mais apereicoado, ea sahida que
elle de prompto lem lido prova sua cxcellente
qualidade ; deixando ao gosio dos senhores to-
mantes a escolhu de fino, meiogrosso o grosso ;
deposito na ra da Cadeia n. 17.
Cerveja branca su-
perior.
Vende-se cerveja branca superior, em barris de
terco, por preco mdico : na ra da Cadeia do
Recife n. 12, escriptorio de Rallar & Oliveira.
JOIAS.
REMEDIO INCOMPARAVEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Milhares de individuos de todas as nagoes
ttslernunhar as virtudes deste remedio
ineoihpamefjeprovarern cuso neessario, que,
pelo uso qu Me fizeram tem seu corpo e
membros iuterament* saos depois de haver ro-
pregado inutilmante tros tratamenlos. Cada
pessoa poder-se-h3 convencer dessas curas ma-
ravillosas pela leitura dos peridicos, que Ih'as
relatam todos os dias ha muitos annos ; e a
maior parlo dolas sao lao sor prndenles que
admirara os I mdicos mais celebres. Quantas
pessoas recobuaram com este soberano remedio
o uso de seusj bracos e pernas, depois de ter
permanecido longo lempo nos bospitaes, onde
deviam soffrer a amputado Dellas ha mu-
cas que liaver.do deixado esses, asylos de pade-
limenios, pan se nao submeterem a essa ope-
ragao ilolorcsa foram euradas completamente,
mediante o iso desse precioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfuso de seu reco-
nheciroenlo declararam estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, afim de mais iutenlicarem sua afirma-
tiva.
Ninguem desesperara do estado de saude se
tvesse bastante confiajica para encinar este re-
medio constablemente Seguindo algum lempo o
tralamenlo qiie necesslisse a natureza do mal,
cujo resultado^ seria privar inconteslavelraente.
Que ludo ura.
til, mais particu-
seguintes casos.
culi
Seraphim & Irmo, com lojas de ourives na
rua do Cabug na. 9 e 11, sorlidas das mais
bellas e delicadas obras de ouro, p'ata. epedras '
preciosas ; vendem barato, trocam erecebem pa-
ra fazer-se quaesquer joias com presteza, n ron-1
tade dos prelendenles, e se responsabilisam pelas
qualidades.
Campos < Lima
receberam urna factura de chapeos de sol de se-
da para hornern, leudo entre esles alguns peque-
nos que servem para as senhoras que vao para o
campo tomar banhos se cobrirem do sol, e como
a porcao seja grande se resolverao vender pelo
prego de 69 e 6S500, e alguns com pequeo de-
feilo a 5j) : na ra do Crespo n. 16.
Vende-se barato, a prazo ou a dinheiro, um
bom plano com pouco uso : na ra Nova n. 7.
Ra da Senzala Nova n.42
Vende-se em casa de S. P. Jonbston & C.
vaquetas de lustre para carros, sellins e silhoes |
inglezes, candeeiros e casligaes bronzeados, lonas
inglezes, fio de vtla, chicote para carros, e mon-
tara, 8rreios para carro de um e dous cvalos
e relogios de ouro paienlc inglez.
0 ungento he
lamiente nos
Alporcas
Caimbras
Callos.
Anceres.
Cortadurts.
Dores de cabe,a.
das costas.
dos meabros.
Emfermidades da
em geral.
Ditas do anus.
Erupces esporbuticas.
Fstulas no abdomen.
Fialdade ou falla de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva esca
Inchagcs.
1 tilla maguo d
Inflainmagao da bexiga.
da matriz
Lepra.
Males das perna.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de replis.
Picadura de mosquitos
Pulmoes.
Queiroadelas.
Sarna
Supuragocs ptridas
Terrenos pertoda
pra?a.
Caminho dos mnibus.
Com toque de avaria,
Pegas de roadapolio de 2J a 4*M)0. vendem-se
na ra do Crespo, leja de qualro portas o. 8.
Vende-so por todo o prego a armago da
loja da ra da Praia n. 27, propria para qualquer
negocio que se queira botar e paga apenas 155)
de aluguel por me/: a tratar na praga da Inde-
penda ds. 19 e 21.
Cera de carnauba
Os herdelros do commendador Antonio da Sil-
va vendem sua propriedade, no lugar da Casa
Forte, em sortea de ierra a vootade dos compra-
dores com a nica reslricgao de nao terom menos
de 30 palmos de frente, e fnndo designado pela
respectiva planta approvada pelas autoridades
competentes, o engenheiro Antonio Feliciano
Rodrigues Selle o encarregaoo das medicoes .."lT,?ff[a',nt'U8lia8de especial :
precisas, e pode ser procurado no mesmo sitio,
ou na ra estreita do Rosario n. 30, terceiro an-
dar, ou na praga da Roa-Vista, botica de Joaquim
Ignacio Ribeiro Jnior : os prelendenles podem
dirigir-se igualmente para qualquer proposta ou
esclarecimento ao herdeiro L. A. Dubourcq, no
seu sitio na Capunga.
Assembla n. 19,
es & C.
armazem de
no largo da
Antunes Guima-
Resumo de potica.
Indispensavel para os prximos exames de rhe-
lorica ; esl a venda nn livroria classica, na pra-
ga de Pedro II n. 2, a 500 rs. cada exemplar.
Vende-se na loja de Antonio Augusto dos San-
ios Porto na loja ns. 37 e 39 na praga da Inde-
pendencia, capillas de aljfar e morale para ca-
tacumbas, tmulos etc., etc., da forma seguinte
e precos razoaveis :
Capellas dealjofe com ESCiipgoes, grandes a 10$
Ditas ditas por 88
Ditas ditas por
Ditas ditas por
Ditas de imorlaile por
Quadros com a imagem do Senhor Cruxifi-
cado com inscripces por baixo a 12c e a 10])
5S
33
2
Potassa nacional,
chegada estes dias do Rio do Janeiro, vende-sc
por preco muilo commodo : no escriptorio de
Carvalho, Xogucira & C, ra do Vigario n. 9,
primeiro andar.
Tachas e moend
CftS
Relogios
Suissos.
Jcrao por precos razoaveis.
dadass.
0 figado.
Vende-se este unguejnto no estabelecimento
geral de Londres n. 24 1, Slrand, e na loj
de lodos os boticarios droguistas e oulras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana e Hespanha.
Cada bocelinha conim
luguez para explicar o
Em casa de Schafleitln & C, ra da Cruz n.
38, vende-se um grande e variado sorlimento
de relogios de algibeira horisontaes, patentes,
chronometros, meioschronomelros de ouro. pra-
ta domada e oleados a ouro, sendo esles rolo-
Tinta, em qualquer | &n"dd? primeir8 fabrif antes da Suissa. 1ue '
parte que seja.
Tremor de ervos
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulages.
Veas torcidas ou no-
das as pernas.
em casa do Sr. Soum,
da Cruz n. 22. em
Borzeguins de bezerro com duraque.
' s@e@@@@ .
@ Recebeu-se recentemenle e continua a fe Ditos d ln< rom nelliej
2 receber-se directamente de Paris e Loo- S I "!, 'los coul Pe"iC*-
t dres por lodosos vapores, de encommen @ ; ",los .de dllos com psni'O-
^ da especial, arligos de modas para se-
f nhoras na
Joaquim Bernardo dos liis estabelecido com loja de calgado francez na ru larga do
Rosario n. 32, tendo em vi-la acabar com esle eslabellecimenlo o mais breve possivel, resolveu-
se a vender todo o calcado que tem pelos precos abaixo mencionados, a saber:
1 Loja de marino re.
3@@@@ @@@ 0 @@
C3"
Giirgti k Perdigo
Vendem na sua loja n. 23 da ra da Cadeia do
Recife, as seguinles fazendas :
Saias balo de nova invenco e muito commodo
para senhoras e criangs a 4#, 5]) e 8511.
Visitas de fil prelo e manteletes da mesraa fa-
zenda por 25$.
Chapeos de palha finos enfetados do flores e
pennas para as senhoras por 35$.
Enfeilese turbantes os mais modernos e perfcl-
los a 8jf e 10.
Cortes de vestidos degrinadime de seda com 9 e
lOb'badinhos a 21$ c 3o.
Capinhas do seda de croxe branca e de cor bor-
dadas de ricas franjas a 35 o 40$.
Grosdenaples de quadrinhos carmesim c oulras
cotes, covado 2$.
Sedas de quadrinho de rr, o covado 1&100.
Ricas fitas em varas para sinto de senhoras.
Luvas de Jouvin de todas as cores a 2$.
Completo sorlimento de roupa feita, calca, pa-
letols, sobrecasaca, collele. seroulas, camisas de
linhoealgodo.
Com toque de
avaria.
Pegas de madapolo a 1;&600, 2$, 25500, 38 e
3JJ500, vende-se na loja da esquina da ra do
Crespo que volta para a ra do Imperador.
Pechinchas.
Pecas da madapolo fino averiado a 3$ c 2j500
na ra do Queimado n. 44.
Borzeguins de Aleles.
Ditos de vaqueta sola patente.
Ditos de ran urca.
Ditos de Mants sola patente.
Ditos de dito sola fina,
Ditos Piadelle.
Dilos todo de duraque,
Ditos de ditos dito.
Dilos de Manes.
Ditos lodo de pellica.
Ditos de cordavao.
Ditos de lustre de Meli.
Bolas de bezerro.
6000
7000
7000
7&500
7000
9O00
85000
8*000
75500
7000
95000
108000
115000
125000
88000
Sapaloes de lustre de Mants. 65000
Dilos Fanien. 455U0
Ditos de ditos. 35560
Dilos de bezerro. 35500
Ditos de ditos com panno. 35000
Ditos de dito para menino. 25500
Sapatos de tranga francez. 18280
Dilos de tapete. 15000
Ditos de maroquim para Snra. 1500
Ditos de bezerros duas selas. 45500
Ditos dito de urna sola com slto 38500
Dilos dilo de urna sola sem dito 28800
Ditos de lustre coro duas solas 5000
Ditoi dito cem urna sola e sallo 45000
Ditac dito com urna sola sem dito 35200
Vende-se a 800 rs.
urna instruegao em po
modo de fazer uso deste ungento.
O deposito geral
pharmaceulicd, na ra
Pernambuco.i
elo^ios.
Vende-se (m casa de Johnston Pater & C,
ra do Vig rio n. 3, um bello sorlimento de
relogios de ou -o, patente inglez, de um dos mais
rfamados fal ricames de Liverpool ; tambem
urna variedate de bonitos tranceln; para os
mesmos.
Realmente; muito
barato!!!
Aode e isto ?
Na ra da Cadeia do Reci-
Vende-se
arreios para carros e cabriolis, chegados ltima-
mente : na ra Nova n. 59.
Vendem-se
licores extra-finos e
caixa de urna duzia :
de todas as qualidades, em
na ra da Imperatriz n. 6.
Ra do Crespo n. 4, loja
de quatro portas.
Peras de madapolo fino avariada ae 15*200 at
4?>0OO.
| Cimento inglez.
gn Vende-se o muito conhecido e acredi-
| tado cimento para colar loura, vidros,
5fc tartaruga, marfim ele. : na loja" de fazen-
fg das da ra do Gabug n. 2, a 28 cada un
oj vidru dinheiro a vista.
BragaSilva & C.tem semprc no seu deposit
da ra daMoedan.3A,umgrande or ti ment
detachase moendas para engenho, do muito
'acreditadofabricanle Edwin Mav a tratar no
! mesmo de osito ou narua doTrapiche u 4.
Loja da seis portas em
frente do Livramenlo.
Roupa feita barata.
Paliiotsde casimira escuras a 45000, ditas de
alpaca preta 45000 e 55u00, camisas brancas
ede cores a 28000, ditas de fuslao a 25500
serolas muitas finas a 15600 e 2800, paliloi3
de brim pardo a 38000 caigas de casemira pre-
ta e de cores, palilols de panno prelo sobre casa-
cas, colleles do casemira preta ede cores, ditos
de veludo preto e de cores ; um completo sorlt-
raenlode roupas feitas
Vende-se a dinheiro on a prazo
uma serrana com todos os seus perten-
cei e com porco de madeira serrada c
por serrar : a tratar na typograpliia da
rua da Praia n. 47.
Vende-se na rua do Livrameutc
u. 19, borzeguins francezes a G$, Jilo
de bezerro a G$, dito de vaqueta a 7$,
Machinas de vapor. ($
Rodas d'agua. c$
\@ Moendas de canoa. %
! Taixas. Q
i @ Rodas dentadas. @
Bronzrs e aguilhoes. ejft
$5 Alambiques de ferro. )
Crivos, padroes etc., ele. a
Na fundieao de ferro de D W. Bowman, @
' rua do Brum passando o chafariz. "'^
loja das seis portas
frente do Livramenio
ua do Cresoo
fe,loji de
Irmo
t
amos
O annunciante roga as pessoas que lhe devein
ter de salisfazer a queni deve.
o favor de virem saldar seus dbitos, visto
Vende-se a 12$ rs. o
gado na rua da Cadeia
Guimares & Reg.
par desto magnifico cal-
do Recife loja n. 41 de
Pechincha
sem igual
Papel proprio para for-
rar salas com lindo desenlio,
por todo preco : na loja de
Alvaro & Magalhes na rua da
Cadeia do Recife n. 53.
A 2#500 a sacca.
Farinha de mandioca com toque de mofo em
saceos grandes, no largo da Assembla n. 19,
armazem de Anluneg Guimares & C.
Vende-se ou permula-se por casas aqui na
cidado um grande sitio prto da cidade, com
grandes baixas de capim, pasto pura vaccas de
leite, lem seu coqueiral, algumas fructeiras, ter-
reno para verduras, com uom pgo d'agua de
beber e tanque para banho ; quein pretender,
dirija-se a rua de Praia, marcineirian.59.
Loja de fazendas finas.
Rua do Cabuga n. %
Vendem-se :
Cortes de vestidos de phanlasia.
Cortes de vestidos de seda de cdr.
Ditos de ditos de seda preta bordado a velludo o
a seda.
Ditos de ditos de tarlatana brancos.
Ditos de dilos de cambraia bordado.
Ricos manteletes e taimas de grade a imitarao
de croebil, peuteadores de cambraia branca
bordado
Ricos vestuarios de cambraia enfeilados para
baptisado.
Chapeos parasenhora e crianzas.
Completo sorlimento de obras francezas de pan-
no, casemira, luins, merino, tanto para homens
como para meninos.
Lencos de labyrintho do Cear o francezes.
Assim como oulras muitas fazendas de gosto
moderno que se deixa de mencionar as quaes se
mostraro aos compradores.
A 4,000 rs.
senhora
de seda prelos borda-
ditos brancos de seda
Ricos cortes de vestidos
dos a velludo te 80 a 120j|
bordados para lasamenlo i 150g, ditos de gazes
de seda de corts a 30jf, dili s de barege de 2 saias
e 3 babados a 10, 15, 20 i 25, dilos de fuslo
com cazaveque bordados n uilo ricos a 30 e 40JJ,
vestuarios de s >da de qualros a 10, ditos de
fustao para ine.iina e meni 10 a 3#, 5 e 8;>, dilos
de cambraia de cores para meninos a 5) dilos de
igueiredo
n. 55.
Covado a 200 rs.
Chilas largas do bonitos gostos a 200 rs. o co-
vado, ditas estrellas de cores escuras a 160 rs
pecas du bretanha de rolo com 10 varas a 2?j
ditas de esguij de algodao muito fino a 3g, ris-
cadinho de linho a 160 o covado, lencos brancos
com barra de cor a 120 rs ditos brancos com bi-
jco a 200 rs., algodao monslro com duas larguras
toja n. 25 de Joaquim Ferrara de Sa, vende- a 610 o vara, laazinhas de duas larguras, fazenda
se por presos baratsimos para acabar : ves- i nova P-,la vestidos a 500 rs. o covado, onfeiles de
tidos de tarlatana bordados de seda a 8JKJ00, lr,"Lcom a?Jde.r,,a Para cabpa. ** senhoras
mj; j t- '.f, a 2>500, corles de riscado para vestidos a 2S re-
organdi de cores muito finas a 320 rs. o co- I .... i..._______/ <. .
vado .cassas de cores a 240 rs., chita larga a

lerpara admirar.
a
[200, e 240 rs., capas de fustao enfeitadas a
530C0, casaveques de cambraia e fil a 5*000, |
perneadores de cambraia bordados a 6J?000,
I babados a 3v0 rs. a vara, liras bordadas mui-
to finas a 1??5('0 a pec,a, riscado francez fino
a 16;> rs. o covado, golnhas de ponas bor-
dadas a 250O, manguitos de cambraia e fil
a 2$000, camisinhas bordadas muilo finas a
2000, chita larga com lustro e muilo fina
propria para coberia e roupes a 320 rs., es-
guio de linho a 1200 a vara, roupes de
seda feilos a 129000, vestidos de seda mofados
cas de madapolo com 4 1(2 palmos de largura a
4*400, chales de merino estampados muito linos
a 6*. A loja est aberta aleas 9 horas da noite.
Eseravos fur o
50,000 de gratifi-
cacao.
cambraia burdddos a agulhi pa.a baptisado a 18, I ^ A ^"t 8"e",la,)aS 10 rS" P"
cazaveque e basquina de cambraia e luslao para %esU(Jos de grosdenaple pretos com barra de
cor a 20^000, palitos de pao preto e de cores
e bajsquine de
a 10, 15 e 20}, di os de fustao muilo ri-
cos a 25g. eazareque de cambraia bordados para
bordadas para meninas e
Farinha de mandioca em saceos grandes : ven-
de-se uo Forledo Mallos, armazem n. 18, con- manguitos com|
fronte ao trapiche do algodao.
NA LOJA DE
Guimares & Villar.
Cassas malisadas a 260 rs. o corado.
Lencos de seda 1* cada um.
Bournus de seda otomana de cores proprios
para passeio, a sabida de baile, ultimo gosto: na
loja de inarmore.
<2>
Na rua da Cadeia velha n. 27, ha, vindo de en-
commenda, os mais bellos sellins inglezes paten-
tes de cor amarella, muito grandes e proprios
para pessoas gordas, ditos de lamanho coromum
tambem da mesma cor, assim como silhoes tam-
bem patente com duas montaras c um galho de
sobreceUenlc, porm fazenda que aiuda nao
tem vindo igual, tanto em qualidade como em
modello, e presos commodos em vista da quali-
dade.
Loja de calcado.
Vende-se uma loja de calcado,-muilo propria
para qualquer principiante, c por ter poucos fun-
dos, e mesmo para qualquer outro negocio por
serem bom local: na praca da Independencia n.
39, se dtrqual
@@8S@@@ @@@@@@
J^ Preparacoea inglezas que asseguram
& morle infallivel a ratos e moscas e toda a @
@ casta de insectos : na rus da Cadeia do @
Recife n. 1.
mmiiniif qw9 @@
Conlina a'andar fgido desde o da 15 do cor-
renle mez, o escravo crioulo de nome Feliciano,
cujo escravo fol comprado aos herdeiros da se-
nhora do engenho S. Paulo, na freguezia dos Afo-
sados, c pertence hoje aos herdeiros do finado
Fernando Subila, e descon(ia-se que ande por
de 16#000 a 205000, sobrecasacas de panno aquellos lugares donde natural e lem prenles,
y^TL"-?: talm8S e m,2 e,4neS Pr.el.08de : muito fino a 25fi00, calcas de casemira preta *J lfm os b|8b segninlea : altura regular,
denaple para njenma a 8 e 10*. visitas de fil ,0 onra. *,,.,' .,*- ..f sem barba, tem grande falta de cabellos no alto
prelo bordados a 20, visitisde grosdenaple pre- | ae core5 ae 9" a ^OOO, ditas de brim da cob,cai proveniente de carregar peso, alguns
to a 25 e 30?, manteletas < e seda preta e de co- i branco e de cores de 2#000 a 55000, palitos era*os os ps que o impossibililam de andar
res a 16 e 18j tauilo bonit >s, visitas de cambraia j de brim branco e de cores de 25500 a 5J}000, apressado, e gosla muilo de batuques : roga-so
do linho brdalas a 30, lopoes de cassa e cam-! .]ilos A .\n.- a. qniinn a *nnn Krim as autoridades policiaes, capilaes o campo, pe-
braia lisa a 8, ;0 e 12J, (alc.nhas de cambraia I ,'_, ."p,fa .- 3>X a 8*0"0' brm des.res 011 qualquer pessoa do novo, que U)nppre-
senhoras a 2, 3 o 5. lranca" de algodao com 9 palmos de largura hendam e levcm ao betequim da ra larga do
proprio para loalhas a 900 rs. a vara, damas- Rosario n. 25. ou travessa do Uueimado n. 3,
co de laa com 9 palmos de largura a 1*600 o 1ue se gratificar com a quanlia cima,
preta a 400 rs., brim de
5$, sinlos de seda bordados para
cambraia de
10, camisas da
ra casamento d
guiao de linho
do finas a 4 c 5J, onfeilefe
2 3 e 5, ditos de vidrilho
c 2$500, chapos de seda
camisinhas
e senhora
para 10, 15
par
iinl
gollas bordadas a
senhora a 8 e
^"if'l01"^" ovado, velbulina
linho de cores a 15500 o orle, meias cruas
para homem a 1200 a duzia, camisas da
linho inglezas a 325000 a duzia, pegas de
a 8, 9 e IOS." ditos depal.ada"ltaa""amarel'o"s!ma[10f,a0 fin0 *4*0' cor,es de ,>nzinh
e brancos a 20 t 25.. ditosj de seda para baptisa- i mullu una com 15 covados a 8000 rs., ca-
do de crianca a 6, 8 o lOgj lencos de cambaia e misas de cores e brancas de 15500 a 3000,
delinhoa2S5fJ|0. ditosde|eiroa 1500, ccstu-|e oulras muilas fazendas por menos do sen
valor para fechar con las.
30 e 40, dilas de es-
c 20, ditas de algo-
de flores e frocos de
prelo e de cores a 2g
cores para senhora
reir de Jacaranda para
corles de colleties de vell
vijgcra, compiclo sorlin)
. charutos de Hj\ ana a 3,
muitas fazendas que para
I muito extenso, i e que se
i modo.
enhora a 8, 10 o 18,
0 a 4$, malas para
enlo de perfumaras,
lobras de ouro e outras
mencionar torna-se
vende por prego com-
Calcado barato para
acabar.
Quem Irouxer dinheiro nao
deixa de comprar.
VVua da Impetntriz n, 16
Botins de bezerro Paris para homem a 5J.
Brozeguins de lustre Naotes a 5.
Dilos de dilo IVrisa 5.
Ditos de castor Paris a 5.
Dilos de bezerro Na n les 2 1|2 solas a 7$.
Sapaloes de vaqueta de lustre laxiados a 5.
Dilos de lustro taxiados a 5.
Ditos de lustre de Nanles a 5.
Ditos de ito e gaspiados prelos e de cores a
3500.
Ditos de bezerro Nantes para homem a 3500.
Sapatos de lustre sola e vira a 3jj.
Ditos do bezerro a 3500.
Borzeguins sem sallo para senhora a 1$500.
Sapatos de lustre para dila a lg.
Dilos de selim a 1500.
Borzeguins com sallo para meninas a 2.
Ditos para enancas a 1500.
Na mesraa loja recebe-se constantemente de
Franca todas as qualidades de calcados dos me-
lhores fabricantes, para homens, senhoras, me-
ninas e enancas, e que se vendem mais barato
do aue em oulra qualquer parte.
Loja las
em frente do
Lalzinhas a
Camisinhas m lito boniti s
para vestidos de senhora
tes de riscado fnnrea paita
balao parr menina a 3500
4jJ500e 5 ; d-so amoslri
est aberla at ns 9 horas
6 portas
Livramento
500 rs.
com duas larguras
500 rs. o covado, cor-
vestido a 2, sa ditas para senhora a
com penhor A loja
da noite.
Na Lingoeta n. 5, vende-e :
Queijos novos a 3.
Manleiga ingleza flor a 1280 a libra.
Vinhu engarrafado duque a 1500.
Presuntos novos a 500 rs. a libra.
Cha hysson fino a 2400.
@@: @@@
li) Hcccbcu-se e continua a receber-se por ii
todos os vapores, vestimentas, calcado e (-:{
4$ chapeos para meninos na (g
g Loja de marmore.
Rua do Rangel
niinerb 28.
Delicadas resfriadeiras para a praca o senhores
de engenho, obras que podem estar patentes em
qualquer sala ornada, do melhor gosto pela sua
delicadeza, comolseiam : Jjs bonitas bilhas ham-
burguezas, tanto m porcao como a relalho, e as
enellenles jarrasi finas i entre-finas, proprias
paraos lugares mencionados, da todos os lma-
nnos que o freguez queira a depsitos para com-
modidade, jarras o potes, udo marcas reforjadas,
e outros muitos objectos.
Veude-se una muidla moga, que engom-
ma, cose e cozinhja : na ua do Queimado n. 46,
loja.
MUTILADO
Me ios de sola.
Vende-se 170 meios de sola : na rua
Nova n. 44, loja.
Vende-e urna divida justificada
por sentenca da quantia de 400# pouco
mais ou menos, o devedor Antonio
Jos de Azevedo com loja de miudezas
na rua da Imperatriz, consta qje o
mesmo comprou outra loja na rua do
Livramento, de um seu collega em esta-
belecimento, costume e carcter cuja
divida da pnmeira fallencia que fez
o mesmo Azevedo, faz-se todo negocio
a tratar na rua da Cruz n. 48.
Vende-se milho de primeira sorte
a 4$ a sacca : na rua da Praia armazem
n. 11.
- Aclia-se fgido desde o dia26 de agosto
prximo passado, o mulato Francisco, de idado
de 3S a 40 annos, com os signaes seguinles : alto,
corpo regular, mulato, de cor paluda, cabelles
prelos e crespos, com pouca barba e com uma
sicatriz sobre o nariz junto as sobrancelhas
bem visivel, levou seroula e camisa e co-tuma
a usar camisa por rima da caifa : roga-se as au-
toridades tanto da praca como do malo sua ap-
prehenso e entrega-lo na rua da Imperatriz loja
n. 6, aonde ser gratificado.
Contina fgido desde 29 de julho deste au-
no o escravo pardo acaboclado de nomo Joao,
com os signaes seguinles : corpo e estatura re-
gulares, cor plida por ter soTrido de seses, de
idade 25 a 30 annos. falla descancada, mansa e
semrre contrafeitn, mostrando fingimento, na-
tural de Inhamum, foi propriedade de um velho
por nome Joao Secundo do mesmo serlao, o por
morle deste vendido pelos herdeiros, sendo um
dos ltimos possuidores IgnvMo Ferreira Timu-
do. senhor oe engenho do Su), que lamben) o
vendeu ; julga-se ter seguido para o Inhamum
ou outro qualquer serlao : roga-se aos capilaes
de campo ou qualquer pessoa que delle souber,
o npprehendam e levem Apipucos a seu actual
senhor, o major Joao Francisco do Reg Maia,
ou no Recife a Sympbrouio Olympio de Queiroga,
que se recompensar generosamente.
Boa ecompensa
Jos Malheus Ferreira recompensa bem a quem
lhe trouxero seu escravo Leandro, o qual lem os
signaes segulntes : idade 20 annos, pouco mais
ou menos, baixo, rosto e cabera redonda, sardas
no rosto, pouca barba e ruiva, quando aada ar-
queta um pouco os bracos, falla bem e sabe 1er.
natural do Ico, onde lem familia : na rua da
Cadeia do Recife n. 35, loja.
OOSOOO.
Contina a esler fgida a escrara Paula, que
diz chamar-se Paulina, tem os signaes seguinles :
c fula, alta e muilo magra, representa ter 25 an-
nos de idade ; desconfla-se estar oceulta em al-
guma casa nos arrabaldes desta cidade ; veio do
serlao do Cear, d'onde natural : quem a pe-
gar, receber a qoanlia cima, na rua da Cadeia
n. 35, loja.


(8;
DIARIO DE PERNAMBUCO. TERCA FEIRA
Variedades.
FALTAVA MAIS ESTA !
Garibaldi lera sangue allemo as veas.
No registro dos casamentos da parochia de
Ruggeberg, no condado da Mancha, acha-se oas-
sento da casamento do doutor Jos Baptisla Ma-
ra Garibaldi com Calharina Ameliade NenhoQ,
em 10 de agosto do 1736.
Quando, 'aquella poca, o oosso corapalrio-
la Thoodoro de NcnhoiT subi ao throno da Cor-
sega, manou o doutorGaribaldi, homem da sua
confianga, junto de sua mae, que habilava o cas-
tello de Poddenoh, perto de Ruggeberg.
Foi ali que o av do celebre general se ca-
sou com a filha do seu soberano, que levou pa-
ra Ajaccio no rnesmo anno.
Quaudo os Genovezes reconquistaran! a Cor-
sega em 1841, Theodoro ugio para a Inglaterra
e o doutor Garibaldi estabeleceu-se em Niza co-
ico medico, e chegou urna edade muito ayan-
cada.
HERANCA CELEBRE.
Os homens de certa edade (alvez se recor-
dem da clebre heranca Bonnet, cuja cifra enor-
me exctou ha quinze annos a cobica e as pre-
tenges de todos os Bonnets de Franca o de Na-
varra.
Em 1800 partiu de Franche-Coml para as In-
dias, onde ia tentar fortuna, um tal Bon-
net, de 0 annos de edade, que em pouco lempo
foz consideravel fortuna em Madagascar. Em-
prezas sempre felizes e circumstancias favoraveis
decuplaram os seus capitaes, quando a morle o
sorprendeu, sem que elle tivesse feilo as suas
disposicoes testamentarias e sem deixir indicio
algum para se descubrir a sua familia. A com-
panhia das Indias Gcou depositara da immensa
fortuna do defundo, a qual, afora os juros legaes,
augir.enlou com os lucros d'uma operago im-
portante, que Bonnet, poucos dias antes da sua
norte, tnha negociado com a companhia.
Foi dcbaixo d'estes auspicios que se apresen-
tou a berenga annunciada por todos os jornaes.
Fcilmente se concebe que deriam ser numero-
sos os perteudenles. Muitosarruinaram-se, pro-
curando haver a fabulosa heranca e outros per-
deram o juizo, procurando debalde um grao de
afflnidade eutro elles e o seu opulento homo-
II) 1110.
herdeiro de tantos milhoes appareceu ioal-
menle.
E'um tal Mr. Bress...., rico proprietario de
Tolusa, que herdou o direito de sua mulher, que
o insliluio seu universal herdoiro.
Os seus ttulos foram afloal reconhecdos e
adn'.ittidos pelos tribunaes inglezes e pela com-
panhia das Indias, o dentro de um mez recebe-
ra a posse da immensa fortuna de que ha dez
annos reivindica a plena e inteira propriedade.
Urna circumstancia fortuita nos permittio sa-
ber houtem lodos os pormenores do proprio her-
deiro.
Descendo na gare de Perrache, por algumas
horas smente, Mr. Bress.... que vera do Londres
e regressa Tolosa, foi janlar um restauran-
te prximo e o acaso o levou sala onde esta-
vam reunidos muilos hospedes do hotel.
l'm homem, que conta milhes por centeuas,
nao se aprsenla, nao come, nao se exprime co-
mo um vulgar mortal.
be logo da espantosa fortuna do novo hospede.
Interrogado sobre o uso que se prope fazer
das suas immensas riquezas, Mr. Bress... desen-
volveu urna serie de projestos que fazem a maior
honra ao seu patriotismo e ao seu coracao.
As suas larguezas nao se eslenderao smenle
a ierra que ovio nascer, porque Mr. Bress...
quiz deixar Lyon, sera deixar aosseus arafgos
d'uro momento, um milhao... de esperanzas, cu-
ja deslriouico lera lugar quando a companhia das
Indias liver inlogralmeute embolsado o feliz o
liberal herdeiro.
ciados sclentificos, e de um capito de marinha,
perito que tomar o comm ando, no cago de que
a navegago aerh se mude em navegago ma-
rtima.
A QUEM DEUS PROMETTE NAO FALTA.
Em 1820 chegou aos Estados-Unidos, sem ler
nada de seu, Mr. A.T. Slewart deBroadway, que
para ganhar a sua vida dar lices.
Hoje possue riquezas incalculaveis, calculan-
do se a sua fortuna em 20 milh6es.de dollars.
As suas rendas raontam 800:00 dollars
(720:000#000 ris).
Mr.Slewart lem 64 annos.
GENERAL COROADO.
O general garibaldino Sistori. que durante a
ausencia de Garibaldi foi Horneado pro-dictador
d6 Palermo, um sacerdote apostata, antigo
amigo do Mazzini.
QUE DE RETRATOS.
Urna casa do Londres encommendou Mr,
Hase, photographo de Berln, 30:000 retratos de
membrosda familia real da Prussia.
Esta encommenda deve ser immediatamenle
salisfeita.
LONGEVIDADE.
Falleceu em fins do mez passado, na freguezia
da Cunha, suburbios de Braga, o lavrador Jos
Antonio Villana, com 106 annos de edade.
Conservou sempre o uso de suas faculdades
inlellectuaes e dos seus sentidos, e percorria at
pouco antes de morrer, os seus campos, sem
carecer apoio.
VeriDcou-so nesle macrobio o lenectus es1
morbus, pois nao consta que eslivesse doente, e
so constou que fra urna vez sangrado por ter
cabido de urna arvnre.
A longevidade parece ser condico especial
d'aquella freguezia, onde existem duas mulheres
seculares.
Urna conta 112 annos e anda anda sem arrimo,
a outra que tem 103 annos, est entrevada.
NATURALIDADE DOS SANTOS PORTUGUEZES.
Nasceu S.Damaso na Ilustre villa de Guimares
c por sua doutrina e notoria santidado fui eleito
Summo Pontifico. Fez muitas obras em verso.
Santa Quitea, rirgem martyr, foi natural da
provincia de Entre- Douro e Miao e nasceu de
paes nobres e poderosos.
S. Frei Gil foi natural de Vouzella, no bispado
de Visen. Estove em Paris e ahi recebeu o grao
de doutor na faculdade de theologa.
S. Vctor nasceu as vsinhangas de Braga.
Tem 3,696 pedrs preciosa, brilhantes, saphy-
rag, rubia, esmeraldas, carbnculos, opalaa,
etc.
lato tudo sem fallar nos anueis, bculos, ci-
borios, clices, custodias, lampadas de prala
e de ouro masssisso, e cujo lavor, obra dos ar-
tistas mais eminentes, to precioso como o
metal.
O Thetouro de S. Janwmo compe-se de 46
bustos de prala e de 3 estatuas do mesmo me-
tal, do lamanho natural, representando a Vir-
gen, o anjo Miguel e oanjo Raphael.
O cofre digno do thesouro.
Em 1525, quando a pesto devastou aples, o
povo prometteu ao santo edincar-lhe urna capel-
la do cusi de 10,000 ducados, se elle zesso ces-
sar o flagello.
A pesie cessou no mesmo anno, porm os Na-
politanos levaram 83 annos 6 cumprir a pro-
messa.
Foi em 1608 que pozetam a primeira podra da
ea pella.
Comtudo, o santo nao perdeu na demora : pa-
garam-lhe os juros com usura.
Tinham-lhe promettido 10,000 ducados e s a
portada egreja custou 32,000.
E' debronze esculpido e pesa perto de 32,000
libras.
A obra durou 45 annos.
A capella est coberta de pinturas de Domioi-
qumo, de Massino e de Carracciolo.
Por muito rico que seja o Thesouro de S. Ja-
nuarxo, anda que nao contivesse o ouro, prata,
brilhantes e pedradas, a egreja, com o tmulo
(crypta) onde se conserva o corpo do sanio, a
sua admiravel architeclura, as suas columnas de
narmore precioso, os seus primores d'arte, 03
sous mosaicos e a sua porta, seria sempre um
verdadeiro thesouro.
E' MUITO PAPEL.
Na ultima legislatura do parlamento inglez
a despeza de papel para impresses e enca-
dernaces as duas cmaras chegou enor-
me somma de 335,292 libras (l,508:814S COMPANHIA DE VAPORES RUSSOS.
A companhia de vapores do mar Negro tem
actualmente 41 barcos da forca de 45 a 350 ca-
vallos.
A lotacao total dos 41 vapores 32.040 tone-
ladas.
A receila da companhia era 1859 foi de3,618,000
rublos e a despeza de 2.677,000. leado, porlanto,
um lucro de 811,000 rublos.
MOEDAS.
Julga-se que as primeiras que se lavraram fo-
ram pelos lempos da primeira Olyrapiada, pouco
mais ou menos sele seculos antes da era chris-
t3, e todas as que se dizem anteriores esta
poca erara metaes em bruto nao amoedados,
e dados pezo, em troca de mercadorias. No
tetnpo de Nuraa Pompilio, segundo rei de Roma,
asasen em Roma de pedagos do cobre, como
noeda, com o pezo de urna libra ou doze oncas,
sem nenhuma forma ou cunho, c gue, porgros-
seiras e irregulares chamavamAs rude. Po-
zcram-lhes depois letras e pontos para designar
os seus pezos, e enlao em vez de As rude\hcs
pessoas Ilustres e era aparentado com a melhor
nobreza ae Hespanha.
S. Joao de Deus nasceu em Montemr-o-novo,
de paes lo pobres que lhe foi preciso exercitar-se
em varias oceupages servs para se sustentar.
Foi devotissimo da Paixo do Senhor.
Santo Antonio nasceu em Lisboa defronte da
porta da s: charnava-se seu pao Martim de
Bulhoes esua mi D. Thoren Tveira, ambos de
sangue nobro. Foi baptisado com o nomo de
Fernando.
S. Rozendo tomou ao baplsar-se o nome de
Assim toda a gente son-j Rodezindo: nasceu de paes nobilissimos no lugar
de Sellas, junto cidade do Porto.
S. Gonzalo nasceu de paas nobres, no arcebis-
pado de Braga, junto ao ro S. Salvador, do lugar
de Tagilde, foi parocho de Riba de Vizella.
LOUCURA FRANCBZA.
Mais um doudo so apreseniou as Tulherias,
na madrugada de 17, segundo conta o Droit.
Conseguindo introduiir-se no paleo, exclsmou:
A mim, meus soldados invenciveis 1 Segui
o vosso imperador, o imperador da trra ; mar-
chemos conquista do universo 1 Nao deve ha-
ver mais que um s templo, um s monarcha,
urna s lingual Todos os povos farao um s
homem
TINHA DE SER.
No naufragio que ltimamente leve lugar no
lago Superior, na America do Norte, no qual
pereceram urnas 300 pessoas, foi urna das victi-
mas Mr. Ingram, membro do parlamento inglez e
fundador o peridico The IUuslraled hondn
netos, o primeiro, no seu genero, quo se publi-
rou e com o qual o fundador fez urna grande
fortuna.
POPULACAO DELONDRES.
Lm Londres, cuja populacho se calcula em
maisde3 milhoes de almas, ha mais Irlandezes
que em ublin (capital da Irlanda), mais escos-
sezes que em Edimburgo (capital da Escossia),
mais Judeus que na Palestina (Juda) e 100,000
calholicos mais que em Roma.
Ha, alen disto, 60,000 Allemaes, 30.000 Frau-
*-
80 DE OUTUBRO DE 1860.
senado, e al cidade s ge submetteu de noso ao
Papa em 1149.
Quando, em 124, Frederico II rarchou sobre
Roma, fugio d'ali Gregorio IX.
Em 1281, os nobres genhores de Roma recusa-
ran receberl o Pajja Martinho IV.
Em 1347, favorecido pela ausencia dos Papas,
res gritando,*, dando terriveis alaridos, e agarra-
das seus espogos. irmaog ou companheiros,
cheios do mais frentico terror. At muito lem-
po depois que o que isto conta tinha deixado o
vapor, resoavam os agudos gritos e os alaridos
aos passageiros. sobrepondo-se aos rugidos da
tempeslade.
O
nao Querem alguns que seja um iadro e ou-
tros um assassino que quera matar o sultao.
RIGOROSO INCGNITO.
A raioha de Inglaterra, seu esposo e parle da
familia andaram ltimamente viajar no mais
*.u. lai/, lavoretcido pela ausencia dos Papas, "T^T' i^?. 0ur0 Pa8sa8eiro, tinha bordo familia andaram ltimamente 'vi. V" ""
zi estabeleceu em Roma a repblica aue du-! cao O primeiro e secundo piloto metieron!?' rescos da Escossia.
rou pouco.
Quando, en 137V, os Papas voltaram para Ro-
ma, as grandes faciilias dominaram mais do que
elle* al ao eculo XVI.
Alexandre'VI, Ji lio II e os dous Papas Medi-
is ( Leao X e Clemente VII), de 1492 1534, con-
solidaram o poder dos Papas.
Roma foi lomai a de assalto, em 1527, pelo
condestavel dk Boi rbon.
A dominajao dos Hespanhoes na Italia resta-
beleceu a ordem en Roma.
Bcrlhier, em 1798, publicou a repblica em
Roma.
A paz de Linevi le, em 1801, a restituio Pi
VII; porm, em 1 )08, Napoleo annexou Roma
e a maior parle doi estados di egreja ao imperio
francez, decarande Roma segunda cidade do im
perio e capital do departamento do Tibre
Era 1814, resta >eleceu em Roma o poder dos
Papas, que goveriaram pacificamento at 1811,
quando ali se prodamou a repblica.
Po IX, que fujlo para aeta, foi, em 1849,
reslabelecido pela franca no solio pontificio.
IIJIDU-TRIA SERICOLA.
Existem actialmente na Inglaterra 300 fabricas
de seda, em qbe tiabalham dous mlhares de fu-
sos, movidos por riachinas, que no conjunclo re-
presenta urna forc de 400 cavallos.
A Inglaterra ej porta annualmento 7 milhoes
de arralis de
seda
NECROLOGIO.
Na manha le 9 f de selembro falleceu a du-
Colourg Golha, madrasta do prin-
e di principe Alberto, esposo da
P>r este motivo o principe Fre-
queza vmva di
cipe reinante,
rainha Victori i
derico Gnilherme ; sna esposa a princeza Alice
de Inglaterra,
par rara de Berlim para Cobourg.
S. Narciso arcebispo, nasceu em Santarem de TSM,t 60'000 AMemSea. 30.000 Fran-
ssoas Ilustres e era auarenlado mm mlh, f!? ?^S" """T0"" representen-
tes de todas as nacoes do mundo, inclusive de al-
gumas das iribus mais atrasadas e que se achara
a maior distancia da Europa.
OFFERTA GRANDIOSA.
Ha annos, o duque de Northumberland offerc-
ceu as commissoes ecclesiasticas dar 15,000 li-
bras esterlinas do seu bolso, se ellas dssem ou-
tro tanto, para a construego de novas egrejas era
ceno distnclo.
Nao lhe aceilaram enlao a proposta.
Agora o duque fez outra ainda mais gene-
rosa offerecendo 30,000 libras esterlinas para a
undarao de capellanas, comanlo que as com-
m.ssoes construam as egrejas e as casas para os
E*la proposta foi acceita.
KSKLrss:*-* ^ss^rrrsr-ir
de
da
chamaramJs orate. Servio Tullio /fi7l '" ura. esles dias de msica, Pedro tinha por
no, ., ,.l cl,s,More:r,.si:;11;e": szts ?s&.r?su: ssas
T.ic ni nonio n A,..-. .1 ^ -. __._ Jiin* ..:>. .._:_____
ras moedas redondas com o mesmo nome, pezo
e valor, e com a figura do um boi ou carneiro
pecudes e se lhcs chamou As libra li? el
Lxbella por pezarem urna libra, ajunlando-lhes
as marcas para explicarem os pezos e os valores.
forca quera penetrar no palacio.
E'um mancebo de 21 annos. chamado L...,
proissao marceneiro e morador no bairro
Rape.
PROMESSA CUMPRIDA.
o Um individuo, por nome redro P.... soltei-
ro, que orcava pelos 60 annos, exercia a dupla
proissao de sapatro e msico, do sorte que, du-
rante a semana, irahalhava em calcado eao'do-
mingo locava rabeca n'um baile publico.
Ora, nestes dias de
dizer muito seriamente:
Descansa, meu velho, quando eu chegar
ser rico, dividiremos.
Triste consolacao para Carlos, porque o seu
amigo nao pareca em melhor caminho de for-
tuna do que elle.
Semelhante linguagem nao admirava da parte
de Pedro, que, geralmeiite, passava por excn-
trico.
No da 15, a porleira da cas3 onde morava Pe-
dro P..., disponJo-se para varrer as oseadas vio
as seguintespalavras escripias com lapis na por-
ta do sapaleiro-musico :
Podis entrar quando vos aprouver ; en vos
convido.
Ora vamos l, disse a porteira, o nosso ho-
mem contina fazer das suas I
E entruu para pedir a explicacao daquellas pa-
lavras.
Porm julgue-se do sou espanto quando vio
enforcado o cadver de Pedro I
A mulher correu imniediatamente informar
do acontecido o commissario da polica, que
cumprio logo as formalidades do cstylo, e nao
Qcou, por seu turno, pouco sorprendido quando,
ao fazer a busca, echou r:o miseravel quarlo que
habitava Pedro om masso com accoes do cami-
nho de ferro e 3,000 francos em notas do banco
com o seguiulo subscripto :
Para o meu velho Carlos D .., quem insti-
luo meu herdeiro.
A* este ultimo chegou, por seu turno, a vez de
soltar exclamaQes de sorpreza quando lhe con-
taran! o que acabava de acontecer.
A CAPELLA DE S. JANUARIO.
O Jornal do Havre d os seguiules porme-
nores robre a estatua e capella de S. Janua-
rio, que existe na egreja metropolitana de a-
ples :
O busto de S. Januario a mais bella peca
do que se chama o Thesouro. E' de prata, o a
cabeca, que de ouro, encerra o crneo do mar
tyr. Este busto remonta ao principio do seculu
dcimo quarto.
E' obra de Etienne de Godefroy, Guilherme de
Verdelai e Mileilade Ansures.
Urna murca vermelha bordada ouro e co-
berta de pedrarias desapparece por baixo dos
numerosos collares de brilhantes que foram ofle
UM GRAA-CRUZ UM MOURO.
O bey de Tunis presenteou o imperador Na-
poleao com a insignia, de brilhantes, da ordem
de Nidian.
O imperador, por seu turno, deu ao bey a
gra-cruz da Legio de Honra.
PARA REMISSA.
Estavam quasi terminados em New-York os
preparativos para a viagem Europa do doutor
Lowo e seus associados.
O eminente professor auxiliado na sua
emjireza por alguns commorciaiiles c pessoas
Ilustradas, que se nao oslao convencidos do feliz
exilo da experiencia, oslao anciosos por conhecer
os seus resultados.
E' evidenle que se oblero preciosas observa-
coes, ainda quo io seja muito favoravel a via-
gem do novo oavri.iiwnhecido com o nome de
Great Western. Adoptaram-se todas as pre-
cajQes possiveis para a seguranca dos viajan-
tes. Um primeiro ensaio feilo ltimamente nao
deixou nada desejar, demonstrando a possibill-
flade de dirigir o curso do globo no ar, e como a
direceo geral da correle do vento ao E. e a
certa distancia da trra, conta-se que o professor
Lowe poder descer no continente europeu.
Se a viagem se realisa felizmente no curto
praso de quarenla e oito horas, como espera o
doutor Lowe, veriicar-se-ha urna revolugfto
completa na correspondencia entre os dous
continentes.
O maior cemprimenlo deste novo navio aerio
de 300 ps, e o seu maior dimetro de 135. O los HI, chefe''dV"dyiiaslia brDoi'a*na"de spo-
receptarulo para os viajantes e bagagens de les' a, ^"""ido H. desordem conlinu
30 pi de diamelro, podendo conter 12 pesaoa- Cruzes de pedras as mais preciosas eslao sus- o III, al II. tinque II.
e por abaixo delle ha urna barquinha de ferro, de" ^'-=-8.--.-""". A mRlh?r fo ofreIcida Por Henrique III sujeitou
40 ps, com urna machina destinada dar direc-
eo ao navio.
O professor Lowe coraprometle-se levar r
ta tambem urna que o rei Jos Bonaparto deu ft o
ao padroeiro da cidade.
A mitra de prala dourada, segundo se diz
pois quera a v julga-a ura mosaico de pedra
------------.._------.-------- ,., ,.- ,.IB| ^uu Ksioiicjaiosaroenie do passado
recioos ao santo pelos res e rainhis, desde Car- nihnn T ,. m Q09 """""
los III. chefe daK dynasli. borboniaa de apo- l." '' q"' em "2" comPra"> f"c?5es.
cartas a todas as naces da Europa, em dous
das (IIJ
A tripolaco do Great Wctlern, na primeira
tiagero compr-se-ho do inventor de dous asso- [as.
SAO ARES DO TEMPO.
Lnlre os membros das depulacoes envia-
das por elgumas cidades pontificias Vctor
t-mmanuel contava-se um irmao do cardeal
Uella Ccnga o um joven Maslai, sobrinho de
NECROLOGIO.
O general, marques de Piraodan, que suecura-
bio aos graves (erimentos, que recebeu no com-
bale de Catelfidardo, era um antigo official da
guarda real de Carlos X, e perlence urna fami-
lia nobre de Paris.
O mar juez de Pimodan servio no exercito aus-
traco com autorisacao do goveroo francez, e com
sado.
O principe
em rama ou crua.
NOVA APPI.ICACAO DA PIIOTOGRAPHIA.
A Patrie d -''"- >------
photographia
noticia de urna nova applcacao da
cmque ninguem ainda tinha pen-
..J. de Palermo, mandou polo
correio Mr. Hum|ann, alfaiate de Paris, o seu
retrato pholog aphado. para lhe fazer por elle,
e segundo o syslewadas proporces "um vestido
completo.
Mr. Humann scin se admirar do caso poz m5os
a obra, e tinha j emetlido para Palermo a ca-
xa que conlinhn a encommenda.
CHANDE RECEPCO.
A recepcao qutf cidade de Toronlo, no Cana-
da, fez ao principe de Galles, foi magnifica.
Quando o yacht real chegou eram 7 horas da lar-
de. No desemt>ar<|uc baria um immenso am-
phitheatro chei de espectadores. Os bancos in-
feriores eram o;cu|>ados por mais de tres mil me-
ninos todo vestidos de branco que apenas o
principe poz os pt em trra, atoaran o hymno
nacional inglez
dialamente o servigo da Austria no caso de que
esta potencia tivesse guerra com a Franca.
Deixando o servico da Austria, passou servir
no exercito pontificio, como immediato do gene-
ral Lamoricire. A familia Pimodan reclamou o
corpo do general. O governo piemontez annuio
ao pedido, e resolveu enviar-lh'o acorapanhado
por um dos capelles do exercilo pontificio.
-No combate de Perusa morreu Mr. de Maistre,
capito do exercito pontificio e sobrinho do conde
Jos de Maistre, celebre escripior saboyano, que
sustentou a supremaca temporal do Papa e a
theocracia, e que acompanhou o rei da Sardenha,
Carlos Manoel, para a ilha da Sardenha. quando
os seus estados foram invadidos pelas tropas da
repblica franceza.
No dia 13 de selembro falleceu em Roma o
cardeal Gabriel Ferrel, que foi secretario de es-
lado nos primeiros annos do pontificado de Pi
IX. Tinha nascido em Ancona 31 de Janeiro de
1795 e proclamado cardeal no consistorio de 8 de
julho de 1839.
ROMA.
Os acontecimentos que se esli dando no3 Es-
tados Pontificios lomara de algum modo inleres-
sante a seguinle noticia sobre a cidade eterna :
Roma est situada as duas margens do Tibre
sobre 12 collinas ( montes Capitolino, Palatino,
Quirinal. Avenlino. Vaticano, Vimnal. Esquilma
Janicula, Calus ou Lateranus. Tastaceus, Cito-
rius e Pinicius. Entra-se nella por 15 portas
(leve 97 no lempo dos Romanos.)
O Vaticano e Quirinal (ou o palacio de Monte
Cavallo) sao duas residencias magnificas do
Papa.
No lempo de Leao III, o Iconoclasta, em 728,
loda a Romana se sublevou contra o exarchad
e formou urna repblica independente, governa-
da pelos Papas.
Araeacada ora pelos imperadores de Constanti-
nopla, ora pelos Lombardos, pedio o auxilio dos
reis francos. Depois da queda do exarchad, em
752, e do rei dos Lombardos em 774, a doaco
de Roma e seu ducado, que Pepino tinha de al-
gum modo feilo ao Papa, foi condemnada por seu
filho Carlos Magno e collocada debaixo da nro-
teccao da Franca. H
Depois d morle desle rei, a auloridade dos
Papas e Roma soffreu militas alternativas.
No seculo X. dominou em Roma a familia Maro-
zia, que dispoz escandalosamente do passado, at
desordem conlinuou no lempo de Othonll
O ANTIMONIO.
O monge Basilio Valentn, aproveitando os mo-
mentos de desonzo que lhe deixava a vida mo-
nstica e acreditando, como oulros muitos, na
alchymia, poz, umj dia, no seu crisol de expe
riencusum miicrl, que nao era mais do quo
urna combinacao de enxofre cora um metal ainda
nao bem estudodo, que o que hoje se chama
sulphurelo metulioo.
Conseguiucx rahir este metal, que lhe causou
sorpreza, pela su cor de um branco azulado
muito bnlhantp <: notavel pela sua crvslali-
saco.
Era preciso dbr um nome este metal. Um
acaso bem original deu motivo ao nome que ain-
da hoje se conse.'va.
Basilio Valen in laneara o residi das suas ope
raedes ao p da parede do seu laboratorio, e vio,
com admirado qu* os porcos comiam com avi-
dez aquellas malcras; porm anda o sopreen-
deu mais observer que elles engordavain ex-
Iraordinariainer le.
A' visla desti observacao, Basilio Valentn,
para, restabelecer a sade dos monges en-
fermos do seu inosteiro, applicou aos religiosos
preparares daqjuclle novo metal.
A tradiccao diz jue os frades, em vez de me-
lhorarem c engcirdarem, morriam, o que fez com
que o metal toiaanse, desde enlao, o nome de
antimonio, que r, uer dizer: contrario aos
monges.
MJ.V NOTICIA.
Os jornaes ingle; es annuciam que se manifes-
tara o chole-morb is na guarnico de Gibrallar.
i. IRLANDA.
Segundos miis recentes clculos, os rendi-
mentus da egrej;i r rotestanle na Irlanda montam
urnas 700,OOu |f por anno. A egreja catholica
nicamente sustentada por contnbuices vo-
luntarias, c calcul; -se que os 4 arrebisps rece-
bem, por termo
da um.
Ha 24 bispos, q
, o2.291 clerij!
cebem 200 S ca I
Alem disto, h;
egrojas, subscrip
paizes estrangeir
outras que se na
libras por anno.
tolaesda egreja (a
.---------------------n-..-w f'iviu (iuill-I no bote salva-vidas o descerara para reconhecer
o rombo ; porm eslava tao baixo, que lhe nao
poderam chegar. O capillo ordenou ao mesmo
lempo que todos os passageiros se provessem de
salva-vidas, o que creio que fizeram quasi lodos,
e ordenou que com machados se arrancassem
todas as portas dos gabinetes sem deixar nem
urna s.
Todos os passageiros estavam apinhados na co-
berta : poucos minutos tinhara passado quando a
machina cahio ao fuodo do navio, e quinze mi-
nutos, segundo a minha opiniao, depois do abal-
roamenlo, que o vapor foi pique, deixando a
tolda, ou sobre-coberta, iKftuando sobre as aguas.
Muitos dos passageiros estavam sobre ella quando
so afundio o casco, e bastantes se arrojaram
agua, julgando que esta tambem ia ao fundo com
o navio. A tolda dividio-se em cinco bocados
ao desprender-se da coberta, e no pedaCo em
que eu eslava haviam 25 pessoas, sendo urna
dellas o capilao : as outras eram alguns indivi-
duos da milicia de Milwankeo e sele senhoras.
Os outros quatro bocados restantes tinham tam-
bera para cima de 12 20 nufragos.
Collocamos as portas dos gabinetes amparadas
coto as maos para que nos servissem como de
velas, e desta maneira fomos andando muilo de-
vagar ate nos approxiraarmos Vinelka. Quan-
do j eslavamos poucas varas da Ierra, destez-
se a nossa jangada e alguns de nos vollamos para
traz, entre estes o capito, eu e urna senhora
que lambem ficou comnoscu. agarrada pelo capi-
to a mesma ressaca que gubdividi a nossa fr-
gil primitiva jangada agilou-se novamenle fu-
riosa o arrancou-nos de cima do nosso nico
apoio. O nico que tnha ficado sobre ella era o
capito, mas urna onda o arrojou d'ali, e morreu
afogado. Das 25 pessoas quo havia sobre a jan-
gada quando se despedagou. s oito se salvaran)
mcluindo cu. Dous botes s vi que se tinham
enchido de gente poucos minutos antes da casco
desapparecer da superficie da agua: um destes
botes levava 12 passageiros, oito dos quaes se
salvaran.
Entre esles ia urna senhora com um menino
nos bracos. Como o bote eslava muilo sobre-
carregado, virou-se duas vezes; da primeira
lornaram a agarrar esta senhora e collocaram-a
outra vez no bole, mas da segunda nao foi pos-
sivel e morreu com o seu torno filho aperlado
contra o pello. O estado desta senhora chamava
a attencao e interessava, apesar do critico transe
por que passavnm todos; com o menino nos
magos, que acariciava e beijava a miudo, guar-
dava um silencio eloquente que conservou desde
que ouvio o primeiro grito de alarme at que
desappareceu pera sempre as aguas.
Por ultimo, da relaco de oulro dos salvados
exlractimos as seguinles particularidades:
Era quanto me achava sobre a tolda vi reunir
ali muitos passageiros e entre elles algumas mu-
lheres; mas nao poda destiuguir o seu numero
por causa da escuridade.
Cousa Oe um quarto de hora ou pouco mais
depois do choque, foi o navio pique, deixando
a tolda superficie da agua e fazendo um ruido
tremendo. Neste instante alirei-me agua com
o meu salva-vidas posto, e apressei-me afTas-
tar-me quanto pude afim de evitar osefTeilos da
confusao do naufragio. Durante uns dez minu-
tos ouvi o capito animando os nufragos, e ili-
zendo-lhes que a Ierra eslava perto e que se so
deixassem guiar por elle todos se salvaran : mas
depcis, como me adiantei, nao pude ouvir mais.
Tudo em derredor de mira eslava cheio de pes-
soas sobro fragmentos fluctuamos, at que veio o
da. \' luz desle pude ver alguma distancia, e
calcular todo o horror do espectculo que offere-
cia aquella exlenso de agua coberta de fragmen-
tos e corpos humanos.
Sobre um fragmento havia urna mulher e tres
homens. Ella eslava to exhausta, que pareca
incapaz de sustentar direita a cabega. que lhe
caba com somno, apesar dos esforcos que faziam
os seus companheiros para estorva'-lh'o, afogan-
do-se por fim por incapacidade de maoter a ca-
beca levantada. O seu corpo ficou sempre sobre
o fragmento al que a perdi de vista. Vi muitos
fragmentos que conlinhara pessoas sobre elles,
e que depois se viravam, perecendo os nufragos
por conseguinle. Vi tambem urna mulher que
ia so sobre urna mesa que se vollou, atirando-a
agua ; mas poucos momentos depois tornou
apparecer e ngarrou-se novamenle mesa : l-
timamente vi-a muilo perlo de Ierra e ouvi dizer
depois que se tinha salvado urna mulher s e
presumo que seja a mesma.
Grande foi o pezar de alguns povos quando, j
arde, souberam quo foram honrados com a pre-
senta de sua rainha e que nao poderam manifes-
tar-lheso seu amor e lealdade.
N'um pequeo povo, apresenlou-se um caval-
leiro para tomar lodos os quartos da hospedara
para uus recem-casados que iam passar alli a
noile.
Chegando os viajantes, ?io-se que eram pes-
soas de alta classo e toda agente curiosa do lu-
gar procurou saber quem eram, mas tudo foi
intil.
Os criados eram de urna discripcao que deses-
perava os curiosos.
No dia seguinte, levanlaram-se os noivos, al-
mocarara e se metteram as carruagens, e, de-
pois que sahram.secommunicou d^a da hos-
pedara que tnha ldo a honra de hospedar a
rainha de Ioglalerra e seu esposo.
A nolicicorreu como ura relmpago : reuni-
se loda a povoaco para victoriar a rainha, po-
rm era larde, porque j se tinha perdido do vis-
ta a comitiva real.
PRESENTE CURIOSO.
A esposa do coronel Wilman deu ao musou de
Noltingham, entre oulros objectos raros, as for-
mas com que se fazia o calcado do celebre poeta
lord Byron. As formas loem 9 polegadas de com-
primento, e sao muito symelricas. Iam acompa-
nhadas do seguinte attestado de Guilherme Swift,
sapaleiro do famoso poeta, desde 1803 a 1807 :
Eu Guilherme Swift, sapaleiro em Southwell
Nolis, que tinha a honra do trabalhar para lord
Byron, em quanto viveu em Southwell desde
1803 a 1807, afrrao que as presentes formas sao
as que serviam para fazer o calcado de S. S., o
que o ultimo par de botas se fez em 16 de mio
de 1807. Nao tinha ura p mais avultado, como
se diz, mas sim semelhante ao outro, com a dif-
ferenca de ser urna polegada e meia mais curto.
Tinha um defeito no arlelho, que era muilo d-
bil, e por isso o p se vollava para fra. Para
remediar este defeito usava urna bota muito aper-
lada. Na sua mocdade trazia urna presilha de
ferro que descia da perna e prenda a sola da
bola. Era a perna esquerda que tinha menos
grossa que a direita.
AssignadoGuilherme Swift.
medio, 800 Sf annualrente ca-
uetero um rendimento de 600
o, que, por termo medio, re-
a o m.
js despezas da fabrica para as
;es pora a propagaco da f nos
>Su subscripces para o Papa, e
alculam em menos de 200,000
De modo que os rendimentos
holica chegam a urnas 700,000
5f, que um rcnlimenlo egual ao da prots-
tame.
Ha ainda a egr
e outras congreg
ji presbiteriana, os wesleyanos
coes dissidenles.
Os presbiteriano.! suslenlam-se em parte com
o que so chama o donativo real e em parte com
conlribuicdes vlm larias.
Calcula-se que os dissidontes recebem entre
todos urnas 200,00) Sf por anno.
De modo que un a povoaQao de seis milhoes de
habitantes d voluntariamente por anno, para
fins puramente eclesisticos, 1,600,000 <.
Ist i ao menos ^ova asinceridade das crencas.
Se se juntar isso asconiribuicoes para objectos
locaes que paga a Irlanda, teremos. a consideravel
somma de mais de tres milhoes de libras; e con-
siderando-seque |as rendas annuaesdos seus ha-
bitantes somma b)ze milhoes de libras, vemos
que para despeza i locaes, o Irlandez contribe
com mais de 2> pm cenlo do seu rendimento.
Isto afora as ct oiribuiges publicas para o es-
tado, direitos de -(insumo, de alfandegas, etc.
Na presenca deas cifras reconhece-se que
notm mui ra'.iio para queixar-so muitas na-
ces do conlinenli queso consileram excessiva-
mento sobrecargadas de tributos.
_ BE .LO PRESENTE.
A communidad israelita de Alger enviou
imperatriz dos Frncezes, por urna deputaco de
donzellas judias e mouras, um leque no eslylo
indgena, de ponres brancas de abestruz, com ca-
bo de coral, cobeilo de pedrarias.
O circulo de o io, onde esto as pennas en-
gastadas em pernlis, tem a inscripto seguinte :
As damas is'ielas & imperatriz Eugenia
No meio tem en algarismos hebraicos duas
dalas importantes para a communidade : 1830 e
1860.
-------------------- ....,.-. .u. ,..,>.,. iiuu pi uouuuuc ni siiieuou turnia a ei tos im
" i.rhamemse"a ^ COmPe-SO de ^"^ '-. -pondo-lbe Papas da su. escla
Em breve os Papas liveram de defender contra
brilhantes.
A que fui dada por Mara Carolina da Aus- >' -k ...> uD ciiuuer conira
Irla (1796), de brilhantes e saphyras, nao menos os imperadores a liberdade da egreja e da Italia.
Henriquo IV, depois de tres sitios (1081, 82
lomou Roma, expellindo della, em 1084
Gregorio VII. Durante a contenda de Innocen-
cio II e Anaclelo II, em 1140, etc., Amoldo de
Brescia eslabelecau em Roma a repblica, e um
PORMENORES ACERCA DA CATASTROPHE DO
L/VDY ELGIN
Sao horriveis a i particularidades sobro o nau-
fragio do vapor Liiy Elgin. do quo j demos no
Homa a le dos impera- ticia As nteres mies relaces
- que da calas
Irophe dao alguns jos passageiros e teslemunhas
de vista do maior; inleresse, so possivel. ao
sentimento geral oprofundo que aquella desgra-
na causou, e n.oslru mais palpavelmente aos nos-
sos olhos o negro horror daquelle doloroso qua-
dro. em que apparecetn mais e 300 victimas.
Um dos nufragos salvados descreve a scena de
bordo como urna das mais horrendas do mundo.
Os passageiros correndo desatinados de um para
outro lado sem sa
MUTILADO
****
irem o que fazer. As mulhe
ESQUADRA HESPANHOLA.
Segundo a estalistica official, a esquadra hes-
panhola compunha-se em julho de 1860 de 3
naos, 16 fragatas, 10 crvelas, 10 brigues, 26 es-
cunas e palhabotes, 8 faluchos e lugres, 23 vapo-
res, 13 transportes de vela, 2 vapor e 9
hlice, 9 vapores, 18 lanchas canhoneiras h-
lice e 200 navios menores, tudo com 1,260 pecas
e 20,000 homens de guarnico.
UVA MULHER CELEBRE.
Um peridico dos Eslados-Unidos d n'uma
caria os seguinles pormenores sobre a primeira
mulher de Jeronymo Bonaparte, da qual se di-
vorciou por ordem de Napoleo I, seu irmo. O
correspondente diz '
Passando por urna ra do Ballmore um dia
depois da chegada da noticia da morle de Jero-
nymo Bonaparle, vi sua mulher, miss Patierson,
que j orga pelo3 80 annos, passeando cora o seu
coslumado trage e tao indifferenlemenle como
d'anles. Ella sabia de cerlo a noticia.
Continoamente se ve esta senhora nos mer-
cados pblicos, fazendo pessoaltnenle as suas
compras. Cobra pessoalmenle os alugueis que
se lhe devem, e de quaudo em quando especula
cora os fundos e accoes. Traz sempre na cabeca
umajoa real com brilhantes. Os sous bracos
sao branros e a sua pello como a de urna don-
zella de dezeses annos. verdaderamente urna
mulher notavel. No seu carcter ha um profun-
do estoicismo, unido urna inflexivel phyloso-
phia c urna independencia, como poucos ho-
mens. muito monarchica, e considera a rep-
blica como inslituigao ingrata e vulgar. Ainda
que s deveu desgragas s sympathias mperiaes
do outro lempo, vive.na atmosphera ideal da bel-
la Franga. A sua maior arabgao que seu neto,
o joven Jeronymo, tenha uma brilhante carreira
no exercito francez, onde actualmente serve.
Grande parle da sua renda, que consideravel
remelle-a seu nelo para a Europa.
Acredla-se que ser elle o herdeiro da sua
fortuna, pois esl mal com seu filho que vive
aqu.
O PODER TEMPORAL DO PAPA.
Sao lo curiosos como pouco conhecidos os
apontamentos histricos seguinles :
O poder temporal do Papa, hoje sujeilo sor-
te das armas, leve origera no seculo VIII uo an-
no 75, com a doagaoque Pepino, rei de Franga,
fez ao vgaro de Chrislo do ducado de Roma,
que nesta poca comprohenda as legages de
Frossinone, Reli e Velletri o da Romana com-
posta de Ravena e Flory. Carlos Magno confir-
mou esta doaco.
No XI seculo, 1053, adquiri pelo mesmo ulu-
lo o principado de Benevenlo, eocravado hoje
no reino de aples. Em fins do mesrao seculo,
no pontificado de Gregorio VII, adquiri, por o
direito das armas, grande exlenso de territorio.
Em 1077 e 1102 a condessa Mathilde fez doago
ao Papa dos estados de Viterbo e Civita-Vecchia.
No seculo XII adquiri o ducado de Spolelo ; em
1531 o ducado de Bolonha : em 1532 conquistou
as Marcas, legages de Ancona, Macrala, Fermo
e Accioli ; em 1598 adquiri o ducado de Ferra-
ra por heranca ; em 1631 adquiri o ducado de
Urbino pelo mesmo titulo.
Fra da pennsula italiana possuiram os Papas,
em Franga o deparlamento de Vancluse, o Avi-
nhao.o condado Venessino desde 1348 at 1797,
em que oceupados os estados pontificios pelo
exercito francez. se installou a repblica romana.
Po VI, couduzido Franga, morreu em 1799.
Reslabelecido o pontificado, Po VII vio-se
obrigado em 1808 ceder ao reino da Italia as
provincias do norte, e em 1809 os demais estados
[oran incorporados ao imperio francez.
Recobrada a sua liberdade em 1814, foram-lha
devolvidas as possesses do seus predecessores,
excepgo de Avinho e do condado venessino,
que ficou Franga.
ESTATUA COLOSSAL.
A estatua da Virgen .inaugurada a 12 do cor-
rente, no monte Corneille, em Puy, de bronze
fundido, e pesa 150,000 kilog. O bronze pro-
veniente de 213 pecas tomadas em Sebaspool, e
dadas pelo imperador. Tem 16 metros do altu-
ra ou 48 ps. Tem no interior uma escada de
caracol, como as duas columnas da praga Vend-
me e da praga da Baslilha.
MOSAICO.
SORTE DOS POETAS.
Morreu ltimamente em um dos hospilaes de
Berln, o poeta Buchart, autor da celebre tragedia
Jane Grey. Tinha aos quarenla annos de edade
cahido na mais profunda miseria.
MYSTERIO.
ltimamente, no palacio imperial de Dolma-
Batch, em Constantinopla, appareceu meia
noile um desconhecido do ura aspecto particular
. que, que passeara n'um salo contiguo cma-
ra de dormir do sultao.
A escrava que guardava o imperador deu um
grito, e, acudindoos eunucos, prenderam o des-
conhecido. Sendo conduzido na manha seguin-
le ao juiz, fiogio-se doudo, mas julga-se que o
Diz uma caria do Sangha, escripia em 5 de ju-
lho ao Times, que o imperador da China conli-
nuava no seu estado de imbecilidade e embria-
guez habitual.
ltimamente os encarregados de vigiar pelos
bons costumes protestaran] contra o procedimen-
todo imperador, sua embriaguez, sua dissipaco
e seu affecto s classes baixas. O protesto foi
publicado na Gazela de Pekn.
A raunicipalidade de Marselha decidi que
o discurso pronunciado pelo imperador, no ban-
quete que lhe deu o commercio daquella cidide,
seja gravado em raarmore branco, com caracte-
res de ouro, e collocado na sala das sesses do
conselho municipal.
O Japo acceita a civilisago europea. As
principaes cidades japonezas como : Yodo, Nau-
gasaki, Simoda e Hakodad, estao em breve li-
gadas pela telegraphia elctrica. Tambem sa
est construindo um caminho de ferro de Yedo
para a residencia de verlo do imperador. E' cons
Iruido por uma companhia ingleza. O impera-
dor Irata activamente de melhorar a sua mari-
nha. Tem j seis juncos vapor, sendo um des-
tes o Napoleo. que deve j ter sahidopara uma
viagem decircuranavegago. A machina foi fei-
ta na America, e tem forga de 350 cavallos. A
tripolago tods de marinheiros inglezes.
Ha em toda a Hespanha 6i cathedraes, 103
collegiaes, 19,761 egrejas parouhiaes, 61 palacios
episcopaes, 58 seminarios, 861 conveotos de re-
ligiosos, 46 conventos, collegios o hospicios, etc
de religiosas, 4,685 egrejas nao parochiaes aber-
tas ao culto e 1,718 egrejas monumentaes de con-
ventos supprimidos.
(Commercio do Porto.)
PERN. -TYP. DE M. F. DE FARIA.- 18W.
-
1
C-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY3OHNAL5_3UIUE6 INGEST_TIME 2013-04-30T19:58:31Z PACKAGE AA00011611_09480
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES