Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09468


This item is only available as the following downloads:


Full Text

9
lili XXXT1. HOMERO 240.
Por tres mezes adianlados o$00.
Por tres mezes vencidos 6JJ000.
TERCA FEIR1 16 DE 00TDRR0 DE 1861.
Por auno ailiaatado 19&000
Porte franco para o subscritor.
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cera, o Sr. J.Jos de Oli-
veira; Miranho, o Sr. Manoel Jos Martins Ribei
ro Guiraares; Piauhy, o Sr. Joao Fernandes de
Moraes Jnior; Para, o Sr. Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
fAlUlDA UUS Cl)l(ltfc.lUA.
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goianna e Parahiba as segundas
e sextas feiras.
S. Anto, Bezerros,Bonito, Caruar, Altinho e
Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Naz'areih.Limoeiro, Brejo, Pes-
queira.lngazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex ras iinarlns-feirns.
Cabo.Serinhem, RioFormoso.Una, Barreiros.
Agua Preta, Pimenleiras e Natal quintasfeiras.
(Todos os correios partem as 10 horas da manhaa.
EPHEMERIDES DO HEZ DE OLTLBRO.
7 Quarto minguante as 8 horas e 45 minutos
da tarde.
14 La nova aos 17 minutos da larde.
21 Quarto crescente as 11 horas e 51 minutos
da manhaa.
29 Luacheia as 4 horas e 30 minutos da tarde
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 6 horas e 6 minutos da manhaa.
Segundo as 6 horas e30 minutos da tarde.
AUDINECIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relacao : tercas feiras e sabbados.
Fazenda: tercas, quintas e sabbados as 10 horas,
Juizo do commercio : quartas ao meio dia.
Dito de orphaos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeir* vara do civil: tercas e sextas ao meio di
Segunda vara do civel; quartas e sabbados a urna
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
15 Segunda. S. Thereza de fetos v. c. fund.
10 Terca. S. Martimano m. ; S. Gallo ab.
17 Quarla. S. Ileduvjges duqueza viuva.
18 Quinta. S. Lucas Evangelista: S Trifona.
19 Sexta. S. Pedro de Alcntara f. padroeiro
20 Sabbado. S. Joao Cancio ad.; S. Iria v.
21 Domingo. S. rsula e suas coinp. mni.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Baha,
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Si,
Joao Pereira Martins.
EM PERNAMBDCO.
O proprietario do diario Manoel Figueiroa do
Faria.na sua livraria praca da Independencia n
6 e8. *
PARTE OFFICIAL
Ministerio da justioa.
2 seceo.Ministerio dos negocios da justci.
Rio de Janeiro, em 8 de oubro do 1860.Ill'm.
e Exm. SrE&pde V. Exc. em seu officio do Io
de junho nltiroo, n 629, transmcttiJo a este mi-
nisterio pelo do imperio, que lendo sido manda-
do em rommissu para a provincia das Alagoas o
Io escriptnrario da thesouraria de fazenda dessa
provincia Umbelino Guedes de Mello, antes de
entrar no exercicio do cargo de 3o juix de paz da
freguezia.de Sanio Antonio, fora substituido por
todo o lempo pelo 4o juiz de paz Gaelauo Piulo
de Veras, o qual pretendendo depois exercer
as raesmas tuneces durante o 4 anuo, entendeu
a cmara municipal, que nao a elle mas aosup-
plenle que acabava de juramentar compela o
exercicio desse auno, por ler mudado de domici-
lio o juiz do3"em cujo lugar ficou Veras collo-
cado.
S. M. o Imperador a quem foi presente o sen
dito officio, conformando-se com o parecer do
consclheiro consullot dos negocios da justica,
houve por bem mandar declarar que bem rcsl-
veu V. Etc. quando, cstranhando o procedimen-
to da cmara municipal decidi que a Veras, em-
bora lenlia de servir dous anuos consecutivos,
compete o exercicio do 4o anno, visto como, nao
lendo havido mudanga de domicilio nio ficou o
" jui/. de paz privado do cargo, mas smenle do
exercicio delle.
Dos guarde a V. Exc Joao Lustosa da Cu-
rro Paranagu.Sr. presidente da provincia
Pernambuco.
14 latina com pasta.
29 paslas.
15 cananas promptas.
22 pares de esporas.
22 selins.
Dito ao conselho'.de compras.Promova o con-
selho administrativo para fornecimeulo do ar-
senal de guerra a compra de urna pasta para a
secretaria do Rio Grande do Norte, enviando a
respectiva conta, a fim de ser satisieita pelos co-
fres d'uquella provincia.
Dito ao Sr. Francisco Freir Alemo, presidente
do commisso sciciitifica no Cear.Em respos-
ta ao oicio que me dirijo V. S. em 8 do corren-
te, leudo a dizer-lhc que o caixo conlendo ins-
trumentos geodsicos deque trata V. S. foi envia-
do ao Exm. presidente do Cear no vapor Cru-
seiro do Sul em 5 desle niez.
Dito ao direclor das obras militares.Respon-
do ao officio que Vmc. me dirigi hoiilem, sob
n.92, declurado-llie que opprovo o orcamonlo
los concertos a fazer-se na abobada da fortaleza
das Cinco Ponas, bem como o ajuste que Vmc.
fez com Jos Pereira de Alcntara do O' para
execinjao dos referidos concertos pela quantia de
63JJ080.Communicou-se a thesouraria de fa-
zenda.
Dilo ao mesmo.Respondo ao officio que Vmc.
Cavour. .
Foi croado (pelo governo do Garibaldi) um ins- este respeito, tenho a honra de renovar os sen-
tiluto ou collegio gratuito para os filhos do povo, lmenlos da minha alia considerado
a cusa do estado, sendo os seus rendimenlos Turin, 7 de selembro de 1860.
provenientes dos bens da cora o ecclcsiaslicos
que forana confiscados.
Este estabelecimenlo ser urna especie de con-
servatorio d'arles e officios, com disciplina mi-
litar. Os alumnos sesuiro os cursos desde os 7
al 18 anuos, por emquanto o seu numero fi-
xado em 1,000.
Os bens da casa real e dos morgados reaes, as entrado no pensamento
propriodades da ordem Constantiana e aquellos j Franca a urna guerra.
L-se na Opinione de Turin :
O general Carbal disse, que a annexacao
devia .ser proclamada no Quirinal. Vio-se ali
urna provocaco contra a Franca ; nao julgamos
i que tjvesse esta intencao, porque nao pode ler
de alguera provocar a
Todava, este facto fez
que leem sido doados. e que devem entrar no do-! nascer um sentimento duvidoso ; deixa prever a
minio do estado, foram declarados bens naci- possibilidadc de complcacoes, que todos os ho-
naes. O uniforme do exercito napolitano ser mens polticos desejam pre'venr.
igual ao do exercito sardo. Foi decretado um mo- Os reforcos da guarnirn franceza em Roma
numenio levantado por subacripgo publica a Mr. nao foram cerlamenle mandados em consequen-
de Flolle, que morreu em Reggio. ca dos roovmenlos, que se operaram ras Marcas
Qualquer insurreicao conlra o governo actual e na Ombra, mas, porque a Franca suspeitnsse
considerada como traie.ao patria, e castigada que se queria fazer alguma tentativa sobre Ro-
om a pena capital. na. Esla suspeita deplorivel, c necessaro
Lsle decreto fot provocado pelas insurreicoes convir que a proclamado de Garibaldi nao foi
que leem rebentado mesmo s portas de apo-, feita para a dssipar.
les. as cdndes o villas dos arredores. Em Me-; Eis a proclaroncao do Gar^ldi, de que 'icmi
lito, em San-Comgliano, cin San-Anlirao. em so trata. E' neste'documenlo que o dictador al-
Isernia, em Casa-nova, em Arzano, a populacaUude pr:clamaco da annexacao. Vejamos co-
levantou o grito de Francisco II, e desarma a j mo elle se expressa :
guarda nacional, ferio um grande numero de pes-1 Perto ou longe, estou comvosco, povo de
mo dirigi honlem sob n.93, declarando-llie que soas, e roubou muilas casas dos liberaes. fren-' Palermo, comvosco para senipre. I.neos de
approvo o orcamento dos concertos a fazer-se lo do molim deSan-Antimo eslava um frade fr.
em duas cavallariQas no quarlel da companhia 1-oiz de S. Pedro, que levou urna bayonelada.
(ixa de Cavallara, bem com o ajuste que Vmc. Accudiram a guarda nacional e algnusgaribaldi-
fez com Jos Ptreira de AlcanUra do O' para pos, e honlem (13) vi entrar uns 5 prisioneiros.
execurlio dos ditos concertos, pela quantia incluindo o frade. Sao lodos ctirnponios, e urnas
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 12 DE OITDBUO DE 1860.
Officio aoE\m. visconde da Boa-V>(a.rea
leilura do seu officio de 11 do crreme fiquei in-
leira lo de) que rc^ressando V. Exc. da corle,onde
se achara como senador do imperio, vai reassu-
inir o cargo de commamlante superior da guatda
nacional desie municipio.
Ditj ao Exm. presidente do Rio Grande do
Norte.Accuso a receprio do officio que V. Exc.
se servio dirigir-me em" 8 do crrenle, commu-
municando haver marcado aojuiz de dirciio, Jos
Quintino do Castro Leo, removido da comarca de
Serid nessa provincia para a do Brejo ne=la, o
prazo de 4 mezes, a conlar dessa data para en-
trar no exercicio de sua nova comarca.
Dilo 30 presidente da Parahiba.Transmiti
de 4O00.Communicou-se a ihesourara de fa-
zenda.
Dilo cmara raanicipal de Goianna.Res-
poinlecdo ao ofiicio que me dirigi a cmara mu-
nicipal de Goianna em 3 do correle, tenho a
dizer-Ihe que approvo as arremalacOes dos im-
postes mencionados no citado officio, e bem as-
siiu a deliboracilo que lomou a mesma cmara,
ruino, conimunidade de trabalhos, de" perigos o
de gloria, rae unem a vos com vnculos indisso-
luveis. Corrmovdo no mais intimo da alma, fal-
lando com i conscencia de italiano, sci que nao
duvidais das miabas palavras. Separado de vos
por interesses da causa, deixei-vos um aller ego
em Deprets. Deprelis foi o meu representante
junio do poio da Sicilia Representa mais do que
en, representa a idea nacional, a idea santa, a
lialia e Viclor Emmanuel. Deprelis annunciar
ao povo di Sicilia o dia da annexacao da tita ao
resto da Italia livre. Mas a Deprets toca, fiel ao
Sabino d>> Olivcira, de que trata o officio de V.
Exc. de 16 do mez prximo passado, cabendo-me
declarar a V. Exc. que conlinuarei a recommon-
dar o andamento do referido processo.
Dito ao presidente de Sergipe.Acenso a re-
pcao do ofJQcio que V. Exc. me dirigi em 29'
de selembro ultimo com dous exemplares do!
rclatorio que aprescniou o Exm. Dr. Manoel da !
Cunha Galvo na ocasiio em que enlregou al
V. Exea administradlo dessa presidencia.
Dilo ao commandanlo das armas.Itesponden-
do ao officio de V. E\c. de 10 do correte, sob n.
1,071 cobrtodo o requerimonlo, que devolvo, do !
segundo cadete segunio sargento do 8o balalhao
de intantaria Cypnano de Souza Mello, tenho a
dizer que achando-se pendente di deciso do
ajudanle general do exercito, o processi a que
responden o suppticanle em conselho de guerra,
nada se pode por ora resolver acerca d.i baixa,
que prelende elle medante o recolhimenlo ao
cofre nacional do competente quanliUiivo. nos
termos do rogulamenio de 28 de selembro do
anno prximo passado : o que V. S. far constar
ao peticionario
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de expedir as
uas ordens a lim de ser apresentada ao Dr. che
fe de polica, no dia 14 do correnle ns 6 horas
da manhaa, urna praca da companhia (lxa de
cavallaria para ir ao termo do Caruar.Com-
municou-se ao chefe de polica.
Dilo ao Dr. clicfe de polica.Expeca V. S. as
necessarias providencias para que de boje em
diant cesse absolutamente o rccrutamenio em
todo o municipio dessa capital, at segunda or-
dem da presidencia.
Dito no commaudanln superior do Recite. A
vista do que informou V, S. em officio, n. 175.
de 10 do crreme, com referencia a requisicao
do inspector da thesouraria de fazenda, queira
V. S. expedir suas ordens aliin de que seja des-
pensado do aqiiarlcllamento o lenle do Io ba-
UlhO da guarda nacional deslc municipio Joa-
quim da Cosa llilieiro, escriplurario da rebedo-
ria de ren las internas.Communicou-se a llie-
soiiraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de informar
sobre o que prelende o capilao secretario gerul
deslc municipio, Firmino Jos de Oliveira, no
incluso requerirnenio, que eudereca ao governo
imperial.
Dilo no commamlante superior do Bonito.
Devolvo a V. S. as relace3, prets efolhas do s-
sete velhas. Todos vera esfarrapados, com as-
pecto sinlstro o feroz. O povo vendo-os passar
bradava : Fusilem-nos O governo decre-
lou o estado de sitio para cssas povoaces e im-
poz-lhcs una contribuicao de guerra, para in-
demnisar os rauitos individuos que soffreraui
graves perdas.
Hontem, o rei Francisco II eslava em Capua, e I meu encargo e ao interesse da Italia, determi-
le mandar arrecadar por adminislraco o impos- mandou fazer um recouhecmonto at perto de nar o dia afortunado,
toda passagem da barra de Goianna, por uo Sania Mara. O general Salzano commanda a pra- | Povo da Sicilia, os miscraveis que hoie tal-
ler apparecido lanzador para o mesmo. ?a. A guarngao consla dos regimentos 8, 9 e 10 lam de mnexac, sao os mesmos que o repe-
l'orlaria.O prosideule da provincia, alien- de lnha, do regiment da rainha, arlilhana, dos '
dendo ao que rcpruscnlou o inspector da the- restos de varios regimenlos e de carabineiros a
sourara provincial em officio de honlem, sob cavallo, de gendarmes de intantaria e cavallaria,
ii. 472, resolve, nos termos do ai ligo 3J da lei e de artfices ; 120 pecas de arlilharia onm pos-
n. 13S de 16 de maio deslc anno, abrir um ere- 'as em posico.
dito de 1:28U$70 rs. ; sendo 7S0-j570 rs. para as Os generaos Slolella, Bo
obras da casa de detenecio no correte mez, e tonga e Cassella, acompanham o re, o aeonse- mo, dizci ca parte de Garibaldi aos cobardes que
50j rs. para a conservacao da estrada do Noite Iham-lhe a resitencia. O conde de Trani foi a estavam a ;oberlo, quando vos balieis as barri-
llo mesmo mez.Remelleu-se copia dcsa por-
tana thesouraria provincia'
DitaO presidente da provincia, atlendend
que requereu o professor publico de instr
dinheiro. tfe peilo.
Em Vairano tambem se acha alguma tropa aples, 10 de selembro.
reunida, mas de ambos os corpos sao numerosas A's tropas napolitanas.
! Se nao desprezais Gniba'.di, como compa-
Bourbon lem o seu termo no Vul- nheiro d'armns, quero combater a vosso lado con-
tra os inimigos da patria. Ha ja tregoas para as
lian) ha un mez. Perguntai-lhe, oh povo se'eu
livesse alt?udido aos seus miseraveis interesses
indivduaes, como teria podido continuar a com-
b.iter pela Italia? Teria podido mandar-ros um
I cumprimerlo de amor, da formosa capital do
isco, Cutofiano, Burbo- continenleitaliano? Assim, pois, povo de Palor-
por copia a V. Exc. o ofiicio que em 11 do cor- i ^ rente diriglo-me o presidente da relacao deslj s, resolveconceder-lho um mez de licencacom
provincia acerca do processo do reo Manoel .Vives S-us ^"c.meulos para vir a esla cidade habitar-
as deserces.
O reino de
turno.
U re alem do ministerio lem um Jornal Of- nossas discordias, chagas seculares do nosso paiz
ficial, que publica os seus decretos. O rei deca- I A Italia, sacudindo os restos das suss algemas
rou a mannha criminosa de alta Iraicao. ensina-nos ao norte o caminho da honra aleo
A Sicilia esl em plena nnnrehia. Os sicilianos ultimo baluarte datyrannia.
aples, 9 de selembro de 1860.
se no seu magisleiio na forma da lei. Commu-
nicou-se ae director geral da iosliucco pu-
blica.
I):ta.O presidente da provincia, atlendendo
ao que icqoereu o professor publico de nslruc-
cao elementar da freguezia de Papacaca, Vicenlo
Ferreira da Cruz, e lenJo em vista a informacao
do direclor geral de instrueco publica, uuvindo Sao ssencialmenle ingovernaveis pela liberdade ;
o conselho direclor, resolve cousidera-lo liabili- sao os iran jezes da Italia. A anarjhia acabar
lado para perceber as vanlagens do art. 26 da lei depois da annexacao.
provincia n. 369, de 1 de maio de 1855.Com- Os garibaldinos quechegaram hontem [15), par-
niu:iicou-se ao director geral da instruceo pu- tiram esla noile. Nao os poupnm muito, e esses
blia. valentes rapazes nem urna queixa soltam E'im-l
Dita.O presidente da provincia, resolve, sob possivel ver soldados peior equipados emaissu-
pruposta do coronel commandaiile das armas de jeilos ; mais elles pouco se Ihe^ d disso, e nom
8 do correnle, sob n. 1063, nomear a Jos Narciso sequer fallam nos seus solTrim.'-nlos nem nos
Tavares dos Santos para o lugar de escrivo do seus sacrificios. Para elles sao um diverlimenlo
presidio de PernanJo de Norouha.Fizeram-se marchas de 80 milhas por dia, sem pao, sem
agua A's vezes partem 2,000 e chegam 10,
mas nom um falla chamada para continuar a

Garibaldi.
>
as communicacoes do coslume.
Dila.') presidente da provincia, conforman-
do-se com o que expoz o chefe de polica em of-
ficio de 11 do correnle, sobn. 1339, resolve con-
m a relia.
As victimas da reaeco de Aviano foram 151.
ceder a Jos Ignacio de Si Carneiro, a exonera- Por emquanlo for?m fusilados o cura, o juiz de
cao que pedio do cargo de subdelegado de San- paz o mais cinco ou seis pessoas. Continua o pro-
lenlo, termo de Garanhuns.Communicou-se ao cesso. O bispo fugio.
chefe de polica.
DilaOs Srs. agentes da companhia hrasleira
de paauetes a vapor mandem dar transporte para
a provincia das Alagoas, no vapor Paran, a 6
uardas nacionaes que para all regressam, sen- da agua, c arruinaran! bstanle o edificio.
Os jesuitas quando se reliraram do convenio,
nem as techadoras das portas deixaram. Elles
esperavam ser expulsos, e que os seus bens los-
sem confiscados. Ale despedacaram a canalisacao
do as respectivas passagens pagas naquclla pro-
vincia.
Dita.Os Srs. agentes da companhia brasilcira
de paquetes a vapor, mandem dar passaRem at
Macei, no vapor Paran, a Augusto Siahl e
e Claudino Rodrigues dos Aojos, em lugares des-
tinados para passageiro de estado.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao inspector da ihesouraria de fazenda.
De urna caria de Turin exlraliimoso seguinlo
Chegou a noticia da expediento das Marcas:
Julga-se que Imje mismo (17) a esquadra do al-
mirante Persano estai em frente do Anrona, e
todos cstao convencidos de que a lomada daquel-
la praca se nao far esperar muilo. Desta raa-
neirn, em alguns das, a annexico das Marcas e
da Ombria ser um fado consumado. No lempo
que decorre, e tacto e o direilo confundem-so de
tal maneira no espirito do grande numero, que o
, essencial ler o facto a sen favor.
O que aqu preoecupa realmente, a alli-
ludc de Garibaldi. Os arlos do dictador das Duas
( Sicilias indicam cada vez mais a resolucfio em
que est de seguir a son propria poltica, e de nao
obedecer ao impulso dado d'aqui.
Agora annonci i-se um facto grave. Mr. De-
prets, foi de Palermo aplos para pedir ao
dictador que ordenasse a annexacao da Sicilia
1 ao Piemonle. Devia chegar no dia 12, dous dias
depois da famosa proclamaco. S obleve urna
: recus formal.
xar arraslar-se por aquellos que julgara ter che-
gado o momento de urna guerra conlra a Aus-
tria.
O nosso governo nao pode affaslar-so de
urna politica, cojos resultados tem sido lo pro-
ficuos.
Nao seguir urna vereda aventurosa que le-
vantara a Europa imeira contra si. Se oulra po-
lilica devesse prevalecer, se a forca das cousas
impozesse urna nova atlilude, o ministerio actual
nao poderia aceitar a r^ponsabilidade do urna
situacao de que se nao podia tornar senlior.
Julgamos que o partido liberal que tem sus-
tentado e sustenta o ministerio, desia opiniao,
e que na Italia ha muilo bom senso para evitar
novas complcacoes ; mas em lodo o caso o mi-
nisterio nao podia ser responsavel de tactos que
prodnzissem urna lula com a Austria e com a
Franca.
o sabemos quem tem a coragem de endos-
sar una semelhanle responsablidade ; mas ne-
pontifical; ou que lenham como elles lo dccil-
menle vergado debaixo da tulella dos seus pa-
dres. Mas nos (amheni nunca reclamamos au-
xilio dos Irlandezes capazes do serveo a que se
deslinaram esses de quem fallamos. Acabou pois
a brigada irlandeza do Papa. Mas quo lira lo
vergonhoso !
O nosso pazdeve estar animado dos sentimen-
losinie agilam urna familia quando ouveque um
dos seos membros, j conhecido por malvado,
alm dsso um cobarde: esses 600 homens d'o-
viam ao menos ter combatido peio Papa, j que
Ihe linham comido o dinheiro. Poslo que de-
teslemosa causa que elles segniam, nem pnris-
so deixamos de nos inleressar vivamente porque
elles livessem dado provas do coragem. Esses
homens nao linham nenhun direilo de ir deshon-
rar entre eslrangeiros o nome da Gria-Brelanha.
Eslas considera;oes semprenos levaram a con-
fiar que ao menos os veramos cotnbaler valuro-
samenle. Todava, lalvez tivessemos mais rnzao
cessano no conlar com o apoia do parlamento, i para esperar isso que realmente aconteceu. Crea-
que est prompto a fazer lodos os sacrificios pa-
ma redempcao da patria, mas com n condieo de
que o governo nao deixar escapar as redeas das
suas roaos, e que ha de dirigir o movmento que
deve conduzr a Italia independencia.
A Patrie o nico jornal semi-ofical que af-
firina que as potencias protestaran! conlra o Pie-
monle O CoiuUitutionnel l.io promplo em fazer
declarai;oes, nao diz cousa alguma, nom mesmo
o Pays. Todos eslao concordes em acreditar que
as tropas francezas sao exclusivamente destinadas
proteger Boma e a pessoa de Pi IX.
As armas francezas, diz a Patrie, continua-
rao a proteger em Roma a pessoa e a autoridade
do Soberano Pontfice. Sendo assim, porque
ser que aqueile jornal censura a otervoDco da
Sardenha nos Estados-Romanos como una vio-
lacao do direilo das gentes? Admllindo, diz o
Siecle, que a Franca proteslou, que desapprova o
syslema das aiuiexacoes, sustenta tora do ponto
loras humanas que nao duvdaram reunir-se pa-
ra defeza do semelhanle causa, nao podiam de-
xir de ser a escoria da ilha quG os viu nascer.
Taes homens nem podiam ter conflanca uns nos
outros, nem na causa que defeiidiara," nem nos
cheles quo os commandavam.
A Irlanda, a valenie, a leal, a nobre Irlanda,
orgulhosa pelas recordacoes de tantas balalhas
ganhas a nosso lado, nao poderia ver sem erao-
cao a vergonha desse miseravel refugo da espe-
cie humana. Quanto nielhor seria que ella nao
livesse exposlo s vistas da Europa esses seus fi-
lhos, que a illa e a nos serviro de ignominia !
Se na Europa nao ha mercado pan serviros
desta ordem, s resta agora a esses homens re-
gressar a seus lares surdina, para ah se escon-
derem. Picando como lirao onde os visinhos
prendam a nao mais se deixar seuuzir pelos pa-
dees recrutadores.
A
Opinione esforc.a-se em um artigo ,
oceupado pelo nosso exerclo o principio da nao monslrar que a conducta do governo pieu
intervenco. (Juereria a Patrie que os soldados ii inspirada pelas circumstancias, e que na
Foram abolidas as loteras ; devem estar ex-
melas no 1. de jineiro de 1861. Eslc jogo pto-
duzia para o governo mais de 800 contos. Foi es-
tabelecida urna caixa econmica com suecursaes Algomas pessoas julgam que a expressao de
em coda municipio do reino. i T1? se servio o dictador quando falln no alio do
________ Quirinal, nao urna simples figura do relhorica,
I e que elle qner marchar sobre Roma sem de ma-
No dosso numero publicamos a resposti dada '"'ira algumn se inquietar com as conseqnencias
pelo cardeal Anlonelli communicacao do conde do5? a.cl0.- s",l difficuldade em acreditar lana
Transmiti a V. S., de ordem de S. Exc. o Sr. do Cavour contra a existencia das tropas cslran- ; ''"liscriptao.
presidente da provincia, a inclusa ordem do the- geiras no exercito pontificio. Hoje inserimos as Todava, necessario conressar quo Gnnbal-
nossas Columnas essa communicacao que s ago- i d!.t um esses homens no qual
ra encomiamos nos jornaes. | P"c,r ?s regras hafJituaes do razoi
Eis o documento que nos referimos:
Eranentissimo Senhor: O governo de S.
M. el-rei da Sardenha nao pode ver sem grande
pesar a formacao e a existencia dos corpos de
tropas mercenarias cstrangeiras ao servico do go-
verno pontificio.
sourosob n.114.
Dito 3o juiz municipal dePo d'Alho, Dr. Fran-
cisco Teixeira deS.S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, manda declarar-lhe, em resposta ao
seu officio de 9 do correnle, que fica inteirado de
ler V. S. naquclla dala passado por molestia o
exercicio do seu cargo ao respectivo supplenle.
l-'izeram-se as communicacoes convenientes.
Dilo ao engenheiro fiscal da estrada de ferro.
S. Exc o Sr. presidente da provincia, manda
declarara V. S. que pelo o seu officio de 11 do
A organisacio desdes corpos, que nao estao
formados, como em todos os paizes civilisados.
de cidadaos indigenas, mas de individuos de to-
bom nao ap-
wel. Esl ani-
mado de um myslicismo patritico, o professa o
mais perfeito desdem pelas leis ordinarias da po-
ltica, que elle chama diplomacia. Tudo isto es-
t envolvido com os hbitos de capitao de aven-
turas, e os mais simples costumos ; alm disso
nao lem paixes d'aquellas que operam sobre os
homens.
Dospreza o dinheiro, de urna exemplarso-
briednde, e nao tem oulra ambieo mais do que
ir morrer na sua ilha, depois de ler cumprido
fraacezes Gzessem causa commum com os do Pa-
pa, e que auxiliassem a renovacao dos raassa-
cresde l'erusa ? Nao, nao pode qu'er-lo, porque,
analysaiidp as palavras de Viclor Emmanuel, pa-
rece reconhecer que importe, primeiro que ludo
fazer desapparecer qualquer cio=a de agilnc&o na
Italia, e de uiquiolaco na Europa, e esto "resol-
lado nao pode alcancar-se senSo com a queda do
syslema que ps3 sobre as provincids do Papa, c
com i retirada das tropas estrangeras, que ni-
camente sustentan) um semelhautesyslema.
Una correspondencia de aples, depois de ler
referido a entrada de Garibaldi naquclla cidade,
o tratado da allococo por elle dirigida no povo,
diz o seguinte, muilo digno de altenco :
Esle discurso, proferido com voz forle c pro.
fundamente commovido, com a cabee. descober-
ta, os olhos ardenles, em face do Ve'suvio c das
esquadras eslrangeiras, com os cabellos sollos ao
venlo, piovocou um tempeslade do applausos.
Garibaldi tornou a entrar no palacio. Tiuha cha
peo c camisa vermelha ordinaria, um pequeo
punlial ao lado, e nao urna espada, u sua banda
pela parle delraz do pescoQO, e urna grvala de
seda preta. Eslava coberto de poeira. Trocou
erilao algumas palavras, e apertou a mao a al-
guns amigos. Mr. Riccinrdi dirigio-sc cnlo a
elle para he apresontar o governo provisorio.
a Cinco ou seis, que primeiro vieram, deram-
se ridiculo de se considerar governo, e de julgar
Garibaldi dictador. Isto, ha de parecer-vos sin-
gular, mas c verdade. palavra governo pro-
visorio, Mr. Pelruccelli de la Galinna exclamou :
General, aqu nao ha mais que um governo, e
sois vos! Garibaldi sorrio-se Berlani rio-se, e o
general, voltando-se para os seus companheiros,
disse : Esperai. Depois pedio de jnnlar. Mas
nao centava com Mr. de Aya la, que veio fazer-
Ihe um bello speech em nome do povo napolitano,
acompanhando o seu discurso de urna meia du-
zia de beijos. Elle abracava toda a cidade. Ga-
ribaldi moslrou o seu agraJecimcnlo e intrepidez.
Quiz senlar-se o repousar; o gener-il Catalo
veio dizer-lhe que a guarnicao de aples eslava
s suas ordens. Garibaldi recoramendou-lhe or-
dem; depois enlrou em urna carroagem o parti.
Depois de se ler dirigido a Saint-Janvier, Ga-
ribaldi foi iostallar-se no palacio de Angr, apo-
sento histrico. O palacio real est guardado
por soldados, cora armas carregadas, e as pecas
sobre os tirantes. Esla arlilharia talvez se Imma-
nise amaoha, como hoje fuerana os da guarda
real. No quarquel de artilhana ,foi o es:udo real
despedazado.
por de-
unonlez
_o po-
da operar de oulra maneira:
Ouaesquer que sejam, diz elle, as vicissilu-
des da crise, coja gravidade nos nao desconhe-
cemos, temos a convieco de que a soluco ten-
tada por nos a nica que pJe triumpiar, por-
que est de accordo com as aspiraces dos ita-
lianos e as necessidades do equilibrio curopeu.
N'outro artigo expressa-se a mesma folha n'es-
les termos:
A noticia dada pelo Times de um accordo
enlrc a Rossia e a Austria esl confirmada por
differeTites modo", mas entre um accordo e urna
colUgai-o contra a Franca, ha urna grande dis-
tancia.
Como j dissemos a respeilu das relacdes en
tre a Prusnia e a Austria,em vez de concluir urna
liga, os governos de S. Pelersburgo, Berlin, e do
Vienna, oceuparara-se de concordar na politica
que teria ra a seguir lodos tres em commum as
pnnctpaes uuesles internacionaes.
A queslo da Italia, tal como se desenvolve
na aclualidade, marchando para a sua BOlluco,
o tal como se aprsenla Autria inquieta, tria*
vocado a sua solicitude.
, _. ,.,. ,i ,-, ., n -------- -.-w.0>...,.^, ....,- u^ tii^ii i.uwi u feres e pracas da guarda nacional destacadas nes- correnle l.cou inteirado de quena9 se lendo V. S. da a classe de idiomas, nnces e religio. feri- : aquillo a que chama a sua obra. Nesie homem
sa comarca, que acompanharnm o seu officio de ulilisado da hcenca, que Ihe foi concedida por ram profundamente a consciencia publica da lia- extraordinario ha
31 de agosto ultimo, alim de serem processados
de conformidade com o que ponderou o inspec-
tor da thesouraria de fazenda no officio n.
l,06ide 11 do correnle, junto por copia.
Dito ao comuiatidantc do corpo de policia.
Tde V. S. mandar engnjar no corpo de seu com-
mando o paisano Joao Baptisla do Nasr.ioiento,
que, segundo o ntteslado annexo aoscu officio n.
428 desta data, foi julgado apto para o servico.
Dilo ao mesmo.Mande V. S. apresontar ao
Dr. chefe de polica amanhaa ao meio dia urna
escolta de 12 pracas do corpo sob seu commando,
alim de conduzirS criminosos, que vao respon-
der ao jury no termo de Serinhaem.Communi-
cou-se ao chefe
. .1 ; *------------------ -w ^w........ ....... ,.....,i.i. .... .- > "......iiiutiiii mi ,i mo III 13 III I u
portara de 19 de selembro ultimo, roassuraira lia e da Europa. A falta de disciplina inherente Are, de Cieinnntus e de Walkr.
tima mistura de Joanoa de
naquclla dala o exercicio de suas funeces.
DESPACHOS DO DA 11 DE OLTCBRO.
/fe^iierimenfos.
1915 c 1916.Alejandrina Maria dos Nasci-j
menlo. e Alexandrina Firmina de Luna.Infor- !
me o Sr. director do arsenal de guerra.
1917.Claudino Jos Correia.Esl prvido o
lugar.
1918 c 1819.Francisco Autonio de Carvalho
Siqueira, c Francisco Antonio Claudino. In-
forme o Sr. direclor das abras publicas.
e?sa classe de trops, n m conducta d seus Com um semelhanle horaem ludo possi-
chefes, ns mearas provocadoras que proferem vel.
as suas proclnmaces, alimentam as ronis assus- Aqu est-se perfeilamenle resolvido a nao
tadoras desordens. consentir cousa alguma que possa trazer comigo
A dolorosa recordaco dos assassinos, e do ?&-' urna coaliso com a Franca. Era mais fcil rom-
que de Pern esl sempre presente aos habitan- per com Garibaldi. A exp'edic.io dos Estados Ro-
tes das Marcas e da Ombria. Este estado de cou- manos foi principnlmenle emprehendida pnra ru-
sas, j perigoso por si mesmo, augmemou mais pedir quo Gnribaldl lentasse essa empreza. Nao
desdo os aconteoimentos que se leem verificado havia corteza de que, urna vez senhor dis Marcas
na Sicilia e em aples. A presence de corpos e da Ombria, exaltado pelas novas vanlagens, po-
estrangeiros, que offende o sentimento nacional desse resistir tentnco de ir Roma, c de tirar
.- de policia.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.| d.er 80 s,1PPlicante nos termos de sua informa-]
Sirva-se V. S. de inlerpnr o seu parecer acerca do 5a"".0, U do c<>rren,e- .
pngamento, que no incluso requerimento pede o *' a.Joaqun Antonio de Franca Cmara. :
administrador da typographia do Liberal Pemam-\
1920.lyppolilo GndaultBemeltido ao Sr.; HTS. ,'? manifestnco dos votos do oovo. ha urna vinganca do 1819.
director geral da instrueco publie para alten-; us f^eicoe deSPnvo^,men*)
Fez-se quanto se pode para entrar em njus-
es as provincias visinhas. I tes rom esto terrivol auxiliar; mas deve lutar-se
coramuuidade de religies, que uera os conlra a sua hoslilidade para com Mr. de Cavour.
Para Garili.il.li o condo
tucano, leudo em vista a ififormacao constante
da copia, tambem junta, ministrada pelo inspec-
tor do arsenal de marinha, que se oppe a esse
pagamento."
Dilo ao mesmoMande V. S. pagar ao Io sar-
ponio do 10 balalhao daintanlaua Manoel Alves
branles, visto Dao haver inconveniente, segundo
tonsta de sua informacodo hontem sobn 1,068
o quantia de 8$, a que lem elle direito por ha-
ver apprehendido o desertor do mesmo balalhao
Manoel Francisco dos Santos, orno se ve do al-
testado que devolvo.Commuuicou-se ao com-
mandanle das armas.
Dito ao director do arsenal de Guerra.Em
vista da sua informaco de hontem, sob n. 289,
o aulorio a mandar alistar na companhia de
aprendues desse arsenal, depois de satisfeitas
as condicoes legaes, o menor de nome Joaquim
de Sania Anna.
Dilo ao mesmo.Recommendo a Vmc. que
dos artigos de armamento pedidos para a compa-
nhia lixa de cavallaria torneca com toda a urgen-
cia os que esto mencionados na relacao junta.
Relacao dos arligos de armamento que devem
ser fornecidos com toda a urgencia & compa-
nhia fixa de cavallaria.
18 espadas cora bainhas.
Reqneira pelos canaes competentes.
1822. Maria Surea do Monte Souza.Como
requer, sendo esic despacho presentado oo Sr.
director geral da instrocrao publica.
1923_Mana dos Arijos de Albnquerque Fer-
reira.Informe o Sr. inspector da thesouraria
de fazenda.
de Cavour personifica a
iiplomacia, objeclo do seu odio particular. Alm
disso o conde do Cavonr commelleu o irremissi-
vel crime de assignar o tratado que cede Niza
Franca.
A entrega da csqindra ao almirante Persa-
no den algumas esperanzas, mas parece que Ga-
A
habitantes das Marcas e da Ombria com os das
provincias annexadas aos estados do rei, assim
como as razos de ordem c de soguranca do seos
estados, obrigam o governo de S. M. a" remediar
esses males no que poder faze.-lo,
A consciencia de Vctor Emmanuel no Ihe
permille ser leslcmunha impassivel dss repres-
ses .sanguinolenlas, pelas quaes as armas dos ribaldi codeu ao primeiro movmento de genero-
19l-Marlinha Maria da Conceicao.-Apre- [,,er"naris eslrangeiros afogara em sangue ila- sidade e de coufianca, muito explicavel n'aquella
nano qualquer mnnilestacao do sentimento na- hora.
conal Nenhum governo tem direilo a entregar Hoje o seu partido lamenta aquello acto, e
3 excessos desses soldados aventureiros os diz-so que j alguns depuiados se dirigiram a el-
e a vida dos habitantes de um le para Ihe fazer reprosentaces.
(Jornal do Commercio de Lisboa.)
sent o menor ao Sr. direclor do arsenal de
guerra.
1925 o 1926 Manoel Orsinio Granja c Salus-
tio Gomes da Costa Granja.--Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional da comar-
ca da Boa-Vista.
1927 Manoel do Nascimento de Araujo.--
Ao Sr. direclor das obras publicas para mandar
examinar n obra, de que se trata.
1928.--Severno Alves BrreloInforme o
Sr. Dr. promotor publico.
1929.Vicente Ferreira da Cruz, professor pu-
blico.--Passe-se porlaria considerando o suppli-
cnnle habilitado na forma da lei.
EXTERIOR.
Do varias correspondencias de aples, extrac-
tamos o seguate:
bens, a honra
paz civilisado.
Por eslas razoes, depois do haver recobido
as ordens de S. M meu augusto soberano, tenho | Sobre a poltica do governo sardo, exprimio-se
a honra de participara vossi eminencia que o a Opinione de Turim nos seguintes termos :
exercito d'el-rei esl encarregado de impedir, om Nao se pode attribuir ao nosso paiz o pro-
nome dos direitos da huraanidado, que os corpos jeclo de attacar a Austria, e muito menos Roma,
mercenarios pontificios reprimam, por meio da | A revolucao itiliana tove a inapreciavel van-
violencia, a expressao dos senlimentos dos povos' tagom de ser dirigida tanto pela sabedoria dos
das Marcas e da Ombria. chefes, como pelo enthnsiasmo das massas. Os
Tenho tambem a honra de convidar a vossa j Francezes eslao era Roma, e ninguem pode ter o
eminencia, pelas mesmas razoes, para que d or-1 pensamento de attacar os Francezes. Quanto
dem afim de que sejara desarmados e dissolvidos : Austria, evidente que mesmo em Vienna uo
afano r.i\mnn ta.1. n_:ni.-2". ,. ~_~~________.... L.m_B...... -_ ... ....__ir.
As Nationalils punlicam n geguinte carta de
Mr. Rtcciardi, a Mr. Farini ministro do interior
de Turim :
aples, 10 desetembro de 1860.
Charo amigo :
Nosso M. di=se-me que vos sera agradavel
saber n minha opiuio sobre o queso passa aqu.
Faco-o em poucas palavras.
O povo do reino unnime, mas a classe
dos liberaes est dividida. O primeiro tornou-
se, nao sei por que torca mgica annexionista e
unionista ; mas primeiro que ludo unitario, e
Garibaldi o seu dolo.
O segundo esl dividido em cavourianos e
garibaldinos. Nao julgo dever fallir das (acres
infinitamente mininas que se dividem cnlre Mu-
ral e a realeza conslilucional de Francisco II.
Os mais uumojososso os garibaldinos, o os
nicos quo podem constituir um governo provi-
soiio, esperando a chegada de Garibaldi. Isto nao
quor dizer que os oulros partidos se nao aglcm
muilo ; mas. nio refleclem que, se Garibaldi on-
contrnsse um governo provisorio cslabelecido
composto de cavourianos, elle o dissolveria ira-
medialamente.
Um destes parldos desojara apressar quan-
to fosse possivel o facto da annexacao, o que nao
est de maneira alguma na intencao do partido
opposto que queieria antes ver Roma oceupada
por Garibaldi: Roma, queso pode ser a capital
de um reino italiano ; niem disso, quereria que
fossem estp.lindas algumas condicoes essonciaes
a respeito da dita annexacao, afim de conservar
ao paiz tudo qunnlo ha de bom era materia de
leis e de instituices de qualquer natureza ; do
sejaria aproveitar este momento de transiccao
emre a queda do dominio bourbonico, c a unifl-
cago da Italia, para operar algumas reformas de
inaior tililidade, por exemplo, o confisco dos bens
de mo mora, que dever ser procedido da nbo-
lico da concordata do 1849 ; a suppresso dos
direitos indirectos, tao injustamente odiosos a to
dos etc. reformas que se operariam mal ou tarde,
pelo novo governo, oupela va parlamentar.
Devo acrescentar que aqu so receia muito a
ingerencia pioinonteza ; o paiz quer dar-se, no
ao Piemonle, mas a Italia, Seria para desejar
que o conde de Cavour eserevesse o mais breve
possivel ao conde de Villaraarina para deixar aos
Napolitanos a liberdade de activar, porque quan-
to mais livres elles estiverem para obrar, na sua
situacao, maisse resolverao a fazer parte da gran-
de familia italiana.
prov
O detalhe dado pelo X>rd, de que a Prussia
se obrigou para com a Austria a nao reconhecer
a uniaode aples ao Piemonle, tem muito fun-
damento. Anda que a alilude da diplomacia
prussiana possa aulhorisar a supposicao de quo
o governo do Berlin rio hostil Italia, e.iis-
lem comluto sufliciemes indicios que provam
que ella pende para o lado da Austria, e que lera
irabjlhado para a reconciliaco da corte da S.
Pelersburgo com a de Vienna, e para preparar
a intervista de Varsovia.
Mas que podem fazer as tres grandes poten-
cias do norte s por si '?
Empregaram todos os seus esforcos para
alrahr sua parte a Inglaterra e solar a' Franca ?
Esle plano nao tem probjbilidado de xito.
A Gram Bretauha poder prevalecer-se desla po-
sico para obter da Franca algumas concesses
em factosde questos exteriores ; mas nao entra-
r em urna colligacio.
O povo inglez fez muito granJos sacrificios
para sustentar as colligacoes contra o primeiro
imperio francez, para que possa ter desejos de
renovar o mesmo erro. A poltica de Fox irium-
phou na Inglaterra. Os inleresses commeniaes
impedem que se aliaste delta.
A Franca est hoje muilo poderosa ; esl for-
te pelos recursos de que dispde, pelas ideas quo
representa, para poder temer uuiacoliisac.no ua3
potencias do norte.
A historia nos ensina o que valora as com-
binaces polticas. Se amanha surgir um perigo
de guerra, vir-se-ho os governos de accordo
diplomticamente, discutir e dividir-so sobre o
noy programma. Este aconlecimenlo ainda
mais provavel se a guerra for provocada pela
quesiao do Oriente, visto que a Franca cs. as
circumsiaocins do encoutrar lodo o accordo en-
tre a Russia c a Austria.
Ouaulo Italia, estamos convencidos de quo
nenhuma potencia violar a no intervenco.
Aquella que issumisse perante a Europa a fes-
ponsabilidide de tal facto deveria solfrer-lhe as
cousequencias.
o Annunciou-se que a corle de Roma tiuha
convidado a Austria a oceupar as Marcas, dando
como rasao que a Franca nao poda oceupar-so
disso, por isso que ella mesmo oceupa Boma.
A Austria foi prevenida ; a occiipncaj das
Marcas seria urna declaraco de guerra feita ao
Piemoute e Franca : primeiro que conseutisse
na intervenco da Austria, preferirla retirar as
suas tropas de Roma, onde ellas permai.ecem
somonte para a defesa do Papa
esses corpos, cuja existencia urna ameaca con-
tinua tranquillidade da Italia.
Na esperanca de que vossa emineucia me ha
de communicar, o mais breve possivel, as di9po-
sices que adopta o governo de Sua Snnlidade a
ha esperance de conservar por muito lempo Vo-
neza. Estejara reunidos, do accordo e disciplina-
dos os vinte e dous milhes do Italianos, e o do-
monio austraco so tornar impossivel na Italia.
Qs Irlandezes e a causa do Papa.
O Times escreve o seguinte :
A Inglaterra nao leve nunca ao seu servico Ir-
landezes, que se lenham havido tao cobardmen-
Mas o nosso governo nao deve allacar, nem doi-ne como esses que se slistaram. sob a bandeira
O Times publica o seguinte artigo, sobre a al-
lianca da ltussia com a Austria :
O grande drama europeu avanca a passos
agigantados para o seu desenvolvtmenlo, e a
entrada de Garibaldi na capital do reino das Duas
Sicilias coincide com um aconlecimenlo de urna
importancia significativa no desfecho do espect-
culos que si offerece aos nossos olhos. A Aus-
tria e a Russia sao oulra vez alliadas.
O imperador Alexandre annunciou o seu
sincero desojo de uraa perfeila reconciliaco coni-
o imperador Francisco Jos, o immediatameiile
se lomaran medidas para por termos discordia
qee exista ; e que de futuro se tornava insupor-
lavel Esla noticia nada tem que deva surpre-<
hender era fazer suspeilas. E' lao vrntajosa pa-
ra aquellcs soberanos como para os oulros que
se acham unidos, e urna fortuna pnra os po-
vos quando a paz reina entre os que os enver-
nara.
Mas a nova allianca nio exigir mais do quo
o restabelecimento das relacoes amigaveis que,
como hoje se conhecc, nunca deveriam ter sido
interrumpidas ? Nao existiram condicoes impos-
tas pela situago presente da Europa ? Sao es-
las as questoes mais graves, e que naturalmen-
te dao origem a graves conjecturas.
A primeira impresso provavelraente produzi-
da no espirito publico ha de sel-o pelos progres-
sosde Garibaldi,conseguintemenle pelo perigo que
ameaca as possesses da Austria. Nao s se es-
pera que o libertador da Italia d a liberdade
a Veneza, mas suppe-se tambem que ello conta
com a insurreicao da Hungra para auxiliar os
seus projoctos Se a Austria esliver a bracos cora,
os garibaldinos em Veneza, podera aquella po-


w
DIARIO DE PERHAMBUCO. TERCA FEIRA 16 DE OUTBRO DE 1860.
lenria opp6r um exercito aos patrilas hngaros
no Theissa ?
Ha apenas onze annos qae a Austria, simia
que victoriosa na Lombardia, nao leve forca pa-
ra reducir a Hungra, se tinha sub levado con-
tra o seu dominio, e pode concluir-ae que o que
ella nao pode lazer ento, Ihe ser impossivel
veiilical-o hojo cm circumstancias meaos favo-
raveis Mas lambem necessario recordar qual
foi o expediente a que recorren ogoverno impe-
rial em perigo. A corte de Vienna assignou com
a de S. Pelersburgo urna convenci em virlude
da qual cu tro u na Hungra um exercito russo, o
pela sua intervengo conservou a corda de Santa
Estevo o imperador d'Austria.
Em presenta de aconlecimentos to recentes
difficil cao suspetar que allanca sbita entre
a Russia e a Austria u-uha sido feita para de
novo provcr sustenlaco da seguranza da
Hungra, contra as ameacas que alm de serem
fornudavcs para a auloridade de um dos impe-
radores, nao sao sao de maneira alguna agrada-
Teis poltica tradicional do outro.
Se sao oestes sentido os ajustes conlrahidos
agora, pojemos somonte dizer que sao fra de
lempo, e que prova.\elmente nao produziram.
Tem decortido pouro lempo entre 1849 e
18(i0, e todavia isto 6 sulTicienle para destruir os
principios em qu so fundava a ultima Interven-
cao. Hoje o principio a nao intervencao.
A apparico de um exercito russo lia Italia
ou na Hungra estara longe de salisfazer a Etuo-
pa, e podemos acresceutar, que nao sera ven-
tajosa para a propra Russia.
Esta apenas liuha soeegado da sua indigna-
cao oda sua colera, que hava sido excitada pela
negra ingratid.io com qne foram recompensados
os seus servidos.
a Esses ser vicos produziram para asduas cor-
tes; a Austria recobrou a Hungra, quando tinha
tratado os hngaros como iun povo conquistado,
provocando essa desafeic,o que hoje a asosla;
a Russia foi lao mal agradecida do seu auxilio, e
enconlrou lao pouco apoio na hora da neressida-
de, quo se i>roduzio entre as du saccordo a que acaba de se por termo.
fiera urna nem oulra dasdaas potencias pode
certameiite ler teulages de renovar a experi-
encia.
A situaco, alm disso, est materialmente
mudada.
Ha onze annos nao tinha a Austria a temer
mais do que a Sardenha as margeos do P.
Agora est em preseoca de toda a Italia
reunida a Sardenha, e atraz da Sardenha est
outra potencia anda mais foriiiidavel.
Os designios de Luii Napoleo sao impene-
traveis, mas nao pode de cerro acreditar-se que
o imperador Napoleo queira submellcr-se pa-
cientemente intervencao de um potencia na
Italia, e se a allanca da Russia fr conlra-balan-
cada pela hustilidade da Franca, difficil que
Francisco Jos gatihe na Lreotaeco.
Seria melhor que elle fizesse nascer a confi-
anca no interior, em vez de procurar no exterior
esse soccorro de mo agouro.
A intervencao dos exercilos estrangeiros, por
mais felizes que sejam, nao conseguiriam esla-
beleccr o throno da Austria cm bases realmente
solidas.
4 O nico meio de chegar a este resultado,
um governo que se faca amar e urna administra-
do que satisfaga a lodos.
Nesta occasiao sao os proprios hngaros que
suggerem au imperado! a melhor marcha que se
deve seguir.
Nao pedem outra cousa mais do que a sua
legitima cooslituico, sob o governo de Eran-
cisco Jos, seu re."
Recoiihecem-so seus subbilos, mas s se ello
cxecular as convences originariamente feitas
entre a cora o o povo.
Nao pedem outro soberano, se os quizerem
governar segundo a le.
Se elle quizer entregar a Hungria a si, a
Hungra ser delle, e nao ser um campo de
batalha para Garbaldi nem para o Czar.
Julgara-nos felizes sabendo pelos ltimos
despachos telegraphicos quo esta poltica parece
ser appriJvada em Vienna.
Seno fr assim, a allanca russa ser stfper-
flua, ou lera ento oulra siguilicaco. Temos a
inabalavel ciiviccn de quo a simples pulilica
da nao Intervengan ha de ser a melhor para lodos
os estados.
J passou o lempo de urna colligacao conlra
a Franca, assiui como da interveocao coutra a
Hungra.
_ Urna scmelhanto colligacao, a menns que se
nao limite i garantas mutuas eontra a aggressao,
acabara por collucar a Franca testa do libera-
lismo coutra o absolutismo" (Turna suerra de
opinies.
A intervencao na Hungra prolongara de
una maneira sanguinolenta essa revoluco, que,
com a vmpalhia universal, est a ponto de aca-
bar scni pffuso de sangue
A nica intervencao aprovelavel, a qne
pode exercer Francisco Jos por si proprio.
D Hungria as suas inslituices naeionaes.
firme com o seu throno ;poder cnlo esperar
o choque das armas em Veneza com acoovicco
de que pouco ha de perder.
te empresa. Esta inlervenco foi, ha alguns dias,
objecto de urna longa e viva dlscusso no conse-
lho de ministros, e a maioria afinal prenunciou-
8e a favor da opinio do MM. de Rcchberg e de
Metternich.
De urna correspondencia de Turin dirigida ao
Conslitutionnel, extrabimos o seguinte :
O chefe da insurreicao o personagem mais
importante e mais considerado das Marcas, o
principo Simonetti, o maior proprielario do paiz.
Mr. Simonetti habitava havia muilo lempo na ci-
dade de Bolonha, por onde foi nomeado deputado
por occasiao d*s ultimas eleices. Logo queco-
raecou a agitago na- sua patria, julgou do seu
dever concorrer com a sua pessoa, o correu ru-
medialamente ao meio das populacoes que, en-
tregues a si, tinhim talvez dado ao seu movi-
mcnlo em carcter de desordem, de vinganca o
de violencia que s a sua auloridade pudo conse-
guir destruir.
A Ombra timbcm seguio o exemplo das
Marca?. Estes dous paizes deelaram-se ligados
por urna comoiunidado de solTrimenlos e de es-
peranzas.
A insurreicao da Ombra manifestou-se em
rnelo. All houve urna lula conlra os soldados
do general Lamoricire. Orvielo lica a urna pe-
quea distancia da nossa fronleira toscana. Se o
movimenlo se propagar daquelle lado, o corpo do
exercito comniandado pelo general de Sonnaz, e
quo estaciona em Arezzo, ha do ser chamado a
inlervir, assim como o de Cialdiui.
Assegura-se que um corpo austraco est con-
centrado na extrema fronleira do reino venezia-
no, fazendo face ao ducado de Modena o a Ro-
magnia.
Os principaes pontos de concenlraco dessas
tropas, seria, segundo se diz, a povoscio de Cres-
pino, situada na parle superior de lovigo, pe-
quea cidade de Occhiubello, a de Massa e a de
Ostiglia, na esquerda de Borgoorte. Este corpo
de exercilo oceupar lambem a linha inferior
doF.
(Jornal do obmmenio de Lisboa )
Diz a Opinin* Nationalt, que segundo as in-
orruaces que receben, o gabinete de Vienna fez
saber ao governo francez que, para sua seguran-
ca, concentrara um corpo de observacao de.....
50,000 horneas em Mantua e sobre o P6, mas que
a sua inlencao nioera inlervir nos aconlecimen-
tos que resoltara da entrada das tropas piemou-
lesas nos listados Romanos.
O Timen explica as segu rites linbas os moti-
vos que induziram a Sardenha a lomar urna par-
te activa na lucia dos Estados Romanos :
Ha muu lempo que a Sardenha e o seu re
cram os nicos representantes do movimenlo
Italiano, e Viclor Emmanuol nao poda consultar
mais lo que a sua propra seguranca, e esperar
IranquilUmenle a marcha dos aconlecimentos.
Mas o movimenlo italiano deixoa de estar debai-
XO da direccao do governo da Sardenha. Vctor
Emmanuel tem em Garbaldi um competidor dos
mais forra ida veis, um hornera lie. divamente de-
sintressado, sobro o qual impossivel obrar da
maneira por que so obra sobre qualquer dos
moi lacs.
E' ceilo que vencedor da Sicilia e de ap-
les, nao tem lonlacaode suspender a sua marcha
na fronleira dos estados romanos. A importan-
cia une icio adquirido parece suficiente para o
lazer triumphar de toda a resistencia que Ihe
possam oppor os Estados da Egreja, e para o ira-
pelllr lucio com a Austria em Veneza. O go-
verno da Sardenha anda nao est prornpto a li-
gar-so a urna semelhante empresa. V perfeita- !
mente que, se as coisas se conservaren! anda I
por algara lempo como actualmente estao, Gari- I
bil.ii ler sullicenle poder para arraslar o Po-
monte, assim como o resto da Italia, a ura con-
flicto com a Austria, o para o forgar a arriscar
tudo quanlo tem ganho na Italia, n'ura recontro
cm quo as probabilidades de xito senara contra
elle.
Deve pois, soja qual fr o prego, lornar-se
mais urna vez senhor da revoluco. Devo con-
duzir. para nao ser obrigado a seguir. Devo re-
volucionar os Estados do Papa, para poder estar
as ciicumstanciss de suspender um perigoso
movimenlo revolucionario contra Veneza. Ha
motivos para acreditar que n'uma recente entre-
vista o imperador desfrancezes acceitou esla ma-
neira de ver os eoisas, e que em Turim so nao
rocera coisa alg.iroa do lado da Franca.
:< Eles nntivus sao efTeclvamente'snincienles
para explicar a conduela decisiva de Vctor
fcmmanoel Elle vive n'uma poca de raovi-
mentos revolucionarios, em que a preservarlo
pessoal importa sobre qualquer outra conside-
racao, e seria pueril appcar situacao do re
do Piemnie as mximas do direilo internacio-
nal que se applic* aos ponidos de tranquilli-
dade. '
O jornal denominado Nalionalils, diz que de
Ancona escrevem, declarando que foram retira-
dos trinla enormes caixoes com esto disticto :
Objectos militares. Toiava, julga-se que con-
leem objectos preciosos do Papa e dos cardeaes
expedidos para Ancona, atim de serem mandados
por mar para Trieste, na probabilidade de urna
foga.
Escrevem de Vienna Gaztla de Colonia :
a Ainda se nao renunciou a idea de urna in-
tervencao a favor do Papa, no caso de Garibaldi
invadir os eslados da igreja. E' pelo menos o
Que se assegura, e de fado os chefes do partido
ultramontano desenvolvem urna grande arlivida-
de nesto sentido. Consta-me. porem, que o con-
de de Rechberge o conde de Mellomich se pro-
nunciaran enrgicamente contra urna semelhan-
Paraguay.
Ha alguna lempo que o ltrasil comecou nova-
mente a preludiar a pendente queslo de limites,
mas nao sob carador olcial, coniquanto presu-
mamos com algum fundamenlo que os passos
dados oeste sentido sao producto de deliberacoes
governamenlaes.
Em marco ullmo o nosso governo leve a sor-
presa de N... ler-lhe una carta ijue com este lirn
Ihe foi Iransraillida ; conlnha a exigencia de que
o governo envo ao Ro de Janeiro um ministro
para concluir um tratado definitivo de limites, no
interesse de poupar as despezas onerosas e os
incommodos de raanler torcas na incerteza de
boas relages. O governo pedio copia desla cuta
para considera-la com mais vagar, mas foi-lhe
negada por ser objecto reservado; porjsso limi-
tou-so a estranharo modo e forma da exigencia,
sera propor sequer um meio de conc.iliaco para
. romper a ircgoa do seis annos estabelecida no
. Halado de 1&5G e confirmada no de 1858. Isto
| nao leve ulterioridade.
i Com esto antecedente se pode comprehender o
I Qra do Coneio Mercantil de 12 de maio ultimo,
'publicando um artigo que tem por epigraphe Li-
mites do Brasil com o Paraguay. Eite nico
i numero foi enviado redicco pela primeira e
nica vez, ecomalgumas leves curreccoi-s de
penna, o que ludo revela que fui intencional e
, como urna especie de continuacao indicada con-
fidencial. Poderiamos mostrar-nos desentendi-
dos desla Tarca; mas, fortes em nosso terreno,
acceilamos desdo j a lica. e combateiemos com
a franqueza e lealdade que temos por costume.
Entremos em materia.
Diz o Correio Mercantil em primeiro lugar que
sera duvida a queslo de limites a mais impor-
i Unte que tem o Brasil, e qual presta sua maior
laltencao. Nao trataremos, accrescenta, dos
meiosque tcem empregado os uossos estadistas
para resolv-la ; nao queremos por agora saber
,' se foram bons ou raaos, seuiiudo sinenle que
! nada se tenha adanlado.
Responderemos a esla observago quo certa-
mente a lueslo de limites a mais importante
j que tem o Brasil, e que com as outras repblicas
j confinantes com o imperio tem lido a habilidade
de negociar tratados de limites em proporco di-
recta com o seu estado de dissensoes e debilida-
j de, de suas inslituicoes e de sua adrninistracao
interna. Isto mesmo tem prsenle o governo do
Paraguay para por-seem guarda.
No seu segundo paragrapho prosigue a men-
cionada tulla : O Brasil e o Paraguay, emquanto
! lacees novas, deven) procurar definir seus limi-
! tes, porque depois ser mais difficil era conse-
quencia do desenvolvimenlo das povoaces fron-
iteiricas; luda a demora prejudicial, tanto ao
l Brasil como ao Paraguay. Nada ha mais neces-
sario que conhecer o que se possue, o por isso
' di vero o Brasil e o Paraguay empenhar-se para
pflr termo s questdes do sua linha divisoria.
Responderemos a este paragrapho objectando
que nao cousa demonstrada que o arranjo da
! queslo de limites entre o Paraguay e o Brasil ha
, de ser mais difllcil depois que se forera augmen-
! lando as povoa reclama como suas; suppondo porm que assim
seja, cumpree urge considerar de novo esto gra-
t ve assumpto com a atleiiQo que o seu carador
reclama.
Com elTejto, um arranjo de limites entre am-
bas as naco"s sem duvida necessario, como a
nica queslo que resla aplainar-se entre as do is
potencias, e que urna vez resolvida, desappare-
cerara todas as causas quo pdem alterar suas
relacdes, ou perturbar a paz, primeira o essen-
Ual condigo de sua prospcridaJe.
Vamos ao paragrai lio lerceiro da folha brasi-
leira, que diz: Pela convenco de 6 do abril
de l85t, relativa a oossos limites, devem os go-
vernosdo Brasil e Paraguay nomear s^us pleni-
potenciarios, logo quo as circurastancias o per-
mittam, dentro U prazo de seis annos, contados
daquella dala, aflm de examinar e ajuslar dofl-
nilivaraenle a liuha divisoria, la quairo annos
que ajustou-se a mencionada convenco, o nao
existo actualmente embanco algum que obste a i
que se trate definitivamente de nossa liuha di-
visoria ; deve purtaulo o Brasil activar esla ne-
gocia;aC| nomeando desde j seu commissario
atim do levar a effeito a domarcagSo
Observamos ao peridico do Brasil que maule-
mos i creuca de que na j ha de haver embaraco
algum por parle do governo do Paraguay para
renovar as negoriaces de limites; e qua o "o-
vemo da repblica espera que o governo mpe- j
nal se decida a verificar a abertura desto as-
sumpto desde que seja precedida de urna mote-
racjjo mais conformo ao negocio, e por conse-
guirlo era completa discordancia dasobservaces
enjillidas pelo autor do escripto que eslamos im-
pugnando. Esta discussao deve ser bascada na
convenco reciproca, be.-n entendido, que a base
que estabeleco o imperio douti possidciis
como principio da discusso, pela equivoca in-
terprelaeao que se Ihe lem dado, oliendo muilo
directamente os dircilos do Paraguay, vendo-se
amparada sua seguranca e aoffrendo gravantes
conhecidos em seus mais vitaos inleresses
vamos ao seguinte paragrapho da publiccao
do ido de Janeiro Contina: Para que nao"so
demorem os Irabalhos da demarcarlo, deve o
nosso governo nomear quanlo anles urna com-
ralasao de oiliciaes engi-nheiros para levantar a
plaa de nossa froulcira, convidando o Para-
guay a ofiectuar o mesmo; pois, achando-se
prornpto este trabalho, a demarenco se verifi-
car sem daces, e como estas sao muilo pro-
judiciaes aquella, se pdem dispensar as "ran-
des triangulares no levantamenlo da planta re-
linda. Os irabalhos geodsicos sao mui dispen-
diosos e prolongados ; os topngraphicos alm de
serem menos dispendiosos, sao mais expeditos e
suiTicienles para qualquer deraarcacao, bastando
apenas sujeita-las s latitudes e "longitudes e
calcular bern as variages da agulha.
Responderemos que a nomeaco o envatura
de lima commissao de engenheiros para formar
a planta do territorio que objecto das Reclama-
cues do Brasil e do direito do Paraguay, ser
una medida nao s necessaria como lambem
ulil e opportuna, devendo proceder discusso,
para esclarei-la. que se adopto este principio:
que se concordar na linha de limites dentro des-
ic territorio que mais se approximc a urna igual
repartigao do sua superficie, e que garanta oo
mesmo lempo a seguranza de suas possesses.
Vollemos ao Correio Mercantil, que aceres-
cenia : A linha divisoria do Brasil com o Pa-
raguay, na parle em que ha contestacoes se-
gundo os tratados do 17O e 1777, pelo rio jejui
e pelo Ypurey, que desagua no Paran, abaixo
do Sallo das Sie Quedas; sobreviedo porm du-
vidas dos commissarios hespanhes no ado da
deniarcacao, ainda que cstivessem convencidos
que a diviso mencionada era xpresso dos
tratados, posto que nao poderia haver duvida so-
bre aquellos rios, se adoptou a linha divisoria
pelos ros Ypaneguassu e Ygatemy, com mani-
fesla infraeco dos referidos tratados; porquanto,
ainda adraittindo o Ygatemy pelo Ygurey, o sen
conlraverlenle mais prximo o Agoray, braco
norte do Jejui, e nao o Ypaneguassu; mas, dan-
do ludo isto de barato, a nossa linha divisoria
pelos rios Ypaneguassu e Ygatemy, segundo o
proprios Hespanhes.
Convm responder a estas raauifestaces que o
Paraguay demonstrou em muilos artigos publica-
dos no Paraguayo Independente, oo Semanario
e na discusso officiat de seus limites todo o di-
reilo que Ihe assislo; s resta observar que o
goveruo imperial abandonou os tratados nunca
Hnalisados em 1750 e 1777, offerecendo e insis-
lirido no uti posfidelis, corno baso para discus-
so das pretcncoes reciprocas; que o da rep-
blica aceilou, porque ainda assim ficavam seus
direitos inclumes.
Vollar sobre o Jejuy, Ypaneguassu. Aquidaban
o Ygatemy, de que os tratados nao se oceupam,
o rae3mo que voltar sobre Sunta-Catharina,
Rio-GranJe e as Misses da esquerda do Urugua,
c ser demonstrar urna ignorancia igual do
autor da. publicaco, objecto destas observa-
res.
O Correio Mercantil accrescenta em sua sexta
consideraco a este respeilo :
Todavia o Brasil, sempre solcito em manler
as boas relages com o Paraguay, Ihe prope a
conhecida ltimamente conforme ao uli-possidelis
com manifest prejuizo nosso, esperaudo que esla
proposta corlara o n gordio, porque justa-
mente a linha divisoria que divido pelo meio a
dos citados tratados e a proposta pelo Paragua ;
e nao obstante foi repellida.
A diviso, segundo o uti-possidetis c pro-
posta pelo Brasil (na parte contestada), pelos
ros Apa e Ygatemy ; c pelo Paraguay, pelu lado
~ chamado por seu governo Rio Branco e pelo rio
Yvinheima 1 Os que conheeem esla parte de nossa
fronleira se admiraro logo da estupenda pro-
posta do governo Paraguayo.
Aqui j necessaiio responder ao artiguista no
lora e conforme o que elle escreve. O que pro-
pz o Brasil era o it\i-possidetis como base de um
arranjo de limites.
O seu ministro plenipotenciario, porm, apoia-
do por una esquadra amcagadora, nunca quiz
[por nao achar-se aulorisado, como elle dilie]
explicar a significaco genuna (pratica) da base
que inlimava.
Nesse estado ficou suspensa a navegaro, que
nao lornou-se seno pela convenco de ti de
abril de 18J6, era que se decidi seu a p raza ni eti-
lo por 6 annos.
Precedo de novo o peridico citado :
Ceder o Brasil seus direitos garantidos por
dous tratados, propendo urna linha com mani-
fest prejuizo seu o sem nenhum para a Para-
guay, aflm de chegar a urn accordo definitivo, e
o governo paraguayo propor a diviso do Itio
Branco e do Yvinheima, c sera duvida um gra-
ceju F.ra que se firma para fazer semelhante
proposta ogoverno paraguayo aoBiasil? Di-
zendo apenas que o estabolecimento Jo forte de
Olympo ou de Pourben o o de algumas habita-
C'jc.s hespanholas sao provas malcriis de pos-
sesses hespanholas ?
O Brasil lambem tem a seu favor provas
materiaes e irrecusaveis, taes como a praca dos
Prazercs, que possuio Portugal na margemnorle
do iiu Ygatemy, ura punco alm de sua garganta
23 leguas, e inuitos eslabelectmenlos pirttcula-
| res, entre ellos o do sargenio-mr reformado,
; que linha sua fazenda denominadaEgua3
lornias abaixo do rio Aquidaban, conhoiido hoje
pelo nomo do Aquidananaguy.
Dentis, o torle de Olympo nao pile servir
de prova, e sm smento de nfraego uanifesla
da Hespanha, por ter sido fundado em 1792,
| muilo depois do ultimo tratado mencioiado. Al
o Apa chegarara sempre nossas rondas, sem que
nunca solfressemos opposico, e o forte de S.
Jos, que osl ibeleeeram os hespanhots era sua
margern esquerda, foi completamente demolido
pelos portugueses em 1602.
Vamos replica incontinenti :
O Brasil, como se v, nao ceden do nenhum
de seus direitos, porque nao os tinha.
Os dous tratados de 1730 o 1777 nada decidi-
r m seno umi cousa ignorada por ambos os
contratantes: com essa canscioncia,Portugal eHes-
panha mandararn seus demarcadores quo raos-
Iraram a impossibilidado de concordaren! em
| pontos designados que nao exisliam ; e por urna
e oulra parle se presumi queseriam conheci-
, dos por ouiros nomos pelos indgenas, acredi-
I lando na impossibilidado de execular tratados
I felos sobro bases nao existentes ou erradas,
I leudo em resultado osen abandono.
OssupposlOS direitos do Brasil, que o autor da
i publicaco que impugnamoi cita no G., nao
abonara sua lgica, e fa/.em suspetar de sua ba
f, parecendo mais calculados para extraviar a
opinio publica, cujo criterio raras vezes pode
ser dirigido em assumpto desla ordem por um
conheciraento exacto do assumpto.
Impugna o leraniameiilc do forie Olympo, e
0 qualilia de manifesta infraeco do tratado por
ser erigido era 17I2. Isto c unta raaniVstacio
ingenua de SU a ingnor incia, e prova que nunca
i'rt'n i lra,aJo Je '""", que consigna o rio Jaur
100 leguas cima no rio Paraguay como limites
enlre ambas as monarchias.
A que vera pois sor o forte de Coimbra, lio
abaixo desle limite? K como houve manifesta
infraeco por parle da Hespanha era erigir esse
forte em seu territorio, reconhecido como tal
pelo referido tratado ?
E se urna posse de tantos annos nada vale,
como considera valido o levaniaraento momen-
tneo do urna pequea guarda na esquerda do
Yguatemy, que os coramandanles de Curuguati
uzeram desalojar incontinenti, deraolindo todas
as edilcaces de particulares, OU o estableci-
do do um particular, denominado
INTERIOR.
Eguacomo ttulos de posse ?
Se as rondas brasileiras chegaram at direita
do rio Apa, isto cm nada justifica o seu direito,
porque foram constantemente intimados a reli-
rarem-se inmediatamente, ao^jue sempre obe-
decern! : quanlo demolic&o do lorie hespa-
nholdo S. Jusc na esquarda"do rio Apa em I80z
pelos portuguezes, ignoramos o fado ; medeiam
deste acontecimento mais deOannos; mas de que
todo mundo so record a da espulsao dos brasi-
leiros do l'o de Assucar no anuo de 1851, que
quizeram clandestinamente oceupar para inven-
lar o su uti-possidelis; expulso que nao trou-
le reclamaco alguma da parlo do governo
imperial.
Varaos agora oitava e ultima observacao do
peridico do Brasil :
Nao ha pois duvida, proseguo, que com a
linha do Apa e do Iguatemy perdemos muilo
eedeodo de nossos tfireilos to expressos era
nossos tratados de 1830 o 1777 ; querendo porm
o Brasil limitar definitivamente sua fronleira
com o Paraguay, prope aquella devisao por ser
a do uti -possidetis, e sobre a qual nao se pode
contestar nossa posse habitual. A que nos pro-
pe o Paraguay urna violaco de tudo quanlo
ha de mais sagrado entre as uages, urna in-
fraeco do direilo.
O Brasil pois nao deve ceder em nada e
conven) que, quando a diviso a que temos todo
0 direito pelos tratados citados nao seja drailti-
da, ao menos que a do uti-possidelis seja defi-
nitivamente ajustada ; devendo quanlo antes
fortificar a posicio do Fecho dos Morros que nos
perlence. j pelos tratados varias vezes mencio-
nados, j pela linha mi-possidetis, porque urna
posicao eminentemente estratgica e de grande
utihdade ao cori.mercio de Mato-Grosso.
Este artigo firmado por um militar.
Vamos dar a ultima resposla a este Glho de
Marte. Nao sofire duvida alguma que rom a
luna paraguaya do Rio Branco e Yvinheima o
Brasil nao s nao perde, como recebe mais do
que (era possuido, pois o forte de Coimbra urna
invasao dos limites do Jaur, e o Rio Branco
esl 30 leguas abaixo da antiga cidade hespa-,
nhola Jerez, rica e populosa nnquelle lempo
Acredilamos que o Brasil, pela razio, lustica '
e sua propra conveniencia, desistir do preter-
goes auliquanas, sem resultado pratieo nem
para a sua poltica nem para seus interesses e
que omillir provocages para oceupar o fortifi-
car terrenos alheios, ainda que estratgicos, para
nao provocar iguacs ou mais graves consecuen-
cias que as acontecidas no Pao de Assucar que os
brasileiros chaniam Fecho dos Morros no anno
de 1851, por iguaes motivos.
Esperamos que o governo imperial desalten-
der indicaces que nao esto na altura de sua
moralidado poltica, era na digndade de sua
posicao.
HIO DE JA MI lio
26 de setembro.
Por portaras de 22 do correule foram noraea-
dos :
O Sr. conselheiro de estado vsconde de Uru-
guay, para presidente da commissao inspectora
da casa de correcgo da corte;
Para membros da raesma commissao, os Srs.
conselheiro Zacaras de Ges e Vasconcellos Dr
Francisco Bonifacio de Abreu, bacharel Andr
Augusto de Padua Fleurye coronel Galdino Justi-
niano da Silva Pimentel.
-27-
S. M. o imperador, lendo sahido hontem s 5
horas e 1 quarto da manha da quinta da Boa-
\ista, acompauhado dos Srs. ministro da guerra
e do imperio, camarista general Cabral, guarda
roupa Gouva c ajudanle do mordomo Dr. Jaco-
i "n "m lre'" esl>eal da estrada de ferro
de D. Pedro II, seguio at c.-taco de Sapopera-
ba, onde chegou s 5 horas c 50 minutos. Pas-
sando entao para o trem da casa imperial, tomou
a estrada de S. Pedro de Alcntara. construiJa
por corita do ministerio da guerra para commu-
nlcar esta estago com a escola de tiro no Rea-
lengo do Campo-Grande, e apeou-sn s 7 horas
a entrada desle esiabelecmenlo, sendo recebido
pelo respectivo director, o capilo Jos Thomaz
do Almetda Pereira Valente e mais ofciaes em-
pregados.
S. Magestade examinou minuciosamente a es-
cripluragao e conlabilidade, visitou os quarteis,
arrecadages, sala d'armas, pristo e mais depen-
dencias, exigindo muitis informaces ; dirigio-se
depois para o campo de exercicio* o mandn que
a gumas pracas das que all se achavam formadas
aiirassem ao alvo, urnas guarnecendo urn canho
de calibre 6, um canho obuz de- 1/2 polegadas
do .Sr. general Sanios Brrelo, o urna estatua do
logeles de guerra confeccionados segundo as
prtscripccs du Dr. Luz, director do laboratorio-
pyrotechinico do Campiulio, outras armadas com
mosqueles de 17 e carabinas Mini
O exercicio comegou alirando o canho asses-
tado no terreno natural, estando o alvo a 100 bra-
gas. Pelo ngulo de 1"50' acertaran! no alvo 1 :
z ou oO %, sendo as pontanas feitas por pracas
liradas indistiuclamenle da forma.
Com o canho obuz, achando-se o alvo mes-
ma distancia, espoletas de 4" e alca de tres pole-
gadas, o t" lenle Duarle Nunes fez dous tiros
ccrleiros, (cando o alvo ferido por mullos esli-
Ihacos.
Os mosqueles e carabinas deram resultados
vanlajosos no acert dos tiros a distancia de 230
a 000 passos. Oito pracas alirando com os raos-
queloes obliverara, termo medio, a porcentagem
de i0 (i/o, oceupando o alvo a froule de dous ho-
mens ni Qleira. As quatro pracas que a lira rara
SnA/8 Cfrabinas obiiveram a'porcentagem de
-0 0/0 a 480 passos de distancia.
Js fugeles provaram excedentemente, nao
sendo em cousa alguma inferiores aos raelhorts
que temos da Inglaterra e da Allemanha.
Concluido o exercicio, S. Magestade or lenou ao
ir. Dr. Jacobina que gralilicasse os raclhores ali-
radores, e cora effeito foram distribuidas diversas
gratifieacoes do I5j, l^e 5J, conforme a aptido
de cada um.
S. Hagestade, solcito sempre pelo bem-est.ir
dos nossos soldados, dignou-sa examinar o ran-
cho, provando urna raco destinada para um
del les.
Retirando-se depois das 10 1/2 hora?, S. Ma-
gestade deu signaos do salislaco o foi nossa oc-
casiao saudaJo cora enihusiasmo pelos ofciaes
c pracas aquarleladas na escola.
O Sr. baro de Piraqura leve a honra de re-
cebo'' a S. Uagestade era sua fazenda do Bang.
S. M. ah alraogou, e parti meia hora depois
do racio-dia para a fazenda de Santa Cruz, onde
chegou pelas 3 e meia horas da larde, sera a me-
nor novidade.
Beunram-se honicra noile era casa do Sr.
conselheiro Sergio Teixeira de Maccdo, muitos
dos membros proominentes do partido conserva-
dor o per lancen les ao corpo legislativo, aflm de
conbinarem sobre os meios de prestar a mais ef-
licaz coadjuvaco aos seus amigos candidatos na
prxima oloigo de deputados assembla geral
Entre outras medidas adoptadas, foi resolvida a
de urna commissao central com plenos poderes
para enlender-se com toJas as influencias da opi-
nio conservadora, e deliberar como julgar mais
cunveriicnle.
A commissao central composta dos Srs. vis-
condes do Itaborahy, do Uruguay e de Abaei
marquez de Caxias, baro de Hur liba, conselhei-
ros Lusobio, Candido Borges e Manoel Felizardo.
lor decreto de 2 do correle foi perdoada a
Manoel Antonio .le Barros, a pena de dous mezes
de prtsao o multa correspondente melado do
lempo a que fui condemuado pelo subdelegado
do polica da fregOBzia da Gloria, do municipio
da cort'\ '
28-
Sua Magestade visitou hontem de manha os
campos, as novas plautagas e as escolas da fa-
zenda de Sania Cruz, e tarde foi passeiar ao mi-
ra ni.! da ped eir.
Sua Magestade pretenda ver hoje as Ierras da
tazenda da Pedra. perlencenle aos Carmelitas, le-
goa e meia distinto de Santa Cruz.
No da 2o do torrente descobrio-se no banco
Comroerciale Agrcola a existencia do urna erais-
sao fraudulenta de aeges do mesmo banco, feita
por meio do cautelas falsas pelo esc ipturario Jos
Marques Pinto, quo linha a seu cargo o registro
das irinsfercncias das acedes, sem que pelo era-
ntes al hoje feitosse podesse verificar o numero
exado das que foram emiltidas por esse modo.
O fado foi levado no mesmo da ao conheci-
rrienlo do Sr. chefe de polica da corte, a quera
foram ministradas todas as informaces que de
momento podiira ser dadas.
Hontem de manha, indo da corte para Nicle-
rohy o mesmo Pinto, desemharcou em S. Domin-
gos, ealli demorou-se algum lempo na ponte das
barcas; de sublo, alirando ao chao o chapeo e
a carteira, lancou-se ao mar. Ura carpinteiro
que all Irabalhava fez o mesmo e salvou-o.
O Sr. chefe de policia da cile hontem mesmo
fez conduzr Pinto sua presenca, e dahi foi re-
colhido casa do delenco, onde tambera se
achara incomrauuicaveis ous individuos para
avenguaces.
30
Sua Magestade sabio hontem do manha da im-
perial fazenda do Sania Cruz e chegou ao meio-
dia quinta de S. CbriUovao.
1 ile outubro.
Por decreto do hontem foi nomeado merabro
efieclivo do consolho naval o Sr. baro de Muri-
tiba.
-2-
Por decreto do 23 do mez passado foi nomeado
lente da faculdade de direito do S. Paulo o Dr.
Antonio Joaquina Ribas, substituto da raesma fa-
culdade.
Por decreto de 2'J do mesmo mez foi exonera-
u? 3 S?U PeJ'do Sr- ,oa" Guilherme do Aguiar
Whitlaker do cargo de presidente da provincia de
Santa Calharina.
O Sr. marechal de campo viscondo do Camam
foi nomeado para inspeccionar o Io regiment de
cavallaria ligeira.
3
Por decreto de ISdejulho do corrente anne
foi nomeado cavalheiro da ordem Ja Rosa o Sr.
lenle Antonio dos Santos Lara.
Por decretos de 2'J do mez prximo (Indo, foi
prorogado por seis mezes o novo praso concedi-
do em margo deste anno para a incorporaco das
sociedades Banco Industrial, Commercial'e Ter-
ritorial do Rio de Janeiro : B rico Soccorro e Au-
xilio ; Banco Indusrial e Hypoiheeario.
Por decreto n. 2.619 de 11 de agosto prximo
passado, foi aulorisada a incorporaco, e appro-
varara-se os estatutos da companhl denomina-
da Transportes Martimos.
Por portara de 2- de setembro prximo passa-
do, foi nomeado capello-canlor da imperial ca-
pella o padre Jos Marij da Cosa Rebcllo
6-
0 violento furacao de ante-honlera noile cau-
so u alguns estrados em diversos pontos da cidade
incluindo-so nesse humero os segrales;
Na ra do Braganga desabou um lelhei'ro.
Na ra dos Barbnos cabio urna parle dos fun-
dos do predio n. 70.
No morro do Neves foi arrazada a torre da no-
va capella all construida.
Ficaram inundadas todas as obras do canal do
Mangue, e lambem cobertos de agoa os terrenos
lateraes das ras do'Sabao e do Aterrado.
Alguns moradores desses lugares informam-
nos que a nterrupgo do esgoto das agoas no ca-
nal a causa principal uo s das inundages em
n^auad^as^ramJr0 ** frmaS5 de p8ntan0S I 2eum grando di^ue D0 Port"- Ficava-se esperan-
a"oKS5 tfffS seria de grande ulilidade o > tVSSSOT ^ ^ ^ U"
so7iaaoISladn ^ nabe.rlUra de U,ma Va'-la P"'1 Aesse PrJec"> o dique Hgava-se o de urna
idhrad f ;ddaSe aoJraarbraS ^ j l T? ^T' "? ^ j *5SSS ha lera-
N. principio da^ir'dS'o Rio Corapiido e ffil- ^ deW* a,raVeS8ar W-nh. on-
de allu?ae cand? ^LnT T"? P?mS g0Vern COnvdou licitanles Para ura terc'-
Qr ia n c"mPr'Jo. porm, chcara do Buenos-Ayres e o de Montevideo
Lcravo doCmeSamoas^h'a ^r"09' PereC6U "" perodico "** S lo chamado pe-
. a. ? smo senhor 8ob uma Sfossa cama- ranle os trbuuaes. Desta vez norm rJtin
da de trra despregada do morro pela chova. ostensiva desse chamado foi ler' dP,lo fuella ga-
Tiveram as honras zeta que exista era umidos quarteis da cidado
nn ,.., i .', uma mulher encorrentada.
Marrano F^," "vf 1 """"1^0 Padf P-eJ o "V Promovido pelo Sr. Burgucno contra o
S S da villa' X ? m. I a'W* 1 ^ J- ?' ACUna Pr Crirae de in-iuria- liavia '
pVvTntia'dJ'p'ernia ^ "^ d eS' da fftS ff 3 HP- cusas o
oJeijffffifAuu.6^111*11!' PadreJoa-: OSr. Martin Zunhiga, que j noticiamos ler
dad" d smirndo Ini o ?", **$* da -lul",' fecid<>. lp8" em seu leslamento fortes sorn-
dioceso doTvaM eP'scPa J'\Conceigao, da ; mas para as obras pias de Montevideo, Cordova
MT.nl. Cuyabd. 0 o Padre Manoel Pereira e Buenos-Ayres.
De conc"o dn <5 Hn u...i.: A=a"ava de sahir a luz uma obra importante
mundo oSStTsaSva vi%^\\ i Pa.drf Ray" ; r. ?f' CRrnel de S^ "eyes, sob o
zia do AposSra S^ MalhUs15 la rf H ? da reS',,e" ^o-Descripco geographlca do territorio da
ra. da raesma diocese Jade de kUM,U' nplibhcn 0rieiUal do ^uguay. O Sr. Reyes foi
:rJs[}a,lQ0 Bi".os. tw*, do cargo de Por decreto de 22 de setembro deu-se regula-
chelo de polica da provincia do Lspirilo Sanio.
Foram nomnados :
ment le do 20 de julho ultimo, conlribuico directa, ticando disposta a percep-
guarda nacional da provincia das Alasas
As eleicoes de representantes conlinuavara
oceupando a attenco publica. Mais urn club
elciloral havia apparecido na capital.
De Buenos-Ayres as noticias sao despidas de
todo o inleresse.
Todos os olhos scvollavam para a convenco
Jos Candido de Albuquerque Haranhao, le-
nenle-coronel coramstidante do batalho de in-
fanlana n, 25, da guarda nacional da raesma:
provincia ;
mS^iSSJSST rt ncn, Jo,3 Pereira-!
major ajudanle de ordens do commando superior a dpUSSt^SSS^ CmatC*S daC^lalda ld* "ovembro podena j/k^a^tfcl d.
' TSiXl- Luiz do Como Brsndao. Prc:sC80defdClOdeBueOO9-Ayre89OUlri
capitao secretario geral d"
!SUperOr;(- .. 'mport rales.
CamnoWr. i. ??-Bir J0S. rra,R3C0 dc N "" 2 do mez passado abrira-se a conven-
lo ;':mr!T;:"d>o^^^^rr.aj^a',,o.deordens s5 **. m* sanuF. as ****"s
do mesmo commando ^ Da confederaco argentina as noticias sao n
juarda nacional da
do commando superior da
comarca do Rio Haranhao, da mesma provincia ;
O sargento Antonio Pleury Curade, capilo ci-
rurgiao-mr do mesmo commando superior;
Jos Bernardos Prenles, capilo cirurglo-rar
i .------.--------' -i-"-" -"uifjiuu-uiui -Ti", ujrri c i.aval a cnnvi-rii-ion.ai'i i
moSXYllVrl 2 g"a,da W ,d0 C,,J0S d"""rna oraTaSmirdos
iiiufiu uno un 3, tu iicalo i!.! ni iiv ti.ci .1,, >,-^,. ... 4 ,...____-
municipio de S. Gongalo, da provincia do Pauhy
I'oram reformados :
Joaqulm Procopio-de Souza Castro, major com-
mandante do esquadro n. 3 da guarda nacional
da provincia do Paran, no posto do tenente-co-
ronel ;
Tristn Uarlins de Araujo Franca, major da
anliga guarda nacional da mesma provincia, no
posto de tcnente-coronel
Marrolino Jos de Souza, capilo secretario
geral da anliga guarda nacional da provincia
de :v ledro do Rio-Gran le do Sul, no mesmo
posto.
Conceden-so a Joo Florentino Cavalcanti de
Albuquerque, lenente-coronel da anliga guarda
nacional da provincia do Cear. as honras do
mesmo posto.
Foi designado o capilo Beecdito Crescencio
I averna rd para exercer o lugar de major do 1"
batalho de infanUria da guarda nacional da pro-
vincia de Pauhy. F
Foi aggregaao ao batalho de nfmlaria n. 1
:uarda nacional da provincia do RiodeJmei-
preparatorias havam corae.-ado a 15 do mesmo
mez.
Esliveram presentes na sesso da abertura lo-
dos os membros da convenco, excepgao dos
rs. Barra e Lavalla. convencionaes de s". Joo
ro o lenente-coronel Jos Augusto Monleiro de Carri
A convenco compe-se dos seguales senho-
res :
Cordova.Carlos Bouquet, Luiz Caceres Ve-
loz Sarfeld, Antonio del Vis-, Justiniano Posse o
Mariano Fragueiro*
Tucuman.Marcos Paz, Jos Po;se e L'ladis-
lo frias.
Santiago.Jos B. Gorostiaga, N. Gorostiaga.
Antonio Taboada e Modestino Pizarro.
Rioja. General Echague e Benjamn Vic-
torica.
S. Juan.Federico de la Barra o Pedro Za-
valla.
Mendoza.Hateo I.uque, Indalecip Chenat o
Lucas Gonzlez.
San Luis. Carlos J. Rodrigues e Daniel Vi-
dal.
Sala.Sola, Goilea e Lpez.
Cataniarca.Pedro Segura. Oclaviano Navar-
ro, I-ranci'co Ramn Gaindez.
Corrientes.J. M. Rolon, Juan Pujol L. Lor-
rent, Tiburcio Fonseca.
Eutre-Rios.Juan F. Segu, Salvador M. del
Barros.
Foi exonerado, por assim o haver pedido, o
bacharel Jos Mara de Andrajo, do cargo de
secretario de polica da provincia de S. Paulo e
nomeado pata subslui-lo o bacharel Candido
Jos de Andr.ide.
Foi declarada vago o officio de parlilordo Pi-
lar, da provincia da Parahyba.
Foi aceita a renuncia que fez Hanoel Vicente
uoucalves Ayres da serventa vitalicia dos oftlcios
Juruy.Bustamant, Daniel Araoz.
Santa-F.Marcelino Freir Nicasio Orono.
Buenos-Ayres.Valentn Alsina, Dorain"oV
Sarraienlo, Adolfo Alsina, Fuvino Elialde
Francisco de las Carreras, Emilio Castro, Irene
Prtela Pastor Obligado, Noeolas Albarellos.
Wenceslao Pauuero, Jos M. Giitierrez, Jos
M.irmol.
A mesa j flcava formada. Occupava a presi-
dencia oSr. Dr. M. Fragueiro, ex-governador do
do la be lliao do publico judicial e notas o escrivo Cordova
el ei orphaos da V.lla-Bella da provincia de Para a vice-presidencia tora elelo o Sr. Dr.
Pernamboco.
Ttverara merco da serventa vilulicia
Henrique Jos de Henezes, do officio de par-
tidor do termo de Maroim, da provincia de Ser-
si pe ;
Joo Antonio Ribeiro de Paiva, dos offlcios de
Francisco de las Carreras, presidente de supremo
tribunal de juslica de Buenos-Ayres; pan a 2'
vice-presilencia o Sr. Dr. Valenta) Alsnn, r
governador da mesrai provincia; para secre'taro
o Sr. Lucio Haosilla.
Todas essas noraeages, dizem a Tribuna e o
Jttar. ?'"c", .....i""-'"?* *tnsr -AJ*urss: s*st
ouiuos de tabet.iuo e esenvao das execuedes e anda aprescntaJa como uraa nrnvi di-\
JNJW*. .e,mo i, Cha,*, d. ,,..i,d. cis., ,.....^^SSS.T'pS!'.
Santo.
Foram commutad.is em gales perpetuas:
Ao roo Amonio, escravo, a pena de morte que
lo da confedera*;
Os peridicos unitariosdoo esses dous ltimos
personagens co.no decididamente ligados aos
II,,.,- : ; T-------- r> ">< <" iii-jii'.- 'i'iu pciaudgeri como ueridiUamcn(>> l'adds ,nt
c.eopTrPaaa5Pe, ^dtC-"^ da provin-convencU.esde Buenos-Ayres, e os 'tfria'e,T
ca do Paran .
Ao reo Agostinho, escravo, a pena de morte
que Ihe foi imposta pelo jury de Vianna, da pro-
vincia do Haranhao.
Foi perduada a Domingos Alves, Uespanhol,
a pena dc seis mezes e meio de prisSo a que foi
condemnalo pelo jury de Hacei. da provincia
das Alagoas.
deraes nao o contestara.
A Tribuna, dando coma dos Irabalhos da con-
venco, expoe o que se segu :
as reunioes preparatorias das convencio-
naes, ...n pont. havia que se apresontara como
de dticillima solucao, porque, anda que libe-
ral a convengan em sua maioria, o amor proprio
dos deputados das provincias se senlia offendido
era seo m.du de ver o ponto a que Iludimos,
ttetonmo-nos a queslo dos tratados.
< Bueno-Ayres propOe uma emenda consli-
tuico, pela qual lica livre das obrigacoes que
pesara sobre a confederaco pelos compromisos
internaconaps conlrahidos durante o periodo do
sua separaco. Essa reforma era de convenien-
cia e de direito. De conveniencia, porque po-
..Ir, -, deudo Buenos-Ayres ficar sema desse compro-
\ nP.i i 8 ./' lerle'J !nl'10 an,e-hon- mtsso 0,,> 1e "5o lomou parte, ora de beneficio
r.,ih f 0'Prlos(d;l[l'o-la '"i,, recebe- para toda a nacao que esta importante fraccao
> l'lllias de MonlAViilen al 11 H mr .-.. .I..II, :, .;.....- i'_. .. K. ''" .'' '
Consta-nos que o tratado de navegaco fluvial
e de limites, celebrado enlre o imperio e o Rep^.
blica de Venezuela, do qual demos noticia em
agosto do anno ultimo, foi approvado pelo con-
gresso d.aqu.-lle Estajo, e definitivamente raiiii-
cado polo seu governo, tendo-se j effectuado era
Caracas a troca das duas ralificaces.
P
! era
nios f.dhas de Montevideo at 90"do mez passa-
do, de Buenos-Ayres al 28, da Confederaco
Argentina al 23, e do Paraguay al 20 do mes-
mo mez.
Continuavam em paz aquellos paizes.
De Montevideo poucas sao as noticias.
As folhis dessa capital assegurara ter o gover-
nperial prevenido ao da Repblica que ia
,ion,,n^u,. ..,..;. ...;K".a .tg ,. i., Mi-iiw ue uui.io de noverabro e unhu nm>
ffriass 1feom",cm' """s"-'" i arssff js5-s-5-5. c
de I de setembro de 1857.
Eis como a Xacion, refere esta importante no-
ticia ; r
Tomos ouvido quo se prevenio ao governo
da Repblica quo o Brasil ia deuunciar o tratado
de commercio e navegaco do 4 de setembro de
1867, assegurando se-nos ao mesmo lempo que
a suspenso comecar a ter effeito desde o Io de
dezembro do crreme anno.
Cromos de ulilidado dar esta noticia pelo
que pode interessar ao commercio. caso venha a
ter lugar a dita suspenso.
A ftepublica, que passa por orgo official, diz
sobre o mesmo assump O aviso do governo imperial relativo de-
nuncia do tratido de 4 de setembro est de ac-
cordo cora as manf slacoes da imprensa nacio-
nal, e, longe de oender, estimula os interesses
oem entendidos do paiz, ^ue s exige tranquilli-
ira nao precisar seno de seus pro-
della nao estivesse ligada a clausulas prejudicio es
a seus interesses c at a sua dignidade, como
por exeraplo, as que impoe o tratado com'a ifes-
panha, tal como declarar hespanhes os ilhos
de pas hespanhes nascidos era territorio argen-
tino.
a De direito, porque, estando reconhecidos pe-
3 parios de umo do noverabro e junho qne
rama exterior durante a poca do seu isolamen-
lo, repellir agora a reforma seria desconhecer
essa soberana do que temos estado de pose
seria impor-nos actos dc soberana exlerna do
um governo que nao foi aulorisado por Buenos-
Ayres para represenla-lo, e de ura congresso
onde nao tiveram assenlos os nossos deputa-
dos. '
Pois hora ; essa reforma era a que mais in-
convenientes apresentava ; s uilimas noticias
porem era ponto resolvido j, que o tratada
com a Hespanha nao ser obngatorio pranos
Nao obstante, os deputados de Buenos-Wres
com razan se salisfazera cora isto. e sustentara
que nenhum tratado celebrado pela confederaco c
para nos obngatoiio. Este ponto ser sem duvi-
da plenamente discutido na convenco o se um
amor proprio mal comprehendido nao se obstina
em atlogar a razio e a juslica. a reforma lem que
passar como Buenos-Ayres a propoz
Alera desS.as noticias colindas nos,jornaes da
confederaco e de Buenos-Ayres, da7/rcpica
de HonteVido .'".VeasS^^n^^ventZ"!!" duzido em'S ^"^"V q,'e fo ow repio-
vesse produzido no publico e gomn d r Di es a fo ha Z'^ *T'
bhca a noticia da prxima suspenso do tratado. tSSStJmU\.?i%?' "V Pr
O fado era recente, e parece qo0 nao eslava de fleeS-o enas lodasaUas com duas mo-
lodo no dominio do publico. n, P -
Corra lambem que o Sr. Lamas se reliraria ,ri n it-T e Pr0Vinctas Unidas, so empre-
em breve desla corte, sendo esoerado na vola do f,,f d,Slmcl'?mer"e ,0,,os "s anU?8 no""'s <
paquete inglez Uleree teDeraao na TOlla do i "*. *-*: Proninci Unida do fio da
Os projectosde melhoramenlos abundavam era aeniJ^ Ar0entin',, Confederaco Ar-
Montevido, mas nao se tinham ainda traduzco SS^tiSl T 5'," em factos. 'iouuziuo i no e territorio das 14 provincias se empregar a
i palavraNaco Argentina na formaco e saneco
prios recursos nim de desenvolver os diversos
gneros de riqueza que contera ern seu solo
Nao se pode anda fjuizar bem pela imprensa
0 ministerio havia passado ao examo da j
consultiva de commercio um projeclo de pesos e
medidas, segundo o syslema decimal, cora o (im
legfslaS13"10 SaDCQ leg3lalVa Di Proxima
Um nego'cianle inMez ectnhoton;! n- I o ''jaguay ruda orcorrera de not
denle ha n.ais de 30D.notpt^ra\mbera '1,e,M S l">* 'ocal.
c7mPoJ;5oduTJeUrteMloteri" ^fr'^ ^ ^ **?" *' JnVUe' a ,,nha d
bazar. uo rilas, loteras e leiloes de sol, tomos dalas de Porto-Alegie at 29 do pas-
0 goveruo oceunav ao onm '0' do Rl Grande al 1 e de S. Calharina at
Boveruo oceupava-se com o antigo projeclo I 3 do corrente:
das leis.
Confirma-se a noticia que j demos da mis-
sao especial do Sr. Luquo junto cOrle de Ma-
drid.
No Paraguay ruda orcorrera de notavel; asno-
9
mi mi nn>


filARIO DE PERMMBUCO. TERgi fEIRA 16 DE OUTUBRO DE 1860.
m
O cheCe de polica da provincia, que, como no- I boato de um sanguinolento conflicto havido na
ticamos no Jornal de 15 do passado, tinha ido cidade de Algrete, por occasio da eleico muni-
Cachoeira tomar conhecimcnto das desgranadas cipal, conflicto em que se diz tercm sido f climas
- o Sr. jutz de paz Lino A. da Silva Cnldeira, e ca-
pito Francisco J. da Silva Crez. Eslesolmdo
Sr. deputado provincial Malinas Teixeira de Al-
meida, que consta ler sido atrozmente espancado
em occasio que se distrahia jogando jogo do car-
ias com alguns amigos.
Agora recebemos carias do Sonta Mario, e
Cachoeira, e tambera all grassava essa noti-
cia; dizendo-se-nos da ultima cidade que tinha
chegado um proprio com olicios ao Sr. chefe
de policio, oqi que se suppunha era noticia lo o
(acto.
Ao passo que islo se d, por pessoa vinda de
Taquary sabemos que navio chegado ao dislricto
Sr. delegado Francisco Lorelo de Carralho duran-: de Sanio Amaro um membro da familia dos Srs.
te o conflicto, e sobre quem recahem as culpas Patricio, quo leudo saludo de Algrete depois da
di' ler dado o primeiro tiro, e haver ferido o Sr. \ eleico, assegurava ler ella corrido se ni a maior
Tristao Subiinho. desordena, ganhando o partido do Sr. Sereiino
Vicente Siqueira, eo negro Manoel Pequeo Ribeiro a de vereadores, mas consegrando o par-
csloo presos, e este ultimo a ferros Parece que j 'ido contrario nielhor rotaco quauto a julzes de
o primeiro foi quem ferio o Sr. commendador, paz.
oceurrencias de que demos conta, inda alli se
chava na ultima dala.
Referindo-se a essas oceurrencias, diz o Cru-
zeiro do Sul de 20 :
O Sr. Tristao da Cunha eslava j restableci-
do das contusoes que recebera ao p da urna;
c a Cnchoeira em peso applaudis no veneran-
do ancio um dos mais bellos modelos de ener-
ga e civismo de que se possa vangloriar a noss
trra.
As inforraaces geraes confirmam quanlo
disse esse honrado carcter na participadlo, que
publicamos no jornal de 15; mas infelizmente
fugira da priso Zopherino Satrico, preso pelo
Fontoura, na cabecea. O segundo achava-sc
doenle de urna constipaco, na forma de cu-
j febre delirara. D'aqui o* boato de ter endoudo-
cido.
O Sr. Dr. chefe de polica tinha avocado asi
os processos que linhara j sido instaurados pe-
los Srs. juiz municipal e delegado. A sua con-
ducta crcumspecta e firme angariava-lhe maior
confianza, c de hora etn hora crescis-the o pres-
tigio, s.igundo urna de nossas cartas. O Sr. co-
ronel Hilario, o Sr. Felisberto Ourique, c outras
otibildades do chamado parlido saquarema, que
tinham-se retirado para suas fazendas, voltaram
para se apieseular ao Sr. Pindahyba, e coropri-
mentarem-o O mesmo tinha j feilo o Sr. Dr.
Duarte ; o de todos ouvira o Sr. chefe do polica
largas informaron sobre o anonl-'cimenlo. Eu-
Iretanlo o estado do Sr. Fontoura, e do reo
Manoel Pequeo tinha dado lugar a nao coniiau.tr
os processos.
Da torca que S. Exc. levou comsigo man-
dou voltar metade para acidado do Rio Pardo.
Tinham sido expedidas precatorias e avisos
para todas as partes era peiseguico do prfugo
Satrico, e havia esperanzas de que no esca-
paria.
A niesma Col ha de 23accrescenla :
Foram ptimas as noticias que tiremos hon-
tcm pelo Rio Pardease
O estado do Sr commendador Fontoura era
summamcnle osperoncoso, e, salvo algum inci-
dente inesperado, pareca completamente fra de
cuiiado.
Contava-se mesmo que em muito poucos das
podesse sahir da cama e comecar a sua couvalo-
cenca.
Sr. Tristao Sobrinho andar j na ra,
leudo tido um curativo summanipiite infeliz.
Era urna verdadeira romana a aflluciicia de
Visites ao Sr. commendador Fontoura, nao s da
cidade da Cachoeira e de seus arredores, como
de muilas leguas em redondo. A casa tem es-
lado continuadamente cheia, ha muitos morado-
res de fra Jo povoado que lera feito diariamen-
te proprios para saber do estado do popular en-
fermo.......
O espirito publico se preoecupava fortemente
com o resultado provavel do processo. A opi-
nio geral que o crime foi premeditado c fria-
menta calculado em todos os seus pormenores.
Ninguetn quer ver nos dous indiciados que su
achain presos tuais do que os Qxeculorcsde um
mandato alheio ; e esse juizo se tem corroborado
roais anda peloexsme de urna das balas que se
enera varara na igreja.
Essa bala nao urna bala vulgar; nao 6 o
projectil de una pi-tola de carregaeo, lal como
podero ler de seu um peo qualquer, ou um po-
bre oggrcgadu. E ao contrario urna bala cnica,
como a dos modernos revolvers, ou de outra
qualquer arma lina ; e esta circumslancia lera
espalhado a creneo de quo essa pistola tinha sido
confiada calculadameulo para instrumento do
crime.
< Felizmente a circu!nspccc.ao e firmeza do Sr.
Dr. Pindahiba tinham inspirado a maior confiau-
5_a e conlinuavam grsngeando-lhe provas decon-
sideracao c respeilo de todas os lados; reconhe-
ceudu lodos nfclle um magistrado lao integro
como cauteloso, o to enrgico como illus-
trado.
Assuas averguaces ho sido minuciosas, e
cuidadosamente encaminludas; mas muito mal
succeddas por ora em relacao ao prfugo Ze-
pherino Satrico, de quem nem sequer ha noti-
cias.
O negro Manoel Pequeo acha-so inrommu-
ncavel, porm, Segundo consta obstinan Jo-sc
n'uma leimosa negativa, s nao contesta a luz 'lo
roco da. *
Segundo outros jornaes, as demais pessoas
que tinham fieado mais ou menos feridas no
conflioto achavam-se tambera quasi resUbele-
cidas.
Havia em Porlo-Alegue noticia do resultado
das deires municipaes de Cacapava, Santa Ma-
ra, Cruz Alia, Passo Fundo e Santo Antonio, e
todas tinham corrido plcidamente.
A respeilo porm das de Algrete, diz o
Cruzeiro de 28 :
Sao funestas, horrivelmenle funestas as no-
ticias que trouxe o Rio frdense em referencia
s leiees do Algrete.
<: Parece que lambem noquella cidade draga-
ra m Ss mi os os partidos que se dispulavara as
armas o que um sangue precioso correu era ho-
locausto das paixoes polticas.
As noticias que podemos colher sao todas
vagas._ m
Nao se diz como, com que motivo, era
quando se deu ou comecou o conflicto : mas c-
tara-se como victimas seus dous nomes que nos
sao bem caros, e um dos quaes, o Sr. juiz de paz
Lino Antonio da Silva CalJeira, devo despertar
aqui muitts saudades, o ardeules e merecidas
sympathias.
O outro o Sr. capitn Francisco Jos da
Silva Cruz, oflicial do i." ba'alho de inf.inlaria,
que lentto ido com licenoo para cunduzir a S. Ga-
briel a sua familia, e amigo dedicado do infeliz
Galdeira, se diz haver panilhado tambera o seu
desuno.
Sao. dous velhos soldados da legalidade que,
vrrificando-se essa infausta noticia, lero ido
ar ao p de una urna eleitoral, depois de ha-
ver cera vezes salvado-se de liuhas de soldados
inimigos.
Alera des les dons, di/.em tambera que o Sr.
deputado provincial Malinas Teixeira de Almei-
da Qcava moribundo: porm esse de um hori-
vel a (tentad o particular, capaz de correr parc-
lhas com a morUs do misero Paula Rocha, que
anda agora serve de pielexto ao processo do Sr.
Cassal.
Consta-nos que eslava noile jogando n'uma
casa, quando foi invadida esta por alguns masca-
rados, que raoendn-o a pao lilleralmente, deixa-
ram de pomas e bracos quebrados e em lao des-
granado estado que se nao acreditara que esca-
passe.
N5o nos consta quealguem tivesse carta que
coufirmasso estas noticias, e saltemos que a auto-
ridade rio love participarlo nenhuraa : porm
dosse nellas a coincidencia alarmante de lorem-se
espalhado quasi simultneamente em Cagapara,
em Sania Mara, na Cachoeira e Rio Pardo, viudo
de todos esses lugares por diTerenles conductos,
Sem .tlleracej nolaveis.
Observemos, porem, que o nao haver nenhu-
tna aotoridade feilo paiticipaco alguroa, e islo
''laudo em Cagapara, por exemplo, onde, a 19
deste, corra esse boato, circumsUncia que
aconselha nao se dar intero asspnso, e antes
sim esperar pela confirmflc.ao de novas posterio-
res.
A niesma folha de 29 accrescenla :
Ilonlem ch-zaram o vapor Guayba da Ca-
choeira 6 o Cachoeira do llio Pardo.
Procuramos novas informacoes Acerca das de-
sastrosas noticias dj Alegret-, que publicamos
hontem ; mas nada podemos accrescentar ao j
que sabamos, porque nada dfto de novo os pasta-
geirosa semelhante respeilo.
Todava, lomos mais alguma esporanca de que
se nao confirmen! tao funestas novas, porque no-
tamos j algumas varianlps nos relatos; de ma-
neira qujanos nao fallaram no Sr. Lino Galdei-
ra, p que diScram-r.os haver tido lugar a norte
do Sr. capilo Cruz fra do povoado, e nao era
um conflicto durante ascleic.es
Totio isso, porm, sao vozes vagas, em que
se niultiplicam referencias, que diflicilraenle se
overiguariam, se fossa possivel segu-las urna a
urna.
Dos queira pois que se nao realizem seus
annuncios.
Enlretanlo o Mercantil da mesma dito diz :
E' diil.-il conciliar noticias tao contradic-
torias, por isso compre esperar pelas commu-
nicaces ofliciaes que nao devem demorar, se
que j nao chegaram, fazendo-se deltas co-
mo de ludo, na aclualidademyslerio soverna-
livo.
Em relacao s cleicoes de S. Gabriel diz o Cru-
zeiro ;
As eleigcs municipaes do S. Gabriel tambera
tlvcram seu episodio trgico.
Durante o processo eleitoral, dizer na noile
do dia 11 ou 12 forarn assaltados n'uma ra cr-
ina, quasi a suburbios da cidade, os Srs. capilo
Seralim Caelano, e lente Caripuna, por tres ho-
rnens disfarcados, que corlaran) aquelle grave-
mente, gragas a terem o apanhado s e desarma-
do. O Sr. Coripuua correr logo aos primetros
golpes para se armar em sua casa, que I lie licava
sumniamenle prxima; porm sua senhora iin-
pedio-o de sahir a tempo de valer ao cowpanhei-
ro. i.i laudo acctidio, os malfelores linham-to
escapado, e era indicios deixaram do quem fos-
sem.
Como era natural da quadra aitribuia-se, po-
rm, s cleicoes esse desaguisado, porquo ambos
esses senhores sendo dos mais strenuos partida-
rios do Sr. Borges Fortes, e o Sr. Caripuna rue-
sario, tinham tomado parle esse mesmo dia na
igreja n'uma violenta allercacao, iva que lomaram
parle o Sr. teueule-coronul Zezeirodo e coiioncl
Tristao Tinto.
Todava, nada confirma a silpposieode que
fosse parlo a poltica para esse attenlado.
Em Piraliny, ll.tg, Cangoss e S. Jos do nor-
te correu com iranqulidadc todo o processo e-
leiloral.
No dia 23 terminaram no Rio Grande os feste-!
jos pelo anniversario da independencia cora vis- j
tosas regalas, eorganisou-se um club para repi-
i i -las todos os anuos pelo mesmo motivo.
lira Santa Culhariua nada occorreu de inte-
resse.
Por decretos de 6 do corrate foram Hornea-
dos :
Commendador da ordera de Chfislo, Jos Joa-
quim de livera.
Cavallieiro da ordem da Rosa, E. Malet.
Fidalgos cavalleiros da casa imperial: Arara so
Pires de Albuquerque Maranh.io, Benjamn Peres
de Albuquerque Maranhao, eTimolcao Peres de
Albuquerque Maranhao.
Por decretos da mesma dota foram nomca-
dos opposilores da seceo de scienc.as ciruricas
da faculdadedo medicina da Baha os rs. An-
gosto Goncalves Martina e Domingos Carlos da
Silva.
- 8
O Sr. Jos Alvos da Grara Bastos, chefo da
emissao do banco Commercial o Agrcola, foi Ho-
rneado societario interino do mesmo banco.
Contina o nio lempo, c o estado do al-
mosphera parece promellrr grandes chovas. Se
assim fr. nao ha menor duvda que o morro sof-
frer muito, e que no calculo das eventualidades
a ninguem dado medir a cxlcnso dos dainos
e desastres que pae Irazer um desmorono-
ment.
E' preciso pois em tempo toda a vigilancia, que
assim que se previnera as desgranas.
Nossos receios nao sao infundados ; e se o
sao, erra comnosco toda o populaco do Rio do
Janeiro.
Agora mesmo recebemos, a proposito deste ob-
jeclo, a seguinle comrnunicacao de um nosso as-
signante :
Vi com satisfar.o que sua folha niio perde
de vista o malfadado morro do Caslello, porm
nao passaifi de VOX clamanlis in deserte, porque
temos a conviccao de que s alguma deploravel
iatastrophe poder mover a nossa proverbial ti-
bieza quando se (rola de craprezas de alguai vul-
to, porm do maior iniercsse publico.
Para prora vejam-se as exeavaces continua-
das nos fundos da Floresta, e niesnio na prxima
rizinhanca da nova Misericordia, sem quo nin-
guem se importe de por cobro a lauta impruden-
cia, que pode provocar um cataclisma sera exem-
plo nos aunaos desta boa cidade.
Nao ha dous mezesque u proprio administra-
cao do hospital militar mandou demasiadamente,
o por mora phantasia, arroleor os seus fundos
bastante ingremes, os quaes, privados da vegela-
co que olla mandou atrancar por ura gosto do
vandalismo Inexpricavel, perderam a nica ga-
rantia contra ura dcsmoronamonlo que auieaca a
vida de centenas de pessoas agglomeradas as
casas quo Ihe Reara sobranceiras. Mas a^ui nao
para : ha cousa de um raez iodos os viandantes
que subiam pelo ladeira de S. Jos viram com
pasmo que uns barbaros inimigos do ludo que
verde tinham feito una queimada daquella ban-
da, de ambos os lados do caminho publico, tai-
voz na inqiialliflcarel supposi(io e esperanza de
destruirem a reir, nica seguranza do barro sol-
t de queso rompoe o morro E nao pense que
curado desvirtuar o seu carcter poltico e regu-
lar, e n'uma aerie de ortivos chistosos lodos os
das repetidos para edificarlo dos seus renles
trata e defende os seus proprios inleresses, qoe-
rondo todava persuadir que nesla colleccao de
sntyras nao senao inspirado relo interesse pu-
blico, e pelo desejo de arredar influencias extra-
nhas o Irregulares do pleito eleitoral. Mas toda
esta lctica e esforco do candidato duvidoso alera
de nao ter allrahido a credulidadc publica, que
alias contino a receb-lo pelo seu valor intrn-
seco, suscitou-lhe anda roais um adversario as
columnas do Jornal do Commercio, que escre-
vondo alguns communirados n'um estylo do mes-
mo gosto, o lem acompanhado sempre e demons-
trado qual o verdadeiro ponto de visla dos arti-
guiohos crticos e histricos da redaeco do Cor-
reto Mercantil.
Entretanto, bem que lodos os syraptomas que
acabamos do mencionar indiquen) que teremos
em dezembro urna eleico pertinazmente dispu-
tada, e pelos dous campos liberal e conserva-
dor pronunciadamente, entre os quaes opi-
nio geral que o governo se conservar neutro,
fazeudo smente intervir a autoridade para man-
ter a ordem o iranquillidade publica, como j iez
nos ultimas elevos municipaes ; todava ha to-
da a esperanca de que o processo eleitoral cor-
rer pacificamente, sem o craprego de raeios ma-
lcrios, e fazendo cada um valer nicamente a
sua influencia pessoal ea de seus amigos.
Esta esperanza o o habito cm que j estamos
de ver passarem dpsle modo as crises elciloraes
augmenlou a conslernacoo que aqui geralmente
cousaram as noticias lamentareis que recebemos
dessa provincia e da do Cear, onde a eleico
municipal de 7 do selembro deu lugar a desastres afastasse
e victimas que j se nao deva esperar, principal- feito.
Durante o rorrente mez renderam
A alfandega da corte.......... 1,258:317302
A recebedoria.................... 3I7:134}9II7
Oconsulado..................... 418 929J080
A mesa provincial.............. 26l:588ff741
A casa da moeda cunhou :
Em ooro para particulares.... 4G:303$961
Era prnle para o thesouro........ l6:fKWjiO00
Em dita para particulares........ 207^427
L-se no Popular do Porto dasCaixas, de 29
do passodo:
Teve lugar hontem a execuco da senlen-
ca imposta ao subdito hespanhol Romao Nieto,
viudo do Itaborahy na manhaa de 27, acompa-
nhado do urna escolla de polica; foi recolhido
ao xodrczdo quurtel dcsle lugar, sendo-lhe ues-
te mesmo dia intimida a sentenca pelo respec-
tivo escrivao da execuco ; no da seguinle, de-
pois de Ihe serem administrados todos os soc-
corros religiosos, o padecento foi conduzido ao
iugar do supplicio, onde tinha de expiar o seu
crimo, apresciitando-se em todos esses actos
com coragem e resignarlo evanglica ; em seu
trajelo era-lhc lida a sentones de espac> a es-
pago, esse infeliz padceme u acompanhva sem-
pre de urna exclamaco que fazia compungir os
coraces humanos.
islo devido qnelle efTeilo ; e pois compre, I onlrado do Rio Grande do Sul :Dionizio Jos
para remover-sc ou noreproduzir-se scmelhan- Moreira.
le fado, que a Ierra, quando reposla nos soleos, Passageiros do vapor nacional Tocantins
d onde foi tirada, seis sufllcipntemenle calcada entrado dos portos do sul :Tenente Neilo sua'
antes de restabcleeer-se o empedramenlo. j senhora e 2 lilhos menores, imperial marinrieiro
Com esta medid, que por certo nao careca ser'Caelano Lopes Silva Guimaraes, soldado Jos
aconselhada ou lembradn, e cuja prjtica est as I Joiqum Cavalcanli, Benedicto Jos dos Santos e
condigoes do restabelecimenlodo cnlcanienlo no 1 filho, Jos Thomaz A. de Alraeido, Dr. Araa-
:rior estado, a que obrigada a rompa- j ro C. Bezcrra Cavalcanli o 1 escravo, Lniz Mes-
quila Loureiro Moraes, D. Virginia Paixo Br-
: ros, Luiz Cuptino M. Brrelo Jnior, Octaviano
Xavier Culrim,Africano livre Augusto Jos Cardo-
nliia da illuminoco publica, evilar-se-ho estes
o oulros inconvenientes dp natureza anloga
Teve o Sr. Eduardo Firmino do Silva a bon-
dade de mostrar-nos um trabalho artstico, que
acaba do oxecutar com urna perfeieao sorpren-
dente, e quo revela ura genio verdadoiramente
especial ; porquanto esto senhor sem viajar o =
grandes paizes, e sment'? com os recursos de
urna aptido que se manife'sta rica em reproduzir
as formas do natureza vegetal, trabalhana arte de
florlista admiravelmenle.
O trabalho a que nos referimos, um bollissi-
mo ramalheie do flores de papel ; as quaes sao
to perfectamente acabadas que a illuso comple-
ta, tornando impossirel a discriminaco entre a
natureza o o artificio, a nao eslar-se" prevenido
de quo so ellas arlifieiaps c nao naturaes.
Quando apreciamos productos de patricios nos-
Antes de subir os degros do paliliulo pedio sos, era que espontaneo so revela o genio, nao
autoridade da execuco que Ihe concedosse polpraos dfiixar de dar entrada em nosso justo
mais um favor, que a tora era chegada, e que orgnlho por esse fado ura SPilimpnto de pro-
quera escrevpr algumas palavras, o que Ihe foi fundo pecar; porque nao tem ellos entre nos o
concedido, prestando-se essa vonlade o Sr. es- : devido apreso. Sim, achara-n'os bonitos, dizem-
crivo da execuco, que oceupou-se cm escrc- se algumas palavras lisongeiras, e o autor ou ar-
verumo boa hora. | lista, o quem sempre falleom lodosos recursos'dos portos do sul : Francisco Ferreira Baitar"V
Subinilo ao patbulo, fez nova exigencia pa-'para o desvolviniento da sua industria,que a pro- J oao Wick.
so,Domingos da Cunha. Ignacia Mara de Jess,
Manoel Jos de Miranda Prado, C. erby, deser-
tor do oitavo batalho Jos Antonio Pcreira, G.
I.. C. Dominiqne, coronel Jos Ildefonso da V.
Fossoa de Mello e seo caraarada. coronel Hygi-
no Jos Cocino e 1 camarad, Jos Antonio Car-
valho, Manoel de Almeida Mogueira, John Er-
nestina, Jos Antonio Rodrigues, Alexandre Cor-
rea Cabral, Domingos da Silva Torres, Manoa
Joaquim Duarte Guimaraes, Dr. Antonio da C.
Raposo, Asostinho Lucas da Gima e 1 escravo.
Candido Francisco Soares, Mauool Thom Fia -
Mo de Albuquerque, Jos Goncalves da Silva.
Eugenio Jos .\. de Andrade, Benlo Jos Perei-
ri, Dr. I.uiz Duarte Pereira, soldado Manoel Ma-
rianuo, leante Jos Anselmo Valego, Jos Mar-
ques dos Santos Carregal, Pedro do Silva Reg.
Valerio Jos da Graca, Manuel Jos de Lima. El
Greesbeck, hrigadei'rn Jos Munz Tavaras o seu
camarada.
P.tssageiro do vapor inglez One ida, entrado
ra poder
fallaj ; pedindo
alguns degros,
mente os que aconioceram na freguezia da Telha
da provincia do Cear.
que o carrasco se morara somonte cora palavras, quando ao que
tambem loi satis- | importado de Ierras eslrangeiras, lodo sn d, sen-
do muilas vezes soraenos ao que temos !
Principiou por urna grande pralica, allegan-I Esto sentimento ora achamo-lo em nos, pois
do que seu crime nao era que o levara jtielln; poza-nos que o referido Sr. Eduardo Firmino da
'ciinnlirin un ....r.. ...-,. .; u i !., ,..,.. .,. i,. <. I.- -x .. r,.. nnn.,n, :* _a ^ Ai.. ... t. .___- .
todos os seus delegados as provincias do norte
as mais enrgicas recommendaeos pora que se
p.rocure por lodos os raeios evilar a repetigo de
emolliaiitos cilaelropli."!, o para qilP a tionquil-
lidadc publica e a seguranca dos cidados encon-
tr ra todas as garantios possives da parte da au-
toridade publica.
Os candidatos conserradores quo se apresen-
tan) por esta corle paree* que estio definitiva-
mente lxados, e dizrm ser os conselheiros Pa-
ranhos e Sergio de M ice lo, c o Dr. Izidro Bor-
ges Mouteiro, que por mais de lies anuos exer-
ceu o cargo de chefe de polica desta cidade, on
de lera numerusos amigos e all'eicoados ; sao
porlanlo nomes muito conheci los, c que podem
Matadouiio prni.ico :
M ttaram-se no dia li do corrente para consu-
mo desta cidade 110 rozes.
No dia 15 do mesmo 111.
--- MoilTALlDAllE no oa 14 :
parlo, solteiro, 23annos ;
Consla que o governo dirige nesla orcasiao a [ supplicio. mas sirn;a perversidade da urna leste-'Silva nao encontr apoio, nao obtenha protecc3o Paulo Jos i
munha falsa; agradeceu aos magistrados e ao j para o desenvolvimenlo e prosperidado des-a in- phlhysica.
alferes commandante de torca policial as ma- dustria ; da qual resultaran), alm da vanlagem Hara, parda, 2 metes : conmlges.
noiras bondosas c humanas com que o traa-1 particular, interesses moi directos para a riqueza Toleutino, prelo, escravo 13 mezas' conrul-
ram. por isso que conhecia que apenas cun-publica dessa nossa provincia. BOes.
priam ura dnvor sagrado que a le do paiz lhes! Nos que consumimos grande somma em llores Maria Francisca da Conccico, branca, casada, 37
anuos ; phlhysica.
incumbia, daudo vivas oo monarcha brasileiro arlificiaes importadas da Europa, nao podenamos,
e raiuha da. Hcspanha ; e poucos momentos I provMiando os nossosjrecursos proprios, eco-
dopois o paciente nao es|ierou ser exeeulada sua nomisa-la em proreito ra
senlenca pelo carrasco, atirando se com lana
forca, que, parlindo-sc a corda, caho em torra,
j somi morlo ; porm o carrasco anda o levou
ti um dos degros da oseada, o consumou o acto
brutal de suas fuucces
Assislirom a estes actos os Srs. vigarios des-
ta freguezia e da de Santo Antonio de S, leudo
ser devidamente apreciados pelus seus leilores, aquelle urna pratica era sentido anlogo qnelle
sem que cu lenha necessidado de aeroscentar I espectculo que o publico ia teslemunhar.
mais comuienlario algum acerco de suas quali-1 O corpo foi conduzi
ditles pessooes e dos probobilidades de sua elc- I cemiterio da
5*0. nado padece
Sobro os candidatos liberaes, porm,
pouco se pode dizer, porque nao lhes
possivel chegar a um accordo, visto serem raui-| Pesa-nos a mana [ o eserevern
los os preioudenles e Ires soracnie os lu-1 ligeira o triste narraco, st-m commenlario al-
aos nocionaes, que so op-
plicoriam essa industria cora o eslabeiecimento
de urna fabrica de laier flores, sol a diroccao tle
ums pessoa, cm quem a natureza se mostra to
prodiga ?
E islo realisado, nno crear-se-hia eff
ment urna nova industria ; e dssta nao aufere-
ra a provincia algum proreito ?
Todava, nao desacorot;o o Sr Eduardo ; pro-
siga na conliiiuaco do spu trabalho ; aprorete
loi conduzido para ser enterrado no as expansoes da sua noiureza inspirada na flori-
villa do Macaca, pedido que ol- factura, quo alm do renome de um Conslanlino,
ote havia feito-a ura seu patricio, I pode ser que urna sina mais feliz Ihe facilite meios
o, anda allegando que nao quera ser sepultado neste lu- de estabelecar a sua industria, e faze-la prospe-
toi anda gar, nem era Itaborahy. rarcomo conv, e como Ihe desojamos.
gares.
O que porm, corlo desde j, pois est em
todas as combinaQoes trinas, e raesrao n juelle
era favor do qual os seus correligionarios erapre- ;
gam maiores esforcos, o Dr. (Mariano, redac- !
lordo Corrcio Mercantil, que j foi deputado ]
na legislatura passada, e que representou na c-
mara um papel preeminente de epposiciousta
enrag.
Os outros nomos em que se falla poro os dous
lugares restantes sao o Thcophilo Ot'oni, que
tambera so aprsenla por ura dos dislrictos de
Minas, o Urbano, o I.uiz Fortunato e mata al-
guns anda menos condecidos, os quaes nao lem
probabilidade alguma de serem cleitos, no s
porquo sao homens esquecidos no poltica, como
porque o espirito do corpo cleiioraT do dis-
lricto da curte geralmente conservador, como
sempre acontece em lodos as grandes copi-
laes.
Isto explica tambem sufuVicutempnte o desa-
nimo c a raivado redactor do Correio Mercan-
til, e o furor e lenacidade com que investe todos
os dias contra os niembros da reunan conser-
vadora, que ricram augmentar anda mais as
condiees de Iriumpho dos candidatos seus ri-
vaes, cora os quaes lodo lula llie parece hoje im-
possivel.
Os candidatos quo se opresenlam pelos oulros
dislrictos eleiloraes da provincia do Rio de Ja-
neiro parece que j csto tambem definilva-
nienle escolhidos pelo lado conservador ; mas
alera destes apresentarn-se ainda alguns oulros
leudo em rista somonte fazer a sua estra as
urnas, irein acoslumando os elcitores com
os seus nomes para prelences futuras.
O imperador fez a semana passada um passelo
at a imperial Fazenda de Santa Cruz e Labra-
lo rio do Campinho, no qual foi acompanhado
pelos ministros do imperio e di guerra, leudo por
lira, alm de oulros objeclos, cscolher naquclla
fazenda o melhor local para urna colonia que
deve alli serestabeiecido por conla da caso im-
perial.
O cilor iiitensissimo quo (vemos alguns dios
do principio desta semana fez desabor sobre o
cidade una luriosa tormenta de chura, que co-
mprando ni r.oile de quinta-feira 4 do correte,
at este momento ainda nao cessou.
A cidade est lateralmente nnundado, e os
jornaes de hoje referen) j alguns desastres cau-
sados pela chura e pelo tufo que a acoinpanlmu,
receiando-se ainda alguns outros tal vez mais
consideraves, pois que nestas occasies nunca
se pote esquecera araeaca permanente do Morro
do Castalio, a respeilo do qual j Ihe falle! mais
circunstanciadamente era abril do anno passado
por ocfasio de outra tempestado que aqui so-
fremos, e que muito fez receiar a quedo desle
grande colosso.
O governo lem dado j algumts providencias
nccessari.is a remediar os estragos j causados e
a evitar aquellos quo mais se recetara, eslondo o
polica e o alniiuistroco dss obras publicas vi-
gura ; e oxal soja osla a ullima vez que lenha-
mos de registrar as columnas de nossa folha lio
triste e lgubre aconteeimento, qun a civilisagao
do seclo presente j o encara cora horror. "
Acerca de trunsacces commerciaes diz o Jor-
nal do Commercio, em 8 do correte :
COTAQEB OPFlCliBS DA JUNTA DOS CORRECTORES.
cambios.Londres 27 d. a 90 dias
accks. Banco do Brasil, a 78} e
mo.
Damos no sec^oo proprio deste Diario a
correspondencia do Sr administrador do correio
do Cear, no qual S. S. apressa-se a responder-
nos sobre o que havemos escripto o respeilo da
demora que oaquello provincia soffre a romessa
dos exemplarps desle nosso Diario pora os res-
pectivos destinos.
Islo fazendo, cuinprimos o dever de
poco defezo ; mas sera embargo das
kesdella, ainda insistimos no que haremos es-
9-3 de pro-1 cripto com rolacao a materia sugeila.
Com eTeito, S. S. oppe-nos um calculo de
Maria, prela, solteiro, escrava, 33 annos ; to-
fla ni ni ara j.
Mara, parda, 1 anno, escrava ; convulses.
laciiitho Deedoro de Azovcdo, pardo, solleiro,
50 anuos ; gastro inlerlle.
15 -
tira- Ignacio Jos de Oliveira, bronco, casado, 63 an-
nos ; apoplezia.
Francisco, ardo, escravo, i mezes ; gastrle.
Senhorinha, parda. 0 mezes ; itilammaco.
Dr. Jos I.uiz de Araujo Lima, branco, casado,
4 i amm ; aneurisma.
Manoel, branco. 2 mozos; convulses.
Francisco Antonio do Silveira, prelo, solleiro,
40 anuos ; ulcera.
Mario Anglico, parda, vUva, 6J annos ; s-
alo,
Hospital de caridadb. Existera 57 ho-
mens o 2 mulheres nacionoes; 6 homens es-
irangeiros, lotal 115.
Na totalidade dos doentes pxislera 39 aliona-
dos, sendo 30 mulheres p 9 homens.
Foram
dar ps-
allega-
Benjamim Muni; Brrelo, presidenle. | parlido, filho desse seu desairelo poltico, s ro-
Deoclcciano Bruce, secretario. clamaces filas sobre o fundamento dos quei-
cambio Incluindo os operares rcgularps, "as dos nossos assigiianlps ; mas nao
fechadas hoje, sonimam os saques pelo paquete aceitar esta procedencia, porque parara
podemos
em nos -
Foram visitadas is enfermaras pelo Dr. Sar-
ment Filho, s 7 horas da manhaa, pelo Dr.
Dornellas s 7 horas e 8 minutos do manhaa. o
pelo Dr.
lem.
F.rrao, i 4 horas da tarde de hon-
CHRNiCR JUDICIARIft.
so poder cartas de assignantes nossos do centro
da referida provincia do Geat. em que con-1
firmido cora a respectiva assererago ludo1
quanto ento expendemos. A islo accresce, que
essoas que rao aquella provincia por qualqucr
inglez Oneida :
_ Sobre Londres < 540,000 no maior parto a
27 d., e o resto anteriormente a 27 1/4 8 27
1/8 d. '
Sobie Paris, 2,500.000 francos, as qnonlias
maiores nos extremos de 350 a 351 rs., e 33 rae-1 circumslancia, e que de l vollam, f.i/.em-iios se
ores a 25 e :55 rs. inelhanlcs queixas de vita voz, asseguraudo-nos
_ Sobre Haniburgo, 200.00J m. b. a C70 e quo s recebiam os seus diarios con a demora
G75 rs. de 40 o 50 dios, espaco era que oscrereraos c ob-
Sobro Lisboa e Porto regulou a tabella se- j temos respuslaa da Europa I
Ora, nao pudendo laes pessoasestarom envol-
vidas no inlrig daquella provincia, c nem sendo
crivel jue totlas ellas parlicipem da desaiTeicao
consagrada S.S., evidente qu a fall exis-
te, acezar da boa vonlade, apezar de to-
dos os esforcos em pregados por S. S. pa-
ra a regularisaco do servico seu car-
guintc
106 0 0.................... vista,
105 0/0.................... a 30 dias
104 0/0........., a 60
103 0/0...........a 90
descostos. Nos bancos 9 0/0, e na proco
a 10 0/0 para as firmas de primeiro

de 91/2
ordem.
A procura de dnheiro foi rpgular.
accoes. Negociaram-se hoje as do banco
do Brasil a 78? p 79?, cas do banco Rural c Hi-
potecario a 31$ dde premio.
heta.es. Rxportaram-se era ouro as quan-
tias scguinles :
Para o Rio da Prata.
ilersey :
F.m raoedas (oncas). .....
Para Southampton, pelo pa-
quete inglez Oneida ,
TRIBUNAL 00 COMMERCIO.
SESSAO ADMINISTRATIVA F.M 15 DEOL'TU-
RRO DE 1860.
PRESIDENCIA DO EXM. SU. DESEMBARGADOS-
V. A. DE SOIZA.
As 10 horas da nianha, reunidos OS Srs. depu-
lados Reg, Basto, Silveira c l.emos, o Sr. presi-
dente decarou aberta a Besso ; leudo sido lida
c approvada o acia da ultima.
Lcu-se o seguinle
EXPEDIENTE.
Ura aviso do ministerio da justica, mondan lo
abonar ao oflicial oscriplurario cncarregalo da
arreeadaeo e guarda dos emolumentos a graliQ-
cac|p de dez mil ris. Accuse-se a recepcao e
archivesp.
Um officio do secretario do tribunal do com-
mercio do Rio de Janeiro, aposentando o rela-
go ; o por islo minleinos a nossa reclamarlo no cao dos commercianles matriculados alli no raez
mesmo p, solicitando do S. S. por mais esta I de agesto. Archvc-se.
vez
objt
a projccQao
cto ; o que
de vistos providentes pora o seu
esperamos do seu zelo.
pelo
saquete inglez
6:4OO-;?900
l'.m raoeda ......
Em barro, (67,809 oit,)
1:0 ")0p0(i0
244:1129400
245-162$4 -i
-se.
Outro do secretario do tribunal do commerei-i
do provincia do Maranhao. cora a relacao dos
commercianles alli matriculados nos mezes de
jullio a selembro.
Foi presente a colara > oflicial dos probos cor-
rentos da praca, relativa semaua linda.Ar-
chire-se.
DESPACHOS.
L'ni reqneriraanto de Antonio dos Santos Oli-
veira \ ompanhia, pedindo o registro do spu
contrato social. Vista oo Sr. deserabargador
ora que se bascara o referido hr. Veras para oc- qs
copar o indicado juizado.
O governo imperial araba de autorisar a
inteljigencia dada pelo Exm. Sr. presidente do
provincia na questo entre o Sr. Caelano Pinto
de Veras e a cunan municipal, acerca do exer-
cicio do juizado de paz do primeiro distado des-
ta freguezia.
A solugo dogorerno consagra a doutrina dos
avisos que teem sido expedidos sobre a m ater a,e
Total .
251-562-5100
foi obra de ura s dia a lo 1 queimada, antes pelo guantes por loda a parte poro Iranquillisar a po-
contraiio gastaram nesse mtsler uns poucos de pulacoo.
dias, durante os quaes a fumaca poda bem ler
despertado a allencao do fiscal o outras autori-
dades municipoes da freguezia. Mos infelizmente
o morro entre os seus moradores nao tem a for-
tuna de contar algum vereador da cmara ; alias
ludo tomara oulro as-peclo
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE
PER NAM BUCO.
Bit le Janeiro
6 de uutubro.
A calma o Iranquillidade era que ficou a nessa
poltica c cun ella o espirito publico, depois do
encerramenlo das cmaras legislativas, nao foi
alterada senao pelo moviiiien'o eleitoral que tem
comecado a manifesiar-se, acompanhado de al-
guns incidentes a queja Datramos algum lano
desacostumados, depois que foi inaugurada a po-
lilico de conciliacao, que Deus haja ; o quo to-
dava nao fiz que deixom elles de ser muito le-
gtimos, no.maes e at necessnrios no rgimen
poiico em que vivemos.
J ve, perianto, que a alteracjio que eu digo
que se lem notado na calma e iranquillidade om
que eslavamos vivendo,nao do modo algum cou-
sa para lamentar nem paro reprovar, pois estan-
do nos condicoes regulares dos governos repre-
presentalivos, o seu elTeito noo pode deixor de
ser salutarc benfico, por mais que contrari al-
gumas aspiraces que so julgavam mais spguras
no regaco da conciliario, que t-ra sido a boma-
venturanca do muitos. Expliquemos melhor estas
generalidades.
Os chefes da poltica conservadora, entre os
quaes se adiara os estadistas rcais respeilaveis
do nosso paiz celebraram ha poocos dias urna
reuniao em casa do conselheiro Sergio de Mace-
do, na qual delibpraram esforr;ar-se pola susteh-
tacao dos principios dnsta poltica c pela eleico
dos candidatos que devem representa-la na c-
mara temporaria durante a legislatura prxima,
para oque foi logo nomeada tima commisso
composta dos mais nolaveis d'entre elles, como
ver pola noticia mnis detalhada que desle im-
portante fado do os jornaps do dia. Esto reu-
niao e as disposices nella tornadas acharam echo
no espirito de todos os conservadores amigos e
modernos, c o movimento eleitoral que so pre-
para para dezembro toraou desde ento ura ca-
rcter decisivo, osspgurando aos candidatos por
ella npresentados ossuffrsgios de lodosos futuros
eleilores que professarem aqnelles principios, aos
quaes deve o Brasil os melhores periodos de sua
seguranga e prospendade. Mas o Correio Mer-
cantil, cujo principal redactor, o Dr. Octaviano
de Almeida Rosa, prelende tambera apreseetar-
O Jornal do Commercio de hoje publica a le
do orcainen'o geral do imperio da roceita p des-
poza, para o anno Qnanceiro futuro de 1861 a
1862. E' urna pega importante na qual o gover-
no investido de numerosas e ampios outoriso-
cjhes, que provam bem o grao de confianza que
merocou elle do corpo legislativo o anno pas-
sado.
O vapor inglez chegado hontem do Rio do
Piata nao Iraz noticia alguma de maior importan-
cia para nos. Se a sabida do vapor do norlo for
demorado por cansa da chuvo ou por qualqner
outra circumslancia, acrcscenlarei osla o que
mais occorrer digno do raenco ; mas por se-
guranza mando p-lo em lempo no correio para
nao haver falla na remessa.
A' ultima hora,
Londres.....27 d. -
Paris.......355 a 355 rs. o
Ilamburgn 670 o 675 rs. ^
Lisboa e Porto. 106 0 O vista 105 0 0
a SO das. 104 0,0 das,
103 0 O a 00 dias,
Baha.Lo se ne Jornal da Tarte:
Hontem 12, suicidou-se a porlugueza Kachel
tie Hagalhes, sabrinha do Sr. Joao Jos de Ma-
gallies, morador ao largo do Carino. Tinha 22
anuos de iiade.
No silio denominado Malat, freguezia de
Brotas, forom envenenados o Sr. Constantino
Nenes Mucuge, e suas escrovas Pelsarda e Ma-
ra. Esla ultimo fallecen algumis horas depois,
o achou-se ter sido por veneno irritante O Sr.
Constantino o a escrava Fehsarda solfrorara al-
guns incommodos. Suspeili-se tor sitio o pro-
pinodur do veneno ura escravo de norne Manoel
Caplano qtie dcstle domingo desapporeceu de
cosa.
Colardes ofliciaes da junta dos corredores.
Cambio so Me Londres 27.
Guilherme Evans, presidente
Joao Francisco, Fres, secretario.
Cambio sobre Londres 60 a 90 ds v 25 7/8
o 26 d, nom.
Cahio hontem 30 no mar, do eslaleiro dos
Srs. Miers, Irmo V Havlor, o vapor Jupnrond,
se candidato por psla corle, como representante mandado construir por "conta da companhia de
lecoripheu das ideas libpraes, cornprehendendo -navegacao a vapor Espirito-Santo.
DIARIO DE PERNAV1BUC0
H'intem fundearam ueste porto os vapores
inglez Oneida.c brasileiro Tocantins, ambos pro-
cedentes dos do sul do imperio, trazpndo-nos
jornaes. rujas datas alcancam : do Rio 0, da
Baha a 12 e de Alagoas 13 do crreme.
Era outra parte vao transcriptas a carta do nos-
so correspondente na corte, e as noticias mais
importantes, alm dos quaes, do leitura dos jor-
naes, colhemos mais o seguinto :
Rio-Grande do Sul.O chefe de polica ainda
continuara eslor na Cachoeira, afira de sindi-
car os oconiecimentos occorridos na eleico mu-
nicipal.
Neiihum dos feridos na ullima desordem havia
fallecido.
O commendador Fontoura estere em grande
perigo, roas achara-se j em conralescenca, as-
sim como o juiz de paz Trislo da Cunha e
Souza.
Achara-sc preso um proto quo ferra o com-
mendador Fontoura, c que fra acorametlido de
alienacao mental aps a desordem.
Na capital praparavam-se dons bailes, offere-
eitlos ura aos Dr. Oliveira Bello e Jacinlho de
Mondonga, e oulro ao baro de Porlo-Alpgre
S.Paulo.No dia 10 cahio sobre a villa de
Silveiras esuas iramediar;es urna chura de pe-
dias como ha muito tempo ahi se nao ris. Diz
o Mosaico que havia pedras maiores do qui ovos
de gallinha. Essa chova sentio-se lambem em
Guaralioguel, mos com pedrinhos insignifi-
cantes.
Rio de Janeiro. L-so no Correto Mer-
cantil:


<(
Paris 575 rs. o frc.
Hnmburgo 710 a 715
Lisboa 115 a 116
Doblps hpspanhos. 32*000 a 32J500
di patria .... 323000
Pecas do 6400vclhas .
de 400 .....
Soberanos........ 10$ 100
Patuoes brosilelros 2?I00
hespanhoos 2J100
. mexicanos... 1$900 a lgDGO
Alagoas. No dia 2 do corronlc leve lugar no
capital umo grande reuniao do partido conserva-
dor, na casa do V.\m. Sr. commendador Jacinlho
Paos de Mendonca ; afira de tratar das prximas
eleices de dczpmbro.
Duzentas c lanas pessoas, diz o Diario das
Alagoas, assislirom essa rpuniao. corrpndo a
discussao sempre calman moderadomente.sahin-
do cleitos rnembros do directorio os Srs. : com-
mendador Jacinlho Paes de MendoDco, coronel
Dr. Manoel Sobral Pinto, dito Manoel da Cosa
Moraes, Dr. Matheus Casodo Lima {Arnaud, Dr.
Jos Alexandrino Dias de Moura, Dr. Manoel
Lnurenco do Silveira, Dr. Francisco Jos Meira,
e Jos Correo do Silva Tilra.
L-se no Diario das Alagoas :
No sabbado o consolho de guerra proferio a
SU3 sentenco sobre os Srs, coronel Burlamaque
o major Lobo. O Io foi absolvido por 4 votos
conlra 3 ; e o 2o crademnado a um mez de pri-
sSo por 4 votos contra 3. Honra juslica e
iiiiparciolidode cem que foi dada urna semelhon-
te senlenco.
Pela presidencia foi mondlo ronco ler au-
lorisacu ao Sr. Hippolyto Gadaull para anslnar
a lingua tranceza nesta cidade, ionio em vista as
habililacoes do mesmo senhor provadas pelo
professo de habiliiaQo, a que subrcelleu-se era
concurso publico.
Ante-hontem estiveramos navios de guei- \
ra nacionaes cora suas bandeias c insignias !
meio pao, por ler morrido o Sr. chefe de saude
do eslacoo Dr. Jos I.uiz de Araujo Lima, cojo
corpo depOStOU-se no igreja do Cuino, donde
fu transportado pora o cemiterio publico hon-
tem ;s 7 horas da menhaa.
A' essa boro deu o novio chefe, actualmente
o corveta hdce Viamo, una salva compas-
sada de seto tiros, e arriou a bandeira, que desde
o romper do dio tinha era funeral.
O dislincto finado foi acompanhalo fi seu ul-
timo jazigo por ura cre-cido numoro de seus
collegas na scicncja e nos orinas, e recebeu os
honras devidas seu poslo follas por una forca
do eiercito col locada entrada do cemiterio
em cuja capella o Sr capelUo di estacan naval
disse urna mista de corpo prsenle, que as-
Bslirara aquellos senhores.
O fallecido Sr. Dr. Jos Luiz de Araujo Lima
era natural do Rio deJaiiPiro, era cuja faculdade
de medicina toraou o grao de doutor; cntrou
para o servico da armada como segundo cirur-
giio do commisso em 18 do api slo de 1851 ;
foi promovido primeiro cirurgo era 1 do
mesmo mez e anuo, o Crusgio tle divisan, seu
posto actual ora 2 do dezembro do 185S.
Era hornera affavel, instruido e excellente pai
de familia.
Deixa urna viuva e varios filhos, o mais velho
tos quaes esl matriculado no primeiro anno de
nosso curso jurdico.
Lista dos ba a Usados e casa montos havidos
Ion freguezia da Boa-Vista, de 30 de setombro a
; 13 de oulubro do correule.
Jos, branco, nasciao em 6 do junho do corrente,
filho legitimo de Carlos Augusto l.ins de Sou-
za o Hermila Augusta Lina da Souza.
, Joo, crioulo.com 1 anno do nascido, filho legi-
timo do Qiiirino Joaquim Jos*, do Nascimenlo
e Maria Ualbina da l'aixo do Nascimenlo.
Tarquat i, branco, nasciJo em 27 de feverero
deste anno, filho legitimo do Francisco de Pau-
la Carueiro Leao Jnior e Carloia Maria dos
Prazeaes.
Honorio, crioulo, com 9 raozes de nascido, fi-
lho legitimo do Onofro e Anno escravos.
Jos, branco, nascido cm 6 do jullio de 1856, fi-
lho legitimo de Mono lJos Pereira de Amo-
rira o Maria dos Passos da l'orciuncula.
scai.
Outro de E A. Burle & Companhia, pedindo
lambem o registro do seo contrato desociedade.
O mesum despacho.
Outro de llanoel Ignacio de Oliveira, por seu
procurador, pedindo o registro das nomearjcs do
i seos caixeiros Francisco Ignacio de Oliveira e
Jos da Assump;o Oliveira. Regislrem-se.
Oulro de A mor m Irmaos, pedindo o registro
do um papel que ajunlam.(legistre-se.
Oulro de Manoel Joaquim Rodrigues do Souza
je Luiz Amonio de Souza Ribeiro, poln lo o re-
: cistro do seu contrato de sociedade. Vista ao
Sr. desembargador fis;al.
Outro de Lopes & Mirando, pedindo lambem o
rpgistro do seu contrato social. O mesmo ti (S-
pacho.
Voliando sellados os autos do precatoria ex-
offi o do tribunal do commercio de Ilamburgn.
o tribunal mandou reraelter ao mesmo tribunal
donde rieram.
Nada mais houve.
r P.\(> IVA!.lio, 12 DE OUTBRO DE 1860.
Srs. Redactrces. Grapas ao zelo, e aclivi-
dade do delegado supplenip em pxorrieio o l-
enle Joao Anostacio Camello Pessoa Jnior foi
preso hnje, pelas 8 horas dia, o criminoso de
raoric o prctu Joao Marqus, que se achava con-
domnado a gales perpetuas, o que se havia eva-
did da rasa do dolencao deala cidade.
Ser este fado por si s sufiieiente pora mos-
trar, que a polica desta comarca n.io o inesn.a
do anuos anterioresf Do certo que sim : noo
obstante, respondan! os indignados.
Continuo assim o Sr. Jo5o Anaslaclo, que sem-
pre t-'r o apoio dos primeiros caracteres desta
comarca, e nao se embarace cora alguns desaf-
feclos quo lora, qtie, la I vez, sejarn invrjosos da
sua influcnriu aqui.
& &.
PERNftmBUCO.
que a sua candidatura ficava era perigo desde que
os chefps e o partido couservador so esforjassem
seriamente pelo Iriumpho dos seus candidatos
consignamos norilcm muito ligeiramentc o como denotara a reuniao que fizeram, lem pro-
E' o segundo navio construido naquelle es-
tabelcciraenlo.
O nome que Ihe deram o de um grande la-
go da provincia do Espirito-Santo:
, REVISTA DIARIA
Informam-nos que val mal feito o rpslobpleri-
menlo do caleameuto da eslroda do Manguinho,
que ha sido excavado para a inhumoci.) dos conos
do servido da lluminago goz.queornse exten-
dc naquclla dreceo.
Era dias da semana passado um dos mnibus
quasi que quebra-se, pela altura do sitio do Sr.
Jos Baptista ; porque tomando o lado em que
forana collocados os canos, e que j eslava refei-
to, succedeu enterrar a roda, de maneara a levar
bem urna hora parad'ahi tirar-se.
Ao publico.
Honrado com a confianza do Exm. Sr. presi-
dente d.i provincia, que t&o acuradamente re-
parte a sua allencao por lodos os ramos do ser-
vico publico, assiimi ha alguns mezes o exerei-
cio do cargo do Ihesoureiro das loteras, que fu-
ra at ento oceupado pelo Sr. Francisco Anto-
nio de Oliveira. Prezo-rae do haver cumprido
o raen dever, too nleira e fielmente como o
meu antecessor, e orgulho-mc de o dizer com a
mao sobre a cons'oncio. A opinio illostrada
do provincia me far a juslica do o reconhecer.
Sfi que tenho hoje desiflVctos e tal
VOZ llllOll-
Uaria, bronca, nasrda em 6 do Janeiro de 18-59, < g|)S do minha reputacao. Concorrendo quanto
filho natural du Jos Martins do Ro Jnior e 1 era mim coube para a extinceo do monopolio
Maria Ma"daleno Stenler. da venla de Mneles do Rio de Janeiro, bom na-
Pelismina, parla, com 3 mezes do nascido, filha
natural do Th'Odora Maria da Conceic&o.
Mara, parda, nascida em 15 de malo do crran-
le, filha natural de Leopoldina Mario do Espi-
rito Santo.
Argeraira, bronco, nascida em 19 de junho do
corrpnto, filha legitima de Antonio da Silva
Ferreira Jnnior e Argeraira Menozes Duarle
Ferreira.
Manoel, pardo, com 5 mezes de nascido, filho
natural de Cordolina Mara do Conceico.
Maria, branca, nasci la em 30 de julho do cor-
rente, filha legitima de Joao Podro de Jess
Molla e Maria Candida dos Pra/.eres.
Casamenlos.
Antonio Jos da Silva com Luciana Soares de
Jess, pardos.
Antonio Alhanazio de Araujo com Mara Joa-
quina Fenelra, pardos.
Joao Jovino de Almeida com Francisca Mari
Charos, braneos.
Pedro Pralto com Isobel Maria do Carmo, bran-
eos.
Passagetro do brigue nacional Enca,ntador,
(oralmente devia piever quo assim fosse. Aquel-
los que desta pspeculaco auferiam incalculavel
proveilo, hoje procedem de ulano conlra a mi-
nlia rt'puiaco de muito conhecida e experimen-
tada. A' estes perdoaria a injuria, oslando salva
a tranqnilliilade de minha consciencia.
De um dclles, talvez o mais interessado em
rolirar a coefianca que o publico rota < lolerias
da provincia, seria fcil explicar o motivo que o
determina raeios to reprovados.
Sacrificanio assim a minha fortuna astas e
outros especuladores, lenha soffrido em tolas as
loteras graves prejuizos. Ar.cro-cendo psla dif-
ficulJotle limilada venda de buhles, lodos por
ahi sobem que nao senao cusi de sacrifi-
cios, que mu lenho mantido era meu posto.
Um incidente bastante desagradavel veio por
em provo a minha firmeza. Corria muito regu-
larmente o piocesso da exlracco da quarta porte
da quinta lotera, concedida a favor do hospital
Podro II, quando o primeiro publicador dos pre-
mios teve um equivoco insignificante, que logo
foi corrigido pelo segundo. Lendo a quanta do
5#, onde devia ler a de 5:000$, passou aquelle o.


(*)
MARIO DE PERNABMUCO. TEttC* FEIRA 1* DE TUBRO DE 1860.
esle, que logo fez reconsiderar a lei-
bilhete
tura.
Estando enlo muilo frequentada a sala em
que se faz a exiiacco. no mosleiro dos religio-
sos franciscanos, nenhuma allerac&o produzio
este faci no espirito dos circumstanles. Todos
comprehenderam que o facto linha a explicacao
mais natural, nao sendo possivel a fraude na ex-
tracto dos premios. Se o primeiro publicador
houvera artificiosamente trocado o premio de 5$,
pelo de 5:00(19, dada a hypothese de ser fraudu-
lenta a extraeco, como se explica que a leitura
do prooiio tenha sido para logo corrigida ?
Como de estylo, sempre que extrado da
urna o grande premio, suspenderam-se os tra-
balhos por 10 minutos. Nenhuma reclaraac.io
se fez ouvir durante esse longo intercilio, e o
processo continuou.
Haviam j sido axtrahidos 370 premios depois
do incidente, quando o Sr. Dr. Rufino Augusto
de Almeida. digno secretario da polica, compa-
rece ao acto ila extracto, trazendo comsigo o ca-
bo Albino Freir Mariz que Iho fra denunciar
do pncedimento do primeiro publicador, attri-
buinJo-Ine haver sacado do boleo do collotc ura
bilhele em trocado que fra extraliido da urna
Devendo ser recebida a denuncia o pudendo
acontecer que houvesse ella algum fundamento,
o Sr. Dr. delegado Francisco Jos Marlins Pen-
na suspenden h extraeco, appondo selo as ur-
nas que. caram conQadas vigilancia de urna
guarda de polica.
Lavrado o competente termo quo corre im-
presso, foi submetlido o incidente apreciacao
do Exru. presidente da provincia por intermedio
do integerrimo Sr. l)r. chefe de polica. Mandan-
do proceder as necesarias diligenciaz em ordena
verificar o facto, ordenou o Exm presid.'ute
qoeconlinuasse o processo da exiraceao, nao
se provar a fraude denunciada.
Aos 9 de outubro e em presenta de grande con-
curso de espectadores, o Dr delegado procedeu
contagein das sedulas existentes na urna dos pre-
mios, que deu em resultado o numero de 498.
Passandoelle mesmo a dosdobra-las, achou urna
de 2:000$, urna de lOOg, urna de 1003. duas de
50?, seis de IOS, e quatrocentas e oilenla e urna
de 53. Em vista do plano em vigor, e verili-
Candn-i< o numero d ia premios oxuahidos, ne-
nhum vicio podera ter a extraeco.
Alui desta diligencia que era" a mais propria
para revelar a fraude, o Dr. delegado verifieou
urna urna as sedulas extrahidas, e em ludo se
reconheceu perfeita exaeco. O que mais se po-
deria fazer? A denuncia de Albino Mariz deve-
ria prevalecer contra o exarae?
Provan lo-se assim que a impnUco era ca-
lumniosa e sem duvida inspirada, o Dr. delegado
fez continuar o processo, lavrado o termo que
anda annexo s listas da lotera em quoslo.
Advinliei desde logo que um motivo oceulto
levara o cabo de polica tao extranha declara-
cao. So o informante tirn motivo de sua cons-
cieneia para seme liante denuncia, porque nao a
fez iromcdialamente depois do facto? Nao era
esta a occasiao mais propria, em que o fraudu-
lento poderia ser apanhado como em flagrante "?
Causando exlranheza que, mitre i: 11 tos espec-
tadores, s este observaste o our de main coni
que fui substituida a sedla, mais me admira que
O informante guardase all silencio para ir cotn-
municar o necorndo secretaria da polica E'
que o Dr. delegado, que presidia a extraeco.
rio offerecia garanta Inauspcito de mparciali-
dade ? Teria o informante raza de arreceiar-se
que o Dr. delegado nao attendasse a. tao justa
reclamaco? Nao o creo. Nao o devo crer.
A desconfianza quo esta reflexao me creon
no espirito, pio a ser confirmada por fidedignas
communicaeoes. Posso boje quasi affirmar que
o informante nao lrou motivo de sua conscien-
cia para fazerlodo trmulo o cheio de inquieta-
cao as suas rovelaeOes. Alguem que muito
intoressadn em desacreditar as loteras da pro-
vincia, conversou largamente com o cabo Mariz
durante o intervallo da suspenso......
Ten lio f que o facto ser elucidado no juizo
Criminal, ijuo val ser provocado por aceao de
queixa. Tant quanlo era mim couber, proles!"
empenliar os mais serios extorcas para pora des
coberto a infamia em loda a sita nudez.
E' cerlo que de mullo se tem procurado cercear
a conlianca, que o Ihesoureiro das lolri.-is jul-
ga-se rom direilo No intuito de eslabelecer a
preferencia das loteras do Rio de Janeiro sobre
as loteras provinciaes, tanto ten sido repelida a
calumnia queja ouvida sem escrpulo. Nao
digo das consciencias honestas e dos espiritos
cultos que comprehendem a impossibilidade
phj-sica da fraudo no processo estabelecido para
a extraeco; digodos especuladores e insensatos
que nao sabemo que dizein
Como quor que seja, a rainha houra est mui-
to cavalhoiro sobie taes versos, Nao lendo
un passado que me desdonre, quiz Dos que no
presente nao me obrigassem as circurnslancias
fazer bancarrota de minha probid.ide.
Leio a ultima hora a Revista Semanal do Dia-
rio do flecife, inserta em seu numero 181. Nao
passar sem reparo o insulto que me lauca o re-
dactor do Diario do flecife em artigo edicloriai.
1 de outubro.
Mainel Cimillo Pire Fnlco.
Correspondencias.
p resenles
g rato o
linhas, com
I.IM0E1IIF.NSE,
COJMIEf&CIO.
Praca do Recife 15 de ou-
tubro de 1860.
A.S tres horas da tarde.
Cotaeoes oftieiaes,
Cambio sobre Londres 26 112 J. 90 div.
George PatchetlPresidente.
DubourcqSecretario.
da alfandejjra.
95
loviniento
Volurnes entrados com fazendas..
com gneros..
Volurnes saludos com fazendas..
com gneros..
104
109
------ 213
Descarregam hoje 16 de outubro
Barca portuguezaCynlhiamercadorias.
Barca inglesa John Martinobjectos para a es-
trada.
Palhabote nacionalArtistadiversos gneros.
Consulado geral(
Rendiraento do Jia l a 13. 7 99IS191
dem do dia 15...... 376S0C7
o que muilo Ihes ser se autoaram, processaram !e pendem unslautos
de execugao de sentencia entre partes como exe-
quenles Molla i Irmaos e Joao Luiz Vianna e de
outro como executado Antonio Joaquim Vinhas,
por seu curador in liten ; e dos mesmos autos
consta o requerimento do iheor seguinte
Aos 10 de cutubro de 1860, nesta cidade do
Recife, em publica audiencia, que aos foitos e
partes dava o Dr. juiz especial do commercio
Anselmo Francisco Perelli, pelo solicitador Joa-
quim de Albuquerque Mello, procurador dosexe-
queDtes, fora dito, que aecusava a penhora feila
em bens do execulado, o que ficassem assigna-
dos os 6 dias da lei, o requereu' que se passassem
editaes para serem citados os credores incertos,
visto existir dinheiro penhorado: oque ouvido
pelo juiz, houve a penhora por acensada, os
dias por assignados, e o mais por deferido na
forma requerida ; do que fiz a prsenle extrahi-
da do protocollo das audiencias: eu Msnoel Ma-
ra Rodrigues do Nascimento, escrivo o es-
crevi.
E mais se nao conlinha em dito requerimento
aqui transcripto, em virtude do qual o respci tivo
escrivo fez passar o presente editsl com o pra-
zo de 10 dias, pelo theor da qual chamo, cito e
hei por cilado aos credores incertos do referido
executado, para que dentro deste prazo compa-
recam neste juizo para fazerem a opposico que
tiverem, com a pena de revelia ; portento toda
c qualquer pessoa os podero fazer scienle do
que cima fica exposto, e o presente ser publi-
cado na forma do estylo.
Recife 15 de outubro de 1860.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
Anselmo Francisco Peretli.
?.
Alfande
Rendiraento do dia 1 a 13. 195 013*673
lJera do dia 15.......11:419=873
206:1333546
92
------ 187
Diversas provincias.
Rendiraento do dia 1 a 13. .
dem do dia 15. ,
8:367}238
4618599
76tOJ6
537S655
Despachos de exportacao pela me-
sa lo consulado desta cidade li-
dia 15 LiverpoolBarca inglesa Bonita, Patn, Nash
& C. 113 saccas algodao ; Rostron, Rooker &
C, 23 saccas algopao ; James, Crablree & C,
22 saccas algodao.
Recebe doria de rendas internas
Reraes de Pernambueo.
Rendiraento do dia 1 a 13. 15:9429333
dem do dia 15....... 5:499*423
Declarares.
Pelasubdolegacia da freguezia dos Afosa-
dos se faz publico, que se acham depositados
dous cavallog, sendo um rudado pedrez, remeiti-
do pelo inspector da Sicupira Forte, por aDdar
vagando sem conductor, e outro alasSo escuro,
que foi remeltido pelo inspector do Barro, por
suspeite de ser furlado, e no acto de ser tomado,
se pois em fuga o ladrao ; quem se julgar com
direito, compareQa, que provando, Iho ser en-
tregue. Afogados 15 de outubro de 1860.An-
tonio Goncalvesde Moraes, subdelegado supplen-
le em exercicio.
. .0s proprietarlos de navios do porto desta
cidade, que anda nao os houver arrolado, sao
chamados a satisfazer esta condicao do regula-
merito das capitanas dentro do prazo de 15 dias.
sob pena do mulla e prohibico das sahidas dos
mesmos navios.
Capitana do Porto de Pernambueo 5 de outu-
bro de 1860.
Pela capitana do porto se faz publico aos
proprietanos de navios do porto desta cidade
que nao os lenham arrolado, sao chamados a
cumpnr essa condicao do regulamenlo das capi-
tanas dentro do prazo de 15 dias, contados desla
dala, sob pena de multa e prohibieao de sahida
de navio Dio arrolado.
a G?linia do porl de Pernambueo 5 de outubro
de 1860.O. secretario,
J. P. Brrelo do Mello Reg.
Pela capitana do porto se faz publico, que
loda a niadeira^jue for encontrada as praias e
caes desta cidade, depois de 5 dias, contados des-
la deta, ser apprehendida e multado o dono,
quando a reclamar.
Capitana do porto de Pernambueo 9 de oulu-
bro de 1860.O secretario.
J- P. B. de Mello Reg.
Pela administradlo do correio desta cidade
se faz publico, que as malas que tem de condu-
zir o vapor costeiro Persinunga com destino a
Tamandu e Macei. sero fechadas no dia 20
do corrente s 3 horas da tarde.
Transferencia
21:4418756
Consulado provincial.
Re.ndimcnto do dia 1 a 13. 11:8133601
dem do dia 15....... 330g33
TIIEATRO DE S. ISABEL.
WAMIII UBICA HE G.IMIIWVGELI
yuartafeira 17 de outubro
Repelir-se-ha a podido geral a opera de Verdi:
Principiar as 8 horas era ponto.
Os bilhetes vendem-se como de coslume, e os senhores assignales serao preferindos como nes
12-143-J938
Kovimento do porto.
Correio do Cear.
Sr$. redactores.Tenho lido no seu muilo
conceitoado Diario algumas reclamaeoes contra
a reparticSo do correio desta provincia, allegan
do-se falla de regularidado na entrega e remessa
dos mesmos Diarios aos assignantes desta capital
e do centro, o como quer que essa allegacao nao
soja verdadera, na qualidade de administrador
da mesma reparlicao, julgo conveniente pedir a
V. S.o favor de publicar esla, cooio um desmen-
tido s calumnias por meio das quaes 03 meus
adversarios ijuerem involver o seu jornal na
lula, que Irazcm aberla comgo.
Aqui a imprensa do Cerense de propriedade e
redaccao de um padre, que me odeia de morte, e
que sacrifica tudo esse odio, prineipiou a aecu-
sar-me com um esforco digno de una cansa, que
fosse justa, mas como eu poda defender-rne prompln e destruir no dia seguinte a aecusacao
que elle bavia formulado na vespera, resoh'eu
mudar de rumo, e mandar escrever contra mm
nos jornaes da corle, onde eu nao posso desfazer
as imputares.
Para tornar mais geral o ataque tem insinuado
alguna assignantes do Diario para fazerem essas
reelamacoes, que nao tem razo de fazer.
A excepcao do Sr. Dr. Assis Maciel, cojos dia-
rios faram, algumas ve/.es, demorados na agencia
do Acarac por falla de estfelas para o Ip, e so-
bre que promptarnente providenciei, ninguem
soffreu prelericao no recebimento do Diaria de
Pernambueo.
Asseguro a V. S. que lenho empregado loda a
solliciluJe ern tornar o servico do minha repar-
Kcao. o mais regular que for possivel, e tenho
COnsciencia, de quo ella inspira geral confianza a
amigos e inimigos, que cu possa ler.
Em qo into a insinuago de que procuro dar
mais circulaco ao Pedro 11, declaro a V. S. que
nao tenho inleresses na empresa desle jornal, o
-me indifferenle que elle lenha ou nao rauitas
assignalur8s.
Entretanto se tvesse razos para estimar que o
Pedro 11 tivesse maior circulaco, certamenle eu
saberia subordinar este sentimento egoislico
cumorimento dos meus deveres.
Concl sideracao e eslima.
Fortaleza, 8 de oulubro de 1860.
Gustavo Ourgulino de Soauz.
Srs. Redactores.Leudo o Diario de Pernam-
bueo de 13 do fluente, deparei cora um commu-
nicado do Sr. Jos Theodoro, inspector do Es-
pinho-preto, e nao podendo supportar que ho-
mens lo vilmente se portem, usando do falsi-
dades improprias de quem acarris um pouco
de verniz na mascara; apresso-me em fazer
scienu ao respeiiavel publico quem seja o insig
ne Jos Theodoro, que se anima a querer ma-
rear a reputaco do comma^dantc superior Cu-
mar. Esse insigne falsario foi o mesmo, '.que
encontrando cora o padre Galindo as ves pe ras
das eleicoes disseque vinha reduzir o povo
para votar na chapa do commandante superior ;
e feitas as eleicoes cora as irregularidades, qu
bem se evidenciaran), Jos Theodoro fei oilere-
cer ao commandante superior 32 homens sua
disposicao para virem quebrar a urna, o que re-
pellio o commandante superior, dizendo que nao
era desordeiro, e que linha salvos os meios de
recursos lei : esso facto banal do Sr. Cordeiro
foi publico, bem como a sua assignatura foi a
mais voluntaria, e cheia de bazofias por se achar
insultado com o procedimentodas autoridades.
Deam Srs. Redactores, a devida publicidade s
ca-
ge-
Xavios entrados no dia 14.
Rio de Janeiro16 dias^ barca nacional Ireso,
de 309 toneladas, capilao Manoel Jos do Al-
meida, equipagem t. carga lastro, e alguns
gneros, a Aranaga, Hejo & Conipanhia Seguio
para o Ass.
Buenos-Ayres19 das, briguc americano Vo-
lante,de 307 toneladas, capitao L. II Bostford,
equipagem 10, em lastro, a Amorim A Irmaos.
Rio de Janeiro15 dias. hiato brasileiro Artis-
ta, de 252 toneladas, capitao Joaquim Jos
Ahes das Neves, equipagem 10, carga varios
gneros, a Bartholomeu Lourenco.
Navios tahidos no mesm dia.
Rio do Janeiro pela Bahia Vapor americano
do guerra Seminle, commandante G. A.
Pretiles.
Rio de Janeiro Barca americana Marin
pitao William C. Fowler, carga varios
eros.
UaranhoPalhabote nacional Novaes, capitao
Joaquim Jos Mondes, carga varios g-
neros.
Navios entrados to dia 15.
Portos do sul 6 dias, vapor nglez Oneida,
commandanle Bens.
Porlosdo sul8 dias, vapor nacional Tocantins,
commandante o Io lente Jos Candido Duarte.
Rio Grande do Sul 28 dias, barca brasileira
Thereza, de 287 toneladas, capitao Jos Ily- i
polito do Couto, equipagem 13, carga 13,500
arrobas do carne, a Balthar & Oliveira.
Rio Grande do Sul 30 dias, brigue brasileiro
Encantador, de 214 toneladas, capitao Anto-
"' 8,89 arrobas de carne, a viuva Amorim o:
l i I los.
Navios sahidos no mesmo dia.
ParahibaBarca ingleza Palmatla, capitao G.
G'ay, em lastro de assucar.
CdizItrigue americano Voltil., capitao L. II.
Bestford, em lastro. Suspendeu do lama-
rao.
Rio do JaneiroBrigue brasileiro Veloz, capi-
tao Manoel Perreira I.eile. carga a mesma que
trouxe do Assu'. Suspendeu Jo lamaro.
annuncios feilos.
sos martimos.
-
o
Q.
B
I
Horas
2 B I
c/i
Atmosphera.
Direcco.
03
Intensidade
C5
-1


li; hs
-1
Centgrado. I g
~n J "
lleaumur. i *
^_ ^ = 'l ralirenheit I g
HygromelTo
Barmetro.

\i) i*.
-I -4
00
p3
= l
C
L
> c
C V.
-i t1
-. c
P
c
>
V.
SE, veio para o terral
no
A noite clara, veulo
assim araanhercu.
. 0SC1LI.ACA0 DA HAR.
Raixamar as 10 h 18' da manhaa. altura 1 75 o
Preamar a 4 h 30' da tarde, altura 6 75 p
Observatorio do arsenal de marinha 15 de ou-
tubro de 1S60 v,KGAS j,:N.10R
Editaes.
Directora geral da iastruccao
publica.
Fago saber a todas as pessoag que so dedicam
ao misino particular primario R secundario nesta
provincia, que o Illm. Sr. direcior geral interi-
no Ihes manda lembrar o del cumplimento da
le regularneular n. 369 do 14 de maio de 1855
na parte relativa ao referido ensinn particular e
mu especialmente quanlo as disposiees se-
gu n les :
Art. 86. Os professores ou directores de esta-
belccimentos parlicuUres sao obrigados
I. A remoller aos respectivos delegados rela-
tnos trimensaesde seos trabalhos. declarando o
numero de alumnos, s disciplina e compendios
adoptados, e .azendo as observaoes que enten-
derern convenientes.
2 A particpar-lhes qualquer alteracao que
projectem no regiment dos seustabeiecimenfos
com a precisa antecedencia, e a solicitar autori-
saco para isso.
3. A dar-lhes parle de qualquer
residencia.
4 A franquear-lhes as aulas, dormitorios e
mais dependencias dos estabeiecimentos, no caso
de os quererem inspeccionar.
E para que chegne ao conhecimento
mandou-so publicar o presente.
Secretaria da inslriicc.io publica de Pernam-
bueo 15 de oulubro de 1860.
Salvador Henriquede Albuquerque,
Secreiario interino.
O Dr. Adselmo Francisco Perelti, commendador
da imperial ordem da Rosa e da de Christo,
juiz de direito especial do commerrio desta ci-
dade do Recife de Pernambueo e sea tormo,
por Sua Magestade Imperial e Constitucional,
que Dos guarde, etc.
Faco saber aos que o prsenle edilal virem,
em cumo por osle juizo especial do commercio
C01IPVMII.4 PERNAHBLCANA
DE
Navegante cosleira a vapor
O vapor Persinunga, commandanle Lobato,
segu para os portos do sul de sua escala no dia
20 do corrente, recebe carga al 19 ao meio dia,
r-ncommendas, dinheiro a freto e passageirosat
s 3 horas de dia da sahida.
O expediente fechar-se-ha as 3 1(2 horas da
larde. Nao se dar bilhetes de passagem sem
quena gerencia fique deposita Jo o compleme
passaporte, aos passageiros que na forma da lei
nao podem viajar sera ellos.
Para o Rio de Janeiro.
O veleiro e bem conhecdo briguc nacional Eu-
genia, pretende seguir com muita brevidade, tem
a seu bordo iri"tade de seu carregamenlo para o
resto que Ihe falta trala-se com os scus consig-
natarios Azevedo t Mendes, no seu escriptorio
ra da Cruz n. 1.
Para o Aracaty.
Seguir brevemente o hiale nacional .Sania An-
ua: para o restante da carga Irata-se com Gur-
gel Irmaos, ein seu escriptorio, ra da Cadeia do
Recife, Io andar n. 28.
Aracaty.
Para osle porto seguir brevemente o hiato
F.xhalaeao: para o restante da carga trala-se
com Gurgel Irmaos em seu escriptorio, ra da
Cadeia do Recife, Io andar n 28.
Porto por Lisboa.
Vaisahir com brevidade para o Porto com es-
cala por Lisboa, o brsue portugiiez Promplidao
II, forrado e encavilhado de cobre, de PRIME1-
RA MARCHA ECLASSE: para carga e passagei-
ros, para os qoaes tem excellenles coramodos,
irata-se com Elias Jos dos Santos Andrade
C, na ra da Madre de Dees n. 32, ou com o ca-
pitao.
raudanca de
de todos,
Prezidio de Fernando.
O hiate : por rento sobre o valor da factura : Irata-se com
o capitao Pereira Marinho, no largo do Corpo
Sanio n. 6.
UlaranhioePar
Segu com brevidade o bem ronhecido hiale
Lindo Pagete, capitao Jacinlrri? Nones da Costa
por ler parto de seu carregamenlo prompto ; para
o resto e passageiros, trala-se cora os consigna-
tarios Almeida Gomes, Alves & C, no seu es-
criptorio, ra da Cruz n. 27.
Cear eMundau',
Segu no dia 19 do mez correnle o hiate Santa
Rita, recebe carga o passageiros: a tratar com
Caetano C. da C. M. & Irrao ao lado do Corpo
Santo n. 23.
O hiate Invenrivel >, por ter o seu carre-
gamenlo prompto, saho ira preter velmcn te para
o Aracaty no dia 20 do corrente, recebe alguns
passageiros : quem quizer ii de passagem dirja-
se ruada Senzala Velha, por cima do escripto-
rio dos Srs. Sanipaio Silva & C., segundo andar,
a tratar com Jos Joaquim Alves da Silva.
As 11 horas em ponto
LEILAO
DE
6 escravos, pecas.
Terga-feira 1G do crvente.
Anlunes far leilao em sen armazem, a re-
queriraeulo do tcsiameuleiro invenlariante de
Fernando Subidla, dosseguinles escravos:
Guldino, crioulo, 17 annos.
Joao, denacao, do annos. cosinheiro.
Clemente, crioulo, .10 annos.
Feliciano, crioulo, 55 anros.
Miguel, crioulo, 1 \ annos.
Uuno, crioulo, 17 annos.
Na raesnja occasiao vender mais alguns es-
cravos sem reserva de prer;o.
Importante
DA
Casa terrea da ra da
Palma n. 94.
Terca-feira 10 do corrente.
Antunesfar leilao em seu armazem na ra do
Imperador n. 73, da casa terrea da ra da Pal-
ma n. 94, a qual tem 5 quartos, 2 salas, cosinha
fora, quintal e cacimba, lera chaos foreiros e foi
construida ha 3 para -i annos.
Principiar s 10 horas em ponto.
LEILAO
DO
Casco da barca america-
na Roanock.
R. II. Gould capitao da barca ameri-
cana Roanock, fara' Lilao do casco
da Jita barca por intervencao do agen-
te Ilyppolito da Silva com autorisaQao
Aenco.
i
Joaquim Amaro da Silva Passos cora residen-
cia na ra do Vigario n. 29 faz chegar ao conhe-
cimento do publico era geral, e a seus credores o
devedores era particular: que aos desta praca
al o da 16 do correnle que se julgarem ses
credores por letras vencidas (que iulga nao as
ler, qur fra da praca, qiir dentro dola) assim
como aos decontas, a quem por falta de contas
correnles em aegra, tem oeixando de pagar, quo
ine apresentem dentro desto periodo suas conlas
correnles assignadas para serem pagas, estando
coiitormes : aos seus devedores desta praca cou-
v.da-os para que at o fim do correnle rnez ve-
nham saldar suas conlas ou aceilarem letras por
lempo convencionado : aos do fra da praca, quo
s julga ler devedores, da mesma forma roga
queiram saldar suas contas ateo lim do correnle
anno. Findos os prazos indicados, tratar-se-ha
de proceder nesla proposico na forma da lei, e
para que chegue ao conhecimento de lodos, ser
publicada iros vezes no Diario de Pernambueo.
a contar de hoje. Recife 13 de oulubro de 1860.
Precisa-se fallar ao Sr. Dr. Luiz Alfonso do
Albuquerque Maranhao.do Rio Grande do Norle
o de presente nesla cidade, a nesocio de impor-
tancia do seu particular interesse : na ra da Au-
rora n. i, segundo andar, ou
Sr. doutora sua residencia
annuncie o mesmo
para ser procurado.
Compra-so urna mulalinha ou negrnha de
boa figura e bons costumes, de 12 a 14 annos : a
tratar no sobrado amarello na ra do Oueimado
n. 29, segundo andar.
Compra-se urna taberna rom fundos quo
pouco excedam a 1:000?, e prefere-se sendo nos
arrabaldes da cidade : a tratar na ra do Faun-
des, taberna n. 1.
Manoel Cypriano Ferreira Rabello, lendo
de se retirar para o malo a tratar de sua saude,
do Sr. inspector da alfandega e etn pre- durante o lempo da fesla, avisa a todas as pessoas
Senca do Sr. cnsul dos Estados-Uni- q",e em se" ,l0ller ljrer penhores, de os vir res-
rtrxe*- i,.,., f;,... i a j ^ 4. Snl;ir no Pra"> de 30 dias, a contar da presente
dos. terca-tena 16 do corrente as 11 data. Recife 15 de outubro de 1860.
oras em ponto, na porta da associacao! ^jUuga^se umbrosa com 4 quarlos, na ra
tralar na ra da
commercial.
Avisos diversos.
Quarta-feira 17 do corrate
Costo Carvallio far leilao em seu armaren)
na ra Nova n. 65, de 1 mobilia de Jacaranda,
guarda louea, guarda vestidos, camas francezasi
pianos, loilels, lavatorios, apparadires, mesas
elsticas, cadoiras e costoreiras de vimes, can-
delabros, serpentinas e outros rauitos objectos
que seria enfadonho mencionar.
Tambem
vender 1 fogao inglez obra muito perfeila.
do Socepo (Campo Verde)
Imperatrz n. 23.
Quem qnizer comprar urna carroca nova
com excedente boi, dinja-se ao siiio das Rosei-
ras, na estrada do Rosarinno.
Para o Sr ministro do im-
perio ver.
Nenhum empregado geral pode
aceitar em prego alguna provincial sera
tjue previamente solicite e obtenlia a
sua demtssao. Avisos de 10 de no-
vembro de 1837 e 7 de outubro de
18*5.
Ora, nao tendo sido dertogados os ci-
tados avisos, cuia tao sab'
de ler : e
continuar
na provin-
Francisco Antunes de Mendonca Arraes e
Silva, retira-se desla provincia.
Gollegio de Bemfica.
Neslo estabelecimento precisa-se de um cosi-
nheiro e de urna ama para governante.
Na ra das Cinco Ponas n. 27 d-se di-
nheiro a juros sobre penhores de ouro e prata e
nao na ra de Sania Rita como linha anr.unciado.
Avisa-se em teinpo.
Nao se pode vender o sitio de Ierras chamado
Quebra Runda no lugar do l.uca freguezia dos
Afogados, annunciado para ser arrematado no dia lados avisos, cuja eP.
19 deste mez linda a audiencia do Sr. Dr. juiz ;.*- w;.^^.;-a L
municipal da primelra vara pela razo de que o mma,lte '^POSlCao Se acaba
commendador Jos Joaquim de Oliveira senho- lora de duvida que nao deve
ria do solo esl encarainhando aeco de comisso a Ser insncrtnr da fl
contra o Vilerboe sua mulher por nao terem pa- T ^"K',(-Ct01 ,a ".. piuvn-
gos os foros ja ha muito e assim faz se o presen- cial Pr>tessor de geometra do colle-
le annuuciu para que ninguem se chame a igno-
rancia.
Os abaixo assignados fazem scientes ao res-
peiiavel corpo do conimcrcio desta cidade, que
nesta data elfectuaram a sociedade em inleresses
communs em um estabeleclmento de seceos e
molhados a varejo e por atacado, bem como
commisses lano do interior como do barra fra,
na roa do Rangel n 22, cuja razo social ser
Costa Guimares i\ Reis, como os responsaveis
pela mesma firma.
Recife 16 de oulubro do 1860.Francisco Jos
da Costa Guimares.Jos Ferreira dos Reis.
Nos ullimus dias de oulubro at o 1." de
novembro vai praca por 2:000$ ura sobrado
grande, velho, com alguma ruina, na frente da
adeira do Varadouro na roa de S. Bento ; alm
do quintal que comprido, tem um terreno mu-
rado adjacente e cacimba,
O Sr. bacharel Antonio Alfonso de Asmar
Whilaker, natural de S. Pauto, hoje empregado
na comarca de Piralininsa da mesma provincia,
queira mandar pagar a luir que ficou a dever
em Pernambueo, quando esleve estudando.
LEILAO
Para os Srs. de cngeiilio.
Sexta-le ira 19 do correnle.
DE
2 carrocas americanas.
Borol & C. far leilao por inlervencao do agen-
te Costa Carvalho, ile 2 carrocas americanas de
nova invenc.io proprios para' carregar assucar,
oo da acmi sll horas em ponto no armazem
do Sr. Boroi & C
horas em poni.
na ra da Crnz n. 9, as 11
Leudes.
Urna taberna.
Quinta-feira 18 do crvente
Costa Carvalho autorisado pelo Sr. Apolinario
Ignacio da Conceicjio e scus credores far leilao
da sua taberna sila na ra Velha da Boa-Vista
n 27. a prazo ou a dinheiio consistindo era ar-
maco. bons.generos e poucos fundos para co-
modidade dos concurrentes haver cerveja para
refrescar o calor ; sll horas em ponto.
iEILAO
Commercial.
O agente Evaristo aulorisado polo Exm. Sr.
Dr. juzi especial do commercio a requerimento
do depositario da massa fallida de Miguel Gomes
da Silva, far leilao da taberna n 31 da ra da
Imperatriz no dia 16 do correnle s 10 horas do
dia, sendo a mesma venda por junto ou a rela-
Iho, a vonlade do comprador.
LEILAO
gio das artes [ou a ser proessor de geo-
metra do collegio das artes o inspec-
tor da thesouraria provincial )
lisse funecionario, a despeito dos avi-
sos citados, foi nomeado inspector da
thesouraria provincial de Pernambueo';
e, em piejuizo do seu substituto, da
instniccaoe dos cofres pblicos, se acba
fora da sua cadeira, ha 15 annos!!!
(fazem hoje 13 desetembro de 1800.)
Carros fnebres.
Na ra do Imperador confronte a casa do Illm.
Sr. Dr. Sarment, em um armazem pertencciilo
ao r.on-ento de S. Francisco.
O Agr faz ver ao publico e aos seus amigos
'I'ie lern a cocheira montada com ricos carros o
novos tardamente para os boleeiros, a bem de-
O Sr. Manuel de Amorim Lima que foi nes- I S)?mPPnhar os seus deveres, e espera continuar a
la cidade procurador do Sr. Dr. Pedro Beliro, e "wecer a mesma confianza quo se Ihe tem pro-
hoje se acha residindo em Sanio Anlo, ha ja, '
quanto antes de vir pagar o que ficou a dever na
luja de calcado da ra do Cabug, para nao pas-
es-
digahsado, pelo que eternamente grato ; en-
carrega-se de ludo quanlo necessarfo a qual-
quer enterro por maior que elle seja, com pres-
j teza e aceio, sem ter as paites o menor incom-
, mudo, para o que pode ser procurado a qualquer
! ora do da ou da noste no mesmo estaheleci-
: ment. E brevemente tem de passar o estabe-
lecimenlo para a ra Nova n. 63, cujo armazem
, tem as proporcea necessarias para bem o mane-
jar, e ainda raelhor servir aos prelendenles.
Luiz Mariotti retira-se para a Europa.
! Prcvine-se a Sr. S., morador na freguezia
do s. Jos, que oslivrosque elle vendeu sem Ihe
: perlencer, j fura ni achados e comprados.
Precisa-se de urna mulher maior de 40 an-
nos, de bons costumes, livro e desemluracada
para cuidar dos Qlhos de ura viuvo : a fallar u
ra do Seve ou Unio, casa de sobrado cora 5
varandas. entrada pelo oitao, sendo dita casa
nha do grando edificio
sar pelo dosgosto de pagar judicialmente.
Precisa-se de urna ama, preferindo-sc
irangeira : na ra Nova n. 3.
Attenco.
o
Piecisa se de urna criada de meia
idade preferindo se portugueza, que
de fiador a sua conducta, para casa de
urna familia distincta, nao se olha a
preco cumprindo os seus deveres que
Ihe serao explicados: a tratar na ra
Nova n. 38, loja.
Aluga-se o sobrado de um andar ,
com um sotao muito grande, com quin- ra o Gymnasio Provincial.
tal, cacimba eo armazem do mesmo si- T U aba,*, a5s'nado responde ao annuncio
. i r de joaquim iionc.i ves de \lhuitiipr. tona ra do Bruna confronte ao eha- publicado no Diario de*PernaX"0Tn. 1 d
fanz : a tratar na rua da Cruz n. 36. 5 ,)o corrente, que o protesto e annuncio feito
pelo abaixo asignado, n.io para intimidar, o
muito menos para nao pagar (visto que o abaixo
assignado nunca sabio de sua patria por estar
devendo....) Outro sim, o abaixo assignado, nao
poderia protestar sem que o Illm. Sr. Dr. jiz do
orphos assim o delerminasse, o o Sr. escrivo
Brito tomasse por termo o protesto, e o official
Serra inlimasse ao Silva e o Sr. Frederico Cha-
ves acuisasse : fique corto o Silva, que serei se-
vero em repetir o que for de lei, mas se o Silva
(em poder para ludo privar [o que se duvida] en-
tilo esl garantido, o lera loda a razio. Recifu
11 de outubro do 1860.
vi-
pa-
Aluga-se
o segundo an lar da casa da rua da Im-
peratrz n. 36 : a tratarla loja da mes-
ma casa.
PELO AGENTE
AnluneS far leilao na rua Direita n. 12 de
urna armaeo propria para taberna, deposito' ou
outro qualquer negocio, com o seu competente
gaz ele, a qual se vender a prazo ou a di-
nheiro; quarta-feira 17 do corrente s 11 horas
em ponto.
O referido agente far lei-
lao por conta e risco de quem
perrencer, quarta-feira 17 do
corrente, s 10 horas da ma-
nhaa no armazem do Sr. A-
iles defronte da alfandega
DE
Marca BaB 150 Frasqueiras
de 15 frascos com a verda-
dera genebra de Hollanda
vender-se-ha em um ou
mais lotes a prazo ou a di-
nheiro, que para fechar
contas.
Roga-se aos pelintras que no Corpo Santo, no
domingo 1-i do correnle, ostentando sua pessima
educaran, e symbolisando a immoralidade da
poca, ileram lo ni copia de si, sobresahndo
entre ellas o celebro procurador dos 700 baga-
roles.), que ao menos no templo do Senhor res-
peitem seu semelhante. e nao procurem alguma
correcciio A alma da viuva do Juliao.
D-se dinheiro sobre penhores: quem pre-
cisar, dirija-se a rua do Livramciilo n. 12, que
se dir quem d.
O solicitador Elisiario Gomes de Holl,
Iransferio a sua residencia da rua do Livramento
para a rua Direita n. 28. segundo andar, onde
pode ser procurado das 6 s 10 horas da manhaa
odas 3 sG da larde.
Justo apreco.
Inflanm:iroo do ulero.
Eu abaixo assignado declaro publicamente que
por meio das chapas medicinaes do Sr. Ricardo
Kirk. escriptorio na rua do Parlo n. 119, foi cu-
rada urna minha escrava de in/laminaaio do ule-
ro, da qual padeca ha mais de um'auno, com
muias dores e sofijmonlos, licanJo peifeiamen-
le boa no curto espaco de 12 dias, o que faco pu-
blico por dar o juslo apreco a tao precioso reme-
dio, que honra a seu autor, o cuja uliiidade po-
dera ser proveitosa a oulras pessoas que solTrera
de igual molestia.
Rua do Senhor dos Pasos n. 3. Rio de Ja-
neiro.Antonio Vieira dos Sanios.
Hoje lerca fera, linda a audiencia do Illm.
Sr. Dr. juiz de orphos, sera arrematada a rnda
annual do sobrado n. 40 da rua do Trapiche,
requerimento do tutor dos mesmos fillios do fi-
nado Francisco Mamede de Almeida ; c a ultima
praca.
Precisa-se alugar urna prela escrava que
saiba engnmmar e cozinhar: na rua do Vigario
n. li, segundo andar.
Precisa-se comprar urna cabra (bicho) qne
seja mansa e tenha bastante leite, paga-se bem ;
a tratar na casa assobradada belra do rio, ao
norle da fabrica do gaz.
Aluga-se urna casa terrea a margem do Ca-
pibaribe, antes do chegar a ponte da Passagem
da Magdalena, na Ilha do Retiro, contendo 5
quarlos e cozinha, o lugar excellenle pela sua
frescura, boa vista, e-o aluguel commodo:
quem precisar, procure entender-se com Luiz
Manoel Rodrigues Valenca, casa ao norte da fa-
brica do gaz.
Jos Rodrigues do Passo.
Terca-feira, 16 do corrente, logo que (indar
I a audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz d.; orphos o
I ausenies requerimento do leslamenleiro do
I fallecido Bernardino Antonio Fras Brando, se-
| rao arrematado? o entregues a quem maior proco
I offerecer os bens seguintes: 1 relogio de praia
I dourado, 1 lavatorio, 1 banquinha, | cabido, 1
bah com roupa do uso, o 1 chapeo prelo para
cabeca. Escrivo Vascoocellos.
Nieola Bruno com son filho, subditos ita-
lianos, vio para urna viagem fra da provincia.
Na casi das audiencias do Illm. Sr. Dr. juiz
dos orphos se ha de arrematar no dia 16 do cor-
rente, pelas 11 horas, sendo a ultima praca. a
casa terrea sila na rua das Aguas-Verdes n. 52,
com chaos proprios. e fundos al a rua de Hur-
las, avahada em 1:0005.
O abaixo assignado .cientfica ao respeiia-
vel publico e com especialidade s pessoas com
quem tem transacedes, que ern virtude de ler fal-
lido o Sr. Joaquim da Costa Maia.qoccom o mes-
mo abaixo assignado linha sociedade no arma-
zem de madeiras da rua da Concordia n. 19. foi
dissolvida a sociedade por accordo dos credores
do fallido e ordem do Eira. Sr. Dr. juiz de direilo
especial do commercio. licando o abaixo assigna-
do com o e.stabelecimento t; perlencendo-lhe lo-
do o activo, urna vez que tambera ficou obligado
por todo o passivo. Recife 15 de outubro do
1860.Rufino Manoel da Cruz Cousseiro.
Precisa-se
de um feilor portugiiez para ura sitio em Bebe-
ribo, que saiba ptntar capim e trata-lo, paga-se
bem : a tratar no mesrao lugar com o professor
publico.
Aluga-se
urna excellenle casa para passar a fesla. em Be-
bcribe, com 7 efuartos, -2 salas, excellenle banho
margem do rio, estribara para 10 a 12 caval-
los, com urna grande planta de capim, propria
para casa de holel e hospedogem, que muilo so
faz sensivel durante a esta de Nalal essa falla
em um lugar, como tao concorrido, havendo
alias todos os comroodos necessarios a esiabclc-
cimentos desta ordem : quera a pretender, diri-
ja-se ao lugar, a fallar com o professor publico.
-


"
DIARIO DE PERNAMBCO. TER^A FE1RA 16 DE OUTUBRO DE 186.
m
Ensino de msica.
OTerece-se para leccionar o solTejo.como tam-
bem a tocar varios instrumentos ; dado as li-
roes das 7 horas s 9 1\2 da noite: a tratar na ra
da Roda n 50.
Gravador e dou-
rador;
Grava-se e doura-se em marmore leltras pro-
prias para catacumba ou tmulo a 100 rs. cada
urna, o aonunciante aprsenla seus trabalhos
nos tmulos dos Illms. Srs. Vires, Dr. Aguiar,
Guerra, Tasso e em outros mais ra da Caixa
d'Agua n. 52.
agencia dos faforierfhtes america-
nos Grouver & Baker.
Machinas de coser: em casa de SamuelP.
Johnston & ra da Senzala Nova n. 52
| Dentista de Pars*
U 15Ra Nova15 B
t Frederico Gautier, cirurgio dentista,S
|g faz todas as operacoe da suaartee col-||j
rt* loca denles artiiciaes, ludo com a upe-^
rioridade e perfoicao que as pessoasen-|g
5* tendidas lhe reconhecem. "jt
Temagua e prts dentifricios etc.
As pessoas que pretenderem fal-
lar ao conselheiro Jos Bento da Cu-
nha e Figueiredo poderao procura-lo
na ra do Imperidor n. 57, primeiro
andar, das 1 i hora* da manhaa at as
2 da tarde.
Aluga-se urna casa na ilha do Retiro, cuja
, fica ao lado da ponle da Passagem, tem 5 quar-
tos, cozinha fura, 2 salas, banho ao p da porta ;
o aluguel convida, pois barato, e o lugar ex-
celleutc para passar a fcsta ; a tratar com Luiz
Manoel Rodrigues Valenga junto a fabrica
do gaz.
O Sr. que annunciou a venda de duas mu-
latas reeolhidas, pode Uirigir-se ao armazem Je
faiinhas, de Jos Uuaite das Neves, quo est au-
lorisado a comprar para urna encommenda.
Hara Januaria da Conceao Guimares,
professora particular de instrucgao primaria da
freguezia do S. Pedro Harlyr da cidade de Olin-
da, faz publico a quem convier que do ordera de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia se acha re-
gendo interinamente a cadeira publica de insiruc-
cao primaria da mesma cidade.
Precisa-se de um caixoiro pequeo com al-
guma praca para taberna na travessa ; do Cara-
pello n. 4.
ATrr**TTrTTTT*rT-rTTT-rTTTT?>
H
DENTISTA FRANCEZ.
a
Procsa-se fallar ao Sr. Alejandrino Ferrei-
ra de Alcntara Miranda, que morn no paleo da
ribeira de Santo Antonio ; na praca da Indepen-
dencia, livraria ns. 6 e 8.
Aluga-se um segundo andar e sotao com
grandes commodos, e bem assijii um sitio limito
perto da cidade, com muiloboa casa de vi onda,
casa para prelos e par feilor, com muitos arvo-
redos de fructo, boa baixa para capim. camboa
para desembarque : a tratar na serrara da ra
da Praia n. 59.
MBM8MBatt M8BG3 BWIMMBg
|Licoes de piano
i e canto*
|k Tobas Tieri artista italiano da compa-
5 nina lyrica tcndo acabado o contrato com
h(| o Sr. Marinangeli, pretende dedicar-seao
vy, enseno de piano e de canto, as pessoas e
Jg os pas de familias quequizerem ulilisar-
b so como seu preslimo podem procura-lo
jjg na ra de S. Isabel n. para tratar com
<&> o mesmo, quesera mu razoavel nos seus
mSEkm-mimmi mmsmm
r*
y. Paulo Gaignoux, dentista, ra das La- <
T rangoiras 15. Na mesma casa tem agua e H
A
7 p dentifico.
XX XXXXXXXXX 1X Xi.JLjL.tXXiii.XXX
O Dr. Manoel E Rogo Valonen pode ser pro-
curado para o exercicio de sun prufis>ao de 016-
dtco : na ra da Cruz n. 21, segundo andar.
m
H
i
11
mi be uwul
DOS
Doiilores Ramos e Scvc
Sita em Santo Amaro.
Este estabelecimento contina debaixo da ad-
ministraco dos proprielarios a receber doentes
de qualquer natureza ou calhegoria que seja.
O zelo e cuidado all empregados para o
prompto restabelccimento dos doentes, peral-
mente conhecido.
Quem se quizer ulilisar pode dirigir-se s ca-
sas dos proprielarios, ambos moradores na ra
Nova, ou enlender-se com o regente no estabe-
lecimento.
A diaria para os escravos de 2$500, e para
oslivtes de 38200 ou -jOOO. porcm em certos
casos pode haver algum abalimento.
As operares scrao previamente ajustadas
Vaccina publica.
Transmisso do fluido de braco braco as
quintas e dominaos, no lorreao da alfandega, e
no3 sabbados ateas 11 horas da manhaa, na re-
sidencia do commissario vaccinador segundo
andar do sobrado da ra estreila do Rosario nu-
mero 30.
HcWlSiwoWCTiW WWVW MR a> CBw |H
|| O Dr. Cosme de Sa' Pe eir da' |||
5 consultas medicas em seu escrip- \
torio, no bairro do Recite, iua 8
H da Cruz n. 53, todos os dias.me- |g
nos nos domingos, desde as 6 ?
, horas ateas 10 da manliaa, so- ffi
H breos seguintes pontos |jy
$ 1.- Molestias de olhos ; 3&
2.- Molestias de coraoo e de gr
peito ; *
H 3.* Molestias dos orgacs da ge- f|
^ racao e do a us ; ||
'**' i.- Praticara' toda e qualquer f>
operacao que julg.r conve- q>
M niente para o restabelecimen- ||
to dos seus doentes. ag
jjj O e\amedaspessoa$queo con- ^
re sultarem sera' feito indistincta- $)
m mente, e na ordem de suas en- M
ag tradas, fazendo excepcao os doen- *
g- tes de olhos, ou aquellos (pie por 5
H motivo justo obtiverem hora H
%* marcada para este fim. -'.*
*BB$3 mi
DEBA
KO
9k. rmr1 je: jc <: ::: ^m. jpb. jm:
Assignatura de banhos fros, momos, de choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos. ,........... 10OOO
30 cartees paraos ditos banhos tomados em qualquer tempo...... 15#000
15 Ditos dito dito dito ...... 8000
7 ...... 4^000
Banhosavulsos, aromticos, s&lgados esulphurososaospre^os annunciados.
Esta reducQo de presos facilitar ao respeitavel publico o gozo das vantagens que resultara.
da frequenciadeum estabelecimento de urna utili-ladeinconteslavel.mas que infelizmente nao
estando em nosso* hbitos, ainda pouco conhecida e apreciada:
CASA
DE
Na ra da Cadeia n. 24 deseja-se tallar con
os senhores :
Baltazar Jos dos Reis.
Domingos Caldas Pires Ferreira.
Pirmioo Antonio da Silva.
Marceline de Souza Perera de Rrito.
Joaquim Clemente de Lenios Duarte.
Joio Rodrigues Cordeiro.
Cleto da Costa Campello.
Antonio de Albuquerque Maranho.
eau mi
NATURALLEDE VICHY.
Deposito na botica franceza ra da Cruz n. 22
APPE0VA(\0 E AIT0USM\0
DA
aqeih mmmu m hdcini
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPATICAS
COMMISSAO DE ESCRAVOS
stabeecida m Londres
mm u mu,
CAPITAL
Ciueo uAlUvt>es de Vibras
stcTlmas.
Saunders Brothers & C. tem a honra de infor-
mar aos senhores negociantes, proprielarios de
casas, e a quem mais convier, que eslao p'.ena-
-.. monte autorisados pela dita companhia para ef-
fectuar seguros sobre edificios de lijlo e pedra,
cobertos de lelha, e igualmente sobre osobjeclos
que contiverem os mesmos edificios, quer con-
sista em mobilia ou em fazendas d qualquer
qualidade.
Aluga-se o primeiro andar da casa da ra
da Cadeia do Recite, ir 41, proprio para escrip-
torio : a tratar na loja.
Muga-se para passar a festa ou mesmo an-
nualmente, um boro sitio em Beberibe no lugar
do Porto da Hadeira, contiguo ao de loo Filip-
pe da Costa, tendo a cisa bons commodos p3ra
a mili a : a tratar r.a ra do (Jueimado n. -iS.
Ama.
A pessoa que precisar de urna ama para cosi-
nhare engommar para casa de pouca familia, di-
\ rija-se ra de Santa Hita n. 5. Na mesma casa
/ existe urna senhora que toma una criaoca para
mamentar assegurando boa nutrido c por preco
coromodo.
Aluga-se urna boa casa no Cachang, com
bastantes commodos e bom banho no fundo do
quintal : a tratar na ra da Paz n. -12, oulr'ora
ra do Cano.
Precisa-se
de dous traballia lores de maceira quoenteniarxj
perfeitamente do fabrico de pao : na ra larga do
Rosario perto do quarlel de polica padjria
d. 18.
l)est'ja-se fallar com os Srs. Miguel Alexan-
t drino da Fonseca (ialvao e Flix Paos da Silva,
a negocio que os mesmos nao ignoram : no Pas-
seio Publico loa n. 11.
Agencia de lciloes.
Arphclim Jos da Costa Carvalho avisa a seus
amigos e ao respeiravel corno de commercio.jue
mudou spu armazem da nn da Cruz para a ra
Nova n. 05, ou le po lera ser procurado para os
misteres de sua profisso, garantindo somenle
" ser solicito ao desempenlu dos seus deveres.
Attenca".

Roga-se ao Sr. F.luardo que tem um penhor
de ouro na ra da Senzala Nova n 2. que tonlia
a bondade vir resgata-lo no prazo de 8 dias, do
contrario ser vendido para o principal c juros.
Traspassa-se o arrendamento da casa da
ra da Imper.Uriz n. 29. que faz frente para o
caes do Capibaribo n. 16, assim como se vende
, timben) os uleneilios do estabelecimento de ser-
rara ; quem pretender, dirija-se a mesma casa
numero 29.
Terca-feira 16 do corrento, depois da au-
diencia do juizo de orphos, c perante elle, se
proceder a arremalacao do duasescravas mocas,
boas eneommadeiras e coznheiras, de 4 molo-
ques, sendo um de 9 annos e bonita peca, e de
urna mobilia (imposta de cadeira?,mesas, conso-
los, marquezas o commodas de Jacaranda ; guar-
da vestidos, guarda louca, etc., de amanillo ;
bens estes penhorados ao espolio do finado Ma-
noel Carneiro Leal, por Joiio Ferreira Vilolla por
si ecoino tutor de seu cunhado Manoel Carneiro
Leal.
O Sr. Diogo Vaz P. Carneiro, Antonio Dio-
go Vaz Carneiro e Jos Julio Espinla Viegas,
tjem cartas da ilha de S. Miguel: na ra da Ca-
de* do Reciten. 4.
KA
Ra larga do Rosario n. 20
segunde andar.
Nesta casa recpbem-se escravos para seren
vendidos por commissao por conla de seus se-
uhores. Afianca-seo t>om trata ment, assim como
as diligencias possiveis para que os mesmos se-
jam vendidos com promplido afim de seus se-
nhores nao soffrerem empate na venda delles.
Nesta casa ha sempre para venderescravosdo
dilTerenles idades ile ambosossexos.com habili-
dades e sem ellas.
O Drs. Sarment pai e ill o,
participain aos reus clientts que ^
mudaram a sua residencia para
a casa nova, contigua aquella em \
que moravam, cuja entrada
pclocampodas Priticezasoutr'ora
largo do palacio.
As consultas gratuitas para os ^
pobres, em vez de quotidianas f
como teemsido at agora, s te- j
ro lugar d'aqui em diante as
quintase domingos das 10 horas
em diante
;M8SM8M3 MgMIMa HBMBtWi
rmme m
m
DA
Ama.
Aluga-se urna ama porlugueza quo sabe cozi-
nhar e engommar perfeitamente, para casa de
familia : a tratar no largo do Corpo Santo n. 17,
segundo andar.
Manoel Teixeira de
Andrade faz sciente ao respeilavel publico e
principalmente aos seus freguezes que mudou o
seu eslubelecimenta de calcado e a officina para
a ra da Senzala Nova n. 21, na qual se presta a
azer toda a encommenda periencenle a sua pro-
fisso, ludo a Tontade dos freguezes.
O Sr. thesoureiro das loteras manda fazer pu-
blico que se acham venda todos os dias no es-
criptoro das mesmas loteras na ra do Impera-
dor n. 10,e as casas commissionajas pelo mesmo
Sr. thesoureiro na prara da Independencia ns. 14
e 10, das 8 horas da manhaa s 6 da tarde, os
tiilheles e meios da segunda parle da primeira
lotera de N. S. do l.ivranienlo, cujas rodas de-
vero andar impreterivelraenle no da 27 de
outubro prximo futuro.
Thesouraria das loteras 9 de uutubro de 1560
O escrivo, /. i/, da Cruz.
Quem ttver um sitio pe to ou
onge desta cidade,com tanto que tenlia
casa de vivenda, arvores de fructo e -
que prximo ao banho salgado, tempe-
rado ou doce, e o queira alugar diri-
ja-se ao largo do Terco casa t rrea nu-
mero 35.
Hotel Trovador.
Ra larga do Rosario n. 44.
As pessoas que recorrerem a este lintel enron-
trarao boa conimodidale para una noite, dias e
mezes, conforme Ihes convier, encontrarle tam-
bera a qualquer hora do din o noite lanche e ca-
f. O dono do respectivo hotel se obriga a dar
comida para fra as pessoa?, que quizerem. as-
seguran lo todo o asseio. Tudo por preco com-
modo.
Perdeu-se hontem a noite, 11 do correle,
una pulsora de ouro com um diamante cravado
no centro, desde a ra Bella at. ao palacete da
ra da Praia, inda pela ra da Florentina, paleo
do Paraizo, Quarteis praca da Independencia,
ra do Crespo, Passaio Publico, travessa do arse-
nal de guerra e ra da Praia ; quem a achar c
quizer restituir, dirija se a ra Bella, casa n. 28,
quesera generosamente gratificado.
Aluga-se o lerceiro andar da casa da ra do
Imperador n. 73, com commodos para grande
familia, e com frente para o Passeio Publico : a
tratar na ra do Crespo n. 7, loja de Guitnaraes
A: Lima.
Precisa-se de um criado de 16 anuos, que
saiba boleare que tenha boa conduela, asrndau-
do d-se bom salario : na ra Direiti n. 66.
Boa cocheira para nego-
cio.
Negocia-se a cocheira do bois com carros da
alfandega, e boas vaccas de leite, sita na ra da
Florentina, bem afreguezada, co motivo da ven-
da se dir ao comprador; Da me3ma cocheira e
qualquer hora do da.
A. \V, Osborn retratista americano annuncia
ao respeitavel publico desta cidade que elle aca-
ba de receber dos Estados-Unidos da America,
um explendido sortimento de molduras redondas
douradas de todas as dmenscs, caixas para re-
tratos fazenoa muilo lina, assim como recebeu
um bello sortimento de casoletas de ouro e alfi-
netes de dito obra prima expressamente para re-
tratos. A. W. Osborn apro^eita esta aprazivel
opporlunidade para informar ae publico que elle
est resolvido a dar liccdes da sua arteem todos
os seus ramo?, assim como lem para vender um
completo sortimento chimico e outros aparatos
proprio para as pessoas que professam 3 sua arte.
Mr Osborn tambem tira retrates em carloes de
visita e em papel de escripia por prei;o muito
razoavel: na ra do Imperador primeiro andar
com tiandeira.
Roga-se ao Sr. Antonio Jos da Cunha Gui-
mares que dirija-se a ra larga do Rosario n.
'8, a negocio que o mesmo senhor nao ignora ;
espera-se at o dia 4 de outubro.
nm&em $ej&i& s&j&eggjg
DENTISTA |
de f
IBERNA3IIULTCG. S
3Ra estreila do Hosario-3 %
Francisco Pinto Ozorio continua a col- 4
locar denles artificiaos Unto por meio &
de molas como pea prcsso do ar, nao m
recebe paga alguraa sem que as obras
nao fiquem a vontade de seus donos, Ss
lem pozos c outras preparacoes as mais p
acreditadas para conser>arao da bocea g
Klktnann haos & C- avisam ao
respeitavel corpo do commercio que
foram nomeados agentes nesta prara das
corupanhias de seguros maitimos de
Ilamhurgo.
Ao senhor
Antonio Joaquim Fernandes de Oliveira, esludan-
le do lerceiro nano da Faculdade de Direilo desla
cidade, pede-se que venha gatisfazer o que nao
ignora ; uestes termos pela segunda vez : na ra
do Crespo n. 21.
Domingos da Silva Campos esl proceden-
do inventario pelo Illm. Sr. Dr. juiz de orphos.
e roga a seus devedores que venham saldar seus
dbitos
Na ra das Aguas Verdes n. 5, risca-se lo-
da qualidade de livros, tanto de tinta encarnada
como de azul, com (oda perfeio.ao, e lambuiu se
encaderna toda qualidade de livros.
Ao senhor
Trajano Carneiro Leal, deseja-se fallar : na ra
do Crespo n. 21.
O Sr. Manoel Ferreira da Cosa que Irouxe
urna carta de Barreiros para Cnrvalho Nogueira ij
C queira apparecer no esciiplorio da ra do
Vigario n. 9.
Preeisa-se de um moleque de 14 a 16 an-
nos, que saiba bolear, paga-se bem ; na ra bi-
rcila n. 66.
I Na ra Nova n. 53, precisa se fallar com o
Sr. Francisco de Paula Corroa Lima.
O Dr. Manoel Moreira Guerra, mudou o @
@ seu escriptorio do advocacin para a ra es- @
$@ treita do Rosario n. 22, primeiro andar, @
onde pode ser encontrado das 10 horas da (g
g manhaa s 3 da larde. .-;
fiar A 320 rs.
Aluga se bichas de Hamburgo, na
ruada Emperatriz n. 10.
Precisa-se de urna ama de leite
sem albo, vre ou escrava : na ra da
Aurora n. 40.
Albert Aschol, relojoeiro alle-
mao, avisa ao respeitavel publico e es-
pecialmente aos seus amigos e fregue-
zes que mudou o seu estabeleomento
para a ra da Imperatnzn. 12, aonde
o acbarao sempre prompto para fazer
qualquer concert com esmero, promp-
tidao como e o seu costume e por pre-
cos os mais razoaveis.
Para seren applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem ncommodo.
AS CHAPAS MEDIC1NAES sao muito conhecdas no Rio de Janeiro c ero (odas as provincias
deste imperio ha rasis de 22 anuos, e sao afamadas, pelas boas curas que se tem obtdo as enfer-
maras abaixo escripias, o que se prova com innmeros altesiados que existem de pessoas caoa-
zes e de distinecoes.
Com estas CnAPAS-ELBCTRO-XAGNETiCAS-EPisPASTiCAS obtem-se urna cura radical e infallivel
em iodos os casos de inflamniacao (cansaro ou falta de respiranio), sejam internas ou externas
como do ligado, bofes, estomago, baco, rins, ulero, peilo, palpitacao de coraro, garganta, olhos',
, erysipelas, rheumatismo, paralysa e todas ns alTercoes, nervosas, ele etc. 'igualmente para as
dilferentes especies de tumores, como lubinhos, escrfulas etc.. seja qual fdr o seu tamanho e pro-
, fundeza, por meio da suppuraco serao radicalmente extirpados, sendo o seu uso aconselhado por
i habis c dittinelos facultativos.
j As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripto. tendo lodo o cuidado de
I fazer as necessarias explicaQes, se as chapas sao para homem, senhora ou crianca, declarando a
molestia em que parte do corpo exisle, se na caneca, ppseoco, biaco, coxa. perna," p, ou tronco
: do corpo, declarando a circunferencia e sendo inchaces, feridas'ou ulceras, o mol le' do seu ta-
manho ero um pedazo de papel e a declaracao onde existen), alim de que as chapas possam ser
bem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil'
As chapas serao acompanhadas das competentes exylicacocsc tambem de todos os accesso-
rios para a lollocaco dellas.
I Protesto.
I O abaixo assiguado, emprezario do Iheairo de
; Santa Isabel, prolesta pelas folhas publicas desla
| cidarJe e para conhecimento de quem pertenca,
sobre todos os Oacinos e prejuizes que llie uodo
causar a parlida clan-estina da coritla Luna
| Bargi, elTertuada, segundo consta, uo vapor fran-
I cez Bearn e sem passaporle, indo como criada
Ida ariisla Sra. Magdalena Brucinni, apezar de
ler um contralo que a liga por 10 mezes ou mais
I com o abaixo assignado, e ler recebido salarios
adiantados. Este fado muilo mais ccnsuravel
| por ler negado dilo emprezario a rescisao desse
contrato a pessoas de muita concideracao, entre
as quaes o Exm Sr. visconde de Lemont, cnsul
de Franca. Reserva-se o abaixo assiguado a fa-
zer valiosos os direitos que lhe compelem pelo
i supradilo contrato perante os competentes lii-
1 bunaes.G. Marinnngc.
Olimpio Manoel dos Sanios Vital declara
nao ter negocio algum na ra dos Pires notn em
outra qualquer parle ; e assim admira que se te-
nha publicado no Diario de 12 do correte um
annuncio nesse sentiilo, protestando desde j io-
. mar em cnnsideraco semelhante acto.
O Sr. Joio Mara Cordeiro Lima tem una
carta na ra do Trapiche Novo n. 6.
Um homem chegado ha pouco da Europa,
j oTerecc-se para jardineiro uu boleeiro, pois rra
qualquer destes officios lem babilitacoes : q m ni
precisar, dirlja-se a ra do Rangel n.*7.
Annuncio.
Est justa e contratada por compra a casa do
| Sr. Juo de Santa Rosa Muniz. sita uo. lagar da
Capunga Velha; quem se fulgir com direilo a
mesma casa por qualquer titulo, baja de n'.e-
clarar pui este mesmo Diario no prazo do 15
dias, ou oiiteoda-sc no Forte do Mallos, arma-
zem n. 20.
SOC1EDAIMC
Hecreio Litterario e Be-
neticente
Scicntiico pelo presente a todos os senhores
socios, que quinta-feira, 17 do corrente, as )
horas da manhaa, havera sesso do conselho
directorio, a qual durar at 10 horas, e depois
haver sesso da assembla gcral.
Secretaria da sociedade Recreio Lillerario e
Beneficenle 15 de outubro de 1860.
sesoslris Silvio de Moraes SarmeniD.
1." sccrelario.
Attenco.
Perdeu-se no dia C do crrenle um relogio de
ouro, de senhora, caixa lavrada, dentro de .ma
caixinha de velludo verde, ignora-se o lugar aon-
deseperdeu ; quem achou, quereudo restituir,
dinja-se ao pateo do Paraizo n. 17, que ser bom
recompensado.
Arrematado de umacazinha
na Baixa-Verde, lugar da
que se
Consultas todas as pessoas que a dignarem honrar com a sua confianca. em seu escriptorio
achara aborto todos os das, sem excepcao, das 9 horas da manhaa s -2 da tarde.
Capunga.
Sexta-ein 19 do corrente, al hora da tarde,
depois da audiencia do Illm. Dr. Dr. juiz muni-
cipal da primeira vara, na sala das audiencias
publicas, ir praca, por venda, re-iuerimento
do inventarente dos bens do casal deCourado
Antonio do Espirito S.into, urna cazinha de peJra
e cal com 13 palmos de frente, 56 de fundo e
210 de quintal, com cacimba, arveredos de ti ic-
io, etc., avallado em l:000g, para a factura do
inventario que so esl procedendo por aquello
juizo. Escrivo Molla.
lli\ie 16 do correle, tem de ser arro-r. la-
do os alugueis do primeiro andar com i idas as
tojas d_a ra Augusta n. 2 ; casa da ra de S ata
Bita 87, e casa da ra do Caldereiro n. 0, do; os
da audiencia do Dr. juiz do orphos; c a ultima
praca.
Tendo-se no Diario de 12 do corren'..' cha-
mado ao Sr. Olympio Manoel dos Sanios Vital,
para um negocio que lhe dizia respeito. e tcndo
o mesmo senhor reclamado contra tal annuncio,
v:emos ao conhecimento de que com elle na Ja
tinhamos, mas tom outra pessoa que em seu
nomo nos (ludia por isso pede-;e ao dit > -
queira desculoar, attendendo ao engao era que
se eslava tendo a bundade de so dirigir ao mes-
mo lugar se lhe contar o occorrido.
119
ARTO
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
m

sm
'$

CONSULTORIO
p Especial homeopalhico, ra de Santo Amaro f
(Hundo Novo) n. 6.
Precisa-se de urna ama pira cozinliar e fazer
o mais sen ico do urna fairiuia pequea : na ra
da Praia, suorado n. 29, primeiro andar, casa
junto no palacete.
Eduard Curpin, francez, vsia Europa.
Aluga-se um siliu com grande casa na pn-
voacao do Monleiio: na ra da Irnperalriz n. 7,
ou no caes de Apollo n. 59.
Caixeiro.
Prccia-se de um caixeiro de 12 a S annos do
: idade, que lenha pratica de laoerna, e que d ua-
dor a sua conducta : a tratar na travessa do Pa-
raizo n. 16.
Precisa-se alugar dous ou tres pretos pro-
prio para o servico do campo : quem os livor an-
nuncio.
'"-''VA
?

O Dr. Sabino O. L. Tinho, de volla de sua viagem a Europa, d consullas todos
os dias uleis oesde as 10 horas al meio dia. Visita aos doentes em seus domicilios de
meio da em dianto. e em caso de necessidade a qualquer hora. A senhoras de parto e
osdoenles de molestia aguda, que nao liverem ainda lomado remedio algum ailopa-
thico ou homeopalhico, serao altendidos de preferencia.*
II
L ompras.
m
por
que
Pharniaeia especial homeopathica.
Os medicamentoshomeopalhicos que se rendem nesta phnrmacia sao preparados
meio de urna ma. hia que. o Dr. Sabino inventou c fez construir em Pars e a
deu o nome de AGITADOR DYN'AMICO.
Estes medicamenlos sao os nicos que desenvolvem propiiedadcs uniformes, e
,^.< capazes de curaras molestias com a ranior certeza possivel.
.^ft) Alem disso. desejando tirar de sua viagem a Europa todas as vantagens para o .
*^5 progrfsso.lahcmeopalhia no Drasil, o Dr. Sabino nao poupou esforcus pnra obter as >
-;>y\ substancias medicamentosas dos proprios lugares, onde ellas -----

Compram-sc escravos de ambos os sexos
de 12 a 25 annos para se exportar para o Rio de
Janeiro, leudo boas figuras e sadios, paga-se
bem : quem levar ou inculcar na rus Direila n.
66, escriptorio de Francisco Mathias Pereira da
Costa, receber 20$ de gratiticaeo.
Compra-se rnoedas de ouro bra
leiras e portugueza : em casa de
Arkwight& C-, ra da Cruz n. til.
Vendas.
, naturalmente nascem ; e
Zx Para isso entenden-se rom um dos melhores herboristas 'Allemanha, para lhe man-
ir vir as plantas frescas alim de preparar elle mesmo as linduras. E" assim quo o
V
*fi
. fm\ f ------------------ ------. vi 1 .1 .-- I ( ij 'i 1. \J
;** acnito foi mandado vir dos Alpes, a rnica das monlonhas da Suissa, a belladona
^M bry
i. chamomilla, pulsatila, rhus, hyosciamus. foram
Beluira, o veralrum no Monte Jura ule., etc.
Pedro Soltovia retira-se para Europa.
Manoel I.cao de Castro, vai ao Aracaly tra-
1 lar de seus negocios.
yf^ Franca e nn _
Desla Borle provida n pliarmacia do Dr. Sabino das substancias que servirao

colindes na Allemanha, na .---.,'.
Borba.
;. ^'i ns oxperieucias puras de Halincmann, deseriptas as pathogenesias, charo o
%& e l,sa'nKOs da honiL'opathia os meios seguros e verdadeiros de curarem as
'^r% m'dadcs.
Os procos sao os seguinles :
para
medico
enfer-

II
II
i
Botica de
Dita de
Dita do
36
48
60




18 a 22t000
2 5 a 29c000
30-J a 35J0OO
IN. 13. Existem carleiras ricas de velludo, para maior preco.
Cad-i vidro avulso de lindura...................." 2#000
Cada tubo avulso.................................. l^tlOO
Caixas com medicamenlos em glbulos e linduras de diversas dvnamisar.oes
usadas J :
De 24 vidros de linduras e 32 tubos grandes.....
De 21 ditos de dilo e 48 tubos grandes............
De 36 dilos de dito e 56 iubos grandes..........
De36 ditos de dito e 68 tubos grandes..........
De 48 ditos de dito e 88 tubds grandes............
De (0 ditos de dilo o 110 tubos grandes.........
is caixas sao uieis nos mdicos, aos Srs. de engenho,
m


405000
4S3000
6000
TOrOOO
92^000
115S000
fazendeiros,
[mais (S&
m
chefes de

"S f -i- ------.------------- --iw., ..uo jij. uu eiiLreiiiiu, la/.eiiuciros, cncies ue W1;
^?5 familia cnpilnos de navio e em geral a lodos que se quizerem dedicar a ortica da lio- P
jgaa raeopalhia. r ^.'i
Vendeni-se tambem machinas elctricas porlalcis p3ra tralamenlo das molesl
W& np.nozaI?' tstas machinas sao is mais modernas e as mais usadas actualmente em
*,V) ,oaa a '-oropa, lanto pela commodidade de poderem ser trazidas na algibeira,
-> porque trabalhnm com preparacoes quo nao sao nocivas.
Cada "ma......'.................................. 50;000 Sffi
v3 -j W&igV. p-^ *}&}&*)
Aluga-se parase passar lefia urna peque-
a esa margem do Capibaribo, inteiramente
fresca e limpa, no lugar da Torro: quem pre-
tender, dirija-se a ra da Caixa d'Agua n. 52.
Attenco
Precisa-se de urna ama livre ou escrava, que
saiba lavare engorffraar, para urna casa inglezae
de pouca familia ; na ra do Trapiche o. 19.
<5XS> < t M) t?- G& ft v ^
*s*k y*M $\Mi x.* k*A %iW.0 W-rf
O Sr. Antonio Jjaquim d6 Souza Bastos
tem urna carta na loja da ra do Queimado nu-
mero 46.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 5
da ma do Vigario : a tratar no mesmo.
Lava-se e engomma-se com perfeicao : na
ra da ConceiQo da Boa-Vista n. 42. *
Precisa-se de urna ama para amamenlar
urna crianza : a tratar na casa ao norte do gazo-
metro a beira do rio.
O fabricante deste rap nao fallando a sua pro-
mesa de o melhorar o quanlo lhe fosse possi el
urna remeca rinda do Para por este ultime
por, j muito maisaperfeiQoado, ea saluda que
elle de prompto tem lido prova sua cxcellente
qualidade ; deixando ao gosto dos senhores lo-
mantes a escolha defino, meio grosso e grosso ,
deposito na ra da Cadeia n. 17.
Taberna para um
principiante.
Vcnde-sc a taberna sila na travessa da ra do
Queimado (oulr'ora becco do Peixe Frito; n. 7
muilo afreguezadi para a prara e malo, pr<
para um principiante por ler poneos fund -
ser em urna das melhores localidades, e o moti-
vo da venda se dir ao comprador ; a tratar m
mesma.
Barato para acabar.
Na loja da Ra do Passeio Pu-
blico n. 11.
Chila francezi fina n 220 rs. o covidn, corlas
decassa a 2#200, dito de cambraia a 2S800 cha-
peos de feltro a 2s8l)0 e (9000, corles de casemi-
ra a 3$000, chuls de la escures n lf800 ditos
de merm bordndos a 5$50o, meias croas laSo
a duza, bnns raiudos a 160. ditos grossos a 260
pecas de cambraia lisa fina com 12 jardas a t-
peca, ditas muilo fina a 9JJ, camisas francezas de
cores e brancas a 1 g600. casemira preta fina n
l7o0 o covado, panno pie to fino a 3g, sargelim
de duas larguras para forro a 200 rs. o covado,
ganga amarella a 260 rs. o covado. brim branco
de linho puro a IjJlOO a vara, cambraia de cores
muilo fina a 600 rs. a vara, lencos brancos Gnos u
29800 a duzia, ditos pequeos 2&600. chita pa-
ra coberlas a 210 rs. o covado, dita a 160, panno
da costa a 30 rs. o covado, p*cas de cambraia
branca de quadro muilo finas a 43 com 10 varas
cada peca, ditas rendadas com 13 a II varas, lar-
gura de i palmos e meio a 48500.


MARIO DE PERHAMBUCO. TERCA FEIRA 16 DE OTBRO DE 1860.
smmmk I fMMkS> M ?U.
Sita na ra Imperial n. 118 e lio junto a fabrica de sabo.
DE
Sebastio J. da Silva dirigida porFranciscn Bol miro da Costa.
Nesle estabelecimenlo lia sempre promptos alambiques de cobre da diferentes dimen-
cojs de 300 a 3:000$) simples e dobralos, para disllar agurdente, aparolhos destilatorios
continuos para restilar e destilar espiritos com graduagao at 40 graos (pola graduado de Sellen
Cariier dos melliores systemas hoja approvados e condecidos nesta o oulras provincias do imperio
Lambas de tolas as dimencoes, aspirantes e de repucho, tanto de cobro como de bronze e ferro
larneiras de bronze de todjs as dimencoes e feitios para alambiques, tanques etc., parafusos de
bioiu-?e ferro para rodas d'agua, p mas para fornalhas a crivos da ferro, tubos de cobre e
chumbo de todas as dimencoes para encanamintos camas de ferro com armagao e scm ella,
fugjs de ferro polaves e econmicos, tachas e tachos de cobre, fundo- de alambique, passa-
deiras, espumaderas, coccos para engaito, folha de flandes, chumbo em lencol e barra, zinco
em lencol a barra, lenges e armellas de cobre, lancees da ferro e lilao, ferro suecia inglez
de (odas as dimances, safras, tornos e folies para ferreiros etc., e outros muitos artigos par
menos prego do que em outra qualquer parte, desempenhan lo se toja e qualquer encommen-
da cera prestesa a peifeicao ja conheciJa e para cjmtiodiJade dos freguezes que se dignarem
honrarem-nos com a sua confianga. achao na ra Nova n. 37, loja de ferragens, pessoa habi-
litada para tomar nota das encommendas.
(Jueijos e presuntos
boas, que fazem admirar.
Quem vir a qualidade e preco,
nao deixar de comprar.
Vendero-se queijos londrinos a 480 a libra, e
queijos flameogos a 2>, presunto muito bom a
480 a libra, e sendo inteiro se far algunia diffe-
renea : na ra da Imperalriz defronle da matriz
da Boa-Vista n. 88.
Na ra do Crespo n. 5, ha para vender cx-
cellente gorgurao de seda de todas as cores com
5 palmos de largura, proprlo para forrar carros.
Tachas para engenho
Fundico de ferro e bronze
DB
Francisco Antonio Correia Cardozo,
tem una grande sortimento de
tachas de ferro fundido, assim
como se faz e concerta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
Piano
Saunders Brothers & C. tem para vender em
eu armazem, na praca do Corpo Santo n. 11,
alguns pianos do ultimo gosto, recentimente
chegados.doa bem conhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood &Sons de Londre3,
muito nrODriosoara este clima.
Basa e^gg
Seus proprielarios offerecem a seus numerosos freguezes e ao pubbico em geral, toda c qualquer
obra raanufaturada em seu reconhocido estabelicimento a saber: machinas de vapor de lodos os t-
annos, rodas d'agua para engenhos, todas de ferro ou para cubas de madeira, moenJas o meias
ntoendas, tachas de ferro balido e fundido de tolos os lamanhos, guindastes, guinchos e bombas,
re jas, rodetes aguilitas o boceas para fornalha, machinas para amassar mandioca e para desea rogar
algodao. preneas para manlioca c oleo de ricial, portees gradara, columnas e moinhos de vento,
arados, cultivadores, ponles, cadeiras e tanques, boias, alvorengas, boles e todas as obras Je ma-
ehinismo. Exeetta-se qualquer obra seja qual for sua natureza pelos desenhos ou moldes que para
tal Gii forera apresenlados. Recebem-se encommendas neste i-slabeleciment na rita do Brum n.
28 \ e na rita do Collegio hoje do Imperador n. 65 moradia do caxeiro do estabelecimenio Jos
Joaquim da Costa Percha, com quem os pretndanles se podem entender para qualquer obra.
L8J4 do mmm
Traca da Independencia
ns. 13 ei5.
(luii;iofrancez cinglez por metade de
sen valor.
(Dinieirc a' vista.)
11 'lilis de bezeiro francez para bomem a 5000
o par.
Borzeguins de dito para dito a 8$.
Dil de dito inglezes para dito a 7$.
Di le vernlz para dito a 8#.
Ditos de enmuren para dilo n 5>.
1 los de coros para meninos a 3#.
tos de lusire, entrada baixa, para hornera
Ditos de bezerro, entrada baixa, para bomcm
a SSOOO.
; tes de bezerro para bomcm o menino
a IjjU 10.
- le lustro para dilo a 4-5 e 3?.
Sap a is de trai< a r.iiicezes para bomem e mu-
lher a I--280.
Ditos i' couro de lustre para enhora a lj.
D !" duraque paro dita a CO.
Ditos de marroquira para dita a 13.
Borzeguins pura honiem e senfaoras, do dura-
fue, lustre, sel un, e de rutras militas qualida-
des riores, por menor prego que em outra
: parle.
o freguez aue Irouxer di-
iro uo sahe scm ser ser-
vido ;i contento.
Von lem-se saceos com arroz de casca, por
pi ci ciinniodo : na ra do Nogueiran. 1.
eaes.
V :. le-se no cento por 10$ : na ra eslreita do
Iti irio n. II.
G rrgel Irmos vendem os seguinles gneros
oos no armazem do Sr. Amellar, no Porte
I to :
Cera do carnauba.
\ i lias dita.
i urtida franceza.
curtida pelo antigo systema.
EsparlJIhoSa
1 beu-sc ura novo sortimento de esparlilbos
nte o nutras qualidades, lano
.ras como para meninas, e por procos
ommodos: em casa de J.Falque, ruado
Vende-so ttm terreno com 105 palmos de
frente e300 de fundo, ludo aterrado o com 50
palmos de caesj feitos, muito proprio para nelle
so estabelecer refinaces, padtrias ou fabrica de
qualquer natureza, na ra do Bmm, bairro do
Recito., junto a fabrica da fundilo de ferro, lugar
designado para taes estabelecitenlos, cujo ter-
reno se vende por junto ou em lotes de'JO pal-
mos cata um : na ra do Apollo, armazem nu-
mero 33.
Milho c farelo.
Y ende Jos Luiz do Oliveira Azevedo, em seu
armazem n. 5 na travessa da Madre de Dos.
Loja do lazenilas linas!
| 4a~RnadaCadeiadoRecife-40 i
> DE *?i
|Martinho Oveira.l
J|j Rcccberant Diurnamente de Londres ;
q. pelo paquete inglez um grande sorti- &J
g* ment de corles de casemira de cores yr;
xg para homens b outros muitos objectos de aC
M s,lJa- la e lm'no, lauto para homem coma H
. para as senhoras, de gosto e do grande e
3 muodo- '"M
Na ra doQueimadon. 9, lnja de Francisco
Pereira da Silva, vendem-se cuberas de chita a
250 ljGuO, o lencus de brim a lj'J20.
m\m SORTIflERTO
DB
iFazendase obras eitas.
Na
e armazem
DE
Chcgucni ao barato
O Pregui,;aest queimando, em sua loja na
ruado Queimado n. 2.
Tegas de bretanha de rolo com 10 varas a
25>, casemira escura infestada propria para cai-
ga, collele e palilols a 960 r. o covado, cambraia
organdy de muito bom gosto a 4S0 rs. a vara,
dita liza transparente muito fina a 35?, 45, &H>, ^
e CS a pega, dita tapada, com 10 varas a 5$ e |jj
63 a pega, chitas largas de molernos e escollados ; |*
padroes a 240, 260 e 280 rs. o covado, riquis- j *|
simos chales de merino estampado a 7}e 85, ^
ditos bordados com duas palmas, fazenda muito |f
delicada a 93 cad 1 um, ditos cora urna s pal- 52
ma, muito finos a 83500, ditos lizas com fran- ; 3
jas de seda a 5fl, lenco: do cassa com barra a [
100, 120 e 160 oda ura, rneias muito finas pa-
ra senhora a 43 a duzia, ditas de boa qualidade | raerin preto para luto a 43 e 53, ditos
a 557) o a 35 o 33500 a duzia, chitas francezas de ricos
desenhos, para coberu a 280 rs. o covado, chi-l| ggS* ftTflUft l5 1
tas escuras inglezas a 5&900 a poga, e a 160 rs. 5
o covado, brim branco de puro linho a lJS,
13200 e 13600 a vara, dito preto muito encor- 8 2S fflftrfh^. SVl' S l
n.Jni"*-.(iA ... ,rr. f "> ditas de brim branco a 5} e C3, ditas
padoa !3j00 a vara bnlhantina azula 400, rs.! jjf ditd de cor a 3f, 33500, 41 o 53, e de
pa
o covado, alpacas de di Itrenles cores a 360 rs. o!'
covado, cesemiras prelas finas a 23500, 3e
3500ocovado, cambria prela e de sal pieos a
500 rs. a vara, e outrasmuitas fazendas que se
far patente ao comprador, e de todas se daro
amostras com penhr.
A 45'00 e 3,000 rs-
Vende-se superior milho do UaranhSo em
sro de Oliveira Arevedo, na ra da Madre de Dos
n. 12.
Relugios patente inglezes e meios-ebrono-
melros do ICOj, lsu e 200^000 : em cesa de Ju-
lio & Conrado.
Ra do Queimado n. 48.
Julio & Conrado
fazem scienteaos seus freguezes, que roceberam
.on;ao de roopinhas para meuiuos e vendem por
prico muito em conla.
A pechincha, anlos que se
acabe.
Na loja do Preguica, na ra do Queimado n.
2, lemsaias balos abortas, do ultimo gosto, pe-
lo diminuto prego du 53.
8
Ra do Crespo
loja n. 25, de Joaquim Ferreira do S, vendem-
se por pregos baratissimos para acabar: cortes
de seda para vestido com algum mofo a 88, rou-
poes de seda feito a 15J, luvas arrendadas para
senhora a 100 rs. o par, corles de barege de lita
com babadosa5J, cassas de cores linas a 210 o
covado, chita larga a 200 rs., cazaveques de cam-
brata bordados a 50, capas de fustao eneitadas
a 53, perneadores de cambraia bordados a 63
babadus bordados a 320 a vara, riscado francez
' muito fino a 160, sobrecasacas de panuo fino a
'253. palelots de panno preto e de cores a 18, 20
e223, ditos de casemira de cores a 163. ditos de
alpaca pre'.os e de cores do 4 a 83, ditos de brim
branco e de cores de 4 a 63, calcas de casemira
pela e de cores para todos os precos, gollmbas
detraspasso a 2gjfi0 camistnbas bordadas a
2g500, manguitos bordados a 23, chitas francezas
com lustre propria para rotipijos c coberla a 320,
esguiao de linho mutlo fino a 13200, calcas de
brim branco e de cores de 2 a 4j?, bramante de
linho coot 5 palmos de largura a 900 rs a vara,
damasco de laa com 9 palmos de largura a 2< o
covado, pecas de madapolao fino a 43500, chapeos
de fellro Gartbaldi a 5S500, camisas brancas e
do cores de 13500 a 3f, volbutina prela superior a
400 rs.. cortes de brira de linho a 1-3500, ineias
jeruas para bomcm a 100 rs. o par, e oulras mu-
i las fazendas por menos do seu valor para fechar
tontas.
I Aos senhores de
engenho.
Vende-se um escravo ptimo carreiro e Iraba-
Ihador de enchada : na ra do Trapiche n. t, ou
na rna Augusta n. 61.
Vende-se banha em latas a 480 rs. 1 libra,
milho muito novo a 20 rs.a cuia: na travessa da
ra das Cruzes 11. 6.
Murareis remedios
americanos,
Todas as casas de familia, senhores de enge-
nho, fa/.endeiros, etc., devein estar prevenidos
com estes remedios. Sio tres medicamentos com
os quaes se cura eficazmente as priucipaes mo-
lestias
Prompto alivio de Radway.
Instantneamente alivia as mais acerbas d'ores
e cura os peiores casos de rbeumatismo, dor de
cabega, nevralgia,diarrba, cmaras, clicas, bi-
lis, indigeslo, crup, dores nos ossos, contusoes,
queimadura, erupges cutneas, angina, reteo-
go de onrina, etc. etc
Solutivo renovador.
Cura todas as enfermidades escrophulosas.chro-
' nicas esyp Mticas; resolve os depusilos de mos
humores, purifica o sangue, renova o systema;
prompto e radicalmente cura, escropbulas,vene-
reo, tumores glandulares, ictericia, dores de os-
sos, tumores brancos, afecroes do ligado e rins,
ery.sipelas, abeossose ulceras de todas as classes,
molestias d'olhos, difDculdade das regras das
mulheres hitiocondria, venreo, etc
reguladoras de Rad-
way
o systema, equilibrar a circula-
18aiS3Ral8 33!3 1S53SS$38M Gaodosangue, inteiramente vegelaes favoraveis
em todos os casos nun
Na roa do Queimad) n. g
46, frente amarella.
Sortimento completo de sobrecataca de 3B
panno preto c de cor a 253, 28-3, 303 e 5
353, casacas a 28-3. 303 e353. palilols dos %
mesmos pannos 203, 223 e 25g, ditos de vt
casemira de cor a 1G$ e I83, dilos sac- j(f
eos das mosmas casomiras modelo inglez ?g
casemira fina a 103, 12/143 e 153, ditos %
saceos de alpaca preto a 43, ditos sobre $
fino de alpaca a 73, 8$e93, ditos de me- 35
ri setim a 103, ditos de merino cord.io ^
a 103 e 123, ditos de sarja preta trancada *
saceos a 63. ditos sobrecasacos da mes- 3
ma fazenda a 83, ditos de fustao de cor c ^
branco a4j. 43500 c 53, colleles de ca- Sz
sentir de cor e preto a 53 e C*, dilos de ^
preto de cor a 93 e I03, ditos
de casemira de cor e preto a 7g, 83, '9#
e 103, ditas para menino a 63 e "3. ditas f
de merino de
-
Indas oslas obras temos um grande sor-
timento para menino de todos os taraa-
nhos; camisas inglezas a 363 a duzia. Na
mesma loja ha palelots de panno preto
para menino a 143, loj o 10j. ditos de
casemira pira os mesmos pelo mesmo
proco, ditos de alpaca saceos a lij e
330OO, ditos sobrecas icos a 53 e 03 para 3%
osjnesraos, calcas de brim a 23500, 33 e ftt
33500, palelots saceos de casemira do cor ~t&
a 6? e 7-3, loallias do linho a 800 e 1j} ca- ^
da unta. fp
No mesmo estabelecimenlo manda-se 31
apromptar todas as qualidados de obras 9
e tendentes a roupas foilas.em poneos dias, ^?
, que para esse fim temos numero suf- x
s Ocien le de peritos ofQciaes de alfaiates II
, rgidos por um hbil mostr de seme- ^ r llulaS
l lhanle arte, (lcando os donos do eslabe- 'M
l Incimcnto rosponsaveis pelas mesmas a?
jj obras atea sua entrega. I pararegularisar
Vende-so una parle do sibr.ido da roa d
Sal 1 Rila Nova n. 1 : a iratn na ra Mr
sobrado n. 127.
eila,
Ci .
1 i;
4.
I
1 ra da Imperalriz n. 5i, vendem-se
flamengos, vindos nesle ultimo vapor
:!- < queijo.
cao.
Vi le-se urna mulata jj idos, porm bastan-
1 isla o activa : na ra do Queimado n. 8,
Vende-se unta marqueza, unta urna cutis
Jo litleralura : na ra da Gloria n. GO,
'ict hora.
Mtenco.
\ n ie-se na ra do Queimado n. 5, urna com-
mnda de Jacaranda, ama meia commoda de ama-
rello, um pardo bancas do jugo de oleo, urna
)> grande para jantar, deamnrello. urna mesa
do melu de sala com abas, de oleo, 11 cadeiras
d>- Jacaranda, todos estos trastos em muito bom
oslado, e per prego muito commodo.
Na ra da Cadeado Ilecife n. 5. primeiro
andar, vendem^se saceos com farinha muito fina
e nova, feij.io mulalnhn, milho, queijos de coa-
lha e manteiga, ludo chogado proximatuonie, e
su vende por pregos commodos.
Vende-se azeite de pcixo em barrs : na
ra da Guia n. 9, taberna.
Atlenco.
o
\ ::de-se um sitio no lugar denominado Mari-
cola, com grande casa de morada, casa de fari-
nha, 1 stribaria, e um grande terreno para plan-
tacoes, as-im como grande pomar de larangeirs,
cafezeiros, coqueiros, com agua corronte pelo
fnndodo dilo sitio : a trillar na ra do Rosario n.
30, lu 1.
Na ra da Imperalriz, junio a loja de fiai-
drr-s n. 2, vendo-se vialto Duque do Porto, fino,
a I3COO a garrafa, dito xerez a lg6O0, dito bor-
deaux a I3, cbamnanha a 23, em gigo so faz
dHerenga, oo:e de pera e de ginja a 900 rs." a
lala, bolachinhas finas a 18600 a lata, queijos do
reino novos a 2J200, presuntos propros para
fiambro a 800 rs. a libra, fumo de Garanhuns a
610 a libra para liquilar urna porco que rece-
beu-se do sertio.
Vende-M urna mobila de amarello, junta-
mente cede-se um segundo andar com um gran-
de sutao em tima das niclhores ras desln cidade:
quem precisar dirija-se a ra do Rangel n. 75,
que se dir aonde.
Ven le-se tima escrava parda anda moga e
propria para qual ue: servigo ; a tratar na ra
da Santa Cruz 11. C6.
Lindos enfeites,
e turbantes de velludo e outros com grade, fran-
jas e borlas douradas, ultimo goslo em Pars,
proprio para (hoatro o bailes, chegados n isles
dias 1 casa de J. Falque, ra do Crespo 11. 4.
Aos senhores armadores e
proprietarios de carros
fnebres.
Vende-se verbulina prela superior a 500 rs.
o covado : na ra do Crespo n. 25.
G'SAJiBE SORTHEHO
E
Fazendas e roupa fea
NA LOJA F. ARMAZEM
HE
*,Mlk.Z8aVfir
Cortes de chita franceza de padres nunca vis_ Joaqilim ^OilrigllCS T-lVaiM^S de MdlO
los. com 11 covados, pelo diminuto proco d*
2s500, diales do merino linos trancados o estara-
Sebo e graixa.
Se' o coado e graixa em bexigas : no armazem
jf Tasso Irmaos, no caes de Apollo.
a 3$ a sacca.
Arroz com casca tendo a maior parle pilado
proprlo para galuhas e cavallos ; no Caes do Ra-
mos 0. 6.
Exposico de melaes.
E' chegado a esla loja do Vianna, um riqusi-
mo sortimento de metaes de todos os gneros do
mais bonito que se p le encontrar, ludo a entila-
cao de prata ; na ra Not'a n. 20, loja do Vianna.
Caf a vapor.
Riquissimo sortimento de machinas de fazor ca-
fe a vapor, approvados na ultima exposico de
l'aris ; na ra Nova 11. 20 loja do Vianna.
Bombas de Japy.
Riquissimo sortimento de bombas de japy' de
lodos ostamaohos, as melliores que se tem appro-
vadoeru todo o mundo, pela facilidada que d a
tirar-so agua ; na ra Nova 11. 20, lojido Vian-
na.
Canias de ferro.
Ri luisssimo sortimento de camas de ferro com
onas, e para colxao por proco commodo ; na ra
Nava 11. 2), loja do Vianna."
tea occasiona nauzeas nrin
dores do venlre, dses de i a 3 regularisam, de 4
a.8purgam. Estas plalas ao efficazes as allec-
coes do figado, bilis, dor de cabeca, ictericia, in-
digestao, e em lodas as enfermidades das mu-
lheres, a saber: irregularidades, fluxo, relen-
coes, flores brancas, obstruccoes, histerismo, etc.,
sao do mais prompto effeilo na escarlatina, febre
a-! blliosa. febre amarella, e em todas as febres ma-
ignas.
Estes tres importantes medicamentos rom a-
companhados de inslrucces impressas que mos-
tram1 com a maior minuciosidad"; a maneira de
applica los cm qualquer-enfermidade. Esto ga-
rantidos de falstflcacao por s haver venda no
armazem de fazendas de Rnymundo Carlos Leite
i&lrmao, na ra di Imperalriz n. 10, unico
asentes em Pernambuco-
S2a^
45-- Ra Direita45
Este estabelecimento olferece ao pu-
Iblicoum bello e rico sortimento por
I picos convenientes, a saber :
Homem.
I Borzeguins mperiaes .... lOjiOOO
Ditos aristocrticos...... 9^000
Borzeguins moscovia (piova de
fogoe d'agua....... 9,5000
Ditos democrticos...... 6000
Meios borzeguins patentes 6>50O
Sapatoes nobreza....... 600O
Uitos infante-........ bftOOO
Ditos de linha (3 112 bateras) 6^000
Ditos fragata (sola dupla) 5000
Sapatos de salto (do tom). (j^'O. 0
Dilos de petimetre...... 5000
Ditos bailarinos....... 5300
Ditos impermiaveis..... 2s500
Senhora.
Bor/eguins prime ira classe
(salto de quebrar)..... 5<000
Dito de segunda classe (que-
bra cambada) ...... 4.s80O
Ditos todos de merino (salto
dengoso)......... peo
Meninos e meninas.
Sapatoes de forra...... i.vOOO
Ditos de arranca...... 3^500
Borzeguins resistencia .v e. o.sSOO
Pateo de S. Pedro n. G, arma-
zem de gneros seceos e
molhados.
>ende-8e nesle novo estabelecimento saceos
com farelo de Lisboa, farinha de mandioca, mi-
lho, fejo mulatinho e preto, gomma de mandio-
ca, arroz de casca edito do Maranho de su-
perior qualidade, doce da casca da goiabaK vinbo
do Porto em garrofa do melhor que pode haver
no mercado,- manteiga ingleza e franceza, banha
de porco em talas, bolachinhas de soda de todas
as qualidados, ceneja prela e branca da melhor
marca, queijos (lamengos frescaes, conservas in-
glezas e os mais gneros que se vendem por me-
nos brego do que se vende em outra qualquer
parle.
Cambraia organ-
dysa360 corado.
Ve,idc-se na ra doCrespo, loja n. 8, de qna-
iro portas, cambraia franceza organdvs a 3C0 o
covado para acabar urna faclura ; as*sim cono
mas calas francezas a 240 e 300 rs., fazenda de
lindos i-adrocs e cores fixas : dao- se maostra.
' I l I
3
Seguro contra logo
i
AGENTES
IgC J. Astley A Conijianhia.
lidos a ECO o covado
A, esquina da ra do Itosario.
RA DO QUEIMADO N. 39 I. Na fabrica de caldeireiro da ra Imperial
km SLA loja de QfvTtio POtuAS. |junto a fabrica de sabio, e na ra Nova, loja de
pados, de novos desenhos, a 5^ cada Ttira "' completo sortimento de roupa feila, ierragensn. 37, ha urna grande porcao defolhas
nhas muidinhase de ramagem grande, para ves- 6 convida a todos os seus freguezes e lodas as! in'Weco'W e pelo di-
na ra do Queimado n. lis pessoas quedesejarem ler um sobrecasaco bem
feito, ou um caiga ou collele, do dirigirem-se a ; .
esla estabelecimento que encontrarao um hbil
artista, chegado ltimamente de Lisboa, para i |
desempenhar as obras a vonlaJe dos freguezes.
J lera um grande sortimento de palitots de ca-
semira cor de rapi e outros escuros, que se ven-
Ml'lllWac IiAP nplu.lo il<>:araa ,2"3, oulr3 de casernira Jequadriiihos;
.UIUUtdb J)OI Ilieidlie (le da raas fina que ha no mercado a 163, ditos
seu valor.
O arrematante da loja de miudezas da travessa
do Licramenlo 11. 2, tendo de entregar a chave
da loja, vende sem limites todas as miudezas
existentes, entre ella-! um gran le sortimento de
de merino stima 12??, ditos de alpaka muito
fina a 65, ditos francezas sobrecasacalos a 12$,
ditos de panno fino a 20, 25=>, e 30, sobre-
casacas francezas muito bem fetas a 35, cal-
cas feitas da mais fin casemira a IOS, ditas de
MR
trancas o franjas de seda. Oa de velludo o. ver- brim ede fustao por proco commodo, um grande
eXo1;^ sorlimento de co.le.es de casemira a 55, ditos de
10 rs.. ditos de metal praleados a 40 rs.. botdes ou .as azt" las for PreS commodo um grande
de ac finos para calca a 20 r--. a duzia. ditos de | sortimento de sapatos de tpele de gosto muito
louca brancos e1 pinta ios^a 20ira. a do/.ia, bicos apurado a 25, ditos do borracha a 2500, cha-
de seda porfcilos a 00, 20 e 320 rs avara a._ j -. .,.-,- ,
phosphorbs bons a O rs. a catzinha, twncinhM ? decaslor mtitlosuperiores a 16, dilos dese-
de linha Ims decores a 10 r.s. a peca, ditas de ', (*S melhoresquelem vnlo ao mercadoa 10, 1
caracol a 60 rs., estampas de cantos a 100 r?. ditos de sol. inglezes a 105, ditos muitos bons a
-:
Relo^ios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitosparacamisas,
Biscoutos
Emcasa de Arkwight & C, ra da ?^x
Cruz n. 61.
Rival sem segundo.
Na ra doQuaimado n. 55, defronle dosobra-
donovo, loja de miudezas de Jos de Azevedo
Maia e Silva, ha para vender os seguinies artigos
abaxo declarados :
Caixas de agulhas francezas a 120 rs.
Sapatos de tranca de algoJau a 1;.
Cartas de alflnetes finos a 100 rs.
Espelhos de columnas madeira branca, a
Slo.
l'hosphoroscom caixa de folba a 120 rs.
Frascos de macass perula a 200 rs.
Du/.ia de facas e garios muito finos a 35500.
Colchetes em carlao du boa qualidade a 40 rs.
Caixas de/culchetes balidos a 00 rs.
Caixas de obreias muito novas a 40 rs.
Frasco de oleo de babosa a 500 rs.
Uito dito para fazor cabello corredio a 800 rs.
Sapatos de laa pan crianzas e 200 rs.
Pares de meias para meninas a 240.
Pares de luvas de fio de Escocia a 320,
Massos de grampas wuilo boas a 40 rs.
Agulheiros de marlim a ICOrs.
Canivelesde aparar peuas a 10 rs.
Grvalas de seda minio finas a 600 rs.
Tesouras para costura muito finas a 500 rs.
Ditas para unbas a 500 rs.
Pegas de franja de laa com 10 varas a 1.
Pecas de tranca de laa com l'J varas a 500 rs.
Pelilho para enfeilar vestido (peca) 1.
Linhas Pedro V, eart&ocumSUO jardas, a 60 rs.
Ditas dilo com 100 jardas a 20 rs.
Escovas para denles muito linas a 200 rs.
Pares de meias decores para bomem muito fi-
nas a 140.
Cordio imperial (pecas) 40 rs.
i
i
I
I Formas
u

(Se
-..-'
o
t
para
Botica,
a 120,160.200, 240, 320, 400 e 500 rs. a vara, e proprio para collerinhos de meninos e lravessei-!
lodas as mais miudezas em proporc&o ; cheguom ros por preco commodo, camisas bordadas me
com os cobres, que o freguez nao sahe sem fa- u .- V .' aJS uoruaaa que
senda. servera para batisado decnanSas eparapasseo
para p
- Vendem-se duas babancas para cima dcb.l/f.i?',!!?,'^14'' '^ '""^'6 MI?,br8a ds
cao, todas de metal, pequeas e delicadas, pro- "h0 Dorda'los Para senhoras, ditos lisos para
prias para botica ou ourives para de forga de 8 nomern Por pre^o commodo, saias bordadas a
libras, o tornos de ferro para cortar carne nos 39500, ditas muito finas a 55. Anda tem um
louguea. vtndo de Franca : na ra do Impera- ; reslinho de chales de toqum a 30, corles de
vestido de seda de cores muito lindase sunerio-
dor i. 28.
O que ha de bom na praea da
Boa-Vista n. 16 A
Vendem-se queijos flamengos vindo nesle ul-
timo vapor francez o melhor que h a 2 queijos
londrinos a 640 rs. a libra.
E pechincha.
res qualidades a 1005, que j se venderam a
150, capotlnhospretos e manteletes pretosde
ricos gostos a 20, 255 o 305, os mais superio-
res chales de casemira estampados, muito finos, a
8 e a 10, toalhas de linho de vara e tres quar-
las. adamascadas, muito superiores a 55, ditas
para rosto de linho a 15, chitas francezas de su-
Na loja do PrefeT nVrVaVo'oVeimado n. 2. | ffX^' AnT !,?'" COm lar8S 3
200,280,320, 400 e 440 rs. o covado, ricas
casemiras para calca, colletes e palitots a 45 o co-
vado, e um completo sortimento de outrasfazen-
das, e tu lo se vende por preijo barato, eque nao
possivel aqui se poder mencionar nema quarta
parte dolas, no entanto os freguezes chegando e
querendo comprar nao iro sem fazenda.
Bartholomeu Francisco de Souza, ra larga do
Rosario n. 30, vende-se os segointes medica-
mentos :
Rpbl'Affecteur.
Pilulas contra sezoes.
Ditas vegetaes.
Salsaparrilha Brlstol.
Dita Sands.
Vermifogo inglez.
Xarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febres).
Ungento lloliowsy.
Pilulas do dito.
Ellixir anti-asmalhico.
Vidrosde bocea larga com rolhas, de 2 oncas
o 12 libras.
Assim como tem um grande sortimento de pa-
pel para forro de sala, o qual vende a mdico
preco.
Vendem-e libras steilinas, eui
casa de N. O. Bieber & C. : ra da Cru-
n. 4.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: emcasa deS. P. Jo-
hnston & C. ra daSenzalan. 42.
m raimnalica i ingle-
za de Ollendorff.
Novo metbodopara aprender a lr,
a escrever e a fallarin;lezctn G mezes,
obra inteiramente nova, para uso de
todos os estabelecimentos de nstruccSo,
pblicos e particulares- Vende-se na
praca de Pedro II (antigo largo do Col-
legio) n. 37, segundo andar.
cores bstanle
pelo baratissi-
tem cobertores de algodo de
grandes, proprios para escravos,
mo proco de 1$.
Para acabar.
Julio & Conrado vendem corles de vestidos de
fil proprios para passeios n 20000 o corte. sentpre vendeu-se por 50JO00 : para acabar.
CANDIEIROS
Grande sortimento de candeiros econmicos a
gaz idrogenio, e todos os mais prepa--os para
consumo dos mesmos '. na ra Nova n 20, loja
Vianna.
cobertos edescobertos, pequeos e grandes d
ouro patente inglez, para homem e senhora,
de um dosmelhores fabricarles Je Liverpool,
ifndospelo illimo paquete inglez : em casad<
oSulhall Mellor & C.
Loja das seis portas em
frente do Livraincnlo.
Covado a 200 rs.
Chitas largas de bonitos goslos a 200 rs. o co-
vado. ditas eslreitas a imilnfao de laazinhas a
160 rs., cassas de salpicos brancas e de cores a
200 rs. o covado, pe?as de esguiao de algodo
muito fino a 3J a peifa, ditas de bretanha de rolo
com 10 vaias a 2. riscadinho de linho a 160 rs.
o covado, chales de merm estampados a 2?.
longos brancos com barra de cor a 120 rs., ditos
co.li bico a 200rs., algodao monslro de duas lar-
guras o melhor que possivel a 610 rs. a vara,
niussulina encarnada a 240 o covado, fil de li-
nho prelo bastante largo. A loja est aberla al as
9 horas da noite.
de ferro
purgar assucar.
Encmelas de ferro.
Ferro sueco.
Espingardas.
! Ac de Trieste.
S Pregos de cobre de com-
I posico.
Barrilha e cabos.
| Brim de vela.
i Couro de lustre.
Palhinha para mareinei-
ro : no armazem de C.
J. Astley C.
3&
vi
E

Vende-se emcasa de Saunders Brothers 4
C. praca do Corpo Santo, relogios desafama
do'abricante Roskell, por preces commi dos
e tambemrancnllins e cadeias varaos mesmos
de exceellntc osto.
Na ra da Cadeia n. 2i, vendem-se as se-
guintcs fazendas, per metade de seu valor, rara
liquidacao.
Bicos do seda brancos e prelo?, de ledas as
argoras, vara a ICO, 210, 400, SCO c 1*000.
Um completo surtimcr.to de franjas de seda o
de algodao.
Chalis de touqum a 10, 15, 20 e 35JS.
Botdes deseda, m Iludo, de louca ede fustao
de qnalidades finas, duzia a 200, 400 o 600 rs!
Collarinhos bordados de 500 rs., 2!, 3 e 4$.
Kntrerreios finos, pecas com 12' varas a 1.
Polhos bordados liras a 5> 0, l, 2?, 3-rriOO.
Camisetas com manguitos a 3>, 4, 5 0*65.
Enfoitrs de fldresa 6J.
Chapees de seda para senhora a 10J.
Casavrques de velludo a 40 e 60g.
Dilos de seda a 25?.
Ditos de fuslao a 8 e 12$
Pilas de seda e de todas as qualidades de 160
rs. a 1*500.
Ditas de velludo de 240 rs. a Ifi.
sem igual,
Superiores corles de cbila franceza muito fina
de padres inuilo modernos, com cores maliza-
das mnilo lindas, de 11 covados cada rorte, pelo
baratsimo prer;o de 2g500, com muita diver-
sidade de goslos para poder escollipr-se na loja
do sobrado amarello, nos qualro canlos da ra
do Queimado n. 29, de Morera Lopes.
Camisas inglezas.
Acaba de chegar na bem conhecida loja de
Goes & Bastos, ra do Queimado n. 46. um gran-
de e novo sortimento das camisas inglezas, gos-
los modernos, e por ser grande porco ronvida-se
os freguezes a virem comprar a duzia dor 35f
sao de linho puro.


DIARIO DE PERNAMBUCO. TER^A fEIRA 16 DE OUTUBRO DE 1860.
ni
(7)
DE
NA. 1,0 J\ ^ IVHMAMIM
DE
Joaqun* Francisco dos Santos.
40 RU4 DO QUINADO 40
Defronte do becco da Congregado letreiro verde.
19000
Seda de quadiinhos muito fina covado
Enfeiles de velludo com froco pretos e
de cores para cabera desenhora da
uliima moda
Fazendas para vestidos, sendo seda la
e seda, cambraias e seda lapada e
transparenre, covedo
Luvas de seda bordadas e lisas para
senhoras, homens e meninos
Lencas de seda r.xos para senbora a
29000e
Mantas para grvalas e grvalas de
seda de todas as qualidades
Cliapo francez forma modrrna
Lencos de gurgurao prelos
Ilicas capellas brancas para noivados
Saias balo para senbora e meninas
Tafeta rxo o covado
Chitas franceza a 260, 280, 300, e
Cassas francezas, a vara
1*500
8*bOO
2*000
3500
?>30
S?600
Selim preto azul e encarnado proprio
para forros com 4 palmos de largnra
o covado
Casemira lisa de cores 2 larguras, o co-
vado
Chales de miron bordados, lisos ees-
tampados do todas as qualidades
Seda lisa pretae de cores propria para
forros com 4 palmos de largura, o
covado
Rices cortes de seda prelos e de coros
com 2 saias o de babados
Ditos do gaze e de seda phanl&sia
Chatas de loqtiim muito finos
Crosdenaple preto e de cores de todas
as qualidades
Seda lavrada prela e branca
Capas de fil e visitas do seda preta
com froco
1*600
2*000
13S0O
de
r:1- i&a ftg|
Os proprietarios deste estabele-
cimento convidara ao respeitavel publico, principalmente aoe amigos do bom e barato, que se
... acliam em seu armazem de molbados de novamenle sonido de gneros, os melhores que tem
viudo a este aereado, por serem escomidos por um dos socios na capital de Lisboa e por sena
a maicr parte delles viudos por conla dos proprietarios.
Chocolate
dos melhores autores de Europa a 900 rs. a libra em porcao a 830 rs.
MatEielada imperial
do afamado Abreu, e de outros mais fabricantes de Lisboa em latas de 1 a 2 libras a 800
rs., em porcao de se far algum abatimenlo.
Maga de tomate
em latas de 1 libra por 1)00 rs., em porr5o vende-se a 850 rs.
lalas cem er\ illias
vende-se nicamente no armazem progresso a 640 rs. cada huma.
Conservas francezas c ingieras
as mais novas que ha no mercado a 700 rs. o frasco.
luatas de bolachinha de soda
com diferentes qualidades a 1*600 a lata
Ameixas francezas
as mais r.ovas que tem vindo a este mercado em compoteiras, contendo 3 libras por 33000 rs.
4 eera atas de 1 J [2 libra por 1*500 res
Yerdadciros figos de comadre
em caixa com 16 libras por 3t?000 rs. a relalho a 240 reis a libra.
Caixinlias com 8 libras de passas
a 3?000 rs. em porcao se far algum abalimento, vende-se lambem a relalho a libra a 500 rs.
Manteiga ingleza
pe tatamente flor a mais nova que ha no mercado a 1*000 rs. a libra, em barril se far al-
gum abatimento.
Ch* nerola
o meluor que ha neste genero a 23500 rs. a libra dito hyson a 23000 rs.
Palitos de dentes licuados
i
a 200 rs. cem 20 macinhos.
ncixc sarel em posta
o melhor peixe que exzisle em Portugal em latas grandes por 1*500 rs. cada urna e de
outras militas qualidades que se vendem pelo mesmo preco
Manteiga franceza
a 560 rs. a libra em barril se far abalimento.
Toucinlio deliisnoa
o mais novo que ha no mercado a 320 reis a libra.
Magas \ ara sopa
' em caxinhas de 8 libras com deferentes qualidades por 43000 rs.
Tambem vendem-se os seguintes gneros, tudo recentemcnle chgado e de superiores qua-
lidades, presuntos a 480 rs. a libra, chourica muila nova, marmelada do mais afamado fabricante
de Lisboa, maca de lmate, pera secc), passas, frucias em calda, amendoas, nozes, frascos com
amendoas cobertas, confeites, pastilhas de varias qualidades, vinagre braneo Bordeaux, proprio
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de San Flix, macas de todas as qualidades,
, gomma muito fina, ervilhas francezas, champagne das mais acreditadas marcas, cervejas de ditas,
spermacele barato, licores francezes muito finos, marrasquino de zara, azeite doce purificado, azei-
lonas muito novas, banha de porco refinada e ouiros muitos gneros que encontraro tendentes a
molhados, por isso prometiera os proprietarios venderem por muito menos do que outro qualquer,
proraettem mais lambem servireio aquellas pessoas que mandarera por outras pouco praticas eom
seviessem pessoalmente; rogam tambem a lodos os senhores de engenho e senhores lavradores
. queiram mandar suas encoramendas no armazem Progresso, que se Ibes affianc.a a boa qualidade e
o acondicionamenlo,
CORAL.
Vende-se verdadeiro coral de rais a prego
muito coramodo, e mais muitas miudezas e rap
de varias qualidades, tanto a relalho como em
libras ; na ra larga do Rosario paseando a bo-
tica a segunda loja de miudezas u. 38.
Vinlio de Bordeaux.
Em casa de Kalkmann Irmos&C, ra da
Cruz n. 10. encontra-se o deposito das bem co-
nhecidas marca dos Srs. Brandenburg Frres
e dos Srs. Oldekop Mareilhac 4 C, em Bor-
deaux Tem as seguintes qualidades :
LVe Brandenburg frres.
St. Estph.
St. Julien.
Hargaux.
Larose.
Chlcau Loville.
CliMcau Margaux.
De Oldekop ^t. Julien
^t. Julien Mdoc.
Chateau Loville.
Na mesra casa ha para
AGMtCIX
vender:
Sherry em barris.
Madeira em barris.
Cognac em barris qualidade Dna
Cognac em caixasqualidade inferior.
Cerveia branca.
As melliores machinas de coser dos mais
afamados autores de New-York, I.
AI. Singer&C. e Wheeler &Wilson
Neste estabeleci-
raento vendem-se as
machinas destes dous
autores, moslram-se a
qualquer hora do da ou
da noiie, e responsabili-
samo-nos por sua boa
qualidade e seguranra :
no armazem de fazendas
do Raymundo Carlos
Lcite & Irmos ra da
Imperalriz n. 10, amigamente aterro da Boa-
Vista.
FUNDIDO LOWIHOW,
Roa a Scnzala Nova n. 42.
Neste estabelecimento continua a haverum
comapletosrtimentodemoendas e meias moen-
da paraduenho, machina de vapor e taixas
fleferro batido e coado.de todos ostamanhos
mmm
AO
armazem de fazendas da
ra do Queimado n.lO.
Lcnces de bramante de tima s largura pelo
barato prego do I58UO cada lencol.
Covado a mil c duzcnlos reis.
Crosdcnaples furta-cores com urnas pinlas do
mofo muito pouco, pela pechinchade l200
A 5#500 chales.
Chales de merino bordado, franja de seda.
Grandes colchas a 5#500.
Colchas de fuslao muito grandes de lindos de-
senos a nreco de 5J500.
SISTEMA MEDICO DE HOLLOWAY.
PILULAS HOLLWOYA-
Este inestimavel especifico, compslo nlcira-
mentc de berras medicinaes, niio conten mercu-
rio nem alguma oulra substancia delecteria. Be-
nigno mais lenra infancia, e a compleicao mais
delicada 6 igualmente prompto c seguro para
desarreigar o mal na compleicao mais robusta ;
entecamente innocente em suas operares e ef-
feilos ; pois busca e remove as doen^as de qual-
quer especta e grao por mais antigs e tenazes
que sejam.
Entre milhar'es de pessoas curadas com este
remedio, muitas que ja estavara as ponas da
morte, preservando em seu uso : conseguiram
recobrar a saude e forijas, depois de haver tenta-
rlo inullimente lodos osoulros remedios.
As mais alictas nao devem entregar-se a des-
1 esperarlo ; fagam um competente ensaio dos
eflicazes effeilos desta assombrosa medicina, e
pre.les recuperaro o beneficio da saude.
Nao e perca lempo em lomar este remedio
para qualquer das seguintes enfermidades:
Libras sleriinas.
Vendo-se no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, na praca do Corpo Santo.
Terrenos pertoda
praca.
Caminho dos mnibus.
Os herdelros do commendador Antonio da Sil-
va vendem sua propriedade, no lugar da Casa
Forte, em sorles de ierra a vontade dos compra-
dores com a nica restriccao de nao tercm menos
de"30 palmos de frente, fnndo designado pela
respectiva planta approvada pelas autoridades
competentes, q engenheiro Antonio Feliciano
Rodrigues Selle o cncarregaoo das mediques
prensas, e podo ser procurado no mesmo sitio,
ou na ra eslreila do Roscrio n. 30, lerceiro an-
dar, ou na prara da Boa-Visla, botica de Joaqun)
Ignacio Ribeiro Jnior : 03 prelendenks podem
dirigir-se igualmente para qualquer proposta ou
esclarccimcnto ao herdeiro L. A. Dubourcq, no
seu sitio na Capunga.
5000 R
Vende-se na loa dp Antonio Augusto dosSan-
tos Porto na loja ns. 37 e ;t9 na praca da Inde-
pendencia, capellas de aljfar eimortale para ca-
tacumbas, tmulos ele, ele, da forma seguinle
e precos razoaveis :
Capellas dealjofe com Escripcoes, grandes a IO-3
Ditas ditas por
Ditas ditas por
ha
5jJ
4
Dilasditas por
Ditas de imorlaile por
Quadros com a imagem do Senhor Cruxifi-
cado com inser pcoes por baixo a 12fi e a IOS m,.s a 2$G0O, 3*. 4;600 e C, ro'beras d
Ferros econmicos de engommar a vapor : na
ra Nova n. 20. loja do Vianna.
Liquidado
A leja de miudezas da iua Direita n. 103 adia-
se s berta do dia 8 do correnle em dianle, e eoo-
tina a vender o que nella lem, por precos com-
modos ofira de liquidar conts.
\ lieguem ao barato.
Leile& Irmiio, na ra da Cadcia do Recife n.
48. vendem 1 hila franceza, cores fixos, o 240, i(
i o 3fc rs. o covado, ditas estreitas, cores lixa's, a
200 rs., pecas de madapolao com 20 varas a
1 WOO.JS, 4j200, 4?.'>0O, 45800 e 550O, e niuito
,flno a7J, pecas de l.relanha'dc rolo com 10 varas
a $, cassa prela muito fina a 640 a vara meias
de seda de peso para meninos a 2j500 o par, lu-
vas do camurca para montara a 2^500, loalhas
de linho para mesa a 3#, meias cruas inglezas
muito superiores para liomcm, merino verdee
curdo caf com 6 palmos de largura 1 1$ o coya-
ido, bandos detiina a ]200, cortes de cassa chi-
ta de lindos desenlies c cores fixas a 2*100, brisa
trancado de linho todo preto, fazenda mii.i > -u-
penor e que nao disbola a 2 a vara, penni -
mesa a i?, chapelints modernas para senbora
paletolsde alpaca a 5?. cortes de calca de case-
, mira dn algudo a l.;z80, ditos de casen ira a .-
ditos do moia casemira a is, mnsselina branca
muo fina a 300 rs. o corado, sabonetas ii
muito superiores a 1*600 a libra, brim Irau .
branco de linho muilo fino a lj500 a vara, lar-
lalana brama e de cores, pecas de cambraia lisa
com 12 varas a j&OO, ditas transparente c ;m 10
Ra do Crespo n. 8, loja de
quatro portas.
Chitas francezas matisadas muito finas com pe-
queo toque de avaria a 200 e 220 rs. o covado,
mussuiina azul pcrfeitamcnle limpa, a 200 rs. o
covado.
Novidade.
Vende-se cortes de casemira do mais
apurado gosto e muito finas pora cal-de barr
^as, chegadas pelo ultimo vapor fran-~~nos rins'
cez : na ra da reperatriz n. 60, loia P-Ur,tza n, ,ven,re-
de Gama & Silva. hiifermidadesno ventre.
Uilas no igado.
Vende-se um magnifico carro Vic-! Di,as venreas.
tona, chegado ltimamente pela galera Enchaqueca
franceza aBerthe, o qual anda se I ?eijpel,
aclia na atfandega : para tratar na ra
do Trapiche n, >
Accidentes epilpticos.
Alporc3S.
Ampolas.
Areias (mal Je).
Asihrr.a.
Clicas.
Convulses.
Debilidade ou exlenua-
Qao. menslruaciio
Debilidade ou faila de Lombrij-as de toda es-
for^as para qualquer
cousa.
Desi nidria.
Dor de garganta.
a..
Febrelo da especie.
Gotia.
Hemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestes.
Ifiilanimar;oes.
Irregularidades
pecie.
.Mal de peJra.
Manchas na cutis.
Absiruc^ao do ventre.
Pbtvsica ou consump-
pulmonar.
Retenrao de ourina.
Rheumaiismo.
Symptom&s secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venereo(mal).
Rap nacional D.
Pedro II da imperial fabri-
ca de Joo Candido de Mi-
randa, Rio de Janeiro.
Este rap som duvida o de melhor qualidade
fabiicado neste imperio, acaba de chegar e ven-
de-se no deposito, ra do Vigario n. 23, escrip-
torio.
Para colches.
Anda ha um resto do superior panno de linho
proprio para colches : na ra da Cadeia do Re-
de n. 48. loia de Leilc i Irmao.
Tachas e moendas
Febre biliosa.
Febrelo intermitente,
Vflnrffl-86 estas plalas no estabelecimenlo ge-
ral de Londres n. 224, Strand, e na loja de
lodos os boticarios droguista e outras pessoas en-
carregsdas de sua venda om toda a America do
fcul, Havana e Ilspanba.
Nendem-se as bocelinbas a 800 rs. cada
urna dallas, contera urna instruegio em portu-
guez para explicar o modo'de se usar deslas pi-
tillas.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22, em Per-
nombuco.
REMEDIO HtGMPARJiVEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Milhares de individuos de todas as naeoes
podem teslemunhar as virtudes deste remedio
inoomparavel e provar em caso necessario, que,
ifclo uso que delle Azorara tem seu corpo e
corpo
BragaSilva i C.,tem sempre no seu deposil
da ra da Moeda n. 3 A.um grande ortimentoi membros inleiramente saos depois de haver ein-
detacfnse moeedas para engenho, do muito J pregado intilmente outros tratamenlos. Cada
Vindo genuino.
Ainda ha urna pequea quanlidade de ancore-
las deste vinho seru confeicao, e proprio de doen-
les : na ra do Vigario n. 19, primeiro andar-
Na ra da Imperafriz n. 76, ven-
de-se superior estrellaba tanto em cai-
xas como as libras, caixas de 14 libras
por ~>$3 ingleza de prmeiraqualidade a 1.SI20
rs. a libra, eoutros muitos generos por
barato preco.
um excellenle preto cozinheiro, bonita figura, o
de excellenle conducta nao tem vicios nem
achaques ; vende-se por precisao: na ru3 do
Oueimado n. 36.
Cerveja branca su-
perior.
Vende-se cerveja branca superior, era barris de
terco, por preco mdico : na ra da Cadeia do
Recife n. 12, escriptorio de Bailar & Oliveira.
JOIAS,
Seraphim & Irmao, com lojas de ourives na
ra do Cabug ns. 9 e 11, sorlida das mais
bellas e delicadas obras de ouro, p'ala. epeiras
preciosas ; vendem barato, Irocam e receban pa-
ra fazer se quaesquer joias com presteza, a von-
tade dos prelendentes, ese retponsabilisam pelas
qualidades.
Campos < Lima
receberam urna factura de chapeos de sol de se-
da para hornero, tendo entre esles alguns peque-
nos que servem para as senhoras que vao para o
rampo_lomar banhos se cobrirem do sol, e como
a porcao seja grande se resolverao vender pelo
prego de 6 e 650f>, o alguns com pequeo de-
feilo a 5$ : na ra do Crespa n. 14.
Vende-se por prego commodo um carro de
i rodas, denominado Victoria, o qual foi cons-
truido em Paris, c est quasi novo : a tratar no
Mondego, casa do fallecido commendador Luiz
Gomes Ferrcira.
Vende-se barato, a prazo ou a dinheiro, um
bom plano com pouco uso : na ra Nova n. 7.
Vendem-se taboas de pinho por barato pre-
co : no caes do Ramos n. 24, armaicm.
ravilbosas pela leilura dus peridicos, que l
relatam todos os dias ha muitos anuos; e a
moior parte dellas sao tao sor pren lentes que
admirara es mdicos mais celebres. Quanias
pessoas recobrarara com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois de lar
permanecido longo lempo nos bospitaes, onde
deviam soffrer a amputarlo 1 Dellas ha mui-
eas que haven lo deixado esses. asylos do pade-
timenios, para se nao submeierem" a essa ope-
rario dolorosa foram curadas completamente,
medanle o uso desse precioso remedio. Al-
gumsjp das taes pessoa na enfuso de seu reeo-
nhecimenlo declararam estes resultados benfi-
cos dianle do lord corregedor o outros magis-
trados, afira de mais aulenlicarem sua afirma-
tiva.
Ninguem desesperara do estado de saude se
tivesse bastante confianza para encinar este ro-
medio constantemente seguindo algum lempo o
iralamento que necesslasse a naluroza do mal,
cujo resultado seria provar inconlestavelmenlo.
Que tudo cura.
O ungento lio til, mais particu-
larmente nos seguintes casos.
Eelogios
Suissos.
Em ca=ado Schafleitlfn & C, ra da Cruz n.
H8, vende-se um grande e Trriado eortimento
de relogios de algibeira borisonlnes, patentes,
ehronometros, meioschronometros de ouro, pra-
la dourada e foleados a ouro, sendo estes relo-
gios dos primrros fabricantes da Suissa, que se
vondero por precos razoaveis.
de lindos desenhos a 2*. laa de qoadros
vestidos a 500 rs. o covado, c outras mu';
zendas que se vendem por barato pico, e
se dar amostras com penl.or.
inagre branco,
superior.
Vende-se vinagre branco superior em bai
duinlo, por pr.'ro commodo na ra da I
do Recif
reir.
:
i
D. 12, escriptorio do Dallar & Olk-
Admirem!
I
110 YAPC
^R
Graixa em latas a 500 rs. a dozia
Queimado n. 53, loja de ferragons.
na ra
Grande e variado sorlimenlo de calcado
cez, roupa feita, miudezas finas e perfiln.
j0 ; ludo por menos do que em outras partes i
a do vapor na ra Nova n. 7.
.rcn-
arias,
la lo-
Machinas.
Na na do Queimado n. 53 tem para vender
machinas para Curar madeira.
Para ralos.
Machinas para matar ralos pequeos; vento-
so na ra do Queimado n 53, loja de ferragens.
Ka loja de Hurle Jnior & Martina, ra do
Cabug ii. 16, vende-se :
Botinas de lustre e pellica para seiiho.-a a5J.
Ditas de setim branco para dita a 45.
Ditas de dito para menina a 3?.
Ditas de lustre para hornera a 5$, 65 e 7$.
Em casa do J. Praeger
G ra da Cruz n. 17, ha para
vender:
Vinho de Bordeaux em quartolas o caixas das
seguintes qualidades :
St. Julien.
SI. Lstephe
St. Julien Cabarrus
Moni ferront.
Pichn longueville.
Margaux.
Vinho de Hordeaux, branco Haut Sauternes.
Vinho do Itlieno.
Vinho Xercz superior e ii.ferior em barris e em
caixas.
Vinho Madeira.
Champagne das acreditadas marcas Eugene Clic-
quot, Bruch Foucher & Ce outras qualidades
mais inferiores.
Licor muito fino de Marselha.
Dito cherry cordcal.
Absinlbe.
Kirsch.
Cognac francez em barris e em caixas.
Dito Pal Brandy superior qualidade em barris e
caixas.
Cerveja branca e preta.
Fumo americano.
Charutos de Havana muito finos marca flor do
tabaco.
Conserva em frascos (Pieles).
Mostarda ingleza.
Dit.i franceza.
Sardinhas de Nantes.
Lrviihas francezas em latas.
Espingardas para cara de 2 canos.
Pujlos.
Bataneas decimaes.
Aviso aos ifiiif:
cS.
Ainda exislem charutos da Baha a 14 a t
na ra, do Livramento n. 19.
>~^ Era ca8.a de N- Dieber & Successores, ra
jda Cruz n. 4, vende-se :
Champanha marca Parre & C urna das
acreditadas marcas, mu conhecidas no Rio de Ja-
neiro.
Vinho xerez em barris, cognac em barris t
caixas.
Vinagre branco e tinto em barr?.
Brilhanes de variasdimensoes.
Eiher sulfrico.
Gomma lacre clara.
Lonas, brinzos e brins.
A50 e Milo
Ferro da Suecia.
Algodao da Baliia.
CAL DE LISBOA,
nova e muito bem acondicionada : na ra :. ,-.
dea do Recife n. 38, primeiro andar
Vende-se urna preta moga que cozinha o
engomma bem, e cose perfeitamente: na 1
ua Boa Vista n. 22.
2##S ::---
& Hecebeu-se bonitas filas douradas para ;
;: rinteros do ultimo gosto impera::
m Eugenia, na ..>
I Loja de marmore.
As senhoras do bom gosfo.
Chegou loja an p do arco de Sanio Antonio,
vindo pelo vapor o norte, um rico e ro-: : :
soriimento de longos de labyrintho, os mais 1
que se tem visto no mercado ; estes lencos
fetos com lodo primor pelas jovens Cearenses.
Para acabar.
Na loja de fazendas de Guimarcs & Villar, na
ra do Crespo n. 17, vendem-se ricos corles Je
, vestidos de phantazia a I5S, sollinhas e mai
i los prelos a 5?. cassas de cores lixas e padrees
i miudinhos a 20 o e-vado, chitas francezas a 260
i e 280 o covado, chapelinas do palha de Italia n-
' camenle eufeiladas a 30S.
a&
Alporcas
Cairnbras
Callos.
Ancores.
Corladurs.
Dores de cabera.
das costas.
dos me.Tbros.
Emfermidades da culis
em geral.
Ditas do anus.
Erupcoes escorbulicas.
Fstulas no abdomen.
Fialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva escaldadass,
Iiicli3c,5es.
Inflamacao do ligado.
Inflammagao da bexiga.
da matriz
Lepra.
Moles das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptil.
Picadura de mosquitos
Pulmes.
Queimadelas.
Sarna
Supuraces ptridas
Tinha, em qualquer
parte que seja.
Tremor de ervos
Ulceras na bocea.
do ligado.
das arliculagoes.
Veas torcidas ou no-
das as pernas
Vende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, Sirand. e na loja
de lodos os boticarios droguistas e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana e Hespanha.
Vende-se a 800 rs., cada bocetinha contera :
urna instruccao em poriuguez para explicar o'
modo de fazer uso deslo ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,'
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22. eral
Pernambuco.
para acabar.
Madapolocs a 3*300, 4*200, 4 ICO, 48600, 59500
55GN1, 5OOO c G3IK10 muito tino, cambraia bran-
ca de ores a IjjpOO a pec,a, algodozinhos a 33,
3i00, 3800, e 48900, superior sicupira coro 22
jardas, ih.iles de larlatana a ljSCO, castores mui-
lo grossos a 240 rs. o covado : na loja da ra do
Passeio Publico, n. 11.
Relogios,
Yende-se em casa do Johnslon Paler & C,
ra do Vigario n. 3, um bello sorlimenlo de
relogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool ; tambem
urna variedade de bonitos trancelins para os
mesmos.
Rtua 4a Senzala Nova n.42
Vende-so em casa de S. P. Jonhston & C.
vaquetas de lustre "para carros, seliins e silhoes
inglezes, candeeiros e casligaes bronzeados, lonas
inglezes, fio de vela, chicote para carros, e mon-
tara, arreios para carro de um e dous cvalos
o relogios de ouro paienle inglez.
Vende-se um fardamento rico da guarda
nacional para official subalterno, sendo de cala-
dor: a tratar na ra estreita do Rosario n. 12,
pavimento terreo.
Camas de ferro do 15g a 20*000 em casa de
Julio & Conrado ; 6 para acabar que se vende
por eslo pre$o.
Vende-se um louro muito manso o novo,
proprio para servido de carro, do qual tem prati-
ca : na Encruzilhada, na taberna do Sr. Andr.
Vende-so na ra do Caldeireiro n. 18, ex-
cellenle couro curtido, por prec,o mais commodo
que em oulra qualquer ua'te.
Vende-se urna escrava crioula, de idade28
annos, pouco mais ou menos, com principio de
ludo, para o servico diario de urna casa : a tratar
na ra da Cadeia Velha do Recife, escriptorio n.
56, de Leal & Irmao.
illi
A dinhviro.
Wua Hirea n. IOS.
Calcado pira homem, senbora e meninos, pa-
letots de panno, casemira c brim, calcas d.i ri-
ma bzenita, cortes para colletes, e casemira para
calcas, caixas com msica para costura, es I ojos
para viagens, perfumaras de todas as qualida-
des, enfeiles de porcelana para mesas, sa|
de tapete eslampados e de velludo preto. dfi'e-
reotes obras de ouro e a irr.itar.ao, relogios do
prata e dourados, bengalas e chicotes, e o
muitas miudezas que se vendem ao primeiro
preco alim de liquidar contas.
Pechiicha sem igual.
De queijos llamingos recenlementc chegados
pelo ultimo vapor da Europa 1 2f; o em caixa
se far algum abalimento: vende-se nicamente
,no armazem proaresso de Duartc & Iimao, no
largo da Penha n. 8.
Farelo a 4,500 rs.
Na taberna da estrella,no largo do Parai/o nu-
mero 14.
Escrayos fugaos.
Boa lecompensa
Jos Matheus Ferreira recompensa bem a quom
Ihe trouxero seu escravo Leandro, o qual lem os
signaes seguintes : idade 20 annos, pouco us
ou menos, baixo, rosto e rabeca redonda, sanias
no rosto, pouca barba e ruiva", quando aada ar-
queia um pouco os bracos, falla bem e sabe ler,
natural do Ir, onde lem familia : na ra da
Cadeia do Recife n. 35, loja.
3OOSO0O.
Contina a esler fugda a escrava Paula, que
diz chamar-so Paulina, lem os signaes seguintes :
futa, alta e muilo magra, reprsenla ler 25 an-
nos de idade; desconda-se estar oceulta em al-
guma casa nosarrabaldes desta cidade ; Triodo
serlao do Cear, d'onde natural : quem a pe-
gar, receber a qnantia cima, r*a ra da Cadtia
n. 35, loja.


(8;
DIARIO DE PERNAMBUCO. TERCA FEIRA 16 DE OUTUBRO DE 1860.
Litteratura.
Aurora.
( Concluso. )
XXVI
O dia Otado
(esdores tinha
para a execueo do chote dossal-
ebegado. Fossombroni sahio da
prisio ii doas lioras. As jar.ellas das casas esta-
rn clieias de curiosos para vorom aquello lie
mora extraordinario. O fnebre cortejo doria pas-
sar di inte do palacio da condessa de Rimiui. Au-
rora eslava s ; janella, cercada de um grupo de
jovens eavalleiros, que a olliavam tornmente.
Aurora, n'aquelle dia, ostcnlava uma (al belleza,
que exceda a costumada, e ha mu i lo que ajo-
Ten condessa s6 em si mesma podia cucontrar
uval. Pareca rauilo socegada.
O cortejo approximava-se: deslingua-se j a
figura alliva e ameacadora do condemnado, cu-
jos bracos iam amarrados coni grbssas cordss ; o
cabello'negro c espsso Iho cobria o rosto corno
un veo.
A fealdade desto homem era noiada por todos
os senhores que rodeavam Aurora.
Ets-ali um homem que nunca pensou tai-
ve: que existan) mulheres.
> Otean) que casado. -
' Deiejava v6r essa esposa ; deve, de oerlo,
en; fealdade fazer inveja Bclzebulh.
Aurora nada responda estes discursos ; linha
a dignidade oasroinhas, que consiste, sobreludo
DO silencio.
U sol brilhava em lodo oseu esplendor. O che-
fe Jos salteadores tinha recusado, al ento on-
essar-se ; approximou-se ao ouvido do padre e
disse-the :
E' triste c cruel morrer admirando lana luz
e lana vida no mundo ; porm que me importa
mnnnurou em voz baixaesle sol to brilhan-
tc. s>> o coracao esl em Irevas, porque ella me
nao ama o o ha sol que allumie uma tal
noie !
O cortejo tinha chegado em frente do palacio
da condessa Aurora de Rimiui, que era perto do
lugar da execueo. O olhar da joven veneziana
era lmpido o sereno como o azul do co._ Ncm
s linha do seu roslo se allerou, e a cor pal-
uda das faces nem um s asanle se
mou em cOr de rosa. I)ir-se-hia que nunca tinha
v i e conhecido o condemnado.
Porm quando o chefe dos salteadores passou
oin face dasjanellas, a formosa condessa dobru-
cou-se sobre o parapcito, esteudeu para elle os
bracos, c, agitando as formosas maos, gritou :
l'.irai, ou conduzi me com elle ao supplicio,
porque cu sou a esposa desse homem 1
para que renunciasso soberana temporal dos
seus estados.
Pi Vil respondeu :
Nao.
O Santo Padre foi obrigado passar por urna
janella e & metter-se n'um coche, em que foi con-
duzido por Florenca, Savona e Grenoble at Fon-
tainebleau. Quando chegou s fronteiras de Fran-
ca, o veneravcl preso foi entregue aos gendar-
mes, quede marcha em marcha o iam entregan-
do uns aos outros. Um dos commandaules, ten-
do de dar o recibo, c como nao tinha modelo
para seguir, escreveu assim :
Reccbi ura Papa com boa sade.
GALANTERA,
Diz um jornal de liarcellona que naquella c-
dade se resolveu formar uma companhia de me-
ninos de oito dez annos, como uniforme de
voluntarios catataos, para a guarda do honra do
joven principo das Asturias, durante a estada da
familia real naquella cidade.
PATACARIA.
Desde 1811 at iS3i. islo desde que foi cs-
labelecida a moeda de bronzes do valor de 40 rs.
patacos), na casa da Moeda, foraru cunhados
29,542:365 patacos, no valor de 1,181 ;69-fo600.
A boa prata tem fgido ; do ouro pouco corro,
nao seren libras, apezar de se terem cunhado,
desde 1752 at 1851. 37,587:3965600 de pecas de
68400, 33200, IjGOO, l2oO, 800, 4*800, 7g500,
3$750 e 8;000.
PREFERIO O PROVEITO S HONRAS.
Mr. Bauks, governador do estado de Massa-
chusselts, que de simples trabalhador se elevou
sua alta posicio, e que tinha grandes probabilida-
des de ser eleito presidente da repblica dos Es-
tados-Unidos, preferio abandonar a poltica eac-
ceitar o cargo de presidente da companhia do ca-
minho de ferro do Illinez, que rende tres vezes
mais que o seu cargo de governador de um es-
lado.
O MUNDO MARCHA.
Inventou-so ltimamente um novo processo
da maior importancia para a typographia e gta-
vura. *
Consiste era estampar n'um pedaco do gommo
elstica, preparada de corto modo," o impressa
ou gravura que se quer rcproduzir em maiores
ou menores dimenses que o original. Em se-
guida, por um mechamsmo muito engenhoso,
se estenio ou encolhc o pedaco degomma clasli-
cae se obiera o resultado queso deseja com uma
exaelido malhemalica. Depois passa-sc a iiu-
presso da gomma para a pedra lythographica o
se tira do modo usual.
Assim, uma edicto microscopa de uma obra
pode augmentar-se do lamanho que se quizer,
ou uma edigao de lypos grandes reduzir-se ou-
iros mais pequeos, e fazer edigoes de differen-
tes typos com uma s composigao e sem a des-
peza de diversas composiges.
J se publicaram era Inglaterra provas d'cste
novo mclhodo e sao perfeilas.
ENTRADA DE GARIBALDI EM APLES.
Uma correspondencia de aples dirigida
ao Siecle da os seguinles pormenores da entrada
de Garibaldi naquella capital.
Sabis com que forcas o dictador entrou em
Vapoles?.... com oilo pessoas, dez quando mui-
DESTRUICIO DAS CIDADES. *
A revolucao chineza leva diante de si a des-
truicio. O Times diz :
Han Kow, o grande emporio do imperio (po-
voacao egual qualro das primeiras cidades in-
glez'as reunidas) ; Han Kow, que era uma pro-
vincia immensa, toda coberta do edificios, divi-
dida em qualro partes, pela confluencia de dous
lo, em quanlo que as tropas reaes eslavara ainda r's poderosos ; Han Kow, que com os seus ar-
por ordem do rei, oceupando as suas respectivas
posteos na cidade, na fortaleza e no palacio.
Acompanhavam o dictador na sua carruageni
Bcrlani seu secretario geral e Annio Gavarone,
jraIIS[_ I eommandanlc do Caalafini Na segunda car-
ruagem, vinhara alguns dos ofuViaes que chegs-
ram aples juntamente com Giribaldl. Pode-
res fazer uma idea da grande mullidao que con-
curren a vicloriar esle homem extraordinario, di-
zendo-vos que acarruigem gastou mais de duas
| horas para trniispor a distancia que separa a es-
rabaldes conlinha oilo milhes do habitantes,
foi assaltada e saqueada cinco vezes, e licou por
tal modo destruida que uns marinheiro inglezes
apanhavam baudos de faisoes as ruinas das
casas.
As proprias cidades sagradas, respeitadas pe-
los conquistadores de todos os lempos, calmara
agora.
Para os Chins era Han Kow o mesmo que
Granada para os Mouros desterrados ; uns e ou-
tros liuhama doce crenradequeo paraizo celes-
te se percorre em de/, minutos.
Quando Garibaldi passou em frente das guar-
XXVII das, todas as sentinellas apiesentaram as armas,
e os offlciaes as suas espadas. O mesmo aconte-
Dizendo estas palavras, Aurora precipitou-sc ceu quando a carruagem do general passou em
da janella O foi cahir nos bracos do salteador, < frente do palacio do rei. Na verdade, era para
que por um esforco quasi sobrehumano, linha -:-
quebrado as cordas que lhe alavam os pulsos
lacio do palacio real, espaco que ordiuaramen- I 'al eslava exactamente por cima das suas cida-
des favoritas.
Porm para os Europeos, a grande importancia
de Han Kow ou Haiihchow, eslava cm ser o
centro dos districlos productores da seda, e com
ludo desapparecen, apesaidas suas riquezas, com
Aportara do encontr ao pcilo a formosa condes-
sa e lodos admiravam aquello grupo indescripti-
vt!. Uod anjo descido do co sobre o cadafalso
do condemnado para suspender a execueo leria
produzido menos efTeito que uma to joven e
(timosa mulher, adorada por lodos como uma
di-. mJnde, precipitando-so nos bracos do ban-
di lo.
O desgranado, tan icio o lao triste momentos
antes, pareca transfigurado pela apparieo da-
qu< lia mulher. Uma mdanos involuntaria se
Oporava, ao mesmo lempo, na mullidao ; os in-
as blasphemias com que lia pouco per-
liarn no caminho o salteador cessaram, dan-
do lugir compaixao. Quera poderla amaldicoar
o homem que uma lio gentil mulher ama va I Os
admirar o ver lodos esses soldados armados, que
pouco aules recebiam ordem para exterminaren]
o homem qoe linhan em sua presenca, inclina-
rem-sc pcranle elle o prestarem-lhe homenagem
quando as ordens nao linhara sido aiuda revo-
gadas.
o As duas horas, o dictador chegou erafim
Foresleria. E um antigo palacio, que para um
lado deita para a ra do Cniaja, e do oulro para
a praca de S. Francisco de Paula. Uma depula-
co que o esperava, lhc dirigi a palavra pelo
orgo do Mariano Ayala e do advogado Gennaro.
O dictador depois de responder, aprcsenlou-se
uma das janellas, e dirigi mullidao palavras
que de momento momento eram inlerrompidas
por phrenelicos applausos.
Quando lerminarim as allocuces, o general
tomoo uma retoico, e cncaminliou-se para a ra
ns eavalleiros cstivam como espantados, os de Toledo. Despois de parar em alguns pontos,
velhos julgavam-a louca, as mulheres choraran; l paragens estas que spodem ser conhecidaa pelo
jornal official, por quanlo a mullidao ora lao com-
pacta que se ignorava o ijue se passava a dous
passos de distancia, o dictador foi ao palacio de
Angri, situado entre Toledo e Monteo'ivclo.
Acerca desle palacio de Angri, d-se um fac-
i realmente curioso. O principe do Angri o
primeiro camarista do rei. Sahio de aples na
sua qualidade de realista, c sua mulher que fi-
cou, receben em sua casa o dictador, na qualida-
de de hospede.
Das janellas desle palacio, o general vio des-
filar muilos batalhies da guarda nacional. A ci-
dade de aples esl dividida em doze bairros,
cada bairro tem o seu batalhao, e os do^c bata-
liioes foram esperar o dictador, fazendo alas as
ras por onde elle passou.
noilo, a cidade estovo magnficamente il-
luminada ; e a ra de Toledo al mcia noite
representara um verdadeiro carnaval de Veneza
de outr'ora.
as suas anliguidades, com seus grandes templos,
com os seus yamuns, o com os seus infinitos
leres de seda.
Outra cidade magnifica, Soochow, que era na
China o mesmo que Pariz na Europa, islo c,
a capital das artes, da moda, do bom gosto, onde
se fabricavam todos os objectos de luxo, que tem
communicaces por agua para todos os pontos
e que era objeclo da aJmiraeao dos Europeus,
que ali podiara penetrar,segundo a ullinia
noticia telegraphica, j nao existe. A civilisaeao
peculiar que hara da China foi arrasada ou
queimada.
ESPECIFICO CONTRA A GOTTA.
Com o titulo Remedios especficos contra a
gotla, o Dr. Aulaguier publicou recentemenle
a segunda edieau de um trabalho de seu pai, ho-
mem tao bondoso, como instruido o modesto, a
quem a sciencia deve, entre oulras obras, um bom
diccionario dos alimentos.
O filho dou grande desenvolvimento ao traba-
lho do pai.
A segunda edicao comprehende a pathologia
completa da gotla, uns opiniao motivada sobre
todos os meios empyricos ou racionaos, indicados
Contri este mal, e um exame especial sobre a
co'.chicae modo de a preparar,
O autor prope-sc, sobreludo, propagar c ani-
mar o emprego desle medicamento, que conside-
ra especifico to poderoso contra a gotla como o
quinino contra as febres intermitientes e o iodo
contra as molestias escrophulosas.
DA ESrERANCAS.
Mr. R ... horticultor dos arrabaldes de Paris,
tem um filho de 9 annos, que, sendo alumno in-
terno do collegio de Paris, foi passar as ferias
casa.
Este joven revela, a par de uma iulelligencia
precoce, um carcter de enrgica pertinacia, mui-
to raro em laes edades.
No dia 6, Alfredo, assim que so chama o jo-
ven, foi ao jardim.onde seu pai tralava das plan-
las. A proposito da origem da dahiia, respondeu
Alfredo aoque lhe dizia seu pai,que aquella plan-
la nao poda tirar o seu nome de Dahl, o botnico
sueco,porque originaria do Mxico e Per, d'on-
de foi importada cm 1789.
Mr. R... respondeu que verdade que s nes-
sa poca que foi conhecida a dahiia, mas que
fura trazida por Dahl.
Alfredo moslrou tal teima, a contradizer seu
pai, que esle, gastado, o raandou retirar para a
casa
Alfredo obedeceu, rcsmuugando, e retirndose,
disse :
Mandaes-me embora, vos vos arrepen-
dereis.
Mr. R .. nao fez caso dcst-is pMavras, que to-
mou conla de creancce. Porm ellas encerra-
vam uma sinislra ameaga.
Alfredo, entrando cm casa, pegou n'uma espin-
garda que sabia oslar carregada, poz a bocea do
cano por baixo da barba c com o p disparou o
gatilho.
O tiro disparou e o desgracado cahio logo ba-
uliailo em sangue.
Mr. R.. sodio e vio seu filho inanimado no
meio da sala de jantar.
Foi logo chamado um medico, que fez voltar
Alfredo si ; e recnnheceu depois que as feridas
nao eram morlaes.
A epiderme do queixo inferior, toda a face es-
querda, foram levadas, o numerosos graos de pl-
vora lavraram as oulra3 parles do rosto.
Alfredo nao morrer.raas ficar muito desfigu-
rado.
Que tal o menino !
aquella momento ninguem tinha dado pelo falso,
que continha uma tao boa somma de moeda ver-
dadeira.
SAHIDA DE APLES DE FRANCISCO II.
As correspondencias de aples com dala de 8
dio alguns curiosos pormenores relativos sabi-
da, daquella cidade, de Francisco II. Abandona-
do de lodos os seus cortezaos e aflectado pelo
grande numero de demissoes que lhe apresenta-
vam os generaes, chefes militares e altos digni-
tarios da corle o da adrainistracao publica, an-
nunciou aos chefes da guarda nacional a sua rc-
solurao de partir, confiando-lhes a seguranca da
praca ao seu patriotismo; assignou o protesto
que cnlregou s corles eslrangeiras, e que fura
redigido por Martino, e a sua allocucao ao povo,
escripia por Liborio Romano, o acouselhou ao
ministorio que conservasse a autoridade at que
enlrasse Garibaldi, e que dissoWesso logo o
gabinete para organsar oulro em Gaela
I-iiai, lhes disse elle, que se derrame uma
s gola d sangue. Os roarinheiros e soldados
(accrescenlou, dirigindo-se i Garofolo, minislro
da marinha) sao hoje muilos Italianos para com-
baterem Gainaldi, porm quando esle os queira
levar Venecia, serao ento demasiadamente rea-
listas.
ltimamente leve uma longa conferencia com
Spinelli, presidente do conselho de ministros, e
com Martino, ministro dos negocios estrangeiros,
os quacs conjiinrtameute com o principe Forella
cumprirara com os deveres que linham para com
o rei, com o estado c com a sua propria cons-
cencia.
Francisco II rubricou alguns decretos de re-
compensas para os seus servidores mais adeptos
e commutaces de penas ; ordenou que se inuli-
lisassem as machinas do undico de arlilharia, o
que se nao levou & effeito, e desccu por uma os-
eada secreta para embarcar a bordo de um navio
de guerra hespanhol que o esperava. O rei mos-
trava-so lirrae, sereno e muito digno, a joven
rainha profundamente commovida.
c o povo bata as palmas, gritando : Pcrdao !
| lao
Entretanto, os empregados da justira, pouco:
sensireis por sua natureza, depois de um mo-
ni i rito de hesitacao, deram ordem ao coi tejo de'
continuar no seu caminho: o chefe dos salteado- j
res fez ento signal com a mao de que tinha que :
dizer, c a multido exigi que o deixassem fal-
lar.
Visto que ella me ama anda. exclamou o
lido, affastando da cara os espessos cabellos
que lhe encobriam as feiecsj nao quero mor-
rer. Venecianos : eu nao sou o homem que jul-
gai;, nao sou o salteador Fossombroni, sou o ca-
tiro Romea Halatesla, que julgavam moitol
XXVUI
Procedeu-se & um novo processo, fira de se
.'locera identidade entro o salteador Fos-
so'i.hroni e o conde Roraeu Malalesla, joven fi-
d i veneziano. Aurora e elle forneceu f-
ltente lodas as provas, at nao restar nenhuma
duwJa sobre este ponto histrico.
liConhcceu-sc, alm disso, que o bando de
lores tinha sido favoravel repblica, su-
fo ando urna conspiracao que eslava prxima a
r miar. Os inlividuos que tinham sido morios
l el is salteadores eram todos inimigos do esta-
do, que linham jurado a deslruicao de Veneza.
D'aqui seconclue qoe o amor, por mais lonco e
pliantaslico que seja, s nos leva emprehenler
boas acedna. O dedo de Deus occulla-se, multas
. c s, na frgil miio da mulher.
I'iitreanio, o doge, para nao animar um se-
melhante exemplo, exigi que o joven Romeu
?.! .la'esta fizesse parle de uma expedicao que se
dirigia ao alto mar, n'aquella occasio, contra os
i riosda frica, promeitendo-lhc volla, em
pen.io dos seus servicos, a mao de sua bella pri-
ma, a condessa Aurora tfe Himini. Com uma tal
P"i!os-a o o amor de Aurora no coracao, Romeu
na i poda deixar de fazer proezas.
Vollou liiumphanle Veneza, onde o doge lhe
enlregon a sua joven desposada, coberta como
raneo veo 0 a cori de flores brancas das vir-
gen?. Aurora, com effeito, era uma virgem para
Romeu, porque tinha en'onirado no seu coracao
de mulher um segundo amor, mais puro, nais
severo, mas verdadeiro que o primeiro; e, ao
contrario daquelle, de eterna duragao, no meio
de-I i vida Je dissipacao e de loucas aventuras,
Aurora tinha perdido o socego do corariio ; re-
cordava-so eflm saudade da sua infancia ; recen-
quistoo, pois, no dever urna alma nova, o Deus,
vendo-a arrependida, resliluio-lhe a cora de
flores rirginaes, que ella linha visto desfolhada
pelo sopro abrazador das paixoes.
XWIX
Poderiamos continuar esta historia, porque lhe
nos a continuadlo, mas preferimos acaba-la
ncito ponto, Deixamos Aurora e Romeu no
momento mais feliz da sua vida, ambos jovens e
arnando-se mutuamente ; e nada existe mais
tr.sle no mundo que os lempos que s-icedem !
ventura, mocidade e ao amor. Nao devenios
ternar a passar n'um lugar aondo na vespera vi-
inos uma rosa reccm-aberla, com receio de a en-
contrar desfolhada, como nao devenios tornar
ver depois de dez annos a mulher que vimos bel-
la e feliz.
Alpiioj.se Esqci&xs.
[Commercio do Porto.)
O FAMOSOJOGADOR.
Le-sen'oma correspondencia dosbanhosde
Hombourg :
O Hespanliol G....... que na sua precedente
viagem Hombourg ganhou um milhao e meio
de francos, vollou aqui ha dias. Na primeira
vez que jogou levou A gloria a banca, que de
300,000 francos. No segund > dia ganhou 260,000
francos ; porm no (erceiro dia nao lhe foi favo-
ravel a sorle e perdeu 350,000 Trancos. Hoje, 9
de sctcnibro, depois de 6 horas de uma lula per-
tinaz, conseguio mais uma vez levar a banca a
gloria no meio dos applausos da mullidao que de
lodos os lados chegavo para ser lestemuuha da-
quelle gigantesco ducllo. Os accionistas da ban-
ca estao na maior consternarao. As aeges des-
cerara na bolsa de Francfort, n'uma s hora, 20
por cenlo.
EXEftCITO I.NGLEZ.
A forca do exordio inglez para 1800 e 18GI,
sem contar as forcas que se achara na China e as
ludias, que comprehenlp um tolal de 86,256 ho-
rnens, de 201,132 homens, sabor :
Arlilharia real a cavallo. 2,22i homens ; 3 re-
gimenlosde cavallaria da guarda real, 1,029; ca-
vallaria de linha, 15.195; arlilharia real, 20.63');
A REVISTA DE KNOVTSLEY E LORD DERBY.
lt'-so no Spcdator, jornal
O primeiro chegou bem.
O segundo, composto de 18 wagons, eslava na
estago de Helmsbire meia noite. Ha ali uma
curva de 4 5 milhas.
Quando o segundo trem deixou a eslagao de
Helmsbire, os cadeados entre o terceiro e quarlo
wagons quebraran), e 15 wagons que Aca-
rara sobre a curva recuaram primeiro de vagar
o depois rpidamente na direegao de Man-
chester.
A mais de 300 metros de Helmsbire esbarra-
ram com o terceiro trem que vinha de Manches-
ler. O choque foi terrivel.
A la um pouco nublada, esclareca entilo
tristemente aquella scena de sangue e desola-
cao. Os gritos dos eridos eram consterna-
dores.
Foi preciso muito lempo para desembarazar a
ra e tirar as victimas11 pessoas foram mor-
as e um grande ftimero de oulras gravemente
feridas.
Os ires wagons do segundo trem, que esbar-
raram com os primeiros do terceiro, foram com-
pletamente destruidos, sendo moras 8 pessoas
que nelles se achavam.
Entre os morios conlam-se quatro mulheres o
seis homens. Muilos feridos foram transporta-
dos para ura hotel visiuho da local da calastro-
phe ; e os outros foram ctuduzidos para suas
casas em irens especiaes. Um s licou no hospi-
lal do Manchester.
LINGUAGEM DE REI.
Uma caria de aples, de 29 do agosto, conla
o seguinte :
Os ministros souberam das vaas tenta-
tivas que se fizeram para lhes d ir successores.
Esla manhaa apresenlaram-se ao rei, c com um
modo um pouco irnico lhe perguntaram se de-
viaru relirar-se. O rei respondeu-lhe com altivez
e frieza :Senhores, s eu sei quando conve-
niente que vosrelireis.
O ministro Martino observou ao rei que
a situaco do governo era dilcil, porque era
Ao embarcar, o rei dirigi Spinelli, que o ti- aecusado (icios dous partidos oppostos, e ter-
nha acompanhado at ao caes, estas palavras,! minou dizendo que o exercito nao quera ba-
apertando-lhe a mao : Spinelli, tendea estado ler-se.
sempre longe de mim, fazcudo-me uma renhida
PATRIOTISMO ESPLENDIDO.
Lord Derby chefe da casa de Stanley e cTo par-
tido tory, na cmara dos lords de Inglaterra,
quiz exceder a soberana, diz uma carta de Lon-
dres de 6, passando revista, no ultimo sabbado
dentro do seu parque de Lancashire, a 11:000
voluntarios. Fez mais que a rainha Victoria,
pois deu de comer aos voluntarios, gastando na
snmptuosa fesla 5:000 libras (22:500OO rs. |
Os voluntarios comeram cinco toneladas de pas-
tis, e beberam a mellior cerveja que produz o
paiz.
Us representantes da imprensa tiveram lam-
bem ura grande dia, pois foram convidados para
o palacio e obsequiados como principes, pelo il-
lusire potentado.
Oj voluntarios comeram om tendaa de cjiii-
panha levantidas para esse fin. A parada foi
urilhantissima e o grandioso lord, teve na occa-
sio uma boa colhoita de applausos.
Islo que se chama grandeza e patriotismo
RELIQUIAS HISTRICAS.
Em uma caixa de vidro, escondida n'uma egre-
ja da aldeia d'Ashbuniham, perto de Batlle, no
condado do Sussex (Inglaterra), cnconlrou-se o
relogio, a camisa e os calces de seda branca
que linha Carlos I na manha cm que foi deca-
pitado ; c bem assim o lencol em que foi envol-
lo o seu corpo depois da exocucao.
NAO M CONTA.
A subscripcao aberta na diocesse de New-
York, i favor do Papa, linha produzido, al ao
dia 20 de agosto 51:131 pezos fortes (51:131$0O0
rs. ) approximadamente.
QUE BELLO DIVERTIMENTO.
Uma correspondencia de Saragoca de 26 de
agosto, dirigida s IS'ovidades, conla o seguinte
incidente de uma corrida do louros :
Havia uma corrida de touros de Mr. Carri-
quiri. O toureador Cuchares, amado do publico
aragonez, eslava no seu posto. Os tres primeiros
louros mostraram-se pouco animados. O quarlo
appareceu, e extremamente fogoso, fez voar cm
pedacos as bandeirolas que lhe aprcsenlaram os
picadores.
Depois, com um sallo transpoz a palissadi e
lancou por trra, mortalmente ferido, um solda-
do, que fallecen no hospital. Cinco minutos de-
pois o touro sallou a barreira e foi cahir furioso
Sobre esta revista
inglez, o seguiule :
A revista dos voluntarios em Knowsley aprc-
senta-so como o maisnotavel esalienie aconleci-
mentn nacional.
a terceira revista de voluntarios em forca
numrica.
as duas primeiras revistas era a rainha Vic-
toria o cenlro de todas as atlences ; era uma so-
berana passando revista ao seu povo armado. Na
revista de Knoweley o alvo de todas as vistas
lord Derby, um subdito da rainha.
E' um facto muito lisongeiro para o propie-
tario de Lancashire ter elle sido o primeiro reu-
nir eni volla de si os voluntarios, proporcionan-
do-lhe depois um banquete de principo.
Lancishire, que o quarlel general de paz
todo o custo, fornece 11,000 voluntarios, numero
egual ao que aquello condado offereceu coroa
cm 1803.
Destcs 14,000 nada monos de 11,000 appare-
ceraru cni armas n'um dado c corlo dia, s voz^
de lord Derby.
Esperamos que o exemplo ser imitado por
outroa thialgos que sao egualmente opulentos, e
que, se liverem patriotismo, mostraro que sa-
ben) nobremeuto comprehender os deveres da sua
posicao.
PENSO VITALICIA.
O conselho municipal de Pars deu uma pensao
vitalicia de 1,000 ou 1,500flancos um operario,
lerraplenador, que descubri o meio de preservar
da ferrugem os lubos conductores do gaz, cer-
cando-os de tc-rra urgilosa.
PATRIMONIO DE S. PEDRO.
A provincia denominada Patrimonio de S. Pe-
dro comprehende uma populacao de 472,534 ha-
bitantes, assim dividida :
Roma e Comarca 320,509, Civila-Vechia 20,701
o Viterbo 1J5.324.
A cidade de Viterbo, capital da delegacao do
mesmo nome, lera 15,000 habitantes, e nos seus
arrabaldes ha numerosos palacios e casas de cam-
po dos cardeaes e grandes familias romanas.
Esl situada junio do monte Soriano, 77 kil.
N. de Roma
Viterbo, com lodo o territorio que forma o
Patrimonio de S. Podro, foi dado aos papas em
1077 pela grande condessa Matilde.
TERDA SENSIVEL.
Os jomaos britannicos noticiara um bito que
reputara, com razo, uma calamidade publica.
O eminente financeiro e economista Mr. James
Wilson, que sahira no comeco desle auno para as
Indias, com o encargo de reslabelecer a ordem
as linancas da grande colonia inglesa, suecum-
bio or: Calcula aos rigores do cuma. A sua mor'
opposicao ; agora sois o nico que estis meu
lado, que mo nao abandonaos. Spinelli, nunca
vos esquecerei.
O re) Francisco II sabio de aples 126 annos
depois de (er entrado nequclle reino Carlos 111.
A dynaslia dos Bourbons, como as anteriores,
nao pode passar ali da quinta gerarao, e suecum-
bio violentamente por agora, posto que alguns
dizera que para sempre.
IMPRENSA NOS ESTADOS UNIDOS.
Ao passo que na Inglaterra a imprensa peri-
dica, em consequencia dos grandes fundos que
exige, con-lit'ie uma industria de certo modo
privilegiada, c forma, debaixo da influencia de
um seiiiirnento elevado, um poder do estado, nos
Estados-Unidos, isenla de lodo o imposto, nao
tern lal podero, porque, salvo algumas honrosas
oxeepcoes, c redigida com um cynismo de lin-
guagera e uma audacia do difiamaco, quenada
respeita.
Algumas tentativas se fizeram para disciplinar
a imprensa uos Estados-Unidos o votou-se no
congresso uma lei que nunca podo executir-se.
Segundo diz Mr. Cucheval, a inslruccao prima-
ria universal nos Estados-Unidus, porm aedu-
caco superior c uma excepcao.
0 jornalismo. que nao carretea lucrativa, nem
um meio de chegar aos empregos polticos, niio
se recruta nem no foro, nem no clero, nicas
classes um pouco instruidas.
Os ornaos sao redigidos por aventureiros, cujo
merilo c uma audacia a toda a prova, para sus-
tentar, cora a maior desfacalez, as naputaces
calumniosas, que sao oseu elemento de xito aos
olhos do partido de que sao orgaos.
Cada estado da anido vive quasi isolado dos
estados immediatos.
As quesles geraes apparecem frequentemente
misturadas nos annuncios ou na discusso dos in-
teresses locaes c das candidaturas.
Cada povoacao, por pequea que seja, lem um
peridico e s vezes dous. Como os inleresses
sao mesquinhos, o mesmo homem muilas vezes
redactor, compositor eunpressor.
Mr. Cucheval lecouhcre que de ha vinle annos
para c nos estados do litloral, em que a socio-
dade tem mais commodidades e inslruccao, al-
<: Nao le oceupes do exercilo, disse o rei.isso
sd & mim pertcnce e ao ministro da guerra.
O general Pianelli confirmou entao o que dissera.
o seu collega Martino.
O rei voltou-se entao para o general e dis-
se :E's tu, general Pianelli, ministro da guer-
ra, quedizes que o exercito se nao quer bater".'
Ah 1 o exercilo nao quer bat-r-se ? Pois bem,
veremos se se bale quando cu rae apresentar
sua frente. Eu moularei cavallo, o lu irs
meu lado. Se morrermos, cu morro como rei, e
lu como traidor.
O re fez um signal, e os ministros rcliraram-se
estupefactos, porque o nao julgavam capaz de
tanta energa.
JULGAMENTQ.
O tribunal de Peslh julgou o processo de alta
traicao instaurado contra Miguel Tamsics, barao
do Kass e companheiros.
Miguel Tamsics, Iliterato hngaro popular, re-
volucionario poltico muito conhecido na Hun-
gra, era aecusado do ter escriplo varios Mue-
los incendiarios : os outros reos eram aecusados
do os lerem espalhado.
Na audiencia de julgamento lano os aecusa-
dos como os defensores usaram de uma lingua-
gum apaixonxda ; Tamsics e o baro de Kass,
p ira se defendereni, laneanm mo das evasivas
as mais excntricas, e os asserces polticas do
defensor Sziliaggi obrigaram varias vezes o pre-
sidente obscrvar-lhe que se tornara cmplice
! do delicto do qual elle eslava encarregado do
' justificar os aecusados.
Tamsics foi condemnado 15 annos de rigo-
rosa priso e os outros foram absolvidos.
NECROLOGIO.
Falleceu ltimamente em Bosnak-Tchiflyk o
famoso Youssouf Sadyk-Pach, descendente de
Gazy Evrnos e rivaj de Scanderbeg.
Por muito lempo governador geral de Salony-
ca, Youssouf SoJyk era o mais rico e mais po-
deroso senhor da Romelia. As suas ira mensas
propriedades, foram uma doaciio do sultao
Ainurat II, que, para recompensar os serviros
feitos por Gazy Evrnos, lhe concedeu todo o
vallo em um da.
uns jornaes adquiriram hbitos de mode'raco'e | terreno que um hornera podsse percorrer i ca-
discusso em forma, pelo que contrastan) com o
resto da imprensa. Esies peridicos nao sao re-
digidos com grande talento, porm o sao com de-
coro, pelo menos. Teem por isso maior numero
de leilores, o que atiesta a necessidade que sent
TESTAMENTO ORIGINAL.
Falleceu ltimamente na America, um planta-
uma parte da popul&cjio de uma modiicacao as dor dc algodo, cujo testamento dos mais cu-
brigada da cosa'. 965; e'ngenharia real', 3,597 ; I c rquejando no meio dos espectadores. Seis mil. (c f0 co|pe fatal dado as reformas em ra
trem militar, 1,066 ; guardas p, 7 batallas de I PCJoas estavam all reunidas.
800 homens cada um, 5,600 ; infanlaria de linha, PniCo lornou-se geral. A coniusao era es-
141.550; corpo de sande C64; corpos de estado- l'8"1080- Os soldados com os sabres, as senn-
maior do commissariado, 28 ; regimentos das ,,cllas cora a bayoneta armada e Cuchares com a
Indias Occidentaes, 3,000 ; corpo colonial, 1,728.
ESPADA DE HONRA.
espada na mao perseguiam o animal, que s pro-
|curara fugir, e desla vez nao tratou deferir
ninguem.
Alguns espectadores dspararam-lhe tiros de
I pistola, que, desgraeadamenle feriram os cu-
No domingo 9, teve lugar no campo de Cha- riosos.
lons, a apresenlagao ao m a rechai Mac-Mahon, Finalmente, Cuchares, lao destro como gil,
da magnifica espada de honra, qu lhe foi ofere- j Salt,ou e achou-se frente frente com o louro,
cid3 pela subscripcao nacional irlandeza. | que> com un, g0]pe de espada, lancou-o morlo
A felicitaco que lhe dirigi a commissao no- seus ps.
meada pelo comit de Dublm. redigida as duas E ainda ha quem gosle detoura'dasl
linguas irlandeza (cltica) e franeeza.
O punho da espada de ouro guarnecido de
podras preciosas, e a bainha tambera de ouro.
A deputocao convidada a jantar pelo marechal,
a que ass'.stiram muilos generaes e ofliciaes su-
periores, entre esles os generaes O' Farrel e Sol-
ton de Clonard, e o cominandantc Dellon, todos
Ires do origem irlandeza.
Variedades.
DINHEIRO DE S. TEDRO.
TENTATIVA DE REGICIDIO.
O Timen de 18 do corronle, que hnntem se re-
cr!>eii pelo vapor inglez Slinho, d noticia de um
allcnlado contra a vida de Luiz Napole.io na sua
passigem em Toulon, referindo-se uma carta
com data de 13. Eis o que so lfi naquellc jor-
nal :
Toulon, 13 de selembro. Uma pessoa dis-
parou uma pistola sobre o imperador durante a
sua estada em Toulon. O brar;o do assassino, po-
rm, foi desviado por uma mulher no momento
em que dcscarregava a pistola, e assim foi frus-
trado o seu alvo. Ninguem flcou ferido. O assas-
sino foi pre30. Diz-se que elle demente.
Um despacho de Paris, porm, publicado nos
jornaes hespanhoes, hoje recebidos, desmente a
nolicia desle altentado.
ANCDOTA HISTRICA.
A .Vota Gazeta da Prussia publica a seguinlc
curiosa ancdota, que na aclualidade lem bastan-
te significago :
A 6 de julho do 1809, o general francoz Na-
del, frente d'um destacamento de soldados, ar-
rombou as portas do palacio pontificio em Roma
e entrou no gabinete onde eslava o Papa escre-
vendo, e inlimou esle a ordem dc Napoleo I,
CONSERVACAO DAS FLORES.
Segundo o Escoliaste Medico, um meio que diz
1 susceptivel de conservar as llores cortadas, con-
' siste em deilar uma colher de carvo cm p na
j agua em que ellas estao mergulhadas pelo p.
Nem a agua nem o carvo precisam ser reno-
vados o liquido mantem-se Iimpido.
GRANDES FESTAS.
de execuco, c continuadas por Wilson cora a
maior energa o rnuita perseveranca airares de
grandes difliculdades.
Mr. Wilson gosara do repulago europea, e era,
na larga accepcao da phrase, filho de suas obras.
Parece que comecra por ser chapelleiro, e desla
humilde classe se ilevou mais alta posicao do
estado, dos lugares importamos e maior autori-
dade as materias da sua competencia.
O seu primeiro bordo foi o Economist um
dos nielhores jornaes de Londres, que fundou,
muito lempo dirigi, e nunca deixou de animar
com a sua elevada intelligencia.
Em honra da imprensa ingleza, c da memoria
do lllustre Wilson, preciso declarar que lodos
os jornaes, sem excepcao, prestan homenagem
lealdade das suas intences c sentem profunda-
mente esto perda que, sobreludo, einbaraca a
reorganisacao das linancas indicas.
A unamroidade dcsis homenagens o sen
maior elogio. E parece que esta perda quasi
irreparavel, porque se pensa que o governo in-
glez diflicilnienle encontrar quem substua Mr.
Wilson ua niissao que desempenhava.
praticas do jornalismo.
Desgraeadamenle, estes jornaes forraam peque-1
na minora no meio das quatro mil tullas de lo- |
da a classe, que se publicara nos Estados-Unidos.. T erra-No
Se a opposicao do jornal desagrada, est exposlo j
ver as suas olficinas invadidas e arruinadas
pelo populacho.
Um dos primeiros jornaes daquella repblica
guardou absoluto silencio sobre uma questao de
paz ou de guerra, que o publico discuta apaixo-
uadamente. Inlerpellado pelos seus collegas,
sobre os motivos do seu silencio, responden :
Ha quesles em que um jornalisla nao pode
aveniurar-se dizer a verdade, sem se arriscar
ser. pelo menos, enfurcado.
ESTATISTICA.
Segundo os dados da es latislica geral, a Dina-
marca tem por cada 100 habitantes lt'O caberas
de gado varcum ; Suissa 85 : Wurlemberg 71 ;
E-c issia 62 : Auslria 53 ; Lombardia 50 ; Ilol-
landa 45 ; Hannover 40 ; o gro-docado de Ba-
dn 3'J ; Saxonia 35 ; Prussia 34 : Inglaterra 33;
as provincias rhenanas 39 ; os Paizes Baixos ea
Franca 29.
Gado suino tem a Inglaterra porcada 100 ha-
bitantes 33 caboeas ; o pro-ducado de Haden
31 ; a HollandaSS; a Bespanha 20
20 ; a Baviera 19 ; a Hungra 18 ;
15 ; a Prussia e os Taizes Baixos 150
Franca 14.
a Sicilia
a Irlanda
; Suecia e
A subscripcao que cora esle titulo se lem pro-
movido em lodos os paizes tinha produzido, at
4 do crreme, uma somma que se calcula era As noticias dc Argel dao fabulosos pormenores
setc milhes de francos. i dos preparativos que se fazem para a recepcao
Da subscripcao edo enipreslimo tinham chega-! do imperador Napoleao.
do Roma 6 milhes era barras de ouro, que fo- ; A N, s a cidade ds suas testas um cunho to-
ra m mandadas amoedar. do "ental, mas loda a colonia, desde TuHeis s
Em Roma o dinheiro de S. Pedro nao produzio fronleiras de Marrocos, est em movimenlo.
auasi nada i *dos os chefes de tribus, afrente dos seus ca-
Formou-so ali uma commissao presidida pelo valleiros de lite, estavam em marcha para se
principe Orsini para fazer de novo instantes con- ; harem na reumao geral. e conla-seque nao ha-
vitos, reduzindo a laxa das offerlas a mais exi- i f J600.^6, 60-00 rabes acampados as pil-
guas proporces
Para que o exemplo partiste da commissao, o
presidente mandou collocar porta uma salva
de prata, onde scahiram uns Innla escudos.
FESTAS NUNCA VISTAS.
O imperador e a imperatriz dos Francezes de-
viara chegar no dia 17 a Alger.
nicies de Mitidja.
Conlam-se cousas prodigiosas sobre o luxo dos
tragos e jaezes, que as feslas tse ostentaro,
primando cada tribu em apresentar o maior faus-
to possivel.
DOACAO IMPORTANTE.
O conselho municipal de Blois decidio-se ofTe-
recer ao imperador Napoleao, titulo de dote
As feslas que se preparavam para a sua recep- para o principo imperial'; o castello daquella ci-
cao promeltiam ser estupendas. | dado.
Levantavara-se arcos de triumpho em todas as o conselho geral do departamento associou-se
ras principaes, asseguraudo-se que muilos se- j este pensamento, e dirigi uma representacao
rao ornados de columnas vivas, islo grupos | ao imperador, rogando-lhe que aceilasse a da-
sobre-postos de bellas Judias e Mouraa, i ^a0 que lhe faz a cidade de Blois do caslello com
com os seus trages de grande ceremonia, e dc os bosques de Blois, de Bussve de Bolonha.
militares de lodas as armas.
MODELO.
O regedor da freguezia de...
Sertifica que a lrdera de Antonio Joaquim he,
Manuel Antonia Joaquim ; irma da dita Antonia
Joaquim, he maior hirdera, mais xigada, da fa-
milia da dita Antonia estes dois Rapares sao te-
deros hum da hutra morra a Antonia, he irdera
a Manoel Antonia Joaquim que foi nacida e
Balli/.ada nesla freguezia da... Concelho desla
V.a N." de Ourem qumarca de Tomar.
Por ser verdade paco este Alteslado de que
cima.
Esl cm popel sellado !
ACHADO IMPORTANTE.
Ha mezes falleceu. no lazareto dc Lisboa, um
passageiro chegado do Brasil. Os companheiros
Irouxeram-lhe para a hospedara a bagagem, em
que se comprchcndiamdous bahs. Procedeu-se
depois judicialmente inventario e arrecadacao
do espolio, para ser arrematado, A arremataco
teve lugar no dia 22, no tribunal da Boa Hora."
GRANDE TORMENTA.
A cidade de Leipzick foi arruinada por uma
terrivel tormenta, como nao ha memoria de
egual.
A' 27 de agosto, por volta das 7 horas da lar-
de, uma immensa nuvem, que corra do oc-
cidente para o oriente, parou de repente sobre
a cidade, Lineando massos de granizo condensa-
das. e com tal violencia, que ebateram muitos
telhados.
De 2300 predios c edificios pblicos nao houve
um s cojos vidros nao fossem quebrados no
lodo ou em parte.
O hotel de Villa (palacio municipal) teve mais
de 900 vidros quebrados ; o edificio do correio
quasi outros tantos ; a casa da Iterara Brockaus
1800.
O hotel Gerhard, cujo parque encerra o tmulo
do principe PonUlowski, a bolsa dos lirreiros, o
museu de historia natural e outros edificios tica-
ram muito arruinados.
UMA MULHER COM FORO MILITAR.
Terminou^em Venna o processo do general
austraco Eynatten que, aecusado de roubos ao
estado, na ultima guerra de Italia, se suicidou
na prisio.
A mulher do general, cujas dissipac,es foram
consideradas como causx do crime de seu ma-
rido, licou compromellida no processo e foi l-
timamente julgada pelo conselho de guerra, que
a condemnou tres annos de priso rigorosa. O
imperador, por comrniserac,o com os innocen-
tes tilhos, commuiou a pena em 3 mezes de pri-
so simples.
A baroneza de Eynatten comecou j a cumprr
a sentenca.
GRANDE CATA&TROPHE.
Houve ltimamente um grande desasir no
caminho de ferro perlo dt Manchester (Ingla-
terra).
O accidente leve lugar perto da eslaco de
Um individuo que quera lanzar n'um dos ba- : Helmsbire, 18 milhas N. de Manchester. "
hs, to minuciosamente o examinou que lhc j Uma fesla nos jardins de Bellevue, as imme-
descobrio ura falso, dentro do qual appareceu um
cont e cento e tantos mil res, em dobres de
riosos.
O defunto deixa uma fortuna de 20,000 libras
o muilos sobrinhos, uma governante eum cao da
va, de 15 annos.
O testamento diz assim :
" Lego todos os mcus bens aos fillios de meu
irmo, com os condires aeguintes:
Desejando reconhecer o servico que o meu
cao da Terra-Nova me fez, salvando-me a vida,
n'um dia em que me afogava, e querendo csta-
belecer uma renda em proveito da rainha go-
vernante, eu a conslituo ama, lulora o mi do
meu cao.
Os meus herdeiros naluraes sero obrigados
pagar-lhe da rr.iuha fortuna tolal uma renda as
seguinles condices :
c A renda durar todo o lempo que viver o
Terra-Nova, mas nem um segundo mais.
No primeiro anno que se seguir ao dia da
morle, por todo o lempo da \ida do Terra-Nova,
a minha governante recbela uma libra por cada
um da.
a No segundo anno duas libras por dia, no
terceiro tres libras, c assim progrcssivamenle at
morlc do cao.
< No mez da morte do cao, a mesma gover- *
nante receber 25 libras por cada dia de exis-
tencia do dilo cao, nesse mez.
No da da morle do cao, receber por cada
hora de vida que livor nesse dia ciucoenta
libras
Na ultima hora da vida do cao, receber por
cada minuto 75 libras e por cada seguudo do ul-
timo minuto 100 libras.
O meu labellio fie a encarregado de velar
pela execuro desle testamento.
Duvida-se que a fortuna chegue para cumpri-%
ment destas disposiees testamentarias.
215000 e pegas de 8&000.
A curiosidade do licitante foi um grande bene-
I ficio para os herdeiros do finado, porque at
diaces de Manchester, linha atlrahdo muila
gente, sendo preciso tres irens consideraveis pa-
ra reconduzir os viajantes.
Os ires Irens sahiram de Manchester s 11 da
noite.
GRANDE INCENDIO.
No dia 27 de agosto houve em Smyrna um q-
cendio que destruiu 2,000 casas.
Foi uma causa occidental que produziu este
grande sinistro, que reduziu um immenso
montao de cin/as consideraveis valores.
GRANDE CONSUMO. ,
O Liverpool Mercury d conta do enorme
consumo de conestiris c lquidos, na revista
dos voluntarios, que em Knowsley teve lug3r
no dia Io do correle.
Os pasteles distribuidos aos voluntarios pe-
saran de 5 6 toneladas, sendo precisas 10 car-
retas para os transportar de Liverpool.
A cerveja fabricada em Kno\v*ley enchia 25
qu artolas.
Para fazer os pasteles para os voluntarios em-
pregarara-se 80,000 arralis de farinha, 6,000
arralis de carne de vacca e de porco, 5,000 ar-
ralis de manteiga e 2,000 ovos.
Us lquidos para o publico em geral compre-
hendiam um numero illimitado de girrafas de
champagne, de vnho de bourgogne, de agur-
dente, de whiskys, ele., sem contar os milhares
de duzias de garrafas de cerveja e de porter e
uma quantidade quasi fabulosa de soda valer,
de limonada e oulras semclhanles bebidas.
Mr. Morrish, o fornecedor. tinha, alm disto. K
no campo 60 barra de cerveja dore e 50 barris
de. cerveja amarga superior de Allsop. Empre-
garam-se para as saudwiches 30 presuntos, 15
pernas de boi, 50 linguas, 1,000 arrateis de pao
e 3,000 arrateis de manteiga. Consumiram-se
lambem perto do 3,000 pastis de mol ton
moicbray de Leicesler, 1,000 duzias dc pasteles
de carne de vacca e de porco, 500 duzias dc
pastis pequeos, 500 arrateis de queijo Ches- *
ter e quantidades incalculaveis de pasteleras
leves.
Vinle carros d'agua, enviados pela repartido
do saudc de Liverpool, forneceram mullidao
sequiosa urna bebida agradavel e refrigerante.
(Commercio do Porro.)
PERN. TYP. DE M F. DE FARIA. 1860.


-------


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZ8NXPG7B_9149WA INGEST_TIME 2013-04-30T22:27:23Z PACKAGE AA00011611_09468
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES