Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09442


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1846.
Sabbado 17
O DIARIO pubHci-e lodoi oj din que nao
Forero da guarda: o preco da asignatura lie (le
ifiiOO n, por quartel, pigot ndianladns. Os
a un uncios dos assiinanles so inseridos a razio
do i ris por ludia, 40 ris en tvpo diferen-
te, e a* repetice -U metnde. 0$ que nio fo-
rem assignantes pig.jsO rea por Urda, e 100
.... !)',
PHASES DA LA NO MEZ DE OUTDBR.
1,11 clieia a 4 as 7 hora e 48 minutos da Urde.
Mingoaulea 12 a I lloree 47 inin. da man.
La no a 2" a i hora e 24 inin. da manh.
Cretcente 17 aos49 minutos da tarde.
(PARTIDA DOS CORRIMOS.
Goianna e Parahyli Segundas e Senas feiras.
Rio Grande do Norte, chega as Qturtas feiras
no meio dia e parte uas mesinas horas as
Quintas feiras.
Cali, Serinhaem, Rio Formoso, Porto Calvo e
Macey no l., 11 c 21 de oda ntez.
lina r. itn.ni-, io 1-4.
Boa-Vista e Flores a U e 28.
Victoria as Quintas feiras .
Olinda todos os das.
PREAMaR DE HOJ8.
Primeira a 2 ti. ti minutos da Urde.
Segunda a 2 b. 10 minutos da tnanhfa.
de Outubro.
Anno XXII N. 452.
das da semana.
12 Segunda. S. Cipriano. Aud, di J. dosorpli'
edo J.do C. del. .,doJ M da 2. t.
13 Terca. S. Eduardo Aud. do J. do civ. da t.
v. e do J. de pal lo 2. dist da t.
14 Quarta S Caliste Aud. do J. do civ. da 2.
v e do J. de par do 2 dist. de t.
i> Quima S Thereza de Jem.1. Aiid.doJ.de
orphos, do I municipal da I. rara.
tti Sexta. S Martiniauo. Aud. do J. do civ. da
I.t. ,-edo J. de paxdo i. dist. de t.
7 Sabbado. S Florentino. Aud. do J. do civ.
da I. ., e do J de paz do I. dist. e J. de f
18 Domingo. S. Lucas Evangelista.
CAMBIOS NO DIA 10 DE OUTUBRO.
Cambio sobre Londres 17 / d. p. I#a 0 d.
ii Pars S4S rtis por franco.
Lisboa 100% de premio.
Dse, de letras de boas firmas I ViP-'/a*0""1-
OumOnrashespanliolas-. JOfOOO a 11(2
Moedasd>lftOvel. I0o a IM80O
de 0|400 nov. t#000 a lufinn
. de 41000... 9/100 a fMOn
Prala Patacoes........ 1*090 a 2/0<>
j Pesos columoares l|B90 a 7|0O0
a Ditos Matcenos. Miudl.......... I|760 a l#780
A ccoea da Comp. do Belxtribe de i0#000 ao pa r.
DIARIO DE PERNAMBUCO
.. .- __.*
PAUTE CFFICIAL.
MINISTERIO DOS ESTRANOEIROS,
Illiu. e Exin. Sr. Drscjando ogoverno imperial pre-
venir oceurreneias desigradaveis nrssa provincia cota
os agentes consulares estrangriros, de qtialquer classr
nientes ordens s respectivas autoridades, |iara, rrs-
prlto delles, prorederein coin a malor clrcumspeccao,
atientan e urbanidadr, devidaa ao sen carcter publico,
declarando-Ibes, que sao riles tutores natos dos leus
compatriotas, e pdem representar ronlra quaesquer
injusticias e vrxacrs, que aeIhes queiro fazer, r contri
osarlos, qoepossiio Impedir o exercicio do coinmercio
e indiisii ia. que, conforme as leis do paiz, nao Ihes for
vedado; que no exercicio de suas funecocs devem ser ri-
les respellados, assim como o devem lambein ser por
inviolavris o aeus archivos e papis, (cando piii ludo
inais, quanto s suas pessoai 3 bens, tanto no i i vi I,
como no crlmc, siibjeilos jurisdicco do imperio, sem
mitras iininunidades, que nao forem expressan'ule de-
finidas por tratado ; que quanto Franca, ser preciso
attender rouiosSo, ou srrao us cnsules brasileos alli
tratados, pelo principio de reciproeidade estipulado nos
artigos perpetuos do tratado de 8 de Janeiro de 186, ce-
lebrado entre as duas potencias. Mui serias consequen-
cias podem originar-se de conllictos, que alias podein
ser removidos, e o sao de ordinario por via diplomtica,
preferivel pin todo o caso aos meios violentos, quando
(lestes se pode prescindir; oque V. Ex. deveri insinuar
i qui'in competir, para que nos casos graves taes como
os deprises, penhora, sequeslro, eoulros de igual na-
turrsa, se assiin o peruiittiiein as cireiimslancias, seja o
governo imperial prevenido por iiitermedin drssa pre-
sidencia teuipo, para provera respeilo,na forma do es-
tvlo, e como oexigirriuo decoro e as conveniencias na-
cionaes. Dos guarde aV, Ex. Palacio do Rio-de-Janei-
ro, 5 de setembro de 1846. Baraii de C'ayru'. Ao pre-
sidente de.....
Coriiniai'do ('av Amias.
QTARTEL-GENERAL EM PERNAMBI'-CO, 19 DE
DEZEuliRO DE 1844.
OSDEM DO liu N. 3.
O brigadeiro coiiiinaudaiide das armas julga conse-
quente dar publlcidadc ao $ 8 do regulameiito de S di
maio de 1843, concernente's suas allribiiicocs, para
que os militares desta guarnirn rompan rilrirllllaflr
o que no menino se acha disposto.
8. Mauter as legularidades dos uniformes,nao con-
sentindo, sejao estes alterados por qualquer pretexto que
seja; ueui <|Ue os individuos sob seu coiumaudo impo-
nliao maior graduadlo do que aquella, de que gozao,
usando de bordados, galrs, canolillios oudistinctivos de
postus superiores, c ih'iii que se aprsentelo us quar-
teis-generaes ou ein actos de servido sen jo cotn os uni-
formes estabelecidos.
.liilniiiii Correia Seiira.
yUARTF.L-GENERAL TciDADE DO RECIFE, 27
DE JANEIRO DE 1846.
iiiim m no ni v n. 13.
O brigadeiro eommamlante das armas drseja, que os
Senlinres olneiars existentes nesta guarnicao se pene-
trein da verdade, de que o uso promiscuamente de dis-
tiiiitivns, que assignalao os militares, e vestidos dos
paisanos, he Improprio dn uniforme dos militares do
exereito. (,'oiiiprehendendo a disposicao do 8 sob o
art. 2.' do regiilaineiitn de 8 de malo de 1843, transcripta
na nidem do dia 19 do prximo passado niez, lodos os
individuos, sob o coinmando do mesmo brigadeiro, in-
teressa qurlles, que leein pretendido restringir tao ex-
pressiva coinprehrnso, lian o couipi llirein aobsrivai-
Ihes mals forleinente acerca do estrelo cumpriineulo
da referida disposieiio. ^nonio Correia Sera.
QUARTEL-GENF.HAT. DA CIDADE DO RECIFE, 14
DE OUTUBRO DF. 1846.
onut.M do da n. 128.
Na confnrmidade do regulamento de 1764, dar-se-
ha o toque de reeolher as 9 horas ; o que se faz publico
de nrdeiu do Sr. general comniandante das armas, para
devida execuco. JoiiHa Silva Guimarei, ajudante de
ordens.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAMBUC0.
LISIO. 25 DI GUSTO DE 1846.
A tropas enviadaa pelo governo, para debellarein os
bandos migue lisias, que se npresentro ein algumas
I-uvoaccs das provincias dn Norte, desempenhraoca-
balmente o seu deve. fazendo desapparecer ein breve
isaes resumidos fanticos do absolutismo e da Ivrannia.
Ein conseqiieneifl.pnis. da extineco quasl total cfas guer-
rilbaa luiguelistas, porque parece, que anda existem
alguna pequeos bandos as montaubas ou serras, o*
ipiaes nao inspirao receio algum, as tropas teem-seeon-
eeatradn, oecupando vantajosasposlcdes, para paelca-
rein de todo o paiz, ou perseguirem de novo os tuibu-
l< iioa, no caso de saln ein a campo ; o que muito duvi-
damos.
Knu|uanto, porm, os iniguelistas das provincias aban-
donSo os armas, recnnhecendn a insiilneieneia da sua
forea, apparece um jornal em Lisboa, jue sedliorgo
desse partido, e que se intitula 0 IVi&troo d$ Alma-
cave
As doutrlnaa emlttidas por este jornal nao estao mul-
to conformes cnin o seu titulo ; pola que, dizendo-se 7'ri- ._
oimo, nao advoga a causa popular. Pelo contrario, nao soube, que licavao novainente a 46. Os Cahraes niio
se fazendo cargo dos excessos praticados na poea da
usMrpacao. atara cotn virulencia os ei ros comniettldos
d.ais, aem conceder, que se tenha feito cousa alguma
Sem declarar, que o seu dolo he D. Miguel, d bem
a conhecer, que nio deieja outra coua; poisque logo
no seu prineiro numero dirige a inais forte descompos-
tura a varios cavalheiros realistas, que hoje teem abra-
cado a causa da liberdade Entre os atacados figura o
*r- **evedo Velho, que, tendo-se envolvido na reTolOcW
do Minho, foi noineado pelo governo administrador ou
governador civil de Jlragn, Y, quando apparectrao as
gucrhlha uiiguelistas, publlcou ama allocu;io, em que
declarava aquetles bandos nimigos da patria, pois
qucrifio fazer resuscilar una causa morta, clamando
por I). Miguel, que de lodo havia acabado para Por-
tugal,
Foi isto bastante, para que varios individuos migue-
listas do Porto, entre elles o advogado Francisco Jernny-
iho da Silva c o vi conde da Varzea, fiessein una decla-
rarlo nos jornaes, recusando formar parte da candida-
tura a dcpiii idos i um o dito Azevedo Velho ; allegando
ler elle renegado dos seus principios politicn. 0 pro-
ced11nenlo do \ seiiuile d 1 \ arze.l lie altamente rcprellcn-
sii el ; pois que, leiido-llie sido dado o titulo por D. Mi-
guel, e haveudo servido no cxrrcito deste como coronel
dos voluntarios realistas de Lamego, nao sci llie foi con-
firmado o titulo pelo governo da rainha, mas at o no-
inero coronel de um dos batalhdes da guarda nacional
do Porto, de cojo coinmando se demitto.
Esta controversia entre os corifeos realistas lem da-
do lugar a urna activa polmica, tanto nos jornaes do
Porto, como nos desta capital, descritniiando quacs se
devem considerar amigos, e quacs iuiniigos da nova or-
deni de cousas. Oiiauto a nos, parece-nos, que esle pro-
cediiuento dos partidarios do anligo rgimen nio he
muito favuravel ao partido deque forinao parte. A con-
dn .ni deste partido linha, ha lempos ,1 esta parle, melho-
rado muito; os amigos odios bavio-se extinguido, e
qur una qur outra das fraeces, ein que est dividi-
do o partido liberal, havia admittido no seu seio inciii-
lu'os da coinmunliao iiriguelisla, dando-llic mais ou me-
nos consideracao. Agora mesmo, havia a ideia de a-
poiar mu grande numero de candidaturas realistas, atlm
de que este partido fnsse digiiamenle representado no
parlamento, porm duvidamos muito, que ivso se rea-
lise, alienilendo ao posterior procedimento, que teem
tidodiversos ineinbrus desie partido, faiendo reverdecer
a deseontianca, que seaehava (|uasi totalmente extiucta.
Aceresce lambein a islo um facto, que n'outra poca
passaria desapercibido ; porm na occasiao, ein que
os iniguelistas acabao de fazer demonstracoes bellicas
uas provincias quando se publica um jornal migue-
lista e quando Ribeiro Saraiva nao cosa de enviar
para Portugal proclamaccies e protestos em nome do seu
ral esenhnr I). Miguel I, nao tem deixado de chamar al-
tamente a attenco publica. Apresentou-se, ha poucos
das, na casa da inoeda um mordomo da casa do duque
de Lafdes coin diversas pe^as de prata, para seren fun-
didas em dinhelrn. Dil-se, que esta l'undicao produzi-
ra 12 contos de rls; e suspeita-se, quesequeira appli-
car esta soinma a alguma tentativa miguelista. 0 (tu
que, que se acha em Italia coin a sua familia, he Un
decidido sectario deste partido.
Assrgura-se, que os redactores do Triduno de Almaea-
re sao dous ofnciaes do exereito de I). Miguel, c nato
dito peridico se publica sem as competentes habilita-
cOes, abuso, que o governo tolera, para nao se asseine-
lliar ao governo cabraluo, que se galardoava de ser o
perseguidor da imprensa Esta tolerancia do governo
actual estende-se aosjornaes cabralistas, Trlegrapha e
Reilauracao, que se aehao no mesmo caso, que o Irilm-
ii'i, que nao obstante isso publicao todos os das os
inaloYe.s embustes e falsidades; ora dizein, que a rainha
est coacta ; ora chamo aos ministros usurpado-
res, &c. &C.
Teem-se apresentado algumas duvidas na nova capi-
t ilisai ao das notas do banco. Receia-se, que o gover-
no emita papel inoeda, e por isso varios possuidores
de notas forao pedir cxplicaccs aos directores do ban-
co sobre a clausula, qucuiz : O banco Ih'o devol-
ver (o fundo ou capital) ein prala, notas, ou na inoeda,
que tiver curso legal. Parece, que as cxplicaccs
nao teem sido satisfactorias, eissotem concorrido, para
que a allluencia na capitalisaco tenha diminuido muito.
As reunies de accionistas do banco, e das eoinpa-
nhias, (Inio Commercial, Confianca e ulna- Publicas
continuad sem intei i upeao ; porm desgracadaineiite
estes lionien de diuheiro nao t.-em podido harmonisar-
-se. Cada um ptixa para sen lado, e manifesta o maior
egosmo.
Tein-se procurado laucar mao de varios expedientes
coin o liin de reslalielecer o crdito, porm nenhiim
dilles al agora lem surtido un salular ellcito. Entre
os imaginados figuro:primo, emittr inais 2,000
arces; secundo pedir aosaccionistas inais2OO#OU0 res, e
augmentar o valor das acedes existentes; porm nein mu
nein nutro desies expedientes encoiitrou sectarios ; o
primeiro, porque, reinando hje a maior aversao aos pa-
pis de crdito, seria um grande desacert ir inundar o
mercado com mais 2:000 aeces ; o segundo tinhaVon-
tra si a impossibilidade de obter dos accionistas a quota
exigida.
A moratoria, que se concedeo ao banco, leriuinou no
dia 23 do correte, e foi prorogada pelo governo poi
mais quarenta dias. Esperava-se, que o prazose pro-
longassc at ao fim do auno, porm nao aconteceo
assim. A|ie.ii da iliiiiinuii.ic i dopia/o, o agio das no-
tas continua do mesmo modo, e esta medida nada tem
influido nisso. Continua a capitalisaco das notas, e
parece montar j a 1:400 contos asomma cpltaliaada,
existindo, segundo asseguro, s em circulaco uns
1:800 contos em notas.
O banco lem procurado faterailguns einprestlmos ein
Inglaterra, porm niio os tem realisado, porque alli
pedem de juro 20 e 30 por 100, e he isso o que o banco
nao pode dar.
Os nossos fundos em Londres soffrrao agora urna bai-
xa consideravel ; mas momentnea. A causa desta baixa
foi, segundo se di/., una traiipolina do conde do Tojal,
que se acha naquclla eidade. e, para aggravar mals a
uossa situarn liiiaiicelra, e obi decendo s instigaces
calo alista., l.iiieoii no mercado lodos os hund, que
pnssiie, com ordem de os vender a lodo o preco ; porm
Trcoiuendou ao seu agrille, que nao se desfizesse delles,
e s prnduzisse por esla abundancia de papis no mer-
cado o ellcito desejado, que era a baixa dos fundos.
I ses descro coin etteito de 46 ein que se acbavo a 36,
porm apenas seconheceo, que era rebate falso, torna-
ran logo a subir e cotn a chegada do ultimo paquete se
soube, que licavao niamente a 46. Os Cahraes nao
perdrin ensejo algum, qnr dentro qur fura do paiz,
para empecer a marchada nova ordem de cousas.
Colisin ao governo, que alguns soldados da guarda
.....iiicipal e dous omciaes frrquentavao auiiudadas ve-
zei a casa de D. Carlos Mascarenhas, comiiiandaute dn
dito curpo, no lempo do governo cabralino. Islo inspi-
rou suspeitas e por conseguate o governo ordeoou,
Sur fossein despedidos das diversas cmnpaiiliijs da rc-
crida guarda uns 60 soldados, que ero condecidos co-
nt decididos partidistas dos Cabraes, reservando-se lo-
mar providencias a reipello daquelles olliciaes, que Ihe
nao iuspirassein conlianra.
Posicrlormente constou lambein ao governo, que va-
rios olliciaes dos que leein sido enllocados ein dispon
bilidade trainavao contra a ordem de colisas estabelecl-
da ; ein consequencia (loque, ordenou-Ules, que eseo-
Ihessem quartel ein diversos pontos distante de Lisboa
qualro legoas. Parece, que alguns ofliciaes subalternos
obedeccrao logo ao governo ; porm varios superiores,
como os coronis Barros, Marcrlly, Sola, c o tenente-
coronel I). Carlos de Mascarenhas, recusrao obedecer.
Os jornaes cabralistas 7Vt>uropho e ReitauracAn ehani-
rao decididamente os oficiaes a revolta, aeonselhando-
os a que nao obedecessem aogoverno,e a/iMlaurufo le-
vou a lauto a sua ousadia.qiie, recordando ao regiment
ti.0 16 odesgracado incidente da sua chegada do Porto,
j de lodos esquecido, injiiriou desaforadaueiite o go-
verno, di/endo aos seus membros, que, estando no po-
der por horas, aluda se alreviao aoppriinir os seus ad-
versarios A crise ia lomando um aspecto serio Um
sargento da guarda municipal e um soldado da mesma
forao presos a sabida do quartel do Carino, quando se
dirigiao a Henifica, onde resida osen anligo coiiiman-
danle, D. Carlos Mascarenhas : o sargento ia armado de
una bengala de estoque, e o soldado de um varapn.
O povo. saliendo deslas oceurreneias, reuno-se em gru-
pos no Roco, disposlo a suslentarogoverno, e pedindo,
que se IcabUM de nina vez com cusa gente incorrigivel,
que s quer governar aludo o eusto.
O governo, pois, toinuu as suas providencias, e fer-se
obedecer. Ordenou aos coronis Marcellv, Barros, c Sol-
la, que fossem para os pontos, que llie havia designado,
sob pena de os mandar eucarcerar na torre deS.-Juliao
Estes, vendd, que Ibc l'allira o plano, obedecirao.
I). Carlos, porm, que reeebeo a mesina ordem para
se redrar para I.onres, optou para Cintra, para oude
parti.
Falla-se da demissao de varios olliciaes da guarda mu-
nicipal, e parece, que qualro j Ionio deinittidos ; mas
esperSo-sc mais exoneracoes.
Os cabralistas ttverio una reunio no dia, em que es-
pcr.iv;io, rebentasse a COOMiracAo, em casa de Gomales
bravo, ministro de Hespanha ; mas, vendo, que a cousa
no linlia ell'eilo,dissolverao-se.
A desintelligencia eo.n a Hespanha concluio satislac-
toriaiuente. O governo maiidou inleriiar os emigrados,
que cstavo na fronteira ; e por coiiseguiute assegura-
se, que o governo lie-pauliul mandar retirar as tropas,
que approxinimi a fronteira, para os seus anligos aean-
tonamenlos. iambeui se assegura, que Gomales Bravo
ser exonerado da misso diplomtica, que excrec nesta
corte.
Para se conhecer quanto aqui desejao a retirada deste
pri tendido diplmala, relerirei una anecloda ultima-
menle occorrida nesta capital l'in magann leiubruu-
se de enviar para o jornal I) Patrila um auniincio, pon-
do em leilo O i polio do anligo redactor do Guirigay.
So dia se mu o p- Fui invadida a casa, em que (ion/a les Bra-
vo habita, na ra Nova-da-Trind.ide, |ior nina chusma
de amigos, curiosos c compradores. Iiuagine-se qual se-
ria u sen de.peno saliendo a causa de tal iuvaso. Illl
meiliatamenle ludoaadou u'uma dobadoura. Criados,
addidos, agentes, e al o dono do primeiro basar, por
intervine ;ln do qual se aniiunciava rcalisaco do lei-
bio, tiznan deelararoes e contra-anniiiiiios, desinenliii-
do o que apparecera no Patrala. Entrclanto, leiiibran-
ca nao deinou de ser celebrada nos circuios da capital.
Entrn iillini.luiente no Tejo una es(|iiadra inglesa
cnminaiiilada pelo almirante Parker, e composta de tres
naos de lid pecas, i de 110,1 de'J2, 1 de'JO, I de 84, e 2
de So e tres vapores de grande forea. Esla foriiiidavrl
csquadra, depnis de permanecer aqui alguns dias.tornou
a sabir para cruzar uas costas de Portugal, deixaudo no
Tejo apenas duas naos, que se commiiiiico com ogros-
so da csquadra por meio de vapores. Parece, que poste-
riormente I mesma csquadra fora rel'orrada com qualro
fragatas. Acreditase, que a viuda ao Tejo de lanos
navios fura nina deuioustrarao amigavrl da parte da In-
glaterra a ihis-o favor, quando as relacoes com a Despa-
lilla cstavo algum tanto embaracada.
O marque/, de I.oul foi nonieado governador civil de
Coioilira, para oude parlio, e aonde consta ler ildo nia-
gnilicaiiienle recebido. O inarquez he um perfeito ca-
valheiro, de geuio cousiliador, e por conseguidle espe-
ra-se, que conseguir pacificar completamente os ni-
mos, e governar de modo, que satisfar os seus admi-
nistrados.
No dia 23 houve na praca do Canipo-de-Sant'Anna
urna bullante corrida de Ionios, leila por curiosos, em
beneficio das familias desvalidas do Minho.
Falla-se da publicaran de una Reviita seinellianca da
Revilla de Edimburgo, que em breve dar luz a assn-
mm .ni do Gremio Litlerario
JORNAES INC.LEZES ATE' 1DE AGOSTO.
.Na cmara dos lords tratou-se, no dia 10, da primeira
Intu i do projecto sobre os dirrilos dos assucarcs, de-
monstrando o conde de Clarrndon quanto era regular a
api esenl.irn do (lito bil depnis das medidas luillaitas a
favor da liberdade de coinmercio, no que di/, respeito
aos rereaes.
Lord Stanley protrslou contra a iniidanra, que se pre-
tenda fazer.nesses diieitos. Tratuu de inconsistentes
osque em 1844 se pronuiieiarao pelo direilo diferencial
snliieiiassiic.il, producto do trabadlo escravo, c agora
queii.io aboli-lo.
Lord Ashbuston expoz, que a adop^ao do bil envol-
va a quesiau das colonias, e lord I ronmham. .que iiiti
tilisava os tratados para a suppressao da escravalura.
Fechou o delade h id Grey, emllliiido as niesnias opi-
nies, que lord Clarrndon.
Lord lieaiimont pedio a correspondencia do governo
com as cortes de Vicua, Berlim e Sio-Petersburgo,
sobre os acontecimentus de Cracovia, ein que houve
violacao do ii.it.adn de Vieuna.
O inarquez de La|itdowiic respondeo, que a oceupa-
co de Cracovia pelas foi^as da Russia e Austria fra de-
vida insurreicao dessa eidade, e de varios pontos da
Galiiia, mas que, sendo contraria ao tratado j citado,
devia ser temporaria e que Ihc conslava haverem-se
mtabulado necociaces para rcslabelrcer o anligo go-
verno civil de Cracovia.
No dia 13 tratou-se da segunda tritura do bil dos assu-
carcs, a qual o bispo de Oxford propos, que ficassr
adiada para d'alli a ires mezes. Esta proposta foi com-
batida pelo inarquez de Lansdownc, e rrjeilada por 28
votos contra 10
Na cmara dos eoiumiius lord John Russell explicou,
na srsso do dia 7, os motivos, porque o duque de W< I-
linglon diminuir o nuiuero dos acoutes no castigo
dos militaros, nao concordando por em quanto na sua
total abolicio.
O Dr. Bowring lastimou, que se rao abolisse a pena
dos aromes depois da manifesuco da opinio publica
instentou, que o castigo, apezarde limiado, eralUnes-
to. Disse, que na Russia 12 golpes de knout, dextra
mente appllcados, podloniatar.e que SO acoutes, dados
por qiiem nao tlvesse cnlranhas, poderio equivaler a
1:000 aromes ordinarios. Oecupou-se com ocaso do
soldado' While, que morreo ein consequencia do casti-
go corporal, e concluio, pedindo aogoverno, me an-
ticipasse o periodo da exllnecao de pena tao cruel.
coronel Peel julgou necessario o castigo corporal,
einqii inin o exereito britanuico tivesse a actual orga-
nisaclo. Mr. VVillins foi da inesina opiniao.
O capito laie..ai d folgou de ver, que as auloi-idades
militares propendio para alterar o castigo corporal.
Defendro o coronel W'hite e o Dr. Warden dos ataques
da imprensa. Nao approvou o expediente, adoptado na
India por lord Hardingr, por iiitroduzir de novo o cas-
ligo dos aroules nos corpos dos sipaes.
O coronel Reid, foi.de opinio, que nao se abolisse a
pena corporal, por ser a nica, que inspirara recelnos
liouiens de m ndole.
Depois de mais alguma dlscusso. a nioco do Dr.
Bowring foi rejeltada por 97 votos contra 37.
A cmara tinha-se oceupado depois com o or9amento
da artilharia. com o MH sobre o uso de armas na Irlan-
da, que leve segunda leilura, com a reduccao dos dl-
reitos sobre o rhuui. e coin outros assumplos uienos;
iin portantes.
(Revnlufo de Setembro.)
joiines rajUNCtUl rr' 17 U uosro.
Nesie dia liavia o rei Luit Philippe aberto a nova le-
gislatura, com o discurso, que abaixo transcrevemos.
Nesta ceremonia nada tiulia nceorrido de notavel.
No dia 18, devia reiinir-se a cmara dos pares, para
tratar do processo de Jos llenry, autor do alternado de
20.de jnlho ultimo.
A csquadra do coinmando do principe de Joinville a-
char se-ha em breve em aples depois de faser agoada
em Siraeiisa.
Em Genova se estn fazendo grandes preparativos pa-
ra a abertura do cong esso de sabios, que deve verili-
ear-se no dia 14 de setembro. Neste dia parece, que
tambem se inaugurara o inoiiuinciito erigido a Cliristo-
vo Colombo.
Parece, que a corte de Vlenha tem drsapprovado a po-
ltica seguida pelo papa, e at se falla de una nota di-
rigida coin esle motivo pelo gabinete austraco a S. San-
tdade
Na cmara de Athruas continuava a tratar-se do orna-
mento e tinha-se approvado a verba para as misses es-
trangeiras, que a conunissao propoz, se suppriinisse, em
consequencia de ler o governo manifestado cmara,
que importar pros'perldade e iuteressrs da Grecia o
ler representantes uas cortes estraugeiras.
Diieurio do rei doi Franceiei na abertura das cmarasle-
gislalias, no dia 17 da corrale.
Senliores pares e Senhores diputados : Experi-
mento una viva salisfaco, vendo-vos reunidos em roda
de inin.
Na poca cosluinada dos vossos trabalhos me oc-
cuparei coinvosco dos negocios internos e externos do
estado.
Moje, convocando inmediatamente as cmaras, se-
gundo o desejo da carta, chamndoos pares Horneados
sde a ultima legislatura, c os deputados, que a Fran-
fa acaba de honrar coin os srus votos, para que venho
prestar ante inin o seu juramento, anhelo ardentemen-
te, que recebis ao mesmo lempo a expresso da lat-
ina adbesan completa, inalteravel da nossa patria, e da
miiilia eonlianca nos vossos sentimentos para a minlu
pessoa e para a niiiiha lamilla.
i, Aprend desde a min Infancia a amar e servir
Irama Chamado ao throno pela sua vontade, e para
salvar as suas liberdadcs, bei consagrado aminhavida
i cousolidaeo das suas Instituces e ao desenvolvi-
uenld pac lien da sua prospri idade e cngrandeclinento.
i Nio ha pi ova-, que para isso nao soli'ra, e que nao
saiba suppoilar, com tanto que alcance um objecto lio
grato ao ineii coracao.
A Providencia permittir, assim o espero, que con
o apoio das cmaras e a aiinuencia nacional, se veja con-
solidada esta obra nacional. Os incus filhos c os vos-
sos recolliero os seus fructos, e se a Franca, llvre e fe-
liz, gurdala de nossos conimiins esforcos nina record i
v'o all'cctuosa. telemos recebido, tanto vos, como eu,
.Senliores, a mais bella c mclhor recompensa.
(/des..)
FOLHAS DE PARS DE 3 DE SETEsIBItO.
A nova cmara dos drputados approvou naquelle da.
por nina grande maioria, a seguinte niensagein ein res-
posta falla do throno.
Seuhor.A cmara dos drputados respondeo promp-
tamente ao chamado de V. M. A vontade da carta tinha
de ser cumplida, c eslavamos todos anciosos por apre-
sentar ante o throno constitucional os nossos respeito
e juramentos.
V. M. nos a n o inicia, que no periodo dos nossos tra-
balhos nos propor medidas relativas aos negocios In-
ternos e externos do estado : entao entraremos n'uiu
exanie das questes, que rrspeito t todos os Interessea
do paiz, sua prospci idade e sua grandeza: mas neste
momento temos de cumprir urna misso, que amamos.
A Franca rncarregou-nos de por ante V. M. afieleapres
sao dos sentimentos, deque ella est possuida para coin
V. M c sua real familia.
Ao honrar-nos coin os seus sull'ragios, ella declamo
altamente, que a alliauca entre ella e V. M., entre ella
e a vossa dynastia, lie iudissoluvel.
Seuhor. V. M. apiendeo desde a infancia a amar
e servir a Franca ; nao ha provas, por que V. M. nao te-
nha passado, nein perigos, que nao tenha corrido todos
os dias, para assegurar-lhe o repouso e a frlicidade. A
Providencia protege a V. M., e prolongar aquelle rei-
nado, que a vontade nacional fundou paraseguranca das
nossas bis e das nossas liberdadcs. Assim, V. ti., como
seus filhos, eolher os fructos dos nossos ciforco* com-
iiiis; c como a mais sublime recompensa, vivir o
nome de V. M. abrncoado c respeitado na memoria do
pas.
No decurso da sesso chainou M. Larabite a attenco
dos ministros para os incendios, que ltimamente deso-
lrao mu.os departamentos da Franca, c particular-
mente o de Yoiuie, de que elle era representante O
ministro do inierloa disse, que ogoverno tinha tomado
as necessarlas medidas, para prevenir a oceurrencia de
uina ealamidade, cujas causas nao erao aluda conheci-
das, posto que rigorosamente investigadas pelos magis-
trados, i omtudo. muilos incendiarios esiavo entre-
MUTILADO



-----TI
-----
I
tu i':- .1 jiMii, .1, c mi lio brevemente julgados. 0 minis-
tro opinou, i|in' por i-nio una discusso no parlamento
nouoo cunt i lu ni.i i >.- .- i. -mi 'ili.n ii mal M. Valout deo
tcstoiiiunho da solieiludc manifestada pelo governo, e
la cmeacfa das medidas, que elle havla proscripto; t
id |i .1- llealgllllins nlisorvariVs do M. I.:l II ik 11. t .11111 <-1 i I)
ein .jii-ifio.iv:ln do partido legitimista, a cnjos agentes
se impulavo essea incendios, deixando-se de niao o in-
cidente, M. Mauguin, suggerio cmara a necessidade
da reforma eleitoral, o M. Arago discorrrn sobre as sce-
nas de violencia, que nccorrero cmPorpignan, duran-
te a sua ili'ii .ni. O ministro do interior rcspondeo a
ambos, e adiou-e depnis a enmara.
l'ina joven princea casada, lilha de um ox-rel. fngio de
i'aris ni nollede2 de setembro,com um pintor hollaudei.
O Commeree annunciou a chegada de Mr. Cohden a
Bordeaux, nn dia 30 de agosto. Os uiercadores daquel-
la iilade propiinhfio-se a ollerercr-lhc un jantar, no
dia 1 'de setembro.
lina carta de Pars fazia monean de desordena, que
havio oceorrido em Turin.
FOLHASE CARTAS ni PARS DE 7 DE SETEMBRO.
Urna carta particular di/la, que o governo franroi es-
lava lo aneiosn por ver convenientemente execulada a
ordeni da rainha mi de llcspanha, a respello dos enxo-
MM para as sitas aneustas filhas. que um artista de me-
rilo superior, dolido por molestia no hospital de I,a
l'iii, fra rondiiiidn para sua casa, alim de liabalhar
ii'iima caixinha do jnias de rara belleza para a infanta.
O duque do Monlpensier devia voltar a Paris, ateo
hin da secunda somana doselemhro, c depois de se de-
morar alguna dial naqiiella capital, partira para Ma-
drid! 18. O principe devia s-r acompanhado para a
lli'-l'-inln pelo duque de Nemours. J estavao eni pro-
grosso nns Tiilhorins os preparativos para a sua jornada.
O general Narvaoi parti de Paris para Madrid, no
dia 7, acompanhado por sua miilher. A sua jornada,
que dev-ra ler comorado no dia anterior, havia sido de-
inorada por una raso particular. Multo receio havia
ein I'aris. de que brevemente tivesse lugar na llcspa-
nha una insurreicao, se o projecto de casamento da in-
fanta coro o duque de Monlpensier nao fosse abando-
nado.
t'nia carta de i'ruxrll.-i*, de .'> de setembro, diza, que o
infante I). Enrique parlira, no inesinn dia de inanha, de
Osleude pan Ghenl. O principe foi acompanhado pelo
Sr. Calvet, sen ajudante de campo. Durante a sua es-
tada cniOslende, paasou D. Enrique nina vida multo
prior, e esleve inscripto na lista dos viajantes coni o li-
me de conde d'Ares, propietario de Madrid.
A Sentimlle des Pyrfnfrt, de 4 de setembro, annunciou,
que o gnverno hespanhol mandara ordens positivas ao
infante O. Enrique para voltar a llospanha. O principe
n spondeo, que obedecerla ordem no moiuenlo, nu
que recebrsse salisfaco da maneira insultante, porque
havia sido exilado. Ogahiuete nimia nao linha dado de-
ciso alguma a tal rospeito.
O principe Frcderico, de Radon, chegou a Strasburgo
no dia 3 de setembro. O duque de Monlpensier recr-
beo-o aporta da prefeliura, o logo depois coiidnzio-o
aoWacken, onde os ponlnneiros rxeciitro varias ma-
nobras n'um braco do III, c lancaro militas pontrs
atraves do rio nuin ranaco de lempo mili curio O
principe Frcderico ronferlo a ordem da Fidelidad* de
liad, n ao duque de Monlpensier, que Ihe fez presente,
ein lime do re, do grande cardan da Icgiiio de honra.
Segundo ns clculos dos direitns da alfaudega, recebi-
ilos pelo governo, foro importados rm Franja por Mar*
selha, o ao longo da fronteira oriental, para mais de
NlO.OOOhectolilros de trigo e familia, no decurso do me/,
de agosto. O gio linha sido comprado a um proco
muito mndicoem Oilcssa e na Allemanha.
A Reforme dizia, que a molestia das batata* contina-
la a l'wcr ciiiisideravcl progresso, ej se linha osteinli
do att! o norte dr Paris. lima carta, datada de Provins
fSelnr c Mnrne), dizia, que as batatas cstavo Igual-
mente infectadas naquollc paiz ; que rnlo anda nao
estavao todas infei clonadas, mas a enfermidado ia fazen-
dn progrrssos; que, quando orno exhaladas da tena, so
uo se separavo as corruptas das sas, ficavo (odas
inmillsadas. n t'ulra caria de Valciicieiun s dizia, que
.. a innleslia das batatas tinha-se declarado all, havia
pe lo de 15 dias. O progresso, que ia fazi-udo, era ter-
rivel. Ouasl toda a collii-lta eslava iofcclada.
A 30 dr agosto sahirao do deposito geral para Toulon,
onde devino embarcar para Marrocos, Gguas norman-
ilas, que iio de presente, feilo pelo ro, ao imperador
de Varracos.
Sldi Brn Apel. enviado do boy deTuniz, linha (llega-
do de I'aris a Marsclha, onde di va embarcar na crvela
t'ureiense, que o esprrava naqiicllc porto.
I'OI.IIAS DK PARS N 8 IJl: SETFMSKO.
O Moniteur Pori$im annunciou, que o duque de Monl-
].ensler, acoiiipanliado du duque de Nemours, partira
a 18 de sotemliro para Madrid. I'or oulra parle alguns
Jornaes hesnanboes afflruiavlo, que o casamento da rai-
nha e a da infanta deviu cclebrar-sc a 24 de setembro,
f. nao a 10 de nombro.
Um decreto nal eacarregMi o conde Balvjndv. mi-
nistro da insiruoco publica da dirceco da
das ninas publicas durante a amencia do
ministro (M. Domas), prestes a sal!
trra.
Corra, no da 7 de setembro, na Bolsa de Paris um
boato extraordinario a saber, que o imperador Nico-
lao visitarla a capital li .un 2.a no decurso do inri sc-
guinlc. Dizla-se liaver S M. I. mostrado milita solci-
tude por saber, se S. M. It. visitaiia bu este anuo.
ioem, 9 nr SFTIMBRO.
O Toutonnnit annuncinii, que a esquadra d'evoluces,
nininainlail.i pelo principe do .loiuville, nao voltaria a
I niilnn, mas seguira directamente para Itrest, onde ha-
via de invernar.
O i'ini.iiiiiiiii.mil/ annunciou a rhegada Paris do vis-
conde de branles, enviado extraordinario do llrasil
Prussia. A missiio do viscopdc referia-sc queslo, ha
mullo pendente, de um tratado commcrcial entre o
Brasil c o Zollyorrin. Parece, que os dous governos
aluda nan linhan podido chegar a um accordo a respei-
lo, e o visconde de branles brevemente partira de
Franca para o l'rasil.
0 man i li.il duque de Isly devia seguir de Paris para
Excidrnil no dia 9 de seiombro, e depois de urna curia
demora na sua fazeuda voltaria para Algeria.
O nn.Kiiiutiiiiiiiil niniiiili.i a scguiulo nolcia :
Se dennos aredilo a nina carta escripia por um sol-
dado do I.* rcgimenlo deeugenheiros, ora existente na
frica, lias frontoiras de Marrocos, a um dos scus p-
renles, a L-oinpaiihia. a que elle pertenoin, fui sorpren-
dida assas.-inada pelos Arabos. Escaparn s lOhnmrns
um nflii al. 2 cabos, 6 soldados, r elle. Dizia-se ler o
caso oceorrido nos priiuriros dtas de agosto.
(Time'.,
repartirn
respectivo
para a lngla-
' -
NTER. B
Rio-de-Ji viva.
'lomos a satisfarn de annuuriar, que a Sen hora I)
Januai ia, enndessa d'Aquila, deo a lu, com feliz suc-
cesso, nina princeza, no dia 22 de jullio p. p.
I onsia-uos, que o Sr. Manoel Antonio Calvan foi
orneado presidente da provincia do Rio-Giandc-do-
Sul.
Ouvlmoi dlier, que o Sr. baiio Drflaudis devia sa-
bir de Montevideo para a Europa no vapor ltelo, dous
dias depois da sahida do t.organ.
Por decreto de 22 de junho foi nnmeado juiz mu-
nicipal edr orphos do termo da Wdadc do Desterro e
sous annexos. na provincia de Santafalharina, o ba-
charrl Sergio l.opcs Falcan. ^
Araba de ser sanrcionada a resMucao, que autor!**
o governo a contratar com os srnhdutis d'Arret c Drevfus
o rsubeli'cimenio de una grande ma'nulaclura de pro-
ductos chiinicos, concedendo-lhes avultado auxilio pe-
cuniario. Nunca, desde que ha cmaras no Brasil, pre-
lencao alguma particular se apresentou, que rom maior
favor e applauso fosse acolhlda pelo governo e pelas c-
maras. As informaedrs, pedidas ao Sr. ministro do Im-
perio, frtr.io por elle instruidas com um ollieio do mili
digno director do museo, Fr. Custodio Alvos Serrao, o
lano osle, como o ministro mostravo o maior rnihu-
siasmo pola projectada empresa. Na cmara tempora-
ria, so un dbale alguma oppnsicao houve, se alguns o-
i adore expendern duvidas sobre a realldade das van-
lagens promettldas, e sobre n importancia dessas van-
lagrns comparadas com o auxilio pedido, nao he menos
corto, que oenthusiasino cnntinuou, efe/votar a dis-
pensa de intersticios, para que, com a mior rapidez,
fosse concluido anda nesla soasan um negocio, que s
nos fins della fra trazldo ao conhecimento da cmara.
O senado depi anda inaia completamente o seu habito
de iniuda annlyse, de severo exaine, e sem a menor dis-
cnssao approvou tudo, disprnsnu lodosos intersticios.
E de ludo isso, que houve, de todos esses favores, que
encontrarn os einprezarios, resulta para elles um sa-
gradisslmo empenho, um empenho de honra. Cuinpre,
que esses senhores salisfaco as promessas, que dero ao
governo c ao parlamento ; compro, que um delles cons-
i iiitcnn-nio se roenrde, que essa inmensa benevolencia.
que o acolhoo, foi.....trbulo de homenagem prestadn
ao son nonio, ao nnme do seu pal. E pols, devein Invl-
dar Indos os csfnrcos, toda a aclividado, lodo o esmero,
que poderrm applicar, para corresponder alta benevo-
lencia, que Ihes mostrarn os representantes da narn
brasileira. Nao he mais nina cspocularo mercantil oti
industrial; deve ser o empenho do dous homens de hon-
ra perant una nacao inteira. Persn.idimo-nos, que as-
fim n entendern osSrs. d'A.rcete Drevfus.
-- Honlem, (2(1 de seiombro) poueo depois das tres
lloras da madi ugada, f.lro despertados os habitantes
desta corle peloatroamento dos sino*, que locavo a re-
bate: era um incendio, que lavrava com espantosa fu-
ria na casa n. 22 da ra Direita.
Acudirn inmediatamente todas as bombas da cidade,
as autoridades policiaes o militares, furtos piquetes dn
corpo de municipaes permanentes, e as guarnlc.o>s dos
vasos de guerra surtos nn purto. Depois do incansaveis
esforcos consegiiio-se dominar o fogo, e das 7 para as 8
lloras da manlia eslava exlinct.i, sem ler passado s
casas vizinhas, enjos moradores tratro de salvar o
que tinhode mais precioso, qnando se receiava, que o
incendio nao podesse ser atalhadn no edificio, onde co-
mccoii.
No predio incendiado morava o Sr. Arnaldo Pinto de
Castro, que llulia all una padaria. 0 fogo pegou no
sobrado em um quarto contiguo .i sala do jantar, onde
dorma um menino, sobrinlio do Sr Arnaldo. A lu de
Ulna lamparilla incendian vestidos pendorados de um
cabido, e lavrando o fugo, acordou o menino. Foi elle
quem deo o alarma; mas, quando gritn, j o incendio
linha adquirido grande intonsidade. Se esse menino
aconta alguna minutos mais larde, loriamos de lamen-
tar a sua morir. Felizmente, pode ser soccorrido a
tempn o rscapou Inclume.
0 predio, que perloncia a ordem terceira de S. Fran-
cisco da Penitencia, e que nao eslava seguro, desahou
todo, menos a frente ; mas estimamns poder annunriar,
que nao houve o mais pequeo feriinonto. O Sr. Ar-
naldo Sfl'reo grandes prjimos, o quasi outro tanto se
pode dlter doSr.Norris, relojoeiro, morador na casa
n. 24. Na confuso inscparavcl dos primeiros momen-
tos do um incendio, que se manilos!,i aterrador, perde-
ro-se alguns objectos de valor, e na mudanca dos chro-
uomrlns sollrro alguns driles grandes estragos.
As auloridades sorrcdoras de elogios pelaactividade,
que desenvolverlo, e faltaramos juslica, se nao lou-
vasaciuos (ambem a dedicaco de alguns particulares,
coma os Sis. Ilowden o Tupper, o os esforcos dos ca-
traienos do caes do l'haioux o da praia de D. Manoel.
Fnionnnieados conegosettcclivos da imperial capel-
la e s.eathcdral do Rio de-Janeiro o vigario collado da
rreguezla do Rio-Prrto (provincia de Minas-Goraes) An-
tonio Pedro dos Reis r o padre Lourrncn Vlelra de Sou-
za Mcrcllrs, ex-dircclor do lyeco de Angra-dos-Reis.
Por decreto de l.'i do corrrnlc sctcinbro; forao
Horneados : o hachare! Miguel Joaqiiim Ayres do Nas-
-ciinrnlo chefe de polica da provincia do Ccar; o ha-
chare! Joo Fernandos Barros juiz de dirciio da comar-
ca do Sobral, no i earj o o hachare! Antonio Penrlques
de Miranda cliofe de polica da provincia da l'arahida do
Norte.
Foi removido o hachare! Antonio .los Machado do
lugar de juiz ilcdireiio do Sobral para o de juiz de di-
"'"" da c.....arca do Ralinit, na provincia do Crar.
Por drerrto do 19 do crreme (setembro) foro no-
meados, presidente da provincia de Maltn-Groiso o Sr.
Dr. .loao ( rispniano Soares, e conuuandanlc das armas
da mosnia iroviucia o Sr.trnciilc-coroncl Severo Jos de
ouza Urna.
Tcndo contratado o governo a compra da barca
austraca Con/iderarion-Argnilnn,sc se mnstrasse ser de
marcha superior, sabio aiilc-hontcm do manlia essa
barca a cruzar com a crvela 8*l4~ii-Abril, para sr ex-
perimentar o seu andar.
Ilontiin (-23 de solomillo) alarde rrcoihcro os dous
barcos do seu pequeo cruzeiro durante o qual tive-
rao siiopre vi lito lionancoso. Tanto popa como boli-
na he a barca superior a crvela. Hootein leve occaso
a barca de lliedir-se bolina com a corveta D.-Jnnunvia,
que demandava a barra, e comquanlo fosse esta de mc-
Ihor marcha que a Setc-de-Abril, a barca conservou a
sua supcrioi idade.
O governo comproii por nvenla contns de res a
barca nusiilaca Coi/ii/rrnco-.trgnlino. He una barca
brm coiisiruida e de marcha superior.
Honlem (24 de setembro) duodcimo anniversa-
no da sentida morte do Sr. D. Pedro I, cstivero as for-
talezas c us vasos de guerra naconaes com bandeira a
mein-pan, atoando de cinco em cinco minutos.
Oscivco daguarnlco foi feilo com armas rm fu-
neral.
Foro reunidos na provincia do Rio-de-Janeiro os
seguimos termos : o da villa do Rio-Bonito ao do Ha-
borahy, o da villa da Estrella ao de Mag, c o da villa da
Barra-de-S.-Soo ao de l'acah.
-- i.'onsta-iios que o Sr. Joaqiiim Franco de S a-
cabadeser noiucadu presidente do MaranhSo,
S. M. o Inipcrador liouve por bein mandar deca-
ar, que, na conformidade do decreto c regulament.i do
8 de malo de 1843, o commandanle das arma* da corto
deve ser considerado como a maior auloridade militar,
seudo-lhe por isso subordinado o lOinmandantc do im-
perial corpn do engenheiros
/a",1'10 val"" (lr guerra inglc Uorgtm, entrado hontni
(zOdrselrinhriijdi- Monlevido, recebemos folhas da-
quella cidade al 12 e canas al 13 do correte.
O Sr. Ilund nao rouseguio o fun da sua missn ollicio-
sa, e regressa para Inglaterra no vapor tWgon, que sa-
lina dosle porto no dia 23com escala pela Baha.
OSr. I). Francisco Magarinos, ministro plenipoten-
ciario da Repblica Oriental junio ao governo imperial,
foi nomeado no mesmo carcter para a corle de Madrid,
com nina misso especial iunto aos gabinetes de S. Ja-
mes e il i- I iill lias. OSr. Magarinos he substituido jun-
lo ao governo imperial polo Sr. Jos D. Ellauri, que era
ministro plenipotenciario em Paris, e que vem residir
ne Buenos-Avres ha datas at 13 de setembro. As on-_
v" estavo a 390 pesos. ... ,
- Recbenos hontem (2 deoutubro) folhas e carWs de
Montevideo at 19 de setembro.
Urna dessas cartas diz : Corre par cerlo, que ohegou
tun proprlo do Paraguay, conduzlnda officlos do governo
para os ministros Interventores. Assegura-se, que o go-
verno paraguayo offerece 30,000 homens para fazer a
guerra a Rosas, se as potencia* interventoras quiterem
Unir-seao Paraguay para garantirem a sua Indepen-
dencia. Accrescentn-se, que estas proposlfes forjo ex-
pedidas i inmediatamente para a Europa no brlgue de
guerra Grifan, que val tocar nessa, para apanhar o pa-
quete, que dahi deve seguir para Falmoiith em prin-
cipios de outubro. Dou-lhe esta noticia tal qual a ouco
em circuios geralinente bem informados, sem comtudo
a garantir. _t
Sobre o tratado concluido entre Madariaga e llrqinza
nada se sabia anda com certrza. Carus de Corrientes,
de 20 de agosto, referem, que os chefe* da campanna se
roniiiiocdeclarro a I). Joo Madariaga, IrmSo do
governador, quenoannulo a ajuste algiim com Rosas.
No dia 30 era esperado na capital o governador, paraca-
presentar aoeongresao a contas da sua admlnlstracao,
e para proceder-se Hornearan do novo governador.
He provavol, accrescentao essas cartas, que en tan se
rnmpa o veo, que cobre a* nogociacos de Madariaga
com l'rqiiita. Se o ajuste fdr favoravel a Rosas, tentar-
e-ha aqu urna revoliico, c o Paraguay fechara iinine-
ilial i nion lo ns sous pullos.,.
Os agentes norte-americanos que o general Rosas
mandn ao Paraguay, nao pndrffo passar de Neembu-
e. O governo paraguayo recusou recebe-los.
Nao so confirma a not'cia. que correr em Montevl-
gas. a quem, fazendo a devlda juslica, suppornos'aru-
radamente Illudidos por alguin zoilo, que, nao contra
te com ler promovido a desonerar,o do nosso mai dii!
no patricio, quia ver se poda desconceitua-lo ante
publico), o Sr. Silva,tao cavalhelra e briosamente se n0i
ion no exerclcio de suas foncedea, que mcreceo.o mii'
solemne dos lestemunhes de graildo, e um tao iiiaoni
lico presento como o de um servito d prata, prlmorosi"
mente trabalbado, c digno dos que oofferecro ed
que o recebeo.
O documento he o que se segu, e vai acoinpanhada
da traduccao da carta, com que o Sr. Antonio da Silva
com a lingoajem do hoinfm de verdadriro mrito, nn.
he a da modestia, agradece a oft*crta nelle mencionan,
e protesta o seu eterno reconhrciinento aos que Mtun
galardoro.
lllm. Sr.
Liverpool, 10 de agosto de 1848.
Desejaiido os negociantes e proprietarins de navios
desta praca, interessadns no commercio coiu o Brasil
cujas ames temos a honra de apresenlar noin esta a \''
S., mostrar, por occasio da partida de V. S. desta cida-
de para a capital, quanto apreeio a benevolencia e a
atteucdes, de que V. S. constantemente usou para con,
elles, assiui como a maneira eflicaze polida, porque tem
V. S. cumprldo os seus deveres oniciaes, durante 10 jn.
nos de residencia nesta importante cidade cmninerciai -
e havendo riles nomeado os abaixo assignados em com-
misso para levar a efl'eito as suas vistas, temos multa
salisfaco em offertar acceitncao de V. S. o teruien rff
aiiin. que esta acompanha, como um signal do estima,
o qual confiamos, que V. S. rrceber com seniimenioi
de complacencia iguaes aquellos, com que he oft'orecldo.
Coiu os mais sinceros votos pela futura saiide e pros-
pequona distancia da fronteira.
Noticias de Maldonado, de 15 de setemhro. annun-
eio, que aquello departamento eslava todo em poder
das Torcas do governo. Os oribistas tinhao-se concentra-
do as Minas.
O paquete Spitler chegou de Buenoa-Ayres a Montevi-
deo, no dia 17, e devia seguir para este porto no dia '22.
Honlem (2 de outubro)de manlia, tentou suicidar-so,
dando com urna navalha um lalho no prscoco, o Sr.
Frcderico Secretan, corrotor desta praca. F.spora-se,
que a ferlda nao soja mortal. A voz publica attribuo a
desgostos de familia este acto de desesperaco.
{Jornal do Commerrio.)
PERNAMBUCO.
do, de estar o general Pas nomeado commandanle em pPr,jade de V. S. temos a honra de ser de V. S. mu i oue-
chefe do exorcito do Paraguay. A* forcas paraguayas, (d[enCea servos. Rtnjamin Darbyihire Joupk Pulir.~
que estiveroem Corrientes, achavo-se acampadasem j # Braga. Jamet Rider.William Hadfteld. flodri
Ahed.
Ao cavalheiro da Silva, cnsul geral do Brasil em Li-
verpool.
NOMBS DS SUBSCRIPTORES PARA A OFPBRTA APRESEN-
TAHA AO CAVALHEIRO DA SILVA, CONSOL ORRAL do
RRASIL EM LIVERPOOL.
J. Hraulry Moore, Esq."
Mrssieurs Samuel Joluiston & C.
M lalmonl Brothers & C.
William te James Tyrer.
Crablree, Aked St C.
Cotesworlh, Wynne tk I.yne.
Ashley Brnthers.
James Ryder, Esq.'"
Braga & C.
M.c loar Ai Hadfield.
.Charles I musido & C.
Strivart, Ker Sl C.
iinre & Joiulinson.
Harrisons & l.alham.
Higgin Se I.ane.
James Dalglis tt C.
Benjamin Darbyshire, Esq,"
Todd Naylor i C.
Edvrard Jones 8t C.
William Moon, Esq."
T.yon It Fynney.
Roben Singlehurst b C.
C. & F. I. Schwind.
Liverpool, 10 de agosto de 1846.
(Resposta) lllmt. Srt
Liverpool, 12 de agosto de 1846.
Cumpre-nie aecusar a rec.cpco da carta, que Vv.
Ss. me l'uero a honra de dirigir a 10 do corrente, acom-
pauhnndo o lerro'fo de prata. que os Srs negociantes c
proprielarios de navios desta importante cidade com-
mcrcial, interessadns no commercio com o Urasil, sr
dignarn de oll'oi lar-ine, pelo intermedio de Vv. Ss.,
nao s como signal da sua estima, seuo tambem como
prova da sua salisfaco pola maneira, por que tenho
cumprido, durante urna residencia de dez annes. os
inoiis devores ofciaes como cnsul geral do imperio do
Brasil no reino unido da Gro-Brrlanha o Irlanda.
u Recebl com verdadeiro prazer e sentimentos da
maior complacencia estes signaos da sua estima, que
pretarri emquanto vivor, e considerare! como um tesie-
iniinlio da approvaco de una corporaco lo distincta e
iiidep.'iidonte da narao ingle/a. S temo, que o dcsein-
penho desses deveres, da minha parte, licasse muito
quem da valia, que lo lisongelramenle Ibes aproo ve
dar-lhe.
Antes de concluir, perinltto-me Vv. Ss., que Ihes
afiance, que guardarei sempre em viva leinbranca a
cortesana c ns inultos actos de bonignldade, que inva-
riavelincnle teem Vv Ss. e os cavalheros, que represon-
lo, exrrcido para commigo e que terei_ sempre por
grato dever fazer por merecer a continiiaco delles.
Com estes sinceros sentimentos, e os mais cordiaes
agradeclmentos, os quacs rogo a Vv. Ss. que se dignrin
de .H i i iiai, e de apresenlar aos Srs. subscriplores, com
os seguros da minha distincta considerayo, assni como
dos melhores desejos, que nutro, pela prosperidade de
Vv. Ss. o pola delles,
Tenho a honra de ser o mais obediente servo,
Anlonjo da Silva Jnior.
A Joseph Pater, Esq." ; James Rider, Esq." ; Rnbrrt
Aked, Esq.1*; Benjamn Darbyshire, Esq."; J. Marq.'
Braga, Esq." ; \Vilii.nn lladlicld, Esq.", etc. etc., tic. -
AdSEMBLK'A PROVINCIAL.
RECTIFKAC.O.
O segundo dos apartes, que aodiscurso, com que o Sr.
Nunes Machado rcspondeo aodoSr. Jos Benlo nases-
sode 14 do corrente, deo esteSenhor, e que se acha em
al." col. da 2.a pag. do nosso n de hontem, linhas 16 r
17, deve ser lido asslm: Poii, se nao houve, retiro ludo
quanto dine a reiptilo.
O sexto dos mencionados apartes, e auc est na inesma
col em a linha 84.', foi assm proferido: Contulte Ike-
souraria.
SESSAO EM 16 DE OUTUBRO DE 1846
PRESIDENCIA OO SR. SOUZA TEIXEIRA.
SUMMARIO ExrEoiKNTK. Pareceres: da rommittio de
instruerao publiea sobre o requenmenlo do padre Jos Oon-
calo ; da de fazenda eorrameulo sobre o do major Joaiuim
Ignacio de CanaIho IHendonca, e o do arrematante do im-
posto de 2^500 rs. sobre o gado de consumo no municipio
do hrrjo. -- Heuuerimento da commisso de instrucciio pu-
blica, para que se peca presidencia diversos eselarecimen-
tos acerca do professor de Iguaraisu', que fora removido pa-
ra o l.imoeiro. IHscusso do parecer adiado sobre o pro-
festor de primriras Ultras do colltgio dos orpkos. Can
linuara da discuisodoprajcrla relativo aojulgamenlo das
causas da faienda provincial.
As onze horas da manha, o Sr. 1. secretario fax a
chamada, e verifica eslarcui presentes 20 Srs. depu-
lados.
O Sr. Presidente declara aborta a sesso.
O Sr. 2." Secretario l a acta da sesso antecedente, que
he approrada.
O Sr. 1." Secretario menciona o seguute
EXPEDIENTE
Um olilco do secretario da provi nca, participando,
que du eiicarrcgado da cstalistica se exigi una rrlaco
com o numero das fregiiezias, c com os mais esclarec-
metilos pedidos no requorimento do Sr. Nunes Macha-
do, approvado pela assembla. Inteirada.
Outro do mesmo secretario, remetiendo as posturas
adilieionaes da cmara municipal da villa de Nazareth.
A' rommissa de negocios d>is cmaras.
Outro do mesmo secretario, aecusando rrmessa dr al-
giiinas i u lin inaciies acerca das causas da fazenda provin-
cial, e participando teremse solicitado as demais do
juizo dos feitos da faienda. Inteirada.
(Continuar-se-ha).
No lugar competente achar ns nossos leitores o que
de mais importante ronlcm os jornaes da corle, que
al 3 do corrente recebemos pelo vapor S.-Sebastian, en-
trado honlem dos portos do Sul, e que tambem nos
Irouxe folhas da Baha, que alcauco a 12 deste niez, i
onde com nada deparamos, que se faca digno de espe-
cial menean.
A assembla oceupar-se-ha boje com leiluras de pro-
jocios e pareceres, discusso de pareceres adiados, con-
tinuarn da ordem do dia da sesfo antecedente, deque
faz parle a primeira discusso do projecto relativo ao
jiilgaiiienio das causas provinclaes.
Para fallar sobre este projecto pela segunda vez, ficou
hontem com a palavra o Sr. Figueirodo.
Procurar restituir ao crdito de quem qur que soja o
Ilio, de que algueu
labelecer as repulafdei
Currespoiidcuci i.
Srs. Redactores. O desojo de apparocer peranle o
publico como rscrptor fez, que o mou gratuito Inini-
go nao guardasse o silencio vista de minha pequea
alistaran no Diario de Pernambuco, n. 223, c em nina
estirada correspondencia, em que procura fndlspdr con-
tra ni i ni os inhumaos do paiz. e a opinio publica, faz o
logia do suas ir//n qualidades, c concilio, propendo-
me a mais bella accommodaco, que en pague a sru
i nns! i minie, credor de lodo o seu zeln e lenldade, o principal
e juros decorridos al o presente, que elle inedelxari
tranquillo, pois que todos conheccm como elle he dcil,
mesmo indulgente pnra com seus devedores.
So nan he atp nina zumbarla menos digna do publi-
co, nao sei como qualificar n procrdiinenlodo mou fig>-
dal inimigo ; porque sabe bem o publico, que, se o es-
tado de minha casa me nao compellisse a dar o passo,
quedei, so a minha caixa tivesse quautias suhVicntrs
nesla corte com o mesmo carcter.
Pelo brigue-oscuna de guerft Ingles Griffon rece
bem os folhas de Montevideo al 16 do passado.
Tinho com, cado de novo as hostilidades entre os si-
tiadores e sitiados, provocadas por aquellos, e o gene-
ral Rivera la sabir para a cainpauha, para continuar as
suas operaces.
O baro Deffaudis eslava ein Montevideo, e n'eni os
jornaes nem as cartas, que vimos, diirin urna palavra
sobre a sua vlagem Franca. A nica cousa, que en-
contramos em urna caria, que nos foi confiada, que po-
de ter alguma rrlaco com essa riagrm, he o seguinte
O vapor de guerra ingles alecto leve ordem de estar
prnniptoa seguir viagem ao priiuciro signal. Ignora-se
o seu drsliiio.
De Corrieutes ha noticias at 23 de agosto, mas nada
aununcio de positivo sbreos ajustes de Madariaga com'
Urquiza.
lato posto, tcndo nos, a 8 de agosto prximo passado,' tuali
ii o nnsso numero 174, transcripto um artigo da Sraii-lincu
lia da Monarchia, em que, noliciaudo-se a nnmeaco o nn
brilho, de que alguein o teuha pretendido privar ; ros
rbeni fundadas, prrlenvo ollas para o pagamonlo do seu constituate e dos meiis nu-
mo-
nogs-
pra-
seus
res, nina voz que Ib s nao pode pagar coin a pon-
lidade do costuine ; asslm o flx, e nao se me pode
ulpar, se a maiorla dos meiis errdores concodeo-me
pra/o. dentro do qual podesse inelhor apurar o valor
dos predios e tratar da cobranca do ineu avallado debi-
to activo. Se cu fra como me quer figurar o mou ini-
migo, cuino eu tivera recorrido a outros meios bem obvios
a lodos; mas, quando apresonto-me coagido pelas miuhas
circumstancias, como se apresento todos os commer-
ciantes honrados, quando meus bena existem patentos.
e apenas imploro um prazo, em que me possa solver dos
cuipeiilios, rm que o comiiirrcio me collocou, como P0-
der-se-me Irrogar a injuria de duvidar do meu procc-
diuieiito ?
A zoinbaria. pois, de tranqullisai-mc, mediante o pa-
gamento do principal e juro, mediante o iinpossivrl,
he zoinbaria Indigna do publico, e que reverle directa-
mente sobre quem m'a quiz laucar. Diz o meu inimigo,
que nao he gladiador e nem entra em trnelos para al-
canzar palma* de victoria; e o que querem dzer ''
publlcaces? Nao sao ellas como noticia de trlumpno.y
que no momento de sua leticia julga o meu inimigo de-
ver a todos couununicar ? Se o seu feilo nao fra colner
louros, liinlur-sc hia elle a defender o seu dreilo pean-
te os tribunaes, em cuja juslica deve descansar, e nao
em
nella .. mmmnmim, rm que, iiniioianiin-so a nnineac
do Sr. Grrenfell para cnsul geral do Brasil na Inglater-
ra, e a demisao, que dsse emprego fra dada ao Sr.
Antonio da Silva Jnior, dizia-se, que o governo fra
levado a decretar essa demlsso, entie outros motivos,
pelo de haver rile cslabelrcido nina tabella de emolu-
mentos, segundo a qual cobrara por cada navio, de 40 a
60 .; e havendo-nos um dos negociantes ingieres desta
praca, com quem entretelos retacos, proporcionado a
leilura de um documento, que lauca por t.-rra urna tal
iinputaco, pois que he a expresso dos sentimentos de
sympathia, que, cun o sru proerdimento, qur como
Iiartieular, quer como funcciouai o publico, luspirra o
r. Silva Jnior ao corpo de commercio do Londres, rm
verdade incapaz de fazer olleras e rendor homenagem
ao homem, que o huresse opprimido, anda qur do le-
ve ; recunhecomos a necessidade de passar para a nosja
lingoa o conleudo nesse documento, e oflerec-lo a con-
sideraco dos que nos leem ; para que a vista delle se
sonvonco de que bem longe de extorquir do com-
inercio de Inglaterra soturnas exageradas, como in-
formarao aos Redactores da Sntintlla, (nobre colle-


^-
prevenir a opinio publica, para depois vir allegar noto-
riedade e circuinslancias.que sao nilias legitima* de sea
i .1 neuroso odio contra iiiim,
V., nina vez que por nao he meu uto discutir coro
o meu Inimigo sobre a validade do meu comproinltso,
pois descanso, que os dignos tribunacs, tanto da rolaran,
como do supremo tribunal de justica, seguirn respei-
tosamente a lei e os costumes, c nao se deliarfl arras-
trar pelos prejuizos contra mim lancado adrede pelo
niesmo meu inimigo, acccllo o einpraiamento, nao
com o orgulho de qiirm parece injuriosamente contar
com algunia dedsao, mas com a confluir, que a mi-
uba consciri.cia me d, acerca da justica de miiilia
cauaa. B, se, por deiqrafa ou antes por justica, divina, o
meu inimigo viera convocar os seuscredores, tomando
como cominerciante o partido mais honrado, lembre-
ae, que nao aeccitar aquelle, rm que se oulorgar o di-
reito de alienar seus predios, anda nido alfum pol-
las de La Fontaine, traduiidas e esclarecidas segundo
os mclhorcs expositores; obra muito til para os que
freauento a aula de francs: vende-se. na liviaria da
ra da Cruz, n. 56, preco 480 rs.
Tlieatro publico.
Ainanhia nao pode haver espectculo, por so citar a
8 Himplando a grande peca K-ni D. SebailiSo, ou a
aalhn le Alcacer Thihir para sabhado, 24 do correnle.
!-
Eia pois, aluda urna vez suspenda o publico scu juizo;
e delxe o men inimigo correr a justica o leu curso dcsein-
pefado. Son Srs. Redactores, tc. --Auno Marta de
Seirai.
Avisos martimos.
=a 0 brigue Deoi-le-Guarde sai pata o Rio-Grande-do-
Sul, terca-feira, 2 do crreme, impreterivelmentc: os
senhores, que teem a embarcar esciuros, queiro inan-
ra daCadeia-Velha. armat,ein, n. 12.
da los abordo uo niesmo da, e os conlirciinentns na
lkubiicacao a pedido.
3
Illm. e Exm Sr. Gravadas em minha perennal lem-
imii'.-i as eximias honras e privilegiadas atteoces,
lie V. Exc. mullo se dignou tributar-me naoccasiao
o meu embarquedessiprovincia de Pernambuco pira
esta corle a 19 d> correnle, he ampliado do mais in-
trnseco e fervoroso respeito, que passo a dar a V. Kxc.
esta, le bem que leve, deinonstracau da minha I minen-
suravel gratia.io ; esperando de V. Exc. aquelle ge-
neroso e beneeo acolhimento, que tanto o caracte risa,
a par das mais nobres e heroicas aeces.
Guarde Dos a V. Kxc por inuilissimos anuos. Cor-
te do Rio-de-Jaueiro, em 29 de seteinbro de 1846. II pi.
e Km Sr, general Antonio Crrela Sera, coinman-
dante das armas da provincia de Pcrqambuco. /oa
Frt'leriro Cnlilwel, coronel eliefe do 3. regimciilo de ca-
vallaria ligeira.
SV9MEHCIO.
ItfaVMq
Alfowleft'.
RENDIMENTO DO. DI A IG.......
DESCARREOAO HOIP. 17.
PataclioOlaofarinha.
BrigueConreraofumo.
Escunar*ii-t/ni'(io--uiercadoria.
brigueHrandicintdem.
BarcaEspirito-Sanlobatatas e cebollas.
Consulado.
RENDIMENTO UO DA 16.
Geral..............900*590
Provincial.
Diversas provincias.
288/786
41/232
1:239/608
RIO-DE-J*NEIRO.
CAisios .\o lili 2 OE or ruano
Prtcot da ullimn hora da praca.
Cambios sobre Londres.......28
Paris.......338
u Hamburgo......630
Mclaes. Oncas liespanhoias.....30/200 a30/400
ii da patria. ...... 30/000 a30/400
Pesos hespanhocs......1*930 a l/.lfiO
a da patria.......1/870 a 1/890
u Pecas de 6/400, vclhas. 16/000 a 16/800
Prata..........95 a 97
Apolices de 6 por cento.......~!'aV?
ii provinciaes........76 a '/2
(Jornal do Commerciu.j
BAHA.
CZUIIOS DO OU 11 DE OITI IBO
Londres...........27
Paris........... 350 o franco
Hamburgo..........670 o marco
= Para o Rio-de-Janeiro, ainanha, 18 do crtente, a
escuna americana Oallant-Mary recebe passageiros; pa-
ra o que tem os melliores e mal asseiados commodos:
a tratar com os consignatarios L. G terreira &.'.
O patat-lm nacional Novo~Saraiva
segu para a Babia, no din ao do corren-
le imprterivelmente j pde ainda rece-
ber nma pequea porcSo de carga miu-
ila, c passageiros, aos tjuaes oTerecc cx-
cdlente.1 commodos : trata-se com o ci-
pito, Joiqim Heanles de Sott.su, cu
com Jadiado & l'inlit'iio, na roa da Cruz,
n. 6o, ptimeiro andar. As pessoas, que
teem halado passagens no Sito navio, sao
prevenidas a realisa-las at o dia 17 do
ro rento, pissado o qual, se dispor.i dos
lujaros, que all bouveiem tomado.
Para o Aracaty seguir brevemente o hiate Novo-
Olinda : qiiem nelle pretender carregar, se poder en-
tender com o mestre do niesmo, Antonio Jos Vianua,
no trapiche Novo.
Para o Rio-Grande-do-Sul sahir breve o veleiro
brigue Cailra-I, capilo Jos Maria Ribas, pnr ler
......la do sen carregainentu ; pode ainda receber al-
giinia carga, e otlcrcce superiores commodos para pas-
sageiros e escravos a fete : quem pretender, pdeen-
teuder-se com Amorim limaos, na ra da Cadeia, n. 45.
Segu viagein por estes iSdias ,
para o Hio-Gren le-do-Sul o brigue In-
dependente : quem no niesmo quizer
carregar transportsr-se 011 embarcar
escravos a frete falle a Manuel Alve.s
(>tierra ou com o capilo Fructuoso Jo-
s Pe eir Dulra.

l.eila.
Lisboa.
iin.;as despalilllas. .
mexiranns......
Pecas de 6*i00......
Uoedaj de 4/000......
I'rata. ......
Apolices do seguro Lealdadc.
n do governo. .
Acedes do banco.....
IIOall5p.c.depr.
31/500 a 32/000
31/000 a 3l#500
16/500 a 16/800
9#l00a 9/200
105 a 108
2(1 p, c. de premio
55 p. c. dedescon.
35p. c.depr. m. p.
(O Mercantil.)
limituento lo rorlo.
Savioi mirados no dia 16.
Porto doSul; 12 dia, paquete de vapor S.-Sebastio, de
240 toneladas, eonnnanilanle o capilo do fragata Ma-
nuel Francisco da'-'osta I ereira, ei|uipageui 24. Tras
a scu bordo : para esta provincia o doutor Joiiu
Cocino bastos, Manuel Lopes Machado, alferes Carlos
Fredei ico de tirito Inglez, I.11U Jos de Sousa Lima,
Francisco Jos de Magaihacs Bastos, Antonio Manuel
d'Arruscellas, fiel Jos de S. Dmaso, fui Jos da A11-
nunciaco, frei Joo do Amor Divino, Manoel Tertu-
liano Lilis, Manoel Ignacio de Mcdeiros Reg Monlei-
111, Gnilhermliio Marques de Sonsa, Antonio Carlos
Francisco da Silva, Jacuino Giesantc, e a escrava Emi-
lia: para o Maranliao, o lllm. Exm presidente Joaquim
Franco de S o eapito-triiciiio Gabriel Ferreira da
Cruz, doulor Jos .laiisrn do Passo, Ignacio Vieira Li-
ma : para o Para, J. Joaquim Thoinman.
Tcrra-Nova ; 34 dias, brigue ingles Runnymede, de 200
toneladas, capilau Archibald Steel, equipagem 12, car-
ga bacallio ; a James Crablree & Cuinpanhia.
Rlcliinond ; 47 dias galera americana Louiiana de
294 toneladas, capitn Georgr Durhurst, rquipagcui
14, carga farinha ; a L G. Ferreira m Cumpanhia.
Edgertoivn 55 (Has, hiaie americano llirum, de 60 to-
neladas, capitao A. K. Elshrr equipagem 4 carga
fa/endas ; ao capilau. ~ Vcm refrescar e seguc para
Talcuhana.
Riihmoiid ; 56 dias, brigue americano ttrnndyicine de
207 toneladas, capilo l'uivill Sninek equipagem 9,
carga farinha, cha, farendas, e mais gneros du paii ;
a Malliens Aiisiim 81 Couipanliia.
Lisboa; 29 dias brigue bi asileiro Empieza, de 800 to-
neladas, capillo Francisro Fcneira liorges, equipa-
gem 14, caiga diversos gneros ; a Francisco S. \ ena-
no Rahello. Passageiros, Jos Maria Jorge, e Miguel
Archanjo da Silva osla, Brasileiros.
.'idnej ; 108 (lias, barca ingina Triad, de384 toneladas,
capitao Alexandre Lyell, equipagem 14. carga azeite
de prixe e lila ; ao capilo.Vein refrescar, c con-
duz 16 passageiros para Inglaterra.
Kavioi iahidoi 110 meimodia.
Hahia c Rio-de-Janeiro ; paquete inglez Crane, comman-
dante o lente Lrwis. Cuudui os iiiesmos passa-
geiros, que iroiixe.
Rin-de-Janeiro ; barca Ingleta Norval, capilo Thomas
Kirk, carga a mrsma, que trouie
----------------------------------rnTii 1
M.' Calmont Si C. faro leliao, por inlervenco do
correlor Oliveira, de grande sortimeuto de fazeudas iu-
g'lczas, todas novas, r proprias do incicado: Urea.feira,
20 do correnle, as 10 horas da manhaa em ponto, prin-
cipiaudu-sc com faiendas avariadas, por cunta c risco
de quem pertenec', 110 seu arinaiem largo do Corpo-
Santo. #
m^sssmeseessmhmhimmhshh
\isos diversos
Uerl
itiaCio.
O vapor S.-Sebailio fecha amala para os
portus do Norte no dia 18 do correte, as
lOlioias da maulia: eas correspondencias,
que vlerem depois desta hora, pagar o
porte dobrado.
PUBLICAQAO LITTF.RARIA.
Sabio luz uina collecco de lodasaspbrazesdasiabu-
O n. 135 achar-se-ha a venda, hoie a tarde, na praca
da Independencia, liviaria ns. 6 e o; e na lypographia
(Jalao, tanto este numero como os anteriores,
O POVriLHO.
O n. 19 far a distrbuc.ao da mala, e achar-se-ha a
venda amanliaa, na praca da Independencia, livraria n.
6 e 8, e na lypographia I'niao.
=- Na padaria e pastelaria l'ranceza do Alerro-da-ltoa-
Vista, n.50, recebeo-se ltimamente un completo aor-
timculo de coufeitos, ameiidoas cobertas, doces de as-
sucar cristalisado, rom licor por deiilio.aineiiiloas rcars,
e oulros coufeitos dos mais ricos, etc. ele; bocetasdou-
radas e confeiladas para encher dos niesmos, proprias
para fazer presentes; agoar'dente de Franca de supe-
rior qualidade; verdadeiro marrasquino de Zara; ahsyn
llio suisso, da maica verdadeira; vlnhode Bordeaux en-
garrafado.etc. etc.; e giialinentc se acceitiio encomineu-
das de doces finos, e bandejas para cha, ludo por pre-
co ni lis comuiodo.
= I-di in ao, do sitio de Santo-Amaro de Agoa-Fria, na
noile de 13 para 14 do coi rente, tres cavallos, sendo um
castanho, com una estrella pequeua na testa ; outro a-
lasao, lodo tapado; e outro ru9o de frente aberta
Queinosappicheiider e levar ao niesmosilio, ou no Red-
fe, a Jos Francisco Ribeiru fle Sousa, na ra da Alfan-
dega-Velha, quesera gratificado coin 50/000 rs. Roga-
se tatnbem as autoridades puliciaes de os appiehendcrem e
capturaren! o individuo.onde elle esliver, parase proce-
der contra elle na furnia da lei.
Pede-ge ao Sr. riscal dos Afogados un csclarecl-
111-1110: 011 responda, sea cmara desta eidadf tem con-
cedida lieenca aos caboqueiros paralirarrmpedrada I oa-'
Viagem al a testada da ilha; porquauto o resultado des-
se tiramenlo de pedras he abiirem-se militas brrelas,
para acoulecer a pe da das entradas das barcacas, ruga-
nando-se, que sao as antigs, e cilicio as novas, c
pederem-se, como aconieceo com a do Sr. Jos lligi-
no, e onlra mais; assini como lainbem o grande prejui-
10, que est solTreiido ailha; afini de se darem as pro-
videncias a respeito. lm fareaceiro.
Um h.......111 Idoso, bem morigerado c couhecido,
bom cstudantede giaiuuialias portugue2a c latina, se
ofl'errce a dar liedes de ambas em casas dos alumnos e
liiiniias, quereiido seus pas, inis ou tulures, c a vis-
ta do pruposlo se far ver as vantagens c o preco : nesta
typographia se dir quem he, 011 na Iravessa do Pociuho,
u. 3.
0 Sr. J. J. P. por favor appireca na ra do Rosario
da Boa-Vista, n. 2, amde o aiinmiclante Ihe entregar
o seu bonete, que deixou, no dia 11 du correnle, na oc-
casiao de lo mar a venda do annunciante por bataneo, e
ao me.mu lempo agradccer-lhc o trabadlo, que leve
com o annunciante; porque g ge encontrava to bons
servicos 110 Sr.
Perdeo-se na Ordem Terceira, no dia da festa, na
noile de 15 do correte, una medalha com dons dia-
mantes: roga-se a pesgoa, que a achou, qiierendo resti-
tuir, leve na ra eslreita du Rozario, 11 43, primeiro an-
dar, que ah se da rao os mais slgtiaes, e o adiado.
A pessoa, a quem Ihe faltar um quarto, que appa-
receo domingo noile, dirija-se ao pateo do Carino, n.
17, que, dando os signaes cerlos, Ihe ser entregue.
--OB'erece-seuui bom rsquipader para ensinar caval-
los : os prelendenles diiijao-se a Fra-dc Portas, n.
113.
Vicente Ferreira l.opes embarca para o Rio-de-
Janeiro a sua escrava cabra, de mime Ihereza.
Precisa-sede una imagein de N. S da Conceicao ,
3 ue seja nuil bem fe i la ; quem a Uver ea quizer trocar ,
irija-se a ra Bella n. 40.
Na ra Forn.osa esquina da ra da Uniao pre-
ciga-sc de um criado fiel.
Manoel Henriques Ribeiro retlra-se para o Rio-
Grande-do-Sul a tratar de eu negocio.
= O abaixo assiguado faz ver aa pessoas, que tinhao
penhores na venda do becco daCarvalha, n. 1, que di-
ta venda Ihe uao pcrlence, desde Janeiro prximo pas-
ado, e oa ditos penhores se adan em scu poder: por isso
Ihes roga de os vireni remir noprazo de 8 dias _: do con-
trario, passa a vende-los para seu pagamento, (cando os
dilos Sis seni direito algum aos meamos.
Hernardo las da Cosa.
LOTERA DA MATRIZ DA CIDADE
DA VICTORIA
Achao-sc a venda as lujas de cainbio dos Srs. Ma-
nuel Gomes e Vieira, no bairro do Recite, e no de S.-
Anionio na lo a do thesoureiro, ra do Queiiuado, e na
botica do Sr. Mureira, na ra do Cabug, os bllheles
da 1.a parte da 1.* Inleria concedida a favor das obras
da igreja malrii da cidade da Victoria, para elijas rodas
est determinado o andamento para o da 45 do corren-
te mez. Nos niesmos lugares recebem-se os bllheles
premiados da lotera do Livramento, em troca dos da
que ora se a munida.
Fasem-se espanadores ordinarios e tambem borda-
dos de ouro fino, por prejo mais commodn do que em
mura qualquer parle : na ra do Rangel, sobrado de mu
andar, 11. 43.
Oft*ere< .--se, para fura desta praca, um rapaz brasi-
lelro, branco, casado, com pouca familia, para ensinar
primenas letiras. grammatica e francs, por ter j oc-
cupado este mesmo lugar ; o qual ensilla os seus alum-
nos com o melhor icio possivel. e a sua senhora tam-
bem ensina meninas: a pessoa que quier ulilisar-se do
seu preslimo. dirija-se a ra das Agoas-Verdes, n. 60, a
tratar com o mesmo, o qual dar coiihecimeiilo da sua
conducta c do niesmo ir ilmenlo do." seus alumnos
= O abaixo assiguado advoga tanto no civel como 110
crline; para o que est competentemente habilitado
com novo provimento do Exm. Sr. presidente da rela-
cio: lodos os que se quizereiu utilisar do seu preslimo
o acharad na casa de sua residencia na ra de S.-Fran-
cisco, n. 82, casa onde niorou o advogado Cartauo de
Sonsa Antunes, e ltimamente o Sr. escrivo de pro-
testo Tito. .lii/iiiin Borgei da Ponseca.
-- Predsa-se alugar una ama secca, para casa de pou-
ca familia, que saiba hein-coiinhar, e nao tenha vicios,
e paga-se bem. Ditigir-se ra do Rangel, u. 59, se-
gundo andar.
Precisa-se alugar um moleque, para o servljo eMer-
no de una casa de pouca familia, mas que seja bem in-
telligenlee seiu vicios, e paga-se bem. Dirigir-.e a ra
do Rangel, n. 59, segundu andar.
ajUflKffn)^ Arrenda-se 11111 silio na Magdalena na
v^'fl'^trj'B estrada da Torre, com boa casa, luis
f&SMfiUB* salas, 6 quartos, coiinha fiira estriba-
rla casa para pretos ; a traiar 110 Alerro-da-Boa-Vis-
ta n. 43, 011 no iiiesmo lugar sitio n. 78.
1 111111 un I. F. da Rosa & Iruiii previncm ao respel-
tavel publico 1 e principalmente ao coininercio que
desde a presente dala nao seradiuittido recibo algum
cobrado por pessoa alguina que nao sejiio os proprias
interessados; assim como io ser valida qualquer iran-
saero de compras, ou vendas, = Recife, 14 de outubro
de 1846.
* Deseja-se alugar um prcto para todo o servico e
que seja fiel ; paga-sc bem : na ra larga do Rosario ,
n. 48, segundo andar.
~ I l.in-se 200^000 rs. a juros sobre penhores de ouro,
prata ou diamantes ; na ra larga do Rozario, sobrado,
3ue Milla para a ra do Cabug no primeiro andar, se
ir quem os dd.
Oll'erecc-se 11111 111090 porlugue/. para caixeiro de
venda do que tem pratica bastante, para a tomar por
balanco e d fiador a sua conduela: quem de scu pres-
limo se qni/er utilisar amiiineie.
Fazein-se quaesquer cortinados, qur de feilio ve-
Iho, qur moderno, forrai-se quaesquer assentos, como
tolas, oadeirai flu ou de balando; faum-te colchoea
elsticos grandes ou peqnenu.; vai-sepr tapetes,esleirs
em qualquer parle que seja, ludo com perfeicao, por ter-
se professado esse o nido em Pars, c com precosos mais
rasoaveis, que se poder: na iravessa da Concordia, 11. 13,
atrs da torre do ('.armo.
=Precsa-so de 200/(100 rs. a uros de dous por cento
por 6 inezes, sobre hvpotheca, ou boa firma : na Boa-
Vista, na da Matrlx, 11. 25
O/li-ivee-se para destilador de qualquer enge-
nho por ler disso grande pratica 11111 homeiii ; quem
de seu preslimo se quizer utilisar dirija-se a ra Nova,
n. 33, que se Ihe informar a respeito.
I"ao il 1 1 iiiili 1 M n;alli.ii'- embarca para o Sul o
eu eseravu Benedicto.
Francisco Antonio Bastos participa ao respeitavcl
publico que inudoua sua residencia, da ra de S.-Ri-
ta n. 88, para a rua eslreita do Rozario, sobrado 11. 22,
primeiro andar amule se acha prompto para toda e
qualquer obra de encadei naco com asseio prompli-
do e pceo eoinmoilo ; tambem apara papel e vende
superior tinta de eserrver
Precisa-sc de um caixeiro para arinazein de car-
ne do Cear que j tenha bem pratica c d fiador a
sua conduela ; na rua Direila sobrado 11. 29.
Est para desoecupar-se um sobrado no melhor
lugar de Olinda miiiln proprin parase paliar a festa,
por ser em lugar mili divertido e inultoperto do haiiho.
tanto Migado nomo doce ; cuja rasa he a da esquina,
que tem una frente para o porto das canoas c outra pa-
ra a igreja de S.-Sebastio ; lem bstanles commodos
para familia c escravos estribara com portao quintal
murado com cacimba: quem o pretender dirija-se
atrs do thealrn velho 11. 20, segundo andar.
Sabhado, 17 do correnle vo em praca do Sr.
doutor jui' do civel da segunda vara, dous escravos,
por exeeiico : e como seja a ultima praca se faz o pre-
sente aiiiiuncio.
Joaquim di Silva l.opes pede as
autoridades policiaei e nos capitaeg de campo a captu-
ra de nm escravo, que Ihe fugio 110 dia 10 do prsenle
mez, com os signaes seguintes .' chama-sc Jos Antonio,
de nacao Rebolo; altura regular, grosso docorpo bo-
nita figura e de cara; falla limito bem que parece ciion-
io; tem o p esquerdo muito grosso, que parece ler
ervslpela, e lem nina ferida inulto grande na perna
sqnerda ; este escravo foi cativo de Manoel Henrique
da Silva, morador na cidade de Coianua : ha jnforina-
efles que fura para l. Quem delle der noticias, 011 o
troucer. receber a rccoiiipencai. Este escravo foi arre-
matado rm praca publica pelo juio da segunda vara,em
19 de seiembro do presente anno. O annunciante mora
na rua da Cadeia do Recife, n. 29.
Alnga-se um sobrado srin luja, para pastar a fesla,
em Oldida, 110lugar do Varadouro, no qual ainda est o
Sr. doutor Carlos, e tica desoecupado no tim do correnle;
bastante fresco, com bstanles cominodos cozlnha f-
ra, grande quintal e I10111 banheirn no mesmo ; tem
urna sala para juntar afresra e com janellas na niesma,
que holn para n pa mano : afollara Joaquim Lopes de
Alenla, caixeiro dnSr. JooMalhrus.
=No dia 17 do correnle, a porla do Sr. doutor juiz de
direito da segunda vara do civel, se ha de arrematar.pnr
ser o ullimn dia da praca, um terreno na estrada de He-
lm, com 180 palmos de frente e inulto fundo, com ar-
vores de fructo, avahado em 259/200.
Aniotio Cailos l'ereira de Uurgos
Pintee de Leo faz sciente a quem con-
vier a seus amigos, e aos Srs. de en-
genho que leem de lite consignar as-
-ucar de suas sallas, que elle se acha re-
sidindo na rua Direita sobrado n. 39 ,
Casa da aferif fto, na rua das
Larangciras n. '19.
O abaixo assiguado continua a ger o arrematante da*
al'ericoes dos pesos e medidas deslc municipio ; P"'s"
go declara, que principia a aferir para o anuo de i
1847 de boje em dimite das 8 horas da manhaa, as .
da larde. Outro siiu declara mais que o Sr. Joao Hi-
larlo de Barros nao tem mais gerencia alguma nos
ido .
ln;u.
trabalhos da actual afericao e que tcni encarcegaio
de
junio ao do Sr. doutor Ignacio Nery da
Fonseca aonde lem aborto o sen escrip-
torio em o primeiro andar, e coiiliuu
a receber assucar em comutisso.
~ Aluga-seunia morada de casa, sita uoMonteiro:a
tratar na rua Direita, u. 72.
em sua ausencia de fa/.er as suas vezes ao SJ
Jos de Moraes. Antonio onfalve de Moraet.
ATERRO DA BOA-VISTA, LOJA, N. 14.
Pannos finos pretos, eOr lixa, a 4/ e5/rs. o covado ;
merinos pretos, a 1*100 e 4*800 rs. o covado ; '''>OS de
seda para houiem ou senhora. a 800, 1/280 c l/GOO ri.;
chales de seda, a 10/000 rs. (do melhor gosto, que lem
viudo), estes chales leem o campo escuro ; dilos de cam-
po branco, fio de Escocia a .1/500 rs.; dito de laa,
de bonito gusto, a 2*400. 2*800 31000 rs fustoe de
cordo, de bonitos padre, a 640, 500 e 1/800 r.; brin*
france/es de quadrus, c6r lixa, a 520 rs. o covado ; dito*
iuglezei, a280rs.; niiirsuliiias de cores para vestidos,
pelo baralissimo preco de 280 r.; riscados fraocezes,
a 160, 200. 220. M0 e 280 rs.; cassa lisa ordinaria, ae
largura de vara, a 280 rs.; zuarte de largura de diU, a
280 rs. o covado; panninhos pelos e cor de roga cora
lustro, a 160 rs. o covado; cambraias adamascada!, por
4/000 rs.; ditas bordadas com llore miuda.coin 9 varas.
pnrS/nOO rs.; ditas de cures, por 2/000 e 3/000 rs. o
corle; la para caifas, a 500 rs. o covado; pellcdodia-
bo, a 440 rs. o covado, ou a 1/440 r!. o curte de 3 '/, c'-
vados; lilas muito linas a 500 rs. o covado; e oulras
mais fazeudas por muito commodo preco. Os preten-
deiues, que nao poderem vir a esla loja.inaudcmbuscar
ainuslras, que se Ibes dar promptaiuente, tanto das
que teem preco marcado, como de nutras, que quizerem.
AO BOM TOM PARISIENSE.
RUA NOVA, N 7.
TEMPRTTE, ALFAIATR,
tem a honra de participar aos teus fregueses que
dissolveo, desde o. dia 15 de selembro passado.a o-
ciedade que liuha com os Srs. Colombiez St C. : aa
pessoas, que o quizerem favorecer com a sua freguezia,
o acharad na sua loja, rua Nova. u. 7. Tem pannos pa-
ra caifas, rlleles e casacas, de todas as qualidade, ou
mais iiovos cheeados agora de Pari, c a collecco dos
mais recentes ngurinos.
Fazfe publicn.qiie licio sem elFei-
lo os annuncios publicados por este mes-
mo Diario, ns. at5, iie-n"], a res-
peito da casa do fallecido Antonio ida
Silva, ebefe da exlincta firma comtner-
cial de Antonio da Silva 8,' Companhii ,
desla (iraca e que a liquidaco da dita
casa fica a c^rgo de I). Maria Anna Joa-
quina da Silva viuva e testamenten^
bquelle finado
=Joao los de Carvalho Moraes, agente nesta pro-
vincia, do contrato do tabaco rap Princeza-dc-Portu-
gal, faz publico, que desd'ora eiu diaute se acha ven-
da o mesmo rape, chegado prximamente de Lisboa
pela escuna Fctit-tJnio, e se vendo cmcaixas e a rela-
Ilio. Ulnas o indas ditas.c em frascos,pelo preco marca-
do pelos i mu i ai ulules, de 3^600 rs. cada libra, emdinhei-
ro de contado : uo Recife, rua da Cadeia, Inja de mili
ile/as. n. 51.
Knsina-se perfeitamente a lazerem-
se medias de tirar fogo, para quem qui-
zer comprar pbospboros o. i s mais pre-
parativos ; tudo muito em conta : ua rua
larga do I! o/a rio ns. 6 e 11, ao p dos
(jitaileis.
I abrica de chapeos de sol,
rua do l .sseio-I'ublico, n. 5.
honra de participar ao reg-
e acaba de receber de Fran-
navios franceses um bello
snrliinenlo do ultimo gosto sendo : chapeos de sqj ,
para houiem e senhora de seda lisa, larrada e furia-
cores com cabos e cas (oes muito ricoi. seda de todas
as cores e qualidades panninhos eulrancados e lisos ;
tudo para cubrir chapeos de sol; chapeos de sol de pan-
ul olio (le todas as cores para houiem, com cabos e
casioes ricos ; lainbciu concreta os niesmos, tanto
de hoiuein como de senhora ; pois tem tudo quanto he
iireessario para os ditos e prometi inulta brevidade,
para faicr qualquer concert : tudo por preco com-
modo.
Precisa-se de dous lavradores em casa do doma
dor, ou fabricante de caudiciros de gaz na rua No-
va n. 52.
Antonio ('esarde Berrcdo retira-te com sua fumi-
lia para fura da provincia.
A abaixo assignada respondendo, ainda por esta vez.
ao mi.....do de Bernardo Jos de Barros inserido no
liiariodr Pernambuco de 15 do correnle declara ao res-
peitavcl publico que o fado de ser a eterava Maria
adquirida pela annuncianle depois de se achar fra da
coiupaiihia de seu marido jamis puder ser coatota-
do ; e desafia ao mesmo Bernardo Jos de Barros que
aprsente o ti tillo, pelo qual afrmou que a referida
escrava Pora de Manoel de Aimeida Lima ; a vista delle
a abaixo assignada melhor demonstrara o seu direito:
assim como ruga ao mesiiio Bernardo sirva-sc de decla-
rar em que lempo loi a mencionada escrava para o seu
poder, (|llanto, anuos ah se conservou quando fugio,'
e que nidos empreguu elle para a sua captura.
Josephina Sebailiana Cavalcanli.
AVISO IMPOSTANTE
AOS
SENHORES UE ENGENHO.
P. K. Airee Vianna com armazem de assucar na rua da
Senzalla-Velha, n. 110, recebe assucares coiiunis-
sao, nuil as vantajosas condi^oes indicada ua tabella
seguinte:
ttMMMHNBk
DAS LOMMISSES DE VENDA.
rln.in I >iilii'i tem a hi
peilavel publico que
ca pelos Ultimo n
Um por cento
nicamente.
Commisgao de venda de ca xas......
u de ..neos c barricas por
barcacas.........
.. de sacos em combla as
costas de cavallos. .
u por encestar ou depol-J
lar assucares, a espera de I y, u
obler augmento no prc- >,,.' "ir
co.e por qualquer tem- uuu.f*d-
pn, que Ihes con vier. ./
Fazem-se adiantammlot com garanta solida netta
praca.
AOS SENHORES NEGOCIANTES EXPORTADORES.
Pela compra por sua conta caoqueoul
ensaque deaucares, no referido ar-J Qu.trnt.r..
niaiein, Inetusive^o carretopara o em- >_" d r^
barque do niesmo^.agsucarei.iCom-l'>or c "
missaode bracagrin..........I
R( t bem-se em pagamento lettras a 60 dial, agradan-
do as li i anas.
Po-se todas as garanta ao gosto do comprador.




,
ba
Os Sis. muios de obras e mestres
ppnV'iros que livrem deVoricerlar al-
:.ivn is i .1 -..i e Ihes scja preciso '".- n t liaes per-
icncentes MI mesuraolhrio quciciu unigir-se ao ar-
iii.uriu n. 8, por detrs do thealro velho que acharad
tudo c mais cm conta do que cm outro qualquer de-
JIUlllO.
Arrcnda-sr o lio denominado Pexinhn perlo da
ciilidr de Olinda rom uma grandr can de motadla,
com bailantes commodos diversos arvoredos de fruc-
M entre os quars um grande pomar de larangciras
Imiiiii pasto para vaceas de leite ; a casa he muilo perto
do rio Bebrrlbe e pnr consegiiinle boaagoa para lavar
roupa : a tratar na ra das Larangeiras n. 21, a qual-
quer hora do dia.
Alugo-se duas casas terreas, ein S.-Amaro, sitio
do Veigas com5 quaitos, duas salas quintal e cacini-
a tratar na ra Nova, n. 3.
{t'l'LW. Aluga-seiim sitio no lugar da Capunga,
a uiargein do rio Capibaribc com boa
casa cocheira estribarla baisa com
multo capim : a tralar na rua do Rangel n. 59, primel-
ro andar, ou no niesiuo siti junto ao cnsul Ingles; de
minina .-> as 8 horas e de tarde das 5 em diante.
Precisa-se de um hnineiu para feitor de engenho
preferindo-se pnrtiigurz : na rua Direita, venda n. 93.
-- Domingos Rodrigues de Andrade embarca para o
Bio-randc-do-Sul o seu escravo crinulo.Jose! Cabrinha
I'recisa-se de 2 ofliriars de charuteiro para tra-
halharein em Olinda na rua do Coxo ; paga-se a 180 rs.
Roga-sc ao Sr. que einpeiihoii um trem grande,
M rua Direila pela quantia de 80/000 rs. quelra vfr
tira-lo, no praio d>'3>tias contados da data deste au-
niim o ; quando nao ser vendido para dito pagamen-
to por ja ti'r passado o lempo tratado.
Quem precisar de 300/000 rs. a premio, sobre pe-
nlioresde ouro ou praia. dirija-se a rua da Gloria,
ii. 55.
Venderse
vimpras.
Compra-sea peca D Sebastiso nao a de Pimenta
de Aguinr imprrssa em 1817 mas sim a de Sanios e
.Silva, impressa depois da ronstilulco ; 2 pares de cal-
xilhoi. para aleova que tenhao 5 a 6 palmos c mel ,
3 pares ditos para janrllas, da mesma largura : no thea-
iro a tallar rom o director
('oinpia-sc um nenio de ver ao longe nao sendo
grande ; nina eabra ( bicho com una cria que seja
boa Iriteira e criadeira de meninos; quem liver an-
jiiincle.
- (ompra-seuuia preta sadia, que saiba prrfrita-
inenieeorinhar eiigoniinar, coser ou fazer renda;
atrs da matriz da Hoa-Vista, n. 22.
-- Conipro-sr 2 ou 3 moleques olciaes de sapa-
triro ; sendo de bonitas figuras, pago-sr bem : na rua
da Concordia a direila segunda tasa terrea.
i'oiiiprao-se escravos de ambos os sexos para fu-
ra da provincia com habilidades, ou sem ellas ; sendo
dr bonitas figuras pago-se bem : na rua da Concor-
dia passando a pontrzinha a direila segunda casa
terrea.
Vendas.
-^-Vende-se, para monlaria de senhnra um silhio
milito rico coilin de velludo carinsim qtiasl novo ,
por preco eoininndo ; duas canoas de earreira muilo
lindas ; urna porcao de palhasde coqueiro : na rua da
Srnz.illa-Veltia n. 110.
Vendem-se 12 escravos sendo : 4 lindos mole-
ques de ti a 18 a unos ; mu dilo bom cozinheiro ; 2
ditos de 7 a 10 anuos ; 2 pardos, de 17 a 20 annos de
bM Arara, sendo um driles bom carreiro ; um prelo
ranoeiro de .'{0 anuos ; nina parda de 25 annos ; 3
pelas de 17 a 20 anuos, de boas figuras, com algiimas
habilidades ; mu dita de 25 annos com nina cria
iiiulatinha de 2 annos, com habilidades: na rua do
Collrglo n. 3, segundo andar.
Vende-se polassa branca de superior qualidade,
em barra pequeos ; em casa de Matheus Aiisliu iV
ComDanhla.ua na da Alfandega-Velha, n. 36.
Vende-se carne do seriio. milito gorda c nova, por
ler irazido 10 das de viageui do Aracaly : na rua da Ca-
deia do Recife, n, 11.
Fnrmha SS- F,
da muilo arredilada fabrica de Molino Stratig sendo a
ulliina rhrgada a este mercado em pequeas c gran-
des porcoes : a tralar com J. J. Tasso Jnior,
JVa rua do Crespo loja nova
n. I'2, dejse Joaqun* da
Silva Haya ,
vende-se um rico soninienlo de casticaes de nissima
casquinha, com suas competentes Linternas de gos-
tos os mais modernos que teein apparecido pelo di-
ininiiin preco de 8/, 10/ e 12/rs. cada par.
~ Vendem-se moendas de ferro pRra engenhos de as-
-iii M. para vapor, agoa e bestas, de diversos tamanhos,
por prrro roinmodo ; e igualmente lalxas de ferro coado
e balido, de lodos os tainanlios: na praca do ('orpo-San-
to, n. 11, em casa de Me. lalmont A Companliia, ou na
rua de Apollo, armazem, n. 6.
I olassa branca,
da mais superior qualidade em
barricas pequeas, e '.desembarca-
da no dia 30 de agosto prxi-
mo passado, venderse por pre-
go commodo : emeasa de L. G.
Ferreira & C.
O corretor Olivrira lem para vender cobre em fa-
lla e prrgns de dilo para forros de navios : os preten-
li nirs iln i ao-se ao luesmo, ou aos Senhore* Moquita
t Dulc.
Na loja da equina da iua to Colle gio.n. 5,
deiiuiniarriesSera.ni & C.,
vende-se, alm de mu bonito sortlmento de faiendas ,
Eor preces bstanles moderados, as segiiinics :
orles de novas casimira* franerzas, a .... 4/000
Ditas ditas methorrs, a.........5/000
Ditas pretas franerzas ocovado, a 3/000
Pannos, pretos, azues, verde* e de outras cores
diderrmes, drsde 2/400 rs o vovado a 12/000
Cortes de calcas de prlle do diabo a ... 1/440
Chales-de laa e seda, grandes, a......2/TifiO
Lencos de caiubraia guarnecido* a bico, a .
Lindezas para vestidos o covado a .
Kacoceze* de la e algodo, com ladree finglndo
seda o covado, a..........
Cortes de laa e seda pira vestidos a .
Chila-cassas o corle a........
Cortes de colines de fustao francs, a ....
Lencos finos para grvala a,.........
Veude-e nina uiulalinha, de Ua 15 annos ,
nila lie tira boa para mucama de casa com algumas
habilidades ; nao tein vicios m-fn achaques ; velo do
Aracatj para pagamento de una divida: na < na da
Concordia passando a poutcilnha adlreita, secunda
cata terrea.
rap de Lisboa a 2/800 rs. a :l>ra ; afianca-se ao com-
prador a -n.i boa qualidade : na rua da adela do I\e-
c iIV- loja de Joffo da Cunha Magalhaes.
=VenJe se farinha da Ierra, multo superior ; dita de
S.-Maihrus ein saccas e aretalhn, por menos preco do
que mi unir qualquer parte : na rua das Cruzei, n. 3?.
-- Vendem-se, pelas entradas 30 apolices da com-
panhiade Hcberibc; na rua do Cabug loja de cera, se
dir quem a* vende.
-Vende-se urna inulatiiiha. de \\ anuos milito lin-
da ptima para mucama c que rose e rngomina ;
nina nrgrinha de 13 a 20 annos, com varias habili-
dades ; 3 escravas, de 20 a 22 annos : na rua Direila,
n. 3.
Aos Srs. proprietarios de
engenhos.
Vendein-se taixas de ierro coado moendas de can-
n.i para agoa ou animaes rodas dentadas crivos ,
boceas de lornalhas, e mais objectos neressailos para
engenho, por preco*comiuodo ; na fundico d ferro ,
de Me Callum & r.ompanhfa na rua do Brum no *e-
cife na. 6, 8 e 10.
Vende-se ou permuta-se por casas de
menor valor dando-se pelo nirnii em dl-
nheiro IfiOO/OOf) rs. as casas de dous an-
dares na rua do Rangel, em chaos proprlos ou a
quinta parte de outras casas tambem de dous andares,
em ehaos proprios ; e as 4 partes que tres herderos
leeiu no valor destas conjunctamenle tambem se ne-
gociaru : a tratar na rua Nova sobrado n. 47.
Vende-se mu bom escravo de nacao, ptimo para
o servico de campo ou para qualquer necupacao, por
ser bastante hbil na rua Direila, n. 12.
Vende-se um prelo 111050 de muilo bonita figura,
de 22 a 25annos de todo o servifo, e que he proprio
para armazem de assucar ; duas bonitas escravas de
todo o servico de 20 annos ; dous moleques de 12 a
13 annos proprios para officio ou pagens ; urna par-
da de 20 annos coi 11 habilidades : na rua larga do
Roiario indo para os quarleis n. 24, priineiro andar.
Farelo novo,
em saeeas grandes vende-se no armazem do Bacelar,
confronte a escadinha da alfandega e em casa de J.
J. Tasso Junior ,* na rua do Aniorim.
Vendem-se 28 escravos sendo : pretos, pretas ,
pardos, pardas moleques negrinhas e mulatinhas ,
de bonitas figuras sem vicios, e chegados prxima-
mente do Aracaly : na rua da Cruz, no Recife, n. 51.
Ao publico.
Vendem-se na esquina doLivramen-
lo, n 1, da Viuva de Burgos & fillios ,
de l.oje ale saldado prximo meins
conipridas escuras, a 200 rs, o par e a duiia a 2/000
rs. ; nielas para meninas, tambem escuras a 160 rs. o
par ea dtiza a 1/600 rs. ; suspensorios finos, a 200 rs. o
11.11- e .1 duzia a 2/1100 rs. ; boles de duraque a 800 rs.
a groza ; milhriro de prunas para escrever a 2/800 rs.;
cortes de vestidos de cainbraia com babados e outros
com barra a 3/200, 3/5110 e 4/000 rs. rada corte ; pecas
de cassa lisa, com 17 varas .1 5/500 rs. a prca ; e outras
fazrndas baratsimas que se vendem para liqudaco.
Vrndrin-se 5 escravas sendo urna dellas de 18
anuos, qne en/inlia bem o diario driima casa; outra, de
20 annus.quecoziiiha.eiigoiumae lava de sabo e varrrl-
la; una parda, de 30 anuos, que cozjnha, cose e engom-
1111 algiiiua roiisa ; outras para o servifo de campo
casa : na rua da Concordia a direita segunda casa
terrea passando a pontezinha.
Vende-se a lista
he quitaudeira ; 3 ditas entre ellas um cose faz renda,
e engoinma ; urna mulatinha, de 12 annos eose e faz o
mais servico dr una casa : na rita do Crespo n. 10
priineiro andar.
= Vende-se superior vinho de Rordeaux em quar-
tolas ; assim como ago'ardenle de Franca ( cognac ) ,
em barris ; na rna da Cruz 11. 20, casa de Avrial r-
meos.
Vende-se estopa e saceos de di-
la feilos, de ?uperior qualidade -, na rua
da Cruz, n. 10.
es Vende-se grasa superior, para vapores, engenhos'
fabricantes de velas e para dar era encerados, a 200
e 240 rs. a libra, e Sendo em porcSo dar-se-ha por me-
nos ; a fallar conxJosede Mello Costa Ollveira.
Vendem-se vidros para espelhos ,
de varios tamanhos; ditos para vidracas:
na rua da Cruz, n to-
NO ATERRO*A-BOA-VISTA LOJA N. 3 DE JOAO
. CHARDON,
vendem-se multo finas cassasabertas, denovos padres,
para vestidos de senhora ; iapim preto ; sarja hespa-
nhola para vestidos ; flores ; titas tinas, navas e lin-
das, tanto para chapeos de senhora como para enfeiles
de vestidos ; ricas luvas de seda de pellica para se-
nhora ; boas nielas Usas caberlas para dita ; chapeos
da ultima moda chegados agora para senhora ; cha-
peos de sol de seda para hornera ; ditos muilo ricos
para senhora ; lindos c riquissimos chales mantas ,
lencos de seda de quadros para dita ; pentes de segu-
rar da ultima moda ; calcos para espartilhos ; Lieos
para bolinas de senhora agulhas fraucezas inulto fi-
nas de todos os nmeros ; ligas para senhora ; ricas e
novas perfumarlasj e outras militas faiendas de gosto e
da moda; ludo chegado ltimamente. Ka mesma loja
vende-se una rica mesa de costura de rharnd verda-
d eiro rom seus pertences de marfim
todo o mais servico por preco mut0
commodo ; na rua d Cabug loj n. (
Vende-se tuna cscrava moca de bonita figura- um
iiutieqiie ; Sola ; cotia** iniudos e beierros : na ru di
^.n.t.l.i >. O! lia I lili I/lClS ll.l Vi! I ..- .. '
j
5
gera
; na
ns
da lotera de
praca 1I0 ln-
N. S. to Livramento
dependencia, livraria, ns (>e8.
Venden.-se bichas grandes de IIam
hurgo ; e t:unln m -e 1
co commodo : no A ler
por pre-
o-da-Boa-Vista ,
lugao
/640
/240
/320
7/000
2/240
l/Wo
/400
de bo-
|iiiini i 1,'i venda ao p-la ponte n. 1.
Vendem-se2casaesde rolas brancas de Iiambur-
go ; na rua daS.-Cruz, n.38.
Vende-se una porc.o de taboas de louro, de refu-
go ni 11,11, cm conta ; assim como una porcao de prau-
rhrs de oleo de boa largura e grossura ; taboado de
todas as qualidades por pircos rasoaveis : na serrara
da l'niiii -\ 1 Un.
ADMHUVE16
NAVALllAS DK AC DA CHINA.
Teem a vantagem de corlar o cabello sera ofl'cnsa da
prlle deisaudo a cara parecendo estar na sua brilhan-
tc mocidade.
I steaco vrin exclusivamente di< China e sonelle tra-
balliao dous dos inelhores e mais abalisados cuteleiros
da nunca excedida e rica cidade de Peklm capital do
iiiipcrio 1 liim.
Actos Sha.
N. B. He rrcommendado o uso destas navalhas ma-
raviihosas por todas as sociedades das sciencias medico-
cirurgicas.tanto da Europa como da Amrica,Asia e fri-
ca, nao si para prevenir as molestias da cutis mas tam-
ben, como mu lucio cosmtico.
Vciidein-se na rua do Crespo loja n. 8 de Campos
4t Mava.
Casa da F ,
na rua eslieila do Itozaro, n. 6.
Neste estabelecimento achfio-se a venda as cautelas da
lotera a favor das obras da matriz da cidade da Victo-
ria, da qual andar as rodas no dia 25 do crreme mez:
OS pnces das eaiilrlas s.io os do rosliiiur.
-Vende-se um oculo de ver ao longo e ura candieiro
de sala ; na travessa da Concordia n. 13, atrs da torre
do Carnio.
Vende-se urna porcao de sebo, muilo bom ; a
tratar com Maximiano Francisco das Neves no acou-
gue grande das Cinco-Ponas.
frjtf' Vende-se um cavallo de sela de cor ruca ,
(flft com escellentes andares multo manso ,
.B JJ. JH* sem achaques e de bonita figura : na estrada
de Joo-de-llarros silin da Capelliuha, do finado viga-
rio da freguezia de S.-Aiitoniu.
= Vende-sr urna uiulalinha moca, de bonita figura;
na rua da Cadria-Veilia n 30
= Vendem-se travs de 40, 45 e 52 palmos de camas-
sari de caroncho ; a libliapor Antonio Pereira de ri-
g iicn ede : na rua da Praia, serrarla de Silva Cardial.
ADMIBAVKIS
NAVALHAS DE AC DA ( HIA.
Teem a vaniagrm de corlar o cabello sem oflensa da
pelle deixando a cara parecendo estar na sua brilhan-
te mocidade.
Este ac vem exclusivamente da China e s nelle
rabalho dous dos mrlhores e mais abalisados culilei-
ros da nunca excedida e rica cidade de Peklm capital
do imperio cliim
Autor Siiorb.
N. B. = He reconunendado o uso destas navalhas 111a-
ravilhnsas por todas as sociedades das sciencias medl-
eo-cirurgcas tanto da Europa como da America Asia
e frica, nao aupara prevenir as molestias da
mas tambem como um meio cosmtico
-
O
c
V

' o
-o
s
I
o
"*w
8
V.
BBBSBl
O'
i.
a S
= 8
e<9
5U

o t) -
u -o -o a
5 :
a -^01 2 2 -Jo a
K!Mt!lH
os's.3(Sa-s5,'a! sr
*"tf o-|SSl5*a.s?3a
L = 7 '" 3 S-i 2 .=
i. < s a u u
UOUSJ
l'ol.issa da lUissia
verdadeira em barris pequeos, desembarcada no dia
18de setembro prximo passado ; na rua da Cruz, n. 10,
em eas, d.> K ilkuinnn & Hosiiiinund
Vende-se ura eicravode narao Angola de 26 an-
nos Irabalhador do servico de campo ; um inulatl-
nho de !l annos multo lindo, proprio para aprender
officio ; urna rscrava crioula de 21 annos, que engoin-
ma cose, 10/i i,lia e lava : na rua das Cruzes n. 22 ,
segundo andar.
=Vendem-,e 9 casaes de pombos ; urna lazarina de
caca por preco commodo : na rua da Florentina n.
5, junio .10 muro amarrllo
Vende-se um alambique e serpentina pipas e
barris ; tudo era de una fabrica de licor ; 2 pesos de
duas arrobas cada um ; 3 i.iixos ; 2 candieiros ludo dr
cobre por preco rasoavei : na Soledade, estrada de
Toao-Eei reir n. 19.
Vende-se urna toalha com lavarinto a roda de
bi can ha de linlie ; na Tiempe, n. 1.
Vende-se sebo de riui de bol em porcao grande e
pequea ; na rua larga do Rozarlo ns. 6e 11.
Vende-se um relogio de ouro patente inglez,
muilo bom regulador enovo; na rua eslrei-
_ ta do Hozarlo, venda n. 1.
- Vrinje-se urna liteira com pouco uso por com-
modo preco ; um cabrinha de 11 annos ; urna preta ,
ae 18 .Minos com urna cria de A annos e meio a qual
r'l,Z'm""' CMihe lava com peifrlco caugalhas ,
a 1/000 rs. : na rua dos Tanoeiros n. 1.
Vendem-se oculos para todas as vistas ; ditos co
aous punhos, cura cabo, para theatro, a 4/000 rs ; lu-
vas brancas|para andar a cavallo a 100 rs. o par; bico
nranco tino, da largura de quatro dedos, a 280 rs. a vara-
dito preto da mesma largura a 160 rs. a vara ; fita de
velludo para cabeca de smhora ; pennas de pato, para
secretaria ; calzas grandes de bfalo e de raz, para ra-
pe ; siipeusorios a polka a 640 r. o par; e oulras mul-
mm'de *a* 'gratas na rua larga do Rozarlo loja de
=Vendein-se no fim da rua da Aurora n. 4, tam-
bores e rodetes de moendas antigs por preco barato ;
dous caldcte, grandes, de ferro coado a46 rs. a l
Drfl*
= Vende-se una cabra (bicho), criadeira de meni-
no con. um filho, que ten. 8 dia* : na rua Nova ,
11. a.
= Vende-se um relogio e urna corrente tudo de ou-
oi a l 'l,de{!'" *"" Pr<, commodo na rua da
Praia de S. Rita Nova, n. 10; assim como se vende em
Alten^ao !
Na loja n. 3, Ja rua do Crespo, ven-
de-se urna mnito excellente rede
niifocturada no Para de
ma-
culis,
Vendr-se na rua do Crepo, loja n716, na esquina da
rua das Cruzes.
= Vende-se, por 220/000 rs. um preto velho, forte
bom para trabalhar e botar sentido a um sitio ; 6 es-
cravos, bons para o traballio da praca e campo ; um di-
to olficial de sapateiro, e que he bompageni ; urna pre-
ta ; de 35 annos .| por 280/000 rs. que cozinha, lavae
puro linho e
bstanle grande por ao'ooo ib. ; pre-
co bastante moderado atientas suas boas
quilidndes.
-- Vende-se um compendio de geometra por La-
crois ; na rua bella n. 39.
Vcnde-sc uiiiii preta
moca ptima cozinheira
engomma solTiivelniente ,
Cruz, venda n. 26 dtuii Jos de S Araujo.
idciii-sc 250 c lautas oitavas de prata cm obras
na rua Nova venda u. Ui.
Vende-.e a armacSo da'lojn da es.
quina do Livramento n. i, da Viuva
de Burgos & Filhos : a tratar na mestni
1oia* 9
= Vendem-se lingoassuperiores chrgadas prxima-
mentaijjp Rio-Grande, por preco commodo; na ruad*
PraW^nrmasem n. 18.
^^Bndem-sr 7 prelas, de 14 a 25 annos com habi-
lidades'; um molcque de 17 annos de nacao de ele-
gante figura una mulatinha de 13annos, cose bem *
fas renda ; 3 prftos para o servico de campo um dri-
les por 160/000 rs. : no paleo da Matriz u. 4, segundo
andar.
Vende-se urna preta, de 18 annos,
de elegante figura eostureira, cozinhei-
ra e muito propria para todo o servi-
co Je casa ,- 4 pardas, de 18 a ao annos
de muilo boas figuras e entre ellas urna
(ierfeita engommadoira cnstureira, ren-
deira e cozinheira ; 4 moleques de n
a 4 annos sem vicios nem arinques ;
i pretos de naco, de aaa 3o anuos, pro-
prios para todo o servico : na i ua Ha Ca-
deia de S -Antonio n. a5.
Vende-se urna canoa nova com
30 palmos de compriinento e 7 de bocea; na rua de
S -Hila n. 85.
Vendem-se espadas prateadas, entre ellas algu-
mas multo ricas para olliciars superiores : na rua o-
va loja de frrragens n. 16.
Vendem-se 3 moleques de 12 a 14 annos; na rua
de Agoas-Verdrs n 17
Vende-sr cha lij ssnn de superior qualidade ein
calxas de 48 libras por barato preco ; na rua da Crtu,
U.2.
Escravos Fgidos
<= Fugio no dia II do corrente dia da fe*ta de N,
S. do Roiario pelas 5 Horas da manhaa ura preto de
nome Silvestre de 40 annos pouco mais ou menos,
de nacao Mocambique ; lie milite barbado destentado;
tero a marca da sna trra ao p das fontea, estatura re-
gular muito grnsso do corpo pes grandes e grosssi,
pernas tambem grossas ; tein as nadegas muito grandes
e empinadas quando anda parece que csela por n.iu
poder andar de pressa e est muito gordo ; he muito la-
dino e conversador com quem Ihc presta attencao ; he
3iiebrulo da verllha esquerda ; levou camisa de algo-
ao ds trra ceroulas e calcas de algndaozinho entrao-
i ailo condusindo coinsigo um bauzinho de inadrirae
juntamente um surrao de pelle de carneiro com uns
rede velha e outras umitas peca* de roupa. Este pre-
to fol do sertao do Ico d'onde velo ha 5 merca, para
esta cidade do Recife, sonde fol vendido. Roga-se a>
autoridades pessoas particulares e eapites de campo,
ou oulra qualquer pessoa que dellesouber e der noli-
ca, de dirlgir-se a rua larga do Rozarlo n. 22, indo
para o quartel de polica, que ser bem recompensada
de seu trabslho.
Oll'ereee-se a gratificacao de 100/000 rs. a quem
capturar, ou descobrir o escravo pardo escuro de
uoiiic Benedicto chelo do corpa pouca barba ; re-
presenta 30 annos, pouco mais ou menos ; he muito es-
perto e bastante capadoclo ; e julga-se que por onde
se achar se inculcar por livre e iiirsmo ter mudado
o nome ; era iiuiiiihero eentendede pescador; fu-
gio de bordo do brigue Catiro-Primtiro, no dia 13 de
setembro. Este escravo perlence ao Sr. Antonio Dias
de Souza Castro do Rio-de-Janeiro. Quem o captu-
rar, reconhecendo-sesero proprio, receber a gratifica-
cao cima na rua da Cadeia n. 45 em casa de Anio-
rim Irmaos Prde-se igualmente a todas as autorida-
des policiaes todo o escrpulo no exanie de qualquer
escravo capturado rn la de que se Ihc tirar por ludo
suminainenle agradecido.
-I1
Dar
NIGMAS
PITT0RESC0S.
%m BDCCCaLVI
M *- 3
DIGIFRAyAO
nao muito
lavadeira ,
serve para
O summario da vida femenina, s5o a-
mores na trra e mais no co.
Pimis.j NA TTP. i>r M. V. F rkh'k
-,mj6


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELFFKOZHV_3JVNUQ INGEST_TIME 2013-05-01T01:09:09Z PACKAGE AA00011611_09442
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES