Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09426


This item is only available as the following downloads:


Full Text
UN HIT]/ I01U0 276
..iwj 4 cetttaf
oftMaieUii u omic

=
MI
ENCARREGADOS DA SUBSCBIPCAO DO NORTE
Parahybe, o Ir. Antonio Alexandrino de Li-
ma; Natal, o 9r. Antonio arques da Silva;
Ar.cy o Sr A, do Leos Braga; Coar o Sr.
. Jos de Plwir; e|ar.nbio,o Sr. M.ooei
Jos Martin. Rifcejw fi,u,rt; Pir JmUoo
cnn
Ollnda todos os dias as 9,4' horas do dia.
Iguarass, Goianna, a Parahyba as segundas
e sextas-reiras. .,
S. Antao, Bezerros, Bonita, Caruat, Altioho
9 Gsranhuna as terg.s-feirai.
SEXTA FEI1A 29 IB ROTEIBRO II Iffl
PtraiMidiiitadtMfMO
Frte fraBco ari t sibwrittor,
AMBCO
RPHBMERIDES DO MEZ DRiOTEUlBO.
2 La ora a I har 44 niatos da |a*efe.
9 Otreno cr.cente as8 horas e niatos 4a
m arrasa.
Pao d'Alh'oraiVr'e^/Umo*lro, Brejo. Pea- II ** V> oraa 47 min tos da man.
Bea-Viata. Vj.**<* horw 47 niato.da
queira, Iogazeira, Floras, Villa-Baila,
"""uricury e Exu as qua> las-eirae.
Cabo.*Serinhaem, Rio Formoeo. Una,Bariros
fita Pvnl. n;_..a.a__-. s>t i .
J Ramos- A m ..-c -c^'-----\-------"I, """".^"onaem, nio rormeao, uoa.JMrselroi
, Andasaa, Todos os correios partea as 10 horas da manhaa]
manha;
PREAAR DE HOJE.
Prtrasiro as a horas e 30 minutos da uenhic.
i Segando as S horas a 6 atiaatoa da tarda.
DAS DA SEMANA.
25 Segunda. 8. Catharlna ?. m. ; S.Jocunda r.
fif Tetf*, S. Podro Alexandrioo b. oa.
7 Qttaet. S. Margarida do Saboia ?.
AUDIENCIAS DOSTRIBUNAES DA CAPITAL. ENCARPEGADOS DA SUBSCBIPCAO DO BUL
Tribunal do commereio : segundas e quintas.
Relacio: tercas, quintas e icbbadosaslO hora,
Fazenda : torgas, quintas e ssbbados aa 10 horas.
Juizo do commereio : qoertss ao meio dia.
ma a, kb B ------------------- i !"> o cumroercio : quartss so meio dia.
W Untte. 6. Gregorio III p.: S. Jacob, da Marce.1 Dito de orbaos: tercas e sextas as 10 horas.
^Jg 8- Saturnino m'.; Illemioata t. | Moaara Vara do dril: tereaa aextas ao meio
M DA HUMIMCIA.
Mn.do a.raa.1 cp.naad.ate das armas. -
SE5o!2!.?:J*.1w "" t. oBde
outobro Ando fui oome.d7n^or^.rt#d,T.r ^ w' -----------~
-Md^aprorioci. o ftffilfffjRS; ** V.**** dte
rasa r..i. _.__! -- ^Buisaiiiinsim ar-
A"o2fiwll0Sn ^w Solidonio Jos
rti. !-?T^* L^8 Mdo V. 8. oa mesma
dai. dtopecjaaae do retecino eommando por as-
noi o basar podido aegaedo consta, do aviso do
ministerio da guerra le 4 deste mei, pede a jue-
t'ca. queeu louve i V. S. pela actlvidade su-
nido salo pelo saraso pnbhco, tom qoecumprio
sempre os devores do seu importante cargo, e
pelos teus bous aemeos prestados a causa da or-
dam e seguranza publica nesta provincia.
Expediente do overno do dia O de
no ve rubro de 1861
Offlclo ao Ex, presidente da provincia da Ba-
ha. No Io vapor da companhia brasileira de pa-
quetes, que passar do norte, serio enviados para
essa provincia com deslino ao 8* balalhao de ca-
Cadores os artigos de farda manto mencionados na
relajo constante da copia inetuza. Gommuoi-
con-se ao director do arsenal de guerra e aos
agentes da companhia brasileira.
Dito ao Exai. bispo diocezano. Solicitando
religioso Fr. Joio de Nossa Senbora do Rosario
a nomeacao de capellio do hospital militar, em
lugar de Fr. Antonio de Santa Rose, que pretende
er exonerado, rogo i V. ExC. Rrm. que se dig-
ne do informar acerca de semelhaote preien?ao,
constante dos inclusos papis. Renov V. Exc.
Rvrn. os meus protestos de estima e considera-
cao.
Dito aocammaodante das armas. Visto que,
segundo V. Exc. dectaroa em seu offlcio n. 1967
de 85 do correte, podem ser despensadb os ser-
vicos do Dr. em medicina Franeisco Jacintho da
Silva Coelho, o sutoriso a dar por fir.do o con -
tracto que elle celebrou para servir oa guarnico
desla proviocla.-Offlcion-se a thesouraria de fs-
zenda.
Dito ao conmaadaote superior do Recife.
Mande V. S. postar em Trente da igreja de Nossa
&onbora do Carmo no dia 29 do cortante as 10
horas da manhaa urna guarda de honra para aa-
' sisiir aos actos da testa de Sasaa Cecilia na mes-
is igreja.
Dito a thesouraria de fazenda. Tendo o co-
ronel de iofaotara, Jos Antonio da Fonceca Gal-
vao, de deixar amanha o exercicio de comma-
daote das armas desta provincia a lim de reco-
Iher-se.a cOrle haja V. S. de mandar passar-llie
guia de soccorrimeoto, bem como ajuatar-lbe con-
tas abonando-se-lhe o sold do correte mez, as
| vautageos, a que tiver direito e o quantitalivo
marcado pare ajuda de cuato.
Dito ao meamo. Em vista dos papis que de-
volvo a que se refere a sua informaco de 23 do
correte, sob n. 1148. mande V. S. pagar ao ge-
rente da companhia pernambucana aomeote a
quantia de 161*000 rs. em qua importam as pas-
sagens dadas dos vapores d> meama coipeanhia
ao desertor da armada Antonio das Nevea Lima e
ae soldado de policia, que o escollou da Paraby-
ba al esta capital, deveodo as outras duas pas-
sageos seren pagas na provincia do Cear, con-
formo V. S. indica na citada informado. Com-
. inuuicou se ao commaudante das armas a ao ge-
rente da companhia.
Dito a meama. Commuoico V. S. que nes-
ta data spprovei o contrato que celebrou o direc-
tor das obras militares com Francisco Rodrigues
Mattos por Antonio Pereira Lagos Guimaraes,
participoo-me em odelo de 25 do corrate, para
como execotar mediante a quaotia de 2>2$000 rs.
os concerlos, e pinturas de que neceisita o forte
'do Buraco. Commuoicou-se ao director das
obras militare*.
Dito thesouraria provincial.Informe V. S
se j foi posta em arremataco a obra da coberta
do Gymoasio Provincial, como se determioou por
fRcio de 4 de oulubro ultimo, e bem assim em
que estado se acha este aervico.
' Dito ao juiz de direito da Boa-Vista.Trans-
milliodo Vmc, para seu con.hecia.eulo e direc-
{8o, copia da ioformacao ministrada pelo solicita-
dor da jusilla, e que me fui remettida pelo con-
selheiro presidente da relsco em 23 do corrente,
com referencia as appellacOes dos reo mencio-
nados na relacio junta ao officio do juiz muni-
cipal do Ouricury de 18 de junho deste anuo,
sobre que Vmc. mformou em 3 de selembro ul-
timo, chamo a sua atlenc,o para a nota fioal da
citada ioformacao do referido solicitador da jus-
, tic.8, afim de que tome conhecimeoto da causa da
demora na expedico das appellaaes, a qne se
refere o mesmo solicitador. O jiro sim, cons-
tando da mesma relago junta ao citado offlcio
d'aquel le juiz municipal apenas a dala do reco-
Ihiruento dos presos dos termos da Boa-Vista,
Ex e Cabrob. haja Vmc. de averiguar o estado
dos seus respectivos processos e providenciar pa-
ra -que estes lenham o derido andamento, proce-
dendo para esse fim como for de direito, e com-
muoicandeme o resultado de suas averigu-
baos.
- Portara.Os Srs. agentes da companhia bra-
sileira de paquetes a vapor expegam as suaa or-
dena para que no vapor que se especa do norte
sejam transportadas dezesseis pegas de bronze que
o director do arsenal de guerra ten de remelter
para a corte, sendo 11 de calibre 6, e 5 de cam-
panha.Commuoicou-se ao director do arsenal
de guerra.
Dita.Os Srs. agentes da companhia brasileira
de paquetes a vapor maodem dar passegem de
proa para a corte no vapor Tocantios em lugar
destinado para passageiro de estado a Francisco
Crispim da Silva, que consta aer desvalido.
Dita.Os senhores agentes da compaobia bra-
sileira de paquetes a vapor maodem dar trans-
porte para a corla por coala do ministerio da
guerra no prmeiro vapor que passar do norte
ao coronel de infaotaria Jos Antonio da Fooseca
Galvo, qne vai assumir o coronando do corpo
filo de Minas Geraes. ,
, Dito.O presidente da provincia reaolve conce-
der ao promotor publico da comarca do Rio For-
moso, bacharel Paulo Marlins de Almeida, nm
mas de liceo^a com rencimentos para tratar da
sua saude.
Dita.O presdante da provincia aaaumdo ao
ao que requisitou o inspector da thesouraria de
fazenda um offlcio desta data resol ve nomear os
professores Antonio figydio da SiWa bacharel An-
tonio Witruvio Pinto Baodeira Accioli de Vas-
concellos e Miguel Archaojo Mindello para exa-
minadores oo concurso a que se teco de proceder
no dia 28 do correle para preenchimonto das
vagas de praticantes da mesma thesouraria, sea-
do o p.'imeiro em ariihmetici, o segundo em or-
thograpbia e o ultimo em leitura a analyse gra-
matical ; e ordena qne neste sentido se expecam
as convenientes.eommuntcecoes.Fueraa-se u
oecessarias csmmuoica^es.
Dita.O presidenta da provincia attendendo ao
Jue requeren o bacharel Joto francisco Duarle
iioior resplve conceder-le o prazo improro-
gavel de dous mezes para aprasentar o seu ti-
tulo de juiz municipal e ds orpbos do termo
de Garanhuas.
Expediente do secretarle do
a juiz municipal do C.bo.S. Exc Sr. ere-
"pa da nraviocia manda accuMr recabido o
offlcio da 13do.correnU, en que V. S. partici-
pou ler lindado a liceo? que binara, e bavor
assumido nequetU data oexeraioio interino do
cargo de junde firalo dltRicammarca.-Com-
mumcou-sa ifteaouraa de Uaenda,
-
_-fl34Mb.
- RtquerimttUni.
Antonio Ferreira de Araujo.Informe o Sr*
Dr. chela de policia. ,
Padre Ernesto Ferreira da Cunht. Dirija-se
ao Sr. commandante superior da guarda nacio-
nal.
Franciscorispim da Silva.Dirija-se agen-
cia da companhia brasileira de paquetes a vapor.
Padre Francisco Virtssimo Baodeira.Infor-
me o Sr. director geral da iustruccao publica.
Fieiden Brothera.Informa o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Fielden Brothers.Informe o Sr. inspector da
ineaouraria de fazenda.
Joao Joaqun de Figaairedo Barbosa.Infor-
me o Sr. juiz municipal do termo de Taca-
ralu.
Luiz Antonio Vieira.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Paulo Jos Francisco.sim.
ZeQiino Rodolpho Delgado da Borba. In-
forme o Sr. juiz municipal do termo de Taca-
ra tu.
) diz hoja, eases ecaeasos foram tramados peta
partido feudal, o qual anda espera facer volur
el-rai para o rgimen abandonado de MautetKW,
o eapaculava qae aa se podesse tornar as (estas
por honra de el-ra en scenaa lunu I teosas, ios
preocoisaana. ao reicontra o poo, e o faada
vidar dos reauliados do presento govaroe Ubaul.
O tumuHa na noite da dia att foi casual, naa
com tanta maia avidez o explorara* para a aort
.eguuUo. J na aaanh* a dia 83, M o.p.lhoa
por toda a cidado da Rerlio. aue o novo Mi d.
u.uu o moiivo para a origa. lasa bastn sao se imita i Pruasia raa im ,m m mi.,.
u^x\x^x^t^^ feurd -" arcis
S ^WT ^^^SfnS 'del^prlS-Je \effir1 !. SS
a deaprestdo para por em acea os urna escuadra alloma, aob a direceo da Prussia,
Alatftas.oSr. Clanditio Falcao Das: Babia.
a Sr. Joa H.rtin. Alvos; Rio da Janeiro, o Sr.
[Julo Per aira Martina.
EM PBBNAMBUCO.
I Z' vl^Urio' d0 m*10 Msnoel Figueira da
Idancu'JE 6a" 8." "" P"C" ** Idepea-
lata dits an numero de votos bas-
do que na panada. O partido dos
tarados do seu lado se tmale agora
na amor- inactivtdade. Elle nao ma-
ora oenhuraa organiss(ao positivs.
alaembla que oestes dias teve lugar em
Wa- abaadooon o plano de ama propria
V".*o menos para a capital, declarando-
-uiu fuso eom os liberaba proirressivos
O memento em favor d'nma esquadra alla-
i entretanto pasto con o movimento
G011AND0 DAS ARMAS.
Qnartel de eommando das armas
de Pernambaea, na eidade do
Becife, em t? de no ve rubro de
iso.
ORDEM DO DA N. 154.
Tendo sido exonerado do eommando das araaa
desta proviocia, como ped, e consta do aviso
do mioisteno da guerra de 4 do corrate, devia
passar o refrido eommando na cooformidade do
decreto de 30 do mez ultimo ao muilo disiincto
bngadeiro o Exm. Sr. Solidonio Jos Antonio
l ereira do Lago, general bem coohecido as nos-
sas leiras, oaos pelo aeu carcter integro, mas
aioda pela aua pericia adminutractira em todos
osramosdoserviSo publico; porm, como ma
oao possa caber essa honra, por isso que, S. Exc
anda se nao acha presente, e necessile de apronta
tar-me pan aeguir a reuoir-me ao meu corpo oo
vapor prestes a chegar do Norte, paaso neata data
na forma da lei o mencionado commaodd ao mul-
to digno Sr. coronel commandinledo2* balalhao
de infamara Luiz Joa Ferreira, quen eulao
cabera honra de fazer a entrega do suppraditu
eommando ao Exm. Sr. brifbdeiro.
Em consecuencia pola prevalego-me da oppor-
tunidade para lourar assaohores commauJantes
dos corpos e companhias isoladas desla guarni-
co, a elRaaz cuadjuvacao que aampre me pres-
taram no desempeuho das funecoes que ora doi-
xo de exercer.
Dos masmos louvores sao credores os senhores
commaodaotes de fortalezas e fortes do httoral
desla provincia ; assim como os chelea das repar
UQoes miluares sujeias a este eommando.
De particular meocao se (azem merecedores os
Srs. major ajudaote de ordena deste eommando
Sebastiao Amouio do Reg Barros, e capuo se-
cretario Luiz Fraocisco lienriques,' pela intoili-
gencia, zelo, solicitude, e aasiduidade com que
aempre se houveram oo deaempeoho daa fune-
coes inhereutes sos seus Bmpregos.
Finalmeote agradeceodo cordealmeote aos se-
nhores ollicues em ger.l o bem com que sempre
cumpriram os aeua deveres relativos ao aervico
puBlico. offerego o meu limitado prestimo na
provincia de Mioas Geraes para onde o goveroo
de Sua Mageetade Imperial, se aerrio transa-
nr-me.
Assigoado.Joii Antonio da Fonteca Galvo.
Conorme.SebaHio Antonio do Reg Bar-
ro, major ajudaote de ore las.
ORDEM DO DIA N. 156.
O coronel Luiz Jos Ferreira faz constar a esta
guarnico que em virtude da ordem do da do
Ilim. Exm. Sr. ex-commaodaate das armas o
coronel Jos Antonio da Fooseca Galvo.' assu-
mio boje o commaodo interino das armas em
quanto nao vier o Exm. Sr. bngadeiro Solidonio
Jos Antonio Pereira de Lago, que por decreto
de 30 de outnoro findo. tora orneado comman-
dante das armas desta provincia.
Declaro por tanto a meama guarnico, que as
ordeos da S. Exc. cooceroeotes ao aervico da
predita guarnico, continuara em plano viror.
AssigoadoLuiz Jos Ferr.
Conforme. Sebastiao Antonio do Reg Barros
major ajudaote da ordeos.
EXTEHIOR.
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE PER-
NAMBCO.
Hamburaro
5 da oovembro ae 1861.
A nossa ultima concluio com a descripeo do
da da caroacio de Kceriltfberg. Era o dia 18
doutubro. No dia seguate as festividades de
Kcenigsoerg tiveram a aua concluso com um
brante concert na corte. no dia 90 levo tu-
gar a vpjta por via de Dsnzig, onde ae pernoitou.
para Francfort aobre o Oder. O'ali suas nsges-
ladea seguiram para Berln no dia 2i, para fazer
no meamo da a sua solemne entrada na capital.
Quanto s recepcoes festivas que se preparara aoa
reaes consortes oo aeu caminho de Kceoigsberg
al Berln em todas as cidades por que passavam
nao nos estenderemos largamente, todas as fes-
taa desaasialureza sendo sempre as mesma. Re-
Dique Boa sinos, trovdes d'artilhana, arcas de
triumpho, uirxandas, bandeiras etc. etc.em
toda parle por onda passavam suas msgestades
se repetio o mesmo espectculo.
Tambem so diremos poucas palavraa sobre a
entrada em Berln. O cortejo dos offlcios a cor-
mais serios a perigoaos excessos. Todava a cir-
cumspaccio do presente chefe de policia interi-
no, o Sr. de Wioler, e o efficaa apoio que ella
enconlrou de parle d'um grande.numero de ci-
dadaos seusatos entra a multidao arficialmente
irritada, conseguiram domar o tumulto deotro
em perto de urna hora, aem ter aido preciso re-
querer o auxilio da farga armada. Se sa tivesse
toroado neceasaria a ingerencia da forca militar,
o tumulto fcilmente poderla ler tomado maiores
dimeasoes, o em todo o caso loe teris dado um
carcter, da que o partido tendal ae teria apro-
veitado para os seus Uus. Assim o tumulto Heou
restricto oos limites a'una bulha a domar pelas
medilas regulares da policia, ao mesmo lempo
que as prises feitas foroeceran i polica pravas
evidentes respeilo das tendencias dominantes.
A tnquiricao contra as peasoaa presas j ao acha
no melbor andamento, e o resultado do tumulto
em lugar de proveito pisparon urna derrota ao
partido feudal.
Tambera em Outro reapeito aa testas da coroa-
cao tlveran consequeocias de qua esse partid
pouco aproveitou. Em urna daa nonas anterlo
ras j dissemos que a idea da coroaco nao era
muito popular en geral. Maior descontenta-
mente causavam anda as difirenos fallas, pro-
nunciadas por el-rei par motivo das fastas ea
Koeuigsberg. Especialmente foi isso o caso com
falla, com a qual o rei liona recebido no dia
lo de oulubro oa membros das cmaras compa-
recidos para o acto da coroaco, quando os mea-
mos se apresentaram na corle. Nessa falla el-
rei liona dito aoa representantes do paiz a vos
sois os conselheiros da mioha corda, oovirai
o vosso cooselho. > Um maleotaadimento em
lodo o caso possivel, achava nessa expressao a
tendencia de assignalar as cmaras, em contra-
rio conatiluieflo, a importancia o'uma corpora-
io nicamente cooaultatira, o de elevar o di-
reito da coroa custa da constituirlo. E' vor-
dade que j no dia da coroaco a falla do throno
a el-rei refutou qoalquer malentendimeolo, ec-
centuando expressameote oa direiioe jurados < e
exprimiodo a firma reaoluco da corresponder
aos mesmos. Maao 4isa>boa. asista uma vez; a
nao se desvaneeeu logo. A impraoss liberal oio
deixou de dar cada vez aais viva expressao a
eaca diaaabor, o partida feudal a roveitoa
disso para explorar no seu ioterena por meio
dos seus orgos o contraste que apparentemente
se manifestara entro o rei e a maioria liberal do
povo.
Mas o prazer nio foi so nio breve.
El-rei, observando a desfavoravel impressao
da sua falla de Kcenigsberg, se apressou da apro-
veitar da primeira oceaaio, que Ihe offereceu
ama deputago felicitadora da municioalidado de
Possdam pira testamunhar mui expressameote a
sua adhesao conatitoigio ; da mesma maneira
elle se declarou urna depulago dos estudsntes
de Berln, a um rescripto d'agrsdecimento o'el-
rei, publicado no dia 3 na gazeta official Slaats
Anzeiger accentua nio menos o incansavel favo-
recimeoto do deaeovolvimento legal do povo co-
mo saa vocaco real.
Esse rescripto diz verbal mente o segaiole :
c A ceremonia do da 18 leva por objacto de
t dar mioha autoridade. a santa consagradlo.
Ella pode aer considerada como uma fesla ver-
daderamente nacional, porque um novo pe-
nhor doa aotigoa a indissoiuveis lagos que
unem a caaa real nac&o. A alegra a o en-
tusiasmo que sa manifestaram- por todo o oaiz
e entre todas asclasaes, commoversm profun-
damente man e rainha, mlnhs espoza, a
nos inspirara um aiDcero reconhecimento.
a Essas lembraogas Acara gravadas noeoragao.
e a espootaoeidade verdadeirameote grandiosa
cora a qual ae manifestoa o pspirito leal de meu
povo na nosss entrada em Kceoigsberg eom Ber-
ln, uma das cousss que nunca se esqnecem.
Reaponderei coofianga que se me tcstemunhou,
e com a qual aempre contei, por minha devogo,
alTectuosa para com o mea povo, cuja prosperida-
de a engraodecimento aio o fim de todos os meus
calreos. Fiel mioha vocagio eu reconhego
que o desenvolvimento legal do povo a me-
lbor garanta do futuro sob a egida da Providen-
cia, no momento onde as testas da minha coroa-
gao tocara na seu tira, ao eocarrego o mea miois
As collectas
J imponen en 330 mil talhers*.
continuara a sempre em progresso.
Tambera ara outro respeilo o negocio ds es-
quadra ten feito maior progresso no ultimo
lempo.
As oegoclacoes acerca da adhesao de Bromen
a esquadra prussisna aa acha decidida, a en
breve ce eapera a reunio de commlsssrios bro-
meases e crussisnos para concluir a respectiva
convenci.
Como os nossos leilores sa lembraro, o cor-
po legislativo da Mamburgo j se declarou no
mesmo sentido de Bramen oa questao da es-
qusdra a por isso nao faltar adhesao de Ham-
ourgocoovango prusso-bremeose, logo que s
mesma se acher realisada.
Espera se tambem que a cid a le de Lubsck
nao tardar da toma.r. am idntico sentido.'a ini-
cutivi pela accessao esquadra prassiana.
No dia 31 de oulnbro se reuni em Francfort a
dieta germnica, tendo decorrldo o lempo das
ferias. De importancia foi urna declaraco nella
partido dada oor Saxe-Coburgo iosislindo ns necessida-
mlerio- de d una reforma federal, e convidaodo os go-
!J2i' Inan'sns toma-li em raaos. E' desde
18 a primeira vez que a reciam agio d'uma re-
forma federal de novo feita deotro des muros
do palacio da dieta.
OHaoover apresentou aojmesmo tempo asaa,j
annunciadamogo, era favor de orna flotilha no
mar do norte, sob a direeede do Haaover. em op-
posigaoao movimento prusso-illemao. Ningaem
mesmo no Hanover peosi em resultado algum
desea ntocAo, que nao aeno uma manobra para
cruzar prov iaorianenta os eaforgos da Prussia.
No dia 11 do crranle, ae reunirn aqui os
delegados doa estados ribeiriohos do Elbe para
rever os estatuios e reguiameotos, que segundo a
coovengio de Dresdede S9 de junho de 1844 re-
*;- navagago lluvial, a para ostabelecer as
modiQcagoes que o commereio reclama to ar-
dontemeole desde tantos anios.
I.O\OBKS.
S de aovembro de 1861.
Na madrugada do ata 9 do correte eotrou no
porto daSoirthamptoo o vapor ryna, com a mala
do Brasil do mez prximo passado, a qual rece-
bemos aqui na tardo desse mesmo dia. Os jor-
naes de Londres nao deram noticia de maior im-
portancia acerca do imperio americaao, mencio-
nando apenas que s colheila na proviocia de
Pernambuco tora abundante e esta va toda j sil-
maior importancia, a oao ser a discussio ltima-
mente havlda eolre lord Lyoos a Mr. Seward,
ministro de ealado do presidente Lincoln, acerca
da priso de dous subditos inglefzes suspetos de
favorecerem os planos ds rebellio americana.
Lord Lyoos reclamou contra aquello acto por ar-
bitrario, cilaodo para provar esta circnraslancia a
consiituigio dos Estados-Unidos : mas f-lo aera
favoravel resultado, porquaato aquella secretario
ae estado sustento qe, no talo Oiceocidna!
era que est o pair, as provisoes da conslituicao
esto subordinadas lei suprema da salvaco pu-
blica, segundo a qual forera entregues justiga
aquellas subditos ioglezes. 0 ministro inglez nio
roplicou ; {mas a imprenta deste paiz tem alta-
mente clamado contra a arbitrarle lado da mellas
pnsdes.
As noticias de Vienna d'Austria chegam at 3
do correte, a sao cortamente de grande impor-
tancia.' "
No dia 21 do mez prximo passado regressou a
Vienna o imperador Francisco Jos da sua di-
gressio a Corf, onde (6t* visitar a imperstriz
que all se acha por virtude de sua saude, tendo
sido aconselhado pelos facultativos a deixar a ca-
pital a Austria durante o invern. Sua Magesta-
de o Imperador demorou-se oas ilhss Jnicas
mais de 15 dias, sendo ahi recebido pelas auto-
ridades do paiz pelo commissario real inglez o
coronel Stotks com todas as honras devidas sua
alta jerarchta.
De Corf regressou Sua Magestade, como flea
dito, i Vienna por via de Trieste, onde foi aco-
mido entusisticamente pela popalago. A im-
peratriz, cuja saude tem alcangado nota veis me-
Ihoras em Corf, dever todava deixar em breve
aquella lugar, seguindo para Veoeza onde passa-
r a maior parte do invern. A medicina procu-
ra paltiar pelos meios ao seu alcaoce a grave
doenga de que eat solTrendo aquella augusta se-
nhora, a que segundo consta uma j muilo
adiantada affecgo polrnoaar. Sua Magestade a
irape>atriz passou o invern ultimo na ilhi da
Madeira oode experimentou considerareis me-
moras.
Apenss chegado a Vienna, o imperador leve
de tomir couhecimento &e importantes aesump-
losi relativos Hungra, cujo oslado de excitaggo
poltica continua a causar aerias spprebensdea ao
gabinete austraco.
Antes de partir para a sua recente viagem, o
imperador Francisco Jos recommendara urgen
temente so aeu chancellar ulico oa Hungra, o
coode Forgach, que este iostasse com os diversos
conselhos municipaes (Comltats) atim de presta-
ren! ao governo imperial o seu apoio na cobran-
Ca dos tributos e no reerutsmento, elementos es-
tes que tanto effectam de perto a existencia do
governo de Vienna ; e com effeito o commissario
regio, que at boje tem procurado embora em
vio trazer conciliario o partido nacional hn-
garo com o imperador na qualidade de rei da
Hungra, exhortou cora empenhnaquelles conse-
lhos da adrninistrago, fazeodo-lbes ver a neces-
idade vilal em que ae achaca o goveroo daquel-
les recursos, sem o que mal poder satisfazer sa
oecessidades do aervico publico, podendo vir a
chsr-ae dos mais graves embarceos.
A obstioagao, porm, em que tem entrado a
nsgo inteira e com ella 03 membros dos cComi-
tatsque anda oao foram dissolvidos, em obede-
cer s ordeas e at s indicagoes de governo de
ii. ...iiuaua e caais iuua ja sil- **D> **s uiuna
va. A respeilo, porm, de Buenos-Ayres noticia- Vienna nio proporcionou ao chanceller ulico
rsra a victoria do general Mitre aobre Urquiza, e ama feliz sologio psra a sua requistg, qua de
a retirada deste para o Rosario, onda seria pro- prompto foi desattendida|pelo povo que se recusa
yavetmente perseguido pelo vencedor. Esta nove a pagar os impostos o a deixar-se recrutar e po-
innuie favoravelmenle sobre os fundos de Bue- los referidos conselhos qne logo prolestaram coo-
nos-Ayres, accreacendo que o governo dessa re- tra a ioc'Qnstitecionalidade daquella medida uor
publica havia ltimamente remettida quinze mil
libras esterlinas para pagamento do dividendo
qua agora era devido ; fica a 90 a cotago d'a-
quelles fundos que tm ltimamente sido procu-
rados. Entretanto o publico inglez nao confia in-
discretamente n'aquelle successo dss armas de
Buenos-Ayres : a a propria imprensa de Lon-
dres, commentaodo acerca dos acontecimentos
do Ris da Prata, de opiniio que ali nio ha tri-
umpho que veoha a consolidar-se.
O cambio desta prega aobre as do Brasil tem
sido desta vez negociado a 23 d 1^4 e 23 d 1|*.
por mil ris. O descont contina sera notavel
alteracao. ficando a 3 1|4 *[0 a 90 dias, S *i. a 80
e a 2 3|8 0i a 30 dias.
Os consolidados ioglezes tm sido cotados a
93 1[4 ; a renda francezs 3 |, fica a 68 francos,
mostrando uma baixa de um quarlo por cento na
ultima semana. Us nossos fundos de 5 [0 ficam
a 99 Ii2, e os 4 Ii2 1. a 91 1[2. Os portuguezes
a 3 [ esto a 47 li ; oa hespanhoes a 3 *|, a
50 !|4 ; oa runos a 4|1 ( a 94 ; os 5 "i, saruos
a 82 i\-2 ; e oa 4 *|, torcos garantidos a 101 3(i
O algodo de Pernambuco a de Maraoho tem
eooliouado a ser muito procurado, obtendo altos
prego j ; flea cota do de 12 d 1[2 a 13 d por libra.
A especulaglo neste artigo tem aido extraordina-
ria em Liverpool a Maocheater pelo receio de que
a guerra civil dos Estados-Unidos nio venha a
ter um prximo fim.
O carao do Brasil fita cera a eotsgio de 55 a
66 a par cwt; o caf de primeira qualidade de
mnmf h! r J" Me.r.ia "'"P'8*9 fl0 *- 66 a 76 s, o de segunda dita de 55 a 63 s.
SL as\h.?L Un2* ?rai,d"' t qM r,inh' e e ordin.no-da47.-54 s per cwt; o poW
eu nos .chamo, penetrados. sil s 80 s por tooelada. llvro de d.reite ; o assu-
srftrs-^irr^Ms'H^s^
Officio ao bacharel Francisco Augusto da Ca*>
sua entrada, ae compuoha da mais de 50 mil
pessoss a se estendia por algunas milaas.
Alem desse numero imposento se tornou aota-
val a quantidede da baedeirac cllemaes. levadas
no cortejo, e sempre saudades cora jubilo a en-
tusiasmo pelos) espectadoras. O numero das
pessoas presentas as rasa a pragas pelas quaei
se movea o cortejoinclusive as colloeadas naa
jaoellaa a oas le hados das asasse avalia em
meio milhao. As 12 horas a meia comacou a
entrada, e s s cinco a aaia acaben a desfilada
do cortejo dos offlcios perante o palacio, onda
suss magestades sa apresentaram ao balcio. Du-
rante as festividades, apazar di immensa concor-
rencia de pessoas, a tranqulllidade as pragas e
naa raaa nio (oi interrosa pida en nenhuma par-
la ; a povo exerceu par si naamo a polica, co-
no os corpos de policia presentes nio podism
fazer faca a essas to gigantescas multides. Bo-
rnate de noite bou ve pancada a'uta neceo mal
reputado, aendo -o motivo ana briga n'una ana
publica, maa passoo-sa sera consecuencias desa-
gradecis. Na seguale noite do dia -J purera,
Olla servio da motivo para excessos, que tona-
fam na saraater axcanirameots serio. Segando
As fesias por ocessiio da coroaco, entretanto,
nao liveram o seu fin cora a entrada solemne
no dia 23. Seguiram-se pelo contrario numero-
sss festividades da corte a da diplomacia, eatre
aa quaea sobretodo bnlhou por sua pompa e
grcodiocfdade, o baile; offerecido Suas Mages-
tades peto embeltador francez, duque de Magen-
ta. Em poucos dias os rases consortes teem de
ir para novas fastas na Sileaia, especialmente
para Breslsn, capital da Silesia, oode de novo
ter lugar ana solemne entrada.
Segundo o primeiro plano a partida j devla
ter lugar hontem, uma (igelra indiaposigo d'el-
rei perm, fez adia-la at o dia II. Na noite do
da 16 el-rei esperado de vollaem Berlio.
Todas as festac. tanto as de Kceoigsberg, como
aa de Berln, foram favorecidas por nm tempo
bailo a claro, rarissirao na presante estagio do
anno.
O regulamento publicado pelo ministerio para
aa prximas eleigea, e uma circular qua a acom-
penha dirigida a autoridades provincices a ter-
ritoriaes respeilo da reslisago das mesmas
eleigoes, foi recabida eom grande sstisfaccio por
toda a parte da Prussia.
O ministerio se declara do modo o mais posi-
tivo pala plena liberdade daa eleigoes a toma to-
daa as medidas devides para proteegio da mes-
ma. Ao nesmo tempo se flxtram os termos para
aa novas eleigoes, sendo o daa eleigea primarias
o da 19 do corrente, a a para as eieicoes dos di-
putados o da 2 de daaembro.
Finalmente o movimento eleiloral, paralysado
durante algara tempo palas festaa da croecio,
est deseovolveodo maior aetivtdade.
Sobreludo o assim chaado partido progresso,
isto o partido dosliberaes progressivos, no qual
se fundirn oa elementos mais pronunciados do
coligo liberalismo a uma grande parte da vetha
democracia, raosira una actividade aempre maior.
Em Berln parece ter elle j segara a maioria as
eleiecs. Nio monos poder elle estar certo
d ana victoria eleiloral na provincia da Prussia.
Quanto s outras partea aa manarehia, nio pos-
stvel deada j fizar juizo da raaultado eventual
que elle conseguir. O qne entretanto se pode ad
parte do governo de Vienna.
O protasto do cardeal arcebispo de Gran, pri-
maz da Hungra e presidente do < Comitat de
Gran, tem sido publicado pelo imprensa europea,
causando aqui viva impresslo pela energia com
que aquelle prelado sustenta os direitos da na-
conalidade hngara. Sua eminencia, firmndo-
se no ioeontestavel direito que pela coostituigao
di Huogiia pertence exclusivamente dieta de
votar os tributos e a torga armada, declarou-o
flrnxemente naquelle protesto que faltara aos de-
veres de cidado fiel se oa sua posigo de presi-
dente da administragio de Gran houvesse de
aconselhar a medida inconstitucional e por isso
illegal que lhe era insiouada pelo chanceller u-
lico, e conseguintemente declinou tomar sobre si
tamaoha respoosabilidade. Nestes termos se ha-
can exprimido varias outras corporagdes daquel-
la natureza, merecendo todas a reprovagao do
governo imperial por este aotender que por
aquelle modo buscavam ellas exaltar cada vez
maia a irritaco crescent oa Hungra.
O cardeal priocipe Primaz, que pela autorida-
de de seu nome e por sua alta posigo social me-
receu immediata attengo do goveroo do im-
perador, foi sem perda de tempo chamado s Vi-
enna para na prsenos de Sus Magestade dar con-
t de aua conducta, alias reputada pelos minis-
tros de carcter insurreccional; e foi effectiva-
meote recebido em audiencia particular pelo aeu
augusto soberano, peraote quem segundo afflrma
a imprenta sustentou com ooergls os fundamen-
tos da sua resposta requisigo do conde For-
gach, allegando todava qua nunca contemplara
que aquella sua communicaco confidencial vies-
se a ser publicada pelalmprensa.
E' todava evidente que semelhaote linguagem
- a- oacwf mmv v uuvuv v vos**
car de Pernambuco a da Parahiba branco de
26 s 30 s 6 d per cwt, a o masca vado-de 18 s a
25 s; o branco da Bahiade 23 a 6 da 30 a 61,
a o masearado de 18 a 6 d a 23s 6 d ; e, anal-
mente os coures salgados do Rto-Graod de 5 d
3(4 a 7 por libra, os seceos a 8 d e 8 d 1(2, a os
seceas salgados de 6 d a 7 d por libra:
Chegaram a diversos portos deste reino, pro-
cedentes de varios do Brssil, os seguiotes na-
vios : do Cear Ariel, 24 de oulubro, a Liver-
pool ; da Parahiba Linda, 24, a Liverpool ; da
Bahia Proteus, 24, a Gravesend; do Rio-Gran-
de Helena, 31, a Briitol ; da Rabia Adonis, 3
do corrente, a Deal ; de Pernambuco Trineuio,
2, a Liverpool; do Rio-Grande Juliana, 3,
Falmouth ; da Babia Bune, 5, a Liverpool ;
do Cear Jane 5, a Liverpool ; da Bahia Mor-
nina Star ,5,; a Falmouth ; a da Pernambuco
Dante 6 a Clyde;
De Inglaterra seguiram para varios pontos do
norte do Brasil os segniotes navios: de Liver-
pool Horitt, 25, psra o Para ; da Gravesend
PriteiUa 26 para Pernambuco; a de Liver-
pool Elisa Harndt para Pernambuco.
A cotagio dos fondos das nossss estradas de
ferro nesta nraga a seguiote : acgdes do Reeife nm
%,% I1!/** 2 3l4 2e OBcont? 5 aitM da B,hi> folhs desta capital, referindo-se a noticias de
fl..^e.i! ".,!.."!eB0DUU!mi t^,?i28t,a. Venn, de 2 d0 o conselho de ministros
a 1[4 premio e ditss de S. Paulo de te 112a lt4 propoz ao imperador e foram resolvidas as segui-
do descont. Os jornaes desta capital aonuncia-1 tes medidas ;
rara que havia sido aborto ao publico o tnel da
Pojuca, e a ana ootieia poda attrbuir-se a alca
hactda as acgdes ds Babia.
No dia \* do correte aolemoison era Windsor
Saa Hcgest.de a rainha a instltuigao de ama no-
va ordem militar e civil Inglesa cora a denomina-
gao de Insigne Ordem de Estrella de India. A so-
berana, como grao mestre, cauterio essa oova
distioceio ao orincipe consorte e ao principe de
Gallea, bem como aos ganeraes viscondes de
Com normare a Qough. lord Clvde e aos barn e-
tes Slr John L^vrrenca a Str Geerge Polloek, os
qnres todos sarvrram na India. O priocipe in-
dnoo Dulccp-Singh fot tamban agraciado com
aquella orden,
as noticias polticas que desta ver posso eom-
nao poderla jamis ser agradsvel ao Imperador, *es, visto o rgimen de terror proclamado
'que persuadido de sut juslica deaeonheca na Hua- n
gria o direito de reclamar hoja os favores ds sua
coostituigao quando a dieta de Pesth foi a pro-
pria que obrgen o goveroo de Vienoa a langar
mo de medidas supremas, como tem sido as dis-
soluges daquella mesms dieta o de varios con-
selhos de adminislragio.
Assim pois parece que Sua Magestade obeJe-
cendo influencia de suas creng.s ceosorou po-
sitivamente a resposta do arcebispo de Grao ao
conde Forgach, declsrsndo nessa mesma occa-
silo aquelle prelado que havia por bem diapen-
sa-lo da presidencia do aComilita de Gran que
passaria a aer administrado por um commissario
regio.
Nestas circumstanciaa o gabinete de Vienna,
alarmado pela resistencia passtva que cada vas
mais encootra ns Hungra e receloso de que a si-
luago actual ae desenvolva de um modo mais
hostil ao imperio, reunio-se oo dis 1 do corren-
te debaixoda presidencia do Imperador para, dis-
cutir aserie de medidas que em occasiao to cri-
tica cumpria-lha adoptar. Segundo annuociam
cgo em virtude do diploma da 20 da oulubro.
le a nova constituido d'Austria.
Estas medidas rio causar, s*m a menor davi-
da grande irrUaeio aa Hungra, onda e pora as-
a ja furiosamente enraivecido contra a dotnina-
f ao o Austria, o coosegainlaneata dispo-lo anda
maia pra uma exploaio revolucionaria, logo que
as circunsiaocias lhe a permutan.
O partido nacional Sueca caotar a aacie den-
tro 4. tealOencia .pace**, aperando que a 00-
Uica estraogeira tone partido cootr.' AUI-
em defeza da patria.
Kossuth. que aqui reside a a alma do partido
uirn.u!,?i.ro' n0,iM de *mmmtZ .o*
ffi- .?! ,olM I?" 1aw !*?> de hosti-
diJ i P flDe" : aUo 1a ">
nmhal ,gM Pil"'1'' HUbr <" C0"f >
combates para fazer causa comnam cora a Italia
assim aniquilar, como aem duvida o fari o po-
der de.potico da ca.c d'Hapbaburg
i..?pe"dor R-'Mi'sli ate trame, apar
isso tem concentrado naquelle reino bem como
na provincia de Veneza. numerosas toreas pronp-
MecPeVcUeSLUr j.*u.r"i< to poderoso
o exercito de que diapoe am srabos esses pontos
que nenhuma duvida tem do triumpho, ccao a
reyolugao levante ali a esbeca. isol.da do apoio
exiraogeiro que os patriotas Hngaros a de Vena-
si esperara reseber de novo roiao ds Italia.
Nada posso afflaocar com certeza acarea da
probidade com que contara aquellea patriotas re-
lativamente ao auxilio que parecen esperar da
Italia ; ha todava indicios que denotara a inlen-
gao do gabinete de Turin de collar prximamen-
te sua attengo para a liberdade da Veaeza. *0
tlalu. quo em que o imparador Napoleio conser-
va a questao de Roma, maniendo all indeni-
daneuta as suss tropas, e afinal padficaco do
sal da Italia pelos esforgos de Cisldioi, o que
habilita o goveroo italiano a dispor de todas as
suas torgas de trra, prescreem na actualidada
a esse governo uma nova poltica tendente a ac-
tivar a grande quaalio Heliana que consiste em
consolfflar a unidade do novo reino aob o aceptro
do re Vctor Rmmanoal.a guiado por aseas visus.
o gabinete de Turin moslra-se dieposto a empenhar
a lula com a Austria para libertar Veoeza. fiado
provavelmepie no apoio que eapera recebar da
o Hungra cuja sublevarlo deveii seguir a iovulo
do territorio de Veneza pelas tropas italianas,
tira de por este plano ser dividida a aeeio do
forraidavel exercito austraco. O Pleroooteconta
dispor de trezeotos mil homens de primeira
liohs. '
Apezsr porm destes boatos que correm, nao -
me parece que plano semelhaote pona ter entre-
do seriamente na cabega do barao de Ricaaoli^
de cujos talentos se faz a nais alta opin-o ;
porquaato, aendo certo como que a Frange nao
apoiar s.emelhanle iovasao, a ronaequeocla d
umsemelhante passo seria uma certa derrota-
para a Italia, que bem longe esl de poder lutac
i r.a Aulna- enibora veoha a ser auxiliado-
pela Huogna. Pode rauito bem ser, a isseo me
parece crivel, que o governo de Turin espalha
adrede cemelhantes boatos adra ds induzir o im-
perador Napoleio a evacuar Roms pelo receio de
que a naofaze-lo veoha a Italia a atacar a Aus-
tria, acendendo assim oa Europa a chamma de
uma guerra geral, que a Franga tanto procara
evitar as actuaes circumstsncias. Maa duvido
que a giria do ministro piemontez venha a colher
o tim desejado, porque, na opiaiao dos que se*
reputara bem informados acerca da questao ro-
mana, o imperador nao deixar o seu posto de
observago na eidade eterna emquaolo a queslio-
de Veneza nao vier a aer resolvida de modo soli-
do a definitivo, e anda enio lera a regulara po-
sigao do pontfice romaoo.de cuja guarda ae tem
incumbido ha j tantos sooos. Afflrms-sa entre-
tanto, que na prxima reunio do parlamento-
italiano a 20 do correte, o partido de acgo ae
que pertence Garibaldi, urgiri o goveroo pela li-
beragio da Veoeza j qua deve anda mauter-sa
o slatu quo em Roma ; e que o bario Ricasoli,
depois de haver explicado peraote o coogresset
a potinca do gabinete em rel.gio quallas emer-
gencias, dar a sua demisso sendo substituto-
pelo Sr. Rattazi, reputado hoja estar de accordo
cora o imperador Napoleio acerca da necessi-
dade de impedir a lula entre a Austria e a Italia.
O general delta Marmora ro nomeado para
substituir o general Cialdiot no eommando mili-
tar de aples ; e este acaba de seguir para Bo-
lonha, onda vai tomar posse do eommando de
um dos corpos de exercito. Cialdini coasegui
analmente pacificar o reino de aples, extermi-
nando as guerrilhas ; annuociam todava dalli
que Chiavooe ae conserva anda na Basalicata
com tresantos homens.
As noticias da Polonia sao ds carcter grave.
0 paiz se acha sob o rgimen marcial, o as auto-
ridades militares fazem diariamente numerosas
prisoes.
No dia 15 de oulubro prximo panado, oni-
verssrio d. morle do general Kochinsko, centenes
de patriotas que eochiam aa igrejss de Varosla
foram preaos, sob aecusago de provocarem aedi-
gio, tendo lugar esse succeaso dentro dos tem-
plos onde occorreram varios ferimentes. O viga-
rio captiular daa eidade declarou logo essas
igrejss interdictas e nandou fechar todos os tem-
plos. O cooselbo de estado sospendeu suss saa-
islo o rgimen de terror proclamado na-
queda capital, e representou ao imperador ; maa
ningaem espera que o Czar mitigue seus planos
de aeveridade. O general Lieders acaba da aer
nomeado governador de Varsovia em subslituici
do conde de Lambert. ,>
De Nova York temos no" .as at 24 da oulu-
bro. No dia 21 daquelle mez o general Stono
atraveasou o Potomac cora dous mil honens, a
attcou os confederados em Leasburg ; mas, de-
pois da um vivo fogo em quesuecumbio o coro-
nel B.ker, senador pelo Oregon, foi repellido
pelo general Banks com grandes perda. Annun-
ciam todava aliima hora da Nova York que ella
retomara Leesburg. Uma forte esquadra do nor-
te, reunida am Cnasspeake, ia parUr contra Chsr-
lestowo e NovaOrleans.
real
mi.> -r77-.. a JI .T" i"V VT"' "?' I A'. ""c" pnuucaa que desta ver posso eora-
mlMir oa certaza qua alia ter sua dUpasl- Ijnaniea eom relscio a esto pan oo oflmcoa
Lisboa
5 da novembro da 1861.
No da 4 do crrante mez houvo a sesso
d'aberlura das cmaras.
Pela 1 hora da tarde, esleodo reunidos aa cesar
da cmara electiva os digaas pares do reino a
Srs. deputsdos da naco portuguesa, e todos ost
raerabro da naci portuguesa, e lodos oa mem-
bros do ministerio, oceupou a cadeira ds presi-
dencia o Sr. conde de Laborin, vice-presidentai
da cmara hereditaria, a declarou. aborta a
sessao.
O Sr. presidente do csnselho da ministros Isa c*
decreto de 30 de oulubro ultimo, pelo qual S. Jal-
da commisso ao ministerio naca abrir a sonta,
e finda esta leitura, S. Exc. Isa a seguate allo-
cugio :
< Dignos psres do reino a Srs. deputados da
naco portuguesa :
Em exeeuglo do decreto de que acabaos da
ter conhecimeoto, compre .o ministerio, por com-
misso deS. M, o da ver de abrir a presente aessaa
legislativa, na conformidad do qua dissoes a car-
ta constitucional da mooarchia a a lei do 16 da
Considerando o estado de sn.rchi. em que se
seha langad. a Hungra,Sua Magestade ha por bem
aomearseu lugar tenenta naquelle reino o mare-
ebal conde PalrT, que tomar a direcgo militar
daquelle estado a par do governo civil
0 conselho provincial da Hongrla aera reorga-
aisado. Todos os Comltats ficam dicsolvidos.sen-
do todava comeados commissario! regios para
administraren! os dlvorsos distrtclos.
E finalmente os tribunaes militares serio in-
vestidos de jurisdiegio bastante para iuleaxem as
pessoas secutadas de alta traiclo. as quo tenta-
ram iosurreicio oa retistirem s autoridades, pu-
blicas. Tal o expodlen'.e que no meio de to se- coocmuciooi
riaadlfflculdadeajolgou o gabioe;l8 austraco de- -ulho-da 184.
IlrJ0D,H, proc!'m,od0 de f*to 'e1 marciall S.M.acha-so felixmente qnati reslabetectdo.
ailora. suegus con sempre, r. qut exarca a a l ni flosn^s qus ultlmameata xaerimesAou, mca


n nasm ai f r iin tm
infsnl
UBIO M RUM1DCO. SEXfA FE1KA 19 DE flVEMBRO M 1881;
Hiendo o memo a S. A. o infante D. Fernando
Joberatxo toram to grifes que ha de desearregar
apote de urna graye enfes^ftM. (uo r.hft, |WBreparad8.
iMitc senos cuidados, encentra-se. graga a Q di eslava eicelleote, a mar ere favoravel
Providencia, em estadaWattUta^asia'aiitie.
Teve lugar, no ioiervsllo que dacorreu desde
escerrament da ultima saaiiat adsaaaaOaeae
sorcio de S. A. a Sia. infanta D. Antonia, com S.
A. a prtacipe Leopoldoh.Ho hangar a
No cuito periodo maexiouadb.. decorrido dej-
aba Uioaa unSai toan-se ofpvjMp* emoteftdo
aajatveraente na execugo das n, ajtjaV imprtan-
le ue toram adoptad* etoccorpo J|ila-
Continua S. U. a recabt.do* oberaaeedas
tatos alliadas a a mais satisfactorias provas de
aauxade e be a iuteUigeaci.
a Opporlmiamente vos sero apresentados, pe-
los mioislros de S M. o orcarnento da receita e
dentaftia rtn estado, a aa prepoataa e esclarec
aBeoto relatiros aos diversos ramo da adml
^s|od(j rejo e.das, provincias uUca-ma-
tabl4a litigue Soberano.
Pelo Tapor D. Antonio se receberam noticia
ovincias de Angola at 2 de outubro ulti-
mo ; de S. Thorae Principe at 8, e de Cahp-
ilBJttM eipa me;. S
O gorernador geni de Angola bata regretea-
do a Loanda no dia 26 de Miembro por ler aido
accommeltido das labras Zm Malange. Aaduas
immaa da expedigao coolinaaTam era opera-
ira em Cassioge, e a seguida so
Seag.
Confia S.M. do voo eeloa inlelligepeia,
0,ue hateis de novo coucurter efficazmente. para
asegurar o crdito devido a iDetitukoe polti-
ca que temos a vant.gem de possuir, para o
loelhor desenvolvimenio da prosperidade da na-
ja a que no honramos de'peitencer.
Est aberta a sessso.
Terminada a leitura o Sr. presidente declarou
eueerrjda a eesslo.
Houve sesso ordinaria no da 5 ; sendo urna
lMca-4*Urde, e presdeme aja cmara dos depu-
fados depoTs de Ter convidado dous depuados
ara secretarios, leu-se Da mesa um officia do mi-
nisterio de reioo acema.uhacdo o decreto da da-
ta de 5, que eddiou as aesses das cortas ordina-
rias (tara o da 2 de Janeiro prximo futura.
(^presidente declaran estar (echada a tetrao.
A'vista de urna carta esa que tratados melho-
raaaentos pblicos de que j goza a provincia do
Algarve, termina a roesma por se referir aos pro-
ductos que,esta provincia oiiea pira a exposi-
gao uuiversal de Londres, e os quaes ealiveram
exp*loa u'utu .vaalitaiaao sali si eidade do
Faro. aos dits 14 15 do mea prximo passado,
sendo visitados por 600 a 800 pessoisv
O numero.dos expositores excede a 20 e o dos
poductos de parlo de 30.
-Bagando a mencionada correspondencia leve
usa parle acimssinu em reunir estes productos
a secretario geral daqoelle dislricto.
tas a noticia dos productosei posto. -
Os productos expostos sao : elgodo de Nan-
eas, dos Sis. Bellos ; alfarruba, canclla e mulot-
ta ; agurdente de viaho, ligo paesa ; amendoa,
atallaa, coca, molar edurasta;]aluni aecoo ; azei-
le de aliveira nao clarificado (1860) ; zeltona,
galleges e maasamilha angular ; chcharos ; cor-
nea ; cardo ponleador ; cera amarella e branca ;
ceuleio ; ervilhaa ; fejao braoco, amarello en-
carnado e careto ; folhagem de milho ; grao de
toco ; jeropiga de 1855 ; la a branca e preta ; mel;
silbo sequero e regado ; miueraes differentes e
em grande quanlidade ; manleigs ; notes ; pas-
as da usas, de figos coleo, roaslioete, sufruo,
verdeaes e enxadios ; ameixas, bruolio e raioha
Claudia ; peras flamengas ; pitia lamento ; pl-
meatadeGoa ; polvo secco ; pinhao braoco ; tri-
go de eaxulo o pragana braoso, ribeiro, tremer,
asa de corvo, pombinba; uvas, assario, mantiar-
do, de tres novidades, negro, molle e pargo; vi-
nagre (1818) ; viahos Alicante de 1808, tiulo e
branco da 1841 bual de 1815, branco doce de
1865, pasto d 1860, Madeira imitado etc. ; sal
Uao de 1861, a slguos mais, que vista podiam
escapar.
tntre os numerosos objectos com que o conse-
lho de Oliveira de Aiemeis concorre exposicao
de Londres, liguram os do Sr. Joo Nepomuceno
Rbello Valente, natural de S. Thiago de Riba
aU\, sao os segutoles : um vaso de bucho, im--|
lando o natural e em que o expositor gastn cin-
co annos de trabalho, urna collecco de madeiras
do pas com 128 especies eolbidas e preparadas
p*lo mesmo expositor, urna collecco de pedras
do caotaria picadas-e lavradas, urna collecco de
pedras de.aar e amolar, urna eollecco de 11
qoalidades de trigo, outra de eijes com 50 es-
pecies, outra de faos, outra de ervilhas, solos e
sab solos maia conhecldos no conse>ho de Oli-
veira de Azemeis, adobos frequememenie usados
np mesmo conselho, urna collec;o de cascas tex-
tos, articas e ralbas de Ia qualidade, lpulo nao
caivado, haga de sa<.ugueiro, sarglioem palha,
smente de bacpira, car-ios penteadore, milho
oricanochamadoDultorj. dito chamado Joa-
quiajp, cenleio barroso e gsilego, gao de bicco de
ouas qualidadas, lentilhas, xisaros, linho da Ocea-
nja, em bruio, seda em rasulos e Gala, e final-
mente ums collecco de encherlos em modelo
ieitos pelo mesmo expositor.
< Aegresiou de Msrrocs a corveta de guerra
-Sagras com s excedente viagem de 46 horas, ten-
do navegado duraute24 horas panno. Este na-
vio tinha sahido daqui no dia 17 do mez passado
para Taoger, sendo conductora do prsenle feilo
por S. M. el-rei D. Pedro V. ao imperador de
ttarrocos. Fuodeoo em Taoger do dia 19.
-OSr. Jos Daniel ColUco, nosso cnsul.era
taoger, que tinha ido no Sagre, foi saudado na
occasio do seu desembarque com urna salva de
onza liro.
No da 20 foram para trra n'uma embarcacio
marroqujna.osqtiatorre volumesquecompunham
o presente.
Embarcaram no dia 29 do mez de oulubrS 43
degradados com destino para Angola. A maior
parle delles vieren ltimamente da relaco do
Porto, como condemnados naquelle dislricto.
Dos poucos pertencentes ao disiricto da Rea-
cao de Lisboa, foram Pedro Vaqueiro, que ha me-
zes degolou a sua amasia na ra do Cspellao, e
Sebajtio Mara de Jess, que roubou as ioias da
Sfa. duqoeza de Saldnh,a. Est foi acompaoha-
dd de sua mai, modista deCoimbra, que daquella
eidade veiu ultimsmente, para ligar sua sorle
de seu lilho.
O distincto escriptor Lopes de MendOD^a, em-
barcou com destino ilha da Madeira para tratar
da sua sade ; no echando all melhoras algu-
nras de sua nfermidade regressou a Lisboa leodo
efeegado oo dia 9 do crtente.
Coosla que o Sr. bare de Moreira, cnsul por-
tuauez no Rio de Janeiro, esperado em Lisboa,
na-Ti dos prximos paquetes transatlnticos, por
ter sido chamado pelo governo.
O Sr. G'iitherme Augusta Machado Pereira, ne-
gociante da pracs do Porto, foi agraciado com o
titulo de visconde de Pereira Machado, em sua
vida, por deerelo de 18 de selembro.
Le-se no i?o/etMn Oficial ta ilha de S. Thiago
de Cabe-Verde, de 21 de setembro'.
" Otosnporal, que hootem se fez sentir netts
ilha.causou grave prejuizos. Serism 11 horas
qando o venlo eomecoo a soprr com forqa e o
mar a embravecer pouco depols tornou-se um
temporal desteji. As ondas arrebatando oo meio
da'bahia, pozeram em risco os navios que esla-
ani fuodeados.
A lancha da faieuda e o esealer grande da
a)f^ndega que eslavam ancorados, foram os pri-
mearos qoe o mar arrojou praa, seguiram-se
depois as lanchas q- estavam com a bocea pela
pApa dos navios. O > ito, mar e ebuva no auge
o> sua for^a, fea em aeguia gsrrar lodos os na-
vios no aocoradouro, vindo tres delles, a escuna
portugueza Campoltrfe. a ameita e patacho Mon-
teiro l enealhar na praa grande da slfandega.
O patacho portuguez Unido, a ftscuna Pom-
n. o lambote Mario, da Solidade e o patacho
trancez Les Jumeax, corrern o mesmo risco,
porque o marvinha com a maior violencia arre-
centar sobre elle; todava tivram a felicidade
de po.der aguentar-se sobre as amarras.
Logo no cometo do temporal foi urna forga
da primeira liona, acudir e salvar as embarcacoes
que viessem s praias ; este auxilio foi immedia-
tamenie prestado ; a elle se deve em grande par-
te terem sido salvssalgumes das lanchas e esca-
lerea que encalbararo. A escuna Campolide est i
despedjada, a Amelia lambem tem avenas de
aonrtderacoef. O pstaaho Monltiro conserva-
edireito no lugar era que encalhou.
* Par preveocao conservou-se Da prsla duran
te a Baile, urna fugueira para indicar aos navios
fundaados, um lugar segure, se tivessem a infe-
licidade de Ihe fallar as amarras.
Mo dia 4 do corrente houve do quadro da t\-
latodega grossss avariasdevMo ao mo servicode
un piloto da barre :o brigje Soberano, que de-
via sabir para Peroambueo, recaben a bordo o pi-
loto eocarregado de dirigir al. barra.
Nao contando eom a violencia da corrente. ag-
gravada actualmeole pelasu|timssaguas plivjaei,
o ptleio bouve-se com tanta improvidencia'
aasieixo, que o brigue Soberano velo eahir sobre
mm*if^'** io*\nB, e, arraslapdo-s, foram logo
atoidea tambera os navios Valgo, ligeiro,
Boa Fi a *n*bal.
Todos estes navios soffreram njaiofw.oB ajeno-
re afana; as, segando se diz, as do biigue
De Benguef oio havia aovidade. Oaaalabe-
tociawita de Novo Redando e Quilombo,eatovam
Mallos, e nao havia receto de novo insulto
lio. As aoticias do norte eram.bo*, lu-
yendo perfeita Iranquillidade no AmbruTBembe
a Loago, ________________
Em Cabo-verde e S. Thom nada bata de
noy).
Chegou o vapor frica 'Angola, perteocenle
companhia Uoio Mercantil; d por noticia ler
o goverosdor geral Calmiroa sabida de Loanda
para o serlo alim de baler os.pretoa que assola-
vam o territorio portuguez na direccao de Bem-
be, para Coareru desambaracadqs os camiuho do
serto ao cemmercio nacional interroovpido por
differentes vezes pelas correras dos pretos.
Segundo s carias que vieram, -as habitantea
achavam-se satisfeilos com a esclarecida a. enr-
gica administrado do Sr Calheiros. e esperavam
que eita.aua digxessao ao mallo pioduzi&ia es me-
Ihore resultados para o commercio e agricultura
daquejla provincia, obstando por este meio a re-
petirlo das invasoes dos cofres sobre os nossos
estabalecimeotos, e sos roubos pratiados pelos
meamos as fxendas remellidas par o in-
te tipr.
Tinha ebegado a Loanda o bispo da respectiva
diocese, e fOra muitu bem recebida e~festejado
pelas autoridade e publico daquella eidade.
No dia 20 de agosto procedeu-se eleicao dos
dous depuados que d iq^uella provincia. No
primeiro circulo ucou empalada a eleigao entre
os candidatos Roboredo, Amaral e.Seixas, leud-
se de proceder mais tarde a escrutinio forcado
No segundo circulo sahio reeleito por urna gran-
de maioria o Sr. Julio de C'lr Piolo Maga-
ihies.
Receberam-se na repartiejo eempeteole. no-
ticias de Mozambique al 24 de agosto ultimo,
pelas quaes consta que tinha all chegado no dia
11 do mesmo mez o vapor 0aro de Lasarim,
no dia 15 a fragata D. Fernando, ano dia. 20 o
vapor aria Atina. ,
A fragata, que tinha conduzido para allt sol-
dados, armas, munigoea, dtnbeiro e oulros objec-
tos, j eslava desesrregada, e devia seguir para
Goa, no principio' de setembro. *
O vapor Zambere. que foi desarmado a bordo,
da mesma fragata, (cava armado e tundeado ao
p do arsenal, com a caldeira no seu lugar, de-
vendo em poneos das ficar prompto a navegar.
Os vapores Carao de Laiarim e Mara nna,
j tinliao desompentiado commissoes de servico,
e em breve sahiram para o norte. A escuna
Angra suppunha-ae ler ido arribada a lbo. Vie-
ram lambem noticias, at 20 de setembro, do es-
tado da India, onde nao havia novidade.
As noticias de Mozambique, segundo diz o Ul-
tramar, sao pouco favoravejsao commercio, pois
que o movimenlo mercantil era quasi oenbum.
Dous barcos que chegaram de Lisboa, Assump-
caoe Tejo, foram obrigados a vender os seus
carregamenlq a prazos de oilo a doze mezes.^or
nao haver quem os quizesse comprar a prompto
pagamento.
O marQm que se venda a 50 pesos, baixou r-
pidamente, e eslava a 4d para 42 pesos.
A provincia gozava de so'cgo. Tinbam havi-
do porm paqueos disturbios nos nos de Sena,
causados pelos Landins.
Erara esperados abi o hiato Vestal e o brigue
Leticia, pois que ignora vasa que elles anda se
acham surtos no porto de Damo, leodo do vir
para Goa, o primeiro em outobro, e o segundo
em dezembro, para sagulrem Mozambique.
0 btigue Fatal Salamo Flor de Goa, havia ar-
ribado s Mombaca.
A conta gen>l da receita e despeza de Maco,
relativa ao vigesimooitavo anuo econmico des-
de julho de 1860 al 30 de juaho de 1861 esta :
Existencia em cofre no 1 de julho de 1860,
173.7938592 rs.
Producto dos impostas e rendimeatos diverso
208:153j)44 rs.
Despeza total 158.124J805.
Ficou saldo em cai.va no i* de julho de 1861,
23:327j>231 r/.
Roceberam-se mais as seguintes noticias de
Agola :
Em Quiembo, no dia 14 do mez passado, o gen-
to, em grando massa, meia noite, eotiou no
presidio, lancou fugo a todas as casas de palha, e
depois tentuu arrombar as portas de urna casa,
perienceuie aoSr. Faria, com o lira de roubar
uma porco de Tazendas, que dias antes tinha re-
cebido.
0 Sr. Faria estava dentro de casa, armado, com
os seus escravos, pira se defender, quando os
pretos cooseguissem entrar ; e por umajanella,
que lioham quasi arrombado, o Sr. Faria Ibes
disparou um liro, mas a escorva pegou fugo em
uma pouca de roupa, que tinha em nni cabide,
fleando lodos perturbados em quanlo o nao apa-
garan).
A' porta de uma casa nao muilo distante da
casa do Sr. Paria, eslava uma peca. Carregou-
se com metralhas e disparou-se contra os pelos,
A ponlaria foi lo cerieira que a melralha ar-
rancou a vida a sele. Xa fortaleza estavam tres
soldados, os quaes fizeram fogo ao gento codta
presteza que Ihes foi possiv^l.
Os pretos desanimaran) cem as roorles que ti-
vram, e pozeram-se em fuga. Na retirada rou-
baram uma porco de gado a alguna moradores.
Logo que em Novo Redondo se soubo deste
aconleciraento, o destacamento e alguma gente,
que se Ihe reuni, parti contra os pretos. An-
da Ihe podtram apauhar o gado que tinham rou-
bado.
Os moradores de Quiembo esperara que o gen-
lio volle ; e como nao tem all torga para resis-
tir, tiveramde abandonar o presidio e mudarem
se para Novo Redondo.
Pelas noticiaa ltimamente recebidas, consta
ter chegado ltimamente a Malanga o gorerna-
dor Calheiros.
Antes de S. Exc. chegar quelle conselho o
capillo Cazal (vulgo o Garibaldi d'Afric) esttva
com uma torga de 400 horneas no acampamento,
e sendo sorprendido pelos negros, roubaram lne
uma porco de muniges de guerra, uma pega de
Carapanha, algumas armas, ea propria sobreca-
aaca que tioba pendnrada na coberta.
A peg tornou a toraar-se, porque os pretos a
deixaram ficar entre o mallo.
O goeruador geral leve que regressar s Loan-
da, e alli cnegou a 28 de setembro por ter sido
accommettido dos febres em Melaoge^e por ficar
Em Cabo Verde e S. Thom nada havia de novo.
No dia 20 de agosto procedeu-se a eleico dos
dous depuados pela provincia de Angol, No
primeiro circulo flcou empatado eleicao entre
os candidatos Roboredo. Amaral e Seixas, teodp-
se de proceder mais tardo a escrutinio toreado.
No segundo circulo sahio reeleito por uma grao-
de maioria o Sr. Antonio Julio de Castro Piulo
Hagalbes.
-- 13 -
A naco est de luto.
No dia 6 deste mez pelas cinco horas da ma-
aha faeceu S. A senhor infante D.. Fernando.
Tinha 15 annos 3 mezes e 14 dias.
No dia ti pelas 1 horas e um quarlo da noite
sucrumbioel-rei doPortugal o Sr. D. Pedro VIH
Nao Ihe posso dfserever a consteroaco que
neste momento domiua o espirito publico.
Sus*alteza o senhor infante D, Augusto anda
est perigosamente enfermo. Ambo os infantes
baviam acompaohado el-rei seu irmo na sua ul-
tima jornada ao Alemlejo. As leses que se en-
tdotfaram no cadver do joven iufanle aecusam
que a sua doenga fdra o resultado de infeccj
miasmtica paludosa.
0 AVmtejo nesta estac,io, sobretodo em certa
ocalidades taes como a Cardiga, Punte de Sor e
OTES!

m oiimi umi un
w
circulado entre povo e que, a ni
do, pode ser causa de funeslissiml
cias. Espalhou-se poi que a tamil
venenada pelos heapannoe no ali
tarem.
No sabbade 9, pelas 11 e meia i _
dtas depois da morte doaenhor infante, abriram-
se u "
ees
Sct
tiveri,
les i<
graga]
dr
10 pas. A ailiu
toa tem sido maree
Uam tratodo, pa uaan,
tas supposicoei, appell-
a antaia
WPS
e estado, entro no exercicio
einos dorante a curta auseo-
ccessor da coroa. Na confor-
oDsiituciooal.Juro manter a
apostlica romana, a integrida-
_ iervar e fazer observar a coosti-
tuigao poltica da nagio port
be
>g
D.
esado QHio,
begue a
luaes mi
m no exrc
estamago e intestino delgado
130 centmetros da sua extremid
que comegavaaa a apparece
Peyer oolavelmeote augmen
susm^fUtsiie:
oeste, a forte corrente t-
--J PMede de palacio, er-
Jt.das^de^oTume Wvia^ap.a-Wrto4a*s aa eman.g6es miasma-
formando muitas plac. "deV.rad. exensaoSEl*^^ "
pessura, algumas ulceradas, e corresnoodendo" SS**
lo portuauy^emais leisdo manchas notareis na^suactlcie ""'"-
mgeraH gaoquanJadB Vplacas de ?egM Btere flf s no
gualmeB,|airdar affiB- Urna tinha 9 ceoksaateaa d comaiiaaeni
>. Luiz t, mu obra toda easUitaeiros de laastwa, baraaa arredaa4ad
0 do qo a ltn^ies TelTfxI bslrt"~para expTl- Horla.
car.
lidades, erOj.U >} novembt
>. Marqfl; de Loul^
les de Carflfco.Antoni
risconde de S da Bandeira.Car
oliva.Thi^jTj~Auguain
aau sobrestadas esMMtsaetros de isafava, b
e 9tm*9&** 1-fjM^" e saliea,,sptrflb4a daaigaal. e' oo
feNnia ulcera ajeoolar da borde delgada*,
cetimetr da dimetro e oujo fundn-ara
o pela meanaataa sauaenlar anoiasMaM
a placa, nao ulaatada, eslava 6 caolisiaUM
desta, e aaaaotaadoam pacie na vaiaula
al Unha 5 aeaiuaalros do compr
de largura.
o, colon ascelenle
.
O eaiadodeeonsternacSo em que se acha el-rei
regente, dojoro^roo. .E/B.oionus de oitq dias
^0.f',,t.Wl^Tt*(ArVI oo*eu- brafios. Q
sr. O. remando regente do reino pela segunda
1TSz-..;/e,t?-ele,*,1je/ici(i deuj4 exuberan-
tes provasde que sabe como, a deve earaprebeo-
aer exemplarmete a missao de um re cooalitu-
cional.
O dujue deSaldanhi est gravemente en-
fermo. Teae.saj.ynto pelos seusvdias. O ao-
breaTMiacbal aaatanie idoao, paaeoisaaatos
crueis se Ihe tem augmentado uestes uHiroos
lam una ija.
fll ptl "al .^JJJ
Auto de autopsia (eito ao cadver de aaa ltala.
' o Sr. infante .4). Fernando.
Os facultativos abaixo aesignaaae, havendo pro-
cedido ao exame do cadver da sua alteza o Sr.
tniaute D. Feruaodo, por occasio ooembalsea-
meoto, verifloarata. a existencia das seguala al-
teragoes mrbidas.
i N cavidad peritooeal acbau-se um liquido se-
tate- ro-aanguiooleoto na quanlidade peuco mais ou
Eaiaarec Jagespu. ^issima, ex.cerbav.m- ffffadnlrenclasSf.' g*.VS%2Z
!A.""d*a* 1 nioiealia, cojo progreasos tr.e asaatioi adherencias scmelhanle entre o
grande eplipeneo intestino ceg. Estas adheren-
cias era pouco coasistentes e denotaran ori-
gen recente.
Oeatamago e o intestinos abertos em todo o
cornpriraeato, apena maoifestaram algumas man-
eto vermel has na superticie iuierua do duode-
no e junto vlvula leo-cecal na exlremidade
inferior do.ileon. Os intestino delgado cooti-
^ M! i J)aam eerU porco de liquido bilioao, como o que
sua alteza ac vida vaaaitavs. O estomago, o -
gado, o bago, o apparelho urinario noaanife-
taram alterago alguma. Nao foram igualmente
encontradas altaragoes apreciaveis dos orgaos da
eaidade iboraliea. ,
Oexame de cavidade'.craneana manifestou a in-
jeegao de quasi toda a plamater, esleodeodo-se
mesmo pelos plexos cborvideos, o que Ihe da va
urna appareacia rubra quasi uniforme. Neo ha-
via poim aaioilacimeato desta membrana, nem
saaoUva extravasago sero-albuminosa. A as-
sa eucephalica|estava la a e aera adherencias anor-
maas com aa menngea.
A', vista do resollado deste exame os abaixo
assignados ficaram certos de que a lesoes apre-
ciareis, verifieadaa ao cadver do Sr. infante D.
Fernando, manifestaran) a existencia de uma pe-
rilonila parcial aguda e de recente fermago,
acompanhada de exhalago, alm de aerase, bat-
eante aanguinea ; denunciaran)-a de uma forte
coogetlo do meninges, assira como a de alguna
ponto ligeiraeaente coageationados do canal di-
gestivo.
Estas lesoes sao aa que se podara encontrar no
Na foi ha oflrcial de honlem putnicou-se o auto
de autopia,feito no cadver do senhor, iofsate D
Fernando. ~
Hoje tero lagar autopsia oo cadver d'el-rei
D. Pedro, leudo sido coavidados para asaisiir a
este acto muitos medios que nao f eiteucem
real Cmara e algas chimicos.
Da [lublicagio do respectivo auto resultarS, co-
mo do primeiro se colba, que a enfermidade que
accommelleu S. M.-e.ajiezis tam urna origem
coohecida e muito diversa di que tora indicada
por um -daarairaaaenlo da npioiao publica.'
Juuto a esta eucuulrar uma copia do uto de
autopsia. El-rei retebeu os Sactamenlos sofren-
dq com pip4osa resigeagia o pa,decimeato deque
foi victima. A moflo da seu iimo, afectu-o
prefuQdsmente.
M,uitaa veze o ouvirara oo teu leito da ddr ac-
cusar-se por ter sido ca,uia aiuda que. tarja daquelle fatal acoutaciuieoto. J O Alem-
lejo Iho toubra sua esposa a raioha D,
Bruma.
E
ihe,
espantosos se adianlavam d hora para hora.
Em frente do pago das Necesaidadas cooser-.
vou-seatque el-rei extialuu o ultimo saspiro,
grande mulUdao de povo, aucioav par saber de
el-rn.
As salas do pag estiveram francas. lodosos
diaaaio alta noite um numeroso caocurso de pes-
soas de uaji as clasaes e etarchUs iam iufor-
mar-se Aa precios aaude do chefe
De lodos oa dislricto aa dirigiam repetidos teier
grammas pe/guaU^b91aom,aiaoa cuidado pelas
mejora da, sabaras.
Em todas as proviociM ^por toda a prtese
faziam preoea, prscissac a%a rpaoitencia e arden -
les rogativa para ^ueoiOsajaiooleota ta dignasse
conservar aexitteacted mooarch vivaoen-
mente amado pelo seus subditos.
O fatal momento chegou I
Aa mais siucaras dementlraces de semimento
tem dado a capital.
A'populegjo traja rigoroso luto, as tojas tem
tido aa perlas mato-fechadas, as associsgoes e
gremios convooam-ae para acempaehar no dia 16
ao real-jazigo de S. Vicente de Fura, os retios
morlaea do augusto neto do Libertador.
O dia do funeral de el-rei *o oiuvo anairer-
sara da morie da primeira raiuha couslitucisnil
a S(a lia lia II.
.Nestos oilo annos do reinado do Sr. D. Pedro
V, deu o'fallecido rei os maiinequvocos teste-
ra uiihus de seu amor pelainstiluiges liberaee,
da intrepidez do seu carcter, da ciroumspecgo
e precoce sisqdez com que se oceupava dos mais i
8rAVs"f?Ci'!.-.. L cadveres dos individuos que suecumbem s fe-
A mao da desgraga pesou enormemente sobre > bres graves, cumo foi a doeoca de sua alteza na
oor uUm HTtZl T t?** "T^ <>uef,lto-e 1 d congeslo dos meui.ges, e se manie!"m
i~.?. a^'?" D' F*rQa<,<, UoIoJbo ultimo periodo d. enfermidade os d inflam-
nofffltoi t W- CVJ0-$a dedlcavao u1"o e hemorrhagi. peritoneal; accidentes es-
poro atllicto quando a evaslagao e a mane dt- I les quo toram na doeoca de sua alteza o resulta-
vhiuv.'oe.XhXl .0..hd\bUfSV d6 "" E1-re dQ, ialeeV "..ra/iica patodoi. de que 'o
ir.nJ X !^1UM 4* '"" '? Iott- I infelizmente e por modo toinotavel como evi-
enr.^ MaM> '.* ao ofermos. denle, foi atacado el-rei e mais dous membros
i que gemiam com o balsamo cari-' da familia real.
Pago das Necessidadas, 11 de aovembro de
i 1861.Baro da Silveira. Dr.-bario de Kassler.
i Dr. Bernardino Antonio Gomas.Dr. Francis-
co Antonio.Barra!.Manuel. Carlos Teixeira.
Maooel Jos Teissira.
As curtes, segundo o preceilo constitucional
i tioham-se aberto oopcommUsao no dia 4 do cor-
rete, addiando-ae por decreto da.5 al 2 da Ja-
neiro de 1862. Em preaeoca dos extraordinarios
, aceutecimeotos que se seguiram, as cmaras le-
gislativas devero ser antes desse praso convoca-
, das para aceitareui o juramealo de> successor da
coioa l'ortugueza o Sr. D. Luiz 1.
- 14
Contina a populado submersa na mais pro-
funda magoa. Convocam-se por annuncios p-
blicos as diversas corporagOes ailislicas, mercaa-
lis, nduslnaes, de beneficencia, Iliterarias, etc.,
etc., para lomaren) parle no prestito fnebre que
dever acumpanhar no dia 16 ao real jazigo de
S. Viceole de Fora os resto morlaes do rei des
vBHTuiuDO, niudo-o para sempre s cioza do
sua augusta mi no 8 aaniversario de seu pas-
sameuto.
A tolbas peridicas das provincias do norte j
chegaram relatando a vivas demonsiragoes di
senlimeolo pela dupla calattrophe que alliige
estes reinos.
Officialmenle se publicou hoje no Diario de
Lisboa o seguate :
Pela participarles telegraphitas recebidas,
coosti que a infausta noticia do fallecimeolo de
S. M. el-rei o Sr. D. Pedro V, de muito saudosa
memoria, tem produzido a mais dolorosa impres-
o naa diversa corle que tem chegado.
Em Madrid, o Sr. Calderpo ColUutes, minis-
tro dos negocios estraogeiros, a presentou-se logo
na legacao da S. M. para pedir ac nosso ministro
que houvesse de fazer ebegar presanga de SS.
MM. cathulicas a expresao da sua viva magoa
pela deploravel perda que o mesmo augusto se-
nhor e o reino sobara de soffrer. O serenissimo
Sr. infante D. Sabatlio encarregou um dos seus
camaristas da ir piocurar o ministro de Portugal
para Ihe exprimir iguaes sentimental.
o S. M. o Imperador do Francezes mandn
imraediatamenle um anidante de campo mani-
festar ao visconde de Pana a muilo viva parle
que S. M. e a Imperatriz lomavam na justa dor
da familia real portugueza.
S. M. o Imperador de todas as Russias e S.
M. el-rei dos Belgss eocarregaram os nossos mi-
nistros as suas respectivas corle de exprimir a
S. M. el-rei regento o sea extremo pezar peto
triste acontecimento que acaba de eolutar a na-
go portugueza.
Os representante de SS. MM. o Imperador
d'Auslria eo rei da Suecia oesta corle receberam
orden) de seus soberanos para exprimirem a S.
M. el-rei regente a sua siocera dor peto tarcivel
olpe que Portugal acaba de aoffrer. A coile da
Suecia lomou luto immedialamenle.
Alm dalo todos astea soberanos e S. M. a
raioha Victoria dirigiram-ae a el-rei para Ihe ex-
primir os meamos senlimeolo.
S. Santidade por extremo consternado ao sa-
ber do immioente perigo erxi que sa achava a
precisa vida de S M. o Sr. D. Pedro V, apressou-
se a lar-:gsr a bengo apostlica ao aesmo augus-
to senhor.
O aVonUaur de honlem (13) publica o segua-
te aniio:
* SS. V.M. lmperiaes, ao roeberem a noticia
da. nioite to lamentaval de el-rei de Portugal,
tomaram luto immedialameie, alim de daren)
familia real portugueza uma prova de sua aym-
painia. A celebrago da tosas pala da do no-
roe da imperatriz, assim como as cagadas e es-
pectculos, foram adiados.
talivo de sus consolagoee*
E' ppr isso que boje lodo o psiz lamenta na sua
morte a perda de um pai ;-ricos e pobres o cho-
ran) como irmo.
Eu vi, poucas horas antes do paaaameato do
rei, meu charo redactor, a boa gente do povo dos
regios pagos ouvir entre.lagrimas a iri.le nova de
que essa exisAencis precias eslava urste-a ex-
uoguir-se.
O nuncio apostlico scabava entan de tancar ao
real moribundo a bengo apostlica.
A mullido que povoava ae avenidas do palacio
solugando, abra sjlenciosameule camiubo ao la-
gado do pae commm dos neis.
Os Srs. D. Luiz, hoje rei de Portugal e seu ir-
mo D. Joo duque de Breja, linham ido acom-
pauhar sua irmaa a infanta D. Antonia e seu cu-
nhado o principe de Hohenzollern, assistindo
lodos ao acto solemne da copago de S. -M. o rei
da^Prusaia em Kcenigsberg. D'alli, por convite do
imperador dos Fraocezes, foram a Compiegue,
onde S. M. se achava.
Preparavam-se festas para honrar a visita dos
principes de Portugal, quando os augustos hos-
pedes de Luiz Napoleio aouberam pelo lelegra-
pho que seu irmo D. Fernando suecumbia a uma
febre perniciosa. Partiram logo para Par. Na
pessagem de Calais para Douvre n'um pequeo
vapor tiveram uma tempestado em quecorreram
o maior perigo. Em ?oulliampiori souberam por
um despacho telegrspbico o eminente risco em
Jue se achava el-rei. Alli embarcaram oo vapor
neida da carreira do Brasil, onde, ae a Pro-
viaeoc os gutor salvamento, devem chegar
amanba por todo o dia.
Os ministros han de ir esperar os reaes viajan-
tes na corVeta D. Eitephania.
Na noite do fallecimeolo do Sr. D. Pedro V
reuoio-se o conselho de estado no pago das N'e-
cessidades, e acrordou em convidar el-rei o Sr.
D. Fernando a assumir a regencia do.reino at
chegada do legitimo herdeiro do throoo portu-
guez, ao que o augusto p.ai do fallecido soberano
anouio, alteudendo s alias razes de estado que
Ihe foram apresenladas pelo conselheiros da co-
roa. Hoje publicou-se na folha oflicial a acta do
conselho de estado e a proclamago do regenta,
que em seguida transetero para conheeimeaio de
seus leitores.
Esta solugo poltica foi recabida com geral a-
graoo em Lisboa, e creio que o ser lambem em
todo o paiz, por ser a mais compaltvel com as
necessidades da govr.rnagao publica.
Eisos documentos:
Acta do conselho de estado.
Aos 11 dias do mez da novembro do anaodo
nascimento de Nosso Senhor Jess Chrislo de
1861, o cnuselho de estado reunido no pago das
necessidades, sendo-lhe commuoicada a infaus-
ta e seoltoissim noticia do fallecimento de el-
rei o Sr. D. Pedro V., foi admUido real cma-
ra, e beijou a augusta mao de sus mageslae el-
rei defunko,
O conseibo, altendeodo a que, na crse em que
se acha o paiz por tao fatal acontecimento, era de
absoluta necessidade e Qonveniencia publica pro-
videnciar de maneira que nao haja a menor ia-
lerrapco da accao govarnalive, e a que, nao ha-
vendo expressa dipotgao na carta constitucional
para o infausto caso que se aprsenla lodas as
ratoes de oslado acnaelhavam que ioae convi-
dado elrte. o Sr Dr. Ferasudo para assusoir a
regencia do reiuo l..a prxima chegada de sua
mageslade.el-iei D St. D.Luiz I : o.coneetoo la-
vou o expasto 4 presenca daquelle augusto ae-
Dbor, e sua magesiade logo;ahi declarou auepas-
sava a exercer a/agencia do reipo. visto que as-
sim raciamava a .causa., publica, presunto a com-
petontadura,mento por sua p/acJamgo. datada de
h1'. n TV vl,qu sua 3*Vl8d el 1*a > O Dia,rifijU LUbaa publica hoje o seguate :
?h. m onflraur .o mioialerio que ss ar'Liitto oa utlo/Ma.4o adc*t de S. X. o Sr. D.
seu au-ufnS ^i T Uaie*d? WA'V Ptdro V- 'ila trinta e **. tora* dspui* do
seu augusto ulho. ae gloriosa maiQU., E, bei-
\
jando o conselheiros de estad a mo de sua
magestada el-rei regente, se tejam todoa estas
solemne bcIqs por concluiUo pelas 11 horas da
noutedooesjnodj,Als da qge se lavrou esta
acto que assignada por sua magostado el-rei
recenta e por iodo, os cooaelhiws de estado
presentes.El Re Regente. -Jqs BerAardo da
enday Nov?s perjgoso por nimiamente sezo- Silva Cabral.Antonio Jps.deJSila.Viar
patici. Os augustos viajantes nao se resguarda- J
vam do sol da nebrinas. Uma carruagem que
se parti obrigou-os a esperarem a p, e a cbva
mais de duaa horas al se concertar, de moda que
po sau regresso j S. Jf. e seus irmaos comeca-
,,IB a entir a perniciosa influencia de uma in-
toxicagio violenta. Os augustos persona^eos via-
iram Abraete, a'upde passaram a SmUrm,
ande o engeoheiro em chefe da corapanhia real
(dos camiqhos de ferro postuguezes, de que nrin.
cipal emprezario D. Jos de Salamanca, \hn qf -
|receu um sumptuoso lunch. Traga esta cir-
cumsUncia para lne contar um boato que tenu
Pedro V, [tita
fallecimtnio.
s Os facultativos abaixo asignado, mdicos a
cirurgies da real cmara, que foram cousuladoa
o assutiram a al-ral o Sr. 1). Pedro V,, puranle
a sua ultima daeuaa, e que procederain ou fuxam
.presante i autopsia do real cadver, secutad
por occasio e no acto.da embalsauago, obser-
va ram aa seguintes alieragea:
x Habito externo.Signaes do decompoaigo
P?, m;7,kUcW" v de Ai^T'Jvio S|>ul4 cad-'erica muito adiautad em toda a suparftoie
.. ft aes.-ytscunaaj ,qe Caweiw^-Mar- ,d,o.troaeo, abeca, beagaa a parlo auoerior daa
quez de Loule.Jo.quio Antonio da A-uiisa.-r.
Visconde de S da Bandeira.
Eroclainagao.
Por,tugueze. I Foi Ilusarviao,cham sua
santa gloria huje palasele huras im ouarto d
noite Uei.o Sr. J?dro V., maumuttoamado extremidade.
e prezauo nio. A dox que npj\fl;vTtfl o meu en-
ragode pai sem dunda comprebeodia,rea-
te povo que perdeu no rei, que tanto amava, o
modelo de todas a virtudes.
Na urgencia da circumslancits, e conforme o
ooxes.
Cafidade abdominal.Diversas manchas lui-
da no bordo convexo do intestino delgado, a
primeira 18 eeoumelroe cima da exUemUafte
inferior; do leon, e a ultima junto a esta mesma
Estas mancha tiohaoj de. Ia3
ceutimelros quadradus de supturucie, a correspoo-
dia-lbes maior espeaaura dapared lotoatmaes.
t 0 ganglio do meseatorio quasi todoa eur
gorgiudoa vermelho-escuros.
x Neohuma ltoragao aa supaiaoie interna do
0 fPfffQillliQlli flfd*
qulages fnlicolosas, muitas das quaes ulcerada
oo centre; formando ledas uma erupglo mai con-
fluente; no colon descendente e intestino ilion
iam siiccessivjmeule rarcaodo, mostrando se ain-
da atoaras no intestioo recto.
Pequea quantidado de liquido billioso no
estomago e intestinos.
Baco augmentado de volume, de consisten-
cia quasi djuepte, e de cor vermeiho-aoegrada.
* Figatf araelleddo e aoegrado. Vescula fal-
le eom pouen bill menos espessa do que natu-
ralmente.
Paocraas sera altarcao apreciavel. Rio
mais escuro e pouco consistentes. Bassioeies,
urteres e beiisja normaes.
Cavidade thoraoica.Coragao e pulmoes sem
outra alterago alm de certo grao d amolleci-
maato e hyperemi cadavrica.
Cavidade craneana.Vasos exteriores da dora
malar eanaideravelsaAile eogorgitades. A pia-
mater, muito jojectada, dar a toda a superticie
exterior do cerebro eor rubra ideosa. As circum-
votucoas ctrtbr.es oariicipavam deste estado
cougeativo. Nao bavia a he reocla aoorm.es entre
a menngea e a subaUncia.cerebral. O ventrculo
direito do cerebro, tioba alguma aeroaidade sao-
guinolenta. a consistencia do cerebro era anor-
mal, a do ceri-bello menor.
c Estas alUrages, bastante significativas, en-
congadas pela autopsia tolla no cadver de S. M.
0 Sr. D. Pedro V.nenhuma dunda deixasn aobre
a nalureza.do padecimento s que euccurubio el-
rei i e sao alias ao mesmo tempo plena con-
Urmago do juizo aatertormeoie feilo a este res
peilo. Uma erupeo datioenleriea, bam caracte-
nsada e das mais desenvolvidas que ae costuraa
observar, atiesta o ler havido uma febre das mais
malignas, como o foi a que accommelleu S M
A alteraco igualmente significativa do bago cin-
corre a,denunciar o genero de influencia queori-
ginou a molestia, a saber, o miasma paludoso,
que nos estragos qoe coatuma produzir, p*rticu-
larmeole affecta aquella viscera. Alm disso, na
marcha da enfermidade, no modo porque come-
Cou a^e deaenvolveu, na causa a que el-rei se
expoz muito directa e prolongadamente, est to-
tiejamento a conflrmago do juizo que. para a
facultativos que observaran, e tralaram S. M., nao
poda ser duvidoso.
,of?50 dpsieeeMidsde,am 13 de novembro de
1861.Barao da Silveira.Baxao de Kesstor.
Dr. Betnardoo Antonio Gomes.Dr. Francisco
Antonio Barrsl.Dr. Sinjas.Manoel Carlos Tei-
xeira.Jos Eduardo de Magilhes Coutiabo.
Antonio Maris Barbpsa.Maooel Jos Teixeira.
Oaocego publico at esta hora nao tem sido
alterado.
E' imperlaatistimo o ervigo prestado pela im-
presas da capial em ordem a dissipar completa-
mente as auapeiles que o povo em sua magoa ti
nhe feilo reeehir sobre os suppostos autores do
infortunio nacional.
O seguale artigo publicado na Rtvoiuco de
hootem pelo seu correspondente do Atomtejo
esclarece.anda maito mais a queslao do eave-
neoaraento miasmtico paludoso que orlginou a
morte prematura de dous membros da real fa-
milia.
Urna grande desventura invadi o palacio dos
nossos reso serenissimo Sr. infante D. Fernan-
do foi eoflleirar-se na myriades de aojos, que
povoam aedrie celeste I
Ha apenas um me/, que o vimos cheio de
vigor no palacio real de villa Vigosa, aonde tive-
mos a honra de Ihe befjar a mo I
Profunda e sinceramente contristado pelo in-
fausto sucesso, que nos privou deto amavel
principe, vamos expender algunas reflexee, que
ao ao dirigem a censurar pessoa alguma, e que
entregando ao prelo a idea, que formamos sobre
aquella morle prematura, encamipham-se a pre-
vinir fuluroa deaaatrea que todo o bora portuguez
deve deplorar, eque todo de certo seempeobam
em ver removidos.
c Quando S. M el-rei o Sr. Pedro V, eseoa
augustos irmos, vieram para villa Vigosa, em 30
de selembro ultimo, nos, aitraido pela benevo-
lencia e carinno Com que o excelso mooaicha se
tem dignado hourar a noaaa obscura pessoa, pe-
dimos licenga, e tomo para aquella villa com o
m de.beijar a regia mo e reiterar os voios de
respeitosa dediesgo, que o raconbecimeoto,
junto ao dever, iupem ao nosso corago agra-
decido ; a alli nos demoramos emquanio os au-
gustos principa oceuparam aquella real resi-
dencia.
a Vimos a cousas de perlo, e tiremos a gran-
de desgraga de ver agora realisadoa os nossos si-
nislros preseniimentos.
Em um das dias da nossa digresso tomos
com um lhnbo de 4 annos ao palacio; e porque
el-rei liufaa sahido, dihgimo-nos quinta, que
est cooiigua ao edificio.
a O palacio tem uma frootaria magnifica de
fino marmore, e todo o corpo principal, aquello
que foi solar da serenssima casa de Braganga,
est volladp a leste. No secuto.passado fez-ae-
Ihe m addicionamelo, dentro de um dos jar-
dina, o qusl forma um perfeito angun com o pa-
lacio enligo, e tem a frente para o sul.
Foi oeste appeodice que se alojou l-rei e
seus augustos irmos, e temos a conviego de que
dessa lamentavel casualidade proveio a morte de
um, e os padecimentos dos oulros dous regios via-
jantes.
Quando, com o menino pela mo, entramos
peto por tao de ferro, e chegamos irszeira do
palacio, soffremo vivissima e desagradavel im-
presso, e tratamos de nos affaalar dalli com re-
ceto de que uma demora prolongada naquelle
sino oo viene a ser funesta, ou ao innocente,
que adoramos. Levantamos a vista para as ja-
nellas do palacio, a exclamamos no intimo da
alma : Deus salve el-rei e seus augustos ir-
mos I
Islb nao romaqce : a espresso sincera e
verdadeira do que eul.o aeuiimos. Pode ser que
nao lenhamos razio;* mas como a desgraga quiz
que os nossos agourn apparecessem pouco depois
transformados era deplora veis realidades, mais se
robusteceu a creoga de que pensamos com acert
naquejla occasio.
Nao somos medico, e pouco entendemos de
hygiene ; porm muas vezes temos lido, que a
agua eslagnada e em decomposigao, o peior mi-
ra ig o da especie humana.
Na extremidade sul do palacio ha um vasto
lago quacado, ao qual de dous lados serve de
parede a pcuprla do edicio, e tem esta numero-
sas janellas naquelle sitio, que ealo-tanlo a pru-
mo sobre o lago, que quaiquer objecto que se
despenhe das janeilas caiu'agua.
Segu se uma valla ou anal, lalvwde 3
metros de profundidaje e 2 de largura, destina-
da a receber as vrteme do lago, e que se pro-
longa por toda a trazeira do palacio.
8 Esiivemos em villa Vigosa dous annos, cama
offuial do balalho de cagadores o. 6, que all
fez a guarnigo 4 1814 a 46 e indo quasi lodos
os dias passear a quinta real, alli chamadao
Reguengo, nao tomos lembranca de haver vis-
to que, uer de mvemo quer de vero, a agua
do lago deixasso de correr copiosamente para
valla e desta para ra da quinta. .
Agora poim a agua eslava perfeilamente
est.goada, turva, eaveidaaUa a com mi ebeiru.
As vsHe|plavam cheiasjdeato Iiquidoirumundo,
e o lago oio vfrlia par o exterior, porque da
supeilicie a'agua ao orificio por onde coaluraa
sair mediara mai de um metro da profundi-
dade.
Affcslamo-nos dalli apressadamento cora o
1 menino, porque imagina mus estar em presenga de
um Jecoletrivel.de infecgao,
Agote vaaio j expucagio das esusas, por-
que s as pe*spa laaessatutam daiii infeccio-
uadas,
Toda a regia comitiva, a os cem horneas do
regiment a. 17, que estiveram aa.uarlelladua aa
casa real, oceuparam o corpo principal do ediO*
co, cuja eapoaigao a leslesu os augustos prm-
cipes Uveca.m aposente no appendiue, qu lera a
expoaigonoria.
quartoiea i, M e AA. Accrescenie-se quo al-
gumaa vezea, quando el-rei sahia, vimoa a j-
casa6;1! poad0! l^rda^e*
o, mas d aravavel ter nnsatmlsliij qa,
a algeaaWdaeiaoellasasjsja aasssm-para L
jt.o ventuvajH lees aau ft (rete, intrads**
ledos os effltwia aaa corredores pe vso direc-
laoaote aaeregiae aaesentoa.
c Acredinmes Itemeol qu.raeia a raza
porque todaaaeaetraa pateas sahiram incoto-
maaoo palacio, a 6 o potmsipes, oee estavam
emo reiaeondirjifehygsmitas, sslreraea mo-
lestias, qoeuppomos da mesrra espede, e que a
e irans- iripnri. rat\tr'an'm "Tainadaa nor aanau na
r -^~^^^i m v aa-^-^^v^a^v^^^--^r^>aa^aaaai^r^r^aaB> api W *>VawaVSWBMlT9 "w**^
lustres, sempre eminentemente deleterias. Se in-
felizmente um dos augustos hospedes foi id ais ter-
velmente atacado e succumbtu, os homeos com-
petentes de certo explicaran) issoalfbmo resulta-
do jo temperamento, idiosyacrssia, e predispo-
sigo para mais vastos effeitos do virus paludos
mephitico.
Nao acreditamos
ramto

que o germen da oeoga
latee cantrabdo aa tapada, cagando j porque S.
M. nuuca alli foi saeinho : alein das pessoas do
seu sequilo,aim criados e(soldados poriadore das
espingardas etc.
Nao nos consta que nenhuma dessas pastoss
1 lenha sotlrida ioceemo(h) de saude. Que da pl-
lacio uos sabissem lafeacioaadoa eauro inclu-
mes, pode cmprbeoder-se, e j Aplicamos co-
mo isso era possivela nosso ver. Porm n cam-
po, aonde lodos estavam debaixo das mesmas in-
fluencias h/gieoisaae mlbeorotogrcas, oeaeha-
moa axplicago pUusi.el. Alm disso o tapada
ampia : os reaes eagaderes mudando sempre
de logar, nao oa devenios considerar sugueitoa a
essis causa morbilkaa
a E do mais os sereoissimos iofsntes poucas
vezas toram i lanada. Quasi sempre ficavam com
o Sr. coiwie d* vU, ,. sequilo, passeaudo a cavalio oa villa e aos arre-
dores.
Nada I O enveneoameqto miasmtico, rece-
beram-no no aeu palacio no seu apoaenlo, na sua
cama I ~ r ,
Comegamos por dizer que nao censramos
nnguem. As nascenl esiario obstruidas, os
eocauameotos deteriorados, ou finalmente haver
oulras causas, que igooraaio.
O fado incontesUvel que. a agua uio corria,
e que de urgente necessidade que a admiais-
irago da casa acoda ou a fazer concert, ou
a eniulbar o lago e arrasar as valla, para que
nem a familia real se prive do prazer de visitar
aquella magnifica residencia, nem tenbamos do
ver repelida sua deplorareis catsatropli, que
nos cobrem de lucio, e nos despeda-am o co-
rago. "
Estremoz, 10 de novembro 1861
iM'u Augusto Pntente!.
os estudanles da universiasde de Cuimbra ele-
geram uma deputaco para vir a Lisboa tomar
parte ao funeral do re.
Hoje ao meto dia leve lugar no paco das Ne-
cessidades o cortejo fnebre em ulilima home-
nagem ao Sr. D. Pedro V.
Consta-me que el-rei o Sr. D. Luiz I
vara o mesmo ministerio.
A' uiina hora.O bolelim oflicial do
o seguiote:
Sua Magestade El-llei Regente passa sem no-
vidade em sua imprtame saude.
< Sua Alteza o Senhor Infante D. Augusto
cantinaa a passar sem febre e em progressiva me-
Ibora.
cooser-
Pace,
Porto, 11 de novembro.
Sao 11 horas da manha. Escrevemos debsixo
do peso de uma dolorosa e tristissim noticia.
Ouvem-se os sinos chamarem os povos s igrejas
para impreear do Todo Poderoso que livre a na-
co portuguesa de mais uma grande ealamidade.
Ento-se nos templos a orago pro salute regis.
Pera l camioham todas o homeos de creoga e
f viva. Deo se amercie das suas rogativas,
preservando a vida do monareba que to distioc-
lameote tem sabido grangear o amor de todos os
seus subditos.
Hoolera (domingo), meia hora da tarde, sou-
bemos por um telegrama recebido na reoacgo
de um jornal deata eidade, a infausta nots do es-
tado grave de el-rei o Sr. D. Pedro V, e poucas
horas depois, um outro telegrama, coolirmava,
infelizmente, quHle, ccrvaceotooOo qoe o Sr.
D. Pedro V tioh aido sacramentado. Ao aooite-
cer^ distribua o Commercio do forto, aos seus
assigoanto8. ambos os telegrama, no teguinlo
supplemeoto:
PORTO, 10 DE NOVEMBRO DE 1861.
(s 5 da larde.)
Recebemos a primeira parte lelegraphice-, qne
abaixo publicamos, a tempo de podermos dar
upplemento aos nossos asignantes. Nao o li-
temos por que julgamas menos conveniente fa-
ze-Jo atteodeodo gravidade da participarlo a
da aniiedgde que ia produzir no publico.
Recebeodo a segunda panicipaeo nao hesita-
rnos em publicar as duas, por que nao s esta
faz conceber a lisoogeira esperanga de salvar a I
preciosa vida de el-rei, mas ainda adianto no
acontecimentos, o que para lo triste noticia >
forgoso publicar.
TELEGRAPHIA ELECTRIC*.
Despacho n. 14.649.
Lisboa, 10 de novembro s 11 boras e 35 minu-
tos da maohaa.
Ao Commercio do Porto, do seo correspon-
dente.
E' grave o estado de el rei o Sr. D. Pedro Va
o do infante o Sr. D. Augusto, mas o primeiro,
infelizmente, acha-se peior.
Rece i a-se seriamente por ambos.
dem s 2 horas a 20 minutos da tarde.
El-rei foi sacramentado.
Fazera-se preces publicas.
Sao 2 boras.da tarde quando vimos do psgo.
S. M. eslava mais socegado. Hsver perigo se
se repetir o accesso.
O ministerio est no paco e o cooselho de es-
tado vai alli j reunir-se. *
Os ministros estraogeiros esio lambem no pa-
co, e para l corre toda a gente, pois que o senli-
meolo geral.
O infante D. Augusto est em somnolencia,
mas nao perigoso.
Estas sinisiras noticias divulgaram-se logo por
toda a eidade com a rapidez do relmpago. A
consternagio foi geral. Pelas ras a na tojas,
pequeas reunio-s de cidsdos tomaram por ni-
co assunipio de sua couveraacao o astado peri-
goso de S M aventando ss cuoeeqaencias maia
ou meos prova veis que no caso da morte de el-
rei resullariarn para a nacao.
A ami-'dade publica lora desde enlo augmen-
tado. Aos eschpioe da joroee mata acra-
dilados, que capncham trazar em dia os seus as-
Signanles. tem hoje concorrido grande numero
de pessoa procura de noticias da capital.
O intelligame e activo correspondente do Com-
mercio do Porto, em Lisboa, nao se lem descui-
dado da iransniiiir lelegrapiucamente a pbase
da grave molestia de el-rei.
O seguiote telegrama recebido boje peto dito
jornal s 10 bora da manha, e publicado eo
supplemeoto, velo, por momentos, aatisfaser o
oieresa* oom que se procurara noticia do esta-
do do Ilustre enfermo :
Despacho % 14,694.
Lisboa, 11 do coiraule s 3 hora* da manha.
Ao Commercio do Porto.
El-re coosegeio dormir alguma cous depois
da om novo accesso.
. S. M. contina a estar em perigo, naa nao ea-
to ainda perdidas a esperances de ser conser-
vada a sea preciosa-vid a.
, Ao m iio da recebe o citado jornal a seguate
parlicipago letogrsphica:
Dttpacko n. 14,698.
Lisboa, 11 do correte s IV boras e 50 minu-
tos da manba.
A Commercio da Parto ao seu correspon-
dente.
Desde s 8 bora da nolle S. M. el-rei est ca-
bido em leihatfo.
Dse ser tristissimo o nosso seguiote despa-
cho.
Houve eooselho de. catado. Dado o caso fa-
tal, do qual aioda a Previdencia pode lmer-aes.
oomear-ae-ha uma regencia at i negada do
sr. tota na D. Lato.
SS. AA. us Srs. infantes B. Luii e D. Joo vea
no paquete ioglez Oneida, leudo sabido de Sou-
ibamotvn ante-hanlem.
, S. A. o Sr. infante D. Augualo scb-e ao mes-
ai o ettxio 9aJb A' uma hora veto A siaeefl folha o tele-

,
i
o ..
a Durante lodos os seis dias Ostento toprou ri- ] (tema abane que caatioa maitV tODteroacao:
A


I*
-trrtfMwriffw ii mi- twi vmmwwfi*+*mi
W)
ta doa Srs. marquez de Loul, riacond? de Ca- omeotal, leu-nos a crr que asaim acoaie-
tro^Moraes Csrralho, riscoode de Laborim e Ao- cer.
lUIIRI JiW YAJUaT A commissao eocarregada do plano geral dai
Sao 3 turas opnvo corre pera o templo da or- obrea par a concluso do edificio da attdamia
dea. (ercelra. U-SintUMBH.TrtnnaJl..ai.ps.ra a polviecanica e escola industrial deita cidade rai
greja dos Coagregados a assistir s preees pa- preremeole apresentar ao goverao os seus tra
blicat que all ten de oetasmair-se esta larde. bslhos, pelos quaes, como dso poda deixar de
Ao lado do sarcphago que encerra os reatos sec, lem demo!ir-se a igreja da Grags, e rnu-
D*feko+U Lisboa, 11 de novembro 12 horas e 40 mi- .^,ti*n a carreira^ny oaoiul o a poaa- Maree. 74 ,.peargpiws. *** o.c.am-. nacoasarias paja euUr a su funest* repeUgio.
nulos da tarde. t aaarta,rluguezaa da faca. .Poys wneocaids mapdanle, o Sr,Lfraaitenas. vm.&W****' Adesordeos e excelsos chegaram to seu au-
Ao CMrc o Poeto, do sea otrwpon^. J,am-ppr_am quanto sido a lubscnpgao. Parece ^s para o gorerao, o sabio lmnas4*taaiao ?- ...> Mde xoodigea que o goreroo ealabelecer para Madrid, Rotos o tratados, raenosutezailos os direilos,
Estao perdidas todas as osparanoss de salvar a leraotar este empcesiima, serao objecto de nter* As caiUsde Hevsua dizem quo n> d*tV*$ Je condemoados os seus lubJitos a gtaves etteota.-
'"V- ,. I ***# na ptoxima vesp^|WafwJM,>j..f- outubro sahinarn pa Veracruz a nasa* s>s*a- dos ti perpetuos perigoe. era iadtapeasarel dar
Dado o caso da sua marte, que ofelumente se oeira desfarorarel coa, que umJ"pirie W m dra a o trap.aotteide rapor cm 6,000 amaos ao maamo lempo um ejemplo de salutar rigor e
aipar* aceda momelo, a raauwcia ser uapai- puna joroatistica lem aratiado ste aclQ.gojer; nortaes da Sea. D. Mara41* levantou-se no da
8 mais um tu malo qne receso u o cadarer do Sr.
infaule D. Fernanda, tere alada de se leraotarem
man doua coa tio pequeo atrralo de dias para
recaterem 0'bflMairo da ana cora ornis ubi
ontro seu fllho
Inslida te destinos da Providencia. Atvt-
vemoa a'ceea elevemos ao ci preces para
que Ue econlecimaotoe se nao realisem.
As seguate! noticias ao as que bootem j-.ti-
nhamos eilo, patw esta correspondencia. Nada
maja ha de mxnediato interesa*.
Temos a fazrr urna reeiifkago noticia que
demos na nossa carta de S6 de agosto acerca do
banco-uaiae. Usa equivoco (ez-noa dlzerqua os
estatutos daste noro eatabeiecimento bancano ti-
nham j. sido approvsdoa pelo aoveroo, quaodo
apenaa h.ru ,id uiorisada a ana eraacio per
le de 10 do dato smz de *cU. Coofandimas
pa memoria estes dons actos dislinctos, para cu-
ja coolusao concorreu a awMeia quo na referida*
carta tambem dasaos da approrar;So dos estatutos
da sociedade do palacio de crystal, que par
aquelle lempo Urecesa a npptnracao regia.
Podamos deiter de eonfesear esta nossa ioex-
atidao, deitaada da (altar das trabathas que ul-
tlmaoMate aeo ooeupado a assembla geral do
banco em quaslo, oo, mesmo, noliciando-os,
nao nos importar onm o qua haramos escripto.
Nao pensamss asslm. Stmpre que commetter-
mos um erro que posss influir no exacto coohe-
cimanio dtaceuias pasaadas oasta trra, haremos
de emenda-lo. Prateriaoe antea o sermos ta-
zados de prolixidada do que menos exactos as
noticias que eicreremos.
Feta a recl''fieacao diremos agora que teas ba-
lido demora na senecio govereacaeotal dos es-
tatutos do banco-unlao que uns lem attribaido a
mesquiahas intrigas, e outras i mi oajUde do
goreroo, mas seja como for o certo que essa
demora d appareociaad* qte effectiramente al-
guma cousa ha mais do que simplesmenle a (alta
de expudigao regular a toda oa negocios que es-
to affectos t Doeas secretarias de estado. A
riralidade que houve entre os instituidores dos
projectados banco commercial, industrial e agr-
cola,e banco-uaiao-porbiense, de que resultou
a (usao dos dous em um s. que o de que tra-
tamos, com a denomioacao deBanco-Uoilo
xnostra alrarez. da-um veo que mal euoobre as
disidencias qae aind mesmo depois ds fusio
conlinuaram a levrar noseio dos acciooistas, que
ha fundamento para crer na existencia de in-
fluencias menos propicias i defloitira realisacao
do noo banco.
O projecto de eitatutos voltoa, nao approvado,
ha poucos dias de Lisboa, exigtndo o gpreroo,
para os approrar, que se facam alguraas refor-
mas, as quaes rieram tao confusamente notadas
urnas a lipis e outras a tinta as propriai mar-
geos do aatographo, que a todos que o riram
causn idmiracao elle ter assim sahido de ama
secretaria de estsdo.
Quatquer regedor de paroehia da provincia se
eovergonharia de apresentar um documento to
desaliohado e loieUigirel. Aflaal de conias sou-
be-te que o referido autogcapho viera asaim por
que nao fura expedido directamente pela repar-
tido competente, mea mandado pelo procurador
que o banco tem em tiaja%st a-quem foi coofiado
para o rometler para o Porto, evitando por esta
forma a demora de mais alguna das qae serism
precisos para na paasar a liaapo. Este facto se
prova muilo a favor do zeio e actividade da pes-
aoa encarregada dos negocios do baoco em Lis-
boa, deanta tambem pouco escrpulo em deixar
aahir de ama reparticao publica documentos to
irregulares.
A assembla do banco Uoiio nomeen pois,
urna commissao para dar o seu. parecer apbre as
alteraces proooslas pelo goreroo, a qual apre-
fa ,.
t oDizia-se que o general mexwaao Marqae* ti-
dar-ae o collegio dos orphoj. quo occupa. urna, pha prometiiie auxiliar o nasso exetcito, e|que
alnas brigadas de artilharu, um eequedrio de ca*
rallara a otcem de balar eomposto do loza
P'CM-
! fl Haraos prenareram-ae bmacasda campa-
nhs paca J0.030 horneas, e 6U,0l saceos lea-
resultado de seus trabalhos oodia 9 do dias.
da assembla geral,
si Jo expreooo meato
sentou o
correte em reuniao geral
qae para essa m havla
convocada.
Foram approvadas todas as alteraces feitas
pelo gorerno ou a tornar mais Clara o pTeetsn-
letra de alguna artigos do estatuto ou a harmo-
nisar varias das suas disposi^es com o espirito
da carta de lei orgnica que aulorisou a (orma-
cao deste noro eslabelecimeoto Caocario.
Nao coQveio, porm, a assembla em algumas
das emendas feitas pelo o goveroo, e entre ellas
do artigo dos estatutos que regularisa a eleigo
dos directores. Qaer o goverao qae para ae po-
der sar eleilo para este cargo se seja accionis-
tas, pelo menos, por 20 aeges, e nao admitte
que depois da eleico faca o aberrameoto, como
coacede o artigo 27 do projecto. O fundamento
desta recusa est em nao querer prirar-se a as-
sembla do direito de nomer directores os indi-
viduos que ella entpo 1er que podem prestar boos
servicos na gerencia do banco, embota, na occa-
siao da eleico^ anda nao possuam as20acgoes
on mesmo nao sejam accionistas-
At que finalmente ha urna proposla feits ao
goveroo para a construeco de planos inclinados
no ouro, em que por tantas razes se tem falla-
do por ser coohecida a sua necesaidade n'um
porto de to grande importancia commercial
como o desla cidsde.
O Sr. Joo Pereira Xavier, da cidsde di Viaa-
oa, do Gastello, obnga-se a erTectnar sua custa,
por sua conla e risco a coostru>co de dons ou
mais planos inclinados com todas as machinas.
apparalhos, offieioss, ferramentas. instrumentos
ediQcages necesssnas para construir e para re
ceber, limpar e concertar embarcados at
lotaco de mil tonelladss, conserrando esles pis-
os inclinados com tolos os seus aceessorios e
dependencias ern'perfeito e completo estado de
servirem para o effailo a que sao destinados.
Obrigs-sa o propooeote a nao. coraecar nen-
huma das obras sem terem sido os respectivos
projectos approrados pelo goreroo, bem como
apresentar-lhe dentro da um mez, a contar da
data da lei que confirmar o contrato, os projectos
completos do primeiro e seguudo *plano inclina-
dos; obrigando-se o goveroo, tambem dentro de
um mez depois de Ihe serem apresentados, a
approrar, modificar ou regeitar os ditos pro-
jectos.
O primeiro plano inclinado com*>car-se-ha a
construir dentro de um mez a coutar do dia em
que os respectivos projectos forem approrados
pelo gorerno; c o segundo logo depois de con-
cluido o primeiro. Aitn destes, o proponente.
ou por deliberacio sus. ou syr exigencia do go-
verao, couttruir os mais plaooa iocliuodua que
forem reclama Jes pelas oecessiJades do movi-
zneuto martimo.
Cada um dos planos inclinados devora (car
concluido, e em perfeito e completo eatado de
receber, limpar econcertar embarcarles, no im-
prorogarel prazo de desoito mezes, a eontardo
dia em que comecar a sus construeco.
O proponente pede:o privilegio", por espago
de viute annos, de oenhum particular, sociedade
oucompaohia construir planos inclinados oo ralo
de 50 kilmetros a cootar do local onde elieesta-
belecar os seus; e bem assim nem dolas de
construeco ou de quereosgem na margem do
Douro; a faculdade de importar exemplos de
direitos, e por espago de rinte annos, lodos os
materiaes, machinas etc para a construeco e
onservaco dos planos inclinados ;:_a perraisso
de expropnar por ut li Jade publica, nos termos
dss leis rigentes, lodos os terrenos da que care-
cer para a coatiauaco dos plaoos inclinados e
ediQciges complementares;o dominio e poseo,
sem pagamento de indemoisicao, dos terreos
do estado etc.; e fiaalmeote a seogo das con-
tribuirles predial e industrial a que elle fosse
brigado pelas leis geraei-
So estas as priacipaes baaes da proposla para
copstrucao dos planos inclinados no Dou-
ro. Coalm ella multas outras disposiges ten-
dentes a assegurar e regularisar dir-mos, que,
segn lo ourimus dizar a pessoa competente, o
goverao nao accerter eem algumas modifi-
caces.
Est aberta na caixa filial do banco de Portu-
gal, nesta cidade, desde o da 31 do pastado,
uaaa suDsanpcao para o emprestimo de 450 coa-
tos, levantando e garido pelo dito Oauco as pra-
vas de Ltsboi e Porto, mas por conla do gover-
oo, destinado a auxiliar a infeliz coiapaab
parte informe do mesmo edificio. O gorernador
civil consultando a este respeito a cmara muni-
cipal, a cargo da qualeali a fabrica da dita
greja e a admioialcacao do collegio dos, orphos,
respondeu que s consentir na demoligo da
dita igr*ja com a condico de se tranaferir o
collegio dos mesmos provisoriamente para o
exliocto contento- do Carmo, por ser elle a casa
mais apropriada para os orpbaoa, visto terem de
frequenlar as aulas, e lembrara que o noro pro-
jecto dereri cpmpreheoder as accommodages
precisas para o definitivo eil|Wecimeoio de
mesmo collegio, e quo de oulra forma a cmara
nao prescinde dos sous legitinjos e antiqusi-
mos direitos aparte do dllo ed(fliio pertencente
a tio pia instituigao.
O dia 29 de outubro, 45 aonirersario natali-
cio do Sr, 0. Fernando, cogdomisado o re artis-
ta, foi festejado com as costumalas e j rauito
sabidas demonstrages ofBciaes. Houve espec-
tculo de gala no theatro de S Joo qne para
prora do estado decadente em que est no Podo
a eompaohis declamagfto nacional, foi scena a
opera (uiza Miller. Ao correr do panno, abri se,
a tribuna real, e a orciieslra tocou o hyrooo de
el-rei o Sr. J). Fernando ; d'ahi para daote ludo
foi cm italiano 1 N0 noj podnmoi cuuIuiiuji
com esia maneira de solemniaar oa da* (te gala
nacional, qaando no mesmo theatro est dando
representacoes uma.compaohia portngusza 1 E'
caso sempre repetilo nos dias de regosijo nacio-
nal quaodo est, no palco de S. Jeo companhia
lyrica italiana. Esta facto, ao tem explicaco
que convengo.
Na feiri dos SantaremManjrualle,seguodo diz o
Viato, honre mulla animsgo commercial.
Os fabricantes da Coriiha, apezar do fraco sor-
timento que apresentaram, e da qualidade de in-
ferior dos lanificios, porque a estago invernosa
Ihes nao deu tempo a seccar ,e "apurar a fazeoda,
venderm quasi ludo e por pregos muilos altes
em relagio aos da feira franca.
Os fabricantes de lanificios mais ordinarios, dss
abas da Serra da Estrella, foram tambem felizes,
porque renderam tudo para a beira-mar. O pre-
gos foram tambem subidos;
Nao de eslranhar o alteamento dos lanifi-
cios a (tendeado ao elevado prego porque, esto as
las.
Tambem se fizersm importantes e valiosas ren-
das de gado raecum. Appareceram muitos com-
pradores da capital, para onde fizeram condUzir
bastantes partidas.
Nao consta que bouresse roubos, e a polica da
feira foi, como sempre, cuidadosa e vigilante.
0 jornal Disiriclo tTAoeiro conta qne se deu no
dia de Todos os Santos um acontecimnto nola-
vel oa igreja da Ordem Terceira daquelU cidade.
Na occasio em que o reverendo commis9ario da
Ordem eotoava a Va-Sacra, um grao le CruciQxo
cahio da sobre o altar e por pouco nao mata o di-
to ecclesisstico, pois anda Ihe tocou n'um hom-
bro que ihe deixou muilo maguado. 0 poro que,
enehia a igreja licou atterrado, pois para urna
grande parte o acontecimnto era sigaal de.gran-
de calarnidade I ..
Abriram termo de carga : em 30 de outubro
a barca Minerva para o Rio Grande do Sul; em
4 de novembro a barca Silencio para o Rio de
Janeiro, e a barca Unido para o Para*; em 8 a
barca Flix para o Rio de Janeiro.
Eotraram no Douro: em 27 de outubro a
galera Catiro 11 do Maranho, por Vwo em 50
oias; em 28 a barca Flix do Rio de Janeiro por
Lisboa, em 68 dias ; em 29 e brigue Lopet, da di-
ta procedencia, tambem por Lisboa, em 70 dias;
em 30 a barca S. Joo da Baha por Vigo, em 69
dias ; em 4 de novembro a galera Europa, do Ma-
ranho por Vigo, em 30 dias; em 5 a barca Novo
Tentador do Rio de Janeiro por Lisboa em 45
se espern depois do desembarque um proaun-
ciamento fivorarel ao protectorado da Uespa-
nba.
Em S. Domingas reina completa tranquiljida-
de ; Buceta e Pelaez esto doentss. O general
Saotaaa continuar fr* da capital realabelepan-
do-se.
As noticias do Mxico annuneiam que reina
grande desacord entra Jurez e Ortega.
CBrma-saque o goreroo haapaohol quetsndo
dar ao imparador de atarrocos urna prova da aua
benevolencia, decidir que a eracuaco de Te-
tuo principia no dia 10 do carrele. Bata noticia
carece da todo,o fundamento.
Parece que o imperio raarroquiao tere de ne-
gociar um emprestimo com varios commerciaotes
de Tanjer e com o juro de oito por cealo para
poder pagar os,60 milhoes estipuladas.
Foi recebido no pago o principe aluley-el-
Abba3, nao constando se seria em audiencia
de despedida, ou para se Ihe conferir siguana
condecoragao correspondente sua atesada ealhe-
gorla. Parece que o califa recebera cartea do
sullo,raanifestando-lhe a sua satisfago pelo bem
acolhtmento n ratonera da rainha a gvrao de
Uespanha.
Tormtron as suas fuocges o conselho de guer-
ra instaurad" em Halaga, por oceasile dos das-
gracalos acontecimentoj de Luja.
Pelo ministerio dos negocios estrangairos foi
publicada a acta da impnsigo dos barretes de
cardeaes por S. M. a rainha catholica aos arce-
bisos de Santiago a da Burgos.
Julga-se imprprarel, e at quasi imsouirel
por ora a rinda da rainha mae, D. alaria Christi-
na, Uespanha, que o correspondente em Pars
do Hcspanfyol de ambos mundos dar como de-
cidida.
Chegou o paquete de Canarias, que traz noti-
cias de Santa Cruz deTenerifa at 28 do mez de
outubro.
Reinara tranquiilidade as Unas.
No dia 16 ebegaram as fragatas Lealdade e
Coneeteo, que'cootlnuarara no dia 19 para Ha-
rana. A 23 chegou o rapor Palnfto.
A troroada do dia 28 para 29 foi de um as-
pecto terrivel medooho em Badajoz. Houve
muitos sioistros e com especialidade na pqnie do
ievora, onde urna faisc elctrica matara algaoa
trabalhadores e mal ferira ostros.
-
Sahirsm : em 27 de outubro o patacho Boa No-
p.r. 9 l'.iA o-.. aO m W..w Paroambuco ; em 31 a barca Carolina para t Rio
de Janeiro ; em 3 de novembro a barca urence
pr o Rio GrWnd* <4o iul.
A barca Sympathia, sahida para, Paroambuco,
carregou segusdo us despachos de exportacao da
alfandega do Porto, as seguinles mercadorias:
A!hos 700 canastras e 250 caixoes. azeilel bar-
ril, azeitonas 300 ancorelas e 2 birris, batatas 100
caixoes, cadeiras de pao oleo 58, carne de porco
um caixo, castaohas um barril, sebo 5 saixes,
ceblas 1400 resteas a<5 caixoes, calcados t cai-
xa, chapeos 2 caixoes, doce 5 caixaa, (eijo 67
saceos, folhas de louro 11 saceos, flor de aabu-
S. M. a rajara de Heipaoha e seu augusto es-
oso passaram revista na diriso deCarabanche-
les s tropas todas que aa achass na corte e
localidades immpdiatas. Psssada a retinta da-
a principio o simulacro de ataque e defeza de
urna praca, commandado peto general Prim, leu-
do s suas prdens quatro bataihoes do infanta-
ria, os regimenlos de engaabeiros e a artilharit
necessaria. As restantes foccaa, s ordens do ge-
neral em chafe do primeiro eiercilo, exeeutsria
durante aquelle simulacro movimeios combina-
dos para proteger u tropas sitiantes, ttgurandt
repellir o ataque de um axetcUa qua vem auxi-
liar a praca sitiada, fiientaa operaceas jogar
mais de cem pegas de artilharia, pela maior parta
raladas.
O principe marroquioo Muley -el-Abbas. e a:
sua comiiira asaistiriam a esta grande fuaecu
militar.
Oexercito hespanhol compe-se, aclualmaote
da uns 271,000 homens, a 23,000 caralles, cem-
preheaiids tolas as (oreas que existen! na Pe-
nnsula e as poaseases ultramarinas. A artilha-
ria coala nao manos de 14,000 homens.
Foram creadoa era Hespanha doua bataihoes
de intentara, cem o fin de retorcar o exercito
da nova provincia de S. Domingos ; e lambam
aa crearam duascompaahias de eageaheiros, u a
esquadre de carallaria iigeira, umbatalboda
artilharia de p, urna companhia de artilharia de
montan ha com o mesmo distioo.
de Victoria e S. Margal, e oa oniros corpos o di
S. Uomuigos. Um Ualalho ae otgaoisar em
Barcelona; e o oatro, em Ca. Oa raslauUs
as provincias, illia de Cuba e S. Demingos.
O impulso dado pelo goreroo s obras publ-
cas ra produztodo no pas assombrosos/esulli-
dos. Quasi todas as proriocias procuran) segur
esta axemplo asa exforgam para melherar s
anas oondieges economicss-admioistratlras, e.-
pecialmeota no ramo daa estradas. De modo qte
passa de 40 milhoas a importaoeia dos etnpret-
timos lerantados por arias juntas provincias
} para serem eoapregados durante o prximo ano
* O meu goveroo. Un ha preparado os elemen-
tos neeesssrios para este fim, quaado foram alvo
de urna nova riolencia cutas grandes nacoes, cuja,
tolerancia para com aquello poro nao ple, por
forma alguma, attribuir-ss a debilldade. Os ag-
graros eram communs. A aeco deria ser collec-
lit*. O meu goreroo desojara-e. Os seus esfurcos
para a combinar linhara sido anter'ormenle effl-
caaea e-activos; porm o resultado nao corres-
pondan, entao a seus desejos. Se agora tirara auc-
cedido o mesmo, a sua resolugao teria sido enr-
gica, e a aua aegao iustantanea e decisira.
A Franca, a Inglaterra ea Uespanha esli de
accordo para alcancar aa reparages devidas aos
seus aggraros e s garantas necessacias de que
nao se devero repetir no Mxico os intolerareis
allantados, que deram escandolo ao mundo eef-
frontaram a.&umanidade. Deste moda realisar-
se-ha o pesamento, para cuja execugo o meu
goverao liona dirigido os mais constantes esfor-
gos. Opporlu na mente dar-ae-ros-ha coala do con-
venio que, roste Intuito, foi assighado pelos re-
presentantes das tres potencias.
A presenga das suas forgas navaes e terres-
tres no? pontos mais importantes das costas do
Mxico, nao poder deixar decoaduzir ao boto ca-
minbo os partidos que assolam a despedagam
aquelle desgragado paiz.
Se a paz lenascesse alli sombra de um go-
rerno solilamente constituido, felicilarmo-nos-
hiamos de harer contribuido para Ibe dar por nm
lado a axisteucU da cinlisago, e por oulro a da
ordem com a independencia e libordade. A lles-
pinhs desejar, que os poros do continente ame-
ricano consigam pruporcionar-se o gozo de to
oapreciiveis noingius.
t A llha hespanhola, o primeiro descebrtmeq-
tocom que o grande Gplombo immortalisou o seu
nome, tornou a formar parte da marinha hespa-
nhola.
c O poro dominicano, amea^ado de inimigos
externos, cangado das discordias intestinas, in-
vocou no rneio dos seus conflictos o nome augus-
to danagao a quem derla acivilisago e a exis-
tencia.
Contemplar impassirel as suas desditas des-
aitender os seus rotos ; inspirados por altas re-
corcagoes e por um amor, nunca xfiricto, para
coma Hespanha, feria sido indigno de nossa do-
brea. Convencida de que eram espontneos e
unaoimes, nao raeilai em aceita-los atteodando
mais honra do que conveniencia do meu poro.
Os dominicanos riram realisedas as suas es-
perances. Os elementes de riqueza qae sen- fr-
til slo encerra, comecaet- a) deeenrolrer-se oo
seio de urna pac profunda eezelo e justiga do
mea gorerno e das autoridades derer-se-ha em
brete o esquepimento de passadas discordias. 0
exercito e a esquadra da filfa, de Coba tarando a
Sao Domingos o glorioso estandarte de Castella,
eram seguraoga a seus habitsotea e infundiram
leraor e respeito a aeus inimigos. 'Foram gene-
rosos com estes, por que nunca tiveram a misso
le oppnmir os traeos.
a A execuc'o das estipnlaces do tratado de
ad-Ras, que termioou urna guerra gloriosa,
schou graves difficuldales. Para as remover, o
sulto de Marrocos epriou mioba corle como
embalxador, a seu irmo o principe Mnley-Abas,
e em breves dias ficarara resolvidas.
0 convenio que ros ser apresentado nada in-
nova o tratado de paz. Todos os direitos adqui-
ridos por elle consrram o seu primitivo rigor.
Determinando a forma do pagamento da indem-
oisacio de guerra, consultei os sentimentos da
aa;o hespanhola, que se mostra sempre genero-
sa depois da victoria.
Ella acompaobar por toda a parte a nossa
bandeira.se a Divina provideooia tiver reservado
novds cmbales ao nsso exercito e armada. En-
tretanto sao. estes, como sempre, modelos de dis-
ciplina e de fldelidade.
O meu gorerno dedica todo o seu atan em
aperfeigoar a sua ovgaosago, augmentar os ele-
mentos de forca e de poder, que proporcionara
aos poros os prodigiosos adiantamentoa das
scieocase da ciriliiago.
A raarinha, cujo deseovolvimenlo recebeu j
ceosideravel impulso, tem a oceupar o alto lugar
de que a fheram lescer, erros e desgracas que,
lonse de inspirar-nos desalent, de vera servir-
nos de poderoso estimulo e da proreitosa ligio.
diosa a magnifica, a misso dos legisladores e
dos governos nesta poca de prodigiosas trans-
formacoes. Nao seria o empenho de leva-la ao
cabo sem o auxilio de Deus e sem o exercico da
rirludes que fazemaos povos dignos dos beneficios
da liberdade.
a Prnticando-as com perserersogt e unidos
todos por um sentimanlo commum de amor .
potril, os ru>S9as esforgos, elarando a cada dia
mais na consideraco das oagoea, coodpzi-la-
ho, lirre da funestas reroltas, sob o abrigo das
instiluiges liberaea, aos altos destinos que a
Proridencia Ibe tem. reserradg.
< f~-
I
DIARIO DE PERNAMBUCQ.
le poderoso estimulo e de
a suCcessos graves peas suaa in.-uun..'
gueiro6caudes gigosde madeira 1 roame,. h- de'186z na coostruego e reputago das rias
moes 5 caixoes, lindas 12canoas, louca 5 caixoes, .r40lUo ain .,- re.u.ca.a, |(lc.tidM.
mcela 4 fardos e t caixo, maesas 61 caixas, 20
barricas c 2 canastras, aojes 2 barricas, 1 caixo
e sseco, ocre 2 barricas, palitos 5 caixoes, pelxes
silgados 6 barricas, peales 1 caixo, pomada 102
caixoes, prata em obra 2 caixoes, presuntos e sal-
picos 1 barril, relrot 1 caixo, rolhas 1 sacco,
toalhas 1 fardo, relias de sebo 50 cunheles. vi.
nagre 30 barris, rinho 9 pijas. 3 ba-ris 3 quartos
e 1 oilavo, dito engarrafado 100 oixes, 6 caixoes
com volumes diversos, 1 caixo com imanens de
madeira, t dito com castigaos, 1 caixote com um
caixilbo, 1 gaiola com canarios, 1 sacco com pa-
ingo, 1 caixo com 1 banc da lonza, 16 rolumes
direrses.
Hespan ha
Madrid, 10 de no ve moro da 1861.
Segundo aa informacoea publicadas pelo Paya,
r-se enseguida as reclamacoes aprsenlas pela
Hespanha ao goreroo mexicano : 1, a Hespa-
nda pela ampia,saiisfago pela injuria (eila ao
sea embaixadar, e para esse Qm a repblica me-
xicana, dever mandar um embaixador extraor-
dinario a Madrid para pelir as suas desculpas ;
2, o reconbecimento explcito do tratado Moa-
Almaste, e a abertura de u-n crdito sufE:ienie
para cobrir a falta de pagamentos desde a poca
em queComonfcrt deixou de cumprir as clausu-
las do tratado, se o Mxico nao preferir libertar-
se de prompto dease debito com urna somma de
dez milhoes de reales; 3',o castigo dos subditos
mexicanos que allenlaram couira os iateressea
dos subJitos hespanhes, e urna iodemnisago
pela captura donario Conception. No caso do
sro'eroo mexicano nao acceitar estas condicges,
no praso de onza dias, que se aeguiram ao pedi-
do, a esquadra e exercito haapaohol, i ordens
dos com mandantes generaos Serrano eRebalcaba,
derero tomar pon de Vara-Oraz e Oe Tam-
pico.
Segundo referem de Madrid, a expedigio dere
effectuar-se no decurso do prximo mez de no-
vembro
Asaegure-ae que tres commissarios diplomti-
cos, um por pane de cada potencia colligada na
queslio do Mxico, iro unidos de ampias fa-
culdades,
,s>Nj dia 4do correte circuiaram rumores sinis-
troa acerca do Mxico. Dizia s que comecaram
as represalias de que foram victimas alguna hes-
panhes.
izera de Pars que o representante hespanhol
em Londres a ninguem occulta que dore o feliz
xito da negociago para a iatervenga ae Mxi-
co, aos esforgos do Sr. Caldern Olanles e do
Sr. D. AlexanJre
sustadoras para a sociedade, perlurbaram a ordem
publica em alguns poros das provincias de An-
daluza. Para reslabelecer essa ordem e castigar
os culpados de to crimioosa tentativa, nao foi
preciso recorrer a medidas extraordinarias. O meu
goreroo deixou lirre a acgo dos tribunaes, que
para estes casos estabeiecem as leis.
A definitiva orgaoisago da administrago
publica reclama o prompto exame e approvago
dos projectos de. lei apresentados na anterior le-
gislatura. Os povos e as proriocias alcaocaram
com leisaccommodadas aos seus notareis adan-
lamentos, a ampia imervengo que ihes toca r. a
direcgo de seus negocios e no cuidado de seus
interesses sem qae porisso sediminuam os meios
que a autoridade oecessila para conservar em' to-
da a parte a ordem publica,a primeira neces-
aidade dos estados.
a O meu gorerno deseja que a liberdade de
impreosa esteja garantida por urna lei que deixe
ampio campo emisso do pesamento e reprima
ao mesmo tempo os excessos das paixes. Dar
seguros penhores liberdade individual conci-
liando-a com a ordem e com os principios tule*
lares das sociedades o grande problema que
devera resolver as leis polticas, para Do provo-
car reaccoes absurdas nem funestos estremeci-
meotos na ordem das cousas.
A reforma da lei eleitoral reclamar tambem
muito eaa brere o rosso profundo exame. A ex-
lensao do rolo activo far com que todos os inte-
resses legilimos eslejaaa representados no cou-
gresso. As medidas aconselhadas pela experien-
cia impedirn) que artificio e a coiliaae alterem
a verdade das elaices. A lei, reprimiodo a vio-
lencia e a fraude, asaegura a iivre maaifestago
da opioiao publica.
O gorerno para devolver s cortes o exerci-
co de ama importante prerogatira e firmar o
principio de desamoriisaco, propor s corles
em seu dia a dertogaco da reforma constitucio-
nal nos termos que tem annunciado.
a O meu goveroo apresentar-ovs-ha immedia-
lamente os orgameotos do estado para o prximo
anoo. Os rendiraentos dos actuaes fmpostos
bastara para cobrir as despezas ordinrras, e a-
chando-se altendidos com os recursos que ante-
riormente votaales aa que occaeiooam as obras
publicas, marinha, e material de guerra nao ser
oeceasarlo exigir dos povos oovos sacrificios.
A iostrueco pub ica tem merecido ao meu
goverao a mais constante sullicitude, e ara breva
alcan-ar a perfeico desojada, ae as cortes con-
tinuaren) a preatar a aua esmerada proteccao a
pe* prupna opposieo dissideote a reconciliado eate importante ramo, da boa organisagao, do
do conde de San Luis com o Sr. Rio Rosas. nual depende em grande parte o bem estar e a
A. Gazeta ds Madrid de 21 do mez passido glora das nacoes
O meu goreroo vos aprasentar com este fin
transito em suas respactiras localidades.
Alguos jornaes hespanhes desmeatem os bo-
tos espaihados por um jornal* opposianista ie
inminentes dlsseoaes entre o ministro da f-
zenda e oda graca a jasliga. Tambem nao ace-
diiim que possa dar-sa como cousa assentadaa
oomesgao do Sr. Bermudez da Castro paraa
embaixada em Roma.
Urna folha ministerial de Madrid eserere:
o Os dissidentes da maioria propalan), ha dis.
que sales da reuniao daa corles ocoorrer alga
aucceaso grare, que, de certo, influir na toe
cha a'aqaellas. Sem durida alindero 4 espere-
gas que abrlgaram por algura lempo, de queos
senaaores progresstitas, que apoiaram ale aquo
gorerno, deixem de faze-lo, pedindo as derra-
ses dos cargos que occupam. Mas, se este, o
successo que esperam os dessdeutes, polema-
bandooar aa suaa esperangas, por qae dos ses-
dores progressislas s tres, qae isieamos, mai-
festaram a resolugao de combater o minia-
rlo.
Declara el Reino, que a coatlislo smanttsa
firmara paca combate: a goveroo na prxima ei-
go da*mesa do congresso, e sem condiges oc-
rosas de casta alguma.
A opposico molerada do congresso, conar-
dou por uoaaimidade, em rotar na can JiJaira
do Sr. Ros H isas para a presidaocia.
O Patelo de 5,declara de absoluta oeceasidde,
a coaiiso de tolos os partidos contra o miis-
torio.
O numero de deputadoa que rioha affluino a
Madrif to considerare! que nunca tanto se
apresentaram de ordinario as primeiras sees
do congresso. Tambem tinham chegado o S D.
Joo Braro Muriilo.
Dara-se por falso o pesamento attribaid ao
Rorarno da nomeagao de outros ooros asa-
dores.
O Constitucional d como um facto confesado
Moa, represntame hespanhol
em Pris, e a leal cooperaco de Mr. Tnonvenel,
e em Madrid dos embaixadoras da franca e da ces com as potanciss da Muros, deale qae se
Inglaterra. A imperatnz tere tambem neata ne- auspenderam os trabalhos da corles.
atubiieou o decrew de adiameoto da reunio tas
cOries para 8 deste mez de novembro.
No dia 8 do correte varificou-se a abertura das
cortes hespanholas, lendo S. M. catholica por esta
occasio o seguiote discurso :
' Srs. senadores e oeputados I
Sempre me foi grato achar-me cercad* pelos
legtimos representantes do paiz; porm, hoje
mais do que nuoca, ean que o meu coraco de
mi, opptimido pela dr, ha mister de conforto e
Gonaolacoes, queso Deus, e os que nos esto uni-
dos pelos vnculos de adheslo e carioho, podem
proporcionar-noa em das de grandea efflieges.
- Nenhuma altaracaooccorraa asa oossas reta-
gociago influencia granda e proveitosa.
Tem referido os ministerios qua o gorerno
hesoaehol trata negociacas importaniaa com o
gabinete imperial, aura de qae a aceao combi-
nada da Frang e da Uespanna na Cachincbioa
prodaza para a Uespanha os reaultado qua tem
oireiio de esperar dos aacridoios oilas pala ooasa
patria por bem da humaoidade e da cinlisa-
go.
Sabido que nos convenios qua precederam
ousegoirara a expetieao fraaco-hespana ao im-
perio ds Anoorer, -sepectuou qua tolas as rao-
tageutyaiaar de cora nercio, quar de oceupago
de territorios, seriara iguaes para ambos os po-
vos. Todos os do:umentos serio em periodo
breve apresentados ao patlamsnlo ; bem como naram-ae.
O. santo padre, objecto sempre de terna e pro-
fuoda reneraga para-todos os catholicus, merece
sempre o meu coustaote iateresse e a miaba i -
lial solicitud*. Procurei qae o governos des na*
goes collocados sob a sus santa direcgo a reu-
nisaera, afim da combinarem quaes os meios da
dar-lhe em teas estados a paz a aaguraoca neces-
sarias, paca axereer com independencia as au-
gustas fuocges da sen sagrada poder. Os meus
sent melos me animaro a continuar estes esfor-
gos, satisfazeodo asaim oa votos dos mona subliios.
cojos corages esto abrazados na viva f retigrasa
de onssoa maiores.
learw a complacenaia do vos asmunciar qae
as di8sideaciaa auaaiudasosaa Voaesanla, termi-
os ajustes eotre a Franca e a Hespaaha
conapleta exttncgo da dirida de 1823.
para a
por nm acoordo satiafactorio. Nelle,
coas* verui, couaigaaram-se osprocipioi inrii-
lavis do direito das gootes, a dando a meus sua-
ff lmperUnt.eosegntata .telegrammarecebMo ditos reparagoas de vidas pelos alleotados e
is opportunos projectos de lei.
* O impulso communiesdo s obras publicas
oninbuio efflcszrneote para o augmento da tor-
una a prosperidade do paiz.
0 goverao apreseatar al cortes os coare-
kientsa projectos de le para promorera execu-
ao d* caaaes, o para o uso a aproreitamento das
guas, qua muito devem contribuir para os pro -
5ressos da agricultura e da industria. Os seus io-
eressas reclamara a immedtata discussodos pro-
eolos apresentados na anterior legislatura sobre
(oigas do commercio e emisso da oarigages
lelas ompannias coucessionarias de obras p-
dicas.
Insertantes projectos de lei sobre crdito
erritorial, orgaoisago dos tribunaes do commer-
4o, e reforma das sociedades por aeges, com-
iletarai a aerie de medidas que o meu goreroo
ooside-a naoeaaarias para o rpido fomento da
Iqueza publica.
A irospendade das provincias do ultramar
objeck) constante de minha maternal sol'citude.
A tas ortjaoiacao adminislraliva melhora-se
caninamente com instiluiges e reformas pro-
vaha jasa peoioeute, cajo estabeleeimeato or-
decii, aommodando-as &t-ciroostaacias espe-
ciaei dauallea poros. .
< l' d esperar que os suocessos do estraogei -
ro qui tu profunda pertarbaco produaem as
con Jipe industriaos e mercante So mundo io-
teiro, (affectem momeotaneameata o progres-
eiro desnvalvimeoto dos grandes, elamenlos de
riquezi c Asta, espisiosa, porom igosimodle gran-
"' 'i i" .....
O vapor nacioual Jaguanbe, entrado dos por-
tos do norte da sua escals at o Cear, trouxe-
nos cartas e jornaea com datas do Cear al 21,
do Rio Grande de Norte al 25 e da Parabyba al
27 do crranle.
Cear.Da leilura Jos jornaea nada colhemos
mais do que diz o oosao correspondente :
a Ah vai a Jaguanbe que cooduz a presante,
a aaquero deixar pastar a opporluoilade, de
iba dizer alguma cousa.
< O nossa prelado ten eiercida ea grande es-
cala a aublime virlude da candado.
c Tenao ministrado na povoacao d'Arronches o
sacramento da contlrmago, applicou o producto
daa oblatas para as obras da igreja do lugar ; a
om Souza para os pobres.
c Entregou so R'd. Socupira, provisor do bis-
pado 200| para serem distribuidos por pessoaa
pobres reoolhidas.
Ha diaa tazando am naaseio s p por um des
suburbios da cidade, o Oueiro, onda ha grande
quanlidade de choupanaa de palha, e muits po-
breza,indaga va de um eoutro se j linhs almoga-
do ; a quaodo liaba a reaposta pela negativa, e
que nem tinha o que, dava-lhe o auffiuiente pa-
ra a alimentaco daquelle dia !
' assim que de va m praticar to los os ministros
o uyaog-ioo, *....i, MUO eli-g rapresenUriam
aquella de quem denasaaer a imagem na trra.
S. Exc. lem dado hospadagern em sua resi-
dencia dous seminaristas que d'ahi vierm pa-
ra ordenar-se, assim como ao padre Agostinno
que veio do Crato por aecoeaces que all Iba fi-
zeram oa liberaos de oslar faoatisando o pavo com
0 lim de servir os conservadores I O pobre pa-
dre nem ao menos se lembra que baja poltica.
S. Exc. Rvm. pedido de grande parte dos
moradores ds Pacatuba, importante poroago 6
leguas de distancia desta cidade, acaba da en-
carrega-lo de promorer a edificacao de am tem-
plo naquella povoacao.
O ascendente qae o psdre Agostinho tem so-
bre ai classes menos abastadas, me fas auppor
que ser bera succedido.
a 0 i)r. Miguel Femaodes Vieira embarcou no
dia 15 do crrante k bordo do vapor Toca ni ins
com destino ae* Para de cuja capital juiz de di-
reito, a exereer as fnaeges de seu cargo.
- O illustra Cearense foi aeompanhade at aa
embarque por muitos dos seus numerosos ami-
gos, que saudosos ficaram pel<) seu apartamento,
porque veem nelle menos a poltico lirme e aman-
la da ordem, do que o amigo aincero a dedi-
cado.
A retirada do Dr. Fernandes Vieira desta
provincia no momento em que ella rai ser o
tbealro da pleito da eleigo para senador, a que
se aprsenla candidato, urna prora nao equi-
voca de que nao se deseja impor, e da confianga
que deposita noa seus comprovincianos.
c Tenbo como certo, que os Geareoses Ihe
correspondern, collocaodo-o no lapo da lista tri-
plico.
cO alto funecionalismo, e a'gumas pessoas
gradas desta capital, quolisaram-ae entre si pa-
ra dar um baile no dia 2 de dezembro, para so-
lemniaar o anniversario natalicio de S. M. o im-
perador.
A idea foi iniciada pelo Dr. chefe de polica
Francisco de Paria Lemos, e commandanle supe-
rior Joo Antonio Hachado que encontraran! a
mais decidida coadjuvago da parte de quasi to-
dos aquelles a quera se dirigiram para esse Qm.
O baile dere ter lugar no palacio do gorer-
no, cedido para isso pelo digoo administrador da
provincia com a molhor boa vontade.
a Foram oomeadas duas commisses, urna para
fazer os convites, oulra para Iratar de prompli-
flcar e dirigir o baile. Aquella composta dos
Drs. chefe de polica, Jos Liberato Barroso, Ja-
gnaribe, secretario do gorerno Sinval e inspector
da ihesouraria de fazeoda JooSeveriano Ribei-
rn* uj, Aa* .A>An.ia J...W Auivuiu natrnauO,
1 Francisco Fidelis Burozo, lenles coronis Vic-
toriano Bornes, Luiz Vianna, o do Dr. JosLou-
reo;o de Castro Silva.
A'rista disto de esperar que o baile esteja
esplendido, e corresponda ao objeclo a que se
dedica.
a Na mioba ultima Ihe disse, que as eleiges
de senador, meu ver, s seriam perturbadas
pelos gemidos e queixas dos derrotados, e que es-
tes com toda a probabilidade attribuiriam a for-
quilha ao presidente da provincia.
O que se passs, d a entender que oo me
enganei.
0 Cearense de 15 do correte tratando de urnas
noraeages policiaes qua Ureram lagar para o
Crato assim se exprime : a recahiram na gente
mais frentica do partido carear, com um ex-
a clusivismo to exagerado que nao se tinha vis-
e to nos lempos de mais iufreue reaego.
a Nao se d injusliga maior, e quaodo a sesu-
dez, e imparcialidad do Etm. Sr. Duarte de A-
zevedo, e Dr. chefe de polica nao fossem bas-
tantes a desmentir aquelle jornal, ahi eslava o
Araripe orgso do partido liberal do Crato, e Blho
querido do Cearense para provar o contrario do
que elle diz; porqaf, tratando das diUerentes
nomeaces que tinham tido lugar, nao s nao
desapprorou as do Crato, como disse o seguinte a
respeito dos Milagros. < O Sr. Duarte de Aze-
vedo completamente estranho aos interesses
eleitoraes dos senhores do da, acaba de fazer
< algumas nomeages pela policia^daquella villa
recahindo quatro dellas em pessoas do partido
a liberal >
c C'imo se explica esta contradigo?
Ora seja-se juiz com taes mordomos.
C para miro, o redactor do Clrense quo se
aprsenla candidato senatoria conbece a dif-
flC'ildade de ver seu norae incluido na lista, e de
antemao se prepara, para a seu tempo ter em
que basear seus queixuraes.
a No dia 24 do correte temos as eleiges dos
deputados proviociaes, para o biennio de 1862 a
63.Deus eaclarega os eieitores.
O processode respaoaabililade intentado pe-
lo guarda-morda aIf-niega contra o autor de um
artigo publicado do Cearencee de queja Ihe fal-
lei, vai seguiodo seu curso.
Nao obstante apresentar-se como responsa-
vel, um pobre hornero quasi analphabeto, e que
s tem de seu a ooite e o dia, todos aqui sabara
que os escriplos que tem appsrecldo contra o
guarda-mor, sao Oa peona do padre Alexaodre
Francisco de Cerbelon VerJeixa, de quem dere
ter conh'eciaieolo, que o tem feto sobinspirago
do capataz, que o orocurou, por e terem recusa-
do a isso os Drs. Pompeo e Libralo, segundo
a voz geral.
O capataz ainda at hontem nao tinha cha-
mado rosponsabilidade nenhuro dos artigos pu-
blicados em aeu desabono no Pedro II, apezar de
terem comecado a apparecer no roez prximo pas-
sado, de ter por duas vezes annunciado que o ia
fazer; e de ter (segundo dizem) sido ameagado
com suspenso, se assim nao praticassem.
A opiuio publica proouocia-se altamente
a favor do guarda-mor.
O Guajar da companhia maraohense che-
gou aqu oo dia 19 do crrante cora a curta via-
gern de 9 dias 1 Para a^peguinle vitgem pro-
vavel que gaste 12 dias. To ha duvida que re-
gressatnos. Sane hoje para o Maranho.
Rio Granit do Norte.Havia partido para S.
Goncalo o juiz de direito da capital, afim de pre-
sidir aos trabalhos do jury. Nada mais digno de
meng.io encontramos na carta do correspondente,
que publicaremos depois.
l'arahyba.Limitamo-nos presente missiva
de nosao correspondente:
O Sr. Dr. Neira deixou o cargo de chefe de
polica a 20 do correte, em cujo exercico aoube
S. S. proceder de modo a merecer conQanga ple-
na de tres admioislracoes, o as sympatbias da
provincia.
S. Exc. o Sr. Araujo Lima, ao communicar
a dito Dr. a deugnagao da seu substituto dirigi-
Ibe o seguinte a honroso ofBcio :
t lilm. Sr.Acabo da designar ao Dr. Manoel
a Corroa Lima, juia de direito di capital, para
exereer interinamente as funeges de chefe de
polica, cargo que V. S. acaba de exereer digna
a honroaamenl.
me os r!goroAajobfig4e,o de deela*ar-)k q>a
muiioma aatjgfasaadecaa a V. S. osaausaor-
rigoa ralarantea, oa preataca des- ejuaaa assp-
pra essa presidencia eocooarou iealdado, dadi-
cagao ei.iteiligancia, qualidadaa canleasadas e
recoohacidia palos maa dignos antecessores.
com oa quaes V. S. aervo.
Renov a V. S. oa meus proteatoa de
cular estima, desajaodo-ihe a posse de '
a rosa prospeidade.
O Sr. Dr. Ne>e, segu oo rapor Scyasaraee
para esa* provincia exereer o carga de .teai de
direito da segunda vara enana, da capital, onde
S. S. bem conliecidoe eatimado.
Fazeroos votos pela prosperidad* de S. S., a
quem desojamos achenles de perenne elicidode-
A eleicuo pura deputados proviociaes, cujal
dere ter lugar a 1 de deiembru, lam asoaassado-
os espiritos de modo que al a cerreaajnoaaasos
se quar excluir, para o que ludo se empeoha I
c O Sr. Araujo Lima nao aa lam envolvido na
eleigo.
Acaba de ser nomaado agenta tiscal acota
provincia, o Sr. Bernardo Jos Martina Pereira.
Dizem-me pessoas qua conheceru ao nomaado foi
S. Exc, o Sr. Araujo Lima muito feliz, aro sua
escolha ; pois agora ella ahi dizem ter merecido,
conceito, teodo alem disto familia onerosa e Bai-
les servicoa.
Foi sentida aqoi a anorto do Sr. Jos Joa-
qun) de Lima, que era bem considerado a esti-
mado;
Acha-ae no exercicia da carao da chato da
polica o Sr. Dr. Manoel Correa Lima.
Nao houve nnridade alguma, islo nao me
consta lenba bando a ortica de algum acto qner
contra a seguranga individual a quer contra a
propriedade.
ajorme e carias, de qae foi portador o va-
por inslez Oneida, entrado da Europa, alcancis:
de amburgo 5, de Londres 8, de Uespanha
4 13. do Porto i 11 e de Lisboa 4 14 do cor-
rente.
que.foi
t AofatetaV. S.esla; commanicicio sinlo-
Tristes sao as noticia* de Portugal, de
ella puuador.
No da 6 de norembro tinha succumbitfo ora
Lisboa, riolencia de ma febre perniciosa o in-
fante D. Fernando, filbodaSra. D. Mirla II
Ro dia 11, pelas 7 horaa e um quarto da ooite
el-rel D. Pedro V dea a alma ao Creador 11
Seu irmo o infante D. Augusto que tambem
o tinha acompanhado na sua ultima jornada ao
Alentejo, achara-se pergosamente enfermo.
A' sahida do paquete aprsenla va alguns all
ros, teodo sido transporiado em cadeirinha, do
pago das Necessidades para o de Belrc.
Ei-rei D. Femando seu pai, pchava-se na asis
dolorosa conslesnsgo, lendo ja aoffrido alguns
accessos nervosos. Reunido o conselho de es-
tado poltico nos pagos reaes, votou m que fos-
se convidado o pai do defuni rei para a&sumir o
regencia do reino al ebegada do legitimo snc-
essor da cora de Portugal oSr. D. Luiz 1. El-
rei annuio, atteodendo s razoes de estado que
Ihe foram presentes.
O herdeiro da cora e seu irmo 0 infante D.
Joo linnam ido Allemaoha, acompaobando
sua irma a Sra. D. Antonia recem-casada coro o
principe Leopoldo de Hohenzotlera, assslindo
em Koenigsberg corsgo de rei da Prussia.
Por convite do imperador dos Fraocesea, os
principes foram a Cofflpigue, onde Napoleao III
eslava com a iraperalriz aua esposa.
Ahi receberam es infantes de Portugal a cruel
noticia do fallccimeoto de seu irmao D. Fer-
nando.
Suspeoderam-se os preparativos de tstelos,
que o imperador dispozera para honrar a vizita
de seus hospedes.
Os principes correram Paris, onde o telegra-
pho Ihes communicou que o abato moral da per-
da do Infante aggravra os pidecimeolos do Sr.
D. Pedro V,
Em Calais embarraran) os principes logo para
Dourrea. Um temporal desfeito que sobreteio
durante o trajelo fez correr o maior perigo sus
existencia.
Chegados a Inglaterra passaram de Southamp-
ton Lisboa do rapor Oneida, da carreira tran-
satlntica.
O rei regente confirmou o ministerio, quo fura
nomeado por seu augusto filho de saudoaa me-
moria.
As corles, que segundo o prtceito constilntoal.
se lioham aborto a 4 de norembro foram adiadas
oo dia 5. Como o chefe do estado se achara j
muito doenle presidio por commissao aquelle
acto solemne o ministerio, derendo reabrir-so as
latiifllOS a 1S dt? janviru.
Mudando as circumstancias por estes fataes
acontecimentos, devem ser antes desse tempo
convocada p*ra aceiiarem o juramento do Sr.
D. Luiz I.
Pelos jornaes que recebemos de Portugal e pe-
la carta do noalo correspondente em Lisboa, ve-
mos a profunda s.ensaco que tal infortunio pro-
duzio em Portugal.
O re era amado como pai, como irmao, como
amigo, como perfeito homem de bem, como o
primeiro cidado constitucional po paiz.
A dedicaco corajosa com que o Sr. D. Pedro
V animara o poro de Lisboa durante a devasta-
dora epidemia, que em 1857 assolra a capital,
vizilando os hospilaes, confortando os enfermos,
consolando a orpb*ndade, e enchugaodo as la-
grimas viurez afllicta, foi um lestemunho in-
delavel do amor que o joven soberano professara
pelos seus subditos.
A dr que se maoifeatou pela aua morte nao
poda ter mais intensa.
To intima mente ligados inelle psiz por lan-
os vnculos de afTecio, assoeiamo-nos com pesar
ao doloroso seutimeolo que afilige o poro purtu-
guez. e damos a afgusia familia imperial do
Brasil os nossos sinceros psames por aquella
dupla fatalidade.
Dos se amercie daquelle reino, qae tendo na
iouole de seus habitante! e as condiges de seu
territorio tantos elementos de prosperidade, tem
sido uestes ltimos tempos experimentado por
to duras prorages I
O excesso do sealimento qne angustiara o po-
vo, lerou o espirito publico a procurar extraor-
dinarios pretextos com que explicasse o Infor-
tunio que eolutasse a nago, ceifando em pou-
cos dias dous siembros Oa real familia.
Foi assim que se espalhou ter sido propinado
veneno jjelles personagens n'um almogo que
os emprezarios hespanhes dos caminbos de fer-
ro de leste e do "norte Ihes olferecersm na est-
gao do camioho em Saotarem.
Comegarara a maoifesUr-se em Lisboa os mais
assustadores symptamas desta desconfianga po-
pular, cheganao mesmo a fazer-se prorocagoes.
A imprensa peridica, de todos os partidos e
credos polticos accordou osponlanea e enrgica-
mente em coraoater com eciso aquelles boa-
tos, explicando o morte do rei e do uifjote.se-
guado a causas ualuraes quo a produnram.
O auto da autopsia feili no cadver do infante
foi publicado ; o auto da autopsia do rei de va ser
publicado tambero. As observacoes da scieocia
altenusriam completamente as funestas auppo-
siges que se tinham manifestado.
A Italia acaba de ser recunnocida pelo rei dos
belgas, depois de te^PSido substituido o mi-
nisterio belga.
O novo ministerio apresentou o seu program-
ma, prometiendo a reviso da le eleitoral, a re-
forma da instruccSo publica, a reargaoisago do
poder judicial, o melhoramenio da legislago so-
bre impostos, a ado^go de um sjsteraa sobre
crdito predial, e fioalmente providencias que
faciliten) as relages commerciaes.
Este programma foi multo bem recebido pelo-
partido liberal," a cojo gremio perleace o nevo
gabinete. A Blgica reclamara de ha muilo o re-
conhecimeito do reino da Italia, medida a que u
antigo ministerio tinha posto tolos oa obsta-
culos.
Quanto s provincias napolitanas contina an-
da a haver a mesma indeciso de noticias sobre o
estado de socego daquelle antigo reino ; ainda
qne pela qualidade das noticias de uase outros
se possa colligir qne a reaeco se nao est suf-
focada, est rauito abatida, e desanimada.
Por urna parte contlnua-se sempre dizor que'
os bandos que exiatiam naqnellas proriocias es-
lio terminados ; qne desde a capital al Arezza- .
no esto os carainhos rres, que as guerrilhas oV;
Cipriani, Donaiille eCrescenso divagara dispersiJ
pelas mootanhas de Nolla, Molo, e Gu-facio ; que
em quanto s Calabrias e aos Abruzzos esto um
completa seguraoga, assim como os territorios de
Bar a Otranto. a terra.de Labor, a provincia dti
Salerno e quasi tuda a de aples, que foi esto
estado satisfatono das provincias napolitanas
que deu tugar a retirada de Cialdini, que jul-
gou terminada a aua misso, visto que fra en-
carregado com poderes civig e militaras, de pa-
cificar aquelle ponto da Italia.
Outros dizem que nu ha recrudescencia oa


TI
(4)
Dftftlft*!
#* m*k wbjl oMMvwno di mi
araerrilhatom, mas que exisSjaapequenos parti-
4oi devidos ao esforgos reaclMiarios, e rontam
eje usa drta beodos aeoorometiera diligencia
de Roma, e prendera Irea viajiaies roaaaaos; que I quer e"Ijvar i presenca/do imperador, e dos ate-
torca irma ta cao chegar lempo para os sal- quea commeUidos contra a constituicao hngara
w, e que quando chegira ja oa presos haviam i desde 20 de outubro, ataques que diz terem tor
sido decapitados, aeado as cabecas expoposlas na nado anormal a siluacao do pau.
W
estro catica, corno tropheu, que depois desla
acto oa vencedores ae refugiar a ni nos estados ro-
manos, comosompre coslumavam, ficando aasim
ao abrigo da accio da jusilla.
Outros aprsenla m em reaposta pormeaores do
conflicto ; houve entre as tropas italiana a de
Cipriani. Man de seis mil borneas se concentra-
rais em Palma em eonseqaencia do movimenio
aajgressiro das tercas daqueitecaudilho. Tanda as
guerrilhaadesddo as mootaobas rompeu um fogo
vivsimo,tanto do ama como deoulra parte, mas
em que a principio ae presentiste resallado
algum favoravel paraqoalqaer dea lados A lula
duroa por mais de daaa horas, e afloal os piemon-
tezestiveram de ceder s torgas superiores do ini-
migo, Rae os coriou em differeoiee pontos. A re-
tirada desastrosa
Flla-se da formacio de um acampamento em
lfaufreQooia, pan Intentar um golpe decisivo
contra oa bandos dispersos nos Abrozzos, Terra
da Laaore Avelltoo, onde soiem refugiado con-
tra a persegujio oos aoldadoa italianos.
Chegou a Napolea a otBcial boarbonico Carrac-
cilo, que deeembarcava em Genova cora a guer-
rilha de Borges. Vioba acoro paohido por ama
boa escolla. J (es revel.ces graves e muito
importantes, e parece disposto a fater anda mais
adamas.
Parece qu o Ora priacipal das reaccionarios,
quando deeembarcaram na praia de Ce rece, era
ividiremae pelo interior das proviaeiaa e atea-
rem a conspiraco que all se tramara. Sao erais-
sarios que andam de cidade em ciJade, empre-
gando lodosos meios aoseu alcance, para darem
o deaeovolvimento possivel remita. Das iour-
macoes batidas depreheode-se que alguns delles
peneiraram at Basiliculte, e que percorrem o paiz
por camiuhospouco oa nada (requemados, sondo
guiados pur homens do aeu partido e que Ibes
ao dedicados. No emlanto ha entre elle* maior
daoiooafao, e mullos reaccionarios leem depos-
to as armas, desislindo assim da arriscada em -
preza em que al boje haviam tomado parte ac-
tiva. As revellacoes de Carracciolo pozeram o
governo ao (acto de lulo quanto eeiem passado
as coruniissoea de Roma-, Malla, Marselha e
Trieate,
Diz-se que muitos conspiradores se tem dirigi-
do 4 Halla, aflm de operarem um desembarque
na Calabria. Consta tambera que de Cwita-Ve-
chia largou um vapor com grande numero de
quintaa de plvora, em direceo Tunes. Pa-
.7n.2i!lh0 d g0TerD. d-" H"0gri' tfiriio 11uo < fO'erno federal iaterveoha as contendas
u.^[ l!5a ""'W*0 1ue ge cun.- 1 > entre o governo dd Mxico e os goteraos
ama expsito ampia das queixas que o pau das tres potencias europeas.
"- As desordena que ltimamente tees occorrido
na repblica mexicana, aprsenla um carcter
bastante grave : os estrangeiros alo aaeasinados
pelos Minos do paiz, i pelo (acto de sereas es-
traogeiros, e o bastsnte o permanecer neu-
tral, e nlo se oeeupar senio dos negocios cora-
mercias ou iolestriaes, para fuglr a ser aisissi-
nados : forcoso se torna a empunhir aa armas
em resistir com eoergia aos golpes dos ioimigos,
os quaes procedem sempre ao grito de : morraai
os pstrsogeirus I
No coDgreeso obteve o governo do Mxico milo-
ria contra os debutados que pedirn a demiisao
do presidente da repblica.
No da 10 do prximo passado mez de ootubro
era grande a agitacio em Vera-Cruz, em cujas
aguas acabavam de se epresenlar dous navios de
guerra (rancezes.
O Monileur, orgo offlcial do governo francez
declara que se assignouja em Londres o conve-
nio celebrado pelas tres potencias para obter do
Mxico a reparacio dos aggravos. A convenci
divide-se em duss partes,urna que ae refere a
divida, outra i cooslituiclo de am governo forte
e dnradoaro.
C missario que, portador de ampios poderes, regu-
larlo os dous pontos.
A noticia mais Imprtente dos estados da Unlio
Americana, recebida aa Europa, a qoe diz res-
peito abolido da escravalura em toda a Uoiao
Americana.
A esquadra dos federaes toi batida pela dos se-
paratistas, mettendo-lhe estes am navio a pique
e (azeodo retirar os outros.
Em'quanto os (ederaes soffriam esta derrota
eram seis navios dos estados do sul destruidos
quaolo teotavam recuperar o forte da Hutteraa.
Estabeleseu-se um bloqueio rigoroso contra a
Nova Orlesns. Na Virginia tem os federaes al-
caocado alguma rantanm. Naa m.raeos do Po-
! uiu loram os (ederaes felizes, mas no Mis-
ouri alcangiraro vanlagens.
Os (ederaes vio dirigir um ataque importante
contra a Nova Orleans com o fim de tomirem
posse da capital do sul.
As esperances que o presidente Linelo tem de
aniquilar os insurgentes do sul, qne (ez com
que o governo da Uailo pedisse i Franca e a In-
glaterra que nao recoohecesse a confederarlo.
Pelo menos este o bosto, mas pareco bastante
proyavel que seja qual tor a sorte daa armas, a
Uoiao se nao consolidar msis, por isso qne a
animosidade do sul cootra o norte jamis se ex-
tiuguir.
Foi o eonselho do governo que propdz a visita
do imperador a Bada, para alli (azer a sua adtve-
sao sos principios consliiuriooaes. A exposlcao
termina manifestando o desejo de que so envi
am srchi-duque pera Peslh, como governador
para assim se esclarecer o oslado de cousas.
' No dis 16 rebeotaram em S. Pelersburgo
graveo taanoltoe palas attjiialea de diff-reoles
universidades pediodu uaaoaoostituicao. Foi ue-
cesaario empregar a torga armada para eodter os
nimos. Nessa occasiao, cinco mil peasoas (oram
eoudugidaa i cidadella. Os aocikoa (oram pastos
m liberdcde, sendo os estudiles encerradoa as
fortilicaces. Anda que nio conste exactamente
qual o numero do morios eferidoi, que resulta -
i ram do conflicto, os clculos mais spproximados
j elevara aquellos a 20 e estes a 900 ou 400.
I Urna pelicao aaaigoada por alguoa militares de
cidadaoa, que circuluu depuis ate feius as prisoes,
pedia que fussem postos em liberdade os estu-
dantes, e se desse ao imperio uma coosliluigao.
O conde de Scbouralof, ebeto de policia, toi a
Moscow ao eocontro do imperador, am de ihe
apreseutar a sua demissao. O secretario do mi-
nistro foi preso por haver solicitado algumaa as-
signtturas para a petico a favor dos estudantes
Teme-se que o regresae do imperador a capital
seja pretexto para demonslraces bosiis ao gover-
no actual.
Diz-se que a nobreza de alguna ovemos, e en-
tra outros a de Moscow, tenciona pedir ao impe-
rador a concesso do direitos polticos em troca
do aclo de emancipado concedida aoscampo-
nzes.
Parece quesera muito difficil deixar de atlen-
der a este pedilo, por isso que ama negativa Irla
suscitar embaracos, sem de modo algum alteouar
a lula com que esta a bracos o governo rasan.
Na lula que oa ebefas a (vtti larim contra oaovara* rusio aeu representan-
tes em Varvosia, serve-lhes o clero calbolico de
principal ponto dn apoio.
Segundo as ultimas noliciis a autoridade liaba
prohibido qne se celebrasse a (esls aoniversaria
do Kosciusko. O povo nao alleodeu-a osla prohi-
birlo, e duas das egrejas oode os eis se reuni-
ra para orar e caatar polo here da Polonia,
eram cercadas e oceupadas pela iropa.
Nestas circumslaocias extraordinarias o consis-
torio gersl das dioceses decidi que as duas egre-
jas fossem probibidas ao culto al que eslivessem
"urifleadas e que lodos os outros edificios reli-
Joio Braejlio Correa e Silva..................
Dr. Lourenco Francisco de Almeida Catanho
Francisco Haphael de Mello Reg............
Dr. los Ttieedoro Corderro.'.................
Dr. Fraoaisco Jos Fernandos Giiirana......
Dr. Antonio Rngel d Torres Bandeira......
Padre Tilo de Barros Corris................
Dr. Rodrigo Castor de Albuqoerqua Mara-
_ noio .......................................
Dr. Antonio Witxuvie Pinto Bandeira a Ac-
cfoli de Vasconcellos......................
Dr. Aprigio Justiniano da gilva Guimaraea..
Dr. Francisco Augusto da Costa........ .....
Dr. Luii de Al buquerque Martina Pe reir....
Maoool Antonio da Fonseca..................
Luis Paulino de Hollanda Valeoca..........
Dr. Borges Caroeiro..............!...........
Joaquim Antooio de Cairo Nones............
Miguel Archaajo de Men tonca..............
Padre Francisco Peixoio Duarte..............
"""'i D iroc^au a iuucs. r- purinciaas e que toloa os outros ediUcios reti-
rece que o outro navio devia sabir com um carre- giusos se ceoservassem fechados em quanto se nl
gamento idntico. dessem garantas contra qaalquer nova profa-
O geoerat La Marmora parti para aples on-
de vai exercer as suss funecoes de governador
gersl das i-rovincias napolitanas, sendo acompa
nbado por Hr. Mioghetii. Diz-se que o rei Vc-
tor Emmsouel antecipra a sua viagem a ap-
le?, que eslava destinada para o mez de Janeiro
prximo, por isso que quer assistir a inaialUcao
4o general La Marmora naa suss novas fune-
coes.
Diz-se que o rei partir no meiado deste mez
e que a sua permanencia all ser mais looga do
que se penas va. Devem acompaoha-lo lodosos
ministros excepcao de tree que permanecero
ernTurim, mas que devem mais tarde dirigir-se
aples. E' uma mudanza temporaria da ade
do governo.
O general Gialdiui despelio-se de Nupoles de
uma maoeira digna d'elle. Tendo apeuas despen-
dido 14 mil ducados dos 12 mil que coustlluiam
o seu ordenado, escreveu ao syndico de Napules
para lbe dizer que os 106 mil ducados reatantes
flcivam i sua dispos'coo e deviam aer empre-
gados em diversos actos de beneficencia, na pro-
porgioque o proprio general indicava.
As duviuas suscitadas pelas correspondencias e
jornaes italianos, quanto culpalidade de Luca-
telll, o aasassino do gendarme Vellesli, duviuas
que (oram acolhidas pela maioi parte da impren-
sa europea, acham-se agora de lodo dissipadas.
O Ami de la Religin aOirma positivamente que
LucaUlle (ora preso em flagrante delicio; anda
manchado de saogae proveniente de um ferimeu-
to que Ihe fez um soldado francez que presen
clou o crime; e que o reo foi condem aJo com os
depoimentos deste soldado e de mais alguns que
estavam tambem presentes, quando Velluli toi as-
aassioado. A Patria diz saoer por via fidedigna
que sao completamente exactas as asserces do
Ami de la Religin.
Uml.it iiarinrtirn* nublir.aram ullim.-.nhum.
carta sobre o mesmo assumpto que se iiizia di-
rigida ao cardeal Mazzini por Liberani. Esta caria
era uma aecusacao em regra contra a ferocidade
altamente umtal documento, desmenle as asser-
coes coudas nelle, e declsra ao mesmo lempo
que nao lem nlacescom Mr. Liberani.
A questao romana contina sendo o assumpto
. de graves discusses na impreosa europea, porm
julga-se que a questao veoeziana ser primeiro
resolvida Tal pelo menos a opimao de muitos
peridicos estrsngeiros e a do Sr. Kussulh. N'uma
carta que ella dirige a um dos seus amigos, o ei-
, dictador da Hungra exprime-se oos termos se-
guintes: Creio que a questao romana cede o
lugar a veneziana. Dentro em tres mezes adop-
tar-se-ha uma resoluco definitiva a este res-
pello.
Segundo a opimao de Kossalh esta resoluco
nao pode deixar de ser violenta. Rebeotar nma
revoila gerk na Hongria.-o nesta occasiao os ita-
haoos marcharao sobre Veneza. Nao ser porm
possivel, diz a Patrie, que a provincia veneziana
xeadquira a sua independencia, aem que se recor-
ra s armaa? Acaso esto esgotados todos os
Jilanos para se obter uma corubinacao pacifica,
imperador Francisco Jos proounciou l a sua
palavrs?.... '
Affirma-se em Berlim que em conferencia que
deveeflecluar-se em Breslsu com o rei da Prus-
sia, a questao veoeziaoa deve ser tratada em pri-
xneira liuha.
0 rei Guilherme I, de accordo com os desejos
niaaifeslados p-lo imperador Napoleao, insistir
esta provincia, nao lbe dissimulando ao mesmo
tempo que a Prussis, est resolvida a reconhecer
o reino da Italia.
Se tal a leocoo do rei da Prussia de erer
que este paaso dado por S. M. exerca uma pode-
rosa influencia no espirito do imperador da Aus-
:ia. O exemplo dado pela corte de Berlim ser
nacao.
Esta resoluco pode-so dizer que consutuia uma
verdadeira declararn de guerra da parte do clero
calholico contra as autoridades*russas. Annun-
cia-ae que o eonselho de estado da Polonia liuha
tambem as actuaes circumstaociaa reaolvido
suspender as suas (uncedea. O eonselho de esta-
ao, segundo o novo syslema devia aer nm ponto
ia n.vi.. ________ .* a__________a n *
55
54
44
38
34
32
29
58
SI
23
19
18
17
15
18
10
6
3
Em Bezerros (oram volados os seguiotesSrs.:
PERWIHBUCO.
REVISTA DIARII.
O Oneida bontem entrado dos portos (a Eu-
ropa, irouxe-nos a infausta noticia da sentida
mor te de S. 11. F. o Sr. D. Pedro V e de leuau-
rfl'JT'i---------V" -'*'""" ""'" "" ,u'"" gusto irmo D. Fernando, por accommeltimaiio
deapuio para o Ingar-lenenle do imperador. Fal- um. febre perniciosa, como toi capitulado >e-
lando este nonio de anom ba restar ao enverno i. .<;.,... _.i. n....." j. __. _..__.
lando eale ponto de apoio s restar ao governo
recorrer torrea para sahir das difflculdades.
Dizom de S. Pelersburgo que aeexpediram or-
dena para as tropas operarem no caso de insur-
reigo, deyeodo oa ebefes militares obedecer 4 au-
toridade civil em quanio ella podesse exercer as
suaa funeedes:
Estas insirueces ehegan a ponto de nao tor-
nar os commandantea de for^s armada reaponsa-
veia de empregarem a arma branca ou o (ogo
contra qualquer motira que se manifest em qual-
quer ponto. Deu-sa ordera para que todas as ca-
sas se fesbem s 9 horas da ooite. Qualquer reu-
nio de mais de tres pessoas considerada como
urna rebeluo. No caso do alarme oinguem dere
sahir de casa, e as pessoas que se apharem as
ras bao de refugiar-se as casas mais prximas.
As tabernas e os outros lugsres de diverso ptra
as classes baixas t6m sido mandados fechar. E*
prohibido correr pelas russ. esta prohibicao diz
respeito at s criaocas. No termo de 48 horas
todas, as armas inclusive as espadaa dosempre-
gados hlo de ser entregues s autoridades.
Tal o estado em que seacha a infeliz Polo-
nia I
Nao consta que ainla esteja resolvido o desse-
cordo quesesuscilou entre o goveroo francez e o
da confederarlo suissa, em coosequebeia do inci-
dente occorrido em Ville Ij Grand, mas sabe-se
que o con-elho federal enviara ao seu represeo-
Ll^Hrsir^S! um relalono oara sej: aoresenlado
ao goveroo (raocez era que se expoe com toda a
exaclido o que occorreu. O presidente d con-
federarlo, que (oi quem redigio aquello relalono
em Dome do eonselho (ederal est disposto a man-
dar proceder por meio de uma commiaaao mixta
as udimas intormaces que possam servir de ba -
se a um accordo definitivo.
Nesta maneira de proceder da parle do eonse-
lho (ederal suisso parece haver a melbor bdi (
e o mais intimo desejo de pAr termo a uma des-
inlelligeora que al certo pooto alTecta as rela-
ces polticas e diplumalicss dos dous governos;
mas at agora a Fraoga ainda nao leaolveu.
No dia 15 de novembro dever ler lugar a inau-
guraio do caminho de ferro de Lige a Maes-
irich. 0 ret doa Belgas approveilra esta oppor-
lunidade para pagar visita do rei da Hollanda.
Diz-se tambem que o iuperador Napoleao ira
brevemente (azer uma excurso Blgica e
Hollanda.
O parlamento ioglez toi prorogado at 17 de
dezembro prximo. 0 goveroo resolveu levar ao
cabo grandes obras de deeza na ilha de Helizo-
land que a Iugiaterra possue no mar do nortea
certa distancia da entrada do Elba. Aquella i I la
impoitaole poltica e militarmente considerada;
as suas costas de difScil accesso coostiluem um
grande elemento defensivo, contendo dous bous
portos sonde pode guarnecer grande numero de
navios de guerra. As obras que se emprebeodem
tem por objecto melhoraroa diloa portos que pos-
suem coodiQes nuticas importantes, e protge-
los com outras tonifica coas.
A Inglaterra continna a organisar voluntarios
com um fim preventivo, todos os dias se distri-
buem bandeiras e ae passara novas revistas.
Abrio-se o parlamento espaohol, no dia 8
de novembro.
Continua a aflirmar-so que est assignado o
tratado da Hespanba com Mar reos, do qual se fi-
zeram algumas modilcajoes. Antes da evacua-
So de Tetuo, receber a Hespanha aessenla mi-
40
40
40
24
20
20
17
5
4
2
18
18
15
14
10
9
8
5
3
Cosmmilxalo frovlmelaxl
Rendimento do da 1 37.
dem do da 28 ...
45:1t6$f90
34SSft94
or. Jos Leandro Godoy de Vasconceltos....
r. Jos Theodoro Cordeiro..................
Dr. Francisco do Paula Baptista............
r Antonio Viceirle no Naacimento Feitosa.
Padre Tito de Barros Correa...............
Joao Branlio Correa e Silva.................
Recebemos o seguale resamo do coHegTo
do Bonito, perteoceote so 4* distrlclo elitoral:
r. Fiaocisco Jos Fernsndes Gitirana...... 48
ur. Lourenco Francisco de Almeida Citanho 40
r. Antonio Witruvio Pinto Bandeira e Ac-
eto do Vasconcellos......................
Dr. Rodrigo Castor de Albuquerqae Mara-
nbao..........................
Francisco Raphael de Melio'RVg'!.,.".'.^,.'^'!!
Teoente A. fuella de Castro Tarares........
>igsno Tito de Barros Correa................
Or. A. R de Torre. Bandeira................
Jos de Barros Correa Sette..................
i- dU-i?A MfrtiD Pereir..............
Joao Braulio Correa e Sllra...'.........
Manoel Fooceca de Hedelros..........
Tomou-seem separado a (reguezUdo Gr.r.i.
qoe dea em resultado:
Vicario Tito de Barro* Corro.......
Lulz Paulino de Hollanda Valepca....".!!r.*.
Francisco Raphael de Helio Reg...........
Dr. A. R. de,Torres Bandeira...............
Dr. F. J. Fernsndes Gitirana.................
r. Lourengo F. de A. Catanho..............
r. Antonio Wilruvio Pinto Bandeira e Ac-
coh de Vasconcellos......................
Joao Braulio Correa eSilva..................
Dr. Aprigio Justiniano da Silva Guimaraes.. o
Vimos de receber o col.egio de Goianoa, e a
treguezia de Tejucupapo (tomada em separado,)
e que completsm o segundo dislriclo elitoral,
dando o seguinte resultado:
l. Baro de Vera-Cruz......... 340
S-, I?'*? fro Brrelo de M.ll'Re"go".*.*. 281
o n o ,UV,?cio Perreira de Aauiar.... 274
-o V" f r-oc"eo Joa<> Caroeiro da Cunta.... 269
o. r. joao Francisco de Arroda............ 259
47:468*884
Hambmrgo 6 de novembro de 18l
Bollelim Commtreial.
Este mercado se tem conservado firmo desde o
ooaso ultimo, sem tranaacedes de grande impor-
tancia; limitando-se ellas a aupprir o nosso con-
sumo.
Cat.Depois da chegsda das carias rindas pe-
lo paquete de Bordeaux, o mercado tem eatado
(rouxo; as oliimas noticias, porm, que acabam
de chegar por via do vapor inglez de Soulhamp-
too lbe deram nov aniroacao. Fallndose de
cSrregameotos muito diminutos de Santos, os
possuidores nlo querem abaixar as suaa preteo-
Cei, bem que (allem por ora ordens de impor-
tancia do interior.
No mes de outubro findo veo deram-se de 70
80 mil saccas de cat do Brasil.
Colamos : esf regular ordinario do Brasil
5 7|8-6 114 shilings.
Imporlagao de caf ali fin de outubro.
1858 54 milhes de libras.
1859 67 s
1860 71
1861 80
Em Ur em fins de outubro.
1859 11 milhes de libias.
1859 9
. 1860 6
1861 14
O assucar tem sido mais procurado oa ultima
quiuzena, o se realisaram satisfactorias preten-
coes ; os precos subtram de 4 ata 6 shillings,
neata instante, porm, o negocio est mais (rou-
xo. 140 bsrricas d'assucar da Baha se venderara
ltimamente 16 marcos as 100 libras.
Assucar ds Bahja. Em caixai, branco
17 1|222 maros brenco as 100 libras.
u..o.n 15 |7 idem
Em sancas, brsnco 19 1 23 dem.
Uoacavo 15 1(216 1|2 idam.
Assucar de Peroambuco. Em saccas
1922 marcos branco as 100 libras.
Em saccas branco 1922 idem.
dem masesvo 15 1|216 1)2 idem.
Importaco ali fin de outubro.
1858 34 Ii2 milhes de libres.
1859 48 1[2 a
1860 42
1861 56
Jim ser em )ns de outubro.
1858 3 milhes de libras.
1859 12
1860 9
1861 14 a a
Tabaco. Nao houve iransaeco digna de men-
Qao. Espera-se uma baixa nos presos em conse-
quencia das (avoraveia noticias das colheitas.
Veoderam-se 400 idlos. de tabaco brasileiro. Em
sleio, empregar lados os seos estorco* para per-
rojta execucio, aflm de que nada deixe a de-
sejar.
Os bilhetes aeham-se disposrclo do respeita-
vel publico na ra de Santi Isabeln.lt, ou 00
escriptorlo do theatro.
Comecar s 8 horas.
A beneficiada anticipa seos votos de agradeci-
mente i todos qoe sodigaarem honra-h e pro-
leg-la. -
4
AT.SQ8 aaritmos
COMPANHU BRASILEIRA
DE
Ate o dia 1* de dezembro aqui esperado doa
porloa do norte o vapor Toeaotins, coroman-
dante o primeiro teoente Pedro Hyppolito Dusr-
le, cqual depois da demora .do cosame seguir
para os portos do sul.
Desj recebem-se passageiros, e de engaja-ao
a carga que o vapor poder cooduzir, a qual do-
ver se embarcar no dia de sua chegada, dinhe-
ro a (rete e encommendas at o di. da sabida s
2 horas da tarde : agencia ra da Croz b. 1, es-
criptorlo de Azevedo k Mondes.
COSPANHU PERN*IBliCm
n
br.oco- Navegaca) cosleira a vapor
6.Dr Henrtoufl P^r.ir. h! "...... S, ""-se 400 rfilos de tabaco brasileii
los mdicos mais Ilustres de Lisboa na autopsia
procedida no cadver do illuatre finado.
O pe zar que esaa noticia diffuodio na nossa >o-
pulagao nio tem termos a expresss-lo ; e os por-
(uguezes aqui residentes e estabelecidos, por toa
espontaneidade prodigiosa, sem precedencia le
accordo, (echaram em continente una porta os
seasesiabelecimentos, em raanifesiacao da dore
do sentimento pela perda do Cheto illuatre de sua
nico.
A esta manifests;io ainda adduziram a de con-
verter o Te-Deum, que preparavam em solemni
sagao do dia 1* de dezembro, em am funeral oes-
te mesmo dia pelo motivo desse fallecimeoto ino-
pinado.
O procalmenlo dos portugaezes, que ahi dei-
xamos indicado, digno de mencko tanto mais
quanto hga-s* a honrar a memoria do mooarcha
que na juvenllidade tantas esperancas dava pa-
tria por sua magnanimidade, accoea llberaes e
verdadeiro patriotismo ; coojuclo este que Ihe
bsvia grangeado o corceo dedicado de seas po-
vos. e a admirsco das oa{oes eslrangeiras.
E nos acompanhamo-los em seus justos pezs-
respela parte que nos toca as ligacces de fa-
milia.
Assistimos quarta- feira a estra dramtica
da chistosa comedia do Sr. J. A. Bessoni d'Al-
meida. era um aclo e denomioadaAfeis cato eu
me caso, comedia que na verdade honra a clas-
quer pelo bomgosto e aproveiumenio com que o
seu autor apanhou e descrevea a vida do eatu-
danta, desde o aUaaioo eaattfal aa bocea de urna
garrafa al as clicas de sabbatioa e desmazelo:
de casa e vida.
De oossa parte saulsmos ao nosso comprovin-
ciano, e fazemos votos para que prosiga nessi
senda, tnlhada sob lao lisongeiros auspicios, co-
mo o provoa a saudacu espontanea da quasi to-
talidade dos que assistlam aos primeiros impul
aos de um joven talento. O (uturo brilhanle do
homens de lettras no Brasil tslvez nao esteja loo
ge, e, se persistir, sempre trabalhando e procu-
rando alcanzar o apogeu da sciencia, augursmoi
ao Sr. Bessoni milhares de louros immarcessi-
res.
A (alta de espaco 00 centro deste Diario, 1
a urgente necessidade d ser publicado o catba-
logo dos objeclos que Uguraram em nossa expo-J
sicio, leram-uoa a (aze-lo hoje em nossa oilav
.- .... Vai Carado......239
0 n Fmdc1co do Amaral................ 238
nV TrU,?8/acrU M2C0"> a Veiga Pessoa 234
r.Jos Bonifacio de S Pereira............ 175
ur.&ymphrooio Cesar Coulioho.............173
ur. Joaqun Fren.isco de Mello Cav.icaoti 170
..r^. Cabo 'en'etteram-nos a apura-
cao dos votoa do terceiro dislriclo elitoral:
3.dI.oin^ ....... V. de 11-000 couros do Ro Grande,
1 B.n. ? S?u" **Bae*......213 schillings.
Rm Antonio d.CunhaeFigueiredo.... 206
i n. aZT"" *"" -iajucireao....
o. Ur. Pedro Affonso Ferreira..
6. Dr. Alvaro chda Cavalcaoti ...V'.".'.*.'.'.'.' 193
R o n,' ?0"10 J"1ini de Souza Leio...... 192
O. Dr. Gaspar de Meoezes Vasconcellos de
urummood..............., .-q
9.* Dr. Lua Felippede SoJz' Uso.".'.'.'.'.'.'.'.'.* 175
z"!"'0!1 h.?nUlD d Portos do norte o vapor
Jagvanbe da Companbia Pernambacaoa.
Ben^r!.Xerl!ImC?,Dple,0, """neato de varios
Tocou J? P,U' .,ulde algodio e assucar.
d'onruff Pnmeira em dous novos portos;
gg*J?y*vW****. sendo um delles
?i?m a d P"00 oCear. o o outro Gua-
iMuferlin Blo('Mooe ao Norte, cerca de dos
gaVerofa- 8C,a,a d' c,piul do Nata. Os
ha lerar 2! P0to C0D1n. estavam alli
di .i m,ogua eonocedes, armazeoa-
ecna.m.,0alr0,Unl0 "S3 S5* que alli
fo.a.W!1,a",nda por auii0 empo. seno
d mandar o vapor Jaauaribe. Auguramos aos
dVfi..7."". "fw-tafa da circumvnfiancM
de Guarapea um futuro lisongairo e esoeranosn
Parquanto com s. faclidfde d.SS'.
so.., p.a4 p0r era melnor mercaao "
rtni.mnmde"C"Uar" meoor P"50- Con-
ros n!rZ 0r",De.0,0 6 d,0-,h" "oo n-
!TnPii". por terem conseguido, o que ha
lempo almejavam. O vapor Jaguaribe
tanto
conduzio. aTm d"o trila e tantos ,
cerca de setenta contos de res em diuheiro.
de~w8.T'.f08 d0 "por Dlex Md* *'nd"
ae boulh.mpton e portos intermedios: D. H
}S3Pl2 nrn"0 6 2 355 W-lter
himfi fge tobeugtoo, Joao Canelo de Bo-
SdS BerD"? Cttn"ea de M.tlos.
w J^al.,*e."eira Jnior e 1 filho, M. J. da
mCi ."" JOo J8 R,beiro Gnimares. Joa-
quim Rudnguea Pinto, Manoel Moreira da Costa
"*-."....."*"" -'* unjo ni nM uiii.a Fasssgeiros do vapor yooiaortte vindn da
.R,eUorP,a ^'lcha,aan,0' ^ode dos-Granja e porto, i.termedios: Dr. Manoel Josd."
sos tenores. Silv. Neiva. F.bncio Gomea Pedros. 1 lilho e 1
A lotera que se acha de hoje em diante ",ad0.i 4on" E. Stevensoo, Francisco de Paula
venda a 5" parle da 9* da matriz da Boa-Vista "aVieira Saboia e 1 criado, Joao Baptista do Re-
desta cidade, cuja extraego devora ter lugar aab-f-/08 de Borja Caminha Raposo da Cmara
bado 7 de aetembro prximo. {! da Cuaba Fontanelles, Maooel Apolinario'
A Ilustrada redaeco do Diario das Ao-*,oao ncisco da Cunba, Manoel Ferreira d
goas, em o numero270Oeste peridico, como quet,08,8> SeveriooNuoes Pacheco, Joo Jos Caval-
censurou-nos por havermos em ama de noaeaac,aln,.l unoel Leopoldo Raposo da Cmara Joeo
passadas noticias flesta Revista, tratando'da ilha^nrisosiomo de Oliveira Jnior, Joao Cas'emiro
de Fernando, pedido ao governo imperial a per-de Rojiza, Antonio Henrique de Almeida Aotu-
maneocia nessa localidade de um navio de guer-?10 Alexandrino Lima, Primo Pacheco Borges
ra. de preferencia s Alagdas. Joaqun Marques Camacho, Jos Joaquim Dias'
Nao desejamos de orma alguma, como o queJoao Marques. Manuel de Mello Montenegro e 5
dis sernos, piejudicar oa inieresses dessa provin-escra*01 a entregar. s
ca, conconendo para ella deixar deter constan- "~ Mortalidade do da 28 :
teraeate no parlo de sua capital um navio de oa'iuioa Mana de Jess, Pernambuco 80 an-
- --- na. viuu. Dn. u;.i. ____1 __
mfeSd'cao ,<,8UJ? Pr 0uU0S"Biaei" a"e- hoes de reale'.. sendo o resto da" parceiTa a'jus.a-
naes, e eslea recoohecimenros terao grande im-
que a Allemanha
por inleresse al-
V
portancia, por que significan!
nao se repula comprimeliida
um na Italia.
Neale caso de presumir que o imperador da
Austria, tomando en considerado o estado do
eu imperio, queira evitar urna lula com oa hn-
garas e hllanos ao mesmo lempo, dicilndo se
tnediaole certas compensares, o abandonar a
provincia veneziana. Desla maneira lera o apoio
moral da Allemanha. a podar com mais forca
sotar com a Hungra, 8erebentar alli uma iusur-
jeico.
De todas as noticia que se recebom deste paiz
se refere, que a resistencia vai alli assumindo
maiorea proporcoes. As classes elevadas esto
de perfeito accordo com aa classes populare?,
aflm de reviodicarem os direitos cooslilucionaes
da Hungra e iazerem opposic.au a todos os actos
da autoridade imperi-l, que esto em desbarmo-
nia com aquelles direitos.
O principe primaz foi o primeiro a dar o exem-
plo dessa desobediencia Sendocqpvidado a fazer
uso de sua influencia nos cooselbea geraes para
lacilitir is operaces do recrutamanlo, raspn-
ochaceller da Hungra, conde de Forgacho.
Diz uma correspondencia de Vieuna que elle foi
chamado a esta cidade aflm de se justificar da ma-
oeira por que seexpressnu Da sua carta.
Em Pesth houve algumaa deaordeos no 1ia
.24 de outubro crreme, de parta a parle algum
saqgoe. Grossas patrulhas de iofanlaha e de ca-
vallaria percorriam as ras, e a arlilharia prepa-
rada oatava promuta para operar primeira voz.
O noo commiasario imperial a quem o povo de
Pestji .deu ioequivocas demonslraces da impo-
pularidad* de que gozava e da pouca ayrapalhia
que Ihe mereca, regssou a Vieooa coobecendo
que a tu pesico oa cidade era muito critiea.
A carta constitucional austraca nao chegou a
ser uma reslidade. Apezar da patete de feve
reiro, do diploma de outubro, d Reichesradl de
Vienna, dis dietas da Hungra 'e da Croara, o go-
verno vio-se abrgalo, nio obstante as suas pro-
messas solemnas,a decretar os orcameotos sem o
concurso da representado nacional. E" deste mo-
do que o goveroo austraco respeiU os seus de-
creto, e exige que depojiuo selle ama ioteira
CPnfiaoc*.
da coberta com metade do producto-das aliando-
gas. Subsistir a igreja de Teluo, alen disto
levar-se-ba a effeilo um tratado de comtnercio.
Uma carta de Raguaa aiilrma que a insubordi-
na;ae vai tomando serias proporcoes entre as tro-
pas de Omer-Pach, que nao moslra grandes es-
peranzas no bom xito da sua empreza. As de-
aercoes augmentam, reeeando-se a cada passo
qua rabela uma insubordinadlo no exercilo.
tan Zuo hou.a um combate aturado. Ainda
nao conslava quaes fossem o. resultados oesia
peleja, com quaoto cooslasse jaque os Turcos li-
nham soffrilo perdas considera vea,
Corria ltimamente em New-York a noticia de
que o governo mexicano havia pedido a nler-
veocao do governo de Washiogton para o accordo
das quesloes pendentes enlre aquello e os das
potencies europeas, expresando o governo me-
jicano o desejo que lioha de que suas rends (os-
sem administradas pelo goveroo dos Estados-
Unidos.
A proposito disto diz o Pays, que segundo as
noticias que lem recebido o goveroo de WashiDg-
loo deu insirueces aos seus representantes em
Pars, Londres e Madrid, coovidando-os a (azerem
ludo quanto possivel seja para que so nao-verefi-
que a expedirn das tres potencias alliadas ou
conseguirem ao menos que ellas limitem sua'sre-
clamages reparago dos aggravos rotteriaes
que leem soffrido as pessoas de seusmciooaes.
Nao eremos, acrescenl. o mesmo jornal, que
os agentes do goveroo de Washington hajam ob-
tido resultado nessas negociaces, devendo ser
antes de ludo o fim da expedigo eslabelecer no
Mxico um goveroo aolido e bastante forte para
proteger os interesses legtimos dos estrangeiros
que, uebaixo da f dos tratados, se lem ido esla-
belecer oaquelle paiz.
Pela sua parte, o Jornal dos Debates er que o
goveroo federal lem b.gt.utes assumptos proprios
de que se ocenpar, sem eoutar com eate. JS l
vai o lempo, diz, em que a sua opioio sobre os
negocios do Mxico pooi. ler alguno peso na ba-
lao;a. A influencia dos Estados-Unidos, na Ame-
rica Heauanhola est por agora annullads.
A anoexace de Sao Domiogos Hespsnhs o
mostrou evidentemente. Eis-aqui o primeiro
fructo que recolheram os Norie- Americanos da
rebelliao do lu.
Eo rist pois do w fice dito, ti&o Brome.
guerra ; mas
seria a perro,
Dando de Noronha, e veodo por outro lado como
ae vai reauzindodeploravelmenie o nosso meihor
material fluctuanle de guerra, essas machinas le
dispendiosas ao eatado, e lao cuitosas de manler,
dissemos enlo que seria acertada a estacio em
Fernando de preferencia s Alagdas. Se isto nao
fora, por certo que tal nao arancari.mus, nao te-
amos enjillido aquello pensar, sendo ento a
oossa linguagem abstracta de comparaco.
Nioguem porm desconhece que nao ha parida-
de alguma enlre am presidio, que encerra perto
de mil e qunheolos degradados, epenas vigiados
por 120 a 130 soldados de lioha, e uma cidade co-
mo a d.a Atagoas, onde o espirito ordeiro de sua
popularlo tao conhecido actualnjeute. E mal
tria da seguraoca publica ahi, se ella depende.se
so, e exclusivameole da presenca de um navb
de guerra em seu porto.
Sabemos, oulrosim, que se o chele desla div-
sao naval nao lem aiuda mandado um navio p-
ra as aguas da provincia das Alegras, outis
causas, que embarazan a marcha regular dose-
vico, se deve isso ; e ounca porm m voniae
aelie, oem to pouco iminaacao alguma fea
por esta redaeco oaquella noticia de que acira
tratamos, tanto mais quanto por um avisa do a-
nislerio da marioha, nos coosla, deve eita est-
es0 ler um de seusoavioa estacionado sempre ej
Macei I
Fique pois o collega do Diario das AUgoas, a
otelligencia de qae de oossa parte nao houe
motivo algum para moleatar sua digna provinia
com acuella nossa noticia ; e, como S S., ui-
mos os nossos votos aos seus para temos ao
um navio conitaniemento em Fernaido. coio
tambem 00 porto de Uacei.
-- Por portarla de 25 (oi nomeado a Sr. M-
noel de Souza Braga para exercer pro vsoriamo-
te os ofllcioa de pardor e distribuidor do tae
de Caruai.
No dia 26 (oi trasladado da Sania Cruz ara
a respectiva matriz o Ssnlissimo S.'craaeito
que para alli baria side retirado por rcisi) do
disturbio havido duranlo o processo raitorri.
Uma guarda de honra da guarda uaionalicom-
pauhou a procisso.
Chegou boolem po Jaguaribe proredeole
dos portos do norte, o Sr. Mauoel Js ia Silva
Meiva, juiz de direito da 2a vara cimual detta
capital do Recife.
Teos noticias de psrle da ieiao do 4o
circulo, as quaes offereceraos a scieeii do pu-
blico. r
Em-Csruar obUreraiq rotoi 01 Sn:
nos, viuva, Boa-Vista, poplexia.
1 considerando de quaota importancia nos. iuva, Boa-\
anencia de un.'destes nsvios em Fer- lariai Pernambuco, 7 mezs,' Recife, toberculos
mezeoterjeos.
laria Francisca do Rosario, Pernambuco, H au-
008, solteira. Recite, angina gangrenosa.
lana, Pernambuco, 18 mezea. Boa-Vista, vermes,
lanoet Antonio da Paixo. Pernambuco, 68 an-
oos, viuvo,S.Jos, aslhma.
avisa Leopoldina da Silva Loureiro, Pernam-
buco, 24 anoos, Santo Aotonio, hydrolboras
araeao Luiz Pereira, Peroambuco, 30 aooos,
soiieiro, ulceras ph.gedooeas.
_ errata7
No rea torio da coapaobi. do Beberibe, onde
l297 accionistasda re ler-se 2J7 e onde
a l937|660. lea-se 937600.
COHHfclfCMO.
.llautteica.
Kendimenlo do dia 1 a 27. .
Uem do dia 28 ....
491 509*468
26740,537
518:250|005
Movlmento da al tanateara.
Volamos entrados com (aaeadaa.. 623
> con gneros..
Volames sabidos

com (azendas..
com gneros..
967
121
230
Tabecd brasllefro qualidade regular : 7 7i8- 9
shillings.
Algodo.--As grsndes speculages na logia-
Ierra tambem fizeram aqui subiros precos deste
genero, n'este instante porm e mercado est um
pouco froaxo, sem existir mutivo algum para
isso.
Couros.Tendo subido os precos dos couros
em Neir-Yoik, elles aqui tambem subiram so-
bretodo os das qualidadea inferiores.
Durante o mez de outubro se vendern cerca
5 5i8 al II
3,000 da Baha 6 1|2 schilliDg.-
2,500 do Rio da Janeiro 5 ditos;
300 de Peroambuco 5 Ii2 ditos,
Ficam em ser:
13.000 couros do Rio Grsnde do Sul
5.000 ditos da Baha.
O deposito de cacao est muito reduzido. nlo
ha nenhum cacao da Baha em ser, e muito pou-
co so do Para ; urna pequea carga pois teria
prompta exlraccao.
Tapioca e chifres sem novidade.
Jicarsod. Venderam-se ltimamente 80 mil
libras em leilao, acabam de chegar 400 mil li-
bras.
Colamos:
.\c.aMuda do Rio de JDeo, 16-30 marcos as
100 libras.
Jacaranda da Babia, 11-15 marcos as 100 li-
bras.
IMoTPsUsllto do port J.
Navioi entrado no dia 28.
Rio Grande 00 SulI 32 das, patacho brasileiro
Guaran/ de 201 toneladas, capitao Msthias
Ferreira Brags, equipagem 11, carga 11,100
arrobas de carne aecca ; a Bailar &01iveira.
Rio Grande do Sul 30 dias. brigue brasileiro
Providencio, de 228 toneladas, cepito M.noel
Ignacio Ferreira, equipagem 12. carga 10,500
arrobas de carne secca ; a Bailar & Oliveira.
New-Yortk 47 das, hiale americano L. A.
Johnson, de 29" toneladas, capillo W H Xa-
roDins, equipagem 8, carga 750 barricas com
(anona de trigo e outros gneros ; a Sauoders
Brolbers o C.
Marseile 66 dias, galera fraoceza Ral, de 368
toneladas, capitao Gabriel Rodes, equipagem
16, carga cimento, vioho e oulroa geoeros : a
Tisset Frere & C.
Graoja e portos intermedios 9 das, vapor bra-
sileiro iaooarie, commaodanle Manoel Joa-
qnim Lobato.
Soulhamptoo e portos iolermedios 19 dias
vapor ioguez Oneida, commandaoie I. a'
Deris.
JVat>io sahidos no mesmo dia.
Rio de Janeiro e Rabia 'vapor ioglez Oneida
cummandaotel. A. Beris.
Canal Barca ingleza iris, capillo Jobn Le Coo-
leur, carga assucar.
Rio de Janeiro Barca americaoa Flyng Clowd
capitao Kiruao, com a mesma carga que irou-
xe de Baltimore ; suspeodeu dolamaro.
Declralos.
se
------ 351
Descarreaam hoje 29 de novembro.
Barca francezaAithurcarvo.
Brigue americanoChallanogao resto.
Barca inglesaMirandao reato.
Hiale americanoL. A. Jobnstfarinha e milho.
Rngue sur=coSal.mandermercadorias.
Barca iogtazaImogeoeiden.
Patacho anericanuLighlimgfatinha.
Brigue francs Neptunogneros para fora.
Brigue bamburgoezEmmaditos dito.
Barca porlogueza Sympathia gneros para
dentro e fora.
Brigue brasileiroBeberibecharque.
Brigue portugusMercuriomercadorias.
Barca franceaVeioeefarinha.
Barca francezaPiul dem.
Brigue inglezSladshaucervao.
Barca francezaJoaoe Cuteearvo.
Heceb*i.ria des rends Internas
geraes ato Peroambuco
Reodimento do dia 1 a 27. 26:5239775
dem do da M. ..... ;. i:870972
Tribunal do Commercio da Baha.
Pel\,?-ecre,aria do ,rlbuDal do commercio 1
taz publico, que tendo o commerciaote matricu
lado desta praga Jo. Pereara da Silva Carvalho
se mostrado quite com os seus credores, e assim
satisfeito as obrlgaces da moratoria que obti-
vera em 13 de dezembro de 1858. foi pelo mes-
mo tribunal em sesso de hootera considerado
livre em sua vida commercia), e sem mais algum
oterdicto.
Secretaria do tribunal do commercio da Babia
SO de aetembro de 1861.
O secretario,
Joao Cezxmbra.
THEATRO
DE
Santa Isabel.
Corapanhia dramtica sob a direceo'do
artista Germano.
Beelta extraordinaria
El BEMFICIB DE
>*i*vieer Jzttcce' fo/aJ.
SABBADO 30 DE NOVEMBRO DE 1861.
Depois de urna magestosa symphonia pela or-
chestra. subir acea, pela ultima vez, o roag-
niflco roysleno em quatro actos, ornado de m-
sica e com todo o macbinismo,
GABRIEL E LUSBEL
00 os
MUGRES DE SANTO ANTONIO.
Terminar o espectculo com a predilecta co
media em um acto, ornada de msica,
4 Gorda Seosivel.
A beneficiada muito se lisoogeia de poder apre-
seotar aos seus convidados eso publico em geral
o presente drama, cujo effeilo sorprendente sem-
pre merecou justos applauso?.
"rr--r~ I Sendo esta a ultima vez que a companhia Ger-
:d9A#74/ mano teo de reprennUr esu excellenU sompo-
1:590
O vapor Perstnanga, eommandaote Moars,
ahir para os portos do sal de sas escala 00 di
de dezambro as 5 horas da larde. Recebe
rgaat o dia 4 ao meio dia. Passageiros e
oheiro a frate at o diada sabida as 3 horas :
eseriptorio 00 Porle do Mallos n. 1.
Psra as coodicce, fretes e pasasgens trata-se
na agencie. "
WBSSISML
DAS
Messageries imperiales.
Agencia na do Trapiche n. 9.
No dia 1 de dezembro espera-se dos portos
do sul o vapor francez Navarre, commaodaote
Vedel, o qual depois da demora do costumo se-
guir para Bordeaux tocaodo em S. Vicente (oo-
de ha um vapor em correspondencia com Goie)
e Lisboa.
A companhia eocarrega-sede seguraras mer-
cadorias embarcadas a bordo dos vaprese tam-
bera recebe dinheiro e objeclos de valor com
destino para Londres em transito por Bordeaux e
Boulogne.
COMPANHIA I BICANA
DE
Mavegaco cosleira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, M-
cau do Amu', Aracaty, Ceara',
e Acaracu*.
O vapor Jaguaribe, commaodaote Lobato,
hir p.ra o. porto* do norte de sua escala at
o Acaracu no dia 9 de dezembro as 5 horas da
tarde.
Recebo or8a ate o dia 7 ao meio dia. Encom-
iendas, passageiros e diuheiro a frele at o dia
da sabida as 2 horas: escriplorio no Forte do
Mallos n. I,
Sahe com toda a presteza o veleiro brigue por-
tuguez Mercurios por ter a maior parte do car-
regameolo proropto ; para o resto e passageiros
trata se com o consignatario T. de Aqnino Fon-
seca Jnior, na travessa da Madre de Dos n. 7
primeiro andar, ou com o capitao na praga.
Para o Rio de Janeiro sahir' bre-
vemente o brigue nacional Mara Isabel,
de primeira clawe, recebe carga e rete
eescravos; tratase com Domingos Fer-
reira Maia, ra do Apollo n. 8.
Aracaty e Ass0
Segu nestes das o hiale Exhalacin; para
carga e passageiros, a tratar com Gurgel Irmos
na ra da|Cadeia do Recife n. 28, Io andar.
Maranho e Para.
O patacho brasileiro Paulino segu com brevi-
dade e recebe carga para ambos os portos traa-
se com os consignatarios Marques Rarros & C.
Largo do Corpo SaDlo d. 6
Lriioes.
LEILAO
DE
Miudezas e ferragens,
N. O. Bieber leilao sexta-feira 29 do correte, por
interven rao do agente An tunes, de um
completo sortcenlo de miudezas e fer-
ragens tinas americanas no seu arma-
zemiua da Cruz n. \, as 11 horas em
ponto.
Avisos diyersos.
sLOTIRIi
Terca-letra 10 de dezembro prximos
anda rao i m preter velmente a roda-
da quinta parte da nona lotera da ma,
triz da Boa-Vista desta cidade no concis-
torio da igreja de If. S. do Rosario de
S. Antonio, pelas otto horas da ma-
nhaa. Os bilhetes e meiosacham se desde
ja' a venda somente atesegunda-feira 9.
Os premios serao pagos como de cos-
tume.
O thesoureiro,
A. J Rodrigues de Souza.
Aviso.
Por ser feriado o dia 2 de dezembro,
a audiencia do juizo especial do com-
mercio tera' lugar no dia 3, na terca-
teira. Por ordem-^-0 escrivao Manoel
Mara Rodrigues do Nascimento;
A


^
m*>mm*mmm~ hm tutu i* mmwm* mmu*
*- Ahiff>Motrcelro*Bdlr di casa
n.U7, sita na rua do Aatorim : tratar
na ra 8.
Meaos* Alvos Gnvrra asea oobro o Rto*e
Janeiro.
~Ali;imM4aHcuu coa communicagao
tft.4V|Ptte i***o di-pap*(aa, coa buho
porp
par.fr!.
Portagoez
leitan.
68MPAHM

Convidamos o. lenhoreeawioeiitas delta com-
peuhia i comparecerem no da 30 do correle
gmeie dia no escriptorio da anesms, na rua da
del*, para expeli do diaposto na *, parle do
art. 41 dM eitaioloa, e para elegeretn umdirec-
xo de om doi acloaea te retirar para
toada prorincia.
' acife 25 de novembro de 1M1.
-jIY
* Qtts9qus*aa*,r iostoetn noticia non-
faUoefmeolu deS. M- P. el-rei -o Sr. D.
Pedro V a de S. A. S. o Sr. infanta O
Fernando, que acaba de cobrir da luto a
I nao!, portuguezs, a directora resolvau
*4jew tt irflerrompeste por 8 diai a contar
de amnala, o expediente do gibioete
dtenlo continuar no dia 7 de deieoibr
Tindouro, o que heo aaber a tojJoi oa "Srs.
aneciado para tai nlelligeoeia.
.Secretaria da Gattioete Portuguez de
Leiture 26 de navembro 4a 1861.
Joaa,um Gerardo de Beatos,
1* secretario
Aos svnbores pedestre.
Aid fagido desde a dia II do torrente o par-
To,-* 0"1 >' aatoral do Rio Grande
da Sal, tena signase 4a bexigas. a vista eaquerda
coberla de aa*oa branca, talle de caballo na ca-
bac^a do sieamo lado, 040 tem deotea oa frente,
oe idade de 18 aonos, tem aido por veces encas-
trado ua ribeira a ras de Santo Antonia, a tom
uro p alado : quera o levar a aeu too or oa roa
da Imperatriz o. 8, segundo andar, seri recom-
penudo.
Saque sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Olireira Filho sacam eo-
bre Lisboa ; no largo Ao Corpo Saoto o. 19.
iium (erar
Sfkre a viageKi aa Brasil em 1852,
Garlos B. Manifield.
for
A. D. DE PASCUAL.
Acha-se novamente aberta a assigoatura para
esta oxcellente of ero dona volumes, nitidamen-
ta impresioi, doe qnees o primeiro est j publi-
cado. As pesaoaa que desejarem possui-U po-
daxo dingir-se < escriptorio da rua da Cruz o.
45, Io andar. Prego da obra completa 5J000, que
aeran pagos i eolrega do primeiro Totuma.
8ociedade bancaria.
Amorim, Fragoso; gao toa & C.sacam a tomam
saques sobre a prega de Lisboa.
i '
MH3b.
?'
i
Thomaz de Faria. t*
_ Roga-se aos aeohores abaixo naeocionadoa
B favor de yireanj|u>|ia Crespo o. 8 A a neg-
o de seas olerestes, fisto oio ae aaber desaas
'atoradas.
- Dr. Manoel da Silva Reg.
p Dr. Pedro Gaadiano Ralis e Silva.
Padre Francisco Aires Abrantes.
Fre Jaao de Sarita Cecilia,
Dr. Serpa Brandio.
Capillo Antonio Fernando Rasoura.
Dr. Antonio Henriquea de Almeida.
Acorcio Jos de Medeiros.
Francisco Jos do Amaral.
Francisco de Paula Cavalcanti Wanerley Lina
Flix de Ara ajo Albuquerqua.
t Jos Guilherme dos Res.
fl Joaquim Pedro do Reg Brrelo.
Manoel Duarte Ribeiro Jnior.
p Manoel Antonio Barbosa,
> Miguel da Puriflcagao Gomes.
Jos Gorgooio Pses Barreto.
Alexandre da Silva Tavora Veneno.
Jos Thomaz de Aguiar.
Jos Thomaz de Aguiar Jnior.
Joao Baplisla Moretra.
Francisco Jos Alves Guerra.
Joaquim Ignacio de Carralho Mendonja.
Aranaga, Hijo & C. sacam sobre
o Rio de Janeiro. _

Furto, i]
Na madrugada do dfa 22 do crranle furtaram
cauda prela, um p e duaa mapa Migadas de
pegar o lfaVrVVcasa cimo; on ni ebgenho
Sibir da Santa Cruz, qie ser bem recompen-
sado. | t ,
O devedores tJa extincta firma de
A. L, Santos & Rolim, queiram ter a boa-
dade de mandar pagar, quanto antes
sea dbitos ao abaixo aajmiado, a quem
pertence boje toda a fqutdacSo, a qual
sera' feita judicialmente se os remissos
ausim quizerem : roa do Queimado
n. 3J, sobrado amarello. Antonio de
Moura BoUm^ ^ ,. \
Quem qoisda .mal^Micamprar o eogeobo
JJaa(sema do Meiona comarca da Goianoa ou ar-
rendar o engenbo Souza na fteguezia da Taquara
ni provincia da Parahyoa, ou meamo>comprar
mala de metade daate engenbo, nartencente aoa
herdeiros da uado coronel Eaievao Cavalcanti
d Albuquerque, dirija-se a rua estraita do Rosario
n. 10 3* andar ou ao engenbo Tab na freguezia
da Taqueta.
O Sr. Miguel ptrde. Mlhete da pstsagem
se uttlise delle.
Est para alegar-sa a loja do sobrado da
rua daa Cruzas o. 9, penltimo sobrado de doas
andares, lada direito, quem vi da ra do Quei-
mado para S. Francisco : quem pretender falle
no me amo
AUea A antiga cocheira d'alem da ponte da povoaeao
A
d)a Beberbe contina a receber'carros e cavatina.
Alnga-se o primeiro andar do sobrado n.
12 na travesa daa Cruies; a tratar ca praca da
Independencia n. 37.
Precisa-se de um cozinheiro, prefere-se os-
era* ; na rua dos Pescadores ns. 1 e 3, padaria.
" Aluga-se urna boa esersvs cozinlieira, e sa-
be comprar na rua : a tratar no becco das Bar-
renas da Boa-Visla n. 8.
O lllm. Sr. Miguel 4* Miranda Vianna tem
macarla para Ibe ser entregue : na rua da C-
ela n. 40, primeiro andar.
Precisa se de urna ama para casa de pavea
familia ; na praca da Boa-Vista n. 3, caaa terrea.
Aviso.
Os aeohores estudantes do curso jommercial
que pretender Trequenlar o curso de algebra,
queiram compsrecer ns casa n. 74 na rua Direi-
ta, psra terem matriculados, e saberem o lagar
onde lem de fooceipnar a aula, assim como o dia
e hora em que tem de principiar o exercreio.
Precisa-se da nm rapaz de 15 aonos, mais
OU menos, livre ea eacfavo, para eervico de casa
roa : oa itba dos Ralos, roa aoSera no Tjotao,
caaa n. 28, com porlo ao lado, visioha a ponte
que aa est (azendo da rua
Campo daa Princesas.
Aluga-se o sobrado da'rus da Aurora, boje
pertencenle aos herdeiros do fioado desembarga
dor Rocha Bastos.com excelentes commodos pa
ra grande familia : a tratar na ras do Crespo n.
5, Toja de Marcelino & C.
Aluga-se o segundo andar da casa n. 13 da
raa da Lapa ; a tratar na loja do meamo.
Collegio de Bemfica.
Este estabelecimeoto nao d ferias, suas aulas
continan) como at agora, sem interropc.ao para
todoa os aeaa alumnos.
Aleta disto, desde u principio de dazembro, ha
veri nm carao separado de philosophia, retbori-
ca, geographia e geometra para os estudantes
qne quizerem fazer exame dos ditos preparatorios
nocomeco do prolimo auno lectivo.
_ Na rua da Beoha n. 6. segundo andar, pro,
cisa-ae slugar urna escri'a que aaiba comprar-
lavar o engommar, para casa de poaca familia.
gCeunotypo
Este novo processo de pnrtura appll-
I cado photographia excede a tudo o que
l tem-sa visto al agora em perfeicio o 1
! aporo de delalhea e delicadeza das tinta, g
mesmo oss miniaturas sobre maiOm.
Parece um esmalte 1 S
f Pode-se garantir-lhe pelo menos a 1
duracao da piotura a oleo, visto ser im- 2
l permoavelnao s ao contacto da almos- 1
Epbera, como lambam & humidade d al u
modo que nao se altera iicando qualquer J|
EespaQo de lempo debaixo^l/agua.
Outra grande vaotagem desle estylo m
Ede retratos e que pintura nubes pode &
mudar os traeos da pholographia de modo 1
f que a semelbanja perfeila nao depende t
9 mais do pincel. V
8 0* anqnncianles tende dquirido do 1
inventor o segredo desla. peaciosa iono- |f
A va^o (da qual se poderi examinar al- n
R iPVaa espcimen na exposico ioduatrial
Sociedade Bella
Harmona.
A direccao da partida proposla psra o dia 30
do correte, loma a liberdade de scientificsr As
familias e as maispessoas convidadas, que aquel-
Je divertimenlo ficou transferida para o dia 7 de
dezembro viodouro, em cooaequencia da infausta
not'cia trazida da europa pelo paquete inglez, do
allecimeoto de S. M. F. o Sr. I). Pearo V, ao-
brinho de S. M. I. o Sr. D. Pedro II; e desle acto
pede mil desculpas, visto ser elle filho de cir-
cunstancias iBexperadas.
OTerece-se um moco com habilitares ps-
ra ensiosr primeiras latirs, preparatorios e mu-
sica, dentro ou fora dacidade : quem poia quizar
ulilisar-ae deseu preslimo dirija-se a esta lypo-
graphia em carta fechada com aa intciaes D. fi.
estes das no palacio do governoj,
em-se em por ansas vantagens a
igo dos seos amigos e frvgnezes
lim de que possam anda approveitar do
curto espseo de lempo que elles tem de.
demorar-se cesta praca, sendo filado
imprelerirelmeale para o dia 31 de de-
zembro proitmo futuro o encerramento
do. aeua negocio*.
STAHLA C.
Pphotograpbos de S- M. o Imperado:
H 14RUA DA IMPERATRIZU
8
8
- Precisa-se de urna ama, que saiba coaii-
nhar e comprar: na rua Nova o. 33
Aluga-se o segundo andar da casa n. 15 da
rua do Vigario, com bastante commodo e mdico
aluguel ; a tratar na mesma rua n. 13, taberna.
Um segundo
andar.
Aluga-se o segundo andar aa praga aa Boa-
Vista : a tratar na loja de caljado na rua da lai-
da Aurora para o I ipertrii n. 46.
Tnstruccao particular.
Acha-se aberlo o curso das aulas preparatorias
na rua d* Gloria n. 116.. Em allencao ao emba-
nco dos examea adiamos o encerramento das
matriculas dos difiranles preparatorios para o
dia 7 de dezembro ; advertimos que esse prazo
improrogavel: os seuhores estudantes que ae
quizerem matricular rejam-se por e&sa declaracao
Aluga-se a casa Ierres na rua atraz da ma-
triz da Boa-Vista o. 14 : a tratar na rua da Flo-
rentina o. 32.
O abaixo assignado tem mudado sua casa de
drogas homeopalhicas da casa n. 13 do pateo do
Paraizo pars a casa n. 8 no mesmo pateo.
Aluga se a casa o. 29 na rua Nova travessa
dos Pires, reedificada hapouco.com duas salas,
qualro quarlos e coiioha fora,, tudo em ponto'
pequepo, mullo fresca arejada por nao ter vi-
sinhos nem ao lado nem na frente : a tratar na
ruado Rosario da Boa-Vista n. 55.
Quero,
A commisso euuarre-
gada por diversos portu-
guezes para solemnisar
o dia 1- de dezembro,
participa que em conse-
queucia da calamilusa
Qoticia vinda pelo paque-
te inglez determioouque
cessasse toda a mauifes-
tacao naquelle sentido, e
partilhando da dor que
hoje sentem todos os p ir-
tuguezes s lamenta a
desgraca que afllige a sua
chara e desditos a patria.
Recife28de novembro
de 1861. Jos Antonio
de Araujo Souza. Jos
Joaquim de Lima Bairo.
Ant niJ.de Abreu.
Aviso ao publico.
Em consecuencia da fao arontecida, que ronbon a Portugal o geu
oven e querido mooarcha, oio pode ter
ogar domingo 1o de dazembro prximo o
baile annaociado em commemoraco da
independencia de mesmo reino, flesodo
irans("rido para o dia 7 do mesmo mez
veapra 4 Cnrco.
Hospital Prtagttz4e He-
eeSccncia.
De, ordem do Sr. provedor do hospital portu-
guez faco sciente aos Srs. socios do mesmo que,
esn cooaequencia do convite aito pela commis-
so portugueza encarregada do Te-Deum que ha
de celebrar-se no dia Io de dezembro prximo,
ao qual tem de aaaiatir a junta administrativa,
foi traosferida para o dia 8 do referido mez, a
rouoio da assembla geral doa Sra. socios, pars
o fim designado no 3a do art. 17 dos asta-
lutos.
Secretaria do Hospital Portugus de Beneficen-
cia 87 de novembro de 1861.
Mendes Gumaraes,
f. secretario.
Precisa-se de urna ama de lelte : no caes do
Ramos armazem n. 10.
Arrenda se um dos melbores si-
tios e casa na Captafga a margena do
rio Capibaribe e tiente para a estrada
com dous portOes, a casa tem excellen-
tes commodos, urna boa coxeira com
um sobradinho, boa estribara, banhei-
ro bem acabado de pedra e cal, o sitio
tem muito boas fructeiras de diversas
qulidades e afinal muitos outros bons
commodos, o qual ica confronte o sitio
da Sra. Laserre : a tratar na rua do
Apollo n. 24, armazem.
Milita attenco.
Ao amsohecer do dia 15 do correte, furta-
ram do abaixo assignado nm seiim iaglez novo
com borrainaa atraz e adiante, cpm rabicho, es-
tribos de acoje urna bride veiba com correte na
barbella bastante comprida, e urna manta velha
da panno de orello-preto, forrado de panno bran-
co; quem der noticia ou aprehende-lo, grattfica-
rei com 209000, e igualmente peco aos donos
das coxelrss e aos Mnhores selleiros que, no
caso de Ibes ser oflerecido, o tomem, eparteci-
pem ao abaixo asaignado no seu sitio na roa de
Joo Feroandea Vieira, junio do Manguinho
Antonio Leal de Barros.
Arrenda ment.
Traspassa-sa o arrendamnntp donnbradn a ar.
mazeos da ruado Trapiche n. 40, axcellente para
qualquer eslabelecimento commercial de fa-
zendaa : trata-se na mesma casa.
Joseph Twedy.
Of Villa do Cabo Would obKge by paying a
Btll.due october U" 1861 lo Robert Kerkpatrick
for Ihe Sm of 124:000 tt not paid Withio three
days further measures Will be takeo lo recover
ihe money also his passage lo Eogtand Will be
Embargado. Becie 26" de novembro 1861.
Elizabeth Kerkpatrick.
Precisa-se de urna ama na roa das Laran-
eiraa o. 56 ; paga-se muilo bem.
Aluga-se um armazem na rua do cae. de
Apollo o." 7, com commodos su lucientes para
qualquer eslabelecimento : a tratar no pateo de
S. Pedro n. 6. *
Frederico Chaves aluga sua casa de sobra-
do sito no Poco da Panella. com muitos bons
commodos para familia, jardim aos lados, terra-
>"aa para criados, cocheira e estribara, perto
do nanho, e muito fresca : a tratar na rua da Im-
peratriz n. 19.
Joo da binha Rer faz tole
%'#
do de lEdbdar sito narua do 1
63, pertencente ao Sr*,Jos Ferreira
Lopes Reis, por escrptura publica larras
dtnasnousdo Ubd**o (p^taiMootai-
ro ; caja escrptura nSo sendo registra-
da em tempo, consta-Ihe que alguem
tirara por cerudo mostrando o mesmo
sobrado livre e dsembameado, talvez
que para by pothecar ou Tender. Pro-
taita poiscontra a Tetada ou bypotheca
do reterido sobrado visto estar sugeito
aopagamentodeuma lettra de .
2:476^463, Tenada em 21 de maio p.
p., e ses juros Tencidos e vencer na
mesma leUra estipulados at seu real
embolco, para cujo fim Tai initaurar a
competente acelo, Tsto o mesmo Sr.
Joe Ferreira Lopes Reis, nao querer
pagar amigavelmente.
No dia 30 do corrente mez de no-
Tembro, na sala das audiencias, ao de-
pois da audiencia do lllm. Sr. Dr. juie
munici^ rta^eajaeda vara civil, tem dz
ir a praca por Venda a quarta parte
da casa terrea n. 70 sita na rua do Pilar,
da freguezia deS. Frei Pedro Gonqalves
do Recife. avnacU a, JN,jaariexem 600^
penhorada por execuco de JoSo Joa-
quim Vieira Contra Domingos Rarreiro
e sua mulher; os licitantes deverao com-
parecer no dia e hora, no lugar cima
indicado.
Preciaa-se de um cozinbeiro ou cozinbeira,
qae teja forro ou captiva, para cziobar o diario
de urna cass de pouca familia ; a tratar na rua
da Aurora n. 86,ou narua la Cadeis n. 3, pri-
meiro andar.
No da 95 do corrente furtaram da cass do
abaixo asaignado os objactoa seguinte : um cor-
daeceaao peso del&oluvea.usB por de brincos
grandea, um annalao e dona ensate pequeos, tu-
do de ouro : roga-se encirectdamente a pessoa
a quem for offerecido diloa objedoa, de apprehea-
derem, ou quem delles.aouber. lev a re m a casa do
abaixo assignado, na rua Direila da freguezia dos
Afogadoa n. 4, ou pa rua ds. Cruzes da freguezia
de Saoto Antonio, loja de marcioeiro o. 40, que
seri generosamente, recompensado.
Antonio Prea de Lima.
Atiesto e agradeco ao
Illm.Sr. RicrdoKirk.
Lobinlio no punho da mo esqurda
O abaixo assignado declara que tendo sido urna
sua eacrava accommetda de um tumor mole,
oa lobinbo, na psrte superior do punho da mi
esqurda, do que sobria grandes dores, que a nao
deixava socegar, mormenle de noite, e que a
impossibiiitava de todo o uso daquella mo e bra-
co, sendo tratada no espaco de mais de doas an-
no's. e nao tendo onfldo melhora alguma, aflnal,
(e por cooseotimeuto do facultaiivo assisteute)
recorri ao Sr. Ricardo Kirk, escriptorio na rua
do Paito o. 119, o qual com a appliceao de suas
chapas medicinaes, no (trazo de 70 das a pz
perfeita e completamente boa.
Este.faci descriptivo de sen cuidadoso trala-
mento nao poasivel occollar, e por isa* em ver-
dade lbe atiesto e agradeco.
Ruado eogeobo Velbo n. 13.
Joao Francisco Ferreira.
Gratido

banttas.
Vendemsie gigog com 708 cebolaa a 1500. pro
prla. para Catay pirticularca : na raa a Amorim
numero 45.
SAL.
Vende-se sal muilo alvo e grosso, s preco coa-
modo ~
Ojate iogleza
Vara dentes.
Esl nalmenle remediada a falla que se sen-
ta tfessa aprecia el opiata ioglea lio proveito-
aa rjeceajarfc para oa dente*, isso porque a lo-
ja d goia branca aciba de recebe-la de sua eo-
commena.-'e continua a vende la a 1|500 rs. a
**^W.' quah jnizer conservar seus denles per-
'.. njeveair-ae axndaado-a comprar em
aiU loja oaguia branca, rua o Queimado n. 16.
Navalfaas d'aco
-odo ; a IjjUga. ruad^Iadre dV Dosla; Cpm ^J)0 ^ Hiarfir^.
Mantas de rtroz ,&&."kK*'**1**'?*1 *?*
_ \ a valhasdaco refloado com cabos de msrfim, e
vendem-se mantas de retroz psra fr.vatss s Bara asseguiar-se a bondade deltas basta dizer-
500 rs\
boa fl.
na a de Queimado a. S2, na loja da
Precisa-se arrendar annualmenle um sitio que
esteja em bom ealadoe casa cora bons commo-
dos para familia, obrigando-se o annuncianle a
entrega-la era o meamo estado ou melhor ou ou-
iras conaicea que convencionar-se: a tratar na
rua do Nogueira o. 21.
Alugam-se as lojas do sobrado da rua Au-
gusta n. 43 : os pretenden tes dirijam-se ao se-
gundo andar do mesmo sobrado.
KOVft METHODO PRATICO-THEORIGO
PARA
aprender urna lingua em seis mezes.
APPLICAUO AO FRANCEZ,
segundo o acilimo systema allemao do
Dr. H. Ollendolf,
POR
O itero Ver grino.
Obra iateiramente nova e nica, escripia em
portuguez por aquella systema, approvada pelo
conselho director de instruccao publica desla pro-
viocia, em aesso de 10 de oulubro ultimo; 2 vo-
lumes de quasi 500 folhas em 8 francez 7$000.
Recebem-se sssigoaturss ns rua do Queimado
n. 26, primeiro andar.
QMOBirrPu e >tco do cirmo n. 13 um
cavallo com cangalhs, e tem ossigoaes seguintes:
rugo pedrez, dinas viradas para a esqurda, um
pouco sllalo, tem o andar furta-passo, na junta
do p esquerdo lem marcado um taino ; roga-se
as autoridades policiaes, ou a quem o appreheo-
Jer, leva lo so lugar cima, ou no engenbo Ars-
riba da Pedra.
Jos Pereir>, Joaquim Ferreira dos Santos,
Manoel da Silva e Alexandre Ferreira, subditos
purtuguezes, retirara se par. fora da provincia.
* Maoorl da Silva Bubosa, subdito portu-
guez, retira-se para n Pai.
Comtuercio. '
Em virtude do que determina o regiment in-
terno, cap. 1. art. 2., devem todos os correto-
res geraes deata prava reunirem se no da 30 do
corrente as 3 l|2 horas da larde, na sala daa ses-
ses da respectiva junta. Recife 27 de novembro
de 1861.Por ordem do presidente da junta, Fre-
derico Gumaraes, secretario.
_ Aluga-se urna casa na povoscio do Mod-
teiro para aa pasaar a feala, e lambem um ptimo
ailio na Torre com o baohoa porta, e oulraa com-
moaidadea : a tratar com o Sr. Jos Azevedo Ao-
drade, ns rua do Crespo, ou com Jos Marianno
de Al.uquerque.na estrada nova do Cacbang.
Aluga-se urna meia-agoa por detras da rua
do Nogueira : a tratar na roa do Queimado nu-
mero 53.
Jos Caelano da Silva, Portuguez, vai para
o Rio de Janeiro.
Anna Goiihermioa Lobo, Brasilelro, vai pa-
ra o Rio da Jaoeiro.
Roga-se as pessoa. que se julgarem credo-
re. do finado Joaquim de Paula Lopes, queiram
apreseotar suas cuntas no prszo de 8 dias, a con-
tar de hoje : do armazem o. 3 do caes da alfan-
dega.
cavallo.
Inflammago na bocea do estomago.
Eu abiixo aisignalo, certifico que tendo pade-
cido ha mais de cinco mezea da urna ioflamma-
5io na bocea do estomago, qoa me lirava parte
a respirado., e lando feilo tudo a meu alcance
para obler melhons, tudo foi baldado, e por ul-
timo recurso recorri s chapas medicinaes do
Sr. Ricardo Kirk, escriptorio ns rus do Parto n.
119, as quaes me puzeram perfeitameole bom no
curto espaso de 16 dias, pelo que Ihe serei eter-
namente grato. Rua do Conde da Cidsde Nova
numero 198.
Para as eucammendas ou informaroes, dirija-
se pharmacia do Sr. Jos Alexandre libeiro,
rua do Queimado n. 15, em Pernambuco.
Joaquina do Goraco de Jess retira-se psra
o Rio de Janeiro.
Aluga-se urna escrava para o servico inter-
no de casa de familia, emende de cozinba, cose e
eogomma : a tratar no principio da estrada de
Joo Feroandes Vieira n. 36.
de cambraieta.
Veadm-se superiores salas de cambraieta mui-
to Raa, com 4 pannos, pelo diminuto preco de
5|; a ellas, que alo maito baratas: na rua do
Queimado n. 22, na bem conhecida loja da boa f.
Paletots
brancos.
Vendem-se superiores paletots d brim brsneo
de puro Hubo, pelo barstiasimo preco de5J : oa
roa do Queimado n. 12, na bem conhecida loja
da boa te. '
Balanca.
Vende-se ama balsDcs decimal com pesos e
com pouco uso, propria para qualquer fabrica ou
trapiche: quem pretender, dirija-se ar rua da
Praia n. 44, para ver e tratar.
Acopara baldes.
Rap de Lisboa.
Vende-se rap de Liaboa ; na rua larga do Ro-
aario, passando a botica a segunda loja de miu-
dezas n. 88. Na mesma loja vendem-se mullas
miudezas em conta, e s vista se dita o preco
de tudo. r *
Vende-se urna negra mogs de bonita liga-
ra, com orna linda mulatinba de 30 da. ; na rua
da Florentina n. 20.
Vende-se urna cass terrea de pedra ecal na
cidade de Olinda, raa da Btca doa Qualro Cantoa,
com 2 salas, 2 qusrtos, cozmha (ora e um gran-
de quintal : quem pretender dirija-se a rua da
Paz numero 9.
Na taberna da pra;a da Boa-Vista n. 16
vendem-se batatas ltimamente desembarcadas]
multo grandea, em g'gosde urna arroba, pelo di-
minuto prego de 18280.
50 ARua da Cadeia do Recife50 A
E' barato que admira!!!
A 400 rs. o covado e
3,000.
Manoel Gongalve. de Oliveira Santos vende
psra a presente eatacio velludilho de rsmagens
proprios pars vestidos a 400 rs. o covado, enfei-
les para cabeoa de senhoras Turqua a 3f cada
um, veoham vero bello sexo para saber cootar.
50 ARua da Cadeia do Recife5 A
2#400,2^000,^500
3,0500.
E' de admirar!!!
Corles de vestidos de lias de cores lavradas a
79 o corle, cambraia de cores a imitagao de or-
gandys a 480 ra. a vara, venham ver p ..bor
avalar.
ss
00
se que sao dos afamados a acrediiaakaiat
branca*! 16.
ibricaD-
na rua do QueimaJo, loja d'aguia
Peonas galvanisadas.
A loja d'aguia branca receben eaess peonas
galvamaadaa, de nofisxima mui boa qoslidade,
e aa est tandendo a 29000 a ctixloh com urna
'"" MpriB**'1,das.ltDa. eram offe-
recidas i Garibaldi, a por Isso irazam 6 aeu re-
tracto, a na. refaridaa ealxas se encoolra o die-
lico pennas Garibaldi.
S6 aa eneontrsm mi raa do Queimado, loja
dagaia branca n. 16.
Touquinhasde setim, sa-
patinhos de dito bor-
dados, e meias de seda
-
su
Aviso.
Thomaz te Aquioo Lobo da Silva retira-se pa-
ra a cidade de Loanda ; quem se julgar seu cre-
dor aprsente sna conta em casa doSr. Domingos
Jos ds Costa Lopes, no prszo de tres dias, a
contar de hoje.
Por engao fot chamado o Dr. %
Antonio tenrique de Almeida A
Sumio-se hontem 27 de novembro um quarto % para vir a rua do Crespo n. 8 A. til
alazao carnudo, de 7 para 8annos. marchador de AAAAA-A^ISiA-Ai>dBaaVJk&
baixo a meto, calcado de ambos os ps, como 2EaS2^
trro JF : quem o Irouxer na rua larga do Rosa- '
rio n. 24, ser generosamente recompensado.
Precisa-se de un hometn para levar
este Diario 'a Olinda, e all distribuir
pelos asignantes: na livraria n. 6 e 8
da prara da Independencia.
Na rna da Concordia n. 37 precisa-se de
dous cralos portugueses, que rereotemente ti-
vessem chegado, sendo de idade de 11 a 16 aonos.
Hoje 29 do correle Onda a audiencia da t*
vsra civil terS lugar a arrematago dos bens pe-
nhorados fi Braz Antonio da Cunha Albuquerque,
com o abatimento da lei, na execugao que Ih
move Pedro Rodrigues de Souza como cessionario
da Joaquim de Albuquerque Mello, pelo cario-
ro do escrivao Saraiva.
E' a ultima praga.
Precisa-se de dous amassadores na padaria
da rua dos Pescadores n. 1 e 3.
Precisa-se de urna ama para casa de um
mogo solteiro s tratar na roa da Uuia- n. 42.
O crivio da irmandade de N. S. daConcei-
gao da Connregago. para cumprir o que determi-
na o art. 48 docompromisio da mesma irmanda-
de, convida a seus charisslmos irmaos psra reu-
nirem-se no consistorio da mesma igreja no dia
1." do meamo mez de dezembro prximo s 9
horas da maoha, para o Um de em mesa' geral
elegerem os msanos que tem de reger a mesma
irmandade no anno de 1862.O esenvo,
Manoel Azevedo de Aodrade.
rica autorisndo oeata praga o Sr- Bernia-
minFrsnklin da Cunhs TorriSo, com procuraco
Pedido.
_ Os abaixo assigoados, curadores fiseses e depo-
sitarios da masss fallida do commerciante Jos
Fernandes Agr, fazem publico aos credores da
referida msssa, que at o dia 5 de dezembro des-
te anno deverao presentar seus ttulos no srma-
lem n. 16 da travessa da Madre de Deus, atim de
proceder-sea venQcagao e classiQcagio de crdi-
tos, que os nao apresenlados para dito tlm nesse
termo, nao poderio ser mais recebidos pelos an-
nunciantes, visto Qcar entao terminado ease tra-
balbo da parle dos administradores da quebra.
Recife 27 de novembro de 1861.
Ferreira i Martios.
Barros & Silva.
Alugam-se 2 eteravos para traba-
lharem nesta typbographia, de 8 horas
da manliaa as 4 horas da tarde : na li-
vraria n. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia.
. tiompras.
RUA DIMITA
Grande armazem.
errguvj e miuiltus.
Sem bandejss, sem colheres, sem garfos e fa-
cas, impossivel passar a fesla I negte armazem,
pois, encontrarlo as familias o melhor e mais ri-
co sortimenlo por pregos inferiores aos de pri-
meira mo, e reparem.
Bandejas recortadas e finas a 1#600.
Dita.dlU.a2S.
Dita, ditas a 3#.
Oulras (sultana valid) 6J>. 5 e 4#.
Faqueiros a 6$, 49. 36I0 e 3*.
Colheres principe, (sopa) 6$ e 45500.
Ditss dita (cha) 3 e 2&500.
Salitre, ferro, trens de cozinha, e tudo quanto
pertence a-ferragens baralissimas.
Camas de vento de louro a 49800, e de ama-
rello a 59.
Vende-se urna mulatioha de 13 para 14 an-
noa, muilo bonita, prendada, e sem vicios; para
ver tratar, na rua da Imperatriz o. 13
Manteiga ingleza flor
a 800 rs. a libra, em barril a 720. franreza a. 610,
em barril a 600 rs., toucioho a 320 a lb-a, 99500
a arroba, gomma de ararula a 100 rs. a libra, 3f a
arroba : na ruadas Cruzesn. 24, esquina da tra-
vessa do Ouvidor.
Em difiranles ras e bairros dests cidade
vendem-se algumas casas terreas ; a entender-
se com Actonio Joaquim Pereira, rua da cambua
do Carmo n. 7, nos fundos da caaa do Dr. Dor-
nellas.
Vende-se urna negra lavadeira. cozinheira,
e excellenle quitandeira, queda I9OO pordi de
ganbo: na rua nova de Santa Rita o. 65.
Attenco.
43 Rua do Amorim 43
Vendem-se bstats. novss, eigos com urna ar-
roba, pelo barato prego de SCO rs.
Compra-se moda de oiro de 209000 na ru
Nova n. 23 loja.
Compram-se esoravos de 15 a 30 acoos pa-
ra exportar para o Rm de Janeiro : no eacrip-
torio de Manoel Alvea Guerra, rua do do Trapi-
che n. 14.
Compram-se pataces hespanboes do cuuho
w de Carlos III e IV : na rifa Nova n. 23, loja.
Dsstanle de Patricio da Costa Freir Maracaja, pa- Compra-ge urna preta de meia idade, que
ra por elle cobrar ou aaaisiir no raleio dos bens|leona algamas habilidades: quem a liver leve-a
do tinado Joaquim Piulo, ou em qualquer srrn- rtt' N<>Ta de Santa Rila n. 7*.
magao que se possa fa.er com o procuaador do
meamo finado, visto que son credor da qoantis
de 4:500f. Recife 18 de novembro de 1861
Patricio da Costa Freir Haracaja.
Attenco.
Precisa-se alugar um sobrado de um andar e
aolao que teoha quintal com cacimba : quem li-
ver pode se dirigir travessa doa Acouguinnos
n. 20, que se dir a pesaoa que quer.
Quem liver urna escrava que aaiba vender
oa rua, e quizer aluga-la, dirija-se a rea da Con-
ceigao n. 48.
Roga-se
a todas a. pesioas que devem fi masss fallida de
Antonio Joaquim alachado Rrandao, de virem
pagar seus dbitos no prazo de tres dias, na rua
Direila n. 73 ; se no competente prazo nao salls-
zerem, serao cobrados judicialmente.
Compra-se urna ou duaa vaccaa que d bas-
tante leite : na rua Nova, na taberna junto a bo-
tica.
Vendas.
Vende se urna taberna com poucoa fondos
na povoagSo da Caaa Forte : qaem a prelender!
dirjase a mesma que achara coa quem tratar.
Na rua dos Pire n. 33, vende-se
pelo seu custo em Londres, e dos di-
reitos pagos na alandega, um carro de
4 rodas para um. cavallo, o qual anda
nao servio; com pequea alteracao
pode tambera servir para 2 cavsllos, o
carro pode ser visto e examinado em
casa do Sr procurador fiscal Fernando
AfTonso de Mello, na rua da Aurora.
Grvalas da moda.
Na loja da boa f. na rua do Queimado n. 22,
se encontrar um complato sortimenlo de grava-
tas de seda prelas e de cores, que se vendem por
pregos baraliaslmos, como sejam: estreitinhas
pretas e de lindas cores a 1. ditas com ponas
largas a 11500. ditas pretas borladas a 1*600. di-
tas prela. para duas vollas a 5$ ; na mencionada
loja da boa f, na rua do Queimado o. 22.
Grande
Superiores paletots de panno preto multo fino,
obra moito bem feita, pelo baralisaimo prego de
209; na rua do Queimado n. 22, na bem conhe-
cida loja da boa f.
Vende-se a casa n. 5 aa roa dos Prazeres do
balrro da Roa-Vista : na rua da Imperatriz n. 88
se dir quem faz o negocio.
Vendem-se velas de carnauba iguaesssdo
Araesly a 10* a arroba : na rna do' Brum o'. 41.
Vendem-se bstatas frsncea. a 19 o gigo -
no largo da alfandega n. 18.
Cal virgen de Lisboa em
(ledra.
Vende-se a mais aova que ha no mercado por
prego muito commodo ; nicamente no largo do
Corpo Sanio a, 19, trapiche da companbia.
Vende-se urna carraca nova para cavallo,
om carro da carrejar gneros com muflo pouco
uso, urna carroga em bum estado e um boi: tsm
bem se vendem travs de louro, pi-anches d*
sicopira de 28 palmos da comprido al 60, tudo
isso se vende na rua nova de Saal. feita defronte
da cacimba da ribeira n. 1J. wroio
para baptisado.
A loja aVaguia branca acabada deapacbar de
a propria eocomm>nda, om bello sortimenlo
los objecloa cima, e de muito bons goslos. sen-
do as louqnlnbas de setim mui bem enfeiladss
de fitas e flores a. jjOOO. fiado cada urna em aaa
csixioha, sanatinhos de setim branco muito bem
Bordados a 3f ra., e meiaa de superior qualidade
tanto brancas como cor de carnae pintadas a 2f
r"* Vi: ,,M>m mo*, d dinheiro dirigir-se
rua do Quemado, loja d'aguia branca n. 16, nio
deizar de comprar.
Esponjas finas
para rosto.
Vende-se mui finas esponjas para rosto, a 2
cada urna : na rua do Queimado, loja d'aguia
branca n. 16.
Delicadas escovas
cabos de marfim e madre-
perola, para limpar
dentes.
Na verdade urna escova para limpar pentes
sempre necesssria em qualquer toucador, e com
eapeciaiidada no da senhora que preza o asseio,
e para que elle seja parfeito mandar comprar
urna deseas escovas de rabo de marfim ou ma-
dreperla que costara 2e 3 rs., ns loja d'aguia
branca, na rua rua do Queimado n. 16.
Cortes de cambraia.
No armazem de tazendas de J. J. da Goaveia,
roa do Queimado n. 29. esquina do collegio exis-
te um grande sortimenlo de corte, de cambraia
branco. com babatfos, que se vende a 58 e 7*060
cada corte. .
5:000 rs.
Na rua do Queimado n.S9* armazem de fazen-
de J. J. ae Gouveie, vendem-se chapeos de
peina, copa altaprova d'agoapelo mdico pre-
go de 5* rs.
Cassas miudinhas,
A 280 rs. o covado
Vendem-se cass*s de cores miudinhas pelo di-
minuto prego de 280 rs. o covado. no armazem
de fazendss de J. J. de Gouveia, roa do Queima-
do o. 29, esquina do collegio.
Leite virgioal
infallivel remedio para
sardas e panos.
...,ej,f.*'rinl i bem conbecido como reme-
dio infallivel para sardas e pannos, vende-se a
28 rs. o fraseo na ras do Queimado. loia d'aauia
branca n. 16. '
As verdadeiras lovas de
Joiivb.
Ac ha m de chegar pelo ultimo vapor para a
loja d'aguia braoca, na rua do Queimado n. 16,
sendo de todas as cores.
Lovas de pellica.
Vende-se luvas de pellica de Jouvn para ha-
mena e senhoras a 2500 : na rua do Queimado,
loja de miudezas da Doa-fama n. 35.
Enfeiles brancos para
noivas.
Veode-se ricos enfeiles brancos para noivss a
109 e l'-Jrs., assim como ditos de retroz gosto
modernos 79rs. ditos pretos com vidrilhns para
meninas e senhora a 18500 : na rua do Queima-
do, loja de miudezas da Boa-fama n. 35.
Opiata ingleza a
4,500
Vende-ae opiata ingleza a 1500 a caxinha,
agua balsmica psra denle, a 1|000 o frasco,
opiata franceza a 500. 640 e 1, assim como um
completo sortimenlo de perfumarlas dos princi-
paes fabricantes, tudo por menos do que em oo-
tra quslquer loja : na rua do Queimado, loja de
miudezas ds Boa-famajfB. 35.
Cascarrilhas
Vende-iecascarrilhas psra enfeiles de vestido
a 21500, 3| e 49 rs., franjas, trancas e gales de
seda de diversos pregos, aflsnga-se aos compra-
dores pregos mdicos : na rus do Queimado, lo-
ja de miudezas da Boa-fama n. 35.
Pechincha
Vende-se 1 carro de 4 rodas e 2 cabriolis:
quem os pretender, dirija-se a rua do Jasmim n.
24. oficina de ferreiro, que achara com quem
tratar.
para acabar
Mantelete, de seda a 14,18 e 20, fazenda mui-
to boa ; na na do Queimado n. 47.
A16J000.
PalotoUde panno fino forrado de seda ; na roa
do Queimado n. 47.
A200rs o covado.
Casta toda prela : na rua do Queimado n. 47.
A 600 rs. a vara.
Pil delinno lita : na rua do Queimado o. 47.
Ltuvas Ae JouWn.
Na loja da boa f, na rua do Queimado o. 22,
sempre se encontraran as verdadeiras luvas de
Jou*in, lano para hornera como para senhora
advertindo-ae que para aquellos ha de mullo lin-
daa corea, na mencionada loja da boa (, oa roa
do Queimado o. 22.


VPmhSb
4 grane lifliiflacao da
loja do Pavo,
Carrn cariocas.

Francisco Fernandes i Miarte
ie*s>
>ff
Continuare a vender oeste armojem le^indlhados os
o. s a-Sr* A. prag. como de ..geofao. e Uvardore.. qu^SS W,^3oKlT
cea,
que
nao deitem o bmui de-comprar a primein vez suas eocommeadas, corto de queWtt^Tgestar
parao que alea palpases os prearietarios. em prestar toda atteocao, e meirn em ieciroV doi-
^etynioa Su.-pesaealMpt'er^^il^SSSM
MR libra om
eaprecw A* algao.!,, poroada se pode julgir ojua randsmos baralii#iino.
3*000.
QuelJ
eertoieos* fas aba tmenle.
PreiUMO^ingVeZ 9npM p, fiambre a 900 re. a libra, em porgo te Tara abati-
Prezunto do wiio
440. re >
Touctvto tagltz eoc8aca hor pelitco que pode haver por estar prompto a toda a hora 1 a libra.
Toucinao d rehu ^ rs .lHbri e aoW#flf500
Gtoutifits c paios ,.. DOT08 560 ljbr8
altl-e vapor a S1SM. dito, do a rapertor qaalldade e muito frestaei alIOOO rs. a libra, e
o que ba da bom jjeale genero a 480 ra. .alibra e ioieiro
eostelletas proprias pan fiambre a 800 ra. a libra.
Candieiros a gaz,
4ej^dfa^pjade^*Ba^bHat,o0A^aiaAe.
teiraamii poaodeeriefl eoaaatoHdeeee: M-na
*LF- *N*** Caaneiro Viaooa.
mala mearas exposigao aa encontrar um va-
riare yerbea d-i4laissa^
ai qavltdades qoa por geato escode apreciar a
aeua desenhos, um riqusimo aortimento de
quioqollnnaa, cooteodo entre ellas riquisimos
aratertos para eueeleafjet e4rtA). > **.-
totaorlimeatodebiUie oem todea oapreearos
para viagem, contando pratoa, facial copos e ou-
trea frascos para condiiooar, ferros de ea gom-
ia
mir a viper, machinas de Aa
machinas de f.zer caf a vapor, ei^agarAai de
ipe pragoa diminutos
numero*).
IrtrA.iaaaba*:.*aa,lta*a

ib mar
maia aira que ba do mercado a 480 ra. a libra

a I5OOO ra. a aneorata, o en garrafa 3JO rs.
cociendo diferentes qualidades a 1*440 o
Marmelftda imperial
Batalla de por co retinada a
e em barril a 440 si.
AcZeltonas muito novas
Latas cota WLaxinna de soda
am poroso se far abat mente.
H.,,_____.JUa"* n0Ta m<"o em lats de ama libra por 900 rs., dita* de
!
-
do afamado Abrp e de outros muitos fabricantes de Lisboa
a 1 a libra, em latas de 2 libras por 1*800.
Er\iliias francezas lhorM q9e 8e po4e4e(iej em ati,tkt990tm .t
tmbeos teas portuguesa me latas enteiras a 610 rs.
Chocolate f t ancez; hwo.nhol chegad0 neite ulliBa yapor a Mhrfl
**" Plia para podim a 800 rs. a libra. .
< o -.v.ptrene em ,ala9 de 2 ,ibTaf eiegaDtementeenWlsdag 110aoo cadt uma#
p msete iuperiorde A 5e6em,ibTa,760re> eomcaixa1740r$#
Latas com peixe em posta
1*400.
mendoas ciaVeiUdas.,
a 480 rs.
^sUe\uahaaU Aa*PIadaS muU nT" m "'"Hbra*
. Para 8Pa > 640 rs. a libra e em caiiinhas de 6 a Wibras se far abatimenlo.
VletTia. macarr&oeta\\trim.inn,c
ajj i| "***" a 400 rs. a hbra e em caita a 9*.
franceza muito nova a 240 rs. a libra;
Faini\a do Maranh&o
wiunnav muito alva eobeirosa|vl60raV
de engommar, o que se i Je desejar por ser muito alva a 100 rs. a libra.
^ 7< a n,0ll ovo,*,impo a 16 a ,ibra e e Pt"?5o se far abatimeoto.
nrtn. LnH !,?,eilK*el,publ,co 1ue BQodo-ae a boa qualidade dos gneros cima mencio-
nunciados C P qU,eS p0der iulg" lodOS 0S dein'U qaa no tmm 1B"
o mi 1, liaos que ha no mercado/na ra
Dreita, Ij'm de xhapeo nmeros
Alem nn mal.* qaaiiddes da cfrkpeoa.l tem
aa-Ao CAUas aunalfcaceaque a Usa visto Mata
artigo, enroom^do doa mencionados aaUba-
ectmentos est disposio a vende-loa com pouco
lacro etem a cooviccio de que quena os vrr nao
qua'udadV "t|*l*'"l' pei "o P
Para a parada de dous de
dezmibro.
Luvas branca* a 160 rs.
Havando grande qaautidade de luvas brancas
proprias para os diatioctofr guardas naceaaeae
apreaenurem cem eaa ne da do feateia naeio-
na^baosWdo,afader-a8-a.l6ai. o par,
a a 200 rs. daa mata finar: na ruadoGabac, la-
ta de rateadas n. 8, do Aurgos.
Chapeos de palha para os
cajas.
Na loja da roa do Cabug n. 8, aloda ba alguna
I chapaos de pairea bamburguezea dos qoo-ea tem
anuunciado a 1* cada m ; nada ha de mais ba-
rato, est se acabando.
Ganga amarelldaladia.
i$80 e I$300 a pecinhau
>*a jaa do Cabug. roja n. 8, veoiem-se peci-
aaas de ganga am jrella da IoHe, sendo de listras
e de quadros a 1*180 e a 1500. Com tio dint<
Na ru da JmijeralrLiu.ao
DE,
Gama Sil v,au
i&??' d8J .co**r *** qKabalactaanto
! ?^"Iad oa f.xeXs propci.a
^ a^aaUi a soaadoraps Msolveraw^euderM-
aoao e qaerera aparar dinbeiro.,como saja:
tassas.
. ?*}}!*? M*ilD* a cusas da varriaa coraa
aqualidadea, que vaadam a S40a7s. o co-
vado.
Brilhantina.
Vende-se brilhantina de qaadfinbos a *W rs
oeavaMo: Um da Imperalriz n. 60, loja do
Chitas a MO.
to^tdfi;8e fl!ai,B'n*8 Chita* francesa* escuras e
alegres, fazeoda que sempre se venden cor urna
pataca e acaba-se a 240 rt. o corado : na ra
tapareara o. fcJaj ato Pavao.
Musselina a duzentos rs.
o covado -
Vende-se muuelina braacs com 4 e meio pal*
moa de largura a 26T3 res o corado a ditss de
cores mattzadas largura de chita a 100 reiff o co-
vado na roa da Imperatris n. 60 loja do P*?o.
S o f&pilo
(pidaialo.
au,SlS* Va,l0 doarados lisos e com listiohas s
2*500, calcinitas bordadas para meninos a 1*000
gollinhas com mangurtos a 1600, golllnhaa d
traspasso a 1J, ditas sem ser de traspasso a 500
rs. luvas de seda em perfeito estado a 508 rs. o
par, chapeos deso de seda com franja, muito de-
licados para senhora a3*500, chales grandes de
merino a 2*508. ditos de reda Iwrdados a 3* cada
ao^?lsnRail0s,,8Cambrrt', bordados muito Unos
* 800 e lg. anfeites para cabeja a **,
'
"J OiMabar 4 C. NcwmranLirta da-Grax
^""60 dod^ai'-l1s8*l>a. 1i veadwn-
Diimero A.
yeaden-ie carroi americanos mal elegaoUi
lares para duss e 4 pessoas e recebm-se ea-
Smmandia para cuja fim ellas possuem map-
. I com vario* deseabbs, tambem vendem car-
rocas para condcelo de assacaretc.
Leandro randa.
Ra do Crespo n. 8 A.
Recebare* pelo paquete francs diver-
sas fazendas de bom goato, que sa ven-
dem por preeos baratissimos:
Borzeguins de Melles* a
Lavas de pellica de Jouvin a
Cintoa de novo gosto a
Pivelas psra cintos a
Gollinhas e punhos com boto a
Ditas bordadas a 500 e
Sedlnhas de goilo o corado a
Babados bordados largos por
Bofeites a impesatriz a
Ditos de retros uue tfoBtra parto
8 6*000
AC tabfcrxaitvjMi.
^enaem-w gQn
Iscio dos
quistas
uermado^yna he
raniqBttii. -
Por aerem de corea escura* Vil**, pelo
lajadla
da corea, pelo barata
rara ; na bem coi
o Qaeimado n.
co de 800
boa f, na
13JOO0
2*500
4000
2*000
fJSS
1*300
3*000
11500
E da outras mnitaa dualidades
tissimos presos.
Salas a balo de crochet a
Ditsadlta de.clina a
Vestidos de cambraia branca bor-
dada de 6f, 10* e
Manteletes de grosdenaple a
Orjaodjre da goato corado a "400
E outras muiUs fazendas por presos com-
por bara-
3*600
6*000
12*000
20*008
ninas
das melhorea qualidsdes que ha em Portugal a
lg a libra, ditas em milo a 800 r., dita com
Guimares & Villar.
Ruado Crespo numero 17.
Vendem baratsimo.
oaUqaaotia tem-se'bojs e bonitas calcas.
A 2,300 a caixa
de charutos suspiros superiores da Babia, sendo
eauas de 60 charetos, vendem-se em porcio ou
a retalbo por este bsrato praco. ateo frescos : no
aterro da Boa-Vista n. 18.
Cambraia Usa.
Vende-se cambraia lisa transparente muito 8-
na, pelo barato prejo de 4 a 5f a pega com 8 1|2
varas, dita tapada muito superior, peca de 10
varas a | : na ra do Qaeimado n. fc, na loja
da boa f. *
ramaate o atoalYvado de
Uaho.
a 7* a pega de 9 varas.
Cambraias brancas bordadas para vestidos desenhoras
rgandys de cores delicadas a 500 rs. o covado.
Cassas de cores fasenda Boa a 40 e 880 rs. o corado.
Manguitos e gollinhas psra senboras a 2*-o par.
Gollinhas ultimo gosto a 1*.
Manguitos a 3* o par.
ntremelos riramente bordados a 2*.
Tiras estrellas o largas bordadas para enfeites de vestidos de 2* a 5* a peca,
Saiae bordadas da 4 pannos a 4*.
Saias bordadas de 3 pannos a 2*500.
Saias balo de ruusselina com babados a 69
Chapis de palha delialia para senhora a 28*.
Ditos de seda para senhora a 12*.
Manteletes de seda
o que ha de mais moderno de diversos preces.
Ditos de fil muito bonitos a 30$.
Vestidos brancos bordados a 20*.
Ditos brancos bordados a 7*.
Cuitas francezasdetodasas qualidades a 280.300, 360 e 400 rs. o covado.
aoapolao de todaa as qualidades a 4*. 4*500. 5* e 7* a pe$a.
Outras muitas fasendasde gosto e preeos baratos.
Uvas.
Vende-se as verdadeiras uvas de Itamarac por
prego commodo, no deposito do Sodr & C. na
ra eerrertado Hzarto n. 11.
- Vende-sa o sobrado de
um andar esoo situado na
ra das Cruzes n. 34, contiguo
aodoIHm. Sr. teuente-coro -
nel Justino Pereira de Parias:
no pateo do Paraizo sobrado
n 24, com Salus ti ano Aa gusto
Pe de Souza Peres.
Vende se molduras doirradas, de
todos o tamanlios, por menos preoo de
que em outra qualquer parte : na* ra
da Cadeia n. 37.
Urna armaco.
Vende-se urna 'armaco oova e em ponto pe-
queo, propna para leposilo oa fabrica de cha-
rutos, por muito barato preco: a tratar na roa
do Arago n. 36, taberna.
COfJPS.
Vende-se om escolente coup de melhor gosto
que tem vtndo a este mercado, por preco mdico
e um cabnolet por menos de sea valor ; oa ra
larga do Rosirio n. t4 ae dirA quem leo.
vowie-atr-am^A^u^, dasiml por barato
preco, muito propna para armazem^mmm -\
na ra nova de Sania Rita n. 65.
Vende-se superior bramante deparo linho com
duss varas de largura a 2*400 a vara, assim como
atoalhado adamascado tambem de puro lioho
cujn a palmos de largura a 2*Sutf a vara ; u neri
conhecida loja da boa f, na ra da Qaeimado nu-
mero 22.'
Cortes de ca\ca.
Vendem-sa cortes de calca de meia casemira
de cores escuras a % cada corte ; na loja da boa
fe, na ra do Queimado n. 2?.
Fil liso e tarlata-
na branca a 800
ris a vara.
Vende-se fil liso mullo Bno e assim tambem
tarlataua branca muito Bea, tanto urna cousa co-
mo outra sao proprias para vestidos, nao s pira
bailes eomo para assistir-seacasamenlos, andera
antes que ae acabe na ra do Qaeimado n. 2S
na loia da Boa-P. '
pechincha.
Pegas de cmbrala lisa da 8.112 varas a 2*500-
na ra do Queimado n. 44.
Amarga? nao!
No estabelecimeuto sito ra larga do Rosario
n. o, ludo doce, vende-sa araendoas confeila-
onS ** ?.""" dita onfeitsdas a chocolate a
800 rs,; ditas dito a caoelU a 800 rs.; confeitos a
7-7 ?* : a222far caD(,i ".: caatonhas eoo-
fetadas a00 rs.; bdlltahos da limaa a 1*; ca-
racas de gosto lisbonense a lg; latas com 5 libras
dedoce de calda, de sbacasy. aapoty, laraoja,
cidra, birimb e grosella a 2*500; xaropes da ibal
caiy, grosella, laraoja a 500 ra. agarrafa: assu-
car refinado Ono a 140 rs a libra e 4*160 a arro-
ba ; dito baiio a 120 rs. a libra e 3*520 a arroba
dito grosso de varias qualidades, caf, cb e ou-
tros geoeros proprios ao eatabelecimeoto.
Vende-se a taberna e padaria na ra Direi-
ta dos Afogados o. 3, mui bem afregoezada e
tom acuitos commodos.
a640rs
Para homem.
Vende-sa na loja do Pavao um completo sor-
tmenlo de roupas, como sajaos : palitos de nan-
Bo e casemira de todas ts ores, cairas de case-
mira preta e de cores, ditas de bro de todas as
qualidades. camisas francezas tanto para homem
como para arnioos pos* pra;os mala commodos
^a9 e"! ouU* 1ua,"iuer parte. Dao-se amos-
tras de todas as fvzeodas que em nossos annun-
cos se v, deilando fleer penhor : na roa da Im-
peralriz n. 60, onde tem um pavo pintado do
lado defora, e para nao ha ver engaos denoite
tem um dstico por meio de urna luz em que diz
O PAVAO.
Lazinhas a 280 rs. o
covado.
Vendem-se lazinhas de qaadres pora vesti-
do, fazenda de aparado gosto a 280 o corado
na ra da Imperalriz o. 60, loja do Pavo.
La chioeza a 40$ rs.
Vende-se lazinhas enfestadas a 480 ra. o co-
vado: na ra da Imperatris o. 60, loja da Pavo.
Cambraias de seda.
Vendem-se finissimos cortes de oambraia
aada com deas babados a de apurado
4*500 cada crte: na loja do Pavao.
Vestidos brancos.
Vendem-se finissimos cortee de cambraia la-
vrada com babados e duss salas. Uzeada que se
venda em qualquer partea 8*600.rs o Pavo
est torrando por quatromll rn, ditos cem bar-
ras bordados 24500, 3* e 3*500: na ra da Im-
peratriz n. 60.-
41raoda sorUmaato dearfamanas, rou-
pa fela, chapeos para homem, senhora e
enanca e tuda aa vende por preeos ba-
ratissimos.
Veooe-se no armazem de Jos Antonio i
seira Dias & C, rus da Cruz o. 26 :
Safras a tornos para ferreiro.
t Perro saecio em barra,
jpara me- -' Liohas de carritel de 200 jardas.
Malas para viagem.
Espingardas francezas muito finas em caixas de
per .si.
Ferros de lati para engommar.
I Pregos francezesde todos os tamanhos.
Ditos batel grande.
Ditos de construccio.
Bracos grandes para balanga.
Espingardas lazarinas.
Clavinotes ingleses.
de
gosto a
m
ao
Acaba de
chegar
Nova california
DE
Fazendas baratas.
Na roa da Imperatriz n.48,joitoaS
paaria fraaeeia.
Cambraias de sal-
picos a 45000.
Vende-se cambraia branca com salpico, miudi-
nhos, teodo S X araa cada corle, pelo baratia-
aimo preco de 4*000. lando fasenda que sempre
E!22 3 W-? ""da lmP" n. 60,
loja de Gama & Silva. "
CASSAS LAVRAOAS.
Vende-se cassas lavradas faien4a do ultimo
gosto pelo baratissimo preco de 3*500: oa ra da
ImperaUiz n. 60, loja do Pavo.
Sedas a covados.
iSe!2Jad2naJl,M pret0 moll ocorpado
a 1*600, 1*800 e 2*000. dito ror de rosa, azul e
amarello, sarja branca lavrada para vestidos de
noivas, e outras qualidades de sedas por pregos
baratissimos: na ras da Imperatriz n. 60. loia
do Pavo.
CHAPaums
a-6j000 ead* urna.
Vende-se chapelinas modernas enfaitsdas com
muito gosto para senhora a 6*000 cada urna : na
ra da Imperatris o. 60. loja do Pavo.
Leuc-os para mo.
Vendem-se muito delicados lencinhos de cam-
braia de lioho com labyrintho a 2*500, ditos de
muito gosto a imitago de labyrintho a 800 e
IfOOO: na ra da Imperatris n. 60, loja do
rdivao.
I0S000.
E'
na ra do Queimado sf. 30 loja da quatro
portas que se venda os melbores.chapoos de se-
da de urmss rara modernas e bom gasto.
Veode-ae nm oseravo padeiro e tambem
loroeiro, booUa figura, roAuai* e poaaanie '
jue o pretonde,. enteod-ae c0. W.rctoa Aoa
a Costa Pereira, no larca ao Corroo,
r. Antonio Ricardo do Reg,
est o preto.
em
ou com o
oas oaquem
Cortea de cambraia branea com babadi-
ohos *P 4*500 superior 5*. cambraia li-
Eseossia 5*. e 6*. ricos enfeites para se-
nhora 6 e 61580 ,i,os os m,8 &&,,
para aenhora 2*500.3*. chapelina para eri-
al l*Cl ,?os,0jD1" W0i.'f. para baptlsado
3*. cortes de veatido de seda Escosseza de
bonitos goito tt* estio se acabando, rl-
I S" [V^* '* l'byrieibe l*. igloo, chapeo
m r ,0lf,rt 8oohora de bonitas eores, lisos
m r,Cu8!0 tlB mtTa> 6*500, cortes-de cam-
brarli brancos com lar de seda 5*. risci-
a ao francez 200 ris o covado, complMo
W sortimeotos de baldes de arcos 3*, sorti-
2n?%M V[" P ."">ino o menina
200 a 240 r.s par. diales de tarlalana
ra. t0a9r*i.64k I6'*: le,COa branco:om bar-
"a 160 rea cAilas malezas a 180 e 900 ra
dita francesa .240 e 280 ra. 0 pecas de cambra,, da forro oam 9 varas
SaifJT ,"U> pa4arisf"M6M
:
:

Importante
Annuncio
Na loja da diligencia, de GuimarSea Ir-
mio, na ra do Queimado n. 66.
Cirtoea de colchelea franceses com 14 pares a
Peales de mam doarados muito finos imitando
tartaruga a 640. "
Esjanilhospara aenhora, que sempre o ven-
der m a 6*. por 2500. V
Trangas de lia para vestido, a pega a 40 ra.
raa*7*,ra d" B",U fl"a e ndoras, ali-
Mssoscom grampos a 40rs.
Liabas para bordar, a miada a 40 ra.
Ditaa de peso muito stoas, miada grande a 240.
franjas de linho para vestidos, a vara a 120
Apparethos de porcelana para meninos, pinta-
doa e dourados a 4*600, 2#. 2*500 e 3*.
Cartas com alfinetes a 100 rs.
Paoeis com alfinatea cabeca ehata a 40 re.
Enfeiles para senhora muito finos a 3 4e 7*.
- otosoMiJto fiaos para senhora a 2* e 2*500.
.Q^ei? -d*,aia P*" un Pdre que sempre
se venderam a 2* a 640 rs. ''
Enfeites com flores parrtenhora a id.
a dT* n,6t*1 B1UM0 G*rfo8 do mesmo metal a 4*000 a diuia
Assim como outras muitas miudeiajfiasa ba-
incha
TiiilS* r\nVn"n.nZtT. W Cwte,1? I"ree de seda com 3Q arados a 1
i mrd prea para escrever^corte? <1,iac com lindas flores a matiz -----*
o oam t varas
ra n. 48. #
Vende -se. eicellente tinta prett Dar oasvama ^f1? >'" ns a matiz, covad a00 rs.. pe-
l.^eotremeiM comjjtlv.raa al*260,
oa ra do Quei-
a wm*a. garrafa na livrari.. a .h i B ,' eeweMoa com 3 |.
nado n. 44.
na
Madapolao enfestado a
tres mil ris.
Vende-se pegas de madapolao eofestsdo com
IX varas a pega: oa ra da Imperatris n. 60 loja
do Pavao. *
Phantasia asis mil ris
k Y8.?deI88 muil ric09 ve*idos de fantazia com
n, ^e mut0 bom 8at<>. fazendas de 12*000,
por 6*000, na ra da Imperatris n. 60 loja do
Filos.
Vende-se fil de linho bordado fazenda muito
fina a 1*000 a vara, dito lito a 800 rs., tarlalana
branca e de todas as cores a 800 rs. a vara
loja do Pavio.
Vestuarios a cinco mil
ris.
Ricos vestuarios de seda para menioos, fazenda
foVSlKof00'' "* Ua d' Impe",rU "*
C,ambraias lisas.
Veodem-se pegas de cambraias lisas, fazenda
muito na com 10 e meia vara cada pega, pelo
S t%! pef d.Ua ae 8 e eta v'aras a
00. 3. 3o00 e 4j, ditos de 6 e meto rara e 2*
* *^L"JJega dlU), Paibt com 8 e meia va-
ras a 1JJ600 e 2* : na ra da Imperatris, loja do
Baloes^ sem ferro a
3$200.
Vendem-se muito superiores,saias de cordo
que faiem as vezes de balo, tornando-se msis
recommeodavels por se poderem lavar e engom-
mar a 3*260 cada urna: na ra da Imperalriz n.
W, loja do Pavio.
Taixas.
Maior reducto noi preco para acabar.
Vendem-se no armazem de Braga Son A C
na ra da Moeda, taixas de ferro cuado i da mui
acreditado fabricante Edwin kiaw a 100 rs. por
libra, as mesmts que se vendiam por 120 rs.
novo armazem
DE
BUSTOS & RE60
Na rnaNova junto a Conr-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Um grande, a variado aortimento da ;
i roupas feius. calcados a fazendas e lodos
estes sa vender por preeos maito modi-
ficados como 6 de seu costume,assim como
sejam sobrecasacos de superiores pannos
e casacos feiloa pelos ltimos Aganos a
26*. 28*. 90* e a 35*. paletots das meemos
pannos prelo a 16|, 18$. 20* e a 24*,
ditos de casemira de c6r mesclado e de
novos pidres a 14*. 16*-, 18*. 20* e 24*.
itua acuoa aas incauto biiuuiias Ou cu-
res a 9. 10*. 12* a 14. ditoa pretos pe-
lo diminuto prego de8*, 10*. e 12$, ditos
de sarja ae seda a aobreaaeacadoa ti*
ditos de merino de cordo a 12*. ditos
de merino cbinez de apuradorgosto a 15*
ditos de alpaca preta a 7*. 8*, 9* e a 10*'
ditos saceos pretos a 4*. ditos de pal ha d
seda fasenda muito superior a 4*500, di-
tos de brim pardo e de fustao a 3*500, 4*
e a 4*500, ditoa de fusto braaco a 4*
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de cores a 7*, 8*. 9* e a 10, ditas
pardas a 3* e a 4*. ditss de brim de cores
flnasa2$500, 3*. 3*500 e a 4$, ditas de
brim brancos finas a 4*500. 5$, 5*500 e a
. 6*. ditas de brim loni a 5* e a 6$, colletes
de gorguro preto e de cores a 5$ e a 6$,
ditos de casemira de cor e pretos a 4J500
e a 5*, ditos de fusto branco e de brim
a 3* e a 3*500, ditos de brim lona a 4|
ditos de merino para luto a 4* e a 4*500
caigas de merino paraxluto a 4*500 e-a 5f'
cipas de borracha a 9*. Para meninos
de todos os tamanhos: caigas de casemira
preCaedecora5f,. 6* a a 7*. ditas ditas
de brim a 2$ 3 e a 3*500, paletols sac-
eos de casemira preta a 6$ e a 7#, ditos
de sobrecasacos de panno preto al2*
14, ditos de alpaca preta a 5, bonets
para menino de todaa as qualidades, ca-
misas para menioos de todos os t aman hos
meios ricos vestidos de cambraia feitos
para memnaa de 5 a 8 annos com cinco
babados lisos a 8* e a 12$, ditos de goreu-
rio de cor e de lia a 5* e a 6, ditos de
fcnm a 3*. ditos de oambraia ricamente
bordados para baptisados.e muitas outras
fazendas e roupas feitas que deizam de
ser'mencionadas pela sua grande quanti-
dade ; assim como reeebe-se toda equal-
quer encommenda de reupas para se
mandar manufacturar e qu. para este fim
temos um completo sorti'mento de fazen-
das do gosto e urna grande offleina da al-
laiaia dirigida por om hbil mestre que
?! ua RronPi e perfeigao nadadei-
xas QQSQiar. *
*mmmmm*mmtmummi
Allenco
Vendem-ac oaUCoa vasio p
para bahuleiros.funileiros etc. a 1*280:
quem pretender dirija-ie a esta tpo-
graptua, que ah te dir' quem ostem,
para vender.
Vndese
na ra do Queimado n. 1
o segninte.
Pegas de cambraia fina adamascada para corlH
0a- Ciim !l* *""' ^tarBt* Pfego de 5*C00,
Toalhas de linho adamascado para mesa a 4
Cambratea de salpico raudos muito lindas
5* a pega, ditas de ditos miudinhos finas a
Lencoes de bramante de Hnho a 8*000.
Cambraia iniladn para forro de vestido, co
8 lia varas a pega por 2*.
Grandes colchas de fusto lavradas a 6*.
Chapeos eofeitados moito lindos, proprios oa
meninos a 7*cada um.
fisbertas de chHt. gosto chines, a 1*800.
Ricas cipellas para noiva, de flor de laranja.
Algodao com 7 palmos de largo a 600 rs. a vara!
Lengoes de panno de lioho a 1*900.
bsraliasjmo preco
2ej*iileA.rd?l
Toa\V-A8 pata mito*. \
Vaadem-se nraito boas tosihss para maoi i
karalo pvefo e 5* dbsrt na rus do Qut
^o'A. SS, na loja da boa f.
Ricos enfeitei. s,
Veodenvse ricca soperioreaofailea $u
podernos que Jia. pretos e de corea, palo ba
lissimo prego do* e 6*500 : na loja de boa
a roa do Queimado n. 22.
Cambraia* de cores.
...VeDdr"iTa*^a,a*Ma*' '""ewade lindas ca-
res, pelo bartrassirao preca de 28o o covio i m
K?" ^ *M*1' C0Dhacida ISA,
^^fl^s^i^^i^ia^Lss.i^^______M
Vendem-ea cortee de eopetiaraa cambraias
pinUdas. toado ea*e corto iTii^ffS!
la: na leja da bea i4, na ruada Qo*ian.Ao n. 22
Cambraias trancezas finiasimas.
LSlT?!** eam*I' francesas muito finas, de
mito bonitos psdrdes, pelo barato preco daVoO
do' .Vi" : j" "a "** f na IUa d Oaaima-
Vendem-se osengeuhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correnteg e
dagua,sitos na* fregnezia de
S. Beato comarca de Porto
Calvete provincia 4a* Alagoas,
o primeiro tem asa Je enge-
nho e poucas obras, porm
safrejquatro mil paea, 0 se-
gundo tem boas obras, porm
s safrej* dous* mil pes:
quem pretende-loa dirija-se
a ra da Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Vestidos.
Ra da Cadeia n- 23.
Ricos vestidos de seda, da cambraia
bordados e da phantasia, lasinha de co-
{ res, sedaa de quadrinhoe e de lulas, ca-
aas de cor modernas, cambraias com listo
de cor e bem assim onUas fazendas oro-
pnas para vestidos. ^1
Manteletes e chapeos. S
Superiores capas comandas de gonra- S
rao, mantelete., taimas de orei, da M6 H
e ae outras muitas qualidade., saperrores S
chapeos de palha eafeitaos para se- i
nbora.
Novidade.
Modernos enfeites de cabega, luvas de
pellica de toan, lequae, espartilbos.
pentes de tartaruga, saias balio, camuaa
para ^enhoras e meninos, sintoa, meiaa
inglesas para aenhora, manguitos e golas
pulceiras de sandadalo, chapeos de palha. ff
Roupa feita.
Completo sortimeato de caigas colla-
lee, paletots, sobrecasacas de panno, case-
mira, alpaca etc. : na ra da Cadeia d. 23
toja de Gorsjal Perdiaia.
8
8
Atteneo
Burros para vender,
Espera-se brevemente de Hbnteaideb
um carregamento de cerca de 60 a
100 burros, os pretendentes queiram
apparecer na ra do Trapiche n. 8,
casa de Renry Forster & C.
SOOeM
O rival sem segundo na roa do Qeeimsdonu-
mero 55. est queimando as seguales miudezas
por pregos que a lodos deram admirar lano pe-
lea suss qoalidalea, como tambem pelos pregos.
A ellas antes que se acabem.
Crozas de peonas da ago a 400 rs.
Ditas de miesinhi, apilo finas a 5*0 rs.
Canas com agulhas francezas a 120 rs
te* Cm aparelhos Pw divertir meninos a
Ditas muito finas e grandes a 500 rs.
Groias ae boles de osso pequeos a 120 re.
Ditas de ditusde louca a 120 rs.
Dunas de baralhoa portugueses a 1*400.
Teouras moito finas para onhasa 400 rs.
Dita, para costuras muito Boas a 400 rs.
B.ralhos muito fiaos para voltarele a 210 rs
Agulheiros com agulhas a 80 rs.
Caivete de aparar pennas a 80 ra.
Ditos com duaa foihaa a 160 a 240.
P*"J! de lra5a de la de todas as cores a
.200 rs.
Pegas de franja de la de todas aa cores a 800 rs.
bapaios de traoga de laa fios a 1*280.
Cartas de alfinetes francezes a 100 rs.
Caixas de dito ditos a 60 rs.
Estovas para limpar denles muito finas a 200 r*.
Masaos de grampos superiores a 40 rs.
CafUscom.ceiseteacomdffeito a 20 rs.
Ditas ditas superiores a 40 rs.
Didaee de ago para aaoharaa a lOO.ts.
filos de chumbo para meninos a 20 rs.
Ecuadores pn esii4oa com 4 varas a 80 re.
c"" ooiebeics francezes a 40 ra.
Cartas de alfinetes pirs armador a 100 rs
Fioa de coral de rar a 640 rs.
Charoteiras muito finas a 1*000.
[50 A-Rua da Cadeia do Recife-50
500, 1$, ^500^
Hiooel Gongalvss de Oliveira Santos,
acaba de arrematar ama porcia ae fa-
sandaa muito barato.o por ieto aodeba-
rato para vender multa, veode muito pa-
ra vender busto gnvitis da seda a I
rs., enfeite de vidrilho aue^e tem vendi-
da por 4 al*, chapleo da sol pirase-,
ahora a 2*500. ditoa de cabeca a garib.l-
di a 4*600 e 5J, venham a este labele-
J^mao^o verestas pechiochas. que lomiri.
Relogios.
Vende-se
Aceite de dend. '
Axeita de ameodoim.
Aseite de pene,
^"do o Forte do Mallos cu largo da Asaem
ra do Vigarip o. 3 um baAlo senimentc
relogioedeouro,patente ingles, de am dos i
afanados, (abncaites da Livarpool; Ui
um rariedada de bonitos traacelias pai
raessies.
os
dttenoo.
Na ra do Trapicha a. 4a). em casa de
itoaker Sv C. existe um bom
has de cores e brancas o
saVoWoVaoiUetAs**
' preces mu rasoaveis.
II I
%


y
Dlil
Na
t"!W.

lado
Vende-ge-pocae-le M>p!H ftiM .
a 3, corto do tmofif arfesaptr esipra
dftedtmfaatadoe Core HH MtM,
de uilao para calca a lf 130. cortea de 1
280e 8M r*. o covado, gresaeoepiede rtrespa-
ra vertid** f|800ocov.d. panno preto para
caleni e paletou itti 2*500 o eevado, salas d
algodioNra botaos t|M>4'baleo da madapollo
a 3J, dito do 20 a 30 rdea a 3 otysorj, leuzi-
Dha eofea e'atta r. 0 eevado. alpaca da co-
re pa*a patato! a 400 r. covdo, ditas a 160 e
180, ditas largas a 0 840, 60 e 280 o eovsdp,
e outras aftas fatends que ae vende baralts-
siraor na roa da laperalriz loja ta arara de 4
portas n. 5o.esl, aborta al 9 horas da noile e
tan a n4l ira Tatoglbxdm 1fcr> em qoa dii
SaoRias lentes.
recebando
as e Dio de
TMf
._
pelo diminuto
para acabar ticos cortes de 15a de dual aa
com 2* carados dllo; da gorgurio de ada
quadros coi IB corado, corte de organdys a
garibaldi fazeoda maito floa com duas saiaa o
barra com 24 coradoa, -dito aem barra com 16
coradoa, corte de chitas Boas a imitacao de lia
com 13 covados a 2*500, cortes de riscar'o flooa
a 2*500, ditoa da rucado a garibaidi a1*800. cor-
tes de c&Uis francesas escuras e claras aj^op,
ditas ioglens a 1J500, cortes de cambala de
de lpico a So o 3*. pegas de cambraia llos
1*600, 2500 3 e 3*500: oa ra da Imperatrfx
loga do arara de 4 porUa o. 86.
*
ta.aa.
PoUftia.^flt'RMftSifl. >eote pf
VaadaSy poOseea da Raaaia da aaai noa e
snperior qA hi no aereada o a proco multo
commodo: no escriptaHaaM afiDol Ignacio d.
Oliveira & Filfcff, larga do Corp Sanio.
Cassas garibaldi-
nas na loja do
Pavao.
Vendem-*e nissimas cassas garibaldinas sen-
do estas cassaa ai mals modernas que tem che-
gado a 360 rs. o covado: na rus da Imperalriz
n. 60, loja de Gama 4 Si Ira.
Liquidado
de movis auwricanos,
Vende-se nata grande quantidade do movis
americanos, como sejam : ricos suarda troupes
de mogoo, meaaa rodeadas, ditai eVattcaa. coi-
tureirss, eilaotes para livros, secretarias, cooao-
los, ammodas era armarios, apaarddjorer, bn-
carpara jogo, aoria-taaaaaa^ carteiraa, looeede-
re, camai do casal, cornmodae, ele., ele, sendo
estes objeclos inteirameate.oaoderaoa, por pro-
c.os afeito- em conla, em caso de Jaa-Cyptiaao
Antunes, ra do Imperador a. 73.
E' fim de anno, quero
torrar.
Na raa daa Cruzes n. t, vendem-se os seguin-
llacarrao.'aletria e talharim a 320 Ultra.
Sag e cevadinhe, a 200 rs. a libra,
Queijos do ultimo vapor a 2$8Q0.
Manteiga iogleza a 860 rf.
Viono de Lisbo* a 500 n.
Peras, azeite e azeitonas, dita, a lg.
Eludo mais nao ae engeita dlnheiro 2 rista.
Vende-ie urna escrava erioola que tem de
idade 9 annos, bonita figura ; na raa de Apollo
numero 30.
Vende-se a Voz da ReligiSo, 5 volomes,
servida, mas em bom estado : na ra de Cadeia
do Recite n. 7, primoiro andar.

Potassa da fiussia.
Vende-$e eaa casa de N. O Bieber &
C, succetsores, ra da Cruz n. 4.
Muita attenco.
Cortes de seda de todas as cores o brancos, fa-
zendaa lindameote adamascadas, com 16 a 20
corados cada corte, pelo riiarinato-oreco de lflo
20$, ditoa com bebados a 200 ca la corte, mante-
letes de seda pretos a 18*. mantas de Monde pre-
tas a 6$, fazeoda que sonipre custou 105) oif :
antes que se acabe cheguem loja de tres portas
na ra do Queimado n. 69.
Vende-sai
Um rico carro.
rico e^legaole. carro mui bella-
o : no eicriplorio de Manoel Ig-
lacio da Olueiz* Filbo,, largo, do Ce/oogenia.
Vende-se na ra do Apollo
n. 31 defronte do theatro a $
a arroba, meia arroba a 2<500
e a 160 rs, a libra.
VeadO'M ga* americano de primeica qua-
Udade, em laUada 25 garraas, na razio flVal5J,
assim como lalas pequeas de 5 garrafas ; no
caos do Ramos oa. 18 e 36, e n ra do Trapiche
amero 8.
I
i
Vende-se chumbd de municSo, a dinijeiro a
Sil o quintal, e arroba a 59500 : no eacriplorro
de Antonio Cetario Moreira Dias, no Forte do
Mattos, ra da Moeda n. 27.
Venda de
Vendc-se aa la re de primeira qualidade pac me-
nos do que em outra quaLquar parte : no arma-
zem de Aotooi Ceaarie Mocaira Dias, .no Forte
do Maltas, ra da Moeda n. 27.
Para bailes.
Meas grioaldas napolitanas, proprias para bai-
les e casamento!, chegaram loja de Guimares
& Lima, no ultimo vavor lodo da Eoropa. sao
as de mais gosto que se tem isto, o que oraaut
com a maiorelegaocia o mais bello ponteado que
qualquer senhora pessa imaginar : aa ra do
Crespo n. 7, loja que faz quina para a ra do Im-
perador.
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca a 4j.
Duzia de meisseroas para bomem a
19200 e o par a 120 es., ditas brancas
muito finas a 2J900 a duzia, lengoa de
cassa com barra de corea a 120 rs. cada
um, ditos brancos a 160 rs., baldes da
20 o 30 arcos a 3fl, liazinha para ves-
tidos a 240 o corado, chales de merino
estampados finos a 59 e 6&, tarlatana
branca o de cores muito Coa com rara
o meia de largara a 480 ra. o corado,
fll de linho liso a 640 rs. a rara, pe-
Qai de cambraia lisa fina a 39, cassaa
de cores para vestidos a 200 ra. o co-
rado, mossulina encarnada a 320 no
corado,calcinbas para menina de escola
a 1$ o par, graraliobas de tranca a 160
rs., petos para camisa a 200 rs. cada
am dusia 29, pegas de cambraia de sal-
pico maito fina a 39500, pecas de bre-
tnha de rolo a 29, chitas francezai a
220 e 240 ri. o covado, a loja est
aberla das 6 horai da manhaa as 9 da
ooite.
Venda-se a muito acreditada loja da miudezas
lita na raa da Imperatriz d. 82, sondo asa em
urna das melhores localidades, muito pxopria pa-
ra>4ualqer principiante, por render-so cqm o
sorti ment, de forma que o noro comprador nada
precisar comprar ; veode-se a prazo, conforme
ie cooveaciona. : a tratar na mesma ra d.'46,
loja.
Feijo de corda.
No armaxea de Tasao Irmos, ra do Amorim
a um ero 35.
Soahall Mellors & C., tendo recebido or-
dem t>ara.vender o seu crescido deposito de rslo-
gios rrsto o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; cuntida, porlaoto, spessoas qae quizerem
possuir um bom relogio de ouro ou prata do c-
lebre fabricante Kornby, a aproveitar-se da op-
portunidade sem perda de lempo, pan rir.com-
pra-Ios por commodo prejo no seu escriptorio
ra do Trapiche n.28.
Fabrica do Monteiro.
Grystalisacao e refinaco
e assucar.
Dtpositt oa na de Atollo a. 6, e praea
da Boa-Yisla n. 26.
Este importado asUbelecimento contina-a
fornecer aoa aeui innmeros fregueres do airo e
puro agiucircrystaliaaOo, em p e em pea, i."
0 2/ qiialidades, pelo pceo de ICO o 200 n. a
lihca, e do refinado a 100, 120 140a libra, seo -
do que em grosso o comprador lea m descont
favoravel. Mas mosmos depositas tambem se
rende mel de aaaucar a 600 rs. a caada, e car-
ro animal em p a prego commodo.
Novo destino do
torradorlttt
23Larga do Terco23.
Vende-se manteiga ingleza especialmente esco-
lhida a 800 e 900 rs fraoceza a 640 o a 600 rs.,
assim como se lorram outros mullos gneros, co-
mo seje, caf, arroz, azeite doce, reas de esper-
macete e carnauba, ele, etc., o se acaso alguem
duridar venha rer : a dinheiro vista.
Potassa da tossia e cal de
Lisboa.
No bem conheeido a acreditado deposito da ra
da Gadela do lleeife n. II, ha para rendar a Tor-
dsdeira potassa da Russja, ora o de superior
qualidad, atshn comotambem cal rirgem em
podra ; tudo por prego a mais baratos do qua am
oatraqualquerparte.
Vl?
36, ruadas Cruzes de Santo Antonio, 36,
A, F. Duarte
Atten$;
.t
Cbgou na toa do Queimado a. 3, loja de 4
portas melpomenefmoeflal com 6 paimoTde lai-
gura a 29600 o cotaOc^ anaismodereo e apura-
o gosto que se pode encontrar para vellidos de
ssnnoraa e meninas.
Vendo-ae na loja de N.bur o4C^?S
roa Noro n.2, os mais modernos chapeos
do palha a Traviata para Seohona, ditos
a banoaldi, ditos a Carour, ditoa de seda
i 7,?." ""os, ditoa de palba a
Oaribaldi, ditos a hespanhola, e de
raa muitas qualidadea lano de seda
mo de palha que se vendem mais
do queem outra qualquer parle.
ou-
co-
baraio
Almcid, socio que foi do arma zana progresso, faz sciente aos seus fre-
guezes que tendo separado a^^ sociedad que tinlia com seu mano, acha-se de novo estabele-
cido,com dousiAceiados armazens de molhairjias, associado com o Sr. Joaquim Jos Gomes
de Sou^a^fp na de Duarte Almeida Siiva: estes estabelecimentos offerecem grandes vantagens ao pu-
blico, nao s na lirnpezaeasawo coatv que e acham montados, como em commodldade de
preco, pois t|ue para iss r em direitura, afim de terem sempre completo sortimento, como tambem poderem offerecer
ao publico irma rantagem de menos 10 por santo do preooquoposaam comprar am outra qualquer parle, por isso desojando os proprietarios acredi-
tarom sMsostafaalssM(Mos tem deliberado garantirn toda e qualquer qvaataaas de generas Yondidos em seusarmsiens, e assim j peder ter o
publico que pode msndar suas encommendas, mesmo por pessoas pouco pri ticas, em quaquer um dcsiesetlabeleeiBieBtog, que serio lio bem servi-
dosrcom6 savifleam pessoalmaoU, na corteza de nunca acharem o contrario danossos annuneios, e assim fundados as vaulsgens que oflerecemos,
P*^*.iS?i!MW^M* F****1**^118 "gna*arraio*oa v awa*i*caAesWs suas eBeommendas a'prlmeirsvez, sfim de esperi-
monur, aartos de coirtmoarem, poisque paTa isso nao pouparo os proprietaria forcas paraborasorvirom aquellas pesso a a qae frequentarem noeoos
estabeleciuMniosfc.aba.ixp,ira0sc/iVfl^^ por onde rer o pobiieo qae vendemos baratsimo, attendendoas boas
qualidades de nossos gensros.
Manteiga ingleza especialmente escomida a 800 rs. a Hbra e em portao *7t, recommenda-se aos apreciadores destete genero que
mandem ao menos expanmenlar. socios de nada perderem pois par* isso confirmamos o que levamos dito.
rif? 6Za a menor do nnt$Ao a 640 rs. a libra e em barris a razio de OOrt. a libra
L n nySSOU e pretO 0 melhor do mercado de 170 a 880 a^rcjio ter abat ment, eafian9a.ee a boaqualidado.
Presunto fiambre n^z hambargwe a 900 rs. a libra e em poreao a 800 rs.
Presuntos portlOgaezeS vinaza do Periodo usapaciicaJar a 560 rs. por l-ra-ajnteiro-a 460 rs.
Marmelada dos melhores autores da Lisboa premiado as exposi(es universaes de Londres e Paris a 1&800 a lata.
CaixaS COra estrelinha pevide e rodinba a Tpm a ct e 800 n. a libra e em porco lera abatimento.
Latas de ameixas rraneens com cinco libras a 40060 e I000 a libra.
Passas emaaixinaaadeoiloHbra, as melhores Je mereado a 3JI&00 oa 600 rs. a libra e cana de urna arroba a 89500.
Espermacete Superior a 740 w..mcaixa0.760,rs. a Iiba.
Conservas francezas in^iezas e portuguezas coo e aoa rs. o ta#o-
Kr Vllhas portirgaecas ofrancoas* 800 rs. o frasco afianca-se erem as mais bem preparadas que tem rindo ao morcado.
Lata COm bolaxinba de SOda de direrm qnlldades, a muito ora t VMdO. e grandes de 4 a 8 libras do2500 a 4500.
YinO em garrafas Duque deporta, Porto fino, genuino, nadar, Carcavollos, Madeira soeea, Feiloxia e Camones a -1200 a 13G0
a garrafa a a 13* a duzia.
Vinho em pipa propries para pasto da 500 a 600 rs. a garrafa ede 39800 a 4|800 a caada.
Latas COm fructas de todas as qualidades que ha era Portugal do 700 a 100U a lata.
Pera em CaixaS de 4 a 8 libras a melhor que aa aode desojara tem viudo ao mereado de 49 a 6 a eaixa o 19280 a libra.
Lorithias em frascos de 1 1,3 a t libras de 1600 a 29200.
atas COm peiXC Savel pescada a outras muitas qualidadea o mais bem arraojado que tero viada ao nosso mercado do 19400 a 19600
Aramia a melhor que ae pode dosejar a 320*. a libra, e 120 rs. a Kbra-de gomma.
raseOS de amendoa com2 libras, proprias para mimos, por serena muito bem enfeitadas e desuperier qualidade a 39 cada um.
Vinagre branco o molher que lomos tido no mercado a 400 n. a garrafa o 29560 a caada.
LominhO e erva doce os mais aovas que ha no mercado a 800 a libra do comiaho e a 400 rs. a oeva doce.
Vmno BordeaUX de boa qualidade a 800 o 19 a garrafa ede 800 a 109000 a duzia,
MaSSa de tomate em latas de urna libra do mais acreditado autor de Lisboa e vinda a pr imeira vez a nosso mercado, de 19 a 19280.
? 12 libras, o 400 ra. a libra dos figos. r
Cervja das melfcfor^a m*roa *M 9Mm... 5 e q^^q du8it d, branca.
Vinagre puro de llSbOa 240 ts. a garrafa e 19850 a caada.
Doce da goiaba da casca enroaiaio a 19 e em poroso a 900 rr.
Azeite doce purificado a OO rs. a garrafa o 99000 a eaia eom 12 garrafal.
Gognac a melhor qnandade qoa temoa ao mercado a 19000 a garrafa o 109000 a duzia .-
QUIJOS SUSSOS eaegados ltimamente i 500 r. e em poreao lera abaUment, afianza.se a boa qualidade.
Genebra de Hollauda a 600 rs. o fwscoa 69500 a frasqueira com J2 fraseos.
PalitOS Hxados para denles a 200 o 160 rs. o maco eom 20 macinhos, e flor a 280 rs.
dem do gaz a 39000 a greza 260 a duzia da caitas.
Chocolate o mais superior que temoa tido no mereado portuguez. beepanhol e franeez do 19 a 19200 a libra.
Azeitonas aamelhoraaomatf novoa que tem vindo a nosso mercado a 19200 ancorla do Porto, e a 29000 aa da Lisboas
Amenaoas ehegadas no ullimo navio a 480 rs. a libra e em porjao. ter a batimento.
Alpista o maiiimpo qua tem viodo ao marcado a 160 ra. a libra o 59000 por arroba.
A lm dos gneros anounciados encontrara o publico un completo sortimento da tudo tendenle a molhad
Nabuco A C. Com loja na ra Nova o
2,receberam pelo pitia oaaip.um lindo
aoiiimeoto de enreites da troco com ri-
dnlhos, ditoa de reoipreto o de corea.
ditos de fitas e flotes, licasgrinaldas pa-
ra noivss. e outros moitos enfeites
se rendea buato.
Rap franeez
Vende-se oa loja da Nabuco & C. na
ira n. 2, rap uanaes a 3& o libra.
Nabueo-aVC com lo)* oa ra'Nora'o.
z, acaba a de recobor poto ullimo oario
frtncet um lindo aottiraenio do restua-
noa para -meninos do S a f annos, como
ajam vealuariea de velloOo, ditos de se-
da, ditos de marin, ditoa Oo fsiao bor-
oadoa e do oatras muiUs cualidades que
so rondem maia barato do que ea outra
qualq.uer parte.
Sintos para senhora.
Veodeee na loja da Nibuco C. na
.ra Novan. 2, ricoasiotoa dourados, di-
tos> Prateadoa, ditoa de lus de aeda o de A
reUodo tudo per preca eommodo.
AdMfiteMMQ eMflKttSM5M.et3%
Amusselina do Pavao a
200 rs. o covado.
Vende-so mnsselma branca com 4 li2 palmos
de largura fazeoda muito Ana palo dlminalo pre-
?o de 200 rs. o corado, cortes de chita inuleza
com 10 eoradoa corea fitas a 1JS00 rs., ditas de
muaselma branca cem 10 covados a 2 tudo
parapur.rdloholro: na raa da Iaperatriz t.
60, loja de Gama & Silva.
Lindas flores.
Nalojad'agoia de ouro, ra do Cabug n. 1 B
receberam de sua propria encommeoda um com-
pleto sortimento de flores, o mais fino que pos-
sivel eueontrar.propriaa paraeofeiles decabecaou
vestido, couta muito chique, que se rende per
pieco que admira, sendo a 800 e 1 o cacho.
fmmmmmmmm
* mm ? 8e uma bircS de lolato de
S5 calzas aendo esta nara com todo seu
apparelbo, cuja ainda est o estaleiro,
construida coa aa madeiras melhores
que ha : os pretendentes podem dirigir-
se a roa da Praia d. 9, araaiem
achara com quem tratar.

que
Arados americano e machina-
par alavarroupa:em casa de S.P. Jos
hston dt G. rua da i ;ixz.ala n.43.
Leques.
Venlem-se lindos leques de madreperola, o
mais fino possivel: na loja d'agula de ouro, ra
do Cabug n. 1 B.
Lene b*acos muiio
UM.
Vendem-ae lencos brancas muito fios, pelo
diminuto proco de 29400 a duzia, graude pe-
chincha :' na loja da boa f, na roa do Queimado
numero 22.
Farinha de mandioca.
propria para animaea :
Vende-se ea aaccqa^
no bceo Largo n. 6.
Veude-se aunerior sebo
las o sabio, latas com sslaao
polo armazem o. 67.
ea pie* para xa-
, no caes do Apo-
Fazenda modernissima para
yeatido, na foja do pavo
Acaba de cbegst a este ealabaloUDa&io pelo
vapor franeez um linio aoilimeulo de gorgurdea
de sela, faxrnoa ainda nao vala neste morcado,
que ae vende por prego baratlsaimo, por estar
muito prximo a feala, aaaim como lindas mar-
quezinbaa oa chapoozirhoa de sTpar) aeuKBra :
naaaa 4a Imeeaatri n. 60, leja de< ataa V
Silta.
rpDICO LOW-1O0B
' Raa daSenzalla Nova n.42.
Neste ostabalaeimoaio continaa bavorna
ompleto sortiaaen to domoenda eaeias moon-
das paraengonho.aachina da vapor alaixas
(farro batido a coado,da todos osiamanbos
para dito,

Muita atlcnco.
Francisco Antonio Correia Carioso tem para
vender em seu eatabeleciaento de fundiqao e
caldeinria da ra do Bruna n. 54, os objectos
baixo declarados, qde os vendo por preco muito
commodo a saber :
Unrt meenda intelra grande, ebegada ha pouco
de Inglaterra, da melhor o maia forte constrnc-
cao, propria para vapor, ou para ser movida por
agua. %
Ferro sueco em barras largas da aeerbor qua-
4ii.r, Tn,r multo menor preco que em outra
qunjquer parte.
Tnfhos para estrada de ferro por preco bara-
tissimo.
Zinco em folhas, proprlo pati'obrir torhdoa
e terragos
Ctoos de chumbo para eneanamento d'akua.
Ditos de ferro balido para o mesmo flor.
Chumbo em barra multo mais barato que em
outra qualquer parta.
Tornekaa de brome *0 todos oa taaanho, dito
jQffO, S
Arame.de lato de raas grossuras, dito dito.
Cadinros-para-roBdieo, dito dito.
No aeomo otahelecimento fabrieam-se machi-
naa para rapor. obras de ferre.'brooze, ou qual-
quer outro mefal para navios, moendns para en-
geoboa, e outraa muitas ubras, tudo a conteni
dos que aa desojar.
fila > degrada.
Chapetioaa fraocezas de seda, como de fil, ti-
camente eoUafla*. Rara aa senhora que quize-
rem luzar com pouco dinheiro, por todo preco a
aher : de a*. 4*. 8,9 e 10*111
Luvaa de pellica ae Jouvn parasenboraso me-
ninas, senda brancas a cor da canoa a 1 III so
na loja de fazeodas que esta em iiquidacio. ra
do Cabug o. 8.
.'S
na
Esleirs te Augolta,
Vendem-aaea.*oaa eateiraa de Aagorla .
& clali.0 R,Ur D* "deP^k> de ^0 Mias pmra 8f)B\\ra.
Veadem-aa auperiorea aeiaa para aeohora pe -
lo UraUaaimo pre;o de 3|bU0 a duzia oa laja
da boa le, na xua do Queimado n. 21.
los.
Esperaba.
Recebou de sua encoaaenda pulcoi- w
qP ras de cabello qoa vende por 10} o par, tf
ja braceletes de mosaicos a 69 cada na, m,
v aglhas victoria a WO rs. o papel, pen- '
9 tes de tartaruga a 8, 10 e 12$. precos 9
porque ninguem pode vender (boa fa- f&
fe zenda) estea artigos nSo se encontra em J
^ loja tienhuroa porissovaoa ruadoQuei-'w
9 ""do n. 33 A, foja da Espranos. 0
Esperagreduz a exprs-
. s&o mais simples.
(A' DINHEIRO.) O
Todos os artigos que esli na loja ala
muito barato quem quizer vi comprar e
veri : ruado Queimado n.33 A, Guima- V
raes & Rocha. A
s
Ra da Seozaa Nova n. 42.
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro coacto libra 110 ra. dem
de Low Moor libra a 1^6 rs.
Ra da Cruz n. 48
No eseriptorio da E. A. Burle j C. vende-se
uma riquiaaima mobilla de aofno toda do obra
de talba o mais modarno o melhor que pos-
sivel, por prego muito raznavel; no mesmo es-
criptorio ha a venda excajleates mobilias fingto-
do junco guarnecidaa do aaamoce a 350#, como
tambem ha carteiras para pianos, lavatorios, toa-
Ihetes, cabides tudo por procos qua admira.
0 PaVafc
Vende-se calcinhaa bordadas pora meninas a
19, luvaa de sedo tanto para senhora como para
homem fazeoda em perfcito estado a 500 rs. o
par, siotoa de todas as qualidades para oenaoraa
e meninas o saiaa bordadas com maito gosto:
na ra da Imperainz n. 60, loja de Gama 4
Sirva.
t.
Urna
Vende-se uma barcaca do porte de 35 caixsa.
eocalhada no estaleiro do rr estro carplhteiro fa-
ciolho Elesbao, ao p da fortaleza das Cinco Pon-
tas, sonde pode ser vista e examinada pelos pre-
tendentes ; vende-se a prazo ou a dinheiro ; a
tratar com Manoel Alves Guerra, na roa do Tra-
piche n. 14,
Vende-sa uma casa terrea na ra do Mn-
dalo > a tratar na xua da Imperalriz n. 86, se-
gundo andar.
Vendem-aeduas carracas para vender agoa
oa rus, e uma de caixio para maieriaes Coa S
neis muito booa o j QVitos a est- servico, assim
como tarabem uma carroja de 800 tijoloa o um
cavallo muito bom quem oa pretender, dirja-
se a ra Direita dos AJogados, casa n. 60,
Sal da Ass.
Vendo-so sal do Asan, a bordo do briguo bra-
sileiro -Adelaide, receotemente chogsdo : a tra-
tar do escriptorio de Bailar 4 Olireira, rus da
Cadeia a. 12.
?ia loja Ao Vapor
Hua Nova m. km
acha-se barato grande aoiUmt nlo de calcado fran-
eez o ioglas, roupa feita e perfumaras muito
naa.
Chitas largas a 220 rs.
na loja do Pavo.
Vendo-ae finiaimas chitas fraocesaa con pe-
queo toque de mofo, aDiaocando-se soltar o
mofo logo qae ao lavom, por aerea do cor fizas
a 220 ra. o corado : na ra da Imperalriz a. 60,
loja.de Gama A Sra.
Na padaria da ra doa Quarteis n. 18 con-
liaua-se a vender o eicellente pao a 120 rs. a li-
bra, de meia libra para cima, bolacbiuha a 100,
ltOe 140 rs. a libra, l.\ 2.* e 3.a ; a farioha l."
qualidade a 140 ra.,2." a 110 ra., 3 a 100 ra. a
Irbra, bolachioha doce a 140 ra. a libra, por ar-
roba 4a, arruta a 240 a libra. O proprietario
desta padaria ainda tea para diipr terreno para
mais de SO c>saa de 30 palmos cum 150 de fun-
de : os pretendentes podem eotender-se com o
mesmo proprietario que todo negocio far tiata
do logar que escolherea.
Manoel Antonio de Jejua.
Vendem-ae Ubras sterlinas ; no escriptorio
de Amorim Irmos. ra da Cruz n. 3.
SLoja das 6 por-|
tas em frente do Li- J
vramonto.
S Roupa feita muito barata.
Paletota de pana Bno aobroaaaaooa,
| ditos de casemira da eox de fusto, ditos A
A de briai de carea a braocoa, ditos de 2
g ganga,calcas de caaemira pretaa o de 9
9 corea, de brim brauco e docor^a, degaa- fB
aa a, camisas aoa peito de linho muito ag.
P fioae, dius do aHjmdao, kapeoa de sol 2?
V de alpaca a 4* cada ua. B
SHN-eWaNM
Vestidos para ca-
samemos.
Rlqrnssimos cortes de yesttdos de Monde bron-
cos bordados s.seda, sendo os latores de muito
gosto, coma grrnalda de florea otamos para o
peilo, os maii proprlos al hdle para noivas t na'
ra do Cnespo ri. 7, loja de Quraarls Jj Lima,
eaquioa qua volta para a ra do Imperador.
Vende se uma armadlo propria para qual-
quer negoAa, com um paiol para sal", a tratar na
roa daa Cinco Pontea n. 91.
Nova exposico.
Ra Nova n. 20.
Riquiasimo sortimento de colilerias em todo
o genero, assim como um riquiasimo sortimento
de louca de porcelana para cdzinba, riquissimo
fortmento de metaes, riquissimo sortimenlo de
miudezas, e outros muito artigos, que com a vis-
ta do comprador se poderlo apreciar : na ra
Nova n. 20, loja de Caroeiro Viaona.
Bombas dejapy.
Roa Nova n. 20, loja de Carneiro Viaona.
'Canoa de chumbo.
Roa Nova n 20 loja de Carneiro Vianna.
Aos proprietarios de carros,
correeiros,
fabricante de bonets, etc.
Pechincha nunca vista.
45Ra Direita45. -
ci=Grfl o" C0BM* de boi, inteiros, .de lustre, de
25} a 35$.
S.oaoa aaaroHai para mililarea a 29 o par
na loja do Nabuco & C, na roo Nova n. 2. _
ooooooo*oooooooooo
Venda-aa o grande sitio dtnoainsdo Cale*
na. sito na (roguaiia da Vanea, 4o muflo booa
ierras, qua lado quanto se plasta da orna graade
quantidade, com uma casa de taipa j reborta,
unta dita deUzer trinha, grande quantidade do
pea de oateseiroe, com diversos pea do fructeiras,
aoao aoja.latgmiraa, ceqaetres, oto., etc.; o
tambem vendom-oo duas voecaa que dio bstan-
le leile, uma dellaa com a firia j graade, e am
burro mu : a tratar na ra do Sebo o. 90.
Lifcras sterlinas.
Vende-se no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveisae, JaUvo, largo.do Corpo Santo.
Queima-tudo
ir ?
Servo paro ae dotar neo castijaes e segurar a
vela de eapevmaeete, fazeodo-a qoeimar at o
fia, e preservando os mesmos de so qnebrarem
com o- oalor da lu: vende-se a 500-ro." cada
queima-tutfo, na ra to Qoeimado, lojad'aguia
orraca o. i.
Joaqalm Francisco do afelio Santos avisa aos
oaasfrasjortrteadetts prato o os de fdra, qae tem
exposto i venda sabio de aoa fabrtcadenc-ainada
-Reeffndtriazom dosSrs. ^vaJaStlnior
i C, no raa de Amorim n .98; maaaa amarella,
caatanha.preta outras qualidades por menor
prego qae de oatrasfabrtcas. To moamo arma-
bem tea feito oaeu deposito develas dacarnaa-
saaimpT^soam mistara alfuma, cobo
compoaiclo.
Vende-so a bordo do patacho nacional Pauli-
no ; a tratar coa Marques, Barros & C. largo
do Corpo Santo. w g0
Vendom-se globos para candieiros, e bom-
ba* de japi, mais barato do qoe em ootra qual-
quer parto: na ra larga do Rosario, n. 34.
Antonio Piolo de Azevedo vende o seu si-
tio denomiaado Megonga na fregoezia dos Afo-
gados, o qual tea ama boa casa de pedra e cal
pare vivende, senzala, casa de farinha e forno,
boa sgoa para beber, ua bom vlveiro de muito
boa prodcelo, e dous mais qu necessitam do
obras, tem grandes terrenos para plautoces qae
dio pasto para 10 vsccaa de leite aDnualmente,
muito bons arvoredos de fructo, como seiam -
200 pos de v.oqoeiroB j dando, e mais de 500
prestes a isso, laraogeiras, msBgueiras, goiabei-
ras. llmeiraa, cajueiros, frocla-paese outras mui-
tas, o muitas outras vanlegtaaque seras patentes
ao comprador, como sejam : grande quantidade
de mangue ji em estado de cortar, ac, etc. oa
preteodeotesdirijam-se a rna da Praia, armazem
n. 45, taja venda ser feita com dinheiro vista
ou o comprador desobngaro annunciaole por le^
tras qae elle deve ao comaercio.
Escravos fgidos.
Fugio em 5 do correte, do engenho Pao-
torra, o eieravo Jos, crioulo, de idade 40 annos
cor preta, baixo e corpo regular, carreiro, gago'
e nao anda direito por aoffrer de cravos nos ps
neste meaao da tambem fugio oescrso Antero'
crioolo, cor fula, de idade 40 annos, alto, corp
regular, no andar puxa por uma perna, carrei-
ro, e tambera trabalbs de mestre de assucar. Ro-
go, portmto, aa autoridadea policiaea o aos capi-
taea de campo, qoe os preodam, e levando ao
dito engenho seo gratificados.
Escravo fgido.
Fugio no dia 23 do correte, da fabrica da ra
doBrum n.84, o escravo Antonio, crioulo, da
idade 20 antioa, pouco maia ou menos, de estatu-
ra baixa e reforjada, com signaos de bexigas no
rosto e fxoda peros eiquerda, descoolia se que
tenha elle ae evadido para algum dos engenbos
ao noite desta praca por ter j isso praticado al-
gamas vosea : roga-ae, porlanto, a qualquer pes-
aoa que o apprehender, o favor de o mandar en-
tregar na fanca cima declarada, que se lhe gra-
tificar.
Fugiram do eDgenho Conceigao, sito na fre-
guizia de Traconhem da comarca de Nazareth,
no diai4.de nnvembro de 1860, dous eacravoa
mulatos eom os nortes e sigoaes eeguioles: um
de nomo Paulo de 45 anuos de idade pouco mais
ou meoOa, official de pedreiro, aapaleiro o pti-
mo bolieiro, de edr alaraojada. cabellos carapi-
nboa, rosto descarnado, olhoa braceos, nariz o
bocea reculares, um pouco secco e de estatura
media, o qual tem doua dedoa da. mao direita
alaijados do um psnarico, e tem Umbem o dedo
minimo da mao eaquetda coa igual dt-feito, e
cima da sobrancelha de um doa olhos uaa cica-
triz, proveniente de um talho, e outra cicatriz
com um carocinho cima da mesaaf com um
dos denles oa frente quebrado,quaodo ae embria-
ga torna-se arrogante^Esse eacra'vo j foisur-
rado e concia andar peto Recife, Undo sido visto
para aa bandas da Soledade e Santo Amaro por
algumas pessoas, a quem lea dito haver-ae liber-
tado. O outro, de nomo Felippe, de cor triguei-
ra, cabellos carapioboa, estatura baixa, ou regu-
lar, bem barbado, um pouco secco, bom fallante
e cantador, coa 80 anona da idade, anda ligojie
o muito despachado no servico de erizada e foi-
ce, com falta de denles na frente, com olhoa ua
pouco pnc ob.dpa e capiongos Quem appro-
haode-loa leve-os ao dito engenko ao aeu aeohoc
o teneote-coronel Joio Caralcaoli Mauricio
Wanderley, que generosamente recompensar.
-
Kscrav fgido.
Desda odia 24 de eutunrop. p. est fugio do
escravo mulato Joaquim, estatura rogular, ede
dar, brged s e peira, foi escravo do serlio':
qoea o pegar leve-o a roa da Croz n. 48. casa
de seu snior E. A. Burle, que ser recompen-
sado.
Fugio do edgenbo das Hallas, comarca do
Cabo, no dra 28 de sotembro de 1861, um escra-
vo por nomo Joio, crioolo, verroelho, altura re-
galar, grosoodo corpo,?osadoado. idade do tnn-
ta o taores enoot, metteo-se as natas do enge-
nho do Monte, at que lhe tiraram uma plga
que lavar, e iogo'que se vio aem ella dizera qua
furtou um quarto mellado com cabellos preto,
a"eom prinMtdo do carrego, e tambem fez um
iequeno roubo de roupa : desappareceogD caval-
o a 17 de outnbro. Este negro ji tem sido pre-
so no Recife duaa reres, a primeira vez traba-
Tbendo com maearrosa. e a segunda vez foi
preao trabarnando em um armazem do assucar
aa da como foro : quem o pegar leve ao engetrho ci-
ma, que sua bem recompensado. >
W aata' fa'1,
t;


IB
Literatura.
* -*
Algbis errus de gtsto contemporneo,
e tlerii am*
abeo* de

y
(Conduelo.)
Mr' ^gat f" Pei;da* t**s mooogra*
pnws Je i hl8l0.
ru iia* vurssiifMes e aventuras da arto entre ar
queda 1o inope rio romano e a grande rcatsuracao svstems.
uo secuto \r. ^ um cspttolo muito cus* piel.
e;n q je o autor calcula e eslu la urp a um lotos'!
os elementos que entra rara na composiijao d ar-
te mulerna, fque deviso) formar por aatim di,-
zer a materia raorai sobre que o genio odividual
e a livre fantazia dos grandes artistis dei(*rBm um
da exsr.iur-se, Lendo este capitulo cara arten-
cao o leit#M>#| dar-roa razio porque as gran-' ;> cim
des escolas sao to raras, e cbriricr, uma das o chaj^k apraaota
grandes leu qu presides. aua foraaco.
O genio do artista nao 6 ludo as artes, der*
haver orna materia sobre que etle possa exercl-
tar-ae. e. esa* materia, sua vootad incapaz de
dar. Quando II* esiste, o genio do arlsta ai-
tinge o auge Je seu esplendor; quandonio est
alada formada, ou quaado ae aeha airida, o
genio do amata torua-se feaco, esto'U, ou antes
perde-se em cenoepcoea desordenadas.
E a humanidade que fornece ae artista esta"
materia moral to preciosa e rara quaoto o mar-
more de Cicrara o lapis-lazuli. Sao precisos
scalos pata.prepar.e-le para asta-la nao bas-
ta mais do qae uma estecho. Cootem-se oa se-
culos desle a queda da imperio at a appsrioao
de Cimabue e Gtollo. e desde Giotto at Leouar-
do, conlem-se aioda todas as apalpadellas da ar-
te, todas aa tentativa imprudentes, incoasilira-
das, incompleta* das escolas que se succedem, e
ter-se-ha uma idea do quaoto custa i Datareis o
parto da urna grande poca como a restaeracSo.
No amalgama que servio para formar a mate-
ria necessarii a um ftaphael, Miguel Angelo ou
Leooarlo, o tempo os homens lera juntado lu-
do o que liana de mais precioso e raro.
Tres cirilisacoes tea ooncorrido para esta obra:
a civilisacjo antiga, byssutina e christie. A'dl
memurias e aos restos da arte pagia, prescriU
pela ora r^liglo. em juntarse successivamen-
te os lypos chrislaos ragarosamente elaborados
pela ( sincerados artistas das catacumbas, as
magnificencias orientaos meiobarbaras dos artis-
tas bysaotipos, o seolimenio profundo da arte
golhics. Todos esses elementos se uera em un
combinago cada vez mais hbil, no meio das
Ticissiluaes mais dirersas, das mais laboriosas
experiencias. F s assim que poderiam appare-
cer es virgeos do Rsphael, e as sibyllaa e pro
pnelas de Miguel Angelo.
Apparecem emilm essas obras do genio huma-
no lentamente iniciado, noa segredos da nalureza
e belleza por um estudo asaidue de dez seclos,
e apenas se manifestara j a (oute est esgutada e
a materia consumida.
O periodo da grande arte comeca cora Leonar-
do e acaba com Ticiao, se bera que si possa di-
ter que a sua elevarlo contempornea de sus
decadencia, ou antes que a sua perfdicao nao
mais do que comeco de sua queda. Sobre isso
so podem azer muas reflexdes melanclica.
A belleza, o genio e a sciencia sao de curta dura-
cao sobre a ierra ; a featdade. a ignorancia e a
imbua pelo contrario nella f.izem a sua morada.
O livro de Mr. Clemant um ddtsea litros, d-
que muito precisamos, e sob esse titulo, pode ser
recommeodado a todos aquelles que desejarem
ver o goslo das arles espalhar-se pela Franca e
illustrar-se. Esse livro tem um mrito hnje nao
vulgar: nao falla aoa leitores seoio dos grandes
artistas, e nao oa lera seoo s regioes da grande
arte f assim pode ensinar-lhes o que derem ad-
mirar e como o derem fazer.
Cada gera<;ao tem auas enfermldades de gesto :
urnas vezes o pedaulismo, outras o dilellanis-
mo, outras a supersUgao iatoleranleou o fanatis-
mo exclusivo. Os nossosso uma curiosidade pue-
ril e um amor infantil do revendi em arte comoi
em litieralura.
No desejo de descobrir cousss oras e nao re-
petir servilmente o que diziam oossos antepassa-
dos, temo-nos laucado por todos os cerninos ef-
asla.los e estreiios; temos carado- e revolvido
trras esteris o areentas, temos apandado lodos
os ourops desprezados da arte, aceiado e enver-
edado todas as velhes telas esquecidas. E' ver-
dade que temos feilo algumas descobertas felizes,
temo feito desappirecer alguna injustos emba-
races, e dalo algumas obras de mrito o eeu
yerdadeiro lugar: mas nao tem dado ji essa febre
de curiosidade ludo quanto poda dar, ji nao
anteaba degenerar em para nimia ?
A' (orea de esquadrinhar a arte secundaria e
gastar nossa curiosidade com os artistas inferio-
res, temos quasi acabado por esquecer a grande
arte, e remo-nos na necessidade de, para limpar-
mns o p de nossas pesquizas, refresear-noa oas
fontes abundantes e verdadeiramenle fecundas.
As ger'ces que nos precederam acabaram por
cahir no pedantismo em razio de aua cega admi-
raiu pelos graodes mestres; por nossa vez cor-
remos tambera o risco de cahir nefte por nsso
amor prolongado para com as obras de ama im-
portancia secundaria
Nossa faculdade de admirar tem certameote
adquirido muita delicadeza e imparcialidade;
mas agora arrisca-se a perder a digoidade e a no
treza.
Para conservar essas virtudes, no caso de que-
rer, o nico meio voUar aoa grandes mestres.
Em vez de procurar por toda a parte noroa as-
uraptos de admiracSo, nio seria mais prudente
a nossa gera$ao seguir o exemplo dado por Mr.
Cleraent, procurando as graodes obrss, esforcan-
flo-se por admira-las de uma maneira indepen-
aente. como se as visse pela primeira vez, pro-
curando seoti-las de um modo pessoal, como se
tunca tivessem sido apreciadas ante ella ?
Essa admiraco reconquistada em seu pri-
meiro vigor, restsbelecioa em sua flor e simpli-
cidadi peios prosprios esforr;os de cada geranio,
contera talvez o segredo tantas vezes procurado,
que permitiiria combinar as virtudes dalloerdade'
com as rantagens da tralicn.
EllLE MOITTEGIL.
[ftvue det deux mondei. Ulisscs.)

Variedades.
Exposico Agrcola-Industrial.
CATALOGO DOS OBJECTOS EXP0ST0S.
PERNAMBCO.
PRODUCTOS nVBOgTRIAES.
Expositor, o governo da poflncia,
N. 1 e 2. Oous quadros a oleo.
SSo duaa copias feilas pelo hbil artista o Sr.
Arseoio Fortunato da Silva, quando esludava em
Paris como pensionista do governo provincial, e
perteneem a eapelta do psttrio tflrptesfdencia. O
quadro n. 1 representa S. Francisco Xsvier visi-
tando ama enferma, sod.I S. Vcenie de Paula
n'um recolhlmento de cf>ii05as expostas.
Expositor, C. Schlapritz (estrangelro.)
N. 3 Um quadro a creiio preto.
Representa uma vista da Paiaagem da Magua-
lena, rom a ponte por inteiro e as bellas casas de
campo, que lhe fleam a direfta.
N. 4.Um quadro feito a bico de agulha sotre
o tuodo de ora pralo traresss e de poretrana
branca, esfumando a luz de um candieiro.
Representa no centro a cabega db um co per-
diguero que" parece querer sahir do chenil, a dl-
reia a a qaerds, grupoi de cajadores e ces p*or
entre ai arvores de urna matta,
Ns. 5 e .Doas retratos pelo systema da pin-
tura cima.
Esli feitoa Cada qoal no fundo de um pralo re-
dondo, e sio do Exbj. Sr. viseonde da Boa-Viata
6 do Exm. Sr. AoIonio Marcelino Nunes Gen-
calves.
Expositores, Stall & C. photographisos da casa
imperial /eatraogeiros.)
N. 7.Um grande painel a oleo, representando
a cachoeira de Paulo Affonso, no rio S. Fran-
cisco.
Este quadro foi piolado palo Sr. Wahnachaffe.
' copia de uma photoerapnia taita pelo Sr. Stall
por ordem de S. II. o Imperador, sendo o ponto
de vista de que ser vio-ae o ar lista, o meses o de
onde foi vista a catadora pelo augusto viajante,
quando eli estere, tito do lugar denominado
Angiquinho.
Na. 8 a 14Sele retratos differentes peto noro
systema cenotypo.
N 15T-Um retrato do Sr. conego Joaquina Pin-
to de Campos.
Eat pintado pelo aysiema cermico, a foi exe-
cutaao pelo artista o Sr. Wahnsehafle.
' Ns. 16 a 18. -Tres ou tros retratos dimsoe a
oleo.
Expositora, D. Gailhf-raaiBa Borges,
N. 19.Uma aquerelta, flores. '
N. JO.Um grupo de fruelsa a cril pifio.
Expoailor, Rjcka Pereira.'
N. 21.Uqa retrato.
N. M.--Una estudo representa
ana mulhet que sent uma ddr r
Expoattor, Joio Perruiri
N. 23 Um quadto eontendo re
Jem ambrotypo.
Ns. S4 a 19.Seis oujfaa, letratos neto mesmo
-
Expositor, X^emB*>!aaflBr N. 30..Umauadroia oleo represnotando a ca-
choeira de Paul Affdlrr oVjHF'mBBcajar'
Este itfbalho copiado pelo art|tS Arseoio
FortuoaHLtai Si
por eKptesao M^^Vda a vista de ara
ponto d!| ffeo do em que f5i i oulra de
os, e na occaatio. aWaado-aa o
%.*aL
fe ; aqu o espraiaa* matar aM asaast
o painel, emqaanto que po primeiro multo
meoor.
N. 91.Um quadro represeataolo aiuta de urna
agota ede urna serpele.
N. 32. Uro. oulro representando doua patos
pescando a marges de urna charneca.
N. 33 N. 34.Urna manhia no escapo.
Esjoaaitor. Eduardo Gadaalt.
Ns. 35 e 3.Oous tettalos.
N. 37.Um eseudo.
N. 38.Uma pataagem.
Ns. 39 o 40.Grupos de passaros morios.
Expositora, D. Marta Rila Borges.
N. 41Uma aquerelta, fl.ira.
Eroositor, o arsenal de guerra.
N. 49Uma paquenioa peca revolver.
E conatruid de latao assim caaaa todoa oaaaaa
perteoees, ai 6 tiros a fui faita pelo joven artiata
Tertuliano Eustaquio da Gusmio, de 18 annos de
edade.
N- 43Uma caixa eajlafii* urna platalima
va inreaeio. ^^
Este instrumento pod dar SO tiros- sem preci-
sar renovar se a carga uma vez ella carregada.
Nio da aysiema dos rovolvers coohecidos; sao
dous canos parallelos e solapostoa um doa quaes
apenas o reservatorio da carga ; todas.as retes
que se arma o cao, uma mor* especial leva urna
nova carga ao cano qua a deve expellir. A caixa
em que est collocada esta pistola, construida
cora 52 especies de madeiras em forma de mosai-
co, tendo no ceolro da tampa uma lamina de pra-
la com a corda brasileira cercada de 52 raioa, em
cada unj dos quaes est o,oome da madeira de
que formada a caixa, um numere para indicar
ao examinador onje est collocada a madeira que
lera aquello nona. Foi construida pelo marcinei-
ro do araenal Belarmioo Meodea.
N. 44.Um instrumento para conbeser a torga
da plvora ; chama se provette.
E' invencao e execucio do ofncial de armeiro
Brai Jos ala Silva.
N. 45.Um sinete de lati com as armas im-
pertes em relevo.
Foi o menor Capitalino de Jess Pessoa, do
edade de 12 annos, que et este trabalho.
N. 46.Uma pasta da couro.
Este trabalho do mestre de selleiro Franciaco
Ribeiro Pavio.
N<. 47 a 50.Tres sellins e um silhao de cou-
ro bordados.
Sio trabslhos dos artistas Guariodo de Souza
Peixe. Joao Ribeiro Dias e Manoel Pereira da
Silva.
Expositor, o arsenal de marinha.
N. 51.Um martello a vapor.
Trabalho aperfeicoado pala eogenheiro do ar-
senal Carlos Mara Couaoul.
N. 52.Um fogio de ferro para navios.
Invengan e execugao do velho mestre ferreiro
Sabino Jos Vianna.
Ejs aqui as vanlagens enumeradas pelo proprio
constructor: 1 ser de forma redonda e oceupar
pouco espaco ; 1*, ser economieo e commodo ;
3o, es\ar, seja qualquer o rumo, resguardado de
tiarlaveuto a aberto para sotavento por portas cor-
redigas ; 4, todas as portas abrem-ee pela eir-
cumferencis por meio de corredizos, de maneira
qae evita, agarrarem-se a ellas cabos, torrentes,
amarras, etc. ; 5o, pode ser construido para ama
crvela de primeira ordom.
N. 53.Um cabrestante (modelo.)
E' feito pelos arlialas carpinteiros Manoel Joa-
quim de Jess e Ismael Jos da Costa.
N. 54.Uma roda de teme (modelo.)
Trabalho feito na officina de carpintera do ar-
senal e construido com diversas madeiras.
Ns. 55 e 56.Du as pequen as b tocas.
Estes dous trabalhoa turara construidos com a
madeira da galera Nova Aurora, afundada em
1812 na corda dos passarinhos e cujos restos fo-
ram tirados fra d'agua em 1855. A madeira ea-
teve por conseguiote 44 annos debaixo d'agua, e
nio obstante est lio rija e bda como se fra cor-
tada da arvore agora mesmo, alera diato lomou
uma cor prela que imita perfeitamenle o Jaca-
randa.
N. 57.Modelo de uma crvela que actualmen-
te se construe no srsenal de marinha.
Este trabalho rallo pelo csrpioteiro Theolonio
Garbosa dos Santos.
N. 58.Plano da crvela cima.
Esta meado pelo carpintero Francisco Gomes
de Figueiredo. Prleipaes dimensoes : compri-
meoto entre perdpnticulares 100 ps ingleses ;
"bocea moldada, 33 pea e 2 polegadas; collado d'a-
gua 14 ps ; forea 200 carillos boceas de fogo22
e 1 rodizio ; poolal 17. le
N. 59.Plvno de uma caverna da mesma car-
veta cima.
Esti ricado pele mesmo artista Francisco Go-
mes d Figaeiredo,
fl. 60Turno i plata forma.
Riscado pilo discpulo de mecbanica, Jote Go-
mes de Frelas.
N. 61.M artel lo a vapor.
Riscado pelo discpulo de mechantes Joaquiin
Vitaffe Moura Greca.
N. 62.Martello a vapor.
E' um plano rgual ao de cima, porm de me-
lado do natural, e riscado pelo discpulo de me-
cha nica ManoelCarneiro Cvalesnti de Albuquer-
que Lacerpa.
Expositores, .Villaca, IrmSos & Aodrada.
Na. 63 e 64. Duas bombas para incendio* e
regaedes.
N.65. Una machina de larat
vapor.
Estes trabalhos sio invences dos expositores.
Expositor, Jos Francisco Beato.'
N. 66. Una fechadura de segred.0, eontendo
dentro uma pistola e um faci.
Invesclo e execoco do proprio expositor.
Expositor, piare Franciaco Joio de Azevodo.
JJ. 67.Urna machina para escrever.
Representa e tem a cooflguragio de' uma es-
pecie da piano pequeoino, com um teclado con-
Modo Mtuclrt, oito.4wtu e oito a esaaerda.
Logo que se comprime uma dessss lelas qae
representara pequeas alavanca, ergue-se aa
extremidade della uma delgada bastea qua Hm
pa ponta superior uma letra esculpida em metal
em alto relevo, a qual vae encaixar-se em oatra
letra egual esculpida em baixo relavo em ama
chapa metlica fixa em cima dessas basteas.
Uma tira de papel da largura dq tres dedos pos-
eo mais oa menos e de um comprimento indefi-
nido, penando por um movimento oaatinuo en-
tre esta chapa e aa hasteas daa tetras, por ellas
comprimida e recebe a imptessao destas ultimas
que conserva inalteravel.
c Aa letras que compoeat ama syilsba sahem
impressas no papel ata ama moni licha hori-
sontal, ora juntas ora apartadas uma das outras,
e o decifrador nio tem oulro trabalho mais do'
qae ajuntar as differentes syliabas para formar
as palavraa,
Sxp,to!: JM" d'Aqatebotjseca.
N. 6.A-rjma mesa com duas cadelraa de jaca-
raod, eslylo da Luiz XIV, exactaa e cuidadosa-
mente restauradas pelo hbil maraiaeiro Guamo
Oamiio doa Bastos.
N. 69.lima pequea oseada do madeira.
N. 70. Uma pequeoa csrlaira fothsada.
Ambos estes objectos sio feitos por nm hornera
de letras, que rraoea leve nem se qer noges de
msrcioaria, o queaiada tornaaa maia apreciareis
os doua perfeirDMraaelries.
Ns. 71 e 75.(Juatro teosos da lsbyrintho e al-
gumas varas de bicco de lioha de Hnaw.
Expositor, Libanio. i !
N. 76.Um vaso e flores lecidas de cabello*.
ludo juntamente.
Expoaitor, fiaoriqae A. BecL (estrangeiro
N. 77.-0 retrato ae 8. M. o Imperador.
. N. 78.-0 retrato da 8. M. Napoleao III.
N. 79.A corda braaileira.
N. hD.-Um tmulo.
N. 81.Orna firma cercada da um tecido.
Todos estes trabalhos sio do cabello*.
phia dos Sra. Guimsrles
N\85.lfcr?S5de
sileira em alto relevo.
oSal^asria aWJfdifperaxJTp^mSm"
roupa por
letras era papal aespeciraens imp
grupo de fructoa de cara.
Bxsoattota kVAnna Isabel Peiegtio* da Silva.
N. 190. Um quadro feito de papel aberto i
caivete, tendv no eentro a eoia jassarhl.
N. 191 Um quadro pjcado i al tale aobra pa-
pel porcelana,tendo no centro um circulo de rosas
Bardada i reUoi ouro. a dentro da circule le-
traa ioiciaes feilas i pools de aiflnele.
tepositor, Manoel Cardos A> res.
N. 192.Doze livros em branco para escrito-
rio, eoeadernados em pamo, em coaro curtido e
em camurca.
Expositor, Antonio de Sauza Ddarte. "
N. 193.Um par de lam&ocos le oda bordados
a retroi e ouro.
Expositor, Horee I o W. Peregrino da Silva. -
Ns. 14 e 195.-Uma can a orna egreja feilas
da papeleo.
Expoaftor. Jos Avelioo da Silva Jacqaes.
N. 196.Uxs grinalda de cascas de beaouro.
Expositor, *r Tlaeoade sar amuaaaua.
N. 1S7._uraa bengala de palle de paite bal.
N. 198.Bous cfaapoa da timb fallos por The-
reza Mara da Conceigao.
Expositor, Jos Flix doa Santos.
N. 189.Um laco de borlas de re trox encar-
nado. ,
Expositor, Joio los Keler (estrangeiro.)
N. 100.Ouaa bengalas taitas de haateas do
cafezeiros e lavradaaem relevo.
Expositor, Dr. Joiquim Pires Machado Portella.
N. 101Quatro bengalas feitasde um sipo al-
vo, e torcido enierlacando-ae.
Expositor, Joaquim Francisco de Mello Santos.
N. 102.Uma caixa com 10 amestraa de sabio
e uma de velas de carnauba.
Expositor, Manoel F. da Coala & C.
N. 103.Uma caixa com 24 amostras de sabio
de differentes cores e cheiros.
Expositor, Joaquina Lucio M. da Pranaa.
N. 104.Tres amostras de sabio.
expositor, Jos B. Gil Carminis [eetrangeiro.)
N. 106.'Uma lata com graxa para calcado.
Expositor, Antonio >oaquim de Vatconcallos.
N. 105.Tres amostras de sabio da differenUa
qualidades.
Expositora, a casa das expostas.
N. 107.Um grande ramo de flores de panno.
Trabalho das expostas Jotepbtoa, Laurioda a
Joaona do Espirito Sonto.
N. 108 Um oatro ramo mala pequeo.
N. 109.Uma almofada de lia estufada.
E' trabalho da exposta Marinha Izabel dos Ra-
mos.
. N. 110.Um par de sapatos bordados.
N. 111 e 112.Duas camisas* de aenhora.
Trabalhoa de renda e escande pelea expostas
Symphronia e Firmins.
Ns. 113 e 114.Duas camisas de hornera,
N. 115.Uma aaia de labyriotho.
N. It6.Um sacrario bordado a ouro.
Trabalho du expostas Mara da Conceigao o
Leopoldina.
N. 117.Um oatro tendo no centro as armas
da ordem d Jess.
Trabalho das exposlas Mara da Conceigao,
Laurioda, Leopoldina e Severiana.
Expositor, o collegio das erphas.
N. 118.Um grande ramo do flores de panno.
Trabalho muito perfeilo.
ti. 119.Um oohauet de eraros branco* e en*
carnadoa feitos de papel.
N. 120.Um quadro bordado a lia sobra cha-
malote branco.
N. 121.Ut .imofada bordada a lia.
N. 122.Uma camisa de acnhor.. %
N". 123.Uma aala do labyriotho.
N. 124.Uma camisa de homem.
Expositor, o Sr. EdnarJo da Silva.
N. 125.Um p de roseirs amelia.
N. 126.Um ramo de differenies flores.
Expositora a Sra. YV.
N. 127.Uma cesta de couro com flores de
papel.
N. 128.Uma redoma eontendo um ramo de
flores de cera.
txpositora, M.ra" Travessa (estrsngeira.)
Ns. 129 a 134.Seis ramos difireme*.
Trabalhos todos feitos de papel.
Expositor, Francisco Carneiro Machado Rio*.
Ns. 135 a 136.Duas pequeninas cestas feilas
de fio d cera.
N. 137.Um quadro envidrando, tendo den-
tro um ramo ue flores de cera, preso por ama
lita tambera de cera.
'Expositora, D. Clotides Cesar.
N. 133. Um ramo com beija-flores.
Expositor, o Sr. Antonio Ramo*.
N. 139,Um ramo igaal ao de cima.
Expositor, o collegio do S. Vieea-te de Paula.
N. 140.Um ramo dentro de uma cesta.
As flores deste ramo esto eonfecciooadaa em
carocoa de pinhio, de pitenga, mittao, erroa, pe-
vides e outras sementes, sendo aa folhaade papel.
Expositora, D. Alexandriaa J. de Brillo.
N. 141.Um craveiro branco.
N. 142.Um ramo de craviosse anglica*.
Trabalhoa feilas de gomma.
Expositora, D. Dias da Silva Conos he. '
N. 143.Um raso com um envetes branco,
tudo de lia.
Expositora, D. Candida Dalbioa da Rocha.
N. 144.Um quadro bordado a reros.
Expositora, D. Amelia Augusta Jacobina.
N. 145.Uma bolsa de cobtas. *
N. 146.Um qusdro feito ale li conta*.
Expositor, F. F. Borges.
N. 147.Uma rsdeds palha tecida com rendas
de peanas.
N. 148.Uma oulra rede de cordas da palha
e toda aberta.
Sio trabalhos enviado* do Pera.
Expositor, o Dr. J. J. de Morae* Sarment.
N. 149.Um quadro representando a imagen)
de S. Jas, bordada a fio de crep.
Expositora, D. Mara C. da Cunha Almeida.
N. 150. -um quadro bordado a retroz obre
uma lamina de cora.
N. 151.Um oatro bordado a fio d seda so-
bre setira.
O primeiro dostes dous trabalhos representa
um ru ramo de flore*; o segundo uma cri-
anza recostada folgando com um papegMo.
Expositora, D. Marta VilLsecea.
N. 152.Um tapete para candieiro feito do lia.
Ns. 183 a 155.Traa ramos de fruetts tamben
de lis.
M. 156.Uma bolas para relogio a crochet.
Expositor, -Aotonlo J. Prea Falco.
N. 157.Um vidro com banha extrabtda do
azeite de dend.
B* propria para amaciar e conservar o cabello ;
osa tem cheiro desagradavel.
Expositor, Mala & Irmie.
Ns. 158 a 160.Trea chapeos de seda.
Ns. 161 a 163.Tres chapeos de feltro nardo.
Expositor. Feh Josd da Costa RoaaT.
Ns. 14 s 165.Duas chapeo* de seda.
Expoaitor, Joaquim de Bauza 4 C.
N*. i 66 a 170.Cioco ehepeoe da seda, sondo
um de padre a ootro armado.
Expositora, D. Maris Jos da Silva.
Ns. 171 a 178.Tres chapees de seda para ae-
nhora
Expositor Mtoosl Antonio 4* Suva Ros.
. 174.Um rico penle de tartaruga para ae-
nhora. > s ,
Expositor, Jos Jeaquim da Costa Gormaraos.
N. 175.Um pente pequeo de tartaruga para
aenhora.
N. 176.Uma caixa I* raptV -
Expositora, a Sociedade daa Artes Mecnica* e
Liberaes.
Ns. 177 a 178Doua plato* de architeclura
por Aoioflie B. F. Ramo* o Antonia f. de Lima.
Expositora, D. Rila (da engenht Cordeiro.)
N. 179.Um leoco de labyrintho.
Expositor, Jos Prsditos (estrangeiro.)
N. 180.Uma caixa eontendo diversas amos-
tras de cutelaris pelo expositor, dosdo as prime!
a at acabadas, aleaos
da barba,
bino Olegario, L. Pinho.
lor dinmico.
Ridoux (estrangeiro.) '
a quadros conloado diffe-
icas feltaa pelo, expositor,
, rtulos, ate.
Jos B. Rraga.
co vasos differentes, feifos
manufacturados a'martello
columbina feta de lati a
. *le ora ci#omo oa de ea-
tagarda de eapoleta, tendo carretes, rodas, ar-
e soqufbiudo do metal. Esta sarttsasa, diz
o positpr, pddS ser applicado a arttftufta grossa
de qualqaer adarme.
Expsito, Beraardo de Saltes.;
N. 190 a 19I.-Da*t caixas de Urturuga para
rapo, "asi jaTte' jl^ _aaBH
Expositor, Heraclio C da CosU Mooieiro.
n_l PisihroMi (aetraogatro).
96.Quatro apparelhoa para rece-
ber materia* tesara.
Dous da primeira slaaae s doua da segunda,
aend ana para (s>*sitaea e eatabelecimentos p-
blicos, e outros para familia.
* N 5ir,,R>r' ***' |nadoaB"- moto.
N.'m.UteTrasco'com o)*wcoco*.
v* *P'~~m *'*"* ,n>I*intedecanna.
N. 201. Um frasco com agurdente de esm-
tetm
V. Expoailor, oF. A. da Coala.
FC 202.Uma bolsa bordada a retroz sobra Tal-
ludo.
N. 103.Urna cuia de barro felta no eogenho
Roaario.
Ni 204.Urna quartioha faita do cseo do coco.
orts E-Poallor, A. P. S. Barcelloa.
N. 205.Uma caixa coro vela* de carnauba.
' Expositor, M. L. Pereira.
N; 906.Diversos objectos peqaesinos do uma
madeif. Ar.no., -tmv .r.4.., Wmu, gra-
de, etc.
KxposHor, J. de M. G. Ferrsirs.
Na. 207 a 266.Sessenta vasos differentes, fei-
to de barro ordinario e arga branca.
Expositor, a emprez via frrea.
N. 267.Dous carros de mi com amostras de
lijlos fabriesdos as offleinas da vapor da com-
panbia.
E*1,or. B. Nivirlet (estrangeiro.)
N. 268.Um aoparelho para receber matorias
fecaes feito de fofba da Oandres.
xpoa""^ J. J. Pereira (estrangeiro).
N. 969.- Uma caixa com dous pare* de borze-
guins para horneo*, um de couro de paveo e ou-
lro de corda vao, e mal* um par de botina* de ae-
nhora feitaa de setim branco.
Expoaildra, a associscio dof Artistas Selleiros.
Na. 270 a 276\Seis aeltins o um silhao para
senhors. ..
Expositor Francisco Antonio de Figueiredo.
" 277.Um quadto eontendo o alphabelo de
om projecto de llogua escriptura brasileira, ti-
rado Oa lelim e do portugus.
^Paaltor, F. J. Wanderkuyle (estrangeiro)
N. 978.Um par de botinas para aenhora co-
idos oe deotro para fra.
Expositor, Joio Canoto Gomes da Silva.
N- 279 Um frasco com aal feito e purificado
am 5 horas.
N. 980.Urna garrafa com tinta preta para oa-
crever.
Erpositor, Jos G. Heapanhol (eatrangeiro).
d *'-^ma caixa com cigarro*.
Expositor. Domingos Jos da Costa Lages.
Ns. 282 a 287.Seis frascos com bisco uto* e
bolaxinhas de differeotes qualidades..
Ns. 288 a 290Tree fraacos eom doces do 11-
mio, Isranja e abacachi am calda.
N. 991.Uma csixs com assucar candi.
, Expositor, Maooel Francisco de Souza Leo.
N. S92__Cal em p6.
Expositor Josquim de Almeida Piato.
N. 293.Oleo de batipali.
N. 994.Oleo da jaodiroba.
N. 295Oleo depinho.
N. 296 Essencia aromtica de caf.
N. 297.Extracto de mulenga.
N. 998.Extracto de jurubeba. i
N. 299.Um frasco com ail.
Expositor, o Dr. Jos Candido Dias.
N- 300.Uma garrafa de atcool.
N. 301.Uma garrafa de agurdente de canoa.
Expsitos Flix da Cmara Pimentel.
11 *09- Vloh. d. ol,to 4>
agurdente de genipapo.
Expositor. Eduardo Banks.
-" a*"u<** ostra de borracha faita com
leile de mangabelra.
ExposUor Joaquim Lacio Monlsiro da Franca.
N. 305.Um frasco de vinho de caj.
N. 306.Um frasco de alcool purificado.
xi'>hlZ'~Um ff.88C0 d'agua de colonia.
N. 306.Um vidro com essencia odorfica de
capim rheiroso.
Expositor, Livio da Souza e Silva.
N*. 309 a 310. Dous pies de aisucar refi-
nado.
N. 311.Cioco amostras de assucar refinado.
Expoailor. Jos Guilherrae Guimaries.
Ns. 312 e 313.Dous paes de aasucar rali nado
da fabrica do Mooteiro.
Ns 314 a 322.Novo amostrae de differeoies
qualidades de assucar refinado da mesma fa-
brica.
Exo?ior, silvestre Correa de Carvalho.
N. 323.Uma garrafa com tinta, preta de es-
crever."
N. 324.Um vidro com nil soluvel.
Expositores anonyaaoa.
N. 325.Uma cuia conloado pequeuinaa Ggu-
raa feiaa de queijo.
M. 326Extraa de juci.
Na. 3*7 e 329.Trea amostras de vinagre de
diuerenlea qualidades.
N. 330.Extracto de cumaru.
Ns. 331 a 332.Duaa caixas com charutos.
Ns. 333 a 335.Tres fraacos de rap fabricado
por um curioso.
Ns. 316 a 339.Quatro calas com doces.
N. 340.Um apparelho completo para cbi, de
louca prtta fabricada no Cear por uma mulher
surda e muda.
N. 341.Uma grande laboa embutida da diffe-
rentes madeiraa em forma de mosaico.
Est bem trabalhado.
N. 342.Uma Urrafa de pescar feila de fio da
macaibeira.
Producto agricolat.
Expoailor. Jos Thomaz P. Machado Portella.
N. 343.Um fraaco com farinha de Muribeca.
N. 344.Um frasco com caf de Muribeca.
Expositores anonymo*.
N. 345.Namb de Podras do Fogo.
N. 346. Caf de Ponte de Uchoa [sitio do
Caroll.
Ns. 347 a 354. Feijao preto. fava branca mean,
lava de cabra, feijao mulatioho da ilba de Fer-
nando, fava encarnada, feijao coroado, feijio pre-
to da ilha de Fernando', trigo rermelho de Ca-
ruata.
Expoailor. o Dr. Ignacio de B. Brrelo.
N. 355.Um. fraaco com gomma de ararula.
Expositor, o governo da provincia.
N. 356.Mandioca da ilha de Fernando.
Expositor, o viseonde de Sasssuna.
N. 357 Batataa de aramia.
N. 368.Batataa inglesas.
N 359.Gomma de aramia.
N. 360Fructoa do cacao.
N. 361Pimentas da India.
N. 362.Uma amoalra de caf To Pombal.
Expoaiier, o Dr. Joa J. do Maraes Sarment.
N. 363 Namb grande de Nazarelb.
Expositor Manoel Jos de Ohveira.
N. 364.Urna caixa com farinha de aramia.
Expoailor o Dr. Joaquim Pires M. Portella.
Na. 365 e 366.Assucar braneo e maacavado.
Na. 367 o 363.Doua frascoa, om com farinha
a oulro com gomma de mandioca.
N. 369.Quatro canna eaiana, duas brancas o
duaa roxaa.
N. 370. Batatas raiahaa ds eogenho Algo-
doaea.
Expoailor, Francisco Paos Barreto.
N. 371.Um pao de assucsr branco.
Expositor, Luiz Franciaco do BegoBarros.
Ns. 372 a 375.Qaatro pies de auucar mai-
cavado e branco fabricado no eogenho Calar!.
Expoailor, Francisco Jos Ribeiro.
N. 376.Caf do Brejo.
Productos naturaes.
Expositor, Amonio de Souza Lelo.
N. 377.Piu d'arco amarello. Esta madeira
dora cem annos enterrada o muito mais estando
o tr. Serve para cenatrutcea de caaaa, carros
e oulraa obraa que neceasiiam madeira r^a o du*
radoara. Bem que pesada podo tamben servir
para mobitias. Sua grossura chegt at 5 paitaos
de dimetro e 70 de comprido,
tima, e
N. 378^-Piu, santo, teas, a aaeami servaaia
que rpla a.rt* smattalo. -pee* parva* asaj
tem manos duraeo. Sos nsior grossura de 903
palma da dimetro a 80 da comprimeato.
IL.JW.Cmpahyba ou balsamo, tem o mesmo
preetimo cima espsdfieado o preferido para o-
billa por aer mai leve, a quando eovernisado,
torqa-ao um bem rdxo rajaOe da veas mais es-
eura* challa aKralIa'vel helre quttido iraba-
Ihado.
N. 380.Pu santo de vas. Pode dursr 90 an-
nos e mais estando no ar, serr para todas as
coMlrsccoes.
jKoSitor, Fr:,Jr*phlnj de Citsnls.
N. 381.Duas pedras pequeas com plxes pe-
Iriflcsdos.
Expositor, Maooel Juliio da FoosecaTioho.
Ns. 382 e 383.-a-Duas-smotras de lluho de cO-
roal bruto e Hado.
Diz o expositor qae asta plas veneno** e
medicinal, porquanlo cura em uotacoes ss ulce-
ras dos aoimae* e mata peixe em tioguadas.
Expositor, Vleior Leuihier.
N. 384.Uma amostra de Hubo de ansoaz.
Expoailor, Joa tsajMnsz t. atethaajB Portella.
N. 385.Um fralcficomMia. skmarttos e flores
de giliraoa.
Expositor, Antenio J. Piras PaaWo.
N*. 386 a 38ff Oaatfo espertes de flnho diffo-
rasloa, aobraaafjindo ama amaratUda.
Expositor, o Dr. Ignacio de Birros Brrelo.
N. 390 Uma amostra de linho de c6co.
N. 39l.-Cebolas cencem.
N 399.Gogrbf*. JiU .
N. 333.Frnctos do aagelim.
N. 891.Coco vulgar.
N. 395.Um fraaco com mel de abelhas uruc.
N. 396.Duaa pedras de carbonato de cal.
Expoailor, Joaquim da A. Piolo.
N. 897.Araostraa'oe'linho de croata para
redes. r
N. 398.Somantes de pinho.
N. 399.Seia garrafa de agua farrea do Ca-
chaog.
v n -10*0i-'>#nymos. **,
N. 400.Fructo de urucuba.
N. 401.Casca de rucaba. -
N. 401.Leild umcubs.
N. 403.Sebo da urucuba.
N. 404 Leite de gameler*.
N. 405,Aatsndos do Braail.
N. 406' e 407.Dous frascos con) sementes do
mangarte be.
N. 408.ArSa donrada.
N. 409 a 414.Sementes de trombets veneno-
sa, de sieupira, de caroicola, de giriquiti, de car-
rapalo branco, de carnicula da barra da Jangada,
(mata formiga e medicinal).
N. 415.Duas botijas com agua do olho d'agua
do Cachorro. '
Ns 416 e 417.Duas amostras de differentes
pedrea.
N. 418.Chrystal de rocha.
Ns. 419 e 420. Tinta encarnada extrahida da
flor do ambique. Tiota azul extrahida da flor do
arribique.
Ns. 421 a 430.Diversaa raizes e casca* medi-
cinaes, sendo piments d'sgus, ( drstico e pur-
gativo) raiz de caliuga (a enirecasca produz o ef-
feito da cantharida], amanes canella (boa para re-
solver tumores) parreira braba, caubim (applica-
se as inchaces) sipo de macaco (emprega-se
em cosimento paraerysipellas) matta-fome, quia-
bo brabo contra herva cumuar, cubebas o eabe-
(a de negro.
N. 431.Um frasco eontendo uma cobra des-
conhecida.
Expositor, o Sr. Doprat.
N, 432 a 435 'Quatro fraacos contando semen.
tes de pu ferro, d'arvore de borracha, de artic
a p, de ulinga ou rabo de tat (contm fcula
nutritiva.)
N. 436.Um fraaco com mineral do ferro da
Nazarelb (Cabo.)
Expositor, o governo da provincia.
N. 438.Leile da arvore burra.
Este leite vegetsl exirahido de uma arvore da
ilha de Fernando que tem a proptiedade dequei-
mar ao contacto.
Ns. 438 a 510.Sessenta e tres amostras de
mlneraes differentes.
N 511 a 656.Cento e trila e seis passaros
empalhados e de differentes especies.
Ns. 647 a 659.Trese peixes empalhados o do
differentes especies.
Ns. 660 a 675.Dezasseisbichos empalhados e
de differente especies.
Ns. 676 a 678.Tres tartarugas empalhadas e
do dillereotes especies.
Na. 679 a 681.Tres cobras empalhadas e de
differentes especies.
FjWis.de
Perteocam ao muao do gymaaaio pro/inclal.
Expositor, o Dr. Joto Ffrretra Oa SMva.
N.682 Ura fraaco copleado um* caneca de
porco.na qaal aa nota' a falta de desenvolvintenio
dos ossos do nariz.
Expositor, Joio Firmino Freir Jnior.
N. 638.Malacacbelas.
Expositora, a cmara municipal de Olinda.
N. 684.Amostras de giz de Olinda.
Expositor, Jos Flix da Cunha Pimental.
N. 685.Favas de cumar.
N. 686.Fruclae de Sapuoaia.
Expositor, Pedro Borges da Siqueira.
N. 687.Embira de jangada da Barra-Grande.
N. 688.Fio de grvala, do mesmo lugar.
N. 689,-Talajuba (madeira) da ilha do Fer-
nando.
Expoailor, F. A. da Coala.
Ns. 690 e 691.Duaa arvores feilas de espuma
do mar.
N. 692.Pedra inflamavel de Barreiros.
Expoailor, Francisco Ferroia Borges.
N. 693. Grude de Rurujah*.
N. 694.Grude de pirahlba.
N. 695.Juiabyceta, ou gomma copal;
N. 698.Tres emosea differentes de borracha.
N. 697 Um frasco com uruc -em maaaa.
N. 698.Um fraaco com favas cumar.
N. 699.Um fiasco com tapioca.
N. 700.Amoatra da canella do Par.
N. 701.Castsnba do Maranhae. *
N. 702.Eructo* do cacao.
CEARA.
Productos industrian.
Expositora, D. Guilhermina Corlett.
N. 1.Um quadro, representando am lobo a
correr.
Trabalho de lia feito em relevo.
Expoaitora, D. Rita Amelia Vieira.
N. 2.Um quadro eontendo om fateao em re-
lavo.
Trabalho de lia.
Expoailora, D. Isabel Rrteiro do Meoexes.
N. 3. Um ramo florea de gomma.
N. 4. Um ramo de flote* de panno.
Expoailora, D. Franciaca de Miranda Lial.
N. 5.Uma cesta com florea, tudo de la.
Expoailor, Franciaco Carreiro Mooteiro.
N. 6. Uma caixa com diversas amostras do
sabio.
Expoaitora, uma senhora do Aracaly.
N. 7. uma loalha de lab/riatfao.
N. 8. Um copo o pralo de hrra proto relio
no Ico por uma mulhet aurda e muda.
N. 9. Uma cuia de madeira de Imburana tai-
ta a caivete.
Expositor, Manoel Jos Pereira Pacheco.
N. 10. Um lenc.0 de lsbyrintho.
Ns. M a 16. Seis amoairaa de bicos de linho.
N. 17. Uma bengala de carnauba.
N. 18. Uma cabezada de couro. ,
N. 19. Duss esleirss d palha da carnauba.
N. 20.Amostras de reodas.
N. 21. Amostra de riscado do cor fabricado
no Sobral.
N. 22. 'Usa cabralo de fio de algod*. ,
N- 23.Um par do tinteiro e arieiro de churo.
N. 14. Uma caixa de rap.
N.25. Uma chicara e pires feito do madei-
ra de Imburana.
N.26 Uma tigelta e pralo da mesma ma-
deira.
N. 97. Quatro couro* cortidos e sanado*.
N. 98. Uma caixa am nove garrafal de vi-
nho de caj.
N. 29.Uma dita com cioco garrafas de agur-
dente de cauna.
N. 30. Amostra de sabio fabricado no Ara J
caty.
N. 31. Pos de algodao fiado em fosos a em-
pregado na confeceso da* rendas.
N. 81. Oleo da oiiieice. Tes a mesma ser-
venta que o oleo do linhaea.
N. 33. Barbante de linho tirado da carnauba.
N. 34 M. Trinta o cinc* sr tifos differen-
tes da carnabeira. *
Expositor, Morsa* & talo.
N. 81. Uma caixa com sabio.
Expositor, Manoel Bernardino de Motaos.
N. 62. Dmzs garrafas de vinho da aojo,
N. 63. Quarenta librea de aabio.
Expositor, Antonio Paes da Costa Mamado.
N, 64. Qualro garrafas (So agurdente dt e*j.
ilrvttr^v^a*^
g. 4. Doas ditas da dito para mase. 7
1<.IB.vt> Dote ditaa da dito medicinal.
:fl**0",*"rM,M de slao da coco ca
Ota. Mili,
rapiche de ea#f*...o*i rathania. obiido pela dis-
solucio. operaado com icool da 83 sebes 14 de
pogioasaro.
.71. Um pota do reuni extracto obiido
peU eaulieao He dita rail.
N. 7f. Um pote do mesmo extracto obiido
pela diasojucio com agua robre 12 de p grss-
ciro.
Expositor, o Dr. Antonio Manoel de Madelroa.
N. 73. Um vidro do leo expreaso de semen-
t de gerimum.
Etpoaitor, Joip Ribeiro da Costa Moatanegro.
N. 7*: Uma garrafa de vinho de caja de aua
preparaeio.
Expositor, Manoel Dta*.
N. 75. Carimba ato n^asoosj.
farinha semelhaote s do trigo.
N. 76. Colla da pascada.
Expositor, Joo Carlos Saboia.
N. 77. Um chapeo de couro.
N. 78. Um ptr da redeas do fio de algodio.
Expositor, Padre Elba B. R. de Carvalho.
M. 79. Um chicote com cabo de carnauba.
Productos agrcolas.
* Expositor, Jos A. da Costa Silva.
N*. 80 e 81. Duaa amostras de caf, am des-
polpsdo e oulro pelado. :r-ji
N. 81. Amostra* de batatas rsinhas.
N. 83. Amostras de cacio.
Expositor, Antonio Paes da Cunha Mamede.
N. 84. Um frasco com farinha de ararula ex-
trahida de raiz recente.
N. 85. Um dito com dita extrahida da nrlt
secca. r\
Expositor, Maooel Dias.
N. 86.Amoalra de algodio em caroco do dis-
tricto do Giqui.
' Ptoelttera* nmtmraa.
Expositor, Manoel Diss.
Nt. 87 i 89. p- Algodio commum, de razante
a silvestre.
Ns. 90 i 91. Cascas de moloog ede mutam-
beira.
Na. 92 i 96. Raizea de esrobo, de veame,
de mneamb ede ortiga branta a batata de purga.
N. 97. Urna amoatra da trra que produz o
moemo effeito do sabia.
N. 98. Uasa tabea de cumar. Esta madei-
ra aerve para marcenara.
N. 99. Piu iurema branca. Proprio para mo-
bilias.
Ns. 100 a 130.Viole e sais amestraa de ma-
deira, sendo piu perelro, jstob, mangue sapa-
teiro, cano, jurema branes, pu branco, vio-
lelte, masaaranduba, piu d'arco, genipapo brabo,
imbuaoa de chairo ou cumai, coracio de negro,
genipapo manao, angicn, tatajuba, pin ferro,
cedro, peroba, juci, marfim, piu d'oleo, arueira,
umary, carnauba.
Ns. 131 a 133.Amostras de resinas de cajuei-
ro, de aogico e de jatob.
Na. 134 a 147.Mangerona inculta, canella
silvestre, betnica, alfavava inculta, lingua de
vaeca, fedegoao, erva de chumbo, perriebil; se-
mentes, folha e flor de camba, favas de cumar,
csstanha de caj, sementes de msmoaa (duaa es-
pecies) fructoa de oiticica e gramma.
N. 148 Um fraaco com a inicie da charama-
taya ou azeitoua. Igaal a da Europa, encontra-
se em abundancia.
N. 149 Um ramo de charamataya.
Ns. 150 a 153.Qualro amostras de pedrea de
cantara.
N. 154.Amostra da raiz da umariceln. D
tinta egual a do pii-Braail. .- -.
Ns. 155 a 164.Oaz eapeciea de pedras difi-
reme*.
Ns. 165 a 176.Trexe qualidades de argilas
differeoies.
Ns. 177 a 182.Caaeaa dar garemma rermalha,
de aogico, de manguesapaleiro,de amexeira sil-
vestre, de oily da praia e de quina-quina.
N. 183.Fructa de macabuba do Crato. Ex-
celleote para comer e de que se exlrahe oleo
magnico, que serve para diversas applicages a
para temperar.
N. 184. Um pedaeo de carnauba petrifi-
cado.
Expoailor, padre LiooD. R. de Carvalho.
N. 185.U ai frasco de gergelim.
N. 186*Um dito com favas de cumar.
N. 187.Um dito com p de palha da carnau-
ba, de que se fabrica a cera.
N. 188,Um (rasco com aal de carnauba.
>. 189.um dito com favoa de mel de abelhaa
de duas especies, jsndaira e tubibs.
N. 190.Um dito com capas ds enchui, espa-
cie de abelhaa abuodanlea.
N. 191.Um pedaeo de pedra frrea.
Expoaitor, Jos Antonio da Costa a Silva.
N. 192.Amostras de ail.
N, 193.Amostra de uruc.
Expositor, Antonio Paes da Chnha Mamede.
N. 194.Um frasco com resina de batata pur-
gativa.
N. 195.Um ooibrulho com raix de carrapicho
do cavallo ou rathania.
Expoaitor, Mathias Joa Pacheco.
N. 196.Duaa fructaa de cipaba.
Tem deotro filamentos que quando seceos se
assemeiham i seda e podem servir para diversos
misteres.
N. 197.Proeles de ama especie de casta-
c horca.
Dos sarocos exlrahs-se um oleo semelhsnta ao
de amendoa e lera propriedade purgativa. A
casca, quando verde, machucada e misturada
com summo de lia ao di tinta encarnada.
Expoaitor, um anonymo.
Ns. 190 a 207.Dez amostras de pedras, sendo
quatro com crystalisacio, oleario saeckaroide,
dem dolomilico, polypo chamado cabeca da car-
neiro, cimento quartoao-ferruginoso do Arrecife,
aalix, quartrile e esmeril de lavrador.
Expositor, Manoel Jos Pereira Pacheco.
N.208.Pendi e talo da carnabeira.
N. 209.Olho da carnabeira.
ALAGOAS.
Productos industrias*.
Ns. 1 a 3.Tres amostras de differentes qua-
lidades de corda.
N. 4.Tintura de pa de hcar.
N. 5.Uma coroa feila de casca de coco.
Ns. 6 e 7.Dous frascos comeado oleo de cu-
pahibt o azeite de mamona.
Expositor. Manoel de Araujo:1
Ns. 8 a 11.Quatro garrafas, eontendo oleo de
ouricury, oleo de recio, oleo do nozes o oleo do
mamona.
Productos agrcolas.
N. 12.Uma amostra de algodio.
N. 13.Casulos de bichos de seda.
Ns. lie 15.Batatas inglesas e oaiodobim.
Ns. 16 e 93.Mttho do Penedo, feijio branco.
sioxenlo, rajado, mulatiobo, (3 amaairaa), arroz
da ciHi, favas bravas, lava bocea de moc.a (deva
aer boa) fava de aete aemaoas.
Expoaitor, Maooel Estovas Alvo*.
N. 14.Duas amostras de caf.
Expositor, o bario de Ata tala.'
Ns. 15 a 29.Assucar bruto, mascarado, so-
menos e branco.
N. 89.Farinha de araruta.
N. 31.Farinha de mandioca.
Producios naturaes.
N. 32.Resina de jatob.
D uma luz mais clara do qua a carnauba.
N. 33,Uma amoatra de breo.
N. 8*.Cascas da aogico ( adalricgeoto|.
N 35.Arga branca.
N;-36.Argilla orJinaria.
2. 37.Arga fina.
Has amestraa aio liradas da* margen* do rio
Mundahb e do lugar denominado Setuba.
N. 38 P lirado do barro de Mcela.
Especie de oca amarella para caiar.
N. 39.Fcula de tare a rao.
Seras para matar bxeir.
. 40.Pedra com deroxido de forro.
. 41.Uma amostra de crystalde rocha.
N. 42 Podra geaso.
Ns. 43 a 47.Cinco amostras de differentes
pedras.
Ns. 48 a 51.Argilla ferruginosa amarella, ar-
ga ferruginosa branca, argilla ferruginosa rer-
Todas estas especies do argas sao extrahidas
das barrairaa do Giqul.
N. 59.Una amoalra da liaho.
[Continmr'H-ha.
-.-----------1--------------------------
PERN^TTP, DE M. F. DK fARIb FILllD.Wi,

L
s
t I'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8YLRL6N9_OW9RLS INGEST_TIME 2013-04-30T20:46:29Z PACKAGE AA00011611_09426
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES