Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09418


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIII XXXTII IU1110 26S
,lHi M4 iHt**-a1iML
tfiiifl 4 i OU-

Por trw HMes veicios
"''' I ..*>
----1-----r
ENCARREGADS DA SBSCRPCAO DO NORTE

-Parafcyba, o C. Antonio Ataxaodrino de Ll-
mi; Natal, o Sr. Antonio Manque da Silva ;
Aracaty. o Sr. A. da Lentos Braga; Cenii o Sr.
f. Jos da Oliveir; HitanUo, o Sr. Maaael
.Jos Martina Rbeiro Guiaras; Para, Jualioo
J. Ramos; Amazonas, o Sr.-Jerooymo da Costa.
1
FAtUlDA UVa COKKfclUS.
Olnaa lodos oa dias aa 9^ horas 4 dia.
IMtl. Gqianoa, a Parabyba as seguadss
e sextea-feuas.
S. Ahilo, Bezerra. Bonita, Carua'r, Altinho
e Garaohuoa naa tercas-feras.
Pao d'Alhp, Nazareth. Linoeiro, Brejo, Pea-
queirsy Iqgazeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Vial,
Ouricurye Ex as qua.tas-eiras.
Cebo.Serinhiem, Rio Fpraioso, na.Barreiros
Agua Preta, Pimenlelras e Natal quintas feiraa.
(Todoa oa correios parlem es 10 horas da msnhaj
OARTi FEIIA 20 II lOTMBBO II Mil
PorainoadiinUd. 19|000
Ptrte fraic tara snbserpUr.
AlfiD
EpHfMERIDES DO HEZ Di NOVEMBRO.
2 L aova a 1 hora a 44 minntoa 4a tarde.
manhl.-
PREAMAR DE HOJE.
Primelro aa 6 horas a 54 minutos da manhS*.
8egndo aa 7 horas e 18 mina toa da tara*.
INA.
Odn ab. ^
Hnogria f.
fundador.
It Quieta. Apreaentago de Noisa Seahora.
91 Sexta. Santa Cecilia r. m. ; s. Filemon m.
J3 Sabbado. I. Cirnante p. m. ; a. Felicidad*.
84 Doningo. S. Joao da Cruz c.; s. Estanislao.
AUDIENQA9 DOS TRIBUNAES DA CAPITAL, i KNGAtBKQAlKW DA SCBSCIIPCAO DO SOL.
Tribunal do commercio : segundas e qoiotas.
Retaceo: tercas, qointaa e aabbadoaaSlO hora,
Fazenda : torgas, quintas o sabbadosas 10 horaa. I Jlo Peraira Martin.
Juizo do commercio : quartss ao meto da.
Dito de orphios: tergas e sextas aa 10 horaa.
Primeira Tara do civil: lergas sextas ao mel
dia.
Segunda rara do eivel
horada tarde.
AMegdas, o Sr. Ctaadioo Pakie Dtaa;
o Sr. Jos Martina Airea ; Rio de Janeiro, o Sr]
EM PIRNAMBUCO.
quarias e aabbadoa a i
_PMTE OFFlCInL

O propietarios do puaio Maaael flaaoirda de
varia & Filho, na ana livrarta praca ata ."
dencia ni. 6 a 8.
0VR50 DA PROVIJCIi.
Expediente do goverao d dia Ide
<-^ afcro de 1861
Offleio ao commandante das armas.De confor-
midade cora o que determina o Exm. Sr. minis-
tro da guerra em aviso de 5 do correle, junto
por copia, sirva-se V. S. da mandar inspeccionar
. por una juma de saude o aoipegada Frarfcisco
Josfi da Silva, e os soldados Manoel Fernsodes
de Borba Cavalcantl," Domingos Jos Thomaz,
Joaquim Jos Ferreira, Antonio Gervasio da
ocha, Francisco Peixoto Rodrigues e Haooel
Faustino Antonio Nunes, anviando-me o termo
da inspecgo e as certidoes de aasentamentos das
mesmas pragas, afim de aerem transmettidos
secretaria de estado dos negocios da guerra, con-
forme se exige no tinal do citado offlcio.
Dito ao mesmo.O Exm. Sr. ministjo de guer-
ra dando aolueao ao offlcio de V. S. de 25 de *e-
tembro ultimo aob n. 1573, declarou-me em avi-
so de 5 do correte que em vista do disposto no
aviso da 17 de agosto de 1859, publicada em or-
dem do dia n. 147 de 31 do referido met e anno,
eit. no'csso de ser Hendida a prtcnco do por-
teiro do hospital militar desta provincia, pedindo
que pela respectiva pharmacia Ihe sejam torne -
cidos os medicamentos para seu tratameoto e das
pessoas de saa familia.
Dito ao mesmo.Transmuto por copia a V. S.
o aviso expedido em 4 do crrante, no qual o
Exm. Sr. mioiatro da guerra, dando solugo a
dunda proposta por V, S. em seu officio n. 1,646
e data de 8 de outubro ultimo, declara que vis-
to nao existir nem urna vaga de Ia sargento no
9* batalhao de infantaria para o qual foi transie-
ndo o Io cadete Io sargento Manoel de Faria Lo-
mos, deve ser elle incluido na de z? sargento exis-
tente naquelle batalhao.
Dito a theaouraria de fazenda.O Exm. Sr.
.ministro da marioha declara-me em aviso de 31
de outubro ultimo haver |requisitado da fazenda a
expedigo das convenientes ordena pan que pela
erbanavios desarmadosaconta do municipio
da corte, no presente exercicio, se pague por
essa thesouraria a Manoel Mara mestre do bri-
gue escuna Xing, os vencimeotoa que se Ihe es-
tiver devendo.
O que communico a V. S. para seu conhci-
. ment e direcgo.
Dito a mesma.Estmdo sstisfeita a exigencia
da contadoria dessa thesouraria, constante do
pirecera que se refere a informago de V. S. de
25 de outubro ultimo, sob n. 1,085, recommeo-
do-lhe que mande pagar a Jos Gongalves Pe-
reira, conforme solicitou o coronel commandante'
das armas em offlcio de 14 daquelle me7, n.'
1680 a quaotia de 46S160 disoendida com o ex-
cediente do delegado do cirurgio-mor do exer-
cito nos mezs de Janeiro a setembro desta an-
no como so v das inclusas contaa.Communi-
con-se ao commandaniedas armas.
Dito ao mesmo.Communico s V. S. para seu
onhecimento edirecc&o que o Exm. Sr. minislro
da guerra deeUrou-me om aviso de 4 do correle
haver expedido avisa ao da fazenda, aulorisando
a aooulac>o de 70MO no ceedito concedido a
essa thesouraria pa* as desoezaadn 8 ?pr.
sidio de Froando de oronha,no exercicio
corrente de 1861186-2, afim de tornir effectiva
adistribuica de igual quantta (eita por outro
aviso de 23 de outubro ultimo ao Rio Crsnde do
'{forte para occorrer ao pagamento da despeza
elTectuala naquella provincia com o sustento das
pravas e sentenciados que all arribaran! na barca
mcional Atrevida em viagem ao referido pre-
sidio-
Dito ao mesmo.Remello a V. S. para seu
conhecimento, copia do decreto o. 2,839 de 30
de outubro ultimo, designando os julzes que de-
. vem substituir o dos feitos da fazenda nacional
em sea impedimento.
Dito a thesouraria provincial.Appravo a ar-
rematadlo que fez Feliciano Marques Vianna, dos
reparos de que precisa a ramiQcac.o da estrada
dosul para a povoacao de Muribeca com o abale
do 31 0l0 no valor do respectivo orcamenta, e
-sendo fiador Antonio da Silva Gtismao. O que
communico a V. S. em resposta a seu offlcio de
honlem, sob n. 571.
Dito a mesma.Accuso recebldo o officio de
honlem, sob n. 573, em que V. S. participou ha-
ver Jesuino da Costa Albuquerque Mello, dando
por fiador Diooizio Hilario Lopes, arrematado a
obra dos reparos do ojiarte! do corpo de polica
com o abaiimenlo de lOrjlO no valor do respec-
tivo ornamento, e em resposta teoho a dizer que
appravo essa arrematado.
Dito i mesma.A Domingos das Neves Tei-
" xeira Bastos mande V. S. pagar, conforme requi-
sitou o chefe de polica em officio de hontem,
mb n. 1,151, a quantia de 33j)000 dapendida nos
mezei de fevereiro a junho deste anno com o sus -
iento dos presos pobres da cadeia de Cimbres,co-
mo so v da inclusa conta. Communicou-se ao
chefe de polica.
Dito ao director das obras militares. Pooha
Vmc em arrematacao a execu;io dos concertos
de que precisa a fortaleza dn Buraco, serviodo de
-base a essa arrematacao o orcamenlo oa impor-
. taocia de 2228968, a que se refere o officio de
Vmc. de 12 do correnta sob n. 131, a que res-
pendo.
Ihe que essa duvida ja se acba resolvida negati-
vamente pelo goveroo imperial nos avisos o. 419
e 42i de 23 de novambro da 1657, o tamben no
de 5 de Janeiro deste anno, nos quaea Se declara
que os noroa eleorea oo podem votar e exercer
acto algum eleiloral antes de conhecidos pela ca-
mara dos diputados.
Portara.O presidente da provincia atienden-
do ao que requere: o juiz municipal o de or-
phaoa do termo o Bre,o, bacrurel Herbpllo Flo-
rentino Corii de Mello resolre coBcadar-lbe
quareota dias de licencia com veneineotaa, para
tratar de au saude fra do referido torno.
Expediente do secretario do
goveroo.
Offlcio ao inspector da thesouraria de fazenda.
Consta de participado da secretaria de estado dos
negocios da justica de 5 do crrante qoe por de*
cneto de 30 de outubro ultimo S. M. o Imperador
bou ve por bem remover o jais, de direito Fran-
cisco Antonio de Oliveira Ribeiro da comarca do
Bonito nesta provincia para a de Itabaianna na
de Sergipe, por asaim o haver pedido: o qoe
commooico a V. S. de ordem de S. Exe. o r.
presidente da provincia.
Dito ao commandaote das armas.S. Exe. o
Sr. presidente da provincia mands declarar V.
S. que os pedidos a que se referem os offlcioa de
19 de outubro ultimo e 7 do crrante aob ns. 1737
e_8i8, toram remettidoa ao conaelho administra-
tiro para promover a acquiiro dos objectos
constantes dos meamos pedidos.
Despachos do dia 1 de novembro
de 1861.
Reqverimentos.
AdministraQio do patrimonio do recolhimento
de Nossa Senhora da Coocei;o da cidade de Olio-
da.Prove o que allega.
Fr. Antonio de Santa Rosa.Volte ao Sr. ins-
pector da thesouraria de fazeoda.
Dr. Hisbello Florentino Correa.Passe porta-
ra coocedendo quareota dias de liconca com ven-
cimentos.
Jos de Barios Correa Setta.Passe
concedendo tres mezes de licenca
menlos
Jos Pereirj.Nao ha vaga.
Major Sebaslio Antonio do Reg Barros.Vol-
te ao Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
portara
com venci-
2a secQo.Palacio dogovernode Pernambu o
18 de novembro de 1861.
Pela secretaria do goveroo se faz publico, para
conhecimento de quera interessar posss, a reta-
co dos despachos proferidos pelo Exm. Sr. mi-
nistro e secretario de estado dos negocios da jus-
lies no mez de outubro prximo (indo, t
Sociedade cUuiao Beneficente dos Coheiros.
Nem est competentemente aulorsada a socieda-
de de que sao orgaos os supplicantes, nem de-
fvrivel o seu requerimento.
Amaro Jos.Pelico de graca.Iodoferido.
(Assigdado)Joao Rodrigues Chaves.
DIARIO DE PERNAMBUCO-
f (ni
Dito ao juiz de direito da segunda vara desla
cidade.Remeti i Vmc. para tara devida exe-
cuco copia do decreto de 2 do correnta, pelo qual
S. M. o Imperador houve por bem reduzir a qu-
tro mezes de priao e mulla correspondente a me-
tade do tempo a pena de seis mezes e mulla cor-
respondente que por esse juizo foi imposta a Ma-
noel Paulino Ramos.
Dito ao juiz de paz presidente da mesa paro-
chial da Boa-Vista.Em resposta ao officio da-
tado de boje em que Vmc. tatarata sobre a repro-
sentagao, que me dirigiram os mesarios, Decio de
Aquino Fooaeea e Joaquim Augusta Ferreira Ja-
cabina, teoho a dizer-Ihe que devem ser aiteo-
didaa nao a aa dacisoes de tribpnal da retacao,
mas tambem as do conaelho municipal de recur-
so, que oo tiverem sido reformadas por aquelle
tribunal; cumpriodo, pois, que nesta contaron-
dade Vmc. proceda a chamada dos votantes des-
sa freguezia.Remetteu-se por copia aos mesa-
ros Decio de Aquioo Fonseca e Joaquim Augus-
to Ferreira Jarauna.
Dito ao mesaaa.Constando de representado
qud acaban da dirigir-me doua membros da me-
sa dessa freRuezia, que se pretende deixar de apu-
rar as cdulas recebidas para a eleicao da juizea
de paz, a que ah so procede, que aem vicio al-
gum eacoolrsrem-se incluidas em ootraa Com oa
nomea triscados, emeodados ou alterados, servio-
do de iovolucroa, chamo a alteoc,io de Vmc. para
a termioaote disposico do artigo 13 das instruc-
ces que baixaram com o decreto n. 2,621 de 22
de agosta de 1860, cdja fiel observancia muilo Ihe
recommendo.
Dito a Manoel Francisco de Azevedo Lira, elei-
tor da freguezia da Barreiros, Respondendo o
officio de O do corrente, em que Vmc. consulta
se os ereileres novamento eleitos na freguezia do
Bonito, devero votar englobada.meote no res-
pectivo collegio na eleigio a qoe se tem de pro-
ceder no dia 24 deate mez para deputadoa pro-
vi ocia es com os j reconhecidos pela cmara dos
senbores diputados, ou se devero ser privados
disto por falta de reconhecimento, tenho a dizer-
oortadiir n npor Ap\ rindo dds portas do nor-
te, com as dalas aeguintes : Amazonas 25 do
passado, Para 9, Maranhao 1S, Coar 15, Rio
Graude do Nurte 17 e Parahyba 18 do corrate.
Amazonas. Cheg&ra capital, rindo do alto
rio Negro, o Dr. A. Goncalvea Dias, que havia
ido inspeccionar as escolas e os aldaiamentos do
interior da provincia, afim de ajudar o goveroo
oos meiosa por em execuco para a calhequese
dos indios.
L-se na Estrella do Amazonas :
A cultura do algodo t do tabaco.
< A gran le importancia do algodio e tabaco
eressene dia para dia. A manufactura do pri-
meiro a mais coosidarivel que se conhece ;
milhares de fabricas, milhoes de trabalhadorea
sao embregados as differeotas maneiraa de trans-
formarla materia prima para o consumo.
O tizo do tibaco tem se estendido tanto que
hoje constitue um genero de primeira necessids-
de de ordem superior.
a A rjevolta da india ingleza., e ltimamente as
dissensdes civis na America do norte, paizes que
foroeciajm a quasi totalidade do algodo, que era
empregado as fabricas, produzio tai perturba-
gao principal mente na Inglaterra, que ogoverno
ve-se em serios embarazos para debelar o perigo.
Por falta de materia prima muitaa fabricas dei-
xaram de trabalhar, e o grande numero de ope-
rarios dekoccupados, emgrossando as fileiraa da
mendicidade, pesio mais sobre a na;io do qne
talvez am ioimigo poderoso.
< D'ahi resaltan a alca do prego do algodo,
e coosequentemente dos tecidos, que hoje se
vendem pelo dobro do que cusa ramo anno pas-
sado.
A peoduego do tabaco tambera soffreu grao-
de reduegao com a guerra civil da america do
norte, oqde era cultivado em grande escala.
a O Amazonas possue os melhores terrenos
para a cultura do algodo e tabaco. A superio-
rdade do tabaco eoohecida nao so na provin-
cia como tambem em outros pontos do imperio
A pequtna porgo de algodo qne se tem expor-
tado didea multo ventajosa de sus qaalidade.
as margaoa do rio Negro principalmente o
algodo excellenle, e pode competir no mer-
cado com o melhor do mondo. O tabaco geral-
mente de boa qualidada e a dependa da prepa-
rarlo, o estado em que chega ao mercado.
A cultura rfesses dous ganaros, pois, de
multo interesae presentemente, e os nossos a-
gricnltores devem por sua conveniencia tratar de
t O Sr. H. Antony, eomo negociante aotigo e
coohecedor de provincia, foi encarregado dos
producios da commercio e ioduslria.
* O Sr. Dr. Moreira, das drogas medicioaes,
< O Sr. Dr. Freitas, do leos e essencias;
a O Sr. Dr. Pyrrho dss madeias.
a O Sr. Dr. Ceulinho.dos nineraes.
c O Sr. commandante Tarares do qua diz res-
paito a mariaba, cabos e madairaetta construc-
ges navaes.
< Os Sra. Dra. G, Das, Moreira a Coutinho da
diacripcao dos objeatos, cissaifieacio, e mais ex-
ciaraeiaMotos neceaesrios para mostrar a impor-
tancia das produeges da provincia.
OSr. eapito Guimares cou oncarregado
de fazer aa dsspezas.
a Nesse mesmo dia a commissflo reunio-se as
7 horas da taide na casa da a semblen provin-
cial, e tem continuado at hoje. teodo feito ama
importante cellecgio.
O 8r. presidente assiste quasi sefflpre as
reunies, tem empregado os matares exforgos
para que a ommfsslo consiga o qoe temos de
mais importante, aura de aera provincia repre-
sentada como de miater.
Qaasi ledos os habitantes da eidade tem con-
corrido para tornar completa a collecgao das a-
mostras, sendo por- isso dignos de louvor.
c Pabiicamos em seguida oa nomes das pes-
aoas e os objectos que offereceram.
O Exm. presidente.
1 molho de fumo de Borba.
c 1 dito de dito de Sures.
a 1 amostra de carro de pedra.
c Reama fossil.
c 1 taboa de aaboarana.
1 molho de tamo de Borba.
a 3 linguas de piraruc.
c 2 pea de guaran.
< 1 panella de jananary.
ce 1 rede emplomada.
1 acangatar.
c 1 pente de Uaups ornado.
< 1 collar do rabo de macaco:
< 1 barbs de acangatar pluma e penacho.
a 1 insignia de Tuxiua. ......
a 1 coeio.
< 1 cinto,
a 1 balsio de uaups.
< 1 pelle detamandnahy.
c Alferea Joao Caetano.
c 1 banda de curau.
, c Aoonymo. .
1 regua de muira-pinima.
1 faca de dido. ........
a 1 mago de tucum em rama.
1 volume de Abutna (villa Bella).
2 bananas do matto (lacra) dos suburbios de
Madeira.
c 1 volume com resina.
1 Santo dos Secretarios do Chriato no Igioa.
Antonio Jos Lopes Braga.
% libs. de tauary. ,
1 dita de puxiry. ......
1 cuia.
1 taboa de macacaoba.
c Antonio de Oliveira e Silva,
balaios a um banco do Ump.
< Antonio Jos Si moas.
' ";i
Hoto Jornal do Amoxonae anda taz pand-
rseos afeito judicciesas acerca de novas mudan-
cas nos dias das partidas, o sa aaiim for eomo
asieren aaae Jornal, nada oos servem os paque-
tes ds Europa, por qua aa malas ficaram retar-
dadas nasa parto, visto aa vaporea do Sal, eomo
a iWatMtovtegem, por um dia, deixaram da con-
daxir as noticias da Europa e d'America, que ahi
davina tor chegado ltimamente a 89 ou 30 do
passado.
Daseulpe a companhii e quem mais possa in-
tareaaar as neasas observarles, pois que o mal
rosaMnt* das irregularidades sentido aqui por
toata, e todos ctamam com muila razo
c As noticias cammerciaea ainda por esta vez
chegiraa aqu com mo aspecto, ou pelo menos
de Jaguarary ; louga varmelha e branca da otaria
daTapsean, do Sr. Dr. Seabra ; grande collec-
gao de objectos piolados e dourados, fabricados
em Camela.
O sorlimenlo de armas de indios grande.
a A variedade de calimbos de todoa os tama-
itos e feitios tambem graode.
c Na collecgao de redes de lapuirana, tucun,
curo etc. etc;, nota-se, principalmente, duaa
?.!?"" ;fnfaad" de penna* da cores, com
armas brasileiras e portuguazaa, tambem de peo-
nas, do Sr. bjrao de Jaguarary. >T
c Na colleago ae objectos de paha fabrUados
pelos indios encontra-se chapeos, balaios, man-
gas para castigaes, taboleiros, urupemas, vassou-
ras. esteirss, cordas
_ e vestimentas de tucum. A'
no meaos o estado de deaanimo em qoe andam os esta collecgao est reunida a amostra da palha de
negocios; polticos da Europa e pela contiouago i Bombooassa e um chapeo com ella principiado.
c Como trabaloo de indios nota-se urna colher
nota-se a ata ja pana.
psreary, cataraa a sara-
e pertinacia da guerra civil nos estados federa-
dos a confederados da regio nori'americana.
c Os ffeilos n'esta praca j vio apparecendo,
e peta vapor passado taea foram aa noticias, pa-
ra una casa commercial exportadora de borraxa,
que a osrigaram a chamar oradores fazendo ponto.
i Pala ultimas noticiaa oa negocios peioraado,
se recoohece j que a casa referida, do negoci-
ante portuguez Domingos Jos d'Almeids, im-
posaivel cootiouar ; por que a quebra em nada
menos aomma do que em ana trexentoe contar,
pouco mais ou menos, esem esperangas de me-
lhorar de prego a borraxa remeilida para Ingla-
terra.
c Com estas e outro fsetos todos em geni vio
soffrando en seua intereases, e por certa ae nao
houver um cuidado externo, e atilamento com-
mercial, bem serias serio aa cooaequecias!..
< Ainda continua muita falla de numerario, e
apisar de algumas remessas de dioheiro feitas do
Su! a variaa casas, o seu valor nao tem melho-
rao a aitutgo da praga.
< Os gneros alimenticios tambem vio encare-
ceado do prego, quer os importados quer do paiz
e por tanto a nossa situsgio a Andar o anno de
1861, nao das mala lizoogeiras.
de Sir Ricardo Holden, propagador do protestan-
tismo, tem perdido terreno, e apenas o negocio
est entra o dito Holden e o padre Euthichio Pe-
reira da Rocha, defensor das verdades do calho-
licismo.
E' que de parta a parte ji ae disse o que ha-
via a dizer. e de mais a mais o povo tete o bora
senso de oo erar as patranbas de tal emissario
da Sociedade americana, cujo fim era vender as
suas biblias pelo maior prego poasivel I...
cEstea raides innovadores que merecem com-
pleto darpreso a iodiftoreoga 1
Nesisas dias o que tem prendido a atteogo
i publicas a exposigao, que por ordem do gover-
no imperial, leve lugar n'esta provincia, dos seus
respectivos productos. Com effdito a 3 do cor-
rente, depois de precedidos os necessarios an-
nuocioa tai aborta a exposigao, pelas ooze horas
da uanhia, havendo a ella concorrido acerca de
aeia cenias pessoas al aa qualro horas da tarde
ae fechoo.
de pao, aem emenda alguma, tendo no cabo pen-
dente urna cada de anneia sollo do mesmo
pao. Nesta colher nota-se paciencia e gosto.
A collecgao de palles lioda. Nota-se as
as pellos de varias cobras, como a da sucuruj,
com mais de 20 palmos, a Ida surucuc, giboia,
etc. etc.
A' todos, porm, sobreslteos as pellos curti-
das, principalmente urna pelica de veado, fabri-
cada porLsurlano e Limi. e urna pelle de lontra
fabricada por Manoel Caelano Rodrigues. Taes
objectos sao lo perfeitos, que nada ovejam aos
das fabricas europeas. A sua iodustria de tanta
ulildade e importancia, que ji daveria ter sido
comprehendida e melhor favorecida pelos pode-
res competentes.
c Continuando a individuar o productoa ex-
postos no|primeiro solo.l ae encontrara amostras
do algodio limpo e por limpar ; castaoha de va-
rias qualidades; puxiri, arroz ; fructa de guara-
n, de cumor, de piio; vergalho de jacar,
mangarataia, algodoim, pacova paulista, sumau-
ma, mruopa-mery ; fructa d'andiroba ; cari de
varias qualidades ; assahi preto e branco ; raz
de aramia, de pipirioca, de jambaass, de cafe-
rana ; fruta de uc-uba, bacabeira, patsu, mu-
ruly, cumar, saboneie.jupaty, jutahy ; gengibre
queimosa : cacao ; summauma transformada, em
seda .era pluma, e carossos, estopa*, ticum, carau,
fibras de naissima; baunilha pacoba ; salsa do
Rio Negro, mandioca, cravo, urzella, muoguba,
(especie de bombax) casca de tamaquar, de ma-
rupi, de caroba ; jataceu, marupamery, cumat,
capimjcheiroso, mandiocaba.jauara-taaaui. sorva,
curtiga do Tocantins, aningapara, aratic. erva
chumbo, caamenbeca, abulua, salva de Mirsj,
serralinha, jamb, celidoois, sipo juquiri. Garra-
pato, pajamarioba, merapuama, patchoaly do Pa-
r, malva branca, sipo matamata, manaci ou
mercurio vegetal, muruxi, partea batalao, inha-
me, sipo catinga, are de eheiro e de comer, pu-
raque medicinal, mo de onga enorme, maga de
boi, taja muruty, linguas de piracuc preparadas,
boiosscamuty do grande, cora de abelha, bixo
de seda; grudede gurijuba. depirahiba.de ba-
gre, de pescada ; varias qualidades de tabaco ;
qae
coi
desenvolve-los tanto quanto fr possivel. De 17aZ "'.""' ,ae c"ci1 a Pte, i
om o inleresse1 particular vVi o infere.- ^^','v,em80te, de >
lanerldadn dn nrnvim-i. ,m. lnrt. c,ra0iury, > miluy.
se geral, a prosperidade da provincia, qne todoa
nos tanto desojamos.
Temos faeilidade de eommunicagdes, temos
ama linha de vapores que psreorre o Amazonas
e Solimes, temos ludo que preciso para for-
talecer a cultura.
Terminando, julgamoa prudente dar um con-
selho sobra a Cultura do tabaco.
a A raaneira por que se propara o tabaco en-
tre nos (em molhos) boa, nao ha duvida, po-
rm tem a desvaolajem de nio concerva-lo por
muita tempo em perfeilo estado- Alm disso,
o tabaco em molhos s pode servir para cigarros
ou raps, nio para charutos, e em charutos
que elle tem matar appleagio e fcilmente pode
ser transportado. Convem portento que elle seja
preparado em folha, ainda mala pela razio de
oo custar tanto.
c Na exposigao qoe vai ter lagar na corte, o
tabaco e algodio do Amazonaa ho de oceupar o
primeiro lugar.
a A commisso nomeada pelo Sr. presidente
para collegir os producios da provincia e aerem
remetlidos a exposigao da capital do imperio,
reunio-se oo dia iO em palacio.
< O presidente da commisso, o Sr. Dr. G.
Dias, depois de expOr o fim da reuniao, e as
difficuldadea com que ella tinha de talar para
preparar alguma cousa que corresponder a ri-
queza da provincia, nomeou quatro commissaes
para mais faeilidade do trabalho.
c Os Srs. Dr. Rstellita, coronal Leonardo, co-
aego Azeredo e Antony forsui encarregados de
colligir na capital os objectos digoos de serem
mandados exposigao.
< Coronel Bezerra.
c 1 remo pintado.
< 1 hastia de harpio.
Eogenheiro Coelho.
1 acangatar.
Plumas para outro.
c 2 taqueras de caga,
a 2 flechas de pescar.
Custodio Pires Garca.
4 linguas de piraruc.
n i amoatra dechrystal de rocha.
Dr. chefe de polica.
1 pente indgena.
Major Dantas.
1 volume de peripioca miuda.
1 dito de lita grada.
< 2 ourigos de castanha.
a 2 conchas (urui).
c Liogaa escama de piraruc.
Pedra pomes do solimes.
Chrystsl de rocha do rio Branco.
< Cury do rio Madeira.. .
Taua do dito.
Abutua dos suburbios da cidade:
< Amostra de moira-pinima do rio Branco.
c Pdtcholi indgena.
2 buhas pintadas do rio Negro.
a 3 magos de piassava em rama.
1 volume de castaoha. .
1 embrulho com algodio de Manios.
c Inocencio Antonio Cirilho.
a 3 pellos cortidas na provincia, de boi, veado
e cabra.
c Joaquim Piolo das Neves.
1 pacer com pedago de pedra pomes.
< 1 pedago de breu branco.
1 pequea amoatra de brea natural.
c 1 esteira de flecha envenenadas.
c Joio Ignacio Rodrigues do Caroso.
1 ralo uaups.
1 rede de tucum.
1 fogareiro da barro.
Comandante Nuno.
c 1 muruc-maraci hiapura.
c 2 magos de curabir, idem.
el dito de flechas, idem contando o segoinle :
3 arcos, 8 flechas de hspio de oseo, 8 tiqoaras,
1 ditas bifarpadas ; 1 dita de paxiuba bifarpados,
3 dito farpada simplesmente, 1 dito qoadrilatera,
1 dita de pao d'arco bifarpada ; 1 dita de dito
farpada simplesmente.
1 sacco tecido e feito pelos lasas, 3 colares
| com denles de macaco, 1 dito simples, 1 pinga
e de
liry
1 moriogue.
< Sementes d% caramury.
a Pedro Gongalves Pinheiro.
2 pegas de cera natural.
1 mago de curabis.
c Vicenta Alvos da Silva,
c 1 vidro.com oleo de aaeafras.
c 1 dita dita de tamaquar.
< 1 cuia pintada.
1 abano. '
quando se fechoo. Alm de rauitas pessoas no-1 breu cheiroso e branco ; gamma e resina de ca-
larais, estiveram presentes o Exm. bispo, coosu- iueiro, e copal; seda de Bombix do Tapera-uba ;
lea da Portu#l, Heapanh, Frnga. Austria, as- leite coagulado de magaranduba ; cal e aab&o da
"Q Jcor9y odjjatiucto Povta brasiUeire Antonio | ful n nj^ lnfn lliln mi de Aredo,_'sabio, vina-
ehefe de polica, e a commiaaia nomea'da.
< S. Exe. ao abrirem-se as portas da entrada
dos sales, onde se achavam os productos natu-
raea e industriaos, imprevison um eloquente dis-
curso, em que se reconheceu a animago de qua
se achara possnidopor semelhante acto, eos re-
cursos oratorios de que ara dotado.
c Nao fago com isio a S. Esc. um elogio. To-
dos os circumstantes que o ouviram, Rodo o
improviso, o comprimentaram, e os jornaes em
geral o tem dislloguido por tal motivo.
a A' entrada de palacio, viam-se as respecti-
vas portas magnficamente ornadas de bandeira.
de diversas naces.
. -wrsiarea a sua
mental, e Joao Ltilz de La-Roque; sabio de
Joaquim Freir de Almeida ; assucar ; farinha
de diversas qualidades; gomosa de tapioca, zer-
zelim, e muitos outros productos, sementes, rai-
les, froctos, rezinae, etc., que nao lnhom le-
treiro.
Em quasi todos os nossos productos sgrcolaa,
principalmente nos cereaes, ola-se um desenvol-
vimento prsico extraordinario, o que demonstra
a poderosa torga da nossa torra em todaa as ga-
las da sna pureza.
EDtrando-se no segundo sali ds exposigao,
encontra-se, logo a direita,
a direita, urna reqaissima col-
lecgao das oosaas madeiras. Ahi estio as amos-
O povo manifestou a sna satisfago econten- |r** das d?"" corpolentas e magostases srvores.
tamento com a grande variedade de objectos agri
colas, naturaes e industriaos expostos i sna st-
tengao.
< Entre os leos e os vegetaes appareceram
alguna objectos novos; tambem foram admirados
pela primeira vez nesta],provincia a nela e a
gultapercha ; os productos de borracha do Sr. H.
A. Straas ; a armago d'um veado de tamanho
extraordinario echada as cabeceiras do ro To -
cantos ; os chocolates do Sr. Joao Aotooio Cy-
priano de Paria ; os papis cortados pelo escra-
vo do Sr. Jos Coelho da Motta ; a eatante com
142 qualidades de madeiras; o cacho d'uvas de
borracha da Exms. Sra. D. Arcelioa d'Almeida ;
o pequeoo alambique do Sr. Moraes ; a talha
graode da olera de Tapar ; o meld'sbelhss de-
purado, pelo Sr. Tedeski, a magnifica rede de
maqueira com varandas de pennas ; o molho de
tabaco pesando 36 libras, as farinha do Sr. Ca-
listo ; um curioso o delicado bordado da Exma.
Sra. D. Florisbella Rodrigues Duarte oceupa um
lugar digno de especial raengio, entre os objec-
tos expostos, pelo primor do trabalho, que mere-
ceu a estimago de todos, assirn como o bello ra-
mo de flores de pennas da Exma. Sra. D. Barbara
Mara Soares.
A conmisso foi e 6 gerslmente loovads,
pelo muito que fez em tao curto eapago de lem-
po, que teve para trsbalhar, sendo para iaso au-
xiliada pela Exm. Sr. presidente da provincia,
que nao poopou eatorgos para tornar o acto o
mais pomposo e brilhante possivel.
a O edificio do palacio do goveroo, e as suas
salas illuminaram-se nessa noite, tacando as mu-
sicas qae li ealavam variaa pegas escolhidas al
alta bora da noite; a concurrencia do povo ainda
foi extraordinaria ne3sa occaaiio, comparecendo
varas familias.
< Os jornias desta cidade tem individualisado
os objectos expostos pela raaneira seguinle :
< 1.a collecgao. Productos vegelses naturaes,
comprehendeodo hervas, ralzes e fruclos.
2.' Resloss vegetaes.
Farinhas, fculas e assucar.
Saboes.
Fioa asaos tecidos.
ubjeclos perteocentes coslumes.
Objectos manufacturados de madeira e
Para.A mlnuciosidade do nosso correspon-
dente dispensa-nos de qualquer commontaro :
t A incerteza e ioponmalidade dos vapores tem
causado n'esta parte do Imperto serios transtor-
bos e mesmo embaragosa todoi, a especialmente
ao commercio.
< Nao sei quando este estado excepcional da
navegagio a vapor, acabar por qae leste modo
melhor nio haverem paquetes.
O Apa ers squi esperado oo fim do mez passa-
do, na preaumpgflo que acompaohta tlvesse mu-
dado as partidas de Rio de Janeiro para 15 e 30
da cada mez ; porm passando-se alguns dus da
poca marcada para sua chegada, deprehenderam
todos que as cousas roltsvam ao mesmo estado
quanto aos dias das sahidss i 7 ei3.
a Mais um dia, mais outro ae passam, e a 8 do
correnta annneia o telegrapho a chegada do Apa
que do Rio s viera a aahir a 20 de outubro I
c Estas mudangas estas iocerttzas tanta na ss-
hida como na chegada dos paquetes, nio augu-
rara bem da companhia respectiva, a ainda me-
nos do seu serrigo interno e externo e meios fi-
nincetros I,..
3.*
4
5.
6."
7.*
palha.
c
8.*
9.
Utensilios e armas dos indios.
Artes ceranisas.
10.a Madeira*.
11. Argilas.
12.a Objectos mineralgicos.
13.a Selvas da difiranles plantas.
14.* Artefactos de pennas, borracha, papel, o
agulha.
< 15.* leos e gorduras.
16a Grudes animaos.
Licores e aguaa-ardentes.
Legumes e cerosos.
Doces o chocolates.
Tabacos.
Bellas artes.
Todos ficaram sorpreheodidos com s quantl-
dade e escolha dos productos apreseotados em
lo pouco tempo, o por tanto com prean deram
eomo seri magestosa ama exposigao do Para,
quando baja aviso com antecedencia.
c No primeiro sali, diz o Jornal do Ama-
zonia :'
Entre os diversos objectos de louga nota-se
ama grande talha, com rkos ornamentos, repre-
sentando flotes coa a cOr natural, dn Sr. bario
17.a
18.a
19.a
20.a
21.a
tanto medicioaes, como proprias para tioturaria,
construego naval, contruegio civil, e marcene-
ra, sem faltarem as leileiras, oleosas, rezinosas,
cotonigeraa, venenosa*, fibrosas, carvoeiras, aro-
mticas, fructferas, e palmeiras.
Sentimos nio poder individuar todaa aa a-
mostras, e ji coleccionadas; ah seguem as que
podemos notar;
Abiorana, abrico, acap, aceparana, acoari-
quara, aodiroba, (varias especies), angelim, (dito
pedra, dito vermelho), aoauira, aragaraoa, (ara-
garana da malla) araracanga, anani, assac, a-
map, aroapa-rana, arimio.
Bacury, bacury-pari, breu branco, batinga
da varzea, buzo.
Cajueiro, cajueiro do matto, castanheiro,
caur, cedro vermelho, coquilho, cubauba, en-
piuba (dita preta, dita amarella), cupicaby, cura-
mi, caruata, cabacinho, carepe-rana, cuia-rana.
c Embireira branca e preta.
FaveiradSanto Ignacio, e ds varzea.
Gurajuba, guiasa, genipapeiro, goyaba-ra-
na, guarinha (dita amarella), guajarahy, genipa-
rana vermelba.
Iiauba (amarella, penima, preta vermelha),
inajarana,.ip da varzea, Jacaranda, jutahy, jabo-
t, jacareaba.
Lacre, loara (abacate, amarello, branco, cu-
mar, pasaarinho piriquito, preto, vermelbo), li-
mo-rana.
< Macaciuba (da malta, da vanea, da trra
firme), maparajubeira preta, magaranduba (da
malta vermelha), mall-matti, (da malta, da var-
zea, preta), mauba da Malta, muragacaia. mara-
gacaiacanga, muirapixaoa, maracutiara (branca,
caboclo), murapanba, narapioima, murapiranga,
mazazema da varzea, muruxi, mututi, morotol,
macuc, mangabeira.
Paca-pera, pao (marello, d'arco, breu, cruz,
oleo, laraoja, marfim mulato, raioht, rei, rosa,
roxo, santo, macaco, setim),paparauba. paracau-
ba patau, piqui, pretaraoa), pitaiea, pitimbei-
ra piriquitoda varzea.
a Quaxindubeira.
c Mal de cedro.
a Saboarana, sapucaia (da varzea), sapupira
(branca, preta), ssbolioho da varzea, aerngueira.
< Tamaquar, latajuba, latapiririca, tiotureira.
c Ucu-uba, umiri (da varzea e da malta.)
Outras amostras de madeiras ahi eatio ex-
postas mas sem disticos ; assim como tamos ou-
tras madeiras, que nao foram expostas por falta
de lempo.
Bastara a nossa extensa collecgao de ma-
deiras para apreseolar-noa como um povo riquis-
simo, se tantas nio fossem as contrariedades,
que soffremos, sendo a principal a falta de meios
de communicagao pela couaervagao do Amazo-
nas fechado 4a bandearas da Bagos commer-
ciaeae industriass. Acresce, para prour o es-
quecimento tn que estamos, que ha tanto lampo
est determinido o commercio de tramito com o
Per o nio ae execula por falta de raguiaman-
to 11..
a Voltamos a exposigao.
Ainda ignoramos, por falta de exploragoes,
as nossas riquezas mineraes, apenar de parecer
be ji fundado o juizo de que as devanaos ter en
abundancia, egundo a naturaza dispoaigo do
solo. Nio obstante ahi estio expostas trila e tan-
tas amostras, de aradla oclusiva a de Kaoln, no-
tando-se que as h amostras d'argila de Obidos
parecem marm.ore.
Ahi estio s amoatra da cobro, turfas, con-
glumeradot de diversas pedrs, carro de pedra,
amalhista, pederneiras, asphalta. quartz. bnli-
no 4. 4.
Na mesa dos mioeraea est um relevo (espa-
cie cermica) representando a descida da em,
irabalhando pelos indios Moras.
c Na collecgao de tinturas
pslcholy do Par,
pira.
Depois segoem-se os taitas de marure. ( dito
jrmelho.) gnsxindaba. cumaty. na asaca muraptoa, swinga, aacaba.
Nesta mesma mesa est exposta potaasa
rasnajga, e anido fioissfmo exlrahido da rete da
mandioca .
Na collecgao de otaos ba os segu otas: alo
castaoha, amendobi, baunilha, patau, bacaba
dendem. andiroba, cumai, ucu-uba. caeio. pi-
qui, macaji, murur, aerioga, carrapato, (ra'oas-
880, cupahiba; mantaigss da aaaahy. japaty.
rba'" *B P>""- aata.aaearaja.gaa-
Finalmente ahi est ana colleceio da artefa-
ctos, dos quaes notaremos os priocipaea.
aao o aeguinies:
Armas brssileiras bordadas someole
peonas de sores sproprada.
Armas peruaonaa bordadas do mesmo nodo.
Caixo de uvas de seringa.
18 amostras de seringa imitando casimira
O paseo da paixio de Cbrtsto a que en ou-
tro numero nos referimos.
c Laberintos de pspel.
a Diversos animaos de gusrani.
a Florea de pennas, escamas de peix, aparas
de plnho, palha de centeio, panno, o asas de ti-
zo uros.
a Concluimos hoje a ligeira noticia da primei-
ra exposigao paraense, que, anexar do limitad
tempo que teve para preparar-se, deixoe entre-
ver o qoe a portentosa riquesa do productoa
das duss priocipaea provincias brasilelras do
graode valle do Amazonas.
Hontem, quiote feira 7 do crrante, fio-tan a
exposigao, quando o seu eocerrameota eslava
annunciado para o dia 10. A razio para taso foi
a chegada incerla do vapor, qae tinha de levar
para a corte grande quantidade de productos.
Entretanto, S. Exe. ordeneu que em todas as
noites tambem fosse permittido o iagresso no
saldes ao povo ; e nessa oecasiio eran nata con-
corridos, nio s por ser a horaa naia desocupa-
das, mas porque a illuminagio do palacio, e a
msica que ahi tocav aoimon constantemente
maior affluencie, especialmente de familia*.
< O vapor igualmente foi denorado nai dona
dia do que costume, afim de coadazir os ob-
jectos, e com elles seguem para essa provincia o
naturalista Bruoet, e o poeta Gongalves Dias pa-
ra a corte, os quaes levan outro* objectos o ra-
ridades su motamente apreciareis e que alo fo-
ram expostos aqui.
c Alm deate aeooteclmento, nenhom tacto 4o
maior importancia tem-se dado nesta provincia ;
lado prosegue em calma e plena tranqulliidaoo.
c Infelizmente da salubridade poblica desta ci-
dade nio se pode dizer tanto ; pois qae febro
amarella contina a fazer victimas, aobra todo en
eslrangeiroa reeen-chegadoa e nio aclimatados
a o paiz.
a Eotre o fallecido conla-se o filho do con-
mendador A. J. de Magalaies Basto, qae s*w-
sumbio em cinco dias.
c Foi igualmente victima de nn ataque cere-
bral o Io lente da amada Joie Cario de Soa-
za Machado, natural dessa provincia.
Era um moco hbil e eneio de vida ; esteva
aqui empregado como traductor das noticias es-
traogeiras do Jornal do Amazona* e lete do
mathematiess do collegio de Santa Cros.
< Era um brasileiro digno da provincia que o
vio naseer, porque tinha a iotelligencia fcil e o
genio vivo, deixaodo um nome qae deve ser lean-
brado por seas comprovincianos e cantaradas.
, e O Jornal do Amasnos di a noticia da aa
morte por estes tenaos :
< No sabbado de manhia apparecea norte esa
sua casa o 1 lente reformado da amada bra-
silera Joio Carlos de Souza Machado, ootavel
pelo sen talento e illastragio.
< Supp5e-se qae, atacado fortenente de noite.
nio pode ser aoceerrido, sendo encontrado depeia
estendido no quiotal.
Deixa um Altitono na orphsodade, digno da
maior protaegio, poia seu pae nenhuna tartana
Ihe legou.
c O fallecido era traductor das noticiaa estran-
geiras para este jornal, e deixa um vacuo diffial
de preeocher. >
< O Glhinho qae deixoa esti seb os cuidados
do padre Pedro Hooorato Correa de Miranda, di-
rector do collegio de Santa Cruz e do Dr. Joa-
quim Baptiata Moreira, amigo de infancia do fi-
nado, at qne a sua familia resolva alguna coa-
88 a bem da sorte desee orphio.
a Remelto-lbe a neebrologia deate a caos-
provinciano para a publicar, ae qaizer, poia qae,
alm de bem escripia e verdadeira, hoora a a-
mo na desse iofeliz.
c Vou findar, porque, apenar da daara do
vapor nesta porta, guardei-ne para a ultima ho-
ra, por afazeres particulares.
Navio a descarga.
Patacho portuguex Tereeireiu*, rindo hontem
de Lisboa;
dem... americano JI. A. Fishtr, vindo do No-
va -York.
c Navios i carga.
Barca... porlogeesa Nereida, para Listos, s 10
do corrente.
dem.... idem Amaxonas, a li para o neasao
destino.
Patacho ingles Cupido, para Liverpool.
Navios entrados a sakidos eso porto alete pro-
vincia no es de outubro previno ftndo.
Entrados. Sabidos.

Brasileiroa ..
Portugueses
Americanos
Ingleses ....
t
2
a
9
10
t
1
s
c Total 15 17
Navios estranoeiros entrados t seatelos asta
provincia no u de outubro proxitno fino.
Por logete*...
Hespsnhoes ..
Suissos........
Franceses.....
Sardos ....%...
loglezea......
Americanos...
Dioamarqaezea
Total
37
9
1
O

O
o
47
15
f
1
t
1
1
*
1
M >
ao Pubiicador Martm-
S^Maranho. L-se
heme :
a Acha-ae fondeado no porto doToborio jarato
ao pharol de Sanl'Aona, o hiato Oiivowa II, ce-
pita o Jos de Oliveira Leito, sabido de Sargia*
para Liverpool com 389 eatxee da aseas!, a
1,000 cocos, o qoel toado Saenaotrade ae sania
de Cabo-Verde toveoda 80 alea de tagen, oso
d'ali ao ponto onde se aoaa con 42 dte. Picoa
a bordo do navio tr eaeitao o 4 nariabesrao,
chegando hontem e ee porto a pita lo e 4 ate-
rinhalros, afim do contratar sata a consaehia oo
vaporea o reboque daqaaAlo usvio para esto
porto.
Hontem (27 do panado), reaoiran-ee aa
accionistas da companhia da illuminagio far.


*:'
ltH MMCTOI II OS AT! ITff^Q
D
ftUfiJO 61 tlMAMIGOb t QL1RA FEU 30 Dfc KOVEMB&O 1 1861;
*
a sssemblagersl represntala por M socio-. a O capstai nao se tem defendido satisfacto-
nlalas cora 2/74 accoes e 1BO-tato*, ricnaren ; em materia de deteza fem-se balido
retirada.
Tartrrto
Foi Horneada por aceta mi ja o a mesa provi-
soria sendo :
Presidenteo Sr. Joio Pereira Leile:
Io seerelario o Sr. piI'tUIII^BUl! II
o
a-
Almeida Braga
dasnnnnflnfe'ario
ajeen.
rEm seguida tora submetlMoe discusSo
spettises Mtalos, pe oemeraoa epproJ
lo.
Prasadsndo-se depols a etaicao da meaa
"Val* 8eral deu o escrolitiio o aearu
Hitado :
a rreaidenteo Sr. Rajaurteo Auguito de S,
coa 180 votos.
\* cecreurioo Sr. Br. Gentil Homero de
Almeids Brega, com 179 otoa,
1
"roer, com lo I votos.
As accoes subscriptas doranle o praso an-
nanetado (oram de 2;(XH, reaUdo 1,999, que
totam bontem essigeadea pelos respectivos
empresarios. >
""Consta-nos que a comrolssao de prac* ?ii
representar ao governo imperial contra a' irregu-
laridade dar viageos dos vapores da companhia
brasUeira que tantos traoaloroos tem causado
sociedade em geral e com especialidade ao nosso
commercio. >
Hoje (8 do corrate) ao (aier-se do vella o
patacho Emma para sabir para o Par* abalroou
-com o vapor de gut.n O. Pedra fr.eido-lbe
argoma avana na pOpa.
C/ar.Limilaruo-nos carta abaixo de bosm
correspoiidenic :
Re.lisa-se hoje comigo, o que aconteceu ao
marido que escjeia oiulber. Priocipio est.
por oio ler nada que faier, e acabo per oto ter
nada que dizer.
Isto por aqui a respeito de aovidades est
em biin-mif a aguas vivas.
a Aqui para n, um pabae papjWo que anega
a eocarregar se da ser correspondente de um
jornal, nao sabe por ceito a encamiaada em que
.Que ligara indecente nao stou eu agora
faaeodo, com a caberla peodida sobre a meo ea-
Quetd, boquiaberto, coaa a pe%p.a sospeoss so-
ba*) o papel, cogiUndo com que, hei de eocher
estas tiriohas e papel qae Moho diaote de
mim ?
5" verdade que isto acontece .rnente ao
correspondente que quer cumprir sua misao
como deve, e nao torturando a verdade, desfigu-
rando es (artos, e al inveniando-os seu bel
jirazer; e porque deaae modo nao fas nada maia
fcil do quo arranjar materia para duas oa tres
columoaa de um joroal, anda mesmo do tama-
nho. e cora o lypo do rimes; e a falla de eulros
oieio recorrersea Mil asna noUct, e capia-se
algumas de auas bislorias, e est prompla a
correspondencia,
a Cu porm nao pecio asaim.
Entendo que aquella que eacreve para o pu-
blico, nao deve jamis apaarse da verdade na
esposico dos [actos que noticia : ter indepen-
dencia bastante, para collocar-se cima oe afei-
cpea ou dei.fT.iic.des ; de recelos ou promessaa
para nao deixar ticar alguma coasa no tioteiro,
oa tirar de l o que nunca devera ter sahido :
imp.rcialidade, para quando houver de emiltir
juizo acerca de algum negocio, s ler em mira a
justice, pondo de lado mesquinhas considera-
(Oes: reserva, e urbanidade para quando ti ver
de fazer alguma censura, ser de maneira, que
sirva decorngir por meio da brandara, e nao de
exacerbar......
Ora eala 1 dei agora para pregador I
Ouaotosaolerem oque abi deixo escrito nao
dirao. Quers le inculcar? Quem te nao con-
necer que te compre.
Alto l ; ou poderei muilas vezea eogaoarme;
poderei mesmo arrastado por algum sentimento
meaos desprevenido, proferir ama opiniao iojus-
u, ou urna proposito inexacta ; mas fique cer-
io, que quando jaso acontecer, nasce de erro de
utelligencia. ou de cegueira de paixao e nao
com conbeetmento do mal; e o nosso cdigo nao
pune, quando aquelle nao existe, nem a intenco
de o pralicar.
* Eu 'be prometi que se alguem laxar osen
.jornal de nao verdadeiro, por cauza de alguma
noticia que parta desie seu creado, hei de Ioro
darme por citado, e lomando a autoria, bei de
deiender-me com a minba mela lingua peranle
o tribunal da opiniao publica.
Deus me livre, que encheodo as boxechaade
veuto.e deixando escapar algumas baloradas diga
mutto cheio de-mim. Nao olho para quem
paira tao abaixo da minha pessoaa, isto porque
se augura andar por esa. .titiras entre oa
astros.
a Hontem chegou o Jaguarxbe j s 6 horas da
tarde, quando nao era maia esperado ; eu porm
anda contava com*a pontualidade que esl sendo
tao bem observada pela companhia Peroambu-
caoa, a que desta voz aluda nao foi desmen-
tida,
a Deus a conserve.
a O Cuajar ainda at boje nao chegado,
o que nao Omuito aalisfactono para o commer-
cio ; de presumir que chegoe amaohaa, e que
eu anda Ihe poasa noticiar a sua ebegada.
a Procedeu-ee no das 4 5 do crrenle
airemalacao dos impostes proviucieea, olivemos
um accreacimo de corea de 23 conloa sobre a do
anoo prximo pascado*
Assim foi boni; porque servir para equili-
brar a dirriouicao que deve haver no rendimen-
io do disimo doa gados groases, cuja arremaU(io
cosluma ter lugar em margo, a que infallivel.
mente tena de produzir menos do que no ultimo
auno, por causa da baixa do valor do gado.
J principiaram a sabir os destaca meatos
que tem de ir para difTereutes pontos asaistir
eJeigSo para seoador, que vai ler lugar oa dia 8
do prximo mez, e os demais vaw gskaodo con-
forme a distancia em que ficam os lugares nara
onde vio. v
A pobre guarda nscional j est de cogoU na
carga, isto augmentou-se o numero dos que
sorem; porque, rre do tal destacamento
nunca ella eeleve.
Eu recooBeeo, e coafesso que toroa-se iodis-
peasavel este pezo onerosisaimo que ao impoe
guarda nacional, mas >mialer que se trate de
adiar o meio, de remediar tao grande mal, que
dmrai tunta gente de sosa proflssee, dando-lhes
urna paga muilo inferior aquella, qao recolhem
Oaaeus reapecluoa mIkos.
Parle da companhia dramtica que aqui se
acbava daado espectculos desde julho, retirase
ueste vapor; o resto ai ao Jaguaribt quando
voltar do norte para onde parti hoje.
* i i""? "^P"^ baalaBea mediocre, mas
nao, oMao e Bao dea.graoou. grac.s falta de
divf rtimentoa de que se resaaata eeU eidade e
apaaar doi pequeos rei-uraoa da tarvaaosaaso
teve concurrencia.
O actor Coimbta, sob tuja direccao ella tra-
tttlriou, vai, segundo Wsaho oujdO diier, tomar
tonta do thealro dessa, e pcejtaade oliar aqui
para o anno.
Se isso sa realtaar#er*.para ejar que se
previna ao meoos^ik^iaiBtiiz superior s qoe
tb*lhraagor*>Maj|iislaBarealidade nao aso
de grande mrito artstico. Peco-Ibes que se o
ofrendan, com a franqueza.
. O iratamento que aqui recebeu, faz-mees-
perar que o Sr. Coimbra nao je negar ao meu
pedido.
Devo em hornsroagem verdade diaer tam-
bera que todos se aortaram b-m, e quo segundo
me consta nao deiiam rabo i plha. '
* Parece qua n*o estamos cam etenjees aporta
exeo;ao das earahas que gyram peoindo un.
volxn/M pelo amor de Deut, para eputtdo pro-
vincial, e doa destacamentos.que sahem aem es-
trepito nada mais apparece.
Os esndidalos senatoria flzeram sua pri-
meira a*ncada, eamboscaraai-se.
a Corafesao-lbe tagenuamenle qae a exoepcao
. do Dr. Vign! Fmneodes Vielra, nao aposio ama
pita-fa de tabaco per nenhum dos cetros pretn-
denos.
Crelo de todo o coragio qae a eleiclo se
tara no remanso da paz e tranquillidade que s
ata iolerrompioa pelos soloeet, e-ela lastimosos
dosenlorquilhados, qoe na forma do costme bao
de altribuir a derrota ao preaidente da proTtacia
e lovaatar centra dio sus quetxes.
em
delxa
flVt)
cansa commum com o padre Ver-
(fallo no nome deate senhor porque elle
faz disao mysteno. e em urna toda em que
me^acbava o Wbliconi a inieo^rocurou nara
**? lancadoi um alBipaV iojuMsir ta-
bre o guarda raer qio eUesIpi^oa sero-rV*-
ntas., jA
lata para mim auffldeote para dar-lbea
perda de caua ; quera na intprenaa recorre ao
da insulto ou injuria, porque nao tesa oulroa
eegulnte meios de que tangir ro o contra o se cooten-
do r.
AratJles injurias, ftceram algumas aecusa-
goes aa guarda-n.r entre as qaaea, a par de al-
gumas travs, tem putraa muilo irrisorias.
O guarda-mr porm procedeu mui diffe-
SSfiiuPII?. faenciMO Cartea maaf*""""*" rnp-tai ; Thrnicu o ornal a
potrsrbttidarle, e apretentou duas quetxas ao Dr. t
chafa ^e'pojiciajuma por injurias, oulra por ca-"
Inmmas contra o respoossvel legal, oqualainda
nao cumpareceu em juizo, mas garalmente se
sabe ser um proletario, que o capataz mandou
ch-saar a toda a preasa a urna legoa da capital, a
qnem promelteu XKtyOOG para aasignar a respon-
sabilidade !
< E' assim que sa coospurca a impreasa, as-
aim que se desacredita essa poderosa allaranca
- da civjlUago, qoando s- devia aerrir para guiar
e dirigir opiniao ; elogiar e engrandecer vir-
tude, combaler os abusos, e seosurar o vicio,
apparece urna solemne descomuoslura a um em-
pregado zeioso e honrado, e de una posigao ele-
vada, e quando este procura o ofensor para com
elle esgremir, eocontra-se com urna sombra.
Nao obstante isso, ouvi dizer que o guarda
mor far proseguir a accusagfo anda que ae ap-
preseate um elephantitco.
fi O que me admira o capataz ter confiado
sua defeca ao tal testa de ferro. Que elle fize8-
ao aecusagdes ao guarda-mor por esse mel,
concedo, porque isso se explica mui bem, pela
falaidade dellas ; mas que nesse mesmo artigo e
pelo mesmo' autor se flzesse defender, oque
nao sei explicar, a' renos que nao quizesse des-
mora lisa r sua propli cass !
Apezar do exempto que Ihe deu o guarda-
mr, o capataz nao se anima a chamar o Vcrias
a contas, nio obstante as provocaces que este Ihe
tem feto para isto.
Ninguem aqui duvida da probidade do guar-
da-mor, que tido por todos de donlro da sus
r.e?frl,S80 (fenos o capataz, j ae sabe] e de fora
de*.la, como um excelleote empregado poraea
zelo, honra, e intelligencia ; com tudo se nao
obrasse da maneira porque pralicou teria Miado
ao seu dever, e d'aria lugar a malvolos juizos. 0
pobiieo o condece, e os tnbunaes Ihe farSu jus-
Na nota que Ihe del em urna de minhaa an-
teriores doa lugares para onde destacavam varioa
offlciaea, houve algumas inexactides, nao sei se
devido isso s informsges que colhi, ou algu-
raa troca que se fez posteriormente. NJo vale a
pena moncionar as allerages que se deram.
cr Hontem, 15 do correte, pelas 9 horas da
noite, fuodeou o Apa, que vai sahir hoje ao meio
Qli,
0 Cuajar ainda nSo chegado. >
Rio Grande do Norte. Eis o que diz o nosso
correspondente :
Parti desle mondo dasillusdes para ir ha-
bitar a trra da verdade o Dous de Dezembro
de saudoaa recordarlo, que vio a luz neala ci-
ida d0 Nalal em igual dia e mez do anno de
Militar corajoio das Hleiras conservadoras,
leal a causa, cujas bandeiras jurara, nao evitando
mas antes provocsndo frncamente a discussao
de sous principios, o Dous de Dezembro- sus-
tentou sempre com honra e dignidade os foros e
as ideas da politicalque professa/a.
Brilhaotemente redigido pelo seu mesmo
proprietano, o Dr. Amaro Carneiro Bezerra C-
valcante, natural desse Pernambuco. coadjuvado
por outras pennasigualrnenle habis de Pernam-
bucanos aqu residentes, esse luminoso methe-
ro tambera seria pernarabucano, se para esta es-
pecie de flliago fosse applicavel a reKra dacona-
IIiinigao do imperio, que maods considerar bra-
sileros os fllhos de cidadaos brasileiros oaszidos
em outros paizes.
Em todo o ceso podemos affirmar, que esse
raio de luz, que por perto de doua anno* illuoii-
nou a nossa alhmosphera, parta do astro fulgu-
rante, que gira dentro da rbita da eidade doa
vieiras e Cameroea, quero dizer da academia do
itecife.
Em seu curto transito pelo meio de nos deixou
o uous de Dezembro um trago tao vivo e tao pu-
.eD.- h ,*!. q da mais -pd.,
anagar doii o!,W riu.i a. .,. uu,
leitores. E eu, quo fui um dellea, offerego-lhe
este microscpico tributo, que depoao em aeu
tmulo, de mea reconhecimenle e admirago.
Consta qoe tambem vai deixar de existir o Rio
Grandense do Norte; pelo menos o que j cer-
to a suapengSo de sua publicaglo, que muilo
se nao faz. Picamos porlanto s securas, e quem
quizer dizer alguma consa pela imprensa tei de
recorrer de Outras proviucias.
Alguns peasao, que estes desepparecimentos
sao manobras da poltica, eu acho porm, que siu
dficits, que se do nos respectivos orgamenios:
pois qua oa dficits aqui esio na ordem do dia!
sea oaa floangas publicas, seja oes particulares'
At agora cram rnente os empegados pvovin-
ciaes, que choravam agora choraai tambera ns
geraes, ba um detieit de 26:5ta422 no cofre ge-
ral, e neste exercicio de 6162; esperava-Se re-
curao de Pernambuco pelo ./agnaris, elle porm
nao o trouxe, dizeodo que viuba pelo Tocantins,
chega o Tocrninse apenas vieram dous coutos d
res, que qnaai para nada chegaram.
Veja agara Vmc. em que difflculdsdes nao
eai se vendo oExm. Sr. Dr. Leo Velloso: coi-
lado; elle j tem medo. quando entra algum
'otem para o cofre provincial, por que nesse da
choe os pedidos de urna infinidad? de pretn-
danles, cuja maior parte Oca por obler favorave!
deferiraeoio, 0 que paca S. Eic. urna veruadei-
ra oor.
a Entretanto os pregos de todos os gneros
eslao autoirrto. que faz admirar ; fallar a ver-
dado dos beneflnoa do invern j nao gozamos
um s; quando pelo contrario luamos com lo-
dos os males que nos elle deixou.
Das volagea receidas at hoje se ve, que a
poltica conservadora triumpha por ume graade
maioria ; falisao toda alguns collegios, maa es-
sea anda quando dirergissero, nao fariam alte-
agao sensivel.
Nada maia por hoje.
P. S.A demora do -tpn permittio, que neata
mesma carta Ihe mande o resultado da votaco
feeal da proaincia, que o segrale:
a' Sr' Amfro Ga/neiro Bezerra Cavslcantf. '
%. r. Jos Haria de Alouquerque e Mello.
i" i* Vloo, Pe,an 4. Dr. Antonio. AUdim deAfaujo.
h T"19'0010"81 Bon*f'> Prenctaco Pinheiro
oa cmara.
6. Dr. Ernesto A mor i m do Valle.
7. Dr. J.o Valenlim Danti* Pinang.
8. Dr. Jeronymo Cbrat Raposo da Cmara.
9 Dr. Oclaviano Cabra) Raposo da Cmara.
10. Fraaenco Bazerra Carakunli Rocha Mata-
CwffarsW
ib 0"0 fDacia de Loyolle Barro.
12. Br, Hanoel Jo* Fernsndes
13. pr. Francisco Xavier Pereira de Brito.
14. J..ao Chrysoatomo Bezerra Cavalcantr.
lo. Thomaz Joa de Ser-a.
J6. Dr. Lau Carlos Los Waoderley.
17- Alexandre Magno de Oliveua. _
18. Dr. Lniz Rodrigues de Albnquerque.
19. Anlomo Policarpo do Amaral Lisboa.
20 Dr. Jos Uoreira Braooao Castello-Branco.
21. Vigario Jos de Uattos Silva.
*2. T-negte-eorooe| Jos da Costa Villar.
Esta lisia est feta na ordem da rotsgao
seodo a Dr. Amaro o mais votado com 287 rotos,
e o- ultimo com 172.
Por ella se v qoe entraran de envolta os
uva temenos que para isso prdpugnsvam.
achando-ae distribuidos na ordem que voo ex-
pr, segoodo as apreciagries dos desirimadores
distas cous-s, que eu por mim mesmo nao emen-
da. Amaristas j conheeidos o reconhecidos 10 ;
Gabralistaa. dem, idero, ; neutros, mas coa-
servsooras que s eepuie de aberra a assembtea
'oso, est satisfeitissimo com o resaltado da
gao: a presidencia niu quer instraiaentoa tCf\f
para execotarem os seas capnchS a approva-
reo> os seus erros ; des-js j-itpi wjplafJstiiiUit a
imparciaes para julgatem da morali
actos, e patriotas sinceros para o aj^
zer o bem de que carete o Rio Graude do Norte :
oqaeoe penaajg rj,, 0e
com a actual assembl
ParaAftb.-Nada
por.
m oni'oi mu un

menos iMportanles que conhecemoi do S
-r.
3K:
agadn
le dona pra
ees ae vela
REtISTt DIIIMI
Nio ha nada tao erttfinoso e pbantaetico, dis-
se-o.um eacripUr como urna prime ira visita a
*""* respwtira abertura,
ora efleilo, entra-se placido alegre ; mas
sabe se com o cerebro ecandesceole, e o espirito
opprimwda d emoges.
0 enlhusiasoio e a colera ; a alegra desle suc-
cesso ; o espectculo daquellea alcances eleva-
dos ; a revelagao do talento que se ignora va ; os
receios da habilteade ; a expanso da mocida'de
eir e o milhor desase erabalhos,
aasvestimavel gaatata ogleza, a re-
presearta um enlodo ds animaos. Na caara do
qusdro dea**** m se daas c a befas de anas
collocados da maneira quernaaeoem estar aeairo
de uma canit. _Do lado djreito e esquerda, as
extremidadeo difundo do pealo, eeiende-se asas
pazsagem : no lado esquerdo v-se um eassador
piB''asoaoa; ara lado direito uma Banara^ritt
parece peraegar alguma caga.
O imita uma gravara em agoa-fWrte,-e o
retrato de ama das pessoaa nata notaveis deaa
pravincla.
15* e 16 quadro.0 phreiro um Irabalho
do croyon prelo representando um cacho de
uvs e uus proa. O segundo um qnadro re-
Apodi, sssislir so respectivo processo
forca de 25 pragas chegara all paraOaaUi
Communica-se-noi dessa localid.de. que se a ,
eleigao r feita aob a qu.liBc.gao a^rreisV ffiff'd ] ffi.*5
anno. presumtvel que ossulistas se nio apre-
3
e uma
Ca psysagem em crtyou pre(0
i poolo da passagem o. M.gda-
Sr. Luiz Schlapprlz, um no-
_ juadro.
aidros.-So doua|indilaimeaJra-l_0 iury reunlra-se no da 15. fon guando JA
senhor j ipriz, /Ua ftaoba preaideocia do Sr. Dr. DelOeo. Foram
le dona pra- condemnadoa tren reos.
D{ario dt Penitmbuco de
naajjttaaaiaaa psaaiSBenaa?
sentem.
o supremo slarco da um pineal efraq,uecido de Pt^aentando" urnas tulipas dobradas e urnas i
promessas e de esperangas, de illsses e de pe- E
zares; up progresso ; uma decadencia, uma des-
porqu a parte que a Etes, 8r."ur. norte de
Aaweda lera tomado aesta negocie lem sido a de
'* eddaadpra*engie,par qae a patn-'
bpon nao eeja porturbaato* !
Eai emperraba ara hita entre o capataz da
altandfga e um coo.munio.ota do eViro J7. qu
*. Ytritn.' qw tai pajWieado acooBacee
'tSr'm* CM,U,Zl**fl,e''W osera mo-
que sufflciente para impedir-lhe a eo-
aa no ainredega noa aso do ser ?eridia.
o
forra, um mo sacceaso seguido d outio ; a mo-
destia de um ; endura, a soroaidade de ontro ;
as visiveis iactaocias de um lorceiro ; os sent-
meatos os ais ppostos ; os mais phantaaticos
contrastes; affloidades imprevistas ; discordan-
cias e dissonancias do lodo a genero ; tudo isto
fatiga a fortalece, irtita e acalma, exalta e abate
a quem o obaarv.r.
Applaude se aqu', censura-se alli: a este de-
terem-se coraa, a aquolle d-se un olbar ape-
nas. Mais luoge, nem crtica, una faomenageca
merec-la seria mui lisengeira ; e domis, a cri-
tica extrema de louvor nio ser uma grscioai-
rtade?
Muitoa objcelos solicitara a atlengo, outros tea-
toa a rej-eilea. I
A ntiiheee acha-se em tudo ; reina no aa-
sumpto, oa cor, no desenho, oo molo, do pasa-
mento, na execucao emfim ; de lona wos aos
mais embagados nao ha maia que um pasco.
Eis era que seinlilla, chammeja, effusca: um
raio. uma fl.mraa que aquec, que atirahe, que
encanta. Has valvendoa'ahii fica-ae gelado.sem
poder-e comparar a um (o<|o exmelo ; porque
abi jamis houve a ciutella que anima.
E experimentado, vos, que baveis sido ptessurosos
em ir apreciar a nossa exposigao ?
Nao carece que o digamoa, porque tudo o faz
presentir; mas se nem todos sao artistas par
julg.r ex cathedra, o senlimeolo do bello suppre
esta ausencia, e autoras as apreciages indivi-
duaes at certo ponto.
E, pois, vamos comecar uma noticia apreciati-
va dos ot-jeelos expottos. e nella daremos a pre-
cedencia as bellas arles, tomando por flm os qua-
dros que acham-se na primeira aala ou de ia-
gresso, e ni.is asaea outros disseminados pelas
outras que ae Ihe seguam.
O Irabalho a que noa vanos dar, embora rete-
le ausencia de conbeoimentos paifeilos em pinta-
ra, sercomtudo dirigido por modo a nao dar ai-
reo a pessoa alguma de lachar-nos de parciali-
dade ; e j que estamos era tacto da programma,
cumpre ampliar, que nos nio oceuparemoa s-
mente dos quadros cujas composigoes s.hiram da
imeginagae, palheta e pincele dos pintores ; mas
ao contrario abrangeremus tambem todos aquel-
es qae mais ou menos tenham relagio com a
pintura ou com o desenho.
o PK1MK1RA SALA.
1. quadro.Reprsenla eala piolara uma mu-
Iher doente, qua sentada em uma cadeira, tent
aos lados duas criaogas e o marido, recebe a vi-
sita de um santo vario, padre da igreja : Iraba-
lho do Sr^ Arsenio da Silva, feito em Paris.
Era nosso pensar este o quadro mais impor-
tante de quanlosse arhamnessa sala, nao spela
delicadeza do colorido e roirecgao do desenho,
mas tambem pela expressao e oaturalidade das
diversas figuras nelle representadas. N'aquelle
admiravel grupo nao ha uma s parsonagera que
deixe de excitar a altengao do couhecedor ; desde
a figura principal at a crianea, que se perde no
fundo do quadro, a execugo nerfeita.
Ha porm, cnire ludas essasfiguraauma, o pai
da ramilla, que echando-so no segundo plano,
nem por islo deixa de ser a mais importante, a
que faz subir muilo o valor desse quadro, a que
rovnila lodo o talento de seu autor. Conhece-se
fcilmente na physionomia daquelle pobre ho-
rneo, oa divea.oa .entunenio. que o donainam ; a
compaiiio, a tristeza e a desesperaba afchm-se
Uo (.".f- tomennj esiamp.dos naquetle semblan-
te, no lodo daquella figura, que parece estar ani-
mada do spre divino.
2.
tada pelo Sr. Germauo WahuschifTe, segundo
uma photographia do Sr. Auguto Stahl.
Esta quadro de um coloricfo animado e des-
luaibranle. A luz espalhada em toda a sua ex
tensao, parece indicar, quando muito, que sao
nove horas de uma bella manhaa de verio. A
cachoeira despenhando pouca agua, aprsenla
descobertos altos e multiplicados peobascos, que
com o bello ihuminado que recebera.ra do pincel
do Sr. Waabuschaffe, se ostentara magestosos e
brilhanies.
No Isdodireito do quadro, e collocada no pri-
meira pl.no, desenha-se uma palmeira. Parece-
nos que eala arvore foi alli plantada apenas pela
uhaotaaia do pintor; ella nao existe senao nesse
quadro; porm, sera pena lira-la d'alii, visto
que est tau bella, lao.mar.vilhosamente pinta-
da, que s por ai daa importancia o valor a um
quadro.
As palmas do centro acham-se trabalbadas
com tanta [licitade, com uro jogo de claro e es-
curo lio maravilboso, que esaas palmas parecom
deslacar-se da tele.
Notamos nesse quadro um phenomeno que
muilo dos admirou, o qual cifra-so ere vermos
nelle pintado com as extremidades rolladas para
cima o arco-iris, que se ostenta sob as aguas que
se precipitara ua ealdeira do inferno. Parecen-
do-oos que nio uto natural, cusamos todava
a crerque um pintor da forja do Sr. G. Wahus-
ohsffe commetlesso um erro tan grosseiro ; que-
remos suppor antes que elle tivesse suas razes
bem valiosas para pintar esse iris pela forros por
que se em seu lindo quadro.
3.# quadro.A cachoeira de Paulo Affonso,
pintada pelo Sr. Arsenio da Silva. Anda que es-
te quadro represente a mesma payaagean que a
do quadro anterior, comludo bastante differen-
le. Nelle a cachoeira se ostenta com extraordi-
nario volme o'agua de aorie que acbam-ae as
rochaa qussi occultas Sob as aguas, que se eaten-
dem em um vasio lengol a perder-se oo hori-
sonte.
Neste qnadro o iris desenliado sobre a celadu-
pe, S cofa'cira do inferno, seba-se com as extre-
midades rolladas para baixo, Uto esi aojo-
verso do qoe se tfe no qu.dro do Sr. Wabua-
chaffe, e immitagao perfeita do desenho de um
daguerreotypo represeotando essa cachoeira, ti-
rado pelo Sr. Arsenio em 1856, quando all es-
18*8, ^f
Em nosso entender este quadro d Sr. Arsenio
mTenor a um ouAro seu, que representando a
mesma paysagem, Toi por elle ba pouco tempo
remeltido a S. M. o imperador*
4o Quadro.Outro Irabalho do Sr. Arsenio re-
presentando S Vicente de..PaJo em um asylo
de cnaogss. O todo do quadro agradavel. nio
W pelo pensamento, como peloa grupos nV-lle re-
presentados, entretanto consideramo-lo inferior
Este segando esludo uma mistura de aquarella
e crayon prelo. Ambos o quadro foram dse-
^^rr%r^x>-^^^^^
Por eala rstatistica ji t Wm. qtoe en olli-
ma an.tyso, o qae verdade 6, que fdram ele!
loa 1 conseraaatares a 8 ribetees: da mesma
forma qua a aWembrea provlbcial desta trra,
esa que asis prapaaderou o'elemenlo scieobflco
visto ser aquella qae ai ver ero aeu selo 13
senhores otitores e aechareis, senlo alm disao
certn ase sonda at bota enbema se reuni com"
um pessoal lio respeitavel.
Cooju.tne, ano 9. Exc. o Sr. Dr. Uio Te-
nbsdos por uma seuhora.
Com qu.nto aae ae posaam claesiQcsr como
bons trabalhoSj comludo nao sao verdaderamen-
te raus.
17v qusdro Um relr.lo depbolographla em aa-
pei.co" plw"**P sonido do estabelecimen.o de Stahl A C
k18% 19- 20. 21- e 22 quadro.^ Retratas e
Photographia em papel, coloridos por um eyste-
ma especial, a que os Srs. Stahl & C. denomi-
nara cennotypo ao passo que o individuo que vnn-
deu esse pxocesso, nao s aqui como na Babia
e oo Rio de Janeiro dava-lbe o nonio de idallo-
typo.
Parece-nos todava nao ser esse syalems mais
do que a pbologttphia era papal, que aenossala
encerada, como^aSHistuma a tasar -caos oa ncVa-
tivoc tambera de papel para d'elles oxtrahiresn se
proyas positivas, recabe uma pintura semelltaiate
ae colorido lythocromioo. Como" quer que seis
sao una bomiu3 trabalho.
Sosio quadro da Cachona ds Paulo Affonso.
pintada pelo Sr. Waouschaffr acfaa-ae uma colla-
gao de 16 retraloa d ambrotypo, ou provas po-
sitivas em vidro, colocadas em 7 diversas raol-
Sr. Ferreira Villels, representa
deridamente o syaiema sob que
Trabalho do
essa coliecgao
foi elaborada.
Pecharemos
este
quadro.A cachoeira de Paulo Affonso, pin-
ao quadro do mesmo ai lista, de que faltamos em
primeiro lugar.
Este qusdro nsrece mais perteocera escola fla-
menga do qoe franceza, seguida pelo Sr. Arsenio
em todos os seus tMbalhos coohacidos por pos,
e s que indubtavelmente pertence aauolle da
mulher d< ente.
5o e 6 Quadro.Um tetrato e um eslodo de
cebega de mylher. O retrato bastante pareci-
do com a pessoa que representa, e o estudo de
cabeca de mulher lem ramia expresio ; porm
O colorido quet de um, quer de outro trabalho,
ingrato e muilo duro ; os diversos lo'ns pao estn
a
suffl-ieotemeote pronunciados, e ha do mi)
mais falta de combinacio de claro e escuro, de
sorto que essea trabamos reveltio mais gsnlrj Jo
que e-tudo regular da arte de pintura.
7. 8' e 9 Qu4dro,-Tres retratos a oleo Jei-
tos sobr provas photugrpbi.cas,e debidos ao pin-
cel do Sr. lnco Sieffenjurdo mudo que os Srs.
Stahl c. tero em seu estaDelecimeoto. Sio
trabalhos bem feito e dignos' de elogios.
1.0 e ti" Quadros.-puas pequeas a/maches
sabidas do pincel do St. 'AfeniO da' Silva'. tJuua
representa uma qoite de luar, e a oulra um pOr1
de sol.
.Reste ruso dat de pinturji forita os tr.bs-
spanbado descriptivo, das
quaqroa da primeira aala com a noticia de uos
outros feios a cabellos pelo Sr. Beck.
Dous desaes quadros de que acabamos detallar
representara^SS. MM. os Imperadores D. Pedro II
e Napoleao III, O desenho de .cabellos de am-
bos mu e mu dissemelhaoles sao os telratos.
Mais em tim outro quadro veem-se aa armas im-
penaes desenhadas tambera em cabellos pelo
mesmo senhor. cujo Irabalho podco superior ao
o aquellos dous retratos, e comeos s um borda-
do da mesma materia (eilo pelo meamo artista
sobre o lampo de uma caixa, que contera noou-
iro tampo um mu retraa de ambroiypo feito
pelo Sr. Osborn, retratista americano.
Pizeram acto na faculdade de direito no dia
19 denovembro de 1861 :
... 1* anno.
Virginio daGama Lobo Reprovade.
Henelo doa Santos da
Fonaeca............. Appro vedo airoplesmente
Julio Cesar Gomes de
Ca8lro............... dem plenamente.
_ 2 anno.
bodofredo Augusto de
Souza............
Joio Pereira da Silva
Leite................
Miguel Gomes de Fi-
gueiredo............
Guilherme Amaaonas
de S............... Apa simplesmente.
3 anno.
Migno Un no Marques
Bacalho............ App. plenamente.
Francisco Antonio de
Carvalhaes......... dem.
Joio Pezpandes Cha-
ves Jnior.......... Uero.
4 anno.
Joio Auguato de Fa-
rus Abrca a Lima.. App. plenamente.
Ua.ili.oo li.rouaa Vi-
Ae,ir?i......-. Wem simplesmente.
Antonio Jaaqulm do re.
Couto Cartazo....... dem plenamente.
5 anoo.
Francisco Marques de
Carvalho...........App. plenamente.
Antonio Serapbino de
Araojo Goes.......dem.
Augusto Olympio Go-
mes de Otro...... dem.
Francisco Uiss Car-
neiro................ dem.
Fizeram exarae de francez no dia 19 de oo-
vembro do crreme ISestudantes.
Approvado plenamente. ..
Approvsdoa aimplesmenie.
Repro vados................
Reprovado.
App. simplesmente.
Reprovado.
f.
2
6
4
Total........... 12
Fizeram exame de geometra no dia 1$ de
oovembro do correte anno 12 estudantes.
Approvados plenamente. 2
Approvados simplesmente. 4
Reprovados........ 6
Total
12
A anorte do Lzaro e do rico
nvarento.
SoneU.
Em uma chama cruel arde o arronlo
Em vivo incendio, horrivel, e espanloio ;
Parece, que de iotenso e vigoroso,
Nada pode igualar ao seu tormento.
E muito mais Ihe aviva o sentimento
O destino de Lzaro glorioso ;
Que onde entra o fogo activo do invejoso
Inda ebega a exceder por mais violento.
A sus infausta sorte est clamando
E l do escuro caos sempre'tetno,
Do justo a immensa gloria contemplando.
Abrazado na dor do logo cierno,
V Lzaro lio feliz e elle penando,
Nos profundos abysmos do Inferno.
IV
Do Apoealypon de S
SoRCtO,
Jerusalem eidade edificada
No paraiso onda e a eterna vida,
Cidade d'Ouro fino construida
De altos muros de jaspe circundada.
Doze portas de rubira e de esmerada,
ada urna por aeu Anjo defendida.
Nunc foi pela noite oscurecida,
E porque Deus, tem nella sua morada.
Os habitantes seus nao sofireen. saste
Ba morle, nem 4o crise on da tristeza,
Nio bs nella, nem lagrimas, a*m Mo.
onde tudo lux grag e pureza, .
A croa imroatceasivel tem o justo
De Dens, todo absorto ns grandeza.
No dia 18 instalou-se a quinta tessao judi-
ciria do jury deste termo do Recite, sob a presi-
dencia interiua do Sr. Dr. Hermogenes Scrates
Tavares de Vsconcellos.
Nio funecionou ainda por falla de numero le-
No dia 30 do passidu foi pralicado pelnSr.
ir. Tilinga a extirpagio da glndula mamaria,
por schirrosa, na. pessoa da Sra. Josepba Gomes
da Silva, del8annos.d,e.idade, e moradora nos
Cpelhos.
A operada foi cblqioiormissda prevrenle pe-
so Sr. Dr. Canoa Frederico, opt assistio s opera-
go, e ora cba-se resUbeleci^a.
E* maia um tacto para ampliar a ebronica ion-
tosa da,cirutgi.
Temos ngliclas do Apodi, datados de 27 do
passsd.
As elelcea de joites de paz e veresdores de
fio dos Perros foram aDoullados, e acha-se de-
signada o dia 7 de dezembro vindouro, para ae
procederem ss novas. Goustava que a presiden-
a mandara o Dr. juiz de direito, que resido no
No domingo uitisno o Sr. Dr. atarboaa Lima
calor do culltgto Oo Boca Coiismiu, tac ama
p cora os setas alumnos em numero superior
Incenla so Bjtm. .Sr. presidenta ta proaineia,
aguindo ao de pasa coro os mes moa a vistear os
auyectns exposios.
S. Exc. alieocaaae papa com a Infancia que os
comprimentava. dea ordem para que nao loasem
atropellados esees joceos vieilantee na decurso de
sua talada na expusicio ; o que foi rigorosamen-
^jriaerraoo.
Sabbadod a sociedade Cortfianhna, urna
pariidaeni essa de ana sede na tua larga do Ro-
snase. Consta nos qae s nova directora tem en-
vidado todos,os esforgos para torna-la sumploosa,
i pelo'aceio e bm ai reojo da casa, Ji pela es-
colba dos seus convidados. Desojamos directo-
ra a completa realissgSo de seus desejes.
Hontem foi o palacio da%iposigiu visitado
por 2,067 pessess, cojo nnmero, remido ao dos
,S!on'c0ecle, *ler' a c,tra o risitabtea i
No dis 15 deste mez foram recolhidos ca-
sa de detengo 6 bomena, sondo : 4 livres o 2
eacraToa a saber: a ordem do Dr. chefe de poli-
cial, a orlen, do Dr. juiz especial docommercio
1.a ordem da subdelegado de Santo Antonio 3,
inclusive o pardo Simeia e o crioulo Hanoel, es-
ornvo de B-rnardo Jos da Cmara, e squelle de
Joo dos Santos Nuoes Lime, e a ordem do de S.
Joa 1.
Foram recolhidos mesma nos dias 16 e 17
do correle 18 homeus e 5 roolheres, aendo 13
u ?8 e l ei6r,T08. a ssber: a ordem do Dr.
chefe de polica 2, a ordem do Dr. delegado da
capital 1, o ordem do subdelegado do Recite2, e
ordem (to de Santo Antonio ti, inclusive os par-
aos Floraonta, .atraco de MaaoalTa.otra Peqne-
queno, Alex.ndre, eseravo Oe Mara Felicia da
OoncojaovractiooJos Iganaio ecrao da Frede-
rico Chavea Leandro, eseravo 4e Santos Irmio A
C., Romana, epa/ava de Jun Francisco da Silva,
Iztdoro, eseravo de Maibiaa Lopes da Costa, An-
tonio, escrao doMarcolioa de Jess, Claudino.
eseravo de Mara Freir Cysneiru, assim eomo o
africano Jos, eseravo de um tal Palmeira; a or-
dem do de S. Jos 2, a ordem de da Boa-Vista, 1,
a ordem do da Capuoga 1, e a ordem do da alag-
dalens 2.
O Sr. Dr. promotor publico offereceu ao
Dr. juis municipal da segunda vara, para serem
julgaoos P prsenle sessao, os procesaos segua-
les :
A justies publica.
Ko Porcopio, eseravo de Antonio Luis Goncal-
ves Ferreira, aecusado por enme de morte.
A jusliga. pnblics.
Reo, Joaquim da Costa, ferimenloa leves.
A justiga publica.
Reo, Jos Guogalves da Paixo, dem.
A jusliga publica.
Reo, Luiz, eseravo de Sebastian de Reg Bar-
ros, crime de morle.
A justiga publica.
Reo, Ignacio Jos Ramos, tentativa de roubo.
A Justiga publica.
Reo, Eduardo Pereira da Luz, tentativa de rou-
bo e homicidio.
Movimeolo da enfermara da casa de da-
tencao de dia 19 de novembro de 1861.
Tiyeram baixa para a enfermara : James Guivin
(clica O
dem idem : Themoteo, eseravo de Henry Gib-
son (rheumatismo.)
Matadolho publico.
Maiaram-se para consumo desta eidade no dia
16 108 rezas.
No dia 17 IOS rezes.
Nu dia 18 101 rezes.
MORTALiDADE no ou 17:
Rayraunda, Para, 17 anuos, soltaira, Boa-Vis-
ta, phtysica pulmonar.
Benedicta, Pernambuco, 18 mezes, escravs,
Boa-Viata, ronvulsoes. *
Servulo, Pernambuco, 11 mezes, Boa-Vista,
dentigao.
Joio Joaquim de Sant'Anna. Pernambuco, 22
anoos, solteiro, Boa-Vista, phiyaica.
Modesta, Pamambuco, 18 anuos, soltaira,Boa-
Vista, phiyaica pulmonar.
Silveira, Pernambuco, 5 mezes, Sanio Antooio,
Sara pipo.
i---------------------
cnnoiin.il juuilurii
TRIBUNAL DI RELIClO.
SESSAO EM 19 DE NOVEMBRO DB1881.
PBBSinBWClA no EX. SR. COHSELHEtRO EB1IBL150
0ELEA0.
AslOhoras da manhaa, achando-ae presen-
tes os Srs. desembargadores Caetaoa Santiago,
Silveira, Gilirana, Loureogo Santiago, Botta.Pe-
tetti, Ucha Caveicanti, Assis e Guerra procu-
rador da cqrfla, foi aberta a sesooi' "\.
Passados os feitos e entreguis os distribui-
dos, procedeu-seaos seguinleo
JLGAMBNTOS.
AGGRAVO 0B PETigO.
Aggravante, o provincial do Carmo ;
do, o juizo.
Relator o Sr.desembargador PeretH.
Sorteados os Srs. desembargadores Silveira.
e Assis.
Negou-se provimento. '
APPBLLAgOES CRI5IES.
Appellanle, o juizo ; appellado, Antonio Al-
ves Feiosa.
A novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Theo-
dosio.
A' novo jury.
Appellante, David Jos de Sant'Anna ; appel-
lado, o juizo.
Nullo o processo.
APPBLLAgOES CIVE13.
Apoellsnle, a lazadai; appellado, Jos Vaz
Tenorio de Albuquerque.
Confirmada asentenga.
Appeliantes, os herdeiros de Miguel Ferreirs de
Mello ; epnelladc, a fazeoda.
Confirmada a sentenga.
Appellanle, Francisco Jos Regalo Briga ; ap
pellado, Thomaz de Ajuioo Fon seca iFilbou
Confirmada asentenga.
Appellanle. Hanoel Ftrenlioo d'Albuquerque:
appellado, Fcaacisco Joio do Pilar.
Dpsprezaraavso.os embargos.
Appethuiie, a prta Mana dos Aojos ; appella-
do. Igaooto Cabra! Canianii.
Confirmada a sentenga.
,H*BBAS-CORPLS,
Concedeu-s.qrdem de babeas-coraus, pedida
LeopoiOiooTeitul
osa tatraa roco-
Pereirn Baatao. cjw ato Isi
sao oatide
vor em todos os tiibuaaes, a casHra
waito do caaoi OOio.
Latee, que ae Bata crestas- da<
quaoti. ? corlo ejao sica: a
eaao recibo lata
seeenido pelo tal aoc.ntaataaAa ssBcMaa T i
qoe jadea a carregagae no il
procede; porajao cta letra. eeseoerusr no aasai dolaaW; o
somente aoaaotcMaaaaa pata a
por disenacac sea jovoaca, as _
le e raspoooonte lavar.
Demsis, oque teta ice cosa ofsdeoel
annegodos ao inven uno f Mad
totfoa os berra do casal; tragas
coll.gio os seus aSiaotameatoa em i__
lu.ss aos outros o que de mato trvaroaa cBccUsa
mente receido e nada mais
dente: o respeodeslc por asm
lo, esl escudado nos popote qao Ibes ,
rara aeua se gres, em 3 de abril ao 1857, aa
em lempo coovenieoles seria exita
Recua, 19 do twvosnnce Oa ISfl.
Jioaoai Fernmndtt im SUtm.
aggrava-
por LeopoToiooTertuliano da Sil. Coatar. para
ser apreaent.do em sssio^dd 23 dooorrente, s
11 horas do dia. K; fTJ ,'"
DESiqjta^AO DE DIA. .
AMignpu^o dia,paia julgamentadasseguinles
appellagoes c^vpU : W.
1ABeJfant.,.M>ooal Vieirs de Azevedo ; ap-
pellado, Boaventura Alvea da Foaseca.
Appeilame, Joio M.rinho Falcan 'Sicupira :
appellado. Antonio Gomes Marinho.
AppflUnla, fazeoda; appellados, os herdei-
tos do Joio Vieira da Cunha.
. e \ '"' V***VlB"'S0B8-
ao br. desambarpdor Caetano Santiago, o ag-
grato de petigo:
Aggrsv.nu, Jos Rodrigues do Passo; aggra-
vadd, o iuzo. <
Ao Sr. doaembargsdor Ucba Cavaicanti, o
aggravo de peligio :
Aggravaoie, Anlonio Joaquim de Figueiredo
oeabra ; aggrav.do, o juizo.
O recurso crime :
Recrreme, o juizo ; recorrido, Joio Gomes do
Moli*
Ao ,Sr. desembaegador Assis, o aggravo de
peitgio: ""
Aggravante, Jos Rodrigues do Passo ; aggra-
vjdo. o juico.
jr- Q, secura crimo:
iBocotrenta, q jituo ; recorrido, Antonio Vis>
tor de Si Brrelo.
Aa apjieltagoea crimen :
Ap^ellaNiie, Leonardo Joa Barrete ; appella-
Aa 2 boros encerreu-se asessio.
ROCA SI
attengio especial do illm Sr.
ca para a povoacao olebniibi
se succedem quasl Atactasacntau.
dade policial ajo duirico ae a anea* i
ignorando nos, se por rnnaiTsaaa
bailemos, oa ae par faltar-lba a
coragem precisa o a n anana si
o pessoal de borneas volbee Oa
conos, achacadas de qeeeraOara, aocattea
Ptaa ; o cerlo 6 qoe tolera, seffrasn o i
tem que sous agentes e eabiros
lem, ame.cera e iojoricca aa
cooceituadas. bem como eeSroca o Rasa,
cisco Verissimo B.odeira, as acaeagas ao s
daciosss, as injurias as mata vacaaanaaa
gr.nie nu. ., f>tctaa iMmMMm,
lenciosas nada diaaero ao taaaigaaao
Francisco Esleves de A breo.-------cisiu
fio com o maior escndalo
povoac.ao. que apinhadoa a aactao eco oaaa co-
mo que sssombradus, teetasanotase eaao nova
foras de deprimir um cleriga, seca qao ello assa
vesse oTeodido, a aem delioquiOO no sania
pies fado, pelo crimo aossenu ala i
sujeitar-se s asn.ticas a sarnlrgee
de alguem .... qae eivaoo ee vieoa i_
com lodo o despejo protege a hoosoen tcraalsaii.
o perturbador 4o socego paattea, -rimas, isa*
crimes, Aolooio Crispimano Fadilba.
quem so pronuncia queso goralaacnic n '
ioleira de Bebaraa, eMirnoara I... A__
proceder da auiondade po4er ler-sa sata
local,? Falli oa tactos, aa dota
pouco all contenidosascandiUciaifoio na
dia, estando acephsdo a dietaida I...
cangar pruvidencia....
A alma do pobre komtm d Pa$$arinka\ -
Vo Illa. Sr. alferes AbImb bas 6es-'
lavo Galvo, br vocera e mu par-
tida para t sil.
Vaos partir ; a doa leas no seia assiga
Da longo ausencia aa dores apagar.
E' doce apc o enfado da joraaoo
Tranquillo se dormir ao patria lar.
Vaea partir : Daos le la*e : caras traigo aa
Te encham aa velas ao vapor clac.
Pot entre os gozos qae ji aleas le .guardase
Lembra-le sempre; oh I lesaaca-to 40 noa.
e agan.
Ha muilo que ddxirc toa patria
Em busca de um porvir, aa ato
Ardua acabara a trela, ao tena
C'roou-os sempre o lonro 4a viciara.
Deixss aqui, em cada peito nalga
Um.ibrooo erguido pallado sanea
N'ua hora da partida qaa so ap_.
Dos senliaeolos d'alaaa luioosidada
Vaes partir : l, des loas no seia
Vses de oco expandir o corceo.
Mas, ah I qa% nanea, nunca lo tn asqaecaa
Daqoelles a quem prende la a aftaigaa.
Vaea partir, maa *b I *wa iasorta
Qae partas dos leus p.| o saio ?
Sampre trtala asan pmtts*.
E que lu soffres aa creip...
Qusnts vez o presioaeita
Ao de.ejar a eacravioao
Nao aenle saudades delta.
Nio lbe de o cor.gao f '
Em qualquer parte a aaizade
Nos abre um ario de raio *
Como deixa-lo sea praoios,
Sera um si do caragao ?
Vaes partir; mas ah I qua isa aorta
Qae partas dos leus p'rs a seso t
* Se em tua fronte sombra
As las saudades leio ?
N'aa caato, embora beld de har
Dou-te o meu triste adeaa da
Verd.deir. expressao desea nata__
Que em mioha sima ta daisoa sanasasaass
Recite 19 de novembro de 1861.
Victoriano Palkarm.
Recebi do Sr. Joa Joaquim da Coala
Leite, a quaotia de7:095f50 em par-
celas constantes da conta que neata data
me entregou, sendo proveniente poi
parte do dote que o mesmo Sr. e mt
senhora concordarac* dar a sua ilha
Isabel Mara da Trindade Ltite, coca a
qual me liguei em matrimonio. Becise
10 de marco de 1857. Hanoel Fer-
nando Silva. Com'tettemuDba, Fran-
cisco da Silva Boa Vista, Hanoel d'Aze-
vedo Pontes.N. 48 i 60. Fg centoe
sessenta rs. Recife 26 de marqo de 1857.
Carvalho.Callaba. Reconbero as tres
asignaturas supi a : dou le. Recite 12
de marco de 1861.Em testesnuiihuale
verdade.O tabelliao publico, Luiz da
Costa Portocarreiro.______ _
COMlIkMIfl.
Novo Banco de Perno tabuco.
O banco paga o 7- dividendo de ftf
por accao, relativo "ao semestre lindo
em 31 de agosto pr coreano panado.
Caixa Filial do Basco.
EM 19 E NOVEMBRO M las.
? caixa deeeoau aa letras ao aaacaopcaao do 4
a l 6 saetas a 10 % ao sane, o aa
9 / e tama diubeiro ao
Publicares a
O abaix" assigaado, sgradecanda a seos cuoha-
dos e sagra a publicajao do rscibo transcripto no
ROVO BANCO
ns
Pernambuco.
IM 19 DE NOVEMBRO trt Mtl. *
O Bsnco descont na preoaato aeaawa a t
ao nno al o praxo da 4 aoiaa a a 11 */a a
o de 6 mezes,e toms dinbeiro ea coataa i
simples on com juros pelo preaie e i
convencionar.
Rendimento do da 1 a 18.
aem tfo dia 19.
Rtoataaeato de .
Volaaes eouadus coa (asaaaa..
a coas aoaacas.. Ms9
Volnaas aaJdos oa lasaaataa.. IS
coa faaoraa.. MM


MtBIO-Df PnaMBNUk

Deacarregm, hoje 20 de
Barca americanaEarsardo mi
Brigue braaileirooowrf&edhaTquS.
Barca inglezsAune S. Cott carvo.
Reeebeduriaa de rasadas internas
Rendimeoto ds dia 1 a
dem do dia 19. & .
^7%&
l&914a4>24
Rendimento do dia 1 a IB.
Idm do Ha 19 ...

MoTimfiiito do porta
hiiii_____, *
"
*
slal.
. 30:5291650
. ic94fi#605
~
1
tntraiot no dU ff.
Para e portas intermedios10 dia a '4 horaa
vapor nacional Aa; cummaodante Pedro A
CoereelL; t
Assj'9 diaa, brigue nacional Trovador, de 150
toneladas, casilo ttanoel Crrela dos Sa-ntos,
equipgm 1, carga sai ; ao mesmo callao.
Veio largar o p rauco aegaio para o ftio de
Janeiro.
iVavioi tahidot no metmo dia.
Monie-Video peto Rio de JaneiroVapor inglez.
VMi del Sal, cemmetidaote Alexaodre Giaax.
* o
.
o
c
B
_L
z?.
6
a
I

2!
M

AtAmoipftira
Dirtcfio.
*
| rtfinMoVdV.
I
3 8 32 2 y
I FoAreitAott.
i
os
-4
9
S
I
Cnfyrado.
2 2~1T
2
I r7yorowro.

-4
00
3
I Cw(rna hydrt-
1
Fronwt.
jo te
o to
A norte clara,
nhecen.
s 9

Ingles.
fcStvilts.
A arremattQo aera fefta por lempo de 2 an-
nos, a cootar do i de julho do correte anuo.
. E oara coostar se mandn afflxar o presento e
IkMiaet aojo- Diarh.
Secretaria da tsesosraria tvoeiaeial de Per-
ot^fir^ ***** 861.-0 secretario
A F. a Anouneiaco.
Pela secretaria do gaveras se fas poMfee,
pea eonhecimeote de quem ialeressac poma,
qee ae achara em concurso os dous offlcios de
pjttrdores do termo dwNasaier, creados peta le
proareeiei o. 504 de 29 de malo deste anoo, de-
vendo um accumular as funcc.6es de contador, e
o o litro aidediatrtbajdor. amdc.ue ofpreteo-
deulea a presenten os aeus reqeeriSieotos iostroi-
des na forma da deeretu n. 8rT es 30 de agosto
de 1851 e aviso n. 252 de 30 de dezembro de
^W-saste^s60 desdete.
Directora geral da intruc-
co publica.
Fbed **r som oeneier, tai tendoo Exra.
Se. presidente da provincia considerado -f^TaafrJ
nada e cadena de ioiiruccao elementar do 1.'*
grao do sexo masculino da po'oaciff de S. Mi-
guel de Ipojacs, peto prefessor Jor Irineo da
Sila Santos, manda e Illa. Sr. Dr. dimator geral
que sei* elle peas s cooeurso, m.rcaoao-a o
prazo aa 30 das, na forma do art. 10 dasinstruc-
des d 11 de junho de 1859, para a ioscripcao
processo de habihtac.Se dosopposttoreeeeeacic~
naacadeira.
Secretaria da instrueco publica de Pernambu-
co 12 de norembro de 1861.'
6 secretarlo interino,
. Salvador Henriqae de Albuqaerque.


Declara tjoes.
>.'.-.
- .Da ordam de Urea*. Sr. rotpector s faz pa-
blico, que no dia ti do correte, depois de meio
da sa nao de arrematar porta deet repartirlo
71 resma de papel de embrulho vaciado, pesia-
do quinhentse libra, valor da libra dez ria to-
tal 5|000 abandonados aos direilos por Phipps
Brothers & C. r rr
Alfaodega de Pernambuco 19 de norembro de
1861.0 2 escripturario, Maximlano Francisco
Peinte Duarie.
**" ordem do Illra. Sr. inspector se fac po-
blico, que no dia 21 do correte, depata de meio
dia, ae ho de arrematar porta deata repart -
cao, 7 canas da marca P R contento 700 lataa
de doce, pesando 1.050 libras, ralor da libra
400 ris, total 420JKWO; e un caixo razio da
mesma marca, no ralor de 200 ria, abandona-
dos aos direitos por Marques Barros & C.
Alfandega 19 de novemb/o de 1861.U 2o es-
cripturario, Maximiano Prancisco Peixoto Doarie.
CORREIO.
Pela administraco do oorreio se fas publico
que hoja (20) as 3 horas da tarde em ponto, ae-
reo fechadas aa malas que dere condecir o vapor
cosieiro Persiouogas con destino Hacei e
purtos intermedios,
Pela admioiatraeaolo corcfiio deata eidade
se faz publico que as malas que tem de conduzir
o rspor nacional Apa, cora deslino aos portos
do sul fechsr-se-hao hoje (20) as 8 horas da tar-
de : os seguros serio eiios al 2 horas.
Por esta subdelegada ae faz publico quecae
;.i lnsPeclor d thesourana pro- acham depositados um carallo raco pedrez, lo-
l'r\'n,lVarZ\,meai0 ordem d Sr. mado pelo inspector da SmcopiraTort.. a ui in-
LastlZl ,";.maa H",r.,.".!!" :^lAr .'r'-9io das a um U.noel Paulo, os qoaes escspsram de ser
presos e se pozeram em fuga, asaira como aiada
exiaie depositado um cavallo magro, ruco pedrez,
vate E fraseo e asstm ama-
OSCIC* Preamar aa frh. 6 da tarde,, altura 7, p.
Baixi-aar as 11 h. 54' da manbaa, altura 0,9 p.
Observatorio do arienal de marinha, 20 de no-
rembro de 1861.
ROMANO STEPPLE,
1* lente.
Edilam.
pontes nos lugares indicados na nota abaixo co-
piada, a apresentar na aeama thesourana as
suas proposl-i, sendo os contratos effectuados
sob as cndicdes seguintea :
Prirneira. Que a importancia aa obras con-
tratadas correr por conta doa contraanles, nao
sendo em caso algum por ellas responiareis os
cofres da provincia.
Segunda. Qu o goreroogarantir a percep-
cao do pedagio pelo lempo e forrea que contra-
tar, com tanto que os coolribuiotes do pedagio
nao paguem em cada barreira mais do duplo do
que se arrecada as existentes cerno receita da
provincia.
Terceira. O numero de annos para a percep-
Sao do pedagio ser regulado em alleoQao fre-
quencia do tr.nsilo que possi baver a importan-
cia e dilBculdade da obra.
Q'iarta. Q,0 as pUnies serio construidas
segn lo as coodiQes. pianos e orcamenios apre-
seolados pela directora das obras publicas.
Quinta, r Que, em quonio nao Bndar o prazo
a percepeo oo pedagio, o empresario aer obli-
gado conservar a obra em perteito eatado, aoq
pena de aerara os reparos necessarios feitos por
ordem do goveroo cusa do mesmo emprezario
que, al disto pagar urna mulla correspon-
dente deetraa pane das despezas que com isso
se tiz>>rem.
Sexla. Que as obras sero inspeccionadas
pelos ageoUs do gorerno, nao s quanto sua
coosirueceo, como no que diz respeiio aoa treba-
lhua de conservado.
8'ptima. Qae qualquer das obrss, embora
emprehendida por particulares, ser considerada
de utilidade publica, para que poisam ter lugar
as desapprepuages de que por ventura dependa
a sua iealiac,ao, e por isso gosar dos mesmos
privilegios que as de mais obras da provincia.
Oitava. Que oscootralos assim feloa flearo
sujeito* i approvagao da aasembla proriocial,
com excepgo nicamente daquelles que rersa-
rem sobre obras de um ralor equivalentes tres
cootos de ris, ou em que se estipular pedagio,
que nao exceda de um anoo, osquaea prodaziro
logo os seus atfeitos.
Aoo ds lugares ondt devem ser consirufaj
a> pontes.
18. Joao, na estrada de Po-
d'Alho sobre o rio................ Capibaribe.
J Tuiba, na rilU de Pao d'Alho dem.
3 Cspuoga Ileo,.
4 Hotocnlomb, estrada do aul.. Tiiipi.
5 Bngeoho Trapiche, estrada do
_ Ca^ ........................... Pirapama.
6 Trapiche de Ipojuca........... Ipojuca
7 Porto de Pedra................ Serinhem.
8 Duai-Barras................... dem.
9 Villa de Barreiros............. Una.
10 EngeohoJuodl............... llera.
W ~~ !r"c,,,a'......................... Ipojuca.
12 Araarigi ....................... Amarigi.
13 Genipapo...................... Sibii.
As propoatas sero receidas al o fim de de-
zembro do correte anno.
E para oonstar se maodou aOiiar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da ihesouraria provincial de Per-
narabuco, 7 de novembro de 1861.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Ancunciago.
O Illm. Sr. ioapector da thesourana pro-
riocial, em cumprimento da resolucio da junta
da fzenda, manda fazer publico, que no da 28
do correte ral novamente praga para ser ar-
rematad) a quem mais der, a renda das casas
abaixo declaradas perlencentes ao patrimonio dos
orphaos.
Ra do Azeite de Peixe,
Ns.
63 Sobrado de um andar, por anno
Ra da Cacimba.
66.Casa terrea, por apoo..........
67.dem dem, por anno...........
Ba dos Burgos.
69.Casa terrea, por auno..........
Ra da Seozala Velha.
79.Sobrado de 2 andares, por auno
80.dem idem, por ann...........
Roa da Cuja.
84.Gasa tarrea, por auno...........
Ra do Pilar.
98.Casa terrea, por anoo........; 224#000
As arremalaces sero felaa pelo lempo que
decorrer do dia da arrematecao at o flm de iu-
nhode1864. H *
E para constar se maodou afflxar o presente e
publicar pelo Otario.
Secretaria da thesoursria provincial de Per-
nambaco, 15 de novembro de 1861.O secreta-
rio, A. P. da Annonciac&o.
O Illm. Sr. inspector da theiouraria pro-
rinrial, em cumprimento da ordem do Exra. Sr.
presidente da provincia manda fazer publico, que
no dia 28 do corrale, peraole a junti da fazen-
ds da mesma theiouraria, se ha de arrematar a
quera maior prego offerecer, o rendimeolo do,
imposlos creados pelos 16, 17 e 31 do art. 40
da lei provincial o. 510 e oem assim e augmento
dos impostos dos 13 e 42 do mesmo artigo nos
seguimos municipios ~
Bonito.
Brjo.
Qmbres.
j a muilo annonciado, e igualmente um easta-
nbo pequeo, tomado a Severino Gomes da Sil-
va, que se acha recolhido oa casa de deteneao, e
nao poaaivel declarar era mostrar proras por
onde e possuia, cojo individuo oz publica eo-
onecido neata freguezia como che fe de furto de
cavalios : quem se julgar com direito, compare-
Sa-Jo?l,Ddeleg8cia dos Afogados 19 de novembro
de 1861.O subdelegado,
Joa Prancisco Carneiro Monteiro.
Por esta subdelegada se faz publico ue se
acha depositada ama racca de cara branca, a
qnal foi entregue a este juizo por HQri<{*e da
r.onseca Coilinho, dizendo a ter pegado em seu
sitio destruin lo suaa pislas ; outro aira tambera
se acham depositadas duas cabras (bicha) : quem
se julgar com direilo a urna e oulra cousa, com-
parta. Subdelegada dos AfogajJoi 18 de no-
TcAbr* *m teor.O SubdeleRado, **"
Jos Prancisco Carneiro Mooleiro.'
Consulado de Portugal.
0*)niulda nagio porlugueza nesta provincia
participa aos subditos da mesma aacao, que a
chancellara do consulado db hoje em diaote na
ra da Cruz u. 6, segundo andar.
Conselho adminislrativo.
0 conselho administraiivo. para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
seguiotes :
Para a fortaleza da Assumpco do Cear.
66 covados de filete encarnado.
66 covados de dito azul.
1 arrobas de cabo de lioho para adricas de 1
pollegada. *
Quem quizar venier taes objectoa aprsente
as suas propostas em certa fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manha do dia 20 de
correte raez.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 13 de
norembro de 1861.
Bento Jote Lamtnha Lint,
Coronel presidente.
Franctaco Joaquim Pertira Lobo,
Coronel rogal secretario interino.
Directora das obras mili-
tares.
A directora das obras militares tem de mandar
pintar os reparos das pecas, e multes ontros ob-
jectos do forte do Buraco, os quaes consta da re-
lacio que for apresentada as pessosg que deste
servico se quizerem encarregar, e por isso convi-
da as mesmas a apretentarem suas propoatas oa
dita directora nos dias 19. 20 e 21 do correte
mez. das 9 horas da manhSa a 1 da tarde.
Dlrecioria das obras militares de Pernambuco
18 de novembro de 1861 O escripturario,
Joo Monteiro de AndradeMalveirss
oritt
Maranho e Para.
Segas Wa brandad* o hiate Liaos Bassst
te por lar rende parto ds sao csrrSffajseolo
****?****>?** "^ UaSSf aun es eon-
tilisaUnos Almetda Qomeo, Aloes & C ra da
Cre n. 37.
Para Lisboa
0 patacho braeileiro JoJlo pretende seguir
para Lisboa oestes oito dias, tem parte de se
carregamonto prompto : para a resto que lhe
falta, trata-te com oa aeus consignatarios Aze-
redo 4 Meodes, na seu escriplorio ra da Cruz
sumen 1.
Para
aa direlura o hiato Santa Cruz, recebo carga
a trate : a tratar com Caetano Cyriaco da C M. i
Irmas, na lado do Corpo Santo o. 43.
H0 bfllttt flO kjfll
naq soti>
segua no dia 28 do mz correte o pajacho Boro
Jeiug ^pora a reate da csrajpo. lha.a>Hi, tra-
la-se cora Caetano Cyriaco da C. II. & Irmo, no
ado do Corpo Sattio o. 23.
ParaLoauda.
Segu com a paaairel braridade o. beigue soe-
tugsot Viajante rosta o neste de carga e pas-
aogons trata-as na raa do Yigario n. 1, primei-
ro andar, con ocoesignatartoi. do Aquioo Poo-
seca.
Para o Rio de Ja-
neiro.
O brigue nacional Alrairaate pretendo seguir
com muita brevidade, tem paste de seo carrega-
meato prorapto, para o reato que lhe falta passa-
geiros e escravos a frete, para e que tem asseia-
dos commodos. trata-se com os seus consignata-
rios Azevedo 4 Mendes no sen escriptorio ra da
Cruz a. 1.
Rio de Jaseiro
O brigue nacional Cooceic.oD pretende aahir
no dia 8 do correte, e s recebe escraros a (rete.
Para Aracaty e ^ss.
Hiate Santo; fisto, sane cm breTidade trata-se
com Mariins & IrmSos.
J^
CWANHIA 1-ERXAMBLCAIU
[\avegaco costeira a vapor
O vapor Peraiounga, commaodante aioura,
sahir paraos portos do sul de sus escala oodia
20 do crrante mez aa 5 horaa da tarde. Recebe
carga at o dia 19 ao meio dia. Psssageiroa e
dioheiro s frete at o diada sahida a* Inoras :
escriplorio oo Porte do Mallos n. 1.
Rio de Janeiro
O palhabote Artista pretende aahir por toda a
presente semana por ter j um lercodeseu csr-
regamente a bordo, e para o reato a escravos a
frete, trata-se com o proprietaro Blrtholomeu
Lourenco, oa ra da Madre de Dos o. 2.
Marauho e Para.
O patacho brasileiro Paulino segu com brevi-
dade e recebe carga para ambos os portos trata-
se cana ds r-nnUn>t'*"- Ui-^oo Ba>roa i C.
Largo do Corpo Santo n. 6.
por mandado do Illm. e Exm. Se. Dr. jniz espe-
cial do eommercie, do laboras & ra do Rangel
n. S, arrestada a Coito Mtries & Reis. e
como so effectuasae a renda dos gneros existen-
tes na asma de norp fsri leillo da armaei
eom toaos os seus pertenees por isto foga as
pesroai que tem preten?6es a dita seu coropareci-
menlo no logar, ola e hora cima mencionado.
50 A,Rilada Cadcia do Recife5u A
DS-*t
Farinha de trigo
A 20 do corrente.
Philipps Irmaos & C. farao leilo por interven-
co do aliente Oliveira. e por coaU a risco de
quem pertencer de 150 barricas de farinha da
trigo da marca Baltimora *xHa, avariadas a bordo
do patacho americano L. C- Watts, capito Spoo-
npc Jenkms. tu iat racante riagem de Ballimo-
re pira este porto :
Ouarta-feira 20
do corrente em seo armazem gito no cees rPApoJ-
K e comecar aa tO horaa ds m sob a improte-
rtrelmenie com os concorreotns que estiverem
presaues, visto ter dito agente de azer outro le
ato loja em seguida.

QoiBla-fcra e sexta dias 21 e 22
do corrate.
Na ra Nova n. 30.
Das 10 lloras da manha as 2 da tarde
e das 4 a 8 to aoMe.
O agente Costa Garrilho fari leilo nos diai
cima marcados de um grande sorlimento de
louca fina egrossa, ridros e porcelanas, a ron-
tade dos compradores e para isto convida a to-
dos os senhores a comparecern, certos de
todo se reodex socorrer do marlello.
1 *
A 19 do corrente.
Henry Gibson far leilo por ioterrencao do
agente Oliveira, de graode sorlimento de azen-
das inglezaa aa maii proorias do mercado :
Terca-ftira 19
do correte, as 10horas t manha, em seu ar-
mazem na rus da Cadeia do Recite.
Farinha de man-
dioca.
Quarta-feira 20 do corrente
O agento Pinto far leilo por conta e risco de
quem pertencer e tem resorra de prego de 1.200
saceos com farinha de mandioca, aa 11 herasdo
dia cima mencionado no trapiche do Cunhe.
rtaiite
. o bem assim
je camas frasr.
radares de m<
.rilnalanesst
ono de Uma i
orna porgo de sois,
lustre, no para sapateiro, pegas d
da com 10 vara, ricas joias Se ooro
Bnidade de roupa feita as 11 horas
tambern ren
Quarta feira20 do torrente.
varias, pa-
copino-'
couro de
/carda dese-
. e timatn-
dodia
i mmu VILIJIA
Louea, vi Jrose porcelanas.
que
LEILO p
db m
liieiaft
Quiqta-teira 21 docurente.
Augusto Gafar de Abren far leilo por inter-
venga ) do agente Piolo, do mais completo e va-
riado sortimenio de miudezas, as 10 horas em
ponte do dia quinta-feira 21 do correle em seu
armazem ra da Cadeia o. 36.
Avisos dirersos.
501000
122,000
8I5OW
125|000
753J0OO
73a000
1681000
2^
GOMPANHIA. PERNAMBUGANA
DI
iNavegaQo costeira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma
cao do Astu', Aracaty, Geara'
O rapor Iguarassu,, commandante Vianna,
sahir para os portos do norte de sua escala
al o Cear no dia 22 do corrente mez is 5
horas ds larde.
Recebe carga at o dia ti ao meio dia. En-
eommendas, paasageiros e dinheiro a frete at o
da da sahida as 2 horas: escriplorio no For-
do Mallos n. 1.
Companhia Pernambucaoa
O rapor lguarass,7que tem de seguir para
o Cear tocar 00 Acarar, para largar qualquer
porco de carga e pasaageiros que para all naja
a tratar no Forte do Mallos a. 1.
Lisboa,
THEATRO
DE
Santa Isabel.
Companhia dramtica sob adireceo da
artista Germano.
Beelta extraordinaria
EM BENEFICIO 0E
Campos e Jesuina.
QUINTA-FEIRA, 21 DE NOVEMBRO.
Representar-ae-ha o muilo aceito drama em
cinco actos e um prologo,
OlEJATEYAlM
a companhia toma parte na represen-
Toda
tocio.
r.2,.?eiPirB, em 0bs91ui0 os beneficiados,
representara a nterassante scena cmica,
Sa he impre ter i el mente ate o dia 23
do corrente, a multo veletra barca Li-
ma I, t recebe passageiros para os
quaei tem excellente commodo e p-
timo trata ment : a tratar com os con
signatario Carvalho, Noguetra & C.,
na ra do Vigario n. 9, primeiro andar,
ou com o capitao na praca.
Maranho.
Segu em poucos diae o palhabote nacional
Santo Amaro, capilSo Nanoet da Silva Santos,
para alguma carga fue anda pede receber trata-
se com a seu consignatario F. L. de O. Axeredo
ra da Madre de Ddos o. 12.
Baha.
Para a Bahia segu era poucos dias a escuna
nacional Carlota, capitao Luciano Aires da Con-
ceicio, para alguma carga qae atada recebe tra-
ta-aacomo seu consignatario Francisco L. de O.
Aievedo, ras da Madre de Daos n. 13.
Para o Aracaty,
o hiate Aracaty segu nestea dias, mestre JoJb
Henrique de Almeida ; a tratar com Tasso Ir-
maos.
em direitura.
Segae para p indicado porto, o aem caahecido
brigue escuna Graciosa, capito .Joao Joa de
Sooto. per ter Sar*e eeo carraiameoto adien-
ri*4 ** o reato trata-se coa os coasignatarios
Almetda Comes;. Al'ca & C., roa da Cruz o. 27.
Leioes.
que sa
6) lElgfifiKD,
Os beneficiados efentea na tradicionaj poilan-
tropa do 1 ublico deata eidade. ousam arredilar
que serio bem succedidos, pora o que desde i
aviam o seu vctodegraiido,
Comecar s 8 horas.
DA
Armado da rqa
numero
do Rangel
22L
Terca-feira 19 do corrente as 11 hora
em ponto.
0 agenta Qosla Carralho loado lersdo a leilo
Movis americanos constando
de ricos gu&rda-roupas de
m )goo, mesas redondas
com tampos de marmore,
mesas elsticas, costurei-
ras, estantes para livros,
secretarias, couslos, com-
modas com armarios, ditas
com espelhos, ditas com
pedras. apparadores, co-
lumuas para p de cam,
camas francezas, toiletts,
bancas para jogos, porta-
lualbas, cadeiras de kl*u-
50, tuucadores de fetios
modernos etc., etc. Objec-
tos i>ara quartos, camas de
casal, commodas, lavato-
rios, mezihas e cadeiras,
sendo estes objectos de gos-
to inteiramente modernos,
espelhos com molduras
douradas de todos os taa-
nnos etc.
Terga-feira 19 do corrente.
Aotuoes far leilo em seu armazem na ra
do Imperador n. 73, dos ricos e bera acabados
moven americanoa cima mencionados, para o
que convida a to nnlr a commodidade do prego a perteico da
obra, que nao deixera de concorrer ao referido
leilo, que alera das pegas supracitadas encoo-
traro aiada rauitos objectos indispensaveis a
urna casa de familia. Comecar as 11 horas em
ponto.
Grande laboratorio de la-
vagem
eengommaio. podan: mandar bascar a roupa la-
rada es numero* 175. 181. 158, 134, 153. 191
155,136, 87,216, S35, 234. 241, 203, 267, 212.
Entotumada.
Oa nmeros 197,112, 259,11!, 240, 1.
liOTEMl
As rodas da segunda parte da prirnei-
ra lotera do Gym.naz.io Pernambucano
andarao impreterivelmente no dia sexta
feira 29 do corrente. Os bilhetes achara-
se a venda na thesouraria das loteriasrua
ido Crespn. 15 e as casas commissio-
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Ra do Cas** aa. i*, fl.. ^nr
entraatat (telo aoloo das arasklrSsx.
Retratos porautferoiypo, por melaiootrpo, so-
bre panno encerado, sobre talco, eiaoeiaos toro
pulceiras, alflnetes ou casaoletai. Na
caso existe um completo a abundante
de artefactos francezes e americanos psra
loeaco dos retrates. Ha tambera para asta i
rao m cseeoletas e delicados atioeleo do
de lei; retratos em pholograpbia das priaoi
persooagena da Ecopa ; sWeoacopos o r
siereoscopicaa, assim come ridrsa para amasalroa
e chimicaa pholograpmeas. rv^
******* ***** #
t STAHL & G. S
JmKTRATISTA DI S. 1.0 ilPSIAiMt
Una da linpcraulx
numtro 14.
Tencionando retirar-se proxi-
1 mmente desta praca psrticipam
* a seae tregueos e snaagoi como
^em geral a todos que podem
* precisar do seu officio, afim de
J que aproveitem de poueo tempe
que o annunciantes podem sin
* da dispor para
* encommendas
queiiam honra-los.
Agradecendo nesta occasio
ao Ilustrado publico desta capi-
tal o bom acolhimento das suas
obtas, decidirm se a por estas
ao alcance de todos introduzindo
urna considera vel baixa na maior
parte dos seus preq e esperara
que o desfalque que disso Ibes
resultar sera' compensado por
um augmento de concurrencia.
a execucao ds
com as quaes
s
9
i
Leilo
Hoje, quarti-feira 20 do
crrante.
DA
Armaco da taberna da ra
do Rangel n. 22.
Foi transferido para bujeo leilo da taberna da
ra do Rangel 0. 92, que ser eflectuado pelo
agente Casta Carralho, ae 11 horas em ponte.
LEILO
DE
Fazeadas inglezas
HOJE 20 DO CORRENTE,
Henry Gibson' continuar por interrenco do
agente Oiiveirs. o seu leilo de fazendaa inglezas
al mais proprias do mercado :
Quarta feira 20
4o corrente as 10 horas da manbaa, em aeu ar-
mazem na raa. da Cadeia do Recife.
nadas. As sertes serSo pagas como de
costume.
O thesoureiro,
A. J. RodtiguesdeSouza..
Attenco.
A antiga cocheira d'alem da ponte da porosco
de Beberibe contina a receber carros e cavailos.
O Sr. Joaquim Lins da Costa Wan-
derley. lho do Sr. Joaquim Jos da
Costa morador nos Aiflictos, tenha a bon-
dade de dirigir-se a ra da Impera triz
n. 16 a negocio de seu interesse.
Coropra-se moda de oiro de 20&O00 na ra
Nora n. 123 loja.
Por 450^000
Aluga-se um sobrado na ru'oAa Concordia n.
34 cpm cororaodui para graj3 familia, muilo
frrscu e ero esiauo b nao prwrllrr o mnor ~re-
oaro a tratar na ra do Imperador n. 37, arma-
zem de leilo.
Precisa-se fallar ao Sr. Jos Pioto Freir,
que mora para a estrada de Jnio de Barros, na'
linaria n. 6 e 8 da praca da Independencia.
Dessppareceu no dia 16 do corrente do en-
geoho Minas-Novas aita na freguezia de Seri-
nhem um cabra de norae Gregorio, cojos sig-
naos sao os seguiotes 20 nonos de idade bem feto
de corpo estatura regular, olhos grandes e um
pouco vermelhos, roslo redondo tem os nuca ci-
catrizes de ventosas lano de um lado como de
oolro, cozioha, engomma, j foi criado de estu-
dite e por Isso suppde-se andar nesta praja
porque eempre para onde procura, roga se as
autoridades policiaes capltes de campo a appre-
hensao do dito cabra, e a entrega delle ou no
dito eogenho, _ou na ra da Penha n 6 primeiro
nndar qne sero generosamente recompensados
eproteata contra quem quer que o tenha occullo
t llisando-se de seus servicos,
0 Liberal
40 111
DE
Fazeadas inginas
A 21 DO CORRENTE.
Saundere mUiere & C. Ceti lata par inter-
veoc.au de agente Oliveira, do mais esplendido
sorliajeoto de fueniaa iogiozas, todas propriu
do mercado:
Quinta-feit 21
do corrente. asjff. for
mazem contigua S'St>
praca, largo do Corpa asHo.
LEILO'
Mobilias e pecas avulaae.
6 agenta G.uimar&HS t^n lo ds transferir sea
ara azara, o nao Uta con rindo (atar asm que di-
minu pactaos aus inoumexo* atosoio, tora re-r
aolvido fazer leilo no dia e hora abaixo declara,
do era o dito aeu armazem o ra do Imperador
n. 37, de ludo quanto oella ae achar patente,
como seja ricas e completas mobilias do moguo,
||tor#-fiiffBamhi. em seu ar.
f #i,#a commercial desta |
Hoje est venda o 2.a numero do Liberal,
oa ra do Imperador, loja de livres do Sr. Anto-
nio Domiagues. Subscreve-se na ra do Impera-
dor n. 44, primeiro andar.
. FOT
Preciaa-se de um hornera que teoha pratica de
agricultura para feitor: a tratar oa ra da Guia
numero 5.
A mesa regedora da irmandade do Santissi-
mo Sacramento da matriz da Boa-Vista conrida
a todos os seus irmaos pira que comparecen aa
2 horas da tarde do dia 2t do corrente, no consis-
torio da mesma matriz, adra de eocerporadoa
acorapaoharmos a procissio de Corpas Christi,
qne tea de sahir da igreja do Espirito Saolo.
O escriro,
Ricardo Pereira de Faria.
Aluga-se urna casa pequea no Pombal,
freguezia ds Boa-Vista, com dous quartos e cozi-
nha, poco com boa agua da beber, e paquAno ter-
reno para plantar ; a tratar na ra deSaota Rita.
casa n. 10.
O prior do convento do Carmo da eidade de
Olioda, tendo de ir a corta, deixa como procura-
dor do mesrao oSr. Joi Joaquim Xarier Sobrei-
ra, morador na rfiesma eidade.
Fr. Luizda Pureza Machado.
Na raa da Cadeia do Recife, sobrado n. 2,
ha urna crioula para comprar e eoziohar.
Aluga-se urna casa e sitio na travesea da
Capunga para a Baixa Verde, defronte'do oorlo
do sitio do Arantes ; trata-se tii ra di Cadeia
do Recife o. 25, seguodo andar.
_ 0 sbaixo assignado, era eonsefjiencia de
nao ter ainda appsreeid o sea escreob por nomo
Luciano, fgido pela segunda rez deMe o dia 10
do mez passado sem qae at o presente tenha ti-
de noticias delle, querendo retirst-se para
Bania, iu-provincia, roga a todas as autoridades
e capiles do campo e a quem quer que o encon-
tr, de captralo e levadle rasa do Illm^Sr.
Dr. Caetano Xavier Pereira de Brito, onde ser
bem recompensado.Joao P, de Cerqnetre. ,
Aiugi-sso armazem da ruj da Seozala Ve-
lha que fice por desrai da loja da ra da Cadeia
. 18 : tratar na mesma loja.
Pedestre.
O -Pedestre n 5 est renda ds roa do Im-
perador o. 67, loja de lirios do Sr. Antonio Dj-
miogo.ee.
Irmaudidede IVossa Seohora
da Soledad da Boa-Vista.
Tendo sido a mesma irmandade convidada por
Sua Ene Bveaa.pera acoinpanhar a protieso de
Corpus Gbriiti, o juiz convida i todos os aeus ir-
saos para no da M do correle, palas 3 horas
da larde, acharen aa reaoidos ao coaaistoria da
mesma psra encorporadei acempaoharem a
mencionada procisso.O escrivo interino,
Luis de Atereajo iooze.
Os sbaito aasignados parifcfpam ao rospei-
iavel cotpo de'cnmmerctu que e Sr. os Peeeira
do Silva Vianna deixou de ae* seu cataeiro desde
o da 18 do correis, iUoife 19 de norembro de
1861,Reis & Gomes.
Contraria de Nossa Senhora
do Livrarueiiio.
De ordem da meia regedora da confraria So.
S. do Livratrmto, tenho a honra de con*id*r a
todos os irmaos desta confraria, para no domin-
go, pelas 2 ij? horas da larde acbarem-ro rewoi-
dos no coosiatorio da mesma igreja. afina do
acompanharem a procisso de Corpus Ch'i.ti esa
rirtude do honroso convite da S. Exc. Rvma.
Consistorio da contraria de N. S. do Lirame-
lo 19 de novembro de 1801.0 aeeretario,
Bernardo Falco de Souza.'
O abaixo assignado lando ura aanoocio oo
Diario de sabbado 16 do corrale em que ae do-
Clara a rematacao do sitio Allemo sen s esocos-
Qcago de serem as rendas ou a propriedade que
lera de arrematar-se, vera prevenir ao publie.
que aquella propriedade em aua maior parla fui
dada ao inveniariaote, cabega do casal de Anto-
nio Alves Ferreira. para pagamente da quanlu
de seis coolos e tanto que fuelle proorirtark
db dito sitio, hoje fallecido, lhe Orara a dever. n
que portanto ae aquella arrematarlo daa ren-
das, o reodeiro nenhuraa garanta della lerj
quaodo o abaixo assignado Oier arrematar para
sen pagamento, e se a rematago da proprieda-
de ser camella para o arrematante, ae reqoertr
deposito do producto, visto como o dito etilo oa
grande parte est consignado pelas partilhas si-
las e jukgadaspari pagamento da referida divida.
AdIooo P.reir. da Oliveira Mai*.
CASA
DE
Saude.
O Dr. Ignacio Firmo Xovier faz publico au.-
tem reorgaoisado a ma casa de aaude, na grande
casa, propriedade do mesmo sitie em que existia
o eu enligo estsbelecimeoio d*ssa orden que
fica ao norte da estrada da Paasegm da '..is-
lea, entre a ponte grande a a pequea du Cher
Menino, onde contina a receber ooentes de am-
bos os sexos e diversas cathegoriss, afiaocaodo o
melhor tratamento, ludo pelo preco mais cora-
raodo.
O meamo doator para mais commodidade d-a
pessoas possuidorss de escravos, ou que se qui-
zerem tratar em seu estabeleciraeolo lera deter-
minado a diaria abaixo declarada.
As operaco-s aero por previo ajaste, a oo
farao arle das diarias assim como as conferen-
cias, a sanguessugas. Pudendo o doeoto tratar-
se tambera homeopalhicameote, para o ase b.T
commodos separados.
O servico medico ser feito pelo disrineio eirsir-
gio do grande hospital Pairo II, o Illm. flf. Joao
Francisco Tinto Guimares, a o doator asspprie-
tario do estabelecimeolo, praticaodc-ao abi lod.i
e qualquer nperacopor prer^ot muilo razoaveis.
Esta eatabeleciraeqto torna-so recosa mandar;.
j pela boa casa digoes hygienieas em que aa acha situada, pro-
rado isso pelo crescido camero de duentes ah
curados.
O seu proprietario espera, .portanto. dos ssss
amigo, amigos freguezes. e mais peasoa*. ao
cooperaclo era bem do progresso de lio til co-
mo oecessano estabelecimealo, parausado por
nao poder elle adiarse sua testa, eos virtuie
de haver sido accommeltllo de urna grava tnfar-
raidade, porm hoje que se acha coas plata asele
restabelecido, promette esforcar so na boa ordena
de sue casa, e oa direceo do tralameolo sos
doentas.
Diarias Escraros 1f600
2.a ordem tsOOO
1 ordem 300
Para a entrada doa doenUs aa deverao iraUr
com o referido Dr. IgAacio Firmo Xavier, na raa
Nora de Santa Rita n. 7, adrado de ara andar
cora frente para s ribeirado peixe, ou no son es-
(abelecimento a quarquer hora.
Veneravel confraria de Santa
Rita de Cassia.
Os devotos de Nossa Sensor a da Piensos m
confraria de Santa Rita doaaaia. acieotileam ao
respeilavel publico, que deixam de fazer a fast*.
da mesma Senhora 00 dia 24 de corrale, por
aioda oo se ter concluido as obras.
. No dia 23 da corrente. depois da aodioseto
do Dr. juiz muoicipsl da 2* rara tem do ser ar-
remtala por ser a ultima praca a sacra va Joa-
quina, crioula, de serrico domestica, eom idoss
de 26 annos, avallada por 400, peasorado au
Dr. Cindido Joi Casado Liosa, por exeeoeae Se
Luis do Frasee Suato, escrivao Aturde.
Em casa da Blandi Ama, raa do Trapich
Novo n. 22, precisa-so da um preto robusto para
todo sarrico de casa, psga-ao bem.
Aluga-se o primeiro aodar do sobrado u.
63 da ra Imperial, cora exceilaetes commosO*
para urna grande familia, e um arsnazae 00 roo
du Imperador o. 30 ; a tratar eoas Leii da fsoraaa
Gomes Ferreira.
A mesa regedora da irraaodade do S.S. Sa
aiarochial tgeoja de 9. Fre Pedro Gacal*oa, con-
vida a lodos oa aeus irtaeos pira so da 24 So nr-
rente irapirecerera no consistorio do sania
igrej'. aura de reunidos, acumpaoharess a pro-
cisso do Corpas Christi. para e que tornea eeo-
ridados neto Exra. o Rvna. prolado diocsama ; e
pedo ignaimento aoooaa que uvetean copo o oso
oo aojo pose vel comparecer, o obseqaio do asas-
da-las entregar a o oeeeo irmo tarea watts.
Miguel Joaqun da Costa.
Escriro.
Qasm achar un alfinete de diamantas sjae
se pordeu as salaa da expoetcae, n qajSbr rook-
tuir, lereo ra do Cxbag, loja o. 14, teoompeasado,
=


tt*
UftMI mfttfMk BttA
'
U MttSSMiaO DR.iAtU
IMPEWM CAS\ DE SAUE
4Ucw;a6
**. ftB j VNEIRO.
% ?raia de Bolafoffo 26
"7 O*
O Dr. Bonjean participe ao respailare* abUco queseaba de fazer grandes melhoramentos na
Ma oaaa de taude, renovandoinleiresnenle a ala dlreita do eatabeletimento.
As aalas quarto* achata-te clegaatemeute mobiliadoa, reuniodo assim a cata ao bom tr%
lamento, todo o conforto aiaeio. I -
Ha quartoe ioteiramente independentes, com ae commodidades e seguranzas necessarias fia-
ra alienado! de amboi os aexoa, os qaaea serio tratados com todas as atlencdes que o sea estado
reclassr.
Terae conduccao gratis pareo eelebeUciaieoto os enfermos, livres ou escravos, que se apre-
senlaram ao consultorio do medico director, ra Direita n. 77, primeiro andar, em qualquer dia
ul, 4* meio dia aa 8 horas a Urde.
Os Da. Farreira de Abren e Pertence sao os mdicos operadores e consultores da casa : o
Dr. Bonjean dirige o servico medico e reside no estabelecimento. '' '
Operacoes, consultas pedidas, saDguesugaa, bachos fros, quentes, sulphureos de vapor,
sad pagos em separado.
O prego seri conforme a eseelha do aposento, porem em
Sla para pessoas livres................ 3|O00 por dia.
Enfermarla para escravos.............. 2*000
" m Wt separada para eacrnvos............ 2*000
Pagamento 15 dias adiantadoa.
O Dr. Bonjean achar-se-ba todos os dias da semana em seu consultorio) ra Direita o. 77,
do meio dia as I horas da tarda. ***
____-------------- r
ELIXIR DE SALDE
Citrolactato de ferro,
VjnVeo deposito na botica de oat\uVm Maruuo
da Cruz Crrela., ra do Cabug n. II,
em Pemamlmeo.
O Dr. H. Thermea (de Chalis) antigo pharmacentico aprsenla hoje urna ora preparado
de (errocom o nome de elixir de citro-lactato de ferro.
Parecer ao publ ico um luto emprecar-oe um mesmo medicamento debaixo de frmalas to
Tarjadas, maso horneen da sciencia comprehende a necessidade e importancia de urna tal varie-
dade.
A formula um objecto de multa importancia em therapeutica; um progresso immenso,
quando ella, manteado a esseocia do medicamento, o torna agradare!, fcil e possirel para todas aa
idades, para todos os paladares e para lodos os temperamentos.
Das numerosas prepiracdes de ferro at hoje coohecidasnenhuma rene to belfas qualida-
des como o elixir de citro-lactacto de ferro. A seu sibor agradavel, rene o tomar-se em urna pe-
quea dose, e aer de urna prompta e fcil diasoluc&o no estomago, de modo que completamente
assimilado; e o nao produzir por causa da lactina, que contera em ana compoaico, a constipado de
?entre frequeotemenle provocada pelas outras preparaedes terroginosas.
Estas novaa qualidadea em nada alterara a sciencia medicamentosas do ferro, que sendo urna
substancia da qual o medico se nao pode dispeusaa em aua clnica, de incomparavel ulilidade
qualquer formula que lhe d propriedades taes, que o pralico posea prescrerer sem receio. E' o
que consegaio o pharmaceutico Thermea coa a prepsracao do citro-lactacto de ferro. Aasim este
medicamento oceupa buje o primeiro lugar entre as numerosas preparando* ferroginosas, com o
assia a pratica de muito mdicos distinctos que o lem entejado. Tem aido empregado como im-
meoso proyeit naa moleatiaa de languidez ( colorse paludas cores ) na debilidade subsequente as
hemorrhagias. as hyJropesias que spparecem depoisdaa intermitentes na incontinencia: de urinas
por debililade, as perolas brancas, na escrophula, no rachitismo, na purpura bemorrhagica, aa
convalescencia das molestias graves, na chloro anemia das mulheres grvidas, em todos os casos
em que o sangeso acha empobrecido ou viciado pelasfadigas, alTecees chronicas, cachexia tuber-
culosas, cancroaa, syphililica, excessos venreos, onanismo e uso prolongado das precaaces mer-
curises.
Estas eofermidades aendo muifrequenles o sendo o ferro a principal aubstsncia da que o
medico tem de laucar mo para as debelar, o autor-do citro-lactato de ferro merece louvores e o
reconhecirnento da humanidade, por ter descoberto urna formula pela qual se pode sem receio
do ferro.
Jote Yaz da Oliveira, natural da freguezia de
Santa atara Magdalena de Gounh* em Porlo-
gal, aaaitUula na ra do Hospicio o. 42 no Rio
de Jaueiro, dacUra que tendo ueala provincia de
Pernambuco, um seu lio de nome Joaquim Fer-
reira da Cruz, e o'i'o tendo sua familia recebido
noticias auas ha rouito tempo, suppondo que te-
nba faliacido, otate intuito roga o espacial obse-
quio, a algasia pesies que o conhece, ou tiver
cooheciea, de dar altama infotanaces a respet-
to nesta cidade de Pernambuco em casa do Sr.
Azevedo & Meles, mi da Crus p. 1.
Rio de Janeiro 4de outubro de 1861.
' f%* Jos Vez d'Oliveira.
Aluga-se o sobrado da ra da Aurora, hoje
pertencente aoaherdeiroa do finado desembarga
dor Rocha Bastos, com excallentes commodos pa
ra grande familia : a tratar na ra do Crespo n
5, loja de Marcelino & C.
Na ra da Cruz n. 33 se aluga um preto mo-
co, cozinheiro, e urna cnoula cozinheira;
Joseph Leslndnt, subdito belga, vai a Eu-
ropa.
Joaquim dos Santos Jorge, Breeileiro, ral
Franca.
JBflUMIS MrdM^IMIMttM&tlSMirtt
Dentista de Pars.
15Ra Nova15
FradarieGautier.cirargiaodentita.faz
todas as oparace* da sua arta ecollocj
dentes artiSciaes, ludocom a supariori-
dade o rfeic,&o que as pessoa san tendi-
das lhereconhacem.
Tem ijua psdentifrieiosete
Consultorio medicoeirurgico
3--K13VBV GLORIA CiVSA DO TONDAO--*
Consulta por ambos os systemas,
eatabeleci-
\
Em consequencia da mudanza para a sua nova residencia, !. roprietario deste
menlO acaba de laaer urna reforma complot* em todaa aa aaua na, j'ament.ia.
O desejo que tem de que os remedios do seu estabelecimento nao se confundam com o's de
nenhum outro, visto o grande crdito de que sempre gozaram e gozam ; o proprietario lem tomado
a precaucio de Inscrever o seu nome em todos os rtulos, devendo ser considerados como falsifica-
dos todos aquellea que forem apresentados sem esta marca, e quando a pessoa que os mandar com-
prar queira ter maior certeza acompanhar urna coala assigoada pelo Dr. Lobo Moaaozo a em pa-
pel marcado com o seu nome.
Outro sim : acaba de receber de Franca grande porreo de tincturs de acnito e belladona, re-
medioa estea de summa importancia e cujas propriedades sao lio conhecidas que oa meamos Srs.
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsos qur em tubos qur em tincturaa cuslarao a 1 $ o vidro.
O proprietario deste estabelecimento annuncia a seus clientes e amigos que tem commodos
sufficientes psra receber alguna escravos de um e outro sexo doentes ou que precisem de alguma
operado, afianzando que serio tratados com todo o disvelo e promptidio, como sabem todos
aquellos que tem tldo escravos na casa do annunciante.
A situacio magnifica da casa, a commodidada dos banhos salgados sao outras tantas vanla-
gens para o prompto restabelecimento dos doentes.
Aspessoas que quizerem fallar com o annunciante devem procura-lode manha at 11 horas
e de Urdo das 5 em ditote, e fora destas horas acharao em casa pessoa com quem se poderio en-
ioder : ra da Gloria n, 3 casa do Fundi,
. Dr. Lobo Moscoxo.
O dentista Numa Pompilio.
Ra e$treta do Rosario n. 32, pri-
meiro anclar.
planta dentes pels pressio do ar, por molas e li-
gaduras, efaz todas aa operacoes de sua arte.
Quem quizer arrendar ou comprar o engeoho
ilapirema do Meio oa comarca de Goianna ou ar-
rendar o engenbo Souza na freguezia da Taquara
ni provincia da Parahyba, ou mesmo comprar
mals de metade deate eogenho, pertencente aos
herdeiro do Anido coronel Eetevio CavalcanM
d'Albuquerque. dlrija-se a ra estreita do Rosario
ti. 10 3* andar ou ao engeoho Tab oa freguezia
da Taquara.
3,000.000
TJ-se 3.000} a juros sobre hypotheca : quem
precisar dirija-se a ra doCabugi o. 1 A, se di-
r quem d.
Madama Freir
Modista brasileira
avisa ao respeilavel publicoe s auaa freguexias,
que mudou a aua residencia para a ra Direita
n. 9, segundo andar, sendo a entrada pela ra
da Penba, de quem espera muita coocorrencia,
para o que a acharao prompta a desempenbar a
aua arle, como sejam : vealidos de casameotos,
capas, manteletes ricos, vestidos de theatro e
preparar chapeos, vestidos para bailea e monta-
ras, e qualquer obra para meninos, onde tam-
bera achario licaa capas de velludo da ultima
moda que vender por menos do queem outra
qualquer parle, e ludo far com promptidio e
sseio, e por precoa commodos.
rrecisa-se de um caixeiro portugus da 16
annos para taberna, com pratica oa sem ella: aa
ra das Cruzas n. 22.
Aluga-se um armazem na ra do caes da
Apollo n. 77 com commodos sufficientes psra
qualquer estabelecimento : a tratar do pateo de
S. Pedro n. 6.
Da coebeira da Claudio Dubeux furtaram oa
noite de seaU-feira para sabbado doos eavsllos
m grao, com os signsessegoiotea : um ruco cla-
ro, baixo, bstame grosso, com pequeas pinua
de pedrez no pescoco, topete a ponU d'aguiha
toiados, tendo no peito marcas de corris da car-
ro ja saradas, maa bem viziveia ; o oolro ruco
aaio, grande, cabano e um pouco oafego do quar-
l-d* Cln" P'rad" do mesnio
Sitio na Capunga.
Aluga-se um sitio na Capuoga-velha, do Sr.
Barlholaroeu Francisco de Souza, perto do rio,
com coebeira, quaitos para prelos, ele: quem o
preleuder dirija-se rna larga do Rozario n.
34, botica.
Em virlude do convite de S. Exc. Rvm., e
deordemdoc h n< irmio mioiitro, coovido
aos nosros ehsrusimos irmios em geral para com-
parecerero no dia 24 do correte, pelas 2 horas
da Urde, paramentados de seus hbitos na igreja
de nossa veoeravel ordem, para, encorporados,
companharem a procistao de Corpus-Chrisli.
Secretaria da veneravel ordem terceira de S.
Francisco 18 de novembro de 1861.
Luiz Manoel Rodrigues Valeo;a,
Secretario.
No dia 8 do correte perdeu-seds ra Nova
at a ra da Cadeia do Recite um brilhante :
quem o achar e quizer restituir a seu dono pode
dirigir-ae a tua do Vigario n. 31, que se dsr a
ecompeosa.
Aluga-se urna casa na Torre com commo-
dos para familia, quintal murado e agua de be-
ber, por comraodo pre$o. para ae passar a festa :
a rallar no mesmo lugar com Francisco Jos A-
rantea.
-
#dabiuete medico cirurgico.J
Ra das Flores n. 37.
Serio dadsscoQSbltas medicas-cirurgi- aa
ca pelo Dr. Estevio Cavalcanti de Albu- S
querque das 6 as 1 horas da manbaa, ac- S
cudindo sos chamados com a maior bre- I
vidade possivel. Z
Partos.
2.* Molestias de pelle.
% 8.* dem do olhos.
4.' Idemdoaorgaos genitaes. S
SJ Praticartoda eqaalquer operacio em
seu gabinete ou em casa dos doentes con- 2
- forme Ibes fr mais conveniente. S
Na ru da Cadeia do Recite n.'4t
primeiro andar, desoja-se tallar com os
Srs. Manoel Joaquim* Airares de Olivei-
ra e Manoel Jo de Oliveira Lima, a ne-
gocio de seu nteresse.
O Sr. Samuel Brlskarr tem urna
enoommenda na ra da Cadeia do Recite
n. 41.
Previue -se a qualquer pessoa a quem lhe
for aprtsentsda urna letra da quaotia de 1509 Pa-
sada e aceita peloSr. Manoel Joaquim-Soares, a
, Justino Comea de Almerda, no dia 15 de outubro
ido correte auoo, a vencer-se em 15 de tevatei-
ro de 1862, que nio facam uegocio algum com a
dita leira por esta ter sido roubada de deatro de
um bab perteocente ao dito Almeida, cuja letra
fica sem effeilo algum por j ha-er outra com
differente data. Recite 18 de novembro de 1861.
Precisa-se de um preta para servico da pa-
daria ; na ra Direita n. 26. -
Peci sa-se de orna ama qua saiba cozinbar
a comrprar; na ra Nora n. 33.
Precisa-se de um caixeiro portugus de 12
I a 14 annos, que teora pratica ou aem ella, para
taberna ; na ra das Cruzes n. 1.
Quem precisar de urna escrava parda que
sabe cozinhar e lavar rupa e eogommar, dirija-
-se a ra da Lingoeta n. 8, segundo andar, e a Ira-
tar na ra da Cruz n. 68.
Casa em Jaboato.
Aluga-se urna das melhores casas em Jaboato:
a traUr com A. V. da Silva Barroca, na ra da
l Cadeis do Recite n. 4.
) Pessoa alguma fa;a negocio com o terreno
. e aitio pertencente ao Campo Grande por se achar
em demorada todo elle.
i Louis Sand, subdito de Bavira, relira-se
' para o norte.
ITTIBCaW.
Precisa-se de ofRciaea de aapateiro para obras
de taixa e de ponto, e obraa viradas ; na ra lar-
ga do Rossrio.loja de colgado n. 12, juntas bo-
tica do Sr. Pinto.
. Quem quizer dar quantia de 4006 a premio
| bvpotnecando-se duss escravas pscaa que valeos
mais de 3.0000, appareca no largo do Terco nu-
mero 39. i J
I Um segundo
andar*
Aluga-se o segundo andar da pregada Boa-
Vista : a tratar na loja de calcado na ra da Im-
peralriz n. 46.
Na ra Nova n. 32 precisa-se de urna ama
para coziohar e comprar na ra.
Precisa-se de um forneiro para a cidade da
Victoria ; na padaria de Honteiro & Soares, ra
larga do Rosario n. 46.
O Sr. Jos Sosres Moreira queira declarar
oode mora para se lhe entregar urna carta da Pa-
rahiba, nio ae declara oode pode procurar, por-
que o conductor della forasteiro.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva
para casa de pequea familia : a tratar na ra do
Vigario n. 10, armazem.
Lagerbier
bei
Gustav Bousset A C.
Na ra dos Prea n. 33 vende-se pelo prego
de seu custo em Londres, e dos direitos pagos
na alfandega, um carro de 4 rodas psra um ca-
vallo, o qual anda nio servio. Com pequea al-
terado pode tambem servir para doos animaes.
Manoel Aires Guerra saca sobre o Rio de
Janeiro.
Aluga-se o terceiro andar da casa
n. 37, sita na ra do Amorim : a tratar
na ra da Cadeia n. 62.
Attenco.
mosaicaZ raga-te pessoa qeTwter
tazar S ssHr de entregar aa ruar do Quaimado,
loja o. 18, que aera besa recompensada. -
* Aluga-te a casa terrea oa freguezia da Bea-
Vista, ra dea Prazeres o. 14, ao lado do t-oapi-
lal Pedro II, com mallos commodos para fami-
lia, rellneada leda de novo : a tratar no Recife,
travessa da ra da Madre de Dos o. 18, segundo
andar, daa 6 s 9 do dis, e das 4 s 6 da Urde,
prego commodo. '
Quem precissr de um preto cotinhtlfo, di-
rija-se ao escriptorio n. 42 na roa da Cruz.
No largo da Assembla n. 16, precisa-se de
um esersvo psra conduzir tabelelros, e faier o
mais servico d casa de pasto;
Aluga-se o primeiro andar a. 39 da ra da
Imperatriz, teado o andar muitos commodos, ter-
rado e quintal com sahida para o Capibaribe ; a
fallar na mesma rus, casa n. 21.
Orna pessoa que tem de mandar sos fami-
lia para o mato, e oao lhe sendo possivel condu-
zir duas mobilias a quasi todoa os uteocilios de
casa, pretende vendar todo por metade de seu
vslor, sendo a mobilla da frente muito moderna,
de jscarand e pedra, a a inferior de oleo ; quem
pretender, dlrija-se a ata typographia a tallar
com o Sr. Mendos. Tambem se traspasas o srren-
damento da mesma caaa em aua existe as mobi-
lias, pois grande e tem muitos commodos psra
grande familia.
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso, Santos & C.sacam e tomam
saquea aobre a praca de Lisboa.
Aluga-se urna casa em Beberibe : a tratar
com J. I. M. do Reg, na ra do Trapiche n. 34.
Qoarta-feira 20 do crrante, depois de On-
da a audiencia do Sr. Dr. juis municipal da 2.a
vara, se ha de arrematar em praca publica, a
quem mais der,' duas escravas a saber: Felicia,
crioula, de idade 45 annos, pouco oais ou menos,
do servico de agricultura, que diz soffrer do pel-
lo, por 3509, e Justina, crioula. idade 26 aooos,
do mesmo servigo, que diz soffrer de erysipells,
por 4009, ambaa penboradas a Prancisco Jos de
Saot'Aona, por execugao de Alexanre Bezerra de
Albuquerque Barros, credor hypotheoario. Reci-
te 18 de novembro de 1861.Escrivio,
Pedro Tertulisno da Cuaba.
Attenco.
Sendo fra da cidade a morada do revorendo
Sr. Francisco Verissimo Bsndeirs, por isso ro-
gado a vir a travessa da Senzala Velha o. 4, a
negocio de seu interesse.
Precisa-se de nm criado nacional para ser-
vico de cozioha e compras: na ra da Impera-
triz b. 22, primeiro andar.
Aluga-se pelo tempo de festa ou por snno
a grande casa que faz quina com a poole doCa-
chang, com commodos para numerosa familia,
muito fresca e sadia, com estribara para doua
cavallos, e bom quintal ; a tratar no mesmo lu-
gar com Francisco Xavier Carneiro da Cunha de
Miranda.
Club Gommercial. I
A directora do Club Commercia scien* VI
linca aoa Srs. socios do mesmo, que tem ^P
designado o dia 22 do correte para ter dfc
lugar a inauguracio da sociedade, a es- J
pera comparecam com soas Exma familias w
a tornar assim mais brilhante e pompozo dfc
esse acto, que recarda ao mesmo lempo, 2
como aoniverssrio, a honrosa visita que
SS. MM. II. se dignaram fazer a esta A
provincia.
Os saldes ostsrio patentes aos senhores *
socios e convidsdos s 7 horas da noite. *\
Um boi.
Attenco,
Dessppsreceii da ra Nova n. 43. no dia 15 de
novembro, urna negrinha de nome Paula, com
os sigoaesseguiotes : 7 a 9 aooos de idsde, 4 a
5 palmos de allura, magra e secce, pernas meio-
arqueadas, ps grandes e chatos, beicos compri-
dos, levando roupio de cassa azul, urna boneca
e roupinba propina desle divertimento pueril. Es-
te negrinha chegou hs coasa de 15 dias do eo-
genho Cruz de Malta, e pertence a Francisco ds
Cunha Machado Pedroaa : roga-se pola as auto-
ridades policises, espitaos de campo e inspecto-
res de qusrteiiio qae aprehender a dita negri-
nha e a levem a mesma casa.
Armazem.
Aluga-se o armazem do sobfado da roa dss
Larangeiraa o. 18, proprio para qualquer esta-
belecimento : a tratara mesma n. 16.
Desappareceu da ra da Concordia em a noite
de 13 do correte, tendo quebrado a corda um
boi em grio, de cor pela e muito novo, tendo
em um doa quartos urna malha esbranquicada, e
pelo fio do lombo cor vermelhaga, de bom tama-
ito e bastante gordo, bastante conhecldo por
Irabalhar em carroca e carregar maleriaes: quem
o pegar e levar a ra do Imperador n. 35, ou Con-
cordia n. 61, ser generosamente gratificado. Pro-
testa-8e coa o rigor da lei contra quem o tiver
em seu poder.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva,
para o sergo de cozinbar e comprar : na ra do
Imperador n. 37, segundo andar, entrada a di-
reita.
"- Aluga-se urna mei-agua por detraz da ra
do Nogueira ; a tratar na ra do Queimade nu-
mero 53.
O abaixo aaaignado tem justo e contratado
com Antonio ds Cunha Brandio a taberna sita na
Eatrada Nova ; quem se julgsr pois com dlreito a
mesma, spreseote soas contaa no prazo de tres
das, na ra da Assumpgio o. 8 Recife 19 do
novembro de 1861.Manoel da Cunha Brandio
Attenco.
A pessoa que achou urna pulseira de cornalinas
encastoadas em ouro, querendo restitu-la a aeu
legitimo dooo, queira lar a bondade levar a ra
da Imperatriz n. 60, loja de Gama & Silva, coche-
ada por loja do paveo.
Aviso aos marchantes
No largo do Paraso, junto ao quartel de poli-
ca, na casa aova a fresca, a a mais aaseiada que
ha para este geoero, ainda ha algans talhoa de
cortar carne para alagar, e por preeo commodo :
a fallar na ra do Imperador n. 28.
Aviso.
Aos Srs. que fazem obras.
Existe grande deposito de travs e
enxams madeiras de qualidade de to-
dos os comprimen tos e grossuras que es
vendem por preco commodo : a tratar
na- ra da Praia n. 49 ou 53.
t
| Collegio Bom Conselho.
Esta aborto o carao preparotorio das w
fle ferias. tal
MHNLI
Aviso a todos os devedores do
patrimonio de N.S. da Boa-
Viagem.
_ A mesa regedora tendo por interme-
di de seu secretario, dirigido se a todos
os inquilinos e rendeiros do prtrimonio,
para que se dignassem pagar o que se
acham a dever, e como tenham parte
del les excedido muito do tempo que Ibes
fot concedido, e at sem darem a menor
satistacao, tem resolvido chamar a juizo
nao para pagarem, como para serem
despejados. Aquelles, porm, que qui-
zerem pagar amigavelmente ainda o po-
dero fazer at 21 do correte mez, ao
thesoureiro da irmandade Pedro Jos da
Costa Castello Branco, morador na ra
da Praia desta cidade, lindo o prazo
marcado nao havera' contemplacao al-
guma. Outro sim, naoconsente a mesa
regedora, que inquilido algum subloque
sem seu contentimento.
Jos Pinto de Magalhaes,
Juiz.
Francisco Jos de Campos,
Procurador geral.
Caes d'Apollo
armazem n. 67.
Deposito do sabo
fabricado na saboaria da
Ra Imperial.
Os propnetarios deste estabelecimen-
to, o primeiro neste genero e o mais an-
tigo da provincia, acabam de estabelecer
no armazem n. 67 do caes ie Apollo,
um deposito de seus bem conhedos
productos, consistindo em um variado
sortimento de sabo desde a muito com-
mum at a superior e verdadeira massa
a preco de 100 a 200 rs. a libra confor-
me a qualidade.
E' intil dizer-se que o sabao fabri-
cado neste estabetecimento, tem a pro-
priedade de lavar perfeitamente a roupa
sem causar-lhe o menor damno, o que
nao acontece com muitos outros, que de-
terioram o panno diminuindo assima du-
racao : a verdade desl assercSo esta'
comprovada pela preferencia que lhe
dao os consumidores : melhoramento
este devido aoprocesso ltimamente em-
pregado na manupulacao pelo actual
fabricante.
Para couhecimento dos compradores
declara-se que as caixas confem o se*
guinte letreiro em forma oral---Fabrica
de sabao nacional ra Imperial, Pernam-
bucoe se vende qualquer quantidade
de urna caixa para cima.
Na travessa da ra das Cruzes n. 2
primeiro andar, tinge se com pereicao
para qualquer cor e o mais barato
possivel.
APPR0V4fjlt0 E AUTORISACaO
DA
MMamtWMRNHM
CHArAB ME&I61MCS
ELECTRO-MAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo kirk
Para serem applica'das s partes afectadas
sem resguardo nem incommodo
- Cora estas GHAPas-ELBCTao-MACKETicAS-EinsPASTicAS obteos-se an cara
fallivel em todos os casos da intinmaeo ( can*a exiernss.corao do Ggsdo, bofes, estomago, baco, ros, ulero, peiio, p'prrttt de e
ganta, olhos, erysipela, rheumatisrno, parslysia e todas as affeccoes normen, tte. M
atente para as dnTerentes especies de tumores, como lobinhos escrfulas etc. aria anal fer a"
tamsBho e profundeza por meio da suppurac,o serio radicalmente exrpaos.
O uso deltas aconselhado e receiladas por habis e diinetos facalutivos. saa islrae
eonlesUvel, e ss ionumerss curas oblidas o fazem merecer e conservar coaflaaca a*
que ji tem a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripia, teado lele a
de fater as necessarias explicaces, se as chapas sao para hornera, senhera aa irieasis.
rendo a em que parle do rorpo existe, se na cabees, pescoco, braeo coi a, pena, pe, ea
do corpo, declarando a cicumferenca: e sendo iochaces, feridas ou ulceras, a saalde aa
famanho em um pedaco de papel e a declaraeao onde existem, afiss da que as chapas saja aa
torma da parle affectada e para serem bem applicadas ao seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas serio acompanhadas das competentes explicaces e tambera de todas as acces-
orios para a collocacio dellas.
Consulta as pessoae que o dignarem honrar com a sua eon&aaea, ara san eearipiaria. craa
se achara aberlo todos os dias, sem excepgio, das 9 horas da manha s 5 da tarea.
||9 Ra do Parto |||)
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
ski s s,mmm.@
CE
RNHIB160
Psra as encommendas ou inforraac.des dirjam-se a pharmaeia de JosAleaadra
ra do Qbeimado n. 15.
o r
S^ ti- 3|g-8
o
i" 8
II
2.2
F i
1 8
m O o
s g. s s g:
O.B aTo-C^S
9 5 2!
srS S'o>m
i a. sr i n c-
^2
o o
a.
n o o
I 2-S-b-B
n C n a o
2*'B la.?"
o
R'3
3 B 2
PQ.-0
Z I
EL-
o-S
Ig8s
3 9 cr .
8 jLg
c& n o
S B
D. S" B
2gg.
Btra/B o'?
o
s-lBifki:
S.3 8
sr -. ra cij
8 8*1'
I- !-.
ra ra ra o
* S*B as
"* ra
8 si
n
3m ra
c-. crj ra w i
__^ ^ *m fB "
a
<
B3
ra. &-S O 3
B &> te
o-1 B< i c
c _o-2.B 2
O H O
E" o*

Ssrs???
o ^,
s
2
-a
65
3.
8- ri
B
9
2- ga* O
H/b f-5r> =
& t en-
B < O) a
a o
"
3
cns
B.r^
5 2
B
1
a>
Si ar es a e
Si Sm M i
s g.-a o cq
In
2 2 Ss?
Mil*
lili
65
ra
c
s
3"
65
c
65
a
ra
B
rs
ero
s
a-
s
n
re
" SLS'B
2-8
*S 2 :f
bj re
- avB
o o
a*i I
~ o
o. a s- =
g
_ ra ra ra
B o-g 3
I 8b 8
^B {fe
t ra
Attenco
ao que ha de bom.
Felice Bottaro, subdito 'italiano, da profissao
jardloeiro, laoto de pedreiro para deseobos como
de plantac&es, chegado ullimameote de Macei,
aoode construio all o jardim do cemiterio por
conta do governo, offerece-aa para ezercitar a
sua profissao nesta cidade : quem precisar delle
pode procora-lo do Recife, ra do Trapiche nu-
mero 15.
Arrendamento
Trsspasssse o arreadamente do aobradoe ar-
mazena da roa do Trapiche n. 40, excelleote para
qualquer estabelecimento commercial de fazeo-
daa : trata-se na mesma casa.
A pesaos que snnuociou dar 3:5009 a juros '
sobre hypotheca em predio neste cidade, dirja-
se a roa de Sania Rila o. 9, que ae dir quem
quer.
CONSULTORIO ESPECIAL HOMEOf ATBICO
DO DOUTOm
SABINO 0. L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
n. 6.
Novo)
Conaultas todos os diaa tela deade aa 10 horas
at meio dis, acerca das seguales molestias :
molutUt datmulhtrtt, moUttiai 9$ erimn-
cas, aseietiiat da ptllt, moleitiat dotolhot
_ ..... mu u./.i/., wu-
teattas $ypkiliiicat,todat ai itpecitM d* fthrtt,
ftbrtt inttrwiiltentettuaa constquenctet,
PUARBACU B8PKC1AL HOHIOPATH1CA .
Verdadeiros medicamentos homeopathicos pre-
Cirados som todaa as cetela a aeceaaarlaa, in-
IMveis em seus erTeltos, tanto em tintara, como
era glbulos, pelos precos mais commodos aoa*'
siveta.
N. B. Oa medicamentoa do Dr. Sabino alo
nicamante vendidos em saa pharmaeia; todos
que o forem lora della alo falsas.
Todaaaacarteiraa sao acompanhadas de ara
impreaso coa um emblema em releve, tendo ao
redor as segaintes palatraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico braaileiro. Bate emblema poeto
Igualmente na liata doa medicamentos qu e se pe-
da, As earteiras qae nio levaram esse impreaso
asim marcado,emboratenham natampa o no-
me do Dr. Sabino sao falsos
Sement de algo-
do da ilha de
Fernando.
- Tendo se reconhecido a superior ida-
de do algodo da ilba de Fernando, S.
Exc o Sr. presidente saandou vir por-
cao della para ser distribuida peles Srs.
agricultores desta provincia, aa quaes
por si ou seus correspondentes pedesn
manda la buscar na-iivraria n. 6 e 8 da
praca da Independencia,
leus nome e lugar da moradia.
Os abaiso assignsdos tcaassa a
apparfeer na ra Nova n. SI, lea el
Jos Antonio Ferreira da Silva.
Fraoclaco Xavier Venancio Fiarais.
Pedro de Asis Campos.
Bozebio Bezerra Cavalcanti.
Manoel Rezendo do lego Berras.
Troca de urna barcada por
cal preta.
aaTkoa-
Na ra nova de Santa Rila,
te Alvea Machado, veae se ea
preta ama baruca qae carregn 15 a
qaem quizer fater qualceer
caaa cima aeociooada. Na
bem se vende por preco
Iualiatade, de 36 a 10 palmea ea
-se em coala por se aterrar a
scke estas travee.
Quem lhe faltar nm bes
desde o dia 14 do correte,
sitio da Ealaocie, sobrade da
dando os signaos a psgsnda aa
tregari.
Precisa-se criado para suiar era
rallos, e qne tambem laaba
boles r : no sitio da Estancia a
Homognea da Silva, m h n
sario o. 45, na fabrica de caaratee,
do dia em dianle.

_y


DUWO 11 T*tik*m*k- OHMiU W4 10 HJPBMQ Di uei.
1
Precisa-se alugar w&a ara de leite:
'na ra dos Pires n. 40.
zzz.
Nao se teada reunido hoje p mulero
de Tptos presentes qu exige o art. 16
dos estatutos da companhia para que
ha ja sesiJto d* asamblea $'tfos ac-
ciomstall sao estes convidados* para se
reunirem no dia 25 do correte ao
meio dia, afim de que se potsa cumprir
o que determina os mesmoc estatuios e
fazer dividendo ; prcededose en-
tao de conformidade cora o disposto no
artigo addi ti vo ao 46- que permitte que
naja sessao com o numero de rotos pre-
sentes.
Escriptorio da Companhia do Bebe-
ribe 18 de novembro de 1861.
0 secretario interino,
Justino Pereira de Faria.
Joaqmm Francisco dos Santos,
40Su do Oueimado40
Defronte do becco da Congregago, letreiro verde.
VENDE-SE O SEGUINTE:
Para casamientos:
capaila, o
5
i
i
I
*
I
Este noo ptecesso de pintara apli-
cado photographia excede a tudo o que
tem-se viste al agora en perfeicao e K
puro de detalhes e delicadeza das lilas *
mesmo naa miniaturae sobre martlm.
Parece um esmelle I
Pode-se garantir-lbe pelo menos a
durco da pintura a oleo, visto ser im- d
permeavel nao s ao contado da almos- 1
pilera, como lambem humidade de tal
modo que nao se altera flc*ndo qualquer 1
espaco de lempo debaixo d'agua.
Outra grande vantagem deste estylo
de retratoa e que a piolara nunca pode
mudar os traeos da photographia de modo
que a semelhanga perfeita nao depende
maia do pincel.
Os annuncianlas lendo adquirido do
inventor o segredo desta preciosa iono-
vaco (da qual ae podar examinar al-
gum espcimen na eipoaigo industrial
aberta eslea das do palacio do govero),
apressem-se em por essas vantageos a
disposico dos seus amigos e freguezes
afim de que posaam aiada approveitar do
curto espago de lempo que el les tem de
demorar-ee oesta praga, sendo fizado
impreterivelmeate para o dia 31 de de-
zembro prximo (aturo o encerramenlo
dos seus negocios.
STAHL& C.
[Photographos de S. M. o Imperador'
14RA DA IMPERATRIZ14
r^sttMMJK
O abaixo assigaado pergunta aos eacriplo-
res do aonuacio publicado no Diario de boje
asignados com os anooymos quebra esquina e
curaadeiro do cholera, ae os preditos annuncios
se referem a sua pessoa.
JustiooM.de Aimeida.
Josepb Perere, Joaquim Verere, Gizander
verere, Manoel Dessiele Varro, Bernardo Vel-
zieve Sozes, reliram-se para (ora da provincia.
Aluga-se urna casa com boos commodos e
trra bastante para plantar: no sitio de L. A
Dubourcgna Capunga.
Urna pessoa habilitada offereee-se para co-
brar dividas no interior desta provincia de Per-
nambuco, Parahiba e Rio Grande do Norle, do
que d fiador a ana conducta : quem quizer po-
de anDunciar por este Diario para ser procurado.
Ricos cortea de vestido de fil ou blond de seda branca com rama e
maia moderno e superior que ha no mercado.
Para bailes.
> Lindos corte* de vestidos de fil ou blond de sada branca bordados a braaco e
cores.
Ditos de tarlstapa branca bordados a brancoe cores.
Ditoa de cambraia branca bordados a branco com muiU elegancia.
DUoa de barege de seda de corea cos barras listas, novosgostos americanos.
Saias bordadas.
Ricassaias de cambraia branca bordadaa com o mais apurado costo a mais finas
qae na no mercado. .t.,
Ditas de dita recortadas mais birataa.
Para baptisados.
Ricos cortes de vestido de cambraia branca bordadoa cesa ssaila elegancia, o
mais moderno e mais superior que ha no mercado.
Manteletes.
Ricos mantelete* de seda da corea e pretos bordados e liaos com eufeilee. bem
como arrendados, por pregos commodos.
Lencos.
Ricos lencos de cambraia de linbo bordados a 3j, 4 e59 cada nm.
Chales,
Ricos chales da tonqulm brancos bordados de pona redonda de 4 ponas.
..i! "? fa-zed" cima mencionadas tem um gr.ode sortimento de todaa aa
quadades, flue^*_Pos"' mcl0n'-e P< grande espaco qae tomara.
urna preta.
.65, laja de Guimaraee
- Vende-se em negrinha de idade de 9 an-
Vende-se ama preu trioula de mala idade,
..'" eoainha peifitamenta, a engoanma
soffnvel: a tratar na ra do Itingel n. (19, pri-
raeiro andar.
Vendase ama negaaba eaua terreno, chao
propno. prompto a edificar; a tratar na ra Im-
perial n. 222.
Venden* se as casas a. 4fJUdarua da Es-
peranza oa Camtnho Trov-do balrro da Boa-Vis-
ta, chao proprio. quintal morado, urna mei-agua
no fundo ; a tratar na mesma ra o. 45.
. Na padaria da ra dos Quarleia n. 18 con-
tinuare a vender o excellenle pao a 120 rs. a li-
bra, de meia libra para cima, bolachinba a 100,
120e 140rs, a libra, l.\ 3/ e 3/ ; a farinha |.
qualidadB a 140 rs.,2. a 120 r*.. 8 a 100 rs. a
libra, bolachinba doce a 140 rs. a libra, par ar-
roba 4|. aramia a 240 a libr. O propietario
desta padaria aiada tam para dispflr terreno para
maia da 20 cuas da 30 palmos com 150 de fun-
do : ea prelaadeotea podem eutender-se com o
mesmo proprietario que todo negocio far 4 vista
do lagar que escolherem.
Manoel Antonio da Jess.
Vende-ae um relogfo de parada muo bom:
em Olioda. paleo de S Pedro Marlyr, taberna.
Fazenda modemissima para
vestidos,- na loja do -pavo.
Acaba de caegar a este estabeleeimcnlo pelo
vapor francez am lindo tortimento da gorguroes
de seda, (aaaada anda olo vala oeete mercado,
que ae vende por prveo baratistimo, sor catar
muito prximo (esta, assim como lindas mar-
quezinhas ou chapeozinhoa de Sol-para seahora :
na ra da Imperatriz o. 60, loja de Gama &
Silva.
BOM E BARATO S NO
fc 8Xa

Francisco Fernandes Duarte
aPenlia
Continuase a vender neste
armazem de roolhados os
malhores gneros qae vem ao mercado, e por muito menos prega da que em outra qualquer sarta
para o que recebe o proprietario em todos os vapores da Europa, a maior parta o asas gvooras'
escolhidos por peaaoas encarregadas, para este fim ; por iaso novamente participa aoa Mti (tegaezes'
ooa so aos Srs. da praga como de engenhos e lavardores, que queiram seguir em progresa >'
nao deixem ao menoa de comprar a primeira vez suas encommendas, certo de qae alo da acatar
para o que ato se pouparao oa proprietarios. em prestar toda atteocio, e mesmo em servir* por-
tadores menos praiicos, to bem como se viassem os Srs. peesalmanie; a abaixo ibiIwibui
oepregos de alguns gneros, por onde se pode julgar que rendemos baraliasimo.
slarnteiga nglea, maIg superior qne ha no Bereto, m n i9m ^
barril se faf abatimento. ^^^
Hantcvga 1 raneexa muil0 n0T,. 640 rf<, ljbra # #m blriil ^ rf>
CU parola, HvHson e preto
os mais superiores do marcado 2*600, t$UM,
IS)60O rs a Ubra e afianga-ae a boa qualidade. _- '
Qmiidorcmfienegad08nMU
3|000.
Quecos Undtinos
ultimo vapor a 3*200, ditos da vapor
Aviso.
fende-se na loja de Nabuco & C. oa
ra Nova n. 2, os mais modernos chapeos
de paliza a Traviata para aenboras, ditos
a Garibaldi, ditos a Cavour, ditos de seda
a turca para meninos, ditos de palha a
Garibaldi, ditos a hespanhola, a de ou-
Iraa mullas qualidades tanto de seda co-
mo de palha que se vendem mais barato
do que esa outra qualqaer parte.
S RA DO Q.UEIMAD0 N!46
.GBANDEORTIfflEST
30 p
^
O abano assignado taz puolico que mnguem
podar lazer negocio com labvrna alta na es-
trada Nova.perleticeote ao-r.^utoolo da Cu-
nta Brando, sem que se venbam entender com
o abaixo assignado. na ra do Rosario da Boa-
Vista n. 51.Manoel Luiz Ribeiro.
Ha urna pessoa habilitada por bataneo, ou
para caixeiro de taberna, d'coohecimento preci-
so ; quem pretender dirija-se a ra dis Laran-
geiras n. 15, qae achara com quem tratar.
Jos pa Ponte Arruda retira-se para os
portos do norte a tratar dos seus negocios.
Fugio um carauoo muilo manso, cantador,
e sem cauda, da ra da Saudade, casa o. 15: pe-
de-se a quem o livor achado o favor de restilui-
lo. que ser generosamente recompensado.
para menino de todos os
:asacos muilo bem
ditos de eaaemira
ecos ae alpaca
de casemira de
tamanhos, grande sorti-
Nabuco & C. Com loja oa ra Nova o.
2, receberam pelo ultimo navio um lindo
sortimento de eofeiles de froco com vi-
drilbos, ditos de relroz preto e de cores,
ditos de filas e flores, ricaagrinaldas pa-
ra noivss, e oulros muiloa entalles que
se vendem barato.
Rap francez
Vende-se na loja da Nsbaco cz C. na
rus Nova n. 2, rap francez a 39 a libra.
Nabuco 4 C. com loja na ra Nova o.
2, acabam de reeeber pelo ultimo navio
francez am lindo sortimento de vestua-
rios psra meninos de 2 a g annos, como
srjam vestuarios de velludo, ditos de se-
da, ditos de merino, ditos de fusilo bor-
dados e de outras muitas qualidadea que
se vendem mais barato do que em outra
qualquer parte.
1*000 rs. a han, a
de superior qualidade a muito reacaee a
eotelro se faz abatimento.
Prexuuto Vng\ez
ment.
Pregunto do
440 rs """------ quead* Mm nMte "ro *80 rs. a libra e iaieu>
propiios para fiambre a 900 rs. a libra, em porcio te ter abait-
remo
a toda a hora a 19 a libra.
a mais alva que ha no mercado a 480 rs. a h >
Compras.
Compram-se escravos de 15 a 30 annos pa-
ra exportar para o Rio de Janeiro : no eacrip-
torio de Manoel Alves Guerra, ra do do Trapi-
che n. 14. -
Attenco,
Compram-se crioulos de 14 a 20 an*
nos.'.bem pretos e sem defeito, nem mo-
lestia, quem os tiver nestas ctreumstan-
cas, pode dirigir-te ao trapxe da com.
panhia, na praca do Corpo Santo, que
achara' com quem tratar, e pagam-se
bem, para o Rio de Janeiro, tambem se
compra alguma mulalinha, de 16 a 20
annos, sendo bonita e prestmosa.
Vendas.
?5*1 fe 'oupasde brins como sejam talcas, paletots e colletes. sortimento de ecJUeta pret* d
setim. casemira e velludo de 4 a 9g, ditos para caaamento a 5 e 69, paletots brancos de Ll-
mante a 4e 5f. caigas brancas muito finas a 5$. e um gran le sortimento de fazendaaflnt a e mo-
dernas, completo sortimento de easemiras iogiaVparrhomem,"mein"o 0%whorT" anraaluui
lias e algodao chapeos de aol de seda, luvas da seda de Jouvin para hornero e eah t
mos urna grande fabrica de alfaiale onde recebemos encommendas de grandes obras nu nrl
sso eat sendo administrada por um hbil mestre de somelhante arte e um pessoal de mais da
clncoenta obreiros escolhidos, prtenlo executamos qualquer obra com promptido e mais barato
do que em outra qualquer caaa. v Dara,
N. 20Ra da ImperatrizN. 20
ZV.l.,1" >* pe?V cmD.r,,a ro" com 8 varas cada pecaoplima fazenda para peneiras
mosqueteiros. saias e forro de vestidos a l8O0. mussalinas largas dasseno i n tes cores verde azul'
CPonae,daIr,a^Carnad41eo.nCa a00 fL C"d' C0tte8 de EtB "' J eacura. com bbados
contando cada um corte 24 cov.dos a O9 o corte, velludo da seda das seguintes cores cinzento
o? o'de 6^o rV.r'l?,!Lf H"0da r? rUd08 de ,8eohora e rouPinn d crian^pe o baixo
prego de 2j600o covado, cortes de cambraia fina com sa p eos miudiohos a 5 tiras bordada n.
2TS "IS ^'' g0lHaha8 b0d,da8 muUo n" a ahilas com a gum toa" de S" 160
rs. o covado, pellos para camisas brancos e de cores a 160 rs.
Sintos para senhora.
Vende-se na loja de Nabuco & C. na
ra Novan. 2, ricoasintos dourados, di-
tos prateados, ditos de titos de seda e de
velludo tudo por prego commodo.
kw*w cMaK9KaKMsaeK
Magalhaes Mendes.
Estando em liquidago e recebendo diversas
qualidades de fazendas novas e nao desejando
demora-las espora a venda pelo diminuto prego
para acabar ricos corles de la de daaa saias
com 22 corados, ditos de gorgurao de seda de
quadros com 18 covados, cortea de orgsodys s
garibaldi fazenda muito Ooa com duaa saias e
ba/ra%pm 24 covados, ditos sem barra com 10
coyadfl, corlo da chitas no.s oi.co d )a.
com 13 covados a 2J500. corles de riscario Anos
a 2$500. ditos de riscado a garibaldi a 2(800. cor-
tea de chitas francesas escuras e clsras a 29500,
ditas inglezas a 19500, cortes de cambraia de
de salpico* a 29 e 39. pegas de cambraia finas
a I96OO, 29500 39 e 39500: n ra da Imperatriz
loja do arara de 4 portas o. 56.
Na loja da arara.
Vende-ee pegas de madapolao fino eofestado
a 39, cortea de casemira preta para caiga a 39500.
ditos entestados e de cores finas a 49500, cortes
de fustao para caiga a 19120, cortes de brim de
corea a 19280 e 1J600, cassas finas a garibaldi a
280 e 320 rs. o covado, grosdeoaple de cores pa-
ra vestidos a 19800 o covado, panno preto para
caigas e paletots a 2| e 29500 o covado, saias da
algodao para balo a 29500, balo de madapolao
a 35, ditos de 20 a 30 arcos a 39 e 3|500,anzi-
nha entestada a 400 rs. o covado, alpaca de co-
res para paletot a 400 rs. o covado, ditas a 160 e
180, ditas largas a 220, 240, 260 e 280 o covado,
e outras muitas fazeodas que se vende baralia-
simo : na ra da Imperatriz loja da arara de 4
portas n. 56, est aberta at 9 horas da noile e
tem a noite um relogio com leliras em que diz
Araran. 56.
1.0UC1I119 lllglVZ. enecacado e coslalletas propriss para fiambre a 800 r. a libes.
Saiailie 0 meinor petisco que pode haver por estar prompto
X oucVnno do reino 360 r9 a Hbr. e arrobl t9#500
Cuoutisas c paio nuil0 n0TOI, ^ ri nbr,
ttanUa de poico refinada
e em barril a 440 rs.
rVzoUonas muito no\as. lso0o a tMtmm, e e g.rr.i. 320 r..
Latas com boiaxinua de soda C0Dltao mmmm qMlt4#$ Bt$mt
am porgao se far abatimento.
* ., **"a mais nova do mercado em latas de urna libra por 900 rs., ditas da
daaa ditas por 19700.
llaYmelada imperial do 8tamad0 Abreu e de outf0i muil0$ f,brk,Bl#, #t j^,
a 19 a libra, em latas de 2 libras por I98OO.
EiT\uiias V ranee/.as ag melhore, que e pode 0Mejar em meias laU> por ^ tu
lambem tem portugueza me latas enteiras a 610 rs.
CnOCOiate frailCeZ e hespanhol chegado neste ultimo vapor a lf*00 a libra.
K. aSSaS propnas para podim a 800 rs. a libr.
DOCC Oe alnereiie em lata5 de 2 hbr elegantemente enfeitadas a 1*300 cada urna.
biSpermaSete luperi0r de 4, 5 e 6 em libra a 760 rs. e em caixa a 740 rs.
Latas com peixe em posta das meibore. ***** que k. em tmmmt i
19400.
rVmendoas coaeitadas a ,8 a
a 480 rs.
Nozes e casta* as
FstreWinna
iibra, ditas em milo a 800 rs., ditas com casca
piladas muito novas a 160 rs. a libra.
para sopa a 640 rs. a libra e em caixiohas de 6 a 8 libras se far abatimento
Metria, macarrao e tavn%rim
Sevadinna
a 400 rs. a libra e em caixa a 99.
fraucercr muito ora a 840 rs. a libra:
Farinua do Maranhao
G omina
muito alva e cheiroaa a 160 rs.
de engommar, o que se pie desejar por ser muito alva a 100 rs. a libra.
xVipiSva muito novo e imp0 a jgo rs a libra e em porgao se far abalimeato.
J v o respeitavel publico, que afiaogando-se a boa qualidade dos gneros cima mencio-
nados, se vende muito barato, e pelos quaes se poder julgar todos os demsis qae no foram aa-
nunriados.
Chegou novo sortimento de superiores bolcinhaa de borracha pars fumo,
nunca vista a 610, 800 e 19 cada urna : na ra da Cadeia do Recite n. 15, loja do
fazeada aova s
Vende-se no armazem do caes do Ramos o.
4 arroz com casca a 59 o alqueire, medida velha
dilo pilado a 2930O e 29600 a arroba.
Vende-se urna casa terrea em ama das me-
lhores ras da freguezia da Boa-Vista com soio
interior, 5 quartoa e 3 salas : a tratar na travessa
da roa da Cruz n. 6.
2 o *$* &&$
A. verdadeira liquida, f
*9 cjao de todas aa la- *
zendas, roapas fi- O
0 tas e mindezas da S
rna do Cabng n.
S
aja> cr
M
tsr Burgos Ponce de Leoo, liqaidalario
da exlineta firma de Aimeida & Burgos,
lendo de salisfazer a segaoda prest ac o
aos credores da mesma firma, d'ora era
diante passa a expdr a renda aioda por
menoa do que tem aonuuciado, com maior
abatimento do custo, lmente para
apurar dioheiro, grande sortimento de
fazendas para seohoras, homens a
creangas.
E' aproveitarem-se para a festa.
A dioheiro ou a prazo.
QVeode-ae am escravo de idade 45 annos com
profissao de forneiro a que calende perfeitsmen-
te demsssas por ter sido sua oceupsgio padaria,
lambaos ganha aa ra e d 1| diarios, eujo es-
cravo vende-se por 400$ pela razo queso dir
ao pretndante: a tratar aa roa do Imperador
o 37.
50 ARoa da Cadeia do Recife30 A
B^ 20400, 2,5(000, 30000 e 30500.
' de admirar !
Meias para bomens encorpidas a 2f400 a du-
zia, dita para senhora que se tem vendido por
49 e 5f a 89600 a duzia, pegas de cambraia para
forro coa 8 1|2 varas a 29, cortea de vestidos de
cambraia com 6 ordena de babsdos a 39500,
ARMAZEM
ROUP ATOPA
Joaquim F. dos Santos.
40-Raa do Queimade40
Defronte do becco da Gongregaco letreiro verde.
Centro commercial.
Papel Garibaldi
Superior papel para cigarros fazenda novs, ra da Cadeia do Recife n. 15, no
Neste estabelecimento ha sempre um
todas as qualidades e tambem se manda ex
es para o que tem um doa malhores profe
Caiacas ae panno preto a 40g,
35S e 309000
Sobrecasacosde dito dito a 359 e 3OJO0O
Paletots de panno preto e de co-
res a 359, 309, 259.109,189 e 209000
Ditos de casemira de coras a 229,
ISf. 129.79 e
Ditos de alpaca preta golla de
velludo francezas a
Ditos de merino salim pretos e
de oorts a 9$ a
Ditos de alpaca de cores a 59 e
Ditos de alpaca preta a 99,79,
Ditos de brim de cores
49500,49 6
Ditos da bramante de linbo bran-
co a 69. 5| e
Ditos de merino de cordo preto
a 15 e
Caigas de casemira preta ede co-
res a 129. 109, 9f, 79 e
Ditas do prioeeza e merino de
cordo preto a*59, 69500 e
Ditaa de brim branco ede coras a
59. 49500 e
Galgas de ganga de coras s
Collele de velludo preto e de co-
res lisose bordados a 129,99 e
Ditos da casemira prela e da co-
rea liaos e bordados a 69,
59500,59
9. 51 e
a 6$,
99000
IO9OOO
81000
39500
88500
39500
49OOO
89000
69OOO
49500
2f500
3|000
890O0
3|500
aortimento completo de roapa faila de
ecutar por medida .voolade dos freaue-
ssores.
Ditos de selim preto
Ditos de seda e selim branco a 6 o
Ditos de gorgurao de seda pretos
e da cores a 79,69, 49 e
Ditos de brim e fustao branco a
3|500. 2S500e
Saroulaa da brim de linbo a 29 e
Ditas de algodao a I96OO e
Camisas do peito defualo branco
ede cores a 29400 a
Ditas de peito de linho a 59, 49 e 3Oo6
Ditas da madapolao brancas e de
cores a 89. 29500, 29 a
Chapeos pretos de masas frsocez
forma da ultima moda a 109.
8J500e *'
Ditos de feltro a 69, 59, 49 a
Ditos de aol de aeda ingleses e
francezeaal4,129, 118 e
Loiarinbos de linbo muito finos
novos feilios da ultima moda a
Ditos da algodao
Relogios de ouro patente e hori-
taatal a lOf. 009. 80| o 70f000
Ditos da prala galvaniaados p-
lente e horizontaes a 409 e 30800o
Obras de ouro, aderegoa a meioa
aderegoa, pulceiras, rzalas e
ansia a 9
Toalhas da linho duzia 108, 69 a 91000
Ditaa grandes para meaa ama 39e 49000
59OOO
59OOO
59OOO
39OOO
29800
19280
29200
1800
79000
29000
79OOO
800
9500
Importante
Aviso
Na loja de?4 portas da ra do Queimado a. 89,
acha-se um grande armazem com todo o aorti-
mento de roupas feites, para cujo fim tem mon-
tado orna officina de alfaiale, estando encartona-
do della nm perfeito mestre rindo de Lisboa, pa-
ra desempennar toda e qualquer obra que so Iba
encommende; por isso que faz um convite espe-
cial a todaa aa pesscaa com especialidade aos
Ulms. Srs offlciaes tanto da armada como do
exercilo.
UFaz-se fardas, farddescom superiores prearos
e mallo bem feitas, tambem trata-so fazer o far-
damento todo completo conforme ae uaa no Rio
de Janeiro, tanto que tem oa figurinoa que de
l vieram ; alm disso faz-se mais caasquiohas
para montaa, frdelas oajaquetas, bem como
colletes a militar para os Srs. ajudaotes de esta-
do maior o da avallara, quer seja aingelos oa
bordadoa a espequilha de ouro ou prala, tudo ao
gosto da Europa, tambem prepara-ae becas para
desembaraadorea e do qualquer juiz segundo o
estylo de Coimbra aonde sa fazesa aa melhorca
conhecidaa ata hoje, assim como tem muilo ricos
doaenhoa a matiz de todas as cores proprios para
fardamento de pagana ou criados de libr que se
far pelo goato franeeza. Na mesma casa en-
carraga-se de fazer para meninos jaqueles a
franeeza bordadaa ao mesmo gosto. Affiangaodo
qae por tudo ae fica rvsponsavel como seis boas
fazendas, bem feito e bom corte, nlo so falta rfo
dia que se promeller, segando o syslema d'onde
veio o mestre. pois espvra a honrosa visita dos
dignas enhorca visto qae nada rerdem em es-
porimoaUr.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cebog n. 1 B,
recebeu um completo sortimento de gollinhas de
missanga, sendo de todas escores.
Ki-Guimaraes & Villar.
Ra do Crespo numero 17.
Vendem baratsimo.
Cambraias brancas bordadas para vestidos de senboras a 79 a pega de 9 varas.
Orgsodys de cores delicadas a 500 rs. o covado.
Cassas de cores fazenda Qna a 240 e 280 rs. o covado.
Manguitos o gollinhas para senhoras 29 o par.
Gollinhas ultimo gosto a 19.
Manguitos a 39 o par.
Eotrameioa ricamente bordados a 29 >
Tiras estrellas a largas bordadaa para enfeites de vestidos de 29 a 59 a'pega,
Saias bordadas de 4 pannos a 49>
Saias bordadas de 3 pannos a 29500.
Saias balo de musselioa com babados a 69
Chapoa de palha de Italia para senhora a 28$.
Ditos de seda para senhora a 129.
Manteletes de seda
o que. ha de maia moderno de diversos pregos.
Ditos de fil muito bonitos a 30$.
Vestidos brancos bordados a 209.
Ditos brancos bordados a 79.
Chitas francezas de todas aa qualidades a 280,300, 360 e 400 rs. o covado.
Madapolao de todas as qualidades a 49,49500, 59 e 79 a pega.
Outras muilas fazendas de gosto e pregos baratos.
i
Yendemse
no armazem de fazendas
- de Santos Coelho. ra
do Queimado n. 19,
esleirs da Indis, proprias para forrar salas e ca-
mas, de 6, 5 e 4 quartaa de largo."
Leoqoes,
Lencoes de bramante de linho muilo grandes
a 39000.
Caberlas a chineza a I98OO.
Lengoes de panno de linbo a 29.
Cambraia.
Cambraia branca ailada, propria para forrar
vestido, toado cada peca 8 ljS Taras por 29.
Colchas de fustio
de lindos lavroreoa muito grandes a 69.
Corlea de seda de cores a 40*.
Algodao com 7 palmos de largo a 540 a vara.
Toalhas de fustio a 500 rs. cada nasa.
Capellas.
Rico sortimento de capellas para aoivas
Grosdensples furta-cores com algosa mofo a 19
o covado.
UP
Vepde-se am excellenle ceap do melbor
que tem rindo a este mercado, por proco
e um cabriolet por monos da saa valor ; aa naa
largado Rosario n.24 se dir qaem.Um.
Vende-se urna negra moga, boa ejaitaadet-
ra, e excellenle lavadeira ; na ra Nova do f
Rita n.65.
Vende-ss doce de caj Meco, josa,
param-se bocetaa para encommeaV
de de Olioda, ras it Malbiu Fecraixa a. 12.
epro-
ala
rnt


6
mam D*nm*m*tJ*(um+ti*** tmum m*
o que pode haver de melhor
gosto em galntarias para
ornamentos de salas,
como seja, ricos jarros da porcelana a de vdros
de varios umanhoe a goales, ricas aaotebjaei-
ri, jarrji de >iilnpiri a^s>a4nMHH
delicadas, frascoe muilo liados, lano em corea
como em gosto, e oulraa multas galanlarias que
se loma eofadonhe meneiener. aaccando-ap,
porm, que a que ba d melhor 4cW tata i
quem qutrer ler suas mesas bem ornadas; na
loja da Victoria, na ra do Queimado n. 76.Jun-
to a loj desaira* \~
Raa4*tfnzala Nova n.42
Vende-se er si*de S. E.enasten dr 6*
sil ios* lilbssaglszesjcandaairofa casUgaes
bronzeados,lonas agresee, fio dovela,chicla
piraearrot, amontara,a rraiospsra carro ds
ub eioui los ralogioida oaro paianu
nglet.
O rival s
rQ
defronte
Jos de Aze
est
rk\
tySj pi^>A4pj*P> de-
clarados, que na ver-
dade bom e baratis-
ado no-
clas de
Maiae
posto a
derpe-

4 toja da baodeira
Xova loja de funileiro daj
ra da Cruz do Recife
numero 37.
Mmoel Jos da Fonseca participa a
lodos os seos (regueze* lano da prafta
como lo mato, e unlamente aoreapeita-
velpuolico, quetomou a deliberago de
batxaro preco de tolas aasuas obras, por
eujo motivo tem para vender un grande
oriimento de bahs e bacas, tudo da
iiTerentes t a m anhos e de diversas cores
m pinturas, e juntamente um grande
sortimento de diversas obras, eonteodo
banheiros e gamelas compridas, grandes
e oequeoM, machinaa para caf e cane-
cas para conduzr agua grandes e peque-
as, laiasgrandes otra conserrar tari-
aba e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Brasil afl
camas de vento, latas de arroba a 1}, 1
bahs grandes a 4* e pequeos a 600 M
M bacia grandes a 56 e pequeas a S
300 rs.,cocos de aza i 1} i duzia re- 9|
gadores regulares muitu barato, ditos 5
pequeos a 400 rs., de todos estes-objec- Jg
tos ha pintados e em branco e ludo ruis 5
se vende pelo menos prego oossivel : na 9
loja da bandeira da rea da Crut do Re- Z
cite o. 37. fl
Mmmmmm m mimmimK
Libras sterlioas.
Venle-se no escrlptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira e Filho, largo do Corpo Santo.
Acaba de1* *
320'
superior a ftfOO
I
chegar
ao novo armazem
DE
BASTOS 4 REG
Na ra Nova junto a Con-
ceicao dos Milita-
res n. 47.
m grande e variado sortimento de
roupas teitas, calcados e fazeridas e todos
estes aaveodem por precos routto modi-
Hsados como de seu costume.assira como
sejam sobracasacos de superiores pannos
e cu icos failos pelos ltimos figurinas a
266,28), 306 a356, paletots dos mesmos
pannos pr-to a 16$, \S$, 2UJ> e a 24$,
ditos novos padroes a 14*. 16*. 186.20* e 246,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 96. 109.12$ i a 146, ditos pretoape-
lo diminuto prego de86,106, el$, ditos
de sarja de seda a sobracasaeados a 12*,
ditos de merino de cordo a 12*. ditos
de merino chioez de apurado gosto a 15$,
ditos de alpaca preta a 76. 86, 96 e a 10$,
ditos siccos pretos a 46. ditos de palha de
sata fazenda raato superior a 46500, di-
tos de brim.pardo e de fustao a 39500, 4*
e a 49500, ditos de fustao branco a 4$,
graade quanttdade de calcas de casemira
preta e de cores a 76, 86. 96 e a 10, ditas
pardas a-3$ o a 46, ditas de brlm decores
nasal|500, 36. 3*500 e a 4J, ditas de
bnm brancos finas a 46500, 5$, 5*500 e a
6j), ditas de brim lona a 59 e a 6$, oiletes
de gurguro preto ede coras a 5$ e a 6g\
ditos de casemira de eor a pretos a 4f500
e a 59, ditos detusto branco e de brim
a 39 e a 39500, ditos de brim lona a 48
utos de merino para luto a 46 a 49500*
caigas de merino para luto a 4S500 ea5f"
capas de borracha a 99. Para meninos
le torsos lmannos: calgaadeoaseoiira
preta e i. c>r a 55, 69 e a 7, ditaa ditas
de bnm a 2J. 36 ea 3*500. pal teta aac-
cos ae casemira preta a 6fi e a 7 ditos
le cor a 69 e a 7J, ditos de alpaca a|3*.
sobracasacos de panno preto al2*ea
14, ditos de-alpaca preta a 5, bonets
para menino de tolas as qualidade ca-
misas para meninos de todos os lananhos.
maiosjicos vestidos de cambraia feitoa
para meninas de 5 a 8 annos com cinco
baba-loa lisos a 86 e a 12J. ditos de gorgu-
h'rim .*T 'J* li a 5* 6- ditos do ,
bnm a 39. ditos de cambraiaricamente 8
borlado, para baptia.dos.e muitas oulraa
fazeodas o roupas feitas que dek.m de I*
ser mencionsdaa pela sua grandequanti- "
da de; assim como recebe-se toda eoual-
quer encommenda de roupas para se
mandar manufacturar e qu para este flm
temos um completo sorlimento de f azen-
das do gosto e urna grande officina deal-
taiate dirigida por um hbil mestre que 1
c1: ..Vi.0,?'1"11 *perfeico nidBdei-l
50 ARa da Cadeta do Recife50 A
3-35200, 5#000,6^000 3jfOOO
Maooel Goncalvesde Oliveira Santoa-vende para
a presente es a5ao. pecas de cao-brata trsnspa-
rnle o omito Unas com 8 X ar*s a 36200 cortes
149O0O por 5 e 66 camisas d nho muilo fl-
!,. a 2' Dada ai8 barato, apparejam rapa-
Vende-se um clarinto de d de
treze chave, muito bom e batato. Ra
Imperial n. 128.
Cerveja.
Frascos com agua Alavande ambreatfa a
Ditos superior, (rasco muito grandes
Duzia de sabonetes muito fino a p
Jabonetes inglezes da melhor qualidade a ':'
Ditos muito grandes a
Frascos de agua cereste mnlto
Ditos com ebeiro muito fino a
Ditos com banha de urgo a
Ditos com oleo d babosa a",
Ditos muito superior a X4o a
Ditos com banha muito nna a
Ditos com opiata de Lubin a
D.losdedito do Uvera
uitos com baBba transparente o
|PHoe com oleo philocosae a
DUos com superior agba de Colonia '*
Ditos com macaca perota a
Ditos com ditos (ulo) a
Norte!ot de lroha ao gaz de cores s
Ditos de dita encerada muito boa a
Ditos da melhor qualidadea Mtgitti
Camteis de hoba de cores com 100 jardas
Nvelos de linha do gas para matear a
Pares de metas de caros para meabas 1
Ditos ditos para meninaaa*
Dos ditos cruas para meninos a
Duzias de meias cruas muito encorpadaa a
Ditas ditas brancas para senhora a
Caixas com phophoros de segoraoda a
3'tas de fu I ha rom lidnnhnm
Pessas de tranca de lia de todas ss cores a 40
2f *&&
ILoja das & par*
tas em frente do Li-
^ v ramea to.
g& Roupa feita muito barata.
Paletots le farreo 8no sobreeasooot,
Sr^ ditos de casemira de cor de fustao, ditos
a de brim de cores e brancos, ditos de
[ gaoga. calcas de casemira pretas o ir
9 cores, de brim branco e de cores, de gan-
tt *a camlaaa com peito de linho muito gj
J unas, ditas de algodo, chapeos de sol
m de alpaca a 46 cada um.

Vil
deLiattoa -empadra.
argo efptf'SiMo B. 19. MprAo'sH compa-
ihia.
. 1
ANUAL
DE
Conhs feitas
para compra o venda de aasatcar e aatras oblac-,
os; obra aitaito tul sotosln os aragotianies e aos
enhorea de engei '
vista 'poded sber
tas de folha com phopnor a
Duzia de phophoros de gaz a
de ditos de vela a
Dita
:
t
-mmmm
luDileiro e viilraceiro.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31RuaDireita31.
Neste_ rico e bem montado estabeleciaaeato en-
contrarao os freguezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todas asqualidades.
luEiviM"?? que ri'alisan> com o Jacaranda.
BANHElRuS de todos oa tamauhos.
SEtllCPlAS dem dem.
BALDES dem idem.
Bacas ilem dem.
BAMUS idem idem. FOLHA em caixas de todas aa grossuraa.
PRATOS imitando em perfeicio a boa porcel-
PtRM^-i1et0!1" qWdad6i.
i ANELUS Idera dem.
COCOS. CANOIElnOS e a.nd. p.ra qu.l-
quer sortimento.
VIDROS em caitas e a retalho de todos os ta-
mandando-ae manhos, botar dentro da cidade
em toda a parte.
Recebem-se eocommendas de qualquer natu-
reza, concertos, que tudo ser desempenhedo a
conteni.
Fil liso e tarlata-
na branca a 800
ris a vara,
Vende-ae fil liso muito Bno e aasim tambera
tarlatana branca muito fina, tanto urna cousa co-
mo oulra sao proprias para vestidos, nao sd para
bailes como para assistir-seacasaraaotos, aodem
antes que se acabe na ra do Quelmado n 22
na loia da Boa-F.
Meias baratissimas.
A 64O0 a duzia de pares de meias brancas fl,
as para homem
oa loja da boa j.
na ra do Qaeimado d. 22
E muito barato. S
9 Cortea de vestidos de seda de bom
Q gosto a 50I0QQ a*
A Caaaveque de velludo para te-
A rkh0r" J 20*)fta
w Lspeos de seda para senhora a 8O0O
A Cortos de cambraia braoco de sal- gfe
K pico com 8 1[2 varas do boa
l a SHff a *6000
Wff Organdys de cores covado a 400 A
^ E outras muitas fazeadasque se vende A
v muilo barato. w
S Na rua do Crespo n. 8 A 2
B LOJA DE
gLeandro Lager &
qualidade.
Bierj em barril, superior
Madeira.
de pinho, vende-ae na rua do Apolla n.
31 deh-onte do tlieatro, em porcSo eem
retalho.
Venia de predios.
Importante
Annuncio
Na loja da diligencia, de Guimarae Ir-
mSo, na rua do Queimado n. 66.
Cartoei de clcheles fraocezes com 14 pares a
Peotes de massa doorados mult finos imitando
tarta rnga a 840.
Esianilhos pata senhora, que sempre se ren-
deram a 69, por 2*500. V
Trangaa de lia para vealido. a pega a 40 rs.
Laa para bordar muito fina e lindas coras, a li-
Ota a 7j),
Massoa com grampos a 40 rs.
Linhas para bardar, a miada a 40 r.
Duas de peso dito finas, miada graade a 140.
Franjas de linho para vestidos, a vara a 120.
Apparelhosda porcelana para meninos, pinta-
dos e dourados a 1*400, 2J. 250 s 3. .
Cartas com alfinetes a 100 rs.
fiaocis cora alfinetes cabeca chata a 40.f%
Enfeites para senhora muito Unos a), le 7*.
Sinta*muito finos para senhora a 26 jj*500
Meiao de laia e pretas para o "
?S'VL i.al cs-8!?-u,WM- *..
quem as pretender,
. na rua da Barra
nanm*If IM ** "'"o e.td. o para tratar
mesm v*a com sea proprtetsrlo JeSo Car
doao oo Amolar.
p/*e para padre que swnpre
se vendern a 2 a 640 rs. V
Enfeites com flores para senhora a lf.
Culherea de metal muito fla.s para sopa a 10*
ra a duzia. ,
Garfia do mesmo metal a 49000 a duzia.
Aasim como outras muitas miudezas finase ba-
ratas, que deixamos de mencionar, para ni o se
tornar tanta maasada.
.Vndese um piano tadn
mesa em bom es-
:
ores de engenhos; pois com un lance de
"pode* a%Bro importe de qoaesqtier qusn-
'de da arrobas e libras : vende-ae ba rraTia
econonsiea ao p do arco de Santo Antonio. 1"
voto** etrcadernrttf. pelo prende 5|f.
Chita* largas a M0 rs.
Miojado Pavo
Ven^fe-e flnissimaj chitas francezas eotn ne-1
qtiMo totioe de o. afllanSndo^e soltar 6
mttfc logo que soleto, poraerrt'd edr fitas1
a 220 r. o covado : na rus da Imperatriz n. fStt
lojadeff8flnfSilV*. p w'
hffl Tdrrl4n braoca a 2^
ia pas^Wart 8 aras : oar rua? do W,eioatfo n'. 18.
priio*fMfrdriosfio.
Lencos brancos.
Venden-so lernas brancos proprios para algi-
beira, prto baratiasimo prego de 1*400 a duzia r
na rao do Oveiaaado n. 92, loja da soa'f.
Potassa da Russia!
Veode-ae pottssa da Russia ds maia nova a
sajpenor .ueha no mercado e a prefio mullo
commodo: no escriptorio de Wanoel Ignacio d
^oo^&'SUUftaaSIbooo
1 i\ova califwnia, |
DE
Fazends baratas.
a rua da Imperatriz n. 48, junto a"
fn'm fratcea.
8 Cortes de timbraia branca com babadi-
nhos 46 e 46500 superior 56, cambraia li-
mm com 81 [2 vara 3$. 86500, e 46. ditas de
Eacossia 56; e 6j), ricos enfeites para se-
nhora 6J> e6J5O0. sintos os mais delicados
para senhora 2$500. 3, chapelina para cri-
anca gosto iogtez 35500,46, para baptlsado
SI, corles de vestido de seda Escosaeza de-
f bonitos gosto 126 esrlo so acabaodo, ri-
eos leamos de Uhyriotho 1.-IJtOO. oh'apo
9 de sol uara senhora de'booitaaatores, liaos
o, cakofle-marfioj 59500, cortes de com- 9
r braja brancos com ffor de seda 5. risca-
m do francez 200 ris o covado, completos
I sortimeotos de baldes de reos 3$, sorli-
> melos de meias para menino e menina
200 o 240 ris o par. chelea de tarlatana
de eores a 640 ris. lencos branco cora bar-
rae 160 ria chitas inglezaa a 180 e 200 ra.
dita fraoceza a 2*0 e 280 ra. o covado
pegas de cambraia da forro com 9 raras #
a 2o : junto a pddaria franceza n. 48. 41

A 280 rs. o covado
de cassaa fttancezao de muito bonitos padres con
4 palmos de largura, pechincha. na rua do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Loja das 6 por-
tas em frente do
Liyramento.
Chapeos de sol de alpaca a 4.
Duzia de meiascruaa para homem a
16200 e o par a 120 ra.. ditas brancaa
oauio tinas a 2J500 a duzia. lertcea *>
Pmifnmi,,,,, <1~ r.ur-m a t *0 r caa
um, ditos brancos a 160 re., balos do
20 e 30 arcos a 3$. laazinha para ves-
tidos a 240 o covado, chales de merio
estampados unos a 5 e 66, tarlatana
branca e de corea muito fina com vara
e rneiade largura a 480 rs. o covado,
fil de linho liso a 640 ra. a vara, pe-
Qaa .ie cambraia lisa tina a 3$, cassas
decores para vestidos a 200 ra. o co-
vado, muasulina encarnada a 320 rs. o
covado, calcinhaa para menina de escola
algo par, gravatiohaa de tranga a 160
ra petoapara camisa a 200 rs. cada
um duaia 24. pegas de cambraia de sal-
pico muito flna a 3*500, peca, de bre-
L"annha0.ro10 a 2*- chitas francezas a
20 e 240 rs. o covado. a loja est
aborta das6 horas da manhaa as 9 da
ooile.
45 -h ftm BMW
Magnifico sortimento.
Sempreeondescendeote e prazenteiro can os
tegiwzesdflrf no oeste grande estabalecimenio continua a ol-
erecer ao publico. po# prer,o| ms4i|oiHtaiMtro
intoripres aos de outrV. o aeu bello a^iooto
drcal?ado trapees, inglez e braaileiro e : vejam
lo iete.
Bonagulns Vctor Emmannel. .
couro de porco. .
V lord Palraerston[bezerro .
diversos fabricantes (lustra)
hpdtooi Nante? (batera ioieraf.' '
patente. ........
Zapatos tranca (portugueses). ; -*.
+' (fraoceies). ....
9

entrada baiza (sola vira),
muito chique (urna aola).
Senioras.
Borzeguins primor foly). .
Ihsntina ,
IfMO
51500
3f09O
Erii
ril
.'.Vlr. .
51600
SfDl
41009
4ptO0
46SO0
aspa alta. .
> balsa. .
31,32.33,34. .
de corea 32,33.34.
Sapatos com sallo (Joly). ,
franese freeqoiotioa. *M0
31,32.33 e 34 lustre. Jow
m rico sortimento de couro de lustre, bo-
ws>rofraocez, marroquim, sola, vaquetas, cou-
rinhoa, fio,- lato* etc1., por menos do
quer outro poda vender.
que qual-
l
Relogios baratos.
Na rua Nova n. 2!, ha grande porfi de rdlo-
Rtoarollados, dourado e de ouro, patentes e ort-
zonlaes suiasos e ioirleiea, os qoaes aerao ven-
didos pelos preces da factura. Gadarelogioleva-
ra um recibo em que ae reapoosabilisa pelo re-
gu I a ment durante a eia metes.
Amusselina do Pavo a
200 rs. o covado.
V*oode-e njSJesoMita branca com 4 1|2 palmos
.f&i? oda muito fina pelo diminuto pre-
Co m200 rs. o covado. cortea de chita ingleza
com 10 corados cores rizas a 1500 rs., ditas de
mussehna branca com 10 covados a 26, tudo
paraapur.rdmheiro: na ruada Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva.
wt aff^ia sai,2, fariDh de
Ultimo gosto.
Cinteiros de bonitas fitas com pontas
oahidas e franjas.
A loja d'gaia branca reeebeu urna peqnena
porreo de cinteiros de bonitas fitas largas com
pontas oarhdase franjas, o molhor a ultimo gos-
to como so vO iros figurines, tendo tambem alguna
todos brancos proprios para casameotos : as se-
nhoras que goslam de possuir o bom. roanda-
rem a rua* do Quairoado, loja d'aguia braoco n
io, que com 7#tero um cinto de boa e ultimo
gosto.
Novidadts do pavo.
A frvja de Gama &
Silva, na rua da Impera-
Iriz n. 60, acaba de che-
gar una novo e variado
sortimento de fazendas,
que venden por precos
que faz admirar, como
sejam:
m bonito sorlimento de cassas suissaa aimi-
agao de sedaa de quadriobos. que se veojiem ce-
lo diminuto prego de 140 rs. o covado.
BrvVhattna a ^40 ts.
brilhantina com quadrinhos de cOr
e roupas de meninos a 240 rs. o
da Imperatriz n. 60, loja do
Aviso ao senhores de engeolfo cfoe qua-
st sempre gastam a manteiga derret
da pelo grande ca*
obrig/nr despachar o
cneaue a maoteiga e
cnt fadaVIbmo na Burop
uito mais deliciaaa.
toma
o
ro^fHT-
ratlifa.
Ruado Crespo n 8 A.
Receberam pelo paquete francez diver-
MJ
sis fazendas de bom gosto, que
dem por- presos baratiaaimos:
Borzeguhis de Melis a
Luvas de pellica de Jouvin a
i de novo goato o
|s para cintos a
ias e punhns com botan a
Ditas bordadas a 500 e
Sedinhas de goitoo covado a
tetado* bordados largos por
"i'Bnfeites a imperalriz a
Oiros do retro qwe 'ontre parte
8a>-
se ven'
131000
2#500
SJOOO
XsOtKr'l
2*000:,
ioofr]
moo
39000
1J500 i
6#000'
por bara-
396O0
6)000]
E de outras muitas qualidades
fissimos prejos.
Salas a balo de crochet a
'Bltn Hi de clia a
VeOtWoa de cambraia branca bor-
dada de 6|, 10 e 12*000
Han te le tes da grosdenaple a 20*000 '
Ora;aodja de gusto covado a 400
Eoulraa muitas fazendas por precos com-
modos.
Ero OIWS
Grande sortimento oe yetlunims, rou-'l
pa feita, chapeos para homem, senhora e'
criaoca e tudo se vende por precos ba-
ratsimos.
Ac coberto para
baldes.
Veoie^eaijo de varias grossuraa para baldes,
sedaa de todae escores para bordar, cintos dou-
raos dos maia modernos que tem viodo, Tavas
brancas de Jouvin brancaa para homem e senho-
ra chefcOdas no nltimo vapor, rap prioceza Bo-
cha, do Rio de Janeiro, rolaoi*raocez, que se ven-
de nao i ea libra como | retalho, enfeites de
varios gostos e quatidades para senhora : na rua
larga do Rosario oa segunda loja n. 38, passando
a botica.
Vende-seno armazem de Jos Antonio Mo-
reira Das & C, roa da Ooz o. 26 :
Safraa tornos para ferreiro.
Ferro soecio em barra.
Linhas de carritel de 200 jardas.
Malas para viagem.
Espingardas francezas muito finasen caixas de
per ai.
Ferroa de lati para engommar.
Pregos fraocezes de todos os tamanhos.
Ditos batel grande.
Ditos de construeco.
Dragos grandes para balanza.
Espingardas lazarinas.
Glavinotes ingleses.
BARATO
sem igual, snariHido
Queimado n. 40.
Luvas de soda do cores para hoanenr, senhoras
e meninas, o par 4u0 ra.
Lenciohos de seda com franja, finos, para me-
ninas e aenhoraabotaroarrno pesclo, um 500 rs.
Chapeos do sol de seda para meninas de esco-
la, n m 19600.
Grvalas de seda de ponta larga, outr'ora do
valor de 4 a 61. pelo diminuto prego de lf, urna
Diveraaa fazpndsa de lia seda para vestidos
dO'aenhora, que outr'ora a veodietzr por 11280,i
jn>i diu.ii...iu v"'.o te 3 ctt^sd.
Vaeja.
Tendo tds um T9 corados,
pelo preco. de 19|000.
Veode-se no armasen de faalao f-J1- u
rindo QaeiaaO .-. ~
Milit a 41000-
a sacca : na iravesss do pateo do Paraiao M
Wboroo do 4 portas. ^T
Caima engarrafada
a 200 rs. cada urna garrafa : u travesea a> so-
leo do Paraho n. 16 tsoeroa a> 4 risa.
~ W. O.iobotA C.....osas,., rao, oCsm.
o. 4, tem para vender reiostoa para alnboira m
oord a pratd. ^ai aaa>
Proprio para aoi-
vas.
Vende-se um rico guarda-vestidas 4o transase,
taa e eaaoiho. oa toitete e .a. WvaOa
com mesa de maraoso ; todos ratas
dos mais ricos, e indos ba pooce o c
da, o motiva da venda por ana Obom
para fora dsota provincia : queaa prati
rajase a roa da Imperatriz priraairoi
Vestidos.
Rua da Cadeia d 23.
Ricos vestidos do seda, do sosaata
bordados e de phantazia, liairarka al eo-
j res, sodas do qoaOriahao atoa so-
sas de cor modernas, caasbraias coas Hato
! de cor e besa ssaira ootros fazendas prtv
1 prias pra veatidao.
Manteletes e chapeos.
Superiores cap&s coapndas da gana -
, rao, manteletea, Ulnas da crax, Oo li
e de oulraa muitas qaalidsdos, saportoreo
chapeos de palha enteitadoa pora se-
nhora.
No vidade.
Modernos enfeites da cabeca. tova* 0
pellico da Joovio. laqueo, trpiriilbao.
penles de tartaruga, saiae bala*. ulm
para senhoras e neniaos, atetis, soasas
inglesas para senhora, mineantes o gatos,
pulceirss de sandaoalo. chapeoslo pala.
Roupo feita.
Completo sortimento de ca'eas cetle-
tes, paletots, sobrecasacas da pOSMO. caso-
mira, aluaca etc.: na roa da Cadeta a O
loja de Gurgel fit Perdigio.
Attenco
o
Burros para yendcr#
Espera-se breveaestte de llooterideb
um carregament de cerca de 60 a
100 burros, ons pretenden tes queirasn
apparecer na rua do Trapichen. 8,
casa de Renry Forster & C.
Propriedade.
com pequeo toque
Cassas garibaldi-
nas na loja do
Pavo.
Vendem-so finissimas cassas garibaldinas sen-
do estas cassaa as maia modernas que tem che-
8 *\ """'do: oa rua da Imperatriz
n. 60, loja de Gama & Silva.
Attenco.
Vende-se a cocheira da rua da Paz n.
1 A, com bons carros e cavados, a di-
nheiro : adverte-se que bem afregue-
zada : a tratar na mesma.
Fumo em rolo.
Superior (uno ebegado ltimamente oo arma-
zem d. 5. travesa* da Madre da Dos, da Jos
Luiz de Oliveira Azevedo.
Arroz cora casca.
Vende Jos Luis do Oliveira Azevedo em seu
armazem na travessa da Madre de Beos n. 5.
Alfazema.
Atfazema ranito nova j ven-la-se no armazem
travessa a Madre de Dos n. 5, de Jos Luiz de
Oliveira Azevedo.
Liquidaco decalcado
francez.
Rua da Imperatriz n. 16.
Para homens.
Botinas de verniz e de bezerro, da diversos fa-
bricantesa 5J o par, tapatOes de venniz e e be-
zerro a 29.
Para senhoras.
oOO^.p.?.^ t0M *">*&* U, .
Para meninos e errancas.
Sapatiohos e botlrrlnhos de diversas quslida^
des e fabricantes a 800 rs o par. *
Oaaeohores rfevedorea da loja cima sao roga-
dos s virem saldar seu* dbitos, do contrario se-
rto cobrados jadicialmeote, e para que mnguem
se chame a ignoraotta fas-se o preaeote.
Goaima de mandioca.
Vende-se gornma de mandioca muilo boa da
Br-Ihor qualidade que ha no morcado : na roa
0* Cruz o. 26, armazem.
:tS2^r^r*atSaVM SSSfi?" *"*
o com 0 ordena de
Vende-ae
para vestidos
covado : na rua
pavo.
Organdys a 2.80 r*.
Veode-Mcsau de organdys de padroes muito
bonitos a 280 rs. o covado: os rua da Imperatriz
n. oO. loja do Pavao.
Chitas a 240 rs.
Vendem-se chius francezas muito miudinhai
fazenda que sempre se vendeu por urna pataca'
e est se acabando a doze vinlens : na rua da
Imperatriz n. 60, loja do pavo.
Gurguro a 400 rs.
Vende-se gurguro miudinho proprio psra ves-
tidos e capas para aenhoras e para roupas da me-
ninos, pelo dimi-auto preco de 400 rs. o covado
na rua da Imperatriz n. 68, loja do pavo.
Lais a 400 rs
Vendem-se lazinhas enfesladas para vestidos
fazenda de muito bom goato, pelo diminuto pre-
co de cruzado o covado : na rua da imperatriz
o. 60, toja dopivo.
Com barras e babados.
Vende-se flnissimos cortes da cambraias para
veilidos.com barrase de babados,pelo baratissi-
no prego de 2*500, 3$ e 3,500: na rua da Im-
peratriz n. 60, loja do pavo.
Cassas a 200 rs.
Vendem-se cassas com saipicos grandos a 2SJD
rs. o covado : Da rua delmaeratriz o. 60 loja do
pavo. '
Cassas de cores a 240 rs,
Vende-se cassas de cOres fajeada nuito boni-
to a 140 ra. o covado : na loja da rua da Impe-
ratriz o. 60, loja do pavo.
Seda ti covado.
V-rlie!eSro8den8,>le Preto Ko encorpado
a l6O0. 1SO00 e 1*000, dito azul cor de rosa e
cor de cana a tsOOO o covado, aedaa brancas la-
vradss para vestidos de noiva a 20240 e 2*100 o
covado, dita prela lavrada a 14U0, chamelote
preto a 2J00O o covado : na roa da Imperatriz
o. 00, loja do pavo.
Enfeites a 2J.
Vendem-se enfeites de muito bom goato para
aenhoraa a 9.009 na rua do Imperatriz n. 60.
loja do pavo.
Enfeites a 640 rs.
Veodam-se enfeites de froco proprios para me-
ninas e timbero oara senhora a 640 rs.: os rua
Imperalriz o. 60, loja do pavo.
Chapeos para seuhora.
Vendem-se chapeos para senhoras, sendo mul-
lo bem enfeitados e os maia modernos qoe tem
vindo, pelo baraiisslmo preco de 10a : na rua da
Imperatriz n. OO. ld|a do psvao.
Feludo a 2400.
Vendem-se aeilodos preto, cor de caf, azul
trrate, o serde-escuro, proprios para vestidos de
aeonora e roupas para menioos pelo baratisatmo
pre^o d* 90400o covado, sendo faz-nda que sem-
pre se vendeu a 5: as rua da Imperatriz n. 60.
loja do pavao.
De todas estaa fazendas so dio amostras del-
lando flear penhor, assim corno tem multas ou-
tras fazendas que se tornaria enfadonho de as
mencionar, todas vendeodo-se mais barato que
em O'itraqaalqoerparte r na ruada Imperatrii
n. 60. loja de Gema dtStl'a, aonde se seba eol-
toeado urna taooleta coa um PAVO olotsdo
dp-ooHo m-tarem-djio dir o FaVO,
Sedas decores superiores
de mofo a 800 rs. o covado.
Superiores e afamadas peonas de seo denomi-
nadas langa, groza 600 rs.
Pegas de cass lisa com 10 varas de largura a 4
ultima moda.
40Rua do Queimado 40
Ricos manguitos deembreia bordados a balo
o mais superior que ha oo mercado, viudo no pa-
quete francez de 13 do correte mez, grande
sorlimento de chales de merino de todas as qua*>
lidades. B
Ultima moda
italiana,.
vindovno ultime vapor francez
40 Roa do Queimado 40
Lindos cortes de vestido de seda de cores ita-
liana.
Ricos manguitos com gollinhas de cambrsia
branca bordados balo.
Um grande aurtimento de chales de merino de
todas as qualidade?.
Ricos veos de fil de seda branca bordados,
grandes, para casameotos.
Tarlatana de cores bordada, 8 palmos de largu-
ra, covado 1|.
Cbampanha superior, atacado ou a retalho:
vende-se oa casa de James Crablree & C. n. 42,
rua da Cruz.
Carros e carrocas.
Em casa de N. O. Bieber
4 C. suceessores rua da Cruz
numero 4-
Vendem-se carros americanos mal elegantes
e leves para duaa e 4 pessoas e recebem-se en-
commenoaa para cujo ftm elles possuem map-
pas com varios desenos, tambem veodem car-
rochas para conduego de assucaretc.
Poz de arroz
em bonitos vasos de crystal dourado.
A loj* d'aguia branca acaba de receber mui bo-
uitoa vasos de crystal douiadoa com fios ecbei-
rosos poz de arroz e a competente boneca, e est
vendendo cada vaso a 3*, dioheiro vista ; na rua
do Queimado, loja d'aguia branca o. 10.
Vende-ae orna propriedade dista ata do atorse
cinco legoas, propria para levantar osa naaaabu
d'agua para salvejar 2.000 piea de aaaocar, rom
boas matas e capaeiroea, aila na fregaea ato N
S. da Luz : quem preieoder dirija-ee a* eaaarata
Sania Rosa da mesma tregaesa, a lallar cosa
' Thom Leao de Gaaico, Snno aa aaesaaa a ao
ladu do Coipu Saotu d. 23.
Veodom-ae librea atarlinaa ; no eocriptori'-
de Amorim Irmos. rua da Cruz a. S. ^^
G pechineha
Na rua da Cruz n. 10, casa de
Kalkmann Irmaos &C, tem ex-
posto um completo sortimento
de amostras de objectos de bor-
racha, propropara machinas de
engenhos, sendo correias para
transmittir movimento, canudos
de borracha de qualquer com*
primento e grotsura, pannos de
borracha, rodetas de dita, so-
bre ditos artigos tomam-se en-
commendas.
itleacao
Vendem-se caixOes vastos proprios
para bahuleiroi.funileiros etc. a ItfAQ:
quem pretender dira-se a esta tipo-
graphia, que ahi se dir* quem os tem
pera vender.
Cortes de barege de seds cosa Mcovedee a lt>
corles de la com 24 covadoa a 5|, tasa do soda'
com lindas flores a matiz, covado a 800 ra. eo-
cinhes de entremeios com 3 lil varas s 1*900
fino fustn de collete s 19200 : na roa do Qoei-
mado n. 44.
S00e400.
O rival sem segundo na roa do Qoeiasodoso-
mero 55, est queimando aa teguintea atiaOexaa
por pregos que a lodos deven adabirar lamo pe-
las suas qualidarjes, cosso lamben pelos preces
A ellas antea que ao acabes*.
G rozas de peonas da ago a 400 rs.
Ditas de mtizinha, muilo finas a 500 rs.
Cairas com sgolhes rancezaa a ISO ra
Caisas com aparelhoa para divertir se raaos *
240 ra.
Ditas muito finas a grandes a 500 ra.
Crozas de botoes de oaso pequeos s 110 ra.
Dilaa de ditos de lonco a 110 ra.
Dunas de baralhos portugueses a 1j>*00.
Tesouraa muilo finas para onhasa 400 rs.
Ditas pars costuraa muito fioas s 400 ra.
Baralhos muito linos para volterete a 210 ra.
Agulheiros com agulhaa a 80 rs.
Caivete de aparar peonas s 80 ra.
Ditos com duaa folhaa a 160 e 240.
Pegaa de tranca de la o loOao ao corea a
200 rs.
Pegas de franja de la de todas aa raras s 800 is.
Sapatos de Iraoga de laa finos s 1*280.
Cartas de alfioetea fraocezes s 100 rs.
Caixas de diioa ditos a 60 rs.
Recovas psrs lirepar denles uito finas a Mf rs.
Massos de grampos superiores a 40 ra.
Cartas com colxeles com deleito a SO ra.
Ditas ditas superiores a 40 re.
Didaea de ago para senhoras a 100 ra.
Apiios de chambo para meninos a 20 rs.
Eofiadores para vestidos cea 4 varea a 80 rs.
Canas com eolebetes franceses a 40 rs.
Cartas de alfinetes pars armador a 100 ra.
Fios de coral de raz a 640 r.
Charuleiras muito unas s lfOOO.
[50 A-Rua daGadeia do Recie-50
500, lf, 2|500,j
4500 e 5.
Manoel Goncalvea do Oliveira Sesteo.'
acabo de arrematar urna porcao do fa-
zendas muito barato e por iaio vaodoao- [
rato para vender muito, venda uito pa-
ra vender barato grvalas da soda a SW
rs., enfelte de vidrilho qoe ae tesa nada-
do por 4 a 1, chapeo do sol pora so-
nhora a 2jt500. ditja de cabega a garbal-
di a 4*600 o Sf, veabaaa a coa* ea
cimento ver ealaa pechioebea ooo ,

Relogios.
Vanda-se aa epss ds Joassioa Pata; Q.
roa do Vigario a. 3 aa asila misos** da
ralogiosdaouro,patanteiBg!ez,daB dosaos
afamados fabricantes de Liverpool; uaaoaa
ama varisdada ds bonitos (rsicsluuaars *s
masaos.
rVttenQo.
Na.raadoTrapichen.40,en ooaa de Ae r a
tooker C. aiiata oa boa aortiaeat* a4j|-
aaaa daoso* branooooaooacatols 4o aolaor
ibrie*ate1eUgU4*rraaea,oaM aaToadlasa fo>
i drscos mairasosTsis
l\i itii a r\r\
li r-**-%* # i


m <* 9**mmmw. h
#'*ftttk^r Saperidres tiras
-i
par, ntotoe de tejs as qu.lid.ie
eteitltoe* e i.irt' ft*t.3* cote
*,** InpeMWtt D. 60, leja e te. &
Safe
Papel ppete kraaco
e azul.
bfJSS1
Vendas* om rico e el
mele prlparbda : no ese*pvnTo'*s1ao*l fe-
neci de OtMBir. 4 tire, larga de CorpoiSaato.
Vende-le por preca commodo om sitio com
boai casa decapara e cal, bem construida, na tua
2* ?"?*. 46, entre ponte peqalnevrsa-
de da Pataagem da Magdalena, feoVtfe ifittfe;
tflldb dirfid, defrnte do tillo do Sr. r.Tirm
Candido X.vier, com qu.reota. p.lmoa de frente e
ebnto e t^tos'dnWtfq! encu.t.r a vktraa. '-
cMoapr^rfbn'. M6. erf. :^a fftfah*,rW' '
ja se a ra do Queimado n. 37, lo]a.
*& 4. Vi^r
acna-ae barato gr.odosorluncnto de calcado fran-
roupa taita e perfumaras muito
e elegante csrre mu* bnHe-
f sefli
coz e ioglez,
tinas.
Obraste briJhajites.
laiiH elMiAC, roa da Cruz 6*.
acha-se exposto reata uar gante sortimtoto
de obras de brt&antae. tas eonu .j.m, adere-
eos, meios ditos, polseiras, alneles, aaaeis, bo-
toeae ratetss, que se vendem a pregos com-
medoe.
Vende-se na ra do Apollo
n. 31 defrnte do theatro a 4$
a arroba, mea arroba a 2J50O
e a 160 rs, a libra.
Manteiga inglf za flor a
800 rs-a libra,
em barril a 7, francesa a 640, toucinbo doto a
320, sevadinhs a 160, sag a OOO ra.: na roa das
Ctotea n. 24, esquina da travessa do Ouvidor.
- *Tende-ee' gaz a mericano de primeira qua-
lw.de, em latas de 15 garrafas, na raxo de 15$,
essim como latas pequeas de 5 garrafas : no
caes do Ramo* ni. 10 e 96, e ni ra do Trapiche
nomereO.
laas.
31-VW t<
ftVlajtHa-boa KcVwhia tfjw
QajBiaad n #2 se encontrar uta bonito aorll-
.turarais; sruHa
risapeca, advertiodo-se que ha maia
urna peca deesds p.dro, quem mais depress.
i lSL *!*** M**Wo rd, na roa da Queimado
b.I 12 na loj. d. Bo.-F.
iV Suuksll Meliors & C, Vendo recebido or-
dena para vender p seucrescido deposito dersle-
s visto o fabricante ter-saretirado do nego-
f .convida, porlaoto, s peasoaa que quizerom
U Jim boro relogio da ouro ou reta do ee-
Tsbrjcanto Xornby, a sproveitsr-so de.ojr
?W***W!Lpei* de UWRO.-ftsaarWcoai-
ios por commodo preco no seu escriptorio
dolUaBich.ai.W. _
do inteto.
GiTystaHsa^o e refint^
de asucar.
>m portala esUeetocimeoto eeatiot a
r im seut innmeros tregete do alvo -e
assucercrystaliaado, ata p eem prs, f.
qualulades. pelo preeo de 160 a 2. a
, a'do refinada a 100, 136 e 140 a libra, 4
e em grosse ocemprador tari em deaeo *
taval. Nos maamoa e>peaitas aabaoa *a
vanpe mal de assucar a 6041 rs. a casada, e car-
to anianal en p a prego commodo.
AS 7S1SJLMI1111S
luvasdeJouvin
ahegsram no vapor (ranees para aloja d'agara
branca, ra do Queimado n. 16.
?ovodestiao
torradortm
23Largo do Tergo23.
Vehde-se manteiga ingleza especialmente esco-
lhida 8O e 9UO rs,, ranceza a 640 9 a 660-rs.,
aaaimcomo se torrara ouiros muitos generes,co-
mo teja, caf, arroz, aceite doce, velas da esper-
maceie e carnauba, etc., ate., e se acaso alguem
duvidar veaaa ver ; a dmheiro vista.
Beoilas caixiulias
com visporas para entreteni-
mento.
Acaba de enejar para a loj. d'aguia branca bo-
nitas caixiobas de madeira iovermsadas com vis-
poras, tendo 36 cartas, e as pedras numeradas por
ambos os lados, o methor que 6 pnssivsl em tai
genero,e cusa cada urna caiiinha 3#. eouUas
cobertas de marroquim, e a chinez., e outras qua-
lidades a 28, 1S50 e 1 ; o tambo proprio, e
por iaso dinjam-se com dioneiro & rus do Quei-
mado, loja d'aguia branca a. 16, que aerao bem
servidos.
Veade-sa cJiQs.bc da ofitcw, a diahairo a
-2t9 o quintal, a arma* a 5*500: no eacriptario
o> Aotoaio C'zario lio reir Dis, do Rtfrte do
Mattoe, roa da Meada a. 17.
Venda de loia.ll
xf m.d
f
Aspas largas
Veoda-sa a muito acreditada loja da miadetas
sita na ra da Imperatriz o. 82, sendo ests era
ama das melhore* localidades, muito propria pa-
ra qualquer prisMicsaata. por venderle com o
sortimenlo, de forej que o novo comprador nada
precisar comprar ; vende-se a prazo, conforme
se convencional : a tratar na mesma roa n. 46
loja. '
Feijo de corda.
No armazeai de Tasto Irmot, rus do Amorim
numero 86. ____
Urna barcada.
Vende-se urna barcaca do porte de 35 c.ixa,
eocalhada no esuleiro do mestre carpinteira Ja-
cinlbo Elesbao, ao p da fortaleza das Cinco Pon-
a, sonde pode ser vala e examinada pelos pre-
tendemos ; vende-se a prazo au a diobeiro ; a
tratar eom Uanoel Aires Guerra, na ra do Tra-
piche n. 14.
Barato assim ad-
mira.
Hu flns e bonitos lencos de csmbraiaale linho
aberloa a bordados para maos e obecas de an-
udaras a 3f cada um ; quem os mandar ver nao
perde o lempo porque So baratisaimos vista da
bond.de, e aisim o? comprar na loja d'aguia
branca, ra do Queimado n. 16.
.para saias balo.
loja d'aguia branca acab. de recebar um bel-
lo soriimenio de mui bem tecinas aspas psra ba-
' o..e se esl vendando baratamente a 160,180
200 rs. a vsra ; quem precisar dirigir-se com
labeiro dita loja d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 16, que ser bem servido.
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
NoJiam condecido a acreditado deposito da na
da Cadeia do Racifea. 11, ha para vendar a ver-
'**"/Wf d ""ai*, nave a da eaparior
qualidade, aaaim comotambem cal viraem em
.ral
(!
lquer
qualquerparte.
GranciA
DA

VNDIOiO LOW-NOOR
Roa daSenzalla Nova n.42.
Hasta ostabaleeimentc- contina a havaTua
completo sortimCntodtmoenda sea era $ moen-
das paraengenho,machinas da vapor aiaixai
te ferro batido o coado.da todas ostamanhos
para dito,

as
extractos para lenco*.
A loja d'aguia branca araba eVtfespachar de
sua prupria eDcommeoda, -Unos e preciosos ex-
tractos de novos a escoliados cheiros como bem
sejam, imperatriz, D. Jaouaria, Francisca, ma-
rechsl Bruquet Real, dita f.vori, dito dos Alpes,
dito de Tri.oou, ele, etc., nao esqu.cendo porm
o estimavel extra to de sndalo. J te tsbe, os
fregueses que munidos de dinheiro diriglrem-se
ra do Queimado, loj. d'aguia branca n. 16
acharo baraleza, agrado e sinceridade.
* M MM
^ Em casa de Ralkmann Irmot &
&9 i C., na .-ua da Cruz n. 10, exit- 6J|
f te constantemente um completo ge
sortimento de
^ Vinhot Bordeaux da todas
aj| qualidades. *
ti* Dito Xerez em barris.
qj| Dito Uladeira era barrit e caijuav
tm Dito Mutcatel emcaixat.
m> Dito champanhe em gigos.
Cognac em barris.
Cerveja branca.
AgOfi de Slt?.
Azette doce muito fino em caxas.
Alvaiadeem barrit.
SCevadinha em garraSet. .
999 060____
Arado t americano te machina-
Ctala?arroupa:emcasadeS.P.Jot
toa & C. ra daienzala n.*8.
i su
Maior reduccao aos pre<;ot pra acabar,
Veudem-a no aimsatm de Brafa Soa A &
na rus ds Mo-da, taixas da ferro cnada do mui'
acradiUda f.aricaate Berria Haw a 1<*>, rs. por
I
Taixas.
acreditad
libra, ti Memas aja* se vsodiam por f 20 rs.
dSt
_ i Bssnji
1
Kaadam^ hawl^iBa eom msciatefaetrad.s
^.maaaaaagte.petor^) dttafirrr-
foloris: oe roa da AftHo, 4 fhJviU llhralro'. "l
Veode-se urna aacrava mulata moca e de
boa flsrara; na roa da H.
Boa-VuU.
angueira, casa n. 11, na
Oleojjpha bilocme
e outras qualidades.
A loja d'aguia branca acaba de deapaebar um
novo a bello aerlinsenlo de oleo a banha philoco-
e outras superiores qualidades, inckisive a
"~-
rb iir. m
Sf- ,- r.e ,iam

36, ra das Cruzes de Santo Antonio, 36
i
CA 'InVlnT^
A.F.Duarte Alrneid*, socio que foido armazera priigresso,Mi 'lsctnte osseus fre-
gueses (me tendo separado a sociedade que tiha com se.triado, acha-se de novo estabele-
cido comdous celados "annazens de raolhados, associado com o Sr. Joaquim Jos Gomes
4 Soua, ^^oSr. Paulo Ferreira do Silva; o primeira na raeo de Ruarle Souza, e osegundo
na de Duarte Alineida Silva: eetes estabeecimentos offerecem grandes vantagens ao pu-
blico, n&b stialitpeza e asseio com qe se acham montaos, como em commodidade de
prego, pois quedara isso resolveram os proprietarios nratdare vir parte de seus gneros
em direitttra, ofim de terem sempre completo sortimento, como tambem poderem offerecer
ao publico urna vantagera de meos 10 por cento do^reep que postara comprar era outra qpslqaer prle, pflf ito desejando os proprietarios acredi-
tarem seusesiabelaoiaeotos lera deliberado garantirem toda e qualquer qualidade de gneros vendidos em seas arnmens, e assim j pode ver o
publieo que pode mandar suas encomrnendas, toesmo por pessoas pouco pratieat, es qaalquer um daetoaaaUaelecirnentos, que serio tao bem serv-
tos como seviessem psoilmente, oa certeza de nunca acbarem o contraro de bossos nuncios, e attimfondtdos tm vanitgensque oBerecemot
pedimos a lodos os seohores da praca, enkores de engenho e lavradores que mandem o menos suas eocdmmefiflas a* primeir vei, tnf de experi-
iBeotax, eartos de eonbnuorea, poisqm psra isso nao pouparao oa proprielariot forjas para neraservirem aquellas pessoas que frequentorem noaaos
Miabeiecimeaios, abaixo transcrevemos1gumasadic8tt de nteos ptacos, por onde ver o publico qa fnlewaifcaratitiimo, tttendendo as boas
qualidades de nossos gneros.
MaCe*ga *Ugteza especi.lmenteeseoHhid. a 800 rs. a libre e em porsao a 7B0, t^iatMBoVa. toe apreciadores destele genero que
mandem ao menos experimentar, serlos de nada perderem pqis para Isto confirmamos o que levamos dito.
rk&Y. a a me,hoT io n>'cado a 640 rs. a libra e em barris a razio de 00 rs. t libra
C na kySSOn e pretO m^mio merend da 19700 a 3*880 em poreao tar aba semen lo, e afianca-ce a boa qualidade.
rreSUOtO ambre naje* hnmbargaez a 000 rs. libra a em poreao a 800 rs.
PreSlintOS portUgUezeS vindos do Porto de cas, particular a 560 rs. por fibra e inleiro a 460 rt. ,
Marmelada dos melhores autores de Litboa premiada as stposijet universaes de Londrat a Taris a 1*800 a lab.
Gaixas com estrelinha pevide e rodinha .70000...too. mm*m perS. terbatimento.
Latas de ameiXaS franeexas cora cinco libras a 4&000 e l0O0 a libra.
Passas emcaixiDbjsdsoito libras, as melhores do mercado a 2000 e i 400 rs. libra e caita de urna arroba a 75WJOO.
Espermacete uperior 72i) ri. ^j,, e 1740 a ,br,.
Conservas francezas inglezas e portuguesas ow soo o fraseo.
Krvilnas por tugnaaas a francezas a 80 rs. fraseo aftenca-se saramas mais bem preparadas que tara vindo 10 mercado.
Lata COn? nolaxinha de SOda de diversas qualidades, a muitOBOva. 19450. a graada. eJe4a 8 libras de 2,50 0 4,500.
a gVrraaTa"f39 >Ziad8 POrl' *mo **'**a,x'iao> nftClM Carcavallos, Madeira steca, Feitoria e Camones a 19200 a 1)300
Vinho em pipa pttpm para pasto de 500 a 600 rs. a garrafa ede 39800 a 4)800 a caada.
Latas COm fructas de todas as qualidades que ha em Portugal da 700 a )00t> a lata.
era em CaiXaS de 4 8 libras a meihor que se ode desejar e tem vindo ao mercado de 49 a 6| a caha e 1)280 a libra.
LOrinthiaS em frascos de 1 1,2 a 2 libras de l#600a 20200.
r F A D 8avel pescada e outras muitat qualidades o mais bem arraojado que tem vindo ao nosso mercado de 1)400 a
Laie dO RIO o melhor que ha a 240 rs. a libra e a 280 rs. o lavado.
y- naoa eom 2 libran, proprias para mimos, por serem muito bem enfeitadas e desuperier qualidade a 39 cada om.
V inagre branco o melhor que tamos tido no mercado a 400 re. a garrafa a 2)560 a caaada.
V?nhn R eaeFVa maip novos W* aa no mercado a 800 a libra do comiaho a a 400 rs. a cava doce.
meo JJOrdeaux de boa qualidade a 800 e 19 a garrafa e de 8)500 a 10)000 a duzia, ,
Massa de tomate em lauedeuma libra do mais acreditado autor de Lisboa e vinda a pr imeira vez a nosso mercado, de 1) a 1)280.
rigOS noVO^S em caixinhu de 4, 6, e 8 libras proprios para mimos, por serem mallo bem enfeitados de 19500 a 4) e a 400 rs. a libra.
Cervejas das melhores marcas a boo r,.. g.rr.f.. 59000. du.u d. branca.
Vinagre puro de lisboa S40 rs. garrafa e 19850 a caada.
Doce da gOiaba da Casca emeaixio a 19 e em poraao a 000 rs.
Azeite docepurificado 80o rs., gw-f, e ug^H,, MIIt com 19 p>rrtf.,. *_____
VJ?" a eor qualidade que temos no mercado a 19000 a garrafa n"i09000* a dalia'.------r~'~"-----' '
QUIJOS SUiSSOS ebegados ltimamente 500 rs. e em poreao ter balimenio, afianca.se a boa qualidade.
Genebra de Hollauda OOO o ftwi O9500 a frasqueira com 12 fraseos.
FalltOS IlXadoS p.,. deata. a 200 160 ra. o maco eom 20 maeinhot, e flor .260 rs.
Id em do gaz a 3)000 a groza o 280 a duna de eaixaa.
A 'ill6 mab nperi0r qU temostido no mercadoportuguez. hespanhoUfranoaz de 19a ItJMtj libra
M81 ., melhoree mais aovas que tem vindo nosso mercado a 1)200 .ucore't. do Porta, e a 29000 a. d.Lisboa.
AllltSIlUOaS rfiflO-aJue nn nlin .._:. ion .. l:u_____________.___. _
que tem vindo a nosso mercado a 1)200 aancoreta
ebegadas no ultimo navio a 480 rs. a libra eam poreao lera a batimento.
AlpaSta o^aismpo que tan vindo ao arcado a 160 re. a libra e 5)000 mi arroba
dos gneros Manejados encomrar o pubKeo um completo sortimento de ludo tendente a molhadot.
1)600
------
Alera
SL&
-------
me
estimado a procurada beaba em cepos grandes,
Ha-*tellente qualidade j bem rxahett,
assimnomo a veedadaica IraaatvtaaBta ; qaeta
quizar se prover do bom mandar euMr roa do
Queimado, loja d'aguia branca n. laT; que ser
bem servido ; adveniudo, porm, que oa frascos
vao todos marcados com o rotulo de dita loja.
Ferro < Maia.
Ra do Queimado n. 10,
loja de 4 portas.
Vendem-se chitas francezas muito finas de co-
res ix.s, corado a 240 rs.
Chitas inglezas, covado 160rt. A
-.5M,M raDc>aa muito unas, covado a 220
Santas.
Bnm branca de paro linho, vara a 1).
Pjtmo verde, cor de.eaf, azul e preto, covado
a 9000.
40^5(00of lUq,ni 5*m' "' K'90'9^
Superiores meias de algodo cr cara bomem,
a dozia 4). Tt.
ViailM bordada a matiz, um., 8e> e 10*.
Camisas para senkora, orna, ti. ?
Caites de easemira de cor, superior fazends, a
Velludo o todas as cwes,ovada,-O** 45.
SuperiorespelelotdeCMroir. decore. 14c
Riquissimas capinhas bordadaa para senhora a
45 e 50).
^Rinuisaimna m.nteletes pretos bordakes a 35 ,
Ki quissimos cortes d e seda pre t. a 40, 5 60.
0_IM# *toa de cambrau rauca bordados a 10,
*5. 80, 85 e 40).
Cbeka de marin estampados, superior fazen-
ds a 4a.
vCorlee.de vallado de entes para collete a 4)e
Gollinha de cambista bordadas, urna 820 t,
ineriores oasamiraa de cores, covado fe 23800
Pentes virados de tartaruga a 6 e 88
Lencos de linho, duzia a 5 o 6. ,
Gamsseadeboho, dozia, a 85, 40 e 45).
Oorieo de cambraia bordados a 1)809.
Bitas de diU de salpicos n8).
Leqaea a 3).
Ch.peos a Garibaldi e travista a 10, 12 e 15a.
Ceroolas escocesas, urna 1*180,
1 *" ** cerca .00 ra. f
aaiaie mais um esplendido sutilmente delai''
tendea qo seria eufadonbo menoooa-laa, e qu*
ne vendem por muito menos preco do que em
toulra qu.lqaer parle. ^ H
^- Venem-ee lobos para eandieiros, a bom-
bas do jopi, ais ralo do que em oatraaoil-
uner parta: na ra larga do Rotarte, n; 8.
Bicos de seda.
Bicos; rendas e labyrin-
ibosdasllhas.
Aloja d'aauia branca .acha-ae recenlimente
erovida de om bello aoriiBienlo de finua, alvos e
bouitus bicos de seda, e ttas differeotes largurs
djl dedo at mais de 112 palmus, e os baratos
precos por que se esiao ondeado aoim.m ao
comprador -"assim comA-* fortes e muito dura-
veis bicos, rendas e lab^oljios das llhas, igual-
mente baratos como co^becero copprsdor.que
munido de di.njieiro. artair-aa ra do Queima-
do, loja d'aguia branca b. 16.
, X as*'A Sl^00 ^rl^T
de calcis dff njiei fiase mir escuras de urna s
A lpOO 0^0
eiacaserolra
a do n. 22, na loja da
cor : oa
Boa-f.
s
anoemmeoda pulcai-
ue venda per 1) o par,
6 cada om,
pal, pen-
12S. prefos
lar (bes ta-
a nneontra em
n ra do Quei-
aaranca.
a expres-
simples.
asiRo.)
que estao na loja
uizer rfi comprar e
on.33A, Guima-,

:
!
sao
m
Todos os r!
muilo barato
8 var : (nd6\
raes & Rocha. r
9* 9 *m 99**9*%
Ra da Seozta Nova n, 48.
Neste ettabdeottaento vende te: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. idm
deUwMoorlibraa tQrs.
Por baixo do CAbelltiirv}iro4rua
do Queimado n. 5.
Vendem-se manguitos bordados para Sanbora
a 1. calcinhja para meninas a 1, aziohaa u-
cooexaa a 0 o covs0, oulr muitM iMnSan
por muilo barato prego.
Cruz n. 48
No eserjptorio ds E A. Borle 4 C. vende se
2?f 3*n}V "^V' ** op* tona de obra
oe nina o mala m,oqroo e melhor que poa-
'Jfi'f ortpre5 b.to razoavfl; no mejoro ea-
-. ... cgeirsB para pianos, lavaturios, toa
ftelea, cabidas ludo.por procos que aom|r!J^
3
sortimento de enfeites de flo-
res para casamentos
e bailes.
A loja d'aania branca acaba de despachar um
lindo sortin ento de enfeites que de sua propria
eocommenda mandou vir para casamentos e bai-
les, e sem medo de errar, pode-se Hzer que sao
o maia parfeitoa e delicados que at agora tem
vindo, e essa verdade ser coUfaecida por aquellas
pessoas que sabem apreciar o bom: apesar de
tudo vendem-se baratos em proporcio a pnffHcao
delles. sendo a dinheiro vista 12, 14 e 16,
isso na ra do Queimado, lojs d'aguia branca nu-
mero 16.
Mantas de retroz para gra-
vitas.
Vendem-se mantas de retroz para grvalas,
tanto preie* como de corea a 800. ra. : na ra do
Queimado n. 22, na lo>a da boa f.
A loj* d'aguia branca
receben tambem novas luvas de fina pellica, en-
feitadas, para casamentos. selm como lindas ca-
pellea. AcommaOid.de dos presos j bem co-
nhecida por seus bons fregueses, eser msis por
aquellas peseoes'que de novo o qaizerem ser da
dita loia d'aguia branca, na ra do Queimado nu-
mere 18.
Sal do Ass
_ Vende-se sal do Ass, e bordo do brigue bra-
sileiro Adeiaide, recentemente chegsdo : a trs-
Fitas de sedas.
Tem'chef do pelo altimo Vapor, n. casa de A
t* Dolooohe om riea sortimento de Otas de sedas
de todas aa -corea : convide os seohores .ogistas
e todasss pessoaeqoo pode mterrasar, de appa-
reeer na rea "Nova n. 22, que neo deiitrio de
comprar i vala das fszeadas e doa prejos.
Retroz
roa
roprio
ngel
en. carreteis
para coser-se as machinas.
Vendem-se carreteis com retroz de cores, pro-
prios para as machinas a 320 cada nm ; ns
do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Vende-se um preto de mels idade,
para todo o servico : a tratar na ra do
n. 09, prlmeiro andar.
Nova exposico.
Ra Nova n. 20.
Riqui.simo s.rtimento de cutilerin em todo
o genero, sssim como um riqoiesima aertimento
de loucj de porcelana para coxinba, riquissimo
sortimento de metses, riquissimo sortimento de
modeas, e outras muitos artigas, que com a visi-
ta do comprador se podero apreciar : na ra
Nava n. 20, loja de Caraeiro V'iaons.
Bombas de japy.
Ra Nova n. 20, loja de Carnero Viaona.
Canos de chumbo.
Roa Nova n. 20, loja de Garneico Vianoe.
Reuda lisa
de fil.
Vende-se renda lisa de fil propria para catcar-
rilhaa de vestido* de cambraiaa e outras obras
na roa do Queimidd,' lojja d'aguia branca n. 16!
Aos proprietarios de carros,
oqrreeiros,
fabricante de bonets, etc.
Peobincha nuaca visu.
rrllui Direita-45.
Crandes coaros Oe bof, inteiros, de latir, de
Ricos cajHft .tja ,Mina de
seda.
A,J2, d* *?*? *W"M t^aaininde aa-
mero 22, acaba da rnreber ricos carlea do
veaiido de medina da seda de lindo, padien.
a fajeada mis fias, mais nos a mais boatli
que ha no mercado, cad corte lana 20 a SI ce-
jados, e vendem-se pelo baratsimo preco da
^000 o ert: aa seohnraa de nasa sea?ame
tiverem de suislir a bailes a a casameaiaa m
quizerem levar um vestido da alliasa asada'
mandarem ver na mencionada loia da W-Va
na roa do Queimado n. 22. asaa-are, ^
Vendem seosengeubos
S Pedro e Espirito Santo,am-
bos moentes e cor rentes e
d'agua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o firimeiro tem casa de enge-
nta e poticas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil peg:
quera pretende-loa dirija-se
a ra da Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
r com quem tratar.
As verdadera tovas de
JvUVlK.
A lojs da boa M receben novo sortimento dan
verdadera loras de J.ario, a as tewoasneada
aos csvslleiros e msdansoa de boa goal* pava
que mandem par ellas na referida loia da boa
f, aa ras do Queimado n. M. i o*
Gracas a Deus.
J se pode fszer mimos.
J oe pude fazer miasoa.
J se poda fuer mimos.
>. _. J* ne pode tazar snimoa.
Cbegarsm affnal aa esperad* maca. do alo,
e eslise veodendo pala metida das qoesa ves.
dsam, sendo s 160 rs. escolhtdaa : do grande de-
posito de Sojr & C, ra eatreita do Rossrio nu-
mero 11.
WWJk
Exposico
DE
Candieiros a gaz,
O proqrietsrlo da nova exposico dos candiei-
ros s gsz avia ao publico em geral, que se ada
sempre sonido com grande a varlavel sriiseaio
de csndleiros desde o mais bsrato at o m.ia caro
sssim como um grsnde deposito de gas idrogenie*
verdaderamente econmico, reronhecido verda-
deiramente por lodoa os consumidores : na rus
Nova ns. 20 e 24, Csrneiro Ttannn.
Nesla mesma exposico te enconlrsr um a-
riavel sortimento de riquissimo qosoros de todas
as qoalidades que por Rosto se pode apreciar os
seos desenhos, um riquissimo sortioiento da
quinqoilnsrias, contendo entre ellas riquissimee
lavatorios psra quartos (gosto chines), nm vare
le sortimento de bslsios eom todos os preparan
para viagem, contendo pratos, facas, copos e ou-
tros frasees psra condicionar, ferros de eoton*-
msr a vapor, machinas de bater ovos a vapor,
machinas de fszer caf a vapor, esping.rdaa da
dous canoa tronxsdaa e de alcance, saappas del
mnodo, e outras mnitos objectos que se vtndvtn
jpo presos diminutos psrs acabar: rna Nova
numero 20.
Chegouaapreciave] agua bal-
smica para a bocea e
dentes-
A loja d'aguia branca acaba de recabar anta ao-
va romeas, da mui proveitoaa a procurad, rana
balsmica psra a bocea e dantas. O bom resal-
tado de tal agua j nao sofTre duvid. como sa-
bido pelas mraensa* pessoas que a compraras
e que seolism a falta d.lla, a aa qaa de oeea'
comprarem acharo qoe o uso dalla faz "asri
ver os denles saos, livrando-os da caria. foriaU-
ceraagengivaa e tirar o mo balito da bocea
dando meam. agradavel aroma, podrndo-so
mesmo usar dells nao s pela manba como a
qualquer hora, o com acert depoi do fumar pa-
ra tirar o cheiro do fumo, nu qundo se tena,, da
sahir para ter-ta a bocea aromtica para lana
porm, bastara slgumss gotas dells em >.,,'
ra O proveito d'agua balsmica .infla cheaa a
mais, ella serve com acert e promplido para
sea bar a dor de denles, ensop.ooo-se nelia sma
bocado de algodo e deilando-o no buraco do
enle, este adormece e em pooro desaaaarecea
dor. Para se obter nm frasco de ta areveitese a
apreciavel agua bala.mica, dirigir-aa com tas
loja d aguia branca, roa do Queimado o. 1, ant-
ea parte onde ella se vende. Ad*erte-se qaa ee
frascos vao marcados com o rotulo da dita laja
SABA.
Joaqnim Francisco de MeUo Saataa avUa m
seus freguezes desta praca e oada tora, qaa teta
exposto venda sabaode aaa fabrieadeaomiaada
Recifenormazem dosSrs. Travaaaoa Jaaier
4C.,ns rus do Amorim n.58; massa amaralla.
astatanba.prata e outras qualidades por meeer
preco que de o a tras fabricas. Ne mesmo sista-
bem tem Coito o sea deposito de velas da caraaa-
zssimplesem mittnra alfnma, como as da
compoaico.
- Vel de cemnoslco, sobo do Porte, veka
de eebo lo Ik. Creada, cara de carame*), a ma-
Ihor que h. no mercado ; vendem-se na rna dn
Cruz n. 33, armazem.
Escravos fogioos.

Servo para se daitor nos casticeea e segurar a
velada espernsaaotd, iat>n>e-s: e/telmar at o
flm, a preservando oa m<>smoadasd quebrarem
cees o calor dn laz: vaaee-ae a 500 rs. cada
qoeisna-todo, aa roa do Qaeimade, rafa d*aguia
branca o. 10.
' Vende-ae o ar.Qd#, W*, daa.amia.do fitina
na. aito ns freisuaaja O Varees, de muMe boaa
trras, que tudo quinto aa plaou djecaa tjraade
qutuiid.de. com uma casa da Udpa |4 dabarts,
waO\U de ix*r tupian., giauda qu.Bue.da da
paa da efezetros, com diversos pea de *r^tia"ru
wnu saja la^oiaiM, oaejue-soa, ., etc^; e
tambem odejB-aaauna >M toleite.timadaUaaoom a cria randa, >a m
batroajanso ; ttjMearaed*Jaidctb 20.-
J chegaram
JB
reverea
nendad
do
ai nteressantes estampas, a morte
, e amorte do peccador.
gula branca a visa-se aos sen boros
nutras pessoa* qee haviam encona-
nteressantes asUmpat, que ell.s
r, o quem mais aa quisar pos-
- -ogo diU loja d'aguia branca,
lo Queimado n. 16, pois que a quantidad 6
fl** S,POr < aiada ao vendern a iptHXl
vapor, roa No-
ya n. 7, aclt-se barato
ganadn antajeteala de aleado fraadex e intfaV
roape feHa a parvbmerits ailo Unas. ^ ^
Fogio no da 11 do crrante, do caceaba S.
Jo*, o eeeruvo de nomo Lofz, cabra, alta, bar-
bado peros fln.s, ps compridos e seceos tea
om dedo da mo direit. aleijado do nm oa'a.ri-
Kscrav fugide.
Desda o di. U de oulabro p. p. ast lefl0 da
esersvo mulato Joaquim, estilosa raaal.r rdr
clara, bigod s e peira, foi enera va de nortee
quem o pegar leve-o a roa I. Groa i
de san seabof K. A. Batle, que ear
asdo.
Fugio do edgenho daa Matlna, w,
Cabo, no dis 28 de selembro da 1011, ara
vo por nomo. Julo, crioulu, vnrsnetba, ster, r-
gulsr, grosso do eorpo, espsdsade, teade a trta-
U a Uaioa aaaas, metieo-sa aaa matas de
obele Mate, at ajas
Sie levava. e loga qee
rtou am qeano mellado cas
e com principio de carresja. a
peqnenn roano se roopa : deaaaearacaa) a eava
lo a 17 de aotaaro. Esta negra j tem sida ara-
so no Recife duna vosea, a pi "
lrundo cea ama carrosa, a
preso ireaalfceado em aa ar
eeeaervarre^a-em o pagar wve ao anfaana ad-
ma, qaa ser bem recompeoaalo.
cade
Daiieo-sa a.s matas de ceaxa-
que Iba tararaes' aaaa p*an
mese via sem este dtzaa* m
_.n.^.____.......
enealiae prntie,
r> ^l1 .-.
i7tr
~ii



H '>-- BIHHI H^HH
<*)
J>M^MWfMllMtmfl^4CMang^^^lW(>iKIt.
Literatura.
i
Tres iraiM rvacs.
V
(Contiouacio )
No di seguidle, ella chtmoa-o a parte
e foi
1 E porque motivo mudastes de resotucio?
Oh! dizei-me, en ro-lo suppliae. Se ka al-
guos obstculos, amo-Tos muito, e voocsrei a
todoa. f.
GabrieUa baixou oa olhoa e ni
Fallae, [allae, replicou o
orna anxiedade creaceole.... A
a Toa inspiro a aversio....
amareis?
Nao an deter para nos a ni bes, esquecer
desde agora o passado? respondeu Paula do
Vaedrey?
Esquecer I exclamou a joven com um sor-
riso amargo ; e vos podis eaquecer-ros? Ah !
tos nao me amareis, sempre o peosei.
E occultou o rosto naa raaos.
Accusaes-me sem razio, Gabrieila. repii-
cou Paulo com um tom de lerna censura, e com
um olhar que implerava perdi.
Oanle desta dr (noca, o (atoo, diverlia-se
anda com o coragio desta meoini. O tom eo
ciliar de Panlo, traastorooram Gabrieila. Ficou
algum tempo silenciosa ; depois cherou.
Eu accusar-ros. Paulo, diese ella, oh l nao.
nunca, a mira a que eu scjcaao,' a mim que
nao sube inspirar-Tos um amor lio grande come
aquelle que eu aentia por tos
Reoe. alie vos disse, pergunlou Paulo,
ao que me vi obrigado pe dever e retoheci-
menlo ?
Rene, disse-me tudo, respondeu Gabrieila
exaltando-se; porm se me amasseis como eu
es smo, terteis aaerlfleado por mim, o dever e
o reconhectmento, e at mesmo a honra, se fosse
preciso. *
Paulo oio poude deixar de sorrir.
Gabrieila, minba fllha, diese elle, ignoraos
o que o mundo, e s jolgaes as eousas da vida
segundo vosso corscio. Acreditae-me micha ami-
ga, oio tenhaes pezarea. Vosso pae fallou-me
de casamento enlra <5j e Si- de Morges. Acn-
selho-vos que deis o vosso consentimento, por-
que M. de Morges, parece-me ter todas as qtia-
lidades de um excellente marido, e offerecer<-vos
toda a garanta de felicidade.
De felicidade! iolrrompeu Gabrieila, com
amargura. Nao ha mais felicidade para mim I___
S fui feliz um da, quando aqu mesmo, com a
mioha mao Ha vossa, e vossos labios sobre a
mioha fronte, prbmettestes pedir-me em casa-
mento.
Entrevia entao urna existencia nova: amava e
julgava-mo amada.
Oepois com urna exaltago crescenle, accres-
eeniou : Todava, se me tivesseis amado, por vos,
eu leria tido torca de resistir a meu pae, teria
affrontado suas maldicoes. Poderieis casar com
outra, porm eo ler-Vos-hia sempre permaneci-
do fel. Siolo que esta aTeico era bastante para
preeocher toda minha vida.
Paulo assustado por esta vehemencia, que se
assemelhava ao delirio, comecoa a sentir alguns
remorsos por sua conducta. Que dizer a esta in-
feliz para tranquilliza-la?
Elle dirigio-lbe, em to. algumas palavras
banaes que julgou proprias para consola-la.
Urna nica pergunti, disse ella com toz
angustiada, vosa amaes?
A quem ? pergunlou o senhor de Vinirey.
A Henriqueta.
Nao este o meu dever? responden elle, e
por ventura poseo en daqui em diaote ter por vos
outra afteico alm da de um irmio?
Gabrieila licou siguas momentos, muda deddr.
Ah I tendea razio, exclamou ella ; ludo para
mim est acabado I adeos!....
Lersnloa-se para retirarse, porm as forjas
lhe fallaram, e cahio paluda e desfigurada sobre
o banco.
No da seguinte Gabrieila pretextou urna vio-
lenti euxaqueca, e nao desceu. Ella estara real-
mente bastante doente. Nem as doces caricias e
ternas consolaces de Rene con-eguiram acal-
ma-la.
Paulo nao a amava. Desde entao que lhe
importara a rida l Uuilas vezes parecia-lhe que
a enlouquecer. Sesepuiha na janella, e via
correr o rio que banhava os muros do castello,
esta agua lmpida e profunda, esta correle re-
gular e montona causava-lhe vertigem, e a dOr
qoesoffria s lhe pedia que nella se precipitas3e.
A nolte seu pae subi ao seu quarlo, e quan-
do coraecou a supplicar, e ameagar a pobre me-
nma exhaurida por taotas commoces promelteu
tudo o que elle quis.
Porm aasim que deu o seu consentimento,
despertaram-ae todas as suas repugnancias, com
roaicr nleosidade; parecia-lne que taeuiatn
vira em um tmulo. Depois o iastincto de con-
servado reagio sobre ella, e fez com que se re-
solvesse a retirar urna promessa arrancada a sua
fraqueza, e de resistir a vontado de seo pae, qoe
assim o pensava ella, nio linha o direito de exi-
gir o sacrificio da felicidade de toda sua vida.
No dia seguinta pela manhia, Vendo M. de
Morges no jardim, desceu com a inteogao de
fallar-lhe. Quando elle a vio correu logo ao seu
encontr, e agradeceu-lhe com eflusao o ter-lhe
preenctiido seos votos.
Gabrieila estava visirelmente embarazada ;
rm M. de Morges tomou este embarazo
timidez.
Senhor, disse ell, desejo fallar-vos.
Estou as vossas ordeos, querida menina,
disse elle, offerecendo-lhe o braco.
Caminharam por algum tempo em silencio;
Gbriella nao ousara comegar.
Tranquillizae-vos, caro anjo, e fallae-me
como ao vosso melbor amigo. Qje tendes a te-
mer? nao sabis que eu vos adoro.
Entremos oeste caramanchel, disse Gabri-
eila. Julgara ella que a sombrada folhagem te-
ria mais animo.
Quendo se assenlaram sobre o banco, M. de
Morges tomon-lhe a mi. Ella relirou-a com
orna especie de espanto.
Esta mi nao me pertence anda? perguotou
M. de Morges,
Nao, senhor, ainda nio, murmurou Gabri-
eila ; e a este respeilo que eu quera fallar-vos.
Depois callou-se de novo.
Por favor, fallae, nio me deixeis nesta cruel
incerteza. Anda boolem a noile, vosso pae as-
segurava-me, qoe consentieis....
E boje, recuso, disse tmidamente Gabrieila.
**? !fcioJf" abW*9. ,<" M- bida otate, terna* :
oges, detxafido-se cbfrde joalhos diaote f.
asnalla, jtermitil-ngBpB ap,H TtflJ* Piule aoba dar.
Torna .tTetjT,
po-
per
FOLBIJETIM
ADAMA D4SPER0LS
POR
A. DUMAS FILHO.
XX
(Continuacao.)
A duqueza hesitou ues. instante, ifipu pudor e
sus digoidade revoltavam-se centra nitlma ten-
tativa do seu amor. FoMbe necesssrio, sem du-
ida a recordscAo do jaramenlo prestado Jac-
ques a convicio de que a aua liberdade depen-
da de urna confissao completa, para que se de-
cidase a faze-la, mesmo i um homem quem
desprezsva, e tinba todo o ioleressem calar-se
e exclamou: '
Quer saber tudp T fazeodo um ultimo passu
para trai. afim de dar ao seu adversario occasiao
de recusr ou de tomar ella o impulso deni-
tiro.
Sm, respondeu o duque com voz tran-
quilla. ,
Pois bem. senhor, disse ella fechando ins-
tintivamente os, olhos, como um individuo que
e atira em um precipicio, cujo fundo nio V
pois bem, senhor, estou grvida. O senhor com-
prebende, que, i vista de tal faoto, dere tudo ft-
car acabado entre nos.
Infelizmente, senhora, ha ama diffleul-
' cade.
Qual 1
Eu nio a acredito.
Nio me acredita I bradon ella com terror.
Nio, senhora.
Aouette recuou anta essa negativa tranquilla
que loe da va a andida da Tontada irostacavel d
duque. Jogava a ultima setla, eauinmigocon-
aervava-se de p ante ella, taoiavulneravel como
antes, porm mais forte.
Entretanto tentoa um ultimo esforc e disse :
Como me atrevera en a dizer cousa seme-
lhanla. m nao basa verdadeira f
tJH.PyH* a4rewa wnhora i dize-lo se o
lesear Nio, acraaceatoa o auquecom arde bon-
{) Yide o DiaAo a. W.
de M
deG
nuncsTi ridicala preteogao de milHia paixio? Ohi a*t> Gabri
rodear-vbi-lrll de tantaValUocee
que swaa-0 lempo far-me.rhis justica a mar-pie-
hala um pouco. r *"
A aa de que ella pedera am dia amar este
homem quasi que a assuttoi; poim ae mesmo
ten>pv> este amor lio rerdadeiro, ceattovou-a
-f Este aroar-ma I pensou ella.
Hesitara ainda em responder, quando letan-
lando os olhoa para M. da Mergea vjo-e choran,
do. A paizio e a dr trabafiguravm seu rosto ;
eolio levada peta bandida de sea caraca disse :
Pois bem, concedo-vos a minha mi.
Lerantou-se bruscamente e deixou at. de Mor-
ges ainda de oelbos. Quando lia eslava a al-
gum a distancia, voltou-se, e vio M. de Morges
oa posigao mais barleses, fezendo vaos esforcos
para levsotar-se. Un louco rizo apodarou-se
dalla.
Correu para o quarlo da Rene. laocou-se-lhe
ao pescoco rindo convulsivamente, depois asta
alegra nervosa mudou-se em solueos abafdos.
Quaodo Rene cooseguio aealma-la prodigaiizan-
do-lhe estas ternas caricias que magoelisam os
soffrimeotos da alma, a pobre Gabrieila, cootou-
Ihe o modo porque acabara de se comprometter
com M. de Morges. illa :
Se eate casamento te causa tanta paaar, para
que conseotea nalle? pe.-guntou-Ihe Rene.
Que me importa?....
Paulo nio me ama, responde ella com urna
tristeza que assustou a aua rafia.
Todava Rene esperara que ste casamen-
to mudara o amor de aua, irmaa e com o andar
do tempo a lembranca de Paulo se apagara de
seu coragao.
IX
Decidio-se que o casamento de Henriqueta e o
de Gabrieila seriam celebradoa no mesmo dia.
Appressaram-se todos os preparativos. Toda a
familia foi a Besancoo para fazer as compras de
tudo quanto era necessarip para os eoxoraas.
Esies preparativos que affastaram toda e qualquer
preoccupagio do espirito de Henriqueta, dexa-
rara Gbriella inteiramente entregue a ana dr;
ella pareca extranha a aclividade que reinara ao
redor della, e abandonou a Rene todo os cuida-
dos do seu enxoral.
Entretanto chegou o dia do casamento sem al-
gum novo incidente. Gbriella deixou que Rene
veslisse-lhe o vestido nupcial com urna glacial
indiffereoga. Ella estava (io paluda como a oran-
cura mate dos boloes de larangeira que compu-
nham sua corda. O ligeiro azulado que rodeiava
seus olhos amortecidos annaaciava urna noile
passada na vigilia. Em sen bouquet de noiva ella
poz urna flor lanada antea de ser aberla. Esta
flor emblema de sua vida fra-lhe offerecida em
um passeio pelo senhor de Vandrey.
Quando as duaa noivas estiveram promplas,
desceram para o sallo. Henriqueta brilbanle de
vida e alegra, formava um vivo contraste com a
paluda e triste Gabrieila. O senhor de Vandrey
mostrara a frieza que uza um homem de nego-
cios quando assigna um contrato. M. deJMorges
commorido talvez, ou muito apertado por aeus
vestidos novos, eslava ainda mais vermelho que
de ordinario. Quanto a M. de Charrassin era
sempre a mesma cousa. la e rioba com urna acti-
vidade juvenil, dizendo ora um dito chialoso ora
um calembourg e desenvolvendo a torio e a di-
reito seu genio essencialmente anedoctico.
O casamento civil fez-se no castello, e assig-
nou-se na cmara verraelha. Qaando todos se
dispunham a sahir para a egreja, eotregaram a
Henriqueta urna carta que ella abri precipitada-
mente. Esta carta era assim concebida.
Mademoiselle.
Sei agora que mo engaoastes indignamente,
e que ides casar com nutro, porm pretioo-vos
que isto nao se passar como desejaes; veris
bem depressa que nio se zomba de mim desle
modo sem que eume vingue.
Al a vista.
JujtJ !>UlfllOD. J
A esta ameaga Henriqueta apossou-se de tris-
tes presseotimeotos, porqae ella conhecia o ca-
rcter arrebatado de Jos. Guardou eata carta
no seio com ama appareote tranquillidade ; porm
seu rosto toroou-ae tio paludo como o de Gabri-
eila. Temia algum escndalo da parte de seu
antigo amante.
S comecou a respirar libremente, quindo a
carruagem que a levava e a seu marido, rodou
pacificamente pela estrada que condazia ao domi-
nio de Vandrey. Urna sege da posta, levava ao
mesmo tempo do lado opposto M de Morges, e
Gabrieila cuja abalimento revelara o estado dea-
esperado de um coragao do qual todas as fibras
esli despedazadas, e que nio tena maia direito
de quelxar-se.
Reoe ficou s com seu pae no castalio de Dom -
blans, que um instante antes estivera cheio de
pessoas, e de alvoroto e agora eslava triste e
solitario. Em quanto M. de Charrassin foi rece-
ber as Cliciia;oes de seus visinhos, sobre os bri-
llantes casamentos de suas filhas; a pobre He-
nee repassando em seu peoaamenlo tudo que
acabara de pasaar-s?, cborou pela sorte de Ga-
brieila.... Chorou tambero poraeu primeiro amor
ao qual ella elevou desde ent&o um misterioso
altar no fundo do seu coragao.
A
A conclusio sem duvida alguma a parte mais
difficil de um romanee; segundo as regras i
arte, a concluaio a peripecia perpendicular ao-
bre a qual descanga todo o edificio da obra ; para
ella deuem dirigir-se todos ot fios da intriga. L"
tambera geralmente para esta acgao final, que o
romancista, e o autor dramtico dispem todos
os grandes effeilos e aa aceas mais lernas. Suc-
ceder assim oa vida real?
as qe aella se
ata potico, nio
SNirflsB
P*M
u;
lamdoa aal
Por tanto daixaado de paras
ca e oa
estaa eo
o, anee
Amar I
nsar r
sftotaiiaa)
Aiada
re2r
'dtMi tesaMflioi sinotas
respondeu mente, sam alterar-lhe a #erdad, nosia modes-
MC ^DoSsV^pWd/-Wda''d^nVi8 irmis,
Rene recebeu urna carta de Henriqueta conce-
abaerta pela ana leas-

hernia e de perdi, no eaUdo em que a senhora
esl,dira tudo para conservar a sua iiberdade.
E' um meto que empraga e nada mais. O meio
nao leve bom xito. Partamos.
E se o tempo provar que eu nio ment ?
Isso eolio ha de ser oulra cousa.
O que far o seohor ?
Amda nio sei.
Deixar-me-ha lirre ?
Pode ser. A w
k meos que nio saja capaz de aceitar esse
menino.
0 que talvex fosse melhor.
Ou de o malar.
Isso negocia meu.
Ante esse sangue fre impassivel e irnico. An -
nette com a sua nalureza fraaca, doria sedo ou
tarde tornar-se mulher, apedindo k aua fraqueza
os recursos que lhe negara saa torca impotente
perder pouco i pouco a cabec*. rogar depois de
ter insultado, chorar depois da ter aasgado e
gaatar, emfim, em lagrimea inuteis, em resisten-
cias facis de vencer, a opea alergia, coragem e
resolugio quelherestava. Tinham balidoderasra-
nnho oa porta. Tu.
Nio. nao I exclamou a duqueza a solucar,
deixando-se cabir sobre um canap, eoccultan-
do o rosto as mios. nio, oioVfo parlirei I
O duque linha abarlo a porta. .. 0,
Deixo-o com a senhora, disse elle trauquil-
lamente ao commissario de polica, qaeira cha-
ma-la razio o mais cedo que forlossivel.
Quando Annette flconie com # eommiasa-
no. ergueu a cabega e pergunlou, limpando os
olboa :
O ose que qtierem comigo ?
O pobre commissario quizera antes ter da pren-
der umladrio ou um assassino, do que ter de
empregar e rtgor contra essa berTl moca, uobre
de raca.nobredo flome, sobre de coftao, e que
lhe perguntava com urna voz molhad de aolu-
?os,e j tmida e snpplicnte : Sentor. o qoe
querem de mim ?>>
Sem indagar as causas da scena que tinha lu-
gar, o commissario comecou por tran>isi^isar a
---.-------------- --! y"* 'iiauisar a
duqueza ; deawis lau-lhs.eandfltalajaasantaoca
lavrada pelo presidente'do'tribaraiV ex-lhe
comprebender o texto e a voaadeformal iais-
culivel, inerte da lei. Pvcdrou fate-la chegar
raaao, mostrando sempre cerne paroracao. a im-
i possibiUdade que para ella hara de resistir,.a
cMademoMne.
me al oade chegou a
_ para comigo, e aal-
aseota de que oneira indigna abuzsstes de um
asgreda* ajds podio peNeT-me' sem remedio no
espirito 00 aspu. marido. Se Paulo ae tivesse
mostrado menso generoso, en teria sido sacrifica-
da a vossima*paixes.-**^ mmmm-r is^,
Hoje Paulo s experimenta por tos desprezo
averao, Nio vea admireii pois sa desde este
momento acabamos todas aa rlacea comvosco e
com Gsbriella, eujos galanteios, bem como os
vossos a rtspeito de .Paulo, excedern, oestes
ltimos lempos, todos os limites. Alm disto,
oflrf muito durante alguns anees que vlvi com-
vosco, para nio felicitsr-me muito a todos os rei-
peitos por esta sepe recio.
Adeus, e psrs sempre.
Henriquet* de Vandrey.
*cou CODfun,1dacera a leitura deaia car-
ta. Paulo julgaria deste modo sua conducta ?
Nio lh'a tinha ella explicado. Entretanto tran-
quillisou-se pensando que casta carta pode-
rla ler sido dictada s mente pela vinganga. Do-
mis ella prefera um franco rorapimento com
aua irma, a appareociaa hypocrilaa.
Quanto a Gabiiella, demorou-ae muito a dar
noticias suss.
Traoscrereremos aqu ssa primeira carta a Re-
saO ; para que ae coabeca por ella a aflaacio em
que chava o coragao e o espirito desta pobre
saenflesis.
Queta direi eu?se nio me possivel reunir
duaa ideas, pois que todas as fibras do meu co-
ragao eslao despedazadas ; todas, exceto todava
a que vibra por ti, minha chara Rene. Pergun-
tas-rae o qoe fago em Mo'es, se poseo suppor-
tar minha nova vida, e fazes-me tambem algu-
mas perguntas sobre o castello em que Ou habito
o sobre o carcter de Mr. de Morges.
c Depois que aqu cboguei, teoho estado em
um tal abalimento que apenas noto os obiectos
que me rodeiam. O castello parece-me trale e
desagradavel Ser effeito de minha propria tris-
leaa ? Soja por que fr, teoho ja por muitaa ve-
zes lastimado o velho Domflans, onde cu viria
com lio charaa lembrancas.
Mr. de Morgea, sem duvida alguma um
excellente homem. porm de urna bondade
sem delicadeza, caprichoaa. echis-de grosso-
nss. Suas msoetrss e sus liogusgem soldadescas,
msgosm a cada instante minhaa mais intimas de-
licadezas, e suss attencoea para comigo, sio tio
importunas que me aborrecem e muitaa vetas me
irritara. Sim, na verdade, urna uno emelhan-
te e urna moostruosidade.
Eu que formara sobre o amor e o casamento
lao poticas chtmeras, vejo-me opprimid, por
esia odiosa realidade. Nio eapantoso pensar
que com s minba uatureza lerna e expansiva,
rejo-me noida para sempre s um homem que s
me inspira |repulso 1 Reconheco, sgora, qoe
nio me |deveria |ier casado dereria ter re-
sistido a meu pae ; porm o pesar linha-me es-
gotado todaa as forgaa, e deixi-me ir, pelo desa-
nimo que me causara s friexa aquella a quem
eu amava. E depois, pareca-me que desde en-
iso a vida ser-me-bia indifferente. e que nio era
possivel soffrer mais; porm sei hoje que se a
oor physica limitada, a capacidade da alma pa-
ra o sourimeolo infinita.
Entretanto algumaa vezes, procuro reagir con-
tra minha infelicidade, e vencer a aversio qoe
teno a Mr. de Morges. Porm em vio ; oio
posso dissimula-la ; d'ahi resultara aceas de
pranios e violencias que me deixam fatigada e
desesperada.
F>"isnte, dir-ta-hei tudo, commelti urna
grande falte, para com meu marido ; n'um mo-
mento de desvario deixai escapar o segredo de
uto amor, que deveria sepultar para sempre no
modo do meu coragao.
Ah I mioha querida Rene, arrependi-m6
immediatamente de ter feito a Mr de Morges urna
tal coolissio : porque nunca esqueesrei a exprea-
aao de sarcasmo e despreso que appareceu.em seu
rosto. y ,
- Afc "iioi am onanie, oissq ello, eu de-
ven* t-lo adeviohado a vista da repalsio que
me tesiemunhaes.
c Senti-me empallidecer de tndignagao:
Eoganse-vos, senhor, respoodi-lhe, aquel-
lo a quem amo, nio me ama a nio lirre ; po-
rm amo -o anda, e ama-lo-bei toda a minha
vida.
"Z" NS tenno eu direitos sobre vosso coragao,
senhora-.' disse, com um modo ciumenlo e arre-
batado que me assustou.
a Direitos
tes I
disse eu com ar estupido, direi-
At entao, en nio tinha feito urna idea
bem exacta da minha aluagao, e esta palavra fez-
rae entrever de repente toda a realidade.
Por algum tempo pertursou-se-mes cabega,
e Uve urna especie de vertigem. Pareceu-me que
sofffia umdestes terrireis peaadlos quecompri-
memo cerebro como urna raassa de chumbo, e
oos quaes, em freole do perigo, nio se pode gri-
tar nem fazer um movimeoto qualquer. t^ompre-
hendesbem esta palavra, lo, minha pura Reo?
Mr. de Morges tem direitos sobre mim ; perteo
co-Ine por ui contrato em boa forma.
Ha ji um mez que Tiro com este pensamentol
anda nio pude acostumar-tee a ella, e todaa as
razoes que me podesse dar para resignar-me, se-
riam vaas.
t O leu grande argumeolo o dever, nao ver-
dade. mioha virtuosa irmia ? Porm dis-me o
que 6 amar por derer ?
Amar I palavra de fogo, que nio pqsso es-
crever nem pronuncisr sem estremecer inteira-
mente I
Amar I sentir-se eleclrisada pela preaeaca
daquelle que se sma. *
para elle de nao usar dos meios mais rigosos se
ella resistase, e se o duque o iolimasse para
acabar. Entao com a toz e inganutdade de urna
n$aia!,!lw'n!erBec,r m,re. confe-
sando-lhe todaa verdade,contou ludo esse ho-
rnera ; supplicou-lhe que a protegeise. que a im-
pedisae de partir. Dsse-lhe que smara iasques,
que quena v-Unma ultima vez; aecusou mesmo
monos o mando do que fez valer sua dr ; pediu
para ficir em Pars al o dia aeguinle ; fallou da
.!.U|,P.a-1-8 MUT." aChf-g"; P'-wnaUsu ieaos ma-
gistrado, que nada poda i tan respeilo, entrar
em um conventu, retirar-sedo mundo, ler muilo
;uuo, se lhe quizessem deixar ainda Tinleequi-
.!!!* *'>. pregn as paUvraa
mais enternecadras, junto, as mos, disse em-
fim todss essas sublimes extravagancias do cora-
gao, proprias i mulher, que nio ae lembra mais
se nao de urna cousa. Uto do seu amor, e que
querem separar do homem quem ama.
O commissario ouriu-s com paciepcia ; seatu-
se mesmo um pouco commorido ; secusou. tal-
vez em suacoofianca o homem q.sm a lei for-
vjva a prestrr o seu apoio; mas paciencia, emo-
&Pn Clen,a,V 6" ud0 ial sapria obe-
decer. O que elle poda apenas fazer, era aaeu-
aelhar. ajudar, conaolar essa pobre mulher
?? T 0b'x*'i0 wr p'rlir- eche" i
^L. ba^1' Per5*.em vez dechegar pela
torea. Pode acreditar por um iaatanle que o li-
nha conseguido. H
A duquesa cabira em um estado de proatrscao
que pareca 9m consentimaoto tcito. Grsssas la'
grimas cornam-lhe dos olhos, eotrecortadas quasi
peridicamente sea estas patarras: q
M^.l.,^aiI',*u.?I "aa" Psielrai
aeo, s ellas, urna wveeaoio, urna sspraoea.
iV.7 Vmo5' sha aenbora. reeiicoa o magis-
trado, depois de um silencio de siguas minutos
smos, posso prerenir ao Sr. duque de que v!
Exc est prompta paro partir *
Mas onde roa lava o senhor ?
Naoaeii *'' :.
Mas oio pedem separar-me de meu pae !
E necesssrio que Mes pae seiba onde estou asan-
do obagsr l
Bade Oabe -la. -Sr. doqne deixa ama csr-
t para Ma, Proaiatte-maase-lo.aenhor?
o met srer; Vejamos, posso anunciar
sois no mando de mais es-
rel?
s que smsr por derer ?E'
tu Reoe quem me dari esta
-ha fingir amor, amor, esta
resplandecer o semblsnte e
_Js paixio que faz river, ou
--Ah I Rene I eu eatou bem doente: tenho
'ffosaMffro/undachega. Teoho- munda-
ao moli ha um mez ; apenas me reconbecerlas.
rorem aie|rro-me muito com islo ; se eu podesse
jrrer 1 B^rdade nojo oulro meto posst-
8i ae acabar meu aozTrimeno ; pola nio posso
Omprebender a vida seos.o amor.
,.rQ'ia?d? am8' laia brilhante, colorido,
radios,., tu do-o anima, lado tem un aeotido. e
ieir-M.M,iio sempre para amar.
Porm quaodo nao ae ma-eosis o oio se
srOado, qa modanga I que tristeza I como o tea
"pSSrPF"0***** e-wiro *a *** l9mEt
Eu te eotrislego. mioha qaasrida irmia. po-
rm quequeres 1 os infslises sao egostas, nio se
importara de affligir os ootros, comanlo que ea-
les aa con solea. ,_
Vm ver-me, tenho tanto anda que dizer-le,
que se sao temesse o escaada-lo e podesse ainda
tomar urna resolugio, deixaria Morges, este hor-
riTol, quartei.ina juatar-me a ti. derramar em
deseaS.*0 ,0" m{ok" ** e todo meB
Gairtsiia.
_, XI
E urna grande falta e urna grande loueura.es-
lorrar por clculos de srdido loteresse aa leis
naturaes da sympathia.
Pauto e Henriqueta nio tardaram em reconhe-
f*5 8 R,r*re* inconveniaotec de urna uoiie dic-
tada pela conveniencia a nio pela reciprocidade
de amar.
Estes jorens esposos, bem como se dereria
presentir pelos successos anteriores, eotraram lo-
go na la de fel.
Assim que Paulo de Vandrey tomn posae d.
duzentas mil libras que elle tanto cobigara, nio
disslmulos mais o desprezo que lhe nspirava saa
mulber, e exprimiu muitaa vezea por umi mor-
daz zombaria. Henriqueta amava aeu marido com
toda a obstioagao de um amor nio prtilhado;
porm. como era de urna nalureza altiva e impe-
riosa, quaodo ra ses amor desdenhado, eocer-
rou-o orguihosa mente no fundo do seu coragao, e
quando exprima a seu marido; por pelaras
cheias de altivez, orna aversio que ella nio ex-
perimentan, corra a techar-se no seu quarto
para chorar. }?
Passaram-se quinze das. Paulo para confor-
mar-se cosi costume do patz, deu um baile no-
pateo do castello, por occasiao do sea casamento,
ro isto ama grande festa pan os hsbitsates de
lugar. Ao redor de urna mesa, onle hara muito
vinbo, e appetitosos pasteles, havia urna multi-
dao vida. Rapaces bebaJos caniavam unsonos
cancoes um tanto livres.
Bem depressa, aos sons agudos e discordantes
de dous voloes ama turbs de raparigas e rapa-
zas comecoa a saltar confusimente e sem me-
dida.
M P,ra meio do baile o seohor e a senhora
de > andrey se pozaram janella para saudar a
multidao.
Henriqueta durante alguns instantes considera-
ra esta festa com um internase misturado de des-
goalo, quando de repente descobriu um Koraem,
cuja presen?a f-la estremecer: acabara de re-
conhecer seu antigo amante, qne tendo-a aper-
eebido. dirigia-lhe urna audacio de impertitie-
te familiandade.
Ella retiroa-se da janella e foi encerrar-se em
seu quarto, oade entregou-se tristes apprehen-
Coes. rr
A' noile, quando os ollimos ruidos do baile se
toram osensivelmenie exlinguindo. ella alreren-
se a ir ao jardim. Ah encootrou Paulo de Van-
drey.
Este baile estar afioal terminado ? perguo-
tou ella i seu marido. Estes diveriimentosfazem-
me mal.
E>1 alegra por occasiao de nosss felicida-
de um gracejo bem amargo; o que queris
dizer, oio rerdsde, senbors ? respondeu iroai-
camenle Paulo; que queris I o mando cheio
destes contrastes.
Estamos nos finalmente livres desta multi-
dio intolerarel? replicou Henriqueta com im-
paciencia.
- Oh I senhora I como ros tornistes aristcra-
ta I Por minha parle felicito-ros muilo por vos-
sa feliz mudanga. pprm aa Jos Dulhion vos
lUTlSBB...,
Apenas Pauto acabara ae pin.., ..
larras, quando um homem sahiu bruscamente de
urna malta, e appareceu diante dalles Henrique-
ta nao pode reter um grito de terror.
Era los Dulhion.
Fago-ros medo por veslura, senhora ? dase
elle com modo astuto e arrogante.
Henriqueta em aua perturbag&o balbuciou al-
gumas palavras desinlelligiveis.
-7 Quem sois, senhor, psra oussrdes peoetrar
aqu, einterromperdesta sorte nosso passeio?
Mademoiselle Henriqueta conhece-me bem
respondeu Jos.... oio rerdade, senhors, qu
somos conheeidos amigos ?
Henriqueta corou, e perdea o valor.
Desejareia fallar-me, senhor ? pergunton el
la com roz alterada.
Eolio I senbors, disse Paulo com impacien-
cia; conhecels este rapaz? com que direito vos
talla elle assim ?
E| um antigo obrelro de mea pae, .... he-
sitou Henriqueta.
Meuispme, sem duvids, tos feriri os la-
bios, senhora condessa, porm eu fallarei por
tos : chaoio-me Jos Dulhion! exclamou elle
com voz ameaga dora.
Paulo temeu algum escndalo.
Taris alguma conta atrazada a regalar,
pergunlou-lhe este.
Sira, precisamente, respondeu Jos Dulhion,
tenho umacontazioha a regular com a aenhora
porm-flesejaria allar-lhe a por um oslante
afim de arirar-lhe a memoria.
- Deixae-nos um momento, eu tos rogo, dis-
se Henriqueta seu marido.
Paolo afaslou-se a alguma distancia, deixando
saa mulher conversando com o obreiro.
Que me queris, Jos? disse Henriqueta
que V. Exc. esl prompta para
ao Sr. duque
partir ?
Sm, seohor, estou prompta.
Ti^n,0*,ti6ii? "^ Mnh0". obrigado. Senti-
conE V ExcT" oMgMo a on,Pre o "gor
Picando so emqosnto o commissario ia preve-
nir o duque. A melle rompeu machinalmentedea-
sa cartetrinha de vellude, onde inscrevia as visi-
tas que tioha a fazer, e que Jacques lhe vira oas
mios 00 da em que se haviam encontrado pela
primeira vez; Annelte rompeu,diemosos.uma
olha, e, chorando abundante e silenciosamente,
deu a Jacques a ultima e nica prora de amor que
sasae momento lhe poda dar; eacreveu sem que
as lagrimas lhe permUissem ver o qae eacrevi,
estas tres pslavras supremas, cheiss de resigna-
co, de esperance e dssejalira : Eu parto, par-
U" D?brou esse P?o de papel, levou-o aos
labios, beijou-o, e sentindo de repente a espe-
rance da que tra tempo de prevenir Jacquea
antes de sua partida, e que elle pedera partir ao
mesmo tempo que ella, abriu a porla da ssla em
que o commissario converssva com o duque, an-
ounciaodo-lha o consentimento de aua mulher e
pedindo-lhe aem duvida que a tratasse com mais
dogora.
Domingos tinha ido dizer adeus Fanny, con-
las-lbe o qae se pastara. EsU erguera-se i pres-
sa e^chorare em um canto da sala ; o duque. Bar-
beado que ella era dedicada aua ama, acabara
de dtzer-lhe que nio a acompanharis. Fanny
quaodo v.iu a duqueza. correu ella e beiou-lhe
as mios. Aonette abrasou-a, e meltendo-lhe na
mao o papef qse acibera de eocraror, disse em
roz baixa:
Para elle o mais cSJo possivel.
Durante usa lempo, o duque lomara um capo-
te O preparava-ae para p-Io sobre os hombros da
duqueza. Esta tomou-o eembrulhou-ae soznha,
para1 oueamio deseu marido nio a tocarte.
Paasando para a sai/de Jadiar* Q>us Qgnr*s d
bigodos e de grandes sobreeasacas, sentados em
um Canto, da sala, larariram-se, muito respei-
tosamente. Annette adevinhou os agentas aos
quaea sua resistencia teria dado o direito de in-
tervir. O rubor do pejo sblu-lhe is facas i abai-
xon a esbeca e passo depressa. Sem duvfds, o
duque mandara qae esses homeos fleassem em
aua passagem para lhe fazer nerder toda a idea de
ora rebelliao. Q commlssrlo foi dizer-lhes al-
eo
me.n
ta
m voz terna. Se tinheis algbma cousa a pedir-
8a roa tivesse escrioto, oio me responde-
ris, replicou Joe; so tos reaaVbedido para
rer-Tos, ler-me-hieis sem duvida fachado a re-
se porte. Portaste s liaba date meio pirafetlar-
Vindes fazer-rne exprobagdas? Obedec i
seo. pae meu pobre Jos, disse HsotlqSsta com
arde resignaeio. -"
Mu pobre Josdl meu pobre JosoT reptiu
elle cam irona, lembtaste-nos afinalt....
. S* me lembro, -alise affectando commo-
?io.
Eolio, da-me leu braco esmo ouVora, con-
versaremos mais i votado. e assim oos lembra-
renros meihor deste bom tenipo. '
E comoj>lle se approximasse de' Henriqueta
psra lhe offerecer o braco, esta nio pJe reprimir
um gesto de repugnancia e de espanto.
per^a.<0Ui."Td0 ** fei'0'' UM 6"'' nl
mTia^1 ibem /ei.0' 'o'nMk^s Klva, repli-
cou Jos, iaocando-dhe um olhar aatyrilo! Hoie
que sote a senhor. condesaa e oSfs ojde&s.
teTte^f ******* p,^'e e^W^eTem
f^l'i" S,rl" em b" sosil.'1- h0n" e1"' ,Be 6U C0deri' dfl ul
f V7Uil "MMdadB-ds ser vosso marido, co-
Si? ,e* .'. Ie preferido de todo o co-
raoso, o prazer de passeiar com as mios nas'al-
a,/ *.?"-.TOn,,,l8 quanio lia veeeas
aartUK^fl pI"agen>. se ea mostrara
V\ll .1" !.0,M8 **" Mto vos sgradar,
S Mel?d,ln'-.l Ca.-las como me tinheis recommendado tanto,
gOarOei algamaa deilas, e das melhores ; asse-
guro-vos, queris vfi-las?
. ~" Vindes trazer-m'ae, sem duvida ? disse Hen-
riqueta com tos insinuante.
r.^;Sin,, 7e-?h. l"ze"o-Ias, respondeu Jos ti-
rando d. algibeua un c.neira eSbada.
A vista da' carteira rosto de Henriqueta ani-
mou-sB de um viro rubor; seu olhar brilhou. a
adiantou vivamente a mi para agarra-la; po-
f Jue ? 0D9e"Ta notou este movimen-
10, e guacriou logo a carteira.
Elprae mais algum tempo. Estas cartas
sao para mim um verdadeiro Ihesooto; e afflan-
50-voa quedndome, dando-me......
E perou, d'ixando que Henriqueta advinhawe-
ine o pansa mente.
uIi-~PlUcaeT.T08 di99e el,a- n8 T0 compre-
hendo, disse ella com impaciencia.
i..,T Jk dl"r-T0S minha situaclo, disse o as-
tuto piebeo. Depois que me abandonasles. pro-
cure esquecer minha infelicidade. e requerid
Melania, a joven Ulna do moleiro.
Ellaacha-me do seu agrado: porm rica, e
para desposa-la preciso ter dinbeiro, cinco mil
deis0?0' P Aioda oio; al onde queris chegar?
Todava bem claro} pehsei muito sim-
piesmente que rtsto. nossa aotiga amizade, po-
aeneis fazer-me ste preseotezioho, em troca
destas cartas qae eu ros remetteria, e. qu sio
escripias como em um lirro.e que conservo mul-
to em lembranca vossa, minha sara Henriqueta.
Agrada-voa isto ? -
Porm isto que me peds ama infamia,
exclamou Heonquela l
Ser possivel que sejaes vos, Jos, quem fa-
caos taes clculos, vos a quem eu considerara
como superior a rossa classe pela delicadeza dos
senlimeotos ?
Os sentimentos sio bons para as entrevistas
ao clarao da loa, porm s com elles fica-se
sempre sendo pintor I Ah por minha f ; o ne-
gocio esl antes de tudo.
Se achaes qae isto infamia, como chamareis
entao todas as menlirss que me dissestes. Nao
me hareia dito tantas rezos, mesmo am mez an-
tes do rosso casamento, que me amarieia sem-
pre, e s comigo cassrieis?
Pois bem, tereis cinco mil francos, porm
haris de prometter-me ama descripgio com-
pleta de tudo que se passoa eotre nos.
O rosto de Jos rsiou de prazer.
Cinco mil francos, esl justo, e acresceots-
reis urna pequea aomma para as compras dss
nupcias, dar-me-heis seis mil frsncos.
Ainda I disse Henriqueta, qae apenas po-
da conter a aua indignacao e desgosto. Po-
rm como todo debate com este homem repugoa-
va-lhe horrvelmeote, consentiu.
Dae-me estaa carias e hoje ou amanhia le-
reis o dtoheiro.
,- 7~ *-*- "i rapo*.. tUdo r-
Usls ; como ros disse j, assim que me
recebereis....
Islo maito, exclamou Henriqueta deses-
perada, desconfiar de minha patarra I
Parece-me, replicou Jos, que tenho bas-
tantes razos para isto.
Henriqueta soffreu esta ultima injuria, era
preciso resigosr-se as condiges desle homem
ou expr-se um triste escndalo.
At a vists, disse Jos Dathioo, rou iostsl-
ar-me a ctdade at amanhia a noile. e quaodo
tirerdes os seis mil francos mandir-me-heis
chamar.
Separaram-se.
A pobre Henriqueta estera muito enrergonha-
de, e achara-se na maior perplexidade.
Como ter seis mil francos?
Pedi-los sea marido?
Resolver-se-hia eMa a aemelhaots bumiliacio.
Ped-loa a seu pae ?
Elle liaba feito j tsntos sacrificios por ella !
E mosmo seria preciso esperar alguns das;
durante eate tempo Jos, podara reflectir
exigir mais. Finalmente ella decidase s fazer
urna tentativa para com o senhor de Vandrey.
Ella s o riu a ooite ao jantar. Durante a
comida estireram silenciosos e constrangidos;
porm qaando os criados se retirsram, Paulo
comecou a courersaco por um sarcasmo.
Conrinde, seohor., em como sou um ma-
rido bem indulgente.
Seria, verdade, comprometter minha dg-
nidade, teetemanhar algum came, por muita
razao que eu tiresse, por am parro desta es-
pecie.
Tireites um gosto singular. Quando compara-
me com este plebes; cusi a comprebender co-
mo, s nio sor o amor o* coasrastes.
fazer-me asecodsr sa rasaos baos anesi
Jos Dulhion. v^m
iada do somoariss I sosahor, 1
diese UeariweA* aoan Ugriaxaa aa
--Cssbo l daremos tomar aa sari
Esvshemam pede seis mil fraTO
SfW t^iua* .essffPa.s Pr sata ,
elle se callar.
Seis mil fcancos. disse Paulo, elle est loa-
Tendea algum bolsinbb paAicalar ?
Coolei comvoso.
Contsstea qoe so pagarla aeia mil fraseas.
pelo silencio de Jos Dulhion. Ora. isto as
mo gracejo.
Achaes que maito cara para coasMardaa a
honrada Toaaa molbsr? **
Demais, disse Paulo arrsl
garanta teramoa nos da pros
ral ? E' um silencio que seria preciee
toaos osdiaa. .
Porrontora oio tenho na datefs
disse Henriqueta, ler.ntaada a caaea esas a-
ti rez.
Um dota da que felizmente ansas diipia
sou eu ; quando nio s serviris psra comprar o
silencio dos vossos amantes I
De raaos amantes I exclamo a pobre se-
nhora.
Ora, senhor*, ea ros perdoaria antas das
amantes de rossa claaae, do que aa Jos a)a-
thion.
Oh quanto sois crsel, Paula! Ha
>'>djasoat aas
site esa
das que estarnas casados, e qaae esa aso -
j feito pagar, este ligeirexs, qae deverteta pe-
ta r s a existencia triste eiaoledr que tarramos
em Domblans, do qae ao mea carcter.
E par islo que querra feir-a*a pagar
tambem f Segundo me parece, loaaaaa malta aa
serio os priacipios da aolidaredada rsadssat
;,PoTI,Tor' sshor, basta da sareaaaoa, a%-
ae ella. Eo ros rogo, perdeee-ae este iaate, o
coocedei-me o qae roa paco.
E a alUtaHaaaiqaate aaalhoa-M caer SO aas
ps de san marido.
Acabaa com eate comedia, disse Paada coa
urna frieza implacavel; deixae fallar esls ha-
rnero, oiogaem o acreditar.
Porm elle, tea proras dase, enrioste.
Quaes?
Cartas assiamades.
Que depravacio I sxela_
preso; bem aenhora, pagaxai v
Henriqueta leraotou-se ds tal foraa ania-
da por sen marido, qae por sa inslaaite o
sabstituiu em sea coragio a amor que ella
tlaha.
Desde este momento s discordia reieea aatrs
elles, e todos os diaa as reaovaraa aessaa sa-
melhaptea s que acabamos ds desexerer.
Alguns meza depois da mu aaarsaats -
Henriqueta, Jos Dathioo eaaoa-es a ro
lecer-se em Vandrey. Comproa a ssa ta__
e continuou a pralicar a respeilo ds neariaael
ama odiosa oegociacio. Alea das cariaa
rendera tio caro, elle guardara alfana MI
que venden da meama forma. Desate 1 asas
pbrases Bacaladas, as* palavraa ai "
chegavam aos ouvidos do seohor o
de Vandrey, e davsm motivo a **
rinalmeute oa anligos amores da Hiarisaala ter-
na ram-se bem depreasa na raido paMica. Das-
de entio ella eneerron-ee aa saa aeliala ab-
soluta, ousando apenaa sahir. coa rcete das ce-
chichos e olhsres de zombattaa atoo a aosIMaa
em sua pasagsm.
Entretanto como toda ao asado se apaga, es-
tes rumores comecsrsm a amortecer tnteiraase
te. A forgs de soffrer a alma de Hariaeete ea-
bolou-ae ns dr. Paulo qae nio achara SsOibu
cao alguma em ana caaa, aaseataae-oa fceejaeai
temente e por muilo lempo. Apaixaooa-sa pola
ca^s, e deixou sos mulher por seas carattea o
matilha.
Deide entao Henriqueta tere aaa vida
Rada, porm este socego parecia-a cea e
regioes polsres; era ama rida trete o _
os, sem sma flor, sam ama briza perfaaads, e
sem umquente raio de sol.
A ardente joren teria preterida i este torpee
letbargico aa pungen lea cemamjees da dar.
Cinco annos ae pastara as a* as sis do aae tan
ment. Nos a encontramos ea Prssslaea ae saa
modesta cmara de oulr'ora. Cao
a reconhecer agora a joren qae
principio deste historia. Ella eo _
bre urna grande poltrona. Saa .Hilad* revela
ama existencia faada. A paludas arada
seu roilo, extrema magrea), .u.s
v.d.s,.eu nariz afilad3. os oases saliai
a" Z'JM ** labioa alongado* na cor,
eraeS' dm mu oa uagoa elicaSas oa gr
dlos, a finura de expresas que ostia
mos ha alguns snnos psssados.
Gabrieila est para morrer de naa dsWHaode
causada pelo pesar. Tudo qae lhe reate SO vida
parece ter-ae refugiado em aaa olhar. Estes
olbos szues lem multes reza aa
ora tem um brilho extraordinario, ora toas:
expressio exlatica qoe f.ria erar sss a
entrar j as espiraras superiores ds sas outra
existencia.
Reoe, a boa e terna Rases, ala ao seu lado.
e trabalba silenciosamente am am borateee. ae
menina de tres a quatro annos brinca a seas ps.
fcsta menina pareos soffrer a isfleoecte ds tris-
teza qoe a rodeia ; porque modera esse Basa-
mentos eo som de saa toz. Gabrieila ceatea-
pta sua Ulna com urna expresase niaUraSa cT "n e lrHU,eza' e rt-ffSnUTaTeSl.!
ees. guando a menina ria-a chorar jarlade-se
para ella e estendendo-lhe os brscinhos. su-
se-lhe : *
Nio chores, mama a, prometi-te wr sea-
pre prudente.
As lagrima de Gabriell. adosrarsa ; ella ie-
cltuoa a c.beg. e qaiz lerant.r os bracee sera
apenar aaa Qlha contra o coragio. Depois aeea-
receu sobitameote asa mu roste aa fase da
repu's* el1* lnclinoa-so para teas a reaallia
lirs-
d'aqsi ea t'o rogo, diwe site a
Lera-a
Rene.
Vem miaha fllha. diaa Raeda leraateada-
se psrs s fazer sshir, roatnia quer dormir.
Nio farei barulho, quero ficar; diaa i as-
nina chorando.
(Coswiaser-a-be.)
gamas palavras. Elles deiceram, acompaohando
o duque e a duqueza. Um sabia para a balea do
carro com Domiogoi, o outra ficou oa trazoira
Um sugeito que roltera de um baile csntarolan-
do, paros am minuto para rer essa partida noc-
turna, depois seguiu seu caminho am ioterrom-
per a ariete que caotara. Nio podia desconfiar
que essa anlher que palia teria dado a aetede
de .ua fortuna e dez snnos de sua vida para ficar.
Ella deriou umtelhar desesperado para essa ra de
Riroli, onde tantas vezes rirs Jacques esper.odo a
hora da entrevista de cada noile, e onde Jacques
nio estava. Daixou-se cahir no fundo da sege
occultando os olbos para nio ver mais, compri-
mindo a fronte para nio pensar. O duque sentn-
se ao lado della. O commissario aentou-.a na
frente. Doria acompanhar os viajantes at a bar-
reira.
XXI
Daram tres horas no momento em que os ca-
rillos partiram. Jacques dorma I Como elle mes-
mo m'o dira ao terminar a carta cajos detelnes
reunidos sos que Domingos me fornecera, poze-
ram-me em estado de fazer a narragao preceden-
te, a daqueza fizara, nesias ultimas circu metan-
cas, o que nenhuma outra mulher se teris atre-
vido a fazer. A' nio querer encelar urna lula phy-
sica. degradante, intil, com homeos da polica
era impossirel mostrar-se mais energa e lerar
aaots longe a fidelidade is promessas do sea co-
ragao. Ha certas palarras que ama mulber de
sus raga nio pode dizer, mesmo para salrar ri-
da ; ella hara-aa pronunciado para salrar o mu
amor, e marcar aaim na fronte com am ferro
vermelho indeleral, urna situaclo que para aeu
mando, teria podido aioda ficar duridosa. Entre-
tanto como o aoandalo Qcra entre ella e o du-
que, era preferir^ aquella que teria feito nancer
o rapto premeditado. Escrevi, nesse sentido
urna carta Jacques, dsixando-ms de pinter-lke
neohumi meral anteclpsda, mas racommeodao-
do-lhe todava de nio tazar degenerar em tenta-
tivas impos.ireis e ridiculas um acontecimento
3ua consecra al certo momelo urna certa poestr
ramalica.
A duqueza estira realmente doente, a os m-
dicos chamados a s-la tinham a todos reconhe-
cido na impossiblidade de cSntinuar a iagem.
Que meios teria ella empreaado para chocar i
esse estado de esfermidade ? Jacques ignorava-o.
I Ella nio tinha querido dUC-lo. Soffria muito,
mas pouco importara, camprii s sos jei
nio sahia de Drasde, estera porto da h
quem amara, corresponda-se com elle
ooltes, ris-o por ua i talante, e trocaT.es ai-
gomss palavras. Nio ara necesario sate pera
lhe fazer esquecer ums dr physica maito inte-
rior psrs ella dr moral ds sotes- upasen; de
Jacques.
a Estou-me scoslamsndo i miaba aera vis*
disse-me este em uaa da sosa cestas, o ji as
me, lembro qoe livease vivido de 00tro
Qu^ poder que tea o habita s _
do ooss coragao sobre s naca isaajteeda I Se
me tivessem dito, por exemplo, na pota ea. aae
madama da Wioe nao pode ob"
pasar alguns diaa com ella es
ttreasem dito: Um dia ha de o Sr. ,
ama mulber tem saber onde alte a tere, errar
ea ama cidade onda oio ceoheea anaaraa
cbar-se-ha em am quarto ds boteL easeai
edla a ler, a trasalsar, a aerara, a rer
pea baixo das jaoellaa Allemia iiaihal
sahtr aoo maia noile pan ir aasca>
carta pendarada na ponte de a m ttarbeote, tra-te-
na para aaa com o cuidado coa ame e teaMe
conserra o oaro qae acabou de rooaar, seae e
mendigo que morro de tome coeserra a salda aaa
acabara de dar-lbe ; paari ama sarta a aeite
a rele-lo da rezes, e todas a axigeaciaa de sai
mocidade, dos seussentMss, de aa cerscee o dJe
ua espirito a cooieeterao cea aos pslscs do
papel quotidiano I Aquello qae ae Uveae faiu
sem.lh.ole predielo eu teste rap^saC: a O
Sr. d um leaos I > Pois, ases chara, sos eearetee
lo a minha vida, a aeeca fui lio Mis. osa da-
l*\ f0!***. *Msso das jeigara-aU 0mam
infeliz das borneas o aie asa atreva a ceeter eaaa
a centesima parte' ds felicidade, ajee ae sec-
cede. rl "


A miaba batera roe t
romance. Daram j
aeu hotel, vendo-ra asir
najante mais demorado. Ves,
silenciosase chego ao hotel de.
passeio at que d asa soite, a
afeite de na
(Comiaar-a-Aa.)
PERN. TYP.DE M.F. DBPABJA& PILHO. 1M1,
01
nr


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBAWUHEG4_MMQRUV INGEST_TIME 2013-04-30T23:18:19Z PACKAGE AA00011611_09418
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES