Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09417


This item is only available as the following downloads:


Full Text
lili IZITII IDUIO 267
FEHA 19 II IOTI1BM II fl
PlfU fraiet pira iikerpWr.
rr** ~~T~''~~,1tiW(Bt-'
Joi Martina Ribeiro Goliiar.ee- P.ri JmToT 0"r,?ory e Klu qua.Ua-feiras.
J Ramo, A !7! **?*' P,M' J*IIBttI Cabo, Seriohem, Rio Formoso. .rreiroi
J. amo., Amazonas, o Sr. Jeron7mo da Costa. JAgua Preta. Pimen.elr.s e tu quinta ferss.
__ M, ____________^^ |(Todos os corr&ios prteos as 10 horas da manhaa)
Oltnda todos os dise se 9*{ horas do da.
_
nm HFFICIAL.
EPHBMERIDES DO MEZ DE NOVEMBRO.
S La a ora a t hora e 44 rain a tos a larde.
9 Quarto crscente as 8 hora* 15 mi a tos da
manhaa. r
17 La ansia as 10 horas s 47 niatos da man,
Qu'rto ss 8 horas o 47 minutos da
# PREAHAR DE HOJE.
Primsiro as 6 horas e 6 lautos ds manhaa.
Segando as 6 horas e 30 asijiatos da
das da semana.
18 flegends. S. Romlo m. ; e. Odn ab.
i Tersa. Santa Isabel raioha da Hnpgria f.
XjserU. S. Flix de Vatoie fundador.
* Qaints. Apresantaelo de Noasa Ssnhora.
3S Sexta. Santa Cecilia v. m. ; s. Filemon m:
3 Sebbeeo. I. Clemente p. m. ; s. Felcidade
V Demlaf. S-, Joio da Cruic.; s. Estanislao;
Ministerio do imperio.
""" SJ 2,838 DE 36 DE OUTUBRO db1861.
TAJES?"*'4* $M* ** do
f TTm ti ix^*yao da vi pvu do
uLJzL ;Smani complementar do$
estatutos das faculdades de direilo.
mu!!!!01 a, ("er. ei,en>* *s faculdadea da
meeiaioa do Imperio s diaponcao da segunda
p.rte do art. 102 do regui.memrcompiemeutar
aos estatutos das (acuidades Se direilo que baixou
com o decreto o. 1,568 Ue 24 deerereiro de
u*>o, para o ensilo de ser previamente apresen-
lado ao director o discurso que dore recitar o
doutor.ndo na solemeidade do grao. 'tlc,w'
Jos Ildefonso de Souza Ramos, senador do
imperio do meu conselho. ministro e secretario
09 eslado dos negocios do imperio, aasim o teoha
entendido e faca execuler.
aI?,0in? ^i0 Ia ,,neir. ni 28 de oulubro
ae 1B8I, 40* da iodepeodencls e do imperio.
S ? '* d Sua MageeUde o Impera-
dor.Jos Ildefonso de Souza Ramos.
ai ?ecS80-rRio ," Janeiro. Ministerio dos
?St? I w ,a,Peri. om 5 de oovembro de
a *m~} Pfesenle oficio dessa directora
*. 5 mez Prox,IDO Pssado, no qual expoe
que, tendo o padre Joio Jacintho Goncalves de
Andrade de fezer o exame determinado pelo
art. 55 do regulameuto ds 4 de maio de 1856,
anm de poder ser inscripto para o concurso ao
listar de substituto das cadeiras de laiim. frencez
o ingle annexas a essa aculdade, suscitou-se s
quesiio-se o exame derer Tersar successiva-
mente sobre cada orna daqueilas materias,
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommereio: segundas e quiotes.
Relacao: Ijsrqas, quintas e sibbadosas 10 hora
Fazenda : lerdas, quintas a sbados Ss 10 horas'
Juizo do eommereio : qasrtss so meio dia
Dito do orphios : tere e antas as 10 horas.
d?",r* "*" CT : ier5** exu malo
Segunda Tara do cirel: quartas e sabbados al
bora da tarde.
ENCARREGADOS DA SUBSCMIPCAO DO SOL.
Alasdas, o Sr. Cleadino Fe les* Mee- -*--
o Sr. Jos Mirtina Altes ; Rio "T fie aire TT*
Joio Psrsirs Mertins. "**, 5r.
EM PERNAMBUCO.
Fina & Filho, a. $ui UTr,n, prt-, g?!^^
denaa ns. 8 e 8. paai-
souraria de fazsnda^e""copai^ia '+o YrMeo'de
ItqudsA, qus S. Ei. iamejtMpi data de 24
do mez passsdo. r--w"-jTr
Ao do Par^i,. declarando que, conforme se
comrounicot em to de 0 do mez pesaado, o
Kera.Tispo diocesano nenhum direito tem ao
pegamento d congruas durssU a a aga, por
moque com as bulade suaooBrassclo, trans-
pone e despezas do prlmeiro stsoelecimento'se
despapdeuaomma igual sdaas tergai partes das
ditas congruas que Iba soAfetem ; e que por-
tanto s tbesouraria de (senos uso poderia re-
conhecer urna di'kla que nao tinha fupdsmepte.
sem que pnmeiro se liquidssem aquellas des-
pezas, cumpriodo que se anuulle o reeonhepi-
mento da measia dlrids, couslaple dq proeesso
que S. Eic. reraetteu em data de 11 do mez pas-
ssdo. i
. 30
_ Ao presidente do Piauhy, accussndo a recep-
cao da informaclo que deu sobre o exame dos
liro das actas das eleiedes de ver-adores e juizes
de paz, feitas em setembro do anno paseado as
parochias ds Victoria o Pisuhy, e ordsnsndo que
envieja authenlica da acta da elegi da primeira
das ditas parochias, exigida em ariso de 13 de
julhe ultimo.
S da noTembro.
Ao pffjsidente do Miranho, comeounican-
do que, para poder ser lomado em coniideraco
o requerimento em que o mejor da guarda na-
cional Joaquim Jos das Neves pede o officialeto
da Ross, preciso que elle aprsenle as condi-
oes que erige o V da 1 iaooeicao do decreto
ds 31 de julho de 1541, e nove folba corrida, cu-
Ti'.l-----j~"~ """" ""Hu"" maieriss, cujos i r "* "juiou ue 1941, e nova lu
;! sa,M urn'COB>o determina o arl.66,1 J Pro nao exceda a seis mezes.
I" 1"..*. f."" ^.fln em dla consscsitiTos. I,__ Ao do qari, declarando que
a n, ..i i i "* *"* eooaacaiHTos.
e em relacao is materias do exame, ou se. linea-
dos promiscosmente na urna os de latim. francez
e inglez, derer varstr o exime sement sobre a
materia que for designada pela sorte.
- a "4PsU cumpre-me declarar V. S.. de
ordem de Sua Hagestade o Imperador, para seu
.nd.T"80-0 e e"cu5". qe, propondo-se o
candidato a nscrerer-ae para o concurso ao lugar
y,U.bSn-U,n det0d" ricima mencto"
fl.l.' i Provada su capecidede pro-
.1 .'a?0010 fx,gem art- 5 8 e 55 do
r.Pt. h^ re8ul?m"">. se o exame deque se
rnente. Tew,r 80bte uma deilaa
nntna'^ei!?r!iant0 qU! em ""a>Ca do dS-
l?Mmi. riJ? t ucce?1oiente sobre todas es ref-
dsuf- .Vh""' IIr,Dd0 P^'OP" cadsums
?' i* e as q",es sera aruid0
cousecutiros.
0 governo
w.m. o "i. .* "ua" i'ueonso oe se
S. PauoT d" faculdade de d6>'<>
Ministerio da Justina.
DECBETO N. 2 839 DI 30 DE OTslrDE 1861.
"estaa o$ jutzei que devem substituir os dos
textos da faxenda em seus impedimentos.
itei por bem oecretar o aeguiole :
x 'i* 0t*mu de direito da primeira da
segunda rar enano, da (irimeira \ ui segunua
vara do eommereio, o juiz de orphos, e os au-
dictores de guerra e marioha, na ordem em que
vo designados, sao sabslitulos do juiz dusfetios
da fazenda da crie nos impedimentos desles.
Art. 2.o Os juizes dos feilos da fazenda as
provincias da Bihia e P.roambuco sero do
mesmo modo substituidos p6los juizes de direilo
da primeira e segunda rara crime, e pelo juiz
especial do eommereio.
Francisco de Paula de Negreiros Ssyao Loba-
to, do meu conselho, ministro e secretario de
estado dos negocios da justica, o leona assim
entendido e faca executar.
plcio do Rio de Janeiro, aos 30 de oulubro
de 1861, 40 da independencia e do imperio.
Com a rubrica do Sua Megestade o Impera-
dor. -- Francisco de Paula de Negreiros Sarao
Lobato. '
DECHETO N. 2.811 DE 30 DE OUTUBRO DE 1861.
Declara de segunda instancia a comarca de
Mostor, creada na provincia do Rio-Grande
do Norte.
Uei por bem decretar o seguinte :
Fica declarada de segunda instancia a comarca
de Mossor, creada na provincia du Rio-Grande
do Norte pele le da respectiva assembla legis-
lativa o. 499 de 23 de maio do correte anno.
Francisco de Paule de Negreiros Sayo Lobato,
do meu conselho, ministro e Secretario de estado
dos negocios da usligs, o teoba assim entendido
e faga execatar.
. P,"';i5i0 d0 Rio de Janeiro, em 30 de oulubro
de 1801, 40 da independencia e do imperio.
Com a rubrica de Sua Hagestade o Impe-
dor. Francisco de Paula de Negreiros Ssyo
Lobato.* *
Ministerio dos negocios da iuatica. Rio de
Janeiro, 30 de oulubro de 1861.Illm. o Exea.
Sr.Seudo presente Sua MagesUde o Impera-
dor o offlcio de S. Exc. de 27 de oovembro do
anno passedo, acompeuhado da copia da deciso
que .eu sobre a iocompalibilidade da serventa
simultanea do dous irmos nos cargos de pn-
meiro aupplente do juiz municipal e quarto do
delegado de polica em um mesmo termo, ba-
seapdo-se na primeira nypolhee do aviio desle
ministerio de 30 de setembro de 1859, houve o
mesmo augusto senhor por bem, tendoouvidoo
parecer no consultor dos negocios da iustica
mandar declar i V. Exc. que approva a ana de-
cisao nicamente quemo a privado temporaria
do exercicio do empregado suspeilo, nao impor-
tando porm esse acto a incompalibilidade do
cargo, nato como, sendo ambos os empregaaos
sapplenw, s suspeigao accidsntai, e nao per-
manente como a: de que trata o citado aviso. O
qoe Ihe communico pura sos iotelligencia e de-
vids execucio.
Deus gusrde V. Exc. Frencisco de Paula
da Negreiros Sayo Lobato.Sr. presidenta ds
provincia do Piauhy.
_ ._,
Expediente de 24 de oulubro de 1861.
Ao presidente d provincia do Amazonas.'de-
clarando que o gOTBro imperial flea inteirado
pelo seu offlcio ao 14 de agosto, de que S. Exc.
se acba anteado do espirito de eeonomis, e de
Sue emprsgar os meios so seo*alcance para sa-
sfazer ss r?commeadc&es deste ministerio
constantes da circular de 6 de junho deste auno
tanto a respeito daquells otjecfo, como das leis
exorbitantes das alribeijoes conferidas is asssm-
blas legislativas provinciaes.
Ao mesmo, entontando a despender no ac-
tual exercicio a quaorta de 6.000J con auxilios
imperial ca inteirado de 1er S. Exc. convocado
a nova assembla legislativa provincial, e desig-
nado a ultima domioga do correte mez para ae
proceder eleigo dos seos membrosi
T0 me,m(> declsrando que o governo impe-
rial1 fica mleirado de ler S. Exc. marcado o da 8
de dezembro prximo futuro para a eleicao dos e-
Ieitores especiaes que lem de eleger um senador
que preencha a raga deixada pelo fallecido An-
tonio Jos Machado.
Ao de Pernambuco, declarando que o go-
verno imperial Mea inteirado de ler S. Exc. mar-
cado o dia 12 do correte mez para se proceder
a nova eleicao de vareadores e juizes de paz da
parochia da Roa-Vista.
5a aeccio.Ao mesmo, spprorsndo a delibe-
rarlo qoe tomou de renJer a catraia do servico
----------, o .laxare por estar em estado de nao receber
em dus rnaiscoucerios, e recommendaudo que neo eflec-
i compra de ootra embarcacao, como pro-
Deusenarda iv c j t t.^ / compra ae ootra embarcacao, como pre-
cessidade.
AoRevm. bispo do Maranhao, communi-
cando as ordens expedidas para se mandar repa-
rar e mobiliar o palacio de sua residencia.Offi-
ciou-se ao ministerio da fazenda para manieren-
rwiL a0 Presldenl da provincia a quanlia de
I.-DUU9, e e este pare applicar esta qoaotia quel-
les tos. '
Aos presioomss da Bahta, TSrT, MHSS-UB-
'"' rornarobuco, communicando a deciso da-
da em di do mez psssado sobre o veoelmeoto
que compete aos professores de esoto gregoriano,
e a dispensa, concedida aos que tioham recebilo
maior vencimeoto do que o que lhes compela,
eje restituir o excesso.
Ministerio dajagricultura, eommer-
eio e obras publicas.
J*rpeeJtene o*e 19 de outubro de de 1861.
Segunda directora.
Ao presidente de Pernambuco, accussndo o re-
cebimento do seu officio, dstsdo de 2i de agosto
prximo Ando, queacompanbou cinco proposlas
pera construeso da ponte entre os bairros de San-
to Antonio e Recite, em subslituicso da que all
existe toda arruinada, e em conformidade do aviso
do ministerio do imperio de 17 de dezembro ul-
timo ; bem como os pareceres de diversos eoge- ;
nheiros que foram ouvidos sobre ellss.e os dese-
nos apresentados e declarando em resposla. '
que nlo hsveodo crdito votado para lio avulteda
despeza, e depeodendo esta de medida legislativa,
fica por este motivo adiada a resolucio desle ne-
gocio. .
Ao eogenheiro fiscal da estrada de ferro de
D. Pedro II, para que informe em queoto pde-
la importara despeza para primeiro estabeleci-1
ment do sea eecnptorio, com a acquuigo de
armarios, cadeiras, mesas para desenbo, llvro de
registro; a bem assim a desposa onoual com o
expediente a sea cargo.Nameama conformida-
de aos eogenheiros nscaes desastradas de ferro
da Babia, Pernambuco e S. Paulo.
21 -
Quarta directora.
Portara nomeaodo Marcolino Antunes de Pa-
na Sanios para o lugar de agente da villa do Sa-
nhor Bom Jess ds Gorguea em Piauhy.
Portera nomeando a Manoel da Cuoha So-
breire, pare agente da Tilla dos Pieos em Piauby.
Form ambas commaoicadas so presidente da
provincia e administrador do correio.
Of&cio ao administrador da officina de es-
tampara, para mandsr foroecsr sellos i sdmi-
nistracae do correio de Minas.Foi commu-
nicado.
-23-
Terceira directora..
Ao presidente da provincia de Pernambuco
yt'WS o,formar ao dsste ministerio d
di de julho ultimo, Tersando sobra ama gretiQ-
ceceo reclamada pelo agrimensor Alexeodre Von
Bilbl, encarregado de Irabalhos de medicos que
eiecutou nos terrenos ds aldeia da Esaada nssss
provincia.
Ao da do Cesr, declarando que fpi iodefe*
rido o requerimeolo da Meooel So.res' da Silva
Bezerra, procurador fiscal da tbesouraria de fa-
zenda dessa proviocia, pediodo ama gratiBcacio
pelo trabalho que lhe accrasctn pala crsacao do
juizo eommissario das trras.
Ouarte directora.
Ao presidente d Puuhy, declarando ha ver si-
do ja oomeado ajudaote contador para a admi-
nistracao do correio daqualls provincia, a assim
achsr-ae prejudicada a sua preaosta para o mes-
4 -
Sega nds director is. K .^
su eiSEP* "S** ***. dwlsrsada.
^^L^1* ^*W>lUalba,^n7 o qus se psssou com ss rectoras dea comoa-
biadafi estradas ds ierro aslsbls a Psroambu-
o, ralrtivamente ae projcto que modifica o ra-
nlaatosio para a liqaidecio e lomada dsa contes
se forem f.zendo.-Offlc1u.se ao tSSSii StShS,.2^.!?i?,76? "" ""^ M pr-
^secclu-Ao mesmo, declariado qai Dio foi que Sa^drStl^slSSS Bl,,rta
2SJ diarios, sem prejuixo dos veocimemes milt- sue solicltude netrietiieen m i,^V* !*..
Utas a gral.ttc.cio de 100 qae for. ta.ra.da por "m?e*4SK^q?.^ui2S
urna 6 vez pelo seu aotecessor socirurg.io do cor- com toda a osocSS'.^nca aKldl
po de aaude do^iercilo Or. Jos Autoolo de Prell.s receila a despez.^euesVafnsa? deVasdaVa?
Jnior, p.l. BU.ao de tratar dos luosme, Mmm.miRVS^S^S3mS
nomeados pelo governo brasileira a palas respec-
tivas directoras; e aquillo que for julgado rega-
lar por taes commissaros., ser lido como Uaili-
oo, o produziri todos oa efeUos. Se, prJrm.
sppsrecerem duvitUa csoiasUcsj es Ira es com-
nissarios sobre um ou pulro panto, ser a quas-.
tao remedida para Londres para ser decidida na
forma dos regajameatoi em vigor. Se S. Eic
nao conseguir chegar a um accordo .com a com-
panhia dtssidente, conlinnar-se-ha a fsaasaar, a
respeito Selle, o que at hoje se tem praticado,
ou o que for ltimamente reeetvido. Outiosim
que o governo julgou coaveoiente ouvir a stecjia
dos negocios do imperio do conselho da estado *
semeiRsnte resaeile, a qual jS deu o sea parecer,
e que para resolver a consulta o goveraesosen-
le aguarda a rasposta de 8. Kxc. ao presente
ariso. ----
. A' mesms, aecusando o reclbimento do offl-
cio da mesma legago de 30 de agosto ultimo,
que acomoanhou os documentos felallros i veri-
fleaco e ejnA dss contas d reeeita e despeta
da estrada de ferro de" Pero.raboto nos dobs se-
mestres vencidos am 31 dejolbo delSOO e 31 de
Janeiro do correte anno.
Quaoto as obras de speco, que devUm cer
terminadas para poder fazer-se o pagamento dos
juros do pnmeiro semestre do snnu pasaado, e
cujo prazo de conclusio fura prorogad9 de 30 de
junho a 31 de dezembro daquelle anno, infeliz-
mente nio se achira anda acabadas s contento
do eogenheiro fiscal do governo. 0 superiten-
dente da estrada mandou (azer apenas tres que-
bra-mares para abrigar o atierro de Cibshge, no
entanto que com referido eogenheiro couvencio-
nra eogenheiro em chefe da compaohia que
elles seriam em numero de quatro. Em conse-
quencia da falta dq qnarto quebra-mar, que nio
foi construido, recusou-se o eogenheiro fiscal o
passar o attestado pedido pelo superintendente,
de achar-se concluida a obra, sem embargo de
allegar o mesmo superintendente a sua desoe-
cessidade, e qoe estara prompto a m.nda-Io cons-
truirle a experiencia de am anno prorasse que
delle se nio devia presciodir. Trazido este ne-
gocio ao conhe(imeulo deste ministerio, d.ter-
mioou-ae que fosse cumprido o convenio feilo
entre o eogenheiro fiscal do governo e o eoge-
nheiro em chefe da compaohia, para o effeito de
construirem-se todos os qnebra-mares necessa-
rios para defender o atterro da Cabanga. O go-
verno fica sciente de que S. Exc, apezar de nio
ler conhecimento da conclusio das obras, proce-
den ao ajuste de coalas dos dous semestres ven-
cidos, e mandn satisfszero pagamento dos divi-
dendos, que aproximadamente se veriGcou serem
devidos, salvando os direilos do paiz no que diz
respeilo i ooocluso des obres de primeira seceo,
e approva o acto por S. Exc. praticado, vista
das razoes expendidas no seu citado offlcio.
Ao presidente de Pernambuco, que tendo
sido convencionado entre o engenheiro fiscal do
governo e o engenheiro em chefe da compaohia
da estrada de ferro da mesma proviocia que qua-
tro quebra-meres seriara construidos psra defen-
der o atierro da C.baega, e nio sendo sdmissirel
que ee adi a coostrueco dos quatro quebre-ma-
res que einde fallero, pare depois que a experien-
KJf-fla.am pa?" ^-----*- sua ee>-
osoe, como prdpoe o superintendente di mesma
estrada, cumpre que se d neste sentido as pro-
videncias convenientes, e scieniifique o engenhei-
ro Oscsl de que nao deve psssar o attestado pe-
dido emquanto nao eslirerem concluidas todas
estas obras.
Segunda directoris.
A legacio imperial em Londres, declarando
em resposts so officio de 29 de sgosto ultimo, em
que exp&e o seu modo de pensar acerca do pedi-
do da compaohia da estrsda de ferro de Pernam-
buco, para o augmento do capitel gerantido, que
a am pedido semelheote qoe lhe dirigi o mera-
bro da directora respectiTa S. P. Verecker, por
ella commissionsdo para tratar de varias quesies
pendentes, entendeu o mesmo governo oio dever
aonoir emquanto nio obtlver os esclareolmeotos
que exigi sobre os capitaes consumidos na cons-
truccao dsquella estrada por occasiio de reque-
rer-lhe a directora o pretendido augmento.
-A presidente da proviocia do Rio Grande
do Norte, declarando, em solucio ao seu officio de
8 de julho ultimo, qoe, tendo sido cootemplada a
provincia sob a sua adminisiracao com a quanlia
de 15:0008 para as obras publicas geraes no cor-
rete exercicio, como lhe foi communicado em
aviso deste ministerio de 18 de junho, deve ap-
plicar desta somma a que for necesssria para oc-
correr despeza de que trata aquella seu offleio.
- 28 -
Directora central.
Ao presidente de Pernambuco, declarando
que o governo Imperial ficou inteirado das me-
didas tomadas, afim de que sejam mais frequeo-
tes as reunies do respectivo instituto de agricul-
tura, e recommeodaodo noTamente qoe, i medi-
da que forem sendo executadas, commonique a
este ministerio as deliberaces tomadas por aquel-
lo instituto.
- 29 -
Directora central.
Ao presidente do Piauhy, accussndo o recebi-
meolo de um exemplar da colleccio das leis ds-
quella proviocia, promulgada em 1859.
""-fl "L0 Cear* declarando que o governo
imperial nio dispoa actualmente dos meios ne-
cessanos para estabelecer um systema mais am-
pio de protegi e auxilio cultura do trigo e do
5 g2ui; e poil limit"-S8 P" emquanto a fazer
diambuir sementes desles veKetaes e inslruccoes
para seu planto, e bem assim ao cumorimento
do disposto no 8 H do art. 29 da le da 26 de se-
94*S ,i que ea,D8lece o premio de
.oos sos Isrrsdores qae colherem mais de 100
alqueires de trigo.
- 30
Directora ctntral.
Ao presidente de Pernambuco, aecusando o
recebimento do sea officio n. 85, dslado de 20 de
setemoro ultimo, que scompaohou a proposta
spreaeatada por Thomsz Herrison para construc
?ao ds poote de farro do Recif, e declarando
em resposts que, nio hareodo crdito /otado para
teldespeze, fica adiada esta obra para quando fo-
rem volados os respectivos fundos, como i se
commaoicou aS. EscVMraviso de 19 dcorra-
te nea
M mesmo, que participando o eogenheiro
fiscal do governo na estrada de ferro da mesma
proviocia, havar a directora da mesma estrada
passedo quitecio sodadsdd desspropriadora dos
terrenos oecesserios i eoastracco da vis frrea,
dando-se posterlormeqt neceJHdade de oras
deaapropriscoes, e hsver igualmente squaUs di-
rectora dado uma especie de diploma elogiando
aos encarregados das desaptoprtaefea.a ^re-
cido a um dalle, um. passa^em greuiita e eer-
pe lu. no. ttan da- Vi. Vree a todas daeT.
milis, coovm que S; xc, tom.odo su provi-
dencias que esttverem ao seu alcance, remelt.
com tod. e brevidade a este ministerio uma co-
pia do contrato celebrado pela directora da estra-
da coa a mencionada sociedad*.
Ao presidente di BaTin, 00 qual se deca-
"." **"* a oahfc aa findo. am qsa parttopa que da acaerdo con d
superinteodenla da eatrada de farra hivU permit-
ido a abertura de pondo de dita estrada que se
asteada dq Arat a Paira.Vele*, asb as dacb
condicoes que por copia acaaaaaabarata a aeu
offlcio, que e; arproTada na dslibrac^o.Mado
considerada completamente falha a 5' condicio,
^M^^do.eUa.queanassde serem total-
^**Mle*M P'Msdantea coedieoes nio se
podar abrir ao transito do publico mais seceso
alterna da estrada alora dea ana entrarem em
aervico no dia.10 dones de estambro, podendo
"": eguodo o sdisotamento dos tra-
Da-ino das sectoes *egoinUs, ou pelo contrato
aire .compaohia e o gaveroo, qoe esta, s es-
lej.m prompUs em dous,:tres oa mata unos, to-
das as elesulas do lempo mwcad.s precedeote-
tneote tteam sem effeito, e sestea, am lugar de es-
labelecer-se>uoia ftena pasa .o. nao cuaiprimeato
das qostro primeirascondic6esaB*ia-aa o tem-
P q4e os irabalhos all designados podem ser
feltos.
Sendo tsmben> necessario observar que, como
os trabelhos, depois de sberte o trafico, podem
ser demorados e dar causa a roclamaces do mes-
mo empreiteiro, e slra disso hsver difficuldade
ni disctiminaco de dinheiros gasto, no que
propriasaeote conservagio da liana e nos iraba-
lhos eligidos as quatro primeirss condicoes,
como por exemplo a que se refere via perma-
nente, dever-se-hia, antes de abert. ao transito
a 2 seceso, avaliar todos os trabalhos oio con-
cluidos, levar-se somms em que es ti v esse or-
eados que deve ser pago* peio cspital em fa-
vor da recaa, e concluidosxomo se fossem obras
de cosae#acao, para o fim de flearem preveni-
das-todss as qu es toes futuras.
31 ... .
Directora central.
Ao presidente do Maranhao, offlcio aecu-
sando o recebimeoto de dous exemplares da falla
cora qae ebrio a sessao da respectivs assembla
legislativa em julho ultimo, e bem assiw do rela-
tono que Iba foi entregue ao receber a adminis-
tradlo da proviocia.
Quarta directora.
Circular aos presidentes de provincia, par-
ticipsada-ter paaaado pera a 4" directora' o ex-
pedienta relativo i navegacao fluvial e paquetes
a vapof.
% da oovembro.
Segunda directora.
Ao preaideole de Pernambuco, declarando
em resposla ao seu offlcio .datado de 28 de se-
tembro ultimo, em que S. Exc. expoz que por
deficiencia de crdito mandara pegar, sob sus
respooaabilidade, o que se esteva a dever por
coota desle ministtrip, no. exercicio Godo, ao en-
geobeiro W. J. Lindsay, ajudaote do engenheiro
W. Martineau, que se approva a dellberacio que
tomou, bem como que neata data solicita-se do
novo ministerio de fstenda a expedico das or-
dena precisas para que sej a mesma presidencia
habilitada com oa fundos oecesserios para aslis-
fazer ao referido engenheiro a gratificacao men-
sal de 100# que lhe foi marcada.
-----A"Z. o a i "Y"""' I ineoionio soares ue Avell
Ao do Par, deciaraudo ter ficado o gover- ticipacio da secretaria de
no inteirado do que expeudeu em seu offlcio da-
tado do l'de oetubro fiodo, com o qual remelteu
copia do qae lbe enderecou Pedro Traveseos de
Aleocar, escerregedo com outros de descubrir
uma vereda de communicac.io entre a mesma
proTincis e 4 de Goyaz.
OiiTBBiffj ira t/nu i iiiua:-------
Expediente ale ar/overno alo lia IS de
novembro de 1861
Officio so Exm. presidente da provincia das
Alagdas.Com a inclusa copia do offlcio do direc-
tor do arsenal de guerra datado de 14 do corren-
te, respondo so que V. Exc. me dirigi em 10
teste mez, relativamente ao concert de que ne-
cessits o armamento oa guarda nacional da pro-
vincia.
Dito ao mesmo. Communico i V. Exc: que o
bacharel Antonio Joaquina BuarqueNazareth aca-
ba de declarar por offlcio de 14 do correte, que
aceita o lugar de juiz municipal e de orphos do
termo deAlagdas nessa proviocia, para o qual
foi oomeado por decreto do 1 do mez ultimo, e
para ah segu:
Dito ao coronel commandsnte das armas.Sir-
va-se V. S. de expedir suas ordens, afim de que,
ao juiz municipal da 2.a vara desta cdade, se
aprsenle com urgencia uma praca montada para
as diligencias neeesearias prxima sessao do
tribunal do jury, convocada para o dia 18 do
cerreote.Communleou-se so juiz municipal.
Dito ao mesmo. Sirva-se S. S. de informar
sobra o que pondere o inspector da tbesouraria
de fazenda oo officio que aqu junto, e que me
ser devolvido, relativamente ao pedido de um
armario para o 2 batalho de infantaria, que
aiiude o officio de V. S. de 30 de outubro ullimo,
sob o. 1808.
Dito ao mesme. Respondendo so officio de V.
S., dstado de 18 de oulubro ullimo, sob o. 1702,
cara referencia i representtco do msjor com-
meodtote do corpo de guarnlcio desta provincia,
tenbo i dizer-lhe que alienta a distancia em que
se acha aquelle corpa, o qae diffiealta aos proprie-
tanos o recebimenlo dosalugueres de suas casas,
cooveoho em que o referido oommandanlese ja
eutorsedo a pagar Uea despezas, bem como as de
luz para o respectivo quertel, com o dioheiro que
recebar pars supprimeuto do mesmo corpo, de
conformidade com o parecer junto por copia, da
contadura da tbesouraria da faiaod, cumpriodo
que ae teoha muito em silencio o fioal do citado
pareces. Gomrnenicoa-se i tbesouraria de fa-
zenda.
Dito ao presidente do tribunal do eommereio.
Convido IV.jjU deeembergedores a mem-
bros desse tribucsApan assistirem a io.ugur.-
co da eiposico dos prodnetos naluraes, agrco-
las e industriaos desle provincia, e des que lhe
sao UsnitrophM no da 16 de corrate is 11 hores
da manhaa no palacio do governo. Igoaee los
cheles de rep.rtices.
Dito ao presidente da relacio. Sirva-se V. S.
de interpor oeeu parecer sobre a materia So offl-
cio, que em date da Si de outubro prximo findo
dirigto-me o juiz de direilo interino da comarca
de Tacaret.
Dito i thasoarsria de lateada. Autoriso 4 V.
S. s mandar pagar a quautia da lfiipOOO sm que,
segundo ss con tas, que Semlvo eetert>e com o
offlcio do espitao do porto da Ido correte, im-
portara as despezas (sitos eaa a s.l. em qae fue-
ctona aquella capiteis, visto nio hsTar inconve-
niente pasta pagamento, como se v de sos in-
formacaode hontem.sob n. 1096.
Dito i mesma Nos termos da informado da
contadoria deaaa tbesouraria, escrieto no verso da
offleto que devotva da ce renal cameBesdaaU dea
armas, a qae se refere o de T. S., deudo de
hontem, sob a. 1098, autoriso e mender entregar
eo alteres ajudaote do corso da gnarnice doste
2roef'JI210- l9mia ,ital* *.' q*"!
de loOgOOO para a eampra da civatgadosa que
ihe cmase.
DtoiBm^mai^doaBti^a^ssomsAifa
de hontem sob n. 1101, autoriso iV>l,j asas-
dar pagar ao eogenheiro contratado W. arriases
a quaotia que Urer vedaidb por cont dos miis-
terioe do imparto a siariotta m triaaeslre fiado ao
idte 9 do correase mas.
r J10' ''y'O Vgj em slste de asa ieu
fonsacia da 13 do corraat so* ai tsti, mead.
pssaaraguia qus soUcus a atarea refermado
Joaqaiea Pareira Iesiacda OUalra para resaber
os seas vaocimeoto* a corte, anda tem de gsi.r
a iiceoc. qae obleve da presidencia para anrtar de
saos interesaes.
Ao iospetter do trseDa^tSft msrinlyi.-.Reepsa-%
do/o seu officio de 28 de outubro ultimo sob n.
a l a'c[,raDd< le segundo informa o director
do hospital militar, o menor Marlinho. fllho d.
Afrtcanr hvr Genaros., m.ndou-se recelher s
5. e. '""'v 1uan*o *o de nome Albino, fllho
ds Africsna Meuncia existo em poder da propria
ceridada6 'Ch* WT d gr,Dd6 hoiPi,a, d*
r..S!l.0.*05^fmo'"-Expe5. V. S. as soas ordens
E a'"'c**Kl0 ""t "> qe Xuoccion ao phe-
rot de berra, depois de feltos o* pequeos reparos
de que elle precisa.
Dito ao director do arsenal de guetra.A' vista
de sua tnf.irmscio n. 324 de 14 do cerreote, com
referencta ao offleio do chefe de polica n. 1183
de do mesmo mez, msade Vmc. fornecer e re-
partido a cargo daquelia autorrdade trea armas
para o servico de rondes.
Dito ao Dr. Julio Barbosa de Vaseoocellos__
(oastadaparticipacoda secretaria de stado dos
negocios da justica de 5 do correte, que 8. II. o
Imperador, por decreto de 30 do mez paessdo
houve por bem remover 4 Vmc. por sssim o, ha-
ver pedido da comarca do ro Peraoi em Goyaz
para a do Bonito oesls provincia: o que lhe com-
munico para aeu eoohecimento, e afim de que
eolre em exercicio no prazo de 3 mezes, inde-
peodeote de Ululo, que apresentar no mesmo
prazo.
Dito ao juiz de direito do Brejo.Inteirado do
conleudo do aeu offlcio n. 60 de 1 do correte,
com referencii as deligeocias neeesearias a reu-
piao da segunda sessao do jury do termo do Bre-
jo, tenbo a dizer-lhe que approvo o seu procedi-
mento.
Dito a cmara municipal da villa ds Ba-Vista.
Autoriza camera municipal da villa da Boa-
Vista a dispeoder a qusntia de 608000 aonuaes,
com o aluguel de cese do peco desss cmara, ju-
ry e collegio eleitoral, devendo serfeita assa des-
peza pela verba citada no seu offlcio de 24 de ou-
tubro ultimo, em vista do artigo 20 da kei n. 516
de 18 de junho deste anno.
Dito a cimara municipal do Ouricury.__Res-
pondo o officio que me dirigi a esmere muni-
cipal do Ouricury, com data de 23 de outubro (io-
do dizendo-lhe que pelos meios legses e perante
o juizo competente deve s mesms cmara fazer
meoler a su. posse ou reivindicar o dominio
nos terrenos adjaceot's a aerra denominada Ara-
ripe de seu patrimonio, e que diz toreos sido in-
vadidas por alguna propietarios de Ierras con-
finantes.
Portara.0 presidente da provincia, atienden-
do ao que requereu o escrivao do civel e crime
privativo dos orphios da comarca deNazareth
Ignacio Vieira de Mello, resolve cunceder-lhe
tres mezes de licenca para tratar de sos ssnde.
mu0'1' ao ^uil """P"1 d orphioe Jooaquim
I Theotonio Soarea de Avellar. Constan lo de par-
Cioactl da sprrntaria Aa estado dOS necios da
EXTERIOR.
justica de 4 do crrante que S. U. o I. por de-
creto de 2 do mesmo mer, houve por bem remo-
ver a Vmc. do termo de Cabrob pira o de Cim-
bres na comarca do Brejo : asaim Ih'o commaoi-
co para o seu eoohecimento e alim de que entre
logo em exercicio independiente de litlo que a-
preseolari no praso de tres meses contados des-
'- *-*- U-_-
Expediente do secretario do
goverao.
Offlcio ao Dr. chefe de polica.S. Exc. o Sr.
presidente da provincia manda declarar-lhe que
o director do arsenal de guerra tem ordem de
tornecer a repartijio a cargo de V. S. aa tres sr-
mas solicilsdas psra o aervi5o de rondas, pelo
inspector de querteiro do Campo Grsnde no of-
ficio que restitu o e s que se refere o de V. S.
o. 1,133 de 9 do correte.
Dito ao coronel commsoand.nte desarmas.
S. Exc. oSr. presidente da provincia manda de-
clarar a V. S. em resposts ao seu offlcio de 14
do correte, sob n. 1,895, que ficsinteirsdo de
ha ver V. S. oomeado interinamente para exercer
as fungoes de ajudente de ordens desse comman-
do ao major do corpo de estado maior de des-
se Sebastiio Antonio do Reg Barros em substi-
tuido do alteres Antonio Eneas Gustavo Gal-
vao, que vei reunir ao batalho a que per-
tence. r
^ Dito ao iospector da thesouraria de fazenda.
t. Exc. o Sr. preaidente da provincia manda trans-
mtltir a V. S., para o Gm conveniente, a inclusa
ordem do da em duplcala, da reparticio do a-
judante general datada de 5 do corrente sob o.
290.
Dito eo Dr. Aotonio Joaquim Buarque Naza-
retb.S. Exc. o Sr. presidente da proviocia
manda declarar a V. S. que nesta data aub-
mette ao conhectmenlo do governo imperial a
materia do seu offlcio de ti do corrente.
Dito a Francisco Jos Fernandos Gitirana pro-
motor do Brejo.S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda aecusar receido o offlcio de 1*
do corrente, em que V. S. participou ha ver en-
trado oaquella data oo exercicio do cargo de
promotor publico dessa comarca.
Dito.ao Dr. Jos Aotonio Vas de Carvalhaes che-
fe de polica desta provincia.S. Etc. o Sr. pre-
sidente ds provincia msoda aecusar reeebiio o
oficio de 14 do corrente, em que V. S. participou
ter entrado naquelta data no exercicio do cargo
de chefe de polica desta provincia para que foi
nomeado.
Dito ao director getal da instruccio poblics.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda com-
rauaicar V s. para aeu eoohecimento, que ten-
do em vista a sus inforraaco fatada de 81 de
oulubro ultimo, sob n. 331 resolve conceder por
portara de 13 do corrento 40 das de llcenca com
rencimentos para tratar de sus saude, so profes-
sor adjunto de instruccio elementar da freguexia
da Boa-Vista Francisco Sllrerio de Ferias J-
nior.
Bespsehos do dim IS de ssovesafaro
de lHt.
Requerimenkis.
Agostinho Hsnoet do Sacramento.Estando ii
consumada a arremate^o e entregue a casa ar-
rematada nlo tem lugar.
Antonio dos Santos Rocha.O supplicante ser
attendido logo quehsja vaga.
Abilio Fernando de Loureiro. Informe o Sr.
engenheiro director da reparticio das obras pu-
blica. '
Ernesto Augusto de Athsyds. Informe a Sr.
iospector da thesouraria de fazenda.
Francisco FideltesJ de Souza. Nade se dove ao
supphcsnte, como consta da ioormacio do dlree-
tor as obrss publicas.
Francisco Antonio Pereha de Brito.Volte ao
Sr. iospector da theaoaravia de fazenda.
Mastique Jas Vteirs da Silvs.Informe o Sr.
inspector de thesourarie da fazenda.
Joaquim Pereira X.viar aaOllveira.DMja-se
4 tbesostari da fazenda.
Mariano Joai do 8aa.raento.Sellado o docu-
mento volte quarenfo.
Motta Irmioe.-'Ulsraia 0 Sr. lotceotof da the-
asnrsris prortocir,!.
"frt IgnaC,o d'ATila. A' vi.ts de parecer
i. J2B|D p,jr C0Pla P** supplteaale ser
*adreTr,t,qa.iHino CabralTararee deVaaeon-
g^oQforaie o Sr. inspector da theeeuraria da
h,?a cor.reP'>dencis da Psrie sllsae a -
brochure lot.tulada Q Imperador Aeawisis a s
Lr er'",M'^UMnd0 "toiesesai.
.,5?Ve NPUi ~i de Prusato.
nM .Iue** dUia- q se o texto 4a carta
editor da publtceco, serio perseaesOea. e ser-
e..P rndU6 l"^^ SvTmsS. tosa,
esta med,i. de rigor. Bie a carU:
e.u?H 't nMe q?' "* Ir^wlis4a a basa
estar de Allemenhe a dss Estados da V. M. ess
perticuler, nio meooa qoe^i mea deeeie, ase
uro. nheHCld0-de V- M ^M
TrL? d'adoura, obrig.-me a eiripr-ees
m.UrnIBBto V" M* 'Urio dipio-
d7'C"/" 1?. ? Udo. fique convaKdo
oe que 6 a conviccao pessosl que me fez pracs-
uer o esta maoeire, e do oulro, para que as asa-
ses siluacoes sejam dirigidas Irancemaole a sem
pens.menlos re.erv.do. Uaam~* %mm
" Jfe*ua, conferencia qua liva casi V. ii
em Haden, e decleraceo que nio hesilei em Iba
meo.11"' ,^16 V- "'e.r qut. .... 2
Tfil.T,1BeolM reapaito da Allemenhe. e
F,i, h J* C0BdQCta ,l propoobo seguir.
Esta declerecio contm todo o meu pensamento
u,nUnPre"8,,n,eHe: V- M- Pda fezer d'.Uas
US{?. 1U Ju|g.r conveniente, oa de-le mesmo
oublicidade. A minhs poltica interna e externa
tm sido dirigida debeiso do meamo espirito que
v. si. sabe que nunca abandonai seaio no ullimo
momento, e perante a opiniio publica, a espe-
rance de fazer ouvir ao rei de aples as pita-
rras de rasio, com risco de prolooger na Italia
a guerra civil. Actualmente, quando a governo
sardo estirer consolidado, o espirito de desor-
dem ter perdido s sua agilacio. Uma rez ter-
miaads esta queatio, a paz da Europa podar
estebelecer-se em bsses slidas, como oeaca es-
leve. A FraoQs nio lem o espirito da conquista
? a *n'imeoto de honra e de eua propria dig-
otdade. Tenho, tanto quaoto possivel, dado
satisfagao d'estes inslinctos, e a aon-xaceo volun-
taria e pacifica da Saboya pdz termo a uma hu-
miliacao anormal que nio poda sanio perturbar
a harmona europea. Repito a V. M ; o mea ni-
co desejo garantir tanto quanto fr potsiv.l a
E" psra este fim que hoje jse dirig a V. M
a Europa suscitou-se uma inquietaco que to-
dos os das tem augmentado; a Allemaoba prin-
cipalmente, tende, a seu pessr, s lencer ne Euro-
pe o pomo de discordia. E' a V. M. que pertence
e gloriosa honra de guiar essa ootra nacao nos
seus verdadeiros destinos, e ser srbitrio ds naci
allema. Eslou prometo pare tomar todaa aa me-
didas que sejam agradeveis a V. M., e que pos-
sim sjudar a allianca eotre os oossos dois gran-
des povos. Mas a prudencia um dever imperio-
so, sobretudo oes clrcumslencies presentes, e
V. M. tem bastante aabedoria para deixer da
1*0eemiTaaC*Ufi6e' de ,ue c"ec* uau Pw^S*0
Julguei pois obrer como sobersno leal, que
liga um interesse verdadeiro i voasa corda, ae-
celsndo de Dinamarca um mediacio emig.vel
na sus desinteligencia com a coofederacio Ger-
mnica. *
a Sua Migestsde el-rei da Dinamarca est dis-
posto a dar todas as saiisfacec, compatives com
a sua hoors, que posaam contentar a dista. Eu
mesase garanto a sus bos vootede a este respeito.
No conviri a Vossa MagesUde dar, pela sua par-
to, os pasaos necessarios para que este desintel-
Mgencis se ultime pacificamente ? E alm disso
vossa Maaestade deve seber melhor do que oin-
guera quanto ume guerra nestes circumstsnci.s
prejudiceris os interesses europeus, e principsl-
mente os ds Allemsnhs. Pele minhs parle, nao
duvido de que este seia tambera o designio de
Vosss Mvgestade, e hei de oppr-me, por todos
os mefos que esliverem ao meu alcance, a uma
nUte!01" gUerra* Tal ,a"n o deaejo da
s Unamos, poie, os nosso. esforcos, e tenho
razo para esperar, que nio haveri coui. alguma
que altere a paz da Europa, principalmente as
vosss Magestade, como me sssegursvs em Badn.
uver tambem o vivo deaejo que eu teaho de a con-
servar.
Vosea Magestada ter mais do qoe eu a for-
tana de nio ler sido obrigado a comprar a paz a
custa de du.s guerrss.e

L-se oo Cnurrier 4u Dimanche :
Dss qua renta e otto horas qae o rei da Prus-
sla passou em Compiegoe, houve tres ou quetro
consagradas aos negocios polticos. E tamos o
sentimento de dizer i Presie que, segundo os oos-
sos correspondentes, os dous soberanos uso fel-
laram do que o noaso collega chama causa
unida da liberdade a fas nacionalidades. Aa
dues quesies a respeito dsa quaes Napoleio III
e Guilberme I, trocaram mutuamente aasuaaopi-
nioes, foram o conflicto daoo-allemo, eo pro-
jectode tratado comecado entre a Franca eZoll-
verein.
O imperador chemou toda a atten^io do seu
augusto hospede sobre os oergas de que se acba
ameicada a Europa em conaaquencia da iotermi-
aavel questio do Holslein e do Lalemburgo, e
instou vivamente com elle pars que usesse da
sus poderose iniciativa a smpregesee a sua legi-
tima influencia nos conselhos dos principes lle-
maes, sfim de se conseguir ni solacio pacifica s
satisfactoria.
El-rei da Pruseia, respondendo, reoovou e ex-
pressio do vivo desejo que tem do vertermiosdo
o conflicto dsoo-gersasnieo, pelos meios tran-
quillos dss chancellaras cem vaatageaa para to-
dos, com Unto que e Dinamarca compra rigoro-
samente ae compremissos contratados pelo tr.U-
do de 1852.
Segando os neseos correspondentes, s .rgu-
mentsQio de el-iel impressionave muito o troae-
rsdor, porque esto ultimo raconhaceu, al certo
nonio, sobstinscio ds poltica de Goapiagae.
Km todo o caso, Napoleio III receben da parto
do seu interlocutor s promesas de qaa oserie, nss
negoci.coes pendentes com s Dinamarca, do fe-
cundo eapirlto de concili.cio c de que a potiiice
Hernia tea) dado tantas pravas i Earepa.
c O projeeto da Uatadoa da coonasrae Coi
Umbam objerto das coavers.coaa moito breves s
muilas vetad InUrromptdps dos dous principes.
Couss admiravel, eeae tratado, da que os jomas*
officiaes no. tem adnonctado m.ls da ssae tea a
prxima e immedists conelosio, pereda emee-
cado ee ama certa demora, mease depoia da
travista da Gempfege*. As obj*c-des suscit
pete governo prnseiano, em rel{io i. sed., i
.ce viohos, foram renovadas por Gulttrerme I
N.poleiolll.
c O mooarcha allemio mostrou-se convencido
da qae as sedes de Leio serum bem depresea,
subsittaida pelas de Elberfeld. de qqe oitohis
freneses depreciarles fcilmente os da Allesas-
nh.. Nio sabemos o qae h. de verdead em ama
elegante expresaie qaa ee attnb.ua ao rei da Fras-
ais. Reapondendo que o vieho as FUattedS tezia
o bem vioho de Cbsmpagne en Franca, dtsae com
um fino sorriso:que e propno vlnbe de Chsm-
psgaa, unindo-se ase outros vlah os frsaeexee.
actberta sor sabmergir 19 pro?leeUs rheoiaas, s.


i H flgginai n ei um ajiht
uaio di riaiAMS^^jg^ rei&ijp k nvemiro i ise;
floe o mu governo tinha obrl
*ar fiel o Kheoo.
Sejam quaes forem
duvida que oencoa
asa aova e deala Tez vigorosa
godacoes de tanto tense
parajaisigoatura de um Ira
l*Binh* \,
speilo da, ItaUsnbi s
re os dos sobara eoi
correspondentes ato
SMter i*JsftaTque a P
MMcia q
do reiooit
cimente peruviano, a rt'Jug terriloriot cu
fH9*lAn> opemo e Oaio, oasim como o
m
deso. Jutga
momento sen
fH IfVlV"14 re*R0 $ui<. o "torio
WfVefio'a Jfayna que tamben sao perulr-
o abado assigaado, ministro das relacdes
lores do Per recebeu orden do seo gover-
lelfaJI Usle mn
ios,
inco
O Coiwtiuioafe pub
'Cjjjf iaita do re da Prussia ; era assignado
por Mr. Granguillot :
Ja" nio existe o lempo em que a Europa, cer-
ril, nao ousavam os principes penetrar neste dsz
sjwws Tajara wmbs;
paaaoarslguaa. ,*s .'>.
fia dea anno* quasi todos ot rebtanos da
Europa tem vindo official o tradeameate contem-
plar o espectculo singularmente instructivo re
grande povo, arraoaado da repente Is ques)-
toes intestinas que o exhau'riam, o collocado djo
novo, como por milagra, 6 frente das narres. Reta
e principes tioham al ento sabido ana cuita,
como comecam as reTolucoes,; ota aUralque
desejassem saber como coucluem sob a directo
prudente e firme da um moderador" a da uaa
che/e.
. A Pranca imperial, pala iuaipaite, tem aco-
inidosem orgaMb^Wli%Ml%iiat'frgitima satis-
acio, essis teses vTlrsTr'Hao" tero TMnrfiso
senao o que tem ato>maaaf ario ver; nao urna
coa I lisa o mostruosa de dous principes contrarios,
coa uta fin passagerO, oe mesmo a possibtl-
dade de um comprpteisso ralserwel ; mas a s1-
peraoc d que ess'as fotrvhrtis fariam desappa-
ce* prejnizda, raocores e odios; que poriam
termo sos terrores dispendiosos que, ha cincuen-
ta anoos faziam eom qae as nacionalidades eu-
ropea* se conserVassem eonl s armas na mo ;
a esperance finalmente di qua cbagando os *o-
aersoo a esfimar-ae a comprhendr-se os
oos chegariam a compretiender-se e s ama-'
rem-se.
Anda hoje a Franca nao re outra cousa na
visita annunciaJa pwjrlra do rei da Prussii.
Se dermos crdito imprensa de alm do
Rheno, olo acontecen mesmo na Alleroanha. A
presentado ri Guilherme eta Compiegne causa
Ili admiradlo, inquieta e apaiiona os espirilos.
Os jornaes, cujas sympathias exclusivas e
nem conhecidas sao a favor da Austria, affecta-
ram primeir receiar que o orocedlmeoto do mo-
narcba prussiaoo fosse um erro pesado junto
a de passado s ; alguna dsserara mesmo cum
altivez que aquella entrevista tinha grandes pe-
ngos, eque os iuteresses allemaeslam seriacri-
flcadosao egosmo da Prussia.
Era de admirar que um facto tao simples ti-
vesse sascitado tantas recrimioacoes e violencias.
*e ae oo sonbese que, ltimamente, o gabinete
de Vienna. solicitando a allln^a da Prussia, aof-
frera ora cheque junto do gabinete deBerlim. As
condigesqupropunha a Austria eram prtanlo
bem mesperads, se Dos refrirmos" a certas in-
fofmacoes ; sbandoDava a direcc.ao da confede-
acao germnica ; pareca mesmo disposta a fa-
r o sacrificio de todo quanto Ihe resta na Alle-
manba, se a Prussia consentase em Ihe prestar
um apoio sufflciente para consolidar a sus sita-
cao interna, e para vencer a resistencia das na-
cionalidades que reclamar dos1 Hapsbourg asua
autooomia.
Ainda nao ludo, segundo fes fblnas prussia-
as. teotaram-se projectoa maia ambiciosos, e
portanto mais chimericos aioda.
Mas consolidada a Austria, manteria ella as
soss promessas ? A Prussia mesmo nao quiz ten-
tar sabe-lo.
Os scus jornaes recordarsm, com particular
azedume, que Vienna collocava a ingratidao no
pnmeiro grSo das suaa virtudes polticas, e re-
pel iram em termos excessivos a idea de uaia se-
melhsnte allianca, ainda mesmo quando fosse
paga com traiores condicoes do que aquellas que
e propunham. ^
Em presenga desti aitiiude da imprensa de
7nerl!aA0a0r?* e ^enna julgaram a proposi-
to mndar de linguagem. Por urna brusca mano-
i.l\." "'? de Vie0D". Priocioalmente, nao
nesilou em fazer urna retirada airosa. Reconhe-
ceu que era a conducta ambigua da Austria para
Se4
Ro
foi
toca
fon
com
palo tratado de 25 -le Janeiro de Ihas
tao das limites fol provocada pelo ~
Equador, quando, em 1856. pretended atojudica*
aosaeus credores de Inglaterra o dos vastos
nelos, perlencente ao Per. O Equador nao
djeTpsshqualquwproiexta. prou|grliwn;a
do territorios que eato aob urna jutiadicco es
t raogeira e recoobaeM a, UmrjrwMa qnato ot -
r tesa cootinuado por Meto de pirtrfctoow offl-
ciaea. a por em evidencia os ttulos Irrecusaveis
em que a asenta a daenarcicao larriiovial que
servio da base para essea limites, segundo o
principio adiaittido pela diteito puWico ameri-
cano, o qual adjudica s repblicas da America a
mesena exteaoan que ttoham na poca da aun
emancipago, salvo as modiflcs(des legitimas e
reconhecidas quando 86Consummou essa eman-
| eipaca.
a O Equador, que, naa negociares de Gayara
nao eoconirou titulo algum para oppor aoadireitM
qe sustenta o Per; que, reapoqdendo i reoia-
naeo diplomtica, feita em 10 de Janeiro desta
aono ao govorno de Quinto pelo enearregado da
negocios da repblica, conten a eieeuce de
comraercio veneado pelo Equador com os seus
credores. e mandado pelo governo actual deste
pas, ae comprometteu a nao diapor de territorio
algum d'outrtm, a a esperar que a qanstao de
limites fosse resoldtda para despr dos seas cwo-
pnoa. maolendo-se asaim a eatspeta^ao o. 5 do
tratado invocado pelo enearregado do negocios
que na uIm coostrueeo pramnlgada em 10 de
marco de 1861, eonsecaio a clausula de que os
naattas daqutlla repitblioa te fuariam deflaiti-
vamemte par asa dt tratado que houvtstenx dt
esttpular com ot eslados imitriphes a que nao
encetoa novas negoaiaces; qua na publicou
ttulos em que ae contestassem os addun Jos peto
Pera, nem refutara de maneira slguma oa docu-
mantos olRciaes apreseniados por este altimo e
notificados ao goveroo actual do Equador pela
entrega dos exemplares dessa publieaco que Ihe
fez o enearregado de negocios da repblica: o
Equador, duemos n6*, affislou-se das prescrip-
coes do direito publico, doa tratados e da sua
propria constituicao, e do respeilo que ae deve
s nacoes entre si, adjudicando territorios, que
o soberano legitimo nao eedeu nem ceder!, e
que alm disso nao pode ceder o leus direiloi
de protperidade.
Aioda que a le contra a qual se protesta nao
possa ptoduiir obrigacoes para o Per, par isso
que um estado nao tem autoridade para promul-
gar lela sebre objectos que perteoga a um outro
a cireumstaocia especial em qoe se aaka o go-
verno desta repblica, que o Equadorpreteode
submetter ao syodlco de potencias europeas, sob
a forma da anuexaco oa de protetorado, o que
tambeaa tnotivon o protesto do governo peru-
viano, tem tomado necessaria a memoria de pro-
ceder do abaixo assignado para a maootencao
dos completos direitos de Per, adm de os nr a
coberto contra qualquer ventualidade e princi-
palmente, contra a transmisso illegiiima que
debaixo de qualquer nome se pretenda fazer.
O abaixo assignado tem a honra de se con-
tessar, com os sentimentoa da mais alta conside-
racio, da V. Exc. 8r. ministro dos negocios
esirangeiros do Equador, muito dedicado e
obediente servidor.
Jos Fabio Mtlcar.
AS. Exc. o ministro dos negocios estrangeiros
do Equador.
( Jornal io Commercio, de Lisboa. )
mjKwi urn tin
. 4
a Por Isso serla oom, que
dessa empresa, fossem mais
nao tivessem laota economa
que para crdito desea napresa
no entretanto que eocomroada, e
aideravelmente aoa pasaagairss,
.jasanraproe torservidi
'ingl
,l
Tere baixa para a enfermara :
Prancisco Cafricaoo hvrej tebre.
Tiferaro alta da nkrutmtrf > ,
JeeMarquee da Sil',
/oaquim Barbn ftinlltlo1: mI *,nt'
Francisco IMH>do PsWhf si
Antonio (eserare sentenciado.)
Joao (dUo dito 1 .
Jos Damazto de Souza. _
^Jr^Sfi*'**** e blatori. do
18 d ooveaibro do corrate 11 estudanlea.
ApprnwaitnQ "''"p'iQiaalS __7-.
fieproTaTtrnj.-....: .....K... 4

Jijumj jgruirana era
* I0J ai
^e.
frl........... ti
..~v T*- ""e,i!u U 18 de ao-
vembre do crrante it estudantes.
Approvada plenamente. .. 4
neywwrtN.................. 8
_.____"n Total......... 12
tn"T F"Bn^**,'VhWde de dkeiloao Ka
18 denovetnbro de 1881:
. .. *nno.
Ha noel Veira Brralo
eeAIeoear......... Reprorado. "
MpaelAaguotadoNas-
eioaanto Fetesa.... Approvado plenamente-.
Jos Francisco Carnei-
,," Le............ R-prorado.
Urbano Sabln Peasoa
de Meno Filho...... dem.
2* anno.
Bemnndo Pinto Lotoio Approvado plena menta.
Pnciiuno Aotonio da
Um.
GaWiop4a Silla Martina, a ,
JoloAntani^^tCtMha.
Ignacio Nery Ferreira.
m Manotl Mandes da Silva.
Antto^oa de Moraes Sarment.
Jos Felicio de Qreira.
Joa Luiz dos Santos.
Antonio lieardo do Reg.
Antonia Jos- de AI meto a Rtfceiro.
t [nnocoBcio Garca Chavea.
Candido Tereirr Monietro.
Comasendador Maaoal Ciroille Pires Pal cae.
Jalo Arrea MaciMOo.
Itidoro Pereira dos Reis.
Jola Prancisco de Seseimenlo Feltoaa. 1
Joo Pedro de Jess da Malta."
Antonio Ferreira de Sttva JonioP.
Faaatino Joa a Fooaeca.
Flarudo Tertuliano do Reg Costa.
Julio Caldaa Pires Ferreira.
Jos Arrea FerMndet.
Nada mais hareudo tratar-se, levanta-se a
Eeasio, que desigaada para o dia 19 do eorren-
is lOhOrasda manha.
Approvado aimplesmeate.
anno. '
Approvado plenamente.
Approvado simplesmente.
Approvado plenamente,
anno.
PERNkMBUCO.
REVISTA DIARIA.
com a Prussia, que tinha por assim dizer'torca-
o esta ultima potencia a collocar-se frente do
movimeotu reformsdor. Mas que I nao seria urna
Ueagraca debaiav Vale mermo ponto o i.(
a conferencia de Compiegue ? la laocr a des-
confianca entre os liberaes e o re Guilherme, e
ia principalmente alarmar, o Seotimento patrio-
tico allemo. N80 se fallara j da frnnteiras do
Rheno reclamadas e concedidas aotecipadameote
ao imperador Napoleo,' como aeguranga contra
ns.nao sabemos de que imperio unitario deAlle-
manha creado em proreito da Prussia ?
< A imprensa prussiana accrescentamos com
sentimento, laq resolvida perante as promessas
da Austria, raosira-se actualmente menos firme
me face das suas insinuacoes. Balbucia que a
risita do rei da Prussia nio mais do que urna
vstu de cemprimento : o imperador Napoleo
ttaha dirigido a sua carta para Badn, o rei
tmilherme acaba de depositar a mu em Compieg-
ne, eis-aqui ludo 1
A GazeKo de Cotona, o Jornal de Franc-
fort, e algumas outrag folhas mais aulborisadas,
sampto politico ser discutido entre os dous so-
beranos, nem segundo o ponto de vista das ques-
toes extra-germnicas.
a Qual pois o ponto de vista ? Apesar dode-
sejo que lemos d nao contrariar em cousa algu-
ma 1 imprenss, prussiana, e a parte da iraprensa
federal que Ihe est alliadY, par, parece-nos dif
ticil admittir que os soberanos das duas poten-
cias continenlaes mais influentes e as mais sli-
damente encarregadas de vigiar a Europa, se reu-
nam1 nicamente para trocar alguna cumprtmen-
tos banaes de delicatesa.
Queris que da presede do rei da Prussia
em ompigoe nao seja nada menos do que um
acontecimento politico ? Seja, na parle -esseo-
ctal somos da mesma opiniao ; mais do que
isso. H
Se, se nao livese abasado da palavra em um
sentido caprichoso, dnamos voluntariamente que
e um aeonteeiraeolo sociaal ;mitar-nos-he-
aos porm a dizer, se isso vos agrada mais, que
e pelo menos um acontecimenlo econmico.
E sabido, que ha dous auno, proseguem as
mais aclivae negociares eetre Potsdm e as Tu-
lherias, aura de se baixarem 01 direitos das bar-
reiraa do Zolivereh, e abrir respectivamente os
asereados allemaes sos mercados franeezes, evs
mercados frenc-te* sos mercados allemaes.
m feegnndo .Ig.mas opinoe*. iito sera Mt-i
da urna queatio secondaria ;na nossa mantri
do pensar ama qneSISo capital. Os trataiospo-
lHicos nao eonciliam seaio os goveroos ; os tra-
tados commerciaes i^onealiam as rrtc6es. ns,
por mais sinceros e leaes que seiam, potfem rom-
par-se pela menor eircorostancll; os burros por
xneieimperfeltos quede principio se estBelecam
tt prtacipio, Irinmphsm de tdbs os 'obatcnPos e
acabara por doraidar os primeir. Iuierrogue'-se
Jdf9 a antocracalngleza, pergote-se .el'fiar-
ticular ao lord guarda dos cinco portosb' qne elle
fNPjre o que espera do tratado' Konber e'obdem 1
lerJWa ao 'isso urna
fe, qwtecom-
'?oca. A
m-,
que
etjao na
'alsr :.i.-!i
__Hfc*-io'>
ito que ste se arza|K%#2a
.Hertot Jettoio^ a^jgyg
|0lq,de-18M,
f""-^ >| O ri arfhrte, j
prova, ata d'esset pi
pJelendeT, tanto o Me paftPcdA a"
rmesae a reefld 80 sea tSipttf!
fido preverWae, da rca 38 orn
dPlaram coYlosemeTjt sos iros doo
dStn ko. ^ttv^Mifc, rnius.^el
No da 15 ultimaram-se os actot do i. anno do
CursoComraercial desta provincia, cujos resulta-
dos psrciaes temo3 dado nesta neijia scien-
cia do publico.
Da viute alumnlos queforam examinados, ndve
obiireram appio^a pi., ao. eimpK>o, <.
co foram reprovados. Tres alumnos habilitados
para o acto, deixaram de comparecer, tendo-se
assim preterido.
Oeste resultado v-se, que nio foram all as-
similados os precedentes de outras instituices
em seu comego ; por que quando eootava-seque
indulgencia plenaria cobriria a todoa os alumnos
como meio de altracgo, s pralca nao correspon-
den essa prevso, outro foi o resultado da vo-
tagiodos exames, oa qual nao aitendeu-ae de
preferencia a tudo, a qualidade de novo do eata-
belecimento.
Nao queremos com isto todava endeosar o ni-
mio rigor, nos rendemos homenagem iustiga
dislrrbuilva que fez-se all, sem altengo pre-
cedentes chamados de crdito, oa quaea todava
nio passaode um descrefo real para a institui-
gao ora, que por um anachronismo hoje osal-
lia asi.
Uai titulo de habilita gao que se nao d era seu
portador, s pode produzir o descrdito de quero
o confere e o ridiculo d'aquelle que o possue.
Assim, pois, jsmais aulorisaremos essa fac-
lidade ou liberalisagao de ttulos sem a corres-
pondente hablitago do titulado, embora seja
itlo um entrave a grande concurnncia matri-
cula ; por que a vanlagem para o paiz nao est
neata, mas sim no aproveitameulo re3l aiuda
que da poucos.
Has isto effeclivamente afugentar os alumnos?
Ser motivo para que se cerrera as portas d'a-
quelle eslabelecimento de educajio proOssio-
NJo, por corlo.-
Ao contrario, os pas tem assim um garante de
que tudo ae envida para o aprovqjtameoto dos
fllhos ; que -a relaxagao nao tem all throno er-
guido ; e que finalmente cada um recebe a sane-
gao da sus epplicagao, conforme 0 grao d'ella.
Remettem-nos a seguinte noticia :
0 Dr. Bonjean, medico eslabelecido na corle
e vantajosamenle coobecido em lodo o imperio,
nao s pela sa^llustrago, de que prova asua
mui proveitoaa Medecina popular*, como
tambera pela sua extensa clnica, acabou de me-
Jhorar sua cesa de sile, alta na praia do Bota-
fogo,,n. 26.
\ Cartas do Ri. ao ie.m.d vistj, assegu-
im T qUe e9St Ca" de u<*B fl *lhor que
alli ha, pelas suas commodidades, pelo seu aceio
regulferidade do servigqe.prorapta distribuigo d
eoccotros, de que sao ncarregados. alera do Dr
Boojesn. os dstiactos operadores FerreU* de A-
breu e Pertence.
Damos com salisrago eala noticia ao publi-
co, pela ulihdade que Ihe pode provir d'ella.
A concurrencia ao palacio da xposigao ha
sido grandiosa, o a muHiJo continua a allluir
emoepia para alli com o louvarel lim devala
apreciar o que talves jaaais rissem, se nao fos-
ee a presente exposiga.
.,No, lEo H do corrale, p napero dos si-
itanlesmbio MaUpesio,, ^jonjera a 2.176,
que addicionauoa a 1093 doaManlerior i fa-
zem. totahdade^e 5.316. *
Apezar d'esaa concurrepcin denotar que todos
apieasa.m-se a ir visitar e observar os productos
de que coosla a expoico. todaiia devenios lam-
ibraqne nao deve-sa guardar essa visita para os
3?^K U Mr ^" ""f o*JMe -
fpostoa lendo de seguir pata.A*6rte- imperta oee
aejam eocajxotidos de aolenao eu ateal.p.
!crranieelo_ da exposicap.
p amanha por diaote coronare mes um tra-
balbo mais datathado acerca doa objectos expoe-
tos, pon que sao podemos hoje tomar aeU cora-
plata 0 ellas, em-conaaquenciaida arlunaia.dDi
Ti,uSi-..
RemeUem-nee as aeguiotea liokes:
< Por diversas vezes, temos viajada ao vapor'
Urreetre da estrada da Ierro desta pronnaia, |
com admiragio. que tamoa separado, afee o car-
wee^pr^egado aeaso-lRaage, o pelor posaital,
por quanto, faz urna fumaga acartariaia, ana
detWla, a.ini quaUdade.; ,a qual agoiladcMIo
*? reverte pasa oa wigooa, Apando desta
sorteos paasagxiros prejodicados, pois pa* I he a
rouBft m um eaVaao^iat^veaj-tendo^ia- aedH-
Silvelra Freir......
Salastraao d Silva Ca-
jueiro de Campos... dem.
Luiz Ayres de Almeida
Freitas..............
3o
Trajaoo Tiriato de Me-
deiros..............
ioo Silverio Marques
Bacalbo___
Alfonso Jos de Oli-
Tira Filho.........
Francisco AntooioPer-
aaodes Pinheiro Fi-
_.,no ..............Approvado plenamente.
tneophilo Peroandes
dos Siolos ........ Approvado simplesmente.
Frederico Peregrine
Caroeiro Monteiro.. Approvado plenamente.
r. 8. Joao do Aibuquerque Rodrigues, que
tez acto no dia 16, foi approrado simples-
?* aio Plendmeote como por engao foi
publicado.
_ 3* anno."
Domiogot Carlos Ger-
son de Sabois......Approvado plenamente.
Manoel Antonio da
Silva Ros Jnior.. dem.
Livioo Piolo Brandie dem.
Manoel Jos Espiodola
Jnior.............. dem.
.--Paaaageiros do vapor ioglez Villa del Salto
vindo de Glasgow por Lisboa, S. Vicente e Para-
hyba : Dr. Felirardo Toscano do Brito, e Dr.
Hennqae Krauser.
Passageiros do patacho brisileiro Palma,
sahido para o Rio GraoJe do Sul : David Hen-
nque Sat, e em eacravo a entregar.
M0RTAL10ADK DO DIA 17 :
Francisca Momea das Chagas, Pernambuco, 90
aonos, viua, s. Jos ; apoplexia cerebral.
Augusto, Pernumbuco, 6 mezas, eseravo, Boa-
viata j dentrao-
Francisco," Peroambuco, a saeaes, S. Jos ;
aalhrna. '
como jolzes supplemeotares,
ir o numero legal, os seguiotes
se expedio a notificagao do es-
Siquaira.
Pina.
Costa.
Ferri
aoiz Pe
da Costa
ka.
da Silr
nos.
Araujo.
da Silr a.
igues
de Bri
onga
astro Maciel Monteiro.
me entregou, tendo proven
parte do dote que o met
senhora concordaram dar '4 tea il_
Isabel Mara da Trindade Leite, coiava.
[ai me liguel ej^jiitrimqrjo. Becife]
marco "
ti
A noiteclara, vento rebujar do qusdranta do
ptl't'JaaWi^pIPi a terral ao amaobecer.
tBSf fMfcIo oa- auif.
Preamar as 5 h. 18' da tarde, altura 7 2
MtBjsajsjsJhe4 h. 6' da maohaa, aUw
--
rt
ra
Publicares a pedida
TKIBUTOAO MRITO.
Offereeldo Exma Sra. O
Joaqaiaa Pimeutel Ferreira por
oce&sl&o da iof^usta noticia do
passaateato do sem presadtsslmo
esposo o Exm. Sar. coronel Mar
tinao Baptista Ferreira Tama-
rindo.
E' com o coragio tran2ido da mais pungente
saudade que venho fallar, nao de oro homem
vulgar, mas sim de um homem modelo, de no
soldado bravo, de um amigo sincero e dedicado,
de um espeso extremoso, de um cidadao chelo de
virtudes, e em summa do meo serapre chorado
amigo o muito distincto coronel Marlinho Bap-
tista Ferreira Tamarindo, aob cojas ordens tendo
servido largos annos, pode aprecisr de perto as
sublimes qualidades, que o constituan) credor,
nSn s da estima doeees superiores, mas tam-
bera du amor e respeilo daquelles, que tinha a
ventura de ser por elle commaodados.
A (norte desse digno official deixou no qoadro
do ezercito brasileiro um espago bastante difflcil
de pteencher; porque com ella perds a incon-
solavel esposa o consorte desvelado e extremoso :
o governo ama espada, que jamis sonbe recuar
diante do perigo as lidns, por que tem passado
o paiz desde a sua independencia ; os sens col-
legas um amigo lesl e dedicado, e os seus subor-
dinados um protector sempre prompto a pralicar
o beneficio para com quem quer que delle ne-
cessitasse.
Nao o perfume da lisonja qoe me dicta o que
com bem entendido orgulho venho de coofessir
acerca do coronel Tamarindo, e sim o seotimeo-
to mait sagrado do coragio lumaoo agratido
que me leva a testemunhar ao publico a dor,
que mecoube, por to lameolavel perda.
Urna lagrima, pois, verto nesle momento pelo
amigo, cuja memoria ser indelevel em mioha
alma, e receba sua Exma. Consorte as lgeiras pa-
lavras que acabo de dirigir-lhe como nm tributo
da mais siucera e cordial amizade e respailo, que
a sen chorado esposo sempre consagrou o major
Herculano Sancho da Silva Pedro.
Tilia deTacrat, 28 de setembro de 1861.
. Oridia. PuiubUm, 11> nno. ar.rnTO, Bji-
visla ; febre oerniciosa.
Manoel ; Pernambaco, 7 mates, Recite; con-
vulgoes.
-18-
Porcia Cavalcante de Albaqaerqoe, pernam-
buco, M annos, casada, Saoto Antonio ; bexi-
Anna Hara Josepha de rente, Pernambuco,
25 annos, casada, S. Jo ; phtysica pnlmooar.
Mnria, Pernambuco, 10 mezes, escrava, Santo
Antonia; convnlgoea.
Rufina, Pernambuco, 15 meses, Santo Antonio-
enlerite.
Victoriano, Pernambuco, 4 das, S. Jos: eon-
vulgoes.
Laariana, Pernambuco,
enterlte.
Frsneisca, Pernambuco, 18 dias, S.
aphitas.
Rapbael, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio,
eseravo; febre epelclie.
Hichaeiia ; Paroambuee, 6 metes, 8. Jos;
deotigo.
18 mezes, Boa-vista
dias, S. Jos
CHRONICA JUUIClpRII.
JURY DO RQFBJ.
5.a SESS.10.-Q1A 18 D NOVBJIIBRO DE 1861.
Presiencia do Sr. Dr, juiz municipal ia pri-
mara tara, e juix e direito \nterino da te-
gunda. Hermogtmi Socrato Tvarts dt Vas-
concellot.
Promotor publico, Sr. Dr. Francisco Leopoldino
de Guamao Lobo.
Escrivao privativo, o Sr. Joaquim Francisco de
Paula Estoves Clemente.
As 10 horas da maohaa, sendo presentes e Dr.
juiz de direito iotecino, Dr. promotor publico e
eactivao respaclivo, piocedsu-ee chamada,
Cafalha
r.ndk
iqaelrTV
Varejao.
pela qual veri'cou-s q'ue a haviam compareci-
do 09 segumtes juizes de facto :
Pedro de Alcntara doa liuimarea Peixolo.
Jos Luu Perein Jnior.
Joan Vicenta de Jorrea Bandeira.
Antonio Bolelno Pinto de Mesquita.
Jos Mara Pestaa.
load Joaquim Pereira de Cart
PedroDaatte Rotrigaea Fran
(j -raido Laareotino de Siqiat
Jos Cietaoo de Medeirea.
orpai multada em O* pelo nao compareci-
raeolo a Srs. juizes onejwoa (i,.
Commendador Antonio Jos da Castro.
Manoel ToJ.etfoo-de ^Mlvtin^i
Mhomaa Teueira Bastos.
Francisco dePaula Pereira de Andrade
Manee! de Souh Ferreira.
Capillo de fragata Joo B. do 0 Guimaiia*.
Joaqun Jas Manoel Faneira,Antuaaa. ., a-ja^ labn^m .,
Torquato aa SilvaGanapos.
Antonio GeoalropffajraiMb4;mao. \
Ileraeacgitaa Cealb aa fitire.
Manoel JaaqaitB daMiMadaSeMiaa.
Antonio Moreir de Manqoact.
Manoel Joaquim.JrJba. .m"-
Antonio Nunaa da Oseisa. .-
Beeareno Biala> j.. i ai
Pt^ciaaaniaaaaa t\k aatiaa da aaaa Joa Sargia
Jo4oOaa^a4*aaeaSitrira.
JaaAeaepMeaaaaVtanai. .,o dl.iabuia %-.
Judo FraaciKadiatiraMeadatanl eaol
duaeDaajt /Tavatca^anflatv. m *, uj aq
naelheiro Dr. Francisco de Paula Bapliata. I
' a aataaiada gaaaiale Lesea.
Me.Vrdltaadaawaaai^tOri j i m->)uod >b]
>liedJha^ Afttenlo Valentie da SiUa Barraatul a ip aiioaup *
Roflao CartioeatttiPaasoau ->m b on^quii ,l
Jos Cavalcanti de Albujuarqn tMU'i'> ?< 9 <.. j
Antonio igoeeie dea tigo1 aPUareat i oitQ
Andad4o AttM aaawra. ni os ob 11 ib < ^n
Aoaididb gt'e^atiPuaaavUut.^ aep m
Dr. Fid1pailB'tViamXtMl->!>'A an- ni aupejil
* tnethd Paira Joa Pontea.
m 't
publico.
No Otario de Pernambuco de 14 00 correle
corre impresas urna correspondencia assignad
pelo Sr. Canuto Jos Pereira de Luceoa, na qual
inrovado o mea teatemuoho para cooprovar
um facto injurioso contra o meu to e amigo o te-
nente-corooel Joao Barbosa da Silva ; protesto
contra semelhante appello; eaproveito esta oc-
casin, parasiglQcar a meu prente e amigo, o
Sr. Canuto, o desgoslo que sioto por essa lula que
entretem, asquerosa e inconveniente ; e, lambem
para lbe pedir mui particularmente que jamis
se lembre da contemplar-me teslemunha nessa
sua queslao; e especialmente em factos que nao
aejam reaes, como essede que trata, em sua pre-
dila correspondencia. E portento Ihe serei mais
agradecido.
Recife, 18 de oovembro de 1861.
Manoel Thoraaz Barbosa Freir.
Silva.
daSilptfl VS
Pontes.flI.48- 160. ] L o9
tart. ReoileaSdemartjodelgW
lho.CaTOea. lecodaW) V tres
fcatura iCI a : doa id. pofla 12
Barco de 1WI.Em teMeaoutaiiode
verd_aaei=tjaJ^liaQjui)lico, Luiz da
Costa Portocamiro. ------
i abo
-. allun 0,8 p.
eervaloriq do arsenal de marinha, 18 de no-
1*>
Elei$i dts jtiw, jairas e mais tv-
tos que tem de festejar Nossa Seoha-
ra do Rosarla padroeira des canoei-
ras da esU^aa de (Miada a aaaa
de 1862.
0'Ulm, Sr. Joto'Francisco i
a Lapa.
u___ __ "i" por'eltjfcl.
fttrrma. Srr. tV.JtjTTatra Marra deFigaeired.
A IM d JUU Pf >T05a.
O-lRtt: Sr. Ernesto Candido de Almeida rreire.
A^mma. SrarDjSSdfil AuVuVta'cetir de Mello.
L,B Eacrivto por eleiclo.
9 Irlm. Sr. Antonio Janeen de Mello Castro Al-
meida,
Eserivaa por eteicio.
A Illma. Sre. D. Anna Joaqalna Jansen de Cas-
tro e Albuqueraae.
r Escrlrio por deroclo.
O mro. Sr. Pedro Janstn Ferreira.
.. EacflVaa por devocib.
A Illma. Sra. D. Marta das Dores Rodrigues Pinto.
Mordomos.
Os nims. sra.
Dr. Joao Pranklin da Sllreira Tavora.
Dr. Antatrio Marttos lachado.
Antonio Sezino Deoclesfn Goozags.
AtaaHno Alexaodre da Silva BabeHo Caneca.
TeBaotllBenervino Xeira Lima.
Manoel Nuoesde Mello.
Tenante Luiz Teixeira Campos.
Loureoco Guedes Afcoforado.
Jos Marta Marqees Cesar.
Antonio los da Costa.
Jos Mara Marques
Aotonio Borgea da Fonseca Janior.
BrasiHsno Prancisco de Paes Brrelo.
Alexandrioo Francisco da Luna Freir.
Mordomas.
As Illmaa. Sra.:
D. Olympia Lina Caldas. *
O. Igoet Joaqalna Rabello Pessoa.
D. Amelia Elisa Rabello Pessoa.
D. Olympis Augusta Rabello Pessoa.
D. Mara Francisca de Lelo.
D. Rita Mara da Conceiclo.
D. Joanoa Evangelista Raposo de Mello.
D. Rosa Mioervina Gonzaga.
D. Pelomina Sabina de Lima Pinho.
D. Sebastiana Maria Isabel de Jesut.
Thesooreiro.
O Illm. Sr. ajodante Antonio Raymundo Lins
Caldas.
TKKSOTREIROS E PROCURADORES I0TIEAD0S DA
BSTAClO.
Procuru'dorts.
Os lllms. Srs. :
Alexandrioo Antonio de Oliveira.
Joio Francisco de Almeida.
Th eso u rei ros.
Os lllms. Srs. :
Gregorio Jos deSaot'Anna.
Hygino Manoel da Cruz.
O arcediagovvigaTo, Joao Joti Pereira.
(*) Embarcou hontem para a provincia do Ma-
ralo o Illm. Sr. capillo de fragsla Joo Bap-
tista de Oliveira Guimarles. aQm de lomar posse
do lugar de capillo do porto daqnella provincia,
para que fdra nomeado por decreto de 11 de se-
lembro deste anno.
Ao deixar S. S. o lugar de ajadaole da ins-
peegao do arsenal de mariuba desta provincia,
no qual por algumas vezes, e ltimamente, ser-
vio o de inspector, os empregados do mesmo
arsenal, procurando a imprensa para nella pa-
tentearem a sua gratido pelo modo porque sem-
pre os traiou, nada mais fazem do que cumpti-
rem um dever.
Um chefe que, como S. S., aoube sempre man-
ter a ordem e regularidade do servido, e bem
assim merecer de seus subordinados o respeilo
devido ao seu cargo, sem que para isso erapre-
gasse Oalros melos mais do que a alabilidade,
maneiraa urbanas e expressSes delicadas, por
sem duvida digno de todos os elogios, que nao
podem jmais ser trafluzidos por Qlhos da lison-
ja, porque sao dados no momento da despedida,
eqtie nio ppawtarobein ser julgados como um
barateamenlo, porquanlo, alm de ser a boodade
ae s. s. por demala cOnhecida, seria indigno doa
abaixo assigoados darem-n'os 1 quem oa pi me-
recesse.
Digoe se, pois, S. S. aceitar esse sincero roto
oe gratdlo dos empregados do arsenal de ma-
rinha, que almejam S. S. b i sua Exma. fa-
milia orna feliz viagem.'e que, chegado pro-
vincia do Maralo, onde, val desempeohar o
cargo com que o honrou o governo imperial, se
faga recorameddavel 5 eslima dos Marsaheoses
pelos seus.actos de jqstiea.
Arsenal de marjoh, de Pernambuco 13 de no-
vembro de 1861,
Alexandre Rodrigues dos Aojo*
Lqit de Franga e Mello.
Antonio Henriques de Miranda
Manoel'Juvenclo de^fboia. On^ud
Jeronyroo Emiliano de M.randa Castro.
Jov,Q0 Epibanio da Cunha.
Miguel Paulo de Suuza Rangel.
francisco Xavier Cavalcanti de Albuquerqi.
-Ican
Loit Manoel Viegaa. 'S'
losada CostaJlabellp,,
loaqu'lm Leocadio' Viegaa.
fcalo Jos da SilT*.
drfr-io de GvatuKa
tooGb|-
iVo Ja
los Kdd!

Ka,Va>?,!?***lr',"d' 'eSM P.- J^Sebaslilo Antonio de MelloRego.
mus se umpa. ,^MmKm^. I Jote Farree Otltpa.
m
OBI i ans!
11 rasa
ti':'
U0P|, ^j^iqoi j
obeb Ein-ij^i
eoba^untjae os
Jw k :ltl3
suMa
LATnoi iliiBrlfl
' virt i 'I'11'" -.sjliai
o YUiaJa,^, ailp ,,ab

ttecefci do Sr. Joae Joaquim ala CotU
a*ehwv*' ti a o*lian anaJ i i.Ci
i'
que neata dat
t^Pa* atiMa'de aaaAelia'-WAon d aanlP
este a pedido a a ais dial.
OtRR.
COJMUMLBtiHHO,
.......
Novo Banco de Pernambuco.
O banco paga o 7' dividendo de 12$
por acc&o, relativo ao semestre (indo
em 31 de agosto prximo passado.
A directora da caixa filial tem deliberado
espaaaar at o dia 16 do correte o prszo marca-
do para o recolhimenlo das sedulas de 209. O
OCroVaiio tutoiluU, f
Luiz de Moraes Comea Po:,..
Jfe,T,rfJM ^f **P. Idarai-
porlal ordem da Rosa e yota espac de com-
mercio nesta cidade do ReeUe do Parara manteo
e seu termo poPS. M. Imperial e Consttoaie-
nai o Sr. n. pitr^ ti| ^..T1n f^m ginrrto etc.
F15U libar iua\qae o pretauTe edital vtrera efar
. '
288.8744246
, aX.322A648
Allandeaja,
endimentodo da 1 a 16. .
dem dadla 18......
311:1969691
Movlmeuto da alCandeara.
Volumei entrado com faiendas.. 3
> a com gneros.. 1
Volamos sabidos com azendas.. 140
a com gneros.. T78
------ 918
Descarregam hoje 19 de novembro.
Brigue hespanholFlaura cebla, conserva e
presuntos.
Brigue inglezGlaucusoarvao e ferro.
Barca francesa-Jeau Parmatiercarvlo.
Barca americanaHartardfarinba.
Brigue brasileiro Capibaribe charque.
Recebeduria de rendas Interaas
aje raes de Pernambaco
Rendimento do dia 1 a 16.
dem do dia 18. .
17:593*190
531284
18:124*474
Consulado provincial
Rendimento do dia 1 a 16.
Idee do dia 18 .
28 3648111
2:1651.239
30:.V29a650
MoYiDMiirto ao porto.
Navios tahidos no dia 16.
ParahibaBarca ingleza Irie, capillo Richard-
son; em lastro.
Nao bouveram entradas.
Navios entrados no dia 17.
Glasgow por Lisboa, S. Vicente e Parahiba30
dias do primero porto, e 10 horas do ultimo
vapor ioglez Villa del Salto, do 238 toneladas,
capillo Alexaodre Giem, equipagem 25, em
laatro ; ao mesmo capitao.
Aracaty11 dias, hiale brasileiro Nicolao de
43 toneladas, capitao Pedro Jos Prancisco,
equipasen 6, carga gomma e outros generes ;
a Parela Viaaoa.
Cardi46 dias, barca ingleza innie Scatl. de
Sil Uooladaa, capillo Charles Dowell, equi-
pagem 9. carga carvo de podra; a Scolt
Wilson&C
iVafio tahidos no mesmo dia.
Rio-Grande do SalPatacho brasileiro Palma,
capillo Francisco Antonio Ferreira Jnior, car-
ga eseuear. :u
O rapar aegue amanhaa para o Rio de Janeiro.
en a *T
o. "B
9: -*-
. isT" 1 u ni tt> ,i
* m B
Jforqt.
i..i, i .....
111 niei
kthmotphtra

i"..*
$ {fiitmt***
*
~~ 1 n
LdiiiO* J ft .JtO O
3*' S';8 S al
aljo .aole -jiai
Irtentidat.
. UOtSa;
nal


ftnhtti
siaq

5
' -- -
Ib
dellea noticia tiverejn que.p presidente e dlrec-f
teres da caixa filial So baeeo 60 Brasil me dirl-
giram a peticlo do Iheor seguinte :
Illas, e Esa. Sr. Dr. jais, da- eerffaaiclo.O
presidente e directores da caica filial do banca
do Brasil nesta cidade, tendo requerido a preda-
toria'jonta para ser citado na comarca de Gara-
datase Jola Roque Torres para coro oatros res-
ponder a orna ceso de 10 dias, nao tora encen-
trado o supplicado e nem se sabe onde mora-
dor, por Isso requeren os supplkantes faze-lo
citar por carta de editoi, por achar-se elle en
lugar iocartoan+%sabida, requeren a V. Exc.
que se digne adraitr a justieacao doa suppli-
caotes, para que sendo jalgada teja a supplicado
cjudo vti forma pedida masando a competente
caria com o prazo do estro coa a. declaradlo de
flear logo itado par* tofo* o t*reb* da causa
suaemeacloat i a tegrs I emboto) des su p piteaste*
Escrivio Manoel Maria. Pedo a V. Exe. que assiry
lbe deflre.E R: MeProcaradof, R. i, Barata
de Almeida.
E mais se nao contioha em dita peticlo aqu
transcripta na qual eslava o seguinte despacho :
Como requereen Recife de jolbo de 1861.
Aesia.
B mais se ulo continha em dKo despacho aqu
transcripto, tendo os suppcantes prodnzido
as suas lestemeohaa que justiftearam ausencia
do indicado supplicado foram competentemente
sellados e preparados os soto* e sabiram a rai-
nha coneluaio nos quaes dei e profer a senleoca
do theor seguinie :
Hei por justificada a ausencia de Joio Roque
Torres, em vista da prova dada, e mando que as
faca a citc.ao edita 1 cora 0 prazo de SO diasna
forma da le, publicando-re osa gazetas mais lidas
e eos lugares do esitlrj. E pague o justificante a*
cusas.
Recife 6 de novembro de 1861.Trislio de
Alencar Araripe.
E mais se nio continha em dita aentenca aqu
transcripta e em aeu campamento fez o respec-
tivo escrivio infra declarado passar o presento
editsl coro o preciso prazo de 30 dias pelo theor
do qual hamo.eito e hei por citado osupplicante
declarado Jlo Roqde Torres, par* que coapa-
re?a neste juzo, aflm de fallar sobre os termos
da indicada aecao ou fazer opposi^lo que livlr
que o releve da condemnacao e para que o pre-
sente Ihe ebegue ao conhecimento sera publicado
pela imprensa e aunado na forma do eslylo
Recife 14 de oovembro de 1861.Eu Manoel
Maria Rodrigues do Nascimenlo, escrivio a subi-
ere vi.
Trlstio de Alencar Xraripe.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro- *
vincial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia, manda convidar as pes-
soas que qaizerera contratar a conatrucelo da*
pontes nos lugares indicados na nota abaixo co-
piada, a apresentar na mesma thesouraria aa
snas proposta, sendo os contratos effectuadoa
sob 88 condicss seguiotes :
Primeirs. Qoe a importancia das obras con-
tratadas correr! por conta dos contratantes, nio
sendo em caso algum por ellas responsaveis o*
cofres da provincia.
Segunda. Qua o governo garantir a percep-
cln do pedagio pelo tempo e forma que contra-
tar, com tanto qoe os conlribulotes do pedagio
nio paguem em cada barrelra mais do duplo do
que se arrecada as existentes como receita da
provincia.
Terct-ira. O numero de annos para epercep-
ci do pedagio ser regulado em alinelo fre-
quencia do transito que possa haver a importan-
cia e difficuldade da obra.
Quarta. Qo as pontes serio construidas,
segundo as condicoes, planos eorcanreo tos a pre-
sentados pela directora das obras publicas.
Quinta. Qae, em quanto nio Andar o prazo
petcepc.o to pedagio, o empreiarto ser obii-
arin Mn.prur a obra ero perfeito estado, aoa
pena de serem os reparos necessanos foitoa por
ordem do governo custa do mesmo emprezario
que, alm disto pagar urna malta correspon-
dente decima parte das despezas que com isso
se nzerem.
Sexta. Qoe as obras serio inspeccionadas
pelos agentes do governo, nio s quanto sua
constrocso, como no que diz reSpeito aoa traba-
Ihoa de conservadlo.
Sptima. Que qualquer das obras, embora
emprehendida por particulares, ser considerada
de utilidade publica, para que possam ler lugar
as desappropiiagbcs de que por ventura dependa
a sua1 lealisacao, e por isso gosar dos meamos
privilegios que as de mais obras da provincia.
Oitava. Que os contratos assim feilos fleario
sujeitos approvaQio da aasembla provincial
com xeepelo nicamente daquelles que versa-
ren sobre obrss de um valor equivalentes re
conlos de res, ou em que se estipular pedagio,
que nio exceds de um anno, os quaes produzirao
logo os seus etfeitos.
Aofa dos lugares onde devem ser construida
as pontee.
1 S. Joao, na estrada de Po-
d'Alho sobre o rio................ Capibaribe.
* Tuiba, na tilla de Pao d'Alho dem.
3 Cspunga > dem.
4 Motoeolomb, estrada do sul.. Tijrpi.
5 Engenho Trapiche, estrada do
Cabo............................. Pirapama.
6 Trapiche de Ipojuca........... Ipojoca.
7 Porto de Pedra................ Serinhiem.
8 Duas-Barras................... dem.
9 Villa de Barreiros............. Una.
10 Engenho Jundti............... Idam.
1 Esceda................. ....... Ipojuca.
12 Amarigi....................... Amrigl.
13 Geoipapo...................... Sibii.
As propostas serio recebidas at o Qm de de-
zembro do correte anno.
E para constar se mandou ailar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 7 de novembro de 1861.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciaco.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimento da reselucio da junta
da fizenda, manda fazer publico, que ao da 28
do corrente val novamenle praca para aer ar-
rematada a quem mais der, a renda daa casas
abaiio declaradas perteocentes ao patrimonio dos
orphios.
Ra do Azelle de Peixe.
63.Sobrado de um andar, por anno
Ra da Cacimba.
66.Casa terrea, por anno..........
67.'Itrem Sleto, por aono...........
Ra dos Burgos.
69.Casa Ierres,. por anno..........
Ba da Senzala Velha.
79.Sobrado de 2 andares, por anno
80.dem dem, por anno...........
Roa da Guia.
84.Casa torrea, por anno...........
. Ra do Pilar.
98.Casa torrea, por anno........;
As arrematares serlo bitas pelo leapo qae
decorrer do dia da arremaUclo al a fim da ]-
trtio de 18W.
' E P,ra constar se mandn affixar a presente a
publicar pelo Diario.
Secretarla da thesouriris provincial da Per-
aambaco, 15 de oovembro de 1861.O eecrela-
rt. *M> Aonnaciaclo.
- 0 m. Sr. lficUr tkaaaararia ara-
viocial, em cumprimento da ordem do Exa. Sr.
presidente da provincia manda fazer poetice, ca
rio da 28 do correte, pranla a jada da feaaa
di 1 mesma thesouraria, se ba de arrematar a
innoalps -.creado* pelo* R 16. 17 e 31 da art. 4t)
di"Ul provincial D. 510 e bem lm aeg
do*irr,postosdos|ji3e42do:
sefcoiDtes municipios :
Bonito.
5011000
122S000
8100
125|000
753*000
7*3*000
1681080
Sie.


"\
Sacretaria
Dimbuco, 15
A. F. da &ooi
Palia
condecate le
cehain oa
re do termo
vincial a. 50*
un accumnlar
a de deatribotdor, tum n qoe
apretenlem os seos requerimentos instruido
prazo de 60 dias contados deata data.
De ordem do lila. Se inspector
ga se faz fniHko, qoe, exist ndo no*
bmAMBd teraro mareado no
regulMIMF^h infflafoffaMlafto i
2o convidados os seus dooos ou consignatario
virtJ***.-!. no prezo de W^UlacootT
do deotadala, 'laOo o qn.1 aera* eim mttr*>
*m/.hasta twbioa, sea ualheeique tate
todo allegar cawa Igama entra oa oneitos des
t Tenda : sabor :
. Asaaaea n. 1.
t MC, t/18. 1 paoote amoataa,
-ivinhaandex Elrsabeth, entradom
dem 19 de outobct 4 1858 ; a N. O. tetar
&C.
m traveesa triangula M. 4/6. 1 dito ditas,
vindo no navio hamburguez Ctpibiribe, entra-
do em at do junho de 1859 ; Monsen Vi-
naasa & C.
dem II ai, 1|1 2 cairas, *ndas no navio ham-
burgutofCiipibeaibe, entrado oa Si do jalbe de
1859 ; a H. Bruno.
dem letreiro, sem numero. 1 dita amostras,
otad* do rotos navio airado oca 16 oe ju-
oho de 1859 ; so mesmo,
dem BB, 32^3300. 4 ditas, viadas oo afio
hallandez Spocolante, entrada* em 2 de juoho
de 1859 ; ordem.
dem letreiro. 2 embrulhos viodos na barca
francesa sViTantlia. entradas em 24 de dezem-
bro de 1858 ; a H. Brnnu & C.
dem, Idom sem numero. 1 dito vindo no bri-
gue francea Parahiba. entrado em 3 dedezem-
b(o de 1858 ; a J. Keller & C.
Armazem n. 1.
Marca letreiro, aam namere. 2 embrulhos vio-
dos na galera [raneis Adele, entrados em 6
de dezeabro do 1818 ; a J. Keller & C.
dem triangulo H, 343. l dilo vindo oa barca
francesa Cont Rog-r, entrado em 2 de Janeiro
de 1859; a D. A. Matheus.
dem letreiro, sem numero. 1 dito viadoaa ca-
lera (ranceza Adele, em 23 de abril de 1859 ;
a Mauron & G.
dem, dem, n. 1. 1 dito vindo no mesmo na-
vio, entrado na mesma dala ; a Bastos & Lo-
mos. .
dem JBCA, n. 1. 1 caira vinda na bsrea frsa-
ceza Villa de Bologne, entrada em 18 de mato
de 1859 ; a Feidel Pinto & C.
dem letreiro, sem numero. 1 embrulho vindo
no nano fraoeez Porto-Rico, entrado em 30 do
msio de 1859: a 11. Bruno.
dem BK.C n. 5742 1|2. 1 dito vindo na galera
fraoeez a Berth, entrada em 3 de juoho de 1859:
ao mesmo.
dem letreiro, sem numero. 1 dito vindo no
mesmo navio, entrado na mesma data; a Fer-
reira & Arsujo.
Idea S&C. o. 9905. vindo ds bsrea franeeza
Rio-Graode, entrado em 31 do juoho da 1859;
a Sehafieilin.
dem, idem, idem. 1 dito vindo na bsrea fran-
eeza Azu, entrado na mesma dala ; ao mesmo.
Armazem n. 4.
Marca G, n. 20(21.1 csixa vinda no navio Inglez
Raney, entrada em 12 de juina de 1859 ; a
Patn Nash.
dem diamante F n. 20|2l. 2 ditas viadas ao oa-
VJSn ty""" entradas em 13 de outubro
de 1860 ; so capitao.
Armazem n. 4.
Marca A T, sem numero. 1 caiza vinda no na-
vio inglez Linda, entrada em 8 de outubro de
1757. Fura do manifest,
dem letreiro, idem. 1 pote vindo no navio in-
gles Mry Block, entrado em 5 do marco de
; idem.

Honesta, entrado
C de Abr
no nvi
de jonhod
. do Abre. _____
_ 6*r^BSP';
'tb9k**i.i*^$&fc'ii*Mu porta-
gotas flnnjii Bfrr entradle > ettaabro
a 1860; a Praocaae* Sawiaaa aabello &
Filho.
Idea Utteiro idaa.1 cauioaa.viada ao briaee
fHafMz Bs^smoca, eaWada em 16 de ao-
io M; a k. aWia R. H. Unos.
1860
Armazem n. 5
Mares letreiro, sem numero. 1 csixa vioda no
vapor nacional Paran, entrada em 19 de no-
vembro de 1857 ; a Cbrialovao R. C Santos
Mata.
Sam marca o numero. 1 embrulho vindo no
mesmo vapor, entrado em 19 de marco de
1858 ; a Bernsrdo C. P. Sobreira.
dem, idem. 1 dito vindo no vapor nacional
Tocantins, entrado, em 7 de julho de 1858 ;
Sabino Olegario Ludgero Pinho.
Marca letreiro, sem numero. 1 dito viodo no
vapor nacional Oyapock, entrado em 3 de abril
de 1858 ; a Jos Uoreira Lopes.
dem, dem, idem. 1 dito vindo no vapor Pa-
ran, entrado em 3 de abril de 1858 ; a C. Star
&G.
dem, idem, idem. 1 lata rinda no vapor na-
cional Tocantins, entrado em 2 de marco do
1858 ; a Bernardo Ferreir da Foncecv
dem quadrangnlo M. V C, n. 17. 1 caixa vin-
da no vapor nacional Iguarassu, entrada em
10 de mato de 1859; ordem.
dem letreiro, sam numero. 1 dita vinda oo va-
por nacional Paran, entrada em 14 de maio
de 1859 ; a Manoel Joaquim Carneiro da Cu-
nta.
dem, idem, idem. 1 embrulho vindo no mes-
mo vapor, entrado na mesma dala ; a A. SI.
de Amorim.
dem, idem, idem.1 lata vinda no vapor nacio-
nal Tocantins, entrada em 19 de maio de 1859 ;
a Ignacia Francisca.
dem DaM, Mera.1 caiza vinda no vapor na-
cional Oyapock, entrada em 18 de junho de
1859: a D. A. Matheus.
dem letreiro, idem.1 dita vinda no vapor na-
cional Cruzeiro do Sul, entrada em 30 de julho
de 1859; a M. L Lassum.
dem idem idean1 embrulho vindo no vapor
nacional Oyapock, entrado em 22 de setembro
de 1859 ; a Joaquim Vieira de Barros.
dem idem idom.2 caizas vindas no mesmo na-
vio, entradas em 29 de aovembro de 1859 ; a
Julio Rigand.
dem idem idem.I dita vioda no mesmo va-
por, entrada em 20 de abril de 1859 ; a A-
rsojo.
dem idem idem.1 embrulho vindo no mesmo
vapor, entrado em SO de Janeiro de 1850 ; a
Manoel J. C. da Cunha.
dem idem idem.1 gamella vinda no mesmo
vapor, entrada em 31 de agosto de 1860 ; ao Dr.
P. de Lemos.
dem idem idem.1 csixa vinda oo vapor nacio-
nal Tocantins, entrada em 30 de norembro de
1860; a J. Miranda de Andrade.
Sem marca dem.1 embrulho vindo no vapor
ioglez Me iway, entrado em 3 de julho de 1857;
a Bastos & Lemos.
Idm idem.1 dito vindo no mesmo vapor, en-
trado oa mesma data; a Henry Noik.
dem idem.vindo oo mesmo vapor, entrado na
mesma data ; a Keller de C.
dem idem.1 dito vindo no vapor rhftlez Ta-
mar, entrado em 29 de julho da 1857; aH.
Gibsoo.
Idara idem.I dito vindo no mesmo vapor, en-
trado na mesma data ; a Barraca & Castro.
dem XX idem.1 pseote vindo no vapor ham-
burguez Tentonia, entrado em 12 de aguato de
1857 ; Schleiiiu & C.
dem l'HT idea.1 pacote vindo no vapor sar-
do Peirepolis, entrado em 15 de setembro de
1857 ; a A. L. Rodrigues.
dem Utreiro idem.1 embrulho vindo no vapor
intlw Tajrne, entrado em 20 de neeomenr de
1857 ; a LeteHier.
dem D triangulo n. 100.I caita viada no va-
por sardo Petrodolis, entrado eml7 dedezem-
bro de 18.7 r a ordem.
dem letreiro sem numero.1 embrulho vindo oo
vapor inglez Temer, entrado em 28 de marco
de t69 i SeaM* Losaos. ^
dem, idem iaens.1 taita vioda ao meato va-
por, entrada aa 28 de abril de 1850 ; a H.
Greem.
dem idea idem.1 dita viada aa vaoor iagUc
Avon, entrada ma 30 de juana da 1859; a rer-
reira Costa.
dem idem idem.1 caita vinda no vapor iaiac
Avon, atada oa 2S de satembr de 1859 ; a
H. Porster.
dem idea idem.I dita vioda no vapor tastaz
Tayoe, entrado em 29 de setembro de 18w; a
L. Tuso,
dem ieem reec*.-4 eabralho iMMeno
nevie entrado em 17 de navembre de 1860 ; a
mesma. gm
dem idea idem-.-7 patoeis tiados no mesmo
navio aajaatis acnJrdoatMabro de 1860; a
mesma. ..* ..***.__#
Arta'nM n. 8. '0BM9-
Marca A. J. Cunh, *em numero.1 pacote vin-
do o atisjtaa txMugaez LMa HI ettfado em 20
da juao de 1850 ; a ordem.
dem B dem.60 canestras albos, viadas di
baroa aortagueza Cr?a,f entrida em 244e
abril de 1860; aC. J. dos Saneen Callado.
, Aimaaoa n, t. Ji_,,
Sem msroa idem.1 csm vioda no'pstacho ar-
do Daino, ealrado *m 2 da norembro de 1858 ;
a ordem. i ^ --___arj
Mea letreiro idea.1 pacote vindo no avio
soeco Bakcten, entrado ea 2* de fevereiro da
1859; a A. H, delAmoria.
Sea aerea idea.2 pranchoes vrYdttsoo aavlo
hamburguez Amanda, eotrados em 9 de se-
tembro de 1859 ; s C. L. Cambise.
dem letreiro idem.2 atados traaos oo navio
inglez John Mayre, entrados em 29 de dezea-
brode 1857 ; a ordem.
dem idem idem.1 feixe de loare, vindo oo
brigue portuguez N. S. ds Boa-Viageo, entra-
do em 24 de junoo de 1857 ; a Moreira & Ou-
arle.
Idea idem idem.1 dito vindo ns bsrea portu-
guesa Syopatbia, entrado em 3 de fevereirftde
1858; ao mesmo.
dem diamante idem.1 barril com vioho vindo
na arca portusueza Santa Cruz, entrado eos 5
de outubro de 1858 ;- a Thomaz de Aquioo Foo-
seca.
dem letreiro idem.1 caita vioda no mesmo
navio, entrada na mesma data ; a Manoel Joa-
quim da Rocha.
dem M, idem.1 barril cora cerveja, vindo no
brige portuguez {Relmpago, entrado em 18
de maio de 1859 ; Thomaz de Aquino fob-
ceca & Filho.
dem BD, dem. 1 caita vinda no brigue por-
tuguez oCooatante, entrada em 1 de maio de
1860 ; a Barnardino Duprat.
dem sem marca, idem. 72 pessas de cabos,
vindpa oa brigue portuguez Soberano, entra-
das em 3 de margo de 1860 ; a Carvalho No-
gaeira & C.
dem idem, idem.804 ditas ditos, vindas oo
mesmo navio,entradas em 5 de margo de 1860
sos mesmos.
dem diamante C, idem. 8 caitas, vindas Oo
brigue portuguez Esperaoca, entradas em 10
de novembro de 1860, a Jos Antonio da Caoba
o Irmo.
dem R, sem numero. t caiza, vinda no mes-
uo navio, entrada na meara a data ; a Joaquim
Ryode.
dem S, idem. 2 ditas,) vindas no brigue por-
tuguez cBell Figuerente, entradas ea 15 de
Janeiro de 1861 ; a P. A. da Fonseca.
dem JSS, idem. 2 caizas, vindas na briguo
portuguez Bella Figuerense, entradas em 15 de
Janeiro de 1861 ; a Francisco Serettano Ha-
beilo & Filho.
dem OUJ, idem.iO barricae, dada o es -
mo navio, entradas es mesma data ; a L. M.
R. vmnr$v J------r~* -
ijci'i Amd, idem:1 caizs, vinda na barca por-
tuguezs Amalia I, entrada na mesma data; a
a A. R. Mendes.
dem P6, idem. 1 caitioha, vinda no brigue
hamburguez llenrick, entrado em 20 de Ja-
neiro de 1859; a J. Keller & C.
dem sem marca, sem numero.1 caiza, vioda
na barca inzlaza Elisabelha, entrada em 20de
abril de 1860 ; a ordem.
dem JNS, idem.1 dita, vioda no brigue por-
tuguez Esperanza, entrada em 12 de novem-
bro de 1860; a Jos Nuns Saldanha.
Sem marca, sem numero.18 toneladas do pe-
dras, vindas no mesmo navio, entradas na mes-
ma data ; a Barroca & Medeiros.
Marca OMt, idem.40 bsrricas, vindas na barca
portugueza Bella Piaueirense, entradas em
12 de janeiro de 1860 ; a L. Maaoel Rodri-
gues Valenca.
-
Armazem o. 10.
Marca diamante GT, idem.1 caiza, vinda na
barca portuguesa Bella Figueireose. entrada
em 15 de setembro de 1859 ; a ordem*
dem AVRL, o. 4.1 pacote,viodo no navio ham*
burguez Spera, entrado em 16 de fevereiro
de 1859 ; a Bieber & C.
dem A. o. I.1 pacota, vindo no navio ham-
burguez Sperac, entrado em 16 de fevereiro
de 1859 ; s Aetley 4 C.
dem U &C, 0,3288.1 fardo, vindo no navio
hamburguez aOra, entrado em 12 de julho
de 1859; a Schafleilim & C.
Sem marca, sem numero.1 pacote, indo no
navio hamburguez sAlexandren, entrado em
23 de julho de 1859 i a L. A. Siquefra.
Marca diamante travessao, n. 11(16.1 dito, vin-
do oo oavfo hamburguez Paulina, entrado
em 19 de agosto de 1859 ; a Schafleitem.
dem JSS, sem numero.1 caixa, vinda oo na-
vio amerioano Utoesota, entrada em 10 de
outubro do 1859 ; a J. S Sintos.
dem SCP, n. 31.t pacote, vindo no navio ham-
burguez Elisabelh, entrado em 12 de norem-
bro de 1859 ; a Schaflelim & C.
dem H & C. n. 340T1 dito, violo no mesmo
navio, entrado na mesma data; ao mesmo.
dem diamante travessao L, n. 403 1)2.1 pa-
cote, viod.o no navio hamburguez Elisabei,
eotrado em 12 de novembro da 1869; a Bru
rfcC
dem RLC, n, 822.1 dilo, vindo no mesmo na-
vio, entrado loa mesma data.; a SchaQeitim
& C.
dem WO, 0. 8(154. l dito, vindo oo oavio d-
namarquez Ceris, entrado em 25 de Janeiro
de 1861 ; a ordem.
dem M diamante HSG, aem numero. 1 caizs,
vinda oo navio hamburguez Miranda, entra-
da em 28 de janelra do 1860; a C. J. dos
Sanios Amaral.
dem FC8. idem. 1 dita, vinda no navio ame-
ricano aSomers, entrada em 20 de abril de
1860; a Henry Forsther & C.
dem K&CS. o. 341.t pacote, vindo no navio
humburguez aWirk, entrado ea 23 de jucho
de 1860 ; a Kalkmao.
dem lalreiro, sea numero.1 caiza, vioda no
navio Olinda II, entrada em 4 de outubro de
1859; a ordem.
dem idem, idm. 1 dita, vinda no brigue
Wioga Alagoanno, entrada oa 7 de dezern-
bro de 1859 ; a U. Porster.
dem MA&F, idem.1 dita, vinda no brigue-oa-
cionsl Almirante, entrada em 1 de setem-
bro de 1866t*ordi. \ j
dem KS, n.' 5888 f'dlts, vindo oo navio hsm-
bargnee Theckla, entrada em 6 da d-exembro
de. 1860; a Ramos &6ilva.
Armazem o. 11.
^SMik FI, sem numero.1 acote, vindo oo oa-
vio hamburguez Lacee,, anteado em 5 de de-
samara de 1869.; aH. Bruna 4 C
dem SS, idem.10 volumes cooteado formas, de
?er/o, vindos no osio dinamarquet tCeres,
entrado aa 14 da Janeiro de 1860 :. a C, J.
dem dem, idem.20 ditos, coateado formas d
ferro, vindo se oavio iumbwgaea Ca
rite., eotrados am 21 de ter^jwko do
aos mesmos. ,
dem letreiro, idea,1 pacota, viudo no mesmo
1 Matea.
36 traslados.
raa parL-------
[U para ditas.
bTstttlidaa. --.
"! 'Horlr/da ttsMl'
_. -o ,0_-
- dssaneaoes do cooMlbO a*zrfii1straft6
ana fonree1trto 6o arseosl de onVra. d
novembro de fSM.
Bent MfJA**f** Lint,
^tmS^M^'jfSSrtt tobo,
eoronrfvoiai pernio tWftao.
- Pat-S publico ^5e Irfram apprehendidos
Epela delogsefi do terao de Nazarelh desta-pro-
vIooMone-acham era UoposlW.nm Vallo ronol
eaiWb.e o otroatasi de clinwbrancai. Qaein se
"l*r coto direilo aos mesmos apresente-sts a
djasl delegach q%eprovando o sea dominio Ihes
serlo entregues. Delegada de p-licia do termo
de NWreth.'8db novembro ne 1861 O caBttioi
delegado, FrtMcb Antonio d, 96 tTflffWo.
.
DE
'aOf Til
Santfcabel.
Comf aahia dramtica st b atiireeco do
artista Germano.
Bslia ztraorolaarla
*M BENEFICIO DO DIRECTOR E REGENTE DA ORCHE^TA
% no torro ta cdfcr-JrtrfA
J#s Bernardino Correia de Barras
navio, entrado-em 24 assoa/aija da 1860 ;
Parete Vi'
Idea SV, o*. .
porluguaz <& Monee* 1, ^.
^ ->nahfoaWlMO;J-i ion
anaca, .ana nnaaa., i%j
na aarn |0|iaa Cartksttno
WIM9 na saw
*aa ^trntaa^ldoa. tnannv tlatn ate brigu
Mrtuaaoa i. lannoal I, anteada ea U>
noveaarododUtta Bliaa Bapiata da SWa-
Maaaea.rrmavidea--1 antee, naM-tamal-
c ase nave*, aotenoo em 96 aa aerea ato e 1660;
J. a%> ia Silva Hras. r
Quarta seceso da alfindega de Pemaabeo 11
ne natsanida!W61<.'i ab iisi .;
0 3* etcsipvfrario
JoieJoti PtrtiTatfaria.
ctoria geral da instruc-
?o publica.
Fac^-natet a qoem corrvltr, que teodO O Izm.
Sr. prestdante da provincia considerado abando-
iada e cadeira de instraerjiro elementar do 1.
iro do sezo mascalfno da oaoaclt> de S. Mi-
ual de Ipejac. pelo prolStasor los^ritlao da
qu sela ella poesa a cOhcnrso. marcand-se o
prazo 06-80 din. na forma do art. 10 dak instruc-
ces do 11 de junho de 1859. pan a inScrrprto e
process de hsMteei onoppoahores i mencio-
Secretaria da instruccao publica de Parnamba-
co 12 de aovembro de 1861:
O secretario interino,
opubj SaITadoI'Henrll^edeAlBqae^qae.
-^ '! i.....i i.i
- : ", J.l 1 '.. I I II
Gonsulade de Portugal.
O coosul da nagao portugueza nesla provincia
Partiera aos subditos da mesma oacao, qae a
chancellara do consulado de hoieea diaaU na
ra da Cruz o. 6, aegnado andar. ,
Cnsela admHislrattvd.
O cowelho admiaistrairvo. par forneciment
do arsenal de guerra tea e compraros objectos
segnintet:
Par a fortalese da Asawsnt^aodoCtr.
o covados de flele encarnado.
66 corados do dito azul.
2 arrobas da cabe da linho ara adrcas de 1
pollegada. -^g *
Quem quizar veer taea objectos aprsente
as suas propostas een carta fechada na secretaria
do coneelho, s lhrab da manhaadodia 20 de
correte mez.
Sala das soasos do conselho administrativo,
para fomecimento do arsenal de nWfB, 18 de
ne*JBrt>ro do 1881. B '
Btnto Jos LamHha lint.
Coronel presidente.
Ffontiieo Jaqim Pereira Lbb,
Coronel vogl secrelario interino
Correi
Pela adrainittraco do eorreio se faz publico
que boje (19) as 2 hora da Urde em ponto, tari
Techada a mala que deve conduzir o vapor inglez
Villa del Salto, com deslino em direitura a pro-
vincia do Rio de Janeiro.
Directora da? obras mili-
tares.
A directora das obras militares tem de mandar .
juntar os reparos das pecas, e mullos oulros ob- Urna ama de honor .
tactos do forte do Buraco, es quaes consta da re- Un familiar do santo officio.
lagao que tur apreseotada as pessoss que deste "
servico so quizerem encarregar, a por iaso convi-
da aa mesmas a apresenlarem suas propostas oa
dita directora nos dias 19, 20 e 21 do correle
aez, das 9 horas da maohaa a 1 da tarde.
Directora das obras militares de Pernambuco
18 de novembro de 1861.O escriturarlo,
Joo Monteiro da Andrade Malveiras.
Directora geral da instruccao
publica.
Por esta reparticio se faz constar.que tpndo-se
matriculado no Curso Commercial Pernambucano
31 estudanles inclusive 2 ouvintes, perderam o
anno 8, nao tiraram ponto 2, tirou ponto e nao
compareceul. e Qteram acto do pmeiro anuo
80, dos quaes 9 fonm approvadoa plenamente, 6
aimplesoiente e5 reprovados.
it -
zioml
,5U!
tMagA-FEaA. iodepiovembro.
Depois que a orchestra litar execulado a brl-
1 han te ourerlura da pera
SEMIRAMIDES,
do maestro Rossini, subir! i scena o excellent
drama em tres actos, ornado de msica,

A NOVA PSICII.
Masica de composico do beneficiado Colas.
PERSONAQBIfS.
A rainha de Hespanha D. Carmela.
O principe de Aragao, sen ma-
rido......... Germano.
Paulo Gines, raoleiro. Teizeira.
Giralda, sua desposada D. Hanoela.
D. Jos d'Atocha, primeiro gen-
tilhomem da rainha .
D. Manoel, fidalge da corte. .
Pn
Perderaro o anoo.
os^atnos rrt'itoa.
o Rjlirinino aat
Jos Joaquim de Miranda.
zeram acto do primeiro anno.
Custodio Moreira Olas.
Juvencio Temporal.
Miguel Fontoura de Souza Maalhaes.
Henrique Das de Freitas.
Sidrooio Augusto de H>Hnda Soares.
Gustavo Olympio Ferreira Alvares.
Jos Candido da Silva Pessoa.
Nao tirarsm ponto,
Luiz Bernardo Castello Branco da Rocha.
Pedro Samuel Aones Jasme Pires.
Tirou panto e nao compareceu.
qui
Fiz
Jos DelQoo daSilra
Carvalho..^.... ... Approvado plenamente.
Verrato Serg de Mou-
ra Mallos............ dem idem.
Joaquim Jos Rsyeaun-
do de Mendonga..... dem ideo.
Carlos Jos Dias da
Silva................ dem idem.
Joaquim Jos lavares
, Juu'or.............. dem idem.
Jos Joaqnim Borges
Ujbda............... idem idem.
Jovioiano l'ernandes
da Silva Manta......dem idem.
Antonio Pedro Ferreira
L'0)................ dem idom.
Thomaz Brrelo Los '
deBarros-,........... dem idem.
Manoel Cardoso Ayres
Jnior.............. Approvadostmplesmente.
Joaquim AlvesPereira
da Fonseca.......... dem idem.
Joio Landelino Dor-
nellas Cmara....... dem idem.
Joaqnim Fraociaco Bor
gea Ucbda........... dem idem.
Maximino da Silva Gus*
-,mi0........*......dem idem.
Narciso Duperron..... dem idom.
JoSo de Sooia Marinho Reprevado.
Iunocencio Jos Perei-
ra de |.yra.......... dem.
Affonso Sergio de Mou-
ra Mattos............ dem.
Antonio Jos Alves de
Carvalho............ dem.
Ernesto Alves Pacheco. dem.
Primeiro camponez
Segundo dito.
. t
Raymondo.
Vicente.
D.Anna Chaves
Leitt.
Santa Rosa.
Campos.
COMPAIfHIAPERN
ra
^o costein a vap#p
'Rio SftindfedoN6re,Ma.
O vapor ilguarass* tommandsnte Vanos,
aahirA para oa porto do oorte de ana escala
ate 0 Ceara no din 22 do correte mez b a
horas da tarda.
Receba carga at o da 21 ao meio da. En-
commendas, passageiros e dinheiro a (rete at o
da da sahida as ~
doMatfoa n. 1.
*****
e meta horas etanra\
ibu para cooduzir
t horas: escriptorto no For-
0 vspor alguarass,~que tem de seguir par
o Cear tocar ao Acareen, para largar qualquer
porcao de carga e passageiros que para all haja
a tratar no Forte do Mallos a. 1.
Lisboa,
Sahe mpreterivelmente ate o da 23
do corrente, a muito veleira barca Li-
ma I, s recebe passageiros para os
quaes tem excellentes commodos e p-
timo tratamento : a tratar com os con
signatarios flarvaltio, Nogetra a C,
na ra do Vi|aro n. 9, prilheiro atfdar,
ou com o capilao na praca.
MaranMo
Segu em pencos dias o palhabole aadooal
Santo A maro, capitao Msooel da Silva Santos,
para alguma carga que'anda pode recebar trata-
se com o seu consignatario P. L. de O. Azevedo,
ruido Trapiche n. 12.
Pageos, dalgos, campouezes, etc.
Terminara o espectculo com a graciosa e mui-
to applaudida comedia em um seto,
Quem casa quer casa.
Os ictervallos serao preenchidos com escolhi-
das percas de msica.
Os beneficiados se recommendam pela primei-
ra vez i proteegao do Ilustrado e generoso pu-
blico pernambucano, pelo que se confessaro
eternamente agradecidos
L
Avisos martimos.
Maranh e Har.
Segu com brevidade o hiate Lindo Paque-
te por ter grande parte de seu csrregamento
contratado ; para o resto trata-se com os con-
signatarios Almeida Gomes, Alves & C, ra da
Cruz n. 27.
Para Lisboa
O patacho brasileiro Julio pretende seguir
para Lisboa oestes oito dias, tem parte de seu
csrregxmeoto prompto : para o resto que Ihe
slta, trata-se com os seus consignatarios Aze-
vedo & Mendes, no seu escriptorio ra da Cruz
numero 1.
Para
em direilura o hiate Santa Cruz, recebe carga
a trate : a tratar com Caetano Cyriaco ds C. M. &
Irmo, no lado do Corpo Santo n. 23.

Secretaria da instruecu publica da Pernambu-
co 16 de norembro de 1861.
0 secretario interino,
Salvador Henrique do Albuquerque.
Companhia de
Beberibe.
S5o contidados os Srs. accionistas da
Companhia do Beberibe a se reunirem
em assemblea geral da mesma no da 18
do corrente ao meio dia, como determi-
na os leus estatuto, e especialmente o
3* do artigo itl1 dos mesmos estatutos.
Escriptorio da Companhia do Bebe-
ribe 9 de novembro de 18W.
O secretario interino,
J ust n o ereira d Paria.
CoBselho administraUfo.
O eonselho adtaostrUve par le mecite oto
do arsenal da foorra tasa da cenara es objacios
aegtunles:
Para o 10 batalbao de infantarla
6 resmas de papel almaco pautado.
6 garnfs da lioU preta nara eanseier^ <.
SKda*.^apar.e.cnPt..
'W'ttfartf h CoRefOH de chrtet pata
ptjncioiantes. nl 9b I
34aJaadat.
M lgraoimaltcaaportugtteias por Monte Ywhe
segubda edi^ao.
12 compendios da anlhmelica por A Tila.
Ri Grande do Sol .
aegue no dia 28 do mez correte o patacho Bom
Jesua ; para o reato da carga que lhe falta, tra-
ta-se com Caetano Cyriaco da C. M. & Irmo, no
ado do Corpo Samo o. 23.
Pra Loanda.
Segu coa a powivel brevidade o brigue por-
tuguez Viajante : para o resto de carga e pas-
sagens trata-se na ra do Vigario n. 19, primei-
ro andar, com o coosigoatario J. de Aquino Pon-
seca.
Para o Rio de Ja-
neiro.
O brigue nacional Almirantes pretende seguir
com mulla breadade, tem parte de seu carrega-
mento prompto, para o resto que lhe falta passa-
geiros e esersvoso frete, para o que tem asseia-
dos commodos, trata-se com os seus consignata-
rios Azevedo 4 Mendes no sen escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Rio e Jaaeiro
0 brigue nacional aConceicaoe pretende aahir
no dia 8 do corrente, e s recebe escravos a frete.
Para Aracaty e Ass.
Hiate Santa ta sahe coa bredade trata-se
com Martios 4 Irmios.
ik

Baha.
Para a Baha aegue em poucos dias a escuna
nacional Carlota, capilao Luciano Alves*da Con-
ceiQao, para alguma carga que indi recebe tra-
ts-se com o seu consignatario Francisco L. de O.
Azevedo, ra da Madre de Daos n. 12.
Para o Aracaty,
o hiate Iracaty segu nestes dias, mestre Joio
Henrique de Almeida ; a tratar com Tasto r-
meos.
Para
fem direitura.
Segu para o indicado porto, o bem conhecido
brigue escuna Graciosa, capitao (Joo Jos de
Souza, por ter parte de seu carregamento adian-
tado; para o resto trata-se com os consignatarios
Almeida Gomes, Alves & C., roa da Cruz o. 27.

carga at o dia 19 ao meio
dtoantfo a fre al o dia da tenida se 2 botas
eecriptoro oo Forte do Matto o.l.
rtsmoa
1
Ltfies.
DA
Arinaco da ra do Raugel
numero 22.
Terca-feira 19 do corrente as 11 horas
em ponto.
O agente Costa Carvalho leodo levado a leilio
por mandado do Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz espe-
cial do commerclo, da taberna da ra do Rangel
n. 22, arrestada a Costa Guimaraes & Res, o
como s effecluasse a venda dos gneros existen-
tes na mesma de novo tira leilo da armarla
com tadoa os seus perleocq por isso roga a .
pessoss que tem preleocoes ajdita seu comparec- a-, ... .^.
_~. -. i.,..,.i.v nbrtt flma mencin a ao. ""_?
50ARuadaCadeta do Recite5o A como8f,ja r,c"
Movis americanos constando
de ricos grrda-roupas de
njgiro, nwjBas redondas
com tara pos de mar mere,
mesas elsticas, costurei-
rasr estantes para livros,
secretarias, cooslos, com-
modas com armarios, ditas
com espelhos, ditas com
pedras. apparadores, co-
lumnas para p de camt,
camas francezas, toilette,
bancas para jogos, porta-
toalhas, cadeiras de balan-
co, toucadores de fetios
modernos etc., etc. Objec-
tos para quartos, camas de
casal, comnodas, lavato-
rios, mezinhas e eadeiras.
sendo estes objectos de gos-
to inteiramente modernos,
espelhos com molduras
douradas de todos os tama-
nhos etc.
Terqa-feir 19 do corrente.
Aotunes far leilio em ten sraasea aa ten
do Imperador o. 73, dos ricos a bem aectaoen
movis americanos cima mencionados, pava
que convida a tolas aa pessoas que gestea de
nnir a coramodidade do preco a perfeie.ao ala
obra, qu nao deizem de coacorrer o referido
leilso, que ilem das peci upraeitadaa seaan
traro aioda mattos objectos ineisaenaava
urna casa de familia. Comeceri aa 11 horas ea
ponto.
LEILIO
DE
Louca.vidrose porcelanas.
Quinta-feira e sexta das 21 e 22
do corrente.
Na ra Nova n. 30.
DasIOhtrastJaaaihaasSa tarar
e das 4 as 8 da aaite.
UDLfi
DE
Farinha de trigo.
A 20 do corrente.
Philipps Irmaos & C. farao leilao por interven-
gao do agente Oliveira, e por conta e risco de
quem perteeer de 250 barricas de farinha de
trigo da marca Baltimore extra, a variadas a borlo
do patacho americano L. C. Watls, c apitio Spoo-
ner Jenkins, na sua recente viagem de Baltimo-
re psra este porto :
Quarta-feira 20
do corrente em seu armazem sito no eaesd'Apol-
lo, e combar as 10 horas da manha imprete-
rivelmente com os concorrents que estiverem
presentes, visto ter dito agente de fazeroutro lei
lo loja em seguida.
LEILAO
A 19 do corrate.
Henry Gibsoo far leilio por intervencao do
agente Oliveira, de grande sortimento de fazen-
das inglezasaa mais proorias do mercado :
Terca-feira 19
do eorreote, as lOhorss da manbSa.'em seu ar-
mazem na ra da Cadeia do Recite.
LEILAO
DE
Farinha de man-
dioca.
Quarta-feira 20 do corrente
O agente Pinto tari leilio por coala e risco de
quem perteocer e sem reserva de preco de 1,200
saceos com farinha de mandioca, as 11 horas do
dia cima mencionado no trapiche do Cuoha.
O agente Costa Carvalho fara leilo nos diaa
cima marcados de um grande torliaente de
louga fina egrese, vidros a porcelanas, a ven-
taje dos compradores e para isto convida a le-
dos os senhores a comparecerea, corlee 40 qae
tudo se veuder ao correr do aarlello.
LEILAO'
DE
\
G0MPAHHU PERXaMBICU
costeiraavapo?
O tatoc Persiounga, com mandan te Meara.
para os portos do sul de sai escala qo di
------ r---------- i.w. =u. o o.j csuau uwuia *** v^..,.v, vu|tl,iue UC UUl CCIdHd.
20 do corren* as 5 horas ta tarde. Recebo cs>mo rifio ferro,, feca e bnciat um
carga at o dia 19 a o meio dia. Passaeeiros & .. ,*l*w>Mg"W. e oCai UO
Com esplendido Juoch.
O agente Hyppolito autorizado por
tima atnilia ettraageira qae se retira
para fora do imperio,fnra' leilio de tana
esplendida mobilia de Jacaranda', guar-
da loucas, guarda roupot com espelho e
sem elle, uma excelleote secretaria de
Jacaranda', camat de ferro para casal e
outrat, um encllente carrinho ameri-
cano e cavallo, obflcto de porcetana,
ate a <
O palaaboto Arsla pretende sabir per leda a
rerale aeaaat i>r ter j4 ua 4ce4aa car-
regaaeota a borde, e para reato e escravos a
(rete, trata-se coa o propietario Btrtholomeu
Lourenjo, aa raa da Madre do Dos o, 2.
"Ur-in iMiitm rhmtmi
a cachoetra de Paulo Affonso do Rio de
% Francisco, e ultosobjectos d gott
que se torna enfadonho. meocioaur, na
mesma occasiSo sera'Tendido 13duias
d gan-afai com conhak de superior
quaUdade; Tercaietw, t 4q oorraolel
ai 11 horas em ponto na Capunga sitio
do Sr. Sampaio contiguo ao do Sr. Bra
Mobilias e pecan avuleas.
O agente Guimarea leudo de transferir
araazem e nao lhe cao vindo (atar sea qa d-
minua parte de s"us innmeros movis, laaa m
solvido fazer leilo no dia e hora abaixn eectara-
do era o dilo seu armazem na roa do Imperador
udo md< ..II. criar atanee*.
seja ricas e completas mobilias de aaane.
nogueira e amarello, e bem assia de varia pe-
cas avnlsas como seja camas fraocezas de snaaj-
no e amarello, apparadores de aogno, roaa
dase guarda vestidos e nelmente ludo aania
necessario para o dono de oa cas de familia .
tambero vender urna porgao da tola, cont de
lustre, fio para sapateiro, pecas de franja te-
da com 10 varas, ricas joias de ouro, e .aa in-
finidade de roopa feita' as 11 horas do da
Quarta-feira 20 do corrente.
Avisos diTersos.
LOTBl
As rodas da segunda parte da primea-
r lotera do Gymnazio Pernambucano
andarao impreteritelmente no dia sexta-
eira 29 do corrente. Os billter.es acbaan-
te a venda na thesouraria das lotera rata
do Crespo n. 15 e as casas commiseo-
nadas. As se r tes se rao pagas como de
costme.
O thetoureiro,
A J Rodi igues de Souza.
gan#^aay^adaa>aatjtjtjtjtjtisjtjtjtj
!
bacharol Wixatvio po-
de ter procurado na raa
Nova o. 23, tobrado da es-
quina qo volt para a
camboa do Carao.
Attenco.
A enliga cocheira d'al'n da ponte ta noveaco
de Beberibe contina a receber cerro a c*vU..
O Sr. Joaquim Lias da Conta Wao-
derley, filho do Sr. Joaquim Jote da
Costa morador nos Afflictot, tenha a btjn-
dade de dirigir-se a run da lmperaJJriz
n. '. $ a negocio de seu nteresee.


Attenco
Burros para Tender,
Espera-se breremetrle de Monterialeo
um carregamento de eeaxa de 99 a
100 burros, os pretendientes queiram
apparecer na ra do Trapiche a. 8,
cata de Renry Fortter a C.
Gabinete medico cirurg
Ra das Flores n. 37.
Istia darlasenesa
'1:
cas pelo Dr. Estevso Cavaleaott 4a Alta- i
, djLMdnafOJ^A.Jj^aAj^ VAdAnf aaUasstsVdaA aann^JJs^snsVjA^ JJntnW
i cudiado so chamdo* coa a tmaior bt$>-
2.* Molestias dtUHatte. Z
8.' dem do oinee. j
4.* dem dos orgJos genitaes. dj>
Pratlcaritoda equalqaar eperacie aa tjt
ttu gabinete o ea cea ene annotat cae dj>
TTT


**fe j\NEimo
Aa
lamenta ffli&ER VmS^ ^^meot9 *>'<. "9* c.,? .o bom tra-
i. rtot tnleiraraepte ind^oeodeertes. com ai cbmmodidadei e segorancas necessarias pe-
alienados de ambos os lexoa, os quees serio tratados com todas as atteocdes que 6 leu estado
'"par. i
Ttao conducho gratis para o eslabelecimento os eofermos, livres oascraves, que se awe-
obmio consultorio do medico director, ra ueiua. 77; primeara aliar,.a. ieloaer dia
o meio dia a. 2 foro, da larde. TLT iUtrnOT^T^ITOfl IWW
ALreu e Pertenee sao os mdicos operadores e consultores de* casa : o
ra
reclamar.
Tr.._
senlarenvao
til, do
i
Dr.BonieaB dirige o aer.viqa medico e resije do estskelecimento.
Operaba, consultas pedidas. saDguesugss, ^inhos friw, oyentes, wlphoree de Tdaor
sio pagos en separado. > ^ '
O pre^o ser conforme s escolha do aposento, porero em '
Ssla para pessoaa^ivres................ 3*000 ppt 1U. i 1
n2atM"S!^:::-.-.-.-. 3ft{n?cKl
> ( a-*
Pagamento 15 dias adan lados.'
O Dr. Bonjean achsr-se-hs lodos.os dias da semana em seu consultorios-rus DireiU u.32
do meio da as i horas da tarde. '
.W^v'i ----.
'ernamboeo, um seu to de Borne Joaqun F
iWMa Cien, a aip lendo su. familia rescoldo
quio, a algams ptssoa qae i conheca, oa tiver
cooheciao, de dar lgumM lutormacoes a respei-
,1a eesla cidade da IV ra buco em casa do Sr.
Axevedo Rio de Janeiro S4de outubro de.186t.
loa Vai d'Oliveka.
.*. Aluga-sop sobradada ra da Aurora, boje
perlencente aoa herdeiros do finado desembarga
dor Rocha Bastos, com excelleoies commodos pa
ra ande familia ; a tratar na ra do Creapo n
5, toja de Marcelinot& C.
Na ra da Cruz o. 33 se aluga t m preto mo-
50, ewnJitire, e.uma choola coxiubeira.
- Joseph Lealnont, subdito belga, tai a Eu-
ropa.
Fr~ Joaijel dorlos Jorge, JJrooileiro, sai
O sobrado de ous andares n. 23 da ra de
lacerador, a.liado em 16:000f, no inventario
do finado Domiogoa Antonio Gomea Guimaraea,
vai em praea a parte da quantia de 4:7511819.
" *b'r}^ ds quinta parle na imporlancia de
i402; leaca-felra 19 do torrente, finda a
, do ju,, q> orphjo^
Ra do Crespo numero 17.
baratsimo.
Cambraisa brancas bordadas para vestidos de senboras a 79 a peca de 9 varas.
Organdys de cores delicadas a 500 rs. o covado.
Cassas de cores faienda flna a 240 e 280 rs. o corado. a
Manguitos e golliobas psra senhoras a 29 o par.
Golliobas ulliroo goslo al|.
Manguitos a 3 o par.
Entremeios ricamente bordados a 2$.
Tiras estrellas e largas bordadas para edeites de vestidos de 2* a 5* a peca,
Saias bordadas da 4 pannoa a 49.
Sajas bordadas de 3 pannos a 29500.
Saias balao de musaelioa com baados a 6$
Chapeos de palha de Iiala para aenhora a 28$.
Ditos de seda para senhora a 129.
Manteletes de seda
o que ha da maia aaodarnode diversas precoa.
Ditos de fil muito bonitos a 30j.
Vestidos brancos bordados a 20a.
Ditos brancos bordados s 79.
Chitas franceas de todas as qualidades a 280.300, 360 e 400 rs. o corado.
Madapolao de todas as qualidades a 49,49500, 59 a 79 a peja.
Outras maltas f a rendas de goslo e pregos baratos.

!*
ELIXIR DE SALDE
los Vaz de Olireira.
Ma
> Oireira, natural d. fregueaS d# t52SnJ?l5 V ." tW,wf ** ru* d* S>
lacdaifaVAa GauvXa em (Elu* 6o"?,1> rt'di-is,0Matrii, oaepuUeira de
Dentista de taris.
15 Ra Nova 15
Citrolactato de ferro,
l3nieo deposito na botica de Joaquim MartvuVio
da Craz Correia., tua do Cabug n. II,
em Pemambueo.
O Dr. H. Thermes (de Chalis) enligo pharmaceutico aprsenla boje urna ora nrenararo
de ferrocom o nome de elixir de citro-lactato de ferro. preparajao
ri.rteCr..0h^U.bi'?U vanadas, maso homem da eciencia compreheode a necessidade e importancia de urna ial rarie-
au.-aA/uTii!^ bjeCt de "Vmporlancia em therapeutica ; um progresso immenso
quando ella, maniendo a esseocia do medicamento, o torna agradavel, fcil e possivel para todas as
idades. para lodos os paladares e para todos os temperamentos P "
Das numerosas praparac5ea ae ferro at hoje cooheeidaa oenhuma rene lio bellas aaalida. -
des como o ermrde eitn.laclado de farro 1 .au aibor .aradarel. Aune p tomar-se em as aat Jt" Go
quena dose, e ser de urna prompta e fcil dissolugao no eslomago. Te modo que coifipletRrienfS *-.....-?- -
asaimilado; e o nao produzir por causa da lactina, que cootem em sua composicao, a constipaco da ro de 1862, qi
FradaricGauiJer,crargiodentUu,fazJ
todas s oparacoei da sua arta acollocaf
dentesartificises, tudocom a supariorj-
dadaaparfai^oqupai peiSMiantandi-l
das 1bereconuecera.
Tam agua e psdentifriciosetc.
"".*,ag"t,e Prt**1'* "i* da ra ds Im-
perstnz n. 43, com muitoa commodos, e tambem
loja; a trataf na ra do imperador n. 67, no
aegundo andar. '
Offerece se para ciixeiro de qualquer casa
commereial urna pessoa, pois que tem alguma
pralica de escripturajo porpartdas dobradaa
quem precisar annuncie para ser procurado, oii
dinja-sea estatypgrjpbia. '
Jos* Marta Alvea retirarse para o Rio de
Justino Pancada pede pelo amor de Dos a al-
gum chnstao que lhe ensine o meio de exercer a
prossao de radio consumado, com a vaotagem
de poder ter aempre dioheiro para por na oreiha
da sola e esperdi?ar. Pode aemelhaute esmola a
alguma alma caritativa, porquaoto at- hoie para
poder ser vadlo cerno de faci fui, e promelle
continuar a ser, sacrificoa e jogou quaoU herae-
^azinhalhedenaram alguns prenles, caloteou
ponto de sar chamado pelo Diario aara pagar e
nao haver mait quem fbe fie, nemfiapa de pan-
no, e Analmente quebrou trea vezes, a prlmeirs
quando foi carroceiro da alfandega, asegunda
quando foi tamsnqueiro e a terceira quando foi
traficante de charutos urados. H
_ ., O qutbra esouina.
truariba quando se remeche
quer chumbo.
Previne-se ao Justino Pancada, que se conti-
nuar a mochar com quem eatava quieto e s leve
etem para elle desprezos, ha de ver o bom e o
bomlo, e tale tanto que o acabaro de p> dou-
do. Hoje da-se-lhe a amostra ; e se continuar a
remecher-se, a menor insolencia Hie saberi a mel
de coruj.... tome sentido.
. O curandeir do cholera.
Hoje depois da audiencia do juizo doa orphioa
val ultima presa, nato nao ter havido audien-
cia oa sexta-feira ultima, alguna trastes, como
seis raarquezas. mesas, etc., ele, perteocentes ao
espolio de M. Caroeiro Leal.
Previne-se a qualquer pessoa a quem lhe
for spresenlada orna letra da quantia de 150 na.
aada e aceita pelo Sr. U.do.I Jo.q.i, iamrt*
Justino Gomes de Almeida, no dia 15 do DutubVo
rwta-uwaiMt corren te, da ra da S.
.----._..._. .w r tirar waiu nc
tazar o fa0fri entregar na rea do Oaaimado.
loja o. 13. qua-atribam raoamaansada.
~ AH^.-aa a eaw-ft*eM*lee1a da Baa-
?asm, rea doa Prazeres o. 14, a lada do boapi-
lal Pedra 1 i, coso adulos ceaamodos asa Cami-
la, retlneada toda da nova a tratar no Recife,
trayessa da roa da Madre de Deo n. 18, segando
andar, das 6 s 9 do dia, a das 4 s da larde,
prec* comaodo.
Quem precissr de um prato aainhslro, di-
rija-se ao escriptorio n-. 42 na rus da Crui.
No largo da Aseemblee n. 16, precisa-ae de
.um asaravo para, conduair tabaloires, a fazer o
mais servia dcasa de pisto.
Aluga-se o primairo andar o. 39 da ra da
Imperatriz, teodo oandarmuilps commodos, ler-
raco e quintal com sabida para o Capibaribe ; a
fallar na mesma ra, casa n. 21.
Hojefiopa a audiencia do Sr. Dr. juiz mu-
Blcipajda 1.a vara ser arrematado por venda o
eogeobo Aguas-Bella, com todos os sena pec-
.leoces, av,do por 16:0009, por execncio de
Jos Psuslioo de Lemos cootra Jos Rodrigues
deOUVeirsLima.
Arremataco.
Hoje 19 do crreme, depois do meio dia. finda
* audiencia do Sr. Dr. Juiz municipal da 1. vara,
lera lugar a arrematado dos nena penhorados a
Antonio Jos ferrira Jnior por execuco qae
moye-lhe Tbeotonio Pelir de Mello, teodo dei-
xado de aer arremaUdos nos das j anouuciados
por impedimento do jaizo.
Hoje finda a audiencia do Sr. Dr. juiz da
orphaos s hio de arrematar tres escravos, sendo
uma prela^uma parda e om preto .por exocuco
"J" < nvenurlano do fallecido coronel Ha-
Ouarta-feira 20 do crrante, depois de fin-
da a audiencia do Sr. Dr. jais municipal da.*
var, se ha de arrematar em presa publica, a
quem mais der, duas eseravae a saber: Felicia,
crioula, de idsde 45 annos, pouco maia o menos,
do servico de agricultura, que diz soflrer do pei-
lo, por 3509. e Justina, crioula. idade 26 annos.
do masmo servico, que diz soffrer de eryaipells,
por 009, embaa penboradaa ranciaco Jos* de
Sanl'Anna, por execuco de Alexanre Bezerra da
Alboquerque Barros, creder bypolhecario. Reci-
fe 18 de novembro de 1861.Escrivao.
Pedro Tertuliano da Cunha.
Attenco.
Sendo (ora da cidade morada do revoreodo
Sr. Francisco Veriaaimo Bandeira, por isso ro-
gado a rir a trareasa da Senzala Velba n. 4, a
negocio de seu interesse.
_ Precisa-e de um criado nacional para eer-
vico de cozioha e compras: na rita da Impera-
triz b. 22, primeiro andar.
Aluga-se pelo lempo de (esta ou por son
a grande casa que faz quina com a ponte do Ca-
changa, Com commodos para numerosa familia,
muito fresca e sadla. com estribara para dous
carelios, e bom quintal ; a tratar no mesano lu-
gar com Francisco Xarier Caroeiro da Cunha de
Miranda.
ventre frequenlemenle prorocada pelas nutrs preparares terroginosss.
Estas norss qualidades em nada alteram a sciencia medicamentosas do ferro, que sendo uma
substancia daqual o medico se nao pode dispeusaa em sua clnica, de incompararel utilidade
qualquer formula que lhe d propriedadea laes, que o pralico possa preacrerer aem receio E' o
que cooseg-io o pharmaceutico Thermea com a preparago do citro-lactacto de ferro. Assim este
medicamento oceupa hoje o primeiro lugar entre as numerosas preparasoes ferruginosas com o
atiesta a pratica de muilo mdicos distinctos que o tem eosaiado. Tem sido empregado co'mo im-
menso proveito as molestias de Iaoguidez(cblorose pallidas corea ) na debilidade subsequeote as
hemorrhagias. as hydropesias que spparecem depois das intermitentes ns incontinencia: de urinas
por debihlade, as peroles brancas, na escrophula, no achitismo, na parpara hemorrhaeica na
conralescencia das molestias grares, na chloro anemia das mulheres grvidas, em todos os casos
em que o saogue se acha empobrecido ou viciado pelas fadigas, affeceoes chronicas, cachexia tuber-
culosas, cancrosa, syphililica, excessos venreos, onanismo e oso prolongado das precaucoes mer-
cu risos.
Estas enfermedades sendo muifrequenles a aendo o ferro a principal substancia do que o CaS PiTl ahnQl-1,n
medico tem de Incar mao para as debelar, o autor do-cilro-lactato de ferro merece louvores e o ^<* IU J dDOalilO.
reconhecimeoto da humanidade, por ter descobero uma formula pela qual se pode sem receio
no dia 15 de pul
m --"wi- ov au 10 cjaj lOTOPO
rod 1862, que nao facam uegocio algum com a
dita letra por esta ter sido roubada de dentro de
um babu pertencenlo ao dito Almeida. caja letra
fica sem effeito algum por j haver outra com
differente data. Recife 18 de novembro de 1861
Precisa-se de um preto para servico do pa-
dana ; na ra Direita n. 26. v
Preclia-se de um caixeiro portuguez de 12
a 14 annos, que leoha pratica ou sem ella, oara
taberna 5 na ruadas Cruzes n. ^
Quem precisar de uma escrara parda que
sabe cozlnhar e lavar roups e eogommar. dinia-
se a ra da Liogoeta n. 8. segundo andar, e a tra-
tar na ra da Cruz m 68.
do ferro.
Consultorio medico cirurgico
Consulta por ambos os systemas,
Em conseouencia da mudansa para a sua ora residencia, o proprielario deste estabeleci-
mento acaba de fazer ama reforma completa em todos os seus medicamentos.
O desejo que tem de que os remedios do seu estabelecimeolo nao se confundan com os e
nenhum outro, ralo o grande crdito de que sempre gozaram e gozara ; o proprielario tem tomado
a precaucao de inscrevero seu nome em todos os rtulos, devendO aer considerados como falsifica-
dos todos aquellea que forem presentados sem esta marca, e quando a pessoa que oa mandar com-
prar queira ter maior certeza acoropanhar uma conta assigoada pelo Dr. Lobo Mosaozo e em t.7
pe marcado com o sen nome. Bto ew Pa_
Outro sim : acaba de receber de Fran?a grande porso de tinctura de acnito e belladona re
medioa estes de summaimporuncia ecuj.s propriedadea sao lio conhecidas que os mesmos's
mdicos allopathas empregam-aa constantemente. mesmos 5>rs.
Os medicameotoa avulsos qur em tubos qur em tincturas custaro a 19 o vidro
O proprielario deste estabeiecimento anouncia a seus clientes e amigos que tem commodo.
aufficieote* para receber alguna esefavoa de um e outro sexo doenles ou que precisW dT mhSl
opera?ao. afflaocando que serao tratados com todo o dUrelo e p rom p lid So, coci sabe n, E
aquelles que i tem ttdo escravos na casa do anrtunciante anem todos
A situscao magnificada casa, a commodidadados bnhos salgados sio outras lantaa ram.
gens para o promplo restabelecimento dos doentes. ras tantas vanta-
As pessoas que qmzerem fallar com o annunciaole derem procur-lo de manbia at 11 hnr
Dr. Lobo Motcozo.
r
amono hoyo
DO DR. CHABLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,

DAS EM'ERUlDADES
PLUS D
COPAHU
JABA 0 TRATAMEMTO E PRPT0 COBAT1VO
SEXCAES, M TODAS AS AFFECCOES CUTASUUS, nal* E AWERACOES SO SASOE.
I I9VPI CUT'0' conhecido
b-T^|t> I n e approvado rara curar
BsmBBs*aaalassaBsjaBBl con promptida e radi-
calmente impigens, pstulas, torpes, sana, co-
mixoes, acrimonia e alleraces viciosas do san-
ias, cuta inmediatamen-
te qualquier purgacao,
relaxacao e debilidade, e igualmente fluxos e
flores brancas das mulberes. lajee^oo le
Chfele. Esta injeccio benigna emprega-se mes-
mo lempo do xarope de citrato de ferro, urna vez
de manh, e uaaa vez de larde durante trea dias-
ella segura a cura.
gue ; virus, e qualanrr alrco veneres. ata-
* aaisaeraea. Tomao-ie dous por semana, se-
guindo olraiamento depurativo. ramada .
(iberpetteai. De um effeito maravilhoso as af-
fecoes cutneas e comiaoes.
n ,. emswrefcMawi.Pomada que as cuas em 3 dias.
O 4$p*tU en* rua larga i Rotarlo, httka de Barlholomeo Francitc* dt Souxa, n. 96.
Sirop du
JARABE O FORGET.
[ D II E*le "J0'" ata prorsdo 'pelos mais-eminentes mdicos de Paris,
ecco? Ho hronr^rr'.T.SfD a 'JS*'".*,p"! *"" conacjpacees, tosse convulsa e oatras,
Deto^fnhS SSS 4^iUqes d.P^10' ^cftes nervosas e insomnoleadas: urna colberada
1 lSp?o^m^m^saS5. sfflentes. O eftV4to deste excelente xsrooe satisfaz ao mesmo
O dyotUo 4 na ra Urga do Rouri,b,tca de BarthtUm* Franto de Souza, n. Sfl.
* .-1
-
*
Alugirse uma das melhores casas em JaboalV
a tratar com A. V. da Silva Barroca, na ra d
Cadea do Recife n. 4.
Pessoa alguma faca negocio com o terreno
e sitio pertencente ao Campo Grande por seaehar
em demanda todo elle.
Louis Sand, subdito de Bavira, relira-se
para o norte.
OTBHICM.
Precisa-se de offlciaes de sapateiro para obras
de taixa e de poni, e obras riradas ; oa ra lar-
ga do Roaario.loja de caljado n. 12, junto a bo-
tica do Sr. Pinto.
-Quem quizer dar quantia de 400J a premio
nvpotnecando-se duas escraras pecas que rslera
mais de 3.0009, appareca no largo do Terco nu-
tuero o9
Um segundo
andar.
Albga-se o segundo andar da praca da Boa-
vala : a tratar na loja de calcado na ra da Im-
peratriz n. 46.
Na ra Nora n. 32 preciaa-se de uma ama
psra coziohar e comprar na ra.
Precisa-se de uma ama que compre, cozi-
nneeeogomme ; na ra daa Larangeiras n. 26
Precisa-se de um forneiro para a cidade da
Victoria ; na padaria de Montera 4 Soares. ra
larga do Rosario o. 46.
,T Preeisa-se fallar ao Sr. Antonio Hermene-
gildo de Goea, e como se ignora sua morada, ro-
ga-se-lhe queira annuociar.
O Sr. Jos Soares Moreira queira declarar
00^1 mora para se lhe entregar ama carta di Pa-
rahtba, nao se declara onde pode procurar, por-
que o conductor della orasteiro.
Precisa-se de uma ama forra ou captira
para casa de pequea familia ; a tratar na ra do
Vigario a. 10, armazem.
Fraociaco Santini, mestre de piano, leudo
cheaado a esta capital, offerece seu prestimo a
todas as pessoas que o quizerem honrar com a
aua conflanga. Prope-se a dar lijdea na cidade,
arrabaldes ou engenhos: a tratar na ra Nova,
em casa do Sr. Vogeley, fabrica de pianos.
Aluga-se urna mei-agua por detraz da ra
do Nogueira ; a tratar na ra do Queimado nu-
mero 53.
O abaixo asasgnado tem justo e contratado
com Antonio da Cunha Brandao a taberna sita na
Eatrada Nora ; quem ae julgsr pois com dlreite a
asma, apresante pae cenias o prazo de trea
das, na ra da Assumpcao o. 8 Recife 19 de
novembro de 1861.-Uauoel da Cunha Brandao
Attenco,
A pessos que sebou uma pulseira de cornalinas
eneaaloadaa em ouro, areoslo realitui-la a aau
legitimo dono, queiraJor a boodade levar a rus
da Imperatriz n. 60, lo> de Gama & Silva, conbe-
cida por loja do pavao.
A viso ao marchantes
No largo do Paraizo, junto ao quartel do poli-
ca, na eaaa aova a fresca, a a mais aaaeiada que
ha para osle genero, ainda ha alguns tainos da
cortar carne para alocar, e por preco eommodo :
a fallar no roo do Imperador n, 28.
8 Club Commereial.
A directora do Club Commercia scien. V
V linca aoa Sra. socios do mesmo, que tem Wk
m designado o dia 22 do correte para ter g
lugar a inaugurado da sociedade, o es-
pera compare^am com soas Etmafamilias
^ a tornar assim mais brilhante o pomoozo t
sm esse acto, que records ao mesmo lempo. 2
S orno anoiverssrio, a honrosa risita que w
>V SS. Mil. II. se digoaram fazer a esta ttt
A provincia.
Os saldes estsrio pslentes aos aechares
socios e convidados s 7 horas da noite. tt
I Collegio Bom Conselho.
Esta aberto o corso preparatorio das 9
m '"as.
& m&m mmmm
Aviso a toiins oa devedores |do
patrimonio de N. S. da Boa-
Viagem.
A meta regedora tendo por interme-
dio de leu lecretario, dirigido le a todoi
01 inquilinos e rendeiros do prtrimonio,
para que te dignaisem pagar o que se
achara a dever, e como tenhara parte
delles excedido muito do teinpo que Ibes
foi concedido, e at sem darem a menor
satistacao, tem resollido chamar a juizo
nao s para pagarem, como para serem
despejadoi. Aquelles, porm, que qui-
zerem pagar a miga velmente ainda opo
dero fazer at 21 do corrente mez, ao
thesoureiro da irmandade Pedro Jos da
Costa Castello Braneo, morador na ra
da Praia desta cidade, findo o prazo
marcado nao ha vera' con templa cao al-
guma. Outro im, nSocomentea mesa
regedora, que inquilido algum subloque
sem leu conseotimento.
Jos Pinto de MagalhSes,
Juiz.
Franciico Jos de Campos,
Procurador geral.
Caes (TApollo
armazem n. 67.
Deposito do sabo
fabricado nasaboariada
Ra Imperial.
Os propnetarios deste estabelecimen
to, o primeiro neste genero e o mais an-
tigo da provincia, acabara de estabelecer
no armazem n. 67 do caei je Apollo,
um deposito de seus bem conhecidos
productos, consistindo em um variado
sortimento de sabao desde a muito com-
mum at a superior e verdadeira massa
a preco de 100 a 200 rs. a libra contor-
me a qualidade.
E' intil dizer-se que o sabao fabri-
cado neste estabelecimento, tem a Dro-
pi iedade de lavar perfeitamente a roupa
sem causar-1 he o menor da rano, o que
nio acontece com iaui tos ou tros, que de-
teriorara o panno diminuindoassimadu-
racao : a verdade desta assercao esta'
comprovada pela preferencia que lhe
dao os consumidores : melhoramento
este der i Jo ao processo ltimamente em-
pregado na manupulac5o pelo actual
fabricante.
Para conheciraento dos compradores
declara-se que at caixai confem o se-
guinte letreiro em forma oral Fabrica
de sabao nacional ra. Imperial, Peraam-
bucoe se vende qualquer quantidade
de uma caixa para cima.
A pessoa que offerece 3:500* sobro bjrpo-
theca, appareca na roa Imperial n. 144, ove so
lhe dir quem precisa de algum.
E BARATO SO NO
aia*0 Sb
*^ -aa-JsVj|tfi
.Francisco Feroandes Duarte
o que ha do bom neste geoero a 480 rs. a libra telar*
Contiaua-se vender "neste armaiem de molhadoe ou
memores feMros qoe em so mercado, r por muiU menos proco do que oaa 001 amalas,
...?V* rtertWo P">rtetario em todos oa vaporea da BuWm. a rnl?*+*Z^
ascolhido. por pessoas encarreg.d.a, para este fin, ; pe isso-noVasaeoSe aitesT^|!rfa
S-iatrf..- f PM?; lordorei. que queiram u^aTJISlL
n2.".. /*' 9*r* ver sua. eocommeola., corto *i'kasTs.
.P.J..q.;L P^P"0 Proprietarios. em prestar toda aUoDcSo, e mesmo1 ees^rtiS^Z'
aal7L\ZlLmiVnllWt k be" e'n0 M *imem 8rt- Pw"t; 0K1S ssZaSoZiaZ"
osjrecos de alguna generar, por onde so pode jplgar que rendamos bar.Csa.aio
MMUlga traneexa B0ll0n..,w.. llb <-
e 1600 rs a libra e adenga-se a boa qualidade. -----' ^"""
QneUt1J:*SiM'......- *-. w. -,.
irreinnlo ngVez proptiOB p,ri flimbre a 9Q0 n ,liIIIitBIWfllNMiM_
Prtznnto do reino
440 rs.
_ 8 enecacado e costelletaa propriss para fiambre s 800 rs. a
_ aia\e o Oe,il0r peti,c0 que P6de h"er Pr e8Ur Promplo a toda hora a II
ToucVnno do reino am n.. llbr, e arrobi ig|500
CnoutWas e palos mvit0 DOTOi, ^ r> ,ibri
Banna de porco refinada
o em bsrril a 440 1. m,i' 'lT' q"e h' ""* "-
\zeiloas multo novas .,ma
Laatas com nolaxinna de soda
am porcio ,e f.ra sbaLto ^^ ^^^ v-*-" ****
Wa^ ^t!I!8l?oM^O,0.a,' B0T' d n,erC'd0 eB Ul" de ^ *- *
HarmeUda imneTial d0 .f.mad0 Abren. de outf 0, Buil0$ bMaalH
a 19 a libra, em latas de 2 libras por 1*600.
Kvvttnas f raneezas fflelhore, que ge poae eB
tambem tem portugueza me latas enleiras a 610 rs.
Chocolate t raneez. hMp.nhol cheg.d0 n6iU ulli-0 Y-par attsmmmn.
IroaSSaS pr0prias psrs podim a 800 rs. a libra.
Doce de alnerene em utll de 2 llbr eieg.ntemeau ontoiudas y
KiSnermsete luperior do 4, 5 o 6 em libra a 760 rs. o em caixa a 740 n.
1040.
aVmendaas confeitadas. lf. libra, dilii,. miolo, tit$M t9m ^
a 4oO rs.
^oies e castanhas pilad BoUo no?, mrs. libH.
iStreivinna pm gopa a wo ra a libra e em cailiDhai de 6 a 8 likm M M .^h,,,,!,.
Metria. maearrao e ta\h% rim m rs. ^... ^. ^
>evaatn4ia rr.ncM n0T. a 4e n a llbra.
Tatinna do MLftTxu\y3tO m v. w ^
w muyj0 alf> echairoaa a 160 rs.
%H mmi de engommar, o qoe se pie desejsr por ser mallo aira a 100 ra. a librs.
^ nan ?.0TO.e H?,po ,,60" ,bM e Porcio ae fari abelisaeolo.
JS ve o respeilavel publico, que aflaoQsndo-se a boa qualidade doa geoeroe acaaaa asido
Dados, M vende moli barato, e pelos quaes se poder julgar todos os demsis qae ao toreas sm-
nunciados.
Chegou novo sortimento de superiores bolciohas de borrscha para famo fajeada nota o
ica ristaa 610, 800 e 1 cada uma : na roa da Cadeia do Recife n. 15, loja do
Centro commereial*
Papel Guritaldi
Superior papel para cigarros faienda ora, ra da Cadeia do Recife n. 15, no
Na ra da Cadeia do Recife n. 41
primeiro andar, deseja-se fallar com os
Srs. Manoel Joaquina Alvares de Olivei-
ra e Manoel Jos de Oliveira Lima, a ne-
gocio de seu interesse.
O Sr. Samuel Brlskarr tem uma
encommenda na ra da Cadeia do Recife
.41.
Attenco.
Vende-se a coebeira da ra da Paz n.
1 A, combons carros e cavallos. a di
nheiro : adverte-se que bem atrege
zada : a tratar na mesma.
Aluga-se uma boa escrava cozi-
nheira : a tratar na travessa das Barra-
ras casa n. 2.
Lagerbier
bei
Gustav Bousset *ft G.
Ns rus dos Pires n. 33 vende-se pelo preco
de seu custo em Londres, o dos direitos pagos
na alfandega, om carro de 4 rodas para um ca-
vallo, o qual slnda nao servio. Com pequea al-
teraco pode tambem servir para dous animses.
Manoel Aires Guerra ssca sobro o Rio de
Janeiro. ,
Aluga-se o terceiro indar da casa
n. 37, sita na ra do Amorim : a tratar
na ra da Cadeia n. 62.
Attenco.
A mesa regedora da irmaodado do S. Crispios
e Crispinisno, precia no conveoto do Ciras*. ai
ver o respeitsvel publico que trsnsfere a loaU po-
ra o dia 24 de novembro.
Precisa-se de aa pequeo do lio 141
de idade para caixeiro do osea
dsndo-so preferencis os mais oovoo
Ierra, o qoe leona algaaa pratica f
a tratir no paleo do S. Pedro m. 0.
MU,
O armazem do gelo na ra .d Apollo
n. 31, aberto de 8 horas d* manhSa
ate as 4 boras da tarde e nos domingos
de 8 horas at meio da.
Oabaiso aaalgnado fas sdenle ao respeits-
vel publico qae do dia 10 to corrente moz deliou
de ser sen esixeiro o Sr. Manoel de Medeiroo Ra-
poso. Recite 15 de novambro de 1841.
Pranciaco Jo da Coala Ribelro.
Na roa oe senboras Beato Jos Aniones Pereirs, Francis-
co Jos Ferrira dsa Htvea, Manoel da Oros Mar-
dos, a negocios do seas interesaos.
* 3Um eeireita de leeerie 3
Francisco Pinto Uxorio eoottaraa
locar denles srtiflciaee Unto por
g^ molas como pola preslo do ar, aaw ro-
gj cebo psga alguma sem que oa obraa a|a>
aa liquem a Tontada do sena doaos, tosa ale
Z outras preparaedes as msis acreditadas
t
_ proporacOei _
tara conaervacio da bocea.
Umboi.
Dessppareceo'do roa
de 13 do corrale, lesjL_
boi em g>io,do cor arela o
em um doa quarios osa
pelo fio do Uasbo cor or_
abo o bostssHo gordo, baa_
Irabalhar em carroca e carrrgar
o pegar o levar a ra do I
coraras. 61, seiKDrwi___
leala-se com o rigor do loi eoatra
eos seu poder.
Precisa-so do oaa aaa farro
par o ser ico do coziakar o
Imperador n. 37, sogoado aaoar,
rrU.
J II r-.axawsfm aaaa 1


Eogom
como para li
meroHHr
i "CTBWtf JMfsi if#m>-
zir daat mobilias a qoesi todos. o* utensilios de
, pretende veftdeerjiido por metade de leu
?alor, eeodo a mobilla iV frente muile moderna
de Jacaranda e
pretender,
con) o Sr.
(lamento _
lia, poia
I, e a taerior
;,a*
a (alia
o erren -
_ at mobi
santos commodos para
exi
slrorot mwraei
pea grande-'eb*
------------Jo re ifefeciaaa .
rooptaha prnseosledfrefti
'jflilM ttlhiitA.r iLWcf1!!!? b coaia de
mvfm vjfmvmt KeahoGrsz deJleua, a plrte*
t snoun- Canba
ridadea
_J Panella. parase
W tront* a usa d* Sr, Glbson, e
------Jl*dta>Bl*, riVo-Bni.
fia : qaeo^rWiden IM!a4*e*a Foro de Por-
Ua, a dllar cora alenoel da Silva Nev; <| urangt
AUR.-ae o aegundo andar da easa da ra da belecim
Gala d. 55, pintado da no*f a* raa a'Senzala-------
Nora n. 4. "*> ""> ab *t-n
ira.
"S'-avJbLiiiy "dades policiaca, capitaes de Ampo e inspecto
, ComoJdjira res le avteitio qra.eteaendam dita nagr
redoa de trido, naa ea leven misma casa. -
Sociedade i
Amoriro, Fragoso,Santos 4 C.sacam e toma*
Huea sobre a praca de Lisboa/'
^'tUTi-ja nina rata
lene a. 94.
con
ec..
Aps Srs. que fazem obras.
Existe grande deposito de travs e
ensarnes madeiras de qualidade de to-
dos os comprimritos e grossuras que es
vendem por prec,o commodo : a tratar
na ra da Praia n. 49 ou 53.
Na trayess da ra das Cruzes n. 2
pnmeiro andar, tinge-se com perfeicao
para qualquer cor e o mais barato
poniTel.
Sitio na Capuoga.
Aluga-se usa sitio na ftapuoga-velha, do Sr.
Bartholameu Francisco de Souza, pedo do rio,
Com cochira, quartos para pretos, etc.: qoem o
pretender dirija-se 4 rna larga do Rozario n.
34, botica.
Maooel Bastos de Abren e Lima, socio da
firma do Antanea Guimarea & C, tendo de com-
mum accordo com os socio Maooel Jos Anta-
nea Grimares a Jos Rodrigue Pinto Goimbra,
se desligado da sociedade que gyrara sob aquella
firma desde o dia 31 de outubro Ando, assim co-
mo o faz constar ao respeilavel corpo do com-
mercio e a quero mais inleressar possa, bem co-
nt que a liquidadlo do activo e passivo da so-
ciedade flea a cargo dos socios Ao tunes e Coim-
era.
Eos virtude do convite de S. Etc. Rrm., e
de ordem do c h i ro irmio mioiitro, convido
aoa nossos charusimos irmoa em geral para com-
parecerem no dia 24 do correte, pelas 2 horaa
da Urde, paramentados de seus hbitos na igreja
de noaaa venerarel ordem, para, encorporadoa,
acompanharem a procissio de Corpas-Christi.
Secretaria da veneravel ordem terceira de S.
Francisco 18 de oovembro de 1861.
Luiz Manoel Rodriguea Valenca,
. Secretario.
No da 8 do crrante perdau-aeda raa Nova
at a ra da (Jadeia do Recite um brilbante :
quem o achar e quizer restituir a seu dono pode
dingir-ae a roa do Vigario n. 31, que ae dar a
ecompeosa.
Aluga-so ama casa na Torre com commo-
dos para familia, quintal morado e agua de be-
ber, por commodo proco, para ae passar a (esta :
a fallar no mesmo lugar com Francisco Jos A-
rantes.
Praca.
Terca-feira 19 do correte vai a ultima praca
pelo juizo de orphaos um aitio de trra deno-
minado Allemao e mais terreno visinhos. do
lugar da Ibura, freguezia doa Afogadoa: no ee-
cnpto que existe em mo do porteiro esto con-
slgoadaa as condieces de que obrigade o ar-
rematante.
Quem ae julgar credor da fabrica de eapiri-
_ los da ra Direita n. 17, pertenceote a Jos Joa-
ijuim Liffl B.irio, opicoouio suas uuuia ua
prazo de 8 dias para aerem pagas.
Quem quizer arrendar ou comprar o engenbo
Itapirema do Meio na comarca deGoianna ou ar-
rendar o eogenho Souza na freguezia ea Taquara
ni provincia da Parahyba, ou mesmo comprar
mais de metade deste eogenho, perteocente aos
herdeiros do finado coronel Ealevio Cavalcanli
d'Albuquerque, dlrija-se a ra estreita do Rosario
n. 10 3* andar ou ao eogenho Tab na freguezia
da Taquara.
i* na Nora n. 43. do dia 15 de
.. oeartoha da nomo Paula, oem
iones Ve idade, 4 a
,, pernas meio-
licos com pri-
oras booeca
ito pueril. Es.
dias do en-
Francisco da
i^fos aa auto-
mpo e inspecto-
Aiuga-se o srmazem do soorado .da rus das
Lar.ngeiras u. 18. frnpriaflPara qualquer esta-
a trataros mesms o. 1
por soto ao
predio su, pred
snaf.
_ negocio falle ao Sr. /oso Goocai
reir Costa em Santo Amar
XC2I64M9MB6M <
JoelTuiz rachi-
& Barbosa, nao nada, lha deva, visto Ur recibo
de saldo de contas.
Piecisa-se de um menino que tenha prat-
ca de taberna : na ra do Rangl 10.
3,000.000
D-so 3.0009 a Juroa sobro hypotheca : quem
precisar dirija-Be a ra do Cabwgft n. 1 A, ae di-
r quem d.
Madama Freir
Modista brasileira
avisa ao respeitsvel publico* la anas freguezia,
que mudou a aua residencia para a ra Direita
n. 9, aegundo ,andar, sendo a entrada pela ra
da Penba, de quem espera muita coscorronera,
para o ene a acharao prompta desempenhar a
sua arte, como sejam ..vestidos de casamenlos,
capas, manteletes ricos, vestidos de thestro e
preparar chapeos, vestidos para bules e monta-
ras, e qualquer obra para menino, onde tam-
bera acharao ricas capas de velludo da ultima
moda que vender por menoa do que em ontra
qualquer parle, e todo far com promptidio e
aaaeio. e por precoa commodo.
A pessea que annunciou dar 3:3000 ajaros
sobre hypotheca em predio aesta cidade, dirja-
se a ra de Santa Rita o. 2, que se dir quem
qoer.
Alugs-se um armazem oa ra do caes de
Apollo n. 7, com commodos sufficientes para
Jaalquer estabelecimento : a tratar no pateo de
. Pedro n 6.
Dacocheira de Claudio Dubeux furtaram na
noile de sezta-feira para sabbado dous cavados
em grao, com os signses seguintes : um rujo cla-
ro, baixo, bastante grosso, com pequeas pintas
de pedrez no pescoco, topete e ponta d'egu'.ha
torados, tndo no peito marcas de corris de car-
ro j aaradas, mas bem viziveis ; o outro ruco
sujo, grande, cabano e um pouco nafego do quar-
lo direito, tendo as dinas aparadas do mesmo
lado.
Atteo?o
ao que ha de bom.
Felice Bottaro, subdito italiano, de pro&ssao "" .""'-------""*"" **"J
pedreiro para deseohosfbmo eu$ nomes e lugar da moradia.
jardineiro, laotode.
de plantacoea, cheg'ado ltimamente de Macelo
aoode coostruio all o jarim do cemiterio por
conta do governo, oferece-sa para exercitar a
sua profissao neata cidade : quem precisar delle
pode procura-lo no Recite, ra do Trapiche nu-
mero 15.
Arrendamento
Traspsssa-se o arrendamento do aobrado e ar-
zajtzena da raa do Trapiche o. 40, excellente para
qajalquer estabelecimeoto commerflal de fazen-
das : trati-se na mesrasr-"v-- _____
Sorvete.
Sorvete ao meio dia e a ooite,
Sorvete ao meio dia e a aoite,
Sorvete ao meio dia e a ooite,
Sorvete ao meio dia e a ooite,
Na ra Estreita do Rossrie n. 11.
Na ra Estreita do Rosario n. 11.
Na raa Estreita do Rosario o. 11.
Na roa Estreita do Rosario o, 11.
De Sodr & C
De Sodr & C.
De Sodr & C.
De Sodr it C.
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
teftMss* .; 18, i.* andar,
entrada pelo pateo a matriz.
Retratos por aHnbrotypo, por melaiqotypo, $o-
brt panno encerado, sobre talcb, especiaos para
pulcoiras, alneles ou cassoletas. Na mesma
casa existe um completo saondante sortimento
da artacios trnceles "imericscos para a col-
locacio dos retratos. Ha tambera para este mes-
mo Bm cassolelss e delicados alnetes de ouro
de le; retratos em pMologrsphia das princioaes
"^rtottegebe da Eorp ; stereoicopos e 'vistas
STAHLiCa S
SlETEATISTA DB S. M. 0 IMPERADORJ
ua da lmperait 11 g
numero 14.
STencionando retirkr-se proxi-
mamente desta praca psurticipam
a seas tregeles e amigos como
em geral a todos que podem
precisar do seu officio, afim de
que aproveitem do pouco tempo
que os annunclantes podem ain
da dispor para a execucao das
encommendas com as quaes
queiram honra-Ios.
Stf Agradecendo nesta "occasiao
ao Vpitrdo publico desta capi-
tal o bom acolhimento das suas
obias, decidiram se a por estas
ao alcance de todos introduzindo
--, urna comidera re baixa na maior
S parte dos seu* prec,* fe esperam
que o descalque que disso lhes
resultar sera' compensado por
um augmento d concurrencia.
> -n "** ^au-svaii 'jtt|v
Francisco dos' 19nte
Sement de algo-
do da ilhade
Fernando.
Tendo se reconhecido a superiorida-
de do algodao da Uha de Fernando, S.
Ew. o Sr. prndente mandn Tir por-
c5o della para ser distribuida pelos Srs.
agricultores desta provincia, os quaes
porsiou seus correspondentes podem
manda-la buscar na livraria n. 6 e 8 da
praca da Independencia, remetiendo
Macas.
O dentista Numa PompiUo.
Ra estreita do Rosario n. 32, prt'
meiro andar.
planta dentes pela preaaio do ar, por molas -e li-
gaduras, e faz ledas as opersces de sua arte.
(CASA
DE
Saude.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier faz publico ose
tem reorganisado a toa casa de aaude, na grande
casa, propriedade do mesmo aitio em que existia
o seu amigo estabelecimento dessa ordem, que
ica ao norte da estrada da Paasagem da Magua-
lena, entre a sote grande s a pequea do Chora
Menino, onde contina a recebar uoentes de am-
bos os sexos e diversas cathegoriss, afiancando a
melhor traUmento, ludo pelo pre5o mais com-
modo.
O mesmo doutor para mais commodidaas das
paasoas possuidoras de escravo, ou que ae qui-
zeram tratar em seu esUbelecimento lem deter-
minado a diaria abaiis declarada.
Asperacoea serio por prsvio ajuste, s nao
faro parte das diarias aasim cerno aa conferen-
cias, a aaDguossugas. Podando o doente tratar-
se tambera homeopalbicameote, para o que ha
commodos separados.
Oservico medico ser feito pelo disliocto cirur-
gi3o do grande hospital Psaro II, o IIIra. Sr. Jos
Franciaco Pinto Guimarea, e o doator proprie-
tario do eslabelecimeoto, prsUicand-se ahi toda
e qaalauer operaesopor Bfe5oajnuUorssoavei.
Esta eslabelecimenlo torna-ae recommendavel
j peta boa casa de que dispde, como pelas con-
diQoes hygienicas sm que se aeba situada, pro-
vado isao pelo creacido namero de daeotes ahi
curados.
O seu proprielario espera, .porUotp,.das seus
amigos, soligns fregueses, e mais pessoas, a sua
coopxaco em bem do progreaao de lio til co-
mo necesaarlo estabelecimento, paratiaado par
nao poder elle acbar-se sua testa, em virtude
de haver sido aceommMllilo de urna grave enfar-
midade, poroj boje que ae aeha completamente
reaUbelecids, proaaeiteeeorcar-e na boa ordem
de sus casa, e na direceo do tralamento dos
doeatss.
Diarias scravos 1|600
S>* ordera xjOOO
1 ordem 3^00
Para a entrad dos doentes se deverio trstar
cota o referido Dr. Ignacio Firmo Xavier, na ra
Nova de Santa Bita n. 7, sobrado de ua andar
com frente para a ribeira do aeiie, ou oo seu es-
abeleeimento a qualquer hora.
-- O Sr lote atoares Moreira, queira declarar
onde mora, para ae Iba entregar busas caria da
raraaoe; nao ae declara onde p^de procurar oor
que o condutor d'elle be forasleiro, v
Do gello,
Do gello.
Do gello,
Do gello,
Nova
Nova
Nova
Nora
remesa a de
remessa de
remesas de
remessa de
macas.
maceas.
maceas,
macas,
estra-
80005,
Barato dinheiro a vista.
Barato dinheiro a vista,
Barato diobeiro a vista,
Bsrato dinheiro avista.
No da 15 do correle apparecera na
da de Belem urna erioulinha de idade defl
pouco mais ou menos, que vaga va sem destino^
e em procura de agasalho ; a qual sendo interro-
gada por alguem, responder que ers esersva de
urna senhora de engenho, e que fora condurida
para esta cidade por um barcaceiro, qne levan-
do-a para casa de urna mulher. nao fora por-ella
recebida, e portento abandonada : quem se jtar-
gar com direito a dila negrinha. dirija-se a es-
cruzilhada de Belem,, taberna de Andr Alves
Gama, que dando os sigoaes competentes lhe se-
r entregue.
Aluga-ae a metade de urna casa na ra Bella-
a tratar na ra da Florentina n. 32.
3:000^000.
D-se 3:000$ a premio sobre propriedades -
quem precisar procure na ra do Cabug o. 1 a'
0 absixo assignado leodo um annuncio no
Diario de sabbado 16 do correte em que sede-
clara a remataciu do aitio Allemao aera a especi-
Ocagio deserem as rendas ou a propriedade que
ter de arremalar-se, vem prevenir ao publico
que aquella propriedade era sus maior parte fo
dada ao invaotariaole, cabera do casal de Anlo-
oie Alves Ferreira. para pagamento da quanlia
H1SilC?,0t0V-UD? qU6 *1uelle ProprieUrio
do dito silio, hoje fallecido, lhe lloara a dever e
queportanto se aquella arrematacao 6 das reij-
das, o rendeiro neuhuma garanta della lera
quande o abano assignado flier arrematar para
sea pagamento, e se a remafagao da proprieda-
de sei.eaulella para o arremaiante.'ae reauerer
deposito do prodacto. visto como o dito aillo ero
grande parte est consignado petas partilhas fai-
tea e jujgadas para pagamento da referida divida.
Antonio Pereira de Oliveira Maia.
Troca.de urna barcada por
ca! preta.
Na ruajova de Santa Rila, serrara de Vicen-
te Alvea Machado, vende se ou troc-ee por cal
preta urna beresca ase carrega 15 a 16 oaas'
quera quuer fazer qualquer negocio, diria-se a'
casa cima mencionada. Na mesma serrana tam-
beraae vende por pre?o commodo 56 travs de
nalidade,de 86 a 10 palmos de comprido; eo-
e-s em conta por se aterrar o lugar aonde ae
scnim estas travs.
Quem lhe fallar um bol amarallo, manso
desde odia 14 do corrale, pode drigir-se g<
sitio da Estaocia, sobrado de doas andares, que
dando os sign.es pagando as lespezs, se a-
- PrscUs.se criado para cuidar em siguas ca-
alo, ftqtfj tambero tesba alguma praiica de
bolear : n ait/> ds Estais a fallar com Jos
Hesasgeaes ds 8iis, co na raa estreita do Ro-
sario n, 45, oa fabrica dd ftbsrPto, das 10 horas
do da em dianle,
Peci sa-se de ums ama que saiba cozinhsr
3 comrprar; na ra Nora n 33.
Oa abaixe assignado tenbam a boodade de
apparecer na ra Nova n. 11, loja do Germano.
Jos Antonio Ferreira da Silva.
Francisco Xavier Venancio Pimenta;
Pedro de Aasis Campos.
Kuzebio Beserrs Cavalcanli.
Manoel Rezendo do Reg Barros.
CONSULTORIO ESPECIAL BOMEOPATHICO
DO DOOTO
n SABINO 0. L. PINHO.
tv.ua de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Cossultaa todoa oa dias atis desda as 10 toras
at meio dia, acerca da seguintes molestias :
molestias das mulktres, molestias das crian-
uu. molestias da pelle, molestias dos olhos, mo-
lestias syphiliticas, todas as especies de febres,
febres intermitientes e suas -eonsequencias
PHARMACIA ESPECIAL H-0ME0PATHICA .'
Verdadeiros medicamentos homeopathicoa pre-
parados som todas as cautelas necessarias. in-
ralliveis em seus effeitos*anto em tintura,como
em glbulos, peles prrjos mais commodos pos-
siveis. v
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamantevendidoaem sua pharmacia ; todos
que o forem (ora della sao falsas.
Todas as carteiras sao acompsnhadas de um
Impresso coro um emblema em relevo, tendo ao
redor as seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico braaileiro. Este emblema poato
igualmente na lista dos medicamentos que se pa-
je. As carteirts qne nao levaremeseeimpresso
assim marcado, embora tenham na lampa o no-
mo do Dr. Sabino sao falsos
Precisase de um eaixeiro porluguez de 'e
annos para taberna, com pratica ou sem ella :
ra das Cruzes n. 22.
Compras.
. Coropra-se papel de diarios para embru-
lbo a 120 rs. a libra : na ra da Senzala Velha
o. 4o.
Compram-se esnravos de 15 a 10 annos pa-
ra exporUr para o Rio de Janeiro : no eacrip-
lorio de Maooel Alves Guerra, ra do do Trapi-
che n. lt. r
Folhas de Diarios.
Na ra larga do Rosario, fabrica de cigarros n.
SI, coropram-se folhs de Diarios e mais jornaes
que sejam novos, em pequeas e grandes por-
Qoes, paga-se mais que em outra qualquer parte.
Attenco,
Compram-se cnoulos de 14 a 20 an-
nosj'^bem pretos e sem defeito, nem mo<
lestia, quem os tiver nestas circumsUn-
ctas4 pode drgir-ie aotrapixe da com.
panhia, na praca do Corpo Santo, que
achara' com quem tratar, e pagam-se
bem, para o Rio de Janeiro, tambera se
compra alguma mulalinha, de 10 a 20
annos, sendo bonita e prestimosa.
Vendas.
-Na padaria da ra dos Quarteis n. 18 con-
tinua-se a vender o excellenre pao a 120 rs. a 1-
tn isa8" ,,b p,7 C,n)a' ,bol0hinha a 100,
120e 140rs a libra. 1 l. e 3. ; a f.rinhaT"
Qu.hdade a 140 r..,2. ttQ .. 3 a 100 rs. a
libra, bolachinha doce a 140 rs. a libra, por ar-
roba 4* aramia a 240 a libra. O propietario
desta padaria anda tem para dispor terreno para
rosia de 10 esa de 30 palmos com 150 de fun-
do : os pretendentes podem eatender-se com o
mesmo proprielario que todo negocio far vista
do logar que escolherem.
Maooel Antonio de Jess.
Vende-so um relogio de parede moito boa :
em Olinda. paleo des Pedro Marlyr, taberna.
PHiRM\CI4B\l.TH0L0MEft
ftMlir|a di Rosario b. 36
Rob l'Affectear.
Plalas de Allexoa.
Pilulasamertanas. %
Vermfugo ioglez.
Pilulas Holloivay
ogueatp BoJlowsy.
Queimado--
do becco da ConyreQaQo, lotreiro mptjs.
co;
VENDE-S O SECUINIE;
-O rtT\
i I> Mi
Para casanaentoa:
m.i. ^,*0.acoledeveslidodel6oublond de seda branca com ramo e capells, o
mais moderno e superior que ba no mercado.
Pa*a bailes.
... l,b4*60r*es de vestidos de fil ou blond de seda branca bordados a braneo e
coree. i r.
Wtos de tarhlana branca bordados a braneo e cores. i
Ditos da carabraia branca bordados a Braneo com muita elegancia.
unos de Derogo de seda de coras com arras e lisias, novos gostoa americaoos.
Saias bordadas.
qaeha^^Ka$.',B,k",llr**" bonUdn <* o mais apurado gost* o maia finas
Ditss de dita recorUdss mais baratas.
Para baptisados.
m.u-^*l*<>rt'lde w,lt*1 de cambraia branca bordadoa com malta elegaocia o
maia moderno e maia superior qne ha no mercado. elegancia, o
Manteletes.
Ricos manteletes de seda d ores 'al suelos bordados e lisos com enfeiUa bam
como srrendsdos.por precos commodos. com enteiles, bsm
' Lencos
Ricos lencos de cambraia de lioho bordados a 3#,4* e5 cada um.
Chales,
Ricos chales ds tonquim broncos bordados de ponta redonda e de K pontos.
nn.ld.a J,.,,---"n.d" .c'"el"4M*; grande sortimento de todss as
qualidades. qne dio possivel mencionar-se pelo grsnde espaco que tomaria.
Veiif^a de predios.
Vendem-a quairoeaais lerraa, sMas-'na ii|
da Eeada, amada Barra: io*aa ss Stoica,--
dinji-ae a ru do Lmeraontu o. 14. o para ir I :
Oa mesma villa cora sea rrophetario Joio Car-
ioso c* Amolar.
Vende-ae ubi prelo de roela dsds. pn-mUt
par todo oservico : a traUr aa raa do sasol
b. 6. nfiroefro adar. ^
Vende-se.pox oreje cimaaodo osa sitio cosa
boa casa detodra e cal, sem fonatntts, o> roa
da Fsnaf>ro fl. 16,a*rd posrte pmwm*tym-
de da Paassgess da Magdalena, India do *>,
do-lado ireiio, defroale da aitio do ir. Dr. Pirat
Caodido Xavier, com qnsroou polaaos ds arras* o
ceoto e la otos de fundo, a eoeosUr no raaaooo
chaos proprlos, ele. etr.: sea iislsai.j, oiil-
ja-sea roa o Queimado a. 17, loja.
A diobeiro Ou a prazo.
Vende-se am escravo de idade 45 soaso, roas
proOsaao de forneiro, e que calende pefftilsaata-
le de maesas por ler stde sas orea paci asdaris,
tambera ganba na raa e di 11 diarios, cojo es-
cravo veode-se por 4Q0f pela razio qne ao dir
aoprelendenle: a trataran rna do Issoorodor
omero 17.
i Vepdssa na raa Formse n. 12, fsriab de
trjgo rpuilonova a 160 rs.a libra.
Chmpanos superior, alaesdooo s rtalos:
vende-ae na caaa de James Crablres kC.rn.4t.
roa da Grdz.
Fazenda modernissima para
vestidos, na loja dopavo.
Acaba de ebegar a osle osUbHoslmeoio a*fo
vapor francez um lindo soiUmeoto de gorgorooa
de seda, fazenda aioda nao vista nesM aaoresso.
qae ae vende por prego baratlsftdka, por' rotar
moito prozimo a (eU, aaaiis como lindas asar-
qnezinha ou cbapeozinhos de sol para arenera :
oa ra da Imperatriz o. 60, loja do oseas *
Wa.
-ede-se ~f loja dfNabuc"*
roa Nora d. 2, os mais moderaos chapeo*
do palfia a Traviata para aeoooras, SiUs
a Gabaldi, ditos s Orear, dito* de sedo
a turca para meninos, ditos de palha a
Garibaldi, ditos a hespaobola, de os-
tras muilas qualidades Unto de seda co-
mo de palha qae ae vendem mais norato
do que em ostra qualqoer porto.
Naboco di C. com loja na ra Nova o.
2, receberam pelo ultimo navio um lindo
sortimento de enfeites de fuco com vi-
drilhos, ditos de retroz prelo e de cores,
ditos de filas e flores, ricas grinaldas pa-
ra noivs, e outros mu-tos enfeites qae
se vendem barato.
kRA DO QUEIMADO M!A6
t^h|gMNDEMTIMBIlTo
Rap francez
Vende-se na loja da Naboco 4 C. na
ras Nova o. 2, rap francez a 31 a libra.
[KtaettKdott flRCaKflH OR
Na buco 4 C coso toja aa rae
2, acabam de receber pelo orlas* oavio
francez um lindo soilimeoto de veatoe-
rios para meninos de 2 a 6 annos, romo
sejam vestuarios de velludo, ditos do so-
da, ditos de merino, ditos de fostao bor-
dadoa e de outras mailas qualidades que
s* vendem mais barato do que em outra
qualqoer parle.
Sin tos para senhora.
Vende-se aa loja de Naboco 4 C. os
roa Nova o. 2, ricos unios dearado, di-
tos praleados, ditos de filas de sedo e de
velludo ludo por preco commodo.
frita, fls aSo fswS .u.r.,Mmo" 5e p.IDno a 28*' ** e 35- caMC0 multo bem
is r al3L l&^t ^SlSiei" *c!,"cad0,de pan? Prelode >f "l t> o>8 caaeroira
mtB^lS**^ ZPilJ^lV i9 P'nnoeeml de 8 at 141. ditos saceos de alpaca
&ffiHSS2~&5.*HvSv
N. 20-Rua da Imperatriz-1\. 20
oh.ir*.o,gltes;"^ retalh. sendo a di-
mosquetearos a 1J600 s peca cambraif ^.. rn^, .... prprl" para n-os, babados oa
paeta. rtza, encarnada e branca a 200 rs o coV.'d?Xl d ,?!5?. 8f *u,nt" <=<" erde. azul,
contando cada um corle 24 covadosV Ula X. ^2!S a r,iQl"lm"lD e"ras com babados
Magalhes Mendes.
Estando em liquidaco o recebendo diversso
qualidsdea de fazenda* novas e alo desrjend*
demora-laa espora a vendo pelo diminalo preo
para acabar ricos cortes de lia de doas seiae
com 2% covadoa, diloa de gorgurio do sed* do
qaadros com 18 covados, corlea do orgaoojra o
garibaldi fazenda moilo fina com doaa aoias
barra com 24 corados, ditos sem barra com 16
covadoa, cortes do chitas loas a imileco dr lia
com 13 covados a 2*500. corlea ae iuc-*u fiooa
a 2J500, diloa de riacado a garibaldi a laSOO cor-
tea de chitas francesas escura o claras a 2aaSJii
ditas inglezas a 11)00, corles do cambraia do
de salpicos a 31 e 31. pecas de cambraia o.
a 11600, 21500 31 e 3*500: oa ra da Imperan
loja do arara de 4 pona a. 56.
Na loja da arara.
V'ende-se peess do madapolo fioo en (.uso
a 31, cortea de caaomira preta para calca a 3*600.
ditoa enfeatados ede corea fioaa a SloOO, coru
de fustno para caifa a UI20. cortes Se bnao do
217 U?280 e ,*600' """ fio" oWia*ldi o
280 e 320 n. o corado, groadeoaplede crca pa-
ra vestidos a 11800 o covado. paooo prelo para
calca e paletola a 2$ e 21500 o covado, saias do
algodao para balio a 2*500, balio do ir .d.poli
a 3$\ ditos de 20 a 30 areoa a 3a) o 3|o00, lauzi-
nha enfestada a 400 ra. o covado, alpaca dr ro-
tee para paletot a 400 rs. o covado, dita a 160 o
180, ditas Isrgss s 220, 240, 260 e 2*0 o rotado,
e outras muilas fazendas que ae veode baraita-
airoo : na rna da Imperatnz loja da srara de 4
portas n. 56, est aborta al 9 boras da aoiie o
tem a noile um relogio com lellna em que Su
Arara o. 56.
ARMAZEM
ROUPA FEITA
Joaquini F. dos Santos.
40Ra do Queimado40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde
Ca"ca panno prelo a 40$,
Sobrecasacosde dito dito a 351 e
Plelols de panno preto de cn-
m 10* 351, 301, 251, 101.181 e 201000
otros de caaemira de cores a 22a
t5f,i2.7e
Dte* de alpaca preta golla de
velludo fraacezaa a
Diloa de merino aetim pretos e
de coro a 9f a '
Ditos de alpaca de corea a 51 e
Dltoa de alpaca preta a9&, H. 5* e
Ditos de brim de cores a 5f
41500, 41 e
Diloa d* bramante de linho trau-
co a 61. 5J e
Ditos de merino de corda* preto
a ll e
Ulcaa de caaemira preta ede so-
*. 10. l. 71*
Ditaa de prioceza o merino de
^.^Jff,?a'8,l6Mt
Dttse do brim braneo ede core a
5*. 41500 e
Calcas da ganga de cores* '
' Gollete de velludo preto a de co-
' realisose bordados s 121,916
r Ditos de oaeemira pteta e da co-
res, liaaa e bordados a 6*,
301000
309000
91000
101000
8*000
31500
35500
31500
41000
81000
61000
1500
m
8*000
liana
-51
SftOO
Ditos de setim prelo
Ditoe de seda e setim braneo a 6 e
Ditos de gorgurio de teda preto
e do cores a 71, 61,41o
unos de brim e fustao braneo a
3|500, 2l500e
Stroolas do brim de linho a 21 e
Ditaa de algodao a 11600 e
Camiaaa de peito defustio braneo
ede cores a 2*400 e
Ditas de peito de linho a 51, 41
Ditaa da madapolio braocaa e de
cores a 31. 21500, ti *
<*napoa pretos de massa franceza
rina da ultima moda a 10f,
8f900 e
Ditos do fellro a 61. 51, 41 e
Ditos de sol de seda inglese* e
francezea a 14f, 12*. llf a
Colarinhos de lindo moito finos
,. eWos ds ultima moda a
Ditos dd algddio
Relogio de oro patente a hori-
n|| lootsl a 1005, 901. 80| e 701000
Dilosde pralagilvanlsaoos ps- *
tenle e horizontaes a 401 e SOfOOn
Obrea de ouro, aderecos e meios
aderece*, palcelras, rosetas e
a neis a
Tearas de linho dosis 10J. 61 e 9
Uta* grandes para mesa urna 31 a
51000
5*000
51000
3SO00
21200
1*280
21200
3000
1J600
7*000
21000
71000
1800
1500
Importante
Aviso
Na loja de;4 portas da ra do Queimado o oJ
acha-se um grande armazem com todo 0 ***
manto de roupae feUa, para cajo Ora tem ob-
tado urna oficia, de all.i.ie. eat.ndo enr.rrw:
do della am perfeilo raeslre rindo ae Lie*- !l
ra desempenhar toda e qualquer obra yaV W
encommende ; por isso que faz um convite ttmeZ
si a todas as pessoaa com eapecialidsdoTs*
ez'erci^8, fflCae8 taDt ^ ** to
eiFaz-se fardas, farddes com superiores prearos
e multo bem feitas, tambero trela-se h,VrTEZ
dameoto todo completo conforme se osa no lt*
de Janeiro, lano que tem os ffgorinos eos de
U rieram ; alm dlaao faz-se ro.ia c.J,*,,,
para montana, frdelas ou iaaootes, brm cosa*
coliotea a miUr para oa Sra/afodaDira do rato-
doroa,orede^*llaria. qoer seja singlos oa
bordados a eapeqolha deoaro o* prsi., lodoso
oslo da Europa, tambera prepsra-se brea. *,
desembarasdoree e de qualquer jais ergood* *
eatylodeCoimbra aonde ae fazom as molimos)
ronbecdss al hoje, aasim como les* manto rico*
dseenhos a matiz de todas ss crea propnoe osra
ardamenio de paseas oo criado* do libro quVt*
(ara pelo gosto i franceza. la asean a cas* en-
earrega-ae de fazer pare aeaia** jeaojos** .
franceza bordadas ao meamo gosto. Affisacsodo
Sao por tudo ae fica reaponaavel ***** asta1 boas
sendas, bem feito e bom corte, aio aa bit* TZ
di* que* acoaielter, aegvadd srslema d'oade
rolo o mostr, pois espera araros* visito ao
dignos senhores visto qae nada pordem <
perimonur. 1 ** *^
Na loja d'agoia de ouro, ra* do Canea* n. f asi
receben um completo sortimento de golueha* do*
misssoga, sondo detodaa aacoraa
Veodem-se globos para caadieiroev ooaao,
bss de Japl, mafs barato do qne em oA*nf
iw pane: na ra larga do Rosario, a. 14.


6
m\
o que pode ha ver de melhor
gosto em galantarias para
ornamentos de salas,
come seja, rico jarros da porcelana e de vidtoa
de varios tamanhos e goales, ricae maaleignei-
tu, jarroi de vidto para eraros e outras .flotee
delieadaa, fsaseos eauite linees, Unto en ooiee
cobo em goato, e outras maltas galn Unas que
a torna antese he eseecieoar. afiane*ado-*e,
porm, que o que ha de malher gesto para
quem qu^er ler suas mesas bem ornadas; na
ioj da Victoria,na ra do Queimado n. 76, jan-
toa toja de cera.
RiadaSenzulaNoTan.42
Vende-sa em caiadeS. P .Jonhston 4C,
allinse silbos ugleies,caadeeiroie eastigass
bronzeados,lonas aglezes, fio devela,ehi
piracarros, emonuTia.arreioapar carro da
u Jai cvalos relofio tde oar* patente
nfjatf!
Atoja
[Nova loja de unileiro
ra da Cruz do Recrfe
numero37.
Manoel Jos da Fonseca participa a
lodos os seus (regueies tanto da praQa
cmoda mato, e uotajaopte aoreapei
vel publico, qaetWBM?^Prac8o
balxaro prego de todas assaaa obras,por
cujo motivo tem para vender um agrand
sortimento de baba e baclaa, tudo de
dATerenles tamanhose de diversas cores
ara pinturas, e juntamente am grande
sortimento dediveraas obras, contendo
banheiros e gamelas compridas. grandes
e nequenas, machinas para caf e cane-
cas para condimr agua grandes e peque-
as, latas grandes para conservar fari-
nha e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Brasil e
camas de vento, latas de arroba a 19,
; bahasgrandes a 49 e pequeos a 600
1 ra., bacia grandes a 59 o pequeas a
800 rs.,cocos de ata a 19 a duiia re-
gadores regulares muito barato, ditos
pequeos a 400 ra., de todos estes objec-
tos ha pintados e em braneo e ludo mais
se vende pelo mesos preco possivel: na
loja da bandeira da ra da Cruz do Re-
eife n 37.
O rival seto segundo,.
ra
d
* "VJ** **v "^"***"*'~*"* wv|ialejrcado, por prego baratlsslmo, nicamente, ae
Jos de Azevedo Haia e i'*0.d0 Corpo
Silva, est disposto a
continuatffe^Mrftrpe-1
los precos abaixo de-
clarados, que na ver-
dade bomebaratis-
simo.
Frascos com agua Alavande ambreada a
.DHm superior, irasco silo grandes
IBBMa desabneles muito flno a
Sabonetes inglezes da melhor qualidade a.
Ditos muito grandes a
Fraseos de agua celeste muito superior a
Ditos com cbeiro muito fino a
Ditos com banha de orco a
Dttee com oleo de abosa a
Ditos muito superior a 240 e
Ditos com banha mnito fina a
Ditos com opiata de Lubio
Dito* de dito de Pirera
Ditos com baBhe transparente a
Ditos com oleo philocome a
Dttos com auperior agua de Colonia
Ditos com macaca perola a
Ditos com ditos (oleo) a
Nvelos de linha do gaz de cores s
Olios de dita encerada muito boa a
Ditos da melhor qualidade a
Carriteia de linha de cores com 100 jardas
Nvelos de linha do gaz para marcar a
Parea de metas de coros para meninos a
Ditos ditos para meoioas a *
Ditos ditos croas para meoinos a
Duzlas de meiaa cruss muito encorpadas a
Ditas ditas brancas para senhora a
Caixas com phophoros de seguranza a
Ditas de folha com phophorO a .,
Duzia de phophoros de gaz a
Dita de dito de vela a
de teaoga-je laa de todas at corsa a
par
AJft.
HANDIB'
Contas fetas
pra e venas de assucir e outfos obje-
DMta 45
o sortimento.
denlo e nrazealeiro om os
iubetra, o propriela-
3i
500
240
000
Libras sterlraas.
Vende-se no escriplorio de Manoel Ignacio da
Oli'-eira e Filho, largo do GorpoSanto.
M*f3s^^B^-ff|ffii>H'fl<3s^3833rf
[Acaba de
chegar
novo armazem
DE
BASTOS & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
a das 6 por-
tas em frente do Li-
vramento.
Roupa feita muito barata.
Paietots de panno flno sobrecasacos,
ditos de casemira de cor de fustao, ditos
de brim de cores e brancos, dit*S de
ganga, calcas de casemira pretas e de
cores, de brim branco e de cores, de gan-
ga, camisas com peito de liaho muito
finas, ditas de algodio, ehapeos de sol
de alpaca a 49 cada um.
Um grande e variado sortimento de
roupas feitas, calcados e fazendas e todos
estes savendem por precos mnito modi-
llcado-s como de sau cosiume,assim como !
sejara aobrecaaacos de aupen o res pannos '
e cosacos feitos pelos ltimos Ogurinos a I
*269,28#, 30} na 35, paietots dos meamos
pannos prto a I6g, 18J, 20J) e a 249,
ditos de casemira de cor msela do e de
novos padroes a 14$. 16, 18. 20 e 24,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 9, 10, 129 e a 14, ditos pretos pe-
lo diminuto prego de 8, 10, e 12$, ditos
de sarja de seda a sobrecasacadoa a 12,
ditos de merino de cordo a 12}, ditos
de merm chinez de aparado gosto a 159,
ditos de alpaca preta a 78, 8, 9 e a 10,
ditos siccos pretos a 49, ditos de palba de
seda Eizenda muito auperior a 48500, di-
tos de brim pardo e de fustao a 38500, 4
e a 49500, ditos de fustao branco a 49,
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de cores a 79, 89, 9 e a 10, ditas
pardas a-3 e a 4, ditas de brim de cores
tinis a 25,500, 3, 33500 e a 4g ditas do
brim brancos Anas a 43500, 5J, 5500 e a
69, ditas de brim lona a 59 e a 6$, cohetes
de gorguro preto e de eorss a 55 e a 6 J,
ditos de casemira de cor e pretos a 4$500
e a 59, ditos de fustao branca e de brim
a 39 e a 3500, ditos de brim lona a 4$,
ditos de merino para lulo a 49 a a 49500,
caigas de merino para luto a 4f 500 e a 5J,
capas de borracha a 99- Para meoinos
le to Jejos tamaitos: caigas de casemira
prefaeda cor a 5$, 69 a 79, ditas ditas
de brim a 2 j, 39 a 39500, paietots sac-
eos ae casemira preta a 6$ 9 a 7, ditos
de cor a 6 ea 7$, ditos de alpaca a!3,
sobrecasacos de panno preto at2e a
1 l, Mitos de alpaca preta a 59, bonets
para menino de todas asqualidades, ca-
misas para meninos de todos os tamaitos,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
para meninas de 5 a 8 anuos com cinco
babados lisos a 88 e a 125, ditos de gorgu-
ro de cor e de laa a 5 e a 69, ditos do
brim a 39, ditos de eambraiarieamente
bordados para baptisados.e muitaa outraa
fazendas e roupas feitas que deixam de
ser mencionadas pela sua grandequanti-
dade; assim como recebe-aetoda equal-
quer -encommenda de roupas para se
mandar manufacturar e que para este fim
temos um completo sortimento de fazen-
das do gosto e urna grande oficina de al- _*
faiate dirigida porum hbil mestre que ff
pela ana promptid ce perfeicao nadadei-S
xa a deaejar. ^ M
50 ARus da Cadeia do Recife 50 A
o-3#200, 5#000,6#000 3$000
Hanoel Goncalves de Oliveira Santos vende para
a presenta estaglo, pegas de cambraia trsnspa-
rnte e mnito floas com 8 > varas a 39200. cortes
colletes de velludo que se tem vendido por
uoileiro e vidraceiro.
. Grande e nova officina.
Tres portas.
31RuaDireita31.
Neste rieo e bsm montado eatabalacimeoto eo-
contraro osfreguezeso mais permito, bem aca-
bado e barato no seo genero.
URNAS de ledas asqualidades.
SANTUARIOS que riTalisam com o Jacaranda.
r,A.NHEIRuSde lodosos tamanhos.
SEMICUPIOS tdem dem.
BALDES idem idam.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
FOLHA em caixas de todas as grossuras.
PRATOS imitando em perfeigo a boa porcel-
ana.
CHALEIRAS de todas as qualldades.
PANELLAS idem idem.
COCOS, CA.NDDEIROS e flandrea para qual-
quer soriimooiJ
VIDROS em caixas e a retalho de todos os ta-
mandaodo-se manhos, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se encommendas de qoalquer natu-
reza, concertos, que tudo ser desempenhado a
contento.
Fil liso e tarlata-
na branca a 800
ris a vara.
Vende-se fil liso muito fino e assim tambero
tarlataua branca muito Moa, tanto urna cousa co-
mo outra sao proprias para vestidos, nao s para
bailes como para assistir-se a casamentas, andem
antes que se acabe na ra do Queimado n. 22
naloia daBoa-F.
Meias baratissimas.
A 28400 a duzia de parea de meias brancas fi,
as para hornero : na roa do Queimado n. 22
na loja da boa j.
mmmmm fe-
E' muito barato. I
tos: obra mnito til a todoa os negociamos e sos
sensores de engenhos; pois com no lance de
vista podem sabeio importe de qoaeaquer quan-
tidade da arrobas e libras : vende-se na livrarls
econmica ao pe do arco de Santo Antonio, Io
volme encadernado, pelo prego de 59-
o Cintos largas a 220 re.
na lea do Pavo.
Vende-se flniaaimaa chitas trascesas com pe-
queo toque de mofo. afSancsodorae soltar o
moto loc.qua,s0 lavem, por seram de cor fla
. a a rs.;o.sf vado : na ra da Imperatriz n. 90,
600 tefe d Gara. & Silva.
-Tarlatasa branca a'$$
a peca com 8 varas: na ra do Queimado n. 18,
segunda loja vindo do Rosario.
Lencos brancos.
Vendem-ee lengea broncos proprioa para algi-
boira, palo baratiaaimo prego de 29400 a duzia :
na ra do Queimado n. 22, loja da bof.
Potassa da Russia.
Veode-se potassa da Ruasia da mais nova s
superior que ha no mercado e a prego multo
commodo: no escriplorio de Manoel Ignacio
Oliveira & Filho, largo do Corp Santo.
# !$
| Nova california :
DE J
Fazendas baratas.
Ka raa da Iiaperatriz n. 48, jimio a
padaria franceza.
Cortes do cambraia branca com babadi- J
nhos 49 e 49500 auperior 69, cambraia li- J
za com 8 1)2 vara 3|, 39500, e4J|, ditas do J
S^ Escossia 59, e 6, ricoa enfeites para se- J
obora 69e6$500, sinlos os mais delicados J
para aenhora 39500.8, chapelina para cri- *
anga gosto ioglez 39500,49, para baptisado J
I 39, cortes de vestido de seda Escosseza de J
I bonitos gosto 129 estao se acabando, ri- J
9 eos lengos de labyrotho 19,18200. chapeo 1
# de sol para senhora de bonitas corea, lisos
9 59, cabo de marfim 59500, cortes de cam-
9 braia brancos com flor de seda 59. riaca- 9
9 do francez 209 ris o corado, completos
9 sortimeotos de baldes de arcos 89, aorti-
9 montos de meias para menino e menina 9
200 240 ris o par. chales de tarlalana 9
de cores a-640 ris, lengos branco com bar- 9
ras 160 ria chitas ioglezas a 180 e 200 rs.
dita franceza a 240 e 280 rs. o corado
pegas de cambraia de forro com 9 varas 9
a 2 : junto a padaria franeeza n. 48. 9
rio deste grande stabelejcjmenlo continua a of-
de ealesnfraices, ioteez n saMuMetrs *: rejan
'Botne*!.
Borzegulns Vctor Emmanuel. .
cooro de porco.....
> lord Palmerstonlbezerro .
diversos fabricantes (lustre]
JohnRsssell......
Sapatdea Nautas {bateria inleira). ,
patente.........
SapatbJ ttnga (pprtuuezei). : .
(Irancezesl. .
g entrada baixa (sola evita]. .
mnito chique (urna'sola*]. .
Senhoras.
or oly)...
hrUhaiiks .
gaapaalta.......5*000
cfcwlsls)sa*"sWos>r>s%liWsmitar nm eDgenho
d'agua para sal tejar 2,000 pies de atascar, com
boas msus cepoelrs*. sUs, ss frst>s4>
Thnss Leso de CaaUo, dono da mesma,
lado do Corpo axnto n. at.
Vendsm-se librea sketsiosa ; no esi#oria
dn Amerim Irmits. ra 4a O 1
-olea ea

Cortas de bs rege 4e seda casa 30 esvados s 2f,
ase de eaeU
59500
Bofzeguioi primor

t
::-:
cortes de lia com 24 covadas a 5J,
com lindas florea a matiz, corado aaHUO rs., pe-
cinhaa de remsios cnssjrIr t.r.a a 19200.
Uno fustao d couete a 192011: a ra do Quei-
mado o. 44.
Xeada, ca4a uim 19 coradof,
pelepreijo (te IJOW.
Vende-se no aizoazen da Saalos
ro"
t
51,32,38,34......
a de corea 32,33,34. 4J099
MgtM com sallo iJolyJ. ..... 82200
fraoeesa fresqoinbos. 2M0
> 31,32. 33 e 34 lustre. ... 1*000
E um rico sortimento de conro de lustre, be-
zarrofrancez, marroqoim, sola, vaquetas, cou-
rinhos, fio, taix.s etc., por menos do que qual-
quer outro poda vender.
Relogios baratos.
Na ra Nova o. 21, ha grande porgio de relo-
Kios foliadoa, douradoa e de ouro, patentea s ori-
zontaes.suissos e inglezes, os qotes sarao ven-
didos pelos pregas da laclara. Cadarelogioleve-
r um recibo em que se responsabilisa pelo re-
gaiamento dorante seis metes.
4 musselina do PavSo
200 rs. o covado.
Vende-se musselina branca com .4:1(2 palmos
de largura fazeoda muito fina pelo dimioulo pre-
go de 200 rs. o covado, cortes de chita inglesa
com 10 covados eors Otas a 19500 rs., ditas de
musselina brancaeose-rdO covadoi a 3. tudo
para apurar dioheiro : na ras da Imperatriz o.
60, loja de Gama & Silva.
Neeta typographia se dir quem vende as
obras completaa de Cieero, traduzidsa em francs
por D. Nisard, com o texto latino I finta.
mvm de fraeidas
DE
Santos Coclho
KA.
Km tro ytMinsido b. 19.
Esleirs da ludia de 4, 5 e 6 palmos da largo,
proprias para forrar aalaa e camas.
Leocoes de Bramante de lioho multo largos a
39000?
Cobertas de chita, gosto a cbineze, a 1$800.
Lengea de panno de liaho a 29000.
Toalhaa de lioho adamascadas para mesas a 4.
. Corte de hita francesa escara a 29500.
Campisto aortimeAto.de capailas para uoiva.
Toalhaa de uito a 500 rs. cada urna.
Um rico sortimento de chitas fraacezas Anas e
modernas.
Cortes de seda de cores pelo baratlsslmo prego
de409.
Cortead* phanlasia d seis pelo prego de 8.
Algodo entestado, tendo 7 palmos, a 560 rs.
a vara.
Ricas colchas de fuslo a 69.
Avljo 00 senhores de engenbo que qua-
i empre gastam manteiga derreti-
da pelo grande calor.
Sodr & C, na ra estreita do Rosario n. 11,
se obrigam a despachar encommendas em ordtm
que chegue, a manteiga em estado de ae corlar
com faca, como na Europa, e para que ae torna
muito mais deliciosa. ,
I Leandro < Mi-
A 280 rs. o covado
de casaaa fraacezas da muito bonitos padroea com
4 palmos de largara, pechiocha na raa do
Queimado n. 22. na loja da boa f
Ultimo gosto.
randa.
de
14*000. por 59 e 89 camisas de linho muito fi-
nas a 33, dho de dito a I98OO e 28000, ditas de
fustao a 2, nada mais barato, apparegam rapa-
aiadas.
\ Vende-e um clarinto de d de
treze|chavei, muito bom e batato. Ra
Imperial n. 128.
Cerveja,
Lager &
qualidade.
Bier, em barrt, superior
Madeira.
de pinho, vende-se na ra do Apulld n.,
31 defronte do tlieatro, em ponjo e em
retalho.
Vende se urna loja de fazendas, grande, si-'
ta n urna das boas ras de commercio desla cida-
d, bem afregoezada.com nm pequeo sortimen-
to, e ni9 teai alcaides, vende-se a dinheiro ou
a prazo com Armas que tenham dearnnlo: a
ejuem coavier deixe carta nesta typographia com
as iniciaos C. S. S. B.
Cortes de vestidos de seda de bom w
gosto a 50S000
Caiaveque de velludo para se- R
nhora a 209000 ^
Chapeos de seda para senhora a 89OOO ^
Cortes de cambraia branco de sal- A
pico com 8 li'2 varas do boa a
qualidade a 49OOO 2
Organdys de cores covado a 400
E outras muitas fazeadas que se vende sjm
muito barato.
Na ra do Crespo 11. 8 A 1
LOJA DE
Loja das 6 por-|
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca a 4.
Duzia de meiascruas para homem a
19^00 e o par a 120 rs., ditas brancas
mullo Ans a 2$6O0 duri. leo^fa do
caasa com barra de corea a 120 rascada
um, ditos brancos a 100 rs., bales de
20 e 30 arcos a 3$, laazinha para ves-
tidos a 240 o covado, chales de merino
estampados finos a 59 e 69, tarlatana
branca e de cores muito fina com vara
e meia de largura a 480 rs. o covado,
fil de linho liso a 640 rs. a vara, pe-
gas de cambraia lisa fina a 39, casaaa
decores para vestidos a 200 rs. o co-
vado, mussulina encarnada a 320 ra. o
covado, calcinhas para menina de escola
algo par, gravatiohas de tranga a 160
rs petas para camisa a 200 rs. cada
um duzia 2*., pegas decambrsia deaal-
pico muito Qoa a 39500, pegas de br-
tanos de rolo a 29, chitas francezaa a
220 e 240 rs. o covado, a loja est
aberla das 6 horas da aianha as 9 da
noite.
t^t;iFifjfcBT?>f?iSf1iy3.BjiLi'Etft*(aft",rariTfX^^
Gassas garibaldi-
nas 11a loja do
Pavo.
Vendem-se fioissimas cassas garibaldioas sen-
do estas caasaa aa mais modernaa que tem che-
gado a 360 rs. o covado : na ra da Imperatriz
n. 60, loja de Carne & Silva.
Cal em pedra,
Vende-se cal virgem de Lisboa para assucar,
chegada ha quatro dias no ultimo navio : na roa
estreita do Rosario, taberna o. 47, e na ra de
Apollo, armazem n. 34, do Sr. Hooleiro.
Fumo em rolo.
Superior fumo chegado ltimamente no arma-
_.zem n. 5, travessa da Madre de Dos, da Jos
Leandro Miranda lLuizd,01i;,l?Azev6d0-
Arroz com casca.
Vende Jos Luiz de Oliveira Azevedo em seu
armazem na travessa da Madre de Dos n. 5.
Alfazema.
Aifazema mnito nova ; vende-se 00 armazem
travessa da Madre da Dos n. 5, de Jos Luis de
Oliveira Azevedo.
Liquidado decalcado
francez,
Ra da Imperatriz n. 16.
Para horneas.
Botinas-de vernize de bezerro, de divorsos fa-
bricantes a 59 o par, sapatoes de verntz e de be-
zerro a 29.
Para senhoras.
Sspalos de verniz com franja, fitas tirelas a
800 rr. o par.
Para meninos e criancas.
Sapatinhos a botinzinhes do diversas qualida-
des e fabricantes a 500 rs o piar.
Oh senhores devedores da loja cima ata roga-
dos a virem saldar seua dbitos, do- contrario se-
rlo cobrados jkdicialmete, a para que nlnguem
se chame a ignoesnei faz-se o presente.
domina de mandioca,
Vende-se gomara de mandioca multo boa, da
aw^dor qualidade que ha no mercado : na rna
da Cruz n. 20, armazem.
Imprtante
Annuncio
Na loja da diligencia, de Guimaraes Ir-
m5o, na ra do Queimado n. 65.
Cartes de colchetes francezes com 14 pares a
20 rs.
Pentes de massa dourados muito finos imitando
tartaruga a 640.
Esjarlilhos paia senhora, que semprese ven-
deram a 69, por 2*500.
Trancaa de lia para vestido, a pega a 40 ra.
Lia para bordar muito fina e lindas cores, a li-
bra a 79.
Uassoscom grampos a 40 ra.
Linhas para bardar, a miada a 40 rs.
Ditas de peso mnito finas, miada grande a 240.
franjas de linho para vestidos, a vara-a 120.
Appacelbos de porceJana para meninos, pinta-
dos e dourados a I96OO, 2S. 2&500 e 39.,
Cartis com alflnetes a 100 rs.
Papis com alflnetes, cabega chata a 40 rs.
f afeites para senhora muito finos a 3, 4 e 79.
lotos mnito fios para senhora a 29 e 29500.
Meias tfe Isla e pretas para padre que sempre
se venderam a 29 a 640 rs.
Enfeites Com flores para senhora a 1J.
, (Tlheres de metal muito floas para Apa a 10}
r*.a duzia.
Garfos do mesmo metal a 49000 a duna.
Aasim como outras muitas miudezaa finase ba-
ratas, que deiiaroos de mencionar, para alo se
tornar tanta massada.
Vende-se um piano, de mesa em bom es-
tado e mdico prego; qasm quizar dirija-ae a
i cidade de OHada, botica d Joao Soares Raposo.
ordena de
1
Ginteiros de bonitas titas com pontas
cabidas e franjas.
A loja d'aguia branca recebeu urna pequea
porgio de cinteiros de bonitas fitas largas com
pontas cnidas e franjas, o melhor o ultimo gos-
to como se v dos Qgurinns, tendo tambem alguna
todos brancos proprioa para casamentos : as se-
nhoras que gostam de possuir o bom, manda-
ren a ra do Queimado, loja d'agnta branca n
16, que com 79 terso um cinto de bem e ultimo
gosto.
Novidades do pavo.
A loja de Gama <
Sil-va, na ra da Impera-
triz n. 60, acaba de che-
gar um novo e variado
sortimento de fazendas,
que vendem por presos
qae faz admirar, como
spjam:
" Um bonito aortimento de cassas suissas a imi-
tagio do sedas de quadrohos, que se vendem pe-
lo diminuto prego de 240 rs. o covado.
HT\\V\anUna a 2t40 ts.
Vende-se brilhantina com quadrinhos de cor
para vestidos e roupas de meninos a 240 rs. o
covado : na rna da Imperatriz n. 60, loja do
pavao.
Organays al^Or*1.
Vende-se cassa de organdya de padroes muito
bonitos a 280 rs. o covado : na ra da Imperatriz
n. 60, loja do Pavo.
Chitas a 240 rs.
Vendem-se chitas fraocezas muito miudinhas,
fazenda que sempre se venden por urna pataca,
e est se acabando a doze vintens : na ra da
Imperatriz n. 60, loja do pavao.
Gurguro a 400 rs.
Vende-se gurguro miudinho proprio para ves-
tidos e capas para senhoras e para roupas da me-
ninos, pelo diminuto prego de 400 rs. o covado :
na ra da Imperatriz o. 60, loja do pavao.
Las a 400 rs
Vendem-se lazinhas entestadas para vestidos,
fazeoda de muito bom gosto, pelo dimioulo pre-
go de cruzado o covado : na ra da Imperatriz
n. 60, loja do pavo.
Com barras e babados.
Vende-se finissimos cortes de cambraiaa para
vestidos, com barras e de babados, pelo baratlssl-
mo prego de 29500, 38 e 35500 : aa ra da Im-
peratriz n. 60, loja do pavao.
Cassas a 200 rs.
Vendem-se cassas com salpicos graudos a 200
rs. o covado : na ra dalmperatr n. 60 loja do
pavao.
Cassas de cores a 240 rs,
Vende-se cassas de crea fazenda nuito boni-
to a 240 ra. o covado : na loja da raa da Impe-
ratriz n. 60, loja do pavo.
Sedas a covado,
Vende-tegrosdenaples preto mallo eocorpado
a 19500,19000 e 19000, dito azul cor de rosa e
cor de cana a zJOOO o covado, sedas brancaa le-
tradas para vestidos de noiva a 29240 e 29400 o
covado, dita preta lavrada a 19400, chamelote
preto a 2JO00 o cosedo : na ra da Imperatriz
a. 60, loja do pavao.
Enfeit Vendem-se enfeites de muito bom gosto para
senhoras a 2(000 : na ra da Imperatriz n. 60,
toja do pavo.
Enfeites a 640 rs.
Vendem-ae enfeires de froco proprioa psra me-
nfnas e tambem para aenhora a 640 ra.: na ra
Imperatriz n. 60, loja do pvo,
Chapeos para seuhora.
Vendem-se chapeos paca senhoras, sendo mul-
to bem eafeitadoa e p sala modernos que tem
vindo, pele bara ti tilmo prego de 109 : na ruada
Imperatriz n. 60, loja do pavo.
Feriado a 2#400.
Vendem-se velludos preto, car de caf, azul
ferrete, e verde-escuro, propriospara vestidos de
senhora e roupas para meninos pelo baratfsaimo ,
prego de 29400o covado, sendo fazenda que sem-l
prese tendea a 59: na ra da Imperatriz n. 60,
loja do pavie.
De toda* estas fazendas se dio amostras del-
xaodo ficar peohor, assim como tem muitaa ou-
tras fazendaa que se tornara eofadonho deas
mencionar, todas veodendo-ae mata barato qae
lem outra qoalquer parte : na ruada Imperatriz
jo. 60, loja de Gama & Silva, sonde se a cha col-
locado urna taboleta com um PAVO pintado e
de oolte ama luz em que diz o PAVO,
Ruado Crespo n 8
Receberam pelo paquete francez diver-
sas fazendas de bom gosto, que se ven-
dem por precos baralissimos:
Borzeguios de Melis a
i Luvas de pellica de Jouvin a
Cintos de novo goalo a
Fivelas para cinloa a
Gollinhas e punhos com bolo (
Ditas bordadas a 500 e
Sedinhas de gosto o covado a
Babados bordados largos por
Enfeites a imperatriz a
Ditos de retroz qae n'oatre parte
89 69000
E de outras muitas aunlidadea por bara-
lissimosipregos.
Saias a balffi de crochet a 39600
Oitas dita de dina a 6)000
Vestidos de cambraia branca bor-
dada de 6f, 109 e 129000
Manteletes de grosdenaple a 20*000
Organdya de gosto covado a 400
Eoutras muitas fazendas por pregn com-
modos.
A.
13SOO0
29500
28000
20000
29000
lfOOO
10200
3000
18300
israasum
roa as Cruz a. 20.-ha ca
ea vendas ss aegutlaa aaaeesM
Vinhe da Boiaaaax esa baaria.
Dito em eaius.
Utas de eardlnhss.
Hasss de tomatas.
Potes com moatsraa.
IFcOetaa em enoearvas.
fateis de diversas qualidade.
Cepa em conserva.
as? Bes bV^sm%1b \
Millio a 41100
a sacca : na travesea do pateo
taberna de 4 portas.
a Paralzo o. lf
a 200 rs. cada ama garrafa :'aa travesea i pe-
leo do Paralzo n. 16taberna de 4p "
Caima engarrafada
s garrafa :'aa trai
6 taberna de 4 pe
Attencao.
Vende-se nm engenho parta OeaU cidade o
Recife, e que trab*lha com agas, rsvaa 1
bsragado de pualqner onus ; -aadsne 1
mente, ae convier ao comprador, caen al,
era vos, a toda a gado da criar a
engenho, e bem aaaim aaimaes: a qaea
vier este negocio anuencia aoose aova ssr ;
rado para tratar-ae e effectaar-se dita aegaets s
tambem vende-se s planta da caaes navas e
rogaa.
N. O. Biabar & Ol.sacceeaores.nss aa Craz
o. 4, tem para vender relogios para algibcira de
ouro e preta.
Proprio para noi-
vas.
Vende-ae am rieo guarda-vestidos da trae par-
tas e espelho, um toilete e asa tavatotie graads
com mesa de marmore ; todos estes aaavaae ele)
dos mais ricos, e vindos ha pooco de a acosa enea
da, o motivo da venda por ana dona ram-as
para fora desta provincia : quem preteaaar, -
rija-se a roa da Imperatriz n. 9, priaaeira aaaar.
Grande aortimento de perfumaras, rou-
pa feita, chapees para homem, senhora e
cria oca a, tudo ae vende por precos ba-
ralissimos.
Ac coberto para
baldes.
Vende-se ago de varias grossuras para baldes,
sedas de todas as eores psra bordar, cintos dou-
rados dos mais modernos que tem vindo, luvas
brancas de Jouvin brancas para homem e senho-
ra ebegadas no ultimo vapor, rap princesa Ro-
cha, do Rio de Janeiro, rolo francez, qae se ven-
de nao i em libra como a retalho, enfeites de
varios gostos e qualldades para senhora : na ra
largado Rosario na segunda loja n. 38, passando
a botica.
Vende-se no armazem de Jos Antonio Mo-
reira Dias & C, ra da Cruz n. 26
Safras tornos para ferreiro.
Ferro suecto em barra.
Linhas de carritel de 200 jardas.
Malas para viagem.
spiogardas francezaa muito finas em caixas de
per si.
Ferros de lato para engommar.
Pregos francezes de todos os tamanhos.
Ditos batel grande.
Ditos de coostruegio.
Bragos grandes para balanga.
Espingardas lazarinas.
Clavinotes inglezes.
Vende-se urna taberna na ra do Imperador
o. 2, a dioheiro, ou a prazo com garanta ; a tra-
tar na ra das Grutes n. 1. Tambem se vende
sag e sevadinha a 160 ra. a libra.
Vende-se vinho do Porto superior, musca-
tel e carcavelos a 159 a duzia : na ra da Cadeia
do Recife n. 4.
Carros e carrosas.
Em casa de N. O. Bieber
& C. successores ra da Cruz
numero 4.
Vendem-se carros americanos mu elegantes
e leves para doas e 4 pessoaa e recebem-se en-
commendas para cujo fim ellea possuem map-
pas com varios deseohos, tambem vendem car-
rogaapara conduego de assucaretc.
Poz de arroz
em bonitos vasos de crystal dourado.
A loja d'aguia branca acaba de receber mui bo-
nitos vasos de crystal douradoa com finos echei-
rosos poz de arroz e a competente boneca, e est
vendendo cada vaso a 39, dinheiro vista ; na ra
do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Vestidos.
Ra da Cadeia n- 23.
Rlcoa vestidos de seda, de cambraia
bordados e de phantazis, laazinha de ca-
res, aedaa de quadriohee e de listas,
aaa de cor modernas, cambraias casa lisia
de cor e bem assim oulraa fazeadas pro-
prias para vestidos.
Manteletes e chapeo*.
Superiores capas compndaa 4a gorga-
ro, manteletes, taimas de crox, da 110
e de outras muitas qoalidadee, superiores
chapeos de palba enfeitadoa para
nbora.
Novidade.
Modernos enfeites de esbeca, luvas em
pellica de Jouvia, leones, etpartilboe,
pentes de tartaruga, saias balso, cerniese
para aenhoras e meninos, sinlos. maesa
ioglezas para aanbora, manguitos a golas,
pulcetras de sandadalo, chapeos de palba.
Boupa feita.
Completo aortimento da cateas calla-
tes, paietots, sobrecasacas de panno, eaae-
mira, alpaca ele.: aa raa da Cenata a.
lois de Gura! & Perlico.
Ra das Cruzes 1.4,
fabrica de charutos,
milheiro, de fumo d
gao a 119 a arroba,
ment; afianga-se a
vende-se charatas e
1 Babia, valsa de cas
e ea povto lai-ee abati-
boa qualidade.
500e400.
O rival sem segundo na roa do Queimado nu-
mero 55, est queimaodo as leguintes masis isa
por pregos que a todoa deven admirar tsala pa-
las snss qualldades, como tambem palee) pescas.
A ellas antes que ae acabem.
Crozas de peonas da ago a 400 rs.
Ditas de metiaha, muito Boas a 100 rs.
Caizas com agulhas francezaa a ISO rs
Caizas com aparelboa pare divertir saines a
240 rs.
Ditaa muito finas e grandes a 500 rs.
Grozas de boloes de osso paqueaos* 119 n.
Ditaa de ditos de looca a ISO rs.
Duzias de baralhos portugueses s 1>vft0.
Tesourea muito linas para sobas a 400 ts.
Ditaa para costuras mnito finas a 400 re.
Baralhos muito unos para vo'.tarete a 240 rs.
Agulheiros com agulhas a 80 rs.
Caivete de aparar peonaa a 80 rs.
Ditos com duaa fothaa a 160 e 240.
Pegas de tranga de las de loase ss cores a
200 ra.
Pegas de franja de la de todas as cores a 990 rs.
Sapatos de traega de laa fines a 19989.
Carlas de alQnetes fraocezes a 100 rs.
Caixas de ditos ditos a 60 rs.
Escoras para limpar denles acuito finas a SOOrs.
Massos de granfpos superiores a 40 rs.
Cartas com colzetea com deleito a SO rs.
Ditas ditas superiores a 40 rs.
Oidaea de ago para aonhoraa a 100 ra.
Apitos de chumbo para meninos a 20 rs.
En&adores para vestidos com 4 varas a 80 rs.
Caixas com clcheles francezes e 40 rs.
Cartas de lmeles par armador a 100 .
Fios de coral de ratz a 640 rs.
Oharuteiras muilo fins a I9OOO.
Na ra da Cruz n. 10, casa e
Kalkmann IrmSos AC, tem ex-
posto um completo sortimento
de amostras d objeetos de bor-
racha, proprio para machinas de
engenhos, sendo correias para
transmittir moTimento, canudos
de borracha de qualquer con*
primento e groaiura, pannos de
borracha, rodetas de dita, so-
bre ditos artigos tomam-se en-
commendas.
immmmmm 9*mmmm
AUencao
Vendem-se caixOes yasios proprios
para bahaleiros.funileiros etc. a ($280:
quem pretender dirija-ae a esta tipo*
graphia, que ah se dirV quem ostem
para vender. '
[50 A-Rua da Cadeia do Rece-50
.500, 11 2(500,1
4500 eb$.
Manoel Gongalvee de Oliveira asease, j
acaba de arrematar urna porgas da rs- 1
zebdaa muito barato e por uto vende ba-
rato para vender moito, veode marta pe-
ra vender barato grvalas de seda a
rs., enfrite de vidrilho qne se tem vea
do por 49 a 19, chapeo da sol para
nhora a 29500, ditoa da cabecs a garihel-
di a 495OO e 5j, venham a este eatabeie-
cimeoto ver estas pichinchas qae admira.
Relogios.
Yanda-sa em easa de Jobnstea ISlar 4 C,
raa do Vigerio n. 1> am bolle aaraseata de
relogios de oaro, ptente iagle, deam deemes
afamados fabricantes de Li ver peed; taaaaasa
urna varidsele de bonites tri
A.tten9o.
Na raa do Trapkkaa.40, smaaaa aalati
fteoaer J,C. exiatanm baas sariiaaaaU *a li-
abas decores braBeaseasaaseatai de
brieaBte1elaglaterfaaeqaae eevi
'dragos mvlritoaveis
-T-T-
-7"



AaeitedePtlmav
ltimamente cbi
n. l'.vtttMttojtpdcrj
WAlA# fiWmHH |Qao> ~ TfififsV lkJ*u iM
tiras rica menta
fa
fc.-

le braveo
fe***-*6 P*oto de meto re*ma 2J cada
S?^ "' Qim.d*, ioj rarriW
M WS S" C*,1Dh"r CW* ?f*el de co"
Um rico carro.
.2>'6"M "*, DO Mtegaatoaaive Ma) -
*t preparado: no Kriptork^^jUg. Deposito na raa de Apollo n. 6, e praca
da B W importen** asUtaotocimeato contina a
tornecer aoa seui innmeros freguezes do alvo e
Pro*BcarerTataliaado, en p6 *em pieaH.
a 2. quahrf.de*. pelo prego de 160 200 ri. a
libra, a do refluido a 100, 120 a 140a libra, sen-
do que em groiso o comprador ter am deaconto
ta*ervel. Nos mesmos depsitos tambera se
vondomei de **uc*r a 60() rs. a caada, a car-
fa midiI em p* prego com modo.
Na IoK do \%*it
rlT^ l0 gr,a* 'onto to calcado fran-
ceze ingles, roupa feita a Derramaras muilo
osa. j v f r
Obras de brilhantes.
>mSL1*m de. 4,M! 4 c' rua. da CnK M.
acha-se exposto renda um grande aortmento
de oirs de brilh.otes.'toee como sejam, adere-
50, nietos ditos, pulseiras, alflnetes, anneis, bo-
oee e rosetas, que se tendera a oreos com-
moeos.
i?*10 *?#$>7* ,,w*w
pega, advertindo-se (na lis maii
de cada padrio, quem mais depn
'na rua do Queimado
ressa
de uma peg
andar melhor servido ser,
n. 22 na toja da Boa-F
- Soqball tjtoltors&C., tsndo receido or-
dena para vender o seu creacido deposito derslo-
gius visto o fabricante tor-ae retirado do nego-
cio ; convida, perianto, spessaas que quieram
possnr um bom^rojpitodi euro ou prata do ce-
lebra Moneante Knroey, a aproveiUr-se da op-
portunidsde sem porda de lempo, par* vir com-
pM"iMpor. medo prego no aau escriptorio
rua do Trapiche*. 28. .
ab 'baiJos "; t(
-! '. aidot >abt
Fabrica do Nontero.
Crystalfsaijao e refinado
de assucar.
36, rua das Cruzes de Santo Antonio, 36,
PROGRESSIVO
. i
Vende-se na roa do Apolle
n. 3i defronte do theatro a 4$
a arroba, meia arroba a 2#500
e a 160 rs, a libra.
Manteiga ngleza flor a
800 rs- a libra,
barril a 780, francesa a 64o, loucinbo
em U.,.. ,, r.uuvia a 0*0, iouciodo novo a
320, sevadmhs a 160, sag a 200 rs.: na rua Am
Grase* n. 24, esqua* da traressa do Ouvidor.
,Vende-se gar americano de primeira qua-
lidade, em latas de 25 garrafas, na razio de 15.
assim como latas pequeas de 5 garrafas : no
SSSUfci?"0' "M *?e "rua *TrBpiche
Chumbo
Vende-se chumbo de manicio, a dioheiro a
21 o quintal, e arroba a 5*500 : no eseriptorio
de Antonio Cezano Moreira Diss, no Porto da
Mattoa, rua da Moeda n. 87. w
Venda de laja.
Vende-se a muito acreditad* loja da miudezas
i.nJ l. ImPf",r 82. sendo esta em
uma das melhores localidades, muito propria pa-
ra qualquer principiante, per veader-se com o
sortimeotoMe forma que o novo comprador nada
precisar comprar ; veode-se a prazo, conforme
^convencional : a tratar na mesma nr. n. 4d,
Feijo de corda.
No armazem de Taaso Irmos, rua do Amorim
numero 35.
ma barcada.
Vende-se ama bsreaca do porte de 35 eaixas,
eocalhada no estaleiro do mostr carpinteiro Ja-
cintho Blesbao, ao p da fortaleza dasCinco Pon-
tsa, aoade pode ser vista e examinada peles pre-
tndeme* ; *ende-se a prazo ou a dioheiro ; a
tratar com Manoel Aires Guerra, na na do Tra-
piche a. 14.
Barato assim ad-
mira.
Mu finos e bonitos lencos de cambraia de-lieho
aberto e bordados para m*os e oabegas de e-
nhoras a 2$ cada um ; quem os mandar ver nao
perde o lempo porque alo baratissimos viita da
bondade, e assim os comprar ni loja d'sguia
branca, roa do Queimado n. 16.
Preciosos
carta
d linea pairea*.
aovo e sssis seil}
toas SO irle.
pr*5
AS TOfiiJUSUlllS
lUvas de Jouvin
a toja d'aguia
chegaram no vapor francs para
branca, rua do Queimado n. 16.
Novo destino do
torradorl
23Iflrgp do Tergo%3.
Vende-se manteiga inglesa especialmente eace-
lhida a 80 e 900 rs fraoceza a 640 9 a 600 rs.,
as*imcomo se torrara oulroe muitos gneros, co-
mo seje, caf, arroz, axeite deee, vela de esper-
macete e carnauba, etc., et., e se acaso alguem
duidar venha ver : a dioheiro viata.
Bonitas caixinhas
com visporaa para enlreteni-
mento.
Acaba de chegar para a loja d'guia branca bo-
agM ciiiohas de madeira invernisadas. com vis-
poraa, tendo 36 cartas, e as pedras numeradas por
emboe os ladoa, o melhor que 6 pnasitel em tai
genero, o costa cada uma eaiuona 3. a ostras
cobertasde marroquim. e a chineza. e outras qua-
lidadeoaf,l|500aly; o lempo proprie, e
per uso earijam-se com dinbeiro rua doQaei-
"ft toja d'aguia branca n. 16, que sero bem
Aspas largas
para saias balo.
A loja d'aguia branca acaba de recebar nm bel-
lo sortimento de mol b*m tecidas aspas para ba-
on ** M" venden,lo baratamente a 160, 180
e 900 rs. a vara ; qoem precisar *lirigir-se com
dioheiro dita loja d'aguia branca, roa do Quei-
mado n. 16, que eer bem servido.
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
d*"/** da uasia* or* de .uperior
quaMd.de, assin^omotajblflm Ol.xltmjM.
pedra ; tudo por prego* mkisb*rato* do queem
owriqualquerparte. i
DA
de
s
de
'A
todas
as
extractos para lencos.
A loja d'aguia branca acaba, de despachar
sua propris encommeuaa, Dqos e preciosos ex-
tractos de novos e escolhidos eheiros eomo bem
sejam, imperatriz, D. Jaonaria, D. Francisca, ma-
rechsl Bruquet Real, dito favori, dito dos Alpes.
dito de Trianoo, etc., etc., nao esquecendo porm
o estimavel extratto de sndalo. J se sabe os
freguezea que munidos de dioheiro dfrigtrem-se
rua do Queimado, loja d'aguia branca n. 16
acharo barateza, agrado e sinceridade. '
$## *# $**
ff Em casa de Kalkmann Irm9s tb
9 & C., na rua da Cruz a. 10, exis- A
|| te constantemente um Completo *fih
* sortimento de
Vinhos Bordeaux
qualidades.
Dito Xerez em barris.
Dito Madeira em barra e eaixas.
Dito Muscatel em eaixas.
Dito cbampanhe em gigos.
Cognac em barris. iu i
Cerveja branca. -,' 3
XguadeSeltx.
Azette doce muito fino eta eaixas.2
Alvaiade em barris.
Cevadinha em garrafes. !
*- *
Arado s americano e machiha-
para(avarroupa:emcasadeS.P.Jos
hston A C. rua da>enzala n.*8.
m a
I UlAdS.
Maior reduccao nos precos paira acabar.
Vendem-se w*a*dawm \ &&*& ^ C.
m Mda laada, uiat d ferro eoado 6o mui
acreditado fabricante Edwin Maw a 100 r#.- cor
** aovdfilllm m^m^wr
u f sos o -
o mi 19*5 S
Utll >)f> Ob a.'*\B l7a)i rr it>3
yeodom-se barriquiohas com mac^aileejadaB
ltimamente no gelo. pelo preco de 6 a barr.
quinbS: b. rea'do* pollo, defroate do theatro.
Vende-se uma escara mulata noca e de
" -%*: "*ru*d* M?p*oei^ 6m *V
UNDICAO LOW-IHOOR
Raa daSenzalla Nova u.42.
Rosto st.b.l eciman to contin a o ha ve r um
completo sort i na*n to demoenda lemei as moen-
dasparaeaganojBiacbiDas da vapor taixai
""farro batidos eoado,dttodos ostamanhoi
para dito,
Oleo e banba philocome
e outras qualidades.
A loja d'aguia branca acaba de despachar um
noro e bello sortimento de oleo e banba philoco-
me e outras superiores qualidades, inclusive a
estimada e procurada banba em copos grandes
cuja excellente qualidade j bem conhecidai
assim como a verdadeira transparente ; quem
quizer se prover do bom msndar ou ir rua do
Queimado loja d'aguia branca* n. 16, que ser
bem servido ; advertlndo, porm. que os frascos
vaa todos marcados com o rotulo de dita loja.
Ferro & Maia,
Rua do Queimado n. 10,
loja de 4 portas.
Vendem-se chitas (rancezas muito San de co-
res Ixas, eovtdo a 240 r>.
Chitas Ingleza, eovado a 160 rs.
Cassas francezaa muito Atrs, eovado a 20 e
4u n
Brim br.neo de puro linho, vara a ly.
. 32? Terde' cor de c, "ul e PrcW covuo
a J9UUU.
40Ceb5l)!)O0e t0uqo,n 15*000' ,0' 5> 30, 35,
* I"0."!0" mei" dealgodao cr fina homem,
'VMta bordada, a matiz, um., 8* e 10J.
tamisas para senhora, urna, If.
Cortea de caseraira de cor, superior fazenda, a
Velludo de todas as cores, eovado, 3d e 4|
Saoerieres paletots de casemlras de cores al4J
45 eW)?11"*9 C,pWb,s Doroaa'Preohora a"
Riquissimos manteletes pretos bordados t 35 ,
9
409000.
Riquissimos cortes de seda preta a 40:8'
?%: *??***braDca bord,dos
609.
os a 20,
da^ 41* *f*bM9Mh^ estomtado-, soperior f.zen-
^^Ib de velrodo de cores para collte a 4 <
6afl!ia, e csn,brrta bordadas, uma 320 rs
wcwrore* casemlras da cotes, corado 2#800
Pentea virados de trtaro
Jinho, dui
elioho, du
pretaa, su
ruga
linho, du*a5e
J6e8#.
cambraia bordados a 1|80Q.
lita de sal picos a 3a.
o.a
Exiaie maia um
"fiff-
'ualq.erp,
V.ne-sea
a. 9, tom pon
planto, em bom
s'-^o^Ors.
esplendido sartimento de fa
i tagar para o tr
-. A, F. Dturte Almeida, socio que foido armazem progresso, faz sciente aos seus fre-
giiezes que tendo separado a sociedade q,ue tinha com seu mano, acha-se de novo estabele
eido com dous a ceiados armazens de molhados, associado com o Sr. Joaquim Jos Gomes
de bouza, o oSr. Paulo Ferreira da Silva; o primeiro na razo de Duarte-A Souza, e o'sejrundo
na de Duarte Almeida A Silva: ei>tes estabelecimentos offerecem grandes vantagens ao pu-
Diico,naosnaUpezaeasseiocomquese acham montados, como em commodidade de
preco, pois que para isso resolveram es proprietarios mandarem vir parte de seus eneros
^nIT!S : m de>erem 8emPr<> completo sortimento, como tambem poderem offerecer
^^SSE^^1 dd,bdl08rfitlrn, ,od* e *"**"* qw'id^ do gneros vendidos em seus armazens, e assim j peder ve/ o
toTe" TL vtete^ no9r?r>mT,"' E""0 P0^6850- f00" W. qwlquor ora dostoo-toWoeimontos, que serio to m m,i-
pedfmTs a todosTsZSl ? ^ T a """^ l "fm C0D,"r de D0U0' "*. "^ fdos as vantagens que offerecem.
im^L^A t6}Tes praca, senhores de engenbo e lamdoree que mandem ao menos suas aaeommandas a* orimeirs vez snm Zn;
55K Pronde 'eropubUeoqa.vtdeo,brr.ti..imo, .Uendendoas W.
Mantega Ogleza especi.lm.Dteescollhida a 800 rs. libra e -
mandem ao menos experimenur. serlos de nada perderem pois para isso
r hTh Za *Me,hor 0 mort*io 64M* *v,hn e em barri* ''
PrLultAfilKret "WHWr ere"d0 de !*700 28M m t** *>"o fi^-ee i boa qu.li
Presunto fiambre iaei tUm]Mtgau 900 rs. Hbr. ea porcao 800 rs.
rreSUntOS portuguezeS vindosdoPomdoeaSap.real.ra56er..porlrbra6.ntoro a 460 r.
Marmelada dos maihores autores de Lisboa premiada DMexpogice* universaes de Londres 6 Paris a 19800 I lata.
u{Lasd?xa;, pevide e rodinha a 7,ooa M"e 80 "'a ,b" -'"**"
^aias ae ameiXaS rancaas coa cineo libras a 49000 e 1000 a libra.
Rfl^Lei^.^*lllMlS^^^*1***. tolhorosdo mercado 2|000 ea dO^rs. a libra e caix.de urna arroba a 79000.
Espermacete supener a 720 rs. em u* 740 r... uw..
Frvflh? raQCeZa8lDgleZaS e Prtu^zas. 600 e 800,.. o fraseo.
Lata com bolaThr,T" T "' mc ,Bansi"M !erem ms ^ preparadM qo*xm vindo ao mereado-
Vinri^ uiaXmna de SOda de diversas qualidades, a muito novas 19450. egrandee de 4 a 8 libras de 2
porgao a 750, recommenda-se aos
confirmamos o que levamos dito.
razao de 600 rs. a libra *
apreciadores destete genero que
alidada.
Ricos crties de medina de
seda.
r.A,J& U9P'l* do ...
veatido de medina de seda
,a fazenda maja fln, mais _
que ba no mercado, cada corto
2&IO0O o cort; es enberas da basa
ttoerem de assislir a bailes e a eaesau
qmzerem levar nm vestido de aliissa med
mandarem ver na mencionad, loja da Jtoa-r.
na raa do Queimado n. Vi. '
Vendem seosengeubcs
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correntes e
d'agua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de enge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pea:
quem pretende-los dirija-se
a rua da Cadeia do Recife n.
26, primeiro audar, que acha-
ra com quem tratar.
As verdadeiras lovas de
JOHVifl.
nctar, Csrcavellos,
i grandes
Madeira
seeca,
29500 a 49500.
Feiloria e Camones a 19200 a 19300
.
infao em pipa proprios para pasto de 500 a 600 ra. a garrafa ede 39800 a 49800 a caada.
Latas COm Iructas de todas as qualidades que ba em Portugal de 700 a 19000 a lata.
Tnrintiv CaiXaS de a 8 ,ibr" melhor que se poda desojar e lem vindo ao mercado de 49 a 69 a eaia e 1928*0 a libra.
^unniQiaS em frascos de 1 1.a a 2 libras de 19600 a 29200.
Pafti H^rI6116 ^ PflSCada 6 OU,ra" laut, 9,MMdde0 mais bem arranjado que tem vindo ao nosso mercado de 19400 a 19600
Frascos d """"iqDe h> 2* "'" "*"' 28 "* -h wdo*
Vinne-pp u ft Cm 2 ,brM' ProPr"8 P'ra mimoa* Por serem.muitobem enfeiudas e de superior qualidade a 39 eada um.
comiK^^c^,,^,ido no mereado:4d0 rs-a garrafa e 2*560 cantd*-
Vinh a RapIfll, v mai DOVOS qBe to no *""** a 800 a ,ibr,l d0 comBho e 40 doce.
NMMts t f ^ ^ 9Uald*da 80 # ^^ # d* 860 10f00 dU"**
Fiaos TOvnT em,a,asdeun,a ,ibra d0 maisacred.udo autor de Lisboa e vinda a pr imeira vea a nosso mercada, de 19 a 19280.
CppvPjiQHa^S!i4'a' 68 ]bm ProprM Pmmimh Pr ""m^<>bemenfeiiadosdel9500a49ea400,s..libr..
ViZJro ^L^ V i S marCaS 80 a "^ e 6*>00 a d d* >.
Vmagrcpuro de lisboa.. uo rs.. g,ru W850 .cau^..
OCe da gOiaba da Casca emc.ixao a 1J e em porcao a 900 m
Az^te d.oce purificado 8oo r, .. ^^^ a g^4mmJi9amwnl^
vuguetc a rnelhor qualidade que temos no mercado a 19000 a garrafa e 109000 a duiia.
P o^r.SUSSSrS 68"^ n,lilMni",e H> e em poreio tora abamenio, afianca.se'a boa qualidade
railtOS llXadOS para denles a 200 e 160 rs.
dem do gaz
Aze^m^ 0Mi1U^^^',"Mtid0 D0i0*'*< hesp.nholefr.ncez de 19.19200 .libra.
ASndS-*BI Amendoas chegadas no ultimo navio a 480 rs. libra o em porco ter batimento.
a o maislimpo que tem vindo ao mercado a 160 rs. a libra e 59000 por arrob..
n dos gneros annunciadoa encontrar o publico um completo sortimento de ludo tendente a molhados.
Bicos de seda.
Bicos; rendas e labyrin-
thosdasllhas.
A loja d'aRoia branca acba-se recentimente
pronda de um bello sortimento de finos, alvos e
bonitos bicoa de seda, e das diferentes larguras
djl dedo.t m*i de 112 palmos, e o* baratos
prego* por que se esiao vaodendo animam ao
comprador: aesim como o. forte, e muito dura-
veis bicoa, rendas e labyrinthos das llhes, igual-
mente baratos como coohecer o comprsdor.que
munido de dioheiro, dirigir-se a rua do Queima-
do, loja d aguia branca n. 16.
A ajjOOO o corte
de cale de meiacasemfra escuras de orna s
cOr: na rua do Queimado n. 22. na
Boa-f. '
verdadeiras" lavas da Jouvto, o
aoa cavalleiroa e madamas de bo
qoe mandem por ellas na referida
te, na ro. do Queimado n. J.
recoso saend.
gaato. Mra
toja d. bo*
o maco com 20 macinhos, e flor 280 rs.
a 39000 a groza e 280 a duzia de eaixas.
A lem
loja da
I
8
Esperanza.
:
Eeaebeu de sua encommenda pulc.i-
ms de cabello qu. vende por 109 o par,
braceletes de mosaicos a 6$ cada um
agulhas victoria 120 r*. o papel, pen-
lea de larlaruaa a 8, 10 e 12|. precos 9
porque moguem pode vender (boa fa- aft
zenda) estea artigo* nao se eocontr* em ]
loja uenhuma por Uso ao a rua do Quei-
m.do n. 33 A, loj. da Esperance.
sortimento de enfeites de flo-
res papa casamentos
e bailes.
A loja d'aguia branca acaba de despachar um
lindo sortimento de enfeites que de sua propria
encommenda maodou vir para casamentos e bai-
les, esem medo de errar, pode-se dizer que sao
oa mais parfeito* e delicado* que at agora lem
vindo, e esss verd.de ser conheeida por aquellas
pessoas que aabem apreciar o bom : apes*r de
ludo vendem-se baratos em proporgo a perfeicio
delles. sondo a dioheiro 4 vista 12, 14. e 16>,
i*eo na ruado Queimado, loj. d'aguia branca nu-
mero 16.
Mantas de retroz para gra-
vatas.
Vendem-se mantas de retroz para gravitss,
tanto pretas como de cores a 500 rs. : na rua do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
A loja d'aguia branca
receben tambem novas lavas de fina palliee, en-
fetadas, para casamentes, assim como lindasca-
pelUs. A commodidade dos prego* ja bem co-
nheeida por seu* bons fregueze, e ser maia por
aquellas peasaaa que de novo o quizerem aer d.
da* Iota d'aguia branca, na rua do Queimado nu-
mero l.
SEsperanea reduz a expres-#
tt s*o mais simples.
(A' DINHE1RO.)
V Todos o artigos que esto na loja tk
A muito barato quem quizer v comprar e 2
Rua da Senzalla Nova n. 42.
Neste estabelecitriento vndete: U-
chas de ferro coado libra 110'ttV id
de Low Moor Iibr a 120rs.
Por baixp do cabelleireiro,r
do Queimado n. 5.
Sal do Ass.
wqi r
Vende-ae aal a. Asi, a borde dobrigae bra-
atleiro cAdelaide, raceatomente chagsdo : a tri-
tor do eacriptprie de Bailar 4 Oliveira, rua da
Cadeia n. 1S.
Fitas de sedas.
Tem'chegado palo ultimo vapor, na easa de A.
L. Detooche um rico soriimenHo de lias de sedas
de todas aa corea : convida oe aeaborea vogi.tas
e todas aa peseoteqoe todo iaterruar, de app*-
reeer na rn* Nova n. 22, que ate denmio de
comprar vista dea fateadaa e dos pi.joe.
os.!!
IJNj
r. .
. a &uv rs.
^ema-UMo, na de Qaeimado,
menea .sk.1I. i
vo se dir : tratar na Sent!. Velh' n. 50,
moti-
ijir.e
Serve
O
> an
Retroz em carreteis
para coser-se as machinas.
Vendem-ae carreteis com retroz de cores, nro-
pnos para aa machio** a 320 cada nm ; n rua
do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Vende-se para acabar, materiaes por barato
prego, como seja, telhas, alrenaria batida, ladri-
&$$&*:alTeoaria flna-dita
Nova expsito.
Rua Nova n. 20.
RiquUsimo sortimento de cutilerias em todo
o genero-, assim eomo um riquisslmo sortimento
de ouca de porcelana para eotioha, rlquissimo
sortimento de metses, riquisslmo sormenlo de
miudezas, e oulros muitos artigos. qne com a vis-
ta do comprador se poderlo apreciar : na rua
Nova n. 20. loja de Carneiro Viaons.
Bombas dejapy.
Raa Nova n. 20, loja de Carneiro Vlanna.
Caaos de chumbo.
Rua Nova n. 20, loja de Carneiro Vianna.
Gracas a Deus.
J se pode fazer mimos.
J se pode fazer mimo*. *
J se pode fazer mimos.
_. J so pode fzer aimos.
Cbegaram affnal as esperadas macas sw teto
e estaose vendando pela roet-.de das qoesovetv
dtom, aendo a 160 rs. escolbidas : no arsade de-
posito de Sojr & C, ru* estrella do Ko.ario ao-
mero ll.
Exposicao
DE
Candieiros a gaz,
O proqrietario da nova ezposicao dea candiei-
ros a gaz avisa ao publico em geral, qo. se .cha
sempre sonido com grende e v.ri.vel sortimeata
de candieiros desde o mais barato ato o maia caro
assim como um grande deposito de gaz idrogeni
verdaderamente econmico, reconhecido verda-
deirameote por todos oa contumidorea : na raa
Nova os. 20 e 24, Carneiro Vianna.
Nesta mesma eipoiicio se encontrar am va-
riavel sortimento de riquissimos quseros de iod*s
u qualidadea que por Rosto so pode apreciar ea
seos desenos, um riquiaiimo sortimento de
qoinquilharias.cODtendo entre ellas riqoiti*as
vavatorios para quartoa (gusto dunas), um varia-
le sortimento de bslsios com todos os prepare*
para viagem, coolendo pratos, faca*, ropo* e oa-
tros frascos para condicionar, ferros de ergom-
m.r a vapor, machina, de b.ler oros a vapor,
machina, de fazer caf vapor, espingarda, da
dous canos tronzadas e de alc.oce, aaappas del
mundo, e outros muitos objectos que se vendm
jpo prego* diminutos para acabar: raa Nova
numerlo.
Chegouaapreciavel agua bal-
smica para a bocea e
deutes*
A loja d'aguia branca acaba de receber ama ne-
ja remessa da mui proveitosa e procurada *>aa
balsmica para a bocea e dantos. O bom retnl-
todo de tal agua j nao oflre dnvidacomoaa-
bidopel**imaien.ao,oaqne a comprara
e que eentl.ni f.n. ,],,, J, ^-
compr.rem aeh.iao que o uao dola faz con.ar-
var os denles saoa, livrsudo-os da carie, foriato-
ceraageoguaa e tirar o mo balito da berra
dando i meama agradavel aroma, podendo-se'
mesmo usar dalla nao .0 pe), ra.nba. como .
qo.lquer hora, e com acert depoi. do fom*r pa-
ra tirar o cheiro do fumo, ou quaodo ae lenba m
aahir para ter-se a bocea aromtica : p.ra i.M
porm, bastam algumas gotas delta em agua ata-
ra, O provello d'agu. balaamica anda ebeaa a
mais, ella aerva com acert e prompli.o p.ra
acab.r a do-de denle, en.op.ndo-e t,eila j
Socdo de algodo e deilando-o no buraco o
lente, este adormece e em poaco desapp.reee.
Jor. P.ra e obler nm fr.scode lio proteito*. e
apreciavel agu* balsmica, dirigir-.e com 1.
loja d guia branca, rua do Queimado a. 16 ni-
ca parto onde ella ae vende. Aderte-.e q.e os
ascos vao marcados com o rotulo da dila loja
SABA.
Joaquim Francisco de Mello Santo* avisa .
seus fregueze* dest* praC. e osde fra. o., tem
exposto venda aabaod* aa. f.brie.denmiada
-Recifenosrmaeem doaSrs. Travaaaoa Janicr
4 C, na rua do Amorim n.58; mana amare!!*
eaatanha, preta a outras qualidades por menor
pr.co que de outras fabrica. No meamo arma-
ba m tem teito oaeu depo*ito devela, da csrnaa-
zaeimplessem mistara alguma, como aa de
composicao.
Vetos de eomposicio, sebo do Porto, vela
De sebo do Rio Grande, cera de crn.aba a me-
lhor que ha no mercado ; vendem-se na rua da
Cruz n. 53, ermeaem.
x
de fil.
Vende-se renda lisa de fil propria para cascar-
rilh de veatido. de cambraias e outras obras :
na rua do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Aos proprietarios de carros,
correeiros,
fabricante de bonets, etc.
Pachincha nunca vista.
45Rua Direita 45.
brandas coaroa de boi, Inteiros, de loalra. de
b .-sic
i
< te uta
- toide-i* 0 grande
na. alt na fregnea>
ff.lct^
mffllto^a^.?
pesdecafezeiros, comdive
...dlvdieo ale de
a Utangelra. ooqaeiros, M'9df\i e
rendem-se dua. vieras que dio bastan
wft>v*kw** *ov v uu*auya
por muito barato prego.
Rua da Cruz n.
N^eaaxiptoriod.vBrA-,BWto A Q ven
tima riquissima mobill'a de moan toda de obra
de talba o mais modarno e melhor que pos-
e vel, por prego muito razoavel; no meamo ea-
erlptorto ha a venda esct-lleotes moblllsi; nain.
do Junco guarnecidas de marmore a 3509, ComO

J chegaram
para.ed.iur nos castigaes eegrar a as oteressantes estampas, amorte do
eto da epermacete, fasepdo-a qaeimar ali e
Bmi e preservando es nuau de ae quebrare* .
o eoJor da luz venda-* a Mfl r* eak ntQ afola branca avi**aa. es aeahore
loj. aiSk ****&
q*eetta

mondado assac miera isa n
*, cfcagar^ e .*** maia a qeber poa-
Vf**, dfet tajara atada se veadere
o*da aj.
J; Na loja do vapor, rua
^"Bi n. 1, acha-se barato
e ingles,
Eseravos fogiaos.
ngeaaoS.
alto. b*i
Attenco
Fogio no da 11 do correle, do en*
Jo. o eacravo de nome Lniz. cabra alto
bado, peinas Qn**, p* compridoa a aeccoe' Usn
um dedo da mi direita aleijido de um peari-
C ,xrog*.",e loa,g utoridadea polieiaoa.
capiliea de campo ou qualquer pesso* do ?
Kscrave fgido.
< Desde odia 24 de ootnbro p. p, eat fagto da
*?""0J,"},to "*^M*. oatotnr* ragalar, cae
cUra, Wgod>a o ato>, tai asevero da aorta
qaem o pegar tova-eia raa da Cra a. 48. casa
da san aeobor B. A. Borle qae sari raaoaapaa-
aado.
Fogio do edgenho das Matas, comarca da
Cabes no di* W da eetembro da 4601, am eacra-
vo por nomo Joto, orioato, oraaotao. altara ra-
gutor, grosao da eorpo, aapadaaaa. toad* da tra-
la a aaoteaoaaoa. mottaa-aa aa* asis da enca-
nto d. atate, ataque Ib* tirar* ama a--.
raa laaeva. e locoqoa a* vio ama ella diaomen*
Sarta oarto mellado cor e*aoH*e *rea.
**ennsato da oarreg, tambom fe* ae.
*arao rMbo de roupa : daaappareceo e*v*i-
IT da eotabr*. Beto negro j tom *too ara-
sonoRecefedaes vezes, e primara va* traba-
Ibaodocom *m*c*rvo*. e a araaada vas tai
prrao lrabo)b*ndo em nm arasoaam ae insm
como Torro : quem o pagar lev* .. aaemame ac-
na, qae ser boa recompensado,


(8)
mmonsWaibuco; m* teji feira 10 di oVBibio e isii.
Litteratora.
<\
Tres irmas rives.
v
(Coolinuago.) .
Exhaurido pela eoergia com que recitara este
empbatiCo discurso, o pobre hornera caho sobre!
sun poltrona profundamente abilido. Estes gran-
des arrebatamentos proprios dos horueus fracOs,'
sao imrio Hitamente seguidos de reacgo. Henri-
quela coraprehendeu que era bastante a aPTeigio
que causara a seu pae, e acabando de representar
o pap.'l que se havia imposto,lancou-se de joelhos
ans ps ue seu pae :
Meu pae, meu bom pae, disse ella banhada
em lagrimas, perdoae-me; sotr meto culpada
de que o peusae?. Se soubesseiao que leoho suf-
rido desde que vos (allei.
N.io obstante o b>co cooiervava se impas-
sivel.
Urna s palavra, uto s olbar de perdi,
supplicava ella.
Mr. de Cbarrsssio que s desojan perdoar,
ebaixou os olhos e leveotsndo-os logo :
Ah! meu Deusl disse elle, toda sua mae.
Vom rainha llha, vera a meus bracos ; potm
esiuecers tuas loucas ideas, nao verdade ?
Todavis, meu pae, e quizesaeis ourit-nre?
Objecin timidameote Henriqueta.
Cala-te, nem mais urna palavra sobre esta
t"ucura, inlerrompeu o bario com autoridade.
Wioha vootade que cases com o Sr. de Vaudrey.
So com esta condico perdoarei a pena que aca-
bas de causar-me. Hoio mesmo fallarei sobre isto
a Paulo.
Ilenriqueti que nao esperara um resultado to
prompto e to conforme a aeus desejos, respon-
den dissimulando sua alegra sob uro ar.de resig-
nsgao:
Meu pae. submelter-me-hei a tudo que me
ordeoades; somente...
Filha da mi ha alma!.. disse o feliz pae abra-
cando-a ; juro-te que ja esqueci tudo.
Permitti-me somente que vos faga umi
grave objeccao : o aeobor da Vandrey ne me
ama.
-Nao te ama; ora, queres raceiar, urna pes-
soa to bella como a minha Henriqueta 1 aeria
diflkil I palavra de hoora___Se ha somenie esta
objecgo, ella est acabada, e eu o garanto, disse
o baro com alegra, completamente tranquilli-
aado do abalo que soffrera.
Entretanto, Insisti Henriqueta, tenho qussi
a certeza de que vosso pupillo ami a Gabri-
ella.
Ah timos ciumes, bom signal.
Afuaago-vos meu pae, que tenho certeza
disto ; e conleasar-vos-hei mesmo, que o que
contribua muilo para me farer tomar a resoiu-
cao que tanto vos afligio, foi a perpescliva de fl-
car sulteira, e de ver Gtbfiella. que mais moj
quo en sele aonos. casar-ae primeiro.
Tens razo, querida filha, disse o bom ho-
rnero, serla injusto, e nao o consentira, juro-te
o f le Charrassin, que o senhor de Vandrey ou
casar comtigo ou nao casar coro Gabriella, nem
Rene. rorm pareceu ter esqnecio que ha para
o casamento outras conveniencias alm das de
amor. Confia pois em mim ; e no caao de me
sahir bem do meu negocio dis-me a tua palavra
em co-ao acceilars Paulo de Vandrey por es-
poso ? J r
Amo-vos tanto, disse Henriqueta. beijando
com transporte os cabellos brincos de seu pae
que tu lo farei para vos tornar feliz I
Bom anginho I disse o buo abracando-a
ternamente.
rirtnriqueta sahio triumphante do quarto de
eu pae, e foi para o della.
VI
Mr. de Charrassin ficande s, assentou-se, e
pela primeira vez na sua vida, lalvez, reflectio
durante meia hora e tomou pi resolugo. Bas-
tara somento ver sua oobrezs ameagada para de-
cidir-se a lomar a iniciativa, sobratudo em ma-
teria de casamento, assumpto de ordinario to
deliodo e dilTicil de tratar-se.
Quaodo Henriqueta deixou-o elle ezclamou :
Diabo, a pequea capaz de dar urna cabe-
cada que deshonrara para sempre nossa raga
1,'cirem hei de remediar tudo isto. Ella tem ri-
te e cinco annos, o sangue hespanhol corre em
uas vens, e o amor erve-lhe na imaginacao.
F preciso casa la a lodo o prego om Paulo ae
\antirt-y, afim de prevenir grandes loucuras....
lorm tenho eu por ventura o direitode preju-
dicar miohas outras filhas, por causa desta?
Sim, certaraente porque se trata de salvar
e honra da familia. Alm disto Rene e Gabri-
ella sao de raga germnica conserva-se-hao com
.#uo e prudencia por muito lempo. Hoje mes-
n.u fallarei a Paulo sobre isto. Se verdade que
elle prefere Gabriella a Henriqueta, um bello do-
te de duzenlas mil libras em boas trras, far-lhe-
ha talez mudar de resolugo ; dir-lhe-hei a'.m
disto quo Gabriella inda muito joven pira que
eu cuido em separar-me della.
Vuitemos as tres irmas, emquanto o baro
procura encontrar seu pupillo.
Henriqueta quaodo chegou ao seu quarto coo-
tcmpluu-ae por muito tempo as espelho, achou-
sc bella, vestiose com toda a arte que a rivali-
dad e o desejo de agradar podem sugerir. Pre-
cia fcilmente os meios de que se servira seu pae
para decidir o senhor de Vandrey a desposa-la,
e no julgindo o amor que Paulo professava a
Gabriella ou a Rene, bastante para resistir a urna
Tautagem de fortuna, esperou o resultado das
promessas de seu pae, com urna esperanza cal-
/ti?. Antes de sahir do quarto, vendo que nao
bata queimado a ultima carta de Jos ; deapeda-
gou-a.
Porm era tarde; quando Henriqueta sahio
para ir fallar a seu pae; Rene dirigio-se ao
quarto de sua irmQa, afim defallar-lho sobre sua
nocturna expeiico : admirada por encootra-la,
percorreu o quarto com olhar investigador e vio
no chao, junio a porta, um papel machucado,
qanapanhou e abri depois de alguma besitaco;
leu enlo, estupefacta a carta do siogular aman
te de Henriqueta. Envergonbou-re por sua ir-
ma, deixou cahir o papel, e fugio como ae aca-
basse de commetter um crime. '/
Todava, ella nao qulz revelar Gabriell
gredo que acabara de surpreheoder; ti
que urna tal confidencia vivase aunabar o
lo desta menina.
Gabriella que s adormecer ao romper do dia,
despertou larde.
Estare&maie tranquilla, quagmo Jlo o tlltor-1
rir-lhe prjr entre suas eorlinas,^elper8bgip*ol-
tou-lhe ao corago ; abri todas as suas janellas,
e sentio-se consolada por, este ar puro e pelos
gorgeios dos passards que carrtarafn o amor e a
telicidade. Julgou-se lampera destinada a ser
feliz, e vestindo-se promptaaente; pentai os
cabellos, vesiio um simple* roupb de-muselioa
cor de rosa, apertou seu talhe delicado e flexivel
com om einto de longas portas cabidas; depois
dirigio-se ao jardim. A viJa diffuodia-se oessa
ardente joven, om sangoe puro pareca preste* a
rebentar do fino tecido de teas labios escarales,
e apparecia no azul carregado de soas velas
transparentes; e no entretanto seo lhar febril,
a vivacidede de seus movimentos aaounciava
urna agitaqo nervosa que excMiam as forjas
reaes, e que deria trazer urna prolima reap-
tjo.
Contrariada por pao eocontiar Paulo de Van-
drey, percorren o parque em todos os sentidos,
risiiou o banco de reir, e nolle assentou-se para
recother anda urna lembraoca. Finalmente
afflicla por ver a indifferen;a qoe lhe testerou-
nhava Paulo, voliou muito triste para acabar de
veslir-se. Sna esperanca desvanecia-se e a pobre
menina principiara a deixar-se abater por um
pressentimento de desgrana.
O Sr. de Vandrey sahira para dar um passeio
a cavallo e s vollou horas de jantar. A tarde,
qusndo eslavam todos reuidos, tratou as tres ir-
mlas com as metmas atlen^oet.
As cinco horas, o bario pedio a seu pupillo pa-
ra dar com elle um passeio pelo jardim. Paulo
apressou-se a faze-lo, e foi enlio que, a alguma
distancia das tres irmas, tratou-se urna questio
da qual ia depender toda sua vida. Ferldas pe-
lo lom solemne cosa que seu pae fallir a Paulo,
comprehenderam inatioctivamente que nesta con-
versarlo ia talvez decidir-seo seu destino.
Fnsmenle a sinela que thamava para a cea
veio por flm a esta tortura. A principio todq
eslavam coostrangidos e silenciosos. S Mr. de
Charraiesin conservava seu bom humor ittalte-
ravel.
Qual foi a sorpresa de todos, quando, ao sabir
da me^? ? riio-tomando o braco de Henrique-
ta dirigiu-'ae para a cmara vermelba, e rogou ao
senhor de Vandrey, e as suas Qlhas que o acom-
panhassem.
Um dos caprichos do velho fldalgo era conser-
var a estima a etiqueta e os antigs hbitos. Ora
desde 1593, lempo em que Henrique IV recebeu
hospitalidsde dos Vantraners, todos o* aconteci-
mentos graves que se passaram foram na canra
vermelba e tveram por testerounha o retrato de
Henrique IV.
Mr. de Charrassim ao chegsr diante deste a-
gusto retrato fez suas Qlhas urna allocuco em
termos enfticos sobre este tocante coslume de
seusanlepassados, e disse que ia tratar-se de um
acontecimenlo capiz de remojar seu velho cora-
Co. Tomou enlio a mito de Henriqueta e a do
Sr. de Vandrey, e depois de Ihes perguntar ae se
acceilavam por esposos, e recebendo o seu mu-
tuo consentimento, terminou por esta graciosa
apostrophe :
Sede felizes, meus lhos ; e que o grande
re vos abeoce e vos tome sob sua real pro-
tec;io.
Acabada a ceremonia, a phisionomia do bario
rsiava de prazer. Parecia-lbe que nunca mere-
cer tanto de seus antepassados como oeste dia,
e seus pequeos olhos ozues, meio cncobertos
por suas palpebras eorugadas, brilhavaaa como
no tempo de seus primeiros amores.
Heuriqueta iriumphara.
Qianto ao senhor de Vanirey elle deixari a
seu pezar apparecer sobre seu rosto urna ourem
de irooia, e dissimulava por urna poltdez affecta-
da sua profunda iodifferen;a por Henriqueta.
Henee portou-se heroicamente ; ouviudo a sen-
ten^a que aaiquillara sus felicidade. levantou os
olhos como para tomar o cu por testemuoha do
sua resignacio, o eucontrou a divisaEsperanga
frustada. Esta divisa, escripta sem duvida por
um coraco desolado, causou-lhe nao obstante
sua antiguidado, uma simpathia que' lhe ajudou
a supportar sua dr. No momento de sahir, ella
vollou-se. e veodo Gabriella immovel sobre uma
cadeira ; chamou-a por muitas vezes ; porm nao
obtendo resposla alguma, corren para ella, e viu
que eslava desmaiada.
Pobre irmta l exclamou Rene, ella o ama-
va anda mais tto que eu I___ i
Ouaado Gabriella vollou a si, deliravs. '
Na desordem de suas ideas, deixou escapar seu
ssgredo, e apezar da incoherencia de suis pala-
vras, Rene pode descobrir a grandeza e exalta-
cao do seu amor. A meia noile Gabriella ador-
meceu e parecia tranquilla, sua irma conser-
vou se a seu lado pensativa, contemplando com
uma piedade melanclica este gracioso rosto, ao
qual a febro dava um brilho deconhecido e que
parecia sorrir para alguma iroagem de felici-
dade.
De repente por uma destas misteriosas reve-
Isces do iostincto, por uma desta dupla vista do
corceo de que aio dotados alguna seres privile-
giados, ella entreviu para esta menina tio joven
a to bells w futuro todo de soffrimento. Quan-
do quiz olhar nesta especie de espelho mgico, a
riso tinha dosapparecido, porm um presenti-
menlo de desgraca conlinuou a pezar-lbe n'alma,
e comecando a chorar, suas lagrimas cahiram so-
bre as faces de sua irmia. .
Por uma ioexplicavel sympathia, o rosto de
Gabriella conlrahiu-se sbitamente, e de seus
olbos fechados rebenlaram lagrimas.
Neste momento Rene sentiu por Gabriella om
amor maternal. Egualmente engaada em sea
primeiro amor, e reunida a ella por um comroum
inlortuoio, resolveu viver d'ali em diante somen-
te para sua irmas.
iella despertou, havia recobrado
Ranee questionoa-a pradeote-
bre mrtoiaa. louca de dr, conllou-
lo, contou-lhe a scena do banco de
i esferancas e~crael decepQio ; fallau-
n vehemencia que Rene Ocouassus-
qae olla nunca ae podesse curar
ira ajuda-la a pastar este penoso momento,
urou dar alguma esperanza? a este eors?o
(acerado, Com effeilo ella acabara de descobrir
um meio de desmanchar o casdmoofo de Henri-
queta. *^*-
O dia seguiote era o designado a Henriqueta
porlos Doihoa para a entrevista.
Gabriella entregue a uma eepecie de atona,
estere eeu quarto durante Iodo dia.
Ao anoflecer o plano de Reoe j eslava feilo.
Todavia, na incerteza do successo de sua tentati-
va, e teniendo o erTettoque pqrtttia produzir so-
bre sua chara doente uma nova deeep^o, nio lhe
fallou do aou projecto, UnrHou-te a dar-lhe va-
gas consola^es. Depois da ceia, sob pretexto
de ir juntar sea Gabriella, aobiu para seu quarto
em vez ta flcar no sali.
Antes de axecutsr o seu plano hesitou por mui-
to tempo. O que ella ia fazef nao era opposto
delicadeza de aua consciencia ? Porm Henri-
queta parecia-lhe de tal forana iodigna de casar
com o Sr. de Vandrey, e Gabriella tio infeliz,
que estas ultimas considerarles prevaleceram.
Escreveu, pois, a Paulo um bilhete concebido
oestes termos :
Esta noite das dez as doze horas, eu batere
tres pancadas a vossa porta ; deacereis logo, sem
fazer ruido algum, a escada da lorrinha. Espe-
rar-vos-hei no jardim. Tenho importantes reve-
laQoes a fazer-vos.
e Rene.
Quando o senhor de Vandrey eniroo para o seu
quarto, ella mandou-lhe. este bilhete pela aua
criada; depois apagou a vela, deixou sua porta
enlreaberta e esperou com uma impaciencia mis-
turada de anciedade. Quando soaram dez horas
no relogto da egreja, ella prostou atteocio, e ou-
viu, no meio do silencio da noite, o rogar de om
vestido na escada, e pondo-se em observaco por
detraz da vidraga, descobriu a sombra de Henri
queta.
Eoto por sua vezshiu tambem, e foi bater a
Porta de Paulo is tres pancadas coovencionadas.
Apenas chegou embaixo da lorrinha, Paulo jun-
tou-se-lhe ; ella tomou-lhe o braco e o levou ao
parqu para o lado da alea da estacada.
VII
70LHETIM
A DAMA DAS PEROLVS
POR
A. DUMAS FILHO.
Elles carainharam silenciosos durante algum
tempo. A la desapparecia por detraz da monta-
nha, e s espalbava ama cor asolada e royste-
riosa. As lapidas exhalaqes que sahiam da ierra
e das plantas, em lugar de se coodosarem em
orvalho, enchiam de vapores perfumados a doce
brisa da noite. O ar eslava chelo de embriagan-
tes altractivos. O terno susurrar dts folbas, o
murmurio melanclico das aguas, as flores incli-
nadas lnguidamente sobre auas bastes; tudo
fallava de amor ; toda a aatureza parecia ador-
mecida na voluptuosidade.
At a casta Rene sodria a influencia desta
athmosphera impregnada de effluvios magnti-
cos. As alma puraa e rectas nio sao pusilni-
mes ; entretanto, a singularizado desta entrevis-
ta, a difSculdade que tinha uma joven em aer a
primeira tratar de uma queslo de amor, em-
flm as singulares revelaces que ella ia i fszer,
tudo isto cooeorria para perlurba-la, e abalar-
me as palavras nos labios.
Paulo tambem achava-se por sea parte muito
embarazado. Desde o iostaate em queiecebra o
bilhete de Rene, formava sobre esta entrevista
diversas conjeclurs. as quaes sua vaidade to-
mara mais ou menos alguma parte. *EUe dete-
ve-se nesta hypothete que lhe parecia ser a mais
provavel, que Reoe, apaixonada por elle e de-
sesperada pelo seu casamento com Henriqueta,
quera tentar, por meio de uma confisso, faz-lo
mudar de resoiucao.
Quando elle a viu tio perturbada, e que, quea-
tionando sobre o motivo desta eptrevuta, ella
j respondeu-lhe com voz trmula : Esperae, dei-
xae-me reflectir, o que teobo dizer-vos lio
I grave que nio possodeixar de estar commorida
j Paulo eogolfuu se em sua fatuidade. Senlindo o
braco de Reoe tremer no seu, nio duvidoa que
j esta commoQo fosse causada pelo amor. Julgou,
pois, sua hoora empenbada em desculpar-se em
; preaenca della, da preferencia que conceder i
! Henriqueta.
Rene, disse elle, atrevendo-se tomar-lbe
a mao, para qae me testemunhastes tanta triaca
e iodiSereaca? Se soobesneia quanlal^nho aollri-
do ha doua das, que ms sinto para swnpre rado de 6, de vos a quem eu quizera consagrar
toda a miaba existencia I
A' esta declaracio Rene ficou por um instante
estupefacta ; porm tranquilliaou-ae prompla-
roente, e rendo o aviltamento do Sr. Vandrey,
disse com severidade :
Senhor, a per turbar o em que me tJes
causada pelo espanto, pois nao comprehendo na-
da da vossa conducta ; porm, nao querendo ac-
cusarros rigorosamente, p'reiiro nao conbecer o
fundo do vosso coraco, que eu julgava lale
generoso. Nio vim aqu para fallar-vos i meu
respeilo, porm de Gabriella quem vos disses-
tes tambem que amareis, que vos ama, e sof-
fre cruelmente por ter-sido engaada.
Na verdade, disse ello, nao posso compre-
hender como pude merecer tio graves censuras.
Ha sem duvida um engao em tudo isto. Ga-
briella uma bella menina quem nio ae pode
deixar de amar. Eu poderia ter-lhe dito isto ;
porm em que eogsnei-a?
Rene, indignada por esta m f, lembrou-lhe
as proprias palavras que elle dissera Gabriella.
Amanhia todos saberio que oos ama-
mos.
O Sr. de Vandrey ficoa confundido.
Ento, senhor 1 replicou Rene com auto-
ridade, responde! se ten es alguma desculpa que
mandar i minha irma ; pois temo que ella en-
louqueca, tio grande a aua dr. Porm primei-
|tss*lrsi qsm Henriqueta, e depois res-
tate* moatealo chegavam elles entrada da
tasad*, e Rene, tomando parle O
rey, ise-lhe muito baixo :
redes duas pesila aasenladaa sobre aquel-
la banco 1 ri
A rallida claridade da la lofiltrava-se por en-
tre as folbas, e viam se to clarameote duas
sombras na estacada, que era impottivel deixar
de reooohecs las.
Rene, vendo que Paulo hesilava.teplcou :
Esta mulber Henriqueta, e este hornera
que est assentado i seu lado Jos Duthioo, fi-
mo de um plebu. Ella ama-o, ou amou-o, e eis
s mulher que prefenstes Gabriella.
'O Sr. de Vaodiejajjlinha reconhecido i Henri-
queta, e nao podia dudar das palavrabae Re-
nes ; sua noira, tomada em flagrante delicio de
moro com um artista, inspirava-lhe, bem
verdade, um profunda desgosto, porm essa mes-
ma Henriqueta brilhsva i seus olhos com uma
aureola de duzeatas mil libras de dote. A cobica
ofiuscou qualquer outro sentimenlo do seu cora-
co, e achaodo immediatamente, com uma nota-
vel presenca de espirito, um- mel de dar uma
grande gloria i esta desagradvel deacoberta, res-
pondeu Rene que comcesva augurar bem
de sos admiradlo e do seu silencio.
,.~* Ento, j que sabis o que eu hesita va em
dizer-vos, desculpar-me heis fcilmente para com
Gabriella. Eu conhecia o indigno amor de Henri-
queta por este homem, vosso pae m'o havia re-
velado ; a ae caao com ella para arranca-la aos
per.gos desta ligacio vergoohoaa ; para salvar a
hoora d vossa familia ; pois M. de Charrassin
fez grandes seivieos meu pae, e julgo pagar as-
sim uma divida de reconhecimenlo.
Agenerosidade tocara sempre a alma da can-
dida Rene ; portanto ; nio suspeitando a hypo-
crisia de Paulo, ella disae-lhe baixioho, e aper-
lando-lbe fortemente a mi :
Paulo, perdoae-me o ter-vos julgado mal;
vos tendea um nobre e honrado coraco.
Quando elles sahiram do lugar em que esta-
rn oceultos, muilos passaros adormecidos des-
pertaran), e voaram fazenrlo um grande ruido.
Isto allrahio a alinelo de Henriqueta e de seu
amante ; e poderam assim ver as duas sombras
de Rene e Paulo que se afastavam.
Depois de ums calorosa conversarlo, a noiva
de Paulo conseguir 6 muito casto acalmar o fu-
rioso cime de seu amante.
Lancei-me aos joelhos de meu pae, disse-
lhe ella, pedindo-lhe consentisse em nossa uoio;
porm minbas lagrimas e supplicas oio o pode-
ram enternecer. Agora vigiara me, e eu oio pos-
so mais ver-te, nao me atrevo mesmo i sahir de
noite para vir buscar las cartas, e tu me aecu-
sas, Jos, tu, & quem tenho dado tantas proras
de amor e dedicago ? Julgo que por agora, em
quaoto passa a tempestado, sera preciso separar-
nos. Meu pae falla em confiar-te um trabalho em
sua casa de campo. Acceita-o, e accredita-me,
poii promello ser-te sempre fiel.
Entretanto, Jos nSo quera acreditar nestas
promessas, e Henriqueta nio achava mais meio
algum pan convence-lo, quando viu sahtrem de
aeu escondrijo Paulo e Rene.
Ella recooheceu-oa logo. A' esta apparlQio um
horrivel ciume apoderoa-se della ; porm, tran-
quillisando-se logo, e com o sangue fri, que
possuem de ordinario as pessoas dissimuladas,
cuidou em tirar partido da situac.io.
Eutio I disse ella, aio os recooheces, Jos, e
poderes anda dizer que o Sr. de Vandrey me
ama ? Nao vs que a quera ella ama a Rene,
d'oulro modo nao estariam juntos a similhante
hora da noute ?
Jos Dulhion convenceu-se, porm com um
resto de desconfianza, pois nao tiuha achado, em
Henriqueta, que apenas podia occullar-lhe seu
desgosto, a ternura de oulr'ora. Elle retiroa-se
pois com oceultos projectos de viDganca^oo caso
deque auas duvidas viessem a confirmar se.
Heoriqueta apressara-sa a em desenbaragar-ae
de seu amante para ir juotar-se a Rene e a Pau-
lo, e coufuudi-los cora sua presenta, nao poden-
do auspeitar que ella mesma fra sorprendida.
Apressou o passo, e quaodo chegou juoto del-
les, perguntou-lhes olhando para Rene cora ar
ameacador :
Que fazeis no ptrqae a esta hora ?
Minha querida Henriqueta, disse o Sr. de
Vandrey com irona, permittt que nao vos diga-
mos o motivo do nosso passeio. Porveotura vos
perguntamos ha pouco.com que homem conver-
savels, e qual podia ser o assumpto da vossa con-
versa ?
XX
(Continuago.)
Se ella parar em Berlin ou em Dresde, se me
esperar, como roe prometteu, como nio deixar
de fa-lo quando conhecer que foi victima de
uma astucia, o qua pensar, o que dirise nio me
vir'.' Dir que eu a oio amara, que meu amor
cao tve persistencia; e teri razio. Quando sou-
I '. r que regressei Pars, depois de ter recebido
oovamenie della a certeza do seu amor, despre-
zar-me-ha, mimt^ue a perd, mtm que sou
causa de tudo quemo est acootscendo, e ruja
coragem acabou no meio da estrada al cujo flm
i re ir. Eu pelo menos sou livre; posso chorar e
eoffrer i mioha vontade, sou homsm ; ao passo
qae ella precisa oceultsr suas lagrimas aos aeus
criados, seu marido....
a E havia de abaodoaa-ls em aemelhaole oc-
casio ? Nio dero comba ter at o fim? O que me
cimpre fszer senio segui-la? Onde est o meu
peuaament, onde est minha razio, onde est
rrjinha vida, seno no caminho que ella segu?
Vultar Pars I Li morrera de inquielacio, ou
regressaria no dia siguite I Alm disso, promet-
ti ir at Berln ou Dresde ; ella jurou-me oio ir
oais longe. Devo cumprlr a minha p'romessa ;
ser sempre tempo de despreza-la e de abindo-
oa-la se ella nocumprir a sus. Est dito. Dar-
Ihe-hei asa ultima prova da coofianea, a s oio
a encontrar em alguma deesas duas cidades, pois
bem, pela vida de miaba mae, voliare logo lo-
go para Paria I Porque razo deixei partir o trem
daa aeie horas 1 Agora, talrez j eitiresae mais
peno dalla l _
Eis-ah, aeu charo amigo, as dferenteSim-
pres-oes pelas quaes passei durante quatro ho-
ras, e part para Dresde, d'onde le carrero. Di-
zer-te que a viagero, desda o Haoovrs at aqu,
loi de uma alegra louca, seria mentir-te. Bal |-
Dhs mu dolorosas iatermiteocias de esperanca e
le ouvtda. e a duvida dominara, quaodo ebraaei
aqu, a0 holel de Fraoga. onde Anoetle mandou-
mo dizer que ficaase. Eu ji olbava easa ultima
tentativa como desencargo da soascieocia do meu
mor. tanto mais quaato baria partido para Dres-
de sem cerleza, por quo havia (antas probabili-
flades qae o duque estivase em Berlin orno em
(") Vide o vtario n. 266.
Dresde. Eu estava em completo abatimenlo. Pe-
di machioalmenlo o jornal para nelle ver oa no-
mes dos viajantea ha pouco chegados. Era aata
maohia. O jornal tinha aahido ha pouco, e o's no-
mes do duque e da duqueza eram os dous primei-
ros. Tioham tomado o holel de Saxe. Eu tinha
ficado tio agitado no Hanovre ; que essa noticia
nio me causou toda a alegra que devera causar-
me, apezar de dar-me muito prazer. Olhei-a
como uma especie de compeasigao minha dr
da vespera, e como a juata recompensa da minha
coragem e da mioha obstinarlo. Depois nao que-
ra mais dar-me pressa em esperar, afim de ter
menos que soffrer quando houvesse de desespe-1
rar. Sahi pois do hotel quasi preparado para uma
nova decepeo. Nao perguntei onde era o hotel
de Saxe ; procurei sozinho pela ciJade que au oio
conhecia. Em aumma, mesmo quaodo m'o indi-
cassem, como, sabeodo apenas algumas palavras
da liogua, decorarla eu os nomos allemes das
ras quo me desigoaram? Nio quera tambem
qua li me cooduzssera, depois ealimava andas
um pouco ao acaso e ar-roe nelle, porque o meu
espirito, abatido por tantos abaloa, estava inespax
de procurar ama combioacio a de formar um pla-
no Com as miosnasalgibeirat, fui andando pa-
ra diante. Todaa as vezes que eu va uma roa
grande entrava nella.
a Ha, dominando toda a cidade, uma torre de
egreja, eujo relogio faz um baralho horrivel to-
daa ia vezaa qua tem de anounciar a hora, o que
faz em todas ss notas dos seas carrllhdes, desda
as mais baixas st is mais altas, desde o bordio
at i campaioha. Deixei-me atlrahir pelo cha-
mado desse relogio, e achei-me em poaco eos
uma grande praca quadrada, no meio da qual
avislei, em letlras gordas, por cima do primeiro
andar de uma grande casa Hotel dt Sote. Este
holel faz quina na praga, e em oio sel que rea,
na qual ievei a paasetar desde is sele horas da
maohia st o meio da, sem ver apparecer cousa
neohuma. Confesso que por momentos, j alo sa-
bia mais porque estava ali, aera o que fazia. AQm
de que oio reparsssem muito em mim, porque
passa muita gente sesea rase nessa.praga, puz-
me olbsr psrs os srmazens de gravaras e lujas
de livros. Cosnqaanlo nio oihasse senlo para pa-
rar, ha censas que ento vi mea pesar, e que
todas s roses qae toras-las s ver em outra par-
as, chamaras a reunirao Om torno da ai, como um
qusdro vivo, Dresde, Antfetle, a mioha viagem,
suas causas, seos resultados que anda ignoro, os
aseos pensameotos de boje e a scena que o'aqui
ha pouco te *ou contar; sem contar qae a arte
tsm tal poder, que. em certos casos, passando os
orfeos intermediarios aera ihes pedir seu concur-
so, penetra forcadamenie n'alma e nella se reflec-
te piofundameute. Assim, por um momento, opa-
zn d prooecupado corqo estar, absorr-na
oos, co-lhe en, e procorarei diminuir-lhs os so-
anareslos.
VIH
Passaram-as oito dias, durante os quaes se
restabeleceu epparentemeote a ssude de Gabri-
ella ; porm a dor devia deixar neala alma ter-
M dtlioaSa tragos indelevei*. Ella toraara-se
cada dia de um carcter mais irregular ; ora es-
tregara-se a tristes Ideas, ora spodersra-se de
uma.alegra fpbril, que trazia por um instante
ama expresso fugitiva de felicidade a seu rosto
triste e abaitido. Multas rezs, ella olhara pa-
ra Paolo com um modo tio singular, que de-
notara ao mesmo tempo replalo e ternura.
O fatuo sombara deata aversio que lhe pira-
da affeclada, e que elle julgava um signal de
amor. S Rene conhecia o perigoso estado de
Gabriella. Quaoto a M. de Charrassin longe de
reconhecer os motivos do pesar de sua llha, nio
ae percebia mesmo dos symtomas exterioras.
Este bom pae, depois do eohselho de Henri-
queta, ebearregara Jos Duthioo de um trabalho
qae detla conserva-lo afattado durante alguna
mezes. Henriassta estava pois tranquilla por
sale lado ; porm conservava uma certa iaquie-
lago relativamente a Paulo, cuja etquetlta po-
lidez misturava-se, multas vezes, para com ella,
de alguma irooia. Entretanto ella eaperava que
a triste impresaio, que pesara sobre e espirito
de aeu oolro, se dissiparia pouco a pouco, e co-
mo o casamento fra mareado para o mez segua-
te occupoa-sointeirameoteem preparar o seu eo-
xoval.
Uma manha, H. de Charrassin, foi ao parque
onde se achavam reunidas suas filhas, e Paulo de
Vandrey. Tinha ums carta oa mi, estara mui-
to alegre.
Trago-ros uma noticia, minhas filhas. M.
de Morges, um dos meus melhores amigos, vera
rer-me, e manda-me dizer que chega amanhia.
A este respeilo, elle entabolou, com aeu futuro
georo, ama grande dissertaglo sobre a descen-
dencia dos de Morges ; depois fallou cora desra-
necimento sobre lembrangas que o remogarara
sns trilla aanos, cootou todos os altos fetos e
arenturas galantes do Sr. de Morges, um bravo,
disse elle, de cloc pese dez pollagadae da altu-
ra, e que s com sua prestnga, poz em fgida
todo um exrcitn de quadrileiros.
No dia seguinte chegou M. de Morges ; elle po-
dia ter uns ciocoenla annos. Era com effeilo um
homem de uma estatura respeitavel, e que visto
a proeminencia das regies intermediarias de sua
pessos, s achava sea centre de grsvidade, lan-
gando para tnz a parte superior do eorpo. Seu
rosto offerecia uma cor semelhanle a gomma mis-
turada com vermelhio, e ebeio de pequeas li-
abas cor de violeta sobre as magias do rosto e o
nariz.
Apezar da intumescencia de suas feigdes, via-
ae que em sua moctdade Uvera uma belleza re-
gular, porm sm expressio, e bastante commum
entre as pessoas nobres. Seu crneo eatreito e
elevado, tinha apenas alguns raros cabellos bran-
cos. Os olhos meio oceultos pela inchago das
palpebras, tioham uma expresso galbofeira que
revelara a libertinagem. M. de Morges era rico,
seu porte mostrara ao mesmo tempo a imperti-
nencia, do fioanceiro o orgulho do gentilhomem,
e a arrogancia do militar. Baixo s franzino, M.
Charrassin, respailara muito a forga e as pessoas
altas, portanto M. de Morgis era a realisago de
seu ideal. Ceg pela amisade, o bario nio obs-
tante j terem decorrido trinta aanos continuara
alada a admira-lo, como em sua mocidade, a
ria-o anda tal qual o conhecera oas guardas do
rei.
No dia da chegada de M. de Morges ao castello
de Domblans. Gabriella estar possuida de uma
destaa alegras nervosas, qua Ihedavam momen-
tneamente toda sus aoimagio e belleza ; seu
olhar urnas vezes lnguido, outras com um bri-
lho febril, moslrava tanta vida e exhuberancia de
ternura, que tolos se sotlam envolvidos por este
olhar como o'uma athmosphera maguelica. M. de
Morges, soffreu esta fascinagio. Ello gabava-se
de ser coohecedordemulheres, e ficou ferido pe-
la belleza de Gabriella. A galantera oceupara-
loe a maior parla de sua ociosa vida ; porm este
D. Joao de gua/oigio, a viata dos encantos tio
puros deata menina, perturbou-s* seriamente e
sentiu por ella urna violenta psixio.
Depois de multas nuiles de iosomoia que oio
conseguirn) empalidecer sua rubicunda figura,
nem diminuir uma s linha a grossurade sea ta-
lhe, M. de Morges resolveu acabar com a vida de
aolteiro, e collocar sobre a arvore genealgica da
casa de Morges, o uome da encantadora Ga-
briella de Charrassin.
Decidido a relirar-se para a provincia ao seu
castello aenhorial, ra' nesta joraa ama leras
companhelr que encarnara seus dlasde'des-
csdao a solidao, e miv.'gar the-hia OS SOlTrimn-
tos ds golta e os rigores da edade.
Fallou, pois, do seu amor ao bario, e pediu-
lhe a mao de Gabriella. \
E' verdade, disse, qVe nao sou mogo ; po-
rm l conheces minha fortuna, ella elera-se
pouco mais oa meaos a asenta rail libras de
renda, e est entendido que, oio aceitarei dote.
Alm disto neste tempo de
TraoquilUaa-ie, nss amigo,
arraojar tsdo.
Bem se v que nio conheces as .
rincianas : astas do casamento, aio i
veos, qua seda sabesa ds arasr, a V
sameato ao virtuosas masa sis familia qae
eeotran todas ss asas sffticdss sobre ssa raarista
e seas filhos.
Gabriella alm auto ama rapariga aseite te-
nocente e submissa.
Tal como me s, toa o pse mais perspicaz a
obedecido.
Dou-le, pois, aalseissdamsBts s ases ssassa-
timent e o de Gabriella.
Entretanto, dista M. de Charraasia em ar de
graca, promeite-me, queae ella ais foi a pri-
meira a reaar oesse coraco rolarel, sari seto
menos a ultima. w
S tranquillo, mea amiga, resaoaeee M. de
Morges, engolfando-se as lerabrasea ato sama sa-
tivos amores, s primeira vez qae sas sisrie
verdadeirsmeote apaixoaads.
Decidiu-se, pois, sale cata manto eatre sa sa;
amigos. 9
U. de Charrassin salisfeito da poder desta ata-
neira reparar o prejuizo qae causara a saa fi-
lhas mais mogas, dando i oais velaa osa <
desproporcionado i viata da fortuna qae
sacrificara Gabriella aera escrpulo, aera a sas
or hesitago a um velho qas devia coodaaaaa-la
a uma vida de tristeza a solidio. que asa aaa
podia corrsspouder n exigencias 4a sas asvel
corago.
No dia seguinte asa manha, M. ds Cbarrss-
sio, chamou Gabriell.
Assenia-te. mioha filha, diseo-lae s barba.
teobo que fallar-te en cousaa bem gravas; pa-
r m primeiramesTie, abre-ate tas coraco casta a
teu melhor amigo ; dixa-aae, que tal asmas Mr.
de Murgas ?
M. de Morges I respondan Gabriella, i
rada, na verdade, meu pas, aia sai a as
responda ; porque tenho-ihe prositas stails i
ca attengo 1
Ora, miaba querida, oio tanhas
ment comigo ; trata-as ds toa felicidade. pr-
tanlo falla sem recis s conla-me todas as Isas
impreasoes a reapeito de mea amigo.
Ji que o deaejaet, mea asa, vea rar te ata
lembrodallas; acho M. de torgas muito gordo
e rermelho, e tem ama voz lio desagradara!
que todas aa vezas qas taita fas-ate estre-
mecer.
Emquanto as mais elle dirige-me raras retas
a palavra. porm em corapaotagio, d Use
piros a meu lado, que seriara capaz
moolanbas.
Depois que aqu chegou tem-me causada asal-
to aborrecimeolo, porque escsolro-s raulas ve-
zes. quando dearjo estar s.
Finalmente, parece-meseapre v-lo, aa Socar
se, acresceoiou Gaori'lla coas malicia, taperas -
do, com iaio fazer rir seu pae, cuja fronte te asa
curecia a proporgio qae ella tallava.
Porm o desapootameoto de M. SS rhan^assp
tirou-lhe todo o desejo de gracejar:
Gabriella, disse elle com severidade, pare-
cis esquecer-ros de que M. de Morges atas
amigo 1
Meu pae, eu fallei porque rae ovsesastas.
Pois bem I mioha filha, voa dizer-voe por-
que M. de Morges suspira a vosas laso s tal-
vez o ach.eis menos aborrecido. M. de Margas
ama-vos.
Fez-rae hontem a hoora de pedir-ese a tata
mi que lhe conced, salvo porm o tea cteete
timeolo.
E casar-mecom M. de Morges!... excla-
mou Gabriella estupefacta, cor, aten sas, elle
poderia aer meu ard....
Sua edade oio rae parece um obstculo, re-
plicou o bario; com s experescia qae lesa sa-
os portase so
Pelo contraro, nos nos conserramos discreta-
inante ftados, convencidos da que ama Char-
rassin nao pode fazer nem dizer oada qus ato se-
Ja em tulu coolorme a maii .trina oonon. .
encas, e as mais severas lea da honra e do de-
ver.
Henriqueta ficou petrificada, olhou para sua ir-
ma com odio ; porque dizia ella comsigo: ou
Rene prorocou esta entrevista para fazer ao Sr
de Vandrey a contlssio de seu amor, ou desco-
briu meu segredo, e trouxe o meu noiro para aor-
prender-me. Alm disto neste lempo de dbaolacao,
Eotravam todos tres no castello, dizendo de vez nobreza ae encmioha a langab-ae na buraaezia
eni quando, no meio do aeu silencio, algumas | por indignaa altiangas, um derer para aquellas
palarras sobre a belleza da noite, sobre o agr-1 que teem conservado em toda au
darel calor da athmosphera, e pureza do cu.
Uma verdadeira noite de temas entrevistas,
disse Paulo com sarcasmo.
Uma noite calma e serena encobre tanto a
dr, como o amor, replicou Rene.
E um cu puro, e brilhanle de estrellas, ac-
crescentou Heoriqueta, esclarece muitas vezes a
traigo e a vinganga.
Chegaram ao p da lorrinha, ssadaram-se cons-
trangidamente e aepararam-se.
Rene antes de entrar em seu quarto, foi, sem
fazer rumor algum ao de Gabriella, a quera achou
adormecida. Cootempiou-a por muito tempo com
uma expresso misturada de ternura e de tris-
teza.
Pobre irma I disse alia, que nao possa eu
soffrer por nos ambas 1 Comprebeuder ella, tam-
bem o que se dere a honra da familia ? Ao me-
completaraenterja cootemplacfo de umagravura.
Representa as tres santas mulhores encostadas
urnas sobre outras dirigindo-se ao tmulo de
Christo. Essa gravara frita, segundo creio, por
um quadro da Lsndelle. Ums das seataa mulhe-
res, o qae contribua multo para impressionar-
me, uma das santas mulherea parecia-se de uma
maneira admira re com a bella prima de Anoette,
O que esse quadro original pode aer como cor,
igri'iro-o por que nunca o vi; mas em meditago
triste e consoladora ao mesmo tempo, to senti-
menlo christo, uma das mais felizes composi-
gdesque cooheco. Fez-roe realmente bem r-la.
Essa religio de Christo que tem uma esperanga
para todas as dores, um balsamo para todas as
fendas, um perdo psra todas as (altas boa de
eocontrar em toda a parta; sempre acresceata
alguma alguma coasa aova i alma.
Por om instante esqueci as emocoes da mi-
nha vida presente em face dessa imagem ; tire
ora peosamento reconhecido peta arte, e disse
qus, se me acootecesse alguma grande desgraga,
aeria nella que eu dereria procurar um consol ;
porque eu aou artista, e hp ceno tempo qae me
eaquego muito disso. Entretanto ama outra ima-
gem deria tirar-me depressa e.bruscamente daa
minha reflexas artsticas e das minhas contera
plaeoes religiosas e alravessei de aovo a ra,
com olhos titos sobra uma jaoella, cuja veneiia-
na acaba deerguer-ae, e atraz de cujas tabonhas
appsrecia ama sombra braoca, immovel como
uma estatua, e pereceado tambem nao despregar
os olbos de mim. Era Aonette, paluda como nun-
ca a vira, e com o sea toilette de noite.
c Caminhei direito para ella, como que attra-
bido por b$u branca viseo, cajo rosto, i propor-
gio que ea arengara, ioclinava-ae coa um sor-
riso melanclico e doce. Parecia eoffrer mullo.
Quando cheguei i poneos pasaos da casa, ella
abriu-me a jaaella, e aera Se importar com as
pessoaaqoe Rasuran, oa com o que semelhan-
le aceto poderia producir em pleno dia, eateo-
deu o braco e atirou-me uma carta, que admira-
do como tquet; deixei cabirna catease. Quaodo
me ergu de apanhar o bilhete, a jasada estava
fachada, a veneziana cahida, e Anoette desapa-
recer. Dous os tres Individuos que tsm sestea-
do, nada compreheodeodo dessa maestra de esr-
respoQdeucia, tioham parado e -Ofhevam para
mim. Era oecessaro ser audaz. Fing nio repa-
rar no effeito produitdo, abr e II retirtndo-me:
e Emfim est aqu'. Lourado sejafJeus!
Vejo que nio duvidou de mim. Imagino em que
agitago deria voc flcar oo Haoovre quando sou-
be da minha partida, que eu nio suspeitava cin-
co minutos antes. Tranquillise-ae. Nio ha meio
que me faca sahir de Dresde tio cedo, Consegu
f*ter-me doeole, mais taires do que era uecessa-
rio. Quo impprn*! yqc$ est peftQ de mim. o
integridade os
amigos principios unirem-se, afim de perpetua-
ren) algumas ragas purss de toda mistura.
Ah I meu caro amigo, respondeu o bario
apertando-lhe enrgicamente a mi, porventara
ha necessidade de todas estas considerares, a
affeicio que aos liga, nao bastante para que eu
te coaceda com prazer a mi de miaba filha 1
Como o verdadeiro amor receloso, M. de
Morges pela primeira vez oa sua vida, fez a si
proprio a injuria de duvidarde seus encantos.
Porm Gabriella, replicou slle, talvez nao
me ame, talvez os meus cincoenta anuos lhe cau-
seen roedo, e nio queira aceitir-me por es-
poso I
. Diabo I exclamou o bario, recusar-te se-
ria difficil! Um bello homem, nobre, com uma
fortuna magnifica,e alm de tudo isto umi pes-
soa que a adora.
que ea quera. Tudo o que posso faier, arrsslsr-
rae at i jaoella, para alirar-lhe este bilhete. Yol-
te para casa, aopareca o meooa que fr possivel;
escreva-me que me ama, para me dar coragem.
Esta noite, i meia noite, veoha ter debaixo da
mioha jauella, quaodo soar a ultima pancada, eu
lhe descerei uma carta por um fio de aeds. Cor-
responder-oos-hemos assim at que ostejaaaos
reunidos inteiramente. No.entanto, saiba que es-
tamos decididamente no termo de nossa viagem.
Juro-lhe que nada me arraocari. At i ooile.
Amanhia te escreverei o resto, meu charo
amigo; hoje oio posso escrever mais. Estou
morto da caosago ; preciso de repouzo, e oto sei
como viverei at esta noile. Vou deitir-me e ver
se durmo alguma cousa. Creio que tenho febre.
Se ea cahisse doeote agora! Nio me faltarla mais
oada! -
Escreverme para Dreede, hotel de Frange, por-
que ahi dero demorar-me alguns dias. Para mais
precauclo, manda-roe o diohelro que te pedi que
fosses bascar, e di-me noticias de Pars
A Carta seguate coatinha a narracio dos acoo-
tecimentos qae hariem precedido e determinado,
a partida da uuqueza, acuntecimeulos que at en-
lio tioham ficado obscuros para Jjacquea, e que,
apeoas Aonetle lhe pode escrever mais extensa-
mente, deu-se presas em lhe fazer conhecer. Ai-
tes desss ultima carta, Domingos liaba vindo vi-
sitar- me, e ea lhe linha feto perguntas i respei-
lo desses acontecmentns que tquet cenhecendo,
como se tivesse sido testemuoha occalar delies.
E' preciso con vir que o duque tinha jogado bem
esse partida. Volteado da Opere Cmica, onde a
duqueza nos havia parecido inteirameote tran-
quilla, elle manifestava o detejo de ceiar cora
ella, e ambos se haviam seotado k meca, servi-
dos por Domingos, qus sabia perfeitamente o que
se ia pastar.
Os outros criados tioham todos sido mandados
para seus qosrtos e nio suspeitavam as ioteoces
do duque. A propria Fauny igoorava-es. Como
ae v, Domingos lluha aido discreto.
< A' urna hora da raaoba, paroa uma seje de
posta oa portado palacio. O duque, como ae.nao
esperasse, senio esse signal, levaotou-se da me-
sa, aooanclando i eouiher, qae podia. voltar para
o aeu quarto de dormir; o que ella fez sem o me*
I or presen ti ment do que ahi a esperara. O de-
fque acompanhou-a. Ella admirou-se disto Blle
senlou-se efez-lhe signal qus se sentaste, ditso-
do-lhe:
- Minha querida Anoette, temos que conver-
tir sobre cousas serias.
Est noite T
Stm,
Nio poderemos adiar essas cousts srisj
pars amanha ?
* {S, e voc? TM ?.
deri proteger-vos melbor contra
mundo.
Alm disso possus um bello sssts a
de fortuna ; e o mea voto mus caro qae caeeis
com elle, e espero. mioha filha qas oio quemis
desagradar-me aera dssobedecer-me.
Eatrettnto, mea pee, ea ressss, diste Ga-
briella.
Miaba filha, pette bem et votsat patarras,
uma meaina bem educanda nunca deve oppsr-ta
a voolade de seas paes.
Bem sei, meo pse, s obediencia qss vas
devo; porm ara jurameoto aiada mais sagra-
do ; e eu jurei desde algum tempo qas saa ata
casara mais. -*
E porque rszio, menina, tasis jramenos
deste genero, sem consultar-me Dir-rae heis
ao menos o que ros poude inspirar to toacas
ideas ?
Este segredo mea, respondeu Gabriella
com calma, porm por defTereocia a w&, csa-
aiuto era ro-lo cuufi.c. um hornea coas
quem nao posso casar-toe.
O baro soffreu cruel mele com ests rsvelo-
go. Temando aabsr n oome daqaelle a asteas
sua filha amara, e descobrir anda ara sisees
neste misterio, e veodo qae nio pasara aata
segunda vez, supporttr umt semelhaola prova.
abstere-te de questiooer sobre isto s Gebralla'
Esperou vencer sua resolagao, assim como rao-
cera a de Heoriqueta ; rompea era eraeegae cen-
suras e maldigoes; porm Gibriella fio isabs-
lavel.
Eolio elle recorren aslsupplicss o as rogati'as
Ella enterneceu-se, e peds tempo pera refiactir.
Deixaodo aeu pae. Gabriella correo a facbar-se
no quarto, ahi demoroa-ss st s noite apodera-
da de uma febril perplexidade. Que doloroso re-
voluto ae paseara em ssa espirito I
Uma tal proposicio da parta da sea pss des-
trua tudo o qae ella pensara al eolio
casamento, e tambera suas mais caras illa
Nao lhe ordenara seu pae nota especie ss i
dio mcral ? Consentir neste casamento sis era
morrer para o amor e felicidade?
No meio de tea desespero, coscabas sasa sea
louca : antes de tostar ama deeisio, reaelvea tsr
ama ultima entrevista cosa Pasas ds VaaeVsy.
{Continuar-te-ka.-
Ento o duque, sem mais prembulos, deca-
rou que uma s-ge de posta o esperara aa ra,
que elle ia partir, e que tinha decidido que ella o
acompaoharia. Era um segundo ; pelo tom com
que lhe for dada essa noticia, Aooette cooheceu
o lago em que a tinha feilo cahir a conducta do
duque, baa algum tempo, osoducla que lhe ba-
ria iospirSdo tanta confianga. Coraprehendeu qae
a ailuagio la ser decisiva para smbos : resolveu,
pois. Dio procurar evasiva nesharae, logar fran-
camente, oada poupar, ir direila ao alvo, e aca-
bar tudo de uma s vez.
Ella ergueu-se.
Assim, disse, qoer levar-me de Para ?
Sim.
Esta noite meamo ?
Esta noite.
Porque?
Porque me apraz faze-lo.
Poia bem, senhor, mim isso nio apraz.
Poaco importa, Seu sea marido. Voc de-
ve acompanhar-me.
Voc, mea marido I replicou ella com o tom
otis altivo e desprezador, mea maride, s sesde
qusndo ?
Desde s dia em que easei com a seohsra.
Ora vastes, nao lemoa tempo i perder ; deci-
de-t.
Ji lhe disse, senhor, quS fice.
E' a aua ultiaa resolacbo 7
Stm.
O duque esminhou para a chamiu i que esta-
va encostada saa mulher.
Ella pensou qae ede is usar da forga para oblar
o que quera. Recuou.
Oh 1 oio receie nada, minha aenhora, nio
aero levantar a mi para a aenhora. Deixarei i
outras roaos essa dura oecestidae.
A' outras raaos ? A' que meos, senhor ?
As mios ds le; ou antes dos asas a-
geotes.
Nio comprehendo, tenhor.
E' muito limpies. Prebendo a sua resisten-
cia, ful procurar o presidente do tribunal, que leo
t aenteoga-que squi ettS, diste o duque, deseo ro-
lando um papel sellado, aenteoca que me autor-
as, no caso de que a senbora recuse acompanbar-
me, a requisltar a forga publica, se oecessaro
for, e que me oeixa 4 escolha, oa de leva-U co-
migo, ou de raaoda-la recolher I ums prisio.
Entio vae mandar chamar a guarda ?
E* intil, porque est ahi.
sli tbi I '
No mea qusrto, sim, senhora, com um com-
mistsro d polica, que a espera umt palavra
pata apparecer.
O senhor fez eest Infamia ?
Piz^tim. sephor.
E' itopossltvl.
aso
O duque tocoo a campainha.
Appareceu Domingos.
Manda entrer e pseos qss est i
mea quarto, dize-lbe que venha al ci
S ? perganloa Domingos.
S.
A duqueza nio podia mala duridsr. Lagrima*
de colera impotente aaliaraas-Hte a%*t < "
Infamia 1 murrnuroa passeeStais
largos pelo qusrto.
Ouriram-se passos no salas.
AU est a pessoa qae stendsi chamar, i
o duque. Aioda teaapo ; quer qae eatre t
Sim, assaor, aaloa decidida lado.
Aonette limpou os olhos e ergaes com or-
gulho e cebeca.
Sabe bem o qae fas ?
Sim, senhor. E ji qae assim a qasr, pee te-
re diaote deata testemsoha qae sos
paoha-lo.
Como, senhora .'
Dtrst a verdeis.
Qual ?
Por mais breve qae o ssehsr tej
ra de deshonra, ha cartas esssas qs
aceitar tsm pastar psr raitsraral.
Que cousas sis ?
r Mtnda eotrar este horneas, esas ae se-
sera. ^
Talvez fosse melhor qss a senlteta ss'aa tt-
sesse ji : itso lhe eviUria s trtala
gar meioslaalo mais harailbaalee aera ai
quaoto torio iouteis.
Nao creio.
Bs asi maita asase, qus a ssttatsra i
ignoro.
Enlio, tabe qas e casis ?
Sim, teahora. ba matte tettpo
Que o deaprsa ?
Tambera.
Qss amo... 4 estro besa sea ?
, Qas Infelizmente, nss ssU tqei. psts i
de-la.
Qut essa hoatora atas, aaasaie ?
rjuou a duquesa, cuja exall
com o taogae fro do duque, i [
a fazer um esnfiatio exlranbs aa
mulher coms ella.
Ainda sai amo. -
Eotio, nio me resta neta ss eme etsar-ibe
asta eeuaa.
Diga.
(CsmfssaMr-av-ttV)

IP1RN. TTP.DS H.P.DC PARIA & FlLasO. 18J|.

JI
-
^s. ^^. ~" 1.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVEA02ANB_8N2FN5 INGEST_TIME 2013-04-30T21:03:12Z PACKAGE AA00011611_09417
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES