Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09412


This item is only available as the following downloads:


Full Text

flll XXITII IDII10 262
Por lres*mezes tditntados 5f 000
Ptr (res neies vene id ti 6f 000
,ii -
001RTA FEttA 13 II BOTEMBRO II ItlI
PraiitidiaiUd19|000
Ftrte fraie t pin t iitariptor.
lAn
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Li-
na ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva;
Araeaty, o Sr. A. de Lemos Braga; Cear o Sr.
f. Jos de Olireir; Maranhto, o Sr. Hanoel
Joi Martina Ribeiro Gumares; Para, Justino
J. Ramos; Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
PARUDaS uUS CORRElUS.
Olinda todos os dias as 9<4 horas dodia.
Iguarass, Goianna, e Parahyba as segundas
e sextas-feirai.
S. Antlo, Bezerros, Bonito, Caruar, Aitioho
e Garanhuns naa tergaa -feiras.
Pao d'Alho, Naiarelh. Limoeiro, Brejo, Pea-
queira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Ex as quaiUs-feiraa.
Cabo, Serinhiem, Rio Formoso, Uns,Barreiros
Agua Preta, Pimentelras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios psrlem as 10oras da manha)

EPHBMERIDES DO MEZ DE NOVEMBRO
2 La nova a 1 hora 44 minutos da larde.
9 Quarto erescente as8 horas e 25 mloutos da
maullas.
17 La chais as 10 horas 4? minutos ds man.
95 Qasrto mingusatu aa 8 horas e 47 minutos da
manha:
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro a 1 hora a 42 minutos da msnhis.
Segundo a 1 hora e 18 minutos da tarda.
DAS DA SEMANA.
11 Segunda. S. Martioho b. deTours; S. Verano.
19 Ter?. S. Martinho p. ra. ; S. Diogo f.
13 Quarta. S. Eugenio b.; S. Zebiua r. m.
14 Quinta. Se. Filomeno e Clementino mm.
15 Sexta. S. Gerirudea ?.; S. Leopoldo marques.
16 Sabaado. S. Gonzalo de Lagos; S. Valerio m.
17 Domingo. S. Gregorio Thaumaturgo b.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commereio : segundas e quintas.
Refaci: tergas, quintas e sabbadosaslO hora,
Pazenda : tercas, quintas e sabbadossslO horaa.
Juizo do commereio : qnartea ao meio da.
Dito de orphos: tergas e sextas aa 10 horas.
Primeira Tara do civil: tercas sextas ao meio
dia.
Segunds rsra do cirel: queras e ssbbsdos a 1
horada tarde.
ENCARREGADOS DA SUBSCkUPCAO DO SUL.
Alagos, o Sr. Oaadiao lakiu Diaa; fsats.
o Sr. Jos Martius Airas; Rio da Janeiro, a Sr.
Jlo Peraira Martina.
EM PERNAMBUCO.
Os proprietarioa do puaio _
Faria & Filho, aa sus livrsria praca da
dencia di. 6 e 8.
PIRTE OFFtClAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do governo do lia O de
noverabro de 1861.
Offlcio ao Exm. presidente da provincia do Cea-
r.Accusaodo recebido o offlcio de V. Exo. do
1* do correte com a relacao dos objectos colle-
gidos pela commisso por V. Exc. noraeeds nes-
sa proviucia e remetlidoa no vapor Iguarass
para a exposigo desta, agradego i V. Exc. oa es -
orcos que empregouyara esse Qm.
Dilo ao presidente do Rio-Grande do Norte.
Pelo officio que V. Etc. sa servio dirigir-me em
2 do correte flquei iateirado de baver sido mar-
clo ao juiz de direito DelQooAuguato Cavalcao-
ti le Albuquerque. o prazo de 4 mezes, a contar
d.i (uella data para entrar em exercicio na comar-
ca Je Pao do Alho neala provincia para oode foi
removido por decreto de 2 de outubro ultimo, e
disto mesmo dei sciencia a theaonraria de fazen-
da. Commuoicou-se a thesouraria de (azenda.
Dito ao commaodante das armas.Respondo
ao offlcio que V. S. dirigiu em 7 do correte, sob
o. 1851, declarando-lbe que continua a ser ob-
servada a ordem dada pela presidencia em offlcio
de 11 de maio de 1857 para que ae nao exijam
emolumentos pelaa licencaa concedidas pragas
de pret do exercito. #
Dito a theaonraria de fazenda.AocapitoJoa-
quim Elviro Alves da Silva, mande V. S. pagar,
urna vez que estejaof nos termos legaes os in-
clusos documentos que me foram rernettidos pelo
com mandante superior interino da comarca do
Bio Formoso com offlcio de 4 do correte, a im-
portancia dos vencimentos relativos ao mez de
outubro ultimo, do destacamento de guardas na-
cionaea da villa de Barreiros.Communicou-se
ao chefe da polica.
Dito ao mesmo.Nos termos de sua informa,
cao de hontem sob n. 1082. autoriso V. S. a
mandar entregar ao thesoureiro pagador da re-
partido das obras publicas em vista dos compe-
tentes documentos, a qusntia de 1:1119080 em
que importara as despezas feitas de 15 a 31 de
outubro ultimo com a conservago e reparoa das
estradas da provincia, como ae v da incluaa re-
lago que me foi remettida pelo director daquella
repartigao com o offlcio junto de 2 do correte o.
232.Communicou-se ao director das obras pu-
blicas.
Dito so mesmo.Poda V. S., conforme indica
em sua iotormago de hontem sob o. 1081, mao-
dar pagar em vista das respectivas folhaa ou de
outro qualquer documento, as despezas que se ti-
zeram com as obras que estao sendo execotadas
no edificio em que fuocciona a administrado do
correio. urna vez que essaa deapezaa nao excodam
de 609U00.Communicou-se ao administrador
do correio.
Dito a thesouraria provincial Recommeodo
V. S. que estando nos termos legaes aa inclusas
contas documeotadaa que me foram remettidas
pelo chefe de polica com offlcio de bontem sob
n. 1119, mande entregar a Joao Carlos Augusto
da Silva (orcecedor doa presos da casa de deleo-
gao a quantia de 1:8539121) era que importara aa
despezas feitas com o sustento e curativo dos
mesmos presos no mez de outubro ultimo Com-
muoieou-se ao chefe de polica.
Dito ao chefe de polica.Devolvo & V. S. a
conta em duplcala dadespeza feita nos.mezes de
Jonho a agosto desle anno com o fornecimento de
luz para o quartel do destacamento do termo de
Flores, que acompsnhou o seu offlcio n. 989 de
2 do correte passado afim de ser sstiafeils a exi-
gencia do inspector da thesouraria da fazenda
constante do offlcio n. 1080 de 8 do correte,
junto por copia.
Dito io mesmo.Respondo ao offlcio de V S.
sob a.1107 e data de 5 do correte, declarando-
Ihe que por defflciencia de torga nao pode ser
augmentado o destacamento da cidade de Goi-
anna como requsitou o respectivo delegado.
Dito ao cora manda o te da estago naval.Para
que possa ser eucaminhsdo a presenca do gover-
no imperial a pretengo constante dos Inclusos
papis do mesire da offleina do carpinteiros Joto
Feliope da Costs, coovem que V. S. maode ios-
peeeionar por urna commisso eompoata doa m-
dicos da armada em serrigo nessa estago cirurgiao eocarregado da enfermarla de marioba,
enviaodo-me V. 3. o resultado da iospecgo com
os ditos papis.Deu-se sciencia ao inspector do
arsenal de marinha.
Dito ao provedor da santa casa de mizericor-
dia Respondo ao offlcio que V. S. me dirigi
om 6 do corrente. dizendo-lhe que d suss or-
dena para que ae nao consinta sair a tarde, como
pretende, a africana lirre de nome Rachel, a
que ae refere o seu citado offlcio, e que se achs
aoservigo do hospital Pedro II.
Dito ao commaodante do presidio de Fernan-
do.Em additamento ao seu offlcio de 6 do cor-
rente, declaro Vmc. que, segundo participou-
me o Dr. chefe de polica em offlcio de 8 do cor-
rete, deixam de seguir para esse presidio os
sentenciados Manoel do Nascimeoto Reg, eTi-
burtioo Piolo, o 1* por ter de responder o jury,
6 o 2 por estsr doente, iodo em lugar del les os
reos Manoel Perreira da Silva Mendongs, Joao
Lopes de Souza. e mais o de nome Joaquim An-
tonio de Msgalhes. Communicou-se ao juiz
municipal da 1* vara.
Dito ao commisaatio vaccinador provincial.
Remello Vmc. urna caixinha contendo tubos
de puz vaccinieo.
Dito ao conaetho administrativo. Autoriao o
oonselho administrativo a comprar para o tele-
grapbo da capital do Cear os objectos mencio-
nados no pedido por copia incluso, enviando-me
a con la deesa deapeza, afim de ser tranamilli-
ds so Exm. presidente daquella provincia.
Dito a meza parochial do Bonito.Ao offlcio
que me dirigi a mesa parochial do Bonito em
o 1* do correte, lenho a dizer-lhe, que Qcando
ioteirado de haver a mesma meza terminado no
1 desta mez os trabalhos da eleic&o de eleiio-
res, a que se procedeu nessa freguezia no dia
24 de ouiuoro ultimo, muilo aprecio a calma e
regularidade, com que correram os mesmos tra-
balhos*
Circular aos juizes de psz dos tres districtos da
freguezia da Boa-vala daata cidade.Coustaodo
de representago de Fraoklim Benjamim Theoto-
oio Peixota que Vmc. se recusa a axercer a ju-
riadigao que pelo artigo 1 do regutamenlo n.
143 de 15 de margo de I82 lhe conferida soo
o fundamento de teraido aonullada a ultima elei-
rjo a que se procedeu nessa freguezia para juiz
de paz, e achaodo-se odo o aeu quadiienio, de-
claro-lhe que em face da doutrioa do 5" do a-
diso n. 141 de 24 de maio de 1819, a outras de-
ciados do governo aos juizes de paz do quadrie-
nio lido compre exercer todss as funegee de
aeus cargos em qusnlu nao forem substituidos
peles da eleigo a que se nouver de proce-
der.
Portara.Os Srs. agentes da compaohia brasi-
leira da paquetes a Vapor mandem dar tranapoite
para a corte no vapor quo aa espera do norte,
a lugar destiosdo para paasagelroa de estado so
snajor reformado do exercito Luiz Xavier Torres.
Dita.O presidente da provincia conformando-
ae com a proposta do dezembargador chele de
polica interino n. 1122, de 8do correla resolve
demittir a besa do servico publico a Antonio
Claudino Moateiro Seiinando Sergio dos Santos
este do cargo de subdelegado de polica do des-
trido do Verde, e aquelle do de Cspoeiras, am-
bos da freguezia do Bonito.Communicou-se ao
chefe de policia.
Dita.O presidente da provincia conformndo-
se com s proposts do chefe de policia n. 1015 de
8 do mez passado resolve exooerar a Tbomaz
Pedro de Aquipo do cargo de 2* supplente do
subdelegado do dislricto de Ouricury, primeiro
da freguezia do mesmo nome, por ser profesaor
de pnmeiras lettras e nomeia para o referido
cargo a Homem Bom de Souza Msgalhes.Com-
municou-se ao chefe de policia.
Dita.O presidente da provincia lendo em vis-
ta o que poodoraram em seus officios de 2 e 8 do
corrente o inspector do arsenal de marinha e o
commaodante da estago naval resolve nomear o
1 teoeote da armada Braz Jos dos Rea para
commandar interinamente s compinhia de me-
nores artfices do mesmo arsenal e ordena que
neste sentido se expegam ai convenientes com-
municagoes.Communicou-se ao commaodante
da estago naval e ao inspector do arsenal de
marinha.
Dita.O presidente da provincia conformndo-
se com a proposta do chefe de policia de 5 de se-
tembro ultimo sob n 873. resolve demittir a Jo-
s Gomes de Mello do cargo de Io supplente do
.subdelegado do 3 dislricto da freguezia de S. Jo-
s de Ingazeir*.Communicou-se ao chefe de
policia.
Despachos do dia 9 de novemhro
de 1861.
Requerimentos.
Antonio Joaquim de Brito Oliveira.Nao tem
lugar o que requer
_ Francisca Mara da Conceigo.Informe o Sr.
director do arsenal de guerra.
Germano Francisco d'Oliveira.Dirija-se ao
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Joanna Dutra de Moraes.Indeferido.
Joao Chrizostomo d'Oliveira Pelagio.Informe
o Sr. dezembargador chefe de policia.
Marcellioo Jos Lopes.Informe o Sr. enge-
nheiro director das obras publicss.
Pedro Lopes Rodrigues.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda ou viudo o da al bo-
dega.
Pedro Antonio Argemiro da Silva.P. porta-
lia coocedendo tres mezes de licenga com venci-
mentos.
Major Sebastao Antonio do Reg Barros.Re-
validado o sello do Io documento, volte.
EXTERIOR.
acompanhado d'um numeroso estjdo-maor, e a proclamando urna amniatia, e conferindo diffe-
Tamba que ia .n'um carro de gala pando olto, rentes graos de dignidade e coodecoracoea.
Chegaram na porta de Brandenburg, todos os si- i Eqlio el-rai audou trea vezea com o aeu acop-
os da cidade comega rara a repicar, e 101 tiros "tro e roliou para palacio no meio de acclamagooa
de cannaosauderam o soberano. Urna dss rtr-'tom Qm de milhares de espectadores,
gens em traje de tests, coogratulou a at-relcom No dia 19, hontem, a rainha leve grande re-
um Poema de homenagem, saudaodo ama outra epgo na tala do throno, e de noite leve lugar
a raioha da mesma msneira. Ambos agradece- na mesma sala um grande concert da corte,
rara do modo o mais aflavel. | Boje sua magaatades tencionam parr era pri-
com a mesma anabilidade foram respondidos meifo logar para Danzig, onde a cidade lhes dsri
os discursos das autoridades, e a proclsso segu- um grande banquete.
da pelas corporagea dos offlcios, tomou o seu' No dia 22, ao meio dia, lera lugar a solemne
caminho para o palacio real pelas ruaa ornadas entradi em Berln.
com flores e ouraerosissiraas bandeiras. No dia i Coocluiremos com algumas breves communi-
1j de outubro, soniverssrio natalicio do fallecido cagues.
rei. as festividades paussrsm. | Aqu em Hamburgo a Burgerschaft, o nosso
No seu decurso cnegaram os erobaixadores en- porpo legislativo, tomou no dia 16 urna importan-
visdos para a coroagio pelos diHereotes estados, te resolugo em negocios da esquadra allema
e para nomear as mais notareis, citaremos: da Por esas resolugo o senado foi convidado para
Austria o archiduque Luiz ; da Russia, o grao- eolrar immediatamente em negocisgo eom a
duque hereditario ; da Franga, o duque de Ma- Prussia acerca de urna convengo. segando a qual
genta ; da logleterre, lord Clarendon ; da Hes- Hamburgo se obrigsria de por disposigao da
panha, o duque de Ossuna, e msia os gro-dn- Prussia urna quola aonual de dinheiro e de ma-
2U-8'9 79'm"ede Bada, o duque de Coburgo, rinhairos, psra a conatruego e enlretimento de
o coode de Flandres; os principes reaes da Sa- urna esquadra.
xonia e de Wurlemberg, o principe Luitpoid da A Prussia do seu lado se obirgaria prestar a
naviera etc. etc. Hamburgo pelo lado do mar a mesma prolecgo
> da tambera chegaram as deputa- como ao seu proprio paiz. Urna igusl resolugo
te espera em Breraen. Na nosss prxima trata-
remos maia delalhadameole deste assumpto.
O imperador da Austria parti no dia 11 para
Corleo para fazer urna visita sua augusta espo-
sa, que ainda all reaide, e esperado de volta
em Vienaa ji nos prximos dias No fim do tor-
rente mez de outubro a ioperatriz seguir psrs
Venezs, oode passsr o invern a nao em Kairo
como era o primeiro plano.
foeade todos osregimeotos do exercito com urna
baodeira e um estandarte de cada regiment, o
foram recebidaa oa estago do camioho de ferro
com pompa militar pela guaroigo de Koeoigs-
berg, e conduiidos para o palacio, oode foram
apresentados a el-rei.
No dit 16 de outubro os enviados estrsogeiros
se apresentaram na corle, e congratularan suas
magestades ; lendo a apresentacao lugar segun-
do as datas das notas, pelss quaes os differentes
estados tinham avisado ao govarno prussiano as
suaa missdes de coogratulago para Koenigsberg,
tocando desse modo a precedencia ao embaixadox
da Hespanha, o duque de Ossuna.
Depoia da audiencia, os embaixadores e envis-
g^feg ?fftf*g *? 2* toaras, u carao.o uc.va a K l,Zd soore LO
menos de 4,000
CORRESrONDENCUS DO DIARIO DE
PERNAMBUCO.
Hamburgo SO de outubro de 1861.
De Compiegne para Koenigsberg nissose com- i Prssideatea da provincia
prehende todo o cooleudo da prosete A entre-1 anll8 ministro Fiottwell e
pessoas assistiram a esao baile.
El-rei abri o baile com a Gra-duqueza de Wei-
mar, a raioha com o archiduque Luiz d'Auslris.
As 10 horas seguio urna ceia para os principes,
na qual o coode de Dohna fez um brinde i suas
magestades em nome dos estados proviociaes,
respoodendo el-rei com seus agradecimentos e
louvaodo o amor do seu povo.
A' meia noite a corte sabio, mas os outros con-
vidados nao deixaram o baile antes dss 3 horas
da madrugada.
No dia 17 el-rel celebrou um capitulo da or-
dena di aguia-prola, nomeando na mesma oc-
casio para caralleiros dessa ordem os principes
de Bentheim, Salm-Horstmsr e Karolat, e mais
de Brandenburgo, o
os generaea de Lin-
vista del-rei Guilherme da Prussia eom o isnpe-' dheia> e Werder.
rador Napoleo, e a sus coroago na velba capi- Ao capitulo seguio a recepgo dos membros
til do reino da Prussia, de que estao cheias aa aas auas esmaras do parlamento, convidados co-
1 mo testemuohss da coroago, lendo compareci-
do a cmara dos depntadoa quasi em numero to-
columnas de todas os joroaea, e neste momento
quaslo o nico assumpto de to las as conversas.
JfcS agora a fcurinatrtarta (kaliUca nao ptVle ain-
da penetrar os segredos da entrevista de Com-
piegne, supposto que haja segredos. Da noasa
parte nao podemos acreditar em grandea segre-
dos. A grande masss porem nao se pode ima-
ginar que el-rei da Prusaia tresse neale mo-
mento urna entrevista com o imperador ap-
te!, com excepcao todvi d (rac^ao poloa.eza.
A recepgo aos represntenles deu ocessio a
el-rei de se pronunciar respeito da poaigo da
cores e da constituigo, da mancira seguinte:
c A corda, disse elle, os sobersnos da Prussia a
recebem de Dos, e por iaso vou toma-la ama-
nha da meas de lieos, e pA-la na tninha leata.
leo, aera ao" menos se entender com o mesma \ I*' significa que a dignidade regia provm da
respeito d'um plano completo para a transforma-
gao da Europa.
Verdade que os dous principes conversaran)
ssm compaohia durante duas horas no dia 7 de
outubro, todo o outro tempo foi oceupado por
testas, passeios etc., e seguodo toda a probabili-
dide a conversago nesse encontr familiar-oso
versou nicamente aobre o bello tempo que tem
feito, e tero sido discutidas as quealoea da pol-
tica .
Igualmente muito proravel que s se trocs-
rsm as ideas reciprocas. Se permittido julgar
graga de Dos, eso que torna luviolavel a san-
lidade da corda. A corda se acba cercada da no-
vas inslituiges ; vos sois chamados ao p da
mesma para lhe dares os vossos consalhos, que
eu sempre ouvirai* a
Ns noite nouve urna explendida festa, dada
auas magestades pelo corpo do commereio de
Koenigsberg.
Eslava asaim chegado o dia 18 da outubro, o
dia da coroago.
A'a 10 horas ds maohia o cortejo da coroago
se poz em movimeoto debaixo dos soos de umi
LONDHES
S3 de outubro de 1861.
Pej paquete Guienne, chegado a Bordeoa no
dia 19 do correle, tiremos noticias satisfactorias
do Brasil, e diaso denm logo conta os joroies de
Londres. O cambio ficava a 25 1|2 d sobre Loa-
ra velmente a
colheita do aasucar na provincia de Pernam-
buco.
O cambio desta praga sobre o Rio, Bahia e Per-
nambuco, por este paquete, tem sido feito a 23
1(2 d., hateado todava pouco pedido de di-
nheiro.
0 descont do banco de Inglaterra tem regula-
do a 3 0|0 e 3 1[2 0(0, sobre letras de primeira
ordem.
As acgdes das nossas estradas de ferro conti-
nuara a deaconto neata prega, cooservando-ae to-
dava em melhor estado do que eslavam ba doua
mezes.
Assim, as de Peroambuco estao com o descon-
t de s 4 a 6 3 sobre S 19 de entrada ; as da
Baha com o de f 3[8 a Ij2 sobre < 13 : e as de
San-Paulo com o de 1)2 sobra rjt 6 de en-
trada.
O algodo de Peroambuco tem sido cotsdo s
lt 1(2 d. e 12 d. por libra, e o da Bahia a 10 3[4
d. per libra.
Esfe prego nimiamente favoravel, e devido s
circtmstaocias especiaos do mercada de Loodres
que tem eaudo falta aa^i.iu aritoo em con-
8equencia do bloqueio dos portos do sul delUniao
Americana.
E' provavel que este estado excepcional tenba
de continuar por maia algum tempo, visto como
nada deixou prever um prximo termo i guerra
civil nos Estados-Unidos.
Os consolidados ioglezes ficam a 92 1|2. Os 3
0(0 francezes ficam a 68 fe. 20 c. Os 5 0|0 brasi-
leros a 99 a 101 ; e os 41(2 0(0 a 91. Os 6 0(0 de
Buenos -ayres de 84 a 86 ; os 3 0(0 porluguezes
de 46 a 48 ; os 3 0t0 heapanhes de 50 s 51 ; os
chilenos 4 lt20|0 a 84 7(8 ; e os 4 0(0 turcos ga-
rantidos a 101 3|4.
] 0 cacao do Brasil tem aido colado de 53 a 65s.
per cwt; pao Brasil a 80 por tonelada ; caf
primeira qualidade 64 s. a 76 s. per cwt, seguoda
' qualidade de 54 s. a 63 s., e o ordloario 4a a 53
per cwt.
sor recebe sempre a rainha grande numero de
convidados, por ocessio das festividades do Na-
tal, que o all celebrada* com graode pompa
e segundo os osos aotigos deste paiz. O principe
Luiz de Hesse, futuro esposo da princeza Alice,
de Inglaterra, deixou ha dias a Escossia, oode
estivera em companbia da familia real, de regres-
so i Prussia, logar de sua residencia ; mas devo-
r voltar aqu no mez de dezembro para pasear
alguna tempo em Windaor per ocessio daa feslaa
a que alludi. O casamento desse principe lera lu-
gar no mez de margo ou no mez de abril do an-
no prximo futuro.
Sua alteza real o principe de Galles, que depoia
de haver aasistido t manobras do exercito prus-
sisno junto de Bono, regressara Escossia para a
companbia de sua augusta me, deixou no dia 16
do corrente aquella residencia, indo para Csm-
bridge onde chegou na tarde de 18. Mas no dia
antecedente ae dignara o principe, de cami-
nho para a uoiversidade de Cambridge, honrar o
duque de Nevr-Castle com ama visita em Clum-
ber-Park ; e ah foi recebido o principe herdeiro
cora grandea festejos e por grande numero de
pessoaa da alta aristocracia que paraease fim ha-
viam sido convidadas pelo duque de New Caslle.
Este oobre iogiez actualmente ministro das co-
lonias, e foi o secretario de estado que acompa-
nhou no aooo passado sua alteza real na sua
viagem ao Canad eaos Estados-Unidos.
O principe de Galles foi eootinuar seus esludos
superiores na universidsde de Cambridge, e como
de costume est residiodo em Marlingley Hall,
as proximidades da cidade dsquelle nome.
As noticias polticas deste paiz sao desta vez
destituidas da maiorintererse. Os ministros in-
glezes se acham ainda em lorias, conservando-se
em Londres apenas lord Russell, Mr. Glsdstooe.
e Mr. Milner Gibsoo. O lord chaoceller compa-
receu no dia 17 do correala oa cmara dos parea
para 1er o decreto, pelo qual aua magealade a rai-
nha adion o parlamento por mais dous mezes,
adiamento que provavelmeole aera proloogado,
como costuma succeder.at fim do mez de Janeiro.
Depois desta ceremonia, preeochida em presen-
ga doa commlssarios da camari dos commuos,
lord Weslbury regressou i sua casa de campo,
oode eat agora residiodo.
0 conde de Ruuell havia muito tempo eslava
ausente de Londres, pois estivera na Escossia com
a raioba e em outros pontos do Reino-Unido.
ltimamente assislio lord Russell s um banquete
poltico que lhe offereceu a municipalidade de
Nevr-Castie, e por essa uccasio pronunciou esse
mioistro um discurso cheio de importancia pol-
tica, e que reputado ser o saceesso de maior
valor poltico occorrido neste paiz durante a ul-
tima auinzena.
Fallando da situactoda Italia, sos senhoris ex-
primi terminantemente, e mais urna vez, os de-
sejos do governo britnico de ver consolidada
a unidade italiana, al agora impedida pela con-
servaco de Roma naa mos do pontfice Pi IX ;
mas, nao podendo dar ao seu auditorio a certeza
de cessar em breve aquella difflculdade, porqusn-
to o governo francs sem irotoovAar-se com a vou-
ta le da ioglaterra, coolir proteger o papa,
ocenpando Roma, lord I i prelextou a cir-
v.iuiiiuiia ua soi a iogtaiefra um paiz protes-
tante para naquella occasio nio entrar aua se-
ohoria no exame da queslao romana, sendo to-
dava assis claro que o motivo foi antes nao con-
vir-lbe disentir aquella grave qaeslo, onde to-
dos os esforgos da Inglaterra tem cahido diante
da voolade do imperador, para nao manifestar a
frsqueza do governo britnico neste ponto.
segundo certos indicios, os pensamentos d am- i marcha composta para esse fim pelo celebre Aisucsr branco de Peroambuco e da Parahibs
boa os principes se encoatraram muilo agrada- Meywbeer, dirigindo-se do palacio para a igreja a_26 s. 6 d. a 30 s. per cvrt; masca vado 18 s. a
velmeote em muitos pontos, nesss mesma occa- I do palacio. i 25 s. per cwt. Assucar branco da Bahia 23 a. 6
sio, a aem ae eoganar se poder considerar co- Adianto de suas magestades iam os grande dig- d. a 29 s. 6 d. per cwt, e o masearado 18 a. 6 d.
mo resultado da entrevista de Compiegne, a re- i natarioa do estado com sa insignias do reino, o a 23*. 6 d.
mogo de diversos malentendimentos e preoccu- cortejo era formado pelos principes e priocezas E os couros salgados 5314 d. a 7 d. por libra ;
pagoea queso permittiam al agora relagoes mu; da casa real, pelos grande funeciooarios e outros seceos a 8 d. e 8 1(2 d. por libra ; e os seceos
friss entre a poltica franceza e a prussiaua, Q- empregados da corte. El-rei trazia o manto de salgados 6 d. a 7 d.
purpura dos csvalleiros da aguia-preta. Na en- I Chegaram a diversos portos de Inglaterra, pro-
trada da egreja as Magestades foram recebidas, cedaalea de alguos portos do norte do Brasil, os
com canto solemne. j seguales navios : do Rio Grande Niordo (8) a
O sermo foi proferido pelo superintendente Faloiuuth; da Parahiba tZone (8) a Liverpool;
Hoffomaon de Berln sobreo capitulo7, varaos 24 i de Peroambuco Margarel Ridleie(9)a Liverpool;
cando assim encaminbadas relagoes msis amigi-
veis entre os dous paizes.
Para qualquer ouira combinago alera dos di-
tos limites faltara todoa oa pontos de apoio posi-
tivo*, e julgamos poder asseverar
. com a maior
certeza, que nao queslao d'uma alliaoga franco- e 27 do segundo livro de Samuel, o qual fez so- de Peroambuco Neva (12) a Falmoulh ; do Rio
prussiana. e que nao se poder cootar'com qual- bretudo lembrar a importancia do dia 18 de ou-J Grande Guida (17) a Queeostowo ; da Baha
quer mudanga decidida nem da poltica fraoceza,
oem da prussiana, em consequeucia da entrevista
de Compiegne. Em urna das nossas anteriores
disseuios que era duvidoso se o rei Guilherme
estenderia a sua visita de Compiegne at Paris.
A visita em Paris, porem, psrs qual de psrte
franceza ja se tinham feito os preparas evenluaea,
nao se realisoa.
No dia 8 de outubro ao meio dia, el-rei Gui-
lherme deixou Compiegae, depois de se haver
despedido mu cordeslmeote do imparador Napo-
leo, e voltou directamente para a Allemanha.
Como de costume oessas occaaides se deram
numerosas coodecorages.
Causou graode senssgo que el-rei Guilherme
condecorou tres pessoas com a ordem da Aguia
tubro, do dia da balalba de Leipzig, para a Al-
lemanha o para Prussia.
O ponto sublime ds solemoidsda foi o momen-
to em que el-re, depois de revestido com o or-
nato, saudou do altar a assembla com o sceptro
e com a espada do reino levantado. Depois dis-
ao, repetindo-se as solemnidades, el-rei coroou
a rainha.
O cortejo voltou debaixo de numerosissimos
| vivas para a sala do throno, oode o csrdeal Gei-
pel em nome do cloro, e o principe de Solms,
em nome do reioo, dirigiram discuraos a el-rei
Guilherme. El-rei foi ento collocar-ae na tribu-
na de coracaouo pateo do palacio, acompanhado
da corta, dos ministros, dos convidsdos e teste-
munhas, e ouvio as allocuges do principe de
preta, parque sendo essa ordem'dada na Prusaia Hohenlohe, presidente da cmara dos seohores
s em casos rariasimos, nao ae pode deixar de e do preaidenie Siraoon da cmara dos deputados,
ver oisso urna certa demooalrago. Mas igual- [ assim como do coode Dolma-Laock em nome
mente demooslrstiva foi a cordialidade que el-rei idos estados proviociaes, respondendo da manei-
Guilherme eacoolrou em Compiegoe a cada pas-
so de parte franceza, e como dito, nesse recipro-
co cordial trata meato sa acha o verdadeiro resul-
tado da entrevista do Compiegoe.
Na manha do dia 13, al-rei Guilherme come-
gou a sua viagem de coroago para Hoeoigsberg,
parlindo com um extn-trem, no qual tambem ae
linha reservado lugar para os redactores dos jor-
oaea.
Ns estsco da estrada de ferro da villa de
Krenz, tomou-se o jaotar, seguindo-se depois o
camioho al urna fazenda do coode de Dohoa, am
distancia de meia legua da Koenigsberg, oode
auas magestades deixaram o extra-tram, e passa-
ram a noite, ao mesmo lempo que oa outros pss-
sageiros cootinuaram a viagem at Koenigsberg,
all ebegando s 11 horas da noite.
Ao meio dia do dia seguinte, 14, teva lagar a
solemne entrada de suas magestades na cidade
da coroago.
Ji em distancia de urna legua, na aldea Scbon-
busch, onde comega o territorio urbano, as ma-
r seguinte
a Pela giaga de Dos, os reis da Prussia tra-
zem a corda desde 160 annos. Depois que o
throno foi cercado de iostituigdes em attengo i
oosaa poca? eu o oceupo como primeiro re.
Mas penetrado do aanlimeoto que a corda
j oo provm se nao de Dos, eu, fazendo-ma co-
roar em Sanios Lugares, quiz mostrar que a re-
ceta humildemente das suas mos.
c Neste acto solemne as rezas do nau'povo me
acompaoharam, eu o sei, afim de que a bengo
do Todo Poderoso proteja o meu governo. A af-
feigo e o amor, que me foram lealemunhadas
desde a rainha subida ao ihroao, me sao ama ga-
ranta que em todas as coojuncturas eu poderei
contsr com a fldelidade e a perteila dedicago do
meu povo.
< Coofiado nisso dispensei o meu povo do jura-
mento de delidade prescripto aoa subditos se-
gundo os aoligos usos. A confianza confirmou-
ae ltimamente por oecasio de um doloroso
acontecimento. Que a clemencia Divina con-
gestades foram aaudadas por urna deputago dos serve por multo tempo s nossa patria os benefi-
magistrados; a recepgo principal porem teye|ctoa da paz. O meu bravo exercito a defender
logar oa porta de Brandenburg.
All se tioha erigido um arco de trlumpho
pomposo, e ao p do mesmo eslavam & espera
contra os perigos exteriores. Quanlo perigos
interiores, a Prussis oads tem da recear, porqne
o ihrono dos seus reis se sent torla do seu po-
d'el-rei a da sua augusta esposa, os principes e der e dos seus direitos, tanto que dura entre o
priocezas da asa real, os gaoerses do exercito,
as testas dss aaloridadea civis, o magistrado e
os deputados da cidade lo corpore, eum numero
de 50 vfgens todas vestidas de brinco. Imme-
diatameate por traz do arco de triumpho se scha-
vam todas as corporages da officios com auas
bandeiras a aeus emblemas para se uoirera ao
rei e o povo a unidade que fes a grandeza da
Prussia.
t Assim na via do direito jurado, nos resisti-
remos aos perigos de urna poca agitada,... a
Depois da falla real o ministro do reioo coo-
cProieusa (17) a Falmoulh ; do Rio Gran-la Kel-
lon (18) a Queenstown ; de Pernambuco cSirao-
zen (19) 4 Liverpool; e de Pernambuco era
a Liverpool.
De Ioglaterra aeguiram para diversos portos do
norte do Braail os seguioles navios : de Cardiff
cAnnie (6) para o Msranho ; de Swaose Jor-
nua Coelis (7) para Pernambuco ; de Cardiff Si-
listrii (5) para a Bahia ; de Laoalaah Millicenl
(13) para a Bahia ; deCardifl Giane (14) para o
Rio Graode ; de Cardiff Brue (15) pan Per-
nambuco ; e de Cardiff Eliae (16) para a
Babia.
Pelas ultimas noticias recebidas de New-Yoik
a nossa crvela vapor Beberibe sob o cora-
mando do capilao de fragata, devana d'alli seguir
para os Agores em viagem de exploraglo. Segn-,
do aqui tem corrido, a corveta Beberibe deve- j vaso, que era
r aondar o ocano atlntico entre o archipelago bloqueio.
dos Agores e o continente do Brasil, psra o Qm
de ser no futuro langado o lelegrapho elctrico
entre Europa e o Braail.
O governo inglez apoiar sem duvida este pro-
jecto do governo imperial, porquaoto leva a pai-
to a ver ealabelecida asta linha de commanicago
entre a Europa e o Braail ; e estou convencido
que urna vez rogado, se prestar a coadjurar o
nosso governo uaqnella exploragio.
As noticias aqu recebidas de Jeddo annun-
ciam que depois do ataque feito por varioa amo-
tinadores cootra a legago tngleza naquella cida-
de, as autoridades japonesas tioham conseguido
restabelecer a ordem,fazeodo prender muitos des-
ses malvados, que iam sem demora fazer julgar
aumariamenle.
O governo inglez mostrou-se disposto a susten-
tar com dignidade a sus posign, reclamando
enrgicamente contra as atrocidades commellidaa
sobre seus agentea diplomticos.
Mr. Oliphaot, secretario da legago britannica
no Japo, a que fdra gravemente ferido, val me-
Ihorando do estado desesperado em que se achi-
ra, edover brevemente regressar a Loodres.
O almirantado inglez tem expedido ordena
esquadra da China para se destacaren, torcas na-
vaes d'alli em direceo ao Japo, onde deverlo
ellas estacionar, afim da prolegerem os inters-
ses dos subditos Britaonieos.
Hontem deixou Sua Mageslade a rainha o pala-
cio de Balmoral, na Escossia, vtodo a perooltar
em Holyrood, junto de Edimburgo, e devera lar
chegado no decurso deste da a Aberdeen, de ca-
mioho para Windsor, onda ir dormir amanha.
Passoo aquelle ministro s fallar dos successos
que estao occorrendo nos Estados-Unidos, e ain-
da ento usou S. S. de urna gyria, em que alias
ninguem acredita. Na opioio do conde de Rus-
sell os successos polticos daquella grande nago
sffligem de veras o governo inglez, que todava
oo tem a seu alcance meio algum para pdr ter-
mo a semelhaote mal, cumprindo-lhe apenas
manter urna restricta neulralidade; mas bara
sabido que a Ioglaterra aa regosijs eom o ftagello
que est aasolando a Doio Americaoa, porque
v nisso a decadencia daqnelle collosso ; a que
msl pode supportar a existencia do bloqueio que
o governo de Washington poz sos portos do sul.
Assim pois a linguagem de lord Ruasell nao pode
ser reputada sincera, mas to sement de cir-
cunstancias ; e etla a impreaao que liveram
essas palavras daqnelle ministro, quer sobre a
questo romana, quer aobre oa successos polticos
dos Estados-Uoidos, merecendo porm essas pa-
lavras bastaole importancia, porquaoto por ellas
pdde a opioio publica avaliar at certo ponto da
exacta posigo do governo britaonico em relago
aquellas duas grandes qoestes do dia.
Deu-se recenlemeote um fado que parece de
algum modo compromeller a to decantada neu-
lralidade da Gra-Bretanha na questso americaoa
o que at certo ponto maoifesta a inainceridade
daa palavjas de lord Russell proferidas em New-
Caslle a reapeito da unio americana, de cujas
desgrasas na opioio de S. S. a Inglaterra tanto
est compadeceodo-se. Foi ltimamente apresa-
do no rio Ssvanoah pelo cruzeiro dos Estados-
UnUos o vapor iogiez Bermuda, earregado
com 70 toneladas de plvora, des mil mil espin-
gardas de Eofield, dez pagas de ariilheria raia-
daa, 60 mil pares de sapatos, e grande quantida-
de de cobertores e de uniformes, lado proceden-
te de Liverpool, donde seguir aquelle navio com
conhecimento do goveroo inglez, a quem Mr.
Adams recorrer na qualidade de miniatro ame-
ricano para reclamar contra a sabida daquelle
ootorio levava em vista violar o
mente o eslavam despachando para
Unidos.
A imprensa europea continua a faltar da
venieocia de ser a coofederago da sul i
da pelaa potencias europeas, seodo lavada s
argumentago aotes pelos prejuizos jeja a*
mercio da Europa eali cansando a gaavra civii
oos Estados-Uoidos, do que pela v o pal aa qae
aqui merece a caaua aastenlada pelo rsatlmU
Da vis.
Bate alto magistrado tasa procurado por asuio
de entesarlos que tem mandado para sata corta
e para Paris, alcaucar aquella raeha sisa seta ;
os gabinetes de Loodres o de Paria, pareas, ra-
ceiosos de dsr um tsl pisso pelas reaeasjasuilss
funestas que d'ahi Ibas resultara viada pro va-
velmente a achar-se em guerra caos a Nort da
Uoio onde residen) tantos milhares da saaditas
inglezes e francezes com i&leresses da raaiar im-
portancia, tem-se sbstido por esa qaaata da aaa-
conhecerem a neutralidade que proclamaras* ao
principio daquella Iota. Ha todava circanas-
tsncias que indicara a necesaidade asa qae codo
ou tsrde achar-se-faa o presdante Linela da re-
coohecer elle proprio a existencia da Contadera -
gao do Sal, visto como at hoja o Swl teas-so
apresenlado oa lata coa todos oa raearaw quo
denotam urna vida propris o capaz da existir
mo oago. O Norte, pela sua parto, aovo a
felicidade de aer batido loga nos atiaairaa i
contros e estes desastres coneorrero Bailo
desanimar oa partidarios dasaa lado, aoa
serviro para animar a causa contraria,
circumstaocias a lula tero-se tomado da lid sea ;
de modo que o Norte, que hoja v o sea com-
mereio paraliaado a coosequeacia Oa farro
civil, comega a ioelinar-oe para o lado do asa
iceordo com o sul, qaa todava ala aceitar ajaal-
quer outro que nao seja o reeonherimeau da aaa
independencia.
Entreunto o presidente Lincoln contiaaa a fa-
zer grandes preparativos para oo cessar ;
ra, e ama grande expedieo naval eom
desembarque sa est formando aaa
cootra a Carolina do Norte. No priatipo do
mez correte o general Me. Clellaa pausara ro-
viala em Washington a ama graneo tarea 4o ea-
vallaris e artilharia, prosapia para airar aaa
servigo activo. Aartilbarta consista do SI
ras, formando ao lodo 112 pegas, san-
do do general Barry; a a eavallaria
de varioa corpos de Kentacby, da Feaailvaaia
de New-Jersey, sob o commando da geaeral
Palmer.
O duque de Charlues a o conde da Paria, aja
daqui sejruiram no decurso do mas da aataasaro
para oa Estados-Unidos, asa eompaaUajso- prin-
cipe de Joinville, tomaran praca de i
estado-maior do general Me. Clellaa,
oderecidas as patente palo presdanla
No dia 6 do corrente foram suas altezas I
sequiadas em Washington coa aa a_.
banquete ofrecido pels oficialidad do i
Me. Clellan.
O principe de Joinville continuara
nos Estados-Unidos, a aagaado aa altii
cas o'slli sua alteza real ea por toda a aorta ra-
cebida com entnusiasmo, seodo UUo o boato ajae
rorrara harar o gmmtrm 4 Watkiftmm poa
lo embsragos so sea desembarque aaa Mora-
York.
Desta cidade chaguas aa dataa at do crran-
te, sondo todava as noticias desliloidea do iato-
resse novo. O general Price avacaara Lexlag-
tou, que foi logo oceupado pela gaaoral Siargaa.
Premoot havia deixsdo Jeflertoa City osa dtrac-
(o a Sedalia, perseguodo na pella direceo o
general Price, para obriga-lo a recebar baiaUa.
Dezcompsnhiaade federaea atacaran o darrota-
ram os coofederados em Cbapaaaoavitto; falla-
va-se de urna graada batalba gaoha polo
Reynolds sobre o sal em Cheat Mauaiaias.
A coroago de S M. Prussiana leve 4
to lugar em Koeiosborg no dia 18 do
sendo el-rei Prederico Guilherme o proprio qae
na preseega ds cOrle, do clero o dos eabaixa-
dores estrsogeiros, receben do altar a corda raal
eollocaodo-a ua cabeja. A aigoilieagio danta ce-
remonia havia sido dada por S. Magostada diaa
aotes por occasio de recebar a refotaca daa c-
maras que foi aasistir aquella fostividodo; o asa-
se eotio el-rei da Prussia qaa toaaado a
real do altar como ia brevemente faze-to
aaaim aigoificar que a reos ais diractaai
Dos. Ella linguagem tem provocado aa im-
prenss urna calorosa discusao, o sobretodo am
Inglaterra os jornaes de Londres tea alus
ceoaurado aquella attenea aa que S. I
Prussiana descooheceu a vootedo
origem da soberana. El-rei da Ptasoia
hontem em Berlim ea grande oslado, tura
proclamado das antea uaa amniatia geral.
As noticias de Varaovia sao cheias
dsde. O general Lamber! proclamaba aa aaa tai
do correte o estado de sitio, teado
msndsdo fazer namarosaa prisoa, entra aai
figura a do fllho do conde Ziaeuky.
igrejaa haviam aido profanadas palea
nellaa entraran) a viva torca para "
A excitagio
O governo britaonico, porm, de modo nenhum
impedio a sahida do vapor Bermuda, s respoo-
dendo ao miniatro americano que o seu dever nao
ia to longe, cumprindo-lhe apenas declarar aoa
carregadores que uo caso de presa a aua propria-
dade seria legalmente tomada pelo cruzeiro ame-
ricano.
Entretanto, segundo as informsgoes vindss de
Nova-York, psrece quo o governo americano es-
t disposto s fazer pssssr por um conselho mili-
tar a tripolago daquelle navio apresado, a qual
se compon de subditos ioglezes; e nessas circums-
taocias para receiar que possa d'ahi resultar
serias complicagea entre oa dous governos.
De qua ledo, porm, estar a razio ? O gover-
no americano pertender que uaa press naquel-
la s circumstaocias um verdadeiro nimigo, a co-
mo tal querer tratarmuniedes e gentes, to-
mando urnas e sujeilendoa outra a leisds guer-
ra. Pela aua parte o goveroo inglez susteotar
que s eslo sujeilos s leis ds guerra ss merca-
dorias apreaadas, devendo o goveroo americano
dar prompta liberdada aos subditos Ingleses que
acabara de aer apresados com o vapor Bermu-
da. A qaeslo grave, a a oo haver boa voo-
lade de ambas as parles pode ser ella a causa de
serias dif&culdadea ; teria aido porm maia airoso
sa o goveroo inglez houvaase em lempo impedido
a sshida de seus portos daquella navio coa dea-
Uno aoa Estados-Uoidos, qusodo era publioaaeo-
te aabido que a sua carregago constara exclusi-
vamente de contrabando de guerra. Assim como
pelo seto do parlamento que regala a neulrali-
dade, a Inglaterra impede os sltslamenlos o ar-
is prisOes.
Polonia.
28 de oatebro do IBM.
El-rei o Sr. D. Podro V acotos odas
tem estado ancora aodado coa doslaao o otaaaaat
febre. Suas altezas oa Srs. infantas B. Pcroaodo
e D. Aagusto tambem ao resealiraa da ana via-
!;em ao Alemlejo, entretanto a oliiaao aoaoro da
olha official dava no bolaail
ria noticia do restabeleciaoi
sonsgeos. Parece qaa 9 laespoaa o cortajo too
deviam ter lugsr no dia 29 do i
D. ri
va ir
de de' Schiverim, leu um decreto relativo a cres-| Ah permanecer s raioha eom aua raal fami- mementos de nanos de guerra nos saui domi-
gio de uaa gra-cruz da ordem da sguia-verrae-1 lia al a abertura da parlamento britnico, qua te* mus; do aasmo moda paraca qua daveria prohi
lha, e de urna nova ordem a orden da corda I r lugar provareimente sd para o asaz de Janeiro, blr a sabida do a Bermuda coa aaaelhanle car- *IJJ'aa sob a aaptro de alaba su
regameaio, quiodo qs rui earregaaorea cleri* inodora D. Mara II, da sauuosa
aontversario natalicio del-rei o Sr.
ser addiado.
As altimaa noticias chegadas da Sas
da que a Sra. totela D. Mario Aana oaUrara
ramalo no aaa astado ia
o boato que aa havia espalando a
qua a mesas aenhora vivia da
pas a por coueelho doa aetjeaa
passar algum tempo oa ana patria.
affirmam pessoas daa qaa das
informadas neslas coasas ds corta, o torna pea-
ceza vive muito aatistoita coa o principa son es-
poso, o goza de boa saode.
No Diario de Listn de 19 do crranla aaa pa-
blicado um decreto, oos virtoda o oaal creada
aaa aedalha da dialineco pora oa aairtajee arria
a militaras, prestados aa favor do laaptiaidad*
ds sempre charada rainha a ahora D. Mara TI.
a da carta constitucional da aoaarcaia.
Este acto significa o paiaaaaaia 'na divida
sagrada, a maia uaa prora do qae o gavera*
uso se esquece doa aerrieos ajan torna toilos san
defeza daa iostitoio&oa livros, do ajan
oa portuguesas.
Eis oa termos a quo o dacrota 4
Merecendo o aaa maior apraco sa are*os oa
valor e dedicaco qaa aa defeoa i
timo e das insumida qua regaa
a mooarchia portogaaza tana prai
te o periodo dv.0rrida anua a dia M
18S6, am qua f0i jarada a aarta ciasesiawsail
dada pelo o,.u augaslo avd, o siaaar D.
\ l.da gl orioss memoria, e o dia i7 da
1SU, o'm qa ao raatabalecaa a pos i
cortejo real, logo que o mesmo tivesse pasudo. ..
Logo qaa al-rei, o qual s achara a cavallo, em Uo* citases, co*e.luinilo con oa decretos como coslunj* a uegednr. No G\eUo de, Wtnd.
*
a ,
aa. L
' _'-


V
nm m.r.ft
URIO M f IMAM1Q0Q. QA^TA FURA 18 DE ROVJLMiM) M IMl;
pocoeverinca, .pesar 3*3,
u invendris, iijffadiin o Balara as sao i
bol por bem instituir eltt^STWSieeo
connemor.liv.
^L?*^'''^' ropieuru. mi%^
especificidt nos artigo segaiotes:
adecoon)
^KaiMi
naVtroj
we

^ie gy8-WI sirtcooS. o prneiro ai
#oohasda libezdadeoo tenadaservicos civis
* no esotro ura dos altamnei 1 9 i i n
13, 7, 8. oa 9. l. 3, 4^
Artigo 2 EUase4collocs4e oo lado esquer-
cae peito, pendente de urna fita asa! ferrete"
22L25l, *- V*m |QagUtt(nai_juUBeio_paxa
* ao4wh-iBiiiUr, e com orlas braricas paras
roedalha civil ludo segundo o modelo annexo a
oladecreto. "
*V,1^.e4!lh, c,q5 Aeg-cBipaDhsB da
e*dde--er conferida exclusifioionie^Aqael-
Haqoe, dar.oteo referido praso de lempo, fl-
""" ervicos militares effectivos.
iJl X ??;lh com legendasericos civis
ZZSf**"***!! ve, durante o mearon
periodo. flieum lervicos eDoclivos. que nao se
coaapr*endem no fcaotecedento.
-8 3* O algarismo designar o numero de naos
que o condecorado livor servido.
, n.^"T'. *-d*-*Wo-aa-t834 serio,
Sos decreto, coa lados como cora-
Artigo 3 Aquellas pessoas que, dnate o
*mo preso do lempo, prestaran servicos mili-
Uweeeer.isoscisiaseri conferida .a nedalha
JBUilMje for mau longo o numero de annos em
que fizeram. aereos, militares, e vice-versa.
. 8 nico. Nesle caso o algarismo designar a
ana.da loUJidade dos aonos oo* dous servicos.
Artigo 4 Haver urna commisso comporta
Oesete merobroe, dos quaes quatro multares e
liesiao militares, escoltados entre os foeecio-
anos. que teob.m direto oblar e*. moa-
Uu. para ciassiOcsr a pessoas, segundo ee seus
respectivos semcos.
-asUodaguewa, 4 medida que as puder formar
Tcucoes das pessoas que recoohecer aeharem-se
no caso de loe* ser, conferida ata distioceo, de-
signando a med.lhs que pertencer a cada um.
Artigo 6* Os nomes das peisess que forera
agraciadas cum ala dislincco seto publicados
aordem do ejercito, sea medalba Ihaforcon-
aedida por servicos mililares, e no Diario de
Lisboa, se a obliteren por torneos oivis.
O presidente do conselho de ministres, minis-
tro societario a'esUdo dos negocios do reino, e
ministro e secretario d'estado dos negocios da
ierra, o teaham assim entendido e (acara exe-
5ttUr. P*eo das Necesidades em 16 de oulubro
c ^ V. je,"~A,,,r9u" LouU-Viseante de
oa da bandeira.
-A imprensa ministerial
Cima de trezentos navios tem sahidolmar em fora
Jorof^elegeo. Vi* proesguindo com aclividade os traba-
m*.eee Iho. ce*ec.dcedo entro lado do Tejo para os
oemil- pjaqeajaclinados, e aaegura-se que o Br.mi-
omIio da manaba coou.i.ra a vai caetralarcom
aagiaheiro daati empriza Thomsz Whle, asa
ponla-de ferro paca o arienal de marioha.
~ O DiarioiMtrcamtil do Porto escrereu o se-
guinte sobre o camioho de ferro do Porto doMi-
abo :-~ A coereipondencia de Lisboa oeste jor-
nal de honlem e a pablicaelo do relatorio a
cnmpanhl An '-rninhn Au Mtn |)fl |ffl|B TJAf.m
dispertar-nos a lerabrsnca do extincto embrtrrdtJ
bruto para o Pomario
.. na distancia do 20 kilmetros,
_aia ou menos, da mina. O esminho de
#a*Oje|ericaoo.eat j4 mais de-meio feito, nes-
; acabado elle, ceasam os lucros dos
e carros. Para
gerencl
773#355 rs.;
e parle dos jornaesda
opposicao teem applaudido o peosamento que
presidio crea?o deste distiocliro. todava no
Jornado Commercio apparectu ba poucos dias
m artigo nolavel que tem prodasido profunda
eosecao, pelos argumentos com que reprova se-
snelhante ua. A flecoluedo de honlem publica
iasabem urna aoalyse bulante severa tasando de
menos tolerante este peosamento. c Em 1851
lis aquelle jornal, comecou um poca de tole-
raoc, e um dos seus primeiros actos foi abrir
a cmara dos parea aosseuamembrosque tioham
ido excluidos em 1834 de tomar aella assenlo
StS^1 *m*os- O Uil presidente do
coaselboi (marques de Loul) assigoou esse de-
?^ ?h i "'* do nobre marecbal duque
de Saldanha. D.z.se que o scu luminoso relato-
no da peona do Sr. Alexandre Uerculano. Ali
a pondera que as luctai extralegaes dos diversos
partidos teem contribuido nao so para os males
malenae, mas, o que palor, para elTrouxar
otra os portugueies os lacos moraea. que 8o o
feo pehbor .eguro da paz o ordera poblica ;
que cenveai que es olios mutuos das parcialidad
des se coovertam d'ama vez para sempre em dis-
wasoaaipaciUca. de principios o doutrioas e que
lh/^a^ "ece poltica de lodas as opmioes e franquear o cami-
nbo da v,i. publica .aquellas que, sacrificando no
*iur da patria commum o seus reseotimento
queren, eotrar oo gremio dos partidos legaei I
acrosceniaado que ae as necessidades poliicas de *
1834 cooslraogeram o legislador a uzar de ione-
*i/el sevondade, as consider^des e convenien-
hllX "noKv.ram tinham deixsdo de existir,
Tn a Ug0 dee.ur "a deieaete anno lera
da* <*Ha.5, ^.^o >.<. ir,er,
les roesmos luminosos principios (contina
a Revolucao de Selembro) presidiram ao decreto
ae J de oulubro do mesmo auno, em que se ex-
uogmram as classes dos ofciaes amnistiados e
separados do quadro do exercilo paro pojar o
US101OS de anligat disstnces civis
Effectii amante melhor fora nao vw agora sus-
citar estas diseussc.es e avivar antigs cootrover-
vum. Anda nio ha muitos mezes que el-rei fui
obsequiado em Braga e outras Ierras do Mioho e
do Alemtejo pelos caracteres mais rmes do
pirtido que se du UgUimUta. A instituico io
tempestiva da medalha em questo est em an-
tilhese coro aquello faci e com moilos oolros
qt#e atlestam eloquentemente quanlose haviaca-
minbado de parte a parte durante cates 27 annos
no caminno de tolerancia reciproca para ctmeotar
as bases do grande partido nacional.
irC0.nVf que Sr' millifo la marinha (Car-
Jos lenlo) lenciona apreseolar orna proposta de
M dando maior latiiude aos quadros dos officiaes
de marioha, actualmente muito acachados.
fcm estando a nado a corveta S da Bandeira
e verendo armar-se a fosco do Gama, nao ha-
vera olnciaes para as guarnecer; pois quaai to-
dos os nossos navios esto em servico e nao po-
lem dispensar a officialidade que tem a bordo.
Coota-se tambero que na prxima sesso se ap-
presentara um projecto de lei aulborissodo o go-
veno a mandar construir tres fragatas a vapor do
g?y.' .m,x'0' e to;n o Vasco da Gama e
Iragata D. Fernando tambera a
A corveta a
dia 17
a pre-
chegou no
viagem de
s-
vepor.
- vapor Sagres que no
oeste mez saino para Tnger eonduzindo
ente para o imperador de Maocos,
ai k com UB,a cellente
horas, tendo navegado durante 24 horas
mente a peono.
t1lerDaJ0 aPe"''on>ao lempo que eccontrou
*:!**? em Tger no dia 19 pela manha,
SnTi i COa* Tnle 6 Um tir08. te"<10
T.n?J *1"c '?''"- nesmo cnsul em
h?M oSr,0* *! Colaco, que tambam
iinh i ido na Saere, sendo saudade na occasio
do deaembarque com urna salva de ooie tiros.
o da unmeduto foram para ierra o'uma em-
narcacao marroquioa oa quatorze velumea
oham o presente, indo nella o rabe
que
que
xerce as funccqea de capilo do porto de Tnger,
sisiavaalll ancorado o vapor de guerra hespanhul
uarda costas Suena Kenturo A' sabida da Sa-
gres entrara um vaporee guerra inglez eondu-
zindo o seo cnsul.
O presente Qcou em casa do cnsul portanaz
porque o imperador snda visitando os portos d
nr, e naquella occasiao achava-se a distancia
de cmcooli legoas do porto de Tnger
i. S Vqa ,uPlen,e"ar a depuladoa in^w no
da 20 do correte. O resaltado foi, sahirem elei-
oa oa seguales candidatos governamentaea. .por
aanimidade e (or grande numero de votse
aiS **-0eB*,-'eiB0 Augusio de Santa
Aaoa e VasconcellosCircalo 59 Oliveira de
f~^Toa""",08 Marta Caaal BibeircCir-
culo 116-dito-Jos Eduardo M.g.lhe. ^ai-
nho.-Circolo 117-D. Aotooio de Mello Breyoer.
Pelo Sardoal, sahio eleito o 8r. Peqoito. Un-
n f6roamet"al; e por S. Joo da Peaqoeira,
.7.r'n.nir2,.a pV*id0 n*Keli8ta. Parece que
hr. Fonles Peieira da Mello.
Excusado repelir-lbe que as eleicSea em to-
dos estes circoles ae 6zeram com o maior ocego.
la^L. fii*'?? 6 de.goatooi concedida, por
lempo illimilado, .os Sre. Antonio Luciano Ba-
taina a Jos Josquim Lemos Soasa e Castro a
propriedade da mina de cobre, sita no Ouleiro
doa Algarvee, cenaeibo ie Portel, dutricU de
7afl?,/u?rIDprfJwa,kl,d0 uparleie de......
l.UU.OO malros quaeradoa.
Em urna corraapoodaacii dirigida do Algar-
ve. d. qual ie fez meojio da faaporiaata ioa
daS. Domingos de Uertola, l-se osagaiate--
Lni^TJ"^1' D* mb,*m de qu.rala
cootos de res meoiaei. Quetreceoloj operarios
nada mono* trabalbam dU.ia.anu, ^JSm da -
Uita. Mil e quwbenus a duas mil cavabxaurai Sv M P""10
e diiwntoi estro andam ^ImIuSXXZ? fl#rn '?*"
oho de ferro Foz e Leass, por cuja ressur-
o linda esperamos se a maior parte dos ca-
vaJbeiros. que estiveram lala deste negocio,
teem realmente, voolade de realizar eate piojscto.
que olTerece lucros positivos e que tem por si Jo
appio de lodo.o commercio deata prict. Tocer-
los eslimos do que avaogamos que ae fdr aborta
urna assignatura para esla empresa, immediata-
mente sero subscriptas lodas as acjes. O ra^-
laiorio da direceo do esminho de ferro de leste
prora exuberantemente o valor de urna linha ,ao
"Qrte do Porto, oode em urna rea muito menor
,e COTtram. circumstancias mais favorsveis de
sua exploradlo, no que na de Lisboa a Santarem,
cuja receita bruta, a pezar da falla de carga,
pela navegabilidade do Tejo que lhe corre paral-
elo, a 10,000 francos por kilmetro. Ora te esta
liona, na extenso de 70 kilmetros, lira uro tal
resultado, qaal poder ser o de ama ^ia dsqui a
Braga, onde ns extenso de 40 kilmetros exis-
tem 700,000 habitantes e onde nao faltam cargas
a transportar, em quaoto que a de Lisboa s San-
tarem apenas coota 500,000 almas? Calculemos
porm que o movtmento de passageiros fosse
igual, e atlendamps gmente differeoca dar dis-
tancias ; teremos ama Vaatagem de 75 por cento
sobre aquella, sem coatar as cargas que forzosa-
mente bao de augmentar a receita. Se estas li-
geiras reflexoes pdem merecer alguma altenco
dos lluitres cavalheiros que tomaram a iniciati-
va da empreza a que alludimos, esperamos que
agora que cophecem qual pode ser o xito della
naoa abandonem, porque nao lhes faltaran) ac-
cionistas, nem os auxilios do poder, a
Oulra correspondencia ao Jornal do Porto, a
respeito do caminho de ferro do Barreiro diz o
seguinie: Contina alcanzando bem mereci-
dos louvores a administrado da linha fetrea do
Barreiro pelo goveruo ao Sr, Canto.
O servigo est regular, a liuha tem recebido
importantes reparajes, e como j lqe commu-
niquei. mui valiosa a erooomia reuzida que
tem permittido um avullsdo saldo positivo sobre
as sommas arbitradas pelo goveroo.
J que fallo desta linha nao posso deixar de
referir urna importante empresa que ella est po-
Jerosaraente coadjuvsndo. Alludo larga colo-
msago intentada nos campos vastos e incultos
que so estendem ao sul desta via frrea, pelo Sr.
Santos, que casara com a viuva do Sr. S. Ro-
mo, e se acha por Uso de poese da grande for-
tuna que este Sr. deixou.
0 Sr. Santos ediflcou grande numero de casas
para b,abitac.o dos colonos e vendlhas por di-
minutos presos, e faculta-lhes os pagamentos a
larguissimos prasos. Compruu grande porcSo de
genero alimenticios, que vende sua colonia
pelo prejo por que lhe sabem, e concede-lhe
longo crdito, ministra-lhes os adubos, os ins-
trumentos iadlspeusaveis para a cultura, o su-
jeila emBm com a sua preseoca esta nova po-
voacao disciplina iodispensarel para que o tra-
balho fructifique.
A benelica influencia da linha frrea nesle im-
portlo projecto, consiste principalmente em
facilitar os grandes transportes de eslrumes.
O leodimento do caminho de ferro do sul, ns
emaoa de 22 a 28 do paseado foi de 2:470g030,
i-tlSuZ,1:12?*ai0-de t851 PMie.
IsHMBMw ris de vanas mereadorias.
~ Progridem com grande activldade os traba-
Ihos para a feilura da estrada de Valenca Cu-
minha, e coota-se que Oque coocluida dentro do
prazo de dez mezes, estipulado no cootreto da
empreitada. Sao seis as seccoes de Irabalho. S
na de Valeoca Aro trabalham 200 operitios.
uomeQeram j tambera as obras da ponte do S.
Pedro da Torre.
J a mala-posta.de Lisboa conduz os paisa-
Porto *l n*V3 elfii0 nos Carmelitas do
Os viandantes n at agora o encommodo
ae ir a p do alto av .. J.. i Poris.
O termo medio de operarios, carros, etc.,
empregados por dia oas differeotes obras das li-
nhas do caminho de (erro porluguez de Badajoz e
Porto, na semana Onda em 12 de oulubro, foi o
que se segu : Linno de Badajoz. Opera-
rios 11,526 ; carros 498 ; caralgaduras 216 ; wa-
gons 84. Linha do Porto. Operarios 11,428 ;
carros 683 ; vagos 79.
Os trabalhos para a festiva celebracao me-
moravel do Io de setembro progridem por toda a
parte. A commisso central lera sido iocancavel
nos seus esteros, e as commissdes parochiaes,
por ella instituidas, nao lhe cedem em zelo, para
dignamente se deseopenharem do honroso en-
cargo que lhes foi commellido.
No dia 13 do correte s 10 horas da ma-
nha, estando presentes o Sr. Page, engenheiro
em chefe dos eamiohos de ferro porluguezes, os
engenheiros da linha do norle, e muitos caval-
leiros do Porto, Estarreja, Ovar e Aveiro, diver-
sas autoridades e cmaras rnunicipaes de Estar-
reja e Ovar, parti a locomotiva de Estarreja e
foi al ra da S. Miguel, em Ovar (12 kilme-
tros). Percorreu assim mais 6 kilmetros do rio
Gonda a Ovar.
Fez a corrida em 25 minutos, levando o com-
boyo mollas pessoas.
Nos dous extremos da csrreira e no transito
era mmeaso o povo. A experiencia nao deixou
nada a desejsr.
Em Ovar, o Sr. lobo de Castro Corte-Real, em-
preiteiro das obras de Ceimbra a Ovar, deu um
lunch aos engenheiros e convidados.
A locomotiva ebegou villa de Ovar; mas nio
estaco, porque o lempo nio permittio o ai-
seolamento dos carriz, no espaco que faltava pa-
ra l chegar.
Nos dous extremos da cweira e no transito
ora mmenao o povo, que, jubiloso, applaudia
estes progressos que vamos fazeodo no camioho
da eiviliisco.
Os trabalbas aas duas linbas, tanto do leste
eomo no norte, continuara com a maior activida-
de ; e nao ha duvida que antea de um anno a li-
nha anlre Coimbra e Villa-Nova deGayw estar
entregue i explorado publica.
Oa trabalhos da 5* seceo do caminho de
ferro de ltsle, consta o seguinte : as proxi-
midades das Longos j trabalham sobre os carriz
os wagn* que conduzem trras e outros met-
rteos. Os movimentos de tetra sao feitos em
grande escalla por meio de carros de transporte
accelerado, expressamenie construidos pars este
gara! dos crrelos e portos.
de 1860 a 1861, foi de rs.
pertencentes 73t|850 rs. ao
1860, e 449:257.782 rs. ao de .
Os rendimeclos podem ser a,
PorUi de cusase joroaes recebi___
tanto do reioo como estraogelroi 14
sejMNRde awaiMi 'eaabaftMMfi
r(M e nsMaaav^- P i r mlaiflii ni lia Soc
Vfeooa ira. Mo de or.
urna eociedsde eenva4itulo HlhthtcnnieTvi*
quarduer amiga da*arte, cujo'flm M l
rnaeies. a lltteratura aaarte *af^ Heave
j uma reuniio preparaioria, quafpresidio o
ar., Paula de Cartalho, aeeretarie asial mmsem
U 0111?
w
B
no i-ItII dsquwtle aTstrlCTo"."
No dial ^ do correte .maz deu-se um facto
qae responde triumpbanlemente aos que alea-
nham de improductivas as.despezts que ae tm
feito com a extraccio das rochss submarinsiae
difflcBlurim- a leotrada da barra do Porto.
NaqueUo dia. pelas 8 hoi.s da t.ne, islo .
com tres horas de encheute no quinto dia de lus,
entrou barra do Douro o patapho Iberia:
vento estar sal, e como por iso o navio nao
podeise orear a I bastante para passar ao sul di
Orut d* Ferro, deitoa a ancora a licou a oeste da
mesma. Em seguida entrou a escuna Siea, a
agal.nio.iii itmb^ Jo p44e pasear aosul-da
*I n r Ferr,?' ca" *^ oao PO^e deiUr forro
por ib o impedir o o palscbo ; a correte era for-
1.1 .'W'I ,eguir "e'1 tortuoso
Canal de Cttlaecu/Ae. quajquer tentativa que se
fr?. Pa"AM,.wr n"l *or qualquer dealf s
df.2* d"r" ""!Ud,que certo.de elle
se despedacar, ou contra a Crax de Ferro, ou
contra as pedras ds Eira. Julgando-o, pois, ser-
dido,
guir por cima dai pedras JoioJhi, BorHme'ir'as,
loao Maranhao '--"---------
e Arribadouros, o que d navio
a menor avaria, rocaodo apenas
meiras aa> PUC c,c*"10 B"e-
Cumpre observar que todas estas pedras, an-
tes das obras da berra, descubrism muito no bai-
d"."m-orm"ABt d0<,u*1 n" Bornemeira* ae me-
que a. escuna.demandara 2m, 75
fez sem soffrer
m 2
d'agaj.
f.~" Sr !conde de Pina-Eanique tencions
I.aI Pro*'ma amana nma experiencia publi-
ca do aysiema pelo mesmo aeobor ioveolado, pa-
,';**"" kqalquer trem dos cavallos. quando
irauVn h e8,b0qaeB-I A *' "> Por vezes
tratado desta invencSo, e o Sr. viscoode j fez
ha lempo uma experiencia na calcada do Salitre,
uizetn que o Sr, duque de Beiluai remetiera pa-
benFdrearQoa.pp.,re0bo" ^"^ "' Cmp"-
f,,exp8rkencia pu^lica H.-.'.?bw Ue ProVr ** tandee vantagens
daquelle sistema.
?jJ*fc|que, (a excepcao de algn, p.-
pBaapometro, nenburoa outra folba se
ll?ro do navio abandonado. Pazem-
^^PifJaWiJaaU singulares conjecturas -
acaaleeimento. -
.- Sj"" M d? c0,rDt bafelhlo de
n. 2. da provincijle Algsrve, oode
o, vindo a bardo do rapar de
Percorreu mais seis kilmetros do que to ha per-
corrido da primeira vez.
de violenlisslma ebuva de pedras ornan* {*>.
igaaaea aeawea.. M'aata dd ada e mm w
jajr^^AB B,onl
Em Ovar eslava levantado um pavilao em qae
aenle a su torio s-
HorU coroaaaaeoledo W da lo-
i^!5S!**Be no ,rMD'J '**' *,l* d
Moto que .companaau o bsralaao re-
gadopara Valle da Pereiro. AUichegoa
^rTT1 M *?" 1"a,l. eojaaattedaae aeha-
d n!df/f" b""."" arco*da louio-e on-
de Doule heuve illuminaaio tacando aa rame
.?.n. Pereiro ce,ebrara a ahogada do sen
visinho com grande numero de foguetes
os r^^SESSWa'S:
wifariedo. leaenle general perteocente ar
da ogenbajia.
miiarfnT'' *'"1>&0 ** LWboa foram ao ce-
a 2* Pr,Mr Pfll" qutro horas da urde
n c ?eKU&* lo astylo.
.. C ^Mb|Q Candido era o decano dos nossos
fdade lr8' Perl d8 00fenta nn<,s de
Hh,.dT0a ennheiros. que ortiflearam
a tlhafTerceira aa guerra contra d Sr."D.-fMguei,
e um das soldados que liuharo prestado relevan-
nssimos servigoa causa da liberdade. Ere hon-
rado a tatellrgerrte. Morrea pobre.
alteceu. victima de uma hemorralgis, o con-
selbeiro Joaquim Jos de Almeids Moura Cooti-
nho juiz da relacio de Lisboa.
O Sr. Moura Couiinho presin muitos serviros
ficq*""4' 'berdade, e ao cerco do Porto em
lJdX, perdeu a paroa esqaerda.-
Em 21 de marco da 1842 foi despachado juiz
aa relajao de. Lisboa, transferido do lagar de
juiz em uma das comarcas dos Acores para on-
deprimeiro fora nomeado.
h.T.*70' omasdo guarda-mor do real archivo
da torre do tombo o Sr. Antonio de Oliveira
."7 p enfermeiro-mer do hospital de S. Jo-
s, fot nomeado oSr. Or. Antonio Aires Mar-
tina.
y O Sr. Josquim Henrique Fradesso da Silvei-
ra toi reiotegrado no lugar de late substituto de
pnityee os escela pbyteehnica de Lisboa,
. Tem coonaado o Diario de Lisboa, folha offi-
cui do goveroo porluguez a pabltcar os docu-
maolosquedizem respeito a debatida einlerrai-
oayel queeiao do noiso consol do Rio de Ja-
neiro.
No Diario Mercantil do Porto, ebegado pelo
correio de hoje vejo a seguinie noticia :
Corre o boato de que o Sr. bsro de Moreira
e esperado brevemente em Lisboa, chamado
pelo governo de sua msgeslade, em consequen-
das graves aecusaces qae e lhe fazem.
JJaxaUlorio da compaohia raal dea earoinhas IV1* pJ.ri>.f'* wt'^^*oaV
de ferro portoguezes, 'SoSo 4 SSSS tlt*n,;!t%i!!b!r*mm
ca
Bm.
As obras de arte, taca como as pon les, alm de
muito material que ali lem chegado.como gran-
des vigas de madeira. etc., tem 4o este genero
de irabalho bastante desenvolvimeoto.
Existem diversos partidos de trsbalhadores os
quaes ae m mantido em boa ordem ; j corae-
?araro a edificar aa casas para os guardas, as
qoaee, depois de promptss, devem ter muito bo-
ma apparencia.
Venflcaram^se no dia 21 do cooreole na igre-
ja e realcapella de Sanio Antonio, da S do mu-
nicipio de Lisboa as exequias olemoea. por alma
do eminente esfedUla o conde de.Cavour, man-
dada celebrar pela commisso italico-portugueza
'"T"^ Srs.:.Caelano Fonlano. Chilppori
Jun or. e Manoel Jos D^s Mooteiro Jnior, a
or mtJ^4Hda ^or "".a^UfiOi. porluguezes,
por meio de uma subscripeo alcaocada e
eos di.s, pode realisar este acto solemne.
funC1nn,Hrn,'er,0A e .C0rpd d'flomaUco. altos para formaiem
tuncionarios. redacedes doa jornaes polticos e as- -
sociaQoes de Lisboa receberam convite para esta
ceremonia.
No cruzeiro da igreja eslava armada uma alts
e rica eca, cercada de brandes acesos : direita
linham logar os relaclores dos jornaes de Lis-
foa, e 4 esquerda as associacoes. O corpo da
igreja era par os demiis fiis. Na capella-mor.
a direita Uoha lugar o ministerio, e o corpo di-
plomtico, cmara muoictpal de Lisboa, e varios
runcciooanos de alta cathegoria.
A s dez horas da manha comecara a missa
cantada. sendo celebrante o reverendo doutor A-
billo eapellio do real collegio militar, e dicono
e subdiacnno, os revereados psrochos da frexue-
zia de LouvmhS o capello de catadores o. 5.
sor va de meslre de ceremonias o reverendoca-
pello da igreja daeCbagas.
A miasa foi instrumental e vocal, de Joudli
muito conbecida ; tomando parte doseu desem-
penho a orchestra do Iheatro de S. Carlos, e os
princfpaes cantores do mesmo theatro. Deoois
da sequencla houve um solo do Sr. Baragli., e
outro do Sr. Celeatiuo, e aos reponaos belliiaio-os
solos dos Franschini, Delia-Corta, e Guicuardi,
termioando por um primoroso dueito. de tenor
K.r.i.O0, oa q,3 rranschioi, e GaiCciarJi
A orchestra era dirigida pelo maestro ComuII.
iodos os Srs. mnislros. sem excepcao, asslsti-
ram a slo aclo, bem como o Sr. coode da La
Minerva ministro de S. M. al-rei Vctor Ernma-
nuel, o Sr. conde de La Crosse. addido a mesma
embaixada, e o conde de Bobooe cnsul do rei-
no da Italia. Estavam os cooselhelros de estado
Joaquim Antonio de Aguiar, vjiconde de L*bo-
nro presidente da cmara dos pares, geoeraes
Baldonado goveroador civil de Lisboa, e Cbris-
tovo Jos Franco Bravo, commaadante da guar-
oa muoicipal, os redictores e collaboradores dos
joroaes polilicos : Revolucao de Setembro, Poli-
tica Liberal Jornal do Commercio portuuez
Opxnxao, Ltberdade e o sub director do Diario de
usboa, bem como alguns correspoodeotts dos
jornaes de provincias, moitos officiaes dos cor-
pos da guaroigo da capital, e da armada, depu-
taoes das associacoes de Livboa. varios dignata-
munlcipT0 t0dS M rad0rM d" "
Depoisda missai, subi ao palpito o reverendo
conego da s da Guarda, o Joo da Foncec.Ca,
tello Braoco. O orador se com a vehemencia da
palavra, se pelo seu eslylo. nao fez uma brilhan-
te orete, comludo, pelo sedimento de que esta-
va dominado, pelas ideas que apresentou e pelo
quadro plaugente que addozio, descrevendo a
A,DBa2- d8 "llan08 Po allecimenlo do
grande estadista, commovea todo o auditorio. O
Ti-"-.01."*"0 d0-Sr- *C"tell 'co-foio
,L?1? <*8ti thema muito
apropsdo ao assumpto. Quando o Sr. Castello
2 Mlamott que em liberdade nao poda
caminhar a horoanidade um murmurio appro-
pelas abobadas do templo do Se-
Seja para aotreler que se espalhe o boato, ou
saja He uma realidade, muito mal ir a mo-
randaoe e aos ioteresseo pblicos, se essas or-
dens nao estiverem, ou nio forem dadas com
presteza, e se a sua chegada se nao publiear
um decreto que o denuda, ou o Iransfira, etc..
etc.
Podo julgar por este speeimen da docura com
que iratam d'ease funceiooerio ftlgumas folhas
oesle paiz. O corto porm que muitos jornaes
em pou- que tambera se presara de circu mi pecios aguar-
a a completa publicacio da defeza do cnsul
ormaiem o seu jaiso com todss as garan-
tas de seguranza.
Teve lagar no dia 15 o julgament da cama do
lelinclo escnpior Cimillo Castello Branco e D.
Anua Placido, propoala cootra estes por Manoel
Pioheiro Airea, (marido da r) oo primeiro dis-
triclo criminal.
O advogado das reos propoz uma
vador reboou
nhor.
Esbogando com traeos Hgeirca os actos do
grande estadista, cuja almasuirsgavamos, o ora-
dor provea que Cintilo Beosoera um hornera e-
minentemenle ebristo. Pois se acabamos de
enumerar as virtudes de eonde de Cavour ; pola
St2!"de ^tvAo exim0 el,e a p-
i mi h d?S "vu,udM CTca. eo nos seria
licito duv,dar dss virtudes religiosas ? Foi as-
sim que terminou o orador.
O templo esleve apiohado de Oeis: os que 14
ADtoniaaHr."a,08,r flCram no ,,r de Sanl
ZZ l d,"-^e ruM. "wcentei. todos de preto,
H. -^Dlr.'tad0* ""i P,5Id I6 *fffe" "-
ia vendo Qoar-se o bomem, cuja energa e ta-
do2afealtr i8?""?"?.'' ^e^'8o sonSo
tJn. J* Ulen.U,8 ,tal"M outras eras, os
votos do povo italiano de baje.
As portas do templo estavam armadas de pre-
aoP^,C.ima 1" Pr*nciP8>. '" q-dro lia... a
sego.nle legenda : Oraipor alma do conde de Ca-
vour i
A's 11 horas a neia tinham terminado os ac-
tos religiosos.
Falla-se agora na celebracio de outras exe-
U novo partidoprincipiou a fanecionar no si- S/fiSSaTL^r,*. K'J ""-
_ transaeco,
segundo a qusl o autor desistira da querella, o-
brigando-se o reo a vlr viter para Lisboa e a r
a recolher-se a um convento em Braga, com me-
sada para viver decentemente, e quando doenle
e raje hera ao Porto a uma casa particular res-
peitavel, onde nada Iba faliasse para seu resta-
belecimento.
Camillo Castello Branco aceeitava a habitacio
em Lisboa, mas D. Aooa Augusta Placido pro-
puoha o ttver no Pono em sua liberdade e casa
do seu dominio, com uma mesada propria do seu
estado e posicao.
Nao ae chegou portento a um acedrdo oeste
da.
No dii immediato, 4 meia aoite terminou a au-
dieocia do julgaoaeoto.-^abioao o jury da ala
das dehberacoea coa a aaa resposta. em que de-
clirou nio provado pormaioria o facto crimioo-
?":"" ou*r *iui ca oo que o juiz presidente lavrou a aentenca
absolvendo os reos e mandando-os por em liber-
dade. Nao ha recurso.
No tribunal da relacao de Lisboa foram iul-
gados em recurso de appellacao o co-roi e
cumpllces de D. Francisco Ue Judieibus na cele-
bre questo de moeda falsa.
Foi relator o cooselheiro Amado, representante
do ministerio publico o sjudanle do procurador
regio Faria Azevedo e advogado o Dr. Bruschv
antigo redactor da JVooao.
O tribunal, depois de tres horas de eooferencia
coorrrou a seuleoca. de primeira instancia mo-
dificando a pena com relacao ao reo Joao Cros,
reduzindo-a de 25 aonos de trabalhos pblicos oa
frica a 15, que o mximo que a lei marca pa-
ra trabalhos pblicos temporarios. Deve notar-
se que aa relacao sejalgaram conjunctaaenle os
processos de moeda falsa e o assaasinalo de Rio
secco ;ero quaoto na primeira instancia, julgan-
do-se cada um de per si, linha sido aquello reo
com respeito ao primeiro processo condemnado
em 15 annos, e em 10 pelo segundo crime. A re-
lacao aggravou as penas impostas a alguns dos
outros reos, condamnando a mais um anno de
prisao o cumpliee Joaquim Ignacio Bastos, aquem
liona sido imposta a pena de dous, eobrigaodoa
3 mezes de prisao oo local do degredo aos reos
. Joanna da Salvago Judieibus, e Prancisco d
Assis Pereirs.
L.
geral em Paris em 2 de setembro ultimo, v-se
que a va frrea de Lisboa ao Porto compreheo-
de a extenso de 2,295 kilmetros e est dividida
em 5 seccoes.
A primeira seecio entrncamelo da Ponte
ds Pedra 4 Biheira de Caxarias. 31,5 kilmetros
e, pem eomo a segunda seceo, as que. das
duas linhas contratadas de leste e norte, apre-
senlaram mais difflculdades para os estados, pois
no seu trajelo que se acha a linha de altura
entre os dous valles do Tejo e do Moodego, e o
terreno ah em geral muito accidentado.
Para vencer estas difBculdades foi necessario
azocalar obras d'arle coosderaveis, que tambera
abundara as duas seecdee.
Entre os numerosos e profundos corles da pri-
meira seceo, ha um cujo compriroeoto de um
juiomeiro o roclo e coja maior profnndidade de
2o metros. Tambem se eflectuaram numerosos
atierros e nm delles tem o comprimenlo de um
kilmetro por 18 metros de altura o mximo. A
seccao coropreheode anda selepontes. aro sraa-
de "?" d'arte. e finalmente ora tun-
nel de 640 metros de comprimenlo.
Os trabalhos s6 se principiaran! realmente no
mei de marco deste anoo ; acham-se, todava
n um estado extraordinario de adiantamento. por
que a empreza, compreheodendo a importancia
desta seccao e da seguinte, 14 tem tldo sempre
um coBsideravei numero de operarlo. Tarab-m
mais de metade das obras d'arte se achara agora
acabadas aa primeira secco etrabalha-se com a
maior aclividade em todas as que rasts construir
e prioeipalmeale as pontes, cojos alicerces s
esiao laucando. Os movimentos da trra esto
terminados em mais de doze kilmetros. Para
activaros trabalhos. o tunnel atacado pelas duas
extremidades e por um poco de 36 metros de pro-
fundidade. A galera tem abertos perlo de 200me-
tros de comprimenlo.
As estiedes devem ser duas: a ds Payalvo. aue
servir pan Thomar. e a de Chao de Maceas que
servir pera Villa-Nova de Ourem e outas loca-
lidades. Os edificios das eslaedes anda se nao
principiaram. Ai cacas de guarda esto se cons-
truindo.
PiV!goldx? .8eCC* ""d' *' de Caxarias a
Pombal, 30 kilometroi encontrara-se as cristas
dos montes que separara o Tejo do Moodego
sao atravessadas por meto de um tuoael de 600
metros de comprido. Este laonel seba-se era
condicoes muilo desvantsjosas, pois est eolio-
cado n um terreno de areia muilo aquifero U-
nha-se aberto ara poco, que foi preciso abando-
nar. Uoje trabalha-ie com ardor nai duas aber-
turas do tunnel e 4 ha feitos 60 metros de ga-
Os desatierros e atierros deeta seceo, muitos ,
dos quaes sao imporlaotissimos, esto bstanle
adiaolados, apeur dos trabalhos nao lerem tido
grande desenvolvimento seoo depois do mez de
margo. Mais do melade do volaras total dos at-
ierros est j executada, o que faz esperar que
eslaro terminados antes de seis metes.
Entre as obras d'arte deila aeceo cootam-se
seis pontes importantes e ura grande numero de
aqueducios,, .que j4 esto concluidos, e vo se
principiar as pooles.
As eslacoes comprehendidas nesta seceo sao
tres: a de Caxarias, a de Albegaria e a de Pu-
nhete. Anda se nao priocipiarsm nem as esta-
cos aero as casas de guarda, mas em breve se
deve tratar dessas conslrucQes.
A lerealia steco de fombal a Coimbra, 47
kilmetros uma daquellas cuja execuco epre-
sentava menos difflculdades, foi por isso mesmo
uma das ultimas da que e tratou.
Occupam-se presentemente com as expropria-
coaa. e ero breva ae vo principiar os atierros.
fcatabelecerara-se grandes depsitos de mafe-
riaes para as obras d'arte, eotre as quaes se acharo
duas pontea ioxpartantes. ciua a quedacio.
a esta seccao que est comprebendida a gran-
de ponte do Mondego, cujos materiaes de ferro i
principiam a chgar Figueira, e sero iromedia-
tamenle transportados a Coimbra para se poder
ah comecara trabalhar qoaoto antes
A quart seceo de Coimbra 4 margem es-
querda do Vouga, 63 kilmetros tompe -se de
duas parles; ama de 26 kilmetros, ioteirameote
em va de conslrucco, e oulra, cujos projectos
se estao reformando.
Na primtira parle, 18 kilmetros estao com-
pletamente acabados, e trabalha-se com activi-
dade em toda a pane, mas sobreludo nos dous
grandes atierros de Coimbra e dodecimo-ierceiro
kilmetro. Tambem sa occopam dos grandes
atierros do Mondego, e em breve se vio principiar
as obras de defeza que se devem fazer nesle rio.
K eerlo que os movimentos de Ierra e as obras
darte eslaro completamente acabadas na orima-
vera prxima.
He ueste secco tres esta;es: a importante
asiacao de Coimbra, a de Souzellas e a da Mea-
lnsda, cujoa planoi a empreza est agora tra-
eendo.
Os aovos estndos no resto da linha sao motiva-
dos pelo governo exigir da empreza diversas mo-
diiicasoea que se exe:utam presentemente.
Os projectos estavam quasi acabados na data
em que foi apresentadoo relatorio aos accionistas
em Pars, eos trabalhos que a empreza declarou
oa oatraa
foi servido um lunch primeiram
des. engenheiros,
Houve saudaces reciprocas, e anlre alas orSf*1Di-
governtdor civil daJralro propjttuma ao enea- i.*?1 S?6", wfa*ia aaa aaaa
aheiro em chefeR^, a^jWeste^iot ^1? l^y/bjaay^rlaspma^aT
rsipoodeupropoaTdoaotraprosperldadedePor- ?
"o Sr D. Jos Salamanca tarobamt eveombri n-
de do Sr. JosBotevio. Bem o mereceuTcod S^ria^!,^,,l
amprezar.o dos eaminhos de ferrq portugnasas, o "" M -t
Sr. Sala manca lam-ae batido a todos os raapaitos
de oras maneira digna de louvor. O zelo, a ac-
U vida de e a lir.ura itim ido, at ao preaente. o
alvo do seu procedimaoto.
Seguiram-se depois atis doui lunchs lervidot
a aigumas seohoras e cavalleiros.
das.
;EmtViiU'dm Coarta.
mate a lea
jeodaoaaai 1
f-eea Wsiaa emiTrdoa
Barnardiaoda Caeta Graveara. Causa*
Era Bcaga, oagaado eoada ara iaeoal w-
oado. a ebav. cabla, tsmmieiSTUTm^Z
faiilavara lio daradoaroi e a mistada* i
cercada da.
qaa a* ira-
cirros aadam contlantemeoto traai-
tio da Bregada, principiaran! os trabalhos cor-
tando as oliven-as qae j haviam sido pagas na
expropnagio do terreno, e este partido o que
mais seapproiima do sitio da rsia.
Tambem os trabslhos da estaco principal, de-
slgoada para Elvas, a cujo local oo sitio do Ol-
val do Sr. Brito a de outros proprieUrios, cojas
expropriacoea j a maior parte ou todas foram
tellas e pagas, principiaran, e promettem csrai-
ohar com grande rapidez ; em somma, a compa-
ohia Salamanca por este systema de trabalhos
que adoptou, e pondo de parte alguns defeilos
e Irregularidades, qae sempre epparecem as
obraa desta natoreta, e a maior parte das vezes
lba das circumstancias e acontecimentos invo-
luatario, merece loovor pela frms por que lem
condolido oe trabalhos, entregando a sua coos-
truecao a empreileiros zelosos que desejam cor-
dealraenle acertar, e consjruir os trabalhos em
Mas ceadicoes, nests parte ta tornou bastante
aatMoee eatprettada do Sr; Val le; e por esta
torna, e continuando os trabalhos com o raes-
nio maior desenvolvimento. de soppor
faluro anno de 1M2 esta linha
a pteiagsiros.
rece que a ceremonia lera lagar na igre-
ja franceza de S. Luir. Intil ser crescentar
que os promotores desta solemoidtde formtm na
vanguarda do grupo oao-calbolieo deste
Esia guerra de cantocho
tensiva.
e agua
paiz.
benta inof-
O
raodlBaalo cobrado pela adminiurtcojblica.
Por parlicipacao do censal de Portugal em
Tnger coneta que o adminiltrador geral da al-
fa ndega de Larache fez saber ao. commerci.nl.s,
ero 3 do corraote, qoo paseados 12 dias se ven^
deri.m ero hasta poblica e para embarque 5,000
fang.a de trigo, pertencentes ao imperador e une
vadlrlannn'f P,SMd ",g0m ,empo M Poder"
o .??? *g" P0OC a8 U n,60p' p"
Conflrma-se que no dia 1* de oatubro, ara na-
vio mercante .maricaoo encontrara aa altara da
.fi-oi. b"k,0 .(wtagaax Conde pro-
abandonado, .roas sem nenhum outra eitrtao
"uVete.** 'rtW'' #^^
O navio amaricano conduzio o brigne Cendt
ilha da Madeira, o aaoa carga qoo nenhum
damno aaaTrao, a que ara de aseoear a oolros pa-
neros, foi segundo parece vendida oa hasta po-
POHTO
* do oatubro.
Eslo prximas as eleicoee dss municipalida-
des. A do conselho do Porto dever4 ter lugar no
da 17 do prximo mez de novembro. Como
de presumir estao psre ah voltadas lodas as at-
lencoes dos que teem a peito a escolba de cida-
daos que melhor posssm salisfazer as necessida-
des do municipio. Parece que a eleico ser
coocornda, porisso que ha quera se empenheem
que a actual cmara saja reeleita, posto que to-
dos os seas merobros conectivamente declarassem
pels impranas que nao aceitaran os suffragios
no caso de reeleico. Outros, porm, preieodem
qoe a nova cmara deve ser composta de novos
vereadores. A poltica partidaria parece nao ter
estranha, tomo convinha que o fosee, e esla con-
tend camarera. N'um assumpto puramente eco-
nmico, mal ir ao municipio portueose se a po-
ltica chegar a predominar na escolha des ho-
rnees que leem por primeiro dever a administra-
do aelosa e inteligente das rendas da muoicipa-
hdade. p
as eleicoes a que acaba de precader-se oes
circuios de S. Joao da Pesqueira, Ovir e Oliveira
de Azemeis para preencher as vacaturas de de-
putados da najo, sahiram eleitos pelo primeiro
daqueilee circuios o Sr. Csetano Mara Ferreira
Beirao (opposico); pelo segando o Sr. Jaciniho
Augusto de Sant'Aooa e Vascoocellos, e pelo ter-
ceiro o Sr. Antonio Aires Martina, ambos minis-
teriaes. Estas candidaturas nao foram dispu-
tadas. '
9LSr- Al'es Marlins, qae se ochava na sua etsa
do Douro, acaba de eer chamado telegraphica-
mente a Lisbos. Sem dunda para entrar quanto
antes na effectividade do carga de eofermeiro-
mr do hospital real de Jote para qae foi no-
meado.
No da 4 de corrate houve grande feata em
Estarreja. Foi a experiencia da primeira loco-
motiva no camioho de ferro entre o Porto e Coim-
bra. Com o neis feliz xito percorreu o comboio
oilo kilomelroi de caminho de Kttarreja a Ovir
em 19 mioutoi. O povo daquelles conlornot!
agglomer.do em diversos sities psra ver pala
primeira vez o vapor applicado 4 via terrestre
eaudou frenticamente eate prodigioso invent
qoe dininoe ae dittancin, auxilia o commer-
cio, e proporciona immensos beneficios 4 acie-
dade.
No dia 18 tova lugar outrs experiencia a que
aasisuram as cenaras municipau de Kttarreja a
Ovar, o Sr: Page eogeobeiro em chefe doe oaroi-
aboi de (erro portugueses, a rautas oalrai pei-
soes de coasideracao daquellas localidadaa e do
, *A/e1ro A-loaomotiva parti de Estarreja
e foi at 4 entrada da roa de S. Miguel em Orar.
racao, que, felizmente, foi poueo dar
por isso nao constara qae prodazteaa
Em Coimbra, diz oro peridico da M.
comecou a relampejar as 7 horas da aaita-da di
Ib d um modo tssuttador e por loaio taaict A
tempo, pareceodo que a cidade eslava -fiYaiia
por um graode incendio, o/au a dreaeoiaaa. Mm
rea crusav.-se uma allavraa da taiacao iltaiil
As 8 horae rompen ana Iroveada qoo atlarra-
vi. segunda d'ama cbav. de podras, ataeaaa do
lamauho denotes. Ae9oatatn ova trova*,,
fez abalar as casas. Muitos vidraa du f
ficaram qaebradoe. '
Na roa da Mathemaliea dosaboa un liioea. o
prximo 4 igreja de S. Cbristavfto cabio a u#-
mentointerior da ama ca., loaode dabaixa Ata
ruioiiduas pessoas, que foran salvia. Na aa-
Uita do jardn botnico tai grsade o aunar da
vidros quebradas. Par*a-aa poli naaha aa-
pareceran multas aves nortes. ^
Nos campos foi Unbem gr.ade o estrago ato
tado pela chuva de pedras, qaa ajada noilae ha-
rs depois se cooservavam oteir.s
O cormapondeoie em Cotas*. wm 4m
naei do Porto acereaeeata as
que dizem respeito a outrai ton
aquello diilrcto :
Onde o negocio foi raaii serio tai en 1
e ilganai povoagoes do consol ba Un
parti o mastro grande do
corada no parto, mas nio natou
lugar do Piaelo norreu can an raa
finio Nevea Carado, escapando a notrter aaa Mm
estav. prxima. No lugar do Aesetco fai Usoboaa
mor, por uro ralo Aaoa Danaaia, qaa ootoaa ao
lome e o raio entrn pala cb.aia.
vAil"-Edi.l,h,. T~al, Caaiaira. PoonIm,
venda das Figaeirai, veada dos fliiahti. T.. i
. Monte-Mr-o-V.lho, Portaab^oOar*
u,f" ul; povoacoos, ioiiI, ortoo
deita cidade, loffreran astragoa <
A pouc. axeiioaa qa* baa cabio das Otivat-
ras e foi arrastsda pth eocroato viataaOg Coa
aguas : nuiles otivaaa leavaa daaaaUaa poc
te arraec.raa dunas de olivaini con an taao-
cao horroroso, e maii.s proariadadas ranas loa-
ra m muilitsimo delerioradai.Na Bairo
vem ser ooi.veis osestr.^os, aaaai
nad. nos consta. O qaa sabanas
vo.d.s carregaram e demoraren-
estes l.dot >.
En Avairo, no dia 16, diz a
tincias. trovejou qu.sl todo odia
meotou a Umpesi.de nedoob
lava carregado do fludo:os rala
te en curios intervallot.P.reeu,
phera de fogo pesara sobra a cidaJe.
Pelas 10 hars sentia-aa an travoo
lo. a um. cenleih. cabio sobra a caaa do' Sr
Aotooio Honen de Moars, o oa roa das Oori-
veis. c.us.odo algooa paqaaooa astragoo o* ora-
aio, m.s assusiando por tal (orna a aaa Unieia
que alguma. passaas d'ella eahiran por tana!
A r.uca eleclrca entrou polo Ulhada, a vaio co-
tazer-se na drogara. Felizmeate aio aa a U-
meotar outros auceessos.
Na costa do Vallado o veoto qaa soaroa doi-
tou abaixo noiUs arvoras a kevaa at telbas de
algumas habitacoea raraaa.
Na Oliveirinha o far.eao faz Unban eatraano
as irvores e eaaas. Na Mouta, oa aaiau daaoo-
so amigo o Sr. Casimiro Brralo, eabram dona
cedros aouosos, e muiaeoutrae
En V.gos cha nuil, podra do
ovos de g.lioba. Todas es arv
pedra ficiran dacol.da ; os estragas
ram-e mesojo .. babilitacaa raraaa.
No forte da-barra lodos as vieras
br.dosi; o nuUas .ves a.ritinas Ccaran .
g.das flucluaodo depois sobro aa aguas da o.
En Veiros. conselho de BaUrroia, sabio ana
lauca sobra u os. fabrica de pbaaeoroa -
ardeu lodo. Na freguezi. daSoIroa'
abateu alguns pinheiros seculares a a
vores fructferas.
O jornal Duendo de Avro, oeereve
guite naneira a lata dos elementos
naquella capital do districte :
, / i*ad a *doda do da 16, quo
ttdsde espantosa de maesa elctrica len
sobre es oossas cabeeas. Dividida
diametral meo le oppoaios, qaa 4 noaoira da do*
columnas de exercilo ee flanquean, atacan o ra-
pellsro, gyr.odo circunscriptas an circula vi-
cioso com o raio do 20 kil., qoo so oaaeola ao ao-
Pinal a 5 kil.. alargando-a na ellipso para aecu-
parem de novo 0 ponto circunscripto do neono
determinado circulo.
< O furioso combate entro aotaa daow eorooo da
mases elctrica, lave lagar da ana ae ireo boros
dai nanha de 16, havendo cessado, aio do
ats quatro da Urde, para concar con
orada furia, pereceado dizer haremos acabar par
nos despedacar um ao ootro I
O fugo elctrico a protn loa arinatro an clo-
rao temelhaou 4 laca carmn, paeeaodo pora o
vermelho saluroo, en seguida para a an.raito
de aples, e a final, as 10 da bou. para a
co prsU.
e A revolucao ere no sentido do N. paro a I
en.o querer icliv.r no oo ooobro coVre'nte" I ToS *&** "fc ^^
psra .eoUr a vi. para Aveiro. na dlrdcfii.do! p.'o espeM.l ^rt ^T^Veess
effecliv.nente recebido nolavel ma.sa infl.nmaodo L'm.VJea* t
parle, despeda ana mfinid.de do itae w^
?o foco adversario, mquaes, curvaoee-se ao Ua-
jecto em sentido horisonul, doix.ran caber aa
spaco quanlidade da eenielb.i. qaa
s leis da graviuco, baizavan iruuli
sobre o oosso solo : segoiado-oo sons
nomenoqoo, o foco que aecapava o
do N. ced, sempre *" '- q ndriaii di 3
Ih.odo o seutesqu.droes elactreoe
sobre o quadranla de B. coma paro oocuaor a pa-
! sicao que o sea adversario novia ttsatiaai
So veem 35 kilmetro. ^^llaVealio* ve elZ'ZT^s WtS?
Maaaanaaol assaale a via era menos d'um d.iro e.forco. an.."o.da ^7*^5
raizas e quinto encontrara, diosipaa a
que j4 te a chiva oo qaidr.ate da NO.
assim bater em retirada o scu ioiniga qaoi
do os ares cun o rouco san npido Co iaci
trove, o abaodonou, reporcartiada paloa
laohas e valles, o echo nidoabo Ca Uo
peleja.
Espectculo m.gnificananta
observador, qae olbaado pora
nona man, na, ae lhe figurara a i
nada, esperando o raaalUdo do fondo
dous campeos, qae sobre sao reato polii
le, faziam reflectir as falseas miattltaleo Coa |a-
miveis armas, o
Em Vizau, segando eecrave o Fineta Co IB Ca
correle, peridico publicado i
appirecia ha dios a at
electricidade.
No dia 17 de Urde discarri
temern sobre asi. fia.e !_..____
O fuzlar e oeit.mpido doo Uovoaaora i
Choreo muilo a pesar da veoUai
ral doefeilo naoconsuqoa baaveaaai
gami.
O horisonle eaUv.
As uitinoa noliciaa i
trouxer.m eobrea ti.
cupodo sao as segualos:
No coaselbo de P.npbilaes foi lia tocto o lea-
voada, qoo osbabllaates Co aigaow
que momeotoo aoloe eren. aoU
abasladoi, eataa boje raaa^daa aateei
A* P*voacoea qoo nata aoCroaai
Valle de Perelras, Aldease Mara
En Valla de P>
tes qae tiv
reoeaetiva ca
coa doo poepreadadso aoo>______
arromadas, odiada mm aiu viadaa Co i
caa-arodul.
Alan Cielo oa eianeatar o i
Alnnds, fliha do oaaoael Co Al______
Yalle Serio, do raforlao eoooatbo, aaa 1
Coimbra, teem
incremento.
No 8*" ,eccada margem esquerda do Vouga
ao Porto, 58 kilometroe es obras importantes sao
m*U numerosas n'esta eeccao que em nenhuma
oulra. No priocipio ancoutra-se a grande pon-
te sobre o Vouga, que se deve priocipiar este
anno ; depois ven o aterro do valle do Vougt
quo temi perlo de auilro kilmetros, e no quai
se irabalha hoje con grande aclividade : a em-
preza propoe-se ternina-lo por todo o mez de
novembro prximo.
Depois dos 5 primeiros kilmetros d'esta sec-
de saetea
-
Eucontri-ie no resto ds saeco a mais impor-
tante poote des duas linhas, a do Douro,coja
construeco principiar nos primeiros mezes do
anno que vem. Tambem abi ha um tunnel, de
meio kilmetro de comprimenlo, nss galeras do
qual jase irabalha, atorros, obraa d'arte impor-
tantes, etc. Trabalha-se com a maior aetividi-
de na comlrucoio d'eitas obras.
As estacos d esta seccao sao as seguales: Es-
tarreja, Ovar, Crioja Valladores. Villa Nove de
taia e finalmente a do Valle de Campanha ou
Porto.
A estaco da Ovar est qaati acabada e vo se
priocipiar as oatras.
O referido relatorio declara que em vista do
estado das trabalhos o'esta via terree iodobita-
val que as locomotivas irlo no prximo verio
de Lisboa a branles, a de Coimbra a Villa Nova
de Gaya, eitaco provisoria do Porto ; e que oe-
lo melado do 1853 estar seabada esla linhs.
Ae daspezaa feus oa via frrea de Lisboa ao
Porto sao ss seguiotee :
Direceo e adniaistracio......
Eitudoi...............V........
Acquisicoes de terrenos......[\
A l e rros....................
Obras do arto.....
Estaco................
O1, ..................... 0.^)0 OU C.
invern annuociou se com mi oalsdora. De-
pois de tres diasohuvoso, a nos qaiei, ao cihir
da urdo, passavam do horisonte grossas camida
elctricas, detenvolveu-se ao a noutecer do dia
l grande tormenta sobre o Porto, que dorou eom
mu ou meaos intimidado at a ana hora da
oou. o. trovos nem aran muilo seguidos,
nem o son qaa rebontsvs oo esp.co iocoUs grao-
dos sustos; mas o rai.mpejar a mudado, do un.
chanma noi viva o demorada, quo slmaltsoaa-
mente romp, de diBerootes partes de atbnoo-
Phera, lomeo su lempeslsde una das naisfor-
midaveie de qae ba memoria. A agu cahia a tor-
reotoa puchada por fortiMino venio. As 11 ho-
m da ooite om toiTMl fundo, atoap.aaado
barr val pana
58:587 fr. 89 e.
86:657 c 38 c.
80.6*4 68 c.
785:818 89 c.
19:801 53 c.
3:364 30 c.


Ifci
13
o, m que se
,. apptreceado
deillno 4b rogtr mtl
tenhi podido neo
ponas a rogad ajtjffis assJs fB4evivi, poaco
dutante da povoaois.e ssu pello, de que uttvi
para resguardar o 'acto, asare una pedra na mar-
gen direita do rio Zezre, oode chaman o Cildei-
rio, cerjejetarind me toi arrestado pola eor-
rente.
O administrador do conaelho da Pamphithoaa
eati tratando de dar todas ai provideaoia* ao tea
aleante para seren enmpostos alguos eaninhea,
que. sendo antes frequentados por almoereves e
levradorea, fiearan era tal estado, que oinguem
de pe pde iraosiur por elles, e tato en varios
poetes, bms prtoetpaimeale ao Prelle, sonde as
Jdoieu santarea, que,oro.lugar que ahi existia,
que lalvez foise o mais aotigo da freguezia e
e-mes me 4o coaselho, desaepareceu, sem ficaiem
vsaugioa deUe.
Pelae 6 horas da tarde do dia 18, ao lugar de
Bruscos, freguezia de Villa Verde, conselho de
Goadets, cania um rato sobre a empea da casa
da> Antonio Grillo. Este, que liona viodo e urna
porta que coa mu nica com a va randa da casa, foi
morto pelo raio, e cabio al rav tasado na porta. A
jeteclfica orreeMhe o corpo, queimou-lhe
<>* ledas <* "rsgace-e enirou em ama beta,
qae fez em pedaeoe, liases, las-s-ss 4eaeaias e
eem lesio. O fragmentos da bota foram encon-
trados a grande distancia.
O filbo deate 4aette, pee nsne Maaeol GtMe,
que te achata debaixo da varauda, foi igual meo te
apanhado pelo raro, e msrrsu instantneamente,
roiqueimado no peito e cahio de costas.
Urna sustraen*, que se aebava prximo, foi
tocada pelo reto no hombro esqaerdo; e-correodo
pelas costas, rasgou-lhe o coleto. Felitmente
nao morreo, "cando apenas atsombradt. Unj
outra irmaa, que estar n'ums toja immedjitfe
s6 pardea a falla, alguna momentos.
AmUeotiifaiaqee>*atatastleaneoet,UBi
fof no contiguo, nao tivertat perito alausa alen
do susto. ^^ ^^
No mesmo da 18, pelas 7 hoias do lagar de
Coodeixs a Velha, do- referido conselho jde Con-
deixs, cabio um raio do cunhal dat casas terreas
ean. que ha bita Antonio de Oliveira-VaUade. mas
felizmente a familia nao soffreu perigo. S ca-
hiram por Ierra cem o choque, bem como as pes-
soas das csea visinhss.
A agua no mes no dia cahio em torrentes pro-
duziodo do rio Alcabideque e no chamado re dos
Mouros cheias extraordinarias..
_ Poram abiolvidos na penltima semana, no
jury que respooderam pelo crine de adulterio
deque eram acensados-, o aprimoradae bem co-
nhecido romaneiita o Sf. Cmillo Ostello Brao-
co, e a Sr.* D. Auna Augusta Placida. O jura-
mento foi secreto, poupando-se assim o escn-
dalo que resultara, da.dUftussao pubiic*. fe oma
causa com caja divulgagio dos peraaeeores mui-
to solitaria moralidade.
No dia 22 Toi preso no lugar deTaboadello, no
districto de Villa-Realdjm coosequeocia de de-
nuncia. Josa Mari* Augusto Ferreira pelo crime
de fabncaQap de^noeda f,iM. n, bBSCa que a
nutondade deu no dbmiaga, na case, do denun-
ciado eocontrou-se n'um: escondrijo terreo urna
forma de cunhar libras esterlinas.
Fallecen do dia 3 do corrente o bispo de La-
mego D. Jos de Moura.Coutin.ho. Foi uomeado
ispo em 1843 e confirmado por S. SantiJade em
consistorio do aono seguioU. Era prelado vir-
tuoso e muito amigo da pobreza que soccorria
com rdadBjr.caridade evaugelbica, procuran-
do sempre.os maios para que Qcasiem ignoradas
do vulgo as esmalte que reparta com mo lar-
8a*. As exequias foram feilas no dia 7 na anti-
qusima S de Lamego, e o cadver do bondoso
prelado ;foi depositado em jazigo particular no
cemiteno publico.
O guvernador oxril de Coinbra ordeno. ao
admistrador do conselho que proceda a um ex-
ente nos litros da casa fiscal da cmara, e d
copla do resultado desta commisso por um re-
latorlo.
Asaccussgdes feitas cmara, pela IVipuno
Popular, da desvos dealgumas sommas dos ren-
dimelos muoicipaes, que mot vou esta reo-
tugao da autoridade administrativa.
Deitaram ltimamente fugo a urna matta na
ireguezia de Ceira, dislricto de Coimbra. Ardeu
quasi toda. Na provincia da Beira costumam os
pastores, por este lempo deslruirem as maltas
por meto do fogo para na primavera lerem ver-
des em abundancia pora pasloriarem o gado Des-
ta vez, porra, nao foi esta a causa. Urna vin-
ganga mesquioha contra o regador, de quem era,
a malta, e por causa daa coimas que lioba feito
pagar a alguns donos de caes por trazerem etiesl
sollos anles d*s tiadimas, foi a causa. Aim-
pundaaeem que sempre lem Acido os incendia-!
nos das matus, por ser sempre difflc seno
impossivel encontrar provas contra os fautores
de taes atteotados, hade, com o correr do lempo
fazer desapparecer todas as maltas da Beira, <
que ser um grave prejuizo para o commeruio de
mi deiras de cooslrucces.
Na igreja do Bom-Jeaus, em Braga, roubaram
imagem da Seohora da Soledade um adereco i
um cordau de ouro no valor de zOOjOOO. Aindi
nao foi descoberto o ladre.
O arcebispo de Braga publicou em 14 do cor
rento, urna pastoral-proviso dirigida aos paro
chos e clero da sua dioceae cootra a desenvollur.
de coslumes que oestes nossos lempos, com gra
ve prejuiso da disciplina da igreja e quebra de fi
catholica, se observa n'ama parte d'aqutlles
quem competa velar na conservacao intacta da
mximas sacrosantas da religio do Cruci
cado.
O reverendo prelado comer.* a sua pastoral di
zendoque tendo chegado ao seu coohecimenti
por tesiemuohos insuspeitos, que era rouitas da;
parochias do aeu arcebispado, principalmente ni
provincia do Minho, alguns ecclesiaslicos de eos
turnes relaxados, com deshonra de seu venerandi
estado, e fuoeslo esquecimento de que, pela pu-l
reza de seut coslumes, devem apresenlar aos po-
)s modelos e exemplos de motigerago, hooei-{
-
tidade e modestia, nao se pejam" defrequenlar
essas reunies nocturoas, que as diversas al-
deias e cimpos sejuolam por occasiao das des-
cascas dos milhos e preparago dos linhos, apre-
sentando-so em trajos improprios e indecentes,
e ate mascarados, tomando parte nesses licencio-
sos folguedos, dangas e descantes, em contacto
com pessoas de sexo differenle, que cobertas com
as sombras da uoute, se entregan a soltura e h-
nerdade, que a honestidade condemna, e a relt-
giao e a moral altamente fulmina, succedendo
muitas vezes qne de to obsceoos folgares se re-
tirem alguns dos sacerdotes, que os freqneniam
para os templos do Senhor, e ah com ruaos im-
puras, e coosciencia ferda, o (Tureca ui ao Pai Eter-
no a victima immaculada, que vem de ultrajare
gravemente offenier.
Que cumprindo por termo a to funesto e per-
nicioso abuso, que alm de deshonrar a misso
sublime do sacerdocio calholico, fomenta a pu-
blica desmoralisago, por que o povo meos il-
luslrado reputa lcitos e innocentes os actos pra-
ticados por sacerdotes, anda que a moral, a re-
ligio e as leis da sociedade os condemnem, tera
o mesmo prelado diocesano por vezes repet Jas
erguido a sua voz autorisada, chamando o reve-
rendo clero ao verdadeiro camioho que pres-
creve sua misso, quando dalle se teoha desvai-
rado, ] acooselhando, j admoestando, e j ap-
plicaodo censurts e penas cannicas, quando
eneoolr* incorrigibilidade; e, com quaoto os
seus esorsos nao teoham silo esteris, anda
este calamitoso abuso (em resistido a uocgio das
auas pasturaos exhortsgoss, toroaodo-se iadls-
peosavel recorrer ao ultimo raeio que Ihesugere
a sua auloridade ordinaria, para exlirpa-lo.
O arcebiapo de Braga ordena, pois, tos paro-
chos que recebendo a sus pastoral fagan compa-
recer na so presenga todos os sacerdotes e or-
denandos, das suas fregueziss, e, fazendo-lhes a
respectiva teitara, Ocaram todos sabendo que, o
prelado diocesano usara da sua auloridade or-
dinaria, impondo aospenso do exercicio de or-
dens e officio de coofesser, ip$o fac, a qual-
quer sacerdote, en ordenandos que, d'ora em
diaole, frequentarem aa reuoioes nocturnas que
fleam iadicadas ; e eoearre^am a consciencia e
responsabiliaade dos meamos reverenaos ptro-
cbot a dar coota dos traosgreteoret de que hou-
Terem conhecimento.
O Mogrifo, pequeo peridico de Treoteso.
publicou uma carta que IhefOra dirigida com da-
ta de 4 do correle, do lugar de E^aalho, dit-
ncto da Guarda na provincia .... a nal o no-
ticia de uma horrorosa atrocidad* acontecida na-
quella povoaco. O seu theor o seguinle :
Por 9 horaa da maoha de hootem (3) o jurtz
leito deala freguezia procedeu ao arronbamento
4a porta da habit igo da J.1 A. de 11. en virtude
de ieprMpUfiio dos visiahos, admirados datuel-
ta hora, contra o costume, eatar aiada fechada, e
niDgutm 4a casa lar sido visto,
.i *iM MtifaaStitpeclsanlo qu aeatro se apre-
*** **. doi circumiUolas;
c Ioclinat^dabria^saoataanejrnrma esUva
o cadver harta 4o dono da casa, completamente
resudo, abraganao oulro cadver e eofatlitude de
o beijar na race! Est'ouiro era o da propria mu-
Iber. vestido somonte coas a camisa, deitado na-
turalmeote e^oberto eoava roupa da cama I Ao
p*,2f Tia ?mafil9gr.aflescirreavida e uma na-
Talh*4*ba*aa^einniji*r 'i, *
t cadver 4o marida tieh. na garganu am
golpe oarfo. mas fundo I O da nulfier, aWm de
um golpe semelhanle lambem na garganta, linha
T"?Sj5?otQ* 9t0PP' umajinica bala, que
ine alisvessou o crneo de um lado a oulr, e
reno ao mesmo tempe aeduasmea 1
tadot baltfoi exC0!**'U do cabello enpas-
< Igoora-se como-tire lugar esse duplicsdo
cr.,me. a .todo, o lugar de otc qu.oi ef-
teto da muitopronunciada denencit o deigra-
gsdol
t S6 com a mulher, jqvao como elle e excel-
ente rapariga, abastado e com esperaoga de vir a
ser rico por mora dos paia ale ambaa, poda paa-
r fidafelfcis tranquilU. sa urna fatal moaoma-
na o nao levaste a u> alara lar a todo o maasento,
sem raiis sen nativa, apobretinba coasorte,
que era o hondada en peteaa< e 4ada lheaaffna
sem queixume e com a mais santa resignsco I
Fet sem du vida n'um accesso de furiosa toa-
cura que ao deitar-ae (alguem d razode ter ou-
ido a exploso por volla de 9 horas da ooite,
mas sen Ihe prestar atteogo por suppor ter sido
dado o tiro pelo guarda de alguma propriedade
supposigao fcil par ser a babitago na extremi-
dade do povo) apootou a etptagarda i cabeca da
infeliz, qae, venda aquelle movinenle, acudi
parte ameagada com as mos, que assim foram
fendaspela bala.
c Nao a julgando anda bom segn, deu-lh* o
golpe com a navalha de barba, eemseguids, ou
dominado pela loucura ou porque, entrando em
s vista do sangoe, teve remoraos (e o mais
crivel em vista da posigio em que foi encontrado)
ou finalmente pelo receto das consequenciss do
seu delicio, deu em si o golpea precipilou-se
sobre o cedaver 4a mulher.com o qual quiz mor-
rer abracado.
< As portas e janellts estavam slidamente
trancadas ; nao havia indicio de arrombamenlo ;
nao se lhe cooheciam iimigos, e era iooffensivo
para todos,excepto para sua mulher: n'um bab
havia pertode 150gOOO en moeda.
t Gomo pode. vista d'isto e dos precedentes,
explicar-se seno por squella forma eale trgico
successo? "
Conpunge o estado dos pas dos iofelizes! e
tanto mais que os opprime o duplicado pezar de
perder seut fllhos e de terem sido os autores
do casamento de duss creangas incapazes de se
regerem, e uma das quaes j denunciava decidi-
das tendencias para a loucura 1
Aprendam aqui aquellos que, na escolha dos
onsorles que procurara a seus fllhos. s aferem
o seu merecimeoto e qualidades pelo peso do
ouro ou pela extensio de glebas que podem tra-
zer em dote!
Das antes tioham alguns mancebos desta
trra representado uma amiga tragedia intilu-
fr~ yel~Cu* d8fecoo o assassinaio da
mulher pelo marido a o auicidio desle.
Quem sabe se esta maneira conjugal de mar
lar e morrer impressionaria a escandceme
imogioBclo do infeliz e influira para o seu atten-
tado?.. r *
Cambio sobre Londres a 90 d. d. 53 5/8
Abriram termo de carga:em 15 de outu-
bro o bngue S. Manotl 1 para Peroambuco, e a
oarca Adelatat para o Bao do Janeiro ; em 19 o
ongue Jfino para o dito; em 21 o brigue Espe-
ronca para Pern ara buco e a polaca /-ernamuco-
na pars a Babia ; em 23 a barca Forio / para o
itio de Janeiro.
Entraram no Douro:em 13 de outubro a
bares CTniao do Psr por Lisboa, em 48 dias ; em
15 o brigue Amalia! de Peroambuco por Lisboa,
em 48 das, e a barca Fijueirente da Bahia por
Lisboa, em 5S dias ; em 20 o brigue brasileiro
tugenia de Peroambuco por Lisboa, em 48
UiAS.
Sahirsm :em 13 de outubro o brigue Mercu-
rio para Peroambuco; em 20 o palhabote Cor-
re' para a Bahia, e a barca Ferreira Borget para
o Rio de Janeiro; em 21 a barca Flor da Maia
para o Rio de Janeiro.
Entrn em Vigo com 28 diaa de viagem a
galera Europa viuda do Maranho.
O registro dos despachos de exportaco da al-
taodega do Porto d carregadas para Pernambu-
co, do brigue Mercurio, aa seguiotes mercado-
(I18 i
, O duque-de Vilanai*daDaia.A.^jm,..1L^ ?a???J!,,,,fl ? ?ktaata,da erii.,;_ que
<*
duq
lado do
JsvXUnsti dapei* de ae lar apraaen
da MaS. M. a raloha, dirigiu-se so
Alho 490- eanastruj o ft unljiulca, atchotcs aO
pacotes e 2 caixoes, aves embalsamadas 1 caixo,
batatas 33 caixotes, carteiras 1 caixo, cebo em
pao 10 candes, chapeos 1 fardo e 1 caixo, ce-
blas tl7 caixoes e 60 resteas, coxios de slgodo
1 caixo, doce 2 calidas, ervas medicioaea 7 cai-
xoes, fanoha de mllho 5 barricas, fazendas de li-
nho 2 caixoes, feijo 26 saceos, freios de ferro
154, ferragens 6 volumes. folhas de louro 1 caixa,
grude 4 saceos, juncos 5 molhos, lioba 2 caixoes,
linho em obra 4 caixoes, louga 4 caix5es, magaas
15 caixas, macolla 2 fardos, marmelada 2 caixas.
milho 8 saceos, nozes 12 barricas, palitos 2 cai-
xoes, pentes 2 caixoes, prata em obra 2 volumes,
pregos d4 barris, presuatos 17 barris, pentes 1
caixo, rolbas 19 saceos, toalhas 1 caixa, velas
de cebo 21 cunheles, vioho 1 pipa, 1 barril, 2
quartos, 2 quintos e 1 dcimo, dito engarrafado
/ caixoes, 1 caixo com um santuario e 3 ima-
gaos, 1 caixo com imagens de madeira, t cai-
xoes com litros, 1 caixo com rendas, I caixo
com litas, 12 caixoes com diversos volumes e 5
caixoes com diversas meresdorias.
HKSPAAUV
Madrid, 3 de outubro.
Lonflrma-se a noticiado hUecimeoto de sua al-
teza a infanta D. Mn da Conceigo, que passou
a vida eterna s tres Horas menos um quarto da
tarde do da 21; no da immeJiato celebrar-se-
um as ceremouias funerarias; e a 23 s sete da
manha se verificara a irasUiaco para o real
mostoiro de S. Lourengo do Escirial.
abe-se de um modo positivo que respeitando
o goveruo hespaohol a justa ddr de sua magesta-
de a rainaa pela rcenle perda do sua fi.ha ; e
nao desejaudo que a abertura da nova legislatura
se laga por um decreto, propoz mesma augusta
senhora, e esta ordenou que se espagasse aquelle
acto para 8 do prximo novembro Portaolo nao
deuar de haver falla do throoo e a ceremonia
costumada. desojando o mesmo goveruo que na
aiscussao da resposla do discurso da corda as c-
maras se exprimara solemnemente sobre todos
os actos do ministerio tanto noque respeila i po-
ltica nacional como externa.
No conselho de mimaros que se celebrou em
Madrid na noite de 18 do correnta assignou sua
magestade a ramha deliespanba oadecretos Do-
eando senadores, aos personageus seguimos :
/ufares.Duque de Sessa, grande de Heapa-
??, arquei de Morante.Mrquez de ttira-
oet.Mrquez de Almendora, de CubaMr-
quez de S. SaluroinoMarquez de S. Gil.-Mar
de la Cooquittt.
Comelheiro* de Vslado.-V. Maooel Garca
Ga hardo.-. Antonio Caballero.-D. Fernando
Caldern Collantes.D. Jos Hutz de Apodaco.-
i). Maooel Uuesadir.
Tcnentet generae.0. Ramio Castsneda.D.
Pedro Saoiana. eapilo general de S. Demingos.
I). Pedro Micheu.D. Antonio Santa Cruz.
Prndente da sala e juizes do supremo tribu-
nal dejustisa.D. Ramn Lopes Vasques.-D.
Joaqun Palma e Vioeona.D. Miguel Osea,
n L'X>mo tribunai < guerra e marinha.-
Pigdefant S'lcedoD- Euiel"> Morales e
OsptsladM.-.D. Jos Altero e Stndo.tl.-D.
Pedro M.chado.-D. Jote Snchez Silva.-D. Se-
gundo Sierra Panbley.
afintttrot poeacari0. D. Gerardo da
aouza.D. Salvador Bermudez de Castro.
FroDre'ario.--D. Euladio Gallo.-D. Nicols
Melgurejo.-D. Carlos CaUeroo.-D. MartinsLa-
rios.-D. Vicente Bayo.D. Andnes Araujo.
Suppoe-se que a prxima ses-io legislativa se-
r exlrenjameme corta, e que nen chegario a
discuur-se os orgameotos Porm os jornaes or-
gas do goveroo sao de differenle opioio, e dl-
zem que o gabinete esU reaoitido a que nao seja
alterada a pratica, que ss vaagU.ria de ler esij-
oelecido, de nao se cobraren os impostad, aeo
eslarem approrados pelis cotes.
O Diario Oespanhol, repele que ogoverno nao
cogita de dissolujo das corles, e que as opposi-
coes se desvairn cesta s.upppsicji e sao as qu
fazem pensar os mioisteriaea sobre os propsitos
que inrolreram taes recejos.
ras parece que nem Londres sen Pars
cortea escothidas para astigoar-se a convenio
destinado a eitabalecer a aeco commusa 4a
t re vista.
O conde d? Recuerdo, filhe da 8.
CtrrisUna, acaba de ser
hespsohola en Pars.
NJ? l* 9' 4,,t.rhors, leve uma entrevista com
o principe califa Muiey-Abhe. p ministro dos ne-
goctos aUraageiros, QaWeron Collentes.
1,0 d* ]}.;* dez hr" neis da noite, che-
goa a Madrid o duque de Valencia.
O governo nao tem ti Jo noticia dat pretencoes
da embalsada marroquina. e nao pode stber-se,
se aa conferencias versaro sobre a eracugio de
Tetuio. Tambera nao pode flxtr-ae o tempo que
permanecer na corte o embaixador da Marro-
coi, porque depender naturalmente do curso,
das negociagos que eoraegararn a entabolar-se
boje. E. pola igualmente prematuro Udo quan-
lo se diz relativamente, a condlcoas de ajuste e
accordo. *
a-Hleg2r,"8e ?u? 0',a,l"P < Valencia, se acha
deliberado a assistir s sessoes do teoad, e que
por ore, fizar na corte sua residencia ao me-
nos por largo tempo.
Nestes ltimos tres aonot e relo, as fabricas
e tundlcoes hespaohoias tem fundido para mari-
nha e pracas de guerra 200 petas de ferro, e 200
projetispara ellas ; do brooze lizas e raladas 800
e ZOO projectis espherico-ogivaet, 30.000 carabi-
na! e espingtrda raiadas, armas concertadas, e
apropntdis parte dellitao systemarajado71 000
armas brancas 20,000 etc. ele.
k0'1 .HeiPanha 1 oasonbsdores 4a unio
menea, deven convencer-se de que sao, vas as
suas esperaogas, e de que elles nesmos cootri-
buem para toroa-laaillusorias. dando aoa nossos
vuinnos una idea pouco vaotajosa do estado da
nossa civihsago com seus quadros carregadps e
saas declarsgdes. e
Avisaram de Cdiz em 17 que na dia 30 deste
nez se a-sentar no arsenal de Carrera a quiba
!. iga*,de ^ pe5" (-tt8 se lenoninar Na-
vas de Tolosa.
O archiebanceller da untversidsde romana ven-
deu ao Sr. D. Jos Salamanca uma collecco ra-
rtssima de novellas hespaoholaa da sculo IV
que se encontraran) na biblioteca Alexandrina!
for esta oo leccao, formada de 60 volumes. pa-
gou o Sr. Salamanca 40 nil francos (&8S0|0001.
quantia que se spplicsr conpra de obrTs de
jurisprudencia, medicina, mathemtica. para uso
dos professores e estudaotes d'tquella universi-
dade.
Os jornaes de Bilbao dio cuota d'um successo
que, pela ongioalidade, dign de ser meDxio-
nado : uma mulher de 76 aopos que all vive
longe de, como era de espera oca se lhe parece m
brancos os poucos cabellos que pretos tivesse, o
?nneD!. V" denles comecam.os primeiroi a
pparecer-lhe pretos e bonitos, e os segundos
brancos e iguaes I I
Os jornaes hespaohoes do dia 13 do corrente.
tnserem o decreto datado de 5, creando um go-
verno de capitana general no territorio da ami-
ga repblica de S. Domingos, encorporada ha
pouco e novamente na monarchia hespanhola :
sendo as altrlbuigoes do goreroador reguladas"
pelas que competem aos de Cuba e Puerto Rico,
uispfis oulras medidas coocernentes ao civil, cri-
ninal e adninistravo. Occupar aquelle posto
o teneote-general D. Pedro Santana.
Segundo o Clamor, na proxina aessSo das cor-
tes suaataavaa-aaa loga tres questoes : a relatl-
ra toMxico,que ser provocada pelo Sr. Pache-
co; a concernente a Harrocos, en quetonaram
parle todos aa opposiges ; e a qne diz respeilo
a imprensa poliUca, que ne eolepder daquella
lolha, ser a sepultura do ministerio. A corres-
pondenexa. davida muiUt deaU ultimo concluso.
Uma folha ministerial affirma terminantemen-
te que os preparativos para a expedigo ao Mxi-
co progndem sem interrupgo.
As noticiss de Ha vana alcangaram a 26 do pr-
ximo fiodo.
O eommercio eslava muilo decado em
quencia da guerra dos Estado-Unidos.
A tranquil.idade as Anlilhas era completa.
Km Domingos ludo corra perfeitamente.
os navios hespaohoes estacionavam anda em
Hait onde sua bandeira era mu respeitada. e
proseguiam as negociagoes para o ajuate dos
pormenores da recente questao com a Hespa-
DaaiSJM
As noticias do Mxico
tavel.
tajtundo.se.dizia a Austria abtudoutra a diree
p da.conlftderagojermanicav a que pareca
conse
WMQJS PERMLWKO-
O vapor francez Navarre, foi portador de jor-
naes e cartas da Europa, com as dalas seguiotes :
Haraburgo 20, Loodres e Pars 23. Hespanha 23,
Porto 26 e Liaboa28 do passado.
As noticias que contera tanto uns como oulras
sao U6 pequeo alcance.
A imprensa e a diplomacia, oceupam-se quasi
exclusivamente das visitas ntreos soberaooseu-
ropeus.
Cada uma destas entrevistas um myslerio que
lodos querem descobrir, e sobre o qual cada um
aprsente as suas coojecturas, que impe como a
verdadeira traduego dos tactos.
A entrevista de Compigne entre o imperador
Napoleao o o rei da Prussn, a que lem servido
de tneras a mais commenlarios.
A ultima palavra anda nao foi dada.
O receios allemes, e o sobresalto da Austria
lera apresentado aquella entrevista como uma
coallisao entre os dous soberanos.
O* jornaes inglezes do a entender que o rei
da Prussia eslava decidido a mandar um exercito
sobre o Rheno quando sobreveio a paz de Villa-
franca, que posteriormente declarou Prussia
que todo oattaque da Italia contra Veoeza, sus-
tentado pela Frange seria repellido pela Allema-
nna, e que Mr. Schmerliog (es preteole Franta
que a qursto rumana toca uma sologo, e que
quando as tropas fraecezas teoham entregue Ro-
ma aos Italianos o alfaque contra Venezaser
certo.
Acresceotam que o ministro da Austria em coo-
sequencia disto convidara a Prussia nao s apre-
parar-se para na primavera marchar sobre o
Kneno, mas lambem o assim o declarar imme-
diatimente ; que provavel que a Austria lenha
acompauhado este pedido cora promestat relati-
vas supremaca da Prussia oa Ailemaoha, e que
a Prussia antes de responder quizera taivez son-
dar as otencoes de Napoleao; que no eolrelanlo
r. Berusiorfr suspender todas as negociagoes
que diziam respeilo ao recoohecimeoto do reino
da Italia; s qae era natural lera Frange res-
pondido Prussia que uma conferencia pessoal
era o methor meio de dissipar incertezas, e que
este era o motivo da visita do rei Gutlherme a
Compigne.
No Constitucional appareceu um artigo de
Mr. Uranguiliot, em que quer apresenlar esta en-
trevista como muito natural, e sem alcance po-
ltico no sentido transviado que hoje.liga a esta
pfllA VT3,
No seu artigo diz Mr. Granguillot que j pas-
sou o tempo em que a Europa cercando a Frao-
ga de uon especie de lazareto moral, nao ousa-
vam os priocipos penetrar aquelle paiz seno por
poucas horas, debaixo do mais striclo incgnito
e com a condigo de nao vUitarera pessoa algu-
ma ; que ha dez anuos porm que lo Jos os prin-
cipes temido offlcial e francamente contemplar o
espectculo inslioctivo de um graade povo ar-
rancado de repente s questoes intestinas, que o
exnauriam, e collocado de novo, como por mila-
gro freole das oages; que res e ptiocipes ti-
nharn at ento aprendido sua custa como co-
megam as revoluges; que era natural que de-
sejassera saber como coocluem, sob a direceo
prudente o firme de um moderador e de um che-
fe. Que a Franga imperial linha acolhido sem or-
gulho, mas com legitima satlsfago essas visitas;
que nao va nellss uma coalliso monstruosa entre
dous principes contrarios com um flm passasel-
ro. nem mesmo a possibllidade de um compro-
miso miseravel; mas a esp,eranga de que essas
entrevistas faram desapparecer ptejqizos, ranco-
res a odios, qoe 'poriam, termo aos terrores dis-
pendiosos que ha 5' asnos taziam com que as na-
cioos!Jdades,eur'-^'.as'se cooseryassem
eentenr em lhe prestar, un. tpoto tufficieole
usSatndo4 AS?i2te fr/P,0l,d,e .**..otaras, a para
agregado embaixada vencer resistencia .das Mmooalidtdes que ra-
Wmsrrj 4p Rapsburgo a sua autonoma ; e qaa
a aa Uitia que havU projactoa atada nait tn-
oiciosos, a porunio mais chimericas anda.
, .' Mas,.dii o citado joroal, cousolidad* a Aua-
ina, auoleria eilaaa sisas promeasas ? A-Prussis
"0BO I"'* tentar sabe-lo, os seus jornaes
eeordin, com particular azedume, que Vienna
cotoeava a mgratidao no primeiro grao das a uaa
tinudas polticas, erepellira era termos expret-
stvos a idea de una semelhaote allianga, aioda
rneamo quando fosee paga can maiarea condicaes
do que aquellta que se propunhan.
i .a V i di"do lam pretenca detta atti-
iuae da impreoaa prussiana, a inprensa austra-
ca mudara de taclia.caofessando que era a con-
ducta ambigua da Auslria.para com alPrussialqae
nuna por tsin dizer toreado eaU. ultima polen
ca a cellocar-.se frente i*rr naalstaaM reforma-
dor, na que mesmo sob eits pooto da vista a
coalerencia da Compigne era,ama dasgtaga que
ja (anear a desconfianga entre os libertes e o rei
uuiiherme, e ia principalmeoto alarmar o seoti-
meoto patritico allemo; que se falla ji das
rronleiras do Rheno reclamadas a concedidas an-
tteipadtmente^o imperador Napalea como te-
gurtoga.contra a,Austria, o de un ctrlo imperio
unitario da AUemauha creado am proveito da
Mr. Granguillot ltttima depoit que impteosa
pratsiana semostrasse menos firme em vista dea-
* Ibsiouaceaeque balbuciasse que a visita 4o
re da Prussia so .era uma visita uecomprimeoto;
a O imperador Napoleao liona dirigido o aeu
bilhete da visita para Biden,->o rei Guilherme
acaba de depositar o sea em Compigne e eis
aqai lado 1
Quereis.que a presenga do rei da Prussia em
tompiegoe, exclama lie. nao seja nada menos
deque um acoolaelmentopoltico7 Seja, apar-
te especial, somos da mesma oniniao ; mais do
que iso I Se se nao tivesse abusado da palavra
em um sentido caprichoso, diriamos voluntaria-
mente que 4 un acooleeineoto social; limitar-
nos-hemos porn a dizer. se itso vos tgrada mait
que pelo menos um acoutecimeuto econ-
mico.
E' sabido que ha dous annos proseguen as
nais activas negociagoes entre Potada m, easTu-
llierias afim de se baixarem os direitos das bar*
reirs do Zollvereio, e abrir raspeclivanenle os
mercados allemes aos mercados fraocezes, e os
mercados fraocezes aos mercados allemes.
Segundo algunas opinlea islo sem duvida
uma questo secundaria ; na oossa maaeira de
pensar uma questao caoital. Oi IraUdot poli-
ticos nao recoociliam seno os goveroos ; os tra-
tadoa commerciaes reconcilian! aa naces. Uns,
por mais sioceros e leaes que sejam, polem rom
per-te pela menor circumtlancia, os outros por
mais imperfeitos que de principio se estele-
gam, una vezquesejam baseadosn'um verdadei-
ro priccipio, triumpham de tolos os obstculos e
acabam por dominar os primeiros. Iatorrogue-se
hojea aristocracia iogleza, pergunle-se em par-
ticular ao lord guarda dos cinco porios o que elle
peasa, e o que espera do trtalo Ronher e Cob-
deo 1
O rti Guilherme, j teodo tido diaso uma pro-
va, un desses principes, que sabe comprehen-
der Unto o seu paiz como a sua poca. A firme-
za e a reclido do teu carcter ten-se torna jo
proverbiaes da raga dos principes que declaran
corajosamente aos seus povos que calcan aos
Ps os prejuizos injustos e as paixoes cegas, que
desdenhem dos favores de uma popularidade
ephemera e nao confiara seno na approvaco
imparcial da postsridtde.
Eis am resumo qual os prlocipaes argumentos
sobre que tem versado a discussao sobre a visita
do rei da Pruasia a Compigne. Ette j sahio de
Franga e fot para Koenigiberg oode teve lugar a
sua eoroaco. Na vespera desta ceremonia diri-
gio-seaos membros das duas casas do parlamen-
to o seguinle discorso:
Eu tinhi necessidade de reuoir uma vez ao
redor de mira antes da eoroaco atodos os re-
presentsntes do paiz, e dar-lhes os sgradecimen-
los por terem respondido ao chamamento que
lheaQz. H
c toa soberanos da Rustii recebem a sua corda
de ^is. Por isso amaoha lomarei do altar a
coro. fx.aXI.. >, -.i^.ahaq. 1Ua
indica o reinado pela graca de Deut, e ali resido
a santidade da coroa, cuja immobilirlade deve ser
garanlida. Eu sei que vos comprehendeis assim
a significagao do acto a que foslea chamados para
serdes leslemunhas.
A coroa est cercada de iostituigdes novas
que reclamam os vossos conselbos.
Vos m'os daris, e eu os escutarei.
A ceremonia da coroago foi feila com todo o
espleodor. segundo os programlas de que j ti-
vemot noticia pelot paquetes anteriores.
O rei da liollaoda lambem sahio dos seus esta-
dos a visitar os soberanos visinhos. Foi primei-
ro a Franga, oode leve urna conferencia intima
com o imperador, e aua sahida dirigio-se
Blgica, teodo o rei dos Belgas ido espera-lo a
Liege.
Julga-seque as conferencias do rei da Hollanda
tem por fm o estabelecimento de tratados com-
merciaes, que sempre sao de ioteresse para os
povos por elles legados.
Falla-se lambem de uma visita prolectada pelo
imperador Napoleao a Inglaterra. Este facto fuo-
da-se na existencia de uma carta que se diz diri-
gida pelo imperador dos Fraocezes ao lord corre-
jedor de Londres annunciando-lhe a sua prxima
presenga naquelli cidade. Acrescenta-se que a
rainha de Inglaterra sahir ao seu eocootro.
Foi eleito lord corregedor de Londres por 1623
votos Mr. William Cubbils.
Na Italia apeztr daa providenciaa empregadas
pelas autoridades legaes, aperar do emprego da
forga coolra a reaego, esta nao cede ou antes
custa-Ihe a ceder o campo, em presenga da von-
tade popular.
Em aples descobrio-se uma grande conspl-
ragao bourbouica, de que resultou serem presos o
principal Ottajano e mais alguos dos priocipaes
conspiradores.
O estado das provincias meridiooaea j mais
satisfactorio, mais a reaego vencida em quasi to-
dos os pontos nao poder ser anniquilada emquan-
to existir em Roma o foco.
As noticias que os jomaos e correspondentes
aprsenla sao quasi sempre contradictorias.
Um correspondente de aples dando coota de
um encontr que diz ter-se verificado em Sila de
Corenza ntreos reaccionarios commaodados por
Borges e uma brigada de soldados piemoolezes.
affirm terem aquellos sido derrotados, e pereci-
do na lula o general italiano Della Rocca.
A Opinione, jornal de Turim aonuocia poste-
riormente que toi recebido pelo rei da Prussia o
mesmo general Della Roca.
De um lado canca-se o telegrapho a noticiar a
derrota completa do bando de Borges, a priso e
o fusil amento desle ; por oulro presenta -se este
general organisando tropas, revolucionando o
paiz, e procurando por lodos os meios restabele-
cero amigo estado de cousat.
No meio desta coufuso de noticias que mu-
tuamente se contradizem, o jornalista consciea-
coso. nao tem oulro remedio seuo apresenlar
com imparcialidade aquellas que tem mais appa-
rencias de reracidade. e deixar que o tempe li-
quide os negocios polticos que actualmente se
acham envolvidos as trevas do mysterio.
Os legitimistas napolitanos formularam um
memoraudum reclamando a reslaurago de Fran-
cisco II, empregando-se mesmo a forgs se fosse
necessario. Bsie documento em fdrmado raeu-
sagemdos nobres emigrados das Duas Sicilias s
potencias europeas. Fui redigido em Roma, e
d ali que fui espalhado por Paria para receber
as asignaturas da anstoccaciu napolitana resi-
dente naquetla capital. Parece, porm, que sao
poucas as asslgaaturas que obleve e julga-ae
que ette projectu nao lera resultado algum pelo
meaos en Frange.
Tem-se tonuacitdo nestes ltimos lempos que
***r #*' nuito breve a sabida do bario de Rlca-
nada o Hereda m do no-
L.
con as li [o gabinete, de reo Jo ser aubstiluido pelo ca-
rmtsva .irtH a esproga finalmente de que I *Ualro Ra.zzi; parece pprm que se nao con-
k!*5"d0-8S *0Derani estimsr-se e compFe- Orm* 0 boato-de crise ministerial e que reina a
melhor harmona entre Ratazzi e Ricasoli, e que
aquelle t feria parte em quanto tivesse por com-
paobeiro a Ricasoli.
ender-te, os povos chsgariam a comprehender-
se e a amar-se, e que deste modo que a Frsn-
?t encara a visita do rei da Prussia.
.Ae**!Pvla- squella jornal que a presenga do
Segundo algunas coVresVondenciaa aatranaei- SaG.UJltrtV?-lf.0".pign6 ?*u" n*iHi*B--
i aaraae u* iMJLT- JT?^*,_l 3h* *)n*ro, inquieta e apaixooa os espintos.
s =Quo era"d*e dmiraFque am facto to simples ti-
vesse suscitado tantas recriminaedet e vieloncias,
por
t nicasoil.
Chegou a Paria o cande Martina amigo confi-
deota de Ratazzi, e segundo elle, a sttuacao da
Halla nao muito prospera. ,
A pendencia entre o general Cialdioi e alguos
debutados italianos tem creado .diOlculdades
******** qa Uimitionte o gabeTe ^t^iuSiTiiaiM^^^^
f-rceif^^
numero de deputados mazzinistss, slteodendo ss
d.sposigdeseaj-qua s echa una graade parte da
Italia. Osperllaarioa-4 Maizini confian na ana
!?!0,6 1*ut" Pon". o ministerio olba
com toda a senedeae para a jituaco actual das
coutae. *
PaUiciran-aa es decretas da nova orgaaisa-
caodoailBiMeria do interior. Foi tupprimid
.gar-teoeacii de aples. O general CialdL.
litar B0T eoe,rre8ad(> 1'rU diviso mi-
0 governo e admininttrtgao dts provincias
mendiooaes da Italia (oran confiadas ao general
Lamarmora. Esta oometgio foi foi bem aceita
Pe aa svnptthles de qne goza esto militar em
todo o reino.
O general Cialdioi reuni eos um banqueta de
despedida todas as autoridades e pessoas nota veis
de aples. Entre os convidados havia pessoas
ne digereotes opinioet paHiicat O general
bfindou pelt unio de todot os partidos.
-a.-'ir?? coaraercial napolilaqe offereceu ao
general Cialdioi uma espsds de hoora para desle
modo moslrsr aquello offlcial a considerag* em
EL?! a8 *e",,cos quelprestoa restabele-
cendo a ordem publica aa seguranca nos domi-
nios do aotigo reino napolitano.
Ganbaldi sahio deCapreral Igoora-se anda
quaes sao as iniengdes.com que se pde em campo.
A junta italiana de Paris eapaiba que vai intentar
um desembarque, na Catalunha para castigar a
Hespaoha. vingaudo-se assim da expedico de
osgaa na Calabria. Esta explicago parece um
jretexto para desviar as attengdei do porto real-
n n m"S*da PrGribaWi.
k-.- wr,, Barce'ona affirma que o govsroo
nespanhol oao acejtara a mediago da Franca na
ponencia d Hespanha dizaer. inexacta etta as-
sergao porque o seu governo nao poda recu-
saru ma mediago que lhe nao ora offere-
cidt.
-PJV6 laaibem 1ue governo belga instado
pelo freces para que recoobecetse o reino da
nana responder que a Blgica on poda realisar
por emquanto tal recoobecimeuto, nem aiada
restringiodo-se aos tactos consumados. Que a
elgica uma naci fundada tob ti garantas
das grandes poleucias. e que s q nntm reconheeida o reino italiano ento veri o
que lem fazer.
O clero das Marcas e de Ombra nao cessa de
suscitar difficuldadesaos goveroos. as quaes es-
ie tratava de superar por meio de medidas
que promovam a reconciliago do povo en
reiagao, nova orden de, cousas.
i! ,1-">l2l acaba d produzir-se um desses
coniiictos mais ou menos frequentes que produ-
zem mo eTeito. Ogovernador da provincia man-
dou que se cetebrasse na igreja de S. Simao uma
iunegao religiosa em commemorago da balalha
de t-astelUdardo, em que foi derrotado o exercito
pontiucio. O arcebispo prohibi que os eccle-
siaatuos franqueassem a sua igreja para seme-
mante solemnidade.e como os religiosos receias-
sem as consequencias da parle dos libertes, o
prelado ordenou que a ;greja fosse fechada, sen-
do-ine entregues as chaves e assim se procedeu ;
raas ogovernador fez coostar ao arcebiapo qae
estando o templo fechado durante um mez, e nao
nzendo falla ao culto, poderia esitr fechtdo tem-
pre, e oesle sentido deu as suas ordens. Depois
disto publicou o arcebispo urna expoaigo dirigida
artm.'OSlro da i"8li?. mostrando que a auto-
"de civil se linha envolvido as suas allribui-
goes. Esperara-so comtudo que obispo seria man-
dado sahir. r
* P.rld"o Liberani dirigi uma ctrta ao cardeal
Marioi, em qae o excita a empregar os seas bons
ouicios para conseguir que o tummo pontfice
adopte medidas conciliadoras a respeilo do Pie-
monte. Vanos jornaes italianos publicaram esta
caria, mas nao de esperar que produza grande
eiieito.
Carlas de Roma aoounciam que am consequen-
cia da ordem papal que manda julgar o folheto
anonymo Pro causa Italia, raonsenhor Allieri,
prefeito da coogregago de Index designou 18 con-
sultanles para estr/ffn, que declararas! que o fo-
lheto era contrario s doulrioas da igreja. O pa-
dre Psssaglia escreveu ao prefeito da coogregago
declarando-se autor do folheto o pedindo era
virlude da bulla de Benedicto XIV. permisso
para se apresenlar era defeza ante o consultorio.
Urna congregagao de cardeaes, eleila para deli-
berar sobre o juizodos consultantes, recusoa *d-
mittir a defeza do padre Paisaglis, e decretou que
o fiiiIneto oassassB aa XtuU*.
U capitulo Je Milo formulou a tua adheso ao
Uvro do padre Passaglia. O clero de Pistola pre-
parava, segundo se diz, idntica adheso, e este
movimento parece querer estender se a muitas
cidadet italianas.
A Nazione de Florenga diz que muitos padres,
ociuiodo os proprios prelados Uncionawam fazer
apparecer prximamente os seus esenptos sobre
a questao do poder temporal, seodo todos coa-
cebidos as mesmaa ideas do padre Passaglia.
A Optmone de Turin desmonte formalmente
queio governo italiano tenha tido a menor parte
na brochura publicada em Paris com o Um de
mostrar quaes sao as garaotias que a Italia offe-
rece sania s pela cesso do poder temporal.
AiYazione de Florenga publica urna carta de
Lasteocci ao procurador do rei, dizeodo que a
publicada pelo Observador Romano repellindo
com indignagao a noticia deque elle era o autor
do crime expiado pelo innocente Locitelli, leve
por Um trtnquilitar a sua mi, porm que se re-
conhece autor daquelle crime.
O governo russo est muilo preoecupado
com a atutude cada vez mais hostil da Polooia.
Em Varsovia huuve uma manifeslago muito
sigmficaliva por occasiao do fallecimeolo do arce-
bispo daquella cidade, que gozava de grande po-
pularidade no paiz, nao s pela sua affeigo
causa nacional, mas pela sua caridade e espirito
de tolerancia.
O arcebispo antes de expirar rogara a Deus pela
independencia da Polonia e pela uoio dos po-
lacos. O funeciooalismo mandou celebrar^uma
missa pelo descango eterno do prelado.
A igreja que eslava decorada com as bsodeiras
naciooaea, e onde se camaram hyranos pela pa-
tria concorreram tres ou quatro mil pessoas, sen-
do muito numeroso o coocurso do povo que se
achava as suas circumvisinhigas. Os proprios
empregsdos do governo correram ao lemplo para
orar pela Polonia, dando assim ama prova de sus
adheso causa nacional, Diz-se que esta cere-
mooia em que oioguem se oceultou produzio o
seu elleito as regies officises.
As noticias da Polooia sao pois cada vez mais
graves aos partidarios da independencia : pre-
pararan) uma manifeatago para celebrar a unio
da Lilhuania Polooia ; maa nao poderam rea-
lisar o seu ptaoo porque foi impedido pela auto-
ridade, que mandn fortes destacameotoa de
tropa para o ponto oode devia ter lugar a reu-
niao. O povo reunido dispertou eoto um coo-
tuclo, mas a polica nao p le obstar ao ajuota-
mento de dez mil pessoa que concorreram ao
banquete dado pela oobreza.
Fui esta situago que deu lugar ao estbale-i
cimento do estado de sitio.
Ogoverno austraco cootioua a lutar com a
Hungra, e ve-ae bastante embaragado com os
soldados hngaros que em toda a parte mostrara
o aeu patriotismo, e servem com graade desgosto
e difflculdade. O gabinete de Vienna tem man-
dado retirar estas tropas dos domioioi italianos,
que aiods se acham sob o seu dominio, pois ellas
alera dos saussentimeolos naciooaes sio to af-
feigoados Italia que seria um grande exforgo
para a causa da unittcago, se por ventura rom-
pessem as hostilidades contra a Austria. As tro-
pas hngaras eslo agora acantonadas nos mon-
tes Vicentine o Frioul.
O exercito oliomaoo rompeu ss hostilidades
contra o Montenegro. Ogoverno torce antes de
dar este pttso mostrou o detejo que tioht de
por termo esta campias, mas ot montenegri-
nos nao aouuindo proposla, insistirn as suas
exigencias.
Tresentos insurgentes de Zubzi ttiotnn Biovo
prximo de Trebigoe. A guarnigo e os habi-
tantes de Trebigne reuuirtn-te a ot insurgentes
fugirtn eolio levando varios rebanhoi. Fict-
ram morios alguns turcos.
Os turcos intadiram o territorio monteoegrino
atactram Lonkoco, Uceado morios 15 moolene-
grtoos e muilns feridos. O principe Nicolao di-
ngiu-se 4 comnissio pedindo satisfago desee
acta de crueldade.
A titutgo fioanceira da Turquia tai nilhorsn-
do; o desenvolvimeolo da raceila dea lugar a que
o governo mtonano podetsa ntadar ultina-
neute para Loodrea una aonma superior a uta
niiho de fraocoi, para ter applicado ao paga-
mentodo dividendo do imprettimo de 1818. Va-
le ftzer modificagoes importantes no baen da
Turquis.,
Val-ae proeader a asa atisUnaais aa Vn
Ptra te formar uat corpa 4a---------- t\F[
psta vfgiaa par. ^ ^~ **
David Pacata sai aun. Mveraaatr rWiMi.
tainac.n ota govaroador da Ktrssvea. ^^
tttit nomeacao prodatio beat eCnle JU-s
qaenuita affecto a Fr.aea e i^trtLSL.
tea Portugal effactuaraat-M rlttrgsi .!
mentares para os lagares vagos as cenara stsat-
pottdos --------
O governo veocaa quasi tadot t
ottot; entre ettet contara-te S>
ro por um dos circuios 4a Listas
Fet nomeado guarda-ndr da Tarta de Ta
o 6r. Antonio de Oliveirs Mavrcaa. dittiacta
nomialt e etcriplor muito ettimaSo.
Foi ooneado lambem eoferneim or a# tu
P'itl de S. Jote o Sr. conego Dr. Alvos *T rtisi
carcter ben condecido ai vida aaaitce sais tu
firneza d. priocipioa. e pala asa bestradiu
Sua nageatade el-rt4 Sr. D. Pedro T i
eoconnodado con un eacomsssds casa
iicoessos febrt. en costeaueseia desta
cou adiado o cortejo da aia 91 4 ta
oivenario d'el-rei a Sr. D. Fsrstsds.
Os Srs. oftoies D. sgante a D. Fs
lanben leen etta do doeaisa.
Falleces en Madrid a iotasta D. Maris ta Gm-
cetcao Qlha da raiaba D. latssl 1.
Preparam-te por todo s reos 4a Psrtsc!
manifeatago do dia I* ds deienars asairajt L.
da raatauragio da 1644). """
Dizen de Londres que s p retid aa te LaMatlaj ss>
dirigi Frtoga o i Iagltterrs sadwas sjsw sjts>
aeja reconheeida a confederaeia aa sal. O at-
ldente doi EtUdot-Usisss essarava wemtmrm
ern pouco triunpharian as ideas saiUras
O general Uoraal ebefe daa fsteas
oo Cairs cota asas rsfistsatss da
oma compaohit da arlilbarie, a daaa .
ra. Somos poste Je Padacaes! ss ssr
tempo tioha tido o pooto ds rasus as asa
listas. As bsodeiraa destes lrss>slavsj Vn stU
guroas partes dt cidade; nta Isgs sw tal, i
o general, os hsbitaotei iraUrsn de ana
En leauidt ai tropee tsaataas atsosbsre
e dos offieiaea do ihelegrapho m estacas tt
ntoho de ferro e do hospital militar.
Na Carolina do aorta a tastinsats usisssta
mais forte do que se imagisa.
Graade numero ds adataos -itaaslls I
demonitraram a toa lealdada ao aavsra* fsaai
do par H.ttara Iolet. aln de prestar js'rsastn-
to de adheso.
Os rebeldes psrdendo es esperascas 4s cssjssr-
vtr ai fortalezas da Ocrtcoka Inlet, abasdsaa-
rtm-at depoit de perderem ss ds Halteras Is-
let; todava alada cootorvan o forte naess) ajast
domiot o porto de Beaufort, comqsasts sa sers-
dite que a evacuarao loga que aa aprssesu a s-
quadra oacionaluat inmediaedes.
No Polonac aaperior at costas coalisaan ti
mesmo eitado.
O general Bank ocespa aiada as asMciss sa
qua se chavara. '
A oavegago deala rio est eoaaplettataste im-
ped 11 pelas laleraes que ten tabriscid* ss
confederados
O general MtniBeld sorprenden o gesartl
Woolii em Monroe.
Prepara-ae uma grande expedico atvtl sea
New-York.
Falleceu o imperadpr de China IlieealiaeT sa
idtde ae30annot. w**
O principe Keng eootiasava reintsdo m Chi-
na com o titulo do regente.
Nao se tinha alterado a innqailliaada esa
Pekio.
Sahidti dos navios ao porto ds Lissos pars os
differentes portos do Brasil.
15 de outubro.Vapor paquete isgtsz cMaasfs-
lenaa, para Perntmbuco, Babia
e Rio de Janeiro
Eolradt dos nsvios oo porto ds Litase, violo 4ot
differentes portos ds Brasil.
13 de outubro. Patacho portugoez c Sei xas l,
do Rio de Janeiro en 75 dia!
15 >dem........Vapor cGaieonet, do Rio d-
Janeiro, Bahia o Pernatstrseo.
22 iden........ Galera portogneta Olivia .
do Rio da Janeiro en 4S
dias.
dem idem-----Brigue porlogaez Luzleaio.
de Perntmbuco en sesnenls
dias.
86 "........ narra rraneeza tMasaaliasU.
do Rio ds Janeiro en 49 das!
PBM*M8,JC0.
REVISTA OIARIA.
Noticias de Giraohuns, dtttdtt de 5 ds cor-
rente, dam-nos o seguinte sobre a comarca:
O Dr. juiz de direito interino Joo Fraocitco
Duarte Juoior, que, por orJam aoperior argar*
a 17 do passado para o termo de Baique, aban t
assistir s novas eleigdei de eleilores. sus ss
procedeu oas fregueziaj de Aguta-BIUt e Bsi-
que, regressou i 2 do corrente a ssU tilla. A-
chavam-se destacadas naquelie leras 90 pracas
de linha na villa de Buiqne e 40 na povoago
Aguas-Bellas, aob o enramando do delegado do
termo o capiSo Jos Pedro Nolasco Peieira a
Cunha.
O Dr. juiz de direito interina, que coasar-
vou-se na villa de Buique, e o delegado pedern
manter inalleravel a orden publica naqsells la-
gar, durante o pleito eleiloral, e prevenir a er-
petrago de crimes, correado ss eleicoes par ilesa
o regularmente.
Dos criminosos de Aguss Bellas vieran -
(regarse priso, presentando se as espetas
Miguel Duarte, delegado uf plenl. em exercicio
deste termo, o ttmigerado caboclo Joas Maclsado
e Vicente Telles de Carvalho.
*Es,f "bocio e o seu compaokeiro Cmmeiia
de bamb, mo por occasiao do morticinio de Aguas Balita, s lo-
ra m elles que matartm cruelmente o tofelix es-
pilo Antonio Tenorio de Albuquerque.
< Proseguen con vigor aa diligeseias para r--
fectuar-ie a captura doa deraau crimino*** ss
freguezia de Aguts Bvllti, e nao podemos sisar
de registrar tem muito louvor o facto dtstts ni
sdes e apresenlagdes, que provam a aeim*>
que hao desenvolvido aa autoridades policiaes de
Buique, islo o capito delegado o s altores
subdelegado de Agut Bellas, Rogo Borras.
Oa villa da Boa-Vittt recebemos o resalla-
do dos trabalhos do jury retpeciivo, que all fot
installado a 14 do passado sob t presidencia ds
do Sr. Dr. juizds direito Antonio Buarqns 1
officiando de eicrivo interino oSr. Fittf
nicio de S e Lyra. e de promotor s Dr.
Jos Gonzagt.
Di o
Presentes 33 senhores jursdos, procedeu-** ss
sorteio de 15 supplentes,
!5
Presentes 45 senhores jurados, foi iberia i ass-
so e julgido o processo de Francisco Martina
Gomes e aua co-r Pedrioa Mara 4a Jasas nsts
morte do mtrtdo desta, perpetrada pelo res s
commum acedrdo com a r.
Vanderley e Jote Frtnciseo da Arrudt Cmara.
que traiaram da deteta con iotelligencit, tenis
a accustgo vehementemente dssaavolvids pslo
orgo da juttigt.
Foi condemnado a gales perpataas a rea sn-
sslvida a r, de cuja absolvigao appelloa a Dr.
juiz de direito, protestando o reo nova jaste
mtnto.
16
Roo, Joaquim Gongalves Biquinho, crina atar-
le, eadvogtdo Dr. Jos FnnciKo de Amada C-
mara. Nio foi julgado por ter o advsgsds retjss-
rido que deacease o processo a eonelusio as Dr.
juiz de direito, afim da mndtr sanar algasaas
nullidades, depois de obterragdes da prsnsastin
publica foi deferido o requerineota do advs-
gtdo.
Nio htvendo proceatot aprasanladas foi le rea-
tada a tessto e adiada para a dia ssgsists:
Reo, Joaquim Jas da Miranda, crine, atesta.
drogados Dri. Joio Antanas Cortea Lina Van-
derley, e Jos Fnncisco de Arrudt Cmara.Ab-
solva.
18-
lte, Jaao Jos de Sast'Aona, crin*,
advogtdo Drt. Joa Frinciteo de Arroda ...
ra, Joa Anuate Correa Lins Vanderley.
Foi calorosa a diicsssio, sendo r aeawt-
lido appelloa o Dr. pronotor.
Nio hsreodo mais proceiso a sereA jaifa-
dos, o Dr. jai* ds direito 4eu ser fiada a sss-
sio.


IMBMMM tpiMllWl *- eJARTm flBU 1J Dft MOVUUao DE U*l*
Depoia d'amaohaa pelas 8 horas da ama-
chis do consistorio da igeeja 4a Noaaa Senbora
do Rosario da fregseoia 4e Saato Asjoato, aa
deveri axlrahir a WrceUa parU d* primsra lo-
taria a beneficio di matriz de Berniroa. Oa
retp cutos bilheles s eaiaro a tanda at sma-
Dfaa s 10 lloras da noila.
Fizeram acto nafacoldade de difeito no da
11 de novembro, os eeguiotes estudales :
1 anoo.
Francisco Parreira de
Novaes Jnior...... Reprobado.
Aureliaoo da Silva Rs
beilo................ dem.
Bruno Janeen Pareira ApproTado plenamente.
Joaquina Conalaacio de
Maura Custa........ Ideo.
SOQO.
Miguel Ploriano Gama
da Costa Doria......Approvado simpleameoie.
Alexandrioo Leo a el
Marques Santiago... Ideas.
Tiburtino Barboza No-
gueira..............
M ao o l Cae tan o de Ol'
veira Passos........
3*.
BenTeouto E rn y g d i o
Pereira Guimaraes. Approvado plenamente.
Vctor Isaac de Araujo. dem.
Ignacio Accioli de Al-
meida.............. dem.
Approvado planamente.
Approvado simplesmente.
anoo.
4* anoo.
Domingos Aires Brito. Approvado plenamente.
Lucas Matheus Mou-
teiro de Castro..... dem.
Manuel Arlhurde Hol-
lauda Cavalcanti.... IJem.
5 anno.
Jos Eustaquio Ferrei-
reira Jacobina....... Approvado plenamente.
Jos liara de Albu-
querque Lima.....Ideas.
Joao da Sitaa Reg
Mello Filho......... dem.
Joaquitn Damasceoo
NoKueira ........... dem. *
Dt* 12.
I. anoo.
Antonio Lourenco de
Carvilho Serra...... Approvado simplesmente.
Joao Franklio de Alen-
car Lima...'.........-Approvado plenamente.
Tbomaz Lourenco da
Silva Pinto.........Approvado simplesmente.
Bento Jos Alves Van-
na Filho............ dem.
2 anno.
Francisco Ferreira Pa-
checo de Mello......Approvado simplesmente.
Aotooio Goocalvea de
Almeida............. Approvado plenamente.
Barnab Elias da Bosa
Calheiros............ Approvado simplesmente.
3 aooo.
Vicente Candido Tou-
nnho...........,
Antonio Pereira Ca-
mello ...............
Maooel do Reg Barros
Souza Leo.........
4
Albino Pinhiro de Si
queira..............
Salvador Piraa de Car-
valho Albuquerque
Jnior.............. dem.
Gervasio Maocebo J-
nior................. dem.
5* auno.
Miguel Bernardo Viei-
ra de Amonm...... Approvado plenamente
Vital Ferreira de Mo-
raes Sarment...... dem.
Francisco Brandad Ca-
valcanti de Albu-
querque............ dem.
Jos do Palrocioio Pe-
reira e Silva........ dem.
Relacio dos esludantes de Curso Coromer-
cial Pernambucaoo, que fizersm acto oo diall do
correlo:
Aflboao Sergio de Mou-
ra Mallos............ Reprovado.
Carlos Jos Das da
Silva................ Approvado plenamente.
Joao Laodelino Dor-
nellas Cmara...... Approvado simplesmente.
Fizeram exsme de philosophia no dia 9 de
UOVembro do crrante *a s.lud.nlfs.
Approvado simplesmente 3
Reprovados......... 9
CMIQIIU JU1UMUJL
TlllsaaL DA HUClu.
SESSAO ElttDI NOVBMBIVO DE 1861.
Presidencia marina do xm. Sr. deainea o ador
Caetano Sssiiseo.
AslOhoras da manhaa, achando-sepresen-
tes os Srs. desembargadores Silveira, Lourenco
Santiago, Molla, Peretti, Uchoa Cavalcanti, e
Guerra, procurador da coroa, faltando o Sr. dea-
ambargador Giliraoa, (oi aberta a sesso.
Paseados os feitos e entregues os distribui-
do*, procedeu-seaos aeguintes
JULGAMBNTOS.
APFBLLACES C1VE1S.
Appellante, Manoel Gomes da Silva; appelia-
do. Manoel Claro Goncalves Guerra.
Confirmada a aesteoca.
afpii.lac.oks cribes.
Do Rio Formoso.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Pe--
reira de Bastas.
Improcedente.
Da Imperatriz.
Appellante, o juixo; appellado, Manoel Fran-
ciaco Gomea.
Improcedente.
habrs-conrus.
Necou-se a ordem de habeas-corpus pedida
por Alexaodrino Alves do Oliveirs.
DILISIHCIAS CR1HES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica, as appellacoes crimes:
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Soa-
res de Queiroz.
Appellante. o promotor ; appellado, Antonio
dos Santos Alves.
Recorren te, o juizo ; recorrido, Francisco Mo
reir da Silva.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Germa-
no de Lyra.
DESIGNAQAO DE DIA.
Assignou-se diapara julgamentodasseguintes
appellacoes civeis :
Appellante, Antonio Ricardo do Reg ; appel-
lado, Manoel Goncalves Ferreira e Silva.
Appellante, padre Jos Antonio dos Santos
Lesaa ; appellado, Jos Pinto de Magalbies.
Appellante, Joao Augusto Henriques da Silva ;
appellado, Miguel Jos Barbosa Guimaries.
Appellante, Jos Poociano Gomes de Mello;
appellado, Francisco Bruno Jacdme Bezerra.
A's 11 Choras eocerrou-se a sessao.
Approvado plenamente.
Approvado simplesmente.
Approvado plenamente,
anno.
Approvado plenamente.
Total......12
Fizeram exame de latim no dia 9 de no-
vembro do correte aono 12 estudantes.
Approvado plenamente 3
Approvadoa simplesmente. 4
Reprovados ........ 5
Total......12
Fizeram exames de ioglez no dia 11 de no-
veiobro do correte 12 esludantes.
Approvadoa plenamente... 3
Approvado simplesmente.. 4
Reprovados................ 5
Total........... 12
Fizeram examea de geographia no dia 11
de oovembro do correte 12 estudantes.
Approrados plenamente... 4
Approvadoa simplesmente. 5
Reprovados...... ......... 3
Total.
12
Passageiros do vapor fraocez Navarre en-
trado de Bordeaux e portos intermedios, Manoel
Vicente Foro, Julio Cezsr Pinto de Carvalho, Fo-
rebio Messia, Diogo Ros Revele, Artbur Augusto
Feroandes, Cancanaa Pascual, Francisco Jos Al-
ves Guimaraes, Francisco Joao de Barros, Mar
celino Jos Goocaives da Foute, Joao de Barros
.lun.or e seu primo, Joao Lucio Marques Jnior,
Joaquim Caetano de Carvalho, Rocco Pagano,
fiyon Luiz, Hareameody Auguslin, Joaquim Ca-
valcanti de Mello, Maooel Cavalcaoli de Albu-
querque, Souvage Flix Aoge, Robbes Emile,
Chesaey Rodrigues, Bartholomeu Frsocisco de
Souza, C Daube.
Passageiros da barca portugueza Lima, en-
trado do Rio de Janeiro, Alberto Soares de A-
zevedo.
Psssgeiro do briguo hamburguez Capiba-
ribs entrado de Hamburgo, Fredenco Hermano
Cutkeoa
Passageiros do hiate brasileiro Sania Luzia
sabido para o Aaau' com escala pela Parabiba e
Rio Grande do Norte; Severino de Moraea, Anto-
nio Francisco, Antonio Martina de o, eeyvzde
Jos Gomes Martina.
Passageiros do Drigue brasileiro C'oncetcoo,
sabido para o Rio desJaneiro, Mellhesedc e 13
escravos a entregar.
Pasaagelros do vapor francez Navarre, ga-
ido para o Rio de Janeiro e Babia, Joaeph Leh-
inam, FieJerico Augusto Moreira, Joao Vellozo
Soares, Julio Cezar Pinto de Carvalho, Ignacio
Pires de Carvalho Albuquerque e um escravo,
Coottant Declers, Joaquina Ribeiro de Souza F.
e um escravo.
Passageiros do vapor brasileiro Tocantins,
eabids para os portos do norte, Joao Bautista de
Oliveirs Guimaries.sua senbora e duas cuchadas,
escravo Justina e Francisca do meamo cima,
Jos dos Santos liamos de Oliveirs, Dr. Jos Al-
vos da Silva e Joaquim Alves da Silva e um cria-
do. Manoel Vicente Foro, Fraocisco Sergie Bai-
ro, Joao Machado Mendes, desertor Antonio Prs-
rozo da Paz, Amaro Barrello de Albuquerque
Maranhio, Tovibio Measiaa, Joaquim A. Alves e
M. RazemaD, Fraociaco Teixelra Bastos.
No dia 11 do correle foi recolhido a casa
de deteoco o crioulu Romualdo, escravo do co-
ronel Gouveia. a ordem do subdelegado de 8.
Jos.
Movimenlo da enfermara da casa de deten-
cao no dia 12 de oovembro de 1861.Teve baixa
para a eofermaria Jos Damazio de Soasa, tetare.
^ M0RTAL1DADE DO DIA 12.
Carlota. Pemarobuco, 35 aunos, solteira, escrava,
Poco da Panella. apoplexia fulminante.
Mara da Cooceicio Almeida Bastos, Parnambu-
co, 35 aonoe, viova, 8. Jos, hydropesia.
Joaquim Manoel Goncalves, Portugal, 31 anuos,
eolleiro, Boa-Vala, febre perniciosa. -
Maooel, Pernanbaco, 7 mezes, Boa-Vista, inte-
nte aguda.
Geralda, Pernamboco, 45 dias, escrava, Recite,
diarrbea.
Zenobio, Pernambuco, 5 mezas, Boa-Vista, sar-
nas recf bidas.
Acta da decima* primeira sesso da
coramisso de Exposico dos produc-
tos agrcolas e indostriaes tiesta pro-
provincia, e das que Ihe ?o limi-
troplies oa Ihe icam prximas.
Reunidoa os membroa da commisso, i ex-
cepcio dos Srs. bario de Muribeca, e commenda-
dor Souza Leo, na sala de auaa aesses, pelas
sete horas aa notte de 4 do correte, e achando-
se presente o Exm. Sr. presidente da provincia,
o Sr. presidente da commisso declarou aberta a
sessao.
Lida a acta da sessao antecedente, e approvada
depola de algumaa reflexdea do Sr. Ferreira Bor-
ges relativamente ao periodo em que se trata da
remeaaa dos productos viudos do Ass pelo vapor
Jaguaribe, passou se ao expediente.
Foi ltdo um offlcio do Exm. presidente da pro-
vincia de 2 do correle que remeltia copia do of-
flcio que a S. Exc. dirigir o commandante do
presidio de Fernando ae Norooha, com data de
28 do mez fiodo, acompanbado da relacao
plantaa e sementes exigidas por S. Exc. em seos
officios de 14,18 e 19 de outubro do correte an-
no e do sueco ou leite e folbas da arvore alli co-
nhecida sob a denominacio de burra ; e um do
professor de instruccao primaria de Ipojuca Vi-
centede Moraea Mello Jnior dirigido ao Dr Aqui-
no, um doa secretarios da commisso, com dala
de 24 do mez paseado, que acompanhava um fras-
co conlendo urna grande porcio de sementes de
jeriquili a que o meamo Mello Juoior altribue
virludea therapeuticas em affeccoes dos orgos
visnaes.
O Dr. Aquino apreseotou nova amostra, maior
do que a primeira, do sebo vegetal extrahido dos
frucios da arvore denominada urucuba, pesando
4 libras, e um frasco conlendo frucios da mesma
arvore, e o Sr. Dr. Barroa Brrelo apresentou
tambera fructos, folhaae um pouco do sueco dessa
arvore, pelas que infotmaedeaque vo sendo obli-
das parece ser a emberoba doa indios de que trata
o juiz de direito aa aiouja cu ote... dingid.
a S. Exc. quando, como presidente, administrava
a provincia doCear.
Nao bavendo mais expediente, passou a com-
misso aos seus trabalhos.'
O Sr. Dr. Sarment, Dr. Aquino eoutrosmem-
bros da commiaso, recouhecendo que nao era
possivel qe a exposigo fosse inaugurada no dia
7 do correte, como determinara o governo im-
perial visto que nao linham anda chegaao to-
dos os productos das oulraa provincias que eram
esperados pelos prximos vapores em consecuen-
cia da uregularidade que tinham dado nesse meio
de transporte, com o que nao tioba contado o
mesmo goveroo, propozeram que se pedase a S.
Exc. que espseasse para o dia 16 do correte essa
ioauguracao, e sendo isto unnimemente appro-
vado foi redigido o cilicio que liaba de serapre-
sentado a S Exc, e sendo este apreseotsdo a S.
Exc, foi attendida a commisso em seu pedido,
como se v do of&cio que S. Exc. Ihe dirigir em
resposta.
Tendo sido altendido o pedido da commisso
para que fosse espacado o dia da ioauguracao da
exposi;o, foi resolvido que se snnunciasse isto
mesmo pelos jomses, eatabeleceodo-se o dia 12
desle mez como limite do prszo marcado pars a
recepeo dos productos desta provincia, visto que
era preciso dar lempo aos membros enesrregados
da classiflca;o para pederem cumprir aa suas
obrigacoes.
E nao haveodo mais nada de que seoecupasse
a commisso, o Sr. presidente levanlou a sesso
pelas nove horas da noile, e eu como um dos se-
cretarios, escrevi esta acta.
Sala das sessoes da commisso, no palacio
do governo de Peroambuco, 4 de oovembro de
1861.
Vitconde de Suaisuna.
Dr. Joaquim d'Aquxno Fonseca,
Secretario.
Caixa com algodio a asaca ........... 1
Dito com milhona eapisja..............fle3i> *
Dito can tarra a mulung.................
Dito com canoa....... ....................
Vidra coas leito da burra...................
Garrafas com feijlo.prelo omolalinbo...... 2
Poa de mandioca.......................... 1
Urna porcio de entre-etaco de burra....... 1
Urna porcio de sementes dealgodo....... 1
Embralho com algodo em rama........... 1
Quartel do commaodo do presidio de Fernando
de Noronha, 28 de outubro de 1861. Trajano
Cezar Burlamaque, coronel commandante.
Iilm. Sr.Jutgando de utilidade a sement
vulgarmente conbecida por geriquity, e nio de-1
aejando que o boro resultado por ella produzido
tique sepultado do eaquecimento remello V.
S. um (ruco com ditas sementes aflm de serem
levadas a nossa expoaico agrcola e indus-
trial. Essa sement, cajo p urna irepadeira, e
florece no mez de abril, foi appiicada em numero
de tres, aoa olboa da urna senhora, neata villa,
que sendo examinada por um medico, affirmou
que olla aofiria de catarata.O processo de re-
medio foi apenas o aeguiole : trea sementes pisa-
das e postas ao aereoo em trea chicaras d'agua
com a qual banhou o* olboa a doente, sendo que
immadiatamenle appareoeu a inflamaco, a qual
darou oito dias, continuando a doente a baohar
oa olboa com agua moma. No tim deaae tempo
um segundo banho Ihe foi appllcado pela mesma
frms, nao Ihe foi applicadot erceiro banho com
receio da doente.A doente qfle antes desse
curativo apenas percebia o vulto, ji hoje eneber-
ga o eoze, eia por tanto o que me anima a re-
melter V. S. urna tal produeco, podeodo nio
s ser examinada a pesaoa curada que mora nea-
ta villa, como faxer V. 9. deesas sementes o uso
que convier V. S.
D*us guarde i V. S. Villa de N. S. do O" de
Ipojuca, 24 de outubro de 1861.Illm. Sr. Dr.
Joaquim de Aquino Fonseca, dignissimo acrela-
tario da axpoaico agrcola. Vicente de Moraes
Mello Jnior.
Illm. e Exm. Sr.A commisao directora da
exposico vem representar V. Exc. a necessi-
dade de adiar at o dia 16 do correte a abertura
da exposico, tanto por nao lerem chegado al
boje objectos, que, pelo numero e qualidade
possam coostiluir urna exposico digna deata
provincia, quanlo por nio aer provavel que at
depois d'amanhia, vespera da abertura, affluam
oa objectos esperados do interior da provincia, e
por aer absolutamente impossivel ebegarem
aquelles que das ou tras provincias devem vir. Do
norte s chegarao aqui o vapor Apa no da 15, e
o vapor Iguarast no dia 6 ou 7 do correte. Do
sul o vapor Perrinunga, pela qual ae espera m
alguns objectos, s pae estar aqu o dia 10. Se
poia at o dia 15 nao esliverem as salas da ex-
psito as amotlraa de productos, com que esta
commisso devia contar, nada mais haveri que
esperar.
Tomando V. Exc. a revolucio que esta com-
misso tem a honra de Ihe propr, pouco ou
oenbura deaarranjo occasionari ella na exposico
central da corte, porque flxado o dia 16 do cor-
rente para se abrir a exposico e o dia 23 para ae
eocerrar, reaisrao cinco ou seis diaa antea da
chegada do vapor inglez para ae escolherem e
encaixotarem oa objectos digoos de ser remetii-
dos para a corte, aonde chegarao doua ou trea
dias depois da abertura da exposico central.
Sem este adiameotu aeri por demaia exigua a
nosaa exposico e a seguirem para a corle no
vapor Apa a 16 do correte os objectos escolhidos
por esta commisso apeoas podero elles flear
exposlos dous ou tres diaa, porque mal chegari
o resto do lempo da exposico para os encr-lxotar
dasteom as neceasariaa precauces. A commisao
movida por eataa cooaideraceea v-ae obrigada,
bem a aeu pezar, a representar i V. Exc. a ne-
cessidtde deste adiamento.
Deus guarde i V. Exc. Recite, Io de oovem-
bro de 1861. Illm. e Exm. Sr. Dr. Antonio
Marcellino Nunea Goncalves, presidente da
provincia.
Visconde de Suassuna.
Dr. Joaquim de Aquino Fonseca.
Joaquim Pires Machado Portella.
4.a seccio.Palacio do governo de Pernambu-
co, em 4 de novembro de 1861.Illm. e Exm.
Sr.Accuso o recebimento do offlcio que nesta
data dirigio-me V. Exc. trasendo ao meu conhe-
cimelo varias conaideracea pelaa qaaes a com-
misso eocarregada de dirigir a exposico dos
productos naturaes e industriaea desta provincia
e doa qae Ihe fleam mais prximas entendendo
que nao pode ler lugar a abertura da meamalex-
posigo no dia 7 do correte mez, para este fim
4aiianda, innir. (Jeliiro do aolicilar que
fosse ella espacada para o dia 16, ltenlo a defi-
ciencia de objectos que at o presente tem sido
enviados, e impossibilidade de ae acbarem aqui
em tempo por falta de transporte os que sio
esperados dos portos do norte e do sul. Em
resposta cabe-me declarar i V. Exc. que tendo
o governo o maior empeuho-em que os productos
desta e das provincias bimitrophes achassem-se
na corte em lempo de poderem figurar na inau-
gurado da exposico nacional, que alideve ler
lugar oo dia 2 de aezembro, mano para sentir-
se que nao poaaam ser superados os obstculos
que a isto ae opoem mas convencido come estou
de que a commisso nao tem poupado extorco
algum ao seu alcance para o bom dasempenbo
da importante tarefa que lomou sobre si e de
que a medida solicitada urna iDdeclinavel ne-
cessidade, importa pela Corea das circumstancias,
conveoho em que seja trausferida para o dia 16
do correte, a abertura da exposico, cumprindo
que oeste sentido se facam os convenientes an-
uuncios para o coobecimeoto do publico.
Deus guarde V. Exc: Illm. e Exm. Sr.
Visconde de Suassuna, presidente do commisso
da exposico agrcola. O presidente, Antonio
M. Nunes Goncalves.
Mo Time uto do porto.
i..... til U I....... il
Navios entrado* no dia 12.
Bordeax e porloa intermedios 17 dias, vapor
francez atarre, de 1,271 tonelladea, eemman-
daola Flix Vedel, equipagam 115.
Boston44 das, barca americana Azard, de 403
tonelsdas, csplto G. A. Karstens, equipagem
12, carga 2 827 barricas com farinha de trigo ;
a HeDry Foiler &C.
Rio de Janeiro16 dias, batea portugueza Lima,
de 267 toneladas, capltio Joaquim Piolo di
Costa, equipagem 14, carga sal ; a Carvalho
Nogueira & C.
Hamburgo53 dias. brigue hamburguez Capiba-
ribt, de 176 tooelladas, capilo C. Evert, equi-
pagem 13, csrga fazendaa e outros gneros ; a
Kalkmam &C.
Navios tahido$ no mesmo dia.
Aas, com escala pela Parahiba e Rio Grande do
Norte Hiale brasileiro -Santa Insta, capilo
Manoel Caetano de Araujo, carga lazendas e ou-
tros gneros.
Rio de JaoeiroBrigue brasileiro Concaico, ca-
pilo Joio Flor do Amaral, carga assucar, al-
godo e outroa gneros.
LiverpoolBarca Ingleza Favorile, capilo John
S. Pentoo, carga assucar, couros e algodo.
Rio de Janeiro e BahaVapor francez Navarre,
commandante Flix Vedel.
Portos do Norte Vapor brasileiro Tocantins,
commandante o 1* lente Pedro Hypolito
Duarte.
THEATRO
DE
Santa Isabel.
Companhia dramtica sob adireceo do
artista Gernait.
Beelta extraordinaria
EM BENEFICIO 00 ARTISTA.
SIBERIO MOREIRA DO VALLE.
QUARTA-PEIRA. 8 DE NOVEMBRO.
Subir i scena o eicelleole drama em 5 actos
do Sr. Mendea Leal Jnior,
COMPANHIA PERNAMWJCANA
ti
Navegado costeira a vapor.
Parahiba, Rio Grande do Norte Ma-
cao do Asiu'. Aracaty, Oara'
O vapor Iguarassa, commaadante) Viasmav
aahiri para oa portos do norte ata raa eacate
al o Cear no dia 23 do correte moa la V
horas da tarde.
Receba carga at o dia 21 ao meio dia. Ea-
commendas, passageiros e dinbeiro (ras* at*
dia da aahida aa 2 boraa: esenptorio m Fat-
do Mattoa n. 1.
Sabe impretenvelmanle mu ttdsi
rente para Aracity o hiato Invencivelt, lasa
maior parte de seu carregamenlo prompto :
quizarearregar algaras carga ir ata aa
dirija-ae a ra da Senzsla Velha a. 40,
anear, a tratar com Joa Joaquim Alvos da Sirvo.
oa *
2 G
= i S
s 2 I
B
er
e
n
n
P3
m
Hora*.
kthmosphtra]
Direcfo.
so na jd hj
13 m
S e 9
| Intentidade.
-> s 00 S ^ | FahrenhtU. 1 m o
i o 8 00 Ve *l Centgrado. o
s ro SS -a o 1 Hygrometro.
O e o 00 Ciittrna hydrt-melrica.
4
?* as
o
O incendio da casa do onde de Santiago ser
feito i vista.
Toma parte toda a companhia.
Tarminari o eapectaculo com a graciosa larca
lvrica em um acto,
O BffileJO.
Comecari is 8 horas.
O beneficiado espera merecer a proteceo do
publico, pelo que desde ji se conlesaa grato.
ysos martimos.
Leudes.
LEIUO
DE
Frailear.
a*
ai 9
o v
S c
' 2
e a*
Para
A noile clara, a principio e depois de peque-
os agoaceiros, vento E fresco e assim ama-
nheceu.
0SC1LACX0 DA HAR.
Preamar as 11 h. 54' da manhaa. altura 6, p,
Baixs.mar as 6 h. 6* da tarde, altura 1,9 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 12 de no-
vembro de 1861.
ROMANO STEPPLE,
1* teneole.
Editaes.
4.a seceo.Palacio do goveroo de Pernam-
buco, em 2 de novembro de 1861.Illm. e Exm.
Sr.Passando s mos de V. Exc. para conbeci-
mento da commiaso, encarregada da exposico
agrcola, a inclusa copia do offlcio, que em 28 de
outubro ultimo me dirigi o commaodanle do
presidio de Fernando, leoho a declarar-lhe, que
nesta data oflicio ao commandante da eslaco
naval, para mandar por a disposico da mesma
commisso oa objectos mencionados na relacao,
que allude aquelle offlcio.
Deus guarde i V. Exc. Illm. e Exm. Sr. vis-
conde de Suassuna, presidente da commisso da
expoiicao agriculs.A. M. Nunes Goocalvea.
N. 109. Quartel do presidio de Fernando
de Norooha, 28 de outubro de 1861___Illm. e
Exm. Sr.Tenho a honra a apresenlar i V Exc.
a relacio das plantas e aemeotes que remello i
V. Exc como exige nos oficios de 14. 18 e 19 de
setembro prximo passado, e, nao s o leite da
arvore denominada burra, existente oeste
presidio, como as folhas da mesma, e o entre-
casco, cumpriodo-me ioformsr V. Exc. que
relativamente i utilidade della e suaa diversas
propriedades, reporto-ron ao relatorio qae ao
conhecimento de V. Exc. fez chegar o meu ante-
cessor, o major de estado maior de 2* classe Se-
baslio Antonio do Reg Barros, devendo porra
reflexionar anda a este respeito que segundo as
peaquizaa a que proced, ella nio se desse intei-
ramenle das folhas, aenao quando a eataco
calmosa lio forte que ae reaaente ioteiramente
todas as de msis planlacoes. A madeira produ-
zida pela arvore de que ae traa, oo tem utili-
dade real, por quanlo al mesmo usada como
atacas, sus duraco nao se alonga 4 mais de um
anoo, e aaaim vem a aer ella em geral empregada
para ser consumida no fogo.
Aa suas qualidadea sio nocivas como bem
sponla o meu antecessor no citado relatorio.
Sao eataa aa reflexdea que apenaa poseo fazer
V. Exc. a este respailo, valo como a exlgoidade
do tempo nao me permitte esleader-me por isso
que o brigue bsrea Hamarac. nio pode demo-
rar-ae mais do que o limitado espigo de cinco
dias oeste porto.
Deus guarde I V. Exc. Illm. e Exm. Sr. Dr.
Antooio Marcellino Nunes Goncalves, presidente
da provincia.Trajano Cezar Burlamaque, coro-
oel commandante.
Relacio das sement* e plantes.
A saber .-
NOVO BANCO
DE
PernambucOa
EM 12 DE NOVEMBRO DE 1861.
O Banco descoota na presente semana a 9 */,
ao anno al o prazo de 4 mezes e a 11 / al
o de 6 mezes,e toma dinbeiro em contas correles
simples e com juros pelo premio e prazo que se
convencionar.
Novo Banco de Pernambuco.
O banco paga o 7* dividendo de 12$
por accao, relativo ao seme&tre indo
em 31 de agosto prximo passado.
O Dr. Instao de Alencar Ararlpe, oficial da im-
perial ordem da Rosa, e juiz especial do com-
mercio desta cidade do Recife de Pernambuco
e seo termo por 8ua Magestade Imperial, que
Deus guarde etc.
Faco saber aoa que o preaente edital virem e
delle noticia liveram, que a requerimeDlo de
Coucaoas & Dobourcq, acha-se abarla a (silencia
de Jos Eleulerio de Azevedo, pela sentenca do
theor aeguiole :
Vendo- se da pelicao fl. 2 e documentos a el-
la juntos, e da peticao i fl. 9 e balango annexo,
que o commerciante Jos Eleulerio de Azevedo,
estabelecido com luja de miudezas na ra do
Creapo n. 7, ha cessado os seus pagamentos, de-
claro o mesmo commerciante em estado de que-
bra, e iiio o lempo legal desta oo dia 5 do mez
prximo passado. Nomeio curadores flscaea os
credores Couc.d. & Dubourcq. e depositario
interino a Domingos Alves Matbeus, sendo inti-
mados aquelles para prestar juramentos e proce-
der nos termos da lei, e este para assiaoar termo
de deposito. O esenvao remeta copia desta seo-
tenga ao juiz de paz competente para proceder a
apposico dos sellos, que ordeoo se ponham na
forma da lei, em todoa os livroa e papis do fal-
lido. Faca-ae publicar a falleocia por editoa, coo-
voquem-se os credores para o da 14 do correle
mez pelaa 11 boraa da manhaa na sala dos audi-
torios, e seja intimado o fallido para sssignar
termo de comparecimento.
Recife 5 de novembro de 1861.Tristio de
Alencar Araripe.
E mais se nao continha e nem alguma outra
cousa se declsrava (em dita aentenca aqui trans-
cripta, e em aeu inteiro cumprimeoto, convoco
lodos os credores do referido fallido, para que
comparecam neste juizo e logar cima designado
para que possa ler lujar a nomeacao de deposi-
tario ou depositarios, que bao de receber e admi-
nistrar provisoriamente a casa fallida.
E para que o presente chegue ao conhecimento
de todos, ser publicado pela imprensa e affixado
na forma doeitylo.
Cidade do Recife 9 de novembro de 1861.
Eu Adolpho Liberato Pereira de Oliveira, es-
crevente juramentado, o eacrevi.
Eu Maooel Mara Rodrigues do Nascimento,
escrivo o escrevi.Tristio de Aleocar Araripe.
Directora geral da instruc-
cao publica.
Fago saber a quem convier, que tendo o Exm.
Sr. presideote da provincia considerado abando-
nada e cadeira de instruccao elementar do 1.*
grao do sexo masculino da' povosco de S. Mi-
gual de Ipojuca, pelo professor Jos Irineo da
Silva Santos, manda o Illm. Sr. Dr. director geral
que seja ella possa a concurso, marcando-se o
prazo Oe 30 diaa, na forma do arl. 10 das instruc-
coeade 11 dejunho de 1859, para a ioscripeo e
processo de hebililacao dos oppositores 4 mencio-
nada cadeira.
Secretaria da instruccao publica de Pernambu-
co 12 de novembro de 1861.
Oaecrelario iolerioo,
Salvador Henrique de Albuquerque.
Rio de Janeiro,
pretende aeguir com muita brevidade o patacho
naciontl Julio, tem parte de seu carregameoto
a bordo : para o resto que Ihe falta, passageiros,
e escravos a frete, para oa quaea tem excelleoles
commodos : trata-ae com oa aeus consignatarios
Azevedo & Mendea, o seu escriptorio, ra da
Cruz o. 1.
Para o Ass segu o hlate Sergipano,
oestes dias por ji ler psrle do carregamento
prompto,para o resto que falta quem nelle quizar
carregar dirija-ae ao capitio no trapiche do
algadio.
Babia.
0 palhabote nacional Dous Amigos, capilo Fran-
cisco Jos de Arsujo, sabe para a Babia empre-
terlvelmente no ia 14 do correte para alguma
carga minda, e passageiros, para o que tem c-
modo magnficos, s tratar com seu consignatario
Francisco L. 0. Azevedo, na ra da Madre de
Dos n. 12.
Rio de Janeiro
0 brigue nacional Cooceicioa pretende aahir
no dia 8 do correte, e s recebe escravos a frete.
Acarac.
O vapor Iguarass, da companhia pernam-
bucana, na sua prxima viagem de 22 do cor-
rente, seguir para o porto do Acarac para lar-
gar ali qualquer porcio de carga e passagei-
ros.
Bons escravos.
A16 do correte.
O agente Oliveira tara leilao por aatoaacao
do Illm. Sr. Dr. juiz doa orpbioa deala csasela a
seu termo, de 6 ptimos escravos, aauilo sadtaa
e inteiramente aUeitos ao aarvieo de arasaaaaB
de assucar, *m qae eram eonstacteaaeale osa-
pregados pelo floado Delflno doa Aajoa roreira,
e sendo perteoeentea aoa beos desle :
Sabbado 16
do corrale, ao meio dia em ponto, aa aseriis
rio do mesmo agente, por cima do arsaosoaa da
fazendaa do Sr. Henry Gibaoo, aa ra da Cadtia
do Recife.
Importante
REAL COMPANHIA
DE
Paquetes inglezes a vapor
No dia 14 do correnieesoera-se do sul o va-
por Magdalena, oomm.a4.oV* Woolw.rd, O
qual depois da demora do coatume seguir para
Soutbamplon tocando nos portos de S. Vicaate
e Lisboa, para pasaagens ele dever-se-ha tratar
com os agentes Adamson, Howie & C, ruado
Trapiche Novo n. 42.
N. B. Os embrulbos s se recebem at duaa
horas antes de se fecharem as malas, ou pagando
um palacio alero, do respectivo frete, urna hora
antea.
Para Aracatv
Hiate Santa Rila sahe com
com Martios & IrmSos.
e Ass.
brevidade trata-se
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
A directora da caixa61ial tem deliberado
marcar o prazo de 30 diaa para o recolhimeoo
das sedulas de 20j}O0, lindo os quaea estaro
sujeilas ao descont menaal progressivo de 1 0/0
de conformidade com o decreto n. 2664 de 10 de
outubro de 1860. Recife 10 do outubro de 1861.
o secretario ioierino, Luiz de Moraes Gomes Fer-
reira.
aVI laudeics,
Rendimentododlala 11. .
dem do dia 12.....,
155:887*132
22:001*335
177.888467
Motlmeutu da alfendepra.
Volumes entrado comfazendas.. 357
> com gneros..
Volamos sahidoa
c
com fazendaa..
com gneros..
763
"~57
166
1,120
223
Deelara^fts.
Descarregam hoje 13 de oovembro.
Patacho americano L. C. Wstifarinha e papel
Brigue inglezGlaucus mercadorias.
Barca francesaJean Parmatierearvio.
Brigue hamburguezCapibaribemercadorias.
Barca franceza Spheremercadorias.
Patacho portugus Maria da Gloria dem.
Barca americanaAzartefarinha e morcadorias.
Recebedorla ate rematas Internas
areraes de Pernamboeo
Rendimenlo do dia 1 a 11. 11:037*287
dem do dia 12...... 573*000
11:6i0J87
Consalado
Rendlmooto do dia 1 a 11.
Mam do dia 12. i
provincial.
17:153*311
593*10*
17.746*480
CooselHo administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguiotes:
Para o 10 batalbo de infantera.
6 resmas de pspel almaco pautado.
6 caixaa de peona de ac.
200 pennas de ganco.
2 caivetes.
6 garrafas de tiota preta para escrever.
6 dutiaa de lapis de pi.
6 libras de areia preta para escripia.
36 exemplares de collecoes de cartas para
principiantes.
36 laboadas.
12 grammaliess portuguezas por Monte Verde
segunda ediQio.
12 compendios de arilhmelica por Avila.
12 paulas.
36 traslados.
6 pedras para escripta.
18 lapis para ditas.
3 reguss sortidas.
Quem quizer vender tees objectos spresente as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho s 10 horas da manhaa do dia 18 de
corrente mez.
Sala das sessoes do cooe.,"v.administrativo,
para fornecimento do arsenal La gw-ra, 11 de
novembro de 1861.
Bento Jos Lamenha Lint,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
A direcloria da caiza filial tem deliberado
Jipassar at o dia 16 do correte o prazo marca-
o para o recolhimento das sedlas de 20*. O
secretario interino,
Luis de Maraes Gomes Ferreira.
PAPEflf A wm.
Dos porlos do norte esperado at o dia 10
do correte o vapor nacional Apa, commaodan-
le A. P. Consel, o qual depois la demora do coa-
tume seguir para os portos do sul.
Desde ] recebem-se passageiros, e engaja-ae
a carga que o vapor poder conduzir, a qual de-
veri ser embarcar no dia de sua chegada : agen-
cia ra da Cruz n. 1, escriptorio de Azevedo &
Mendes.
Para o Rio de Ja-
neiro.
O brigue nacional Almirantea pretende seguir
com muita brevidade, tem parte de seu carrega-
mento prompto, para o resto que Ihe falta passa-
geiros e escravos a frete, para o que tem asseia-
os commodos. trata-se com os seus consignata-
rios Azevedo & Mendes no sen escriptorio ra da
Cruz o. 1.
LISBOA.
Patacho portuguez Mara da Gloria
capitao Antonio de Barros Valente, a
sahir com brevidade, .para carga e pas
sageiros tratase com F. 8. Babello &"
Filho, largo da Assembla n. 12.
DE
Movis americanos constando
de ricos guarda-roupas de
nnguo, mesas redondas
com tampos de marmore,
mesas elsticas, costurei-
ras, estantes para livros,
secretarias, consolos, com-
modas com armarios, ditas
com espelhos, ditas com
pedras. apparadores, co-
lumnas para p de camt,
camas francezas, toiletts,
bancas para jogos, porta-
toalhas, cadeiras de batan-
eo, toucadores de fetios
modernos etc., etc. Objec-
tos para quartos, camas de
casal, commodas, lavato-
rios, meziuhas e cadeiras,
sendo estes objectos de gos-
to inteiramente modernos,
espelhos com molduras
douradas de todos os tama-
nhos etc.
Terga-feira 19 do corrtntc.
Antunes fsr leilio em aeu armazesa na ras
do Imperador o. 73, dos ricos bem acaasso
movis americanos cima mencionados, para s
i que convida a tulas as pessoas que goatasa do
j nnlr a commodidade do prego a perfeicio ala
| obra, que nao deizem de coocorrer ao referido
leilio, que alem daa pecas supracitadas eneas
trario aioda muiloa objectos indispeosaveis a
urna casa de familia. Comecar as 11 horas aa
poolo.
L81L&8
DE
Fazendas inglez as
GOaVAIU BOCANA
no
Navegado costeira a vapoi
0 vapor aPersinunga, commandante Moura,
sabiri pars os portos do sul de sus escsls no dia
20 do correte mez aa 5 horas da tarde. Recebe
carga at o dia 19 ao meio dia. Passageiros e
dinbeiro a frete al o dia da sabida as 2 horss:
escriptorio no Porte do Msllos o. 1.
Rio de Janeiro
0 pslhabole Artista vai sahir psra o Rio de
Janeiro com mulla brevidade, porji ter parte de
seu carregamento prompto, e para o resto e es-
cravos a frete, trata-se com o proprietsrlo Bar-
tholomeu Lourenco, oa ra da Madre de Dos
numero 2.
Para Loanda.
Segu coro a possivel brevidade o brigue por-
tugus Viajante : para o reato de carga o paa-
aageoa trata-ae no roa do Vigario o. 19, primei-
ro andar, eom oaonsignatsrio 1. da Aquino Poa-
ect.
Hoje 13 do corren te,
Augusto C. de Abren contlnoario cor ister-
vencio do agente Oliveira, o seu leilio do gran-
de sortimento de fazendas todas proprias do
aereado:
Quarta feira 13
do correte, as 10 horas da maobia, so sos ar-
ma zem, roa da Cadeia do Recife.
LEILAO
DE
Roupa feita,
Ao correr do martello.
O agente Guimaraes para bem agradar a seso
freguezea vender em leilio sem olbar a proco
grande numero de palelols de psooo lino e da
brim de linbo fabricadoa em Franca, o la se be as
de lindas visitas e capsa de grosdenaples san
senbora ludo a ultima moda, e bem assim algass
cortes de cohete de gorguiio de reda, leoio lu-
gar dito leilao em seu armazem oa roa do Impe-
rador o. 37, aa 11 boraa do dia
Quinta-feira 14 do corrente.
LEILAO
DE
Um casal de escravos.
(Ao correr do martello.)
gO agente Guimaraes far leilio em sos arma-
zem oa ra do Imperador o. 37, de um samara
que alm de oulraa babilidadea optisve corroirs
e de urna eacrava mal hbil no servios domastt
co por coser, engommar, lavar o coeissar etc.,
s 11 horss do dia
Sexta-feira 15 do corrente.
LEILAO
DE
Farinha de trigo.
Sexta-feira 15 do ca resala,
O atesto Piale far leilio do M
1 farinha de trigo da Riebjaoad, al


KAUO II He\Na\tJUCO QUAfiTA FIUU 13 I BOVWURO DI 1161,
-"--' ----------------
Radas, cm lotes
11 horas en
arnaxam a.
no Forte do
y/vl.J. ^. cQJinradore, ai
menlo
Quinla-feir* 14 do crtente.
0 agente Piolo far leile per coota e riaco de
quem perteoeer e 11 acras do dia cima men-
cionado, da armeco, 5 duzlaa da garrafa* coa
cer.ejvI^rteiM.aeedeiras outroa objeetoe
exiateatea ao dcpoaito da roa da Santa Cruz n.
W, os pretendentes podero desde j examinar
os meemos objeetos qae serio rendidos sem re-
serva da preco.
Alisos diyersos.
Grande laboratorio de la-
vagem.
Ni. 195, 180, 7, m. 130,171,176, 846 e 832
LOTERA
Tendo partido para o Rio de Janeiro
o paquete francs Navarre com a re-
meta dos bilhetei tera' lugar iraprete-
nvelmente a extraccao da terceira par-
te da pnmeira lotera da matriz de
Barreiro, depois da irtanhaa sexta
feira 15 do corrente. Os billetes e
meios bilhetes que restam s esUrao a
venda at a vespera as 10 horas da noi-
te na thesouraria das loteras ra do
Crespo n. 15 e casas coinmissionadas.
As sertes serio pagas como de costume.
O thesoureiro,
A. J. Rodligues de Souza.
Aluga-se o primeiro andar do so-
brado n. 112 sito na ra Imperial junto
a fabrica de sabSo, com 2 salas. 6 quar-
tos, trra co e cosinha fora, com bastan-
tes commodos para urna grande fami
lia : quem pretender dirija-sea ra Di-
reita n. 6,
Aluga-se a loja de um sobrado na
ra do Rangel prximo a ribeira, pti-
mo lugar para negocio : na livraria n.
6 e 8 da praca da Independencia.
tilmo de meos compatriota*, e benevolencia dos
honrados e digno eeireogeiros, poe hahium en-
tre nos.
Resido fora da cidade actualmente, por isso
posso ser procurado na bolka-do Illa. |8r. Joa-
qoim Ignacio Ribetro Jnior, praca dalBoa-Vista
0.S3.
Sement de algo-
do da ilha de
Fernando.
Tendo se reconhecido a superiorida-
de do algodao da ilha de Fernando, S.
Exc o Sr. presidente mandou vir por-
efio della para ser distribuida pelos Srs.
agricultores desta provincia, os quaes
por si ou seus correspondentes podem
manda la buscar na livraria n. 6 e 8 da
praca da Independencia, remetiendo
seus nomes e lugar da moradia.
Aluga-se o armazem do sobrado
n. 25 da ra da Praia de Santa Rita:
a tratar na ra da Cadea n. .62, segun-
do andar.
Sorvete
Na ra do Trapiche novo n. 22.
Aluga-se a caaa terrea da roa do Mondego
a.#l : a tratar no neceo daa Barreiras n. 2.
A peaaoa qua annuncioa alugar a metade
da casa, e pede a quem quizer que annuncie para
ser procurado, dirija-ae a na Nora de Santa Rita,
caaa n. 38.
Quem precisar de um perfeito administra-
dor para engenho, dirija-sc a ra da Cruz n. 81,
que 1 encontrar o habilitado.
Praciaa-se de urna negra para vender (alen-
das com outra pessoa, paga-se bem : ni ra do
Hospicio d. 62.
Aluga-ae o aobrado da rea da Aurora, hoje
perleocenle aoa herdeiros do finado desembarga-
do: Rocha Bastos, com excallentes commodos pa-
ra grande familia : a tratar di roa do Crespo n.
5, loja de Marcelino & C.
Aluga-se urna casa na Roa-Viagem
com bons commodos: quem pretender
dirija-se a ra do Imperador n. 67.
Do ahaixo asaigoado fugio seu moleque Li-
banio, com os sigoaes seguales : molsto, cabel-
lo corrido, rosto escamado, espaduaa largas, e
estatura regular : quem o encontrar conduza
casa n. 96 da ra Augusta que ser recompen-
sado.Antonio Rbeiro Pacheco d'Avila.
Peci aa-se de urna ama que saiba cozinbar
a comrprar; na ra Nora n. 33.
Juizo dos feitos da fa*enda.
No dia 14 de cama te. aa 1Q aoaas.da
depoia da audiencia di Illm. Sr. ft'jsfla artveU-
loha,
riveu-
a Tendera em

D. Joanna Maa das Dores, Joio Fer-
nando da Cruz e Baailiano de Magalbea
Castro, agradeeem cordlalmente a toda aa
peasoaa que asaialiram as exequias feitas
por alma de aeu presadissmo Albo, irmao
e tio Jos Pernando da Cruz, e acompa-
nharam o seu cadver ao cemiterio; e
nnvamenle pedem que comparecen) no dia
14 do corrente as 6 hora da manha na
igreja da ordem terceira de S. Francisco
para assistirem a missa por alma do mes-
mo finado e d'ahi aeguirem ao cemiterio,
onde deve ter lugar o memento, para o
que ser fscilitada a cooduccio.
to dos feitos da faieoda nacional
praca os aeguiotea objeetos :
Um telheiro caberlo de telha sobre pilare!, si-
to Da roa da Concordia, perteneente aoa herdei-
ros do finado Pedro Antonio Teixaira Guimares.
Orna c*aa terrea alta no Msaleiro, perteneente
a Jaciotho de Souza Trarassos, avallado o te-
lheiro por f 4Mf, a a casa por 2:400 :-eta|oa ob-
jeetos ae renden para pagamento da fazeoda na-
cional. Recife 7 de novembro de 1861.O soli-
citador, P. X. P. de Brlto.
Convite s familias.
Sodr & C. convidaos as fsmilias a virem to-
mar sorvete daa 6 s 9 horas da noite, na ra ea-
treiU do Rosario n. 11.
Arrematago.
Qaarta-feira 13 do correte, logo que Andar a
audiencia do Sr. Dr. juiz municipal da 2.a vara,
ser arrematada por aer a ultima praga, urna par-
te da casa e sitio em terrss do Monteiro mar-
gen da eatrada que aegue para oa Apipucoa, ao
lado direito, a qual perteneente aoa herdeiros
do finado Franciaco Cavalcanti de Mello, cuja par-
te foi peohorada por execugo de Manoel Jos
Hartins contra Alvaro Fragoso de Albuquerque, e
foi avallada em5O0*. Eacrivo Attayde.
Quem preciaarde um moleque para o ser-
vico de caaa e de rna, queira procurar na ra da
Soledade, casa terrea n. 46, que achara com quem
tratar.
Sorvete.
Sorvete ao meio dia e a noite,
Sorvete ao meio dia e a noite,
Sorvete ao meio dia e a noite,
Sorvete ao meio dia e a noite,
Na ra Eslreita do Rosario n.
Na ra Estreita do Roaario n.
Na rna Estreita do Roaario n.
Na rna Estreita do Rosario o.
De Sodr A C.
De Sodr & C.
De Sodr & C.
De Sodr & C.
11.
11.
11.
11.
Macas.
i
i
Braz Antonio da Cunha Albuquerque
seus Qlhos e genro repaaaados da mais in-
tensa dr, dirigem um voto de profundo
agradecimento a todas as pessoaa que lhea
flzeram o obsequio de asaistir aos ltimos
momentos de sua aempre chorada esposa,
malte sogra Hara Fausta de Souza Pern,
assim como de acompanha-la ao cemite-
rio publico, e aproveitam a occasiao para
convida-los a aasislir a missa do stimo
dia que ter lugar na igreja de N. S. do
Carmo as 5 horas da manha no dia sab
bado 16 do corrente.
itlencao
Do gallo,
Do ge lio,
Do gfllo,
Do gello,
Nova
Nova
Nova
Nova
remessa
remessa
remessa
remessa
de
de
de
de
macas,
magias,
macas,
macas,
Barato
Barato
Barato
Barato
dinheiro
dinheiro
dinheiro
dinheiro
a vista,
a vista,
a viata,
a vista.
O eogenheiro Antonio Fenci ano Rodrigues
Selle, havendo se devolsdo ardenlemeote espe-
cialidade, que cooatitue o verdadeiro agrimensor,
tem feito serios e profundos estudos desse ramo
das malhemathicas, aproveitaodo as liges dos
tratados de geodesis, lopographia e agrimensura
por Mr. Pinssant, do curso cmplelo de lopogra-
phia e geodesia por Mr. Benoile, do manual do
eogenheiro do cadaslro por Mr. Pommis, do tra-
tado de agrimensura por Mr. Lacrois, do novo
tratado de agrimensura por Mr. Lefevre, das
obras de Casaini, La Caille, Bourguer e oulros,
que flzeram as grandes operacoes geodsicas re-
lativas medicao e figura do globo terrestre, e
dos interetsanies e bellos trabalbos de Mrs De-
lambre eMecham, que se haviam empeohado em
medir o arco do merediaoo comprehendido entre
Uemkuerque e as ilbas Baleares, trabalhos de-
pois continuados por Mrs. Biot, Arsgo e oulros
astrnomos bespaoboea at Barcellona para to-
mar natureza urna base fixa e inssciavel, am
de formular o systema mtrico decimal ; tam-
ben se tem prvido de excellenlea instrumentos
malhemalicos.
E assim habilitado que se propoe ao desem-
perno dos importantes e delicados trabalhos de
medijo e demarcarlo de proprledadea terrilo-
fiaes, levantando as plantas respectivas, e lavran-
do pessoaImente os processos verbaes de seus
trabalhos.
Diz o Ilustrado Mr. Bosc que o primeiro
deverde um honesto e intelligente pai de fa-
milia, logo que entra na posse de um dominio
a lerritocial fazer immediatamenle verificar e
recooherer os seus limites, convidando todos
a os proprietaiios contiguos, ou de os fazer
a estabelecer se nlo extsiem. Quaolos processos
a se evitaran! por esse meio I
Sobretudo em trras, cujos limites sao suscep-
tiveis de variar incesssntemente. A' viga do ex-
posto nao preciso encarecer a satisfagao dessa ne-
cessidade especial dos nossos proprietarios de en-
genho ; releva, porm, acresceutar que convm
evitar com caulella situacoes difficeis suscitadas
pela impericia, ou improbtdade: misso lo se-
ria, delicada e eapinhosa reclama sagacidade e
calma para fazer urna acertada escolha do profe-
sin il. Leviaudade em aasumplode tanta ardui-
dade eminentemente prejudicial, produzindo
Bonitas vezas as triste* couaequenciaa, que lo
judiciosameote lastima Mr. Delpont, quaodo diz
a Os tribunaes deplorara frecuentemente seren
forcadoa A saoccioaar opioies de peritos, em
os quaes nao raro se divisar provas evidentes
u de ignorancia e incapacidad?. Comtudo nao
a tanto sua iolelligencia que se tuca, como a
a falla eral de instruego sobre a qual se asseo-
u la a base de seu estado. Sera para desejar,
dia elle anda, que se estabelecesse em cada
deparlameoto um profeasor para agrimensura e
oulro para fazer conhecer as difiranles natu-
rezaa de trras, duaa qualidades productivas, e
como se deve estabelecer o rendimenlo liquido
daa diversas propriedades. x>
Cooliouo a aalisfazer o desempeoho de todos os
trabalhos de plano de edificios particulares, ou
pblicos, lerantamsnto de plantas parcelarias,
nirellamenlos e orcamentos de toda qualquer
cooairucco civil, com o talento e pericia, que
rae conceden meus aturados estudos elooga pra-
tica, attsta capital, do exercicio de minha proQi-
ao.
Nalro fsgaeiris persogas de protecgaa e aco-
lhiaanto inspira las pelas solicita cs do patrio-
Jos Vaz de Oliveira, natural da fregnezia de
Santa Mara Magdalena de Gouvinhas em Portu-
gal, asistente na ra do Hospicio n. 42 no Rio
de Janeiro, declara que tendo neata provincia de
Pernambuco, um seu tio de nome Josquim Fer-
reir da Cruz, e nao tendo sua familia recebido
noticias suas ha muito lempo, suppoodo que te-
nba fallecido, neste intuito rnga o especial obse-
quio, a alguma pessoa que o conheca, ou tiver
coobecido, de dar algumas informaedes a respel-
lo nesta cidade de Pernambuco em casa do Sr.
Azevedo & Mentes, ra da Cruz n. 1.
Rio de Janeiro 24 de outubro de 1861.
Jos Vaz d'Oliveira.
Thomaz de Faria saca sobre Pa-
rs e Rio de Janeiro.
Deseja-se saber noticias do Sr. Domingos
Ferreira dos Santos Porto, natural de Portugal,
no escriptorio de Azevedo & Alendes, ra da Cruz
numero 1.
O Dr. Joo Honorio Bezerra de Menezes
mudou a sua residencia para a ra do Palacio do
Bispo, casa contigua ao porto do silio do Dr.
Antonio Luiz Cavalcaoli.
No da 8 do corrente perdeu-se da ra Nova
al a ra da Cadeia do Recife um brilhante :
quem o schar e quizer restituir a seu dono pode
dingir-se a ra do Vigario o. 31, que se dar a
recompensa.
Aluga-se o sulirao oe um inon t ran-
zem ratificado e pintado, na ra da Moeda n. 33:
a tratar oa roa da Imperatriz n. 53, segundo an-
dar.
Os adrziniatradores da massa fallida de Car-
neiro & Ramos, tendo de proceder conforme de-
termina o art. 859 do cdigo do commercio, con-
vioam a todos os Srs. credores a apreseolsrem
seus Mulos de crdito no estabelecimento de
Domingos Jos da Cunha Lopes, na ra da Seo-
zala Nova n. 30, isto no prazo de 8 das.
Jos Augusto da Costa Googalves subdito
portugnez segu para o Rio de Janeiro.
Offerece-se urna ama para cosinha em
qualquer urna casa,a qual sabe cosinhsr perfeita-
mente; na ra do Vigario. o. 26.
Oa abaixo assignados lenham a bondade de
apparecer na ra Nova n. 21, loja do Germano.
Jos Antonio Ferreira da Silva.
Francisco Xavier Venancio Pimenta.
Pedro de Assis Campos.
Euzebio Bezerra Cavalcanti.
Manoel Rezeodo do Reg Barros.
Manoel Alves Guerra aaca sobra o Rio de
Janeiro.
Aluga-se o terceiro andar da casa
n. 37, sita na ra do Amorim : a tratar
na ra da Cadeia n. 62.
OTerece-se um Rv. sacerdote para capelo
de alguma irmandide, igreja, ou sitio, perto
desta praca, tanto para oa domingos, como para
algum dia de trabslho ; e aendo lora da cidade,
dando-ae-lhe condueco: na livraria n. 6 e 8 da
Praga da Independencia.
Aluga-se o armazem do sobrado
n. 58 da ra do Amorim: a tratar na
ra da Cadeia n. 62, segundo andar.
Aluga-se urna casa em Beberibe : a tratar
com J. I. M. do Reg, na ra do Trapiche n. 34.
Jos Muoiz Tbixeira Guimares, agente
de leilo prximamente nomeado pelo
meretissimo tribunal do commercio eea-
tabelecido com escriptorio e armazem na
ra do Imperador (oulr'ora ra da Ca-
deia} n. 37, offerece seus servicos ao res-
peitavel corpo commercial, a seus amigos
e a todos em geral que quizerem non-
ra-lo com sua confianga, assegursndo-
jhes cumprir bem a fielmente aa funegoea
inherentes so seu emprego, para o que
oio poupar eaforgos a bem dos interesses
de seus commitentes.
Arrei (lamento
Traspassa se o arrendamento do sobrado e ar-
mazens da ra do Trapiche n. 40, excedente para
qualquer eslabelecimenio commercial de fazen
das : trali-se na mesms casa.
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso,Santos & C.sacam e tomam
saquea sobre a praca de Lisboa.
Frederico Chaves aluga seu sobrado sito no
Pogo da Panella, com muito bous commodos pa-
ra grande familia, perto do banho, jardim, terra-
go ao lado, coebeira, casa para criado, estribara :
a tratar na ra da Imperatriz n. 19
E. Leconte vai fazer urna viagem a Franca,
levando em aua campanhia urna ana fiiha menor
de nome Eugenio : roga portanto aos seus deve-
dores que teoham a bondade salisfazer seus d-
bitos nestes oito dias.
Precisa-se
arrendar um silio perto da praca com boa casa
de vivenda, estribara, baixa de capim e batan-
les psde arvorea fructferas : quem tiver psra
arrendar dirija-se a ra do Passeio Publico loja
de Firmiano Jnior, que se dir quem precita.
0 abaixo asaigoado participa ao Sr. Mxi-
mo Harioho da Rocha Wanderley, senhor do en-
genho Linda-flor da provincia das Alagoss, que
Ihe foi entregue pelos capiles de campo o preto
Francisco, que aodava fgido, pelo que quanlo
antean mande buscar, visto nao lhe ter dado
resposla a qualro cartas que a tal respeito lhe
tem escripto, certode que o abaixo assignado se
oo responsabilisa pela morte ou fuga do mesmo
preto.
Guilherme Jorge da Molla.
Precisa-se de um caxeiro queleoba pratica
de taberna e que seja fiel e d fiador sua con-
ducta, a tratar na praga da Independencia n.
2, 3 e 25.
Milita atlencao
Precisa-se de um menino Porluguez ou Brasi-
leiro que tenha alguma pratica de negocio, para
orna caaa fora desta cidade: a tratar na ra da
Cruz o. 34, taberna de Jos Guimares de Aze-
vedo.
Sitio na CapuDga.
Aluga-ae um sitio na Capuoga-velha, doSr.
Barlboiameo Francieco de Souza, perto do rio,
com coebeira, quaitoa pars pretos, etc.: quem o
preleuder dirija-se rna larga do Rozario n.
34, botica.
Quem quizer arrendar ou comprar o engenbo
Ilapirema do Meio na comarca deGoianna ou ar-
rendar o engenbo Souza na freguezia da Taquara
na provincia da Parahyba, ou mesmo comprar
mals de metade deate eogenbo, perteneente aos
herdeiros do finado coronel Estevo Cavalcanti
d'Albuquerque, dirija-se a ra ealreita do Roaario
n. 10 3* andar ou ao engenho Tab na freguezia
da Taquara.
Pracita-se de um menino de 12 a 14 annos,
que saiba lar t aa roa da Concordis a. 38.
Padaria.
Aluga-se a padaria da travesss do Pires, a qual
est nrompta de tado, com moilo bons commo-
dos, eest anda trabalbando, sendo seusluguel
muito commodo : a tratar na ra da Senzala no-
va n. 30.
Acham-se justas e contratadas por venda as
cssss n. 40 da roa das Aguas-Verdes, e o. 6 do
becco da Bomba, pertencentes a Domingos Jos
Capislrano Nogueira : se alguem se julgar com
direiloa obatar eata transaego, queira, no prazo
de 3 dias publica-la cor esle jornal, ou dirigir-se
a ra da Cadeia do Recite o. 33.
Eu abatxo assignado venbo por este meio
cumprir um dos maia sagrados deveres, agrade-
cendo ao lllm. Sr. Francisco Moreira Pinto Bar-
bosa os lmmenaOs favorea que do mesmo senhor
recebi pelo espago de 5 annos e 9 mezes, ficando
o mesmo senhor certo de que a ingralido jmaia
lera entrada em rueu corago; receba, pois, o
Illm. Sr. Bubosa este meu publico testemunho
como penhor de minba gratido. Recife 9 de
oovembro de 1861.Joo Luiz Googalves.
Ao publico.
Tendo-me sido apresentado pelo Sr. Jos Vic-
torino de Paiva urna letra no valor de 5:0009000,
sacada em 31 de agosto de 1853 pelo Sr. Antonio
Annes Jscome Pires contra meu tinado pai o co-
ronel Estevo Cavalcanti de Albuquerque, e des-
contada em 23 de maio de 1854 pela casa com-
mercialRostron Rooker & C, exilei ao pnnei-
pipio em paga-la por ter lembranga [anda que
vaga) deque j bavia sido salisfeila a sua impor-
tancia, e como quer que posteriormente fosse
instado para effectuar o respectivo pagamento, e
oo tiveate encontrado entre os papis de meu fi-
nado pai documenlo algum que viesse em apoio
de minha supposigo, e nao podesse na occasio
fazer o pagamento em dinheiro, passei em data
de 22 de abril do corrente anno quatro letras, no
valor cada urna de 1:3758000, a vencerem-ae no
prazo de 12, 14, 20 e 24 mezes : ltimamente,
porm, veio ao meu coohecimenlo exislirem em
poder do Sr. Antonio Annes Jacome Pires, os do-
cumentos comprobatorios do pagamento de dita
letra ; os quaes achaodo-se de prsenle em meu
poder tomam de nenhum effeiln as letrss que eu
havia passado, como garanta da letra originaria.
Nestas circumstaocias, previno ao respeilevel
publico, e especialmente s pessoaa do commer-
cio, que nao aceiten nem fagam Iranaacgo com
as qualro letras j referidas. Devo declarar mais
que tenho em meu poder o recibo passado ao p
do protesto da letra de meu finado pai, no qual
o Sr. Jos Victorino de Paiva declara baver rece-
bido a importancia dessa letra as quatro que lhe
passei. Kecife 8 de novembro de 1861
Joo de SCavalcaol de Albuquerque.
O Se. Jos Joaqum da Silva Araajo Jnior
tem ama carta acottpanhada d om baba defo-
Iha, vindo do Rio de Janeiro; no largo do Corpo
Santo a. 4, armazem de Joio Francisco de Car-
vali.
Da caaa do abaixo assignado deaappreoea
no dia 8 do corrente, noite, o preto Theodoro,
escravo do Illm. Sr. lente coronel Franciaco
Santiago Ramos, o qaal tem os seguintes ligases:
representa 30 annoada idade, crioulo, alto, secco,
pouca barba, e cozioheiro : quem o pegar le-
vedo a ra daa Triucheiraa o. 48, ou ao engenho
Tibiri em Barrairos, que ser recompensado.
Joaqum Elvirio Alvea da Silva.
Precisa-se de um caixeiro de 14 a 16 an-
nos psra taberna : na ra daa Cruzes n. 22.
Aluga-se o 2 andar e loja n. 10, da ra ei-
irelta do Rozario: a tratar junto a meima loja.
Precisa-se fallar ao Sr. Julio da'Silveira
Lobo: no escriptorio de Joa Joaqum Das Fer-
nando & Filbo, fravessa da Madre de Deas
n. 12-
Armazem.
Aiuga-se o armazem do labrado da roa das
Larangeiru u. 18, proprio para qualquer esta-
belecimento : a tratar na mesma n. 16.
Precisa aa da um bomsm idoso que queira
se applicar ao lervico moderado de um mu pe-
queo litio : a tratar na ra da Imperatriz, loja
o. 44.
Oa abaixo assignados portadores de duss lel-
tras saccadaa peio Sr. Joa 'Victorino da Paiva
em 22 de abril do correle anuo a 12 a 14 me-
tes de praao, da importancia cada urna dn 1:375)]
rs. e aceitas pelo Sr. Joio de S CavalcanU de
Albuquerque, vendo no Diario de aabbado, 9
do correla, o anouncio do mesmo Sr. a respei-
to dessss tres lellraa ficaram sorpresos, por que
dias depois de termos feito o descont daa duaa
referidas letlraa esleve o Sr. Semnosso armazem,
onde lhe communicamoa de eatarem ditas Ultras
em noaso poder, e que contramos nao baver
falla no dia do vencimento, a o Sr. SI nenhuma
obaervagio eolio fez : nao duvidamos de lerem-
se dado os tactos conforme os narra o Sr. S,
mas nada temos com esse equivoco tanto do Sr.
S como da cata dos Srs. Rostrom Rooker &
C, a ama vea que contra o dspotto do artigo
398 do cdigo do commerco pagou a lettra sem
lhe apresentarem, est na obrigago de pagar nos
vencimenlos, as leltraa que acceilou como ex-
presso nos artigos 396 e 400 do citado cdigo.
Certos da probidade do Sr. S, estamos per-
suadidos de que cooscio de sua digoidade paga-
r em aeus vencimeoloa as leltras que firmou, as
quaes desde js protestamos haver de todos os
signatarios pelos meios legaes. Recife 11 de no-
vembro de 1861.Ferreira & Araujo.
A quem fltar um cavailo que no dia 9 do
corrente vagava pelas ras da cidade, e a noite
foi recolhido, procure no caes do Ramos n. 10.
O Illm. Sr. Germano Franciaco de Oliveira
rogado a levar em scena, oa noite do sempre
memoravel dia 1. de dezembro, dia da mais ele-
vada gloria para a nago portuguesa, o drama in-
ioliluladoo Pagem Ramiro com o que V. S.
provar maia urna vez sua adbeso aquella nago.
, O Anti Ibrico.
Aluga-se um sitio oa travesss da Capunga
para a Baixa-Verde, defronte do portiodo Aran-
tes: trata-ae na ra da Cadeia do Recife n. 25,
segundo andar. "
O abaixo assignado lendo com admirago e
espanto o aonuncio de Manoel Tarares de Aqui-
no, inserlo nos Ditriot it Pernambuco de 6, 7 e
8 do corrente, compre, nio em attengio ao autor
do mesmo anouncio, e sim ao reapeitavel publi-
co, responder que nio tem, nem ba razio pela
qual nio possa alienar, e dispor de seus beos, vis-
to coreo nada deve ao autor do annuncio ; e
quando venha a dever-lhe urna quaniia muuis-
simo interior aos bens que possue livres e desem-
baracados. O abaixo asaigoado sempre teve, e
continua a ter reputago e crdito : foi estabele-
cido oa cidade do Recife, e hoje nade Olinda.oo-
de possue predios superiores a doze cootos de rs.,
e assim o autor do annuncio leve por lim irrogar
ao abaixo assignado urna injuria, contra a qual
deade j protesta, e ae necessario for provar ao
reapeitavel publico. O abaixo assigosdo poder,
como j disse, ser devedor ao autor do anouncio\
porm da quanlia de um cont e quiohentoa, pou-
co mnou menos, proveniente de um pleito que
exiate entre o abaixo assignado e o autor do an-
onado, sendo que esse dUUo uva origen) po-
causa de um escravo que o abaixo assignado com-
prouj loeole, eo autor do annuncio empenhou-
se pera compra -lo no mesmo estado de doeotes
sujeitanio-se a qualquer futuro, ecomo quer que
o escravo morrease, enlendeu o autor do annun-
cio demandar ao abaixo assignado para restituir,
lhe a qaaoiia respectiva, que foi de nuvecenlor
mil ris. 0 abaixo aaaigoado que supuoha e es-
lava coavencido de nio ser obrigado a restituir
a dita quanlia, repugnou da-la, e isto deu lugar
ao pleito de que se failou cima. O abaixo assig-
nado leve sentenga a favor na primeira instancia,
o autor do annuncio appellou para o superior tri-
bunal da relagio, e como este reformasse a sen-
tenga, nio obstante ser embargada ni chancella-
ra, fot sufilcieote para o autor do annuncio in-
juriar ao abaixo assigosdo, cuja repulagio e cr-
dito talvezestejam muito alm da do autor do
anouncio. O abaixo assigosdo despreza sobera-
namente tal anouncio, e affirma ao seu autor que
oo faz o osa a em soa reputago, a qual por elle
conhecida, e ha D.uiOb annos ; lalvez que a sua
reputago eateja mais bem fuodada do que a do
proprio autor do annuncio. Olinda 8 de novem-
bro de 1861.Jos Jacintho Pacheco.
Aliga-se o primeiro andar da roa da Im-
peratriz n. 43, com muilos commodos, e tambera
a loja ; i tratar na ra do imperador o. 67, no
segundo andar.
Precisa-ae de 600J a premio, dando-se de
seguranga urna casa terrea livre e deambaraga-
Attenco.
Roga-se a todos os seBhores-noradores*ero vil-
las ou povoagdesquecoslumam fazer encommen-
das de palhioba pm ewpalhar cedeiraa.-^ue di-
rtjam suas eocommendaa para a ra do Impera-
dor a. 24, onde achara* pilha para todas as gra-
duarles de-cadefta, como seja o*. 12,23 e 34 :
asiim como i lodos os leahore negociantes qua
coatumam receber eocommendaa, de dirigi-laa
dita loja ; aaaim como tara bem seempalha qual-
quer pega de obra com perfeigo e prego com-
modo.
. O Sr. Joio Machado de Mattoa queira vir
tirar oa aeus peabores ha prazo de 15 dias, que
se scham empeohados na roa das Caleadaa n. 28,
do contraro serio vendidos para pagamento de
principal e juros ao abaixo aaaigoado.
Jos Frsnclsco de Mallos.
Desappareceu do dia 10 para 11 do corrente
do lugar do Rosarioho, sitio Lagda do Conselho,
urna vacca raposa, fallando-lbe a ponta do lado
direito, a sendo a outra serrada, e eataodo bas-
tante mojada : quem della aouber e trouxer, ou
der noticia no mesmo sitio, ser generosamente
recompensado.
Tn-spassa-se o arrendamento da casa o. 30,
aila na rus Nova, com urna armaco de louro, e
com grandes commodos : a tratar aa mesma.
Compram-a* paticea hespaabae aa cuaba
departas IH-elVya raa-tta*m U, laja.
Vendft*.
Ferro <& Maia.
Ra do Queimado n. 40,
loja de 4 portas.
Vendem-se chitas Irancexas malla ~
160 rs.
tinas, cavada a SO
Cura radical.
Dor muito forte de cabega.
Bu padecendo por espago de muito rempo de
urna dor moito forte de caneca, e recorreodo a
todos os meios da medicina, aeohum alivio pode
encontrar ; e langando mo ltimamente das cha-
pas medicinaea applicadas pelo Sr. Ricardo Kirk,
escriptorio na ra do Parto n. 119, no curio ea-
pago de 20 dias fiquei completamente bom ; pelo
que lhe rendo oa maiorea agradecimeotoa.
Joa Dara de Carvalho.
Francisca Msria das Chagas Fonseea convida
a Sra. Alexaodrioa e* sus mai Booifacia, que ve-
nham procurar os objeetos que deixaram psra
guardar em caaa da aonunclanle, saplisfazendo o
que deve.
Duvidamos, porqoe conhecemos o Sr. te
nenle-corooel Izidoro Camello Pessoa de Siquei-
ra Cavalcanti, que fosse ellee autor (oio obstan-
te trazer o aeu nome) de um aviso que nesses
dias tem corrido impresso neste Diario : oeces-
sitamos de sua asseveracio para pode-lo crer, e
co mentar o contedo oo respectivo aviso.
Aviso.
res flxas, covado a 240 ra.
Chitas inglezas, covado
Casias franeesaa malta
240 rs.
Brim branco de paro liaba, vara a 1.
Paooo verde, cor de caf, aial a ansa,
.aSjOOO.
! Chales de touquim a 15*000, 20, 25, J, 3,
40 e50|000.
Superiores meisi deslgodio cr cara hornean,
a duzia4|.
Visilaa bordadaa a matiz, urna, 8* a lOf.
Camisas para acabera, ama, t.
Cortes da caaemira da car, aaaattar taaoaae, a
32600.
Velludo de todaa as cores, cavada, 3| c 4f.
Su periores paletota da easeaairaa da carao a 14jL
Riqosstmss capinbas bordadaa para aeuhaia a
45 e 50.
Riqoissimos manteletes pretoa bardada a JJ .
40*000. *
Riquissimoi cortes datada pretaa 40. i aftf.
Ditos ditos de cambraia branca beredaa a MaV
25. 30, 35 e 40*. ^
Chales de merino estampados, superior Uzea-
da a 4*.
Cortes de velludo de coras para cllete a 4* a
5*000.
Golliohas da cambraia bordadaa, asa BM ra.
Suoeriores casemiras de cores, cavada a 2W00
e 3*000. ^^
Pentes virados de tartaruga a 6 a fifi
Lencas de liabo, duxia a 5 e 6*.
Camisas de lioho, duzia, a 35, 40 e 45*.
Casemiras pretas, superior fazoada, cavado a
1*600 e 12800.
Cortea de cambraia bordados 1*800.
Diloa de diu de salpico* a 3*.
Leqaes a 3*.
Chapeos a Garibaldi e travista a 10,13 a 15.
Ceroulaaeacoeezai, ama 1*280.
Tsrlstaoa de todaa as corea a 800 ra.
Eflsie mais um esplendido aartiaaeala da fa-
zendas que seria enfadonho menetona-las, a qoa
ae vendeos por moilo menos praca da qua eaa
outra qualquer parte.
Foge obediencia paterna o insensato Miguel,
mais coohecido por Custodio, o gido aprendiz de
calafate, branco, da 17 annos, em trsjos de vadio,
tem a mana de assentar praga e de embarcar, e
j estere de mogo n'om palhabote, trabalhava
q'um estaleiro da ribeira, d'oode tornou a fugir
agora : roga-se a o qu artel-general e a capitana
do porto, oo lhe consentir jurar bandeira, oo
matricular-se, porque, alem de ser gago me-
nor. As autoridades policiaes dignem-se mandar
conduzi-lo ao becco da Boia n. 6, no Forte do
Mallos.
Jos Duirte Riogel acha-ae inventariando
oa bens do seu casal parante o juizo municipal
da 1.* vara desta cidade ; as pessoss que se jul-
garem credores do seu casal apreseotem-se de-
vidamente habilitadas para serem altendidas.
Precisa-sede um menino de 1! a 13 annos
para caixeiro de taberna ; na ra do Carnario o.
13, se dir quem precisa.
T Precisa-se de urna ama forra ou escrava
para fazer o servica da casa de urna pesaos ; oa
ra das Larsngeiraa n. 26.
Offerece-se para todo servico de urna casa
eslrsngeira urna ama : na ra do Torres n. 8.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de taberna, daodo fiador a sus conducta : na ra
da Aurora o. 54.
Aluga-se a casa de tres andares n. 39, na
roa da Imperatriz ; a fallar na mesma rus, casa
numero 21.
Menino fgido.
Macas.
Veodem-se barriquiohaa com magiaacbegadas
ltimamente no gelo. pelo prego da 8* barr
quinha: aa raa de Apollo, defroate da theatro.
G pecbincha
Corlea de barege de seda com 30 corados l?s,
cortes de lia com 24 covadoa a 5|, ase de seda
com liadas flores a matiz, covado a 800 n., pe-
ci nhas de ntremelos com 3 1|2 varsa a 1*200,
fino fualio de collele a 1*200 : aa roa do Quei-
mado n. 44.
armazem de (azendas
DE
Santos Coelho
NA
Ra do Queimado o. f
da ; quem quizer dar esla quanlia annuncie para
ser proctrado.
Mik
Ama.
Precisa-se de urna ama que compre e cozinhe :
oa ra de Santa Rita n. 5, entrada pela roa nova
do mesmo nome.
No largo da Assembla o. 16, caaa de pas-
to, precisa-se alugar um escravo psra o servico
da mesma casa, onde se pode procurar.
Aluga-se pelo lempo da fesia urna casa
com basteles commodos para familia, concebi-
da e pintada de novo, cora um pequeo sitio com
bastantes arvoredoa de fruclo, e defronle do Sr,
Dr. Pereira do Carmo, e as chaves scha-se oo la-
do oppoalo em urna taberna
oo becco Largo a. 1 A.
a tratar do prego
No dia 7 do corrente ausentou-ae de casa um
menino semi-branco, porm hoje bastante tii-
gueiro por andar quasi sempre ao sol, de nome
Argemiro, idade 11 annoa, com marcas de bexi-
gas e belides em amboa oa olhos, porm peque-
as, levou vestido camisa de chita de urna cor
acizenlada, caiga de riicadioho miudo, e chnelos
rasos : quem o negar ou aouber dar noticias dal-
le, na ra do Filar, em Fura de Portas o. 102,
ser recompensado do seu trabalho, oo caso de o
exigir.
SOCIEDADE
DAS
ARTES XECHAMCAS E LIItEIUES
DE
PERNAMBUCO.
Tendo a directora deala sociedade designado o
dia 17 do corrente para os exames de pratica dos
oQcios de pedreiro e csrapioa, pelo presente sao
convidados os socios para comparecerem na sala
das sesses da mesma sociedade as 10 horas da
manhia do referido dia.
Secretaria da sociedade das Artes Mechanicas
e Liberaea de Pernambuco em 12 de norembro
de 1861.
Simio de Souza Monteiro,
1.* Secretario.
Precisa-se de urna ama livre ou escrava pa-
ra o servigo interno e externo de urna casa de
pequea familia : quem quizer dirija-se a ra
dasLaraogeiraan. 14, primeiro anir.
Precisa-se alugar urna escrava que saiba
cozinbar, comprar e lavar para urna pequea fa-
milia ; quem tiver e quizer alugar, dirja-se a
ra de Santa Isabel n. 11.
Aluga-se o terceiro andar da ra Nora o.
23 ; a tratar na loja.
embra-se
e lembrar-se ha at serones attendidos
ao Sr. Manoel Jeronymo de Albuquer-
que seu comparec ment a loja r>. 2 B,
da ra do Crespo.
Attenco.
No dia 4 do corrente fugio o prelo Francisco
(crioulo), seco do corpo, estatura regular e tem
um lobinhu na cabegt, levou caiga branca e ca-
misa, tem odelo de aapateiro, e enlende muilo
de jardim, que o pegar leve oo atierro daBa vis-
la, caaa o. 21, que ser recompensado.
A'uga se o andar terreo na ra da Impera-
triz o. 21, fallar na meama casa no 1 andar.
la largo,
largos a
O armazem do gelo na ra de Apollo
n. 31, e aberto de 8 horas d\ manha
ate as 4 horas da tarde e nos domingos
de 8 horas ate' meio dia.
Esleirs da Iodia da 4, 5 e 6 palmos
proprias para turrar salaa a camas.
Lencoes de bramante de linho moito
3000.
Cobertas de chita, gosto a chioeza, a 1J800.
Lences de panno de lioho a 2*000.
Tualhaa de linho sdamascadaa para mesas a if.
Cortes de chita francesa escora a 2*500.
Completo aortimeoto de capellss para aoivz.
Toalhaa de fusto a 500 rs. cada urna.
Um rico sortimenlo de chitas francas.* a< .
modernas.
Cortes de seda de cores pelo baratisaiao nreca
de 40*. w ^
Cortea de phantasia de aeda pelo prego da 83.
Algodao entestado, tendo 7 palmos, a 560 ra.
a vara.
Rtca colchas de fusto a 6*.
Aviso aos senhores de engenho que qua-
si sempre gastam a manteiga derret:-
da pelo grande calor.
Sodr i C, na ra ealreita do Rosario a. 11.
ae obrigam a despachar eocommendaa em ordtaa
que chegue a manteiga em estado de ae corlar
com faca, como na Europa, e para que se Io:lb
muito mais delicila.
Musa.
Vende-ae urna banca redoada da jacarela
com lampo de marmore, ama cama de palba de
amarello e ama serpentina de brooza.com 5 lin-
ternas, e mais alguna objeetos, estaedo lado em
bom estado : quem pretender, dirija-sea raa Di-
reila o. 60, segundo andar, qua acbari com quem
tratar.
Vende-se urna canoa abarla, anda aova, a
qual pega 2i0 feixea de capim, propria paraco;-
duego do mesmo; a tratar na ra da Roda n.
20, das 6 s 8 da manha, oa dai 4 s 6 da larde.
Urna barcaca.
Vende-se urna barcaca que carrega 15 a 10 ca-
xas, e faz-ae com ella to to o negocia : qaem ejai-
zer dirija-ae a ra nova de Santa Rita, serrana
de Vsenle Alves Hachado.
Vende-ae o grande sitio denominado Cata-
na, silo na freguezia da Vanea, de muito boas
Ierras, que ludo quanlo ae planta d ama graada
quaolidsde, com urna caaa de laipa )A caberla,
urna dita de fazer firinha, grande quaundade da
ps de cafezeiros, com diversos pea da freeteiras,
como aeja larsngeiraa, coque'ros, ele., etc.; e
tambem vendero-se duaa vaccas que dio baslao-
te leile, urna dellai com a cra j groad*, e asa
burro mamo : i tratar ai ra do Sebo a. 20.
Preciaa-se de urna ama para o servigo interno
e externo de urna casa de pouca familia ; tratar
aa ra do Cabug o. 3, segundo andar.
Sociedade
\jnii\oBeueWcei\le dos Co-
cheiros em Pernambuco.
Aviso aos socios eflectivos para comparecerem
nosabbado 16 do corrente, as 7 horaa da noite
em ponto no lngardo costme, para fina son ve-
nientes, e ha de trabalbar com o numero que
comparecer.
Secretaria da sociedade Uniao Beneflcente doa
Cocheiros em Pernambuco 11 do novembro de
1861.
Antonio Ferreira Lima,
1.* secretario interino.
Gennaro Marsicano, Merella Giacomo, Jlo
Baptista Algere, aubditos italianos, retirara-ae
para fora da provincia.
Quem precisar de um bom cozioheiro, diri-
ja-ae a ra doa Prazeres n. 34.
Preciaa-se de una ama para urna casa de
pouca familia : na roa de Hortai n. 9, segando
andar.
(Irmandade de Santa Cecilia erecta
na igreja de N. S. do Livramenlo.
0 abaixo assignado de .'ordem da mesa
coovida a todos os irmos professores pa-
ra no da 15 do corrente pelas 10 horas da
manha comparecerem oo coosistorio de
g uossas reuoides para reunidos em mesa
II geral proceler-ae a eleigo da nova mesa
S* que tem de reger a mesma irmandade oo
anno de 1861 a 1862.
O eacrivo,
Jos Frsocisco de Araujo Lima.
*BMmM9M fin mvKmtmma
Attenco.
Angelo Francisco da Costa, professor
de primeiras tettras, offerece-se para
leccionar em casas particulares; assim
tambem esta* prompto pira afinar pia-1
nos tanto nesta cidade como nos seus a r-
rabaldes tudo por preco commodo : po-
de ser procurado na ra de Santa Rita
n 9.
Aluga-ae um preto de mola idade, com tan-
to que peaaa com om balde d'agoa : quem qui-
zar alugar, dirija-se a roa da Praia, armfero n.
34, junto ribeira do peiie.
O dentista Nu.ma Pompilio.
Ra estreita do Rosario n. 32, pri-
meiro andar,
planta dentea pela presso do ar, por molas e li-
gaduras, e faz todas aa operacoes de sua arte.
Ama de leite.
Aluga-ae urna ama de leite muito novo, capti-
va ; a tratar aa ra Imperial n, 5, segunda caaa
terrea depois do sobrado di fabrica do vinagra ;
tambem ae vende se coovier, lava, cozinha e en-
gomla, a nao tem vicios nem aehaqoes.
Cal
Loiupras.
Compram-se moedasde ouro deSOf braii-
leirai, e pegas de 16* portuguezaa : no eictipto-
rio de Manoel Ignacio de Oliveira & Ftlho, largo
do Corpo-Santo.
Compra-se urna eacrsva que saiba coohu
e engommar : os rus da Sebo o. 35.
virgem
de Lisboa em pedra.
Veo de-se a. mais nova J aoperior que ba aa
mercado, por piego barattssimo, natcaaenie Dr
largo do Corpo Santo o. 19. trapicha da compa-
nhia.
Vende-se urna preta crioola de mtia idade.
que lira e cozinha perfeilamente, e encornis
aoffrivel; a tratar na roa do Raogel a. #9, eri-
mairo aodar.
Vende-se om cavailo moilo posante para
todo servigo que le queira applicar : aa loja da
azendaa do Passeio o. 7.
Vende-se urna caaa terrea de pedra e cal
com commodos psra urna familia, com cacimba,
quintal murado, na ra de S. Miguel a. 28, da
povoago dos Afogadoi; a tratar aa raa Impe-
rial o. 144.
Attenco
9
Vende-se ama grande casa terrea de
esquina com 6 quartos, grande solio e
trapeira, sita em Fora de Fortes na ra
dos Guararapes: a tratar na ra do Im-
perador n. 44, primeiro andar.
Veode-ae amaitio no logar do'Barre, casa
bastantes arvoredoa, com larsngeiraa, coqae'ros,
mangueiras. jaqueiras, e oulros; a tratar cosa
Josquim de Almeldi Queiroz, na masmo lagar.
Attenco.
Vendem-se moito barato oa trastes seguales
1 commoda de aogico, 1 meia diu da jacareada.
1 par de bancas da mesma aoadeira, a 1 cadeira
de balioco; dase ludo por lodo o praca por aer
usado : a tratar na rna do Nogueira i. 90.


habi DWrtfiiANfce: x QtiaT^rHlrt, is nmfMflfe o i***
I
S.
e muito frescaes a 1 a libra iarfdir* ae
mtis superior que ha no marcado a 640 ra. a libia e ero
largo da Pe aba
Francisco Fernandes Duarte, proprietario dsto]
armazem de molhados, partecipa aos seua freguezes, assim como sos senbores da pracs, de tana-
uno e lavradores que d'ora em vante quizerem-se afregaezar neete estebeleeimento, que seaaba
com ura complete sortimento de gneros os mal uoos que ha o mercado por aereo! a nitor
parte delles nados do que em outfa troalquer parte, afianzando a boa qualidade e acondiciouamento, assim come aat>
Tir os portadores menos praticos to bem, como se os seohores vieaaem peseoalmente, para o que
nao te poupar o proprietario em prestar toda ltenlo, aflm de conlroaerem a mandar comprar
suas eacomraaodaa,serlos de que, toda e quatquer encommenda comprada neate estabeleaimento
acompaohari urna contaimpressacom o mesmo titulo da armazem Progresso.
Quecos Undrinos de aperlor quaUdlde
se (ar4 abatimeto
^lanteiga CraneexR a
barril a 600 rs.
Cal* ^T*tfr-hy tlMam prfttO '0f malnore, que ha no mercado a 2*W0, 2*600
e 1*500, attaoga-se a boa qoaltdldi.
Qu5lj08 dO s?O a9 hegados ueste ultimo vapor a 31200, e oa do rapor paaaado a
2*400.
r lgOS Ae CJIUUYOTC osmaisnovoa que ha no mercado em aelrrnhaa pequeas
a 80 rs,, ditas de 8 libras por 2*590, e em libra a 320 rs.
Preludio <**> Umbre iQgl a700tl. aliDr,.
P remata de Va mego a 480 M.-nbr. uuu*. uo r..
5V Illa. mii oora qU9 na 0 mercado a 160 rs. a libra, e em arroba a 41509.
I s\*er msete a 760 r, Ubra< am caUt a 10 rs
L.atas cota boYaxiaha deodad9 deferenteqaaU(Ui, a 1|Mo
L.atat* com peixe em posUdenaitasqualid.def, 1#400.
A.ie\tOHaS llUlUo llOVaS 4S000 rs. o ..mi. a re..lho a 320 ra. a garrafa.
Doee-de Vloerehe em ullM de*2 llbr por 1|m
\j ITlO-taS pars podim a 800 rs. alibra.
llanta de porco refinada,8o.. 11.,., ....!. 440 r..
Sl.i?a de trtate amaisnovado mercado a900rs.,a em lattaa daSlibra por 1*700
Va\OS de lOmilO a prQ,eira T6z que vieram a este mercado a 640rs. a libra.
C hoa rieas e paios muit0 ooroa a 560 rs.. ,ibra-
Palitos de dente Uxados
Gnoco\ate f ranee*. imo
Marmelada imperial d0
a l0O0 rs. a libra.
V inilOS em pipa de 50o, 550 e 640ra. a garrafa, em caadas a 3*5004$000 4*500
a^rVeja derru acreditadas marca
ISjSlT^ltlUaa P4ras()pa amas a0Ta qu9 ha no mercado a 640 rs. a libra.
10.UO 0 Feiloria e duque do Porto a 1*200*.
Caroavellos, Nuscatel e Borieaux a 1J a garraCa, e em caixa de urna duzia se far abatimento
Carros
Em casa tfe" K meber
A C. suocessores ra da Cruz
numero14.
Veodem-se carros americanos mal elegantes
a lares par daas e 4 pessoaa a recebem-ae en-
commendaspara cujo fim (les posaueau map-
paa com varios desenbos, tambem vndese car-
rogaapara conduego de esaucaretc.
Loja das
I
s
com 20 macinhoa por'200 ra.
rs. a libra, ditto portuguez a 800 ra.
a de outros muttos fabricantes de Lisboa
, em caadas a 3*50
a 59 a duzia, ~e em garrafa a500 rs.
A.lp s.S%A 0 ,,,.,3 n0(ro e [mpo qu9 bj 0 mercado a
Efvichas trncelas
ditas intuirs a 640 rs.
W o raelbor petisco qua pode harerpor estar prompto a toda ahora a 19 a libra.
Mila de a *milt>;\
^ai^e ,ouii0 novasa
Gastanhas
Cate
160 rs. a libra e em arroba a 5}.
as melhores que se podem desejar em meias latas a 500 ra.,
poda harerpor estar prompto a to<
a 800 rs. a libra, dita com casca a 480 rs.
piladas a 240 rs. a libra:
muito superiora 240rs
Faro* amereaao
SavainHa
a libra, e a 7} a arroba:
o M ir inhao 33 am arroba, e em libra a 100 rs.
iba ti
mema.
I
1$ libra, se lor em por;io a far a
Ja Fr*.nga a 240 rs. a libra.
^ ** muito ooro a 320 rs. a libra.
i. vi aciano d9 Liib0I a 360 ru t libra# a 10#1> arroba
Farinna do Mlaran\iao amiii
Toaeinh> ingle*. 00ri alibra
Passas em caisAnhas
w\j KWIQ9 *&0\J
o respeitavel publico tado quinto pro-
6por-
tas em frente b K-
vramento.
Boupa feita muito barata.
Paletots da panno fino sobrecasacos,
g| ditos da easemira de cor de fustao, ditos
de brim decores e braocos, ditos de
^ fanga, caigas de easemira pretas e de
9 cores, de brim branco e de coras, degan-
8ga; camiart x4m*m*> 6 Uefco muito
Anas, diWsrtfa^atfitfSl,- cBspefls d sol
de alpaca a *J cada vm. _
Libras sterlioas.
Vende-ae oo escriptorio de llanoel Ignacio de
Wireira* FHho, largo do CorpoSfito.
Fo de arroz
em bonito vaso de crytal dourado.
Aloja d'agaia branca acaba de receber raui bo-
ditos tases 4a cryatal douradoa com fiaos echei-
roaos pos de arroto a compeles te beaeca, eeaU
feadandocada Ta$oa3,dinheiro ?ila ; na roa
do Queimado, loj d'guia branca n. 16.
'~M4HfMMa)43l& CMtHaaWMirM&lal
Na ra da Cruz n. t O, casa de
Ralmami IrmSo tC., tero ex-
posto un completo sortimento
| de afeoitra de objeetos d bbr-
*racha, prbprio para machinas de
* engenhos, sendo correa para
transmittir mov ment, canudo!
de borracha do qualquer com-
primento e groisura, panno* de
|. borracha, rodtas de dita, so-
Bobre ditos artigos tomim-ie en-
commendas.
f
i
\ttenca
Videm-e caixoes vastos proprios
para bahoieiros,{unileirosete. a lj|r4S0:
quein pretender dirija-se a esta tipo
grapbia, que ah 10 drra' quetn ostonr
para vbrtder. .
g
i
inora a lfiO rs. a libra.
de8 libras a 3500 cada urna,
n lenemente dos ^eneros mencionados encontrar
curar tendente a molhados.
Fazendas baratissimas
N. 20--Ra da Imperatriz---N. 20
SnV".YniU"lSA^ie.If~b?r.!^!?^^ rellh en4o a .
^Lt^g^P"V>'COm''!'^m:w'uhnTain Proprias para cortinados, babad
mo que e.ros a 1f600 s peca cambraia grossa com 8 Tarascada peca ptima faiends paraSoeraa
mosqtiPteiros. sa.as e forro de vestidos a 1<500, musselinas largas das seguintea cores verde ,7tS'
nd. cada .mearte 34 corados a 10 o corte, velludo de ed. das seguintes cores cinzeTo!
le crianzas polo baiz
verdo azul o preto, excellenle faieoda para vestidos de seohora e roupinha d
troT;a.V^ cova,,".?0rle r n nv,i SLu ^' 8oll'nh "ordadas muito finas a 1, chitas com algo.T toque de mo'o a 160
rs. o, .ovad., pellos para camisas braocos e de cores a 160 rs lencos dM.n.Z.
a^Ta. 8h I00 6 l20 r?" Cbert0:!n de U e"uros 1 WelSS?. preta 5o corle
cores a 4, ch.las pretas francesas a 40 rs.. cassas da cores e pret-s a 210 o 400 n
mantpcom 2 varas de largura muito boa Tazenda
era su
fazen
para
dita de
covado, bra-
mm. /k ".' I'8"" man, boa fazenda para leocoes t08lh de mesa a 1*280 rs vara
S"?arao os Srs- "moradores no predito estabeleciraento, um completo rtimento rl
M.sdele,comose).mmadapolao. algodao, chitas e nutras mu/tas f.ends.. ludo baratssimo
Exposicao
DE
Candieiros a gaz,
Chegouaaprec.aveJ agua bal-
smica para a bocea e
de otes
A loja d'aguia branca acaba de receber urna no-
va reraessa da mui proveitosa e procurada asna
balsmica para a bocea e deotes. O bom resul-
tado de tal agua J nao soffre davidacomo aa-
oido pelas mraeosat pessoasque
e que sentiam
O proqrletario da nova ezpoiicao dos candiei-
ros a gaz avisa ao publico em geral, que se acha
sempre sonido com grande e variavel sortimento
de candieiros desde o mais barato at o mais caro,
asaina como um grande deposito de gaz idrogeoio
verdaderamente econmico, reconhecido verda-
deramente por todos os consumidores : na ra
Nova ns. 20 e 21, Caroeiro Viaooa.
Nesta mesma exposicao se encontrar um va-
riavel sortimento de riquissimos quadros de todas
as qualidades que por gosto se pode apreciar os
aeus desnhos, um riquissimo sortimento de
quinquilnarias, conteodo entre ellas riquissimos
lavatorios para quartos (gosto chinez), um Taria-
vel sortimento de balalos com todos os preparos
para viagem, cooteado pratos, facas, copos e ou-
tros frascos para condicionar, ferros de engom-
mar a vapor, machinas de bater ovos a vapor,
machioas de fazer caf a vapor, espingardas de
dous canos tronzadas e de alcance, raappas del
mundo, e outros muitos objeetos que se vendem
jpo prec.s diminutos para acabar: ra Nova
numeroXO.
Uteuco.
Na radoTrapichaa.46,emcaaa diRorn
Rooker 4C. itste am bom sortimento dall-
abas decrese brancanmearreiei* do melhor
liricantelelaglatarraasqaaes sarandam por
dracos muirazoavais
Farelo
a 4^500 e 4| a sacca : no armazera ds estrella do
largo do Psjiuon. 14.
a compraram,
a falta dalla, e a$ que de novo
comprarem acharao que o uso delta faz conser-
var os denles saos, livrandoos da carie, fortale-
cers gengivas e tirar o meo hlito da bocea
dando mesma agradavel aroma, podendo-s
mesmo usar delli n.o s pela manba
i p,rofeUo balaamica ainda fhega a
*.:, .V"Je /? ce,t0 Promplido para
acabar a dor de denles, ensopaodo-se Dalla um
bocado de algodao e deitando-o no buraco do
lente, este adormece e em pouce desapparece a
Jor. Para se obter am fraseo de Uo proveitoaa e
apreciavel agua balsmica, dirigir-ke com 1
loja d aguia branca, roa do Qoeimado o. 16 ni-
ca parte onde ella ae vende. Advertp-i8 que os
irascos vao marcados com o rotulo da dita loja
SABAO.
Joaqalm ranciaco do Mello Santoa avisa toa
seua freguer.ee dealapra$aeoedefora, que tem
eiposto venda sabio de su.fabrlcadenoalnada
-Recifenos rmazem doaSrs. Travaasos Jnior
?...'.' 1" r" d. An,orlm n -58; massa amarella,
caataoha.pretaeoutraaqualidadaa por menor
precc- que de outraafabricas. No mesmo arma-
bem tea eito o seu deposito de valsa da carnea-
simples em mistura algasia, tomo ae de
omposicio.
Milhoa^OOO.
Veodem-se saceos com milho a 4J : na ra do
ureepo o. 14.
oque pode ha ver de melhor
gosto em galaotarias para
ornamentos de salas,
como aeja, ricos jarros de porcelana o de vidros
de varios tamanhos e goales, ricas maoteiguei-
ras, jarros de vidro para eraros o outras flores
delicadas, frascos muito lindos, tanio em cores
como em gosto, e outras muitas galaotarias que
se torna enfadonho mencionar, afiancando-se,
porem, que o que ha de melhor gosto para
quem quirer ter suas mesaa bem ornadas; na
loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75, jun-
to a loja'de cera.
KuadaSenzaIaNovan.42
Vande-se em cssade S. P Jonhston AC.
elliase silbSesngleies.candaeirofeeastigaes
bronzeados,lonas nglaias, fio davala.chicota
par carros, e monuria,arraiospara carro da
am efoas oavslos ralogio ida ouro patente
ogler.
Relo'gios.
Vande-sa ameasa da Joknston Palar & C.,
roa do Vigario n. 3 am bello sortimento le
rslogiosdeouro,patente ingles, daum dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
asta varisdade de bonitos iraaceliaspara os
meamos.
4
|9i9M9M3aM fiCta* 9*9*9*9**
Aloja dabandeira
Nova loja de funileiro da
ra da Cruz do Recife
numero 37.
Manoel Jos da Fonseca participa a
todos os seus fraguezes tanto da presa
cmodo mato, e juntamente ao respeita-
vel publico, que tomou a deliberabas de
bailar o preco de todas as suaa obras, por
cujo motivo tem para vendar um grande
jg sortimento de baha e bacias, tudo da
af diferentes tamanhos e de diversas cores
- *m pinturas, e juntamente um grande
sortimento de diversas obraa, coatendo
banheiroae gamelascompridas, grandes
e pequeas, machinas para caf e cane-
cas para cooduzr um grandes e peque-
as, latas grandes pira conservar fari-
nha e regadores ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos eo uso do Brasil e
gV camas de vento, latas de arroba a I},
bahsgrandes a4# e pequeos a 600
Srs., bacia grandea a 59 e pequeas a
800 rs..cocos de aza a 1J> a duzia re-
gadores regulares muito barato, ditoa
pequeos a 400 rs., de todoa estes objee-
tos hs pintados e em branco e tudo mais
se vende pelo menos preco possivel: oa
loja da bandeira da ra da Cruz do Re-
cite n. 37.
O rival sem segundo, na
ra do Queimado n. 55
defronte do sobrado no-
vo, est vendendo tado
bom e baratissimo,pois
j tem dado provas de
suas boas fazendas, e
por presos que admi-
ran!, a saber;
Caivete para aparar penna a
Ditos com 2 folhaa muito finos a
Frascos de macar parola muito fino a
Dito de oleo muito fino a
Tranca de lia com 10 varas, bonitas co-
res a
Franjas de lia com 10 varaa, bonitas co-
res a
Sapatos de tranca de algodao a
Ditos de dita de lia a
Caizas com iscas para charutos a
Cartas de alinetes sortidos francezes a
Gaizaa de ditoa ditoa a 80 rs. e
Escovas para llmpar dentea muito finas
ZOO rs. o
Duzia de facas e garfos, cabo preto a
Massos com grampaa muito boas a
Cartoes com eolebetes a
Ditos com ditos de superior qualidade a
Dedaes de ac para aenhora a
SaboDetes muito grandea a
Apitos de chumbo para criaoca a
Rialejo para meninos a 40 rs. e
Eufiadores para vestidos, muito
des a 60 rs. e
Sapatinhos de lia para meninos a
Anda tem urna variedade de miudezas que se"-
ris enfadonho menciona-las, poiss vista au
se pode apreciar as qualidades e os preces
Nova california
DE
Fazendas baratas.
jN* ru* da Imperatrii n.48, junto a*
45 RuaDireita 45
grao-
80
320
500
100
200
800
1*000
1S280
40
100
soo
400
39500
40
90
40
100
200
20
100
80
400
preces
Tarlatana branca a
a peca com 8 varas: ns ra do Queimado o. 18
aegunda loja vindo do Rosario.
Lencos brancos.
Vendem-ae lencos braneoa proprioa para algi-
beira, pelo baratssimo preco de 2*400 a duzia
na ra do Oveimsdo n. 22, loja da boa'f. '
Potassa da Russia*
Vende-ae potaasa da Russia da mais nova e
superior que ha no meresdo e a preco multo
commodo: no escriptorio de Manoel Ignacio d
OUveira & Filho, largo do Corp Santo
A'280 re. o "corado
de cassas francesas de muito bonitos padrdes com
tmado t T/Voj-'d? no.1"?"' M
Lencos de cam-
braia com padrdes de se-
da a 2#500 a peca.
Na loja d'aguia branca tambem se vende mal
Bonitos e finos lencos de cambraia imitando seda,
laso pelo baraliaeimo preqo de 2*M0 a pega de
10 lencos. E' essa una das pechiochas que custa
apparecer, e quaodo assim approveitar-se da
occasiio, porque elles servem tanto para algibei-
ra como para meninos, e quem os vk na loja
a*. ? b7anea- na rn do Queimado n. 16, ter
vontade de comprar mais de urna peca, tal a
bondade delles.
Arado i americano le machina-
par a lava rroupa:em casa de S.P. Jos
hston 4 C. ra daieazala n.42.
Barato para acabar.
Ra da Imperatriz n. 40, es-
quina do becco dos Fer-
reiros.
Sedinhas de quadros encorpadas. covado a 640
rs., chitas de cores flzag, covado 160 e 180, ditas
Trancezas. covado a 220. 240 e 260, saias de cri-
nolina para balao a 2400, baldes de 18 a 35 as-
reas dos melhores, por prego commodo, cortes de
cambraia bordados a S*600, cortes de cassa de
Donitas cores com barra a 2J800, riscadinhos
irancezes em cambraia, covado 280 rs., guardaoa-
pos adamascados, duzia 2*500, cobertas aveluda-
enhora a 2*500, golinhas bordadas de pontss a
oOu rs.
Azeite de Palma.
ltimamente chegado de Loanda no brigue
Viajante, assim como azeite de amendoim que
serva por ultimo para luzes: na ra do Vigario
n. 19, primeiro andar.
Funileiro e vidraceiro.
Grande e ora offcina.
Tres portas.
31 RuaDireita31.
Neste rico e bem montado eatabelecimento en-
contrarao oa freguezes o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no seu genero.
URNAS de todas as qualidades.
SANTUARIOS que rivalisam com o jacarandi.
BANHEIRuSde lodos os tamanhos.
SEMICUP1AS dem dem.
BALDES dem dem.
BACAS dem dem.
BAIIS dem idera.
FOLH A em caizas de todas as groisura?.
PRATOS imitando em perfeico a boa porcel-
lana.
CHALEIRAS de todas as qualidades.
PANELLASidem idem.
COCOS. CANDIEIROS e (landres para qual-
quer soriimento.
VIDROS em caizas e a retalho de todos os ta-
maodando-ae manhos, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se encommendas de qualquer natu-
reza, coocertos, que tudo ser desempenhado a
contento.
Fil liso e tarlata-
na branca a 800
ris a vara.
Vende-se fil liso muito fino e assim tambem
tarlataua branca muito fina, tanto urna cousa co-
mo outra sao proprias para vestidos, nao s para
bailes como para assistir-se a casamentos. andem
antes que ae acabe na ra do Queimado o. 2
na loia da Boa-F.
Meias baratissimas.
A 28400 a duzia de parea de meias brancas fl,
as para homem : na ra do Queimado n. 22
na loja da boa j.
Importante
Annuncio
Na loja da diligencia, de Guimaraes Ir-
mao, na ra do Queimado n. 65.
Carios de clcheles francezes com 14 pares a
20 rs.
Pentes de massa dourados muito finos imitando
tartaruga a 640.
Es:>artilhos para senhora, que sempre se veo-
dersm a 6*. por 2500.
Trancas de lis para veslido, a pega a 40 rs.
Lia para bordar muito fina e liadas cores, a li-
bra a 7*.
Massos com grampos a 40 rs.
Linhas para bordar, a miada a 40 rs.
Dilaa de peso muito Boas, miada grande a 240.
Franjas de lioho para vestidos, a vara a 120.
Apparelhosde porcelana para meninos, pinta-
doa e dourados a 1*600, 2J, 2*500 e 3*.
Cait-s com alneles a 100 rs.
Papis com alfinetes cabeca chata a 40 rs.
Eafeites para senhora muito finos a 3, 4 e 7*.
Siatos muito fios para seohora a 2* 2*500.'
Metas de laia e pretas para padre que sempre*
se venderam a 2* a 640 rs.
Eofeiles com flores para senhora a 1J.
Colheres de metal muito finas para sopa a 10*
rs. a duzia. ~
Garfos do mesmo metal a 4*000 a duzia.
Assim como outras muitas miudezas fioase ba-
ratea, que deizamos de mencionar, para nao se
toroar tanta massada.
i
padaa fraacea.
5 Cortea de cambraia branca com babadl-
T nhos 4* e 4*500 superior 5*, cambraia li-
5 t* com 8 1 r3 vara 81, 3*500, e4*, ditas de
X, Eseosaia 5 a 6*. ricoa enfeites para ae-
nhora 6*e6J500,sintos os mais delicados
J para senhora 2*500. 3*. chspelins para cri-
anca goito inglez 8B500, 4*. para baptiaado
** 3*, cenes de veaUdo de seda Eacoeaeza de
V bonitoa gosto 12* estao ae acabando, ri-
eos 1en;os de labyrintho 1$, 11200. chapeo -
8a de sal para'aenhora de bonitas corea; liaos
5*, cabo de marfim 5*500, cortes de cam-
braia brancos com flor de aeda 5*. risca-
do francez 200 ria o covado, completos
aortimeotos de balas de arces **, aorti-
mentos de meias para menino e menina #
200 e 240 ris o par. chales de tarlatana
de cores a 640 ris, lencos branco com bar- #
w ras 160 ria chitas inglezaa a 180 e 200 rs.
dita francesa a 240 e 280 rs. o corado
pegas de cambraia da forro com 9 varas #
a 2* : junto a padaria francesa n. 48.
i
Devotos.
Vende-se
i
Na loja das tres estrellas ra
larga do Rosario n 33.
Troca-se mdicamente por dioheiro estampas
de aentos em fumo e coloridas a 120, 140 e 160
rs., ditas de N. S. da Penha, Crucificado, Cora-
. cao de Jess e de Hara fino colorido a 200 e
; 240 rs., ditas estampado braoco imitando aesso
S5 S, id* mU81C\8 n0ienf "> me- 160, 240 e 320 rs ditas em quadros com vidro
i para piano: na ra Direita n. O, segundo *20 e 160 rs. a duzia, redomas pequeas eom
aanctuarioa em metal a260. 320 e 400 ra., rosa-
rios finos de cornalina, axues e encarnados com
cruzes prateadaa a 1*800 e 2*. ditoa da muitaa
outris qualidades e precos, quadros douradea
mu ricoa a 8, 9 e IOS, bem como outras muitaa
reliquias recommeadareU ao ehrisUo.
andar.
Caixas de vidros a 13J000.
Vendem-se caixas de vldroe para vidraaa. de
lodos os tamanhos : na loja da rea da Cadeia do
Hecife o. 04.
Loja das 6 por-
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca a k$.
Duzia da meiaseruas pars homem a
13200 e o par a 120 rs., dita brancas
muito finas a 2J5O0 a duzia, lencos de
cassa com barra de corea a 120 ra. cada
um, ditoa brancos a 160 rev, bales da
20 e 30 arcos a 3$, laazinha para ves-
tidos a 240 o covado, chales de merino
estampados fiaos s 5* e 6*. tarwtena
branca e de cores muito fina com vara
e maiade largura a 480 rs. o covado,
lde linho liso a 640 rs. a vara, pe-
gas de cambraia lin fina a 3*, cassas
decores para vestidos a 200 rs. o co-
vado, muasuliaa encarnada a 320 rs. o
covado, calcinhas para menina de escola
algo par, gravatiohas de tranca a 160
rs., petos para camisa a 200 rs. cada
um dusia 2tf, pegas de cambraia de sal-
pico muito fina a 39500, pecas de bre-
tanha de rolo a 29, chitas francesas a
220 e 240 rs. o covado, a loja est
aberta das6 horas da manha os 9 da
noile.
Magnifico sortimento.
SemprecondeScadenteearatMlaira cam o*
reguezes que IIM tmume*iMtfy al
fio deste grande ertabaleeimeoU
erecer se publico, par fresas aaaSjasj
inferieres aes4e aira, o aea "
de aereado francez, iaglcz a erasiMr* o :
Homem.
Borzeguins Vistor Emmanuel. .
a couro de porca.....
, > lordrMmeralonfbezerro .
> diversos fabrican tes (lasir el
a JobnRasaell......
Sspatoes Nantes (batera inteira). ,
patente.........
Sapatos tianga (portugueses). .
a > (francezeal. <. .
9 entrada baia (sola a vira). .
muito chlqaafuma eole). .
Senhoras.
Borzeguins palmar -IJoraJ.....,
brilhsnalBa.....
Raspa alta.......
baixa.......
a 31.32.33,34. .
a de eorea 31,33.34. .
Sapataa cam aeHe (Joly)......
> frasease- frasqainkos. .
> 31,32.33 e 34 lastre. ...
E um rico sortimento de couro 4* lustra at-
ierro francez, marrequim, aela, vaqawtaa, cam-
rinhos, fio, taizas etc., por meaos de ana ejaaaV
quer outro pode vender.
Relogios baratos.
fi roa Nova n. 21, ha grande porcia da reta-
Ros foliados, dourados e de ouro, palete* a otf-
zonUea, anisaos e ingieres, -t aasaassaBs iaa
didos pelos pregos da factura. Cada r elegi lava-
r um recibo em qua se respoossbilisa pelo re-
gulamento durante seis meses.
4 musselioa do Pava* a
200 rs. o covado.
Vende-se mu si lina branca ceas 4 1(2
de largura fazenda muito flna pelo diasia
(o de 200 rs. o covado, cortes de chita
com 10 covados corea fizas a 19800 ra.,
musselioa branca com 10 cavadas 2*.
para apurar dioheiro : oa raa da Imoeratrix
60, loja de Gama 4 Silva.
Veodem-se 0 escravos. senda 1
de habilidades, 1 crio o la 14
qaes de 9 e 12 snnos, 1 preta com 35
todo o servico, e 1 negra carpina coas
na ra das Cruzes n. 35, segunde andar.
a
Queima-tdo
Serve para se deitar nos castigaes e segurar a
vela de espermacete, fazeodo-a queimar at o
fim, e preservando os meamos de se quebrarem
com o calor da luz: vende-se a 500 rs. cada
quelma-tudo, na ra do Queimado, loja d'aguia
branca n. 16.
Goes & Bastos
Tem erpoato venda vestidos de seda por 30*
fwia a que em oulras se rendaran por 120J e
l&Og, por certo barato, e quem quizer admirar
a boa qualidade e bom gosto dirijir-se loja da
ra do Queimado n. 46 de Goes & Bastos.
Liquidaco
na loja da arara.
Vendem-se cortes de calca de riscados de co-
res e brim a 1*. 1*280 e 1*600, ditos de meia
easemira a 1*800 e 2*. cortes de easemira preta
para calca a 39500, dita eofestada fina a 4J. ditas
de cores finas com listras do lado ou sem Iistra
a 4*500, cortes de vestidos de tarlatana brancos
com babados de cores a 2*500, cortes de cambraia
para vestidos com avental ou quilha dos lados, do
cores, a 2S800 e 3, cortes de ditas finas com 13
!?^os 2*500. ditos de riscados chinezes a
0500 : oa ra da Imperatriz, loja da arara de 4
portas n. 56, de Magalhies e tiendes.
Vendem-se libras sterlinss ; no escriptorio
de Amorim Irmaos. ra da Cruz n. 3.
Fazendas modernas.
Gurgel & Perdigao.
Vendem barato.
Superiores capas compridas modernss.
manteletes, taimas ato crexe, ditas de
filo.
Vestidos de seda, de cambraia borda-
do e de phantasia.
Chapeos ricos de palha, luras de oel-
lica a 2*500.
Sedas de quadriohos furia cor, gros-
denaples e moriantique.
Cambraias fingindo seda, chitas finas
modernas, laazinha de cor e meias els-
ticas.
Kicos sintos, golliohas e punhoi, es-
partilhos, peotes de tartaruga, laques
superiores e saia balso.
Fil, cambraia branca, tarlatana, fitas
para sinto, camisas para senhora e me-
ninos.
Sustenta se a fama antiga
De vender com consciencia:
Venham ver, e nao se diga
Qu'isto falsa advertencia.
Loja das tres estrellas raa
rejfa alo Bosario numero 33.
Quadros riquissimos com moldura dourada de
Sania Thereza Conceicao, Crucificado, Coracao
de Jess, S. Joao Baptista, S. Joaquim, S. Jos
e Santo Antonio a 8, 9e lOf. cabeedes de retroz
com borlas de seda para veatido a 1*600, fitas
de velludo escocezas para cinto a 640.800 e 1* a
vare, pentes de tartaruga para atar cabello a ims
peralns apurado gosto a 7, 8, 9 e 10, bonito-
botoes de vldro para csssveque a 200 rs.. de li-
ona a 320 e de velludo a 500 rs., diviss. galio
branco de linho para eofelte de veslido a 80 100
e Zk *"" MP*,nho de 1 Para menino a 400
eoOOrs., ditos de merino matlsados a 1*400 e
1*600, tnucas de cambraia enfeitadas para crisa-
5asa400e500rs..dilaa mala ricas !com forro
de seda a 800 e 1*. lig.a de seda elsticas da to-
dos os tamanhos a 200 e 320 rs., bonete de palha
para meninos a 2J500. ditos de pellica muito ri-
^" 2b,lumJ Drel" 8em ded0 senhora a
160 e 200 rs., ditas de pellica a 200 e 500 rs., di-
tas de aeda smarellaa e brancas a 500, 600 e 800
t$., leques finos com espelho e tem elle a 1*600
e 2*. meias para seohora a 240, 390. 400 o 500
rs. o par, ditas de seda e de laia a 11800 e 29 a
outraa cousas mais tudo barato.
Cassas gwribaldi
as na loja do
Pavo.
Veodees-ae ftninimaa casaaa garibaldiaaa sen-
do estascasis as mais modernss que Um ehe-
gado a 360 rs. o covado: na raa
n. 60, loja da Gama 4c Silra.
da Imperatriz locado u
gosto.
Cinteiros de bonitas fita* com pontas
cabidas e franjas.
A loja d'aguia branca recebe ama
porgao de cinteiros de bonitas filas largan'
peolas cabidas e franjea, o melhor e ultiaaa i
to comose vO dos Ogorioos, teodo taabeas \
todos brsncos proprios para casamentos : as ae-
nboras que gostam de possuir o aea. aaaaaa-
um a roa do Queimado, loja d'aguia araen a.
11% que com 79 torio um cila da boa a nltisne
gesto.
NovidadesdopavMa
A loja de Gama <
Silva, na roa da Impera-
triz n. 60, acaba d che-
gar um doto e variado
sortimento de fazendas,
que vendem por presos
que faz admirar, como
sejam:
Um bonito sortimento de cassas suisaa
lago de sedas de quadriohos, queso vea
lo diminuto preco de 240 rs. o covado.
BriWiautina a 40 rs.
Vende-se brilbantioa com quadruhM ala ci
para vestidos e roupas de meninos a 249 ra.
covado : na rna ds Imperatriz n. 60, lea de
pavao:
Organdys a 2.30 r.
Vende-se caaaa de organdya da padrina aata
bonitos a 280 ra. o covado: ns raa da Imperatriz
o. 60, loja do Pavo.
Chitas a 240 rs.
Vendem-ae cbitss francesas muito miadiaaaa.
fazenda que sempre se venden per urna natura.
e est se acabando a doze vileos : na rae 4a
Imperatriz n. 60, loja do pavao.
Gurguro a 400 rs.
Vende-se gurgario miudiuho propria psra tae-
tldos o capas para senhoras e pera ronpas 4a ma-
nios, pelo diminuto preco de 400 rs. a covado :
na rna da Imperatriz n. 60, loja do parta.
Las a 400 rs
Vendem-se liazinbss enfesladaa para vestida*.
fazenda de muito bom goato, pala diminuta pre-
go de cruzado o covado : na rna da Imperatriz
n. 60, loja do pavo.
Com barras e babados.
Vende-se finissimos cortes de cambraias para
vestidos, com barras e de babados, pela baraliam-
mo prego de 250O, 3| e 3|00: na raa a Im-
peratriz n. 60, loja do pavo.
Cassas a 200 rs.
Vendem-ae caaaaa com lpicos grandea a 299
rs. o covado : oa rna dalmparalriz a. 99 laja ala
pavo. ""*""
Cassas de cores a 240 rs
Vende-ae cassas de cOres fazenda aila anal-
to a 240 ra. o covado : na loja da rna in lane-
ratriz n. 60, loja do pavo.
Sedas a covado.
Ve,nde"le grosdensples preto mallo encarnada
s 1*500.1*600 a 1*800, dito az.l cor e?reeY
cor de cana a 1JOO0 o covado, sedas oreacaa la-
vradss para vestidos de noiva a 2*249 a 2*499 a
covado, dita preta lavrada a 1*409, rhaaalata
preto a 2$000 o corado : na raa da laparalr
n. 60, loja do pavo.
Enfeites a 2f.
Vendem-ae enfeites de meito boa gosto para
aenhoraa a2|000 : na raa da Iaperatris a. 90
loja do pavo.
Enfeites a 640 rs.
Vendem-ae enfeites de fraco proprioa para aaa-
ninas e tambem para senhora a 640 ra. na tan
Imperatriz n. 60, loja da pavo.
Chapeos para seuhora.
Vendem-se chapeos para aenhoraa, asada aas-
to bem eofeitados e os mais mederaee ana ai
rindo, pelo baratssimo preco da 10* na raa i
Imperatriz n. 60.1oja do psvio.
Keiludo a 2#400.
Vendem-se velludos preto, cor 4a cal, mi
ferrete, e verde-escuro, proatieeaare retate em
sennora e roupaa para aeaiaaa nata nataliianana
prego de 2*400o covado, senda fazenda ama
?.%''8f: I-Mr.lTa'
De todaa eaiaa fazendas ae da
xsndo ficar panhor, assim coao i
traa fazendas que se ternaria
mencionar, todaa vandnnda-ae asis karata i
em outra qualquer parla : na raa da laaan
I n. 60, leja de Gama & Silva, aaade oa aca
ma taboleta eaaa m PAVAO
lia oolta ama luz am qna dia aAT
r*


IMAM* ttolMMH MQ*> ~-4tmnUJEi&A

O Pavi
ileteaeat
z9,lovaodc iMt ta
"WGOdi m

IMhUa
-----------------------------------------------------------------------------1
.'*^ |H*)MU .aiotoade todas ss qualidades para eeaherai
Superiores tkas
bordadas.
fa loja datara; le na ra 'do
e -"-'"TTaffl fciitftttl l a 'n.iin"IZT" rt f *" UB*". "= ra OU
Silva.
Ama a 21.
Papel paquete braoco
e-jad.
Vende-se em pacota de meia reama a 2 cada
pacote : narua do Qaeimado, loja d'agaia bran-
?!.*/? ,"'c>n< ealxtnliaa com papel de co-
a,79 cada ama.
Um rico carro.
Veode'ae nm tico elegante carro nai bella-
mente preparado : no escnptorio de Ifaooel la-
nado e Oltveira & Filho, largo do Corpo Santo.
Na loja do Vapor
Ba Novan. 9.
. ~? ,ar,t0 gr,IM,e Tinento do calcado tran-
flnaj ***** WU Pl*,n>"TM "">io
Obras de brilhantes.
Km eaaa de Aires & C, raa da Cruz n. 54,
acba-se exposto venda um grande sortimento
ae obras de brilhantes, taes como sejam, adere-
eos, nietos ditos; pulselrss, slfineles, anneis, bo-
leos e roseta, que ae vendem a precos coila-
modo. r *
op-
lempa, para nr com-
preso no seu eactiptotio
Vende-se na ra do Apollo
n. 31 defronte do theatro a 4$
a arroba, meia arroba a 2#500
e a 160 rs, a libra.
lbo lntitutedo--.Enf-aio sobre o tratamento radical
das herniaa pelo r. V. Saboia, lente opposilor
da Faeuldade do Rio de Janeiro : Vende-se cada
exeraplar a 1&500 na livreria universal de Guima-
raes AOIiveira, socceaaores de Ricardo de Frei-
ws'c L., esquina da raa doCollegie n. 20.
Manteiga ingleza flor a
800 rs- a libra,
em barril a 720, fr.nceza a 640,. toudobo novo a
320, sevadinha a 160, aag a 200 ra.: na ra das
cruzes n. 24, esquina da travesea do Ouridor.
v.r\ VeBd"e 8 americano de primeira qua-
wSe'8m la.1" de M 8""f". "a razio da 151,
cll.Vn"0 8 ?S1ua.n" de 5 garrafas ; no
numro 8""01 "' 6 '" d P cbe
Vende-se chumbo de municSo, a dioheiro a
de Antonio Cezario Moreira ias, no Forte do
Mallos, ra da Moeda n. 27.
Venda de loja.
Vende-ae a muito acreditada loja de miudezas
sita na ra da Imperairiz n. 82. sendo esta em
urna das melhores localidades, muito propria ca-
ra qualquer principiante, por vender-ae com o
sorlimento, de forma que o noto comprador nada
preciaar comprar ; vende-se a prazo, conforme
se conrenciona : a tratar na mesma raa n. 46
loja.
Feijo de corda.
No armazem de Tasao Irmioa, ra do Amorim
numero 35.
g O melhor gosto.
*JP Chapeos de palha muito fina enfeita- A
aja lados a traviata a 12f e 14|. chales de a
qUm- f. I2i15' *> t'30' 35- *.
ajp aof, enfeites de retroz e outras muitas A
gn fazendaa do melhor gosto possivele por
J baratissimosprecos: na rata do Qoelms-
9 mado loja de 4 portas de Ferro 4 Maia. tt
Urna barcada.
Vende-se ama barcada do porte de 85 eaixai
encalhada no estaleiro do mestre carpioteiro Ja-
cintho Elesbo, ao p da fortaleza das Cinco Pon-
tas, aoode pode ser vista e examinada pelos pre-
tenderles ; vende-se a prazo ou a dlnheiro : a
tratar com Maooel Alves Gaerra, na roa do Tra-
piche n. 14.
Barato assim ad-
mira.
Mal Anos e bonitos lengosde cambraia de linho
abertos e bordados para maos e canecas de ae-
nhoras a 29 cada um ; q.em os mandar ver nao
perde o lempo porque ato baratissimos vista da
bondade, e aasim os comprar na loja d'aguia
branca, ra do Queimado o. 16.
extractos para lencos.
A loja d'aguia branca acaba de despachar de
sua propria encommenda. finos e preciosos ex-
tractos de novos e escolhidos cheiros como bem
sejam, imperalriz, DJanuaria, D. Franciaca, ma-
rechsl Broquel Real, dito farori, dito dos Alpes,
dito de Triaoou, etc., etc., nao esqueceodo porm
o eatimavel extracto de sndalo. Ja se sabe, os
freguexea que munidos de dioheiro dirigirem-e
a ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 16
acharo barateza, agrado e sincerldade. '
9M*# *M
9 Em cata de Kalkmann Inaaot att
A i C, na ra da Cruz n. 10, exij-
O te constantemente um completo
aj| sortimento de
* Vinhos Bordeaux de todas ai
^p qualidades.
j^ Dito Xerez em barril.
Dito Madeira em barre cautas.
Dito Muicatel emcaixat.
Dito champanhe em gigos.
Cognac em barril.
Cerreja branca.
Agua deSeltZr J^
Acetto doce muito fino em caixai.2
AUaiade em barril.
GeTadioha em garrafes.
VMde-te urna eacrava moca e bonita fi
ra : na roa do Amorim n. 40. a tratar com Gal
maries ft Alcoforado, para v-la na Trempe.
no oaiwtodaSra. J. Isabel GainarM.
3


#
3
8
3
i
8
ato de eaperiorea tiras rica menta bordadaa
,0re L?9a*a pe' "rato preco da 3M004100
e 5*000 ria a pea, adverndo-ae que ha mala
dawa paca de cada padrlo, qaem mais dapaeaaa
andar me hor servido ser, na roa do Queimado
n. 22 na loja da Boa-F.
Soohall Hellors & C, tendo recebido or-
aem para vender o sea creacido deposito deralo-
gloa vjato o fabricante ter-ae retirado do nego-
cio ; convida, portelo, s peesoas quo quizaram
possuir um bom relogo de ouro ou peala do c-
lebre fabricante Koroby, a aproveitar-ae da op-
porlunldade sem parda de
pra-los por commodo
raa do Trapiche o.28.
fabrica do Monteiro.
CrystaHsaijao e refina^o
de assucar.
Bepfjsito na roa de Apollo n. 6, e proco
o Bwr-Vista n. 26.
Isto importante estabelecimento coatina a
tornecer sos aeat inuroeros tregeles do alvo e
puro assocsrcrystslioado, em p e em pies, !.
f-k ^WadjB, pelo preco de 100 e 200r. a
libra, e do refinado a 100,120 e 140a libra, sen-
do que em grosso o comprador ter em descont
favoravel. Nos aseamos depsitos tambem se
vende me de aasucar 600 r. a oseada, e ear-
vao animal em p a preco commodo.
AS raBiAMIMS
luvasdeJouvia
chegaram no vapor fraoees para a loja d'aguia
branca, raa do Queimado n. 16.
Especial aviso pa-
ra os apaixonados do calca-
do inglez.
Campos & Pereira com loja de fazendas e cal-
cado na ra.da Cedis- do Recite n. 32. receberam
pelo ultimo vapor inglez. os mais frescos e me-
lhores borzegoins inglazes que lera vindo ao mer-
cado e continuam a vender por 12f cada am
Novo destino do
torrador Mil
23Largo do Tergo23.
'Vende-se manteiga inglesa especialmente esco-
lhida a 800 e 900 rs., franceza a 640 e a 600 rs.,
assim como se torraro outros muitos gneros, co-
mo seja, cal, arroz, azeite doce, velas de esper-
maceie e carnauba, ele, etc., e se acaso alguem
tfuvidar venbaver a dlnheiro vista.
Bonitas caixinlias
com visporas para entretenir
ment.
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca bo-
nitos catxinhas de madeira invernisadaa com vis-
poras, tendo 36 cartas, e as pedras numeradas por
ambos os lados, o melbor que pnssivel em tal
genero, e custa cada urna caixinha 30, e outras
cobertaa de' marroquim. e a chineza, e outras qua-
lidades a 2|, 18500 81J ; o lempo proprio. e
por isso dinjam-se com dinheiro ra do Quei-
mado. loja d'aguia branca n. 16, que serao bem
servidos.
Por atacado ou a retalho
S deixar de comprar
Quemnose derao trabalho
De-vir ver e examinar.
A* loja das tres estrellas:
ra Larga do Rosario
n. 33.
i A^A"S& fiSff?S?
guns coro defeito a muito menos, caixas de bu-
falo finas para rap a 1000. ditas de tartaruga
graadea a 8J0OO, malas envernisadas e com fe-
ebedura para viagem a 1500, relogiohos Scticios
com correte para meninos a 160, peotesde mar-
Um para limpar a cabega a 400 e 500 rs., ihe-
souras grandes para cabello a 600 800 e 1000
ditas para costura a 120 160, 320 e 500 rs.. lin-
telres de metal e madeira para viagem a 240 e
MW, canas de Untas psra disenho a 320, 400 e
500, medidas com numeracao para alfaiate a 160,
DO, boloea de metal para caiga a 480 a groza, 50
rs. a duzn, ditos de oaso, de massa e de louca
para paletots a 40 80 e 100 rs. a duzia, ditos de
duraque pretos a 200, ditos de setim e sarja para
casaca a 1S800 e 2000 a groza. brincos e matea
douradas a 80, OO o 100 rs. ditas pretas a 160 e
,": P" Phosphoros de pao e de cera a 20
e 40, ditos cana grande a 120.160 e 200 rs.. esr-
leirss de marroquim a 320, 400 e 800 rs.. ditas
grandes oom divises para letlras a 5 e 5S500.
Unhas do gas a 700r a 800 e 000 a caixa, a 20 rs!
o novello, fundas para quebrados a 500
ditas flnaa a 29000 e 29500.
vende mais barato.
Aspas largas
para saias balo.
A loja d'aguia branca acaba de receber am bel-
lo sortimento de mui bom lecidas aspas para ba-
nn OTta vendendo baratamente a 160 180
e 200 rs. a vara ; quem precisar diriglr-se com
dinheiro dita loja d'aguia branca, ra do Quei-
mado D.-16, que aera bem servido.
Potassa da Russia e cal de
86, rita das Cnizes de Santo Antonio, 36,
A. F.Duarte Almeid, socio que foi do ama
gaezes que tendo separado a socied,de que nha com seumant achae de, no" eatadSwT
teaaZ obV^0- armaZT^e m0U,ad8' "880ciad0 com Sr- oaq'L /ostomes
de souza, eoSr. PauloFerreireda SiWa; o primeirona rezo deBuerte Souza e oseminHn
buco ntotn^SS**S,Ia: e6teSestobetecirnt08 offerecem v^%f
mico, nao s na Umpeza e asseio com que se acham montados, como em commodidaJd
rd1rePUurnflPriS,S0 re90lveram PfoprieUrios mand.^m vir pTrte de feus Seros
em direitura, aflm de terem sempre completo sortimento, como tambem noderem nftVr
Ricos qof^s de medina de
seda.
aifwali aaaia fina. ra.i. .ov.Taa^s^SS
U^avaa* ---------------------------- ,
!J?J?a. e veadesa-ae s*lo
ivimm o certa; aa aaabaaai
tivtra.de aariaur a fcatoTT.
n levar am veatoe da Itl
mandaren ver aa meaetoaua M Va
na raa do Qaeimado b.227

apreciadores destele genero qua
S3Z cot ^Shrpe^etr^nh.^------..**. m. u..
Latas de ameixas franceMs,
Maleao?ao mgltZa *PW* *
mandam ao menos experimentar, aertos.de nada perderem pois para i
f'h&h nCMa a mrfhor d0 wo > Hbra e em barra a
PrtunrfiamK^^
Presuntos portes ^ ""- "*
altendendoas boas
libra e em porteo a 750, recommenda-se aos
isso confirmamos-o que lavamos'dito,
razio de 600 rs. a hbra
porcaoi
vindos do Porto de eaaa particular a 560 rs. por libra a inteiro a 460 ti.
libras de 29500 a 49500.
Feitoria e Camones a 19200 a 19300
a 500 e 800,
Em por;dea ludo se
No bem coabacidQa acreditado deposito da raa
da Qadea do Racian. 12. ha paraaav t
S!aliM?da'IM,to' B0' perir
padra ; ludo por precaa maia baratea do ... ,m
oatrtqaalquer parte. *
a 79000 a caixa e 800 rs. a libra em porcao ter abatimento.
-----cora cinco libras a 49000 e 19000 alibra.
Vinho "**"""ae soda J.*,,,m^, ,ilBhM-, W4S0, ,gnju it4 1b
Lato^P^Kr'M f"""a *"so *m"' ""' mt9 *4ao Pera em caixas d' "*" 'IMlid""', ,M B'"' P<"'g'1 i* 70 m" '"*
Corinthi.. ', ','V8l">r," """"^'""wm.io.lo .o m.rdo d. 6 Mx.9lS80.Hh..
caf do rJ. melhor ,,t.x;.:r.T:r8':,1t:r"'m *" ""e ttm "Ddo mbo m,rado d*tm ww
v rseos de amendoa Mml.n,
Vinagre br.nooomaibor.Jal ^S'PTOpn"pawmmos'pormnumu0bemeneit,,hseitsnftti9t***+ m Cdum-
Cominho e e"va^r08T T 4 ? **"+' *" "***
Vinho Bordean* nvos T**19 mereado 800 a lib,A do eominho e a 40IS- *
S novos 2hT:T T d ^acredUad0 "u,or d6 "*"e vinda pr meirt 'M n08S0 *de Jfc
Doce da goiaba da casca m eaio ir^m ptir^o rooo rs
Aceite daca pxrifiijado 800 sa^ garrfV* kmh^^-.^-,^^...
IxOgnac a melhor qoalidade que temos no mercado a 15000 a.garra/a e 109000 a doria
dem do ^7 E d"-soo't,w:v-. .hlMft
dem do gaz tw0o. gr.2.. iso. iv, i. Miu,.
AzeTtonas "l "'Pe,'" ""' "* "d" ""**'tMU>m- ^^ *> 'o Nkn
AmendZ T' ? n0","" ""?i,,do *n0SM 12 **.
a boa qualidade.
do Porto, e a 29000 as da Lisboa.
A lm dos
-------------------g">ro> annnnciados encontrar o publico um completo sorUme'nlo de todo Undante a molhadoi.
Bicos de seda.
Bicos; rendas e labyrin-
thosdasllhas.
VUNDIGJlO low-ioor
Roa daSenzalla Iftvo a42.
Resto astabelecimento contina abavarua
tompleto s*orliaaDto damoenda laaeiasmoen-
dasparaengenho,aaehinasda vapor alaixas
afeito batido a coado,da todos ostamanbos
para dito,
Oleo e banha philocome
e outras qualidades.
mli0*i **' ,brw>ba le deapaeharum
nov) e bello sortimento de oleo a banha philoco-
me e outru superiores eatinadae procarada banha am copo andes
ca^ euellente qualidade j aam Mheeida
aaaim come a verdadaira traaaparente ; qaem
?! loja d'agoia branca o. 10, que aer
bem aarvido ;*akartliido. porm, que aa fnaooa
lio todos aaroade* oom o Votlo di dito toj.
Fumo em rolos.
4& ittaittr
A loja d'aRnla branca acha-se receotimente
prvida de am bello sortimento de finos, alvos e
bonitos bicos de seda, e daa differeotes larguras
dJ 1 dedo al maia de 112 palmes, e os baratos
precoa por que ae eatao vendendo animam ao
comprador : aasim como oa fortea e muito dura-
veis bicos, rendas e labyrinlhoa das llhes, igual-
mente baratos como coohecer o compradop.que
manido de dioheiro, dirigir-ae a ra do Queima-
do, loja d'aguia branca n. 16.
A 26000 o corte
ae calcas de meia ceaemlra eacuraa de ama a
cor: na ra do Queimado o. 22, oa loiada
JSoa-f. '
Figas de coral.
A loja d'aguia branca recebeu orna pequea
qatntidade de bonitas e bem acabadas figas de
coral, proprias para eofeitea de enaoc,ia, de re-
logios, e mesmo para as voltas de coral, e aaast
vendendo s 1#00 cada urna ; quem se demorar
nao as achara mais em dita loja d'eguia branca
na roa do Queimado nnmero 10. nica parte qu
as tem. r *
mm
Esperanca.
I

Recebeu de sua encommenda pukai-
raa de cabello qua vende por 109 o par fl
aA braceletes de mosaicos a 09 cada um' i
S agulhas victoria a 120 rs. o papel, nen- V
9 lea de tartaruga a 8. 10 e 122. precos #
9 porque ninguem pode vender (boa fa- A
fe senda) estea arligos nao ae eocontra em 2
|[ loja uenhuma porissovaoa ruadoQuei- Q
O mado n. 33 A, loja da Esperanca. A
Esperanca reduz a exprs-
sao mais simples.
(A* D1NHBIRO.)
V Tedes ps artigas que eslo na loja
aa m ni lo barato quem quizer comprar e m
l ver : rus do Queimado n. 38 A, Coima-
9 raes & Rocha. a,
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Neste eitabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro coado libra 110 rs. dem
de Low Moor libra a 120 rs.
Por baixo do cakeHeireifo,Pua
do Queimado n. 5.
. a\*!!!5:r >waa para aokera
!2SdaSTP*"-!lM-"M,|>' -
fu*0. MM<,' wtfaaaaiaa fsttadas
par auUo barato preso.
sortimento de enfeites de flo-
res para casamentos
e bailes.
A loja d'agaia branca acaba de despachar am
lindo sortimento de enfeiles que de aua propria
encommenda mandou vir para casamentos e bai-
les, e sem medo de errar, pode-ae dizer que sao
oa mais parfeitos e delicados que al agora tem
vindo, e essa verdade ser conhecida por aquellas
pessoas que aabem apreciar o bom : apea de
ludo vendem-ae baratea em propox{ao a peifeicao
delles, sendo a dioheiro vista 120, 149 a 16
uso na ruado Quoimado, loja d'aguia branca nu-
mero 16.
Mantas de retroz para gra-
vatas.
Vendem-se mantas de retroi para grvalas,
tanto pretas como de cores a 500 rs. : na rus do
Qaeimado n. 22, m loja da boa f.
A loja d'aguia branca
recebeu tambem nova luvas de una psllica, en-
tenadas, para caaementoa, assim como lindas ca-
pellss. Acommodidade dos presos j bem co-
nhecida por aeua bons fregueies. esei mais por
aquellas pessoas que de novo o qaizerem aer da
dita loia d'aguia branca, na rus do Queimado nu-
mero 10.
Sal do Ass.
Vende-ae sal do Ass, a bordo.do brigue bra-
sileiro cAdelaide, receatemento chegsdo ; a tra-
tar no escriptorio de Bailar & Oliveira, ra da
Cadeia n. 12.
Gneros baratos.
Manteiga franceza a 040a Hbra. batatas a 60
'! l0!",h0 820. Hamleai do sertao a 280,
cha a SpOO. arror a 100 r., vela de eperoce-
4e a 70Or dita da caraaaba a 400 rs., painco a 160,
alpiala a 180, caf a 240. sabo maesa a 200 rs.
dito anaarello a 140. arrox de asea a SfOOO a aao-
ca, asate de carrapato a 400 ra. a garrafa, a em
porcia, a 000,dito de cocoa 440 ; oa travesea do
pateo do Paraso n. 16, frente pintada de ama-
relio, taberna de 4 portas.
Retroz em carreteis
para coser-se as machinas.
Vendom-ae carreteis com reros de cores, nro-
pnos para as machinas a 320 cada am ; na roa
do Queimado, loja d'aguia branea n. 16.
N. O.Bieber& C.successores.raa daCrax
n. 4, tem para vender reloglos para algibeira de
caro e prata.
Nova exposico.
Ra Nova n. 2o!
Riquisimo sortimento de catilerias em todo
o genero, assim como am riqoissimo sortimento
de ouca de porcelana para eozinba, riqoissimo
aorlimento de melae, riqoissimo sortimento de
miudezas, e outros muitos artigo, que com a vis-
to do comprador se podero apreciar : na ra
Nova -n. 20r leja de Caraeiro Vianna.
Bombas dejapy.
Roa Nova n. 20, loja de Carneiro Vianna.
Canos de chumbo.
Ra Nova a. 20, loja de Caraeiro Vianna.
Renda lisa
de fil.
Vende-ie renda lisa de 016 propria para cascar-
runas de vestidos de cambraias e outraa obras -
na roa do Qaeimado, loja d'aguia branca n. 16.
Aos proprietarios de carros,
correeiros,
fabricante de bonets, etc.
Pechincha nunca vista.
45Ra Direita45.
Grandes coiros de bol, inleiros, de lustre, de
25|a859-
Se houve por bem resolver
Na loja das tres estrellas
Tudo queimar derreter
Em moeda encanto deltas.
Ra larga do Horario n. 33.
Pf SSfl-!!Li "eo* d* O a 290 ra. altee
aoade 100 a 320 ra.. dilaa ar^toraai d. !
* m Z dM-* de ^alOOi MO^ltea Ur
goa a 600 e800rs.. Otaa mnito ku'iaariar
V" ftaOO. aa aaKSeTVlt
a 500 r.. dita U, act.,aM ft!ai!I.,2
JO a 600 rs babados telSss 7 a 40 !
: T"a pe' e n ,w" aoVaaVw
Sb:2Z' 'f^.08 P*" "" a aaaasma toacaW
de 120 a 200 r., dito da largara dTaalaa a O
" faocM de aeda com vMrllha arttoc l
400 r franja.de..da de core.a.T.*Jff*
dita da la e sed. a 160 a 240 ra.. MTdo^B
e algodao de 60 a 120 rs., galaa prateVe llt .
1W r... fita p,r. f o, j eaa eiMSaS Tar*
do e prelo a 320 rs., carioca da mSuETfm
e 60 rs sombra para flores de tedauta cL -
120 e 160 a olh.;enfeiiea XJu^ZmSI^.
"""? e 1|500. eM.v.7T.fate dViOO
. 1. aitaapara deoU. de 240 a iNn aaaaa
muitos objectoa coaateates u mUm'
E em peca, cento, ua..o oa dauia
grande diflerenca de retalho.
vaada-aa
Fitas de sedas.
Tem chegado pelo ultisao
L. Delouche um rico sottisaasati
de todas aa corea : coavida 9
r, na casa de A.
tea^teaddaaate
ahorca
e toda a peasoa que pude ioiervmr. de m-
S5S KJSAaj- JSVSS'2^
ftua da Cruz n. 8
No e.crip torio daE. A. Bata & c rtmmm
orna riquisaim. mobili. de mogno toda oe akr.
de talba o mais modarno e melbor na 2 .
sivel, por preco mnito r.zoavel; N anaa
criptorio ha venda exeeltantos moattea (ImI
do junco guarnecidas de ataraare a 3500 eea
tambem ha cadeira. para piaaes, lvatertoa!tea-
lhetes, cabides tudo per precos qoc admira.
Vendem seosengeuhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correntes e
dagua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de enge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quem pretende-los dirija-se
a ra da Cadeia do Recfe n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
As verdadeiras lavas de
Jouvb.
A loja da boa f recaben aovo sortimeate das
verdadeiraa luvas de Joavip, ,,,
ao. ctttlairom a mmdam^a 4*
que mandem por ellas na
f. na rn. do oVeimido 0722.'""* ,* *' *~
Grabas a Deus.
J se pode fazar mimos.
Ja ae pede fazer mimo.
Ji ae poda (asar salaos
. J ae pode fazer mimos
Chegaram affnal as esperadas necias oo awfa
e estaoae vendendo pela melade da. oa. %t\.Zi
di.ni, sendo a 160 rs. escolbidas : no arsode Y
pomada Soir & C. ru. e.treit. do O^o t
Escravos fugiaoh.
Ja
Pechincha.
"a raa do Queimado n. 47, vende-se visitas da B*??taV**!'lote
seda da ultima moda por todo preeo viste t?f5,t,,L!^h',.r'
do cobre, cheguem que aa est acabando a
pechincha.
AttenQo.
Vende-se o velelro e bem eonhetido patacho
americano.U W.tt. de 180 teaelUd, pode1
cffe?,000r^rofc,!e, 1><*sirtea quel-
ram diriglr-se o asis breve peesivel a raa do
Trapichen. 8.
J chegaram
do
as intressantes estampas, a mor te
justo, e a morte do peccador.
Da loja d'agaia branca avia-se aoa senhores
reverendos e outraa peasoaa qae liavi. encom-
moadado esta interessantes estampa, qae ellaa
acabam de haga r, e qaem mais as qaizer pes-
sair dlrlgir-se logo dits loja d'aguia branca
ra do Queimado n. 16. pois qae a qnantid.da 4
pequea, e por agora ainda ae vanderio a 29900
cada.ama.
Na roja do vapor, roa No-
van. 7, acha-se barato
grande sortimento de aseado fraaeei e Inglez,
roapa falta e perfumaras muito finas.
Pogio do engenho das Maltes, comarca da
Cabo, no da 23 de aetembro da le*i, .B tacrav*
por nomo Joio, crioulo, vermelbo, altara reca-
lar, grosso do corpo. espadando, idade da triato
e tanto annos, metteu-ae aas aattaa do ean-
nbo do Monte, al qne lhe tiraran ana peas m
levava, e logo que se vio san ella dhen eeefar-
tou um quano mellado com cabellos pretos a
com principio de carrego e tenaen fez en pe-
queo roubo de roapa ; desappareceo a cav.ito
a 17 de outubro. Este negro j ten sida fnm aa
Recife duas vezes, a primeira ves infelaaaa
com urna carroc, e a segunda ves tai fn ira-
Dainaoao em um armazem de anacer cone far-
ro : quem o pegar leva ao eogenbo cima.
ser bem recompensado.
Fugio desde o dia 6 do correle 4*
nho Cacui da freguezia da Eacada, o cabra Tr
quilloo, amarella^o. pea apalbeteaaa, teMe d)a
denles n. frente, cabellos carapiaaaa, altara re-
gular, levou vestido c*mi.a e cal^a da .Igedaa
da Rabia, mnito re grieta gosle de intitalar-ac
forro. Qaem o pegsr leve-o so mesno eaaa
nbo, que ser recompensado, oa ao Recif* am
eaaa e Joaquim Salvador, aa n* dalnaa-
rsdor. ~'~
Escravo fgido.
Desde o dia 24 de outubro a. a. est lacada
f""0."?]*0 JHla.*etetaaj racaUrVear
elara, bigod.s a pe4ra, fi aastava a aattaa
qaem o pegar leve-o a raa da Croa a. 48
de seu senhor E. A. Burle, que ser rasan
sdo.
Attenco
Na noite do dia 21 do correnta faca do
do abaixo assignsdo o seo eseravo aalala <"#'
me Jesu, estatura alta, cor clara, da lade 25
annos, representa ter maia idade. olboa sisadas
e vivos, cabello crespos a san aaanaaa.
principio de barba ao queizo, pea granase.'aledas
dos ditoa abette., and. um pooce sanaiaiq. a
de bracos sbertos, nstursl do aartaa da AeadVda
provincia do Rio Grande do Harte; foi renovada
nesta praeo ao Sr. Jlo Ckrisoatone aVaerra C*.
valcanU de Albuquerque, morador asaraviacsa
cima declarada ; o dito motete levaa ananrzia
de couro de carneiro, ana rada a divaraee airea
de roupa de sea uso : roge-se a ttdr aa aaiari
dadea policiae e mate peseoaa qae a acmin
de pprehendo-lo e leva-la i raa da Battas da
Boa-Visto, sobrado n. 33. qae sari* han isisa
pensado.Joaquim Fraaciaco Fraaca.
Es era va fgida no dia 3 do
correte.
Julia, de aaeio Coate, alta, asea da
falte da daatea aa (reate, can aMnaa
reato pouoo visteis a ear rraaaads
por costasaa fallar a en teese da kaa
Oca maUo-inaenteeate, la*a, raatiOa. .
aas a venda aa rus, eaaata aja saa awaa
baldas deste eMeda vantaada fractee: n
a tedas se suloridedca polV
capturar sendo encontrada, n
doa Gusrsrapes do bairro do lele a. 20.
se pagarlo todas u r"




DliMO M MUUIIIIGO; ^ ftCWLiflUU W M
WMMl.
Slfl
Litteraiora.
------------,U1------------
ApoBUiaeaUs para a listara da Cari-
ry por Joo BrigH.
Neste mesmo di; rada*
ulada constitu indos!
os seus Inbrhns. de
Tristo -0 banquete pililie aoo muila
eolmagioe enlhusiismo, e aoundaram o brin-
des patriticos. Dioii e os porwguezea do Ico
quizeram ver nesl snaniteslag&o um acintea
etles feio, e com islo grandes moles-
taran).
Na manhaa seguinte,bandos de solda'dosse der-
ramaran! pela tilla, de orden de Dtmz.para pren-
derem o eleitores mais compromellidoi na jor-
nada do da precedente. Os do Grato a Larras
raro procurados de preferencia, mas a teapo a-
-isado una* Miro* aelr arana-e pala faae. Ta-
davia [orara recoihidos cada o rgario Cosme
das Larras, Luis Pedro de Mello a Cesar, Ramio
Jos Ba plala e outro* : o secretario da cantara,
o cadete Caralcanli, Francisco Ignacio de Paula
e diversos outroi patriotas.
Foi completa a debmdada dos eleitores, geral
o terror. As estradas se encheram, n'um mo-
melo de fugitiros, que levanm o ataras toda
parte, proraatleodo volter pela desforra, quean-
nunciaram tremenda ea proporgio que os leito-
res tocavam is soas localidades, as populagea
se arma vam coa tal pontualidade, que se dara
de antalo trabalhadas. Ea 14 horas Trisito
fez a viagem do lo so Crato.
A cmara reuni-se no dia SI, e depois de no-
mear Filgueiraa membrodo governo temporario,
em grande sesso, decidi, se marchasse sobre o
Ico, aflm de dar liberdade aos prlsoneiros e baler
Oais.
Ftlgueiras nio hesitou em por seo no me e
prestigio so sirvico 4a independencia. Deu al-
guna tiros com urna grosss graoadeua, a cujo
A camera do Crato eetava ensoberbecidt do
triompho. O oaridor Lago, depois do prestar
levantes serrinos sua causa, dergostoso dos p
trilas, fosse porque revoloele tomas*** j
norte que elle olo aupposera;; om corque
compatriotas coaegaesem a ser tratad
asaaj^aAUf^a^alWo iflaim^gmH^
i em pe aoecer. W*%a*mre]
Ihe [4 de norembro) rjefse para e cabeee Ja co-
marca, e na falt i teio, e seas bees secues-
tra ius. Esta orden nao foi euaiprioa. >
Cotr da das I lependenles ao
Crata, K ~emb>os do
se daadmi
perante a careVa (19 de rinrenatVSfl
gueiraa escolhido presidente, e Antonio Manoe!,
secretario, al s o que era este paterno emeeus
prieieiros dia ? Via dobaxn da tutelU e pro.tec-
torado da cenare, cejo habito de ludo fwer ab-
sorra sois atlrtbuiges.
Esta corporagao ljie mandou faior aposeolado-
fax debitando ou ereditendo
anotas geraaa qne M.
aimplee. ~
dobrada te
andas
pratiearel na
a simples a es.
neo de egualdade, que se
observe, na partida duenda entre a soma* do
diaria o detito acredito do rizao.
$/FofqW na escriptoracjlo por partid*sim-
ples*? nao pode obter s exacta conformidade das
cirws. edaao septireMAr maie da partida aobra-
a no beta' e sabida.
inilmente, paJrqJie na partida simples os
It^HaTnio prasun ao coramerciante para a
ra golpe de vista conhecer dp sea estado, visto
emVee olo eneootra nelles metidao, que
fornece e partida dobrada, e uen a facilidade de
obter de momeato o edtade des diversas coaitas,
qae era sea totalidad* represeuterar lodo o movi-
mento contra retal do negoeimle ; porquanlo a
eos olo preven! da araadilha,
porque vos julgava complico
e entend qoe corra risco fal-
ls, deu-lhes Hvros, dttou-lhe o qoe Ib com- partida simples nao acompsnha todas as opera-
pvia ebrar. Foi ainda ello) qu Ihe jjtewrou fun-
dos, mandando recother a seu cofre at'dioheltos
publico, existentes em maos do eoatntadores
de dtstmos, e decidiu, se marchasse sobre a capi-
tal, aflm de derribar Porbea. libertar siguas
patriotas all presos, e consolidar a revolugio.
Se o goveroo temporario s renetrra i cmara,
sempre que era preciso deliberar, a cmara de
sna parte nada [azis sem o voto dos eleitores, a
vinhs assim a prevalecer sosente a roolade de
Trtato.
Apetar da ninh'uma opposigio dos realistas,
sem e audacia deste bomom e a intelligencla de
Antonio Manoet e Sobreira, 6 fcil de ver que o
auecessos do Ico fleariam sen nenhuma conse-
queocia para a causa da independencia.
No dia 27 de novembro a camera do Grato no
meou o padre Sobreira, para ir em commissao
corte justificar o acto do collegto, levando urna
reproeetaoie i O. Pedro e alguoe documentos
I para provar que fdra nma medida necessara a
om coslumav* reumVseua hornees, e com pou- inaiallacao do goveroo temporario, e a constante
cas horas eslava cercado de urna numerosa cohor- 5 opposigio de Porbem s suas orden a nica cau-
te. Sem mais esperar, poz-se de msreha. dei- \ Ja ""*0- M "Pfra.
xando orden, para qoe o fossem sfguindo-o, 1 \mar pedio ao principe, houvesse por ro-
que conl.nua.iem a comparecer. [ All pernoitou em Missao-vetha. onde se Ihe Potar a provincia do conselho de procurado-
foi reunir Joa Vicioriano. com alguma tropa. fe? mandado convocar, visto como era el e um
Joaquim Pinto, Trialao e muitos oulros llnham Bln"S Ju"do d* toaependencia, e sua eleicao
partido em sua compachia. As estradas eslavam l0^a .,lle8c,, ..k. ,.,<.
cheias de hornea armados, que seguism Me io- Fo1 no me' d,os. PreparatiTo, de cha q>>*
corporar com o exercilo expedicionario, e tal era i8e soobe no Cra, do rompimento do Iplranga.
a concorreneta,que. guando Filgueiras tocava s Ordens t.oh.ra ] aido expedidas para Qwra-
altura de S. Antonio' 3 legoas distante do Ico, mobim.TauM e ootras villas^ a ti m de que todas
erca de dous mil homeos eslavam sob suas or- tropas te fossem reunir s
geas do Jaguanbe, e todos os eleitores receberam
5oea.
Isto posto, segue-se que o principal caracteris-
tioo, que destiogue a partida simples da dobra-
da, est Oe sue propria expressio, isto qoe el-
la simples, porque se encerra um a ageate
outra se diz dobrada; porque contem aempr
done agentes ou contas qee entre si se jogam.
O qoe rica dito pea suficiente para crer-se
qee o raelhodo por partidas domadas deve ser
prefervel, ao por partidas simples; mas addicio-
narei anda que elle deve ser preferido porque
e mais fcil na complselo das operacoes de ca-
da commerciante, e o nico que Ihe pode offere-
cer de prompto o estado de seu eorhmercio ; pon-
do-o por semelhante forma aguardado de qaal-
quer desfalque pela justa confrontarlo, e coohe-
cimento perenne do estado do algarlsmo de seu
activo e passivo.
Nao determinando a lei comreercial qaal o me*'
thodo de eserpturec&o que deve ser observado
peto commerciante na arrumaeao de seus livros,
comtudo combinaodo-se ai disposiges do artigo
10 9 1, 3 e 4 do cdigo comaercial com os con-
signados nos arligos 11, 12 e 14 do mesmo coli-
go, se v que dos dous meihodos s o por parti-
das dobradas satisfaz a tetra dos referidos arti-
gos; porquanlo s este methodo pode admittir
no diario as operages realiaadas a dinheiro, alem
de oulraa circu mata ocias eligidas pela lei como a
do balanco anoual, e forma mercantil que s po-
dem ser devidameote cumpridas pelo commer-
ciante leudo seus litros guardados pelo systems
de escripturagao por partidas dobradas.
iaram. pela mea noite. urna deputagio ao cam- S. aflni ae scolherem vogaes qoedeviam cora-
o de Filgueiras, a qual voltou inundo urna re- Por um 8<> proviiono da pronDCia .fisto
.i -... h ... como o governo temporario oao ulgava dever ad-
dens I Ahi fex alto o exercilo na noite de 26.
Diniaeeeus adherentes, tomados de medo, en-
riara
o
lago tertorosa do que vira.
O Ico eslava ama praea de armas, prompta a
recebero inimigo sobre astrincheiras, a qualquer
hora ; o Largo da cadeia todo embarricado, os
murres accesos, e ama pega asseslada para a
cada, ao que dizia Dinis, para fusilar os presos,
ao menor raido. Alguns
prximo perigo, se tintura
sao. A' rolla porm de seus parlamentarios,
Oiois conheceu que toda a resistencia Ihe era
intil, e mus eiforcos sfariam tornar mais cruel
a raiva dos patriotas. De facto era exponlanea e
t oda nacional a reacio, qoe se operara : de lodos
os lados corriam os patriotas sobre ole com as
armas na mao.
A Iota eom Filgueiras ja era deesmorecer, e
nao era este somenlo o perigo de Dinix : torgas
respeilaveis se avisiohavam pelo lsdo do Riacho-
do-sangue, ao mando dos patriotas coronel An-
tonio Bezerra de Souza Uenezes, Betnardino Lo-
pes de Senos, e Domiogos Paz Boto.
Dinis resolveu-se a abandonar o Ico. As 5
boraa da manhaa, cravou as duss pegas, mutilou
todos os artigos bellicos, que nao poude conduzir,
e poz-se de marcha, caminho da capital.
Tinha apenas deixado a villa, quando Pinto
Madeire, com a guarda avancada de Filgueiras,
se apresentou ante as trincheiras de laa, que de-
fendiera o Largo da cadeia. Ahi dirigi urna
intimacio de reoder-se, que a Dinis fazia Fil-
gueiras, a quem qualiflcou decapitao-mor meu
amo : e nao acbando, quem Ihe resistiese,
oem respoodesse, mandou deitar absixo um pan-
no da trincheira, o penetrou al a cada. Os
presos eram anda acor rentados com a pega em
pontana, ludo no mesmo estado, em que Diois
hara deixado. Filgueiras nao se fez esperar, j
entrando fmmedlaiameote com o grouo do aou
exercilo. D-oois de ter soltado os presos, des-
tacou Pinto Hadeira, com toda a forca de cival-
laria, e ordenando-Ihe, seguisse Diois.
Pinto Madeira, fazeodo-se acompanbar de al-
guns patriotas, que vtobam de ser sollos, parti
aceleradamente no encalco dos fugitivos, mas
ja os foi encontrar debaixo de cerco e batidos
pelas torgas do Riacho-do-sanguo, a 8 logoas do
Ico, oo sitio Forquilha. Depois de um fogo vi- i
vissimo, ji privado da cavalgadura, que Ihe ha- j
fia sido turnada, e nao podendo resistir urna
mullidlo, que, um disciplina nem temor,' ae
laocava a pegar s maos os seas soldados, Dinis
tratara de render-se. Foi nestas cunjunctarss
qae as tropas do Cariri chegaram ao thealro ds
lula, e diz-so, que Finio Madeira pretender
fazer espiogardear este ofBcial, ja privado da
espada e 4 merc dos vencedores, e que fra
destrahido deste proposito pelas instancias do
coronel Bezerra.
Diois e Jos Flix foram levados presos para o
Ico, onde foram recolbidosa eoxovia, e mus sol-
dados incorporados ao exercilo independenle.
Neste mesmo dia (27) a cmara do Ico nomeou
Bezorra aeu vogal no governo temporario
Este passo arriscado, este acto de energa dos
patriotas, muito antes de ser coobecidoo pro-
Filgueiras, as Var-
eleitores receberam
aviso para se acharem na Fortaleza no 1* de mar-
Variedades.
TINHA DE SER.
gorerno temporario oo julg
ministra-la sem o mandato de toda ella.
Nos primeiros diasde Janeiro de 1823, Filguei-
ras, Antonio Manoel, e Sobreira, com todas as
torgas reunidas, tomaram o camioho da capital.
Iam com o goveroo muito de seus amigos, eotre
destes preveniaoTdo' >? q feito ouvir de confia- *'P.mU junta da feenda. lugar que Ihe
raleu o odio dos Bncios, e talrez a morle.
Os das ds independencia foram os lempos he-
roicos do Ceari. Homens pobres, sem oulros re-
cursos pecuniarios, que nao o mesquinho cofre,
que Ibes preparou a cmara do Crato, os mem-
bros do governo temporario contara que nada
Ihes (altara. Isto succedeu ; pois que, dursote
seu trajecto.de todas asparles Ihe vinttam dooa-
tiroa de gados e vveres que abastcenos a ex-
pedido, atchegara seu destino.
Filgueiras fez sua entrada da capital, um ex-
perimentar a menor resistencia, acbando P*rbro
inleiramente descrido o sem apoio algum. o dia
23 de Janeiro tomou posse o governo temporario,
e desse dia qae se deve contar a independencia
para o Cear. *
O governo temporario foi assim organisado pelas
localidades :
Jos Pereira Filgueiras, presidente, Crato.
Jos Joaquim Xavier Sobreira, Larras.
Joaquim Filicio Pinto de Almeida e Castro,
Quixeramobim.
Fraocisco Fernandos Vieirs, Inhamuns.
Antonio Manoel de Souza. secretario, Jardim.
O coronel Bezerra foi incumbido do commando
das armas.
(Continuar-sena.
DISSERTACO
offerecidaao IIlu. Sr. Dr. Antonio Wi-
truvio Pinto Bandeira e AccioliVas-
concellos, mui digno lente da 2.a ca-
deira do curso Commercial Pernam-
bucano, pelo esludante do mesmo Jo-
riniano Fernandos da Silva Manta.
Qual o ciracteristico qae des-
tiogue a escripturacao por par-
tidas simples d'aquella por par-
tidas dobladas?
Qual dos dous meihodos de-
ve ser preferido na euriptora-
glo dos livros e quaea as razes
da preferenria ? Harer um
methodo especial imposto por
le?
No csso de harer qual elle
seja? Nao exislindo' essa impo-
sigo. o que dispoem a legisla-
gao commercial com relagio a
materia ?
S ao derer de alumno deste corso, me propo-
A cidade de Presin (Inglaterra) foi no da 14
do prximo passado tmpreasionada por um crime
commellido no abarracamento de Fulwood, e que
custou a vida a dous vtenles offleiaes do regi-
ment 32 de infantaria. O criminoso um jo-
ven soldado de 19 a 20 enoos chamado Mac Caf-
feray.
Alguos rapaces que briocavam junto das bar-
racas, alirarsm pedrss is janellas e quebraram
alguns udros.
O capillo ajodaote Hanham, ordenou a Mac
Gafferay que procurasse ssbaronome dos paes
dos npazes culpados. O joven soldado mostrou
tao mi vontade na execugo deeta ordem, que foi
coodemnado a 14 das de prisio.
Logo que Ihe foi intimada a senteuga, foi ao
seu quarto pegou na espingarda, que carregou
sem ser visto, e poaco depois o coronel Crofioo,
que passeava de brago dado eom o capillo Ha-
nham, cahia atravessedo por ama bala, que en-
trando pelo lado esquerdo, sabio pelo direito, e
foi aioda atravessar o brago esquerdo do capillo
Hanham e alojar-se as costas deste, junto da
columna vertebral.
O corooel fallecen na noite do dia 15 e o capi-
llo na maohla de 16.
O coronel Crotlon contara 47 annos e tioha fei-
to a campaoha de Crimea. Na balalha d'Alma
estava i frente do regiment 20, e em Inkermann
commandando una das alas do exercilo ioglez
foi era rom en te ferido.
Era um dos mais distinctos offleiaes, muito
considerado pelos seus collegas e amado dos
seos soldados.
Deixa viuva e fllhos.
O capitio Hanham que tinha 38 annos, fot
a guerra da India em 1845 e 1846, e fti ferido na
batalhi de Moookee.
n nnii foi u.8o pmo tara restaaotta e II-
mitou-se a dizer que a quizera malar o capillo
ajodaote Hanham, e qoe se farira o coronel fon
sem querer.
lio a torca deste argumeoto e
, JOrpado, mas, ji tarde que nao tor-
Ira a jogar om camnheo do iam.
i 1 amigos qoe deseenflem do todo:
aquelles que lie propozerem jogo de cartas nos
#as)ons.
Esta noticia um aviso para as pessoas quj
per precalo ou recreio, tenham da viajar nos ca-
miohos de ferr. ",
Al ji so rouba a vapor 11
W P0WG0"E7TLttBrTR'.
Achules Ssiago, pertugusz, nesceu na cidade
de Lisboa, e oulros dizem na rilla da" Vidigueira,
em 15 de junho de.1524; seu pae Paulo Nuoes
Blago, cavalleiro illuslre e guerreiro, desejando
que eatefllho Ihe herdasse o mesmo geuto, Ihe
poz aquello nome, e o levou consigo i Indi,
pora qae na toara edade de menino tetesete a
aprender e exereitar os precellos o segos heroi-
cas da arte militar. Mas como Achules Estaco
era mais inclinado is lettras qoe is armas, com
licenga da sen pae voltou par Portugal, enio
sslisleito com aprender em Evora leliraa humanas
com o grande mostr deltas Andr Rezende, de-
sojando instruir-se em maiorea aciencias. paaaoe
i univeraidade de Lovaina, onde foi discpulo do
famoso Pedro amo, eloquentissimo orador da-
quelles lempos, e o egualou, se olo exceden na
oratoria e n poesa, e as noticias das linguas
grega e hebraica em qae foi egregio.
Applicou-se tambera com grande fervor ao
estudo das sagradas lettras, em que nao foi me-
nos verdadeiro e scieote. Por causa daa guerras
qae naqaetle lempo havia em Flaadres, deixou
a univeraidade de Lovayoa, passou s de Paria e
depois a Roma, onde os sapiencia foi condeoora-
do com ama cadeira e mereceu grandes louvo-
res e estimagdes das purpuras,. e pessoas mais
doutas. Pi IV o nomeou secretario do concilio
de Trento: S. S. Pi IV ( a quem foi multo
aceito) o fez secretario das carlaa latinas pan os
principes; Gregorio XIII p admittio no numero
dos seas familiares'. Aos meamos poolifices deu
obediencia, por mandado de el-rei D. Sebastiao
duas vezes, e ama em nome dogrio-mestre de
Malta fre Jlo de la Vlela, com tres elegantis-
simas orages, que adrnirou Roma, aendo patria
de grandes oradores. Viveu sempre no estado
de celibato no retiro a com desioteresse, sem
aceitar os lugares do chronista lati de Portugal
e guarda-mor do archivo, para os qaaes o con-
vidou el-rei D. Sebestito, oem o de secretario do
cardeal D. Henrique, depois que foi acclamado
re; nem muitos beneficios ecclestasticos de gran-
de renda, e autoridades que se Ihe oflereceram.
Com 57 annos da edade falieceu em Roma a 28 de
setembro de 1581. Compoz mais de 25 livros
e Inalados de varios assumptos eruditos, sagra-
dos e profanos, em prosa o verso, que deixou im-
presso na lingoa latina.
iro com un cstrifero que economiza combuili-
val a agua.
AEMBAIXADA MARROQINA.
Um jornal hespaahol di a segualos lateen*
coes sobr a emoaisada marroquioa, que aetaal-
s A raaioria do* olvidos que a compem
distingue-se pela sus aobriedade, e quanto mais
4 elevada a sus eathegoris mais frugalidade os-
tUtam.
Os cheles tambera se distioguem por sua exac-
lidio as rezas. Alm des orages quolidianas e
obriglorias, rexsm com (requencla, passando as
contas de um grosso rosario, dividido em tres
parles iguaes, de 83 contas cada urna.
Estss divises terminara em duas contas ne-
gras, e separadas urnas das oulras por urna con-
ta comprida de marflm das cruzes nos nossos rozarios.
Os mouros rexsm com a maior devogo a corn-
poatura, um faier se exageradas e grotescas fi-
guras que o vulgo aeredila. A maior parte das
suae orages sao loavores o Deas.
(Jos trsxem o rosario no bolso, ou entre o pai-
to e a tantea, a oulros o pendura I cabeeeira
da cama, e alguma vexea no puoho da atoada ou
guma.
Todos gostam muito de essenetae, aromas, flo-
res o msicas.
Alguns perfumero-so osabem escolher oschei-
ros mais suaves e delicados.
Acompsnha a embaixada um individuo que Ihe
serva de medico, cirurgilo e barbeiro. Tem idaa
muito atrassdas da medicina, conhece poucas
euferraldades, e igoora completamente o que
tiaiea. a que aos rarissimos casos que ha no seu
paiz, chaaam mal do coragao.
Na cirurgia para as feridas olo coohecem ou-
tro remedio senio s cauterisago e algamaa plan-
tas medicioaes, porm, teem lana ( aellas, que
um srabe que esil com um panartco o'um dedo,
assegura qae em Xaoger lh'o carariam em tres
dias.
Rapara a miudo a cabega. O barbeiro mostrs
ler grande pratica do seu officio, pela rapidez
com que maneja a navslha, que de espago cor-
re ao longo do brago esquerdo, do mesmo modo
que os nossos bsrbeiros a paseara na palma da
mi.
da um
afolas
odena,
O mermo, ala _
lalgado atl fitla i
por nm tutajatjsjto
e4s)**o.
Temi ii obtido
as escrophulaa. segu;
phinico $lrych*\no, o pi
o trainaeoto do mttm
com n 9trycbn)oa al
experiencias peas dir
de Turio, o profetsor Ircolani ; i
melli pode obter oo oseit felrtas
um grande numero do eevalloa .
molestia, e que foram sabnetiidea a
lamento arsenioso stryeJt***.
Nio se ignorando qae a aorase 4
ga produz mal estragos em Fraaca,
pede cavallina e principalmenls sa
da carallaria :julgamos aatto atil c
attengio dos nossos veteriearioo
berta do sabio msdieo de Medao.
rao pala srasnl-e ajss*
aaaa
EXPOSIQA DE LONDRES.
A comminlo da exposigio internacional da
Londres fechou o registro para todos os pedidos
de logares, por laso que os qae ji hara exee-
dism mallo o espago dispooi'el e olo cahia no
lempo construir oras annexages.
COLLECQAO BIOGRAPHICA.
O archi-chanceller da Uairersidade de Roma,
vendeu ao baoqueiro hespaahol, o Sr. D. Jos
Salamanca, urna collecclo rarissima de 60 rolu-
mes de norellas hespanholas do secuto XV, que
se encontraram na bibliotheca de Atexandria.
Deu por asta collecclo 40,000 francos (18:000))
rs ), que foram destinados para compra de obras
de jurisprudencia, medicina e mathemalica, pa-
ra uso dos professores e estudantes da anirersi-
dade romana.
ouociamento do Ipiranga, desmoralisou comple- nho a expender miohss fracas ideas a respeito
tmenle o governo provisorio de Porbem, e r>esde dos pontos em qaettio ; porquanto me julgo de-
logo coosalldea o goveroo temporario do Crato.' matiadamente deaprovido de scieocta para dis-
As tropas se despenaran), accordes no peosa- sortar em lio alta escalla ; e por isso, pedindo
ment de mais logo e em outra parte de novo se ; venia a vos, mea illuslre professor, passo a oceu-
reunirem : o ponto de reuniio ere a Fortaleza, a par-ma da materia, certo de que seris benvolo
senha Independencia. A revoluco quera ir a- para retevardes os meas repetidos erros.
diaote, e fazer-se aceitar pelo reslo da provio- i Para demonstrar o caracterstico, que destingue
cia, como um tacto consumado. Filgueiras fez-ja escripturagao por partidas simples, da que
MONUMENTOS.
A cidade de Missolooghi ( Grecia ) propz-se
levantar um monumento a lord Byron, que a 19
de abril de 1824 morreu as muralhas dsquella
cidade, entio sitiada pelos turcos.
0 lugar onde repousam os restos mortaes do
grande poeta foi provisoriamente marcado por
urna pequea pyramtde o protegido por arrores
cootra toda a profanagio.
A legacio iogleza em Alhenas favorece o pro-
jecto de coostruegio do monumento.
No cemiterio de Oulios, porto de Lyoo, (F/sn-
ga), inaugurou-se um monumento sobre o tmu-
lo de Jacquard, inventor dos loares, que teem o
seu nome.
Esti no centro do cemiterio, em trente da
porta de entrada, sobro algumas escadas cima
do nivel do alo.
Compe-se de urna podra tumutar, em rolla
da qual se enrolam folhas do amoreira. Na ca-
beeeira da pedra Iam urna outra de mar more
braneo, na qual ao r um baixo relevo, ea que
apparece a cidade de Lyon comando o busto de
Jacquard. Por cima U-. ia.ccpQio era let-
tras de ouro : A Jacquard.
MERCADO DE TTULOS.
De ama correspondencia dirigida de Turin, em
4 do correte, a nm jornal de Pars l-se o se-
guinte :
M. Bastogi prometteu 17 projectos de lei fi-
oanceiroa para equilibrar a receita com a dea-
poza.
Tres d'esles projectos, qae acabaos 'de ser dis-
tribuidos aos depulados; atleslam qoe o ministro
tem um espirito simultneamente inventivo e de-
mocrtico, pois prope a renda de todos os ttu-
los de nobreza.
A laxa para a concessao de ttulos de nobrezs
asaim regalada :
Para o titulo de principe.....
de duque.......
s- de marquez....
de coode|.......
b de visconde....
de bario........
Se o projecto vinga', muito desfavorecido deve
ser em Italia quem nio tiver um brazao 1
O PEIXB MULHEB DE ANGOLA.
Foaos nos os portegaezea eoqae
Europa, lano em geograpUa
reote partes da historia aataraf
uns intnirtaente aovos, oatros a
qoe havia solea.
No Itinerario da India por latan
1609 par ir. Gaspar da S. BeraaranM,
achamot a deecripgio do Ttieswchat
de Lioneu, Le-Laaaatia deCurier. ea,
do a nomenclatura por lagaa, a Maaataaa, ea
o Peise Bei do Paria ea aPart Malaar do
Angola.
Eotre oulraa caridades qoe ao anadaatal de
Da noa Qzeraa, foi mostrar-eos nal
Iher de que nesta costa ha aaita, a |
dos moostros do asr nais notareia,
feiges.
A cabaga, ainda gao espalnoda
tem muia proporgio coa o do
mulher, na qaal alo tea ea1
cama mui miuda, oa ola o*
peitanaa nem sobranealkaa, a testa larga.
grande e as ventas taaaabaa cama da baaarri
bocea como de arrala eheia
Ihe aahem fra aaia de aa
sao os preaadoa e SJaa tana portiraiar
ra algumas eoferaidadea i
Os beigo san grosaoa o datxal
que lhes apparecea de coatlaaa
tem debaixo ea modo qao pateca tetr
qui te Ibe escoa junto das dantas
Nio Iam bragoa, mas ea sea lafsc
tanas largas e comprida.
D'aqui al ao lia do corpa tea
coeade mlh*r, coa lelas gtaades a qae cria
fllhos e lhes di leite.
A bocea do estomago aira, o a paila branda a
macia, a a daa costea palo contraria
aa. Do meio corno ebaixo les* lado
peixe com rabo o escama. Nao fama.
morre, sabe em torra, na qaal
mui sentidos, o com ellas santa,
lempo sm morret qao todo abala
50.000
40,000
30.000
20.000
15.000
10,000
francos


a
>

UM ROMANCE BEM PAGO.
Diz o Jornal do Havre, que Vctor Hago ven-
deu i casa Paguerre. por 41)0,000 francos......
(72:0003000 ris) o maouscripto do seu romsnee
Os misenveis. Este romance sppareceri dis
o Boletn de Pars em folbetins no Juroal doa
Debales, antes de ser vendido nt livrsris.
se de folia ao Crato, onde eolrou, conduzindo
presos os dous offlciats, e debaixo de snst or-
dens os soldados do gorerno portugus: Diois e
Jos Flix nio oblireram distinegio alguma,
aendo recoihidos i cades, como dous criminosos
vulgares.
aa
FOLHETIM
A DAMA DAS PEROUS
POR
A. DUMAS F1LHO.
feila por partidas dobradas, bssta reflectir as
propriss deQoiges, que o compendio di a res-
peito de um e outro metbedo, o que trar a con-
viegio de que a simples difiere da dobrada, nos
seguiotes pontos:
i.' Porque a escripturacao por partidas simples
O JOGO NOS CAMINHOS DE PERRO.
Um commercisnte que antes da sus partida de
Fnnga para Londres, tinha sido prevenido por
om amigo de que devia desconfiar de certos gre-
gos (jogadores de profissio) que no trajelo de
Dover para Loodres limpavam o dioheiro aos via-
jantes, edereveu depois a aquella que o avisara a
seguinte certa:
O caso da que me haras prevenido veri-
fico u- se na mi o ha presenga entre Dover e Lon-
dres.
Um indifiduo vestido como um verdsdeiro
fi'lalgo.juoiou-se e um outro e subiram para o va-
gn em que eu me achara. Um delles propoz
so outro um jogo de cartas; o jogo snima-se e
os dous eonvidaram os viajamos, iato a mim e
a um joven suisso, qao depois de longa hesilagio
se deixou tentar a per deu 23 libras, o r elogio, a
cadeia e aa suas joiss I
Depois de ter despojado a'sus victima, os
dous escamoteadores dirigiram-se a mim como
eu previa. Vaio-me i mente ama idea original e
disse-lhes:
Son apaixonado pelo jogo e peza-me nio
poder jogar comvoseo, porm no trajelo de Pe-
rla a Calais tire a mi sorte de me encontrar no
mesmo wagn com dous larapios que me limps-
ram quanto trazia ; e expliquei o caso contando
exactamente o que elles scabirsm de fazer.
Gomo se pode jalgar flearam aturdidos rendo-se
desmascarados.
O suisso que eu julgava cumptice delles em-
pilideceu, mas calon-se.
Confessou-me mais tarde qoe tiren medo
dos dous ladres. Estes, vendo-se descober-
tos, desceram na primeira estago e nio rotla-
ram.
Quando cimos sos o suisso queixou-se do
A RAINIIA DE MADAGASCAR.
Raoarolo, raioha de Madagsacar, morreu de
um cancro no pello esquerdo, oa idado de 70
annos.
Expirou a 18 de agosto s 6 ds tsrde a o seu
primeiro ministro, partidario de Ramboasalam,
sobriobo ds rainha, occnltou a morte dests dous
dias, e mandou meter na prisio do filho do Ra-
navalo, Rokoloo que ella tinha declarado seu
euccessor.
Um europeu amigo de Rokoto, deu parle do
acouteeido aoaseus partidarios. Estes reoninm-
se secretameote, e no momento em que Ram-
boasalam sahia do palacio para o templo onde
devia ser proclamado re, atacaram a sua escol-
ta, e na luta foi morlo Ramboaaalam e o primei-
ro mioislro.
O principe que eslava preso .foi posto em li-
berdade, e proclamado rei de Madagascar com o
nome de Roknto Radama I. Deu em seguida urna
amnista geral, annunciou urna constituigio e
revogou os editos de sua mil contra os estrsn-
geiros. Este principe era protegido pela Fraogt.
* ______
EXPOSIC-VO DE LEEDS.
A exposigio de Leeds foi a maior de quantas
tem harido era Inglaterra, pois as machinas ex-
postas oceupavam um espago de milba e meia,
dividido em duas secges, urna para as machinas
em movimento e outra para s quietas.
Vism-se entre ellas sppsrelhos para coser a
vspor os alimentos do gado, machioaa para co-
zer esleirs especiaes para tactos, para depurar o
bagago da linhaga, par remover e soltar afier-
ra e para fszer tijollos. Hara lambem trilha-
deiras, moinhos, corta-palbas, corla-raizea e tri-
turadores de grlos e semenles.
Entre as locomotoras distioguio-se ama com
um iojeetador que iolroduz na caldeira toda a
agua necasssria, sem bomba nem vlvulas, e ou-
OS MONTENEGRINOS.
Urna correspondencia publicada pelo Morning
Chrooic, di as seguiotes informles cerca dos
montenegrinos :
A verdadeira causa da auaencia daa lea que
ha eotra os montenegrinos, a sna lata cooii-
nua com os turcos. Continuamente expostos a
lovases neeessario que todos os homens sai-
bam servir-se das sosa armas. Obsera-se que
este paiz que olo conta mais de 120,000 habitan-
tes, se pode, em algumas horas reunir 20 a DO
mil soldados, afora os reinos e meninos.
c Nos caaos extremos, as mulheres transpor-
tan! os enfermos .s costas, e os escondern por
de Iraz dos roebedos de oode elles podom atirar
sobre os inimigor. Nio ha tropas regulares no
principado.
Na occesiio de perigo pem todos de psrta as
suaa ioimlaadea individuaea e obedecem ao seu
chefe. Porm em lempos de paz olo recoohe-
cem oulras lers se olo a sua vontade.
Habituados a privecoes fazem rpidamente e
sem fadiga, maicbaa forgadas. Quando pere-
guem o inimigo correm quasi tanto como oa ca-
vallos.i
Quando o inimigo a ranga escoodem-se nos
mallos e deslacam em grupos qae ataendo at-
iraham o ioimigo is emboscadas.
Escolhem babitualmente o norte para atacar.
Quando eoconlram oa torcos om campo nxo
precipitam-se furiosamente sobre os bitalhes
formados, o se nio cooseguem sempre derrta-
los, deeconcerlam sempre o inimigo pels raptdex
das suas monobras.
*
SIX
(Continuagio.)
Dizia essa carta :
Vamos cada vez melhor. Temos j noticiaa
positivas. Elles tinham apenas atravessado Bru-
xellas e o bargo-mestre nio poden dar neohuraa
indicarlo ao homem do caminho de ferro. Nio
perd coragem, e segundo as minhas inspiragoes,
Sarti para Aix-la-Chapelle, onde acabo de chegar.
duque, levando comsgo a mulher, procura
5r entre mim e ella a maior distancia pussivel.
eve seguir portanto a linha do norte. Foi bom
que eu pensssse assim. Nio sei se a certeza
que eomego a adquirir que me pe neste estado ;
mas o que verdsde que estou quasi alegre,
meu charo amigo, e esta viagem perde ji suas
cores sombras e desesperadas. As causas e effei-
tos simplificam-se gradualmente i meus olhos, e
j nada mais rejo de extraordinario nos novos
acooteeimeotos de minba vida. Sinto, sei que
me approximo de Anneite. D'ahi nasce sem du-
vida a minha eonflanga. Em summa, o que te
pasta, poda seentecer todos os dias. Um marido
qoe leva sua mulher, urna mulher scempaohada
por sea amante, sio coasas frequentes, e nio aa
exagere!, senio porque nio esperara por ellas.
Elles bio de parar em alguma psrta. Ah os en-
contrare!. Posto ir sonda elles vio. Son mogo,
aou forte e sou lirre; porqao razia havia de de-
sesperar? Tenho certeza de qae alia ama -me ;
fari todo para rer-me. V-la o principal.
Quando pens qae taris aido lio fcil Deas ma-
ta-la como faze-la partir: que, aa tiveste mor-
i'
n Vida /Hartn. 980.
rido, o facto nio tea recursos, e a minha dr
coosolag&o ; quando pens nisso e vejo que ella
vive, que podemos reunir-nos, qae ella pensa
om mim, qae ea talrez a veja amntala, eu seria
ingrato para com Dos se nio Ihe agradecesse,mes-
mo quando eu estivesse mais prximo a na en
trstecer do que a alegrar-me. A dr do homem
negocio de comparagio. Basta qae so tome a
medida mais elevada da dr humana, para ver se
a oossa dr pessoal diminuto de toda a exlenso
do nivel tomado, e ao qaal, i principio, julgava-
ae ter chegado. O homem sentir a consolacio
invadi-lo poaco i poaco, como se v sob o calor
do verlo, allongar-se no tubo de nm thermome-
tro, o mercurio que o fri conservara no fundo.
E' isso to verdadeiro qoe, quando i pouco eu
soube a noticia, cujos detslhes le vou contar, sen-
t om ataque de riso nervoso e por ara trz que
me ponho a cantar. Esqueci por um instante o
lado serio da aventura, para s ver o lado cmi-
co : nm marido, cojas combinages todas sio
destruidas por meios iovlsivels. A minha pri-
meira alegra esteva em relagio do vslorcom o
meu primeiro pesar, e para continuar a compa-
ragio, eu eslava abaixo de zero, enm ralo deso
fez-me subir bruscamente dez grios cima. Pa-
receu-me de repente que o meu drama torna ra-
se comedia. Preflro esse destecho, e creio que
ebegarei i elle com alguma destroza.
Agora nos, Sr. Derqui I nio pode en deixsr
de dizer pondo a mi sobro om ponto de apoio
verdadeiro, e ea frente do Mascarilla, i quem
deria esse feliz Incidente, lembroi-me da Etcola
do$ Maridot, lomei a couta pelo lado jocoso, e
paase ao eaiado de Chilaodre, riodo daa difflcul-
dades, brincando com oa obstculos e confiando
ao seu espirito os inleresses do seu coragao.
Emflm, els o fado :
Ha roela hora, ao sshir da estacio. eu me
ditponhi a procurar um hotel para pastar a noi-
te, quando um mancebo, com a pala do benets
pechada para os olhos, depois de sa ter tpproxi-
mado silenciosamente de mullos viajantes e t-
loe enminado tttntsmente, approximou-se em
ultimo lagar de mim, e fez-me pastar palo mts-
mcexsme:
O TURF.
Na noticia que publicamos do fallecimeato de
lord Monlgomerie, dissemos que este antes de
figurar na poltica tioba brilhado muito nos an-
naea do turf.
A'a corridas de carelios, em que se faxem (abu-
losaa apostas,) qoe em Inglaterra chamara o
turf.
Lord Montgmorie, elcangou um grande trium-
pbo cem o aeu cavallo Bleu-Bonoel ; em 1847
alcangou outro trumpho com Van-Trama, qae
tsmbem gsnhou o primeiro premio de Good-
vood om 1848. As suas mais notareis victorias
alcaogou-aa com um cavallo cujo retrato se v
pelas lojas e casas de [oglaterra.
PRINCIPES GUI IR II ROS.
O conde de Paria a o nasas da Chatre,
do fallecido daqoe da Orienta a notas do rei Lata
Philippe, entraa ao service alo gavera* do
Washington, atisundo-so na exercit* federal,
como tjudantea de campo do genetal ta chata
Mac-Glellan.
Quarem gaahar glora militar no nonato pai*
em que Lt Fiyette a eonqaiatara.
O duque de Chirires ji aa alciata guerra da
Italia serviu no exercilo piemealez.
ROMANCE TRGICO.
Deu-se naa imraediagoes do Va
teciment doloroso, qu
sio.
Um joven hngaro, cadete da a
austraco, apaixooou-ee por ama joven
nade rara belleza, qae Iba carreaaaadiac
paitio, porm a joen tinha declarado i
do trea iraios que coahatiaa
exercilo italiano, nao poderla
mi a um official do exercilo
Na correipoodeecea aaereoa
a jovea, firme not i
va aenpra que nio saris nanea
oao podia aer daqaette a qeem anata.
O adela aongaro podio por
eolrei>ta, qu* Iba foi recusada.
ltimamente dirigiu i joven ta
carta, em qae mais enrgicamente
obter urna entrevista.
A joven reapoadou con oova recoea a aeras-
centou :
Tenis bastante corsgan pata no notar T So
estaes por isso, irei ao sitio iadiea4a. Naa) atas
senio com esta condigno... Matea na hada, atan
haris de reapeilir-me... 8o en ai*
posta, porqae acceiuea a aa
que espero de vos. a
A carta ficou sea respoots a i
partiu, depois do lar ponto i dala
flores Brancas.
No dia aofolnto, no lagar d* i
oa nbeira lando, viraa-oa ea torra,
lrma OO cruz, a espada e balaba do
gara, e an volta floree dastolhsdso.
Seguindo-ea a carrelo a'agaa, an i
xo, apparecaraa oa eadaveraa das
enlagado noa eroeoe an da outro.
A mi do jovea heneara tinao aa .
fundo d'agna, rait de na
mente para que a norte feos*
mais certa.
A joven tinha ainda o aa* raa_.
cas I cinta, a provoa-seqae todas a* i
des supremas foram respailadas.
Parecen reconhecer-me e padindo-me qae o
seguisse de parte, disse-me :
E' o Sr. de Feoil?
Sim, senhor.
Tenho ama carta para o senhor.
Ao mesmo tempo entregara rae um bilhete
escripto lipis, dobradoemquarto; sem sobreca-
pa a sem sinete, corr urna laoleroa, porque
era noite. A carta era de Annette. Seria poss-
vel: li.
Domingos que me prometteu entregar lbe
este bilhete, promelleu-me procura-lo por toda a
parte, ha de eocootra-lo. B' um rapax dedicado.
Nio posso ser muito extensa. Estou muito ro-
deada, muito vigiads. Ainda nio sei para onde
vou : mas cerlameote pararemos oo Hanovre.
Apie-ae no hotel da Uoiao. D'ahl s podemos ir
at Berln, ou Dresda. Em Berln, lome o ho-
tel de Inglaterra ; em Dreade, o hotel de Fnnga.
Achare! sempre meio de ficar dous dias era qual-
quer dessis cidades, e nao ire a diante de Ber-
ln ou Dreade. Eu lh'o juro. Em Saxe e na
Pruasis, pobiiea-so o nomo doa viajantes nos jor-
naes. Pode por tanto informar-se. Por meu la-
do, cooseguirei correspooder-ne com voc. me-
me, o que eu Ihe pego. Son oem infeliz a eatou
bem doenie. Servio de alguma causa o quatro de
espadas T Nio fago outra couaa, se olo panssr
em toc. Perdoe-ne ler partido; nos quando
souber tudo, ver que eu nio podia fazer ootn
cousa. Coragem ; nio perca lempo ; nao me
abandone, que eu morreria.
c Reli dez vezes essa caria. Julgas a miaba
alegra. Como posslvel que palavns lio tris-
tes nos potsam tornar lio alegres.
Onde esti a peaaoa que Ibe eolregou este
bilhete? perguntai eu ao maotageico.
a Partiu para Colonia.,
a Que hotel tomari ?
Nio sei.
Vae ter com ella?
c Nio, senhor.
c Onda vae?
a A' Pars.
Gomo me recsnhecsu ?
a Ji coohecia ao senhor.
Onde me vlu t
CURA DO MORMO.
A Preste de 19 da setembro, d o seguiole
remedio cootra o mormo :
< Urna descoberla muito importante acaba de
colher a scieocia veterinaria, pelas observages
NECROLOCIO.
Os. jornaea inglesea neateton o
de Eglinton. fallecido na
de apoplex a, na cata de
Mr. White Melvle, en St. Anote*,
ido paitar alguna dita.
O illuslre finado, depois de tor sido pea-
tos sanos un dos erocieaes cea paos da tor/.
eolrou na vida poltica coa a a adaotetraehe a*
Sir Roberto PeeL
Foi auccettivanealo lord lagar taaaato daAyrs-
hire a vico rei da Irlanda.
Era filho da lord Moat-Caaarla, can
figura ha 600 annoa oa priaeira liat da
za da Esc os si a.
ConasaTcto
Z '
Em cata da Sra. duqueza.
O que fazia li ?
Era criado particular do duque, o duaa ou
trae vetea vi o Sr. passar.
E agora perdi o mea lugar.
Elle despediu-o?
Nio, deixei-o.
Porque?
Pan Ihe trazer esta caris.
Eolio muito dedicado duqueza?
Ella soffre tanto ?
Faz-me um favor immenso. Em que Ihe
posso servir?
Em nada, Sr.
Entretanto, perdeu o sou lagar?
A Sra. duqueza encarregou-se de tudo: o
meu futuro esti seguro.
Porque razio nio volts para onde ella es-
ti? Poder! servir-nos.
Depois do mea desapparecimeoto, o duque
desconfiara de mim.
E' justo.
Vocsahiu da Pars com o duque a a du-
qaata ?
Slm, senhor. Fui eu o nico confidente
do duque nenie negocio. Ella tioba a maior
coofiaog em mim. Tomou-me ainda mul-
to mogo ao aeu servigo, e devi-lne tudo al
non tem.
a Fizum movimento. A tralgio sempre re-
pugna, mesmo aquello que delta aproveita.
Comprobando, replicou o rapaz. O Sr. dlt
comsgo qae eu recooheeo muito mal as bondades
do duque. Mas podia eu fazer de oulro modo
quaodo vi a Sra. duqueza supplicar a mim, ua
criado ; quando a vi chorar, quando Qz por urna
hora de dedicagio o qao o duqae nunca peosou
em fazer por dez aonoa de servigos? Porque de-
vo duer tudo, senhor, tenho nt amha algiheira
des mil francoa que a duqueza me deu para ir
estabelecer-me em Par eom Fanny, da qnem
sebera qne estou apaixonado.
Ea cornaca va a comprehender qae dis la-
grimas que Aonetta derramara aa qne oais ha-
viam coamorido Domiogos tinham aido as da
ouro. Pouco importara, o resaludo ara o mes-
mo. Entretanto, eu nio poude daixsr de dizer.
Porque razio, conhecendo os projectos do
duqae, em vez de nos ajadar aqu, nio tere a
boa idea de nos previnirem Pars? O reconhe-
cimenloda duquesa teria aido o meamo.
Bm primeiro tugar, senhor, s senbors du
quezs, conhecendo s mioha dedicagio i meo
ame, desconfiara de mim ; mailas vezes tinhs-
me querido despedir. E entretanto, bem que eu
estivesse informsdo das reiages do Sr. eom ella,
nanea a iran, porque Fanny mo tioha dito que
nada risae, o qne o meu recenheciaenlo ao Sr.
duque nioia ahi a espiooagen. A aeahora tai-
vez olo tivesso acreditado no qoe eu Ihe dissea-
sa; depois, eu nio sabia qae e teena qae tinha
de proceder i partida seris lio seria coao foi.
Pobre senhora 1 Como se detenden 1 mas a re-
sistencia era impossivel. O Sr. duque estava
decidido a todo; e ea creio que, se olo so po-
date levar viva, lerala-hia mora.
Voc ouviu tudo?
Nio, senhor; mea amo tlnha-me eollocado
na sala de jaotar, com ordem da nio deitar en-
trar nem sshir ninguem. Ouvi o raido ds scens,
ass nio s scens,
Nio me cansara ouvir Domiogos: en o te-
ria feito fallar toda i noite. Deu-me sobre s
psrtida de Pars, detslhes qae ea olo podia ex-
plicar, ea olo rabia como era que o duque, qae
tinha partido a noite, chegin a Bruxellaa que s
tioha trem pels msnhia. Era bem simples; li-
nha-si feito cooduzir na poita at viole e anco
leguas, o tomara o caminho de ferro quando es-
te pasaira. Acreditas qae done agentes da torga
publica, moni-tos de ordem, acompaohava-o pera
Ihe prestaren! auxilio em caso de nava resisten-
cia da parto da aua mulher. Qae poda ella fa-
zer eoolrt samelhantes neios ? Pobre creatara 1
Emflm, flz com que Daainges sabias* so hotel
donde-te escrovo, nen eom migo at o momento
de partida, en esteva to alegre com a earta que
elle na tinha trazido I Perecia-me que eu con-
versiva nm ponto eom Aonette conversando al-
goem qne a pouco a vira; toda a distancia dea-
appareta eutre essa orlado o eu, e donata urna
hora amai-o como o meu melhor amigo, apar-
tar-ihe aa mioa quiodo part*, e dese&l-lhe to-
da a uta da venturas. Um ponen nais ta-Lo-
his abrogado. S o
sociaea, o coragao san
homem que nos fas aa
claaae parteoeer, torna-a* i
dizer nono iu penar. Ea asi
com lagrimea noa albas, quena*
tirou. Ella levara coastgo naa
me sao a ais charas acato
dade de fallar a respeito;** Aata ; ana* <
deixa-na un vestigio patpavel aafla,
e a esperanga, direi qaasi a earlexa
a ver. Que Deas pigae
que fez 1 Ella paraca*
encontrado lio depressa na ala ana ti vera
do ea Aix-la-Chapelle torta hto
em Braxelli, o d'ahi an Parts; a
prometteri a Aonette, nio tarta
lea de ma tor fisto.
dou-me que toasssa todas
veis para qne a daqoe na* aM
no encontrronos. Ji cartel oa
ba, enaaaoj nio ae raeaaheee.
loma a creio qae ron dormir na
ver-te-hei de Calpra, onda aat
nhia. Dominga* cerlameata tri ler
au disse-lhe qee fosse dizer-te qaa bm fia.
At amanilla.
Colonia.Vaaa Arar
estou rindo como nnttJaaei
ta. Rea i meato alo aai ana lenta
Chapelle ; daas no Irn tana saet
repentina, a ponto do otar qaa i
sar. Sueiaa-a* da.
piriio, prosttaaedaai
roas, sob caja calor aa ana i
de, aaia chata da eeaaonca i
O tempo esti aa poi
a tenho trataraiseto i
illumiaeaa-tn* eeoraei* n'o
manos tonga o penoso.
PERN.TTP. DE M. F.D1 rAMA & FILIO. tfJL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUMH8FJVU_4MZAVE INGEST_TIME 2013-04-30T19:42:17Z PACKAGE AA00011611_09412
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES