Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09410


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Manan
All IIITJJ IDIUQ 2(0
P#r ifMMzes adiaitadts 5fO#0
Ptr tres aezes Yeacts 6f 000

SE60HDA PEIIA II II I0TE1BR0 II Itll
PrtutaiiUi 191000
Ptrte friid pan atH^ripUr.
m
ENCARREGAOoS DA SUBSCBJPCAO DO NORTE
Parahyba, o 8r. Antonio Alexandrino de Li-
ma ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silra;
Araeaty, o Sr. A. de Lemoi Braga; Cear o Sr.
f. Joa de OUrtra; Maralo, o Sr. Maooel
Jos Martina RibelroGuimerSes; Para, Justino
i. Ramos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
__:____
FAKTllUS UU CRREIOS.
Olinda todos os das as 9)4 horas do dio.
Iguarass, Goianna, e Parahyba as segundas
e sextas-feiraa.
S. Aptio, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho
e Garanhuns as tercas-feirai.
Pao d'Alho, Natareth. Limoeiro, Brejo. Pes-
queira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Ex. as quartas-felras.
Cabo, Seriohiem, Rio Formoso. Uos, Barreiros
Agua Preta, Pimentelras Natal quintas feiras.
(Todos os correios partem as 10 horas da manha]
EPHEMERIDES DO MEZ D1J NOVEMBRO.
a Lia ora a i tiara 44 niatos di Urde
9 Quarto cresoente as8 horas e M minutos da
manhia. 5'5' "'
17 La hela aa lfl hura ilTmJn.tos dam.n.
t5 Quarto mingaante ar&horaa e 47mUulosda
manhia;
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 11 horas 41 minutos da manhia.
Segando aa 12 horas e 6 Balastos a> tarde.
cr
PMTE 0FFH-IL
fiOVERHQ BA PROVINCIA.
Expediente do din 1 de novembro
. de 1861.
OHlcio ao coronel commaoJanle daa armas.
Vi S* informf cere do que participa no
offlcio incluso o commandaole da estago naval.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenla.
Era vista da inclusa foi ha m duplicata que me
foi remettida pelocooamandante superior ioterioo
da guarda nacional desta capital com offlcio de
0?!?/ sob 16- mn<1 v- S. pagar a quaotia
de 1005 em que importa o aluguel da caaa que.
servo de secretaria daquelle commaodo superior
relativamente ao trimestre vencido no ultimo de
outubro prximo Ando.Communicou-se ao cora-
mandante superior Interino do Recite.
Dito ao raesmo. Com a inclusa relaco, con-
tendo os non-es das pracas de primeira linha que
ae acham destacadas na cidade da Victoria, fica
satiafeito o que V. S. solicitou em offlcio n. 1,051
de 31 de outubro ultimo.
Dito a thesouraria provincial.Autorlso V. S.
a mandar pagar pela cooiigoagao do art. 38 da
le do orqamento vigente, conforme indica em su
nformagao de 2 do corrale, sob o. 543, a que ae
refere a do director da reparlicio das obras pu-
blicas junta por copia, a quaalu de 136| que se
est a devera Jos Maria Caroeiro de Laceria,
proveniente de podras que forneceu para a obra
eocampada da estrada da Victoria entre os mar-
cos de 6 a 8 mil bracas.
Dito ao director geral da inslruccao publica.
Respondendo ao cilicio de V. S., sob n. 899, u-
nho a dizer que approvo a medida que tomou de
accordo com o parecer do cooselho director de
considerar abandonada a cadeira de instrucco ele-
mentar da povoacio de S. Miguel de Ioojuca. por
ter o respectivo prufessor Jos Ireoo da Silva
Smtos deixado de entrar em exercicio depois de
Onda a pena de trea meses, que Ihe foi imposta
como incurso 00 art 96 S 2 da lei provincial n.
do9 de 14 de maio de 1855, retirando-se para o
lugar de Pootezinha, e depois para Serinhaem,
onde consta que so aclia eosioaodo particular-
mente. Nesta dala offlcio aojuizdedireito da co-
marca para que proceda como dr de lei contra o
referido profeasor, em vista da materia do seu
<;itado offlcio, que por copia lhe remello.Com-
muoicou-se ao joii de direito do Cabo.
Dito ao com mandante do presidio de Fernando.
Havendo S. M. o Imperador por bem perdoar
a Francisca Mara de Jeans, pelo decreto cooslan-
te da copia inclusa o reato do lempo que lhe fal-
ta para cumprir a pena de vinte annos de prisao
simples a que foi condenosla pelo jury do ler-
me de Cimbres ; assim o commuoico Vmc. para
que a faga regressar para esta capital.
Dito ao director das obras militares.Convm
que Vmc. orce a despeza que se poder fazer com
o planto das arvores de que trata o director do
hospital militar no offlcio que aqu ajunto, acom-
panhado de outro do coronel commandante das
armas.
Dito ao juiz municipal do termo de Barreiros.
Coa a copia do parecer do conaelbeira. presi-
dente da relaco com que me conformo, respondo
a consulta por Vmc. feta em dala de (9 de se-
tembro ultimo com referencia ao pretoTheophilo
estrato de Francisco Barreiros Rangel.
Dito ao conselho de compras. Pode o coose-
lho de compras promover na cooformidade dos
artigos 9 a 11 do seu regulamento, a compra dos
artigos e maia objectos mencionados 00 aeu offl-
cio de 5 do corrate, visto seren necesurios ao
arsenal de marinha o aos navios da armada, como
declarou o mesmo conselho.
Dito ao capito Jos Joaquim de Barros, com-
mandante do destacamento do Ouricury.Cons-
tando que Vmc. nega*ae pagar oimpoato pro-
vincial de 2jf5O0 pelo gado morto para consumo
das pracas do destacamento sob seu commendo.
tenho a declarar-lbe para sua intelligencia e di-
reccao, que derendo esse imposto ser pago pelo
valor de cada rez destinada ao taino, qualquer
que seja o seu consumidor, nem om fundamento
legal tem esss sua recusa.Remetieu-ae por co-
pia ao arrematante do imposto aobre o gado mor-
to para o coasumo 00 termo do Ouricury.
Expediente do secretario ao #50-
verao.
Offlcio ao inspector da thesouraria de fazeoda.
O Exea. Sr. preeidente da provincia manda com-
rnuoicar V. S. que, segundo participou o coro-
nel commandante das armas, foi admitdo ao
hoapital militar em 5 do corrate na qualidade de
servente, o paisano Hanoel Monteiro.
Dito ao inspector do arsenal de marinha. O
Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar
a recepcio do offlcio n. 7 de 4 do correte, em
que V. S. lhe participou haver fallecido no da 3
desle mez na enfermara de marinha o africano
livre Joaquim III. Communicou-se ao curador
dos Africanos.
Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar recebido o offlcio o. 10 de
do correte, em que V. S. lhe communicou ter
mandado encalhar aa barreta das jangadas com
o fim de obstrui-la o casco do bri6ue-ecuoa
ifing.
Dito aojuiz municipal supplente de Santo Ao-
to. Alejandre Jos de Hollenda Caralcaoti.
S. Exc. o Sr. presidote da provincia manda ac-
cusar a recepto do offlcio de 4 do crranle, em
que V. S. participa ter naquetla data aasumido as
uocges do cargo de julz municipal do termo de
Santo Auto, por ter o effectivo aasumido as de
DAS DA SEMANA.
11 Segunda. S. Martinho b. de Toara; S. Verano.
12 Tere. S. Marliobo p. .; 8. Mogo f.
13 Quarta. S. Eugenio b.; ?. Zebioa m.
14 Quinta. Ss. Filomeno e Clementlno mm.
15 Sexta. S. Gerirudea v.; S. Leopoldo marques.
16 Sabbado. S. Gncalo de Lagos; S. Valerio m.
17 Domingo. S. Gregorio Thaumaturgo b.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relaeo: torces, quintas e sabbadosaslO hora,
Pazenda : tercas, quintas e sabbadosaslO horas.
Juizo do commercio : qaartss ao mero dfa.
Dito de orphSos : tercas e sextas aa tO horas.
Primeira tara do civil: tercas sextaa ao meio
dia.
Segunda vara do clrel: quarlaa e sabbados a i
horada tarde.
Dlolz Ferreira da Cruz.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
Francisco Ignacio Athayde.Informe o Sr. Dr.
julz municipal da 2* vara do termo do Recite.
Francisco Antonio de Magalhaes Bastos.Nao
lem lugar vista do parecer fiscal escripto no
verso.
Ba'charel Gervasio Csmpelto Pires Ferreira.
Passe portara concedendo a licenca na forma pe-
dida.
Irmandade do Santisslmo Sacramento da fre-
guezia de S. Lourenco.Informe o Sr. inspector
da thesouraria provincial.
Jeronymo Jos Ferreira. Informe o Sr. ius-
pector da thesouraria provincial.
Joo Hypolilo Moreira Lima. Informe o Sr.
director das obras publicas.
Cspitio Joo Jos Rodrigues. Informe o Sr.
commandaole superior da guarda nacional da co-
marca da Boa-Vista.
Manoel Leite Ferreira.Informe o Sr. desem-
gador chefe de polieia.
Manoel Luciano da Cmara Guaran. Passe
portara concedendo a liceaca na forma pe-
dida:
ENCARREGADOS DA SDBSCtWeAO DO SUL,
AlagOasoSr. Claudico Falca* Dies s Bahi.
EM PERNAMBUCO.
c j* PEI?Urioa d0 PUE, Manoel Fageirda? de
rarta & Filho, na sua livraria praca da ladina
dencia ns. 6 e 8. F
Cas. Iastrui as outras pelo vosao exemplo. Esfor-
ca-ros somete ara vos melhorar moral, iotel-
lectusl e econmicamente. Operanoa, troetrai
que sois cidadoa italianos. Preste cada um de
vra sua assigoatura para Boma, d o sea franco
ou o seu cntimo para Veneza ; e insist cada ura
de vs par* que todos facam o mesmo. Venis e
Roma devem aer conquistadas pelo povo. Quan-
do todos liverdes provado que tendea a conacien-
ua do direito italiano, e a firme rontade de al-
canzar, os chefes e o primeiro d'eotre todos, o
homem cejo noaoe proterio com tanto amor, e
que espera na sua soldo de Caprers,nao roa
ha de faltar,
t Adeua, anal o roseo irmo
c Jot Mazxini. a
EXTERIOR.
Italia.
Om correspondente de aples transmltiio ao
Temp a seguinte proclamaco (indita) do cele-
bre Borgea :
1. *i Naf0HUn08 : Quando, ha dous annos, a
Italia desperlou ao aom das armas e daa baia-
Ihas dadas as planicies da Lombardis. aollou-ae
uoj, grilo unnime de um caoto ao outro da Pe-
nnsula ; um ueico desejo sabio de todos os co-
ragoashbettar-se do estrsngeiro 1 Por desgra-
sa esse grito e esse desejo ardeote forana suffoca-
dos pela ambico subalpioa que, vida de en-
grandecimeuto, laocou primeiro os seua aventu-
reiros e depois os seus batalhes conquista de
doze milbes de habitantes.
Calcando aos ps as mate gloriosas tradiccoes
aa patria, insuflando ao mesmo tempo nossos
paes, violando o direito e a aantidade dos trata-
dos, o Piemonte quiz impor-ae como soberano
absoluto de toda a Italiaelle, que nao italiano
aenao 00 nome. Os seus governadores, a exem-
plo dos procnsules romanos, tm-ooa despoja-
do ; os seus goreroos transformam em deserto
as mais bellas e mais (brscenles provincias de
um remo, quo aborrece o seu violento dominio.
Fatigados de soffrer, e nao encontrando re-
tugio seoao em ums lula desesperads, abando-
namo-nos sorte das armas. Sos, e sem soccor-
ro ettranho, mas conQados es justica da nossa
Ctuf emPreneo'lamos urna lula que nao deixa-
r de ler vaotagem para a nossa independencia,
para a nossa- aotooomia SecuoJai os nossos es-
torcos, declara! a guerra a esses druzoi dot hi-
pes, e reiviodicai os vossos dreitos 1 A uoiQca-
So urna ongem de escravido, de oppressao e
de miaeria.
Vede es rossos camarades asqueados, as ci-
5*1** *''";'" -.....i'*.,.>-*..
Soffrereis vos anda impunemente tanta carne-
ge me minas? Sonrereis vos por mais tempo a
irriso e o insulto f Esqueceis-vos tal vez de que
as vossas reas gira o aaogue mais generoso da
Italia ? A's armas, pois, s armas I Sscuda-se o
jugo do Piemonte que nos opprime, e reiviodi-
que-se a nossa independencia I Entre os oppres-
sores e os opprimidos, a sorte nao pode aer du-
vidosa. A nossa cauaa juata e aanla, a cauaa
de Deus; e elle nao permtttlr por mais tempo o
triumpho da tyrannia piemonleza. A's armas.
< Se a victoria nos sorrir. nao racillem os nos-
sos inimigos, porque nos nao somos crueis Como
os seus legioosrios, que, antes de vencer, grita-
am : Desgraga ao vencidos I
Viva a retigio, viva o rti, viva a indepen-
dencia nacional, p
juiz de direito interino da respectiva comarca.- nnSSt n!>..l iS5'"*"." J1' '"'i1* A
Communicou-se thesouraria de fazeoda. 2 I .u""",:Ia.e8," Pn?.aconaamar-
Communicou-se thesouraria de fazeoda.
Dito aojuiz de direito de GaraohuBs, Dr. Tbeo-
doro Machado Freir Pereira da Silva.S. Exc o
Sr. presidente da provincia mandar accusar re-
cebido o offlcio de 6 do correte, em que V. S.
participou que tendo Qodado no dia antecedente
a licen;a de que eatava ao gozo, deixou por mo-
lestia de reassumir o exercicio do seu cargo por
nao poder regressar para a comarca de Garanhuns.
Communicou-se & thesouraria de fazenda.
Dito ao juiz municipal do Cabo, Francisco Au-
gusto da Costa.S. Bxc. o Sr. presidente ds pro-
vincia, manda accusar recebido o offlcio de 5 do
correte, em que V. S. participa haver naquella
data aasumido ss funcedes de juiz de direito in-
terino dessa comarca por ter sido o bscharel
Francisco Eliss do Reg Dantas nomesdo chefe
de polica do Amazonas, passsddo V. 8. as do
ten cargo de juiz municipal ao legitimo substi-
tuto. Commuoicou-se thesouraria de fa-
zeoda.
Dito ao juiz municipal aupplente do termo do
Bonito Jos Joaquim Bezerra de Mello.O Exm.
Sr. presidente da provincia manda declarar 4 V.
S. que pelo aeu officiq de 3 do correte Qcoa in-
teirado do soler allimado 00 ldeate mez a elei-
$ko de eleitores a que se procedeu nafreguezia
do Bonito.
Despachos do dia V de novembro
del*34U.
ReeuenrmiOoi.
Agostinho Manoel do Sacramento. Informe o
Sr. inspector de thesouraria provincial.
Bario do Livrameato.laforme o Sr. inspector
da thesouraria ate fazeoda.
Cerdulioo Jos dea Sent. Nio ha que de-
ferir.
A nit Italiana, publica a aeguinte carta de
Mazzoi, dirigida aos operarios de aples :
< Broastaus, 11 de agosto.
a rmeos:
O mo estado da minha saude tem-se impe-
dido de responder maia cedo s respeitosas sau-
dades, mas respondo agora de todo o meu co-
raco.
< Confesso que vos son reconhecido pela roaaa
meosagem de 15 de junho. Filho do poro e con-
vencido, pela mioha aotiga f e pelas minhas re-
centes obsenages, de que no povo, as institui-
ijoes oscionaes, no poder dos seus sacriflcioa des-
ioieressados, na espomaneidade que nelle rene
o pensamento e a accao, fioalmente na aua furga
irresistivel quando urna orgaoisscio uniforme a
poe em estsdo de a manifestar, exiate a aalvaco
da Italia, acbo em qualquer aandaco fraternal
que me provem do poro ama compensado am-
pia da meaquinba guerra de desconQsnca e de
calumnia que m feta por alguna homeoa a
quem, pelo amor do paiz e da concordia, temoa
cedido, e cedemos lealmenle ha dous annoa o
fruclo do oosso trabalbo.
a Has, sinto alm disso outra alegra, urna ale-
gra que nada tem de peaaoal, urna alegra iotel-
raraente italiana, quando leio e roaaa meosagem,
onde rejo que compreheodeis a grandeza da mis-
sao dos nomeos de trabalbo, e que ros nao dei-
xareia cahir no funesto erro de algumaa outras
corporaces de operarios italianos, que separam o
fim nacional poltico" dos seus interesaos pura-
mente econmicos.
Todos ns" temos um grande dever a preen-
cher para com aa classes operaras ds Italia. A
A Opinione de Turin publieou a seguinie pro-
clamado do novo logar teoente do re na Sicilia :
Italianos da Sicilia 1 O nosso magoanimo rei
Vctor Emmanuel, dignou-se nomear-me seu lo-
gar teoente neataa nobrea provincias. Aioda que
eu hvesse pouca cooflsnca naa minhas forcas,
devia acceitar eatas altas uoccoes por dedicacao
patria. Mas, aoima-me um pensamento, que
o meu illustre e sabio predecessor, que delxa
entrb vos um neme tao honrado e tao doces e
duradouras sympathias, entrando no conselho
dos ministros, me preslsr um soccorro efflcaz.
Mas, o que me anima maia do que tudo, e saber
que tenho a gorernar um poro entre o quaLexiate
enligo odio contra a tyrannia, e que sempre nu-
tri nobree eeotimentoa de patriotismo ; um povo
que1 outf'ora, guiado pela mo heroica de Gari-
Vi quebrar ae su as cadeias, e restituido
a liberdade, quiz, obedecendo aoa deaejos unni-
mes de todas as opinioea liberaos, uoir-se s ou-
tras provincias italianas j livros sob o sceptro
constitucional de Vctor Emmanuel.
Sicilianos, lisongeio-me de achar-me entre
ros, de vos, que no meio de tao numerosas mu-
danzas de homens e de cousss, tendee sabido
cooperar poderosamente, com sabedoria e com
ordem, para o maravilloso reconhecimento da
Italia. Sede unidos, e leremos bom xito. Quan-
(0 a mim, estranho os partidoa, vejo em todos
os lbeme, sem distineco alguna, a immensa
maioria de um nico grande povo, nobres ele-
mentos da sua forca. e que bem tem merecido
da nacao italiana. Considero-me feliz de poder
concorrer pela minha obra para a vossa prospe-
ridade. Rests aioda muito a fazer pelo que diz
respeito ao commercio, industria, s vas de
communicacao, s grandes obra publicas, ins-
lruccao do povo, e administrado regular. Os
esforcos do goveruo comtodo nio rao iouteis, se
iniciativa se a asociar a ellea. Trabalhai para
ros, maa comvoaco, so isto que me pode fazer
esperar o bom xito, aatisfazer ao rei, e obter a
conanga dos sicilianos.
Palermo, 16 de setembro de 1861.
. O logar teoente geral do rei.
a De Petiunengo.
Publicamos hs das urna carta do general Cial-
dini dirigida ao syndlco de aples. O partido
borbnico quera ver naquelle documento um
mnlira ifa Io,.,.h. ..i.. iug icaenle ea
municipalidade, mas este, nao levantando a lura
que se dizia ter-lhe sido por ella lanzada, reco-
nheceu a opporlunidade dos cooselbos dados pelo
geoeral.
*,,.*.rMPata 1 o ayndico deu carta de
Cisldioi:
c Exm. Sr.
O corpo municipal, a que tenho a honra de
presidir, lome voluntariamente parle nos elogios
que havels testemunhado populaco napolita-
na, na carta inserida no jornal offlcial de 13 des-
te mez, a respeito de eua admiravel atlitude por
occasiao daa duas recentes testas.
c Quaoto aos boatos que teem corrido na ci-
dade, e de que V. Exc. nos admoesta, o conse-
lho municipal af&ige-se profundamente por ter
encontrado ecco junto do logar teoente do rei, e
ortica um acto de verdadeiro patriotismo con-
servando a este respeito o mais completo silen-
cio. r
* O ayndico.
Joei Colonna.
aple. 16 de setembro de 1861.
com os credore, depois
flxsr.
E' esta
a final, deixaram de se
Ha pouco disseram alguns jornaes que oa re-
presentantes eslrangeiros tinham todoa adherido
idea consignada no Jornal de Roma, em res-
posta circular do baro Ricasoli. A este res-
peito l-se o seguinte no Movimeuto:
Roma, 15 de setembro.
L-ae em alguna joroaes eatrangeiroa que
todos os representantes das potencias junto da
Santa S declararam que o goreroo pontificio nio
linha tomado parle alguma na guerrilhagem da
Italia meridional, e para darem mais torga sua
assergo, accreacentsos : nieto oomprehende-se o
representante de Inglaterra. Ha nesta parle urna
pequea difflculdade: que Mr. Oddo Russell
se acha ha mais de dous mezes fra de Roma, e
que por consequencia, nao pode dar seu assen-
timente declarago com que ae faz tanto ba-
rulho.
se na de alcangar importantes melhoramenlos na
sus eondicio material, ou entio faltar sua pro-
pria misado.
Maa eslea melhoramenlos nio podem provir
aenao de toda a naci, segura contra qualquer
ataque externo, coaetiloida na anidado do aeu ter-
ritorio, e reunida pelos seus representantes n
sua propria metropole, em Roma, para all eatu-
dar com tranquillidade e liberdade, quaes sio as
precisos do paiz, e dictar o novo pacto nacional
que dari a todos urna eatisfacio plena.
c Veneze e Roma 4 o aeu futuroa emancipa-
cao do povo. Ioteirameote tivree, entre oa ooasos
Alpes e os nossos marea, poderemos consagrar, e
consagraremos toda a vida da nossa alma e do
nosso coracao, hoje absorrida no supremo desig-
nio de fundar a patria, en resolver ss questes
de liberdade ioteraa e de orgaoieaeo social que
implica o reconhecimento do voseos direitos s
um trabalbo certo, continuo, melhor retribuido
do que hoje, e indepondecte de especularlo de
um pequeo numero de horneo, e do arbitrio de
um capital que oio eeli as voseas mos.
A aseoeiacio desenvolvida ea ama vasta es-
cala o auxiliada pelo crdito da sacio, ha de pro-
duzir om remedio s vossas queixes.
Mea, psre que isto ae faca, neceaaario que
a naci ae forme.
< E para que as claseea operaras teoham di-
fusos aoa soccorros de naci, neceaaario que ae
osostrem proaptae a eemprir o aeu dever para
com ella. Quem oio compre es seus deveres nio
pode gozar de direitos.
Peesam todo es vossos imaos couaprehen-
der eau verdad, eeme mostraos que j e
eompreheaeels I Uni-ve pelee vossas cortes ao
delegado, eem todas ascorporacoas operarlas da
Italia oje at agora parlham das roaaaa cren-
Nova Europa, de Florenca publica, urna
carta dirigida a Vctor Emmanuel, o aaaigoada
por emigrados romanos e reneziaoos : Eis o texto:
Senhor.As grinsldas que tinhsmos prepa-
rado para aa virgeos de Veneza e de Roma, co-
megam a murchar, forca de esperar. Procurai
alcangar aquelle Qm, antes que ella ealeja com-
pletamente desfolhada, e sede a final rei de todos.
Diz a nit Italiana, que apenas se espslhou
o boato de que a Italia estar ameaesds de per-
der Garibaldi, numerosas asignaturas se presta-
ram a urna meosagem que lhe fot dirigida:
Ao general Garibaldi.
Geoeral, nio vades psra a America : O po-
vo confia em vos, e deveis ter conanga nelle.
A unidade da Italia est looge de ser consumma-
* Tendes-lhe langado aa mais solidas bases,
so vs podis concluir a vosea obra. Geoeral,
nio duvideia da voasa missao, e ficai convencido*
de que o povo italiano ae nio ha de mostrar in-
digno de vs. Esperamos por r6>, general, para
nos conduzirdes a Roma.
Franca.
A Porte publica o seguinte artigo, contendo
algunas apreciacea cerca da queetio do M-
xico :
O estado actual da questo mexicana atrshe
hoje a attenclo publica, que deseja saber quaes
sio as resolucprs que devem adoptar-se. espe-
rando que aa tres potencias interessadas no as-
aumpro se reuoam para obrarem de commum ac-
cordo.
< Has de que se trata ?
c As despreoiacoee, os damnos causados pelos
governos fregeis, que se tem succedido n'aqueila
desventurada repblica, exigiam imperiosamen-
te iodemaissc6es, coja importeocis, distribuiclo
e garantas, foram naturalmente objecto de me-
dida officiaes n'squelle estado.
Suecitarsm-se debate importantes; flx-
ram-se, discuram-ie ejuaram-se 1 om-
raas, e coosignides j, concordou-ee em que
nio lende poseivel so paiz, sea alterar a sua Ta-
xenda, pagar o capital en divide, se comporta-
ran oa iuroe, inciuido-a no orceneoto como di-
vida publica.
It Dapoi, redaziran-ae 01 jaro da iccordo
a sorte que n'esta parte tem tido os
francoie. ingleze, hespanhoes e aUemiee, esla-
belecidos no Mxico.
Os hespanhoes, alm d'iaso, ti vera m outras
queixas particulares a accrescentar aquellas que
tinham recebido conjuntamente os demais estrao-
geiro.
* *rri. *<>mo j dlssemos, tratan os gorer-
oos de proceder de perfeita intelligencia e acjio
commum, e na verdade desejamoa que consigan
na sua empresa o bom resultado que se pro-
poem. So resta saber quaes sio es sosa Inlen-
coes, como consideram a qoeslio, e quaea sio
as resolucoes que esli determinados a lerar ao
cabo.
Pelo Morning Post sabemos o pensamento
do governo de Londres. Se tivermos a dar cr-
dito a eate orgio da poltica pessoal de lord Pal-
meraton, o gorerno britaonico, julga suficien-
te adoptar medidas puramente flnanceiras, e es-
clusivamenle reparadoras do damno material,
sem qualquer outra idea ulterior. Segundo o ci- Vareo*fa.
TeVho0; i VKVm". ,illrJ-, a ft : A felieidade dos Polacos a Nspoleio os recom-
lme2- concididaos que aoffrem prejuizos, mendsrs pouco benevolencia do coogresso de
?rlV2T^l"i0\ detetmin-d0! : f4 Vienna, e especialmente L reprasenfan "dol
q ? P.i Pi^S. n*e ^"c"11"? P "f. Bourbons. Entretanto Talleyrand declaro.., m
Esta Iinguagem parecer estraoha aos que nome de Luiz XVII oueella ronatdVrava
conhecerem a tortuosa marcha que de ordinario existencia da Po.oSVom'o neceUri. i^
poltica, o gabinete inglez, que bro europea. O rei de Franca considero,Tessa
podec moral de seu direito, a forca de perseve-
fanca em seu martytio, que grita vinganca face
da trra e do co. Mas a Frauga de sua parte
naodereria esquecer qusnto a humaoidade, o
catholecismo e urna sensata poltica lhe recona-
mendam que coopere, segundo aa circumatan-
ca, para a restauracao polaca. Procurareaos,
portaoto. expOr os progressos realisados por essa
taua depois da primeira partilha, e a altitude
das tres potencias copartlhanles em presenca da
Polonia.
Catharioa e Frederico TI creram ter obtido
m succesio fcil e duravel em 1T72. quando
chegaram a destruir os escrpuuIosdeMarlaThere-
w; elles sombaram de suas sombras preriies,
e todo o mundo pareca dar-Ibes razao contra
ella ; s o pspa protestavs na Europa e a Polo-
nia era desmenbrada sem combater. Pelo con-
trarioas partllbas de 1793 e 1795 s se podersm
completar depois de orna lucia violenta que im-
mortalisou Kosciuazko, conquislou a sympathia
da Europa, e contribuio ootavelraeote, sem du-
yida alguma, para a creacAo do gran ducado de
segu, na sus
nunca se manifest lio modesto nem acmmoda-
do ; a prora d'isso est no recente negocio Mac-
donald, occorrido com a Prusaia, e que fornece
urna evidente demosnlracio da susceptibilidade
dos nossos vizinhos..
a A Franca e a Hespanha, pelo contrario, olha-
ram a questo debaixo de outro ponto de viata.
E j alguma eous obter urna reparado mate-
queatio como a maior e a mais exclusivamente
europea, se fosse posslvel esperar que o povo
polaco reentrasse na posse de sua aotiga ei nlei-
ra independencia, escrevia o plenipotenciario
francez a Metternich. Talleyrand via na partilha
que rscou do numero das naedes a primeira
das ruioas que a Europa experimentara. Suas
,r ;-.-----------------r-v palavras foram acolhilas com sympaihia por
S'"J"'? '"" '"Phender aos poros que Metternich, que sempre deaejou a reat.uracaoda
d?eito AaieiV. c\,.Ue,Ae .imPos,08,Pel "eionaltdade polaca; pori suas aspiracoes se
uiretto das gentes; e ss nagoes mais elementares
de urna perfeiti equidade que nio se offende im-
punemente a lio grandes nagoes. e que alm dos
interesaes, existe outra classe de consideraces
moraea a que os grandes gorernos deven at-
ienden
Todava
mallograram ante a enrgica resistencia da
Prussia easacqbices da Russia. O imperador
Alexandre era um estranho carcter; tinha em si
dous homens : o individuo, earalleiresco desen-
timentos, liberal de opinioes, que gostara de
diz-lo : e o Czar, em seus actos, sobretudo des-
essas salisfacpes nao parectam talvez posta bysancino e conquistador russo: principe
suffleentes aoa dob goverhos de Frange eHespa- algura foi mais devot.do que elle ao engraodeci-
nha. para que julgassem esta questio rentilada. ment da Russia; e se a Europa nos tratados da
ddornMM C0"'O8y,e-m.in8l. acommo- 1815 consagrou a partilha da Polonia, qee ella
dado com certas modificagoes franco hespanbo- nio havia at eolio ratificado, o foi devido em
dM*!Lre.T! i*/' Hm. dU,".da Pre,ente' m" P'"e 6s eductores promessas de Alexandre. que
deixajra-se a descoberto o futuro. dissiparam os escrpulos dos diplmala, e foram
Admittiindo urna iodeaniaago, alcaocava-
se reparaco bastante, e em todo o caso, acceita
a concordada, 00 que diz respeito s perdas sol-
Cridas eaos fados consumados; mas o futuro nao
se assegurava. Todas aa cousas licavam no seu
estado actual; oa beos de todos os nacionaea es-
tabelecidos 00 Mxico ficariam exposto as mes-
mas eventualidades que boje se trata de reparar,
e que, ae outra rez ae realisassem, produziriam
daegracas e novas difficuldades.
Havia pot* outro partido a tomar, qual era
o de de unja interveocio no interior, de urna io-
wThVZ.* .Jl??*110- ao* Proprios assumptosdo
eXICO, e por consequencia nona H *irnii
nar-se urna grande situao regula-la, e aasegu-
ra-la para o futuro.
assis formaea
conhecimento
Czartoryski.
pare excitar a esperanza e o re-
de Kosciuazko e do principe
Os arrependimentos e at os remoraos do coo-
gresso se reconhecem fcilmente pelo plano
adoptado. Elle nio consente que a Polonia seja
inteiramente destruida ; a considera como exie-
lindo moralmente, e quer garantir-lhe urna certa
autonoma. Cracovia, a cidade santa, decla-
rada livre, plenamente independente e neutra
perpertuamente. O grande ducado/ de Varsovia
e transformado em reino da Polonia, e cedido
todo ioteira Russia. As taes potencias oo-p^r-
tagao e ostituigoes naciooaee, destinadas a
Esta obra compreheodia consideragoes mais egurar-lhes a cooserracio de ana oacionali-
extensaa, suscitara questes mais delicadas, e a,l3e- '01 estipulado que a liberdade do com-
por fim data um carcter inteiramente difirante merclo, do transito e da navegacio reinar entre
do que deve ter a aecio projectada. ss ,res {ra.c;oa do enligo reino. E' urna meia-
A necessidade, o caraeter e a importancia dea- re,laura5a" sobre o pepel. Aa tendenciea da
aa iuterveuco, ser por ns proitmemenle exa- maioru do congresso sao manifestas. e, se a
minada. lolooia tvease nessa poca a felieidade de
O Moniteur contm urna correspondencia par- PMur """ grande dynastia, teria prorarel-
ticular datada de Yeddo (Japio] em 8 de julho, me~nt.e consttlaido essa monarchia.
em que se encontrara alguns detalhes sobre o al-
ternado commetlido contra a legago ingleza :
Em Yeddo acaba de commetler-ae um novo
attentado cootra as legacoes estraugeiras. Na noi-
ta de 5 para 6, toda a missio britannica foi victi-
ma do mais inaudito acto de selvageria. O minis-
tro de Inglaterra ainda fatigado da aua recente
viagem (apenas havia regressado ha quarenta e
oito hora) tioha-se deilado pelas onze horas da
noite, e eatava dormiodo quando um doa que es-
teva de ronda nos apoaeotoa internos, vem ari- .
sa-lo de que se ouvia um grande barulbo is por AM,ri" -
tea da habitagio, e que pareca trabalhar-ae para me ?' ,0'
O imperador Alexandre pareca entao tomar a
peito rerdadeirameote os in toreases da nacios-
lidade polaca. Nao se trata, dizia elle a lord
Castlereagh, de reatabelecer neate momento a
Polonia toda ; porm nada me impede que isto
ae faga um dia, ae a Europa o deaeja ; e fallava
mu seriamente pelo que pareca de annexar ao
novo reino aa antigs prorinctas desmembradas
pela Russia da monarchia polaca, a Ltthuana, a
Volhyoia e Ukraine. Elle reeervara formalmen-
1 para st este direito em seu tratado com a
Se elle ti vase reeiisado este pensa-
scontecimentos de 1831 leriam sem
duvid tomado um cammlio diverso ; mes du-
vidoso que o Czar tenha realmente querido
cumpn-lo.
O imperador francez, ao menos, que tioha len-
ta peoetracao e bom seosoqaanta honeatidade,
tafeo, Mr. Oirpbant.8ecretrio";cheld"o".o"j;: R aC;eedla,Tfloma,-MS-decl-'r'5-e8de A>M
Pao apenas ha oito diaa, e Mr. Moriaaon. cnsul
se arrombar. Mr. Afcock de prioeipio ouvio esta
noticia com certa incredulidade. Comtudo levan-
tou-se e laocou mi do sea rerolrer.
o barulho augmentou em um instante; No
corredor j se ouviam tiros, e dous membros da
de S. M. B entra vam no aposentos feridos e en -
aanguentados. Quando sabiram do seu qusrto ao
primeiro barulho, enconlraram-se face e face
com um bando de invasores, que os accommetteu
a golpea de sabr. Mr. Oliphaut, que julgara o-
quillo cono uma desordem de creados, levara
comsigo s um instrumento do caga, e logo que
appareceu foi ferido com dous golpes desabre,
um no pulso esquerdo e muito grave o o outro
no hombro. Mr. Moriaaon estar ferido oa cabe-
ca, naa menos gravemente.
Dous golpes de revolver disparados por Mr.
Morissoo tinham feilorecusr os assaltantes; maa
os doas%iancebo3, enfraquecidos pelos seus ferl-
mentos, julgaram dever retirar-se para juato do
eu chefe, deixaodo pelo camioho abundantes
restos de saogue. Mr. Alcook, tambem tioba ao
p de si outras pessoas, mas oenhuma deltas es-
lava armad, e esperava 00 seu quarto, de pis-
tolla na mi, quer uma lucta desigual, quer a
chegada de defensores, este meio tenpo senta-
se grande artuldo nos aposeotoe rleinhos, o dili-
genciava-se despedacar as portas ; o furor dos
assassinos parecia levedo ao excesso, e oa guar-
das do governo oio appareciam.
Prximo da cmara do ministro britanoico,
pela parte de tras de um certo apparelho de pa-
pel, que formam as paredes interna dos aposen-
tos japooez, oa bandos irritados despedacaram a
saqueavim tudo procurando as suaa victimas,
qusodo aflnal chegou a guarda do daimio.
Empenhou-se immediatamente alucia entre
elles e oa asaaesiaos, e foi lerrivel, ee inlgar-moa
pelos vestigios que ainda no dia seguinte testi-
munharam o eocaroieamento dos combteme.
Aunal os assassinos fugiram, deixaodo no ponto
da peleja muitos morios, maa fezendo tambem
una dezena de vctimas entre os defeoaores, que
se conduiirem valorosameote, mas que chega-
ram mullo tarde, ourigieram nal a'legacio bri-
tannica.
(Joma/do Commeroio, de Lisboa.)
A. qnest&o polaca.
Grandes interesses de direito publico, de equi-
librio earepee e de religiio prendem-se 4 cauaa
da Polonia, tao sympathica a todoeoracao leal e
crete. O v-la ganha era um dessfogo para a
eonscieaeia; e esse victoria contribuira para a
felieidade futura de todo o Occidente. Daremos
pota seguir alternamente aa diversas phases de
lucta, e soccorrer moralmente a naci polaca.
Gra(as a Deus esse povo martyr nao reapa-
rece hoje como um aceptro aaogreato, que vea
tproorar aos matadores um come irrepararel;
que naa do rei da Prussia. Este, pela sua
parte, pramettia aos Polaco de Poseo o respeito
de sua patria, naciooalidade e lingua, a confec-
cao de suas lela, e 1 possede lodos os embrega-
dos do grande ducado: Nio sou tio falso quao-
to elle, dizia aos Gallicianos francazes com sua
bondade e franqueza coaiumadas : elle nada pro-
metteu-Ihes, e todava respeitou muito mais que
os outros dous soberanos os interesses nacionaea
e particulares dos Polacos.
Rcenles revelages teem confirmado o que
J diamos, depois dos scootecimentos de 1846
e 1848, para obrigar a Franca e oa Polacos a un-
rem-se Austria, por meio de uma allaoga rer-
dadelramenle reparadora : em parte alguma que
em Vienoa tem-ae comprehendido melhor o du-
plo psrigo que ameaca a Europa, a rerolucio de-
maggica e e iovaaio russs : em parte alguma
se tem melhor reconhecido a intima correiacAo
que exiate entre a liberdade de Roma e a iaencio
de Varsovia.
A grande escola creada por Metternich cooser-
vara sem dunda eatas cooviccea ; porm o go-
verno auatriaco tem quaai sempre exagerado um
' pouco a reserva, os temperamentos e a pruden-
1 ca ; elle lome de tal forma as ousadas temeri-
, dades, q.ua por vezes carece de ulil audacia. As
prevengoes do germanismo contra a Polonia o
embaracam, os ataques dos revolucionarios oc-
' cideniae e a rivalidade da Prussia o assuslam, a
honesiidade da Frange o eofraquece e o protes-
tantismo da poltica iogleza afasia esta de ai: to-
dos estes obstculos impedem que a Austria ma-
nifest plenamente na questo polaca aeua votos
oas rontade ; sem solida alliaoc,a nio pode
ella obrar ; e todava quaoto aua conducta diffe-
rengou da da Prusaia a Ruuia 1 Aos olbos da
Austris, depois de 1815, e posse da Galicia nio
paseara evidentemente de um deposito. Elle
nada fez para germanisar os Gallicianos, e oio
creara em aeu paiz al em 18*6, estabelecimento
algum e fortaleza alguma. Deixou sabir em 1831
dessa provincia todos os Polacos que se querem
juntar aos insurgentes, ea Polonia provavelmeo-
te se tena entao reatabelecido, se a Inglaterra o
quizeiae ; do que a eorte de Vienoa fez formal
proposigio Frauca e Inglaterra. Metternich de-
clarou ainda em 1836 a lord Holland que elle
subscrevia aem hesitar com felieidade para a in-
tegral restauracao da Polonia.
Em fim, em 1854 a corle de Vienna propoz de
novo is duas potencias occideotaee traaer a guer-
ra 4 Polonia e reatabelecer eua reino, com a
eondicio de que se juotaase s iropas austracas
uma armada auxiliar de cera mil horneas.
Era all por certo quise devia resolver a ques-
to do oriente. Resuscitar a monarchia polaca,
eoj
asar 2X arau-s* t -
Mea resurreiQio seja definitiva e completa. Sem
duvida os Polacos, tantas vezo engasados
nonio, era destruir o paoalavismo em seu ger-
men, enfraqueoer a Prvssia, essegurar a liberta-
interioras. lr.t^ S SSSS S SS^^tSiS?.a
mente combater porii, procurar tdCvT peloprepondirincU Sil po^clal^JSSS,^Erlm
grande designio, uma uobre e intelligente polti-
ca ; derenoe ler um eterno pezar de que ella s*
nao teoba seguido.
Nio costar muito a tornar e opresentar-se *
occasiao m que o goreroo francez creia ou
queita ver uma ioiniga. nessa Austria, em que.
acharlam mais sentimentos frsncezes, e ten-
dencias verdsdeirsmente liberees que em ontra.
qualquer parte, se a poltica da Franca podis
ioanirar-lhe confiaoea, e preatar-lhe om firm
apoio. f-wt.
A jpaerreicio nobiliaria de 1846 na Cracovia
e ualici era uma falta da parte dos Polacos -
careeeado de rauca naa msesas, ella fre facil-
mente auffocada pele Austria, aem o sanguino-
lento concurso dos cempooeze, que os funecio-
narioa austracos tiveram a imprudencia de ex-
ClMf
O tratado teatemunba que una allienca since-
ra entre a corte de Vienna e os Polscos nada te-
na de impossivel, porque a Austria ao meamo
lempo uma monarchia alara e um poder catholi-
co, ameacado de dialecaco pela exteoaio da
Kussia, que a Austria a fondo ba muito tempo
por suas intrigas, e nada melhor para elle que
deni722 C0Dl" H,1Dour8-Lo"M partilha
Oa Polacos, pelo contrario, nio podem esperar
recoociliacio alguma da Prussia nem da Russia.
A poltica secular de om oulre estado Ibes fot
e ser provarelmeole sempre radicalmente hor-
' s rUMlno* e Ruaso proseguem aempre com
obstmago em presenca dellesoo mesmo fim al-
tamente declarado, a denacionahiaco da Po-
lonia.
Citamos as obrigaedes tomada pelo re da
Prussia em 1815 : como foram ellas reputadas i*
Um homem que por muito tempo gorernou o
grande ducado, Mr. de Flotiwell, resumi a po-
ltica prusaiaoa por este systema :
Reprimir pouco a pouco oa costomee, inclina-
Coes e tendencias polacas em proveito do elemen-
to allemio. Deaempenhou-se incessantemente es-
sa tarefa pela indevida infiuencia dos chefes edu-
cago e proscrpcio da lingua polaca. Em Posea
nao existe um s notario polaco. A juatiga ae faz
em allemio; todoa os cursos pblicos sao feito*
em allemio. al os destinados sos operarios. A.
historia da Polonia prohibida em todas aa casas
de educagao publicas ou privadas. Logo que se
pde venda uma propriedadeconsideravel, o go-
verno a compra, para revende-la, muitaa vezes
por manos do velor algum proprietario alle-
mio.
Elle combate tanto quanto possivel, e influen-
cia da igreja catholica. Os foneciooerioa mudan
todos os annoa, nos actos officiaes, un grande
numero de nomes polacos que elles garmaoisan:
por estes rneios os prussianos chegam sustentar
que (O elemento germnico ao meooa igual 4 ra-
ga polaca no grande ducado ; o qne permittio ao
governo declarar ao parlamento que a provin-
cia de Posen nio outra cousa nais que uma
simples provincia da Prussia.
Nio ha pelo meooa nesta conducta, por mais
opposta que seja aos empenhos cootrahidos, nem
dupiicidw* prfida, aem extrema crueldade O*
Kussos, pelo contrario, tem tslvez excedido em
seus actos ludo quaoto se possa imaginar de re-
tronante em materia de perfidia e deehumaoi-
dade.
J a revolta de 1831 foi occaaiooada pelas in-
iraecoes aystemathicas da Russia. is estipulace
de tratados ; esta trabalhava maniestamente pa-
ra suffoear e naciooalidade polaca, nio fazendo
caao da carta de 1815.
Esta carta en que se toroam a achar aa aspi-
racoes liberaes de Alexandre ao lado das reser-
vaa despticas do Czar, coocedia aos polacos um
rgimen constitucional autnomo, aob a dtreccio
de um vlce-rei. w
O mecanismo goreroamantal companha-se de
um senado, noraeado pelo re, de uma cmara de
depulados, eleita pelo audragio restricto dos dia-
triclos. O senado formavs acorte suprema de
alta justica e relava na cooserracio da consti-
luicao. ^
O corpo legislativo devia rotar o orcameato'da
despeza e receita publica, oa impoatos e es lela.
A constituicao de 13 de maio de 1815 garanta
alm disso o oso da lingua polaca noa actos pn-
oiico, a concesso de empregos aos nicos pola-
cos, a liberdade religiosa e de enslno, a seguran-
es da propriedade, a independencia da iuatica, a
liberdade do transito eotre as provincias, que fa-
zia parte do aotigo reinado e uma armada nacio-
nal, disllocta de tropas rossas. O cdigo de Na-
poleio era sustentado. Verdade que o parla-"
ment s poda presidir durante um mez em ca-
da sessio, e o re reaervsra para al a faculdade-
de s conveca-lo de cinco em cinco aonos. Se*
todavia, o governo rnsso quizesse lealmenle exe-
cutar essa carta, teria conquistado a sympathia
dos polacos e impedido eoas revoltea; maa, du-
rante o reiuo do proprio Alexandre, elle coosmet-
teu numerosas e graves icfracc5es na constitui-
cio.
Desde 1815, Poizo de Borgo, fazeodo-se o in-
terprete dos sentimeolos russos, protestara con-
tra toda coocessio liberal, e, em ama celebra
memoria conridou o imperador a nio ceasar da
ter por fim a < unidade eysUmathtca da Rusaia.
Esta opioiio, lisoojeando o orgulho e aa preven-
goes mojcovitas, prevsleceu nos cooselbos do im-
perio.
A cmara dos deputados. por asaim dizer, s
existi em oome; foi reaoida o mais raramente
possivel, nio submetteu-se-lhe nem o orc.amento>
daa receitas e despezss publicas, nem os Impos-
tos, e nio deu-se-lho tempo para ealudsr as lea-
as mais necessarias. A liberdade individual foi
lao pouco respeitada que at arbitrariamente rou-
baram-na doa deputados. Todss aa outras liber-
dadea concedida foram maia 00 menos prejudi-
cadaa. em vida meamo de Alexandre ; e seu suc-
cessor, logo depois de sua chegada, noetroa-e
violentamente hostil religio e a nacionalidad
doa polacos. Sua heroica defensa em 1831 s faz
exaaperar eolio, cuja Indoaarel energa nao,
recuou ante oa obstculos. Decretou do fundo do
?e,i for85" dealroieio radical da Polonia,
Irabalhou aem ioterrupeo para destruir essa aa-
gao, cuja lembraega at elle quiz apagar.
Priocipiou logo por aupprimir a coostrvurciov
mas substitulndo o decreto de 1831, que eslaba-
lecta no papel um estado de couaaa totaravel, dea-
tinado a engaar a Europa.
Nesse decreto oio be nato oem rei da Polonia.
nem armada dialincta; a magistratura cessa da
ser inamovivei, os funeciooarios russos adminis-
trara o pas, ss cmaras sio supprimidas; dei-
xam-se subsistir um conselho de Estado admi-
nistrativo e legislativo, criam-se aseemblas pro-
vinciaes, maniear-se oiverso previlegios da no-
breza e dos commuae; porm Mee garantas aic*
realmente derogadas deede o -cometo. O gorer-
oo de Polooia ha maia de trila annos resume-se
em uma s patarra: tyraooia en un 16 um :
deatruicio da nacionalidades nada do loquete
synistro como a eeneaelatnra des actos desso
poder, opproasor aem direito e aem freio.
Por artllelo, eorrupeio e violeocia os lacoa
que preneen i Roa oe catholicosgtngos-unidot
da Rotheoia e entra provincias foram deOniti-
vaaaeote qawfcTadoa.... c Foi um arrebatatneato
eub-repiicio das etencae do poro, ajustado eatre.
alguna biapos apostatas e o Sio Snodo da f-.
tersougo.
O poro, quaado deetobrio aeeteci, mifio;
I peree|irqi-nq m sant choupaau, Btdp\^


uffim
laiUO M UMAMIOQD^ $EGjRD^ FMRA^ KOVEMMO 1 i MI.
ram-no om ondis otro o bsncos
auudou-e com sea tangueo
profaa. >
Qaem nio se lembr.
aorUreforioXVI, e
aaeceesitoi tendentes i toro
ae
Alguem di rea de Sent Cecilia redama
M Mfatdencie, que faene eos limitea 4o
WemYeapetto 4 moralidtde publica mas
dWNffa senil ru, ue ati i&o bem co-
tdee por sene actos de desregramento.
m da depravacio de seis costumes, osten-
tada a cada pasas, promavem da continuo baru-
_ eaeolae saperieeea e
?rsj*BAe suprienidae. -a* bifcs-rthecae dos-
j cuadre, liaras, archivos a guatas
? reatados e .Ueeepertados a teUuS-rgo,
Ifngoa potaca abolida sor toda e liarla, w coo-
wsascoanseasos, 'faetn cono o"iiens dos pros*
ripio e dos exilados voluntarios.... eadafalios'
Matados por toda par1, oentrftratedes de Ruer-
MiavosUsportoda.a.p.ete. c.miohoa deJSi-
ana coUertosd# victimas.,.. WA(U*omesejuii-
Oas i gteVa, crnco mil familias Arrebatadas eu
ais goreroo. e leradas peta e Caucaso. dislrictos
cimados, terree de ausentes confiscadas, o paiz
atrege i sol-adeeca, a Magua, o eostume, asi
Doedas imu impostas com, violencia por toda
fiarte ; todos os sitos empregos confiados a
aUes ruasos; por toda a parte a venalidade, a
Jeiacao, o arbitrio ; a espionagem e o terror por
eda.a parta.
Eisem resumo o quadro do goreroo da Po-
lonia dnteote e reino de Nkalo.
O alero erada tal forma peraiaaoote que,
xaaia de quatro annos depois da revolacao. eos
f* *> julho o# 1835, ainda ee pukiicava uata
lista de S..340 proseriptos.
Xtwla MMdeooiao cooielbo de guerra ao
eaeou d e j ulga r w ddiclos.
0 Que conceita se dte formar de um pairon-
de,* l^iMirade tal litio de um poeta polaco en-
'Siu aaaia de aaU.awaoeba a eubaaia ; osa pais
onde, em orna uolversdade, o alomos e me-
tso* *e execcitam eecrete-neole a bater-se a ai
prparioscqm wsm, aa se ataierem as loriaras
e Uo-em apexee de eepporlar todas as prosas
sem eofraauecer 1 ,
O futuro, coro afeito para maitos dessea
>ae.cebo ara, aagapojo um canto populas os
Polonia, ama prisao subterrnea, um juiz perju-
o-a ipaoa?el; dapois, < para ajooumeoto lu-
oabce, a airare despojada da forea, para gloria, o
otaca abalada das oauiberea.e as conversas noc-
turnas doa (radas.
O principe Rapoin dizia aos Polaco :
Terieis plano direito da eipellir os Iluseos
e o podesseis, mas nao estis era estado ae fa-
-rio ; .oova, pois. lusaselter-vos. >
Falsa cooclusao : o direito pelo qual um povo
aeMrgca, piualeca-w ioteiramenle contra a
fore*.
Os Rumos lesea obrado como Terdadeiros Mon-
gola en preaeoca da Polonia ; el les aereo delta
expelidos cedo ou larde, coaso o feram os Mon-
gola pelo povoruaio.
Seagado toda probabilidade, a prediccao de
lord John Russell se cumprir :
v O poto polaco, dolado de tanta eoregem e
ctelltgccu.....ver iuiii o dia predealioado
m que recobrar aeu aoligo prestigio e retoma-
r seta lugar antee aa uaooee da Rurope.
Mas para apreassr esae momento, os Polacos se
store** sobretodo pea m uoirem entre si em
-tote o aoligo roteada, e particularmente procu-
ran ganhar de todo a aympaihia dos Ru-
theooa.
Q-e ellas eviiem iasurreicoea prematuras,
ropresaliaa sanguinolenta, as ailiancas de-
maggicas, que Ihes fariam perder, como em
18*. as sympalbias da Europa. Soa causa nao
assoiueonaria, entra os atados e os partidos
coaaertadores que acharo o efflcaz apoio.
A .frenes, a Inglaterra e a Austria se loteres-
*",JMWeo*smeme peU stsuraco polaca, que
affaeiuna de Europa occidental e central o fla-
gelli) da preponderancia moscovits.
EafMcamos que aj meaos duas deslas poten-
c'?f f*.'*0 iMiieamente a bem depressa o
reatabfriesunento da Polonia, so os Russos ainda
nae iba rntituiram hberdades religiosas e
oaenoBMS a que tem direito.
Kaperamos queentio a Frasca selembrar qee
baeuauuos caassacrados alm da Syrra, e urna
nacaotraaaasada alm da Italia.
Luiz XV tolerou o desmembrs.iUMto da Polo-
nia. Xraqueza culpael que baitarU para eetyg-
maOsa-lo : bem grande seria a gloa do sobera-
no trance* que reparara uu falta cooribuin-
o gara dar aos Polatos urna existeocia iodepen-
dete, conforme os seus diceitos, e digna de seu
passado.
URi
G. de La-Toub.
[A/onde.aVndrede Lno)
QEPtRNiWBUCO-
A prorogacSo ou tranferencie de abertura da
expoaieSo desta e daa provinciaa annexas foi sem
attda algoma urna medida aconselhada palo
todo e apreciscSo das circumstsneiss. Dire-
mos mais: foi esse acto urna necesiidade impe-
noea, a que assim se deu urna salisacio corres-
pondente.
Com etliio, todo* seotism a pequenez do es-
paco asmgoado para aquella abertura ; mas iso
nao poda deixar de ser assim pela paculiaridade
da ajluaoso. Todau, quslquer pequea raodi-
ncaeao reiativasseote ao praso nao ser*ia de de-
trimenlo es4, ao paseo que Wa-se, que al-
gueatrab.lhos estafara a cooclutr-se, e que com
Iguoa diu mais Tiriam fazer parte da exposiceo.
Ora, o estado e sprec'iaco desta siluaeso la-
vandd ao espacamenlo do dia ds abertar, dersm
mais oilo dias dentro dos quaes deve co0eluir-
queelarjeiBt, isto com facitidade e sem
^rT0 d Proauctor- Mas compre que apeoas
conelu,d. ests ou aquella obra, oa respeeiioa au-
uSfT? ? <,1em,or?m Ploentrarteare-
tem de ir installa-la no palacio da exposiceo por
^^6UlaKrt,da.de d0rvicoe a wdem da
anpacio dos objectoa.
iteS- f-T f ^V6" o P'oortoi das pro-
que guardando-se ludo para esses dias, resolU-
eneciue no dia 1f, ao pasao que nio mais nra-
tic*l urna pw^aceill V niaiiprs-
"" 8Srted,a *C*o central, derem seguirpa-
d?. Mle,P,.por ,ngl?, cui* p"Hd' Mr "
STSIEa* 'wMd.ie Tolfar.a lemsoTs6-
ifcIEi M,m,8omenle chegarJo allia 3de de-
aan^l^^'J!10 P'^"** > di* *ub-
2S? T1" *i eP>Ta inauguraco; oque
mameata^mpratlcaWlIdade, cima alodda de
e por coDseguinte a neteisida-
!"r^ ao <"*>9fl, que-dete coocor
F-^ZS^JP**' l^<'Wropatrlo-
1"iotaiMnda "f,* eenWamos a todas
oa
SaISJLP *?'Jtta T,leni* o poeto d Tl'sta
Treffilna^*,^?^d*^*,- f'"
?ergeoliM, tnaeridas medestiss. Em taas feataa
tersali .lisa se oeUs tMHtam enHeaits
que ae manifpste o engeno humano, que o ct-
raeter oa a/>o dererdadelra riquesa. '
transferencia, .
de dr promptdio referida.
modo a queseo
sMates.eeoMdaiidas lie y alternen te. *^
NaOpunga tnstalloo-se agora um atabe-
enrotfimento v estsbilidsde, sttents ascondlcer "--eMOw^CsTi JuUlLlIRH.
de sea gustenci.
Como estafw^eclmaoto de importancia, e em
que .ha deposito de djohairo, Aem, tarta que e
Inspector petlocewerlhe i porta urna guarda, que
real mate Jha compete per VoU da piautatux,
tt perjsVe^eecoeguate.
Me da 8 do corren te. o Dr. delegado Ama-
ro de Albuquerque, acompanhado pelos mdicos
Drs. Agnpino, e Suriano de Souza, bem como
do rejpeciLvo eagriao, cooouou a risita aaoir
taria pela freguezia.de S. Jos e Boa-vista, eo-
cootraado alguos geoeros corrompidos, posto
que se tanhaji prejQldO oa TihomalWBt; tu ara.
cendo especial mopgao duas arrobas lauto de
pao oe ultimo estado de corrupcSo, e rje's a-
cha.ram rista na padaria dejJeiriz, oa ra dos
Pires, e tres barris de garapo fervendo com di'
ersas composigdas ni ra d'AssumpsSo. casa
de loso Facundo Bastos de Oltvelra, freguezia de
S. fos com a estrada por um becco por onde os
escraros peoetravam para recebar o garmam de
molesiias iocuraYeis.
Lavrados os competentes autos de sapidsde,
foi marcado o dia 9 as 10 horas da manbaa para
iostaurs;ao dos procesaos.
A directora dscaixa lial do banco, nesla
proTincu, eanaQou at dia %6 do correle, o
recolbimeoto das suas cdulas de Tinte mil
ris.
Achs-se felizmente concluido os reaparos
da Cruz do Patro, que servo de .baliza entrad
da barra desta cidade, de uue nos Qccupamos por
rezes.
De Quipsp temos noticias, que chegam a
2 do carrete; e dio-nos e seguate :
O professor j tloba all chegado, sendo re-
eebido com demonstragoei de regosijo pelos seus
numerosos amigos, que se reeoiram em grande
numero e o foram encontrar a duas leguas do do-
voadp. r
O acto do encontr foi com effeito urna ace-
a tocante, pois em todos sa divisava o prazar
que tlnham em o ver restituido a aeus lares ; e
depois de um momento de Inexpmirel alegra,
seguirsm lodos em um qmpleio regoso. J d
Panellas, vinha elle acompanhado de seus pateo-
tea e amigos d'alli, formando assim urna reuuiao
das pessoas mais distioctas da freguezia.
O novo auqdelegado llanoel Florentino dos
santos, j havia aasumido o exercicio da subdele-
gada, assim como eestrelara por meio da prisao
de dous individuo, um Joao Clemente de ses-
quita, por ter seduzido e occuUado em sua com-
paobis um moleque captivo, que conduzio do
lugar Trahiras, do termo da Victoria, e o outso
por Turto de ca.vaIlos no termo de S. Benlo.
Deve-ie notar que estes dous individuos Vi-
viana iob o manto de escandalosa p(oleccao> a
Piteram acto na ficuldade de direito no dia
9 de novambro, os seguiotes esludanles :
Io fluo.
Julio Cesar Antunes.. Approvado plenamente.
Juo da Cuoha Pereira
Beltrio ...........;. Jdpm.
Jos Aires da Silva Pe-
reira................. Tdem.
JooOtbondoAm.rai '
Heoriques.......... Approvado simplesmente.
. .. 2o asno.
Joaquim Francisco de
Arruds..............
Maneel Lopes de Cu
oba Maciel.........
ala noel Rodrigues de
Arruda Cimiri......
Eoas de Araujo Tor-
reao................
I 3*
Lourenco BezerrV Ca-
valcanti de Albu-
, TRIIOIIL B RELACIO
SESSAO EM 9 D SOVEHIRO DE 1861.
rsieinsMCU so sis. as. cossklhkho ermeliho
. BLSO. '
AslOhoxaa da ma#ha, achasdo-sapreaeo
tes os Srs. desejnpaogedpwa C*taoo SnA&>,
Silvelra, Gitirana, toureoco S*ollgo, HotU.
Perattt, UcSa Cavaleaatr, e Guerra, procunrdM
dsoofa^fmaeeria aaeesie.
PasagdoA es. Coitos .# entregues os diatribu-
dos, procedeu-seeosar-
SSSflaVaVI
Approvado simplesmente.
Approvado plenamente.
dem.
dem,
anao.
qaerqne .
Manoel B*t*w.m
Approvado plenamente,
dem.
Reprovado.
asno.
Approvado plenamente.
Approvado simplesmente.
dem,
anno.
un
Araujo..............
Joao Aoiooio Al vea da
Carvalbo...........
A*
Jos Francisco da Re-
g Cava lean ti.......
Vicente da Silva Por-
lella................
Augoelo Cesar de Car-
valho Meoezes......
R>
Salustiano Ferreira de
Moraea Reg........ Approvado plenameste.
Francisco de Carvslho
Soarea atraadlo..... dem.
Francisco Araiatas de
Carvalho Moura..... dem.
Fizeram exame de lalim no dia 6 de no-
vembro do correte anno 12 estudanles.
Approvado plenamente 1
Approvados simplesmente. 8
. Reprovados........ 3
'' Total......12
Fizeram exame de philosophia no dia 6 de
oovembro corrente 11 esludantes.
Approvado simplesmente f
Reprovado......... 1
los. Manee! tordairo, Jlo Macha
a Mdiado Mendos.
raaaageiros que safairam se
Jetlesea para Acarac : An
Brito de Oliveira, Jas Rodrigues
Berges de Oliveira.
BOSTSXISaSS do da 9.
ati
f
*

fseu ator; ser as oacasiao ascrevi
?&*? jl'sqgidea, lasribeea.Ja-.
z Pi do Aleo, todas datadas em abril
' "'- awa V ajiV ajuj AltlU, IOU *J^*PllJWalWCwfJs
mde; porlaole-Biteral que o deaeHecio ,./"" I,nB c" J%^ Tlfl le Jeera-Nova.
tUra. tfnham lanrailn mln H..... .._... r. u ao*u'|"o .
TST
:9JTenl. q jliUo ; recorrido, padre Jo
La1te>
Relator
tiigo.
Sorteados os Srt. desemhargadores
Ocho Cavalcanti e Gilirana.
Nao se tomou conhecimenlo, por ser
reeotrido.
o Sr. desembargador Caetano San-
Pereltl,
QOttO O

Rio Formoso.
appellado,
Gotlherme
^S^S^lmVM^nMmtn rt81MP1ri': P^o eootrario vio-
- i'
EIICTA OIMIl
Total...... 11
~ RelacSo dos estndantes do curse eommsr-
cial pernambucano que tea feito acto nos dias
seguintes:
D 7.
Manoel Carduzo Ajres
Jnior............... Approvado simplesmente.
Jos Delfloo da Silva
Oarvalho............ Approvado plenamente.
Joaquim Alves Pereira
da Foosees.......... Approvado simplesmente.
DI 8.
Joao de Souza Mari-
nb:0 ................ Reprovad.
exaaeiao da Silva us- m
................. AppTevado simplesmente. \ "celioo Gomes.
Oesiprego (hs motfcepea no trabalhodaty- APfeilnta, ojuizo;
pograpbia, l-se ao Gldoo.merece urna seria con- *
sideracao boje que a experiencia apreseota om
resultado completo.
A lypographlaVictoria, que s emprega mu-
Iheres, e que foi fundada em merco de f8f)0,
tnumpbou de todas as difBculdade, que devia
encontrar om estabelecimento desse genero. Os
autoras da empresa nao desanimaran) por algu-
maa serias, que eoffreram na fuodaeio de sua
*mprensa-Victoria. Esaas perdas serio larga-
mente compensadas, pelos lucros que ti vera m e
bao de tirar do trabalho das mulheres, que
pago mala barato do que aquello dos homens.
A opialao publica nio tem sido contraria a
se favo-
._ mulhe-
res, que alo excluidas de um grande numero de
industrias, em que a mecnica e o hornera ex-
ercem despticamente seu imperio.
ama moMer, misa B.mirjr Paithfull, urna
AUSSATO DE rETICO.
Aggravanle, Vicente Ferreira da Costa Mtran-
da ; a agr vado, ojuizo.
Relator o 8r. desembargador Slotts.
Sorteados oe Srs, desembargadores 'Silveira,
NBo tomarara conhecimento.
Jalgea-e improcedente a queixa dada por
Alexandre Bezerra de Albuquerque Barro*, con-
tra o Dr. juiz de direito da cidade da Victoria.
APrELLACSlS CBJSE8.
DeGoiapna.
Appelraote, o juizo ; appellado, Miguel Jpa.-
quim de Paria Braga.
Improcedente.
Do Crato.
Appellasta, o juizo ; appellado, Antonio de
Chveira Cabrat.
A novo jury.
Do Rio Formoso.
Appellsnle, o juizo ; appellado, Antonio Ma-
rinho do Espirito Santo.
A novo jury.
Do Pilar.
Appellante, ojuizo; appellado, Jos Burili,
e Rufino.
MJo se tomou conhecimento.
Do Brejo.
. Appellante,. Jos Pereira Lim ; appellado, o
juizo.
Improcedente.
Da Maioridade.
Apnellapte, Jps .Leandro Cavalcanti e outro ;
appellado, o juizo.
andou-se dar rists aos appellantes.
Do Ip.
Appellante, Raymundo Ferreira dos Passos ;
appellado, Belcbior Goncalres Ferreira.
Improcedente.
. po Pao d'Alho. ,
Appellante, Manoel Joaquim da Silva ; appel-
lado. o juizo.
A' novo jury.
. Do Sobral.
Appellante. o juizo j.appellado, Anlonio Gomes
a Mi? Xebioga.
A novo jury.
Do
joKSu,oi,iW!
A novo jury.
Do Cear-roerira.
tonAioCxe!r.,.OJUZO; aPpeUad' Mnoal Ab"
Improcedente.
Ds Boa-Vista.
reiPPdo,asnn*,o.AttZO "' WlU4- Fr4^C ^
Improcedente. .
Do Ip. ,
j.rp.unle, o iuizo ; appellado, JoS9 Joi de
Carvalho.
A' novo ury.
De Nszareth.
Appellante, Adrtaooo, esCravo ; appellado, o
juizo.
Improcedente.
APPELL.inOES C1VE1S.
Appellsnte, Jostino Pereira Gallo ; appellsdo,
Manoel de Mello Montenegro.
Confirmada a sentenca.
HABEAS-CORPCS.
Segou-se soltura pedida em habeas-corpas por
Luiz Elias da Silva e Albuquerque.
DILIGENCIAS CRIBES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica, as appellacoes crimes :
Appellante, o jmzo ; appellado, Manoel Perei-
reira da Silva Castro.
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco Mo-
teirt da Silva Tavares.
Appellante. Manoel Antonio de Moraes ; ap-
pellado, o juizo.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Antonio
do Carmo.
Appellante, o juizo; appellado, Jernimo Fran-
cisco Manso.
Appellante, Manoel Francisco de Albuquerque;
appeflado, o juixo.
Appellante, Jos da Rocha Wasderley ; ap-
pellado, Jos Joaquim Ferreira de Mello.
Appf liante, o promotor ; appellado, Joaquim
de Andrade Lima.
Appeliaute, Raimando de Brito Passos ; ap-
pellado, Joaquim Meirelles de Araujo.
Appellante, o juizo ; appellado, Maneel An-
tonio de Moraes. \.^"7~"'
AppeMaute, o juizo; appellado, Francisco Pe-
reira de Barrps.
Appellante, o julio; appellado, Florando Pe-
reira Lopes.
DES1GNACA0 DB D!A.
Assignou-se diapara jnlgamentodasseguintes
appellacoes crimea:
liante, o juizo ; appellado, Clmenle Jos
tos em
Boa rio
e
que, bem i meu pesar, reei
datara, lenham lancado mi dassaa cartas e a
?am dallas hoje um uso popco decoroso, e que
por certo nao-me prejudicart na opinio publica ;
dJMiaadicnlo que reverte sobre aqwellsaqae
traHtreeD4e seaenrem-me ialrigar toan
sIJISl da provincia aeq^u^aou^amigo.
as a daseaHigapara eos) os amigas que pro-
legiam muilia eleicaoM quinto, e peto centrario
wioaiJUisieSeje aurta roaia coeoaSacido paca cora
ene, ea qtem eempre encootrei lealdade ededi-
e*See.
tio ou caodidata pele qainto distriete, e
muile monos pele primeiro ; solicito apenas o
apoio doa bemeos prestrnosos do terceiro dis-
triete, por ter a honra de representa-lo na fnture
legislatura provincial.
Raoife 9 de novembro de 1861.
Dr. Btutrqu* de Macedo
i--------
os que porventurs tanha
tere 4 assesabla provin-
uatrada redaccio do Diario
que solicito votoe no 1* S*
,assim em vista urna dupla elei-
poasa demonslrsr o poder im-
* E' lio ri > o (acto d
1 aspi
ar, qoo eesi eesM reatUe
conhecem nap fksdem M-
a injutics eassqaeaBBM
gnos de ass aSaMaar asaassv
de ser. Wagaps de feo* M
me dirigisae aeJWktaseoae ata
o distriete eptjMa
i cartas do smb JaeAril. Q
r nm lugar se repreaeniaele
vistas dirigiram-se par/ o
mtn utiii n
'*
endlmento ds dia 1 a 8
dem do dia 9 ,
* eni* wliada. ttMbt irfir r
?aKiUitKit"^ar
Descarregam boje 11 de noveafeSro.
Paeecfeo americane-4^rosew--fatfi5.
------tpg'ys-QUN' .sribn.
asileiroDas Lauuacharque,
sncezaSphereanercadorias.
1SR
tuguej-ilarla A Gloria mercado- Bolaiinh. .
Barca ioglazar-Nethrton-bscajho.
Patacho americanoL. Wattfarinua e papel.
Barca franceza-ean Parmatier-carTiro.
Correspondencias.
Srs. redactores.Por nica reaposta ao seu
correspondente anonymo (J ee sabe 1) que boje
attrau-se sobre mire, direi, que nao Ihe dea e
honra de eoireter com alie a menor polmica.
Deacubre-se ; e anta o debu loaremos em te
gra, e devida forma, nao s os negocios da Ta-
carat, a de todo 5o circulo, como Wsabem os
diversos tactos de nosaas propriaa vidas.
O que porm lhepeeo que nSo d, nem pro-
cure tregoas, que nao solicite pases
Recife 9 de ooreaebre de 1861.
Frencistv Cario Brandao.
Pttbiicai;6es a pedkfo.
1,975 barricas bacalbo ; aos meamos
_. ftW0 licano Contmercs, vindo de
PblUeJpbla, consignado a flenry Furster & C,
maoifestou o seguiste :
_l,fj barricas farlha de trigo, 375 barriqui-
"has bolscninha, 129 saceos farello, 1941 res-
mas de pspel, 2* fardos e 19 caixas pspno de a-
godlo aaui, 5 cascos presuntos, 150 barriliohos
naoha de porco ; aos consignatarios.
Patacho americano L. C. Wattt, vindo de
Ifew-Tork,. consignado a Henry Forster & C.
manifestou o acogite :
100 caixas oleo de kerosene ; a S. P. Johnston.
I pacota instrumento para dadista : a Saus-
ier! Brothsrs.
I barricas farinha de trigo, 2,937 resmas
piaae re. pss arroee.
I,3psa^^0,,88^
r. x^Jh seceos sallados ravadar
ae da 170 a 175 rs. e liase.
Azosm doce 3 de
Bacalhio---------
BaUUa---------
s StfOO U..WI-

d proprietariss da typagrsehla-Vidori, que
se deve a orgaeshcie deste estabelicimento ha 18
nS&^SiS^ >4t"a acadetr.de
oilado,
meeea. EHa cemecou com cioco raparigas com-
P^"' PsplllM da sadedade protectora do
trabara femiml ; poueo i penco diadpulae ty-
pograpbicas, vieramiuntar-se s fundadouras. e
hoje as offlwnsade Great Coram Street, em Lon-
drn, aefeam-se cheiaa de compositores, reriso-
res, pagnanos e inpressores do seto femintno
Gieal Coram Slreet flea Um poueo foTa do mo-
vimanto dos negocios, mas este qnarteirio, por
cau meeme de sea tranquillldade, courem mal
a urna imprenss e priotipalmente aquella que
de mulheres. Maitos volumes importante, aue
alteetaenabafeHidade dos compositores, temsa-
Sida dos prela Vicloris, ctando-ae TAe
Wt^MOMom f thi Social tcitnct Attociation,
TQlume de aeveceotai paginas ; 7* Rtport o[
Tradn Soeittiu, pubcado por
, e rBnahshwoman jom%at,
pabkaacao messai eonisgrada a defender o in-
teresaeaSa mulber.
..rjasffsjs srsw^rans-
appellado, Joo Bento
Appelante, o juizo; appelladio, Severino Vlei-
ra ee barros.
As appenaoes civeis :
Appellante, ojuizo ; appellado, Joao Cbryaos-
tomo de Oliveira.
Appallante, Manoel Gomes da Slra ; appella-
do, Manual Cloro Goncaives Guerra.
AppaUanie-, Manoel Florentino de Mirsnds !
appellado, Francisco Joo de Pilar.
fetSTRlBUICSBS.
.Si de8,aMr8a(lor Caeteno Sanago,
appeilacoM civeu t
Appellanto, Joaquim Vieira de Sampaio; ap-
pelladoa, Delphioa e Antonio. r
dv^uS-r' de*emb*,*aTOir. as appellacoes
Appellafetn, Antonio Ceaario Aire da Costa !
apperlado. Jlo Francisco da Silva Braga.
Ao Sr. desembargador Gitirana, as appellacoes
ti vea
Appelltnte. Maa Saocba da Csnceicio t ap-
pellado, iir. Joas Francisco de Arruda FlcS.
*.*'dasetnrjsTgador Leurenco Santigo, as
appellacoes civeis : ^ '
Appellsnle, D. Senhorinha do Amara] Martina:
appellado, O barde d*Atalaia. '
AoSr. desembargador Bosta Molla, as appella-
coes civeis ; s Kr-"
AppeUante, Gesteale Prandaco Xaviar Caval-
eanli; appellados, es religioaoa do Caraso.
^Ao^Sr. dssemfcnrgndor Peretti, as app.llacoee
Aq^.iala4j Marta Magdalena da Coa
appaUada, Cydnana Marta de Mallos.
dfel^a?5Ti,0r CWa ^
An.sM.|UtJMar
Ao lllm. Sr. Sebastio Antonio da Silva
Baixa e aos omis parales 4o mea
especial amigo, o finado A uto ni o
Francisco de Lima e Helio.....
Hooze horas e quatro minutos da noite de
seis do correte 1 Bu le record com sanlimenlo
profundamente doloroso, por ser o momento m
que, depois de soffrer por viots dias urna incu>
ravel hemorrhagia pulmonar, falleceu tambem
meu lado o meu especial amigo I........ Elle era
um complexo de virtudes em todas aa retacos,
que a sua personalidad poda ser considerada:
e em 18 primaveras, supponno, que nao se po-
diam reunir mais^merecimentos e boaa qualida-
det. Mo grado nosso, toda essa pureza, ii to
vinosamente germinada, mlrron-se, quasdo co-
mecava a desabrochar-se do sea embri&o, e a
prometter a colheita dos mais proveltoaos frac-
toa ; detxando porm o eterno pezar de nio ser
fruida urna tal preciosidade por todo o lempo da
mais prolongada duraclo, que a vid limitada do
hornero pode comportar I 1
Respeito. obediencia e um amor bastante affec-
tuoso sos aeus pais e nio menos fraternal para
com aquellos que desceoderam da mesma origem,
que elle, assim como muita predilecto aos de-
mais parentea; da o sentir, que sempre e
sempre encootrei no meu flnsdo amigo com
ralacju) a sua excellentissima familia, Jurante.oe,
nao poneot annoa de nossas communicacoea de
todos os instantes, por assim dlzer.
&frAmenroVr'ffa^,rdt.de0eS c. V3^St
touvor s boas acc9es e regorlio as prosperida-
des, sao attributos que caracterisam um bom ami-
go, elle os reuna todos.....
Como estudanle, na verdade, ainda nio havia
altingido ao grao, que pareca almejar ; mas,
lornava-se-lhe notavel e digna de imitaco a de-
dicagan. com que supplicava aa lettras ; tanto
que durante o primeiro snoo lertlvo, qne carsou
na facnldade de dirdto de Pernambuco, nao deu
urna falta se qoer, e afirmo, que nio faouve dia
em que iguorasse as suas ricedes em todo esse
periodo: sendo o sea comportemento Desta fa-
culdade irreprehenstvel, raro eexemplar.
Emquanto homem era ama das excepcoes do
seu sexo, principalmente pela idade, era que pe-
receo ; porque as maculas que de ordloario cos-
tumam a denegrir a reputacio moral do homem
em seus primeiro annos, como que nem de leve
perpassavara-lhe pela lembranca : e eise'res-
peito, como acerca do mjis, que daixo dito, ap-
pello para o depaimeoto verdadeiro dos que Uve-
ram a felieidada de conhece-lo....
Emflm, amigo, a lembranc da honra, morl-
dade e outrsa virtudes, de que eras dotado, as
quses hio de ser devldamente remuneradas, faz-
me. resignar, e o mesmo acoqselho aos leus p-
rente, por estar convenddo de que na manso
celeste estacs melhor do que na trra, onde
possivel a ingratldio, a injnsligs e soffrlmenlos
de todo o genero......
S bem ido.... e adeas....
Joaqxtim Jote Ferreira da Rocha Jnior.
___________
Ao publico.
O sggregado de faexactdoes e aleivoaias offe-
recidss ao publico pelo Sr. Manoel Alves Ferrei-
ra, em seu commanlcsdo estampado no Diario
de Pernambuco de 7 do corrente, exigiodo urna
resposta cabal e solemne a poder restabelecer a
verdade dos fados por elle argidos e adultera-
dos, me for$a a pedir ao respeitavel publico a
auspensao de sen juizo at que en compra o que
a honra requer e o dever reclams, publicando a
justa defeza de meu crdito offendido, e o proce-
der do mea contendor.
Manoel da Costa Lima.
Tributo a um distincto magistrado.
O abaixo assigoado intimamente aatisfeito dos
valiosos aervicos que o Exm.Sr. Dr. Tristao de
Alencar Araripe prestou como chefe de polica
oeste grande Pernambuco, a todas as horas do
dia e da noite no ioteresse da le, e da publica
tranqailidade, vem nao s aob o carcter de de-
legado de polica do termo de Jaboatio, e como
cidadio, render aquello ex-chefe de polica, um
teetemnnho publico pela sua dedicacio que sem-
pre teve pela causa di ordem, e constanda na
puntoso dos eliminlos. Saudades sempre tero
toaos os Pernambucanos amfgos da ordem, eini-
migosdos assassinos, pelo ez-chefe de polica
Exm Trislo.
Dos lhe d8 como paga multo annos de vid,
e pelos relevantes servicos que tem prestado 4
sua patria nma cadeira no senado brasileiro. Be-
ceba o Exm. Sr. Dr. Tristao de Alencar Araripe
o meu sincero e espontaneo agradecimento. Gar-
lan; de baixo 1.a da novembro de 1861.
. Jos Frapcisco de Souza Leio.
ff-=="-a'_'______________e=^=?
de papel de embrulho, 88 ciixaa oleo de kero.-
sene, 11 ditas peTiamaaa, 70 ditas drogas e me-
dicamentos, 7 ditas papej impresso; a Henry
Forster $ C.
Brigue portugoez Yiojanle, viodo de Loan-
da, consignado ... manifestou o segoinle :
5 pipas azeite de pelxe, 1 dita dito de palma,
U ditas, 2 metas e 22 barris dito do geogub*. O
barra chouricos, 4 saceos grlos de geoguba, 11
tetaos palha de minieba, 3 volumes e 1 molho
msbellas depalha, 115 esleirs grossss, 1 pacote
naiaioa, 3 gaiolas passaros, 4 papagaios ; ao ca-
pillo do mesmo Joa Joaquim de Freitaa.
W pipas azeite de palma, 20 ditas e 31 barris
dito de gengubs; aThomsz d'Aqaino Fonceca.
Vapor nacional Jaouartie, procedente do
pnalnadnsaniao, -ranWaataB o aegotetr :
a ssccas algodae em pluma, 100 saceos assu-
csr e 65 couro salgados; a Se?e.ak JPilbos.
1 eeereve Bernardino Jos Monteiro-
287 couros salgados, 4.13 courioho curtido,
9 meios de sola. 1 jogo de mallas de couro, 1 cat-
xole cera de abelha, 36 aaecos e 8 barricas dita
dei srsasba, 4 earxolea velias da dita, 10 bwricas
J 2 8fJaos sebo, volumes com 4 arrobas e
*i _?* Peona de ema, 1 caixao e 1 pacote
I ^ (? ** 'lh*i 8 gsfajeoe carne, 1 dito feiie,
\ ^Ii op ora (bicho)t 1 saeco ponas
de aoi, 2 vetuases mel de abelha, 2 caixotinhos
ovoa^ 1 caiilo nm cofre da ferro, t pacote linha
de Berln alcatroad, 1 dito dita branca, 800 mo-
IbMde palha da carnauba ; a ordem de diversos.
Patacho portuguez Maa da Gloria, viodo de
Lisboa consignado a P. S. Rabello & Pho ma-
Oifaatouo segninte:
8 pipas 25 barris vinagre, 200 caixas 600 molhos
cebollas, 200 caixas btalas, 50 caixas com pas-
sas, 20 ancoretaa meaaa de} tomates, 60 barra
chouricas, 60 caites rere em velias, 385 pedras
de lagedo, aos consignatario, 2 barris com vi-
cho; a Ferreira 4 Mateos.
?^ ra.
i ^M^miiD;--------
lalls, Joa MaurUk) Lis.
jVJJd^besarjoaarroB'se a
appel-

tommu
0 Diario do Recife.
# os VN^MtUoa, Afietio PjotoUo *&#, No iPtaito da uamu gdminiau'acio da pie.
50 barra aceite, 50 ditos teudnho : a Jlo da
Silva Regadas.
W caixas maees, a P. Gomes de OHvelra, 200
narria cal em pedra; a D. J. P. Gaimaries.
18 barricas cera em grume ; a Jos Pereira da
Cuoha et Filbo.
70 caixas 30 meiae e 60 suartos paseas: A. C.
de Abres.
11 pipase 25 barris vfoho, 75 ditos vinagre,
80 atte* toucinho e 30 ditos ehouricos; a T. de
A. Fonaecea.
20 pipas 4 meiaa e 12 barris vinho. 30 caixat
cera em valla; p. de A. Fonseca Jonior.
2 caixas 6 fardos e urna barrica drogas ; a Gea
& Barbse.
1 caixas e 8 barricas ditas; a Joao da Silva
Tana.
o/f*"** a 'ataos unas; a u. r.iaesouza.
JO barris vinho, 25 barra e 5 caixas azeite, 1
caixote figos; a Jos Antonio da Silva Jnior.
3 caixas marmeHada. 4 caixas mases, 1 caixote
papel; a Antonio Nunes Duarte de Figueiredo.
celias esaasa; a Joaquim Ribeiro da Gama.
1 caixa mercurio; a Yaz & Leal.
tH caixas cera em vlias; s F. C. de Goovela.
1 chioellaa; a Stiro Seraphim da Silva ;
50 barris cal em pedra; a M. Jos Goocalves
da Ponte.
50 ditos dita em dita; a Matheus tt Rodrigues
5 barris vinho, 6 caixas massa, 2 ditas mer-
curio ; a Coeha, Irmio 4 C.
20 harria com vinho; a Marques, Barros & C.
5 caixaa eom drogs; a J. B. da Fonseca J-
nior.
1 Bah com roopa : a D. R. de Andrade.
7 fardos llores; a M. J. de Soozs.
30 barriese eevada; a Luiz J. da Costa Amo-
rlm & C.
3 caixas marmeHada, 21 barris teudnho, 800
caixas figos 20 fardos de alhos; a Azevedo &
Mendos. tt
14 pipas e 30 barris vinho; a M. J. Ramos e
Al*sfe>
37 pipas 2 meias e 11 barricas com vinho ; a
Amonm dr Irmao.
1 eaixa lixroa; a Victorino J. Monteiro.
1 caita vidros; a Joaquim M. da C. Correia
4 C.
8 caltas 8 fardes e 8 barricas drogas; a Joao
Baptista Fragoso.
7 caixas e 1 barrica ditas ; a Joaquim de A.
Pinto.
2 caitaa vidros; a Lima Jnior & G.
2 cachorros a ordem.
Exportar;o.
Dia 7 de novembro de 1861;
Brigue americano Brandywine, para Philadel-
phra, earregaram :
Henry Forster AC. 1,600 saccoi com 8,000
arrobas de sssucar.
dem do dia 7 do corrente.
Barca ingieza, FreaM para Liverpool, carregs-
ram :
Saunders Brothers 4 C. 200 saceos com 1,000
arrobas de assncar.
Barca ingieza J7eort garam:
Saunders Brothers 4 C. 330 coaros salgados
com 10,651 libras.
Becebedoria de rendas Internas
geraesa das Pernambuco.
Re udi man lo do dia 1 a 8 7:873#83
idea do dia 9......: 1:080826
- Vendeo-ae
rrquioha.
Carne aecca- A do Rio Granea do Sal ves-
de-aadaOfOOOa l70tra. aVr
arroba, fleaodo aas aer 0BJJ6O
arroba*. Mas as nonbs-M aaa
h u Primair* mas ds Uto da Fuete.
Cf*......Yendee-se a 6*500 ra.
arroba.
CnA--------------- -Meas e t*4e0 re- o
a a prata a 1*500 m.
Csrvao de pedra -dem de 14*000 a l
a tonelada.
Cerveja- Vendeu-ae de 4*000 a flfiHiS,
A dudlidl % arralas
Parinba de Uigo- A de Jaichmoad MUlh*-a a
96* ra. a-barrica, e a* PfciU-
delphU d 16* a 20* r., a aa
Baltimora a 14f a., o a de
i(asase a i* ra-, laaasts aaa
r 200 berjrj_ea ds as-naira.
da tesuoda. 2.100 de
tarcetra e 7,_W da a Baria, to-
tal 28,860 barricas, iaclnaive
3 carregamento entrados i
semana.
Potha de Flandree*Venina-se de 20*000 a 2:
a calta.
Louca- A ingieza vendeu-se
por cpnto de premio
factura.
Gnebr-----------dem a 320 rs. a botija, o
rs. a frasqueira.
Manldga--------A francesa vendeu-se
a 580 rs. a libra, e a xa
6(0 rs., ficando aaa aer.
barris.
Massas--------------Tenderam-se a 6*900 rs.
Oleo de lionae*- Vendeu-ae a 1*800 ra. per
*".....dem 7|O0O rs a eatoa.
Queijos-----------Qs flamengoe veoderam-e de
2*000 a 2*400 rs.
Sanao.....Veodeu-se a 212 rs. per liara
do de Mediterrneo.
Taboado-----------O de pinho venden se a 31*
rs. a duzia.
Toucinho----------- Vendea-ae de 8*
por arroba do de Lisboa".
Vinhos-----------O de Lisboa veadea-ee de __
Velas-------------- As de compnrico vendaraa-aa
de 600 a 720 rs. a libra.
Descont- O rebate de lauras varias de
9 a 12 por rento ao aeae. des-
contando a cala filial ceraa ds
360 cont da res de 9 a 10
por cento ao anas.
Freres ----- Para o Canal a 55a 60 para
Liverpool de 40 a 45, a at/%
pelo algodio.
ALFANDEGA DE PERAMBDCO.
Pauta do prego do genero matees s asreisae
de exportaco.Semana U 11 a 10 d aas de
novembro de 1861.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos .....:.. ceato
Agua rdente de cena. casada
dem restilada ou do reino.
dem estaca...... >
dem genebta...... 9
dem alcool ou espirito de
agurdente......
Algodio em caroo .... arroba
dem em rama ou em la.
Arroz com cases ..... >
dem descascado ou pilado. .
Assucar mascavado ....
dem branco...... > lf_as>
dem refinado......
Azeite de ameadoim ou. ma-
. AaohXft \......seseas
dem de coco...... ,
dem de mamosa.....
BaUtaa alimenticias .... arroto
Bolacha ordinaria proptia para
embarque....... ,
?>? A"........ s
cft bom.....:
dem escolha ou restlas > 5*ss9
dem terrado...... liara
Caibros........ oa *5
9?1- _........."*
dem brasca...... aja
Carne secca charque. ... a *JMa
Car vito vegetal...... >
Cera de carnauba em bruto. asaca
dem idem em vedas. ; s
Charutos. ....
Cosos seceos......
Couree de boi salgados .
dem seceos espichados,
dem verdes .
Idera de cabra cortados .
dem de onca. ...
Doces seceos' ....
dem ra gsleiafou masas
dem em calda. .....
Espadadores grandes. .
dem pequeos.....
Esleirs para forro ou estiva da
nsvis......i .
Etoupa nacional ....
Farinha de mandioca. .
dem de araru ta.....
Peijo de qualquer qualidade.
ITOCIIAva** Basl
Fumo em folha bom. ... s
dem ordinario os restolho. s
8:254*689
Raadimento do dia 1 a 8
Mam de dia 0 .
arovlaelal.
0:884*808
2:466#648
-
12:351*356
COJiMU-BSCIO.
fovo Banco de Ternambuco,
O banco paga o 7- divdsjndo de 12
por acdk>, relativo o leniestre findo
em 31 de agosto pro^injp paitado.
- A directora da caixaBUal
marcar- o. nrazo de .30 diaa para
i
tem dalitoa-do
daaaadulas de 20ftQO, fldo ea*aaea aateto
aujaaa asda*oonu>mensal pro|iaaaivoda 10010
de -enfarmidads con o dearate- n. _4 de 10 ds
OBlukca d im. Benito tt-dsauU-oaedeiol,-
0 aaaretorm nter wo, Luto do Marees Gansea ee
a.
sa*-Tff"*a"a
PRAQA DO RECIFE
9 BE"IVOYElf BBO DE 1861
A'S 3 HORAS DA TARDE.
Revista Semanal.
Casbaos Ssseesva aobra Londres e _6,
a_61/4d. por 1 ta.. da 365 a
370 ra. per 1. aobrs Pasto, e de
tOB-i MBaei aanto de premio
sobro Uabee, raaslaodo pe JB
MMMOes aaqoea de semana.
Algodo Vieram ao aaereade 447 ancosa.
Ke i ptjaatoto da aema-a van-
i deraa-ae alga mu a 111*00 ra,
da prtaseira anata, a depaia a
11*400 ra., e s Miaas a
10*400 rs,, asada o total das
seada da asotana 331 aaeeea,
flesaas,asee aartito por veo-
ser. Aasaass eastods da Ms-
eai poeto a neadev tsguieu. por
la|uOsadsPaae__baalMW)0.
a
Ase-car -
cesto
a
lista
liara
s
s
$8
1TB
ito
dem em rolo bem .... a
dem ordinaro restolho... a
Gomma ....
Ipecacuanha (rato)
Lenha em achas .
Toros.....
Lenhas e estelos.
Mel ou indago. .
Milho........arrota.
Pd brasil ....... cjatotal
Fedras de amolar .
dem de filtrar.....
dem rebolo......
Piassava........
Pontas ou chitrea de vaccas a
novilhos.......
Pranchoes de ama relio de
dona cusiados......
dem louro.......
Sabio.....t .
Salsa parrilha......
Sebo em raros......
Sola ou vaqueta .....
Taboaa de amarello ....
dem dlrerass.....:
Jtpic-ca........
Trevea.........
nhas de bol ., .mi
Tinacre........
Alfandega de Parnamsueo 9 da
1861.
0 primeiro conlenle. Joas
i BerfeaiDmi^-Oaasuado
; Ignacio de Carvalho iead
molhos
4>w
' Vem oro de 9861.Barros.
etotTO?8-?*iCdi4,UM^
taaao-
i
HoTimento do porto.
a i......i i, 111 .f_______
iVseto ealraas aa
Uaba-42 dias fU
Barros Valeote, eajawjiaga_it9;
lnho e oniroa generes: I ~
fji'ilhe.
veadea-aada 3*400 Ntmn lajto as
ade pateado de _900 a ifaneros.


It

mmmmmMm ^mah mmmmt hh
* &

&"
AtA*oi*hr|
JIJE.
-:iy. 0
*
f !
3
JS
1
> .y.
Cisterna hydre-
metrica.
*
N
/rane
*.
/(eC.
g *> da Uatee*-.
I
IoMto.it 0*) ottioh* em tito termo de pro-
nto) equi copiado, e prodazlnde o eupplleante
anas testeanaahse, eelUdet t competentemente O Illa. Sr. impeler di Umobmsf dio
preperadoros aaftei subirn concierto, e sel- viocial, em cumplimento di reaoluco da junta
le c>DN Mgioearor dext*a'fvofetio >'iesll*csr dtffatonta non>faref putthco, qne a arremata-
da Ueereeteiate : .uojsslf .*,, ,*,: repare nnaaaeM mmd 4* polica
Jurgapor Matonea iiwif de AntotUorer- fot transferida pin o dia 14 do cerreote.
reir Rali par. logar nao sabia, n**** por- | Ej^j jpHN aMaadM eAtar praetoie o
tacto que teja citado por editoi para o fias man- publicar palo Diario.
& 'Otoado oa paticte inicial.e ae arcar prazo SoereUria U UieaoucM previntial de Pan
de treta da, e pague o juatificaate aa cuates, buco 7 de oaveabfo de Leal.
fetife 3 da ntatn de l6i.-Beroir*o ata- Oeecratttio.
do da CoaU ttona. a. JE. d'Aensiaeiacae.
|
3
heenu.1^ ,5^n *** fre* "m ,ma"
itwMflAttUnra 5,4 p.
Obtwwitorlff doraenal de marinha, 9 de
*embrod18.
HOMARO STEPPLE,
f* tenante.
da Torre* Baadeira, eicre-
odrade, eaV
.fio-Julo Barata de
Almeida.- Fautiao Jos da Fonteca.Francisco
Joa da MooMcr.
t praltttou. flz 4 pttntflf*o qual te firmn o iilV|llii fu i liHtii '^mm frk lalllit}
antedito procurador ea a* mesmaa taatemu- a*.
fia**.
Bu Joio
rente juri
Eu
Mirlo
Dado a paseado nula cidade do, Redis da
Bambuco aoa 8 din do mez 6% novembro de L
-Jri|ttat dtladependenca a do imperto dp
I- Bu, MatoMl da Crverw Pastos afe
^eeetivse osubecrevl. Befl.ro en tempo
vtiser aaignado pele Dr. fe* d* dirella e*-
tl;de> Oaaereto. Trisito dv Ateoear Arari-
pe. Eu, dito escrivo o eeeftfef.
toar AmHm.
98:
E mala se nao cootiaha ea dita tssrleio aqu
S i til iu
ui
copiada, em virtud* da quaI referido escrivo racial manda fszer publico para toaascim
"" das iotereeaadoi o arga 48 da lei prar"
10 da 18 dojenht do carceote-anee,
Art. 4& V eetaitusle naans a
do* aceraros eomaradoe ea qaalquer ta
O Illa. 8. {aspete* de (hesouraria pro-
vincial, em comprmate da ordem do Eim. Sr.
presidente da provincia, manda convidar aa pea-
toas qoe quirerem contratar a construoco das
pontea nos lugares indicados oa nota abnxo co-
piada, a apreseotar na meama thesoararia aa
toas propostas, sendo os cootratos effectuadoa
tob as condiedea seguales :
Pnoaeira. Que a importancia das obras con-
tratadas correr por sonta dos contratantes, nao
sendo em caso algum por alias responsaveis os
cofres da provincia.
Segunda. Que o sswio garantir a pereep-
lo do pedagio pelo tempo e (rma que coatri-
ar, cena tanto que os contribuintes do pedagio
Bao paguen en cada baneira aais do duplo-do
que te arrecada as azlenles como receila da
provincia.
Taroeira. O numero de annos para a percep-
cao do peds&to aera regulado em alteoc&o i fre-
quencia do transito que possa haver a importan-
cia e difficoldatfe da Qbr.
Quarla. Que as ponas atrao construidas,
segundo as coadieoet. planos e areamentosapre-
aeotados pela directora daa oteas publicas.
Quinta. Qe, em quanto nao Andar a trazo
percepgae do pedagio, o empresario ser obri-
tdo conservar a obra em perfeito estado, sob
pasa de aerea os raparos neoessarios fiitos por
ordem do governo custa do mesmoemprezario,
3ua, aloj disto pagar urna malta correspon-
ente decima parta daa desperas que com isso
aa fizeram.
Sexta. Que as obras sero inspeccionadas
peles agentas do governo, nao so quanto sua
conitrucQao, como no que diz respeito aos traba-
mos de conservsco.
Sptima: Que qoalquer das obrss, embora
empreheodida por pariieulares, aera considerada
de utilidade publica, para que poisam lar lugar
as desapproptiaQes de que por ventura dependa
a sua lealisacao, e por isso gosar dos Mesaos
privilegios que as de mais obras da provincia.
Oitava. Que os contratos assim feilos flearo
aujeitos approvago da aasembla provincial
com excepQo nicamente daquelle que versa-
rem sobre obras de um valor equivalentes tres
contos de ris, ou em que se estipular pedagio,
que nao exceda de um budo, osquaes produziro
logo os seus effeitos.
Nota dos lugares onde devem ser construidas
as ponte.
; 1 S. JoSo, na estrada de Po-
d'Alh<\?obr*-f0-................ Capibaribe.
J Tuiba, na vffls de To d'Alho dem.
S Cspuosa dem.
4 Hotocolomb, estrada do aul.. Tijipi.
5 Eogenho Trapiehe, estrada do
Cabo............................. Plrapama.
6 Trapiehe de Ipojuca........... Ipojuea
7 Porto de Podra................ Serinhem.
8 Duai-Barras................... dem.
? Villa de Barreiros.............Una.
10 Eogaobo Jundt............... dem.
11 Estada......................... Ipojuca.
12 Amatigi ....................... Amarigl.
13 As propostas sero recebidas at o fim de de-
zembro do correte anno.
E para constar se mandn afiliar o presente a
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesoararia provincial de Per-
nambuco, 7 da novembro da 1861.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Aonunciaco.
O Dr. Tristao de Alencar Araripe, ofncial da or-
dem da Rosa ejuiz de direito especial do com-
orercio desta eidade, per S. M. I., etc.
Faco saber aoa que o presente edital virem, e
odelle noticia tiverem, que no da 11 do corren-
te, depois da audiencin deste juizo, se ha de ar-
rematar por venda a quem mais dr os bens se-
guales : um eaizao de casa de tijollo e cal em
respaldo, teodo na (reote quatro jaoellas, a urna
porta, no oito duai janollas e urna poda, a no
fundo cinco portas, com setenta palmos de. frente
e qaarenta a tras de fondo ; igualmente um sitio
com trazeotos palmos de frente, no lagar dos Af-
ilelos, pertencente ao bacharel Francisco Gomes
Velloso de Albuquerqie Lios, e vsi praca por
execucao 4a ios Gonoalves da Cruz, a qual dei-
xra de se eeotaar no dia 30 de ontubro prxi-
mo passado por se terem transferido os dias de
audiencia. Os referidos bens forsm avallados por
dous contos e quinbentos mil ris.
O presente ser afilxado nos lugares do costu-
me e publicado pela imprenta.
Recite 6 de novembro de 1861.
Eu fanoel Mara Rodrigues do Nascimenlo, es-
envo, o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
v Dr. Triitio de Aleocir Araripe, juiz de direilo
especial do commereio d'esta cidade do Recite
a sea termo, capital da provincia do Pernam-
buco, por Sua Magestsde Imperial e Constitu-
cional o Sr. D. Pedro II, que Daos guarde,
GlCa
Fago aaber pelo prsenle que Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo por isa adrogado dirigi ao
meu antecesser a petizo do theor seguate :
Illm. e Exm. Sr. Or. Juiz do commereio.Diz
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, qoe Antonio
Ferreira Bailar Ihe da.vedor da quaoa de qua-
tro contos ceoto e trala e um mil e tresemos e
trila e qnatro ris e seus juros proveniente de
urna nota promfssoria si cada alias, que Ihe pea-
tn a 5 de jolho de 1855 com o prazo de 15 me-
tes, e porque nio tenas pago, sendo que a dita
nota proasissoria J se acha vencida ha multo
tempo, quer o supplicaote para garanta de seu
direito lotero, e alim de que ella nao prescrevs,
protestar na forma da le, atlm de que seja inter-
rompida a presoripcao : reqoer por isso V.Exc.
qna a diana de mandar tomar por termo o seu
protasto e iniima-lo ao tupplieado, com quanto
lie esteja ausente em lugar incerto e nao sabido,
equer o supelieante a V. Exc. que o admita
laeticar a ausencia do supplieado, o que feho e
julgado, se pasee carta e editos para ier por ella
citado na (rma requerida.
M Pe" A */*?' J*5 Ihe *rfira.-E.
.G. Aldoforada.
E mais se nioeootinketadlli peHeo.ni qual
^*y ntecearr dea o despacho do theor tt-
Oisanbulda como
de 1861.Assis.
E mais se alo contioha em dito despicho aqu
opiado, per larca 4e>qeai foi taita a dlstribuicto
ao eaarivao deato-jaiso Manoet de Carvatho Paes
de And rato, que lavrou o termo do protesto da
theor eeaaioU :
Aos 28 de jonho de 1881 oesta ridade do Re-
fe de Wmaatuce, ato mea cartelo, velo q so-
tes pisssr a presente edital com o prazo de 80
diaa, pele theor do qaal caaao, cito e hei per ci-
tado o aupplicado Antonio Ferreira Bailar, pera'
que dentro do referido prazo comparaba oeste
juizo pare, allegar a aaa defeza por todo o con-
teda na peUc.e eterno de protesto cima trans-
criptas, sb pena de revelia : por tanto teda e
qualouer peaaae, tsente, amigo ou condecido
4o referido aupplicado poder fater-lhe aciente
do que aoima tica dito.
E para que chegue ao cenbeciniento de todos,
mande presar edttaaa, que aere anisados us lu-
gares do coslume e publicados pela impraota.
Dado e paasado neata cidads do RaciM de Per-
nambaco, aos 8 diaa do mez da novembro de
1861, 40* 4a independencia a de imperio do
Braail.
En Maooel de Carvelhe Paea de Aodrede, aa-
crivlo, o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
O Dr. Bernardo Machado da Coala Doria, juiz de
direito da primeira vara criminal a substituto
da do commereio, desta cidade do Recite o aeu
termo cenital da provincia de Pernambuco,
por S. M. Imperial e constitucional o Sr. D.
Pedro II, que Deua guarde etc.
Fago aaber pelo, presente qoe por este juizo e
cartorio do esenvo que esle.subscreveu, corre
urna execugao de senleoga entre partes exeqaen-
le Prxedes da Silva Gusmo, e executados Fran-
cisco de Oliveira Jnior & C.\ que teedo-se fei-
to penbora em diobeiro, que aa acha recolhidu ao
deposito geral, na quanlia de 1501008, perlan-
cente aos executados Francisco de Oliveira Jnior
& C., em audiencia do dia 16 de autubre, por
parte do solicitador Manoel Raimundo Penafor-
te, procurador bastsoledo exequeote, me tora fei-
to o requerimealo de theor seguinte :
Aos 16 dias do mez de ouieb.ro da 1801, nesta
cidade do Recite de Pernambuco, oa publioa au-
diencia, que aos' feilos a partes tasia o Dr. juiz de
direito do crime e substituto do commereio, Bar-
O Illm. Sr, inapoitoa da tteaourana
de polainas,
mesmo arsenal,, palaa 11 horas di
terior a du da reseote Ui iodanandanta de aecratario interino.
i rectora
atobit do da 13 ?^^M'ffB^L/AMpropoata
em que declare o *iu aKH elaleaieus fia-
dores.
Ara*nlde gnerra d* rareambuaa O dt tovem-
. .... Joio Ricardo da Silva.
Por ests subdslegtcia scientifiea-n que fora
tncita a aabatae raaalhido na easa dh de tenca o
opMloManoalque dU aar eacravo de diversos
tennores como seja : Maooel mippe. morador
era Gauaaleira, termo de Seriaadea; Jos Ig-
aeie, morador em Caletde ; odott Maarieio,
aenhor do eogenho Geodahi : a. pesaos que se
julgar com direito a dito escravo, comparece oa
mesma subielegadat que provsodo Ite sera ao-
* fubderegtcia de urbeca 8 d novembro de
I IBM.O subdelegado,
Joto4natoQ.de Alauqjtorqae,
- Adiretoociadeoiisa tJ,al teaV-d
passar ato o dia 1 UcnjtaAvtaMprao merca-
para o recolhimento das sedulss de 20#. O
lelibewdo
revalidaco e multa, urna vez que oa deredatee
ci de 1861 a 1862, os que nio o Qzerem Derao
aujeitos a revalidaco e multaVem ddroj aendo
um terco para o. denunciante. JJT^attovaria
faca anaiajpitr por adiuj oat primeira JP dias
de rademe. preaecte dtogasijo.
E para tonjtar le mandou afiliar o presente e
publicsr palo Diario. ,.1.
Seeratarie da tbasouoa>M previacial de Per-
nambuco 8 dejulho de 1861.O secretario,
A. F. d'AuruiQciaco.
O Illm. Sr. inspector da theaouraria pro-*
viacial, em caaprimeato da resol a cao da junta
da fazenda, manda fazer publico, que foi transfe-
rida paras dia 11 do correte a arremtacao da
renda dop predio anaixo mencionsdos, perten-
cente ao patrimonio dos orphos.
Raa do Sebo.
N. l.Casa terrea arrendada por 160*000
Ra do Rossrio da Boa-Vista.
N. 14.Gasa terrea arrendada por.. 20110000
Ra da Madre de Deoi.
ti. 35.Casa terrea arrendada por.. 1:611 JOOO
Roa da Cacimba.
M. 05.Casa terrea arrendada por.. 3805000
Ra dos Burgos.
N.68.Casa terrea arrendada por.. 205(5000
Ra da Guia.
N. 83.Gasa terrea arrendada por.. 1825000.
la do Pilar.
N. 96.-Casa terrea arrendada por.. 157*000
E para constar aa mandou afflxar e prsenle e
publicar pelo Disrio.
Secretaria da theaouraria provincial de Pernam-
buco, 5 de povembro de 1861. 0 secretario, A.
F. de Annunelacao.
>r Maooel Raimundo Pensione, procurador do
quenle, fra aecusada i penhou qna aa se-
1fl

Agencia ra do Trapiche n. 43k
At o dia 14 do correte 'espera-se da Europa
o vapor francez Navarre, cornjtnndatde VaYel
o qual depois ds demora do eaJBaeatgnar pa
ra o Rio de Janeiro tocando na Babia pin pas-
sagens etc. a tratar na agencia; -
Atteneo
sshir para t
ta*
Vndese o veleii o e

nardo Machado da Coila Doria, nella pelaaalici-, ,0 Dr. Bernardo Machado da Costo Doria, juit de
R.
requer. Recite 8 de junho
nmmwr,niwo citwrio. tbio Q S0-
r AeoolokMy Jeaa Barata de Almeida, pro-
do ttfPfUcante Antonio Luiz da dflrefta
2^i0> e PeraD'8 m'm e *' testemunbis tefTa-
aaasnaadaa, dase que oes termos de ana policio
teta* que m asado parte do presente protesrlri
por ledo seu canteado, e de como usa offit
lado
exequente.
gue, feila aos executados, reqaerbndo que nao s
ficassem a es.les assigoadoa debaiso 4a prego,
sob pena d laocamenlt os seis dias da le, como,
dez dias aoa creiorea insertas, sitio ter sido ef-
fectuada semelbaote penhora em diobeiro. 0 que,
ouvido pelo juiz, assim o deeiij :
Bxtrahi o presente do protocolo daa audien-
cias, junto o seguinle mandado de penhora. Eu
Joo Vicente de Torres Bandeira, escriro jura-
mentado o eicrevi.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Aadrade, es-
crivo o subscrevi.
Por torga do deferlmento dado a este requeri-
meuto, o escrivo respectivo fez passar o presen-
te pelo iheor do qual sero citados os credores
incerlos por todo o conteudo no requerlmenlo
squi inscripto, aura de que, dentro do preflxo pra-
zo de dez dias, comparegam oeste juizo allegan-
do o que Ibes for bem de seu direito e ustiga,
sob pena de revelia.
E para que chegue a noticia a quem interesssr
possa, mandei passar editaes, quesprao effixedoi
oos lugsres do coslume, e publicado pela ira-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recite de Per-
nambuco, ao27 dias do mez de outubro de 1861,
40 da independencia e do imperio do Braail. Eu
Manoel de Carvalho Paes de Aodrade, escrivo o
subscrevi.
noolmn om lamnn filia na. -^..Ij-.J^ fr}~
Dr. juiz de direito especial do commereio, Tris-
tao de Alencar Araripe. Ea, dito escrivo o de-
clarei.
Tristao de Aleocsr Araripe.
0 Dr. Triilso de Alencar Araripe, ofBcial da
imperial ordem da rosa, ejuiz da direito es-
pacial do eommercio, deata cidade do Reeife
de Pernambuco e seu termo por Sua Magos-
tado Imperial e Constitucionsl o Sr. D. Pedro
II a quem Deus guarde etc.
Fago saber aos quejo preaenle edital virem que
por este juizo pendem oos autos de exeengao de
seotenga de D. P. Wild & C. e outros. contra
Francisco Jos Rodrigues Basles, e dellea consta
que em audiencia que aos feilos e panes dava
este mesmo juizo, tora feitoo raquerimento cons-
tante do seguinte termo :
Aos 4 de novembro de 1861, nesta cidade do
Recite de Pernambueo em publica audiencia que
dos feilos e parles dava o Dr. juiz especial do
commarcio Tristao de Alencar Araripe, nella pe-
lo solicitador Joaquim de Albuquerque Mello,
fra aecusada a penhora feita em dioheiro per-
tencente ao ejecutado Francisco Jos Rodrigues
Bastos, e fra requerido que ficassem aaiigaados
os6 dissda iei e 10 aoa credores incerlos, o que
ouvido pelo juiz houve a penhora por aecusada
eo mais por deferido ina forma requerida, de-
pois de mandar apregoar pelo porteiro dos audi-
torios do que lavrei a presente extrahido do pro-
tocollo das audiencias que junlei o mandado a
termo de penhora, que seguem: eu Adolpbo Li-
berato Pereira de Oliveira, escrevente juramen-
tado o escre vi.E eu Manoel Msria Rodrigues
do Nascimento, o subscrevi.
R maia ae nao conlinha em dito termo aqui
transcripto e em cumprimento do meu despacho
fez o respectivo escrivo passar o presente edi-
tal por meio do qual chipio cito e hei por citados
todos os credores incerlos do referido executado
para que comparegarn oeste juizo e fagam a op-
posigo que Ibes assistir, sob pena de revelia. E
para que o prsenle chegue ao coobecimento de
todos ser publicado pela imprensa a afiliado na
forma da le.
Recite 8 de novembro de 1861.Eu Adolpho
Liberato Pereira de Oliveira, escrevente jura-
mentado oescrevi Eu Msnoel Mara Rodrigues
do Nascimenlo, escrivo o subscrevi.
TrisUo de Alencar Araripe-.
O Dr. Bernardo Machado da Coala Doria, juiz de
direito da primeira vara criminal o substituto
da da commereio desla cidade do Recite e aeu
termo, capital da provincia de Pernambuco,
por S. M. Imperial e Constitucional o Sennor
D. Pedro II que Deus guarde etc.
Fago saber pelo presente, que por este juizo e
csrtorio do escrivo que este subserevea corre
ama execugo de seotenga entre partes exequen-
tes a directora da cana filial do banco do Brasil
nesta cidade, executado Joo Paulo de Souza,
que tendo-se eito penhora em dinheiro que se
acha recolhido ao deposito geral, na quanlia de
1.524p480 res, pertencente ao executado Joo
Paulo de Sonta, era auieucia do dia 22 de agos-
to do corrale, por parle do solicitador Rodoipho
Joo Barata de Almeida, procarador do exequeo-
te, me tara eito o requerimeolo seguale.Aos
22 de agosto de 1661. nesta cidade do Recite de
Pernambuco em publica audiencia, que aos fei-
los e pides fazia o Dr. juiz de direito especial do
commereio Francisco de Asis Pereira Rocha,
nella pelo solicitador Rodolpbo Joo Barata de
Almeida, procurador dos exequentes, fora ae-
cusada a penbora que ae segu feita em beoa do
estopado ;.reouerendo nao 6 ocassem aaaigoa-
dos a este debauo da precio, Mb pena do Uopt-
ment oa 6 das da Iei, como 10 dias aos credo-
res incerioatoosjro pas-t de teaethaote pe-
. ifi t'5&yp1* tsan,dioheiro. pateando-se,
ot editaeado^atao. O qne ouvido pele juizae-
aim odjstrio.^xUh* o prestte do protocolo
dat tadtencias.EoJcAt.VlctoUda Tofiet Bap-
deire, actovcnlf .rer*aei)Udo o ecprevU-r-Ea
MsnapUe. barslAnaes de Aodrede, ,aacri
lubsereu.Por.far^do deferiuanto dado a eate
rteolp,n,a)eerifeo reapectiro fe* pastar o
l!2"J***10 *. Mi saina tatos ea tre-
SSSniT*^ W^odo o ccnijftdft, ecraqueri r
W #UdiaaHtoaparegi.anetoe juio *
wgaado o quelhaa for titpai aeu- direito eia-
^ob,ptoMriMt.. """ "T
nn7.? .?lftHM tiit> .** itrreanar
poiia maddtt passsr ediiaea que atrio affludoa
direilo da Ia vara criminal e interino do espe-
cial do commereio desta cidade do Rocife de
pernambuco eseu termo por S. M. I.
Fago saber aos que o presente edital virea e
delle noticia tiverem, que no dia 11 de novembro
se ha de arrematar por venda quem mais dr
em praca publica deste juizo, oa sala dos audi-
torios, 4 gigos com chsmpaohl avallados a 12J,
489; 50 latas com sardinhsa avahadas por 16p ;
200 garrafas com carveja, em mi estado, avaha-
das por 20$; 14 caixas com sabao avalladas a
28500,355 ; 1 relugio de ouro patente inglez 1008,
os quaes sao pertencentes a Jos Joaquim de Oli-
veira e foram penhorados por execugo de Jos
Joaquim Dias Feroandea & Filhos.
E nao havendo laogador que cubra o prego da
avaliago, a irrematagp ser feila pelo valor da
adjudicaglo com o abaiimenlo da Iei.
E para que chegue ao conhecimento de lodos
mandei passsr editaes, que sero publicados pe-
los jornaes e atusados nos lugares do coslume.
Recite 23 de outubro de 1861. Eu, Manoel Ma-
ra Rodrigues do Nascimenlo, escrivo o subs-
orevi.
Bernardo Machado da Costa Doria.
O Dr. Bernardo Machado da Coala Doria, juiz de
direilo da primeira vara criminal e substituto
da do commereio desta cidade do Recite e aeu
termo eapital da provincia de Pernambuco, por
Sua Magestade imperial e contilucional o Se-
nhor D. Pedro II, que Deus guarda etc.
, Pfltn uhur c!"!"""'1 i" "' *W It aemo-
vembro do corrente anno se ho de srremltar
por venda a quem mais dr, em praca publica
deste juizo, depois da audiencia respectiva, os ob-
jectos seguales : tres carrogas de caixto, de duas
rodas, a sessenta mil ris cada urna, eento e oi-
tenla mil ris, nove ditss de quatro rodas, sendo
todas novas, e em bom estado, avaliada cada
urna em noventa mil'ris, oilo ceios e dez mil
reii, prefazendo ludo a importancia total de aove
centos mil ris ; sio pertencentes ai mesmas
carrogas a Feliz da Cunha Teixeira, e a este foram
penhoredas por execugo que contra o mesmo e
Urbano Jos de Mello encsmluha Jos Velloso
Soares : e na falta de licitantes sero arrematadas
pelo prego da adjudicago com o abatimento da
le.
E para que chegue a noticia a quem interesssr
posas maadei passar editaes que sero aturados
nos lugares do costme e publicados pela im-
prensa.
Dsdo e psssido nesla cldsde do Reeife, capital
de Pernambuco, aos viote nove dias do mez de
outubro de mil oilo ceios e sessenta e um. Qus-
dragesimo da independencia e do imperio do Bra-
sil. Eu, Maooel de Carvalho Paes de Andrade
escrivo o escrevi.
Declaro que este val assigoado pelo Dr. juiz
de direilo do commereio Tristao de Aencsr Ars-
rlpe. Eu dito escrivo o declare!. Tristao de
Alencar Araripe.
Luiz de Moneo Gomes Ferreira.
A thalomara provincial ea onaprimonto
da orden do Exm. Sr, presidente da rovioeaa
lem de comprar para o colfegio dos orphaos sies-
ta eidade oa objeetoe seguales :
104 pareada sapstos afnoa.
300 varas da psanoda bono,
18 duzias de lengos braocos.
Bdulaede guesdaaaoo,
100 cobertores de algodo.
11 Prates travessot torrados de louga ridrada.
t Moinho de caf.
i (balance para peaar carne e pin.
24 bacias de folha pintada para lavar roato.
24 pratosde folha para farioha.
4 bao eos de 4 ou 8 vacas de com primen lo.
Quem quizer vender laes objectos aprsente
suaa propostai em caria fachuda no dia 21 do
correle pelo meio dia.
Secretarla 4a theaouraria provincial de Per-
nambuco, 4 de novembro de 1881.0 secretario,
A. F. d'Aonunciaco.
A theaouraria provincial, em cumprimento
da ordem do Exm. Sr. presidente da provincia,
tem a de comprar para o collegio doa orphos da
cidade de Olioda, as fszendas seguales:
630 varas de madapolao* para camiaas.
490 varas de brim pardo para caigas. a*
ItlO covados da algedo meaclado.
Quem quizer vender ditas fazendas aprsente
suss propostas em cartas (echadas do dia 21 do
corrente, pelo meio dia.
Secretaria da theaouraria pravincial da Per-
nambuco, 5 de novembro de 1861.O Secretarlo,
A. F. d'Anuuneiagio.
A directora dai obras militares lea de
mandar pintar os reparos das pega e muitos ou-
tros objectos da fortaleza do Brum, os qnaescoai-
ta di relajo que for apreienlade. aa pessoas que
deste servigo se quizerem encarregar, e por isso
convida as mesmas a spresentaren suaa pro
postas na dita directora nos dias 9. 11 e 18 da*
8 horas da manba a 1 da larde. Directora das
obras militares de Pernambuco 8 de novembro
de 1861.0 escripturaslo, Joo Monteiro de An-
drade Malvina.
Caiselho anminislrati.
O conselho administrativo, para fornecmento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
seguiotes :
Pare pcovimento dos armazeos do arsenal
degggtra.
20 quintae de ferr inglez em barra de i 1/2
pollegada de largura.
10 qulntaes de ferro quadrado de 5 oitavas.
5 qnintaes de ferro de verga de veranda.
300 caadas de azeite de carrapato.
Quea quizer vender taes objectos aprsente
as auas propostas em carta fechada na aecretaria
do conselho, s 10 horas da manhadodia 13 de
correnta mez. en*.
Sala das sesses do conielho administrativo,
para fornecmento do arsenal de guerra, 8 de
novembro de 1861.
Bcnfo Josi Lamenha Lint,
s Coronel presdeme.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
> _____Coronel venal secretario interino.
Conselho de compras navaes.
rdem dq, conselho fago pubii ... Aa
promover em sesso de 14 do corrente a compra
do material da armada abaixo declarado, i vista
de propostas em cartas fechadas que recebam-se
oesse dia al ss 11 horas da manha, icompa-
nhadasdss amostrss dos objectos.
Para os navios.
180 covados de baetilha para cartuchos. 50 ca-
dernos de papel borrador, 400 colheres de ferro,
60 pes de obris, 50 duzias de lapis, 30 garrafa*
de lala de eacrever, 20 vidros degomma grasa,
20 flmulas de escaler e 8 pegas de Hiele branco
eencarnado.
Para os navios e arsenal.
4 caixas de vidros de 10 a 16 pollegadas de
comprtmento, 1,200 libras de tiota branca de zin-
co, 8 barris de brea, 50 latas de tinta preti, e 8
barril de alcalro.
Para o arsenal.
10 arrobas de zirco, 10 arrobas de er, 1 bra-
co de balaoga com concha, 20 arrobas de ochre,
e 20 arrobas de slmagre.
Sala do conselho de compras navaes em 9 de
novembro de 1861. ,
O secretario,
Alexandre Rodrigues doa Anjos.
bem conheciJo
pancho americano L. C. Watti, de 180
toneU&dat, ot pi etendente queiram te
dirigir o maii breve possivef aa na do
Trapiche r. 8.
Baha.
O palhabte- nacional Doms Amigos, capit&oFran-
eiaco Jo* de Araujo, abe parad Baha empre-
terivelmeate no dia 14 do correle para algnma
carga miada, e passageiros, para o que tem c-
modo magnficos, a traiar com aeu consignatario
Francisco L. O. Azevedo, na ra da Madre de
Dos n. 12.
Rio de Janeiro'
O brigue nacional Conceigo pretende senir
co dia 8 do corrente, e s recebe escravos a frese.
Para em direitura
Segu psra o indicado porto o bem conheerdo
brigue escuna Grsciota, capito Joio Jos de
Souza, por ter parte de seo carregamento adian-
tado : para o resto trata-se comes consignatarios
Almeids, Gomes, Aires & C, ra ds Cruz n. 27.
Maranho e Para.
Segu com brevidade o veleiro biate Lindo Pa-
quete, por ter grande parte do sen carregamen-
to contratado : para o resto trata-secom os con-
signatarios Almeida Gomes, Alves & C raa da
Cruz n. 27.
Acarac.
O vapor Iguarass, da companhia pernam-
bucana," na sus prxima viagem de 12 do cor-
rente, seguir para o porto do Acarae para lar-
gar ali qalqaer porgo de carga e passagei-
ros.
0 palhabote Artista vai
Janeiro con auita brevidade, poi
Lonrenno, na ra d
f* -ar ia*
ParaLoanda.
Segu com a poasivel brevidade o
iSlieLf^iijiote: para o resto dt
'8tf s %lrf dS roa do Vigario o. 18.
P Mdajf cijsj fionaigoataria i. de Aajansre
Ls^iie*.
DB
Fazendas inglezas
Tertja-feira 11 do corrente.
Augusto Cesar de Abren tari leilie por iater-
vengio do agenta Olivair, de na grande na-
rrado soTlimeote de fazendaa iTgrrtai ao aere
propriat do mercado e rocenteaenta dnpacba
dit: terca-feirs 18 do crreme aa wa nr-
mazeni rueda Cadeia. Coaccar> aaIf bernodut
manha-em poete com fazeodaa variadas.
CoBtigafie do Matf
DE
FAZENDAS.
Na ra da Cruz n. 4.
Segunda feira 11 do corre**
N. O. Bieber V-C aeeceeeorea. ao padiedc-
acabar com os muitos srtigos pare fechar arena-
ras, continuar a fazer leilao per iatorvencie 4
agenteAntunes.no da cima daaignade ao fl
horas am ponto.
CoDliBKi do leilai
mm
real cmnmik
DE
DB
Miudezas, frrageos. perfu-
maras e efcjectos de
criptorio
PELO AGENTE
Paquetes inglezes a vapor
No dia 14 do corrente espers-se do sul o i
por Magdalena, commandante Woolward, o
qual depojs da demora de coslume seguir para
Southamoton tocando nos portos de 8. Vicaale
e Lisboa, para patsanens etc devar-ae-ha tratar
com os agentes Adsmson, Howie & C, ruado
Trapiche Novo n. 42.
N. 8. Os embrulhos s se recebem al dona
horas antes de se fecharem as malas, ou psgando
um patacao tem do respectivo froto, urna hora
ntei.
Para Aracaty e Ass.
Histe Santa Rita sabe com brevidade trata-se
com Hartins & Irmos.
Segunda-feira i 4o corrente.
Mello Lobo 4 C nao Ibas lando sido towivei
expor em seus aatectdealea leMoea graneo narre
dt mercadortaa para fechar facturas a eonraaj
despachadas depois, contionirio o aea leilao par
i mlervencao do agente Pestaa, segaeda-toirs tf
' do correle pelaa 10 boras da aanaia aa ans
armazem da ra da Cruz e aspara qee
numerosos freguezea compacecaa para
chorea.
Declara^oes.
THEATRO
Directora geral da instruc-
co publica.
Por esta repartiese as faz publico, que o conse-
lho director em sesso de 10 de outubro uliimo
spprovou para o ensioo das aulas de inatrueco
primaria e secundaria da provincia, os compen-
dios de gramtica portugueza e de historia do
Brasil, compostos por Salvador Heorique de Al-
buquerque ; bem como o novo melhodo pratico
theorico para o ensino da lingua franceza, pelo
bacharel Cicero Odn Peregrino da Silva, resolu-
Qo que foi approvada por S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia em ofBcio de 31 do referido mez.
Secretaria da instrueco publica de Pernambu-
co 8 de novembro de 1861.O secretario interino,
Salvador Henrique de Albuquerque.
Companhia de
Beberibe.
Sao convidados os Srt. accionistas da
Companhia do Beberibe "a se reunirem
em assemblea geral da mesma no dia 18
do corrente ao meio da, como determi-
na os seus estatuto, e especialmente o
3* do artigo 19 dos meamos estatutos.
Escriptorio da Companhia do Bebe-
ribe 9 de novembro de 1861.
O secretario interino,
Justino Pereira de Faria.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
rWI?II A UW>%.
Doa porloi do norte esperado al o dia 16
do corrente o vapor nacional Apa, commandan-
te A. P. Coosel, o qual depoit da demore do coa-
turne seguir psra os portos do sal.
Desde j recebem-se passageiros, e engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir, a qual de-
ver ser embarcar no dia de sua chegada : agen-
cia ra da Cruz n. 1, escriptorio de Azevedo &
tiendes.
LEILAO
Urna taberna.
Na ra do Rangel n 22.
Terca feira 1 o corrente.
Costa Carvalho por mandado do Illm-
e Exm. Sr. Dr. juiz especial do cana.
mercio levara' pela segunda vez a lei-
lao a taberna da ra do Rangei n. 22
arrestada a Costa Guimaraes & Res, em
um s lote ou a retalho. Af. 11 horas
em ponto.
Avisos diyersos.
ls
Rio de Janeiro
Pieda-
resto da
Caetano
Corapaaliia dramtica &ob 8 direceo do
artista Germano.
Recita extraordinaria
EU 1ENEB1CI0 00 ARTISTA.
. S1BERI0 MOREIRA DO VALLE.
QUARTA-FEIRA. 3 DE NOVEHBRO.
Subir scena o excellente drama em 5 actos
do Sr. Mendos Leal Jnior,
sahe no da 15 do correte o palhabote
des, capito Marques Vianua : para o
carga e eacraves a (rete, trata-se com
Cyriaco da C. loreira & Irmo, no lado do Car-
po Santo n. 23.
Para o Rio de Ja-
neiro.
O brigue nacional Almirantea pretende seguir
com muita brevidade, tem parle de seu carrega-
mento prompto, para o resto que Ihe falta passa-
geiros e escravos a [rete, para o que tem asseia-
dos commodos, trata-ae com os seos consignata-
rios Aiavedo & Mandes no ten escriptorio roa da
Gru n. 1.
:
aohia
DE
O incendio da cata do conde de Santiago tari
teito vista.
Toma parta leda a coaipanhia.
Terminar o espectculo coa a graciosa tarca
lyrica em am acto,
O lili JO.
Comecar s 8 horas.
O beneficiado espera merecer a proteceo do
publico, palo que deade j ae centeasa grate.
" '...... i
AY80S martimos.
LOTIItIa
As rodas da terceira parte da primei-
ra lotera a beneficio dn matriz de Bar-
reiros andaro impreterivelmente Sex-
ta-feira 15 do coi rente pelat 8 horas da
m&nhd no consistorio da igreja do Ro-
sario de Santo Antonio, se o paquete
rancez antes desse dia daqui partir pa-
ra o Rio de Janeiro como e cotturae. Os
bilhetes e meios bilhetet s estar a
venda at a vespera as 10 horas da an-
te na thesouraria daa loteras roa do
Crespo n. 15 enas casas commistioaa-
das. As sortes serao pagas coa de
costume. Othesooreiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Para
Seguros UtUida<*e publica.
Ot directores contidam aos S/s, eccloolstas
pira coapaeecerem op.escriptorio de dita com-
*33ldlutOS.
Reeife. 9 de oove,mpro de 1831,
Acadiial de suerra.
COWPANHr BRASILEIRA
DB
Moraras il ijsjpm.
E' espralo dos portoa do sul at o dia 14 do
corrente um doi vapores da companhia, o qual
depois da demora do costume seguir pan oa
portoi do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-ae
a carga que o vapor poder conduzir, a qual de-
ver ter embarcada no oa de sua chegada, en-
commendas, dinherre a frota at o dia da sabida
as 3 horas : agencia na ra da Cruz n. 1, escrip-
torio de Azevedo & Mondes.
saaea-
Antonio Ricardo do Irgo a
alaria Ricarda de Souza Reg,
te peahoradoe cordislat
Rvaad*. religiosos dea
Francisco e Carao, a nava
Espirito Sanio, o a toca* aa
se dignaram aeeietir aa ea saetas o
paoharan ae ceaMevie aaa aailo
Blha D. Marianna BMteiro o Lian Rege.
e de nevo ot convidan a peoea -para aa-
alstirem a aisea do satiao ala qae lana
de celebrar-seno caaiterio as qaarta-at-
ra 13 do crrante, pelas S boraa da aa-
"J*-
COMPAKH lA PWNAMBUCJA
M
J
nfeUade seguir com malta brevidade o patacho
nacional Jallo, tea parte de seu carrefameftto
a oofab-r para ratto 4ue tte falla, paisageiros.
o^e^O'llva.'Sr. etvenel diredar do ar- 'Adb at*endM. no siu nacrlrtWrior fnTada
av.de'uesr, se i*c *iMice ma Onvier. t. *,rp;- *
quonoi termoi do aviso do ministerio o* tuerri
o 7 da maree de80 ie tem de mandar minu-
faeUirar ot aransas o^frroetnetao aaafuites.
- Para e-4. teiUho de rWheris.
200 sobreessseas.
ROO cillas de panno.
II 1
o "**$^3$^^
commodoi i
Naveraco costeira a vapor
Parahba, Rio Grande do Norte, Ma-
can do Ats\ Aracaty, 'Ceara',
Acaracu' e Granja.
O vapor cJaguaribe, commandante Lobato,
abita.nara oeoorVaado oorU da ana necaU at
i Graoja no nU 7 do aovotsaio as 4 astas da
larda.
Recebe carga at o dia 6 ae meio dia. Eocbm-
a dibsrp a {reto al o dU
eseopMafio bu .JjanUk
Acaracu.
aaWaaalaaal
ftextXAmhic&nM.
Haje, ti de correata, bavari aaaalo estmor-
dioariaoe cootekho Slrnitor.
Secretaria da AaaWco Tjpagrapaeca Par-
nambucaaa 9 de novembro de 18*1.
J.Cesar.
1* secreUrio.
Aviso. ^^
_ aataeilietatal*
asada aota teispia da
po Santa n, 23.
UfitQA.
Patacho portueena aM>wt dUtrtoria
capitio AbtonMr^larrerTalente, a
sahir com bfevidae, para carga e pas
sageiros trata se fcom .'*. tabell &
Filhot largo da Assemblea n; i%.
bras para aea pagaaeoto
de di versea dt redore ao
da ra de nortea n. i,
salta de V4*Sf9B0, ees
pedido* ae awa, Maitts, vates. Raen as-
tras a para qoe o maento poeta asar ea aatadar
lazet aata eanranca sor toa coaU.oer astaj a
toraiaa o art. 85$ do codino do >
viaaa a Sodas at Sis. ostentas s
tana tulus da crdito no aatal
Ooatna|cs Jota tt Casal Lnats, i
laHora s. SR, aUo ao ptsao da I
Jos Augusto dt Costa
portuim sogM rara o lio as iaasiro.


M^'^mmrjn-rm^iummmm n.m
orie n vapor
SGllftntft dP. alXTO- r iMusjB^otereeire andar da casa
^IHCUTO UC algU n.57, sita-na rua do Amorim : a tratar
ROUPA.
m
DE
MNSi, M

LAVADA.
40 ria
70
100
no
80
19200
11000
19000
29000
500
. 1000
LAVADA. CO-
SIDA E
ENGOMMADA.
160 tis



>

120
180
200
240
5" S??m!lia- U>wtinctBiBt*, pecas granees e pequeas. .
woupa dB -navios, vapores e hospitaes..........
Pecas grandes isoladamente como lengoes, loalhas de mesa. .
Hoopa e doente de familia, que nao seja (regueza......
Ttoupa misturada que alguem sem ser freguez exigir que se laye.'
TJma rende rindo com mais roupa............
IJma^ede isoladamente..............
IJm cortinado de cama de casal rindo com mais roupa', "
Ura'diio dito isoladamente.......... .
um dito dito de solteiro on varaoda..........
Un dito dito isoladamente..............
As pessoaa que nao quizaren* mandar engommar toda a roupa, o aooratorio encarreea-se
*c mandar aogommar as sagulotes pecas, pelos seguiotes oreos : *, so
Vestidos lisos.....600 res.
Salas........280
Camisas de homem. 160
Calcas........200
Golletes.......l0
Paletols.
Golariohos.
460
40
>

>
r. *-?.!!b-0"l0V0 ""-M 'e engommados de objeelos de senhora os mais delicados, e na-
iaaffin. CODtralaao" habis engommadeiras nacionaes e estraogeiras, que entre nos
No prego dos engommados de roupa de familia, excep'.uam-se os vestidos, sollinhas man.
o. LT^ITL* UT6m ""ecida.de renda,, babados, pafos. rifas, etc?, le bem co-
no os cortinados de berco, cama, varaoda. que se pagarlo segundo o aiuit.
-- V?!i"Sr qUe eXIglr ro"* aomenle 00 bem engommada,' eom mais Vevid.de
qoe a designada, pagar mais 25 por canto sobre o preco. eTiu.ae
e engomuda0! enlMi* d* r0UP, *"* Pr *m quanl8 dM dePU do cebimento, e da Uvada
r**.A A*a da fa"iia iiafeda em machina separada da dos hospitaes, e as pessoas encar-
regadaa do servico da roupa aero mulheres. ""0encar-
na, iSeiPr.ZnUa[nXntt qU"qUer W qU6 """*" aaaam <>ae a aSSo daa *-
n. ,Qualauer 1ae dar roupa, receber um vale do numero de pecas com a declarado do im
?n.m- nri'".86"' ^ ,er* reUluido C0,D pet.nt. importe na occasio da ,e ffirJSL
roupa prompta, sem o que esti Qcar depositada. entregar a
juste.
O estabelecimeoto eocarrega-se de tirar nodoas de qualquer natureza, precedendo
um
dia.uuVd^Th^a.TmTnh^ lsT" "" banh'' D P'le d &^' em lod"
do da ilhade
Femando.
Tendo se reconhecido a superiorida-
de do algodo da ilha de Fernando, S.
Exc o Sr. prndente mandou vir por-
cao della para ser distribuida pelos Srs.
agricultores desta provincia, os quaes
por si ou seus correspondente!, podem
mndala buscar na livraria n. 6 e 8 da
praca da Independencia, remetiendo
seus nomes e lugar da moradia.
O *
! AUencao.
Jos Fernandes da Silva Tei-
S"a xeira e Mello, primeiro testa-
menteiro do padre Joi LeitePi- "
ta Ortiguejra, pede a toda, as W
' pessoas a quetn o mesmo padre
t Jos Leite fr devedor directa ou
J indirectamente por conta ou ou- $
I tro qualquer titulo vencido ou 9
f por vencer para que no praw> *
P de8di$ a' contar desta data #
V a presenten? seus crditos ao seu 31
tm advogado Dr. Antonio Ferreira j$
Martins Ribeiro das 9 as 3 horas *
da tarde em o escriptono ra do
Imperador n. 5*, primeiro n-
ft dar, afim de se poder tratar da
liquidacao e inventario do dito
padre. Recite 4 de novembro
de 1861.
na ra da Cadea n. 08.
dando-se-lha conduc{o: na livraria o. 0. 8 da
praca da Independencia.
v Aluga-se o armazem do sobrado
n. 58 da ra do Amorim: a tratar n.^
ruadaCadeia n. 62, segunde andar.
-IT,."*? uma caaa Befceribe : a tratar
HllhJ?'do Reg0 Ba rua do Trapiche n. S4.
s
s
Jos Muniz TViieira Guimarae, agente
de leilo prximamente nomeado pelo
meretissimo tribunal do cmamelo ees-
tabeteotdo com eacriptorio e armasem na
rua do Imperador foutr'or rua da Ca-
ceta) a. J7, offerece seus servaos ao res-
peitavelcorpo commercial. a seus amigos
e a todos em geral que quiaerem bon-
ra-lo com sua onflanes, sssegerando-
lnea cumprr bem e fielmente as fanecoes
inherentes ao seu em prego, para o que
na. poupar eafonjos a bem dos interesses
de saus commitentes.
s
Alugase o armazem do sobrado
n. 2o da rua da Praia de Santa Rita:
a tratar na rua da Cadea n. 62, segn-
do andar. 6
m primero andar.
Aluga- se o primeiro andar na praca
Boa-Vuta n. 7 : a tratar na loja de
calcado na rua da Imperatriz n. 46
do andar da casa n. 15 da
rua do Crespo por cima do
escriptorio da thesouraria
das loteras.
MAAME MDDENDORP,
prximamente ckegada de Pars.
Eocarrega-se da confeceo de vestidos de bai-
le, casameotos, visitas ou ouUoa, manteletea
zouaves, sabidas de baile, bournas, enfeites de
cabega, emQm de tudo o que comprehende o
vea uario das seohoras e meninas. As pessoas
que se dignsrem dirigr-se a ella achario figu-
nnos das ultimas modas de Paria, presos razoa-
veis daa obras e promplidio na entrega das en-
commendas.
Padaria.
Aluga-se a padaria da travesea do Pire, a qoal
est prompta de tudo, eom muito bona commo-
dos, e est inda trabalbando, aendo acn aluguel
muito commodo : a tratar na rua da Seuzala no-
va n. 30.
ELIXIR DE SALDE
Citrolactato de ferro
*
I3niej deposito na botica de Joaquina Martinho
da Cruz Correia., rua do Cabug n. U,
t>m. PernambucOo
idades, para todos os paladares e para todoa 03 temperamentos.
Das numerosas prsparacoes de ferro at hoje coobecidasnenhuma rene to bellas cualida-
des como o elixir de citro-lactacto de ferro. A seu sabor agradavel, rene o tomar-seem uma pe-
quea dose, ser de uma prompta e fcil dissoluQio no estomago, de modo que completamente
asimilado; e o nao produzr por causa da lactina, que contem em suacomposicao, a coostipaco de
ventre frequenlemente provocada pelas ostras preparares terroginosas. k
o..k 1 E,tas.no'a qualidades em nada alteram a sciencia medicamentosas do ferro, que sendo uma
substancia1 da qaal o medico se nao pode dispeusaa em sua clnica, de iocomparavel utilidade
qualquer formula que lhe d propiedades taes, que o pratico possa prescrever sem receio. E' o
que1 cooseguio o pharmaceutico Thermes com a preparaCao do citro-lactacto de ferro. Assim este
US.u ? CCHUpi T ?cime}-.Iugar entre numerosas preparares terroginosas, com o
ittesta a pralica de muito mdicos distinctos que o tem ensaiado. Tem sido empregado como im-
^X r.,*XV!J,n curvea. ,yphil,llca' e"e8S0 'enereos, onanismo e oso prolongado das precaocoes mer-
mA.,.E,9U8rfeDfermidad-eg 8eDd0 > filenles o sendo o ferro a principal substancia da oue o
reeoobecimento T^ZSIL de^U!i' "k'0' d '?-clatoPde ferro merece"Surore." o
esar"do"erro. nua,an,dada. Pr ler descebarlo uma formula pela qual se pode sem receio
Consultorio medicocirurffico
3-K13AHA. GLORIA CUSA DO F\3ND\0--3
Consulta por ambos os sistemas,
Emconsequencia da mudanSa para a sua nova residencia,
o proprietario desle estabeleci-
mento.badefazerum. reforma compleU em lodosos seus medicamentos.
"*2K!^d.^ o e
n precaucao de inscrevero seu noTemf inin, n? If 7 eghum ; o proprietario tem tomado
4os todos aquellos que ron .presentado em esta ^ "V?*0* coaslderads como falsiflea-
sprar queira ter m.iSr cerlez. ac^mJaThVra um. con Vtnadrnel nPTnh ^ 9 maDdar Com-
pe marcado com o sea nome. assignada pelo Dr. Lobo Mosaozo e em pa-
peracao, affi.ocando que serio iraUdos com todo o disve^o, a
.quelleequeUtemSIdoeKMvoinacaMdo .nnundante
en. paVr^p^^e^^or SfS? d' "1*dM > '. tanta, van..-
tem commodos
que precisem de alguma
promptido, como saben todos
e de u^.^rr.ra.intoS^^^^^
-ender: rua "aa Gli.r. n 9 ..J i:8n.0"?.ac,>arao em Pessoa com quem
rua "da Gloria o. 3 cas. do Fundi.
at 11 horas
se poderio en-
Dr. Lobo Moscosu.
CHANGEMENT DE DOMICILE
(Mudanca)
Joseph Grosjeau
Rua da Florentina n. i6
publico e a seus
Participa ao reepeitayel puniico e a seus numerosos fre
mudon tma offiema de CARROS da rua dos Piresn. 11, ^\ ^i?loW2t!
dle more par^qualquer misterTer-
na n. 16, aonde
tencente a sua arte.
sempre prompto
CONSULTORIO ESPECIAL HOMEOPATHIC
00 DOUTOR
SABINO O.L PINHO.
Rua de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os dias u teis de.de a. 10 horas
t meio dia, acerca das seguintea molestias :
molaliat daimulheres, molestiat das erian-
eoa, molestias da ptlie, molettiat o olkot, mo-
lestias lyphilitieat, todas as especies it /cores"
/ra mttrmitUntet ttua$ consequtncias,
PHARMACU ESPECIAL HOKEOP ATHIC A .
Verdadeiros medicamentos homeopatbicos pre-
parados som todas as cautelas necessarias, in-
falliveisem seus effeitos, tanto em tintura, como
em glbulos, pelos preso, mais commodos pos-
siveis.
N. B. 0. medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos em sua pharmacia; tpdoa
qu. o forem ra della sao falsas.
Todas as carteirsa sao acompanhadas de um
lmpresso com um emblema em relevo, tendo ao
redor a. segninte. palavra. : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico bra.ileiro. Bate emblema post
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
de, A. carteira. qne nio levarem esse impresso
uaim marcado, emboratenham natampa o no-
me do Dr. Sabino sao falsos
Acbam-se justas e contratadas por venda as
casas n. 40 da roa das Aguas-Verdes, e n. 6 do
becco da Bomba, pertencentes a Domingoa Jos
Caputrano Nogueira : se alguem se julgar com
direito a obstar esta transaceio, queira, no pr.zo
de d das publica-la por este jornal, ou dirigir-se
a rua da Cideia do R ecife n. 13.
Dous mocos sufficientemeote habilitados
para fazerem qualquer concert de cano, tenden-
te a ferrarla, se acham com uma tenda na rua dos
Pires, antig ament a toada do Grejam : as pes-
soas que de seus prestimos se quizerem utilisir
encontrarlo perfeico, presteza e commodidade!
Gabinete medico cirurgico.J
8 Rua das Flores n. 37.
Serio dads seonsillas medlcas-cirurgi- ff
cas pelo Dr. Estevo Cavalcaoti de Albu-
querque das 6 sstO horas da manhia, ac- 5
#cudindoaos chamados com a maior bre- 5
9 vidade possivel. Z
t* Parto*. Z
2. Molestias de pelle.
9 S-* dem do olhos. Z
4.# Idendosorgao. enitaes. *jj
9 Pralicartoda eqaalquer operacao em m
m "u gabinete on em casa dos do.ntes con- S
torme lhe. fr mais conveniente. <
Dentista de Paris.
15 Rua Nova 15
FredericGautier.cirtirgiiodentisu.faii
todas as op.races da sua art. .collocal
dentes rnfieiaes, ludo com a sup.riori-]
dde eperfeico que as pessoassnt.ndi-
dss lbereconhecem.
T.n jgua e psdentifriciosete.

vi gn d-t-, ^rjtt.sI?1? ? 9i5
n,!! ?' t7' pr0pria para 1ahr estebe'ieci-
menlo a quem comprar a armaceo celia existen-
te ; a tratar na mesma ou na rua de Hortas
mero 10.
.,ir,.Pe-'aede un)a r"Par8 olteir. que
queira sujai.r a wr criada de urna casa de pe-
quena f.m.ha. afim de cuidar em costuras" oa-
.vVm ,?' : queB '>'e. caso, e aflan-
car bom comporumento, pode annunciar oeste
para ser procurada.
nu-
se
Diario
.J? Dr# Inaci0 '''> Xavier (as publico que
tem reorgamaado .ana casa de saude, na grande
cau, propted* o seu enligo estabelecimeoto deesa orden, que
uca so oorte da strada da Pasaagem a M.gda-
tvZUll?1*** 0Dl "de e.pequen, do Chora
Menino, onde contina a recebar doeotes da sn-
*w o. sexos e diversas cathegoriss, sB.nc.ndo o
neUwr tr.tamento, tudo pelo preco naia com-
medo.
0 mesmo doulor para nais commodidade das
Pe*oa8 possuidoras de esersvos, ou que se qui-
zerem tratar em seu esta bel aciment tem deter-
minado a diaria abaixn declarada.
f.ra' ?!!SM S*1.0 por praT0 aJu,1. o
farao arte daa diaria. ..sim como as conferen-
cias, e aanguessugas. Podeodq o doente tratar-
se lambem homeopalhicamenle, para o que ha
commodos separados. H
O servico medico ser feito pelo diitiocto cirur-
glao do grande hospital Pearo II, o Illm. Sr. Joa
uVK0 Va^ G.uin,ar". o doetor propMe!
tao do estabelecimento, praticando-ae afai toda
VOfrlf! .Per"Sao-Por pr*?os muito razoaveis.
Eate estabelecimento toroa-.erecommend.vel,
ja pela boa cata de que diape, como pelas con-
dicoes hygientcas em que se aeb. situada, oro-
vado uso pelo cresoido numero de doeotes .ni
curios.
.ni!*!" P.r.Pr,erl<' Pe", portanto, dos seus
!li' !n,li0freoe"e, e msis pessoas, a sua
eooperacao em bem do progreaso de (o til co-
?.I!*IW' estabelecimento, paraliaado por
nao poder elle achar-se sua testa, en virtude
mid.8rt7rJ" " .i!d! PTin h0J6 qua ." acha completamente
reatabelecido, promette esforcar-se na boa ordem
doents.0""' direc50 do '"lento dos
Diarias Escravos ly600
S.* ordem SyOOO
1 ordem 38000
.*m *feSiad d0.8 doen, deverio tratar
com o referido Dr. Igoacio Firmo Xavier, na rua
mVdJ!,.s"0ta Ri,awn-7'80brd0 de US
com frente para a ribeira do peixe, ou no seu es-
tabelecimento a qualquer hors.
Oa abaixo aasigoados tenbam a bondade de
apparecer na rua Nov. n. 11, loja do Germano.
Jos Antonio Ferreira da Silva.
Francisco Xavier Venancio Pimeota.
Pedro de Asis Campos.
Euzebio Bezerr. C.valc.nti.
Manoel Rezendo do Reg Barros.
.iZ 0D'l,u,,in i0<, >>' lugtr por fests, um
sitio na Jorre, com todoa oa commodos, e urna
22. #Sl? : a,traiar Com Sr- Jo Aie-
.i M {rua 00,CreP). ou com o pro-
pnetarlo Jos Uanaoo d'Albuqnerque na estrada
nova do Laxragi.
n TnAiU.8am"!f V c.aa, D" 13 da rua da Cruz.
o. 1 B da rua de Apollo, e n. 193 da rua Impe-
rial : a tratar oa rua da Aurora n. 86
Arrendamento
Traspass.-se o arrendamento do sobrado e ar-
VJl.?l 1 Tr,Pich6 D- "O. excelleote para
qualquer estabelecimento commercial de fazen
aa. : tr.ti-.e na mesma casa.
Sociedade bancada.
Amorim, Fragoso,Santos & C.sacam e tomam
saques sobre a praca de Liaboa.
Frederico Chavea aluga seu sobrado alto no
Poco dai Panella, com muito bona commodos pa-
ra grande lamilla, perto do banho, jardim, terra-
co ao lado, cocheira, casa para criado, estribara
a tratar na rua da Imperatriz o. 19
. f Leconte vai fazer nma viagem a Franca
levando en aui empanhia uma sua lha menor
de nome Eugenie : roga portanto aos seus deve-
tSSSSimioaM9 salisfazer ,eu,de"
Attenco,
Aluga-se uma casa terrea em Olinda, rua da
Breca dos Quatro Caoto., ha pouco reparada de
??7?' Pr.P.r.la Par? passar-ae a resta : quem pre-
mesma. ou no Recite, rua da
sel-
&c. :
raDzdnSdra-8ea
Dentes artificiaes
A vi uva Rosa Jane,
na
casa
MA
ana: swsss.ras *zsr,?zx ss vfrs:
LSl 1 n 01 JVII f% SU A\ O 4% A I A A ItBA ^ a__ A &
en rae lembreoc. tio
O abaixo antiguado
de per d a todoi
do seu beneflcio,
o deque ficar gravado
orestinosos senhores.
JoSqoim Manoel de Ollvdra e Silva.
Sorvete
Na rua do Trapiche novo
Alu
o. 9 :
n. 22.
8 a "i! If*"2 ro do Mondago
no neceo da. Barreira a. a.
Aluga-se o sobrade da rua da Aurora hoie
Aluga-sefunsa cata na Boa-Viagem
com bons commodos: quem pretender
dinjaiea roa do Imperador n. 67.
Precise-ae de orna ama ateca par. tratar de
uma senhora doeote ; as Cinco Pontas n. 71.
Os abaixo assignados, lando no Diario, de
rernambuco de hoje um annuneio do Sr. Joao
de S Cavalcanti de Albuqoerque, preveaindo*
publico e especialmente o corpo de commercio
desta ci Jade. para que nenbuma transaceio facam
com quatro letras, oo alguma dell.s, da impor-
tancia de 1:375 cada nma. aceil.a pelo mesmo
senhor ao Sr. Jos Victorino de Paiva em 22 de
aoru do corrente anno ao. prazos de l 14 20 e
2 meses, pon que segundo o mesmo Sr. S Ca-
valcanti declara que essaa letras foram p.u.d.a
em pagamento de oulra aceita pelo flnado senhor
seu pai eja paga por este; apreasm-se em sci-
eniiuoar ao referido sonuociaote que duasdessas
letras, uma a vencer em 22 de dezembro de 1862
.r^8m S2deabtil < 863. ach.m-.eem
.eu poder, e receber.m-n..do dito Jos Victori-
no de Paiva em pagamento de parte de seu de-
tSJSSoVm^ MlSD"d08- Recifl 9 de
., Monteiro Lopes 4 C.
i*r7 g" Sa U? 0Dra io0spicorn.a36.a lam^" ,ra,9r Da r"a d0
---5 "ixo aa8itn*d0 'h? Por este meio
cenprir um des ma^ sagrados devers. .gr.de-
sado ao 111. Sr. Fraadsco Moreira Pinto Bar-
recebi pelo espaco de 5 aonos e 9 mezes, flesndo
f.?!*!",0 !fbor cwto a,,aJM a "dio jmaia
l?l Ve'!" eu--. 'fba, poiTo
Hin. Sr. BstboM este rneu publico leslesBubo
eome penhor de minha jr.tidao. Recife 9 de
aoebro de 18i.-Jo.o CiiGoogalves.
J.T.^-0 1* """WfJ^ al'efw a melade
a casa, pede a quem qoiser que aunando .ata
SuaTSE"0* j,:M*ru"No"de8,nta*U"
, dentista, continua a por
utCl"'fCOm Perfeic8 ""hecidaPde
seusi numerosos freguezes, em su. residenci.
rea de Santa Rita n. 61, e tambem [ion
de familias, dando-se-lne cooduegao.
Sorvete.
Sorvete ao meio dia e a noile,
Sorvete ao meio dia e a noite,
Sorvete ao meio dia e a noite,
Sorvete ao meio dia e a noite,
Na rua Estrella do Rosario n. II
Na rua Eslreila do Rosario o. U.
Na rua Eslreila do Rosario n. 11
Na rna Eetreila do Rosario o. ll!
Contra aviso.
Ficam sem nenbum effeito osannunciosqae flz
publicar ueste Diario em 31 de outubro, 2 e 4 do
corrente.com o titulo-Aviso ao publico-decla-
rando o desencaminho de dnaa cartas do correio
des. cid.de, contando duas letras, e protestando
contra quem maliciosamente as liver tirado visto
que o Illm. Sr. administrador daquella reparti-
do 4 vista do meo aoouncio mandou procurar
anas cartas e as achou fcilmente no lugar aonde
deviam estar, conforme me declarou, as quaes
me entregou ; aendo cauaa, portanto. do seu
mo apparecimenlo o pouco zelo de algum dos
respectivoa empregadoa. ou. oao duvido, que de
a gum dos meus caixeiros que por varia, vezes
no,ve^brroTlr86nl.P0rminh, "'^ ReCf 6 de
Domingos Jos Ferreira Guimaraes
i Precua-ae de uma costureira para costuras
de alfai.te: na rua Direita n. 68.
Alguma senhora viuva de bons costumes
S^^EfiS a,0rar.C0ln o'". Pagando metade d
casa, tendo para ai uma grande sala com uma al-
cova e um quarto, annuncie para ser procurada.
AUGUSTA CAfiA IMPERIAL,
m ato Cahmc B. fg, ft>.
estrada pelo pateo ala
Retrato, p.r aobr.lyp., por m
bre panno encerado, sobre talco,'
pulceiras, .lQnete. on cassoletaa/ Na
caaa existe nm complete e abundante s.rtia
de rtef.cloe frincezes e .meneos para a
locacio dos retratos. Ha lambem pira rate
mo flm cassoletaa e delicados alOoetes de
de lei; retratos em pholographla daa Mieei
penonageos da Europa ; stereoMopea vi.i
stereoscopic.s, sssia como vidros paraanbretr*.
e cbimicaa phologi.phicas.
8 ST4HL
BETtUTISTA DES. 1.llfULiMl!
9 Ba da lmperaxiiz
numero 14.
Tencionando retirar-te proxi-
| mmente destapraqaparticipam
a seas freguezes e amigo, como
em geral a todo, que pciilc
precisar do seu officio, afim de
que aproveitem do pouco tempo
que OS annuncia ntes podem ain
da dispor para a execucao das 9
encommendas com as quaes 9
queiram honra-Ios. %
Agradecendo- nesta occasio #
ao Ilustrado publico desta cap- 9
tal o bom acolhimento das suas A
obias, decidiram se a por estas #
ao alcance de todos ntroduzjndo #
I uma considerayel baixa na maior #
# parte dos seus presos e esperam #
9 que o desfalque que disso Ibes
# resultar sera' compensado por
9 um augmento de concurrencia.
m& mm
Preciss-se Mugar un preto para eervk.7.
Hm.:'lraUr D" nt Uri'00 *"-
; Do abaixo asdgo.do fugio mo Uemo Li-
p.nio, com os .igoaes seguate. : mulato cabel-
lo corrido,, roato escamado, espaduas larcas e
estatura regular : quem o encontrar CM.na
casa n. 96 da rua Augusta que ser re
sado.Antonio Ribeiro Pacheco a'Ava
Peci sa-se de
e comrprar;
2

leite
na
Attenco.
i quem faltar um cavallo
ufluUU oasigoaes e o ferro, pagando aa deap<
do annuneio e do sustento, e a deslruico ava
da em lfij. app.reca no eogenho Forno da
De Sodr t C.
De Sodr De Sodr & C.
De Sodr & C.
cavallo caslanho,
deapezaa
valia-
'"? 'he ara "e'DlreuT nio'sVre'spnsabiHasndo
por morte ou des.pp.recimento do dito cavallo.
Joao Coelbo de Almeida.
La r"' 8 pela ,e8ta 00 como convencionar,
seodo o mais commodo possivel: a tratar na rua
ao Aragao n. 8'
uma ama que sais, corinbar
na rna Nora n. 33.
Afioacoes de pia-
nos a 3e|000.
S. Boisselos previne aos seus fregueze. .rae se
encsrregs de finar piano. ; par. qne aonaa-
ciante possa acudir inmediatamente ao. chama-
dos, f.z-.e preciso deix.r ro, o non. 4a paa-
so. e o numero d. casa ; v.j tambem ao* aios
es engenbos por precos convencion.do. : ..di
ra ser procurado oa rua da CadeU do lotfe .
18, primeiro andar, ras Nova n loja do Srl
Donoot.
Ama de leite
Precisa-se de uma ama de
rua dos Pires n. AO.
Urna casa commercial desta praca
(allemaa) da qual se retirou ha pooco
tempo um socio, procura um outro so-
cio com algum capital, prefere-se usa
homem que falle bem francez: quem
pretender mande carta fechada cosa as
nictaesK. I. n. 10 nesta t7pog*,.
Recreio da moci-
dade.
O proprietario do Minar acat da roa da lnee-
ralriz n. 13. ,v,s. pelo presente se ...irro.
freguezes. que do dia 10 do corrent. tmiZil
lera mudado o .eu estabelecioMoto para a se-
ma ru. o. 69 e /l, onde nio ten poup.do tr.h.-
Iho e despezas para montar um e.Ubelecimeato
com todas a. commodid.de. e s.seio ... *xi
um. verdadeir. casa d.recrei.: SmlffiX
nientemenle ornada e iodepeodenU para fami-
lias, salo para bilhar. cal e aorvelea. alpestre
cunveoienlemente arranjado. para olio. aVeas-
sar o precioso lempo do recreio, toa. P
que exige um estabelecimento d.su eVoa
com aseio, restando ao proprietario toda a coo's-
ciencia de bem aatisfazers pessoss quefrtqoM-
tarem a sua no?, casa, asudoceodo de .etssaa
aos 8eus freguezos aoligoi noderao. as svm.i-
thias que lhe devedor. *^
Deseja-ae saber a moradia 4o Sr. Maoocl
Goocalvea da Silva Qudroz. ou o dito Sr. SSs-
nlrroe **'**' K* **<*
iUeoeao
Macas.
Jos Vas de Oliveira. natnral d. freguezi. de
Santa Mari. M.gd.len. de Gouviuha. .>,-
gal, ..sisteme na rna do Ho.efcio n. 42 no lio
ae Janeiro, declara que tendo nesU provincia
Fernambuco. um seu tio de nome
Do gello,
Do gello,
Do gello,
Do gello,
Manoel
Janeiro.
Nova
Nova
Nova
Nova
remessa
remeaaa
remessa
remesia
de
de
de
de
macas,
magas,
macas,
macas,
Barato
Barato
Barato
Barato
dinheiro
dioheiro
dinheiro
dinheiro
a vista,
a vista,
a vista,
a vista.
Alves Guerra saca sobre o Rio.de
Claudio Dubeux faz icienle a quem
que o mnibus da linha de Jabo.lo
Kecife todos os dias uteis as 4 horas
voita de Jaboato as 6 1|2 ds
convier
sahe do
da tarde e
manhia. Outro
orn-
an*, que. prximo afesta ha ver tambem *
nibus para Jaboato nos domingos e dias santos.
1JW.J* "unciar em tempo competente.
Scientifle.mo que sabbado 16 do corrente prin-
h&"!,A'Dna P,ra,a Vmea- euJ mnibus sa-
hir do Reeife nos das uteis as 4 1,2 horas da
Urde e vo|r da V.rze. a. 7 1,2 da manha.
Nos domingos e dias saotoa aahir do Recite as
6 1|2 da maohia e rollar da Vanea as 5 1|2 da
tarde. '
ssaca sobre Pa-
ALUGA-SE
Alug.-se um. esa na povoago de Beberi-
De, com commodo para grande familia, eatriba-
na e scUnvel quintal, no fundo do qnal passa o
.meo. rio: quem a preteader, dirii.-se rus
do Porto das Canoas de Santo Antonio, segundo
andar do aobrado n. 33. B
Ouen precisar de ama criada porUgueza
para o servio interno de casa de familia diriia-
se a rua de Apollo o. 37, terceiro andar '
OSr. Jos alaria Vieira da Silva tem una
carta vinda de Loanda, na ras do Vlaurio n. 19
primeiro andar. '
Quem quixer arrendar ou vender o eogenho
Itapirema do Meio oa comarca de Goianna ou ar-
rendar o eogenho Souza na freguezia da Taquars
nv pro vi oda da Parahyba, ou meamo comprar
mais de metade desle eogenho, perteocente aos
herdeirol do Abado coronel ktevio Cavalcanti
d Albuqueraue. dirya-se a roa eatreiU do Rosario
a. io 4 ..andar ou so eogenho Tala Q. fiegaeda
Om 1 (.QUAralt
Quem pred
o armazem sol* andar do obrado n. 6, na rua
oa Lapa; assim como o sotio da casa terrea n.
4, na mesma rua : tratar na rua Velha n. 37.
Oflerece-se uma ama para cosioha em
qualquer uma casa,a qual sabe cosinhar perita-
mente ; na rua do Vigario.V 6.
Aluga-se a loja do aobrado n. 3 sita ao nor-
te da fabrica do gaz.e beira do rio ; com 3 quar-
to.. duas sala, quintal cacimba etc.. proprio para
-""i v'." ,ralar com Sr- Lo1a Maoel Rodri-
gos. Valonea, no mesno sobrado.
Juizo dos feitos da fa*enda.
----------Ja* e um mol.que p.r. o ser-
dor para engenho, dlrila-ee a rus da Cs n S uSMMf e .*,ua* Vf*i P"f n ta d.
IM 14 encontrar o habilHadV0 Cfl D* **' I ?r,,uMlr'de'C,M lerrMn- *. aoe echar con quem
No da 14 do crreme, as 10 horas ds manhia,
depois da audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz privati-
vo dos feitos oa faseada nacional ae Venderl em
pr.c os seg.jntes objectos :
m telheiro coberto de telhs sobre pilares m
WLT H* Cprrd,,a PprtaP"f o erdu
rcodo flnado Pedro Antonio Teixeira Guimaris
. i.^Si^aiT?" "'i 00 alanairo. Pedencente
Milf '3?? TMTa". do o te-
i.V.J9.! eM|r*r*|: cujos ob-
E"i *? pr" Ba"'> feoda na-
provincia
reir da Cruz, e nio tendo" sV.^Ta mi lia decebido
n."r,ai! *" h* DM,I? le"P' "PPodo qne Se-
nha fallecido, oeste intuito rosa o esoedaf ah.
dalo algnna pessoa que o cooh^wTSr
conhecido, de dar algunas ioform.coes a resoet-
lo cesta cidade de Pernamboeo en cih So Sr
Azevedo & Meles, rna d. Cruz o. 1.
Rio de J.oeiro 14 de oniubro de 1861.
Joa Vas d'Oliveira.
Thomaz de Faria
ris e Rio de Janeiro.
Aluga-se um segundo andar com
pequeos commodos pintado de novo
na rua do Encantamento: a tratar na
roa da Cadeia do Reciie n. 33. loja.
lk"T P"daa-.e de um earroceire edo u.ba-
in.dorde masa.ira : na rua do* Peac.dare.sia-
Desejs-se saber oolicua d. Sr. Dmswm
rerreir. do. Santas Porto, natural do Paartni
no escriptorio de Azevedo & Mondes r.aa (*.'
numero!. *
-- Precisa-se .lugar M o. doo* proteo de to-
do servico : en Santo An.ro por de^anfal.
diclo do Sr. St.rr.aa padaria. "
- O Dr. Joio Honorio Besen, di
mudou a su. reddond. para ro. e p.
Blsp., cata contigua so porta, .lia fl
Antonio Luiz tetalatali, *+*** I
r. r.*!?.8 f.?w;u !'*- "*
quem o achar e quir.r roatitair a ora ooo swo
rSpen.'.:" d "*"? "* S, ^^
frVt,!"w ? MeoiejSff. coa. S m-
l. 4 qu.rto., quera lora pero
ha separada e does qniotoeV n
Mis para o rio : na im d. Aoras.
Travosso. Jnior 4 C. ^^
Alug.-ae o sobrado do __
ssn ratiladoo piando, o. roa-do
J tratar oa roa da Inpexstris a. M,
Aluga-se o primdro ad.r do
roa da Seouls Velha a. 48 : a
asesno.
.

V


,
aa*
boa Mil
e basta o-
tirer para
Publico loja
' quem precita.
D-iJ
Prancwco. qae adara tagide, pelo que- qutolo
utM.o aaeda anacer, vUto nao iba ter dado
respoela a qeetro cartas que a ul respeito Ibe
lata esotte4o,eorto4e q.o abaiio sakgnado la
nao rcaponaesilisa pala orle ou (ufa do asnee
pralo.
GuiUac4oc*> da llotta.
- Prectsa-se de um cazeiro que lenba pratica
de taberna e que tej fiel e d fiador i ana con-
tacta, a tratlr na prega da Independencia d.
2, 3 e 25,
Ama.
Pieciia-se de urna ama para o eervieo interno
e externo de orna caaa de posea familia ; tratar
na ra do Cabug o. 8, segundo andar.
Ao publico.
Tendo-tne aido apreienlado pelo Sr. Jos Vic-
torino de. Paira urna letra do valor de 5:0(V)JrOOO,
sacada em 31 de agosto de 1839 pelo Sr. Antonio
Aoeca Jacone Pires contra meu finado' pai o co-
ronel Eslerio GaTalcanli de Albuquerque, e dea-
coartada oa 23 de aaio de 185* peta cisa com-
mercialRoitron Rooker fe C. exitei ao pAoci-
pipio em paga-la por ter lembranga (ainda que
raga) deque j haia aido Batiste! la a aua impor-
tancia, e como quer que posteriormente fbsse
instado pra effeotuar o respectiro pagamento, e
nao titate encontrado entre oa papis de meu fi-
liado pai documento algum que viesse em apoio
de mioha supposigao, e nao podesse na oceasiao
fazer o pagamento em dinheiro, paaaei em data
de 22 de abril do correle aneo quatro letras, no
valor cada urna de 1:3758000, e vencerem-ae no
prazo de 12, 14, 20 e 14 mxes : ltimamente,
porm, reio ao meu coohecimento existirem em
poder do Sr. Antonio Aooes Jacome Pires, os do-
cumentos comprobatorios do pagamento de dita
letra ; oa quaesschaodo-ae de presente em meu
poder tornam de nenhum effeito as letras que en
harta pascado, como garanta da letra originaria.
Nestas circunstancias, previno ao respeita*el
publico, e especialmente s pessoas do eommer-
co, que nao aceitoso nem fagam iraoaacgio com
as quatro letras j referida*. Dero declarar mais
que lecho em meu poder o recibo passado o p
do protesto da letra de meu finado pai, no qual
o Sr. Jo. Victorino de Paira declara ha ver rece-
ido a importancia dessa letra as quatro que ihe
passei. Recite 8 de norembro de 1861.
Joao de SaCaralcaati de Albuquerque*
Hua atiendo
Precisa-se de um menino Portuguez on Brasi-
lero que teoha algoma pratica de negocio, para
urna casa [ordsela cidade : a tratar na ra da
Cruz n. 34, taberna de Jos Guimaries de Aze-
vedo.
Sitio na Capuoga.
Aluga-se osa sitio na Capunga-velhs, do Sr.
Bartbolameu Francisco de Souza, perto do rio,
com cocheira, quarloa para preos, etc.: quem o
preteuder dinja-se roa larga do Rosario n.
34, botica.
compras. """"
Compram-se moedas de ouro de 20$ brasi-
leras, e pecas de 16$ portuguezas : no esciipto-
rio de Hanoel Ignacio de Olireira & Filho, largo
do Corpo-Santo.
Compra-se ama ou doas oasis terreas no
bairro de Santo Antonio: quem tlver e quuer
vender, na ra do Cabug n. 1 A se dir quem
compra,
Compra-se urna escrita que seiba coziohaj
e engommar : na ra do Sebo n. 35.
Vendas.
?ia\oja AoVa\iot
Ba Aova n, 9.
acna-se barato grande aorlmenlo da calcado frsn-
cez e ing4ez, roupa feila e perfumaras muito
finas.
Obras de brilhantes.
Em casa acba-se ezposlo a renda um grande sorlimenio
de obras de brilhantes, taes como sejam, adere-
eos, meios ditos, pulseiras, alneles, anneis, bo-
tos e rosetas, que se reodem a prego com-
modoi.
- Ultimo gesto.
Cinteiros de bonitas fitas com pontas
cabidas e franjas.
A loja d'aguia branca recebeu unta pequea
porgo de cialeiroa de bonitas filas largas com
pontas cnidas e franjas, o melhor e ultimo gos-
to como se r dosflgurinos, lendo tambem alguns
todos brancos propros para casameotos : as se-
nhoras que gostam de possuir o bom, manda-
ren a raa do Queimado, loja d'aguia branca n.
16, quecom 7 lero um cilo de bom e ultimo
gosto.
Chitas largas a 220 rs.
na loja do Pavo
Vende -se flniasimas chitas francezas com pe-
queo toque de mofo, afflangando-se soltar o
mofo logo que ae lsrem, por aerem de cor fixas
a 220 ra. o corado : na ra da Imperattiz n. 60,
loja de Gama & Silra.
4 musselina do Pavao a
200 rs. o covado.
Vende-se musselina branca com 4 1|2 palmos
de largura fazenda muito fina pelo diminuto pre-
so de 200 rs. o corado, corles de chita ingleza
com 10 coradoi cores fizas a laOO rs., ditas de
muaeeli&a branca com 10 coradoa a 2aV ludo
para apurar dinheiro : na ra da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silra.
Vendem-se 6 escraros. sendo lnegra moca
de habilidades, 1 crioula com 14 annos, 2 molo-
ques de 9 e 12 annos, 1 preta com 35 annos, de
todo o serico, e 1 negro carapina eom 20 annos:'
na roa das Cruzes n. 35, segundo andar.
Joaqaim F. dos Santos.
4t-lu do |kJmm-M
Defronte do becco da Congregado ietreiro verde.
Neste eslabelecmento ha sempre om soriimento completo de roupa fait de
todas as qualidades e tambem se manda executar por medida i rontade do fregue-
sea para o que tem um dos malbore profasaores.
Caucas ue panno preto a 40j,
*
a35|e
35| e
Sobrecasacosde dito dito
Palelots'de panno prelo e de co-
rea a 35, 30, 25, 10, 18 e 20000
Ditos de aiemira de corea a 22,
151.12, 7 e
Ditos de alpaca preta golla de
velludo francezas a
Ditos de merino setim preto* e
Ve cores a 9| e
Ditos de alpaca de cores a 5 e
Ditos de alpaca preta a9, 7, 5 e
Ditos de brim de corea a 51,
45O0, 4 e
Ditoa de bramante de linho brac-
eo a 6, 5J e
Ditos de merino de cordio preto
15 e
Caigas de caieraira preta ede co-
rea a 12. 10, 9f, 7 e
Ditas de princeza e merino de
cordio preto a' 5, 6500 e
Ditas de brim branco ede cores a
5. 4500 e
Calen de gangs de cores a
Gollete de venado preto e de co-
res lisose bordados a 12,9 e
Ditos ds casemira preta e d co-
rea lisos e bordados a 6,
5500,59
9000
lOfOOO
8t000
35O0
3|5O0
3500
4000
8000
6000
49500
2*500
39000
8000
Ditos de setim preto,.
Ditos de seda e setim branco a 6 e
SMOG
&9000
3S500
Ditos de gorgurio de seda pratos
e de eores a 7, 0, 4 e
Ditoadebrime fuitao branco a
3J.500, 2*500 e
Sereolaa de brim de lioho a 2 e
Ditas de algodio a 1600 e ,. '
Camisas de peito de fusilo branco
ede corea a 2400 e
Ditas de paito de linho a 5, 4 8*000
Ditas de madapoln brancas e de
cores a 3, 2*500, 2 e
Chapaos preto* de mana francesa
forma da ultima moda a 10,
BgSJWc
Ditos de feltro a 6, 5, 4 e
Ditos de sol de seda ingleses a
franceses a 145, 12, US o
Colsrinhos de lindo muito fines
noros feitios da ultima moda a
Ditos de algodio
Relogios de ouro patente e hori-
zontal a lOOf, 90. 80f e 70|O00
Ditos da preta galvanisaos pa-
tente e horizonUes a 40 e 3OJ00O
Obras de ouro, adereces malos
aderecos, pulceiras, rosetas a
anata a
Toalhas de linho dusia 10$. 6 e
Ditas grandes para mesa urna 3 e
5*000
34000
2*900
19280
2200
seoo
7000
2*000
7000
J800
500
ifoaj
sen segundo
m

k KUA BO QUEIMADO WM
P/H7hfcGBkNDE20HTIME]lTo
^DftSEROUPKSf
Soriimento completo de sobresaaacos de panno a 25, 28, 30 e 35, casacos muito bem
feitaa a 25|, 28|, 30$ e 35|, paletots acasacados de panno prelo de 16 at z5j. ditos de casemira
de cor a 15, 18| e 20$. paielots saceos d panoo e casemira de 8 al lif, ditos saceos de alpaca
merino a la de 4 at6, sobre de alpaca e merino de 7 at 10, calcas pretas de casemira de
8 al 14$, ditos de cor4a7 al 10$, roupac para minina de todos os lmannos, grande sorii-
mento de roupaa de atine oomo sejam. calcas, paletuts e colillas, soriimento de colletas pretas de
setim, casemir e velluda de 4| a 9$, ditos para cuamenlo a 5 6$, paletots brancos de bra-
mante a4e 5f, caigas brancas muito Qoas a 5$, e um grale aortimento de faiendaaflnt s e mo-
dernas, com alelo soriimento de easemiraa ioglezas para hornera, raenoi e senhora, seroulas de
lioho ealgodo, chapeos de sol de seda, luras da seda de Jourio para hornero e senhora. Te-
mos urna grande fabrica dealfaiale onde recabemos encomraeodas de granles obras, que para
lasa est sendo aimiaiatrada por um hbil sastre de seraelhante arte e ura pessoal de mais de
cincoenta obrairos esaolhidos, portaoto eieculamas qualquer obra com pramptidao e mais barato
do queem outra qualquer casa
50
40
-------------

fipechiucha
Ki*Guimares & Villar.
Ra do Crespo numero 17.
Vendeiu baratsimo.
Gambraias brancas bordsdas para vestidos de senhoras a 7 a peja de 9 raras.
Organdys de cores delicadas a 500 rs. acorado.*
Cassas de eores faienda fina a 240 e 280 rs. o corado.
Manguitos e gollnba para aenhoras a 2 o par.
Gol lio has ni limo gosto al.
Manguitos a 3 o par.
Eotremeios ricamente bordados a 2.
Tiras estreitaa e largas bordadas para enfeites de vestidos de 29 a 58 a pe;s,
Saias bordadas de 4 pannos a 4.
Saias bordadas de 3 pannos a 2500.
Saias balo de musselina com babados a 6.
Chapeos de psitia de Italia para senhora a 28.
Ditos de seda para senhora a 12.
Manteletes de seda
o que ha de mais moderno de diveraoa preso*.
Dtios no mo maini numnu -w og. *i i*'11 '; '
Vestidos brancos bordados a 209.
Ditos brancos bordados a 7.
Chitas francezas de todas as qualidades a 280,300, 360 e 400 rs. o corado.
Madapolio de todaa as qualidadea a 4, 4&500, 5 e 7 a pera.
Outras muitas fazendasde gosto e preces baratos.
*V A ^Tat*i>vTaU ~^W^ V^A V^A V ^aWV^dSi.. ^sfiV^A ^J!aH
EARMAZENI
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
40iua do Oueimado40
Defronte do becco da Congregaco, Ietreiro verde.
VENDE-SE O SEGlNTE:
Para casamentas.
Ricos cortes de vestido de fil ou blond de seda branca com ramo e capells, o
mais moderno e superior que ha no mercado.
Para bailes.
Lindos cortes de vestidos de fil ou blond de seda branca bordados a branco e
cores.
Ditos de tarlstana branca bordados a branco e cores.
Ditos de cambraia branca bordados a branco com multa elegancia.
Saias bordadas
Ricas saias de cambraia branca bordadas com o mais spurado gosto e mais finas
que ha no mercado.
Ditas de dita recortadas mais baratas.
Para baptisados.
Ricos 'cortes de rostido de cambraia branca bordados com multa elegancia, o
mais moderno e mais superior qne ha no mercado.
Manteletes.
Ricos manteletes de seda de eores e pretos bordados e lisos com enfeites, b*m
como arrendados,por presos commodos.
3^000 a peca.
Pecaade cambraia lisa larga fina com 6 a 6 l\i varas, maito barato.
Lencos.
Ricoa lencos de cambraia de lioho bordados a 3, 4 e5 cada nm.
Chatas,
Ricos chales de tonquim brancos bordados de ponta redonda ede aponas.
Alem das fazendas cima mencionadas tem um grande aortimento de todas as
qualidades. que nao possivel mencionar-se pelo grande espado que tomarla.
Vendas.
Vende-se effeevameote cal branca de Jagu
ribe, da melhor pedra que ha, a seto petacas o
alqueire, e muito bem medida, urna boa gamela
grande de amarello propria para banho : oa ra
doAragao n. 8.
a
Atten^o.
Veode-se urna barcaca de lote de 25 calas,
nova, aem ainda ter navegado, construido eom as
maeiras de melhor qaalidade : os pretendentes
podem dirigir-se raa da Praia, armasen a. 9,
que acharao com quem tratar.
Tahas.
Uaior reduccao nos precos para acabar.
Vendem-se no armazem de Braga Son & C,
na ra da Moeda, taizas de ferro cuado do mui
acreditado fabricante Edwin Maw a 100 rs. por
libra, as mesmas que se vendiam por 120 rs.
Certas de berege de seda com 30 corados a 12,
cortes de lia eom 24 corados a 5$, gase de seda
com liadas flores a matiz, corado a 800 rs., pe-
cinhas de ntremelos com 3 Ij2 raras U80O.
lino fusto de collele a l200 : na ra do Quei-
mado n. 44.
50 ARa da Gadeia do Recite50 A
Sem limites.
*7 3*600 e 3*000.
Maooel Goucalrea de Olireira Santos est ven-
dendo cortes de reados de cambraia com qua-
tro erdeaa da babadas ae apurado deaenho ali-
ona a 3500. dito dito abertos a 3 neste eatabe-
JeciauBieease rende multo btate.
Azeite de Palma.
ltimamente chegado de
Viajante, aasim como zeile
serve por ultimo para luzes:
d. 19, prime*ro>*adar.
lojecco Brow
RilsMifr inalliel contra as gnor-
rboH aatftt e roceates. nico depo-
Gracas a Deus
J ae pode fazer mimos.
Ja se pode fuer mimos.
J4 se pode fazer mimos.
J se pode fazer mimes.
Chegaram aenl aa esperadas macias no gelo,
esliese rendando pela melade daa que se ren-
da m, sendo a 160 rs. escelhidas : no grande de-
posito de Sell 4 C, ra estreita de Rosarlo nu-
mere Jl'.
GELO.
Vende-se na ra do Apollo
n. 31 defronte do theatro a
a arroba, meia arroba a
e a 160 rs,
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DE
B4ST0S REG
! Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Um grande e rariado soriimento de
roupasleitas, calcados a fazendas e todos
estes sevendem por precos muito modi- '
Qcadoa como de seu cosume,assim como
sejam sobrecasacoa de superiores pannoa
e casacos feitos pelos ltimos figurinos a
26,28, 30 ea35J, paletots dos meamos
pannoa preto a 10|, 18|, 20 e a 24,
ditos de casemira .de cor mesclado e de"
novos ptdres a 14. 16, 18.SO e 24,
ditos saceos das mesmas es se miras de co-
res a 9, 10. 12 o a 14, ditos pretos ve-
lo diminuto prego de 8, 10, e 125, ditoa
de sarja de seda a sobreca saca dos a 12,
K ditoa de merino de cordio a 12, ditoa
O de merino cbinez de apurado gosto a 15,,
S ditos de alpaca preta a 7, 8, 9 e a 109,
*a* ditoa saceos pretos a 4, ditoa de palha de
seda fazenda muito superior a 4500, di-
tos de brim pardo e de fusilo a 8500, 4
e a 4500, ditos de fusiao branco a 4,
grande quantidade-de calcas de casemira
preta e de cores a 7, 8, 9e a 10, ditas
pardas a 3 e a 4, ditaa de brim de corea
tinas a2g500, 3, 3500 e a 41, ditas de
brim brancos Anas a 4500, 51. 5500 e a
6, ditas de brim lona a 5 e a 6$, colletes
de gorgurao prelo e de cores a 5f e a 6J,
ditos de casemira de cor prelos a 41500
e a 58, ditos de fusto branco e de brim
a 3 e a 35500, ditos de brim lona a 4f,
ditoa de merino para luto a 4 e a 4500,
caigas de merino para lulo a 4$50 e a b$,
capas de borracha a 9. Para meninos
de todos os lmannos : caigas de casemira
prefa e d a cor a 5$, 6 a a 7, di las di taa !
de brim a 2j. 3 e a 3J500, paletots sac-
eos de casemira preta a 6| e a 7S>, ditoa i
decora 6 e a 7$, ditos de alpaca al3,
sobrecasacoa de panno preto al2e a
14a, ditos de alpaca preta a 5, bonete
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos de todos ostamanbos,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
Kra meninaa de 5 a 8 annos com einco
badoslisosa8ea 121, ditos de gorgu-
rao de cor e de lia a 5 e a 6, ditos de
brim a3, dilos de cambraiaricamente
bordados para baptisados,e muitas outras
fazendaa e roupas feila que deizam de
ser mencionadas pela aua grande qaanti-
dae ; assim como recebe-se toda eqnal-
quer encommenda de roupaa para se
maadar manufacturar e que para este flm
temos um completo aortimento de f szen-
dai de goato e ama grande oficina de al-
faide dirigida por u hbil mestre que
pela suipromptidieeperrefceonadadel-
xadesajar.
Ferro < Maia,
Ra do Queimado n. 10,
loja de 4 portas.
Vendem-se chitas Irancezas muito finas de co-
res fizas, covado a 240 rs.
Chitas inglezas, corado a 160 ra.
Cassas francezas muito finas, covado a 220 e
240 rs.
Brim branco de puro linho, vara a 1.
Panno verde, cor de caf, azul e preto, covado
a 35000.
Chales de touquim a 15000, 20, 25, 30, 35,
40 e 5O000.
Superiores meias de algodio cr para homem,
a duzia 4.
Visitaa bordadas a matiz, urna, 8 e 10g.
Camisa i para aenliora, urna, 2.
Cortes de casemira de cor, superior fazenda, a
3*500.
Velludo de todas as cores, covado, 3 e 4$.
Superiores paletots de easemiraa de corea a 14J.
Riquissimas espinhas bordadas para senhora a
45 e 50.
Riquissimos manteletes pretos bordados a 35 ,
40000.
Riquissimos cortes de seda preta a 40,50 e 60.
Dilos ditos de cambraia branca bordados a 20,
25. 30, 35 e 40.
Chales de merino estampados, superior fazen-
da a 4.
Cortea de velludo de cores para collete a 4 e
5000.
Gollinhas de cambraia bordadas, urna 320 rs.
Superiores casemiras ds cores, covado a 2800
e 39000. I
Pentea virados de tart/roga es.
Lencos ne nutro, d>' 5 6.
Camisas de linho, dVzia, a 35, 40 e 45.
Casemiras pretas, superior fazenda, corado a
19600 e 11800.
Cortes de cambraia bordados a 100.
Ditos de dita de salpicos a 3.
Lequea a 3.
Chapeos a Garibaldi e trariata a 10, 12 e 15.
Ceroulaaescocezas, urna l-280.
Tarlstana de todas as cores a 800 rs.
Eziste mais um esplendido soriimento de fa-
zendas que seria enfadonho menciona-las, e que
se rendem por muito menos prego do que em
outra qualquer parte.
55, loja a
Silva, tei
laa
Na rus do Oueimado a.
da Jos de Azaredo laia e I
acabar em certa, tletefmraed
precos abaixe declarados, a veeaasa
esli acabando.
>Uas com agulhas francaias a..........
orellos ae Haba oara marcar a 90re. e..
Ditoa de nubada coreas nanita yaaidaea
Carretel ft lloba, auperier qualidada a..
Linh branca do gas a 10 ra. e...........
Dita dita,a melhor que ha, aor ella grande
Pares de meias de crea para meaiaee a
Duzia de meias creas muio superiores e
Dita da ditas ditas a.......^............
Pares de meias de corea paca meaiaeea
Licha em carlao Pedro V a..............
Caizas com phosphoroa de aegaraeea a
Caixas de foUiaa cea abosa bares (so a
Caiza ral 100 rs.) t-..................
Duzia de phoaphoroa do gas a..........
Frascosd'agua ale clcala sancric*a....
Ditoa com cheiroajnuilo tasa a........
Duzia de meiaa muito Onaa paraeea>k>era
Caixat de apparelboapara aeeaiaeea 140
Be a a> -*> m
Trangas do lia e do liaba aertidsss......
Sabonetes grandes e saparieres a........
Groza de boloea peqaeaos para caifa a..
Croza de botoes de ieuee a..............
Varas de tramla superior a 190 a........
Croza de pencas de seo s................
Carleiras muito saperoree ............
Baralhoe portuguezas a..................
Tesouras muito finas para costara a___
Ditas para unhas a 940e..................
Barcinos para vollarele a 940 a..........
Fraieoadebaohadeurcea................ -
Frascos grandea de lavando ib breada, sa-
perior qaalidade a....................
Fraacoade oleo de babosa s 390a......
Fraacos de danha auilo Oa a 240 e......
Agulheiroa com agulhas a................
Milhares da indi vid nos da
Peden testemunhar as Tifiadas
incompa ra vele provsr em c
pelo aso qne delle enerase leas san raee
membrosiateirameatssiMdaaisde|jaee assv
pregado intilmente ouirestrsusaaaitea. Caaa
pessoa poder-se-ha convenesr deseas caras aaa-
ravilhosas pala leilors das ae*iadicaa, ana la'sa
relatam todos os das ha mnitas a
maior parta dallas ai* tao ser p
admirara os mdicos mais caceares. Omina
pessoas recobraram com asta seaeraaa
o aso da seas bracea a aeraas,
permanecido longo lampa aea aeapiues, o aa
deviam soffrer a ampalaeso t Dallas ha
cas quehavendo deixado asses, ssjles
limemos, parase ci salaseterem a
rago dalorosa foram coradas eesapleas;
medanla o aso desse precioso remedie. A
gumss dss taes pesaos na oafase da sea
nhecimenlo declarara estas rasa Hades
eos dianta do lord eorregedor o catres
irados, sfimda aais anteatiearaa tu airaw-
liva.
Ninguem desesperara do astada deseada aa
livessebastante conlanqs para canear
medio censiaDtementesegaindealgaa
tratamenlo qna nacesstasse a astarazs de
cujo resaltado seria provar iacoatasiav
Que todo enra.
O ungento ata aUl, amala paallta
m

a a
lut-
re-
taaCe nos acralas*
aUe
la
Alporcas
Caimbras
Callos.
Aneares.
Coruduras.
Dores de cabega.
das costas.
dos meabros.
Enfermidades da cutis
em garal.
Ditas da anas.
Erupedes eseorbaticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade oa falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivss escaldadas.
I n chaces.
Inflammagao do 6gado.
laJaaaaaaia da Wtisa
latriz
as peius.
olkaa.
PieadaTade
Palaes.
sepia.
Sama.
Saparacjias pauidae.
Tiaaaf ..
pane ana
daa
Loa o da no brigue
de amendola qne
aa ra do Viga rio
sito na botica franceza ru da
a. Preco3|-
Cruz
se muito barato um escrav
Cassaoge.com 32 annos, robusto e sadio
proprio para trabalhar em engenbo on
carregarassucar e outros trabilhos deita
natresar: quem o^pretender dlriia-aa a
ra da Aurc"-- **
cbl
Vendem-le barriquiohae com magias chegadae
ltimamente no galo, pelo prego de 8 a barrt-
qnftiba: ha roa de^pollo, erontedo theairo-
Casa de moda (raoceza
5,ua da lDperatriz n. 1.
lia'dame Beeasard Uillecbeau recebeu nova-
mente arico escqlhieaenio.de vestidos para ca-
samento om sena enfeites, manteletes le casaca
para senhora, dq, ultimo gosto de Paa, na bello
serlimeolo de chpeea para seahorai e meninas,
lindas camiMDhaa e mangas aera a vaattdos mo-
dernos, pelerinas coa a sagas pro arias para eol-
ree, flores para vestidos a cabeca, eeieitn de
cabega para bailes o theatro. eapartilbee das
maia bem feitos e Pars, a mais todos ps enfei-
tes para ce toiletes das senhoras.
sem igual, s na ra do
Queimado n. 40.
Luras de seda d cores para homens, senhoras
e aminas, o par 400 ra.
LwciaKoa de seda com franja, finos, para me-
nina e senhora bolarem no peacogo, um 300 rs.
Chpeos ae sol de seda para meninaa de esco-
le, a 1#600.
Grsvsfcd* afa depona .'larga, outr'ora do
valar dea) a e, pelo diminuto preco da II urna
Ufara*) faTena.s o 11. sena para vi
de ajnbora, que pulr'ora ae rendiam or
peiodiaiaoie prego de 640 o w*ad.
s de cores eoperores com pequea (oque 1
[o *800 r. o covado. ,
es e afamada peanas de.eco denomi-
.. roiarJOOrt.
de eimbraia lias flna a larga, pega 3. '
Importante
Atso
Ns loja de*4 portas ds rus do Queimado n. 89,
acha-ae um grande armazem com todo o sorii-
mento de ronpas feitaa, para cojo fim tem mon-
tado urna offleina de alfaiate, ealando encarrega-
do della um perfeito mestre rindo de Lisboa, pa-
ra desempenhar toda e qualquer obra que se Ihe
encommende; por isso que faz nm conrite espe-
cial a todas ss pessoas com especialidade aos
lllms. Srs. offlciaes tanto da armada como do
ezerdto.
Faz-se fardas, fard&ea com auperioreapreparot
e muito bem feitas, tambem trata-ae fazer o far-
damento todo completo conforme ae usa no Rio
de Jsneiro, tanto que tem os figurinas qae de
li rieram ; alm diaso faz-se maia casaquinba
para montara, fardetas on jaquetas, bem como
colletes a militar para ns Srs. ajudantes de esta-
do maior e de cavallaria, quer seja singlos ou
bordados a espequilha de onre ou prals, tado ao
Soalo da Europa, tambem prepara-se becas para
esembaritadores e de qualqner julz aegondo o
estylo de Coimbra sonde se fazem as melhores
conbecidas al hojo, assim como tem muito ricoi
desechos a matiz de todaa as cores proprioa para
fardamento de pageos ou criados de libr que se
fari pelo gosto a franceza. Na meama casa en-
earrega-se de fazer para meninos jaquetas s
franceza bordadas ao mesmo gosto. Affiangando
que por tndo se fica responaarel como aeja bou
fazendaa, bem feito ebom corte, nlo se falta no
dia que se prometter, segundo o systema d'onde
reio o mestre. poh espvra a honrosa visitados
dignos senbQearisto cenada perdem em es-
peri mentar* L M. ^
Na loja 'agdla de oara. rea do Cabug n. 1 B.
recebeu up tapale aortimento da gollinhaa de
misaanga, sendo de todas escore
Na loja do vapor, ra Wo-
van.7, acha-se barato
grande, soriimento de calcado francs e ingles,
roupa feila o perfumara auilo fiass.
Vendas.
Vendem-se dous relogios de parada coa caixa
mullo proprioa nara uatfaiia ou outro qualquer
etubelaclraeolo, tense despertador a corda para
6 e 8 das, afitnga te o bom reglamento ecom
moda prego : aa raa do Aragio n. 8.
Vende-se asta angaenlo aa
geral de Londres n. 944, aStraad, > ana isa
de todos os boticarios drogaisa a aatras pes-
soas encarregsdu de ana venda asa aada a
America do ul, Ha vana a Beeeeaea.
Vende-se a 800 ra., cada Beeeaaa reama
urna instroeeo em panagaaa para explica- e
modo de fasar uso desla nanacate.
O deposito garal d asa aaaa da Sr. Sansa,
pharrneeeutico, na ra da Crea a. 99, asa
Pernambuco.
S arara que est
liquidando.
Vende-ce groadenaple preU a IfJtt a lfKCa
covado, dito dito auito eaeeraaae e catee para
resudo a 1)600, daaesee ee 14a sanie larga a
1*400 o corado, Macado esceces pera vretMa a
280 o covado, ausseliae > carca aaaalarevaee.
chitas para veatidoa a la9 a 190, antee fcearaiaa
larga a 220, 240,260 e 290 o carada, caaa ae
salpicos a 900 rs. o cralo, ditaa 49 cares a 9a9
o corado, aaUe aalae aa peaaeaaa aaaa a 9gV9I
o covado, dilaa de aedapeUe a tf, Mee de 99 a
40 arcos a 3f a 2S500. > e aatras asaetee asaeees
que ae dar aaeatraa para ae r, aaee per pea
go baraliuiae ; ae me- da lapereuia. laia a
arara da 4 portea o. 56, da Msgalhiea A Mcaees.
Ultima moda
italiana,
vindo no ultime vapor fraorex
AO Raaa(Neiaaaia 40
Liadoa corlea de realMe da asan da cana 4 ita-
liana.
lieos aaaaraites cea geUiahss de eaaaraa
branca bordada* i baile.
Um grande aertfaeate da celas da i
todas as qu alidada.
lees veos de fil de seda aaaa
grande, pare eeseaeatos..
Tarlauna da cores bordtds, 8 pal**" larga-
ra, cavada 19.
Atleni^o.
Atada se veada a taberna da raa
Floiiano n. 74, a prazo ou a diabaw,
tida com poucos fondos, aira gastada i
rs, tea cornceos oara familia, o |
ds 4 pelo dae lar de viajar pera
vincia : qata precisar aprereite a I
saasai
que tem apeereesdo, >ropcf
qual pesa 4 atroMs. Roga se s tedee eal
engeaho qae qoitetea asar desta f*\ a
rea ver oa roa Nora da Santa rja a.
anea. *

aV m
IB m


'1
Francisco Famand Dudarte, aroprietario dee
:ST?am,.,(52llf.,,?!l*e,M *t^*Mj*e*0.. > eone^o.oboreaddprss., d.aana-
m um ^ffi^H^S,^- "i?* ^'"'-ee ^eTO oeete eatabelecimeto, que seTa.
5^ LwSffiSaSwS^i*"^*8!?!? S"" n0Tf* # M no ""lo por aeren .Mor
parte d ellw nMorde onW pTopn, rtri portento resplvldo vende-los por neto* 10 por Moto
vTr 7^^^^^ *" <"** 3didw.a .3SS
vir o portubW(i1i(Bti*Trtm*tfb*, coto o ib os seahorc vteasem penoaeneote, pan oou
.VeVcffi*tor-a^ff ** *!*?*' **^** dTconUnnaranT. dfJ SfiS
Mtatag*faUt awiaamente ot. 1|000 ,... libr teirae_
s porosa preeo uutcameofte pela jgrande porclo qae lem e tefor em barrillse fara abatimento
vapor pa9sado a-
trnfaas* paqueis
em latti de 2libras por 1&500.
.480 rs. a- libra, em barril a 440 rs.
mais superior que ha no mercado a 640 rs.a libia e em
w, enancarse a boa qualidade. MU*
' ^5L0 V*^** bagados naita ultimo vapora 1*600, ofo
Fistos i eemmoclre .
w 1 T os ma,s noTO que ha no mercad
a 80 rs.OHs delibra* por 1*500, e em libra a 320 rs.
Prezut o de Umaga. i80 .. liDra iaMn. m M>
sii <
*** a o** q* ha- oo mercado a 160 rs. a libra, e em arroba a 4J500.
K satnasete. m ,., Ubrit ,n Ml. 7 1*1*9 COA.bJuilU 4etdado deferente qu.lid.de. a 1,*00
Latas coa taU* em postad6 auitMqMlilrtMa 1|400
\ieiunwmmu novas. 1|000 .. barrllt. r.ulho, 320 rf(,
Diueda Yipereue
latTintaS P podim a 800 rs. alifara.
B auna de parco refinada a
w% ** mai.novadomercadoa900ra.,eeralattaide2libripori|7W
Paiiis delombo
primeira vez que vieram a este mercado a 640rs. a libra.
CWicase.pavos, .libr,
Palitos de dente Uxadoscom ,i macinh0. por200 M.
GUocoiate f caneez, t,200 rs. a [d|l|o a 800 r<
Mar melada imperial,, i
. *nrS Udo amado Abren e de outro, amitos fabricantes de Lisboa
a >*000 rs. a libra.
Vinnos em pina ** *m K
_ r"tr"* de 500, 560 e 640rs. a
rveja j ans acreditados marca
^tt6Uinaapara;opaamaisao7aqueha
vano do Porto
Carcsveljos, Muacatel e BorTeauTa'uVgarrafl
piSta omaisooroempoquehanomercido
Ervi.Uas trncelas ai mfllh
ditasioteirasaeWr.. Ihore. que
d. 1
o aelhor pelijco qus pode haver por estar prompto a toda a hora a 1 a Ubre.
wliolo de a aeadoa ha
** a 80a r$ a llbrs> ^ con flHa a ^^ f|
jioies raillt0 QOras a 12fl ti a ^^
Castaas psda3a240rsalibra;
aC maito saperiora 240rs a libra, o a 7# a arroba:
*^ **'" MiranhSoa 3em arroba, e em libra a 100rs. *V
Fnm amerieaao ... ,.fc ,
. ,, a Ia Hora, se(orem porcao se far abatimeoto.
Seva.linaadePrQ5aa.2f0rs.aUbra-
a*%** muito doto a 320 rs. a libra.
oneinno de Li$boa a 360 tt t lib^ s a ^^
Fannha do Miaranaao
rm,^ ,"***" *WW manoora a 160 rs. a libra.
aoneinn? inslez ,nn
*"**? a200 rs.a libra.
rascas em eaixianas^
cu:.r \:SS?JI!Tn nda^122. Sp'JumI publico t.do qu.nto pro-
assuoaretc.
oja das 6 por-|
tas em frente WU*
vramento* 'J
Roupafeiti muito ta-a*
Paletn aV plono fino lJTtUl____V
ditos de cavetadia de cor dsAaaat*.et* m
de brim dk sores e branooe, ditos atar 7
langa, caifas Oe caaemira prets e de
cores, de brim branco e de cores, de gao- A
fs, camisas com pello de liaho muito S
as, ditas de algodio, chapeos de sol
Libras sferltnaa
i
aixSe vasios proprios
ifunileirot etc. a lfSSO:
-. dirija-se aesta tipo-
i&rdirfiJ'b^^^^ n5*wtph,. que ahi se dir' quem ortS
---------------- j- para Tender.
pm|a
um'completo sortiment
amostras de objectos de borp
cha; proprio para machinas d
aten do
ira
;r'ct.
reas.
ca
luer^flbL.
pnmentoegroisura, pannos de
^orracha, rodatas de dita, o- ,
>e Atol rti|i#; twt^g^ijjjl
^mmendas.
A 280 rs. o covado '
tS^f0^" < *1to bonitos padt&ereom
OoSLaSl* "*"V, Pch,n:h." na rna do
Qu4ia.22.Iialoja(U.bwf;
V5BV
I
garrafa, em caadas a 395004^000 4J500.
a 5) a dizia, e em garrafa a 500 rs.
no mercado a 640 rs. a libra.
?lg.i"t[tio.,JfoTXo &\> Prto- Feitoria e duque do Porto a 1JI0O,
e em caia de ama duziase far abatimeoto
a 160 rs. a libra e em arroba a 5#.
se podem desejar em meias latea a 500 rs.,
o que pode haver de melhr
. gosto em galantarias para
ornamentos de salas,
como seja ricos Unos de porcelana e de tYos
*.. .,?. !fB5w" g0,l'' ric" "tlrt-
muE?0*,** rtdre ?"* *NWD* a'eima' flores
delicada9i fraacos maito lindos, tanto em cere*
como em gosto. e outrn rauitai galantarras qae
se torna enfadoaho mencionar, aflancarrdo-se
porm, que o que ha de melhor gosto pira
Vende-se em- madt-S, P.Jonhstoa 4C,
iinse ilb5eingUMi^aJi4IMiroMWM '
bronzeadoi,lonasagflaiw, fio divti,ehieote
pirtcerTot, emontirii.irraidipnri cirro di
na
-1
Qglez.
loas cvalos ralogio ids ouro paientt
Relogios.
Vende-M em casa de Johnston Paler & C,
ra do Vigario n. 3 um bello lortimenu. de
rrtogiosdeonro.patente iagle, deom dos mais
famados fabricantes de LiTerpoo!; tambem
uau vanedide de bonitos trancelia?para os
meimos. r
\
Fazendas baratissimas
N. 20-Ra da Imperatriz---N. 20
na
le
oh
ca
160 e ZOO KM
francezas gostos .,
ra sesudos na actualidade a 200 rs. o ovado ca
carros a 1600 ra. o eoado que "-'--
- covado, ditas eitreitas padres bonitos
leones da cassa e de .chita par* meninos
mente novos s 200 e 400 rs.
publico que
de fazendas de
tnaaar di-
4PB001 ape-
cores fizas a
a 80, 120 e 160 ris,
o covado, organdys fazenda ptima pa-
semiras inglezas fazenda especial para forro de
dos com pinMe"tsMVl~.ra\ !Ve0idw a2*'9rtes de br < ^ho a tg, olea-
de merino lisos e esunoa^ > 9i "i. 9 palmos ao diminuto preCo de 2 o corado, chale
de cores a 4J ltiiSoa.?ulf9?MrB "8" 1*800,e **corles de caaemira 'prefa
320 rs oco/aL rum.?d f dV,go1io-8,08a'J>rellede cores a 160. 200 240 e
Koft^ d P.n?dee
d tas cojo aaloicos dita* ir.rt w ug ,p. ? flnos de diversas cores, cambraiaa 11-
eiro n. preditalo a .iiaa. brelanh" de l,nho e do ",*od5- ludo b P apurar
sas.
Exposicao
DE
Candieiros a gaz,
O proqrietario da noa exposicao dos caodiei-
ros a gaz aviaa ao publico esa feral, que so acha
sempre sonido com "grande e Vrfavel sortlmenlo
de candieiros desde o mais barato at o mais caro
assim como um grande deposite de gaz idrogeni
verdaderamente ecoosaico. neobecido verda-
deiramenle por todos os consumidores : na ra
ova ns. 20 e 24, Cerneiro Viaooa.
Nesta mesma etposieao se encontrar um va-
navel soriimentode rlqoiisimos qusaros de todas
as utilidades que por gosto se pode apreciar os
seus desnhos, um riqusimo sorlimeoto de
quioquilnanas, cootendo entre eUas riquissimos
lavatorios para quartos (gosto ehioei), um */*ria-
vel sorti siento de balaios com todos os preparos
para viagem, cootendo pratos, lacas, osos o ou-
tros frascof para coajicionar, ferros de aogem-
mar a-vapor, machinas do bater vos a vapor
machinas de fazer cfila vapor, espingardas d
ous canos tronzadas e de alcance, mappas del
mundo, e outros muilos objectos que se veodem
jpoprecos dimiautos IdJoV 4cabar: ra Nova
numero SO.
i
Atte&ijo.
,. "l"*^tf*to*ia, em sas< d o r n
Rooker diC. Mit^amoomoortiaaontt) detl-
PAsssa da Russia.
Oliveua & Fiiho, largo do Corp Santo
Chegouaapreciavel agua bal-
smica para a bocea e
dentes-
A loja d'aguia branca acaba de receber urna no-
a remesas da mui proveiloia e procurada agua
balsmica para a bocea e denles. O bom resul-
tado de tal agua j nao aoffre duvida como sa-
bido pelas imraensas pessoasque a ^compraram
e que aentiam a .falta dalla, a as que de no?o
comprarem acharao que o uso della faz conaer-
var os dentes saos, livraodo-os da carie, forlala-
rt6.rn^g!DglT" e tir" nB0 "Uto da bocea,
mefmf, a8del aroma, podeodo-s
mesmo usar dells nao s pela manhSa como a
qualquer hora, e com acert depois do fumar pa-
h/ nr.C.heiro d0J[un,(,'ou quand0 th de
sabir para ter-se a bocea aromtica : para isso
porm, bastara algumasgotaa della em agua pu-
ra. O proveilo d'agua balsmica ainda cWa a
?/.eUa "je com acert e promptldo para
h?^aHdor,ded-enl". eosopando-se celia um
i2n?f Jfe "Lgodao 1eitaodo-o no buraco do
ieote,^ este adormece e em pouco desapparece a
onde ella se vendd! Adverte-se'que o
irascos'vao marcados com o rotulo da dita loja.
4 loja da Metra
Nova loja de funileiro da
ra da Cruz do Recife
numero 37.
.J,,noel ,osd' Ponioca participa a
toaoaossaus freguezea tanto da praca
cmodo mato, e jantamente aorespeita-
elpablico,qnefomou a deliberacio de
baltaro precode todas as suas obras, por
cujo motivo tem para vender nm grande
sorlimeoto de babs o bacas, tudo de
diferentes lmannos e de diversas coteaf
, sm pinturas, e juntamente am grande
[ sortimento de diversas obras, contende
h*nHai*na s Ramelas comprda8, grande?
e pequeas, machinas para caf e cane-,1
cas para conduxir agua grandes o peque-
as, latas grandes para conservar fari-
nha e- regadores ao uso da Europa, ditos"
grandes e peqaooos ao uso do Brasil
camas de vento, latas de arroba a lp,
bahus grandes a 4 e pequeos a 600
rs., baca grandes a 5 e pequeas
800 rs.,cocos de aza a 19 a duzia re-
gadores regulares muito barato, ditoi
pequeos a 400 rs., de todos estes objec
tos ha pintados e em braceo e ludo mais
, se vende pelo menos preco poasivel : n<
loia da baodeira da ra da Cruz do Re
cife n. 37.
s e cam*
biuacon^jpadpoesde s^-
KSJf V2?* d crnybrals Imitando seda.
mUOL b"tUBtim" P**P> defSOO a pea de
%%: E -0***" "i*h< queeuata
ppwecer, e quando asstm aooroveitar-**vil
^SS^^"*"' na rti dA Ooeimado n. 16. ter
Ararfot americano se machina-
patalaya rroupa: em ca de S.P. Jo
hnon & G. ra da-tenzala n.ns.
O rival sem segando, a
ruadoQueimadon. 55
defronte do sobrado no-
vo, est vendendo tudo
bom e baratissimo.pois
j tena dado provas de
suas boas fazendas, e
por presos que admi-
ram, a saber ;
Caivete para aparar penna a
/"M^im Francisco de Mell
'aqaim francisco da Mallo Bantoi ariaa .o*
szposto venda aabidoanafabolfiaenomlnad.
Ditos com 2 folias muito finos a
Frascos de macag perola muilo Gno a
Dito de oleo muito fino a
Tranca dola com 10varas, bonitas co-
rees
Fraajaode lia com 10 varas, bonitas co-
rea a
Sapatos de trasca de algodio a
Ditos de dita de 19a a
Caizas com iecaa para charutos a
Cartas de alneles sonidos francezea a
Caizas de ditos ditos a 80 rs. e
Escojas para (impar dentea muito fines
w rs. o
Duzia de facas o garios, cabo preto a
MaesoB eom gren-paa muito boas a
Carios cea clcheles a
Ditos com ditos de superior qualidade a
Dedaea de aro para seniora a
Sabonelee moito grandes a
Apiloa de chumbo para erianca a
Rialejo para meninos a 40 ra. o
Enfi,dor2l" vestidos, muito gran-
des a 60 rs. e
Sapatinhos do lia para meninos a
Anda ten ama wiedade de miudeset que ae-
|na snfadoBho menciona -las. poi.so virt?" Vue
se pode apreciar *a.qujlipo Tarlatana bnanpoa a U
a peca con 8 varas: na ra do Qaeimdo o IR
aeguoda loja viado do Rosarie. vwwuo 18
Calcado francei tiara liquidar
Ra da Imperatrie n. 16.
ap2,otf?'2^"^?^iw- 'bricante.
.&P o.par. dUpade vorp4z aa, ditosdeddraou.
5?l0 e vde cores a 4' *u< *WS
222! b*K*-!2,4l.uatr. SSU o?!
80
3W
aoo
100
200
800
11000
1*180
40
100
SOO
400
31600
40
20
40
100
200
20
100
80
400
y.ip"^^
?.*," V An,0.rini n -58; mansa amarella,
castanha.preta eo.tras qualidadoa por menor
proco qae de o.traafibrtea No motmo arm
bom tem feito o aoo da*a*4to. v.l do carnan
limpleasam mistura alguma, como ai de
4oapesicko.
LeiKjos btancos-
_ Vendeni-ae leocos brancas proprios nara alai,
belra, pelo JfirMgltoo ptoco de^OOrdaVif
ns roa do Queimado n, 21, loja oiboi5. '
PARA
4a b**arr a
17*'
m.
^SjMtoa de TRrei|*om franja a itti fiaoia a
Barato paraacairar.
Ra da Imperatriz n. 40, es-
quina do becco dos Fer-
reiros '
raSi!S!,H* aUBd9 eeorpodas. covado a 640
acesia -r:^^rJ60ei,80dedcr!,
tendaormae,b0 A^SeT.K:
eao^bssia feZT' Pr^ con0(,0. cortes de
bonita? ba^W 'J*600' c2aB8 de CM" de
Kf!. fe" ^ "a a28W. riscadinboa
nos ad?m.Bc" y**/*.' crad0 "dan?
pos adamascados, duzia 2500. cobertas aveluda-
denhnr?.SiP,r1C8.a'a a 9' man8ui' Para
enhora a2500, gol.nhas bardadlo de pontis a
,iT Vena>eor comroodo proco um bom sar-
noho americano com acommodaeOes. para austro
oaraum rS* ,eTe eauasi "o^. com eqrrSo,
para um ou douscavallos. muito bona.;a tratar
K/joVi'h^S.--,6'offlcioa decar-d0
FoDileir e vidraceiro.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31RuaDireita31.
rnni'rVA^ce b*m mootado estabelecimento en-
conlraraoosfreguezesomais perfeito, bem aca-
b d,nbar** genero. "" ca
santh/bV,0*" a"1u'dades.
SffiatfJfLV^r.^" Chm "Carand-
SEHICDP1AS idomidon.Umanhoa-
BALDES idem idem.
BACAS idem dem.
BAHUS idem idem.
pr ATn m -f'18.8 de todas rasuras.
FRATOS^mitando em perfeico a boa porcel-
que?2ia.Ani2BIROS a flaDdrea "- "-
m^HDa?S em ca"* a rUlho de todos os ta-
eTt^a'Srrh08* bUr deDtr da Cidada.
r,R.eCAbn6m"f nco"n de qualquer nato-
reza, coocertos, que tudo ser desempernado a
DE
Fazendas baraU
ladiiJbiMratekj^i miot
nhes 4e4|600aupersjt6#,cambraia li-
za com 8 112 vara 3j, 3*500, a 4, ditas de
aS0,,lf.3feaw?**" enfeil8a Par" -
*Jra jK?*??8' 'd* os ma'a delicado*
para aenUo8*^500.3f, chapelina para cri-
snCa aoato inglez 3*500.4, para baptisado
^ooitoa goato lp ealo se acabando, ri-
cos lencos de labjriatbo I*. lgSOO. chap*
J
do core a 640 ris. lencos1>rncecom bar-
ras ieo ris chitas iogtezas a tf o 200 ro.
J ta^ francesa a.240 e 280 rs. o covado
i
Sdo raacez 200 ris o covado, completos
nimeoloa de baldes de arcos 3, sortl-
Botos Ol metas psra menino e menina
ZOO a 140 jis o par. chales de tarlatan i
as de cambraia da forro cm"9 vara S
junto a padirlafrancesa n. 48.
(
[Loja das 6 por-|
tas em frente do
Livramento. .
Chapeos de sol de alpaca a 4|.
tSnJntia de mela*uaa para homem a
aaw e o par a p t$., ditas brancas
muito finas a 2J500 a duzia, lencos do
Cassa com barra de corea a 110 rs cada
um ditos brancosa 160 ra., baldea do
T-A afM laaainba para vee-
Hdos a 240 o covado, chales de merino
estampados finos a 5 e 6, tarlatan*
Dranca e de corea muilo fina eom varo
emea de largura a 480 ra. o covado,
il6de lmho liaoa 640 ra. ovara, pe-
cae de eamsraia lis* fina a 3, casias
de cores para vestidos s 200 rs. o co-
vado, mussulina encarnada a 320 rs.
covado, calcinhas psra menina de escola
a 15 o par, fravatinhas de tranca a 160
ra., peto*para camisa a 280 rs. cada
em dotia 2p, pecas de cambraia de sal-
pico nsuita-fln a 3|5oo, peCot de bre-
oan .-i010 chitas francezas a
2L1ZLJ C0Tad0- loja est
iadio*, horas da manhia as Oda
Queima-ttido
Serve paca ao deitar nos casticaes e segurar
vela de espermaeete. fazeodo-a qoeimar at
Bbj, e preservando oa meamos de se qoebraftm
com o calor da luz: vende-ee a 500 rs. cada
braoc?Sl '"* d ******> 'i d'ia
Goes & Bastos
Tem exporto vena vestidos de seda p<
saae U2ue emJ",ras e 'enderam por 120J|
ab? m,!J,55Mb arat0' luem quzer admirar
^s:^^ ^da
Liquidaco
na loja da arara
contento.
Fil liso e tarlata-
na branca a 800
ris a vara.
Vende-se Ql liso muito fino e assim tambera
tarl.tsna branca muilo fina, tanto urna cou.a co-
mo outra sao proprias para vestidos, nao s para
bales como parai assislir-sea casamentes, aadem
S:^tee"rua do 53SS nes
Meias baratissimas.
nt Sf?f dutia de pare* de meia brancas fi,
as par. homem : na rua do Queimado
na loja da boa j.
Vendem-se cortes de-Ca!ca de riscados de co-
c.a.mbr"n. A .W e.1600' di,0> de "S
caaemira a 1|800 e 2^, cortea de casemira oreta
para calca a 3*500. dita eofestada fina a 41 ditas
iSS? fiBf8 "m li9traa do lado ou en Si ra
^nif P?heirle8 de yMM de Ur,atana trancos
oara vabf.de Cr6S a.5600-Cortes de '
reaTSm V'".1"1 qui1ha do9a1os. de
cores a 2|S0O e 3, cortes de d tas finas com 13
gIad'n:5,>5,),,dU0S dead< eh!neJ, .
29500 : na rua da Imperarlz, loja da arara de 4
portas n. 56. de Magalhies e Medes.
Tm^u^ Ubraa ,erJB" o escriptorio
* Amona Irmaos. rus da Cruz n. 3.
45 RuaDreta___45
MagDifib sortimdmta
Iftgoeasa que lbotraoooi dlaMlO; rT
4o deata grande eatabeleclnoaiu -
looor k> pobHeo, par ptoeoa i
taaarieraa aee de tHrtro, o see
de calcodo francs, ingles o brasileiro o >1
Homem.
Bofzeguini Viinor Emoasnael. ..
: 5StUtM :
diversos fabricantes (luireT
JohnRoseell. i .
Sapatdea Nantea (balMt1 faleirel.
pataate........
Sapatoa tienta (portagoosoe). : .
* (raajoom.s4. .
9 entrada baixa /sola o viral.
maitoclriqa>(smasola4. .
Senhoras.
*Tm tSEUf*.-:
Caspa alta. .
baiza. .
a si, ss.it. 14. .
de corea SS.SI.S4.
Sapatoa com salto (Joly). ,
francesa fraaaeinhoe.
31,82.33 ,34 luatre.
E um rico sertimaaiie da oosjm
zerrofrancs, aawcaqjBlaa, sala,
rinhos. So, uixaa etc., por meis
qeer outro podo vender. *~" ^-"
Relogios baratos.
Na roa Nava n. 21, hagraaae
gios foliadoa, douradas e de osan
zontees, seiesoo e ingleses. M
didos pelee preces da factara.
ra um reciba oa qao so rosa.
galamento dnraete seis atee.
MrejaadJai
n. 22
Importante
Annuncio
Na loja da dilig-ncia, de Guimaraei Ir-
mao, na rua ds Queimado n. 65.
a 14o"r,sde COre' P"" hwBeD, Boto fln". par
J0CarWM de clcheles francezes com 14 pares a
Fazendas modernas.
| Gurgel & Perdigo.
Vendem barato.
Superiores capas compridas modernas,
mantelete., taimas de croie, ditas de
Vestidos de seda,
do e de phsotasla.
de cambraia borda* '
Novidades do pavJ.
A loja de Gama Silva, na rua da Impera-
triz n. 60, acaba de che-
gar um novo e variado
sortimento de fazendas,
que vendem por presos
que faz admirar, como
sejam:
Um bonito sortimento de cas sas soissee aiaii-
aco de sedas de qu.driohos. que se veeden os-
lo diminuto preco de 140 rs. o covado ^^ *^
Br.lbantina a M ta
Vende-se brilhinla cent ajawrlnbos eta.
para veslidoa ro.., Oe asen ea alamA .
ado: na rua da Imperatriz n.tO, |j,
paveo.
Chapeos ricos de palha.
lica a 2*500.
luvaa de pel-
gros-
Sedas.de quadriohos furia cor,
aenaplea e morianlique.
Cambraias flgido seda, chitaTTT^
modernas, laazinba de edr e meias elas-
tica
Ricos
sintos gullinhas e punhos, es-
psrlilhos, pentes de tartaruga, Uques
sapenorea e saia b.ISo. B q
Fil, cambraia branca, tarlat.na, fllaf
para unto, camisas para senhora e me-
taarug'a S"' ^"^ "^t initand'
deram.'o.VoVS.0"' qU HBM 8e ^
Traoca, de lia para vellido, a peca a 40 ra
bra 8*7" r U,Ul9 fiDa 9 UndMtore. M-
Massos com grampos a 40 ra.
Ljoha, para bordar, a miada a 40 r#.
Ditas de peso mullo finas, miada grande a 240.
traujas de liobo para vesdos, a vara a 120.
Appareihos de porcelana para meninos, chita-
dos e dourados alj600. 2l^2jOQA3a. P
Carhs com ajf atea a. 100|.
Paoeis com aKaOtes eabeca chata.a 40 ra.
Eofeites para seniora .muito lea a 3 Ae 7
Dilss de lea e pretas para padre oue iemZ
Eotsltes com flores para senhora a 1!
Asilm eema^etrasnuRoi B^iidetaofioaaek..
Dew(s. "1
NflMlIrteJlaiittiteftw^u*
sa/ion 33.
h.iro .itamp.i
Jarga
Trocar mod
daaerjtoeamfi
stenta se a fama antiga
De \ender com consciencia :
Vennam ver, e nao se diga
Qu'isto falsa advertencia.
i-JL0jafaSlp*" Wets rua
Iap *>. Hoanrlo uuaaero as
.n^Thi riqul8i010a com moldura dourada de
de velludo escocezaaEar. d"0 .%40 g?, i"
vara penle. d> VarUruga para aUr^cabelU)Vil
peraWs apurado gosioa 7.8. 9 a fflf bomlfS
boioes de vldro para casaveque a 200r.' 2.
nha a 320 e de velludo a as* M diJi L
branco de liaho par. enWrde^fdo^SO^WOil
e^S ." daos,de mMn<5 natlaadoa a ll400e
^Tmf'r* "1f*,d" M "Han!
dTaod^so?!7;,H1!-H"al".r,ca8 for'
ne aeoa a ow e 1|, lia>s de seda e saltean da to-
dea os unaeboe a 800 oJ20^ beneOoe o ha
s de seda amatellai e braaaas-a
lequpi fiqoi com esnolb^ t.
rs.

mevEM^**?**-*** fwci,afilala
"P^.**" WcepcSo de devedor, para qu) de-
pois nao tenham razio de qaeia. H
u.- -.. ***& &S32S3sv.
eom
nuii ricos 8. 8 o uJttJgfi!S
teliqoiai reconmiodareis ao ohristio. -
^*.>*rfB>foLtfc-iaH
aan
Pavo.
de4eeorMe% n
fado a 310 ra. o covado : na
n. 60, loja de Gama 4 ri.
wibaldlns sen..
as que tan che-
raa da Imperatriz
' "i~~rrr-r
*~i-
Organdys **Ot.
Vende-e caisa de organdys de pedreas
bonuo. a 280 ra. o covado: na rae oolT
n. 00, loja de Paveo.
Chitas a 240 rs.
Vendem-ss chitas francesas asante ni
fazenda que sempre se rendes par nasa i
e est se acabando a dse vileos au
Imperatriz n. 60, loja do paveo.
Gnrguro a 400 rs.
Vende-se gurgorio miudinho proprio psra
(idos e capas psra seohosaa e pan toanjai
nios, pelo diminuto preco de 400 rs e i
na rna da Imperatriz n. 60, loja do paveo.
Las a 400 rs
Veodem-ie lazinbaa entestadas pare i...
fazenda de muito bom gosto. polo niato pro-
co de cruiado o covado : na roa da lnoarstriz
a. 60, loja do novio. *aapasemz
Com barras e babados.
Vende-se fluisaimos cortos de o
veatidos, een barras e de bebidos i
mo preco de 2*500, 3f e 31500 : na rae en
patotrta-a. 60, leja ontawlo^ *"
Cassas a 200 rs.
Vendem-se cseas con aalpaeee grandes m^
p'eVao?"*0 "" Mtarielika.ajNl.,ll
Cassas de cores a 240
Vende-se cassas do cocee fazenda
le a 140 ra. o covado: na loia da na
ralriz n. 60. Joj. do patio. m *
Sedas a cavada.
aovado, dita preta lavrada a 1MM cbaaj Me
Enfeite* a W%.
VoBden-aa enfeiies de nodla son aaeto nata
Enfeites a 640 ts.
Vendem-ae eefeites de froco praactoa un m*
nlnaa a tambem para sanbora o SE "I."
Imperatriz n. /, lojp o0 Mtl* *"*
Chapos para seiihara.
Vsnden-ir
rs.
sS
tlieosl
loja do pavio.
neaefonar. toas
em outra qoslqnor parte : na
n. 60, loja de Gama ot Silva, a
locado una ta teleta con an PAVAO i
a


P*WtlJllWHimon-*aMIHttlMttA un
*Hm
-*"!'* calouB^eoTdada pan menina, a
1# laree de seda UraUlcay cmotOoomo M'<
hamos* (iHo^ta sHsH autnde 00 n.
e meafau aeia71*rdYddsJo.t hrto gesto:
ni ra d Imparattta n. 60,leja de Game A
Sura.
Pwa2l.
nn7u<,e"W I??110 #' <*e M* azeitona e
cor de garrafa-lateada muito fina pelo preco de
2 o orado, proprio para calcas-e paletof
roa da Imper.frfc'u. 80, lo|a do Parlo.
na
eral
no
Vendce am pacote de meU reama a 2 cada
PQOti: na roa do Q.oiraado, loja d'ageia bran-
ca d. ib, Mim cono caiiiuhas con pspel de co-
rea a 1} cada una.
Queimado n. 22 le encontrar um bonito sorll-
meoto de auperiorea tiraa ricamente bordadas
%Mf^i>4w pelo batato preco do 3000 tSOOO
oca, adrerlindo-ae que na maia
andar mlh'or aeridor aera,' na rea do Qeeiraad
e 59060 ris a peca,
de urna peca de cada padrio, quem maia de
n. 82 na loja da Boa-F.
Souhairiiellors & C, teodo recebido or-
den para Tender o leu creicido depoiiio de rslo-
gioa [8to o fabricante (er-ie retirado do nego-
cio ; coorida, porlaoto, s peesoas que quizerem
ioaauir um boas relogio de ouro ou prata do c-
ebre fabricante Koraby, a aproreitar-se da op-
poiturudade sean perda de lempo, para vir com-
pra-Ios por commodo preso no aeu eicriptorio
roa do Trapiche a. 18.
Fabrica do Monteiro.
bbbbJ r b.1 til
r
36, na das Cruzes de Santo Antonio, 36,
mero 23,
mente preparado : no e&riploriq de Manoel Ig
nido de Ollvelra & Pilho, largo do Corpo Santo.
melhor calcado in-8
ex pira homens, qte teta rindo i es-
I mercado, rende-se oa loja amarilla da
rea do Qoelmado n. 31 de A. Ilour
pelo commodo
de borzeguios de di
ra Re-
de t o par
rentea {Sitios.
Um rico carro.
Vende-se um rico e elegante carrojnut bella- U6 tlSSUCcir.
Deposito na na de Apollo n. 6, e paca
da Boa-Vista n. 26.
Este importante eatabelecimento contina a
fornecer aos sena imameros freguetes do airo el
poro assucsr crystalisado, em p e em pies, 1.a'
el.*qualidades, pelo prego de 160 e 300 re. a
libra, e do refinadora 160,190 e *40e libra, sen-
do que em grosso o comprador (er am descont
farerarel. fioa meemos depsitos tamben) se
rende mel de aesoear a 600 rs. a cavada, e car-"
rl animal em p a preco commodo.
AS IKIMMMS
luvas de Jouvin
chegaram no rapor rancez pera a loja d'aguia
braaee, rna do Queimado o. 16.
Especial aviso pa-
ra os apaixonados do calca-
do ioglez.
Campos & Pereira com loja de fazeodas e col-
gado oa ra da Cadeia do Recite n. 32, recaberam
pelo ultimo rapor ioglez, os msis frescos e me-
lbores borzeguinsinglezesque lem rindo ao mer-
cado e continuara a render por 12* cada m
par.
I6M3AB mmm owqinb
Chales de merino a
5| bordados de seda em 2 pon tas de 1414:
' i da ra do Queimado n.
Ricos tapetes
inteirigos de lindos desenos psre forrar
|-quartos grandes esalas pequeas a 15 :
na loja amsrella da rae do Queimado nu-
mero 31.
Vende-ae gaz americano
hdade, em laUade 25 garrafas, na razio de
assim como Utas pequeas de 5 garrafal V no
caea do Ramos oa. 18 e 36, e na roa de Trapiche
numero 8.
do primeira qua-
"1*S.
A, F. Duarte lmeida, socio que foido armazem progresso, faz sciente aos seus fre-
gezes que tendo separado a snciedade que tinha com seu mano, acha-se de novo estabele-
OvstalteaPi p rpfinapin cido eom dous aceiados armazens de molhados, associado com o Sr. Joaquim Jos Gomes
1J V de SouM|j^ 0 ,. paulo Ferreipa da Silva; 0 primeiPO oa pazao de Dttarte Soma, e osegundo
na de Duarte Almeida blico, nd sti titiipeza e asseio com que se acham montados, como em commodidade de
pre$o, pois gire para isso resolvern* os proprietarios mandarem vir parte de seus gneros
em direitura, afim de terem sempre completo sortimento, como tambem poderem offerecer
ao publico urna vantag.m da mensa 10 por canto da preco que posam comprar em oulra qualquer parte, por isso desojando os proprietarios acredi-
taren) seus eauholotuaeotoe tem deliberado garantirona toda e qualquer qualidade de generoo rendido, en sena armazens, e assim j poder rer o
publico que pode mandar suas encommendas, mesmo por pessoas poueo prsticas, em qualquer nm destesectebeleeimeatos, que serio tao bem servi-
ofJerecemos,
cortes e medina de
" seda.
da BoinU Bftaaw QaeJiili a*-
*j 1 SL^Tre
e a fazenda maia loe, mais ora masa
que be no marcado,ceda edite toiiiO e
redo^ e rendem-ee te kera
aSdOtOo ecrM; as arakoaao i
tirerem de a asistir a betles e
qwizerem letar em restMe da altma
manderem ver oe mandoBada leja da
na rna do Queimado n. ts.
Se houve por bem resolver
Na loja das tres estrellas
Tudo queimar derreter
Em motada encanto dellas.
Ra larga do Ro ario n. 33.
Para liquidar:
Jlea-
paueja) em
d
Vende-se ebumbo de muaicao, a diuheiro i
21 o quinta), a arroba a 5500: no escriptorio
de Antonio Cetario Horeira Dias, no Forte do
Maltas, roa da lioeda n. 27.


Venda-se a muito acreditada loja de miadezas
sita na rea da Imperatriz a. 82, ando esta em
ama das melhesee localidades, muito propria pa-
ra qualqaer principiante, por render-ae com o
sorllmenlo, de forme que o novo comprador nada
precisar comprar; rende-ee e prazo, conforme
se eonreneiona. : a tratar aa meama rna n. 46,
loja.
Feijfto de corda.
No armazn de Tesso Irmos, ra do A.morim
numero 35.
O melhor gosto.
V Gbapeea depalha muito fina enfeita- O
, lados a traviala a 2j e 14f. chales dea
X Jooquim a 12.15, 20. 85,30, 85. AO, 45 T
^P 50$. enleitea de retroz e ouiras muitas
a ^sendas do melhor gosto possirel e per Z
^ baratsimos presos : na rna de Queima-
9 mado loja de 4 portas de Ferri* ti Mata.
Urna barcada.
Vende-ae ama barcada do porte de 35 eaizas,
eocalhada no estaleiro do mestre carploteiro Ja-
ciotho Elesbao, ao p da fortaleza das Cinco Pon-
tas, aonde pode ser vista o examinada pelos pre-
tendemos ; rende-se a prazo ou a dinheiro ; a
tratar com Manoel Aires Goerra, na rna do Tra-
piche n. 14.
Roa do Queimado o. 19,
Santos Coelho vendem
o seguinte:
Pe;as de cambrsia branca anoilada, propria
a forro, pelo barato preco de *J.
le linho ,
Novo
torradorttl
3Largo doTergo%3.
Vende-se manteiga ingleza especialmente esco-
lbida a 800 e 900 rs., franceza a 640 e a 600 rs.,
assim como se torram outros mullos gneros, co-
mo seja, caf, srroz, aceite doce, rels de esper-
macete a carnauba, etc., etc., e se acaso alguem
doridar reoha rer : a dinheiro rtsta.
Bonitas caixinhas
com visporas para# entreteni-
mento.
Acaba de ehegar para a loja d'agaia branca bo-
nitas caixinhas de madeire Inrernisadaa com ris-
po ras, tendo 36 cartas, e aa pedrea numeradas por
ambos os lados, o melhor que pnssirel em tal
genero, e custa cada urna caixinba 3j>, e outrai
cobertasde marroquim, e a chineza, e outras qua-
lidades a 2J. 15500 e 1 ; o tempo proprio, e
por isso dirjam-se com dinheiro rna do Quei-
mado, loja d'agoia branca n. 16, que serio bem
serridos.
Por atacado ou a retalho
So deixar de comprar
Quem nao se der ao trabalho
De vir ver e examinar.
A* loja das tres est relias t
ra Larga do Rosario
n. 33.
Espelbos de columna de dirersoa tamanhos i
1S800. 29000. 25800, 48000 e 5*000 cada nm, al-
- guna com defeito a muito menos, caixas de bu-
- falo finas para rap a 1000. ditas de tartaruga
bramante
grandes, a
para forro,
Lenco es
31300,
Colchas de fusilo de lindos lsrrores a 6$.
Cobertas de chita a cbineza a 1 $800.
Lences de panno de linho a 15900.
Chales de merino lisos, pretos e rdxos.
Ricos cortes de seda pelo baraio preso de 40}.
DUob com algum mofo a 259.
Toalhas de fustio a 500 rs. cada urna.
Cortes de chita franceza com 11 corados a
Barato assim ad-
mira.
Hu Gnos e boniloa lencos de eambreia de linho
abertos e bordados para maos e caberas de ae-
uhoras a 2* cada nm ; qeem oa mandar rer nao
perde o lempo porque alo baratiaalmos rala da
bondade, e assim os comprar na loja d'agaia
branca, rna do Queimado n. 16.
Preciosos
1
extractos para lencos.
Aloja d'eguia branca acaba de despachar de
sua propria encommeoda, finos e preciosos ex-
tractos de noros e escollados cheiros como bem
sejam, imperalriz, D. Januaria, D. Francisca, ma-
rechal Braqoet Real, dito farori, dito dos Alpes,
dito de Triaaou, etc.,etc., nao esqneeeodo porm
o eitimarel extracto de sndalo. J se sabe, os
fregnezes que manldosde dinheiro diriglrem-se
roa do Qneimado, loja d'agula branca n. 16,
achario barateza, agrado e sincertdade.
f #f*#Af
Q Em caa de KaiJ^miu Inn5pt j|
^| A te constantemente um completo S
9 sortimento de
A Vinhoa Bordeaux de todas as
dft qualidades.
^ Dito Xerez em barris. j
tDito Madeira em barris e caixai. i
Dito Muscatel em caixas.
k Dito champanhe em g'gos.
d Cognac em barril.
m Ce^ei*,hs7i*ca.
am Agua deSeltz. j
SAzette doce niito fino em caixa>.
Alaiade m barrm.
& Cefadinha m garrafoes.
*? oo***d
Vena-se nma escrara moca e bonita liga-
ra : na rna do Amorim n. 49. a tratar com Gai-
mirles A Aleoforado, e para r-la na Tiempe,
00 sffnlMtftA O. ttkef iimarier.
grandes a 88000, malas enrernisadas e com fe-
chadura para viagem a 1|500.reloginhos ficticios
com corrente para meninos a 160, peo tes de mar-
Om para limpar a cabega a 400 e 500 rs., tbe-
souras grandes para cabella a 600 800 e lyOOO,
ditas para costura a 120 160, 320 e 500 rs.. lin-
teiros de metal o madeira para viagem a 240 e
820, caixaa de Unas para dasenbo a 320, 400 e
500, medidas com numeracao para alfaiate a 160,
200, botes de metal para calca a 480 a groza, 50
rs. a duzh, ditos de oseo, de massa e de louca
para paletota a 40 80 e 100 rs. a duza, ditos de
duraque pretos a 200, ditos de stimo sarja para
casaca a 1S800 e 28000 a groza, brincos e rozetas
douradas a 80,100 e 160 rs. ditaa pretas a 160 e
200 rs. o par, pbospboros de pao e de cera a 20
e 40, ditos caixa grande a 120,160 e 200 rs., csr-
leirssde marroquim a 320. 400 e800 rs.. ditas
;;randes com dWisdes para lettras a 5J e 54500,
iohas do gaz a 700, a 800 e 900 a caixa, a 20 rs.
o norello, fundas para quebrados a 500 e 800,
ditaa finas a 2g000 e 29500. Em porpes tudo se
rende maia barato.
ex per 1-
,-anUrem nossos
estabalecimeatM, abaixo transcravemos algumas adioSes de nossos preces, por onde rer o publico que raBemosbaratsimo, attendendo as boas
qualidades de nossos gneros.
Manteiga ingleza especialmeiite eseolWda a 80ers. a libra e em pnreSe a 760, reeommenda-se aos apreciadores destete genero que
mandemao menos experimenur. serlos de nada perderem pois para isso confirmamos o (jue leramos dito.
dem franceza a methor do mercado a 840* r>, alara e em barra a tazSo de 800 rs. a libra
Cha nySSOn e pretO o melbor do mercada de 17G0 a 2880 a em pre>> lera abatimen to, e afianca-ce a boa qualidade.
Presunto fiambre io^e< a bamavga a 900 rs. a libra em porfi a 800 rs.
Presuntos POrtUguezeS vodea do Poriode easa particular a 560 rs. por libra e inteiro a 460 ra.
-uarmeaia dosmelhores autores de Lisboa premiada naexposisSes universaes de Londres e Paris a 19800 a lata.
Caixas COm estrelinha pevide e rodioha a 7000 a tai e800 rs. a libra eem porcao teri .batimento.
Latas de ameixa franeeus eom eineo libras a 49000 e 1*060 a Kbra.
PaSSaS em eaixinhaadaoMolibras, as melhores do mercado a 2*000 e a 400 rs. a libra e caixa de urna arroba a 79000.
Espermaceti superior 72o rs. em i 740 r,.. ibr,.
Conservas francezas inglezas e portuguezas eoo ooo rs. o irasco.
fcrylnas portuguexas e francezas a 800 rs. o fraseo afianea-se serem as mais bem preparadas que um viudo ao mercado.
Lata COffi OOlaxinha de SOda de diversas qualidades, omito nota a 19450. a grandes de A a 8 libras de 2500 a 4J500.
1T-^f.ga"^^.D?U,iPW,0 poro Ano. uin, nctar, Carcavellos, Madeira secca, Feitoria e Camones a 1200 a 130(
garrafa e a 13 a tluzra.
VinO em pipa propr.os pera pasto de 500 a 600rs. a garrafa ede 39800 4J800 a caad..
Latas COm ff UCtaS de todas as qualidades que ha em Portugal de 700 a lfOOO a lata.
Pera em CaiXaS de i 8 libras a melhor que se pode desojar o tem Lonntnias em frascos de 1 f p 2 libsas de 1,500 a 29200.
P K/T Peix Savel peseada e outrat muitas qualidades o mais bom arranjado que tem vindo ao nosso mercado da 1#400 11600
Caf dO RlO o melhor que h. a 340 rs. a libra e 280 rs. o lavado.
rrasCOS de amendoa com 2 libras, proprus para mimos, por serem muito bem enfeiladas e de superior qualidade 39 cada um.
V magre br.nco o melhor que temos tido no mercado a 400 rs. a garrafa a 2560 a eanada.
tominno e erva doce os mais noros que ha no mercado a 800 a libra do cominho e a 400 rs. eeva doce.
Vinno BordeaUX de boa qualidade a 80O a 19 a garrafa ede 8*500 a 109000 a duzia,
Massa de tomate emlaiasdeuma libra do mais acreditado autor de Lisboa e\ind. pr imeira vei nosse mercado, de 1 W80.
FlgOS nOVOS em caUmhas de 4, 6, e 8 libra praprios para mimos, per serem muito bem en fallados de 19500 49 e 400 rs. a libra.
Cervejas das melhores marcas .oora. agarraaa 59000. duz. d.bra.c.. "
Vinagre puro de H*boa 40 re. a garrafa e 19950 a eanada.
Poce da gOaba da casca oncaUo a I9yem porcao a OOO r,.
A^aito dooo pui iflcadO uOOls. a garrafa e G#000 o.ix, oo i a g,fafa.
(rOgnac a melhor qualidade que temos no mercado a 19000 garrafa a 109000 a duzia.
QuijOS SU1SSOS ebegadoe ltimamente 500 rs. e em porcao lera batimento, afianca.se a boa qualidade.
(xenebra de Hollanda OOO rs. o fiascos 69&00 .frasqueira com 12 fraseos.
Palitos XadoS para denles a 300 e 160 re. o mao com 80 maeinhos, e flor a 280 rs.
dem do gaz a 390OO a greza e 280 duzia de caixas.
Chocolate o mais superior que temos tido no mercado portuguez. hespanhol e francez de 19 a 1 #200 a libra.
Azeitonas as meihores e mais nova que tem tindo nosso mercado a 1#200 a a neo reta
AmendoaS chegadas 00 ultimo nar a 480 rs. a libra e em porreo ter a batimento.
AlpiSta o mais 1rapo que tem vindo ao mercado a 160 is. a libra e 59000 por arroba.
Alim dos gaueroB annunciados encontrar o publica um completo sortimento de tudo tendente molbados.
nos de 100 a 320 ra., ditos aceta lanaa a aal
a 600 ra.. ditoa de seda de WO a SdTdUee uZ
goa a 600 e 800 rs.. flus -rita si
rradas de 600 a 1)300, dita, maia
a 500 rs.. ditaa lisas rn"ialss
SCO a 600 rs.,babadoa dalia** ato
60 rs. e rara, peca de 15 rata* a
babadoa largo, para canteas d* bm
de 120 a 200ra.. dito da Urgara dtaalaieiMI
ra.. uancaa de aeda ceaa "ftllat pralea de W a
400 ra.. franjas de seda de carea gata* a *> re..
ditas de la e seda a 160 e 1*0 ra.,
e algodiod.gOalSOra..
130 rs., iu para coa ja c
do e preto a 320 ra., cari
e 60 ra sombra para lar.,
120 e 160 a folha, aeieitee de toaVa rinta**-
r',,bf? e ,*500- ncMM Man aato St
a 1. diUspara dea ata aalMi r
muitos otjectoa *"T'T,r1aa a 1
E em peca, canto, niaaeo di
grande di He renca da retalao.
W
Fitas de sedas.
* cieidtA.
laeo efaegado palo aWata
L. Deloutbe usa rico
da laas a* coras : cetia es _
e todaa aa peaaoaa que peda iotertaaar. a*
recer na rna Nora n. aa. ene ata* geanra*
comprar a viaU dea faseaoeee
Ra da Cruz n. 48
a* abra
'
No eseriptoiio 4* E. 1. Basta A C.
eme riqoiaaizea ssoMUa do avagaa la*
de talba a meto moderno a saaikar m
airel, por preco mallo rioael; ao
eriptorio ka a renda eseeileatee meM
do junco guarnecidas da asrmete a'__
tambem h. aadairea pare plaaea, leraarto, ta*.
lhetes, cabida, tudo por preco. 00 adaasra.
Vendem-se os eugeuhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correntes a
d'agua, sitos na fregueza da
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoa,
o primeiro tem casa de enge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o ae-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dona mil pea:
quem pretende-loa dirija-se
a ra da Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
As verdadeiras tovas de
Joovb.
A leja da boa M rtccaoa aova aertimeoU dea
rerdadeiraa laraa de Jootd, a ao recommtada
oa oaralMroa aaadamia O Wa a, cora
que mandem par ellas aa referida laja da boa
f, na rna do Queimado n. M.
do Porto, e 29000 as d. Lisbo.;
I
'
Aspas largas
para saias balo.
A loja d aguia branca acaba de recebar nm bel-
lo sortimento de mui bem tecida. aspa. par., ba-
ilo, e aa est rendendo baratamente a 160,180
e 200 rs. a rara ; quem precisar dirigir-ae com
dinbeiro 4 dita loja d'agula branca, rna do Quei-
mado n. 16, que aera bem serrido.
Potassa da Bussia e cal de
Lisboa.
Ro bem conhecldoe acreditado deposito da ra
da Cadeia do Recife n. 11, ka para render rer-
dadeira potasas da Ruaaia, ora e de superior
qualidade, assim como tambem si rirgem tm
padre ; tudo por preco. maia baratos do que em
o.tr.qaalgnerparte.
MMC1A
Bieos de seda.
Bicos; rendas e labyrin-
thosdasllhas.
A loja d'aRoie branca acha-se recentimenle
prorida de nm bello sortimento de flnoa, alros e
bonitos bicos de seda, e das differente. larguras
d 31 dedo at mal. de 112 palmos, e os baratoa
presos por qae se eslo rendendo animam ao
comprador: assim como es forte* e muito dora-
reia bieos, rendas e rabrriethos das libas, igual-
mente baratoa como conhacer o comprador.que
munido de dinbeiro, dirigir-se a ra do Queima-
do, loja d'aguia branca n. 16.
A SgOQO o corte
de calesa de meia casemira eseuraa de ama
cor : na rna do Queimado a. ta, aa loja da
Boa-f. .
Figas de coral.
-A loja d'agoia branca recebeu urna pequea
qnantidade de bonitas e bem acabadas figas de
coral, proprias para enfeites de enancas, de re-
logios, e mesmo para as rollas de coral, e as est
rendendo a 10500 cada urna ; quem se demorar
nao as achara mais em dita loja d'aguia branca,
na roa do Queimado numero 16. nica paite que
\i
Esc rayos agidos.
.
DA
riiNDICiO LOW-MOR
Roa daSenzalla Nova n.42.
Rast. estabelacimento contina abaverum
(ompleto sortimento dmoeDda:emeias moen-
dasp.raengenho.machinas de vapor etaixas
tetero batido a coado.de todos ost.rn.pJ.os
\ para dito,
Oleo e Wlnlia philocome
e outras qualidades.
A loja d'aguia branca acaba de despachar um
noro e bellp sorlimento de oleo e banba philoco-
aH ,utr" 'Wr,Pf 9Ualidada, inclusire a
estimada e procurada banba em copos grandes,
cuja excellente qailld.de j bem conhecida,
?M.e0B0 'erdadeira tranapsrente ; quem
lurier se prorer do bom e mandar oa Ir i ra. do
n.H. auaser,
em aerrUo ; arerTldo, porm. qae q
ao todos mareados com o rotulo de dita
em rotoso
vende 36.el.nii d'OHreira Aieredo, em gen
mtiem traressa na Madre d Deo a, 3
Receben de sua encommenda pulcei- V
aj ras de cabello qua rende por 10} o par, A
8 braceletes de ntossices a 6tp cada nm, 5
agolbaa rietoria a 119 rs. o papel, pen- 5
te. de tartaruga a 8, 10 e 11*. precos 9
aj porque ningaem pode render (boa fa-
renda) estes artigo, nlo se encentra em 2
loja uenhuma por isso rao a ruadoQuei- W
O mado n. 33 A, loja da Esperanca. 9
E^peranQareduz a exprs-
sfto mais simples.
J (A' WiWiao4'
aj lodOa oa arbgoa qae esto a* loja A
a muito barato quem quitar ri comprar e g
Z \M i*" do Queimado n.33 A, Guim*- 9
ajlfiea^ Rocha. 9

Ra da Scazalla Nova n. 42.
Neste etabesaxJDMBta vtmdeae: ta-
chas de ferro c^dp, UbralJO w. irfota
de Low Moor libra a laWrs.
Por balxo: do pal)(eJi|jiJt3i^Bttit
do
Tendera-
. eatclnbaa pj
C0C*M *H> o cor.do, p oatris mui las usaanas
por auno canto pr.jo,
sortimento de enfeites de flo-
res para casamentos
e bailes.
Aloja d'agoia brenca acaba de despachar um
lindo sortsuento de enfeite. que de sua propria
encommenda mondn rir para casamentos e bai-
les, e tem nedo de errar, pode-se dixer qae sio
oa mais parfeitos e delicados que at agora tem
rindo, e esa rerdade ser conhecida por aquellas
r'UMi mis aabam .preri.r o hou: *rT*f r de
ludo rendeai-ae baratos em propor;io a perfei;o
delles, andD a dinbeiro vista 18f, 1*| e 16%,
isao na ra lo Queimado, loja d'aguia branca nu-
mero 16.
Mantas de retroz para gra-
r dlftiS.
Vendem-.a mana, do retro, para grvalas,
tanto arela, como do corea MO rs. : n. ru. de
Queimedo n. 32, na loja da baa (.
A loja d'aguia branca
recebeu tambem oras luras de fina pellica, en-
feiladas, para casamentos, assim como lindas ca-
pailas. A commodidade doa preces j bem co-
nhecida por aeua bons freguezes, e ser mais por
aquellas pessoas que de noro o quizerem ser da
dita loii d'agula branca, na ra do Queimado nu-
mero 16.
Sal do Ass.
Vende-se sal do Ass, a bordo do brigue bra-
silero Adelaide, recntenteme chegado : a tra-
tar no eecriptorio de Baltar & Olireira, ra da
Cadeia n. 18.
Gneros baratos.
Maoteia francesa a 640 a libra, batatas a 60
ra.. toacioao a 320. lioguicea do ser tao a 180,
cb a 2|560. arroz a 100 rs., rels de espermace-
U .760, dita do carnauba a 400 r... paiaco a 160,
alpiste a 180, cat a 140, .abao maesa 00 rs.,
dilo acasaoUa a 140, arroz de casca a 34500 a sac-
ce, aMiie de campa to a 4O0 rs. a garrafa, m
porcia a 360, dUo de coco MO i na trar ees* do
patea ao Pacaaso. 16, frente pintada d. ama-
rello, taberna de 4 portas.
50 A~miaaCataa do Recifei>0 A
5000,2800,1J!800
e:50>rs.
liras de Olireira Santoa, est ren-
naraa de camhraii
com riqniuimo bordado, a lin
;. riqaUafm. camkaala da cocea
ranceau a Garibaldi a 800 ra. a tu., miis a-
zeadu qae 0 o bu.lisslmo 11
Retroz em carreleis
para coser-se as machinas.
Vendem -se carreleis com retro, de core., pro-
prios para as machinas a 320 cada nm ; na roa
do Queim.de, loja d'agoia branca n. 16.
N. O. Biabar & C.,uccee.ore,ru. da Gres
n. 4, tem para render relogio. par. algib.ir. de
onro e prata.
Nova exposiQo.
Ra Nova n. 20.
Riquissimo sortimento de cutilerias em todo
o genere, assim como um riquissimo sortimento
de looca de porcelana para coaioha, riquissimo
sortimento de ra.taea, riquisaimo sortimento de
miudezss, e outros muito. artlgos, que com Tis-
te do comprador ae podero apreciar: na ra
Nora n. 20, loja de Carneiro Viauns.
Bombas dejapy.
Rna Nora n. 20, loja de Carneiro Yianna.
Canos de chumbo.
Ra Nora a. 20, loja da Carneiro Vianaa.
Renda lisa
de fil.
Vende-se renda lia. de fil propria para cascar-
rilha. de rostidos de cambrsis. e outras obras :
n. rn. do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Aos proprietarios de carros,
correeiros,
fabricante de bonets, etc.
Pechincba nunca vista.
45Ra Direita45.
Grande, couros de boi, inteiros, de lustre, de
95f a 859
J chegaram
do
as interetaantes estampas, amorte
justo, eamorte do peccador.
D. foja d'agoia branca ariaa-.e .oa .enhore.
rerarendo. e outras peasoas qoe hari.m encora-
ra en dado essaa nter esuntes estampa., que ella,
acibam de ehegar, e quean maia as auiex poa-
uir diriglr-se logo i diU loja d'agula hra.ca,
roa do Queimado n. 16, pois que a quaatiaada 4
peauena. a pnr agora anda so rendouo a S00O
Te.dam-se 10 trares d. louro groas., e de
40 pairan, de comprimenio: na rna da Prai. nu-
mero 20.
i- Yende-se um. morad.de cuas, tragosla
de Santo Antoalo, em boa ra; ifaiu n. m
do Araflo n, 40,
Fugio do aageafao daa Maitao. .
Cabo, no dia 18 deaetemara do lcWl.aaai
por nome Joao, crioulo, -rranlaa.
lsr, groaao do corpo, esaodado, iA
e lantoa anooa, metteu-ae aaa a
nao do Monte, al qua Iba tirareis na
ler a va, e logo que aa rio seas ella diacos aao for-
taa ana qaerio mellado coca eeeoUeo .sel... a
com principio de ca reg Usbeca n oas Bo-
queo roubo de roaaa ; -'rrataareesa o car al lo
a 17 da outabro. Eate negro j lem sido ataco ao
Recife duaa rezea, a primeira re iri.slhdo
com urna carrosa, a a ttajaad. roa fai amo ara
balitando aa aaa armazem ao aaiai aaaao sar-
ro : qaem o pegar lera eogaaao aaaa, gao
ser bem recompensado.
Fugio no da 15 da ootaaro ac arela do
nome Ricardo, naci Coala, alta, magra, repre-
senta ter 40 anaos deidada, tem traa" nm-
lo, tem aido ralo ac arrabalos docta i
ron cama de oseta encarnada a aotra
roga-se as auloridadee policiaca a ooira cj
peaso. o apprehendam a maadem lerar ra da
Cadeia Velba n. 1, que ser pago lodo a aao tra-
balho.
Escravo fgido.
Desd. o di. 84 de ootobro p. p. est fgido a
escr.ro malsto osqom, causara refalar, cftr
clara, bigod*. a peira, M eeotara alo aac
quem o pegar lere-o a roa da Croa a
de mu senbor E. A. Bar., qae ser ra
sado.
Attenco
Na noile do dia 81 do corrate fagda do poder.
do aballo assiga.do o seu escr.ro malate O ac-
m Jeea, eautur. alu, cor dar,
aaaoo.oepra.eBia ter mas. tdade,
o vire, lauaitaa capes
principio de barba ao jaoixo, pea
de. dito, abarlos, aad. oca peoeo c
de bracea aborto., nslaral do aorfao o Apoca co
prorinei. 4o Rio Grande do Hort; fai tsmps.ga
nesta praca aa Sr. Jala Casiaoatamo aVterra Ca-
1 de
i preto, altara regalar, alegra a regriaU, ace-
de carrerro, o qa1 foi preco aa Boisa ana V- ^
tiro de 1860. e remanido pora Peroamboca ,_j.
ralcanti de Albuquerque,
cima declarada ; o dita saatafe lera* oca corro
de eonro de carncira, aaa recia l "
de renpe de seo uso : raga"..
dade. policiaes e msis peaaoaa
de apprebende-lo a lera-lo roa da matrb <
Boa-Yuta, Mirado n. 88, qae coreo bs
pensados.Joaqurm Praodsoo Praoeo.
Fugio do pograho de .nato
dia 13 de deseobro da 1848, am av-
Cnome Jlo Gregario, idado do aM i
preto, altara regalar, .sagre a
do
rereiro l
em am rapor, d'ondo toraaa a lagar,
ce estsr na Babia ; roga-se aa
ci.es e capit.es do campo que
o remetUm para Pernamboco a aaitigac ao Sr.
Jlo Pinto do Lomo. Joaler, aa aogac cjaai-
qaer despea, qae aa Bear.
TJmneM da fcaia Soasa Lalo.
Escrava fgida no dia 3 do
corrente.
Jalla, da aacaa CeoU, alia, i
falta de d.nU. aa freata, es
roete pouao iairoat ooar
par .eslam.ihleacjaijcjm Ui_r
flc. muito impcrtiacoU, lara,
asa o rejada a roa. teada ama am
saagfj
a todaa aa aataridadoa eolsaioca
eofiafacc
se p.gulo todat u dfSf.ias, '
.-


99


=
DU1I M MMUIBWOi ~ SfiGUIOi MBA II HMYmo S 1M1
y

Litteratura.
-------'-^imp1--
; deacia, e benificio da beogio
tose.
0 ex-general tinha- recol
doBram, *aoodeanppuoha ach
deesa, achou a pristo a aua
ato. Recorren a proporige p
baram o'uma concluiio, cora q
cooformar-ae no dia 7 pela 9 h
Desde logo foi restabelecida tod
ca, nao ae oovio mai* ou.ltas vozes quo da a-
ClatEagoes dignas do da, -.m que ara immaoso
poro entrara na poste dosteut VgTtffYfosdfrSl*
loa soeiaes,, .Foi consecuencia disto nao ler ha-
vidoi at agorS se qe%r bn a disturbio, aem
motivo qualquer de qteixa.
AtS ae inslallou o gorerso preetnrio com-
posto a cinco patriles tirados de* difirante*
ciassps, o qual gererna teto sido iflt herm-
nenle em suas esioe.- O seu prijwHr cufiado
loi detttjuaar os possos compatriota., de Portu-
gal dos osados, e descoalangas, cafas que as li-
nham wquietado es psrttdrsras da ryrtnnie, r*<-
cebendo a todos com bracos e sculos, seguran-
do suaa familias, petsoas e propnedade*. de toda
a sorte de injuria, (azendo os coniiouar era sea
commercio, trficos e oceupages, com mnior li-
berdade que d'anies, proclamando em flm por
um bando os sentimeotos do goveroo, o do poro,
e nao barer raais daqui por diante difereoca,
entre nos de Brasileiros e Europeus, mas deve-
rem lodos ser lid os em' cor,ta de or a s, e a
ri, por Joi Erigido.
(Continuagio.) "J* "^.l
Assim em direitura at se aristarem com o
vigarto doPorobal, do qul harerio no lirias do
estado de*omarc d lano do seu interior
como da neira mar, e lorio noticia do padr Luiz
ios.Se estse lier declarado pela boa causa.iro
ter com elle d'ali partir o patriota B. (Alen-
carjjpel cibcpiras do Rio do pene o seu des-
lioo.Qcando com o padre Luiz Jos o patriota A.
iCezerJ.para dahi escreer cartas a mandar papis
a seus amigos do h. Estas cartas derem ser
persuaaivaa, sem darem a entender que as pes-
oa, para que foraaa dligidaa, querem a liber-
dade, para as nao comprometter, chegando a
Pombsl.se h mver cortan de que o padreLuizJos
nao pela Patria, d'ahi seguiao o seu destino,
e se parecer melbor, irlo para aCrato por cima.
Revolucionado o Crato e o Ico, mandaro logo a
Peroambuco avisar para lhe Ir soecorro. e estas
Tilla pdemeos cariase proclamages, tazerque
se levaniem Aricaty e Sobral e mesmo sem oc-
eorro de Pernambaco poderlo sisear a Tilla da
Fortaleza a destruir o tyranno. Assignado
Padre Joo Ribeiro Pessoa, Domingos Jos Mar-
tus.
Partindo do Recite, Cesar deixou-se flcsr no.
o do Poixe com o padre Luiz Jos, partidista ^esma hersogs, que a propriedsde garal de
a revolta, onde aada (et; o Alentar proseguio toa Mla provincia. l '
at o Crato, onda, chegando, procurou excitar
aua familia a abragar a causa da repblica, e
pouco lardea a dispo-la a este passo, fazendo a
reIagio dos grandes aconleeimentoa de Pernatn-
buco, e procurando convence-la de que a revo-
luto eslava feila, grandes eram teus flns e bri-
Ihante o papel, queiriam (ater na cenado muu-
A 9 ludo so achara no mesmo espirito de con-
cordia e pacifleago eral, sem o. pero se resen-
tir de outra novidade quedas bondades do gover-
no todas applicadss i promover a seguranga in-
terior, e exterior, por medidas acertadas, bus-
ca udo esclarecer a sua marcha com dividir as
materias de maior importancia por commissoe
do os que ae ipressassem aceita-la. O vigario compostas das pessoas de maior capacidade, co-
nhecidaa por cada um delles, cora que tero obli-
do ao mesmo tempo populsrisar as suas deli-
berares o mala pesairel.
a Naquelle meamo da o governo foi perma-
nente atea meia noile para continuar diversos
Saldanha nao era um homem de grandes vistas,
nem capaz de consegrar um principio poHlico,
eem a precisa coragem para oa sacrificios, que
demandara urna canea, a que eram associadoa
tamaohos perigos : maa nao poda subtrahir-se
ao ascendente de seu fllho Hesitou. tremeu anle despachos, que boje aopareceram, aendo doa
w compromeltimenlo, que prea : mas afioal j ma'3 importantes fuer os funcionarios pblicos
deixou-se vencer pelas rogativas de sea fllho, a, !nas 8uas oceupages como d'anle, sem tirar nio
arraatado, assentou em declarar-se pela repblica
naseenle.
Frei Peasoajoo Irepidou um momento, fez
causs coamum com o emissario republicano, e
foi tentar a fidelidade de Filgueira, cuja dedica-
fio so Eovoroo oo tioha limites, e para quem
era intil qualquer demonstraglo. Tufo quanto I
as revolugoe teem de mais seductor, o encanto
das honras, a novidade dos principios, os sonhos !
dourados de um futuro brilhante, nada poude 1
desterrar de seu pello o temor de desagradar ao '
gorerno, e serum da acensado do criase de alta
guem doseuofficio, proscrever as formulas do
tratameoto al agora asado sem admittir nenhu-
ma outra sean a de vos, mesmo com elle go-
verno, abolir castos impostos modernos de ma-
nifesta iojusliga e oppress&o do povo sem vao-
tsgem neohuma da naci. E' tal o nosao esta-
do politico, e civil at boje 10 de margo de 1817.
Viva a patria,vivam os patriotas e acabe para sem-
pre a tyrannia real.
Alencar terminara, e urna universal cciama-
cao lhe cobriu a voz : os vivas com que conclua
Meodooga foram correspondidos com um s eco.
trahigao. Elle recaaeu o nome de libertador, com e um delirio patritico 'se apoderou daquele nu-
que o pretendern) fascinar fleaodo inabalavel ] meroso auditorio, to maravilbado do que ouvia,
realista. Todava, por inepcia, por coaego ou quinto enthusiasmado pela primeira saodagio da
por respeilo e amisade aos conjurados, subscre- "erdade. Arvorou-se urna bodeira branca, e
Teu a uma ultima exigencia, que elles lhe fize-- ^pararam-se tiros de alegra. Em seguida,
ram, com o portuguez Francisco Cardoso deMat- Alocar, seus irmaos Tristao Googalves Pereira
tos, que Coi, ser indifferente, ao que se podesse d.e Alencar e padre Carlos, Josquim Francisco de
fazer e conservsc-se em completa neutralidade. tjouveia Ferraz, Cardoso, e outros ae dirigiram
Isto ja era ama sobeja garanta, ama concessio aos Pa5s do senado, e abi lizeram uma depura-
de muito alcance ; pota que, Filgueiraa fra do 5ao. de_vereadores, creando uma cmara provi-
eombate, aos republicanos nada poda fazer 80|"ia, juizes ordinarios e mais autoridades. To-
dos os presos, que existlam na cadeia, foram
postos em liberdade. e a nova cmara e compro-
metidos enviaram in cootioeote uma mensagem
ao governo de Peroambuco, proleslando-lhe sua
adheslo.
Isto feito, os patriotas se derramaram pela
ras ; mas j ae acharan algumaa pessoas que
fugiam aeu contacto. Elles tinham dadomor-
ras ao rei, ,na|porta da casa da cmara 1
Nioguem tinha procurado prevenir esta mani-
anat,
Foram pois concertados todos os planos para o
roropimeoto e o dia 3 de malo, aaniversario do
descobrmelo do Brasil, e consagrado festa da
Santa Cruz, foi o dia aasigado para elle.
O dia chegado, o vigario Saldanha aterrado e
convulso se dlrigiu 4 matriz scoapanhado dos
conjurados, e. celebrada a misas festiva, o joven
Alencar, de batina e roquete, sabio ao palpito,
iallou da revolucio, e procurando ascender
patriotismo de seus ouvintes Ida
patriotismo de seus ouvintes lea o seguinte ma- festagio, mas nao faltn logo quem procurasae
uiiesto, com qae Jos Lat de Meodooga, mem- tirar pirlido da situago. Leandro Bezerra Moo-
hro do governo provisorio de Pernaobuco. sau- leiro, tenente-coronel e commaodante do regi-
dou a revologao. Era este talvez o primeiro os-
cripto deste geoero, que se lia no Brasil, e mi
elle o primeiro echo que a impreoss soltou as
plagas de Pernambaco.
Depois de tanto abusar ds oossa paciencia
por um systema d* admiaistrago combinado ac-
raeoto de cavallaria do Crato, aelho partidista
da realeza que alias nenhum servigo lhe tinha
feito, no sentido de -prevenir a revolta, apeoas
recebeu a commuoicago que lhe dirigiu a c-
mara provisoria, encheu-se de zelo pela causa da
monarchia, e enviou seu Qlho Googalo Loiz Tel-
eieote para snsleotar as vaidadas de uma corte les de Meoezes entender-se com Ftlgueiras so-
insoleote sobre toda a sorte de oppressto de nos- bre a oecessidade de fazerem ama conlra-revo-
os legtimos di relio, restara calumniar agora lugao. O capiao-mr era esse tempo em com-
a nosaa honra com o negro Ubeo de trahidores plata qulelago, e j de tal modo identificado
aos oossos mesmo* amigos, prente e compa- com os liberaes, que chegra at consentir que
? f' de Portu8,1! ? ,era esta Pr v"n- Tristao se armasse, fazendo publicas ootifleacoe
tura aderradeira naca, nnn f>ltiv> Ha a <>- it> ...!. ^..... .______..- =________,_._'..
pega; que faltava de se por a
governo extiacto
machina poltica do insidioso
de Peroambuco.
Comefoa prfido por illaquiar a noaaa aio-
gelesa, proclamando publicamente a 5 deste mez
que era amigo sincero dos Peroambucanos, que
tinha repartido o seu corago com elles. escre-
veodo esses engao com a meama pena, com
Nao conaeguindo de-
da gente do aeu co aunando
mov-lo de sua appareute neutralidade, nem se
senliBdo bstanlo for'e para por si mesmo fazer a
a coolra-revolugao. Leandro Bezerra procurava
todos.os meios de salvar-se das sombras des-
confiangas, em que Manoel IgnacioSampaio, go-
bernador da capitaoia, cahia tio frequeotes ve-
zes. As relaedes de aroizade e de negocio de seu
Sueacabara de en.cherosegredo deseo gabinete filho Googalo com Tristao, um dos revolnciona-
e listas de proscriptos, que tiaha de entregar r'os mais ardeotes, vinham acabar de eocher de
as mosdo algoz, Brasileiros da todas as cas- espanto o velho roalista. Quiz tentar segunda vez
Ai a Mf>nfl. .d. A ._ ...Ul. M.____ O fthlA* AAa.rl!i>>HK j -^ 17:1 .____. i____ __ _>._
ses, a mocidade de mais espirito do paiz, os of-
tteiaes aais bravos das tropas pagas, em uma
palavra os ttlhos da patria da maior esperanca e
mais distincto merecimenlo pessoal.
Amanheceu em fim o da 6 em que as encho-
vias haviam de aer entulhadas de tantos patrioias
obler a coadjurago d'Filgueiras, e no intento
fez expedir um positivo Manoel Brigido dos
Santos, secretario da cmara do Ico e amigo de
Sampaio, com cartas para este e para Alexaodre
Jos Leite de Chavea e Mello, chamado o coro-
nel dasfronteiras, inspector des corpos de mili-
feoarados e suas familias alagadas de dore de la- cis do Jaguaribe, communicou-lhes a sableragao
grimas : convoca o maldito seu conseibo de offi- d3 'espera eafrmando que Filgueiras e Alen-
ciaes de guerra todos iovejosos daosas gloria: ca', com um exercito numeroso iara marchar, n'a-
e depois de ter assignado com elle a atroz con- qielles tres das, sobre a villa do Ico, bem como
demoagodaquellas innocentes victimas despa- qe o Jardim havia aeaublevsdo pronunciando se
cha dalli mesmo os que lhe pareceram mais ca-
pases de lhe dar execogao. Una carrem aos qaar-'
teis militares, outros 6 casas particulares, fer-
Tem prisoes por toda a parte e ja aa cadas co-
megam a abiir-se para ir engulindo um por um
xtossos boas compatriotas. Aqu porem mostra-
ram os nossos, como tinhsm capacidade para sa-
ber conheeer que a desobediecia teta todo o pre-
go do heroismo em eertos casos, e quando
com ella se sslva a causa da patria. Um bravo
capitao dan sigaal do dever de todos fazendo des-
igualmente pela causa republicana.
Essa noticia derramou o susto e alvorogo n'a-
queila villa. Nao bastando laes ioformage, o
portador foi conduzido debaixo de prisao ante o
senado, para pessoalmeote iolorma-lo dos acon-
tecimenios, a de todas ss partes o poro apreseo-
tava um terror exagerado.
O padre Francisco Googalves Hartios foi a pes-
aos, qne Leandro Bezerra reputou habilitado pa-
ra ir, segunda vez, trabalhar na converso
vez, trabalhar na converso de
Ftlgueiras. Elle lhe fe: sentir todo o peruo de
eer aos mfernos o principal agente da injustissi-1 sua conducta, explicando-lhe seu modo o que
aa execugao ; corre-se s armas, e poucas horas vinhs ser a repblica, e calumniando as oten-
caquelle mesmo dia foram lodo o tempo de co- gdes dos patriotas, segundo a falsa idea que eo-
megar, e acabar tao dltosa revolugio, que mais; to geralmente se fazia de suas aspiracoesBoliti-
pareceu festejo de paz que tumulto de guerra, cas. Filgueiras era sempr o derradeiro com-
FOaLHETlHf
ORtfilNIL DO OIIRiODE PIRNAIBUCO.
mmmmmnm
0
LXXX VI
SiHMARio.Um drama do mar,
V
Durante esta oceurrencia qae mencionamos em
casa de D. Pancho, o Pandour funda no porto
de Buenos-Ayres, cujoa campanario avistara ao
por do sol, quando montara a pequea povoagao
de Quilates.
Nao ha navegante alXim que nao conheca este
porto, e que nao aaiba quaato elle incommodo,
pouco abrigado, embora ailaado ea aa clima
mu saudavel; pelo qae lhe deram o nome que
tem.
Nos, porm, como escrevemos tambem para
eulra clasae de leitorea, pensamos ser indispon-
savel>faze-le do mesmo modo conbecido delta por
uma rpida descripgio.
Seu dous ancoradoaros, formados pelo banco
da cidade, e odaa Palmas nao offerecea aos na-
vios seguranga do que qualquer outro ponto do
canal navegavel do Rio da Prata.
Com os veolos do NE ao SE, que oahem fras-
eos s vezes, levanta-se nelles um mar iosuppor-
tavel; e entio aa ancoras garram mui fcilmen-
te ; o que nio deixa de ler sen perigos; por
que os navios sao impeludos para cima dos ban-
cos.
Sao denominados ializat exteriora $ baliza
inferiores; aqu s fuodiaa barcos de pouco ca-
lado d'agua ; al todos aquellos de maior lote.
Portanto, o Pandour ancorou no primeiro lugar,
que Oca f uma distancia de seis sete milhas do
desembarque da cidsde, que n'aquelle tempo se
effectuava no sitio do enligo molhe, por meio de
earrelilhas montadas ea rodas altas, pucha-
das por molas, que vinham i alguma distancia
onde a ressaca nao arrebentava, ou nto chegavs
espraiado, para receber passageiros e carga, e
eonduzi-los para ierra.
Ua vigoroso rapaz servia de coebeire, e coa o
seu rebenque seapre aleado conduzia o traa am-
phibie.
Hoje j alo 6 assim ; depois da queda da br-
baro dictador, na qual tiremos uea grande in-
taeama, e que cobriu de louros o nono etercito,
" aarioha, ea cajo aooaes flearam ios-
npatt eem lettra de ouro os combates de Mo-
rn, Caseros, e a afouta passagm do Tooelro, a
cidade de Buenos-Arres tomou outro aspecto ;
reanimou-se, vesliu-se das gallas que a ornam,
e bem que, mapre perturbada por suas disseo-
goes intestinas, que anda agora fazem correr o
precioso saogue argentino, e bao estorvado o seu
completo desenvol'imeato, tem comtudo eblido
muito melhorameotos materiaes, entre-os quaes
avulta, como mais apreciavel para o servigo ma-
ritimo, e para commodidade dos passageiros que
afflaem seu porto eau grande numero, a coos-
truego rcenle de dous molbes ou pontes de ma-
deiras do Paraguay, solidas e largas, que vo
terminar no fundo de qualro ps d'agua, partindo
uma da frente das Mercs, e a outra da alfandega
nova ; aa quaes, como era de prever, acabarara
completamente com as toscas earrelilhas, que
mullos baohos flzeram lomar aos que aellas for-
gosamente tinham do desembarcar e embarcar.
Pela manha seguinte, hora conveniente, foi
o commaodante de brigue francez visitado por
diversos officiaea dos navios da outra nagoea e
peloa seu compatriotas que eslavam all mnia
tempo, e depois das (rocas reciprocas dos deve-
res de civilidade, recommendalos pelo ceremo-
nial martimo, em cuja observancia ao mui es-
crupulosos todos os officiaea de marinha, cada
um delles fui cuidar de seus deveres.
Bem,que reinasse a eilagio invernosa, a ma-
nha surgir bonita, e apena ama branda ara-
gem fazia disparar as bandeiras e flmulas dos
navios.
Eduardo, que eslava aaciose por saber a re-
postaque se dara proposta desleal qae fizera,
aproveitou um escaler que ia Ierra com officiaes
de aeu navio, e correu casa de D. Pancho Alli
aoube que ella era aceita, e nao se pode calcular
o prazer que este homem saboreara com a expec-
tativa de poder em breve possuir, como esposa,
sua linda priaa, cujos desden aais e raais avi-
goraran! a pano sensual que por ella lhe fervia
no peito. Elvira, como aempre, recebeu-o fija-
mente, e quando elle chamou-a sua noiva, e al-
ludiu grosseirameote ao sen casamento, duis la-
grimas correram por sobre as faces da joven, que
nao as pode oceultar 1
A' tarde voltou o pratico para bordo, depois de
ter combinado com sao futuro ogro, que a eva-
sio se deveria reafisar aa noite seguinte Elle
sabia que oo derla cootar coa auxilia algam de
'trra; que at seris perigoso empregar barcos do
pai; porque patrio e trtpolantes o atnigoa-
riam.
O aleo recurso que lhe restara era empregar
a lantha do brigue barca, que eoetumara pernot-
as cousas; arda as
ns se rtautot perdid
ssBkf:
liraa ara bornea da
vtea; matereMi*.,
par pensmia>,
f oreada.
HBb domiago,
a a Wbtrai-revologo.
Todo o Jia 10 pMsou-aarem preparativos o e-
|Bcag|MUfeaI>W. uasaaphatdd,iaseguint*
eraia-tfeS^s^a^leade1. O aargetile-mrrOai
Victoriano Maciel leve ordem de marchar, com
toda arforc^ueyneaMrtCunir, para eaiaboU*^
roa que fleam entre Barbalha e Crato, onde se
lhe deveriens reunir Filgaeira e Leaadre Bezer-
ra, a sua pasgagem do silio Graagiro paraali
deixou a villa ea eonsternego e agonas.
Nova depnlagto foi eato dirigida pea gente
do Grato Fiigtsaras, e aua respeaU dubia mo-
Uvou ainlstras appreheaaoec. Os republicanos,
-sea aaherea quea eram eaioiaigoa que tinham
combater, tralaram de armar o maior numero
do paisanos quo pedeesem ; -mas j era auito
tarde. O nome de inimigos do rei, derramn-
dole pelo campo, liona um poder mgico sobre
o espirito embrutecido da populaga ; os amigos
foram tomados de espanto e tremeram : os ad-
versarios encheram-se de fanatismo a respiran-
do vingaoga, e as trabiges principiaran! logo.
Como uma consequencia necessaria da dedicagao
de uos e da fraqueza de outros. A causa oo foi
mais do rei, porm de Deas, porque n'aquelle
tempo ae dizia Oaua e o re, e julgava-se ge-
ralmente que attentar contra um era attentar
contra outro.
No dia 11 de maio principiou muito cedo o
movimeoto das tropas realistas : Leandro Bazar-
es, Joo Lobo de lfacedo e Jos Victoriano ap-
proximaram-ee da villa, ocrupando alguma estra-
das, e perto do meio dia Filgueiras se spreseolou
Com seu squito no Barro-Vermelho : morreu
em frente da villa onde hasleou ama bandeira
eacarnada. O senada republicano, que em alvo-
rago tinha concorrido para o Quadro da aslris,
com lodos o aeu partidistas, eoriou Ferrai co-
mo parlamentario Filgueiras, na idea de po-
d-lo anda demover do proposito qae trazia,
mais a priso de Ferraz, depoia daa invectivas
e laogou Filgueira, icabou de convenc-lo
e que ludo devia temer da parte deate hornea.
No eotanto o povo desertara da villa e reuoia-se
Filgueiras to agodadaaeule, que, quando eate
entendeu dever proseguir a sua marcha, Alencar
e seus adberentes eslavam completamente sos,
nao libaos aumero aequr para um piquete I
Assim foi qua os realistas penetram villa, sem
experimentaren! a monor resistencia da parte dos
revoltosos, Alencar foi o nico, que armado de
uma faca, pretenden resistir ao juiz ordinario ata-
noel Joaquim Telles; mas, desarmado e preso,
foi recolhido priso coa seu dous irmaos Tris-
tao e padre Carlos; que se acbavam com elle,
nesse momento, em freale da cadeia, como que
prevendo a sorte, que oa aguardara. Todoa os
mais compromettidos tinham se posto em fogs.
Filgueiras, Leandro Bezerra, e Manoel Joaquim
Telles flzeram convocar a antiga cmara, e unidos
eata corporago, que era, naquelles lempos, o
supremo poder das localidades, decretsram um
sequeitro aos bena de todo os compromettidos,
appreenderam lodos oa seus pspeis, e decidiram,
se eipedisse um comi Sampaio com arito da
contra revolugo.
Pessoa, que nos merece ioteiro crdito e tem
razo de sabe-lo, nos Informa, que Filgueiras fi-
zera seguir o conductor da mensagem qoecom a
cmara revoluciooaria dirigir ao goveroo provi-
sorio de Peroambuco, e que dous individuos in-
cumbidos de o alcaogir, encontrando-o j pe-
quea distancia da praga, matarara-no colhendo
todos os papis, de que era portador; aendo que
s fra depois de le-los queimado que Filgueira
ae sentir alliviado das ioquielagoes, que sof-
fria.
Passa egualmeote por certo, que fazendo mais
do que prometiera, isto assignado uma acta de
adheso quelle goveroo, s cooseolira em ligar-
se a Leandro Bezerra, pela razo de que, as ves-
peras do dia II, aeu prente Joto Tarares Mu-
niz lbe fizera constar que no Paje se ditia ji
ter chado Penedo a forga, ao mando do raare-
cbaj Cogomioho, enviado pelo conde de Arcos em
auxilio da legalidad de Peroambuco. Sejacomo
for, a aua lealdade & monarchia foi constantemen-
te duvidosa por seus correligionarios.
A mesma ordem de cousas se linhs estabelecido
no Jardn), onde o juiz ordioariu Leonel Pereira
de Alencar, com sssistencia de Alebrar e outros
influentes do Crato, desde o dia 5 de maio,.tinha
feilo recouhocer o goveroo provisudu un Peraau-
buCO, asteando baoder* republicana.
Mas ahi a revolugo se fez aumente por este
acto de pouco alcance, e lodo entrou oa ordem,
apenas coostou a contra-revolugio do Crato. Na
occasiio em que Alencar dictara a acta da adhe-
so repblica, principiando Aooo ds liberda-
de e do nascimento deNosso Senhor Jess Chris-
to ; o rigario Antonio Manoel, que o desejava
mortificar, acodiu relorquiodo-lhe :JessChris-
to, quando oasceu j era livre.
Apezar de ter sido to fcil o Iriumpho dos rea-
listas, e nenhum conflicto se ter dado, que irri-
ta-se os nimos, seu ardor em perseguir os revo-
lucionarios nio tere limites, e a contia-revolu-
go foi tomada na altura de urna rictoria.
populsgio aieerejel.que ae
ai, para insultar a sua des-
Aqui priocjpiaram para os revoltosos longos
das de afflicgoes e crois padecimentot, com que
cada qual procurara torna-loa, para ae fazer re-
commendavel s gragss do governo. Ateocar e
seus dous irmaos foram entregues ao capito de
ordeoaogas Joaquim Piulo Madeira, que oa foi
entregar oo Ico ao capito-mr Jos Bernardes
Nogueira, porUagues, ooja autoiidade e celebri-
sou por uma serie ioQoita de anedotas da mais
bizarra tyrannia. Sua marcha era precedida de
arautoa, que derraaavam pelas estradas boatos
aterradores, e faziam alarme de todas as partes,
espalhaodo que torgas numerosas parbam daqui
e d'alli afim de toma-loa em camioho.
Todava foi o curto periodo desta virgen uma
especie de iregoa seus soffrimeoios. Entregues
no Ic ao portuguez Manoel da Cuaba Freir Pe-
droaa, aeguiram para o Aracaly, victisaaa a cada
passo daa sevicias, mo trato e molejos de teus
Fortaleza, Sampaio aprou-
lr a Alencar o terrivel castigo
fada e hmida priso oos
laleza, por sobre a qual ae
como que par tortera-lo, e
' uro par de grilhes ao ps.
-jigo, baixo emsuaa viogan-
, mas cruel e insolentd, tea tragar aos presos
r*,j!v"D,,&utl,"l qUB J* pggerloaua lyran-
ma, em que com tudo conseguase humilhar a
suas victima.
Tristao obfaludo oppoz a aeu deafotiemo uma
Paciencia e cdrpgem, que o ajicheu'de coofuto.
Bate homem, que estara reservado a to impor-
tantes papis a sceoa politice; desde eato se fez
aanuociar por ama coragem e altivez, que loca-
ran ao herosmo.
D. Barbara e o rigario Saldanha tio har-te re-
fugiado jm fazenda Sipdo Rio do Peixe, Ahi, dea
eacoadrljaa, que lomaras, oa foi arranear Ma-
noel Francisco de. Mondonga, a quem em outro
leapo tioham protegido, por occario de um cri-
me, que commettra no Ico, d'onde viera fora-
glda
D. Barbara ptz-se-lhe aos pea, com uaa ima-
gen de Christo as mos ; mas nio cooseauiu
resfriar seu telo pela causa realista. Presos, foram
cooduzdos d'ahi mesmo para o Ico, e Mendooca
os foi apreaentar Sampaio, quo tere anda bilis
P"a derramar sobre esses iofelizes.
Frei Pesaos, depois do desastre do dia 11, 11-
nba e bomiziado na freguezla do Ex. deafatca-
do em traje de mulher, com a cabega envolvida,
e sobre um leito, flogido-se enerm. Foi des-
coberto por Francisco Lepes, facinoroso, que o
procurara prender, para ogrsr o perdo d seus
enmes, premio que lhe hara sido promettido.
Aps estes, foram presos Ignacio Tarares de
Benendes, Jos Carlos da Silva Ssldaoha e Bar-
tholomeu Alves de Quintal, e o preto mejor Je-
rnimo, oa quaes chegaram i fortaleza pouco de-
pois de Alencar.
Nao obstante a jornada decisiva do dia 11, Sam-
?aix [,.,e&air Dara o Crato o coronel Alexaodre
Jos Leite de Chaves e Mello, com uma numerosa
expedigao.
Ao approximar-ae esta orca, o Crato tremeu :
todos se jutgavam expostos s desconfiangas do
sombro goreroador. Realistas e republicanos
procuravam dar proras de sus dedicagao causa
do re ; o proprio Leandro Bezerra solicitara t-
lestados em favor de seu fllho Gongalo ; o padre
Martina pedia camar abonasse sua conducta.
Foi oeste estado de (error, qae a cmara se
reuoiu e impoz ao povo uma contribuigio para a
manutengo da tropa enviada, e fez expedir uma
torga para o Rio do Pete, em procura dos parti-
darios do padre Luii Jos, a quem se dizia em
armas. Homens, que tinham tomado o maior in-
teresse pela causa da repblica, marchavam ; p-
renles de Alencar vinham cmara aubscrever
em beneficio do exercito realista I
O coronel Leite relrocedeu de sus marcha so-
bre o Crato e, unido expedigao, que daqui li-
nhs partido, riiilou os sertes do Rio do Peixe,
sem nada aprovenar a realesa, que na rerdade
nenhum perig correr. Depois de seu passeio
militar entrou ao Cariri. Mas cobo era avaro de
obediencia e aubmiaao o goveroador Sampaio I
Aps tapias proras de monarchismo, rauitos dos
expedicionarios foram oreaos sua rolla do Rio do
Pene, entre estes o portuguez Francisco Pereira
Mala Ouimares, a qual foi reraettido para a ca-
pital com Cardoso, Manoel Domiogues de Andra-
i A'e"dro Raimundo Bezerra, Fradwsco Car-
los de Reseade e o ferreiro Antonio de Hollanda,
que tinham sido prezos em diversos lugares.
t> governador tioha extendido sua rede at o
ic onde colheu todos quantos lhe eram desaf-
lectos. Foi preso o vigario Domingos da Molla
Texeira, o qual estere na fortaleza quasi um an-
uo, cea ordem de fallar ao goveroador das 9ho-
ras do dia at s 2 da tarde, e voltou eo Ico sem
ser reeebido, nao obstante ser irrno do famoso
Bernardo Texeira presidente da algada de Per-
nambuco ; o juis ordioario Francisco Correia Mol-
i t .Barnardo Ouarte Braodo ; seu padrasto
Jos fcente Brano ; e o major Manoel do Es-
pirito Santo ds Paz, homens estes que nenhuma
parte tinham tomado aa revolta, e que outriam
sentimeotos que nao tireram occasio do mani-
fealar. Foi atroz o procedimento das autorida-
des de Ico com o major Espirito-Santo. Este ho-
mem tiaha ido lerar sepultura uma filha e rol-
lara com os coorldados, quando ao chegar sua
caa, um dellea o alferea Firmioo, commaodan-
ta do destacamenlo, lhe deu a roz de prisao.
BrandB,^!,o'l-*^a,,ei'' qn0o na familia aoffria
sentado grade do seu calabougo ao iulerro de
uma eulra filha. E qual era o crime deates ho-
mens ?
Na capital Saapaio fez prender e remoller pa-
ra Lisboa outros inimigos, entre os quaea o illus-
tre ouridor Carvalho, e Miranda Gomes da Silva,
o primeiro por ter relagea de amiaade com Do-
mingos Jos Martlns e outros simplesmente por
ser peroambucano.
Todos os prezos remettidos do Crato foram pas-
sadoa do carceres da fortaleaa para o Si Baha ;
a Providencia porm, que vellava pela vida dos
compromettidos, fe los chegar Baha, ji quan-
do um tribunal revolucionario, com ausencia de
(odas as formulas, tinba feilo sabir all e em Per-
oambuco, tantas cabegas itlustres, e oesta ulti-
ma cidade a famosa algada sob a presidencia de
Bernardo Texeira proceda a devassa geral da re-
bellio. Neste precesso, que durou quasi dous
aonos em Peroambuco, ae conhecia de todas as
oceurrencias dadas, oo s oesta, como as de-
ntis capitaoia, devendo porem a eeateoga, aer
dada oa Babia.
No Crato foi contiada a ayadicancia a Maooei
Jos de Albuquerque, juiz de fra do Aracaly,
para isto expressameote delegado pelo goveroa-
dor Sampaio.
Um conflicto suscitado pelo orgulho de Luiz
do Reg, que se despenara pela priso de alguos
individuos, tioha posto sob aua proleco, e aos
quaes Bernardo Texeira nao quiz poupar, trouxe
em resultado uma ordem, que a corte do Rio de
Janeiro fez expedir para o encerramento do pro-
cesso no estado, em que estireese. Em conse-
quencia muitos individuos, dos quo existan aas
pristas, de Parca*.uo. liaotftV tiaf^psa, fo-
ram olios, teguiodo os outro, com o tribunal.
para a Baha. Deefe algam leapo, sorte do
preso principio tratado ietn a a rigor brutal,
tinha aelhorado coosideravelmente, pela honda-
da de ooode da Palma, que hara substituido o
'sanguinario conde rArcos no governo da capi-
tana*.
D. Baroars, depois de crueis mos-trstos na
prisoee da Bahia, tinha um* re? srdo transpor-
tada aos careeres de Pernambaco, e'dsM volls-
ra i aas das fortalezas da Baha, onde se encon-
trara com sens fllho: e prenles, felizmente ia
alguma coma ailivindos pelos cuidados do bom
e sensato goveroador.
A algada pareca querer eieroiaar. o aeu officio,
continuando a proce.ler .com uma lentidio toda
calculada, quando um acootecimento, que esta-
ra muito fra da previsio dos paeieotes, relo,
era um momento, quebrar-lhes os ferros.
Desde o dia 21 de ngosto de 1898. alguna pa-
triota portuguezes, iogadores d illusire Gomes
Freir sacrificado ao orgulho britnico, tinham
ojiado o grito de liberdade na cidade do Porto,
grito eate que foi repetido em todo Portugal, can-
gado jada influencia satranseira, e desacorogoa-
do com a inercia de D. Joo VI. A revolugo
ganbando a cidade de Lisboa no dia 15 de aetem-
bru foi alli orgaoisado um governo provisorio, o
qual tratou de fazer abragar a ravuluco pelas
provincias do Brasil. A Bshia, onde havia gran-
de nomero de soldado porlugueze, mandado
vir par soffocar a rsbellio de Peroambuco, foi
a primeira a esposar a eauaa da metropole. crean-
do lambem una junta provisoria, que aasumo o
governo ds capitana no dia 10 de ferereiro de
Bernardo Texeira, recejando que suas victimas
ossero postas ea liberdade, parti furtivamente
para o Rio de Janeiro, e deu assim lugar a que
junta goveroativa submellesse o fsraozo processo
ao conhecimento do tribunal da reiaco, que o
houve por nullo, expediodo mandado de aoltura
para todos oa compromettidos, com a exeepgo
somante de Jos Mariano e Pedroso. Bate ex-
pediente talvez nio livesse sido adoptado, si Ber-
nardo Texeira tires presistido, pois como ficou
provado o partido, que oa Baha prgate a li-
berdade, so difteria do que em, Peroambuco, a
perseguir, pelo tacto de contar em suas flleires
algooa brasileiros bem intencionados qas ae dei-
xaram Iludir da prometsss fsllazes doa pa-
triotas porluguezes. Portugal careeia de um
echo no Brasil e do concurso de seus naturaes ;
mas nao pretenda compartilhar a liberdade com
aquelles, que reputara seus colonos.
Em quanto gemiam longe as victimas impru-
dente do movimento de 3 de maio, Sampaio nao
jdeixsva de pesar horrivelmente sobre o Crato.
Em outubro de 1818 enviou uma expedigao de
1 Ia linha ao Cariri, sob o mando doSargeoto-mor
Francisco Ferreira da Souza, vulgo Descampioa-
do, ao que dizia para cooter os aspiritos qae se
agitarem ao aentido das ideas de 1817, e este of-
Qcial tal oppressao exerceu, que de uma leva
enviou ao ajudanie Manoel Antonio Dioiz, com-
maodante do deatacaioenlo do Ico, 28 individuo
do Cralo e Jardia, o quaea foram recolhido
cadeia daquella villa, ea outubro de 1820.
Sampaio deixou a governo do Cear no dia 12
de Janeiro de 1820, sendo substituido por uma
junta composla do ouvidor Adriano Jos Leal,
Joaquim'Lopes de Abreu e Francisco Xavier
Torres.
O Crato havia sido erocto em cabega de uma
nova comarca pelo decreto de 17 de junho de
1817, e no dia de 17 de dezembro entrou no exer-
cicio o seu primeiro ouvidor o detembargador
Jos Raimundo do Pago de Porbem Barbosa. Poi
a este magislra jo, incumbido talvez de exercer
uma acgo coercitiva sobre os espiritos, que esla-
va reservado tirar o Grato de sua apathia e alear
coragem abatida dos innovadores langando-se el-
le mesmo oaa reformas polticas.
Em quanto jaziam nos calabougos da Baha as
victimas polticas de 1817, eslava o Cariri eotre-
gue direcgo de Poibem, Filgueiras e Leandro
Bezerra. A estes se veio sssocar o argento-mr
Descampioado, official supinamente ignorante e
iofatua'do, que muito tempo commandou o des-
tacamento de 1* lioha. Este militar, cujo zelo
pela causs publica apparecia sob ama forma toda
estranha, crendo talvez que havia o maior pengo
para aa iostliuices colootaes, na ignorancia, em
que reputara a populsgo, quanto a aeua deveres
religiosos : tomou a si a taris decathequista, e,
em dia designados, mandara vir grande numero
de pessoas rusticas, s quem fazia suas preleeges
em carcter offlcial.
Estas suas ligos nio eram isentas da severida-
d* lias tela da guerra. ,, laaaeami>iiil faii
multas vezes acompanhar de horriveis impreca-
goes e ameagas, concitando a maior animadrer-
83o da parte do poro.
Porbem, com suas preteoges a grande seahor,
linha algumas qualidades generosas, que tempe-
raram aua allirez: Filgueiras era um homem
difficil de mover-se, os dous ltimos por si nada
podiam fazer.
O Jardim, por um espirito de riralidade com o
Crato, je tinha feito ultra-realista, o vigario An-
tonio Manoel estar, sem competencia, arbitro
deseas destinos.
Foi nests situacio que a questao de Portugal
reio encontrar o Cariri. Oprojecto de ama cons-
tituigo poltica para Portugal tinha merecido a
aquiescencia de D Joo, forreado que era pela
aituago deaesoerada, em que estara, e pela atti-
tude ameagadra da tropa. Elle assigoou o de-
creto de 7 de marco de 1821, mandando proceder
no Brasil a eleicao da depotados assembla
coostituinte de Lisboa e sanecionoo dest'erte to-
dos os actos do gorerno provisorio. Uma con-
cessio semelhanle, que s a fraqueza podia dic-
tar, encheu de coragem os reformistas, que, co-
mo duvidaudo da sinceridad do re, procuraram
ae assegurar de todas ss vantagens obtilas, fazen-
do mo baixa sobre os governidores das capita-
nas, e tratando de substitu los por juntas provi-
sorias de governo, compostas de pessoas de sua
conOanca. A tropa era por toda a parte o seu
agente mais poderoso, a tropa que era justamen-
te o poder mais formilavel daquelles lempos.
Apenas coostou oa villa ds Fortaleza o pro-
ounciamenlo da Baha e foi conbecido o decreto
vm&z*F
ds 7 de marco, a
toda a parte a |
Portugueses i__
sau eaefc o ssrgeoto-ar Jareis* Dal-aid Ba-
tuta. abio da asa* querais o atgjaaa aa at>
palacio do goveraadar Frai "
faaaea-* aaaear jarar a
porlagueza (14 da abril de 1
amotinados tinham pretendale
governador e a ereacio de ua garerao paro^satV,
mas convieram ea dffferir tata, pata aaaaoa
re houvesse resbMde e exigina, talvez eatsa
uma cnmpeos{WeaataolelBii?aWa raratta,
dobrado sold para si e seu chafe, o qee Ibas tai
accordado pelo senado, reunido ea graude setaia
para deHberar sobre o conflicto.
Robim era um homem tibio e pequeaiaa : asas
soiibe resistir oem resolver-* to que iba lape-
zeram. Tema a tropa, e lea brava-s da aja* *
rei tiaha ido e primeiro a dar o msete da
pactuar com os revolucin!, foi por lale ei-
xando-se coodozir, para onde o quizara suaa
Isr. Commuoicou pmaTj|laa desataviara
so aquiescencia i exigeadas doa refaraiataa,
para o Crato o fez Leandro Bezerra, qee ata en-
tio commandaote geral. Acamara aerea, aa
a 12 de abril tinh reeebido oficios de Reala
chamando o povo i felicidad* e reedeaaaade a
mortnentos de Portugal, aconsrlhado pete
prio Bezerra, vedou-lha a peMicaci t
do juramento prestado pelo governador, e erea-
do-o em cosegio, se deixoa flcsr ea cetelo*
especlativs. Era levar sea aferr is reinas iosti-
(uiges muito alm da medida do gererae. ale
por amor deltas- mas seguramente par Untas*
amor i posigdrs.
A ornara do Crato, conde si da pasee a
por Leandro Bezerra, nb desenvolvido
eoerja ridicula, quando ae Cralo ceeetee e
nunciameoto de 10 de fevereiro aa Baha :
oiu-sa 14 al7 de aereo a deesetoa aa as
m6nto, fazendo aprehender e por i am eiaa._
gao toda plvora existente, ao que dista pata ea-
yiar soccorros ao governador da Balita, ti a Ha
iotuito pedia sdemaiscaasaras a* proviacta, la*
mandassem seu contingentes.
Porbem, liberal a guisa do ees compatriotas,
era partidista da reformas annunciada* a tiaha
suas confidencias com o rareluciaaarta* da For-
taleza. Coostandjo-lha resistencia, qae tarta a
cantara do Crato, parliu do Ico e reie por a* i
freole delta, coao ouridor interino da ce
Em grande sessio do dia 10 de aaie
dan-a de ler vedado a publicagio de i__
7 de margo, fazendo jurar pelo poro as
constituigao da monarchia portuguesa, qae aa
cortea de Lisboa deviam faear. O* tsaiaaiaaaaa
de 1817 nio reputaram garanta baetaalo a asa-
dato e responsabilidad do ouvidor, a, esotra eea
costame, um s nao quiz con correr rraaiaa
desse dia : sua allitude e sileocio tioha anamo
um carcter lio asauslador, qae Porbea aa* ae
reputou seguro.
Descampioado ia sendo, ness occasiio, rictaa
do furor da popalaca, que tiaha centra elte teda
a prevengo, e, por forga de sua cstecheae, lhe
attribuia a iotengao de redzi-la a cspliveiro.
Pretendendo aquieta-la, penelrou a aeltieee a
dizendo-se seu algo, pedio o a brego fraternal ;
mas laes foram os srrochos, qua, s ltale da
abragos, soffreu ds gentalha conjurada pata o
malar, que morrena inevitavelmeate a nao ser
soccorrido. _
Estes e outros molns eram artairaaeole pre-
parado pelos chefe do partid realista : Poro*a
o coraprehendeu perfeitamente, logo qae o acto
foi concluido, montea a cavallo eaa Deacsapi-
oado e deixou o Crato precipitadamente.
Filgueiras, Goncalo Luis T*ll*s a eattea pa-
tentados indigitados como autor** ee taa*a*h*
resistencia, temendo aioda qee de ata sweaeto
podessem formar um juizo eafareraret de eaa
monarchismo, flzeram reunir a cmara s 14 a
lhe impozeram ama petigio ao rei, aa qual ara-
testando-lhe a sua fidelidad*, lhe fazia aa ea pe-
dido bem eslranho, ido e, que aanliresee a asa-
ca n-bia, como forma dogoverae do retado 1
No Jardim, onde o vigario Antonio Meaoel ara
a nica influencia poderos, s cousas aa
ram de um modo bem differea|e. As
foram juradas
hesi-
tar em trra para rollar pela madrugada para
bordo com provisea frescas, visto ser esta a ho-
ra melhor de facer-se este servigo, muito penoso
pela grande distancia em que esto os navios,
que ficam quasi de case alagado.
Mas oo lbe era poasivel lancar mi dalla ttm
permissio do commaodante.
Eduardo era hoaem resoluto, e de uaa ener-
ga ootavel; nao hesitou, pois, ea ir ter com es-
te, que era o capitao-teneote Meodooga, official
severo na disciplina, porm mui generoso, e de
uma extraordinaria oobreza de sentimeotos.
Contou-lhe o que se passava ; oceultaodo to-
dava que, como premio de sua aegio exigir a
paga avultada que sabemos ; s nao lhe foi diffi-
cil obler o consenso do commandaote, e at in-
teressa-lo na empreza. Mas este decleroa que
deixaria elle obrar por ai a, aera parecer ioter-
vir; porque represeoiava alli o se* *er*io,que
prometiera guardar trida neutralidade, pelo que
nao tomara accao nem oletease por nenhum par-
tido, e se satiafazia em pralicar iodistiuclameote
aquillo que um dever de humanidade exigase.
Que por estas considerages nao poda tambem
offerecer ua aiylo seu bordo familia de D.
Pancho ; porm que immediatamente o ia solici-
tar do commandaote do Pandour, que, como bel-
ligeranle, eatava no aeu dtreilo conced-lo.
Os officiaes egualmeote affiaogaracn o aeu coo-
curso ; porque cooheciam Elvira, que tinham
visto algumas vezes na catbedral, e deaejavam i
muito poupar eda interessaole menina o dis-
sabore que a aaeacaram ; assim coao sua fa-
milia.
O commaodante Mondonga d'abi a pouco vol-
tou, tendo alcagado de Morvao oo a a pro-
mesas que quera ; como tambera a seguranga de
que dara ordem ao seus Bacalares araados, que
costumavam todas as ootles rondar osaoooradou-
ros, para eviiar-lhe qualquer sorpresa, qee coad-
juvassem a evaao.
Certo da acquieaceocia de seas superiores, o
pra tico ohamou o patrio da lancha e a respecti-
va guaroigo- os saus interesse, pagaodo-lhe
uaa boa aomraa, e corabioou com atU oaa a
noito seguinte pelas 10 ou 11 horas, quando a
mar esiivesse quasi preaaar, de venan cea) te-
da a cautella affastar-se da prata, e remar para
embocadura do Riachuelo ; arroto que fiea ao sul
da cidade, dentro do qual se refagiam os barcos
deesbotagem, e que fez escolher esta localidade
para sua edificaco, porque aeu* (untadores ti-
nham esperancaa de aprofunda-lo, tprna-lg ea
ua bom porto.
Ede titio dettrto t ponco frequentado eojlao;
porque a oaregagao interior quasi que oo exis-
ta por causa do btoqueio, offerecia grande se-
guranga para o embarque da familia de D. Pan-
cho, qee deveria ahi achar-se, indo de aotemo
paaaar o dia, que era um domingo, em casa de
um prente remoto que ahi tioham, e em que
elles conQavam.
O estraogdro que na larde desse dia saltasse
na Alameda, viss ali reunidas para cima de
quatro mil pessoa de ambos os sexos, passeiao-
do e ouvindo aa pegas de msica que tocaram 3
bandas militares, bem que estraohaase a sfnguls-
ridade do trajar, se voltasse immediatameote para
bordo, em suas impresses de viagem consigna-
ra que nio tinha encontrado povo mais feltz, ho-
mens mais esforgados, seohoras mais formosas.
Entrelanio s escreveria uma verdade, que era a
ultima proposigao.
Eduardo desembarcou coa varios officiaes, que
lhe deviam prestar auxilio, caso fosse preciso,
aodaram todos por meio desta multidao, conver-
sando e divertlndo-se com as pessoas conhecidas
e referindo ellas que iam um passeio ao Ria-
chuelo, para o que tioham a lancha prompta.
Era preciso dissimular deale modo, empregar to-
da esta cautella para nio comprometieren o seo
paiz praticando uma aegao louvavel.
Estando tudo aasim prevenido, 6 bordo e em
Ierra eaperavao om anciedade o momento de-
cisivo jle to ousada tentativa, cujos perigos nin-
guem descoohecta.
D. Pancho e D. Consuelo sobretudo nao po-
diam dominar sua emogo, e nao foi sem aa ex-
traordinario adato que ae aventuraran! i sahir
ccompaohaodo.A pequea distancia Eduardo a
Elvira, que adente seguiam, sem trocar uma pa-
tarra, e pensaodo cada um delles diversamente.
Todss as demais pessoas da familia foram pou-
co a pouco dingindo-se para a praia tilencioss e
deserta, e embarcaram sem nenhum inconve-
niente.
Edaardo e D. Pancho j se felicitaran! do bom
xito que tiveram, quando recoaheceram queso
aproximara um grupo, o qual te diriga appres-
adamente paca a aiti* donde acabara de lar-
gar.
Ede grupo era commandado pelo coronel S,
que mui tarda tirata aviso do qae ae paisa va, e
nnba desesperado, vociferando como um pos-
setso, eaaeacaodo matar todos aquellas qua ti-
vestem parid no rspto da ioraasa doatdla. Ven-
do elle que a lancha tioha largado, apoderou-se
de urna balandra, qae estar acotada i pequea
dlrianeia, e meteo-se perseguir a lancha.
I Hartara ateta 18 harneo timqol araaios
constituigao
'tago.
A 23 de junho de 1821 aoube-se ao Grata, que.
desde e dia 24 de Dril. D. Joao liaba eiaad aa
plagas do Brasil, e foram receida* as ieaUoccdes
que, partindo, deixixa a sau fllho.
Estes acootecimento*, de qae, s*a ceespre-
hender, era testeounha urna populaga arela a
oetumada ao maaaacr* e i rioleocia. liohaa-
Ihe escaldado i trnaaioagio. Ella liaba a asis
torpe seetimento do qne pretendiaa os r ef oris-
tas e soffria de extravagante prrhnnao*. qae
aais e mais estiaulavam sen faoaitaao, a an-
dida que pslsvra cooarituigio ia erraga-t* s
cabanas. O que era alia, ignorara o relge; ansa,
era sua perigoss curiosidad, uos a repetaraas
uma ionoraglo da forma do gorerno aa pr-jeiso
do rei, e portanto urna impiedad, aa altoetado
contra a religiao, segundo a afBaitada qae elles
viim entre Deu e o rd ; oalros rp*taraa-na
urna tentativa contra a liberdade doa peer, qae
diziam se meditara captirar ; o outro* Daalaan-
te a toearao por oaa enlidtde leda corporaa, a
quem attribuiam uaa pervaraidad* de hesrasi-
lar 1 O povo em seu furor a ceetiaea agitacio,
laxando de tapio, de sacrilegos, aseeancea e
indemoniado ao reformistas, reeerara coalra
elle lodaa as calumnias, coa qas oelr'ora oppri-
mir D. Barbara e seu filhes, a quea at eeca-
ra de preteoderem a cor* torea caixo** ee
rusos e bacalhios, para quando livessea retundo
o povo captireiro 1
Neste eatado de perigoaa fermentar* politic*.
nao faltavam pessoas, que, tendo todo a*e*aea-
te sobre esses espiritos inquietos, se aprsziam de
coofirraa-los aa aeua erras graaseirss supersti-
goes. A populaco da erra de S. Pedro e sea
immediagea era, entre lodaa, a aais faaalc* e
pervertida ; lovava aeu zelo pala religue al re-
cetar, que oa habitanlea da villa, iede i matriz,
levassem intengoes de ultrajar as tasajeas de*
tantoa.
{Continuar-u-hm )
de pistola, e fact, bem retolvidos vender caro
a vida, e disputar at a ultima extremidade o
Ibesouro que conduzia m. Mas todos queriam evi-
tar o combate ; porque elle poderia ter fatal
algumaa daa seohoras.
Portanto "-os officiaes, que aceompanharam
Eduardo, estimularan o ardor dos marioheiros
que rmaram, para que o fizessem com lodo o
esforgo.
A lancha voara; porm aasim meamo era im-
possivel fugir balandra, que, tendo largado suas
velas, era impellida com nma grande velocidade
por um vento SO regular, que ento principiara
soprar.
Os perseguidores cada vez ae alentavam maia,
e lhes parecendo que eslavam j ao alcance de
espingarda atiraram alguna tiros, cujas bailas se
perdern) no ar. As btasphemias que elles pro-
feriara eram trazidas sos oovidos dos pobres fu-
gitivos pdo rento, e estes nio podiam cooter
maia o aeu terror, embora fossem animados pelos
seas protectores. Eduardo tere a prudencia de
nao corresponder ao logo, que t serrera par
indicar maia precisamente a posicoque oceupa-
raa, o que nao era fcil distinguir, embora a
pequea diatancla em que'estavam um do outro
pela eacurido da noite.
Quanto esforgo fasia a lancha para fugir, tanto
empregara a balandra para atlingi-la : neste in-
terim receban eata pelo lado de barlarento om
liroteio e reconhaceu que tinba ua novo inimigo
i combater. Era o grande escaler do brigue fran-
cez, que riona fazer uma feliz direrso.
Eduardo e seus companheiros comprehende-
ram logo que eslavam salvos, e hbilmente te
utiliaaram deste accojtecioaSjhto para adiantar a
viagem, e abordar d'ahi A pWco ao brigue Pan-
dour, ao qual D. Pancho e tota a familia foi per-
feitamente reeebido e agasalhado.
Deiembaragados teste deposito, ot repazes nem
quizeram aallar i bordo, e correram em auxilio
do escaler francez ; mas quando chegaram este
o cmbete eslava coocluido, tendo sido apresio-
nada a balandra, mot lo o coronel S, quo aada
pagou como devia os tieua nefandos Crimea e mais
qualro dos seus comp mheiros.
Apenas dous marlolieiros franceses flearam le-
vemente feridos em um brego; mis assim mes-
mo o petar de Elvira, e de tea tema mi com-
ino va. i quem obtarrira sua maoitejUglo.
Ella nao .se podia eiquecer de qu era a causa,
aioda que indirecta, e* infelicidad* dettas ho-
rneo, e prtante ta afliga profundado, e por
ten godo oto abandonada a cabeceira delles,
, Porm o naetUcQ de bordo axtaUwu as ftridsi,
e procurou tranquiliza-las, sosegara ato-1 hes qae
nada valiam.
De Morvao, por saa parte, as edergarataa
eslmar a doocda; maa nunca se ecatie
acanhado do que eolio ieato de eaa ata
E' que a belleza de Elvira a offaaaars : asas
olho lhe fizersa urna imprcsao dagatar qee
elle nunca experimaatara; aaa res lhe parecen
uma harmona divina que e encantara.
Eli* comprehendeu logo que uaa groada re-
volugo moral acaba va de reaaar se oa d; qee
fioalmeat* chara a ideal d* aeu pensaaeata, ee
sonhos de su imaginsgio.
Elvira tambem nao pode acarar de Morras*
sem emogao ; porque ella era aa hoaea real-
mente sympatbico.
Estas duaa creaturaa aproximando-** pala pri-
meira vez uma da outra a tao mttaerdtaaiaa
circumataocias, conaprehaaderaa qa* aa* po-
diam viver aais separadaa ; que uaa en ****-
sari a outra, qu* a Providencia, ee pare ave-
Ihor dizer, o cu as tinha (dato pare ligar-.
E' intil accreacentar qae nea aa oca eatro
poderam dormir lodo o resto da neita; peide
nos aconleeimentoa que oa poserasa esa teleeie,
e naa contaqaeaciss qae tarsa aa ta exta-
lencla.
Para arredar toda e qualquer aaaeetta ia sssri-
oha bradldra, Edaardo roltoa para tem iaaaae-
diatameoie, e foi doair no betel rtale e cisca
de maloalegre e satisfeito da boa direoce qae
leravam oa seus projectos.
Quo long* edara elle de pensar qae aesaa ae-
ra se ergus o maior obstculo 4 r*elis*g*e dal-
les I Que o coragio da virtuosa joven acabara da
brir-e oa taor ianoeeeta, coa* da ; viajta
de desabrochar para eata sealisaeote iaadUrrl
infinito, que e poder de todas aa ae**** '
dades, e oo d na energa embriegaex i
nhecid al ento I
Ella que tmida, resignad consaoiira aa tas-
pera no sacrificio de sua HMrdad*: agen Tatas
trsv em ai uma torga de iintsiaJLta roa as*
poderia domar.
A aitagao. poi, compile*-**, qaiadee aet-
f aratiee a seppunha fscHitar se.
Nunca elle eateve aaata kwaj* de sor o Mil ea-
poto de Elvin.
E.A..
(Ctvttuumr .,
RzlN. TYP. Wt U. P J PAULA & nUaa\ I8C1.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EI87MJ0AE_H6Y2OZ INGEST_TIME 2013-04-30T21:17:33Z PACKAGE AA00011611_09410
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES