Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09405


This item is only available as the following downloads:


Full Text
lili XXIW IIUM 286
FEII1 5 IIIOTI1IRO MIIII
ENCARREiADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, 8r. Antonio Alexandrino de Li-
ras ; Ittut. o Sr. Antonio Marques da Silva;
Araealy, o Sr. A. de Lemoj Braga; Cear o Sr.
I- Jos da. Olirra; Mr*hio, o Sr. Manoel
Jos Mirtina Ribeiro Guimaraes; Par, Justino
J. Ramos; Amazonas, o Sr. Jerooymo da Costa.
Olinda todo os das 9j horas do dia.
Iguirisi, Goianna, e Parahyba au segundas
sextie-feiras.
S. Antao, Bezerros, Bonito, Caruir, Altinho
e Garaohons as tercas-feiras.
Pi d'Albo, Nazarelb. Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, logazeira, Fise, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Ex oas quai Us-feiras.
Cabo.Sehhaem, Rio Formoso, Una.Barreiros
Agua Prela, Pimeolelras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios parteo, as 10 horas da manhaa]
ren-
EPHBMERIDES DO MEZ DE NOVEMttRO.
2 Laa ora a t hora 44 niatos da Urde.
9 Quarto erescent as8 horas e 25 mnate da
manhaa.
KLua hala as 10 horas e 47 niatos da man.
Quarto minguantt aa 8 horas 47 miau los da
manhaa;
PREAMAR DE UOJE.
Primelro aa 6 horas e 54 minutos da maoha.
Segando as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PMTE OFFtCUL.
Ministerio do Imperio,
scelo.Ro de Janeiro.Vioisterio dome-
Socios do imperio, em 16 de oulubro de 1861.
.lm. Exm. Sr.Em soltlo aos diverso as-
aumptos de que tratam os oflkioa desaa directo-
ra de 6 e 9 de agosto prximo pasaado, a re-
reseotacao de alguna lentes dessa facudade, de
a do mesmo moz, cumpre-me declarar a V. Exc.:
1\ qne da disposicao de art. 252 do regulemen-
to complementar dos estatutos*gentes das (a -
culdades de direito do imperio, deriva-se o direi-
to que tinha a coogregacao de pedir communica-
cao das faltas anteriores do secretario, bibliote-
cario, bedeis e continuos ; mas oao para o ef-
fsito de censurar oa corrigir os actos do director,
que do nenhum modo Ibe subordinado ; -2*,
quana forma do Io do art. 12 dos referidos es-
tatutos, ae mesmo director compete julgarda ne-
cessidade da convoclo da coogregacao extraor-
dinaria requiitads por qualquer lente, coovndo
1ue n<> caso de nao atteoder s essa requisigo,
de coohecimento Jos motivos do sea procedimen-
to a esto ministerio, a cuja immediata inspecro
esli sujeitos os actos do director, na forma do
art. 14 dos meamos estatutos. Quanto aos pro-
fesores das aulas preparatorias que leccionam
particularmente, retiro-rae ao riso expedido em
30 de agosto ultimo i directora dessa facudade.
Deus guarde a V. ExcJos Ildefonso de Souta
atamos.Sr. director da facudade de direito do
Recife.
4* seccao.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 16 de oulubro de 1861.
IUm. e Exm. Sr.Com offlcio de 7 de agosto pr-
ximo passado a directora dessa facudade reroet-
tou a representar do Dr. Joo Jos Ferreira'de
Agaiar, lente da mesma facudade, em que re-
quer que so submetta ao conhecimento do gover-
no se a congregado bem procedau decidindo que,
apezar de baver o candidato Jos Joaquim de
Campos apresentado auas theses trinta e cinco
das depois que lhe foram entregues para a im-
pressao, sem qne lhe houvesse marcado prazo
para a aprsentelo, podiam ser aceitas pela con-
gregario, e admitiido o mesmo candidato de-
fesa dallas, contra os precedentes at agora ob
serrados, conforme os quaes o maior prazo mar-
cado para a impressao lem sido de quiote dias.
Em_ resposta, cumpre-me declarar a V. Exc.
que nao teodo_ a congregado marcado prazo pa-
ra a impressao das theses, como lhe cumpria,
em Tirtude do disposlo no aviso de 26 de feve-
reirodel858, nao pode esta saa commissao pre-
judicar ao candidato, cujis theses foram admitti-
das e defendidas por consenlimento da mesma
congregado. E outrosim que, para evitar se-
melhsntes duvidas, concern que a congregado
marque um prazo para a impressao e aprsente-
lo das theses, o qual devera aerrir em todos os
casos.
Deus guarde a V. Etc.Jos Ildefonso de Sou-
za Ramos.Sr. director da facudade de direito
do -Recife.
"* scelo.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 16 de oulubro de 18fil__
IUm. e Exm. Sr.Accuso a recepQao do offlcio
dessa directora de 9 de agosto prximo passado,
que acompanhou a nova tabella da distribuidlo
das .horas em que devera ter lugar as aulas, or-
ganisada de conformidade com o disposlo no avi-
so de 19 de agosto de 1839.
Deus guarde a V. ExcJos Ildefonso de Sou-
za Ramos.Sr. director da facudade de direito
do Recife.
culdades de direito do imperio applicavel sos
Untes da facudade, o se a tasa diaposifao estl
sujeilo olete que serr interinamente de direc-
tor. Em resposta tenho de declarar a V. Exc.
que o referido artigo nao comprehende seno os
empregados de quo trata o art. 251.
Deus guaide a V. ExcJos Ildefonso de Sou-
za Ramos.Sr. director da facudade do direito
do Recife.
DAS DA SEMANA.
4, Segunda. S. Carlos Bonomeo cardiil.
Terca. S. Zacaras e S. Isabel pees de S. J. B-
,Mattt, 8. SsvorO b. ; S. Athico b.
Qoint. S. Florencio b. ; S. Tesialoojca m.
r Sexta. S. Saveriano e seuscomp. mm.
tfiabbado. S.Taeodore n.; S. Orestes m.
10 Domingo. O patrimonio da N. Seohora.
I----i____=___________________
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas qaintas.
Relccio: tercas, qnintes e sibbtdosaslO horas,
Fazenda : tercas, quiotas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quartas so meio dia.
Dito de orphioa : tercas sextas as tO horas,
rrimeira rara do civil: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda Tara do cirel: quarlal e sabbados a 1
hora da tarde.
ENCARREGADOS DA SUISC1IPCAO DO BUL.
Aliadas, o Sr. C'audino FaUao Dias; Babia
o Sr. Jos M.rtin. Alvo.; Rio do Jta^.TS
Jlo Perslra Martin.
EM PERNAMBUCO.
Os propietarios do biabio Maaoel Fig oairea do
Paria & Filho, oa sos linaria preca da Iadrpen-
dencia ni. 6 e 8.
confirmada a deliberado da presidencia, de ap- tr aoefrorgiio contratado e em tarrico do corpo
provara eleicio de rereadores e juizes de Oez da aode nesta prorinpia Dr. Francisco Jacio-
parochia de Nossa Senhora da Coocaicio de Bre- '
jo, risto que as argoiges que lhe sao feitas no
sao Isufficientes para determinar a sos nulli-
dade.
4* sec{io.Rio de Jineiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 16 de oulubro de 1861.
IUm. e Exm. Sr.Em resposta ao offlcio dessa
directora de 19 de agosto ultimo, sobre distur-
bios heridos entre os estudsntes nos dias 10 o 15
de julho prximo pasaado, e sobre o desacato
f^iio ao director interino pelo estudante Noguei-
ra Accioli, commuoico a V. Exc. que o governo
imperial aguarda a declso que sobre os citados
asgumptos der a congregarlo da facudade. e que
a directora ficou de transmittir ao mesmo go-
verno.
Dei guarde a V. Exc.-Jos Ildefonso de Sou-
sa Ramos.Sr. director da facudade de direito
do Recife.
4 secQao.Rio de Janeiro.Ministerio dos
negocios do imperio, em 16 de outubro de 1861.
IUm. e Exm. Sr.Em offlcio de 20 de agosto
prximo psssado communcou a directora dessa
facudade que, tendo sido convocada a coogrega-
cio para tratar das fallas dos empregados, de
conformidade como art. 16dos estatutos vigen-
tes, quasi todos os lentes recosarim-se a tratar
deise objeclo, pela raso de achar-se Ungida em
papel separado, e nao no livro respectivo, a acli
da sesso precedente. Em resposta declaro a V.
Exc. que, achaodo-se estabelecida por diversos
precedentes, segundo ioformou essa directora, a
pratica de nao ser laogada no livro competente a
acta da congregarlo anterior sen&o depois de ap. 7* secco. Aos presidentes
provada, ssmpre quejnella se contnham mate- para recommendarem s tbeaourariaa de fazendas
as importantes, nao era procedente a razo que oos orcamentos que enviarem para o exerci-
allegada pelos Untes para recusarem-se a tratar ci de 1863 a 1864, exigidos em circular de 4 do
do objecto para que haviam sido convocados, em- correte mez, tenham em vista a maior economa
oors o fosse para reciamarem contra a contonacao possival, restriogindo-se s verbas absolutamente
Cao da pratica referida, que nao sendo conforme necessarias para occorrer ao servico publico, e
a disposicao do art. 171 do regula ment comple- bem assim facam acompanhar os mesmos orca-
mentar dos estatutos, V. Exc. far cessar, dando mentos de todas as explicagdes e desenvolviesen-
providencias para que seja transcripla no livro tos que justifiquen) a neceBsidade da despeza.__
competente a acta da coogregacao anteriorquan- 'No mesmo sentido s reparlices sugeitas a este
do houver do ser submetlida a spprovacio na ses- ministerio.1
sao seguinte.
Deus guarde a V. ExcJos Ildefonso de Sou-
za Ramos.Sr. director da facudade direito do
Recife.
"*" anmt pro
>ilva,CoolUo, que para poder elle continuar
r no eserHo cootm que requeira a sua
referido corpo. como declarou o Exm.
Sr, ministro da guerra em aviso de 8 do cor-
rente.
or d Ihesouraria a IV.B: pardsen eonhqcimen-
asTsaaass^k ohh Sbbv1 ^h^wt oaiis oh t\ s7 # ovib ^2 ai
do pelo bacharet Antonio Herculano de SoTa fralnTeircrdMusUca declara que solicitou do'mi-
KinrlQira Ansas* fin AllnnXnr^l .J..a.a_^_i__. ^:_>__* *. .. *.
Ao director da facudade de direito do Re
cite, para informar a razio que houve para se
adoptar como preparatorio da meeoaa faculdkda
o compendio de philosophia de Charma. kaduii
H
Bandeira, quando elle nao fol adoptado peto go-
veroo para a instruccio secundaria, como pre-
ciso em vista do disposto no art. 7. do regula-
meoto de 4 de maio de 1856.
- 11
Ao presidente da provincia da Parahiba, de-
clarando que nesta data se solicita do minis-
terio da marinha a expedigao das ordens neces-
sirias para que, quando S. Exc. tiver de fazer-ae
transportar por agua para objecto de servirlo pu-
blico, sejaa-lhe prestados os melos necessarios
pels capitana do porto, flcando d'ora em diaote
supprimida a despeza com a galeota da presiden-
cia.No mesmo sentido aos presidentes dss pro-
vincias martimas em que se fazem taes deepe-
zas, e officiou-se ao ministerio da marinha para
a expedi$ao das ordens.
|2 -
3* secQao.Ao presidente da provincia do Rio
Grande do Norte, commaaicaudo que de confor-
midade com. a consulta da secgao de negocios do
imperio do conselho de estado de 13 de agosto
ultimo, foi confirmado o acto pelo qual S Ex,
approvou a aova eieicio de Toreadores e juizes
de paz feita na parochia de Nossa Senhora da
AssumpQo da cidade do Natal, por nao serem
procedentes algumas das arguicdes feitas dita
eleicSo, e outras nao estarem provadas.
msterio da fazenda e expedido de ordens para o
pagamento da graiiQcagao mensal de 30J000 mar-
cada ao capitao secretario goral do commando
superior da guarda nacional deste municipio Fir-
mino Jos de Oliveir*.Gommaoicou-se ao com-
mandante superior interino do Recife.
Dito ao mesmo.De conformidade com o dis-
posto nos avisos circulares da repartirlo do im-
perio de 4 o 12 do correle,faga V. S. apromptar
e remella oppsrtanamente de modo que fossa
all ser recebido ni mesms repartiese at o ulti-
mo de Janeiro vindooro o oroameoto da despeza
geral que aa lem de fazer avala provincia por
conta daquelle ministerio no exereicio de 1863 a
1864, tendo V. S. em vista o que se recommeoda
nos citados avisos de que lhe remetto copia.
Dito ao da provincial.Para cumprimealo do
exposto no aviso da repartido da agricultura,
commercio o obras publicas, de 9 do correte,
sirva-se V. S. de informar com a maior bravida-
de possive, qual a importancia das qusntias pa-
gas por essa ihesouraria por conta dos juros ga-
rantidos a estrada de ferro, e a quem tem sido
entregues taes sommas.
Dito ao mesmo.Estando nos termos legaes as
inclusasconUs, mande V. S. pagara Florismuo-
rioo, mande Vmc com urgencia substituir por
oulra a trave mestra. que sustenta o patamar da
primeira oseada do raio do norte da casa deten-
S*o, que se acha ioutilisada pelo coplm.
Dito ao engenheiro fiscal.Coovm que Vmc.
nf orme circunstanciadamente acerca do que ex-
poe o Exm. Sr. ministro de agricultura, commer-
cio obras publicas, no incluso por copia datado
de 23 do correte mez, habttitando-me ao mes-
odo tempo com os precisos dados e esclarecimen-
tos a satlsfazer quinto nella se exige.
Dito ao administrador do correio.Communico
i Vmc. para seu coohecimento e direccSo que,
segundo consta de participado da secretaria de
estado dos negocios da agricultura, commercio e
obras publicas, datado de 14 do correte, foram
nomeados por portara da mesma data Miguel
Archanjo Pimentel e Jos Martn da Cruz Juuor
o primeiro para o lugar de agaote do correio da
villa da Etcada, ltimamente creada, e com o ven-
cime-ito de 50 /0 do rendimento da agencia,
sendo -lho fizado a gratifica;ao de 120g para lhe
ser preenchida no caso, em que pela porcenta-
gem nao prefaga esta quantia, e o segundo para
o lugar de ajotante da mesma agencia, com o
vencimento do agente, quando o substituir em
suas faltas, ou impedimentos.Communicou-se
a Ihesouraria do fazenda.
Dito aos agentes da compaohia de seguros Se-
guridade do Rio de Janeiro nesta capital.Exi-
giodo o Exm. ministro da agricultura, commer-
cio e obras publicas em aviso de 9 do correte,
que lhe sejam remettidos os balances das opera-
Qoes effectusdas por essa agencia nos mezes de
dezembro de 1860, marco e abril do corrente an-
no, os quaes form devolvidos Vmcs. com os
meus offlcios de 3 de junho e 16 de julho ulti-
n"?"te.liLHl,, cofo.rn,4e 1u;^ou cnefej,e I n"". n* de serem organisados de conformidade
com o modelo
15 -
3* seccao.Ao presidente da provincia do Rio
Grande do Norte, commanicando que sao sub-
mettidos ao conhecimento da assemblea geral le-
gislativa algumas leis proviocises promulgadas
j seceso.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne- no anno passado, por serem exhorbitaotes das
polica interino em offlcio dehontem, sob n. 1083,
a quanlia de 1099600 despendida com o susten-
das provideias, lo dos presos pobres da cadeia da villa da Etcada,
oos mezes de julho a setembro deste anno.
Dito ao mesmo Annoindo ao que me requi-
sitnu o director geral da instruccio publica em
offlcio de 29 do corrente. sob n. 335, recommendo
V. S. que mande entregar a directora do colle-
gio das orphias a quaotia de 106>000 para occorer
as desperas daquelle estabelecimento no mez de
aovembro prximo vindouro como se v da in-
clusa letra, aasignada pela mesma directora.
Communicou-oe ao director geral da instruccio
publica.
Dito ao mesmo.Devolvo V. S. as propostss
qeo vieram anoexas ao seu offlsio de 25 do cor-
rente, sob n. 521 relativo ao foroecknento de fa-
zenda e mais objeclos precisos para uso do col-
legio das orphias, afim de que mande
pdr nova-
lfi,dS.rPlr' SI P'*?*!**?" oel851-r-! ""ribwos CMfa^ ^ou,raria0Mo0icia0l!-Bep^^
ium. e exm. sr.sobre as leis dessa provincia, e ordenando que informe se o comnromisso da minar
4" seccao.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 16 de outubro de 1861.
Illm. e Exm. Sr.Em soIuqo ao offlcio do leo-
te desaa facudade, Dr. Joo Jos Ferreira de
Aguiar, de 16 de agosto prximo passado, decla-
ro a V. Exc. que o director deve mandar passar
certidio, quando lhe for requerida, de quaesquer
actos constantes dos livros e documentos da se-
cretarla, urna vez que nao sejam dos que por sua
natureza ou pelas disposices dos estatutos vi-
gentes sio reservada.
'Daos guarde a V. ExcJos Ildefonso de Sou-
za Ramos.Sr. director da facudade de direito
do Recife.
4a seccao.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
rocos do imperio, em 16 de outubro de 1861.
irim. e Exm. Sr.Em resposta aos offlcios dessa
directora de 9 e 21 de agosto prximo passado,
sobro a irregularidade do servido do poiteiro e
outros empregados subalternos dessa facudade,
declaro a V. Exc que o director deve empregar
os molos que facultara os estatutos, afim de obri-
gar os referidos empregados a cumprirem com
seus deveres, como jl se recommeodou em aviso
deste ministerio do 1 de agosto ultimo ; e outro-
sim que nascircumstancias actuaos nem se pode,
aem preciso nomear-se um empregado especial
para guardar os chapeos e bengalas.
Deus guarde a V. ExcJos Ildefonso de Sou-
za Ramos.Sr. director da facudade de direito
do Recife.
promulgadas no anno passado, foi ouvidaa sec-
Qo dos negocios do imperio, do conselho do es-
tado, cujo parecer, exarado em consulla de 13 de
junho ultimo, contem as seguiotes obseiva-
goes:
1*- A lei 9a que contem posturas da esmara
municipal da villa do Catle do Rocha, impe no
art. 5. ao comprador de genero por atacado, em
certas circumstsocias, a obrigacio.de revende-los
pelo preco or aue os houver comprado ; obriaa-
;ao esta para cuja imposicao nao esta a cmara
autorisada, visto que as posturas s cabe' a com-
minac.io de prisio e molla.
2a. A lei o..16 (posturas da cmara municipal da
villa do Pombal, alem do art. l.tit. l.j.qae sutori-
as as exhumaedes dentro de 12 mezes, e quando
muito tres annos, prazo este muito curto, cootm
os art. 7., 8., 9., 10. e 12, til. 3. que eotendem
com o exereicio da medicina e pharmacia, objec-
to regulados por lei e reglamelos gerae.
Dalles todava poderlo ser tolerados, comoesta-
beltcendo penas addicionaes ou disposicoes auxi-
liares, as arls.9., 10 e 12.
3*. Ha timbeen na mesma lei o art. 21 (til. 4.)
que ordena seja distribuido pelos presos pobres o
producto da venda dos animaos que vagarem sol-
tos, nos casos ahi declarados. Esta disposicao s
pode vigorar nao constando do dono destes ani-
maos, ou nao compareceodo este ; do contrario
sera irlo urna lesioda propriedade particular.
No mesmo
caso est o art. 94 (til. 13.), o
qual dspe que todos e quaesquer gados que ti-
verem donos por acharem-se sem ferro ou sig- gando as circumstancias'quVocco'rreram eos'fac-
n. ri.kL.T >ortB b(nii.0 1ue 8e tor- tos 1ue 8e deram, foram praticadas para o um de
irmandsde do SS. Sacramento da freguezia da
Conceicao do Rosario foi approvsdo pelo ordina-
rio na prte religiosa.Offlciou-se a cmara dos
Srs. doputafbs.
16
Ao presidente da provincia de Pernambueo,
commuoicaodo as providencias que se deram
nests data para fazer cessar a desiotelligencia
que lem havido entre o director d (auldade de
direito do Recife e alguna lentes.
Aos Rvms. bispos. para remetterem urna
retacao das pessoas que houverem oblido da nun-
ciatura apostlica, desde marco de 1859, breves
de secularisago, dispensas matrimonlaes e ou-
tros, informando se os mesmos breves tem pre-
cedido licen^a do governo para os impetrar, e se
tem sido spresentados com o competente bene-
plcito do mesmo governo", como extejem
as leis, e reco mmeodando-lhes 1 Qscalisacao
destas formalidades nio s pars comprimento
das mesmas leis, como tambem para qEe nio se-
ja defraudada a fazenda publica nos direitos que
lhe competem de taes licengas e beneplcitos.
3a seccao.Ao presidente da provincis do Cea-
r, commanicando que pela .imperial resolucSo
de consulta de 5 do corrente mez foi anoullada a
eleico de ve rea do res e juizes de paz da parochia
do Grato, petas irregularidades com que foi feita
a chamada dos votantes e a apareci dos rotos,
preterindo-se as formalidades prescriptas pela
le para garanta do voto, irregularidades que, so-
previamente se a inclusa conta est de
conformidade com a tabella approvada pela pre-
sidencia em 25 de julho ultimo, mande V. S. en-
tregar director do eollegio dos orphaos de
Santa Thereza em Olinda conforme re(oisilou o
-diiMlov geral da inslruccao publica em offlcio de
29 o corrente, sob n. 336, a quaotia de 608000
pan alimantagao no mez de norembro prximo
riojdouro dos cinco africanos lirres empregados
neWrico d'aiualle eollegio. Communicou-se
ao director da ioslruccSo publica.
Dito a mesma. Informe V. S. com urgencia
acerca do que pede 00 incluso requerimenlo do-
cumentado, o vigario da freguezia de S. Pedro
Martyr de Olinda providenciando ao mesmo
tempo para que sejam tomadas as cootas das
despezas feitas com ai quaotias que foram lti-
mamente entregues aquello vigario para as obras
da respectiva matriz. Ofllciou-se ao director
das obras publicas para remetler um ornamento
daconclosio d'squella obra tendo muito em vis-
ta a maior simplicidade e economa.
Dito ao inspector do arseoal de marinha. De
conformidade com o disposlo 00 aviso da repar-
iiqo de marinha de 11 do eorrente, recomend niidade com o disposto no 6 do art. 5 da ci
V.S. quo mande despedir desse arsenal, visto de Ui de 3 de outubro de 1835, e aviso de 14
harer sido julgado incapaz do servigo
ne desconhecido, se denominarlo decujoou
raDaies,e ficaro fazeodo parte das reodas da
muoicipalidade.
5a. O arl. 105 (tit. 16.) substitue a pena de pri-
sao do escravo por palmatoada;, pena esta des-
conhecida pela lei do Io de outubro de 1828, que
s autorisou as de prisio e multa.
Atlendendoao que so scha exposto, e de con- I
formidade com as coucluses do citado parecer,
nesta data expeco aviso afim de que em lempo
opportunoaa referidas lela sejam submeltidas
consideraco da assemblea geral na parte em que '
aquella seccao as julga exorbitantes das faculda- I
des das cmaras municipaes. <
Deus guarde a V.ExcJis Ildefonso de Sou-
za Ramos.Sr. presidente da provincia da Para-
hiba. i
arredar-se da orna urna das parcialidades polti-
cas; nao podendo por isso valer o argumento da
grande dilferenga que bouve entre os votos que
tiveram os ltimos votsdos para os referidos car-
gos, e o primeiro supplente, visto que, se o pro-
cessso eleitoral correise regularmente, o resulta-
do da eleico poda ser diverso.
f.'l
4" seccio.Ro de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 16 de outubro d 1861.
Illm. e Exm. Sr.Em offlcios de 23 de agosto e
2 de setembro pastados communcou essa direc-
tora que, tendo adoptado algumas prorldenchs
relativas polica dentro das aulas, fora emban-
cada a execuc&o dellas pela opposic&o do lente
dessa facudade Dr. Joio Jos Ferreira de Agaiar,
ue reclama exclusivamente para si, em rirlude
o disposto ao art. 137 dos estatutos, o direilo
Be exercer a policia aa sala que dirige. Em res-
posta cumpre-me declarar a V. Exc que, embo-
ta o artigo supraeltado dos estatutos oncarregue
mais partieularaeole aos lentes a policia dentro
das respectivas solas, essa incumbencia nio po-
da excluir a inspeecio o tntervenc&o do decreto,
a quem compele tambem pelo % 13 do art. 12
dos mesmos estatutos exercer a policia no recin-
to do edificio da facudade, empenho este no
qual deve ser auxiliado pelos mesmos lentes, co-
mo recommenda o mencionado art. 137.
E' poi manifest que o Dr. Joio Jos Ferreira
t Agaiar nao tero razio em recusar-se com
aquetle fundamento de dar conhecimento ao di-
rector das infraeces commetlidas dentro desaa
sala pelos badei cooliuuos, relativamente
obsesvaoeta da ordem quo prohiba sentrem-se
nos bneos das aulas eitudantes a ellas estra-
shos.
. Dar eotretinto obsorrar que a ordem dessa
di-eOoria que inoliroa a eaateatacAo, nio parece
fundada em razio de conveniencia, poi que ne-
cbama ha em prohibir-se que m anudantes as-
sUtaa ia olas a que si eatranhos, orna rez que
ia perturban) a respectiva policia o disciplina
caso em que Ihes serum applicaveis as penas
tois providencias declaradas oos estatutos.
Deus gaarie a V. Exc-rlns. Udaonao de Sou-
za Ramos.-Sr. dIrtor tf* UOnldtde de direits
doRacie.
4a seccao.Rio de Jnelro.Hiaisterio das ne-
gocUs do imperio am 16 da outubro 4a 1S61.-*
Illm. a Et. Sr.Em ofllBlo da 9 d agosto pro-
xlss pasaado, a dueaUria oaasa fscaiaadacoa-
sulU ao goraroo <.%*. i dispoiico do art. 251 d
tsfoijnaflto cotuplssiseur dos estatutos it% fa-
GOYERXO DA PROVIXCIA.
Expediente do di 31 de outubro
de 1861.
Offlcio ao proredor da Santa Casa da Miseri-
cordia. Accuso recebido o offlcio de 27 de se-
tembro ultimo em que V. S declaranlo aio ter
a assemblea provincial decretado lei de orca-
mento para o correte anno compromissal pede
autonsacao para a junta administrativa dessa
santa casa despender as somatas que foram in-
) no orgament submettido approvacjio
e em resposta tenho a di-
ERPEDIENTE DE 4 DE OUTUBRO DE 1861.
3 seccao.Ao presidenta da proviocia de v
7,"k caVmOQlnflo que pela resoluto daeon- da mesma assemblea
iA*fS? *mM P?s.sadoJfoinnultada a elei- ser que me remeta um otr orcamento coave-
s jV,Ied0re?e ,B,;.M de p" da parochia de : "aumente modificado para ser tomado na"'
S. Jos de Tocanlins, !, por terem sido feitas rida constderaco.
nZVfiiiin^'S ttTfM,/0.o!,0"DlM,lB DUo 2 Oj'ec'or geral da instruccio publica.-
fnrtl tZtl P.. *? "? 1 1? \ln de 19.de aos_ 1 Reapondendo ao oficio que Vmc me dirigi em
o de 1846, sendo talrez derido a este faeto o de 11 do correle, sob n. 315, tenho 1 dluMb a
98?ou?i0r:dnSn?Mma *l9ica o" -Proro os p.r'ecerps d. mmUsao onc. reg.a!
cdos i- V nor8l^Vr?rr?Hd0aS,a,U-'UQ- '""'.M """dios de historia do Bras'a J}
ntt .J.hi'.7' por.nSo. Ur harldo eleiCio na grammatica porttigueza compostos por Salvador
2 p"roe,lt d0 a,uJllc,Pio. I' Trahirai. cu os Henriaae de Albaaoer.,B ;.*...-."!!
votos, se ella se venfleasse, podenam iofloir ao
resaltado da elefeio; e ordenando nio s que n
de proceder nova eieicio em todo o municipio,
continuando no entanto no exorno dos seu cargos
os venadores e juizes de paz do quatrienoip pas-
sado, como tambem que sejam multado, quer
a cmara municipal que fot causa de aio se ter
feito eieicio na parochia de Trataras, por aio ha-
ver eipedido para isso'as ordens necessarias,
como determina a lei, quer o joiz de paz da mes-
ma parochia, por nio ter dado poblicidade aos
editaes da que trata o art. 21 da referida lei.
-^ 5 -~
Ao presidente da provincia do Piauhy, com-
raunicaodo que foi indeferdo o roqaerlmento em
qae Justino da Silva Pacheco pede que sej ad-
raiitido no imperial instituto dos meninos cegos
o sea filho Manoel da Silva Pacheco, de 23 annos
deidade, tiste sar isto contrario ao disposto
no art. 25 do rogolamenlo de 12 de setem-
bro de 1854.
V 7
Ao Rvm. hispo ds diecase do Maranhio, com-
municando que te reqaeaita do ministerio da fa-
zaoda a eipsjgjflo da ordem para lhe ter eotre-
gae a quaotia de 1*0009 para as despezas da sua
visgem, fieando nella incluida a impor-
tancia das coagruaa retidas na thasaaro,
aja* te mandsr Jar aa passsgoas de que oarecar,
logo qae S. Exc. Rvm. as aolictt.-*.Dirigiu-e *
rito aa Ministra da Uzeada.
Mft-O-
3* seccio,-Aa presidente da proviocia do Ma-
ranhio, cpmmuoicapdo que pela iatsarial
1-scie da toajaK d 29 da mtonkn altimo foi
onrique de Albaqaerque para o oso das escola
primarias secundaria da provincia, bem como
o relativo ao novo methodo pratlco theorico para
o ensinoda lingua franceza pelo bacharel Cicero
Oiom Peregrino da Silva.
Dito ao chefe de policia.-Autoriso-o a min-
aar comprar os dous colches, qae V. S anlici-
tou em offlcio n. 1077 de, 30 dsate mez para as
camas do oficial da guarda da casa de detenco
dssta cidade, remettendo-me a conta para ser op-
portunamnte pags.
Dito ao commandanle das armas.Sirra-se V.
8. de informar se detembarcou nesta prorincia o
recruta da prorincia do Piauby Manoel Pereira
do Re, que reio do Maranhio no rapor Crt-
zeiro do Sul; providenciando V. S. logo para ser
elle enriado i corto as primeira opportunldade,
caso exista em algum dos corpn da guarnieflo
como sa determioOu por ariso da reparticio da
guerra de 14 do corrente. constante da copla
junta.
Dito ao mesmo.Passo as mira dt V. S., pa-
ra seu conhecimento e execujio, na parte que
lhe toca, copia do ariso da tepartteio da guerra
de 19 do correte, no qual se declara que nio
aorta foroecer-aa doa eotpos pecas de farda-
mento aam ordem da mesma reparticio, bem co-
mo quo 01 pedidos de farda ment para todo o
anno daram, em conformidade das instruccoes de
12 de Janeiro ultimo, ter remanido anaualmente
mez dt Janeiro, incluiodo-se aellas o que for da-
lormlnado para os recrutis como dltpoo o ariso
circalar da 25 dt abril restara riasaada.Offl-
cloi-se nette sentido ao tOrecwr do arsenal de
guerra.
?* ?B**,>:-9?r fft-J,. up con*-
em ins-
peecio de saude, a Geroncio dos Santos Teixei-
ra que por sua idade deixou de pertencer a com-
piohia de apreadizea artfices, Ccando avulso e
considerado como operario.
Dito ao masmo.Remello incluso por copia o
aviso da reparticio de marinha de 12 do cor-
rete, para que V. S. Bcanto inteirado de ter sido
approvada a deliberado que tome! de mandar
continuar na direcc&o da barca de escavacio o
eogenheiro macbioista Andrew Me. lotero sob
as mesmas condices do seu cooirato, faca des-
embarcar da referida barca onde se torna des-
necessario o segundo machinista Aatooio Joa-
quim Marques, como se determina em dito a-
rist.Igual copia foi remettida a ihesouraria de
fazenia.
Dito ao mMmo.Faca V. S. costar, a coolir
desta data em diaote, o abono da gratificaqio de
terca parte do salario, concedida por offlcio
desta presidencis de 23 de setembro ultimo, sos
remadores desse trseaal que ostlrerem promptos
para o servigo durante as noites.
Dito ao mesmo. De conformidade com o aviso
do ministerio da marinha de 16 do correte,
transmiti i V. S. para aeu coohecimento o en-
doso exemplar da aviso qae se exptdio em 2
deste mez, flxaodo o prazo, dentro do qual de-
vem os diversos empregados d'aquelle ministe-
rio entrar no gozo dss licengas que por qualquer
pretexto tiverem oblido.
Dito ao capitu do porto. De conformidade
com o disposlo 00 aviso da reparticio da mari-
nha de 19 do corrente, mande V.S. despedir do
servico dessa capitana a Francisco Evaristo Vel-
Usq da Silveira, que figurando como patrio na
fulha das prscas ao servi?o dessa reparticio, em-
prega-se realmente em trabalhos de oscriptura-
cio; fieando V. 8. outrosim prevenido do que
oie deve semelhante vaga aer preenchida, visto
qae segundo sa declara no citado aviso, est
pralicameate demonstrada a possibilidade de de-
zempsnhar um a patrio aa obrigseoes quo a
dous tiohsm sido commetlidas.
Dito ao mesmo__Pora cumprimealo do des-
posto ao aviso da reparticio de marinha de 18
do correte, tuja V. S. do informar sobre a
queixa do cnsul da Portagal nesta provincia
constante do offlcio junto qua mo tari devol-
vido.
Dito ao commandanie superior da comarca de
Garaohuna, Devolvo i V. S. tt relaces e prel
da escolta da guarda nacional, a quo se refere o
seu offlcio, o. 65, sem data, para que sejam or-
ganisados com a descriminacio, e de conformi-
dade com o parecer da conladoria da theaouraria
de fazenda, junta por copia.
Dito ao director do arsenal de guerra.Para
comprimento do disposto ao aviso de 15 do tor-
rente, eavie-me Vmc. com a possive brovidade
urna retaqio nominal da todos oa operarios dtsse
arseoal, desde os mestre al oa aprendaos o ser-
ventes, clasificados por of&cioas, com declara-
Cio do veoeimento qae percebem o do presliraq
que tem. Nessa relelo deve ser comprahrjadi-
doqualquor tndtriduo admettido por eo'aTeBia-
ci% da strrico, cujo em prego nio e';,et criado
por lei, ou que exceda do numriB marcado a
Dita ^**?au
.^apieahsiro dirtacor das obras publi-
w-Dt cooformidada cou o qa ntttadala.
'tikiU o dMtmNtgador cbt)f% dt potjaio, [a\%-
annexo o decreto o. 2697 de 3 da
norembro de 1860: assim o commuoico i Vmcs.
para seu conhecimento e execucio, prereoio-
do-osde que o governo imperial, segundo cons-
tado cilsdo aviso, est na resolucio do tornar
effeclivas as penas que o decreto rilado i topos aos
seus infractores.
Portara.O Sr. geiente da companhia Per-
nambucana mande dsr transporte pare a provio-
cia do Cear no vapor Jaguaribe, que tem de
sabir no dia 7 do mez vindouro, ao Cabo Jos
Raymundo de Souza e urna praca do corpo de
polica daquella provincia, que dalli vieram ea-
cultando um sentenciado.Communcou -se ao
desembargador chefe de policia interino.
Dita. presidente da provincia tendo em vis-
ta o que requereu o soldado da 3a companhia do
4"hataIhio de artilharia a p, Amaro Francisco
de Moura, bem como o parecer da junta militar
de saude, resolve conceder-lhe tres mezes de li-
cenca de favor para tratar de sua saude.
Dita.O presidente da proviocia attendeodoa
que at esta data o bacharel Jesuino Claro dos
Santos e Silva nio entrou no exereicio do cargo
de promotor publico da comarca de Tacarat,
para onda fora removido, resolve exonera-lo do
referido cargo, para o qual nomea a Ignacio Dias
de Lacerda.Pizeram-se aa necessarias commu-
ni cacos. t
Dita.O presidente da provincia attendendo ao
que ioformou o respectivo jniz municipal em da-
ta de 5 deste mez com referencia a Feliciano de
Oltveira DIniz. resolve nomesr a este, de confor-
midade com o disposto no 6 do art. 5o da carta
oc 3 d* outoDro 9 *834 e art. 14 de maio de
1860, para exercer provisoriamente os offlcios de
partidor e cootsdor do termo de Cabrob, creados
pela lei provincial n. 504 de 29 de maio deste
anno, enrquanto nao forem definitivamente pr-
vidos na forma do decreto n. 817 de 30 de agos-
to de 1851.
O presidente da proviocia attendendo ao que
informou o respectivo jaiz municipal em data
de 5 deste mez, com referencia a Manoel Ferrei-
ra de Amariz, resolve nomear a osle de coofor-
carta
. de
maio de 1880, para exercer provisoriamente os
oSicios de partidor e distribuidor do termo de
Cabrob, creados pela lei previocial o. 504 de
29 de maio deste anno, em quanto nio forem de-
finitivamente prvidos na forma do decreto n.
81? de 30 de agosto de 1851.Communicou-se ao
juiz municipal d'aquelle termo a quem recom-
meodou-seque mandasse abrir concurso a aquel-
los ofiicios na forma do decreto n. 817 Jde 30 de
agosto de 1851, como foi recommendado por cir-
cular desta presidencia de 26 de junho ultimo,
devondo rometter copia do edital que fr ahi af-
olado para ser reprodozido nesta cspital e ficar
ni mlelligencia de que os exames de sufflciencia
se devem fazer na forma do art. 252 de 30 de
dezembro de 1854.
Expediente do secretario.
Offlcio a ihesouraria de fazenda.De ordem de
S. Exc. Sr. presidente da provincia transmiti
em duplcala a iuclusa ordem do dia da repart-
Cao do ajudante general n. 238.
Diio ao desembargador chefe de policia inte-
rino.S. Exc. o Sr. presidente da provincia aoli-
maote ver qae a esperanes do vasa solacio pan-
uca, ge nao tosa realisad, a qae o eidodao*
americano, j am armas, estio prestes tMztr
envolver o seu paiz ao mais formidtvti ao ais-
le que podem atacar ama soeiedade politice, a
gueira eivjh
< Depoi de mais de oiteot aoaaa 4* Mstas-
ela, a uoio-ameriesna der a toa tafipudim
cia, a saa prosperidada a hi procrease, eaa-
cordia dos seas me cabros, coosagrada mimim-
picios de aeu illutres fundadoras, par da
lostituicoes que tem podido conciliar. Ni
lado de cousas, o sacrificio qae lhe
a conservado da Dniio esti. aasa compareci
para aquello que cuitara a ni disaotoci. Uoi-
dos, os estados a lea acara o sou maior dastsjiil
vimento. Uolidos, bao to paralysar-re.
c Os debates que acabaos tahliisaam d tas-
citar-se nao podem prolongar- indnoidaaM-
te, aem coodatir a deatruioio da ata da doas
parles. Tarde ou cedo. r necewari vir a
accordo qualquer para conciliar a i a te r a ac-
tualmente em cooicto. A naci aareriesaa da-
a urna prova de grande tacto poltico caasetsia-
do esse ajuste sale ama intil rffaiis d f a aa
urna despezi sem tm, da energa das riaaezas'
publica, sote os actos de violencia d repreza-
lias reciprocas, que nio Urio asabao qaa pre-
fundar o abysmo eotre aa doas aceta da cw-
federacio pars acabar defieiiivameate par ata
enfraquecimeoto mutuo o peU ruina tslves irra-
paravel doaea poder commeretat poltico.
O nosso augusto soberano, aio poda resta;-
nar-se a admitlir 13o deplorareis evealaaldadas
a S. M. I. firma anda a sus conQaaca aa bota
seoso praticodos ciladios da Unio. qae lio
bem Ihes tem (silo conhecer os proprios nteres-
ses. S. M. considera-se felia esa acreditar aja
os membros do goveroo federal, as attatat
ioflueoles dos dous partido sproveitaram tadaa
as oecasiea para traaquillisar a efferrescaoKia
das paixoes, reoniodo o mus tnlorcjoa para
esse Qm. Nao ha ioteresses disiioclos qa aso
seja possive conciliar, trabalhaod com acta
perseverancia, e com espirito da juitica da mo-
deragao.
c St, dentro dot limitet dt vottat relacoat
amigaveis, s vossa lioguagem os vassos caaua-
lhos poderem cootribolr para este rrnratlad, res-
ponderis, senhor, asinteocoes de S. M. o Im-
perador, consagrando a esta flm a inluoacia ps-
oal que liverde adquirido duraalaa vossa litiga
residencia em Washington, assim cerno t catas
deracao que perlones ao vosao carcter a qoali-
dade de representante de am soberano aaaiado
doa mais amigareis ssatlmenlos pela uniio ame-
ricana.
Esta uniao nio simplesmeole a nossa lbo
um elemento essenci! do equilibrio pilitiss ;
coaslilue tambem am naci pela qual o aeeeo
augusto soberano, o tods a Ruaaia tasa a aatoa
riro mteresse. ioteresse natural entra aa datas
povos que collocados as extramidades dos dama
mundos, ambos no periodo ascandanU da aaa
desenvolvimento, parecer chamada* a-a esa cata-
manidade de interesse o de sympalhias, d qe
ja tem proras muluss.
< Nio quero tratar aqu Mohosa daaaa
queiloes que deridem os Estados-Uniaas. Nao
omos chamados a pronunciar-no aasta deb
As precedentes coosiderces nio lem oatr
mais do qua attestar s viva solicitude do impe-
rador em preseoga dos perigo qua amsarata a
uaiio americana, e os desojo siocero qaa S. M.
forma pela conserracio dessa graada obra lio
laboriosamente construida, o qa paracas lio
cheia de futuro.
c E' nato sinlido, senhor, qa su dateja qae
ro expresseis, tanto junto dos membree da aja-
veroo federal como daa poseoaa iollaaataa tro*
poderdtt eocotrar. daudo-lht a certeza da qa,
em qualquer acootecimeoto, a oagao
pode contar com a mais cordeal syi
parte do nosso augusto sobsraoa, daraate a 1
importante porque boje alravessa.
Recebei, etc.
(Assigasdo) GorUckmkef.
O ministro dos negocios eslraogeiro da Uaiio
responden ao representante da Rusua
tes termos :
a Secretaria de estado, Washiagloo 7 t>
tembro de 1861.
O secretario de estado dos Estadoe-Ui
est autorisado pelo presidente a miailaatat a
Mr. Sloeckl. enviado exUaordidaria a ainiatro
plenipotenciario de S. M. o Imperador da au
o seu profundo reconhecimeoto pelos
los liberaea e magoaoimos de S. M. a
das cootendat que por am momtnlo tau _
do ameacar a uniao americana, setimale 1.
municados naa instruecea dada pelo priacip de
CorischaLoff a Mr. Sloeckl. da qaa aa
leitura, por ordem de S. M., aa pi
Estados Unidos, e so secretario da i_
a Mr. Sloeckl manifestar ao saa gava
iisfacio com quo o da Uniio olba es
garantas de a misad otra oa doas paizas.
citando nests data dos Exms. presidente das pro-I sde"qe" comecou couVexillaeia^
vlncia da Parahiba e Rio Grande do Norte, a ex- "
pedicio da ordens para que a Ihesouraria desta
provincia aeja indemnisads ds importancia das
despezas feitas com os presos viudos d'aquellas
provincias com destino ao presidio de Fernando,
e a que se refere o seu offlcio n. 109 de 29 deste
mez, assim o manda communicar V. S. para
seu conhecimento.
Despachos do dia 30 de outubro
de 1861.
Riquerimentos.
Antonio Chixe Gogominho.Nio tem lugar
vista da informago.
Firmioo Pesso da Gama.Nio tem lugar
vista da ioformaeio.
Francisco Jos Machado.A' vista da informa-
Cio nio ha que differir.
Henrique Augusto Milet Informe 1 eamara
municipal da cidade do Rio Formoso remetiendo
copia da acta de qaa se trata.
Joio Erangelisi de Jess.Nio tem lugar
Vista da taformacio,
Joio Nepoouceno Vallioe.Inlorme o Sr. ca-
pillo do porto.
Jos Salgado de Albuquerque. Requeira em
juizo competente o que for de sea direilo.
Jos Diooizio di Cruz.-A' vista da ioarmscio
alo tem lagar.
Marcolina Franaiscs da Trindade.A tuppli-
cante ser stlendida quando houver vaga.
Minoel Accioli Santiago Ramos.Pasta tiro-
rogando por um mes a licenca com que ka acha
o suppiicaole. "
Travieeo Jonior ^ C.Itforr,. s-
tor da Ihesouraria prorioci **
inspec-
Estados Unidos.
c O secretario de esUdo offerec a Mr.
ss segurancas renovadas da
rela,
(AMignado) Willimm H. 3*ard.
a Secretario de atada.
G MECA.,
As cartss da Atbaaa ai jalpaa casa asa
tacto iaolado o crise qa a lalaartea raasassiiai
contra a rainha. imgna p qa a tau autac
peniou que na ausencia da rtiahs fasIMlisia uuu
rerolacio.
Recordam o faci d qaa b akgaas usas uta.
grupo de anudante se aapreaaatoa tnaata da pa-
lacio, grlando : Vira Garibaldi I akaix a Aaa-
triaco I Ultimament oa oaiaiatroa, 1
traoqaillittr estos postinea.
Sos Msgaatade a qa reconhecet a nav 1
da Italia.
Parce qaa el-rei annuiu .
da aaa irmio de Daiasm, asta aa talsasu
mostraos sitisftilot cota uta.
O Monitor de Alhena pablica a _
clamacio do conselho de miabUsa m
lenico :
. c Concidadios. Deas, qua alba
(ao P'j'ia Grecia, acaba dewlva-u 1
a perigo.
Esu noita, i 9 horas, S. M. a
le, quando roltava do pbulo I >
I jacto da um allantado, leodo-lhe
tiro cou au revolver, qaa Ib dififia ata I
sato mancebo ha acoca
c A prauodiUclo d<
F'aTERIOR.
Rusula.
*^acfcd do principe de GorUchukoff o atiitu
tro da Ruuia em rVtoniuglon.
c 8. PUrbrjo 10 da julho.
c Swhor.Deade o oonreco do oanflicto qaa
dirida os EsUdos-oidos da Amarte, tandas da-
sejsdo fasar talheade aa aovara federal o fta-
faodo ioUrttse com qae o oosso aagaato aba-
rao sejam o desenvolvimento da urna crisqa
pee em durldi 1 proprtadadt, a a aflttaacni Nt-t
9 da uniio, 0 imperador linsati ptehtd.
se fstkuMto, S. -., -
conlinaoa sam mais novidada a tau 1
c O rttaaostiaf lauttnataui
jtito t um interrogatorio ; causal
ma-ditiodo qut oto tiaka ctupttca
capital reinara a maior ordem. A ia
todos ot ctdtdiot coatra tm "
me, aasiM aosbe a aaa 1
coja mi benfica no II
t Alhena l(W) de
c (Sfan u ataigaatarat dot
c Em podar do p es
ao.au
[Jornal 4o Comutrrio $ Ulaua.)


lili flRgygTAK fi a um r^r
PERNI
UBIO M HUAMDCO- -
bevst owitii. "HS&fe
O cemiterio publico no dia"
^uUateMt numer
catee; e o trseii
atonto fot cor, abr
aadcoSenl
i
T
lil
>a.......
Theodorto
Approvado plenamente.
Approvado plenamente.
Approvado plenamente.
aa dimia-1 '
k lhe* mm tfhteeo en C
peasoie ass gallo
ocia* e> por
i* da provincia poi
icio de funccion
6 bom da uaohMfj I o meto-di Me
'JSS* "*** Pae>topoua* etornafe -
aendo esse aervieo bem cea iftoiLio
de eesaHbilo desempenaaeto COai celo. eatam,
respailo e regularidad* notareis.
Varia? caUcujnbaa ettaram nrw caais, Taeeeao florea e mesaa cubj teles 7 e en-
lre esses tmulos distinguia-se aquella do fall-
is atrap at AWm W, o^To
re que Mea en1 posicio posterior reparticio*
o empregados do cemtteTlo, avahara em gru-
ve de. pequeftosjazigh, em cada un doa quaea
esta va m encerrados oa restos mdftae de pessoa
de ment, que nao sendo procurados pela pro-
pna familia. alHbavtVr rado religiosa e patrio-
camente guardados pelo Sr. administrador Ma-
aroelLatt Viries, qu? sua cusa oa fez erigir
ewadeceneie.agosto, aflm de perpetuar a me-
moria de raroes reapeitaveis.
af i
.... Approvado pen amento,
da Sil-
i to Jhrator........ Approvado pen ajante.
Jola Vistor de Afau- ^
s)s)Amarl........ Approrado lenemente.
Terceiro anno.
Approvado plenamente.
Approrado plenamente.
1 honren fe- taes Antonio Flato N-
Sbuu TJchfla___
Ernesto Piolo Lo-
bio Cedro........
Jos Austregestte .
Rodrigue Luna.. Approvado plenamente.
Qua rio nao.
Luis Emygdio Ro-
drigues Vanos.,. Approvadoplenamente.
Josa Joaqun, 4#
Souto Lima...... Approrado plenamente.
Eduardo Augusto
de Olireira...... Approrado simpleameate.
Quinto
"oTros que mereeiam ser
reverenciados em seus- restos-, nao achar-se-iara
boje coofuodiJos e sera nano reliquia para veae-
racao do pait que os abrigou. O acto do refe-
rido Sr. admiaiatrador Uato raals eigno de no-
lar, quanto aseim presta-te elle com prazer
a.quelles de quem j nada pode esperar, nao sen-
do esees os primeires e nem tamben serio os
wlUmo sorricos leitos por elle ao peta nes seos
tilias 11 lustres.
Nos jazigos que nos referimos cima-, entre
trae oomes gravados no msrmore, me Ihes
/ da lampa, Haso-eo-a o Dr. Jos Eustaquio
GoaMa, Antonio da Costa Reg Monteiro, Anto-
nio Pedro de Figueiredo, Dr. Leooordo Augusto
Ferreira Lima, teneate-coroael Joo Pedro de
Arauja Aguiar, eapitio de aaar e guerra o cap -
tao do porto desvia preriaeia Pernando Luiz Ro-
drigue Selle, etc., etc.
Hontem couecoa o acto de habilitado para
concurso as eadeiras de iestruocio primaria do
sexo femiino, qae se achara vaga*.
Sao babililanOas as Seas. D. Thereza Jowphi-
na daCuDha Salles ef>. liabel Alexandrioa Fran-
ca Luna.
Examinara os Srm. profesores Simplicio da
Gi* Ribeiro e podre Vieente Ferrelra do Siquei-
ea Vsreje, e a Sr. professora L>. Alexandrioa do
Lao o Albuquerque.
Tendo sido concedida pelo gorerno impe-
rial a vxooeracio pedida do lugar de secretario
o polica pelo Sr. Dr. Rufino Augusto de Al-
meida, entrou o neamo Sr. em exercicio de ad-
minialrador da casa de deteBco, no da Io do
correte mea.
Amanada ter lugar a inaugurarlo da nossa
Expon cao.
Ao aeio-dia, do ultimo do mez lindo, foi
ala cidade theatro de mats um desses muitos
escndalos que entra n6s lem appareddo.
Joa Muaiz da Almeida, leodo pedido em ca-
aamente ama Olea- do negociante Miguel Jos
Dorboza Guimarea e sendo-lhe ella rocasada,
cuidou de rapta-la, depois de se tet prepara-
00 Oa necessaria licenca, para ser recebido
esa matrimonio, pelo em prego dos meios os
mais reproradoa; porquanto, consta-dos que
sando-lhe exigida, para coocessio da referida
iioenja, a auterisacao oa consentimento pa-
terno, o nubenle se muir de urna carta com a
firma do negociante Miguel Guimaries, falsifica-
da, e de caracteres imitacao ala lettra deste ; e
jue, nao obstante isto, que era fcil de ser co-
nhecida pnmeira rists, pela dissemelhanca do
carcter da lettrsr, o tabelliao interino Pedro Ale-
xaodrino Rodrigues Lina, reconhecera como a
propria do negociante, a qual alias coohecia per-
eilsmente, por ter este muitaa vezesescripto em
eseriptaras celebradas em seu cartorio.
Por meio de taes artificios foi obiida a licenca,
ena dia fallado, ao meio-dia em ponto, j d'ante
niao preparado e prefinido o Sr. padre branles,
que flcou de espera em orna pequea e mal ar-
raojada casa, entrada do Maoguinho, foi rap-
tada a moca a que nos temoe referido pelo dito
Muniz de Almeida, aeompanbado de alguna ami-
gas seos, armados, o da carreira conduzida
aquella casa, onde precipitadamente leve logar
a celebraco o casamento, apesar de ter aido
lioeoca concedida para a eapella do Rosa-
sinfao.
fste laclo fsz-nos comprehenler a facilldade
com que o'ora em diante o socega, respeito e
talvez a honra das familias, pode ser riolada por
qualqner que cont com amigos, oa officiosos que
o_ queiram auxiliar era suas criminosas inlen-
coe; bem como que nioguem se julgar seguro
em suas relajos commerciaes, com a certeza de
serem recoohecldes as felsificecSes de suas Qr-
mse lettrss.
Imploramos, por amor tranquillidade publi-
ca, a vigilancia e procedimento da eutoridade,
afim de ser imposta a derida puoirjio ao autor
ou autores de semelhante procedimenro, o a at-
teBcao e escrpulo do S. Exc. Rvma. na conces-
sao das despensaa de proclamos e licencas para
casamentos.
. Consta-nos igualmente que o Sr. Dr. chefe de
polica e Dr. delegado, informados do occorrido
providenciaram como estere sOu alcance na
averiguacio do tacto, e que peta subdelegada
da fregnezia da Boa-Vista se est procedendo
flvenguacoes olterieres.
Dos queira que ellas tenham o effeito dese-
j*do,
A C0NTRICC1O DE DIMAS.
Soneto.
> endo o fllho de Deus, cruciOcado,
Afsira exclama o bom ladra o na cruz ;
JJai-me Senhor, a ressa graga e luz.
***** feM OVBdMO M 1S61;
Joanna, Idade S6 annoa, casada,
liio Leocadio de Lima, tsica.
Justina, africana, idade 14 an
erara de D. Anna de Carraih
grea;
Jos, pardo, Idada 2 dia, fllho de
do Espirito Santo, espasn
No da *.
mmtmmimv m m
Maf* lanctoaadooftoHos. .
ano, vWf. Boa-Tisis); samare.
Falto, Pernambuco, ono, nltafaa.,Sm-
to-AotBe; apoplexia.
Lucas, Pernamb'uco, (J mezes, Santo-Antonio ;
pbtyatoa
V va
mu\ Win nu
os rerdadeiroa
luminoso pare-
mbuco.
TJTa-3:
Aqnl receberei o tosso agrado.
Peque!, Senhor, e sinto haver peccado,
Nao pelo vil remorso.em que me pro,
Mas per serdes, quem sois, 6 bom Jest,
De res espero j ser perdoado.
Oh! quem podra ser tao reotwroso
Que por effeilo s desta bondad
Tivesse nessas maos sea fim glorioso I
Qae este lance terrivel na rerlade
Posto todo as mos d'um Deus piedoso,
E' vid, graga, luz da EternidadC.
No dia 31 de outabro fizeram acto na Fi-
culdade de direito ossegunte alumnos ;
1 Primetro anno.
Joao Baplista de Si-
queiraCnvalcanli.. Approrado plenamente.
Joaquira Antonio da r
Silveira Jnior Approrado simplesmenle.
Jos Francisco da
Araujo Lima...... Approrado plenamente.
Lina Leoncio do As-
sumpgi........... Approrado plenamente.
,5j t Segando anno.
AndrCaralcantid'Al-
buquerque......... Approrado simplumeote.
AniontoPiBtoNoguei- ,fc. .
ra Acoieli.......... Approrado simplesmenle.
Aristides de Paula
Dias Martina....... Approrado plenamente.
Beato Minerriao da
Silra............... Approrado plenamente.
Terceiro anno.
Francisco A B)intai da
Costa Barros...... Approvado plenamente.
Jos* Josejaim Bomin-
gues Carneiro...... Approrado pen ament.
Manoel Pereira Gui-
saafes............. Approvado planamente. ]:\
Qaaate anno. Si.
Aagosto Cartaa de .
AmofimGafea.... Aptroyada plauMatt.
Altara Camlaba I.
* U Silva..,. Approvado plesaiMite.
Maooel Fraoclwo da
MUo.............Aptrotado plenamBl.
., -u- ^ Qaisite nao.
Alutaa.es Uratan da
i-ooo^el!a^le0*1,Wi;'
ro aaao.
Msnoal Frrtci' JSff *
aadm^toSaM^^
Sue""*........... Approvado pleaameole.
Francisco Paurillo
Fernandos Bastos Approvado plenamente.
Maooel Antonio da
Fooseci e Helio Approvado plenamente.
rorm recolhidos casa de detengo nos
dias 31 do mez prximo fiado e Io do correle.
6 horneas, sendo 4 livres e 2 escravos, a saber:
ordem do subdelogado do Iteeife 2, inclusive a
pardo Amaro, escravo de Uanoel Alves Ferrei-
ra ; a ordem do de S. Jos 1: a ordem do da Ga-
puoga 2, ioclosive o crioulo Bazilio, scravo da
viuva Evangeli8la; e a ordem. do dos AfTo-
gados 1.
Nos dias 2 e 3 deste mez foram recolhidos
a mesma,S homense i mulheres, sendo 6 livres
e 5 escravos, a saber: i ordem do desembsrga-
dor chefe de polica lnterioo 1, que A a Africano
Benedicto, escravo de Antonio Santiago.; a or-
dem do subdelegado do Recita 1; a ordem do de
Santo Antonio 2, inclusive o pardo Rufino, es-
cravo de Anlonio Nones; s ordem do da Boa-
Vista 1, que o crioulo Victorino, escravo de
Joao Ferreira dos Sanios ; a ordem do da Mag-
dalena 3, inclusive o crioulo Luiz e o Africano
Cassemiro, escravos de Maooel Ignacio Alves; a
ordem do do Pojo da Panolis i ; e a ordem do
de Muribeca 2.
Relaco das pessoa fallecidas na fregueaia
da BOa-vista, no mez de outobro :
David, crioulo, idade 9 annoa, escravo de Antonio
Alves da Costa, tsica pulmonar.
Maria, branca, prvula, idade 1 mez, filha legili-
ma, de Manoel Joi Martins, conrnlsdes.
Dr. Joao Domlngues da Silva, branco. idade 51
annos, casado, ioflamacao- nos intestinos.
Agostinbo, branco, idade 10 anno, fllho legitimo
de Agostinho Jos Alves, affogido.
Ignacio, pardo, idade, 20 annoa escravo do Dr.
Joao Honorio Bezerra de Mello, febre ama-
relia.
Joaquim, branco, prvulo, idade 18 mezes, Blbo
legitimo de Maximiano dos Santos Andrade,
hepatite.
Um preto encontrado morto, idade 60 annos.
Mana, cabra, prvula, idade 2 mezes, filha de
Maria escrava de Hermenegildo Goojalves da
Silva, convulses.
Joo, pardo, prvulo, idade 3 mezes, fllho de
Joanna, Franciaca do Espirito Santo, solteira,
espasmo.
Brgida Maria da Conceigo, crioule, Idade 8O1
annos viava, febre perniciosa.
Hara, crioula, prvula, idade 4 dias, filha de
Percia, escravo do capitao Marcelino Jos La-
pes, convulses.
Maria Antonia da Cruz, branca, idade 76 annos,
congeslo cerebral.
Fraoco, branco, 6 annos e meio, fllho legitimo
de Jos Luiz de Franca, ioflamacao.
Bemjamim, pardo, pjr*ulo, idade 24 horas, Qlbo
legitimo de Bemjamim Dionisio, hemorragia.
Jos, crioulo, idade 3 mezes, fllho de Benedicta,
esorava de Antonio Bernardo Vaz, convulses.
Francisco, crioulo, prvulo, idada mezes, fllho
de Generosa, escrava de Maria Joaquina de
Honra, espasmo. '
Leopoldo, branco, prvulo, idade 7 mezes, fllho
de Jozefioa Dulce de Orleaos, convulses.
Joaqun, crioulo, idade 9 annos. escravo de
Saunderae C. losse convulsa.
Mana do- Reg Barroa, parda, idade 20 annos,
solteira, interile sobre oparto.
Rodolfo, branco, prvulo, idade 1 anno, filbo
legitimo de Jos Brandio da Rocha, gsgtro
entente chronico.
Maximiano, pardo, prvulo, idade 4 mezes, fllho
de Helena, escrava de Manoel Antonio Goncal-
ves, convulses.
Virgilio, branco, idade 8 aunes, filbo legitimo
de Evaristo Meodes da Cunba Azevedo, con-
vulses.
Antonio, africano, idade 80 annos, esclavo de D.
Senhorioha de Oliveira Jacome, diarrfaea.
Luiz, pardo, prvulo, idade 48 mezes, fllho de
Felicia, escrava de D. Thereza Maria Doarte,
intente.
Sofa, crioula, prvula, idade 5 annos, escrava
de D. Maria Leite, intente.
Manoel, pardo, prvulo, idade 24 horas, fllho
legitimo de Dionisio das Chagas Pires, es-
pasmo.
Manoel, crioulo, prvulo, idade 5 dias, Glho de
Henriquela, escravo de Marcolina Colho da
Silva, espsemo.
Bemvinds, pards, prvula, idade 2 annos, filha
legitima de Antooio Jacome de. Costa, gastro
hepatite.
Candida Roza de Jess, branca, idade 28 annoi,
casada, colera-morbus.
Bemvida Roza, parda, idade 20 aonos
molestia interior.
Benedicto, crioulo, prvulo, idade 1 anno, escravo
de Jos Henriqoe da Silva, ttano.
Benedicto, pardo, idade 10 annos, escravo de
Tiburcio Antunes de Oliveira, ttano.
Alexandre, crioulo, idade 29 annos escravo do
Dr. Gervasio Gonc,alves da Silva, toogesto
eerebral.
Henriqoe, branco, parvnlo, idade 7 mazes, fllho
legitimo de Simplicio da Croz Ribeiro, conges-
tio cerebral.
Maris Joaquiona dos Santos Porto, branco, idade
64 annos, casada, gastro hepatite.
Matie Francisca de Andrade, parda, idade 21
annos, casada, tsica tuberculosa.
Igner, parda, orphla, 10 annos, de comer trra.
Antonio, africano, idade 50 annos, escravo de
Jos de Aquino Foneeca, tubrculos polmo-
naces.
Paula, crioula, prvula, idade
de Joo Msiheos, intetite.
Antonio Martins, pardo, idade 22 annos casado,
bexigas. '
Mafalda Pereira da Rocha, crioula, idade 45
annos, solteira, hemiplegla. '
Teraie, africaoa, liberta, idade 94aflnos, velhice.
Leopoldina, parda, prvula, idade 1 mez; filha
da Mariana Maria da Concelc.80, solteira, infla-
maco nos intestinos.
B*go Jacqae da 8itv, branco, idade 2 anuda,
solteiro, alienacao mental
Joa Martins FeTTeifa Coartara, portogu, idade
50 a naos, vi uro, pol monta.
Marta, branca, idade 2 anbos, fllba regltlma de
Marcelino Anlonio Alve de Carralho, se-
ros.
Maria, branca, prvula, idade 4 annos, filha le-
gitima da Joaquim Jo* Tararea Jflnior,
varases. '
Francisco Jos de Motaes, pardo, idade 34 annos
- nado, eoogesteo cerebral.
Flix, africano, idade 94 anuos, escravo de Jos
Ignacio daSouza AlbiiaaaaaaiwaafiaMa. ..
JO**\-p4r,TWMBlg!J|^el^ns Jilho de Joa-
MaqpUocT Matiaff WKoicdNa. jioxtuguaz,
~lo'e'Ti9~bBoT,_vroT,"gHro~lnieiita chro-
pE\S^5tolT: ^ ** 80*,w,
Maooel Fratciscp j|*, Jv ayistola, idade 11
anpo, flJht. da Aatapi* Mua da Gooceico,
macbucadora.
" erico. aticasa ,id4o % uaw. escravo 4o
I 4a Q01U BtaaaaBte, aoe-
Joio Pinto, Pernambuco,. 45 annos, casado,
Santo Anlonid; eotrite/
Mara da Conceijio Fonseca, Pernambuco 5l
annos, casada. Santo-Antonio ; congestSo ea-
rebral.
Pedro AUoneio Pereira, Paraambaco, 7 atoaos,
soltairo, Santo-Antonio; apoplexia.
Lix Moreira, Portugal, 50 annoa, viuvo. Boa-
vista ; enterite.
JoiO, frica, 50 annos, solteiro, escravo, R-
cife; molesUa interior.
lUcanto, Pernambuco, 2 tnaoK Afogflo^
mbalina, Pernambnoo, 7 boos t Vanea ; he-
Dia 4.
Diogener, Pernambuco, 6 mezas. Boa-ViaU;
convo laes.
Joaquim l. frica, 23 annoa solUko,Rii>s
bexigas.
Fallecern: do dio 17 de autubf J de nrj-
vembro 42 peasoas, sendo : 12 homna, 5 mla.
ree 16 prvulo, livraa ; 5 horneoe 4 muiheit.
eacravos.
CHRONIC JUUICURIA.
CONSULTA.
_ J Qui potes! cayera, capia t.
Pedro fez citar a Paulo para um liballo civil, a
6 de setembro de 1860; offarecau esse libello a
2o do mesrno mez e anno. Na conirariedade Pan-
lo articaloa, como nuliidade, nao ter aida junta
(por olvido) ao libello a eertidio da coociltaeSo.
Na replica, porosa, offerectda 9 de novambro,
Pedro juntoa oertidao da conciliaclo procedi-
da a 25 de agosto do mesrno anno, poca ante-
rior aquella citacao, para propositura do predicto
libello civil, a 6 de setembro:
Pergunta-se atrista doart 161 da consliluicao
do impeno, porta ria de 23 de agosto de 1834, e
aviaode 9 de abril de 1836.Souza Piolo.Pro-
cesso oivii braeilairo 588pode-sejulgar nulla
essa accao ioteotada, somante por se ter deixado
de ajaoiar ao libello a cerlido da irrecoociliacao,
e s sim na replic*?
PARECERES.
O preceito da le, de nao se coatecar feito ci-
ni, antes de se fazer constar, que se lem inten-
tado o meio da raranriliarin Ca H.,t .i.
solteira,
2 mezes, escrava
meio da reconciliagab, foi ditado pela
consciencia do bem, que vem a partes, quendo,
fazendo-se urna outra, por sua livre e esponta-
nea voDtade, reciprocas conoesses, eooseguem
evitar por esse modo as despezas da demandas,
a incerteza do bom xito dellaa, quer em relaceo
ao autor, quer em relagau ao reo, e as desaven-
as, oimizades a odioa, que de ordinario ellas
V*9 Pto. e considerando, que no caso
figurado na proposta supra o autor inteotou o
referido meio antes de pxopor sua accao 00 iaizo
contencioso; e que conaequenlemente satisfez
ao preceilo da lei, embora nao conaeguisse o Gm
par effeilo da revelia do rao, ou por que nao se
raoonciliaram : considerando, por outro lado, qoa
Jo (conscio.porvirtude da citaco para a con-
ptacao, de que o autor saliszera ao preceito da
re) nao oosou negar esse facto; e que, pelo con-
trario, limitoo-se, com manifesla malicia, a ar-
ticular como nuliidade juo coreo de ana cootra-
riedade) o nao ter sido junta ao libello a cerlido
da conciliaclo, quando, do caso figurado, a boa
fe exiga da aua parte, que requeres, que o au-
torjontaesa aos autos a dita certidaosob pena de
nuliidade do processo, oa alias que guardasse
silencio esse reaoeito : considerando, en.ti.OT
1e o aulor junlou sua replica a dita cartillas'
e que por esta maoifeata-se. que o meio da rv-
concijiacSo fra intentado antea de ser proposta
a accao ; concluo de ludo isso, que o simpas
olvido, oa descuido do autor de juntar ao libello
a referida cerlido nio motivo bastante para se
annullar o processo; e assim respondo negativa-
mente a pergunta retro.
Tal o raeu parecer, que submetlo a censura.
necire, SO de setembro de 1861.
Dr. ourenco Trigo de Loureiro.
n ll
Pens, que no caso em queslo se nao pode
fulminar nuliidade. Porquanto a conciliacao, que
se tentara fazer, foi precedente accao, e tendo
ella corrido em um juizo publico, revestido de I
f irrecusavel, se lhe nao pode altribuir vicio de
antedata. 1
Tendo, pois, sido preliminar, o simples eaque-
cimeoto de ajuota-la ao principio de accio nao
deslroe a realidade de aua existencia no lempo,
e as condicoes que a lei exige.
Recite, Io de outubro de 1861.
fr. Baptirta,
Ein face do ert. 161 da coostituico fera de
duyida, que nao poda o libello de Pedro ser re-
cebido em juizo, nao sendo (como nao foi) acom-
panhado da competente cerlilo da irreconeiliaco
dos litigantes.
Mas, urna vez recebido pelo juiz (com manifes-
la infracco de seu dever) e sugeilo ceolrarie-
dade de Paulo, enteodo que nao era maia licito
ao mesrno jaizjulgar nulla a accao por ter o reo
em su- cootrariedade articulado a nuliidade della
em consequeucw da 'a^1? 1ue commetteu o autor,
deixando de juntar a oui""-'1" cerlido.
E' verdsde que a fall de cotrcn'i'.'C*0' 6undo
se deduz do art. 17 da disposico provison tK9t'
ca da administracao da jualica civil, importa urna
nuliidade, e nuliidade iosanave! por sua mesma
nalureta. Mas, urna cousa a falta absoluta da
concihagao em lempo competente, e outra cousa
a falta de documento probatorio della junto ao
libello, tendo all sido preeochido opportuna-
mente o preceito legal 6 reapetd.
No primeiro caso haveria urna nuliidade, qo
sendo insaoavel como diese, e devendo i todo o
lempo fazer cahir todo o processo, no interesse
das parte, edo proprio Juiz estava, que, quanto
antes sortisse tal effeito. No 2 nio ha mais do
que um simples erro, ama falta commetllda pelo
aulor ; e que, mullo embora recala sobr cousa
essencial do juizo, todava pode em lempo ser
reparado, e deve o julgador admittir essa repa-
raclo, de accordo com o espirito e termos" erem-
plificavos da Ord. do Lv. 3tit.' 63 oo pr
Julgar pela Cerdada sabida, e sm embargo dos
erro do processo; supprfr oppoftudamenteesses
erros 00 dmittira emenda dellos, senecessario
for, sao principios tutelares de fofla boa legisla-
5S0, e sem a observancia dos qnaes, impossivel
en* attingir o grande flm", de se abreviarem as
demandas com .uirda tfo direito e justica Idas
P.Sr^e.^,eg,m<,0 *Pres8M o "o mesrno
legislador.
E* assim que, teddo-ie questionad por saber
s a Ord. do Iiv. 3" til. 208 22. que manda tfftV
reeer a escriplnra logo iantamnte com o libello
se devia entender de tal sorte, que se nao po-
dsse offerecef, nm dixar do absolver o reo
depois que esle, quando o feito lhe fo'sse para'
contrariar, apoptasse, atada que por estrinfo.a
referida falta; decidi o Ass. de 23%e norembro
} 6L*1U/S? r.1la *wcer. mquanto o jul-
gador dovidando do que era pontado. o avri-
guava ouvia a parte, 0,tS9 tinha determinado.
V-epois bemlcir-
IV
manto com
emiltidos no
or julio,
abro de 1861.
aaeoncefo* Mentxu de Drumond
o da certifeB
'o. fia amelo
ptv-sa a a
oto a dita certiaWe cora ra-
to aada jaaitojur irraajala-
podesse proaln
Recife, 1 daj outubro de 1861.
Dr. Antevi* fcente do tmimento Fiitoso.
* VI
E' mea paraeer que se na> M nuliidade, dar
haver sido a conciliacao feita anteriormente a
ffM1"1*"}*,- e-harar sido Jaucta ntH BT
senTenga. Quando mullo poderla ter o reo re-
perempeto da tnsiancla. mas junta a
haver nuliidade, que se
... ,.e se deixou de juntar a
Onemasao que Toi feita lempo. Sob con-
, Recife 4 de ou,brb da 1881.
JottBernardo Galvo A Ico forado.
Concordo com o parecer soppfa, que aubs-
creao.
Raaife 5 de outobro de-1861.
_----- entonto Annes Jacomo Piru.
n VIH
~?.* y^AVK> .n,a. Pw q* antea de
er intentada a accao, o autor havia chamado o
rea a conciliacao, nio pode proceder a alieaecio
de nuliidade, que oa coadrariadada tora oppoa-
t contra aquella. Preencheu-se a letra, a e-
pirilo do arligo 161 da cooatitaicio, e aeria ab-
surdo annuilir-se o precesso pela falta acciden-
tal, que houva da parte do edrogado em nio
jawar ao libello a eertidio do termo da irrecon-
Ciliagao.
Peoaa. por tanto, que por este lado a causa
nenhum pango pode Correr, ama vea que, como
so diz, aquella cerlido aeompsnhara a replica
- Recito 4 de outabro da 1861.
Francitco Carlot Dr anido.
IX
Concordo inteiramente com o Sr. Dr. Branden.
Recife 5 da outubro de 1861.
Joiquim Jote da Foneeca.
X
Nio se ase ofiereee durida em respooder pels
negativa. A nuliidade provem de faci de se nao
leoia previamente o meio conciliatorio : deade
quaea moatra.que semeihante tentativa protedeu
""i???!"80 do" meios contencioso, a allegada
nullidada, qua s poderia presumir-se oa ausen-
cia o documento reapectivo, ato ae pode maia
considerar qu exista, nem que tivesse existido,
tai e meu parecer a o submetlo censura dos
maia doutos.
Recife 3 de outobro de 1861.
Antonio Jos da Costa Ribeiro.
XI
A conciliacao deve ser intentada antes que se
cornaca processo atgum, por qae s desta manei-
* e ?ue..el P a multiplicidade de pleitos em prejuizo das pro-
pna parto, da arden publica, o boa harmona
dos cidadioa. Provaodo-se que ella tere lugar,
antes da propositare da accao. tica evidente que
foi sat afeita a condicio da lei, que somonte eli-
ge, aalvaa as excepto*, que ella seja feita pre-
viamente na palavMcomecarddo art. 161 da
cuasi. Loacordando, pois, com a apioio do Dr-
Mtta nibeiro, enteodo que nio deve ser jnlgada
nulla a accao ioteotada, desde que se tenha ajun-
tado. anda que posteriormente ao oftereci-
roeoto do libello, a eertidio de irreconeiliaco fei-
ta antes da propositara da ac?ia.
Nao me consta qua lai alguma tenba influido
similhaote nuliidade, a bem de que ella
pona ao proprio fim da conciliaQio.
Assim fracameote pensa
Innocencia Serfico de Aui Carvalho.
n ^ XU
Provado que se inteutoa o meio conciliatorio
antea de se terproposto a accio, pouco importa
que se nao tivesse juntado com a peticio inicial
ou com o libello o titulo outheotico do facto para
que preenebida fique a disposicao constitucional
consignada no ari. 161, e coosegoiolemente
sera fundamento a pretendida nuliidade da ac-
cao por se ter exhibido a prova do meid'cooci-
listono, quando offerecida foi a replica. Sub
censura. r
Recife 2 de outubro de 1861.
Joaquim de Souta Reit.'
a w.v Xl11
. .... JE?." re,Ps' do Dr. Souza Res por ser
a sua doutrina a verdadeira.
Recife 5 de outabro de 1861.
angelo Henrique da Silva.
do 28" de outubro i? -*
iuto Fronciaco ek arrot JTopo, presidente.
Prwcuico Canato da Boa-Viagaaj, offlcflfc.
aior servmdo da aaaretario.
na. Sr -o loaVtuto Histrico BraMIsM,
a que presta Sua Magaaeada o Imperador a atoa
mmediata proteccio, reaolveu que sa levaa^raae
oesta corte urna eatatea a Jos Boaiaaeio do An-
. drad* e ST e erigisse um tmulo digoo de
faWjnaxBlunqqBr^ o pagrnaa da talorta
escripias em brooze e marmore pela gralidao
Irastleira a qua daven transmiilir posteridade
as tradtecoes glorio que n ligam i dm dos
ndes vultos nacionaes, e um dd primelros

*MrttfttflPI taMMi ta o Mita* !_
usa ***&
municipe para qae concorrsm para a realUscio
dessa obra de tanta honra para o lr>Aa]VMecra-<
vendo na secretaria da masma caaaaia abaaan-
tias de qae quizerem dispr, niPylSWo et
meoo de mil ri. oam maia da das mtl rata. 1
Certa do patriotumo qaa caracterisa toOTToT TSTuSmSSSL*l1. VJZT? *"
PerDarabucaoo, a camaxaimnaieioaldo Raella mm*i*i' a fracUT
mm que ae PreslaflHPfea voWA reaMa K
(la deste grandioso fin;
Paco da cmara eaamftHpal da
!o.t
celUboradare da oaad independencia.
Os abano assignedos, membros da commitsSo
loo o o Insumi Histrico incumbi lio nobre
aMaeao, aeoaidaram recorrer ao auxilio de tolas
s cmaras muoielpaes do Imperio para qae pro-
movam ubaerip?dea pdpularesentre osseos mo-
aicipet, visto domo o monumento dte ser felto
expensa do poro.
A commissao desojando que lodo e Brasi-
reiraa possam coocorrer para lo patritico mo-
nomnle, quaesquerquetoejam aa suas fortunas,
uiou o mnimo e o mximo daa quantiss entra
mil a dea mil rata.
Dereada a ealatua aer inaugurada no dia 13 de
juntiodel863, ceoteaimo anoiversario natalicio
de Jos Bonifacio de Andrada a Silra, a commis-
sao espera que vosaaa senhorias sa dignem de
cosdjuvala em lio loavavel empeoho. activando
8 ,Pfe"n(,d subscripcio, cujo resultado aeri
publicado na folhas diariar desta capital.
Deu guarde i Ve. 8.
*to Janeiro-18 de agosto de 1861.
Illas. Sr. presidente e veresdores da cmara
municipal da cidade do Recife da provincia de
Peraambuco.
Ensebio de Queirox Coutinho Maltoso Cmara.
Joaquim Norberto de Souza Siiva.-Joio Ma-
noel Perer da Silva.Bario da Maa.Jos
Ribeiro da Souza Fonte.Henrique de Beaurre-
pairellhano.Dr. Claudio Luiz da Costs.Tho-
max Gome doa Saotos.F. S. Dlssda Motta.
jio, dasi'aato
govaroo ?
Par ce~
Oaessa _
braca* aa 0DAOB(fo (# dftrdt*aa ate-
uou" AtemrotMe, oepresea qaereado ii|
tar-se contra elle, pelas ladroera, que qaeria
Por certo qae nio.
Onesso virtuoso commaedaale devia ser ia-
difrerente a qae oa particular a alga a frasea
tivessem am sea poder os csvallo do goveraa f
Por carta qae m.
O Sr. cotaaai BurlaJa a devia aa trn^m^
eos a qae o preso a pertieuWrea ftoaaaaa
lacio sem limite ? ntretanto que aa lato
veruo a este respelto aio fad positiva ?
Por certo que nio. _________
Nio sabemos, fiuelaaeoie, i^m^a 1
sar o nosso integerrimo coaomaedaeta.
Commanieados.
se op-
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO.
Balando do Novo Maneo de Per-
nambnco
ai 31 de outabro de 1861.
,. ACTIVO.
Apohcea da divida publica ......
Estrada de ferro de Pedro II......
Estrada de ferro da Babia........
Depsitos.......
Joias depositadas. '. '. .
Lettas caucionadas. ...".".
Lettas descontadas....."
Letras protestadas ...'.'.
Letras a reeeber..................
Remessas ; ."""*
Banco da Bahia S/C '.
Jos Antonio de Figueirede J-
nior (Rio de Janeiro) .
Aluguel da eaaa......
Fornecimento.......
!""*.........
Premio de ttulos de garants. .
Despezas geraes.................
Caixa...................
573:800J000
104:0000000
99:1767S6
80:0008000
5:735fi280
4:5305000
2,675:92*9069
117:9529913
3:0000000
19:389*879
25:1595209
1:5459444
787*500
7:766485
8039228
14672717
3:867**82
630:154$506
Ris. 4.368:263lj3f8
_ PASSiro".
Capital.. .........
Emisso........
gmmmt da direccao ....
Letras pu." dinheiro recebido
juros ...... c
Contas correntes cora jur
Fundo de reserva......
Ttulos eni caucao.....
Banco da Baliia N/C .
Knowles & Foster (de Londres .'
Costa 4 Filhos da Bahia .
Dividendo.......
Descontos de notas .'.'.!!
Juros da garanta de emisso .
Premios de saques e remessas.
Descontos.........................
2,0OO:0O0S000
1,475:860OOO
80:OOr)
68:47l$540
464:5*54M
49:254*513
&.^80
50:8485324
3:225*731
6:963*798
2:918*000
1:492*000
2.948*731
1:305*699
154:694*267
A correspondencia assignada por diversos des-
coohecidosepublicadaoo Diario Pernambuco d
hoja, obriga-nos a urna ligeira declarado, qae
aervir de protesto contra as calamniasnella co-
udas.
O Sr. tenente-coronel Joo Barbosa da Silra,
ja expoz ao publico e de modo ventajoso os tac-
tos porque de novo o arguero, fazendo saliente a
perversidade e torpeza dos seus calumniadores ;
assim como ja chamou a respousabilidade oa sig-
natarios da tal correspondencia e ootros, que ae
prestaram au triste papel de instrumento do mi-
seravel Salgado.
Zeloso como de ana reputaco,~o Sr. tenente
coronel Barbosa nao deixar que o calumoiem
impunemente.
Esse a quena oscapadociosdo Bom Jardim cha-
mam Dr. tico, tem um conceito mui bem firma-
do e ninguem hoje lhe recusa o juizo de que
um dos melhores carecteres entre essa mocida-
de,_ qae aa aprsenla cheia, demerito e aspi-
racoes.
A bab immunda desses calumniadores des-
presiveis, que o olham com inveja, nio altera-
r nem de leve o apreco em que tido, e mnito
menos abalar a reputaco de iotelligente pro-
bo, que ha sabido conquistar.
O digno Sr. vigario Chacn, qae tanto se dis-
tingue pelas suas boas manetra, pelo eu carc-
ter iDgenno e honesto; qae tem am conceito
muito distincto entre todos que o conhdcem,
saber desprezar aquellos qua desmoralisados
pelo desapreep em.'que tem cabido, nao poderlo,
por mais que se exforcem, fazer moasa em aua
reputarlo.
Bem veem os taes signatarios da correspon-
dencia, que perdem o seu lempo nesse ofBcio de
instrumeolo d'essas aves de arribaedo, que se
aninharam na infeliz comarcado Limoeiro, com o
damoado intento de ludoperverter, de ludo trans-
lornar, a assim se teem arvorado em centro das
calumnias que constantemente sao jogadas a to-
das as autoridades da comarca, tanto civi como
religin.
4 de novembro.
O amijo aa eaurllivtuiio.
rio-aaaj
Exm. Sr. presToeole, qaa coa naio saaora aaa-
tem a redeas dassa admtniairacio. aa
ministro da guerra, que o Brasil tea a felicidad*
de lar sea frente; digo, tem bastante tioe para
conheeerem este traaa.
Par conseguinte, ao integerrimo coamaadaete.
ao IntrepiSo militar, ao aerea da no "
deocia :Honra a gloria.
Femando 27 da outubro de 1861.
Da veterano do praetdlo.
Correspondencias.
Tributo ao mrito.
O abaixo assigaado, profunda e intimamente
compenetrado doa valiosos e relevantea servicos
qoe o Bxm.Sr. Dr. Trijlio de Alencar Araripe.
como ebee de polica que fot desta provincia,
prestou a causa da ordem usa crises mais diffl-
cei e arriscadas do embate dos partidas e em
(odas as emergencias que reclamavam sua labo-
rioa intervenc^o no interesse da lei e da publica
tranquillidade; vem, nao s sob o carcter de
empregado policial, como na simples qualidade
de cidadao, reader a aquelle dUtincto benemri-
to e prestimoso magistrado am lestemunho pu-
blico e solemne, quanto espontaneo e siaeero do
respeito que lhe consagra, da admiraeio que lhe
vota, do alto conceito em que, finalmente consi-
dera suas virtudes cvicas, sua dedicacao iocan-
cavel e provadissima no empeoho de Armar o
principio da justica punitiva, viodo sempre ci-
ma de todas asdifflculdades, vencendo todos os
embaracoa. sempre corajoso e inabal&vel, aam-
pre lidador indefeseo 00 desempenho de sua il-
luelre misao;
Su o mrito deve ser apregoado e engrandeci-
do, e se este o premio stagelo dos que o nio
podem devidaeaeote galardoar, o abaixo aaaigoa-
documpre esse dever a cumpre-o com o enthu-
siasmo ardente do peroambucano reconbecido e
franco para com o Exm. Sr. Dr. Araripe, pelea
servico iocontestaveii qae prestou a esta
vincia.
pro-
Ris. 4,368:263*318
Estado da caixa
Em ouro amoedado.....
Em notas do thesouro menores
de 10*000 ....;,.
Em ditas de outros valores .
Em notas da caixa liaj do Ban-
co do Brasil .
Em notas do No-
vo Banco de
Pfl Uaujbuco
sendo do va-
lor de 200*000 58:800*000
dem do valor de
toojooo..^.,.
dem do de 504
dem idem 20:
dem idem 1
rr
11:959*000
17:543*000
398:350*000
78:750*000
28:800*000
20*000
160*000
Prata e cobre
-
120:180*000
3:372*508
' "P'I,5l-d! f;"porprtedo"auTor"." v'iSw-
>a (W 0 aune
M Gomas, aoeaia.
gbaa.
. coatfario disto ir abertaqjenle O
aa eapirito manitoato dls gg^tf5 ,TS
Sa to tara aa ateto a^ldpi ciaJitiiihLs
niigiaio aepnaMUeflo ptatia 4^'^TonW
pona apresentar a sua accao no cenitaia^.
" o qua ma paraaa, aalvo raalkor toiae.
cito 5 te o ututo o de 1861.
J?r. Bro* rtortMino nriqm i* Souxa,
KU, 630:154*506
Demonstrado da emisso.
4269 nota do valor da lOOfBOO 853 8001000
4653 10tt*00O
3060 50JIM0
39 20*006
298 > lafitXK)
Ri
465:300*000
153:000*000
TOfljooO
2:980fJ0O
A verdade em todo o tempe ha de ter minis-
tros que a honren), eoracoes que a goardem. Eo,
pois, a proclamo vigorosamente ao que tenho
dito face dos que o deturpam.
Fio d'Alho, 31 de outubro de 1861.
Jto Ansa-lacio Camello Pato* Jnior.
oa!?1* Sr. prcsitJeirtc da provinciae
ao Exm. sF. ^nistr da guerra para
lerm.
Nem todas as retciaJ6 ,e
dizem : porm verdades ha, que
o nao dlzer-se crlme. s
Constando-nos que, pela barca fomoraci, ia
ah ser publicada ama correspondencia am nome
dos presos contra o coronel Burlamaque, nosso
distincto commandaole, nio podendo nos deixar
passar este facto desapercebido, nio : iito seria,
alm da ingralidD. concorrermo com a nossa
pedra para o edificio das calumnia.
Sentimos sobre manelra nio sabermos a tal cor-
respondencia, qual a sua base era que aasentaram
as soas calumnias, para batermos urna urna.
Porm os seas autores sao conbecidos, o trafi-
cante Barboro 6u Barbosa, com um dragonado
dahi, que por itaigraca do Brasil, j foi nosso
commsndanle, que qaeriam que o eotegerrimo
coronel Burlamaque combioasse com elle, dei-
xando passar am grande carregamento d'aguar-
dente. O nosso distincto commandaole compre-
hendeu mui bem a altura da sua posigao, que ja-
mis onsenlio que a siaaria fo'sse avllfada, qae
o bnlho1 de.leasalde fosa am, mareado por tal
larma, {sendo elle conquistados pala sua inven-
sivel espada ; nao pelo patronato, como tem-se
dado com um certo militar, que comecou a sua
carreira fugiodo da bandeiras da iudapeodancia,
para raunir-se bandeira dos Porlaguezea. que
pesiado alguna anno apreeenteu-se como dfen-
or della.
Muita cousa podamos as cootar a esta re-
pett e tabre outro. Porm atorase, par ota,
.podpar esta vergonha ia axerclto. Mh ae o tal
^alhtar cemeaar a tetar enredad centre a aseso
|rtuoso comaindaita, eatlo poreao* toda ar

Sr$. redaoloree.Poto qaa gravaaento aefer-
mo, e por conseguinte iaposaiMIitoda da apaa-
car-ma a lodo a qualqner trabalhe, aa eaaa lae
forjado a escrever estas poucae lioba, pera pra-
teslar, como protesta, contra a qaa acabo de lar
no seu Diario de a de outubro tato, i raepait
doa aaeus amigos ausentes major Joa BeeVtgaea
de Moraea, corooel Serapbiaa da Seaaa Parrax, a
seu Blbo Manoel Ferraz da So oa, sueeelegade
da freguezia de Fazeoda Graade.
Um aeu correspondente qua asiaeiosaaaeajte aa
inculca residente aa comarca da Tacaral, atea
que pela feicao do estjlo a virulencia da ligaa-
gem, claramente aa denuncia, a aaatia aer ara
velho iotrigaote da meu antigo ceebecseaeate
lembrou-se de vomitar aa maia nagraa aaaaaia
contra oa referido meaa amigos, nutlafii per
pedir ao Eira, preaidente da provincia ataitoeai-
cia contra elle, e tambem contra as aalendadea
daqueila comarca, s aeee qealifle de netilig**-
lea, frouaas, a conniveates ae htrrarm qpa a Mi
sa pratioam, menos o Sr. Majar Padre (j sa sabe
porque este oa aeu aotoedere-asnee atraa la
Ibade, para restituir eaaa laealidade i aaadfcaas
normaes e faze-la gozar da ara de Sal o reo.
Nao rae aorpreode eaaa aove eneaie ajee a cor-
respondente faz para desmoraliaar em aaaa a ami-
gos, persegui-Ios, a talvaz aaaasalaa-laa aa
da auloridade, porque o mesrno
tazar nos flns do aaao paseado,
verrioas erara aqu quaai qa diaraaeata trabu-
cadas coa o flm dedeavairsr a opiaiae da gavar-
no sobre cousasjde Tacaral, a iadezi-le a
tomar providencias desacertada, que Inaira ata
resoltado a perdici da borneo aaerfc.ee, a a ia-
cendio da comarca, aaaa, we m* nao canea aa
za a repelico daate plano infaraal tracede 1
pessoas que ma sao charas, aio
deixar de sentir nojo ao ver ane> o correeeoeeeote
em materia lio grava, tmme) a que aseara a ana
calilinaria, ae eavolva aa capa de aaatriaao, pera
traicoeirameote diflamar carcter recoaaea-
daveia.
Quero dar-lhe una reapoata acabruabador,
quero eoofundi-lo, quero pravar-Mie aaaa date
meato aulbenticos, que cada ana das preeoet-
?oes enunciada contra oa mees amigo, exprime
urna calumnia, mas como heida eolrar aceta la-
ta, se elle nao deixa a tocaia, nio abeadoee a
emboscad, nao ofiereee ao pablice a aa rela a>
seu nomo ? I I r
Convido-o, poia, qae renuncia aaaa aaeieaa
indigna, e venha franca e lealmenla para a prata
discutir comigo o assumplo da na eorrespondea-
ca, e outros quaeaqut relativos i Comarca (to
Tacaral, ea todo alio sertiodesia pratlada aa
certeza de que meachari sofflcienteaaato prepa-
rado para pdr-lhe a calva mostra, efaze-lo dea-
nortear. Entretanto de passagea dire seapre
algumaa patarras sobre certo tpicos desea cor-
respondencia.
O major Jos Rodrigues de Moraes ( opima to
correspondente, qua elle deseja ver abracada Ma
goveroo) deveaar exterminado, porque a coala a
protege criminoso, promovendo Ibes a abaolvi-
cao por meio de recurso, a pranle o jury, par-
que sna deleteria influeocia vae-ae ertantoato i
outra comarca, como por exemplo a da Bonito
onde ha pouco lempo eateve tratando do lirra^
ment do seu amigo coronel Pedro Paaa to Sea
za, porqae, Analmente, exercendo um preesee si-
nistra sobre as autoridad de Tacaral, aparara
a populado, e contra ella axerea os sea alea
instinctos.
Ora, casta a crer qae hja quem ae leabre fe
fazer a um homem de bem, a a todo o laaasilaa
digno de eslima e cooaideracio, coaaa a
Rodrigues, imputacoes tio perfldat. a aa
lempo estpidas como estas I
Pnmeira meo te chro, qae. aa delatara a per-
niciosa fosse a influencia do referido major aio
poderla durar por taotos annos, a mallo miase
estender-se a ouiras localidades, porque sabida
qae o prestigio (se tal nome ae poda dar) adqae-
rido pelo crime, gyra era urna eaphera limiladis-
sima, e tem ama duraelo mallo corta.
Em segundo lagar incrivel qaa seado MaaV
le major esse homem de mos ioslloctos, aaaa pea-
lector de crimioosos que o correspondente ftgera
podesse iranqaillamente viver i vista, a face to
tantas e de tio diversas autoridades, coao aa qaa
tem tido a comarca de Tacaral oestes al'totea
oito annos.
Na verdade foram slli delegado militar ai
distlnctos capitaes Costa, e Tibaldo Valeriaao fe
Silva Tarares, bem como o briosa alfares
Jos tUbeiro, foram juizes muoicipaas aa
dissimos hachareis Tamarindo o Aaaral, feraen
promotores publico o muilo dignos bar barato
Veras, Bego Barros, Gtmeiio a Belraeet ; toi a
juiz de direito o raspeitavel Dr. Francisco Ciapl
es da Rocha, um dos ornamentos ds :
gistratnr'a or ,eus talentos, honradez a
dencia, e poder-*h' acreditar qae "
funecioaarios meooscabsiS.,n na saaa
para contentirem qae urna oQaaaw?
se desenvoWesse palos aeras que o
te indica ?
Poder-se-ha admittir qaa,
publica, e eairanhos a todo a qualeeer 11
particular, a rela(5es da familia, a4laa aa
dassem a ponto de pacluarem ca a
perigoso, tolerando oa aaaa Crimea, a
qua elle eicaioecesae da argalia toa Uto t O
publico imparcial qaa jlame.
O que, porm, nio adraUte arito aja
major Josa Rodrigues vivaa sea
harmona coa flan autoridada.
sajac
ata
Oauardallrro,
FlLHICisco JOAoXraaPdBrlU fiirrb.
A^t1*'* nn?lclpaTdq Recife tendo recebido
o oa ci qua
todo o seus
am ra tranicripto, convida a
1.476:80j|000 l* mastra documentada e seguida com o seu
- Aonaaeto aam.
Entremos em atoan facto, ana maito honran
aaao.coaaaadanie.
Em que lempo foi, oto m VW oeato prasteio o
genero alimenUeio iio*baNtos ?
uaide. teafe agetet Ttarae oepraerai toa
afaerdeato r
, ^^^itoHBatoiuiawai
funccionar raz da gameleira T
e pretando-Ihea o aaxilioa de ama 1
manuienco da ortoa pahltae. aa
nunca houva naa qucixa, aera
processo por or mea partenla rea
ou mandaste praticar. e qaa
propnoa inimigos vaoda-ao al
trigas que lhe urden, limitaa-aa a i_
gtmenie, cono tai o correspondeale, 1
elle acouta, a protege cralaoaoa, aaai todaeia
raenciaoaram oa aoaaa fe ataaaatoi. as
acoutados, nam exhibirn prval
para eaclareciajvate togevarao ai
' sedo ?
. Sa qoerais, 8r.
alguma 14 a
foram a pr
indetldaateato'
de Individuo qaa
moatrai ea como w___
to aaUaitetaa, a eeear ella
dalifefeblioa, 7
io torea atatofetfea
aaTarOaa
tot-aata',____________
tonto intnt.ate, de aa vtl 1
'aa*
po n Uraasa totaaaaato pielliiiaato
I


tmii \
!si.ypu|fl,a;3c
oa daquells p
}ualifla-lo l___
ueoda deleleria______
Em que poca piz do auodo foi
nem inda um daxar cuidar-se por me
da defeza, e livrsmeoto de um patele, do um
migo o at de ust eetranho, cuja desgrsca
excitado a oooai coi
E' verdsde que o
marca do Bonito '
ami|
za, que all se ochavo pronunciado, mal tambem
8a
Qual
i naTMMMI||Ia.ait
^^ssasraaorl uowasptra
tonoeente que ae v4 cercado

que
tasa
ra do caminbo justo.
lelenho
S"
Kim,W?OT.8J!
. que
eMPieaiw.
prova da Iealdade do aeu carcter, da dedicacio
qaa lie consagra aoa aeuaamigo?
Por amibo perguotarei aos homens de boa f ;
S. fy?1?^*!0^6^0/ 8 osoSar Jortlueocia
^'^irff^W*-4*""" saojca presi-
oeale %Morafeaosaaucazpte,. ano tem aer
autoria^vMa afea* atoe omos Sataes t*m
m lOatsjtmea que
os lio1
cobarde
Aioda
toa aqu
bem n
ric.no, a eitima'e* loa
**?&
lomaos Inatinc-
,csmotm-J
feir a conside-
ahecem, e mei-
distinccao ?
I SerapMa da abusa
-MlMo carrea*oiUeate,ast Umnem de -
'a aw teruuuada, porque 25 ou 30 anuos tere
f J>wcnssopor.crimede mode, do qual foi ab-
olvido pelo joryuoJo'lares. O motivo real ou-
1ro, e consiste am aar aquella coronel urna io-
iiuencia iaabalaral oa aua comarca, parele do
msjor Rodrigues, e meu amigo ; mas sem decli-
nar do terreno em qu* o correspondente collocou
a accuaacio. aceitare a razio pe* elle allegada, e
perguDUrei; todos qu contra si teni lido urna
pronuncia, a comporececam a barra doa tribunaes
sao ou foram verdaderamente criminoso?
A lei que attribue aos jolgameotos a forca, e
carcter de verdade pode par ventura admiUir
Ce de am processo em que a innocencia de um
mem foi competonteraente receobecida, e da-
larada, se .faca contra elle capitulo de coa-
saca o ? ^
E'^aiBcts que o eoeanel Ser achia si aua ano -
caoe. epois d Diisar pelo grande desgasto de
ver lai oa oo sjeos*aale prximos prenles
osjatsinado por urna familia que entretinha an-
diga inimizade ooa a sos, desnaioesmo de basar
*""p.j? de 8er R"lm!ole victima, chou-so
otolaidosm um processo instaurado pelas mor-
tos de dous ou iros deaeea aaoassinos oecorridss
ms diligencia* feilas para prenda-loa. porm o
jocy de Flores, que alias ae compunha de indi-
id u os, qa* por divergencia de opinies polticas
we nao rom a Setenados, teconhecea aua iuno-
caocia, e absolveu-o.
' esta a historia do processo a que aliude o
correspondente, a diosa eo bornees erios, ae
pode ter digoidade quem se prevalece de oceur-
roocias desta ordem, quem as adultera, para diffa-
nur, e expor a derooosideraco publica umao-
etfo respeitsvel, na fazendetro laborioso, aao
chele do importante e oumoroaa familia, boa
pai, bom amigo, e excelleule cidado, como o
coronel Seraphim de Sonta Ferraz.
A raapeUo de Manoel Perras de Soasa, o cor-
respondente Jimila-ee a pedir que elle aeja de-
mittido de subdelegado da freguezia da Fazenda-
Grande, porque filho o coronel Serfico, e
principalmente porque deu-se oe seu distrioto
um assassioato no da 16 de setembro, e elle nao
cooseguio capturar o assassino, que o correspon-
dente prfidamente insina achar-ee asvlado oa
caaa do majar Jos Rodrigues.
De todas as aecusaces esta seca duvida urna
das mois dignas, das mais calamaiosas, e so
meamo lempo das man estupidas.
Poli Heve ser demittido um empregado de po-
lica, porque peatiesu-se om crimeino drstricto de
ua jucMdsacao, e elle ai o leve s fortuna ds poder
prender-o deiinqoente T
Foram por ventura deiiittidas as auloridadaa
que serviam nesta cidade as occasides, em que
ne la se derum os antigos, os reeanlea, te escan-
dalosos assassinatos, de que todos cooservam a
mus triste recordacio? Nao.
Por conseguiole razio de pedir-se a demisaao
desse enrgico, e iutelligente subdelegado ou-
tta ; quar-se levar a effeito ame i o verseo na co-
marca de Xacarai, para eetabelecer-ae nella urna
ordem da coaias que repugna o* saomon ua populacao ; quer so ter instrumentos quo
com docilidade se preatea a servir a valhos edios,
e vingancas; qoer-se perseguir aoa meus amigos
eos nome da autoridade, para perde-los e oxter-
mioa-los; quer-se emflm plantar all a guerra
civil, como am auno ae pretenden toser.
Pois bem I mister que tambem oe me persi-
ga, extermine, perqu em quante islo nao acon-
tecer bel de cumprir com o.seeudever; hei da
?aler-me de ledos os molos de pubUcidade, de
todos oa recursos de micha iotelligeocia para de-
fender aquelles que me ci charos, e fazer che-
gar ao conhecimento do governo e do paiz os
tramas que contra elles forem ardidos, as iojus-
tigas, de que porvaalura lenham de ser vic-
timas.
Direi anda ao correspondente, que elle raen-
tio cyoica e vergoohosamente em todo conledo
de tus correspondencia, e que por tanto se tem
cooociencia do que dlsse, levante a riielra, e acei-
te a lava que lhe atiro.
Cescluodo aapplico ao Exea. Sr. presidente da
provincia, que tenha todo o cuidado coa os nego-
cios de Tacarat, para que a hypocrisia, a impos-
tura, e a astucia aao cootigam anarchisar aquella
comarca, e rega-la com o sangue de pas de fa-
milia pacifico e laboriosos; e confio na illustra-
co, e Iealdade de carcter de S. Exc, que altea-
der a esta "minha supplica.
Pe;o-lbes, Sn. redactores, que publiquen es-
tas Habas do seu etc. etc.
Francitco Carlos Brandao.
Recife, 2 de aovembro de 1861.
Pablici^oes a pedido.
Para o Sr. Dr. chefe"depff-
ci ver.
Pergunta-se ao subdelegado das Duat Barra,
Galvao qual a razio por que conserva Joo de
o, adigitado como autor da subtraccao feita
ao restante do dinheiro roubado aos Iogrezes, na
taale do da 16 de agosto, em plena liberdade,
n# qiarlel de Gometeiro, podendo at ter junto
no mesme sua amazta, com quem cootiouada-
meote est ; e so entretanto conserva no tronco
oovroa presos, cojos crimea sao por S. S. reco-
nhacidos puramente policiaes I Ser isto justo t
Outrosim, qual a razio por qoe S. S.^ prioci-
plJmdo a proceder outro summario, mandado
da promoloria, pelas preteoge, e mesmo pela
proteccao escandalosa que tem prestado Lima,
o est tazando em um quarto, com tanto myste-
rio, onde s lem iogresso a pobre testemunh, o
protegido Lima, e seu adeptos ?
Ser isto porque o aeu comelheiro Uygino o
exilio, para melhor representar o seu papel do
escriao ai noe.? Gom w suas rejpostas, Sr.
oobdelegado, voltaremos.
0 Intulmdo Etcrivao'd* Caruaru1.
(Do InieptndttU* dj Tacanear).
!|| ieu .' -w:


DEDICADA
Minhat em&rancar.
Querb esquecer-le, mas dio po.io virgem^,.
Mwh'alma presa a lmbranca toa
Soffrtdolem a influencia dcil
.eos
o*
I^M%?g7mWlrolW^p^o^lrl80'* *
Ou bol saiga coso imprudenlo trato
"-fTri-iIrTii iiisdas Jasgses
^oosaBaoleqaoalioosjssgro;
EotM ommeeo as OU tito, morro.
Porque so Tiro, quando pens em ti*
^7$&3i:
I'*""
%4a
tfAar.
'.*
. 1
pira,
te fracs
vagos
ismar.
i ver ausente,
te coatemplar-le 6 aojo 1
'asxsfsSr
A dor cruel, que tua ausencia traz.j
{nd'abi meemo ssssJtado ou
.ynecea mMa oepletMida Da fcaa vfrgem a q*r*w vet mau diss
To fielmente como s sella 1
uof)
Na so lidio do meo qaarto escaro
Ea peco i Dos que realiso ooooho,
E i ti imploro que ftesriSB-fcella
Minha dr pungente e soffxer sem fim.
Se l ou vire meas srdeotes votos.
Por ver
Te?rft"Sd
. doo.
E n'esse estreiio santuario puno
O tbrooo d'anaor refulgir,
Teu bello pensamento o mea ser,
O nossos coraQoes ua doce lsco,
Minh'alma um tspelho immaculado,
Onde a tua mirar-se veso cooteote,
Nossos dias um jardim de rsrias flores,
Nosao amor aeu perfume deleitavel.
30 de outubro de 1861.
J.F.I.L.F.
--------------------------- -
COMMfcHCIO.
Novo Banco de Peratmbuco,,
O bancx) paga o 7- dtTidendo de 12
por accao, relativo ao semestre findo
em 31 de agosto prximo passado.
A directoria a a caixaQlial tem deliberado
marcar o prazo da 30 dias pora e recolhimeoo
da sdalas de 8O9OOO, findo os quaes estsrao
sujeita sodeocoato mensal progressivo de 10 0/0
de eonformioade coa o decreto d. 2664 de 10 de
outubro de 1660. Recife 10 do outubro de 1861.-
Oeeeretario interino, Luiz de Moraes Gomes Fer-
reira.
Praca do R3cife 4 de
novembro de 1861.
Vs cuatro \\t>Tas da tarde.
Cotacdes da junta de corretares.
Masca vadoCanal 2#080 por arroba.
Dito ds ParahiOa 2g2fJ0 por srroba
bordo.

posto a
Cambios :
Sobre Londres -a d. por 1#000 90 d. rigta.
-.i ,. i' Descont :
9.10 e 11 oO ae auno.
Leal Sotopresidente.
r redenco Guimaraessecretario.
Alfandesja.
lendimentododll a 2 .
Idsm do da 4 .
U1764S39
159051028
38 081J367
Hovlmento da alfandefca.
Tolamessntradoscomsaendsj.. 163
soa gneros.. 5
Volsmes sahldos com fazenda..
i com gneros..
85
151
168
236
Descarregam hoje 5 de novembro.
Patacho americano-Santa ataria-cerreja. ari-
nha e gelo. *
Hiate braaileiro-Duas Luizas-charque.
Barca inglezaSeraphiaa.mercadoriaa.
Barca francezsJeao PsrmeoUercsrvo.
Brigue amerioanoBrand-Winefarioha e bola-
chinha.
Vapor ioglez Magdalena, vindo dos portos da
Europa, maoiesluu o segua le :
88 caixas fazendns de algodio. de lia e nutro.
ll" q*'i'0S'* embrulhns nosltas ; aSoulhall
1 caits1 livroa etc; ao collegio de S. Vicente.
20 ditas queijos ; a Ferreira 4 Martina.
25 ditas ditos; a Tasso Irmos.
48 ditos cha ; a H. Fonler C.
50 barr manleiga, 4 caixas fazeoda de algodio
1 embrulbo papis, a dito amostras: a Saundres
Brothers 4 C.
1 caixa uzeadas. 1 dita tocidos elsticos, di-
tas quijos, 1 barril presuntos ; a D. P. Wild.
5 caixas chapeos de sol, fazenda de Ua e seda
grvalas de seda, e sapatos. 1 dita conservas,
volumes amostras ; a Joao Keller & C.
1 barrica marlellos de ferro, I roda de arime.
17 caixas vioho ; a C. W. R. Chapman.
1 caixa camisas ; H. J. Caoian.
1 dita calcado,! embrulhos amostras : a Seve
Santos, &tj.
20 coilas queijos.l dita chapeo deso de soda :
a ordea.
1 caixa calcado ; a A. C. de Abreu.
2 ditas queijos ; a M. J. G. da Ponte.
5 caixas chapeos de sol de alpaca de seda, U-
zendas de lia outras, luvas etc., 1 embrulho
amostres ; a Ferreira t Araujo.
1 caixa jotas ; a F. J. Germano.
1 dita aadaa e jolas ; a A. Pinto.
1 dita sedas ; a E. A. Borle 4 C.
1 dita liares ; a Almeida Gomes Alves 4 C.
1 dita mercadoria ; a Cmara Guimares.
1 dita dinheiro, e 1 calcte amostras :
Bieber 4 C
1 dita amostras ; a K Aostin.
1 embrulbo ditas ; a H Gibsoo.
1 caixa sabio Krabbe Whately 4C.
1 dita ferrageos ; a Rostron Rooker 4 C.
1 embrulho amostras, e 1 caixa com relogios:
a Dammeyer 4 Carneiro.
1 volume amostras; a Linden Wild 4C.
1 dito ditas j a Christiani Irmios.
1 dito ditas ; a Traveres.
1 dito ditas ; a Goilberme Augusto Ricardo.
1 dito ditas ; a James Ryder 4 C.
1 dito ditas; a Patn Nash 4 C.
1 dito ditas ; a E, H. Braman
1 dito ditas ; a Arkwrtght A C.
1 carea roupao peridicos ; o W. A. Bronn.
1 volume amostras ; a James Crabtrre 4C.
1 caixa pistoilas a Waring Brother.
1 caixa machinas ; a Bailar & C.
1 embrulho amostras ; a Kalkman Irmos
1 dito ditas ; s Kabe Sehmettau 4C.
1 dilo peridicos; a C. L. Gambrome
I volume livros; a A. M. C. Soarea.
II caias doces, ef0 ditas com rap ; a T. de
Aquino Fooceca.
3 caixas roas-as do tomates ; o P. Jos Layne
ancoretas vioho ; a T. de Fooceca Jnior.
aN.O.
* IMaassaatw
9JU0^
100 *** da*ct, 00 vorbosdeaolba de
csrnauba, 15 ssccoacom foama, 1 caixa o 1 cai-
.
desnl^oro.
Axtha, para Philsdslpbis,
Do
Barca americana
carregaram :
.Ji!1*!.'Au,Un c- 1*wo uw
arrobas de anucar.
Brtgue ingez P*4ry, para Lrversoel, carre-
garam : __
kJat?ifh4 ^ l'ttMt 6.440 "-
ssaPB'aWMRstjat?4s9 "-. <
gafan??* *** *>V*,M **" *"* cttn-
*hip'ps Brotbars & G, 1,107 saceos com 5.
arrobas de sssucsr.
Barca Ingleza Favorita, pora verpeol, corto-
gsram:
Pnpps Irmios 4^, atO saceos com 1,128 tr-
robas de algodio.
Dis 2 de novembro.
Barca francesa, Jfarte, para MarseUle, carre-
garam:
Cils Irmios, 300 saceos com 1,500 arroba de
assucar. I
Brigue loglet Syrtne, para o Canal,
garam :
Phipps Irmid, 1,893 saceos com 9,465 arrobas
do assucar.
Berta ingleza *aeori -2Sfca?ftTU,t"* M-collrai verdes
coa 42,561 libras. .
teraaa
---------- da CaaaN imeateU
M***m, Ansalo baL
kbdiassosrto-datCaa'h' Bailes.
fcsUia ajajea,**, Mitaada Varmea. -
Ruaba* do o*. Pasos Lias.
Bi Joaquia Jase de >aoa.
yapls Dora ella Ceaara.
^r4m moliadee eiB 360 esd um aas fes. se-
com fj,000i t**MoH'eroaadas de Araujo.
B^eaingae Antaaia da Silva.
Fraa cisco Jaso fielia.
Manoel Ignacio de Oliveira Jnior.
pSSafS7o.4 liso* d^obbtl Oli
carro-
Sala das seiso
pare foroecime
outubro de 1861
t-or
t* fazpuhliep,
de ao!
$%&&
administrativo.
e guerra, 31 de
Ja&pm Psreiri Lot*.
9&\vogalaecfotario Iatapao.
rsodu lutexnaa gepsos
puni i circular n. 73
MEMOIItS M MAM.
|rancico de Paula DiasFernaads. ......
STlaaS."?15u *B *\ 8a",


Aotone Jos Parera.
Fram multados om
gMDies:
^o^rosAnaosto da Silre.
Domingo* rieoaso* Tararea.
Antalo Ricardo do Bogo.
Antonio Francisco das Heves.
I,0*? GaocalieaBaato.
os Francisco de Ss Leito.
J^'weisa de Mallo.
pr.CoamedeSPoreira.
-^GopcaJvesilalveira.
>io Manoel Piato Chaves.
Joaquim Jos da^as>t'aaua Cerdoso.
\'j
um dos Sr. sa-
^ mwm M.. m~


ab
Readimonlo do da 1 a 2 .
dem do dio *...,

1:041S|
... *'
2:68*9963
aravlnrtal.
Reodimoate de dis 1 s 8 ... 1
Mea do ale 4...... 3:31

4.949P576
ERRATA.|
No prego da carne secca publicado hentem.
deve Ir-ecarne do Rio Grande do Sd-ronsi^
ae de 2*400 s 3*600 rs. por erroba. ficando em
ser 82,000 arrobas e da do Rio da Preta flcou
em ser 2.500 arrobas.
MoTimcnto do porto.
*-l-------------> -----------1------------------------------- .M-i "
Navs entrados no di* i,
Arscaty pelo Ass 16 dias hiate brasileiro tixa-
JapOfcide37 tonelsdas, capito Trajaoo Aotu-
ues da Costa, equipagem 5 carga sal, e outros
gneros; Benvindo G. do Amaral.
Boston 52 dias patacho americano St. Mary, de
176 toneladas capito H. S. Brevoor, equipa-
gem 7 carga gelo e rariohs de trigo: D. P.
_Wid e C.
Rio de Janeiro M dias brigue nacional Encanta-
dor, da 214 toneladas, capito Antonio Podro
dos Santos, equipagem 8 carga 8993 arrobas
de carne secca ; a Baltber 4 Oliveira.
dVaoios tahidoe no intimo da.
Panado hiate brasileiro Bori. capito Beroar-
dino Jos Bsadeirs, carga differeolea gneros.
Canal brigue portuguez Margarida, capito Joa-
qaim Essygdio Ribeiro, carga osoasar.
Navios entrados no dia 4.
Philadelpbia 45 dias bngue americano Brandy-
vine, ere 207 toneladas, capilio Lewis C. Har-
maa, equipagem 9 carga 1120 barricas com a
rinha de trigo, e outros gneros; a Henry Foss-
ter4C. *
Golpho de Ammapola 96 dias patacho heaaanbol
Elvira, de 156 toneladas, capito Jacintho
Thomaz, equipagem 12Jcarga cacao e coares',;
ao mesmo capilio veio refrescar e seguio para
Barcelona.
iVattoz sakidos no mesmo dia.
Rio de Janeiro brigue hespaohol Toro, capito
Dr. Jos Ferrer carga a aesma que trouxe de
Barcelona, suspeodea do lamaro.
Macei nares americana B. F. Shaw, capito i.
M. Cana; em lastro suspenda" do boa.
o
o.
y' -a b*
r sr
Hars.
n o oa
i I I
ae
O
s\thmospher a
Birecco.
I
I /ntsnstdadf.
L
I VisUrna hydre-
artriea.
en
2!
1c
OS
00
67
\ Franesx.
S
S
i.
2 S
Inglti.
'S
SE
H
V
te
O
i
que gradaal-
Anoite clara, vento NE fresco
mente roadou para o terral.
OSCILADO DA MAR.
f es6h.6' da larde, altura 6.8 p.
54' da meahaa. altura 0,9 p.
Beixi-maras 11 h. _
Observatorio do arsenal T
vembrode 1861.
marinha, 4 de no-
SOBAHO STIPFLK,
1* lente.
Editis.
O Dr. Bernardo
Machado da Costa Doria, jui
tlM? Ia V ?crin,iDal da "
Recife por S. M. o Imperador,
de, etc.
do
que Deas guar-
12 osises doces ; a Marques Barros 4 C.
1 caixa perfumaras ; ao agente.
1 volume publicacoes ; a Jos Heriques Fbr-
1 embrulho peridicos ; J. WhiteBeld.
8 ditos MtMrH ; a Adamson Howie 4 C.
t caita facenda de Isa ; a Schafbetlio & C,
1 ditas dita de algodio ; t volumes amostras ;
a C. J. Aaieley 4 C.
2cais^so#ta4u,saitf'a>tlas.i;i enteiro
a Lopes.
9 csixas vesiidos ; s Vaz 4 Leal.
4 ditsstecido de Slgodao, fazenda deloho.bo-
tds eperfamarlas ; fiello Ubo 4 C.
*.W3 rrobat da corar iscca a 10 cauros, seo
Barca ingters /tomo/, vlnda de Tenra-Rova'
consignada a Johostod Pater 4 C., snolvestM
seguate: a

isoile
A*mlp,^afatoa<^iab4ir8Baoe,
te a saaaiaMe : .asj
raa aaa yR^asaroatalgagai 4
i*r
Faco saber em virtude do artigo 266 do codito
n^.r^"0ormDa1' ?ue {eai0 tiao convocada
para o da 20 de (Miembro ultimo a quarta sesolo
do jury desle termo, e.diada par. o dia 7 do cor*
rente. ostallou-sc no dia 10, e oBcorroa-se na
ftdfie'rt? n",,, jalgad' ,4 SSS COo!
So. gtates5!6808- F0"m aB,i-U0 0,S"- i3
Americo Ovidio dos Ssnlos. '*
Antonio Jos Rodrigues de Paula.
Aatonio Soares da Cuoha Nobre.
Dr. Antonio Joaquim Ayres do Nascimento.
Aagelo Custodio Rodrigues Franca.
Antonio Cordeiro da Cuoha.
Rento Joaquim de Miranda Henriaues
ernardino de Oliveira Coragem
idido Autran da Matta Albuqerque.
neisco Antonio de Assis Goe
ocisco Epifana de Soasa.
neisco Antonio de Almeids
Jos Hara Geraldes.
Josft GoacslTes da Silva Bastos.
Jos Alfredo de Carvalho.
{* %!* Innocesoie.Posjgi.
'fBSfm*>M Vsrejia.
JosfThepdoio^i ilsairAo,fesa)mda Helia.
m "} dpfiilss Irasileito.
Mt+iW* WdAt^oMe.
guel Lucio de Albuquerque Mello.
i$frP*n:Mty9*. Jto* Ws4|_so-
vm**M Geol -Rofs.
f^odrisjies^iameiro.
MSfo Brederodes.
rancUco Rodrigues Pinhsiro.
. le

^
errers d Silva,
oi multado ea BM# o Rr. :
Foram multados ea 30O dado um dos 6rs. i
uiuUs:
acinrho Aolenie da Silvs Pessea.
Antonio Maxao Muoiz Sesreka.
Foi tsmsaa aullada ea ISO o Sr. :
Francisco da Rocha PessosLias.
Foi finalmente multado em 60* o Sr.:
Dr. Joaquim Jos de Campos. _
mandei passar o prsenle, que ser publicado pela
imposasa.
Recife 26 de outubro de 1861. Eu, Joaquim
Praocico de Paula Esteres Clemente, escrivso do
jury o susaorevl.
Bernardo Machado da Costa Doria.
. O Illa. Sr. inspector da tbeaouraria pro
viocial manda fazer publico pora conhecimento
dos inleressados o artigo 48 da lei provincial n.
511 de 18 de jucho do correte snno.
rt. 48. E* permittido pagar-se a meia sfza
doa eeoravos comprados ea qaslque: lempo an-
terior a dais ds presente lei independanle de
revalidaQo e multa, urna vez que os devedores
acluaea Oeste imposto, e faoaa dentro do exerci-
cto de 1861 a 1862, os quo alo o fizerom Ocatio
sujeitoa a revalidaQo e multa em dobro, sendo
um terco Pa o denunciante. A thesouraria
tara aeounciar por edital nos primeiros 10 dias
de cada mes o prosete disposicio.
E para constar se maadou afflxar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraris provincial de Per-
asmbaco 8 de julho de 1861.O secretario,
A* P. d'Aunuciciecio.
O Illa. 8r. inspector Ra ihesoaroria pro-
vitcial, em virUde de resolvi da junta da fa-
seoda manda fazer publico que a arrematado do
piano que existe ne collegio das orpbas, cou
traosferraa para o dia 12 de novembro prximo
violouro.
E para constar se mandn afflxar o presente
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-I
oambuco, 80 de outubro de 1061.
O secretario.
Antonio Ferreira d Annunciafo.
- O Illa. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimento de reolocao da junta
da fazenda, manda fazer publico que a arremata-
cio dos concertos de que precisa a cadeia da villa
do Cabo, flcou transferida para o dia 14 de ao-
vembro prximo futura.
Eaara constar ae mandou affixar o presente e
puMar pelo Diario.
SWetaria da thesouraria provincial de Per-
oan.Jico, 30 de outubro de 1&61.
O secretario,
_ dntoai 'Ferreira d'Annoni'oco.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Esm. Sr. pre-
sidente da provincia, manda fazer publico que
at. o dia 28 de novembro prximo viadearo es-
tar aberla a concorrencia para o contrato da
cotlocacao decarris de ferros, denominados tri-
lhos urbanos, a partir desta cidade al a povoa-
(io de Apipucoa.
O contrato ser feilo nos termos da lei provin-
cial n. 518 de 81 de juobo do correte anne,
E para constar se mandou affixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco. 21 de outubro de 1861.O secretario,
A. F, d'Aonunciacio.
Dedara^e.
Correio.
Pela edmmistrecao do eorreio ss faz publico
que hoje(5) pelas 3 horas da tarde em ponto se'
rao fechadas as malas que deve conduzr o vapor
costeiro tParsinuaga com destino provincia de
Macelo e portos iatermadios.
Acha-se recolhldo casa dedetenco desde
o da 18 domez prximo linio o moleque Anto-
nio, eseraro qoe diz serdoD. ioanna, do enge-
nbe rus, por fgido aeu legitimo senbor
com paraca nesta subdelegada, que provaado o
aomioio. lhe ser entregue. Subdelegada de 6.
Jos do Rocn 2 de aovembro de 18M.-Aolonio
Robre de Almeida, subdelegado aupplente.
-- Pela subdelegada de S. Jos foi apprehen-
dido como fgido o preto Manoel. recolhido I
casa de deteogao em o da 29 do mez prximo
Ando, aea declarar o noaada senhor a que per-
tence ; quem llver direito a elle, comparece nes-
ta subdelegada para lhe ser entregue. Subdele-
gan" de S. Jos do Recite 2 de novembro de
1861.Antonio Nobre de Almeida, subdelegado
sapplenle. -a 8
Ctiselho administrativo.
0 conselho administrativo, para orneclmento
do arsenal do guerra, ea cumprimento ao arl.
S2 do sajulamanto de 14 de dezembro de 185aV
fas publico, que foram aceitas as proposUs dos
sabores abaixo declarados.
Para o carpo da guarniciona provincia do Cea-i
rd, e eaapaflhia de capadores do Rie Grande
do Norte.
JoioBaptista Vieira Ribeiro :
IBScovados de panno oztfl. a 2n380 o covado.
Aotooio Jos Conrado :
S07 1(4 covadoa do panoo preto a 2S000 o co-4
vao. .
Maara* de oiagem a 360 r. a vara.
8350 raras de brim branco de n. 8 a 480 rs. a
vara.
Livra 4 dolo :
3847 varasj de algodacaiabo maros T a 280 rs.
780 varas de brim m.7 .440 ra. s vara.
Silva Rocha:
hales preto 20 ts. o ppr.
groias de botog pretoa de osso a 330 rs. a
joio do;&. ts.preto a ,*a0 M"do-
ysu varas de brisa n. 7
Jos Rodrigues da Silvs
433 pares do clcheles
110 groas de bolee c
- -i "M1,
e decaos do govar,
nscaal.nstoprecode _
empiaj-, gajos adiaotados, fiodando ataigoatura
P,rM^*sl*BQo.<> ultimo do dezembro pr-
ximo futuro. Recebedoria de Pe bm a buco 2 de
novembro de 1861.-0 administrador,
n tu M*ooel Garneiro de Souza Lacera.
O Illm. Sr. iospclor da thesouraria provin-
cial mapd* fsaer pMqlioo. qam do Ita 4 i corren-
te por dintese pagam osordeoados dos empre-
ados provnciaes vencido no mez de outubro
prximo fiado.
Secretaria da' thesouraria provincial de Per-
nambuco!2de novembrouVlot.'-k-O offlcial da
secretaris. Miguel Affonse Ferreira.
Cg-Bselko .iiistrativo.
conselho administrativo, para fomeclmento
do irseosl de guerra, tem de comprar os obiec-
los seguintes:
Para pfiarmaela do hospital militar.
2 lloras de alcoolato de mefissa.
14 libras de alcool i M graos.
20 garrafas, tonteado cada garrafas 2 libras do
agua rosada.
4 Kara de amadora.
1 libra de essafetida em p.
2 enea de arseoiato da soda.
capsulas d'oleo de flgado de bacalho.
S Caltas da ditas de oleo de cubebaa e ferro.
* dita da ditas de oleo de cubebss e tsneuno.
1 OBca de canabina.
1 libra de extractado sslsa psrrilha. "
1 libra de drtogommosod'opio.
1 libra de dito de belladona.
1 flbra de dilo de geodana.
4 libra dilo de meimeodro.
1 libra de dte de degitalis.
1 libre de dito de acnito.
8 ooja de dilo de muroog.
10 libras da espermacete em rama
B esplelas de o?o, surtidas.
3 ditas de marflm, sortidos.
3 libras de escamooia inteira.
facas softidss para cortar rolhas, sendo urna
grande e oulra pequea.
Sfunis do vidro sortidos,' sendo 2 grandes e 1
pequeo.
6 varas de flanella.
1 grsldo porcellana grande com pistello.
1 dito pequeo com pistello.
i dito de p de pedra grande com pistello.
1 dito de p de pedra pequeo com pistello.
1 dito de vidro grande com pistello.
1 dito de vidro pequeo com pistello.
2 libras de gomma arbica em p.
2 libras de gomma ammoniaco em p.
2 libras de gomma de alcalira.
2 liaras de gtyeerina.
10 vidros de granulas de degitaltna em vidros
pequeos de 60 granulas, tendo urna once.
100 garrafas vasias para Leroy.
2 libras de jalapa inteira.
1 arroba de aaoo commum.
8 libras da dito de lagrimes.
1 marmita grande de flaodres dobrsds pars 24
libras o agua.
8 ditas pequeas de dito pars 16 libras de dita.
25 vidros d'oleo degado de bacalho de Berth.
z libras de opio em p.
2 libras de oxido rabo de mercurio.
50 csixas de pastilhas de afi d'arabio.
50 cdxas de ditas de Reguauld.
4 libras de pasta de jujuba.
4 libras ae pono de ameicas.
j 12 libras de dita de tamarindos.
36 caixas de pos de sedlitz francez.
>25 vidros de pbosphato de ferro de Lerss.
g garrafas de rob d*amoras.
4 garrafas do dito de sabugueiro.
3 libras de raz do turbeth.
40 garrafas de sueco de grosellas.
4 libras de sabio fino para opodeldoc.
4 arrobas desulphato de magnesia.
1 oitnvo de sulphalo neutro d'atropins.
20 vidros de salsa parrilha de Touoeend's.
4 arrobas de salsa parrilha.
2 libras Se fartrat de polassa e sol.
8 oncea de tridado.
100 vidros vasios para opodeldoc.
50 vidros de xarope do Dri Forget.
90 vidros de xarope de Nafta d'.r.bie.
Para provimento do arsenal de guerra.
8 Oastu de-tatwas *a louro de aseoalbo.
Quem quizer vender taes objectos aprsente ss
uta propostas em carta fechada na secretaria do
conselho, as 10 horas da manhaa do dia 6 de
novembro prximo viodouro.
Sal* das sesses do conselho administrativo
para fornedmenlo do arsenal de guerra. 28 de
outubro de 1861.
Bento Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente,
Francisco Joequim Pertira lobo.
Coronel vogal, secretario interino.
Conselrto administrativo.
0 conselho admioisUervo, para forneciaente
do arsenal de guerra, tem de comprar os obiectos
seguintes : '
Para o hospital militar de Pernambcc.
24 colheres de metal principe para sopa.
lt colheres de metal principe para cha?
60 facas de mesa.
60 garlos de mesa.
Objectos de lo uca.
12 bacas de rosto.
12 copos de vidro.
12 chicaras.
12 ourins.
12 pratos.
12 pires. ,
Objectos de roupa.
200 camisolas de brim com 5 palmos de com-
primenlo e 8 de largara.
80 colches de la de flecha, com 4 palmos de
largura e 9 de comprimento.
60 pares de chinellas.
20 calcas de brim.
18 cobertas de chita.
60 frooha de brim com 4 palmos de compri-
mento e 3 de largura.
40 toalhas de brim com vara e meia de com-
primento.
RO tmvoaseifoa do ios de flecha com 4 palmos
de comprimento e 3 de Largura.
40 guardanapos de brim de meia Tara.
300 lences de brim de 10 palmos de compri-
mento. r
Quem quizar Teodor taes objectos aprsente
as suas propostas om carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 8 de
novembro prximo viodouro.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para fornedmenlo do arsenal de guerra, 28 d
outubro de 1861.
Panto Joti Lawtenha Lins,
Coronel presidente.
Ventisco Joecuim Persira tobo.
Coronel segal secretario interino.
De ordem do Illa. Sr. jeU de paz de 1
districto da freguezia de Santo Antonio, faco sa-
ber a quem candar, que sondo os dias marcados
pareas udrencissdiste juro (tercas e sextas as
8. hprapl santos ou feriados, as mesmas audien-
cia serlo nos dias anteriores, afim ne que Sem-
pre poasam haver dua audiencia por semina-
Outro si, cae as peasens que ferea eemo pro-
curadores tt respectivas audiencias, deverqo com-
parecer munidos de procurado boslanlo, dio
seodo aceita apudaetss. Recite 20 de outubro de
IftSlO escrivio, 8llva Reg.
Robio...
Rspioi
Marques
Coode Ceroiz
RMSONAGUIS.
JT
toes granoso Usos de memanuieilea
equenos4sp. do mesmo^nlol dita
sedeado mUlaoaroUocom gis* '
-..' >
Q-rs.
lalts pequeo do mesmo metal o latea a
roana*!!
auno prximo fiado, no
2ue contina aberta a
14saoJlecc6as,4afkio
preasaa ns tjppgrepbta I Ijls.pasSam^..^^..^.......
aafta.es nos cada ex- Vateotm.......................
Tra.Catliarlnft...............
Bareaeza de Rouquerodes.....
**H.......................
Condesss de
Couvf
Tera:
dia
w, ""JdWoo pela priadra vas
buco Perdambucaso, rrirasga Ha sao saja ba-
gada a proleccjio que insiatiacUasanU osla coa-
la ma dispensar a lodos oa artistas poto gil SOll
sem pro grato.
Atios maritime.
Acarte.
O vapor Jaguoribe
Pernambucana, na sua.
riegera a 1 de norembr a Graaia
escalas, tocara' no porto do
para largar all qualqucr
carga e pau^geiros.
Navegacao costara a
O vpor rerinuns coaaonoaaio
hir para os portos do sul 40 soo i
5 de novembro as 4 horas da tarda.
ga at o dia 4 ao meio dia. Cocea
sageiros e dinheiro a frote at o dia
2 horas.
Segu para o Rio Grande do
com escala pelo Rio de Janeiro o
choAnna, sabbado26do crrate,
be escravos a frese que deaera fica
je a bordo : a tratar com T;
Rio de Janeiro
O palhabote cArtista vsl shir noca a
Janeiro coa muita breddade, por ji t*r
seu carregamento proapto, o pora o
cravos a frete, trata-so coa o proprietario
tholomeu Lourenqo, na roa da otra da
numero 2.
Rio de Jaitirs
sahe no dia 15 do corrate o
de, capilio Marques Visaos':
carga e eacravo s frele. UaU-sa
Cynaco da C. Mereira 4 Ir
po Santo n. 23.
Cor-
Acaracu'.
O atata cSebratoasa na ana aat om
recebe cargan oasoageisao: ntsatarcaw
Cjriaco da C. Moreira & Irao, se lana na Car-
po Saote n. 23.
Para Aracaty e Ass.
Hiate Sonta Rila soba coa ssoeidoa i
com Mar lias & Irmios.
GOMPANHIA PERNAMBUCANA
Navegago costeira a
Parahiba, Rio Grande do Norte,
cau do Aisu', Aracaty, Cearn',
Acaracu' e Granja.
O vapor tjagusribe, coaaandsnto
sabiri para os portos do norte da sos
a Graoja ao dia 7 de noventava as 4
tarde.
Recebe carga at o dia 6 ao aoio dio. Encaso-
mendas, paosageiros e dinheiro o (rote at o ote
da sabida as 2 horas: escriplorio na Forte da
Mallos n. 1.
Para
Rio de Janeiro,
pretendo non or coa osaste WevMai
nacional aJulio, tea parto da osa <
a bordo : para o noto qae Usa MU.
e escravosa frete, para os queas tai
comandos : troto-so coa os sano e
Azevedo & Mendos, no osa oocripisrie,
Cruz d. t.
Rio de Janeiro
O brigue nacional cos
do da 8 do crrante, as
Para em direitura
Segu poro o indicada parte o beso
brigue escuna cGrscioos, c
Souza, por ter pacte de non <
lado : para o rostotrnta-so eoaoTu.
Almeida, Cobos, Airas 4 C, ras de Craso
Maranho e Para.
aoirMoeabrodonaaovotek^bsatecUsatePn-
quele, por lar grois poste te osa naasaojssnaa-
to cooUsUdo : paos o sonta arria ns ooa "so soa
signatarios Alaeida ^laso. Atvao C nni
Croza. 27. "7* ;-
Timserdicia
iouSusm
r:atya
OJ
. Dopols
-_ ciastrs, C-
^lUn. Moressaate
l Mil >


(4)
TfiiCMl**-* ** mmmQDi mu
- -
conioloi, mesas d
2is de mogno
Z i1
tent
isla, camas frauce-
c, tambem vender
, Jeiaa de oaro i outros
acia do leilao litar pa-
LEILAO
Quarta-feira 6 o cnente.
N. 0. Biabar & C, successores, tari leilao por
iDter*en;ao do agente Antuoes, de um completo
sortimanto d fazendas para fechar conlaa, no
seu armazem na ra da Cruz & 4.
Loja de louja da ra do
Imperador n. 22,
Antuoes far leilao ds loja de louca e moris
arrestados aJoaquim Pereira da Silva Santo, a
reqaerimento de aeua credorea e despacho do
jolz especial do commerclo em dita' loja.
Quinta-feira 7 do corrente as
1 i lloras em poato.
Antuoes (ara leilao a requerimenlo doa depo-
sitarios da massa fallida de Antonio Joaquim
Machado Brandao, e por despacho do Ulm. Sr.
Dr. juiz do comroercio, das mercadorias e divi-
daada mesma massa, na loja da ra Direita nu-
mero 73.
Terca-feira 5 do corrente as
11 horas em ponto.
Avisas diterso.
No dia 6 do corrate, depois da audiencia
do Sr, Dr. juiz municipal da 2.* vara, tem de ser
arrematado por ser a ultima praca, pela adjudica-
cao, um terno de caixoee para deposito de assu-
car por 200$, um brago de balanzas e concha
com crtente por 50$, um terno de pesor de
tneia arroba a urna libra por 3$, cinco pesos de
duas arrobas por 10$, urna balanza decimal por
3$, urna escidi por 3$ ; cujos beoa fort>m pe-
nhoradns por eiecucio de Antonio Ignacio do
Reg Hedeiros contra Tiburcio Neves & Wan-
derley.
Aluga-se por commodo preco una casa em
Cachang : a tratar na ra Nova n. 47, Iota de
Beatos & Reg.
Precisa-se
arrendar um sitio bem perto desta prac que te-
cha bastante arvores fructferas e boa casa de
vivenda, eatribaria, baixa de capjm para sustento
diario de tres cavallos: quem tiver para arren-
dar dirija-se loja do Passeio Publico, de Fir-
miano Jnior, que e dir quem pretende.
- Aluga-se um raulatinrio para casa de pouca
familia, que cozinha o diario de urna casa, roui-
to fiel e tem boa conducta a tratar na ra Di-
reita n. 45.
Precisa-ie de urna ama de meia idade, para
casa de homem aolteiro : na ra Direita n. 55,
loja de fazendas.
Thomaz de Faria, saca sobre Pars e Rio de
Janeiro.
. Precisa-ie de um mi para comprar e co-
zinbar: na ra do Queimado loja n. 42.
Um moco com pralica de escripturacio por
partidas simples e dobradaa, oiferece-se para fa-
zer a escripturacio de qualqaer casa commercial,
mediante urna paga raaoavel; toma tambem por
ajuste algumas escripias atrasadas, prometiendo
faze-las com toda brevidade e orlhographia:
quem quizer ulilisar-se dos aeus servicos pode
dinglr-se ra da Floreolina n. 2.
Caetano Psenosle e Segundo Fiche, Italia-
nos, retiram-se para o Rio Grande do Norte.
Deaappareceu ou furtaram do sitio na Cruz
de Almas, um cavallo castanho, tres ps brancos,
grande, fazendo a segunda muda: quem delle
der noticia, ou aili o entregar oo collegio daCoo-
ceicao, ser generosamente gratificado.
Precisa-se de um criado, na roa Nova n. 7
O fiscal desta freguezia de Santo Antonio,
pela preaente scientifica aos dooos das madeiras
existentes no caes do Ramos, que sem perda de
lempo deverao retirar daquelle lugar as mesmas
madeiras, sob pena de serem as mesaras madei-
ras removidas para o lugar designado pela fisca-
lisagao, e multados todo de cooformidade com o
arl. Io do til 9o das posturas muoicipaes em vi-
gor de 30 de junho de 1849.
Fiscalisacao da freguezia de Santo Antonio do
Recite, 4 de novembro de 1861.O fiscal, Manoel
Joaquim da Silva Ribeiro.
Na lisia d jo ezaminaudos do dia 30 do pas-
sado, onde se l Antonio de Mello Borges.
deve ler-aeAntonio de Mello Rogara.
O abaixo assigoado, offerece quem queira
comprar um sitio em Ierras foreira na villa da Es-
cada, no lugar da Atalais na margem Jo rio,
junto estrada de (erro ; tem um bom cercado
que pode conservar de invern verio 50 cabe-
cas de gado, assim como tem maia 8 casas,
sendo 6 feitas oeste corrente anno, 3 de ti-
jollo com commodos necessarios para familia
a pessoa que quizer comprar dita posse, dirija-
se ao mesmo lugar, a tratar com Alexandre da
Molta Canto.
Precisa-se de um preto forro ou esersvo,
para cooduzir taboleiros com comidas de um ho-
tel : no largo da Aseembla o. 16.
A casa de pasto da ra da Moda d. 33, da
qual sao socios Joao Antonio Goncalvea e Fran-
cisco Romeu, mudou-se para o largo d'Assem-
Bla o, 16 ; alli se eonlina a foroocer comidas
para lora.
ca val ha das
Hotel Estrella do Sul.
Na estaco da villa da Escada.
O proprietario deste estabelecimento lem a
honra de orticipar ao respeitavel publico qne
os das de cavalhadat j annunciados sabbado
i domingo 9 e 10 do corrente, e para este fim j
foram convocados varios cavalheiros de diversos
lugares, os quaes dignamente se prestarao a to
importante divertimeot. No mesmo estabele-
cimento precisa-se de um homem psra copeiro
que este ssiba desempenhr o seu lugar: aquelle
que quizer dirija-se ama Direita n. 76. que acha-
ra com quem tratar.
Sincero voto de gratido.
Inflammaeao do peito.
Padeceodo eu ha mais de lOaaoos de urna io-
Aammacao oo peito; que aae causara urna dor
correspondente as costas, e me tirava qussi a
reapiracao, iaspesaibiliUndo-me de dormir bem,
usando todo* os remedios pessiveis sem achar
o menor alivia, por ultimo recurso resolv appli-
cac as chapas medieinaee do Sr. Ricardo Kirk
com escriptorio na ra do Parto n. 119, com as
quses quei pereiUmente curada uo curto aspa-
jo de 35 dias.
E por taso digne-ee o mesmo senhor aceitar os
sincera* aloe d miaba -gratieao.Lee-eor L. de
Moraei M esquita Pimentel Sarment.
Roa da* Maogueirai n. 29, Rio de Janeiro.
Aviso ao publico.
Das 4 horas ta a ana* ae 6 da tanta aefja-s*
sempre botes aa rampa do tbaatro de Santa Isa-
tel para a rampa do Gymnasio, para transporte
de|pessoaa a 80 rs. cada ama, i i i
!M '--------------'
rUfllfl^aO
M ,
-or et de'OWveirt, natural da freguezia da
-Santa Ha'Magdalena de Gouvinhas em Portu-
gal, assHteflte na roa do Hospicio o. 43 no Rio
da Janeiro, detiara que tendo nesta provincia da
Pernambuco, um seu lio de noma Joaquim Per-
reJra da Cruz, e nao tendo su familia tcebida
nolicasuas ha muito tempo, suppondo que te-
nha fallecido, oeste intuito roga a espacial obse-
quio, Iburna pessoa que o conheca, ou tiver
cooheeido, de dar algumas ioformaedes a respei-
ta Desta cidade de Pernambuco era casa do Sr.
Azevedo & Mentes, rus da Cruz o. 1.
Rio de Janeiro 14 de outubro de 1861.
Jos Vsz d'Ollveia.
Sitio para alugar.
Aluga-se o sitio do Moaleiro, com boa casa,
aonde morou o fallecido paj do aonuncianle, tem
coebeira, eatribaria, etc : a tratar com Manoel
Alves Guerra, na ra do Trapiche o. 14.
O abaixo assigoado faz aciente que Henri-
ques Das dos Santos recebeu em Maraanguape,
de Jeremiaa Lopea deSouza, urna carta que den-
tro contioha urna letra sacada pelo abaixo assig-
nado de 295J260 em 17 de setembro 4 4 mezea.
e como cuja earta e letra ae deeencamiuhaaae do
poder de Henriques Dias dos Santos, per laso
acha-se sem eileito tal letra, por cajo aceitante
jS ae achar prevenido a tal respeito. Recife 4
de novembro de 1861.
Bento de Freitas Guimares.
Aluga-se urna bonita casa terrea na ra dos
Arrombados em Olinda, com duas salas, sendo
urna deltas forrada, com quartos, boa cozinha,
sendo o lugar o melhor de Olinda por lar banhos
doce, temperados e salgados, e contiguo a mes-
ma casa um estabelecimento de vaccaa de leite
para quem precisar delle ; a peasoa que a pre-
tender, falle com o seu proprietario, o abaixo -
aigoado, no mesmo lugar.
Alexandre Jos Dornellas.
Precisa-sede um menino forro para creado
aim de levar recados e tratar de um cavallo : na
ra do Imperador o. 43, primeiro andar.
A pessoa que anuunciou por eate Diario
achar-se habilitado para receber dividas no cen-
tro desta provincia e da Parabiba, dinja-ae ao
Recife travessa da ra da Madre de Dos n. 18,
segundo andar, das6 as 9 do dia e daa 4 aa 6 da
tarde, achai com quem tratar.
Precisa-se de m official para fabriaa de
chapeos de sol, que d fiador a sua conducta
em casa de J. Falque ra do Crespo n. 4.
E. Budden, subdito ioglez retira-se para
Inglaterra.
Hoje terca-felra fiada a audiencia do lllm.
Sr. Dr. juiz de orphaos, se arremataro tres es-
cravos e um aparelbo de prala para cha por exe-
cuco contra o inventarame do finado Francisco
MameJe de Almeida.
Na Boa-Vista ra do Aregao n. 28, rece-
be-se roupa para lojas.
Na ra do Queimado n. 8, precisa-se de
urna ama de leite.
Precisa-se de um bom cosirvheiro
dos Pescadores n. 1 e 3.
REMEDIO INCOMPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAT.
Milhares de individuos di todas as naefcs
podem tesiemunhar as virtudes deste remedio
incompa ra vale provar em caso necessario, que,
pelo uso que delle fizeram tem seu arpo a
mambrosiuteiramentesosdepoisdehaver em-
pregado intilmente outrostratamentos. Cada
pessoa poder-se-ha convencer dessas curas ma-
ravilhosas pala I ei tu ra dos peridicos, qne lh'aa
relatam todos os das ha muitos annos; a
maior parte dallas sao to sor prndenles qui
admiram os mdicos mais celebres. Quantas
pessoas recobraran com esta soberano remedio
o usa de seus bracos e pernas, depois dadur
parmanecido longo tempo nos hospitaes.o tea
deviam soffrer a amputacao 1 Dallas ha mui-
cas queda vendo deixado esses, asylos depade-
limenlos, parase nao submeterem aassaopa-
racao dolorosa foram curadas completamente,
mediante o uso desse precioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfusao de sen raco-
nhecimento declaraban estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, a fim de mais autenticarem sua afirma-
tiva.
Ninguem desesperara do estado desande sa
tivesse bastante confianza para encinar este re-
medio constaniementeseguindo algnm tempo o
trata ment qne necesstasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provar inconteatavelmente.
Que tudo cura.
O ungento he til, mais particu-
larmente nos seguintes casos.
na ra
Inflammaeao da bexiga
da matriz
Lepra.
Malas das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Queimadelas,
Sarna.
SupuracSes ptridas.
Tinha, em qualqner
parte que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.
das arliculaces.
Veas torcidas ou no
das as pernas.
Alporcas
Gaimbras
Callos.
Ancerei.
Cortaduras.
Dores ele oabeca.
das costas.
dos membros.
Enfermidades da culis
em garal.
Ditas de anus.
Erupces escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
In chaces.
Inflammaeao do ligado.
Vende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Havana Hespanha.
Vende-se a 800 rs cada bocetinha contm
ama inslruoeao em portugus para explicar o
modo de fazer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Sonm,
pharmacautico, na ra de Cruz n. 22, em
Pernambuco.
Publicaces do Instituto Ho-
meopathico do Brasil.
THESOVBO HOMEOPATHlf0
ou
VADE-MECUI DO HOMFOPATHA.
(Segunda edieco consi-
derayelmente augmen-
tada.)
Diccionario popular de medicina ho-
mcopalhico
SABINO 0L PINHO.
a. Apar daatm adma* jft tanf aaamaaidoa cas id-, fiosla Uoraita.-Aisenio Aagusto Fefr.r.
ailaalV'
/wnai^lllai^Brtftaiie.
Cem eaie ttulo publrcoa-ee agaraa Xaraohao
om bello volume de poesa, canteado aa bem
numero de compoai;oes iaadiataa da G. Blas O.
Mendos, Lisboa Serra, Soaaro daa Rea a F. da
Si. Apar daatm aoma* ja lio aoamaaidoa cas la
trai apparace ama pleiadedaaoetea, bal hos sao de um valor analta subido como es
dos Drs. M. Rodrigues O. Homero, T. Galtio, B.
Freitas, dos ir mana Cirralho, G. do Soaza, H
Leal, Sereriano de Azeaada, ate., etc. Ha anda
neste volume nma trduecaa 4o Adamastor de
Orada para o fraacez, feita palo Dr. R. Jsafret,
trabalho de um grande merecimento litiararle e
de nao pouca curiosidad* para ne. Bite lind*
bouquet daa mais bellas e variadaa fiares echarse'
venda na lirraria econmica de Nogueira & C,
a 2} o volume.
Sitio para atugar-se.
Aluga-ie um sitio na matriz da Varzea om se-
guimeoto ao engenbo S. Joao, cajo sitio deno-
minado Cruz do Padre Jos Simes, conteni ca-
sa de vivenda, estribarla e difireme arvoredoa:
quem pretender, dirija-se a ra Augusta n. 86.
Precisa-se de um feiter portoguez para tra-
ba 1 harem um sitio adianto da Soledade, estrada
de Joao de Brrros, logo adente do sitio deno-
minado Caacata, a direita da estrada, lendo por
sigoal ama arvore de umbauna noportio: quem
uizer contratar-se dirija-se ao sobredito sitio.
Alogam-se os andarea da casa da ra da
Gui n. 55,ratificados e pintados de novo: tra-
ta-se na ra da Senzala nova n. 4.
Precisa-se de um menino com pralica de
padaria para eaixeiro : na roa Augusta n. 1.
Quem precisar de urna ama para cozinhar
para casa de pouca familia, dirija-se a ra da
Crut do Recife n. 47. secando andar.
AVISO.
i i..a. j. .i, i,, i 1.1
a T^^^^Wf'Mvalmfjiiaa-ai*rf
dada que prava Beata praca sob a firma da Uo-
Wtm%% acando a caigo do socio Farrei-
ra a nquldaclo do activo e passvo da mesma, e
*nn*W0HM'als at eorapleti reaiaelo. Re-
cife 31 de oulubro de 1861. Joq*im edroda
e.Precisa-ie de urna ama forra ou escrava, pre-,
tanndo-ae esta, para amamentar urna crian$a re-^
cem-nucida, qae tenhs muito bom leite e seja
multo llmpa, paga-se bem ; na ra do Queima-
do n. 37, loja.
Aluga-se o terceiro andar da cata
" 37, sita na ra do Amorto* : a tratar
na ra da Cadeia n. 62.
Sociedade Recreativa
Nova-Uaio.
Por deliberacio da actual directora ''
tomada em sessiode hontem e em cum- fl)
primentodo disposto no art.21 dos nos- J|
sos estlalos, convido a todos os Srs. so-
cios a comparecerem no dia 10 do cor- W
rente mei, pelas 10 horas do dia na caaa A
deata sociedade para em aasembla ge- j
ral elegerem a nova directora que tem
de funecionar de novembro andante a *9
malo prozimo futuro. Recite 2 de no- aa
vembro de 1861: JJ
Gomes da Amorim, W
"W Secretario. Q
Aluga-se ama casa em Beberibe : a tratar
am J. I. M. do Reg, na ra do Trapiche o. 34.
Precisa-se de urna boa ama que compre
nhe ; na ra daa Cruzea n. 20, primeiro andar
f
s
i
ertMKfMEJIT DE DOMICILIE
(Mudanca)
Joseph Grossean
Ra da Florentina n. 16
Pparticipa ao respeitavel publico e d feus numeroso* fre-guexes, que
mudou sua offietna de CARROS da ra dos Pires n. 11, para a ra da Florriiti-
na n. 16 aonde encontrara' elle sempre prompto para qualquer mbter pe
tencente a sua arte.
Ter;a-feira 5 do corrente lera lugar
um ofBcio solemne na matriz do Corpo
Santo, pela alma do Rvmd. padre Jos
Leite Pita Ortigueira, para o qual pelo pre-
sente se convidam todos oa amigo do dito
finado, o acto tere priocipio aa 10 horas
da manhaa do referido dia cima.
iat UL1NUA.
Aluga-se am sobrado reedificado a pouco e
prompto para qualquer familia morar sem des-
pezas de pintura, na raa do Amparo da cidade
de Olinda ; a tratar nos quatro cantos botica do
Sr. Raposo, ou na ra da Cadeia do Rcife
n. 45.
No pateo do Carmo n. 1, vende-se nma
negrinha de 10 annos.
Casa para alugar.
Aluga-se o segundo andar da casa da ra da
Senzala n. 9 : Irala-se na ra da Cadeia n. 57.
Precisa-se de am eaixeiro que tenha bai-
lante pralica de loja de fazendas, e qae seja bom
balcio ; na ra da Cadeia n. 55, loja de Figueire-
do Si Irmo.
Precisa-se deum homem para trabalharem
urna cocheira, preferindo-ie portuguez: quem
para isso estiver habilitado, dirija-se ao largo do
arsenal de marinba n. 4.
Attenco.
Jos Fernandes da Silva Tei-
xeira e Mello, primeiro lesta-
menteiro do padre Jos Leite Pi-
ta Ortigueira, pede a todas as
pessoas a quem o mesmo padre
Jos Leite fr devedor directa ou
indirectamente por conta ou ou-
tro qualquer titulo vencido ou
por vencer para que no prazo
de 8 diss a' contar desta data
apresentem seus crditos ao seu
advogado Dr. Antonio Ferreir* 'sj
Hartins Ribeiro das 9 as 3 hon-
da tarde em o escriptorio ra d*
Imperador n. 54, primeiro an-
dar, afim de se poder tratar da
Iiquidacao e inventario do dito
padre. Recife 4 de novembro
de 1861.
Aluga-se urna casa sita em Santo Amaro
de Jaboalo, tendo commodos sufficiente para
urna grande familia : quem desojar dirija-se a
ra Direita n. 59, que achara com quem tratar.
At tenco.
. A irmandade de N. S. dos Marlyrios da cidade
de Olinda, faz sciente qoe visto nao se ter rea-
lisado a festa da mesma Senhora no dia 20 de
culubro por motivos justos, transferiram para o
da 17 do correle.
Transpassa-se o arrendamento de
urna loja, com grandes cmodos, e urna
excellente armaqao de louro, sita na ra
Nova n, 30 a tratsr na mesma.
:Bttt-&&&t-iS
-can
o 2. 9 S
B S a
= c ^ o
o
ua B
f 11*.
B
e
a
n'
P .
a.
o. sa-
is S |
Continuam as aasigoataras para estas obras a
901000 em brochura al dazembro. Desse tempo
em diante aa aaaignatura* serao elevadas a ve.
Ra de Santo Amara (Hundo Novo|,a. 0.
BOLCA DE
*
I
Jos Muniz Teixeira Guimares, agenta
de leilao prximamente n ornead o pelo
mereiissimo tribunal docommercio ees-
tabelecido com eacriptorio e armazem na
ra do Imperador (oulr'ora ra di Ca-
deia) o. 37, offerece seus aervicoi ao res-
peitavel corpo commercial, a aeus amigos
e a todos em geral que quizerem bon-
ra-lo com sua confianza, assegurando-
lhes cumprir bem e fielmente as func;6es
inherentes ao seu emprego, para o qae
nio poupar esforcos a bem dos interesses
de seus commitentes.
^No segn-
do audar da casa n. 15 da
ra do Crespo por cima do
escriptorio da thesouraria
das loteras.
MADAME MIDDENDORP,
prximamente ckegada de Pars.
Encarrega-se da confeceo de vestidos de bai-
le, casamenlos, visitas ou outros, manteletes,
zouaves, sahidas de baile, bournu, eneites de
cabera, emfim de tudo o que comprebende o
vea uario das senboras e meninas. Aa pessoas
que se dignarem dirigir-se a ella achar&o figu-
rinos daa ultimas modas de Paria, precos razoa-
veis daa obraa e promplidio na entrega daa en-
commenda8.
3-Rua estreita do Rosario-3
Francisco Pinto Ozorio continua a col-
locar dentes artificiaea tanto por meio de
molas como pela presa&o do ar, nao re-
ceba paga alguma sem que aa obras nao
fiquem a vontade de aeusdonos, tem pos
outras preparares as maia acreditadas
para conservado da bocea;

O abaixo assigoado declara para obviar du-
vidas futuras, que o snnuncio inserto no numero
2i9desle Diario, datado de 13 do correnie, em
que a viuva de Francisco Uatbias Pereira da
Costa convida os credores do seu casal exhibir
os aeua dbitos no prazo de 15 das, sob pena de
nao responsablisar-se por aquelle que lhe fo-
rem apresenlados depois de findo o dito prazo
nao se eotende com o mesmo abaixo assigoado,
por isio que seu crdito j foi levado aa conbe-
clmeuto da annunciante, por cilacao feita em
virtnde de despacho do juizo de paz do 2.a dis-
Iricto da freguezia de Santo Antonio desta ci-
dade. Recife. 3Qjde outubro de 1861.Joaquim
Antonio de Ssntiago Lossa.
Padaria.
Aluga-se a padaria da travessa do Pires, a qual
est nrompta de tudo, com muito bons commo-
dos, e est anda trabalhando, sendo seu aluguel
muito commodo : a tratar na ra da Seuzala no-
va n. 30.

Gabinete medico cirurgico.g
% Ra das Flores n. 37.
Sera o dadascons&Uas medlcas-cirurgi- aj
A ca pelo Dr. Estevo Cavalcanti de Albu- fj
9 querque da >6 aa 10 horas da manha, ac- m
a cudindo aoachamadua com a maior bre- SJ
PJ vidade possivel. aa
1'* Partos. m
t 2. Molestias de pelle. Z
3.* dem do olhoa. j
a> 4.a dem doa orgos genitaes. )
) Praticartoda equalquer operaco em
a> seu gabinete ou em caaa doa doantes con-
ra forme Ibes for mais conveniente.
Precisa-ae de um bom cozioheiro : n
defronte daigreja do Corpo Santo n. 15.
n. 15. Sao*" *^ 1^"*** Ntam "h"- ^vwWfm'aV Canard at* Recife
Ceate
CONSULTORIO ESPECIAL HOIEOPATHICO
no oodtor
I SABINO O.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os dias atefs desda as 10 horas
at meio dia, acerca dai seguintes molestias :
noltitUu iatmulheret, moitttiat dat crian-
at, molestia da pelle, molestia do olhoi.mo-
htiit ipkiiilieat, todas a especies dt febrts,
ftbrti intermitiente a tuai consequenciae,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOfATHICA .
Verdadeiros medicamento! homeopathicoa pre-
5aradas som tedas as cautelas neeessariaa, in-
ilveieem aeua efletos, tanto em tintura.como
em globales, pelos precoi mais commodos nos-
si vais.
lf. i. Os medieamentoi do Dr. Sabino sao
anuamente vendidos em sua pharmaeia: todo
qua o forem lora delle sao falsas. '
Todaiaicarteirsi sao acompanhadas de nm
Impresso com um emblema em relevo, tendo ao
fidpr as seguintes palavraa Dr. Satino I.
Piaho.madfeobraaileiro. Esta emblama poato
jfu.laaote na liata do. medicamentos que aa na-
da, Aa carteiraa qae nio lavtram essa imprento
aerim marcado, ambara tenham na farapa o no-
na do Dr. Sabino lio falsos
- JaM Litis Pachaco, st-diio portuajnez, reti-
w-aa pan tora do tnt&ero. *
W
Dentista de Paris.
15 Ra Nova15
r*redaricGamier,cirnrgodansu,fai
todas as oparaces da ana arta a col loca\
dantasartileiaes, tudo com a superiori-
dadeeparfei(oqueaa pessoasantendi-
das lhereconhacem.
Tem agua e psdenfrieieaete.
UU
Pretende-se comprar urna mai-aguaTc"_
um terreno, aa ra das Conquista!, o qual tem
25 palmoa da frente 6 345 de lando, pouco mais
ou menos, aertenceote ao Sr. Francisco Louren-
co Pinheiro e ana mulher: quam se julgar com
direito ao mesmo predio o terreno, declare por
eele Diario al o dia 4 de novembro do corrente
anno.
; OSr. Joaquim de Freitaa Lelo do Amara!.
Jos Columbina da Araaja Lima, a Mandar do
Naaciraento LeUao, quetraa apparecer na m* d*
Praia n. tai au naaroca qua nao ignorara.
' O escrivao Fraociko de Barros Crrela avi-
*a que lem seu escriptaria na roa do Oaeimado
n. 41, onde poda eer procarado, das 8 Moras da
manha nos diai uleit, para os misteras de sao
bfficio.
N travesa "da ru* da$ Cruzei n. S
primeiro andar, tinge-se com perei^o
para aualquer cor e o mais barato
poMiyel. ?aa '*
DE
Saude.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier fsz publico que
tem reorgaoisado a sua caaa de saude, na grande
caaa, propriedade do mesmo sitio em que exista
o aeuanligo estabelecimento dessa ordem, que
flea ao norte da estrsda da Passagem da Magda-
lena, entre a ponte grande e a pequea do Chora
Menino, onde conlina a receber doentes de am-
bos os sexos e diversas cetbegoriss, aOancando o
melhor tratamento, tudo palo preco mais com-
modo.
O mesmo doulor para maia commadidade das
pessoss possuidoras de escravos, ou qoe ae qui-
zerem tratar em seu estabelecimento lem deter-
minado a diaria abaixo declarada.
Aa operacoes serio por previo ajaate, a nao
farao parte daa diarias assim como as conferen-
cia, e aanguessugas. Podendo o doente tratar-
se tambem bomeopathicameote, para o que ba
commodos separados.
O servico medico ser feito pelo distiocto cirur-
aiao do grande hospital Pe4ro II, o lllm. Sr. Jos
Francisco Pinto Guimares, e o doator proprie-
tario do estabelecimento, praticando-ae abi toda
e qualquer operacopor precoa muito razoaveis.
Este eslabelecimeolo torna-se recommendavel,
j pela boa casa de que dispoe, como pelas con-
dicoes hygienicas em que se scha situada, pre-
vado isso pelo crescido numero de doentes ahi
curados.
O seu proprietario espera, portanlo, dos seos
amigos, antigos freguezes, e mais pessoss, a sua
cooperaco em bem do progresso de to til co-
mo necessario estabelecimento, parausado por
nio poder elle achar-se sua tests, em virlude
de haver sido sccommelltdo de ama grave enfer-
raidade, porm hoje que se acba completamente
reatabelecido, prometa eafor$ar.se na boa ordem
de sua caaa, e na direccao do tratamento dos
doentes.
Diarias Escravos 1#600
2." ordem- *J000
i" ordem 3SO00
Psra a entrada dos doentes se deverao tratar
com o referido Dr. Ignacio Firmo Xavier, na ra
Nova de Santa Rita n 7, sobrado de um andar
com frente para a ribeira do peixe, ou no seu es-
tabelecimento a qualquer bors.
Aluga-se um sitio
oa Torre margem do rio, com boa casa de so-
brado, eitnbaria, cocheira, cacimba com boa
agua de beber, com bomba de puxar agua
muitas fructeiras, capim para tres ou quatro*
cavallos, excellente banho do rio, etc., aendo
para familia capaz, e que queira morar nelle
todo o anno, aluga-se muito barato: quem
pretender, dinja-ae a ra Nova n. 15, primeiro
aodar.
Os abaixo assignados tenham a bondade de
apparecer na ra Nova n. 11, loja do Germano.
Jos Anlonio Ferreira da Silva.
Francisco Xavier Veoancio Pimenta:
Pedro de Aaais Campos,
uzebio Bezerra Cavalcanti.
Manoel Rezendo do Reg Barros.
Continuara aioda pora alugar por festa, um
ailio na Torre, com todos os commodos, e urna
casa no Mooleiro: a tratar com o Sr. Jos Aze-
vedo Aodrade (ra do Crespo], ou com o pro-
prietario Jos Mariano d'Albuquerque na estrada
nova do Caxaog.
Alugam-se as casas n. 13 da ra da Cruz,
o. a d u. m do Apoiio, e u. i33 aa ra impe-
rial : a tratar na ra da Aurora n. 36
9
i
ba charel Witri-vio po-
de aer procurado na ra
Nova o. 23, sobrado da es-
quina que volta para a
camboa do Carmo.
I
Quom precisar alngar um prelo bom cozi-
onei.ro e ,aPto P oulroa servicos, dirija-se ao
escriptorio n. 42. ra da Cruz do Recife.
Hotel estrella do sul.
NA
Estagdo da villa da Escada.
O proprietario deste estabelecimento querendo
mostrar o quaoto grato aos seus amigos e fre-
guezes, tem projectado para recreio de todos dar
no prximo mez de novembro urna corrida de ca-
valhadas e oulroa maia divertimenloi, aflm de
que asaim seja elevada a prosperarlo desta villa,
e cetto de que nao poupar esforco algum para
que todo o publico se retire satisfeito, bem como
estar exposta urna excellente mesa de especiaes
iguarias gratuitamente para brindar os cavallei-
ros que quizerem honrar lo brilhanle funego
com suas corrida!, e ser mtis urna prova de jo-
viahdade de todoa os aenhores qae a esle diverli-
mento coadjuvarem ; accreecendo msis em seos
entervallos urna excellente msica que execular
vanas pecas que merecam altenco do publico.
A boa ordem e asseio com que se acha monta-
do o hotel estrella do sul deve realmente mere-
cer alteocao a pessoas que quizerem honrar com
sua presenca esle estabelecimento, j pelas gran-
des commodidadea que offerece a qualquer uma
familia que alli se queira demorar, com o bara-
tsimo preco por que alli sao consumidos seus
ll0n re-l*'''T0 ao mesmo estabelecimento.
Eojfim o proprietario deste estabelecimento,
tomando a seu cargo a commodidade de lodosos
concorrenlas, far com que tudo seja bellamente
exeeulado sem olhar s despezss ; assim como
continuar a sustentar em lodos os domingos e
dias santos uma excellente msica ; e o que po-
de fazer progredir este recreio a continuacao da
bella rapazeida.
0 dia da faneco ser annunciado dias antes de
sua coocluso por annunciose cartazes.
Manoel Alve Guerra saca obre o Rio de
Janeiro.
Junto ao quartel de polica ba tres tainos de
coitsr carne para alugar, por prego commodo,
tendo a vantegem de ser muito fresco a aa carnea
aturar mais tempo sem adquerir o mo cfaeiro,
por a casa ser ventilada, fresca, a proptis, a a
mais aceiada que ha paca eate ganara.
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso,S'Qtos 4 C.sacam tomam
aaques sobre a praca de Lisboa.
Alaga-ae um sitio na estrada dos AfDictos :
a tratar na mesma estrada com, Joio Goncalvea do
OHvaira, confronte ao bocea do, Eaplbeiro.
Aluga-ie uma loja do sobrado da
ra doi Goelho* n.-, enridra^sda i cota
quinjal e cacimba inctepjatflfcnte: a
allar no mesmo sobrado.
Alteado.
No largo da Aaaambla a. 13 fazam-se eoaidaa
para fra, obrigando-ae a mandar lavar ai caaa
prearia. pea caaaraada saaco; assim como m for-
.1 FERREIRA YILL1LA
RBTRATXSTA
DA
AUGUSTA CASA IMPERIAL,
Boa do Carneas* n. 18, |.
entrada pelo pateo dam
Retratos por ambrotyoo, por melaiaatjp*, av-
bre panno encerado, sobre tale*, espacia
pulceiras, alBnelea aa caisoleUs. Ra
cna existe am completo e abaadanta sarfis
da artefactos frsncezes e americanos para a
locacio dos retratos. Ha tambem para asta
mo m cessoletaa a delicadoe alOaetaa da
de lei; retratos em photographia daa
persooageos da Europa ; ataraoacaaaa" i
stereoscopicas, assim como vidrea para ambroivaa
e chimicas pbolograpbkai.
8 STAHL
JRETRATISTA DE S. 1.011FEI
SHua da Imfeimiti. J
Ttumfra \A. l
mmmmmm
&C. {
s
s
numero i4.
Tencionando retirar-ie prxi-
mamente desta praca participan!
a seas freguezes e amigos como
em geral a todos que podem
precisar do seu officio, afim Je
que aproveitem do pouco tempo
que os annunciantes podem ain
da dispor para a execucio das
^encommendas com as quaes
w queiram honra-Ios.
m Agradecendo" nesta occasio
ao iltuslrado publico desta capi-
9 tal o bom acolhimento das sisas
W obias, decidiram se a por tatas
ao alcance de todos introduzindo
9 uma comidera re baixa na maior
S parte dos seus preQO* e esperam Ar-
queo desfalque que disto Ibes #
% resultar sera' compensado
um augmento de concurre i
Pillas Paulislanas
DA
Casa de saude em S.
Paulo.
Presenciei o carativo da uma ebaga da am pal-
mo de circunferencia, pouco mata aa arta as
que meu amigo, o Sr. Aleaadrlaa flemaao Coa-
to aoffrau por apaco da quatro mezas cara aa
melhorea recursos que se leham acata cidade i
muito magro a com a pama encolbida. Oaa'tor
das pilulas paulisUnas com suas pilaba a zara-
pea curou-o perfeitameote em 15 dias, e no fim
de 50 dias depois vi-o curado, gardo erbante.
Estes remedioi sao incoDlestaveis vegeto-de-
purativos perteocentea ao Brasil.
S. Paulo 4 de fevereiro de 1899. Javeaal da
afelio Carramaohos.
Para informacea e encommeodis, diriiam-se i
ra do Queimado n. 15, pharmaeia da Joe Ale-
jandre Ribeiro, em Pernambuco.
35-Rua larga do Rosario-35
Francisco Jorge da Silva Par so boa, dentista da
Lisboa, colloca denles artificiaea terromeullicas.
incorruptiveis por lodos os systemaa, acerta a
endireita os disformes, assim como taz ladea eu
operacoes da sos arte o que execota com a maier
delicadeza, perfeicio primor para o qae
ser procurado tanto para a.capital cama sara lera
della.
1 Consultas medicas.
Serio dadas todoa oa dias palo Dr. Ce-
me de Si Pereira no seu escriptorio, raa
da Cruz n. 53, desde as 6 al s 10 baa
a manhaa menos aos domingos sabr:
1.a Molestias de olhos.
2.a Molestias de coracao a de paita.
S.a Molestias dos orgaos da geracao a
do anus.
O exame doa doentes seri feito aa or-
dem de sujs entradas, comecando-se po-
rm por aquelles que aoffrerem dea
olhos.
Instrumentos chimicos.acasticos a p-
ticos serio empreados em auaa conaal-
ta;6es e proceder com todo rigor a pru-
dencia para obter certeza, oa ao meooe
probabilidade sobre a sede, naturexa a
causa da molestia, e dabi deduiir a plano
de tratamento que deve dealrui-Ia aa
curar.
Varios medicamentos serio tambem
empregadoa gratuitamente, i pala cer-
teza que tem de ana verdadeiraqualidade,
promplidio am seus effeitoa, a a eceeai-
dade do seu emprego urgente qae u% asar
talles.
Pralicari abi mesmo, ou em caaa daa
doentes toda a qualqaer operadla qae
julgar conveniente para a raatabalari-
mento dos meamos, para cujo Om ae acba
prvido de uma completa colleccio da
instrumentos indiipensavel ao medica
operador.
AUeo^ao.
Do abaiio aeaignedo fuaia o saa malaqaa Li-
ba ni o, com aa sigoaaa aagaiMaa: mal ata, isbsl
lo corrido, catalura recadar; qaam a aaeaaarar,
conduu-ocaan. 96 da ra Aasmita, ama sar
recompensado.
Aulooio Ribeiro Pacheco da Avlla.
Alvaro Fragosa da Alauqaarqaa daaaja tal-
i ao Sr. flermiae Hanri jua da Coala, ama aamv-
rezidir em N. S. da O" de Harta, aa saber ao
tta a aua residencie, pele (as-aa predi
rio negocio qae nio elbeio dita
ira a qua data dirigir-se a asta lynegrapi
Peci aa-aa da ama ama qae seiba cexiahar
comrprar; a roa Har'. 39,
SSlT"
i-x^Tl


mu |i ummmpicp -, imtjijm wwmiw d* itei,

\
Fernando.
Tead^e recoiAocidtf aUt$4*i*icla-
de doalgodSo da rra de Fernando, S.
Exc o Sr. predente tiandou vir por-
980 della para ser distribuida pelos Srs.
agricuhores desta provincia, o quaes
porsiou seus correspondentes podem
manda-la buscar najiyraria n. 6 e 8 da
praca da Independencia, remettendo
se nomes e lugar da moradia.
Precisa-se sTgar ama prela 00 mulata que
seja fiel, para vander quitanda pelas ruaa, qaem
quiser derija-ee a na de Sania Thereza n. 12, ou
annancte para ser precuradq.
A peaaoa que deirou 00 negando sitio no
becco do Pombal do lido Mito, 00 dia 12 do
mez prximo passadoumcarallo castanho magro,
castrado, queira ald|SMe so mesmo sitio eflm
de tomar tonta d aattaal, pentodo aa despezas,
Eannunciinte nao ae reaponaabiliaa pala
**#
Cosmheiro irancez. J
16Ra do Imperador16j
Nesle eatabelecimento faz-sa todas aa fj
encommeode da sua arte tuda oom a 9
superioridade a pereigo que aa pesseas aj
entendidas Ihe recoohecem. llanda-se
1 tambem comida para Tora ludo com muita
S delicadeza e promptido, por precos ra-
zoaveis.
Alugam-se duis casas no Porto da Madeira
em Bebaribe : a tratar aa ra do Quintado toja
o, 48.
Jos Luiz de Barros, por tugan, va* para
Aracaty.
Presisa-se da urna ama que aaiba consinhar
e engommar para casa de pouoa familia, oa ra
do Imperador o. 22, primeiro andar
Ama de leite
Precisa-se alugar urna ama de leite:
na ra do*#5re n. *0.
Jos' Bento Justo proprietario do
botequim da ra larga do Rosario que
foido- Sr. Antonio Bento de Araujo,
avisa ao respeitavel publico e com espe-
cialidade ao corpo do commercio, que
gerente o Sr. Andr Branco, o qual
nao podera'contrair debito algum sem
que o proprietario do botequim seja
cowentidor, ou por outra, sem que o
mesmo assigoe por seu proprio punho
qualquer transaccao que seja feta con-
tra ou a favor des te estabelecimento : e
para jue sirva isto de governo a qual-
quer pessoa annuncio por esta folha.
Recife 2 de novetnbro de 1861.
50,000 de gratifi-
caco.
Na coite de 21 de oulubro proiimo paasado fri-
gio de casa do abaixo assignado o seo eseravo da
nome Candido, cor fula [nao muito), estatura
baixa, aecco do corpo, representa tex de idade 2o
annos, pouco mais ou menos, cabega grande, e
cabello bem preto e lustroso, poucaa carnes no
rosto, barba pouca da ponta do queixo, tem as
pernas atguma coasa arqueadas, quando anda
pouco se conhece, ps pequeos, quando falla
com algaem descansado, foi comprado a 16 de
julho do correte anuo nesta praga ao Sr. capito
Benta Antonio da Olireira da treguezia do Apo-
dy, prorincia do Rio Grande do Norte, d'oode o
dito eseravo natural, desconfla-se que teoha
tomado o camiobo do serla o e que v junto com
algum combay para ,0 mesmo lugar d'onde veio
para esta prca, julga-se que vai juuto com um
mulato eseravo que fugio na mesma occaao. e
sao da meama trra': portento roga-ee as autori-
dades policiaes, capitaes de campo, e mais pes-
soas em garal. a captura do dito eacravo, e en-
lrega-lo na ra larga do Rosario, fabrica de ci-
garros n. 21, que pagando-se todas aa dspotas
fetas com o mesmo eseravo, se recompensar
com a graticago cima.
Aalooio Uaia de Brito.
Frederico Chaves aluga seu sobrado alto no
Poco da Panella, com muita boos commodos pa-
ta grande familia, perto do banho, jardim, terra-
co ao lado, cocheira, casa para criado, estribara :
a tratar na ra da Imperatru o. 19.
Qaem precisar de urna ama para coziohar e
engommar para caca de poucn familia, dirija-se
a roa Bella n. 32.
E. LecoBte rai fazer ama vlagem Franca,
levando em aus eimpiohia urna aua Qlha menor
de nome Rugente : roga portento aos seus deve-
dores que tenham a boodade satisfazer seus d-
bitos nesles oito dias.
Para passar a festa.
Aluga-ae ama caaa terrea com duaa salas, tres
quartos, cozinba tora, quintal murado, ao lugar
dos Arrumbados, junto ao sobrado de frente ama-
relia, a qual fica muito perto do rombo, e que
que offerece banhos salgados, e doce as rasan-
tes ; na casan. 1 junto a ponte do Varadouro,
achar com quem tratar:
Sitios para alugar.
Aluga-se um bom sitio com excellente casa era
BemQca margem do Capibaribe, e outro no la-
gar dos Remedios defronte da igreja : a tratar
em casado A. V. S. Barroca,no largo deBemlica,
ou na rae da Gadeia do Recife n. 4.
Compras.
Compram-se moedasde ouro de 20$ brasi-
leras, e pecas de 16$ portuguezas : no esciipto-
rio de Manoel Ignacio de Olireira & Filho, largo
do Gorpo-Santo.
Compram-se moedas de ouro e patacdes
bespanhoes ao cunho de Garlos III e lili, ni rus
Nora n. 23.
Attenco.
No trapiche da cotrpanhia, no largo do Corpo
Santo, compram-se escravos para o Rio de Ja-
neiro, preferindo-seos de idade de 15 a 20 annos,
pelos quaes se offerecem vaetageos ; quem tiver
sirva-se apparecer para tratar.
Gompra-se urna escrava de meia idade que
saiba cosinhar e engommar, que seja robusta,
sem vicio era achaque : no largo do Paraizo nu-
mero 14.
Vendas.
~ Vende-se por 700$ um scra*o crioulo de
40annoa de idade, muito cuidadoso ero anas obri-
gagea, proprio para tomar coala de sitio ou
qualquer outro serrigo, muito fiel e obedieale
quem o pretender dirija-se ao Moadego n. 8.
Liquidaco
oa loja da arara.
Vendam-se cortea de caiga de riscaios de co-
res e brim a 1$, l|280 e 19600, ditos de meia
casemirs a 1*800 e 29, cortes de c*semir preta
para calca a 39560,'dita eofestada Ooa a 4$. ditas
de corea finas caos flslras do lado ou sem listra
a 49500, corte 40 solidos da laclalana brancoa
com babados da cores a 29500, corlea de cambraia
para vealidos com renla! oa quilba do lados, de
corea, a 21800 a 39, cortea de ditas saaa.com 13
covados a 2g5, ditos da riscados chinezea a
2*500 V"'^te'WfWJJ'' *
portas n. 56, de Magalhles e gendes.
Geio:
Vndese na ra de Apoll n.' 31 de-
fronte do theatro a *$ a arroba. i7ea
arroba 3|590 e 160 r*. a libra,.
jo sbj
im F. dos Sanies.
40-Roa do Queimado-40
Defronte do becco da Congregado letreiro verde.
Neste estabelecimento-ba sempre asa sortimento completo de roupa faita de
todss as qualidades e tambem se manda secutas por medida i vontade de* fregue-
zes para o que tem um dos mslhores professoras.
Caiacaa ae panno preto a 40j,
S5ge 309000
Sobrecasacosda dito dito a 359 e 30)000
Paletots de panno preto e de co-
' .res a 359, 309, 259.109,18 e 20000
Ditos de casemira de cores a 229,
15J, 129.79 e 99009
Diloa de alpaca preta golla de
velludo fraacezas a 109000
Ditos de merino setim pretos e
de coras a 9J e 81000
Ditos de alpaca de cores a 59 39500
Stos dealpaca prela a 99,79.59 e 3J500
tos de brim de cores a 5|,
49600. 49 e 39500
Ditos d bramante de linho bran-
co a 6. 5$ e 49OOO
Ditos de merino de cordo preto
atS9e 89000
Calcas de caaemira preta ede co-
res a 119. 109, 9g. 79 e 6*000
Ditas de prioceza e merino de
cordao preto a 59. 69500 e 49500
Ditas de brim branco ede corea a
59. 49500 e 2J500
Calciade ganga de cores a 3)000
Collete de velludo preto e de co-
res liaose bordados a 129,9 e 89OOO
Ditos de casemira preta e da co-
rea lisos e bordados a 69,
59500,59 3J500
Ditos de setim preto 59000
Ditos de seda e setim branco a 6 e 59000
Ditos de gorgurao de sedi pretos
e de cores a 79', 69, 49 e 5)000
Ditos de brim e fustao branco a
3J500, 2500e 3*000
Seroulae da brim de linho a 29 e 29200
Ditas de algodSo a 1)600 e 1)280
Camisas de peito defuato branco
ede cores a 29*00 e 2)200
Ditas de paito de linho a 59, 49 e 39000
Dita da madapolao brancas e de
cores a 39, 2)500, 29 1J600
Chapaos pretos de massa francesa
forma da ultima moda a 10),
8JJ500 e 79OOO
Ditos de feltro a 69,59, 49 e 29000
Ditos de sol Se seda ingleces e
francezes a 14f, 129, 11$ 79000
Colarinhos de linbo muito finos
novo feitios da ultima moda a 9800
Ditos da algodo 5500
Relogios de ouro patente e hori-
zontal a 100f. 90). m e 70J000
Ditos de prata galvaoisaos pa-
tente e horizontaes a 409 SOfOOO
Obras de oaro, aderecos e meioa
adereces, pulceiras, rozetas e
sneis a 9
Toalhaa de linho duzia 10$, 69 e 9$000
Ditas grandes para mesa ama 39 e 4)0003
Rival
semsegundo
medio, moitas que j estaTsm
Nsras do Qaeimsdo n. 55,
" ie Sili
K^Guimaraes & Villar.
Ra do Crespo numero 17.
V onde ni lia ra ssiiuo.
Cambraias brancas bordadas para veatidos desenhorss a 7) a peca de 9 Taras.
Orgaodys de corea delicadas a 500 rs. o covado.
Cassas de cores fazenda fina a 240 e 280 rs. o corado. < -
Mangaitos e eollinbas para senhoras a 2) o par.
Golliohas ultimo gosto al). *
Mangaitos a 3) o par.
ntremelos ricamente bordados a 29.
Tiras estreitas e largas bordadas para eofeites de vestidos de 2) a 5) a peca,
Saias bordadas de 4 pannos a 49.
Saias bordadas de 3 pannos a 29500.
Saias balso de musselina com babados a 69.
Chapeos de palha de Italia para senhora a 28).
Ditos de seda para senhora a 12.
."" e.
Manteletes de seda
o que ha de mais moderno de diversos presos.
Ditos de fil muito bonitos a 30$.
Vestidos brancos bordados a 20).
Ditos brancos bordados a 79.
Cttilaa francezas de todas as qualidades a 280,300, 360 e 400 rs. o covado.
Madapolao de todas as qualidades a 49, 4)500, 59 e 79 a pec.a.
Outra militas fajeadas de gosto e precos baratos.
''.' s/i r.
: ..
. 1
E ARMAZEM
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
40loa de Queimado40
Defronte do becco da Congregando, letreiro verde,
VENDE-SE 0 SEGU1NTE:
Para casamentos:
Ricos cortes de vestido de fil ou blond de seda branca com ramo e capella, o
mais moderno e superior que ha no mercado.
Para bailes.
Lindos cortes de vestidos de fil ou blond de seda branca bordados a branco e
corea.
Ditos de tari nana branca bordados a branco e cores.
Ditos de cambraia branca bordados a branco com muita elegancia. '
Saias bordadas.
Ricas saias de cambraia branca bordadas com o mais aparado gosto e mais finaa
que ha no mercado.
Ditas de dita recortadas mais baratas.
Para baptisados.
Ricos cortes de vestido de cambraia branca bordados com muita elegaDcis o
mais moderno e roais superior que ha no mercado.
Manteletes.
Ricos manteletes de seda de oores e pretos bordados e lisos com enfeites, bsm
como arrendados, por presos commodos.
3#000 a peca.
Pesas de cambraia lisa larga fina com 6 a6 1|2 varas, muito barato.
Lencos.
Ricos lencos de cambraia de linho bordados a 39,49 e 5) cada om.
Chales,
Ricos chales de touquim brancos bordados de pontaredonda ede 4 ponas.
Alem das fazendas cima mencionadas tem um grande sortimento de todas i
qualidades. que nao possivel mencionar-se pelo grande espado que tomara.
DO DR. CHARLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,
PARA O THATASIENTO E PRMPTO CURATIVO
JAS .EUFEBIIIDAPES. SEXUAES, DH TODAS AS AFFECCOES CBtAHEAS, VIRUS E ALTEKACOES 10 SAWUE.
atraso ae ferr* Chfelo.
Xaropc uiui prefetivel ao
Copahiba, e s Cube-
PLUS DE
COPAHU
tai, cura Inmediatamen-
te qualquier purgseao ,
retaftact e debilidade, e igualmente tluxos e
flores branas das ranlheres. < najeeem e
cauo>i. Esia injeccSo benigna emprega-se mes-
mO temp do sarop de citrato de ferro, urna vz
de manbi, e urna vez de urde durante tres dias:
?Ha segara a cara. 1' DEPURATIF
u SAIVG
Dopuriv 4o Mague.
Xarope vegetal sem mer-
eurig, o tnico coubecido
e apatovado para curar
con promptida e radi-
calmente impigens, pstulas, herpes, sarna, co-
mi6-s, acrimonia e alteraces viciosas do sin-
gue ; vi/ua, e qualquer aSTeco vraerea. B-
ab* miseraes. Tomlo-ie dous por semana, se-
guindo o tralaaento, depurativo. PoaaafU aa.
tmJHrntim. De um effeito maravilhoao as f-
fecoe cuiaueas e comixoes.
saewar^hiJa*.Pomada que as cua enV 3 das.
ra larga*- "------:- lTS-J J-"---
'.Hi
O depfiiito e aa ra larga jo Ratarip, botica e.BartMome Pranciuo e Soasa, >. 6.
.....I |gPPi5B^a]iiiBawa5ay^^^
-
n

. loja d mludeza
de Josde Azevedo Mala Silva, tem destinado
acabar oom certas e determinadas miudezas pelos
precosabaixodeolarado, e venham logo pola
est acabando.
Calxas*com agulhss francezas a..........
Novellos do liaba para marcar a 20 ra. e..
DiUs de linha de oores e muito grandes a
Carretel de Uuba, saperier qualidade a..
Liaba branca do gaz a 10 rs. e.....7.....
Dita dita.a melhor que >va, novello grande
Pares de metas de cores para meninos a
Dtfa dmelas craas muio superiores a
Dtfvde ditas ditas a.................s....
falta de molas de corea para meninos a
Linha em cartao Podre V a...... .......
Calzas com phosphoroe de segnranca a
Catea de folbas com phosphoros (s a
ai val tOO rs.) a....................
Doria de phosphoros do gas a..........
Frascos d'agua de colonia superiora....
Ditos com cheiros muito finos s........
OmsJa de meiss muito finas para senhora
Caixaa de apparelhos para meninos a 240
rs. 6 ( t
Trancas do lia e de linho sortld'as a..'...'.
Sabonetes grandes e superiores a........
Groza de botes pequeos para calca a..
Croza de botes de lu?a a..............
Jaras de tramoia superior a 120 e........-
Grozade pennaade acoa..............,.
Cartelsa muito superiores a............
BiralhoBj,portuguezea a..................
Tesnramuito finss para costura a....
Ditas para unhas a 240 e .. ...............
Baralhos para voltarete a 240 e.......;..
FracosdebanhadeurSoa.......k........
Frascos grandes de lavando ambreada,su-
perior qualidade a....................
Frascos de oleo de babosa a 320 e......
Frascos de danfaa muito fina a 240 e......
Agulheiros com agulhas a................
re, preservando
ibrar a saude e (
da inultimente tod
As mais slictss
eSperago; faeam
eficazes effeitos d
prestes recupera:
asjoTtai
conseguiram
tenta-
seu uso
oitros,
_ _
la aosombrasa edteins, e
Nao se perca lempo em tomsr este remedio
para quaiquet Usseguintes enfermidsies:
da! Riquissimos maoteletee pretos bordados a 35
" 40f000.
Riqeisafaoa corte* de seda preta 0.50 e 60sV
_Ditos dMos de cambraia branca bordados a SOL
2S, 30, 9le.4fi9.
* P ^ ^eWilB*tMof,* Uperior faiec-
n A~ <* 49.
C irtes de velludo de cores paratisllete
j mitm
A I
49
120
40
40
30
20
60
120
29400
29000
190
20
160
100
240
400
500
39000
500
40
160
120
120
leo
500
500
120
400
400
320
640
Febreto da especie.
Gotla.
Superiores casemiras de eores, covado a 29609
e iftvOO.
Pentes virados de le taruga a 6 e 89.
Leos da? linho, dozu a 5 e 69.
Camisas de linho, duzia, a 35, 40 e 459
Cortes de cambraia bordados a 19800.
Ditos de dita de sal pieos a Si.
Leqaes a 39.
es-
500
800
320
SO
yJropesie.
Ictericia.
Indigestoes.
Infla mmaedes.
Irregularidades de
menstruac,o.
Lombrigas de toda
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na culis,
Abstrurgo do ventre.
Phtysica ou coosump-
(so pulmonar.
Reten^ao de ourina.
Rheumatismo.
Symptomas secundario;
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceres.
Venreo (mal)
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
AnpoUs.
A reas ( mal de) .
Asibma.
Clicas.
Convul&des.
Debilidade ouexienua-
fo.
Debilidade ou falla de
forjas para qualquer
cousa.
DesiDieria.
Dor de garganta.
de barriga,
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidade no ventre.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueca.
Herysipela.
Febre biliosa.
Febre intermitente.
Vendem-se estss pilulas no estabelecimento
geral de Londres n. 224, Strsnd, e na loja
de lodos os boticarios droguista e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hwpanha.
Vendem-se as bocetinbas a 800 rs., cada
urna deltas contera urna insirucc^o em portu-
guez psra explicar o modo d' se usar dess pi-
lulas.
O deposito graal em casa do Sr. Soura
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambuco".
J9l55i5fti5l5 M393 39ii#5ts>K
I0UPA FEITA AINDAMISBABATiS.]
SORTIMENTO COMPLETO
>
fazendas e obras feilas.j
LOJA E ARMAZEM
DI
IGes & Basto!
Una do Queimado ||
[a. 46, trente amateU*.
Constantemente emosmmgrandee va-
ciado sortimento desobrecasacaipreta
tde panno de corea muito fino a 2&9,
I30g a 359, paletots doa meamos pannos
,a 20(,22| e 24J, ditos saceos pretos dos
meamos pannos a 149,169 185, casa-
cas pratasmuitobem feitaa ede superior
panno a 289, 30g o 359. aobrecasacas de
caaemira de core muito finos a 159,16}
e 18J, ditos saceos das mesmas csetel-
as a lOf, 129 t 14|, calcaspretas de
aatmirafina para homem a 69, P9, 10|
112, ditas decasemira decores a 7f,89,
? 4^, ditas da brim brancoa muito
finajK| o 69, ditas de ditos de cores a
89, S^OO, 49 e 49500, ditas de meia ca-
mira de ricas cores a 4f e 4|500, eol-
teaptratoa da caiamiraa 59 69, ditos
da ditos de corea a 4J500 e 59, ditos
branco da seda para casamento < 99,
ditos do 69,colletes debrim branco e de
fasta o a 89, 39500 e 49, ditos de corea a
9500 e 39, paletotspretos de merino de
ordiosacco esobrecasacoa7f,89 e9$,
colletespretospara luto a 4)500 s59
as pretas de merino a 495C0 e 69, pa-
letots dealpaca preta a 39500 e 4$, ditos
iobreca*aco a 69,79 e 8|, muito fino col-
etea da gorgurao desedsdecoretmuito i
boafazendaa39800e4S. collete id e vel-
lido de eores e pretos a 79 e 89, roupa
para menino sobre casseadepanne pre-
|tos e de cores a 149, 15 e I69, ditesde
asemira saccoparaoamesmos a6j;5C0 e
9,ditoide alpaca pretos saccoa a 39 a
9500,ditossobreessaros a 5f e 59500 i
algaida casemira pretare decores a 69'!
|500 e 79, camisas para menino a 209'
dazia,camisas ingleuspregailargas 1
uitcsaperiora 329aduziapanaeabar.
Assimcomotemoa ama officina deal-
alate ondemandamos execatartodas as
;obrascom bravidade.
mmmm*w*mm

ao
italiana,
vindo do ultime vapor fraocez
40 Roa do Queimado 40
Lindos cortes de vestido de seda de cores ita-
liana.
Ricos mangaitos com gollinhss de cambraia
branca bordados balao.
Um grande sortimento de chales de merino de
todas as qualidades.
Ricos veos de fil de seda branca bordados,
grandes, para casamento?.
Tarlataoa de corea bordada, 8 palmos de largu-
ra, covado 19.
>
-----.
tempo o doeute a^tneito. >-i --oo
SBMb
JARABE DO FORGET.
mrdvaNlor peles asis enriSeates meatcoti do Paria,
cara cawar eonstfaacoeaj Usa* convulsa *,' |
^Sfi^ ^9rTl^a'.t*,WW<^M|',: ama selberada
O tfteiio deste excelente rope satisfaz ao ff tasan..]
as

Em casa de Ralkmann Irmaos
S C., na ra da Cruz n*. 10, exis-
te constantemente um completo
sortimento de
Vinhos Bordeaux de todas
qualidades.
Dito Xerez em barris.
Dito Madeira em barris e caixas.
Dito Muscatel em caixas.
Dito champante em gigos.
Cognac em barris.
Cerveja branca.
Agua deSeltz.
Azette doce muito fino em oalxaa.
Alvaiade em barris.
Cevadinha em garrfes.
3
1
Acaba de
chegar
noy armazem
DE
BASTOS & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
W

Um grande e variado sortimento de
roupas feitaa, cal gados a fazendaa e todos
estes se vendem por precos muito modi-
ficados como e de seu costume,assim como
sejam sobrecasacos de superiores pannos
e ca sacos feitos pelos ltimos figurn os a
269,289, 309 a a 359, paletots dos mesmos
pannos preto a 16f, 18$. 209 e a 249,
ditos de casemira de cor mesclado e de
novoa padrees a 149,169, 189,209 a 249,
ditos seceos das mesmas casemiras de co-
res a 99,109,129 e a 149, ditos pretos pe-
lo diminuto preco de89,109, 12$, ditos
de sarja de aeda a sobrecasacadoa a 129,
ditoa de merino de cordao a 129, ditos
de merino chinea de apurado gosto a 159,
ditoa de alpaca preta a 79, 89, 99 e a 10?,
ditos saceos pretos a 49, ditos de palha de
seda fazenda muito superior a 49500, di-
toa de brim psrdo e de fusto a 89500, 49
e a 49500, ditos de fusto branco a 49,
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de cores a 79, 89, 9* e*a 10, ditas
Sardas a 89 e a 49, ditas de brim de cores
as a 2g500, 39, 39500 e a 4$, ditas de
brim brancos finas a 49500, 5$, 59500 e a
69, ditas de brim lons a 59 e a 6$, colletea
de gorgurao preto e de cores a 5$ e a 6$,
ditos de casemira de cor a pretos a 4$500
e a 59, ditos de fusto branco e de brim
a39 e a39500,ditos debrim lona a 4$,
ditos de merino para luto a 49 e a 49500,
caigas de merino para luto a 4$500 e a 5$,
cap'as de borracha a 99. Para meninos
de todos os tamaehos: calcas de ca remira
Srefa e de cor a 5$, 69 e a 79, dilaaditaa
e brim a 2$, 39 e a 39500, p alet ota sac-
eos de casemira preta a 6$ e a 79, ditos
de cor a 69 ea7$, ditos de alpaca a|39,
sobrecasacos de panno preto al29e a
14, ditoa de alpaca preta a 59, bonets
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos de todos os tamanbos,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
para meninas de 5 a 8 annos com cinco
babados lisos a 89 e a 12$, ditos de gorgu-
rao de cor e de la a 59 e a 69, ditos do
brim a 39, ditos de cambraia ricamente
bordadoa para baptisados,e muitaa outraa
fazendaa e roupas feitas que deixam de
ser mencionadas pela sua grande quanti-
dade; assiracomo recebe-setoda equal-
quer encommenda de roupaa para se
mandar manufacturar e que para este fim
temos um completo sortimento de fazen-
das de gosto e urna grande officina de al-
faite dirigida por un hbil mestre que
pela uapromptidoeperfeiconadadei-
xa a desojar.
BARATO
sem igual, s na ruado
Queimado n. 40.
Luvas de seda decores para bomens, senhoras
e meninas, o par 400 rs.
Lencinhos de seda com franja, finos, para me-
ninas e senhoraabotarem no pescoco, um 500 rs
Chapeos de sol de seda para meninas de esco
la, um 19600.
Grvalas de seda de pona larga, outr'ora do
valor de 4 a 69, pelo diminuto preco de 1$ urna.
Diversas fazendas de la e seda para vestidos
de senhora, que outr'ora se vendiam por 1$280,
pelo diminuto prego de 640 o covado.
Sedas decores superiores com pequeo loque
de mofo a 800 rs. o covado.
Superlorea e afamadaa peonas de ac denomi-
nadas langa, groza 600 rs.
Pecas de cambraia lisa fina e larga, peca 39.
JPerro < Maia,
Ra do Queimado n. 10,
loja de 4 portas.
Vendem-se cuitas Iranceaas muito finas de co-
a
Cba'peos a Garbaldi e Iraviata a 10, tf a 19SJ.
Ceroulas escocesas, urna 19280.
Tsrlstana de todas as cores a 800 rs.
Existe mais um esplendido sortimento da fa-
zendas que seria enfadonbo menetaua-las, e que
se vendem por multo menos prego do que esa
outra qualquer parle.
Se houve por bem resolver
Na loja das tres estrellas
Tudo quelmar derreter
Em moeda encanto dellas.
Ra larga do Rosario n. 33.
Para liquidar: bicos de 40 a 209 rs.. diloa ti-
nos de 100 a 320 rs., ditos pretos I arfa* da 999
a 600 rs., ditos de seda de 100 a 390, ditoa lar-
gos a 600 e 800 rs.. fitas muito ricas de sarja Ja-
rradas de 600 a 1*200, ditas mais simples de 129
a 500 rs., ditaa lisas assetioadas superiores de
3C0 a 600 ra babados de linho do Porte a 40
60 rs. a vara, pega de 15 raras a 990 e 800 rs.,
babados largos para camisas de menino e leoc$es
de 120 a 200 rs., dito da largura de palme a 249
rs., trangas de seda com vidrllho pretos de 200 a
400 rs., franjas de seda de corea de 320 a 900 rs..
ditas da la e seda a 160 e 240 rs., requife de la
e algodao de 60 a 120 rs., gttes preses U 09 a
190 rs., fita para coa ji com colietea branco, par-
do e preto a 320 re., car toes de colxelea a 40, 50
e 60 rs sombra para flores de todas as coree a
120 e 160 a folha, pnfeilea de rede e vklrilbo pa-
ra cabega a 19 e 1$500, escoras para falo de 609
a 19, ditas para den tf a de 240 a 909 ., ootroe
muitos objectos constantea de outeos annuncio?.
E em pega, cento, masso ou dazia vende-se com
grande differengade relalho.
Relogios baratos.
Na ra Nova o. 21, ha grande porgo de relo-
gios foliados, dourados e de ouro, patentes e ori-
zontaes.suissos e ingieres, os quaes serao ren-
didos pelos pregos da faciera. Cada relogiolera-
r um recibo em que se responsabilisa pelo re-
glamelo durante seis meses.
S arara que est
liquidando.
Vende-se grosdeaaple preto a I96OO e I96OO e
covado, dito dito muito encorpado de cores para
vestidos a I98OO, damasco de lia moitolargoa
I940O o covado, riscado escoces psra vestido a
280 o covado, mussulioa de cores a 320o corada,
chitas para vestidos a 160 e 180, ditas francesas
largas a 220, 240, 260 e $80 o covado, eaasa de>
salpicos a 200 rs. o covado, ditas de cores s 24SJ
o covado, saias balo de panno sem arcoa a 9400
o covado, ditas de madapolao a 39, ditas de 20a
40 arcos a 3$ e 39500, e outras mullas fazendas
que se dar amoatraa para ae ver, lude por pre-
go biratissimo ; na ra da Imperalriz, loja da
arara de 4 porlaa o. 56, de Magalbiea alendes.
Vende-se 1 sof, 1 psr de coosolos, 1 core-
moda e 6 cadeiras, lado eos bom estado, e pele
diminuto prego de 90$ : a tratar na ra de Eor-
tas n. 122.
As verdadeiras lavas de
Jouviii.
A loja da boa f receben novo sortimento cas
verdadeiras luvas de Jouvin, aa recsamete*
aos cavalleiros e madamas de bom gosto, para
que mndeos por ellas na referida loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Leite puro,
Na praga da Boa- Vista, defronte da botica em.
frente a matriz, vende se todos os dias leite puro
a 280 a grrula, das 6 boras e meia esa diaate.
Vende-se na cidade de Ohnda orna casa
terrea sita na ra de S. Joo, com chao prapno,
quintal cercado, frente de pedra e cal, por pree
muito razoavel por lar o dono de retirar-so para
fora da provincia : a tratar com o cadete Cyptia-
no de Souza e Mello, no quartel do 9.* balalbao
na Soledsde, das9 horas da manhaa ao meie d.a.
Vende-se urna escrava de idade 30 aonos.
com urna cria de7 annos : oa ra do Queimae
n. 39, loja.
Vende-se um molecote de idade de 22 se-
nos, perito ofilcial desapateiro, boleeiro copei-
ro : a tratar na ra do Crepo n. 9, loja que foi
de Sequeira 4 Pereira.
Vendem-se dous escravos, sendo um moie-
que de 12 annos e urna crionla de 15 a 16 annos.
ptimas figuras ; na roa do Hospicio n. 23, se)
dir aoode.
Vendem-se libras sterliois ; no esciif tor.t
de Amorimlrmos, ra da Cruz n. 3.
reaflias, covaA>24|rs.
esas, corado a 160rs.
.JosSoqiol OB {(") ,or!li* t
tfimt Francco de Souza, h. 36.
DUIW UVIinLUIWlI
PIL0LASHOLLWOTA.
Bate ioestimaval especifico, wmpos inteira-
aMe de hervas mdcuaej,,nappoDlm jnerci-.,
roara algum* outra substaaeta dekciWM. Be- 4
oigao mais Maya iafaneia, a a waayluisjlisiisdjr
daescaday igualmente PrtfajMb" seftW !1*4Vr#
lfi* ^ W>& ro?.rn..
fitetraos* tanoeenie em saos opreteos e ef-
'euostpqsj autos eMatas* deewjestqua+-
?ur eepeart e grao po tpsr' atb ,'! tean
4ju sejam. i t\ l
ntre tmaras da psssoas canda com esta
f 0* ?! ObBfT
Chitas ingle!
1 Cassas frantezsn muito finss, covado a 220 e
240 ra. T^ *
Brim branco de puro ttohe, vara a 9.
w
W) a
riqreaznaissdealgedapcr per harneo,
cor, auperlor fasanda, a
Importante
Aviso
Na loja de)4 porlaa da na do Queimado a. 3aL
acha-se um grande armazem com todo sorn-
mento de roupaa feitas. psra cojo fim tem asoc-
iado urna officina de alfaiate, estando eacarrec/-
do della um perfeito mestre rindo de Usaos ra-
ra desempenhar (oda e qualauer obra qae ae :te
encommende; por isso que fas um convite espa-
cial s todas as pessoaa com naparialidade ao*
Illms. Srs. officises tanto da armada eos** m
exercito.
Faz-se fardas, fardos com superiores prepare*
e multo bem feitas, tambem trata-s* fazer far-
damento todo completo conforme aa usa aa lia
de Janeiro, tanto que tem os figurinos qu **
14 vieram ; alm dlsso faz-se mala casaquiaba*
para montarla, frdelas oa jaqueles, bem cama
colletea a militar para oa Srs. ajudantes da ata-
do maiore de cavallaria, quer aeja atnfale* om
bordados a espequilha de oaro ou prata, tnd* *
gosto da Europa, tambem prepara-se becas para
desembsnrndores e de qualquer juix segaaaie *
estro de Ceimbra aonde ao (asesa aa melaarea
eonhecidas at hoje, assim com* tem malte sacs*
Panoo verde, corola af, azul e preto, corsa*- desenos matiz de todas ae coras aroprros para
a i ...,,. -. M (ardamento de pagena oa criados O libr so
4e touautm 159000, 10, 15, 99-, 3S,- ^,r pelo goato i fraecet*. Na mesa casa ea-
uamisas paca senBcra, bm, 9
Cortea de caaemira de
$9500.
1 Velludo de tedas SS cosas, cavado* 8 e 4$.
;B,r0ie "!?J?l!A- KlArs^\^*rM|,
a Senhora

bordadas para
n
carrege-s. ale oaaer pata saoaiaoa l
fsaaceza bardis* o mesmar goato.
qb* por toa* a fia* re*aoasv*| osa* aeja'boaa
fazoeKlas. besa fsito* bom corte, rilo setslU
ola que s* rometter, sngnada u syssoma sTsal
veio o mestre. pois esprraa baarasa visita e
dignoa senhores visto quenada perdeos, oa* s-
perimaoaar.
Na-loa d'.gui. de ooro. rua do Cabaa a. 1 fr
reeebeu um completo aoniaseato de | mi Ib II 5
ausssogs, sendo de tedas aasorea


6
u*W oVifi***4*~ ?te*>*klia 5 ai nhfm I HU.
] Urea para dm 4
Ma
Francisco Fernande* Duarte, proprietario deste
ir marera de morhadot, partecipa aos aeus fregnezea, assim'como aoa senhere da p'raca, de enae-
nbo e larradorea que d'ora em ranle quizerem-se afreguezar oeste eatabelecimento, qaa te tena
com um completo jortimeato de gneros os mal eros que ha no mareado e por serem a seeier >
parle dellesTindoa de conta propria, est portanto resollido a Teaaa*los por menos 10 per anata;
do que era outra qualqner parte, afianzando a boa qualidade aecaaaaakBstnrtaU, ansia cobo ter-
rir os portadores Meaos pralieos lio bera, como se os seohorea Tiaaaem peaaoalmente, para e que
nao ae pouparS o proprietario em prestar todaatiengao, fim da continuaren a mandar cmate r
saas encommeodaj, tartos de que, toda e qualquer encommenda comprada norte estakelaimMW
acoapanharS urna contaimpressacom o mesmo titulo de armazem Progressa.
ManAeYga ingUn y eTeiUmenie fk. lyooo ri.. u,,,, TWrtre-
se por este prec,o unicameott pela.graud* porcao qaetem a se Cor em barrillas (ara abatisneete
M *ntel$a tranceza, niil lll(M)rlor qoe ht no mtKtt .., 64o rs. e unta >
_, bafrtttaMOrs.
CM perda' HySSOn pteto 0, meihoret que ha no mercada i 29800,
e 12600, aflan;a-se a boa qotlidade.
QueijOl 4a T5104h9ta4Mtttttt BllilB0 Ttpora29600, eos do raoorpeesado a
p'OO.
l IgOS da eommoite osmalanoTot que ha no mercado em selrinhas ptqueeaa
a 80 ra ditas de 8 libras por 2W0, em libra a 320 rs.
Preanlo do Wamare inglffI. 700 aUbta.
P rezunU da Umeg*, ^ .. tM BteIro440 .
SVaaa am era qa0 ha no mercado a 180 rs. a libra, e em altaba a 4J500.
^saariaaseta ,7Mfl. ,UbMi ftni<,ixt a740 .
ILatas eam aolaxiaUa da soda ae,rente qutldadttitm
Latas cam peixe em posta da muU qttali(Ude8, m.
A.elt anas nasAto navas. 1|N0 M.. btnli. r,ulho. m ri.. mrii.
Baca da Waeteue emlttUi de 2iibra, por 19200.
G%Tiatas ptri Radiin a goo rs> alibla>
BauUa da parco retinada, 430 .. libra, e b.rrr\ 44o ra
M.*ca de tomate
IraVO i .t VOnVOO a prj(neira ez que Tieram a eate mercado a 6*Ors. a libra.
Caoancas e pavos auit0 no?os. 56fJ rs.. libra.
Pautes de danta Uxadoscom0macinho,pol2o0r..
Cnocolate francs. l200 r8
Mavmelada imperial
'Smssmm
i, e um negro de S5 h
a do Sebo n.
?1
tfja das 6 por-J
tas em frente do 14-
*
X l!?^0-'de i!r"". pechtocha". na ra do |
P fnga, calcas de caaemira pretaa
fga, caml
finas, di
ditos m
ia de 2
res, de brim braaco e deeeret, dt
i, camisas eom peilo 4e Vi abo meite
as, ditas da algedae, ehapeos de sel
alpaca a 4# cada an.
nn IrmSos &
um completo
amostras de object
oa, proprio para
ohos, sendo crrelas para
nsmittir movimeoto, canudos
borracaVp
ment^jruura,, Oaeio
ditos artigos tomam-se en-
mendas.
ASapira. aiurvad*
de canas4raacMaa de mutte beallos pa

ixSes Tasiot propnos
nileirosetc. a l|aipR
^ d ir i j a-se a esta tipo-
graphia, que ah te dir' quem ost
" vender.
vramen-to.
Roupa feiU muito barata.
^Eit^m^rdffi^S;^
de bm de carea a braecos, diUa
Gateado
' (HtBMdo n. 22. oa loja da boa
9 Vendem-se trea pares de castijaes de pratl
a orna taifa, tedo coatcaaiada, Teode-sa
tratar na roa estreita do Rosario n.T
, Tendem-se duaa caaaa terraaa aa a de S.
Hignel, na freguesa de Aiogadoe as.91 o W : aa
ra da Penha, ao primeiro andar da casa a. S5.
AUenijao.
Vaode-se um carro americano dotocom ais*ri-
lo para 4 pessoa, o arreioa aera I e 2 afelios:
naco Terna cocheira da ra alaa Florea a. 35 e
poca ajustar aa ra da Gadeia -felha a. 37, cam
Rabo Scbametaau & C.
Leamos de cam*
Iwah com padres de se-
da a 2^500 a pega.
ak>ia (Pagula branca tambem se fende mni
mstaa e Anas lencns'de cambraia imitando aeda,
T**lo*,T,,UM,,noPreC0 de'lWfJ a pe(a de
10 lencos. E" essa urna das pechiochas que costa
apparecer, e quaodo assim apprpteitar-ae da
occaaiio, porque ellea serrem tntolpara algibei-
ra aotao para menioot, e quem oa ?tr na loja
d'aaata branca, na roa do Queimado n. 16. teri
enuae de comprar mais de ama peca, tal a
bondade delles.
arado s americano se mcbina-
GralavarrouparemcasadeS.P.Jos
ton & C. ra datenzala n.*2.
Fazendas baratas.
Narw da Impeatriz n. 48, jaito
AS! .tStiilSff: *blS:
za com 8 Ii2 Tara 3j, 3*90, e 4, ditas da
Eacoaaia 5J>, e 6|, ricos enfeites para se-
nhdra 6t6|3JP, sirates os mais delicados '
para senhore SfWe. lt,hapelD8 para cri. '
anc gosto Ingli 3S500, 4, para baptlsado
3, cortet de reslido de seda Escoaseza de
bonisoa aesto 1t| stao sa acabaDOo, ri-
eos lengoa de labyriotho I9, lftOO. chapeo
deeol para aeahoca da aoaiUa carea, liaos
5, oabe de marfim 5#500, corlea de cam-
braia braceo com ffdf de aeda 5. riaca-
do francas 200 ris o corado, completoa
aortimenlos de balSes de arcos 3f, aorti-
msatos de meias pata menino e menina
200 e 240 ris o par. chalet de tarlalaaa
Sde corea a <40 ria, lncoabraaco com bar
ras 160 ris chitas inglezaa a 180 e 200 rs.
ff, dita franceza a 240 e 280 ra. e corado
0 pacas de cambraia de forro com 9 raras
Sa 2 : junto a padaril franceza n. 48.
C
9b\
45R|0dDtelto45
Maajfiico
aa aaara!
reguezes que Ihe tri
rio deate gTaade
terecer ae amWioa. a*r_____
aaieriorea aos de ontra, a taa bella -.
d calcado rrance*. iagUz a bratileire e :
Homem.
ioneguloa Vctor Emmaanel. .
cetro a parea.....
> lord PalaMceioat' beaeire .
> difenet fabricaatetajlutr)
> JohnRataell. .....
aaptloet Ntntaa (balarla ialeirt). ,
patente.........
Sapa toa ti anca (portagutiea). :
(traMezea). ....
9 entrada baixa (tala a firaj. .
> maito cbiqaa (uaaa tala). .
SeDhoras.
BonegeiM primer (JalT).....,
brilhantina ....
i
a maienorado mercado a 900 rs., a em lattas de 2libra por 1>700
do afamado breu
a 1#000 rs. a libra.
a libra, ditto portagaez a 800 ra.
o de ontros mui tos fabricantes de Lisboa

W IH.UOS em pipa de 50rt# 560 e 640rt. 4 garrafa, em caadas a 3p5004SOOO 4500
Serveja as miig acreditadasmarca a 5* a ojazia, e em garrafa a 500 ca.
# ** para sopa amis nova que ha no mercado a 640 ra. t librt.
IrOrlO engarrafado. Porto fino, Porto, Feitoria e duque de Porto a 18200.
ccarelios, Hascatel e Bordeaai a 13 a garrafa, e em caixa da urna duzia ae faca abatimenlo
7 mais n0TO e Up0 'Be hs D0 mKMd 1W rs. a libra e em arroba a 5|.
rV,. ''"^^aiaS as m9ih0rei qae se p0(lem desojar em meias lataa a 500 rs.,
ditas inteiras a640rs.
*1 ame 0 melbor pelitco que pode hirer por estar prompto a toda a hora a 1 a libra.
Mala de ameailoa 800 r.. Ubr,, olu ,om Htt 480 ."
W o es muI(0 novas a 120 r5 a libra_
CasUuYias
Caf
piladas a 240 rs. a libra:
rs. ;
r;iose lar
abatimeato.
maito superiora 240rs a libra, e a 7J aarroba:
\PFA7
" *Jo Marauho a 3 em arroba, e em librt 1100 rs
Fama amerleaaosls.libr seforemDOr
Sevaiinaa d, Fr,aga a240 r; tUbM#
^*5,* muito oofo a 320 rs. a libra.
X oaeioao de Liibot a 360 ri, UbrM,m t arroba>
FarlaVia 4o Haraaliao Blll
Tonalnli UglezaS00r, alibra
Pasaas em calxlnliasde8 IIbrM, S500 cada yma
aeros mencionados epcoatrara o respeitaf el pablico tade quanto pro-
inora a 160 ra. a libra.
curar tendente a molhados.
Fazendas baratsimas
N.
20Ra da ImperatrizN.
Duarte Borg=>s da Silra faz sciente aos aeua antigoa e numerosos fregueses e ao
loja ra da Impentriz n. 20, acharo sempre o mais completo sortimento de
o menor prego pessirel, pois est resolvido aniodeixarde aerrir ao fresuec q
nheiro. tem constfntemonte cobertaa de lia a 1200, madapolo Hoo com 24 lardas
ifih nn""0"',8 a 2,(l eS80"- o corado, ditas estrellas padroes bonitos e
20
na sua
publico que
uo fazendas de
le pelo menor prego aossirel, pois aat resolvido aniodeixarde aerrir o freguez que ireuter di-
a 4800 a pe-
ua e cores ias t
IbU e 200 res, lencot de cassa e de chita para meninos a 80, 120 e 160 ris. caasaa
'..&. IrM,"m6aS n0?08 ^O". o corado, organdys fazenda ptima pa"
,r^! 4*Rr?nUaUd*dea?0rSOCO"d0- cseu> i"Has fazenda especial par. forro de
carros a 1*600 ra. o corado que autr'ora ae renda a 2J, cortes de brim de linho a 2. olea-
22 mm ?,(Dlur" nqaistiaBat e larguras de 6 a 9 palmos ao diminuto prego de 2| o corado, chales
de merm Usos e estampados a 2# e 4*. cortes de cassa al#800 e 2. cortes de
3 a 4 e 5$, naCadinho de linho de algodo. ganga amarella e de
lorado aortimento de fazendas de algodao para roupa de escravos, dito de
linho, bramante de linho com 10 palmos de largura, panooa fiaos de dirers
casemira preta e
i 160. 200, 240 e
pannos de
QTIl -w- -"------------------- .w w IQU..U, .auxa ujaionao UH COTOS
t i. u0 COf'"io' "oriimento de fazendas de algodSo para roupa de escra
.m Hi.r.'?,S.1S-UnhV.0m r.p,iB,*lde lu. P"o nos de diversas cores, cambraiaa H-
^nV 0m "!0lc,0?' d,ta* ^Iradas, bretanbaa de linho e de algodo, ludo barato
ainneiro na predtla loja cima.
para apurar
IOTA i
Expsito
. de
Candieiros a gaz,
O proqtietario da ora expoiigo dos candiei-
ros a gaz avisa ao publico em geral, que se acha
sempre sortido com grande e rariarel sorlimeolo
de candieiros desde o mais barato at o mais caro,
assim como um grande deposito de gaz ldrogenio
verdadeiramenle econmico, reconhecido verda-
deramente por todos os consumidores : na ra
Nora ns. 20 e 21, Carneiro Viaooa.
Nesta mesms exposicao se encontrar um fa-
riavel sorlimeolo de riqusimos quadros de todas
as quilidades que por Rosto ae pode apreciar oa
teut deaenhos, um riquissimo sortlmento de
quioquilharias, contando entre ellas riquissimos
lavatorios para qaartos (gosto chinez), um varia-
? el aortimento de balaios com lodos ns'preparos
para riagem, coolendo pratos, facas, copos e ou-
tros frascos paTa conliconar, farros de engom-
msr a fapor, machinas de bater oros a rapor,
machinas de fazer caf a fapor, espingardas de
dous canos trnxidas e de alcaoce, mappas del
mundo, e outros muitos objectos que ae rendis
por precoa diminutos para acabar: ra Nora
numero 20.
tteaijao*
a raadaTr*peiavn.4a,amaat ia*o r a
Kooker 40. exilie um bam.aortimeato dali-
ah*t deuorat a branaaaemeartatei a do meihor
afccitaateelngltterraatqatea eavaadem por
dracoamairazoaraia r '
I5 M PUsrfa d fto da mais arrr a
OlSeir* & ^^iSS^StJr^ '
o que pode ha ver de meihor
gosto em galantarias para
ornamentos de salas,
como aeja, ricos jarros de porcelana a de ridros
de rarios tamanhos e gestea, ricas manteiguei-
ras, jarroa de tidro para eraros e eatras florea
delicadas, frascos muito lindos, tanta em corea
como em goato, e ootrae maittt galaatarias que
sa torna eofadonho mencionar, afiancando-ae.
porm, que o que ha da meihor goato para
quem quirer ler suas metaa bem ornadas; na
toja da Victoria, na rus do Queimado n. 75, Jun-
to a loja de cera.
Vendem-seosengeDhos
&. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correntes e
(Tagua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de enge-
nto e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
safreja dous mil pes:
Barato para acabara
Ra da Imperatriz n. 40, es-
quina do becco dos Fer-
s
reros.
Sedinhas da quadros encorpadas. corado a 640
rs., chitas de corea fixae, corido 160 e 180, ditas
francesas, corado a 220, 240 e 280, taiat de cri-
nolina para bala o 8 29400, b aloes de 18 a 35 as-
teas dos melhores, por prego commodo, cortes de
cambraia bordados a t600, cortes de cassa de
baaitat corea com barra a 22800, riscadinbos
francezet em cambraia, corado 280 rs., goerdent-
pos adamascados, dezia 28500, cobertis areluda-
das com frocos para cama a 99, manguitos para
senhora a 2#500, foliabas bordadas deponase
oOO Ffia
Padaria.
Na padaria de Antonio Perneados da Silra Bei-
ris, roa dos Pires n. 42, rende-se a muito acre-
ditada bolachinha quadrada igual a ingleza, dita
de araruta e de moldes, todo o trabelho nesta,
bem como e pao faito dta melhores farinhat, e
irabalhado com o maior aaseio possirei. a mes-
ma precisa-se alugar duaa prelas escra ras men-
salmenle, que j estejam acoatumadas a vender
pao na ra das 5 1[2 horas da manhaa as 11.
quem pretende-los dirija-se
aruada Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Ruada Senzala No ya n. 45
Vanda-se am casada S. P .Jonston 4C,
ellinse silhasngltzea.candeeirof stieaes
bronzaados,lonas aglszes, fio deTel hicote
paractrros, amoniaria.arraiospara earroda
na ajous aavalot ralogio sda oaro patate
nglez.
Relogios.
Vtnda-st ra casa da Johnston Paui & C,
roa do Vigario a. 3 am hallo aortimento da
ralogiosdeouro.pateBteinglex.letrm dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
ana rariedade de bonitos trancelinspara os
meamos.
!
e vidraceiro,
Loja das 6 por-j
tas em frente do
Livramento.
Chapeos de sol de alpaca a 4|.
Duzia de meiascruas para hemem a
19200 e o par a 150 rs., Mita brancas
auilo Boas a 21500 a dazia, lencos de
cassa cosa barra de corea 1120 rs. cada
um, ditos brancosa 160 ra., b a loes de
SO e 30 arcoa a 32, liazinha para vea-
tidoa a 240 o corado, chalet de merino
ettampados finos s 59 e 61, tarlatana
branca e de corea muito fina com rara
e meiade largura a 480 rs. o corado,
fil de linho liso a 640 ra. a rara, pe-
cas de cambraia liaa fina a 39, castas
da cores para restidos a 200 rs. o co-
rado, mnssulioa encarnada a 320 rs. o
corado, calcinhas para menina de escola
algo par, graratinhaa de tranca a 100
rs., peto a para tamisa a 208 rs. cada
um duzia 29, pecas de cambraia de sal-
pico mullo fina a 9509, pecas de bre-
tanha de rolo a 29, chitas francesas a
220 e 240 ra. e corado, a loja est
aberta das 6 horas da manha as Oda
oile.
3sTsTm.'
b deorea 38,83,34.
Saaaloe com tarto tittj). .
* trncete frtsaaiahet.
a 31.12.83 e 34 lastra. ____
1 am rica ser lima ato de cewre da lastraba
zorrofrancez, marreqaim, tala, ttaaetaa Vav
A tt en$o.
Vende-te aa aaceMaaM carta fia 41
da em branco, mella bem ftito,
cabriaieaa, acodo an ta mbam asa
perfeitamente acabado: quem os -^-'-*^*
ja-aa a oficia, de farreare, aa r^'eJjST."
4, que achar cam quem tratar.
Ghegouaapreciavel agua bal-
smica para a bocea e
dentes
A loja d'agula branca aeaba de receber urna o-
ra remessa da mui pmveitosa e procurada agua
balsmica para a bocea e dentes. O bom resul-
tado de tal agua j nao soffre duvida como sa-
bido pelas immensas pessoas que s compraran)
e que sentiam a falta dalla, e aa que de novo
comprarem acharao que o uso della faz conser-
var os dentes saos, lirrando-os da carie, fortale-
cer as gengiraa e tirar o mto hlito da bocea,
dando i mesma agradare! aroma, podendo-se
mesmo usar della nao s pela manhaa como a
qualquer hora, e com acert depoia do fumar pa-
ra tirar o cheiro do fumo, ou quando ae tenha de
sabir para ler-ae a bocea aromtica : para lsso,
porm, bastam algumas gotas della em agua pu-
ra. O proreilo d'agua balsmica ainda chega a
mais, ella sarre com acert e promptidao para
acabar ador de dentes, ensopaodo-se nella um
bocado de algodo e deitando-o no buraco do
Jente, este adormece e em poaao deaapparece a
Jor. Para se obter nm frasco de to proreitosa e
apreciarel agua balsmica, 6 dirigir-se com 18 &
loja d agola branca, ra do Qoeimado n. 16, uni-'
ca parte onde ella se vende. A.drerte-se que oa
frascos vao mercados ota o rotlo da. dita loja.
mmmmmm
A loja da bandeira
ova loja de funileiro da
ra da Cruz do Recife
numero 37.
Manoel Jos da Fonseca participa a
tedoa oa aeus f reguezes tanto da praja
cmodo mato, e juntamente aorespeita-
relpublico, quetomou a deliberacao de
baixar o preco de todas as suas obras, por
cujo motivo tem para rendar am grande 1
sortlraeoto de bahs e baciat, ludo da 2
differentes tamanhos e de diferas corea"
am pinturas, e juntamente am grande
aortimento dedlreraas obras, conleodo
banheiros e gamelas compridas, grandes
e pequeas, machinas para caf e cane-
cas para conduzr agua grandea e peque-
as, latas grandes para conservar fari-
nha e regadoree ao uso da Europa, ditos
grandes e pequeos ao uso do Irasil a
camas de rento, lataa de arroba a 19,
bahs grandes a 49 e pequeos a 600
ra., bacia grandea a 59 e pequenaa a
800 rs.,cocos de aza 1 1} 1 duzia re-
gadores regulares muito barato, ditos
pequeos a 400 ra., de todoaeatea objec-
tos ha pintadoa o em branco e ludo mais
ae rende pelo menoa preco petairel: na S
loja da bandeire da rea da Cruz do Re- Z
cife n. 37.
Ricos cortes de
seda.
da Boa-F
medina de
A loja
mero 22,
reslido de
a fazenda
na ra do Queimado cu-
acaba de receber ricos cortet da
medina de aeda de Itndoa psdres,
mais fina, mais ora e mais bonita
que ha no mercado, cada cte tem 20 e 21 co-
oS2& e ven^m-" Pd baratieelmo precw de
29000 o cort; as aeohoraa de bom gosto que
tiecrem de assistir a bailes e a casamente* te
qaizerem levar nm reslido da ultima moda
roaadarem rer na mencionada lela da Boa-F
na Tua do Queimado n. 22. v
Vende-se urna grande casa tarrea de esqui-
na, aita na ra dos Guararapea, am Fore de Por-
tas, lendo 5 quartos e 1 grande solio com trapei-
t a tratar aa na do Imperador n. 44. primei-
ro andai. r .
Vende-ae o engenho Santa Luzia, tito na
S**.^1 de 8- Zorenco daHtrt, com caBa da
Joaqaim-frantlsciB.fiS Vello Sntea tfaa api
aaaafragueaetdeeta praca e oade fra, qae tem
"E^Sc* ?ada abaoda aua fabrlcadenomlnadal
-MeciSe-Tonirmaaem dotBra. Trarasioi Jejiior
C, na roa do Amorimn.58; maata amarella
leainsBBBBvpwt* entras qnaMdades por nrenbr
.precoqaedeoatrasfabricat. No meamo arma-
lmm tea faite osea depotito de rels da carnaa-
!Wij;m ^T* ^^'w-io aa da
Lmqm brancos.
.. y*pdem-se;Irados brancos r/ropros para algi-
hatreVlwlb- rtrttltltmb preco fl t*i(X) t iitla
aa raa do Qaeimtdo a, 22, loja da boa f.
Grande e nova officina.
Tres portas.
31RuaDireita31.
Neste rico e bem montado estabelecimento en-
contraro os fregueses o mais perfeito, bem aca-
bado e barato no seo genero.
URNAS de (odas aaqualidades.
SANTUARIOS que riralisam com o Jacaranda.
BANHEIRuSde todos oa tamanhos.
SEMICUP1AS dem dem.
BALDES idem idem.
BACAS idem tdem.
BAHUS Idom idem.
FOLHA em caitas de todas groasuras.
PRATOS imitando em perfeicao a boa porcel-
lana.
CHALE1BAS detodaa as qualidadet.
PANBLLAfi idem idam.
COCOS, CANDIEIROS e flandres para qual-
quer sorlimento.
VIDROS em caixas e a retalho de todos os ta-
mandaado-semaahos, botar dentro da cidade,
em toda a parte.
Recebem-se encommendas de qualquer natu-
reza, coocertos, que ludo ser desempenhado a
contento.
Fil liso e tarlata-
na branca a 800
ris a vara.
Vende-ae fil liso muito fino e assim tambem
tarlataua branca muito fina, tanto urna couta co-
mo outra sao proprias para vestidos, nao s$ para
bailes como para asaistir-aeacasamentos, aodem
antea que se acabe na ra do Queimado o. 22
na loja da Boa-F.
Meias baratissimas.
A 2400 a duzia de parea de meias brancas Q,
naa para homem : ha ra do Queimado n. 22
na loja da boa j.
Importante
Annuncio
Na loja da diligencia, de Guimaraes Ir-
nao, na ra do Queimado n. 65.
Meias de cores para homena muito Snaa. o nar
a 140 rs. PT
Csrtoes de clcheles francezes com 14 pares a
20 rs.
Pentea de massa dourados muito finos imitando
tartaruga a 640.
EspariilhoB para senhora, que sempre se ven-
deram a 6$, por 2500.
Trancas de lia para reslido, a peca a 40 rs.
La para bordar muito fina e lindaa cores, a li-
bra a 7#.
Manos com grampoa a 40 ra.
Linbas para bordar, a miada a 40 rs.
Ditas de peso muito finas, miada grande a 240.
Franjea de iinbo para restidos, a rara a 120.
Apparelhos de porcelana ara meninos, pinta-
doa e dourados a l6O0, 28. 2*500 e 3$.
Cartaa com alfinetea a 100 rs.
Papis com alnelesabeQt chala s 40 rs.
Enfeites para senhora muito unos a 3, 4 e 7.
Sin tos muito fios para senhora a 20 e 2*500.
Ditaa de laia e pretaa para padre que sempre
se renderam a 29 a 640 rs.
Enfeites com flores para senhora al*.
Assim como outraa moitaa aaiudeaaa finas a ba-
rata, que deiamos de m en ci nar, pata naa tai
tornar tanta mateada.
Queima-tudo
Serr para ae deitir nos eatlicaee a aegarar a
rea de espermacete, fazendo-a queimar at o
fim, e preserrando os mesmos de ae quebrsrem
com o calor da luz: rende-se a 500 rs. cada
queima-tudo, na raa do Queimado, leja d'aguia
branca n. 16.
Liquidado
Loja de
NA
marmore.
Na loja de marmore rende-se para li-
quidagao por precoa muito btrate, am
variado sorlimento de artigoa de fazendas
de modas para aenhoras, roupa feita pa-
ra homem e restmentas para meninoa, e
ben assim quodiusooieo para aecora-
Co de salas e capailas.
Bom e barato
vendem-se os ge-
Na ra de Santa Rita n. 8.
eros seguales :
Vinho am caada a 31500.
Dito em garrafa a 500 rs.
Serreja branca a 400 ra.
Dita preta a 500 rs
bfanteiga franceza a 640.
Dita ingleza a 800 rt.
Cha hysson a 2JI600.
fazendas modernas.
Gurgel & Perdigao.
Vendem barato.
Superiores capas compridas 1
manteletes, taimas de coxe,
fil.________________
Vestidos de seda,
do e de phaotasia.
todernas,
ditas de
de cambraia borda-
Cbapeoaricoa de palba, luvaa de pe-
lica a g500.______________________
aedaa.de quadriobos furta cor, groa-
denaples e moriaotique.
Cambraias flogindo seda, chitas finas
modernas, laazinba de cor e meias els-
ticas.
Ricos sintos, golliobas e punhot, es-
partilhos, peotes de tartaruga, laques
superiores e sala balao.
muito bota lefma*araa)faata$"tttV tnuito
ttata*. te nm acude fe*ftatt,s>*ej*ai
boa eaate.iitem HAre heas prv^rVi< abra
maer.sMtf4tM' eMe,moaaaa aflereee mifui
a margem do rio Capir--"
baraefoVdeaebil'f
atrr ojajt, .ip^tj.* 'qae t>reo*jT*m" com *
t. *fMjm^atefcaacaa di rea aiserlaan.' M
rdatJ hir,tJ, 4 daiaraa^ tja^rsaata^aioaMi
Tarlatana branca a H !XI
Maaoa atas 8 rea : usa ao Qae.aioV K, muM
sainada loja rindo do Rosirio, '
Devotos.
Na toja das tres estrella* ra
' largadoRosafln,3^
-seaaodicamente por dinheito aataatoaa
'fona
de
rs.,
wm
ti., ditaa e
W *-'* a.**aaoB*aaf- cnmeatUtenaa
e ICO re. a daeia, redamos aaaaeaat -aam
taarios em metal a 200, tM e 40rr., Tf*gJ
Qaot-de cernaltm, tinta e encernadot com
prateadat a I98OO e 2#, ditos da
aualidadaa, e__prjos, quadros
reliquias recommoadarelf ao chtistao,
Fil, cambraia branca, tarlatana, tilas
para ainto, camisas para senhora e me-
ninos.
i
Roupa feita barata.
Gurgel & Perdigao.
Paletots de caaemira pretoa, de edr,
cilc.s, collete, camisas de liaho ingle-
sas e francezas, ditas de algodao: na lo-
ja n. 23 da ra da Cadeia, do-se amos-
tras.
i
Sustenta se a fama autiga
Be vender com consciencia :
Venham ver, e nao se diga
Qu'isto falsa advertencia.
-baja das trea estrellas na
arar do Basarlo nanaero 33.
guadroa riquissimos com moldura dourada de
Santa Thereza, Conceicao, Crucificado. Caraca
de Jeaot 8. Joio Btpttsta, S.Joaouim, S. Joe
e Santo Antonio a 8, 9 e lOf, cabecoea de retroz
com borlas de teda para reatido a M60a\ fias
de relludo escocezas para date a 640.800 a 11 e
rara, pentes de tartaruga para atar cabello alma
peralru apurado goato a 7, 8, 9 e 10, booito-
boioea de ridro para oasareque a 200 rs., da laf
ftha a 320 e de relludo a 500 ra., divisa, ajalip
f0 a* Itaao.para enfeile de reatido a 80,100
a rara, tapatioboa de li para menino a 400
E^;' d,t08Jde mrin matlaadaa a 14M> fc
'e seda a 800 e 1|, li^, de tei
ttlftabn
Mfjfgr i^ttM JMalm A oarnn
^SlySeuT
rf*Jditaade
aeda amarallaa 1
h,. lemaaltiM casto
para criao-
ricas com forro
seda elsticas de to-
1910.. atjwu m
daaadta
a tutee barata.
as' para aenbi
^itaade'
outraa coutaa ma
Libras sterlinas.
Mu 11 ilu iiiii>iuil>Mwfi HilHS A
OUtot o FUho, largo 4o CorpoSaalo.
f6
A
mm *-* "ar-
Movidades do pava*.
A loja de Gama <
Silva, na raa da Impera-
triz n. 00, acaba de chc-
gar um novo e variado
sortimento de fazendas,
que vendem por presos
que faz admirar, como
sejam:
Um bonito aortimento de caaaaa saratana aimi-
lacao de aedaa de quadriabee, que te rendem nav-
io diminuto preco de 240 rt. o carado.
BrilhanUna a 40 ts#
Vende-te brilhantina com qatariahae 4a edr
para vestidos a roapas de aaolaoo a 249 ra.
na raa da Iaperatris a. 10, baja o
corada :
parao:
Organdys aitOii,
Vende-ae cassa de organdya da aadraaa aaita
boaitot a 280 ra. o corado: nt raa a Imperaliu
n. 00, loja do Parao.
Chitas a 240 rs.
Vendem-se chitas francezas muito miadiabet
fazenda que sempre se renden par asta petaca)
e est ae acabando a doze rintens : aa raa da
Imperatriz n. 60, loja do paria.
Gurguro a 400 rs.
Vende-ae gurgarao aiadinho proprio pata vatv-
Hdot e capas para senboraa apara rea pao alesna
ninoa, pelo diminuto preco de 400 rt. a carnaa:
na ra da Imperatriz o. 90. loja 4o parla.
Las a 400 rs
Vendem-se laazinhas entestadas psra TtetUta,
fazenda de muito bom gotto, pelo dimioalo pre-
co de cruzado o corado : na ma da lmperalm
n. 60, loja do paran.
Com barras e babados.
Vende-te finiaalmoa cortet i* cambraiaa para
restidos, eom barras o de babados, peta btralbaai
mo preco de 9500, 3f e 3|300 : nm 9a Iaa-
peratriz n. 60, loja do-paro.
Cassas a 200 rs.
Vendem-ae caataa eom aalpicoa graaeae a 299
rs. o cortdo : ot mi dalmperalriz a. 99 laia ala
pari. ^
Cassas de cores a 240 rs
Vende-ae caasas de corea fazenda aaito btan-
lo a 240 rs. o corado : na loja da ma da Impe-
ratriz n. 60, laja do pari.
Sedas a eovatU.
Vndete grosdenaples preto malta
S 1IM0.19600 e 1*800, dito azul cor <
cor de cana a tfOOO o cortdo, aedaa
rradat ptra vestidos de noira a 2fl40 e !
corado, dita preta larrada a 19*00, el
preto a 2J0O0 o corado : aa raa da Isa
n. 60, loja do paaio. aae
Enfeite*a2|.
Vendem-se enfeilea de maito bata geete tata
aenhoras a 2*000 : na raa a Impertirte a. 99
loja do pari. '
Enfeites a 640 rs.
Vendem-ta atenea da Ireeo ptepriee para taa>
01 as a tambem para aenhorai a 40 rt.: aa raa
Imperatriz n. 60, loja do parlo.
Chapeos para seuhora.
Vendem-ae chapeos para sirtrraa irada mal
to bem eofeitadea ~t Tirtr snndsiass tJtti
ti?2: JS10 b"ili?? Pta de 19| aa raa aa
Ifcjftatrt a. 90, loja 9o prrio.
Felludo a 2#400.
ettete, e rarde- eteate. praprtaa pata
eeohere e^reapatptrt ffleainoapele I_________
preco ae 29*00 eaoaeto. aeait totVt4o awaaaa-
I De todaa eataa ftxapdta pa dio ai
saado fiear pe o hor. asar eaaae tata
(raf faltadas qaa aatoraaria aaaad
mencionsr, todaa ti
amaatrafl^aafMwrpa
a. 60,laja'de4*jBjaiaHa
tocado nma taboleta eom na PATO ilaiaa
Ida aoito aa las em qae ate 9tkrST
4


>f
Aatoaie.
l 0I6

ftftl ptqm brame
eazoL
Vaae].eeB-pealte a* M[MH|ttHll
0 f i$ cairo.
'* ja." UV Wl |W JlKf i
ae me* {lkw de amarelie para
oa outra qualquer obra: a
Man?*!T~
'melhor calado in
e? Par.a.home9' V> ten viudo a ea*
Domen,
mercado, vende-scT o Iota ImareHa da
debo
tt*d Miado i. 3 d A. Moifa R0-
* ""a^erBa^a wv^bv^mj
de merino a
I 5 kortadoad. d coi. 1 ponUa de Ui4:
floU^marel^ ruado Queimado o 31.
Ricos tapetes
intoiricoe de lindos desando* para forra*
qoarlos graades e salta pogaonas a 15
ae Ioj* amsrella da ra do Queimado nu- I
mero 31.
**!? de eaaeriores (ira* rioameoto bardadas
IIM^'?4*** p*k> **'* WOflOde 3*000 4*000
o SfOOQ re im adverknde-se eue> fe meie
de ama peca de cada paltio, qaem nato depresta
dar aaeibor NMdi aer m ina do Qeeimedo
o. tSaalojadoBoa-Fd.
Taixas.
Reduccfto ein precos para
acabar.
V/mem-se no armazm dVB>.t, Soir***
M 'Sft'A1 HftS. -!" de ferro ciado, do
ner.

fabrica do Nonteiro.
Crystalisasao e refina;o
de assucar.
MM*&
-
.
Vendem-se por proco eanmodo malas para
viagem : no armazem de Jos Antonio Moreira
Das & C, ra da Cruz n. 26.
*r\ VfD0y** 8" .mertaaao de prirneira qua-
lidade, 0m lalaa de garrafas, na raiio de 15f,
assltt osa* latas pequeas de 5 garrafas ; no
caaa do Remos na. 18 e 36, e na ra do Trapiche
, numere 8. r
-- Vnade-s* urna eicrava de oajio, de taeia
ie' ,Hual Ml* eoainhar, eogommsr, lava
naatto btn, por prec oommodo 3 na fu lo Quei-
mado n. 34, loia.
Anda est para se
vender
arefinajio eatabelecida na casa da roa Imperial
n 201 Tendeaa-se todos os portentos que se
aeham dentro astuto en coota, assim como urna
Csrmo com Narciso Jos da Costa Peraira.
Para quem ti-
ver gesto.
f,mm.Cl6o,M,#r,"a W* Pa recrelo daa
familias on siguas estabelecimento limpo, para
S^".'. I aieD2_d.M ''*". com 40 tistes
etc. : a tratar na raa Direita n. 16, loja.
Chumbo
.Vende-ae chombo de moaielo, a dioheiro a
211 o quintal, e arroba a 5*500: no eacriptorio
de Antonio Cetario Moreira Dias, no Potto do
Mallos, ra da Moeda d. 17.
Venda de leja.
Vende-se a muito acreditada loja de miadezas
sita na roa da Imperatriz n. 82, sendo esta em
urna daa melhorea localidades, muito propria pa-
ra qualquer principiante, por vender-ge com o
sortimento, de forma que o noto comprador nada
precisar comprar ; vende-se a prazo, conforme
se convencional : a tratar na mesma ra n. 46.
loja.
Feijo de corda.
No armare de lasso Irmios, ra de Amorim
numero 35.
PHVBH\CI\B\RTHOLOHEe
Rui Urga 4a Rosario a. 36
Rob l'Affecteur.
Pilulas de Allexou.
Pilulaa americanas.
Vermfugo iaglez.
Plalas Holloway
Ungento Holloway.
Vendem-se globos para csndieiroe, e bom-
bas de japi, enais barato do que em outra qual-
quer parle: na sua larga do Rosario, n. 34.
g O melhor gosto. 6
' v Chapeos depalba muito fina enfeita- Q
A tados a travista a 12$ e 14*. chales de fa
l touquim a 12,15, 2tf. 25,36, 35. 40, 45 T
$9 50f, enfeites de retroz e outras maitas A
fazendaa do malhor goslo possivele por
barslissimospregos: na ra do Queima-
mado loja de 4 portas de Perrao & Mai
na raa de Apollo a. 6, caraca
da Boa-Vista a. 26.
Bal importante eslabelecimento contina a
fornecer aoa seus innmeros fregoeze* do alvo e
puro assdcsrcrystaliswro, em p e em pe. l.
9. qoaHdades. pelo pre?o de M0 e 200 ri. a
librs. e do refinado ICO. 1520 e 140a libra, sen-
do que em gfosso o comprador ter em descont
avotavel. Nos mesmos depsitos tambem so
venttB mei de assncar a 000 r*. a cenada, e ear-
vlo animal em p6 a prego commodo.
luvasdeJouvin
chegara no vsper frimew pera a loja d'agui
branca, ra do Queimado o 1.
*" 1?"1,l,';,il.4.VL'>" inj^tMail ,wi>aii.. .
a* r. iiuai-te Alme*da, socio que fot do armazem progreaso, faz sciente aos seus fre-
Stoeomdteti?"-SarAd-8^-e-^?^^cam**?mano' a-ch*-sedenovoestatele-
tcefados armazens de molhados, associado com o Sr. Joaqnim Jos Gomes
1$ ^^fg^1* df8tyr, . na de Duarte Almeida A Silva: etfea estabelecimentos offerocem grandes vantairen
s ao pu-
J)Uco,nosnampezaeasseiocoiu(|ttese acham montados, como em commodidade de
pre^o, pois que para isso resolveram 09 proprietarios mandarem vir parte de seus gneros
em direitur, fim de terem semore com nieto sortimeniA. mmn tainhom nn^mm *5r-_____
Lady Macdonald.
A loja de murmore
m rende para liquida;So> por meta de de
seu valor, ricos bournus de veludo d
core, gostoLdy Macdonald.' A
## d *? mmmmm
Novo destino do
torradortt
13Largo do 2'erco23.
Vende-se manteiga iogleza especialmente esco-
lhida a 800 e 9UO r fraoceza a 640 a 600 re.,
*Jf> como se lorram outros muilos gneros, co-
m^raeja, caf, arroz, azeite doce, velaa do eaper-
maceie e carnauba, etc., ele. e ae acaso alguetn
duvidar veoha ver : a dioheiro i vista.
Loja de niarmore
Novidades despachadas
para liquidaco.
Pawi o bello iew>.
Mantos de cachemira gosto almlranfa
Brnat a 209.
antilhas de cachemira gosto prince-
za Clotildes a 15*.
Rondsde cachemira gosto Lady Mac-
donald a 20J.
Ditos da dita goito condtci de Joce-
lyn a 208.
Casacos de dita gosto ninha Victoria
a 20$.
Ditos de dita goito imperatriz Euge-
nia a 909,
ao publico um vanugem de menos 10 por 000)0 4o prego qut poaiam compwr em outra cualquer parte, por isso deseiando 01
fZSVSl ^ '^^ *m*>f*jmm poopr^,, e qnalqner .. d.e.Ml.bOMioo., queseri SZ> rvi-
noJimosliwLnrW **' C*?2* *a nnM "*"re,n C0D'"'"> '>' nnuneios, assim fundados as v.ntagens queofferec'emos
l^i^kJXtl? *'"* "*** T8^ ****** J madBm M BWnM "" encommondas .' primeir, vez, WstoSK
*SS!^2S^ rsM P be wrvire aquellas peo..aue frequoitarem
mSSSZZ ^ twnseravemos.lganrMdreos de nossos praeos, por onde wri o publico qae tendemos baratissirno, attndendo as
quadades de nossos gneros.
boas
Mai!Sf .!ngleZa e,PeeWtot coilbha a 800 re. a libra e em porel a 750, reeom.eiHh.se aos
manden, o menos expenmeaiar. ser tos de nada perderem poi para isso confirawnos o que levamos dilo.
dem fraoceza
apreciadores destete genero que
mantfem ao menos expanmentar. serios de nada perderem pois para isso confir^aamos
rhiUi eza a me,hor d0 mntio *6**"'a Hbf*e em barri8 razS0 de 60n- *hbrt
Pr^mt^LK1"610 H,,hw*wc**>^700. 28SOeeai^oioW Crimen., eafianea-ee a boaqualidade.
rresumo nambre D^ hsonkurguoz ooa* ib,. em por5.o. soo rs.
rreSUntOS portUguezeS Tinto ki Porlod eM. suliodar 560 w. Vor br laiairo a 460 rs.
Marmelada dos melhores amores do Liaboa premiada as exposi(5fls universaes de Londres e Paris a 1800 a lata.
Caixas com estrehnha pevide e rodinha 7Woo .^.aoo n.Hbr. .e porcao i .batimento.
Latas de ameiXaS ranoea, ceo libra.^ 4*000 e t000 a libra.
Far!!t!L?.0'Xnh"de0,?,br*6' M,bdo morcado a 2*000 a 400 a libra ecau.de una arrobaa 7000.
Espermacete superior 720 r.. x... no .. nbr..
FrvX?8 franC6Za8 ,fl1CZaS e POrtUgUOZaS 00 800 rs. o fraseo.
Lata con? bol..l.h!Si T "' *lm" ,fi,,**M MMm'" ',8 ^ *"* ** "*** eade,
v.-^u-. e SOda ddwsae qualid.des, a muito noya a 15450. e grandes de 4 a 8 libras de 21600 a 4#500.
Vinho em garrafas Duque do Porto, Porto fino, genuii
garrafa e a 13*. dwia. ano. geoui.
tas BSB
?or 2
1.- 2
ma barcada.
Vende-se ama barcac* do porte de 35 eaixaa,
eocalhada no estaleiro do mestre carpinteiro Ja-
cinthoEle.bo, ao p da fortaleza das Gnco Pon-
as, sonde pode ser vista e examinada pelos pre-
tendemos ; vende-se a prazo ou a dioheiro ; a
tratar com Vandal Aires Guerra, na roa do Tra-
piche n. 14.
Ra do Oueimado n. 19,
SaOS Coelho vendem
o seguiniC :
Peen do eambrai. branca anniUda, pro?"
Por atacado ou a retalho
S deixar de comprar
Qittmno av^cr o^ t rabalh o
De vir ver e examinar.
A' loja das tres estrellas:
ra Larga do Rosario
n. 83.
Espelhos de columna de diversos tamanhos
1|800, 2(O0O, 2$8U0, 4|000 e 5|000 cada um, al-
guna cem deleito a muito menos, eaixas de bu-
falo finas para rap" a 1*080, ditas de tartaruga
grandea a 8gC00, malaa envernisadas e com fe-
chednra para visgem a 1J500, reloginhos ficticios
com correle pira meninos a 160, pentesde mar-
tina para limpar a cabeca a 400 e 500 rs., tbe-
Muras grandes para cabello a 600 800 e 1*600,
nas para costura a 120 160, 320 e 500 rs., tin-
tefros de metal e madera para viagem a 240 e
328, eaixaa de tintas par. dasenho a 320, 400 e
500, medidas com numeracio para atfainte a 160,
900, botea de metal para cal?a a 480 a groza, 50
ra. a duzia, ditoa de osso, de massa e de tonca
para paletola a 40 80 *100 rs. a duzia, dHoa de
duraque pretos a 200, ditos de setlm e sarja para
casaca a 1S8O0 e 29080 a groza, brincos e rozetas
douradaa a 80, ICO e 160 rs. ditas pretas a 160 e
980 rs. e par, phosphoroa de pao e de cra a 20
e 40, ditos eaixa grande a 120,160 e 200 rs., car-
teiraa do marroquim a 320, 400 e 800 rs.. ditas
grande com divisdes para leltraa a 5J e 5g500,
linhss do gaz a 700, a 800 e 900 a caixa, a 20 rs.
o novello, fundas para quebradoa a 500 e 800,
ditas flnaa a 2J00O e tJ500. Em porc&es ludo se
vende mail barato.
Aspas largas
para saias balo.
A loja d'aguia branca acaba de receber um bel-
lo sortimento de mu bem tecidas aspas para ba-
lo, e as est vendendo baratamente a 160,180
e 200 wr. a vara ; quem precisar dirigir-se com
dinbeiro dita leja d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 16, que ser bem servido.
nio, nctar, Carcavellos, Madera secca, Feitoria o Gamones a 19200 a 1300
mno em pipa proprios para pasto de 500 a 600 ra. a garrafa o de 39800 4800 a caada.
per*8 Cm ruCtaa de o*" rnrtnth* CftlXaS d* 8 ,btM a "to" 1" P*4e 4eej' o tem rindo ao morcado Je 45 a 6* a caixa e 18280 a libra.
^onnmias em frascos de 1 1,2 a 2 libras do 18600 ai 2*200.
Caf A* Ii;,?61*6 8aVe ,escada 0UU"" qualidadea o maUbem arreojado que tem vindo ao nosso mercado do 18400 a 18600
Frascos d me,hoqaehaa240"-,Ub""280r-ol^'.
Vi nftin* v 6n a <0m a llbrW' ProPr5*s Para mimot' Por 8er nwo bem enfeitadas e de superior qualidade a 3 eada um.
Comido eervadn'qM iM,' d B mare"d" ** w* *rrtfc ****** c'Md,u
Vinlin U^A^0^ IDa8 n0V08 qu* h' nMreado 8* a Hbrt do >bo ea 400 rs. a eova doce.
Ma^ d t f ^ b0t qUald8da 80 # ,f g"rfa ed6 8,50 10000 duiU
Figoa nVvo? 6.8m '"^ '**"* "^ d maS aCr8di,d "*" de LisbM e vinda Pr imeir a nos0 mrc'io> da a ^B0-
Cerveias dasmphorps m6^er?lb^*nPArpri pm nimoa' Pr mem H,B, bem "feitadoe de 1*500 a 48 e a 400 rs. a libra,
uervejas aas memores marcas 500 rs. agarrafa o b90W a auna da branca.
Vinagre puro de lisboa 240 .. gr.fa. 19*30 a caad.
Doce da goiaba da Casca em eaixio il 8o>Bdnio> a 900 rs;
Azeite doce purificado a SOO rs. a garrafa e Ofcoo a caLu com 12 garrafas. {
Gagnao md\wr qualidade que tomo* no mercado a 19000 a garrafa o 109000 uxfa-
G^^^.^-^l, 5ora-e em por5str batin,en,o, afian$a-8*'a ^ ***
mem dO gaz a 38000 a groza o 280 o duzia do eaixas.
AzeTtona^ ma!SKSUperOr qM 0>Xi D0 cadoportuguez. bespanbol efranoez do 19. 1,200 .libra.
Acituuias as melhores e mais novas -- -:--------------------
Bonlfis iihfikas
ment.
Jl*fiiS^ 4,eU" l^onanVoota. cosa la-
!!f!* leaff* "'*" "* Hcm oaaHaa pee
ambos es lados, o tibor que peamWel ea> le
genere,* cuala cada nasa caiiinhr^. ira.
u Ua "L?!?***- Umss, mam*?
n^*M?,1,ai0 a** u-a* r^rlV-
extractos para leos.
A loja d'aguia branca acaba de despachar m
ana propria encommenda, finos e irodwM ei-
trsefos de novos e eacolfaidoa ebeiroe como boa*
sejam imperatriz, D. Janeada, D. Fra.ci.ca. au-
!.?. V *" Re'. faorf, dte des Alpe*,
dito de Tnanoo, etc., etc., nlo eseereanalo poran
o estimavel extracto de sndalo. 14 ae sebo, es
freguezes que manidos de dinbeiro dJKtraai-a.
ra do Queimado, loja d'aguia branca n. 18
acbarao barateza, agrado e sinceridad*
SouballMenors&C, Undo recebido et-
dem para vender o seu crescido deposito daralo-
gios visto o fabrieanta ter-ae retirad* de acu-
cio ; convida, portanlo, spesseas qae saizeram
possuir um bom relogio de ouro oa praU de c-
lebre fabricante Korniy, a aprnveitae-a* da -
portunldade sem perda de lempo, para vir coas-
Er%liS?S pre$0 D0'" we"pt0,i0
O rival sem segundo, na
ra do Queimado n. 55
defronte do sobrado no-
vo, est vendendo tudo
bom e baraiissimo.pois
j tem dado provas de
suas boas fazendas, e
por presos que admi-
rara, a saber;
Caivete para aparar penna a ao
Ditoa com 2 folhaa muito finos a 35BJ
Frascos de macaca parola muito fino a Jk>
Dito de oleo muito fino a
Tranga de lia com 10 varas, bonitas co-
res a
Franjas de lia com 10 varaa, benitas ce-
res a
Sapatoa de tranca de algodio a
Ditoa de dita de lia a
Caitas com iacas para charetos a
Cartas de alfloetea sorlidos trancazos a
Canas de ditos ditos a 80 rs. e
Escoras para limpar denles muito finas
200 rs. e
Duzia de facas e garfos, cabo prete a
Masaos com grampas muito boaa a
Cartes com clcheles a
Ditos com ditos de superior qualidade a
Dedaes de ac para senhora a
Sabonetes muito grandes a
Apitos de chumbo para crianca a
Rialejo para meninos a 40 rs. e "
Enfladores para vestidos, muito gran-
des a 60 rs. e
Sapatinhos de lia para meninos a
Ainda tem urna variedade de miudezas que se-
ria enfadonho menciona-las, poias i vista qae
se pode apreciar as qualidades e os procos.
aoi
a 18200 a ancorte do Porto, e a 29000 as doLisboa^
pare ferro, pelo batato preee aba tft.
Leadnos de bramante de '
3#30.
.

UL(D
sortimento de enfeites de flo-
res para casamentos
e bailes.
.
que ton rindo a nosso mercado
AmendoaS chegriae ne-nllimo navio a 488 rs. a libra e em porcio teri a bathnonio.
AlpiSta o mais limpo que uta vindo ao mareado a 160 rs. a libra e 59000 por ar,oba.
____* Wm dos genero anunciados encontrar o publico um completo sortimento Je tudo tendente a molhados.
Bices de seda,
Bicos; rendas e labyrin-
* thosdasllhas.
A loja d'agoia branca acha-se recentimente
prvida de um bello sortimento de finos, alvos e
bonitos bioos de sede, e das difieren tea 1 arguras!
di 1 dedo at mala de 112 palmos, e os baratos
presos por que ae esio vendendo animam ao
comprador : assim como os fortes o muito dura-
veis bieos, rendas e labyrinthos das libes, igual-
mente baratos como coaheeeri o comprsdor.que
manido de dinheiro, dirigir-se a ra do Queima-
do, loja d'aguia branca n. 16.
A 29000 o corto
de cale js de meia casemira escuras de urna a
cor: na ru do Queimado 22, n. leja da
Boa-fe.
Figas de coral.
A loja d'aguia branca recebeu um. pequen,
qnantidade de bonitas e bem acabadas figas de
coral, proprias para enfeitea de enancas, de re-
logios, e mesmo para asvoltas de coral, e aaest
vendendo a IjttOO cada nma ; quem se demorar
Pota daRyssia e sal k 5^rr?.s^rP.;r;'
.
jlUSt
r. rr,r
No bemconhecldoeacreditado depositod* raa
da Cadeia do RaCien. 12, ha p.ra vender a ver-
ddeira potassa da Russla, nova e de superior
qualidade, aaaim como tambem cal virgem am
podra ; lude por precoa maia baratoa do que em
oetr.qualquei parte.
Leoeoea de bramante dv Mota .grandes, a
Colchas de fuatio de lindos lavrorol a 0*.
Cobertas de chita a chioeza a 11800.
Lences de pinno delinho a TWft
Chales de merino lisos, pretos e rOxos.
Ricos corte de leda pelo barat pieco de 409.
Dtlor edm slgnm Holo a 55. v ^
Toalhas de fusilo a 500 rs. cada urna.
Cortes de chita o-aneeza com 11 corado a
Chapeo para entera nmito r-
cot oona reo ele^ed a IOJ i na loja da
agnia d ouro ra do Cabuga'.
Barato assim ad-
mira.
Mu fino e bonitos lencos te esmbraia de
abarloe e bordado para mi o cabeca de
nboraa a 2*J eada na qaem os mandar ver ni
perda o lempo porque alo baraliaaimoa '
Qu*|a.a0B.lt
n
1
INDICIO LOW-viJ.
agulhas victoria a 120 rs. o pau^
tea de tartaruga a 8, 10
Roa daSenzalla Noya n..
RosU estabelecimento contina ahaverum *
te f.rro batido o coado.d. todos oitamanhoi *
para dito,
Atten^o.
Vende-se por com'modos prejo um grande e
rico coup de luxo, lindamente ornado, e com-
pletamente erreiade, e um cabriolel bem prepa-
rado, mas sem arteros: quem pretender poder
ver e examinar na cocheira n. 26. no largo do
XnX" na ru> 7* D* ^ Prlmeiro
m Esperanca. S
Receben de sus encommenda Dulci-
rs ^?blloque rende porlO| o par, ,
braceletes de mo^C18 6 cada um, m
1% preeoa -
loja ueobuma por isso vio a ra do Quei-
mado n. 33 A, loja da Esperaoga.
s
8
Oleo e lianha phil

i
e outras qualidad
A loja tagala branca acaba de dt.
novo e bello sortimento de oleo e bab
ma nena osmoaUreo qaattdadw, ,
eeUaaaadla o proeurada banba em copos grande,
cuja excooode qaaiidado dji bem coheeMa,
aaaia:sjomo a vardadsrra trtasperealo quera
aadaottaaiprowos' do boaa 6 mandar ea if i
kje (Tagoia hreasaa a, M, que mW
bem servido ; advertlndo, porm. qam os-tfa(
oWo.ia>niUioje.
Esperanca reduz a expres-(
sao mais simples.
(A* DINHEIRO.
Todo os srtlges qoe esli na loia
mrito barato quem qelser v comprar a ,
i verd : ru do Queimado n. 33 A, Goim.-
) ite cfRocha.
Ra da Senmlia Noya n.
Neste estabelecimento vende-ae: ta-
cha de ferro coado libra 110 n. idea
Ule Low Moor libra a mi*.
A loja d'aguia branca acaba de despachar um
lindo sortimento de enfeites que de aua propria
encommenda maodou vir para casamentos ebai-
les, e sem medo de errar, pode-ae dizer que aio
oa mais parfeitos e delicadoa que at agora tem
vindo, e essa verdade seri coohecida por aquella
pessoas que sabem apreciar o bom : apesar de
tudo vendem-se baratos em proporjio a perfeicio
delles, sendo a dioheiro fi vista 12&\ 149 e IB
isso na ruado Queimado, loja d'aguia branca nu-
mero 16,
Mantas de retroz para gra-
vatas.
Vendem-se mantas de relroz para grvalas,
tanto pretas como de corea a 900 re. : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
A loja d'aguia branca
recebeu tambem novas leva de fina pellica, en-
feladas, para casamentos. assim como linda ce-
pella. A commodidade dos precoe j bemeo-
nbecida por sena boas fregueies, eseri mais por
aquellas pessoas qae de novo o qakerem aer da
dita loia d ecmla branca, na rda do Queimado nu-
mero 16.
Na botica de Borges & Soases,
na praca da Boa-Vteta_n.
24, esquina da ra do Tam-
bi, vende-se o seguate:
Afua ingiera de Llenos.
Xerope de Lamoareox.
Confeitoa de lclalo de ferro.
Phoaphato de ferro selnret de Lera.
Malee de Blaeeard. l -u
Ditaa de Waltet.
Pos para matarjormigas.
^D? W gomma percha para clyaler.
lefca?eWeVTdros para eriapcas.
Xirope decitrato de ferro de ChaMe.
seieuil para Ungir cabellos.
Xarope de Phellandrium aauatico. -
MxirobGnilier.
Pilulaa para sexes.
Xarope depurativo do MDgue.
Sparadarpo ingle.
Raube de Lafficteur.. '
Coila de superior qualidade.
Vende-se pa raa da Cadeia 40 Recite n. U, lo.
ja de ferragen de Thomax Farnaadea da Canba,
por preco commodo. em aeccoe o a rOtela*. -
Vende-aa ama igreja e juntamente ene pre-
paro para a mesma: na ra do Ootorelre o. 45.
Sal do Ass.
Vende-se sal do Aaafi, a bordo do brlgnehra-
sileiro Adelaide, recen lamen le chegtdo : a tra-
tar no eacriptorio de Binar & Ollreira, roa da
Cadeia n. 1*. ~
EscraTos fgidos.
Retroz em cairelis
para coser-se as machinas.
Vendem-se carrejteis com retroi de cores, pro-
pnos para as machinas a 320 cada nm ; na ra
do Queimado, loja d'aguia branca n. 18.
T B,eb*r& C., auccesaorea.rna daCrax
a. 4, tem pararender relogios para algibeira de
ooro e prata.
Nova exposiijo.
Ra Nova n. 20.
Riquiaaimo aorlimento de cotileria em todo
o genero, assim como um riquissimo sortimento
de loica de porcelana para coiinha, riquiaaimo
eorWBieBta da metaca, riquissimo sortimento de
aitmetaa, e outros muilos arttgos, que com a vis-
ta do comprador ae poderio apreciar : na ra
Nova n. 90, loja de Carneiro Vianns.
Bombas dejapy.
Roa Ifota n. 20, loja de Carneiro Tlanna.
Canos de chumbo.
Rea Mora a. 20, leja de Carneiro Vianna.
Renda lisa
de fil.
Veode-ce renda lisa de fil propria para cascar-
rilbaa da vealidoa de cambraias e outraa obras :
na ra do Queimado, aoja d'aguia. branca n. 16.
Aos proprietarios de carros,
correeiros,
fabricante de bonets, etc.
Peebineha nanea vista.
45Ra Direita 45.
Gcaadea conrea da boi. iateiree, de lustre, do
w#a!ae>
J egaram
as intereisante eitampa, a morte do
juito, o a morte do peceador.

Da kja d'aguia branca avisa-ae aoa aenaore
reverendos o outras pesaoaa qae haviam eocom-
eadad eeeae interesaantes estampas, que ellaa
acabas, de chegar, e quem mala a aeixsr pos-
ite
auir
6 di
bronca,
rifir-ee logo i alta loja tfaia:
'8. nois que a qi
seteader&o a 20000
ra doQ simado nT 18. poia que a qoanMdedep
nena, e por agora
a ama.
Plvora*
Vende-se plvora de superior
chumbo de manicio, sor. menos do
tra qualquer parte ; a tratar no
Antonio Cesarlo Moreira Da, no Forte
raa 4a Moeda n. 27,
Attenco
en
Fugio no dfa 29 de tatabro prximo rusado
entre as 7 e 8 horaa da manbia, da Soledada a
preta Flaviaa, de idade de 18 a 1 asaos, tata-
tura regular, secca do carpo, e eom dos sien boj
no rosto, fot vestida de camisa de algodio e sosa
de chita velha : quem a prender a Mira leva-la
na Soledad, boceo do Padre Ingles, sitie o. ea
no escriplono do largo do Corpo Saate a. II, pn-
meiro andar, aonde aera generoaameale grati-
ficado. *
Fugio do engenho Pindobal, ao dia 23 de
mez prximo pauado o eseravo Manoel Baca, da
2o aonos de idade, bem feilo de pee e asios, bar-
ba cerrada, de estatura e corpo regulares, tem
um dente quebrado na frente ; ievoa vestido cal-
ta e palelot de riacadinho azul e chapeo de fel-
Iro : quem o apprehecder e levar ao dito eage-
, o. Joaqaim Cavalcanti de Albaquerqae
Mello Filho, na ra larga do Roaario n. aera
recompensado de seu trabalho.
Escrayo
fgido.
No dia 21 do correte fugio o mulato eseravo
de nome Luix, condecido por Luiz Hontairo, de
idade 22 annos, pouco mais ea menea, bstanla
alto, secco, bem parecido, peraaa coaapridas. ea*
clara, cabello, cacbeadoa e canbolo, oflkiel
de pedreiro, pintor e caiador, eeerave do ma-
jor Antonio da Silva Guarni, moradar na ism
Imperial : portento roga-se ea autoridades poli-
ciaes, assim como aos lenhoree de eageahos -
proprietarios aonde elle for trabalhar, intitalan-
do-se forro, tanto Dea la provincia cerno lora des*
la, que o faca prender e remelter ao sobredito
senhor, que psgari todas as despetas, assim ce-
rno a qaem o condtrxir.
ni
ncao
Na noit do asi H do aonenao faujjo de peder
do abaixo asaignado o seu eseravo mulata d ne-
me Jesu, estatura alta, cor clara, de idade 25
annos, representa ter mea idade. olhos graades
e vivos, ea bellos crespos e bem aparadas, cena
principio de barba ao queixo, pea grandes, dedeo
dos ditos abertos, anda nm pouco corcovado, o
de bracos abertos, natural do sorteo do Apedi ala
provincia do Rio Grande do Norte; fei eaoapiado
neata praca ao Sr. Joo Chrisoitome aVzerra Ca-
valcanti de Alhuquerque, morador asproviaeia
cima declarada ; o dito mulato leven ew sarta
de couro de carneiro, ama rede e eUveaaae petas
deroupa de sea oso : rogs-se o tedas ae autori-
dades pollclaes e mais pessoas qae eieaaiioaa,
de apprehende-lo e leva-rofi raa da airix da
Boa-Vista, obrado n. 33, que serio bem recoea-
peossdos.Joaquim Francisco Fraseo.
Fugiodo engenbodo ahaixo aaeigaada, sw
dia 13 de dezembrode 1859, um molofseerie "
Kr nomo Jlo Gregorio, idade da 20 a 24 aaa
m pate, altara regalar, alegre o refri'
ci de carreiro, o qual oi preso aa Babia
vareiro de 1860, o remellado para E
em am vapor, d'onde tornon a fagir,
ae eetar na Baha ; roga-ae aa aaloridades |
ciaee a eapiliee de eempo qae o ifpttlealan
o remalUm para Pernambuco a eatregar ea Sr.
oao Pinto de LemOa Jaoier, o qae pegari qaal-
^f^agajjbrtap.^,
No dia 0 do corrate daeappareeeo o
lato de ama IJaaooi, da Idada 25,
a mala na *ne#ee, 4e cor paUda,
eom urna cieatiit jan am. ~
aateive aa
ele deJIaai
Heite,#ar ser vendido :xjuem
iir generosameate *---------------
Uan, dJM


$>
ouwa ftuma; ntft
-
Utteraturt.
e na frfc dartnt t ant le 4860.
i
( Concldtb.}
. II
u podara continuar este afead rpido da
termogjo da*rd*n*. religiosa*^ poderla mostrar
ae raad*r c*o$rtgtdes ctrldrjfBs qu% flascem
o seculo dezessete, censo para responder ante-
-eipadansavjte a toda* jv acensaos qee revo-
tagto-iv-malcveleraeelte tevantat cootra Egre-
ja, *e qtfe naequereTb dehsr miseria alguma \
aem soccorro, quit alguma humana sem
conforto. Poderia em flm fazer constar o pspel
dos leigos ras assoctages religiosas lie eosso,
teatstV-o r ver-o quanto teto papel eat em !
retegao. can ai fraquezas le un esculo ote o
habito d padte%Ipate; Ma piro tffcflro
enviar meui leiloreaao livro de Hr. de Hontrond,
ande Ja enconertr narragts agradabais mu
diversamente de meus resumos,. Easaa Flore
monatUct deverSo ser sobretodo uro Hvro de
familia, e poucds conheco que1 possam com mis
efficicia oceupar esses seres em que o pae coa-'
servou o cosame de tr a seus Glhoi reunidos
tlgums historia slida dos soculos chris-1
tos. Nunca ha de se sahir desla leilura sem
estimar mais-os mongos e sem desprezar um
pouco mais essas pessoas mijeraveis que os i
desprega m.
A fia olorosa dot papas (2), par Edmundo
Lafond, com effeito, am verdadeiro tcaminho
de cruz, t que o autor legtimamente dividi em !
esenove estacos que sao os desenove seculos de j
nosso en. Neste caminho, cujas ealages tinds
nao estSo acabadas e que dio dolorosamtdte
percorre Pi IX, nao sei qu Jotos pootices j
teem derramado torrentes de seu sangue ; mas,
nesta gloriosa pbalange, s foram martyres os
que derramaran aeu sangue? Nao, nao, todos
os papas teem realmente sido martyres. ou bem
poucos ha entre eles que nao roeracatn plena-
mente este elogio. Ees teem sido os martyres
4o mundo, que mesrao quando lhea team deixa-
do a vida, lem assassinado sua repulagao e
destruido sua obra.. Mr. Edmundo Lafond bem
o fez vSr, e se, de preferencia, deteve-se no
marlyrio, na paixo de Pi IX, de quem es ca-
thoUeos de noeao lempo teem urna compatxdo
toda especial, nao deixou de esbozar vigorosa-
xneato o* grandes retratos (los papes da edade
media, destea invensiveis campeos da Verdade
do Bem. Era til escrerer taes paginas em um
seculo que ae sanie levado para nao sei que
cesarismo fuoeato ; era til instruir pelos menos
e prevenir os que preferem rastejar abjectamenle
eos ps dos poderes temporaes ajoelharem-se
ehristia e altivarrenle ante o soberano pontifico,
vigario de Jess Christo, que abenga a cidade e
mundo.
E' aos que sao por Henrique IV contra Grego-
rio Vil por Frederico II contra Gregorio IX, por
Fellipe o Bello contra Bonifacio VIII, por Victor
Emmennel contra Pi IX; 6 esses amigos zelo-
sos em demasa de todos os Cesares e de lodos
os tyrannos da egreja que se dirigem essas bellas
palavras de M. Lafond; aaib&m-no bem: elles
nao hao de triumphar, porquanto todo o edifl-
ci do chrisliaoismo est fundado um um lu-
mulo e urna resurreigao. O drama divino que
effectuou-se no Golgotha recomega perpetua-
mente e ba de cootinuar-se aleo flm dos tem-
pos na historia da egreja. Vamos ver cada se-
culo tentar por sua uez crucificar anda Jess
Christo e p-lo no tmulo na peesoa de seus
vigarios. Porm, cada Tez, o papado desem-
ar barsga-se das mortalha, aromas e faxas com
que o tinbam envolvido; seas ps ensanguen-
tados quebram as portas do sepulcro, sua ca-
bega rasgada pelos espinhos ergue-se resptan-
decendo com urna nova vida, eauasmios tras-
passsdas pelos cravos estendem-se para aben-
roarem axidade e o mundo (3 )
A Via dolorosa dos papas lera-me mui natu-
ralmente fallar das Memorial do cardeal Pacca
sobre o pontificado de Pi Vil (4). cuja Iraducgo
acaba de dar-nos M. Queyras I O Ilustre cardeal
que a providencia conservou como ultimo apoio,
como consolago suprema seu representante
na trra, vio com seas olhos as scenas mais me-
moraveis do marlyrio de Pi VIL Elle narra-as
com urna exaclido indignada, e esta indignacao
nao exclue a calma. O cardeal diz algures que
elle foi o Cyreneo de Po VII, suggerindo assim
que foi verdadeiramente um Calvario que Pi VII
teve de subir, verdadeiramente orna cruz que
teve de carregar. Felizes os que, como Mgr.
Pacca, sao admittidos & insigne honra de car-
regarem um pooco eata cruz, de descarregarem
tim pouco os nobrea hombros do papado. Ainda
ba hoje desses Cyreneos, e bem necessarios sao,
porque ante um outro Pi, lo soffredor, lo fir-
me como seu glorioso predecessor e homonymo,
e mesmo Calvario se aprsenla que preciso sa-
bir, a mesma cruz que preciso carregar I
Na narraco da oceupacao de Roma pelos fran-
ceses em 1809, narraco que faz sallar de indigna-
cao os coracoes christos e fraacezes, urna couaa
ba de tocar todos os leltores deste excelleole 11-
tro, a atlitude da populaco romana.
Tuda ella dedicada ao Soberano Pontifico; s
vma palavra espera de sua bocea, s um signal
de sua mSo para expulsar vergonhosamente os
autores desta grande iniquidade cuja victima Tai
ser Pi VII. Has o papa, cheio de mansidSo,
sosteve o braco de seu povo. Venham poia i
Tista disso pintar-nos a antiga bostilidade deste
povo contra seus mui legtimos e populares so-
beranos!
Foi eoto que, para eterna confusao dos que
teem perante Ueus a responsabilidade deste cri-
me, alguna gendarmes franceses, entrando em
Boma por contrabando e tendo por commandanle
so general francez, quebram as portas do Qui-
xinal, como cerlos gendarmes piemontezes teem
e intento de quebrarem em breve as do Vaticano,
t, violando a duplico mageatade do Pontfice e
do rei, calcando aos ps o direilo com a grossei-
lia de ama soldadesca em delirio, despedem de
seu palacio, de seu reino, de todos seas bens,
de todos seas direilos, o representante de Jess
Christo, o pae de todos os neis, o ebefe da san-
ta egreja calholica, que ae estende de urna ou-
tra extremidade do mundo.
A leilura das Memorias ha de ser de utilidade
ztas tristes ctrcuinstancias em que nos acharaos;
ba de enstnar aos catholicos o que a resistencia
de um papa. Quanto nossos adversarios, se
(21 Pars, 1 bello vol. n 12, em casa do Bray.
(3) Introdcelo, XIII, XIV.
(1) Doua bellos vol. in 12, em casa de Bray.
FOLHETIM
A DAADAS PEROL AS
nSo teem que saber como se perugu
hio de saber & que aliara te elevara
perseguidos, a que a mesma viatMci
segu arrancar-lhea as concesso tu a
sis lhea pede.
tfjbi
todos serios ama obra poslhaatH
cujo titulo este : Da abolicd^JMplv
nafcra
tervido da Gleba (5.) Sem emdanH
eslava longe de pert%ne#, escola.histrica, que
tem todas nossas syrfnlrilas, masien afufcilsl-
tulo: Influencia cttrMia.' tMS&tJkJ*'
cial; encontra at generosos aecentos, que ho
unjoc
e qu
ramete
apituU
eos livrq
pon

A. DUMS FILHO.
XYI
(Continuacao.;
Era impossivel aahir de um mo paaso melhor
do que o fazia Wladimir. Eslavamos quasi obli-
gados a agradecer-lhe. Elle nao o diaaera, mas
ara bem evidente que se Jacques, o que fon um
parfeilo desazo, cootiouasse com a sua provoca-
do, o sea adversario poria, e por assim dizer to-
lla o direilo de por em frente o oome da duqueza,
que nada se liraria delle, ficando-lhe sempre o
analhor papel.
Quando nos retiramos disse-me o principe :
Isto talvez seja muito grave. Creio que
melhor que o senhor volte s a contar ao Sr. de
JFeull o resultado do passo que demos. Ha neata
converssco certos detalhes ioeaperados qae elle
preferir ouvir da bocea da um migo mais inti-
mo. Com quanto possa contar com a minba dis-
crifiSo, talvez o veixe vr-mo envolvido nisso.
Paca-lhe comprshender que o melhor partido a
tomar nio se oceupar mais com esse Ruseo, qae
t cobarde, toas qae flnorio, at o dta em qae
elle Uver fallado i palavra que recebemos, o qae
certamente nio se atrever a fazer. Assegure-o
de toda a mioha sympalhia, a nio carece dizer
qae se ea poder fazer-lhe algaaa obsequio, cont
eomlgo.
Nio era poasivel haver mais delicadeza.
Ful procurar Jaeqaes ; anda lio tfnha fallado
com i dnqasaB. masvprosiatava-M a hora am
quedarla ir v-la. Conlei-lbe lextoalmenta o
ae se pastara eotre o priodpa Wladimir e u.
ommoveo-o moito a narraco. Eu aio tinha a
de ter sido,
alma^H t
res s|a>falg
oulraja hom
clarecidos a,
le pabmaaaa, teohanf perversa
sobra parte legtimamente reivindicado pela
egreja na abllelo do caatlvetro. Fot JESts Chri
TOiOOTti ABOLI 0 AFTTVMt. *S Mt axii
torico que nonhum impo podar romper. Nosso
Seahor, verdate. nio asaataalha ae Sparta-
co ; nio fez revolta urna appallajao que tena
pertutbado o velho mundo sem tslvaMb. -lo
chegou dizer aos escraroa: a Sois livtes, lea-
des direilos, tomae-08 a Nio exclamou I Des-
padacaa voHai cadeiaa; s armas 1 c lio,
a elle disse aos senborea: < Ten des de veres.
E maior nio ha qu6 o da amor vossos
semelhanles, todos vossos semelhante, os
a quaes leem almas ioteiramente eguaes s
vossas, almas lavadas tedas, como as vos-
tss, por meu sangue divino, almas transfi-
guradas todas, como as vossas. palos sacra-
mentos de miohs egreja 1 Eis o que disse
Jess Christo; e que aconteceu 1 Os santos fl-
zeram-aa ioteiramente principio os obretros
desla grande obra: amaram de preferencia os,
pequeos, os pobrea, os escravos, flm de me-
lhor fazer o mundo conhecer esta triplico egual-
dade de lodos os homens ha creacao, na redemp-
co, nos Sacramentos. A egreja tam multipli-
cado as liberdades, Quando ella possuio bens,
suavisou siogularmente a sorte de seus escravos,
e foi bom viver debaixo do bculo. Admitlio s
ordena sacras os escravos e seus Albos. Coosli-
tuio sua familia, em quinto debaixo da inspira-
cao das creucas chrislaas elles senliam-se emflm
almas e erguiara a cabeca. Assim, por urna ad-
miravel transigao, sem convulses, sem pertur-
bares, o escravo tornou-se servo, o servo tor-
nou-se homem livre. Nova conrmsQao desse
grande principio, que ae se quizer conquistar ao
homem seus verdadeiros direitos, convm pri-
meramente pregar-lhe seus deveres.
"I
Os livros classicos, esses livros sobre os quaes
raro que a crtica coosinla fallar, eaaes livros
que ella despresa e que prefere anda todos os
das o mais banal de todos os romances que pos-
sam sahir de urna cabeca de vinle annos, os li-
vros classicos, eis com tudo o que, nosto ter,
contemo futuro. Com effeito, conforme esses
livros sao mais ou menos inficionados, nossos
Cilios ficam mais ou menos perdidos para a fa-
milia, para a sociedade, para a egreja. O' vos
quo pretendis honra de por vossos eseriptoa
as mos sagradas de nossos filhos, assumisanle
nos e ante Deus una responsabilidade que me
espanta.
At o flm dos seculos, haris de sef solidarios
de todo o bem ou mal que essas jorens geracoes,
grabas vossos livros, tenham de transmitlir-ae
urnas s outras.
Desgracados os ioQcionadores das almas, des-
granados os sophistas que corromper a verdade
co espirito de nossos filhos 1 O juiz celeste re-
servs-lhes um Va vobis cuja tremenda resonan-
cia parece-me ouvir.
Feljzes, ao contrario, os auteres d'esses bons
livros, desses livros honestos e chrislaos, que en-
tre nos comegam a abundar, para gloria de Deas
e maior consolaco dos justos I Creio que suas
almas bao de ser defendidas do cu pelas almas
de todos aquelles cuja salvaco suas obras tenham
preparado. Has nao convm que taes livros se-
jam somenle honestos, couvm que sejam eleva-
dos. Nao urna va sentimentalidade que Ihes
exigimos, o rude espirito de um catholicismo
sem vaos caracteres. Quaolos vriuhos d'estes
oao temos visto, como bem historias sagradas,
historias de Franca, etc., onde sse podo verifi-
car boa* iolen;des, onde s se encontra a expres-
SaO tmida de UmChhslianUmo ronflaai-onlianla I
Chrislaos 1 erguamosa cabeca ; nos q tence a historia, e nao convm que atravessemos
oossa propriedade dando mostras de perdo.
Tenho qae assignalar boje muitos livros since-
ramente caUolicos que esto destinados nossos
filos, e que hio de salvar suas almas. Nos doua
artigos precedentes fallei dos livros histricos
que dizem respeito historia ecclesUstica ; die-
go, por esta fcil transico, aos livros que se re-
ferem historia profana, e em particular de
nossa Franca.
M. Chantrel, cuja penna desembarazada, cora-
josa erudigao e mrito solido os leilores do Mon-
de conhecem, acaba de publicar um Curso de his-
toria Universal para uso das casas de educarlo
(6). Abrndo esses volumes compactos fica-se lo-
go arrebatado pela elevaco das ideas o translu-
zeote pureza d'um estylo que os pe ao alcance
das mais simples iotelligeacias. As primeiras
paginas revelam um historiador, um philosopho
catholico. Nao, nio sao os aoligos resumos,
cuja aridez mereca muitas vezes tornar-se pro-
verbial, pejados de dalas, pejados deaborrimen-
to. Nao. eu nao descubro n'elles esses primei-
rosjguias de mioha inexperiencia histrica, esses
guias que nunca me conduziam s eminencias e
me deixavam em nao sei que fondos tenebrosos]
onde por muito lempo igoorei oque fosseaphi-
losophia da historia. O curso de M. Chantrel,
felizmente dividido em trez grandes parles : os
lempos aoligos, a edade eos lempos modernos,
com subdivisoes que sao novas, merece echar
lugar na leve bagagem bibliographica para uso
de nossos pequeos seminarios. Alm de que,
em parte nenhumaha de ser improprio,, o muitos
volumosos livros ha, muito moda, caja repu-
lacao merece, elle desenthronisar, e cujo ensino
merega substituir.
Sr. abbade Mury offerece-nos um resumo dahis-
loria religiosa e politica da Franca (7), qae ba-
vemos de recemmeodar por outros motivos. Este
resumo verdadeiramente um livro erudito,como
se pode d'isso convencer-ae fcilmente por suas
notas que conlm sobre a historia da nossas ius-
liluiges exeelleotes ioforma(es devidas aos mais
(5) Em casa deAug. Durand.
16) 2 vol, io. 12 em casa de A. Bray.
(7) 6 vol b. 12 em casa de Putols Cretl.
algunt toos, to vigorosamente encelou, aMn-
Os meamos elogios nio posso dar ao avtor das
5dff S1 Atia
peala vinte, 4 ceas autores diiTerenleav taaaconf
wBaob^saBsXrTT.
de peda- 4a oe aea lado a sexta
ama ai
deno-
devido
onfio det-
r : mai
a I rima- ootM asoa
albos nada de bom hao dt tirar de todo te mal
gama.Disseem outro lugar.a pfoposito deste Hvro,
qae eoTez de cUir VcHUira.cooveas eombata-lo
Anda que eu julgue as texturas variadas destina-
da fazerem msis bem no espirito dos paos que
no dot filos, ansente o que disse.
Dos reimos pasao aos irro. Fallare! d'essas
duaa historia de Franfo, cujo espantoso escn-
dalo contriste todos os Corac6ea chrislaos? refu-
Ure Henrique Harlia e Uicbalel ? Talvez am da
empreheoda esta tarefa e tente continuar contra
estes dous inimigos da egreja a obra inianiavel
do abbade Gorioi. Has, n'esta revista dos livros
catholicos s posto hoje assigotlar os etforcosde
alguns defensores da verdade. Bastan esses es-
forcos ? Eu nio o creio. Parece-me que em vez
de prodigalisar vis edula$oes, a tritica sincera-
mente christaa dar, no mamaato do parigo, al-
5r intrpidamente a voz e provocar a resisten-
cia ; eu provoco-a. Trabalhemoa poia, trabalhe-
mos 1 historiadores catholicoa ; nossas bibliothe-
cas, nossos archivos nio tos vem bem frequenle-
mente : vinde estas fontes, estas nicas ton-
tas da verdade histrica. Quantos milhares de
documentos suida esto escondidos as trovas
mmigas I Quantas ricaa materias d'um trabalho
sem fiea 1 Urna vez ainda, vinde : tendea de
servir a Deas e de viagar a egreja 1
Pele menos, tem bavido cobres tentativas qoe
merecem ter seriamente animadas. Devo collo-
car em primeira lioha a historia de Franca em
viole volumes (9) cuja mil e corajosa publicago
H. Amde Gabourd acaba agora. Semelhanles
obras sao raras, semelhanles assumptoa espan-
tara ; de coslume
,r v
rovtt de ludo quanto afflrma;
rto da todas eatat qualida-
osar escreveu contra o ehiama
olonia, ama admiravel reqo-
ma palavra temos que deaap-i
imo-noa do mais profundo da
A' todos esses cegos de nosso
ticos que se lm em costa da
o vaos ot mais vastos abys-
_ partidarios da allisoca rossa,
bradaremoe : t LJe est*. litro e julgae. Eis
?afiff5,Sf5 QWBlieolM paginas, com pecas ir-!
* veis para apoio- espantosas perseguice
' tem do victima na Polonia a egreja ca-
a do chisma,
ligio. Jcon-
rte da Asia e da Amar! |fonde (oas osdias
L"11/."".i1 t",,s0 JaPte 5 Jul8 *lo que
Um eitoal agorai jalgaTo que reservPegre-
ja calholica. Ah I se elle sahir ftetorios. "-
pr-i : nossas egrejss bao de ter
teiras via lados,
do imperador do que tos da Deas. Eu o que nos
n iJ8^uU"B,e ,deido ir i asta indignago da
que est cheio o vro do P. eLscceur e qui elle
iaciimente communici todos os que oe lem
Accresceotarei, entretanto, que este livro, na
actuaei eircomsUnciaa, talvez o que ha de dar
sobre o estado da Polonia os detalhes mais eir-
camstanciadoa e ao meamo lempo maia cheioa
do verdade. Se o P. Leacceur fez um erre, foi o
ter anda Ocado abaixo da verdade ; tal pelo
menos, o leatemunho qae lhe tem sido dado por
alguns respeitaveis habitantes deste malfadado
paiz. Desventurada Polonia I com Indo verda-
de que ters de renaacer um da, com tanto que
tornes ser e permaneces inabalavelmente ca-
tholica, e nio confies as promessas da revolu-
5ao- **s, entro aquelles que tomam a peana pa-
ra a defaaa de taa nacionalidade, neohum ha do
ter contribuido mais para tua returreicao, ne-
nhum ha de ter merecido maia leu reconheci-
mento do qae esses catholicos de Franga, oceu-
pados todos comligo, entre os quaes o P. Les-
cceur tomou to bello logar I
Eu teria derido fallar do Sr. abbade Godard a
de seu Hvro sobre Marrocos (14), immediatamoDte
depow de ter fallado de H. de Has Latrie e de
sua Historia de Chypre. Pode so consultar eatat
oous livros sobre as mesmas questes. Sa um
faz-nos assistir s relages do mando occidental
com o oriente, o outro mostra-nos a christsnde-
de europi em relacio com o islamismo africa-
no. O theatro deatas duas historias o Hediter-
raoeo, e v-se talo n'umt como n'ontra, i par
daa tentativas commerciaes que o christao collo-
ca em segunda ordem na historia, os generosos
marioha christa contra a barbaria
Como o livro do P. Letcoeur, o do
te alirar a historias menos
vtsta. Temos aqu muitos livros que assignalar, .
livros que, devidos longos e pacientes esto dos, i esforgos da
oo hio de estar mais de hoje em diante por tor-; musulmana.
nar a fazer. A Escola das Cartas, cuja reputago Sr. abbade Godard actual. A quei
mu pouco ruidosa talvez nio tenha chegado aos] reos est pendente : ante a Franga, ante a Hes-
ouvidos de muitos dos notaos leilores : a Escola panba. apresenta-se este bello paiz, que nio p-
aaa uarias, cujo verdadeiro nome bavia de ser de deixar de ser conquistado. G livro cujo elogio
fcoo de historia e mrcheolojia nacional, I fazemoa poder facilitar eata conquista, fazendo-
insiiluigio a que um dia nos conhecer a historale a geographia d'uma re-
gtio para bem dizer desconhecida. Possa elle ex-
este
indabitarelmente
bavemos de de ver urna histoha'deQuiliva de nos-
8p.a"-. Muitos de seus discpulos preludiam na
editicagio desse vasto monumento por trabalhos
que sao aua preparagio e fundamento necessario.
Nao se pode repeti-lo demasiado : 6 por boas
monographicas que se ha de poder somonte che-
gar urna historia quasi irreprehensivel. Maa
bem longe estamos ainda de attingir o flm. -
Em quanto um autigo discpulo da Escola daa
Cartas, H. Leopoldo Delisle, conhecido por suas
sabas iodagages sobre o. astado das classes agr-
colas na edade media, prepara, naa folgas que lhe
permute o Iostiluto, urna historia de Philippe
Augusto que oinguem espera com mais impaci-
encia que nos ; em quanto outro discpulo d'esta
tscola diepe-ae agora a publicar aob esto ltulo:
A Franga no tempo de Philippe o Bello (10], urna
obra verdadeiramente capital cujo mrito reaer-
vamo-nos de apreciar mais diffusamente com
essa benevolencia do amigo qae nio desarma a
consciencia do catholico : em quanto um Urceiro
vae prximamente comegar sob os aaspicios de
M. Lon de Laborde, director geral dos archivos
do Imperio, a publcagio do Thesouro das Car-
tas, urna dettas publicagts que basti para hon-
rnr Inrt lima nor >.... i..iri>wa uj bscuia
das Cartas acabam de dar ao prelo os primeiros
volumes de obras que nio podemos passarem
silencio. M. de Has Latrie o autor de urna his-
toria da ilha de Chypre sob adenominaeao dos
Luslgnan (11), na qual conaignou o resultado de
longo annoa de trabalhos.
A' fallar verdade, ha de se achar nos tres vo-
lumes que ji aahiram luz urna complete histo-
ria do commercio e da marinha da edade media.
Ha de se ter em aegao os Iogletes desta poca,
isto os Venezianos. Ha de ae julgar se estes
seculos tem sido lio despreziveis, quanto te quer
dizer, < no ponto de vista dot interesaos mate-
riaes. Depois, ha bellos bosquejos sobre as cru-
zadas e aobre esse desventurado reino de Jerusa-
lem, cuja existencia to necessaria ebristanda-
de nunca ot chrislaos poderam constituir slida-
mente. Demais, ha de se 1er fcilmente todo este
livro, cujo estylo agradarel, cousa raro, modra-
me felizmente a severa erudigo.
O mesmo elogio devo agora historia dos
condes de Champagne(12), de 11. Darbois de Ju-
ttainville. Livro solido, livro christao. O autor
fez-se conhecer por um exceliente trabalho con-
tra U. Henrique Martin, de quem o Univers fal-
lo u em bons termos.
Aqu deixo a Escola das Cartas, pela qual, tal-
vez, eu nao tenha tratado asss de disfargar mi-
nhas sympathias. Que s se faga historia seria no
acanhadissimo recinto desta eseola, o que eu
nio quero dizer, o qae eu nunca penaei. O P.
Lescceur, o Sr. abbade Godard, M. Sehrotain, de
quem falta-me fallar, e anda, outros muitos te-
rian o direilo de protestar contra mim, se eu me
abandonasse semelhantes exagereget, se-
melhantes injustas.
E' com um estylo generosamente indignado,
com esta frvida eloqueocia que trahe o padre
catholico, quando conttitue-ae o advogado dos
pequeos, e em particular, quando ante ot tyran-
oos toma a defeta de toas vctimas, com todos
os mritos de um verdadeiro historiador que d
nio era s delle; mas procurei demonstrar-lhe
que gravea conseqaencas pedia ter. Ella bem o
previa, e entio comprehendi a preoecupanio em
que o ra ostia certo lempo.
O fecto existe, disse-me elle, nao ha mais
que discutir; agora por-mo-nos em guarda con-
tra as inimisades s quaes vae forneeer armaa.
O que diz a duqueza 1
A duqueza 1 Tu a conheces ? regosija-se
como diaao como fea fosee ams'ftlicidade.
Has no entaoto, julga que isso ignorado
por todos?
Stm, ou pelo menos julga va-o at honttm.
Ka julgarmos por sna emoglo ao saber
que Wladimir ealava informado, pode bem co-
megar a perceber qae essa felleidade nao fio
grande como pensava.
Emfim, vou vS-lo.
E do Wladimir o que faremos 1
Nada, porque preciaamos do seu silencio:
mas deise estar que ainda sa haver comigo.
Tens-lhe raiva, realmente I
Oh odeio-o I E que elle peca fi Deus que
nio me tucceda infelicidade nenhuma, por quo
elle pagar por todos. Volla nolte, que te direi
as novidades que houverem.
Jacques partiu para a sua enUevist. A histo-
ria complicava-se.... Tlvez fosse occasio de
enumerar os perigos novos que se arriscavam
os dous amantes, mas os leitores conntern-ot
lio bem como eu. Procedarei, poit, pelos factot
mala ioleressaolea em tees casos do que os deta-
lhes e at conjecluras. A' noite Tollei cita de
Jtequet que eslava talvez um pouco menos tran-
quillos do que pela maahia.
Eoto dltte-lhe eu, viste a duquesa ?
Vil
O que te diste ella 1
Quera urna cousa Impossivel.
O qae era ?
Adevinha.
Como queret....
Quera fugir.
De pasa (Jo marido t
8) Em casado Duraud.
9) Em casa de Gaume frre e Duprey.
10) Um vol. io. 8, Em casa dePlon.
11)Tres magnficos volumes mfressos- oa ty-
pographia Imperial. Em cata de DiBot.
(12) Durand.
Nio importa onde, comanlo que fugisse.
O que que tuccede entio T
Por ora nada; mat mulher, isto quer dizer
que_ esi prompte instantneamente para as sen-
sagoes mais oppoata. Nao dermiu eata noite ;
nao quer mais deixar-me : tem medo de tudo o
que a regocijara hontem.
JS quera que parlistet com ella ?
Naturalmente.
A eata hora, ji estaram ambos presos.
Foi o que u lhe dltse. E' um meio para
as ultimas extremidades.
E ainda assim I
JTio ae deve perder nada.
' Roubarias essa mulher 1
ftarei ludo para conserva-la.
Espero que nio hio de cuegar t esse ponto.
Lu tambem espero ; mas se fr nectsssrio,
entregamo-nos merc de Deut.
Vamos, tu reflectirs.
J fu as reexoes. Ha certas detgragat de
que nio te pode escapar seuo por urna desgraga
maior.
Emfim, ella atienden o Busto?
i T Slm; ..En'<**nU> tinha bem tomado a reto-
lugao. J liona um passaporle com o oome de
Fanny ; poituia uos Uinta mil francot, e Ict
ot.teut bnlhanles.
Vr-te roubaodo ums mulher nesst aoaicio?
O que lenam dito ? Que nio era mais ameVe
eim etpeculagio; nio roubares urna mulher ama-
da, roubavas urna mulher rica. Oh meu charo,
fizaste bem I '
E aoertei s mi de Jaeqaes.
.- Uk^hfeUblri^-tfiatajr} i sea n-
uo que ella st rendeu. '
Quando de ves tornar v-la ?
Bate noite ; ainda ha d haver oovidade.
O qaa ?
-. O que tambem contribua para asausUr AB-
nette : que lecebeu urna carta decuuhadt.
Que tibe ando ?
Annele recela que slm.
O que diz estt ctri ?
E' doce como awucar.
- Razio de mal pira deicotiJltr*
citar o zelo das nagea calholicas e excita-las
entender destelado, alm das antigs columnas
de Hercules, as fronteiras da verdade, as da
egreja I A Inglaterra ha de ficar deaconleote,
verdade, mas aeu descontenta ment ha de ser o
ornamento de nosso triumpho, e como um trium-
pho demais.
Tencionava fallar ampla'mente d'um dos mais mindo
bellos livros que, para o futuro, bio de Ilustrar
este anno, cujo movimeoto intellectaal e religio-
so tentamos demonstrar; quero fallar de Sixto V
e Henrique IV (15), por H. Segretsin. Eu teria
tentado mostrar que este livro um dos primei-
ros que, em raaltdade, derramara a luz sobre a
historia do protestantismo francez. Cousa singu-
lar em todas as historias, mesmo calholicas, em
todos os resumos, em todos os livros, os protes-
tantes do seculo XVI passam por victimas e ot
catholicos por carrascos. Sio os tilhos da verda-
dera egreja que sio os aicos culpados; langa-
se-jqes em rosto lodo o sangue derramado, como
um ultraje merecido. Nunca mentira alguma his-
trica tem maia insolentemente feito fortuna nn
mundo. F.' vpfH.it.., s.t.i.aueute ao contrario,
.uueranamente verdade o dizer que em toda a
ArrBB2ftn?,.y,piy os Prologles TEM SIDO
mnnir., vRES ; 6 umt Proposige fcil de de-
rMi.i;,eroJ,m "!" onde 6ha entrar
a esiatittica, e onda se ha de dar a lista de todas
fhd l" 6m m10"e,1^0, 1ua os reformados tm pi-
?, %P ?Pamdeslru[d0J' de 'odos os homicidios de
ten,. luMah*i?VA 1Ulf- fli! ", ex-
tensa, e faetl eslabelece-la segundo os textos
man irrefragaveis. Em quanto nao sabe laz
este livro, pode ser sufficiente o de H. Segretaio,
com suas pegas juatifiettivas. que bio de instruir
ja muitos Incrdulos. Porm isto urna parte
lmenle do interesse qae um egual livro ha de
excitar, e que eu quizera assignalar meus lei-
lores. Hoiecallo-me ; o Pae dos fiis fallou acer-
ca deste livro, e a recompensa que acaba de coa-
tenr ao autor um elogio que rae fecha a bocea.
LON Gautier.
[Le Monde.H. Chaves.)
juina ter encontrado o povt mtelo. Eos reali-
d.V a China coa* Mu. 'Wtdarlea, sa* s3ici.
admiravel, seus concursos de gritate*, tunint-
truegao publica ti larftmete etaalbada, tem
sido sempre anterior nosto oeordbnte, meamo
em aeua peforet dlat. ^r '
Quando queimsvamos homens por sabtMazas
theologfcsi, eatavamos tgersente muito tonga
desla indifTereaea ereeavel pareem m soasad
transcendente de Confucio, a eoodigSo essenclal da felieldade ;
-esas convm tomar as racae ae tode de sea his-i
tetit.
A China, em coaseqaeocia deste teimoto opti-
mismo, morre nao de velhice, mat de urna ofan-
cia indeQoidamente prolongadas At nagea occi-
dentaes que tiveram a febre ardente do absoluto
e do direilo, a ioquisigo, o tribunal revoluciona-
rio, o terror, tio joveet, aeobores do mundo.
Capazos de amar e d odiar em extremo, devem
seus proprlos excelsos o terem em seu passado
alguma cousa que detestar e no teluro um ideal
que proseguir. As palavras de t e esperance
teem para ellas un sentido : sao ragas dogmti-
cas, habituadas i preferir mil cousas vida, pos-
suidas de ama inveocivel conflaoga no que creem
aer a verdade.
O que maisadmiravam os polticos superflciaes
do ultimo seeulo do coanego dasta aat laslitui-
coea da China, era o prudente desvio em que a
leglslago cuidara em conservar as auestes reli-
giosas. Urna especie de academia das seineias
moraea regulando urna vez por todas as relages
do homem com o infinito, um poder central es-
tenden.do urna prudente prohibigo em tudo o
que podesae exaltar as cabegas e originar discus-
ses, urna religiio de cerimonia e innocentes ap-
paratoa, pareceram-lhea a obra-prima de urna
admiolalragao aabia.
Na persuasio maitou menos conQrmada que o
fim da vida gozar, olhava-se como importunos
os que traziam lembrangaos problemas de urna
ordem superior. Luthero e Calvioo eram homens
perigosos, que fizeram derramar moito sangue.
Pouco faltou para qae ae exprobrasse Pilatoade
ter obrado com muita traqueza, e aos commissa-
rios da polica romana de nao terem exercido urna
vigilancia bem activa uas catacumbas. Toda pro-
paganda foi am delicio. Um dos srtigos orgni-
cos da concordata declarara que oa pregadores
nio deviam tomar a liberdade de fazerem aecu-
sagio alguma directa eu indirecta, em suas ins-
trueges, contra os outro cultos autoriaadoa pelo
eatado.
Reacgdes vivas, e era appareoca opposta, pro-
varam que esta tendencia estreitt de alguna es-
pirites por nenhum modo era a da Europa, equs
ouDca o occidente ha de se resignar, para viver
em paz, nao ter maia motivo de viver. A lula
ha de mil vezes mudar de face, os partidos hio
de abandonar, convm espera-lo, as armas dea-
Icaes com que muitas vezes se serviram ; mas a
guerra nio ha de acabar. Quaes sio as formaa
que ha de revistir a eterna discordia cujos ger-
mens o proprio Deus semeou na bumsaidade ?
Se as rellgies teem um futuro, qual este futu-
ro ? Como limitar sem apaga-lo, o foco de incen-
dio que toda grande sociedade traz em seu seio ?
Como podem ser modificadas as convenienciaa
das familias religiosas que ae reparte o mundo ?
Alguns livros recentes teem chamado a atteogio
tobre todot estes pontos.
Um escrptor ha muito tempo conhecido por
obras de um pensamento individual e ousailBj,
Mr. Salvador, publicou sobre as questes religW-
sas um dos livros mais origiaaea qae ha annos
lenbam apparecido. Um joven e brilhante publi-
cista, cujo nobre corago sabe comprehender tudo
quanto liberal, Hr. Prvost-Paradol, reimpri-
um escripto publicado ha mais de trite
annos por um dos homens da geracao passada
que tiveram mais pressenlimentos do futuro, jun-
ten-lhe vistas cheias de justeza e torga sobre o
estado das diversas commuobes chrislias. Um
aoonymo expoz com um vigor nolavel as conse-
queociaa que resultam de nosaa legislarlo doa
cultos e mostrou o que convm entender por li-
berdade religiosa.
Emfim acoolecimentos contemporneos qae
nio se ha de diacutir aqu, porquanto desacer-
tado propor, sem ser consultado, solugoea para
preblemas que oo ae lem suscitado, termos para
siluages que nio se tem creado, mostraram
quanto as questes religiosas ainda esli envol-
vidas do morimenlo do mundo, quaolo com ellas
deve contar a politica, e quanto as mximas se-
guidas at aqu tornaram-ae insufflcienles em
preseoga dos tactos novos que se teem produzilo.
Convm indagar se se est autorisado tirar de
todos estes fsetos algunas luzas aobre as trans-
ormages possiveis do cdigo religioso da hu-
manidade.
I
rte*.
cmaaBtfevia
de Iba-
be cea
rain eaameie da vista eTetaM
2LM2P jwStaeitee. *. capes da
nimalMtlel isbaalMat. Sete neje
aasgara*! daeea
peta analysa e pele
maa por ama i
Eliaa do alto d _
teria urna obra ju__
Hf>a traurorase^a aH
ptecia pete poca daa Sal---------
vlaao apbeetapttu. e tfjto tpliljpfsia.
pela primeira vez a naceal ranea) a alas mu
oilo do livro da Danii. aaado a lasasiiaalaiaaila
Quando se conhecer a philoeephia
dos musolmanos riWat rrnaaaii
Khaldoun, que Mr. de a&akadoe.
ficar torprendide daa grandes vtatae de i
atas aspeeida de relgate*
mapirar muito antes qae t4
scieocia exacta de adatarle
vido.
Abd-el Kader, de moml
mtit alto grao eata facaldada data raca : o
propheti do principio de velbiea avatrfka, Je-
remas do mahometiaate. Hr. Salvador
ce-me t vetee qaasi aseta.
Se lhe peeelrardas a saatta pete lad* di
lidio e do espirita poeiUvo, adM-ta-haia
choto, muitaa vezes pueril. Seee
aatigaaladata coas eata
tracta qae carcter isa a povo taetaa.~ ate
vetss arbitrarias, a tasea
bala.
Sea estylo, admiravel
urna vivs magiaagio, 4 frecreaailaaaaata
porcionado a spero ; maa caavtaa
que a primeira condicae pera as
cundaa, eata pera bees disar
havia da ter amalgamada taaban *
mo e o judaismo, m Matara ler e se a
Do futuro religioso das sociedades
medenias.
Haitas pessoai, das que se chama Instruidas,
cnegaram em nossos das um systema singular.
Persuadidas que o bem supremo a paciflcago
universal, peesam que todo o que divide os ho-
mens deve ser prevenido pelo estado, e fecham
os olhos sobre ss questes que podem perturbar
seu bemaventurado socego.
A China sem que o saibam, o ideal que ellas
se offerecem. AM cada um tem sua qu'alificago
omcial, cada um tem direilo depois de morta
consideragio de que gozou quando vivo ; todo
magistrado ahi integro, todo perfeito bom admi-
nistrador ; todos os res foram paes : se nio o
toraro, ninguera ousa dize-lo, e conta-se que
quando os velhos sabios acbavam o vestigio de
aigum erro commettido pelos soberanos, es apa-
gavam prudentemente. Apparece assim a China
primeira vate d'olhos como um paraso de sabios,
90 XVI11 aeculo que tomou a serio este hypo-
crita faluidade dos annaes do celeste imperio,
(13) A egreja calholica na Polonia. Um vol. in
8. Franca: e Douniol.
(14) Paris. Taera. S rol io 8o.
115] 1 vol. io 8\
. Brimeira ftmiis iu* .ptoo.nl. gualo
ecte sobre o futuro religioso do mundo mo-
derno essa : pde-se crer que apparega. urna
nova forma religiosa, expressao completa e ori-
ginaldas necessidades dos lempos novot, ou en-
t3o hao de estas necessidsdes procurar salisfaze-
rem-se modiGcsndo diversamente os cultos exis-
tentes? Em outros termos, sfora o judaismo, o
christianiamo, o islamismo, que per si sos oceu-
pam ha mil e duzenlos annos o campo cerrado
da civilsago, formar-se-ha urna outra religiio
nao tendo mais lago com estas tres do que Jess
teve com Hoyss, e Hahomet com Jess? Este
problema toma urna relevo singular no livro de
Hr. Salvador.
A' igual diataocia da ortbodoxia, que ae encer-
ra nos symbolos de urna das tres religies, da li-
vre symbolica que os interpreta em sentidos ca-
da vez maia requintados do desmo que delles s
conserva o myrrhado esqueleto, e da critica que
delles busca temar o valor no ajuntamento total
da humanidade, Hr. Salvador oceupa um lugar
parle no trabalho religioao de nosso tempo. Se,
como o pensara algumas pessoas, o mal de todos
nos sermos demasiadamente historiadores, .Hr.
Salvador o mais exempto do commum deleito
de seus contemporneos.
Natureza, grande, forte, cheia de raga, inquie-
tando-aa pouco de fazer sorrir, fazendo pouco
caso de nossas nuangas, de nossa exactidio,
albeo esta aubtil insliluigao do passaio que a
erilita allemia inaugurou, Hr. Salvadora com ef-
feito um original, um renovador religioso. Sco-
nhece por metade, associa livremente, combina.
Seu lugar devera ser no X?I seculo, na Bollan-
da, junto com os Spinoza eos Acosta ; perdido
em um seculo de a nal vae, temo que elle fique
sendo urna apparicao estril. Hr. Salvador foi o
primeiro que era Franga encontrn o problema
das orlgens do christianiamo. F6-lo' com urna
erudigo fraca, mas com um vivo sentimenlo de
alguns doa dados do problema. Ser-not-ha per-
raittido diz-lo? sustentsva oslo um dom de
Da certo.
Emfim o que diz ?
c Idinha querida Elba.
Tenho de fallar-lhe em ceutts muito gra-
vea : voc aabe que ioteresse tomo por voc :
espere-me eata noite. Eatoja s e nio desespere
que tem urna boa amiga.
Que ternura I
Nio pode, sor seoao am lago. Expllque-o i
duqueza, que nada contestar. Ella j sabe que
nio deve acreditar na amizade da baroneza, an-
da que de certo tempo esta parla, eata tem mu-
dado completamente i teu respailo. Eatou endo-
so que chegue amanhia.
E eu tambem ; ludo isso me inquiete. Em
lodo o caso, acredita-me, oo fiques em cata da
baroneza esta noile sent o tempo necessario pa-
ra saberes o que se pastou. Nada de impuden-
cias muteit. Podes cahir em urna citada. Penta
em la mi.
Fica tranquillo. Entretanto Tai I cata do
principe, dena-lhe um bilbata agradeoendo-lbe
". a2Y0: !? oi(L acha" 5 podemot ter zi'otm-
or'cy. 6lle- EU TU TUU?r =*noiselle de
O qu diabo ne fuer l ?
-E' c urna idea que tenho ; tenho-a Titila-
do ltimamente muitas rezes, e ella me reco-
nhecida pelo ioteresse que lhe bei teeteraonha-
oo. Parece ter-me amizade; um eoracio leal.
*de aer-me de grande utilidade. necesaario
prever toda.
Deixel Jacqaea porta de mademolselle de
Norcy, eaaoaniahei-me p*ra a casa do Sr. de
Riva. Tinha apease dado elgans patsot quando
Jaeqaes teuoiu-ae mim e disse-me :
Hadanoiaella de Norcy ata no campo ha
deut dUt. Tanto melhor, aio d'aqui t quatro ou
ataco leguas : teoho tempo de 11 ir, de convereer
eon elU e de reltir para a hora era que Aooetle
me apare.
E' tnuito importante asi tlaltat
" E
-* Edlio vae.
xm
Acut 0 principe, N.io lhe fi; mjDetio flp fl#/.
da. At circurastancias em que elle sa mostrara
to cavalheiro nao permittiam mais a menor re-
ticencia seu respeito : era a mlnha oplnlio e a
de Jacques.
Que felicidade nio ter o Sr. de F*uil levado
a duqueza I Que escndalo que seria 1 tanto mais
quanto talvez haja meio de prevenir o perigo, se
todava com um homem como o duque, existe
aemelhante perigo.
Taes forsm as primeiras palavras do Sr. de Ri-
va. Depois comegou reflectir.
Sea duqueza fosse urna mulher ordinaria,
aisse elle sorrfndo, eu me eacarregaria de tira-la
desses apuros.
Como?
Fazendo com que o duque acreditaste o qae
outr ora ae fez com o Sr. de Parabre em identl-
caa circunstancias ; leva-lo A ceiar, embebeda-
lo, o que seria muito fcil, e quaod.0 acordaste no
Sl^S1? V ',Oart0d<: ulher. vend"-o e
?%F-~ f-C BUBfl. i e ser obrigado
a QCuitar-lhe at contequeaciM.
Sim ; mas a duqaeza incapaz de prestir-
se esta fraude.
Sef multo bem I Tanto peior, porque o ani-
co nielo depois deste maia do que um engao,
um crime, e a duqueza ainda menos se prestar
elle. Ouca, reoUcou ella depois de alguna int-
tantes lorzlndo de novo ; quer tabora miohacen-
viegio sincera?
Sim.
Poit bem. Assuitam-se sem razio, q tudo
fdra directamente coohecida.
A eombioaeio religiosa do fatara,
qae este respeito o fatara aaa rasar
torpma, nao ba eertanoaac te ate da i
tbeologoa.
Ca bagas anteles, vendo as eeesas aira vez te
veo de seus soobos apaixoaaaae, ate pasa tato
mais bem preparada.
Mr. Salvador tem eoatradigie a I
notao tempo qae ideoa ana tal taa
modo mala ampio. A'a rezaa faz recardar T
lo pelo calor do sa'alaaa, sen
rio em religiio. e a facilidad* can qaaaa nov-
oo meio da confuaio.
Historiador mediocre, nos asate 4 latea peto
entendimento prauco tes caaaae Netaaeaae. Sa-
mes pele mor parta muito ebritaiee pata ate tor-
mos em religiio algum precaaeatto, abnaaa ta-
clinagio de habito ou de sympalhia. Mr. telea-
dor quasi noaso respeito a
cer os judeue sos pagios da Grecia a te I
um incrdulo, am hornea
digio, am motajador doe deusec. Qew <
de original na narraco de eaa veeaqte i
aa (i) I Que propheta de Israel maia ai
conrmou o futuro de sna raca f
c Cbega, dizem ao Jadea, a decaer ana ejae
nome o teu ?
c Hau nome ? Eu me chamo Jadea, palavra
que significa lowsador, celebrador iarartaaef te
Ser, do nico, do Eterno (3).
c Tua edade ?
c Hinha edade? Done mil tnaas te asando
qae Jetas Christo.
c Tua proQasio ?
Deixo de parte ss tristes pronsees tjmtt na
tinham sido creadas, a cojo caobo eaatcqssea-
cias ainda patntete bastante: naa ana Catatan.
minba proQssio tradieciooal eata : garante a
santa impreacriptibilidade ata nome a tai.a eaa
o conservador vivo de nebreza antiga a da UgiU-
midede ligada por direilo divino aa nene, aa pea-
prio nome do povo.
c Jura e prometa fallar sen odio e tenar, di-
zer a verdade, tode a verdade.
Sei com cortesa qoe, epatar de saaa admira-
reis grandezas, Roma ana cidade i
que nio a verdadeira Jeraaaten. Para a
universal de Deus, assim como aoeiat
ailivoado mundo, tona deve ser provieaectel-
mente transformada, deve aer sobarsaaseesAe
substituida. Sei com eertexa qaa ceavCn ejae a
divindade de Jess Christo seja nadilcada
fundo, ou francamente rectificada em ama)
e larga escala. Desos de ter dada aa aova a
perteoce ao nome do poro, daa aa Eterna a aaa ed
pertenceao Eterao. Sei tamben, e ba naita taas-
po, qoe hade bavar lugar, para as atraaaaftw,
de partirem um novo pi, do ioaagarareat a rer-
dadeiro repouto, o verdadeiro oaaetdi te El ata a,
de celebraren) novaa paseboaa. Ba aae Hra a
legitimo, teatennnbo. E de nata, aa coaen ene
sei por espirite de tradiegao, par espirita te jaa-
tiga e de iatalligeocia, estes eoeeaa, desata-aa can
- vontsde inabalarel, e alta* ate te taJeaV
uma
peto espirito de forga moral, fsS_
supremo e divina auteridade.
Tudo o que tem eido teilo de grande ao
o tem sido em nome de eiperiaees i
povo judeu tem ladoa tio ezlreardiaariee aaa
convm em tempo algum fallar delle i
ravelmente. Entretanto ha pioeadee lio l
qae exclaem at o pensameate te ib talare. '
como fallar de um futuro de Alhenas ?
Que destino psra a Grecia deixar da ser obs-
curo, cuidando-ae no qaa elle tai? Paternao
motivo, casta-me admittir qaa, I iripooHo tea
Judeus, falle-se de outra cousa ate sei te eme
elles teem feito
Depois de Jess Christo, ot Jadeas, aaaavtaT.
s teem aervldo para coacervar an livre.
o dia em que transmittiram a Biblia
sciencia europea, desde o dia en qae
o hebreo Luthero e aos Buxterf, nada i
essencial tiveram fazer:
De certo, desde este tempo, o jadteme tea so
mundo orna ootavel proporgao de honeaeexcet-
lentes, distinctos, ou mesmo do primeira i
mas isto um privilegio qaa partilba ca
as egrejas penco numareaee. B
egrejas tomam-se pela torea das eoasao, aristo-
cracias onde a luz abre nata pvenptanaa
minho, e onde e rotine e os prejuizostao
facis de romper.
(CosWtaaMtr-M-Jie.
(I] A Iheoria dos quatro imperios,
Bossuet s base da Iheoria histrica a
nossas escolas, foi pela primeira rea
no livro de Daniel.
(2) Parta, floma t Jtrusaltm, tone I,
243 e aeguintes.
(3} O pbilologo hsvia de lar aqu
serval que fazer.
Maesa Bao,,
a fazer as-
ea cndate o
das deagracaa qae lhe
ri : comprehender qaa o qaa tai
aerar. Quando nio houver neis
a verdade, di-la-ha ao duque. Ser
po. Ou elle nio ae zangar, a qaa
crer, entio a honra ser selva a leda ir .
ou se zangar, entio baveri separaete; d a aan
ella desoa, e ficar com tan filbo. Cartee
esse deafecho o mais hooroee, tata 4 a
triste.. Eu, te astiveeee no lagar te fr. da
o que bem deaejarei, jara-Iba
o duque cono o cooneco, dotatirta
<
ums
Etlou certo. O que ha a faxer esperar o
acMleelsveata. onheca e duque: tam v,do do
ridiculoeo escndalo; ha de ler pre*ie*ada
dinhelro nesta occaeiio, como bea^eTtan: e
a^dtldM^V!? nBfiTJ
. r *."*" I iaCatnanta qoe
a duqaata toma a aaestbo ao serio. Ana i Jac-r
f,' ??* f? '*" ,Uw PrWopa, nunca a
Bi'.egardao daqaa. I a
m M! eaiio tiU louc. I Acense | #HMni | pebj,, tt, DB l-
mente descangado. De reato,
ohor qeo a barontza devia ter
com a duqueza?
Sim,
Poisbem: ella Iba faltar
estou convencida diese: a
verdade. tem nata anda te
cieguen!, e a cunhada rae eflerecer ea
conciliar tudo.
E', cob) effeito, o que poda
melhoa.
Diga, poit, ao nosso arntao qaa ate i
as coasas, que nio as dranalise nata d
nacestario : que certas sUaacocs tan nais i...
tidade de espirito e de flanee de qe te nace a
colera ; qae, em sumna, ate ha aada nrftbsa
roao do qae salvar, a honra da atees I qaaaa '
imamot. Elle j obren naita ten i
luga mata da que nerigeee, ridicula;
ceder i exaltacio da duqueza ; at
o queja tata euccedido 4 motea eattae; pata a
felicidade mesmo de meoiae, reta nata ejaa eaa
amoraa, d tnaataiTii itiriaaasi t Ite eegaana
cousa. Se eu fallar can a daqaeza, alte este ajan
aea eaa amigo, dir-JJaev-tei a neeaae; a pravtaa-
dedoe aconieciatantaa na antat i 4 aaa, e o
mando nada taxi 4 dizer ; 4 o i
(CoaffaaaT-ea-te.)
tnuk%mL
II
l\/| I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ER13RUB53_BRXE46 INGEST_TIME 2013-04-30T23:24:06Z PACKAGE AA00011611_09405
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES