Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09400


This item is only available as the following downloads:


Full Text

>J
Ves. .
lili XXITII IDIEIO 223
Por tres aezes adan lados 5$000
4r tres mezes vencidos
a3.3i-
SEXTA FEIIA 27 II SETEIBR9 II Itffl
PwaBMadiaBti4tl9$000
Pirle franca tara a sriseriptar.
NCA1M6AD0S DA 9UB8CRIPCAO DO NQRTB
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino da Lima;
Natal, o Sr. Anlonio Marques da Silva; Araca-
ty, o Sr. A, de Lemos Braga; Cear o Sr. J. Jos
de Oliveira; Maranho, o Sr. Manoel Joa Mar-
tina Ribeiro Guimares; Par, e Sr. Justino J.
Ramo; Amazonas, o Sr. Jernimo daGoata.
FAHI1DA UUS4OUKKKlUs.
Olinda todos os diaa aa 9jl/t horas do dfa.
Igaarass.Goianna a Parahiba as segundas
aexus-eiras.
S. Antio.Bezerros, Bonito, Carear.AUinho e
Garanhnns as tercas-feiras
Pao d'Alho, Nazareth,|Limoeiro,Brejo, Ps-
qeira,Ingazeira,FIores,Villa-Bella,Boa-Viste,
Ouricury ePxu as quartasfeiraa.
Cabo.Serlohiem.Rio Formoso, Uns.Barreiros
Agua Preta.Pimenteiraa e Natal quinfas leiraa
JTodoeocorreiospartem|aa 10 horas damanha
IPHEMERIDES DO MIZ DE SETEMBRO.
4 Lia no Vi as 7 horas e 52 minutos da man.
11 Quarto crescente as 10 horas e 56minatosda
manbia.
18 La cheia aa 11 horas e 42 minutos da tarde.
27 Qaarto minguants as4 horas e 5 minutos da
manha.
PREAMAR DEHOJE.
Primeiro as 10 horas e 54 minutos da manhia.
Segando as 11 horas e 18 minuto da tarde.
BLAS DA SEMARA*
53 Segunda. S. Lie p. m.; S Tecla v. m.
44 Terga. N. Senhora das Mercez;S. Geraldo c.
25 Quarta. S. Firmino b. m.; S. Niooizia t. m.
28 Quinta. Ss. Cypriano e Justina mm.
27 Sezla. Ss. Cosme e Damio irmaos mm.
28 Sabbsdo. S. Wenceslao duque; S. Salomlo b.
29 Domingo. S. Miguel Archanjo; S. Fraterno.
PIBTE OFFICUL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia S4 de setembro
de 1861.
Offlcio ao Exm. Dr. Jos Ricardo de S Reg,
A Tice-presidente da prorinci do Rio de Janei-
ro.Acuso a recepclo do offlcio de V. Exc. de 9
do correte com dous exetupiares do relatorio
cora que o Exm. Sr. Dr. Ignacio Francisco Sil-
veirs da Motla passou s ralos de V. Exc. a
administrado dessa provincia, bem como igual
numero de exemplares do que apresen ton V.
Etc. no dia 8 deste mez assembla legislativa
provincial por occasiao de sua installago.
Dito ao Exm. presidente das Alagoas.Com
M ioclusas copias das ioformages ministradas
pelo Dr. chefe de polica, e delegado de polica
do termo de Papacara, respoodo ao officio de 10
de julho ultimo, em que V. Eic. solicitou pro-
videncias para que as autoridades dsquelle tormo
respeitem os limites do de Balmeira, pertencentes
a essa provincia.
Dito ao coronel commandante das armas.
Transmiito V. S para terem o conveniente
destino, os proco-sos do cooselho de direcco
para a qoaliQcago de 1* cadete do soldado do 4o
batalbode artilharia a p Joo do Reg Barros
e do cooselho de averiguado para 03 de 2." ca-
detes dos soldados do 2o bstalho de iafaotaria
Joao Francisco Pereira de Souza, e do 9* da mes-
ma arma Maooel Eustaquio Lios da Silva para o
mesmo flm.Remetteu-s tambera as certides
de asseotamenlo do Io cadete Antonio Odilou de
Carvalho Moura, e do soldado Amaro Francisco
de Moura, bem como aa guias do atieres Francis-
co Jos Gomes, e soldado Joo Baptista dos San-
tos. r
Dito ao mesmo.Para comprmanlo do dispos-
to no aviso da repartido da guerra de 13 do cor-
rente, sirva-se V. S. enviar-me certides dos as-
sontamentos dos soldado* Joo Baptista de Santa
Auo e Jesuioo Antonio de Carvalho, que per-
tenceram ao 2o batalho de infamara. Exigi-
ram-se tambera, para o mesmo efTeito, a certido
dosasseotaraentos dosolJado Joaquim Machado
da Cooceiglo.
Dito ao capito do porto. Mande V. S. dar a
conveniente publicidade, como determinou o
fcxm. Sr. ministro da marinha em aviso de 13 do
correte, a inclusa noticia e descripgo do novo
pharol do Cabo Fri.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda
neverto V. S. coberta com o offlcio do com-
mandante superior da comarca do Breio de 5 de
agosto ultimo, a relago em duplcala dos guar-
das oacionaes destacados naquella villa durante
o mez de julho deste anno, aura de que, nos ter-
mos de sua inforraago de 21 do correte, sob n.
881, mande pagar a Simplicio Jos de Mello a
quantu de 106*330, em que importara os venci-
inentos dos referidos guardas. Communicou-se
ao cemmaodaute superior respectivo.
Pela thesouraria provincial autorisiram-se os
segurles pagamentos :
q.^4""""0 ''eite de Pinho- da qu'ntia de ris
s'j?'"'' Pro,,euieutes de seus venclmentos como
ouicial-maior da secretaria do gjverno, do Io a 7
de agosto ultimo.
A' companhia de illuminagao a gaz da de res
1609200, importancia de gaz consumido na casa
de detengo em o mez de fevereiro ultimo.'
A' ManoelFrancisco da Cruz, da de 30}, alu-
guel de um semestre da casa que serve de cadeia
na.povoacao de S. Lourenco da Malta.
A' Joo Jos Pinto de Oliveira, por intermedio
de seus procuradores, da de 200, atuguel da ca-
sa que serve de quarlel do destacamento do Cabo,
vencidos nos mezes de Janeiro a maio deste
anno.
Ao capillo Jos Pereira Teixeira, de 16$, alu-
gael da casa que servio de quarlel ao destaca-
mento de Ipojuca, nos mezes de maio i agosto
ltimos.
Dito ao conselh^decomprns naaes.Remet-
to ao cooselbo dWcompras navaes para ser to-
rnad! em coosiderago a inclusa proposta assig-
nada por.um empregado da estrada de ferro, que
offerece a venda algumas madeiras de quali-
dade.
Dito so commandaote de Fernando. Cenvem
que Vmc. me habilite com a sua inforraago a
poder aatisfazer o que exige o Exra. Sr. ministro
da justira no aviso de 28 de agosto ultimo
relativamente a sentenciada Francisca Maria de
Jess existente oesse presidio.
Dita ao director do arsenal de guerra.De
conformidade com o disposto no aviso da repar-
tido da guerra de 11 do correte, fornega Vmc.
ao corpo de guarnigo da proviocia do Cear
e companhia de caradores do Rio Grande do
Norte os artigos de fardamento mencionados-as
relaces por copia inclusas.
Mandou-se igualmeote que fornecesse qnelle
corpo os utencilios constantes de outra nota de
que tambera ae Ihe remellen copia.
Dito ao mesmo.Transmiti Vmc. porcopia
para os convenientes exames a relaco dos ob-
jectos remettldos pela directora do arsenal de
guerra da corte com destino a esta provincia no
vapor Cruzeiro do Sul.
Dilo ao inspector interino do arsenal de mari-
nha;De conformidade com o disposlo no aviso
da reprtalo de ma/inha de 14 do correnle
constante da copia junta mande Vmc. fornecer
ao hiate destinado ao Maranho os vveres, mu-
nicoes e aprestos indispensaveis viagem que
tem de fazer para aquella provincia.
Dito ao director daa obras publicasInforme
Vmc. se, fazendo-se 1 redcelo indicada pelo
administrador do correio na informarlo que Val
cobrodo os inclusos papis relativamente s
obrssdeque precisa aquella repartigio, ser suf-
flciente a quaotia concedida para taes obras.
Dito ao gerente da companhia pernambucana.
Em resposta ao seu offlcio de 18 do correle,
tenho a declarar-lhe que nao pode aer attendida
a sua- proposta, visto que de conformidade com o
aviso da reparticio da marinha de 14 do corren-
te o hiate construido nesta provincia para o ser-
vico da capitana do porto do Maranho vai se-
guir ao sen destino tripulado por prac.es da es-
tagao naval.
Portara.O presideote da provincia, atienden-
do ao que lhe requereu D. Maria Aogelica Bezer-
ra, resolve concqder-lhe licenga pira mandar
cortar as mallas do seuengenhoMsnguinho__
20 pus de sicapira para concert de barcagas, e
reconmeoda o autoridades locaes que nao po-
oham impedimento algum na condcelo dessa
tnadeirs, tendo porm. todo o cuidado pars que
se nlo commettam abusos por occasiao desta -
ceoga.
Expediente do secretarlo.
Offlcio ao Exra. conselheiro director geral da
secretaria do astado dos negocios da justica De
rdem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
iccuso recebldi communicago que V Exc. ae
servio fazer-lhe de que em dala de 6 do'corre-
te, S. M. o Imperador houve por bem prorogar
por dous mezes com ordenado a licenga concedi-
da io desembargador Jos Ignacio Aecoli de
Vssconcellos, para tratar de sua saude.Fiwram-
se as commuoicaedes precisas. 9
Accusou tambem o recebtmento da communi-
cago de ter-ifl concedido seis mezes de licenga
com ordenado para tratar de sua aiude fon do
paiz ao Exm. Sr. conielbeiro Francisco X-
vler Paes Barrelto, julz de direito da cmara
do Ri o Formozo.
Dito so inspector da thesouraria de fazenda.
Da ordem de S. Exc. oSr. presidente da provin-
cia transmiti V. S. as daaa ioclusas ordens
do thesouro oacional, ns. 139 e 140, e bem as-
slm um offlcio circular da directora geral das
reodas publicas 14 do corrente.
Despachos do dia 4 de setembro
Ipi leoi.
Tleouertmentos.
Antonio Firmo da Silveira.Dirija-se a thesou-
raria de fazenda.
Clara Mara da Conccico.Informe o Sr. ins-
pector do Arsenal de Marinha.
Demetrio de Gusmao Coelho, e Joo Pedro de
Jess d Malta.Ho tem lugar, visto nao haver
le que autoriie o abono que requerem ossuppli-
caotes.
Fieldeo Brothers.Dirija-se a thesouraria pro-
vincial.
Guimares & Azevedo.j-Drija-se a thesouraria
provincial.
Joo Pessoa da Gama.Remettido ao Sr. juiz
municipal do termo de Serinhem para cumpri-
mento do disposto no arl. 12 do decreto n. 817
ie 30 de agosto de 1851.
Bacharel Maximiano Francisco Duarte,Infor-
me o Sr. Dr. chefe de polica.
Manoel Ferreira Leite.O supplicaote ser re-
mettido pare o termo de Iogazeira logo que for
requisitado.
Illm. Sr.Vivamente empenhados pelo bom
resultado da Exposigo agricola, que, segundo
as instrucc.es imperiaes de 8 de agosto fiodo,
dever ter aqu lugar no palacio do governo no
da 2 de dezembro vindouro, da qual fomos no-
meados directores, acabamos de dirigir aos re-
verendos vigarios desse termo urna circular in-
vocando o seu patriotismo em nos auxiliaren
corn acquisigo e remessa, ou por intermedio de
V. ou directamente para esta capital, de al-
guna dos productos naturaes ou artificiaos men-
cionados no cathalogo aunexo s supraditas ios
truccoes, ou quaesquer ostros que Ibes parecam
dignos de figurar na Exposigo.
Fazendo igual appello ao zelo e dedicarlo de
V. s>., temos a mais grata esperanza de que
muito nos coadjuvar, nao s estimulando a
vontade, e actuando as diligencias das pessoas
que neste termo poderem minist-ar amostras de
taes producios para essa festa industrial, de cujo
esplendor resultar gloria para a provincia e
nome para os expositores, como tambem encar-
regaodo-se de enviar cora a maior brevidade
para este palacio os objectos que por si adqui-
rir, ou lhe forera presentados pelos reverendos
vigarios.
Chamando a atten$5o de V. S. para as recom-
mendagoes contidas no impresso junto, deixa-
mos de entrar em explicagoes. limitando-nos por
ora a render desde j os nossos sinceros aarade-
cimentos a V. s. que Dos guarde.
Sala das sessoes da commisso directora
txposxgao agricola 00 palacio do governo
Pernambuco, 12 de setembro-de 1861.
vlllm. Sr. juiz muoicipal de......
Visconde de Suassuna.
Joaquim Pire Machado JUuUeUa,
Socrctorio.
Dr. Joaquim d'Aquino Fonseca,
Secretario.
Mutatis mulandis aos juizes de dlreitos.
Illm. e Rvm. Sr.Nomeados pelo Exm. Sr.
presidente da provincia para a commisso direc-
tora da ExposI$o agricola, que, segundo as ins-
truccoee do governo imperial de 8 de agosto no-
do, tem de effecluar-se nesta capital, no dia 2 de
dezembro vindouro, e vivamente erapeohados
em que semelhanle acto nao satisfaga perfeita-
menle s expectativa do governo como correspon-
da importancia e dignidade da provincia, pon-
do bem em relevo as suas riquezas naturaes e
artificiaos, nao podemos deixar da, confiando na
dedicago e patriotismo de V. S. invocar a sua
valiosa colloboraco para um tal (ira. ^
E assim, remettendo-lhe um exemplar impres-
so das aupradilas oslruccoes, rogamos encare-
cidamente V. S. sirva-ae de agenciar a deseo-
berta e acquisico de alguns dos productos men-
cionados no cathalogo annexo, 00 ostros quaes-
quer que Ibe parecam dignos de figurar na ex-
posigo, remetteodo-os V. S. com a maior bre-
vidade, e com a competeote declaragio do res-
pectivo nome, genero, especie, uso, applicago, e
bem assitii do nome do productor e lugar de que
procede, ou aos juizes monicipaes e de direito,
cuja juriadiego pertence essa freguezia, aos
quaea tambera agora ofciamos, ou directamente
para esta cidade serem eotreguea no palacio
do goveroo.
Comprehende V. S. que j pela magnitude do
objecto em si, j pela estrelteza do prazo que
nos resta, a maior actividad* e deligencia se fa-
zem mister, para que a nossa Expotico em na-
da seja inferior s que tambem vo ter lugar em
outras provincias.
Cootaodo com o mais satisfactorio resultado da
incumbencia que ora confiamos V. S., ante-
cipamos-lhes a manifestago do nosso sinceto
sgradecimento.
Dos guarde V. S. Sala das sessoes da
commisso directora da Exposigo agricola, no
palacio do governo de Pernambuco, 12 de setem-
bio de 1861.
Illm. e Rvm. Sr. vigario da freguezia de....
Vitconde de >uas$una.
Joaquim Piret Machado Portella.
Secre tirio.
Dr. Joaquim d'Aquino Fonseca,
Secretario.
S2E7S "I"" ""> w
Alagoas, o Sr. Clsudino Palsio Di; Bah,,
Sr. Jos Martin. A1t.. j Rio de Janeiro. Bt
Joao Pereira Mirtina.
EM PERNAMBUCO.
Os proprietirios do DIARIO Manoel Figueiroa
de Faria & Filho, na sua livrara praga di Inde-
pendencia ns. 6 e8.
AUUlbfktilAa .uos
Tribunil do commercio; aeganaas a qu
Relaco:tergas, quintas eaabbados as 10 horas.
Fazenda: torgas, quintase sabbados is 10 horas.
Juizo do eommercio : qu artas ao molo dia:
Dito de orphios: torgas e sextas as 10 horas.
Primeira ti do ivel: tercia 1 seitaaao meio
dta.
Segunda Tin do ivel: q.artas ubbidoi 1 1
ori di tarde:
coo-
agra-
da
de
da directora do Imperial Instituto Pernambuca-
no de Agricultura.
Visconde de Suassuna.
Joaquim Pires Machado Portella,
Secretario.
Dr. Joaquim d'Aquino Fonseca,
Secretario.
A' Associago dos Selleiros.
Estando designado o di* 7 ae novembro vin-
!nr.iP'ra?n"Mpo,i0 "rtcol industrial
no palacio do governo desta provnola, a eom-
missao encarregada de dirigir a meama Exposi
gass>nao poda prescindir de invocar para o bom
resultado de lo patritica festividade a coope-
racao da Associago dos Artistas Selleiros, que
i Um* I" "nno Passado deram prova publica
ae s.e aebarem possuidos deste nobre pensamenlo
ensaiando nesta capital urna Exposigo de pro-
ductos da sua arte.
Dirigindo-nos, pois, directora da mesmi
Associago rogando airva-se de convidar os seus
associados a que aproveitem a oceasio solemne
queselhes proporciona de contlnuarem a ma-
nifestar a perfeicoa que entre nos vai attingin-
do esta especie de industria; e cora isto
lando, aniecipamos a expresso do nosso
decimento.
Dos guarde Vv. Ss. Sala das sessoes
da commisso no palacio do goveroo 16 de se-
teabro de 1861.
Illms. Srs. presidente e membros da Asso-
ciago dos Artistas Selleiros.
Visconde de Suassuna.
Dr. Joaquim Pires Machado Portella,
Secretario.
Joaquim d'Aquino Fonseca,
Secretario.
- Associago dos Artistas.
A commisso directorada Exposigo agricola
e industrial, que ter lugar 7 de novembro
vindouro, no palacio do governo, felicitando a
Associago dos Artistas pela nova senda que
cora este acto se vai abrir ao progresso da in-
dustria fabril da provincia, roga directora da
mesma Associago que sirva-se de conridaeno
s os seus membros como aos officiaes
tres das differentes artes mechanicas a
corram a expr os seus productos.
A commisso est certa de que todos os artis-
tas bem comprehendero que, ao passo que
cada um delles com a exposico de seutartefac-
tos concorre para urna deraonstrarAolemoe
do adiantamento industrial do paiz, n'40 menos
contribue para o proprio interesse individual
pelo crdito que
de
pro-
ds agenciar a descobarla e acquisico u
doctos mencionados no cathalago aonoxo.ou quses
qiier outros que a Vv. Si. paregam digoos de
njurar na exposigo, remelteodo-oa cem a maior
bravidade e com a com ptenle declarago de
respectivo nome, genero, especio, uso, applica-
cao, nome do productor o lugar de que procede
f"eodo-o directamente i esta commisso nest
ciaa4e, a serem entregues no palacio do goveroo,
eaaprtodo dMUroi ,, terminada a Exposico.
dn.^"10^' q*e nella uu'en erao restitu-'
dos comtodi a pontualidede aos respectivos pro-
lU,f.ae8 0" seu?/ea,8. logo que estes apre-
soutarem os recibos que Ibes forem dados na
occasiao di entrega, excepto se esses producios
parecerera dignos de ser comprados para Dgura-
reni na Eiposigo que deve ter lugar ua corte do
imperio a 2 de dezembro vindouro, e sus pro-
duc ores ou agentes quizerem vende-los, ou con-
a-ios para quesejam remettidos Essa exposi-
go, nao perdendo oeste ultimo caso o direito
que tenham a esses productos que Ibe sero res-
umidos, do mesmo modo.
A magnitude do objecio, o o curto prazo que
nos resta, obrigam-nos a empregar a maior acti-
rtdade e diligencia, para que a Exposigo de que
se trata em nada seja inferior s que tem tam-
e deeffectuar-se em outras proviocias, e por
"to. dingiodo-noaa Vv. Ss. contamos cora o
maissalisfatorio resultado, manifestando desde
O facto que deu lugar a semelhanle confiic- '
o, 101 um annuncio feito pelo senbor vigario
marcando o transito 4o excelleotissimo bispo dio-
cesaoo quando chegar. da igreia calhedral ao seu
palacio.
Parece-nos que o senhor governador do bis-
pado nao tem razio na questo, ou pelo menos
nao tem nella tantas sympathias como o senhor
vigario,
L-se no Cearense :
Escrevem-nos em data de 23 de agosto do
Sobral :
A febre anda vai fazendo victimas, al ho-
je tem morrido segunlo me informam 5* pes-
soas. O Dr. Carvalho alera de imperito, pou-
co cuidadoso deixaudo de acudir ao chamado da-
quelles, que precisam do soccorro da medicina.
O corooel Braga, e o boticario Marinho conti-
nuara a trabalhar, e tem salvado muita gente.
O Dr. Assencio, juiz de direito de Sobral echa-
se na barra do Acarac, e deve estar aquiqual-
querdia. H
Rio Grande do Norte.Havia sido encerrada
a la do corrente, a segunda sesso do jury da ca-
pital, tendo sido julgados tres reos, dos quaes um
foi aosolvido, outro condemnado um anuo de
priaao com trabalho, e o terceiro um mez de
pnsao simples.
O Exm. Sr. Dr. Lelo Velloso procurava fundar
e mes-
que con-
1 tima Santa Ca3a de Misericordia, para o aue i
^^'J^TSJlVml!fF9^^^ hm escolhido commissoes as diversas local-
1 ,S'' Sals das essoes da dades da provincia, para oromoverem subsrrin-
eoMissio no palacio do governo de Pernambu- coas em tal sentido. Promo?erem ubsenp-
co, 19 de setembro de 1861.
Iilms. Srs. presideote e membros da commis-
so de Exposigo na proviocia de Alagoas.
Visconde de Suassuna.
Joaquim Pires Machado Portella.
Dt. Jtquim d'Aquino Fonseca.
D.rigio-se igual officio s commissas da Pa-
rahiba, Rio Grande do Norte, Cear e Mara-
nho.
INTERIOR.
BIO DE JANEIRO.
10 de setembro de 1861.
O Sr. Visconde de Uruguay como orador da
deputsgao que por parte do senado foi felicitar a
. M. o Imperador, pelo anniversario da inde-
pendencia nacional, declara que a mesma depu-
tago cumplir sua missio, e que foi por elle ora-
dor pronunciad3 ante Sua Mage&tade Imperial o
sJSsT^SSSSf^ 1 "fESSCS senado vera respetosamente,
os nroduclo, da respectiS ofS?i. mior u" [t**0***0 for deputagao. depdr. nes^
fflritcSS ^h^ottnX' S?S--- Me.39 anuos, senbo, con-
goas em tal sentido.
Parahyba.Damos em seguida a carta do nos-
so correspondente :
A demora do vapor do Rio de Janeiro traz
as cabecas aqui era conjecturas. esperando uns
mundos e fundos e outros receiosos que se rea-
lisem os desejos daquelles.
Correu por alguos das que o deputado por
essa provincia, o Dr. Joao Alfredo era nomeado
presidente desta proviocia, em substtuigao ao
actual que passar a administrar a do Para. Cor-
reu mais que o chefe de polica, Dr. Neive, fdra
exonerado, seodo designado ao mesmo a segunda
araJ1l' CaPila|. e pomeado para substitu-lo o
Dr. Theodoro'Machado Freir Pereira da Silva.
I f Nao sabemos que grao de necessidade possa
ter a subslituigo do Exm. Sr. Dr. Araujo Lima
que ha bem gerilo os destinos da provincia, dis-
pondo de esclarecida inteligencia e tino admi-
nistrativo. Verdade seja que se annuncia urna
commisso mais importante para S. Exc, cujo
merecimento superior fica assim recoohecido.
Quanto, porm, a retirada do Dr. Neiva, nao
estamos loogo de acredita-la ; pois S. S. preten-
de uraa vara nessa capital,
Verdadeiras ou nao essas noticias, estamos na
expectativa ; sendo que sentiremos muito se as
mesmas se realisarem, embora nos aliancem to-
dos que conhecem aos dous pernambucanos apon-
lados, sao os meamos dignos dos
he Fgus^rempares Topmmos d^VSuSoVs I Lla.MV1* m, ?U ****** de_V.;a"M"a- da inteligencia aevidl3eTprebi^dos*q para a Exposigo. Wfm a" tusuucgoes gestade Imperial levanlou. as afortunadas mar- formo o melhor conceito.
Dos guarde Vv. ss. Sala das sessoes' nn282J>,r*D8*, aa,oso e felil pregao que A assembla provincial continua em seus
da commisso no palacio do goveroo 16 de se- n.s f- ,">-e aPresenlou a oilios do mundo abalhos, nao sera ter dado exemplos pouco dig-
tembro de 1861. | rn.!l,"9.V.iPSSdenle- L ?S de om' corPO"?ao, jue a garanta das
Illms. Srs. presidente e membros da Asso-
ciago dos artistas.
Visconde de Suassuna.
------Joaquim Pires Machado PortelCa,
_ Secretario.
Bt^foaquin a Aquxno tonscca..
Secretario.
Durante esses 39 aunos, lempo boje longo
ns vitadas ~noes, quantas convulsoes, quan-
las mudangas tem profuadamento revolvido e
agitado outros paizes? Quio diversas formas
sorntam alguos, daqoeltas que ento tinham I
c se airt,,mas nuvens hio turvado
horizontes, tem-a
e urna nago.to
O 003.03
ellas desvanecido felizmente,
nova como a nossa appareceo
A' Associago Typggraphica.
A commisso encarregada de dirigir a Exposi-
?ao agrcola o industrial aue i 7 de novembm '-"" ~.-",T*v'"'"" .'I'*ioum, cuio as mes- i"
vindouro dever effectuirSe no palacio d" o- &-*&*^&***m P0,i,c". .? res a
verooaesta provincia, toraando" viv? itereVse t^conS^oVes ^o.'PWl10' Pf 6
a Foram os ascendentes do Sr.
franquezas provinciaes. Tem-se jogado all c
insulto face a face e de um modo muito desacre-
ditador 1
a Ao passo que na assembla os depulados se
nsuitam. a imprensa poltica cheia de allusdes
vida privada, marcha desempecadamente.
pnvnl'i,d".r-nnm."ul* lutados que se tem
?!.._d0 neMa? questoes pessoaes diminuto, e
porque em semelhanle acto se torne bem evi-
dente nlo s a riqueza natural do paiz, como o
genio artstico de seus filhos, oj pode deixar
de dirigir-se a Associago dos typographos, ro-
gando queiram em to importante solemeidade
apresentar alguns trabalhos que sirvam de at-
testaro gosto e nitidez com que se vai exercendo
entre nos a maravilhoss arte da imprensa. Con-
fiando na oadjuvsgo da Associago Typogra-
phica, desde j lhe apresentamos nossos vot9s
de agradecimento.
Sala das sessoes da commisso no palacio do
governo de Pernambuco, 19 de setembro de
1861
Illm. Sr. presidente e membros da Associa-
Qao Typographica Pernambucana.
Visconde de Suassuna.
Jovquim Pires Machado Portella,
Secretario.
Dr. Joaquim d'Aquino Fonseca,
Secretario.
TamorT5" 2 Cm ? T ^ PerleaCem aiWW>Z, n onZ d
vo amor aonarchu consoretsda com a lber- por uso razo de queixa, com quanto uns dinm
i.1.6!4'!,-"1"".1^ e-eiperi"ole- com mes- para seu8 uWarios-fosteis vos provocado"
Ao Imperial Instituto Pernambucano de Agri-
cultura.
Illm. e Exms. Srs.Tendo de proceder-se nes-
ta capital no dia 7 de novembro vindouro,
UDia ^xPsi5o agrcola, a commisso encarre-
u\ "eepecliva direcgo, vivamente empe-
nhada em que semelhanle acto seja urna de-
monstrago, seoo cabal, ao menos significativa
o mais possivel das riquezas naturaes e artifi-
ciaes da proviocia, nlo poda deixar de, ao pas-
so que se congratula com o Imperial Iostituto
Pernambucano de Agricultura, pela adopgo
entre nos de to poderoso auxiliar do progresso
das industrias, rogar illustrada directora do
mesmo Instituto que levada do potriotismo que
lhe oberente, digne-se de convidar nao s a
lodosos seos membros como tambem aos agri-
cultores da provincia, a que eoncorram para o
bom xito desta. festividade, remetiendo para o
palacio do governo, onde dever ella ter lugar,
alguns dos objectos meociooados 00 eathaloko
annexo s iastrueges imperiaes de 8 de agosto
fiodo, constantes dos impressos juntos ou outro
quaesquer que lhes apparegsm dignos de figurar
na Exposigo. N
Contando com valiosa coadjuvaco do Im-
perial Instituto Pernambucano de Agricultura,
desde j temos a satisfcelo de teslemuohar-
Ihe os nossos sinceros agradec montos.
Dos guarde Vv. Ex.cs. Sala das sessoes da
commisso no palacio do governo de Pernam-
buco 16 de setembro de 1861.
Illni. a Euu. Sr. presidentes e membros
A' Associago Commercial Bene/icente.
Illms. Srs.A commisso encarregada de di-
rigir a Exposigo de productos naturaes e artfi-
ciaes.que a 7 de novembro vindouro dever effec-
tuar-se no palacio do goveroo desta provincia,
confiando na dedieaglo e patriotismo de que tem
dado exhuberantes
cial Be
paiz, dirige-ae mesma Associag.
sua efflcaz coadjuvagao para o bom xito desta
festa industrial, que sendo um poderoso estimulo
para o desenvolvimento da agricultura e das ar-
tes nlo pJe cooseguintemente deixar de interes-
sar a nobre elasse do commercio. E assim, offe-
recendo alguos exemplares das instrueges im-
periaes para a Exposigo, rogamos a Vv. Ss. dig-
nem-sede convidaros seusassociados a que ca-
da um por si ou pela influencia de suas relages
sirva-se de agenciar e de fazer remetter para o
supra indicado lugar alguns dos productos men-
cionados no cathalago annexo s mesmas inslruc-
ges, ou ontros quaesquer que paregam dignos
de all figurar. Com a aegursnga da nossa esti-
ma temos a honra de apresentar desde j os nos-
sos s'nceros agradecimentos a Vv. Sf. que Dos
guarde.
Sala das sessoes da commisso no palacio do
governo de Pernambuco, 19 de setembro de
18o!.
Illms. Srs. presidente e membros da directo-
ra da Associago Commercial Beneficente.
Visconde de Suassuna.
Joaquim Pires Machado Portella,
Secretario.
Dr. Joaquim d'Aquino Fonscea,
Secretario.
Illms. Srs.Tendo tido a honra de ser nomea-
do pelo Exm. presidente desta proviocia para a
commisso directora da Exposigo agricola que,
segundo as instrueges do governo imperial de'
8 de agosto do corrente anno, tem de effectuar-
se nesta capital em 7 de novembro vindouro, e
deve compor-se dos productos naturaes, agrco-
las e industriae de Pernambuco e das provincias
que lhe slo limitrophes, ou lhe fleam prximas,
e ardenteraente empenhados em que semelhanle
acto nlo s satisfaga perfeitamente a espectativa
do governo, seoio corresponda a importaneta e
dignidade das mencionadas proviocias, pondo
bem em relevo as suas riquezas naturses e ar-
tificiis, nlo podemos deixar de, confiando no
patriotismo e dedieaglo de Vv. Ss. invocar sua
valiosa coadjuvagao para qne desempachemos
as obrigages qne aceitamos, e transmittindo a
Vv. Ss. cem exemplares das supraditas instrue-
ges, rogamos encarecidamente que, se dignen
D. Pedro I, e
portento Vossa Msgestade Imperial essa longa
auccesso de monarchas, e de muito grandes mo-
narchas, os que, como se pressentissem futuros
destinos povoaram o Brasil e o desenvolvern ;
os que tanto delle cuidaram com preferencia
suas1 outras colooias, e assim prepararan! o ca-
minhs para a sua independencia.
Foi o augusto pai de Vossa 1Wagestada Im-
perial quema proolamou, quem a firmou, quem
declarou no principio da primeira pagina da sua
obra immortal, a coostituiglo, que-os cidados
brasileiros formara urna nago livre e indepen-
.Hl.!' 2U8 "i? ^"'"i"1 com qualquer outra lago ,
*?. d9 "U0* qU9 88 0M>0Oh* ,Ua in<,ePe- :dre Fulan Viejas, que naTq
a
e in-
c Foi Vossa Msgestade Imperial quem ha 30
annos, ainda na infancia, cooservou a paz e a
ioiegridade deste formoso e vasto imperio. E'
Vossa Magostado Imperial quem, ha 21 annos,
mais da metade do lempo da nossa existencia
nacional, levado pelas inspirages da justiga, da
soberana e da liberdade, consolida, desenvolve
no meio das vicissitudes e difficuldades dos lem-
pos em que vivemos, a grande e gloriosa obra
da noasa independencia.
Quantos lagos, quantas recordares ligam a
1 Associago invocando .I&7$SettZJ^^.'tt
sa gratidao, senhor I
Digne-se Vossa Magostado Imperial acolher
benigno com as congratulares do senado, os
seus protestos de amor, e dedieaglo augusta
pessoa de Vossa Msgestade e imperial familia.
Sua Magestade o Imperador digoou-se res-
ponder :
a Cordislmente me associo ao jubilo do sena-
do pelo anniversario da nossa gloriosa indeptn-
dencia.
O Sr. Preaidenle declara que a resposta de
Sua Magestade o Imperador recebida com mui-
to eapecial agrado.
[Correio da Tarde.)
DIARIO OE PERNAMBUCO.
Cartas do Maranho, recebidas no Cear
pelo vapor Camossim, asseguravam haver sido
eleito deputado assembla geral por aquella
provincia, o Exm. Sr. commendador Dr. Anto-
nio Marceliuo Nuoea Goocalves, por urna maio-
ria de 48 votos. Apreveitamos a occasiao para
felicitar S. Exc. peta honra que lhe acaba de
ser conferida.
Pelo vapor Jaguaribe, da companhia Per-
nambucana, recebemos jornaes e cartas do Cea-
r at 20 do Rio Grande do Norte 23 e da Parahi-
ba 25 do crrante.
Cear.Eocerru-se 8 do corrente, depoif]
de uraa prorogacao de cinco das, a assembla
provincial.
L-se no Pedro II:
O reverendo vigario desta freguezii Carlos
Augusto Peixolo de Alencar foi suspenso de offl-
cio e beneficio e mandado reapoosabilisar por
portara do senhor governador do bispado cooego
Pinto de Mondonga.
c O motivo allegado na portarla para a pena de
luspensfto consiste em suppQr-se o senbor gover-
nador do bispado desobedecido e injuriado pelo
reverendo vigario em um offlcio que lhe dirigi,
# em que con) dignidade repellio urna repreher,.
lo ajusta. 4o tOQhor goveroadar,
provocado
o que respoodem os outros na mesma lin-
guagem ; poiem eu digo a provocago pertence
a todos os que se tem estragado em luta to in-
conveniente.
o A imprensa tem discutido o modo como vo
os negocios na alfaodega o'aqui.e aecusaces gra-
ves appareceram no Diario da Parahyba contra
o respectivo inspector, que appareceu de langa
em risie, e no meu ver deixou os fados que lhe
sao aiinbuidoa aem conteatago, envolvendo
1 outros ora um sarcat de indirectas ferinas
justas.
Consta que S. Exm. Rvm o Sr. bispo, demit-
ra ao vigario encommendado da freguezia de
aquara, em vista de urna juslificago dada por
nimigoa pessoaes perante o subdelegado sup-
a freguezia e oomcara a um outro pa-
uer acceitar a en-
puitaoto oquolta (retrucla
^Um00.?.0' x qUe m*m a8sini Tist0 como
rtfrfif a !?un" homen que entendem deve
dirigir ludo at os vigarios I
-* A *Men,B,a Provincial j votou'a leda fixa-
gao de torga que fica reduzida ao n. de 120 pre-
gas ao mando de um capillo e com mais um l-
ente e tres alferes.
* O imposto aobre o assucar e o algodlo fo-
rera elevados a 5 % era segunda discusso ; o que
me perece em desvaotagem desta provincia,
sendo que conviria antes igualar o imposto do as-
sucar ao que ahi se cobra.
A imprensa ainda respeila ao Sr.AraujoLima
cuja administracgo se tem destinguido principal-
mente pela economa nos dinheiros pblicos,
urna das mais importantes e quic a primeira ne-
cessidade da provincia.
t A asssembla proviocial esl prestes a fei-
cnar-se, tendo j votado o orgamento provincial.
Realisou-se o que ha muito esperavamos. a
ida do muito distincto magistrado, o Sr.
J. da Silva Neivi, par urna das varas
dessa capital.
Damos a S. S. os dividos pa rabeos, sentindo
que noe tenha de deixar
c O substituto bem digno do lugar psra que
foi nomeado.
O Sr. Dr. Neiva retira-se da provincia sem
haver sofirido da imprensa a mais leve censura
E bem admiravel I
Dr. M
crimes
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Tendo a junta dos professores do Curio
Commercial Pernambucano deliberado a conve-
niencia de ser prorogado o prazo, de que trali o
art. 36 do regulamento de 14 de dezembro do
anno Qndo e esaa deliberagao sendo levada ao
coobecimento do Exm. Sr. presideote da pro-
vincia, houve o meamo Sr. por bem approvi-li,
dando faculdide aos alumnos do referido Curs
de fazerera os preparatorios, a que eatavam obri-
gados, at o ultimo de Janeiro do anno vindouro.
A medida e a aua conseqoente approvaco slo
dignas de elogio pelo cunho que tsm de justiga
e atleocio quasi impossibilidade natural do
estudante satisfaser neste nno lectivo aa materias
i elle relativas com a sddigao dos preparatorios;
ao passo que sgora sobrando-lhe o tempo das
ferias, e ji examinado as materias do Curso,
fica lhe espago para completar o estudo dequellas
exigidas para a matrcula sem esforgo extraor-
dinario.
No dia 1 do fulero mes de outubro devem
er consumidas as cartas existentes no crrelo,
relstivas, ao mez de setembro do anno. prximo
paudo, conforme o regulamento respectivo o
estatu.
A lula desiai aru echa-te, ifflxada pr eo*
nhecimeolo dos interessados naquella reparticlo.
itealisa-se pela secretaria do Gymnasio Pro-
vincial orecebimentodasmensalidadesdos alum-
nos desse intrnalo, e que sao relativas ao tri-
mestre futuro tie outubro a dezembro.
O laboratorio de lavagem vapor dos Srs.
Aguiar Ramos & C. contina a prestar-se ss-
usracao de urna necessidade, de que ba multo
nos resentamos, primando em presteza e com-
modidade para aquelles que esse estaoeleci-
mento tem wicumbido a lavagem e o engomma-
do de suas reupas.
Nao tendo esse laboratorio na pralica dado urna
copia contraria ao que fora por seus proprietarios
asseverando, e alias haveode- correspondido
expectativa publica, importa que a preferencia
a elle justamente dada nao soffra intermisso al-
guma, para que os capitaes empregados e os es-
torcos desenvolvidos sejam devidamenle retri-
buidos, e tenham urna compensado cabal.
Cam effeilo, os fruclos que elle vai presen-
tando, tem feito cessar a posigo expectante em
que reservadamente muitos se haviam collocado
Ja para elle concorrem aquelles mesmos que mal
agouravam do seu xito, dando assim urna prova.
da superioridade absoluta, quer pelo lado di
perfeigao do servigo, quer por aquelle da prorapti-
dao da entrega, conligdes (certameote com qua
nem sempre se contara da parle das lavadeiras.
E urna eropreza esta, pois, que faz-se recom-
mendavel por si mesma tanto mais quanto nin-
guem deixar o certo pelo duvidoso; e por isso
tambem nlo haver quem apreciando o resulta-
do do seu servigo por propria experieocia, deixa
de anima-la como convm, e importa que o seja
para radicacao do espirito de empreza entre nos*
espirito fecundo de que exclusivamente emana o
desenvolvimento dos paizes nascentes.
Com a recita de amanhla, ultima se a em-
preza dramtica do nosso Santa Izabel, sob a di-
recgo do Sr. Germano Francisco de Oliveira.
No processo que orre pela subdelegacialde
Santo Antonio contra Joaquim Gomes Coelho
opinou o ministerio publico que, sendo o district
dos Afogados o foro do delicio, nlo caba mes-
ma subdelegara proceder contra o delioquente.
convindo julgar nullo o processado e remoller
os autos um dos juizes municipaes para proce-
der oos termos da le.
Nos autos de fallenca de Jos Antonio da
Silva Araujo. requereu o mioisterio publico ao
juiz interino do commercio que fizesse interrogar
Thomaz Koop. Severiano B. de Mello, Caetano
Jos Mendos, Manoel Ignacio de Oliveira Lobo a
outros, que se diz figuraren) no balaogo com d-
bitos ficticios e simulados. Harendo o advogado
dos credores sollicitado o mesmo inquerito, qua
nao teve lugar pelo nao comparecimeoto dos no-
tificados, o Dr. promotor pub'.ico assumio s res-
ponsabilidade de promover essa importante dili-
gencia, que interessa particularmente instrue-
gao do processo.
Falteceu da molestia pela qual foi recolhido
ao hospital dos lazaros o enfermo Paulo Emilio
da Conceigao, pardo, de idade 29 annos, quan-
do eolrou no hospital, casado, natural do Recfe.
O Sr. Benedicto Horlencio de Siqueira Cam-
pos, subdelegado de policia do Io district da
termo de Flores prestou um grande servigo &
causa publica, capturando, como caplurou, o fa-
moso salteador Lino Jos de Moura.
Ha doze annos que a policia eraprega esforgos
para a priso desse scelerato ; mas elle zombava
da aegao da auioridade : foi mister que o Sr.
campos tomasse a peito a sua captura ; e desen-
volveodo toda a sua actividade mostrasse ainda
urna vez que o querer poder.
_ Foram recolbidos casa de detenco no dia
25 do corrente 2 homens, ambos escraios, sendo
1 a ordem do Dr. chefe de policia, que o cri-
oulo Aotonio, pertencente Bernardino Maia da
Silva, e Raymundo pertencente Lniz Antonio
Vieira & C
Passageiros do vapor nacional Jaguafibe.
vindo de Granja e'portos intermedios :Com-
mendador Joao Baptista de Castro e Silva o 2 fi-
Ih*, bacharel Benjamim Pinto Nogueira e 1 cria-
da, Luiz Ricardo ida Cuuhi, capillo Mauricio
Machado Freir, Jos Barroso*Jos Francisco da
Silva Albaoo, Jos Joaquim Leite, Virgilio da
Cunha Oliveira, Jos Francisco Ribeiro Bertrand,
Antonio Zenebio Rodrigues, Carlos Ernesto de
Me8quita Fslco, Pedro Borges, Pedro Augusto
Borges, Francisco de Paula Gomes, Antonio
Francisco da Silva, sua senhora e 1 filho, Jos
Pedro Caroeiro da Cunha, lente Luiz Francisco
d Caaha. tenante Lua Franja de Carvalho.
Joanoa Maria de Jess, Regina Francisca do
Nascimento e 1 filha, Vicente Francisco da Fran-
ca Carvalho, Josona Mara de Jess, Gustavo
Olimpio Alvares, Joo Nepomuceno Fabricio
Costa, Manoel Pinto de Carvalho, Aotonio da
Silva Pontes, Angelo Manoel Pereira Barros.
Augusto Cardozo de Mondonga, Francisco Ilde-
fonso E. Chayss, F. Jos da Cunha Sampaio,
Francisco Jos Gomes, tenente-coronel Jos da
Cosa Villar, Dr. Flix Moreno Braodio, Joaquim
Francisco de Vaseoocellos e 1 criado, Antonio
Jos Lisboa Oliveira, Jlo Vaz da Suva, Dome-
ciano Nunes Soares, Antonio Ramos Philadelpho,
2 filhas do capillo Avilla, Joaquim Simes Ro-
drigues de Mello. Maooel Gomes Moreira, Jos
Mara da Costa Pinto, Candido Jos Antonio,
Jola Chrysostomo Pires, Justino Jos de Souza
Campos, Manoel Anlonio Pires. Manoel Bernar-
dino de Almeida Paru', Anlonio D. Corroa Me-
deiros, Maooel Marques Camacho, Jos Artbur
Pinto, Jos de Azevedo Maia, Francisco Delphi
no da Silva, 1 escrava do Dr, Antonio D. di Sil-
vi, 16 presos de justiga e 10pregas.
Matadouho publico.
No dia 24 do correte matarsm-se para o con-
sumo desta cidad6 91 rezes.
No dia 2598 ditas.
No dia SS60 ditas.
M0RTALIDA.DE DO DIA 26.
Candida Rosa de S. Jos, Pernambuco, 27 annos.
caaada, S. Jos ; phtbisica.
Miguel doa Aojos Ferreira, Rio Grande do Norte
29 annos, solteiro, Boa-Vista, eolito ebrooica.
Barbara Mara da Conccigo, Pernambuco, 23
"nnp- '"". s. !* diasrha.
Antonio, Pernambuco, 3 annos, Boa-Vista, qust
msdurs.
CHRONICA JUDICIARIA.
TRIBUNAL DO COIIERCIO.
SESSO ADMINISTRATIVA EM 26 DE SETEM-
DE1861.
NtKSIDBNCIA DO EXM. SR. DKSIIIAIGADOI
P. A. DE SOUZA.
s 10 horas da manhia, reunidos os Srs. depu-
lados Reg, Basto, Lemos e Silveira, o Sr. presi-
dente declarou aborta a sessao.
Foi lida e approvada a acta da antecedente.
EXr-EDlEltTt.
Foi presente as enlacio official dos preces cr-
ranles da prega, das ultimas semanas___Arthi-
?e-se.
DESPACHOS.
Um requerimento de Domingos Alves Milnssw.
pedindo o registro de seo contrato de tsrisdssaa
com Antonio Lopes Rodrigues, visto pete Sr.
desembargador fiscal.Rogistre-se.
Outro de Manoel Joaquim Duarte Goimiriee,
tamben rieto, pedindo matculir-se.-^attfa^i


40
DIARIO DI ffULlUMBCCO; SEXTA iEIRA 27 DI SETEMBRO IE 1861.
W% % H
o art. 15 do decreto o.
tle!850.
738 del> de novembro I directa : todos os cidados activos, que, de pre-
sante exercein direitoa polticos, bao de exercer
Outro de Frencieeo Joi dea Pisos Guimartes,
pediodo por cerlido a prwuraeio j registrada
oeste tribuuaf, de Diogo Jote Leite Guimaraes.
Como requer.
Nada maia boure.
SESSAO JUDICIARIA. EM 26 DC SETEMBRO.
#S1BIC1 A Ul. SR. BESCHARCADO
80DIA.
Secretario, Julio GmimOrrm.
Ao meio ia, o Esa. Sr. preaidente abri a
aeseio, acbando-se presentes os Sra desembar-
gador Villares e 9ila Guimaraes, oa Srt. dipu-
tados Reg, Lemas, Bastos e Silveira.
Lida, foi approvada a acta da seaso antece -
dente.
JURAMENTOS.
Embargante, Autonio da Silva Rocha ; embar-
cado. Antelo Gongalvea de Azetedo.
Relator o Sr. desembargador Villares.
Despreiaram-se os embargos.
Appellaute, Joio Hanoel Rodrigue* ; appella-
Designado o da de hoje.
Sorteados os Srs deputados Reg e Bastos, e
relatado o (eilo pelo Sr. desembargador Villa-
res, foi confirmada a sentencia appellada.
PASSAGENS.
Appellaolea, os herdeiros de Jos Mara da
Costa Carvaiho e o Dr. curador geral; appellado,
Jos Nur.es de Oliveira.
Do Sr. desembargador Silva Guimarea ao Sr.
desembargador Villares.
Nada haveodo a tratar, o Sr. presidente encer-
r a sesso.
Que esplritualismo, depols de quareota annoa paiz sem ulilitode algums, e qoe faz que as elei-
de rgimen representativo I Atsira, pora, aie cflee nao igoifiqaem o pensamento nacional? >
soeames direitoa, quaodo o modo de eleig pensava o doulo padre Veotura de Rulica, qae, E a eleicao directa nao ser tambera nm
fot alterado. j ao podia comprehender, como duieetoa fie**** e*apleaeeio i*dtopensavel para as eleicoes por
Segando a Conslituigio, s tem parle na esco-1 de conlribuigio tornava um cidado mjm O, *i*i*a.at*ajrera os malea, que algunas pes
Iba dos representantes da nacao e provincia os. eleitorado, e cenlo noventa e nove olnhalfifi- WWaup5emTjue ellas causarn, te forera adop-
cidados activos : maa a massa dos cidados ac- tava. Eis como descorra o celebre, e eapieo- tadas? aaaaaaM.-
tivas composta de eleitores do primeiro e do tisaioM escriptor, que s via na patermim* o a Taa> daaoostrado sosaMatH india
segundo trio, cujas condigoea de habilitacio, verdadeiro titulo para na diploma eleiteral. pensare caar com a elei6a apto ou iadirec-
de excluaio, sao coanrans. eoaso se evidencia Caja tffeite, teda a Mi leitaaal, fundad* la, a decretar as eleiges direclsa.*/lntad ou
pelos arO. 91, 02. 93 e 91, dando-se apenas, censo, trax logo em si aaeaa o avaho do al* si ajanado fax renda liquida, para toare
eoato distinccao saliente, entre os eleitores do trio. Na verdade, porque, por exemplo, aaaerto f>* 4efi*%s m fundar a jiiartflraain rfst sfii
que paga 900 fr. de impostes airelos loria o pri- *
vilegio de ser etoitor, ao paseo que, o
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
SESSAO ORDINARIA AOS 13 DE SETEMBRO
DE 1881 .
Presidencia do Sr. Barro Reg.
Presentes os Srs. Reg e Albuquerque, Heor-
ques da Silva, Barata, Reg e Mello, faltando com
causa o Sr. Maia, abrio-se a sessl, e lida e
approvada a acta da antecedente.
L-se O seguinte
EXPEDIENTE.
Um officio do Exm. presidente da provincia,
remetiendo por copia o do eogeuheiro fiscal da
estrada de ferco, relativamente ao local eacolhido
a freguezia dos Afogados, pira nelle ser cons-
truida a nova eslaclo da meama tregaexla, re-
commeoda S. Exc. que lomando a cmara em
consideragao as ponderarles feitas pelo dito en-
genheiro do indicado officio, ministre com urgen-
cia a informado exigida pela presidencia em of-
ficio de 22 de agoalo ultimo.Posto em discus-
aao, se deliberou que fosse o terreno cedido i
companhia mediante urna iudemnisagio razosvel
e que se obrigasse a dar um outio transito ao pu-
blico, officiando-se ueste sentido ao Exm. presi-
dente da provincia.
Outro do Dr. Jos Bernardo Galvo Alcoforado,
advogado da cmara, commuoicando achar-ae
prompto a entrar no exercicio de suas funccoes.
lnteirada ; mandou-se scienliQcar ao Dr. Cypria-
oo Feoelon Guedes Alcoforado, que exercia inte-
rinamente o dito cargo, e ao procarador.
Outro do juiz municipal da segunda vara Dr.
Francisco de Araujo Barros, commuoicando ler
reassuotido no dia 12 do correte o exercicio de
seu cargo.lnteirada.
Outro do Dr. Hermogenes Scrates Tavarca de
Vascoocellos, juiz municipal da primeira vara,
participando ter reassumido hoje (13) o exercicio
da mesma vara.lnteirada.
Outro do procurador, informando a peligio de
Antonio Domiogues Pinto, que pede o pagamen-
to da quanlia de 3:2255580 ris, importancia de
movis foraecidos para a secretaria da cmara e
para u cemilerio publico, e do aluguel de cadei-
ras para o processo eleitoral nos annos de 1859,
1860 1861, dizendo o procurador que a mencio-
nada coola estiva conforme Mandou-se pagar.
Outro do mesmo. apreseotando o balance le da
receita e despeza municipal no mezde agosto ul-
timo.A' commisso de polica (Reg e Albu-
querque e Uenriques da Silva).
Ouiro do engeaheiro cordeador, informando
obre a p re ten gao do eogenheiro fiscal da estra-
da de ferro, relativamente a estaco a fazer ni
povoaco dos A Togados, travesea do a^ougue, de-
clara nao Ihe parecer conveniente inutilisar-se
essa travessa, tornando-a de uso exclusivo da
estrada de ferro, conclue tazendo diversas obser-
vares em favor de sua opiniao.lnteirada, por
jaae haver resolvido ceder o terreno para a nova
estaco.
Outro do fiscal de Santo Antonio, informando
peligio de Jos Uygtno de Miranda, que requer
para fazer diversos concertos em seu sobrado n.
40 do caes do Ramos, bem como reconstruir em
toda a largura da caa a pequea trapeira nella
existente, nao se oppe ao fazimento dos concer-
tos, e quanlo a trapeira, declara que nao tem lu-
gar em vista do art. 1 das posturas addcionaoa
le 18 de fevereiro do correte aooo Deferio-se
no sentido da informado.
Entrou em discussao o officio do subdelegado
da freguezia dos Afogados, adiado na sesso de
2 do correte, e a cmara resolveu o seguinte :
Que sa remeltesse ao inspector da ssude os me-
dicamentos mandados pelo subdelegado, que fo-
rara apprehendldos a Joaquim de Almeida Quei-
roz, visto julgar-se a mesma cmara incompeten-
te para lomar delles conhecimeotos ;
Que se entregarse os livros ao referido Queiroz ;
Que se remeltesse o termo de infracgo-ao
procurador para promover a cobraoca, e que-
nalmente ae ordeaasse ao dito procurador que
tnandasse satislazer ao subdelegado aquautia de
5&000 que dispendera com a cooducgo dos me-
dicamentos.
A requerimento do Sr. Barata, deliberou-se of-
iiciar ao Exm. presidente da provincia, pedindo
se dignasse S. Exc. de providenciar que pela
repartigo competente, se fizesse o passeio em
Ireote do edificio que actualmente serve de casa
para as audiencias do tribunal do jury e da re-
t cao:
O Sr. Uenriques da Silva tambem requereu, e
loi approvado, que se ordeoasse ao procurador
tnandasse fazer os concerlos de que precisara os
passeios de algumas casas da praca da Indepen-
dencia, pertencente ao patrimonio da cmara.
Despacharan!-se as petigoes de Antonio Do-
mingues Pinto, David Wilham Bowman, Custodio
Alves Rodrigues da Costa, Jos Thom de Jess,
Jos Raimundo da Nactividade Saldanha, Joo
de Brito Gorreia, Joaquim Dias Peroandes, Joa-
quim de Almeida Queiroz, Jos Lucio Lina, Ma-
oeel Figueiroa de Faria, e levantou-se a sesso.
Barros Reg, presidente, Uenriques da Silva,
Barata de Almeida, Reg, Reg Maia, Mello,
Leal Seve.
Io grao e es eleiteree do 2* grao a circunstancia
de exigir-se para aqueUee cem mil reis de renda
liquida anual, e para estes duzeates mil reto :
Art. 92 g 5o. Sao excluido de volar na ai-
lemblas parochiatt: ot que nao tivertm de
renda liquida annual cem mil rtii por btns da
raiz, indutlria, comtnercio ou emprego.
Art. 91 P. I'odem ur Uilotu e volar na
eleicSo dos deputados, leadores s membrot do
constlhos de provincia, todo o que podem vo-
tar na asstmbla parochial: exceptuam-se:
Os que nao tiverem de renda liquida annual
duxenlot mil reis por bent de raix, induttria,
comtnercio ou emprego.
V-se, pois, que Unto oa cidados activos de
cem mil reis de renda, como os de duzentos mil
reis, tem o direito de voto oa eleicao dos seus
representantes geraes e provinciaes. A differen-
ca entre ellea consiste no modo indirecto do voto,
concedido aos primeiros, e no voto directo con-
cedido aos segundos.
Mas quem nao v que, em essencia, o direito
poltico, concedido ambos o mesmo? Quem
nao v que taoto os eleiloret de cem mil reis,
como os eieilore Je duzentos mil reis se dirigem
ao mesmo alvo escolba dos eos represen-
tantes ? O voto, eis o direio, que nao pode ser
arrancado nenhum dos cidados activos; o
nodo indirecto, eis a forma, o accidente, que
p le ser substituido pelo modo directo, sem pre-
juizo do direito poltico, quer dos eleitorea do 1*
grao, quer dos eleitores do 1 grao.
A eleicao directa, chamando tolos os cidados
activos, i esculla immediata dos seus represen-
tantes ; apagando a dialincco de eleitorea do 1
e do 2* grao, ou eleitores de cem e de duxentos
mil reis ; collocando todos elles no mesmo pla-
no, quem offenderia ? i nenhum ; porque o
direito poltico seria respeilado em lodos os ci-
dados activos.
Alias, se a reforma da eleicao indirecta nao
fere os direitoa politieoe do cidado brasileiro, o
que vem a ser ella 1 Nada mais e uada menos do
que a substituido do modo do exercicio do di-
reito poltico ; nada mais do qoe urna destas pro-
videncias, que a legislatura ordinaria, pode to-
mar para garantir melhor o exercicio dos direi-
tos polticos, e assegurar urna representarlo ge-
nuina.e mais nacional.
E' verdade que se oos poder dizer que para
nivelar os dous graos de eleitores, e redezi-los
um s corpo eleitoral, preciso que se tome,
como condiclo do eleitorado, a renda de cem
mil reis, com o que se offeodera a Cooatituicao,
a qual exige duzentos mil reis para o eleitorado.
Certamente a extinecao dos dous graos de elei-
tores, trar, como consequencia, a existencia de
ama renda, como coudicao do exercicio do di-
reito poltico, e nao podendo ser no caso da elei-
cao directa, tomada como base a renda liquida
de duzentos mil reis, proscripta pelo art. 91 1\
porque ento seriam excluidos os cidados acti-
vos do art. 92 $ 5" ; forcoso ser tomar a reuda
de cem mil reis, determinada oeste artigo, por
ser a menor, e, como tal, accessivel todos os
cidados activos.
Mas ser esse arbitrio inconstitucional, urna
vez que elle nao tira e nem da direilos polticos
aos cidados activos?
A renda de cera mil reis foi estabelecida pelo
legislador coostituinte para impedir o uso do di-
reito poltico quem a nao livesse, e a de du-
zentos mil reis, como um termo, para cooter o
arbitrio em um seotido contrario.
Fixando a renda de cem mil reis, a Constitui-
do como que marcou o mnimo, abaixo do qual
se nao poderia descer sem cahir o tufragio uni-
versal ; fixando a quaotia de duzentos mil res,
a Conslituico como que marcou o mximo, alera
do qual se nao poderia subir sem cahir em um
vicio opposto, e recusar o 'direito poltico do voto
i maioria das capacidades eleiloraes.
Porm, de nenhum modo quiz, e nem poderia
querer que o voto directo estivesse eternamente
enfeudado nos cidados activos de duzentos mil
ris de renda : o voto directo concedido aos ci-
dados activos de duzentos mil ris, fundado oa
presumpcio de que s elles sao capazos de urna
boa escolba d js representantes, com oxeluso dos
cidados activos de cem mil ris, um despro-
posito insustent'avel ; porquanto fra msler pri-
meramente provar que cem mil rea de menos
inhabilita o cidado activo deconhecer e querer,
com a meama perfeico.e independencia, com
que conhece e quer o cidado activo de duzentos
mil ris. Em seanndn i..0" ~ok. piuvar
que essa presumpeo de maior' capacidade nos
eleitorea do 2o grao, anda quando fosse admissi-
vel ao lempo da nossa independencia, deveria
continuar, sem allerago, fossem quaes foasem o
progreaao do paiz, e o estado de maior civilisa;o
que livesse elle atliogido.
que papa
se 199 fr. e 95 c. nao o teria ? Bar ventura *a>
saldo de mais ou de menos, oo pagamente dos
imposto*, pode tornar um cidado capaz en inca-
paz desalas funccoes eleiloraes r Com qae ra-
zos o autor de urna tal lei poderia justifics-la?
Ser-lbe-hia bem dtffldl descohrir urna sol
Nao somos absolutamente inimigos do censo
oa da renda, coma ceodico da capacidade elei-
toral, porm, admittida urna renda justa ; admit-
Uda, v. g.. base de cem mil reta de renda li-
quida, porque nao faze-la extensiva 4 todos o
cidados activos ? Para que essa difierenc.a ab-
surda e irracional entre eleitores de duzentos e
de cem mil ris ?
Nao somos migos do suffragio universal; de-
testamos mesmo todos aquelles que, por sen-
t mentos demaggicos, prtlendem que os di-
reilos polticos sejam concedidos 4 todos os
cidados, sem alinese s ceodicoee da inteli-
gencia, e da propriedade, as quaea s poderlo
dar valor ao voto ; mas tambem nao descono-
cemos que o rigor as coodicoes do eleitorado
pode tornar em urna perfeita burla o systema
representativo, esbulhando a parte pensadora da
nacao da justa iotervenco na escolha dos seus
representantes. Eporieso nao comprehendenos
como s possam eleger inmediatamente es seus
representantes os cidados activos, que tem du-
zentos mil ris de renda liquida annual, com ex-
clusao des cidados activo* de cem mil ris da-
renda liquida ; e muito menos podemos compre-
hender que essa differenga, meramente material,
s possa ser apagada por ama coostituinte, que
nos saieacarli de orna revoluco I
Mas, se a eleicao direela, respeita os direilos
polticos, concedidos pela Constituico lodos os
cidados activos, qur os do 5." do art. 92,
qur oa do 1.* do art. 94, se a eleicao directa
apenas acaba com os dous graos de eleitorea
collocando 4 todos ellea no mesmo plano : se
ella apenas tende 4 fazer com que os eleitores
do primeiro gr4o, s por terem cem mil ris de
menos, nao sejam perpetuamente condemnados
verem as cousas smente pelos olhos do gru-
pinho de eleitores de duzentos mil ris, e
quererem smente pela vontade desses poucos
eleilores de jerarchia superior ; se ella emfira,
definindoo que seja a renda liquida annual de
cem mil ris, como base do direito poltico, as-
segura a sorle de todos os cidados activos, como
poder provocar urna revoluco no paiz 1? |
V-se,'pois, quanlo se injustos os adversarios
daeleigo directa, quando a combalem por argu-
mentos ou declama^es, concebidas nos segua-
les termos :
Nao basta qoe os advogados da eleicao di-
recta se esforcem por mostrar s vantagens que
ella possa ter sobre a indirecta ; importa sobre
tudo mostrar, como pacificamente se pode-
r privar a maioria da populaco de um direito
de que halO annos goza, em virludeda Constitui-
co do imperio, e 4 cujo exercicio liga tanta
importancia, com razo ou tem ella, que para
sustenta-lo nao duvida expor-se ao perigo de
matar ou morrer.
Sem urna reforma na constituico nao i
possivel mudar se a forma da eleicao indirecta,
e esta reforma ha de ser feila por urna cmara,
segundo o systema actual com poderes es-
peciaes.
< Ora ser de esperar 'que a maioria da nicao
coacorra de bom grado por si mesma para que
seja privada do direito de tomar parte nos ne-
gocios pblicos, por meio da eleicao dos seas re-
presentantes ?1
Urna tal tentativa nao expor mesmo o paiz
ae perigo de urna revoluco, que pode ter conte-
quenciat terrivei, como a destruicao da notsa
forma de governo.
Se os advogados da eleicao directa se limi-
tan: lheoria, ento deixem de tratar etta ques-
illo pela imprenta ; se, porm, v-isam pd-la em
pralica, primeiramenle procurtm tranqulisar os
cidadospacificot, fazeodo-lhes ver que poasuem
os meios de operaren! esta.mudenca sem nenhum
risco para o paiz.
Se, pela constituico i a maioria do paiz cha-
mada a iolervir na escolba dos representantes,
traoquilisem-se oa adversarios da eleicto direc-
ta, que a maioria nao aera 'erida em seus di-
reilos.
O que quer a Constituico ? quer que lo<**
cidjg activos concorram para a >wt*iha dos
seus represenlantes. E' justa rucle isso que de-
sdamos.
Quer que os cidados, que nao tiverem a ren-
da liquida de cem mil ris annuaes, nao teobam
voto ? E' justameate uto o que queremos.
Portento oade a divergencia? onde a orle na
dos direilos polticos, que a maioria da oaco
ill
torea.
Ora para a iadalligencia robusta
senador a eleicao directa apenas
decreto que defina a renda Uqaida ; por_
os amigos do actual systema litorl p
urna conslituiote; mas como alto tem de ferir di-
reilos polticos, o resultado ser a revolujo. e
cTahi o perigo da aoaaa forma de governo i
Quantas coosequenciaa e difficuldades, esca-
para m aosprespicazes oRios do Ilustrado sena-
dor, que daveria entender alguma cousa do rtt-
cado I
Mas nao ; o que ha de verdadeiro qae a
eleco directa nao precisa de mandato especial ;
porm como ella lena de acabar com eleigo
indirecta, que o patrimonio de alguna, embora
seja um cocro social, d'ahi ssaa funestas con-
secuencias, essas incoustitucionalidades, esses
perigos dos direitos polticos, que lhe desco-
bram os amigos do aclual systema eleitoral.
Elle*i tem razo ; porque para multo! as de-
putages sao favas contada; porm modada a
forma eleitoral j oo succeder assim ; e por
isso defeolera o actual systema, como o men-
digo defende, e conserva a chaga que consti-
tue o seo patrimonio, e sea anico titulo 4 com-
miserac.o das almas caridoaaj.
Comprovado como se cha peto experiencia,
qae as companhias para empresas de carreiras de
navios a vapor, nao podem subsistir sem o auti-
llo dos gotrrno, e que este auxilie alm de ne-
ceasario para o seu regular odament, mister
que seja fornecido tempo proprio 'para acvdir
s necessidades de momento, que qoasi serapre
quaodo esparado esse auxrHo, quando elle se
effectua meaos proveito aufere, porque os estra-
gos se tem augmentado, de forma qae oque te
poderia remediar com 10. Mito tarde ser pre-
ciso 20; loramos a presteza e promptido com
qae na cmara dos Srs. deputados se votou a
medida do auxilio pedido pela companhia dos va-
pores do adiantamento de seis mezes da subven-
co estipulada.
Esta medida, porm, nao teve o tempo preciso
para passar na cmara vitalicia, e desta forma
espagado esse adiantamento pecuniario que a
companhia necessita, para bem desempernar o
seu encargo. E' de esperar, porm, que o go-
verno atiento sempre aos interesaos pblicos,
concorra quanlo possa em sua legal attribuico,
ceoscio de que retardado o auxilio pedido, com
o qual conla a companhia poder actualmente le-
var a effeito a exeouco de suas obrigaedes ; mais
adianto decorrido um anno, as necessidades se-
r o de muito maior monta, e de pouco proveito
vira a ser esse mesmo auxilio, que na occaaio
muito aproveitar.
Reconhecido como -est, que a rapidez das
communicacea um beneficio em geral, todos
os governos tem tratado de promover companhias
para esse lira, auxiliando-as proficuamente para
habilita-las a execuco regalar de soas obrga-
(es. O nosso governo nao tem fleado a quem
desse progresso, e a companhia nao tem desme-
recido do cooceito publico ; por isso fazemos
votos para que o governo atienda a esta necessi-
dade.
As rotims nao slo boas em quanto cousa me-
lhor se nao encontra, e o progresso hoje o alvo
a que se attioge, como o desidertum do bem-
estar dos povos.
A renda, o censo, como lodos e quaeaquer sig- aprecia lanto, com razo outem ella ?
Communicados.
Be forma eleitoral Eleicao
directa.
a XVI
Coninuofoo do artigo anterior.A eleigo di-
recta dispensa o mandato especial.Eleitores
de cem e duzentot mil reis; ot primeiros tem
um f olho, e os tegundo dous.Natural fle-
xibilidade do cerno e da renda.Opiniao de
Guizot e do padre Ventura Discurso do tina-
dor Uonteiuma.A eleicao directa depende
apena da definico da renda liquida.
Dissemos no artigo precedente qoe as palavras
do art. 90 da constituico sero feitas (aa no-
maafos doi rg,,lao.wiiir,-) yur eelje mairec-
las, elegendo a massa dos cidados activos em
assembtat parochiaet ot eleitores de provincias,
estes os representantes da .vocoo, e provincia
indicavam o modo pratico das noaeas eleicoes, e,
como tal, susceplivel de ser alterado pela legis-
latura ordinaria, independenlemente de mandato
especial.
Na'verdade, segundo o srt. 178 da Constitu-
<*o. podando ser ahondo pela legislatura ordi-
naria tndo o que nao i conttitucional, nenhuma
razo ha para que nao possa ser alterado o nodo
pratico das nossas eleicoes, urna vez que, da el-
teraco neonatas oflensa resulte aoa direitos po-
lticos dos cidados activos.
Ora, peln decurso deste ailigo mostraremos
que, com a transicao da eleijo indirecta para a
directa, oo desqualioced cidado algum,
quem caiba o exercicio do direito poltico. Suc-
ceder com esta mudenca o mesmo. que ae dea,
quando a clausula do referido art. 90 efet'torai
de provinciafoi convertida pela lei de 19 de
etembro do 1856 em eUitortt da circulo*.
Com esta tranaicio oa direitos polticos do elei-
tores de circulo, cootinuaram a ser os meamos
que ifoham os eleitores de provnola e por
sao nao houve uecesaidade de mandato especial
t os uta, o mesmo ter lugar coa eleicio
oaes materiaes, e proprios para maoifestarem a
existencia da capacidade eleitoral, sao vattoveis
pela oatureza das cousas, segundo as difiereates
circumstaocias de lempo, lugar, estado dasocie-
dade, etc. ; e por isso sao, e devem ser altera-
veis, urna vez que dessa alteraco oo provenha
a admisso de incapacidades, ou a excluso de
capacidades eleitoraes.
Na determinago do censo, da renda, o legisla-
dor guia-se por presumpees ; porm, logo que
tal renda j oo urna presumpQo, e sim urna
ion te de erros e de exclusoes, como conserva-la
sem prejuizo do direito, que seria sacrificado
permanencia do sigoal material, incapaz de ma-
nifestar o direito onde elle realmente existe ?
Para quo o podoaaotu ni cloiiuies OS CldadOS
que tivessem duzentos mil ris de renda, oa for-
ma do art. 94 1", era misler provar que a capa-
cidade de obrar livre e racionalmente no nteres-
se do paiz, e* no de urna boa escolha, era um
privilegio ou dom dos cidados activos, que ti-
vessem essa renda ; poim, se a razo e a expe-
riencia mostrareis que esse dom coramun aos
cidados activos de cem mil ris de renda, porque
sacrificar o direilo de Isatis capacidades elei-
toraes materialidade de urna cifra to insigoi-
canle ?
Guizot, esse grande publicista, tratando da le-
xibilidade, que devem ter aa coodieces, e os
signaos materiaes, que servem para a preaump-
Co da capacidade eleitoral, e mostrando que os
direitos polticos nao podem aer vinculados per-
manentemente aos mesmos signaos, cujas mu-
danzas sao necessarias para salvar o principio
de capacidade, base dos mesmos direilos, diz o
seguinte :
Sobre ter vaidade, haveria perigo em querer
regular d'antemo e para sempre etta parle do
rgimen eleitoral de um povo livre. >
a Na designaco das coodicoes de capacidade
e dos caracteres exteriores, que a manifestara,
nada ba, que, pela forca meama das cousas, seja
universal e permanente. E oo s coovm que fi-
que por tentar a aua fixaco, maa inda neces-
aario qoe aa leis se opponbem essa fixac.o im-
mutavel.D
Quanto o pensar do grande publicista se aparta
da opiniao daquelles que, como es amigos da
eleigo indirecta, querem e deaejam-ver, eterna-
mente amarrados ao seu .poste de cem mil ris,
n* aloitoroa do ptituelro gidir, e UO ae duzentot
mil riit os eleitores do 2o grao I E ludo com o
intuito de perpetuar-se nos primeiros um voto
indirecto, irrisorio, para s concede-lo e directo e definitivo aos poneos, e bem aventura-
dos eleitores de duzentos mil ris 1 E tudo para
excluir do eleitorado as capacidades eleitoraes de
cem mil ris, que eoostiluem a maioria dos ci-
dados activos; para s cooferir-se o privilegio
do eleitorado anta insignificante minora de
cidados, que possuem mais cem mil ris do que
os outros I
E ae ao menos fossem eleitores todos os qoe
tivessem duzentos mil ris de rende I... Porm
oo ; isso o privilegio de um pugillo de ho-
rneas, que natceram fadados pura terem eleitores,
am de escolherem outros qae tambem natceram
fadadot para terem deputados e senadores I
Enada de alterar este estado de coasas I Por-
que a alteraco s se pode fazer por urna consli-
tuiote. a ama coostituinte, para esse nm, importo
em ama revoluco I
Portento, eleitores indirectos e directos, cada
nm perpetuamente preso as seas postes I Qaem
tem cem mil reto eje perpetuamente meio-elei-
tor, qusm ten dtenlos saja eteitor inteiro I cem
mil reto de menos apenasdaixa ver por um olho I
cem mil ris mais d ao cidado activo does baos
olhos I
E se nao ha offeusa de direilos polticos, para
que urna constiluiote com mandato especial ?
Esse zelo ser pelos cidados activos uu pas-
sivos ? Ser pela maioria da nacao ou pela in-
tignificantittima minoria dos eleilores actuaes,
em relaco s capacidades reaes do paiz Y
O receio, pois, de ama revoluco, na supposta
conviego de que a eleicao directa venha ferir
os direitos polticos des cidados activos, p-
nico infunlado.
Traoquilisem-se os adversarios da eleicao di-
recta : ella ebegar mito cedo oa mais tarde,
nao para tirar direitoa polticos, mas para da-los
lodos os cidados activos, cuja maioria tem
sido dejherd cau, que oo quer e uem pode querer que votem
os proletarios, os invislveis e assalariados bel
prazer dos fazedorea de eleigo, com escandalo-
sa excluso dos cidados activos, aos quaes s-
mente coacede a Cooslituico o direito de inter-
virem ni escolha doa representantes. Ella che-
gara sem precisar de urna conatiluinte, e sem
por em risco a nossa forma de governo, como o
phantasiam os amigos do actual systema elei-
toral.
Quaodo se discutio a lei dos circuios, essa
guarda avancada da eleicao directa, o illualrado
e eloquenle senador o Sr. visconde de Jequiti-
nhoaha, depois de ter demonstrado com a lgica
mais vigorosa, a oeceasidade de acabar-a* com a
eleic,so dupla que temos, e que elle appellidou
com toda a razo, de mysteriota, coucluio o aeu
discurso, indicando o modo pratico de se acabar
cora essa eleigo mysterioaa, sem preciso de
mandato especial, e sem offeusa dos direitos po-
lticos do cidado brasileiro pela seguinte ma-
neira :
A Constituico nao quer que seja eleltornas
parochias toda o cidado : a Constituico, clara
e expressamente designa renda liquida, como
a renda, que deve servir de base para se ler o
direito de votar.
Portento, Sr. preaidente, preciso definir
qual a renda liquida. Este trabalho impor-
taniissimo e orgeottosimo. A assembla geral
deve definir, declarar, deve decretar qual a ren-
da liquida, o que qae cooslitue a renda liquida
para sobre ella se fundar a qualificajo dos vo-
tantes.
Se uterinos esse,trabalho consclenciosamen-
te.se essa definico for dade de aocorde coa a
razo, e de ccotdo com quillo que coos-
lituico quer, eslou intimamente convencido,
que todas as difficuldades esapparecero. E en-
to porque motivo te nao ha de adoptar a eleigo
directa, como complemento, se nao como base
do systema eleitoral do Brasil ?
V. Exc. sabe perfeitamente, e o senado ha de
Concordar comigo que nao preciso reforma da
Constituico, para te poder declarar as eleicoes
directas em vez de indirecto, por isso que, a-
quellet aue. na forma da Constituico vao votar
as eleicoes parochiaet, sao os mesmos que
tf votar para representantes, da naco, nao
n lhe tira o voto, nao se desqualiflca ci-
dado algum, e por consequencia nao est
nos termos do artigo 178 da Constituico que
oo quer que se altere, ae nao pelos trami-
tes marcados na mesma Constituico, aquil- <
lo qoe relativo 4os limites dos poderes polticos,
e aos direitoa politieos e individuaes do cidado
brasileiro. Este continua a exercer a mesma
somata de direilos, e por conseguate no ha
razo alguma para qae tai projecto precise pas-
sar pelot tramites marcados no artigo, que aca-
bo de citar.
a B nao seria de grande vantagem para o pais
acabar com esse trabalho de eleitores, qae a
origen) de mil inootrveoientes, que perturban! o
Publica^oes a pedido.
Aos Srs. eleitores do 4o distrelo elei-
toral da provincia de Pernanibuco.
No intuito de conseguir a reeleico de deputa-
do a assembla de minha provincia natal, e na
impossibilidade lalvez de dirigir-me a cada um
dos Srs. eleitores do 4o districto eleitoral, tomo a
liherda/lo Aa rngar a VV. SS. 86 dignem trans-
crever a circular inclusa, que nesta data mando
destribuir por aquelles senhorea, esperando que
faro anda este favor ao
De VV. SS.
Patricio respeitador e amigo muito obrigado,
Luis de Albuquerque Martint Pereira.
Parahiba 20 de setembro de 1801.
liiiu. c Vankn onUoitar a coedjuvsco de
V. S. em prol de minha re eleicao a api dos luga-
res de deputado provincial por esse districto.
Durante os dous blenoios ltimos, live a hon-
ra de me aer confiado o mandato de representan-
te da minha provincia, em cujo carcter pens
que fiz o que pude satisfazer as vistas de meus
constituiotes.
Confiado na valiosa coadjuvacao de V. S. es-
pero triumphar. cabendo-me anda urna vez re-
presentar a mioha provincia.
Os ttulos que aprsenlo sao o meu procedi-
raenlo as quatro sesses dos annos de 1858 a
1861, no correr dos quaes empenhei os meus es-
forcos em prol dos ioteresses da provincia, dos
de meus coostituintes e dos meus amigos. De-
sojo ter occasio de mostrar que sou
De V. S.
Patricio muito respeitador, menor criado e
amigo obrigado,
Luiz de Albuquerque Martins Pereira.
29 ditas e 29 fardos fazendas de algodo ; A-
damsoa Howie & 0.
4 fardos tecidos de alenho : a C 1. Astley
& C.
50 barricas barrllha ; a S. P. Jofensloo & C.
2 caixas tecidos de algodo;
hran
'barricas fariadsa da ttago ; a Milto Latham
ttiardos e 2 sisas tetado* de adi, 1 uta
deso asada. 1 dtta dita* de dMo de
o ; a Da masaje r & Carvaiho.
ixa camisa; a Halliday & Ifagalhes.
tt caixas queijaa; a F. P. de Olivaira.
2 ditas caixinhaa para plalas, 1 dita objectos
de scriptorio; a J. da C. Bravo A <
100 barricas faria* de trigo; H. Fontox
&C
50 harria manuiga, 3 caixaa cha, 23 pegas de
cabos 2 barricascannos de chumbo ; a ordem.
24 fardas tecidos de algodo; Heory Gib-
soo.
121 barras e 20 feixes de ferro, 1 embrulho e-
feitos particulares; a C Starr& C.
20 tooeladaa de ferro bruto, 12 laxas de ferro,
5 barricas pos de carvo ; a D. W. Bowmao.
1 caixa com urna forja porttil, 1 dito com 1
dila para terreiro, 1 safra para dito, 1 metida pa-
ra dito, 1 barrica ferrameota de carpioteiro, 1
feite alaveocas, 1 dito ps de ferro, 8 feixes va-
ros 1 barrica correles de ferro, 20 moilea de
dito, 30 iotrouzas de dito, 1 feixe parafosoa, 1
barrica cravos e pregos de ierre, 6 caixas folhas
de dito, 2 macacos de ferro, 6 grades de pao, 2
guinchos, 12 parea de rodas e eixos. 6 barricas,
3 feixes e I caixa obras de ferro, 23 barras e 6
feixes de ferro; a H. Creen & C.
Vapor nacional Jaguaribe, precedente dos por-
tos do norte, maoifestou o seguinte :
25 saceos farinha de mandioca ; a Silva Bislos
&C.
60 couros salgados, 150 meioa de sola, 80 ma-
cos courinhos de cabra, 1 pacote redes ; a Ma-
rmol r.nnralves da Silva.
5 barricas carne secca ; a Piaucisco Alvs de
Piaho.
100 meios de sola ; a Firmino Claudino da
Slveira Jnior.
16 magos courinhos de cabra, i caixote cera de
carnauba, 2 barricas sebo, 7 saceos gomma de
manduca ; a Vieira & Netto.
3 pacotas carne secca, 3 ditos qaeijos, 2 ditos
gomma, 165 couros salgados ; 4 Vicente Severino
Duarle.
121 coaros salgados, 373 meios de sola, 4
caiies queijos ; a Joo Jos de Carvaiho Mo-
raes.
113 couros salgados ; a Francisco Ferreira Go-
mes de Heoezes, e mais 1 sacco cera de caroan-
ba e 1 barrica sebo.
17 saceos gomma, 118 meios de sola, 10 ma-
cos couros miados ; a Jos Rodrigues Fer-
reira.
31 saceos milho ; a Joo Bousson iC.
34 saceos gomma, 22 ditos milho ; a Joo Si-
mes de Almeida.
6 saceos carnauba, 2 ditos goma, 10 magos cou-
rinhos ; a Palmeira & Beltro.
4 garajos carne secca, 1 dito sebo, 1 caixa
carnauba, 2 saceos feijo ; a Jos Pedro Caroeiro
da Cunha.
1 barrica queijos ; a Beroardioo Jos Mon-
teiro.
3 ditos sebo e 1 sacco cera ; a Luiz Borgea de
Cerqueira.
2 saceos cera de carnauba, 152 molhos couri-
nhos, 15 couros salgados, 10 barricas sebo: a
Luiz Antonio de Siqueira.
1 caixa e 1 caixo chapeos de seda e oulras mer-
caduras estrangeiras, 83 taceos caf, 80 meios
de sola, 20 barricas sebo ; a ordem de di-
versos.
Brigue escuna nacional Graciota, vindo do
Haranho, consignado a Almeida Gomes Alves &
C, mantestou o seguinte :
1 caixa sapatos de tapete e ditos de couro de
lustro ;. a Joo Luiz Viaooa.
1 caixo com urna estante usada, 550 saceos
milho, 325 ditos arroz; a ordem de diversos.
1 barril oleo de copaiba ; a Manoel Alves
Guerra.
101 paneiros com tapioca do Para, 703 alquei-
res de sal; a Almeida Gomes Alves & C.
Exportacao.
Dia 25 de setembro.
Barca iogleza thole, para Gibraltar, carr-
garam :
Patn Nash & C, 1,174 saceos com 5,870 ar-
robas de asaucar.
Brigue inglez Vanle, para Greenock, carrega-
ram:
Jos Velloso Soares & Filho, 300 saceos com
1,500 arrobas de assucar.
Johostoo Pater & C., 400 saceos com 2,000
arrobas de assucar.
Brigue portuguez Relmpago, para Lisboa, car-
regara m :
Manoel Gomes de Campos, 20 barricas com
48 arrobas e 20 libras de assucar refinado.
Becebedoria de rendas Internas
geraes de Pernambneo.
Rendimento do dia 2 a 25. 26:005*851
dem do dia 26......: 4755700
dia II, de prorogar-se al a ltiae da
prximo viodoare, o prezo de qae trata a art.
do regulamenlo interno deqaelie estatolertea-
to, de 14 de dezembro do anaa paseado, aftas da
,q* pntaaa a respectivos atadaatas
a A. L. de A- exames de preparatorios a q staa
E para qu* caagae ao
aquem intrraaaa. man
sent.
Secretaria atoatrucci* paMica <
co, 25 de aaUhaa de ISftl.
O secr atarte-ia
Salomar H
Fres
(OMvlbRCIO.
26:4819551
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 25. 42963*238
dem do dia 26......1:514*475
44:477*713
Praca do Recife 26 de
setembro de 1861.
\s quatro horas da tarde.
Cotaces da junta de cor reto res.
Deseen tos :
9, 10, 12 e 13 0[0 ao aooo.
Leal Sevepresidente.
Frederico Guimaraessecretario.
Novo Banco de
O banco paga o 7*
por accSo, relativo
Pernambuco.
dividendo de 12#
ao semestre findo
MoYimento do porto.
Aaoios entrados no dia 26.
Granja e pnrlos intermedios6 das, vapor na-
ciooal Jaguaribe, commandante Manoel Joa-
quim Lobato.
Maranhao18 dias, brigue escuna nacional Gra-
ciota, de 218 toneladas, capilao Joao Jos de
Souza, equipagem 10, carga arroz, milho, e
outros gneros : a Almeida Gomes Alves
AC.
Assu'Barca nacional Bebedouro, de 429 lonelaa
das, capilao Joao Victorino de Aullar, equipa-
gem 13, carga sal ; a Amorim & Irmo; veio
largar o pratico e receber ordens.
em 31 de agosto prximo passado.
Alfa nde fe a,
Rendimento do dia 1 a 25. ,
dem do dia 26.......
350:625*344
9.292J750
359:918*094
o te v aai *a9 o. a o ,Horat.
O e B 6 C ai a m c B (a kthmosphtra O
w al H * P3 z r*J " Direccao. m H e ee H
* * o 3 | o 1 /n(nstdad. 1 ni -5
Hovlmento da alfanda>*ra,
Volumes entrado se om fazendas.. 288
> a com generes.
Volames sabidos
a >
com fazendas.. 54
om gneros.. 56
264
== 552
110
-3
x
'
| /aarenAst.
os
R

L1
ntigrado.
5?
I J/yoromatro.
Descarregam boje 27 de setembro.
Galera francezaBerthmercadorias.
Brigue oglezBarckbillmercadorias.
Brigue hamburguezOliodem.
Brigue portuguezMargarid* dem.
Brigue americanoF. Gustuagarvao.
Brigue hanoverisnoJpitercarne de charque.
Polaca hespanbolaIndiaidem.
Importa 9o.
Escuna ingleza Princess Royal, vindo de Li-
verpool, consignada a James Crabtree & C, raa-
nifestou o seguinte:
42 caixas e 9 tordos tecidos de algodio ; aoa
consignatarios.
50 gigos'e 1 barrica louca, 25 fardos 9caixas
fazendas de algodio. 25 tonaladaa carvao da pa-
dre : a Southall Mellore & C
50 barris manteiga, 4 caixas fazendas de algo-
do ; Sauoders Brothers & C.
40 barricas cerveja, 2 ditas azrelo ; Scott
Wllson & G.
5 fardos fias diversos de algodo, 83 ditasa 20
caixas fazendas de algodo, 1 baba sapatos, e
mais 8 barricas paoellaa e chalein* de ferro, 1
ditas faccas de charquear 1 dito pregas, e dita
2 caixas bules de metal; a Paln Nash & C.
38 caixas fazendas de algodio; a Rostron Roo-
ker ft C.
la
1
^ ~*
2 1 S
00 _____
s s
ta oe
w
te
Ctxtarna riydre-
metrica.
Franctx.
/nales.
A noite clara, vento ESE fresco que foi rondando
mente foi rondando para o terral e assim ama-
nheceu.
OSCIU..VC.AO OA
Preamar as 0 h 30' da manbaa. altura 43 p.
Baixamar as 3 h 54' da tarde, altara 2, p.
Observatorio do arsenal de marinba, 26 de se-
tembro d 1861.
Romano Stbppu,
1. secretario.
O lar, J
do pri
Pedro Goacalvaa da Rectta. ase,
Fco aaber aoa Srs. I
Antonio Gomea Miranda Leal,
da Gesta Herette. Jee Padra das
Joa Lelte Pitia Ortigaeira, Maaaai
to Araujo, Joa Marqnea da Casia
Francisco Marques, Manoel Iraattoc
Domiogoa Uenriques Mafra,
Coala, Antonio Ileuriqoee M(ra, Eatevao
Baplista, Luiz Antonio Goocalves Paa.
Prancisco de Si Leitao, Manoel Jaa Ba
Herculaoo Jos Rodrigues Piobeire, lata t
cisco Anlunes, Joao da Silva Faria, ftr.
Francisco Teixeira. Manoel lalaariali* da
Amonio Jos Silva Craail, qe o da 94 da
novembro do corrento aooo deven
na matriz do Santissimo Sacraaaata da Ir
de Santo Antonio, aa de elgra aa
da assembla legislativa provincial, a
de fu necio na r nos annoa de 1862 I
me todo se fih determinado par le,
Iransmittids* a ata jaita
cipal.
Primeiro districto da frecaasto da S. Prat Pe-
dro Gongalves do Recito, 24 de aaleaaavaet ttftf.
Eu Ionoceocio da Cunha Gotosa* acriva a aa-
crevi.
Padre Joti LeUt Pitia Ortiamtirm.
A cmara municipal do Recita faz paajio
para conhecimento de seas municiaes a
obaizo iranscriplo.iae reces* ts*s.
da provincia, e couvida-os a aja*,
a silencio para a recoameodacia da %. Cae.
fajara de sua parte qoaato Ibes for soaataal
que a callara do algodio, e do triga
cipio se desenvolv de molo qoe
resultado satisfactorio, vista cono petas
que se tem manifestado oos Estadas-L'
America do Norte, a callara destas gtaerea de**
necessariameote proporcionar grandes .
quellea que i ella ae dedicaren.
A mesma cmara, pila, espera da a
cipes que nao deixarao de Mandar
mendaco, empregaado seos efrr;a _
ulil flm do qual grandes vaolagens deven
lar para o paiz.
Fago da cmara municipal do Recito asa soasa)
ordinaria de 16 de setembro de 1861.jais 'rao-
cisco de Barros Reg, preaidente.Fraactoca Ca-
nuto da Boariagem, offictol maior amada da
secretario.
Quarta seego.Palacio do govarae da Pcr-
namburo em 10 de aeteabro da 1861.
A cmara municipal da cidade do Recato ja de-
ve ter noticia das diseocoes civb, qae ctaaU-
mente agitam os Estados-Unidos da A atenea do
Norte, e qae a guerra entre elles *%tm4a,
de deixar de ter prejudicado graneaeai
os seus trabalhos agrcolas, resultan* d'aai. co-
mo fcilmente se coapreheade, aa* 4 a
sez dos arligos de ana prodaecie,
e como consequencia oeeeaearia a etovacaa d*>
prego de cada um delles.
Sendo os Estados-Unidos da A marica da Har-
te o paiz, d'oode se exporta a Bator ajarla da al-
godio, que alimenta as grandes naoetoctarai da
Europa, e especialmente as da Inglaterra, a *aai
assim o trigo consumido na Brasil, a tala. **a
hoje perturba aquelles estad**, deve
mente acarretar ama cris*, que da
ae faga esperar muito, par toea qae
formagea minuciosas, a ka varille*** i
cuitara do algodio naqoellee paira* tea
do eoosideravelmenle, e a expartacao da lf*
de outros cereaes para o Brasil lea
tambem na meama proporgio.
Conviudo prevenir aa serias dinValdade* qa*
semelbante estado de coosss nos pede traicr. **
chamar sobre assumpto to iaaortsata attaaga
da cmara municipal da cidade d*
que, dando mato aa preva do aaa
procure persuadir aos lavradares,
pes, a conveniencia, oa antes n
se promover oa maior escala possivel ; aaa a* a
cultura do algodio, qu esta provincia j
la, mas nao #m qnanlidadn c*rr*a*aadana* A
lilidade e propriedade de terrena,
a do trigo, que lio satisfactoria
nesta provincia, como o tem deaoaslrade diver-
sas experiencias, ponderando-lhesaa
po a opportunidade qae a* eirca
tuaes Ibes proporcionara de aafartf
vantagens e lucros certos do garem oesse numero de adaslrias.
O nosso algodio, por aaa
goza do maior apreco e procara aa*
traogeiros, e o trigo, qae agora ca*a caUi**r.
como urna medida de pravanca*. pade ir ser
mais urna fonte abundante de riaaeaa. qaa. a
demnisando generosameol* as ai lili toa, qaa
boje flzerem os notaos la viadores. eseaeitT.
os recursos do paiz aagaentari a* tatas* a
bem estar da populagio.
Esta presidencia confia qaa
pal do Recife, acompauhandoda> aa*
pensamento, se sentir basta*!* as
promover por todos os meioa a* sea ahaua
maior desenvolviaenta possivel d* rafaar
agrcola do seu municipio, relativaaaata i
ra dos dous gneros, i qae a* tasa* nlaide.
cumprindo que me d conhaciaaalo da
fr obteodo em deseapeaaa da*
gdes, que lhe ficam tiaosaittidas.A\
calino Nanas Gonealcet.
De ordem do Ulm. Sr. iospactar
da tbesooraria de fazeoda de Persa
faz publico, que lendo de proceder-se a
lagao peranle esta tkesoarsrto
do terreno que existe devolata junte **
cm que fuocciooa o tribunal da relega*,
marcados os dias 28 deste aez, e 2 de si*s
prximo futuro para a referida arre;
podendo as pessoas qae a elle aiierea
rer apresentor-ae na mesaa laaaaararia. aa*
mencionados dias.
Secretaria da thesoorarto d* toreada d* Per-
nambneo 24 de setembro da 1861.
Serviodo de o (Seta I
Manoel Jaa Pialo
Secretaria do governo d* P>
setembro de 1861.
Pela secretaria do goverae sa ba paMica. gara
conhecimento de quem intaresaar pasea, aja* sa
acham em concurso os offleies da partidas* da
termo do Limoeiro, creada* peto las. pnitoaal
o. 504 de 29 de aaio desta anaa, eeaaalaaao
um as foneges de contador oatr* a* da aatn-
buidor, am de qae oa pretaodeata* sa
e spresenlem os saos reqeria*ta*
na forma do decreto n. 817 da 30 da
1851 e aviso n. 252 de 30 de descaer da 1854.
Antoaja Leita da Pin ka.
A cmara municipal da esdad* d* Recito faz
publico pasa conhecimento de
que receben do Exm. presidenta *
officio abaixo transcripta, a* qual
relagio dos productos, qaa paa i
dos neste municipio, e espera qu
rara para qoe o convite do governo de
produsa o desejado effeita, ati praaai
todos os esclarecimentoa, apreseatar
xilio, que delle depender para ja* ae
ti til ensaio, o qual tar lagar a* dea 7 de
bro prximo futuro, caao fas cari*
officio de S. Exc de 13 do cornal*, laanaa a-
baixo transcripta.
Paco da caaara maaicipal do Recito. ,m .,*>.
sao ordinaria de 16 de asi abra d* tftM.Lata
Francisco de Barros Reg prestatoato, Fi
Canato da Boa-viagem offictol malar
secretario.
4a seccio.Palacio do gavera* da
co, em 4 de etembro de 1861.Deveade ter la-
gar nesta cidade no dia t dadeeeabr* t tois
no palacio do governo, asa*
-
Kdrtaes.
Directora geral da instruccao
publica.
Pico saber de ordem do Wm.Sr.Dr.drrector geral,
que S.Exc. o Sr.pr4deote da provincia deelarou
por officio de 23 do ntrente, aaver approvado a
deliberagao toaada peto junta dos proeaaeres do
curso conmercial Pernambocano a sesilo do
_ verno, asa *ip*ajca dea ere-
ductos naluraes e industrtoee den piitonto, a
das aue lhe sio limitrophae, aa la*
prximas; de conformidade com aa
riaes, recoaaendo a ca
fe, qae, faieado chegar esta
ment de lados o* a*
todo* os netos d se*
*Jo de concorrerea para
com os productos, qae ilH
ohaa espeerficadM oo
troegoes. de oae reaette _
presso ; fazetfao-lbea asa *
vantagens, que b*o da rarahar da
ieJjo, nio t psra a agrieaHoca, **
_____.


UR10 D* miAMUCO. *. SUTA FURA 27 Di SITEMNK) 1 1M1,
91
par* a industria do paiz, como ib dos mais con-
venientes meios de SDmoco para o desenrolri-
menio de to importantes fonles de riqueza na-
cional, a que o gorerno presta a mais seria at-
tengae, contando com o concurso de todos os ci-
tadlos, e especialmente das municipalidades, no
empenho de preeueharem por este modo um dos
priacipaesflos de toa instituido.Antonio Mar-
cellino Nuoes Googalres.
4a secjao.Palacio do governo de Pernambu-
co, em 13 desetembro de 1861.Declarando-me
o Exm. Sr. ministro da agricultura, commercio
e obras publicas em aviso, expedido em 19 de
agosto ultimo, sob n. 18, que a exposico desli
provincia deve lee lugar no pez de nor'embro, e
nao em dezembro, como por engae se diz as
instrucQoe, do que remetli a cmara municipal}
da cidade do Recite um exeraplar impreuo em
offliio de 4 do correle, apresso-me a communi-
car a tnesma cmara em additamento no meu ci-
tado ofBcio, que a exposico ser aberta nesta
cidade no dia 7 de norembro prximo tiodouro.
Antonio MarceUino Nanas Goncalves.
_ O IUm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimeoto da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia de 14do corrate, man-
da fazer publico que al o dia 17 de outubro pr-
ximo viodouro estar aberta a concurrencia para
o coutraio da coUocacao de carris de (erro deno-
minados Irilbos urbanosa partir desta cidade
al a povoagao dos Apipucos. O contrato ser
feito nos termos da lei provincial n. 518 de 21 de
junha do correte asno.
para censlar ae mandou affixar o prsenle e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
Bambuco 17 de setembro de 1881.O secretario,
A. F. d'Aununcia^ao.
Secretaria do governo de Pernambuco
18 de setembro de 1861.
Pela secretaria do goveroo se faz publico, para
cenhecimento de quem interessar possa, que se
aeham em concurso os otDcios de partidores,
contador e distribuidor do termo da Escada,
creados pela lei da assembla legislativa desta
provincia n. 504 de 29 de maio Ueste asno, aflm
de que os pretendenlea aprsentela os seas re-
quermetitos instruidos na forma do decreto n.
817 de 30 de agosto de 1851 e aviso n. 252 de 30
de dezembro de 1854, no prazo de 60 dias, con-
tados desta data.Antonio Leite de Pinho.
Pela capitana do porto de Pernambuco faz-se
publico o aviso abaixo, para cenhecimento do*
navegantes Capitana do perto de Pernambuco, ,..
25desetem.ro de 1861. Perante ojjuude paz
O secretario,
/. P. Barrtto de Mello Reg.
f AVISO AOS NAVEGANTES,
Imperio do Brasil.Ministerio dos negocios da
marinha.
Pela secretaria de Estado dos negocios da
marinha, faz-se publico para coohecimento dos
navegantes, que acontar do dia 7 do futuro mez
de setembro deixar de acender-se a luz do anti-
go pharol do Gibo Fri, sendo substituida por
outra collocada no lugar denominadoFocinho
do Cabo, extremidade aul da ilha do mesmo
nomo.
A torre do novo pharol, qne de forma cir-
cular, lem de altura 48 ps, e acha-se situada na
lalitude de 28 V 10" S., e loogitade de 4t# 58'
0" 0 Gw. O apparelbode luz, que a corda, da
primeira ordem, do systema catoptrico, gyrato-
rio, apreseotando 4 eclipses da duraco de 5" nos i
' que gasta para completar urna revoluQo. O, "; PloU? e cal" ,nterna e e*termente
foco luminoso acha-se elevado 470 ps actma do >0'
nivel dq mar. Finalmente esta luz, viva e bri-
lhaute pode ser aristada, em noites nao nebulo-
sas, da tolda de um navio, na distancia de 25 mi -
Ihas, em um arco do horisonle de 225", isto ,
desde o rumo de N. E. magntico at o de O.
a Rio de Janeiro.Secretaria de Estado dos
negocios da marinha, 30 de agosto de 1861.
O director geral.
e Francisco Xavier Bomtempo.
O Dr. Bernardo Machado da Costa Doria, juiz de
direito da primeira vara criminal e substituto
da do commercio desta cidade do Recife e seu
termo capital da provincia de Pernambuco por
S. M. I. e C, o Sr. D. Pedro II, que Dos
guarde etc.
Faco saber pelo presente que Jos Flix de Al
meida me dirigi a pelillo do theor seguale :
Illui. Sr. Dr. juiz do commercio. Diz Jos F-
lix de Almeida, que devendo-lhe Antonio Celes-
tino Alves da Cunha a quantia de 5010570 rs.,
proveniente da coata de Irnos que vai junto
(1179970 documento numero 1J das duaa lettras
que rao juntas sob ns. 2 e 3 (3569600) e mais
27$ (documento sob numero i), oeceisita 0 sup-
plicanle a bem de seu direito que V. S. se digne
de mandar citar o supplicado para fallar sos ter-
mos de urna icro ordinaria em que o suppll-
cante pretende pedir-le a referida quantia e os
juros respectivos e como depois da incoocllla^ao
se leona ausentado o supplicado para lugar in-
plicante a V. S. que, em vista do que dispoe o
art. 45 do decreto n 737 de 25 de novembro de
1850 1 e 3* se digne de mandar proceder a
dita citago por editaos, sendo o supplicante ad-
mittido a justificar o allegado, passando-ae os
edilaes, depois de iulgada por sontenga a justifi-
carn requerida, Nestes termos requer e pede a
V. S. deferimeoto.Espera receber merc.O
advogado, Cuoha Teixeira.
E maisseno conlioha e nem outra alguma
cousa se declarara em dita petiejio aqui trans-
cripta, ns qM o meu antecessor deu o despacho
do theor seguinte :
Distribuida, como requer.Recife 27 de sgosto
de 1861.Domingues Silva.
E mais se nao continba e nem outra alguma
-cousa se declarara em tal despacho aqu copia-
do, por forga do qual fora feita a distribuidlo so
eicrivio que este subscreveu, e ten Jo o justifi-
cante produzido suas proras que moitrsram a
suseocia do supplicado justificado e estando com-
petentemente sallados e preparados os autos o-
ram estes conclusos so meu antecessor, que dsu
sentenga do theor forma modo e maosira se-
guinte :
Julgo por senlinco s presente jusliflcsco l-
tenla a prora dos sutoi; pague o justificante as
rustas.
Recito 11 da setembro de 1861.Francisco Do-
roiuguesds Silva.
E mnis sent conlinha em dita sentones aqu
soplada em vlrtuds do qual o referido escrlvlo
fez pssssr o presente edilal, cora o prazo de 80
das pelo Iheor do qual chamo, ello e htl por
citado so Juillflcido Antonio Celestino Aires da
C'unhs psrs que dentro do referido prsio corn-
parca nesls lteo psrs sllegar t las dofsis por
todo o contando ns potigfio scims transcripta, 10b
pena ds proseguir a Ctuia leus termos s SUS ra-
vella, porlsoto lods s quilquer pssios psrsnts,
salgo ou coohscldo do reerido justificado po-
der! (izsr seloots do qus cima (los dito.
E psrs qus ohgus s noticia ds todos raindsi
pssssr sdltisi qus aerao sOlisdos nos lugarsi do
sostums o pubfioidoi psls Imprenta.
Dado pssssdo ossis oidsds do Rsctts ds Por*
fiimbuco soi ti do mimbro do 1801, 40* ds In-
depsudiosls o do toparlo do Brasil.Eu Us-
os! do Girrslho Pssi do Andrido, trivio o
ubserevl.
Bernardo Muhidi ds Cosa Dorls.
suas propostas em carta faenada, na secretaria do
conselho, s 10 horas ds machia do dia 30 do
corrate oses.
Sala das sessdes do conselho administrativo,
para fornecssento do arsenal do guerra, 25 de
setembro do 1881.
Monto Jo$4 Lamenka Li%$,
Coronel presidente.
Francisco Joaqiun Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Correio.
Pela administrago do correio desta cidade se
faz publico, para fias convenientes, que em vir-
tude do disposto no art. 138 de regulamento ge-
ral dos correios de 21 de dezembro de 1844 e art.
9 do decreto o. 785 de 15 de maio de 1851 se
proceder a coosumo das cartas existentes nesta
adsskiistragao, pertencentes so mes de setembro
de 1880, no dia 2 de outubro prximo, s 11 ho-
ras o dia, na posta de mesmo correio, e a
respectiva lists desde j exposta aos inters-
sados.
Correio de Pernambuco 25 de setembro de
1861.
O administrador,
Domingos dos Pastos Miranda.
Correio.
Pela administrago do corroa desta cidade se
faz publico, que era virlude da convenci pos-
tal celebrada pelos goveroos braaileiro e francez,
serio expedidas malas para a Europa no dia Ia
de outubro prximo, de conformidade com o an
nuncio deste correio publicado ae Diario de 29
de Janeiro deste anno. As cartas serio recibi-
das al 2 horas antes da que for marcada para
a aahida do vapor, e os jornaes at 4 horas
antes.
Correio de Pernambuco 25 de setembro do
1861.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Pela tbosouraria provincial se faz publico,
que as arrematares dos contraloi sbaixo men-
cionados foram transferidos para o dia 3 de ou-
tubro prximo vindouro.
Reparos da casa em que funeciona o collegio
dos orpbaos de Santa Thereza em Oliada.
Rendas das casas pertencentes so patrimonio
dos orphios.
Venda do piano do collegio dos orpbaos.
Secretaria da thesouraria provincial do Per-
nambuco 19 de setembro de 1861.O secretario,
A. F. d'Annunciagao.
do segundo districto
da freguezia de S. Fre Pedro Goncalves, lem
de ser arrematados no dia 28 do correte, finda
a audiencia, os beos seguales: urna commoda
de Jacaranda com tres gavetas grandes, e tres pe-
queas, urna banca de quatro ps de amarello,
um bah de couro bruxiado, e um relogio de
prata com corrente fuliada e urna chave, peoho-
rados Conrado Augusto de Farias, por, Sityro
Serafim da Silva.
O escrivio.
Antonio da Silva Reg.
Pela administrago do correio desta cidade
se faz publico que a mala que tem de conduzir o
vapor de guerra nacional Ipirangs para o Rio
de Janeiro, ser fechada no dia 28 as 10 horas
do dia.
Tendo a directora das obras militares de
mandar concertar o telhado do hospital militar,
concertar 12 caixilbos, pdr 3 lionas em 3 tesou-
o edi-
assim como a botica, convida as pessoas
que deste servido se quizer incumbir a apresen-
tar as suas propostas na mesma directora nos
dias 21, 25 e 26 das 10 horas da manhaa s 2 da
tarde, as quaes devem ser confrontadas com a
que apresentou Hanoel Luiz Coelho de Almeida,
e ser o servido arrematado pelo proponeote que
mais vantagem offerecer a fazenda nacional. Di-
rectora das obras militares de Pernambuco 23
de setembro de 1861.
O escripturario.
Joio Honteiro d'Andrade Halveira.
O IUm. Sr. regedor do Gymnasio manda
avisar aos pais, tutores ou correspondentes dos
alumnos internos, meio-pensionistas e externos
do mesmo gymnasio, que no dia 23 do corrente
principia o recebimento das meosalidades corres-
pondentes ao ultimo quartel, que se finda em de-
zembro deste anno. Secretaria do Gymnasio 21
de setembro de 1861.
O secretario, A. A. Cabral.
A thesouraria provincial, em cumprimento
da ordem do Exm. Sr. presidente da provincia,
tem de comprar para o collegio dos orphios desta
cidade os objectos seguintes:
300 varas de panno de.linho.
10 duzias de lencos braucos.
9 ditas de guardanapos.
100 cobertores de algosao.
12 pratns travesos forrados de louga vidrada.
1 moioho de caf.
1 balance pera pesar carne o pi.
2i bacas de folha pintada para lavar rosto.
24 pratos de folha para farinha.
4 bancos de 4 ou 5 varas de cumprimento.
Quem quizer vender taes objectos aprsente
as suas propostas em cartas fechadas no correio
desta cidade, no dia 3 de outubro prximo vin-
douro, pelo mel dia.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 21 de setembro de 1861.O secretario,
A. F. d'Anounciego.
sor, nade seria comparando com o que dejos Ihe
artance.
O artista fadado a comprehender ce sentimen-
tee pese melhor exprimi-los, nio esqueceria por
arto a gratidlo qae foi sempre a divisa dos
3oe presam a fidelidade no cumprimento de seos
everes. Ao terminar meus trabalhos sceoicos,
resta-ma pois reiterar os respeitosos votos do es-
lima e simpathia se publico pernambucano, a
quom poco desculpa de algumas faltas commet-
tedas ae ardua e espinhosa tarefa de agradis
todos.
ATiseg martimos.
Para o Cear,
segu no dis 28 do corrate impretorvolmente o
brgue brasiletro Henrique, capitao Antonio
Farnaodes Loureiro ; queso nelie quizer carregar
a (reta mdico, ou ir de passagem, dirija-se aos
consignatarios Almeida, Gomes, Alves di C, ra
da Cruz n. 27.
Rio de Janeiro
o pareabote Piedade recebe carga e escravos a
frete ; a tratar com Caetano Cyriaco da C. II. &
Irmio, no lado de Corpo Santo n. 23.
BE.4L COMPANHIA
DE
Paquetes inglezes a vapor
At o dis 28 deate ases espera-se da Europa o
vapor Tyne, o qual depois da demora do costume
seguir para o Rio de Janeiro, tocando na Baha,
para paosageos etc., dever-se-ha tratar com os,
agentes Adamson, Ilowie 4. C, ruado TrspicB
Novo n. 42.
Cear e Acarac.
Seguo nesles dias o hiate Sobralenss, capitao
Ratea, recebe carga a frete e passageiros; a tra-
tar com Caetano Cyriaco da Costa Moreiri, ao
lado do Corpo Santo n. 23
d* alJn** Wst,, oes SMtoflseoie 4a inspector
de aJfaadega e pee coala a risco de ajuera per-
leacerde uma caixa com 60 doiiaa de eafeites
de USMfho para senhorae, as 11 horas em ponto
de da acusa mencionado a porta di aifaedege.
LKILA8
A 27 do eorrente.
Walter Taoaaaon. capilao a barca ingteza
Coas**, do qet caasigaaUrio o Sr. Henry
Uibseo, tari leilao por iaterreacio do ageete
Olivotra, o cont e risco de queso perteneer, pre-
cedida a autorlsacio do- IUm. Se. inspector da
alfandega e nomeacio de um empregado desta
repartigao para o effeito nomeado, da porgo do
forro de metal velho, que se aproveitoa do cas-
co da dita barca por occasio do concert, que
foi obrigada a fazer neste porto era coosequencia
do seu recente desastre :
Sextafeira 27
do correte, ao meio dia em ponto, ns porta de
detraz do armazem de fazendas do referido Sr.
Gibaoo, com freote para o esos d'Apollo.
Transferencia
Para
Rio de Janeiro,
pretende seguir com emita breridade o brgue
nacional Veloz, tem paite do sea carregamen-
to prompto : para o resto que lhe falta, trata-se
com o seu consignatario Azevedo & Rendes, no
sea eacriptorio, ruada Cras n. 1.
Exposico.
A commisao directora da EXPOSI-
Q AO' agrcola e industrial, que tera' lu-
gar no palacio do gorerno no dia 7 de
novembro vindouro, manda pelo pre-
sente fazer .publico que no da 26 de
outubro prximo comerar3o a ser all
recebido os objectos que tenham de fi-
gurar na mencionada EXPSIQA'O.
Sala das icsioes da commitiao 20 de se-
tembro de 1861.-O secretario,
Joaquim Pires Machado Portella
Rio Grande do Sul pelo
Rio de JaneirdJ .
a barca brasileira Reslauracao segu com bre-
vidade ; recebe carga a frete o escravos para
ambos os portos : trata se com os consignatarios
Marques, Barros & C, largo do Corpo Sanio nu-
mero 6.
WSMm
0 palbObote nacioaal Dous Amigos, capitao
Francisco Jos de Axaujo, segu para a Baha em
pOUCOS diaa ; pata u ruaio ea carga qu mo rai.,
trata-se com seu consignatario Francisco L. 0.
Azevedo, na ra da Madre de Dos n. 12.
Para o Aracaty
Recebe carga e passageiros o hiato Ssnta
Anna a tratar com Grgol Irmlos, no ra da
Cadeia do Recife o. 28 Ia andar.
Para o Rio de Ja-
neiro
Pretende seguir com muila breridade o brigue
eacuna Joven Arthur, para o resto do carga que
lhe falla trata-se com os seus consignatario
Azevedo & Mondes, no seu escriptorio ra da
Crus n. 1.
Barca Flor de S. Simo.
Sabe impreto/ivelmeote no dia 29 do corren-
te para Lisboa e Porto, para onde recebe ainda
alguma carga e passageiros: a tratar com Carva-
lho Nogueira & C, ra do Vigario a. 9, primeiro
andar.
THFATRO
DE
Declararse*.
Consulado provincial.
Psls msis do consolido provincial so fsi pu-
blico sos dsvodoros do impoilos do dcima ur-
bana, do 4 o II por soto aobrs diverso! satsbs-
Uolmiatof, ds 10 robra suas do modas, psrfu-
m art ai o chipui siriofelroi, flnslmsoie o
Impealo sobro sarroi, sarrugas. eanlbsi, s vs-
hifluloi oarteoesntes so snoo flnsnsslro Ando do
1HA0 s 1MI. qoo oo ulllao do islsmbro sorran-
ts floda-ss o ffsio poro o pi|ioisoio ds nua
dlMloi. Oesndo sujslea oa qas nlo psjsrsm, s
ufso dos rollos ds ts-
OlOdl,
asrosi rsmstildos foro o juf
Santa Isabel.
ULTIMA BEHEStF^TAi; AO
EMPREZA-GERMANO.
30' RECITA OA ASSIGNATURA.
Sabbado2fJ de Setembro de 1861.
Subir 4 sesna o Inisriniats drami a
actos, ornido do Basles
D.CEZ4RDEBAZ4N.
come-
Moos do sooislado provloflil do rsrisabueo,
1 do islsmfcro ds IIWH.-Thsodoro Miohido rrol*
ro Porslrl ds Bllva.
CoBieldo idmlnlitriUvo.
0 mosoIIm sdsjlalilraiivo, psrs (oraNlaonte
do irftdil l guorri, Ha do soaprsr o oblsa-
toi logulatosj
Pira 0 bospltsl ailiisr.
iriSfc^sirfB" "*
dliiidodilodiiido|diioi.
stiii i dito.dito de
isesrols do torra oisiilisds lo i. 1L
m a dito 4U l7.
diiss 4c lito lito b. f.
guaa iui f toditeo bj sotos, presis
Tona parta toda a companhla.
Toainar o oipoelaeolo ooa llnds
dis om um acto.
mWTA
ou
Os apuros d'um esludaole.
Na qual 4 Ira. 0. Minosls dsismpsoha 4 dlffs-
roatra pspsls
Goaofari s I horu.
atoll oala c ultima raaita la alaba saprm,
toltari por aorle ao mala Nsrado dsvsr 4 ato
aprovsllaus a ooaaillo pin elrtotf asaotadoro
sildontodi
lOfOSftOM
tapanhir lio la-
ta lllostro dlreatofla,
?oto ato lavidatiaseU ae ta. Of. prsa
postra aTsso, asa
potas aaoslres stoltoaaa soa sjt isbsts m
sato M dlltlMlS
asea
jtoatoi
lloara M" Marta*, lailasats
aiateiraa^r.NlibaMsdsliastofloir ao trido.
A II oobfii civtUilror, o aalto 4M ptoooto 41-

Rio de Janeiro
a rehira o bem coobeeida bares nacional Amo-
lis, prslendo seguir coa multo brevidade, tem
parto do aeu carrsgsmeoto prompto ; psra o ros
lo que Ibo falta, passsgolros o escravos, psrs os
quses isa excelleotes commodos, trita-ss coa
es ssus eonslgoatirioi Azevedo & Mendos, oo
aou oaeriptorio rus ds Cras o. 1.
Para,
Segu om dlreltura st so dts 80 do correte o
patacho slmulifloa, espillo Antonio Comei Pe-
reira < psro quo Iho fall, trata-se ooa Morilra
k Psrralra, ra da Madre as Daos o.fl.
Bulla.
Sigu i sumica Hortancli, pillo Bslehiot
Masiol Ariujo ; psrs o roito da carga que lne
Ma o paMisiiroi, trata-ae oa Azarado & Mo-
da, rus ds Crut a. 1.
COHPAHHIA PERNA1BUGAIU
i
Navegado wsteira a vapor
Parahiba, Rio Granda do Norte, M
cau do Auu', Araciity, Ceara',
Acsracu'.
O rapar sJsgusrlbs, eotoaindiots Lobato,
aihlr para o portes lo norls al o Aeirsc oo
dl T l ootubfo 4 horra di tanto.
loceos carga 14 dis 0 so noto dis. Eoooa-
asndn. piMsaolroi o dluhoiro s frea at o dis
da sshids as I horra i rlptorlo ao Porta do
Lcilfet.
LEILO
Sextt-faira S7 do crrante.
I. P. Adour dtO. to4o tola por lotimools
DO
Leilo de mercadorias
americanas.
Sexta-feira 27 do corrente.
Em consequencia de incommodo o agente An-
tones far leilo oo di27 indubitavelmente de
urna immensidade de objectos americanos, como
sejam : secretarias, carteiras, cadeiraa de diver-
sos gostos e de balando, marquezas. riquissimas
camas de rica obra de talha, malas; bahs o sac-
eos de viaeera obras de metal principe prateado
sendo apparoibo para cha e caf, gallateiras, co-
pos, campaiohas, cestas psra fructas e fructeiras,
porta-licores, ate. etc., lindos jarros com bacia
de folha, balanzas, limpadores de ps, cestas com
necessaros para viagem, ricos estojos para bar-
ba, cabezadas com bridas, gamsrras e chicotes
de diversas qualidades, selios e silhes, candiei-
rospara gaz e azeite, caixiahas de msica, csiias
com ferramentas, sabonetes transparentes para
janellas. relogios de paredes e outros muitos ob-
jectos que se torna enfadonho mencionar, arados
grandes, cirros de mo e csrrogas, e carretes,
machinas psra cortar capim, ditas pare descaro-
car milho, rehollse dous carros elegantes e le-
ves para um ou dous cavallos.
LEIliO
Sem limites,
O agente Hyppolilo aulorisado |pelo Sr. Anto-
nio Duarte Carneiro Vianna, levar a leilo a
grande ezposico de candieiros de gaz, sito na
ra Nova a. 24, e bem aasim grande quaotidade
de gaz, cadeiras, boleas, quadros para salas de
differentesqualidades e goeto, existindo entre
elles um par histrico, coalureiros, balaios, ca-
ma de ferro, ferros para engommado (econmi-
cos), diversos objectos americanos proprios para
qualquer casa de familia e outros muitos arttgos
que se tornara enfadonho mencionar, affiangan-
do seque ludo se vender sem reserva de preco
alguna: sexta feira 4 de ontubro do corrente an-
no, as 11 horas em ponto, ns supracitada exp-
sito, desde j sero vendidos os mencionados
objectos sem reserva de preco.
Avisos dirersos.
Exposi INDUSTRIAL.
A commisso eucarregada
de convidar os Srs. membros
das corporaces de artes e in-
dustrias, desta e da cidade de
01 inda, prepararem os tra-
balhos que pretendem apre-
sentar exposico de 7 de no-
vembro, suppondo quealguns
desses senhores deixem de
emprehender a realisaco de engoaosaai
r ... .. lperfeiclo.de
suas ideas patriticas por
falta de meios, convida a
aquelles que estiverem nes-
sas circumstancias a dirigi-
rem-se, no mais breve espago
de tempo, a livraria n. 6 e 8
da praca da Independencia,
aim de que a mesma promo-
va a maneira de ajuda-los
se fazerem representar nessa
festa das cinco irmas, Ala-
goas, Pernambuco, Parahiba,
Rio-Grande-do-Norte e Cear.
Aloga-se o segundo indar 4a cesa n. 15 da
ra do Vigario ; a tratar na taberna de casa n.
t3, na mesma ra.
No aviso de sgradecimento s pessoas que
asudiram ao incendio da cochsira do Sr. Halvei-
ra, onde se lteuenle Viegas, deve ler-se pri-
meiro-taneala H^rnesto Ignacio Cardim.
Jos Hara da Coata Pinto retira-se para
fora do imperio.
O abaixo assigoado, propretario do eage-
oho Bom-jardim sito n comarca de Porto-Cal-
vo, onde residente, para evitar duvidas e ques-
tes que porvenlura possam apparecer no futuro
sobres propriedade denominada Santa Rila, ou-
tr*ora Vasa-Barris, sita no termo de Seriohiem
da comarca do Rio-Pormoso, previne a quem in-
teressar possa, que dita propriedade nio pode
ser legslmente alienada por modo algom aem
qae o mesmo abaixo assigoado conrenha e con-
stla om ana alienado, visto como um de seus
consenhores por titulo de heraoca de seu finado
sogro Jos Tarares do Amara!. Portsnto, pelo
presente, protesta usar dos recursos que a lei lhe
acuita contra quem quer que porvenlura aejul-
gue com direito a mencionada propriedade.
Recife 27 de setembro de 1861..
Alexandre Berasrdino de Helio.
Perdeu-se desde a ra da Cida do Recife
a do Crespo, urna entrada n. 18, que tem do ser*
vir domingo 29 do corrente no mnibus Apa do
largo do arsenal para Iguarasa ; por tanto pre-
vine-se ao Sr. Jesuino Alfonso Barros, para
nao dar iogresso aquem com dito bilhete se pre-
sentar, igualmente roga-se'a quem o achar fazer
o obsequio de entregar oa rus do Rosario luja
o. 32.
Devido voto de gratitJacj.
D. Mara Joaquina do Sacramento Cunha,
Jos da Cunha Jnior, Francisco Jos da
Cunha, Joaquim Jos da Cunha, Hanoel
Archanjo da Cuoha, Cmdida Harcolina da
Cunha e Costa, Emilia d'Assumpco Tara-
res Cunha, Candida Horeira da Costa e Joio
Hacedo d'Amaral, agradecer a lodae ae
pessoas que zeraoi o oaridoso obsequio
de assislir ao funeral de aeu fallecido es-
poso, pai e sogro Jos da Cunha, e rogam
o faror de assislir a missa do stimo dia
que tem de celebrarse pelo seu eterno re-
pouzo no dia 30 do corrente a 5 e meia
horas da manhaa, na igreja do Corpo
Santo.
BMa-aaaatl
Declaro qao, padeceodo eu ae
quatro annoa e meio Oe rbaamalissao a i
Oa perna, aoflreado exeesanvse orea, ame I
sivel me era dormir besa, aso psdoaa)
Ihoras, recorr so Sr. Ricsrdo Kirk.
na ra do Parto o. 119, e cosa ai
das suas chapas medicinaos Gquci
bom no curto espace de 31 dias. Pe* tes ua**t
so aesmo senhor os votos da sacras aiacosaa aspa-
decimentos. Ra da Praiaks a. 34, lia Ja-
neiro. Aotonio Rodrigues Sette.
Gralidau a mais sisma.
Attenco.
Tendo o Sr. Jos Garca da Silva annunciado
por este Diario para se retirar para o Rio de
Janeiro, desde j declaro que o nio pode fazer
sem que d cumprimento ao que tralou na ra
Direita u. 43, pois o mesmo senhor nao ignora a
restriccao de seu trato.
Hemigens Kaeipp, faz cente ao
respeitavel publico e seu freguezes, que
se aclia habilitado fazer escadaria re-
donda, segundo o mais moderno e ele-
gante gosto, e pelo preco o mais rasoa-
vel possirel, garautindo sempre solidez
e bemfeitoria as suas obras: quem
pois de seu prest mo precisar, dirija-te
a oicina do mesmo na ra da Impera-
triz n. 25.
So sabfendo a directora da S0-
ciedade Recreio Familiar a mo
rada dos senhores socios, por is-
so convida-os a virem pagar as
mensalidades ; e outrosim a to-
marem bilhetes de entrada para
poderem ser admittidos na par-
tida, que devera' ter lugar sab-
bado 28 do corrente, deven do
os raesmos senh 5tes procurar os
ditos bilbetes na ra d'Alegria
n 3, ou na do Hospicio n. 44,
das 3 horas da tarde a's 9 da
noite.
1* secretario,
Jos Alves da Silva Pereira.
s
Jos do Rosario subdito portuguez vai para
Hacei.
0 abaixo assignado faz publico que perdeu
o meio bilhete n. 1802 da segunda parte da quin-
ta lotera uo S.'rcdio Startyr da Olioda. que
corre no dia 2 de outubro vindouro, e roga a
pessoa que o tiver achsdo o queira entregar ao
abaixo assignado, que promette fazer valer seus
direitos contra quem com elle se apresentar e
ji prevenio o Sr. thesoureiro para s pagar ao
mesmo sbaixo assigoado, csso saia premiado.
Bacharel Antooio Aones Jacome Pires.
Qaem quizer singar oms crioula que lava,
cosioha ludo com milito asseio e
pouca idade, robusta e asseiada,
pode tambem servir psra comprar se fr preciso,
que capaz e de muito bos conducta : nesta ty-
pographia se dir quem aluga.
Furtaram oo dia 25 do correle da loja do
arco do N. S. da Conceicao n. 6, urna carteira
contendo dous recibos e urna lettra de 4004, sa-
cada no dia 18 dejunho a rencer a 18 de outu-
bro prximo viodouro, a favor do Sr. Joaquim
Pere'ra Camello aceita pelo Sr. Maximino Mar-
lins da Silra Borges, endogsde pelo Sr. Jos Ao-
tonio Ferreira Viohas, cuja lettra lem a Qrma do
anounciante em ririud de querer desconta-la,
porm concordando com o aceitante ji delle re-
ceben slgum dinheiro que existe recibo separado,
ji tendo o annuociante prerenido aos Srs.
Rheumall
Uavenoo so padecido aSL.
tornozelo, que por me causar
nio me ere poseivel andar neos dormir
usando varice remed aaticimiaiOi
achar o mnimo refrigerio, recorr uli
ao Sr. Ricardo Kirk, morador ns roa do Parto eu
119, o qual applicando-naa suae ekaaoai saadhi
naea, fiquei perfeitameeto bees. B por iseo po-
nhorada da maio sincera gratieoe, Ibo tribute ee
devidos agradecimeotos.
D. Mara Thpodora Moaieiro.
Rus da Pedreira da Gloria a. Rio o Ja-
neiro.
Chapas medicinaes elctrico
magnticas epispasticas.
O abaixo assigoado faz publico ajeo i
eocarregado de lomar ae tercmmaada
mandar vir de Rio de Janeiro as chapa* :
naos do Sr. Ricardo Rirk, Iba
sua efficaeia tu OiBereoies aliasiaa. ao
que pretender em, poderlo dirigir-so I re 0V>
Queimado, botica n. 15. que acharao aata-axpli-
caco para appiica^ao daa atas cbay.
Jos AUsoaake Riairo.
Pilulas pan lista fias.
Slo chegadas do Rio de Janeiro as vardsdatas)
pilulas paulistsnas ; as pesaoss que tzersau ssk-
commendas, oa gue oo miserea oliasr estar
salutar medicamosto, dirijam-se i ra O 0et-
mado, botica o. 15.
Aluga-se o sobrado n. 2 R da rs* de Apolla.
O a casa terrea o. 27 da roa de Borges ; s tnbr
na ra da Aurora n. 36.
Precisa-se de urna ama qus sstbs curiabas*
que compre ; na ra direia o SsaU Rila y
Quem precisar do usa pisos iagtst
ptimo para aprender, dirija-so a rae ds la
ralriz n. 22, segando andar, que oe dir
ojate
Charles Wilsoa volts psro HoaiesiaMe.
OITerece-se para ser asas es csso aw avia
solteiro ou de pouca familia, usas aaulber branca:
a pessoa que precisar, dlrija-ss a rus ds Psajoas)-
des n. 32, a qualquer hora, e li achara, com ejatm
trstar.
Os abaixo assignados, pea horados petas ses-
neiraa urbanas e delicadas com que tsrssa trata-
dos pelos Srs. llaaoel Joaquim Lobato e Jssssbsb
Goocalves da Silva Rocha, commaodsots o in-
mediato do rapor Jaguaribe oa nagosa e>
acabam de fazer do Cear para esta prsno.-u.
approreilam-se do preesots meio psra sr i*
mesmos seohores os seus mais cordiaca agisdi
cimentos pelos obsequios que reesbersos durssv-
te essa viagem
Joio Baplista de Castro Silva.
Bemjamin Piolo Nsgeeira.
Luiz Francisco da Silva.
Jos Francisco da Silva Albas.
A. Ribeiro da Cunba.
Hariaono Hachado Freir.
Jos Joaquim Leite.
Virgilio Castro Olireira.
Jos Francisco Ribeiro Bertrsad.
Carlos I. M. Falcio.
Jos ds Costa Villar.
Jos Barroso.
Cassino Militar Pernam-
bucano.
A directora roga a todoa os senhores sor.o
que hajam de comparecer na terqa-felra, t d-*
outubro, pelas 5 horss ds tsrde, em o
costume, sfim de tratar-so esm urgencia d ne-
gocio importante.
Recife 27 de setembro de 1861.
Aotonio Vilella,
Secretario.
Curso de rheto-
rica.
O acadmico liaoocl di Costa Honorato tem
aberto o asa curso particular de rhetorca na rv
Direita n. 88. primeiro andar.
Pela 2.* vara do civel ae ha de arremata
[por ser a ultima praga) so dia 2 de outubro. On-
da a audiencia, a casa terrea da rus da Praia n.
42, em chio proprio, com 15 palmus de frent- -
48 de fundo, solio e tmpeira, avahada em dous
coolos de ri, i requer tuesto do inventariara-?
o vigario Flix Jos M.uques Bacalbo-
Caixascom vidros par t
vdraea.
Veodem-se caixascom vidros para vidria
de todos os tamaobos ; ns loja ds ra ds Ca.
do Reciten. 64.
Novas pechincheis
na loja do Pa?o
LOTIHIi
Acliam-e a venda na thesouraria da
loteras ra do Creipo n. 15 e as casas
commiiiionado o bilhetes da seftunda
Garte da quinta lotera de S. Pedro
lattyr de Olinda. A extraerlo tera'
usar mpreteri re mente no da rjuarta-
cira 8 de oulubro prximo. As or-
tei de OsOOOg e 3:000$ erBo pago 3
dia depoit da extraccBo e ai otitrai lo*
go a entrega dai listas.
O tlictouroiro,
Antonio lose* Rodrigue* de Souza.
Aluga -lo o seauodo andar da ra daa La-
raogslm o. 141 a Tratar oa ra Nova n. 90.
Pranelaeo Joio ds Alincir Alcintirloo a-
brleanlada sabio a da velas da todaa as quill-
dsdss, ichindo-n prsiealomenti doisapragado
oiTaroeo-N psrs ooniriur aogooloo toaoootos o
sus srteena qoilqmr paaoi ans ou ero oatra
provnola.' quem quitar do isa proitlao ss utl-
lliir dirija.ss o ras do Broa o. 42, podando im
intis ta conformar ooa os sooi ss>pitrAi Beott
VVilsoo 4 C, doquoa foi fabricme por 4 so-
aso do mal algumai possois lber aou ooa-
porlaminlo.
Quoa preoliar do ums ama psrs ssis do
hornea iilieiro per* oalnhar, olo liso noa en-
gumai. dirija-as rui oov do tiati |lti nu-
miro 14. -
Oa Ira. deiembirgidor Anr Bailes do
Ollrolrs, PsdrsPsrsira |oa Uva Ouiairle Ju-
olor o Antooio Praoalseo Collsroi, lea eartaa
soooamoadas ai ro tralta 4o Rotarlo n. II.
Na roa Imperial o. If. Isa a surero pa-
ra M lagar pin lado otflpo.
U-ii a quaotla da fc pile leauol 4
umi Miro pN sorrlge loterno o oiUrno 4
umi oa pouaa faallla i a tratar ae iih
d'Apotli siNido andar do aobroeo V,
0 Ir. Biiillsos ratolsoo di Ph Isrroto
lashi koala So di vir fallar !) e Or ma-
n, rolofeairo, m ni Not o. M, vtUo Igaoror-
loodi o aa ohor aora.
os srs. sci-
ms, previoe so respeitavel publico que nio faga
negocio algum com a mesma poia nao ter vigor. Veode-se gorgsrio ds la podroes muito x
Recite M de aelembrode 1861 diohos proprios paro vestido de senhorase
Jos Salvador Pereira Bezerrs. ninas a 400 rs. o corseo, tendo 4 palmo o \sw-
O sbaixo assignado tendo ido no dia 26 do gura, sendo tambem esta fazenda mutto propr.s
corrente a casa do Sr. Romlo Serspiao Ouima- para rostidos de psssar a festa ao campo na na
raes, psrs lhe fazer entrega dos papis que ti- da Imperatris a. 60, loja de Gaaa a Silva,
nha em su poder que lhe pertencia, o que ef-
feeluou ns taberna do Sr. Lauriodo Pereira Sei- i
xas, perante osle, acontece quo o dito Sr. Ro-
mi, atacasse com um punhnl perante tres ls-
leaunhai, ecomo o abaixo assigoado procurasse '
s faga pira nio ser ferido, corrou dito Sr. Rj
mao alriz do abaixo assignsdo psrs o asssssloar,
e cobo nao tenhs Inimigoi fat publico quo todo
o mol qao de hojeetn diante lhe acontecer pro-
vea do dmuio Sr. Romlo.
IPaulioo Herculaoo de Figuelredo.
Preefsi-se do urna sas para o lervieo lo-
terno e externo do ums cas de pouca familia :
natravem do Carao (oulr'ora Sarapatel) n. 1,
primeiro aodir.
0 aballo asalgoado participa so respeitavel
publico, quo teodo-so eliminado da aoetedade
Orihodoso o LllteriMi Amor a Carldsde, o qao
leodo tirado por dlroraaa poaioia do seo eonhe-
clroiolo algumai simlas pira a frita do padro-
elro da aoiaa locledado, ootregau o dito di-
nheiro so Sr. thesoureiro interino, como s o v
do roelbo sbaixo, o pelo quo (as o putete, pora
que neahums durlda hiii ooa o anao aeobor.
Reet'o M do aelembro do 1861.
Joaquim Lopes Hachado.
Macab do Br. Joaquim LoposHschseo a quan-
tia de 4, dimetro quotlrou para a feata do oca-
so pidroeko. Recife 17 da agoalo de 1861.
Bslsrmlno da Costa Dourado,
oqgooho Peoanduba, alto ae (re-
fuosIsooMurlbeei, aodla 1.a do agoiio do cr-
talo aoao, o oieriro do nomo load, com os iig-
ossi isgetaloo: pardo cloro, barbado, bsixo, bom
eorpo, cabillo ciuplohido, tem umi grande ci-
citrlt a um doi brsgos provenlenle de ua ta-
ino, uai costeila do pello dlroilo mili balsa que
ai oulrai, s jS foi turrado ; coaita qui alio aadt
psls Ptttigtm di Magdalena inlilulasdo-se (er-
ro : qoea sppnhoodor, lovo-o ao referido on-
geolio, oa M piteo do Tor;o a. 44, tobrade de
um aodir, qus ser gsnerosoaoaM gntiSoodo.
Ensino de preparatorio.
0 oaohirol A. R, do Torrea Bioeerri, profesoer
da geoguphla a hlaloria aetlga ao Gymnasio des-
ta provloota, toa rosolrldo sbstf aros esrsos do
rhslsflci.de geogrsphls ti pMHtoophia, ssslm
0a dsslloioii Iraosois e Ingltit, o eroelpier
do da M do correlo oa aaaa 4o ana reatdoe*
ol, rus 4o Injeridor o. 17, leaeado todir, m-
tndi dlrslti.
Cassa orgaodys a
280 rs na soja do Pav. ..
Vende-se muito bonitas fcisssse orpjssjjs i ja
rs. o eovsdo : na roa Os ImsersOres a. M>, sj*
do Pavao.
Para cortinados.
AOFAVaO'.
Vende-se secos de sosa* swStavasjaaea peor
para cortioado 90 varas s 8f : aw roo #s f sjpevs-
trtz n 60, loja de Gsao A Silva.
D 0) PMAO
vende pura fmWMIm.
Uasto)bs manto misOiebso do rOr osear* fro~
sri a psra esle;*, c*ties o pstsloSr t a ta
corado: os rus ds fmpersirts o. lj# alo Otr-
as A leo.
Pfovidade lo Pavao.
Vsode-se aoissfssoo eoveee mo esassovaesr s$f
babadoo taraos o 4* atoo* asteo sasasjt eja o*
vendse o tf peto aataoUs prego da a>- aw row
do fmperttrtz o. f, loja aw Cosos WsW9.
wmmk
M
Escollara fm Marre
Cees do aaaa a. 3t.
So f sxoa pelo* procos o
Censles 4 Luis Xf o
Jsrdineirse idea ido _
Coesowo Hess 4o fff s n
Meiis reeoeewo 4* M 5#
Laratorios de tff o 96$.
Aparadores de Sff 3M.
Letras gravadso dsoiatjeB *
fsrme o esraeofeo
oaa o 19.
Podra psra soWsoaV oo
MM aA
>


(*)
DIARIO M UUttlaTDCO. *- gEXTA. *FflU 27 D SETEMBRO DE 1M1,
Offerece-se uro mogo portuguez para cai-
xeiro de cbranos ou eicriplorio, tem boa forma
de letfa e di fiadores tua conducta : quero
precisar queira (er a boodade annunciar por este
jornal
Um homem estrangeiro, mestre de rena-
cio de assucar e pereito ua tua arle, cfferece-se
para qualquer fabrica : a tratar na ra do Tra-
piche o. 28.
Quem preciiar de um menino com idade de
14 anrjoi para caixeiro do taberna, o qual j tero
alguroa priiica, dirija-ae a travesea do arsenal de
guerra n. 18.
Alugam-se 2ou 3 prelos propiios para todo
qualquer servieo : quem precisar, procure bo
hotel Trovador, que ahi ae dir quero oa alaga.
Oflerece-s urna multar de meia idade par*
ama de qualquer caa : quem^weciiar, dirija-se
a ra dos Preas. 10.
T-
Sirop du
DrFORGET
JARABE DO FORGET.
Este xarope esl approvado pelos mais eminentes mdicos de Pars,
_jomo sendo o melhor para curar constipares, tosse convulsa e ouiras,
adecenes dos briHichios, ataques de peito, irritaces nervosas e insomnolencias.: urna colberada
pela manli, e outra A noite sao sufQcientes. O elTeito deste excelente xarope satisfaz ao mesmo
lempo o doenle e o medico.
O dsposio i na. ra larga do notario, botica de Bartholomto Francisco de Soma, n. 36.
DO DR. CHABLE
MEDICO E PROF'ESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,
ARA O TRATAMENTO E PRMFTO CURATIVO
BAS EHFERMIDADES SEXOAES, DS TODAS AS AFFEC?OES CUTNEAS, VIRUS E ALTERARES O SANCOE.
CUiato de ferro Chablc.
Xarope mui prefer ve! ao
Copah-ba e as Cube-
bas, cura immediatamen-
PLUS DE
COPAHU
te qualquier purgado ,
relaxaco e debilidade, e igualmente fluxos e
flores brancas das mulberes. laxjeeci 4c
Chable. Esta injeccio benigna emprega-se mes-
mo tempo do xarope de citrato de ferro, urna vez
de raanh, e urna vez de tarde durante tres das;
ella segura a cura.
DEPURATIF
dn SA1YG
DepuratiT* de nangue.
Xarope vegetal sem mer-
curio, o nico conbecido
e approvado para curar
con promplida e radi-
calmente impigens, pstulas, herpes, sarna, co-
mixs, acrimonia e alteraces viciosas do san-
gue ; virus, e qualquer afleco venrea. Ba-
h minera. Tomao-ie dous por semana, se-
guindo o tratamento depurativo.ramada an-
tlherpetiea. De um tfleito nuravilhoso oas f-
feces cutneas e comixoes.
Heni*rr*hida.Pomada que as cuaa em 3 das.
O deposito e na ra larga do Rosario, botica de Bartholorneo Francisco de Souza, n. 86.
APPROVACIO E AlTORISACiO
DA
mmmk tmmiLim iiei
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
CHAPAS aUBiCMAES
ELECTROMAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
Cota estas Chapas-elbctbo-magietiCaS-epispasticas obtem-se urna cura radical e in-
faJhvel em todos os casos de inflammac,o ( cansa<0 ou falta de respiracao ), sejam internas ou
externas,eomo do flgado, bofes, estomago, bago, rins, ulero, peito, palpitado de coracio, gar-
ganta, olhos, erysipela, rheumatismo, paralysia e todas as aHecces nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as diferentes especies de tumores, como lobinhos escrfulas etc., seja qual fr o seu
tamaaho e profundeza por meio da suppurac,5o serlo radicalmente extirpados.
O uso dellas aconselhado e reeditadas por habis e distinctos facultativos, sna efflcaia in-
contestavel, e as innmeras curas obtidas o fazem merecer e conservar a confianea do publico
que j tem a honra de merecer, depois de 24 annos de existencia e de pratica.
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, teodo todo o cuidado
de fazer as necesarias explicscoes, se as chapas sao para homem, senhora ou enanca, decla-
rando a era que parle do rorpo existe, se na cabeca, pescoco, braco coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, declarando a cicumferencia: e sendo inchacoes, feridas ou ulceras, o molde do seu
famanho em um pedaco de papel e a declaracao onde existera, aQm de que as chapas sejo da
torma da parte afectada e para serem bem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
As chapas serio acompanhadas das competentes explicaces e tambem de todos os acces-
orios para a collocagSo dellas.
Consulta as pessoae que o dignarem honrar com a sua confiaaca, em seu esariptorio, que
se achara aberto todos os das, sem excepco, das 9 horas da manha s 3 da larde.
||9 Ra do Parto || PERTO DO LARGO DA CARIOCA
Pira m encommendas ou informae&ea dlrijim-ie a pharmacia da JoiAlexiodre Rlbeiro.
rila do Qbeimido Di 15.
-a
I: H Ir
33"
3 BJ O
m 5 -a
"U. ss 3 ?* B
1 lll i
3 ST'-rt 8
o
8 g 2
e? O" S9 -s c
n 2.
os '*"
c
. o en
ijffsf-
Aviso
Na loja de',4 portas da ra do Queimado o. 39,
acha-se um grande armaxem com todo o aorti-
mento de roupaa feitas, para cujo fim tem mon-
tado urna officina de alfaiate, estando eocarrega-
do delta um pereito mesire rindo de Lisboa, pa-
ra deaempeonar toda e qualquer obra que se' Ihe
eocommeode ; por isso que taz um convite espe-
ciar a lodaa as peasoaa com especialidade aos
Illms. Srs. officiaes tanto da armada como do
exerclto.
Faz-ae fardaa, firdes com superiorespreparoa
e muilo bem (eitaa, tambem trata-ae fazer o tar-
damente- todo completo conforme ae usa no Rio
de Janeiro, tanto que tem os figurinos que de
l vieram ; alm disso faz-se mais casaquiobas
para montara, frdelas ou jaa,uetaa, bem como
colletes a militar para na Srs. ajudantea de esta-
do maiore de cavallara, quer seja aingeloa ou
bordados a eapequilha de oaro ou prata, tudo ao
gosto da Europa, tambem prepara-ae becas para
desembargadores e de qualquer juiz segundo o
estylode Coimbra aonde ae fazem aa melhores
conhecidas al boje, assim como teoxmuito ricos
desenhos a matiz de todas aa corea proprios para
farda ment de pageos ou criados de libr que se
far pelo gosto franceza. Na mesma casa en-
carrega-se de fazer para meninos jaqueles a
franceza bordadas ao mesmo gosto. Amaneando
que por tudo se flea responaavel como seja boaa
fazendas, bem feito e bom corte, olo ae falta no
dia que se prometter, segundo o systema d'onde
velo o meatre, poia esptra a honrosa visita doa
dignos senhorea viato que nada perdem em es-
perimentar.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n. 1 B,
recebeu um completo sortimento de gollinhas de
missanga, sendo de todas ascores
Attenco.
Em audiencia do Sr. Dr. juiz de orphos, no
da 3 de outubro prximo, s 11 hons do dia, se
ba de arrematar por venda em ultima praga,
requenmentode rcula Mara das Virgeus, um
jn"eni C0B> ca,a depalha coberta de telhaa, coi
O palmos de frente, igual largura no fundo, e
com boas larangeiras, na estrada de Joao Fer-
nandea Vieira, freguezia da Boa-Viata.
1
S.S-
o
D
_ O
e
?sli
f S.
3 'S
ss
^ SS
m *
!* aa
s *
B 2.
a B
* B
0.0
* c
SB
B
M
c
S
I

M
s
8 8 .
0.-3.
O 16
tal
os ~?
a y no o ;
' "i ~ "
B5S
fc
3 ^
5d
w
O
O

' -I
o 3
< o
-.O100
5'.
!1H
a
e
fSB--8
2.| = S-
J B O.
B a S>1
m O ca
a
o
p
e> o to
:
Aluga-se
um andar com frente para a roa doa Patos e fun-
d para a da Roda n. 23, o qual tem duas sa-
las, dous quartoa, terrajo, cozioba e aumidouro
para aguas servidas, com entrada para ambas as
rusa; a tratar na prega da Independencia n. 12.
Frederico Chaves aluga seu sobrado aito no
rogo da Paridla, com muitos bons commodos
para familia, cocheira, estribara, casa para cria-
dos, jardim aoa lados, cacimba, e bom terreno;
quem o pretender, pode-se dirigir-se a roa da
mperatrzn. 19.
9
9

i
Sorvetes.
Todos os dias de trabalho, das 6 li2 horas at
o horas ; na ra da Imperatriz n. 3.
Na padaria da ra doa Pescadores precisa-
se de um trabalhadorede um cozloheiro.
Genaro Milo, Pedro Paulo Milo, Joao Milo
e Miguel Carrelo, subditos italianos, reliram-se
para lora do imperio.
O bscharel Gusmao Lobo, promotor
publico e advogado, pode ser procurado
em casa de sua residencia, ra do Ca-
bug d. 61 D.
Nodia 22dejulho do correte aono, au-
sentou-ae de bordo 00 vapor Iguarass um
mulato criado, de nome Fauatino, idade de 21 a
a annos, pouco mais ou menos, natural da cida-
ue da Granja e de propriedsde do Sr. Jos adU
nio de Barros, resid.ote all, cojos signaos alo os
seguales : alto, corpo regular, cor amarellada,
cabellos carapinhos, nariz proporcionado, bocea
grande, beigos groaaos, bons rfonies, malfeito de
pea, anda empr bem vestido e penleado ; o
aupracitado mulato anda pela rua da Aurora in-
titulando -se furro : roga-se as autoridades poli-
ciaca e capitaes de campo a apprehenao do pre-
dito mulato, e leva-lo ao largo da Assembls 0.
i, segundo andar, ou em casadolllm. Sr. com.
mendadnr Maooal Goofalvea da Silva. Gratifica-
se com Soy.
19 mmm mmmmvntmi
[Apurado gosto.[
Gurgcl & Perdigao.
Rscabaram ptloulilmo paquete fracoet
superiores vestidos de seda de cores, da
disertles goslosa fallas, msoteleiesds
novo modelo, capas comprtdtt a prophe*
ta o mala rico modaroo qua tem vlndo
} roado, suparlorta oorlea da
cmbrala bordados, laques d msdreptro-
la da dlteraos presos, todas astil fann-
dai exlilem m pequea qusnlidada,
xperleocla para ver ia igndam 00 mar*
cido ; pa rui di Cdela loja n, 93.______
Por barato preco.""
Coln da lli o sida proprlu pin ca-
nil a cuberas da plino a 5, finada
quo poli quilidida tiIi 15, aollu a
miogultoi da fuitlo, dllai do cambiad
da liohoa 3 o par, punhoi o gollu da II-
tino ou da fuillo bordidoi proprios Din
rouplo a M. iiiii bailo di midipollo 1
CT11 38 4 Pordlglo, rui di
OiTerece-se
umi imi pira ooiinhar oomprir om em do
homem joiielro ou de pouca familia: ni rus Dl-
relta n. 46.
Catvalho.Nofjueira & C. na ra
do Vigario n. 9, pnmeiro andar, tacam
sobre Lisboa e Porto.
L-iva-te e engomma-ie com aceio
e proinptidfio : na ra dai AguaiVer-
dei sobrado de um andar n. ai.
Becco da Boia n. 2.
Loja de roupa feita.
Caf e Lunch.
No lerceiro andar, na meama caaa faz-se
comida para pensionistas,
por preco muilo commodo.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
esquina da ra Bella n. 37: para ver e contra-
tar eotenda-se com Jesuino Ferreira da Silva
naa horas do expediente da alfandega.
Aluga-se o armaxem do sobrado n. 62, si-
to na ra da Guia : quem o pretender dirij-se
a ra de Hortaa n. 1*, qu achara com quem
tratar. '
Aluga-se urna caaa terrea com muitos
commodos, quintal murado, cacimba, porlo pa-
ra o rio, propria para ae pasear a feala, na po-
voagao do Monteiro : a tratar na ra do Queima-
do n. 3o, loja de ferrageos.
Quem precisar de urna criada portugaeza
para o servieo interno de caaa de familia : diri-
ja-e 4 ra de Apollo o. 37, lerceiro andar.
Quem precisar de urna ama para todo o
servieo para caaa de homem eolleiro, menos la-
var, eagosomar e nem comprar na roa. porm
sn.nU<,RiU...C,M: m"" '" 0V* de
Jos Garca' da Silva retira-ae para o Alo da
Janeiro: quem for elle credor de quelauer
qoaotia queira apresentar-ae-lhe documentado
O bacbarel Witruvio po-
de aer procurado na roa
Nova o. 23, sobrado da es-
quina que volta para a
camboa do Carmo.
Rlqui
Alugam-se duas das melhores casas
Cachang : a tratar na ra da Paz n. Ai.
A commisso liquidadora dos ere-
dores da massa do fallecido Manoel
Buarque de MacedoLima, pede aos Sr.
devedores a referida casa que se diri-
am a satisfazer seus dbitos a referida
commisso todos os dias uteis das 10 ho-
ras da manha as 2 da tarde na ra da
Cadeia do Recite n. 26, primeiro andar.
A commisso roga mais a esses Srs. de-
vedores, que nao a obrigue a tancar
mSodosmeios judiciaes ou do jornal
para haver essas importancias de que
sao seus de redores.
Aluga-se o segundo andar do sobrao o
2" ru< d0 Amorim ; a tratar na raa da Cadeia
n. 62, segundo andar.
Precisa-se alugar um aobrado de um andar
no bairro d Santo Antonio, que tenha commo-
dos para familia ; na ra do Imperador o. 67.
Alugam-se o segundo e terceiro andares
com sotio da casa da ra do Trapiche n. 44 ; a
tratar no mesmo armszem detfszendas.
Raa Direita esqui-
na da travessa
de S. pedro ni 6.
ssimo sortimento
de tamancos moda do Porto com mala perfeigo
e a mesma segurao;a, assim como (amneos de
todas as qualidadee para senhora, homem e me-
nino, que ae vende tanto a relalho como peque-
as e grandes porches, por menoi prego do que
em outra qualquer parle.
Gasa para alugar.
Na ilha do Retiro, Passsgem da Magdalena, a
primeira que se acha destacada, a melhor do lu-
gar. Unto pelos commodos, como por estar na
melhor posigao : a tratar na ra Nova n. 38, loja.
Aluga-se urna caaa com excellenles com-
modos, com grsnde sillo com srvoredos, cacim-
ba com bomba, tanque, cocheira o aatribaria, a
qual esl edificada com frente para a principal
esjrada, e mallo porto da cldade : quem preten-
der, dirlja-se a ra da Cadeia o. 9.
A commliilo liquidadora dos cradoraa da
cssa do fallecido Manoel Buarqua da Macado Li-
ma, roga aquellas panoli que la julgarem cra-
doraa por latrai ou contn da Irnos, que ae diri-
jan com o seus ttulos I rui di Cadeia do Re-
oi'; primeiro andar, dai 10 horas da ma-
" .' a da iard"> P*r* **ram "orificados a das-
nacidos pala referida commliilo
Sitio multo fresco.
Alugi-ia ou vanda-ie um sillo na Torra,
Birgam do rio, cora boa cna da sobrado mullo
oirn relti, pom buliotii comraodoi, niribirli
pin 4 citiIIoi, coilulri pin cirros, can pira
riilor, oiclmb com boi igui de beber coro bom-
ba de pusar igui, frucliiru di dimit qusli-
didia, oiplra piriSou 4 cavilloi, bom binho do
rio, aillo mundo, #lo : quem prolendar, dirja-
la a ra Non n. 13. primdn indar,
T Alu- o prlnalro andir do lobndo o.
1 di rui dii Crunt, llmpo a aiislido, pin
poquim ramilla ou aicripiorlo, por olo tar
grindei commodoi: a Iralar do eiaa do Rimoa
D, 10,
Cheguem
BARiT PARA LIQUIDAR
Na ra da Imperatriz n. ^.es-
quina do becco dos Ferrei-
ros, loja de Manoel Jos
Guedes de Magalhaes
Sedinbaade quadros de todaaaacorea a muito
encorpadas, covado a 720 re., cortea de cambraia
brancos com 3 ordena de bordado a 3J, ditos com
3, 4, 5 e 6 babados de diversas cores a 3$50O,
ditos de tarlatana com 3 bsbadoa a SgOO e 39,
ditos de cambraia de seda a 5$, baldes de 14 a
2 "Jco'd08 melhores que tem apparecido a 39,
3|500 e49, ditos para meninas de todos oa tama-
ohoa.cambraieta francea muito Qna,pe;a a 7j)5O0
6 c*Ma> com salpicos brancos e de corea, co-
vado a 240, pecas de cassa de salpicos braocos e
decores com 8 Jil varas a 8*500, cobertas de
froco matizadas para-cami a 9j, chales de troco
com pona redonda e borla dos mais modernos a
89, ditos de laa e seda a 2&500, ganga amarella
multo boa, covado a 240, cambraia de cot muito
bonita, covado a 300 rs., alpacaa de cor para vea-
do. covado a 320, popelinas, riscadiohoa para
veelidoa de seobora e meninas, covado a 300 rs ,
tina bordadas a ponto ingle* de todas as largo-
rae a IWBO 1440. l60 e 2, manguito* a ba-
lao com gollinba para senhora a 2 e 3f, chitas
i?c"" flo" e co'O A"s, covado a 220, 240,
7? '* c,mb"i de seda de cores eofei-
tada aMOra., ditaa de forro de oilo varas a
peca a 1*600, e oalraa muitaa fasendaa de barate
preco.
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso,Sanloa & C. sacam e tomam
nques sobres praca de Liaboa.
Atten^ao.
Sanios Ciminhi & Irruios lando em diversos
annencfoa por este jornal pedido aoa devedores
da massa de Camiohs & Filhos, setiafecao de
seus compromissoa, e nao tendo sido altendidos,
declarara que teem autorisado ao Sr. Joaquim
Anaslacio da Cooba. para cobrar amigavel ou ju-
diclalmeote a importancia daa cootas constantes
de ama relago que entregaran) ao dito Sr. Joa-
quim Anaslacio.
Urna pesaos que se relira para (ora permu-
ta por fazendas um predio que rende 1 per cen-
lo ao inex, visto a falta que ba de dinheiro : a
quem convier, dirija-se a esta lypogrsphii em
carta com as enieises M. S.
Gabelleireiro
Na ra da Cadeia do Recife
d. 55. primeiro audar.
J. Godofredo, artista cabelleireiro acaba de es-
tabeler-se oa ra da Cadeia do Recife o, 53, pri-
meiro andar, e ahi encontraro oa freguezea o
aceio neceaaario no deaempeoho de sua arle.
Recebe encommendas de cabelleiras, meias di-
tas, chicos, marrafaa, enebimentoa para bandos,
crescentes, trancaa para aoneia, tiancelioa. ca-
deia, braceletes etc., et<\ Cortes de cabellos e
frizados, lavagem de cabeca com a excellenle
agua imperial.
Sacam sabr Lisboa
Arana ga, Hijo & C ra do Ti a piche
Noron. 6.
A bem regulada polica
De tres cousas necessita ;
Verdado, e proximidade,
cumprida a ordem risca.
Sem verdade nada serve.
Porque na rellgiao eat :
Asaim a proximidade
Para com justica obrar.
Nao havendo estas cousas,
E' melhor nao aer vivente ;
Porque condemnado est
Toda a pessoa que mente.
Polica mal entendida,
Com mentiras, e sem razio,
Arrastam multas desordens,
E socego nlo ha nio.
Attenco.
Jos Vaz de Oliveira, natural da freguezia de
Santa Mara Magdalena de Gouvlnhas, na pro-
vincia do Douro, em Portugal, assisieole no Rio
de Janeiro, na ra do Hospicio o. 42, declara
que tendo nesta provincia de Peroamboco, um
seu lio de nome Joaquim Pereira da Cruz, e
nio tendo sua familia receido noticias suas ba
muito tempo, motivo porque o cooaideram talvez
fallecido ; nesla incerteza roga o especial obse-
quio alguma pessoa que o conhega ou tiver
conhecido, de dar algomss informacoea a respei-
to, nesta cidade de Pernambuco, em casa do
Sr. Azevedo & Mendes, ra da Cruz o. 1.
Rio de Janeiro 10 de tetembro de 1861.
Altemjo.
Todas as pessoas que esli a dever quantiaa
antigs ao ealsbelecimento de seceos e molhados
>o largo do Carmo, esquina da roa de Hortaa o.
2, tenham a boodade de mandar pagar seos d-
bitos, do contrsrio teo de ver seus nomes nes-
la folhs.
Aviso.
Os mnibus Apa do largo do arsenal e Beija
Flor partirio para Iguarass domingo 59 do cor-
rente, as 4 horas da madrugada, para a feala dos
Santos Cosme e Damio e voltario quaodo os
paasageiros coocordirem : os bllheles veodem-se
na ra do Crespo loja da esquina &.
Preeisa-se de um excellenle copeiro: oa
ra do Vigario n. 2.
Lilleralura brasileira
OBRAS DO BACHAREL
M. A. Alvares de Azevedo.
NOVA EDigAO'
3 volnmss en 8 encadernados .2$000
Recebem-se assignaturas para esta obra al o
fim do correle mez, na librara econmica ao
p do arco de Santo Antonio, depois o preco se-
r de 16* para oa nio assignantes.
Saques sobre Lisboa.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filbo aacam so-
bre Lisboa : no largo do Corpo Santo, escrip-
lotio.
Na travesa da ra das CruzeiJ n.
2, primeiro andar, continua le a fingir
com toda a perfeicjo para qualquer
cor e O maii barato ponivel.
Advertencia.
O aballo mignado avisa sos seas devedores
qua ie di data deste a 8 din olo (orem saiis-
fitar isui dabltoi tsrio o dasgosto de serem
chamados i julio, viito o abuso da franqueza
que os cosimos tem frito para com o mesmo
aballo mlgoido ; id verte mili qua l le emoo-
de com 01 da coat aotlga, anlm como tambera
o sotando oilo com 01 quo tem peohona de
ouro, aaodo a milor parle dellea um juros, o oa
que tem, ilo o mili ratoanli positvel, poli
forim tomidoi mili por fnrr firortl do que
por Inlenis.
Rtcire!4desatembrodel66l.
Antonio Proeopio di Sonta Barctlhi.
Alugim-ia dun cuaa noval na estrada
doa Afllictoi, Junio ao Mioguloho, o bem mli
duss baixn docaplm: quem pretender dirjase
ao ueamo lugar, primeiro illlo de porlio do
rorro, ou 4 mi dn Cruzts n. 41.
O Sr. Jos Derosrdtno do Vascoocollos Co-
imbra tem urna aaria viuda do aul: na raa da
Imperatriz o. II, loja.
Preciss-ie da urna mulher do meia idade
para orna do pequeoa familia : na roa do Hospi-
cio n. GJ.
Aluga-se o sobrado de um andar e loja da
ra Imperial n. 45, a no meamo la vende um
telhelro a um bom forno multo propiio para
qualquer eatabelecimenlo, adrertiodo-se quo o
do sobrado se acha llmpo o acolado: a Iralar
no meamo.
Roga-se ao 8r. Francisco de Viveiros ds
Costa Amorim, natural da ilha de S. Migoel, fl-
Iho de Fraocisco de Viveiros e de Mara do S.
Joa Francisca d'Alagoa, ou a alguma familia
que Ihe perten$e, o favor de dirlgir-se a esta ty-
pographia para ae Ihe dar noticias da parte de
urna hersnea que Ihe tocou por morte de seus
psis.
Precisa-se alugar urna ama de boa coadu-
la para coziohar e comprar para caaa de familia:
na ra da Impentrix n. 22, primeiro andar.
Lava-ao e engomma-se com perfeicio e
aceio por preco commodo : na roa dos Ouar-
leia n. 12.
Aluga-se urna cabra com 25 annos de ida-
de, lidia, sabe engommsr, coziohar o lavar, bem
assim urna outra livre, pessoa capaz, com as
mesmaa habilidades ; os roa da Praia, no pri-
meiro andar o. 31, que abi aa veri, o ejuslarl.
O abaixo aaaignado faz scieoie aoa credores
eos devedores da taberna n 11 da raa da Santa
Cruz, que deade o dia 14 do correle mes que
deixou a sociedade de Ros & C, eaado sobre a
posse de Fredenco di Costa Rios, logo nada mais
tem com dita caaa.
Joaquim demente de Lemoe Dearte,
_TT *'aborto, subdito ioglez, retira-ae para a
Babia.
- Antonio Henrique Rodrigues vsi a Portu-
gal, e deiza por seua procuradorea oa Sra. Ma-
noel Nuces da Silva e Theotonio Flix do Mello.
L. Margot, subdito francas, vai para aa Bra-
viadas do norte.
CftVAWt M 114
Recife ao Sao Francisco.
(limitada.)
t
Do dia 1* de ootubvo de 18011
haverso dona tres para Escoda
balho que partirlo.
De manha :
Da Escada 6 bom. ,
Das Cinco Ponas ae 8 horas e 3
De tsala
Da Escada aa 2 horas.
Das Cinco Pootes as 4 borao o :
Nos domiegoo e diaa
cosime.
O Sr. acadmico do terceiro a
Jo5o Joa de Moura
apparecer a roa sis
gundo andar.
Aluga seo primeiro
brado da i ua da Imperatriz a. *#,
tratar no mesmo.
Na noite de 21 do correoso frsdi .
theatro al ao Hospicio avaro a. tSjL per-
der ro-ae doas alaaofadao ato oao estro !
roga-ao a oootn arhnu assoiai lia
entregar oo referido amo oa na raa ato
Trapiche o. 4. prteaoiro ondor, o* so-
r gratiQcalo.
SYSTEIII EMC M IfHUVlT
PILULASHOLLWOTA
Esle isMSauvei sjaj
mente de berras medie
rio nem algoaaa oalra _
nigno mais loara isnuu, a
delicada, igualmente prooapm <
desaneigar o mal na
en lei rameo te innoee__
feilos; pois busca e rernove
quer especie e grao por mais ai
qu sejam.
Entre mimaras de psoasas cerneas enes cato
remedio, nanitas que j estavaa
morte, preservando oa asa asa
recobrar a saude e (oreas,
do inultimente lodos oa oulras
As mais afflictas
espersfo; faeam um
cftieazes effeilos desla
proales recuperaro a
Nao se perra tempo ees masar esa .
para qualquer das segoietcs rainai Istias ;
Aceidenies epilpticos.
Alporcas.
A raplas.
A reas ( mal de) .
Asihma.
Clicas.
Convukoes.
Debilidade ou exienoa-
eao.
Debilidade ou falla do
toreas para qualnaer
consa.
Desio loria.
Dor de gargantt.
de barriga.
nos rins.
Dureza no rentre.
Enfermidade no venno.
Di las no figade.
Ditas venreas.
Enehaqoeea.
Herysipela.
Pebre biliosa.
Pebre intermitente.
Venden-se estas uilulas ata.
geni de Londres a. 224, Straori*, oao toja
de todos os boticarios droguista e o
encarregadas de sua vendo esa toda a M
do Sul, Ha van a e Hespanha.
Vendara-se as boeotinaas a oM rs.,
urna dellas contera orna instrucfan. ena aartu-
guez para explicar o modo d se usar dantos Di-
luas.
O deposito g'aai esa casa da Sr. Sean
pharmaeeutico, na roa oa Gran a. 22 ana Per-
nambuco.
Consultas Mtjict*.
Serio dadas todos os dias pelo th
me de SI Pereira no eeu eseriplari
da Croi a. 53, desde s $ tM te M
da maahia menas t*$ atoarte*.
1.* Molestias de olhos.
2.* Molestias do coracao u i
>.* Molestias dos orgoa to
do a a os.
O same dos doenlea svrt (i
dea 4 soss entrados, eos
r*m por aqoellea ame
olhos.
larlrumcnios ehisatea*,
ticas serla mipreaatto asa
lajon o proeaderl seas %t rienr
deorla para obter coneso. aa a
probabilidaea sobro a m
eion da notesiia, e detri a>
de iraUmento fue tova
corar.
Vartoo modteenonisa serla anaM
empregaeoo arralawamaal, noto
texa qua lea do sua eireaisln aualati
SronptMaoon sena anVatoa, a a neee
seo do aoa enprogo urgunsa apa a a
dolas.
Praticari abi saoseso, oa sus asa
doeotea leda e eaalsjaap aaaaauato
jnlgar coavoaioalu aura o
melo dos mesaos, pora eojo aa a
prvido do una conptoSo coMo
inatrunuulee iadiaaaaaeaat aa
operador,
00
MWL
Publicages do
meopathico m Hfwi.
THESIEM
VADE-IIGCI
(Segunda
deravelmeale
toda.)
Dieeieurie yifiir >
SABINO 0- L PIIHO.
Caatinuana aa
en diaole aa
SSfOOO.
laa 4


DiAsUO M fllNHIDCO m SEXTA UBA 17 f>l SETEMBRO DI 1861,
36, ra das Cruzes de Santo Antonio, 36,
PROGRESSIVO
ELIXIR DE SAME
Fuoileiro e vMnrein.
Citrolactato de ferro
Grande e noea
TtM p#rtas.
31RuaDireiU31.
Neete rica bees MtMo e*t*st*ti**tsle
A, F. Duarte Almeida, socio que foi do armazem progresso, faz sciente aos seus fre-
guezes que tendo separado a sociedade que tinha com seu mauo, acha-se de novo estabele-
cidocom dous aceiados armazens de molhados, associado com o Sr. Joaquim Jos Gomes
de Souza, e o Sr. Paulo Ferreira da Silva; o primeiro na razo de Duarte k Souza, e osegundo
na de Duarte Alnuid 6 Silva: estes estabelecimentos offerecem grandes vantagens ao pu-
blico, nao so na limpeza e asseio com que se acham montados, como em communidade de
preco, pois que para isso resolveram os proprietarios mandarem vir parte de seus gneros
em direitura, afim de terem sempre completo sortimento, como tambem poderem offerecer
ae publico urna vantagem de menos 10 por oento do preco que posiam comprar em outra qualquer parte, por isso desejando os proprietarios acredi-
taren! seus estabelecimeotos tem deliberado garantirem toda e qualquer qualidade de gneros vendidos em seus armazens, e assim j poder ver o
e mandar mas encommendas, mesmo por pessoas pouco pratcas, em qualquer ura dostesestabelecimentos, quesero tao bem servi-
estabelecimentos, abaixo transcrevemos alguraas adteoes de nossos precos, por onde ver o publico que vendemos baratissimo, attendendo as boas
qualidades de sossos gneros.
apreciadores destele ge
Manteiga ingleza especialmente esoollhida a 900 re. a libra e em porejw ter abatimento, recommenda-se aos
ero qoe tnandem ao menos experimentar, sertos de nada perderem pois para isso confirmamos o que levamos dito.
luetn raoceza a melhor do mercado a 640 rs. a libra e em barris a razo de 600 rs. a libra
t na hVSSOn e pretO 0 mellrer do mercado de 1&700 a 2#800 e em porco ter abatimento, e aBanca-ce a boa qualidade.
Presunto fiambre inglea e hamburgus a 900 rs. a libra e em porco a 800 rs.
Presuntos portuguezeS vindos do Pono de casa particular a 560 rs. por libra e inteiro a 460 rs.
Marmelaua dos melhores antores de Lisboa premiada as exposi$5es universaes de Londres e Pars a 19800 a lata.
CaixaS COm estrelinha pevide e rodinha a 7#000 a caita e 800 re. a libra e em porco ter abatimento.
Latas de ameiXaS francezas com cinco libras a 49000 e 19000 a libra.
PaSSaS em caixinhas decito libras, as melhores do mercado a 2*000 e a 400 rs. a libra e caixade urna arroba a 79000.
Espermacete Superior 720 rs. em caixa e a 740 rs. a libra.
Conservas francezas inglezas e portuguezas a eoo e soo rs. o frasco.
tSrylnaS portugueies e francezas a 800 rs. o frasco afianca-se seren as inais bem preparadas que tem vindo ao mereado.
Lata COm DOlaXinha de SOda de diversas qualidades, a multo nova a 19450. e grandes de 4 a 8 Hbrasde2500 a 4*500.
r,fag!rr,\S.DT^d<,Pori0' Poro fiw. genuino, nctar, Caroavellos, Madeira secca, Feitoria e Camones a 1*200 a _.
a garrara e a 139 a duza. ~
Vinho em pipa proprios para pasto de 500 600 rs. a garrafa ede 39600 a 4800 a caada.
Latas COm fructas de todas as qualidades que ha em Portugal de 700 a 100 a lata.
Pera em CaixaS de 4 a 8 libras a melhor que se pode desojar e tem vindo ao mercade de 49 a 6 a caixa e 19280 a libra.
LOnntaS -em frascos de \ Ir2 a 2 libras de 11600 a 29200.
rar^C0P? PeiXe Savel pescada e ootras muitas qualidades o mais bem arranjado que tem vindo ao nosso mercado de 140 a 19600
t,aie dO RIO o melhor que fea a 240 rs. a libra e a 280 rs. o lavado.
vnaa^ amendoa com 2 libras, proprias para mimos, por serem muitobem enfeitadas e de superior qualidade a 39 cada%n.
Y inagre branco o melhor que temos tido no mercado a 400 rs. a garrafa e 2#560 a caada.
^nh^RnT' pa0S1w,i1'0S' choQr5 murallas e otaras qualidades, o melhor qne se pode desejar de 600 a 19280 a libra.
V inno BOraeauX de boa qualidade a 800 e 19 a garrafa e de 8*500 a 10000 a duzia,
MaSSa de tomate platas de uma4ibra do mais acreditado autor de Lisboa e vinda a pr imeira vez a nosso mercado, de 19 a 19280.
Banba de porCO refinada elhor que s. pode encentrar neste genero a 480 rs. a libra e 460 em barril.
Cervejas das melhores marcas 500 rs. .,.!. 59000 a duz,. da branca.
Vinagre puro ddlSboa a 240 rs. a garrafa *4SaO acenada.-
DGCe da gOaba da Casca em-eaixao a 19 e em porco a 900 rs.
Azeite doce purificado *00 rs. a garrafa e 99000 a caixa com 12 garrafas.
(iOgllftC a melhor qualidade que temos no mereado-a 19000 a garrafa e 109000 a duzia.
QUIJOS SUSSOS -chegados ltimamente a 500 rs. e em porco ter abatimento, afiauca se a boa qualidade.
OenCbra de Hollanda a 600 rs. o frasco e 69500 a frasqueira com 12 frascos.
Pautes UXadoS para denlesa280 e 160 rs. o maco com 20 macinhos, e flor a 280 rs.
dem do gaz a 89000 a greza c 280 a duzia de caixas.
Chocolate o mais superior que temos tido no mercado portugus hespanhol e francez de 19 a 19200 a libra.
AzeitonaS as melhores e mais nova* que tem vindo a nosso mercado a 19200 a ancoreta do -Porto, e a 19600 as de Lisboa.
AmendoaS chegadas no ultimo owio a 480 rs. a>libra e em poreso ter a batimento.
AlpiSta o mais 1 i rapo que tem vindo.ao mercado a 180 rs. a libra e 59500 por arroba.
A lm Dnleo deposito na botica de SoacpiAm Martiuuo
da Crux. Cotteia & Cornado Cabng n. U,
em Pernambuco.
H. Thermea (de Chalets) enligo pharmaceutico aprsenla hoje urna oova preparac.no de ferro
com o nome de elixir de citro-laclato de ferro.
Parecer ao publico um luxo empretar-se un mesmo medicamento debaixo de frmalas to
variadas, maso homem da sciencia comprehende a neceasidade importancia de urna tal varie-
dade.
A formula um objecto de multa importancia em therapeutica t um progresso immenso,
quando ella, maniendo a oseocia do medicamento, o torna gradare!, fcil e postivel para todas ai
idades, para todos os paladares e para todos os temperamentos.
Das numroias preparares de ferro at hoje conbecidss nenhuma rene lio bellas qualida-
des como o elixir de eitro-laclacto de ferro. A seu stboragradavel, rene o lomar-seem ama pe-
quea dose, e sor de urna prompta e fcil dtasolucio no eilomago. de modo que completamente
assimilado; e o nlo produilr por cauaa da lactina, que cootem cm suscomposi;io, constiparlo de
veotre (requeotemenle provocada pelaa oatraa preparscoea- terroginoias.
Bataa novas qualidades em nada alteran a sciencia medicamentosas do (erro, que sendo urna
substancia da qaal o medico ae nao pode dispeusaa em sua clnica, de incomparavel olilidade
qualquer formula que lhe d propriedades taes, que o prelico posea preecrever sem receio. E' o
que coostguio o pharmaceutico Thermes com a preparado do citro-laclacto de ferro. Assim este
medicamento oceupa hoje o primeiro lugar entre aa numerosas preparaedes ferrogioosas, com o
atiesta a pralica de multo mdicos distinclos que o tem ensatado. Tem eido empregado como im-
meneo proveito nee moleeliee de languidez (cbloroee peludas cores ) na debilidede aubsequente aa
hemorrhagies. nee hyd.ropeelaa que epparecem depoisdas Intermitentes na incontinencia: de orinas
por debilidade, nee parolea brancas, na eacrophula, no rechiliemo, na purpure hemorrbsgice, ni
convelescencie das molestias graves, na chloro anemia das mulheres grvidas, em todos os caeos
em que o sangue ae acha empobrecido ou viciado pelae Tediges, alTeredes ebronicas, cacheiie tuber-
culosas, caocroi, yphililica, excessos venreos, ooenkimo e uto prolongado dae precaicdes mer-
cunaet.
Estes enfermidedes sendo mu trequenles a sendo o ferro a principal aubstencia da que o
medico tem de lancar roSo para as debelar, o autor do cilro-lactato de ierro merece louvores e o
reconhecimeoto da humenidade, por ler deecoberlo urna formula pela qual se pode sem receio
usar do ferro.
contrario o* freguezes o sm perfeit, bes aca-
bado e barato ao ees genere.
URNAS de ledas se aiidades.
SANTUARIOS que rivaiiMei e
BANHEIBOS de ledet m tai.
SEMICLP1A3 idPMidea.
BACAS idea dem.
BAHUS idem dem.
FOLHA em caixas de todas
TRATOS imitando
lata.
CHALE1RAS de todas aa qneh 1
PANELLAS idem dem.
COCOS. CANDIIIOS |
quer onimento.
VIDROS de lodos m taeexw,
botar dentro da cidae,
Reeebenv-se entese
reta, coocertos, qne todo
coolenlo.
ur ao ierro.
'Consultorio
medico-cirurgico
Consulta por ambos os systemas,
Em consequencia da mudanza para a sua nova residencia, o propietario deste eetabeleci-
mento acaba de fazer urna reforma completa em todos os seus medicamentos. .
O desejo que tem de que os remedios do seu estabeleciment nao se confuodam com os de
nenhum nutro, visto o grande crdito de que sempre gozaram e gozam ; o propietario tem tomado
a precaucio de inscrevero seu nome em todos os rtulos, devendo ser considerados como falsifica-
dos todos aquelles que forem apresentados sem esta marca, e quando a pessoa qoe os mandar com-
prar queira ter malor certeza acompanhar urna conta assigoada pelo Dr. Lobo Mosaozo e em pa-
pel marcado com o sen nome.
Oulro stm : acaba de receber de Franca grande porco de tinclurs de acnito e belladona, re-
medioa estes de summa imporUncia e cujas propriedades sao to conhecidas que os mesmos Srs.
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsosqur era tabos qur esa linduras cuslarlo a 19 o vidro.
O proprietario deste estabeleci ment annuncia a seus clientes e amigos que tem commodos
sufficieutes para receber alguna eecravos de um e oirtro sexo doentes ou que precisem de alguma
operacio, affian^ando que serio tratados com todo o disvelo e promplido, como sabem todoa
aquellos que \ tem tido escravos na casa do annuncianle.
A siiuaco magnifica da casa, a commodidade dos banhos salgados aio outras tantas vanta-
gens para o prompto restabelecimente dos doentes.
As pessoas que quierem fallar com o annuncianle devem pTocura-lo de manhia al 11 horaa
e de tarde das 5 em diante, e fora destas horas acharo em casa pessoa com quem se podero en-
ender : ra da Gloria n. 3 casa do Fundi.
Dr. L060 Moteoso.
3|500.
Arroz de
Vende-se soperior arre ale canea
a arroba,: no armaitm de Framastu
vedo, rea da ladre 4% Deee n n.
O rival sem segando,
ra do Queimado d. 35
de fronte do sobrado no-
vo, est y endeudo Indo
bom e bara(issimoTpots
j tem dado proras de
suas boas fazendas, e
por precos que
ram, a saber ;

penata
CONSULTORIO ESPEWALIWMEOPATBCO
DO DOJTOIt
n SABINO O.L.PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os.das uleis desde aa K horaa
'at meio dia, acerca das seguintes molestias :
moittliat dat mulheres, moltstiat da crian"
coa, moUsliat da ptllt, molestia* dot olhos, mo-
lestias syphililieat, todas a$ especies dt febrts,
fsbrts intermitientes t suas consequencias,
PIIAHMACU ESPECIAL HOMEOPATH1CA .
Verdadeiros medicamentos homeopathicos pre-
parados som todas as cautelas necessarias. in-
falliveis em seus effeitos, tanto em tintura,como
em glbulos. p1os presos mais conrmodos pos-
I1V61S.
N. B. Os medicamentos do Dr. Stlino sao
nicamante vendidos em sua pharmacia; todos
que o forem (ora della aio falsas.
Todas as carteires sio acompanhadas de um
lmpresso com um emblema em relevo, tendo ao
redor aa seguintes palavras : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema posto
Siualmente na lista doamedicamentos que se pe-
e, As carteiraaqae nio levarem esse impresse
assim marcado, emboratenham na lampa o no-
me do Dr. Sabino ao falsos.
Na roa do Queimado n. 6, loja de fazendes
por beiio do cabelleireiro, compram-ee moedas
de ouro de 16a e 209, e libras sterlinas.
Comprara se moedas de ouro: na ra No-
va n. 23.
Compra-se urna escrava de cor preta ou
mulata, de 18 a 20 annos de idade. e qoe seja
perfeiia costureira e engommadeira : na rea da
Aurora taberna n. 48.
Canif ele para aparar
Ditos com S falbaa aiaito
Frascos de macaca pesla
Dito de oleo moito fiaa *
Tranca de lia cea 10
rea a
Franjas de lia coee 19 vara*. bmIm en-
te a
Sapa tos de tranca de alejedie a
Ditos de dita de lia a
Caias com iscaa pera charaSee a
Cartas de alnetes secsstae snenanaan a
Caixas de ditos ditaa a 89 rs. a
Escoaa pava liaapar salee nata Isws
200 rs. e
Duzia de facas e garfea, cabe ateta a
Massos com grasases maito boas a
Candes com clcheles a
Dilos com ditos da saaarisr qoaii
Dedaes da aee para esaieVera a
Si booeles maito graneen a
A pitos de chumbo para eviaaca a
Rialejo para meainos s 40) rs. s
Enfiadores para vestidos, sete
des a 60 rs. e
Sapatinhos de lia para meaiaos s
Ainda lem ama vanseade de
ria enfadonho menciona-las, nasi
se pode apreciar as qualidades a aa
"i
Vendas.
Padaria.
Aluga-s4 a padaria da-travessa do Pires, a qual
-est prempla de tudo, com muito bons commo-
dos, e est ainda irabalhando, sendo seu aWiguel
muito coomodo : a tratar na ra da Seozala No-
va n. 30.
Maaoel Alvea Guerra saca sobre e-Rio de
Janeiro.
Preciaa-se de um menino portugvez para
caueiro de urna taberna na cidade da Victoria :
e tratar na padaria da ra Direita o. 81.
-Paraaeabar.
Urna porco de rtulos para caixa de charutos,
por preco awi commodo, ditos para botica*, di-
tos em branco, devoto das dores, economa da
vida humana, gramraatica portugeza do Sr. Cas-
tro Nunes, arilhmetica do mesmo, carias de ABC,
taboadas, catnecismo da doutrioa chrislaa, nove-
na da Senhora da Conceijio, dita da Seo-hora
Saot Anna, dita da Senhora do Cirmo, trezena
do*anlo Antonio, mez de Maria, carias de en-
terro, pautas de differentes larguras e grossuras,
camlaho do ceo. cootendo alem da novena de
Nosse Senhora 4a Penha muitos versos e devo-
(5es importantes : na ra do Imperador n. 15.
Aluga-se a loja do ciss da ra do Codorniz
n. 6, lugar prop-io de concurrencia pan deposi-
to ou taberna, eeonvindo, estte ne meema ama
armacio de taberna, que ae vender por mdico
preco*, etambem ae aluga o secundo andar da
mesaaa ; e tratar na ra do Vigaalo o. 8, primei-
ro ander eo segundo com o propietario.
Na ra Direita. sobrado n. 38, defronia do
Sr. Jos Luic, faz-se doces de diveraae quallde-
des, e tem tambem seeeoie de calda,z se pi-
de-li e bolos para qualquer presente4 com es-
polias, ramos, flores, indo de aluolns, tembem
ee fezem bandeja* de bolinhos de diversas arma-
c5ea com Uguras. illas com letreiros, .ludo com
perfeijiu e commodo prego, tambem se iti pee-
tela de nata, pudn*, arroz de leite, doces .d'ovoi
o jaleas do sujMtaneii.
mu
ex^sicaodecandieiros
ECONMICOS
0 ^^^a*
O proprietario deste estabeleelmeolo arise ao
"ublleo que contina a ter um rquislrao a va-
ria v el sortimento do cendielros para todos es ser-
vicos que se precisar, como um grande deposito
da faz da melhor qualidade que tem apparecido,
experimentado palos compradora*, eonhecidoi
verdedeirsmente econmico*.
Cadlerce econmicos a gaz.
Caodieiros econmicos a aj*z.
Cendielros ocooomieos a gaz,
Gandialroa eseoomicos a gaz.
Candiairoe econmicos a saz.
Na ra Nova d. 30 s 24.
AUenco.
A.'I>. Delouche tem a honra de annunciar ao
publico e principalmente aos Srs. logistas, que
est morando em Pars, e que se encarrega de
mandar qualquer encommen la que se lhe Qzer
por preco razoavel: quem quizer se otilisar de
seus servidos, procure as informacoes com o seu
irmio d* ra Nova u. .
O JJr. Antonio de -Vasconcellos .Menezes de
Drummoad acha-se prompto para o exercicio de
sua profissao de advogado em todos os dias utela
das 10 horas da niaohia-s 4 da tarde, no seu es-
criplorio. ra do Imperador n 43, primeiro en- j
e fora dessas occasies, e para caeos urgen-
e
dar.
tes. em seu domicilio na tus do Hospicio o. 17.
Aluga-se urna casa -em Beberibe:: a tratar
com 1. 1.4. do Reg, Da ra do Trapidre n. 34.
Aluga-se o segundo todar da ra do Ran-
gel n. I0.com commodos para pouea familia:
a tratar na mesms.
Escrip torio de-advocada.
O bncharel A. R. de Torree Bandera contina
oo exercicio da sua profissao de advogado, e of-
ferece-se para desempenha-la tanto nesta cidade
carao em qualquer outro ponto para que e cha-
mera : pode sor procurado em aua residencia, na
ra do imperador, cobrado n. 87, segundo andar,
entrada direita*
Dentista de Pars.
15Ra Nova15
FratkricGautier^irurgiiodantiiu.M
todas M oparacoes da sua arta acollona
dentes artiiciaei, lado com a supariori-
dsdeeperfeicoquesi pesoaientendi-
das lhereconhecem.
Tea agua padeotifriciosetc.
Loja.
Aluga-se a loja da roa Direiu o. 87, com sr-
meci, propria para qualquer astebeecimento,
nio ee ornando a preco : a tratar na loja da ra
do Queimado o. 46, de Ges Bastos.
O ebaixo assigoado, como liqaldalario da
exliaeta sociedade e Arma da Feraaira & Crui,
faz publico, que Undo de ser vendido o engenho
Santa Luzle, um eacravo a urna escrava, em li-
lio publico, para pagamento dos credoroe, tudo
com aulorisacio do Exm. Sr. lula do commercio
O aballo aaagnado antacipadamaola convida a
todas as pessoas que pretenderen) comprar o dito
engenho o adquarir urna linda propriedade por
ser muito parto daata praca, a irem ver o exami-
nar, para no da qua for marcado definitivamente
poderem estar completamente habilitados; o pa-
ra rer opiato a a rela, pdiem dirigir-as re-
Qnacio da ra de Horlas n, 7, a para toda* asin-
formacofsqua foram precias.
wtoAJveidaCrur.'
- Meuron & C, mudarara seu de-
posito de rap are-preta, do primeiro
andar n. 23 da ra da Cruz para o ar-
maeem n. 19 na naesma ra.
JGabinete medico ciwirgico.J
a> Ra daa Flores n. 37.
tj Serio dads8cons&Uas medteas-cirurgi- s*
# cae pelo Dr. Estevio Cavalcanti de Alba-
<& qu^rque das 6 as 10 horas da machia, ac-
a) cudiodo aos chamados com a oacior bre-
4fj vidade possivel.
9 1* Partos. Z
9 2. Molestias de pelle.
4 3.* dem dos olhos. J
9 ** I.dem dos orgaoe genitaes.
djp >Praticartoda e qualquer operaco em dj
a) seu gabinete ou em casa doa doentes con- aj
forme lhes fdr maii conveniente. an
*>*
ZTsw*i (|,SM. subdito francez, ^eHra-se
oara fora do imperio
ffiaU*UiiaU*UieiU iilsUH
S Si
ir S f o
-a o B
*nw.
sr. p
a i & .
Avisa-se
aossenhores devedores da loja de miudezas da
ra da Imperatriz n. 49 que foi arrestada a Hy-
larino Soeres da -Silveira, que venham quanto
antes pagara importancia de seus dbitos na ra
da Concordia n.-6t, do contraro verioosseue
oomes pelos joroaes desta cidade at que salisfa-
cam suas contae.
. Precisa-se de urna ama para comprir e eo-
ainhar para casa de homem -soHeiro ; na ra de
.Oueimado, loja n. 42.
Aluga-se o primeiro andar do so-
brado n. 112 da ra Imperial : a tra-
tar na ra Direita n. G.

O
A
O
1 Joo Jos de * I com armazem de fazendas na ra do
Queimado o. 28, esquina do Collegio,
avisa ao respetlavel publico que ha re-
formado o sea eatabelecimento, sortn-
do-o tanto em boa qualidade como em
gosto, com as melhores fazendas ingle-
zac, francezas, suieaase allemies, achan-
do-.se disposto a vende-las o mais bara-
to poaeivel, e por iseo convide aos seus
freguezes e ao publico em eral para o
honrerem com a sua concurrencia e
cenaasc*.

Roupas feitas ba-
ratissimas,
NO
armazem de fazenflas e
roupas feitas
DE
Raymundo C. Leite & Irmo,
N. 12Ra da ImperatrizN. 12.
N'este armazem que ora se acha bastante sortido
de roupa feita de todas as qualidades, tanto pa-
re homem como pera meninos, se esli vendendo
as mesmas por baralissiraos precos, como se- 540.240, i60e 0, chiUs isflsa s
Madapolao
Vendem-se pecaa da aesdape
a 38, pecas de csea psrs esvtia
a 9\ ditas com 10 vane a safif, ditas a 3. airas
de cambraiaa de caroxiabea caen 17 vsrae a sj,
ditas cose 8 lj2 varas a if, diUs aeasjtss a de
corea a 3*. dius de caaabraias srassaae) a tSJBSJt
ditas una* a 2500. 3 a 3|fi*e). rito* ateas --
feiles para senhora. da diversas aa
tes de cambraia de basseas a 3$
baliode 30 s0 sresa a 39 a 3fSd
Imperatriz, loja da 4 portas a. 50,
A Mendet.
Magalhaes, Hendaos
recebenm pelo vapor francez din rase ****!k
des de fazendas, a ser: riseadm asase* para m
tidos a 300 rs. o eovade, aasattae ets car ate
bonitos gostos a 300 rs. o eovvee, resaia sa
vestido a 320 o covado, laazisbas
400 rs. o covado. sediabee de asa
5C0 o covado, chitas de tes
>
niflfWR
m
ifwl
fifTmimffTO......
S' Jos d'Agenia.
O secretario da eonfraria da 8. Jos d'Agonis,
reqoerimento de commiaslo nomaada para or-
ganisacio doi novos estatutos, convida a todoa os
asna irmio* i comperecerom domingo 90 do cr-
rante, a 10 boraa da manhia, ao consistorio da
meama.eflm da *m mesa geral a commiaaio fa-
zer entrega d je aeua trabalbos, e dsr-se
pi p dlacuisio doa mesmo*.
Mdo1 Francisco doa 8sn|oi
Alttga-se urna eicellente casa de
campo com todas as commodidades de
familia, cosa sitio grande, ooetSeira, es-
tribara etc., a casa construida ha poa-
co tempo com terraco a roda, sita .
entrada do Pooo: a tratar com os pro
prietarioa N. O. Bieber & C, successo-
res, ra da Cruc n. 4.
C ompras.
o dar-ae prinol
Wts,
Corapra.se moedas de 20| s na
ra da Cruz n. 48. paga se mais do
que em outra qualquer parte.
Na ra da Crut n. 48, compra-te
moedas de O^pagando-se mais do que
em outra qualquer parte.
| Compra-s
cabellos compridos.
Na ra do Queimado casa da cabelleireiro.
AVISO
Compra-se su ra d Cruz do Recife
armaiemn. 63, junto ao Corpo Santo,
moedas de ouro de 90|.
Compram-se moedas de 30 30*700: na
loja da ra do Queimado o. 4(3.
Comprs-se orna preta a urna mulata que
jam : sobrecasacos de panno lino, obra ioteira-
mente boa por ser feila a moderna a 258000, di-
tos de panno superior, obra do melbor que se
pode desejar a 30*000, palitos de casemira finos
a 18g000, ditos sacos, obra de moderno gosto a
I2C000, ditos de meia dita a 6*000, coletes de
casemira de cores Bas a 4*500, dites de brim
de cores e braocoa a 2$500, calcas de dito Anos
a 355OO, 4*000 e 5*000, paletos caeacoa de alpa-
ca obra muito boa por ser de alpaca fina a 8J000,
dito dito aecco a 3*500 e 4*000. uniformes de
casemira a ultimo gosto, sendo preciso notar que
sio de casemira inissirna a 26*000, camiaas
francezas peito de linho muito flnaa a 35*000 a
du2is ; havendo tambem muitas outras fazendas
e obras feitas, as quaes todas se vendem por
presos muito commodos.
Vende-se um terreno com 88 palmos de
frente e 150 de fundo, com 4 meies-egaee de
pedra e cal, do campo-verde ra da Traico:
quem o pretender dinja-se ao mesmo lugar, ta-
berna n. 44.
MMileJjB&gM MSSf SWCMCItlK'i
A loja da bandera
Nova loja de funileiro daj
ra da Cruz do Recife
numero 37.
Manoel Jos da Fonseca participa a
todoa oa seue freguezes lento da prac,a
cmodo meto, ejuntamente aoreepeita-
vel publico, que tomou a deliberado de
baixaro preco de todaa as suas obras, por
cuje motivo tem para vender um grande
sortimento de bsno a bacies, ludo da
differentes Umanhos e de diversas eores
*m ptnturss, e juntamente um grande
sortimento de diversas obras, contendo
benheiros e gemelaa compridia, grandes
e pequenss, mschlnss psra caf e cane-
ces pera coodunr sgus grsndes e peque-
as, Jales grendes pira cooservar fari-
nha a regedores ao uso da Europa, ditos
grandea a pequeos so uso do Brasil e
camas da vento, lates de arroba a 1*.
bahts grsndes a 4* a peque noa a 600
rs.. bacas grandee a 5* a pcqueaae a
800 r a., cosos de asa al* a ouiia re-
gadores reguUre* mullo barato, dilos
900 rs. ; ns roa da
numero 56.
Imperatriz, loja ae 0 senas
Na loja de mar more
Vende-ae psra Bojeeds^is anease ala
cor a 2* a doiia.
Attenco
se secesar
Bastos;A Reg aeesai
qoaolidade de rosnas para
seja de foslao e la e de seda, seta
o de SfCO, 3* e a 4f,
rdadoa para baplisaee de en
ssveque e capea da faaSls e de
pr-
eaassfjis
m. ta-
sara
nbora e menina salo miaseis sraca de"3fe ja.
capas de fustio maito cemsridss pera sessfeara
a 12*000. ^
22-Rna A fim-ti
Instrumentos de msica.
Tem ebegado pelo altieae vseer tramcez uan
aorlimeoto de iostrssssete de masase asa loeea
quelidsdes. biaoesise matas sane sean dksnr
Vislas urna para ver ee mar a aartre sen ierre,
nivel psra nivelar as roas, lisluses maal. cam
suas vistas de eareatsrss. faene iibijTl. sji-
to boas cos exrellesla va sea. Sssa u
relogioe de cima de aseas) rana cares)
ditos de algibeira da srata i
plaqu suissos e patala satez*
tmenlo de eardaa asila lesesjL
violio e rebeca, agaa aars prsssse lstio
e mnitos ostros artigas eme se va
em conta quem da vinar sanee) ver,
V*ede-te en ntrese tramita
eervice: na rus da Ganis vetfee a
Manteiga ingleza
flora 1,000 a libra,
frescesa a64f rs., I.actaba a SsB s a *.
sesra *
pequeos a 400 rs., de lodos ealss objec-
tos ha piolados a am branco o lodo mala
ia venda pelo menos preco poaal
loii da bandera da ra da Crut
cita n.
37.
poaalvel : na
do Re-
uma
aejem perfeitas cosinheirsi, engommedeiree"
costureires : na ra da Cruz p. 1, ucriptorio da
Asevedo & Mendet,
I'HIIA MIA
40-Rua do Queiioado-40
Ricos msoguilos da cambreia bordados, a sa-
li, o mala superior que ba ae mareado, viudo*
no paquete francos de 18 da torrante mas, a
tembem um grande aorlimeoto de chalas da ma-
rin da todaa aa qualidade*.
Arado s americano ie machina-
patalararrouparemcasadeS.P.Joa
nhsfon 4C.ru dalcqia.lt n.*f.
arroi a 100 ra., e,U a S49 rs.. e
a lina nica de arria* : aa me den
seqsiaa da traeassn ale Oesier.
A 16,500 res,
Tiste.
av m.
Palitse ne
mallo bone: ss me
gscm antee ene se se
Vidrol para ?kftaca.
dad* de teeas s**anaes
T rayese
dei
V
fuoileiro
efo s a rsUlbe, fot
commodo: a
49 ou 53.


MA.RIO DaVHUUUMJUCO-------SEXT* FE1RA 17 II SCTMEBIaj 01 1 tel
Gaz liquido.
Em caaa de Samuel P. Johneton & C, ra da
Senzala Nova n. 42, rendem-ae Utu com 5 ga-
les de Kerosiae.
Potassa da Bussia e cal de
No bm ceahecldoe acreditado depoilto da raa
da Gadeia do Racife n. lt, ha para raodar a ver-
dadeira polaesa da Russis, ora da auperior
quilidade, assim como tambera cal virgem em
padra ; ludo por pregoa mala baratoa 4o que tai
outri quslquerpsrte.
IfUNDIGlO LOW-1O0
Ala dalaaialla fiara i,4fl,
Nitli HHbsIflrlmaatofoBilni ihataruai
splalo *oMiaantidemoendaiemiiiitao-
lu oir ^! wir'fl billdll dli4llidoi aiiatnlflMat
Pin Jilo,
Papel para msicas, pa-
pel pautado e riscado
para contaa e facturas, papel mata-borrae; ren-
de-ie na loja d'aguia branca, ra do Queinado
numero 16.
Na ra da Cruz n. 10, cata de
Kalkmann Irmfiot &C, tem ex-
posto um completo sortimento
de amostras de objectos de bor-
racha, proprio para machinas de
engenhos, sendo correias para
transmittir morimento, canudos
de borracha de qualquer com-
priment e groisura, pannos de
lortacha, rodetas de dita, so*
bre ditos artigo tomam-se en*
coramendai.
e'b-Mo M#lMllf l#(|Mtnll I {"ftBlMj df
WW llalli il|lll| llfl hijsjtfll IHIM f
?J*^HMrrttf|ifli>flMllllltlLlnftl(*!^
&t7rJiA,,,fcM,,i
Nii|iwi{ii'M organdyi o
710 n a yin.
Mrjljr H HHlMlIflHI Hfilidjll t WHllllbH-
BltM )(MfAMi Mlrl MMUlHrnrf ffffl IlTt M
(""i muw mu, vm ifiiaar iinarir Titfnai
Im milM nMii nwnih HiriMimiil Tfiii
fMU!HlwdMHilf| aiWM MHrtaalll W|l di
Ralogloa baratoa.
MuHiMMMft.ui, luirMiti piuaM dinln*
U"". I lU4ul, NHUMdHl UBI Miim, juriNiii a Hll
luWSMa, HllilMI lflUIIH. Ul liUlll IIIIM MH*
*Miti4,i( imane h jiiilaiMif Mii(MiMiisr
l|d r mu hhIhii to.4t*. H rNiHMiiMbillu jial
A i$ o corte
* caiga di ffleii easemlras escuna le urna al
-r i ti i ni do Quilmide H, ii Tais
"hmafinsfw
AC.HrtiuadaGfu* it. 10, *J*li
** HItAHrIttIWff UW rJOtU^
iriHiffieHt de
Vihlioi fdfdtiu* lij trjdm ai
rjtlNlldlirjH.
Olio %m *JlH fWrlli
fjjltf Maellift UrH liUffil V PMlftMf,
llH Muiellil 0 HftMi
lfl ClIMfHHrfHllH 0rH MMHI:
JjHItrJ rrl HlrTiti
IPVfia HCNHi'N!
Ana da a>M*.
MM# dtgf Muitf IIhi m aataaii
Oafa<
" M
liifn
ni
r um rnHlNll imiU* II raiu
NWUiiioMln iluriiila salsms'ai
IL1MTOQ
champagne
'iM l.arwwUra. im iiiMi | (i
ISMlidM ft HM'litNHM) lllf Mis
(l fl|i|aUNf|illflli|aH JJ
Par os bailes elliealros,
i tambam douradaa ti niusludn,eom ruis pini-
na par* valurem nbre 01 nelidua, iiihiIm Era.
ort u iian m iinlioni (jiii Ufaren di ir ios tii-
lia Hsilfo vandam-aa pala baratiaamo pr
<4l, bf afif. it rttn do Ominado aa,
na tjari cuiiiifltldit toja da boa (I,
i-ttmint* aaaM
HiNlia an fiivaftaii
>#
- Vnnimi urna bHi iihmIa d imimiIhi
Mda fUMiiiiiidi, i|d WU)lf |Hili|7if ni*
4Ua3DCftO
Vujh1jihi.im trnUAnt vtilai uiairiti
roala.a lilao
i aaitt ilfi>-
Pt' f|umn uitflin
|H0LPAPElTA41PiDAIAWBABATO
SOHTIMENTO COMPLETO
DI
[fazendas e obras feitasj
A
LOJA E ARMAZEM
DI
iGes k Basto;
NA
Hna do Queimado
n- 46,freAt amarella.
Constantemente emostimgrandeera-
fiadosortimento desobrecaaacaapretaa
de panno e de cores muito fino a 28$.
30g e 35$, paletots doa meamos pannos
a 2i)g,22g e 24$, ditossaccoa pretoadoa
mesmoa pannos a 14, 16 185, casa-
;isprtasmuitobem feitaae de superior
panno a 289, SOS e 35. sobrecasacas de
asemlra da core muito fiaos a 15, 165
185, ditossaccos das mesmascasemi-
rsalOS, lSty e 145, caigas pretaa de
^asemira una pira bomem a 8, 9, lOf
? 12, ditas decasemira decores a 75,8,
'-'* 3 tO, ditas de Drim brancoa muito
'i i a 5J i S|, lius de ditos de corea a
!j 13500, 4 ) 4500, ditas de meia ca-
.'lira de ricas corea a 45 e 45500, col-
.-..s pr*tos decasemira a 5 e 6, ditos
i titos decoras a 45500 e 5, ditos
iMtico ale seda paracasamento a 5,
Utos da 0, eolletes debrimbranco e de
f ujtao a 3, 3500 e 4. ditos de cores a
3500 e 3, paletotapretosde merino de
cordo sacco e sobraeasacoa 7f,8 e9,
:illetespretospara lulo a 4500 e 5,
53 pretaa da merino a 4500 e 5, pa-
! etots deaipaca preta a 38500 e 4$,ditoa
iibracasaco a6,7e 8J, muito finocol-
iatas de gor?urao desedadecoresmuito
ooafazodaa3800 e4S. coilete.'da rel-
iado de corea e pretos a 7 e 8, roupa
para menino sobre casaca de panno pra-
los e de cores a 14, 45 16, ditos de
cxsemra saccoparaosmesmos a6500 e
7$, litosde alpaca pretossaccos a 8 a
1J5O0, titossobrecasaeoa a 55 e 5500,
yilcasde case%iira pretase decores aC,
6$500 a 7, camisas para menino a 20;
i duzia,camisas ingleaa prega ilargaa .
muitoiaperiora 32 aduziaparavcabar.j
Vssimeomotemoa urna ffleina deal-
iateondeaandamoa exeeutartoda as
obras com bravidade.
ttmm N69M OHM69KQK139N
Vende-se carne do serlao da mais nova que
ba no mercado e tambem superiores lingut^as
por prego commodo: oa ra da Sanzala Nora
n. 1.
|ImImIiiIii|||||,Iiiii|i<
|HMII1 IH'PlUlllIlM tliil
rfrH|llllH, (|IIH Ulll Iti d
pura vtndtp,
7 Vmdini a libima do lirio ai a, Pidro
o. 1, ro^ria eara HriiiwipfanNi qmm intan-
dir diiiji-M lo sobrado u, n, no maimo narrar,
Aarldade,
Vanda-ai tima daa malboraa lo|i di farriiem
daruidiuosinado, eom pouooa funda muito
Kraauisda (auto para prisa aomo para o mi-
lo i quaoi a pralisdir innunsi pin sir procu*
ridi. w, '
Hal/. da coral.
Ni loja d'i|uia da ouro, ra do Cabuil n. I l,
rindino verdidain rila di ooral a 000 ti, o Ai,
Caixiiihua oom aiuaica.
n N/ L0'* d'8uia di ouro. ra do OstUf n. i
i ? ohaa)id da ma proprla encommanda muito
lindas raunhaa de costura com muiioa 'propria
para mimo, aue venda muito barato.
VeiidetU'Sti oseugouhos
S. Pedro e Espirito Santo, ara-
bos moentes e correnteg e
d'agua, sitos oa freguezia de
S. Bhto comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de enge-
nho e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes, o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quem pretende-los dirija-se
a ra da Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Lencos broncos.
Veodem-ae lencos brancos proprios para algi-
beira, pelo baralissimo prejo de 2400 a duzia :
na ra do Oueimado n. 22, loja da boa f.
Aos (erceiros da i
veneravel ordem deS.
Francisco.
Ji chegou a verdadeira estamenha de la, na
loja de 4 portas, ra do Quemado n. 39, e ae
aproroDtam babitos desta fazenda a 40, e tam-
bem ha de algodo que se apromptam a 285 cada
um, e se vende a fazenda por mdico prego.
Lavas de Jouviu.
Continua-se a vender as superiores luvas de
pellica de Jouvn, tanto para homem como para
na ra do Queimado a. 22, na loja da
Casemiras a
i
4.000 o corte, na
loja do Pavo.
- Vende-se finissimos cortes de aasemi-
renestada de cores pelo diminuto
preco de 40 o corle para calcas, assim
cono tem das mesmas para vender a
25400 rs. o cota do propria* para pa-
letots, calca e collete, recomuienda-se
multo esta asenda aos Srs. alfaiates que
costumam a fazer roupa para vender,
porque to edo nlo acham tama pe-
chincha igual i na ra da Imperatriz n.
00, loja de Gama 4 silva.
Gravatas da moda.
Vendem-se nravatiohaa esWelUl nai| wpe-
Horea, Unte preiaa cerno II aeres, pela barilli-
ilma presa de 1| MI NI di Qeeiaiado a. ,
al lela di tea t,
Bramante de lindo mullo
superior.
Superiores tira
bordadas.
INn JuJm I Iioii IV na r
WIlHril MflflHpfl mi 'rWSfrl
I MM Mil i. lili. IdjIfUM^M
i SlRI IMI di iVff pidrll, MieiM
Pil llio e larlata-
i na branca a 800
rea a vara.
, Vaiida-ii Itld lili mull IIhm e asilm lamber
dilitiM iriiii mulla Um, (inli umi mhii ib-
mm yin sil iriprfai para nilldii. na ai an
bi Isa aomo prs sssistlr>ss a aaaaminlas, anlera
Lencos a 320 rs.
Na loja do pavo.
A 2^500
Chales de merino estampados, que em outras
tojas se vendem por 4 e 5 ; na loja da boa f
ea ra do Queimado n. 2S, vende-ae pelo aara-
Uislmo preco de 2*500.
SO Gama & Suva.
Grande exposico de fazendas
baratissimas, na ra da Im-
peratriz n. 60, loja do
Venda se cortes de phanta-
sia, fazenda do muito goato
OOM babados pelo diminuto
prego do 4#500; na ra di
Imperatriz n. 60, loja que tem
um pavo da lado do forr, (la-
to para nao havor engaos.)
MMO.
Vlaaa.il tleea sortea da lambrala da Mda
iraalsloudisiirii a 8|900 s os ni da
laiaafalHi i, a, luis di parlo.
3,100, ,500 e 4,000.
Vitjdi'ii BmilUd rjHii di esmbrsis brsn-
Vridasi jiflimiiiatii loriii dieimbrrii imn-
Milho e farelo novo
muito barate ; na travaa
. 16, IrenUde amarello.
4,000 rs.
Vaada-ee muito barata ; na travaote do pateo
#o Parala* n. 16, frente de amarello.
almidi
linii daaada
a aua sampra
n
. Vindipj.ia liniMirindiidiu
di varias soni cum Tiaras, (aiin
vaiideu a 11, iiIAji turrando a fluu ra, i ni
ra da Imporalria p, 10, loja diQima & Silva.
Chales manta de leda.
I'odendo-ao uaar aomo alala ou nomo minia por
seram muito grandes a fl oeda um, ni rus do
(Jueimado n. 17, a primiira loja pinsndo a bo-
lina.
Camhraias francezas,
Pidris miiidinhoa e corea Oaa a 980 o eorado:
na ra do Queimado n. 17, a primeiro loja val-
iendo a botica. '
9f f IHMf
Vende-ae na loja de Nabuco l C. n
ra Nora n, I:
Siotoa dourados com lvelai.
Ditoa pratoadoa dito dito.
Ditoa do Ota eom flvelsa ue Tambem ae reodem ti velas solas.
P Sintosde couro da lustre para meninos. O
Fannha de mandioca a 1 a saces : nos ar-
mazeoa de Taaao Iranaoe.
Veode-aA um bnm eacravo multo proprio
para agricultura, on meamo para a eidade, muito
aaudavel e fiel, taino S8 anuos de idade : pa ra
do Livramenlo o. 4.
mmmmmm
l Vende-se na loja de Nabuco & C. na A
^1 rus Nova n. 2, excellente agua do Orien- !
I te para limpar cabega, dita deBotot pa- V
ej} ra limpar dentes e tirar dores, esceocia A
a de sndalo para lencos de senhora, ere- a
c me de bandolina para conservar oa ca- J
W bellos, agua de colonia e outras perfa- 9
A marias. Sh
i
wo% iriaitttVtt.
lilaila flaliulmi mu.da aanlfilii Inri'
ii da aarHsiaaaa tmff 1 jifarai tm diml-
InRM aViTariM *iim\wltto !w|
IH/I II flfli
PuoaVim t IHtl fu.
. ViMdi-ii Apillna di aHidrlHMf i Imlliali
djiidaliii hi ijuadru pila dlnrliuli prafir Ja
jiftl ri, h aivadd i hi ni U Imamlil h w,
" H4t\yt ROO ti.
. Vaida.ii aHilr Malla Ah i KM, n, i ?>
da i la ma di Impsrilrli n. 00, Inls di ase ka,
Ata aovado,
i di lini mili bail una im rniln i|tfil>iner
piH i di lupanirii a, 60, Ihjs du pilli,
odio do tlUftdFlsaUoM,
' iimdrlnhu fund mullo
0 ra i aovado i na ni di
lfl
Vendem-se duas rotulas usadas para porta
e janella : na ra do Tambi n. 15.
A 19000.
Um resto de lataa de marmelada de Lisboa e
do Rio Grande do Sul, de 1 112 libra a 2 cada
Uta: na prac,a da Independencia n 22.
senhora
boa f.
Enfeites para cabeca.
No armazem de fazendas de J. J. de Gouveia,
ruado Queimadon. 29, vendem-se lindos en-
Teiles de cores do ultimo gotto.
Para bailes.
deli-
mer-
armazem de fazendas
DE
SANTOS COELHO.
Ra do Queimado n. 19.
Lenges de panno de linho a 1900.
Cobertas de chita de,ramagem a 1J800.
f.ences de bramante de linho grandes a 33300
Cortes de phantazia de seda a 8.
Algodo moostro a 480e 640 a vara.
Bramante de linho com 10 palmos de largo pe-
lo barato preco de 2 a vara.
Toalhaa de fusta o a 50 cala urna.
Ricas capellas de llores d* tarattja para noivaa,
pelo barato prego de 5.
Enfeites de flores para cabellos, os mais
cadoa e modernos que tem apparecido no
cado ; vende-se na ruado Queimado n.6.
Semenles de horlalices.
Na ra da Cruz do Recife n. 32, deposito de
po e bolacha, vende-se mais barato do que em
outra qualquer parte, novas semenles de horta-
lices, aendo couves de todas as qualidades, na-
bos brancos, rio e encarnado, rabanetes de dif-
fereDtea corea, feijao e ervilhas de diversas qua-
lidades, salsa, quento e todas as maia sementes
precisas psra ae ter ama linda horta.
Ricos cortes de medina de
seda.
A toja da Boa-F na ra do Queimado nu-
mero 22, acaba de receber ricos cortes de
vestido de aaedioa de seda de lindos padrea,
a fazenda maia fina, mais nova e mais bonita
Bramante 4e algolao com 10 palmos de largo 4ue ba no mercad, cada corte tem 20 e 21 co-
alV290a vara. vados, e vendem-se pelo baratsimo prwjo de
irios de seda para meninos e meoiaas, 25000 o cort; as seohoras de bom goato que
tiverem de saaiatir a baiUe e a caaamentoa, se
Liquidado
NA
Loja de marmore.
Na loja de marmore rende-ae para 11-
quida^ao por precia mnito barato, nm
variado sortimento de fazendaa de mo-
das para seohoras, roupa feita para ho- r,
mem e vestimeotas para meninos e bem 1
assim quadros a oleo para decoragao de
Balas e capellas
ir r*tr8 nsui naa aiaa m^ .#<.. -,.-**
Escravo peca.
Vende-se um moleque. muito boa pega, de
idade 10 aunos, sem defeito algum : quem pre-
tender dirija-ae raa do livramento n. 22 que
achara com quem tratar.
Attenco.
IU;ruadoTrapichen.46,em casa da Ro r n
Rooker &C. eiiate um bom sortimento da 11-
nhasldecores e branca samearreteia do melhor
bricantedelnglaterraaaqaaes ae vendem por
drecoa muirazoaveie
00998O O
Vanda-ea mllho
fSsmsn.69.
novo a 4 aacca ; na roa
Yenle-se usa eacravo mnlalo ala 17 auca
le idade : no betel Trorelor, raa lar| do lo-
sarlo o. 44.
Attenco.
Vende-ee ama armadlo com talas saaas porten-
cea eees lhe faltar nada, pola qaan a comprar I
4 sarsrr a caaa o continaar, na aaelaav legar ata
praga da Boa-Vista, e so vende per Hmtoato pre-
go ou se fes (oda e qualquer negocia : quem pre-
tender, dirija a I ra le Imperador a. K, a tra-
tar coa Norberte Guimariee.
Attenco.
fon
o eraa teas meaaaa aera
bata sita aa res daS.
Na?a reoessa deoapas.
Nava rmeaaa ae aafles.
Narra remoooo ele
Nora remeosaaV m
Sodr St C receavraaa
ges, e esto vendando
sa eos 20)
rio a. M.
Sdaco de certas*.
i fazendas finas. :
!
RA DO CRESPO N. 17. y
Riquissimas cbapeliass de aeda para
aenhoras, de diversas aores a 12. O)
Cassas de cores bonitos padrees a 240
rs. o covado. 0
Caeaaa e organdys de cores a 280 ra. o
corado. %
Chitas de todas aa qualidades e pregos.
Muitissimas fazendas Anas que ae ven-
dem por precos baratiaaimoa para liqui- #
dar, do-se amostra das fazendas. #
EARM
DE
Joaquim Francisco dos Santo.
40loa da Oaeloasf M
De fronte do beato da Congregago, Iclniro retn.
tMfe- o flNM i
! Para caama3fi09,
. HlHd lllN de vatlids da flir) oa blaai; di nn Sfitrai aaa raa a .,-
ala andarii nm'Ii'li hi o<
anre
l|U
Vndl'li Mdll da
loriada i$0 a U\
(mpinirli n.m), loja do p
Cam oom mlmoo arando a
100 n.
Validan anu oom sili'iaoi griudoi a lutria
i 'Jim n. o loradn. fuandi minio non i na ra
di amieralrii o, 60, loja do parla.
Cuhhoh nntaduH a 140 n
Vandi-suosssaa pintadas n,uiio mludlnhoi
pidrn a HD ra. o novado i na luja da ra di
tmperalrls onde eall o parlo.
Sutil do ao Paran.
Venda-aa naata oilibalaeimenlo um frinde o
variado sortimonto de fasendaa Unto para ho-
meas aomo psra ssnhorss, di todas ai faiandn
so dio amostras oom peuhor ou msndim-ie la-
var em oiia du familia pelos esiieiros da caaa,
assim oome o reapeitaval publico achara todoa ea
dias uleia ealassUbelacimenio aberlo daa 6 ho-
ras ds manilla ss 0 da nolte.
Cera de carnauba.
A dinhetro.
Vende-se urna pequea porg&o de cera de car-
nauba multo boa, que ae acha depositada no ar-
mazem da Compaohia Pernambucana commo-
do prago.
Vende-ae em caas de Adsmsoo, flowle &
C, ra do Trapiche Novo n. 42, biacoitos ioglezea
sortidos, em peqoeoss Utas.
Para acabar.
Cortes de cassa franceza de 2 saias e 3 folhoa,
com 12 e 15 varas a 3500 e 4J, lindos cortes do
la para vestido com 24 covados a 5, pega de
cambraia lisa com 8 e9 jardas a 2500, 3000 e
3500, chita larga franceza, corado a 200 ra ,
cassas escuras francezas, covado a 240 : a ellas,
que em vista da redugao em prego, ponco pode
aturar : na ra do Queimado n. 44.
Attenco, i
Vende-se por prego muito barato urna armagio
envernisada e envidragada propria para qualquer
estabelecimento de fazendas, miudezas ou boti-
ca : a tratar na ra do Crespo n. 15, thesouraria
das loteras.
Vendem-se duas casas sitas na estrada no-
va do Caranga, sendo urna de negocio e outra
de morada, lendo todas as scommodagoes para
urna estribara para dou* cavallos, pogo de lijlo
e algumas plantas, as quaes se vendem com o
resto do negocio que ora existe, tendo muito
boas freguezias : os pretendentes dirijam-se a
raa do Crespo u. 15, que l acharo quem d
as ezplicages.
No pateo do Carmo laberoa n. 1, veQde-se
garrsfes com 5 garrafas de vinagre do melhor
que ha a 13300 ra.
Bales para meninas.
Vendem-se baloes para meninas, de todoa oa
lmannos, de madapolo e de muasulina a 3 e a
4 : na ra do Queimado n. 22, loja da boa f.
Mantas de retroz para gra-
vatas.
Vendem-se mantas de retroz para gravatas,
tanto pretaa como de cores a 500 ra. : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Meias baratissimas.
A 24O0 a duzia de parea de meias branca fi,
as para homem : na raa do Queimado n. 92
na loja da boa j.
Ricos cortes de vestidos bran-
cos bordados.
A' loja da boa f na roa do Queimado n. 22,
chegou novo sortimento de ricos corlea de vesti-
dos brancoa bordados com 2 e 3 babados, os quaes
contiouim a aer vendidoa pelo baratiaamo prego
de5 cada corte : os ra do Queimado n. 22, na
bem conhecida loja da boa f.
Superiores organ-
dys.
Na lojo da boa f, na rara do Queimado n. 82,
vende-se finissimo organdys de muito lindoa pa-
drea, peto bawtiasimo prego de 728 rs. a vara,
fazenda de i200, e quem nao andar muito de-
presaa ficar seas apachincha ; aa ra do Quei-
mado n. 22. na loja da boa f.
i ataido.
Vnr bailo*,
Mrldm irrrlai la fallidas di Aln irj Mirfttf Hn Itifre HtM$i
1'IIhi da larlilan irann brrrdidna a briir-n. fas,
lilil di brala bnisi mM* i Wtm mm na* ?*<*>*.
Huan loMadsi
Nllll Mili da limbMU Miriai ImMh mtu apimitafteft $ mmtm\
lilln da di la UMlidis mal biraias
Para rianllaadoa,
lilaos aarlss da reilido da eimtfsti brirtas *n(4t4*i m
mal medsriM msis siparUr aai jn m maraiata,
Manlalataa,
RlliiminlalaUi de sada di loria o proteo brdales a i#* m etatavtaa, tm
Mi irrsiidides, por preteo nmmadoa
8100(1 n pM.
rsan di ssmbnii Un liras flns enm s 1 Irl um, I m** sarna,
Lfl neo,
HHh Isnoea de nmbrsls ds liobn bordados 9%, ff ff sata am
Chalaa,
iiisii
aun absln da loHqtilm brarran bordadn d peala ralead* a 4* I
! Isisndn sslmsmeneinnsdniem t n
I pesatroi earlnear-H ptafa |r*od
a!&.
iue n
.5
t^rr
ARMAZEM
ROJPA PBPPA
I I
Joaquim Francisco dos Santos.
40 RIJA DO OUEIMADO 40
Defronte do becco da Gongregaco letroro vordo
Neste estabelecimento ha aempre um sortimento completo da roapa feita da teta m
qualidades, e tambem se manda exacatar por medida, i voaUda doefreaaete, por i
que tem um dos melhores professores.
Casacas de panno preto, 40, 35 e 30000
Sobreeaaaca de dito, 35 e SO00
Palitotsde dito e de cores, 35, 30$,
SafOOO, 10, 18 909009
Dito de casimira decores, 22000,
15, 12, 79 e 900O
Dito de alpaka preta golla d vel-
ludo, francezas HfOOO
Ditosde cores, 95000 89000
Ditos de alpaka de corea, 59 e 39500
Ditos de dita preta, 99, 79. 59 3J300
Ditosde brim decores, 5, 4500,
4S00O 3500
Ditos de bramante da linho braneo,
6|000,5000e 4f000
Ditosde merino de cordio preto,
159000 89000
Clasele casimira preta e decores,
12. 10, 9 e 6J000
Ditas de princeza e marin de eor-
dao pretos, 5, 69500 4*500
DiUnnSbB,branC0 deoro,
5S000, 4500 e 99500
Ditas de ganga de cores 31000
Colletes de reliado preto da co-
res, lisos e bordados, 12, 99 89OOO
uitoa da casemira preta de core,
liaoae bordados, 6. 560O, 5 e 350O
Ditos de setim preto
Ditos Je aeda setim kraiea, a
Ditos de guraurao de ada aretes
da cata, 7f09O, sjttt, a 4
Ditoa de brim e fitatao braaco,
3500, 29500 a
Soroulas d brim da liahn,2| W
DiUsdealgodio.OOe
Camisas de peita de faatao braiaa
a decores, 29*00 e
Ditas de paito da liaba 5f. 4f o
Ditas de rnadapolao braaca a dar
core, 99.99500. 99 a
Chapeos pretoa ato Baaaa.rraacoma,
formasdaultimamodaiaa^ftiMo, T,
Ditos de feltre, 9,51, 4 a
Ditos de sol de seda, iaglczea
franceses, 149. 1*|, 111 a
CoIUrinhoa delinbo aaaita abana
noros feitios da nltima asadla
Ditos de algodo
Relogios de uro, patentas
sontaes.100, 90, 80
Dttoe deprata galraantaadtaa, pa-
tente hoaoataes, 40f
Obras de ouro, aderaros o meia
aderecoa, palaeiraa, roseta a
annea
Toalhas da linho. duzia ff
D'Us irandes para mesa
3
ATTSMAO
Viva o paquete das novidades.
pelo barato prego de 8 cada um.
Cortea da aada eom toque de mofo a 25J.
Golllnhas de traspssso muito unas a pre^o de
*000.
qnizerem levar um vealido da
jnandarem ver na mencionada
oa ras lo Queimado n. 22.
ultima moda
loja da Boa-F,
A120 rs. o papel
Agulhas Victoria
vende se na
Queimado n.
loja Esperanca ra do
33 A.
Bales.
Chegaram i loja de fazendas da roa da Cadeia
do Recite n. 45, esquina da roa da Madre de
Daos, novas sales bailo de cordio pera 3 urna,
enfeitea finos e benitos e 6, borzeguins d se-
nhora para 49960, 5, 5950O : na mesma loja
tem um completo sortimento de calgado de fran-
ge de Llaboa para homens, seohoras e meninos.
Pois est torrando miudezas amito ba-
ratas, aflm de aparar dinheiro para con-
sumo do paquete, raa da Imperatriz n. 54,
loja de Joaquim de Azevedo Pereira J-
nior, declara o seguinte :
Carios de clcheles muito fiaos 40 rs.
Caixaa de ditos da trra a 80 rs.
Linha do gac a 10, 20 e 30 ra.
Dita de carretel, 100 jardea a 30 rs.
Paree de meias eraa e de corea pera
menino emenioa a 120 rs.
Duzia de meias croas muito finas a
29400.
Dita de dita entre fina a 29900.
Linha branca em carteo, 200 jardee
80 re.
laca para charutos a 60 ra.
Caixaa com palitoa de Especia a 110 rs.
Frasco de agua de colonia de Piver
440.
. Dito de cheiro mnito finos 800 ra.,
Labia a IfOOO. .
farro da banha ^ftfM a 19909.
Ditos de dita grandes a 39500.
Frascos da buha peqaenos 990,
grandes a 500 re.
9aboBeles de eepaaaa muito sjraatdea a
tOO rs.
Dito da mompelaa-a 390.
DuzU de meiaa roa para aeahora a
*
Fio de raiz da coral avado ataa a 71
Esaelhoe leeadarasaa adata torro a 1|
Carteiras la ajolhaa aaaaaa Staao o4SJ
Ditas da aiarraejoraa aaoia ataa a Sata
ralba psrtagaa a 999).
Ditos fraoeaeea a *4oX
Grasa do batea Ota toaaja toaoeae a 1
Agua la Lavaaler aaaaSa ataa a 4
Dita franabatia a 989 ra.
Teaoaraa aaaita asnas pata aaaaaa a <
tara a 599 ra.
Calvetes del sslaa 89 rs., 9 Ba
a 199 re.
Dito greeao idoaa a 599 rs.
Caiaa da paaotao asas asi.....a I
deaalMO "*
Data da lasSJaa ata tase para aeda
199. -*- r- r
Sepotiabos ata taasaad s 9Sta99L a 01
dioho a 99999.
elazia a 19499.
Caixaa >




DUIIO 3t FMaUMtWtt. ** SiXTA FEIR4 27 fift SKEMBRO DI 1861.
Joaqulm Francisco te Mello Sanios avisa tea
Mi treguezea daata praja e os da fdra, que ssg
exposto renda sabio de aua fabrica denominada
--Reciteooarmazem dosSrs. Travattos Jnior
4 C, na ra do Amorimn.58; mana amarella,
casiaaha. preta a ouUea qualidadas por aaeaoi
preco q de outras fabrica*. No mesmo trma-
bem tea teilo osea deposito de velas de carnea-
ra simples seo mistura alguna, como as de
composicio.
Chegouaaprseiavel agua bal-
smica para a bocea e
deutes
A loja d'aguia branca acaba de reeeber urna no-
a remeasa da mu poveiteca e procurada agua
balsmica para a bocea e denles. O bom resul-
tado de W agua j aso sofre d rida cono sa-
bido polas immensas pessoee que a eoapraram,
e que seatiam a falta dalla, a ai que da no*o
comprarem achario que o so della faz conser-
var os denles saos, lirrando-os da carie, ortale-
?" V eVQgire* e tirar o mi hlito da bocea,
dando i mes mi agrdate! aroma, podendo-se
encimo atar delli nao s pela manhaa como a
qualquer hora, o com acert depois do fumar pa-
ra tirar o chairo do fume, ou qundo se tenba de
sahir para tar-se a bocea aromtica : para taso,
porm, bastara algumas gotas dalla em agua pu-
ra. 0 proveito d'agea balsamice atada chega a
mais, alia sarve com acert e promptido para
acabar a dor do antes, ensopando-so nella um
bocado de algodo e deitando-o no buraco do-
dente, eate adormece e em pouco desapparece a
dor. Para se obter na fresco de to provoitosa e
aprecia?el agua balsmica, dwigir-se coas 9 i
loja d aguia branca, raa do Qaeimado o. 16, ni-
ca parte onde ella se reade. Adterto-se que os
frascos rao atareados com o rotulo da dita loja.
Novo sortimento
de cascarrilhas de seda,
franjas e galo com lagos
n s relas.
A loja d'aguia branca acaba de reeeber um
hoto e bello sortimento de cascarrilhas de seda
com duas relas fingindo pafo, o melhor que se
pede dar em tal genero e rende a 2g a pega, as*
sim como franjas de seda de diversas cores e lar-
garas por presos admirarelmente baratos, o
tambera um aorissimo galaoziobo de seda com
lagos as relas proprios e de muito gosto para
enfeites de restidos. A barateza com que a loja
d'aguia branca costama vender os objectos j
bem conhecida e agora comprora a mais com
PR06RESS0.
ltmitaco dos procos porque est rendando os
artigos cima, para rerificar-se dirgir-se com
dinheiro a dita loja d'aguia branca ra do Quei-
mado n. 16, que na realidade achario barateza,
agrado e sinceridade.
S vende barato.
Na ra da Senzala Nora n. 1 rendem-se as
afamadas chinelas do Porto boas a 19800, potes
com o approrado remedio para matar ratos a
19000.
Gneros baratos.
Manteiga ingleza a 960 rs. a libra, franceza a
6*0 rs., toucinho a 360. cha a 2560, esperma-
cete a760.arros a 100. caf a 140, sabio ma-
cass a 200 rs amarello a 140, cerada a 160
batata a 60 rs., cana engarrafada a 240 a garrafa!
dita de azeito oas a 240, axeite de carrapato a 440
rs., dito de coco a 440, e em porcao por menos,
vmho a 500 rs., reas de carnauba a 400 rs., fa-
rello a 2*60") a sacca : aa traressa do pateo do
Paraizo n. 16. casa piolada de amarello com oi-
tao para a ra da Florentina.
Relogios.
Vende-se em casa de Johnston Pater 442.,
ra do Vigario a. 3 um bello sortimento de
relogios do o aro, pe ten te ingles, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambera
urna variedade de bonitos traneelins para os
mesaos.
Attencao
Vende-jo confronte o portio da fortaleza das
Cinco Pontea o seguinte : carracas para bol, dita
para carados e para agua, carrnhos para traba-
Ihar na alfandega e carrinhos de mfio, rodas pa-
ra carroas e para carrinhos, eixos para ambos,
torradores para caf com fogo, boceas de fernos,
baodeiras de arcos de todas as qualidades, do-
bradicas de chumbos de lodosos tamanhos.fecha-
duras de ferrolhos, tranquetas, ferro de embutir
de todos os tamanhos, ferrolbo de chapa*.
Peitos de esgaio de algodao
para camisas a 500 rs.
Na loja d'aguia branca rende-se muito boos
peitos de esguio de algodio para camisas a 500
rs. cada um, dinheiro a rista : na loja d'aguia
branca ra do Queimido n. 16.
*mm m mmmum immmm
ifDGh Eacyclo-
pedica
L*ja de Calendas
[Rua^ do Crespo numero 17.1
DE
Qwmares A Villar.
Para acabar com certas fazendas ren-
demos baratissimos :
Ghapelinas de seda de riquissimos gostos
a 123 cada ama.
Ditos de palhade Italia a 289.
Goltinhas e manguitos de punho de su-
perior qualidade a 3j).
Casias de cores fizas e delicados padroes
a 280 rs. o corado.
Sedas, cambraias, cassas, chitas e tudo
quanto pertence para adornos de se-
nhora por baratissimos preco.
Calcado Meli de 2 solas e sola fina.
Para horneas.
Grande sortimento de roupaa feitas
chapeos de todas aa qualidides.
iargodaPenlia
Francisco Fernandes Duarte, proprietario deste
rmazem de molbadot. partecipa aoa teus freguezes, assim{como aos senhores da praca, de enge-
oho e larradores que d'ora em rante quUerem-ae afreguezar oeste estabelecimento, que se acha
com um completo sortimento de gneros os mais noros que ha no mercado e por serem a maior
parte delles rindoa de conta propria, est porlaato resolrtdo a rende-loa por menoa 10 por cento
Jo que em outra qualquer parle, flaneando a boa qualidade e acondiciouamento, assim como ser-
vir os portadores menos praticos tio boro como se os seobores viessem pessoalmente, para o que
nao se poupar o proprielario em prestar toda atteocu, afim da continuarem a mandar comprar
sitas eocommendas, serlas de que, toda e qualquer encommenda comprada neste estabelecimento
acompanhar urna conta impresas com o meame titulo de armazem Progresso.
Wantoiga inglez* pericUa mate ito*, 1>000 rt.. llbMf TeDde.
ae por este preco nicamente pela grande porgo que lem e sefor em barril.se tara abalimento
UMIlteiga Craneeia 640 rs. a libra e m barril a 560 rs.
** "y*8** o melhor que ha no mercado a 29600 a libra.
dem preto, imQ libra
Vlueijos do >ei*ocliegAdo,aMlt,llllllBO Mpora 29400.
dem ralo a 600 ra iaUro a1B40 r p libra
**** SIllSSO 640 Ubta 9n porsSo ge jjj a batimento.
PrexuiUo de Hambre BglM. 70o.. ubr..
Prezunto de lamego m .. libra iDteiro a 440 .
t' **'** a mais nova que ba no mercado a 160 rs. a libra, e em arroba a 4J500.
Esoermasete a7W r. Ubrti m ^ a 740 r,
L,atas com boVaxinha de soda da Lataa eom petxe em posta de nailu auaud.de.. i \ieitonas muito uovas1$0oo. o mo. a r.t.iho. aso rs..... %
oee de Wpereue laUa, de a llbrag por 1#m
^*"tt** para podim a 800 rs. a libra.
Bamba de porco refinada. 480 a 1bM, em b.rrii. 440rs.
ma$a Oe tomate a nu^m, d0 mercado a 900 re. a em lattas da2Ubra porUTQO.
" OUIDO a arimei,, Tez que Tieram a M mercado a 640rs. a libra^
Gbourieas e paios ^ a070t a m M> t Ubra
Paiitoa de dente UxadoM1Bl8lMlllBliaipofaWf..
Chocolate (rancez. I#200 r8
Warmelada imperial d0 afamade Abreu
a 19000 rs. a bra.
VOAIOS engarrafados Port0> Bordeat Crcarellos. moscatel 11000 a garata.
S *1Bl PlPa de 500, 560 e 640rs. a garrafa, em caadas a 3*500*8000 4&5O0;
Vinagre de Lisboa 0 m.iMUperior .mm* garrafa.
eja das mais acre(liUdas marcas a 59 a duna, e em garrafa a 500 rt.
para sopa a mais ora que ha no mercado a 640 rs. a libra.
ErviVbas traneews. 640 rg lalla
Wiolo de amendoa. 800 ri.. Ubra, dllt com cma im.
i\oz,es muIt0 D0Ta 120 rg a libra>
GasUubaspiladasa240r8alibra;
Gaf
***^ maito saperiora 240 rs a libra, e a 7} a arroba:
.a ataran do Maranha0 3# em arroba> p em Ubra a m fg
Fumo americano. < ,.fc .
_ v a 1J a libra, se for em porcao se far abalimento.
^eVa4lttaa de Franca a 240 rs. a libra.
agu n]Ut0 no?0 a 320 rs> a lbra
_ *clno de Liaboa a 860 rt> a llbraa a l0\j a arroba#
Farinba do Marannao
a libra, ditto portuguez a 800 i.
a de outros muitos fabricantes de Lisboa
.Acaba den I
chegar JLj
ao novo armazem
DI
B4ST0S & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Um grande e rariado sortimento de
roupat feitas, calcados e fazendas e todoa
estes serendem por precos muito modi-
ficados como deseu cosiume.assim como
tejam aobrecaaacot de superiores pannos
e casacos feitos pelos ltimos figurioos a
MltMp, 80jea35|, paletots dos mesmos
pannos preto a 165,18f. 10} e a 24,
ditoa de casemira de edr mesclado e de
noros padroes a 14. 16, 18. 20 e 24,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 9. 10, 12 e a 14, ditos pretos pe-
lo diminuto prego de 8, 10, e 125, ditos
de sarja de seda a sobrecaaacados a 12,
ditoa de merino de cordio al2|, ditos
de merino chinea de apurado gosto a 15,
ditos de alptea preta a 7, 8, 9 e a 10,
ditoa saceos pretos a 4, ditos de palha de
teda fazenda muito superior a 4500, di-
tos de brim pardo e de fusto a 35500, 4
e a 4S00, ditos de fusto branco a 4,
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de corea a 7, 8, 9e a 10, ditas
pardas a 3 e a 4, ditas debrlm decores
finas a 25500, 3, 3500 e a 41. ditas de
brim brancos finas a l500, 5f, 59500 e a
6, ditas de brim lons a 5 e a 6f, colletet
de gorgurao preto e de cores a 5g e a 61,
ditos de casemira de cor e pretos a 45500
e a 5, ditos de fusto branco e de brim
a 3 e a 39500, ditos de brim lona a 45,
ditos de merino para luto a 4 e a 4500,
caigas de merino para luto a 4j500 e a 55,
capas de borracha a 9. Para meninos
de todos os tamanhos: calcas de casemira ,
reta e de cor a 5J, 6 e a 7, ditas dita, tt
de brim a 2f, 3 e a 3500, palelotssac- 3
eos de casemira preta a 65 e a 7, ditos
decora 6 eaTJ, ditoa de alpaca a 3,
sobrecnacos de panno preto a 12 e a
14*, ditos de alpaca preta a 5, bonete
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos de todos os tamanhos,
meios ricos restidos de cambraia feitos
Rara meninas de 5 a 8 anuos com cinco
abados lisos a 8 e a 12j. ditos de gorgu-
rao de cor e de la a 5 e a 6, ditos da
brim a 3, ditos de cambraia ricamente
bordados para baptisados.e muitas outra.
fazendas e roupaa feitas que deizam de
ser mencionada, pela sua grande quanti-
dade ; assim como recebe-se toda equal-
quer encommenda de roupaa para ae
mandar manufacturar e que para este fim
temos um completo sortimento de telen-
das de gosto e urna grande offleina de al-
faiate dirigida por um hbil meatre que *
pea sua promptidaoe perfeico nadadei- s
xa a deaejar.
Calcado
45 Raa Direita 45
Magnifico sortimento.
Sempra caadescendeate e preienteire com a
freguezes que Iba trazem dinheiro, o proprieta-
rio deste grsndo estabelecimento cont* a a of-
ferecer ao publico, por precos mdicos e sempro
inferiores .os de outro, o sea bello sortimento
de calcado francez, ioglez e braaileiro e rejam :
Homem.
Boneguins Vctor Emmanuel. 10000
couro da porco..... 10000
lord Plmerston(bezerro 95O0
> dirarsos fabricantes (lustre) 9000
John Ruase!)...... 8500
Sapatoes Nantes (batera inteira). 5500
a patente......... 51000
Sapato. tranca (portuguezesT. : 2|000
> (francezes)..... 15500
9 entrada baia (sola e vira). 55500
iSaiasdecord.
Superiores taias de cordio a 3,
, ditas Icoioadas malta superiores a 9f
do Queimado n. 22, loja da boa f.
aa ra
s
Nova california
DE
uito chique (ama sola).
Senhoras.
Borzeguina primor (Joly).....
brilhsnlina.....
gaspa alta. .
> baiz.......
> 31,32.33,34. .
a decore. 32,33.34. .
Sap.los eom salto (Joly). .
franceze. fresquinhos. .
> 31,32.83 e 34 lustre. .
E um rico sortimento de couro de
. 350OO
. 555OO
. 55000
. ajooo
: 458OO
. 4500
. 42000
. 852OO
. 2240
1000
lustre, be-
Vende-se um grande tuto aa ettrada do
Arraial, com bastantes arroredoe de fructos,
casa de rirenda, com cacimba de pedra com boa
8fUu de b8ber : fallar no eoio sitio com Jo-
s Marques, confronte ao sitio dos Buritis.
Teneinno in^a2oor. .
Passas em eaixinnas
a mais ora a 160 rs. a libra.
de8 libras a 2500 cada urna,
iniependente dos gneros mencionados ercontrar o respeitarel publico tudo quante pro-
curar tendente a molhados.
AMNRAL
NATURAIXEDE VICHY.
DepoaUqna boticafrsyiaeza ra da Cra 0.22
Para bailes ou ca-
samentes.
Vendem-ae na loja do paro ricos cortos de tar-
latana branca bordados a matiz, fazenda do ulti-
mo gosto, ditos de merino bordados com delica-
das cores: na ra da Imperatriz a. 60, loja de
Gama & Silra.
Borne as sim barato
ningaem deixa de comprar orna pasta para pa-
pel por 1000. Na loja d'aguia branca acba-se
orna porcao de boas a perfeitaa pastas para pa-
pel com calendario perpetuo, e ndice de. feeoa
mudareis, pelo que ae tornam de maita utili-
dade, e o peqaeoo preco de i#000 xiWa urna
conrida a aproteilar-M d. oceaeio em que se
esta o ellas reodendo por metade de trae sem-
pre cusluram ; assim dirijam-se ra do
Queimado, loja d'aguia branca n. 16, que Iter
bem serrino.
Vestidos brancos
bordados.
Anda rasiata alga as tortea de restidos brancos
bordados que continuam-se a render pelo bara-
tissmo prejo de 5, eom 2 o a abados, do gra-
Si: na ra do Queimado n. 22, na bem conheci-
a loja da boa f.
Ra do Queimado n. \0,
loja de portas
de Fert&o Mala,
rendem-se barato as seguintes fszendas, para li-
quidar.
Cortee de caeemira finos de cor a 3500e 4.
Ditos de dita ditos de cor preta a 5 e 6.
Ditos de brim de paro linho a 1600 e 23.
Panno preto, azul, rerde e eor de caf, colado
a 8S000.
Corles de superior velludo de cor a 45 e 5jj000,
Manteletes de fil preto bordado a 4.
Visitas de seda a bertas a fil a 4.
Mantas de dita ditas a fil a 4 e 5. *
Riquissimos cortes de seda a 80, 90 e 100.
Ditos ditos de dita a 15, 20 e 25.
Chales com palma de seda a 2 e 2500.
Cortes de cambraia bordada a 1800.
Lencos bordados com bieo, duzta a 1500 e 2.
Chales de touquim a 15 e 30.
Ditos de merm bordado a 4, 5 e 6.
Chitas francesas, qualidade superior, corado
a 240 rs.
Ditas inglezat, eoret flxas, corado a 160 rs.
Lencos de sedada India a 1.
Cambraias lisas muito finas, com 8 varas a pe-
ca a 3J500 e 4.
Cazarequea e capiohaa de fusto branco a 8 e
9000.
Helas de algodo cr superior fazenda a 4.
Chapeos a Garibaldi a 14 e 15.
Enfeites e chapeos trariata a 0,10 e 12.
Hemeslina, riquissima fazenda para rostido
de sanhora, corado a 400 e 500 rs.
Ambrosios, idem dem,corado a 500 rs.
Mimos do co, corado a 500 rs. r
Sediohaade qoadros, corado a 700, 800,000 e .Srof*de Pen?"s de ac, "...............
aaa l^rlfliraa tniillA aunoriAraa aa

Rival
sem segundo
Na rea do Queimado n. 55, loja de miudeza*
de Jos de Azevedo Maia e Silra, tem destinado
acabar cora certas e determinadas miudezas pelos
precos abaiio declarados, e renham logo pois
esta acabando.
Gaixas com agu has franceza. a..........
No vellos de liaba para marcar a 20 ra. e..
Ditos de liaba de cores e muito grandes a
Carretel de liuha, superior qualidade a..
Linhs branca do gaz a 10 rs. e...........
Dita dita,a melhor que ha, novello graade
Pares de meias de cores para meninos a
Duzia de meias cruaa muio superiores a
Dita de dita, ditaa a......................
Pares de metas de corea para meninos a
Linha em carto Pedro V...............
Gaixas com phosphoros de segaranca .
Caizas de folhas com phosphoros (s a
caia ral 100 rs.) a..-...... ...........
Duzia de phosphoros do gax a..........
Frascos d'agua de colonia superior a....
Ditos com cheiros muito finos a........
Duzia de meias muito fines para senbora
Caixas de apparelhos para meniooaa 240
rs. 6....,...J#
Trancas da la e de linho aortidas a......
Sabon etes grandes e supe ores a........
Groza de botoes pequenoa para calca a..
Grozade botoes de louca a..............
Varas de tramoia superior a 120 e........
120
40
40
30
20
60
120
2J400
2000
160
20
160
100
240
400
500
3000
iguitos de cambraia bordados, um 500 rt.
19000.
MaoL
Gollinhas idem, ama 320 rs.
Superio'3s espartilhos para senbora a 42.
Brim branco de linho, rara a 700, 800 e 1.
N. O. Biebtr& C, auccettoret.rna da Cruz
n. 4, tem para render relogios para algibeira de
onro e prata.
Cairos e carrosas.
Em casa de N. O. Bieber
4 C. successores ra da Cruz
numero 4.
Vendem-ae canoa americanos mui alegantes
e leves para daas e 4 pessoss e reeebem-ae en-
commendaa para cujo fim elle, poaauem map-
pas com rariea desenhos, tambem Tendea car-
rocas para condaceo de laucar etc.
500
40
160
120
120
160
000
500
120
400
400
820
040
Carteiras muito superiores
Baralhos portuguezes a..................
Tesouras muito finas para coatura a....
Ditaa para unhaa a 240 e..................
Baralhos para roltarete a 240 e..........
Frascos debanha de urco e...........
Fraacos grandes de larande ambreada, su-
perior qualidade a....................
Fraseos de oleo de babosa a 320 e......
i Frascos de danha muito fina a 240 e......
Ag.lheiros com agulhaa a................
Cestinhas de Hamburgo.
S na loja d'aguia de onro, ra do Cabug n.
IB, quemrecebeu um completo aortimento de
lindas cestinhas* de todos os tamanhos proprias
para meninasdeeacola, assim como maieras com
Umpa propriaa para compita, balaios proprios
para costura, ditos proprios paraaqueirof, ditoa
muito bonitos para brinquedoe de meninos, di-
tos maracas pinladinhoi que se Tendean por pre-
cos muito baratoi-
800
500
810
80
A" PRIMAVERA.
ji6Ra da Gadeia do Recife1
LOJA DB MIUDEZAS
n
IFonseca & Silv
Toalbaa, lencos e trochas de labyrin-
tho de diversos goatoa, qua a vista se
dir o proco, espelhos dourados a 800
rs. a duzia, pentee para tranca a 1400
adoza, caixas de raiz a 118400 a duzia,
fi*a. de linho branco a 440 rs. o maco.
ti velas douradas paia ols. &40 ra a
duzia, pontea de tartaruga virados a 5
cada um, botoes para calca pequeos a
al60rs. a groza, argolaa douradas a
11500 duzia, botoes para pnnhos duzia
de pare a 3, dito, para casaveques a
240 rs. a duzia, grampoaenfeitados a 480
rs. o par, caixas com apparelhos de bo-
aecasal,2f e 9 cada^ma, caivetes
de 2 folbascom pequeo toque a 11200
rs. a duzia, ditos grandes de 2 e 3 fo-
lhas a 2$ e 31, paptl amlsade a 600 rs.
o pacote, meias de todos os tamanhos"
para meninos a lg800, 2, 2200 e 24O0*
a duzia, ditas para meninos a 2, 2400
e 2600, penlea de massa rirados a 800
rs. cada um, escoras com espelbo para
cabellos a 800rs. cada urna, froco gros-
ao a 400 ra. a peca e finos a 240 rs., fi-
tas de velludo de n. 6, 8 e 10 a 1200 a
peca, sabio ioglez a 1600 a duzia, tin-
teiroscom figuras bronzeados a 500 e
800 rs. cada um, chapeos de sol de seda
para senhoras e meninas 3, escencia
d. sabio para tirar nodoae a 1$ o ridro,
pontea de tartaruga para tranca a 3J5O0
coda um.roltas de coral com dous fios
compridos a 2500 cada urna, ditas de
tres tos a 35, booecos de choro a 320,
500, 800, 1 e 1(400 cada um, cadeiras
douradas com pomada a 800 e 12~ cada
urna, colheres de metal principe para
cha a 2 a duzia, ditas para sopa a
3JE500 a duzia, ditas para terrina a 2 ca-
da urna, caixinhas com pertenees para
senhoras a 240.320, 500, 640, 800 e 1
da urna, colheres de metal para cha a
320 e 500 rs. a duzia, bahuzinhos com
espelhos cociendo perfumaras a 5 ca-
da um, caixinhas de ridro a 2500, cai-
xas com espelhos e perfumaras, pro-
prias para toilete de senhora a 0 cada
orna, bem como mullos objectos de gos-
to e outras miudezas por presos com-
modos.
Fazendas baratas.
i
t
Na roa da Iaperatriz 48, jnto af
2 Nfaria fraieca.
Cortea, de cambraia branca com baba di-
5 nhos 4i 4*500 superior 5. cambraia U- "
| com. 81? Tr!j* SW, 4, ditas da
Escossia 5, e -, ricoa rnlailaa para ae-
* nhora 6 e 61500, sintos oa m.is daikadM
' para senhora 2600.3, cbapelia* pata cri-
J anca gosto ioglez 3500,4, para baplitado
3, cortes da resudo de seda rieaaitit da
' bonito, gosto 12 eslo se acabaoaa, ri-
9 coa lencos delabyriotbo 1, 1J200. chapeo
de sol para senhora de bonitas cores, lista
J 5, cabo de marfim 5500, corles de eam-
W Braia brancos com flor de seda 5. ruca-
!
zerrofrancez, marroquim, sola, raquetas, cou-
rinhos, fio, taixaa etc., por menos do que qual-
quer outro poda vender.
Exn casa de Adamson, Howie & C, ru. do
Trapiche Noro n. 42, rende-se :
Rolbas de cortina fioissimas.
Lona e fille.
Fio de rea.
Superiores tintas de todas aa corea.
Sellios, silhoes, e arreioa para carro ou cabriole!
Exposico de cutilerias
finas, na ra Nova n. 20.
Neste riquissimo estabelecimento se encontra-
r sempre um riquissimo sortimento decutileriaa
em todo o genero que ae pode imaginar, assim
como tambem um riquissimo sortimento de me-
taes flaissimos conhecidos pelo rerdadeiro plak
para servido de almogo e jantar, camas de ferro
para casal e solteiro, bandejas a imitacao de cha-
rlo em ternos e arulsos, finas e ordinarias, toda
a qualidade de louga de porcelana para cozinha :
na ra Nora n. 20, loja do Vianna.
Chapeos para senhora.
Ricos chapeos de soda e de velludo para se-
nhora, pelo baralissimo preco de 15 e 16: na
ra do Queimado n. 22, loja da boa f.
Lindas caixinhas
com necessarios para costura
Acaba deehegar para a loja d'aguia branca mui
lindaacaixinhas matizadas, com espelho, tesoura,
caivete, agulheta, agulheiro, dedal e ponteiro,
tudo pratiado e de apurado gosto, emfim urna
eaixinba excellenta para um presente, e mesmo
para qualquer senhora a possuir, e rendem-se a
10 e 12 : na loja d'aguia branca,ra do Quei-
mado n. 16.
Lencos para rap.
Vendem-se lencos fioissimos de linho proprios
para os tabaquistas potaeerem de cores eacuraa e
Das, pelo baralissimo preco de 6 a duzia ; na
rna do Queimado n. 22, na bem conhecida loja da
boa f.
Lencos de cam-
braia com padroes de se-
da a 2#500 a peca.
Na loja d'aguia branca tambem se rende mui
boBitose finos lencos de cambraia imitando seda,
isso pelo baralissimo preco de 2500 a peca de
10 lenjos. E' essa urna das pechinchas que custa
apparecer, e quando assim approreitar-ae da
occasiao, porque ellos serrem tanto para algibei-
ra como para meninos, e quem os rir na loja
d'aguia branca, na ra do Queimado n. 16, ter
rontade de comprar mais de urna paatK tal a
bondade delles.
Vende-se
Urna burra de ferro com pouco uto,
por preco com modo : no escriptoiio da
ra da Gadeia n. 3, das 9 horas as 4 da
tarde.
Cintos.
No armazem de fazendas de J. i. de Goureia,
ra do Queimadon. 29, existe na rariado-aor-
timento do ricos e moderno, cinto, dourados e
dito, de seda bordados primorosamente a ouro
Vendem-se 2 caralloa de estribarla e 3 bes-
tas de roda ; a tratar na roa da Senzala Velna n.
134, no primeiro andar.
Modas.
Lindos restidos e capellas para casamento,
chapeos para meninos e mocinhas, escolbimento
de objectos de modaa para senhoras; rendem-se
oa loja de modas de madame Duessard Millo-
chau, rna da Imperatriz n. 3. ^
Ptova pechincha a400rs.
o covado.
Vende-ae laaziohaa entestadas ao gosto ca-
aos as mais modernas qu tea rindo pelo dimi-
nuto preco de 400 rs. o corado : na rus da Im-
peratriz d, 60, loja de Gama & Silra.
Attencao
Fazendas e rou-j
pas feitas baratas.
NA LOJA DE
{48- Ra da Imperatriz48j
Jauto a padaria franceza.
Acaba de chegar a este estabeleci-
mento am completo e rariado sortimento
deroupas de diversas qualidadea como
sejam : grande sortimento de paletota
de alpaca preta e de cores a 8|e 5C0,
ditos forrados a 49 e 4$500, ditos france-
ses fazenda de 109 a 6*500, ditoa de me-
rino preto a 69, ditos de brim pardo a
3JJ800 e 49, ditoa de brim de cor a 39500,
ditos de ganga do cor a 39500, ditos de
alpaca de laa amarella a imitacao de pa-
lha de seda a 39500 e 49. dito, de meia
casemira a 49500, 5$ e 59500, ditos de
casemira saceos a 13J, ditos sobrecasacos
. 159, dito, de panno preto fino 209,
22f. 189, ditos brancos de bramante a
39500 o 49, calcas de brim de cora 11800,
2J500, 39, dita, brancas a 39 e 49500, di-
tas de meia casemira a 39500, dita, da
casemira a 69500. 7g500 e 99, ditas pre-
tas a 4|500, 79500,99 e 109, colletea de
ganga franceza a 19600, ditoa do fusto
29800, ditoa brancos a ig800 e 39, ditoa
de aetim preto a 39500 e 49500, ditoa de
gorgurao de seda a 49500 e 59, ditos de
casemira preta a de cores a 49500 e 59,
ditos de relindo a 79,8g e 99.
Completo aortimento de roupa para
meniuoecomosejam.calcas, colletes, pa-
letots, camiaas a 1J?800 e 2, ditas de fasta o
.89500, chapaos franceses para cabeca
foseada superior a 69500, 8J500 e 109,
ditos de sel a 6fl a 69500, ditos para se-
nhora a 4J500 o 59.
do francez 500 ris o covado, completos
sortimentos de baldea de arco. 3, eoru-
e_n,0de meiaa para menino e menina
200 240 ri. o par. chale, de UrlaUna
de cores a 640 ri., lencos b/.ncocom bar-
ras 160 ris chitas inglezas a 180 e 200 rs
dtla franceza a 240 e 280 re. o corado
pe" de c*o>braia d. forro cata 9 raras
a 29 : junto a padaria franceza a. 48.
s
:
PHARMACIABAKTH0L01E0
Pilulasde Allexou.
Pilulas americanas.
Vermfugo ioglez.
Pilulas Hollowaj.
Ungento Holloway.
h.^/e?de,a"'e.8,ob<>, Dm ndieiroa, e bom-
?,. J.,p,t maW *?T'10 d0 "uc em oatraqu.1-
querparte: na ra larga do Rosario, n. 34.
Enfeites riquissimos.
Vendem-ae ricos enfeites de relroz, sao os rr.e-
Ihores e mais modernos que ha no mercado, Pelo
baralissimo preco da 8f: ra do Oaeimado
n. 22, na loja da boa f.
O torra^or
Vende-se manteiga ingleza fina a 900 rs. a li-
bra, franceza a 640 is. da melhor que ha no mer-
cado, assim como se torram mnitos gneros per-
tencentes a molhados : no largo do Terco n. 23.
# teas
.f Avisa-se aos paes de familia t
9 qu existe na loja de Na buco & A
"| C, na ra Nova n. 2, um gran- a
P de sortimento de vestuarios de Jg
I diversas qualidades e de gostos &
jfr os mais modernos, para meni- m
^ nos e meninas de 2 a 6 annos, %
^ que se vendem por precos com- a
a^ modos. gp
Ruada Senzala Novan. 42
Vande-seem etsndiS.P.Jonhston AC.
ellinse silhoesnglezes,eandeeiro. eeastigass
bronzeados.onas nglezes, fio devela, chicote
para carros,, a momera ,a rreio s para earro de
u ious cvalos relogiosde ouro patente
nglei.
Nova remessa a 3,000, na
loja do Pavo.
Acaba de chegar ama porcio de madapolao
francez entestado com 14 jardas que serendem
a 3jJ a peca : na ra Gama & Silva.
Gravatinhas de raiz de
coral,
o melhor que possirel. Vende-se mui bonitas
graratinhas de raiz de coral com doas e tres
rollase lacos as ponas, sendo ellas bastante
omPnd. arista do que sao baratsimas a
29500 e 39000: assim bom e barato s na loja
d aguia branca, ra do Queimado n. 16.
Escravos fgidos.
Tachas e moendas
Braga Filbo & C. tem sempre no sen depo-
sito da raa da Moeda n 3 A, um graade sor-
menta de tachas c moendas para engenho de
muito acreditad o fabricante Edwin Maw atre-
Mr no metmo deposito on na rna do Trapicha
n. t.
Vende-so a taberna da raa de Hortaa n.
15, bem ofreguezada tanto para a trra cerno pa-
ra o mato ; a tratar na mesma.
Vendo-se urna escrava com varias habilida-
des ; no pateo de S. Pedro ut 16.
Escrava fgida.
Fugio no da 23 do corrente urna negra de no-
me Maria, crioula, idade 45 annos, pouco mais
ou menos, com os signaes seguintes : estatua
baixa e magra, cor fula, beicoa grossos, falta de
denles na frenle, peitos metidos para dentro,
com o umbigo muito saliente, ps bixenlos, com
os cabellos cortados de pouco, e mal cortado, le-
rou resudo de chita rflxa edr de batata, panno
da costa azul e roto : quem a pegar leve-a a ra
do Cabug o. 16, que ser gratificado.
Ausentou-se no dia 15 do corrente do enge-
nho Jacir, freguezia de Serinhem, o eacraro
de oome Cidraque, pertencehte ao Dr. Fran> isco
de Caldas Lias, o qual tem os seguintes aignaes :
alto, cabra fechado, corpo regular, olhos riros,
tem pelo rosto algumas manchas de panno, e es-
t um ponco-amarello por ter soffrido de sezes.
Conduzio comsigo um surrao de pelle de carnei-
ro, no qual lerou urna manta e camisa de ba*ta
azul, bem como mais alguma roupa de algodo
da mesma cOr. Presume-se que este esersvo ta-
nas seguido para o Recife : roga-se, portanto, aa
autoridades ou pessoss particulares a captura do
mesmo escraro, pelo que ser o recompensadas,
podeodo lera-lo ao referido engenho Jacii, ou
no Recife rna estreita do Rosario n. 29.
Desappareceu no dia 13 do corrente, do si-
tio de S. Jos do M angun ho, o escraro crioulo,
maior de 50 anoos, da nome Joaquim, com oa
signaes seguintes: cabellos brancos, alto, secco
do corpo, e asa alpargatas ; este escraro foi pro-
priedadedo Sr. Manoel Jos Pereira Pacheco, do
Aracaty, d'onds reto pora aqu fgido : roga-se
a todas as autoridades policiaes a a quem quer
que o encontr, de 0 capturar e entrega-lo no
itio cima citado, oa na raa do Trapiche n. 15,
a Jos Teixeira Baato.
Escravos fgidos,
Fugirm juntos, no dia 14 de agosto, os escra-
vos Pedro e Joanna, tendo a escrava oa signaes
seguintes : crioula, de idade de 90 annos, pouco
mais on menos, cor preta, estatura alta, corpo
secco, rosto comprido, denles limados, tem o de-
do mnimo de urna das moi anzolado de um ta-
lho que levou sobre o mesmo dedo ;.levou urna
trouxa de ronpa, contando um chale encarnado
de franjas e bordados braceos, um lenco braoco,
um cobertor ntro, dous restidos de chita clara,
nsados, e um noro cor de rosa, algumas camisas
de algodaozinho e madapolao, anda seduzida pelo
eacraro com quem fugio, de nome Pedro, semi-
branco, de idade de 35 annos, pouco mais ou
menos, estatura mais que regalar, corpo, pernas
e bracos seceos, cabeca redonda e chata alraz,
cabellos corridos, um pouco barbado e usa de bi-
godes, anda apreaaado o inclina o corpo para
frenle, bem ladino e fllenle do modo agradavol;
lerou calca e camisa do algodaozinho branco e
chapeo de feltro. Foram vistos nos primeiros
dias nos arrabaldes desta cidade do Recife, esup-
poe-se terem seguido para Caruar, d'onde foi a
Joanna escrava do Sr. Castao Jos, on o mais
cerlo Ur.m seguido par. o centro da Paraban,
em direccio ao Rio do Peixe, Pombal e cidade do
Souza, por aer o referido Pedro conbecedor des-
sos lugares aonde foi eacraro : roga-se a. auto-
ridades policiaes e capitana de campo, ou qual-
quer pesaos, que os apprehendam e tragan a rna
do Cabug n. 9 ao Sr. capitio Castao Silverio da
Silva, que serSo recompensados com loda geno-
Tosidada, tanto pote senhor da escrava como pelo
do escraro.


(8)
MARIO M fftlAMiyCO. SEXTA fUfiA 17 DE SETEMBRO DI 1M1;
Litteratura.
lu amor na Laponia.
A' Sha. condessa Laura Sweikowska.
{Continuando do n. 223.)
XXIX
Os cair.pides passaram-a e quatro hornees com
elles. Chegados ilha os com baleles despiram
seus vestidos, e logo o famoso cinto foi passado
aos seu flancos n) uniodo os assim um ao
culro.
Feilo istj, os qualro horneo.tornaran) a pas-
sar a ponte, ao meio Un qual Elphege collocou-se
coui a carabina era puaho
Norra, em p na ribaoceire, apoiad so tronco
de uoi pinheiro, om as duas roaos aperladas de
encontr ao peito, que bata violentamente, ollia-
va com urna iodisivel expressao de tortura os
preparativos da luta horrlvel de que ella era a
causa involuntaria.
Os dous combatentea tinham sido deixados am-
bos sosinhos sobre o rochedo.^Jm sentimento
possvel, eogano-me, um sentimento de angus-
tia agitava todos os peilos ; mas. convm di/e -lo,
todos os votos oesse momento eram por Nepto,
porque elle tinhi por ai direito, e os horneas sao
lias Nepto provenira isso, e com o mesmo (erro
que o vingra, acabava de eorlar o ciato, nio con-
seguiado desita-lo com toda a pressa. Depois,
antes que podessem atar astaz perto delle para
IJi'o impedirem, coniegou a fazer rolar o corpo
morto empurrou-o al a ponta do precipicio.
Chegando 4 borda, que dominava o abysmo,
Nepto trepou-lhe na barriga e calcou-o aoi ps
com urna especie de alegra feroz, de ex3llic.Se
selvagem eum tripudio furioso, que o lornavam
terrivel de ver : sus pequea estatura desappa-
recra, por assim dizer. Elle pareca alto sobre
esse sanguinolento pedestal da victoria que Ihe
fazia o cidaver de um inimigo ; a paixo satijfei-
ta dava-lhe urna expressao de orgulho e de trium-
pho indisiveis. Dir-se-hia a propria estatuada
ringanga, mas urna estatua animada e oa qual
respirara urna alma I
Foi nescessaria que Henrick, nalureza mais
clemente, o chamasse sentimentos humanos,
dizeodo-lhe qne a morte explava todas as faltas
e que as dividas de Miguel estavam pagas.
Ah exclamou o lapio brandindo sua faca
tinta de sangue, porque nio posso matar duas
vezes a este assassino dos meus, e este roubador
de Norra?!!..
E melteu a faca oa bainha depois de lhe haver
limpado a lamina nos cabellos da victima, e co-
mo Achules arrestando o cadver de Heilor, Nep-
algumas vezes justos !
Entretanto, lodos nao poderam deixar de lre-1 8garrou oelos Ps ae 9eu Inimigo sem que os
ruer vendo o UJhe gigantesco e os eoormes mus-'""'f,enles- Penetrados de um secreto horror,
cubs.-que'osgLavara opeilo e os bracas do que-'.-"-"?"em ?e "Pedi-lo, e precipilou-o na cor-
ne. Junto deTre Nepto pareca apenas um anio,
pygmou ao p de um Hercules. Mas se o quene
liona por si o volume e a massa, o lapo poda
talvez achar alguma vantagem na iWibilidade e
agilidade, que annunciava a perfeita justeza de
suas proporgdes. Sa ambos fosse m deixados em
lberdade na ilha, os acasos da lua seriam mais
eguaes. Porm o fatal cioto, que os prenda um
ao oulro, pareca condemoa-lo de antemao uma
perda certa.
rente dizendo
Vai deixar-te correr pelos peixes; t nao
s digno do dormir na trra dos hpmens I
O cadver foi pulando com topadas e saltos
horriveis, deixando em todas as asperidades dos
rochados os tragos de seu sangue, os pedacos de
sua carne e os brincos fragmentos de seus
milos.
Emfim, cahiu oa correte.
Vtu-se enlao um expectaculo borrivel.
- Vamos 1 bradou Elphege sos combatentes. ..l^'"^ Noruega sao as correles, que
No mesmo instam. p6e-a5i ver os advrsanos t ^"r. .S" -hS.^"
alblarem-se rpidamente um do outro, e o la-
go que os una esleoder-se e
rodaran) em sentido contrario
quil quizesse fazer perder terreno ao seu inimi-
atravessam. Cortara
que ellas
os pinheiros de suas mar-
encolher' deooiV la*i seP"am-lhes os ramos e langam-os n'agua
t rmn dePu de 'erem-os marcado. Elles vo. lentos
.reno ao seulnimt- Zlt^nZ0^! rh!*"" t*mVWt
go. Poiia-se acreditar que nem este, nem aquel-) ""'Q^iJ T le, se decida a dar o primeiro golpe q ^,? I .. SV T""*10 de lemp
Com elTeito. o ataque quando ralba torna-se r?!. J.?P ,nd'fferen."- .
mu. perigoso; descobre o combteme, que por L22.g"' lf5C0S desP0Jados. brancos,
nica deteza s lem seu braco n : os combaten. "SfV*".?^! .?"" 9 VJm*[b!io$' .1ue,P'e-
i feridas ensangueotadas, vo assim tona
tes nao podem agarrar-se. nem mesmo tocarem- i '"T ,. Zi ? .
se. A lamina so deve procurar um caonoho at i RM fX^i0* Pn J8'*"1" e fraDJa-
o peilo iuitnigo. i do,s. d alva escuma .coi flt de prata ; ora, en-
parecem
P Sn",f nVSP8?- cha e gastam s vezes dous
ISepto at enlao coutentara-se de aparar sem ie?ua
das
traria sua raar-
ein fazer urna
aUcar: coaserrava-se na defeosiva conlantan-
do-se com mostrar a ponta de sua arma e de
des'iar a de seu adversario. Elle sabia que com
um inimigo como o quene uro golpe mal dado
poda expo-lo urna resposta fatal.
Entretanto, ao redor delle os golpes cahiam
duros e repelidos como a saraiva de urna tem-
pestado de esto.
O quene, ceg de colera, e perdendo todo o
sangue fri, nao cuidava mais nem as finezas do
assalto, nem cas astucias do aparar dos golpes:
Um desses immeosos (reos fluctuara ento na
corrente, cujos dous bracos formavam a ilha,
que servia de theatro ao combate. '
O cadver do homem cahio no meio desses
cadveres de arvores.
Mergulhado um instante no abysmo, elle vol-
tou logo cima, repellido pelos pinheiros, e vi*
ram-o erguer meio corpo, lvido, com os tragos
cootrahidos, com os compridos cabellos colla-
dos sobre o rosto, com os bracos, ora esteodidos,
ora dobrados conforme o capricho das aguas
crenJoqueelladeviabastarparav.oga-Iodeseu da9 uas> 0 de novo ,orilando a 8ppagreCer :
ora deitado, ora de p, com o busto todo ioteiro
fra d'agua, como se eslivesse montado sobre
1
vil inimigo.
Hjuve am todos um momelo do terror: via-
so a morte arueagidora, sentia-se a fgida im-
po3sivel. A morie eslava em toda a parte, a
srsQi em neabuma: calma gelada dos pri-
maros passos succedera um ardor selvagem.
XXX
O proprio Nepto comegava a animar-se. Am-
bos tfnham saogue e fogo nos olhos; seus bragos
musculosos procuravam entrelacar-se comoser-
pentes ; suas raaos trmulas e encrespadas ma-
nejavam altivamente o pucho de suas armas :
ouva-se da oulra margem o hlito dos peitos
abrasados,arquejaotes...Aioda alguna segundos,
e era feilo da vida de um homem I
Norra cabio de joelhos e orou.
No mesmo instante Miguel ameaQou por um
atrevido golpe fingido o peito de Nepto, e esten-
deado ao mesmo lempo o comprimeato de seu
braco, teotou dar-lhe por cima da cabeca um
golpe nos hombros, golpe sempre mortal, por
que quebra as vertebras, decepa as costellas e
penetra at os orgaos mais indispensaveis da
os compridos troncos flucluantes.
Em p sobre a ponta dos roche los, os espec-
tadores deste drama terrivel acompanhavum com
a vista o cadver com urna dmocao misturada de
horror.
_ Em Um, urna volta da corrale o levou : a vi-
sao siaistra desappareceu *
Norra peosou cuidadosamente a ferida, alias
bistaoleleve, de Nepto, e depois de se ter des-
pedido dos noruegos, que tnbam-os acompa-
nhado al ah, e cujos bous oflcios o neto de
Peckel tioha de novo e geaerosameale recom-
pensado, todos os nossos amigos lomarsm o ca-
miuho do" acampamento, onde foram recebidos
com um verdadeiro enthusissmo.
O velbo patriarcha, vendo voltarem juntos seus
dous netos, que julgra para sempre perdidos,
nao tralava de oceultar seu conteatameato.
T 'J l .
Nepto e Norra eram amados por toda a tribu,
e todos julgavam-se felizes de tornar a ve-Ios.
Todos sahiam das teadas para ir agradecer aos
Felizmente Nepto coraprehendeu o ataque ; e aous suecos pelo que liuham ambos feito pela
dobrando os joelhos agachou-se, por assim di- familia de seu chefe. Familiares e ingenuos os
zer, stochao. Apenas a poola da faca o ferio, testemunhos de seu reconhecimento nao eram
e passou-lne pelo hombro, onde tragou um cor- menos aMadsveis aos nossos hroes. Elles coo-
te. -, senliranBpois assaz voluntariamente em passar
A renda excitou o joven lapao ; seu sangue que alguns das no acampamento,
corra quente sobre sua pelle, causou-lhe urna Tinha-se esperado que a nova pro?, de ffei-
sensagao exlranha : senlio que soara o momento, cao e dedcago apaixooada, dada Norra por
e que era de mister tentar um golpe supremo. O seu primo, tvesse talvez por effeilo tocar final
quene que julgara encontrar na altura um ponto o coragao da donzella e produiir nella urna re-
de resistencia, e que apenas encontrara o vacuo,
aecessariamente perder o equilibrio; camba-
leou sobre a base do seus largos ps, e eslen-
deu os bragos para a frente como para susten-
tarse om alguma cousa
ciprocidade longos lempos esperada. Iiavia um
completo engao O corago de urna mulher
nunca foi encadeado pelo reconhecimento, e seus
movmentos, cuja causa mysteriosa escapa quasi
sempre mesmo aos mais finos observadores, sao
Nepto reuoto (odas as suas forgas, e sem se independentes do que os philosophos chaman as
levantar de lodo, saltando pira o quene, com a considerages de ordem moral. Ha nisso mes-
cabega para a frente, enterrou-lhe oaseotraohas do; segundo uos, una piova da excedencia do
sua faca toda inleira, e, em vez de pucha-la, sa- amor,elle escapa todas as leis aeceilas e
codindo-a violentamente da direita para a es- nao recoobece outras regras mais que suas von-
querda, fez horriveis estragos. j tades irrespoasaveis e supremas ; entretanto que
Miguel deu um grito de dor, que fez retiir a outros nao veem nisso mais que urna prova nova
montanha. Depois, cahiu sobre si mesmo, e pa- da inferioridade de urna paixao sem freio. que
receu cobrir com seu vasto corpo melado da pa- quer ser fim para si mesma, e que travz das
taforma de rochedos, que lhe servir de campo penas e dores alheias s procura suas satisfages
do batalha. i e prazeres.
Um momento seus membros se agitaram em ; Mui recoohecida para com Nepto, nem por isso
horriveis convulses de agona, depois, entesa- Norra o amava mais, entretanto que os senti-
ram-ee de repente. j mentos. que nutria a respeito de Henrick, exci-
Miguel quiz fallar, mas a voz Qcou-lhe presa lados anda pela prova cavalleiresca de dedica-
na garganta, e em lugar de palavras nao lhe veio gao que elle lhe tioha dado em circumstancias to
aos labios mais que urna escama espessa e en- propriss para impressionar a sua joven e viva
sanguentada. imaginago, tinham tomado de repente urna in-
Alguns minutos depois eslava morto. tensidade e um ardor, que nioguem al ento
Elphege, vendo-o cahir, apressra-ie a ir tioha observado nella.
elle : todos, excepgao de Norra, tinham passa-j Islo causava Henrick um pesar sincero : elle
do a ponte e tinham-se aproximado do pequeo tinha feito por combater essa inclinago fatal
grupo psra separar o homem do cadarer. lado, quanto era verdaderamente possvel fazer-
i o ni: i i>i
A AH.4 DAS PEROLAS
POR
A. DUMAS FILHO.
{Continuaco.)
VI
Eis o que respemdi a, Vladimir qne moitrou
aceitar francamente esta licaozioha e disseme :
Eu fallava de Anoetle como ella (alia de si
mesma ; mas lem razao ; aos amigo* abe amar
s pessoas melhor do que ellas mesmas se amam.
Alm disso, para que eu o faga, basta que isso lhe
eja agradarel.
E eslendea-me a mo deixaodo todava trans-
parecer na voz e no olharuma especie de pieda-
de comida. Apertei a mi que me estendia e
separamo-nos.
Confessar-l'o-hei ? minha precipitagao em repel-
lir de antemao o que Vladimir me podia dizer
oo vinha s da eslima sincera que eu j dedica-
va duqaeza ; nao, mislurava-se-lbe o reeeio
de ver desvanecerem-se s minhas illuses ante
urna prova que esse homem, que muito tinha
amizade com ella, podia possuir. Como vs, a
minha conviegao era nova e iraca anda, vacilla-
va ao menor sopro. Somos lodos assim, princi-
palmente de ciocoeota annos para c: o nosso
espirito bebeu um leile arruinado pelo scepticis-
mo do secuto XVII; nio nos atrevemos acre-
ditar ioteiramente assim como Dio nos atreve-
mos duridar completamente e hesitamos sem-
Sire entre o nosso corago e a oossa razio. Essas
s cgas que faziam outr'ora s grandes dedica-
goes, s grandes acgdes e os grandes amores des-
appareceram ; a nossa iotelligencia curvou nossa
alma, como a alma vencer o corpo, e forgou-a
amar,, s acreditar depois de analyse e dls-
eegio ; ama precisa agora da antoridade da ou-
lra, sob pena de dovida, de pesar e de ridiculo.
Cada homem tem hoje n'almaum grao deas tris-
te sement laucada s raaos cheias no mundo
D Vide diario a. S22.
se. Nada tinha sido bem succtdido : pelo con-
trario, dir-se-hia que ludo quanto tenlava vol-
lava-se contra si : cangido da luta, leve de es-
perar no tempe e deixar aa cousas obraren. Re-
solveu apenas deixar o acampamento dos lapdes
mais cedo do que julgava, e principalmente nal-
es mata voltar elle;
Oa trabalhos do joven official devian demo-
ra-lo algum lempo aiada no mesmo dislriclo; po-
tm elle sabia que os lapdes devlam retirar-se
para ganharem auas montanhas ; elle, pelo con-
trario devia ir al o extremo norte, e tomar na
altara do cabo, o Troilhatta, do qual Hammer-
fesl seria a ultima escala.
Henrick, pois eslava certo de deixar Norra
para sempre, e, lembraoga do mal que lhe
causava cada um dos seus encontros, nao podia
regosijar-se, por mais amante e terna que ella
podesse ser, de nunca mais tornar a ve-la.
Julgou dever despedir-se della com urna cer-
ta solemnidade, e prometteu si mesmo aer for-
te contra a expaosio, s rezos perigosa, com-
muoicativa de sua ddr. PJe ama vez mais con-
vencer-se que as cousas jamis aconteciam, nem
como as temos temidvj, nem como as temos
esperado.
Com effeilo, desta vez osadeuzes de Norra nio
se pareceram em cousa alguma cornos que tinham
aasigoalado sua primeira separagio : nem sus-
piros, nem choros, nem solugos; porm, ao
contrario, alguma cousa de comido, de calmo e
fri, de que o mancebo mesmo admirou-so.
Nao lhe era permitido duvidar de urna affei-
gio, da qual cada da lhe trazia urna nova pro-
va, e que era, por assim dizer, a propria vida
d aquella que a experimentava.
Elle perguolava, pois ai mesmo, nao sem
urna inquietagio secreta, que mysterio occulla-
va essa appareole resignacao.
No momento em que elle deixou o acampa-
mento, em pleno da e acompaohado de urna
tropa de lapdes, que tinham tido a honra de
acompanha-lo o mais longe possvel, Norra veio
ter com elle, e com ama voz, cuj calma e fir-
meza atteitavam a slnceridade de sua convie-
gao :
Nio te digo adeus, diz ella, por que ainto
que nos tornaremos anda a ver 1
\ aeguranga que revelaran estas palavras, era
tio grand, que Henrick nem soube o que lhe
respondesse.
E'forgoso confessar,lhe diz Elphege, quan-
do elles se achiram alguma distancia de seus
companheiros, que se s rezes diffJcil fazer-se
amar das mulheres, mais dfflcil anda fazer-se
oliar deltas.
Nio fallemos mal dellas, respoudeu Hen-
rick, as menos boas valem ainda mais do que
n#.
Os dous amigos deixando os lapdes, dirigiram-
se casa do gorernador do dislriclo, onde de-
viam separar-se.
Elphege ficava ainda algum lempo nss praias
do fjord, onde encontrava urna nalureza gran-
diosa e selvagem, e assumptos de estudo tao nu-
merosos quanto variados.
Henrick, pelo contrario, abandonando a Ierra
firme, passara essas pequeas ilhas sem nu-
mero, semeadas no mar, que banha a costa oc-
cidental da Noruega, com urna profuso, que a
mi do creador raramente tem egualado.
O joven e brilhante official, que na trra fir-
me tinha alternativamente a intimidado encan-
tadora de duas joveos creaturas affectuosas, a-
maveis e amantes, achou-se de repente trans-
plantado, ao seio de urna solido austera e me-
lancholica, cuja impressio obrara fortemente so-
bre sua alma.
Nada em nossa Europa poderia dar urna idea
Justa e rerdadeira da aridez e desolagio dessas
paisageos do norte, cujas linhas bruscas, violen-
tas, speramente tragadas, nao tm mesmo para
suavisar a terrivel severidad* de seus aspectos
essa abundante e serena luz, que em ootraslalli-
tudes compensa torga de brilho a rudeza e as-
peridade das formas. Ora essis ilhas sio sola-
das como cachopos no meio das aguas ; ora sio
lio conchegadas e de tal modo aperladas urnas
s outras, que formam urna segunda praia diante
da primeira ; urnas vezes a barca penetra em om
recinto de rochedos, que se arredondam em tor-
no dellas, como a baca de um porto no meio do
mar ; outras vezes sio tongas muralhas, paralel-
las era sua base, obliquas em seu cume, e que
se dobram sobre rossa cabega, como arcos de
trtumphos gigantescos.
De lempos lempos a muralha se interrompe
e entre-abre-se, como para dar urna sahida ao
vento sobre o mar immenso. Se o vento agita
as ondas, ellas se langam pela abertura que Ihes
offerecida ; precipitam-se com um furor e urna
impeluosidale terriveis ; eachem o canal de ba-
rulho, de agitagio e escuma. Ora, pelo contra-
rio, a coata que se abre, e um fjord. rojos bra-
gos se projectam em todas as direefOes, rae levar
quioze oa riotn taguas ao continente o sal da
vaga marinha. A's rezes essas ilhas verdadera-
mente desoladas, nio sio mais que am monlio
de rochedos esteris, aera ama moita de verdura,
sem um combro de torra, sem umagdtad'a-
& ; verdadeira imagem do luto eterno da na-
lureza nesses climaa malditos.
B' ahi que Henrick vireu stiqho com seus
pensameutos, loop de tudo que amara, procu-
rando em um trabalho obstinado urna diatraegio
muitas vezes impotente aos enfados de seu co-
ragio.
A tarefa, entretanto, era rude, e elle nao tinha
descango bastante para ser inteiramente desgra-
nado. Elle ia em barcas de pescadores de urna
ilha oulra, escrevendo, desenbando, trabslhan-
do sempre.
Hariam tres semanas que os dous amigos li-
nhamdeixado as tendas dos Kilpis, quando pela
manhia o velho Peckel viu entrar em sua tonda
dous lapes, daquelles que no paizaechamam
so/iners, isto lapdes marinnos.
Com e fie i lo, encontra-se s vezes entre os ma-
rinheiros lapdes intrpidos, que fazem a navega-
cao das costas, dignos rivaes desses reis do mir.
que descobriram o novo mundo com seus esqui-
fes sem coberla e sem bussola, quatro seculos
antes do immortal Genovez.
Com miseraveis barcas, as quaes oio quere-
riamos para navegar em nossos lagos, elles rogam
dia e noite os mais temiveis cachopos, e afron-
tara as mais terriveis tempestades.
Norra, sentada ao lado de seu avd, reodo-os
chegar, senta bater o peito mais depressa. Nos-
so corago est sempre onde est nosso amor.
Desde que Henrick pozera o mar entre ella e el-
le o pensameoto da pobre moga tornra-se via-
jor : nio eram mais os pastores nem os cagad o res
que o tnteressaram.
Ella daria seu rebanho por ama barca I Nio
era cora as barcas qne se franqueara os estreilos,
aoe se chegara essas ilhas, guardadas pelas on-
iiiVs que lh8 rooDrain u iheaouto?
hila fez pois aas dous marioheiros o mais ama-
vel acolho ; rogou-lhes que se sentassem, e fez-
n e.Dtender 1ue Tallara por elles seu avd.
Os dous marinheiros dispnnham-se a fazer urna
viagam s ilhas Loffodeo, oode se achavam pes-
cadores russos, aos quaes queriam levar carne
fresca e pelles; mas a distancia era grande e sua
barca pequea, a passagera difficl e a equipagem
pouco numerosa. Elles vinham pois pedir ao ve-
lho, cuja reputagio de feiticeiro eslava slida-
mente eslabelecida mais de rinte milhas ao re-
dor, que lhes concedesse ventos fa vora veis.
*- Ah I onde queris vos que eu os apanhe?
murmurou Peckel, com um ar do mu humor,
muito menos real que apparente, por qne de fac-
i elle nio deixava de estar assaz lisongeado do
csso, que pareciam fazer de sua sciencia :crdes
ros, acrescentou elle, que eu fago provisao de
veotos. e que tenho sobresalentes delles em meus
cofres ?
Pae, respondeu um dos lapdes, cujo olhar
ao mesmo lempo carinhoso e fino annunciava m
verdadeiro diplmala, sabemos que podes tudo
quanto queres, e quasi nada te pedimos.
Pois bem I fallan, o que preciases ?
Vento leste para impelltr-nos de Ierra al
as ilhas, e vento oeste para impellir-nos das
ilhas para trra.
Assim fallando, o lapio tirara de seu sacco
duas pegas de prata, que elle collocou sobre a
mesa ao lado do velho.
Peckel apoderou-ae dellas e f-las desapare-
cer com a babilidado do mais maravilhoso pres-
tidigitador.
Nao sei, diz o patriarcha dos Kilpis depois
todava de ter guardado as moedas, nio sei se vos
deverei conceder o que me peds. A gente do rei
oo gosta que se tenha commercto com espiritos,
e pdem do-bom grado aeus agentes perseguir i o
de nossos deuses. Quem me diz que nio sois es-
pides mandados por elles para me trahirem 1
Peckel, diz o oulro lapio, que ainda nio ti-
nha tomado a palavra, quando que viste um la-
pao ser trahido por outro lapio? nossos deuses
sio teus deuses I Deixa os christios, seus sacer-
itiese algozes: elles nao virao jamis procurar-
""JnVl aqu---- E se viessem, nos achariam em
sea caminho. Toma mais esta pega l ella foi ba-
tida nessa nobre cidade de Nidaros, que elles cha-
msm Drontheio, e de pura prata. Da-nos en-
cantamentos de lio bom quilate.
Pae, diz Norra, que coo*>ecia bastante seu
avd para saber que sua intervengio oio era oe-
ceasaria, e que o pedido dos dous lapoes eslava
concedido de aotemio ; mas que quera conciliar
suas boas gragas, pae, ouve a supplca destes
amigos :sio assaz infelizes aquelles, que se con-
fiara aos mares 1acrescentou olla com um certo
enternecimento na voz, que o ouvido de seu avd
poderia notar, se elle Cosse ainda aensivel ou-
lra cousa alm do som melallico dos escudos.
Est bem I diz elle, j que minha filha inter-
cede por vos, eu vou rogar ao Deus das tempes-
tades, e compur-vos um encanto. Entretanto, sa-
hi, para que eu possa pronunciara* formulas m-
gicas ; ide seotar-vos entrada de minha lenda :
quando tudo esliver prompto, mandar-vos-hei
prevenir.
Os dous joveos lapdes obedeceram sem repli-
car.
Picando sd com Norra, Peckel remecheu um
grande cofre, oceulto debaixo de um mootio de
pelles e de vestidos e tirou delle urna corda da
grossura do dedo miaimo, toda ebeia de nds de
differentes formas e de diversas dimensdes. Elle
cortou dous desses nos, e entregando-os Norra :
Vae, diz elle ; leva-lhes o que elles espe-
rara ; sao encantos omnipotentes ; nio ha quem
diga que seus effeitos tenham falhadoalgum dia;
que partaro, e que voltem com alegra I Se elles
derem mais alguma especies, tu sabes, menina,
que mim que a dio.
Norra retirou-se a largos passos ; porm fez o
que em theatro se chama urna sahtda fingida, e
chegando ao solar da porta, vollou-se, curiosa
como urna lilha de Eva, para ver o que seu avd
fazia.
XXXI
Peckel, que nio se julgava observado, poz a
corda mgica debaixo de urna das pelles, que lhe
serviam de cobertor; depois, foi tripudiando
um oatro canto de sua -moda, onde ajoelhou-se
diante do um rnfr. .forharto por urna enorme fe-
chadura, o antes de ahi encerrar as duas especies,
que iam augmentar seu thesouro, elle diverliu-
se em faze-las Unir urna conira a oulra, com um
menino ou como um avaro.
Norra, vendo-o tao profuodamente absorto nes-
sa grave oceupagao, julgou que podia tentar um
passo atrevido ; rpidamente, as pontas dos ps,
reteodo a respirago, ella veto at a cama, e apo-
derando-so da corda, cortou dous nds : embru-
Ihou-os era ora pedago de panno, e depois fe-
chou-os em um sacco de couro.
Feito isto, sahiu da lenda e foi ter com os
dous marinheiros, que fumavam i porta com es-
as indolente e pacifica indifferenca de gente, cu-
ja vida 4 mais looga que os trabalhos, e que te-
rio sempre lempo de sobra.
Tomae Ibes diz Norra, aqui tendes o que
pediste* meu avd ; este encanto um dos me-
Ihores, que elle tem composlo: elle vos coodu-
zir oode quizerdes, e vos trar aqui.
Os dous marioheiros, agradecendo donzella,
terantaram-se como para partir.
Esperae 1 lhes diz ella, vds sabis que foi
por raen intermedio que oblivestes vosso pedido:
trata-se agora de prestar-me tambera um aer-
vigo.
Palla I
Poia bem 1 diz Norra em voz baixa e mui r-
pidamente, bem longe d'aqui, em alguma ilha,
em vosso caminho, nio poderei dizer onde, en-
contrareis talvez um joven official sueco : um
amigo dos lapdes ; elle arrancou-me das raaos
dos quenes I Sem dizer-lhe cousa alguma, entre-
gar-lbe-heis este pequeo sacco ; ou eu me en-
gao muito, oa ellesaber de que parte lhe vera.
E agora, conlinuou ella, como se j quizesse ver
o seu talismn as mios, que lhe eram charas,
parti immediatamente; aproveitaeo mareo sol,
e voltee antes dos mus das.
pelos nossos ltimos philosophos, e na menor oc-
casio, esse grio germina Burdamente.
Apeaar das minhas respostas a Vladimir saht
do casa delle menos feliz do que entrara ; sua
conviegio pareca lio certa, tio solida, qne me
incommodava, eu me massava com elle por ter
adevinhado e respeitado immediatamente os meas
sentimentos; e fstendo tengio de nio desviar-
me para com elle das minhas illuses, formei o
proposito de adquirir novas provas para pdr a
minha consciencia em sau direito. Acresceota
isso os detalhes tio ioesperados dessa noite, di-
rei quasi tio ioverosimeis, que por momentos
tomavam na minha cabega, alias fatigada pelas
vigilias e pelas emogdes, as formas movis, fugi-
tivas e eoganadoras de um sooho. Voltei para
casa e dorm um pouco para dar equilibrio s
minhas (acuidades. Acordei a hora em que
costuaoava ir casa de madame de Wine: foi-
me iosupportavel a idea de r-la. Diriji-me di-
reito, nio carego dizer-te para onde. No mo-
mento em que, certo de ser esperado, eu punha
o p sobre o primeiro degro da escada, um cria-
do do hotel correa para mim e eotregou-me ara
papel dobrado, mas sem sinete, que conlinha
estas palavras.
a E' lmpossirel recebe-lo agora; renha esta
noite s 7 horas, que tenho muita cousa a con-
tar-lhe.
Esse bilbete, desmentido muito prompto s pro-
messas da i espera, causou-me furor; fez-me ver
de novo o sorriso zombeteiro de Vladimir.
J I disse eu comigo; e seoti-me tio of-
fendido nos meus sentimentos como no meu
amor proprio. Por que razio oio me recebia.
Quem estara com ella : Dar-ae-hia caso que nio
me tivesse dito tudo?
Tal era o circulo das pergdntas inquietas no
qual eu girava voltsndo todo triste para o boule-
rard. Comprehendi eolio o pesar que se pode
sentir em nio ver a pessoa amada na hora em
se fez tengio de r-la e esse sentimento de pte-
dade lerou-me casa de madame de Wine na
bora em que me esperara. Eu eslava abhorreci-
do, agitado, silencioso; ella perguntou-me o que
linha ; pretexlei a preoecupagio de um trabalbo
difficl, e acrescentei mesmo que, durante muitos
diss, esse trabalho me retria em casa e impedir-
me -hia de ir v-la. Arranjava assim um pouco
de liberdade, para o que desse e viesse.
Trbalas, disse-me ella; eu acare! iqui a
ler, e quando tiver um minuto lirre, reoha
vr-me.
Em su rama, nada tenho a censurar a essa mu-
lher, era boa e agradavel, curvava aua vida s
exigencias da minha : emfim ahi est o corago
que manda como seohor. Passemoa adiante.
A's sete horas voltei casa da duqaeza : achei
sentada e leudo, mas prompta para sabir.
Nio foi por minha culpa, disse-me ella res-
pondendo censura muda do meu primeiro olhar;
minha cunhada eslava aqui quando o seohor veiu,
e em consciencia, por bem de ambos nds, fiz-
lo encontrar-se eom ella; vendo-a, ella teria
adevinhado o que quero que Ignore, nio por que
tenha medo della, mas por que gosto de fazer-
lhe pirragas. Jae falla muito.... O desastra-
do do principe, retirando-se naquella noite, todo
eado de ter sido tio mal recebido,disse ao cria-
do. Para que me deixaste entrar se a senhora
nio quera receber visitas I
O criado respondeu: eu julgava que o seohor
era a pessoa por quem a Sra. duqueza esperava.
O principe ficou de queixo i banda.... Sem
maldade, foi cootar tudo hoje baroneza, que
vela com seus ares derirtude, que nao lhe cusa
defender, porque ninguem a ataca ; dizer-me que
em ausencia de meu marido deria rigiar-me;
que nio esperava que eu reoovasse os escnda-
los que tinha dado por toda a parle; emfim urna
porgio de cousas desigradaveis que terminou
perguntando-me quem recebera nessa noite. Ao
que lhe respond que ella nio tinha nada com
isso, que eu era lirre e que nio tioha que dar
conlas nioguem. Ella desappareceu furiosa,
em um fogo de artificio, de ameagas. Ri muito.
E eis a razio por que nio o recebi. Agora, creio
que nio tem nada a fazer esta noite ? Lera-o
comigo, mandei comprar um camarote em um
theatro do boulevard, oode representam, segun-
do se diz, urna pega magnifica.
E estondeu-me a mao, tocou acompanhis, pe-
diu o sen carro e disse-me dirigindo-se para a
porta.
Venha, quero ver o principio.
VII(
Subimos a sege dos cavallos russos a partimos.
Nio trocamos des patarras durante o caminho
que foi no emtanto bem comprido. Ella me tinha
abandonado sua mi, e pensramos cada am do
nosso lado. Seria oa mesma cousa ? oio sei;
porque quando o criado veiu ibuc-nos porti-
nhola, sem que tiressemos percebido que haria-
mos chegado, ella trocou comigo um sorriso, e
apertando-nos ligeramente a mi, como se esti-
vessemos para nos separar.
Entramos em um camarote escaro impeoe-
travel. Ella collocou-se na frente, e ouviu a pega
de principio fim. O prazer, a emogio, o iote-
resse reflectiam-te sobre seu rosto lio fae:lmente
como as nuvens sobre um lago. Ella divertia-se.
Tudo joven e franco nessa mulher ; se aoubesse
a minha conversa dessa manhia com Vladimir,
para me dar urna ora prova de que elle men-
tira, nio precisara de outra demonstragio alm
de aua simples altitude no espectculo. Imagina
que, durante o seguinte acto a que en nio pres-
lava atteogio, vi que seus olhos se enchiam de
lagrimas, sem que por isso deixasse de olhar para
a scena, sem que peosasse em enchugs-las, quer
porque nio se alrevia a fazer am movimeoto,
quer porque nio senta mesmo correrem essas la-
grimas l') oaturaes rolando ao longo de suas fa-
ces, desprendendo se depois em perolaa brllhan-
tes e animadas sobre os contornos firmes do seu
vestido de seda. Pouco se importara que a ris-
sem : o que ouvia provocava-lhe lagrimas; cho-
rar hzia-lhe bem ; chorava. Eo cootemplava-a
com felicidade. Que partido tirar de semelhao-
te alma I Essa mulher mentir I impossivel I o
panno j tioha descido e ella ainda prestara at-
teagio. Entretanto roltou-se e sorriu para mim
por entre aa suas bellas lagrimas, que eu mesmo
enchuguei.
Direrli-me bem : disse-me quando roltamos
e com o tom com que o teria dito urna crianga.
Se roc quizer voltaremos a esses pequeos thea-
tros : os grandes aborrecem-me.
Repare!, principalmente com Annette, que as
verdadeiraa mulheres do mundo achara grande
prazer naa cousas que as separara bruscamente
da vida symetrica a que as coodemna a sua po-
sigio. Se a duqueza podesse ir comigo primeira
galera, com os gloetes e burguezes, (Icaria sa-
tisfeilissima. Via muitas vezes, ao sahirmos do
theatro despedir a aua sege para lomar um carro
de aluguel. Quanto mais ordinario era o carro,
quanto mais magros e vagarosas os cavallos, mais
contente se mostrara.
Porque que lhe direrle andar em carro de
aluguel ? disse-lhe eu,
Porque nunca ando nelles, respondia-mo
ella, e id divertido o que nao pdenlos facqr
Os dous lapdes prometieran) tudo o qne Norra
quiz e partiram. .
Traoquillisada, contente, com o coragio ale-
gre, Norra entro* em sua tanda.
A lapooazinha, que tioha sempre escutado com
tanta atlenglo quanto respeito as instrucgdos do
mioiitro, que, conforme o parecer do proprio
Johanscn, era a melhor creatura de aua tribu,
nao deixava todava de conceder urna efucacia
omnipotente aos sortilegios, aos pbillros e aos.
encantos de seu avd.
E' que a sobrenatural e divina luz da religiio
revelada ainda ni* illurainou inleiraraeole a al-
ma dos lapdes; quasi sempre resta nelles algum
recanto obscuro, onde a supersligio reina sem-
pre, e onde, despeito dos esforgos dos misio-
narios, a f nio penetra.
Esses derradeiros vestigios de um pagsnsmo
secular em iotelligencias, apenas sahidas dos lim-
bos da idolatra, resistem todos os esforgos.
Julgaes ter arrancado a planta maldita : de re-
pente, as raizes rebentam e v-se apparecer ou-
tros renovos.
Nessss almas ingenuas, s quaes sem duvida
pouco se pedir, por que ellas pouco teem rece-
bido, e que acbarSo Deus clemente, reina quasi
sempre urna extravagante mistura de verdades e
de erros.
Norra,era sincera quando se ajoelhava no fundo
de aua tenda para adorar Jess e orar Hara;
era sinceraquando mandava Henrick o talis-
mn, que obvia conjurar as tempestades e enca-
deiar os venios.
Separados do resto do mundo, nao teem os la-
pdes, mesmo entre si, commuoicagdes regulare*.
O uso das eartas lhes quasi completamente des-
conhecido, e oscarteiros da posta nunca levantara
a porteira de sua tenda.
Todava, elles nao sio menos informados de tu-
do quanto se passa em seu paiz. As noticias pa-
recen) correr por si sobre a trra sonora, e pas-
sar de urna tribu outra com urna incrivel ra-
pidez.
Tres semanas depois que Norra mandara Hen-
rick um pedago'da corda encantada, olla .soube
que elle voltra ao cootinente. -
Ella julgou-se feliz com esta nolicis, posto que
a nova residencia de Henrick fosse aioda mais
affastada da sua ; porm ella tinba um modo seu
de contar as distancias : duas leguas por mar lhe
pareciam maia temiveis que vinte as costas das
rennas.
Nesle ioterim, um homem que nio se espera-
r lio cedo, apresentou-se na tribu : era o minis-
tro Olavo Johansen, cuja volta sahia fra da po-
ca ordinaria de sua vinda.
Olavo sempre Uvera na familia de Peckel urna
influencia, ou para melhor dizer, urna autorida-
de que ninguem lhe teria concedido em outra
qaalquer tribu. O missionario reconhecia essa
con {langa, que era quasi submissio, por urna af-
feigio verdadeira e um ioteresse sincero.
Quando elle soube por uns e outros o que se
tinha passado esse anno em casa do patriarcha e
entre os seus,desde que os conheeia nunca tan-
tos aconlecimentos, nem mais graves, se tinham
accnmolado sobre elles,o virtuoso ministro nio
pode deixar de tremer ao pensameoto dos pongos
de toda especie que tinham ameagado seus ami-
gos ; censurou severamente o duello de Nepto
com Miguel; encrespou ss.sobraocelhas quando
soube que a donzella passra quasi um mez fra
dos seus em um gaard noruego, e que, i pretex-
to de ir levar Elphege, tinha na realidade ido em
procura de Henrick:o caso pareceu-lhe mons-
truoso ; o digno sacerdote que julgava as cousas
seo modo nunca pdde imaginar que sua Norra-
sinha fosse capaz de to grande trregularidade.
O bom Olavo nio achava ontra palavra.
Gragas Deus, elle leu tio claramente nos
olhos dessa lha da nalureza todos os signaos da
consciencia pura, que comprehendeu, quando
mesmo nio fosse muito tarde, que ella nem se-
quer tinha a idea do mal....
E elle parou prudentemente antes que tivesse
pronunciado indiscretas palavras, que levassem
essa alma juvenil a perturbagio com a luz; com-
prehendeu que nio era conforme as regras esta-
blecidas e aceitas que convinha julgar essa me-
nina semi-barbara, que segus sempre os violen-
tos impulsos de seu corago, sem so importar
muito com isso.
Quanto Neplo. Olavo nada tinha que lhe
dizer.
Nepto era aera duvida menos supersticioso que
a maior parte dos outros lapdes de sua tribu ; po-
rm tinba um outro defeito, que o tornava talvez
mais inaccessivel s exhorlagdes e aos conselhos
do missionario : Nepto tinha um que de espirito-
forte ; sd cria no que via.
E' esta especie de homens que menos ama aos
sacerdotes, qualquer que seja a religio que
sao justamente aquelles, sobre os quaes elles
teem meaos imperio. Em fim, depois da morte
da Miguel, ple-se dizer que a conducta de Nep-
to o tinha posto ao abrigo de toda a censura ; el
le mostrara de repente em seu proceder urna dig-
nidado e urna reserva, superior todo elogio,
por menos que se quizesse pensar no que fdra
sua vida at ento.
A looga preseoga dos dous suecos, seu contac-
to diario com elles, o estudo desuas maneiras,
tao differentes das suas, essa exaltago contida,
mas real, que sempre se encontr no fundo de
urna grande paixio, ludo isto tioha sensirelmen-
te modificado a maneira de ser do joven lapio ;
mas ao mesmo lempo, tudo isso pareca ter rou-
bsdo ao missionario toda a especie de ataque so-
bre elle.
Foi o que elle adeviohou desde logo; e assim
nada quiz tentar. E* verdade que, ainda mesmo
que o podesse, elle nao teria muito a reformar.
Nepto nunca fallava de Henrick; e se por acaso
em conversa lallara-se em seu nome, elle nio
franzia maia como outr'ora suas negras sobran-
ceibas ; quaai nunca diriga a palavra Norra, e
em qualquer circunstancia era para com ella o
que deria .ser.
Em urna palavra, tudo nelle annunciava a in-
teogio firmemente abragada de lhe provar que
elle intendia de eolio em diante dever permane-
cer estranho sua vida.
O velho Peckel, esgotado pelas fadigas, inquie-
tares e tristezas de suas ultimas provaegas, mui-
to mais aioda do que pela edade porque a velhi-
ce doa lapoes, mui semelhante aos lindos dias de
seu esli, se prolonga em um crepsculo sereno,
ao qual nada abrevia nem altera, o velbo, Pee-
Raciocinio que fot o da primeira mulher e que
provavelmenle aer o da ultima.
Depois. no dia seguinte ao dia seguinte aquelle
em que fomos to mysleriosamente correr oa
theatrinhos, ella (orna s necessidades de sua vi-
da de fidalga, e vae a opera ou ao theatro ita-
liano, com o marido, com urna amiga ou com
urna pareota. Manda-m'o dizer. Chego, o vejo-a
enlao, bella, tranquilla, brilhante, admirada, essa
mulher que, na veapera, a mesma hora, eu a-
companhava coberla com um veo, a algum cama-
rote myaterioso e oceulto. A transformado
completa, e entretanto sempre a mesma mu-
lher, por que essa mulher de raca pura, e por
que quando a sua posigio nio a Ilumina, lu-
"miua-a seu corago. Apenas entro no theatro
em que est, e ella descobre com um olhar r-
pido como o raio o lugar em que eatou, um sor-
riso imperceptivel agradece-me e conversando
com este, dirigiodo-se iquelle, estando separada
de mim por centenas de pessoas, a mim a quem
falla.
Todos aquelles que tem amado conservis a
recordago de semelhanles noites. Os amantes
nao se olham, fingem nao coohecer-se e quantas
cousas se dizem 1 Essa mi que brinca com urna
renda, essa luya tirada em certo momento, esse
peoteador, esse leque, esse biooculo, que passa
por todos e que s a oda v ; essas fl&res, a edr
do veatido : tudo lem um sentido particular para
dous olhos alientos perdidos na sala por um co-
rago que pulsa na sua sombra. Tuio isto quer
dizer. Recebi a sua carta ; pens em roc ; es-
sas pessoss que aqui esli abhorrecem-me. Eu
te amol At esta nuite I At amanbia. Quautas
doces patarras se Irocam assim em um theatro,
sem que ninguem as adevlnhe I Durante duas
horas, o sussurro da multidio, a voz doa ado-
res a o canto da orcbesira, embalara esse amor
invisirele fluctan te; depois a fidalga rolla para
casa. Urna sombra segue-a e gyra diente de sua
casa, at que um. raio de luz, doslisando-ae por
entra as cortinas de urna janella indicada, d um
signal esperado. Oh 1 esses amores nio tem
nada de commum com os outros, e parece qne
no da em que por elle se morra oio se paga tudo
o que se lhe deve.
Para tornar aos primelroa dias, oio posso con-
tar-te em todos os seus detalhes, minuto pdr mi-
nuto a historia da vida qne eoraegaroos. Annet-
te parecii le? a rootade de toinir-we todo 9 meu
kel, depois de ter lutado algum lempo contra o
mal cahiu de repente.
Elle ainda oio tinha olanla annos. Na Lapo-
na, onde ha mais centenarios do que em qual-
quer outra*parte, pode-se dizer que esta urna
mocidade relatira ;harta mallo poaco lempo
que o ard de Norra de Nepto tinha perdido
sua mi. '
Como quer que fosie, o patriarcha dos Kilpis
seatiu suas Jorgas decrescerem sensivelmente
seus netos viam-o inclinar-se para seu rpido ter-
mo ; a illusao nao lhes era mais permitlida.
Estas noticias, levadas por urna voz de confian-
ga Johansen, ento em visita em urna tribu
vismh), appressaram sus vinda.
Olavo correr para junto de Peckel, nio at-
trahidosoment* por esse zelo da casa de Deus,
que devora os verdsdeiros servidores ; nem ni-
camente pelo desejo de conduztr urna alma des-
garrada. A conversio difinitiva de Peckel tinha
para o missionario um outro ioteresse.
Com eTeilo, o relbo, aioda que as mais das
rezes submisso spparentemente, mostrsra-se
comtudo s rezes hostil s ideiaf, que represen-
tara o missionario ; tinha -lhe feito em mais de
urna occasiao urna sorda opposigio, e s rezes
mesmo tinha-se poeto respeito do missionario
em um p de egualdade, oa em urna especie de
antagonismo, qoe nio podia admiltir. Pareca
que o lapio fallando em nome dos seus deuses,
como Olavo em nome do Christo, ameacara todos
os instantes erguer altar contra altar.
Nio era que elle fosse systematicamente ini-
migo dos dogmas ebristios; era aimplesmenle
mdifferenle elles; porm infelizmente Peckel.
tinha muito interesse em fazer-lhe ama secreta
opposigao.Coohece-se a alma crdula e o espi-
rito supersticioso dessa raga igoorante do lapdes,
que acbam mais felicidade em erar no diabo do
que era Deus.
A Laponia foi o derradeiro paiz da Europa,
onde os idoloa acharara adoradores : aioda hoje
ella se inclina diante das imagens talbadas por
suas raaos no pao ou na pedra.
Ella cerca seus adivinaos e feiticeiros de ama
confianga, que vai al a f, de urna venerago
que se approxima do culto. A exemplo do que
succedeu outf ora as grandes familias do pa-
triarchado romano, onde eram os mais aotigos
nomes e os mais Ilustres personagens que loma-
vara os ttulos e preenchiam aa funcgdes de au-
gures, para ligarem e conservaren seus humildes
clientes com mais lagos, da mesma maneira oa
Lapona, siq quasi sempre os chefes das tribus
que reservara para ai o lucrativo privilegio de
exercer a adivinhagio e de preparar a magia. E'
isto ao mesmo tempo am feote de considerado
e de rendas. Assim, levados por esses dous
grandes movis :a contideragio e o interesse,
a honra e o dinheiro, que se Iig>m duas fdr-
mas differentes de urna nica e a mesma cousa,
o egosmo:isto o mais forte, o mais uuiver-
sal, o mais invensivel dos seotimentos humanos,
os chefes lapdes. astutos e vidos como Peckel,
tinha razo de nao quererem renunciar tantas
vantagens ao mesmo lempo.'
Comprehende-se pois que sem lutar abarla-
mente contra os sacerdotes, que tinha por si o
apoo muitas vezes decisivo do poder central (por
quanto em mais de urna occasiio tem-se tentado
converter por meio da torga, e muitas vezet,
aquellas, que tinham a cruz em urna das mios,
mostravam na outra urna espada], elles faziam-
Ihe urna opposigao prudente e encobena, e man-
tinham assim as relbas doutrinas em presenga
das novas em um antagonismo, que, com quanto
encoberto, nio deixava de ser perigo.
De todos esses chefes de tribus, qu9 unindo-se
poderiara formar urna confederagio to pode-
rosa, o velho Peckel era certamente o mais intel-
ligente e o mais hbil. Poder-se-hia talves acre-
ditar nio com menos verdade que era tambera o
mais vido.
Olavo Johansen tal respeito nio se engaara
mais que seus predecessores Assim, apezar do ar-
dor sincero do seu proselytismo, acabara vendo-se
obrigado a renunciar a esperanga de fazer com
que este astuto personugem deixasse aa praticas
grosseiras, que lhe traziam tio boos resultados;
em vio tentara conselhos e supplicas: tudo
isso era iouiil para am homem, que achava mui-
tas vantagens em nio deixar-se tocar, nem con-
vencer.
Sera duvida Olavo poderia como outros subs-
tituir persuaso a forga ; mas taes extremos
repugnavam com essa alma doce, e lerna, e ver-
daderamente christaa. Olavo era daquelles.qua
oio querem sob pretexto algum que o apostlo
seja o duplo do carrasco ; sabia que Deus nio
ama as conversdes violentas, e que o cu nio se
compraz senio com as dadivas de coragdes livres.
Elle fazia ao lapio a justiga de que este nunca
se mostrara mu para com elle; que deixara
sempre aos seus a liberdade de cumprirem seus
deveres religiosos ; seus Olhos eram baptisados);
elle mesmo em cada urna das viagens de Johan-
sen. o accolhera com deferencia e respeito; nun-
ca se recusara a pagar oa dizimos fizados pe-
las ordenangas reaes, e quando se tioha apre-
seotado a occasio, sempre tomara o cuidado de
accrescentar lhes alguma cousa, pouco impor-
tante sem duvida, mas que provava ao menos sua
boa vontade.
E' verdade que na ausencia de Olavo, Peckel
mais de urna vez substituir as ceremonias chrs-
taas pervJs ritos pagaos ; que elle pretender en-
terrar os morios sua maneira ; que assegurava
que os lapdes eram tio bem casados por elle
como por qualqner outro, e finalmente que mais
de urna vez, em conseqoencia dos*exorcismos,
pelos quaes o missionario expedir os demo-
nios, elle tentara por encantos chamar logo
aquelles, que dizia cora (urna certa emphase os
deuses de seus paes.
Johansen contara que o tempo trazia algum re-
medio urna situago que lhe pareca deplora-
vet ; esperava dos annos o que nio podia obter
de seus esforgos. Mas, quando soube da doeoga
tao grave, como sbita, do chefe dos Kilpis, com-
prehendeu toda a importancia que haveria para
elle era reconcilia-lo no momento da morte com
a egreja official. Por neohum prego elle quere-
rla deia-lo morrer na impenitencia Anal : nio
se tralava gmente de urna alma, mas de urna ra-
ga a salvar.
O missionario resolveu, pois, consagrar todos
os seus cuidados essa difficil converso.
( Continuar-se-ha. )
tempo, de dispor de minhas horas mais inti-
mas : mostrava-se admirada de que eu nao pre-
textasse nunca outra cousa a fazer, que fosse tio
livre.
Algnmas rezes pareca dzer-me. Qu6 fim le-
vou aquella senhora com quem esteve na opera ?
Eatretanlo oio se fallava nella abertamente e eu,
a de{xava ir tomando am habito de que em pour
co nao se poderia mais livrar. Quanto a mira,
abandonava-me alegra toda nova de amor sera
dize-lo ; masen bem via para onde amos, por
esse declive doce, o ella certamente via-o tam-
bera. De resto tioba cumprido a sua palavra -
sua porta continuara fechada para lodos, escepi
para sua cunhada, por urna tia e por urna, prima
cuja rida anda muito nova, j um poema d
amor potico, de resigoagio e de dedica$u>
Entretanto Uabamos tomado a ver Vladimir :
muitas vezes mesmo tioha-nos acorapanhado ao
campo ou ao theatro, partidas quo se renovara.
todos os dias, apenas eu podia dispor de alguna
minuios para correr casa de maduma de Wina
e os maiores diplmalas leriam empalidecido do
drairago ante a lgica dos pretextos que eu
achara nessas raras e rpidas visitas. Vladimic
nao me fazia mais perguntas. soarate, duas ou
tres vezes depois da ceta, na, hora m qoe justa-,
mente fdra de bom gosto que me esperasse, laj-
gava-se e deixava-me s eom a duqueza ; eu eo-
lio corra apoz elle, apanJtva,-o na ra, acento-
cia-rae mesmo nio deita-lo at o amanbecer
para convncelo de que ao tinha engaado a
respeito do emprego da mesma noite. Essa af-
fectaga* feno-osem duvida, como devia offender
todo espirito estrello ; nio leve entio outro cui-
dado seoao empachar comigo urna luta defensi-
va, e em uossas relagdes, mais affaveis. ais
amigiveis que nunca, na apparencia, comecou a
intiitrar-se o azedume secreto que nos levou pou-
co a pouco ao estado em que nos acharaos, isto
a troca de apertos de mi, ultima expressao d
hbitos amigaveis que nio podemos eesaar in-
teiramente sem nos declararmos urna goerra
berta do que Annette seria publicamente vic-
tima.
{ Continnar-M-Aa. \
PERN. TYP. DE M,F.DEFAjtrA&FILHO. IWl.
TT


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYLGE2TCO_77YGCV INGEST_TIME 2013-04-30T23:59:39Z PACKAGE AA00011611_09400
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES