Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09381


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1110 IIIT11 10MEI0 204
Pr tres mezes adiaalados o$0o0
Por (res meses vencidas 6$000
i**
00IITA FEIEi 5 M SETE1BR0 SE ItlI
Par anno adiaatado 19J000
Parte frasco para o snbscriator.
NCARSKGADOS DA SDBSCSIPCAO DO IfOBTB
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araca-
ty, 9 Sr. A, de Lomos Braga; Cear o Sr. J. Jos
do Oliveira; Maranho,' o Sr. Manoel Joa Mar-
tina Ribeiro Guimaraes; Para, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo daCosta.
PARTIDAS UOS CUKKKtUs.
Olinda todos os dias aa 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goianna Parahiba naa segundas e
sextas-feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caraar.Altinho e
Garaohuns as tercas-feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro.Brejo, Pes-
queira.Ingazeira, Flores, VilIa-Bella,Boa-Viata,
Ouricury e Fx as quartasfeiras.
Cabo, Serlnhlem, RioFormoso.na.Barreiros,
EPHEMERIDES DO HEZ DE SETEMBRO.
4 Las ora as 7 horas 52 minutos da man.
II Quarto erescente as 10 horas e 56 mioutoada
raanha.
18 La cheia as 11 horas e 42minutos da tarde.
27 Quarto minguant. aa 4 horas e 5 minutos da
manha:
PREAMAR DEHOJE.
Agua Preta. Pimenteiraa e Natal quintas feiras! Primeiro as 5 horas e 18 minutos da manha
Todos os crrelospartem .a 10 horas da m.nha|seg.ndo as 5 horas e 42 minuto, da Urdo.
DAS DA SEMANA*
2 Segunda. S. EstevSo rei de Hungra.
3 Terga. S. Eufemia y. m.; S. Aristheo b. m.
4 Quarta. S. Rosa de Viterbo t. f.; S. Rozalia.
5 Quinta. S. Antonino m.; S. Bertino ab.
6 Sexta. S. Libania y. m.; S. Presidio m.
7 Sabbado. S. Joo m. ; S. Regina v. m.
8 Domingo. Natividade de Nossa Senhors.
AULMC.fll.lA UOb
Tribunal do commereio; segundas
IRIBNAEa DACAPUAL.ENGARREGADQS da SfJBSCR,pCAQ ~7.
""" .umumixio; segundase quintas. ouoatmryAU uu bLL
Relaco: tercas, quintas sabbadoa as 10 horas. A,aK0"- s'- Claudino Falsao Dias; Baha
Fazenda: tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commereio: quartas ao mel dia:
Dito do orphos: tercas e soxtas aa 10 horas.
Primeira rara do civil : tercas sextasso meio
da.
Segunda rara do civil:
hora da tarde:
quartas sabbados a 1
Sr. Jos Martina Aires ;
Joo Partir Martina.
Rio de Janeiro, o Sr
PARTE OFFICIaL.
Ministerio
do Imperio.
3a secgoRio de JaneiroMinisterio dos ne-
gocios do imperio, eni 2 do agosto de 1861
Illm. e Exm. Sr.Foi presente Sus Magestade
o Imperador o officio do antecessor de V. Exc. n.
101 de 8 de Sgosto do anno passado, consultando
ao governo imperial se, tendo dado o prelado
diocesano o seu asseotimento resoluco provin-
cial n. 806 de 25 de agosto de 1857, que regula
os limites das parochias do Saboeiro, S. Ma-
theus. Arneiro, Telha, e Assari, pode retirar o
asseotimento dado, mandando que continu a
vigorar s aotiga diviso estabelecida pela resolu-
go n. 625 de 22 de dezembro de 1853. E o mes-
mo augusto senhor, teBdo-se conformado por sua
immediata resotugo de 17 do corrente mez cora
o parecer da secgo dos negocios do imperio do
conselho de estado, exarado em consulta de 21
de julho prximo findo, ha por bem declarar a
V. Exc. o seguinte:que tanto essa prosidencia
como todas as autoridades da provincia devem
reger-se pela citada resolugo que fez nova divi.
sao das parochias, por isso que urna lei saoc-
i e era vigor, e promulgada com o previo
urna
com
pessoa
a co-
que esteja ella habilitada a pagar os vencimen-
tos do destacamento sob o commando do capito
Jos Podro Nolasco Pereira da Cunha, como V.
S. sollicitou era seu cfJicio n. 1,385 de 26 de
agosto ultimo, baja V. S. de indicar
para levar ao collector essa quantia
cessaria seguranga.
Dito ao mesmo.Visto que, segundo consta
da nformaco do tenente coronel commaodante
do 9* batalho de infanlaria, a que se refere o de
V. S de 30 do agosto ultimo, sob o. 1431, oram
tirados por aquello corpo os vencimentos dos
soldados desertores do 8* batalho da mesma
arma Luiz Goossga Tereira de Souza, e Manoel
Francisco de Olivoira, que liohara sido presos no
termo do Bonito, recorameodo V. S. que pelo
primeiros daquelles batalhes seja paga a Joa-
quim Jos da Costa Fajozes Jnior, conforme
requisitou ochefe de policia em officio de 4 do
citado mez de agosto, a importancia das etapes
abonadas aos referidos desertores polo delegado
daquelle termo a contar de 28 de julho at 26 de
agosto deste anno, como se v da conta junta em
duplcala, sendo essa etape na razio de 300 ris,
segundo declara o mesmo tenente coronel.
Dito ao mesmo.-Transmilto por copia V. S.,
para ter a devida execucao, o aviso da repartirlo
da guerra de 14 de agosto ultimo que conse-
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do diario Manoel Figaeiroa a
Faria.na saa livraria praga da Independencia n
8 a 8.
votoi ao prelado, reuoiodo porlanto. para sua va- auenle fazer-so extensivas as disposicoes do aviso
iidade e lirmezi, actos da ambos os poderes es-1 de 26 de agosto de 1859, s pracas de pret casa-
oi ritual e temporal, que para elle coocorrero das, para que se lhes ministre gratuitamente e
Hmente. Nara a assembli provincial pode s suas mulheres e lhos os remedios de que
que
carecerem para seu tratarneoto.-Igual athesou-
rana de fazenda.
Dito ao mesmo Declaro V. S:, para seu
eonhecimento, que em aviso de 20 de agosto ul-
timo autorisou-me o Exm. S. ministro da guerra
a mandar substituir por outras, como convra ao
servico, as boceas de fogo da fortaleza do Brum
e respectivos reparos que se acham em mo es-
tado.
. Dito ao mesmo.Em soluego ao officio de
der resolver o que entender, de accordo com V. S. sob n: 1,141. e data de 23 do julho ultimo,
as aitriDuicoesque Ihe confere o aclo adiiciooal transmiti- Ihe por copia o aviso de 8 de agosto
sobre a divisao das parodias; mss, emquanto ultimo em que o Exm. Sr. ministro da guerra
ella nao dicidir o contrario, deve a dita resoluco declara que a respeilo do soldado da corapanhia
ser fielmente observada. xa de cavallaria Manoel Gomes do Nascimento,
Deusguirde a V. ExcJos Ildefonso de Sou- recouduzido da deserco e cuio processo do
za Ramos.Sr. presidente da provincia do Cear. '
hoje revogs-lo ou altera-lo sem o coocurso da
irapetante autoridade ecclesiastica, nem tam-
bera pode o prelado impugna-la com a simples
formuls de retirar a sua anterior deliberar, se-
jam quaes forera os motivos que a isso o possam
induzir.
A assembla proriocial, qual o prelado, se-
gundo communicou ao ministerio da justiga no
seu officio de 3 de novembro ultimo, pretende
expr as razoes que o obrigaram a assim proce-
3 secgoUo de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 2 da agosto de 1861.--
Illm. e Exm. Sr.Foi presente a S. M. o Impe-
rador o officio do antecessor de V. Exc. n. 157 de
3 de dezembro do anno passado, consultando o
goveroo imperial cere do procedimento que
devia ter a respeito da eleigo de vereadores, e
uzes de paz a que se proceder na parochia do
recouduzido da
conselho do disciplina nao existe, deve proce-
der-s como est estabelecido as instrueces
publicadas na ordem do dia, n. 265.
Dito ao mesmo.- Passo s mos de V. S. para
seu eonhecimento copia do aviso circular de 20
de agosto ultimo declarando como se devem
ajustar ascontis dos venciraentos e cavalgadu-
ras, quando os offlcios tiverem direito a augmen-
to da prestago bem como desde quando devem
correr os cinco annos do mesmo vencimento.
nhecimento.Communicou-se ao eogenheiro fis-
Dito ao mesmo.Remello por copia V. S.
para ter execugo na parle que Ihe toca, o aviso
da reparligo d guerra de 23 de agosto ullimo,
ordenando que Oque sem effeito o de 15 de mar-
h ^!.sleJa?D0 em 1ue e determinou o resgale
ae tiDerdade. mediante a quantia de um eontode
ris, ao soldado do 8o batalho de iniantaria An-
tonio Jos de Oliveira, que foi reclamado como
escravo por Venancia Maa do Valle e sus ir-
mas, residentes tiesta provincia.
Dito ao mesmo.Msnde V. S. suspender in-
mediatamente, como determinou o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra era aviso de 12 de agosto ulli-
mo, a coosignago que deixou de seu sold nesta
provincia o alteres do batalho do deposito Lou-
reoco Jujtiniano Jorge Gongalves, euviando-mea
guia de suspenso para ter o conveniente des-
tino.
Dito ao mesmo.Communico V. S., que em
aviso de 13 de agosto ultimo declarou o Exm. Sr.
ministro da guern haver-se dirigido nessa data
ao ministerio da fazenda, afim de ser augmenta-
?ac, cred,, concedido no exercicio de 1860 a
lobl, com a quantia de 56:600j, distribuida de
conformidade com a tabella por copia inclusa.
Dito ao mesmo.A' vista do que V. S. ponde-
rou em sua nformaco datada de 29 de agosto ul-
timo, com referencia ao officio do corooeel com-
mandante das armas n. 1,385 de 26 daquelle mez,
o autonso a enviar a quantia de 1:0008 ao collec-
tor da villa do Buique, afim de que possa elle
occorrer ao pagamento da forca que all se acha
destacada sob o commando do capito Jos Pe-
dro Nolasco Pereira da Cunha ; fcando V. S
cerlo de que officio nesta data aquelle coronel
para indicar a pessoa que deve levar essa somma
com a oecessaria seguranca.Fez-se o officio de
que se trata
Dito ao mesmo.Devolvo V. S. os papis so-
bre que versa a sua ioformajo n. 786 de 27 de
agosto ullimo, para que mande pagar ao capito
ao a batalho de iofantaria Temoleo Peres de
Albuquerque Haranho, a quantia que dispendeu
com o seu transporte do termo de Cimbres pan
esta capital, visto que foi elle mandado a servi-
Qo quelle termo.
Dilo ao mesmo.Pela
asju. a qual era argida de vicio radical por isso Knviou-se tambem copia do aviso thesouraria
que na junta de qualifleaco de votantes e no de fazenda.
conselho municipal de recurso tioham intervin-
do eleitores que estavam mudados da referida
parochi, naquella o capito Thomaz Jos de Sa-
na, e oeste o Dr. Joaquim Anto de Sena. E o
mesmo augusto senhor, tendo-se conformado
Dito a3 mesmo.Transmiti V. S., para ter
execugo na parte que Ihe toca o aviso circular
do ministerio da guerra de 14 de agosto ullimo
declarando o premio de voluntario ou engajado
que compele as pracas das companhias de pc-
por sua immediata resolugo de 24 do corrente destres que passaram para corpos regulares, bem
mez cora o parecer da seccao dos negocios do como as que assentarem pracas ou se eogajarem
imperio do couselho da estado, exarado em con- d no nos corpos (ormaiios da3 exlioctas cora-
sulla de J de junho ultimo, ha por bem appro- panhias de pedestres.Transmittio-se tambem
var a dita eleico pelos seguales motivos:
As inorraicoes ministradas por essa presiden-
cu provam que aquellos eleitores residirm tem-
porariamente era Ssot'Anna de Millos e no
Agreste, sera animo de domiciliar-se, e que a
sua morada no municipio e cidade do Ass, ao
que nao pode obstar o tacto que se allega de ter
sido qualiflcado juiz de facto no termo de Cear-
mirim o Dr. Joaquim Anto de Sena, nem tao
pouco o de ter certificado oaecretario da cmara
municipal que nao conslava que os ditos eleito-
res tivessem sido qualioados na paroebia do
Ass em 1858 a 1859; quanto ao primeiro facto,
porque o dito doutor ichava-se domiciliado e re-
idindo no Ass ao tempo da reuoiSo do conse-
lho municipal de recurso, e era eleitor da paro-
e quanto ao segundo, porque podiam el-
chia
les, apezar da residencia, nao ser qualificados,
como muitas vezes acontece por descuido ou de
proposito.
outra copia a thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Para ter o conveniente des-
tino passo s mos de V. S. a certido de assen-
tamentos do alferes do 9o batalho de iniantaria
Albino Jos de Faria, que pertenceo ao corpo de
guaroico da provincia do Cear.
Enviaram-se tambem a f de officio do capito
Joao Paes Barreto de Mello, as cerlides de as-
sentamentos dos soldados Lucas Evangelista da
Tnndade, Victorisno Ferreira da Costa o Clemen-
te Jos Estacio. bem como as guias dos soldados
Anionio Gomes Lessa, Maooel Domingos Profes-
sor, do desertor Jos Francisco de Miranda e de
duas pragas que o escoltaran do Rio Grande do
Norte para esta provincia.
Dito ao
capilo do porto. Hsvendo-me o
Exm. Sr. ministro da marinha declarado em avi-
so de 8 do correle nao poder aer attendida por
Deu, guarde a V. E.c.-Jos Ildefonso de Sou- l^T^ltii^sTn O* dum? baK-
e* pharole polica do porto, podendo entretanto o
arsenal de marinha prestar os embaragos que fo-
rem iudispeosaveis para desempenho desse ser-
vico, quando totalmente fallera as embarcacoes
que ora o prestara; assim o communico V. S.
em resposta ao citado offieio. Communicou-se
ao inspector do arsenal de marinha.
Ditoao mesmo.Declarando o Exm. Sr.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Secretaria do governo de Pernambuco,
setembro de 1861.
S. Exc. o Sr. presidente da. provincia, manda
3 de
convidar aos senhores chefes das reparlicoes pu- nistro da marinha'
bhcas vis emilitares, empregados das mesmas,
e aos demais funecionarios. afim de assistirem
ao cortejo augusta efflige da S. M. o Imperador,
que ter lugar no palacio da presidencia s 4 e
meia horas da tarde do dia 7 do corrente, ani-
versario da independencia do imperio.
Antonio Leite de Pinho.
Expediente do dia de setembro
de 1861.
^ Officio ao Exm. presidente da Bahia.Passo
Z2Z ?Si SFJtSu'jrsSS: 0-:'--^
mi-
ta aviso de 9 de agosto ulti-
mo, que devem ser feitas nasofficinas do arsenal
de marinha as boias para substituto das que
servem de balisa ao baixo do Inglez; assim o
communico V. S. em resposta ao seu officio n.
1J6, de 24 de julho ultimo.Communicou-se ao
: inspector do arsenal de marinha.
| Dito ao inspector do arsenal de marinha.
Transmitto por copia V. S., para sea eonheci-
mento o aviso da reparti da marinha de 19
de agosto ultimo declarando que em quanto s
nao provar a necessidade absoluta da creaso de
urna companhia de artfices militares nesse arse-
oacional thesouraria de fazenda
os aprendizes artfices, que completarem a idade
dessa provn- de 16 annos ficar avulsos e considerados como
?emeeUid r 5?! M' ^ ^ fl I ffiS?0" ^ lerm0S d 8TS0 de 21 de fevereiro
A garnico d^SSS ne.se di. por1 est "ri.^e'f.S. SftZSSEl
acas da guarda nacional aue nao much.rim pectiva arrecadaSao res-
pracas da guarda nacional que nao marcharm,
para o que fleam expedidas as convenientes pro-1
videncias, cumprindo que V. S. se entenda com1
o commandante superior respectivo acercado1
Dito ao mesmo.Devendo V. S. ser substitui-
do como declarou o Exm. Sr. ministro da ma-
rinha em avuo de 20 de agosto ullimo, pelo seu
Dito ao mesmo.Queira V. s. entiar-me, para
r transmtttida ao Exm. Sr. ministro da guerra
ae
em cumprimanto do aviso de 14 de agosto olti-
m, certido doi assentamentos do capito do es-
quadrio de cavallaria da Bahia Jos Joaquim
Coelho, que pertenceu companhia fixs de ca-
vallaria deita provincia.
Exigio-se tambem para o mesmo fim a certido
de assentamentos do alferes Joo Antonio da
Costa, que pertenceo ao 2o batalho de inian-
taria.
Dito ao mesmo.Communico V. S. que em
aviso de 21 de agosto ultimo declarou-me o Sr
ministro da guerra terem sido requisitas a
diferentes corpos. do exercito n certidoes do as-
sentamentos dos offlciaes e pracas da pret do 9*
balalbo de i ufa otaria constantes da relaco que
acompanhou o officio de V. S. de 21 de marco
deata anno. *
Dito ao mesmoTendo da remetler-se i eol-
lectaru do Buique a quantia de 1:000f aflm de
-
Ihe foi concedida em data de 19 d'aquelle mez
aMim o communico V. S. para seu eonheci-
mento e execucao.Communicou-se thesoura-
ria de fazenda.
Dito ao commandante do corpo de policia
Faca V. S. presentar amanha ao Dr. chefe de
polica quatro pracas do corpo sob sen comman-
do, afim de escollaren) dous criminosos, que vo
responder ao jury no termo de Goiaana. Com-
mumcou-se ao Dr. chefe de policia.
Dito ao inspector da thesouraria de fazeoda
Constando-me de aviso da repartico da agricul-
tura, commereio e obras publicas de 23 de agos-
to ultimo, nao s ter sido nomeado nessa data o
engeoheiro civil Firmioo Rodrigues Vieira para o
lugar de ajudante de eogenheiro fiscal na estra-
da de ferro nesta provincia, com a gralifleaco an-
nual de 2.-400, mas tambem haver solicitado do
otnwtro da fazenda providencias para serem
postos i disposieo desta presidencia os fundos
necessaros para pagamento da referidagratifica-
?o; assim o communico V. S. para seu co-
leitura do aviso incluso
por copia expedido pela repartico da marinha
de 19 de agosto ultimo, ficar V. S. sciente de
ter o Io tenente da armada, Jos Avelioo da Sil-
va Jacques, elevado a 45 mensaes, a contar do
i daquelle mez, a prestaco que coosignou de
seu sold na corte, e [cando sem effeito para esse
fim a que deixou oesta provincia.
Dito ao director do arsenal de guerra.Em ob-
servancia do disposto no aviso da repartico da
guerra de 10 de agosto ultimo forneca Vmc. ao
corpo de guarnan desta provincia, e compa-
nhia fixa de cavallaria, os arligos de fardamento
mencionados em as duas notas constantes das
copias juntas.
Dito cmara municipal de Iguarass.Cum-
pre que a cmara municipal de Iguarass mi-
nistre cora urgencia as informaces que exige em
officio de 29 de julho ullimo com referencia a
urna peticao de Joaquim Fraucisco de Souza Na-
varro.
Dito ao thesoureiro das loterias.Tendo nesta
data approvado o plano que Vmc. me remetteu
com o seu officio de hoje para a extraeco das
loterias da provincia ; assim lh'o communico para
seu eonhecimento, enviando copia do referido !
plano.Transmittio-se outra copia thesouraria
provincial.
Dilo ao inspector da thesouraria provincial.
Recommendo V. S., que tendo em vista os in-
clusos documentos msnde pagar a Luiz Antonio
Finio da Silva, a quantia de 47i, provimento
da encadernaco de livros perteoceotes a secre-
taria do governo.
Portara O presidente da provincia, altenden-
do ao que Ihe reqaereu o professor publico de
ostrucco elementar da povoaco de Beberibe,
padre Francisco Verissimo Bandoira, resolve con-
ceder-Ihe 30 dias de licenga com vencimentos
para tratar de sua saude.
Dita. O presidente da provincia, tendo em
vista os officios do director da repartico das obras
publicas de 23 de julho e 20 de agosto ltimos,
bem como as informaces da thesouraria provin-
qL ,2 e ^ do citado mez de agosto, sob ns.
o84 e 4S3, resolve que oas reparlicoes competen-
tes se observe a inelusa tabella da distribuico
dos fundos que pelos Io 2o e 4o do art. 14 da
lei do orcamento vigente n. 510 de 18 de julho
deste anno foram consignados para as obras pu-
?2" de8la Provincia no exercicio de 1861 a
1862Remetteu-se a tabella thesouraria pro-
vincial.
Dita.O presidente da provincia atienden Jo ao
que Ihe requereram Azevedo & Meudes, consig-
natarios do brigue nacional Atrevida, resolve con-
ceder permis8o para Henrique Correa de Fre tas,
matricular-se independente de apresentago de
carta d piloto, como capito do mesmo brigue
na viagem que est .destinado para o Rio de Ja-
neiro ; devendo, porm, asignar termo na ca-
pitana do porto, pelo qual se obrigue a exhibir
a predila carta para outra qualquer viagem.
Expediente do secretario.
2 de setembro de 1861.
Offlclo ao director geral da secretaria de estado
dos negocios da justiga S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, manda aecusar recebido a com-
municacao que em 13 do mez passado Ihe fez V.
*ne er S U' lmP"dor, PO' decreto de
i ,.mesmo me*f removido da comarca da ca-
pital do Cear para a vara doa feitos da fazenda
oscional nesta provincia, o juiz de direilo Miguel
Joaquim Ayres do Nascimento, a seu pedido
rizeramSse-n coftvenientea commuoicaedes.
Dito ao inspector do arsenal de marinhaO
txm. br. presidente da provincia manda commu-
nicar V. S. que em aviso de 16 de agosto ulti-
mo declarou o Exm. Sr. mioistro da marinha ter
mandado apromptar jjom urgencia urna bomb,
de apagar incendio, afim de ser empregado no
servio desse arsenal. ^
Dito ao mesmoO Exm. Sr. presidente da
provincia manda commuoicar V. S
seotou-se a
pregada no
pital militar
comandante ,,, aiaao ae 31 de agoste
prximo findo.
Dito ao mesmoO Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar V. S. que o Exm Sr
ministro da marinha requisitou so ministerio d
fazenda a expedigao daa convenientes ordens para
aerera despachadas livre. de direito as peess
pertencentes cobertura de ferro, que se deve
enllocar sobre urna das carreiras de conslrucgo
desse arsenal.
Jos de Carvalho Siqueira Varejo pedio paga-
mento da gralifleaco, que percebia como profes-
sor de mechaoica e deaeuho linear, dos menores
do arsenal de guerra.
Dito ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia transmitto V. S. as duas
ViSus" orden do banco nacional, sob ns. 114 e
128.
Despachos do dia de setembro.
< Requtrimentos.
Anlonio-Joaquim Coelho e outrosInforme
a cmara municipal da villa do Limoeiro.
Antonia Cherebina de Azevedo.Informe o
Sr. director da ostrucco publica.
Augusto SerapiSo Paes Birreto.-Passe por-
ua prorogando por mais tres mezes. mas sem
vencimentos a licenga que obteve o suppli-
esnte.
Francisco Jos de Moraes e SilvaInforme
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Firmino Pessoa da Gama.Informe o Sr. juiz
municipal da segunda vara desta cidale.
Joo Caetano Coelho da Silva.J foi prvido
o lugar que requer o supplicante.
Jos Lopes Carneiro da Cunha.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Joao Valeriano Pessoa de Lacerde. Informe
o Sr. juiz municipal do termo deGaranhuns.
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella
Passe portara concedendo a licenga pedida.
Maria Joaquina do Espirito Santo.Informe o
Sr. Dr. chefe de policia.
Rufino Jos Goncalves.Remeltido ao Sr.
inspector da thesouraria de fazenda para mandar
passar a certido pedid.
Thomaz Moreira de Ctrvalho Passe portara
concedendo dous mezes de licenca para o fim
que declara.
Henrique, Africano livre.Informe o Sr. ins-
pector do arsenal de marinha.
Henrique Xavier Saraiva de Azevedo.Infor-
me o Sr. commandante superior da guarda na-
cional do municipio de Nazareth.
Acegu, foi assaasioado Jos Cabral por seu pro-
pno sobrinho Jos Alve8 Pereira, que segundo
dizem, eslava lonco.
Na povoaco de D. Peditro, da mesma comar-
ca do Bage, foi ferido gravemente com um tiro de
pistola o negociante Augusto Alvares dos Santos
No estado Osiental deu-se tambem um brba-
ro assassinato. No dia 10 do passado. no lugar
denominado Quar, no departamento do Salto, o
respectivo commissario de policia mandou assas-
Binar em frente sua casa o subdito brasileiro
Bibiano Mendes Correa. Deu origem a esse acto
de canibalismo eroz o ter ido aquelle moco
acompanhado de alguns vizinhos, exigir dessa
autoridade a soltura de um seu irmo que se
achava preso a um tronco de laco, at pagar mil
pstacoes que se Ihe exigiam, por se Ihe ter attri-
Duido o roubo de urna vacca alheia.
Nao h energa por parte do nosso goveroo que
seja demais para exigir a punigo desses crimes.
so propnos de esoibaes.
Aqu chegou no dia 28 do passado o nosso his-
po diocesano. Foi recebido com todas as honras
devidas ao seu alto eargo, e todos os
elle teem tratado sao unsonos
maneiras aflaveis, distioclas
Exc.
que com
em manifestar as
e delicadas de S.
COMMANDO DAS ARMAS.
Qnartel do commando das armas
de Pernambuco, na eidade do
Hecife, em 4 de setembro de
ief6I
ORDEM DO DA N. 135.
O coronel commandante das armas em jm-
pnmento das ordens em vigor, e das que Ih fo-
ram expedidas pela presidencia com o fim de so-
lemnisar o aoniversario da independencia do
imperio, deleroJina, que as 3 i/i horas da larde
do da 7 do corrente urna diviso ao seu mando
composta de tres brigadas, esteja formada em li-
nna na ra dos Pires.
A Ia brigada se compor do Io e2 esqnadroes
de cavallaria, do 1 batalho de artilharia e do
de iniantaria todos da guarda nacional, sob o
commando do Sr. coronel graduado Hygino Jos
Coelho. *
A 2* brigada dos bstalhoes 2o, |3 de infantaria
e o de eacadores tambem da mesma guarda, se-
r comraandada pelo Sr. tenente-coronel Rodol-
pho Joo Barata de Almeida.
A 31' ^ 4 batslnao de artilharia a p, guar-
neciendo 8 boceas de fogo, do 2o e 9 batalhes de
iofantaria e da companhia de cavallaria perten-
centes ao exercito, ao mando do Sr. coronel Luiz
Jos Ferreira.
Servir de rosjor dttdiviso o Sr. major Sebas-
tiao Antonio do Reg Barros.
Os Srs. ajudantes dos corpos que nao marcha-
rm constiluiro o estado-maior do commandan-
te das armas.
As brigdtas iro convenientemente municiadas,
deveodo o parque de artilharia estar preparado
para executar urna salva de 21 tiros.
A fortaleza do Brum, as que esto por lei de-
signadas.
O mesmo commandante das armas convida aos
Srs. officiaes das diversas classes do exercito, a
comparecerem no referido dia as 5 horas ds tar-
de no palacio da presidencia, afim de assistirem
ao cortejo que se tem de fazer a augusta effigie
de S. M. o Imperador.
As msicas dos corpos de linha e as da guarda
nacional que arrumaren), se acharo opportuna-
menle uo palacio da presidencia para tocar no
acto do cortejo, deveodo as de primeira linha to-
car alvorada e recolher do respectivo dia, rindo
o que desfllaro locando para os seas quarteis.
AssigoadoJos Antonio da Fonseca Galvo.
Conforme. Antonio Enia Gustavo Galvo,
Alferes ajudaole de ordena interino do com-
mando.
Sao approvadas, e Dcam adiadas para enlrarem
amanhaa em discusso.
O Sr. presidente declara que se vai nomear os
dous membros que lera de substituir a vaga dei-
xada pelo Sr. senador Souza Ramos as commis-
soes de legsimo, e a da que tem de com urna
da cmara dos Srs. deputados rever alguns arti-
gos do regiment commura, e nomea para a de
Iegislaco o Sr. Silva Ferraz, e para a do regi-
ment o Sr. D. Manoel, o qual nao aceitando,
substituido pelo Sr. Cansaoso de Sinimb.
Segue-se a eleico dos cinco membros que lem
de compor a commisso para rever varios artigos
do acto addiccional.
Sao eleitos os Srs. Peona com 33 votos, Vas-
concellos com 32, visconle de Sapucahy cora 32.
visconde de Jequitinhonha com 31, Souza Fran-
co cora 25.
O Sr. Io secretario l un officio do ministerio
uos negocios do imperio participando que S. M. o
Imperadorreceber amanha 17 do corrente.
urna hora da tarde.no oarn il riAA* ,i.i.
INTERIOR.
A padraria est toda, como dizem c os patri-
cios, de orelha em p, principalmente aquelles
que contara osdegros da salvaco pelo numero
de culpas que commettem, e nao pelo das almas
que convertem f com o exemplo e a palavra.
Nutrem todos a esperanza que o novo prelado
Rio-Grandense, com a illustrago e prudencia
que o caracterisa, muito ha de melhorar o esta-
do de nosso clero.
Teve lugar aqui nos dias 26 e 27 do passado,
na forma do disposto nos respectivos estatutos, a
reuniao dos accionistaa do banco desta provincia
para a apresentago do relatorio, pareceres das
commissoes de exame e fiscal, o eleico de um
director esete supplentes.
O estado do banco lisongeiro.
Nao Ihe dou noticias de Montevideo porque as
mais modernas que aqui temos sao as que levou
o Imperatriz.
A admioistraco da provincia contina a ter o
apoio quasi geral da mesma e da imprensa.
Infelizmente, por maiores que sejam os desejos
que mostra o actual administrador para dotara
provincia que Ihe foi confiad dos elhor.men- altori^S?!^
os de qe ella carece, a sua voolade cahe ante a SEE de lOOOn J
triste realidade do estado miseravel dos nossos a obr
cofres.
E s a prudencia e natural espirito de econo-
ma do conselbeiro Anto poderia ter reduzido a
menos de metade a divida da provincia, e acodido
as obras de urgente necessidade. sera faltar o nu-
merario para as despezas ordinarias, que alias
sao ayultadissimas, 9 as quaes bem poucas re-
t uegoes se podem fazer.
Prazaa Dos que elle se conserve as mesmas
disposigoes, para nao vermos os pobres emprega-
dos pblicos as garras dos agiotas a descontaren!
es seas vencimentos.
O novo chefe de policia est por ora estudan-
00 o terreno ue tem de trilhar, isto procuran-
do conhecer os horaens e as cousas. Dos o il-
lumine para bem da provincia.
Muiia aceitacotiveram aqui os discursos pro-
feridos pelos Srs. ministros da justiga e da fazen
da na discusso do voto de gracas, e tambem o
00 br. Jos Bonifacio pelo sea mrito histrico,
os jornaes da trra os teem ido trsnscrevendo,
n 10mo outro d lguns liberaes.
Os homens sensatos porm nao podem deixar
de aceitaros argumentos dos Srs. Savo Lobato
e I aranhos, porque nao comprehend'em que se-
jam oltgarchas os que governam o paiz como
apoio da maioria, e constitucionaes os que es-
tando em miooria oquerem goveroar.
O rendimento da alfandega desta capital no
mez findo foi da 45:262$t43 rs.
oa^SJ11 de redas provinciaes, de ris... ..
^o://29000.
O agio da moda baixou. O papel est a 3 por
cento e o ouro nacional a 6 por cento.
[Carta particular.)
[Do Jornal do Commereio do Rio.)
dos negocios do
cet
tarde.no pagoda cidade, a deputa-
gao do senado que tem de levar ao mesmo au-
gusto senhor a resposta falla do throno.-Fica
o senado inteirado.
Entra em segunda discusso o parecer da cora-
missao da mesa sobre a licenga pedida p?lo offi-
cial da secretaria do senado Jos Joaquim
bouvea.
de
O Sr. Ferreira Penna justifica a seguinte emen-
da que apoiada :
Que se conceda a licenga requerida at a
aDeriura da prxima sesso legislativa.
Tomam parte no debate os Srs. Jobim, Ferrei-
ra Penna e D. Menoel.
Dado por discutido, approvado o parecar com
as emendas do Sr. Penna.
Segue-se a Ia discusso do projecto vindo da
cmara dos Srs. deputados autorisando o gover-
no a ceder socedade Auxiliadora o telheiro si-
tuado no campo da Acclamago.
Sr. marquez de branles fnndamenta e man-
da a mesa o seguinte requerimenlo :
Que se pegara informagoes ao governo sobre
s materia desla resoluco. 16 de julho de 1.
Ro Grande do Sal
Porto-Alegre, 2 de agosto de 1861.
Uontem s 7 horas do dia deu fundo neate por-
to o Caxiat, que dabi sabio a 23 do passado.
Maldita viagem das 10 horas aue para nada
d tempo ; porm felizmente desta vez pouco
transtorno me causa, porque nao muito o que
lenho a noticiar-lhe do que ha chegado ao mea
eonhecimento nos nove dias que decorreram da
minha ultima a esta.
Nao tenho tempo para coordenar as ideas, e
por consequencia ir-lhe-hei narrando os facios
na ordem em qae a minha memoria m'os for re-
cordando.
No dia 19 do passado, no 3o dtriclo de S.
Leopoldo, Joaquim Gomes Brazo. achando-se
em sua casa em companhia de sua sogra Maria
da Conceigo, vio entrar um tal Manoel Ribeiro,
de quem era amasia a mesma sogra, e armado
de urna faca tentou feri-la.
Brazo impedio, a dssarmoa-o. Ribeiro reti-
rou-se, e pouco depois voltou com ama pistola e
desfechou-a em sua amasia, que ainda desla vez
escapou por ter a arma-negado fogo.
En tao Brazo toma urna faca, a agarrando-se
a Ribeiro lulou com elle at que ambos foram ao
chao, enterrando aquelle neste a faca
Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda cemmunicar V. S. que em aviso
de 21 de agosto ultimo declarou o Exm. Sr mi-
nistro da marinha nao poder ser oomeado'para
o emprego de contramestra da offleina de cara,
pinas desse arsenal como V. S. propos. o opera-
no Manoel Antonio da Purificego, viaii niopaV
rt,^^S(^ie,,he?,!0 que CTg8 "' 8i d decreto
de 30 de abril do anno passado.
Dito ao inspector da thesouraria da fazenda
O Exm. Sr. presidente da provincia manda com-
mun car V S. qae em aviso de 13 de .goSa
S,0r,flnd0 ^."o o Exm. Sr. mioistfode
guerra ter sido muito curial informagio aae .V.
. deu sobre o requerimenlo, aa que Joaquim
sao e est sendo processsdo.
No dia 24 do passado ineeadiou-se repentina-
mente nos suburbios desta capital ama pequea
offleina de fogos de artificio, de propriedade de
Doroingoa Jos de Oliveira.
As autoridades e o povo acudiram prompta-
meute, mas quando o fogo em casa de plvora
aabe que nao ha proraptido que sirva. A caaa
flcou reduzida s paredes lateraes e o pobre ho-
rnera miseria, pelo que j corre urna iubscrip-
gao-em seu favor.
Tres aassamentos notaveis tenho a communi-
car-lhe. O primeiro o do ex-administrador do
correia desta provincia Antonio Joaquim de Car-
valho, antlgo servidor do astado, a que s lega a
sua familia am nome honrado. O segundo o
o coronel Bibiano Jos Carneiro da Fontoura,
qae muilos servigos prestou I eausa da integri-
dade do imperio na revolugo desta provincia.
O larceiro o do respeitavel aocio Manoel Jos
Pereira da Silva, abastado (azeadeiro de S. Ga-
briel e hornera recommaodave por todos os li-
tlos; Bra pai do Dr. Borges Portea e do nota-
vel medico dessa cOrte a Dr. Contioentino.
No 5* distrieto de Baj, no lugar denominado
RIO DE JANEIRO.
SENADO.
SESSAO EM 16 DE JULHO DE 1861.
Presxdenea do Sr. visconde de Abaet.
Asli horas da manha o Sr. presidente abre
a sessao, estando presentes 30 Srs. senadores.
Lida e acta da anterior approvada,
EXPEDIENTE.
O Sr. Io secretario l um officio do Sr. depu-
tado Benevennto Augusto de Magalhes Taques,
communicando que por decreto de 10 do corrente
mezhouve por bem S. M. o Imperador nomea-
lo para o cargo de mioistro e secretario de estado
dos negocios estrangeirosFica o senado intei-
rado.
Outro do secretario da cmara dos Srs. depu-
tados, participando que a mesma cmara adoptou
e dirigi sanego imperial, a resoluco do se-
nado que autorisa a igreja matriz da freguezia de
1 aqueta a possuir urna dala de trras na dita
una.Inteirado.
O Sr. Ferreira Penna desaja aer informado so-
bre quaes sejam as vistas do governo a respeito
do coocurso do Brasil para a exposigo de Lon-
dres em 1862. Nestes termos formulou um re-
querimenlo, que passa a apresentar.e quetalvez
venha a loroar-se desnecessario se o nobre mi-
nistro da agricultura e commereio dignar-se de
dar verbalmente informaces quo prehencham o
seu fim.
E' lido e apoiado o seguinte requerimenlo :
Requeiro que se oficie ao Sr. ministro da
agnculiura, commereio e obras publicas, pergun-
tando se o governo pretendo ou nao remetter
cusa do estado ou de particulajes alguns pro-
ductos da iodustria brasileira para serem apo-
sentados na prxima ejtposigao universal de Lon-
dres. Pago do senado, 16 de julho de 1861__
Ferreira Peona
O Sr. Manoel Felizardo (ministro da agricultu-
ra e commereio) declara que o goveroo julga de
grande importancia qae a industria braaileira seja
ropresentsda na exposigo de Londres, a que a
este respeilo esto por estes dias a expedir-se
nstrucgas s presidencias das provincias.
Prelende-se mandar fazer exposigdes parciaes
em algumas provincias, colligir ahi os produelos
que forem julgados mais notaveis, e reunir de-
pois todos estes productos em ama nova exposi-
go central na corte, vista di qual o goveroo
deliberar o que for mais conveniente.
E' isto o qua se tem em vistas por em pratica.
Pediodo a palavra o Sr. Ferreira Penna sobre
o requerimenlo, fica este adiado.
ORDEM DO DIA.
Sao submetttdas votaco, por partes, por ter
ficado encerrada a discusso na aeaao anteceden-
te, aa emendaa dos Srs. baro de Muritiba e Vas-
concelos ao projecto do senado determinando
qae o reo pteso absolvido em primeira instancia,
c 1. Supprima-se no srHgo 1- a palana
Pf*o-
t2. Suppnma-se tambem a emendasalvo o
$"?, d0 "' 79 .,* 1 da 3 de dezembro de
1861,Vaaconcellos.
3,* Ao art. 5o. Depois da palavramull
diga-se-que nao for correspondente a certo tem-
po ; q mais como no artlgo.-.Muritiba. >
--M. de branles.
O Sr. Sinimb faz algumas observages.
E apoiado e approvado o requerimento do Sr.
marquez de Abrantes.
em Ia discusso o projecto da mesma
veroo a auxiliar cora a
ra do hospital dos Laza-
ros, decretada pela assembla provincial de S'
Paulo.
E' regeitado sem debate.
Tem lugar a 1* discusso do projecfo da refe-
rida cmara autorizando o goveroo a contratar a
navegago vapor no Rio Doce, provincia do
Espirito Santo, com o empresario da companhia
que mais vantajosas condiges ofTerecer, median-
te asubvengo de 30:0009000 por espago de dez
annos. *
Vem mesa o seguinte requerimento ;
Requeiro que o projecto v commisso de
emprezas privilegiadas.Muritiba. >
E apoiado e approvado com additamento do
br. Jobim para que ae ouga previamente ao go-
verno. 6
E' regeitado em 1* discusso um projecto da
outra cmara autorisando o governc para vender
em hasta publica um proprio nacional na ra do
Ouvidor.
Segue-se a 2a discusso do projecto da sobre-
dita cmara, approvando a cesso feila pela c-
mara municipal da corte sociedade Amante da
Instrucgo, do dominio til que tem em um ter-
reno situado na ra de Santa Luzia, com o edifi-
cio do matadouro que ah existe, sob diversas
condiges.
Dado por discutido, regeitado sem debate.
Entra em 2.a discusso o projecto da sobredita
cmara autorisando o governo para trocar as no-
tas do exmelo banco do Brasil, de que sao pos-
suidores D. Emerenciana Rosa de Bruce e ou-
tros.
Posto votos, regeitado sem debate.
Segue-se a i.a discusso do projecto n. 3 da
mencionada cmara autorisando o governo para
conceder licengas com os vencimentos ao conse-
Iheiro Jos Beoto da Cuoha Figueirdo e outro.
Fazem algumas observages os Srs. Dias Viei-
rs. Candido Borges e Jobim.
Dado por discutido passa para a 2.a, na qual
entra logo.
Vera a mess a seguinte emenda :
t Em lugar de todos oa vencimentosdiga-se
cm 01 seus respectivos ordenados. 16 de julho
de 1861.- Candido Borges.
Depois de algumaa observacoes dos Srs. Vas-
concellos e Ferraz, o projecto approvado em
2. discusso, julgando-se prejudicada a emenda.
A ama hora e um quarto da tarde verifica-so
nao havercasa.
O Sr. presidente marca a ordem do dia seguin-
te e levanta a sesso.
ACTA DE 17 DE JULHO DE 1861.
Presidencia do Sr. visconde de Abaet.
A s onze horas da manha, feita a chamada,
acharam-se presentes vinte e sete senhores se-
nadores.
r 1? S' Presidente declara nao haver sesso por
ralla de numero para formar casa : convida a
depulago que deve apresentar S. M. o Impe-
rador a resposta falla do throno, edesempenhar
sua misso na hora fizada, e aoa Srs. senadores
presentes a trabalharem as commissoes at
rolla da deputagao.
Voltando a deputagSo ama hora e cincoents.
minutos, o Sr. marquez de Abrant3s como rela-
tor da mesma pede a palavra pela ordem e de-
clara que perante S. M. o Imperador pronunciar
um discurso apresentando ao mesmo augusto se-
nhor a resposta falla do throno : e que S. M. o
Imperador se dignar dar a seguinte resposta :
a Agradego ao sensdo o apoio que promet
ao governo, que continuar esforgar-se pelo,
consciencioso cumprimenlo de seus deveres.
O Sr. presidente declara que a resposta da
S. M. o Imperador recebida com muito espe-
cial agrado.
SESSAO EM 18 DE JULUO DE 1861.
Presidencia do Sr. visconde de Abaet*
A a onze horas da manha, o Sr. presidenta
abre a sesso, estando presentes trila Srs. se-
nadores.
Lidas a actas de 16 e 17 do corrente, sao in-
provadas. '
Nao ha expedienta.'
ORDEM DO DIA.
Entra na ultima discusso as emendas offere-
cidas ao projecto que determina que o reo preso,
absolndo em l.'inalancia.aeja admittido a (lan-
ga antes da deciso do recupo, as quaes sao as,
segaintes :
e 1.a emenda do Sr. Vasconcellos.
Sopprima-se a palavrapreso.
a 2.a emenda do Sr. baro de Muritiba.
Ao art. 5.a Depois da palavra multadga-
seque nlo for correspondente a certo tempo.
O mais como est no artigo.
Veri&cando-ae nao haver casa para se votar, o>
Sr. presidente declara a discusso encerrada, d
a ordem do da, e levanta a sesso aos tres quar-
tos depois do rr.eio dia.
SESSAO EM 20 DE JULHO da 186!.
Presidencia do Sr. visconde de Abaet.
As onze horas da. ouohai, achj.nd.Q-se presea-


\
auanunuananan

DIARIO DUIAHAHB'CGO. t- QtjiMA FLIBa 5 DI SETEMBRO BE 1811.
palavras
como a
tea trinta Srs. senadores, o Sr. presideote abre a'
seseas.
Lidas as actas de 18 e 19 do mez torrente, sao
approvadae.
EXPEDIENTE.
O Sr. 1. secretario 16 os dous offictos seguin-
tes da cmara dos Srs. depulados:
Io, aeorapanhando tres proposites da mesma
amara, com os respectivos documento, sa-
ber: urna elevando a 800^oordetdedo porteiro
4a academia das Sellas-Arte* ; oolra cooceden-
dt exercito Joo Francisca ao llego Barrita; e
utra concedendo a psete le 36J me nanas
D. Candida Fraga Breve* A imprimir.
2., couimimicando ao senado que, os aobsti-
tuigo ao Sr. Benveuuto Augusto 4o afagalhes
Taques, foi nomesdo e Sr. Francisco Jeoaario da
Cama Cerqueira para memoro da commisso que
om ouira do mesmo senado tem de rever o re-
giment commum.Ifitfirado.
ORDEM DO DA.
Tem lugar a votarlo das emendas offerecidas
em 3.* discussao ao projecto permitltado que o
reo absoludo em 1,* instancia se livre sob nanga
durante o recurso, e approvada a seguate do
Sr. Vascoocellos : a Supprima-ee oo art. 1. a
palavrapreso,a E' tambem approvada a ae-
uinte do Sr. bario de Muntiba ; Ao arl. S.,
depois da palavramulladiga-seque nao fdr
correspondente a cetlo lempo ;o mais como no
artigo,
Julgada lioda a diacusso de prefecto e das
mandas, o mesmo approvado e remettido
commiaso de redacco.
Entra em discussao o seguate requermen-
to. cuja discussao licra adiada, do Sr. Souza
Franco :
Requeiro se pegara ao goveroo, pelo minis-
terio da fazenda, aa seguales informales :
Se pelo presidente da provincia do Gro-
Par foram concedidos oestes ltimos seis mezes
terrenos de marinha em frente da capital da pro-
vincia ;
Se os concession arios sao ou nao foreiros
los terrenos coorinantes a que pelos regulamen-
toae oriens do tribunal do thesouro cabe prefe-
rencia oestes novos aforameotos :
< Se, tendo havido concurrente ao pedido de
em terreno, foi curoprda a dtsposigo do 28
o art. 9 da lei n. 1,114 de '27 de setembro de
1860, quo neste caso de diversos concurrentes,
em que alguem teja o foreiro confinante, man-
da pr o aforrnoslo em basta publica.
E' mandada mesa pelo Sr. Ferraz, depoia
lo fazer algunas observares, a aeguiute e-
znenda :
a Peca-te igualmente a relace das pessoas
que obiveram os trrenos de marinha a que se
refere o requecimeoto e declaracao da data de
cada urna concesta o.
Sao apprevados, depoia de algumas
alo Sr. Dantas, tanto o requerimenlo
emenda.
Passa em terceira discussao para subir sanc-
co imperial o projecto da cmara dos Sr* de-
butados concedendo licenga com ordenado ao
conselhero Fauto Augusto de Aguiar, director-
E-ral da secretaria do imperio.
Passa em primeira e segunda dscusso oulro
projecto da mesma cmara approvando a peuso
le 500 rs, diarios, concedida eos guardas nacio-
caes da provincia da Parahiba Frrncelino Auto-
uio Marques e Antonio Flix da Conceigo.
-I7-iira em primeira discussao, e passa para se-
gunda, na qual entra logo, comegando pelo art.
I", o projecto da mesma cmara reformando a le-
gulago hypothecaria, com o parecer da commis-
so te legislaco.
0*r. Dantas julga que esta propositan a
mais melindrosa de que o senado pode oceu-
f>ar-se, sendo susceplivel de fazer rumio bem e
it.uito mal ao paiz ; e sao Ionios os projectoa
obre este arsumpio, tantos os pareceres e emen-
das, que ja ninguem se eotende ; o orador, pela
sua pane, acha-se em tal embarace, que prefere
aihir di casa, a dar um voto agora a este res-
fieito.
Estando-se a tratar do projecto de um cdigo
civil,e tendo ahi cabimento trilar-se conveni-
entemente do systema hypolhecario, o orador
aoduvidaria oferecer um adiameulo para que
sta proposito Gcasse adiada al ser presente o
dJtoprojeclo.de cdigo, caso o governo achasse
isto conveuiente.
O Sr. Souza Ramos (ministro do imperio)
diz que o senado lodo recoohece a justexa das
observares do nobre sonador; mas como Ul-
vez teoha maior demora a apreseolago do pro-
jecto de cdigo civil e sua cooverso em lei do
paiz, e nao so deva dexar de altender conveni-
entemente aos reclamos sobre a necessidade de
ma boa lei hypolhecaria, taires que fosso mais
prudente redigir o adiameoto de outra forma;
jato lirnita-lo a devolver-se a proposito s
connnij>es de fazenda e justiga aGm de a recon-
sideraren!.
Entretanto o goveroo enviar as informarles
collii las sobre esta materia, dos tribunaea supe-
riores e de outras fontes, que se esto colligin-
oo, e que al ao aano quo vem sero presentes
ao corpo legislativo.
E' apoiado o seguinte requerimenlo do Sr.
Dantas:
a Requeiro que o projecto que se discute v
de novo s commisses de legislago e fzenda
para o reconsiderarem.
O Sr. D. Manoel oppe-se ao adiamento.
O Sr. Vasconcellos acha conveniente que nao
*e trate j desta materia; mas quizara que se
marcasse um prazo para o adiamento; que este
fosse votado s at sessao que vem, ou al
que cheguem as informales que o governo se
coroprometteu a enviar ao parlamento a respeilo
testa materia.
Posto o adiamento a votos, approrado.
Segue-sea primeira dscusso do projecto do
senado substituiodo o actual systema de peses e
medidas pelo systema mtrico francec.
Fici a discusao encerrada por nao haver nu-
mero para votarse
O Sr. Presidente d a ordem do dia segrate e
levanta a sessao a urna hora da tarde.
medid!
DIARIO DE PERNAMBUCO-
Ronlera fundeou em nosso porto o vapor
Jguarass, vindo dos portos do norte de sua es-
cala, que apenas adianta um dia do Rio-Grande
do Norte, e dous da Parahiba. As noticias oc-
conidas constara das duas seguintes de nossos
correspondentes.
Rio Grande do Norte. Depoia de urna au-
sencia de 43 dias tornou esta cidade o Exm.
Sr. Dr. Leo Velloso de volta de sua digressu
pelo centro da provincia.
Consta que S. Exc. diz que i par de um ser-
lio booilo e frtil, notara muita pobreza e gran-
de desanimarlo ; e que por taso cada vez mais
stava convencido, que nao se podendo exaurir
um s real, alera dos que j alo exigidos s
fontes de proveci e de riqueza, nao restava
outro recurso, para resolver a actual crise fluan-
ceira. aeoo o em prego de ama economa lio
severa, quao indeclioavel; e aa medidas que S.
Exc, apenas chegou, mandou pdr em execugo,
despediado 4 praticantes da thesouraria provin-
cial, e slente: do Alheen, com excepeo dos
profesiorea de ptimeaaa tettrae o grammatica
latina, sao a traduego fiel deste seu peusa-
xoento.
Estas medidas, alias penosas em sua appli-
ca$o pessoal, por isso que foram ferir direitos
adquiridos, e tirar o pao i quem licitamente o
ganhava, fio entretanto nao s irremissivel-
znente necessariaa, como evidentemente justas;
sao a perna, que o medico instruido e pralico
manda amputar pera salvar o corpo da gangrena.
Nao ha oinguem, que aioceramente ouae negar,
que onumeroiissimo pessoal da thesouraria pro-
vincial eslava fra de toda proporcao cora a di-
minua cifra de 170 contos de ris de sua receita ;
ha mesmo quem pease, que a elimioaQo se po-
da anda fazer em mais larga eaphera aera ne-
ttum prejuizo de servieo daquella reparticio ; a
ae noestou mal informado, ttosta-ene, que o
digoo inspector na siacerdade de sea -telo pelo
asa do servica publico, desta opinio.
Pelo que diz respeilo ao Atbeneu, se nao
era exceasivo o sea pessoal, era pelo menos
muito earo, sera nem am, absolutamente era
um resultada ventajoso da deeneza do leu cos-
aeie.
As aulas auperiorea o Athaoeu ahi viviam
quasi desertas, a algumas, me dizem, que sem
am e matriculado que aa fraejaentasse.
Tambem nunea entrou aqu em davida, mes-
f? *m* de "atitair eaaa estabelacimenio
luterano, que elle alo havia corresponder aoa
llni d sua creado ; e i Tontada euergica a
decidida io Sr. Aasooio MarceHuo foi que fez
apparteer o Waparluau taHKorjio. Estas
, repito, sao to necesserias e justas,
que oa dous jornaes que aqui se publicam de
poltica oppostas, se do fraternalmente as mos
neste ponto.
c O Dou$ de Dexembro de hontem em um
excellente artigo da redaeco, em que trati das
medidas econmicas, decretadas pelo Sr, Dr,
Lco Velloso, inducir, estas data, de que aqu
fallo, exprime-so de urna maerea to fricante a
persuasiva, que nao me poseo eafuivar da aqui
reprodttair pelo meaos o seu primeira trecho,
Beaado-me pesar de alto peder facer paca eom
MeJMMfr.
c QuaaaJe vemos esta pravinci, com iedae ae
iuas intas, I bracos osa as grandes dilcui-
dd, caaaadaa pela caosideravel dimiuuicao
da reeeila ; quando medita mes sobre es malea
que ama to drfflcil quadra ees acarreteria s
imprevideocia ou deleixo de alguna admiais-
c tracto pouco escrpulos*, aio podemos de-
xar de mostrar-nos reconhecidos ao celoso al-
ce ministrador, que apreciando devidameute a
melindrosa siloaQo em que nos acharaos, e
< convencendo-se de que na actualidade a
economa dos dinheiros publico* a nossa pri-
meira n^cessidade, tudo ha envidado, afira de
poder-se equilibrar a receita- e a despeza da
a provincia.
Emfira posso asseverar-Ibe, que excepto
dos prejudicados e das pessoas de sua dependen-
cia, toda a provincia tem applaudido as medidas
economices do Sr. Dr. Leo Velloso, porque to-
das ellas teem recatado aobze abuso, coaita oa
quaes sempre clamou a opinio publica, aioda
mea me nesses lempos em que havia com que os
manter.'
Acha-se designado o dia 3 de noveatbro
prxima para a rcuaiao dos collegios eleitoraes,
que tem de eleger a nova aasembla provin-
cial.
< Dizem-me que apenas publioea-se o respec-
tivo acto de convocars pela presidencia, aper-
ceberam-se os partidos para a luta, acb.aod.o-se
constituidos, segundo corre noticia, da maneira
seguinte, a saber, os liberaea em un e corpo,
os conservadores divididos em vermelhos e li-
gut-iros ; estes sob a direceo do deputado o Dr.
Becerra Cavalcanti, os vermelhos debaixo das or-
dens do Dr. Octaviano, irrno do deputado Ga-
briel Soares Raposo da Cmara.
Bera Vmc, que extranho, como sou s
lulas polticas, nada Ihe posso dizer de positivo
e de vista, seuo de provavel, e ouvir dizer: ver-
dade que sempre procuro apandar agua as
fontes mais puras, e consultar os mais acredita-
dos orculos eomo os de Delphos, de Dodona e
de Jpiter Ammoa. Esta estraoheza purera nao
iropede, que eu faga alguma refteao, embora
pouco segura, respeilo das probabilidades a
victoria, e aventure as minhas profecas, dizertdo
quem poder mais seguramente pertencer ella.
Se oa partidos coniarem exclusivamente com
suas nicas torgas, pois corre noticia, que o Exm.
Sr. Dr. Leo Velloso limila-se a observar a luta
com itiieira neulralidade, salta a parte que lhe
compete de manter a ordem, no csso de ser ella
perturbada, multo provavel, mesmo eerto
que o partido liberal trrusnphar, porque sendo
elle como igual ao conservador, tornar-se-ha
duplicadameole maior que qualquer dos dous
crculos, em que este se divida ; e se sueeeder
que a parcialidade ligueira, em razo da proxi-
mdade em que se acha do partido liberal, se con-
funda com esto e forme um so grupo, oeste caso
todo o resultado favoravel da eampanha sof em
puro proveilo da nova allianga. Mas como os
clculos eleitoraes nunca sao assenladoe as ci-
fras da sciencia de Besout e de Euclrdes, seno
oas regras da de Lok e Condillac, est visto que
este que eu fago to hypothetico como todos os
outros da sua nalureza. O problema das eleiges
s se demonstra pelos seus resultados, e nunca
pelas suas preniissas.
Igualmente chegou aqui ha poneos dias o
juiz de direito desta capital, que foi villa de
Touros presidir sessao dos respectivos jurados,
ua qual foram submetlidos julgameolo tres de-
lictos praticados por quatro reos ; sendo dous em
um s processo por offensas phisicas leves, um
outro por fratrecidio, e o ultimo por homicidio.
segundo crime. quero dizer, o fratrecidio mos-
tra, que aioda nao esl extiacta a raja dos
Calais.
< Os jurados, verdade, irapoztram penas mui
iracas em comparagao da gravidade de cada um
desses delictoj ; seja porm dito em honra delles,
nao praticaram o escndalo, como por va de re-
gra se acontecer, de negar a existencia dos
mesaos.
r"oi convocado o jury desta capital para ase-
gunda sessao ordinaria do corrente anno no dia
16 do mez que hoje entrn.
A tranquilidade publica continua inalteravel,
ea seguranga individual apenas soffreu o assal-
to de um escravo, de nome Joo, do Dr. Felizar-
do Toscaoo de Brito, da Parahiba, que sendo pre-
so no Cearamerim, onde passava por forro, econ-
duzido para entregar-se seu senhor naquella
provincia, conseguio ferir morlalmeote o seu
conductor no lugar Querome.- do termo de
S. Goncallo, e evadir-se : felizmente j foi preso
outra vez, e acha-se recolhido cadeia desta ci-
dade, de onde sem duvida sahir para responder
pelo seu delicio no referido termo, quando ali se
reunirem os jurasdos; o que seguramente succede-
r l para os primeiros das de outubro.
a O Cearamerim, eomo j Ihe raandei dizer, em
razio da fama de sua riqueza, do muito servigo
que ali ha, eda caresta iocrivel porque este se
paga, tem se tornado o valhacouto de quanta ca-
nalha sobra das outras partes ; sobreludo dos
serloes da Parahiba, de oode tem corrido urna
emigragao, que tanto faz medo pelo seu numero,
como pelos seus hbitos-.
O Sr. Dr. Leo Vellaso, que em consequeo-
ca da reduego da forga policial, havia mandado
retirar o destacamento, que ali se acha va, nao
teve remedio, seno fechar os ouvidos quaes-
quer coosiderages de desfalque na que existe
nesla capital, e enviar um outro para substituir,
o que sahira ; e isto f-lo na persuaso, era que
est, de quesera melhorno nomear autoridades
policia< s para aquella villa, do que conserva-las
ali sem forga prompta primeira voz, servodo
menos de smbolo de ordem, e garanta de Irn
quillidade, do que de esesraeo para os turbulen-
tos, e ee ludibrio para os faccinoras.a
Parahiba Continua a assembla em seus
trabalhos; sendo que j paaaou-se um mee e
quasi nada fizeram e nem se quet paesou ainda
em segunda discussao o projecto de flxago de
forga policial, que trac dente de coelho ; isto ,
quer a opposigao que fique o presidente da pro-
vincia inhibido de poder nomear a etficiaeade
polica para cargo policiaas: isto,dia a opposi-
gao um protesto coolra[o passado a urna garau-
a para o futuro, pas o presidente nada offerece
qoereceiar ou a esperarest a opposigao em
expectativa. O projecto ainda nao soffreu urna
diacusso sequer.
a Hontem tere lugar a eleigo para a mesa
deste mes a qual foi renovada, em quasi sua to-
talidade, aahiudo eleito presidente o Dr. Lin-
dolpho Jos Correa das Naves, vico presidente o
padre Felippe Benicio da Fooceca Galvo, Io
secretario o Dr. Antonio de Souza Carvalho, o 2o
dito o Dr. C. Becerra Cavalcanti; dous liberaes
a dous conservadores.
a Igoora-se o quera feito a commisso noraea-
da pela asaembli para sindicar do (acto dos
dous contos de reia de que me oceupei em outra
oecasio, podendo apena% accrescentar que o
Despertador, publicou o requerimenlo do Dr. Fe-
lsardo, precedido de observsces de muita gra-
vidade centra o ex-sgente da compaahia per-
oambucaua, Joo Rodolpho Gomes, que ainda
nada dea de si e se ha conservado silencioso.
< O Dr. Maaeel Correa Lima desde l* do pas-
eado que antros no exercicio do cirgo de juiz
de direito desta capital, no qual esperamos con-
tinu S. S. a proceder iroparcsal ejustlceira-
meate, do que ha dado provea ioceaaantes oas
diversas comarcaa eso que tem exercido juris-
dvecae.
< O Sr. Dr. Araujo Lima continua a merecer
bom iratamento de gregos o Iroianoa.
O principio cardeal destes o Bao serem es odio, ou desojo de vingsr-se de miro, e que tu-
cofres pblicos oner&dos com a daapeesi da
construego, que deven correr por- reata de eaa-
prezarie oa contratanta, a quem fiesta esa ceaa-
peosacae o direito de percepcao do peden P**
lempo'accordado entre as partea cutraiaate,
tempe quo ser regulado com etieoco a frequeo-
cia de transito, importosle a aa difflcatdades
da obra.
Alee* disto, e aedagio peder sac elevado at
ao duplo eeuelre que ora cobrada como recsata
publies.
Treza aie as postes qa tesa de ser caustrui-
das, e Cada qual deilas 4 mais importante, e de-
as prolujir um lacro equivalente, ao capital eat-
pregado a s diligencias pessojee deempsezarto :
pois ojee fleam sea poetes de grande transito.
Entre catas esperialisames a da Capunga, cujas
raotagens desde muito que scham-se ealculadas,
pola que tem d*e" attrahir para esse lau um rnrer-
aito avultado, ao passo que d maior importancia
s propriedades adjacestes com o encurtamento
da distancia para esta cidade.
A resoluco de S. Exc da usar da autorisaeo
que Ihe conceder a lei esse respeilo, digna
de lonvor, porque revella o sen interesss peta
admiaistraco de que se acba incumbido. E. pois,
sirvan, estas palavra de apreciacio ao seu acto,
pelo qual maia robustece a confianza que ha da
parte da populacho a S. Exc.
Nos remetteram o seguinte que publicamos
como um aviso sntorMade,|aflm de per suas
providencias evitar-so o que commuaicado :
Consta-nos que na Tamarineira, 3* disrricto
da freguezia da Bla-Visla, tem-se dado alguos
disturbios por differentes vezes.
a ltimamente tiveram lugar dous no domingo
larde, de cujas cousequeucias iam sendo victi-
mas algumas pessoas.
c A' autoridide competente pedimos que tome
alguma providencia, para qua o socego dos habi-
tantes daquelle lugar nao seja alterado.
< Per esta oecasio tambem recorremos ao Sr.
fiscal respeclivo, para que lance suas vistas sobre
aa taOernas e acougoes daquella localidade, afim
de se verificar se ou nao exacto a attribuigo
que coree de falsiicago doa pasos.
Esta verificago importa mesmo ao crdito
daquelle estabeleciraenlos.
Hontem u Sr. Joaquim da Silva Rego.reassu-
mio oseu officio de escrivo do subdelegado da
freguezia de Santo Antonio, que al enlo se
chava impedido por iocommodee physicos, to-
cando assim dispensado o Sr. Deodizio Ferreira
Cavalcanti deste cargo, que interinamente o
exercicia.
No lugar denominado Quepo do termo de
Santo Aoto, no dia 20 do mez prximo passado,
Francisco Dias de Araujo encontrando em adul-
terio sua mulher FUurina de tal com o seu visi-
oho Antonio de tal assassinou a ambos, pondo-se
immediatamento em fuga. Foi porm preso no
dia 27 pelo delegado de polica do Limociro.
No mesmo termo uo dia 25 encontrandu-se
o crioulo Theodoro com outro erioulo de nome
Pedro Ferreira da Silva, com quem Uvera, havia
um mez, urna resiega, disparou-lhe um bicamar-
te, dando-lhe a morte incontinente. O criminoso
poz-se em fuga, mas ia sendo sempre perseguido
pela polica.
De boi ou ma f se tem espalhado a noticia
de que o Sr. lente da guarda nacional Joo
Chrisoslomo Pacheco Soares no acto de ser reco-
lhido casa de deteoeo fore escoltado por urna
forga de polica.
Esta noticia nao tem fundamento algum como
se prova com as declaragea feitaa na secretaria
da polica pelo referido leoeote, e que abaixo vo
transcriptas.
Em virtude de pronuncia em crime inaffianga-
vel decretada peloSr. Dr. chele de polica aeveria
aer o Sr. lente Pacheco recolhido prlso,
como determina o artigo 289 do regulamento de
31 de Janeirojle 1812: este acto foi praticado por
um lente de polica, que goza das honras de
rapilao do exercito, por ser condecorado cora o
habido da imperial ordem da rosa, e que prestou
ao preso toda a atieogo possivel,
Aos 4 dias do mez de setembro do anno do
Nasciraento de Nosso Senhor Jess Chrsto de
1861, nesta cidade do Recito de Pernambuco, e
secretaria da polica, aoode se achava o Dr. Tris-
to de A leu car Araripe, chefe de polica da pro-
vincia, comigo amanuense desta secretaria a seu
cargo, adan te Horneado, ahi presente o teoeote
da guarda nacional Joo Chrisoslomo Pacheco
Soares, foi-lhe perguntado quando havia sido pre
so, aoode e por quem? Respondea, que foi pre-
so ns manha do dia 2 do mez prximo passado,
em sua casa no pateo de S. Pedro, pelo lente
do corpo da polica Francisco Borges Leal, o qual
dalli ocooduzio para o quartel do mesmo corpo,
e deste para a eaaa de detengo, nao acompa-
nhanio escolla alguma.
Procedau-se aote-hootem no pago da cma-
ra municipal ao sorteio doa 48 jaizes de tacto que
tem de comporo tribunal do jury em 4a sessao
annual. Assistiram esse acto na conforraldade
da laido processo criminal4fe)r. Ilermogenes S-
crates Tavares do Vasconeetlos. juiz municipal
da primeira vara e juiz de direito interino da
primeira vara, o Dr. Francisco Leopoldioo de
usmo Lobo, promotor publico da capital, o pre-
sidente da cmara municipal e o escrivw do jury
e execoges criminaes.
Vai em outra lugar o respectivo edital.
Noa das 2 e 3 do correle foram reeolhidos
casa de deteogo 15 homeos e 2 mulheres.sen-
do61ivres e 11 escravos; a saber: a orlem do
Dr. chefe de polica 8, inclusive os escravos Luiz,
de Jos Xavier Carneiro Campello; Riimuodo,
Jos, Amaro, Antonio, Mara e Lourenca, de
Benevidodetal ; a ordem do Dr. delegado da ca-
pital 2, que sao os escravos Joaquim, de Jos do
Reg Pacheco, a Autoaio, .de Fraocisco Joo
Carneiro da Cunha ; a ordem do subdelegado do
Recite 2; a ordem do de S. Jos 2, ioclusive o
Africano Mithi&s ou Jos escravo de Hermioa dos
Santos ; a ordem do da Boa-Vista 1; e a erdem
do dos Afogados 2, ioclusive o erioulo Luiz de
Franga,escravo de Francellina de tal.
Passageiro do hiate nacional Santa Rita,
sabido par o Aracaty : Manoel Francisco da
Cunha e Fraocisco de Vasconcellos Costa.
Vieram dos partos do nocla uo vapor Igua-
rastu : Jos Antonio da Costa e Silva e 1 es-
cravo, Anacleto Publio de M. Carvalho, Antonio
Leal de Miranda, Pedro Lopes Rodrigues, Joaquim
Ouarte Campos, Antonio Ribeiro de Albuquer-
que, Antonia Francisco Vieire, Silvestre Jos
Fernandas, Hara Joaquina, Luiz Soares R. da
Cmara, Paulino de C. Medeiros, Joo Vicente
Leo, Antonio Fernaudes de Oliveira, Antonio
Joaquim de Liza, Joaquim Aurelio Vanderley,
Jos Clemenlino Pessoa de Albuquerque, Jos
Lino do Couto Cirne, Lueidalo Pereira Lima, Ca>
tharina Filippa Franco, 2 pracas de pret, 3 deser-
tores, 5 escravos a entregar.
Mataoouro publico. .
Hataram-se ao dia 31 do passado para o con-
sumo desta cidade 100 rezes.
No dia i94.
No dia 2 93.
No dia 3 83.
No dia 4 94.
MORTAMDABB DO DIA *.
Dr. Manoel Teiieira Peixoto, Pernambuco, 58 ao-
noe, casado, Hecife ; hsdropeaia.
Haria Rosa Costa, Pernambuoo, 30 annos, casi-
as, Boa-Vista ; rcetorrbogie.
Joaquim Jos de Al muida Pinto, Pernambuco, 30
anuos, solteiro, Boa-Vista ; febre cerebral.
Beoto Vieira Barbosa Cordeiro, Pernambuco, 51
asnos, solteiro, Boa-Vista ; grangrenoa.
do quanto diz a meu respeito, nao di-lo e'nem o
a povoajo de Beberibe, Escida
a Podras de Pagel .. Biso subterfugio a que
mm9** eseeorre o cobarde, que s tem contas
"** eemo no coragio, que nio tem eons-
cienca do que diz, e nem coragem de sustentar
o que aubecreveu I .... Eis a prova mais authen-
tica da nnba innocencia, e da perversdade de
mee detractor I ....
Cais, Srs. redactorer, que nao Ibes sai exprs-
sar cene Gqeei ao 1er este asoawteae escripia, as
admires facilidade conques subdelegado de
polica enuncia suppostos crimes, sem lacles es-
pecihcados, su ae a cobarda de ns sustentar os
que denuncioo, e de nao puai-los seado aatori-
dade do districto, por erro a officio talvec,
Ihesse dizer que em Beberibe exiats urna certa
tendencia para se perseguir i igreja as pessoal
de seus raraistros qua ae nio abaleas, a nem se
humilham as nojentas e cebosas plantas dos inti-
tulados donos da trra, como provam os fados,
de que ainda nao dureu um s sacerdote deotre
milhares quo teem vindo como eapallo s cura
d'almas que nao sofTresse mais ou menos as de-
cepges porque hei passado. havendo urna capel-
la a melhor do arrabalde com um patrimonio pa-
ra mais de reia 1:6009000 de reodimento aban-
donada pela meza regedora da irmandade intrusa
e_ Ilegal, e psreca-me at pelo juizo da provedo-
ria do termo, sem missas nos domingos e diae
santos, sem preatarem sontas a juo ha 10 an-
uos pouco mais ou meos, s existinde urna outra
capellinha a merc do tempo descoberta e dete-
riorada aem aa telhas a as portas per haverem ti-
rado para um telheiro particular, e para uso de
maogedoura para c vallo, faetea estes, que por
sua profanarlo provam esasa falta de religio e
da moral por isso que nao poda existir esta, sem
aquella! ....
Amigamente, am
mor etc. etc.
lu dos Santos e seus sequazes, que indignos de
urna diacusso seria, e baldos de urna justa de-
feza, procurara a violencia e o emprego da tor-
ga bruta I...
Paro aqui, senhores redactores, pediodo ao
publico sensato, perante o qual tenho aido con-
duzido to grosseiramente por vis detractores
que me desculpe ss alguma cousa exced por j
faltar-me o diminuto espirito de tolerancia para
testemunhar tude sen resignsgo s de bom gra-
de, e Vmcs. a publkago da prsenle com o do-
cumento abaixo transcripto em sea conceitaado
Diario, que o enpraso para na segunda feirs
Bes interceptada per seu assignaate obrigado e
capello o
Padre Francisco Verissimo Bandeiro.
Recite, 26 de agosto de 1860.
Documento.
Illa. Sr.Salisfazendo ao que de mim exige,
respondo que exacto o que se refere relativa-
mente a meus escravos com o mencionado An-
tonio Crispiuisno Padilha, que nao s desacor-
ren tou os meus escravos, que lioham-me fgido
para Mirueira oode elle ento moravs, como qua
comprou varios objectos, que elle na fgida
furiaram- me, e foram achadoa em sua casa, que
sempre foi all coohecdo por soldado desertor,
perturbador do socego publico juntamente com
urna mulher que o acompaoha, finalmente um
verdadeiro reo de polica, que talvez estivesse
oas prisdes publicas espiando seus crimes, se
viveasemos em lempos mais regulare.
De Vmc, etc., etc., n bacharel Manoel Fir-
raino de Mello.
Pode fazer o uso desta, que| Ihe convier eerto
de que o affirmo com juramento.
Recire, 2 de julho de 1861.
[Continuar-se-ha.)
Efeclivamente todos quantos ten a honra e a
sabida gloria de pertenceren a to santa insti-
luico aabem, que ioimigos muitas vezes suppon-
do-se irreconciliaveis, te congracam fcilmente
aessaa reuniaa frateroaea, aonda os polticos
mais extremados e at encamisados, se esque-
cem de o ser para se abncaran mntuameete con
toda a effuso da maia siacera s cordial amizade,
aoode finalsassts ligados entre si per to estrei-
toe lagos, neobum reaentimento, aeahum odio de
naciomlica4e ae las pereebsr use alegras aem-
lantes de seos aaseciados, que saben se respei-
^r, que o eaapraso para na segunda (eir tor e preMf co ^08 es fUkt UgUimoi
faxerem imprimir a concluso desta que por ora im viuv(i. W,0B **"' ^ **''nos
Correspondencias.
PERNAMBUCO.
REV.STA DIARIA.
Hoje ullima-se o pnzo marcado pela drecio-
ria garal da iattiucgo publica para, o exame de
habilitago das oppostpras s cadeiras de ins-
truego primaria do sexo emioiao, quaaeaoham
vegas.
Mandou a Exm. Sr. presdanle que & the-
souraria provincial convidasae por edilaes a quem
queira contratar s construego de pontea enr va-
rios lugares da provincia, forneeeado i meama
tbasoorara as bases sobre qtis deven asseoJar
os respectivos coniraclos.
.S'ri. redactores.A vkulsacia da deieza con
que aa aprsaenlou o Sr. Antonio Flix dos San-
toa, conspurcando o prelo em ana garingooga,
que mandou fazer e assignou-a sob a epigtapbe
deCorrespondenciapublicada em o seu Diario
de 20 do corrate, em rnsposia a que Ihe dirig
no dia 10 do meauao mez prejudica aass a sua
intenco, porquanto toado sucia demasiada para
datender-ae oso Ihe bastou contender conmigo,
depois de haver despejado a virulenta baba es
sua bydrophobia, e toda a atrabilia de paeeino
humor da qua formado, preteadeode mesmo
as suas lavas ex, se acsacsva um ouUa alvo
(mnouensivo) dei sua requintada maledieeaaa...
deaois da se ter fartadf> de taiaas e grataitas aecu-
HOea por abas especie de neaomania, ana ees-
tuna alecax-lhauo forto augmealada por crasas,
doces de una carnada de sarnas, que ora se acha
curliade ao poupaodo nem nssmo os Drs. cha-
la de pokcis, juu. mtiakipal da Olind*. director
da nalrucsao publica, e al o Exea, prelada dio-
cesajM). coacUw par una das suas arrematadas
hypocriajii padlndo a Otos perdo ( oi na tri-
bunal da panU.Bc.a. que bs lengoa assoa, dea-
coobece, s nio a er talvez 1
jais, um general, capito-
por maior qua toase a elevago de
seu cargo tinham por honra reapeitar e acatar um
padre porque nelle van o ministro sagrado da
religio do Calvarlo, boje porm, ( com etpecia-
lidade em Beberibe com honrosas excepedes___)
tem-se por herosmo maodar espancar um sacer-
dote, e aquelle que regula-se por si, conserva a
sua liberdade de pemamentoa e de acgo, e re-
pelle como sacrilegas as estupidas e asnaticaaim-
posiges.... sem roconhecer em alguem com o
direito de influir sobre os seus actos, ou sobre a
sua intelligencia perseguido per mesquinhas
vingangas injuriado e destacado por aquellos
mesmos, que pretextados com a autoridade que-
rem aatisfazer as suas paixoes, segurar os seus
inleresses e encher os fins sinistros a que os lera
o seu coracio corrompido.
Eis lodo o meu procedimento, eia todo o meu
crime I ....
Por ter repellido o lugar que se me impoz a
aceitar da juiz de paz do quarlo anno do diatric-
to de Beberibe, e de nao querer associar-me
aquellos que se julgavam com o direito de ioflui-
rem sobre meus actos, por duvidar talvez das suaa
Itsongeiraa promessss que logo se verificaro com
o Sr. Victorino Travasso, que sendo eleito juiz de
paz do segundo aano, collocaram-no para o do
'1 uarto anno por arte mgica 1 .... e por isso sou
hoje perseguido injuriado e desacatado por
aquellea mesmos que bebersm a minha saude
em um jsntar que se deu em Beberibe ha 9 me-
zes, onde por oecasio do brinde que fez-me um
amigo pela boa acquisigo de mloha pessoa ao
partido fui entusisticamente correspondido pe-
los uumereses convidados, inclusireis diversas
personageos e autoridades de Olinda, e ereio que
diste se nao duvida, servindo de instrumento o
subdelegado com seus agentes, e alguns secta-
rice, que tem culpas nos cartorios do Dr. chefe
de polica, juizo municipal de Olinda e as folhas
publicas do Rectle para serem impunidos por cri-
mes de injuria, calumnia, amaagas, prevarica-
go, erro de otficio, prejuizo et. etc. I___
Nao pretendo, senhores redactores, descer ao
charco immundo em que se chafurdam esses in-
dividuos para respooder-lhes a todas quantas
perversidades me attribuem, sem especiticarem
um s facto de mloha vida, com a devida respon-
sabilidade, merecedor de punigo, quanto a lio-
guagem licenciosa, a enunciago vacillante, e a
inverosimilhanga porque foram annunciadas sao
as provas mais cabaes de minha innocencia, e
das palpitantes contradieges e falsidades por-
que o publico sensato as pede julgar.
Por amor soraenle d verdade e satisfago ao
respetavel publico tocarei levemente era todos
os Heos dessa diatibre do Sr. Antonio Flix dos
Saotos.
Hrincipiarei maravilhando-me ter o Sr. sub-
delegado eonfessado o facto mais importante de
minha correspondencia em que demoostrei a ln-
fidelidade do seu juramento 'alma, prestado no
juizo municipal de Olinda, e a injuria que irru-
gou-nre por oecasio do despejo de urna casa de
taipa, que sem ouvir-me to prfido e desleal
promoveu-me por odio e malicia, sem jusiitlca-
gd alguma de seu proceder raonstro e descom-
munal com um sacerdote a quem confessa dever
favores I ....
Sorpreheodeu-me de eerto ver o Sr. Antonio
Feliz apreseotar-se a juizo com seus agentes po-
liciaese dous corypheos jurando a favor de Padi-
lha por seus importantes servigos e moralidades
quotisando-se entre si para pagamento das des-
pezas do aecusade, quando j havia attestado por
seu proprio puoho contra o mesmo por queixas de
diversas pessoas de districto por crimes policiaes,
e infraeges de posturas, etc., etc., que asss pro-
va o interesse e a parcialidade com que proce-
dern), nao por amor da instiga, mas por odio e
malicia a despeito de seus juramentos a favor de
um hornera contra quem se pronuncia a mor
parte dos moradores da Mirueira, e Beberibe por
seos feitos heroicos, na phrase do Sr. Antonio
Flix, o criminosos no sentido do publico sensa-
to, vista do documento abaixo transcripto I...
Maravilhou-me tambem ter eonfessado o Sr.
Antonio Flix ser verdadeira a representagao do
Dr. juiz municipat onlr'ora da primeira vara do
Recite ao Dr. chele de polica, que ouvindo-o
respeito. cahio a mesma representagao por sua
propria natureza e ao mesmo tempo dizer que
quando mesmo qualificasse algumas pessoas, que
nao morassem no seu districto nao haveria ne-
cessidade de um juramento, nem quebra, e nem
infldelidade, seria quando muito erro de officio,
mais nao perjurio I... ignorando que nesta sua
asnalica exposigao lavrou seu corpo de delicio,
e fez a mais tremenda aecusagao ao Dr. chefe de
polica, que al hoje o tem conservado como
subdelegado, que nao fiel a seu juramento como
autoridade no exercicio de suas fuocgdes poli-
ciaes, por haver qualifleado por erro de officio,
como confessa, seno por roa f, como parece-
me, inflaercias eleitoraes, serviros d alguem...
pessoas que realmente reconhecia serem mora-
dore do Recite, e como taes julgados por um
aocordam da retago do districto, como morado-
res de Beberibe, a despeito da judiciosa repre-
sentagao do Dr. juiz municipal.
E' inteiramente falso o dizer do Sr. Antonio
Flix que tem em seu poder um documento de
meu proprio puoho attestando a moralidade dos
Srs. Antunes em Beberibe em tudo coeforme
con o seu attestado que lhes dera, porquanto
se nao o falsificou, concedo-lhes plenos poderes
para publica-lo, pois estou bem eerto dos ter-
mos, com que passei, e por nenhuma forma me
complica, quando por deferencia, boa vonlade
de fazar-lhd bem na crise em que se achara, e
instancias de um seu amigo, demoveu-me assim
proceder, em contraro do que hoje roa tem re-
tribuido cora a mais iniqua ingratido I .. Nao
foi sement na Era de Cnristo que vio-se um
Judas!...
E' verdadeiro o facto que ousa negar-me oSr.
Antonio Flix relativo a desobediencia e resis-
tencia de Padilha ao inspector Eulalio, porquan-
to se nao setenara que despachoo-ne um reque-
rimenlo em que pedi que as pessoas da povoa-
co atteetaasem o que eoebessem sobre o occor-
rido com o dte Padilha e o referido inspector,
dirsi que foi en 22 de naie do correte anno, e
que o leoho en neo poder com 8 pessoas pro-
Bes e fidedignas assignadas como teslemunbas
preeeneiaes, que presara melhor os seus jura-
mentos que talvez oo o faga o Sr subdelega-
do, eomo vinos de dizer I...
Sorpreaeadeu-ne bastate vero Sr. Antonio
Flix, a propria autoridad fazer-ne a amaaca
mui significativa osa seguintes expresases de sas
trecho.O Sr. Banchir* nio medio por eerto a
profundidade io abytmo, que etl catando a
teut pea / a pare s qual pesso toda a silencio
de Dr. chafe de polica, e a do publico sensato,
s protesto desde j paraate Deus, que me oave
s o mundo inleice que afta teuho oifendido a
aiuguen desta pevoaeao, e nem fra delta, que
paasa queixar-me, caso aconteesm-ne algn
alicatado (a-uos Deue mvittat) senao desse ex-
tfflttate inportador aegreiro contra todas as
regras de urna sa coasctencla. e de humanida-
lataliTnili. aereas, tasaos con dor a'ceaads
lamentar, e^ e* as escasa, oeaae boas diz o
redactor da Ordem, resulta entrar peas tu> ele-
vada associago, honens cono aquellea, que por
un noliso, que nues veces e causaran, aup-
pondo-se offeodidos em seus orgulhos, nio tre-
pidam desvirtuarem a iostituigo a profanando im-
piamente.no vac.ilIam assacar^injurias contra os
seus l. 1., dos quaes recebeodo delicados e mo-
derados queixumes para entrarem em seus de-
veres, sao sempre relevados de seus erros com o
mais manifest agrado e cordialidade.
B. P. L.
Srs.redactoret.L\ hontem em um artigo da
redaegao do Constitucional o seguinte trecho :
< Esta cidade acaba de ver um official da guar-
da nacional levado dentro de urna escolta de sol-
dados de polica para a casa de detengo 1
Nao me constando que ultiraameote outros of-
ficiaes da guarda nacional tenham sido recolhi-
doa casa de deteogo alem doa Srs. teoentes
Joo Chrisostomo Pacheco Soares e Francisco
Esteves Pses Brrelo, psreceu-me que priso
destes senhores se relerio o ConslUucional no
trecho supra.
E tendo sido eu quem foi o encarregado de ef
fectuar essaa prisdes, nao posso deixar de pro-
testar contra a inexactido da noticia transmitti-
da redaegio do Constitucional.
Os Srs. lenles Pacheco Soares e Paes Barre-
to foram conducidos de suas casas para a priso
acorapanhados por mim to somente : nenhuma
praga do corpo de polica rae seguio.
E' verlade que puc em cerco a casa da resi-
dencia do Sr. lente Pacheco Soares, no pateo
de S. Pedro da freguezia de Santo Antonio ser-
vindo-me para este Um de quatro soldados do
corpo de polica : mas estes mesmos soldados re-
colherara-se ao quartel pelas 3 horas da madru-
gada, horas em que apparecendo o Sr. Pacheco
Soares aa varaoda Ihe declarei qual o fim que
me levara aquella sua casa, e recebi delle a res-
posta que aquella mesma hora me acompanharia
at a priso.
Em sustenbcao do que acabo de dizer ofierego
a considerago dos leitores as duas cartas infr,
e invoco o testemunho do Sr. Pacheco Soares,
muito embora se negasse elle a dar urna respos-
th clara e terminante carta que Ihe dirigi.
Com a publicago destas linhas, escripias para
restabelecimento da verdade muito obrigaro Vv.
Ss. ao seu atteocioso venerador e Criado
Fraucisco Borges Leal.
Recite 4 de setembro de 1861.
Illm. Sr. Pses Brrelo.Vou com esta ro-
gar-lheo especial favor do mandarme dizer, se
quando o conduzi essa casa de detengo e ao
Sr. tenente Joo Chrisostomo Pacheco Soares, o
Qz s ou acompanhado de alguma praga : pelo
que Ihe fico obrigado. Seu venerador e criado
< Fraocisco Borges Leal.
S C. 3 de setembro de 1861. .>
Illm. Sr. tenente Francisco Borges Lea!.
Permitta-me aqui mesmo responder-lhe ; ver-
dade que quaudo vim preso mais o Sr. teoeote
Joo Chrisostomo Pacheco Soares, s vieraos
acompanhado por V. S. e mais ninguem ; e por
isso pode fazer uso desta minha resposia, que
quizer. Sou de V. S. atteolo venerador e criado.
Francisco Esleves Paes Brrelo.
Illm. Sr. Joo Chrisostomo..Vou cora este
rogar-lhe o favor de declarar-me a bem da ver-
dade, se quando eu o conduzi para essa casa de
detengo fui s ou acompanhado de alguma pra-
ga ; pelo que Ihe fico obrigado. Sou com res-
peito seu venerador e criado.
Francisco Borges Leal.
S. C. 3 de setembro de 1861.
Illm. Sr. tenente Francisco Borges Leal.
Havendo outros meiosde fazer conhecer a verda-
de como jtlese a V. S. em seu priaeiro bilhete
e nao desejaodo prestar-me publicages com o
meu nome, nem entrar em discusses torno a
pedir a V. S. que dispense-me, e releve-me de
envolver-me em polmicas de jornaes ; pois V.
S. tem outros muitos meios de se poder justificar
de qualquer imputago.
a Espero de V. 8. desculpa a este meu modo
de pensar. De V. S. sempre respeitador
J. C. P. S.
Casa de detengo 3 de setembro de 1861.
Os abaixo asaignados empreados do arsenal de
marinha em cuja administra :iio eslava o Illm.
Sr. capilode mar e guerra Elisiario Antonio dos
Santos, reconhecidos s maoeiras urbsnas e ca-
valleirosas, com que S. S. ae diguou sempre tra-
ta-Ios, deixariam da cumpnr um dever, se na
oecasio em que delles aa separa, nao domons-
trassem a sua gratido.
Quando o chefe de urna reparligo, aabendo
aquilatar oa sac-vicoe a merecimeato de aeus en-
pregados, lhes faz a devida justiga, esforcando-se
psrs que sejan elles renumerados, e quando &
par da justica elles usa para com seus subordi-
nados de palavras delicadas que fazem suavisar
as exigencias do servico e a aeveridade do regula-
raento, esse chefe tem por eerto direito syrapa-
thia d'aquelles cujas ordeos sexvem : S. S.,
pois, que mostrou possuir esses dous predicados
j propondo para oa lugarea creadoa pelas refor-
mas da intendencia, e arsenal aquelles. que
por sua antiguidade e servigos deverio oceupa-
los e j usando de toda a cortesana e civilida-
de para com aquelles que objeeto de servigo se
dirigiim a S. S. digno de que oa abaixo as-
sidos lho votera urna verdadeira affeigo, e eter-
na gratido.
Neste momento, pois de despedida em que os
abaixo assignados se sentem movidos por esses
sentimentos, vem elles manifestar a S. S. a aua
gradido e eslima, fazendo votos para que siga
a corte com prospera viagem, e para que depoia
de fruir a licenga que pelo governo geral Ihe foi
concedida, volte a exercer o lugar de inspector
do arsenal de marinha.
Arsenal de marinha de Pernambuco, 3 de se-
tembro de 1861.
Joo Baplista d'Olveira Guimares. #
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Antonio Henriques de Miranda.
Manoel Antonio Viegas Jnior.
Carlos Mara Colsoul.
Luiz de Franga e Mello.
Manoel Juveocio de Saboia.
Jnvino Epiphanio da Cunha.
Horacio de Gusano Coelho.
Jeronymo Emiliano de Miranda Castro.
Joaquim Leocadio Viegae.
Luiz Manoel Viegas.
Catulino Gongalves Lesss.
Trajano Augusto de Carvalho.
Jos Rodrigues de Souza.
Fraocisco Xavier Cavalcsole d'Albuquerque.
Francic Maruho de Miranda Castro.
Miguel Paulo Souza Raogel.
Francisco Romano SteppTe da Silva.
Jos da Costa Rabello.
Augusto J. ongalves Lessa.
Gedeo Forjaz de Laceria.
Joaquim Clemente de Lemos Duarte.
Jeronymo Metchiades Ferreira da Silva.
Porfirio Antonio Esteves da Silva.
Camillo de Lelis Peixoto.
Manoel da Silva Mendooga.
Augusto Cezar C. de Malto.
Alfonso Alves do Reg Villela.
Gongalo Joo da Silva Fontes.
Jos Faustino Porto.
Joa-iuim Jos Alves d'Albuquerque.
Primo Feliciano Tavares.
)' doUvre, o sebdewgado de BeberibeAnWio'Fe"
PubliciQoes a pedido.
Ao Ilustrado compadre provinciano.
Na Orden n. 218 de 3 do corrente, tomados
de urna verdadeira sorpreza com a leiiura da am
trecho incerto pela redaego daquelle jornal, ao
seu compadre cortezo, tendente a magonaria des-
la provincia, o nosso espirito se revoltou em ex-
tremo, contra o modo menos conveniente urna
semelhanle publicigSo, como reprovaria mesmo,
se em vez de urna to pungente e menos justa ac-
cusago, como nelle infelumentese observa, hou-
vessem prodigalisado os maiores e bem mereci-
dos encomios aos raembros de urna sublime e ve-
neravel inslituigo, to santa e to aotiga, como
o propria redactor confessa.
O Ilustre rodador da Ordem, a quem muito o
conhecemos, o primeiro que far sorh duvida o
melhor e o mais elevado coneeito dessa institu -
Qo quo faz honra a humanidade, e to certa e
verdadeira esta nossa presumpgo, que coidu-
ua com os seus boos sentimentos, que d'eotre oa
cavalleirqs eiforgados que a sustentara cora dig-
nidade, temos o prazer de ver nella associados
mais dous respeitaveis membrosdesua familia.
Se pois, o nobre redactor, como eremos. Uvera
ja tido a felicidade de passar daa tretas para a
lux, como com acert poder coosentir que portal
guiza, em urna folha publica, se menoscaba o
brilho e as conveniencias que se devera restricta
e religiosamente guardar 1 Como sem escrupu-
losamente syndicar dos factos, receber, com tan-
ta facilidade de um I. muitas vezes degene-
rado e por de mais despeitado por alguma oceur-
rencia justificativa, informages inexactas e pou-
co dignas, para serem levadas a publicidad ?
E quando impellldo porum motivo superior
sua ventade, houvesse sempre de fallar de publi-
co cora razo ou sem ella sobre semelhanle as-
suna po reconhecidamenle melindroso, quando
mesmo esquecldo por um momento de seus de-
veres jurado, procurassa em satisfaego a alguem,
discoosiderar a alguns dos mmbros dessa iosti-
tuigo, perguntamos nos, nao seria sobretudo de
seu mais restricto dever ocultar cuidadosamen-
te das iotelligencias dos mata, o que jamis de-
ven elles interpretar ou iniciar-se, de vendo co-
mente usar de ama Iinguagem toda apocalypse ?
Ora, que o Ilustre compadre provinciano, fra
na realidade indignamente illudido poresaa ma-
liciosa informago dada talvez com todo acento da
verdade, todas, comprebeode-se bem, todos e
cada umdeper si o certificarais, aexcepgode
un ou outro Caim I
Entretanto o que niis nos admira que o
compadre provinciano, aceitando a infarmacao
de alguem. naveta um auno por tempo da elei-
ges, tecendo os maiores e pomposos elogios a
magonaria en geral, procurou desoguir e fazos
at sobresahir em pnmazia um quadra d'untre
lodos os outros, havia sido enlo reeleito o sea
presidenta, osle porm nao tendo sido desta vez
novamente reeleito, eis que diaa depoia da clei-
?o surge das columnas da Ordem, un escripia
illeodo-se con a mais manifest offensa contra
todos os quadros, como destituidos de senso e da
sentimentos nobres, admillindo en seu aeio at
carroceiros e carnictroe I!
E' isto una falsidade, e urna falaids.de revol-
laute impropria de sar proferida por qualquer ds
ees, como o de que ha tendencias de ser divi-
dida a magonaria desta provincia em dous gru-
fios adveraos, o de portuguezes e a da braai-
eiror.
No da 2 do corrente, agosto, ao sahira barra, o
vapor cgaarasssf, soffreu um pequeo siuistro,
que o obrgou a entrar de novo, para reparar, e o
fez demorar por 24 horas, segundo todas as Infor-
mages ministradas pelos passageiros. e princi-
palmente por um delles, o capito do brigue ita-
liano Propheta Henock, nenhuma culpa teve o
commandanle do vapor nesse acontecimento ;
pelo contrario elle nicamente se deve nao ter
havido um resultado lameotavel.
Com effeito pericia e zelo do commandanle
devido nao haver-se aberto inmediatamente o
vapor, vislo como, conhecido o perigo, prevenio-o
elle, ordenando eom promptido a p-ralisaco da
machina.
Sem grave consecuencia, esse pequeo acon-
leciraeuto servio para tornar manifestas as sym-
pathias que ao digno commandanle desse vapor
votam os habitantes desta cidade, que mostrou
tomar o mais vivo interesse pulo Sr. %" tenente
Moreirs, o qual em verdade merecedor da afei-
gao que todos lho tributamos.
Notou-se que oo regresso do lguarais, e mes-
mo depois de se divulgar o sinistro, a capitania
do porto, (sa tal cousa exista nesla provincia)
nao houvesse dado o menor signal de vida, nao
se apresentando, segundo nos informara, pessoa
algum que de sua parle procurasse prestar algum
servigo ao vapor.
Illm. Sr. eomraandaote Joaquim Alves Morei-
ra.O ficto lodo casual, que se deu ao dia 3 do
corrate, quando sanio do porlo desta cidade
com destino para o sul o vapor Iguarass, do
digno commaodo de V. S o qual baleu sobre a
rauralha de podra natural que se acba entrada
do mesmo porto, sendo devido circunstancia
de forga maior e imprevista, que nao era dado
possibtlidade humana vencer, nenhuma sombra,
se quer, de desdouro pode laogar sobre a vida
martima de um official da armada brasileira.
que, como V. S., aprsenla Ilustrada por ac-
tos sempre digaos da maior considerago, e por
honrosos precedeotes que o recommendam 5 es-
tima publica.
Nieguen ignora que apezar da acceseibilidade
da barra deste porta para o* navios que a deman-
dara, era alguma estagodo anno, em qus a tor-
ga reunida dos ventos, que a refrescan e das aguas
que a levam, concorre poderosamente para lor-
na-la perigosa, como todaa as barras e costas,
impossivel previoir aa tristes consecuencias da
furia combinada dos veolos o das ondas.
Coaira taes elementos, quando furioso se nos
elles augurara eomo que obudeceode nko oc-
culla de un poder infernal que os incita, bou
pouco valen a pericia e a sciencia do martimo,
por maia bem comprovadas que ellas sejam. Nem
urna, aem outra aproveiUracn ao intelligeote e
infeliz conmandanla da corveta D. Isabel, nau-
fragada as aguas de GibalUar, e elle as linha
em alto grol attestado pelos melhores nave-
gantes do mundo : aem to pouco serviram ao
commandanle do vapor Ptraguasn, que acaba
de perder-ae en viagem de Montevideo paca
Santa Catharina, na qual apaahou un temporal
que o levou de encontr Ponta de Cesiilho, en
que ae quebrou.
E o paiz fazendo justiga ao aebre carcter des-
ses connandanles, nao tan algada vezes senao
para lastimar a infelicidade do segundo o triste
Gra do primeiro, que nao quiz sobrevivar, nao
deshonra, que nao a havia ahi, naa a grandeza
mesmo de deagraca, que o opprimio.
Aa mesmas cansas, que em outras paragens
produziram os tristes resoltados, que ficam apon-
lados, occasioaaran o pequeo sinistro, de que
foi victima o vapor $uaraet, cuia conservagao
hoja decida, todos o saben, aos eetorese de V.
S., que, tncanaavel o cuidadoso como sempre,
conseguio resistir o mais poaaivel s furias do
temporal e resguardar o vapor de seos nais fot-
tea golpes.
Os abaixe-aaeigaadoe, sabedores da actividad*
q-ue V. S. deseavolrau naquella oecasio, e que,
de mais reconhecem o carcter distinelo e nebro
da V. a., m quem vean reunidos, as psrfsites
qualidades de um ca valleiro. a iotelgeocia alus-
trada, a pericia ptefeaaooal e s coobecinerrt
profundo das acetas am provincia, que forra am e
permetro dae viegeas dea vaporee da cemprohia
Pernanbucana ; os abnxo-assignados julgam de
seu dever dar a V. S. este puWloo testanunke do
apreco a considerago, qua V. S. tonar ceno
un brado de auinece que Ihe dirigirn oa mes-
mea akaixo-aeeigaades afin de nao liaaninia
con un pequeo revez, ajas nenhuma influencia


stURlO 01 MB1UB0GO. Ql 1NTA FURA 5 fii TEMIRO ftl 1M)
AT
dere eiereerfiebr e 01 uu astea ulteriores, e
prosegoir ptlo contrario na aenae que tio brl-
lhantoosoote. ha trilftado da aears e a virtude.
Ligados pala comrauoidade do peniamento qiio
o leva a sa dirigirn desta raaoeira a V. 8. os
baJM-aa1ga a espontaneidade com que o lazem, se digaari
da acolher. a mso*faateeao da seo* entntenlos
para com a peitoa do V. S.
Natal, 4 de agosta de t6tt.-P*ekeeo 4 Maa-
des, Joaquina Aoiueee de Olireira, Joaquim os
de Medeiros, Jos Paulino da Castro Medeiroi,
Francisco Jos Gomes, Antonio Jos Gomos, Joo
avenal Barbosa Tinoco, Miguel Farreira da Hal-
lo, Canuto Ildefonso EroereacUoo. Aatoaio Mar-
ques da Silva, Luii Francisco de Mella Garalean -
ti, Manoel Pedro Airare*. Joaquim Aurelio Wao-
derlay, A. A. de Luna Freir, Maaoel Joaquim
da Amoro) Garca, Demiaao* Heorique da Oli-
reira. Jos Mara de Albuquerque Mallo. Anto-
aio Fernaadei Trigo da Louretro, Antonio Fran-
cisco Araa, padre Antonio Francisco Araa, Jo-
te F. Ardas, Dr. Manoel Bernardino Bolvar, Joa-
qun Ignacio Pereira Jnior, Joaqun Gomes da
Silra, Joaquim .'os de Torres, Mauoel dos Saotos
Martin Romano, Chryaoitomo & Filbos. Bernar-
dino da Sena da Silra Guimaraes, Thonaz Gones
ds Silva, J. Antonio Serfico de Assis Carralho,
bacharel Francisco Xarier Pereira de Brito, Ge-
oesio Xarier Pereira de Brito, empragado publi-
co ; Francisco Jacintho da Caara Pinto, empra-
gado publico ; bacharel Luiz Rodrigues de Albu-
querqua, Manoel Pereira de Azarado, lago Fran-
cisco Proheiro, Francisco Bezerre Caratcaati da
Rocha Maracaj, Frauoiseo Jos da Cunha Sam-
paio, Antonio B. da Coala, Jos Thomaz de 011-
veira Mello, Dr. Firmino Jos Doria.
Pergunta-se ao Sr. coamerciinte dests praca
o Sr. Manoel Duarte Rodrgaos se a ordem do
da do batalho n. 53 de que Toi commaodante o
film. Sr. brigadeiro Joaquim Bernardo de Piguei-
redo, que elle Duarte Rodrigues disse na rus da
Madre de Daos que rio e leu de que eu tinas
dado baixa se a certidio abati escripti ou
e ha outra ordem do dia do batalho queira
apresentar eila para o respeitirel publico ver
alini de nao fiear tido como merecedor das penas
impostas pelo 9 4 do art. 236.
O Cazma.
Illm. Sr inspectr da thesouraria geral.Diz
Joaquim da Silra Lopes que a bem de seu direito
oecessita que V. S. mande que em face do llrro
mstre ou de matricula do batalho n. 53, de
que foi eommaadante o Illm. Sr. brigadeiro Joa-
quim Bernardo de Figueiredo, se Ihe de por eer-
tido o theor da escusa que tere o supplicante
na qualidade de sallado da 3* companhia do di-
to batalho, o que tere lugar de 1828 a 1829 e
tado quanto a respeito constar da ordem do dia
do mesmo batalho, sen lo dita certido passada
ttrbumad verbum e de modo a fazer f. Nestes
termos requer e pede a V. S. assim Iba dera.
E R. M- Joaquim da, Silva Lopes.
Recife 27 de agosto de 1861.
CertQque-se. Thesouraria de Pernambueo 27
de agosto de 1861.Emits Sobreira.
* En cumprimento do despacho retro certifico,
que do lirro mestre do batalho n. 53 de 2* li-
nha do exercito consta que o supp'icante de ids-
de de 18 anaos, com 5 ps da altara assentou
praca em 10 de agosto de 1821 ni 3* compa-
nhia com os signaes seguintes: cabellos casta-
Dhos, olhos ;da mesma cor, natural do Porto,
solteiro, com oceupagio do caixeiro. Passo a
aasoecada em 31 de margo de 1827.
Peh portara do Exm. commanlante das ar-
mas de II da selembro de 1830 tere baixa do
servigo por terjulgido pela juata medica militar
incapaz de continuar no mesmo. E' o que cons-
ta do respectivo lirro mestre, nada mais narendo
a respailo do que pele o supplicante.
Ea H-lo loro Fernandos da Cruz terceiro es-
criplurario pasaei a presente.
Cinta loria da thesouraria de fizenla de Per-
uambuco '23 de agosto de 1861.
Toluoles sabidos eem hiendas.. 159
com ganeros.. 131
------ 70
Descarregam hojea de selembro.
Polaea francezaInkermomordirersoa genero*.
Brigaa portugusFio rindamarcado ras.
Barca inglezaIsabella Ridley -mercadorias.
Brigue pruaaiaao Gceliaden.
Polaea fraseanaoUIndio carne de charque.
Milita attenco.
S
J tu vr ao respeitarel publico em um anima-
ci inserido neste-conceiluado Diario em data
de 15 do mez de maio do correte anoo, uai dos
tramas o mais escandaloso, que faz tremor a pro-
pria trra : quero fallar de urna mal entendida
alforra.que est forjando na cidaie da Victoria
o tenente Miguel dos Aojos, que pelos ditos das
seis testernuahas apreseotadas em juizo pelo
mesmo, entrando elle neste numero, sus senhora
e urna ta desti, pessoas estas que nao podiara
jurar, por serem suspeitas, como se provar se
fdr preciso.
. O sermo, nao obstante, esl bem encommen-
dado ; com ludo lastima ler-se seus depoimen-
tos, pelas conlradicgdes encontradas nos mesmos.
Confio muito que o mui digno juiz municipal, o
Sr. Dr. Pedro Secundino Mandes Lins, probo,
como nao ir alraz de cantigas.
ri6r(ro Pinto de Almeida Jnior.
Victoria 30 de agosto de 1861.
Barca ingleza Itabtlla Ridley, riada de Lirer-
pool, consignada a C. J. Astley 4 C. manifeatou
o seguale :
107 caixaa e 66 tardos fazendas de algodo, 2
caixas leoces de dito ; a Southail Mellors & C.
9 caixas So ; a Airea & C.
17 ditu (sendas de algodo, 8 fardos ditas do
linho, 1 dito brir de rea, 2 caixaa camisas do
algodo ; a Arkwight A C.
3 caixas fazendas de algodo : e Geb Kalkmann
&C.
5 caixas barbante, 1 fardo tapetes, 1 dito capa-
chos, 2 caixas.fazendas de algodo; a Joao Keller
ii C
58.fardos e 11 caixas fazendas de algodo ; a
Adamsoo Howie& C.
50 barricas carreja, 14 fardos e 1 eaixaa fazgn-
das de algodo, 4 eatxas Unha ; a Raba Schamet-
tau & C.
3U0 barricas farioha de trigo ; a Tasso Irmos.
65 fardos e caitas fazendas de algodo, 6
fardos dita de linho, 3 caixas camisas de algodo;
a Mills Latham & C
100 barns manteiga, 1 caixa fazenda de seda e
algodo; a N. O. Bieber & Q.
1 ciixa tapetes; a Phipps Brothers & C.
40 fardos e 141 caixas faiendaa de algodo 2
caixas miudezas, 1 dita Unha. 3 ditas fio, 1 dita
caixinhas de papel; a Henry Gibsoo.
40 fardos e 3 caixas fazendas de algodo, 1 di-
ta len;es de algodo e .45 toneladas car rao de
pedra ; a C. J. Astley 4 C.
1 caixa toucas, 7 ditas fazendas de algodo, 1
caixa borracha para sapatos ; a D. P. Wild & C.
8 caixas ae follu de Flandres, 20 toneladas de
ferro bruto, 1 caixa instrumentos de agricultura ;
a ordem.
25 birris manteiga, 6 fardos fazeoda de algo-
do ; a Jimes Crabiree A C.
5 caixas palitos de fogo; a Ferreira & Martios.
100 barricas fmuhj de trjgo; a,H. Forster^ C.
100 barris manteiga ; a Johoslon Pater A C.
1 caixa gales; a Mallo Lobo & C.
30 laxas de.ferro ; a Maoeel J. de Otireira.& C.
66 pe^as perlences para machinas. 10 caixas
objectos das mesmas ; a S. P. Johoslon A C.
8 fardos e 10 caixas fazendas da algoio ; a Da-
mayer & Cirneiro.
5 barris pixe, } pacota miudezas, 3z5 barras de
farro,oKJ1 (eicho de ferro ; a James Halliday & C.
2 caixas igaora-se ; a Rostron Rooker dt C.
50 barris manteiga, 4 fardos chales de algodo,
4 caixas lencos de dito, 23 ditas o 40 fardos fa-
zendas de algodo ; a Sauuders Brothers & C.
1 fardo fazendas de algodo e linho. I-dito a 5
caixas dita de algodo, 1 dita dita de linho e al-
godo, 1 caixa lencos de algodo ; a Augusto Ce-
zar de Abreu.
48 caixas fotha de Flandres, 13 caixas cha, 1
dita fazeudo de linho e algodo, 1 dita dita de
las e algodo, 21 fardos dita do algodo ; a Patn
Naah & C
2 ssecos amostras; a diversos.
Exportado.
Dia 3 de setembro.
Patacho dinamarquz Elvira, para |Gibraltar,
carregoram :
Patn Nash & G., 400 saceos com 2,000 arro-'
bas de assucar.
Patacho portugue/ Jareo, para Ge ora, carre-
garam :
. A. Burle & C, 1,800 saceos com 9,000 ar-
robas de assucar.
Escuna porlugueza Emilia, para o Porto, carre-
garam :
Thomaz de Aquino F. Jnior, 78 saceos com
390 arrobas de assucar.
Escuna ingleza IFiirtierer, para Lirerpool, car-
regaram :
Saunders Brothers & C, 850 saceos com 4,250
arrobis de assucar.
Barca inglesa Eathusiast, para Lirerpool, car-
regaram :
Saunders Brothers A C, 5JO saceos com 2,500
arrobas de assucar.
Barca ingleza Trinculo, para Lirerpool, carre-
garam :
Patn Nash A C, 700 couros salgados com
18.186 libras.
Southal Mellors A C., 8 saccas com 42 arrobas
e 19 libras de algodo.
Brigue porluguez Flor deS. Simio, para Lis-
boa, carregaram :
Carralho Nogaeira & C, 200-barriscom 7,200
medidas de mel.
Recebe doria de rendas internas
geraes de Pernambueo
Rendimento do dia 1 a 3 -2:8203557
dem do dia 4......: 8589*38
Fregosla de S. Frei Pedro Goncolrea.
Antonio Fernandas de Araujo.
Domingos Ao.0^ "
Francico Joa aK"!1?-
Jos Aires Fernaow,es*
Joaquim Antonio SoVv**
Joa Joaquim Ser.
Joaqun Ferreira Fostea.
Manoel Ignacio d'Olirelra JualoC ,
Maaoel Oimundo da Cmara Pimental.
Santo Antoaio.
Antonio Conrado Sabina.
Americo Oridio dos Saotoo.
Candido Autran da Matta Albuquerque.
Coeaae Damio dos Santos.
Domingos Jos Aires da Silra.
Dr. Egidio Henriquas da Silra.
Francisco de Paula Dita Fernandas.
Joa Jacintho da Silra Mandones.
Joaquim Manoel Mandes da Silra.'
Justino Msrlyr Corris de Mello.
Joaquim Pereira de Mandones.
Dr. Manoel Joaquim A y res do Naacimeato.
Manoel Joaquim da Silra Brasileiro,
Manoel Ferreira Pinto de Araujo.
Jos Vaz de Siqueira.
Olympio Dorneliaa Cmara.
S. Jos.
Antonio Jos Rodriguea de Paula.
Antonio Igoaclo Rodrigues Machado.
Dr. Constantiuo Rodrigues dos Saotos.
Candido Aires Lima.
Innoceueio Antones de Farias Torro*.
Boa-rista.
Antonio Jos Pereira.
Antonio Jos Leal Res
Basilio Alvares do Miranda Varejo.
Francisco Ueodato Lins.
Joaquim Mlleto Mariz.
Jeronymo Gomes da Fonseea.
Luiz Porfirio da Silra.
Afogados.
Benjamn Franklin da Cunha Torres.
Antonio Seares da Silra Nobre.
Jos Pedro Velloso da Silraira Jnior.
Manoel de Jess Jordo Cordeiro.
Varzea.
Joaquim Jos Ferreira.
Jaboato.
Joaquim Joo de Souza.
Jos Francisco de Souza Leo.
Joa Mendes de Carralho,
Joaquim Pedro Caroeiro Campello.
Pedro Francisco da Costa.
Atados es quaes e a cada um de per si, bem
como a todos os interessados em geral se convi-
da para comparecerem no primeiro andar da casa
que foi cade, na sala das sesses do jury, tan-
to ao referido dia e ora, come nos mais das
seguintes em quanto duras- a sesso, sob as pe-
nas da lei se faltarem.
para que chagua a noticia a todos maodei
paesar o prsenle que ser lido e afiliado nos lu-
gares mais pblicos e publicado pela imprensa,
e tambem remetter iguaes aos subdelegados do
termo, para publica-las e mandarera fazer as no-
lificacdes mais necessarias aos jurados, aos cul-
pados, e as lestemunhas quose acharem nos seus
districtos. ^
Recifs, 4 de setembro de 1861.-H Joaquira
Francisco de Paula Esteres Clemente, esorivo
do juryo sub*cfevi.
Joo Francisco Teixra.
Clausulas especiaes para a arrematarlo.
1.a A obra principiar oito dias dapois da ar-
rematarlo e concluir-se-ha no prszo de tres
meses.
2.* O arrematante attander as reclamacoes
do director do collegio dos orphos, tendentes a
indicar o mesmo cuaes os lugares que derera ser
retelhados.
3.* O pagamento ser feito em duss presta;es
iguaes, pagas urna no meio e outea ala concluso
. Pa' Pf9Mdeo teeteao do engenheiro ou pessoa encarregada de
inspeccionar a obra, no qual declare achar-se
ojia concertada de conformtdade com o orca-
eaento.
4 Nao ser attesdida reelamaeo algoma por
parte do arrematante, tendente a exigencis de
indemniaaeo, seja qual fr a cansa que alegar
para tal fim.
Coonforme. O secretario, Antonio F. d'Annun-j
Cao.
O Dr. Francisco Dominguaa da Silra, juiz de di-
reito da segunda rara criminal e substituto da i
do commoreio deals cidada do Recife e seu ter-
mo, capital ds provincia de Pernambueo, por
Sua Magesttde Imperial e Constitucional o Se-
nhor D. Pedro 11, que Deus guarde ele.
Faco saber pelo presente, que no dia 5 de se-
lembro do correte anoo seho de arrematar por
renda a quaui mais dar em praca publica deste
juizo depois da audiencia respectiva os objectos
seguintes:
16 libras de mermelada avahada, a libreo 400
ris, 69808; % garrafas de rinbo engarrafado,
araliadj a 500 ris cada garrafa, 48#000; 93 la-
tas com sardinhas a 320 ris esda um, 299760;
16 latas com errilhas a 400 ris. 69400 ; 6 gar-
rafas de uisque araliadas por 2f000 ; 7 garrafas
com congnac araliadas por3*000; 17 meiss gar-
rafas com serreja a 160 cada urna, 2720; 10
garrafas com rinho moscatel, araliadaa por 3$200
todas ; 8 fraseos com genebra de Hollanda a 500
ris cada um, 4*000; 4 garrafas com champagne
sem ralor; 9 orinoes. aralisdoa por 39000: 22
bacas brancas a 320 ris cada urna, 79040; 63
tigellas pintadas araliadas por 59040 ; 7 mante-
gueiras a 200 ris cada urna, 1*400 ; 12 assuca-
reros 200 rea cada un, 2f 400 ; 43 prea pin-
tados e brancos araliadas por 1|000 160 manus-
sos de albos a 20 ris, 3*300 ; 10 latas com fru-
tas em caldo sem ralor, 6 libras de canella ara-
liadas por 29000 todas ; 8 latas com biscoutosem
ralor, 9 baralbos de cartas a 160 cada um, 1*440.;
650 pecas de cordas araliadas por 69500 ; 2 li-
bras de reas de carnauba, avaliadas por480 ris;
1 arroba de milho alpista em meo estado, avaha-
da por 2*000; roela arroba de tapioca sem ralor,
6 duzias de caixinhas com phosphoros, araliados
por 1*000; 8 libras de caf de earouco, aralia-
das por 1*000; 4 pipas rasiai por 10*000 todas,
1 caada de vobo pouco oais ou meaos em um
Boa-Viste.
Brejo e Cimbres.
A arrematadlo ser -ita por lempo de dous
annos, a contar do 1* de junho do correte anno
30 de junho de 1864.
Epara constar s mandou afuxar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria prorioclal de Par-
namiiuco 9 de setembro de 1861. O secretario,
A. F. d'Annapciaco.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pco-
rincial, em cumprimento da resplugio da junta
ds azenda, manda fazer publico, que no da 19
da setembro protimo rindouro, rai noramente a
praga paa ser arrematada a quem mais dar a
renda das casos do patrimonio dos orphos abaixo
mencionadas:
N.
J.argo de Padro II.
1. Sala do1t andar...... 18OJ000 por a nao.
Ba do Imperador.
2. sobrado de dous an-
dares................. 1:601*000 por anno
Ra do Rozario da Boa-Vista.
14. Cass terrea........... 201*000 por son.
Ruada Cacimba.
66. Casa terrea........... 122*000 por anno.
66. Ideo idem............ 81*000
_. Ra dos Burgos.
09. Ca 4 terrea........... 125*000 por anno.
s Ra da Seozalla Velrta.
79 Sobrado de dous anda-
res.................... 753*000 por anno.
80. Sobrado de dous an-
daras.................... 753*000
Ra da Guia.
84 Casa terrea.......... 168*000 por anno.
Rea do.Pilar.
2538000 por anno.
224*000
1009000
1205000
211000
3528000
94. Casa terrea...........
98- dem idem...........
i. Sitio ns estrada de
Parnamerim..........
2. dem idem............
4. Sitio da Mirueira.....
5. Sitio do Foroo da Cal.
As arrematacoes aero taitas pelo tampp que
decorror do dia da arremataco at o Um de ju-
nho de 1864.
E para constar ae mandou affizar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria' provincial de Per-
nambueo, 2 de setembro de 1861.
O secretario,
Antonio Ferreira da Aonunciaco.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimento da ordem do Exm.
I Sr. presidente da provincia de 31 de agosto ulti-
| mo, manda conridar as pessoas que quizerem
'contratar a construego das ponlesnos lugares
J indicados na nota abaixo copiada, a apreseota-
' rem na mesma theaouraria
,-----na mesma thesouraria as suas propostas,
barril, avahada por 2*000; 2 meias caixas con sendo os mesmos contratoseffeduados sobas se-
sabao, araliadas por4$6O0; armagao com os seus guiles eoodicdes *
perleocea. araliada por 100000 1.aQue a importancis das obras contratadas
Os quaes objectos sao pertencentes a taberna ? correr toda por conta dos contratantes, nao sen-
ua ra da Senzala Velha n. 6 de proprieda- jd0 em caso alguro por ellas responsareis os co-
Cear.
Manoel Antonio Duarte de Azeredo, doutor em
sciencias sociaes e jurdicas pela faculdade de
direito de S. Faulo, presdante da prorincia do
Cear etc,
Atiesto que o bacharel Manoel de Souza Gar-
ca tem serrido com distincco nesta provincia o
cargo de secretario do polica, em cujo exercicio
mereceu sempre por sua iutelligencia, pericia e
honestidade, plana conanga e considerarlo.
Cear, II de julho de 1861.
Manoel Antonio Duarte de Azevedo.
Attesto que o supplicante como particular, co-
mo adrogado e no carcter de empregado desla
repartico sempre se tem portado dignamente ;
gozando at a estima de todos que o commu-
nicam.
Fortaleza, 10 de ferereiro de 1859.
lavares da Silva.
Francisco de Farias Lemos, bacharel formado em
sciencias jurdicas e sociaea pela academia de
Olinda, juiz de direito e chafe de polica da pro-
vincia do Cear ote.
Atiesto, que o Sr. Dr. Manoel de Souza Garca,
durante minha estada nesta prorincia, ha serrido
o seu cargo de secretario de polica com iotelli-
gencia, probidade e telo pouco vulgares; pelo que
tem merecido micha plena confianza e amisade.
Outrosim, que por informacps de pessoas fide-
dignas, me coosla, que as aecusaces, que se lhe
tem feito por um dos joroaes da provincia com o
Um de marear sua conducta moral, bem looge de
serem reridicas teem origem em desafeicoes crea-
das por sua dedicago ao servico publico, e inte-
resse no cumprimento de seus dereres, com o
qual nao transige. E por ser rerdade passo o
presente que afflrmo sob a f de meu emprego.
Cidade da Fortaleza 28 de junho de 1861.
Francisco de Farias Lemos.
(Do Pedro 11).
COMMERCIO.
3678*995
Consalado
Rendimento do dia 1 a
Idem do dia 4 .
provincial
5:397a632
1:237*653
6 6358285
Mo Yimeiito do porto.
Navios entrados no dia 4.
Cear e portos intermedios7 das, rapor nacio-
nal Iguarassu', commanlante Miguel de M.
Vianna.
Rio de Janeiro14 dias, escuna hanoreriana J-
piter, de 188 toneladas, capito C. II. Ramo,
equipagem 7, carga 3,200 quintiea de carne
secca ; a Bastos & Lemos.
Navios sahidos no mesmo dia.
AracalyHiale brasileiro Santa Rita,capito An-
tonio Joaquim Aires, carga varios gneros.
GenovaPatacho italiano ilaria, capito Luiz
Buzano, carga assucar.
LirerpoolBarca ingleza Trinculo, capito F.
Dimond, carga assucar, couros e algodo.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pr
vincial, em cumprimento da ordem do Exm. S;.
presidente da prorincia, manda fazer publico
que se contrata, por tempo de tres mezes, o for-
necimen'lo da alimeotaco e dietas dos presis
pobres da casa de detengo, a saber:
Alimentaco.
Domingo.Almoco.
1 pao de tres oocas.
Urna onga de caf.
Duas ocas de assucar.
Jantar.
Urna libra de carne verde.
Urna onga de toucinho.
Um dcimo de farioha.
Lenha e sal.
Segunda-feira.Almogo.
O mesmo que no domingo.
Jantar.
O mesmo que no domingo.
Terga-feira.Almoco.' j
O mesmo que no domingo.
Jantar.
O mesmo que no domingo.
Quarta-feira.Almogo.
O mesmo que no domingo.
Jantar.
Meia libra de carne secca.
Urna onga de ioueinho.
Meio dcimo de feijo.
Um dcimo de farioha.
Lenha e sal.
Quinta-feira.Almogo.
O mesmo que no domingo.
Jantar.
O mesmo que no domingo.
Sexta-feira.Alm ogo.
O mesmo que no domingo.
Jantar.
Meia libra de bacalho.
Meio dcimo de feijo.
Um dcimo de farinha.
2 oitaras de azeite.
Urna onga de vinagre.
Lenha e sil.
Sabbado.Almogo.
O mesmo que no domingo.
Jantar.
O mesmo que na sexta-feira.
Praca do Recife 4 de
setembro de 1861.
Cotaces da junta de corretores
j\s cuatro horas da tarde.
Sobre
vista.
Cambios
Londres 21 i2 d.
por 1*000 90 d.
Leal SerPresidente.
Frederico Guimaraessecretario.
NOVO BANCO
DE
Pernambueo.
IM 3 DE SETEMBRO DE 1861.
O banco descont na presente semana a 9 %
t o prazo de 4 mezes e a 11 /, at o de 6 me-
zes, eterna dinheiro em coilas correales simples
ou com juros pelo premio e prazo que ae conren-
tionar.
at ea " o. S' 0 Horas.
c B e c -z B en vt w w en Dirtccao. n a H o es Ce 98
5 e co u o V 03 1 ai Intensidad. 1 ** C P3
.-' oo oo 5 1 t Fa/irnii. 1 H = 0 m o m es 2 o O S ce B S E ^
& 3 oo c* 3 lo * Hk 1 Centgrado. a w r* o
en os 3 JE Hygrometro. #
o o e o Cisterna hydr mtrica. -
.2? "en i tu Francez. O s 5 o
(a o en * *- nglei.
Dietas para os doentes.
N. 1.
Almoco.Um quarlo de gallinha para tres cal-
dos no dia.
Lenha e sal.
de de Jos da Silva Santos, e a este penhoridos
por execugo que lhe encamioha Francisco Al-'
res Menteiro Jnior ; prefazem todos a quantia
de 2>9$<>60 rs., e na falta de licitantes sero ar
rematados com o abalmento da lei pelo prego da
adjudicago.
E para que chegue a noticia a quem interessar
posea, maodei passar editaes que sero affixados
nos lugares* do cestume e publicados pela im-
prensa.
Dado e paseado ntsta cidade do Recife de Per-
nambueo, aos 24 dias do mez de agosto de 1861,
quadragessimo da independencia e do imperio do
Brasil.
Eu Manoel de Garralho Paes de Andrade, es-
criro subscreri.
Francisco Domingues da Silva.
O Dr. Francisco de Assis Pereira Roeha, Juiz de
direito especial do commercio dests cidade do
Recife e seu termo, capital da provincia de Per-
nambueo. por Sua Magostarte Imperial e Cons-
titucional o Sr. D. Pedro II, que Deus guar-
de, ete.
Fago saber pelo presente que, no dio 5 de se-
tembro do corrente anno, se ho de arrematar
por renda quem mais der, na sala dos audito-
rios, as diridas activa? penhoradas Jos Rama-
Iho de Souza por execugo, que lhe encaminha
Antonio Pernsndes de Castro, as quaes, prefa-
zendo a quantia de 5600260 rs., foram araliadas
em 200^000 rs. : e na falta de licitantes, sero
arrematadas pelo prego da adjudicago com o
respectiro abalmento da lei.
E para que chegue a noticia i quem conver,
mandei passar editaes que sero afiliados nos lu-
gares do costume, e publicados pela imprensa.
Dado e passado nesta cidaie do Recife, capital
da prorincia de Pernambueo, aos rete dias do
mez de agosto de ls61, quadragesmo da inde-
pendencia e do imperio do Brasil. Eu Manoel
de Carralho Paes de Andrade, escriro, o sub-
screri. '
Franoisco Domingues da Silva.
O Dr. Francisco Domingues da Silra, juiz de di-
reito da segueta rara criminal e interino do do
especial doVImmercio desta cidade do Recife
de Pernambueo por S. M. I. e C, etc. |
Faee saber aos que o presente elital rirem e
delle noticia tirerem, que no dia 5 de setembro
do corrente anno se ha de arrematar por renda
a quem mais der em praga publica deste juizo, na
sala dos auditorios, os bens seguintes :
Tres aderegos, sendo um dellescomprido. ara-
liado por 170$; 16 meios ditos por 540$ ; 13
pulceiras por 4000; 6 botoes para colete por 120 :
21 alflneles de pei'.o para senhora por 2200/ 52
pares de rosetas por 3500; 12 pares de botoes
para homem por 93$ ; 2 cassoletas em caixa por
160 ; 3 alneles para cabera por 240; 1 par de
botoes para abertura por 40; 4 pulceiras em cai-
xa por 600; 3 meios aderegos, sem caixa por
240 ; 14 trancelins por 3800; 1 relogio de prata
dourada por 120; 49 pares de rosetas sem caixa
fres proocaes
2.aQue o goreroo garantir a percepgo do
pedagio pelo tempo e forma que contratar, com
tanto que os contribuales do pedagio nao pa-
I guem em cada barreira mais do duplo do que se
| arrecada as existentes como receita da pro-
I Tncia.
j 3.aO numero de sanos para a percepgo do
, pedagio ser regulado em attenco frequeocia
, do transito que possa harer, a importancia e
jdifficuldade da obra.
i 4.aQue as pontee sero construidas segundo
as condiges, planos e orgamentos apresenlados
pela directora das obras publicas,
l 5.aQue era quanto nao Andar o prazo para a
percepgo do pedagio o emprezario aera obriga-
do a conservar a obra em perfeito estado, aob
pena de serem os reparos necessarios feitos por
ordem do governo cusa do mesmo eanpreza-
rio, que alm disto pagar urna mulla corres-
pondente decima parte das despezas que com
isso se fizerem.
6 *Que as obras sero inspeccionadas peios
agentes do governo, nao s quanto sua cous-
truego, como no que diz respeito aos Irabalhos
de conserrago.
7.a-.Que qualquer das obras, embora erapre-
hendida por particulares, ser considerada de
ulilidade publica para que possam ter lugar as
desappropriagoes de que porrentura dependa a
sua realisago, e por isso gozar dos mesmos pri-
vilegios, que as demais obras da provincia.
8 aQue os contratos assim feitos fkaro su-
jeitos approrrgo da asseinbla provincial, com
excepgo nicamente daquelles que morarem so-
bre obras de um valor equivalente a tres contos
de ris, ou em que se estipular pedagio que nao
exceda de um anno. os quaes produziro desde
logo os seus effetos.
Relagao dos lugares onde devem ser construidas
as ponles.
1.S. Joo na estrada do Pao d'Alho, sobre o
rio Capibaribe.
A noite nublada e de aguaceiros, rento do qua-
draote do SE e rariarel deiotensidade.
OSCIL1CA5 Da har.
Preamar as 1 h. 30*da tarde, altura7,2 p.
Baixamar as 10 h 18" da manba, altura 0,7 n.
Obserratorio do arsenal de marinbs. 4 de
selembro de 1661.
BOKAHO STEPPLE,
1* tenente.
Editaes.
.endlmeoto do dial a 3
Idesi do dis 4 .
Movlsmealo da alfa
?olnnes entrados com fatoadas..
tora geros
36:3820708
85B14J34
72:i9Ma
O Dr. Joo Francisco Teixeira, juit municipal
supplente em exercicio da 2.* rara de termo
do cidade do Recite etc.
Fago sabor que pelo Dr. Hermogens Scrates
Tarares de Vaacaooellas, joiz do direito interi-
no da primeira rara criminal da comarca, me foi
communicado harer designado o dia 20 do cor-
rete polas 10 horas da raanhta, pare abrir o 4.*
sestee do jury, qe trabalhar em dias cooseco-
tros, lendo procedido tarloio dos t jarados que
tem de sarrir na otesma sesso, m cooforsnida-
de do srt. 326 do rogulamento a. 19 de 31 de Ja-
neiro de 1842, torosa sorteados e designados os
cidados seguintes:
N. 2.
Almogo.Um pao de tres ongas na sopa de cal-
de gallinha.
Lenha e sal.
Jantar.Um quarto de gallinha cozlda.
Duas ongss de arroz para canje.
Lenha, sol e vinagre.
N. 3.
Almogo.O mesmo da dieta n. 2.
Jantar. O mesmo da dieta n. 2, e mais:
Um quarto de gallinha assads.
Um pao de tres ongas.
Lenha e sal.
N. 4.
Almogo.Duas oitaras de cha da India.
Um pao de tres ongas.
Duas ongas de assucar.
Lenha.
Jantar. Urna libra de carne rerde.
Um dcimo de farinha.
Lenha e sal.
N. T"
Almogo.O mesmo da dieta o. 4.
Jantar. Urna libra de carne assads.
Quatro ongas de arroz.
Um pao de tres ongas.
Lenha e sal.
As pessoas que quizerem contratar dito forne-
cimeoto apresenlem as suas propostas em carta
fechada no dia 12 da setembro prximo vindou
ro, na mesma thesouraria, ao meio dia, aonde
encontraro as condiges com que dte ser ef-
fectuado o mesmo contrato.
E para eonstar ae mandou afuxar o presente e
publicar pelo Otario.
Secretaria da thesouraria provincial ds Per-
nambueo, 26 de agosto de 1861.
> O secretario, i. F. d'Annunciacao.
O I rail. Sr. inspector da thesouraria prorincial,
esa cumprimento da ordem do Exm. Se. presidan-
te da prorincia de 26 do corrale, manda fazer
publico que no dia 19 de setembro protimo fu-
turo, perante a junta da fazenda da mesma tne
eonraria, se hade arrematar, a quem por meaos
Qzer, os toparos de que precisa o edificio, em
que funeciona o collegio dos orphos do Santa
Thereza em Olinda, araliados em 1:8450.
A arremataco ser feita na forma da lei pro-
rincial n. 348 de 15 de maio de 1654, e sobre as
clausulas especiaes sbaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esss arresaa-
tago comparegam na sala das sessdes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio da,
competentemente habilitadas.
E para constar se soanea afflxar o presente e
publicar pelo Diario. 0
Secretaria da thesouraria prorioclal de Per-
oambuco, 27 de agosto de 1861.
O secretarlo,
Antonio F. d'Annunciago.
por 1560; 1 alfinete com pedra rOxa por 400;, A. F. d'Annunciago,
1 pequeo meio aderego por 120 ; 3 alfinetes para
homem por 10} ; 1 dito para criaoga por 2/; 6
pares de botoes para homem por 30$; 15 pares
de rosetas por 500; 61 botoes de abertura por
91$; 52 aoneis por 1500; 14 cruzes por 300 ; 1
dedal de ouro por 40; 2 ditos de prata por 20 ;
2.Tiuba na villa de Pao d'Alho, sobre o rio
Capibaribe.
3.Capuoga, sobre o rio Capibaribe,
4.Motocolomb, estrada do sol, sobre o rio li
I Jipj.
5.Engenho Trapiche, na estrada do Cabo, so
bre o rio Pirapama.
6.Trapiche lpojuca, sobre o riolpojuca.
7.Porto de Pedra, sobre o rio Serinhaem.
l 8.Duas Barras, sobre o rio Serinhaem.
9.Villa de Barreiros, sobre o rio Una.
10.Engenho Jundi, sobre o rio Una.
11.Escoda, sobre o rio lpojuca.
12.Amarigi, sobre o rio Amarigi.
13.Ginipapo, sobre o rio Sibir.
As propostas sero racebidas at o dia 30 de
outubro do correte anno.
E para constar, se mandou affixar o presente,
e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambueo, 3 de setembro de 18610 secretario,
partidores em cada termo desta prorincia, ae
cumulando um as funeges de contador e outr'o
as de partidor, achara em concurso os de termo
de Villa Belta, adra de que os pretendentes so
hebililem o apresenlem os seus requerimentos
instruidos de conformidade com o decreto a
817 de 30 de agosto de 1851, e ariao n. 232 do
30dedezembrodel854, no prazo de 60 dias coa-
tados dests data.
Antoaio Leite de Pinbo.
O Illm. Sr. inspector da tbesoursri, ept
cumprimento da orden do Exm. Sr. presidenta
da prorincia de 26 do correnta, manda faier pu-
blico, que no dia 28 de norembro do corrente au-
no, perante a junta de fazenda da mesma thesou-
raria, se ha de arrematar, a quem por menos R-
zer, a obra do calgamento da ra do Imperador,
campo das Princezas e Praga de Pedro II, pelo
systema do paralelipipedos, araliada em 212:9058
A arremataco aera feita na forma da lei pro-
rincial n. 343 de 15 de malo de 1854, e sob ao
clausulas especiaes sbaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a easa arrema-
taco comparegam na aala das sessdes da referi-
da junta, no dia cima mencionada, pele meiv
dia e competentemente habilitadas.
E para constar se mandou aflhar o presente
publicar pelo Diario.
Secretaria da theaouraria prorincial de Per-
nambueo, 27 de agosto de 1861.
O secretario,
Antonio F. d'Annunciago.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
1." A obra ser priocipiada em dous mezes ar
contar da data da arremataco e concluida oo>
prazo de dez mezes.
2.a Oanemrtante ser obrigado a atleoderas
observagdes concerneotes boa execugo da>
obra, feitas pelo engeoheiro eocarregado da sua>
Qscalisago.
3.a O pagamento ser dividid} em quatro pret-
agoes iguaes, correspopdeodo cada urna a urna
uarto do ralor da obra constante do orgamentos.
e eflectuado com as qukolias que forem votadas
anouslmenle para esse lim, com o imposto do
proprieiarios, e com as sobraa da receita, nos
termos do 2o o art. 41 da lei do orgamenl
vigente.
4 Para se proceder ao pagamento ser a obra
araliada em bragas qiiadradas, Bcando o arre-
matante sujeito pelo prego do orgamenloao aug-
mento da mesma ae 6 governo assim o eutender.
5.a O arrematante ser obrigado a seguir res-
trictamente as disposiges conlida no art. 36 do
lei n. 286, e nos mais artigos da mesma lei, qua
regula as arremalagesj
6.a A pedra deve ser'de granito ou outra po-
dra de muitu boa qualidade e igualmente dura.
7.a As pedraa sero absentadas sobre urna ca-
rnada de argamassa de al e areia. posta sobre r>
terreno bem socado, e depois de arrematadas se-
ro pisadas com um msgo pesado.
8.a O arrematante ser ebrigade a botar urna
carnada de argamassa liquida por cima das mes-
mas pe-Iras, para lhes encher os intersticio.
9.a O prego aqu mencionado dever incluir
qualquer aterro, que seja preciso fazer para le-
vantar o nivel das ras.
10.a Nao ser altenJi la reclamagio algum*
por parte do arrematante, tendente a exigencia
de indemnisago, seja qual for a causa que ale-
gaem para tal Qm.
Conforme.O secretario, Antonio F. d'Annun-
ciago.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial em observancia da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia de 31 de agosto ultimo,
manda fazer publico que no dia 26 do crrenle,
perante a junta da fazenda da mesma thesoura-
ria se hade arrematar a quem por menos fizer
pintura do raio do norle da casa de delengo o
de diversas grades de ferro do mencionado edifi-
cio, araliado em 2.0150200.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro-
vincial u. 313 de 15 de maio de 1854, e sob as-
clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arrema-
tagao comparegam na sala das sesses da referi-
da junta, no dia cima declarado pelo meiu dia o
competentemente habilitadas.
E para constar ae mandou afTuar o presente o
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria prorincial de Per-
nambueo 2 de selembro de 1861.O secceUrio,
Antonio Ferreira d'Annunciago.
Clausulas"especiaes para a arrematagao.
Art. 1. A obra principiar 8 dias depois Ja
arrematagao e terminar no prazo de um mez.
Art, 2. A pintura ser feita de modo que ti-
quem as cores por igual e lirre-de manchas.
Art. 3. O arrematante ser obrigado s seguir
as instruegoes do engenheiro encarregado da
obra.
Art. 4. O pagamento sor feito em urna s
prestago logo que a obra se ache concluida, pre-
cedeodo todava um allestsdo do engenheiro no
qual declare estar a obra execuiaJa conve-
nientemente.
Art. 5. Nao ser atlendida reclamagio algurna
e em qualquer tempo por parte do arrematante,
tendente a exigencia de iademnisago, seja qual
for a causa que para tal fim allegue.
ConformeO secretaria,
A. F. 'd'Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia, manda fazer publico qua
no dia 19 do corrente, perante a junta da fazen-
da da mesma thesouraria se ha de arrematar a
quem mais der um piano de Jacaranda perten-
cente ao collegio das orphaas desta cidade.
1 m pretendentes podem examina-lo no mesmo
collegio.
E para constar se rcanlou affixar o presente a
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria prorincial de Por-
ambu co 2 de selembro de 1861. O secretario
A. F. d'Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria por-
vincial manda fazer publico para conhecimento
dos interessados o artigo 48 da lei prorincial n.
510 de 18 de junho do corrento anno.
Art. 48. E' permittido pagar-se a meia siza
dos escraros comprados em qualquer tempo an-
Deelara^oes.
4 sinetos para relogio por 16$; 1 canela de ouro : tenor a data da presente lei independente de
por 100 ; 2 ligas de coral por 100; 29 chaves revalidago e multa, urna vez que os devedores
por 60$ ; 12 cassoletas por 7O0._ ( actuaes deste imposto, o fagam dentro do exerci-
Os quaes foram penhorados Elias Leo Ploeg
por execugo que lho movem Norat Si Irmos. E
nao havendo langadorque cubra o prego da ava-
liago, a arrematagao ser feita pelo prego da ad-
judicago com o abatimenio da lei.
O presente ser publicado pelos jornaes e affi-
xados nos lugares do costume.
Recite 21 de agosto de 1851.Eu Manoel Mara
Rodrigues do Kascimento, escrlro o subscrevi.
Francisco Domingues da Silva.
Illm. Sr. inspector da thesonraria provin-
cial, em cumprimento da resologo da junta da
da fazenda, manda fazer publico, que do
dia 19 de setembro prximo vindoare, ra nova-
mente praga, para ser arrematado a quem mais
der a renda das casas pertenceates ao patrimonio
dos orphos, abaixo meocionadas.
Ra do Sebo.
Ns.
12 Casa torrea 1600000 por anno.
Ra da Lapa.
41 Casa terree .... 1820000 por anno.
Ra da Cacimba.
65 Casa terree .... 3000030 por anno.
Ra dos Burgos.
88 Casa terrea .... 2050000 por anno.
Rus da Guia.
83 Casa terrea .... 162g000 por anno.
Ra do Pilar.
96 Casa terrea. 1570800 por anno.
Os pretendentes podem examinar ditas casas,
que se acham vasias, e as chaves depositadas
nesta thesouraria, para serem franqueadas a quem
as pretender arrematar.
As arrematacoes sero feitas pelo tempo que
docorrer do da da arrematagao at o fim de ju
bode 1864.
E para constar se mandou affixar o presente e
publicar pelo Diaria.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo 2 de setembro de 1801.O secretario, An-
tonio F. d'Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria prorin-
cial, em cumprimento da resoluge da junta de
fazenda, manda fazer publico, que no dia 3 de
outubro prximo rindouro, ra noramente i pra-
ga para ser arrematado a quem ssaior prego offe-
recer, o reodimeote dos impostes da quatro e
olto por cento, creados pelos 16 e 17 do art.
40 da lei prorincial numero 510, nos municipios
sogutolos :
Bonito.
1 Garanhuns.
Plores,
ci de 1861 a 1862, os que nao o fizerem icaro
sujeitos a revalidago e multa em dobro, sendo
um tergo para o denunciante. A thesouraria
far annunciar por edital nos primeiros 10 dias
de cada mez a presente disposgo.
E para constar se mandou affixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambueo 8 de julho de 1861.O secretario,
A. F. d'Aununciage.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em virtude da ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, de 31 de agosto prximo fio-
do, manda fazer publico, que no dia 26 do cor-
rente, perante a junta da fazenla da mesma the-
souraria se ha de arrematar, a quem por menos
fizer, os concerlos de que precisa a cadeia da villa
do Cabo, avaliados em 8080300.
A arrematagao ser feita na forma da lei pro-
rincial n. 343 de 15 de maio de 1851, e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arrema-
tagao comparegam na sala das sesses da men-
cionada junta no dia cima indicado, ao meio dia
e competentemente habilitadas.
E para constar se mandou affixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria prorincial de Per-
nambueo 2 de setembro de 1861. O secretario,
Antoaio Ferreira d'Annunciago.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
1.a A obra dos reparos e seguranca da cadeia
da villa do Cabo, principiar quinze dias depois
da arrematagao, e concluir-se-ha no prazo de
dous metas.
2.a O arrematante cumprir todas as prescrip-
goes do engenheiro, tendentes a boa execugo da
obra, e bem assim ao disposlo a tal respeito na
lei provincial n. 286.
3*0 pagamento sor feito depois de estsr
concluido toda a obra de conformidade cosa o or-
osseoto.
4.a Ne ser atlendida reclamaco alguma, o
em quaVsjaar tempo por parto do arrematante,
tendente a exigencia de indemnisago, seje qual
fr a causa qua allegue para, tal fim.Conforme.
A. F. d'Annuaeiaco.
EDITAL.
2.a aecgo.Secretaria do governo de Per-
nambueo em 31 de agosto de 1861.
Pola secretaria do governo so fas publico, pa-
ra conhecimento de quem conver que. toado a
assemules Legislativa provincial, por lei. n. 504
de 29 de maio ultimo, creada dous oficios, de
Pela contadura da cmara municipal do
Recife se faz publico, que no ultimo de setem-
bro prximo futuro fio Ja-se o prazo marcado pa-
ra pagamento do imposto de estabelecimento com
a mulla de tres por cento ; e todos aquellesque
deixarem de pagar ficam sujeitos a mulla do du-
plo do valor do mesmo imposto.
Cmara municipal do Recife 27 de agosto da
1861.O contador,
Joaquim Tavares Rodovalho.
Santa casa de misericordia do
Recife.
A Illms, junta administrativa da irmandade da
santa casa de misericordia do Recife manda fazer
publico, que no dia 5 do prximo futuro mes do
setembro, pelas 4 horas da tarde, na sala de suas
sessdes, iro praga para serem arrematadas a
quem mais der as rendas das casas ns. 4 da ra
de SantaTbereza, e 30 da ra da Calgada. pelo
tempo que decorrer do da da arrematagao a 30>
de junho de 1863. Oa pretendentes devem coas-
parecer no dia a hora apresados acompanhados da
seus fiadores, oa munidos de cartas desles.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia d>
Recife 30 de agosto de 1861.
F. A. Civalcanti Cousseiro,
Escrivo.
Pela secretaria da cmara municipal do Re-
cife se faz publico, que continuara em praga na
da 9 do carrete os seguintes impostos tnunici-
paes que deixaram de ser arrematados.
Imposto de 500 rs. por cabega de gado
dem de mscales e boceleiras.....
dem por 80 rs. por carga de farinha
dem de 40 rs. por ps de coqueiros
Secretaria da cmara municipal do Recifo 3 da
setembro de 1861.O offieial-maior, sorrindo d
secretario. Francisco Canuto da Boariagem.,
Teodo de conlcaiar-se. em virlude de or-
dem superior, e servico de lavagem do roupa do-
uso deste hospital, sob a coodicio de ser apo-
sentada proapta dentro de, um prazo fixo, que
nao exceder a 10 dias cada remeasa de roupa, o
Ranga idnea que so respoosabilise pelo cumpri-
mento do contrate o extravos de roupa, se hou-
ver; rosada o tiles. o>, divoetor leiermo convidar
aos interessados i apresen tarem suas proposito
em cartas fechadas no dia 9 do correte.
HospitaA.militar do Pernambueo 3 de setembro
de 18640 oseririo,
Joaorcoliao Aires da Fonseea.
Pela subdelegada] de polica da Capunga
faz-se publico, que se acha recolbido i cass da
deteogo um preto, que dis cbamar-se Antonio,
e pertancer ao capito Barbosa : quena se julgar
com amito ao oaesmo oseravo oorapareca aosu
evbderegacia, que provsndo o eu dominio lho
ser entregue,
Subdetejacia de polica da Capunga, 2 de se-
tembro de 1861. O subdelegada
Manoel Gentil <} (jaiu Aires.
16:5300.
203J.
1.-7O20.
4340020.


D11EI0 DI PI&1U1MOCO. QUINTA. IRA 5 DE 11SMBRO DE
1841,
Consolado provincial. *
Pela mesa do consulado provincial se faz pu-
blico aos devedores de impoatos de dcima ur-
bana, de 4e 18 por ceoto oir, diversos estaba-
lecimentos, de 50$ cobre casa* de moda*, perfu-
maras, e chapeos estrangeiros, e finalmente o
imposto sobre carros, carrocas, mnibus, e ve-
hculos perteocentes ao anno Ilnauceiro findo de
1860 a 1861, que no ultimo de selerabro correa-
te finda-se o prazo para o pagamento de seus
dbitos, licando sujeitos os que nao pagarem, a
serem remettidos para o juizo dos teitos da fa-
xenda.
Mesa do consulado provincial de Peroambuco,
2 do setembro de 1861,-Theodoro Machado Frei-
r Pereira da Sjlva.
O lanzador da recebedoria de rendas inter-
nas geraes, tendo de dar coraeco no da 3 do
correle, o lancaraenio dos dilerentes Lmpostos
do bairro de Santo Antouio, pelo presente, avisa
aos donos, gerentes, ou procuradores de eslabe-
lacimcntos que lenham proraptos para serem a-
presentados no acto da collecta, os recibos, pa-
pis de tratos, ou escrituras de arrendamentos,
Tara em vista de taes documentos ser feito o
processo do lancamento ; principiando pela ra
do Imperador, caes de S. Francisco, dito de
22 de Novembro, praca de Pedro II, e ra do
Crespo.
Recebedoria de Pernambuco, 2 de setembro
de 1861.
O Uoc.ador
Jos Jernimo de Souza Limoeiro.
O lm. Sr. inspector da thesourana pro-
vincial manda fazer publico, que do da 3 do
crrente, por diante, pigam-se os ordenados dos
empregados proviociaes, vencidos ao mez dea-
gosto prximo lindo.
Secretaria da thesourana provincial de Per-
nambuco, 2 de setembro de 1861.
O secretario
Antonio Ferreira da Annunciaqao.
Cousclko administrativo.
O conselho administrativo para fornecimento
do arsenal de guerra tem de comprar os objectos
seguinlea :
10 batalho de infanlaria.
1500 covados de panno verde.
250 1/4 covados de panno preto.
24 3/16 covados de casemira encarnada.
145 varas de cordo preto de retroz.
1440 varas de cordo preto de la.
3102 1/2 varas de brim branco.
2502 1/2 varas de algodozinho.
54 varas de galo de prata de urna pollegada de
largura.
40 1/2 varas de galo de prata de rais polle-
gada de largura.
5040 botoes grandes de metal broozeado de
n. 10.
2320 botoes pequeos de metal broozeado de
D. 10.
12 varas de tranca de la conforme o figurino.
378 botoes grandes de metal prateadoden. 10.
162 botos pequeos de metal prateado de
o. 10.
69 grosas, 6 duzas e 2 botoes pretos de osso.
360 pares de clcheles pretos.
360 bonets.
27 bonets para msicos.
27 pares de platinas para msicos.
1001 esteiras.
4o batalho de artilharia.
1940 covados de panno azul.
271 1/2 covados de panno preto.
3682 1/2 varas de brim branco.
2712 1/2 varas de algodozinho.
15 varas de tranca de la confoime o figurino.
54 varas de galo de prata de urna pollegada
de largura.
40 1/2 varis de galo de prata de meia polle-
gada de largura.
5149 botoes grandes de metal amsrello n. 4.
1823 botoes pequeos de metal amarello o. 4.
378 botoes grandes de metal prateado o. 4.
162 botoes pequeos de metal prateado n. 4.
98 grosas, 6 duzas e 2 botoes pretos de osso.
388 pares de colchetes pretos.
368 binis.
27 bonets para msicos.
27 pares do platinas para msicos.
1085 esteiras.
Companhia de artfices.
440 covados de panno azul.
61 covados de panno preto.
16 1/2 covados de cssemira eucarnada.
610 varas de algodozinho.
830 varas de brim branco.
744 botoes grandes de metal amarello o. 3.
60 botoes pequeos de meUl amarello n. 3.
21 grosas e 10 duzias de botoes pretos de osso.
88 pares de colchetes pretos.
88 pares de platinas conforme o figurino.
244 esteiras.
83 bcoets.
8 batalho de infanlaria.
54 varas de galo de prata de urna pollegada
de largura.
40 1/2 varas de galo de prata de meia polle-
gada oe lirgura.
135 varas de cordo preto de retroz.
378 botoes grandes de metal prateado o. 8.
162 botoes pequeos de metal prateado o. 8.
9o batalho de infanlaria.
14 1/4 covados de casemira eocarnada.
Quem-quizer vender taes objectos aprsente as
suas propostas em carta fechada, na secretaria do
conselho, s 10 hroas da maoha do dia 9 de se-
tembro prximo viodouro.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 30 de
agotto de 1861.
Benlo Jos Lamenha Lint,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario inleriao.
Vice consolato.
Di S. M. II R Vittorio Erna-
nuele II. in Pernambuco.
Esseudo si aperto in Italia unasoscrizione per
innalzare un monumento all' insigne Uomo di
Ststo, e grande Patriota, l'universalmente com-
piauto Cont di Cavour, e volendosi con quel
monumento allestare ai posteri la ric onocenza
berta ed Independera, della noslra penisola,
alia quale tanto contribu col vasto suo intelleto
coll' acuBe del auo perspicace iogegno, coll' in-
tensit dell' incredibile sua attivit, e coll' ope-
rozita del suo gran cuore. II vice consol resi-
-denle in questa cilla, ad instauza dell' III Sig.
Consol Genrale diS. M. in Rio di Janeiro in-
vita lulti. i sudditi Italiani, qui residenti, a con-
correre fine si realizzi queslo alto di grande
reconoscenza. _
Per la realisszione delle soscrizioni, di quelli,
che generosamente vogliano concorrere colla loro
olTert per queato invito, lo possono fare al Vice
Consolato Italiano, Ra do Trapiehe n. 15 sino
al iorno 15 del mese di setiembre prossimo.
rernambuuco 22. Agoslo 1861.
II Vice Consol
^los Ttixeira Bastos.
IGNEZ BEHMl).
PERSONAGBNS.
Ernesto, gro-duque de Bi-
'" ........................ Nunes.
Alberto, seu filho.............. Vicente.
Eberard. conde de Palacio..... Valle.
Fursteufeld, enviado do duque
de Wurleqaberg.............. Raymundo.
Berthold, pescador............. Teixeira.
Walter, [offlcial............*.... Leite.
Um pregoeiro.....,............ Oliveira.
Um hornero do povo........... Campos.
Isabel, filha do duque de Wur-
, t*mberg...................... D. Carmela.
Ignez Bernau, aldea doa su-
burbios de Straubiog........ D. Manoela.
Hedwges, sua mi............ D. Isabel.
Clotilde, aia de Isabel.......... D.Anna Chaves
Dous menioos fllhos de Alberto e de Ignez.
Horneas o mulhers do povo, fldalgos, etc.
A. aeco passa-se o primeiro acto nos arra-
baldes de Straubiog e os oulros no palacio do
duque de Baviera
Domingo 8 do corrente.
2a RECITA.
Subir scena a excellente e multo applaudido
drama em cinco actos,
PEDRO L.4NDAIS
ou
0 UFAIATE MINISTRO.
Toma parle toda a companhia.
Terminar o espectculo com a eomedia-lyrica
em um acto,
O BEIJO.
Comecar s 8 horas.
Os bilhetes vendem-se para as duas recitas.
aysos martimos.
W.W
Vende-se a escuna portugueza Emilia, de lote
de 108 toneladas purtuguezas, bem construida,
forrada e encavilhada de cobre, muito veleira e
preparada a navegar para qualquer parte, lendo
sido empregada desde que sabio do estaleiro a
conduzir fructas de Lisboa para a Inglaterra:
quem a pretender pode examina-la no ancora-
dourodeste porto aonde seacba fundeada. e pa-
ra tratar no escriptorio de Azevedo & Mendes,
ra da Cruz n. 1.
liunu.
O palhabote nacional Dous Amigos, capito
Francisco Jos de Araujo. segu para a Baha em
poucos dias ; para o resto da cerga que lhe falta,
trata-se com seu consignatario Francisco L. O.
Azevedo, na ra da Madre de Oeos n. 12.
Aracaty.
Segu oestes dias o hiale Vdela; para o
resto da carga trala-se com Caetano Cjriaco da
C. M. <& Irmo, no lado do Corpo Santo n. 23.
Para Lisboa segu com a maior brevidade
o brigue portuguez Relmpago : quem no mea-
mo quizer carregar ou ir de passagem, para o
que offerece os melhores commodos, trate com
Thomaz de Aquino Fonseca, na ra do Vigario
n. 19, ou com o capito na praca do commercio
Leiloes.
LEILO
DE
Queijos flamengos
Quinta-feira 5 do correte.
Brander a Brandis 4 C, faro leilo por in-
tervengan do agente Pinto, de 20 caixas com
queijos flsmengos, recntenteme chegados, as 11
horas em ponto do dia cima mencionado no
armazem do Sr. Aones em frente a alfandega.
LEILAO
COMPINBIA PERNAMBl'CAIU
DE
Navegado cosleira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, M-
cau do Asu', Aracaty, Ceara',
Acaracu'e Granja.
O vapor Jaguaribe, commaodante Lobato,
sahir para os portos do norte no dia 6 de se-
tembro as 4 horas da larde.
Recebe carga at o dia 5 ao meio dia. Encom-
mendas, passageiros e diuheiro a frete at o dia
da sahida as 2 horas : escriptorio no Forte do
Mallos n. 1.
Para o Rio de Ja-
neiro
Pretende seguir com muita brevidade o brigue
escuna Joven Arthur, para o resto da carga que
lhe falla trata-se com os seus consignatarios
Azevedo a Mendes, no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
Para o Aracaty
o hiale Santa Rita, para carga trata-se
Martios & Irmo ou com o meslre
Alves.
com
Antonio Jos
Babia.
Segu a sumaca Horteftcia, capito Belchioi
Maciel Araujo ; para o resto da carga que lhe
hita e passageiros, trata-se com Azevedo & Men-
des, ra da Cruz n. 1.
as 11 horas.
Sexta-feira 6 do corrente.
O agente Antunes farl leilo no dia cima
designado no seu armazem na ra do Impera-
dor, de urna casa de laipa arruioada situada na
ra da Esperance, na Soledade, tendo a referida
casa 30 palmos de frente e 120 a 130 de fundo,
com urna excellente cacimba de pedra e cal de
muito boa agaa, sendo a referida casa de chaos
proprios e tendo um oilo de lijlo dobrado e
um alicerce na parte de detraz e mais 3,000 li-
jlos pouco mais ou menos pertencentes a refe-
rida casa.
Attenco.
Grande leilade mercadu-
ras americanas.
Terja-feira 10 de setembro.
RUADA CRUZ N. 15.
O agente Antunes fara' leilo no dia
cima de urna immensidade de objec-
tos americanos como sejam: secreta-
rias, carteiras, cadeiras de diversos
gostos e de balance, marquezas, riqu-
simas camas de rica obra de tal ha, ma-
las, balan e saceos de viagem, obras de
metal principe prateado, sendo appa-
reinos para cha' e caf, galheteiros,
copos, campainhas, cestas para fructas
e Iruteiras, porta licores etc., etc., lin-
dos jarros com bachs etc., de folha,
bataneas, limpadores de ps, cestas com
o necessario para viagem, ricos estojos
para barba, cabecadas com brides, ga-
marras, chicotes, selins e silhes, can-
dieiros para gaz e azeite, caixinhas de
msica, caixas com ferramenta, sabo-
netes, transparentes para janella, re-
logiosde parede e muitos outros arti-
gos que se torna enfadonho de mencio-
nar, arados, grades, carros de mao e
carretas, carrocas, machinas para cor-
tar capim, ditas para descarocar.milho,
rebolos e dous carros elegantes e leves
com arreos para um e dous cavallos.
LEILAO
DE
OIAS.
HOJE
O agente Piulo far leilo porxpnta e risco de
quem pertencer e sem reserva 9 prego, de 50
caixas com ceblas ltimamente desembarcadas
as 10 horas em ponto, no armazem do Sr. Au-
nes, em frente da alfandega.
Cao do agente 01iveira.de grande porco defer-
ragens e miudezas proprias deste mercado, e
que serio vendidas sem reserva de precos para
liquidaSao de certas facturaa : V
Quinta-feira 5
do corrente, s 10 horas ds manha, no aeu ar-
mazem ra da Cruz do Recite. *
visos diversos.
*- Fogio segunda-feira 2 do corrente, do so-
brado da ra Direita d. 187, um menino de nome
Lamino, cornos slgnaes seguintes: branco, ma-
gro, cabellos pretos a nazareno, rosto magro e
bastante queimado do sol. em razo de andar
arribado ha vinte tantos dias, tendo sido agarra-
do na segunda-feira (2) ao meio dia. no quartel
do 2 batalho de fuzileiros, as Cinco-Pcntas,
onde eslava vadiando, fugio em camiso sendo
a camisa de homem e bastante cumprida e um
sapato preto de mulher; cosluma andar na es-
dea-nova, ra da Concordia, porto das canoas e
areial do Forte a empinar papagaio : roga-se a
quem o pegar de leva-lo ao convento do Carmo a
Frei Joao da Encarnaco Mello, ou
pographia, que muito se agradecer.
essa ty-
sonirsi
Tendo sido approvado pelo Exm. Sr.
presidente da provincia o plano abaixo
transcripto para a extraccao das lote-
ras o abaixo assignado espera do res-
peitavel publico pernambucano e flu-
minense a concurrencia na compra dos
bilhetes.
A lotera a stima parte da quarta
do Gymnasio Pernambucano cujos bi-
lhetes se acbam a venda na thesouraria
das loterias na ra do Crespo n. 15, pa-
vimento terreo e as casas commissio-
nadas. A extraccao tera' lugar impre-
terivelmente no dia 18 d corrente no
consistorio da igreja de N. S. do Livra-
ment pelas 8 horas da manhaa. Os
premios serao pagos depois da distri-
buicao das listas.
O thesoureiro.
Antonio os Rodrigues de Souza.
PLANO.
6000 bilhetes a 5..............
Beneficio e sello de 20 por cento.
30 0003000
6:000000
Na ra da Aurora n. 10, dirse-
ha quem vende urna escrava moca com
um filho menor, tudo por prec/) com-
modo.
Preclsa-se de orna ama : na ra das Cruzes
n. 24, esquioa da travessa do ouvidor.
INSTITUTO PI E UTTEBARIO-
De conformidade com o g 1. do arl. 41 dos
posaos estatutos, e de ordem do Sr. presidente
interino, convido a todos os senhores socios a
comparecerem a sesso ordinaria da assembla
geral no dia 7 do corrente, s 10 horas da ma-
nha, afim de proceder-se a eleicio dos membros
?ue tem de reger esta sociedade at marco de
861. Antes da assembla geral funecionar o
conselho director em sesso ordinaria.
Secretaria do Instituto Po e Litterario em 3 de
setembro de 1861.
Henrique Uamede,
1.a secretario interino.
OTerece-se um moco portuguez para co-
cheiro de urna casa particular, d boas informa-
edes de sua conducta : quem precisar, dirija-ae
a ra das Cruzes de Santo Antonio n. 39.
Peter Dermody e John Glecois, subditos bri-
tanoicos, retiram-se para Inglaterra.
5!
Lices
de lingua nacional, latim, inglez e francez em ca-
sas particulares, sendo as lices de inglez e fran-
cez leccionadas pelo excellente methodo d'Ollen-
dorff, methodo pelo qual ensina-se hoje difieren-
tes linguas na Europa ; e com efeito o nico
que em pouco tempo pode eosinar a fallar, es-
crever e traduzir urna lingua estranha em pouco
lempo com perfeigo ; na ra da matriz da Boa-
Vista n. 34.
Mrs. Pauline & Chiler, subditos ioglezes,
reliram-se para a Europa.
Pedido.
Pede-se ao Sr. Germano Francisco de Oliveira.
digno emprezario do Santa Isabel, que leve ainda
urna vez scena o muito applaudido drama mili-
taro 29-ou honra e gloria.
Um que mnito aprecia.
Aluga-se urna sala no segundo andar: na
ra Nova n. 23, lojs.
0 Sr. Fran-1

Liquido.
24:0003000
Premio de............ 6:000$
Dito de........ 3:000
D'togto............ l:000j[
lo de...............
1
1
1
1 DitdTlo................ 500
4 Ditos de 200......... 800
8 Ditos de 1008........' 800
20 Ditos de 40........ 800
50 Ditos de 20........ 1 000
106 Ditos de 10......... 1:060
... 9:040g
1808 Ditos de 5.
2000
4000
Premiados.
Brancos.
24:000$00(/
es-
Leilo
COMPANHIA PERNAMBUGANA
UB
THEATRO
DE
Santa Isabel.
EMPREZA-GERMANQ.
Sabbado 7 de Setembro de 1861.
Em.festejo ao glorioso e memora-
vel diada
Independencia do Brasil
Subir* a' scena oscgumte espectculo :
Logo que o Exm. Sr. presidente da provincia
se dignar comparecer na tribuna, a orchestra
ejecutar urna breve introdcelo, depois da qual
abnr-se-ha a scena e perante a efllgie de Sua
agestide o Imperador, a companhia dramtica
cantar o
Hymno da Independencia.
-mS!S,ir""."h* a ?eDrelSo do novo drama
m neo icios eseis quadros origical freacer,
gaco costeira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma-
cao do Astu'. Aracaty, Cea-a'. |
0 vapor Iguarass, commandante Vianna
sahir para os portos do norte de sua escala al
o Cear no dia 21 do corrente mez s 4 horas
da tarde.
Recebe carga al o dia 20 ao meio dia. Eo-
commendas, passageiros e dinheiro a frete at o
dia da sahida as 3 horas: escriptorio no Forte
do Mallos n. 1.
Acarac.
O vapor Iguarass. que tem de aahir para
os portos do norte at o Cear no dia 21 do cor-
rente, locar no Acarac para largar qualquer
porco de carga que para all haja, para o que
se poder tratar no escriptorio da mesma compa-
nhia no Forte do Mallos.
Para liquidaco.
A 19 do corrente.
O agente Oliveira far leilo dos eicravos se-
guintes :
1 negra quitandera, nsco Costa, 38 anuos de
idade.
1 dita crioula, filha da dita, 17 annos de
idade.
1 dita dita da dita 5 annos de idade.
1 dita da dita 14 mezes.
I preto de najo bom cosinheiro c marinheiro 38
annos.
1 dito da Costa 28 annos de idade.
Segunda-feira 9
do corrente, ao meio dia em ponto, no escripto-
rio do referido agente, ra da Cadeia do Recite.
LEILAO
6000 Bilhetes.
N. B. As sortes maiores de 400$
tao sujeitas aos descontos das leis The-
souraria das loterias 2 de setembro de
1861.O thesoureiro, Antonio Jos
Rodrigues de Souza.
Approvo.Palacio do governo de
Pernambuco 2 de setembro de 1861___
Nunes Goncalves.
Conforme. Francisco Lucio de
Castro.
No sitio da Sra. viuva Lasserre na Capunga
precisa-sede um escravo para todo o se i vico:
a tratar no mesmo sitio ou na ra da Cadeia nu-
mero 20.
Madama
cisco de Carvalho Paes
de Andrade, antes de se
retirar para o centro,
queira ir a loja de fa-
zendas n. 23 da ra da
Cadeia do Recife, para
cujofim nao extranho.
Aluga-se o segundo e terceiro andar da
casa da ra do Trapiche n. 44, com bastantes
commodos .- a tratar no armazem da mesma.
Ao Sr. acadmico Francisco Barbosa Cor-
deiro precisa-se fallar ; na ra Nova o. 7.
Pedro Dermody e John Glewis, subditos
britannicos, se retiram para Europa.
Aluga-se um grande e excellente sitio no
principio da estrada dos Aficto, com muitos
arvoredos de fructo, e excellente e commoda ca-
sa de morada : a tratir no mesmo sitio, defronte
do tenente-coronel Barata, ou com o seu pro-
prietario o Sr. Dr. Augusto de Souza Leo.
C. Pauling esua senhora com
retiram-se para Inglaterra.
Aluga-se o terceiro andar da casa da
do Pilar n. 143, a qual tem vista para o mar
muito fresco : a tratar na taberna por baixo.
urna enanca
ra
e
e mademoiselle Morti-
mer e seu neto de 5 annos de idade,
retiram-se para Liverpool.
Amaro Januario Francisco de Paula aviso
ao respeitavel publico que, desde 16 de julho da
corrente anno deixou de ser fiador da casa per-
lencente ao Sr. Joo Muniz de Sania Rosa, em a
qol mora Casimira Francisca das Virgeos, o
que faz publico por nao haver ainda recebido a
carta de flanea que prestou, nao obstante t-la
pedido ao referido proprietsrio.
Precisa-se
de 6OO5OOO a juros por tempo de cinco mezes,
hypothecando-se urna excellente casa, sita em
urna das estaQea da estrada de ferro, que rende
2ftjOOOrs. mensaes de aluguel, ficando esse ren-
dimeuto de juros da quantia pedida: a tratar
na loja de encaderna^ao junto igreja da Con-
gregacao.
9
i
i
i
Obacharel Witruvio po-
de ser procurado na ra
Nova n. 23, sobrado da es-
quina que volta para a
camboa do Carmo.
i
9
i
9
i
i
9

I
i
9
i
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaco costeira a vapor
0 vapor Persinunga, commandante Moara
segu viagem para os portos do sul de ata esca-
la no da 5 de setembro a 4 boraa da tarde. Re-
cebe carga at o dia 4 ao meio dia. Encom-
mendaa, passageiros e dinheiro a frete at o dia
da sabida 1 hora: eacriptorio no Porte do Mat-
toa o. 1.
isboa e Porto,
a barca Flor de S. Simio, vai sabir nestat dias
por j ler quasi prompto o seu carregameato,
recebe ainda alguma carga para os dous portos
passageiros, para os qu.es tem excellentes
commodos : a tratar com Carvalho, Nogueira &
IC, na rus do Vigario n. 8, primeiro andar,
0 agente Hyppolilo da Silva far leilo por
cooa e risco de quem pertencer de 461 saccas
com farioba de mandioca, no armazem do Sr.
Joao Carlos, no Forte do Mallos defronte do tra-
piche baro do Livrameoto, ao meio dia em
ponto.
UIUO.
O agente Hyppolilo da Silva far leilo por
conta e risco de quem pertencer de 100 caixas
com massas, no armazem do Sr. Annes defroute
da alfandega, as 11 horas em ponto.
Conlinuaco do leilo
DE
FAZENDAS
Sexta-feira 6 do corrente.
Antunes continuar a vender a retalho a Ton-
tada do comprador fazendas de todas as quoli-
dades que serao vendidas sem reserva de preco
'8? : em seu armazem na fraa da Imperador
n. 73, as 11 horaa em ponto do referido dia.
LEILO
A 5 do colrente,
Barro & Medeiros faro leilo por interven-
Lourenco de Carvalho a Araujo Filho rou-
dou o nome para Lourengo dedrvalho d'Arau-
jo Cavalcaole.
Precisa-se
comprar dous espelhos novos ou em segunda
mao, mas em bom estado, e que teuham pouco
maij ou menos 5 palmos de comprido e 3 de
largura, e que os vidros nao tenham defeito al-
gum. Tambem se precisa de um lustre para
azeiie com Ires ou quatro luzes, broozeado ou
dourado, e que esteja em bom estado : a tratar
na ra do Amorim n. 17.
zar da SiUeira e sua
bus amigos e parentes,
doso obsequio de as-
dia 7do correle pe-
a se ha de dizer na
pela alma de seu fal-
coronel D. Braz Balthazar
a do finado Sr. con-
Velloso.
Joac Rodrigues Campello, lendo perfeito
conhecimento d'agricultura, est prompto a ser-
vir com administrador d'algum engenho ou aitio,
da uidor sua eonducta : quem precisar do seu
preatimo dirija-se casa do tenente-coronel Vil-
lela, na ra Formosa o. 4.
ltimos dias do gelo.
Excellentes sorvetes : na ra da Impera-
tnz n. 3.
Vende-se
um escravo de 18 annos de idade, de bom com-
portamento : na ra do Queimado n. 11.
Aos cavalleiros.
Continuara a ealar venda os verdadeiros cou-
ros de bode cabelludos, grandes, proprios para
mantas, ltimamente chegados da Europa : na
loja de aelleiro, ra larga do Roaario n. 28.
Milho e fardo.
Na taberna grande da Soledade e ra da Impe-
ratru o. 4, junto a ponte, "ha farelo e milho em
aaecos grandes a *500 o acco. v
Aluga-se
a ca;A sitio defronte da igreja dos Bemedios n.
o, e o lerceiro andar da casa da ra larga do Ro-
sario n. d7: tratar na ra da Cadeia do Reci-
fe o. 4.
champagne
de Chaleau Laronzire, em gigos de 15 garrafas
(9 grandes e 6 pequeas) a 15 cada um ; na
pra(a da Independencia n. 22.
A 1G00.
Um reslo de latas de mermelada de Lisboa e do
Rio Grande do Sul, de 1 1|2 a 2 libras cada lata :
na praca da Independencia n. 22.
Vende se ou arrenda-seo grande sitio de-
nominado Gaiana, sito na freguezia da Varzea
com urna casa j coberta, urna dila de fazer fa-
rioha, grande porco de pea de fructeiras, como
seja, coqueiros, larangeiras, etc., etc., e tambem
grande quantidade de ps de cafezeiros : no
mesmo vendem-se duas vaccas que do bastante
leite e com crias, e um burro manso : a tratar
na ra do Sebo n. 20.
Vendem-se 18 ps de limeiras, 16 ditos de
pinheiras, 15 de sapolis, 18 ps de roseiras, 2
ditos de fructa-po, 2 de jaqueiras, 20 ps de
sidra, 22 ditos de Qgueirai, 20 ditos de larangei-
ras em estado de serem enxertadas, 1 pede ju-
mim laraoja pelo preco de 42$: no sitio de Be-
beribe de baixo, caminho de Beberibe, sitio da
viuva de Claudio Jos dos Santos.
Enfeites para senhora.
Vendem-se enfeites para senhora, de muito
bom gosto, de grade de retroz, mnito baratos, e
so vista se dir o preco delles, de muitas qua-
lidade8 ; na mesma loja vende-se rap Paulo
Cordeiro e muitas mais qualidades.
M MU
ao p do arco de Santo
Antonio,
chegou pelo vapor do norte um rico sortimento
de bicos e reodas, assim como na mesma loja
tem um rico sortimento de tiras bordadas n-
tremelos os mais Unos que ha no mercado, cas-
sas francezas a 300 rs. o covado, chitas muito fi-
nas francezas s 260 o covario, lengua de labyriu-
tho, toalhas e fronhas, e outras muilas fazendas
por barato preco.
Vende-ae um piano proprio para principi-
ante, por prego commodo ; na ra da Gloria nu-
mero 60,
Vende-se um boi manso para carroca ou
carro da alfandega : no largo do arsenal, cochei-
ra n. 8.
Bernardino Lopes de Oliveira, subdito por-
tuguez, vai a Europa, e deixa por seus procura-
dores para tratar dos negocios de sua loja aos Srs.
Francisco de Paula Mindello, Joaquim Ferreira
de Araujo Guimares e Manoel Antonio de Car-
valho, e para tratar de seus negocios particulares
aos Srs. Joaquim Ferreira de Araujo Guimares,
Manoel Antonio de Carvalho e Francisco de Pau-
la Mindello.
AtteiNjo.'
Precisa-se de urna ama para cozinha e que se-
ja boa cozioheira, e para mais algum servico de
casa de familia : na ra da Conceico, sobrado
numero 6.
O abaixo assignado declara que desde o dia
4 do corrente deixou de ser caixeiro dos Srs. Cu-
nha Irraaos & C, sgradeceodo o bom tratamente
que dos mesmos senhores recebes durante a es-
tada em sua casa. Recife 4 de selembro de 1861.
Joaquim F. dos Santos Coimbra Goncalves
Aluga-se um segundo andar com soto,
aceiado e com commodos para familia, na ra
Direita de Santo Antonio f a tratar na mesma ra
numero 54.
Precisa-sede um cozioheiro para urna casa
de pouca familia, paga-ae bem : quem preten-
der, dirija-ae a ra do Hospicio o. 82.
T ^' 8enhrs administrado s actuaes da so-
ciedade Orlhodoxa queiram dirigir-se a ra da
Imperatriz n. 58 negocio da mesma sociedade.
Antonio da Silva, subdito portuguez, reti-
ra-so para a Europa.
Hoje 5 do corrente, as 2 boraa da tarde, pe-
rante o IIlm. Sr. Dr. juix de pas do 2. districto
de Santo Antonio, teem de ser arrematados es
objectos seguintes : 58 duzias de prates peque-
os, 25 bacias brancas e 8 duiias de tigelas pin-
tadas, tudo avallado em 41*800, e vio 4 praca
ppr execuco de Jos de Jess Moreira contra Se-
bastiio Luiz Ferreira.
DE
Escultura em Marmore
Cae* do Ramos n. 30.
Se fazem pelos precos seguintes :
Coosolos Lnix XV de 12$ a 15.
Jardineiras dem dem de 10* a 30jf.
Consolos lisos de 9 a 12.
Mesas redondas de 18 a 25J.
Lavatorios de 12 a 30.
Aparadores de 20j a 35g.
Letras gravadas douradas on embutidas con-
forme os caracteres e lmannos de 100 rs. cada
urna a 1.
Pedra para collocar as ditas, cada palmo em
quadro a 1.
Concerla-se alabastro, jaspe e porcelana.
Recebem-se pedras usadas em troca, quer se-
jam ou nio de trastes, ainda mesmo quebradas.
Precisa-se de 600 pelo tempo de quatro
mezes, ficando em poder de qaesn der a referida
quanlia, urna escrava cozioheira, que nao tem
vicios nem achaques ; a quem convier negociar
annuncie.
O-se 3:000g a juros com hypotheca em
urna casa em boa ra, preferlndo-se o aluguel da
mesma : quem pretender, dirija-se praca da
Boa-Vista, roa da Conceico n. 26.
SOCIEDADE ACADMICA PROMOTORA
DA
Remissao dos captivos.
De ordem da directora convido aos senhores
socios effectivos comparecerem a assembla ge-
ral extraordinaria, que, para tratar-ae da reforma
dos estatutos, ter iugar sabbado 7 do correle,
s 10 horas da manha.na ra do Hospicio o. 29.
Secretaria da sociedade Acadmica Promotora
da Remissao dos Captivos 4 de setembro de 1861,
Manoel Pereira Guimares,
1. secretario.
A Sra. D. Joaquina Francelina Vilella quei-
ra mandar repartirlo do correio recebar um
oflicio dirigido pelo escrivo da mesa da santa
casa da misericordia da Baha.
Chama-se a crioula que veio tratar sobre o
aluguel do molecote de urna viuva que venha fe-
char o negocio na ra do Cabug n. 3, terceiro
andar.
Atten Hontem 3 do corrente, as 4 horas da tarde, Jo-
s Duarte das Neves, ao entrar para o mnibus
Sanl'Anna, na ra do Creapo, e dabi al o Mon-
leiro perdeu um embrulho de papel, contendo
10:000 em sedulas, sendo urna de 500, trea di-
tas verdes de 200S. algumas de 100, e 200 do
novo banco, algumas amarellas da caixa filia]
sendo 3:500 em notas da 50 da caixa filial e d
novo banco : roga-se pois a pessoa que o achou
se digne restituir, dingindo-se ao mesmo Jos
Duarte das Neves em seu armazem, no becco do
Goncalves n. 10. que ser gratificado com 2000
e lhe Picar eternamente grato.
Precisa-se de um caixeiro para um enge-
nho perto da capital : na ra Bella o. 35.
Carlos Beutcher vai a Babis.
Precisa-se de um cotinheiro e de um cria-
do, prefere-se estrangeiro : no hotel dos Api-
pucos.
Manoel Domingues de S, subdito portu-
guez, retira-se para o Rio de Janeiro. ,
Precisa-se de 600, daodo-se por hypothe-
ca um moleque que faz o servigo diario de urna
casa : a tratar na ruado Encantamento n. 11..
Aluga-se urna escrava moca para aarvico
de casa, sabe cozinhar, coser, eogommar, mui-
lo limpa e fiel ; quem pretender, dirija-se a ra
da Imperatriz n. 86, primeiro andar.
ATTENQO.
O Sr. Joaquim Alves Piolo que oi caixeiro do
Sr. Malveira antes de retirar-se desta provincia
haja de dirigir-se ao botequim da ra do Impe-
rador n. 16, afim de pagar ao dono do mesmo a
importancia que se acha a dever ; efaz-se este
annuncio em consequencia do referido Sr. Pinto
nao ler querido por maneira alguma satisfazer o
seu debito.
Precisa-se de um cozinheiro, na ra da
Imperatriz, casa de comidas : na ra e Aurora
numero 86.
Alugam-se duas casas no'vas na ra dos
Prazeres do bairro da Boa-Vista : a tratar
Jos Carneiro da Cunha.
Maces
Macacs.
Mames.
Mac5es.
Macaes.
com
e mais
Mames.
Macaes.
Macaes*
Macaes.
Macaes.
Macaes. Macaes.
Sodre&G. alemdo grande deposito
que ja tinham deste genero tornaram a
receber hontem 4 do corrente 37 caixas
com macaes e estao vendendo a caixa
por 14$ e o fregus comprando mais
de urna se ai a' abatimento.
Aluga-se o primeiro andar do so-
brado da ra da Cruz n. 21 : a tratar
no terceiro andar do mesmo sobrado.
Aluga-sa urna escrava para todo
o servico de urna casa : na ra Direita
n. 16.
O Sr. Vicente Jos de Oliveira foi
chamado a esta ty pographia para se
lhe entregar urna carta, e ignorar-se
sua morada.
> A commissao liquidadora dos ere-
dores da massa do tallecido Manoel
Buarque de Macedo Lima, pede aos Srs.
devedores a reterida casa que se diri-
am a satisfazer seus dbitos a referida
commissao todos os dias uteis das 10 ho-
ras da manhaa as 2 da tarde na ra da
Cadeia do Recife n. 26, primeiro andar.
A commissao roga mais a esses Srs. de-
vedores, que nao a obligue a lancar
mSodosmeios judiciaes ou do jornal
para haver essas importancias de que
sSo seus devedores.
Manoel Alves Guerra saca sobre o Rio de
Janeiro.
Jos Joaquim Dias do Reg vai ao Rio Gran-
de do Norte a negocio.
Aluga-se o primeiro andar da casa n. 4, no
becco do Campello, proprio fpara escriptorio ou
pera pouca familia.
i Gurge! & Perdiga.
S Receberam diversas fazendas
-| modernas para a sua loja da ra
S da Cadeia do Recife n. 23.
Precisa-se de uma ama de
do Corpo Santo n. 17.
leite : na praga
O abaixo assignado, correspondente do Sr.
Joaquim Correia de Araujo, senhor do engenho
Muiibara, em S. Loureooo da Malta, declara que
nao se entende com dito sea correspondente os
annuncios chamando a oulrea de igual neme a
comparecer na loja de calcado da ra da Impera-
triz n. 16, e como nao seja essa a nica loja que
tenna chamado pelo Diario a esse Joaquim Cor-
rea de Araujo. declara o mesmo baixo assigna-
do que seu correspondente nada deve nesta praca
a pesso alguma, e que se houver alguem queso
julgue seu credor por qualquer titulo, haja de o
apresentar em sua casa, ra nova dos Prea nu-
mero 30.Manoel Comea Viegas.
^7 iV0fa;" um aliente cozioheiro ; qem
pretender, dirna-se a ra da Cruz n. 45, primei-
ro andar, das O horas da maoha a 3 da Urde.
Francisco Antonio Palco. subdito Italiano,
retira-se para a Europa.
Eogoasma-se com toda a perfeico ; no oi-
lo da matriz da Boa-Vista n. fl.


Di ARIO DI fERNAMlDCO. QUISTA iELRA. 5 ftg SETE1IBRO DI 1861.
(5)
23 Ruada Imperairiz 23
PIDOS E MSICAS.
J. Laumonnler convida os senhores mediese amadores de msica, i virem a seo armazem
?er os excedentes pianos Laumonoier, que acaba de receber do Pars, fabricados expressamente
{tara o clima do Brasil, muito elegantes e de gostos modernos. Igualmente tem msicas dos me-
nores autores, assim como concerta e afina os meemos initrumentos.
Largo da Penlia
Francisco Fernandes Duarte, proprietario deste
armazem de moldados, partecipa aos seus freguezes, assim como aos senhores da praga, de enge-
nho e lavradores que d'ora em yante quizerem-se afregaezar neste estabelecimenlo, que se acha
cora um completo soriiment de gneros os mais novos que ha no mercado e por serem a nuior
parte delles vindos de conta propria, est portanto resolvido a veode-los por menos 10 por cento
do que em outra qualquer parte, afianzando a boa qualidade e acondicionamento, assim como ser-
vir os portadores menos pralicos to bera, como se os senhores viessem pessoalmente, para o que
nao se poupari o proprietario em prestar toda alinelo, afim de continuarem a mandar comprar
suas encommendas, serlos de que, toda e qualquer encommenda comprada neste estabelecimenlo
acompanhar urna conta impressa com o mesmo titulo de armazem Progresso.
Manteigia tagleza veTfcitamente o*. imo ri. a libra, TeDde.
ae por este preco nicamente pela grande porco que tem e sefor em barril se fara batimento
MtUteiga CranCeZa 70o rs. a libra e em barril a 640 r.
%-lkh UySSOil 0 melhor que ntt n0 mercado a 2&800 a libra.
dem pteto. 19600, 1bra.
QneijOS llO TelllO ehegados oeste ultimo Tapor a 2#600.
dem prato a 640 intelro yoo r8. a iibr8.
lOem SttlS*0 640 a libra em por5So se faz a batimento.
P reinnto de fiambre inglez. 800 r.. uta.
Prezunto de lamego a 480 .. i,. iote.ro. o rs.
A.meixas irancezas em frasco com 4 iibrag por 3jooo, a retaiho .soo n.
KiSpermasete a720 a ibrai em caixa a 700 rs.
Latas eoa boYaxlnha de soda de Gerente .uMe.ii*w
Liatas com peixe em posta de mniUs qu.ud.des a 19400.
XzeitonaS miltO novas a moo 0 barrii. a retalho a 320 rs. a garrafa.
Hoce de Wperene em ullM d. 21ibra, por moo. '
LOTintaS pars podm a goo r8. a libra.
Batuta de porco retinada a 80 r. a iibta, em barril a 44o rs.
Xl,a^a ae tomate a mais ora do mercado a 900 rs., a em latas da 2libra por 1700.
ratOS Oe lOmbO a primeira T6z que vieram a este mercado a 640 rs. a libra.
Cnon ticas e paios muil0 nor08 a 560 n,. Iibra.
Palitoa de dente iixadoscom 20 m.cinho. por 200 rs.
CUOCOVate if atieeZ a 19200 rs. a libra, diUo portuguez a 800 rs.
ill.armeiaaa tmpertal d0 4famado Abreu a de outros muitos fabricantes de Lisboa
a 19000 rs. a libra.
V lUnOS engarrafados Port0t Bordeaux, Carcavelos, a moscatel a 1J000 a garafa.
V inVlOS em ptpa de 500, 560 e 640rs. a garrafa, em caadas a 3$50O*SO00 4500.
V inagte de Li'tsboa 0 mal. superior a 240 rs. a garrafa.
aCrVCJd das mlg acreditadas marcas a 58 a duzia, e em garrafa a 500 rs.
Eislvclllul&a pira sopa a mais nova que ha no mercado a 640 rs. a libra.
I&rvUbas traneezas a 640 rf., lalla.
Milo de amendoa. 800 rs. a libra> dila com casea tm ,
Nozes mull0 DOvas a 120 rg> a libra#
Castannas piiadas a 240 rs. a libra;
*-*ate muito superior a 240 rs. a libra, e a 7 a arroba;
tTraJli do Maranho a 3# em arroba, e em libra a 100 rs.
Y nmo amerteano 3 lfl. a 1brai se for em por?ao ge far abatmemo.
Sevadtnba de Fnn5a a .240 rs. aiibra.
^ajgn muit0 novo a 320 rs. a libra.
M. OnClnnO de Liiboa a 360 rf libra e a 10$ s arroba.
arinha do Matanbao mtii n0Ta, lw rs., libra.
T oneinlto ingUz a 200 r, t libra
Passas em eaixinbasde81ibralal(500cadaum9.
In lepen lente dos gneros mencionados encontrar o respeitavel publico|tudo qaanto pro-
curar tendente a molhados.

C>.<> <>5vi
ARMAZEM
BE
ROJFA F
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
40 RUADO QUEMADO 401
Defronte do becco da Congregago letreiro verde.
Neste estabelecimento ha sempro um sortimento completo de roupa feita de todas as
cualidades, e tambem se manda ececutar por medida, & Tontada dos freguezes, para o
que tem um dos melhores professores.
Joias.
Seraflm & Irmo, com loja de ourires na ra
do Cabug n. 11, scieotiQcam a todos os seus fre-
guezes amigos, que por terem graude sortimento
de novas e delicadas obraa de ouro, conlinuam a
vender o mais em conta possivel, a se responsa-
bilisam pelas qnalidades do ouro, prata, diaman-
tes, brilhanles, mencionando ditas qualidades em
urna conta impressa que coslumam pissar : os
mesmos previaem que oioguem se deixe Iludir
por individuos que ndsm vendendo obras por
fra dests pra;s, dizendo serem da casa dos mes-
mos, pois nunca tireram nem teem pessoa algu-
ma eocarregada de vener joias suas.
Se o anounciante da loja da ra do Crespo n.
9 quer saber alguma cousa do espolio do nao fal-
lecido Joaquim Goncalves Bastos, dirija-se a ra
do Rosario da Boa-Vista n. 26, que do proprio
receber as informacoes respectivas desie futuro
espolio, e nao do abaito assigntdo, que se julga
incompetente.Francisco Antonio Bastos
Perdiu-ae urna pulseira de ouro de le, des-
de a Soledade al a Santa Cruz : a pessoa que
achou. querendo restitui-la.leve a Soledade, ca-
sa o. 7, de Francisco das Flores, que aera bem
recompensada.
Aluga-se urna escrava para o servido inter-
no de urna casa de pouca familia : quem preten-
der, dirija-se a ra do Cabug n. 5, loja de cera.
Monte Pi Popular Per-
nambucano.
A mais fina enova que se pode desejarneste genero, a 1#000 a libra tanto emporco
como a retalho, vende-se nos armazens Progressivo e Progre&sisia no largo do Carmo n. 9,
eruadasCruzesn. 36.
CHA HYSSON.
O melhor que se pode desejar em artigo cha a 2$600, 2$800 e 3#000 a libra, afianca-
se qualquer urna das qulidades.
CHOCOLITE
Quarta-feira 4 do correte haver sessao geral
extraordinaria pelas 7 horas da noite, para se
tratar de negocio importante, convido, portanto,
aos senhores socios para que se dignem de com-
parecer.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernambuca-
no 1.* de setembro de 1861.
Joo Francisco Marques,
1. secretario.
ChegHem
BAR&TO PARA LIQUIDAR
Na ra da Imperatriz n. 40,es-
quina do becco dos Ferrei-
ros, loja de Manoel Jos
Guedes de Magalhes
Sedinhasde quadros de todas as cores emuito
encorpadas, covado a 720 rs., cortes de jfcbraia
brancos com 3 ordens de bordado a 3#, ditos com
3, 4, 5 e 6 babados de diversas cores a 3$50,
ditos de taris tana com 3 babados a 20500 e 3$,
ditos de cambraia da seda a 5-5, baldes de 14 a
40 arcos dos melhores que tem apparecido a 3$,
3}50 e 45, ditos para meninas de lodosos lma-
nnos,canibraieta franceza muito fina,pega a 75500
e 8$, cassas com salpicos brancos e de cores, co-
vado a 240, pecas de cassa de salpicos brancos e
decores com 8 12 varas a 3^500, cobertas de
froco matizadas para cama a 9a, chales de froco
com pona redonda e borla dos mais modernos a
89, ditos de la e soda a 29500, ganga amarella
muito boa, covado a 240, cambraia de cdr muito
bonita, covado a 300 rs., alpacas de cor para ves-
tido, covado a 320, popelinas, riscadinhos para
vestidos de senhora e meninas, covado a 300 rs.,
tiras bordadas a ponto inglez de todas as largu-
ras a 10280, 19440, 19600 e 29, manguitos a ba-
lao com gollinha para senhora a 2 e 39, chitas
francezas finase cores fixas, covado a 220, 240,
260 e 280 rs., e outraa maitas fazendas de barato
preco.
Aluga-se uma excellente casa de
campo com todas as commodidades de
familia, com sitio grande, cocheira, es-
tribara etc., a casa construida ha poa-
co tempo com trra90 a roda, sita na
entrada do Poco: a tratar com os pro-
pietarios N. O. Bieber & C, successo-
res, ra da Cruz n. 4.
@e $
Precisase de uma ama para comprar e 9
0 cosinhar para uma pessoa : no becco do a) Padre n. 6, primeiro aodar. A
& e#e
Na travessa da ra das Cruzes n.
2, primeiro andar, continuase a fingir
com toda a perfeicao para qualquer
cor e o mais barato possivel.
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso, S>ntos & C. sacam e tomam
saques sobre a pract de Lisboa.
Publicacoes do Instituto Ho-
meopathico do Brasil.
TIIESOtRO HOHEOPATHlf0
OU
VADE-MECUI DO HOMFOPATHA.
(Segunda edicco consi-
deravelmente augmen-
tada.)
Diccionario popular de medicina lio-
meopalhieo
PELO DR.
SABINO 0- L. PINHO.
Continuam as assigosturas para estas obras a
20^000 em brochura al dezembro. Desse tempo
em diante as assigoalurss serao elevadas a rs.
25000.
Ra de Santo Amaro (Mundo Novo) n. 6.
Os armazens da ra da Lapa n. 13, e ra
do Costa n. 10, recebem gneros para recolhe-
rem por menos de que costumam receber outros :
qnem pretender, dirija-se ao n. 13. que achara
com quem tratar ; assim como se singa um dos
mesmos armazens.
Aluga-se, o obrado n. 2 B da ra do Apollo,
i a casa terrea o. 27 da ruado Burgos a tratar na
ra da Aurora n. 36.
Francez, inglez, portuguez, a 1#200 a libra, vende-seno Progressivo e Progressista
no largo do Carmo n. 9, e ra das Cruzes n. 36.
wsum &m
Chegados no ultima paquete a 640 rs. a libra, e sendo inteiro a 600 rs. a Ubra, affian-
ca-se a superior quaiidade.
QUEIJOS FLANIENGOS.
Os mais frescaes que ha no mercado por serem viudos no ultimo paquete a 2$800
cada um.
O melhor que se pode desejar na qualidade deste queijo a 600 rs. a libra, e sen-
do porco a 500 rs.
.-JA"^/ K=^o
Em pipa de Lisboa, Porto e Figueira a^a caada de 500 a 600 rs. em garrafa.
Porto, Duque do Porto, jeuuino Carcavelos, Nector, Madeira, Feitoria, Cheres,
Bordeaux a 1#200 agarrafa e 13$ a duzia. nicamente no progressivo e progressista
no largo do Carmo e ra das Cruzes.
DOCE DA CASCA DE GOIABA
um dos melhores doces que ha em relaco ao tempo a 800 e 1$200 o caixo.
LATAS COM FRUTAS
de todas as qualidades que ha em Portugal o mais bem arranjado que temos tido no
mercado a 800 e 1#000.
ERVILHAS PORTUGUEZAS E FRANCEZAS
o que se pode desejar em bom neste genero, pela sua preparaco e qualidade a 800
rs. a lata.
VINAGRE PURO DE LISBOA
a 240 a garafa e 1#850 a caada afiauca-seser de Lisboa e de superior qualidade tam-
bem branco por 400 rs. agarrafa e 2^560 a caada.
COMINHOS E ERVA DOCE
os mais novos que temos no mercado, e mesmo nunca os houve melhores a 400 rs. a
libra de erva doce e 800 rs. os cominhos
a mais nova que se pode desejar a 180 rs. a libra de sevadinha e 280 rs. o sag.
. ,t UTAS COI DOCE DE LPEHCE
o melhor que se pode desejar, a 1#100 a lata, tambem marmelada dos melhores fa-
bricantes de Lisboa a 1#800 a lata, e peras a 1,280 rs. a libra.
alem dos gneros cima encontrar o publico tudo que procurar tendente a mo-
lhados.
N. B. Os gneros cima vendidos em nossos armazens levaro o destentivo dos
mesmos.
Padana.
Novo estabelecimenlo de
cabell^eiro, no bairo
do Recife, ruada ta-
deia n. 55, 1/ andar.
JOO GODOFREDO PINTO, artista cabclleirei
re, acaba do estabelecer-se na ra da Cadeia do
Ilecife n. 55, primeiro andar, e otferece-se por-
tanto ao respeitavel publico para exerceras func-
Ces de sua arte, com aceio e promptido. Neste
estabelecimenlo enconlraro sempre os freguezes
o gosto necesssrio que se exige no exercicio des-
ta arle. Este novo eslabalecimento que principia
hoje a desabrochar, se torna necessario a coad-
juvaco do respeitavel publico em que confia o
artista cabelleireiro. Recebe encommendas de
cabelleiras para senhora, ditas para homens,
crescentes, encbimontos para bandos, marrafas,
trancas para anneis, trancelins, cadeiras para re-
logios, braceletes, quadros lumulares, memorias,
firmas, etc..etc., CORTES DE CABELLOS E r RI-
ZADOS. Lava-ge a cabeca com a excellente
AGUA IMPERIAL. Tinge-se cabellos, barbas,
etc., etc., por um processo fscilimo, e que urna
vez tintos jamis mudaro a cdr. Extracto das
caspas por meio do TRICOPHENUS : este excel-
lente remedio para extingoir por uma vez as cas-
pas, e fazer renascer os cabellos, se torna asss
recommendaval.
ai asttsss- MfiSflfi&isaK- aaM23*&
Dentista de Pars. |
15Ra Nova15
Frederic Gautier.cirargiaodentista, faz
todas as operacoes da sua arte ecolloca
dentes artificiaos, tudo com a superiori-
dades parfeicjio que as pessoasentendi-
das lhereconhecem.
Tea agua a psdentifriciosetc.
QKNB M^9KeieeiMKeKfiK9Kg
CONSULTORIO ESPECIAL HOHEOPATHICO
NATURALLEDE VICHY.
Deposito na boticafranceza ra da Cruz n.ii
* y^j *u*A.ai# C'cif 5A*\ MMm
ELIXIR DE SALDE
Casacas de panno pceto, 40, 35} e 3O&000
Sobrecasaca da dito. 359 a 3000
Palitotade dito de coras, 35, 30,
tsgooe e aojeoo
Dito de casimira decores, 2000,
15, 11 o 000
Dito do alpaka preu olla da vel-
ludo, 11SO0O
Ditos da aerin-sltim pretoa a da
corea, 900
Ditos de alpaka do cores, 5 e
Ditos da dita preta, 9, 7. 5 a
Ditos de bria decores, 5, 4500,
4J000 a
Ditos de bramante delinho branco,
6J0O0, 590O0 a
Ditos de marin da cordo prato,
15*000 a
Calas de casimira preta a decores,
11,10, 9
Ditaa de princeza o marin da eor-
dao pretos, 5 a
Ditas de bria branco da cores,
5*000, 4500 a
Ditas de ganga de cores
Goliates de velludo prato a da co-
rea, lisos a bordados, 12, 9f a
Ditos de easamira preta de coras,
liaos a bordados, 8,5500.oe
8000
8500
300
3500
4J0O0
8000
6|000
4500
1500
3|O00
eooo
3500
Ditos da setim preto
Ditos de seda a setim branco, 6 a
ditos de gurgure de seda pretos e
decores, 7f000,6000a
Ditos de brim e fuito branco.
3500 e
Seroulas de brim de linho
Ditas de algodo, 1g600 e
Camisas de peito de fus tao branco
e de cores, 1500 e
Ditas de peito de linho 6f e
Ditas de madapolo branco a da
cores, 3, 1500, 2
Camisas de meiaa
Chapeos pretoa de massa.f rancezes,
(ormasdaultimamodalM,8500e 7000
Ditos de feUro, 6, 5|, 4 e 5*000
Ditos de aol da seda, ingiezes a
(rancezes, 14, tlg, llf e 7000
Collarinboa elinbo muito
800~
600
59000
5000
59000
39OOO
29200
lfl80
2*300
3*000
1*800
1*000
Na padaria de Antonio Fernandes da Silva Bei-
riz, ra dos Pires n. 42, vende-se a muito acre-
ditada bolachinha quadrada.d'agua, propria para
deentes, bolacbinba de ararula e dita de moldes.
DO DOUTOR
novos (cilios, da ultima moda
Ditos de algodio
Relogios de uro, patentas hori-
aontaea, 100, 90, 80 e 70000
Ditos de prata galvanisados, pe-
tentehosonlaes, 40| 3O0O0
Obras de ouro, aderecoa a maioa
aderecos, palseiras, rosetas a
anneis f
Toalhas de linho, duzia 1190O0 a 10O00
O correio particular da Paralaba do
Norte, ica desta data em diante trans-
ferido para a caa de Travassos Jnior
& C, ra do Amorim n. 58.
A commissao liquidadora dos credores ds
casa da fallecido Uaooel Buarqoe de Macado Li-
ma, roga Aquellas pessoas que se julgarem ere-
doras por letras oo contas de Irnos, que se diri-
jan) com oa seus ttulos roa da Cadeia do Re-
cife n. 26. primeiro andar, das 10 horas da ma-
ntisa i da tarde, para serem verificados e claa-
sifleados pela referida commisslo
O Sr. Brssiliano Francisco de Paes Brrelo
tenha a bondade de vir fallar na loja do Germano,
relojoeiro, na rus Nova n. 21, visto igoorar-sa
aoode o mesmo senhor mora.
SABINO O.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos es das uteis desde as 10 horas
al meio dia, acerca d/s seguales molestias :
moltttiat da mulhetet, molestias da crian-
cas,molettiat da pelle, molestias dos olhos, mo-
lestias syphiliticas, todas as especies de febres,
febres intermitentes e suas consequencias,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPATHICA .
Verdadeiros medicamentos homeopathicos pre-
Starados som todas as cautelas necessarias, in-
alliveis em seus effeitos, tanto em tintura, como
em globalos. pelos presos maia commodos pos-
areis.
N. B. Oa medicamentos do Dr. Salino sao
anicamente vendidos em sua pharmacia; todos
que o forem fra della sao falsas.
Todas as carteiras sao acompanhadas de' um
lmpresso com um emblema em relevo, tendo ao
redor as seguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileo. Este emblema poato
igualmente na lista dos medicamento que se pe-
de, As carteiras que nao levarem esse impresso
o no-
itrolactato de ferro,
Ijmeo deyosito na boea d Soa^uim Martiuuo
da CruxCorreiaA C, na do Cabug n. 11,
em Vernambueo.
H. Thermes (de Chalis antigo pharmaceutico aprsenla hoje uma nova preparaco de fero
com o nome de elixir de citro-lactato de ferro.
Parecer so publico umluxoempregar-se um mesmo medicamento debaixo de formulas tao
variadas, maso homem da-scienciacomprahende a necessidade e importancia de uma talvarie-
dade.
A formula um objeeto de muita importancia em therapeutica ; um progresso immeDso
quando ella, maniendo a essencia do medicamento, o torna agradavel, fcil e possivel para todas as
iuades, para todos os paladares e para todos os temperamentos
Daa numerosas preparares de ferro at hoje conhecidas nenhuma rene to bellas qualida-
des como o elixir de citro lclalo de ferro. A seu sabor agradavel, rene o tomar-se em uma pe-
[quenadose, o serde uma prompta e (acildissoluQao no estomago, de modo que completamente
assimilado; e o nao produzir porcausa da lactina, que conlem em sua composico, a constipacao de
vtntre tao frequenlemente provocada pelas outras prepara^esferroginosaa.
Estas novas cualidades em nadaalteram a sciencia medicamentosas do ferro, que sendo uma
aubstancia da qual o medico se nao pode dispensar em sua clnica, de incomparavel utilidade
qualquer formula aue lhe d propriedades taes que o ortico o possa prescrever sem receio. E' o
que conseguio o pharmaceutico Thermes coma preparadlo do citro-lactato deierro. Assim este
medicamento oceupa boje o primeiro lugar entre as numerosas preparacoes ferroginosts, tomo o
atiesta a pratica de maito mdicos distinctos que o tem eosaiado. Tem sido empregado como im-
mensoproveilo as molestias de languidez(chlorose pallidas cores^ na debilidade subsequente as
hemorrhagias.oas hydropesiasqueapparecem depoisdasiolerssitentes na incontinencia : de urinas
por debilidade, as peroles brancas, na escrophula.no racialismo, na purpura hemorrhaaica, na
convalescencia das molestias graves, na chloro-anenria das mulheres grvidas, em todos os casos
em que osanguese acha empobrecido ou viciado pelasfadigas affec;oes chronicas cachexia tuber-
culosas, cancrosa.syphililica.excessos venreos, onanismo e uso prolongado das rr Jirsces mer-
coriaes.
Bstaseuermiiades sendo mui frequeates o sendo o ferro a prindpai ubstancia de qta
medico tem ae lo^ar mo para as debelar, o author do citro-lactato u (ene jaaiece louvores e
roconhecidamento ahumanidade porter descoberto uma formula pela qual sepoesem rece! usar
de Ierro
- Aluga-ae um segando andar na ra do W%- S!1?-^?^ ambora enham na lampa
gel defronte da. botica : a fallar na ra do QotU B* d D S*bino ao f*Uo, T ,
*do n. 76, lja da Victoria. aaOam SjDTe LlSDOa
Giocondo Feasina e Ao tonto Festine, sub- a^... o-- i n a. %. a.
ditos itajianoa. retiram-sa para fora di Jra'l ATr MSaA H,, & C inXft d TiaP,che
cia. Novon. 6.

J
SOSO OWO
DO DR.CHABLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,
PARA O TRATAMESTO E PRMPTO CCRAT1VO
DAS ENFERM1DADES
PLUS DE
COPAHU
SEXl'AES, DN TODAS AS AFFEC(OES
Citralo de ferrsChable.
Xaropr mui preferivel ao
Copah-ba e as Cube-
bas, cur.t immediatamen-
te qualquier purgacio,
relaxacao e debilidade, e Igualmente fluxos e
flores brancas das mulheres. BaUeecau 4e
CaiaiMe. E>u injeccio benigna emprega-se mes-
mo tempo 4o xarope de citrato de ferro, uma ver
de mantia, e uma vet de Urde durante tres das;
ella segura a cura.
CUTNEAS. VIRUS
DEPURATSF
du SAIVG
E ALTERACOES DO SANGIE.
aaeiNiraUve de nansuc.
Xarope 'vegetal tem mer-
curio, nico cotilleado
e approvado para curar
con prouiptida e radi-
calmente impigens, pusiula;, btrpes, sarna, co-
mix6s, acrimonia e altera^es viciosas do san-
gue; virus, e qualquer affrcao venrea. -n-
haa miMemea. Tomlo-se dous por semana, se-
guindo otratamento depurativo. ramada -
tikeraetiea. De um effeilo auraviiboao as af.
feces cutneas e comixoes.
enarratiidai.Pomada, que as cuaa em 3 das.
O deposito no, ra largado Rosario, botica de Bartholomeo Francisco de Souxm, n.
ae.


iRio 01 rniMfoee. quinta *ea b i sstbebro 01 mi,
Alinete.
Deseja-se tallar o Sr. JoSo Evange-
lista Nery que reside ou ja residi ntH
lugar da Torre, ou a seu cuuhado o Sr.
Manoel de tal, flbo do finado Gervasio
Paes Barreto. a negocio de seu inters-
se : na ra de Santo Amato no Mundo
Noto n. 8.
Attenco.
*
Aluga-se padaria 4a rus Imperial n. 199 :
a tratar com Narciso Jos da Coila Pereira, no
largo do Carmo, das 7 s 9 horai da macha do
meio dia as 2 horee da larde.
Precisa-sa de urna pessea que d fiador a
sua coaducta para encarregar-se de urnas cobran-
cas deolro desta prags : na ra Nora n. 25, pri-
eiro andar.
Vocal e instru-
mental.
MANOEL AUGUSTO DE MENEZES COSTA di
lines de msica por casas ptrticulares : quem
da seu presumo se quizar utilisar, procure na
ra da Cooceigao da Boa-Vista n. 42, ou no ar-
senal de guerra.
Livros baratos.
Vendem-se os seguinles romances, escriptos
per E. Sues, A.Dumas, Cooper, Rousseau, e ou-
tros bons autores, quasi todos novos e por prego
eommodo : na praca da Independencia, toja de
chapeos n. 31 : Jos Balsamo 1 volume, a Viga
de Koat-ven 1 vol., o Pastor d'Asbourg 3 vol.,
Alexioa 4 voli., o espio 2 vols., a Nora Heloise
ou cartas de dous amantes 4 vols., Vctor ou o
Menino da Selva 4 vols os Orphosiohos d'Al-
deia 4 vols., o Menino da Praga Nova 4 vols., a
Bananeira 2 vols., Adriana 3 vols., Leonel Lio-
colin 2 vols., os Esposos Desgrasados 1 vol.
Attenco.
Precisa-sedo urna ama
Cazinhare comprar na ra
numero 17.
^ -&
Gabinete medico cirurgico.J
Attenco
Fazendas e rou-
pas feitas baratas
NA LOJA DE
forra ou captiva para
: a tratar na ra Nova

Ra das Flores n. 37.
Sero dadas consultas medlcas-cirurgi-
{0 cas polo r. Estevao Cavalcaoti de Albu-
*9 querque das 6 as 10 horas da manhaa, ac-
#4 cudindo sos chamados com a maior bre-
A vidade possivel.
ej| I- Partos.
4$ 2. Molestias de pelle.
3.* dem dos olhos.
A 4." dem dos orgaos genitaes.
g Tralicartoda equalquer operaco em
$g seu gabinete ou em casa dos doectes con-
ej) forme lhes (r raaia conveniente. aje

Aviso.
Francisco Maciel de-Souza participa a seus
reguezes tanto ds praga como do fora que de
uovo abri o sea eslabelecimenlo de calcado fei-
to na provincia na ra da Imperatriz outr'ora
aterro da Boa-Vista e pretende vender muito em
conta para agradar seus reguezes que todos gos-
tam do bom e barato.
*ma de leile.
Na ra da Cruz n. 45, armazem, preclsa-se de
ama ama de Inte, prferece-se escrava.
- C* V, _.
~ 3 3

o o o o
ooor
O "^ 5!
- m
o
c
o
3
PBIBIS
PORTO
48- Ra da ImperatrizAS
Juuto a padaria fraiceza.
Acaba de chegar a este eatabeleci-
mento um completo e variado tortfmento
deroupas de diversas qualidades como
sejam : grande sortimento de paletots
de alpaca preta e de cores a Si e 39500,
ditos forrados a 49 e 49500, ditos ranee-
zes fazenda de 109 a 69500, ditos de me-
rino preto a 69, ditos de brim pardo a
3S800 e 43, ditos de brim de cor a 39500,
ditos de ganga de cor a 35500, dito* de
alpaca de lia amarella a imitarlo de pa-
lba de seds a 39500 e 49. ditos de meia
casemira a 43500, 5g e 59500, ditos de
casemira saceos a 13|, ditos sobrecasacos
a 159, ditos de panno preto fino a 209,
22$. 289, ditos brancos de bramante a
39500 e 49. calcas de brim de cora 1J800,
2J300, 39, ditas brancas a 39 e 49500, di-
tas de meia casemira a 35500, ditas de
casemira a 69500. 7$500 e 99, ditas pre-
tas a 48500, 79500.90 e 109, col leles de
ganga francesa a 19600, ditos de faslo
2J800, ditos brancos a 2800 e 39, ditos
de setim preto a 39500 e 49500, ditos de
gorguro de seda a 49500 e 59, ditos de
casemira preta e de cores a 49500 e 59,
ditos de velludo a 79, 8$ o 99.
Completo sortimento de roupa para
meninos como sejam calcas, colletes, pa-
letots, camisas a 19800 e29,ditas defastao
a29500, chapeos francezea para cabeca
fazenda superior a 69500, 85500 109,
ditos de sol a 6J e 6J500, ditos para se-
ohora a 4J500 e 59- Recebem -se algu-
mas encommendas de roupa per medida
e para isto tem deliberado a ter um con-
tra-mostr no eslabelecimenlo para exe-
cutarqualquerobra tendente a sua arte.
Fazendas.
Aobarateiro da ra da Imperatriz n.
48 juntoa padaria fraoceza, vende ae:
ricos cortes de cambraia braocosa e
bordados com dous folhos a 69000, ri-
cos cortes de vestido de se Ja escocesa
pelo brralo prego de 12$, cambraias lizas
muito finas com 10 jardas a3j>500e49e
5 de Escocia a 69, saias a balo de arcas a
j| 20500, cortes de chita fraoceza achamalo-
& tada com 14 covados a5g, pegas de cam-
jP braia lisa para forro com nove varas a 2$,
jS e um completo sortimento de chita ran-
H ceza a 240, 260 e 280 rs. o corado e das
inglezas a 180 e 200 rs. oulras militas
B fazendas por pregos commodos.
S fiama & Silva.
Grande exposico de fazendas
baratissiina^, na ra da Im-
peratriz n. 60, loja do
Cemento inglez
para soldar vidros, leeea, barre e pedra, etc.. o
qual reftste a todo e Irafloe por -mais forzoso
que seja at ao so d'agua qnente ; prego de ca-
da vidro I : ecrieo deposito, n loja de fazendas
de R. C Leita & Irmios, rae de imperatriz ni-
ero 12.
Velas de espermaeete da es-
trella, muito superiores.
Na ree do Imperador n. 65, vende-se em por-
go e a retalbe.
Cestinhas do Hamburgo.
S6 na leja d'ageiade soto, ra do Cakwg n.
1 B, qoem recebe era completo sorliaeoto de
liadas cestiohas da todos os taannos preprias
para meninesde escote, assim corno maiores com
lampa proprias para eompras, balate* proprios
para costura, ditos proprios parafaqaeiros, ditos
muito bonitos para britrqnedos de meninos, di-
tos maracas pintadinhoa que se vendem por pre-
cos muito baratos-
. Enfeites riquissimos.
Vendem-se ricos enfeites de retroz, sioos me-
Ibores e mais modernos que ha no marcado, pelo
baratissimo prego de 89: na rea do Queimado
ii. 22, na loja da boa f.
Nova pechincha.
Pegas de cambraia lisa fina c<- jardas a 29500, 39 e 39500, chita larga fraoceza
a200e220rs. oeovado: na rea do Queimado
o. 44.
Transelins grossos de re-
troz para relogios.
Vendem-se a 500 rs. cada um na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca, n. 16. .
Cera de carnauba.
A. dinheiro.
Vende-se urna pequea porgo de cera de car-
nauba muito boa, que se acha depositada no ar-
mazem da Compaohia Pernambucana eommo-
do prago.
uWimpB
para vestidos de senhora e
roupinnas de criancas.
Na loia d'aguia branca ae encoDlra um bello
sortimento de franjas de seda, la e linho, bran-
cas e de cores, proprias para enfeites de vestidos,
assim como urna diversidade de galao de seda e
linho, branoos e de corea, abortos e fechados, lar-
gos e estreitos at o mais que possivel, trangas
tambero de seda, la e linho, de di le re otes qua-
lidades, e os que de melhor gosto se pode en-
contrar em taes cousas: por isso quem precisar
de taes objectos, dirigir-se a dita loja d'aguia
braaca, na ra do Queimado n. 16, quesera bem
servido.
Em casa de Adamaen, Hoirie & C, ra do
Trapiche Novo o. 41, veide-se :
Boinas de cortiga fioissiaaas.
Lona e fille.
Fio de vela.
Superiores tintas de todas as cores.
Selllns, iflhSes, e arreioa para carro oeeabriolet
No Hospicio o. 10, tio prximo a acade-
mia, vende-se leite puro das 6 s 8horas da na
nha, a 400 re a garrafa.
Nova remeta de macae
Meelea
acaea
llaget
Haciea
vendem-ae aoaceios e a retalho, e em caitas,
na ra estseita da Rosario n. 11, deposite de So-
dre &C.
S 5 2-
. b_: 3 <
S ".
"> .al
2 .S 2 3
>,0 m en C &L*
W--0 a 0> ST
355" 2t
r. t. o ?
O Dr. Joio Ferreira da Silva, de volts de
sua viagtrn, est morando na ra larga do Ro-
sario n. 20, e contina no exercicio de sua pro-
fiSlo, dedicando-se especialmente a pratica de
ojeraces cirurgicas.
Quera precisar de urna ama para cozinhare
engomraar para casa de homem solteiro, dirja-
se a ra do I rd i m n 7, que se dir quem e.
Aluga-se um armazem na ra nova de San-
ia Rita [tren1.- ua ribeira do peixe) o. 19, com
sufficiencia i.ara qualquer estabelecimeuto por
maior que elle seja, poile recolher para mais dd
6,000 barricas, ou de 300 a 400 pipas chelas, e
oulras tantas vdsias, ou outrns quaesquar volu-
ntes na proporgo, com a vanlagem de ter no fun-
do trapiche e guindaste, pelo qual pode embar-
car e desembarcar assucar com toda a mar :
entender-se com o proorietario Manoel Pereira
lentos, no caes do Ramos n. 10.
Aluga-se a loja do sobrado da ra do Ara-
glo n. 26, com armagao para qualquer eslabele-
cimenlo : quem a pretender, dirija-se a ra do
Crespo, loja n. 7.
Aloja dabandeira
*ova loja de funileiro *
ra da Cruz do Recife
ai
Compras.
Compram-se moedas de ouro : na ra No-
va n. 23, loja.
Compra-s um galo capado, no-
vo e prefere-se maltcz : neata typogra-
phia se dir'quem precisa.
Vendas.
Facas e garios.
Muito boas facas e garfas para o diario de urna
casa a 29600 a duzia de talherea: na loja da Vic-
toria, na ra do Queimado n. 75, junto a loja de
cera.
Vendem-se potes do approvado remedio
para matar ratos e barates a lg ; na ra da Sen-
zala Nova o. 1.
AVISO
Aos Srs. boticarios.
Daqui por diante haver sempre assucar candy
para veniler por prego eommodo: na ra dos
Cuarsrapes n. 42, Fra de Portas.
Magata k Nenies
teiniH, nao vende, ifnehna.
N rui iIj Imperatriz loja armazenada de qua-
tro porias o. 56, reeeteu novo sortimento de fa-
zendas, a saber : rices corlea dephantasia com 3
babados a g, ditos de cambraia de teda a 59. di-
tos Je cambraia brancas e de corosde 2,3,4, 5 e
6 babados a 3f e 39500, dito* de tartatsua de 3
babados a 2*500, pegas da algodaozioho a 2*500.
3* e 3500, ditae de madapolao a 3*500 4JMD e
4*jOQ todas as CazeoeM e psrfeito oaUdo.
Venle se cortes de phanta-
sia, fazenda de muito gosto
om babados pelo diminuto
prego de 4^500; na ra da
Imperatriz n. 60, loja que tem
um pavo do lado de frr, (is-
to para nao haver engaos.)
3#500.
Vende-se ricos cortes de cambraia de seda
com avental ouduas saias a 33500 : na ra da
Imperatriz n. 60, loja do pavo.
3,200, 3,500 e 4,000.
Vende-se fioissimos cortes de cambraia bran-
ca e de cor com dous e mais babados pelo dimi-
nuto prego de 39200, 33O0 e 4f : na ra da Im-
peratriz n. 60, loja do pavo.
A 15#000.
Vende-se flnicissimos eortes de cambraia bran-
ca com bordado muito delicado proprios para
baile ou casamento a 155 na ruada Imperatriz
n. 60, loja do pavo.
IX ov pe c\\ine\ia.
Vende-se finissimas pegas de cambraias fran-
cezas de carocinhos com 17 1|2 varas pelo dimi-
nuto prego de 8j a pega, ditas das mesmas com
8 3|4 varas pelo prego de 43 a pega, tambem se
vendem das mesmas a 500 rs. a vara, aendo
brancas e de cores ; na ra da Imperatriz n. 60,
loja do pavo.
PupeUna a 1HO rs.
Vende-se pupelina de quadrinhos a imitago
de sedinhas de quadro pelo diminuto prego de
280 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 60,
loja do pavo.
C\i*\y a 500 r.
Vende-se chaly muito fino a 500 rs. o cova-
do : na ra da Imperatriz n. 60, loja do pavo.
Sedas a covado.
Vende-te grosdeaaples preto muito encorpado
a 10600 e I98OO, ditos de cores azul, cor de rosa
e cor de cana mais barato que em oulra qualquer
parte ; na ra da Imperatriz o. 60, loja do pavo.
Sedas de quadrinos
Vende-se sedas de quadrinhos fazenda muito
encorpad* a 500 e 640 rs o covado : na ra da
Imperatriz o. 60, loja do pavo,
Manguitos de fil a 500 rs.
Vende-ae manguitos de fil muito bem enju-
tados a 500 rs.: na ra da Imperatriz loja do
paveo.
Chitas francezas a 200 rs.
Vende-se chitas francezas muito finas e largas
fazenda de 360 o covado a 200 rs. por ter um
pequeo toque de mofo, aflangando-se que solta
logo que seja lavada a prtmeira vez : na ra da
Imperatriz n. 60, loja do pavo.
Cassas com salpico graudo a
200 rs.
Vende se cassas com salpicos graudos e listras
a 200 rs. o covado, fazenda muito nova : na ra
da Imperatriz n. 60, loja do pavo.
Cassas pintadas a 240 rs
Vende-se cassas pintadas nuilo miudinhos
padroes a 240 rs. o covado : na loja da rea de
Imperatriz onde est o pavao.
Sentido ao Pavo.
Vende-se oeste eslabelecimenlo um grande e
variado sortimento de fazendas, tsnto para h-
meos como para aeohoraa, de todas as fazendas
se do amostras com penhor ou mandam-ee le-
var em casa das familias pelos caixeiros da casa,
essim-oBse o respeitarel publico achara todos os
dias uteis este estabelecimanto aberlo das 6 ho-
m 8 t, naitr.
numero 37.
Manoel Jos di Fonsecs participa a
todos os seus freguezes tanto da praga
cmodo mato, e juntamente orespeita-
vel publico, que tomou a deliberago de
baixaro prego de tolas assuas obras,por
cujo motivo tem para vender um grande
sortimento de bahs e bacas, tudo de
differentestamanhoso de diversas cores
m pinturas, e juntameute um grande
sortimento de diversas obras, bntendo
banheiros e gamelas grandes e pequeas,
machines para caf* camas de vento, o
que permite vender mais barato possivel,
cerno seja bahs grandes a 4* e peque-
nos a 600 rs., bacas grandes a 59 e pe-
queas a 800 rs,.cocos a 1* a duzia. Re-
cebe-se um official da mesma offleina
para Irabalhar.
'-"^ 5513 6535 5*3 fistt 6aifi:Mai&YE
*% 3l^ rn* XBW sWrw tjw vEm wtom WW IDffRf ME
KDTO
DESUNO
Jos Dias BranduO.
5Ra da Lingueta -5
O novo deslino orra gneros por menos de seu
vslor: superior manteiga iogleza a 1* a libra,
dita fraoceza a 700 rs.. cha prato a 1*400, oas-
saa a 560, conservas inglezas e eortuguezas a
700 rs., aletria, taiharim e macarro a 400 rs. a
libra, toucinho de Lisboa a 320 rs. a libra, banha
de porco renada a 480 rs latas com peixe de
postas a 1940O, cerveja branca a 500 rs. a gar-
rafa e 59 a duzia,dita preta a 600 rs. a garrafa e
698OO a duzia, tanto em garrafas como em meias,
ervilhas francezas e portuguezas a 70rs. a lata,
ipermaeete de 4, 5 e 6 em libra por proco mui-
to em conta, vinhn do Porto engarrafado fino
(vejho) a 19500 rs., vinho de Lisboa eFigueira
560 rs. a garrafa, vinagre branco a 320 rs. a gar-
rafa, e outroa muitos gneros que esousado
menciona -los, que do contrario se tornava eofa-
donho aos freguezes (Dinheiro vista.)
Machinas para descarocar al-
godo.
N. O. BIfiBER & C. SUCCESSORES, ra da Cruz
n. 4, parlicipam aos agricultorea do algodo
que eles acabam de receber MACHINAS PA-
RA. DESGAROg.AR E LIMPAR O ALGODAO*.
Estas machinas teem as seguinles vantagens:
descarogam com urna rapidez incrivel, nio
quebrara a sement nem corto o fio do algo-
do, e limpam-o de toda e qualquer impu-
reza, augmentando assim o valor considera-
velmente. A machina mui fcil a manejar,
e s a rapidez com que descoroca vale fazer-se
a despeza da compra.
Instrumentos par* agricul-
tura.
MACHINAS PARA DESCAROCAR O MILHO, tra-
balham com urna peesoe e descarojam as es-
pigas instantneamente sem qnebrar o milho.
MACHINAS PARA CORTAR CAPIM ; cortsm
com presteza o capim em tamanho de urna
pollegada e teem vaotigem de neo deixar
retrago.
FACAS feitas oxpressamente pera cortar cana.
ARADOS, GRADES, BOMBAS para regar capim,
borlas, etc., etc., bombas para cacimas.
Grande
Pechincha.
Sedinbas de quadros de todas as cores muito
eocerpadas covado 720 rs., chitaa francezas a 220,
240, 260 e 280 rs. o covado. pegas de cambraia
brancas finas a 2*500. 3f e 3*500, pecas de ma-
dapolao francez enfestado a 3;>, ditas de bratanba
fraoceza enfeatada a ig e 5g, pegaa de enWemeios
e tiras bordadas a 1*. saia balo de 20 a 40 ar-
cos a 39 e 39500, es mais modernas que ha, or-
tos de cambraia de salpicos a 2j : na cu* da
Imperatriz loja de 4 portes o. 56, de Hagaibes A
' Hondas.
Quadros de mol-
dura dourada.
Lindos quadros j feitos de moldura donrada,
proprios para retratos e estampas, pelo diminuto
prego de 5* cada am ; na loja da Victoria, na
ra do Queimado n 75, junto a loja de cera.
Gravatinhas de
froco para senhroas.
Liadas grarstiohas de froco para senhora, pelo
barato prego de 1(500 cada urna '. na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75, junto e loja
de cera.
BOnitOS tOllCadO-
res de armaco e gaveta,
proprios para os senho-
res acadmicos, etc.
A loja d'aguia branca, acaba de receber mui
bonitos toucaderes de armago preta, torneada,
e gaveia com embutidos e machetados que os
tornara mui elegantes, os quaes servem exceden-
temente para os senhores acadmicos, gabinetes
de sen horas, salas de delraz, e de rapazessoltei-
ros, e pelos precos de 8, 9 e 109. sao baratissi-
mos na veteado, e quem os vir na rus do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 16, se agradar, e
iofallivelmente comprar.
Espelhos para
salas.
Ricos espelhos de moldura dourada com mui-
to bons vidros para ornamentos de saias, de va-
rios lmannos e preces : na loja da Victoria, na
ra do Queimado n. 75, junto a loja de cera.
Lindas caixiuhas
com necessarios para costura
Acaba de chegar para a loia d'aguia branca mui
lindas caixinhas matizadas, com espelho, tesoura,
caivete, agulhela, agulheiro, dedal e ponteiro,
tudo pratiado e de apurado gosto, emfim urna
caixinha excedente para um presente, e mesmo
para qualquer senhora a possuir, e vendem-se a
109 e 129 : na lo,,a d'aguia branca, ra do Quei-
mado n. 16.
Estojos para barba.
Ricos estojos con. espelhos e repartimentes
pera os necessarios de barba, pelos precos de 29,
3,4 e 59 cada um : na loja da Victoria, na ra
doQueimado n. 75, junto a loja de cera.
Lencos para rap.
Vendem-se lencos fioissimos de linho proprios
para os tabaquistas por aerem de cores escuras e
flus, pelobaratissimo prego de 69 a duzia : oa
ra doQueimado n. 22, na bemeonhecida loja da
boa f.
Lencos de cam-
braia com padroes de se-
da a2$500a peca
Na loja d'aguia branca tambem se vende mui
bonitos e finos lencos de cambraia imitando soda,
isso pelo baratissimo prego de 29500 a pega de
10 lengos. E' essa urna das pechinchas que custa
apparecer, e quando assim approveiUr-se da
occasio, porque elles servem tanto para algibei-
ra como para meninos, e quem os vir na loja
d'aguia branca, na ra do Queimado n. 16, ter
vontade de comprar mais de urna pega, tal a
bondade delles.
Bom e assim barato
niogaesa deis de comprar uses pasta pira pa-
l pe por I90OO. Na loja d'aceia branca acha-ae
.urna porgo de boas e perfeitas pastas para pa-
pel com calendario perpetuo, e ndice daa festas
mudareis, pelo que se lornam de muia utili-
dade, e o pequeo prego de I9OOO cada essa
convida a aproveitar-se da occaaio ees que se
eslo ellas vendando por metade de que sem-
pre casturam ; assim dirijam-se a ra do
Queimado, loja d'aguia brenca n. 16, que ser
bem servido.
Gravatinhas de raiz de
coral,
o melhor que possivel. Vende-se mui bonitas
gravatinhas de raiz de coral com deas e tres
rodase lagos as ponas, sendo ellas bastante
corapridas, avista do que sao naratissimas a
29500 e39000: assim bom e barato 10 naloja
d'aguia branca, ruado Queimado n. 16.
Saias de cordo.
* Superiores saias de cordo a 39, 39500 e 49,
ditas alcoxoadas muito superiores a 59 ; na ra
do Queimado n. 22, loja da boa f.
Vende-se arroz pilado em sacras, muito
superior, vindo da provincia do Alagoas, por pre-
go eommodo: a tratar oa travesea do arsenal de
guerra n.l a 3,
Manteiga inglez a a 800 rs. e
960, f-anceza a 640, queijos
do vapor a 1,900 rs.
Cha muito bom a 29700. caf lavado a 260 e
200 rs., arroz a 100 rs., toucinho a 320, esper-
maeete a 720, bolachinha a 3$ a barrica, em li-
bras a 160 rs., sabo massa a 200 rs. e 160, ce-
blas a 19280 o cento, aiefte de carrapato a 440:
no armazem da estrada, largo do Paraizo n. 14.
.Bales de cordo.
Chegaram a loja da ra da Cadeia, esquina da
ra da Madre de Doos, os econmicos baldes de
cordo, que se vendem pelo barato prego de 39
cada um.
Attenco.
Vende-se urna casa sita na villa da Escada,
muito propria para negocio por ser no pateo da
feira : os pretendentes dirijam-se a mesma villa,
no pateo da feira, ra da Cadeia, que achara com
quem tratar.
Nova peclrincha.
Cortes de cambraia branco de salpicea e bor-
dado com 8 e meia varas pelo diminuto prego
de 49 o corte : m rus do erespo n. tO B, lojade
Adriano:& Castro.
Vende-se a gorda carne do serto a 320 a
libra ; oa roa da Sauzal* Nova n, 1,
Ruada SenzalaNoyan.42
Vende-'ss om casado S. P.JonhstOB &C.
sellinse silh5esngiezes,candeiro; a castigaos
bronceados,! oaas nglazes, fio de val a, chicote
para carros, emoDiaria,rriospara carro ds
um a ious cvalos ralogiosde ouro patente
,U 4 2.S0O o covado.
Damasco de seda boa fazenda, encarnado, cor
de canna e branco.
Manteletes de fil preto enfeitados com bico a 59.
Damasco de l com 6 palmos de largura cova-
do a 13500.
Chales de merino bordados a velludo superior
fazenda a 85.
Corles de casemira de cor a 39500.
Setim Maco superior a 2J500.
Casemira preta setim superior a 2;500.
Pegas de indiana Qnissima com 10 varas a 8$.
Na ra do Crespo loja n. 10.
Vende-se em casa de AdamsoD, Howie &
C, ra do Trapiche Novo n. 42, biscoitos Inglezes
sortidos, em pequeas latas.
Tachas e moendas
Braga Filbo sito da ra da Moeda n 3 A, um grande sor-
manto de tachas moendas para engenho ds
muito acreditado fabricante Edwin Maw a tra-
tar no mesmo deposito ou na ra do Trapiche
u. I.
Seceos molhados
No antigo eslabelecimenlo de seceos e molha-
dos do pateo do Carmo, esquina da ra de Hor-
tas n. 2, continua-se a vender todos os gneros
o mais em conta possivel, a saber; assucar bran-
co fino a 140 rs., baixo a 120, maacavado a 160
rs., refinado lino a 160, baixo a 140, crystalieado
a.220, caf a 200, 240e 280, dito sooido a400rs.,
pimenla da India a 440, crave e 800 rs., heswa-
doce a 590, cominho a 1. alfazeoM a 320, cha a
2800, dito muito fino a 39, preto a 198O0. bola-
chinhas e sequilhos de todas as qualidades a 300
rs.. ingleza a 320, passas a 590 rs., toucinho a
400 is., gomma bem alva a 120, fariaaa do Mars-
nho a 140, alpiste a 200 rs., queijo suisso muito
fino a 480. dito de prato a 640, dito flamengo a
29800. chouricas a 600 rs., paios a 280 um, man-
Leiga isgleze 800 rs. e 9b0, muito fina a 19300,
franceee e 940e 720, banha bem ala e 480. vi-
nho a 400, 480. 560 e 640, braoeo a 560 a gem*,
e em canudas ae vende por menos, engarrafado
legitimo do Porto a I96OO, l$O0, 19200 e 1100,
Figueirae 800 rs espermaeete e 8U0 rs.. velas
de careen** a 440, a 480 finas, arroz a 120 e 140
muito fino, azeite doce e 740, eletria, mecer rao e
lalherim a 560, carias para jegar a 300, palitos do
gaz, groza a &OO, urna duzia 240. oaixvnhe a SO
rs greta em Utas, duzia e 1J200. orna lata 120
rs., doce de goiaba, caixoas de 4 libras a 29200,
ifim lodoee vende barato, latinhas com tard-
as de Nenies e 460.
VendG-se paca mais de 50 rolas denomina-
des hambatgeetas ; ne ra de 8. Fneoetaeo-cemo ----------
quem ved pera a rus Bella, sobrado n. 10; dando- Trassoi o Porte superiores vara* a
se mais em conta a quem comprar todas. 1 190, 120 a
31 Ra Direita 31.
Chegaram os to desojados vidros para vidra-
gas, em caixas.
Vende-se urna plantago decapita om esta-
do de se cortar, perto desta cidade, a margem do
rio Capibaribe: a tratar na ra do Crespo n. 25 A.
Superiores organ-
dys.
Na lujo da boa f, na ra do Queimado n. 22,
vende-se flnissimo organdys de muito linios pa-
droes, pelo baratissimo prego de 720 rs. a vara,
fazenda de 19200, e quem nao andar muito de-
presse ficar sem a pechincha ; na ra do Quei-
mado n. 22, na loja da boa f.
Vestidos brancos
bordados.
Aioda restam alguns corles de vestidos brancos
bordados que continuam-se a vender pelo bara-
tissimo prego de 59, com 2 e 3 babados, de gra-
ca : na rus do Queimado n. 22, na bem conheci-
da loja da boa f. .
Arados americano e machina-
pata lavar roupa :em cas a de S.P .Jos
nhston & G. ra daSenzala n.4-2.
Cheguem ao barato.
O Preguica est queimando, em sua loja na
ra do Queimado n. 2.
Pegas debretanha de rolo com 10 varas a 29
easemira escura entestada propria para calsa,
collete e palitos a 960 rs, o covado, cambraia
organdiz de muito bom gosto a 480 rs. a vara,
dita liza transparente muito fina a 39, 49 e 69
a pega, dita tapada, com 10 varas a 59 e 6{ a
pega, chitas largas de modernos e escollados pa-
droes a 240, 260 e 280 rs. o covado, requissi-
rnos challes de merino estampados a 79 e 89
ditos bordados com duas palmas, fazenda muito
delicada a 99 cada um, ditos com urna s palma
muito finos a 89500 rs., ditos lizos com franja
de seda a 59, lengos de cassa com barra a
100,120 e 160 rs. cada um, meias muito finas
para senhora a 49 a duzia, ditas de boa qualida-
de a 39 e 39500 rs. a duzia, chitas francezas
de ricos deseuhos para coberta a 280 rs. o cova-
do, chitas escuras inglezas a 59900 rs. a pea,
e a 160 rs. oeovado, brim braoeo de puro linho
a 19, 19200 e 19600 rs. a vara, dito preto
muito encorpado a 19500 rs. a vara, brilhanlina
azul a 400 rs. o covado, apalea de differentes
cores a 39600 rs. o covado, casemiras pretas fi-
nas a 29500, 3> e 39500 rs, o covado, cam-
braia preta e de salpicos a 500 rs. a vara, e ou-
tias muitas fazendas que se far patente ao com-
prador e de todas se darlo amostra com penhor.
Vendem-se quatro tachos de cobre proprios
de reQnago, todos ou avulso: na ra dos tiuara-
rapes n. 42.
ntremelos bordados.
Vende-se a I96OO e a 29 a pega de ntremelos
muito finos e ricamente bordados ; na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
lval sem segundo.
Na rus do Queimado n. 55, loja de miudezas
de Jos de Azevedo Maia e Silva, tem pera ven-
der pelos diminutos pregos abaixo declarados pa-
ra apurar dinheiro, poia o que muito precisa,
garante tudo perfeito, poia o prego admira ;
Linha do gaz superior para marcar, no-
vele e
Dita do gaz brancas e de cores, novelo a
Dita de carretel muito boe, carretela
Nvelos de linha do gaz brancas a 10 e
Cerreteis com linha preta muito gran-
des a
Varas de franja del muito bonitas a
Pegaa de tranga de l muito bonitas e
eom 10 varea s
Pares de meias cruas para menino a
Ditos ditos de cores todos ostamanhos a
Ditos de cores para meninas a
Duzia de meias eruas pare homem a
Cartoea de linha Pedro V com 400 jar-
das a
Caixas com tissoes para acender chare-
tos a
Caixaacom phoaphoros de aegurenga e
Duzia de phosphofos do gaz a
Files para enfiar vestidos muito gran-
des e
Frescos d'agua de colonia muilo supe-
rior a
Ditos cosaoheiros muito fino
Duiia de meias pase senhora o melhor
que ha a
Pegaa de trancinha de la oortidas a
Seboneles superiores e multo acendes
Groza de botdes de osso para caiga aendo
pequeo a
fma de ditos grandes a
Pegas de fita de linho brancas e do co-
res e 40
Groza da penas de age maito Anee a 500
Freafcos de opiata pera limper denles a 400
Copos com banha mello boa e 640
Eepelhos de columnas madeira branca a 1J500
Carteiras para guardar dinheiro 500
Rtelejoe para meninos a 40
Baralbo portuguez 120
Varas de franja para cortinados a 240
Groza de botdes de louca brancos a 120
Tesooras muito fise para unbas e cos-
tara a 409
Caixas de charutos de Ha va na muito su-
periores a 49OOO
Cartas muito finas para voltereta o ba-
ralho a 240 e 320
Varas de bico largura de 3 dedos ISO
Garrafas com agua celeste para cheiro a 19500
Rialejoscom Svozea pera meninos a 100
Roa do Queimado n, 10,
loja de 4 portas
de Ferr&o .$ Maia,
vendem-se barato as seguinles rateadas, para li-
quidar.
Cortes de casemira finos de cor a 39500 e 49.
Ditos de dita ditos de cor preta a 59 e 69.
Ditos de brim de puro linha a 19600 e 29.
Panno preto, azul, verde e cor de caf, covado
a 3SO0O.
Cortes de superior velludo de cor a 4$ e 59000,
Manteletes de fil preto bordado a 49*
Visitas de seda abertas a fil a 49
Mants de dita ditas a fil a 49 e 59*
Riquissimos cortes de seda a 80, 90 a IOO9.
Dilos ditos de dita a 15, 20 e 259.
Cbales com palma de seda a 29 e 29500.
Cortes de cambraia bordada a I98OO.
Lengos bordados com bico, duzia a 19500 e 29.
Chales de touquim a 15 e 309-
Ditos de merino bordado a 4, 5 e 69.
Chitas francezas, qualidade superior, covado
a 240 rs.
Ditas inglezas, cores fixas, covado a 160 rs.
Lengos de seda da India a 19*
Cambraias lisas muilo finas, eom 8 varas a pe-
ga a 39500 0 49.
Cazareques o capinhas de foslo branco a 89 6
95000.
Meias de algodo cr superior fazenda a 49.
Chapeos a Garibaldi a 14 e 159.
Enfeites e chapeos traviata a 9,10 e 129.
Herneslina, riquissima fazenda para vestido
de sanhora, covado a 400 e 500 rs.
Ambrosina, idem idem, covado a 500 rs.
Mimos do co. covado a 500 rs.
Sedinhas de quadros, covado a 700, 800,900 e
19000.
Manguitos de cambraia bordados, um 500 rs.
Gollinhas idem, urna 320 rs.
Superiores espartilhos para senhora a 4g.
Brim branco de linho, vara a 700, 800 e 19.
Pechincha
Tasso Irmaos acabam de receber nova porgo
de chicotes inglezes para carro, cabriole!, mon-
tera e caga. Os Srs. donos de cocheiras teem
boa occasio de supprirem-se de bons e baratos
chicotes.
Trapiche
Bardo do Livramento.
Largo da assembla n. 15.
Ha continuamente para vender, neste novo es-
tabelecimeoto o seguate :
Cera de carnauba em porges ou a retalho,
qualidade regular e superior.
Cebo do Porto em ceitiohas de 1 arroba a 4.
Barricas com sebo do Rio Grande em porcoes
ou s retalho.
Velas de carnauba pura em caixinhas de 1 a 2
arrobas.
Meios de sola, differentes qualidades, em por-
gues ou a retalho.
Couriohos curtidos.
Farioha de mandioca por 19500 o sacco.
Farello em saceos grandes por 39800 o sacco.
Feijo de corda
no armazem de Tasso Irmaos, rus do Amorim
n.35.
Ray mundo
Carlos Leite &
Irmo recebe-
ram pela bar-
ca Clarissavin-
da ltimamen-
te de New-
York.um com-
pleto s o r t i -
ment das me-
Inores machi-
nas de cozer
dos mais afa-
mados autores
m e 1 h o r a dos
com novos
a pe r fe i coa-
mentos, faz ed o pesponto igual pelos dous lados
da costura, mostrem-se na rea de Imperatriz n.
12, a qualquer hora. Tambem receberam todos
os preparos para es mesmos como sgulbas, re-
trozes em carrtteis, linha de todas aa cores tudo
fabricado expressamente para as mesmas ma-
chinas.
40
30
30
20
160
100
too
200
160
120
29400
80
40
160
240
80
400
500
39000
50,
180:
4flD
240
Encyclo-
pedica
l^oja de fazendas
[Ra do Crespo numero 17.
DE
Guimardes ft Villar.
Para acabar com certas fazendas ven-
demos barst8Smos:
Chapelinaa de seda de riquissimos gostos
a 129 cada urna.
Ditos depalhade Italia a 289.
Gollinhas e manguitos de punho de su-
perior qualidade a 39-
Cessas de cores fixas o delicados padroes
a 280 rs. o covado.
Sedas, cambraias, cassas, chitas e tudo
quanto pertence para adornos de se-
nhora porbaratiasimos pregos.
Calcado Mell de 2 solas e sola fina.
Para homens.
Grande sortimento de roupas feitas
chapeos de todas aa qualidades.
i
seo
para
190
Objectos de gosto
casamentas.
A loja d'aguia branca acabe de receber de sua
eocommendi um completo sortimento de objec-
tos de gosto, proprios para casamento*, sendo
finas luvas de pellica enfeitadas para noivas, de-
licadas capelias com 1 e t caixoa para o peito,
caicos brancos de flores mui finas, bonitas fitas
brancas lavradea para lagoe, ditas muito eslreitas
pare enfeitea de vestidos, franjes de seda e tran-
gas brancas para o mesmo fin), meias brancas
de seda, fazenda muito boa, bonitas ligas de
dita (to bem ha para meninae) grvalas bren-
cas do seda e chamelote para noivoa, em fina
urna variedade de objectos eacolhidas ao melhor
gesto, e o mais moderno, todos proprios para
casamentes: na rus do Queimado, loja d aguia
renca, n. 18.
Relogios.
Ysnda-ss ta easa de Johnston Patar C,
a do Vigario n. S um bello sor tiznen to dio
relogieaeeeejro,patente ingles, de um dos mata
afamados fabricantes do Liverpool; tembet
Mt miadeie do o*i40* trojwoliM pea os



DUUO DE tftftJUtflOCO. QUIKTA flIBA 8 DI SETEMBRO DI 1M1.

Attenc.o s maees.
Vendem-se majaes muito perfeitas chegadaa
pelo ultimo Tipor, declara-es que a porfi
pequea: na ra 4a Senzala Nora a. 1.
Caixas para joias.
Liadas caixinhas pora guardar Joiaa, pelo pro-
cos baratoa do 400. 600, 800. t* t> cada ana *
na toja do Victoria, na ra do Queimado n. 75:
junto a loja do cora.
Attenco.
Ha ra do Trapicho o. 48, am eaia da R o ib
Rooker & C., existe um boro aortimonto do 11-
nhaa.docorea o brancaaom carroteia do melbAr
abricantedelnglaUrra,as qaaee stvendsm por
precos muirazoavsia -
Papel para msicas, pa-
pel paulada e riscado
para contaa e factaraa, papel mata-borrio; ven-
de-se na loja d'aguia branca, ra do Queimado
numero 16.
Sdaco de cen
5 fazendas finas.
:
i
i
i
i
RA. DO CRESPO H. !7.
Riquissimas chapelinas de seda para
senhoras, de diversas cores a 12$.
Ceasis de cores bonitos padroes a 240
rs. o corado.
Gassaa e orgaodys de cores a 180 rs. o
covado. ff
Chitas do todas aa qualidades e presos.
Muitissimas fazeodas finas que se Ten- 0
dem por prego Aaratissimos para liqui- S
dar, dao-ie amostra das fazendas. f>

Potassa da Russia e cal de
s
Na ra da Cruz a. 10, cata de
Kalkmann Irmaos &C, tem ex-
polio um completo sortimento
de amostras de objectos de bor-
racha, proprio para machinas de
engenhos, sendo correias para
transmittir morimento, canudos
de borracha de qualquer com-
pri ment e grossura, pannos de
borracha, rod tas de dita, so-
bre ditos artigos tomam-se en-
commendas.
I
S
I
I
de
na
urna a
loja da
Lisboa.
No beta conhecido e acreditado deposito da na
da Cadeia do Recite n. 12, ha para rendar a ver-
dadeira potassa da Russia, ora de superior
m qualidade, aasim como tambem cal rirgem em
* pedra ; tudo por presos mais baratos do que em
outra qualquer parte.
FNDICiO L0W-N01)
Ra daSenzalla Nova n.42,
fiesta is tabaleci meato contina a har ra
completo sorliman to demoendaseaeias moen-
dis paradQganho,achinas da rapor etaixas
te ferro batido a eoado,do todos ostamanhos
para dito,
O torrador!!!
M L.*Tgo do Ter$o M
Quem durilar reoha rer; manteiga ingTeza
perfeitamenle flor a lj> a libra, franceza a 640 e
o 680 a libra, batatas nruito novas a 80 rs. a libra
assim como se torra massas muito finas para sopa
a 440 ris a libra e outros mullos gneros perten-
centes molhados, (a dinheiro vista.)
Loja das seis portas em
frente do Livramento.
Roupa feita para acabar,
PalelQts de panno preto a 2*5, fazenda n
calcas de casemira pretaa e de cores, ditas de
brim o de ganga, ditas de brim brauco, paletots
do bramante a 4, ditos de fusto de cores a 4j
ditos de estamenha a 45, ditos de brim pardo
39, ditos de alpaca preta saceos e sobrecasacoa,
dolletes de velludo pretos e de cores, ditos de
cdrguro de seda, gravatas de linho as mais mo-
bernas a 200 rs. cada urna, collarinhoa do linho
gauliima moda, todas estas fazendas se vendo
parato para acabar; a loja est aberta das 6 ho-
ras da manhaa at as 9 da noite.
A i$ o corte
de caiga de meias casemiras escuras
cor ; na ras do Queimado n. 22,
boa f.
MtMMMNpMat -
$$ Em casa de Kalkmann Irmaos
0 &C, na ra da Cruz n. 10, exis- i
te constantemente um completo
f] sortimento de \
^ Vinhos Bordeaux de todas as
aja. qualidades.
Dito Xerez em barris.
am Dito Madeira em barris e caixas.
a Dito Muscatel em caixas.
| Dito champanhe em gigos. (
| Cognac em barr.
a Cerveja branca.
a Agua de Seltz.
a Azeite doce muito fino em caixas.
a Alvaiade em barris.
I Cevadinha em garrafoes.
rMMMCM M3 flIMMMBMBIMal
.titl
SIMPA FEITA ilNDAiAlSBARATiS.!
5 SORTIMENTO COMPLETO !
8 "
Ifrazendas e obras feilasj
LOJA EARMAZEM
DE
IGes k Basto!
NA
Vende-se urna boa armadlo
toda enrernisada, que serr para
belecimento, e por preco razoave
Crespo n. 15, loja.
de amarello,
qualquer osta-
1: na ra do
Attenoao
Vendem-se caixoes vasios proprios
para bahuleiros.funileiros etc. a 1 280:
quem pretender dirija-se a esta tipo-
graphia, que ah se dir' quem ostem
para vender.
Rudt do Amorim
VENDE-SE:
Milbo novo, saccaa de 3|4 por 49300.
Dito de meia idade por 35500.
Dito relho por 3.
jAinda ha pe-
chincha. |
Chegon a ra do Crespo n. 8 2
loja de 4 portas, um sortimento 8
5 de casias de cores ixas e lindos 2
padroes que se vendem a 240 rs.
^ o covado, dSo se amostras com '
g penhor.
*" www wvlewww wwt*t miiM mmm mam #.uv irwv^r
Raz de coral.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n. 1 b,
rende- se a rerdadeira raiz de coral a 900 rs. o fio.
Caixinhas
Ra do Queimado
A. 4fc, freate anareW.i
Constantemente emosumgrandeeva-
riado sortimento dosobrecasseaspretas
de panno o de cores multo fino a 281,
80$ e 35>, paletots dos meamos pannos
a Of ,32f e 24$, ditos saceos pretos dos
mesmos pannos a 149,109 o 18$, casa-
ais pretasmuitobem teitaaedesuperior
panno a 389, 30$ a 359. sobrecaaaras de
eaeemira da eore maito nos a 159, lt>$
0 18f, ditossaccos das mesmascasemi-
ras a 10|, 11) e 14$, cala pretai de
casemira fina para bomem a 89, 99, Of
e tS, ditas de casemira decorea a 7,88,
99 e 109, ditas do brimbrancos muito
fina a 5| o 69, ditas de dito de cores a
39, 39500, 49 e 49500, ditas de meia ca-
semira dricas cores a 4J e 4(500, col-
letesprotosdecasomiraa 59 e69, ditos
da ditos do coro a 4f 500 a 59,. ditos
branco ida seda para casamento 59,
1 ditos da 69, eolletes dtbrim branco e de
'fusto a 39, 39500 e 48, ditos de cores a
128500 o 39, paletotaavetosde merino de
cordaaaacco esobrecasacoa "S.88 e9,
.eolletespretospara luto a 49500 a 59,
as pretaa da marin a 485P0 t l-t, pa-
1 etots dealpaca preta a 39500 e 41, ditos'!
sobracasaco a 68,78 e 8$. muito finocol-M
latos de gorsjLuro deaedadecoremaito
boafaxendaa39800e48i eolletetderel-
lado de crese pretos a 79 e 89, roupa
para menino sobre casaca de panno pre-
] tos e de corea a 149,159 I69, ditos de
p eaeemira saccopara os mesmos a 69500 e
78,ditosde alpaca pretos saceos a 39 a
39500,ditos sobrecasacos a Sfl^kJSjSOO,
calQasdecssemirapretie dew^t a 69,
OfSOO e 79, camisas para menino a 20y
81 daxia, camisas ioglexa prega ilargat
* muitooaperioratS29aduziaparaacabar.
I Assim corno temos urna officina deal
5'siate onderaandamoi executar toda aa
S obrascom breridade.
wmmwBm
A 2^500
Chales de merino estampados, que em
lojas se rendem por 49 e 59 na loja da
na ruado Queimado n. 23, rende-ee pelo
tissimo preco de 29500.
Tl:3K3K3fc3K'e^i^'a^a^flKMi*a!
eobertos deseobartosr pequeos e grsndss, de
ostro patente ingle, para hememo leahora de
osa dos melhoras fabrieantude Liverpool,rin-
dos solo ultimo paquete inglex : am esssda
Sootfaall Mellor C.
Carros e carrocas.
Em casa de N. O. Bieber
A C. successores ra da Cruz
numero A.
Veadem-aa corroe americanos mui elegantes
o leves para das e 4 pessoss e recebem-se en-
commendaa para cujo fim elles possuem map-
pas com varioa desenhos, tambem venden car-
rocas para condueco de assucar etc.
N. O. Bieber 4 C, soceessores, rna da Cruz
n. 4, tem para vender relogios para algibeira de
eoro e prata.
Grvalas da moda.
Vendem-se graralinhas estreitas muito supe-
riores, tanto pretas como de cores, pelo baratis-
aimo preco de 19; na ra do Queimado n. 32,
na loja da boa f,
Bramante de linho muito
superior.
Vende-se superior bramante de linbo com duas
raras de largura, pelo baratissim o pre;o de 29400
a rara : na ra do Qneimado a. 23, na bem co-
nhecida loja da boa f.
Attenco.
Francisco II ou a Liberdade da Italia, drama
histrico em 5 actos por Francisco Gaudencio
Sabbasda Costa : acha-se i renda ea lirraria
econmica ao p do arco de Santo Antonio, a
IgOOO cada exemplar.
Casemiras a
1
4.000 o corte, na
loja do Pavo.
Vende-se fnissimos cortes de aasemi-
raenestada de cores pelo diminuto
preco de i$ o corte para calcas, assim
como tem das mesmas para vender a
2^400 rs. o covado proprias para pa-
letots, calca e collete, recommenda se
muito esta fazenda aos Srs. alfaiates que
costumam a fazer roupa para vender,
porque tao cedo nao acham urna pe-
chincha igual : na ra da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva
Calcado
45
Vende-se luvas de
camur;a branca e amarella para militar
a 29 o par: na loja de Nabuco & C na
ra Nora n.S.
Ssevendo.
vejam
Sapatos
9

*w suw wmrw anrrw rB aTow sroraj wh^ osvasrv ru* wm
eutif
ba
bara
VICTORIA
Faj\
com msica.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug D. i
B, chegado de sua ppopria encommenda muito
lindas caixinhas de costara com msica
para mimo, que se rende muito barato.
"propna
Acaba de:
chegar
ao noy armazem
DE
B4ST0S & REG
Na ra Nova junto a Con-
ceicao dos Milita-
res n. -47.
grai
eit
DE
oses Jnior
Na ra do Queimado n. 75,
juuto a loja de cera.
Esta loja acha-se provida de um completo sor-
timento de miudezas para vender, tanto por ata-
cado como a retalho, por precos muito baratoa
como abaixo se ver, s para quem comprar, vic-
toria sempre contar.
Colcbetes fraocexes bons em carteo de urna car-
reira a 40 rs.' e duzia 400 rs.
Ditos tambem bons de duas carreiras a 80 rs.
e 900 rs. a duiia.
Ditos da trra em caixinhas a 800 rs. a duzia.'"
Agulhas fraucezas boas a 120 rs. a caixa com 4
pape.
Ditas as melheres que se encontram a 240 rs.
a caixa com 4 papis.
Ditas em papel avulso a 40 rs. o papel.
Ditas para endar a 40 rs. cada urna.
Lioha victoria em carritel com 200 jardas a 60
rs. e duzia a 640 rs.
Ditas de 200 jardas, do Alexander a 900 rs. a
duzia.
Ditas de 100 jardis brancas e de cores a 30 rs.
o carritel.
Ditas de Pedro V, em carlo com 300 jardas a
60 rs. a cartao.
Ditas de peso verdadeiras miadas grandes a
240 rs. a miada.
Ditas de meada cabeca branca e encarnada a
120 rs. a meada.
Ditas do gis brancas e de cores a 800 e 900 rs
a caixa com 50 novellos.
Papis com cento e tantos alnetes a 40 rs. e
duzias 400 rs.
AlQnetea frincezes cabera chata a 120 rs. a
carta.
Ditas para armaces a 28600 o maco.
Cordio imperial para vestido a 40 rs. apega.
Enfladores de algodo a 60 rs. cada um.
Caivetes Anos de duas folhas para peona a
200 rs. cada um e duzia a 2$000.
Ditos de cabo de riado de urna fOlha de 160 rs.
cada um e duzia a 1$600.
Ditos mais ordinarios a 120 rs. eada um e du-
zia a 1|300.
Lia de todas as eores para bordar a 61506 a
libra. *
Pentes muito bons de baleia para alisar a 230,
240 e 280 rs. oada um.
Ditos os melboras e maioree que se eneontram
a800rs.
Ditos transparente* muito bons a 400 rs.
Meias cruaa brancas e de corea para hornero a
160, 200,240 e 280 rs. o par.
Ditas pretas para homem a 140 rs. o par.
Ditas para senhoraa a 240, 280 e 330 rs. o par.
Ditas brancas croas e de cores para menino a
160. 300, 240 e 288 rs. o par.
Ditas pretas pera-senhora a 200 e240 rs. o par.
Enfeites de ridrilho.a 1&800 rs. cada usa.
Ditas a Imperatriz muito lindos a 8!) cada um.
Cinlures de seda coa borracha para bomem a
320 eada um.
Ditos de algodao 240 rs. cada um.
Cintos muito lindos para senhora a 1$8*0, Sf,
29500 e 39 eada aso.
Franja* de balotas brancas e de core para cor-
tfoados a 49 a peca.
BiUe dealgoea para toslha a 2SJ600 a peca.
Ditas de linho para casaveque a 120 ts. a rata;
E outras maJaaa aaiadeaas que ea- tarnaro en-
fadonho menciona-las aflanejuido-se, porm, que
nao se deixari da render a quem trouxer dinhei-
ro na loja
Vendem-se os engenhos
S. Pedro e Espirito Santo, am-
bos moentes e correntes e
d'agua, sitos na freguezia de
S. Bento comarca de Porto
Calvo e provincia de Alagoas,
o primeiro tem casa de en ge-
nto e poucas obras, porm
safreja quatro mil pes o se-
gundo tem boas obras, porm
s safreja dous mil pes:
quera pretende-los dirija-se
a ra da Cadeia do Recife n.
26, primeiro andar, que acha-
ra com quem tratar.
Lencos brancos.
Vendeaj-se lencos brancos proprios para algi-
beira, pelo baralissimo prego de 3$400 a duzia :
na ra do Queimado a. 23, loja da boa f.
Ra do Queimado
n. 19.
Santos Coelho vende o seguinte :
Cobertas de chita a cbineza a 1&800.
Lences.
LenQes de panno de linho a 19900,39 e 35*300.
cortes de phantazia.
Lindos cortes de phantazia de seda pelo bara-
lissimo preco de 8j> cadi corte.
Toalhas de fusto a 500 n. ead urna.
Cambraia brancada aalpicoa grandes para ves-
tido, sendo cada pega a 5$;
Golliohas bordadas para senhora, muito finas
a2900p.
Sortimento de baldes para meninas.
Bramante de linbo para lences, lendo de lar-
gura 10 palmos, pelo prego de 2$ a rara.
Algodo monatre a 480 arara.
Bramante de algodao a tg-280 a rara.
Cortes de seda de todas as cores, fazenda su-
perior, a preco de 49, ditos com toque de mofo a
259000.
Chapeos de sol de seda para meninos e me-
ninas.
Capaila brancas para noiva a 5$.
Chapeos para senhora.
Ricos chapeos de-seda e de reliado para se-
nhora, pelo baratissimo preco de 15 e 169: na
ra do Queimado. a. 28, loja da boa f.
Leite puro.
Na rna do Vigarjo. depositen. 6, rende-se lei-
te- paro a 320 a garrafa, desde aa 6 1$ e f ho-
ras da manhaa.
Luvas de Joutu.
Conlinua-se a vender aa superiores luvas da
pellica de Jouvin, tanta para hornea consonara
ro na loja da Fajozes Jnior na na do Queima- senhora ; na rna do Queimano n. 22, na loja da
boa f.
variado sortimento de
roupas teitas, calcados* fazendas e todos
estes se rendem por precos mnito modi-
tlcadoa como de seu coslume,assim como
sejam sobrecasacos de superiores pannos
e casacos feitos pelos ltimos figurines a
269,389, 309 e a 359, paletots dos mesmos
*f pannos preto a 16J, 18f 309 o a 349,
1 ditoa de casemira de cor mesclado e de
S noros padroes a 149.169, I89,209 e 249,
{ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 99, 109,129 a a 149, ditos pretos pe-
lo diminuto prego de 89. 109, e 12#, ditoa
de sarja de seda a sobrecasacados a 129.
ditos de merino de cordae a 12$, ditos
de merino chinez de apurado gosto a 159,
S ditos de alpaca preta a 79, 89, 99 e a 109,
tm ditos siccos pretos a 49. ditos de palha de
|E seda fazenda muito superior a 49500, di-
5 tos de brim pardo e de fusto a 39500, 49
e a 49500, ditos de fusto branco a 49.
S grande quantidade de calcas de casemira
m preta e de cores a 79, 89, 99 e a 109, ditas
pardas a 39 e a 49, ditas de brim decores
tinas a 2$500, 39, 39500 e a 4$. ditaa de
brim brancos finas a 49500, 5$, 59500 e a
S 69, ditas de brim lona a 59 e a 6$, eolletes
{de gorguro preto e de cores a 5g e a 68,
ditos de casemira de cor e pretos a 4$500
e a 59, ditos de fusilo branco e de brim
a 39 e a 39500, ditos de brim lona a 4|,
ditos de merino para luto a 49 e a 49500,
caigas de merino para luto a 4g500 e a 5g,
E capas de borracha a 99 Para meninos
de todoa os lmannos: caigas de casemira
preta e de cor a 5$, 69 e a 79, ditaa ditas
de brim a 2g, 39 e a 39500, paletets sac-
eos de oasemira preta a 6g e a 19, ditoa
deeor a 69 e a 7$, ditos dealpaca a33,
sobrecasacos de panno prete a 129 e a
149, ditoa de alpaca preta a 59, bocets
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos de todos os tamaitos,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
Eira meninas de 5 a 8 annoa com cinco
abades lisos a 89e a 12$, ditos de gorgu-
ro de oor e de la a 59 e a 69, ditoa de
brim a 39, Utos de cambraia rieamente
bordados para baptisedoa.e muitas outras
fazendas a roupas feilas que deaxam de
aer mencionadas pela sua grande quanti-
dade; assim como recebe-se toda e qual-
quer encommenda de roupas para se
mandar manufacturar e que para este flm
temos um completo sortimento de fazen-
das de gosto e urna grande officina de al-
fa iata dirigida por usa hbil mostr que
pela sua promplidoe perfeicao nadadei-
xa a deaejar.
Bales para meninas.
Vendem-se bales para meninas, de todos os
tamaitos, de madapolio e de mussulina a 39 0 a
49: na na do Queimado n. 22, loja da boa f.
Mantas de retroz para gra-
vatas.
Vendem-se mantas de retroz para gxaratas,
tonto pretas o asa de corona 500 rn. na ra do
Qneimado n. 22, na leja da boa f.
Meias baratissimas.
A 19400 a duzia de parea d meta braoeas fl,
as para hornea :< na rna do Qneimado* 88
na loja da boa j.
Ricos cortes de vestidos bran-
cos bordados.
,* A.' loto da boa f. na ra do Queimsdojsa. 22,
chegou novo sortimento de ricos corles dffrvsti-
dos brancos bordados com 2 e 3 baados, os quaes
continuam a ser rendidos pelo baralissimo prego
de 59 cada corte : ns ra do Queimado n. 33, na
bem eonbecida loja da boa f.
I amado
Crespo n. 8 A. I
LOJA DOS BARATEMOS
Leandro Vende-se fszendas por menos pregos
que em outra qualquer paite, assim o
freguez traga dinheiro.
Pegas de cambraia de salpico muito fi-
na com 8 1\2 raras a 45.
S Chapeos de sol de seda ioglez a 11J.
Dito de alpaca de boa qualidade a 48600.
Entre-meio de cambraia bordados a
1J400 a pega.
Chales de merino estsmpado a 59560.
Dito dito preto e de cores a 49500.
Saias bordadas a 3J.
Ditas muito ricas a SOf.
Cortes de vestido de cambraia branco
bordados a 5$, 109 e 139 o muito ricos a
a 29Se909-
Enfeites a imperatriz a 29 e outras
muitas qualidades de 59 a IOS.
Casaveque de velludo de muito boa
qualidade a 259.
Chapeos de seda para senhora a 89.
Pegas de cambraia lisa da India com 6
1|2 varas e 1 1(2 vara de largura por 10$
fazen-la nova.
Chitas francezas finas a 280 rs. o co-
vado.
Orgaodys de noros padreas a 800 rs. a
rara.
Meias finas inglezas para senhora du-
zia 65.
Dita dita cruas para homem a 59.
[Grandesortimento de rou-
* pa feita.
Casacas muito finas a 30$.
Sobrecasacas multo finas a 249 e 349.
Paletot 8obrecasscado panno mescla-
do a 20$.
SS Dito saceos, casemira de cores a in-
S gleza a I69.
S Dilo de panno preto fino a 179>
a| Dilo de panno preto fino saceos a 179,
Se de outras muitas qualidades que se
jf rende barato.
cr Completo sortimento de perfumaras g
a| ioglezas e francezas. ||
S Charutos de Uavana e da Baha de au
boas qualidades e baratos.
VBKWBmVBPBuafis znfid wBwwBJWWBWwaWWPBaW
Aos terceiros da
veneravel ordena deS.
Francisco.
J chegou a rerdadeira estamenha de la, na
loja de 4 portas, rna do Queimado n. 39, e se
apromptam hbitos desla fazenda a 409, e tam-
bem ha de algodao que se aproroplam a 28$ eada
um, e se rende a fazenda por mdico prego.
Vendem-se as afamadas chinellas do Porto
por 1*800. quem deixar de comprar : na rna da
Senzala Nova n. 1.
Vinissimas casemiras da cores para paletots,
caigas e eolletes a 19400 o covado ; deatas fazen-
das ( na ra da Imperatriz, loja de 4 portas o.
56, de Magalhes & Mendes.
A grande loja de
portas que es-
t queimando.
Na ra da'. Imperatriz loja armazenada de 4
portas n. 56, vende-se ricos enfeites de groxe
para cabega a 49 e 4500, ditos mnito ricos a
5$5O0e 69, siias bordadas a 39 e 39500, ricos
sintos com fivelas muito rica a 2$500 e 39, no-
vas sedas a 640 rs. o covado, orgaodys de lindos
goslsa 640 rs. a vara, todas as fazendas se do
amostras ou mandam-se pelos caixeiros da casa.
N. B. recommenda-se muito que por favor quan-
do venha ver qualquer fazenda loja de 4 portas
isto para nao haver engao na loja de Magalhes
& Hender.
Ra Direita 45
Magnifico sortimento.
Sempre cnndescendeaie e prezenteiro com os
fregueze. que Ihetrazem dinheiro, o proprieta-
no deste grande estabelecimento continua a of-
ferecer ao publico, por pregos mdicos e sempre
!fie,TeH "r08 d* Utr0', 8eu bell "rumen:!
de calgado francez, ingles e braaileiro e
Homem.
Boneguins Vctor Em manual. IO5OCO
! xVIl,e porco- 109C00
> lord Palmersloo [bezerro 99500
diversos fabricantes ilustre] 9*000
John Ressell...... 81500
Sapatoes Nantes (bateria inleira). rSflfl
. Pente......\ MOOO
- ttanga [portuguezesj. ; 2$000
(francezes). 1S500
entrada baiza (aola e riraj. 550fl
muito chique (urna sola). 35000
Senhoras.
Borzeguins primor (JolyJ......5J500
bnlhsntina......5gcco
Kaspa alto.......r*0Cft
: K-. : ::: S
s.p.'t..cr'.r!,^33-34;: :: S
francezes fresquinhos. 2s940
31,32.33 e 34 lustre. feoo
E um rico sortimento de couro de lustre be-
zerro francez, marroquim, sola, vaquetas, cou-
nnhos, no, lanas etc., por menos do que nual-
quer outro poda vender.
Venda de escravos.
Vende-se urna escrava de meia idade, muito
fiel, boalavadeir.-. cozinheira. coslureira deal-
faiate, e tambem eogomma alguma cousj. Tam-
bem se vende ums crioalinha, filba a mesma
com 11 a 12 annoa, que j coso chao e faz grades
perfeitamenle, e muo boa para mucamba a
fallar na ra da Aurora, taberna d. 48
Em casa de Mills, Latham & C, na
roa da Cadeia do Recife n. 52, vende-se
Tinta preparadas oleodezinco echum-
bo em latas.
Ancoras e orrentes de ferro.
Tijolos para lirapar facas.
Algodozinho grosso para saceos.
Linha de algodSo em nvelos.
Vinho do Porto engarrafado de muito
superior qualidade.
Dito de Lisboa em barris de 5.
Dito champagne de boa qualidade.
Arroz da India.
Sulfato de ferro.
Oleo de lio haga.
A zarra o.
Salitre.
REMEDIO INCOMPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAT.
Milhares de individuos de todas as nac5es
podem testemunhar as virtudes deste remedio
incompara vele provar em caso necessario, que,
pelo uso que delle fizeram tem seu corpoe
membros i n teira mente saos depois de haver era-
pregado intilmente outros trataremos. Cada
pessea poder-se-ha convencer dessas curas rna-
ravilhosas pela leitura dos peridicos, quelh'as
relatam todos os das ha muitos annhs; e a
maior parte deltas- sao tao sor prndenles que
admirara os mdicos mais celebres. Quantas
pessoas reeobraram com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois dedur
permanecido longo lempo nos hospitaes, o tes
deviam soffrer a amputago I Dallas ha mui-
cas quehavendo deixado esses, asylos depade-
limenios, para se nao submeterem aessaope-
racao dolorosa foram curadas completamente,
mediante o uso desse precioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfusao de seu reco-
nhecimenlo declararam estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, a fim de mais autenticaren) sua a firma-
ti va.
Ninguem desesperara do estado desaude si
tivesse bastante confianga para encinar este re-
medio constantementeseguinrio algnm tempo o
tratamento que neeesstasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provar incontestavelmente.
Que ludo cura.
O ungento be til, mais particu-
larmente nos seguintes casos.
4120 rs. o papel.
Agulhas Victoria
vende se ni loja Esperanza ra do
Queimado n. 33 A.
Feijao em baja e repolhos em sal-
moira, em barrilhinhos de 24 libras,
cousa muito boa ebegados de Lisboa pe-
la barca Relmpago : no armazem
de Nunes & Irmao.
Vende-se ama boa barcaga de nome Clau-
dina bem conheclda, que carrega 20 caixas, toa
de vela : a tralar na ra Ja Senzala Velha n. 13*
no primeiro andar; na mesma casa d-se 1.500
a juros com penhor.
Vende-se urna escrava robusta de boa a-
gura, e varias habilidades: no pateo de S. Pedre
numero 16.
Attenco.
Vende-se telha
e trjolo de alvenatia batida a
ladnlho. obra bem feita, bem cozida, e de barro
a agua doce, por preco em conla, a dioheiro
quem se quizer desengaar v ver e achara na
olana do fundo, junto a fasa do Dr. Lobo Hos-
coso.
BREU.
Vendem-se barris com breu de muito boa Gua-
na ra da Madre de Dos n. 2.
lidade
Escravos fgidos.
@ Loja de fazendas finas
%Mdvinhodt OliveitaBorges W
@ Ra da Cadeia do Rerife n. 40. w
tj) Vendem-se bonitos cortes de vestidos sj|
fe de cambraia brancos bordados a 30$, a
f ditos ditos de cambraia da Escocia fina ;
V sendo toda a saia e fazenda para corpi- V
A nho bordado, prego 50J. A
Vende-se ama escrava crioula boa cosi-
nheirs, de idade 30 annos: na ra eitreita do
Basarlo n. 1.
Vende-se a nropriedade denominada ilha
de Toc Grande junto a barra de SerinhSem, com
120 ps de coqueiros grandes e 40 no vos, com
terreno para so plantar o numero que se quizer :
os preteudenles entendam se no engenho Guerra
do Cabo com o sen proprietario.
Gaz liquido.
Em casa de Samuel P. Johnston & C, raa da
Senzala Nova n. 42,. vendem-se latas com 5 ga-
loes de Kerosine.
Joaqulm Francisco de Mello Santos avisa aos
seus freguezes desla praca e osde tora, que tem
ezposto venda sabio de sua fabricadenomibada
Recifeno armazem dos Srs. Travassos Jnior
k C, na rna do morimn. 58; massa amarella,
castanha, preta a outras qualidades per menor
preco que da outras fabricas. No mesmo arma-
bais tem feito osea deposito develas de carnaa-
za simples sem mistura alguma, como aa da
compoaicio.
Luvas de pellica.
Novo sortimento de loras de pellica chegades
no vapor ioglez para a loja d'aguia branca, na
ra do Queimado n. 16.
Alporcas
Caimbras
Callos.
Ancores.
Cortaduras.
Dores de cabeca.
das costas.
dos membros.
Enfermidaies da culis
em geral.
Ditas de anus.
Erupeoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchacoes.
Inamma^o do figado.
Vende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America da sul, Havana a Hespanba.
Vende-se a 800 rs cada boeetinha contm
urna instruccio em portuguez para explicar o
modo da aaar uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. So un,
pharmaceutico, na ra de Cruz n. 32, am
Pernambuco.
Inflammac_o da bexiga
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pul rao es.
Queimadelas.
Sama.
Supurarles ptridas.
Tinha, ea qualquer
parte que saja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articolaces.
Veias torcidas ou
das as pernss
no-
Ainda se acha fgido o escravo Cosme, c;i-
oulo, idade de 35 annos, eslatura regular, testa
grande, com falta de denles na frente, costures.
mascar fumo e dado a bebidas, foi o ascravo do
Sr. tenente-coronel Jo" Valentim Vilella, tem
offlcio de pedreiro e ca.apia, lem sido visto na
Passagem e suas immediares, porm talvez te-
nhaidopara o eogenho Crauass, aonde tem um
irmao gemeo chamado Dannio, que tambem o
escravo da sogra do mesmo Sr. Vilella, e vendi-
do para o metmo engenho, elle muito conhe-
cido ; pelo que roga-se a todas as autoridades
policiaes, capites de campo, e a quem mais lbe
convier, o favor de o prenderen) e cooduzi-lo ao
seu cenbor Antonio Leal de Barros, no seu sitio
na ra de Joo Fernandes Vieira, junto ao Man-
guinho, que gratificar generosamente
Fugio nodia 22 de agosto paseado nm preo
de nome Ricardo, nago Costa, alto, magro, tem
uns pannos no rosto, representa ter 40 annos de
idade, levou um bah velhoe alguma roupa, tem
sido visto nos arrabaldes desta cidade ; roga-ge
as autoridades policiaesou qualquer pessoa o ap.
prehendam e mandem ra da Cadeia Velha n;
1, a entregar ao abaizo assignado, que ser pag
todo o seu tiabalho.Jos Gongalves Torres.
No da 22 de julho do correnle anno, au-
sentou-se de bordo do vapor Iguarass um
mulato criado de nome Faustino, idade de 21 a
22 annos pouco mais ou menos, natural da cida-
de da Granja e de propriedade do Sr. Jos Anto-
nio de Barros, residente alli, cujos sigoaes sao os
seguinles : alto, corpo regalar, cor amarellada,
cabellos carapinhos, nariz proporcionado, bocea
grande, beicos grossos, bons denles, mal feito da
ps, anda sempre bem vestido e perneado : o su-
pracitado mulato anda pela ra da Aurora inti-
tulndole forro. Roga-se a> autoridades policiaes
e capites de campo a apprebens do predi'.o
mulato e leva-lo ao largo da Assembla n. 12
2 andar, ou em casa do Illm. Sr. commendador
Manoel Goncalves da Silva.
No dia 19 de Janeiro de 1856 fugio do en-
genho das Mallas, comarca do Cabo, um mulato
por nome Jerooymo, idade 30 annos, baixo es-
padado, ps pequeos e carnudos, os dedos dos
ps curtos, pernas grossas. pouca barba, bom ca-
bello, cor acanellada. quando falla gagueja,
mestresapaleiroe carreiro. Da primeira fgida
que fez foi preso em Caruar, e agora consta an-
dar por alli mesmo e pelos serlSes do Penedo -
quando fugio levou um poltro rozilho caban
. com este ferro CI: quem o apprehender e levar
i ao referido engenho receber 100JJ de gratifica-
Co. O referido mualo inlitula-se forro, e cons-
ta andar pelos sertes com esse titulo.
Desappareceu no dia 13 do correte, do si-
tio deS. Josdo Maoguinho, o escravo crioulo,.
maior de 50 asnos, da nome Joaqoim, com os
signae seguinte: cabellos brancos, alio, secco
do corpo, e esa alpargatas ; este escravo foi pro-
priedade do Sr. Manoel Jos Pereira Pacheeo, do
Aracaty, d'onde veio para aqoi fgido : roga-se
a todas aa autoridades policiaes a a quem quer
que o encontr, de o capturar e enlrega-lo e
sillo cima citado, ou na ra do Trapiche d. 15
a Jos Teixeira Basto.
Superiores orgaudys a
720 rs avara,
Vndm-se flnissimos organdys de muito bo-
nitos* padrSes, pelo barstissimo preto de 710 rs
a vara, fazenda que sempre se venden por
I92OO, assim pois, quem quizer comprar fazenda
flus muito bonita e muito barata chegar U ra
do Qneimado n. 22, na bem eonbecida leja da
boa f.
Relogios baratos.
Na rwv'ov n. 21, ha grande per?eo de relo-
gios follados, dourados a de ouro, patnteos ort-
zonraes, suissos e ingieres, os qnaes sera* ven-
didos pelos pregos da factura. Cada retogie leva-
r um recibo em qoe a responeabilisa polo ra-
gulamento durante seta sais.
Acharo-so fgidos os escravos Francisco,
mulato claro, natural da villa do p, provincia
do Cesr, fagido em setembro do anno proxim-
passado, com os signaes seguinles : idade de 35
annos, altura regular, barbado e cabellos pretos
annellados ; e Luiz, cabra, natural do Ico, fugio
do em margo deste anno, e com os seguinles sig-
naes : idade 30 annos, altura regular, muito pou-
ca barba, cheio do corpo, ps grandes, com al-
guns signaes de bexigas no resto, e muito re-
grista ; suppde-se este escravo estar oceulto por
pesaos qoe o protejo, pelo que protesta-se contra
quem o tlver feito : qualquer pessoa qoe os ap-
prehender ou delles der noticia a seu senhor Joo
Jos de Carvalho Moraes Filho, na ra do Quei-
mado, loja de ferragens n. 13, ser bem recom-
pensada.
Esorava fgida.
' No da 4 dejaoho orj correte anno fugio da
aitio da viuva de Joo Ferreira don Santos, na
Passagem da lfsgsaien, a escrava crioula de
nomo Ignez, com os seguintes sigoaes : tem 40
aunes deidad, 4 de estatura regular, tem cor
leada de um dedo da mo esquerda, e
mo ragrista; esta escrava foi propriedade do
senbor do engenho Poeta ; snppoo-sa qoe lia
est oceulu em alguma casa sab e tolo a> forra,
pelo que se proteste contri quem a ti varear sea
odor : rogarse as aateridae porWes e capi-
tes de campo a apprehenso do dita escrava, e
Hevala ao referido sitie, onde receber paga da
' seu trabalho com generotrdade;


^>gy.r..---,:i-iw*.y.i
(8)
Litteratura.
HYWO DI riRkUMCO. quiwta feiha 5 db setembro di mu
As tres soberanas crioulas.
Mairtenosr, Vald, Josefina.
(Conclusio)
Fago-te rainha entre todas as rainhas. Co-
ro-te imperatriz do maior e maig bello do muo-
mais pura esseocia dirina, e delta formando par-
te, cando nao s imperria, se nao va do yerbo
humanado.
Contemplamos em Mara a mulher remida ?
Reraldos todos os homeos fomos; s ella porm
foi exceptuada das penas impostas i descendencia
do primeiro pae.
Adoramo-la como niartyr? Oh I que nunca
houve tratos, lenazes, potros nem fogueiras que
... levou esta grande e8u'>'s5em o acerbo de seu martyrio, o paJecer
noticia Martinica. Nao podereis araliar a ale- i em 0,ltrein mais que era si mesmo, o morrer em
gria da colonia, que se gloriava com or^ulho de
ter dado Fraoga sus primeira imperatriz. Pre-
parou-se urna festa esplendida, e foi esputada
sobre esta bella planicie oForle de Franca, lu-
gar dos passeios da priraeira inocidade de Jose-
pmne. ilanlou se o Te Deum, houreram fogos
de artificios, e dansas. No meio da idanicie eie-
rica decoraco em transparente,
outrern um milho de mortes.
Decahira a nossa oatureza, reduziia a um acer-
I vo de miserias ; surge n Mae de D^us, e rehab
lila-nos. Jaziam cancelladas as portas do em-
pyreo, escaocara-as. Espada de fugo lhes servia
de seritinella, fa-la embainhar. Retardara o
1 mundo o cumprimentn dos orculos dos prouhe-
tas, satisfa-los... mas custa de quelancinantes.
lia ma i nni. ., n_i_____1- j______a '
---- -----._s transparente, ----. ".> a iuh >
representando o templo da gloria. Um perystios ae 1,,e. ^comportareis dores?
de forma corynthia, sustentado por numerosla I )'8T'ara desapparecido os di
columnas, formara a fachada. No centro este-
ramos retratos de Suas Majestades Imperiaes.
sobre os quaes Minerva e a Victoria collocaram
a cora da mmortalidade. Na fronlaria lia-se
esta loscnpcao : Ella uoiu a Martinica Franca
e a l ranea Martinica.
Porm, depois dos dias de prazer, ieram os
de amargura e pesares. Deve-se deplorar a re-
tirada de Malmaison ? ...
Sim, assim como a historia deplora o exilio de
Santa Helena ; lastimando-o o exilado, dao 4
sua gloria urna nova aureola: a aureola do mar-
tyr I
A vida de Josephine seroelhante um bello
da que se acaba; o astro brilhanle que tantos
bioeflciosespalhou sobre a trra extinguiu-se no
suencio e na solidio.
O historiador cessou de fallar e cada um reti-
rou-se para seu camarim. No da seguinle, ao
romper d'aurora, o alegre grito de : Terra! Ier-
ra! sahia de todos os labios. A patria das tres
soberanas enviava-nos seus suaves perfumes, e
elevava no asul dos cus suas verdes colimas, or-
nadas de palmeiras. Desembarcamos algumas ho-
ras depois, e em vio procuramos as estatuas de
francisca, Airae e Josephine I
, ,. ClMRLBS BEAUFRAND.
( Uagasxn Ulteraire. Emilia Lima.)
... pparecido os discpulos, afugen-
tados pelo terror ; s Mara acompaohava Jess
em toda a sua paixo. A peito humano nao
dado compreheoder o que foi l dentro, naquella
grande alma, naquelle coraco de me, e de me
tal, ao ver seu divino Filho", o fructo nico de
I suas entranhas, sua consolado, suas delicias, seu
seohor e seu Deus, trahido, ultrajado; preza de
feras ; sem que niogtiem ousasse deende-lo ;
arrastado ante Plalos ; coodemnado por urna
sentenga infamante ; atado columna; flagella-
do; com aquella veneranda cabega, objecto de
suas adorages e affeiges mais vivas, coroada de
espiuhos, e escorrendo em saogue ; seu corpo
despido e exposto em nudez ; sua sede apagada
cora fel ; humilhado pela companhia de dous la-
dras ; traspassado por urna tanca cobarde ; tra-
teado emfim, escarnecido, vilipendiado como
nunca homeru o fra Oh 1 se tamanhos lances
houveram estalado o corago de feras ; que seria
o de urna mulher, e mulher Me e Me de Deus I
E todava, senhoras, esse coracao sublime, ira-
i menso, divioo, nao estaiou 1 Se Rachel chorou
seus Ulhos, sem admiliir consolago, esta melhor
Rachel, esta mulher verdaaeiraraenle forte, afo-
gara a enormidade de suas dores no ocano de
ineffa veis, consolages I
Iniaginae, senhoras (se que a um sexo, todo
aenliineolo, dado medir profundeza de abys-
mos), iniaginae a angustia, o martyrio daquella
mulher divina. Ei-la de p. era frente do sup-
plicio, lixos os olhos no saogue do (ilho escorreo-
do da cabega pelos acleos, das maos e ps pelos
pregos, espadaando do lado pala tancada, er-
Scrmo da Yirgem da Pedade, na so-
Icmnissima festa celebrada a I. de,,
agosto ue 1861 na egreja da Santa'guenosul,plicesvisUsaocu(iu,,S8l Cruz dos militares, pela irmandade S--E,er^-^dre Do desaraparra'8lmren
das senhoras sob a proteceo de S.
M. a Imperatriz, achando-se presen-
te a mesma augusta senbora e S. M.
o Imperador, pronunciado por Joa-
quim Pinto de Campos, prelado do-
mestico de sua santidade.
Sonet vox la in auribus mei$;
vox enim tua dulcis.
Sde a meus ouvidos a tua voz;
sua dogura me encanta.
Cast. h, xii.
bennoral () Abrara-se de par era par as
portas do sanctuario 1 Nuvens de incens envol-
vam as aras santas I Cnticos e hymnos retum-
bem nestas pias abobadas Transbordem os sen-
Umentos de ioeffavel gralido I E' o da da Me
de Deus; o da em que a co-reJemptora con-
clulu a ais estupenda obra, rehabilitando a hu-
manidade, e consummando tambera por sua pai-
te o sacrificio augusto: o dia da Seohora da
i ledade, da em que commemoraroos de tantos
attnbutos aaximos da Delpara Virgera o mxi-
mo altributo.
Debaixo de invocares diversas sempre Maria
saniissima que veneramos. Cultivar essa devo-
Qao cooyem, em gru egual, a justos, a peccado-
res, a tibios, a tentados, a fervorosos ; porque a
virgem com a sua polerosissima iotercesso a
que converte os peccadore, a que defende os
tentados, a que afervorisa os libios, e a que con-
serva e augmenta os justos e fervorosos.
Toda essa vida mysleriosa e sublime da Rainha
dos aojos a colloca em suprema altura, para a
venerado dos fiis.
Se refleclimos em seu nascmento, pasmamos
aDsorios aole essa excepeo nica da humanida-
ae, que na conceigao da neta de David, segundo
a carne, permittiu que nenhuma macula original
attenuasse a grandeza da que adoram os cus e a
trra.
Se attentamos na sua precoca-*resentjcao no
templo, reconhecemos a mo de Seohor, e a pre-
matura disposiQo para o gr8o successo em que
lne cumpna figurar herona.
Se a encaramos como virgem, nao veneramos
tao s a pureza immaculada, raas sobretudo o
onagre de urna virgera concebeodo em seu casto
seio um fructo nao nascido de hornera, mas da
(*J S. M. a Imperatriz.
FOLHET1I1
OBATEDORDE ESTRADA
POS
PAULO DUPLESSIS.
SEGUNDA PARTE.
(Continuaco.l
XX XVII
Antonia achava-se ae rolla havia urna sema-
na no rancho da Ventana ; dedicaco dos pe-
les-vermelhas devia a alegria de estar gozando
daquella residencia, que lhe era tao cara : por-
quanto estes a (ioham conduzido com todo o cui-
dado u urna especie de lileira. industriosamente
improvisada, e fui assim que ella conseguiu ven-
cer a enorme distancia que a separara da her-
dade.
Dous antigos conhecidos do leitor o Mexica-
no Panocha e o Canadiano Grandjean passea-
vam juntos e conversando no fresco e embalsa-
mado jardim do rancho.
Panocha trajava vestidos de lulo ; nao obstan-
uma lista encarnada descreria algumas linbas
em sentido inverso sobra a restia e calzone-
ra. O luto do hidalgo provinha da certeza que
Ue liona de que a condassa d'Ambron nao po-
da escapar ; e a cor vermelha que se notava em
seus vestidos pretos significara que nao renun-
ciara ao seu systema de tornar-se seductor, com
quanlo tivesse adoptado aquelle trajar de luto.
Porque diabo caminhas to apressado, lhe
perguntou Grandjean, todas as vezes que passa-
mos por diante desta alea ? Parece que tena
ruedo I
Medo, seoboria I Ora essa I E porque ha-
via eu de ter medo ? balbuciou o Mexicano cojo
semblante toroou-sO de umi cor esverdeada.
. ~,,E' que Da0 posso saber. Entremos nes-
ta alea, Panocha.
Esta proposta pareceu causar ao hidalgo extra-
ordinaria repulso ; mas vendo que o seu com-
panheiro o observara, respondeu affectando urna
indifferensa que era desmentida pela alteracao
da voz : *
Pois sim, entremos.
Olha para ali. O que ser aquillo ? pergun-
tou o Canadiano depoia de ter dado alguna
passos.
Aquillo? ropeliu Panocha, reeuando com
Tisivel espanto.
Grandjean indicava com o dedo um monlezi-
nho de trra coberto de urna herva anda muito
nova, que se elevava no meio de algumas flores
desarraigadas.
Aquillo ? replicou o hidalgo cada vez mais
Besapontado. Aquillo. um montezinho de trra...
Bem estou vendo, replicou .Grandgjean ;
mas tem urna forma singular I Dir-se-hia que...
O Mexicano nao o deixou acabar a phrase.
Vamos, ramos daqui I exclamou elle com
incrirel vivacidade.
Grandjean nao oppoz resistencia alguma ao de-
sojo do sea compaoheiro,' lio enrgicamente for-
mulado e to pouco motivado : segoio em si-
lencio.
A' proposito, Panocha, disse o gigante re-
pentinamente, nunca mais souaeste o quo foi
felto de miss Mary ?
Nio, respondeu o hidalgo com voz surds.
Pois ea estou persuadido de que succodeu-
Jhe alguma desgrana.
Panocha revestiu-sa de um ar conlricto, e fln-
gindo-se generossajeote tndigoado. disse!
(Vide Diario n, *)3.
------------------------------- --w w ,,.._, u^ 7(. dendo o espirito : contemplae a espectadora subli-
me de scena to pavorosa que as cousasioanimadas
se quebrantaran), rasgando-se o ru do templo,
tremendo a trra, obumbraudo-se o firmamento,
espedagando-se as pedras, erguendo-se as lageas
das sepulturas ; e ella firme, e ella estarel 1 Se
nos olhos carnaes, como tributo condigo das
filhas de David, despontou urna lagrima, "o cora-
cao i bebeu sequioso, inundado de jubilo, ao ou-
vir as palavras tremendas consummalum esl I E'
que essas palavras sellavam o testamento divino
da redempgo, termo sim da vida do immortal,
noito de urna existencia preciosa, roas arrebol
matutino de existencia melhor, aurora da rege-
nerado da humaoidade 1 Maria. toda amor, con-
siderando todos os homeos como filhos, va, des-
de aquello momento, salvas, lirres, e gloriosas
as geraces que o peccado fulminara. To sublime
pedade abrangia o universo inlero, todos os lu-
gares, lodos os lempos : se pode contemplar viva
o cadver do filho eslendido sobre o regaco que
taas vezes o agasalhra infaote, foi porque esse
cadver lho significava aos olhos da alma rege-
nerago, felicidade do genero humano. E'pois
a pedade de Maria o mais maravilhoso de seus
maravillosos predisados, porque nenhum a eleva
tanto cima da condigao terrestre, porque conclue
a sua obra divinal da co redempgo, porque cons
lilue o pacto que une Maria a trra pelos vncu-
los da eterna proteceo, a trra Maria pelos
vnculos de eterno reconhecimento. Invocado
seu nome, defende, esorga e as3egura ; e para o
invocarmos sempre com gosto nelle derramou
Deus quaotos favos enriqueceram o monte Hybta,
quantas flores se rirara nos jardios de Alcinoo.
L urna vez chamada do coraco esta clemeotissi-
ma Senhora, como negar s'eu patrocinio? e se
a mae nao negar seu patrocinio, como negar o
filho sua misericordia ?
Bastar, porra, senhoras, que nos limitemos a
admirar a torre ebrnea? oh I nao. adoremos
sobretudo a estrella raalutiaa. Nao nos contente-
mos com applsusos e cnticos; corramos ayos o
exemplo. Sirva-nos essa estrella de pharol; tra-
balhemos para melhor roaoha, que a uoite ne-
gra deprocellas, que a pobre uo da humanidade
vai alravessando.em risco de sussobrar.
Foi dito pelo Verbo que as portas do inferno
nao prevaleceriam ; n.io prevaleceram I Masa
obra de Maria, e de Christo, por toda a parte
ameagada : a iniquidade dicta a lei; os fortes
enfraquecom ; os fracos assumem torca ; o culto
decahe ; a moral chrisla relaxa-se; a indife-
renga lavra ; a impindade exulta ; os vicios os-
tentaui-se; a virlude quasi se envergonha ; a
justiga foragida busca refugio sem acha-lo I E os
dias rio mos ; turbilhlo de ideas desorgaoi-
f adoras vai enrolveodo a muitos povos : e j as
ondas revolucionarias rao submergindo ralles e
morros, a amescandoas montanhas onde asien-
tara os thronos, o a propria ioaccessivel sutnmi-
dade d'onda Christo falla ao orbe pela roz de sea
vigario I Aquelle a quem fra facultado na trra
direto de ligar a desalar sobre a redondeza, e
nos cos; aquella a quem foram entregues as
chaves dos pagos celestiaes, l nos livros sanios
que os soldados de Pilatos formararn toda a co-
horte no pretorio a roda de Jess ; que a cora
que lhe puzeram na cabega fui de espinhos; que
o sceptro com que lhe symbolisaram a realez foi
urna caima ; que emquanto ajoelhavara por es-
carneo ante elle, lhe cuspiam, e lhe davam na
cabeca; que no Golgotha lhe deram a beber fel,
e vinagre ; e que depois do o crucificarera, se
apoderara da heranga, langando sortes sobre sua
vestidura I.... Os dias vo mos!... a humani-
dade geme convulsa com as dores de um parto
laborioso e longo ; quenascer delle? um mous-
tro ou um aojo?
Oh I se foi pela mulher que a primeira rederap-
gao se venficou. seja pela mulher que surja a
nova regenerago I Toraem, amazonas da virlu-
de, o lugar que lhes compete na rsnguarda da ci-
vilisaco chrisla I Fagam tudo quanlo quoiram,
queirara tudo quaoto podem !
julgais vos, senhoras, que em vosso poder nao
cabe a traosformago do uosso estado social ? Co-
ragem, senhoras ; pendeui de rossos labios e de
vossas aeces os destinos do futuro. Seja Maria
a generalissiraa da vossa cruzada santa; seja a
pedade de Maria typo da vossa piedade ; reer-
guei-vos e rebabllitai-nos; usai essi vossa fra-
queza poderosississima em pro dos grandes prin-
cipios, e os aojos exultaro, vendo em vos as con-
tinuadoras da larefa da me de Deus.
Duvidais de seraelhantes futuros ? Duvidais de
que a sua approxiraago penda de vossa vonla-
de ? Escutai-me ; e se s minhas rozes se com-
oiunicar o calor da minha conviegao, fio que vos
elevareis no vosso proprio conceito, que nao con-
siderareis extincta a raga das Rbs, Ruths, Noe-
mis, Esthers, Judiths, Annas, Samaritanas, De-
boras, e tantas oulras cujos nomes os livros sa-
grados legaram ao respeito dos seculos ; fio que
aioda a vos, senhoras, possa ser devida no lempo,
unnime gralido na eernt'dade.
O quo esse nobre vulto, que, depois de ter
animado com seu sangue aquelle recem-nascido,
o beija, lhe sorri, e o amamenta; lhe ensim de-
pois a balbuciar palavras, e passos, a reflectir. e
a orar?
Alguma desgraga Nao raulo provavel.
Qualser o homem tomiseravel e to cruel ca-
paz de ofleoder urna mulher ?
Miss Msry uo era urna mulher. Panocha,
pois nao tioha alma I
Oh caramba 1 L isso verdade. Que dif-
ferenga entre essa abomina /el creatora e a signo-
ra Antonia I Urna representara... quero dizer__
urna representa o que ha de peior, e a oulra o
que ha de melhor oeste mundo I
O caso que D. Aotonia translornou-me to-
das as ideas... j nao sei o que deva pensar das
n.ulheres I Estou agora muito propenso a crerque
aqu ou acola se pode encontrar algumas que se-
jam boas.
Pois eu nunca enconlrei urna s que nao o
fosse, observou o hidalgo abaixando os olhos mo-
destamente.
Tu I E' possivel ; porque poes todo o cui-
dado em adornar-te de urna imraensidade deen-
feilese galanteras !... mas eu...
O gigante nao concluio a frase, e Qcou pensa-
tivo.
Apre, senhoria I Nem todos podem ler ao
mesmo terapo forga e belleza : eu, por exemplo,
que sou de urna compleigo fracae delicada, pos-
suo em compeosago um semblante e um talhe
cheios de distiocgo e elegancia.
O gigante soltou urna gargalhada.
O que. Panocha ? Tens-te em canta de dis-
tncto e elegante ? E dahi quem sabe I Sei mui-
to pouco dessas cousas I Entretanto apostaras
mioha carabina contra urna rara em como a
condessa d'Ambron bonita. Nao porque eu 11-
zesse essa descoberta logo a principio : pelo con-
trario vivi muito tempo sem me aperseber da sua
belleza : foi somonte agora depois que ella vol-
tou ao rancho, que oisso reparei.
Cora effeito, D. Antonia nunca foi to bella
como agora. E' incriv*l que tenha lo depresia
melhorado do terrivel abalo que solreu. O eove-
nenamenlo com o leche de palo cousa to gra-
ve I Mas ei-la que justamente se dirige para este
lado em companhia do meu amigo a conde de
Ambroo.
Por onde rem ella. Panocha?
Pela direita.
O gigante apressou-se logo em retirar-se pela
esquerda.-
Antonia encostada ao braco do seu marido ca-
miohara lentamente. Seria impossirel dar uma
idea do gracioso e bello quadro que apresentara
o joven par : era a felicidade em toda a sua pu-
reza, em todo o seu brilho I Entretanto se om
observador incrdulo e profundo tivesse reparado
com cuidado no delicioso semblante da moga,
notara nelle a expresso de uma tristeza occulla,
de um abalimenlo reprimido.
Luiz, disse ella indicando ao Sr. d'Ambron
um banco coberto de uma latada de flores, ra-
mos sentar-nos por um pouco : sinto-me alguma
cousa fatigada. (
Ests fatigada, minha adorada Antonia ?
perguntou o mancebo com terna solieilude. Mas
anda ha pouco sahimos do rancho I Dar-se-ha
acaso que estojas soflrendo ?
Aotooia hesitou ; depois com a roz pouco fir-
me, a que trabia uma agitago extrema, balbu-
ciou apenas :
Sim, Luiz, nao estou hoje boa.
Esta resposta que era certsmente motivada pela
commoco, em que se achara a moca, fez estre-
mecer o conde d'Ambron : tomou-a pela mo,
conduziu-a at o banco, e sentu-se ao seu lado.
Seguiu-se entre os dous esposos um silencio
alguma cousa incommodo. Foi Antonia quem as-
sim comegou a conversaco.
Que lugar tao aprasiral I disse ella com ex-
trema melancola, quasl desalent. NSo achas,
Luiz, que aqu dormir-ie-hia feliz e tranquillo o
E' a mulher mi.
O que esse vullo formoso, que, cheio de en-
cantos, e gragas de espirito e corpo, revela, por
suas perfeigoes, todo o poder da creaco, e que,
pura de alma, sujeita muitas vezes oluraes im-
pulsos a um sacrificio, que toma por complemen-
to da perfeigo ?
E' a mulher virgem.
Quem aquella figura sublime, terna compa-
nheira do homem, nao menos no dia da adver-
sidade, e dos trabalhos, que no da prosperidade,
e dos gozos ; que o aconselha ; que o guia; que
o suavisa ; que o anima ; que o relm ; que o
ama ; que toda vive nelle, e por elle ; que toda
se estremece de aflectos ; que toda se desata em
dedicago ?
E* a mulher esposa.
Quem aquelle amoroso vullo, postado ca-
beceira do ancio, miooraodo-lhc as dores, ado-
gando-lhe as horas longas, supprindo os olhos
(que j nao vm 1 j os ouvidos (que j nao esca-
lam I ) a bocea (que j nao falla) ? I
E' a mulher filha.
Quem aquelle vullo heroico, atravessando co-
mo aojo de paz nos arraiaes da guerra ; algando
entre o sibilar das balas, e o ribombo do canho,
moribundos em campos de batalha ; surgindo em
toda a parte onde ha uma enfermidade a tratar,
uma instruego a dirigir, uma dr a minorar, ou
a limpar uma lagrima?
E' a irmia de cardade.
Quem essa flor perfumada, frgil, delicada,
anglica ; esse venerando vulto dotado pela f
com sobrehumanas forgas, que no meio dos tra-
tos mais crueis enla em altas vozes cnticos ao
Senhor, e, para renascer eternamente, sabe mor-
rer por elle?
E' a mulher martyr.
Quem o nico privilegiado vulto, que um
Deus se dignou consubslanciar comsiga mesmo,
e a quem, emquanto esse Deus baixou a ser ho-
mem, escolheu, d'entte a humanidade, por uma
antuhese mysleriosa, para co#erir-ihe as hon-
snmno eterno ? Se eu morrer, promelles-me que
fars collocar o meu tmulo oeste -lugar ?
O conde empaltideceu : porm affectando um
ar alegra e zombeteiro que, infelizmente, eslava
mui longe de accommodar-se ao seu coraco ul-
cerado, respondeu:
Decididamente, minha querida Antonia, nao
este o tea estado habitual : nao a tua saude
que me causa receios, mas sim s tua razio; por-
que- pareces-me louca, minha menina I
Antonia procurou sorrir-se, foi debalde ; o de-
sespero a acabrunhava ; o muito que pode conse-
guir forga de grande abnegago foi cooter-se
nos limitas da tristeza.
Luiz, replicou ella com uma voz cuja pe-
netrante meloda encerrara thesouros da ioeffa-
vel ternura, pego-te que me prestes toda a alten-
cao, e nao zombes dos meus receios chimericos.
E verdadetenho boa saude, e nanea a live me-
lhor : porm, como muito bem acabas de duer,
o meu espirito est enfermo I Tem piedade da
fraqueza do meu cerebro : escuta-me, Luiz, eu
t'o supplico, e respndame seriamente.
Falla, Antonia.
A moga fez uma pausa ; encarou filamente seu
marido, e aportando lhe com forra urna das mos
entre as suas, disse :
Se eu morrease, o que ferias tu, Luiz ?
O que eu faria ? repeu o conde com um
sorriso que serviu-lhe para oceultar a sua horri-
rel angustia.
Sim, o que farias ?
O conde conliauou a sorrir, mas nio respon-
deu : soffra cruelmente I
Queres que eu responda por ti, meu amado
Luiz ? replicou Antonia com uma animacao que
denotara nella enthusiastico reconhecimento.
Pois bem I Se eu morrease, tu suicidar-te-hias I
E' rerdade I respondeu simplesmente o con-
de d'Ambron.
On I Eu bem sabis, Luiz, e esta conric-
cao que me faz desgrafiada I
Para que, cruel menina, queres assim as-
sombrar a alegra do nosso presente com uma
supposigio inrerosimilhanle ? perguntou o man-
cebo com um tom de terna roprehensio.
As supposiges nio fazem nascer os aton-
(ecimentos ; deixa-me pois proseguir. O pensa-
mento de que a minhi morte arrestarla tambam
a tua me tem ocessionado j muitas horas de an-
gustia l E tu, meu Luiz. queres restituir a tran-
quillidade ao meu espirito, a alegria ao meu co-
raco ? Pois jura -me que, se eu deixar esta mun-
do antes de ti, nio procurars seguir-me. Ol I
anda nio tudo 1 Escuta-me bem. Desde que te
vi pela primeira rz ficaram-me gravadas na me-
moria todas as palavras',qu me teos dirigido...
uma s nio pronunciaste anda de que eu me te-
nha esquecido, e por isso lembro-me do que me
disseste a respeito do leu amor pela gloria, e
das esperaogaa que te fizsram vir a estes paizes
loogiuquos. Se Deus me chamar si, jura-rae,
.* 1ue 'onge de pensar em um crime, pois o
suicidio um crime, rollars aos teus antigos
projectos.
Has, Antonia...
A condessa interrompeu vivamente a seu ma-
rido.
Luiz, cootinuou ella com um tom suppli-
canle e que provava bem o desejo extraordinario
que tinha de ver attendido o seu pedido, Luiz,
supplico-te com as mios juntasnao m'o recu-
ses: far-me-hias assim lo desgranada 1 Bem
sei que a minha insistencia pode parecer-te pue-
ril, e dar-te do meu carcter uma triste idea.
Embora ; nao terei razio : mas tambem ser pouco
generoso da tua parte nio tomar em considerago
aminha fraqueza. Anda, Luiz, mostra oque so
homem mais nobre o mais generoso que hal Ju-
ra-me que, sa eu morrer, nio s nio attanlars
conlra o teus dias, como tambem te entregars
ras supremas da filiacto. da paternidade, a o
consorcio com a mesma Divindade ?
E* a mulher por excedencia.
Qual ba ahi no universo mais elevada ierar-
chia do que esta ? A humanidade nascida do
seio da mulherpor ella nutrida, animada, ama-
da, Instruidapor ella embellezada a existencia
por ella alevanlada at a mxima clevago
esse admlravel concert de maravilhas torna a
mulher a mais importante como j era a mais
ormosa parle do genero humano.
Gyrem embora geraces sobre gerages; cir-
curavolyam seculos sobre seculos, ella sempre a
executriz testamentaria dos grandes legados que
os lempos transmitiera aos lempos; ella que ero
seu espirito ardenle, era sua creoga funda, perpe-
tua as graudes verdades, e nao menos que com o
leite do corpo, com puro leite de alma, rai ali-
mentando as gerages.
Importa, pois, reconhecer que alguma prori-
dencial missio foi reserrada ao sexo lio raco,
mas tao fortetio obediente, mas tao poderoso
tao passivo, mas tao militantetio calumnia-
do, mas tio admiravel, to modesto, mas tio
glorioso I
E' que no relogio dos lempos o ponteiro se
apresta a marcar a hora da regenerago social.
E' que rai entrar em scena a protogooista do grio
drama. E' que a mulher, to longa e to vio-
lentamente despojada de seus direitos, v raiar-
lha crepsculo de mais puro e claro dia.
J hoje se entende emfim que a redondeza a
agglomeragio das nages ; que cada nago ura
agregado de familias; que as familias nao sao
senao o que a mulher as faz. Seu chele, appa-
rentemente dominador, realmente dominado
por ella. Seus fmulos e domsticos, em perma-
nente contacto com a senhora, della dagueireo-
typam suas tendencias, opiuies e creogas. Os
filhos, na iJade em que aquellas ceras molles se
adaptam s impresses de qualquer sello que se
lhes applique, naquelle periodo em que se for-
mis genios, caracteres, convieces, pensam pe-
lo pensar de sua me, obram por seu exemplo, e
por seu senlimentosentom.
O mundo est pois ioleiro na mao da mulher.
Na sociedade actual, j ella quem regula a sor-
te da familia, assim com a familia a sorte dos es-
tados.
4
Sendo por tanto evidente que nenhuma neces-
sidade social com mais urgeocia implora remedio,
do que a de educar, proparar, dirigir, aperfeigoar
essa grande operara do futuro, lempo que lo-
dos, cada um em sua esphera. trabalhem para a
dispr cora os elementos indispensaveis para a
almejada perfeigo.
A' civilisagao chrisla, nica, e exclusivamen-
te, devido o reconhecimento desta verdade, ou-
tr'ora ardentemente controvertida, hoje umver-
salmente considerada como axioma. Longe vo
osleDebuiafls dias era que chegos a duvidar-se,
se a mul^^coDStiluia seq'ier parte da humaniJa-
de, couceoendo-se-lhe apenas a categora de um
instrumento de reproduego, ente sem alma, at
desherdado do ingresso as glorias eternas, ani-
mal, ou antes fra 1 Eis a categora dessa que
os povos, hoje unnimes, lespeitam como com-
panheira, mentora, amiga, anjo tutelar do ho-
mem ; tal a luz que a questo hoje reflecte, ou
se encare pelo prisma natural, ou pelo social, ci-
vil ou religioso.
Mal baja quera desvair a mulher da estrada
amplipatente, quo sua misso trilhar. Sao an-
da pagaos aquellesque. rendendo exclusivo culto
belleza, a embriagam de traigoeiros incensos.
J Chrysostomo o dissera Nao se embebam
vossos olhos na s formosura exterior: ornato fr-
gil, durapouco ; cobre um abysmo, e mascara
venenos, de que os imprudentes nem desconflam.
Que importa beldade que apenas exterioridades
denunciara ? Carvalho, cuja copia affronti as
nuvens, s d fructo para animaes vis ; vinha.
rasteiro asbusto, gera salutar licor: qual prefers?
carvalho ou vnha? A abelha, comparada com o
pavo, animal disforme : aniquilae a especie do
pavo, nada o mundo perder; s destruigo do
insecto fra calamidade. E que a belleza do
corpo, esse idolo falso, esse dote perigoso? Para
bem a julgardes ide contempla-la debaixo da lou-
sade um sepulchro ; acha-la-heis reduzida ao
que e vale : lodo e p. E nem aguardis mes-
mo que a morte a tenha arrebatado : considerae-a
ob as rugas da velhice, nos destrogos da enfer-
midade; que todo esse corpo? Nada mais quo
um nionia* de<*4>oeira ; e todava esse monte
de poeira^que as mos do Creador organisa-
ram com as formas que tendes razio de admi-
rar ; dessa materia mlseravel, e vil, que
elle compoz o tecidaj brilhanle que cooslilue a
lindeza, nao para alear em nossa peito impdicas
chammas, senao para nos patentear sua grandeza.
itraja-se o autor quando se desnatura a obra de
sua sabedoria, fazendo-a servir a paixes crimi-
nosas. Conceda-se estima i obra, mas as home-
nagens sejam para o operario. Sa essa obra agra-
da, merece o que a fabricou nossa gralido, nio
os oossos insultos e desprezos, ao anteprmos
injuriosamente a creatura ao Creador. Revren-
cie-sa o que elle fez, nio se profane. Procure-
mos nessa companheira do exilio oulra melhor
formosura, a d'alma ; perpetua, como a flor de
seu nome, essa nem envelhece, nem raorre. Nio
osexofraco, diz um cordato autor, que melhor
supporla as dores agudas, pungeutes, prolonga-
das, alera daquellas que a natureza exclusiva-
mente lhe despartiu? Comparem-se as forgas
phyeicss da mulher com as que o sentiraento lhe
infunde junto aoleilo dos padecimentosdo filho,
a dj pae, e da mo, e do esposo, e do' irmo.
Que faz ella nessa hora de extrema delicadeza, e
da impressiooabilidade inquieta dos sentidos ?
Para onda desterra a natural inqu6lago nervosa.
em presenga dessps tratos que allivia seotindo-os
em todo o seu seio repercutidos ? Que 'encanto
na voz consoladora I que fertilidade as diver-
soes que imagina, as esperanzas que suggere,
ioda quando as oo comparte? Como o seu sor-
riso eoto anglicamente animador) Suspen-
de o proprio cuidado da saude e da belleza. Lon-
ga sequencia de noiles a enconira fiel ao seu pos-
to, de seniinella da dr. Nao ha bivaques de glo-
ria que tantos tormentos offecegam como taes vi-
gilias da ternura em alarma. Escuta anda o en-
fermo querido, at no somoo que a rem sor-
prender ; patarra, suspiro, sopro, nada, adverle-a,
e acha-a em sua vigilancia, em seus devoradores
cuidados. Nio ha impaciencia que nio supporle
com a sereoidade na fronte, e o amor no coraco:
nao ha oceupago que Jhe repugne, nao ha c'ha-
ga que nao pensa. Do cu lhe vem a misso ; de
l osoccorro tambem. E dizer que ha mulheres
jovens e attralivas, que rotara a vida ioteira a
cui lad.os.para com descoohecidos, para com op-
pressos pelos hediondos males de uma pobreza
hereditaria, e frequenlemente de mais asquerosos
males anda, os do vicio 1
E' que o corago da mulher profunda melhor
os arcanos do senlimento ; sua fibra mais delica-
da sabe melhor vibrar harmonas. A Piedade
em Maria Santissima toda benignidade, mise-
ricordia, benefleeocia ; pagamos-lh'a em nossa
terrestre ruoeda de reverencia, honra e culto.
Mas no corago da mulher projectou Mara ura
raio dessa piedade milagrosa e quando couside-
ragoes humanas o nio embargara, assume a mu-
lher sempre a sua posigo devida ; a esse sexo
perlencia a me Deus; d-se ente ella e elle um
seguro mutuo, que acabar por completar a obra
da redempyo.
Vede, senhoras, como neste seculo se eslen-
deu o culto de Maria I Nao ha, as trras chris-
taas tao suave invocago I Que dorages lhe
nao devenios particularmente nos I A Senhora
aa conceigao nossa protectora ; bem inspirado
andou o augusto fundador da dyoaslia de Bra-
gangaao implora-la comopadroeira do reino de
Portugal e das trras de Santa Cruz. Foi sob o
governo do actual Sentissimo Padre, que, a des-
peno de .tantos e to momeotosos cuidados de
oulras naturezas. se declarou o dogma que alias
tal lora sempre na consieocia dos fiis.
Oh sea categora da primeira das mulheres
se exalta cada vez mais, procurem ellas tambem
alevantar-se ao nivel de seus legtimos destinos !
Em ambas as Americas, esta a nago em que
mais firme confianga deposita a egreja ; se a na-
go sao as familias, se a familia a mulher,
compenetre-se da pesada responsabilidade que
lhe impende ; projecte raizes a arvore salular,
que os inicios certos sao, mas ho de vir no seu
De resto, osta casa, esta assembla sao teslo-
munhas das minhas duas theses : urgencia da
regenerago possiBllidade de a alcancar pela
mulher. v
nos est apresantaodo em eompensscao um es-
pectculo que copila, que anima, que penetra
as almas de jubilo, e esperanga, que arranca uma
espada ao peito de Maris, que engrinalda e en-
flora a cruz do Redemplor. Quem figura em tal
scena ? E' a mulher I
Quem aqu nos coogrega para enloarmos hym-
nosle canucos piedade de Maria a mais es-
colhida sociedaie de nma corle populosa, mas
soc.edade tota feminina. As primeiras damas
ao imperio oao se pejsm de reconhecer-se servas
,,uS!n9Kd? Al,issim : i"r a Senhora
dellas reflecl.o. Constiluida, em corpo, anima-
d|s pela sciot.lla santa da cardade ehrfetia, per-
gwtaram a si mesmas, se seus gosos nao cen-
tuphcar.am irocando multas das hora, sacrifica-
dajaaflaidado humana pelos gosos inefTaveis da
plcencia, sement de sacrificios que em ju-
biTOe paz de animo usurariamente paga com
mWK! um ? Bemditas sejais vos, senhoras, que-
ass^Pcom prebendis vossos pobres de veres
dando^exemplo ao vosso sexo, e ao nosso I Con-
verteMa praticas da murraurago ou da fulili-
dadeMe que as mulheres sao lio aecusadas, as
de pifBosas palestras; os cuidados da belleza ex-
terna dos de aperfeigoamento interior ; as peri-
gosas applicages do ocio no santo mister da ca-
rdade. Bem pensaes com o piedoso asctico em
taes momentos, que honras e dignidades sao re-
gio mausoleo ; por dentro ripas de pioho e lixo :
por fora brases, e telas, e luzes.
a joven
com fervora realisagao dos teus bellos soohos de
gloria I E'dejoelhos que de ti exijo este jura-
mento I
Aotonia deixou-se escorregar do banco em que
eslava assentada at os joelbos de seu marido;
este suspendeo-a em meio do seu movimento, e
apenando-a ao peito, exclamou com a voz quasi
ioiotelligvel pela commoco :
Antonia I Antonia I Queres que eu enlou-
quega de dor I
Espero o leu juramento, replicou
com singular obstinagio.
O conde ievantou-se, e estendendo a mo, dis-
se com roz grare e solemne :
Pelo que tenho de mais caro e mais sagra-
do no mundo, pelo meu. amor por ti, juro que,
se primeiro do que eu deixares este mundo, es-
gotarei at as fezes sem afastar dos meus labios o
calix de amargura, que Deus hourer de impr
minha resigoago I Juro que, por mais desligado
que esteja de todas as paixes terrestres, prose-
guir! por obediencia ao meu juramento e em
respeito tua memoria oas loucas chimeras que
oulr'ora despertaram o fogo de mioha mocidade I
Ests satisfeila, Antonia? Nao tens mais ura no-
vo sacrificio a exigir da mioha ternura?
Oh I obrigada, obrigada, meu nobre, meu
bom e adorado Luiz 1 exclamou a condessa com
o enthusiasmo de indisivel reconhecimento, Nao,
nada mais tenho a pedir-te...Sou feliz, muito fe-
liz I Agora que tu juraste posso tudo dizer-te,
tudo coofessar-te, pois nao teria forgas para
guardar por mais tempo um segredo para com-
ligo. Foi um senlimento mo, meu Luiz, que
me obrigou a exigir de ti o juramento que acabas
de prestaro ciume I Morrendo eu, poderias
amar outra mulher...Oh I Bem sei que esta sup-
posigio ridicula, sacrilega ; mas o que que-
res? Nao culpa minha se esse reeeio me tortu-
ra va sem cessar. Dizia que, morrendo eu, po-
derias amar outra mulher. Pois bem I A gloria
uma rival que oo temo, parque tu uuoca a
amaras tanto quanlo me tena amado I
Aotonia parotf: as suas faces, hara pouco
anda, brhaotes com (oda a frescura da moci-
dade, tofnaram-se sbitamente descoradas.
O mancebo soltou um grito de espanto, o sus-
teve-a pela cintura.
tjt Que tens, (Antonia? perguntou elle com
angustia.
Sinto-me morrer, Luiz, respondeu ella eom
dogura e fizando sobre o conde um olhar celeste
de amor. Oh I nao te affiijas assim I...A morte,
quando se er na bondade de Deus, nada tem de
horrivel.. apenas uma separacio insignificante
comparada com a eteroidade I...Fica-nos a eter-
nidade, meu amado Luiz l Comprehendo bem
o teu pasmo. Nao podes conceber como se te-
nha produzido no meu estado de sade to sbi-
ta e extraordinaria mudanca. E porque al ho-
je en quiz ser bella para agradar-te ; procurei
irazer o riso nos labios para nao entristecer-te
intilmente : maa agora ja nio posso, nio tenho
mais forgas I Consola-te; o mea mal era sem
remedio ; se elle podesse ser curado,' ja ha mui-
to a tua ternura teria operado esse prodigio. Des-
de o momento fatal em que os meas Tallos toca*
ram oo veneno perdi a eeperanca de viver, por
que sent que a. morte estara dentro em mim I
Luiz, entremos no raneho.
Antonia langou um triste a ultimo olhar para
o jardim embalsamado, em qe tinha passado os
mais bellosaonos da sua mocidade; fazendo de-
poisum exforgo sobre si mesma, roltou os
olhoAs afastou-se lentamente apoiada ao brab
de sea marido.
Algumas horas depois a infeliz tinha paorado
de uma maneira assustadore, e que nio dar es-
perances de cura.
Uma somnolencia invencival fecaara-lhe as
palpebrai, a a muito casto coaiegiia abrir o*
Urgencia da regenerago ?
Aqui, aqu mesmo oeste templo do Senhor
um successo horrendo symbolisou estrondosa-
mente o espirito deimpiedade que vae lavrando.
NaotradigSo meio apagada, acontecimenlo de
seculos. que a audacia classifica de crdulos e
ignorantes ; successo de hontem, maravilhoso
inconcusso, presenciado por milheiros de pessoas
que yivem. Ali, naquelle sagrado lugar, com
aquella mesma amorosissima imagem que vJes
uma creatura humana, rvoltando-se, como Lu-
cifer, contra seu Creador, soltando a liogua em
palavras deseompostas, o cobrio de improperios
e escarneo. Ainda bem nao acabara a boca sa-
crilega de vomitar raaldges, quando o caajam
Jehor fulmioou oblasphemador, o qual de cho-
fre cahiu sobre o pavimento do santuario, exa-
mine, ennegrecido, informe : multides ccor-
rem espavoridas para, pelos proprios olhos, se
desenganarem de to prodigioso castigo, vibrado
pela colera do Altissimo 1 Essa desdilosa crea-
tura, representante da impiedade destes dilceis
lempos, quem era ? Era um homem I
Mas este mesmo templo, nesta mesma hora,
olhos uma ou outra vez ; ento o seu olhar bus-
cava o do conde, e seu sorriso cheio de celeste
alegna dava uma eipressode sobrehumana bel-
leza ao seu semblante idealisado pela aproxima-
go da morte.
Quanlo ao conde d'Ambron, nio era o seu de-
sespero daquelles que podem desabafar em gri-
tos e solucos : eslava elle entregue a uma dessas
dores mudas e incomraensuraveis, que se con-
serram entre a lethargia e a demencia.
L para o meio da noite Antonia despertou do
seu entorpecimeato.
Luiz. murmurou ella com a voz fraea, pa-
rece que Joaquim Dick acaba de chegar ao ran-
cho. Oh I Eu quera ve-lo.
O conde ourio estas palavras sem comprehen-
de-las: todava o nome do Baledor de Estrada
despertou vagamente a sua attenco.
Joaquim Dick repeli ellecom instincliro
senlimento de ciume. Nao estou eu aqui, An-
tonia ? i
Mal acabara esta perguota, a porta abrio-se
violentamente, e deu entrada ao Batedor de Es-
trada que parou no limiar como que fulminado
pelo raio. Contemplou por alguna instantes em
silencio a jovem condessa, cuja tez se ia ja des-
florecendo aos beijos da morte; e de repente,
soltando um grito despedagador, precipitou-se
de um salto al cabeceira do leito, e cabio de
joelhos r-
Antonia I
Esta aegio, e este grito restituiram ao Sr.
d Ambron o senlimento da realidade. Vivo ru-
bor colorio o seu nobre e paludo semblante.
Sahi, senhor I exclamou elle com uma au-
loridade um tanto feroz.
E vendo que o Batedor da Estrada ficava im-
movel, repetiu quasi logo :
Sahi I Ninguem, senao eu, tem o dreito
de aqui tkar. A condessa d'Ambron minha
esposa.
_ Antonia minha filha respondeu Joaquim
Dick rebeotando era solucos.
Semelhante confisso, que a dr arrancara ao
desventurado pae, produzu um effeito to ines-
perado quo sorprehendedor. Antonia como se
quizesse fugir ao abraco supremo da morte, er-
gueu meio corpo em seu leito de agona, e dei-
xando cahir os bragos ao redor do pescogo de
Joaquim, exclamou:
Tu I meu pae oh I 6 por isso que eu te
amara tanto l Meu pae, abraga-me, abeogoa-
me.... eu parto a reunir-me a minha me I
O resto da noite passou-se em lgubre silen-
cio que era apenas interrompido pela respirago
fraca a eompassada de Aotonia. Joaquim e o
conde, cada qual delles tendo entre as suas ama
das mos da moga, conserravam-se de joelhos a
cada lado do leito, eaforcaodo-ie ambos por con-
ter os solugos que lhesdespedagavam o peito.
Um pouco antes do romper da aurora a mori-
bunda despertou noramenle do seu lelhargo :
porm dessa vez um adorarel colorido cercara-
lhe o semblante como de urna aureola divina.
Era o ultimo brilho da alampada prestes a ex-
unguir-se : eram os derradeiros claroes da vida !
Luiz, meu adorado Luiz l murmurou ella.
Nao esquegas o leu juramento. Joaquim, meu
pae muito amado, nio chores.... Mioha mi me
chama.... vou a ella reunir-me I... Oh I como
sou feliz I... Luiz I... Joaquim 1... at a eteroi-
dade I
Um sopro apenas sensivel agitou brandamente
os labios de, Antonia.
O co contara um anjo da mais.
O momento que se seguiu a assa irreparavel
desgraga foi um s solugo. Sbito Joaquim er-
gueu-se, e dirigindo-se a Antonia, como sa alia
ainda o podaase ouvir, disse com inconcebirel
expresso:
O' mioha filha, miaba adorada filha I su te
E quem que ros capitaneia, senhoras ? E' a
primeira em rrtude, como primeira emjerar-
chia. Anjo de bondade, com que ao cu aprouva
dolare3ta nago, quiz a Providencia faz-la pas-
sar por bem acerbas provagesl Merecer, pou-
cos annos ha, sua augusta familia as bengos da
chrislandade, quando acolheu com respeito filial
o amargurado chefe da egreja ; oh que esplen-
dido uso oo fez ella ento do throno, que as
vagas destes calamitosos tompos procuram arre-
batar 1 Mas emquanto essa antiga, e illustre raga
padece espoliages e tormentos, orgulho nosso
proclamarmos ao mundo os sentimenios de cor-
dial venerago que os Brasileiros professamos
augusta consorte do Imperador, egregio peito
onde pulsa o melhor dos corages I A Impera-
triz do Brasil caba bem o lugar que as damas lhe
offereceram ; seriara incompletos os esforgos ou
della sera ellas, ou dellas sem ella. O fogo qua
de uma tocha a mil tochas se propaga arde em
todas por egual. sem que por essa propagago a
primiva perdesse cousa alguma, ou mais pres-
tes se coosu misse.
Quando, pois, os bons se arregimento para
obras de bengo ; quando remos a mulher brasi-
lera patentear, por fados, sua disposigo para
entrar as fileiras militantes de outro e real pro-
gresso, j todas as mais altas aspirages sio li-
citas, e palo sexo em nossa trra poder comecar
a regenerago. Assim atravs das apparencias,
e das ostentagoes estrepitosas palpite vivaz o
fervor da piedade santa 1
Avante, pois, sublimes amazonas da milicia
chrisla I Quando mais possante se ostenta o
inimgo, tanta maior gloria vos resultar do tri-
umpho. Era vossa egual na carne aquella a quem
foi dado esraagsr a cabega da serpente. Uma
, virgem immaculadi ramio a humanidade com o
sangue do Cordeiro,
Mulheres I seja a imagem da piedade dessa
mulher o lbaro santo que vos guie as batallas,
e victoria. Instrui-vos... cerrae ouvidos sse-
dueges do mundo ; praticae as mximas da vir-
tud, quesera essa a mais impenetravel arma-
dura para o vosso combate. Levera depois vossa
instruego asconviegesdo animo, vossos exem-
plo ao aperfeigoamento moral de esposos, filhos,
paes, domsticos, amigos, desconhecidos, e ini-
migos. Regenerae-vos, regenerae-nos epor novo
esplendido milagre de piedade, reintegrareis a
nossa especie no uso glorioso da perdida he-
ranga.
Virgem dolorosa, Esposa do Santo Espirito !
Seja o vosso doce nome minha derradeira pala-
vra, nos transes do passamento I... Eocants-me
a dogura de vassa voz ; oh l seja ella a u'.lima a
soar a meus ouvidos : Sonet vox tua auribus
mata ; vox tua enim dulcis.
Disse.
vejo ao lado da minha santa e fiel Carmen I tila
te sorri e le abraga, ella te conduz presenga de
Deus I... Antonia, se a vergonha que eu soffria
pelo meu passado, me oo tivesse impedido de
declarar-le que eras micha fiiha, eu le teria sal-
vado, porque de certo nao recusaras seguir teu
pae : estaras hoje resplandecente de saude e fe-
licidade. De que serve agora desembaragar-me
da vida a cusa de umsoffrimento apenas sensi-
vel, e que teria s a duraco do relmpago I
Nao: seria uma fraqueza, um* crime... e eu nao
quero que Deus me repula como um ceodemua-
do quando lhe fr pedir minha mulher e minha
filha I...
Joaquim calou-se por um momento: depois
estendendo a mo sobre o cadver da filha, pro-
seguio com voz solemne:
Juro por ti, Antonia, consagrar os dias que
Infelizmente me restam anda a viver em rehabi-
litar o meu passado, em tornar-me digno da hon-
ra de ter sido teu pae 1 D'ora avaoto cesso de
perteocer s paixes.... perteucerei aos iofeli-
zesl Serei humilde servidor do soffrimento, es-
craro dedicado do infortunio l... O riandante'
desviado do seu caminho, morto fome, o mo-
ribundo luanlo contra as angustias da morte,
me acharo sempre a seu lado soccorrendo-os I...
Quero, depois de ter espantado o deserto com as
minhas violencias, dar-lhe o espectculo do meu.
srrependimento I
Durante o primeiro mez que se seguiu a morte
de Antonia, Joaquim Dick e o conde d'Ambron.
nao trocaram mais entre si umaspalavra: porm
todas as manhias e todas as lardes eocoulravara-
se ambos no florido caramanchel, onde a joven
se havia assentado no seu ultimo passeio, e onde
elles elevaram o aeu modesto tmulo.
Quanto a Panocha, justiga lhe seja feita, eslava
realmente afilelo : tioha elle tirado as listas rer-
melhas, que ornaram os seus vestidos, para subs-
tilui-las por um simples bordado roxo.
Uma tarde o conde notou que Joaquim arru-
raava a sua mala de riagem.
Idea partir ? lhe perguntou elle.
Sin, espero amanha pr-me a caminho.
No dii seguinle ao romper do dia o Batedor de
Estrada foi bater porta do quarto de aeu genro.
Luiz, Antonia legou-vos uma larefa bem
custosa de preencher : tendes preciso de di-
. Tenho, respondeu o mancebo com a mesma
simplicidade com que Joaquim lhe dirigi aquella
perguota.
O Batedor de Estrada entregou-lha um papel
dobrado em qualro partes, que o conde guardou
na sua mala sem olhar para elle. Esse papelera
uma letra de um milho.
E ambos desceram ao paleo, monlaram a ca-
vallo, e afastaram-se do raacho, nao sem rollar
muitas vezes a cabega para traz. Depois de an-
dar a distancia de uma legua o Baledor de Estra-
da parou. ,
Oode ides, Luiz ?J
O conde rolreu os olhos para o ci.
Vou buscar o esquecimento na gloria, res-
pondeu elle lentamente. E ros, Joaquim ?
Eu I .. Vou procurar o repouso no arropea
Os dous amigos abracaram-se, e cada a e-
goiu direcgo opposta.
O conde d'Ambron dirigiu o seu cavallo para
Guaymas.
Gabaa galopara para o deselo.
(ConcItif-#e-/ia.}
ii i ii ii wm
PEM, -TYP. 01 M. F. DI FAMA.-1861,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED255H1OL_O75BVH INGEST_TIME 2013-05-01T00:43:24Z PACKAGE AA00011611_09381
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES