Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09298


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'*
AH IIIYH I1EI0 121
Pir tres mezes adiantados 5$000
Por tres mezes vencidos 6 ?-.
SEGUIDA FEIRi 27 DE 1110 DE Itlt
Por armo adiantado 19S000
Perte fraico para o subscriptor.
BNCARREGADOS DA BCBSCRIPCAO DO NQRTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino da Lima
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Araca-
ty, o Sr. A, de Lomos Braga; Ceara o Sr. J. Jos
de Olireira; Maraoho, o Sr. Manoel Jos Mar-
tina Ribeiro Guimares; Para, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
I'AK11UA3 UU UUIltt tlua.
Olinda todos os dias as 9jl/z horas do dia.
Iguarass, Goianna e Parahiba na* segundas e
sextas-feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho e
Garanhuns as tergas-feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Ingazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Fx oas quartas feiras.
Cabo, Serinhem. Rio Formoso, Una, Barreiros,
Agua Preta, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correiospartem as 10 horas da manha)
EPBEMERIDES DO HEZ DE MAIO.
1 Quarto minguante as 5 horas 12 minutos d
tarde.
9 La nova as 8 horas e 48 minutos da tarde.
17 Quarto crescente a 1 hora 48 minutos da
tarde.
24 La cheia as 3 horas e 46 minutos da man.
31 Quarto ming. as 8 horas e 6 minutos da man.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 6 horas e 54 minutos da manha.
Segundo as 7 horas e 18 minutos da tarde.
DIASDASEMAMA*
27 Segnnda. S. Joo p. m. ; S. Ranulfo m.
28 Terga. S. Germano b. ; S. Priamo m.
89 Quarta. S. Maximiano b. ; S. Mximo m.
30 Quinta, tga Festa do Corpo de Deus.
31 Sexta. S. Petronilla v. ; S. Lnpecino.
1 Silbado. S. Firmo m.; S Felinto.
2 Domingo. S. Erasmo b. m.; S. Marcelino m.
AUUlfcrtUlAS Ul)S TRlBUMAEa DA CAflf al!
Tribunal do eommercio : segundas e quintas.
Relago: tergas, quintas sabbados as 10 horas
Pazenda: tergas, quintase sabbados as 10horas
Juizo do eommercio : quartas ao mel dia:
Dito da orphaos: tergas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do eivel: tergas sextas io mei
da.
Segunda rara do elvel: quartas sabbados a
hora da tarde:
ENCARREGADOS DA SUBSCR1PCAO DO STjU
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias Babia
Sr. Jos Martins Aires ; Rio de Janeiro, o S
Joao Pereira Martins. "
EM PERNAMBUCO.
10 proprietario do diario Manoel Figneiroa d
Faria,na sua livraria praga da Independencia nt
6 e 8.
PARTE OFFICIAL.
Governo da provincia.
Expediente do dia 23 de maio de 1861.
Oflicio ao Exm. presidente da Baha.Annuin-
do ao que pede o alferes do 2o batalhao deinfan-
ria, Francisco Joi Gomes, no requerimento jun-
io, rogo V. Exc. a expedigo de suas ordens no
sentido de ser abonada a Manoel de Barros Sil'a,
procurador do referido alferes nessa cidade, a
contar 1 de junho viodouro em diante, a mesma
prestagao mensal que outr'ora consignara de
seu sold nessa provincia em favor de sua sogra
-D. Rita Gomes da Rocha, e que fdra suspensa do
l3 de abril ultimo em virlude de requisigo feita
por meu antecessor em oflicio de 5 de abril deste
anno, a pedido daquelle ofQcial; cumprindo-me
ponderar que, segundo informa o coronel com-
znandante das amas nao c permittido em vista
da lei o augmento daquella prestagao para 25Jf,
como pretende o mesmo alferes, visto exceder
essa quantia de duas tergas partes do seu sold.
Deu-se sciencia ao coronel commandante das ar-
mas para o fazer constar ao peticionario.
Dito ao Exm. presidente da Parahiba.Com a
inclusa penna contendo seis tubos cepillares de
pus vaccinieo satisfico a requisigo de V. Exc.
contida em seu ofGcib de 13 do corrente.
Dito ao coronel commandante das armas.Si r-
va-se V. S. de providenciar para que seja subs-
tituido por igual numero de pregas do corpo de
guarnigo desta provincia o destacamento de
Aguas Bellas, que devet recolher-se esta
capital.Commuoicou se thesouraria de fa-
zenda.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de indicar-me
tres officiaes do exerrito para serem comeados
presidente e vogaes dos conselhos que teom de
julgar o sargento e p'agas do corpo de polica
Miguel Gomes Corris e Joaquim de Barros
Lima.
Dito ao mesmo.Expega V. S. as suas ordens
para que amanha, s 6 horas do dia, se apre-
sentem na estigao das Cinco Pootas dous solda-
dos de cavallaria para acompaoharem o pagador
da eatrada de ferro at onde convier.
Dito ao mesmo.Sirva-se a V. S. de informar
sobre o incluso requerimento em que Fielden
Brothers, emprezarios da illuminago gaz pe-
dem o pagamento da quantia de 203, constante
da conta junta, importancia dos concertos feitos
na illuminago do quartel do Hospicio
Dito ao mesmoSirva-se V. S. de informar
sobre o que solicita no incluso oflicio o comman-
dante superior interino deste municipio com
referencia ao guarda Francisco Nepomuceno
Borges.
Dito ao director interino da faculdade de d-
reito.Concedo a autorisago que V. S. pedio em
seu oflicio de 20 de abril ultimo para mandar fa-
zer um armario na importancia de 130$ para a
RfiC.r tar, envernisar e por ferragens nos que actual-
mente existam.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Constando-me de aviso do ministerio da guerra
de 7 do corrente que por decreto de 3 deste mez
fdra nomeado Horacio de Gusmo Coelho para o
lugar de almoxarife do hospital militar desta
provincia, (cando demittido, por assim haver pe-
dido, Thomaz Antonio Maciel Monteiro; assim o
communico i V. S. para seu conhecimento o d-
receo, providenciando ao mesmo lempo para
que na estago competente sejam arrecadados os
direitos constantes da nota junta por copia, os
quaes teem de ser pagos pelo nomeado.Com-
municou-se tambem ao coronel commandante das
armas.
Dito ao mesmo.'Mande V. S pagar aos em-
prezarios da illuminago gaz nesta cidade a
quantia de 122&760, em que, segundo as contas
juntas em duplcala, importa o gaz consummido
com a illuminago do palacio da presidencia nos
mezes de marg o abril deste anno, visto como
j se acha verificada a exactido de taes contas.
Mandou-se tambem pagar 29#, importancia do
gaz consumido com a illuminago do dia 25 de
margo passado.
Dito ao mesmo.Restituo V. S. o recibo em
duplcala, que acompanhou a sua informagio de
17 do corrente, sob n. 406, relativamente acuan-
tia de 145, dispendida com o aluguel de dous ca-
vallos que conduziram armamento para as pra-
vas da colonia militar de Pimenteiras, alim de
que faga procesar essa divida, de cooformidade
com a circular de 6 de agosto de 1847, visto per-
tencer ella a exercicio findo.
Dito ao mesmo.Pode V. S., conforme indica
em sua informago de 17 do correte, sob n. 407,
mandar que seja levada em conta ao major com-
mandante do corpo de guarnigo desta provincia
Herculano Sancho da Silva Pedra, a quantia de
20$096, em que, segundo o exame, a que se pro-
cedeu na conta, que devolvo, importam as des-
pezas feitas com o fornecimenlo de luz para o
quartel do mesmo corpo durante os mezes de
dezembro, Janeiro e fevereiro ltimos.Commu-
nicou-se ao coronel commandante das armas-
Dito ao mesmo.talando nos termos legaes
os inclusos documentos, que me foram remet-
idos pelo commandante superior da comarca de
Garanhuns com oflicios de 23 de abril prximo
lindo, 2 e 7 do corrente, sob os. 31, 37 e 38, man-
de V. S. pagar a Manoel Ribeiro de Carvalho os
vencimeotos do commandante do destacamento de
guardas nacionaes da villa de Garanhuns, teen-
te Jaciotho Teixeira de Macedo, a contar do Io
de margo at 5 de maio deste anno, em que foi
substituido pelo lente Jos Leonardo Francez,
segundo consta do ultimo dos citados officios.
Communicou-se ao respectivo commandante su-
perior.
Dito.Promova o conselho administrativo a
compra dos objectos constantes do pedido junto,
os quaes sao precisos ao hospital militar, confor-
me declara o coronel commandante da3 armas
em oflicio de 14 do corrente sob o. 696.Com-
municou-se a este e ao inspector da thesouraria
de fazenda.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Mande V. S. pagar a Florimundo Marques Lins,
conforme requisita o chefe de polica em oflicio
de honlero, sob n. 449, a quantia de 1689800dis-
pendida, como se v das inclusas contas, com o
sustento dos presos pobfes da cadeis da Escada
nos mezes de Janeiro e fevereiro deste anno.
Communicou-se ao chefe de polica.
Dito ao mesmo.Dcvolvo L V. S. a folha, a que
se refere a sua informago de 15 do corrente,
sob n. 174, dos vencimentos relativos ao mez de
abril ultimo, dos empreados internos e serven-
tes do collegio dos orphaos de Santa Thereza de
Olinda, aQm de que mande entregar ao respec-
tivo director a quantia de 849332, em que impor-
tam taes vencimentos, certo de que existe no
mesmo collegio um ajudante de enfermeiro ou
servente, pelas razdes expostas no offlcio junto
por copia, que acompanhou o do director geral
da instruego publica de 21 deste mez, sob n.
165.Communicou-se ao director geral interino
di instruego publica.
Dito ao juiz de direilo de Garanhuns.Aceuso
recebido o offlcio que Vmc. me dirigi em 7 do
correte, participando ter-se concluido no dia 4
deste mez os trabalhos da primeira sesso do
jury desse termo, e em resposta tenho a dizer
que aquella participagio nao satisfaz, e cumpre
que Vmc. remella os mappaseslalislicos dos tra-
balhos da sesso a que allude em seu citado of-
flcio.
Dito ao director das obras militares.Respon-
do ao officie de Vmc. de hootem datado dizen-
do-lhe que proceda a respeito da factura do cha-
fariz para abastecimento de agua ao quartel do
.10 batalhao de infantaria e hospital militar pelo
modo indicado em seu citado oflicio, fazendo os
melhoramentos que propde. com tanto que nao
exceda a quantia de 5:0349403, em que foi orea-
da aquella obra.
Dito cmara municipal de Iguarass.Ao
oflicio que me dirigi a cmara municipal da
villa de Iguarass em 10 de abril ultimo, res-
pondo dizendo-lhe que em viste da informago
junta por copia do director das obras publicas
pode essa cmara mandar demolir o edificio em
ruinas da antiga cadeia, applicando o material
apresentado ao calcaraeoto da ra de que trata o
sea citado offlcio a edificago do cemilerio e ao
que mais convier.
Dito mesma. Respondendo ao offlcio que
me dirigi a cmara municipal da villa de
Iguarass em 12 de abril ultimo, tenho dizer-
Ihe que com as providencias dadas polo director
das obras publicas, constantes do offlcio junto
por copia, flea sem duvida sanado o inconvenien-
te que observa a mesma cmara resultar do
aterro que se est fazendo na ra dos Ferreiros
d'aquella villa.
Dito cmara municipal do Bonito.Respon-
dendo ao offlcio que me dirigi a cmara muni-
cipal do Bonito em 30 de abril prximo lindo,
tenho dizer-lhe que nesta data offlcio ao juiz
municipal desse termo para quecouvoque o con-
selho de recurso para o dia 15 de junho prximo
vindouro : devendo por conseguiote essa cmara
expedir em lempo as ordens que Ihe incumbem
na forma da lei.
Quanto excluso dos votantes nessa freguezia
e na de Grvala, de que falla a mesma cmara
no final do seu citado offlcio, deveta os cidados
que se julgarem prejudicados em seu direito
usar dos recursos que a lei lhes faculta para o
conselho municipal, e deste para a relago do
districto.Officiou-se ao juiz municipal do Bo-
nito nos termos da primeira parle deste offlcio.
Dito cmara municipal de Garanhuns.Re-
mella-me a cmara municipal de Garanhuns
com a possivel brevidade a informago exigida
por esta presidencia em offlcio de 5 de abril ulti-
mo acerca do que expende a cmara municipal
da villa dn Bom-Conselho no offlcio de que se
lhe remetteu copia.
Dito ao 2. juiz de paz do 1. districto de
Aguas Bellas.Declare Vmc. os motivos porque
nao funecionou a junta de reviso dessa fregue-
zia, como me communka em seu offlcio de 2 de
abril ultimo. *
Dito ao inspector da sade publica.Respon-
dendo o seu offlcio desta data tenho a dizer que
pode Vmc. arbitrar a gratjQcago de 15 diarios
ao medico que quizer ir S. Lourengo da Malta
..a.. T------r.>...., ,... /*---------------..:.
dos da febre amarella,
Dito aos agentes da companhia brasileira de
paquetes vapor.Tomando em considerago o
que me expoz o inspector da thesouraria provin-
cial em offlcio de bontem, sob n. 190, sirvam-se
Vmcs. de, recebendo a quantia de 143&920 rs.,
que lhes ser apresentada por parte do mesmo
inspector, dar suas ordens para que tenha ella o
conveniente destino, sendo 245 entregues na
thesouraria de rendas da provincia do Cear e o
restante na do Para, a cujos presidentos se offi-
cia nesta data a talrespeilo.Fizeram-seos offi-
cios de que se trata, e a thesouraria provincial
j se deu ordem para mandar apresentar o di-
nheiro.
Dito ao eugenheiro Wuiliam Martineau.Exa-
minando o edificio em quo fuucciona a capitana
do porto, orce as despezas fazerem-se com os
reparos de que precisa o mesmo edificio, e cons-
tan) do offlcio incluso, que me ser devolvido do
chefe d'aquella repartigo, datado de 22 do cor-
rente, sobn. 88.
Dito ao bacharel Joo Ju venci Ferreirade
Aguiar, promotor publico de Goianna.Convm
que Vmc. declare em que dia eulrou no goso da
liceuca, quo usufrue, ae em 8 ou 10 do corrente,
como consta de sua duplico commnnicago d'a-
quellas datas.
Expediente do secretario do governo.
Oflicio ao Dr. Manoel Teixeira Peixeto, Juiz de
direito de Pao d'Alho; Picando S. Exc, o Sr.
presidente da provincia, inteirado da materia do
seu offlcio de 19 do corrente em que V. b. par-
ticipa ter reassumido n'quella dala as funeges
de seu cargo : assim o manda communicar
V, 6. para seu conhecimento.Fizeram-se as
communicagoesdo esiylo. mm
_ Respondeu-se nos mesmos termes ao juiz mu-
nicipal respectivo que participo* ter reassumido
o exercicio de seu cargo por lercessitfo o impe-
dimento do juiz de direito.
Dito ao l. secretario da assembla legislativa
provincial,S. Exc, o Sr. preaidsnte da provin-
cia, mauda traosmitlir V. S., para ser presente
assembla legislativa provincial o orgamento da
receita e despeza, que ltimamente recebeu a
cmara municipal da villa do Bom-Conselho.
Dito ao engenheiro William Marttwau. O
Exm. Sr. presidente da provincia manda remet-
ter V. S., para seu conhecimento, a inclusa
copia da iuformago dada pelo inspector da the-
souraria de fazenda acerca do offlcio de 17 do
corrente em que V. S. pede providencias no mm-
tido de lhe serem pagos os vencineaTos que"p"fer-
cebe por conta do ministerio da marinhs, relati-
vos ao trimestre lindo em 9 deste mez.
DESPACHOS DO DIA 23 DE MAIO DE 1861.
Requerimentoe.
Bento Jos Ramos de Oliveira.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Clara Maa de Jess,Informe o Sr. Dr: che-
fe de polica.
COiniWDO DAS ARMAS.
Quartel do commando das armas
de Pernambuco, na cidade do
Itecile, em 24 de malo de 1861.
ORDEM DO DIAN. 101.
O coronel commandante das armas faz publico
para conheciraecto da guarnigo, que S. Exc. o
Sr. presidente da provincia em seu offlcio de 18
do corrente communicou-lheser spprovada a no-
mcago que fez do Sr. major reformado Antonio
Jos de Oliveirrtragata para interinamente com-
mandar a fortaleza de Tamandar, cando dis-
pensado desta commisso para a qual hivia sido
designado o Sr. lente reformado Francisco de
Paula S Peixoto, que passar a servir de ajudan-
te da fortaleza do Brum, em substituigo ao Sr.
2. lente do 4o batalhao de artilharia a p Ho-
racio Alyea da Silva, que em virlude do aviso do
ministerio da guerra d& 4 do corrente, foi exone-
rado : devendo o referido Sr. major seguir quan-
to antes para tomar conta do commando da refe-
rida fortaleza, e o Sr. tenente Peixoto apresentar-
seaoSr. commandante da mencionada fortaleza
do Brum.
Assignado. Jos Antonio da Fonseca Galvao.
Conforme.Antonio Eneas Gustavo Galvao,
alferes ajudante de ordens interino do com-
mando.
25 -
ORDEM DO DIA N. 102.
O coronel commandante das armas faz publico,
para conhecimento da guaroigo e devido effeito.
que segundo consta do aviso do ministerio da
guerra de 7, houve por bem o governo imperial
por decreto de 3, tudo do correle, comear para
almoxarife do hospital militar desta guarnigo ao
Sr. Horacio de Gusmo Coelho; ficando exonera-
do desse emprego o Sr. Thomaz Antonio Maciel
Monteiro, por assim haver pedido, conforme
lhe commuoicou a presidencia em offlcio datado
de 23 do correle mez.
Assignado.Josi Antonio da Fonseca Galvao.
Conforme. Antonio Eneas Gustavo Galvao,
Alferes ajudante de ordens interino do com-
mando.
: 53K tal;i!ZV.\ r|sr.empobe!ee8gePne-1 ZZZT ^^ ^ ^ e* tom" em -
estl extenuada, porque nao tem comido desde Foram incontinenti
-CS'l m.n "6m "i! r crVcldade fa' Publcdas pelos outros dous mesarlos e por mais
i'P-ios desta maneira sem motivo I dous cidados qi '" "
as tres cdulas repudiadas
sdousmesarios e por mais
qualiCcados que testemunharam o
acto, e levadas a um tabelliio para que as exami-
2"" *Ab-l?M!' Pr*ano Por f a sua identida-
cm Hvro do notas o seu con-
Urna ordem dada muito a proposito, s tro-
pas >,ue estavam mais prximas do grupo, para
que Tetirassem ua quartoia, foi effectiva-
menl suflictente para decidir o povo a dispersar.
Mas retirando, exclamavam qaasi todos ; Vol-
" taremos amanha para fazer os oossos pedidos
" por escripto.
, augrmntam anda mais a nossa inquietago. As
; tropas, principalmente os cossacos, aquartellados
as vitas que os seus habitantes foram em parte
obrigidos a abandonar, mostram disposigoes mais
hostis, emala selvagens. As portas de Kielco, os outros documentos'
soldalos do regiment de Halitsch flzeram parar commisso, v-se
a corajem de um padre que levava o sagrado via- meados eram os propVios quaifica7os aoiaVn"-.
tico rara um enfermo, e um delles alirou aquello votar, e que so o arbitrio da mL m>rVrl..P5!
v?neavel ecclesastico com urna garrafa qe ti- i urnas. me" 0S "redou das
n*80" D'Z*Se l,mbem 1ue a8enle rusS08. Alm o. dos mesmos documentos consta
pererrem os campos, e procuram excitar os cam- que a mesa recebeu e apurou como dadas
ponees contra os proprielarios. Mr. Muchanoff' *~-;
nao (tiste, mas ficou o seu espirito.
a oncluirei com um fado que me parece ca-
racteistico. Esta noite, no mais forte da crise,
no nomento em que o principe Gortschakoff e
muios officiaes do seu estado-maior, pediam
mulido que dispersasse e dizism : Ide-vos I
joe-os i multas vozes sahiam de entre o povo! eleigao, admitlidos aquelles e eicluid
que Btnbuiam ao convite dos russos, responden- '
do cm um tom muito significativo : Ide-vos ,
dai-os o exemplo I Ide-vos I E' esta a verda-
deir sitaacao.
EXTERIOR.
Faustino Caetano de.Assis.Nao tom lugar.
Francisco Ferreira de Paulo.Sim. *
Francisca Maria de Jess.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Tenente Francisco Gongalves de Andrade.
Passe do que cooslar.
Fielden Brothers.Dirija-se thesouraria de
fazenda.
Ou tro.Dirija-se thesouraria de fazenda.
Henrique Augusto Millet.Nao tem lugar o que
requera vista das informaco^s.
A mesa regedora da irmandade do Santissimo
Sacramento da freguezia da Boa-Vista.Informe
o Sr, thosoureiro das loteras.
Joaquim Antonio Rodrigues.Ioforme o Sr.
inspector do arsenal de marinha.
Jos Theodoro da Silva.Requeira pelos ca-
naes competentes.
Jos Eloy de Paiva.Ioform'e o Sr. juiz de di-
reito da comarca do Cabo.
Joaquim Vicente Dias.Nao tem lugar o que
requer.
Bacharel Joaquim Theotonio Soares de Avel-
lar.Coacedo o prazo de 15 dias requerido.
Moooel Joaquim do Reg e Albuquerque.In-
forme o Sr. capito do porto.
Maooel Olympio de Carvalho Mondonga.Op-
portunamenle ser attendido. o
Romo da Conha Amara!. Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional dos
municipios de Olinda e Iguarass.
Thomaz Antonio Maciel Monteiro.Nao tem
lugar o que requer.
Urna correspondencia de Varsovia de 7, con-
ten curiosos detalhes d'squalle dia, vespera,
como se sabe, das sanguinolentas sceoas de que
temos fallado, e que tiveram lugar em conse-
quencia das manifestages pacificas da populago.
Eis os termos em que conceb Ja essa corres-
pondencia, publicada pela Patrie :
Acabamos de passar um dia cheio de commo-
gao e de angustia, e que nos deixa muito inquie-
tos pelo que pode occorrer amanha. Era fcil
prever que a dissolugo da sociedade Agronmica
seria vivamente sentida por todas as classes da
populago ; era porem difflcil imaginar at que
nwin'A *2."!!A. '"fi'1"'"^" 'mminpntnmenfe na-
cional, se tinha tornado cara a lodos, u acto do
governo que ordenou a sua suppresso envolveu
toda a cidade na mais completa tristesa e no lulo.
Hootem, formou-se um ajuntamento de perto
de 60,000 pessoas para se dirigir processional-
mente festa patronal de Povouski; mas esta
primeira manifestago nao teve aeguimeoto. Hoje
logo pela manha, o povo dirigio-se para as gre-
jasafim de orar ; depois formaram-se os ajunta-
mentos, e encaminharam-se todos para defronte
do palacio onde funecionava a sociedade Agro-
nmica. A multido era immensa e mostrava-se
muito agitada.
Pela parte superior da entrada principal acha-
va-se um escudo das armas do imperio russo,
que sao, como sabis, a aguia russa das duas ca-
becas, tendo no peito a aguia branca da Polonia.
A aguia russa foi respeitada ; limitaram-se a co-
bri-la com um veo negro, de maneira que s se
via a aguia polaca ; depois collocram-se pela
parte de cima da nossa virgem nacional, Nossa
Senhora de Czenstockwa, orna coroa de espinos.
N'um instante, a fachada do palacio foi coberta de
flores e de perpetuas.
< A multido clamava por Mr. Andr, o conde
Andr Zamoyski. Quando so soube que nao es-
tava no palacio, exclamou-se de todos os lados:
retiremo-nos I retiremo-nosl E o ajuntamento,
que a cada instante augmentava em consequen-
cia de tovas chegadas, dirigio-se para a morada
do conde, a' frente do cortejo, levavam alguna
homens urna grande grinalda na qual se lia :
cimiterio do mausoleo das victimas de 27 de fe-
vereiro. Ha alguma cousa de tocante e de signi-
ficativo, n'esla ligago entre as victimas de ha
seis semanas, das bailas dos soldados russos, e a
victima que hootem fez o rescripto do governo
A' aproximarlo do ajuntamento, o conde sa-
nio do seu palacio, e recemmendou tranquilli-
dade e moderago. Para melhor ser ouvido ao
longe, appareceu janella. a Somos todos ouvi-
dos pelo mesmo espirito, disse elle ; todos que-
remos a patria, mai de .todos nos; mas sejamos
secegado?. Na moderago e na prudencia en-
a contraremos a forg de que carecemos. Sim 1
sim, respondia-se de toda a parte, estaremos so-
cegados.... tendes razao nada de tumultos.
Em seguida urna voz que um instante dominou
todas as oulras, accrescentou : a Sabemos que
estaes comnosco. Nao consentiris que nos es-
maguera, nao I
N'este momento, alguna operarios que linham
escallado a janella, depositaran) em frente do
conde a coroa de espinhos levada do cemiterio, e
a multido langava para dentro do palacio, ra-
mos, grinaldas e ramalhetcs.
Pelas 5 horas, a multido dirigio-se para o
palacio do principe lugar-tenente, que desde a
vespera cooservava urna forga importante. O povo
pedio em grandes gritos o principe Gortschakoff.
O principe sabio a cavado frente do seu estado
maior: avangando alguns passos na praga, per-
guntou o que Iho quedara. A patria, queremos
a patrial Vos tereisa patria.Um exarcito pola-
col Urna patria sem exercito, o mesmo que urna
mo sem dedos I Nao d'esta maneira quo se
devem expressar os vossos desejos, se queris que
sejam atteudidos. Relirai-vos sem fazer destur-
bios. O imperador ja vos concedeu muito; elle
vos conceder ainda mais, se esliverdes tranquil-
los.Muito bem I promettei-nos de levar este
nosso pedido ao conhecimento do imperador I...
a N'esta occasio, a freote da multido eslava
to prxima dos soldados formados em ordem de
batalha em frente do palacio que era difflcil cir-
cular entre uns e outros. O povo nao manifestava
a menoqafMsposigo aggressiva, mas nao se reti-
rava, e pew contrario, o ajuntamento pareca aug-
mentar a cada momento. A todos os convites que
se lhe faziam para que se dispersasse, respon-
da : Promettei-nos que levareis os nossos pe-
didos ao conhecimento do imperador, dai-nos a
vossa palavra de honra 1
O prncipe GorUghekoff entrou ento no pala-
cio, e a situago tornava-se cada vez mais critica.
Pareciam exhaustos lodos os meios persuasivos ;
aa armas da tropa foram carregadas, sem que a
multido parecesse ioquietar-se. Afinal passado
um quarto de hora, appareceu o general Kron-
leff, prometiendo, em nome do principe Gorts-
chakoff, que levara ao conhecimento do impe-
rador o pedido do povo.
Alguns cidados aproveitaram esta declara-
gao para Induiir o poto a dispersar sem tumulto.
de, e transcrevesso
teudo.
hn' ccrUd8 Irahida do livro de notas do ta-
Deiuao mostra que contendo essas tres cdulas os
nomes dos que perdero a eleigo, ficando sup-
ptentes por um dous volos. contada essa vota-
gao, seriam estes os eleitores, e supplentes os que
tCoral e eitores' coneo"eram ao collegio elei-
D,l"?Aj,?,i.cacl0 u.'ad Por eenlenga, e de
trazidos ao conhecimento da
que os cidados cima uo-
por
Pra complemento d'esta correspondencia, va- ,
mospublicar o que dizem de Varsovia com re-
fere ca ao dia immediato aquello de que trata a
mema correspondencia :
Na quinta-fera 8, das cinco para as seis
hors da tarde, formou-se um numeroso ajunta-
meo em frente do palacio real, como se tinha ,
sisear*. zlsz.zix ="" ."x, vs rsa
praa
ou
brov
Francisco Alves e Francisco Jus Ferreira, as ce -
aulas entregues por Francisco da Silva Prado e
francisco Jos Pereira, ambos nao qualificados.
e o ultimo menor de 18 annos.
Sendo a differenga de volago to diminuta que
tanto a e-missao dos 3 primeiros votantes, como
a excluso dos 2 ltimos, altera o resultado da
eleigao, admitlidos aquelles e excluidos estes,
como entende a commisso que se devra ter pra-
ticado, passsriam os eleitores para a supplencia
e os supplentes para o eleitorado, se orvolosdos
excluidos recahissem, como recahiriara nestes, e
se aquelles subiram 1 e 2 votos pelas cdulas
dos Ilegtimamente admitlidos na eleigo paro-
A estas irregularidades accrescem outras de
menos importancia, que por si sos nao teriam tai-
vez torga para invalidar a eleigo, mas que reu-
nidas s mencionadas, robustecem anda mais a
conviegao em que est a commisso de que se de-
s pedidos. N'esta occasio, passava pela romo, rram \L.Tt r 3 V0.lanle! buidos,
...urna carro da posta e o po'stilho deixou K verfficado? rom 2 *e notas do l.bel-
r na sua corneta o som nacional de Dom- BlJsaSSl. 22. que cedulss a
*ki : A Polonia ainda nao deixou de- IffidaSTctenoifSllMtr- oram re-
tir Est- som electrisou a populaga, que. sem chial conheT 2L. h!S "" "seaMV par-
arras. quiz penetrar no pateado p sejam tomado votos assim reeebidos por pessoas
incompetentes para apura-los, e ainda mais pelo
receio de eslabelecer uro precedente que abrir a
porta a novos abusos, alm dos muitos queja de-
ploramos as eleiges primarias. Pensa porten-
to a commisso que, nullos os diplomas dos elei-
caallaria carregou a multido. e a infantaria fez
fog. Algumas pessoas langarara mo de um cru-
cifio para conseguir separar o ajuotamento e
guit-lo para as ras adjacentes, Podwale e Sena-
tors.a, maa encontraran as passagens tomadas
pei'j infantaria Tiveram ento lagar novas des-
carga-.. Ainda se nao pode iodicar o numero das
pessoas mortas e feridas. Os soldados conduziram
muitos Cadveres para o palacio. Outraa victimas
.am ,leva<" Para o hospital de S. Roen e para
o hotel da Europa.
Em quanto estas scenas sanguinolentcsse pas-
saiam em frente do palacio, na ouira extremida-
uda prac -,
qvii .. ncuavam multas mulheres e rapazes, cer-
chara a imagem da Santa Virgem, e proslradas
dtjoelhos, entoavam cnticos religiosos, que se
pulongaram at noite. A infantaria cercava-os
p r todos os lados, sem tratar de os dispersar, nem
di fazer cessar as suas supplieas. Finalmente,
qiando chegou a noite a tropa retirou, e a mul-
uio affastou-se tranquillameote.
i N'essa mesma noile, urna deputago da ci-
dide apreseBtou-se em casa do principe de Gor-
tsbakoff, que recusou recebe-la. E' geral a cons-
tenscao. Recelam-so noticias assustadoras das
puvincias onde a dissoluco da Sociedade Agri-
coa produzio grande exasperago. Por occasio
daj manifestages do dia 7, um ajudante de campo
dogeneral Clirulow, que se achava no palacio,
dei um tiro na cabega.
I O director das fioangas f.enski, o director do
bateo Niepokojszgeki, o governador de Lublin
Ma hiewicz, deram a sua demisso na manha de
8 d abril.
(Jornal do Commercio, de Lisboa.)
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO
ASSEMBLA. GERAL LEGISLATIVA
CMARA DOS SRS. DEPUTADOS.
5.* SESSO PREPARATORIA EM 26 DE ABRIL DE 1861.
/residencia do Sr. vitconie de Cataragibe.
(Continaago.)
Eleigo de S. Paulo (3 districto}
/ 4* commisso de veriQcago de poderes ten-
do txaminado com a devida attengo as actos que
lhe orare presentes da eleigo primaria e secun-
darit do 3 districto da provincia de S. Paulo, tem
a boira de submetter considerago da cmara
as reilexes seguintes:
Cimpe-se este districto de 12 collegios, com-
prclendendo 39 freguezias.
as 'reguezias que constituem os collegios de
Mogvmirim, Itapetinioga, Botucat, Campias,
Condiluigo, Penha, Casa-Branca, Franca do Im-
peralor e Batataes, correram regularmente os
trabalhos eleitoraes, dando-se urna ou outra falta
de ordem secundaria, que nao pode affectar a le-
gitimidadeda eleigo.
Apenas em urna, Botucat, houve protesto por
terom aa autoridades requisitado forga, sem que
houvesse comtudo necessidade de emprega-la
para manter a ordem.
o contraprotesto foi declarado que a presenga
da torga era devida ao receio de repetirem-se as
sceaas de violencia que no lugar se tinham dado
durante as eleledes municipaes. Nenbum inci-
dente desagradavel appareceu: pelo menos nao
foi mencionado nos documentos aposentados
commisso.
Has paroebias que fazem parte dos collegios do
Rio Claro e Araraquira nao conta que verificas-
sera irregularidades digna de mengo, a exepgo
das seguintes :
Freguezia de Pratininga.Foi muito disputa-
da a eleigo desta freguezia, ea parcialidade ven-
cedora conseguio o tnumpbo por 1 e 2 votos, im-
pedindo que os contendores se avantajassem em
volago pelo emprego de expedientes que vedam
a verdadeira manifestago da vootade popular, e
fazem da eleigo primaria urna mera fiegio filha
da fraude e do arbitrio.
No primeiro dia de reeeblmenio de cdulas fo-
ram recebidas as apresentadas pelos cidados
Jos de Souza Bueno, Fraocisco Jos Ferreira e
Jos Moreira de Godoy, todos tres qualificados
votantes e chamados pela mesa para votar. Guar
dadas essas listas na urna separadamente, foram,
no dia seguiote restituidas aos seos portadores
sob futeis protextos, quando, depoia da contagem
das cdulas para a apurago, a maioria da mesa
paroebial suspeitoa que a* apurago, dos nomes
nella contidoa daria victoria aos contrarios, sus-
peita que a apurago posteriormente mostrou ser
fundada, pols, tomados essea votos caberla o elei-
torado aos candidatos da parcialidade opposla.
A' vista dessa resoluco de trer membros da
mesa, protestaram os cidados assim recusados,
depois de. aceites os seus rotos, que a mesma mo-
tores de Pirassinunga, se deve mandar all pro-
ceder a nova eleigo.
Freguezia de Limeira.Os votos dos 10 elei-
tores desta freguezia foram apurados em separado
pelo collegio de Rio Claro, que os nao reputou
validos pela razo de na acta da 3a chamada dos
votantes fazer-se tambem menean da.la. Leba-
pulisou o collegio em tomar eDglobadameote es-
ses votos, pela falta da acta especial, de que falla
o art. 49 da lei de 19 de agosto de 1846, na qual
suppi que de nada se poderia tratar seno do
que restrictamente dissesse respeito 3a chama-
da dos votantes* comquanto a lei exija urna acta
especial, pensa a commisso que a especialidade
desse documento consiste nao tanto em ser ex-
clusiva e nicamente destinado a occpar-secom
a 3a chamada, como a indicar especficamente o
cumprimento de certas formalidades, que o legis-
lador estatuio para garanta e offeclividade do di-
reito de votare melhor fiscalisaco dos trabalhos
pelo poder competente.
Por este motivo, e seguindo os precedentes da
casa, opina a commisso que o facto argido nao
iovalida esta eleigo embora julgue sempre re-
commendavel acompanhar mesmo a letra da lei
em todo o seu vigor.
Fieguezia de Itaquary.Contra a eleigo desta
freguezia apparece um protesto dos eleitores de
Limeira, increpando-a de irregularidades, para
prova das quaes nao foram offerecidos documen-
tos apreciago da commisso. as actas nao
se eocontra defeito que deva promover a sua an-
nullago.
Apenas nota a commisso : que na acta da apu-
rago nao se transcreveu nem mencionou a por-
tara do presidente da provincia marcando o nu-
mero de eleitores quedevia eleger nesta legisla-
tura, na forma preceituada pelo art. 16 das ios-
truccoes de 22 de agosto de 1860; que era dis-
pensa vel segunda acta especial da 3a chamada ou
que foi excesso de zelo preceder-so 4a cha-
mada, como se infere da existencia do duas actas
da 3.a
Freguezias de Brotas eJah Na de Brotas le-
ve lugar a eleigo primaria destas duas freguezias
cooUa a qual veem transcriptos na acta dous pro-
testos de varios cidados, deduzindo as irregnla-
dades que a viciam, igualmente relatadas em re-
preseutaces dirigidas a esla augusta cmara e
presidencia da provincia de S. Paulo,
Allegara os reclamantes :
1." Que a freguezia de Jab eslava cannica-
mente provida, e como tal devera ter eleigo se-
parada, tendo j votado separadamente na elei-
go de vereadores e juizes de paz verificada em
setembro de 1860 ;
2. Que arbitrariamente recusou a mesa rece-
ber as cdulas de muitos cidados qualificados,
sob pretexto de os nao conhecer, mas pela razo
de nao pertencer sua parcialidade ;
3. Que achamada dos votantes de Jah foi fei-
ta pela lista da qualificagao de 1858, quando exis-
tiam a de 1859 e 1860, nao langando mo da des-
te ultimo anno, como determina a lei, por ter si-
do incluido pela relagao, em recurso grande nu-
mere de votantes do partido opposto ao dos m-
sanos ;
4 Que embora chamados os votantes de Bro-
tas pela qualificagao de 1860, a mesa nao quiz
aceitar as listas dos que a relago mandou admit-
tir dando provimeoto ao recurso interposto.
Todos estes factos conitam de urna justifica-
gao e de varios documentos submettidos com-
misso a determinara a annullagio deata eleigo.
No collegio de Itapeva foram tomados em se-
parado os votos dos 5 eleitores de Apiaby. Nao
tendo ao poder da commisso a acta desta fre-
guezia, nao pode a commisso conhecer da vali-
dado desta eleigo e entende que deve ser adiar
do o reconhecimento desses 5 eleitores al ao re-
cebimento da respectiva acta.
A" volago desses eleitores, e mesmo a de to-
do o collegio de Itapeva, em que votram, nao
inQue na apurago final do districto de modo a
alterar o resultado geral da eleigo.
Feita a apurago de todos os collegios que es-
li de aceordo com os diplomas apresentados,
foram eleitos depulados os Srs. Joaquim Octavio
Nebias, Antonio Gongalves Barbosa da Cunha, e
Antonio da Costa Pinto Silva.
Porlanto a commisso de parecer :
1.a Que se annulle a eleigo da freguezia de
Pirassiouoga.
2. Que sejo contados os votos dos eleitores
da Limeira, tomados em separado no collegio do
Rio-Claro.
3.* Que se annulle a eleigo das freguezias reu-
nidas de Brotas e Jab.
4.a Que se requisito do governo a acta da fre-
guezia do Apiaby, ficando adiado o recooheci-
sa
eSi2.a*l?w*' que *ot"an> em separado
no collegio de Itapeva. F
5." Que sejo declarados depulados pelo 6.
districto da provincia de 8. Paulo os Srs Joa-
quim Octavio Nebias,. Antonio Gongalves da Cu-
nha e Antonio da Costa Pinto Silva.
Salla das commissoes, em 24 de abril de 1861.
-Paulino Jos Soares de Soura.-Jesuino La!
A.egC0oe0.Sa,8d7&fr.:OD, VeUa da S"-J-
Eleigo da corle.
Do exame a que sujeilou as actas do collegio
e assemblas parochiaes da corte, recoDheceu a
J. commisso de poderes que a eleigo foi em
f.eprry.e?,ld" d2 f?rn)u,as leaes- emb S
Z ^ ,"egU,,,atlad,esem '"""" freguezias.
1 nrr"?eD,; (1 eleiores).-Foram recebidas
I.USB listas, das quaes ioutilisadas 21, e toma-
inSl'n(SepBri(l0 3 ; res,0 li"uid8S 995. que, a
40 eleitores, deviam produzir 39.800 votos : ms
oITh",9 ?BulM eS,"a,n Completas, faltando
VwjSE. Domes' am os TOlos redu*ids
Entretanto s apparecem apurados 39 068 ha-
vendo assim um dficit de 614 votos
?J,eDUV,om0 ele,itor {Ve 593 e Hio 395
vo os ; o 1. supplente 388 Os 614 votos quo
faltam. repartidos por 40 nomes, dariam, mais
15 votos, que apenas fariam o 1. supplente pas-
sar ultimo eleitor.
Na lista dos cidados volados nao se conservott
ordem numrica, ordenada pelo art. 55 da iei
de 19 de agosto de 1846. em relago aos ltimos
nomes ; e na acta omiltio-se a declaragao de se
, \rnP.0cedld0 1uoiraa da listas, na forma do
art. 59 da le citada.
~2Sl!*m'?{9 lfIl,ore')O numero das listas
recolhidas foi de 994, sendo inulilisadas 9. As
restantes deviam dar 38,400 votos ; mas como em
tres listas faltaram 63 nomes, os votos Acarara
reduzdosa 38,737.
\ tEa"5^0 cons,a aPeoB3 37,334, isto me-
nos l.Ofw. Cumpre, porm, notar que a copia
da acta nao parece exacta, porque se omilliram,
entre os eleitores dous nomes, e entre os suo-
plentes um. r
Depois de concluida a apurago,resolveu a me-
abonar a alguns cidados votos de cdulas
jue continham nomes semelhantes aos seus ou
os mesmos nomes alterados, fundando-se em que
a profissao indicada as cdulas coincida com a
dos cidados a quem mandou cootar os votos.
A vossa commisso nao pareceu regular essa
Itilre que naquella occasio nenhum alcance
leve psra o resultado da eleigo, mas pode em
outras circunstancias alterar completamente a
apurago, e neste ponto a vossa commisso
coosequeote com o principio que j sustentou,
em um parecer anterior.
Vem inserido na acta um oflicio, dirigido pela
mesa ao governo, a respeito da agiiago e al-
voroto que se notava na acsembla parochial.
e que subir a ponto de expor a urna. Mani-
festava a mesa suspeita de inlroducgo de listas
uc50p(/Diotcloui tuui'a Cuuiogcui uoa truuida.
Nao consta que se cumprisse o artigo 59 da
lei.
Santo Antonio 32 eleitores).De 1,310 cida-
dos qualificados votaram 915 e faltaram 395.
Foram inutilisadas 6 cdulas, e apuradas 909,
que deram 28,736 votos. Deviam sommar 29,088
votos ; mss como houve omisso em diversas
listas de 232 nomes, Dcaram 03 votos reduzidos
a 28,856.
O ultimo eleitor teve 472 volos, e o primeiro
supplento 436.
A eleigo correu sem protesto ou reclama-
Qo. Deu-se apenas o incidente da quebra da
chave da urna, que foi immediatamente subs-
tituida.
llha do Governador (5 eleitores].Foram re-
colhidas 246 cdulas, que produziram 1,230 vo-
tos, numero que confere justamente com o da
apurago.
Nao se deu nenhum incidente durante o pro-
cesso eleitoral.
Paquete (3 eleitores). O numero das cdulas
foi de 101, deixando de votar 13 individuos. A.
apurago aprsenla urna differenga de 49 votos,
que nenhuma modificago produzio na ordem
dos vetados.
Sania Anna (45 eleitores). Recolberam-so
1,509 cdulas das quaes se innlilisaram 20. De-
va ser o numero dos votos 67,005, ao passo que
s foram apurados 66,680, apparecendo um d-
ficit de 320.
O ultimo eleitor tem 788 votos e o primeiro
supplente 688. Os 320 votos que faltam, dividi-
dos por 45 nomes, nenhuma allerago fariam na
ordem da volago.
Apparece na acta um protesto a respeito de
urna subtraego de votos a um dos eleitores,
questo que nao tem a mnima importancia quan-
to ao resultado final da eleigo. Apparece igual-
mente um oficio que o presidente da mesa diri-
gi ao governo sobre alguns factos reprehensiveis
que se deram na assembla parochial
Eogenho Velho (24 eleitores).A eleigo cor
reu regularmente.
Receberam-se 548 cdulas e deixaram de votar
434 cidados.
Apuraram-se 13,073 votos, que sommadosconx
55 omitlidos em cdulas incompletas, e 24 da
urna cdula em bTanco, montaos a 13,152, nu-
mero correspondente ao das.cdulas recebidas-
Nao so fez a declaracao da queima das lis-
tas.
Campo-Grande (18 eleitores).Votaram 789ci-
dados, faltando 311.
Foram inutilisadas 8 cdulas, e apurados 13297
votos, faltando 761 ditos para a somma que de-
viam produzir as 789 cdulas liquidas.
A differenga entre o ultimo oleitor e o primeiro
supplente de 23 votos, e os 905 ditos que fal-
tam, dando 50 por cada nome, podiam alterar a
ordem entre aquelles dous votados.
Nao ha na acta relago nominal dos cidados
que deixaram de votar.
Guaraliba (17 eleitores).Dos 800 cidados qua-
lificados votaram 537 e faltaram 263.
Inutilisada urna lista, apuraram-se 9,078 votos,
notando-se apenas a falta de 34.
Houve um protesto pelo facto de nao ter sido
feita a chamada pela lista autbentica, mas por
outra, e tambem pela coaego emque se preten-
da achar-se a maioria da mesa: esses factoa fo-
ram contestados por um contraprotesto.
S. Christovo (12 eleitores).A eleigo fez-sa
regularmente.
Votaram 533 cidados e faltaram 217.
Apuraram-se 6,337 votos, numero correspon-
dente ao que deviam dar 533 cdulas, deacontan-
do-se urna em braoco e am nome que faltava em
outra.
Nao se declara a queima das listas.
Iraj (11 eleitores).Receberam-se 347 cedu-
lss, faltaudo 98 cidados qualificados.
Apuraram-se 3,899; a diflerenga foi pois de S
votos apenas.
Nao apparece a declarago nominal dos cida-
dos que deixaram de comparecer a terceira cha-
mada.
Inbauma (6 eleitores).Apuraram-se 1,785 vo-
tos, declarando a acta por engao 1,775; com 3
que faltaram em duas cdulas, somma 1,788, nu-
mero de votos correspondente a 298 cdulas li-
quidas recebidas na tres chamadas.
Apparece um protesto a respeito do voto de um
cidadao que nao oslara qualifleado.
*.-
y
V I
\'\ A.
-


fi)
URK) DI rB&UOCO SEGUNDA FEHU S7 DI MAW 11 1M1,
A mesa cootraprole stou.
Candelaria (18 eleitores).A eleiclo lo; regu-
"lir: Dio se oroiltio uenhuma tormali-iade, e o
numero dos fotos apurados eonfere cora o das 4(4
cdulas liquidas que foraro. recetada.
Carato de Saota Cruz (5 eleitores).Um gran-
de numero de cidados protestaram, arguindo
faclai graves, que verificados importariam a nul-
lidade da,eleic5o ; mas despidos de proras, ficam
reducidos a sim'ples allegado", cegadas pela me-
sa no seu coalraprdleMo.
Foram reoebidas 118 cdulas, que apuradas de-
nsa 590 rolos.
Lagos.Na orginisego da mesa houve um pro-
testo de alguos cidadios contra a admissao de
un suppleole que se dii ter mudado de paro-
thU.
Os votos apurados nao conbinam con o nume-
ro das cdulas recebidas; a difierenca porm
insignicaule.
Gloria (25 eleitores). -A a|,uracao menciona
1-2,108 votos ; para 13,935, de 528 cdulas liqui-
das, descontados 16 Domes omittidos, faltara 817,
isto 33 votos por cada nome.
Esse numero poderla alterar a votacio dos
dous ltimos eleitores, passaodo-os para suppleo-
le.
fia formacao da mesa um cidado requereu
contra u (acto de ser a eleico presidida pelo 4o
juiz de paz, achaudo-se presente o 1 que bavia
dado parte de doeote.
Este facto, autorisado por avisos do governo,
.nao podo dar causa Dullidadc da eleico.
Por aquelU motivo epor oatros protestaram
alguns cidados, Jefendendo-se a maioria da me-
sa das imputa;es que Ihe foram felas.
S. Jos (32 eleitores).A eleico parece ter
corrido regularmente.
Oe 909 cdulas liquidas apuraram-se 28,073 vo-
tos, hareodo eot diversas listas omisso de 96
nomes.
Nao consta a queima das listas.
Jacarepagu (14 eleitores).Da apuraco re-
sulta ura accresrimo de 56 utos, pois 336 cdu-
las liquidas deviam dar 4,984 votos, em quaoto
que apparecem 5,040.
E' possivel que oeste, como oos oulrns clcu-
los da commissao, nao haja a precisa exacldo;
Bao o porque foram feilos sobre capias de actas
nas quaes lalvez so teuham oroillido alguos al-
garisnios, como porque o seguiaieota em que se
acha escriplo o numero de voios oblidos por cada
individuo traz necessariaroenle a suaconfuso.
Reunido o collegio eleitoral no edificio da c-
mara municipal, procedeu-se a formacao da me-
sa e verificaban dos diplomas.
Tomou o collegio as seguintes resoluces:
1.* Chamou o primeiro supplenle de Santa
Rita, om lugar de um eleitor aseole, em Per-
aambuco,
2" cixou de cha-oar supplenle para supprir
a falta de um eleitor ausente era liaguahy.
3.a Approvou o diploma de um eieitur condero-
sado do ari. 237 3o do cdigo criraiasl, e cuja
senti-nca nao linha sido cumprida.
4.a Tomou em separado os votos do curato de
Santa Cruz, por ju[ga-los nullos.
Entende a commissao que destas resoluc,es su
a piimeira merece ser confirmada.
A ausencia da corte, que nao pode ser consi-
derada como fazendo parte da provincia do Rio
de Janeiro, est coraprehendida na disposieo do
rt. 65 da lei de 19 de agesto; tal a inlelligen-
cia dada pelas resolucoes do governo aspetial-
nieiite no aviso n. 360 de 24 de novembro de
1859 primeiro ; inlelligencia que parece a mais
racioual.
Quanlo ao eleitor condemnado por sentenQa, o
laclo foi confessado pela maioria da mesa do col-
legio, visla dos documentos comprabalorios ;
nas argumeotou elle no sen parecer que o crirae
islam prescripto, e porlaoto a sentenca sem ef-
leito. Semelhante doutrina, inadmissivel vista
do art. 65 do cdigo criminal, anda mesmo a-
ceia, nao favorecera o eleitor, visto como a
prescripcao nao se prova pelo simples lapso do
lempo, mas por seutenca nos termos das leis do
processo. E' claro pois que o eleitor Antonio Ha-
noelde Almeida Brandao nao prova ser votado
para eleitor de conformidade com os arts. 17 e
53 3 da lei de 19 de agosto.
Era relaco eleico do cralo de Santa Cruz,
sao leve o collegio outros motivos para suppr
iullidsde seno o protesto de que a v.issa com-
missao j |se oceupou no exame da eleico pri-
maria, e que nao passa de uraa simples ullegacc
em provas.
Recebilas34t cdulas, obliscram votos
Os Srs.:Octsviano.......245
" a.iMianria.........2Z7
Iridro........... 112
> Diversos......... 208
eis de 19 dedezembro e aviso do ministerio do I a restiteice da quantia que receban de seos to-
imperio de7 do dito foez, o collegio do Serr to-
mou era separado os votos dos dous ltimos elei-
tores. Creada esta freguezia em Julho de 1857.
(oi, asstm como a de Milho- Verde e S. Goncalo,
desmembrada da do Serr. A freguezia do Serr,
eompreheodendo aquellas, deu 44 eleitores em
1856, para ella foi marcado, na conformidade da
lei oovitsima, 36 eleitores, para a de Mtlho-Ver-
de e S. Gencelo 6, e para a do Rio do Peixe 16 ;
e dalo se vi que nao houve excesso da metade
permitli la pelo g 10 do artigo 1* da citada lei.
As qualifieaces de 1858 1859 tambera nao po-
diam ter motivado aexpedicao do aviso, per iaso
que foram qualficados nesta freguezia mais de
16 mltiplos de 30 votantes. E' manifest que
um equivoco dea logar so aviso citado.
Ero virtude do mesmo aviso e portara da presi-
dencia foi convocido o primeiro sopplente de elei-
tor da freguezia de Mioas Novas,Amonio Simes de
llacedo Barbosa, para completar o numero de 13
eleitores que deve dar a freguezia, e cujo voto foi
lomado em separado, assim como o de Clemente
Jos Correa, eleitor menos votado da freguezia
da Nossa Senhora da Graca da Capellinha, que
devendo dar 16, vlegfu 17 eleitores.
Por tanto a commissao termina a presenta ex-
posicu cora as seguintes oncluses :
1." Que sejam declaradas nullas as eleicesdos
eleitores das parochias de Jacury e Nossa Se-
nhora da Peoha de Franja.
2. Oue'sejam approvadas as eleices de todas
as outras freguezias desle districo, inclusive a do
Rio Manso.
3.* Que sejam recoobecidos eleitores da paro-
chia de Sonto Antonio do Rio do Peixe Serallm
Ferreira Caroeiro e Jos Vicente de Miranda, da
de Minas-Novas Antonio Simoes de Miranda
Barbosa.
4.* Que seja aonullado o voto do cidado Cle-
mente Jos Correa.
- 5.a Que saja aonullado o collegio da Diamau-
tina.
6.a Que sejam declarados e recoohecidos dipu-
tados pelo 6.a dislricto da provincia de Mioas-
Geraea os Srs. Dr. Auionio Gabriel Paula Fonceca
Antonio Cndido da Cruz Machado e Simo da
Cunha Pereira.
Sala das comroissges, 23 de Abril de 1861.
Luiz Antonio Vieira da Silva J. Alfredo Correa
de" Oliveira.Paulino Jos Soares de Souza.
Jesuioo Lamego Costa.
tillados a titulo de sello de heranes, sor ser evi-
dente que iadevidamente foi ella- cebrada, de
parecer que ae adopte a seguinle reselacio :
A assembla legislativa provincial de Pernam-
ico, aecrea :
PEHNAkVIBUCO.
ASSEMBLA LEGISLATIVA
VINCI1L.
PR0-
1024
A commissao por tanlo de parecer:
1." Que se annulle.o diploma do eleitor de
Santa Anoa Manoel Antonio de Almeida Braodo.
2." Que seappiovem as eleices primarias da
corle inclusive a do curato de Saota Cruz.
3. Que sejam reconhecidos deputados os Srs.
Drs. Francisco Octavianode Almeida Rosa, Theo-
philo Benedicto Oltuni e Joaquim de Saldanha
enano.
Sala das sessOes da cmara dos deputados, 24
de abril de 1861.J. de Alencar.A. G. Barbosa
da C'inha.R. F. de Azevedo.Serra Carneiro.
Leandro limoso.
Eleigo de Minas-Geraes ( 6" districo. )
A 4.a commissao de poderes, tendo eximinado
todas as actas e mais papis que Ihe foram pr-
senles sobre a eleico oo 6.- districo da provin-
cia de Mines Geraee, submetle consideraco
desta cmara o seguinle parecer:
O districo de que s trata conta 28 freguezias
e corapoe-se de 4 collegios : Serr, Diamantina,
Minas-Novase Rio-Pardo.
Eleigo primaria Tres sao as freguezias
SESSAO EM25 DE HAIODE 1861.
Presidancia do Sr. baro de Vera-Cruz.
Ao meio da feita a chamada, verifica-se haver
numero legal de Srs. Deputados.
Abre-se a sesgio.
O Sr. 2.a secretario le a acta da antecedente,
que approvada.
O Sr. Io secretario da conta do seguinte :
EXPEDIENTE :
Um officio do secretario da presidencia, re-
metiendo o ornamento da receila e despeza, re-
mettido pela cmara municipal do Bom-Conse-
Ibo.A' commissao de ornamento municipal.
Um requerimenlo de Flix de Albuquerjue
Mello, pediodo pagamento da quantia de 20C$
que a cmara municipal da cidado da Victoria
Ihe devedora. A' commissao de orcameolo
municipal.
E' lido e entra em discusso o seguinte pa-
recer:
A commissa de constituido e poderes, a cuja
! aprecie cao foi submetlido o projecto nao sanecio-
! nado, que determina seja aposentado Joao Uon-
galves Rodrigues Franca, escrivo da collectotia
das rendas proviociaea da cidade de Olinda, en-
tende que sao procedentes as razes que leve a
presidencia da provincia para se negar saneco
aquello projecto, por inconstitucional. Porquau-
to, se bem que as assemblas provioctaes este-
jam de posse do direilo de legislar sobre apo-
sentadoras dos empregados provinciaes, com lu-
do s devem exercer esse rtireito de um modo
genrico e reguiador dos casos oceurrentes, sera
que lhes seja licito legislarem sobre casos espe-
ciaos, determinando quaes os empregados que
devam ser aposentados, como o fez o sobredito
projecto ; pois desse modo coofuudir-se-ho as
mui dislinctas funecoes de legislar e exernlar.
sos, tem em seu abouo o d n. 43. de 1 de mu-
co de 1842.
Sala das comraissOes 11 de roaio de 1861.
Theodoro da Silva.Luiz Felippe.
Vai i mesa, lida, apoiada, e entra em dis-
cusso a seguinle emenda :
Que seja adoptado o projecto, sublitituindo-se
as palavrasE' concedidaporFict o presi-
denie da provincia autorisado a conceder.
S. R,Mar.oel J, de Miranda.J. Mello Reg.
Julgi-se a materia discutida e approvsdo o
parecer com a emenda.
Sao lidos e julgados objeclo de deliberago os
seguintes pareceres que terminara por projectos :
A commissao de legislagao e negocios eccle-
siastices, tendo examinado o projecto do compro-
misso da irraandade da Misericordia, aprsenla-
do per um de seus membros e tambera o
que foi confeccionado pelo presidente da pro-
vincia, entendendo que aquelle, depois de
approvado na parte religiosa pelo Exm. bispo
dioccesano preferivel ao segundo por ser mais
amptp em suas disposicoes, comprehendendo os
collegios dos orpbos que nao eslavara sujeitos
irmandade e por eslabelecer melhores disposi-
coes convenientes escripluracao e administra-
cao do patrimonio dos eslabelecimentos sujeitos
buco,
Art. nico. Rettitair-ae-ha aosulbos de Pedro
Jos Caroeiro Meoteiro a quana de 1:356|000,
indevidamente cobrada i titulo de sello de be-
ranea ; s do Dr. Jes Felippe de Soma Lelo a
quantia de 681*000, que pagou i fazenda pele
arrematadlo de um pretojulgado liberto, ficando
o goverao autorisado a mandar pagir-lhe a quan-
tia de 38*1040 rs. da cuates leitas com a respec-
tiva accif. Revogadas ss disposicoes em con-
trario.
Salla das eommisses 25 de maio de 1861.
Souza Res.Ignacio de B. Brrelo.
O Sr. Lucena como membro da commissao no-
meada para "proceder w inqueiito na crsa de
detenco, d conta a assembla do resultado des-
sa commissao com o parecer que se segu.
Na roesma occasio faz algumas eonsiderafes
respeito de ama tabella que o Sr. ehefe de po-
lica maodou confeccionar:
A commissao nomeada para proceder um in-
querito na casa de detenco no sentido das me-
didas propotlas no projecto de lei do orcameolo
provincial, vem hoje dar conta desuaespinhosa
tarefs, submettendo, sem mais preambalo*,
considerarlo da casa o fiucto de suas obserra^dea
e estudo.
Tendo sido nomaada no dia 18 do correte maz
sement no dia 20, pelas 9 horas da manhaa,
poude ella se reunir naquelle estabelecimeoto
psra o flm de dar priocipio acs seus trabalhos,
os quaes consumiram-lhe dous das de aturado
exame.
Sendo os servicos dos guardas e serventes um
dos objectos, que deviam mais tarJe fixira sua
altencao, a commissao, nao obstante informada
que alguus daasea emprogadoa an achavam dislra-
nldos das oceupaces que lhes sao propria*, ein-
teiramente entregues ao servico da respecflva se-
cretaria, na qual exista um numero malor de
empregvdos e de livres, do que o marcada pelo
regula ment, ju'gou conveniente comecar desde
logo, a seu exorne pela verificacio desse (acto,
afim de chegar ao conhecimento da razio, que o
autorisara.
Examiuados attentamente os lirros e o essoal
daquella reparti^o, verificou a comraitsd) exis-
tirem efTcctivamente tres livrus, e mais circo em-
pregados, afora o escrivo, sendo quatro suardas
e um servente, ne auloriaados pelo reguameji-
to, oceupados exclusivamente no servicoda se-
cretaria, verificando conjuntamente, naoaneces-
sidade de taes livroa, em consequencia defacili-
tarem e abreviarem a acbada do que se atia es-
cripto nos que foram pelo citado regulameito es-
tatuidas, seno como que malhemalictnenle
impoisivel, que dous individuos apenas, como
prescreve o mesmo regulamcnto, possam dr con-
ta em dia da escripturaco difficil e comeicada
de um to avultado numero de livros, alm do
eipedieute diario, que segundo o relatcio do
respectivo administrador ao Dr. chefede nlicia,
elevou-se nc anno passado cifra de 42,18 pa-
pis officiaes, inclusive 21,960 bilheles ara a
entrada dos visitantes ; servido este, que nb po-
de ser feilo com menos de quatro pessoas, oca-
so de so querer a effeclividade do 3 do ai. 100
do citido regulamento.
Procurando cingir-se aos differentes ob)clos,
que linham rclaces mais estrellase immdialas
com o seu programma, a commissao passu logo
ao depois a indagar qual o numero cen dos
guardas existentes, e quses as obrigaQesi que
estn sujeitos, alera daquellas que so achanxsta-
tuidas no art. 113 do r-^gulameuto afim de odor
com mais acert deduzr a necessidade d sua
eonservacao on suppresso. Assim quetrifi-
esndo exislirem presentemente 21 guardas, jcIu-
siveos quatro que se achara constantemeoliem-
pregados no servico da secretaria, chegou a co-
nhecimento lao bem de que muilis e divrsas
sao as suas obrigages a que esto sujeits as
quaes, era geral se deduzem as seguintes:
1.a Rondar, tanto de dia, como noite, a dif-
ferentes cellulas;
2.a Abri-las nos casos em que se faz prcUb a
entrada ou sahlda de algum preso;
3.a Tomar notas dos que voltam, ou leftn dec-
lino, em viitude de requisigj da aulrdade, e
des que pedem para ir presenca do medico ;
4.a Acompanhar i aquelles que leam de tomar
banhos communs ou medicinaes;
6.a Finalmenie, a revistar escrupulosamente
lodosos dias, 5 horas da tarde, as eeiluhgue
exclusivamente
fsssuMi- ?? ^^ i"-.-! iariccri8t0 prop5e ^ a5i*
commissao passa a apontar.
JacuryForam qualificados nesla freguezia
415 volantes, apuron-se 310 cdulas e da acia da
terceira chamada consta que 153 foram os votan-
tes quo nao compareceram. E' evidente que, reu-
Bidos os 153 votantes que faltaran] aoj 310 que
rotarsm, a qualiflcagao devia ser de 463 e nao de
415. Houve pois um excesso de 48 listas. Varios
cidadaos tambera protestaram pela excluso que
sofirerara nao tendo sido admillidos a votar pelo
pretexto de nao peilencerem freguezia.
Rio-Manso.A mesa parochial foi installada
pelo primeiro Juiz de paz no dia 30 ; no dia se-
guinte, porm, quaodo vollou igreja para con-
tinuar na eleigo procedendo primeira chama-
da, nao encontrando a urna, que bavia sido rou-
bada, suspendeu os trabalhos, participou a ocur-
rencia ao governo, e retireo-se. Os mesarlos, en-
lao, convidaram ao svgundo juiz de pw, que com-
parcendo na matriz, addiou* eleigo pan o dia
3 de Janeiro, mandando afBxar editaes. No da
flesiguado continuob a eleico, serviodo-se a mesa
para a chamada dos votantes de urna copia au-
thentica da lista de qualificagao ; entretanto o
primeiro juiz de paz vindo a matriz ; proteslou
contra a eleigao a que se estava procedendo e re-
cusou assumir a presidencia da mesa parochial
Nossa Senhora da Penba de Franca.Foram
quaiificadoa uesta freguexia em 1860, 461 vatan-
tes. Da acta assembla parochial consta que dei-
xaram de ser chamados a votar os cidaoos qua-
lificados nos qaarleires de Cocaese Engeoho por
pertencerem a freguezia d-Rio-Vermelho, muni-
cipio do Serr, em numero de 80. Foram apura-
das 261 cdulas, e 131 cidadosdeixaram de com-
parecer. Tendo pois comparecido 261 votantes,
suppondo se incluidos oeste numero os de Co-
cees e Eogenho. e tendo faltado 131, deixaram de
ser chamados 69 cidados. Mas, figurando outra
hypothese, se, como consta da acia, os cidados
cualificados nos quarteires. de Cocaes e Eogenho
jao votaran, segue-se que houve um excesso de
14 ce lulas, devendo ter sido apuradas 247 em vez
de 261. Tendo obtido o eleitor maia votado 116
votos, oimmedialo 115, tres 114, cinco 113. e
dous 112, assim cerno o primeiro suppleole 06
o segundo 102, outro 101, dous 100 votos
claro que outro podio ser o resultado da eleico
que, por este faci, fica viciada.
Eleico secundaria.A eleigao secundaria cor-
ieu regularmente, excepto no collegio ds Dia-
mantina. A mesa desle collegio, considerando
aulla a eleico do Rio-Manso, nao admitlio oa
eleitores desta fiegaezia, e aera consentio que vo-
tsssem em separado ; assim como, desalleodeBdo
reclaniacio de outroi eleitores de diversas, fre-
Sezias contra as irregularidades da eleico da
guezia da Penba, tomou os seus votos snglo-
badamenle, e nao admitlio oa acia o proteste que
ueraro os dilos 6leiiores, que por este motivo
deiuram de aasigna-le.
ou tarnbem a commissao que lendo-se pro-
cedido a eleico na freguezia de Santo Anlenio do
^ OaS .
nn)p0<10
aos gaaraas-chefes, que sa os
mais aoligos d'eotre aquelles, que se achamde
ronda :
1.a Tomar notas do numero dos presos am
disiinccSo dos livres e escravos, sentenciados ede
correijao ;
2.a Passar revista geral duas vezes por dia,
3.a Fazer urna escalla dos que teem de lanar
banhos;
4.a Rondar os seus compaoheiros duranti
noite e vigia-los de dia para que se cooservim
em sua suas posicoes ;
5.a Dar candes para a entrada dos visitante e
guia aos presos que eotram para a infernara;
6.a Finalmente, dar urr mappa nos dias 10.20,
e ultimo de cada raez com dlsiinccao dos seos!
condices e nacionalidades.
Alm destes servicos, que prestara os gosrias,
alguns ha entre elles, que escrevem soffrivelaeo-
le,:onio sejo os que se achara actualmente enpre-
gadas na secretaiia, com ccooomia dos cofreTpa-
blicos e outros que sao machlnistas, e coraolaes
incumbidos de dirigirem os servicos das bormas,
azeila-las, concerla-las gratuitamente eflseaisa-
rem a illumioaco de todo o estabelecimenti.
Ora, em face de laes obrigacoes, lacooicanente
expendidas s commissao nao exiU um s mollen-
to em opinar, que i suppressSo de taes entre-
gados, e a sua-eubstituioo por soldados urbmfc.
ser por demais inconveniente e prejudicial a or-
den e vigilancia, que devem incessanienerHf
revner em um eslabelecimento de tanta inpof
tancia, em relago aos recursos pecuniarss d
provincia. Esta sua opinio, fllh nao s dm ditago, seno como da observaco pratica,, as-
senta sobre razdts mui solidas, que passa acx-
pender.
m el han te Urefa pode ser fcilmente desempenha-
da polos guardas, que estiverem de folga, os
ases por forca do art. 88 do regulamento sao o-
brigadoss reaidirem no eslabelecimento, tanto
aeaim que neste se exige, como condico para ae
Oceupar esse mprego, a qualidade de solteiro oo
viuvo sem fllhoi.
Alera da suppresso dos guardas e serventes,
pronos mais o projecto de lei do orcamento pro-
vincial, que o fornecimento d'alimentaco dos
presos postes, seja d'ora em dianle feito por ar-
remataao, de tras em tres mexea, aerante a the-
aourana provincial, e na forma ali estabelecida
para as arremaiies, obrigando-se o arrem-
tenle a fisealiacgo do chefe de policis, e ins-
peccao do cirurgiio do estabeiecimento
Esta idea que ji lei, porqae so acha consig-
nada no regulamento, nao tem sido at hoje pos-
ta em pratica, apeaar dos esforcos empregados
pelo actual chefe de polica, e alguns dita seus
antecessores, como melhormenla se poder ver
dos documentos annexos este parecer, os quaes
provam exuberantemente a sua aollicilude em
melhorar a sorte de Untos infelizes, que aoffrera
actualmente as mais doras e crueis privacoes
n'aquelle eslabelecimento.
Todava, apesar disto, a commissao apressa-se
em declarar, que compartilha inteiramente o al-
vitre consignado no projecto tal respeito, e faz
ainda em cima sinceros votos, para ver se desta
vez elle praticamenle adoptado, sem grande
detrimento des cofrea pblicos, e em puro pro-
veno dos miseros deUnlos.
Com quaoto nao livesse a commissao encon-
trado fallas serias, que podessem prejudicar a re-
pulaco do actual fornecedor, todavia, sent e
comprebende, que o fornecimento, como est
sendo presentemente feito na casa de detenco,
nao deve continuar subsistir, porqae, sendo o
incumbido delle o ajudante do esUoelecimento,
que. em virtude do art. 94 do referido regula-
mento, o substituto legal do administrador em
sua ausencia oa impedimento, obvio que, n'es-
les caaos, a unici garanta que tem offerecer
aos miseros presos, a fazenda publica, sim-
plesraente a sna consciencia e probidde, que,
eertamente, nao podem. por si sos, constituir
urna garanta legal e suCficienle, como a que exi-
ge e reclama o ioteresse publico.
Julga, porm, a commissao que esta medida
salutar, s6 poder ter realidade pratica, se por
ventura se incumbir exclusivamente ao citur-
gio, e maisnenhum outro empregado daquelle
eslabelecimento, nem mesmo o administrador,
a fiscalisaeo e inspecQio diarias dos vveres e ra-
coes, s horas do almoco e jan ar, arbilrando-lhe
o governo por este accrescimo de trabalho urna
gralificaco annual, que nao exceda do 400;0'JO.
e incumbindo tambera privativamente ao chefe
de polica da classificac.o dos presos pobres, nao
deixando-a mais ao alvedrio do administrador ou
do seu ajudante, como al agora.
A commissao lamenta e deplora no fundo d'al-
ma, quo a diaria de 240 ris para cada preso,
mamada por urna portara da presidencia em
1856, apesar de se acharem actualmente os vive-
res alimenticios te baratos, chegue apenas para
se lhes fornecer a peor comida, que se possa
imaginar, a qual invariavelmente consta, no ai-
mojo, de meia tigella d'agua de cafe um pao,
e, no jamar, de porto de meia libra de carne sc-
ese salgada, que se costutna aqui chamar
cear assada ou coziohada, com piro ou fa-
rinha cecea ; o que indubitavelraenle tem dado
lugar, como reconheeeu o digno cirurgio da-
quelle eslabelecimento, ao apparecimento da
maior parte das enfermidades, por via de regra,
fataes, que se tem ali desenvolvido com carcter
mo e pernicioso.
A' visla do exposto, julga a commissao do seu
dever chamar especialmente a lteoslo da casa
para esse objecto ( o qual, cerlaraente, deve ins-
pirar-lhe o mais vivo inleresse por se referir
sorte de centenares de infelizes), aCrn de qne
providencias sejam dadas no sentido de ser con-
venientemente melhorada a almenlaco, que ora
percebem, augmenlando-se-lhes alguma eousa
nas diarias, se por ventura ainda comportareis
com esse grvame as forjas dos cofres provin-
ciaes. A vida do .homem, embora preso, deve
ser to sagrada e respeitada, como a de outro
quilquer, que nao se adiar n'essas condices.
Basta a perda da liberdade pars a sua puni;o :
nao preciso, que se Ihe inflija ai da em cima
um dos suppliclos de Tntalo, porque seria eoto
augmentar a afflicco ao afilelo, e evocar do pas-
sado essa barbara usanca, j proscripta, ha um
seculo, pela religiao e pela philosophia.
^"> Caso. nOrm. io inu.yc.mfroa nii^li/r possam Tazer o menor sacrificio.a commissao pede
perniisao para lembrar e propor, que, por meio
fuma indicaco, se sollicile d'assembla geral,
cu do governo central, a annexacau d'aquelle es-
labelecimento aos que sao pagos pela receila ge-
ral, aulorkando, desde logo, e em todo caso, ao
presidente da provincia para mandar estabelecer
em seu recinto duas ofcinas de trabalho em
cemmum, podeodo para este im ser aproveitado
ura numero, porventura nao Inferior, 90 artis-
ta*, que ali exislem na indolencia e na ociosida
de. Esta ultima medida, adaptada em pequea
escalla n'aquelle mesmo eslabelecimento era 1856
pelo Exm. Sr. conselheiro Sergio Teixeira de Ma-
cedo, com to grande proveito, como se poder
melhor apreciar em face dos documentos juntos,
ltimamente reclamada pelo administrador.
I este julgado objecto de deliberaco e mandado
a imprimir para entrar na ordem dos trabalhos.
L-se, apoia-se e entra.em discusso o se-
guinle requerimenlo:
Reqaeiro que o parecer que acaba de ser lido
seja empreaso no Diario de Pernambuco, sendo
igualmente remettido mesmo a commissao de
fazenda e orcamentoS. R.Martina Pereira.
Depois de algumas obeervecoes dos Srs. Msrlins
Pereira e Manoel Porlella teilas sobre a ordem,
julga-ae a materia do requerimenlo dasculida, e
posto a votos regeilada a sua 2* parle, ficando
a 1* prejudicada am consequencia de ter o pro-
jecto, segundo o cootrato para a publicaco dos
debales, de sahir impresso no Diario do- pri-
meiro dia til.
O Sr. Gitirana offerece o seguinle requerimen-
lo que depois de apoiado e posto em discusso,
approvado sem dbale.
Requero que o projecto depois de impresso no
jornal da casa seja dado para discussoGilirana.
ORDEM DO OA.
E' lido e approvado, sem debate o projecto de
lei do orcamento municipal, e requerimenlo
do Sr, Gilirana dispenso do iotersticio, para aer
dado para a ordem do di*.
Passa-se conlinuaco da discusso do orna-
mento provincial.
E, approvado, sem debate.
Art. 15. OrJeoado do adminis-
trador............................. l:8MftOOO
Art. 16. Forca policial.
Vem a mesa e apoiada a seguinte emenda :
Depois das palavrasforca policial,diga-se,
200:000;000, ris.Souza Reis.
E' approvada juntamente com e artigo.
Passando-se ao art. 17 rejeitado :
Art. 17. Com a casa de detenco:
&1 Empregados.............. 3:300SOOO
| 2* Enferraeiro com a diaria
de 1600.......................... 584*000
3 Expediente................ 1:000$000
Se approvados, sem debate, os seguintes:
Art. 18. Mil Unpedes de gaz
na cidade do Recite.............. 65:700000
Att. 19. Cenlo e um dilos de
azeile na cidade de Olinda...... 9:58i$OO0
Art. 20. (Trila ditos de dito
na cidade de Colanna............ 3:230000
Art. 21. Gralificaco ao fiscal
da illuminaco gaz............: 600^000
Fonm oierecidas e approvadas as segrales
emendas additivas :
Trinla lampees de azeite para a cidade da
Victoria.Luiz Felippe, J. J. de Souza Leo, Au-
gusto Leo, Dr. Nascimento Porlella.
Trinla lampees para a illuminaco da cidade
do Rio Formoso.Rufino de Almeida.
Por decreto imperial de 3 do corrente, foi
nomeade o Sr. Horacio 4c Gusmjo Coalho para
o lagar de almoxarife do hospital militar desta
provincia, sendo exonerado do mesmo emprego
por pedi-lo, oSr. Thomaz Antonio Maciel Mon-
leiro.
No dia 19 reassumio o exercicio do sea
lugar o Dr. juis de dlreito do Pao d'Alho, Ma-
noel Teixera Peixoto, entrando igualmente no
exercicio do julio municipal o Dr. Francisco
Pernandea da S, que exercia a vara de direilo
no impedimento da respectivo juiz,
Informara-oos que obteve 4a presidencia
licenca o Se. lienele doa Santos da Fonseea Lias
para accionar particularmente grammatica latina
e francesa; que j dera comeco aos seus tra-
balhos.
Habilitado como nos informam ser em taes
disciplinas o referido licenciado, de esperar
que os seus discipalos colho vantagens reaes
do seu ensino.
Somos informados que a barcaca Santa Ri-
sa, quedeste porto sihio para Mamanguape com
carga de carne secca, o outros gneros naufra-
go u na pona do Rio-doce, perto da Cata-Bran-
ca. ConsU-nos que se perder todo o carrega-
mento.
Passageiros dobrigue portuguez S. Ma-
noel I, vindo do Porto.Threza Maria Vieira,
Mara Rjsa Pereira e urna li I ha. menor, Manoel
Gomes da Fonceca, Joaquim Alves Barboza,
Francisco Martins Gomes, Vicente de Souza Mar-
ques, Jos Pereira de Azevedo, Izidro Jos Pe-
reira, Antonio Daniel da Silva Machado, Antonio
Jos Luiz. Augasto Martina Afaia, Manoel Gomes,
Jos de Souza Campos, Jos Francisco Pouca,
Joaquim da Silva, Antonio Francisco de Andrade
Jos Va a de Piubo, Manoel Jos Alves do Valle,
Francisco Jos de Souza, Antonio Jos Lopes,
Joaquim da Costa Ferreira Cruz, Jos Maria Soa-
res, Plorenco Peres
Passageiros entrados na barca americana
Azelia, vinda de New York trouxe a seu bor-
do Maria Barboza Cordeiro, duas Dlhas menores-
e urna criada.
Passageiros sjhidos no brigue escuna nacio-
nal ejovem Arlhur. para o Rio de Ja-neiro le-
vou a seu bordo Antonio Cabral e sete escra-
vos a entregar.
Fallecern) durante a semana 50 pessoas ;
sendo, 12 homans, 11 mulhercs e 16 prvulos li-
vres :6 hdmeus, 1 roulher e 4 prvulos escra-
vos.
MORTAUDADE DO DIA 25.
Rosa Mana da Conceico, frica, 60 annos, ca-
sada, S. Jos, diarrha.
Jos Joaquim de Sanl'Anna, Pernambuco, 40
annos, casado, S. Jos cancro da estomago.
Felicianno, Pernambuco. 17 meses, escravo,
>
Viole lampees para Iguarass.J. Caval- j Boa-Vista, hepatite.
caoli. Francisco, Pernambuco,
< Trila lampees para a cidade de Nazareth. i convultes.
9 mezes, Boa-Vista,
Symphronio Coutinho, Braulio.
< Trinla lampees para a cidade de Caruar.
Martins Pereira.
Vinle lampees de azeite para a villa de Pao
d'Alho.Pina, Augusto Leo.
Os Srs. Rufino de Almeida e Symphronio justi-
fican suas emendas, e o Sr. Souza Reis explica
as supprestes feilas pela commissao, combalen-
do as emendas em discusso.
Sao igualmente approvados em seguida, depois
do algumas reflexes os artigos 22, 23, 24, 25 e
26.
.Art. 22 Com os bospitaes Pe-
dro II e dos Lazaros, e casa dos
Expostus oa cidade do Recife....
Art. 23. Sustento e curativo
dos presos pebres................
Art. 24. Como recolhimentode
Goiaooa..........................
Art. 25. Dito de Iguarass....
Art. 26. Dito de Olinda........
Tassa-se ao 27, que diz :
Att. 27. Com o collegio do
Bom Conselho de Papacaca......
Vem mesa e approvada cora o artigo
guite emenda :
Em lugar de 3:0O0K>0O diga-se 4:OOC000
Ignacio de Barros Percha de Lucena, N. Porlel-
la, Luiz Felippe.
Sao mais approvados os seguintes :
Art. 28. Como hospilfll da Mi-
sericordia da riJadedeoianna..
A'l. 29. Cora os coadjutores...
Ait. 30. Com os religiosos ca-
puchinhos........................
Entrando em discusso art. 31.
.-.,. .ac, v sciiiiui prcaiueme ievanta-n sessao
fazendo proceder antes chamada, pela qual se
conhece faltarem os Srs. Joaquim Porlella, Fene-
loo, Penna Jnior. Pereira de Brilo, Joto Caval-
canti, Augusto Leo, Pina, Sebastio L^cerda,
Drummond, Oliveira, Figueira, Francisco Pe-
dro, Livioo, Reg Barros e Mello Cavalcanli.
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
Art. nico. Fica aprovsdo ocompromisso da
irmandade da Misericordia da cidade do Recife
era 8ubsliluicao ao confeccionado e approvado
pelo presidente da provincia, em dala de 27 do
raez de unho do anno de 1860 ; revogadas as
dispo8icoos em contrario.
Sala das eommisses 25 de maio de 1861.Dr.
Nascimento Porlella. Francisco Pedro da Sil-
vaMarjal Lopes de Siqueira,Joaquim Mello
Reg
A commissao de fazenda e orcamento provin-
cial, examinando com a devida ailencSo os re-
querimentos dos Drs. Jos Filippe de Souza Leo
e Joo Jos PJnto Jnior, pedindo a restiluico
do que indevidamente cobrou a fazenda dos seus
tutelados lhosde Pedro Jos Carneiro Monleiro,
titulo de sello de heranga, nma vez que esta
elles houveram de seu proprio pai, que os reco-
nheeeu por testamento, e aquelle a restituido
do preco por que arrematou um preto, como bem
de evento, e mais o pagamento de casias, visto
que o mesmo preto propozera contra o peticio-
nario aeco de liberdsde, e esta foi julgada fa-
vor do mesmo preto, considerando quanlo a este
que coro a aentenca junta ao seu requerimenlo,
provou elle que sendo demandado pelo preto que
arrematar para reeooheor a sua liberdade em
tempe, chamara a autora a faienda provincial
e correado a causa os devidos termos al ulti-
ma .instancia, sendo-Ihe denegada a revista
foi aOnal julgado liberto o dito preto desde poca
anterior sua arrematecao ; considerando que
ao peticionario cabe o direilo de eviecao contra a
fazenda. para pedir-lhe nao s o proco que deu
pelo dito preto, como as costas em que foi con-
demnado eque pagou ; considerando que assim
mais con veeieote que independen te de aceo
judicial, restitua a fazenda o dito prtco, e pague
as cusas; sorqaanlo, do caso eonli ario pagar
as cusas em maior valor : e quanto aquelle, con-
sileraudo que tendo sido effectivamente reconhe-
cidos os seus totellados por Pedro Jes Carneiro
Monteifo, como seus tilhos, sao elles herdeiros
toreados ; considerando qne, no case de duvida
quanlo esta qualifieeeao deve-lhes iiproveitar
descendentes que sao expreteemente exceptuados
eoai as orneadas do pagamento do sello nacional
pelo alvar de 17 de >uoho de 1809, decreto n.
410 de 4 de juobo de 1845, mandados observar
na erreeedacao deste imposto entre 6a, sendo
quo esta mesm doutrina se acha armada pelo
regulamento ultimo, dado para a arrec-codeste
imposto da corte ; considerando que por se sus-
citar du vidas este respeito, j este assembla ra-
I.!lqUlV)8H lhM w,C0Dh#'d0JP lamento de parecer, que seja decretada sua sai
estav.m eTeclivamente isentos do mencionado de conformidade com o que a*iboiM?B^io'
imposto, e sM.m o declrou d. le n. 431 de 22 de empregando o admlnt.trdor! como toSnt.
alm de dar como resultado inconteslavel urna
grande ecenomia, em favor dos cofres da pro-
vincia', conco.rera grandemente para que disfru-
lem os presas melhor saude, adquirarrr* hbitos
laboriosos e moralisados, e no finrtto algum lem-
po juntera alguma soturna, que dever estar de-
positada na thesouraiia provincia*, e com a'qual
possam principiar a' vida, quarido lhes for por-
ventura concedida s'lrb.erdade, ..Oito dez con
tos de ris, que despenda a provincia com um
melhoramento de l*o subido alcance, sero den-
tro ero pouco tempe, compensados em urna pro-
porcao geomtrica. Canseguintemente a com-
missao espera*' e confia da inlelligencia e-patrio-
tismo d'assdmbla.que esse seu alvitre ser acei-
to e adoptado, apesar di roa face dos cofres p-
blicos, por isso que fcrtonhecer, sem duvida,
com eHa que a verdadeira economa consiste em
saber-se
25;000sOCO
40:000$000
800000
1:00000
5O0SO0G
3:000g000
a se-
Joaqiiim Rufino Barrello, Pernambuco, 50 an-
nos, casado, Afogalos, erysipela.
Domingas Anna de Jess, Pernambuco, 57 an-
nos, solteira, S. Jos, erysipela.
Luiz, 'Pernambuco, 9 mezes, S. Jos, tosse
convnlsa.
Maria Magdalena da Paz, Pernambuco, 82 an-
nos, viuva, Boa-Vista, bydropesiv.
DIARIO DE PERNAMBUCO-
A assembla provincial approvou no sabbada
ero 2a discusso os artigos 15 30 do ornamento
provincial, recitando o 17 com seus.
A ordem do dia de hoje a continuac/.o da an-
tecedente.
Correspondencias.
1:000*000
12:0009000
8649000
verifica-se nao
REVISTA DIARIA-
Nao reunio-se no dia 23. como tora determi-
nado, a junta qualiQcadora da pnrochia do San-
tsimo Sacramento Oa Boa*vaUa, que linha de
funeciooar nos IribaMhos da reviso, "por nao
haverem sido publicados es-ddltaes da respectiva
convoeacose nao no da anterior.
Este incidente sendo levado ao conhecimento
do Exm. Sr. presilente da provincia, providen-
ciou este transferindo aquella reunio para o
dia 25 do roez que entra, afim'de conciliar odis-
poslo no artigo 22 da lei de 19 d'agosto de 1846,
com respeito ao prlfjiie defe decorrer entre a
.convocaco e a reunio- das-* juntas qualifica-
ddroe. t
Acaba o Exm. Sr. presideate de'>orster a
thesouraria provincial, que o os contratos*^] li
celebrados se consigne clausula espressa de que
em caao algum sero atteodias reelaroaces
indemaisacsa de qualquer natureza, epor pre-
juizos aiada f*ovadoeld>p*rtedGS contrtenles.
- S. Exc. nao -precisa comentos
agaai praitca ulilidade real
oa fazenda, fechando assim a
idos abusos e fcil sabida de
A medida
quanlo a sua
para os iotetl
porta aos rail
/brco'majoft1 -
Quenflc p'fdpe
Em primeiro lugar, sendo certo, como que
os servicos' que prestara os guardas s pod?ro
ser feilas, contento, por pessoas habis, iutelli-
gentes, e nioralisadas que se sujeitem prioeira-
roenle uro noviciado ou aprendisagem, en que
possam adquirir a educaco especial, que todos
devem possuir para exercerem taes lugres_e
sendo ceno, por outro lado, quo nao tai fcil
eousa, como se imagina a primeira vista, elcon-
trar-se um pessoal de soldados urbanos coa taes
habiliiaces, julga-los pelos que aetualpenle
compem o corpo de polica, lera de lod# du-
vida, que a soppressao proposta nao podelrazer
com sigo resultado algum benfico.
Em segundo lugar, suppondo, que seja cousa
fcil o ercontrar-se entre a forca urbana um pes-
soal, que rena as habilitaees apontadas, evi-
dente, que mesmo assim nao pode ter Kgar se-
melhniite suppresso; porque a disciplina militar
incoropalivelcom a permanencia constante des-
ee pessoal naquelle eslabelecimento.
Em terceiro lugar, sendo igualmente certo. que
devendo o soldado urbano, como o do corpo de
polica, contar com a sna praca durante lodo o
lempo do seu engajaraeato, e nao recear jamis
perde-la, seno nos rarissimos casos, consagra-
dos no regulamento d'aquelle corpo, claro, que
nao poder elle mostrara mesma actividadeeze-
lo que os guardas no cumprimenlo dos deteres,
que Ibe sao relativos, por isso que nio teem, co-
mo estes, a certeza ou ao menos a prebabillflade.
que qualquer aUa, que praliquem pode-lhes ac-
carretar de um momento para outro perda de
seus empregos.
Ero quarlu lugar, finalmente, ainda certo,'
que semelhanle suppresso, no caso de ser adop-
tada, em vez de dar em resultado ama economa
para os cofres pblicos, trar, pelo contrario, co-
mo consquencia inevitavel, um aogmento coo-'
sideravel de despeza, nao s porque ser forcozo
nomear-se dous a trea amanuenses para a secre-
taria, seno como duplicar a guarda, destinada
actualmente ronda exlerior.do eslabelecimento,
e augmentar cdnseguinlemente, o numero" das
ISOprseaa urbanas, destinadas exclusivamente
eoaemeo de rondas e vigilancia da cidade eseus
suburbies, e nirncs para o de gnarnkao.
Quanto aos serventes, porm, a commissao
gastar bem e opporlunamente, e que
com-uma adminislraQ&o previdente e Ilustrada.^.
como a que suppe actualmente existir, os cofrea :>edir-l|ie_todJ**a>'Honi;o. afim
pblicos insensivel e iostaneamente se abarrota-: rao. sem ser mesmo preciso crearem-se novas
fontes de reeeitas.
junho de 1857 ; considerando que cora esta dis-
posigio nio quiz esta assembla estabelecer de
anuo- oa diaote a eceeucio nella consignada
mas firmar a doutrina nella consagrada pelas du-
Kio Peixe para 16 ejeitore., seaundo m mSmnm 21 .r u0,Jl^lD, consagrada pelas du-
da presidencia, mXS^L^l^ ^l>ter^enW crt"* *> ludo torna
, *. Hurtara qa masaa presiden- atMMi, 0 rtjta fwwm potkenario a pedir
mente prescreve o regulamento, no servico da
limpeza e aceto das prisoea, oa escravos e eon-
demoades s pristo com trabalho, visto coas, li-
mitsado-se os servicos por elles prestados nica
o exclusivamente mera inspeceo on edrainis-
lre dina iiopvxa e aeeio, evidente, quo se-
A commissao de orcamento provincial consig-
nou finalmente em o seu projecto urna disposigo
dispensando aos pobres e escravos do pagamento
das respectivas carceragens: como, porm, nao
seja esta urna queslo de Tacto, mas sim de direi-
lo a commissao abstem-se mesmo por falta de
lempo, de aprecia-la, sob esta lace. r-
Antes, potjim de concluir, a commissao julga
ainda do seu dever fazer sentir a casa, que mui-
losotjectos de Importancia, como sejamadesi-,
gualdade das diarias dos presos escravos, em re- '_
laco as dos presos livres, assim como s despe- .
zas crescidas que se fazem com os seus curativos
na enfermara, nao podero aer por ella apre-
ciados em vista das razes, que j allegou ; pelo
que propA,'<|de seja autorisado o presidente da
provincia rever o regulamento, e a propor as
reformas convenientes afim de que sejam corta-
daa as ensanchas de abusos, que nelle abundara.
Sao estas as considerares, que a commissao
julgou dever submetter ao illuatrado criterio da
casa, a quera pede desculpa por nao Ur corres-
pondido a sua expectativa, e haver por tanlo lem-
po abusado de sua atlenco, concluindo por pro-
por a seguinte resoluco:
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
Art- 1* Ficam exlinclos os lugures de serven-
tes da casa de detenco.
Art. 2a O fornecimento d'alimentaco aos pre-
sos pobres ser feito por arreroaUfo, na forma
do regulamento.
Art. 3* A flscalisac.80 diaria da disiribuicao
das races fica d'ora em diante cargo do medico
do eslabelecimento^ que pelo accrescimo desse
trabalh. perceber urna gralificaco ajfcnual, que
nao exceder de 4005000. *T
Art. 4 A elassifleacao dos presoi^iobres fies
igualmente d'ora em dianle cargo do chefede
polica.
Att. 5a Fica o presidente da provincia autori-
sado a despender al a quantia de 10:0009000 pa-
ra a construeco da duaa officinas da trabalho
em commum dentro do eslabelecimento.
Art. 6 Fica o mesmo presidente autorisado a
rever o regulamento, e teiorma-lo no sentido
que mais convenientemente for. v
Art. 7a Ficam revogadas as disposicoes em
contrario. ^
Sala das eommisses, 25 de maio de 1861.
Henrique Pereira de Lucena.
Luiz Felippe de Souza Leo.
Manoel Izidro de Miranda.
Sendo remanido a mesa o parecer e o projecto
um contrato, dove antes.
de ver se* Ihe"
r-r-- e se as aceita,
-CuyDBaoaTrregtr tenr todos os seus efTeitos soli-
tos e inslitos, como cons/quencia d'ellas.
:' verdado qdfa -o- contratante leva^em vista
um-lucro rMtuaraAslto-do seu traTalho, mas
qoe-O^oulra parte contr.iadora lh'o faca efleclivo
e liqaidaavavjuando dr-se perda, mesmrj por que
entoaoOa a vantagem estara-de sua-parte so-
niento, desvirtoaodo assim a-naturela*'do con-
trato synallanmatictf .signado trjT ambas as
artes conlraUdorasr' -
ando q contratante tem dm lacro, reeofhe-o
veatoirveMesooraTia l !"*',
" A fazenda,no qirer prejuizo dos contratantes,
mas tambera nao pode tkar-asugfit' 6 Kscillai
es- dessa ordem, quando ofle#eceu um orga-
menrt*^ara base, apresenlou as condices Dar
exe-cuoae do' mesmo, e isto foi aceito livremenle.
De outra soite, nao haveria melhor condico
do qufaquella do contrato, a qaen ceberia en-
)o o dem da infalltbilidade em seos clculos de
lacras, ae em^ualquor circunstancia sempre
leriam logar. 3
A semana que acabo* foi frtil -de chuas,
pois era seu decurso apenase stbbdo bffereceu
um caria-manosplutioaii. Oi* *-"- i
EfTcctivamente j-eltas-se'fatiem necessarias.
OCapibaribe avultou o seu volume d'agua, e
isto indica que essas chavas extenderam-separa
o eeotre, ende devam tor eaMda tambem abun-
dantemente.
Grandes carregacfeW agglomeraces de nu-
vens foram peto meaos Immpellidas pira esse
lado pelo veolo rijo, quesoprava. >-
Pela capitana o porlo sao convocados a
pareceram all os individuos pertencentes a
Senhorei redactores. Apparecendo em ura
commumeado do Diario de Pernambuco de hoje
assigoado pelo Sr. Dr. Manoel Moreira Guerra
urna asserco que roe diz respeito,como secretario
da faculdade de direilo, nao devo ficar silen-
cioso.
Permitta-me lieenca o Sr. Dr. Guerra para con-
testar a sua referida assercro, quando airraa nao
ter havido fidelidade na copia da sua composiQo
es-ripia, da qual, bem como de cada urna das ou-
tras, tirei eu mesmo as copias que i'evera ficar
archivadas na secretaria, em subslituico aos ori-
ginaos que sao enviados ao governo.
Nao s a resoeilo da copia da composico do
sr. ur. liuerra, como das dos outros dous candi-
datos, liradas por mim ; quu tero cscropulo de
oo conferi-las smente com o official da secre-
taria ; e por isso pedi ao Exm. Sr. conselheiro
Autran que me fizesse o obsequio de prestar-se
este servico para que tranquillizasse mais o meu
espirito, e fui benvolamente acolhido por lao
dislincto cavalleiro, que ainda accedeu a que eu
exharasse nas copias a noto alludida pelo Sr. Dr.
Guerra.
Quaoto as outras copias mandei tira-las pelos
empregados desta secretaria, e conferi-las com
o official da mesma, sendo de notar que os copis-
tas extrahiram por demais a nota que smente
para resalva minha lancei nas copias destinadas
ao archivo.
Permitla-me lieenca ainda o Sr. Dr. Guerra pa-
ra estranhar que, tendo na composico de S. S.
essa transposico que occorrera nas metas folhas
solas, ou reclamasse -S. S., ou ao meuos nisto
fallasse tendo occasio de ir secretaria depois
do julgamento do concurso; alm de que me pa-
rece que semelhtnle engao podena ler sido
destruido perante a congregaco, na occasio da
lajiura das composices.
Era concluso direi que nao sou responsavel
pelos ersos typographicos, e ura ou oulro ortogra-
phjoo que podesse escapar ao empregado copista:
pe* fidelidade dos peosamenlos juro, e se nao
r bstanle appeilo para oa origioaes.
Desculpe-me oSr. Dr. Guerra se o molesto com
esla explicaco dada em desaggravo da reparlico
que me confiada.
Racjfe. 25 de maio de 18|1.
Jos Honorio B. de .Veneres.
PubJicaQoes a pedido.
Ao publico.
Promovendo quasi diariamente Antonio Cris-
piniano Padilha e Candida de tal, com quera se
diz casado, moradores em Beberibe, questes ca-
lorosas e offensivas Iranquillidade publica, e
aos bons cosiumes com muitissiroas pessoas do
lugar e de oulras parles, contando lalvez com a
impuoidade de seus crimes, porquanlo nenhuma
providencia appateceu da autoridade, a quera le-
varan alguns o conhecimento de certos factor,
afipgteceu apparecer um desses homens, a quem
fies houvessem offendido, qne providenciando
respeito f^o soffrer duas eacetadas, queprodu-
.|m ao dito Padilha leves cootuses, na noite do
da 9 do aadaaU mez. E nao podendo elle e a
roulher al^arem d'onde lhes provinha essa obra
de cadade,quando oo a haviarn,pedido, em-
bora os seus servicos prestados e julgaudo lalv
vaz-que os beneficios sempre vera dos cos e da
'greja, nao Irepidarara em atlribuire sustentar a
quera appareceese nao ser outro o mandante des-
sa obra caridosa que o Rvdm. Francisco Verissi-
mo Bandeira, por urna admoestaco, que este lhes
fizeraha 30 dias antes para nao toreos o gado
vaceum e um garrote bravio sollos, sem pastor,
que Um accommettido varios viandantes, sendo
quast victimas o velhoJos Pedro, Manoel Gomes
e outros, e ho destruida a planU de capira, e o
do mar e suas depen-
da juobo prximo fu-
latriculaa
os dias
coi
rnesuia, qne se dio a vid
de acias, no correr do
turo.
Devem apreseaUr-se eora suas
peaaoaes, segundo a seguinte escola
designados nesta rdea. l ,
Do 1. 8 os calafates eVafpioleiros, de 9 i
16 os pescadores o estiadorfs\ de 17 a 25 to-
|adOs.S!doaaie individuos eapregados no trafico
do porto e tos Mvegavols, o do M 6 30 iodo
aquelles que trabalbam na grande a pequea
ctboUgaaa.
Aquellas que deixarera do comparecer denlro
desse praso, caasario de fazer parto da capitana;
seus noroea sers eliminados da matricula ; o -
carao par consegua le sea o gozo das garantas,
que esU d com a isencAo 4o recruUmanto o do
servico da guarda nacional.
S'4
seu cgrcadojlQ siUo, que arrendou, jnnto ao del-
ta Padilha.tcostiime este reprovado pelas postu-
ras polichaes da cmara municipal respectiva. Of-
fe-adido o Rvdm. Bandeira em sua reputars at
hoje illibada, dea sua e imparcial juiz municipal do tormo por injurias
verbaes* commettidfls por Padilha e sua mulher,
que por cu mo genio, uu iniciados adrede ho
Ihe atribuido. E fazendolleyproduzir cinco les-
lemunhas era juizo, todas contestes e napareiaes
toda prova sobre a crimioaiidade dos acensados^
e a innocencia do autor sobre tafeatienlado, vi-
raos com sorpresa apresen tare m-se era defeza dos
propries accusidos cooUa o Rvd,m. Bandeira, de
quo elles receberam sempre ^numeres faveres
no. sata da amiaade, cinco- irraoa da irmandade
do Noaaa Senhora da Gonceicae da mesma pavos-
os* sopracitada, que aproveitondo-se salves do
enasto querem fazer temer' ao Rvdm. Baodeira,
por lhes haver deitado a calva so aol, petos dea-
leixos, desmandos e arbitrariedades da referida
irmandade. sendo ellos Fraaciaco Martina dos
Aijws Paula, Antonio Flix doa Santos, Franciacs
Estoves de Abroo, EuUlio Rodgaaa doa Saota
o Baavootura do Mello Castello-Branco, abonase
do a aoadaata civil a moral doa actuaados, a-
para Unto sao aio os maia habilitados.... qu-q
rondo Uivez paga-lbespe-resladoos servi ;oapsr
i
-*+>
#
4


1111 DI PUUUBmo. SEGUNDA IRA V Dft MAiO DI 1861.
lo acensado as eleieoea pasudas.... e satisfa-
zerem-se por meoqwiohae Tinga!" propries de
um coracao pequenino I.... Fallan contra os abo-
nados por esses despeitados i povoaco ioleira
de Beoeribo, alm da outros seus moradores, os
segmntes Srs.: lente Joaquim Correa Lima,
Manoel Mari, Antonio Cerdeire, inspectores Sil-
vestre da Sil?a Guiarles e Joitt da-Silva San-
tos, Joio Manoel da Siqoeira, fllho, Belarmino
de Barros Correa, Antonio de Allemo Cysaeiro,
Joao Fernn des B*sto, Luciano Eugenio de Mel-
lo, Pedro Antonio de Mello, Firnino Gomes, Jo-
s Marico ta, Solero dos Santos Rosa, Prederico
Velloo da Silveirs e outros. Tranquillo em sus
consciencia, o Rrdm. Bandeira espera juslica da
respectiva autoridade, emquanlo nos possamos
mostrar con authenticas proras perante o publico
sensato a parcialidade con que procederam esses
seohores, a despeito de seus juramentos presta-
dos perante Deus e em presenta do juix julgador I..
Provsromos que elles nao tocaran o alvo, a
que pretendern, depezeram contra si proprios
coru um elogio fnebre I.... Tratronos primei-
ro de Mathias, por ter o don da ubiquidade, de
morar em tres lugares distinuios, e achar-se em
todos tresigualnenle. Recite, Olinda e Beberibel..
Nao tenhas, minha mus, medo delles,
Vai tocando de rijo, ego nelles.
Au rtvoir.
NENIA.
O., D., e C ,
Va Sr. .Fos Alvos de Lima ea
sua Bxm.' familia, pelo in-
fausta passaaaeuto de sua pre-
sada cansarte D. Anna da Sil-
va Lima, fallecida a 20 de
malo de I8IO.
Quando o aojo dos tmalos traja as ves-
tes de Rachela inr-ons.ilavelpara cho-
rar sobre a louza do um justo, a sua elo-
quencii o silencio do soffrer ; porque
nao ha palavras para esses tortores d'alma.
Elle tem por nicas testerauahas de sua
desolacao o co negro e trale, o desespero
profundo e anargo, o cy-preste soturno e
agoureiro, gemendo com elle no chlo do
cemiierio ; elle lem por altar de sua prece
a cruz do Rcdemptor, que lhe falla na eter-
nidade, o a corda de espinhos do Martyr,
que Dos concedeu a humanidade, como o
garante sublime do futuro no reino celeste.
Era o dia 26 de maio de 1860 quando se
carou um desses tmulos, quando sobre a
sua lousa cahiram ardentes tantas lagrfmas
do oruc.io orando pelo justo ; quando, em
face dessa cruz e dessa corda, veio o Crente
do co pedir um riso de paz e urna beocao
de anor para a alma radiante, que deixou
a trra.
Vos, que conprehendeis a grandeza do
adeus trmulo do agonisante, que se esvai
junto ao cirio do sepulchro, deixai passar
o Crente : elle se chana Jos Alves de Li-
ma, o proscripto dasina,que a dbil nao
de una esperanca que foge, pode apenas
susler I
Vos, que mines em vosos soohos do
co un horiaonte nuilo vasto, que tenha
por extremas o infinito e por estrella. Dos
deixai que o aojo dos justos cinja a pal-
ma da gloria celeste frente do throno di-
vinoe abeoc,6s na eternidade a candida
pureza, que perdeu seu vo no espago e foi
parar no co; por jue essa candura e pu-
reza eran de una ains, que perlencera
nesle mundo a D. Anna da Silva Lina.
Nascila a 7 de narco de 1822, casada a
5 de agosto de 1838, sua.vida deslisou-se
senpre placida e feliz sobre as aguas azues
do ocano da existencia, para ella lo
tranquillo, cono o desusar suave do cysne,
to casta e to pura cono a alrura innocen-
te de sua plunagen.
Nunca lhe laitou un riso nos labios pan
o infortunio, urna palavra do paz para o
inconsolavel e urna prece de amor para
aquellea, que dormiam tranquillos a som-
bra dolar anigo, que as suas-virtudes san-
tifctvan.
Ella crra no co e as suas pronessas,
ella vira o futuro lo bello e to alvo no
mundo de seus affectes doces e abencoa-
Tos, e ornara a cruz da familia com a gri-
nalda florida do romeiro de Dos, que acre-
dita drscuidoso no dia de amarinas.
Mas entre o fructificar dessas promessas
e o alvorecer da realilade, um tmulo se
occulUva as irevas. una nuve'm lhe pe-
sava sobre a fronte, (a lidie i como a ultima
harmona fuaebre do cemiierio I entre esse
presente de desejos e e.-se futuro de es-
plendores, eslava o rano verde-negro de
un goivo a ciogir agoureiro a urna do pas-
sado 1
E ella, que nao via da existencia se nao
os brunos, que nao ouvia na nalurezs se
nao os cantos de felicidade da trra, cono
nhosannak de Dos, ella que via o oriente
to linpo, o co lo azul, duvidou do fu-
raco I
Mas, o furaco passou na ultima noile da
moribunda rijo e trelico cono una senlen-
ca do fado proferida sur lamente pelas nll
bocas de seus nensageiros snistrusl... o
furaco passou e a nurem roubou de urna
vez a estrella do pobre consorte na Ierra,
desatou a grinalia da esposa feliz da cruz
de seu santuario, e arrebatou-a na vora-
gem com as esperancas, ss illuses e os
risos de amor, que a leciim, em quanto o
goivo agitado repeta choroso ao romeiro
da existencia a sua senha da eternidade
guia pulois es el inpulverem reverleris\
Anda se ouvia o ultimo echo do solucar
do sino funreo, que annunciou seu pas-
sameuto, quando seu pobre pai o Sr. Jos
da Silva Siraiva, vergando ao peso dos an-
uos e anda mais ao peso do soffrimtnto,
foi repousar no leito uliino do mortal;
velho feliz, porque pude dormir seu ulti-
mo sonno embalado pela mesna prece,
que o amor murmurou sobre i campa de
sua tilli j ; velho feliz que, encostado aos
umbraes do cemiierio, sacudi no ultimo
dia as sindMias do peregrino com a
mi segura da honra e vio, com o riso da
consciencia, que o podo caminho nao as
pdde manchal:
De todos esses affectos parlidos na lou-
sa, es'socidosno abysmo, oem urna pali-
vra de consxlago ficou sobre a Ierra para o
ouvdo de Jos Alves da Lina : oem un
sorriso para seus das de amargura, oem
urna beoco para sua paluda fronte 1
Console-se, todava, es-e pobre corarlo :
as horas do soffrer vira a tortura lace-
rar sua alma ; mas ella saber ser resigna-
da, e trocar a muldico do vacuo, que a
morte lhe cavou em torno a si, pela creo-
ca de futuro, qus ha de ainda adcar seas
ltimos das ; oas horas do negror vira o
desespero cobrir con sen veo negro as
portas d'aquelle imperio santo onde sao
consolados os, que gemem; as horas da
adversidad vira o lufa rijo' e impiedozo
como a crueldade dos homens, que perde-
rn) seu nerle; mas o tufo pasaar e o
arbusto que sua colera vergou, nao ha de
quebrar; o vocahir por seu turno, e
entrada do reino da ventura se abrir para
aquelle, que aoubeesperar na Ierra, quan-
do a si ni Iheescrevia no coraco a palavra
jamis! Sim I o tufo pasear eo vo
ha decahir, porque Jos Alves tem no co
urna mo querida, que lhe apona a senda
da vida, c a cujo aceno de prece o Senhor
dissipar para elle a noile, e far dormir a
procelia.
Elle a conhece, esta ralo que tanto bel-
jara na vida e que agora lhe moslra l do
alto estas palavras consoladoras 4o Evan-
gelho : Bemavenlurados os que morre-
ram no Senhor, porque enes descansarlo
de seus trabalhos.
*
.I
RECORDJtQAQ.
Sobre a campa da lllma. Sra.
D 'Anna da Silva,Lima, es-
posa do Sr. Jos Alves Li-
ma, no dia anniversario da
seu passamento.
a Correi sobre estas flores desbotadas
c Lagrimas tristes minhas; orvalhai-as
o Que a aridez do sepulchro as tem manchado.
(CAMKS, OARRET.)
Quando signaes de predestinado se in-
tecipam muito cedo em qualquer creatura,
quasi senpre a sua dura;o na trra, se
limita apenas poca da adolescencia.
Eis o que soccedeu lllma. Sra. D. Anna
da Silva Lima 1
Foi mais urna existencia preciosa que
deseen ao tmulo, mas urna vida riscada
do livro do Creador 1
Nascida em 7 de margo de 1822, entre-
gou a alma aos cos, no dia 26 de maio de
1860, contando apenas 38 aooos de idade,
depois de tres dias de penosos aoffr-
meotos.
Oriunda de pas Ilustres, ainda mais il-
lustre tornou a sua vida pelos exercicios
caridosos de sua alma.
Estr.oler sem ostentaran, dotada de um
genio dcil, de um corago sensivel, era
o objcto de mais extremosa affeicao de
seu esposo, que deixou na maior consterna-
dlo, pela sua falta, e ao qual este dia trar
por certo urna recordaco vira e doloro-
so, de un nassaJo de affectos e sauda-
des!....
Filha obediente, esposa el, mi ca-
rinhosa, firraou em todos que tiveram a
felicidade de coohec-la, un sello vivo de
seolinento, pelo valor de suas virtudes,
que formam a maior gloria de seu incon-
solavel esposo : deixando-lhe para me-
moria cinco filhos, que sero para elle o
mais subido penhor de seu legado!....
Vinto dias depois, seu pai, o Illm.
Sr. Jos da Silva Saraiva. aperlado de dr
e saudade por to infausta perda
Rog a Dos que sem annos encurtou,
Que to cedo de ca o leve a v-la,
Quo cedo de seus olhos a lovou ;
E partiodo lambem do exilio para a
eternidade, l est sepultado a seos ps,
como que para assistir entrada de sua
filha na roaoso predestinada.
To unidos foran na vida, como na
norte I
Realmente, nao podemos contemplar
estes dous tmulos, sem que o pranto nos
venha humidecer as faces, sem que de nos-
sos labios se desprenda urna oraco fer-
vorosa ; mas mister lagrimas e oragoes,
porque sao ellas o balsamo para ddr
que experimentamos, e um tributo que de-
vemos s almas puramente virtuosas !
Feliz quem depois de urna perigrinago
dolorosa nos desertos da vida, pode ma-
tar a sede, no manancial de gosos de que
fallamos livros do SENHOR!
Camiohar .... Ciminhar senpre, entre
es vestigios da ddr; eis o destino da hu-
manidade.' No ni di jornada um tmu-
lo.... para o goso daquella paz e tran-
quilzale, que smente pode ser ronhe-
cida por aquelles que morrem !
Nesse estadio em que vo anoileeer
elernanento as drradeiras iutas da vida,
que nos resta ?
Lagrimas o saudades....
E' este o ultimo imposto da huma-
nizado
Recife 26 de maio de 1861.
S *
Vtteiulei diguissimos senhores repre-
preseolanles da assembla legislati-
va provincial.
Asolaras o anno passado, por deliberagao da
assenbla, flearam isentas do imposto provincial
de 6 % por fabricaren! material para a bella edifl-
cagao desta cidade. Ellas j pagara a decina, co-
no predios urbanos; pagan o inposto municipal;
fagam laxas de escravos, e pagam na capitana,
annualmeote licengas de cada una canoa empre-
sa la no trafico das ditas olarias; e o sello de urna
dessas liceogas sao 2#000.
Um cidado.
COMMi^KClO
Alfaurle;a.
Rendimento do dia 1 a 24. 293:4863136
dem do dia 25. 13.148J508
3066319644
Movimento da alfandeira.
Volumes eatrados com fazendas..
com gneros..
Volumes sahidos com fazendas.. 81
com gneros: 517
229
387
------616
608
Descarregam hoje 27 de maio
Barca americana Uoiofarinha, bolachinha e
farello.
Barca anericana Famie Carushass farinha e
bolachinha.
Barca inglezaConstancebacalho.
Brigue ingtezNautelusfazendas.
Brigue inglezMilin-bacalho.
Brigue hamburguez Bones Agres gnrralas e
farello.
Patacho hamburguezAnne Helene mercado-
ras.
Brigue hamburguez Georgegenebra, farinha
e vela.
Brigue inglezZiskmercadorias.
Barca ingleza Travellerfarinha de trigo.
Barca inglezaOlindabacalho.
Barca inglezaNethertondem.
Importacao.
Barca ingleza Constanca, vinda de Terra Nova,
consignada a Johnston Paler & C, manifeslou o
segiiiole:
3,500 barricas bacalho : aos meamos.
Barca americana Fannie Cuushard, vinda de
Baltimore, consignada a Phipps Brothers & C,
manifeslou o eguinte :
3,210 barricas e 280 meias ditas farinha de tri-
go ; aos mesmos.
Barca ingleza Netnerton, vinda de Terra Nbva
consigoada a James Crabtree & C manifeslou
seguinte:
2,810 barricas bacalho e 100 toneladas carvio
de pedra ; aos mesmos.
Barca franceza Comle Roger, vinda de Cardiff,
consignada a Scott Wilson & C, manifeslou o se-
guinte :
i 296 toneladas inglezas de carvio de pedra ; aos
consignatarios.
Patacho americano Anne Helene, viudo de An-
tuerpia, consignado a Rollie & Bidoulac & C
manifestou o seguinte :
100 caixas vidros para vidraca ; aos consisoa-
lario.
50 fardos srroz ; a Jlo Keller & C.
100 caixas fidres para vidraga, 400 ditas velas
7 ditas (aieoda de algodo, 3 ditas roupa feite, 2
ditas 1 paeote el embrulho amostras ; a Luldm
SO caixas papel; a S P. Johnston & C.
50 dilas velas ; a ordem.
20 ditas papel, 1 dita Unta para impresso,
12 ditas 2 barra obras do ferro ; a Brander a
Brandis.
1 calta pelles de lebre; a Chrisilani Irmlos.
1 eaixa dedaes de lati ; a Henrique & Aze-
edo.
9 bsnicas rinco ; a N. 0. Bisber 4 C.
4 ditas tinla de imprimir; a Manoel Figueirda
de Faria.
35 caixas queijos, 400 ditas genebra, 100 paco-
tas presuntos, 100 caixas velas. 310 fardos papel
de embrulho, 3 caixas obras de ferro, 32 barris
ponas de psris, 1 caixa amostras ; a D. P. Wild
4 C.
Patacho nacional Paulina, rindo do Maranhio,
consignado a Marques Barros & C, manifeslou o
seguinte:
750 alqueires sal ; a ordem.
Barca ingleza Anne Scolte, vinda de Nevr Cas-
tle, consignada a Scott Wilson A C, manifeslou
o seguinte :
299 toneladas e 9 quintaes de carvio de pedra;
aos mesmos.
Exportacao.
Do dia 23 de maio.
Barca portugueza Sympathia, para o Porlo,
carregaram :
Francisco Gomes de Mallos Jnior, 1 cunhele
com 2,804 oitavas de prata em barra.
Joaquim Antonio Pinto Serodio Jnior, 52 bar-
ris com 1,890 medidas de niel.
Bailar & Oliveira, 300 saceos com 1,500 arrobas
de assucar.
Barca portugueza Gratido, para Lisboa, car-
regaram :
Bailar A Oliveira, 700 saceos com 3,500 arro-
bas de arsuesr.
Antonio Aires Vilella, 20 saceos com 100 arro-
bas de dito.
Carvalho Nogueira A C, 655 saceos com 3,275
arrobas de dito.
Barroca & Medeiros, 400 sarcos com 2,000 ar-
robas de dito.
Brigue prussiano Alby, para Hamburgo, carre-
garam :
N. O. Biebar & C., 33 caixotes com 163 arrobas
de doce.
Dia 24.
Barca franceza Sphere, para o Havre, cirre-
earam :
Tissat freres 100 saceos com 500 arrobas de as-
sucar e 400 couros salgados com 25,410 arrobas.
Barca portugueza Gratido, para Lisboa, car-
regaram :
Carvalho Nogueira A C, 136 saceos com 680
arrobas de assucar.
Antonio da Silva Loyo, 40 saceos com 200 ar-
robas de dito.
Galera dinamarqueza Hymalaia, para lto-
therdam :
R. G. Beudexen, 3,000 cocos seceos.
Beecbedoria de rendas Internas
ajeraes de Pernambuco.
Rendimento de dia i a 24. 22 0733159
dem do dia 25....... 750ji09

arroba
f
caada
>
arroba


libra
um
arroba
>
>
libra

cento
libra


um

libra
>

um

cento
arroba
alqueire
arroba

22:823a568
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 24. 48 625J717
dem do dia 25....... 9289762
49:554*479
PRAA DO RECIFE
*5 DE MAIO DE 1881.
A'S 3 Horas da tarde.
Revista Semanal.
Cambios----------Sobre Londres saccou-se de 26
a 26 1/4, sobre Pars a 368 rs.
por franco, e sobre Lisboa a
110 por cento de premio, re-
gulando os saques por S
60.003 ; saques sobre o Rio de
Janeiro regularan de 1 a 1/2
por cento de disconlo.
Algodo O escolhido desta provincia
vendeu-se a 8^800 rs. por ar-
roba, e o regular a 8&600 rs.
O da Parahiba posto bordo
vendeu-se a 8J6U0, e o de Ma-
celo a 83000 rs.
Assucar Obranco vendeu-se de 3000
a 4$000 rs. por arroba, o sme-
nos a 2{800 rs., mascavado
purgado a 2j400 rs., e bruto a
23000 rs.
Agurdente Vendeu-se a 70&000 rs. a pipa.
Couros-----------Os seceos salgados venderam-
e de 190 a 200 rs. por libra.
Arroz------------O da India regulou de 2$600 a
3800 rs. por arroba, e do Ma-
ranhio de 33OOO a 3320O rs.
Azeito doce- O do Estrello vendeu-se a
*S700 rs.. e o de Lisboa do 32
a 38200 rs.
Bacalho- Em atacado vendeu-se o Gla-
nos a 8S100 rs., Malvina 8g2O0
ra., Constance e Olinda a 8350C
rs: Reialhou-3e de I30OO 4
IO3OOO por barrica, Qcando ea
deposito 20,000 barricas.
Batatas----------Nao sao boas as que existem.
pelo que venderam-se de 100
a I3OOO rs. por arroba.
Bolachinha- A barriquinha americana veo-
deu-se a 23800 rs.
Carne secca- Bem que o consumo tenha sido
avultado, ainda existem 99,00)
arrobas da do Rio Grande, e
37,000 da do Rio da Prata,
tendo-se retalhado de 23400a
332OO rs. por arroba da pri-
meira, de 23200 a 2600 da so
gunda.
Caf-----------------Vendeu-se de 6300 a 73 rs
por arroba.
Cha-----------------Vendido a 2ft200 rs. por libra,
Chumbo- O de muoigo. negociou-se t
223000 rs. o quintal.
Carvio- O de pedra vendeu-se de 14J
a 173 ra. a tonelada,
dem de 3j:>00 a 5*000 rs. 1
duzia de garrafas.
Tivemos Desta semana quatre
carregamentos, dos quaes um
seguio para o sul. Retalhou-
se de 263 a 28$ rs. por barri-
ca de Richmond, Philsdelphia
e New-Orleans, e a 32$ rs. a
de Trieste, Qcando em ser8.7O0
barricas da primeira, 2,000 da
segn ia, 2,800 da terceira,
2.400 da ultima. A do Chill
relalhou-se a 113O00 rs. o sac-
co de 100 libras, Meando era
ser 1,600 saceos. Alm da fa-
rinha sup'pra entraram hoje
dous navios, um de New-York,
e outro de Philadelphia.
Far. de mandioca-Vendeu-se do 33 a 33500 rs. a
sacca.
Feijo-------------- Vendeu-se de 5 a 5J500 rs. a
dita.
Ferro-------------O inglez rendeu-se de 53000 a
59500 rs. o quintal, e o da
Suecia a 93 rs.
Vendeu-se a 300 por cento de
premio sobre a factura.
A ingleza vendeu-se de 640
Tii ra a IKpb a /*.->
Cerveja-
Farinha de trigo.
Louga-------
Manleiga--------
Massas-------------
Oleo
700 rs. a libra, e a franceza de
560 a 620 rs.
Venderam-se a 68000 rs.
de ltuhaga-Vendeu-se de 15300 a 13100 rs.
o galio.
Passss- Venderam-se a 9S500 re a
caixa.
Queijos-------------dem de 1600 a 23200 rs. os
flamengos.
Sabio----------O do Mediterrneo vendeu-se
a 240 rs. por libra.
Toncinho-------O de Lisboa vendeu-se a 93500
rs. por arroba, e nao ha do de
Santos.
Vinagre-----------Vendeu-se de 803 a 1203000
ra. a pipa.
Vinhns------------O de Lisboa vendeu-se de 250
a 280g rs. a pipa, e o de ou-
tros paizes a 320 rs.
Velas ----- As de compneicio regularan)
a 640 rs, a libra.
Frates------------- Para o Canal a 50 para Li-
verpool a 35, e 3/4 11/16, e
5/8 por libra de algodo ; do
assucar do Rio Grande do
Norte para o Canal a 6.
Descont- O rebate de letlras regulou de
10 a 15 por oento ao anno, dis-
cootando a caixa cerca da 400
conloa a dez por cento.
Paula dos preces dos eneros sujeitos dirsitos
efe exportacao. Semana de 27 ds maio a 1 do
nidsjunho fe 1861.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Apaos .-....:.. gmIo IfOOO
Agurdenle de caaa. casada
dem resillada e do reino xi
dem canea...... ,
dem ginebra...... ,
dem- afcool ou espirito de
agurdente......
Algodio em cartgo ....
dem em rama ou em li. .
Arroz com casca.....
dem descascado ou pilado. .
Assucar mascavado ....
dem branco......
dem refioado. .*...
Azeite de amendoim oulmon-
dobira......
dem de cdco ......
dem de mamona.....
Batatas alimenticias ....
Bolacha ordinaria propria para
embarque.......
dem fina. ,
Cafbom ....'.';';
dem escolha ou restolho .
dem terrado......
Caibros .
cai. ...;.'. ; :
dem branca ....'.'."
Carne secca charque. .
Carvo vegetal......
Cera de carnauba em bruto. .
dem idera em reas. .
Charutos. ......
Cocos seceos......
Couros de boi salgados ." ."
Idea seceos espichados. .
dem verdes......
dem de cabra'eortidos .' .
dem de onga......
poces seceos"......
dem em geleia ou massa .
Ideo em calda......
Espanadores grandes. ".
dem pequeos.....
Esleirs para forro ou estiva de
Mo .......
Estoupa nacional ....
Fariha de mandioca. .
dem de araruta.....
Feijao de qualquer qualidade.
Frethaes........um
Fum em folha bom. ...
dem ordinario ou restolho. >
Idemem rolo bom ....
Idemordinaro restolho.
Gomna........arroba
Ipeccuanha (ralzj ....
Lenta em achas.....cento
Toro........
Lentas e esteios.....um
Mol >u melado......caada
Mi|h>........arroba.
Pao brasil ...... quintal
Pedas de amolar urna
Iden de filtrar.....
Ideo rebolo......
Piasava........molhos
Podas ou chifre8 de vaccas e
avilhos.......cenlo
Praichoes de amarello de
dtus custados......urna
Ideh louro....... >
Sano.........bra
Salaparrilha......arroba
Seb em rama...... >
Solaou vaqueta ..... urna
labias de amarello .... duzias
Idea diversas......
Tapbca ........ arroba
Trae.........urna
nhis de boi......cento
Vinazre......caada
ATandega de Pernambuco 25 de maio de 1861.
Oprimeiro conferente. Manoel Peregrino da
Siln. O segundo conferente, Joao de Freilas
Ba nosa.
Aiprovo. Alfandega de Pernambuco, 25 de
mai. de 1861. Paes de Andrade.
Caiforme Joio Jos Pereira de Faria, ter-
cerc escriturario.
Movimento do porto.
JVatHos entrados no dia 25.
Terra-Nova28 dias, brigue inglez Glaucos. de
220 toneladas, capitao Fraderick Shave, equi-
pasen 12. carga 2.800 barricas con bacalho ;
a Jmes Crabtree A C.
New-Yorrk 30 dias, barca americana Azelia.B
de 344 toneladas, capilo Davis, equipagem 12,
carga farinha de trigo e mais gneros; a Smn
ders Brothers & C.
Porlo7 dias, brigue portuguez S. Manoel I,
de 194 toneladas, capilo Carlos Ferreira So-
res, equipagem 17. carga vinho, cebollas e mais
gneros; a Manoel Joaquim Ramos e Silva.
Rio de Janeiro19 dias, barca brasileira Irapo-
ralriz Vencedora, de 342 toneladas, capilo
Augusto Cesar de S Pereira, equipagem 14,
era lastro ; a viuva de Amorim & Filhos.
Philadelphia32 dias, barca americana, Uniao.
de 198 toneladas, capitao Wlliam Merard,
equipagem 10, carga 2,191 barricas cora fari-
nha de trigo e mais gneros; a Matheus Aus-
teira A C.
Australia63 des, barca ingleza rThe-Brid. de
de 546 toneladas, capitlo M. Dooald, equipa-
gem 20, carga la e outros gneros ; ao mes-
mo capillo. Velo refrescar.
Navio sahido no mesmo dia.
Rio de Janeirobrigue escuoa nacional Joven
Arthur. capitao Jos Antonio G. Santos, csr-
ga assucar.
9560
S560
3380
3560
3600
23125
8350O
700
28800
21100
3340O
i
23OOO
23500
1*600
13100
43OOO
83OOO
79400
53500
300
360
200
400
33800
13600
250
400
23500
43OOO
195
250
120
280
118000
13000
500
500
430OO
250OO
2O3OOO
13600
13500
63000
I35OO
53OOO
163000
83O00
12g000
68000
33OOO
2580(10
28400
II3OOO
50gOOO
250
900
1030CO
800
43OOC
132c 0
200
53000
163000
83000
100
263000
5JOO0
2S800
1043500
703000
33200
IO3OOO
8320
3280
DecJaracfls.
o as j
a. a. to
m
3
Horas.
I
ktkmosphera
en
S


Direccao.
Inttnsidadt.
3
3
~a
V
Fahrenheil.
o
3
^

es
O
os
o>
Centgrado.
Hygtometro.
I Cisterna hydre-
a mtrica.
-i
M
3

00 5 Francex.
10
a
2 i
8
S
2
Inglez.
Q
es
v.
se
i*
B s
o tS
M -i
? i
A ooite nubllada al as 7 h. 20' e depois nobla-
da, vento E: ESE fresco e assim amanheceu.
OSClLACAO DA M.UIK.
Preamar as 3 h. 54' da larde, altura 7, p.
Baixamar as 9 b. 42' da manhaa, altura 1 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 25 de maio
de 1861.
Boautro Stepple,
Io lente.
Eiitaes.
Alexandre Augusto de Fras Villar.offlcial a im-
perial ordem da Rosa, raajor coramadaole inte-
rino do primeiro batalhio de artilharia da guar-
da naoional do municipio do Recife, e presi-
dente dti conselho de qualiOcac.au ds pafochia
de S. Frei Pedro GeuQalves, por Sus Magosta-
de Imperial, etc.
Paco saber a qusm interessar posas, que lo
conforraidade como dlsposto no artigo 1* parte
2* do artigo 9 do decreto numero 1,130 de 12 de
marco de 1853, e artigo 8* das ostrucces de 25
de outubro da 1850, se tem de reunir, na terceira
dominga de maio, o conselho de qualicago pa-
ra revuao e qualiflcacio da guarda nacional da
referida patoebia, no coosistorio daigreja matrh
do Corpo Sauta.
E pira que chagua ao conhcolmento da todos
manrtel pasear editaes qua serie publicados pela
itnpreusa a aluzados nos lugares designados nt
le. Cidade do Reeie, 11 de mai da 1861.
Ccmpanliia de Beberibe.
O Sr. caixa da companbia Manoel
Gonqalve da Silra acha-se autoritario
a pagar o 26 dividendo na razSo de
332OO rs. por apolice* conforme foi de-
liberado em assembla geral do$ Sr$
accionistas.
Etcriptorio da companhia 17 de maio
de I861.O secretario. Manoel Gentil
da Costa Aires.
SOCIEDADE BASCAR.
Amorim, Fragoso Santos
Companhia
Saeam e tomam saques sobra as pracas do Rio
de Janeiro e Para.
Caixa iilial do banco do Brasil
em Pernaiobuco.
Por ordem da directora e em cum-
primento do disposto no ari. 4 do de-
creto n. 2685 de 10 de novembro do
annofindo, vai-se prorjeder dentro do
prazo de 4 mezes a contar desta data, a
substituido das notas de 20$ da emisso
da metma caixa.
Caixa filial no Recife aos 20 de mar-
co de 1861.O secretario da directora
francisco Joao de Barros.
.~-A arrematadlo de 63 volumes de barris
abatidos, vindos da ilha de S. Higunl, no pa-
tacho porlujiuez limo, annuociada para o dia
24 do corrente, depois de meio dia, fica transfe-
rida por ordem do Sr. inspector da alfandega
para o da 28 do mesmo mez.
A'fandega de Pernambuco 24 de maio de
1861.
O lerceiro escrip(urari),
Godofredo Ilenriqu^s de Miranda.
Pela subdelegada da freguezia de Santo
Antonio foi apprehendido um presunto e urna
pequea porgao de bacalho : quera for seu dono
conpareca ueste juio, que provando pertencer-
Iheser entregue.Villana, subdelegado.
Conselho atlininistrativo.
0 conselho administrativo, para foroecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objeetos
seguioles :
Para a guarda da fortaleza do Brum.
1 laboratorio com hacia e jarro.
1 jarra de barro.
1 copo de vidre.
1 bandeja pequea para o dito.
1 Castical con manga.
Para a enfermara do hospital militar.
40 facas grandes de mesa.
40 garfos dito de dita.
24 colheres dita de metal do principe.
12 bacas graudes de louga para rosto.
30 ralos de folha fuudos e rasos.
30 tigellas de folha.
Quera quizer vender Ues objeetos aprsenle
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 29 do
corrente mez.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para foroecimento do arsenal de guerra, 24 de
maio de 1861.
Bento Jos Lamenhi Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Pela adrainistraeo do correio desta cidade
se faz publico, que em virlude da convenci pos-
tal celebrada pelos governos brasileiro e francez
sero expedidas malas para a Europa no dia 31
do correnle mez, de conforraidade com oannun-
cio deste correio publicado no Diario de 29 de Ja-
neiro prximo lindo As cartas sero recebidas al
2 horas antes da que fr marcada para a sahida dos
vapores, e osjornae at 4 horas antes. Correio
de Pernambuco, 24 de maio de 1861.O adminis-
trador, Domingos dos Passos Miranda.
Capitana do Borlo.
De ordem do Sr. chefe de diviso capilo do
porto se faz publico que sao chamados todos #os
individuos matriculados nesta capitania, a com-
parecerem na mesna com suas matriculas pes-
soaes na ordem seguiote : do dia 1* a 8 do mez
djtjunho futuro couiparccero os calafatas ecar-
pinteros, de 9 a 16 do mesmo mez os pescadores
e eslivadore, de 17 a 25 todos os mais indivi-
duos empregados no trafico do porto e ros nave-
gaveis, e do da 26 ao Ora do mez os que se em-
preara na pequea e grande cabotagem, lindo
esse prazo serao eliminados os que nao compa-
recerem e seus nomes publicados nos jornaes
como oo pertencendo nais a esta capitana, Q-
cando sugeitns ao recrulameoto e, o servido da
guarda nacional
Capitana do porlo de Pernambuco 21. 26. 27,
28, 30 e 31 de maio de 1861.Joao Nepomuceno
Alvea Mseiel, servindo de secretario.
Conselho de compras navaes.
Tendo de ser promovida a compra do material
da armada abaixo declarado, sob as condiccoes do
estylo ja ha muito publicadas, manda o conselho
fazer cooslar que isso ter lugar na sesso pr-
xima a 29 do correte mez em vista de propdstas
en treguas-nesse dia at as 11 horas da manhaa,
acompanhadas das amostras dos objeetos que
csiba no possivel apreseutarem-se.
Para os navios.
' 15 arrobas e 12 libras de plvora grossa e 50
vergonteas de pinhode 4 a 8 polegadas de di-
metro.
a Para o "arsenal.
400 olhas de liza de vidro e 12 pacotes de pa-
pelo baeta ou feliro.
Sala do conselho de compras navaes em 23 de
maio de 1861.O secretario, Alexandre Rodri-
gues dos Anjos.
Collectoria provincial de 0-
linda. .
Pelo preseute se faz publico a quera convier,
que do primeiro de junho prximo vindouro
prlncipiam-se a contar-se os 30 dias uteis para a
cobranza do 2 semestre do corrale aono fiian-
ceiro de 1860 61, da dcima urbana a cargo da
mesma directora, e quenado esse prazoincorre-
rio-ni multa de 30 porcenlo os que deixarem
de pagar a referida decima.
Collectoria provincial de Olinda, 20 de maio de
1861.
O escrfvio,
JoSo GoncaH-es Rodrigues Frange.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo, para foroecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objeetos
seguiutes :
Para provimento dos armazens do arsenal de
guerra.
10 duzias de taboas de louro de assoalho de 12
a 14 pollegadas de largura e 26 a 27 de compri-
mento.
12 duzias de folbas de papel lixa.
6 duzias de lapis tinos.
Para a ca pella do hospital militar.
1 panno preto para esquife com cruz.
Quem quizer vender taes objeetos aprsenle ai
suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, is 10 horas da manhia do dia 29 do
correnle mez.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para foraeciraeoto do arsenal de guerra, 22 de
maio de 1861.
Santo Jos Lamenka Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Psrsira Lob,
Coronel vogal secretario interine.
Cossaelmo administrativo.
O conselho administrativo, para foraecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objee-
tos seguiotM:
Para o fabriao de diversas obras.
2,000 varas de brim.
Qoen quszet veoder laes objeetos, aprsente as
soas aroaoiu en* caria fechada, na secretaria do
aoaeaiho, s 10 hora da manhia do dia 24 do
corrale mez.
Sala das sesses do conseibo administrativo,
mariodni86Tent0 "" a"enal ** nwrt- 3 *
Bsutt Jos Lamenka Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Consulado provincial.
Mi1" n>e,a o- c,0>uldo provincial se faz po-
(17.. ** P'0061" doa predios urbanos das
%T. Ut"" Cia4,t e dt do Afeado., que
e^ul P'r" P8m"'o bocea de.
cofre do guido Mamtre d, de,im, aoaoao fi_
3o dia"? tW mU 8e *"P conr
multa d AUOh T1Dd'",re' &etD0 ]*
osditosde303dr,O,qUep884re,n ** defln'1-
2lMde,m.roCdeB8186 PrTCal de **
Antonio Carneiro Machado Ros.
THEATRO
DE
Santa Isabel.
EWPREZA-GERWAHO.
Quarta-feira, 29 de maio de 1861.
2* RECITA DA ASSIGNATKA.
Subir cena o senpre muito applaudd
drama em cinco actos eseis quadros, original
MARA JOANNA
MULHERDOPOVO
OU A
1
PERSONAGENS
Bertrand, official de carpinteiro
Ramy, dito dilo................
Tbeobaldo, conde de Bussires.
Appiani, medico.............
O Dr. Bartl.el..................
Guilherme, creado..............
Berlinguet, campooez..........
Urosmenu, dito................
Un magistrado................
Um cofermeiro................
Sophia, coodessa de Bussires!.
Hara Joanna ..................
Catharina...................
Margarida .....................
Carlota ................!.."!!!!
Convidados, campouezes e so
Germano.
Raymundo.
Vicente.
Nunes.
Valle.
Teixeira.
Sauta Rosa.
Campos.
Lnite.
Almeida.
D. Carmela.
D. Manopla.
D. Jesuina.
D. Julia Rosa.
D. Anna Chave
ldados.
Terminar o espectculo com a graciosa co-
media em um acto, rnala de couplets,
POR CAUSA
Come<;ar s 7 )i horas:
CASSINO POPULAR
HO
MAGESTOSOSAL
DO
PALACETE DA RA DA PRAIA.
Previne-se aos amadores do Cassino, que o
baile que hoje devia ter lugar, fica transferido,
para sabbado Io de junho, o qual ser minucio-
samente annuociado.
Avisos martimos.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQifu & un*.
E' esperado at o di 31 do corrente dos portost
do sul o vapor nacional Paran, commandanteo
capitio lente Jos Leopoldo de Noronha Tor-
rezio, o qual depois da demora do coslume se-
guir para os do norte.
Desde ji reeebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada al as 2
horas da tarde, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete al o dia da sahida as 3 horas :
agencia ra da Cruz n. 1, eserptorio de Azeve-
do & Mendes.
Segu at o d contienda barca portugueza Sympalhia por ter
j engajada sua carga, recebe passageiros so-
mente, para os quaes lera commodos excedentes:
para Iratar com Baltar& Oliveira na ra da Ca-
deia do Recife o. 12.
Segu impreterivelmente no dis 8 de junho a
veleira e bera conhecida barca portugueza Sym-
palhia, por ter sua carga eugaja la ; recebe ni-
camente passageiroa, pora os quaes lem commo-
dos excellentes.
COHPAMIA PERNA1BUGANA
DI
Navegaca cosleira a vapor
O vapor Persinunga, co malandante Moura.
sahir para os portos do sul no dia 8 de io-
nbo as 4 horas da tarde. Recebe carga at
o dia 7 ao meio dia. Encommendas, passagei-
ros e dlnheiro a frete ateo dia da sahida 1- ho-
ra : eserptorio no Porte do Mallos o. 1.
si
COMPANHIA PERXAMBUCANA
Navegado costeira a vapor.
Parahiba, Rio Grande do Norte,
Macao, Aracaty Ceara' e Acaracu.
O vapor cJaguaribe, commandanta Lobato,
sahir para os portos do norte al o Actrac ai
dia 7 de junho is S horas da larde. Recebe car-
ga al o dia $ ao mel da. Eneommeada, pas-
sageiros e dinheiro a (rete ate o dia da sabida
a* 1 horas: 11910110 ao Forte do Hattos n. t.


(*
UEIO DE KKSABMOOO. SEGUNDA FEIRA 47 Dfi MAlO DE 1W.
COMPANHIAeBRASILEIRA
Mwnru a tamil
At o da 31 do corren le esperado dos portos
xe o capitao de mar e guerra Gervazio Mancebo,
o qual depois da-demora do coslume seguir pa-
raos portos do sul.
Desde j recebnm-se passageiros e engaja-se
a carga um o vapor poder conduzir a qual de-
ver ser embarcada no da de sua chegada at as
2 horas da tarde e encommendas, passageiros e
dioheiro a frete at o dia da sabida as 3 horas :
gencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de Azeve-
do di Mendes.
Para Parahiba
segu com brevidade o hiate nacional Santa Lu-
lia por j ter parte de seu carregamento ; para
o resto e passageiros, trata-se com Maooel Lopes
Machado na rus da Cadcia do Recite n. 56, ou
com o mestre Jos Francisco Maranho, ra da
Juia n. 33, primeiro andar. Adferle-se a todas
as pessoas que quizerem dar suas cargas que este
liiate se acha forrado de novo de cobre bem se-
turo e bom veleiro.
Para o Peredo.
Segu al o fim da presente semana, o hiate
Seberibe, por j ter seu carregamento quasi todo
a bordo : para o resto tratj-se na ra do Vifcario
n.5.
Para o Assu'.
Segu com brevidade o hiate Camaragibe, por
j ter parte do seu tarregament : pura o resto
e pas.ageiro trata-se na ra do Vigario n. 5, com
Luiz Borges de Cerqueira.
Para o Aracaty e Assu.
A barcaca Maria Amelia, meslre Francisco
Thomaz de Assis, pretende sabir ot 28 do cor-
rente : pr o resto da carga trata-se com Paren-
te Vianna & C.
ltimos : a tratar cem os consigna ta-
ctos Aranaga Hijo 4C., ra doTrasi-
rheNovon. 6.
Para o Ass e portos in-
termedios
a lancha Flor do Rio Grande, mestre Antonio
Jos da Costa ; quem quizer carregar ou ir do
passagem, dirija-se a ra da Cadea do Recife
loja do Sr. Joo da Cunha Magalhes.
Para (jm direitura.
O patacho brasileiro Paulino segu em pon-
eos dias, pode reeeber alguma carga miuda ; tra-
ta-so com os coosignelarios Marques, Barros & C
Leoes.
LEILAO
DE
Vd
REAL MMPAMIA
DE
Paquetes inglezes a vapor.
At o dia 28 do corrente mez espera-se da
Europa o vapor Ooeida, commandante Bevis,
o qual depsis da demora do costume seguir pa-
ra o Rio de Janeiro tocando na Baha : para pas-
sageos eic., dever-se-ha tratar com os agentes
AdamsoD, Howie & C., ^rua do Trapiche Novo
n. 42,
Rio Grande do Sul
pelo Rio de Janeiro
segu al o fim do corrente mez o brigue nacio-
nal Mana Thereza por se achar engajada sua
carga para ambos os portos: recebe escravos a
frete e trata-se com Bailar & Qhveira, na ra
da Cadeia do Recite n. 12, ou com o capitao a
Maranho
sogue por estes dias o palhabote Garibaldi
tem a maior parte de carga prompta ; a tratar
com Tasso Irmaos.
Frinha de mandioca.
O agente Hiplito autorisado pelo Sr.
Manoel Aires Guerra, fara' leilSo por
conta e risco de quem pertencer do
resto do carregamento de farinha do
brigue nacional Maria Roza, vindo de
Santa Cathanna : terca-feira 28 do cor-
rente ao meio dia em ponto, no arma-
zem des Srs. Ferreira & Moreira, na ra
da Madre de Dos n. 4.
LEILAO
DE
Urna taberna.
Quartd teira 29 do corrente.
Costa Carvalho far" leilao por mandado do
Exm. br. Dr. juiz especial do commercio e a re-
quenmento de Antonio da Silva Barbosa Ferro
da armado e gneros da taberna do pateo d<5
Terco de Henrique Amante Chaves, a vontade
dos compradores.
uto.
Segunda-feira 27 do corrente.
Costa Carvalho fra' leilao por despa-
cho do Exm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio a requerimento dos curado
res iscaese depositarios da massa falli-
da de Antonio Joaquim Vidal, de raer
cadonas, movis, escravos, dividas e
urna casa de um andar e sotao na ra
Imperial n. 79, no dia cima as 11 ho-
ras da manhaa, na ra Direita n. 103, e
tambem se recebem propostas a pra*o
com garantas : os movis os pretenden
tes podem examinar em poder do de-
positario Joaquim da Silra Castro
ra do Crespo.
LOTERA.
Acham-se a'vendaosbilhetes e meios
-da primeira parte da primeira lotera a
beneficio do collegio do Bom Conseibo
de Papacara na thesouraria das loteras
ra do Queimado n. 12, primeiro an-
dar, e as casas commissionadas do cos-
tume. O thesoureiio (bem a seu pe-
zar) forcado a no designar ja o dia
impreterivel da extraccao, visto como
sua commissao tSo insignificante como
, nao o abriga dos grandes prejuizos
conforme os que tem tido, e pois, logo
que tenha vendido boa parte annun-
ciara' o dia impreterivel, o qual sera'
tanto mais breve quanto mais breve lr
a compra dos bilhetes.
O tbesoureiro.
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Urna escrava.
Precisa-se comprar urna boa escrava queen-
gomme e saiba coser: na ra da Cadeia n. 57.
Na administrado do correiu desta cidade
existe um oflicio vindo do Rio de Janeiro para a
Exma. Sra. D. Hermelina Barata.
. Precisa-se de um moco com pralica de mo-
tilados e capaz de tomar coola de urna Uberna
dando-se-lho sociedade : a tratar na ra da ma-
triz da Boa-Vista n. 35, primeiro andar
ra do Nogoeira taberna n. 1, das 5 as
de noite.
Alugase
Chapas medicinaes.
O abaixo assignado faz publico que se acha en-
carregado de mandar vlr do Rio de Janeiro as
chapas medicinaes do Sr. Ricardo Kirk to co-
ntiecmas pela sua efflcacia em diferentes moles-
tias : as pessos que pretenderen!, poderao diri-
g,?0- rus do Queimado, botica o. 15. que
chn.. uma "pUcaco paraapplica55o das ditas
chapas.Jos Alexandre Ribeiro.
so7..fmC8n le f,Utr com Sr- Franklim Vello-
fciPjff. ^ Uchoa. morador na Escada : uarua
estrella do Rosario n. 1.
.a7,PJ!riV8e de 5:00000 a premio, dando-
e por garante urna morada de casa bem edifica
ou na
8 hoias
Ulenco.
Os administradores da massa fallida do cem-
merriante Miguel Gomes da Silva fazem publico
aoscredoresda dita massa, que por despach* do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio em
II do corrente, foi marcado o dia 29 do mesmo
mez para a verifleago e classQcago de crditos
da dita massa : por isso convidam a todos os ere-
dores do precitado fallido para at o dia 18do
corrente apresentarem seus crditos para dito
Om, nos estabelecimenlos dos administradles
casas n. 16 da travessa da Madre de Dos, e n!
jo ra do Amorim.
Hoel Trovador,
urna casa terrea na ra da Calcada ; a tratar na
ra do Queimado n. 53.
Offerece-se um caixeiro com ortica de
qualquer negocio, ou para chapeo de sol, ou pa-
ra molhados, sabeodo fallar francez, dando fla-
mr.V.U.S 0nduc,a = quemquer, dirija-se a ra
Dueita n. 95, para l se tratar.
Alugase loja da casa n. 86 da
ra da Imperatriz : a tratar no segun-
do andar da mesma casa.
Por 25 aloga-se urna escrava que sabe en-
gommar, lavar, coser e de excellente conducta :
a tratar no armazem de Joaquim de Paula Lopes,
escadioha da alfandega. | v '
Attencao.
O abaixo assignado est resolvido a vender o
seu engenho Velho, sito na freguezia de Santo
Amaro de Jaboato, tres legoas distante desta pra-
5a ; faz esse negocio recebendo em pagamento, ou
permuta por predios nesla cidade, aceita igual-
mente em pagamento acedes do banco, dioheiro
e letras com firma tereditada ; o engenho est
r^,eeHC-rHreDte' li?re e lesembaragado de idcGoianna. ounV^^T ^nd^lT^l
qualquer duvida em seus terrenos com os eros e Apollo,
comrnarcoes. assim como hvre de qualquer onu Precisa-se
deU punteo"!!'cann.'0--'?-'3-=P--SSUe- "03 C de"a "" "
A 48400 a peca.
Ra do Queimado n. 19
Pejas de Coas cambraias de lpicos tyfOfj
A?oparabaIao.
Chegou loja d'aguia de ouro. ra do Cabua
. 1 B, o muito desejado ac para bailo; v*"!_
- prego de 200 rs. a vara" /""iu
le, antes que s acabe, pois s
cima. *
se pelo diminuto
os ha na loja
f 71 ende-se a barcaga Caliope que se acha
raada a trul n.Pr0prHda.de Iivre e esemba- uodeada 00 do Ramos, do lote de 50 ca'xa
O h.V. ..n? \ derA8us-Verdes n. 102 abaixo assignado faz publico que se de- i se6"ndo andar. --------"'a
:fJ Ts^*8"* Carteira uma >f a qo-
jUa de 2:858*525, sacada pelo abaixo assignado
, em data de 27 de abril do crreme anno seis
mezes e aceita por o ma]or Antonio Rezende Cor-
j deiro de Gusmao, propriotario do engenho Purga-
torio, e garantida por Scraphim Vclho Pesloa
Bezerra Cavalcanti de Albuquerque. senhor do
engenho Malary. Recife 22 de maio de 1861.
Francisco de Miranda Leal Seve."
Feiior.
Precisa-se de um hornera portuguez para fei-
lor com pralica ou sem ella, e d-se bom orde-
ado : no engenho Mega de Baixo da comarca
de urna escrava para todoservi-
para safrejar annualmen- j Pede-se a um Rvm. sacerdote
aue oceupa
iu"Lm,<1S.de.3,0()0pa''s' tem malas virgens, I POsigao na freguezia da" Var
ho .. r7 nte8 "Per5e8; asot>'do engeranles mandar pagar na roifrluT od,. '
ivpdl nPr?, tadVC0" "ente casa de ; cidade a quaotia de 92S que devedor desde no- i .
rnrt?mVn? h-1 mU,t boas caDn8S e de 8r8nde Vembr0 do anQ0 P^ximo passado do contr"-" ''
do So I teH?UC'r .Vende "l"nle o ga- era publico o motivo destaP divida! e se S
hPm.!C eKenh. como de criar? e; rana forma da lei.-ra pobre artista
bem assim as canoas para a nova safra prxima A lrt^ ^ I
tura : quem poli lhecoovier effectuar to van- AltelCaO 80 D0I11 ne^OClO
, carreiro. e outro ptimo canoeiro, e ambos tra-
oainam no campo e na cidade, sem vicio
achaques, e o motivo da
Jos Francisco Pereira da Silva.
Ao commercio.
Unja pessoa habilitada em escripturacao mcr-
nlil, taoto em partidas dobradas cu rin.i
e nem
venia nao desagradar
na ra do Imperador n. 12, pri-
a ur-
na
o Rio de Janeiro
A veleira e bem cenhecida barca.nacional A-
meia pretende seguir com muita brevidade, tem
parte de seu carregamento proroplo ; para o res-
to que Ihe falta, trata-se com os seus consigna-
tarios Azevedo & Mendes no seu escriptorio ra
a Cruz o. 1.
Para o Rio de Ja-
neiro
pretende seguir com muita brevidade o veleiro e
fcem conhecido brigue nacional Damao, tem
parte de seu carregimento promplo : para o res-
to que loe falta, trata-se com os seus consigna-
tarios Azevedo & Mendes no seu escriptorio ra
oa Cruz n. 1. .
ILIIA DE S. MIGUEL,
pata-ho portuguez Lima, de primeira mar-
segue al o dia 10 de junho. j tem o seu
carregamento promplo ; e para passageiros, pa-
ra o que tem excellenles commodos, Irala-se
com os seus consignalarios Joo do Reg Lima
Para o Aracaty
ra larga do Rosario n. Ai
O dono desle estabelecimento contina
necer comidas para fra,
IA ultijia moda de Pa-|
II ris na loja do Lean-i
dro, ra do Crespo!
n. 8. |
Requissrmos enfeiles a imperatriz (para!
cabera de senbora) de diversos gostos, poi
prego commodo, e grande sortimento de!
arcos para balo a 200 ris a vara, os
quaes nao deixaro de os comprar logos
que os virem, e oulros muitos arligos'
vindo pelo ultimo vapor da Europa.
1 ao comprador
. meiro andar.
partidas dobradas como'simple* I AVISO.
jar,.:: s yvsnsi s"- sstfjasm S3f S
n..i- rrec,?tt;se de um caixeiro de 16 annns enm dor u. 83. e fin lo n rofur;.i,. .-----.-.. JStil
pralica de taberna e diligeute, dando
sua conducta ; na ra das Cruzes n. 22
Em praca publica do juizo de orphaos des-
3Roa estreita do Rosario3
Francisco Pinto Ozorio continua a col-
ocar dentes artificiaes tanto por meio de
molas como pela pressao do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
tiquem a vontade de seus donos, tem pos
e ouiras preparajes as mais acreditadas _
para conservagao da bocea. S
Poblicaccs do instituto
ilia do Brasil.


li ora copa -
o
cha
Una taberna.
Qninta-feira 28 do correte
niCr!., "eIlo1{'"*ilSo por inlervencodo
agente Costa Carvalho. da armaco e geneos da
taberna da ra Direita n. 31, em um s lote a
vontade dos compradores.
Joao Jos de Carvalho lloraes e mais ter-
deiros do casal, faz sciente ao corpo do commer-
cio desta praca, que fizeram venda do esUbel.ci-
mento de ferrageus na ra do Queimado a Joo
Jos de Carvalho Moraes Jnior, flando respon-
savel a liquioago do activo e passivo do mesno
estabelecimento at 15 de abril prximo passado.
~ Dl.K Feniandes successores de Sic pli-
co Xavier da Fonseoa & C. (j fallecido], pedern
a todos os devedores daquella Arma, e da firma
actual, de virem pagar se-us dbitos oa ra do
Crespo o. 18, do contrario veraosem nornes pu-
blicados ntste Diario.
fiador de. cad3 seus nomes. v
Tendo a directora das obras militares de
mandar construir um ihafariz para abaslecimenlo
de aguas ao hospital militar e quartel do Hospi-
cio, e 8 banheiros, convida a quem desta obrase
\ll%mR^ 8, aD"enl Propostas nos
das 27, 28 e 29, das 9 horas da manhaa s 2 da
larde, na respectiva repartirlo,
ififiilreck0na das obras meares 25 de maio de
1661. O escripturario,
Joo Honteiro de Aodrade M
Compram-se moedas de oro
va n. 22.
na
alvina,
tua o-
GDaiEBD
DE
Precisa-se na fabrica do rap da ra
do Mondego, de um feitor casado, prefe-
rindo-se um subdito portaguez.
Leilao
Recife o. 28.
na ra da Cadeia do
Para Lisboa.
Sahe no dia 26 do corrente
a muito veleira e benveonhe-
cida barca
Transferido por causa dachu-
va para 27 do corrente.
.ISnrr*C,i'r5o.Ieil80 por intervenco do
f.8rrp2^lIeir?.d0 mais completo sortimento de
SK'S.?J,ud,,.M e de Ta,ias fazeQdas -
Segunda-feira 27
do correte, as 10 horas da manhaa
mazem, na ra da Cadeia do Recife.'
para
no seu ar-
Aluga-se um armazem na ra da Cruz n.
z, com saluda para a ra dos Tanoeiros : a tra-
tar no pateo de S. Pedro n. 6.
Adam Kihm retira-se para o sul.
Consulado de Franca
LILAO
. para o resto da carga e passa-
geiros, tra-a-se com os con
signatarios Carvalho, Noguei-
ra & G na ra do Vigario n
9, primeiro -andar, ou com o
capitao Borges Pesiara.
Para o Aracaty.
sr A.raC<"y 8eguir bre"mente o hiate
MsTflaiSlA i1*"' Carg" e Pa88a8ef08 trata-se
com Gurgel & Irmao, na ra da Cadeia o. 82.
ra do
Franca
agente
vm
Rio de Janeiro
segu om a maior brevidade o patacho nacional
S..P0f t6r j e0gaJ8d0 "etade de seu car
regamento e para o resto trata-se com seu con
signatario Manoel Aires Cerra, na ru? do .
piche n. 14, primeiro andar. ""
Na chancellara do consolado francez,
irapiche, em presenca doSr. cnsul de
por con a e risco de quem pertencer o
Hyppohto vender era leilao algumas obra's de
ZZ'l01 C0Dt.a dre-uma heran=a de um subdito
em pontoqUa feKa 29 d C0Irenle meiodia
, ime
lerca-feira 28 do corrente as
10 horas em ponto.
ciSdoiSn1?6"0'?0' farao ,ei,aopor inle"e-
ne?|dlag,eDHe ,nl e PO'cooU e risco de quem
d ,hM6dlW,"fa,eBda8 D6ltzas "aHa-
das recebidas nos navios Quen, Mnalillan %
Jdon ult.mamente chegados de Liverpool! no
0 LEILAO
Quarla-feira 29 do corrente.
O agente Hyppolito far leilao por conta e risco
de quem pertencer de uma porco de velas n.ra
navio, na ruado lBmii.- .-~___- ,as..Para
GOVAIUIUDA YU FRREA
OD
Recife ao Sao Francisco.
(limitada.)
J2 rtp.re8el? f"-s Publico que pela- resolu-
d?. I II ?".a deSl" comPanhia. ornada nesta
Hh8'. !".- e,t0 uma ontra chamada de duas
libras sterlinas para c.daaccao. a qual chamada
nUnSaf?r deT6rnSer Paga al0 dia 7 de maio
S? iF.?,UUrV0 R.de Jaoeiro em ca8a dos
Srs. Mau Mac Gregor & C, na Baha dos Sra. S.
h ?aHen.PK0,t & C- e em Pernambuco no escrip-
torio d theso..rana na meama via frrea. Pelo
presente ca tambem entendido que no caso de
2?. nJ!a.1d,,a chmadaou Prestaco 8tisfeiU no
da marcado para o seu pagamento ou antea o
accionista que incorrer neata falta, pagar juros
Sr'..?!?0"65 'aoaono8obre tai choad. ou
prestaco a cootar deste da al que seia realisado
o pagamento desla chamada ou prestaco dentro
m.3T"S CO0lr d0 dt0 dia dado para o em-
~m .T??.*' C"io as ac5e8 1e incorre-
ad i- 8-0JeiaS 8erem conscadaS se-
gundo as dispoMSoes dos estatutos a este res-
Por ordem dos directores
Aignado-ff. H. Bramah,
Escriptorio da companhia "d'Srue*!!.
n*.%R d.6 U le.^fIi0 que ha de ter luar no
..m m correnle ez. ho de arrematar a
saber Pre5 offerecer> os bens seguintes, a
~r "re?damento triennal, o eogenho Brum.
SS d? .baixa de caPim- e ioclso dos
ediiiuos e bemfoitonas que tem nelle o casal do
anido Bernardo Antonio de Miranda, avaliado a I
[M^ d0 me.SQ1o eogenho em 3:00O$, e
em 420b as dos referidos edificios e bemfeitorias
que sao os que se seguem :
Uma casa de vivenda com estribara.
Um curral para gado com telheiro unido ca-
sa de purgar.
Um pequeoo quarlo onde houve padaria;
Oatra contiguo a estes.
Oulro que servio de cocheira. 5
Outro em que assentava uma tenda de ferreiro.
uma casa de respaldo.
Um. telheiro em soguimenlo- casa de fariitha.
A coberta da capella.
Ojio casas de laipa cobertas de telha, qualro
em bom stado e outras tantas em mo estado
m&isszr*ha de set eito com as,N-19 -Rua d
Trmeira, que durar por tres annos, a come-
?ar em malo do anno corrente de 1861, e a ren-
da ser paga annualmente no mez de maio de
cada um dos annos de 1862,1863 e 1864, compe-
lindo ao rendeiro o direito de colher al maio de
1809 [em que dever entregar o engenho e suas
pertencas no mesmo estado em que lhe tiverem
sido entregues) a safra que houver fundado no
ultimo anno do trieunio do arrendamenlo
Segunda, que na dita arremataco sero com-
derlaMdasf 8 beneflcios e emfeilorias cima
nJa^"'"' que 80meDlo ser admettido a lanCar
na ana arrematado quem se houver habilitado
peraole o mesmo juizo de orphaos a si e ao seu
Oador (que dever ser chao e abonado] com do-
cumentos que provem que um e outro nada de-
ron fazenda nacional e provincial, e que seus
bens nao estao sujeitos fi-ncas nem a hypothe- com 8 oalmns^K?^ .^
ca, qur convencionaes, qur legaes. e principal- P t g a 60? a Tra"
mente para com a fazenda nacional ou provin- L-encos para homm.
cial. ou para com orphaos. f j-eocos brancos para algibeira a IgfJOO e 23100
Quarla, que o reodeiro oSo poder fazercarvo a ?^ia dll?s Para meoioos e meninas com barra
a loOrs. cada um.
Toalhas de fustao."
Toalhas de fuslo com 5/4 pelo baralo preco
de 500 rs. cada uma. *
Esteiras da India,
os de largo para forro de sala e
cama.
Vende-se
azendas
Queimado N. 19.
Cobertas feitas.
Cobertas de chita, gosto a chineza, a 1JJ800.
Lences de linho.
ioo?es i0 panno de lDh0 fino pel pre de
Cortes de casemira.
Finos corles de casemira para caiga a 5#.
Chales.
Chales estampados pelo barato preco de 2S500.
Chita franceza.
Chita franceza escura a 220 rs. o covado.
Cortes de riscado.
Cortes de riscado com 14 covados a 9f.
Algodao monstro.
as matas do eogenho, nem tirar deltas madeira
aequalidade alguma, nem mesmo estacas, inda
que sej para obras que pretenda fazer as Ierras
do mesmo engenho sem licon$a do mesmo juizo
deorphaos com previo conhecimento da justiga e
urrenciaido flm. e qualidade dar obris'a'raVer' e P = n,im!fJ!,t,'"" U
d.quaotidade da madeira ou estacas oara el. !f J.e 5 palmos de lar Pa
ne:essarias.
para ellas
na e ultima, que a arremataco
*TW3ratte.^iHSW.*i..
delle a qualquer outra pessoa.
Tambera se ho de arrematar na mesma praca
per venda um escravo de naco com 40 annos de
idide e uma escrava de Aogola de idade de 30 dos h.
amos; assim como tambem varias obras de ouro -
a porco de barris vasios e
____16 rfrt
a tratar no paleo do S. Pedro n. 6.
A 1$, lp00 e #500.
Chapeos de sol de panninho muito bem arma-
na loja da rua do Livramen-
to n. 2, que volla para o Padre.
e algumas destas com brilhanlcs, e outras com
mants, etc., cujos presos constara do esco-
to era mao dopoiteiro, sendo esta a ultima pra-
ca. Recife 24 de maio de 1861. Pela Sra. D
Tiereza Carneiro Lins de Miranda,
- Francia T.vr0aSH?cdgUeS.SeUe' ,. "ga & Cabral receberam uma pa.
di falfeduo A0n.Ii0Presa ^nZT^"0 "" ^ *"" em
ciedores daquelle fallecido se dignem
do gaz
ty-lhe suas contas correntes o mais
aire!.
roga aos
apresen- i
breve pos-
Madre de Dos n. 18.
Attencao.
conta : na roa da
to, na rua do Trapiche armazem
mencionado dia as 11 horas em ponto.
15, no
Rio de Janeiro
LEILAO
Terca-feira 28 do corrente
O agente Hyppolito far leilao por conta e risco
de quera pertencer de uma
grande
da Cu.
primeiro andar, as 11 hora, em ponto.
rap, no seu escriptorio a"rua*da" CadM.5
de
n. 48,
Sahtra' bremente a linda e veleira
barca nacional IRIS, a qual recebe
passageiros e escravos tendo muito i
boa* cmmodoi em ieparado para este* K *AW*vm Magdalena
* ja J,8ol
Avisos diversos.
Para estraogeiro.
enAluga-ae bello
e a.edade, c
oh nn Catii; par. informagoea.
Zir^K?:" \MU0 8ili0 com casa moderna, n
!k f r!.'-0Bd- mo.ra.Ta ullmamente o Illa. Sr.
dirijam-se
ao
gratificaco.
b o mink eKd *> ann08 da ldade pouco
mais ou menos, hoje, e mais os seguinteg sisr-
oaes: rosto comprido e descarnado, rOr fui,
cabillo cercilhado, olhos*um pouco randeVe
SantO Antonio. i Vende-se aloja de louja'da ruado Rangel n.
A.cha-se venda a trezena de Santo Antonio fy a qual.teDdo poucos fuodos, se acha bem sor-
impressa :' a> e. esl Slluada em um dos melhores lugares:
| os pretendentes podem dirigir-se mesma
Vende-se um relogio horisontal, um cor-
rentao para* o mesmo, uns aderecos e um anne-
lao, ludo propno para hornera, e nm jogo de
grammaticas francezas por Burgain, o qual se
acha no Passeio Publico, oa de uma porta so-
mente n. 5, que ahi se dir quem vende.
nova edico correcta e ntidamente
na rua do Imperador n. 15.
Precisa-ae do uma ama que saiba engommar
ecozinhar: na rua Nova n. 33.
Offerece-so um rapaz portuguez para cai-
to de qualquer estabelecimento, com habilita-
Qoes sufficientes: a tratar na rua do Livramen-
U Da .O*
O Sr. Joaquim Jos de Sanl'Anna queira
apparecer no quartel do corpo de polica a en-
teoder-se com o major do mesmo, sobre
Smr. q5o ignora.
Adrilino Ribeiro Barros, brasileiro.
Luropa.
o que
vai
m.is groase, de sorle que encobre a hita que tem
de dentes em cima, hiu um pouco alraoalhad?
int? f8.lla de deDl-e8' Pouca barba r.U^ usava
bigodes; tem na mi esauerda I'. "!I!
o cercilhado. olhos u pou
o
n
ii
ai
ninimoura. especi, de SKU,^. S-1.
alguma couaa empinadas, com um geito n,rf o
ir^h1^^04**^!Cadeiras u,arga8' cintura Onaps
apalhetadoae largos, sabe o ofDcio decozioheiro
e coatuma embriagar-te. Foi escravo do Sr Dr'
llTFS Vlle-ila de Ca8lroTv.ret e do Sr'. Dr*
Jos Cardozo Queiroz Fooseca, promotor publico
nK:.depo,s 1 Sr Albert For8,er Co
?A,0d.hVP0BC0,e,,,P0 ter aido visto no lu-
gar Quait, disinclo da Parahiba. onde se ,cha
casado e com fllhos. eiolitulaodo-te forro aue
Mtnoel Domioguet, ou Manoel Domioaue. Mn
rra, no lugar Lago. Nova to ot ?5eai
crevo podem dar noticia : o aballo a51n.d
eh?rd? d|fo Preto.gr.tiflcar comYSfilu
.VS'.Sif^ qUe?* PP^heodr ePenfre-
d f ^eS'fe ^o'ooio Je Almeida Comea rua
wa.^SwaB
' byjj de 18l^-/oajttim Loptt dt JSSi, d*
O abaixo asslgoado traspassa a posse que
en? r" ,lerreD08 tom 30 Palmos do frente
e wu de rundo, com frente para o rio Capibaribe
e traspaara-se muito em conta : quem os pre-
tender enienda-se com o mesmo abaixo assiaoa-
do na rua do Rosario larga n. 18.
Manoel Antonio de Jess.
Aluga-se um grande sobrado no caes do
Kamoa com as acommodacoes proprias para um
colegio, onde esteveocolleg*dooado Silvano,
e tambem aluga-se orna casa terrea na praia do
CaldeireirO : a tratar com Jos Hygino de Mi-
Precisa-se de uma ama de meiaidadsna
rua das Cruzes taberna n. 24.
Attencao.
Precisa-te alugar um sitio perlo desla cidade,
que tenha commodidades para familia, baixa de
capim arvoredos. e que tenha extenso para po-
der trabalhar seis escravos : quem liver e quizer
alugar dirija- i rua do Queimado o. 21.
Procssodo santissimo corpo
de Dos.
Tendo o Cabido de fazer percorrer no da 30 do
corrente. aa 4 horas da tarde, a procisso do san-
tissimo corpo de Dos, pelas roas Nova AmnTrn
Qu.tro-cantos. l.deira da Ribeira, S. BenJR
Castelhano. pateo de S. Pedro Apostlo e ladera
da S. roga., todos os moradores de iaes rusa t"
nham a bondade lirapar as frentes de suas resi-
dencias e guarnece-laa com colchas para mais
decencia do acto. u,a,,
Aluga-se nma eterava sem habilidades oara
o servico de casa : a tratar no principiles
u.H6 JHoaonFerDaDdM Vieira n. 36, ou na rua
de Madre de Dos, armazem n. 31
Protesto.
Tem de ir em praga Da primeira audiencia do
juiz do commercio uma parte da casa da rua da
Senzala Velhi n 118, por execuco de Joo de
toulo Alves da Silva contra Domingos Jos Soa-
res. sem que- seu proprietario fosae citado, pre-
vine-se que ninguem a remate, pois em juizo se
provar que o dito Soares nao tem parte na dita
casa.
AVISO.
Precisa-se de um portuguez que saiba traba-
nar cora uma carroca com boi: as Cinco Pon-
tas d, /I.
Vendem-se uma taberna em Olinda com
poucesfundos. propria para principiante, na rua
de S. Beato, esquina da travessa de S. Pedro :
a tratar na mesma, ou no Rocife, rua da Moeda'
armazem n. 9.
Para luto.
Cassapreta fina com sarpicos ou flores bran-
cas a 500 rs. a Tara ; na rua do Queimado o. 22
loja da boa f. '
A 4#000.
Chales lisos de merino de lindas cores; na rua
do Queimado n. 22, na loja da boa f.
Delicadas caixinhas para cos-
tura.
A loja d'aguia de ouro recebeu pelo ultimo na-
ai0U.iam,de"C'd'8 Ca"" Para costura c"n,i-
quissimas pecas de msica ; tambera recebeu
ricas grinaldas para noivas. e muitos ontros ob-
jectos, o que ludo se encontrar na loja d'aguia
de ouro na rua de Cabug n. 1 B.
Espelhos dourados.
Na loj d'aguia de ouro eocootrarSo os aman-
tea do que bom riquitsimos espelhos de diver-
sos lamanho, com moldura dourada, assim co-
mo vidros para os meamos : vende-se na dita lo-
ja, roa do Cabug j B. ,w 0
DICCIONARIO POPULAR
MEDICISAHOIEOPATHICA
Obra iiKlispensa vel todas as
pessoas que quizerem curar ho-
meopatbica mente;
CONTESDO:
A definigao clara dos termos de medicina as
causas mais {requemes das molestias: os sumo-
tomas, porque estas se fazem conhecer : os me-
dicamentos que melhor Ihes corresponde a
quantidade das dses de cada medicamento e
seus respectivos intervalos as molestias agu-
das e chromcas: a hora do dia ou da noite
em que os medicamentos desenvolvem melhor
saa accao : a maneira de alternar os medica-
mentos : a maneira de curar os envennamen-
os, as mordeduras de cobras, focadas, tiros
quedas, pancadas e fracturas e todas'as mo-
| lesltas conhectdas, principalmente as que aras-
sam no Brasil, qur as pessoas livres, qur
as escravas: os soccorros que se devem pres-
tar a mulher durante a prenhez, na occasio
do parto e depois delle: os cuidados que a
enanca reclama, qur logo depois do nasci-
mento, qur durante a infancia : os perigos
que estao sujeitos todos os que tomam reme-
dios allopalhicos:t e muitos oulros arligos de
vital inleresse; bem como uma descripgo con-
cisa, e em linguagem acommodada intelli-
gencia das pessoas exlranhas medicina, dos
orgaos mais importantes, que enlram na com-
posicao ao corpo humano, etc., etc., com duas
estampas, uma mostrando qaanto possivel to-
dos os orgaos internos, com a sua explicaco
pnisiologica e outra mostrando as differenles
regioes abdomivaes. (A primeira colorida pa-
ra os senhores assignantes.)
PELO DOCTOR
SABINO OLEGARIO LIDGERO PINHO.
. O Diccionario Popular de medicina homeopa-
I thica uma obra completa de homeopalhia, o
resultado da pralica dos hoaieopalhas europeos
americanos, particularmente dos Brasileirog
da minha propria experiencia ; ella satisfaz inlei-
ramente os mdicos, que quizerem experimentar
ou cxcrcci a uussa wedlciua ; e mullo mais an-
da aos paes de familias, qur das cidades, qur
do campo, chefes de estabelecimento, capites de
navio, curas d'almas, etc., que por si mesmos
quizerem conhecer os prodigiosos effeitos da ho-
meopathia.
N. B. Tencionando o autor, aproveilando sua
viagem Europa,fazer imprimir all o Dicciona-
| rio Popular tal qual o havia feito, aconteceu
que antes de incetar a publicado visse elle obras
mu modernas de medicina, abundantes de ideas
oovas, e enlao resolveu mudar inteiramente o
plano que havia concebido, e dar toda i expan-
sao e clareza a essa obra, de modo que tanto os
homens versados na sciencia, como os que o n3o
sao, podessem tirar della o mximo proveilo pos-
sivel, sem embargo de trazer-lhe isso um accres-
cirao de despeza de dous tercos mais do que gas-
tara, se pubhcasse a obra, como a principio ti-
nha organisado. r
O Diccionario Popular de Medicina Homeop-
tica, como agora esl composlo ser sem duvi-
da a obra mais til de todas que se tem publica-
do. Ella constar de 3 volumes com 1,500 pa-
ginas pouco mais ou menos.
A assignatura 159, pagos na occasio de assig-
[Depois de impreso custar 25$.)
nar.
Acha-se igualmente ein via de poblica-
co a segunda ediccao do
THESOURO HOMEOPATHICO
, ou
Vade-mecum do homeopatha.
Esta nova edicejio em ludo superior pri-
meira, tanto no que diz respeilo disposigao da
materias, como no que relativo ao modo de ad
ministrar as dses, ao estudo dos temperamentos
as molestias hereditarias e contagiosas, a hygien
pe pralica, etc., etc. Com uma eslampa demouse
trativa da conlinuidade do tubo intestinal desd-
a bocea at o recto.
A assignatura de 8$ pagos na occasio de as-
signar, [depois de impresso cuslar 128 pelo
menos.) -*w
As pessoas que quizerem assignar urna e ou-
tra obra pagaro apenas 208 em lugar de 23.
N. B. A assignatura, que nao for acompanhada
da respectiva importancia, nao ser considerad
como tal.
Assigna-se em casa do autor, rua de Santo A-
maro, [Mundo Novo] n. 6.
GABINETE
Medico-cirurgico !
9 DO
Di*. Americo Abares Gnimares,!
A'rua Nova n. 21, 1- andar, pro- <
ajumo;, entrada da Camboa do Carmo.g
# Ahi se o achara prompto acudir a a
& quaesquer chamados, qu*r para o curativo g
tj de molestias contenientes medicioa ou g
9 cirurgia, quer para proceder a exames me- s
tj d ico-legaes.
tu As pessoas que por acaso o nao acharem i
devero ahi deixar bilhetes cm que de- g
clarem os seus nomes, rua e numero de 2
casa, aflm de serem devidamente satis- 2
feitas..
Oa indigentes enfermos serio igualmen-
te attendidos e medicados sem paga do
p menor honorario.
Pianos
euarmazem, na praca do Corpo Santo n. II.
&P.lZ8Hd0 ullivmo oslo recentimenU
SS!.i dT8ben conhecido e credit.do.-
SSfrMJ .Broawood ASonade Loaexts
mito propriopaxa este clima


DIARIO DE fERNAMUCO. SEGUNDA FE1RA 27 DE 1UIO DE 1861.
w
Atteoc&o.
Urna pessoa que tem entinado com felii resul-
tado a rallar, escrever e laduiir as lioguas ingle-
za e iranceza com exercicio de conversaban mo-
cidade de ambos os sexos, tanto no Rio como na
Baha e aqui mesmo em Percambuco, ofierece
de novo o seu presumo aquellas pessoas que qui-
zerem-se applicar em quilquer destes idiomas,
para o que Jevem inlormar-se na ra da Cruz o.
52, ou na ra da Cadeia Velha d. 61.
f $ @*& m^mm
ijg Julio & Conrado continuam a receber g
obras por medida a vootade de seus nu- *n
morosos freguezes e recebe.n toda obra w
que nao Qcara Tontide do freguez, tem g
jx sempre porcao de figurlos a escolber o 5?
W gosto e commodo das pessoas, debaixo w
rife da directo de seu mestre alfaiste que &
3[ j bem conhecida a sua tesoura, rece- =
bem figurinos por lodos os vapores. Q
Aluga-se um terceiro andar e sotao, cora
excelleotes commodos e bastante fresco, no bair-
ro do Recife, ra do Amorim n. 27 : quera o pre-
tender, dirija-se a mesma ra d. 46, que achara
com quem tratar.
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
Tira retratos por,'3#
Tira ratratos por 3$
Tira retratos por 3
Tira retratos por 3
Tira retratos por 5
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Toado recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento decai-
xinlias novas
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande saloda ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
A. W. Osborn, o retratista america.
no tem recentemente recebido um gran-
de e variado sortimento de caixas, q-ua.
dros, aparatos chinacos, e um grande
numero de objectos relativos & arte-
Como tambem um grande fornecimen-
to de caixas para retratos de 3$000 rs-
cada ura, as pessoas que desejarem ad-
qnirir conhccimcntos pra ticos na arte
de retratar acharao o abaixo assigndo
sempre prompto sob condicoes muito
razoaveis.
Os cavalheirosesenboras sao convida-
dos a visitar estes estabelecimentos, pa-
ra examtnarem os specimens do que
cima Gca anunciado.
** WW t'"V cft wW Wtfc W 'ef^m WS^ OTBir 7&w *
O Dr. Joaquina da Silva Gusmo pode jg
I ser procurado para o exercicio de sua *
9e proflssao medica a qualquer hora do dia
5 ou da noite no largo do Carmo n. 5, pri-
meiro aDdar:
O Senhor
Goatano Aureliaoo de Carvalho a. fabrica Sebastopol, a negocio que lhe diz res-
pello.
Convite.
Attencao e muita attencao.
fiodr & C. convida a todas as familias que
quizerem honrar com suas presentas a salla do
primeiro andar da ra Estreita do Rozado n. 11
por cima do seu eslabelecimento a virem lomar
sorvele e oulros gneros tendentes a confeitoria
para o que tem com todo o aceio preparado com
rica mobilia, raesss de marmore o illumioado
a gaz; dveilindo que sero servidos com toda a
prompdo, e prec.os mdicos.
Aos incautos.
Privine-se s pessoas que foram pagar oimposto
de casa aberta na cmara municipal desta cidade,
que a mesma cmara nao tem direito de cobrar
o imposto do actual possuidor de um eslabeleci-
mento, a divida de seu antecessor. Este direito
s compete a fazenda publica e esta mesma s
pode cobrar quando o devedor pasee o eslabele-
cimento a oatro, e nao quando despeje a casa, e
nella se estabelege differente negocio ; por ej-
emplo, se Antonio ficou devendo o imposto de
um arraazem de carne, e lindou seu negocio des-
pejando a casa, nada deve pagar Joo por ter
esCabelecido na mesma loja urna taberna, ou ou-
tro qualquer mi6ter.
O iniuigo das exorbitancias.
O abaixo assigndo, tendo chamado con-
ciliario a Victorino de Almeida Rabello, pata
amigavelmente ajuslareai suas contas da socieda-
de que liveram na taberna da ra da Roda n. 48,
o qual no tendo comparecido alm de nao ser
obngado a a presentar os livros e contas dos g-
neros, que na qualidade de caita, comprava para
a mencionada taberna ,- por isso o annunciante
previne a tedas as pessoas que sao devedoras a
dita taberna, de nao pagarera ao dito Victorino
quanlia alguma de seus dbitos, porque o annun-
ciante protesta pelos meios legaes fazer dita co-
branza : e para que nao possam allegar ignoran-
cia, uz-se o presente annuncio.
Maooel Jos da Silva Pimenlel.
Joao Correa de Carvalho, al-
l faiate, participa aos seus nume- J
g rogos freguezes e amigos que mu- @
dou a sua residencia da ra da
Madre de Dos n. 56 para a ra
g da Cadeia do Recife n. 38, pri- 9
T meiro andar, aonde o encontra-
rao prompto para desempenhar
9 qnalquer obra tendente a sua 5
A arte. ^
Dr. Debroy. dentista, successordo Sr. Pau-
lo Gaignour, avisa ao respeilavel publico quoche-
gari em Pernambuco no mez de abril ou al
junho.
Benedicto Bruno, subdito italiano, vai ao
norte.
CASA
DE
commiso de escravos,
pateo do Paraizo n. 16,
sobrado que foi do fal-
lecido Nicolao.
Para a dita casa foi transferido o aatigo escrip-
torio de commissao de escravos, que se achava
estabelecidona ra larga do Rosario n. 20, e ahi
da mesma maneira se contina a receber scra-
vos para serem vendidos por commissao, e por
conta de seus senhores, nao se poupando esforcos
para que os mesmos sejam vendidos com prom'p-
tido, aflm de que seus senhores nao soffram em-
pate com a venda delles. Neste mesmo eslabe-
lecimento ha sempre pa vender escravos de
ambos os sexos, velhos e mogos.
Precisa-se de urna mulher que se preste ao
servido ordinario de urna casa, e queira acompa-
nhar a urna familia provincia da Parahiba ; a
tratar na ra da Unio n. 50.
Modista de Lisboa
Na ra das Cruzes n. 24, primeiro andar, fa-
zem-se vestidos, manteletes, chapeos de seda,
enfeites de cabega, tambem se lavara e enfeitam
chapeos de palha de senhora, tudo com promp-
tido e pelo gosto de Paris, para o que recebe fl-
gurioos por todos os vapores que vem da Eoropa
i Trocase
por moeda corrente as notas geraes
dos padres seguinles:
Brancas de 10 com urna figura.
Ditas de 58 com urna dita.
Roxas de 50$.
Brancas de 500$.
Verdes de 500$.
E mais: notas do banco da Bahia
de 105 rr. e 203 rs. ditas da caixa
filial da dita de 20$ : na ra da Cruz
do bairro do Recife, armazem n. 27.
Deseja-se saber quem o corres-
pondente do Snr. Dr. Joaquim Antonio
Alves Ribciro, residente na provincia do
Ccar : na livraria da pi ac da Indepen-
da n. 6 e 8.
Cdulas,
Ama
ARMAZEM PROGRESSO
DE
largo da Penln
Trocam-se com mdico descontoas notas ge-
raes do thesouro, que se estao recolhendo, e
bem assira de diversos bancos do Rio de Janei-
ro e Bahia e da caixa filial desta ultima cidade ;
na livraria, econmica, ao p do arco de Santo
Antonio.
Grande hotel em Londres,
2 Goltlen Square.
F. A. deOliveira & C, tendo tomado o esla-
belecimento de J. G. Oliveira, e havendo-o aug-
mentado e melhorado em todo o sentido, para
maior commodidade esatisaco dos hospedes,
assegaram aos seus amigos que venham esta
capital, selle conliouaro a encontrar todo o ser-
vido e bons ofllcios, no que promettem esme-
rar-se.
Charles Laurent,
alfaiate francez,
Ra da Cadeia do Recife numero 16,
tem a honra de prevenir o respeilavel publico
desta cidade, com especialidade os seus fregue-
zes, que acaba de receber da Europa um lindo e
variado sortimento de pannos para calcas, por
precos vantajosos. Approveita a occasiao para
ofTerecer s senhoras seus servidos como prepara-
dor das capas agora muilo era uso, e trages ee
amazonas. Sua casa distingue-se pela prompli-
dao e Daraieze.
Attencflo.
Furlaram do engenho Santos Mendes, na co-
marca de Nazareth, do abaixo assigndo, ao ama-
nhecer do dia 25 poltro castanho de bom corpo, bonito, com algu-
mas marcas de chicote na anca do lado direito,
proveniente da moagem de canas, com marca de
peitoral, j muito mango de roda por moer a tres
annos, talvez tenha feilo a ultima muda.com fer-
ro no quarlo a maneira de um Q manuscripto pou-
co mais ou menos. Sem duvida foi furlado por
um individuo de nome Manoel Joaquim, simi-
nranco ou pardo, eflr de laraoja, de corpo e altu-
ra regular, pouca barba, ladino, l e escreve
bem, e conta, foi cadete e deu baixa. anda aceia-
do ; o qual fura o aiKio passado da cidade do Re-
cife para o mencionado engenho trabalhsr, depois
de pouco lempo passou-se d'shi para o engenho
Oral, era Pao do Alho ; por ter elle pernoitado
com um pardo cheio do corpo, que ia em sua cora-
panhia, no dia 24 de abril, em trras do engenho
Timbosioho tambem do annunciante, em casa de
ubj morador, cujo engenho limitrophe daquel-
le em que furtou-se o anima!; e leif rn arabos de-
sapparecido na madrugada do dia 25, justamen-
te quando furlaram o animal, e dizem que nesta
marinea passaram ambos era Pao do Alho, onde
quizeram Irocar o poltro, indo um puxando o pol-
tro e outro montado em um cavallo pedrez ma-
gro. Consta que o Manoel Joaquim estivera
amansando o poltro em Olinda na estrada, e que
o poltro dera urna queda em um rapaz, afiihado
do Dr. Lobo, que estava ajudiado a amaosa-lo.
O Maooel Joaquim tem prenles era Olinda, po-
rrn antes de subir o anno passado a procurar
servigo assislio no Recife na ra do Pires era um
dos C3sebres que ha no pateo, onde se concertara
carrinhos de altandega, em companhia do outro,
que foi preso no fin do anno passado por suspei-
tasdeladro de cavallo, porm assira que foi sol-
lo mudou-6e. O Manoel Joaquira costuma mu-
dar o nome, tanto assim que conhecido em
Olinda por Jos Francisco.
Roga-se is autoridados policiaes, o a qualquer
pessoa em particular a appreheosao do dito ani-
mal, assim comoa prisao dos individuos, e lvalo
no dito engenho ou no Recife, aos Srs. Maooel Ig-
nacio de Oliveira e Filho.-Laurenlino Gomes da
Cunha Bellro.
Msicas e pianos.
J. LaUMONNIER, na rus da Imperatriz n. 23,
acaba de receber pelo ultimo vapor da Europa
urna bella collecgo de msicas para piano e can-
to, dos melhorea autores e muito escolladas ;
igualmente 6eenconlra em seu estabelecimento
ptimos pianos ; assim como faz todos os con-
ciertos e afina os mesmos instrumentos em pouco
lempo e por presos commodos.
O Sr. Joo Antonio de Barros queira ter a
bondade de dirigr-se a repartigio do correio,
aflm de satisfazer o importe do seguro que fez
para o Rio de Janeiro era 16 de abril ultimo.
Aluga-se o armazem n. 15 na ra da Cruz
por prego commodo : a tratar no segundo andar
do mesmo.
GABINETE PORTUGUEZ
DE
LEITURA.
Por ordem do Illm. Sr- presidente do conselho
deliberativo do Gabinete Portuguez de Leiturs,
convido aos Illms. Sra. conselheiros a reunirem-
se em sesso extraordinaria do mesmo, segnda-
tela 27 do corrente, pelas 5 1)2 horas da tarde,
na sala dassessesdo referido Gabinete, aflm de
discuiirem o projecto de estatutos.
Secretara do conselho aos 23 de maio de 1861
Francisco Ignacio Ferreira.
1." secretario.
Precisa-se de uma ama de leite'.-^a tratar
na ra Imperial n. 20, na ra das Cruzes n. 26,
ou oa ra de Santa Hila, deposito d. 37. j
Precisa-se de uma ama. para fazer as compras
e coziohar para pouca familia : na ra doCabu-
g n. 3. segundo andar.

I STAHL C. \
Iretratistade s. m. o imperador.!
g Ra da Imperatriz numero 1 \
(Oulr'ora Aterro da Boa-Vista.) (
Hfctr&tos em todos es- j
tyloa e tam&iLos.
% Pintura ao natural ein <
I oleo eaquareWa.
| Coplas de dagueneo- \
| typo e outros arte- I
tactos.
| \n\brotynos,
|Paisagens.
Sendo presentemente
Santos Vieira o nico garanti-
dor de bilhetes de lotera, os
quaes sao rubricados com tin-
ta de i aprensa, os que nao
forem vendidos com a sua
firma devem ser considerados
como um laco armado a boa
f dos incautos.
Dentista de Paris.
i 15Ra Nova15
Frederic Gautier, cirurgiao dentista, faz
todas as operaces da sua arte e colloca
dentes artificiaos, tudo com a superiori-
dade e nerfei(o que as pessoas entendi-
das lhe reconhecem.
Ten agua e pos dentifrkios etc.
O proprietario deste armazem par-
ticipa aos seua numerosos freguezes assim como aos Srs. amigos do bom e barato que se acha com
um grande sortimento de gneros os raelhores que tem viudo a este mercado e por ser parte delles
vindos por conta propra, vende-os por menos Jo que em outra qualquer parte.
Nlanteiga iugleza perCeitamente or, m r8 1br8(, em bar.
rnl se fari algum abatimento.
Al* Iieiga lraUCexa a mas nova-que ha no mercad0 vende-se a ?20 rs. a libra.
C .Jff^Vi! ^y"*m e PTCt os raelhores que ha neste genero a 2500. 2S e
i9tHM) rs. a libra.
\|uei|OS UamengOS cbegados oeste ultimo vapor de Europa i 1J600 rs., em por-
cao se far algum abatimento.
Queijo suisso
libra.
^* y*ft)\J os melhoresque tem viudo a este mercado por serem muito frescaes e de
boa qualidade a 640 rs. a libra e inteiro se far algum abatimento.
BOllO traiieeZ. a 500 TS. 0 cartSo elegantemente enfeitados proprios para mi-
mo, vende-se por este preco nicamente no Progresso.
lf Oee Aa eaSCa de gOiana em caix5es com 3 1[2 libras vende-se a 13cada um.
v tuiuua lUgieiiU a mag 00va ,jue j,a n0 mercado, vende-se nicamente no ar-
mazem progresso a 33000 a barrica e a retalho a 210 rs. a libra.
VUteiXaS iraUeeZaS a mra a braem porgse far algum abatimento.
Niarmeada imperial d0 afamad0 AbreUt de outros muitos fabricantes
Lisla a 800 rs. a libra.
Latas eom bolaeainhas de soda
diferentes qualidades.
Ullaic 0 mjs 8Uperjor que tem vindo a este mercado a 900 rs.
Nia& de tomate
litra.
Peras seeeas
Agencia dos fabricantes americanos
Grouver & Baker.
Machinas de coser: em casad Samuel P.
Johston &C, ra da SenzallaNova n. 52.
CONSULTORIO ESPECIAL
H0ME0PATHIC0
DO
DR. CASAXOVA,
30-Rua das Crnzes-30
Neste consultoriotem sempre os mais
novos e acreditados medicamentos pre-
parados em Paris (astinturas) por Ca-
tellan e Weber,por precos razoaveis.
Os elementos dehomeopatbia obra.re-
commendada indiligencia de qualquer
pessoa.
A agencia do va-
por de reboque.
Acha-se estabelecida no escriplorio da compa-
nhia Pemambucana no Forte do Mallos n. 1, on-
de se recebem avisos para qualquer servico ten-
dente ao mesmo vapor.
Precisa-se em um engenho dis-
ta ote desta cidade 7 leguas e prximo a
estrada de ierro, de uma senhora para
cnsinar a duas meninas gramma tica na-
cional e ira ncez. e se souber msica e
piano melhor sera' o estipendio: quem
quizer annuncie ou dirija-se a ra do
Imperador n. 73. primeiro andar.
Ensino particular.
0 acadmico Menelo dos Santos da Fonsec*
Los, profeasor particular das linguas latina
iranceza. autorisado pelo governo, tem aberto e
curso das ditas lioguas na ra de Santa Rita no
15, primeiro andar.
O Commercial Pernambucano
sahira' duas vezes por semana as ter-
cas e sextas feiras. Subscreve-se a 3$
por serie de 2* nmeros pagos ao re-
ceber o primeiro numero. Avulso
vende-se a 200 rs. cada exemplar.
Qualquer pessoa que quizer asstgnar, e
mesmo comprar avulso, dirija-se a ra
do Imperador, livraria popular n. 67
ou ao escriptorio da mesma typogra-
phia Pernambucana largo do Forte das
Cinco Pontas n. i9.
Chegaram no estabelecimento
photographico de Stahl & C., ua da
Imperatriz n. 1*, os albuns para car-
toes de visita e grande sortimento de
molduras doura jas.
recentemente ebegado e de superior qualidade vende-se a 610 rs. a
d.
vende-se a 1(600 rs. cada uma com
libra,
em latas de 1 libra, a mais nova que ha no mercado a 900 rs. a
as mais novas que ha por serem vin-
em molhos com 20 macinhos por 200 rs.
o mais novo que ha no mercado a 320 rs. a libra em barril
em condenas de 8 libras por 3$500 a retalho a 480 rs. a libra.
Conservas fffteeza s e inglezas
das em direilura a 800 rs. o frasco.
AAetria, macarrao e taluarim a mi*.. m, e em i, de uma ar-
nba por 8.
Palitos de dente Uxados
T oueiuuo de Lisboa
a arroba a 9$.
Vr reSU1ltO muil0 n0T0 ven(ie-se para acabar a 400 rs. a libra.
t- uoari^as e patos 0 que ha de bom neste genero por serem muil0 n0T0S a 560 rs<
a libra.
Baulta de uorco reuada
480 rs. a libra e em barril a 400 rs.
tratas eOUt pClXe de pOSta preparado da melhor maneira possivel das raelho-
res qualidades de peixe que ha em Portugal a 11500 cada uma, assim como tem salmo e
hgustinha em latas menores a 900 rs., verdadeiros charutos suspiros e de outras muitas
qialidadesdos melhores fabricantes de Sao Feliz, champaohe das mais acreditadas marcas,
crveja de ditas, marrasquino de zara, licor francez de todas as qualidades, azeite doce pu-
riscado a 15 agarrafa, nozesa 320 rs. a libra, ervilhas francezas, tructi em calda, azeilonaa
baratas e outros muitos seeros que encontrarlo tudo de superior qualidade.
a mais alva que pode haver no mercado vende-se a
CONSULTORIO ESPECIAL BOMEOPATHICO
DO DOUTOR
SABINO 0.1. PINHO.
ma de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os dias uteis desde as 10 horas
at meio dia, acerca das seguiutes molestia! :
molestias das mulheres, molestias das crian-
cas, molestias da pelle, melestias dos olhos, mo-
lestias syphxliticas, todas as especies de febres,
febres intermitientes esuas consequencias,
PHARMACIA ESPECIAL IIOHEOPATHICA .
Verdadeiros medicamentos homeopathicos pre-
parados som todas as'cautelas necessarias. in-
falliveis era seus efleilos, tanlo era tintura, como
em glbulos, pelos presos mais commodos pos-
siveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos em sua pharmacia ; todos
que o forem fra della sao falsas.
Todas as carteir3s sao acompanhadas de um
impresso com um emblema em relevo, leudo ao
redor as seguinles palavras : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico traseiro. Este emblema posto
igualmente na lista dos medicamentos qu* se pe-
de, As carteiras que nao levarem esse impresso
assim marcado, embora lenham na lampa o no-
me do Dr. Sabino sao falsos.
ArrenJa-so o engenho Jacir, slluado no
termo de Serinha.-m, moenlee correnle.com ca-
sa de vivenda de sobrado com bastantes commo-
dos por ter outra casa terrea contigua cora com-
municaQo para o mesmo sobrado, estribara para
quatro animaes, otaria e seu respectivo forno.casa
de engenho cora uma moeoda que produz calda,
para cincoenlu a sessenta pues por tarefa com um
parol de cobre suicientemente grande, com
picadeiros para receber para mais de cenlo e cin-
coenla carros de canas, cesa de caldeira com dous
completos assentamentos, tendo a casa aofflcien-
le c.-.pacidade, uma destilacSo completamente
montada coutigua a casa de caldeira, com um
alambique de cobre de continuidade, com suas
respectivas garapeiras qu produz uma pipa de
agurdente por dia de vinle e dous grus pelo
ariosietro de Cartier, casa de purgar para rece-
ber mil pes completamente arranjada, com dous
tanques para deposito de mel (de madeira de ama-
relio), com dous couxos tambem de amarello :
casa de encaixamento cora quatro balces, sna
respectiva estufa e caixes para deposito do as-
surar, casa do fazer farinhacom um grande forno
e completo aviamento; grande armazem para de-
posito de gneros por biixo da casa de vivenda ;
senzalla para habitar trinta cas3es ; sendo o seu
locomotivo agua, que nunca falla seja qual for o
verSo ; copeiro, com uma roda de ferro com qua-
renta palmos de dimetro : todas as obras referi-
das de pedra e cal, e com ptimo madeiramento.
Sendo o embarque dos gneros que exporta den-
tro do mesmo engenho por estar a Deira rio e a
beira mar. Os partidos sao a roda do ergenho,
todos lavradios e do melhor massap que se po-
de desejar para a produeco de caBa ; assim co-
mo todas as ladeiras, por serem composlas e
barro moriquipi e gomoso, com malas tambrm a
roda do engenho de suiTicienle capaciilade para
dar estacas para cercar e lenhas ps-a uso dos tor-
nos e casa de caldeira, e madeira para carros e
reparos que fr mister fizer-se nos edificios rus-
ticos. Os partidos tanto de varzea como os do
ladeiras cem capacidade de produzir de quatro a
cinco mil paes sem nunca ser preciso plantar na
palha ; cora um ptimo cercado para animas, e
extraordinariamente grande e uma grande parte
cubera com capim milhan. Com trras por abrir
de fcil esgolo cujo solo c de massap. Este en-
genho finalmente ura dos de primeira escala
que Ura esta provincia. Arrenda-se vendendo a
safra que existe fundada para a colheila de 1361,
a Andar-s em 1802, sendo avaliada por peritos,
assim como o pre;o dos pes. As rondi(os e
tempo Jo arrendamento se combinar com quem
o pretender, que dever procurar seu proprie-
tario o coronel Gaspar de Meuezes Vasconrellos
de Drumraond no sitio de sua residencia no Han-
guinho, que se acba a casa de vivenda no princi-
pio das duas estradas e que vai para a ponte de
Consultorio mcdico-cirurgico
3--1W3A.1IA. KL.OWIA CJkSJk BO \3^B5lO-S
Consulta por ambos os systemas,
Em consecuencia da mudanca para a sua Dova residencia, o proprietario deste estabeleci-
mento acaba de fazer orna reforma completa em todos os seus medicamentos.
O desejo que tem de que os remedios do seu estabelecimento nao se confundam com os de
nenhum outro, visto o grande crdito de que sempre gozaram e gozara ; o proprietario lem tomado
a precauco de inscrever o seu nome em todos os rtulos, devendo ser considerados como falsifica-
dos todos aquelles que forem apreseotsdos sem esta marca, e quando a pessoa que os mandar com-
prar queira ter maior certeza acompanhar uma conta assigoada pelo Dr. Lobo Mosaozo e era pa-
pel marcado com o seu nome.
Outro sim : acaba de receber de Franga grande porgo de tinclura de acnito e belladona, re-
medios estes de summa importancia e cujas propriedades sao lo conhecidas que os mesmos Srs.
mdicos allopathas empregam-as constantemente.
Os medicamentos avulsos qur em inbos qur em linduras cuslaro a lj> o vidro.
O proprietario deste estabelecimento annuncia a seus clientes e amigos que tem commodos
suficientes para receber alguna escravos de um e outro sexo doentes ou que precisem de alguma
operaco, afiiangando que serao tratados com todo o disvelo e prompdo, como sabem todos
aquelles que j tem tldo escravos na casa do annunciante.
A siluacao magnificada casa, a commodidade dos banhos salgados sao outras tantas vanta-
gens para o prompto restabelecimento dos doentes.
As pessoas que quizerem fallar com o annuociante devem procura-lo de manha al 11 horas
e de tarde das 5 em diante, e fora destas horas acharao em casa pessoa com quem se podero en-
tender : ra da Gloria n. 3 casa do Fuodo.
Dr. Lobo Moscozo.
n
a
a
;B fr*
5-r
EP o cb o
2 I i
o o 0
O. s W B W,
lili8
a
p-S

n 3
o
s-
O 3 -O
B S>
3 s
, Pi B B
B 3 2-S
S-a' I 8
a 2 D. rS x S 5
g m g 8 a
^ ^
i a
0 3
5 a 5 i
o. 1
lili
B o. o-?
IIP ti
o
es
Uchoa, e dos AfUictos. de manha at
tarde.
1 hora da
Precisa-se de um trabalhador de mssseira
que salba bem o officio de sua arle: a tratar na
padaria do paleo da Santa Cruz n. 6.
c
ompras<
Compra-se ou aluga-se u'uuia das mas re-
lindas dos bairros de S. Jos ou da Boa-Vista,
urna casa terrea cora quintal e ccramodos soffri-
veis ; annuiuiera neste Diario.
Compram-se escravos do sexo masculino de
12 a 20 annos, cabras ou negres na ra da Impe-
ratriz s. 12 loja.
V*
eneas.
Aliento
O abaixo assigndo vende a armacao
e um pequeo resto de calcado francez
da sua loja da ra larga do Rosario n.
32, ja bem afreguezada, dando com
bom abate, tanto em uma cousa como
em outra, am de liquidar antes do im
do mez corrente : a tratar na mesma a
qualquer hora.
Joaquim Bernardo dos Rets*
Lencos e toalhas de labyrinlhos ; venda
na ra da Cadeia do Recife n. 28, primeiro andac
Aguapara Mugir cabellos.^
Esta excellente agua o a melhor sam duvida que tem apparecido no mercado, R
por nao ter o inconveniente de tornar os B
cabellos russos ou verdes e sim pretos 8
imitando aos naluracs,conlinua-se a ven- 3
der no estabelecimento de cabelleireiro *
da ra do Queimado n. G, primeiro andar, 2
onde tambem eocontraro sempre os **
freguezes a excellente agua imperial para ps
lavar os cabellos, limpir as caspas e pre- ^
serva los da queda. |
Agua ijalsamica para
dentes.
A loja da agula branca avisa as diversas pes-
soas que haviara procurado tal agua, e as que de
novo se quizerem ulilisar de lo uecessarii agua
balsmica, que ella acaba de chegar em dita loja
ondesomente a encontraro. Quera tem usado
dessa agua sabe perfeitamentedas virtudes della,
e quem de novo comprar achara que duas a tres
gotss della em meio copo d'egua pura, e com ella
esfregando-se os dentes, elavando-se a bocea, os
alveja, livra-os da carie, fortifica as gengivas, e
acaba o mo cheiro quando ha denles furados : o
prego continua a ser 10 o frasquioho : na loja
da aguia branca, ra do Queimado v. 16.
Caivetes fixos para abrir
* latas.
Vende-se finos caivetes flxos proprios para
abrir latas de sardioha, bolachinhas; doces ele. a
19 cada um : oa ra do Queimado, loja da aguia
bsanca, o. J
Attenco
Vende-se uma preta com bom leile por estar
criando um Glhinho de 9 mezes, boa cozinhei-
ra al de forno, engomma bem, faz doces, cose e
faz labyrintho, com 26 annos de idade, tambem
lem uma mulalinha de 9 annos, que j cose e
faz labyrintho por ter um anno de escola, um
preto bom estivador com 30 annos de idade, e
um mulato bom ofDcjal de pedreiro at de cor-
nija ; na ra das Cruzes n. 18.
Farinha a 1:600 a
sacca,
fazendo-se diflerenca neste preco a quem com-
prar de 100 saccas para cima.chegada ha poucoi
dias do Rio de Janeiro : no largo da Assembla
n. 15,trapicbe Daro do Livramenlo.
t


()
DIARIO DI RHAMBCO. SEGUIDA FEIRA 17 M MAM) DI 1161.
lival sen segunde.
Ns rus do Queimado n. 55. loja de miodezas
de Jote de Avedo Maia e Sil vi, tem para ven-
der pelos diminutos precos aa seguiutes fazendas
todas era bom estado :
Calas de guillas francezes a 120 e 140 rs.
Ditas de alflnetes sortidos francezes a 80 rs.
Cairas de eotchetes francezes a 40 rs.
Caites de clcheles francezes a 20 40, 60
e80 rs.
Duzia de meias cruas muito finesa 2)500.
Dita de ditas a Un.
Liohas de carretel brancas e de cores a 300 rs.
Masso de grampas muito boas a 40 rs.
Theaouras finas para onhas a 400 rs.
Ditas para costara a 160 e 310 rs.
Varas de renda lisa sorlida a 60 a 80 rs.
Pares de sapatos de tranca de Ha a 1J440.
Ditos de ditos de dita de algodao a 18.
Pares de sapatinhosde la para meninos a 900 rs.
Cartas de alfloetea unos o grossos a 100 rs.
Frasco de oleo de babosa a 400 e 500 rs.
Frasco de oleo de macass a 100 rs.
Dito de macass perola a 200 rs.
Fiascos de baoha mnito fina a 320 e 400 rs.
Ditos de extracto muito fino a 500 e 18.
Ditos cora muito boa agua de Colonia a 28000 e
28500.
Ditos de Lavando ambriada a 600 rs.
Sabonetes muito finos a 160 rs.
Frascos de oleo Philoeome a 18
Caixa de folha com phosphoros a 100 rs.
ARMAZEM
DE
ROUPA FSITA 1
DE
gaz
O deposito dos phosphorosdo gaz acaba de re-
ceber novo sortimento pelos ltimos navios, e
continua a estar muito supprido, vendendo-seem
porcoes e a telalho por barato prego ; na traves-
si da Madre de Dos, armazem ns. 9 e 16 de Fer-
reira & Martina.
Luvas de pellica enfeita-
das para noivas.
Aloja d'Aguia Branca acaba de receber pelo
vapor francez, as finas e bonitas luvas de pellica
enfeitadas, propriis para noivas, e contina a
vend-las pelo antigo e baralissimo prego de 58000
o par: na dita lola de Aguia Branca ra do Quei-
mado u. 16
_ A PR.M4VER4
^16-RsadaCadeia do Recife-16
f| LOJA DE MIUDEZAS
|Fonseca( Silva!
Sabo inglez o melhor que ha no mer- fe
*^5 cado de 200 a 800 rs., aljofares bonitos 9
3 gostos a 600 rs., espelhos pequeos dou- g<
rados a 800 rs. a duzia, apparelhos pa- ,
ra brlnquodos de enancas a 18, 2$ e 3J ^
cada um, escovas para unhas de 800 a |pj)
18 Cuda urna, ditas para dentes de 400 a i-
500 rs., bandeijas pequeas de 18 a gsr
1S-500caJa urna, pentes de tartaruga f<
^M virados a 58, 6j, 1% e 88 cada um, en- ?*
' -rj feites de vidrilho a 1J800 cada um, bar- c-^
y-% xvWs de dito a 18200, froco de cores a j?
?(fl 200 rs. a pega, lilas de velludo com 10 /as
' g|l varas a 800, ig e 18200 a pega, esceocia ?&>
S*4J de sabao para tirar noioas 3 18 o vidro, &
j*1 pootes para elir cabellos a 18400 a du- ,
'\ zia, caixas du raiz sorlidas a 18400 a S?
f$] duzia, carias francezas Qnas a 3a du- 8$
2g zia, ditas porluguezas a 1&80O, caniretes r&:
' :i para fructas a 4g a duzia, ricas caixas W*
(^ com espelhos conlcndo perfumaras pro- fcd
35 prias para tuilets de senhoras a 6fl e 8S fL,
\g cada urna, bahuziohos de ditos a 58, fc?
>'" caixinhas de vidros com ditas a 28501) Q
?( cada urna, argolas d.iuradas a 18500 a f:
W duzia, dados a IJJjOO a bala, pentes fi- f&!
>= nos para barba a 400 ca>1a um, agulhei- & pfi ros cora pennas de ag a 800 rs. a du- ^
.g zia, colheres de metal principe para ti- tsj&T
T<) rer sopas 20 cala una, ditas pequeas Q}
(fiS l'ara l''* a 28 a duzii e para sopa a wtj
HS| 4-3500. pentes de bfalo? amarellus a ?a>l
'.' 500aduzia e a 400 rs. cada um, di- g<
,., tos para bichos a 280 rs. cada um e a f5,
(i 28500 a duzia, botes de madrfperola Sj:
<_0 para abertura a 480 rs. a duzi5, ditos de jgj
Iq osso a 320 rs., ditus de louga bonitos SSrt
V<| gostos a 210 rs., ditos de phanlasia a !?g?
^"y 400 rs. a duzia, alflnetes de cabeca cha- |5
,,*! ta surtidos a 120 rs, a caita e a 240 rs. k
' .} o masso, pioceispara barba a 400 rs. a t^
tg^ duzia. tesouras em cirteira a 18 a du- ||j,,
zia, caixas Unas pora rap a 800 rs esda 3k
' >.5 urna, tranca de caracol a 600 rs. o mas- r&
i] so, sapatos de tapete para homem e se- ft
P*\ nhora a \$ o par, dit03 de pelucia a rt.
X 18500, aparelho do porcelana para duas &?
.9 pessoas a 68, jarros com pomada a 3$ fg55
gfflj o par, escovas Unas com espelhos para k
^B cabellos a 19 cada ums, agua do Orien- 3
''g lo 18*80 a garrafa, dita de cologne a m
t^,l 28800 o 48, bengalas superiores de 18 a ^
til 1J8O0 cada urna, e muitos outros arli- |^
fg gos que seria enfadonho eoumera-los, |l
Fti os I""* se vendem por precos os mais r&
\^ baratos do que em oulra qualquer parle. Hr
Rud'la lzala Vo/ari.4!2
Vende-se em casad* S. P. Joabstoa &C.
slitas e silhSes nglezes, candeeiros e castices
bronzeados, lonas nglezes, fio de vela, chicote
para carros, e montara, arraios para carro da
u dous cvalos reogios da ouro patent
oglaz.
Joaquim Francisco dos Santos.
m RCA DO QUEIMADO 40;
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Neste eslabelecimenlo ha sempra um sortimento completo de roupa feita de todas as
qualidades, e tambem se manda executar por medida, vontade dos freguezes nara a
que tem um dos melhores professores.
Casacas de panno preto. 409, 358 e 309000
Sobrecasaca de dito, 359 e 30900
Palitots de dito e de cores, 359, 308
25S0OOe 209000
Dito de casimira de cores, 22*000,
159. 129 e 99000
Ditos de alpaka prela golla da vel-
_..,ud 118000
Ditos de merin-sitim pretos e de
cores, 9SO0O
Ditos de alpaka de cores, 59 e
Ditos de dita preta, 98, 79. 59 e
Ditos de triso de cores, 53. 4o50Q
4S00O e '
Ditos de bramante da linho branco
6J0O0, 58000 e
Ditos de merino de cordao preto.
159000 e
Calaas de casimira preta e de corea.
128,108, 98 e
Ditas de princeza e merino de cor-
dao pretos, 59 e
Ditas de brim branco e de cores
5S000, 48500 e
Ditas de ganga de cores
Golletes de velludo preto e de co-
res, lisos e bordados, 12J, 9S e 89OOO
Ditos de casemira preta e de cores
lisos e bordados, 68, 59500, 59 e' 3#5O0
89000
39500
395OO
39500
48000
89000
68000
49500
2S500
38000
Ditos de setim preto 58000
Ditos de seda e setim branco, 69 e 59OOO
Ditos de gurgurao de seda pretos e
de cores, 78000, 69OOO a 58000
Ditos de brim fusilo branca,
. 39500e 3O0O
Seroulas de brim de linho 28200
Ditas de algodao, 18600 e 1|280
Camisas de peilo de fustao branco
e de cores, 28500 e 28300
Ditas de peito de linho 68 e 3(000
Ditas de madapolo branco a da
cores, 39, 29500. 29 e I98OO
Camisas de meias I5OOO
Chapeos pretos de massa, francezes,
formas da ultima moda 108,89500 e 78000
Ditos de fellro, 69, 5J, 49 e 29OOO
Ditos de sol de seda, inglezea a
francezes, 149, 12$, 11 j a 78000
Collarinhos de linho muito finos,
ovos feiiios. da'ultima moda 8800
Ditos de algodao *500
Reogios de ouro, patentes hori-
sontaes, 1008. 909. 809-e 708000
Ditos de prata galvanisados, pa-
tente hosontaea, 408 3O9OOO
Obras de ouro, aderecos e maioa
aderecos, pulseiras, rozetas o
aunis e
Toalhas de linho. duzia 128000 e IO9OIO
EAU MINERALE
NATURALLEDE VICHY.
. D6.s,lt.,nJliSSSfiSH* rua-da Cruzn-2*
Calcado barato na rua larga do Rosario d* 32.
O dono deste estabeleciment nao lhe sendo possivel
acabar com todo o calado at o fim de marco, como preten-
da, por issoresolve vender por menos, afim de acabar mais
breve a hquidacao.
Para homem, senhora e menino.
I ,1 .- r- 1 1 ~ i___> i 1 f\ M n .
Borzeguins de Nantes sola patente a 8 e
Dito de ditos sola fina a 7 e
Ditos inglezesprova d'agua
Botas de bezerro
Borzeguins de lustr a 6, 7 e
Ditos lodos de duraquo
Ditos todos de pellica
Ditos de lustre pespontados
Sapates de lustre de 4, 5 e
Ditos de lustre de 2 solas
Ditos entrada baixa de lsola com salto
Ditos de dito sem salto para daiisa
Ditos de bezerro de 2 solas
8,500
8,000
7,500
7,00
8.000
6.000
8.000
8,000
6,000
4,500
3,000
2.500
3j00
Ditos de urna sola com salto
Ditos de urna sola sem salto
Borzeguins de lustre para rapazes a
aapaloes para ditos a 3 e
Diios de bezerro para ditos a 2 e
Borzeguins de setim branco para senhora
Ditos de duraque branco
Ditos de ditos de cores
Ditos de cores com gaspeas
Bitos de dilosa
Ditos de dito dito
Ditos de ditos para menino
Chnelos de couro de cabrito
2,800
2,408
5.000
4,000
3,000
5,000
4,500
3,500
4,000
3,500
2.500
2,500
3,000
B9M4HMMM*
f pK^Oh quei
I pechincha, \
A 120000. j
539 Chapeos de seda para senhora muito
QP bonitos para acabar vende-se por este {
P^co- 3
Z A 400 rs. o covado.
^ Mimos de sir.hazinha fazeoda propria *
V.,* para vestidos de senhoras. |S
O A 6$500 o corte. j
fgj Cortes de cambraia brancos com ba-
t-^ bados bordados. *
A 280 rs. o covado. i
Carobraias organdys padres liodissi- $
ios: na rua do Crespo n. 17. *
mos
Farello a 3,ooo ris
e cana a 2i0.
Vende-se farello a 3.000 ris o sacco.cana en-
garrafada a 240 a garrafa, na travessa do pateo
do Paraizo n. 16; casa pintada de amarello.
Novoseioteiros
com fivelas esmaltadas.
A. loja d'aguia branca recebeu tambera pelo va-
por francez oovos cioleiros com booitas filas e
fivelas esmaltadas, moldea inteirameute novse
agradaveis, e os est vendando como seu costu-
me pelo diminuto prego da 49; em dita loja d'a-
guia branca, rua do Queimado o. 16.
- Vende-se um casal da escravos de bonitas
figuras: quem quizer, dirija-se a ruado Sera nu-
mero 3.
Fleur d'harlebek e borba.
Centro CommerciaL
& m iidoas confeitadas
a 1$ a libra.
Proprias para sortes de S. Joo
vende-se tanto em por$es como a retalho nicamente no
armazem Progresso, largo da Penha n. 8
Polassa da Rossia e al de
Lisboa.
No bera conhecido e acreditado deposito da rua
da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender a ver-
dadeira polassa da tussia, nova e de superior
qualidade, assim como tambem cal virgem em
pedra ; ludo por precos maia baratos do que em
outri qualquer parte.
UNA PRETA
Vende-se urna escrava boa lavadeira de roupa
e outros servicos para urna casa de grande fami-
lia, de 35 a 40 anuos, preco muito commodo : na
rua Nova n. 20.
Vendem-se globos para candieiros do gaz,
bombas Japy, mais barato que em outra qualquer
parte na rua larga do Rosario n. 34.
ril\RMACIA-BAITHOLOME0
Rua larga do Rosario n. 36
Rob l'Afiecteur.
Pilulas de Allexou.
Pilulas ameriftaoas.
Vermfugo iaglez.
Pilulas Holloway.
Ungento Holloway.
Galanteras.
A loja d'Aguia Branca recebeu novaaeaU
um bello sortimento de bonita* baauninhoa com
9 e 12 frasquinhos de cheiros; e os est ven-
dendo baratamente a 2J000, 39000, -44JO00- aa-
Sl?^,mi0 C0.Umha felonas coas 0 frasquinhos
a 18DUW8. caumhas com cheirosaa paslilhas para
derfumar quartos gabinetes & & JOOO urna: na
dita loja d Aguia Branca nt doQaaimado n.
^ThoiB Lopes de SeDaJ
Rua Novan. 32.
Recebeu em direitura de FranQa pelo <
$ ultimo paquete bons objectos de modas i
& como sejam eofeites de cabeca para se- (
F nhora. pretos b de cores- '
2 Chapeos de seda de cores para senho- '
W rs, ditos de palba da Italia, ditos de di-
m los a Garibaldi, veos e tocados para os
aja, meamos.
gx Fitas de seda de todas as larguras e"
J de differentes cores e qualidades, ditas I
mt decascarrilhas. i
Wf de seda branco, dito de linho
com salpico.
Ramos de flores de laranja para noiva.
m
Toquinhas para menino se baplisar de
diversas cores, meias o sapatinho para
os mesmos.
Ricos vestidos de blondo com 2 saias
e 3 babados na primeira aaia, ditos de
seda preto de 7 babados, e sintoa com
flvells para senhora.
ReceDe-se Ugunnos todos os mezes e
faz-se vestidos cora muita perfeicao,man-
teletes, capas, vestuarios para meninos
se baptisarem e ludo mais quanto per-
tence ao toilet da urna senhora.
Venda
Extractos, banhas, cosme-
tiques, e leos, de Lubm
para len(jds;e cabellos.
Na loja d'Ageia Branca se eneonlra aa par-
fumarias cima da bea conhecido fabricante Lu-
tria ; e bem assim finos extractos, banhas & &
de antros fabricantes tambem de fama como Con-
dray, Piver &. EmDra quem se quizer prover da
boa perfumara dirigir-se a rua do Queimado
n. 16 loja d'Aguia Branca.
Gaz para candieiros.
Ji ebegou este gaz to procurado, bem como
um completo sortimento dos candieiros proprioa
que se vendem por muito batios precos : na rus
da Imperatriz n. 12, loja de Raimundo Carlos
Leile & Irmao.
Toalhas para mos
a 6J a duzia : na rua do Queimado n. 22,na loja
da Boa f.
KieaeM3of9Medi9^^
I Extremadura
Vinho puro de uva
fabricado ezpressamente para Jos Anto-
nio da Silva Jnior : vende-se a retalho
em casa de Antonio Lopes Braga, rua da
Cruz n. 36.
Aviso s senhoras
Gama & Silva com loja de fazendas na rua da
Imperatriz n 60, vendem :
Hodernissima seda lavrada cor de canna muito
incorpada, covado, 29.
Dita branca para vestido de noiva, muito in-
corpada, covado, 2f400.
Dita encarnada adamascada para colchas ou
cortinas a 2$.
Tarlatanas muito finas de todas as cores, a
Tara, 800 rs.
Visitas de cores e pretas muito finas a 9
Cambraias brancas e da cores, lavor estufado
vara, 400 rs.
Ditas estampadas muito finas, vara, 500 rs.
Laazinhas de cores muito finas, vara, 360 rs.
Pegas decambria de salpico muito fina a 4?500.
Ditas lisas muito finas com 10 varas 65.
Ditas com 8 1|2 varas 3320*.
Ditas com 6 1|2 varas 2500.
Chaly da seda chegado pelo ultimo vapor, co-
vado 19.
Um grande sortimento de tiras bordadas e en-
tre meios 9
Cintos pretos e de
cores.
Na loja da aguia de ouro, rua
do Cabuga n. 1^B
chegado os lindos cintos, tanto pretos com
eofeites de conlioha, como dourados, e de lindas
fitas e Gvelas, o mais fino que se pode encontrar;
isto na loja Aguia de Ouro, rua do Cabug n. 1 b!
Reogios.
Vende-se em casa de Jobnston Paier & C.,
rua do Vigario n. 3 um bello aorlimento de
reogios de ouro, patale ingles, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
urna Triedade de bonitos tranceln para os
meamos.
Guardanapos rara mesa
oif .'bo"!' ** rU' ** Queim*d0 n na
Attenco.
Na rua do Trapiche n. 46, em casa de Roatron
ftooker & c, existe um bom sortimento de II-
nnas de cores e brancas em carreteis do melhor
fabricante de Inglaterra, as quaea aa vendem por
presos mu razoaveia.
Caes do Hamos armazem
n 24.
Vendem-se taboas de amarello, loure a pioho
por precos razaavais.
ff
Na rua do Crespo n. 18, loja de Diogo & Fer-
nandes, vendem-se as seguintes fazendas, por
barato preco : golliohas 400 rs., chitas largas
a Ban r. o covado, toalhas para rosto a 400 rs.
urna, chales de merino, ponta redonda, a 8j> cor-
tes de brim miudioho a 1200 o corte, pecas de
cambraia de aalpicos com 8 1[2 varas a 4S500,
Dldelinbolisoa800rs a vara, gravatinhas a
jw rs., grvalas de rede para homem a 800 rs.,
neos de seda para homem a 1$, colletes de vel-
ludo muito fino a 6, e muilas outrss fazondas
que se vende por barato prego.
SEDULAS
de $e 5#000.
Continua-se a trocar sedulas de urna a figura
por metade do descont que exige a thesouraria
desta provincia, e as notas das mais pravas do
imperio com o abate de 5 per cento: no escrip-
torio oe Azevedo & alendes," rua da Cruze
B. 1.
Baoha fina em copos grandes.
A loja d'aguia branca acaba de receber um novo
e grande sortimento de banhas, estrados, leos
para cabello, opiata, sabonetes, ec, ele, e com
isso a eslimada banha, fluide napolitain, em bo-
nitos e grandes copos de vidro opaco com tampa
de metal. Essa banha por sua superioiidade e
activos cheiros de rosa e flor de laranja, j bo-
je bem conhecida e apreciada, e contina a ser
vendida a2*500 cada copo; na loja d'aguia bran-
ca o. 16.
Vende-se a casa de dous andares n. M da rua
daaAguas-Verdes; procurara na rua di Hoe'da
n. 15, aegundo andar.
a. .2 S
8 9 I
? 5

s
i -lis. *
Q-tt (6 o C
a S So.''

o (S- o en
m tj i
r S.
& o %
A
s S
O ~" Z? o
SS u
3 3
S-CT5 O Q5
CD T O.
-J (t o
S; X -3
5 ce
oa b o a-
i i cp
.9a f3*4V994f9
Machinas de vapor. aj^
Redaad'agua. gj
Moendas de canna. m
j Taixas. g
dj Rodasdentadas. gj
Z Bronzese aguilhes. gk
gj Alambiques de farro. gn
gj Crivos, padres etc.,'etc; %
g Na fundicao de ferro de D. W. BowmanO
gj rudo Brum passando o ebafariz. 0
9@9 @@ > <#
S%
O*
Vende-se em casa de Saundres Brothers A C
pra$a do Corpo Santo, reogios do afamado fa-
bricaule Hoskell, por precos commodos e tam-
bem trancellins e cadeias para os mesmos de
excellente gosto.
aga
| Gurgel & Perdigo
3 Rua da Cideia loja n. 23.
SCompIeto sortimento de fazendas.
manta, capilla esaia de setim.
com
Sintos e illas para eofeitar vestidos de
casamentos e enfeites modernos para ca-
beca.
Luvas de Jouvin prego Oxo a 2,500 rs.
Armazem de fa-
zendas.
N. 19-Kua do Qneimado-. 49.
Cobertas de chita, gosto a chineza, 1*800.
Lences de panno de linho fino a lj}900.
jffgM de cambraia para homem,duzia a 1^600
e 3-400.
Dilos para meninas e meninos com nome a
160 rs.
Toalhas de fuslo.
Toalhas de fustao enm 5|4 palo barato proco do
500 rs., chales de merino eslampados a2J500.
Algodao monstro
a 600 rs.
Algodao com 8 palmos de largo a 600 rs. a
vara.
Bramante de linho.
Bramante de linho a 1JM00 e 2J300a vara
Chita a 220 rs.
Chita franceza escura a 220 rs. o covado.
240 rs. o covado.
Cambraia do cor miudinha fina a 240 rs
vade.
Calcado
grande sortimento.
45 Rua Direita 45
Qual ser a joven e linda pernambucana, que
nao procure animar este eslabelecimenlo man-
dando comprar urna bolina da gosto? Qual a
famili"' prudente e econmica que lhe
nao de preferencia pela qnalidade e preco ? Qual
o cavalheiro ou rapaz do positivo, que nio quei-
a comprar por 8. 9 e 10. o calcado que em outra
parte nao rendido ae nao por 10, 1S oa 14 ?
> tiendan ;
Senhoras
Botinas eom laco [Jolj J e brjlhantina. 5>500
eom laco, de lustre (superuoa). 59500
a com laco um pouco menor. 5a00O
a sem lago superiores..... 58008
> sem lago numeres baixos. 4500
aem laco de cor....... 49000
Sapatoa de lustre. ; ltyOOQ
Meninas.
Bonaa com lago........4*400
8em lac.........41x100
para enaogas de 18 a 20. 3&500
Homem.
Nantes) lustre. .:.... 10JOOO
(Fanlen) couro Japorco inteirissas 10SOOO
(Fanten) bezerro muito frescaes. 9S500
diversos fabricantes (lustre). 9}00O
inglezaa inteirissas.....99OOO
gaspeadas.....8500
prova d'agua. 8500
Sapates.
Nenies, sola dupla.....: 5&500
urna sola......... 5^600
para menino 45 e..... 3e500
Meio borzeguins lustre....... 6R0O0
Sapates lustre.......... 5#)Ql)
Sapatos de tranca.
Porluguezes de Lisboa Anos.....Sgooo
Francezes muito bem fritos.....1-3500
Alem disso um completo sortimento do legiti-
mo couro de porco e do verdadeiro cordao para
bolinas de homem ; muito couro de lustre, be-
zerro francez, marroquim, vaquetas, couros pre-
parados e em bruto, sola, fio, taixas etc., ludo
em grande quantidade e por pregos inferiores aos
de outrem.
Pechincha
sem igual.
Superiores rhales de merino eslampados, finos,
de muito lindas cores, pelo baratissime prego d
5S. ditos de merm liso muito fios a 4g, lindas
cassas organdys matizadas a 240 rs. o covado,
cortes de chita fraDceza com 11 covados a 2500
o corte, cambraias brancas de 10 a pega, com
pequeo toque de mofo a 39 ,- na loja do sobrado
de quatro andares na rua do Crespo n. 13, de Jo-
s Horeira Lopes.
1
a



n


o co-
Leile puro.
Vestidos superior de seda de cor.
Vestidos de cambraia branca bordados
e de phanlasia modernos, lengos de labe-
rynlho.
Manteletes, taimas, visitas de fil, ca-
pas de gorguro lisos e bordados. 11
Sedas de quadrinhos, grosdenaples de |
cores moraoliqufl e fil-de linho Uso. S
Saias balao de todas as qualidades e 1E
tamanhopara senhoras e meninas.
Camisas de linho para senhora e de al-
godao para meninos de todas as idades.
Pentes de tartaruga dos mais acredi-
tados fabrcaoles de 10r>a3#.
Pulceiras, legues e extrato de sndalo.
Cascas organdys, diamantina, lasinhas,
chitas francezas e inglezas. *
% Roupa feita.
Completo sortimento de sobrecasacas,
I paletols, caigas e colletes de casemira da
panno, dao-se as amostras : oa rua da
Cadeia loja n. 23, de Gurgel 4 Perdigo.
Seraphim & Irnao
coa loja de ourives na na do Ca-
buaj ii.ll,
partielpam a todoa os seus freguezes e amigos
quepor terem grande sortimento de novas jotas
muito delicadas a mais em moda, continuara a
vender o mais em cdnta possivel, e ae responsa-
biltsam pelas qualidades do ouro, prata, diaman-
tes, brilnantes, etc., passando contas giranlio-
"M S. ?- me,-,. Preln*m que ninguem se
deixe lludir por individuos que andam veaden-
do obras por fora desta praga, dizenao aeren da
casa doa meemos, poia nunca tiveram nem leem
pessoa alguma ancarregada de vender jolas suas.
Na rua do Sebo n. 37. primeiro porto de fer-
ro, vende-se leite tirado ao p da vacca, e man-
da-se levar a quero tiver freguezia.
Nova fabrica
DE
Velas de carnauba.
Vendem-se em porcoes e a retalho velas de
carnauba de boa qualidade, e por prego commo-
do, e tambem se recebe eocommendas de fra
da cidade. que serao com brevidade satisfeitas :
na rua da Iroparatriz n. 47, segundo andar.
Delicadas
gravatinhas de seda bordadas
para meninas e senhoras.
A loja d'aguia branca acaba de receber pelo
vapor francez urna pequen porgo de mi booi-
tas e delicadas gravatinhas de seda bordadas, ul-
timo gosto, para meninas e senhoras, e as est
vendendoa 13500 cada urna ; a ellas, antes que
e acabem, pois s as ha na loja d'aguia branca,
rua do Queimado n. 16.
Vende-se um carro de 4 rodas
com arreio para 2 ca vellos, proprio pa-
ra familia por ser bastante largo e nel-
le poder sentar-se quatro senhoras sem
machucaren! seus vestidos e nem que-
brarem seus baldes, para ver e exami-
nar na cocheira do Sr. Quinteiro na rua
Nova e para tratar com o agente Vicen-
te Camargo na rua do Vigario n. 10.
Urna casa.
Vende-se urna excellente casa terrea com so-
lio na cidade do Aracaty, sendo na melhor rua
de commercio a tratar naquella cm os Srs. Gur-
gal & irmao, e nesla na rua do Cabug loja
Da lia,
Attenco.
Vende-se urna padaria muito afreguezada e
bem montada, com todoa o pertencea, todo com
pouco uso, na freguezia da Vea-Viate, faz-se to-
do o negocio pelo dooo ler do retira r-sa para
era : quem a pretender, dirija-se nesta livraria
os. 6 e 8em carta fechada, com as iniciaos L. C.
A. para ser procurado.
Vende-se orna casa terrea n. 28, no Man-
guinho defronte da igreja : quem quizer com-
prar, dirija-se ao armazem a. 6 no largo da Aa-
semblea. ou na rua da Guia n. 22.
Fazeoda econmica.
Liazibhas para vestido a 940 rs. o covado ou-
Ir'ora de 800 rs, : Adriano & Castro, rui do
Crespo n. 20, (
Acaba de sabir dos prelos desta typographia
urna nova edigao da carlilba ou compendio de
doutrina chrisla, a mais completa dequantasse
tem impresso, por quanto abrange ludo quanto
continha a antiga carlilba do sbbada Salomonde
e padre mostr Ignacio, acrescentando-se muilas
oragdes que aquellas nao tinham ; modo de a-
coropanhar um moribundo nos ltimos momen-
tos da vida, com a tabella das testas mudaveis,
e eclypses desde o corrente anno at o de 1903,
seguida da folhinha ou kalendaro para oa mes-
mos aonos. A bondade do papel e excellencia da
impressao, do a esta edigao da carlilba urna
preferencia asss importante: vende-se nica-
mente na livraria ns. 6 e 8 da praga da Indepen-
dencia.
Cheguem a o barato
O Preguica est queimando, em sualoja na
rua do Queimado n. 2.
Pegas de bretanha de rolo com 10 varas a
28, casemira escura infestada propria para cal-
ce, colleta e palitots a 960 rs. o covado, cam-
braia organdy de muito bom gosto a 480, rs.
vara, dita liza transparente muito fina a 39,
4f, 58, e 69 a pega, dita tapada, com 10 varas
a 59 e 69 a pega,chitas largas de modernos e
escolbidos padres a 40, 260e280 rs. o cova-
do, riquissimos chales de merino estanpado a
7* e 8, ditos bordados com duas palmas, fa-
zanda muito delieada a 9 eadaum, ditos com
urna s palma, muito finos a 850, ditoslisos
com franjas de seda a 59, lencos de cassas com
barra a 100, 120 e 160 cada um, meias muito
fina para senhora a 49 a duzia, ditas de boa
qualidade a 3 e 39500 a duzia, chitas fran-
cezas de ricos desanos, para coberta a 280 rs.
o covado, chitaseseuras inglezas a 5)900 a*
pega, e a 160 rs. o covado, brim branco de puro
linho a 19, 19200 e 1600 a vara, dite preto
muito encorpado a 19500 avara, brilbantin
azul a 400 rs. o covade, alpacas de differentes
cores a 360 rs. o covado, casemiras pretas
finas a 250O, 39 a 3500 o eovado, cambraia
preta e de sal picos a 500 rs. a vara, e outras
mitas fazendas que se far patente ao compra^
dor, a da todas se darao amostras co penbor"
Cascarrilha.
Na loja da aguia de ouro, rua
do Cabug 11 1 B
acaba de chegar, de sua propria encommenda,
aa lindas fila de cascarrilha de lindas corea pro-
prias para enfeite de vestido, que se vendem por
baratissimo prego de 2*000 a pega.
Vendem-ae oilo casas terrea mai-agua si-
las na travessa da Palma, e urna casa em caitio
com frente para a rua da Concordia, com aa bem-
feitorlas nella existentes ; a tratar na praga da
Independencia n. 83.


DiAUO DI fBllUMlOO. SEGHDl FEIft 7 M MAIO DI ltei.
V
11 i
K fama trinnpha.
Os barateiros da loja
Encyclopedica
DE
Guimares A Villar.
[Ra do Crespo numero 17.
Receben! continuadamente da Europa
sedas, cambraias, lias, chapelinas de pa-
lha e de seda para senhoras, manteletes
pretos ricamente bordados, ditos de co-
res, sabidas de baile,saias a balao de di-
versas qualiJades, saiat bordadas de to-
das as qualidades e pregos, chitas fran-
cezas muito bonitas e Qnas, enfeiles de
diTersas qualidades para cabega de se-
nioras, espartilhos de molas e muitos
outros objectos que nio mencionamos,
todos proprios para senhoras.
Para homens
paletots, caigas, colleles, chapeos, cami-
sas, seroulas, meias, grvalas, lencos, 10-
brecasacos, calgado Melie e muitos ou
tros objectos.
Vendem baratissimo
Venden baratissimo
Vendem baratissimo.
Quem duvidar v ver
Quem duvidar v ver
Quem duvidar v ver.
Levem dinheiro
Levem dinheiro
Levem dinheiro.
^Viuhos engarrafados^
Termo-
Collares.
Lavradio.
Hadeira.
Carcavellos.
Arintho.
Bucellas.
Halvasia, em caixas de urna dazia de garrafas :
na ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
Algodo moustro
de duas largurss a 600 rs. a vara : na ra do
.Queimade n. 22, na loja di boa t.
Bramante superior.
Vende-se bramante de linho bastante incorpa-
do, eom duas varas de largura, pelo baratissimo
prego de 29400 rs. a vara : na ra do Oueimado
n. 22, na loja da boa (.
Chales de merino
eslampados a 28500 ; na ra do Queimado n. 22,
na loja da boa f.
Gravatinhas estreitas.
Vendem-se superiores gravalinhts estreitas de
seda, nao s pretas como de cores, pelo baratis-
simo prego de 1$: na ra do Queimado n. 22,
loja da boa f.
Atoalhado de linho
cora duas larguras a 2J600 a vara ; na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f.
Cera de carnauba.
Vende-se cera de carnauba a mais superior
que ha oeste genero : na ra da Cadeia do Re-
cife, loja n. 50.
Vende-se na Lingoeta n. 5, o
seguinte:
Macleiga ingleza flor il} i libra, franceza a
700 rs., cha preto a 19400, passas novas a 560.
concervas frmcezas e portuguezas a 700 rs. o
frasco, ton:ioho da Lisboa novo a 820 a libra,
presuntos oovosa 480, baoha de porco refinada
a 480 a libra, latas com peixe de posta de diver-
sas qualidades a 19400, charutos suspiros a 48 a
caixa, toucinho de Santos a 240 a libra, vioho do
Porto engarrafado, superiores marcas, de 1$ a
13500, rap Gasse da Babia al;o bote, cognac a
9$ a duzia de garrafas, cerveja a 500 rs. a garra-
fa, e 5$500a duzia. cha hyssou a 29500 a libra,
vinho de Lisboa a 60 a garrafa, ervilhas france-
zas e portuguezas a 720 a lata, e outros muitos
gneros em proporco
Tarlatana.
Vende-se tarlatana branca muito fina com 11/2
vara de largura propria para vestidos, pelo bara-
tissimo prego de 800 rs. a vara : na ra do Quei-
mado n. 22, na loja da boa f.
Fil de linho superior.
Vende-se superior fil de linho liso muito fino
a 800 rs. a vara : na ra do Queimado n. 22, na
loja da boa f.
Tinta azul que fica preta
Veodem-se botijas eom a superior Unta ingle -
xa, azul ao escrever-se, e preta quando secca, a
500 rs. a botija ; na ra de Queimado, leja d'a-
guia branca n. 16.
(
S O preco convida
9 Cortes de casemira do melhor que ha no
dj mercado a 48: na ra do Queimado loja
s de Julio & Coorado. 9
*-
Sapatinhos de setim e
meias de seda para bap-
tisados.
A leja da aguia branca recebeu de sua propria
encommenda, delicados sapatinhos de setim. pri-
morosamente bordados, os 0.0 a es est vendendo
pelo baratissimo prego de 39. (nesse genero nio
se pode dar mais perfeitos),assim como outros de
merino tambem bordados a I36OO e 29. Recebeu
igualmente tuui finas e bonitas meias de seda de
diversos tamanhos, tendo al, proprias para os
meninos e meninas que s<*rvem de anjos as pro-
cisses; tem brancas, de listas, de florzinhas, e
o bocal tecido de borracha, o mais engr.cado
possivel : ludo isso na ra ra do Queimado lo-
a da aguia branca n. 16.
Jchegon o prompto
alivio,
bem como os outros medicamentos dos celebres
Drs. Radway 4 C-, de New-York Acham-se
venda na ra da Imperatriz n. 12. Tambem ehe-
garam as instruccoes completas para se nsarem
estes remedios, contendo um ndice onde se po-
de procurar a molestia que se deseja curar, os
quaes se vendem a 12000.
VENE se em casa
DE
&GKBIC1&
Di
Importante
Aviso

Julio Conrado.
Tero exposto a venda corles de casemi-
ra por 38 e 48. fazenda que sempre se
vendeu por 7$ e 85.
3


Luvas de tonjal
com vidrho a 1#000 o par.
A loja d'aguia branca, firme no seu proposito
de barateirs, est vendendo mui novas e bonitas
luvas pretas de torgal com vidrilho a 19 o par;
a ellas, antes que se acabera : na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca o. 16.
Bonitas caixinhas com pos de
arroz, e boneca.
Aloja d'aguia branca recebeu mui bonitas cai-
xinhas com fino pos de arroz, e a competente bo-
neca, cujos pos sao acertadamente applicados pa-
ra bertoejas, e mesmo as senhoras usam delles
quando teem de sahir, como para theatro, baile,
etc., custa cada caixinha 28, e barato pela su-
perioridade da qualidade, alem de serem mui
novos como sao, o que os torna preferiveis : ven-
dem-se na loja d'aguia branca, ra do Queima-
do d. 16.
Os lindos enfeites
para cabeca,
s na loja da aguia de ouro
n. 1B.
sao chegados os lindos enfeiles de velludo e vi-
drilho, ultima moda, que se vendem por 69OOO.
apellas Unas para noivas.
A loja d'aguia branca recebeu novas e delica-
das capellas de flores finas para as noivas, e as
est vendendo a 69 e a 89, conforme o seu pro-
posito de barateira loja d'agua branca, ra do
Queimado n. 16.
Vende-se urna barcaca construida de novo
no anno passado : quem a pretender, dirija-se a
ra do Livramento, loja n. 8.
Sal do Assi'i
Vende-se a bordo do patacho Paulino ; tra-
la-se no escriptorio de Marques Barros & C no
largo do Corpo Santo n. 6.
AtflOOOCADA UM11
Chapeos de sol de panninho muito bem arma-
dos a 18 cada um : na loja n. 2 da ra do Livra-
mento que volla para o Padre.
Arados americanos ,
e grandes, chegados ultima-
mente.
Veodem-se arados e grades, americanos, do
melhor fabricanle da America ; no caes do Ra-
mos, armaaem de farinha de Ilenry Poriter &
Companhi.
Fareiio de Monti-
vido
a 49 a ateca, meito fino e gomado, igual i semea
de Lisboa, e o maia-proprio para substanciar ani-
maes : para acabar : no largo da Assembla n.
Si trapiche Bario do Uwamento.
Adamson Howie
Vinho do Porto, de Xerez e cognac.
Biscoutos.
Rotosa.
Lona e filete.
Fio de vela.
Tinta de todas as cores.
Sellins, silhoe?, arreiose chicotes.
Ra do Trapiche n. 42.
SABAO.
Joaquim Francisco de Helio Santos avisa aos
seus freguezes desta praga e os de fra, que tem
exposto venda sabode sua fabrica denominada
Reciteoo srmazem dosSrs. Travassos Jnior
& C, na ra do Amorim n. 58; massa amarella,
castanha, preta e outras qualidades por menor
prego que de outras fabricas. No mesmo arma-
xem tem feito o seu deposito de velas de carnau-
ba simples sem mistura alguma, como as de
composigao.
Charutos de Havaiia
a 8,000
Superiores charutos de Havana, vende-se por
8J000 o cento, no armazem de Francisco L. O.
Azetedo, ra da Madre de Deus n. 12.
Loja das g portas
EM
Em frente do Livramente
Lavas de terral a 800 rs, o par.
Chitas escuras francezas, tintas seguras, a 220
rs. o covado, ditos estreitos com muito bom pan-
no a 160 rs. o covado, cassas de cores segaras a
200 rs. o covado, pegas de bretanha de rolo a 28,
brlmzinho de quadrinhos a 160 o covado, musse-
lina encarnada fina a 320 o covado, algodo de
duas larguras a 640 a vara, lengos de cassa pio-
lados a 120 rs. cada um, seda preta de ramagem
a 800 rs. o covsdo, fil de linho preto com sal-
pico a 18400 a vara, luvas de torgal muito finas a
800 rs. o par : a loja est aberta das 6 horas da
manhaa s 9 da noite.
Vende-se excellente farinha de Porlo Ale-
gre, ensaccada, e a prego muito commodo: a fior-
do do patacho brasileiro Novo Lima, tundeado
defronte do trapiche do algodo. ou no armazem
de Joo Ignacio de Avilla no Forte do ilattos.
Na loja de;4 portas da ra do Queimado n. 39,
acha-se um grande armazem com todo o sorti-
mentode roupas feitas, para cujo fim tem mon-
tado urna officina de alfaiate, estando encarrega-
do della um perfeilo meslre vindo de Lisboa, pa-
ra desempenhar toda e qualquer obra que se Ihe
encommende ; por isso que faz um convite espe-
cial a todas as pessoas com especialidade aos
Illms. Srs. ofuciaes tanto da armada como do
exercito.
Faz-se fardas, farddes com superiores preparos
e muito bem feitas, tambem trata-se fazer o far-
damenlo todo completo conforme se usa no Rio
de Janeiro, tanto que tem os figurinos que de
l vieram ; alm disso faz-se mais casaquiobas
para montara, frdelas ou aquetas, bem como
colletes a militar para os Srs. ajudantes de esta-
do maior e de cavallara, quer seja singelos ou
bordados a espequilha deoaro ou pruls, ludo ao
gosto da Europa, tambem prepara-se becas para
desembancadares e de qualquer juiz segundo o
estylode Coimbra aoede se fazem as melhores
conhecidas at hojo, assim como tem mailo ricos
deseohos a matiz de todas as cores proprios para
fardamento de pagens ou criados de libr que se
(ara pelo gosto I franceza. Na roesma casa en-
carrega-se de fazer para meninos jaquetas a
franceza bordadas ao mesmo gosto. Affiangando
que por tudo se fica responsavel como seja boas
fazendas, bem feito e bom corte, nao se falta no
dia que se prometter, segundo o systema d'onde
reio o meslre, pois esp.ra a honrosa visita dos
dignos senhores visto que nada perdem em es-
pe ri mentar.
rUNDIGaO LOWNOW,
Roa da Senialla Neva n.42.
Neste estabeleeimen to contina a haver um
complete sor ti ment da moendas emeias moen-
daa para engenho, machinas da vapor a taixas
te farro batido a coido, do todos os tamanhos
para dito,
Tachas e moendas
Braga Silva & C., tem sempre no seu depo-
sito da ra da Moeda n. 3 A, um grande sor-
manto do tachas o moendas para engenho, de
muito acreditado fabricante Edwin Maw a tra-
tar no mesmo deposito ou na ra do Trapiche
n. 1.
Loja das seis portas em
frente do Livramento.
tOPA FEITA ANDA 1A1S BARATAS.?
SORTIMENTO COMPLETO
Fazendas obras fatal BAST0S & *M0
[Acaba de
chegar
ao novo armazem
DE
Si
LOJA
E ARMAZEM
DE
E peehincha.
cortes de riscado francez a 29, covados do mes-
mo a 180 rs. ; na ra do Queimalo o. 44.
Fitas de grosdenaples
em perfeito estado a 800 e 1$
a vara
Na loja d'aguia branca vendem-se mui bonitas
Roupa feita para acabar,
Palctots de panno preto a 22JJ, fazenda fina,
caigas de casemira pretas e de cores, ditas de
brim e de ganga, ditas de brim braneo, paletots
ae bramante a 4$, ditos de fusto de cores a 48,
ditos de eslamenha a 4f, ditos de brim pardo a
39, ditos de alpaca preta saceos e sobrecasacos,
colletes de velludo pretos e de eores, ditos de
gorgoree de seda, gravaras de linho as mais mo-j
pernas a 200 rs. cada urna, collarinhos de linho
da uliima moda, todas estas fazendas ae vende
barato para acabar; a loja est aberta das 6 ho-
ras da manha at as 9 da noite.
Massinhos de coral
a 500 rs.
S na loja da aguia de ouro,
ra do Cal. ug n. 1 B.
Vendem-se massinho de coral muito fino a 500
rei* o masso.
Palmatorias
de lato para velas a 400
ris.
Vendem-se palmatorias de lato para velas a
400 rs. cada urna : na ra do Queimado, loja da
aguia branca n. 16.
Arados americanosemachina-
para lavar roupa: em casa deS.P. Jos
rinston 4 C. ra daSenzala n.42.
e largas Qtas de grosdenaples de listras, e flore-
zinhas roladas com urna franja estreita que as
torna mui mimosas a 800 e 15 a vara, precos
baratissimos vista da boa qualidade e perfeito
estado em que esto. Essas fitas servem para
enfeiles de chapeos, cinteiros para crianzas, lagos
I para cortiaados, fronhas e muitas outras cousas ;
comprando-se pecase far algum abate : na ra
do Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Ray mundo
Carlos Leite&
Irmao recebe-
ram pela bar-
ca Clarissa rin-
da ltimamen-
te de New-
York.um com-
pleto s o r t i -
ment das me-
lhores machi-
nas de cozer
dos mais afa-
mados autores
melhorados
com novos
aperfeicoa-
mentosTfszendo pesponto igual pelos dous lados
da costura, mostram-se na raa da Imperatriz n.
12, a qualquer hora. Tambem receberam todos
os preparos para as mesmos como agulhas, re-
trozes em csrrileis, linha de todas as cores tudo
fabricado expressamente para as mesmas ma-
chinas.
wncvitJ.lfflaafl *"" *'rir' ^'"1 FSM.V *'if- Vf
E' de graca.
Ricas chapelinas de seda para senhora, pelo
baratissimo prego de 16j> cada urna : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa f : a ellas que
sao poucif.
Cortes de vestidos bran-
cos bordados.
Vendem-se ricos corles de vestidos brancos
bordados com 2 e 3 babados a 5J : na ra do
Queimado n. 22, na loja da boa fe.
Peues de gomos volteados
para meninas.
A loja d'aguia branca recebeu os bonitos peu-
tes de gomos volteados para segurar cabello de
meninas, e os esti vendendo a IgoOO : ne loja
d'aguia branca, ra do Queimado n.16.
A 6#000.
Vandem-se chapeos de sol de seda : na ra da
Imperatriz n. 60, loja de Gama & Sil ra.
Sapatos de borra-
cha ai#500!!!!
Atlenc&o,
Gua* danapos de linho
muito barato.
Vendem-se guardanapos de linho de flores com
pequeos defeitosa 3# a duzia, ptimos pelo pre-
go e qualidade, para o servico diario de qualquer
casa; na ra do Queimado, loja d'aguia branca
numere 16.
Vende-se um bonito cavallo, no-
vo, muilo ardigoe com lodos os an-
dares, muito proprio para senhora
montar, por ser muito manso : na
ra da Imperatriz loja n. 82,
Machinas de vidro
pira ascender luz : vendem-se na ra da Impe-
ratriz loja de miudezas n. 82 ; assim como che-
gou urna grande porcao de bolas de zince
ponjss de platina e vidros para as mesmas.
No armazem da ra da Cruz n. 21, se
encontrar um bello sorlimento de pa-
pis ja com estelos para assortes de San-
to Antonio e S. Joo e amendoas das mui
ricas cores para as mesmas sorles, e pa- |
S peis para enfeiles de bolos tanto para pra- i
| tos como para baodeijas ludo vindo de 1
9 Pars pelo ultimo vapor francez e por P
|B commodo prego |E
Vendem-se
velas de cera de carnauba de superior
qualidade, vindas do Aracaty : a tratar
com Jos Sa' Leitao Jnior.
Graxa econmica
para lustrar calcados.
es-
Vende-se um burro novo e muito manso, an-
da com duas mudas por fazer, e por preco com-
modo : para ver tratar na cocheira do porto do
capim por detraz da casa em que moia o Dr. Sa-
bino.
Em casa de Na O. Bieber
C. successores, ra
da Cruz n. 4, vende-se
Vinho Bordeaux em quartolas.
Dito Xarez.
Cognac em caius de 1 duzia.
Vinagre.
Lonas, brinzos e bros da Russia.
Cerveja escosseza (Edinburgh Ale.)
P6drasde marmore braneo para consolos e masas.
Plvora em barris.
Enxofre em canudo.
Brilhantes
de todos os tamanhos : vendem-se em casa de
N. O. Bieber&C. successores, raa da Cruz o. 4.
Vende-ae um formidavel terreno proprio
na ra Imperial, lado da sombra e da mar pe-
quea, com 318 palmos de fenle e mil a Untes
de fundo, alm de qnioze bragas de marinha;
tem eapacidade para urna boa olaria ou sitio,
ou mesmo para ser edificado especialmente
na frente da raa para o que ja Um ama gran-
de camboa para conduce dos matanaes; a
ao poder ser vendido no todo, reUlha-ae, dan-
do-se-lhes fundos de accordo com as ruespro-
jeetadas que tem ao futuro de atravesaar o pre-
diio terreno ; para ata flm dirijan-se a roa 4a
Concordia o. 35.
Vende-se a superior graxa econmica em bar
rilinhos de louca a 640 e 800 rs. cada um. A su-
perioridade de tal graxa j coohecida por quem
tem usado della, e ser mais por aquellos que de
novo comprarem. Ella serve igualmente para
amaciar e conservar o couro, e econmica por-
que o lustro dado com ella em um dia, conser-
va-s por 3 e 4 sem necessidade de nova graxa :
acha-se i venda na ra do Queimado, loja d'a-
guia branca n. 16.
A' familias econmicas.
Na ra do Queimado n. 29, armazem de fazen-
das de i. i. de Gouveia, vendem-se lindos e finos
bareges de seda a 600 rs. o covado.
Arcos para saias a balo.
Veodem-se a 160 rs. a vara ; na tua do Quei-
mado n. 29, outr'ora 27.
Sorlimento completo de todos os tamanhos :
na loja do vapor, ra Nova n. 7.
REMEDIO INCOMPmVEL
UNGENTO HOLLOWAT.
Milhares de individuos de todas as nac5es
podera testemunhar as virtudes deste remedio
incomparavele provar em caso necessario, que,
pelo uso que delle Gzerara tem seu Arpo e
membros inteiramente saos depois de haver em-
pregado intilmente outros traUmentos. Cada
pessea poder-se-ha convencer dessas curas ma-
ravilbosas pela leitura dos peridicos, que lh'as
relatara todos os das ha muitos annos; e a
maior parte dellas sao to sor prendentes que
admiram os mdicos mais celebres. Quanias
pessoas recobraram com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois dedur
permanecido longo tempo nos hospiues, o tea
deviam sofirer a ampulaco 1 Dellas ha mti-
cas que ha vendo deixado esses, asylos de pade-
timenlos, para se nao suhmc-terem a essa ope-
rago dolorosa foram curadas completamente,
mediante o uso desse precioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfuso de seu reco-
nhecimento declararam estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e eutros magis-
trados, afim de mais autentiearem sua a firma-
ti va.
Ninguem desesperara do estado de saude sa
tivesse bastante confianca para encinar este re-
medio constan temen te seguindo algum tempo o
tratamento que necesstasse a natureza do mal,
eujo resultado seria provar incontestevelmente.
Que tudo cura.
O ungento he til, mais particu-
larmente nos neguintes casos.
IGes k Bastoi
NA
Hua 4o Queimado
* 46, frente amarella.
_ Constantemente temos um grande e va-
riado aortimento de aobrecasacas pretas
de panno e de cores muito Cco a 369,
30j e 359, paletots dos mesmos pannos
s 205, 225 e 24S, ditos saceos pretos dos
mesmos pannos a 14;, 169 e 18$. casa-
cas pretasmuitobem feitas edesuperior
panno a 289, 30$ e 359. sobrecasacas de
casemira de core multo fibos a 159,165
e 18$, ditos saceos das mesmas casemi-
raa a 10$, IS9 e 14$, calcas pretas de
casemira fina para homem a 89, 99, 10|
e 12, ditas de casemira decores a 7$, 89,
99 e 109, ditas de brim brancos muilo
fina a 5$ e 69, ditas de ditos de cores a
39, 39500, 49 e 49960, ditas de meia ca-
semira de ricas cores a 4$ e 4$500, col-
letes pretos de casemira a 59 e 69, ditos
de ditos decores a 4$500 e 59, ditos
braneo s de seda para casamento t 59,
ditos de 69, colletes de brim braneo e de
f usta'o a 39, 39500 e 49. ditos de cores a
29500 e 39, paletotspretos de merino de
cordao sacco e sobrecasacoa 7$, 89 e 99,
colletes pretos para lulo a 49500 e 59,
cas pretas de merino a 495G0 t 59, pa-
letots de alpaca preta a 39500 e 4$, ditos
sobrecasaco a 69,79 e 8$, muito fino col-
letas de gorguro de sedade cores muito
boa fazanda a 39800 e 4$, colletes de vel-
ludo de crese pretos a 79 e 89, roupa
para menino sobre casaca de panno pre-
tos e de cores a 149.159 e I69, ditos de
casemira sacco para os mesmes a 695C0 e
79, ditos de alpaca pretos saceos a 39 e
39500,ditossobrecasacos a 5$ e 59500,
calcasde casemira pretas e decores a 69,
6$500 e 79, camisas para menino a 209
a duzia, camisas inglezas pregas largas
muito superior a(329 a duzia para acabar.
Assim como temos urna officina de al
tlate onde mandamos executar todas as
obras com brevidade.
19MBMMHMM8
A grande
Fabrica de tamancos da
roa Dirata esquinada
travessa de S. Pedro
n. 16.
Est sorlida de um novo e riquissimo sorlimen-
to de tamancos de todas as qualidades, que se
vendo tanto a retalho como em pequeas e gran-
des porces muito em conla, a estacae propria
com urna pequea retribuicao, todos podero an-
dar com os pes livres de humidade, pois to pre-
udicial se torna a saude.
Sua do Crespo,
loja n. 25, de Joaquim Ferreira de S, vendem-
se por precos baratissimos, para fechar contas;
chapeosdo Chille para homem e menino a 39500,
cortes de casemira de cores a 39500, pegas de ba-
bados largos e transparentes a 39, pecas de cam-
braialisa fina a 39, sedas de quadrinhos miudos
de cores escuras e gostos novos a 800 rs. o cova-
do, chitas largas cores escoras claras a 240 rs.,
cassas de cores de bons gostos a 240, organdys
muit fino e padres novos a 500 rs. o covado,
pecas de eotremeios bordados fios a 19500. ba-
bados bordados a 320 a vara, golinhas bordadas
a 640, manguitos de cambraia e fil 1 29, bra-
mante de algodo com 9 palmos de largura a
1J280 a vara, sobrecasacas de panno fino a 20 e
259, paletots do panno e casemira de 16 a 20$,
dita de alpaca pretos de 39500 a 7$, ditos de
brim de 3 a 59. caigas de casemira preta e de co-
res para todos os precos, ditas de brim de cores e
brancas de 29500 a 59, colletes de casemira de
crese pretos, ditos de setim preto, tudo a 59,
cortes de cassa de cores a 29, pegas de madapo-
lo fino a 49500, assim como outras muitas fa-
zendas que se vendero por menos do seu valor
oara acabar
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Um grande e variado sorlimento de
roupas feitas, calcados e fazendas e todos j
estes se vendem por pregos muito modi- <
ficados como de seu coslume.assim como !
sejsm sobrecasacos de superiores pannos '
e casacos feitos pelos ltimos figurinos a
269,289, 309 e a 359, paletots dos mesmos
pannos preto a 16$, 18$. 209 e a 249,
ditos de casemira de cor mrsclado e de
novos padres a 149.16, I89.209 e 249,
ditos saceos das mesmas casemiras de co-
res a 99. 109,129 e a 149, ditos prelos pe-
lo dinviouto prego de 89, 109, el2$, ditos
de sarja de seda a sobrecasacados a 129,
ditos de merino de cordao a 12$, ditos
de merino cbioez de apurado gosio a 159,
ditos de alppca preta a 79, 89, >9 e a 109,
ditos saceos pretos a 49, ditos de pslha de
| seda fazenda r/uilo superior a 4j500, di-
tos de brim pardo e de fustao a 3j)500, 49
e a 495OO, ditos de fustao braneo a 49, ]
grande quantidade de caigas de casemira '
preta e de cores a 79, 89, 99 e a 10, ditas 1
pardas a 39 e a 49, ditas de brim de ccres '
finas a2$5(j0, 39. 39500 e a 4$, ditas de i
brim brancos finas a 49500, 5$. 59500 e a
69, ditas de brim lona a 59 e a 6$. colleles <
de gorguro preto e de cores a 5$ e a 6$, !
dilos de casemira de rer e prelos a 4$500 j
e a 59, ditos de fustao braneo e de brim <
a 39 e a 3*500, ditos de brim lona a 4$. j
ditos de merino para lulo a 49 e a 49500, I
caigas de merino para luto a 4$500 e a 5$, 1
capas de borracha a 99. Paia meninos
de lodosos tamanhos : caigas de caremira
prefa ede cor a 5$, 69 e a 79, ditas ditas
oe brim a 2$, 39 e a 39506, paletots sac-
eos oe casemira preta a 6$ e a 7, ditos
de cor a 69 e a 7$, ditos de alpaca a 39,
sobrecasacos de panno preto a 129 e a
14, ditos de alpaca preta a 59, boriels
para menino de lodas asquelidades, ca-
misas para meninos de todos os tamanhos,
meios ricos vestidos de cambraia feitos
para meninas de 5 a 8 aBcos com cinco
babados lisos a 89 e a 12$. dilos de gorgu-
ro de cor e de la a 59 e a 69, ditos de
brim a 39, dilos de cambraia ricamente
bordados para baplisados.e muitas outras
fazendas e roupas feitas que deixam de
ser mencionadas pela sua grande quanti-
dade ; assim como recebe-se toda e qual-
quer encommenda de roupas para se
mandar manufacturar e que para este Dm
temos nm completo sorlimento de fazen-
das de gosto e urna grande officina de al-
faiate dirigida por um hbil meslre que
pela sua promptido e perfeicao nada dei-
xa a desejar.
Vende-se
a 240
carne de porco americana : na ra do Imperador
ne bazar.
240 rs. the pound
of superior salid english beef, in Ihe basar per-
nsmbucano at ruido Imperador.
Vende se por todo preqo um car-
ro e boi : na ra da Cruz n. 21, con-
eitaria.
Eeiragens e miudezas.
53Ra Direita53.
O proprtetario do estabelecrmento cima acaba
de receber um primoroso e rico sorlimento de
bandejas para S- Joo. que por aua barateza e
bem acabada gosto, er nao ter rival nesta praga,
rice sorlimento de facas, garlos e colheres de to-
das u qualidades, e pregos. meias finas, espin-
gardas, ferro da Suecla, camas de venta, e mui-
Us outros gneros que por sua barateza est dis-
pealo a dar um a quem comprar oulro.
Cera de carnauba,
ualidades superiores : no largo da Assembla n.
5. trapiche Bailo do Lirramelo.
bexiga
lnflammago da
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadora de mosquitos.
Pulmes.
QueimadeUs,
Sarna.
Supura^Ses ptridas.
Tinha, em qualquer
parte que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulacoes.
Veias torcidas ou no-
das as pernas.
Alporcas
Caimbras
Callos.
Anceres.
Cortaduras.
Dores de cabeca.
das costas.
dos membros.
Enfermidades da culis
em geral.
Ditas de anus.
Erupces escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falla de
calor as extremida-
des.
Frieira*.
Gengivas escaldadas.
Iocbacoes.
lnflammago do figado.
Vende-se este ungento no estbeleciment
geral de Londres n. 944, cStrand, e na loja
de todos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
America do sel, Havana e Hespanba.
Vende-se a 890 rs., cada boeetinaa centm
urna instruecao em portugus para explicar e
modo de usar uso deste ungento.
O deposito geral a casa do Sr. Soum,
pharmeeewico, na ra de Cruz a. 93, en
Pernambuco.
larinha da Ierra, sacco3 de alqueire, medida ve-
fba a 49, dita de Santa Catharina, alqueires de
bordo a 2$600 : na ra da Praia, armazem de
carne secca e farinha, contiguo a ribeira do pei-
xe numero 34.
Urna loja.
Vende-se ou aluga-se urna boa armago para
qualquer eslabelecimento, na roa Direita n. $4 :
os pretendentes podero se dirigir a ra Nora n.
20, que acharo com quem tratar.
Livro do mez marianc a 1$.
Acaba de sahir dos prelos desta typographia
urna nova edijo do mez mariano, segundo se
celebra no hospicio de Nossa Senhora da Penha,
seguida de varios eanlicos, e da novena da Se-
nhora da Conceigo, modo de visitar o lauspere-
ne do santissimo rosario ; vende-se nicamente
a 19 da livraria ns. 6 e 8 da praga da Indepen-
dencia.
Roupas feitas.
Gama triz n. 60.
Caigas de ganga muito fina e bem feitas 39.
Ditas de meia casemira muito finas 2;50t).
Bitas de varias fazendas que nao desboto 29.
Colletes de velludo, gorguro, setim, por pre-
gos que de barato admira 9
Caigas de casemira preta 9
Paletots de merino preto 79.
Ditos de ganga de quadrinhos 29.
Chapeos de sol de seda a 6#.
Vendem-se muito bons chapeos de sol de seda
com cabo de caona, pelo baratissimo prego de 69
cada um : na ra do Queimado n. 22, loja da
boa f.
Caixas de tarta-
ruga.
Na loja da aguia de ouro ra
do Cabugn 1B
chegado as lindas caixas de tartaruga para
rap, que se vendem por baratissimo prego de 39,
assim como de bfalo muilo Qnas a 19000,1(200,
na loja Aguia de Ouro, na ra do Cabug.
Agua ingleza
de Lavander a mil ris o
irasco.
Vende-se na loja d'aguia branca a verdadeira
agua ingleza de Lavander, superior a todas as
outras, a 19 o frasco : na loja d'aguia branca,
ra do Queimado o. 16.
Candieiros
Para bailes e passeios.
Ricos cortes de vestido de fil bordado
a matiz de 3 a 4 fallas e 2 saias a 129 '
em casa de Julio & Conrado.
Sal do Ass.
Vende-se a bordo do hiate cCamarigibe : a
tratar cem o meslre a bordo, ou na ra do Viga-
rio n. 5.
Avariado.
Madapolio largo e fino com pequeo toque de
averia a 39500 e 49, dito muito fino a 59 a pega :
na roa do Crespo o. 8, loja de 4 portas.
*
Para a chuva. 5
O Vende-se muilo barato artigos de gut- 4
tt ta-perche (borracha) : na ra Nova nu- 9
a mero 43. v b
Cebo coado do
Rio Grande,
muito alvo : no largo da Assembla n. 15, trapi-
che Sarao de Livramento.
econmicos.
' Cbegoo um riquissimo sorlimento de candiei-
ros econmicos a gaz idrogenio, os quaes esto
j muito approvados peln sua verdadeira econo-
ma, sendo os mais baratos a 5$ cada um, e ou-
tros de muitas qualidades que devero agradar
com a visla do comprador, e todos os mais pre-
paros para os mesmos : sa ra Nova n. 20, loja
do Vianna.
Escravos fgidos.
Fngio do engenho das Matas, comarca do
Cabo, no dia 19 de maio de 1861, um escravo de
nome Joo, crioulo, que representa ter 40 annos,
nao muito preto, de boa estatura, olhos grandes,
muilo fallante, j foi pres duas vezes no Rtcite
Irabalhando nos armazens de assucar como forro,
e levou urna peiga em um p: roga-se a todos
j os capities de campo e a todas as autoridades, de
o spprehenderem e o trazerem a este engenho, ou
! enlregarem na ra Nova, taberna do Sr. Jos
Feruandes Lima, que tanto em urna como em
outra parte sarao recompensados.
Aviso.
Contina a estar fgido o escravo do corone
Joo Francisco de Chaby, de nome Simo, criou-
lo, baizo, feio e magro, cabeca grande, denles
imados, ps pequeos, sapateiro e boleeiro,
toca violo e canta modiobas, consta estar de
dia na (reguezia do barrro de Santo Antonio, e de
noite tarde pasea para a Boa-Vista, onde dorme,
e de madrugada torna a voltar para onde diz que
est acoitado : quem prender o mencionado es-
cravo, leve-o a ra da Imperatriz o. 46, que ser
generosamente recompensado.
Escravo fgido,
No dia 28 de margo p: p. ausenlou-se da casa
de seu senhor o preto de nome Pedro, com os
sigoaes seguales : estator* regular, urna fistola
meia cicetrisada no rosto, falla meia dengosa, 35
a 40 annos de Idade, foi com a cabega rapada, e
cosluma andar calgado e bem vestido, intitulan-
do-se forro, e consta que passara em Riacho
eom urna carta dizeodo ser mandado : roga-se,
pois, a todas as autoridades policiaes, capites de
campo e mais pessoas que do dito escravo noti-
cia tiverem, o favor de prende-lo e conduzi-lo
ao Recite, sa ra Direita n. 78, ou A casa do Sr.
alendes Bastos, em Garanhuns, que aereo gene-
rosamente recompensados.
-----




(8)
DIARIO DI PERHAMBUCO. SIGOMDA FEIRA.27 DB M1IO DE 1861.
Litieratura.
A historia da egrej nao outra coosa mais
do que a repetidlo cular da vida de seu divi-
no Fundador: pois entre aa contradigoes que
elli caminha no lempo, pela* tribulacoea que
prospera, pelos soTriraenlos e ignoroiuias da
paixao que ella chega sos mais pomposos trium-
phos. Agilam-se os povos; nicdilam os polticos
urna nova ordem de cousa9, nada mais querem
conservar do passado, nom anda os principios
eternos da joslica o do direilo. e unem-se todos
contra Dou?, contra Jess Clirislo, contra o pon-
tfice que rcpresenli na tetra os direilos e a rea-
leza rio Deus Hornera En) nossos dios, acaba es-
sa triste conjurac.io de restabelecer-e mais for-
te, mais universal, mais arrogante que nunca, e
at o presente trio sido ella bem'Succedida. Sao
eiu toda a parte falseadas as nogoes mais comesi-
nbas da fustiga : a constancia chaua-se obstina-
gao ; a submissao a Deus, servido ; a submissao
aes horaens, liberdade ; nada mais esperara em
Deus que querem expellir do governo do mundo ;
esperam inteiraraenle de nos nao sabemos que
Sueceda o que succeder, os enrielaos sabem o
que devem fazer : o Pae commum mostra-lhes u
caminho direito e lhes d urna iofallivel norma de
proceder. Se a perseguigo alca oca-los, nao se-
rio por ella Intimidados, e, no meio dos tnum-
phos de spus inimigos. ho de ser ainda os uoicos
folizes: Cum exarurit in breoi ira ejut, beati
omnes qui confidunt in eo.
Digamo-lo, ainda nao temos perdido toda a es-
peraos* de ver a Italia e a Europa evitaren] as
ultimas infelicidades. A revoluto turba se no
momento de desfechar o golpe decisivo ; nao tem
mais certeza do born xito, recela que t>sse golpe
dirigido ao Pontfice Supremo, nao soja um golpe
dirigido conlra si propria. receia que a victoria
nao seja uro suicidio, e por esta razio que ella
doora de hypocnsias e de melifluos protestos :
prefereria ver o papado tirar a cuia a si mesmo
do que ter de consummar esse acto na pessoa de
to IX. Alies, os Italianos, islo os que uiur-
pam esse nome, comegam a ver que o mundo nao
contempla seus feitos com tanta indiffereoga ou
benevolencia, como'podiam imaginar. Princi-
palmente a l'ranca acaba de protestar com tinta
eombioagoes polticas, de nos nao sabemos que urmez>t que elles viram-se de repeote obrigados
a seguir os conselhos da prudencia, tendo at aqu
sido bem succeoidos era seu3 provectos. Ese ti-
v-essem visto o transporte religioso dos santos das
sabio equilibrio que deve fazer concorrer para o
mesmo llm as torcas maisoppnslas. E dizem, co-
mo aquelles impos dos quaes ja fallava David
ha tres mil annos: Quebremos os grilhoes ora
que nos prondem os padres ; sacudamos o jugo
em quo querem impr-nos: Dir umpamus vin-
cula eorum ; projiciamus a nobis jugum ipso-
rum; nao ha mais direito divino, islo que nos
importara os direitos de Deus I
E ei-los espera do triumpho; o papado est
Biorto, creem-no, e prepacara-se para leva-lo ao
tmulo, d'onde peusam que nao ha do sahir mais.
Seus paes tinham-se engaado, no lempo do Pi
VI liuhsm obrado mais que brutalmente, os lem-
pos nao eram propicios; ho de haver-se melhor
esse respeito os horoons de hoje; era abrigos
que procurara garrotear o papado, ajoelhando-
se dianle delle quedar-lhe-ho a puuhalada,
proraetlendo-lhe o imperio do mundo qu9 trar-
Ihe-hao at a cadeira em que est sentado.
Taes sao as esperanzas; a imprensa impa oito
as dissimula mai, zaram-nas ouvir em circunis-
taacias solemnes ; o Sr. Cavour, o iostrumeato
mais aciivo e mais hbil dessa perseguigo, ca-
na de o declarar ainia para os que sabm cora-
prehender o verdadeiro sentido das palavras, e no
meio dos applausos dos conjurados italianos que
se fizeraru eleger para o parlamento de Tunm.
Assim, tudo podo parecer perdido, e coraprehen-
demos ossorrisos de compaixo que recbenlas
palavras dos caiholcos cheias de confianga ; com-
preheodemos que nos alcuohem de loucos e in-
sensatos, e que nao vejam seno una obslna-
cao, urna cegueira incomprehensivel Baquella
constancia do vigario de Jess Chrislo, que recu-
sa sempre conciliar o mal com o bem, o inferno
cora o cu, e que so acha o perdo para offerecer
quando'lhe gritam que se coucilic cora a rerolu-
jio.
E' que os christos canlam com a egreja, na
sexta-feira sania assim como no domingo de
Paschoa aquelle sublime cntico era que David
dosereveu to bem as vas esperancas da impie-
dade e os triumphos iofalliveis da religio. Nao
vemos mais recursos sobre a trra, mas sabemos
que Deus contempla do alto dos cus os coraba-
tes do sua ogreja ; sabemos que ello ouve as vo-
2es victoriosas de nossos inimigos, e que zomba
fleseus vaos esforgos, e que ha de triumphar de
nm modo que os humilhar por ioteiro lempo.
Ai do mundo, se deve ainda ver os terriveis ef-
feitosdaquella colera divina que provocam bel
prazerl Parece que os povos j a presentera, to
grande a perturbarlo que reina por toda a par-
le, to grande a inquietado que lhes causam
os mais insignilcantes suicessos, to pouco tran-
quillo lhes parece o da seguinle. Ioquielam-se
os povos, e os que tecra as raaos os destinos
dos poos dobram os esforgos para conjurar o pe-
ligo, sera esperanza de o conseguir. Nioguem v
confianga e tranqnillldade seno na viclima na
qual preparam-so pura desfechar os ltimos gol-
pes : por cerlo que as noiies de Pi IX sao me-
nos agitadas do que as de Vctor Emmanuel; Pi
IX ve-se despojado de seus estados, mas est cer-
to de seu direito, tem por si a consciencia do de-
ver cumprido, e apezar das sublilezis doa so-
phistas, da timidez dos prudentes que Ihe acon-
selham que sacrilique alguma parle do direito
fimde nao perder ludo, contina elle susten-
tar todos os direlos, condemnsr lodos os er-
ros, e proclamar a verdade nua e crua. Consti-
tuido r6i por Deus na montanha de Sion, ensina
fraacanienle as verdades divinas; como vigario
daquelle quera Deus tem dado todas as uages
por heranca, e cujo imperio lem por limites o
mundo, nao teme anuunciar aos homeos as ver-
dades que seus ouviJos achara demasiadamenle
speras, nao teme dizer-lhes que urna sociedade
que se bajear nos erros opposloa, desabar oe-
cessariamente, e que parlir-se-ha com a mesma
laciniado que um vaso de barro : Conslilutus
rex, prwdicans prceceplum ejus.
O que se passou no lempo de nossos paes, o
que se passa nossa vista nao ser bastante pa-
ja esclareceros guias dos povos, para Iluminar a
intelligencia dos estadistas? A revolugo nao oc-
culta mais o Gm queso dirige: ella nao quer
mais Deus, era padres, porque nao quer mais
antoridade nem rei; ou antes es que sao seus le-
miveis agentes querem destruir toda autoridade
que nao a delles, e em sua sede de despotismo
nao querem at que a consciencia seja um asylo
contra a servidlo que pretendem impr ao mun-
na verdade, eis a occasio era que os reis e
Evidentemente o Sr. Malhen toma Suare por
um vice re inglez. Eis os progressos da nacio-
nalidade amexicana.
O Sr. Labdollire, do Suele, nao pode perdoa
?."Dl.i.Padre o fallar n'om Ulim que elle, o8r
Labdollire, nonomprehende. Censura ao pa-
pa porque copia o lalim do Doene imaginario ;
p Sr. Labdollire nao conprehende por ventura o
latim de IfolMre Y E' verdade qne o lalim de Ro-
ma ainda nao do quilate do latim vSicle ;
nao foi em Boma que escreveram estra pbrase:
Ilegnum meum non esl txhoc tosenli, Dem esta
ouira que lia-se no Sicle ainda hontem : ^re-
na licentia notlra targitale poliiut esl.
(*) No interesse do Sr. Labdollire lhe acon-
sejamos que deixe de fallar em latim.
O Courrier da Dimanche nao oflerece mais o
interesse de suas indisenpeoes diplomticas;
procura substitu-las por inexactides histricas.
Um tal Sr. de Flaoo acaba de publicar urna Hit-
toria da Suecxa no reinado de Gustavo Wasa.
Esse novo historiador nio v do perseguidor mais
do que um promotor da liberdaSe religiosa na
Suecia, e pensa que os nimos na Scandinavia es-
lavara preparados para a reforma realisada por
Gustavo: quaodo.alguem compara, diz elle, os
Foi para se elevarem templos virlude : para
confundir a iniqaidade ; para Armar a sa dou-
irina de Deus verdadeiro.
Foi.
Est em vos a verdade, hypocritaj : segus a
boa vereda ; prgaes a aia doutrlna ;
Acreditis islo ; antes, pretendis que vos
acreditem ?
Na verdado vos digo, que estaes em erro.
virlude, na cari-
0 reino de Deus consiste na
dade, e na mansido.
Na virlude das boas palavras e das boas ac-
coes ; na caiidade que se pratica e se nao spre-
goa ; na mansido que manda perdoar.
Ai de vos, hypocritas, porque a vossa virlude
*jVen e oozeneiK> ; porque a vossa
candade a que se pratica ao som da trombeta
para ser honrada : porque a vossa mansido
a que se traduz em injurias e improperios.
Ai de vos, hypocritas, a porque soissemelhan-
meio, sempre com vento rijo pola proa ; depois
de atravessar o celebre monte Ciniaio, despenha-
deiro que se tomara por um precipicio, se, como
nota Stael, os abysmos que esto ao p nao 0-
zessem conhecer a differenc, tioha mais neces-
dade de descanso, do que voniade de ulilisar
parte da noite. Urna vaga saudade enebia-me
a alma de suave melancola.
Era-nos todava indspensavel procurar imme-
aiaiamenle o representante de Portugal na corte
de lunn, e isso flzemos. O Sr. Castro recebeu-
nos na sua eocantidora vivenda, da ra della
Providenza, cora a affabililade propria d'ura ca-
valleiro distincto pela poii^ao e (nielligencla.
Aqu sedecidiu qu^ voltariamos procura-lo na
manhaa seguinle, e partiramos no comboyo da
noite. Nao tioha por consequencia tempo de ver
a cidade, nem de visitar os edificios. Nao havia
remedio seno roubar alguns momentos ao som-
oo. Cantara-se n'essa noite o Atila no theatro
Carignano. Nao pude resistir.
Turin que nao tem mais de cento e sessenta
habitantes, comprehendendo a populaco
miniado novas profisses.
tes I
0 que nao seria an- "*
rr.hl. 7 ere'l8lM00s saD,0S aias meiosatrozesa que Francisco I e Carlos V recor-
tL\ ?!^ m,Sde lrave8S,r- 8e Poless.m assistir rerara semfructJ para impedir que a reforma d-
AOr Saml" m^T:^01"'0'1'1*1*0 pu?1 e DelraS5e em 9eu8 doi. o a simples preside
mH f h q recorda lodS nnos. de nm que c.receram Gustavo e Frederico
modo cada vez menos conteslavel, os mais bellos ca)
.aa Dinamar-
- i ) Pra introduzi-la em seus estados, nao ode
is da Franca catholica, haviam de renunciar, Iduvidar da opporlunidade desse grande movimen-
' l_o da iotelligeacia humana, a Assim falla o Sr.
segundo pensamos, a fazer de nosso paiz seu
cumplice, e perder a esperanca de jamis ter
comsgo a Franca. Nao nos demoraremos em
descrever aquella maoifestago da f ; preciso
ter sido testeraunha della para fazer urna idea do
que como unecao e forja, preciso ler ouvido
aquellas vozes varonis cantando juntas os louvo-
res de Deus que satisfaz os coraces, para com-
prehender a profundidade que teem as raizes do
calholicismo em Franca.
Ouan Jo alguem sahe de Notre Dame, depois de
haver aasistido e principalmente depois de haver
participado dessa solemne communbj pascal,
nao pode mais experimentar senlitnenlos de des-
confianga, transborda de alegra, do ventura e de
esperanga, espera anda as provagoes, quasi di-
zemos que as deseja, mas aguarda-as sera temor,
sem inouielaco, cheio daquella forca que veoceu
o mundo, animado por aquella coragem que faz
arrastar todos os perigos, ceno eraQra da victo-
ria, porque Deus a coDcede sempre aGnal de coa-
las a quem o serve : Beati omnes qui confidunt
in eo I
Os planos de urna immensa subverso da Eu-
ropa desenhara-se cada vez oais distinctamente :
a Allemanha e a Turqua pacecem destinadas a
pagarera as favas ; affirma-se que Garibaldi, como
oo anno passado, dever hogar azeite no fogo ;
nao se sabe ainda se a Europa comprehende bem
a-gravidade da situagSo, porm ossyraplomas in-
dicara que comoga-sea abrir os olhos.
Os acontecimentos vindouros esto ligados
sorle da Italia. E' cerlo que est adiada a eva-
cuagao de Roma pelas tropas francezas. Conti-
nuara negociagoes mu activas enlre os gabinetes
das Tulherias e de Turin ; nu sa sabe junta-
mente qual seja o seu objecto.
de Plano e o Courrier applaude-o E' esquecer
de mais a perseguigo lyrannica exercida em Da-
lecarlie principalmente nos infelizea camponezes
aos|quaes devia Gustavo acorde.
I. Chamuel.
(Le Monde.H. Duperron.)
tes aos sepulchros branqueados, que parecem por | fl,ucluaDle>P0Ssue dez ou doze theatrbs," alera
fra formosos.-e por dentro esto cheios de ossos ? um circo Pra espeetseulos equeslres, e d'um
de morios, e de toda a asquerosidade >. jardim d'ioverno, em que ha cafs e se do bai-
les pblicos; mas s na estago do carnaval,
propriamente dita, se abre o Iheatro regio, que
o principal, e est unido ao palacio do rei por
urna grande galera, onde sao as secretarias de
estado.
estaes, vos, denunciados pelo que
que dizeis, pelo que mandaes es-
Variedades.
Os Hypocritas.
i
Ouca, quem tem ouvidos para ouvir. E nao
se engae.
Veja, quem lem oloos para ver. E nao se li-
tada.
Entenda, quem tem enteudimeoto para enten-
der. E nao julgue que urna cousa outra.
Ha dezenove seculos. Chrislo veiu ao mundo
para remir os homens.
do
s povos devem olhar para onde os levara, e ro-
couhecer que eram mais livres, que tinham mais
autoridade, quo erara mais felizes quando nao
eonheciam oulro jugo ou oulro freio seno o jugo
o o freio de Deus: Servite Domino in timore,
tt exultle ei cum remore ; por certo a oc-
casio de estudar a lei divina para apreciar-lhe
as vantagens e a necessidade, a occasio de re-
correr aquellas leis immutaveis, aquellas verda-
des permanentes que ninguem pode abandonar
sem perecer. E d'aqui ha pouco ser larde de
mais, pois chegmos s ultimas consequencias
dos principios falsos que foram invocados e sul-
tiraas consequencias do erro; sao ellas as catas-
lrophes e a raorte, sao a apparigao daquella cole-
Ta divina que vinga necessariaraente a infrecjo
das leis necessarias. Dessas catsstrophes, espe-
ramo-lo confiadamente, ha de emflm sahir o bem,
porque ser preciso abrir os olhos ; porm nao
sor melhor prevenir o mal do que ter de repa-
la-lo, nao ser melhor ouvir a voz firme e pa-
ternal que acaba de soar no Valicano, e merecer
um perdo que seria to generosamente conce-
dido, do que lor de dzer n'um arrependmento
intil. Elle linha razo?
FOLHETI11
ORIGINAL DO DIARIO DE PfRNAHBUCO
MU MMTWL
LXIV
Sumario.Bibliograpbia.Viagem e naufragio
da crvela D. Isabel por A. de Zacharias. No-
ticias que grassam na Baha de haver alguns
nufragos captivos emMarrocos.Necessidade
que ha de que o goveroo imperial tome muito
peito averiguar al que ponto podem ser
exactas estas noticias.
Osdias vo-se passando, j formara semanas e
wezes, e ainda nao nos olvidamos um s mo-
mento do falal naufragio da nossa crvela D. Isa-
bel e da perda de lo briosos companheiros.
A mesma impresso viva que sentimos ao sa-
bor deste triste successo, subsiste inteira em nos-
so coragao, onde ella gravou urna dr profuuda,
que tem zumbado Ta aeco deleleria do tempo.
Hoje ainda nos parece impossivel que nm Ben-
to Jos de Carvalho, o marioheiro deslimido e pe-
rito na sua proOsso, o hornera cuja vida foi sem-
pre pautada pelas virtudes mais apreciaveis na so-
ciedade ; um Caio Piaheiro de Vascoucellos, ofll-
cial illustrado que em lo curta edade j havia
mostrado o quedeveria sor um dia; e outros tan-
tos mogos, que promettiam brilhantes servigos ao
Pa". por que tinham revelado as mais solidas
*u,Ildad5i hajam passado to prematuramente
elernidade ; nao pertengam mais este mundo,
onde s apparecersm para fazer brotar risonhas
sperangas, e ephemeros gozos, e para semear
dores e angustias vehementes e intradusiveis.
Fot um sonho rpido, que se extiogtiiu deixan-
A revolugao italiana quer sempre Roma ; sa-
bemos como o Sr. Caour espera oble la ; assig-
nam-so peligoes para convMar o imperador apo-
leo a retirar as tropas ; falla-se em novas con-
cessoes que far Viclor Emmanuel para obter al-
guma cousa do papa ; eis urna meada bem em-
baragada. Seria curioso, por exemplo, que o pro-
prio principe da casa de Sab3ia, rei da Sardeoha
cedesse successivaraente a Saboia e a Sardeoha
para obter o titulo de re da Italia, que nao ter
ceriameote por muito tmpo. II-i outra cousa
curiosa, mais curiosa, e que tal que deve ferir
profundamente o nosso sentimenlo nacional,
que um ministro d'el-rei da Sardeoha ouse de-
clarar um pleno parlamento que considera como
capital do reino da Italia urna cidade que nao lhe
pertence, que pertence a outro soberano, e onde
temos urna guaroigo encarregada de manter a
autoridade desse soberano.
A Sardenha recua dianle de nos, porque ella
nao a mais forte; porm, rocuindo, inslta-
nos. Na verdade, parece que a nossa excessiva
paciencia deu-lhe a certeza de que ella pode ludo
tentar a nosso respeito.
A Patrie, que acaba de queimar seu melhor io-
censo era honra do discurso do Sr. Cavour, po-
dar anima-la ainda nesse caminho, porm a Pa-
trie nao a Franca.
Falla-se sempre as probabilidades de ama re-
surreigo do reino de aples em favor do prin-
cipe Mural ; as Nacionalidades, de Turiu, atj
assignslam urna peligo nesse sentido revertida
de 89,000 assignaturas.
Dizem que Liborio Romano o redactor dessa
petigo ; triste patrono para tal empreza.
Na Italia a Inglaterra excede-nos em ligeireza;
faz todos os esforgos para nos multiplicar as difll-
culdades afim de conjurar o perigo que poda
ameaca-la. A rainha Victoria mandou declarar
ao Sr. Azeglio que recebe-lo-hia como mioistro
de el-re da Italia. A Inglaterra nao perde lem-
po quanio se trata de recoohecer factos revolu-
cionarios ; sabe ella que esses factos reverlem
afinal em proveitq seu. Assim acaba de reco-
ohecer egualmente o novo goveroo do Mxico,
porm, com ares de protectora que bem mostrara
porque o presidente Suarez lhe mais sympathi-
co do que Miramon. O Sr. Mathens, encarrega-
do dos negocios de S. M. B. no Mxico, nao d os
parabens a Suarez pela sabia liberdade civil e re-
ligiosa que d elle por bise a seu governo? E'
sabido o que essa liberdade religiosa que se tra-
duz pelo exilio de todos os bspos, pela coosca-
go dos bens da egreja, pela conflseagao em par-
ticular dos bens das irmasdecaridade, era razo
da qual o nosso encarregado de negocios, o Sr.
Saligoy, acaba de ameagar o presidente com o pe-
dido de seu passaporte.
O Sr. Malhen diz ainda : no meu pensar, a
nacionalidade da repblica depende de su* fi le-
lidade aos principios actualmente estabelecidos.
A exlencao de nma sa educago que, como nao
posso duvidar, ha de ser um dos primeiros cui-
dados do governo de V. Exc. fsr que os cdados
da repblica comprebendam que somente pelo
orgao legal dos represeotantes no coogresso que
as discrepancias com os eitatutos existentes de-
vem serapreseotados, e que qualquer outro meio
menos pacifico deve ser estigmatisado como urna
traigo.
do-nos medoohss recordages. Oh I porque nao
poderemos fazer callar o nosso corago? Porque
nao conseguiremos emmudecer a voz do senti-
menlo que nos consumirte ?
Mis nao, seja assim ,- preferimos guardar com
um religioso culto esta lembranca dorida ; nao
importa o soffrimenlo, quando tem urna causa
lao natural e to justa.
E' nesla disposigo de espirito propensa me-
lancola e reflexo, que recebemos um folheto
que tem por ttuloViagem e naufragioda cr-
vela D. Isabelo qual nos foi obsequiosamente
remettido com urna carta pelo seu autor, o Sr.
Augusto Zacharias da Fonsecae Castro, que, es-
creveodo-o, quiz, como declarouem seu prologo,
perpetuar por este modo a memoria dos iofelizes
devorados pelo oceaooem urna noite de desespe-
ro, de extrema convulso da nalureza ; entre os
quaes contava amigos dedicados, de quem sese-
parava tranquillo, com quem mantivera urna coo-
"lioua correspondencia, interrompida assim brus-
cameote, por um modo capaz de abalar aa fibras
da alma do homem mais estoico e iodfferente.
Este interessante livrioho, escriploem urna lin-
guagem correcta e fluente, um verdadeiro poe-
ma, que hoora ao seu autor, e lhe augura um
magoifico porvlr na arena litleraria, em que ea-
treiou por este bellissimo trabalbo.
Elle demonstra que foi elaborado com sentimen-
lo ; porque denuncia que muias vezes leria o
escriptor urna nuvem de lagrimas enlre o papel
e os olhos ao profundara ferida pungente produ-
zida por este horroroso drama. um canto ma-
vioso elevado aos manes de nossos carneradas, que
sensibilisa o leitor seu petar, que o commove e
abala, fazendo-o partilhar da mesma pena que
maltratava ao escriptor quando sa occopava deste
assumpto.
Nao smenle pelo lado sentimental, e pela
pureza da lioguagem que se recommeoda o folhe-
to que aoalysamos ; tambera em todo elle existe
fidelidide na exposigo dos fados, coonexo e a
necessana harmona.
Teem, porventura, seguido a sua doulrina ?
Em verdade vos digo, que nao.
O borisonte apparece ainda carregado de nu-
veos ; nuvens espeasas e negras que o petpassar
dos scalos nao conseguiu desvanecer nem bran-
quear.
E julgaes, acaso, que isso deve durar muito ?
Nao.
Dia vira em que as trevas ae dissiparo, e o
sol raiar para tolos com egual iotensidade ; e
ho de ver at os que nao teem vista.
E esse dia nao vira longe ; aente-se, adirinhs-
se, eotrev-se j.
II
Chrislo disse :
Guardae-vos dos falsos prophelas, qua vera
a vos com vestidos de ovelnas, e dentro lo lo-
bos roubadoures .
Nao os conbeceis ? De que vos serve, pois,
os ouvidos, os olhos, o o eotendimento .'
Haveis conhece-los pelas suas obras e pelas
suas palavras.
E fugi d'elles, que teem em si veneno.
Porventura, ho de colher-se os mus fruclos
da m arvore ? Nao. Invesligae o planto, e
colhl s os bons fructos da boa arvore.
Apartae-vos de brejos e brenhas, e segu ca-
minho recio e desembaragado.
Nem acreditis cosque invocan) o santo nome
de Chrsto em vo.
Porque ha muitos que proferem : Seohor, Se-
nhor! E nao o creem.
Por que ha muitos que dizem : Meu Deus I E
menlem.
E porque, emlim, est escripto : que esses taes
( os hypocritas ] nao sao conhecidos de Chrsto.
Porque Jess sempre mandou afastar dos que
praticam a iniquidade.
III
Fugi dos que jurara fclso.
Procurae conhece-los, porque isso vos con-
vm.
Nao est escripto : que ha muitos que dizem e
nao fazem ; que ha muitos que alam cargas po-
zadas e insoifrlveis, e as pem nos hombros de
outros, mas nem com o aeu dedo as querem
mover ?
Sao esses os hypocritas.
Sao :
Porque devoram as casas das familias, fazendo
largas orages ;
Porque adulteram a palavra sagrada, pregan-
do-a como lerror;
Porque nao deixam as obras das trevas, para
ves tire m as armas da luz ;
Porgue nao servem a Chrislo, mas ao seu ven-
tre ; e com doces palavras e com bengos enga-
a m os coraedes dos si rapuces ;
Porque esto corrodos pelo demonio da ava-
reza, e querem persuadir que os dons de Deus se
podem adquirir com diaheiro ;
Porque sao uns, e apparecem outros :
Porque em verdade nao sao as mais das vezes
o que deviam ser e o que representan!.
IV
Tremeu a Ierra, partiram-ae as pedras, e abri-
ram-se as sepulturas ;
Toroou-se mais viva a luz do sol; mais suave
o canto das aves ; mais verdeiante a olha das
arvores.
E para que?
Nao foi para se elevarem templos ao vicio e
iniquidade : nem para assigualar a victoria do
mu e do pessimo.
Nao.
Tremeu a trra, partiram-se as pedras, e abri-
ram-se as sepulturas ;
l*) Deveria ser: Regnm meum non tst hoc
sceculo; Effrana, ou antes effeenata licentia nos-
tra larg Hale potito est.
[y. do Traductor)
Assim vos que vos mostrees uns, na verdade
por dentro estaes cheios de hyprocrisia e ini-
quidade.
Ouga, qaem tem onvidos para ouvir.
Pois nao
fazeis, pelo
crever ?
Ai de vos, hypocritas, porque todos vos ho
de conhecer, e ninguem se illudir.
VI
Vlodes hoje dzer que educago se ha de dar a
nossos Olhos; e enganaesicom as vossas palavras
as oossas mulheres.
Pois ellas, incautas, ho de crer-vos ; ho de
attender-vos ; bao de seguir-vos?
Cegamenle ; antes, porque sero arrestadas
por urna forca que descoohecem mas que as im-
peli. E' a torga de urna doutrina que corrompe.
Mas romo a estrada que seguem de trevas,
ha de lhes faltar a vista ; como cheia de espi-
nos e abrolbos, bao da sent-los.
E ao desviar .se conhecero que, pelo outro
caminho, as trevas embotara o eotendimento, e
a luz alimenta as ideas ; que as trevas leem ori-
gem no mal, e a luz tem origem no bem ;
Que as trevas sao do inferno ; e a luz vem de
Deus.
VII
vos sao Pilatos
mas tendes
ao sacrificio; os
quem communi-
fazem o mal sa-
Muitos d'enlre
mais Judas.
Uos entregam o innocente
outros atraigam o justo com
cavara ;
E todos sao inquos, porque
beodo o que fazem.
Fugi delles:
Depois de illudirem nossas mulheres, querem
iransviar os Olhos de oossas mulheres.
As obras, quer dizer, os tramas sao lalvez os
mesmos ; as palavras mudara.
Invocam a lberdade, em nome de nossos ir-
mos e de nossos filhos, islo do povo, e com
opportunidade vexaro esse povo, tornando-se
em seus oppressores.
E porque elles teem sido assim, nao vos dei-
xeis Iludir por suas palavras.
Guardae-vos, pois, como disse Lamenais, dos
que exclimam : < Liberdade I lberdade I > e por
suas obras a destroero.
Nao s desles, seno tambem dos que hip-
critamente vos esleodem a mao ;
Porquo esses taes nao pedera para Deus, posto
que invoquen! o seu uome.; nao pedem para si,
posto que vos fallera da sua miseria ; nem pedem
para acommunidade, porque ninguem lhes deu
semelhante encargo;
Has pedem, s e nicamente, para satisfazer
as suas paixes.
Queris satisfaz-las ? Nao.
Vieram do mal, deixao-os ir para o mal. Nao
vos apartis, porm, delles, sem que os adraoes-
tels, sem que lhes mostris as trevas em que
] aseas.
Seria bom que se convertessem.
Ninguem lucra com o mal; e todos gaaham
com o bem.
Quem conhece Deus, ouve isto: o que nao
de Deus, nao ouve, disse o apostlo S. Joo.
Porque n'uns est o espirito da verdade, n'ou-
tros o espirito do erro.
Felicitamos ao Sr. A. de Zacharias pela sua ex-
cellenle eslra, pela judiciosa oscolha do assump-
to de que para ella ae aerviu ; e como ofBcial de
marinha nao podemos deixar de mostrarmo-nos
penhorado pela prova de sympathia que S. S. deu
armada imperial, dedicando-lhe este precioso
livrinho, que ella eslimar em uta valor subido.
Como escriptor nao poemos tambem deixar de
agradecer-lhe a prova de coosiderago que nos
dea, obsequiando-nos com um exemplar; por-
que, na phraae delicada de S. S. somos na tm-
prensa, o mais dedicado advogado da classe em
todo o norte do imperio, como bem atiesta o ro-
da-pi do Diario de Pernambuco, com sua Rete-
nha Martima.
Nao quereodo fingir falsa modestia, que to
mal assenla, como o fofo orgulho, acceilamos com
reconhecimeoto-esta classificaco ; porque ella
corresponde verdaderamente s nossas inten-
ges, que s deixam de realiaar-ae completamen-
te, porque nos falta intelligencia, illustraco e
methodo para nos fazer comprehender, qualida-
des esseociaes, que nem sempre podem ser subs-
tituidas pela boa vontade e dedicago que nos
anima, e que nos lem feito marchar na vereda
que ha muito escolhemos, na qual folganros de ob-
servar que temos adiaotado alguma cousa.
Prosiga o Sr. A. Zacharias no cultivo das letras
que, sera ser temerario, lho podemos vaticinar
um brilhante futuro.
? *
Por urna asaociacao intima de ideas devemos
agora fallar de urna noticia que, nos Qna de abri
appareceu nesta provincia, e que ae propalando
de bocea em bocea, rpidamente tomou um gran-
de vulto, e abalou toda a populaco.'
Correu que um capito de um navio recemto-
mento chegadode Hespanha disaera que, em Se-
vilha, conatra que existam captivos em poder
dos Marroquioos, alguna de nossos companberos
d armas, nufragos da crvela D. Isabel.
Averiguando este fado, consta-nos por petaca
1 fidedigna que, o pae do infeliz guardi-ma-riuha
UM DIA EM TURIN.
Com o italiano aprendido n'alguns livros ira-
ay>rtaes, ou nos bastidores de S. Cirios, nao
muito fcil um Portuguez fazer-se comprehen-
der na capital dos estados sardos, onde se falla
urna lingua que os proprios compatriotas das ou-
tras regies da Italia mal percebem.
As antigss e as recentes invases, a looga do-
minago franceza, o contacto frequente e de ve-
Iha data com a Saboya, formaram, e tem defen-
dido contra todas as tentativas de destruicao, este
dialecto, composto na maior parte de palavras
francezas com syntax' italiana. Por isso todo o
Pieraonlez fall a lingua franceza al com os Ita-
lianos das outris provincias.
Entretanto, nao s este respeito.qua1 Turin
se pode dizer urna cidade de Fraoga. Usos o
eostumes sao moldados pelos da ville de plaisirs,
salvas pequeas modificages.
Nao obstante, pois, o meu quasi insguificaote
peculio do bello idioma do Dante, Oquei mais
micha vontade, quaado me dirigirn! a palavra
oa lingua de Vctor Hugo, tanto na estrada de
ferro, que conJuz de Suza, primeira povoago
importante do Piemonto, fallada capital, onde
vive um dos maores estadistas dos nossos das;
como na hospedara, que nos iodiearam, qual
corremos, um amigo e companheiro de viagem,
e eu, logo que nos apeamos do waggon, no dia
z-3 de outabro ultimo, a cinco horas e raeia da
lardo.
Quando me achei 1850 kilmetros de Lisboa,
longe da patria, da familia e dos amigos, conhe
ci que o viajar um dos mais iristes prazeres da
vida. Depois de nove dias de viagem, nao con-
tando algumas horas de repouso em Paris, tendo
gasto por. mar, at Saint Nazaire, cinco dias e
Garca, urna das victimas, estivera com o capito
e com o piloto da barca Pernambucana, entrada
deCadix, e que ambos lheaCQrmaiam que, poucas
horas antes de parlirem, estando em casa de nos-
so cnsul naquella cidade, este recebera urna
commuoicago oaquelle sentido, e que dissera
que ia fazer todas as diligencias para libertar nos-
sos desgragados compatriotas.
Era nossa quinquagesima terceira Resenha, pu-
blicada no Diario n. 30 de 6 de fevereiro deste
anoo, dissemos que era possivel que existissem
alguns nufragos naquella desgragaia coudicao, e
que bastara existir semelhante possibildade para
nsseer para o nosso governo a obrigaco de em-
pregar todos os esforgos, afim de conhecer com-
pletamente o destino cerlo desles iofelizes.
Lembramos que a Inglaterra, a Frenga e os
Estados-Unidos nos oilerecem bem notaveis ex-
ernplos de que para este um grandioso, para fa-
zer somelhantes pesquizas, sempre honrosas, e
lhas de um dever sagrado, nao se deve poupar
nem dinheiro era fadigas ; que nem tambem os
obstculos da nalureza podem impossibilitar es-
tas generosas tentativas,, nem estriar lo patriti-
co ardor.
Aponamos o exemplo da pesquiza continua e
incessanie feita nos mares polares pira ae achar
noticias positivas de sir John Franklio.
Enlo nossa idea foi disperlada por um facto
talvez sem importancia; mas que olhamos com in-
teresse. Refirimo-nos s predicgdes de urna som-
nmbula do Ro de Janeiro, que affiaocava queem
abril appareceriam tanto o commandsnte Bento
Jos de Carvalho, como o Io tenante Caio Pinhei-
ro, esperanga que sentimos nao poder completa-
mente affagar.
Nao sabemos se o seohor ex-ministro da mari-
nha deu as providenciaa que devia, nem quaes
ellas foram ; pois que nao vimos ainda nada pu-
blicado respeito ; de sorle que a anciedade pu-
blica continua summamente excitada.
Hoje, porm, as probabilidadea de algum bom
extlo de bem ordenadas pesquizas arultam : em
O theatro Carignano, situado na prag do mes-
mo nome, est ordinariamente iberio lodo o an-
no; no outono com opera e baile, as outras es-
tagoesi com urna companhia dramtica italiana.
Foi n esta scena que, pela primeira vez, so re-
presenlaram as tragedlas d'Alfieri.
A sala de forma oval, nao muilo espagosa,
de desenho regular, e poder conler mil e du-
zenlos a mil e trezentos explotadores; dividi-
da em quatro ordens, com noventa e quatro ca-
marotes e urna tribuna ao fundo. Na platea un-
to orchestra, do lado esquerdo, ha um espago
fechado onde sao os lugares reservados, ou platea
superior, como nos dizemos.
O edificio nada tem de nolavel, e'a sala mui-
lo carregada de ornatos de ouro, e mal Ilumina-
da pelo lustre, aiod a que e fcil aclara-la, acen-
dendo os candelabros que guarnecem os camaro-
tes.
O primeiro edificador do thealro foi o principe
Lutgx di Savoia Carignano, e por indicages do
conde Alfieri ampliou-se em 1752. Em 1787 um
pavoroso incendio reduziu a cinz'as o sumptuoso
templo di arte, e foi enlo quo o architecto Fe-
roggio, o reconslruiu seguindo o plano primi-
Em Italia, como em Franga. e em Hespanha,
as senhoras frequenlam as plateas. Tanto nes-
las como nos camarotes, vi algumas formosas
italianas, de olhos rasgados e bellos, cora expres-
sao de ternura indezvel. Tive ento. e no dia
seguinle, occasio deconflrmar a verdade de urna
observagao, j feila anteriormente, e vem a ser
que nenhura olhar mais altrahente, temo e
lnguido, que o aas italianas. As hespanholas
tem o olhar vivo, e quasi provocador, que fere
os sentidos; as francezas um certo ar de araor
proprio satisfeto, que denota a vaidade de que
sao dotadas; s as italianas fadou Deus com o
condao de poderem avassallar a alma e o cora-
gao com um volver d'olhos. Nao fallo das portu-
guezas. Chamar-me-hiam talvez parcial se dis-
sesse que as nossis seuhoras possuem como ne-
nhumas outras, o olhar casto e puro, que pro
mette a verdadeira felicdade.
Assisliara representago muitos jovens mili-
tires, pertencentes, quasi todos, guarda nacio-
nal, pois os soldados de linha acompanhavam o
re, que se diriga a aples. A guarda civil
usa uniforme elegante e ligeiro; e eleva-se ni
cidade a mais do 12 mil homens, e sobe as pro-
vincias a perto de 50 mil.
Nos intervjllos, os arrumadores apregoam a
bazela de Turxn, e os librellos, da opera e do
baile, como nos theatros de Piris, se aprega o
fgaroprogramma e a Patrio. Cousa para
cismar I A maior parte dos expedidores esta-
vam escutando a opera de folheto em punho, vol-
tando a folha justamente quando os cantores da-
vam as melhoros notas que possuiem. que, vaina
a verdade, nao eram l militas.
Pois os Olhos dos Alpes nao conhecera AlliaYI
Etenaal estrangeiros quasi todos os auditores de
Verdi naquella noite?
No dia seguinle levanle-me cedo com o pro-
posito de dar um passelo antes de almogo. Dese-
ja*a poder entrevero coode Cavour, pois todas
manhas, s nove horas, alravessa s e a p. de
casa para a secretaria, fumando urna cigarrilha.
Malogrou-se-me todava a tentativa de ver um ho-
mem, que a Europa admira e respeita.
O aspecto de Turin, a capital mais regular que
tenho visto, d idea de urna cidade de recente
data. A falta de monumentos aotigos e da idade
media, a architectura moderna das construegoes
parecem querer desmentir asenilidade da Auaus-
ta Taurinorum.
As ras em geral sao largas, longas, direilas e
regularissimas, com arcadas de ambos 03 lados, o
que resguarda os pedes tanto dos rigores do in-
vern, como dos do esli, visto que o clima nao
dos mais temperados; no invern a cidade
dominada pelo vento S O, o qual atravessando
cordilbeiras de montes cobertos de nev, torna
esta estago demorada e spera: na primavera
o lempo muito inconstante, alienta a variedade
de ventos, o que perfeitamenta se explica pela vi-
sinhanga dos Alpes, quo fazem do Piemontecomo
um grande valle ; no vero o thermoraetro che-
ga a subir a 27 de Reaumur. O outono por
consequencia a estago de ordinario mais a-
mena.
Cirainhando pelas longas galeras que orlara a
cidade, lembrou-me frequentemente qu o mar-
quez de Pombal, se reviresse e viajasse pela Ita-
lia, teria a cada momento de fizer urna daquellas
felas caretas conmemoradas por Almeida Uarrett
ao ver tantos frades de todos os feitios; de cha-
peo e sem chapeo: de sapatos e descalgos, como
eu enlo vi.
A cada passo se topa um desses entes que se
dizem morios para a sociedade, e entregues ni-
camente s pratieas religiosas; maa que es go-
veroos e os povos considerara como eternos ini-
migos da liberdade e da pura doutrina do Cruci-
ficado. E j esto abolidas as ordens religiosas,
toleraodo-se apenas as existentes, e nao se per-
Cadix nao se poda adevinhar em margo o que es-
crevemos em fevereiro em Pernambuco, e como
nunca tivemos a prova material, irrecusavel da
morte de muitos ofBciaes e marinheiros, cumpre
que nao desprezeraos o menor indicio, que acre-
ditemos todas as verses, e procuremos com afin-
co, com perseveranga de todos os instantes des-
truir as suspeilas que possamos nutrir com mais
ou menos fundamento.
Ouvimos do intimo d'alma urna voz que nos 0-
briga nao deacrer da possibildade de aioda
abragar 00 nosso planeta iofelizes amigos, cujo
passameoto continuamente pranteamos.
E', pois, com particular interesse, com um fer-
vor quasi religioso que sollicitamos do governo
imperial toda a sua dedicago para este assumpto
importante ; que lhe pedimos encarecidamente
em nome da armada, em nome de todos os Bra-
sileros que nao perca de vista conhecer comple-
tamente a sorle dos nufragos da D. Isabel.
Repetimos ainda o queja urna vez expendemos:
a Escrevemos o que pensamos; o que senti-
mos no corago, e acbamo-noa agora mais alli-
viado. Nao corremos atraz de urna chimera, de
um vo sonho de urna escaldada imaginaco;
nao. Existe a possibildade, ha probabilidades,
a leotativa pode produzir em resultado lvrar de
lerriveis tormentos alguna Brasileiros, alguns des-
gragados da D. Isabel.
lato bssla para justificar a nossa proposta,
para excitar interesse por esta misso, para fazer
considerar qualquer quantia despendida nella,
ainda que intilmente, como mu bem empre-
gada!
temos um governo Ilustrado, e portanto aeremos
comprehendido
%
Quando noticiamos em dezembro o triste nau-
fragio da crvela D. Isabel, pagina negra quede-
sejavamos nao ler tido occasio de inserir em a
collecco de nossaa Rtsenhat, ainda aob a in-
fluencia palpitante da impresso que sentimos
Descendo pela contrada di P para a prsca de
Vctor Emmanuel, encontramos alguna penaglie-
rx, que sirailhinca do xouaves francezes sao a
tropa italiana mais destemida, o que sem mila-
gre se adiviaha pelo aspecto garboso e guerreiro
dos soldados. O uniforme parece um pouco o
dos nossos marinheiros da armada. Usam caiga
larga azul ferrete, jaleca da mesma cor e chapeo
de abas largas, em que trazem plumas de pennas
de corvo. Os ofBciaes trajim sobrecasaca e plu-
mas verdes.
A praga de Viclor Emmanuel magnifica. Dis-
seram -me que tem 360 metros de comprido e 111
de largura. Os predios sao de igual desenho em
tras lados da praga, eom arcadas altas como a
ossa praga do commercio. Em frente corre o
P, arteria vivificmleda Italia septentrional, que
nasce a pequea distancia, na comunad Crin-
lo, baoha as principaes Ierras do Piemonle, pas-
sa nao longe de Pava, e vai acabar no Adriti-
co. Alm do rio v-se o gracso templo da Gran
Madre di Dio, no estylo da Memoria de Belm,
destacando sobre um fundo admiravel de verdes
colinas.
Nesla praga assisti a um espectculo novo, que
me fez ver quaoto o sol da Italia accende n'alraa
o enthnsiasmo por lodosos osprazezes do espiri-
rito, e me recordou as profundas coosideragoes
de varios escrlplores eminentes a respeito dos
italianos.
Um mancebo de cabellos sollos, vestido com
desalinho, segurando um impresso, estava no
centro de um grande grupo, que applaudiaem
delirio, como os amadores das corridas de tou-
ros era Hespanha, dos combates de gallos em
Inglaterra e das corridas de cavallos em Franga.
Perguntei o que sigoilicava aquello ajunlamen-
to, responderam-me que era um poeta recitando
umacango patritica. Era um Biodoccio de
praga. Acerquei-me e ouvi recitar, se nao com
muita correcgo ao menos com- bastaote senti-
mento, urna o de Cavour e Garibaldi, i idea que
fortficou a liberdade, e ao braco que secundou a
idea. Urna orehresta composta do urna rila
franceza, um accordeon e urna trompa preenchia
os iotervallos, e atlrahia os que passavam ao
longe.
Mais adianto, no adro da egreja de S. Francis-
co de Paula, um mendigo tioha feilo a carvo o
retrato do lavrador de Ciprera, na lagea do pa-
vimento. Por baixo escrevera estas palmas:
Sinori il loro buon cuore, e as moedas de cobre
e de prata choviam sobre o retrato, que denun-
ciava no autor nao pequeo coohecimento das
regras de desenho.
Turin nao tem, coma Roma, Florenga, Geno-
va e Veneza, monumentos notaveis pela archi-
lectura ; todava as casas de recente construego
sao de bella appareocia, e de bom goslo. Mere-
cem attengo o palacio real, mandado construir
por Carlos Manoel II em 1660, e ampliado de-
pois por Vctor Amedeo II; o palacio de S. A.
R. o duque de Genova; o palacio chamado de
Madame, que tem urna escadaria magnifica; o
palacio Cariguaoo, oude leem as suas sesses os
representantes danago; o palacio da cidade,
um dos mais notaveis edificios de Turin ; o pala-
cio Alfieri di Sastegno, onde ha urna copiosa bi-
bliolheca ; e o palacio do Tasso, que pertencea
aos principes d'Este, e hoje propriedade do fa-
milia Matlirolo. Fot este em 1578 a habitago
do grande poeta e ahi escreveu o seu dialogo ao-
bre a nobreza. intitulado o Forno.
Nao me coube no tempo visitar nenhuma das
dezesete parochias, das quaes quatorze sao den-
tro da cidade, duas suburbanas as margenado
P e do Dora, e urna na cidadella : todava vi al-
guns templos exteriorm6ntee sobre todos a egre-
ja de S. Mximo pareceu-me urna coostruego
magestosa, e a da SS. Trinlade urna das mai
bellas.
No centro da grande praga de S. Carlos eleva-
se a estatua equestre de Manoel Felisberto. A
praga um quadriloogo onde do flm seis ras.
No meio sobre um pedestal de granito de Baveno,
adornados de baixos relevos e ornatos de broaze,
eleva-se a estatua, que do mesmo metal. Re-
presenta o grande capito no acto de entrar na
cidade, refreando o fogoso ginete com a mo es-
querda, e com a direita metiendo na bainha a es-
pada vencedora. Este trabalho, original pie-
raonlez, lem rama europea, e Mazzocheti, seu au-
tor, sobe achar urna feliz novidide n'um argu-
mento muitas vezes iratado e reproiuziJo:
Alem deste o monumento do conde Verde, que
perpetua as gloriosas faganhas deste capito 00
Oriente, e outros, ornara as pragas, embellezam
a cidade, e ou commemoram grandes feitos ou
avivan a lembraoga de alguns hroes.
Findo o breve passeio pelas ras da cidade, e
alamedas qua exteriorcente a cercam, voltei ao
albergo, e passa das algumas horas, sem ter po-
dido ver o arsenal, nem os museus que tanto me
recommeodaram, dirigia-me novameote para o
monte Cenisio,donde todas as produeges da ter- -
ra, que se avista, s offerecem um aspecto mo-
ntono, desde o fundo dos precipicios at ao cu-
ma dos montes, porque urna egual cor desbotada
faz desapparecer toda a variedade da vegetago.
LBraz Tisana.)
por se dizer que a morte do commandante Benlo,
se poda attribuir lalvez um suicidio ; porque
elle proferir estas celebres e verdadeiras pala-
vrasA vida de um commandante de um navio
de guerra tao cara depois de um naufragio,
que nao vale pena disputa-la t vagas,ota
resposta aos seus ofBciaes que o rodea va m e lhe pe-
diam que salvasse, se Qzemos serias coosideragoes
motivando a necessidade urgente de rever-se a
nossa legislago militar, para adopta-la dvili-
saco do seculo em que vivemos, lirando-ae della
todo o excesso de severidade hoje intil, que a
desacredita, e pode, sem vantagem alguma pela
qual se recommende, produzir fados desgragados
da ordem dos que lamentamos sem remedio.
Enlo provamos que se pode satisfazer a disci-
plina militar, exigir-ae a justifiesgo do comman-
dante que perdeu o seu navio, que se viu obriga-
do render-se ao ioimigo, sem o perseguir logo,
sem o castigar, antes de estar provada a existencia
de um crime ou de urna falta.
Um elicial de marinha odereo bastantes ga-
rantas jusliga de seu paiz, de que nao se esqui-
var ao julgameoto de seus actos por urna fuga
deshonrosa, e pode, pois, sem ser preso, sem ver-
se reduzido apoz a desgraca um mesquinho e
insufliciente meio sold, que apenas mal chega
para sua subsistencia, ser levado & presenca de
seus pares.
Como dissemos nesse artigo, em quanio o con-
selho de guerra nao o declara crimiooso s vo-
moa nelle um desgrasado, um infeliz naufrago
digno de toda a protecgo, que deve dispertar to-
da a commiserago possivel.
' tempo, pois, de cuidarmos deste ponto, o
provavelmente o Exm. Sr. ministro da marinha
lera em sua mui particular attengo.
Babia, 9 de maio.
E. .
PKUi,- TYP. DI M. F. DI PAMA -1801.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW88EPBWK_AJ35AA INGEST_TIME 2013-04-30T23:03:55Z PACKAGE AA00011611_09298
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES