Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09253


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIM XXXTII I0IUO 78
Per tres meKs aflautados 81060 *
Per tres mezes vencidos 6$000
Mi
eNCAKRBGADOS DA 9BSCHIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alexaodrino da Lima
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araca-
ty, o Sr. A, de Lemos Braga; Cear o Sr. J. Jos
da Oliveira; Haraaho, o Sr. Manoel Jote Mar-
tina Ribeiro Guimares; Par, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
f AKI Jl>A6 UUS -UOKKcUUS.
Ohnda todos os diaa as 9 1/Vhoras do dia.
Iguarass, Goianna e Parahiba as segundas el
sextas-feiras.
di
ErHEIIERIDES DO HEZ DE ABRIL.
2 Ouarto minguante as 4 horas e 4 minutos
gXKC^\IZS^s' C"Uar' A,Dh eI Str! M 4 h0r" 39 minuto, da man.
Pao d'AlhT Sebrimoeiro. Brejo. Pe,- ftffiffi ^'^ hrM 26 hr" *
OuSj^.s^ tarde. I
Cabo, Serlnhem, Rio Formoso, Una, Barreiros,! PREAMAR DE HOJE.
I Agua Preta, Pimenteiras e Nalal quintas reir. |Primeiro as 10 horas e 6 minutos da manhaa.
mu fEHA 2 DE ABUL DE mi
Por anno adiantado 19|000
Porte fraico para o subscriptor.
:M
y
HIWI
I (lodoa oscorreiospartem aa 10 horas da manha)lSegoodo as 10 horas e 30 minutos
da tarde.
DAS DA SEMANA.
1 Segunda. S. Macano ; S. Valerico ab.
2 Ter^a. S. Francisco de Paula fundador.
3 Quarta. S. Ricardo rei; S. Benedicto f.
4 Quinta. S. Izidoro are; S. Zozimo c.
5 Sexta. S. Vicente Ferrer ; S. Tria t. m.
6 Sabbsdo. S. Marcolino m. ; S. Diogenes m.
7 Domingo da Paschdella. 8. Epiphanio b. m.
AUUiSriUAS UUS XKIBUNaKS DAGAP1TAJ
Tribunal do commercio : segundase quintas.
Relaco: tercas, quintas e sabbados sslO horas.
Fazenda ; tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quartas ao meio dia:
Dito de orphios: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira rara do civel: tercas e sextas ao meio
oa.
Segunda vara do cirel :
hora da tarde:
quartas e sabbados a 1
PARTE OFFICIAL.
RELATORIO
apresentado Assembla Legislativa
Provincial tiesta provincia, em a se-
gunda sesso da decina-terceira le-
gislatura, pelo Exm. Sr. commenda-
^dor Dr. Ambrozio Leito daCunha,
presidente da mesma.
Srt. mentiros da asiembla legislativa provin-
cial.-' Honrado com a nomeagao de presidente
desta provincia por carta imperial de 20 de mar-
co do anno prximo passado, tomei conla da ad-
miDistracao no dia 23 de abril do mesmo anno ;
e cumpre-me satisfazer hoje, pela primeira vez
entre vos. o preceito que me impSe o art. 8o da
le de 12 de agosto de 1834.
Fa-lo-hei com os tenues recursos intellecluaes
de que dispooho, e com os que me proporciona o
pouco tempo de minha presidencia nesta provin-
cia : fallar-vos-hei, porm, com a franqueza e
lealdade com que nocessario que se exprima a
hoguagem official.
Servindo-me da faculdade que me confere a
le, resolv adiar, por acto-de 11 de fevereiro ul-
timo, a abertura da vossa segunda sesso da de-
ctma-terceira legislatura para o dia de hoje, nao
so por nao me terem chegado s roaos todos os
relatnos precisos das differenles repartieses, em
tempo de poder eu organisar o que vou apresen-
tar-vos, como porque os trabalhos das ultimas
eleicoes absorviam-rae ainda naquelle mez toda
a a ttenca o e tempo.
Tenho a salitfago de communicar-vos que, at
as ultimas datas, a augusta familia imperial go-
zava perteita saude. Demos gracas Providencia
Divina por lo assignalado beneficio aos destinos
do imperio.
TRANQUILL1DADE PUBLICA. SEGURANCA
INDIVIDUAL.
A provincia permanece no gozo da mais per-
eita Iranquillidade.
Garanten a cooliouaco de lo lisoogeiro es-
tado a ndole ordeira dos povos que a nabiiam
e o espirito de moderaco e de concordia, asso-
ciado aos actos de rigorosa iustica da parte da
adminislracao publica.
Em circunstancias taes, a luta dos partidos po-
lticos coodicao da nossa forma de governo, nao
poaer desiar-se do terreno constitucional em
que se mantera, e as aspirares e exigencias des-
arrazoadsa encontrarSo sempre opposico efficaz
no bom senso da naco.
Infelizmente, senhores, nao posso dizer-vos
acerca da seguraoca individual o que acabaes de
ouvir sobre a Iranquillidade publica.
J nao presenciamos, verdade, esses atien-
ta dos praticados repetidas vezes, com ostentado
e affronta aos mais sagrados direitos da socieda-
de, como em lempos passados ; todava a segu-
raoca individual nao dispde ainda aqu da garan-
ta que deve ter em urna sociedade culta, como
a em que vivemos.
Sem embargo da notoredade de algumas das
causas que actuam nessa desagradavel situaco, I
ratare aellas resumidamente, porque nunca
ocioso fallar de assumpto de Unta monta.
Nos paizes de extenso territorio e com pouca e
disseminsda populacho, os meios preventivos em
materia criminal eocontram sempre mui serios
embaracos, toroando-se ahi ineficaz a accao da
autondade, e fcil a deploravel tarefa do crimi-
noso.
E' a primeira dlffieuldade com que luamos
oeste piiz, tao vasto o despovoado.
Nao dispomos tambem de mais facis meios de
repressao com a orgapisaco policial que temos,
quer se attenda qualidade do seu pessoal, quer
aos escassos recursos ao seu alcance.
E' urna verdade infelizmente incontestavel que,
com honrosas excepcoes, ninguem se quer en-
carregar entre nos dos lugares de polica, com
vistas de cumprir os pesados encargos que a so-
ciedade Ihe impe, por meio das nossas leis cri-
minaes, sem a mnima vaotagem ou recom-
pensa, j
Em geral, os que podem servir cargos policiaes,
de modo proveitoso causa-publica, repugoam
formalmente a acceita-los; e, qaando os acceitam
tocadamente, pouco ou nada devemos esperar de
seusservicos.
Pelo contraro, sao taes cargos smbicionados e
procurados em geral, como meio de obter-se polo
interior do paz Influencia poltica, que se nao
lem sem os recursos offlciaes, suflbcaodo-se com
lies as influencias legitimas das localidades, es
vezes direitos bem importantes docidado.
Mas ainda que oulras fossem as lntencoes e
procedimento de todos os agentes policiaes de
inferior cathegoria. pouco ou nada fariam elles
sem os recursos de que na realidade nao ds-
poem : sem dioheiro, sem forca, principalmente
cao se pode prevenir nem reprimir crimes. En-
tretanto, cerlo que al a polica superior lula
entre nos com serios embaracos a semelhante res-
peito.
Se da repressao passarmos punico, bem sa-
bis quanto estamos distantes da poca em que a
justica triumphar de todos os pedidos, de todas
as contemplacoes individuaes, e de toda a bene-
volencia reprehensivel para com o delnqueme,
que por desgraca muitas vezes acta noa nossos
juramentos.
Esta amarga verdade est infelizmente na con-
sciencia publica: (6ra escusado occulla-la, quan-
do alias necessario que taquemos de frente
iamaano mal, e cuidemos seriamente de remo-
ve-lo.
Bem vedes, senhores, que nesta situaco di
sociedade nao pode haver meio efficaz de repres-
sao em materia criminal. Pelo contrario, o que
natural e o que com effeito vemos algumas ve-
zes, que na repressao, na punico do crime
escapa o mandante, sob a influencia que Ihe pro-
porciona a poai'co vantajosa que por veutura oc-
cupa na aociedade, para ser perseguido o mise-
ravet instrumento, alias co-responsavel, ou mes-
mo alguma vctima immolada aos caprichos e s
patxoes polticas do jolgador I
Mas bom seria, senhores, que so fossem os
males apontados os que oceasjoBam a inconve-
niente oscilacao em que vemos a seguraoca in-
dividual entre nos. Outro maior emergeTeu na
(alta de educacao moral da nona populaco.
A educajao, que a bate dos coslumes e das
mutuas exigencias da sociedade, o nico poder
espaz de substituir o egosmo e as paixes arden-
tes do conejo humano, pela benevolencia reci-
proca epelo respeito aos direitos da humani-
nade.
ti eo disse n'um oulro relalorro meu, e o re-
petirei oeste : as medidas de repressao do crime.
por mais ehctza$ que sejam, teem efteitos tran-
sitorios : cesse por qualquer motivo a repressao
os males voltaro ao que d'antas eram
Os effoitos da educacao, pelo contrario, sao
perdurareis: conseguida ella, vira, como conse-
cuencia mrnediata, a cessacao dos males moraes
preexistentes: os homens torio em si meamos os
elementos de urna vida regular e sem mancha '
a sociedade rivera feliz. Nao teremos ento de
lamentar que naja quem, entre um poto dcil e
generoso, como o noo, se lance na carreira
flp daiatjnos, a poni do tfttr contra a Tila do
seu semelhante, de arranca-la s vezes pelo mais
frivolo pretexto.
Recoaheco, senhores, que educar um povo, is-
to 6, imprimir-lhe no espirito a consciencia do
dever, o coahecimento perfeito do justo e do in-
justo, e predispo-lo assim para respeitar o mais
importante dos direitos dos seus semelbantes,
tarefa difficil, e deve ser muito demorada para
nos, qoa nada temos feito acerca de tao importan-
te assumpto.
Se queremos, porm, cuidar seriamente dos
mais vitaes interesses da nossa sociedade ; se ao
menos quizermos paasa-la culta eciviljsada aos
nossos vmdouros, necessario que tratemos acu-
radamente da educacao moral da nossa popula-
Cao. Nao serio por certo as escolas de instruc-
C*oelementar que por ah temos disseminadas,
sem methodo regular de ensino, e principalmen-
te sem verdadeiras dedicacoes ao magisterio, que
conseguirn preencher aquella importaotissima
tarefa.
A educago, como sabis, cousa dstincta da
inslrucc.au ; e por isso, ainda querendo-se que
as nossas escolas instruam, certo que, como
eslo, nao podero nunca educar.
Alm diseo, estou convencido *de que s a re-
ligiaoUem o grande poder de corrigir vicios e de
reformir costumes, com a exposico singela e
constante das mximas do Evangelho.
, po3, a escolha escrupulosa e a acquisicao
de bons ministros do altar, que as nossss paro-
chias ou as escolas, peta reforma de ensino pu-
blico, se encarreguem daquella alta missao, em
vez de, como infelizmente nao raro, se consti-
tuirem apostlos da perdgao dos povos, a meu
ver o nico meio efficaz, iofallivel, de irmos sa-
lando pouco e pouco do lamentavel estado em
que jazemos, no que concerne ao importante as-
sumpto de que me oceupo.
Sei bem que essa tarefa nao ser de das, ser
de annos, mas necessario que a emprehenda-
mos seriamente, que demos os primeiros passos,
se quizermos chegar aos ltimos.
Passando das cousideraces geraes expostas aos
fados contra a seguranca individual, que se de-
ram depois da vossa ultima reunio, dir-vos-hei
que dous prenderam mais particularmente a at-
tencao publica, pelas circumstaucias especiaes
que os acompanharam.
ReQro-me ao asssssinalo de um homem do po-
vo, por occasio da elegi de eleitores a que se
proceden ltimamente na parochia de S. Jos
desta cidade, e aosqueeasanguentaram a eleico
primaria na de Aguas-Bellas, comarca de Ga-
ranhuns.
Procedia-se regularmente eleijo de eleito-
res as quatro freguezias desta cidade, quando
no dia Io de Janeiro do correte aono, por volta
de urna hora da tarde, suscitou-se na matriz de
S. Jos urna questao das que sao multo communs
na3 nossas eleijoes, acerca da identidade de um
votante.
A questao de dentro da egreja achou echo no
atrio, e travando-se ahi urna luta eutre os con-
tendores ; foi um delles barbara e Jraicoeirameo-
te assassinado com urna punhalada.
Como era natural, seguio-se urna scens d tu-
multo ; mas iotervindo logo o chefe de polica,
pode com algum custo fazer seguir para a casa
de detencao um homem que a populaco indigi-
tava como autor do assassinio.
Seguindo o preso no meio de urna escolta, fo-
ram lodos horrivelmente apedrejados porum tro-
co de povo, que criminosamente pretenda arran-
car do poder da eseolta o preso aue Ihe fra con-
fiado ; quando sabendo do occorrdo o official
commandante eu mandara para S. Jos logo que Uve noticia
do conflicto, pode conseguir levar o preso i mui-
to rendo casa de detencao.
Depois de mais alguns incidentes sem grande
aignificaco voltaram as cousas ao seu estado
normal, dando a populaco desta cidade mais
urna prova do seu amor ordem e respeito au-
tondade, acatada sempre por ells, no meio da-
quello grande conflicto.
Na freguezia de Aguas-Bellas procedia-se
eleicao regularmente, quando, no dia 31 de de-
zembro do anno prximo passado, foi a matriz
atacada por ama porcao de iadios da aldeia Pa-
nema, indo testa dells o seu director parcial,
os quaes, fazendo fogo para dentro da egreja
provocaram urna sceoa de carnificina difficil d
conceber-se no meio de um povo culto, em oc-
casio semelhante, e, o que mais, na casa do
Seohor I
Como fcil de crer, os indios nao representa-
ra m all seno o papel de simples instrumentos
dos homens que, empenhados no triumpho da
eleico, nao duvdaram procurar esse triumpho
por semelhante modo I
As providencias que dei e as diligencias a que
all procederam os digoos juiz de direito da co-
marca e chefe de polica da provincia; que all
foi, deram em resultado a pronuncia de 49 indi-
viduos ea prisode 12,sete dos quaes j chega-
ram esta capital, como determioei, para serem
recolhidos casa de detencao. Breve viro os
oulros. E oecessario envidar-se todos os esior-
Cos para que um crime lo grave tenha plena pu-
nico. v
Sem urna estatistica criminal, regularmente or-
ganisada, nao posso garaotir-vos a exactido da
cifra dos crimes commetlidos na provincia.
No entretanto, na falta desse importante ele-
mento de admioistraco publica, dir-vos-hei que,
dos mappas que tve vista, consta que durante
todo o aono prximo passado commetteram-ae
pa provincia 524 crimes, sendo :
ENCARREGADOS DA SUBSCRlPgA DOSU*
Alago., o Sr. Claudino Faje* Dias; B*W,
Sr. JosMartfnsAlve.; Rio e Janeiro,TaV,
Joae Pereira Martina. ^
EM FERNAMBUCO.
O proprietarie de diamo Manoet Figefroa tmO^t
Farie,na aua Imaria praCa da Independencia n. i ..
6 e 8.
Incendio
Publieos .. .
Particulares
Policiaes ...
37
440
7
514
Dos pblicos foram :
Resistencias....................
Tomada de presos..............
Perjurio........................
Falaxdade......................
Moeda falsa....................
Dos particulares :
Homicidios....................
Tentativas de homicidio......
Ferimentos gravea
20
14
1
1
t
75
37
53
27
Durante o predito aono eflectuaram-se 1029
prisoes, sendo :
Por sssassi natos................ 75
Por tentativas do mesmo crime. 87
Por crimes menos graves......917
1029
Em lugar competente veris
ment judicial havido com esses criminosos.
No relalorio, e nos mappas a elle annexoa, do
digno chele de polica da provincia que vos serao
remettidos. encontrareis outros pormenores do
importante assumpto de que acabo de tratar.
INSTRUCCO PUBL1CA.
A instrueco e educacao dos povos deve ser o
primeiro objecto da solicitude publica.
Entendo que da educacao da infancia dependem
destinos futuros do estado: que o pao do espiri-
to, bem escolhido e bem sio, deve ser distribui-
do a maos largas por tedas as nossas cidades,
villas e aldeas, e que a sociedade deve auxiliar
com todo o seu poder o progresso da razo pu-
blica, anda custa dos maiores sacrificios, como
o mais potente dos meios que a scieocia reco-
nhece para curar pela raiz os cancros sociaes, e
para tornar humanas e felizes as geracoes que
se levantam.
Com similhantes principios de eterna verdade
nao posso dexar de entristecer-me, senhores,
quando atiendo, principalmente na qualidade de
presidente da provincia, para o estado da instruc-
Cao elementar entre nos.
Curar pois desse importante assumpto com a
mais viva solicitude lem sido um dos meus maio
res empenhos, as administraces provinciaes
que a munificencia imperial tem confiado aos
meus debis hombros.
No entretanto me fogoso convir em que
pouco tenho felto a similhsnte respeito- Nem
com meios to exiguos, nem com tempo to li-
mitado, quaes os de que tenho disposto, pode-
na eu vencer obstculos de tanta monta, como
sao os que, acerca do assumpto, fazea quebrar-
se e desfizer-se entre nos asmelhoresintencoes,
os mais bem pensados clculos do adminis-
trador.
Aqu, como em outras provincias, med toda
a extepcao da tarefa: aqu, como por all, en-
contrei-me com os meamos obstculos, e apre-
ciei quanto era difficil vence-los pozar do po-
deroso auxilio que enconlrei sempre na intelli-
gencia dstincta e grande zelo pelo servio do
muito digno director da instrueco publica. E
estou convencido daquella verdade, nao s por
simples informacoes offlciaes, seno tambem pe-
lo exime que pessoalmente fiz as escolas das
cidades e Villas do interior da provincia, onde
me chamaran: deveres do meu cargo.
De 12 ou 14 escolas que visitei por all, apenas
em 2 ou 3 achei bem empregada a despeza que
com ellas faz a provincia. Em geral o atraso
dos meninos, ou o indxjferentiimo -dos mestres,
que se tornaram bem patentes, convencerm-me
anda urna vez da triste verdade que vos expo-
nho. '
Em algumas daquellas escolas nao enconlrei
os mestres, que. segundo me informaran) ti-
nham vindo esta cidade sem licenca de supe-
rior legitimo. Em urna deltas achei o professor
em da e hora de estudo sem um nico alumno,
informando-me elle que seus. inimigos polticos,
para o desacreditaren!, haviam conseguido ser a
sua escola abandonada, como eu a va.
Entretanto, notai, que na minha volta a esta
cidade. examinei os ltimos mappas daquella
mesma escola, e delles constava urna frequencia
de 30 alumnos I
Estou persuadido, senhores, de que emquanto
o professorato fr como hoje entre nos urna
industria, emquanto nao fdr elle acceito com ha-
Dintacoes profissionaea e inteira dedicaco ao
magisleno, como um verdadeiro sacerdocio, pou-
co ou nada faremos no sentido de elevar o ensi-
no elementar altura em que elle deve man-
ler-se.
E nao difficil de cooceber que nao ser por
certo com a facilidade com que se allende ao pe-
dido de urna cadeira de instrueco elementar, e
com as vantagens que por ora proporcionamos
aos homens que per ventura para ellas tenham as
necessariaa habilitacoes, que os convidaremos a
acceita-las. Esses homens sao naturalmente pro-
curados para lugares em que encontrara vanta-
gens com que nodevem contar aqui, comopro-
tessores de instrueco elementar. Os ordena-
dos que percebem sao mui inferiores s neces-
idades da vida e cathegoria do ensino ; e mui-
10 mais notavel se torna esta mesquinhoz se se
comparara os ordenados dos professores de Per-
namDuco com os que vencem os de outras pro^
n?i? x dministracao do patrimonio the-
souraria provincial, porque desde que era neces-
sano pela reforma exigir dos agentes da adminis-
iracao novos e msis pesados encargos, e tornar
mais efficaz e inmediata a accao do presidente
aa provincia sobre aquelles estabelecimentos de
educacao e instrueco, nao era justo nem conve-
Sobre os males apontados, e sobre outros a
queminhas limitadas habilitacoes nao tenham
por ventura podido attingir, chamo a vossa es-
clarecida alinelo, para que procuris prov-los
ae remedio, como o bom senso e os altos interes-
ses da provmca reclamara.
Recooheco que temos de lotar com um grande
25TI2: 1"lanl-s d"> augmento de cadeiras niente ao aervico'faVeV ooTraV enVtaTdoTrfir
f0,,.rde?ad.0 dM mes,res. deficiencia da nos cUU^IX9^SSS^S^uSm^I
renda provincial; mas entendo que devemos pou- por mero espirito de EiSTiffi^
SmSSSSS di0heir7u*lic0 a outras oes- mo ^^T^mSsSSff^L*9 ^^^
peras d um mteresse secundario, como infe z- Entendo conveniente nrevnnii ,S,d m>. 5
grande obngacao acenoraica, negando aos con- do patrimonio, apezar de ter o ead irt
relaSes8'MSe Pnme'r0 condD,en, da 'da d J"^ ^l^^^"^^^
Foram frequentadas as escolas publicas de ins-
menino.
vossa competencia para incluirdes
licas de ins- semelhante acto na aulonsacao que concedestes
99? do"- fSa Cla icesso na fre- titSfcoo 'SUSBSti Vo Va^.f.s^mK
quencia do anno fin do sobre o do anterior de 207 E--~ RS2_?5 9 ssemblas
alumnos, sendo 159 meninas e 48 meninos.
Veris mais que a instrueco das meninas est
para a do sexo masculino nesta provincia na ra-
zao apenas de um quinto ou pouco mais E d'aqui
a clara neeessidade de se crearem mais escolas
do meninas pelo interior, onde aquellas que tem
de ser mes e de educar a geragao que vai succe-
dor-nos ae preparem devidamente para to santo
mister.
no
provinciaes a altribuico de legislaren) sobre ins-
trueco publica e estabelecimentos proprios a
promove la, cora as nicas excepcoes das facul-
dades de direito e de medicina, das academias
entao existentes, e de outros estabelecimentos
ae instrueco que para o futuro fossem creados
por le geral, obvio tor o mesmo acto addicio-
nai confendo-vos implcitamente a faculdade de
legisiardea anda sobre os estabelecimentos de
ln.tr.iTi......,ii t instrueco sujeitos anteriormente a disposicoes
, r vm?a secundaria dada regularmente de leis geraes. com tanto que nao se comprehen-
' bymnasio Provincial, tendo-o requentado no dessem naquellas excences oraprenen
anno tactivo ultimo 31 internos, 11 meios-pen- Semelbantes leis a meu 'ver deviam ser tal
SSfcSSfSZ^ "". Per-'das desde mS'JUBSXmSS
lencentes aos differentes annos do estadio. assembla, provinciaes nao legislassem em sen-
t. de neeessidade absoluta crear-se urna se- lldo diverso,
gunda cadeira de mathematicas no intrnalo: Seria possvel entregar a adminislracao da-
porquo, tendo os alumnos de seguir o curso de 1uee patrimonio junta administrativa da San-
sciencias exsetas, desde o 1 at o 7'anno do es- Casa de Misericordia.
tadio, ha um s professor de mathematicas para V6s resolvereis a esse respeito como vos pare-
lodos os annos; o que physica e moralmente cer melhor. quando tiverdes de julgar o reaula-
insufficiente, nao podendo elle dividir-se, e es- rnento que orgaoisei.
lando j este anno oceupado com 3 classes des- Possue o patrimonio 104 casas nesta cidade
tas disciplinan | um terreno de casa demolida, cinco propriedades
As retnbuicoes mensaes que os alumnos do rusticas e 145 terrenos de que em geral se recebe
Gymna3io pagara ao instituto nao esto de ac- oro-
cordo com os actuaes precos dos gneros alimen- A!ni disso, sao do patrimonio alguns predios
licios nem ebegam para pagar os objectos que a ru8cos. que nada rendem, por se acharem inde-
casa obrigada a fornecer-lhes. Proponho-vos, ''lamente na posse de varios heros confinantes,
pois, como medida indispensavel, a elevaco das Ps respectivos ttulos esto lsncados no livro de
retribuigoes dos ntimos a 50, a dos meios- tombos do patrimonio, e ser oecessario tratar
pensionistas a 25J>, e a dos externos a 7$. Esta opportunamente de reivindicar os seus direitos
til oitituieo nao poder, a meu ver, prosperar' receita do patrimonio foi no anno prximo
e oflerecer mocidade as immensas vantagens flnd? de 66:6185124. e a despezt de 46 992S599
quei destinad 1 a offarecer-lhes, sem que vos resultando o saldo de 19:62jS25, que o thesou-
reclamels com instancia do poder legislativo ge- Je,ro da extincta adminislracao recolheu aos co-
que vence, e que nao correspondente ao traba-
didoT6 execota. Paretera-me justos estes pe-
Insta ainda o mesmo director da instrueco
^rLC5pela,0,,,.cre,5Sofleom oudous vrsita-
cZU." 'a*Xm da PrTn*ra. o *o menos pela
concessao de urna ajuda de custa para as visita
extraordinanas que de neeessidade se devem fa-
zer s escolas da provincia.
Minn*10 em. ?eral que' da '"Peceo gratuita
Cd0envenfoasae0sSpdre:?gSd0, **"**** u nada
salao do convento do Carme, cedida
ffijjg reli8ww. dando-se-Ihes a
paraum
pelos res-
gratificaco
A bibliotheca eontm 2.403 volumes. inclusive
t-5 que teem sido offerecidos por varias pessoas.
Foi frequentada o anno passado por 354 pessoas
as quaes consultaran. 384 obras. Poas
^b,bJ-0'hel,precis" de nOTOS "". e, se-
gundo diz o bibliothecario, de mais um empre-
ado. No entretanto, entendo que a respectiva
ttELE? s6r deTe ser decreta porf0.&dtaCmfpro.PrOV,nCU, Pde Mr dff*'da
O museu, que se acha creado no gymmsio
provincial, vai indo multo regularmente, peladis-
posicoe cuidado com que conservado, devido
uso s hab itacoes do professor L. Jacque Bru-
net, e ao zelo do regedor do mesmo gymnasio.
Aquelle professor acha-se com licenca na pro-
vlacia do Amazonas, colleccionando objectos de
Mtori.MtorlteJi para aqui tem feilo duas
importantes remessas desses objectos.
rJr0guei ,a "cen?a qoe lhe for concedida
pelo meu antecessor para aquelle til Dm. por
estar convencido de que a provincia auferir
muilo proveilo daquella viagem scientilca.
u governo imperial nomeou o mesmo profes-
sor adjunto viajante do museo nacional, coma
graticacao de 800 annuaes, obrigando-se elle
a enviar ao museu objectos dos que elle ollec-
cona na aua commisso.
Ser-vos-ha remetlldo o relalorio do Ilustrado
director geral da iostrdcco publica, e por elle f-
careis inteirados dos pormenores do importante
ramo de servigo de que acabo de tratar.
1 a providencia de serem vlidos para o ingres- lJ da Ihesouraria provincial, onde mandei que
' em qualquer das faculdades do imperio, ou ao c"sem em deposito, com spplicaco exclusiva
enos para a de direito do Recife e para o se- 3 despezas dos institutos.
so
menos
mioano de Olinda, os exames feilos no Gymnasio
Provincial dePernambuco.
Pelo exposto vedes que o patrimonio lem ren-
das sumcientes para manter-se. ainda com os be-
neficios que acabo de fazer-lhe das novas ca-
deiras, as quaes por isso nao pesaram sobre os
cofres provinciaes.
Os esforcos que faz o infstigavel regedor do
instituto quebram-se contra a vontade imprevi-
denle da muitas familias, que mais que tudo n .
tem em vista dar a seus filhos urna posico de- R1 foUegi0 dos orPh<>s conlm presentemente
centeno menor espaco de tempo possivel, e con- ^educandos, tendo entrado-no correr do anno
aultam antes neste caso a idade dos meninos do Un 5?e -sendo entregues 4 a suas mes.
O edificio em que est o collegio bom. po-
rm prensa de ----------------
que o aproveitamento que mistar que tenham.
uab retiram-nos antes que a serie de estados
que compoem o curso de humanidades se con-
clua. ou os mudara para estabelecimentos onde
se nao d o rigor da disciplina
Gymnasio.
que aprsenla o
Outro grande embaraco com que luta o Gym-
nasio Provincial a casa em que est. Suas pro-
porcoes estreitissimas nem permiltem que o ins-
tituto funccione com toda a regularidade, nem
consente que seja recebido o numero de alumnos
que seria suficiente para fazer face ao seu cos-
teo.
E* por isso de extrema neeessidade que o edi-
ficio em construeco na ruada Aurora, destinado
e este instituto, se conclua quanto antes. Quan-
do tratar das obras publicas fallar-vos-hei delle
A m das cadeiras de instrueco secundaria
existentes no Gymnasio, ha tres aulas publicas
de laura : 1 era S Jos desta eidade, frequenta-
da por 19 alumnos. 1 em Goianna, frequentada
por 9, e outra em Nazarath, pdr 2. Havia tam-
bem urna na cidade da Victoria, frequentada por
4; mas tendo sido jubilado o professor, em iulho
di0raT..pa!l,ad(\fi-cou uPP'imida a cadeira. em
virtude da disposico do art. 7 da lei n. 452, de
21 de junho de 1858.
51!nha. Piniio de ha muito, que nenhuma
reparos ; e a sua visinhanc'a'do
pantano de Ohnda o torna insalubre, expondo os
meninos a continuados ataques de febres intermi-
lentes.
Alm dlsso, carece d'agua potavel. sendo alias
de dUuriVVn"- pa" SE P0r 8er h0Je tr"id8
patrim I ,ncommodo e dispendio para o
necessario cuidar de remediar aquelles ma-
les, pelo modo mais conveniente.
O collegio das orphas conta actualmente 81
educandas : foram admittidas no anno lindo 6 e
sahiram 4.
Nao houve casamentas.
A instrueco e educacao das orphas regular.
Aprendem a 1er, escrever, arithmetica, a lingua
verncula, a franceza, os preceitos da religio e
os mistares proprios da educacao do sexo. A ca-
deira de msica nao tem sido provida, por falta
de pessoa habilitada.
Nao podo continuar o collegio no acanbado
predio em que est, pelo qual alias paga a exor-
bitante quantia de 2:500j)000.
E' necessario cuidar-se de reparar um grande
predio que o patrimonio possue na ra da Gloria
aesia cidade, no qual se podero accommodar
150 meninas. Para isso, porm, convir
conveniencia ha ^\er%emeir.nr3ri.adT.pT- ffflSS, ,Be COrram "''erias-concedidas aS
sas pela provincia. auper- patrimonio, ou que possaes dar-lhe alguma sub-
Nao militara a seu respeito as mesmaa ra USz?..para a1uelle fim especial, visto que nao
respeito as mesmas razoes
que 00a obngam a generaliaar os estudos ele-
mentares : a unidade do ensino e a sua regula-
ridade aconaelham que as aulas secundarias for-
mem sempre juntas um curso regular nos lyceus.
assentados onda convier. Pens, portanto. qu
podereis poupar, sera o menor inconveniente, a
despea--------*--------
vas, multo eno.7dian7ad e"IraVetantaVque" I SSSS e ZiVUEfSL "'" t*iin"
eata. E vera ainda augmentar essa nentiri. Sri..4 f ? q p? 1, deTe ,6r ** a
exigua gratifieaco que se.lhea d oaaaa ln SZ&=! mandando-se mesmo que alguns
.n-.-?- n- dos professores actuaes vo servir como adjuntos
Ferimentos leves.............. 140
Ameagas
,DiuM...............Y.'.'.'.".'.:
*luProa......................
5aDto...........................
Sul>os........................
Tentativas de roubo ..........
Furtos............
Estillionstos.......'.'.'.'.'.'.Y."'
Damno..................
Contra a liberdade individual!!
D01 policiaes foram:
Usos de armas defezas........
lufraccoes de posturas........
9
11
11
1
10
4
53
27
1
2
477
47
524
Houve mais na provincia, durante o iodo 27
tactos notaveis, sendo :
Suicidios.....;.................. 7
Afogamen:oa.................... 9
Mortes casuaea.................. 8
DMaoronaBeotas............. a
suficiente para" alu'gueres de edificios c
proporcoes que urna escola publica reclama. Ser-
d? HireiB.ett,!a uma tabelU """da pelo
digno director da instrueco publica, por ordem
TZ^SSW "".'i me Parec q"1* devera
fessores! grsUOcacees para casas aospro-
r.fireaeta,ISl.5avq1<',eu d-eclare 1uo. 1uando me
reara falta de habilitacoes dos professores, fal-
lo em geral, porque alguns conheco eu aqui mui
dignos de sua importante misso
,-.,? \faUl de habil50ss e dedicaco ao ma-
gisterio temos a de systema no ensino elemen-
tar e a de escolas em que elle se preste.
and0Jm?J?5ln -"""".'o. com a lico dos
d mA S re*' nao "ularmos aquelle ensino
fnirTr i"6- re,PW8 escola! sejam uma
ta ra a n/-V'Ude,.,0rnand0-e as9im o elemen-
i d idla Ni f re8enera d<> costumes
LmaVr. a.' S? leTen> sciencia a todas as
pretnSi?" sn0.c,edad0.Pte das quaes pode delta
doS.fj mia edaa.ueB">-l todas, arrancan-
I f!"Cli,,B fl"e o podem viver
sera grande damoe sociedade.
Contam-se presentemente aqui 102 cadeiras
?m de11Mtr"cSao priraaria/sendo 79 d
"iMcaIino e Para eminino.
tarriinl"? a mfDOl ^Viii inBcienta para'o
armo. rnmP0Ulasaoda Pr0Tncia. Se o compa-
rarmos cora o que se passa na da Bahia une 6 >
que mais similhanca bfferece cora; ^d'peroam.
buco em riqueza agricol. e comraerci.l ('"".
S mu & r60dreal0)l achfemos qu
5sSexos narnmeK0,M, P?rtM de ambos
afma oL^ ,"".a PPu,aSs<> de 1:000,00 de
dta'J..^ ." ou n,4,n08- otmaisdo
op4".deCreUdM em P"uco com igual
^Semelhante deficiencia cortamente lamenta-
aeeS^.-n.Ber2d0 menino aemo' 1e
nit.^"01"" em cada uma da escotas desta ca-
cadeir n^H0 h" maito ^ novas
Fm iSr onda..ee meninos se destribuam ja
tal para o .AP.''ia" aul-aa Prn,a^s da l'-
de doxe tw n*fUi,no Bao Pode,, "r >
rias/No h.v^^Cad" Uma d" "ua,ro fru-
dc(Mrii .Snd- d* PrM9nl i que 7 a? to-
Bj5" necewaoo crear e prover d%
para o
Este nu-
prompto
comportara as despezas a iazeY-se'os raeunoa' do
patrimonio.
Chamo a vossa esclarecida attenco para o col-
legio de meninas assentado na villa de Papaca-
Ca, pelo mfatigavel zelo do reverendo eapuchi-
nho fr. Castao de Hessina, cujo nome se tem
recommendado tanto nesta provincia, por servi-
Cos importantes que lhe ha prestado
^-m,em..alli 8"e taDt" eoinss. lutando com
aJmrtiiii9^0 Pd2BJ apreciadas por
no Gyranasio Provincial, onde seus servicos po- ?PX. heCe bem modo de TTer D0> "ossos
dem ser melhor aproveitados do aue ensinandn a*oes'
como actualmente, a 2 ou 3 alumnos s,uanao', .a*a"ce';me fscussdo encarecer a utilidade de
O Instituto Cammercial, cuja creco autori ? .e e8tabelecimento ; bastando lembrar-
stes pela vossa lei n. 414, d W ebS d* 1851 Uft&S&l ePd*n,la do cholera-morbus
foi installado por meu digno anteceLor or to 'B 'K bidai nio poucas orphas, quer
de 29 de fevereiro do anuo p.aadoTrais^s era! U^SSSfiS "' dreClra' 'uer pot ordem de"-
baracos gravea com que lutavam o cofrn nrn Presidencia.
vinc.es, quando em'.bri SmoTcZ .ffil Jttt qU,f Mria hoJe eito de tant -
nistraco. aconselharam-rae a d Herir a sua atS- > S21ZuSP2*
tun, que por isso leve lugar no dia 15 de tora- 'Jd de Pllcia daprovincia. tendo passado
reiro ultimo, com 29 alumnos IKS alV P,ara Agoaa-Bellee. e examinando o col-
Semelhante instilu'ico deveprosperar, em uma dloV^^JiS '""8 maS ,Mnr0*.
praSa commercial como a de Pernambuco d?ni P m,D8oados recursos de que
CULTO PUBLICO.
li ?ore nS ,rfe peD8*7 em Bia,eria de re"
Temos, porm, nraa religio do estado, a que 1
elle deve culto e protejo, como a mais solida
garanta de ordem e de seguranca publica e par-
O ndifferentismo religioso um mo sympto-
maem qualquer paiz regularmente conatitoido.
ttessentimo-nos infelizmente desse mal, a que
convm attender com prompto e proficuo reme-
Sem desculpar os defeilos e deixar de reconhe-
cer, era geral, a falta, de habilitado do nosso .
clero, preciso convir em que nao lhe fcil
cumprir os seus deveros as condiedes da nossa
sociedade.
No interior difficil, seno impossivel, aos pa-
rochos levara lico do Evangelho a uma popula-
Cao disseminada atravez de grandes distancias, o
sem meios de communicaco.
Por outro lado, um espectculo doloroso pa-
ra os olhos do catbolico o estado das nossas raa- -
tnzese igrejas pelo Interior.
,-?alriI da cidade de Goianna, bello e vasto
templo, cora grandes tandas era suas paredes
mestres ; o magnifico convento de S. Francisco
na mesma cidade, o do Carmo na de Olinda, boje
perfeitas ruinas, e outras igrejas que por ahi ta-
mos era idntico estado, sao nesta provincia, pro-
vas irrecusaveia do qoe acabo de dizer.
Em geral, nao temos templos no interior do .
paiz, porque o nao sao os edificios mais ou me-
nos arruinados, sem commodidade e decencia,
sem altaias e ornamentos proprios do culto exter-
n por ah M 'ecolhem os fiis para orar.
ue lodosos pontos da provincia se repetem
pedidos e reclamacoes de quantias para reparos
de matnzes ; e notavel que todos se tomam ao
mesmo tempo urgentes, o que difficulta atinde-
los, como convm.
Entre nos, como sabis, tudo se exige e espera
do governo. Entretanto creio que vae fugiodo a
esperanca de aecudir a todas s necessidades da-
quena especie, sem o auxilio valioso e efficaz dos
particulares.
Attendendo a justas e imprescindiris reclama-
coes, conced para a matriz de S. Jos 2-.O0OJO0Q-
para o recolhimenlo de Goianna 800*000 : para
matrizde Iguarass 5OO00O ; e mandei pagar
OW90O0 que o vigano do Altinbo havia dispendi-
do com a obra da respectiva matriz ; para tudo
o que eslava a presidencia, autoriaada peta lei
provincial n. 488.
Nada mais era possivel fazer em vista do estado
iao pouco lisongeiro dos nossos cofres, de que lo-
go vos fallarei.
Existam nesta provincia 61 freguezias, que so-
distnbuem pela maneira seguinte :
Comarca da capital.............
9




a




do Cabo..............
Pao d'Albo...........
Santo-Anta o........
Nazareth.............
15
2
3
3.
%
Goianna............. 4
hUi0'"An PeU,T0,sa lei n. 452. de 21 de ju-
nho de 1858, resolv expedir em 28 de Janeiro
dispde.
Proponho-vos, portanto, que lhe continuis a
ultimo" .onTregularaenlo par. o colU Tdo, 222?? ,abTeDS "S** 4:00(* *"&
orphos de Santa Thereza de, tMlIu^g? g?fg>>.'f depois reduzistes a 3:000/.
"*> d 6 de fevereiro seguin'ta,'que P. %SJS~* '*'"" "'* dU B',S Ul6"
visoriamente, e emquanto nao fr dado novo re- f,,u !i .1 .
gulamento para o collegio das orphas contine JzO?. 8 au'a. Particulares de inslruccSo
a vigorar o de 22 de junho de leJo^fcafoS. USE? MC1Ddaria na W**>. aasim inati-
mdicada na portara que vos ser reiettida cora
A neeessidade da reforma d'aquelles institutos,
!. I,,d1?reC.0Dbef,da Pr T0* tesapredita le, foi por mim mesmo jutaida
depois indispensavel. mujuigaua
. tZTiSa C0.n?PwU em que nelles so achava
a parle relativa instrueco dos collegiaes com a
econmica dos intaroatoa, era um gran dissimo
inconveniente; e o mal se me tornou claro des-
de que, risitaado-os en, observe! que, a par do
desvelo com que eram tratados os orphos. se
patenieava o mo ealado da iostrueco, princi-
palmente no collegio do Saota Thorezs, quer al-
ten desse ao a trazo dos alomos, que examinei
com 2 e 3 annos de collegio, sem saberem quas
ler, quer 4 rregularidade.*! ensioo, quer oal-
mentetfalta de cadeiras, que eram indispensa-
veu para os Bns a que a lei destina va aquelles
meninos, lando elles .111 apenas um mostr de
prtmeiras letras e outro de msica. -
E pois destacando eu no novo regulamento a
parte econmica daquellas casas do qoe diz res-
peito instrueco. o pondo esta a cargo da direc-
tora da inatraeco publica, com a creaco das
cadeiras do francs, de geometra e de deaenho.
creio ter remediado um dos malea que, em du'
T4tT0laWWUfWatltortWUlVtm
26 casas de instrueco primaria para o sexo mas-
culino ;
26 casas de iostrueco primaria para o aexo fe-
minino;
25 casas e collegios de instrueco secundaria para
meninos;
3 casas e collegios de instroeco secundaria para
meninas.
Estas casas, e outras que ainda nao esto le-
f nf 1 m, frea.uentadas o anno psssado por
1,814 alumnos de ambos os sexos.
Devo fazer mencio dos collegios do Bom-Con-
selho e de Bem-fica, e do de S. Vicenta de Paolo
regido pelas irmas de caridade, todos estabele-
cidos nesta cidade, os dous primeiros par. o sexo
masculino e o terceiro para o femlnino, pela re-
gularidade com que funecionam aquellas casas
e pelo solo e dedicaco de seus directores.
Pede o digno director da iostrueco publica a
ereaco de ora amanuense que aiudo o respecti-
vo secretario, visto o mui grande augmento de
^"5,50..d0.ax|>edwn.u. com JeicoimmedU-
ta da bibliotheca publica, do curso commercial.
e dos collegios dos orphloa da provincia est
repartico, como entend dever aojeitar-lhe todos
os estabelecimentos hlennos provinciae. afim
de dar a conveniente unidade aeco do ensino.
e ioapecelo perior da autoridade. E qtteTao*
respectivo secretario, lieloieo parco ordenado
Bio-Formoso........ 5
Limoeiro............. 3
Bonito................ T
Orejo................. 3
Garaohuna............ 5
J'ores............... 3
Tacaral............. a
b ? uBoa-vista............ 5
Km todas ha vigarios collados ou encommen-
ados. auxiliados por coadjutores.
Existem tambem 10 conventos, seodo 5 de S.
t rancisco,no Recife, em Olinda, Iguarjuw, em,
Ipojuca e em Serinhem : do Carmo.no Re-
cita, em Goianna e em Olioda ; 1 do S. Bento em
uunda, e finalmente um hospicio de Nossa Senho-
ra da Penha no Recife.
Contam-se 4 casas de recolhidas: a da Glora-
nosla cidade, a da Couceico em Olinda, a do Co-
racao de Jess em Iguarass, e a da Soledade em>
Ooiaooa.
--AL8uq,a*.daf ord"M religiosas referidas esto
em completa decadencia, e os sena patrimonios,
destruidos e delapidados I "uro
Entendo que conviria anima-las, Uzer-lhes al-
gumas coocessoes, que, sem acorocoar os vicio
e deteitos1 que as desmoralisaram, aervissemt
para rehabilita-laa a serem utais e prestimosa.
como foram em tempos anteriores.
E lalvez estranha ideia esta na poca em que
vivemos. No entretanto, os servicos prestados
pelos missionarios do hospicio da Penha, nesta a
as provinciss visinhas, ao anteriores a todo o>
elogio: e bem certo que o Brasil e outros paizes
foram felizes quando cada convenio era uma es--
colla, uma casa do soccorro certo pobreza, e*
um templo, onde o culto religioso ae celebra va*
com a mais esplendida o edificante gravidada e*
decencia.
Em vez de procurar corrigir oa vicio e deanes*
das ordena religiosas, a nossa sociedade leude a
dadef" "* "UeBdw 8u*manileaU atili
illS^^^ 'o*
Os piedosos esforco do digno chefe da ignia.


w i>aft.iiggta-t nial mkt
1A.RI0 DI tEMUlIUCO. TERQ1 FE1RA 3 DI ABRIL O 1161,

t

SI
l'JXII lili
<*o Dio detem ser abandonados a seus propriosjde muitos das de saque na cidade e arredomo de
cursos.
itr i
CwtfaMr-e-ftts'T
Governo da provhMl*.
aarprafe 1861.
taanio sea erna
do di
ron-...
I eenseslir mi espiOo de cavatta-
MostfcBtteae Netas ria peca e sessesv
vasar de guerra Ilass, qastsere
irgatdaite porto pata fecdcte.
i ac asetso.--Sirva-a *. S. de andaepdt
osicis detafido tatodeot a Io dbMste-
oaa. salta 4 Me aaannjacs-
o Deesasetici, istsea-
cas dsTMha para epiVaseawtosatatidsde.
^-Commurrieou-se ao caefe de polica.
Btt a tnesao,Queit V S, consentir que o
3o teneota do utilitaria Anlnaio Jos Riposo, so
demore nesta provincia al a passagen do vapor
yapocfc, que devt aqui estar de volU do sor te
o o dia i de abril prximo viudouro.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
tipeja V. S. sais ordens para que pela collec-
toria S. indica em sea rafotreaco de tontera, sob o.
\H, as desflecas com o sustento dos presos po-
bres da cadeii quisito* o chefe de polica em tficto da id do
corrente, sob o. 198,-e nao ha inconveniente, se-
cundo consta da citada inforreacao.Comtauoi-
<*-* ao 4efe de polid a.
Dtto ao oomreattdaate superior da guarda na-
cional da Santo Aoto.Respondo ao. officio que
V. S. me dirigi sera data, decarando-1 he cjue
4ev andu dispensar do servido do dealaca-
xaonAo o capilaa que est eammandande 3 pia-
fas da guaida nacional destacadas na Escaca, U-
seado-o substituir par usa oflicial subaliaiuu.--
Ceramunkou-ss ao inspector da thesouraria. de
facends.
Dita ao inspector da thesouraria de uceada.
Mande V. S. ajustar coelas ao 1 titUCgio Ur.
Jos Joaquina Gonealvcs de Cartalbo -e 2 Dr.
Maooel Luedino do Reg Valencs, que lera do
seguir esta paca a provincia lo Uaranho e
fuelle paca.a do-Ceas.
Dito a thesouraria pretiociaLResltun a V.
S. a coola que acompanhou o seu officio de hon-
leu*sob a. 113 relativamente as deslazas feitas
vas atezas da novembro e dezembro do anuo pro-
sime pssado com o austeulodos presos pobres
da cadeia de Flores am de que mauda pagar a
importancia da meares coala conforme se orde-
no u e
detalle ao chele de polica para que seja
lacada pelo competente juiz de direilo ou muni-
cipal, a que diz respeito a iguaes despezas no
mez de Janeiro ultimo.
Dito ao ju'u de paz roais volada do Io diastricto
da freguezia de Santo Arnaco do Jaboalo.--Cons-
tando do oflkio que Vmc. me dirigi e;u 12 do
crtente nao ie ler insultado a junta de quali-
icaco deesa fregueata pelos motivos selle de-
claradas, reeommendo s Vmc. que fozendo-se a
cnvoc3cao de que trata o art. 4 dalei de 19 de
agosto da 1816, reuo* a referida junta no dia 5
de maio prximo viudouro, que para isso desig-
no, c restallada ella, prosiga nos dtmais termos
do proeesso da qualiiica c,o de couformidade com
as disposicues em vigor.
Dito aosuperietendenle da estrada de ferro.
Respondo ao officio que me dirigi o Sr. su-
perintendente da estrada de ferro em data de 37
do corrate, dAzenda-lhequeforam promplamen-
te se.iiifeitas ambas as requisices por elle feitas
di mesma data, e que aliude ees seu citado of-
ficio.
Portara.--Os Srs. agentes da companhia bra-
sileira de paquetes vapor inaodera dar trans-
porte por couia do ministerio da guerra, ne va-
por que se espera do-sul, ao cirurgio Ur. Jos
Joaquim Goncalvcs de Carvalho e 2o dito Manoel
Enediuo do Reg Valonea, este para a provincia
do Maranho e aquello para a do Cear.--Com-
oauoicou-se ao coronel commsadante das armas.
Dita.--O presdeme da provincia leudo em vista
a inormaco do director geral da instruccao pu-
blica de 26 do correte, sob o. 69. com referen-
cia as pravas por escnpio, apreseoladas pelo pro-
essor publico de instruccao elementar da villa
da Serinhiem Antonio Vieira de Barros, no exa-
xne a que se Mijeitou, resolv considera-lo habi-
litado para perceber as vanlagens, de que trata
o artigo 26 da lei n. 26 da le o. 369 de 14 de
maio de 1835,Communicou-se co director geral
da instruccao publica.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao director geral da iostrueco publira.
O Exm. Sr. presidente da provincia, manda
devolver a V. S. as prosas por escriplo que ucorn-
paoharam o seu officio de 26 do corrente, sob
n. 69,
Dito ao chefe de polica.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia, devolvo V, S., em
additameolo ao meu officio do 18 do corrente, a
inclusa coola que acompanhou o de V. S. de 15
leste niez, sob n. 188, relativamente as despezas
feitas em Janeiro desie auno, com o sustent dos
presos pobres da cadeia de Fletes, afim da que
seja ella autbenlicada pelo competente juizdadi-
reito ou municipal, conforme indua o inspector
da thesouraria provincial ere sua ioformaQo de
beatem, sob n. 113.
DESMCHa*' DO Bl* 28 BE MAnC,0 DB 1861.
ietterimento.
4166.Hacia do Espirito Santo Paiva..--Pec.a a
licenca ao Se. inspector do arsenal de marinha.
4167.Manoel Nunes Correia. Informe o Sr.
iospeclorda Ihesouraria de azeuda, ouvindo o
administrador da recebedoria da reodas.
4168.--Padre Pedro Manoel da Silva Burgos.
Nesta data se expede a conveniente ordem.
4169.Odorico Al ves Raposo da Cmara.
Passe portarla concedendo a licenca pedida.
4170.--An)Do Pe freir Lustosa.Informe o
Sr. inspector da thesouraria pro-ricial.
4171.--O mestno.--Informe Sr* inspector da
thesouraria provincial.
4172.Adolpho Ferreira da SilvaAssigne o
requerimento.
j S. Jlo. Ra troca ficou por govemador um tal
'ValenraeUi. bomem de pessimos antecedentes,
' ojsta para maior cumula de desdilas conta com
urna legislatura flanimente, mas lio putiiotica,
4aa decidida e liberal, que um dos seas primei-
ros actos foi fazer ama lei condemnsndo i pena
tesa* casa frana*
a pavo se* a presa'
ni4s4diffatisreo
batea, aie? 4 a a
amtaM*Jkoia4
atase nusa,cep* "
v>serem dtaaa u
Htdova,
INTERIOR.
*2D0rt
s no
de* per
o ae 4
M
eilo
ue ssat se
a e teda
r Pf
a t Lefias* ess.
par um jeaa da issa-
eia que, aegnu ul-
timo censo, conta 200,000 habitantes :
tr-jko zT/tarlar 11. toad Lean. Tejszv Amurlrta
antes que sala o sel ir casa de IX Rosario
Montaya e lhe aasenlswa ne loaabo seis ptancha-
das con a ful lia da espada, rrtando-o em segui-
da pata comparecer ueste juico ; e se per veotu-
f resistir t ordem de citacie, oa disser que nao
quer obedecer,esto lhe deiiar um laco ae pes-
coco, de nodo que nao ae enforque, e atado
cilha do cavallo o trar arrastado at este juizo.
O que tudo imprir ao p da letra, debaixo de
seria responsabHidade. Deus guarde a Vmc. etc.
Subsiste, ou para melhor dizer torna-se cada
tea mais intima a enltnte-cordik entre o pre-
"'""lilti aa ..: ^ ^ ^ ^. J--------- itnnl nr ^
uiutuii UalViil ^ fj Jtjtj pwucTTraw C\J( general L'rquizs, de modo que todas as quesles
que ha dos meces se julgava seriao resurtidas
no sentido ds pretencot-s de Buenos-Ayres e do
partido libera!, beie se apresentam* dobrada-
mente ioadss de dVffieuldades. Quasi so pede
dizer de oote-mao que Buenos-Ayres ser der-
rotada na -sua pretencf o de que o congresse se
renov -em virtude da retroaclividade da reforma
consignada na constitaicSopeU coavenco da San-
ta F : que o ser tambe'm na questafl S. Joae, o o
queweis grave ain ja.pois p rompimento, qne o ser finalmente as leis que
se fh-er-em para completar os pactos de nevem-
bro e jurrho pelos quaes se coavenclonou sub-
melter decisao docoogresso, pontos mui trans-
cendetitaes.; perquauto da maneira como forera
reeelvidos depende em grande parle a conserva-
cao oe poder ao partido que rege os destinos de
Bneos-Ayres desde a rerolotje de setembro de
1852. Se o presidente Derqui e o general'Or-
qoiza nao querem, como se afianca, qne Buenos-
Ayres se uua effectivamente, brilnante a oeca-
. ua sima u.no-vu.au.I | sjj0 9e ,he8 offerece poig nei,huma duvda
18 da Oreate ; trio de que nesU data ^VWw que a maioria do congresso seja go-
depolu=u pata que seja auten- ^rnada pet^s dous- Diffic d7gerquae8ao608
projectos que estas duis personagens formar na
reajidade.; mas, a julgar pelo q^ie nos vem re-
petir os seus respectivos orgaos, a Confederacin
oProgresso e o Uruguay, o pensamento que os
domina a expulsao de Buenos-Ayres, e diremos
expulso porque a tanto montar enllocado no
caso de abdicar as garantas que mui hbilmen-
te se a ."seguro o pelo pacto tfe novembro. A 19
o dia de S. Jos, e oelle d o general Jrquiza
um banquete a que devem concorrer quatrocen-
tes convidados, asseterando-se que por tal mo-
tivo ter logar um proounciamento. Esperemos
mais alguns das, e resolvidas ficaiao muilas
duvidas.
Neste momento preocenpa-se Buenos-Ayres
da elei^o de deputados legislatura provincial.
O club libertad, esse rerdadeira potencia elei-
toral, formulou e seu programis em termos que
julgamos opportuoo reproduzir integramente pa-
ra melhor fazer coohecer no Brasil os Ons e ten-
dencias desta poderosa associagao. Diz assim :
Na vida de isolamento, reduzida como eta a
esphera de acejao das cmaras de Buenos-Ayres
exigi o club libertad, como condlc&o para a de-
pula^ao, a adhesao actualidade que nascera com
a tevolueo de setembro, completada pelos fei-
tas de armas e saogue derramado para alcan-
c.a-la.
Todos os programmos que o club libertad
desde entao apresentou lem partido dessa base ;
o escurecida ainda. a atmesphera pelo fumo da
plvora queimada em Cepela, o club lil/trlad fiel
s suas tradieoes, logreo com a sua oxigess, con-
sagrava no seu progamma para a eleico de de-
Rio Grande do Sul
Forto-Alegre, 15de margo de l^k**.--_a
Deve oceupar o primeiro lugar nesta carta, por
tambe* o satfMMavel, ulisasts d-
Mte delteaguto eamiiyTi de
ario.
SorpuMjus, a tedoa a tetada aareunaaaeaaaraa, '
calculista peBlicaa esfera
O alteresportou-sede urna maneira dignado
lado o elogio, a o governo dte pelos muitos
meiaa a seu alcance manifestar o seu epreco ao
oficial qtn tae bem desempeuha commissoes
rafas fs medidas e providencias do Dr. Pin-
dabyba e dos seus executores, desta quadrilha
mas te-
M>am agssssmAfcei e Astrogi
asfssaatnaanioQcaraoi
nm Js os oossaa
sitatjls> poftttaa qtjpt aa cleaciea tinhaa
o nata apait apara ea pmrlideeqvaa plaU%Sr
o dWmiso do poder eaUva betaaetiaieau
ule rstete duvia que partido ooeetiteciaaat
oa conservador,-como lhe quirerem ctiamar, te-
nhi rnnaagnido aasigniilriilu iriumplin .
A" oplatto pubTTca consuTtatTa uss urnsnTea a
maioria a este lado poltico, que, alm das tradic-
eoes de seu pastado de ordem e respeito mo-
narchia, tinha nos altos cargos do estado estadis-
tas muito netavris.
Era lgica qae da maioria dees partida sahis-
s um nave gabinete, que, apoiado vigoiosamen-
le, Ozesse adoptar as leis que reclamam o pro-
gresso da industria e commejcio, o estado Je aba-
t me Dio em que se achata O ano exercito e ma-
rinha. a raqueza de todo o systema adaainislrati-
vo das provincias e de poder judiciario para ga-
rantir a seguranza individale de propriedade.
X compusicio de usa mmisterio lirado- de siem-
bros dessa maioria, antes de sua reunio aasc-
maras, revela, ou que era oecessario prevenir
algum mal, filho da exigeracJo dos adversarios
do gabinete passado, consideracao que o levou a
dar logo sua demissiio para fortalecer o principio
da auturidade, ou que profundas divergencias ha-
via catre os ex-uiinislros sobre a apreciacao d-<
siluacao actual; circumstaocia que enibaraQou a
conttuuaeao do gabinete de 10 da agoste. Esta
inesperada mudauca nao pode deixar, segundo
pens, de ser Qlha de urna dessas duas causas, e
todos os que aqui se iuleressaro pelas cousas pu-
blicas, reeeberam com aatisia(o esse tesullado,
todo illho do estado e do cuidado que merece a
situacao actual.
O mioisterio passado, composto de homcus
amestrados pela experiencia, leudo estudadocon-
venieutereenta a situac.au, apreciando a exagera-
cao que pur todos os modos manHestavan seus
adversarios, deu um passo verdaderamente poli-
tico,, e collocando-se boje ao lado dos moderados
ha de prestar ao novo gabinete todo o apoio pre-
ciso para marchar na diiecce publica, ortale-
ceudo assim o principio da autoridade.
Os joruaes da opposiQo e urna corresponden-
cia que pateca ahi escripia e que aqui publicou o
A/ercanlilaao dissoluQo do ministerio diver-
sas causas, ja. aproposta para serdissolvida a
guarda nacional, j a desiutelligeucia entre o Se.
Ferraz o Almeida Pereiro, e j entre aquello se-
nhor e o Sr. Sioimb ; nao acharaos nessas cau-
sas o menor fundamento, e duvemos procura-la
em fado de grande inleresse publico.
Pens qua iaal vao os exagerados da situacao
se qui?ereui precipitar os acootecimentos, domi-
nar sera ter o terreno convenientemente prepa-
rado ; se eotenderem que devem triumpbar a
todo o transe, tomarao urna grande responssbill-
dade e aflnal se acharo solados, porque os mo-
derados de todos as lados polticos acompanha-
ro aquetles que sem todas essas exageradas pre-
tencoes cuidam dos inleresses pblicos.
Oelxernos, porm, estas consideraces geraes
dos polticos da corte, mesmo porque nao per-
miitem grande desenvolvimento os limites de
urna carta, e passemos aos tactos que lem rela-
(o com esta nossa boa Ierra ; porm antes de
o fazer diremos qua corre por aquf como cetto
que os liberaes da corle se preparan) para receber
(ora da barra dessa capital os Drs. Barcellos e Po-
lis da Cunha com todas ss demonstracSes do en-
thusissmo que se leem manifestado na seita da
democracia de grvala lavada : nao creio porm
na noticia dessa oraco, ou recebero os dous e
lambem o barao de Porto Alegre da mesma ma-
neira, posto que cada um delles seja liberal a seu
modo, ou ento nada farlo nesse sentido.
0 Mercantil desta capital j comeQou a opposi-
cao ao novo Ministerio, e, a proposito de ser o
Na cada de Jaguaro (ea'teua arrabaldes)
ii asttaalatdo eetiental escolstica Bellego por
lis Cauto, se tambem licoa gravemeale
ao tale) ftido, e qae rtcoihido cadte est sujeito a
atameeto gulmenle respondando ao pro-
etaso que se instamrou.
A' SI do passadu foi assassinade no V distric-
U da Cruz Alta ocaatelhano Dossancues Rodri-
gises, homem da talos costume, ebrio a desor-
aelro.
. Ptotocande a dea toldados do ?*-.-btjiHrao-
quetlnham ido ao mato, um dellcs deu-lhe um
Goatm observar que a receila que se pode
chamar propria do exerclcio se reduz a* duas
primeiras parcellas, prefazendo a somma de___
861:2699249 a de 146:336*197 ; renda ctm que
se nao pode contar no segrete exerciclo, para o
mado em separado : aproveitou-se do entejo pa-
ra ea taz do Sr. Catar perder um voto, ter dous,
Sor quanto foi admittido a votar como eleitor o
* suppleale da fregaeiia da cidade, e reunio-se
totacio total o toto do 17 eleitor da Gapelli-
qual passa o saldo de 26,6709660, menor do qtrr 'BtW; BClRlolilno'd-se na fim (ainda bem) os tres
aquelle que passou do anterior, e do qual ainda -
te date deduzir a quaatia de 8:000 te recaM
do torrente para oceorrer s suas despezas.
Comparada esta receita com t do exercick e
1858. que foi de 901 134j>97S, aprsente a diai-
uuico de 39:8659717.
No eaotimento de fandot tambem te acha et-
cripturada a somma de 33JOO/000, que dere ttr
considerada como empresfmo feito caixa desee
xercicio, porque pertencem s obras dss ifcajas
do S. Leopoldo e S. Borja, e esto tencendo o
jar de 6 /..
Reunida esta somma divida activa, que se
tile. .r&ci doSi de szaa^:
re de 1848, otatou ao Sr. Catar o ata tolos
qne o collegio katia reunida.
O Sr. Cea to no Serr 0 tolo* Rkeraet, na
Diamantin 16, ao lio Pardo 15 (loa ole i totea de
Salais), ao todo 71, que oa oa 114 de Mlaas
Netat fazea Ut; ora, netto ultimo eellego to-
ta ram apese 14 liberaes : logo, o Sr. Cesar tare
90 totos ctaoorttdorat; ainda assia, se flat toa-
se a apreoeatacao dot Scs. Herculene a MUi-
redo, terit Iritmpnade coapletameato a efeapa
O Sr. Ierculano leve na Diamao-
tecco atet em eompeosaeo um faeada no pei-
to, e o (crido foi al ao qaaclel, donde vieram
outros soldados e toltaram declarando que o
castelhano l firra : acharara-o aerto, e fot
preso o saldado Henriqoe Fereirs, a quem te at-
tribue i morte.
A crioula Rita, escrava de D. FelLzarda Ber-
nardina de Souza, estando alugada em casa do
ourives Felisbetto, eslabelecido nesta cidade,
laneou mi de ama psrco de acido salpburfco
da loja de teu amo, e eatoraaodo-o en urna ca-
neca, deitou pela bocea de um innocente de 3
m*M8, filbede Felieberto.
O innocente est ceg e espera-se 4 lodo mo-
mento que morra; a malvada jl processada,
espera o jury.
Joao Bube, ao abrir uns alicerces para urna
cezinha na ra da Praia, cidade do Rio-Grande,
encoutrou alguns ossos humanos, urna pedra de
gamo e urna faca do pona j auito estragada
pela ferragem.
A polica ahi foi, acampanhada por mdicos,
quo declararam pertencer a pessoa de estatura
Ha e all enterrados ha mais de trinta annos.
No dia Io do correte fugiram dous gales que
estavam ao servico do bosviial militar : um sol-
dado de invallidos que esteva de guarda 6 the-
souraria de fazeoda e quo abandonando o seu
posto foi ao hospital requisitar em nome do
com mandante do 4o batalhao os gales, foi a ori-
gem dessa fuga.
Estpido ou connivente, o inferior entregou os
gales, que coa o invalido fugian e que, ape-
sar de todas as diligencias do incansavel Dr. che-
fe de polica e do commsndante de polica, ain-
da nao foram descobertos. E* a segunda vez
que em tres mezes fogem gales ao servico do
hospital, e com pracas que os guardare.
Como cautelar fados taes ante a corrupeoe
imbecilidade de taes pracas ?
O chefe de polica principioupor nao consentir
que saiam da cadeia presos para serem lo in-
convenientemente empregads, representando
presidencia neste sentido.
Em compensado da fuga desse gal litemos
a prlsSo de um dos dous gales e de dous solda-
dos do 4o batalhao de infantaria que fugiram do
respectivo quartel em novembro do ahno pas-
sado.
0 delegado de polica do Rio-Parda os remet-
teu para esta capital.
No dia 7 deste mez o parde Delino, esetavo
de Caldas Quintal, ferio com duas faeadas no
peito a Beroardoo Caelaua, homem livre e tra-
balhador do mesmo Quintal, por quesldes de pa-
lavras.
0 criminoso conseguio evadir se. mas a poli-
ca em prega osmeios decaptura-lo.
Reconhego que anda temos de lamentar tac-
tos da ordem dos que acabei do narrar, mas con-
tinuando o presidente e o chefe de polica no
consortadora.
recebeu da thesouraria da provincia, na impor- lina3 votos conservadores e 17 liberaes,uo Ser-
tanda acm dita de 146:3369197, t-te que o ro 6 liberaes, no Rio-Pardo 23 consejadores e
exeroicio de 1859 a 1860 tete, para oceorrer s 10 liberaos de SalioM, BoaUnenU 61 coaser-
nae despezas, o auxilio de 179:6369197, aug- tadores em "Mlnat-Notas; e o Sr. Figueiredo 13
conservadores na Diamantina : estos dout can-
didatos pois desviaram para si 100 votos conser-
no Sr. Cruz
mentando em parte a sua divida passiva.
Tratando da despeza, deto fazer as seguintes
observagoes: A despeza ordinaria foi de........
1,060:0259730, e nella foram incluidos os paga-
mentos de dividas atracadas de muitas obras que,
tendo sido anteriormente contratadas, seus paga-
mentos te vencer m no correr do anno Bnaneeiro
de que se trate.
Ahi se achara tambem incluidos os pagamen-! fez para animar^'candidatura delle ludo
toa de ejercicios lindos na importancia, de........
pode.
27:3r78J350.
Nao concluirei esta exposicao aere dar-tos con-
ta do estado dos empresliraos feitas ao cofre pro-
vincial pelo banco e depsitos particulares, para
oceorrer s suas despezas ordinarias, e a cuja
a mor lisa rao lenho appiicado algums paite dt
receita.
No ultimo de juobe de 1859 st lettras a pagar
ao banco subiam a 124:4169168, incluiodo......
8:570#3l, de juros que deixaram da ser acumu-
lados ao capital, como se pralicava anteriormente.
Para pagar as despezas de qne a cima falle i, se
elevou esta divida somma de 320:1119675, alm
de etnpreatimo de deposites, como melhor pode-
reis verificar pelo exame do balanco e leitura do
ofTi.-io do director geral da fazeoda ptoviucial do
Io de outubro do aone prximo paseado, que est
anoexo ao relatorio que vos aprsente! em no-
vembro do dito anuo.
tadores, dot quaes te recahissem 4
Machado a 26 do Sr. Dr. Simio da Cunha. tinta
perdtado-se 70, Vera trUimpbado toda i chapa
conservadora. Os liberaes perceberam bem qua
a apresentacio do Sr. Ierculano poderia trazer
este resoltado, e por isso o barao da Diamantina
quanto
pulados couvencao provincial quo a retoluco i Sr. marluez de Caxias, presidente do conselho,
de setembro, os diteos por ella reivindicados, pergunta se querem araeacar os liberaos exalta-
e actualidade que se lhe segui seriao a esUella dos com essa gloriosa espada. Quem sabe se o
que lhe marcara o rotero da virtude. e redactor do Mercantil receia alguma manifesta-
ce por parte dos seos ? A nomeacao do Sr. mar
COMMAXDO DAS ARMAS.
guarid do commando das armas
de Fcrnambufo, na cidade do
Reeife, 30 marco de 8 6l
ORDEM IX) DIA N". 87.
U coronel commandante das armas determi-
na, que na manhaa do dia 1," de abril vindou-
ro.se passe revista de rooslraaot corpos do exer-
cito em guarniQo nesta proviacia,eas companhias
.lixas pela ordem seguiote. As 6 horas.manhaa
companhi de artfices, as 6 liO k de cavallaria
s 7 ao 2.a, s 8 ao 10, s 8 \\i ao 9 batalhao
todos de infantaria e s 9 1|2 to V batalhao de
artilharia t p.
Outro siso, que do referido dia 1. de abril em
diaote o toque de recolher seja dado s 8 horas
o servico da qoarnico cuja parada ser s9
horas da manhaa seja feita de uniforme azul vis-
to eslarmts na estaco invernosa.
Assignado.Jote Antonio>da. Fonseca Galvao.
Conforme.Anloniu Enta* Gustavo Galvao,
eTeres ajudante de- rdeas interino do- cea-
mando-
EXTERIOR.
Buenos-Ayres, 14 de marco de 1861.
k tem-
Taabem na poltica soccede a calma
puta de.
A' medida que o tempo corre tae dessppare-
cendo a ia prese i o- castada pela barbara manir-
a do Pocito BtU prxima a reunio do congres-
*o, esperando todos que neo Acaran impunes as
vrolacoes da ei prepettadat em 9. Joao: 86-
rnente S. Joo, eujo sentimento intime conhece-
mot, e une pteos de sceptiees datidamot da
Ttetidao do eongreeso, quo j fleon muito de oo-
tra tez na preseoca de atteottet, seno tao san-
guinosos cerno ot de PeeHo e o asstssinato de
iadefesot praieotiro do- guerra, pelo menas
gutlmente etetr/daloto e corruptores da moral
poltica o fof pota.
De sote pas t*r:Boetfot--AyTe borladas ts
ente eepertneas1, te tuse no bree ttpertneta, o
eou anhele por que teja esetigado o ctlme, e 3.
Joao. a Pelona da Kepoblict Arferrtma, flear
aepu-ttadt aot tea dowrocet espera do da tfa
remndlcacio dot seus direitot.
*aa, noto Qeeiitjge, erhbrdo pelo presidente
Jterqoi^cttlea* peto general Drqatw.rl nnmtp
" !^m eot?it?r***t* ot debis, como a all r-e
m fol? e loogea-los, nao ett i em
I,.m .' ?* ,vw'1> sefrsgen, regrot-
awam a S. Lrez, vergptdo to peso dot dwjroos
da verdade, para chega'r garanta completa das
instituicocs e lberdades de Buenos-Ayres.calca-
dassemeessar pelo partido que durante vate
annos baohou em sanzue o territorio da Rep-
blica.
< Luida boje Buenos-Ayres ao resto da rep-
blica, dilata-se o raio do horisoole poltico, alar-
ga-se a esphera de aeco, e as pulsacoes da nossa
vida poltica, passando alm do Arroyo del Medio
e repercutindo em todas e cada urna das provin-
cias argentinas, vao perder-se hoje entre o gelo
dos Andes, on entre o murmurio das ondas agi-
tadas do Eatroito, do aicauo modo que os golpes
descarregados pela barbaria do outro lado do
mesmo Arroyo, produzem sobre us o seu effeito
reflexivo, cansando-nos dr e irritando-nos.
E' que existe a solidariedade de interesses.
cr E' que existe tambem a communidade. da
vid.
a E' que o instincto da conservago dos povos
grita cousciencia do bomem que a luta nao ac-
boa, que os caudilrios s6 podem viter a'uma
atmosphera impregnada do vapor do sangtie, que
a paz os faz morrer alrophiados ; Qnalmenle, que
se Buenos-Ayres nao quer prestar-se i quo fajam
della urna segunda edico de S. Joo correcta e
augmentada, preciso "que o seu pnvo. as suas
ctm iras e o seu governo se ergara allura das
circumstancias solemnes porque est passando a
repblica.
Prescindido destas considraefies geraes que
dft*o s prximas eleiQoes urna importancia vital,
o club libertad records que os que sahirem. tlei-
tos par constituirem o senado e cmara dos. de-
putados teriro tolo na elelcao d quarlo governa-
dor constitucional da repblica.
Consequeole com estas ideas sustentar o
.club libertad nos comicios pblicos como candi-
datos :
Homens de carcter independente no cum-
primento da sua missao, escratos do, dever que
Ibes rrao permute ne'm transigir com a moralida-
de, nem vestir a maldada com os atarlos da vir-
tude ;
Homens de progresso e de iniciativa aue.se
alirem s buacar com fg na scienda d* legslaso
os meios de augmentar a nossa riq.ueztdo alar-
gar o traBalho, de aperfeiQoar as nossas instilui-
Ses, dando assim todo o impulso e dc*entulv.i-
taento posslteis s molas reaes da nossa vida ;
Homens que jamis esqueceado- que a eonfe-
deracJo somente urea associaco da estados core
existencia propria que se reuoem par* um objec-
to dado, rompam o silencio, imputara o governo,
a exijam o eumprimenro da eonstiluicao e da leis
domo manda a nossa carta provincial", toda a vez
que attenlados como oa de & Joao araescarem a
existencia de Buenos-A wat ou a iategridade da
repblica ;
-< Homens finalmente cujas ideas arreigadas e
eomprovadas por feitos eloquentes sejam urna ga-
ranta de que o ci.dado a quem dere o seu veto
par quarlo goteroadoc da proeineia ter- a ex>
prestao fiel e completa dos. principios qne o club
libertad escreveu na sua. bandeitav
> E' o ultimo domingo de marco o dio marcado
para as eleicee, que correrao traaquillas : a ap-
tosico descansa ea paz sobre os seus mucos. A-
gisajura de Enlro-Rios approvou o procedimen-
lo do governador L'rquza na sua troca de nota
core o de Buenos-Ayres sobre os successos de S.
Joa ; quem ere Entre-Ro ser capaz de per o
guiso ao gato ?
Do Paraguay leaos algumas nolidae. Segan-
do o Semanario, suicidou-se ns cadeia com ta-
*>c Pulvetisado D. Juta Moreno, preso por urna
fclelficacao de moeda que deu lugar pristo de
algumas pessoas nesta cidade.
O total dot dreitos de importacao oo mee de
fetereiro a razo de 30 e tb-Qfa sabio a >,65l pe-
tos 3 1|2 realas,e ot de exportaco t razio de 5.
10.15, 16 e 20 Ojo a 6,512 peso 2 i tales.
Contina noslt udade a perfuracao de ura peco
artesiano, e espora-te eucaatrar una correnta de
agua subterrnea a 150 metros. O general D.
Thoaaz Guido, tuja vida- tttett ere grate perigo
tm conseqnsacia do nata qtedt de eavao, tai
redo mtlbor ; receia-se, poc, que nao recupe-
re de todo o uso da ratao..
Contina a apaihiado mercado ea falta de con-
naoML. Ai enoae Mea* a 349 petos, t ahteitoa-
te poliuco core attize de tedie ss ettes. Pode,
porm, anuo bem ter qne tudo tense a dar oa
oada. E esta um paxondemtis o qua se gri-
ta do quo o que te fas.
quez de Caxias ao nosso ter, orna garanta de
ordem para o paiz.
Acha-se reuoida a nossa assembla provin-
cial, contocada extraordinariamente pelo presi-
dente, que a abri com um bem elaborado dis-
curso, no qual tralou especialmente do estado
Gnaneeiro da protiocia, recommendando a mais
severa economa e lembrando a neeessidade de
crear cerlos meios indispensaveis para fazer face
s despezas.
A sembla, comprehendendo o fim expresso
de sua convocaco, e apexar de muito provocada
para quesldes polticas, tem-se deltas ialeirrmen-
tc abslido, e com um boa'acato que lhe sobre-
maoeira honroso, e dando um bello exempla de
dedicaco provincia, lera-se contratado s leis
annua, approvando as medidas reclamadas, at-
lendendo s necessidades demonstradas, e dando
presidencia as meios para ten adaiarstrar a
provincia. O proceder da assembla leen mere-
cido geral epprotacao, porquo tem assim evitado
discussoea infruetifBras que ntniuun bentfldo
trazem.
Communicaram-me as seguintes informacoes
sobro a receita da alfaadeg desta cidade.
Exercicie da 1859 a 1860.
Ptimeito seoiestre................. 129:831953
Segundo semestre..........J...... 165:6429299
Terceiro semestre addicional...... 3:l(i9c688
343:643*533
Exerdcio do 1800 a 1361.
Primeiro semestre................. 234:3899041
Segundo semestre a saber: Janeiro 33:7M79*
Petereko 72:3509930
340:4651065
O resultado do coTTegio de "Hias-Notas cau-
sou sensaciopen diminua votajao quoatti tevo
o Sr. Cruz Machado, que oo dia 27 de Janeiro ha-
viasidocollocadoBU primeiro lugar d iiata Ui
plice para eenador com 54 votos, compondo-se o
collcgio especial apenas de 71 eleilores, dot
quaes sement 6 nao erare neilores geraes.
Achavam-se presentes. aTm dos candidatos
moradores do loga*, oa SravPatria Ponseea t Dr.
Simio da Cuaba, o plaotou-se geralraente a cren-
ca de que o Sr. Cruz Machada era candidato de
mais de 280 toioe; e ainda assirq a grande maio-
ria dot eteUoret coaservadecet esta*a persuadida
de que a distribuido tinha sido mais equitativa
e s desenganou-se depois da apuracao, que cau-
sou immediatamenie all aos amigos do Sr. Cruz
Machado extraordinario descontentamente.
Nao entro em outros pormenores para guardar
as conveniencias ; basta que lhe assevere
Parecende-me indspensatel amorsar esta di-1 se hoVtesse"d'e"tenovar" o escrutinfiTo'sr! tu*
yida, ordenei que nos rencimentos das lettras Machado nao teria menos de 100 votos.
fossem os juros pagos a dioheiro, e que se amor-
tizasse 20 /0 oas ledras reformadas; tambem
maudei amortizar as lettras dadas per adiaata-
mentos de rendas a particulares, e as do banco,
art. 19 da lei de 3 de dezembro de 1841 dis-
ps qne os presidentes as provincias nomearo
por quatro annos, seis cidados notaveisdo lugar,
pela sua fortuna, intelligencias e boa conducta,
os meiosde perseguicao aos crimino- no exercicio corrente, e dever passar ao de 1861
O crtente axtreicio prometa dar um rendi-
meoto muito superior ao anterior, o naquere ju-i-
gue que exceder de 400:0009000. .
Estire aria reunir aqu o reodimento das al-
faadegas do Rio Grande o da Ursgayana, mas
anda neo rae foi dado- obte-lo. Muito tortea
estes dados pata te at aliar o catado d rrecada-
co das re mi as publica o o desenvolvimento que
va tendo o commercio. A proposito, ou dar-
Ihe outro dado estatistico qae me comauoicoa
um amigo bem informado destas causal finaocei-
raa,o vem otero aovimanlo da importaco e
da exportaco.
Ne exertk-io de 1859 a 1860 o talor da impor-
tacae directa foi de.......... 687^619250
Cabotagea e gneros estran-
geiros ..............t........... 4,300 367845
dem de genero nacionaes... 1.867:041tl8D
...... .....-
r^rss/ ao, Coaoitrcis, do Rio);
6,945:3699889
A exportaco, aposar de diminuta e directa,
reduzindo-se a madeitas e erta mato para o Rio
da Prata, neste anno de 18G a 1860 ataliada
da seguate aantica.:
Mreda>.MiMM.............. 94:52490*6
Gabolageat de gneros naci-
*2!............................ e.lBOSMoagO
Sao me resta teapo paca prescrutar de qtte
modo se tere toldada o excesto da ioaportieao
sobre a exporlacio, se a dinheiro de contado,
ou se esl effeotvanete endividada a provincia
com outras pracas.
Passo i registrar alguns faetc* que vio infe-
lizmente augmentar a nossa estMuiica criminal,
mas- ao so deve concluir que poc se darem seje
isso devido a descuido das autoridades : nao : o
Se. conaeliieiro Anlao e o Dr. Pindahyba teea
desenvolvido urea actividaa digna de todo e elo-
gio, em pregando lodos o meros de que ditpero
na perseguico dea crimiooioa, e i provincia t
com eatisfaco os resultados que dessas medidas
le teem colhido : protigun ellos come at ago-
la, que veremos tere pea garantidas a segura on
individual e a propriedade.
Oa- Lei torea j teea noticia da clebre quadri-
lha do erval, de aiuaucipio de Jagnarao: c-
lente Naaiaezene Co*ta aatMiao do telho Pof-
eiuncuia odt Vnacaaeo Pinto Ferio, e mimbro
importaste deao clebre quadrilha, foi aorta en
tete de leuet resiatencia quanae cateado
escolta que o i ptander.
a eUettt de A? ttglatenie Placido albo de
puteara Raos, coarnaadaila da escolta, rece-
s .qjitiaa-reso, qne
leiumanio o sao itrio, nao aeontecende o mis-
mo i are toWao, qus nao a grmwento fe-
Roo: \
*
sos, como at aqui teem feito, sem duvida algu-
ma ellos erare diminuindo na razo da activida-
de desonvolvida.
Louvores, pois, 10 presidente e ao chefe de po-
lica pelo modo porque teem agora proce-
dido.
Esta j va longa, mas nao concluirei sem dar
os parabens ao noticiador do Correio Mercantil
quando diz que o dezembargador Bello foi eleilo
deputado, gracas protecQao d umasenhora du
Camacuam.
O noticiador desta vez foi infeliz: a eleico do
desembargador Bello foi Qlha da sua legitima e
merecida influencia, como seria a dos Drs. Men-
donca e Flores se nao occorretsem as circums-
lancias que todos sabem.
Basta por boje.
[Carta particular.)
{Jornal do Commercio, do Rio.)
Relatorio apresentado a assembla
provincial pelo conoellieiro Joa-
quina Vou Feraanetes Leao, na
seso estruoi-tllaark uherta ent
de marea de 1H1.
Srs. membtos da assembla legislativa provin-
dal.Nao se tendo, como sibeis, confeccionado
na sesso ordinaria do anno prximo fiado as leis
aunuaes dos ornamentos provincial e municipal,
bem como a da Aiagao da torca policial, resolv,
usando da faculdade que me conferb o 2 do
art. 21 do acto addicional de 12 de agosta de
1834, convocar extraordinariamente esta assem-
bla, nos termos do acto desta presidencia do 19
de Janeiro, que vos ser transferido por copia.
5enhuma perturbagn tem soffxido a traoquil-
lidade e ordem publica.
Todas as parcialidades polticas, honra lheaseja
feita, concorreram a elego de 30 de dezembro.
animadasdo dsejo de manifestar pacficaaieiUu
sua opiniao, e nao temos a lamentar acto algum
offensivo seguranga individual por occasio des-
sao eleicdes.
Eu vos felidto e I protioc* inleira por este
tacto to assignalado.
To pouco lempo ha dtcorrido eotre a sesso
ordinaria e a pretento, qoesuperfluo seria apre-
sentar-too um novo relatorio para instruir-vos
do estado dos negocios pblicos, e das providen-
das que mais precisa a provincia para sea me-
Ihotameeto.
Noque vos dirig na abertura da sesso d"o an-
no prximo passado, procurei dar-vos minuciosa
conta do3 ramos de servico publico que deman-
dare cora mais especialidaJe vossa Ilustrada at-
tenci'e ; e se nio puderam ser tomadas era conta
as iadicce que fiz, por falta de tempo, atientas
as teosas qe actuarara para serdes distrah Jos
dos tossos trabalhos legislativos oa proximidade
de urna eleico geral, cessada essa causa, confio
que agora lhe daris a mais acertada solucao.
Pd vos patenteei que a exfguitfade das rendas
provincia es nio perraitte aprehender grandes
melhoraraentos materiaes, de que tanto carece
es*a protmeia, e qoe a dimrnuicao do principal
imposto sobre o productos do gado tem forjado
a administrarlo a fazer as despezas absolutamen-
te indispensaveis, deixando de fazer outras que
alias sao reclamadas^pelo desenvolvimento indus-
trial da provincia. Quando se tem medo de ar-
restar as difficuldades da actualidade, costuma-se
fazor appeilo ao futuro, e se aguardara os melho-
res-teapos ; reas' o adianrento* das medidas que
tBem por Ora desenvolver e acomparrhar o pro-
greseo da socedade, nao um mal semen-
t para a gtrt{o- presento, tambem paria fu-
tura
Retardaros raelhoramentos materiaes, por isso
;qo exigem mais fortes despezas, e paranlo
miote8 encargos sobre o poto, importa o mesmo
que privar a soeiedade dos meios* de o conseguir
anda mesmo no fulero.
Os melhoramentos 80 paz contribuem para o
augmento da renda, den*-los do emprehender
aa
qoe
pela
a proporcao que fossem appareceodo saldos, de- para substituir os juizes municipaes nos seus im-
pois de pagas as espezas Kas urgentes. pedinientos, segando a ordem em que seus nomes
peste modo, no ultimo de dezembro de .1860 estiverem : o Sr. Carneiro de Campos cumprio
ifi^SfiH*"1*! a dlvida de letlra 8.......... religiosamenle a le nomeando substituto umindi-
Ibb:735591, tendo-se amortizado 153:3765084, viduo que era notavel por ter pouco antes como
e pago de juros a quantia de 39.6169417.
O orcamento da .receita e despeza para o exer-
cido de 1861 a-1862, que j vos foi preseote, e
confeccionado segundo os dados que exisliam
quando a directora da fazenda provincial o or-
ganisou, d comoprovavel a receita de842:O50#,
computado o augmento razoavel que ter a renda
comparada com a do exercicio de 1859 a 1860.
Julgo que, conservadas as actoaes imposices,
oo possivel que a receita exceda a essas pre-
vsoes.
A despeza foi oresda em 900:7249049, sendo
dolados com limitadas soramas alguns serticos
importantes, como a colonisacao e obras publi-
cas. Nio foi porm incluida a despeza com o
pagamento do3 juros de emprestimos e emissSo
de lettras por adiantamento de rendas.
Esta despeza ser infallitel, porque a divida
paseiva nao poder sor amortizada integralmente
a 1862. Tambem nao est calculada a despeza
de exercicios dados, que nao deram saldos para
seu pagamento, o qual ter de ser feito com ren-
das do corrente.
E' sabido que ha contratos de obras que esto
concluidas, mas que ainda nao foram aceitas,
por dependerem de exames, e te forere aQnal
approtada, tero de augmentar a despeza. Se
resolterdes amortizar a divida passiva, como pa-
rece conveniente, ser tambem necessario appli-
car para esse ftm alguma somma, e dando que
seja a de 80 O00JO00, devereis lera-la conta da
despeza do exercicio. Portanto addiciooando ao
orcamento da despeza, oa importancia de........
90t:724g0i9, mais aquella de SthOOOjOOO, para
amorzaco da divida passira, e calculado em
30:000g000 o pagamento de exercieios flndos, te-
rereoa um total de despeza de 1,0M):724J049; c
porque a receita foi oreada em 842:0b^g(MKK fica-
r descoberta a despeza de 168:674g049.
Estas consideraces serao devidamente apre-
ciadas pelo vosso criterio, e reconbecereis quan-
to urge que a par da mais severa economa, tam-
bem se eleve a receita provincial.
O quadro das quantidades c talores de tarlos
producas da provino, exportados no exercicio
de 1859 a 1860, merece ser aqui consignado, e,
comparado com o dos annos anterieres, se reco-
nhece que leve um atultado crescimento.
Eis em resumo.
Quantidades. Valor oficial.
Couros......... .. 724,560 6.558:5059192
Charque, arrobas. 1,695,546 1/2 5,881:1528487
137,83724/32 757:185x789
111,015 24/32 755:6589083
2,227 i/2 8929200
1.055.7C2 100:2789729
23,24212/32 42:986j285
93,415 14:912J310
44,071 32/24 383:091*070
22,711 64.0935SOO
agente do correio sido demitlilo eprocesaado por
subtrabir dinheiros de cartas segaras 1 E esto
individuo que por ausencia do Dr. Aurelio esta
exerceodo a jurisdieco de juiz municipal, de or-
phos e do commercio do importante municipio
do Serr, gra;as conciliacao.
Onro Preto, 16 dtf mar jo de 1861.
Esto finalmente conhecidos es resultados das
eleicoes de deputados e tenedor por esta provin-
cia.
DeputadosT districlo.
Collegio do S. Romo.
Os Srs. :
Dr. Luiz Carlos..... 12 rotos.
Melchior........... 10 D
Chaves............. 2
Resultado de todos os collegios.
Os Srs. ;
1. Melchior......... 235 votos
2. Dr. Luiz Carlos... 147
Sao estes os deputados.
Segue-se o cooego Chaves 86
Eleico de senardor.
Nao houve elei;.o do collegio do Prala, de 21
eleitores, por nao terem l chegado ao ordens ;
licot pois a lista trplice composta do seguiote
modo :
Os Srs. :
I." Dr. Pirmino.......890 tolos.
2. Ottosi............859
3. Luiz Cartee....... 768
Seguem-se :
Cruz Machado.... 712
Penido...........591
Cerqueira Lei te.. 398
Compareceram a esta eleico em27de ianeiro
de 1861 : '
Eleitores........... 1,682
Faltaram........... 431
Total......... 2,113
Graxs, arrobas...
Sebo, arrobes....
Dnhas arrobas...
Aspas............
Garras arrobas....
Linguas..........
Cabello...........
Couros cavallares.
l'arinha de man-
dioca, saceos...
Heijao, saceos....
Milho, saceos....
Berra mate, ar-
robas...........
85,357
5S.972
96,537
1/2
387:789$2O0
449:9058650
346:2129180
233,222 32/3. 905:6209888
16,648:2879463
Tendo-vos feito esta ligeira exposicao do esta-
do das Cuancas da provincia, cont que lhe da-
ris a devlda altengo, e que a datareis dos meios
necessarios para realizar o pensamento patritico
que a todos vos domina, isto o seu eugran-
decmento o progresso, tomando as esolucoes
que te devem esperar da sebedoria de seus le-
gisladores.
{Cominercial do Rio Grande.]
Minas-Gcraes.
Serr, 3 de marco de 186!.
Hontem reunio-se a cmara municipal para fa-
aer a apuracao das authenlicas dos quatro colle-
giosSerr, Diamantina, Minas-Noras e Rio-
Pardodo 6o districlo, e expedir diplomas aos
eleitores.
Os depurados efeitos sSo ttes Antonios, a sa-
ber : os Sr. Dr. Antonio Gabriel de Paula Fnse-
oa, 247 totos ; Antonio Joaquim Cesar, de Minas
Novas, 195; com monda dor Antonio Candido da
Cruz Machado. 192 ; seguindo-se os Srs. Dr. Si-
uo da Cunha Pereira, 170 votos ; Herculano Ce-
sar de Miranda Ribeiro, de Mina3-Novas. *120 ;
Pedro do Alcntara Machado, 93; Dr.. Joaquim
Nanaono dos Santos, 56; Dr. Manoel Esteres
Ottoni, Minas-Noras, 29; Vicente Jos de Figuei-
redo, da Diamantina, 13.
Tendo o collegio da Diamantina iUegalmenle
deseonhecido o direilo dos 11 eleitores conserva-
dores da freguezia de Nossa Seuhora 4 Coocei-
Oo do Rio Manso, a ponto de nem querer rece-
ber seus diplomas para examina-loa,, apenas all
totaram 26 conservadores. Nao forana td estes
esperaoea do quo esto cresca o reesmo quo deixatam de assignar a acU, coree se.reco-
) desojar conseguir os flot sem appRcaros aheceu pela authentca


o

Em 12 de fetereiro de 1860:
Comparecern.....
Faltaram...........
Total.
Em 21 de agosto de 1859 :
Compareceram.....
Fallarao............
1,420
693
2,113
1,633
480
Total......... 2,113
Em 17 de maio de 1857:
Compareceram..... 1,965
Faltaram........... 148
Total............ 2,113
Corre o boalo de ter fallecido em Pilangui r>
deputado eleilo pelo 2o districto (Sabara), Dr.
Francisco Aires da Silra Campo.
(parta particular.^
{Jomad do Commercio do Rio.)
PERNAMBUCO.
ASSEHBLEA LEGISLATIVA PRO-
VINCIAL.
i
metes.
Ji tes apreaeotei o bataneo provisorio do exer-
cicio ee 1991860, e egora tos ser" transmilti-
da e definitivo depois de encerradas, liquida-
das, escripturadss todas a operaces da receita
o despeza que lhe pertencem. Eis em resuma o
qoe conten:
Heceita ordinaria..............
Extraordinaria..................
Cotraoca do que e cofre gera
devia ao protitcial perliqui-
daco de contas.............
Moviutento do fundos..........
Saldo do exercicio antecedente
852:245f09t
9:024l68
146:336fl|7
4*688,
30:617J211
I,e86:909j39
A despeza no metmo exercicio foi:
Ordinaria............ ......
Mowaenta de fundos..........
Stluo oxlstente.................
remeltida < carean mu-
aicipal, em que apenas vm transcriplas 57 as-
signatura; houve pois, alm dos 29- eleitores
conservadores, 7 liberaes que nao asiignarem a
acta.
Na meaaa authenlica se declara que oa mesa-
dos tomtram a deliberadlo de nomear dout elei-
tores qup assignaram a acta como escrutadores,
tm lugar dos escrutadores conaemidores, que
jecusaram faze-lo. Pelo art. 21 do decreto n.
1,812 de 23 de agosto dt 1856 de vil a ser subs-
tituidos pelos inmediatos em rotos ao ultimo es-
rutidor. Nao admira porm esse procedimen-
> da mesa do collegio da Dinamarca, quando se
considera que ella rereetleu careara municipal
desta cidade a authentca de eleico de um se-
nador.
j Tendo o presidente da prorincia mareado 17
.eleitores para a freguezia da Senhora da Graca
l,000:3265730, daCapalliaha, ehipara a da cidade da Miust-
59:7115949 Novas, de que aquella foi desmeabradavpor att-
2o.o70S68Q; so de 7 de dezembro do ministerio do iaeerio o
;-----------------[porlart do presidente de 20 se detlaaom que a
1,086:909*339' primeiro. detra dar tmente 18 eleiitctsVi se-
-------- 'gunda 13, e que o rotq da 12 lllMirSi |gn to-
Sessao presidaaeial da ahertura
em o t de abrj de 1861.
Prtsidenca do Sr. Vitcond* dt Caaiaragib*.
A'a 11 e meia horas da manhaa faz-se a cha-
mada o acham-se presentes os Srs. risconde do
Caraarabbo, Sebastio do Reg Barros de La-
cerda, barao da Vera-Crm Cypriano Fenelon Gue-
des Alcoforad, Joaqnim Pedro Brrelo de Mello
Reg, Joaquim Plata de- Careos, Joaquim Ca-
talcaoti de Aibuquerque, Letino Lope de Bar-
ro, Maioel Izidro de Miranda, Paulo-de Amo-
rire Salgado, Joao Braulio Correia e Silra Anto-
nio dos Santos de Siqueira Caralcanti, Msrcal
Lope de Siqueira. Manoel Coelho Cintra, Fran-
cisco Pedro da Silr, Joo Aliredo Correia de
Oliroira, Caetano Xarier Pereira de Britto, Joa-
quim Eduardo Pino, Joaquim Francisco de Mello-
Caralcanti, Ignacio de Souza Leo. Luiz Felippe
da Souta Lelo; Joaquire de Souza Rei, Manoel
de FigaeirOa Paria, Francisco Jote Fernn des
Gitirtia, Jotqoim Pire Machado Portella, Ma-
noel do Nascimeola Machado Portetia, e Antono-
f ranorsc Goocattea fiiaarlet
O Sr. presiden to eonride: os Sis. deputados
presentes e diriajirats-se matriz de Si Frei Pe-
dro Goocalte para aesistirem missa rotira ar>
Espirito Sioto.
flutptade-te a* sesteo.
A' urna hora da tarde roltaodo os Srs. depB-
putado prests juramento o Sr. Antonio dos
Saotos de Siqueira Crtalcaoti.
Paooedo-se i eteicao da asesa que fie* assim
cossntuida.
^reriente.
O Sr. bario da Vera-Cre.
t'i^-ptwtTfefrte.
Joaquia PrreaMaerrtdo Pbrtelta.
f*jejfui c,. '
Manoel do Nascimento MtchadoPorleHa
2o cretarto.
Mtsott dt Figueiro Paria.
Sitfplentet.
Ot*s. Cocino 5ntrtro- Catalcmrti.
Anamnreando-ie tvefeogada do-Rns. 8r. presi-
dente da provioen sie aometos para i coreau-
soqutao> receber a S. Exfc o Srt. Ta-
ehade Portella, Ltir Felippt e Fenelon Afcofo-
lotreatsid S. Utir. con a fcnitadidade do
titttv tema aeteato a le f ten- refatorio.
Ter minada a leftn, S. B. terita-secom aar
reestnas armaUdadoa,
Ls-sa e appaots-ta os parecer da eoamissiar
padtrt, tpisaetV qoe- seje


m^uamiwBiMm*$nmMWto$mmUmwG
-.
m
tbb?!
i toiaar asssento o ooppiente pelo 1
t. WawcJco Jos swrhw Pense, 8
o|Qr, Antoaio Kpomioondas de Helio,
que communicou ter d rfirar-ie para a crale..
'm pardear.
ja, o r. MtaidoBle -4*in* *W*
leoi do oa da sesso segaiote, eleicio de
eommssoes e lerenta a sessSo
DWKMWIfUSlo *0 *JW>0
WKU^ D*8 APOLICES
Saldo em 28 de vr*iro
paseado ....
Receila de la 50 de .. ,
Despez, idera. .
BEK1STI DUJUI
Bonlem tcv-o logar a abertura da esoembla
prtmcW, WA> sor e*sa oecssiie !** ir.
residente um exCsnso relatario acarea do catado
a proviocio.
Convm que se mande aterrar nos Coeiso
o espaco qua erre M caaainho para o hospital
Pedro n, em frente do atio da Sra. D. Fortu-
nata.
BatftaeeesiiitoetoceWB do facto de ser eqoel-
le espaco ai oouo, da arte que aaa mea vi-
vas fica todo alagado, corlando a paisagem para
O referido hospital, com incommndo publico.
Informando-se-nes que na ros da t>uzes
ata peasoa eniea.eu dever tazarla ras o despe-
jo dequanU agua pulriaa a ia-munda ajuuta oa
mesan, cumpre-nas lembrar-lhe a desconve-
niencia da um semelhante procedmento, que
alm do mais Uossgresve da* pasturas monrei-
paes, que lhedizem respeto.
Depois d*isto, nao deve eaia peasoa ignorar qne
em una tal pratica ti boa somrsa de iocommo-
do publico ; e para iasp ninguem est autorisado,
sob pena de correr cota as eventualidades da le
na.applicagao a si.
E de esperar, pela, -ama retorne efsaemeUiao-
te eos tu me.
Os habitantes da freguezia de Cimbres seo -
tem a falta de urna cadeira de instrueco prima-
ria n'aquella localidad*, onde um numero maior
de quarenla meninos acha-ae privado de apren-
der 1er, escrever, etc. etc., por esse motivo.
Esta' noticia pro violo do pessoas sizuda. auto-
Tiea-nos a pedir -orna providencia que sane o in-
dicado mal ou ereando-se urna cadeira depcimei-
ns lettras, oa removendo-so para alli de Pes-
queira. cuja frequeucia insignificante, reslrio-
giodo-se & dous ou lies alumnos, segundo dos
consta.
Verificada a xiclidao desta parte da noticia,
parece fcil a providencia que dote ser dada,
cumprindo no entretanto, qualquer que seja o al-
vitre tomado, nao deLxar-se aquella parto da mo-
cidi*de en os conheeimentos primarios.
Forera reootbides casa sodateogito os
dias 30 e 31 do mez Bndo, 18 bornean 1 mulher,
sendo livres 17, escravos-2; a ordem do Dr. chi-
le de poticia 7, a ordem do Dr. delegado do pti-
meiro districto e ordem do subdelegado de Re-
cite 4, a ordem \o de Sauto Antonio 5, a e ordem
do de S. Jos 1.
Passageiros entrados do Rio de Janeiro no
vapor trances avarre.Joao Texeira de Sou a,
Jos Ilermida e duac irmaas de caridad.
Passageiros que seguiram para a Europa no va
por ftancez iTaaorre.Miguel Jos Rayo, Jos
Pedro dos Santos, WtfKsni Boyase, Jerooymo
Larco, Gruseppe DapeU, Boeniniea Labato, Fre
Egydio Capp, Jos Meodes da Cruz Guimares,
Jos Meodes, Jos Marques Braga, Thomaz
leixeira B satos, Joaquim Masques Car rer o
Guerra.
Passageiros que seguiram para a Europa no
vapor Cruzeiro do Sul.Ur. M a noel Enedino do
Reg Valengo,.!0 moehhiisto Jos Joaquim ar-
menio, Vicente Ferreira da Costa Jnior, Silves-
tre Goncalves da Costa, Eleuterlo Francisco Dor-
nellas, Dr Jos da Motta Azevedo Gorrera, Ma-
nos! Alexandce de Souza, Isabel Rebotigas d'As-
sumpgo.
Passageiros que seguiram para e Havre pelo
Rio Grande do Sul oa galera franceza Solferino.-*
A. Haiismeody, A. l.abille.
MORTALIOADE DO DA 31.
Jos Ferreira Coelho, branco, casado, 58 annos,
oscile.
Joede Barros, branco, so.teiro, 25 annos, gas-
tro intente.
Roaalina, parda, 8 mezes, varilas.
Jos "Estevas Moreiro da Costa, branco, casado, 45
annos, ioflammsgo intestinal.
diaria, liberta, preta, solleira, 30 annos, estu-
por.
Landellno, branco, 42 d3S, convolsSe*.
Benedicto Augusto da Rocha, pardo, solleiro, 32
annos, tuiwrculos pulmonares.
Mara, preta, escrava, 2 mezes, convuls5es.
Antonio Ribeiro de Vascoocellos, branco, sollei-
ro, 23 annos, tubrculos pulmonares.
Antonio, preto, liberto, 56 annos, soltewo, can-
cro.
AnnaKlemum, bronco, casada, 21 anuos, parto.
Joaquim Lopes Ferreira, branco, solleiro, 32 an-
nos, apoptexta.
Joao, preto,oltairo, osotavo, 40 annos, fstulas
urinarias.
Sophia, preta, eserara, 15 Jias, conrulsdes.
MATADOURO PUBLICO :
Mitaram-se no dia 27 do correte para o con-
sumo desta cidade 15 rozos.
No dia 28 do correte5 ditas.
No dia 29 do correte49 ditas.
No dia 30 do corrente132 ditas.
No dia 31 do crrante 115 ditas.
No dia Io de abril 109 ditas.
DEMONSTRADO 10 -SALDO
especia*. ROS patio
1861.
Saldo em 28 de fevereiro
p. passado .... j Jk
Reeeita del *31 do cor. 19:8280431
Despexa idaiu ,t
30 os
va cavjl
HAJW}0 I.E
1:1000000
I
SS: 100*000
Saldo.
.i2J0fli(M)0
xjsnirrE KA CAUA
m 80 DE MARQO DE
2:972908,
Saldo
16:885j>53
PSMOKSTSAgO DO SALDO EXISTENTE NA CUX.V IE
DEPOSITO ES 30 HARC.0 DE 1861.
Saldo em 28 de fevereiro
passado
u ti ?3S
laceila de 1 a JO de
.285:181#Z3J
. 1:69126S
Itcsnopa ideo
. .
Saldo


256:872$995
. 27325*825
.229^547|170
DIARIO DE PEBNAMBUCO-
otas ptqnena testa ha multo temp
M1
CHHIICI JIH0IHR1A.
TRIBUNL DO COMBEHCIO.
SSAO ADMINISTRATIVA
DE 1801.
EH Io DE ABRIL
PRESIDENCIA DO EXH. SR. DESEHBARGADOR
F. A. DE SOUZA. "
s 10 horas da manh&a, reunidos osSrs. depu-
rados Lernos, e Bastos, o senhor presidente
4leclarou aberta a sesso de mero expediente, e
designou Sr. deputado Lenros para servir de
secretario.
Domingo fundeou em nosso parto o visor fran-
cez Navarre, viodo do Rio e Baha, trazendo-nos
apenas jornaes do primeiro que adiaatau dous
das s noticias que recebemos pelo Cruzeiro do
Sul.
fio di Janeiro.Fq reformado o coandao-
te superior das guardas nacionaes barao de Sa-
bara, no mesmo posto, e desonerado do jugar de
chefe do esiido maior do commando superior de
guarda nacional de Vassouras o Iguassu o tonen-
te coronel Carlos Teixeire. Leite cum as honras
de coronel.
Por aviso do ministerio da fazenda de 23 do
crrante foi prorogado at 31 de julho deste an-
oo, em todo o Iu>i>erio, o przo pora a substilu:-
;ao das notas de 209000 da quarta estampa, pa-
pel branca, que esteva marcado para o m de
abril; devendo comecar a correr do 1 de agosto
oslO mezes para o -descont gradual de 10 por
cento roensaes, no forma da Jai.
Foram nomeados interinamente para os diver-
sos cargos da escola milLt'r auxiliar do Rio Gran-
de do Sul os seguinte ofSeines :
1." tenente de engeabskos Augusto Fausta de
Souza, para Unte da priiseica c* anno;
Tenente do estado maior de primeira claase
Leus 'Vieira Fecreira, para sepelidcr da cadeira
do primeiro anno ;
Dito dito Julio Anacilo Fekio da Frota, para
a do segundo anuo ;
Capiao do 6." balalho de infantaria Americo
Antonio Cuseso. -para instructer de infantaria ;
Capitao do 2. regiment de cavallaria Joao
Sabino de Sampao Hocua Barreto.para instruc-
tor da mesma arma.
Foi uomeade o capitao dfengeObejtas Antonio
Tneodoro da Rosa Gama para substituir na ad-
minisiracao dos terrenos diamantinos da provin-
cia de Minas o capitao do mesmo corpo Luiz Jos
da Franca.
Por decreto de 16 do corrente foi reformado o
capitao do 3. baialniode infantaria Francisco de
Paula Pimentel.
L -se no Jornal do Cammercit:
c Pelo piquete a vapor Apa, entrado hontora
dos porlos do sul, tesaos flotas de Porto-^legre
al 15, do Rio Grande at 18, e do Santa Caiha-
rina at 20 do corrente.
Aassemblea provincial rio-granlense esteva
luncoionando em sesso extraordinaria desde o
dia 7. Dando couta do acto da installagaj, diz o
torreiodo Sul:
O Sr. presidente leu um breve discurso mo-
tilando a reunio extraordinaria, de confoimida-
de com o acto de sua convocaban, e demonstran-
do com os resultados du balancp annual a insufR-
cicncia de nossa renda actual para os encargos
pblicos. S.fixc. inalou pela creago de noves
fonles de renda, abundando em considerandos
para mostrar quanlo era mais .ruinoso e de pVior
conselho privar o paiz dos necessarios meios da
desonvoluQo e progresso, do que pedir & indus-
tria a quota necessaria para ornecer-lhe novoc
recursos e mais ampios elementos de prosperi-
dade.
c A epuraco a que procedeu a cavara muni-
cipal de Porto-Alegre dos actas da eleico para
tres deputados pelo 1.* districto da provincia con -
rmou o resultado que ja noticiamos. Foram
por conseguinio expedidos diplomas aos Sra. ba-
rao de Porto-Alegre, Dr. Bareellos e desembar-
ga dor Bello.
s No dia 2 partirn: para a Cachoeira, aiim de
responder pe rete o jusv, convocado para o dia
14. os tras reos pronunciados no processo instau- i
-rado pelos Inmentaveis acontecimentos que alli
se deram durante as eieiroes de setembro do an- !
no passado. Tiveram porem de voltar para a [
capital por tero juiz de direito deliberadoaddiar
a sesso para 20 de abril, fundando osta delibe-
raco, dizem os jornaes, no estado de exacerba-
Qao dos nimos e na falta de forca para se mau-
le r.a ordem.
Quanto as domis oceurrencias de alguma
importancia, referimo-nos minuciosa carta do
nosso correspondente.
< No Rio Grande a apnracao geral das actas
dos collegios de que se corope o segundo dis-
tricto eleiloral, deu, segando o Diario, o seguin-
te resultado :
Dr. Amaro Jos d'Avilla daSllverra.....' 186
Dr. Flix Xavier da Cunba................ 133
< Bareo de Maui............................ 123
c Dr. Francisco Carlos de Araujo Brusque.._ 101
Igrj de considerarlo M os nossos comproTineianos que almejamo eogra.
deciuiento desta parle dd Imperio, em que vlrie
\\vx. S..Exc, o Sr. prefldentflda provincia-bato
no dia suprf menciona lo, no arsenal de marinha,
o prego da carerna meslra de um dos doua va-
pores, que'o gprorflo impetiai mandou COPilpif
aqnl,oquil tem, par* o moflfol quesHudUnds,
a dupla outUda.de de ser o primeiro navio pro'
priamenfe dito., qoe deve sabir dos estaleiros do
Mato-Grosso, e movido pelo civilissdor agente de
Fultoo, derradelra manifeslacSo da arte po seu
desenvolviroento e perfelcle.
0 arsenal de marinea estar embsndeirado
e enflorado desde o portao at-os contornos da
noracarreira, onde se ri o recente trabalho e
construcijo naval, arvorada ja a bandeira da Pv
tria nu sua* apenss indipadas popa e pros. A'
um ladp da carreira ambara-so um pavilbo ar-
tiiticameole arrtiado para as sonhoras, em
quanto que pelo lado oppostO aquello descia-se
op leito dospicadeiros por ama secada oonupoda
e alcatifada.
c A ceremonia que devia ter lugar ts 10 boros
da manh&a, conforme fdra determinado pela pre-
sidencia, s se realisou a 1 3/4 da tarde, em coa-
sequencia da choro, que cabindo tola manhaa
de sabbado, nao esiou senio por aqella hora. No
momento de entregar o martello a S. Esc. o Sr.
presidente, o Sr. inspector do arsenal, o espita j-
tenente Sido recilou um discurro que lerasinou
dando vivas e Sus MsgesUde o Imperador, os
ques foram correspondidos pelo auditorio com
muilo eothusiaiiuo, tocando ealao a SMsiea do
companbia de ar ti Gees do arsenal de guerra, ejue
se achava postada so iodo da carreir, o bymnp
nacional. Infelizmente para o raior animaco
deala nossa festa naval, mesma chuva que do-
morsu a ceresaoni, como dissanaos, iaspadio que
que grande parte dos habitantes da nossa cidade
pudesse a lia concorrer, sobro ludo o bello sexo,
que sempre o molhor ornamento oa decaracao
de tonas as ioslividides, eativeram entretanto
presentes os senhoras dos fsmiiis de Exm Sr.
presidente, Dr. chefe de policia, e Dr. juiz de di-
reito. o commandante superior da guarda nacional
muitos officiaes da tropa da guarnieio, da guarda
nacional, outros cidadios diatinctos e o poro.
Lamentamos que o tcmeo nao permitlisse que
lsss maior a concurrencia para um acto publi-
co, e to importante como este.
ia dias ds riegan
iU. om ,
T SoWisinldo Prla PW* Pennwbu-
co : a 23, o brigo Almirante ; e 24, o arigvo
Jfaria Thertza,
Senhnres radaetoiea
cas.
-*-T-------mr-
:-aUirlmeiHf fl
do pSftt*U*asl
EXPEDIENTE.
.
Officio do secretario do meritiasimo tribunal do
commercio da edrte, com relacSo dos nego-
ciantes que no mesmo tribunal foram matricu-
lados do mez defevereiro prximo passado. Ac-
cuse-se a recepgo e archive-se.
Outro do presidenlo da junta dos corretores da
praja, remettendo as cotacSes ofDciaes dos pre-
sos correntes da praca, relativas s semanas fin-
cas.Archive-sc.
DESTACHOS.
Um requer ment de Robert Singlehurst e ou-
tros, por seu procurador Francisco Gome* de Oii-
veira, pediodo o registro de contrato social junto4
Seja ouvi lo o Sr. desembargador fiscal.
Outro de Manoel Azevedo de Andrade, pedia-
do o registro de urna procurado. Regislre-sc.
utro de Fernandas Irmaos, pedindo o registro
do seu contrato social. Sattsfagam o parecer
fisscal.
Nada mais houve.
Dr. Jos Affonso Pereira................. 85
c Dr. Antonio Gomes Pinboiro Machado---- 18
Dr. Jooauim Jos Alfonso Alves.......... Iti
Dr. Francisco Carlos de Araujo........... 1
Dr. Francisco Flix Xavier da Cunha..... 1
Dr. Antonio Jos d'Avilla da Silveira..... 1
Ti-
30
30
30
Tlocaouu arto prwineial.
OEMONSTRACO DO SALDO EXISTENTE KA CA1XA
DO EXERCIC10 DE 1860 A 1861, KM 30 DE MARCO
DE 1861.
Saldo em 28 de fevereiro p.
passado .... 36:264*1736
Heceita de 1 a 30 de .. 68.894*094
i---------------105il5a830
Despezaidem ....... 822194647
Saldo.
22:939#283
OESOSTRAQAO DO SAIB SUSTENTE 1A CArtA ESPE
CML DA DIVIDA P0HCA SOI 20 DE MARCO DE
1861.
Saldo em 28 de fevereiro
p. pesando .... 15:35QflDO0
Receita de 1 a.30 de. 9
.....15:3>000O
Despezaidem..........4:000|000
Alem desles votos tomarara-se em separado
os dos Srs. :
Dr. Amaro Jos d'Avilla Silveira.......... 19
a Dr. Flix Xavier da Cunha.............. 9
; Barao de Mau............................. 16
< Dr. Francisco Carlos de Araujo........... II
x Dr. Jos Affonso Pereira................... 4
Em Itaqui houve duplcala da eleigao, e nao
sendo apuradas nenhuma das duas actas remet-
tidas, mencionou-se todava a votagao que ambss
conlinham.
Collegio presidido em Itaqui pelo Sr. Dr.
motbeo Pereira da Rosa.
Dr. Amaro Jos d'Avila da filvelra........
Dr. Flix Xavier da Cunha.................
Dr. Jos Affonso Pereira...................
Outro presidido pelo coronel Antonio Fernn-
des Lima.
De. Amaro Jos d'Avilla da Silveira...... 6
BarodeMau.............................. 6
Dr. Francisco Carlos de Araujo Brusque... 6
< L-se no Commercial de 9 :
Chegou hontem de Jaguaro o vapor Itio-
Grandanse, e por elle recebamos a Lei al 7 do
corrente.
O Sr. Dr. Henriquo d'Avila tinha tomado
posee da redacejao do mesmo jornal para de nova-
mente a doixar em consequencia de ir tomar s-
senlo oa assemblea provinciaL
< A Lei de 23 traz urna agradavel descripao
dos festejos com que foi recebtdo o Sr. Dr. Palo-
mque em Serr Largo sua chegada de Monte-
video.
c As gr*d*vJ euiesoes que tente
povnscao >or este digno magistrado sao effeitos
de urna conducta digna de todas os elegios e de
que elle se torna credorpela integridade e justioa
na sua admiQislraQio.e o respeito que tem ha-
bido darao seu deparlamento.
Saldo. .... 11:350*000
OBMOKSTaAjAO DO SALDO XISTEXTE A CAIXA DE
*Morri8A TKCT5TO JUROS EM 30 DE MASCO DE 1861.
Baldo em 28 de tevttairo
-p.passado .... 283f782
ReceitadelaWde ... j
....." 283a7|2, Atado nSoteSOla com certeza qu
Bespeza itrem......... 149J212 ceria no pleito dieitoral; o nomo do.Sr.
NOTICIAS COMMERCIAES.
Btp de Janeiro, 24 de marjo de 1861.
Cambie.
Londres.......... 26 X )
Pstiz..____......: 365 a 368 rs. }a 90 dius
Hamburgo ........ 685 rs. )
!112 0|0 vista.
111 0|0 30 dias.
110 0i060
I09 0i090
Boletrm ts-n+rhna hora).
O morimenlo do nosso mercado monetario foi
apenas regular durante semana.
No dia 18 abrio-se o cambio para 'o paquete
francez Navarre a 26 d. sobre Londres, e, ten-
do-se effeetuado a esse algarismo apenas alguna
saques diminutos, rmou-se elle progressiva-
mente, e na quasi totalidade das ultimas opera-
cpesregulou o cambio de 261 fi a 26114 d., pre-
dominando anda o segundo algaris-mo.
Podemos pois dizer que o ombio fecha firme
sobre Londres a 26 1(4 d., sendo esse facto dcri-
do aos indicios de menos abundancia de dinhei-
ro que tem apparecido do mercado, e nao de of-
fertas de letras sobre oa neoessidades dos tomado-
res, excesso a que as poueas transacoes em caf
nao podiam dar lugar.
Sobre Poriz houve um eaque de 850,000 fran-
cos e 862 es., e outro de 100,000 francos em le-
tras indirectas a 359 rs. ; para o retalho porm
regulou o cambio de 365 a 398 rs.
A taxa do descont conserva-se nos bancos a
9 0|0. Na praca houve duranto a semana menos
procora de letras, desoontanlo-se as primeiaas
firmase 10 0(0.
Nao houve vendas de apolices geraes oeste pe-
riodo, e das proviociaes de 6 0(0 apenas nos cons-
ta urna transarcao a 90 0|0.
O mercado de acQoes conDuou em apathia,
negociando-se apenas algunsj.lotes pouco impor-
tantes das do banco do Brasil.banca Rural e Hy-
pothecario, companhia de navegaco Amazonas,
e companhia de seguros Fidelidad : apenas das
desta ultima houve honlem urna venda impor-
tante.
Cambio.Sommam os saques realizados para
o paquete irancez JVavarre :
Sobre Londres, 250,000, na maior parte a
261(4 d. e resto a 26 1)8 e 26 d.
Sobre Pars, 1,500,000 francos, sendo a nica
somma importante que mencionamos a 362 rs.,
um saque indirecto a 359 rs. e o resto das opera-
coe3 ao cambio regular de 805 a 368 rs.
Sobre Hamburgo, M0,e<:0 tn. b a 685.
Sobre Lisboa e o Porto regulou a tabella se-
guate :
112 V,................ avista.
111%................ 30 dios.
110%................ 4 60 >
109 %............... 4 90
Assucor.Desde a partida do Oneida at esto
dato veuderam-se do norte ,000 saceos oos pro-
cos seguintes : branco de 2." sorle a 5e30O, e de
3.a dita de 40400 a 5p ; e mascavado de 30100 a
3700.
Cutamos :
Do norte, braveo, de 3*800 a 5g3O0 ; e masca-
vo, de 8 a 3g600.
Do Campos, tranco, de 3(900 a 4$200 ; e mat-
cat-o, de 3-tOO a 3|800.
lia em ser:
De Pernambuco, 14.000 saceos.
De Macei, 6,800 ditos
Da Baha, 100 caixas e 1,000 saceos.
'De Campos, 3,400 caixas e 3,500 borricos.
Despocbaram-se dorante a semana 13 canas
para Lisboa e 2 barricas para o Parto.
Ale -Grande do Sul, 6de morco de 1861
Nesta primeira quinzena.reeeberam-se varios
suprimentos de gneros de principal coasumo,
que satisfizeram algumi procura, porem depois
tornoram-se muito frouxas as transaccoes.
Cambio. Hou Lqndres a 25 Ins, outra sobre Pariz o 884 -rs e
sobre o Rio de Janeiro srcaram-so cerco de......
80.0000, sendo as transaccoes presentes o 2 0i0
S 9u dias.
Fretes-Fretou-se ura navio de 120 toneladas
para coaros para o Canil por 500 libras esterli-
nas e 3 mais tambera para couros sendo 2 a 60
5 i0 e 1 o 57 li chs.; 1 para cioza 42 1(2 ; 1
nacional para o Rio a 300 rs. por arroba, paro
xerque.
Arroz.Venderam-se uus pequeos lotes do'
nacional de 100 a 11(500 esaguiram a maior
parte das -existencias para Porto-Alegre. O de-
posito da India que bavia foram vendidas 90
borricas e J600, 50 saceos o 2$200. O earoli-
na de New-Yoak tem-*se realizado de 4J200 a
4J8O0 a arroba.
Assucar.Entrarom -com este artigo a.Formo-
- Ciernen?ina. Vingador, Therexa Princeza,
fleugma-
lico, e sjjos* ojaJ, fazssdo artiAd^|t>sludo de
nao jnvolver-me em queste* jorulisticas ac*b#
do c#vf ooer-rna gao *ao poasp d tod* > ser-
var O aaimo quedo, e menos deixar d* recorrer
A aprensa, em rislade certos aclo* que kisto
me desaflam.
pudo o Constilucionai u, 3o4,deparei as
colu*iQidos auouQcios com um aranzel, no qual
um miseravel calumniador, acobertando-se com
o #pooyo s*chrito da iCpaUa pretende,
mas de balde, marear a beja adajuerida reputa-
gao de meu especial amigo o Illm. Sr. Manoel
Joaquim da Silva Ribeirs. deaendoque este se-
nhor serrla^e da capaila de M- S/ida Couceigo
da estrada de Joao da Cerros, para por meio del-
ta, e de urna caixinha > tsajMa* iocupletar-se,
e dar pagodes em detrimento das pessoas que
subscreviam mensalmeate para a cooservacao de
um sacerdote que dissesse as missas nos donotn-
go* eJias do guaroV, s dps esmoje* .qye os Seis
cWpo*l*va n dacaajJad* caixiafc. **pdea-
vallo d* bata loa para a sanhor Sactirisi.
Talvez que as vistas do senhor Sachristaosejam
outras muito diversas do zello farisaico que alart-
deioa favor da referida capelU, porm vai muito
mal, o Sr. Silva Ribeiro t-m amigo* que lhe
saiam ao encontr, e lhe rasguera o nauseabttp-
do (apote. No numero destes estou eu, e aerei
o primeiro a gritar-lhe bem ao p do ouvido;
mente, senhor Sachristao, mente desfasadamen-
te, porque fui membro da mesa directora d so-
ciedade dos devotos, estou mullo a par de todo*
os seus negocios, e sou tealemuuha de que o Sr.
Silva Ribotfo lepoz muda* vazee de sua algibei-
ra para completar o ordenado do* reverendos cs-
pelles que sempre receberos* 50000 por cada
missa, para inderanisaco do sachristao que tinh*
8000 meusae para a compra da cera e mais
guizanaecto da capella, e pagamento da conduc-
ho do reverendo capello que impoiUva em 150
por mez.
Se sua merc nao est satisfeito com o meu
lestemunho, r ao convento dos religiosos car-'
melitas, indague dos Rvms.,Fr. Jos da Coocei-
cao. Fr. Antonio do Monte Garmello, e Fr. Flix
da atividade, que lodo* lhe dironao minta,
senhor Sachristao, sempre recebemos 50000 por
cada missa, que par mez importara nunca me-
nos de 250000, e nao 120 come sua merc disfa-
gadamente assevera em sua mixinitada de calum-
nias. Finalmente, recorra ao verdadeiro sachris-
tao, que tambera dirmente, mente senhor Sa-
christao encapotado.
Em quanto a caixinha, se o senhor Sachristao
precisadlos vinteus que nella depositara os pes-
soas piedosas, embora a capella nunca mais se
abra, e fique sendo, como primitivamente era, o
reino dos morcogos, mande fazer outra, collo-
que-a no lugar da que deu sua demissao, que
ssim fica saaada a grande falta que o Sr .Silva
Ribeiro cemmetteu, nao consentindo que o se-
nhor sachrislao incorresse na escommunho ful-
minada oos ladres sacrilegos.
Concluo, pedindo ao senhor Sachristao, que
meu exemplo assigue o -seu verdadeiro nome,
porque quero ver se sus persooalidade ou nao
digas, que en gaste com ella o meu tempo, pa-
pal e tinta.
No primeiro coso nao duvidarei voltar, paro de
todo 0 confundir, do segundo me caUrei porque
suas calumniosas patarras jamis poderao fazer
brexa na bem firmada reputago do meu amigo.
Queiram, senhores redactles, obsequiar com
a ioserco destas linhas ao seu amigo e lelior.
a ti, a barca fastrf 4!our&s de bot oafcados .
dem seceos espichados. .
dem verdes......
dem de cabra cortidos .
dem de on^a......
Doces seceos ......
dem enigeieii ou massa .
dem em calda......
spanodoses proales. ,., ,
dem pequeos .
Esteiras para forro on estiva de
navio .....
Estoupa nacional
Farinha de mandioca. .
dem de jraruta .....
Feijao de queique.r qualidade.
Frechaos. .......
Pumo em foi ha- bom. .
dem ordinario ou restolho.
dem em Tolo bom ....
dem ordinaeo resvolho. .

libra
*
>
um
*
libra


. adsmeire
. arroba

um

VlfO cioco de QMvrtro iuoior&C para o tm eclara-
0330
do do petigao artana transcripta, afim do qe>
2J0O0
momma.....
IpeeaoManha (raz) .
Lenha em ochas .
Toros.....
Leo* e. esteios. .
Mcl ou melaco.


.

* A
. i arroba
. >
.... cento
. >
. um'
. caad*
. arrobo,
quintal
urna


mollios
. comporeg%m oor si on por sou bstanlo proenra-
LflA !L- Brt,MU'a audiencia deste jolas depois* de
* | Srtoo dito proco poras cooeWsr eom o joati-
109060 ficante a respeito do que fieo axposlo s*b pesa
1]M)00' *** "**1* i polo que toda o sualqoor peasoa
svi r,S(eDto*> amigo*** eoeaeeldoe do* justificados
WO Clorado. E a porteiro o jerzo afbsar a poW-
4JDO0 r* a proaaate na lagar do coala me e sera pu-
ntuada peda im prcas*.
o Dd* *"* nts freguezia a S. Jos o
Recite. 26 de marco de 186t.Ru Jos Goncal-
ves do S, oscrirao eesenvi.
Manoel Ftrreira Aeeioli.
O Dr. Anselmo Francisco Perelti, commendador
da imperial ordem da Rosa e da de Christo a-
juiz do dijeito especial do commercio desta ci-
dade o Recife e seo lermo, capital da provin-
cia de Pernarobnce per 8. M. I. e C. o Sr.'f*.
Pedro II, que Deusguarde, etc.
Foco saber aos qu o presente edltal vixem
qne Monleiro, Lopes dr C. me dirigiram a seguinte
petieio:
lAJm. e Exm. Sr. Dr. juiz do commercio.Di-
zem Monleiro, Lopes & C, ow lendo requerid
que V. Exc. se dlgoasse declarar a abertura da
fallencio de Thiago da Costo Perreiro Estrella

200000
1)600
1(000
6S0OO
lg500
5J0OO
16SO0O
8JO00
12SOO0
6JOO0
20400
25$000
2|000
oyooo
502SOOO
0240
80
10JOCO
0800
10JOOO
132(0
cento
40000
de amarello de
' '
urna
a
libra
arroba
Milho
Pao brasil
Pedras de amolar
dem de filtrar
dem rebolo .
Piassava. .
Puntas ou chiCres de raneas e
novilhos...... .
Pranches
dous CHstadoa.
dem lou.ro. .
Sabio. .
Salsa parrilha..
Sebo em rama.
Sola ou vaqueta urna
Toboas de amarello .... duzias
dem diversas.....;
Tapioca....... jrroba
Troves....., urna
Un has de boi ...... cento
Vinagre .........caada
Alfandega de Pernambuco 30 de margo de 1861.
O primeiro conferonte. Manoel Peregrino da
da Silva, -o O segundo coufereute, Jos Thomaz
de Aguiar.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 30 de
margo de 1861. Barros.
Conforme. Joao Jos Pereira de Faria, ter-
ceiro escripturario.
..... m 11 a 11' 1 11 1 i nmmm
Mo vi ment do porto.
^ i 1 1 11 '1 ^
Navios entrados no dia 31.
Assii10 dias, cter nacional Emma, de 52 to-
neladas, capitao Joao Antunes da Silveira,
equipagem .5, carga sal ; ao mesmo ca-
pitao.
Rio de Janeiro e Babia3 dias, vapor francez
JVat'arre, de 1271 toneladas, commindante
Flix Vedel, equipagem 114. carga differenles
gneros; a Tisset iure & C.
Navios sahidos no mesmo dia
160000
8SO00
{080
253000
53000
2JJ400
1040500
7C0OOO
30200
100000
360
0280
Padre Laureogo de A. Leyla.
Recife 1." de abril de 1861.
COMMKC10.
Alfandesa.
Hendimento do dio 1 .
nacional Cruzeiro
capitao de mar e
16:6338267
Movfinento da alfandega.
Vuluraes entrados cora fazendaa.. 182
com gneros..
Volumes
sabidos

com
com
fazeadas..
gneros..
321
------503
61
64
125
Descarregom hoje 2 de abril.
Barca americanaFaraefarinha de trigo.
Barca americanoMargareth farinha de trigo.
Brigue inglezDantebacarho.
Brigue inglezOdemfazendos.
Brigue porto guezFlorn da mercadorias.
Brigue portuguezRelmpagodem.
Barca bremenseMalvinafarinha de trigo.
Berca dina marque?, i Ilomalaydem.
Palhabote nacionalArtistacascos vazios.
Iiuportav:'io.
Cter nscional Emma, vindo do Ass,
consignado ao commandante Joao Antunes da
Silveira, ma ni [estou o seguinte :
-234 1/2 algucires de sal, a ordem.
Palbabote nacional Artista., vindo do Rio de
Janeiro, manifestou o seguinte :
1:044 barrjs de ferro, 100 pipas vazias. 300
volumes barricas vasias, 210 meias ditas ditas, 1
csixao um pianno.l banco de palhidhi 30 barri-
cas sebo, 1 caixa rap, ordem de di-
versos.
Esportaco.
Do dia 31 de marco.
Escuna hollaodeza nne Willem, para o Canal,
carregaram '
N. O. Belber & Comp., 400 saceos com 2:000
arrobas de assucar.
Heccbedoria das rendas internas
geraes de Pernambuco.
Rend ment do dia 1.....1:6709317
Portos do norte Vapor
do Sul, commandante o
guerra Gervazio Mancebo.
Bordeaux e portos intermediosVapor francez
JVacarre, commandante Flix Vedel.
Havre pelo Rio-Grande do NorteGalera fran-
ceza Solferino, capitao Laisne, carga as-
sucar.
Navio entrado no dia V
Thom /Chile)61 dias, galera dinamarqueza
Himalaya, de 75u toneladas, capitao Bendi-
xen, equipagem 18, cerga 17,825 soceos com
farinha de trigo com 200 libras cada um ; a
Rothe Bidoulac. Arribou i este porto com
agua aberta, seu destino Cork.
Nao houveram sabidas.
Observaco.
Fundearam no lamsro um brigue e um pata-
cho brasileiro, mais nao liveram commuoicaco
com o trra. Apporece ao sul um hiate e |esle
urna barca.
.Sald-.
:l$4$57!0
das bolivianas no Estado Oriental, lnham appa-
recido mullos conflictos no praca de Jaguaro-
Sara a sua recepgao, por as quererem s no valor cima "de 175 roT o libra,
e 500 reis. e mesmo pela grande quintidade' Cambio.Londres, 25 li8 d.
que alli tiha acudido, o que de alguma maneira
era considerado como usura com til descont.
c Ds Santa Catharina nada temos que noti-
ciar. .
"L-se no Correio'Mercantil:
Recebemos noticias de Malo-Grosso aV t5
do mez passado.
* Anda oiio*e sabia com certeza quem *eo-
'Jejgoto
de Azevedo encontrara no eirtaato muitas ym-
4)0thias.
rfoWr, dz s ros a Trdafl, tpre ln|*r
Consulado provincial.
Rendimento do dio 1
, .
fco*afgn
Sorpresa e Relmpago. Foram muito regulares
as-transaees que se fizeram neste periodo, po-
rm com baixa, pois pnneipiando-se a vender as
priraeiras qualidados a 50500, foram declinando
at 50200, ultima venda, c os baxos melhorde
40400 a 5. Mascavado 33600 a 40000.
Coaros vacuas seceos.Tem havido urnas pe-
queas compras escoHiidas dos pesados s eo-
tacesda nossa ultimo revista, mas isto Ja nao
serve de regra pata o mercado.
fia um deposito em Pelotas de cerca de 30
mil couros, dos quaes nos consta que alguns
barnqueiros os teem offerecido de 830 a 340 rs.
aquella*}* libra, segundo a cscolha, roes nam assim os
exportadores querem entrar >om-negocio.
Ditos salgados A falta deste artigo, attenden-
do s poueas entradas de gados e mais a cir-
cumstancias.de ler^ulrado novoo especuladores
no mercado, parece ter feito alguma reac;ao,tas
ALFANDEGA DE PERrAMRTJCO.
Pauta dos precos dos gneros sujeitos direiios
de-exportaco.~-Semana de 1 6 do mez de
abril de 186\.
Mercadorias. Unidades. Valores
Abano* ....,:.. cento 10000
Agurdenle de cana. aada 640
dem resinada e do reino .. x> $610
dem casaba ........ 0320
dem genebra ..... t g6<0
dem alcool ou espirito de
agurdente .......
Algodo em carooo .... arroba
dem em rama ou eml.
Arroz com casca ......
dem descascado ou pilado. .. i
Assucar mascavado : s
A' vista da prohibido da circuladlo das mou- todava oomaoonto se lenba esoalnado ter heri-
do algumas olIerUs, nos no.nos-cooeta, por
.mais que overiguassemos, ter havido compras
* Fariz, 384 rs.
, Kambufgo, nominal
Rio de Janeiro, 2 0(0 a 90 dUs. '
fMojd*.Papel nacional, 4 li2 OO.
Frsses^-toat.terra, twmsalgado* 0 sh. 5
O[0ecinza42 1|2sh.
Rio de Janeiro, 300 e 3*0 r*.
Baha, 400 rs.
* Trnambuco, 480.rs.
(Jornal ao4ommereia.doHio.l
Chagarajp ao Bio de 3ao*.iro, nroceAeotas
I do Pernambuco : 23, o brigue Seis Irmss,
8700
2g000
83000
700
23700
20000
33200
* Cfl V .a Dirtccao. w
* S a 0 90 iS V g Intensidad*. a H O
09 00 F. Fahrenheit. n *
* te Oa lo s te Centgrado. H 9) O
o" 00 00 Hygrometro.
O 0 O m - l s Cisierna kydro-metrica.
g
-I
i*
-a
n
OD
Francez.
g 18 u m m

00
Inglei.
A noite cKuvosa das 11 h. em dianle, bonanza
do quadrantedo SE at ao amanhecer que roo-
dou para o terral.
oscilacao M mare'.
Preamar as 8 h. e-fiaY da manhaa, altura 6, p.
Baixamar as 3 b. e 6' da tarde, altura 1.8 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 1 de
abril de 1861.
Roauro Stepple,
* .tenente.
Editaes.
dem branco ...... >
dem refinado. ..
Azeite de amendoim ou mon-
dobim. ...... caada 20000
dem de edeo ......
dem de mamona ...... >
Batata* alimenticias arroba
Bolacea ordinaria propriapara
embarque....... *
mBndeeas. ........
Caf bom.....:
lem escolha ou restolho
dem torrado ... libra
Caibros........ um
Cal.......... arroba
Tdem branca......
Carne secca charque. ... ^ 4|0TJ0
j^owao^gatej..... ijk>
CeradecarvjBa*a%Mrh). tib* S|28e
dem idetn em rola. fsjOO
Charutos....... cents IfSOO
Cocosseccoi. ,, .. ,. j, .. 9 4|BO0
1J80
1.I0O0
33OOO
71500
6|0D
335OO
'JWO
0400
0200
.... 11 ..,..,................. r.i..-
O cidadao Maooel Ferreira Accioli, juiz de paz do
Io anao desta freguezia de S. Jos do Recife,
era virtude da lei, etc.
Fbqo saber aos que a presente viram ou della
noticia tiverem, em como Prxedes da Silva Gus-
mao me fez o petgao do theor seguinte:
Illm. Sr. juiz de paz.Prxedes da Silva Gus-
mao, temo de propor ac^ao commercial contra
seu devedor Francisco de Oliveira Jnior & G.
pela quantia de 7360700, para isso necessita osar
dos meios conciliatorios, e como o dito seu do-
redor so aclu ausente da provincia em lugar no
sabido por isso rom O supplcanta requerer a -V.
S. que justificada a ausencia se sirva mandadlo
citar por corla de editas para o referido fia : pr-
tanlo pede a V. S. Illm. Sr. juiz de paz da fre-
Sjxtezia tie S. Jos defarimeulo.F. H. M.O pro-
curador, Joaquim Canuto de fant'Anna.
E mais se nao conlioha em dita petigo na qual
dei o despacho seguinte :
Justifique. Freguezia da S-Jos de Recite, 26
de margo de-18tt.Aeiiqt}.
E maia.so .niontiaiia*Dmje*J>o dsjspacho em
virtude d g^iajuiteduK) *> juslpcaate suas tes-
temuDha*,* saado-aMos autos conclusos,
sentenco do theor segaioie :
Julgo justificada a ausencia e.iocexlez.a do lu-
gar em qaeiresidem>iJnI*Bado era Tiste do
dipojDKot i4eAp,.a{U i xosito guejae,nias-
oorut do aditos boto prsto de*W as para o Um
roaustido ** .pWo de-fl*. 2i.,.f agste^sksti
cant as custas. Treguezia de S. Jos do Ri
26 de marco do IWLi lMairail Ferreira AcciolL
E mais se no eonlipba em dita Mnlen.ca^qu;i
copiada poriaroo de qual o Mctifac revenotase* o presente carta de editas eom o
prosovdeeiu.di**; pslafluai oaioc Lbeor se aui-
4M, .clk .bel pai ^Mm aoaaapplasados ftaiW
conjunctamenle eom o de Antonio Joaquim Vi-
dal, dignon-se V. Ese. declarar tmente a aber-
tura da de Antonio Joaquim Vidal pelo que vena
requerer a Exc. digoe-se mandar sabir osan-
tos conclusio e tambera declarar a fallencio do
referido Estrella. Pede o V.-fe*c. deferimento.
E R. M.Joaquim de Alqocrque Mello.
E mais se nao contreha em dita petieSo, na
qual dei o seguinte despacho:
Como pedem. Becife 18 de marco de 1861.
A. t. Peretti.
E em virtude do meu despacho e respectivo
eserir que este subscreveo, f*?endo~ca sellar,
os fez subir miirha cunclusao e nelies dei a se-
guinte eeutenc.a :
Fica a sen tenga de fls. 30 extensiva ao com-
mercianle Thiago do Costa Ferreira Estrella.
qual cessoo os seus pagamentos e que por isso
declaro esa estado da quebr i dotar do dta A do
fevereiro do dito anno.Oescrivlo depreque ao>
Dr. juiz commercial do cidade de Belem no Para,
para onde consta ter-*e retirado dito Thiago., A
noiificaco deste para vir assignap termo, de qua
trata o ari. 822 do cdigo commercial, e para
assistir a todos os actos de sua fallencia sob a
penas da lei.
Seja a presente publicada segundo o dispest
nos arts. 812 do referido cdigo, e 129 do regu-
lamenlo n. 738 por editaes olxado* nos lugares
do coslume e publicados pela impreosa.
Recife 21 de mateo de 1861.-Anselmo Fran-
cisco .Perelti.
E mais se nao continua em dita seoteocs e era
seu cumprimento fez com effeito o respectivo es-
wivao passar o presente, que par* chegar a o co-
nbecimento do todos ser publicado pelo forma
indicada ua sentenco supra.
Recife 26 de margo de 1861 .^u Msnoel Ma-
ra Rodrigues do Noacimento, escrivao o subs-
crevi.
A nselmo Francisco Peretti.
t- O Illm. Sr.inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico, para conhecimeuto dos
renderos e foreiros deptopriedades pertencentes
oo patrimonio dos orphoos desta cidade, que de-
vera pagar seus dbitos directamente nesta toaos
souraria, certos de que, se o nao fizerem, sera
os meamos dbitos remettidos pora juizo, aura da
serem cobrados judicialmente.
E para constar, se mandou afflxar o presente a
publicar pelo Diario. Secretaria da thesouraria
provincial de Pernambuco, 5 de marco de 1861.
O secretario
A. F. d'Aonunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia de 21 do corrente, manda
fazer publico, que no dia 18 de abril prximo vin-
douro, perante a junta da fazenda da mesma the-
souraria se ha de arrematar a quem por menos
fizor a obra do calamento da ra do Imperador,
o partir da porta do palacio da presidencia at a
praca do Collegio inclusive, pelo systema de pa-
rallepipedos, avahada em 212:9050.
A arrematado ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de Janeiro de 1854 e sob as
clausulas especiaes abaixo copiadas, e com o aba
limento da quaulia de 22-2503, offerecido pe
Bario do Livramonto.
As pessoas que so propozerem a esta arrema
tacfao compaiecam na sala das sessOes da mesma
junta, no dia cima declarado, pelo meio dia com-
petentemente habilitadas.
b para l-unslm 00 mondou affinar n pTP.4pn.te B-
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 24 de margo de 1861.
O secretario,
A. F. d'Annuociago.
Clausulas especiaes para a arrematando.
"1.a A obra ser principiada em dous meses, a
contar da data da arrematado e concluida no>
prazo de 10 mezes.
2.* O arrematante ser obrigado a atlender as
observacoes coocernentes boa execuco da obra
feita pelo engenheiro encarregado da sua fiscali
saca o.
3.a 0 pagamento ser dividido em quatro pres-
tacoes iguaes, correspondendo cada urna a un,
quarto do valor da obra constante do ornamento,
sendo em dioheiro ou apolices da divida publica.
4.a Para se proceder ao pagamento ser s obra
avallada em bracos quadradas, ficando o arrema-
tante sujeito pelo preco do orcaaeuto do aug-
mento da obra, se'o goveruo assim o entender.
5.a O arrematante ser obrigado a seguir in-
teiramente os obrigaces conlidas no arl. 36 da
lei n. 286 e nos mais artigos da mesma lei, que
regula as arrematicoes.
6.a A pedra deve ser de granito ou outra pedra
de muito boa qualidade e igualmente dora.
7.a As pedras sero arrumadas sobre urna ca-
rnada de argamassa de cal e arela, posta sobre o>
terreno bem socado, e depois de assentadas se-
ro pisadas com um mago pesado.
8.a O arrematante ser obrigado a botar urna
carnada de argamases liquida por cima dss mes^
mas pedras, para lhes eneber os intersticios.
9." O prego aqui mencionado dever incluir
qualquer aterro que seja preciso fazer para levan-
tar o nivel das ras.
Conforme.:O secretario,
A. F. d'nnunciogo.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria prova
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 21 do cerrante, manfla)
fazer publico, que no dio 18 de abril prximo vin-
douro, perante a junta da fazenda da mesma the-
souraria, se ha de arrematar a quem por menos
fizer a obra do calcamenlo da ra do Imperador,
a partir da porta do palacio da presidencia at ai
praca do Collegio inclusive, pelo systema de Mac-
Adam, avallada em 86:542?.
A arremataco ser feita na forma da lei pro-
vincial n. 343 de 15 de Janeiro de 1854, e sob as,
clausulas especiaos abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arressa-
tacao comparegam na sala das sessqes da mesma
junta no dia cima declarado, pelo meio dio com-
petentemente habilitadas.
E para constar se mandou afiliar o presente s
publicar pelo Dia rio.
Secretaria da thesouraiia provincial de Pernam-
buco 24 de marco tte 1861.
O secretario,
A. F. 'Annunciagao.
Clausulas especiaes para a arrematando.
1.a A obra ser principiada em dous mezes
contar da data da arremataoao a concluido no
prazo *s 10 mezes.
* O arrematante ser obrigado a Hender a
obserraeoes concernentes a bfta execurao do obra
feita pelo engenheiro encarregsdo da ana fijcali-
8sco.
o*.Opagamento ser dirditfo em qualroprw-
t a cues iguoes, correspondendo -esd* las-dam
quarto do valor do obro constante do s*3*j|ento_
4." Para se proceder ao pagamento ser a aba
avallada em bragas qtiadradas.'ficando o arrema-
tante sujeHo pelo poten do ornamenta ao esta
ment do obra, se o governo assim o entender.
le n. 286 e nos mais artigos da mesma lei, qua
Antonio- F. d'Annunciaco.
pc'ife.1*r. Anaolsso #roncwcorJ*iM4, onaaoModador
o iaapjsl oadem da Maso, dotae.Qhriato.e jaiz.
ds direito otf*ol do loasaasrcto cksta don
do Jkscife a sen tatmo, capital da proHasia d
>KaniBsagtaovs^*.ds..lmp^rt< CiaoliWrto-
o
Ce
ce
B*
=e
<
>
BIS
J
S 3
dei a
-prtO-pNKBlaV



ll'WlMMlH y
t*
DUMO D PBRitMOOO. TEl^ #E4 teO
do crtente anoo se hlo de arrematar em praga ? pagar 200 reales de velln de malta, con trunos
publica de&le juio. quena mais dr, na sala dos ala Sociedad Eiplnola de Beneucencli>A en Rio
i
-
auditorios, done gtiards-roupas novo* de madei-
ra de amarello, pertenceotes a los Estanislao dos
Paasos, valUdos ambos em 1609, e veo a praga
por execufio de Antonio Mariins da Silva Cam-
pos contra o mesa o Jos Estanislao dos rasaos e
Joaquim Pereira da Silva Santos, e serio arre-
melados na (alta de licitantes palo preijo da ad-
judieac.ao com o respectivo a bat me ato dalsi.
.. i E para queshegue ao conhecimento de todos,
mandei passar oditaes que serio afiliados nos lo-
gares docostume e publicar pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 20 das do mez de marco de 1861,
quadragesimo da independencia e do imperio do
Brasil. En, Manoel da Carvalho Pees de Andra-
de, eserivao do juizo especial do coaamercio o flz
escrever.
Anselmo Francisco Ptrt'.li.
O Dr. Anselmo Francisco Peretli, commendador
da imperial ordem da Kosa, da de Quisto e
- juiz de direito especial do commercio deste
cidade do Recite e seu termo, capital da pro-
vincia de Peraambuce, por S. M. I. e C. o Sr.
D. Pedro II, que Deas guarde, etc.
Faco saber pelo presente, que no da 17 de
abril do correte anno se ha de arrematar por
venda quem mais .der em pra;a publica deale
juizo e na sala dos auditorios, um sobrado de um
andar na travossa do Carmo'n. 10, com 3 jaoellas
na (rente e dous quartos pequeos, avaliado em
4:000(000, penhorado a Manoel Laiz Coelho de
Almeida e sua mulher por execucSo que contr
estes encamiuha Manoel Firmino Ferreira ; e na
(alta de licitantes ser arrematado pelo preso da
adjudicaco com o respectivo abatimento da lei.
E para que chegae noticia a quem inleressar
possa, mandei passar editaes, que serio afBxa-
dos nos lugares do costume e publicados pela
imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 13 das do mez de marco de 1861.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, os-
crivo do juizo especial do commercio o Qz es-
crever.
Anselmo Francisco Pertlti.
Declarares.
Santa casa de misericordia do
Recife.
A junta administrativa da irmandade da mise-
ricordia do Recife, manda (azer publico que en-
traran) de mez os Srs. mordomos teoente-coronel
Justino Pereira de Parias, lenente-coronel Anto-
nio Carlos de Pinto Borges e Antonio Jos Gomes
do Correio ; sendo o I. no hospital Pedro II; o
2. na"casa dos expostos; e o 3. no hospital dos
dos lasaros.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife 1." de abril de 1861.O escrivo,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
Couaelho administrativo.
O conseiho administrativo, para (ornecimento
do arsenal de guerra, em cumprimento ao art. 22
do regulamenlo de 14 de dezembro de 1852, (az
publico, que (oram aceitas as propostas dos se-
nhores abaixo declarados.
Para (oraecimento do hospital militar.
Joao Ignacio Ribeiro Roma :
Nos medicamentos que (oram requisitados pela
quantia de 1:7009000, sob a condicio do seren
entregues na botica do mesmo hospital ao facul-
tativo incumbido de recebe-los.
Joao Jos da Silva:
36 escarradeiras de lati a 23400.
Para o arsenal de guerra.
Antonio Altes de Moraes:
500 meios de sola conforme as amostras que
apreseotou a 3JS400.
Joio Jos da Silva :
4 arrobas de rame grosso de (erro a 200 rs. a
libra.
Jos Augusto de Araujo :
230 caadas de azeite de carrapato a t$900 a
caada.
Joao Carlos Augustd da Silva :
230 caadas de azeite de carrapato a 1$900 a
caada.
Para o corpo da guaroiejio do Pernambuco.
Joio Jos da Silva :
3654 botes grandes de metal amarello a 80 rs.
1449 ditos pequeos de dito dito a 65 rs.
9 grosas de ditos pretos de osso a 400 rs. a
grosa.
Manoel Vctor de Jess da Malta :
563 1(2 corados de baeta verde a 580 o
cvvwlv.
Santos & Coelho :
2411)2 varas de brim da Ressia a 760 rs. a
vara.
O conseiho avisa aos masmos vendedores que
devem recolher os objectos comprados no dia 3
de abril prximo riudouro, s 10 horas da ma-
chia.
Sala das sesses do conseiho administrativo,
para (ornecimento do arsenal de guerra, 30 de
margo de 1861.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
O Illm. Sr. inspocior da Ihesouraria provin-
cial manda (azer publico que do dia 2 do corren-
te por diante pagam-se os ordenados dos empre-
gados provinciaes, vencidos no mez de marco
prximo lindo.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Per-
nambuco 1." de abril de 1861.O secretario,
A. Ferreira d'Annunciaco.
Conseiho administrativo.
0 conseiho administrativo, para (ornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguintes :
Para os armszens do arsenal de guerra.
10 duzias de taboas de louro de assoalho de 13
a 16 polle.adas de largura e de 26 a 28 palmos
de comprimento.
1 duzia de costadinho de amarello.
12 e meia arrobas de arcos de (erro de pollega-
da e meia.
5 arrobas de oleo de linhaca.
700 covadoa de baeta verde.
Quem quizer vender taes objectos, aprsenle as
suas propostas em carta fechada, na secretaria do
conseiho, s 10 horas da mannia do dia 3 de
abril prximo passado.
Sala das sesses do conseibo administrativo,
para (ornecimento do arsenal de guerra, 22 de
margo de 1861.
Benlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
NOVO BANCO
DE
Pernambuco.
O novo banco de Pernambuco conti-
nua a substituir ou a resgalar as notas
de sua emisao de 10$ e 20$ em prejui-
zo dos possuidores por mais dous mezes
que ho de lindar em 9 de maio do cor-
rente anno, em conCormidade do aviso
neiro ultimo e findo este prao s po-
dera' ter lugar a substituirlo ou res-
gate com o descont mensal e progresi-
vo de lOporcento por eada mez.
Recife 9 de marco de 1861____Os di-
rectores gerentes, Luiz Antonio Vieira,
Joao Ignacio de Hedeiros Reg.
Vice Consulado de
Espaa.
Habiendo expirado el plazo del aviio de 25
pasado para II renovacin de ha cartas de
naturalidad jr cosaos algunos subditos de S. M.
o avan cumplidos con la que en el mismos se
dispoaia ; los em plazos nuevamente con 15 dias
de terrinos para verimoat-lo, adviniendo* que
ademas del derechos del documentos, tendan de
de Janeiro. ,
Cinco dias despus de este ni^ miento, loa que no se nayae presentado no
sern considerados como Espules y no recibi-
rn proteccin y' autillo Je este ice consulado
cuando lo necesiten.
Pernambuco, 20 demarro de 1861__El vice
cnsul, Juan Anqiada Htjo.
Novo Banco de Pernambuco,
O nov banco paga o 6* dividendo
de 12#500 por accao.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
Por ordem da directora e em cum-
primento do disposto no art. 4 do de-
creto n. 2685 de 10 de noVembro do
anno lindo, vai-se proceder dentro do
prazo de 4 mezes a contar desta data, a
substituicao das notas de 20$ da emissao
da mesma- caixa.
Caixa filial no Recife aos 20 de mar-
co de 1861-O secretario da directora
francisco Joao de Barros.
lio, sapates d lustre par homens e senhorss
e outros muitos objectos que estaro patentes na
eccasilo do leilao no dia acims i ti horas em
ponto.
Tambem
vender 1 cavallo de estribara com andares.
Avisos martimos.
Maranho e Para,
tocando no Acarac, aegue impreterivelmente
no dia 8 do correte o patacho Emulacao, ca-
pito Antonio Gomes Pereira ; para a pouca car-
ga que lhe (alta, trata-se com Moreira & Ferrei-
ra, ra da Madre de Dos n. 4, ou com o capilo.
Ass
Para o Ass vai sahir com muita brevidade a
baresca Nova Esperance, recebe carga a (rete
commado : a tratar na ra da Madre de Dos nu-
mero 2.
O brigue portuguez Relmpago, vai se-
guir viagem para Lisboa em poneos dias por ter
teda a carga prompta : s recebe passageiros pa-
ra o que trata-se com o consignatario Thomaz
d'Aquino Fooseca, na ra do Vigario n. 19, pri-
meiro andar, ou com o capito na praca.
Para o Aracaly
amaragibe: para carga e
ra do Vigario n. 5.
Aracaty.
O hiale Camaragibe: para carga e passageiros,
trata-se na ra do Vigario n. 5.
Para este porto seguir brevemente o hiato
Eialacoo : para carga e passageiros, trata-se
com Gurgel Irmos, na ra da Cadeia do Recita
n. 28, primeiro andar.
Rio de Janeiro
O veleiro e bem conhecido brigue nacional
Damo pretende seguir para o Rio de Janeiro
at o dia 28 do correte ; s recebe passageiros
e escravos a (rete, para os quaes tem excellentes
commodos : trata-se com os seus consignatarios
Azevedo & Mendes, no seu escriptorio roa da
Cruzn. 1.
Rio de Janeiro,
o veleiro e bem conhecido brigue nacional r.on-
oo9o prctcutle seguir com muita brevidade, s
recebe passsgeiros e escravos a (rete, para os
quaes tem excellentes commodos : trata-se com
os seus consignatarios Azevedo & Mendes, ao seu
escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para
segu impreterivelmente no dia 4 de abril o hiate
Exalaco, capito Trajano Antunes da Costa .-
para o resto da carga, trata-se oom o (retador Jo-
s Raimundo Ferreira, ra do Queimado d. 14.
COHPAHIIIA PERWMICANA
CB
Xavegacao coste-ira a vapor
O vapor Jaguaribe, commandanle Lobato, se-
gu para os portos do norte at a Granja no di
6 de abril s 5 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 5 ao meio dia. Eocom-
mendas, passageiros edioheiro a (rete at o dia
da sahidas 2 horas : escriptorio no Forte do
Ma.tos o. 1.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
os
Navegado cosleira a vapor
O vapor Persinunga, commaodante Moura, se-
gu para os portos do sul em 5 de abril s 5 ho-
ras da tarde. Recebe carga at o dia ao meio
da. Passageiros e dinheiro a (rete at o dia da
sahida s 2 horas : escriptorio no Fotte do Mal-
los d. 1.
Para a Babia.
A sumaca nacional aHortencia pretende se-
guir com muita brevidade, tem parte do seu car-
regamento p'rompto : para o resto que lhe falla
trata-se com os sens consignatarios Azevedo 4
Mendes, no sen escriptorio ra da Cruz n. 1.
Leiioes.
LEILAO
DE
Para os Srs. logistas de
calcado.
Quinta-feira 4 do crrante.
Coala Carvalho far leilao em seo armazem ea
ras Nove n. 66, de varios objectos partencentes a
urna Joja de peleado comosejam cauro de cabra,
Di do corrente.
F. S. Rabelra 4 Fllho (ario leilo por inter-
vengo do agente Oftveira e por conta e risco de
quem pertenecer de 90 pipas de vinho tinto hes-
panhol, recentemenle importado : quinta-feira 4
do corrente, is 10 horas da manha, no trapiche
aifandegadodo Exm. barao do Livramento junto
ao traprw do algod&o.
Urna taberna.
Terca-feira 2 de abril.
Costa Carvalho far leilao por mandado do xm.
Sr. Dr. juiz especial do commercio a requeri-
mento de Prxedes da Silva Guarni, da taberna
do pateo do Terco n. 14 de Francisco de Oliveira
Jnior & C, no da cima s 11 horas em ponto.
LEILAO
A 2 de abril.
Henry Gibson (ara leilao por intervengo do
agente Oliveira, domis completo sorlimento de
(azendas inglezas as raaia proprias do mercado :
tergi-eira 2 do corrente, s 10 horas da manha
em ponto, no seu armazem, ra da Cadeia.
Leilao
O agente Hyppolito vender' em lei-
lao, quarta^eira 3 do corrente as 11
horas em ponto, os predios n. 40 eme-
tade do de n. 38, nos quaes esta* mon-
tada parte da fundic5o do Sr. D. W.
Bowman na ra do Brum e ahi se e-
fectuara' a venda no referido dia.
Avisos diversos.
Furto de relogio.
Sabbado 30 de mar{o, as 6 hotas da tatde, (ur-
laram de cima de urna mesa redonda, ett S. Jos
do Manguinho, casa terrea defronte, do svtio*do
Sr. Se*e, um relogio de ooro patente lnglez, (eito
em Londres, oberto, te'ndo o vidro em cima par-
tido em taas partes e com urna correte de
ouro massiQo (eitaem Lisboa, a imitadlo dos co-
lares que as senhoras usaram anligamente, es-
tando quasl a largar o cravo que prende a mes-
ma a urna argolipha que vai xar a asa do relo-
gio, tendo urna chavo de ouro tambem feita em
Lisboa coa 3 pedriobas guarnecidas de ouro,
sendo urna branca, urna r6xa e outra escarate,
a qual chave ub serve no relogio, e no meio es-
t segura para andar aperlada com algodo por
se achar mal segura ; por isso previno aos senho-
res relojoeiroa eourives para que The sendo offe-
recido qualqoer dos dous objectos os apprehen-
dam e participen) na ra do Brum a Manoel Jos
de S Araujo, que gratificar ao portador.
Philip Furby, subdito britannico, vsi a Eu-
ropa.
Jos Joaquim da Costa Mala, portuguez, vai
a Europa com sus familia.
Cobre.
Trocam-se dinheiro de cobre por sedula ao
par : na ra Direita n. 8.
Joaquim Goncalves Salgado, sua sen hora e
um criado Manoel Jos da Costa, retiram-se pa-
ra Portugal a tratar de sua saude.
Joaquim Goncalves Salgado deixa por seus
procuradores nesta praca os Srs. Custodio Anto-
nio Soares, Ponciano Loorenco da Silva e Ber-
nardino Goncalves Salgado.
Precisa-se de urna ama de leite sem lho :
na ra de Horras n. 22, segundo andar, ou no pa-
teo do TerQo n. 26.
Ildefonso Correia dos Santos Almeida reti-
ra-se para o Para.
Precisa-se de urna sala ou gabinete para
um mogo : quem a tiver, pode anounciar, ou dal-
lar carta (echada nesta typographla com as ini-
ciaea A. B.
Jos Ferreira Guimares, subdito portuguez,
vai ao Rio de Janeiro.
O abaixo asaigoado avisa ao publico que,
tendo tencSo de contratar urna sociedade com o
Sr. Eduard Remworthy para um estabelecimento
na villa da Escada, e como houvessem motivos
justse ao mesmo lempo inconvenientes ao abai-
xo assigoado ; por isso avisa que flcou sem ne-
nbuma validade, e sem se concluir o dito con-
trato. Recife 27 de margo de 1860.
Jos Soares Pinto Correia Jnior.
Perdea-se desde o pateo do Carnm 'at a
tua Nova, urna carteira com 10$ em dinheiro,
urna procurasao bastante e urna letra a dous
mezes da quantia de 500$, sacada em 27 do cor-
rente pelo Sr. Albino Jos da Silva e aceita pelo
abaixo assigoado e car a dita letra sem ne-
nhum effeito, e a pessoa que achou-a querendo
restitui-lapode entrgame ruedo Queimado n.
J2, que ser gratifleado. Recife 30 de mar$o de
1861.Manoel Joaquim de Souza Neceo.
Canoa furtada.
Do porto junto do armazem do materiaes de
Manoel Firmino Ferreira isto no non da ra da
Concordia, furtaram urna canoa de carreira, mas
sem paneiro por ter sersido para conducho de
bsrro, a qual de n. 43: roga-se a quem della
souber e der noticia no mesmo armazem cima
declarado ou a seu propietario Joaquim Lobato
Ferreira na ra daSenzala, que ser recompen-
sado.
Aviso aos devedo-
res da massa fal-
lida de Siqueira
Pereira.
Joao Jos de Figueiredo ai>
rematante da massa fallida
de Siqueira A Pereira avisa a
todos os Srs que sao devedo-
res a mesma iiassa, queiram
vir satisfazer seus dbitos no
prazo de 15 dias, porque pas-
sado este prazo proceder-
se-ha a cobranca judicial.
COMPAMIA DA VIA FRREA
PERMUTA-SE
por urna morada de casa nesta praca, duas mora-
das de casa, urna sita no Po?o da Panella, de pe-
ora e cal, com qustro quartos, cozinha fra, quin-
tal murado, porteo, cacimba, sotao com janella
que deita para fra e margem do Capibaribe ;
outra meia-agus na ra de Sanla-Thereza, nesta
cidade, que rende mensalmente 12jf000 : a tratar
na ra Imperial casa n. 5.
Precisa-se alugar flroa cosinheira livre ou
escrava : ua ra da Santa Cruz n. 62.
SOCIEDADE ACADMICA PROMOTORA
DA
Remisso dos captivos. !
Sao convidados os membros do conseiho di-1
rectorio, secretarios, thesoureiro e procuradores I
para se reunirem, aflm de se deliberar sobre a I
marcha da mesma sociedade, quinta-feira 4 do
correte, as 11 horas do dis, na ra da Impera-
triz n. 88, lerceiro andar. j
Aluga-se um armazem novamente acabado
com grandes telbeiros, muito proprio para pada-!
ra ou qualquer oulcioa, sito na ra Imperial n.
ICO : a tratar na ra Direita n. 84.
D- Joaquina Candida Lemos, seus filhos e
anea convidam a todos os amigos de seu finado
esposo e psi o commendador Jos Victorino de
Lemos para assistirem a missa do stimo dia qne
deve ter lugar as 7 horas do dia 3 do corrente,
na matriz da Roa-Vista.
Jacome Ulysses e sua irma, subditos por-
tuguezes, lendo de retirar-se para o Rio de Ja-
neiro, declaram nao dever cousa alguma nesta
provincia.
Filippe Jos de Abreu retira-se para o Rio
de Janeiro.
Carrega-se toda a quantidade de entulho,
com tanto que soja nos bairros de S. Jos e San-
to Antonio ; na ra do Crespo n. 19 se dir.
Precisa-sc de urna mulher forra ou escrava
para cozinhar e comprar para urna s pessoa; na
ra do Trapiche n. 20, segundo andar.
_ Deseja-se fallar com o Sr. Jos Lins de
Meira Lima,aflm de se lhe (azer entrega do urna
quantia remettida por sua familia : na ra da
Imperatriz n. 88, lerceiro andar.
Precisa-se de um carroceiro; na padaria ds
ra dos Pescadores ns. 1 e 3.
Precisa-se de urna sma para cozinhar, pa-
ga-se bem ; na ra do Rangel n. 11.
Aluga-se um sitio em Sanl'Anna, ao entrar
da Casa Forte : quem pretender, duija-se a ra
do Imperador, sobrado n. 50, segundo andar.
E. A. Ryder vai para a Baha.
"T E- A- Ryder, gerente da casa commercial
de James Ryder & C (az publico que duraule
a sua ausencia desta cidade ficar a gerencia da
mesma casa a cargo do Sr. FredeTick James Cor-
bett.
Domiogos Rodrigues de Andrade durante
sua viagem Europa deixa por seus procurado- '
res encarregado de sua casa commercial em
primeiro lugar seu genro o Sr. Guilherme Au-
gusto Ricardo, em segundo o Sr. Miguel Jos
Barbosa Guimares e em lerceiro o Sr. Jos da
Costa Ma gal ha es.
Perdeu-se um bracelete de ouro no dia de
quinta-feira santa, desde a ra Direita igreja
do Carmo, matriz da Boa-Vista e igreja do Espi-
rito Santo : quem o tiver achado poder vir en-
tregar no sobrado n. 32, ra Direita primeiro an-
dar confronte a travessa que vai da ra Direita
ao pateo da Penha, que aera gratificado {tela sua
entrega.
Urna senhora ao rlsitar s igrejas na noite
de quinta-feira, perdeu urna pulceira de ouro es-
maltada de verde : quem pois a tiver achado e
queira ter a consciencia de restitui-la procure ao
abaixo assigoado que gratificar convenientemen-
te.Jos dos Aojos Vieira de Amorim.
O abaixo assigoado, morador no aterro da
Boa-Vista hoje ra da Imperatriz n. 71, loja de
ourives, repele ao respeitavel publico o annun-
cio de 2$ a 28 do mez de juoho de 1860, que na-
da deve nesta provincia nem em outra qualquer,
se porm houver quem se julgue seu credor
aprsenle o titulo que ser immediatamente pa-
go, motivos me obrigam a fazer esle annuncio.
Recife 30 de mar5o de 1861.
Custodio Manoel Goncalves.
Quem annunciou precisar de 1.5008 obre
hypotheca, dirija-se Boa-Vista rus do Destino
o. 3, das 4 s 6 horas da tarde.
Antonio Jos de Sanl'Anna (az publico que
em dala de 18 de margo ultimo, arrendara a ota-
ria e casas sitas ao Aterrinho do Giqui, per ten-
cente a seu pai o Sr. Francisco Jos de Sanl'An-
na, pelo preco de 500* snnuaes, passando desde
aquella data a perlencer-lhe todo o fabrico de li-
jlo em dita otaria.
Precisa um homem solteiro de um criado
forro ou escravo, que atiba cosinhar : a tratar na
roa da Imperatriz n 8, terceiro andar.
Alga se a loja do sobrado da
ra da Imperatriz n. 38 : a tratar na
mesma ra n. 40.
r* IVecistso de um moco que escre-
va rpido e com orthographia para ser i
empregado em aervic<> de escripia : na
raadoCabuga'n. 18, primeiro andar
entrada pelo pateo d matriz.
DO
Recife ao Sao Francisco.
LIMITADO.
Pelo presente (az-se publico que de resoluglo
da directora desta companhia, tomada nesta da-
la tem-se feito urna outra cbamada de duas li-
bras sterlioas para cada accao, a qual chamada
ou prestaQo dever ser paga al o dia 7 de maio
prximo futuro, no Rio de Janeiro em casa dos
Srs. Mau Mac. Gregor & C, na Bahia aos Srs.
S. S. Davenport & C., e em Pernambuco no es-
criptorio da ihesouraria na mesma via frrea.
Pelo presente tica tambem entendido que no
caso de nao ser a dita chamada ou prestaco sa-
tisfeita no dia marcado para o seu pagamento,
ou antes, o accionista que incorrer nesta falta pa-
gar juros a razo de 5 por cento ao anno sobre
tal chamada ou prestado, a contar deste dia at
que seja realisado o pagamento desta chamada
ou prestaco dentro de 3 mezes a contar do di-
to dia, fizado para 6 embolso da mesma, Qcaro
as acQes que incorrerem em tal falla, sujeilas a
serem confiscadas segundo as dsposc,5es dos es-
tatutos a este respeito.
Por ordem dos directores.
AssigoadoE. H. Bramah,
Superintendente.
Escriptorio da companhia 2 de abril de 1861.
Manoel Antonio Pires vai a Parahiba.
Precisa-se alugar uro prelo para servido de
hotel: na ra do Trapiche o. 28.
Aluga-se urna escrava mo?a para todo ser-
vico de urna casa : na prac da Boa-Vista ra da
Conceico n. 25.
Precisa-se de um cosinheiro : na ra do
Imperador n. 43, primeiro andar.
Caixeiro.
Precisa-se de um caixeiro ce idade de 12 a 14
annos : na ra larga do Rosario n. 35, deposito
de assucar.
O abaixo assigoado roga as pessoas que lhes
sao devedoras dos annos de 1859 e 1860, tanto
os de conta de livro como os que passaram val-
les lenham a boodade de irem ou mandarem pa-
gar seus dbitos sem falta, pois vista da neces-
sidade que tem o abaixo assigoado de fazer pa-
gamentos aos seus credoros, toreado a todo o
transe de marcar o prazo de 8 dias para realisa-
cao de taes dbitos, do contrario o abaixo assig-
oado passar por dissabores que bem deseja evi-
tar.Nicolao Machado Freir.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pra-
tica de taberna e que d fiador a sua conducta :
a tratar na padaria do pateo da Santa Cruz n. 6.
O abaixo assigoado nao podendo dirigir-se
a todas as pessoas que lhe ilzeram o obsequio de
assistir as exequias de sua presada esposa Flo-
rinda Severiana Santiago de Almeida no dia 30
de margo na matriz da Varzea e agradecer-lhes
a cada um de per si, prevalece-se do prelo para
faz-Io a esses senbores que tomaram par-
te em seus seniimeotos offerecendo de todo o
corac.o o seu limitado e mesquinho presumo.
Varzea, Io de abril de 1861.
Henrique Pereira da Silva.
No largo do Parairo esquioa junto ao quar-
tel de polica no acougue grande e novo, muito
fresco e o mais Iimpo que talvez haja nesta praga
ainda tem para alugar-setalbos para cortar car-
ne : a fallar na ra do Imperador o. 28.
Lices.
Leciona-se primeiras letras, latim, francez e
injflez em casas particulares : na ra da matriz
da Boa-Vista n. 34.
Attenco*
Os Srs. Jos Carvalho dos Sanios, Antonio
Carvalho dos Santos, Domingos Jos de Souza
Ferreira e Antonio Joaquim Vaz de Andrade tem
cartas na ra do Vigario o. 19, primeiro andar.
Pede-se aos Srs. hachareis que tem as suas
cartas na mo de um bedel da faculdade ha 2 e
3 annos, o obsequio de mandarem busca-las em
Olinda e pagar ao mesmo a importancia despen-
dida com as mesmas cartas, isto no prazo de 4
dias para doua que esto nesta provincia e de
dous mezes para dous que se acham no Cear e
no Rio de Janeiro, pois do contrario se publicar
por extenso os nomes de ditos hachareis.
Aluga-se um grande armazem na ra da
Moeda n. 7, por prejo razoavel: a tratar no ar-
mazem de cabos ao lado do Corpo Santo n. 23.
f fray 22,PJifik- 3W.AXJ* .W.fW.-FW.AMK.JM5a 1*1
t iws* una *bv man asm asna i*
CONSULTORIO ESPECIAL
HOHEOPATHICO
no
DR. CASANOYA,
30--Rua das Cruzes--30
Neste consultorio tem sempre os mais
novse acreditados medicamentos pre-
parados em Paria (as tinturas) por Ca-
tellan e Weber.por preeos razosveis.
Os elementos dehomeopathia obP.re-
commendada intelligencia de qualquer
pessoa.
Jos Joaquim Fernandes da Rocha vai a
Portugal tratar de sua sauda e deixa por seos
procuradores os Srs. abaixo declarados : em pri-
meiro lugar o Sr. Joaquim Goncalves Beltro,
em segundo lugar o Sr. Jos Antonio Siqueira,
deixa por seu caixeiro o Sr. Thomaz Manoel Ri-
beiro, gerente de sus taberna,
SYSTE MA MEDICO DE HOLLOWiY.
PI LULAS HOLLWO YA.
Esle inestimavel especifico, composto nleiri,
mente de bar vas medicinaes, nao conten mercu*
rio nem alguma outra substancia delecteria. Be-
nigno* mais tearainfancia, e a eompieisoraais
delicada igualmente prompto e seguro para
desarraigar o mal na compfeicio mais robusta ;
enteiramenfe innocente em suas operajese ef-
feitos; pois busca e remore as doencas de qual-
quer especie e grao por mais antigs e tenazes
que sejam.
Entre tnilhares do pessoas coradas com este
remedio, muitas que j eslava mas portas da
morte, preservando em seu uso : conseguirn!
recobrar a saude e f o reas, depois de ha ver tenta-
do inultimente todos os outros remedios.
As mis afictas nlo devem entregar-se a des-
esperagao; fagam um complanla easaio dose
sfficazes effeitos desta assombrosa medicina,
prestes reeuperarao o beneficio da saude.
Nio se perca lempo em tomar este remedio
para qualquer das seguintes enfermidades:
Accidentes epilpticos.
Alporcas.

STAHL C.
RETRATISTA DE S. M. 0 IMPERADOR.!
Roa da Imperatriz numero 14 f
(Outr'ora Aterro da Boa-Vista.) S
Retratos em todos es-
telos e lamanlvos.
Pintura ao natural em
oleo e aquarella.
Coplas de daguerreo-
tyuo e outros arte-
actos.
iVmbrotYpos,
Paisagens.
8
t
Pnbiicaces do instituto
tha do Brasil.
DICCIONARIO POPULAR
DE
MEDICINA HOMEOPATHICA
Obra indispensavel todas as
pessoas que qulzerem corar tao-
meopatilica mente,*
CONTENDO :
A definicao clara dos termos de medicina: as
causas mai frequenles das molestias: os symp-
tomas, porque estas se fazem conhecer : os me-
dicamentos que melhor lhes corresponden : a
quantidade das dses de cada medicamento e
seus respectivos intervalos as molestias agu-
das e chronicas: a hora do dia ou da noite,
em que os medicamentos desenvolvem melhor
saa acedo : a maneira de alternar os medica-
mentos : a maneira de curar os envennamen-
os, as mordeduras de cobras, facadas, tiros,
quedas, pancadas e fracturas e todas as mo-
lestias conhecidas, principalmente as quegras-
sam no Brasil, qur as pessoas livres, qur
as escravas: os soccorros que se devem pres-
tar mulher durante a prenhez, na occasio
do parto e depois delle: os cuidados que a
crianca reclama, qur logo depois do nasci-
mento, qur durante a infancia : os perigos
Sue esto sujeitos todos os que tomam reme-
ios allopalhicos: e muitos outros arligos de
vital interesse; bem como urna descripeo con-
cisa, e em linguagem acommodada intelli-
gencia das pessoas exlranhas medicina, dos
orgaos mais importantes, que entram na com-
posifao do corpo humano, etc., etc., com duas
eslampas, urna mostrando qaanto possivel lo-
dos os orgos internos, com a sua explicaco
phisiologica e outra mostrando as differentes
regioes abdomivaes. (A primeiro colorida pa-
ra ossehores assignanles.)
PELO DOUTOR
SABINO OLEGARIO LUDGERO P.XII0.
O Diccionario Popular de medicina homeopa-
thica urna obra completa de homeopalhia, o
resultado da pralica dos homeopathas europeos,
americanos, particularmente dos Brasileiros, e
da mioha propria eiperiencia ; ella satisfaz inlei-
ramete os mdicos, que quizerem experimentar
ou exercer a nossa medicioa ; e muito mais ain-
da aos paes de familias, qur das cidades, qur
do campo, ebefes de estabelecimento, capites de
navio, curas d'almas, etc., que por si mesmos
quizerem conhecer os prodigiosos eiTellos da ho-
meopalhia.
N. B. Tencionando o autor, aproveitando sua
viagem Europa,fazer imprimir alli o Dicciona-
rio Popular tal qual o havia feito, aconleceu
que antes de incetar a publicaco visse elle obras
mui modernas de medicina, abundantes de ideas
oovas, e entao resolveu mudar inteiramente o
plano que baria concebido, e dar toda a expan-
so e clareza a essa obra, de modo que tanto os
homens versados na sciencia, como os que o nao
sao, podessem tirar della o mximo proveito pos-
sivel, sem embargo de trazer-lhe isso um accres-
cimo de despeza de dous tercos mais do que gas-
tara, se publicasse a obra, como a principio li-
aba organisado.
O Diccionario Popular de Medicina Homeopa-
thica, como agora est composio ser sem dun-
da a obra mais til de todas que se tem publica-
do. Ella constar de 3 volumes com 1,500 pa-
ginas pouco mais ou menos.
A assignatura 15$, pagos na occasio de essig-
nar. (Depois de impresso custar 25$.)
Acha-se igualmente em via de pnblica-
cao a segunda edieco do
THSOURO HOMEOPTHICO
ou
Vade-mecum do homeopatha.
Esla nova edicQo em todo superior pri-
meira, tanto no que diz respeito disposlc,io das
materias, como no que relativo ao modo de ad-
ministrar as dses, ao estudo dos temperamentos,
s molestias hereditarias e contagiosas, a hygien-
ne pralica, etc., etc. Com urna estampa demos-
trativa da conlinuidade do tubo intestinal desde
a bocea at o recto.
Aassignstnra de 8g pagos na occasiio de as-
signar, [depois de impresso cuslar 12f pelo
menos.)
As pessoas qne quizerem assignar ama e os-
tra obra pagarlo apenas 20$ em lugar de 23.
N. B. A assignatura, que nao for acompaohada
di respectiva importancia, no ser considerada
como tal.
. Assigna-se em casa do eator, raa de Santo A-
a;o, [Hundo NotoJ o. 6.
Am polas.
Areiss (mal de).
Asthma.
Clicas.
Convulses.
DebilidadeoH extena-
cao.
Debilidad* on falta de
torcas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor degarganta.
de barriga.
nos rins.
Doreza no ventre.
Enfermidades no ventre.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueca
Herysipela,
Febre biliosa.
Febreto intermiten ta.
Febreto dae specie.
Gotta.
Hemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Ind gestees.
Inflammacoes.
Irregularidades
menstrusejio.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Abstrucjlo deveotre.
Phtysica on consnmp-
pulmonar.
Reten^ao deourina.
Rhenmatismo.
Symptomas secundarios.
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venereo(mal).
Vende-se estas pilulas no estabelecimento ge-
ral de Londres n. 224, Strand, e na loja da
todos os boticarios droguistaeoutras pessoas edo
carregadas de sua venda em toda a America n-
Sul, Havana e Hspanha.
Vendem-se as bocelinhas a 800 rs. eada
urna dellas, contem ama instruc;8o em portu-
guez para explicar o modo de se usar destas p-
talas.
O deposito geral em casa do Sr. Soom
dharmacentieo. na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambuco.
Precisa-se de urna ama para casa de pe-
quena familia : na ra do Hospicio n. 62.

CO
S^
r.Ra estreita do Rosario3
Francisco Pinto Ozorio continua a col-
locar denles artiQciaea tanto por meio de
molas como pela presso do ar, nao ra-
il cebe paga alguma sem que as obras nao
$ fiquem a vontade de seus dorios, tem pos S
^ e oulras preparares as mais acreditadas *
para conservacao da bocea.
$e teM
Duas pessoas inglezas desejam tomar licoes
no idioma porlagnez : para informales dirija ra-
se ao escriptorio desle jornal em carta echada
co m as inicia es E. B.
Alugam-se duas escravas que cozinham
bem : a tratar no lerceiro andar da casa o 2 da
travessa das Cruzes,
Sincera gralido.
Forte erupcao de pelie,
Padecendo eu ha muito lempo de urna forte
erupcao de pelle na palma da mo direits, qne
muito me incommodavs, usei de muitos un-
gentos, dos quaes nao recebi melhora alguma,
e tendo a felicidade de flear perfeitamenle curada
com a applicacao de urna das chapas medicinaes
do Sr. Hicardo Kirk com escriptorio na ra do
Parlo n. 119, faltada ao meu dever se nao publi-
casse a minha sincera gralido ao mesmo senhor.
Ra do Conde n. 13, Bio de Janeiro.
D. Isabel Gandida.
Officina de marmore.
Caes do Ramos n. 30.
Pela escuna sarda cAnnessone recentemente
chegada a esle porto, receberam-se pedras de
marmore de Genova, proprias para aparadores,
banbeiros, mesas, consolos, ele. Reccbem-se
encommendas de tmulos, urnas, e todos os mais
objectos proprios para o ornamento dos monu-
mentos funerarios. Gravam-se epitaphios e toda
asorte de inscripcoes para os mesmos monu-
mentos. Presos mdicos.
Precisa-se de alguma quantia de dinheiro a
premio sobre hypotheca do predios nesta cidade-
quem pretender fazer este negocio, dirija-se a
esta typograpfiia em carta (echada com as ini-
ciaos A. B. C, indicando sua morada para ser
procurado.
Caetano de Assia Campos, cidado brasilei-
ro, vai a Lisboa tratar de sua saude.
A peesoa que tiver e quizer alugar um so-
brado de am andar, bem: assim um l.*ou 2.a,
que seu aluguel nao exceda de 25 a 30$, ou qne
quizer trocar por um na ra do Rangel, pode di-
rigir se a mesma roa o. 11.
Aluga-se atoja do sobrad da ra das Cru-
zes n. 18 : a tratar no mesmo sobrado.
Aluga-se a loja n. 9 na ra Direila : a tra-
tar na ra atraz da matriz da Boa-Vista n. 36.
Roga-se ao Sr. Joaquim Theophilo dos San-
tos G. queira a nnunciar sua morada para lhe
fallar sobre um parlcular.
SOCIEDADE BANCABU EN COM-
I.UMTA.
Amorim, Fragoso Santos
Companhia
fazem publico que d'esta data em di ante as suae
cantas crranles serio reguladas da maneira se-
gninte :
Receber-se-ha qualquer guaolia de 100S para
cima, e pagar-se- ha i viata t 5:0001, aendo
dahi para mais com aviso de 10 dias, contndo-
se joros de does por cento, menos do qne a taza
por qne a caixa filial do Banco do Brasil descon-
t letras, sendo estes juros costados e eapitaji-
sados de 6 em_6 meras.
Tambem serlo abortas contas crrentea sob
condjepes de ser pagas vista qualquer quan-
tia independente de avise, contando-se sofl^B
I?niL-Wi0 ,nno 5' ES* w11" aclarada
Recife 1.* de marjo de 1961.



TilliM ili ______^^?....
DUlO bl IBWilrtMCO, fr-- TEHCA FEKU i M ABRIL M 1861.
()
O EXTRACTO
COMPOSTO DE **#H l s
salsa ^aMilh i r. irowmma"
MELHORADO E FABRICADO SOB ADIRECQAO' DO DB JHES R. CHILTON,
chimieo e medico celebre de Nf>w York
GRANDE SUPERIORIDADE DO EX-
TRATO FLUIDO COMPOSTO
DE
SALSA PARRILHA
Explica se pelo sen extraordinario
e quasi miraculoso effeito no
sangae.
Cada um sabe que a saude ou a inferraidade
depende directamente do estado deste fluido vi-
tal. Isto ha de ser, visto o parado importante
que tem na economa animal.
A quanlidade do sangue n'um horaem d'es-
tatura mediana est avallada pelas as primeiras
autoridades era vio te e o lo arralis. Em cada
pulsadlo duas onjas sahem do corado nos bofes
e dalli todo o sanguepassa alem no corpo huma-
no em menos de qdatro minutos. Urna dis-
posiijao extensiva tem sido formada a destinada
cora admiravel sabedoria a destribnir e fazer
circular esta corrente de vida por todas as
partes da orgausa$ao. Deste modo corre sem-
pre pelo corpo em torrente, o qual a gran
de feote de inferraidade Ou de saude.
Se o sangue por causa alguma se empregna
de materias ftidas ou corrompidas, deffunde
com velogibade elctrica a orrupcao as
mais remotas e mais pequeas partes do corpo.
O veneno lanc,a-se para tras e para diante pelas
arterias, pelas veas, e pelos vasos capillarios,
at cada orgo e cada teagea se faz corapleta-
menie saturado e desordenado. Desta maneira
a circalacao evidentemente se faz um kngenuo
podbroso de doenca. Nao obstante pode tam-
bera obrar com igual poder na criacao de saude.
Estivessaocorpo infeccionado da doenc.a maligna,
ou local ou geral, e situada no systema nervoso
ou glanduloso, oa muscular, se somonte o san-
gos pode fater-se puro e saudavel icar superior
a doenca e ioevtavelmente expelliri da coosli-
tuicSo.,
( O g/aade raanancial de deenca' entao como
d'aqui- nonata no fluido circulante, e ne-
nhum medicamento que nao obra directamente
sobra He para purificar e renova-lo, possue al-
gam. direito ao cuidado de publico.
O sangue O SANOS 1 o ponto ne qual
se ia myster fixar a attenc,ao.
O ORIGINAL E O GINUINO
AO PUBLICO.
Nos, os Assignanies, Droguista na cidade de
New-York, ha vemos vendido durante muitos an-
cos o extracto de salsa parrilha do Dr. Ttwa-
send.consideramole ser o extracto originle
genuino de'salea parrilha do Dr. Townsend.
o qual primeramente sob este nome foi
apresentado ao publico.
BOYO 4 PAUL, OCortland Street.
WALTER B. TOWNSEND Co, 218 Pearl
LEEDS & HAZARD, 121 Maiden Lae.
JOHN GARLE & Co, 153 Water Street.
M WARD & Co, 53 Maiden Lae.
J. & J. F.TRIPPE, 92 Maiden Une.
GRAHAM & Co, 10 Od Llip.
OSGOOD & JENNINGS, 188 PearlStreet.
R. B. HA VIL AND & Co, Office 177 Broad-
way.
JACKSON.ROBINS &Co, 134W ater Street
THOMAS & MAL, WELL 86 William Street.
WM. UNDERHILL, Junr, 183 Water Street
DAVID T. LANMAN, 69 Water Street,
MARSH & NORTHROP, 60 Pearl Street.
NORTON, BABCOCK & WOOD, 139 Mai-
den Lone.
PENFOLD, CLAV &Co, 4 Fletcher Street.
OLCOTT, M KFSSOH & Co, 127 Maiden
Lae.
A. B. & D. SANDS. 100 Fulton Street.
SCHIEFFEL1N, BROTHER & Co, Hf;&
106 Jobo SL
LEWIS & PRICE. 55 Pearl Street.
HAVILAND.KEESE & Ce, 80 Maiden La-
e.
RSHTON, CLARKCo, llOBroadway,
. iOAslor.
House, and273 Broadway, cor.ofCham-
bers Street.
PHILIP SGHIEFFELIN, & COlOTWatr
Street.
POU & PALANCA, 96 Jobo Street,
SHERWOOD & COFFIN, 64 Pearl Street.
RUST & HOUGHTON, 85 John Street.
I.MINORA Co, 214 Futon Street.
INGERSOLL&BROTHER, 230 PearlStreet.
HASRELL & MERRICK, 10 Gold Street.
B. A.FAHNESTOCK 4 Co. 49 John Street.
CONHECEMOSA ARVORE E SUAS FRU-
-
TAS}
.M
IGUALMENTE
ConAecemoi ui Jfdicameao-no sius Effeitot
.> O extracto eomposto de San parrilha do
Dr. Townsend est.
0 MED I CUENTO DO POYO!! ?
Adaia-se tao maravilhosamente a constituido
que pode ser utilisado em quasi todas as enfer-
midades.
ONDE E DEB LID ADE,
fortalece;
ONDE E' CURRUPCO,
purifica;
ONDE E' PODRID AO,
ALIMPA.
Este medicamento celebrado que tao grandes
servicos presta a humanidede, preprense agora
na nova fabrica, na esquina das roas Front e
Washington), Brooklym, sob a inspeceo directa
do muito Mohecido chimieo e medico Dr. James
R. Chilln, da cidadejle New-York, cuja cer-
lido e assignalura se acba na capa exterior de.
cada garrafa de
ORIGNALE GENUINO
EXTRACTO COMPOSTO DE SALSA PARRILHA.
DO M. TOWNSEND.
O grande pnrieador do sangue
CURANDO
O Hekpes
A HerysipbI/a,
MISULWlt ESWCIAL HIWtrATHICO
mj-ooLtoR
. SIBIHO.L PIIHO.
Ra de SlSMrd (Mundo
flovo) n. 6.
Consultas todos os dias uleis desde as 10 horas
al meio da, acerca das seguiotes molestias :
.'molestias das mu\heres, molestias das crian-
cas, mo/eto da pellt, molestias do olhos, mo
lesnas ssphiliticas, todas as especies de fsbrts,
febrts intermitientes esuas consequenclas,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPaTHICA .
verdadelros medicamentos nome'pthlcos pre-
tarados som tedas a* cautelas necessariag. in-
lliveis em seus efTeitos, tanto .em tintura, como
em glbulos, pelo* precoa mais conanodos pos-
siveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos em sua pharmacia : todos
que o forem ra de 11 a sao falsas.
Todas as carleiras sio acompanhadas de um
impresso com um emblema em relevo, leudo ao
redor aa spguintes palavraa : Dr. Sabino O. L.
Picho, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
de. As carleiras que nao levarem esse impresso
assim marcado, embora lenbam na lampa o no-
mo do Dr. Sabino sao fahsos.
' Manoel Ferreira da Silva Tarro
zo, na ruado Apollo 28, saca sobre
a cidade do Porto.
COMIHMII \ DA VIA FRREA
DO
Recife a Sao Francisco.
IA mitad.
Al outro aviso a partida dos trens ser regu-
lada pela tabella seguale:
3 O O liO
JOSEPH E. TR1PPI, 128 Maiden Lene.
GREENLEA? & KLNSLEY, 45 Cortland
Street.
HAYDOCK, CORLIES&CLAY, 218Pear
Street.
CUMIMG & VANDCSER, 178 Greenwch
Street.
A AOSTRICCAO D o ven-
tee,
As AL70RA8
Os Effeitos do azoo-
GDE,
Dispepsia,
as doencas,de figa-
DO,
k Htdoopesia.
? Impingo
AS Ulceras,
O Rheumatismo,
As Cbacas
A DF.BILIBADE GERAL
AS DOENCASDE PELLB
AsBoRBULOAS.NACA-
HA,
As Tosses,
Dentista de Pars.
15Ra Nova15
Frederic Gautier, cirurgiao dentista, faz
todas as operaces da sua arte e colloca
denles artificiees, ludo om a superior i-
dade e perfeico que as peisoas entendi-
das lhercconhecem.
Tem agua e pos dentifricios etc.
Os Catarrhos, As Tiswas, etc.
O Extrato acba-se-comido era garrafas qua-
dradas e garntele ser mais forte e melhor em
todo o respeito a algum ontro purifkador do
sangue, conserva-se em todos os climas for cor-
to espado de lempo.
tem signatura Cada garrafa do original -e genuino -extracto do Dr. Townsend
?exterior de papel verde.
o escriptorio do proprieta rio, 211 Broadway, New loTlc, em Pernambuco na ra da Gnu n. 21, eseriptorio, 1. er.dar, lam-
tem na botica da ra Direita n. 88 do Sr. Prannos.
CONSULTORIO
DO
UEDlGw PARTE 1 ROE OPERADOR.
3 Kl VII V^I.OHIA.i ASA IHM l \HA03;
Cliniea por ambos os systemas.
O Or. Lobo Moscoso d consultas todos os dias pela manhas* e de tardedepois de 4
horas. Contrate partidos para curar annualmente, nao sopara acidada, como para o engenhe*
u outms propriedades ruraes.
Os chamadosdevem ser dirigidos sua casa at s 10 horas da machia e em cas
de urgencia outra qualquer horado dia ou da noite, sendo por esorjptoem que se declare
o neme da pessoa, o da ra e o numero da casa.
Noe casos que nao forem de urgencia, as pessoas residentes -no bairro doiRecife po
dero rernetter seus bilhetes a botica do Sr. J. Souon & C. na ra d Cruz, ou i loja do
jivros do Sr. Jos Nogueira de Souza na ra do Crespo ao p da ponte velha.
Neesa loja na casa do annuncianteachar-se-ha constantemente os melboesmedica-
mentoe horneopalhioos j bom oonhecidos e pelos pregos seguintes:
Botica de 12 tubos grandes.....,.....10*000
Dita de 24 ditos.................18$000
Dita de 36 ditos...................209000
Dita de 48 dito.................. 258000
Dita de 60 ditos................. 809000
Tubos avulsoscada um.........'.... 19000
Fraseos de tinturas. ; ;............ 2#00O
Manual de medicina homeopathica pelo Dr. Jahr, tra-
ducido em portuguez, como diccionario dos termo*
de medicina, cirurgia etc.. ete........209000
Medicina domesticado Dr. Hering, com diccionario. 109000
.________Bapertorio do Dr. Mello Moros. ... 69000
- a travessa da na
das Cruzes a. 2, primeico andar, contiaua-se a
ungir com toda a perfeico para qualquer cor, e
o mais barato possicel.
Aluga-se, exclusive a loja, o sobrado n. 31
sito na roa en pateo do Livrameato, tem dous
andares com encllenles accommodaces, oque
se aebam em bom estado deaceio, principahneo-
te c primeiro, que tem um famoso terraoo com
coberta, tem cacimba e pequeo quintal, e tam-
bera so tao com .eozinha espacosa e 2 quarlos :
trala-se do alugueJ, na ra Direita, padaria so-
mero 84.
- Manoel Ignacio de Oliveira & Filbo saccam
sobta Lisboa e Porto ; no largo do Corpo Sanio,
-escritorio.
Gura completa
de unta, grande Inflaiumaeo do li-
gado.
O abaixa assignado declara que una de suas
Gibas de idade de 14 annos, soria, ha tres an-
cos, de urna grande inflammoco de jlgado, que
a prirava da respirsgao, causando-lhe agudas pi-
sadas, rando-lhe o sotnno, o appetite e as co-
rea ; e vendo-a neste triste padecmento, recor-
reu sabedoria de alguna professores de medi-
cina e cirurgia, jos quaes nao foi possivel acer-
tar eom o curativo proprio para toa salvagao ;
mflm, vendo-a no mesmo estado ou peior, re-
correa ento is chapas medicinaes do Sr. Ricar-
do Kirk com escriptorio na ra do Parto n. 119,
o fzendo-lhe applicacio dellas no lugar aggra-
vado, obteve melboras progressivas, a qual se
acba completamente boa ; e por ser verdad, o
decan para crdito e gloria de seu autor e pro-
va de sua satis faca o.
Domingos Gomes Ribeiro.
Reconfaecida verdadeira a assignatur supra
pelo tabelliao Pedro Jos de Castro.
O escriptorio de Ricardo Kirk, sito na ra do
Parto d.119, estar aberlo todos ca dias das 9
horas da manha s 2 da tarde.
Feitor
PrtfdJMf-se de uni feitor que snba desempenhar
o lugar seu offlcio, para casa le um asirn-
geiro, que seja capaz e fiel, e que d conhaci-
mento de sua conducta, preferindo-se solteiro :
dinja-se ao sitie de porlo de ferro, na frente do
palacio do bispo.
- Precisa-so de nm bom criado para o tenis
co de sala quartQ gande fiador; na ra do Tra-
piche A, 12.
Pianos.
Muda-nca de domicilio.
Joao Laomonnier transfrio seu estabeleci-
mento da ra da ddeia do Recife para a da Im-
peratrta n. 23, aonde abri um vasto deposito de
pianos dos melhores autores da Europa. Eocar-
rega-se de afinar e concertar os mesmos instru-
mentos.
H M. J. Leite, roga a seus deve- ]
dores que se dignem mandar pa-
S gar seus dbitos na sua loja da
m ra do Queirnado n. 10, enten-
tendo-se paia esse fim com o seu
procurador o Sr. Manoel Gomes
Leal.
C31 tTJJ iUV S>UJ ttnwtTW*
Nova tarlilha.
AcabaOOsahir dos prelos desta typograpbia
urna nova edicao da carlilha ou oampendio de
doutrina christa, a mais completa de quantos se
tem impresso, por quaoio abraogo ludo quanio
continha a ontiga cattha do tbbade Salomonde
e padre tnestre Ignacio, acrescentaodo-se muitas
oracoes que aquellas nao liohsm ; modo de a-
coropaohar um moribundo nos ltimos memen-
tos da vida, com a tabella das Cestas moeveis,
e eclypses-desde o corren te ano at O de 1903,
seguida do folhinha u kalenderta para os mes-
mos senes. A boodade do papel e excelleacia da
impreeso, do a sta edicao da cartilba urna
preferencia asss importante :-v-eode-se oca-
rneo te oa livrsria as. 6 e 8 da pr.^a da Indepen-
dencia;
JOIAS.
JoaquifB Monteiro de Oliveira 'Guimares com
loja de orives na ra do Cabuga su 1 A, partici-
pa aoa seus amigos freguezee-e ao publico em
geral, que se ada sortida das mais bollas-e deli-
cadas obres de ouro e prata, e querendo acabar
com o eegocio, est resolvido a vender mais ba-
rato do que em evtra parte, garantindo as ditas
obras, passaodo coala com recibo, declarando a
qualidade, e compra ou troca ebras velhae, pa-
gando o uro por mais do que emoutra parte.,
CASA
Aluga-se
por lodo o preco que for conveniente a loja da
ra Direita n. 87, com a armicao propria part
todo equalquer estabelecimento ; tratar na lo-
ja da ra do Queimado n. 46.
Mlldanca de esta-
belecimento.
Jos Moreira Lopes aviaa aos'seus amigse
reguezes deeta e de outras provincia*, qne mu-
dou o seu estabeleeimeuto de fazenaas que liona
no sobrado amarello da ra do Queimado, para a
loja earmazem que foi dos Srs. Santos & Rolim,
onde tem o mais completo e variado sortimentc
defazeDdas de todas.as qualidades para veadei
em groaao e aretalbo por precos muito baratos:
ra do Crespo, sobrado de 4 andares n. 13, e ra
do Imperador, oulr'ora ra do Collegio, sobrado
de um andar d. 36.
Na lffraria n. 6 e 8 da praca da
Independencia precia-se fallar ao 9r.
UHsses Goklet Caraloanti de Mello.
Precisa-ae aturar tm preto fiel para casa
de penco srico;. tratar a i. di Crtit i, 39,
de coimmissuo de escra vos, pa-
teo do Paraizo n. M, sobra-
do que foi do fallecido Ni
colo.
Para a dita casa foi transferido o antigo escrip-
torio decomm-ieso de escravos, que se achava
estabelecido pa ra larga do Rosario n. 20 ; e
ahi da metma maneira se contina a receber es-
cravos para sesem vendidos por commisso, e
por costa de seue aenhores; nao se pouoando es-
forcos para que os meamos sejam vendidos com
iromptido, afim de que seus senhoresnio sof-
ram empales com a venda delles: Neate mesmo
estabelecimento ha sempre para vender eacravos
Ce ambos es sexos, bellos e mocos.
Aluga-se o primeiro andar e loja
do sobrado de 4 andares no becco da
Boia ; a tratar na praca do Corno San-
to n. 5.
Para urna casa
franceza.
Precisa-se de urna escrava que seiba engom-
mar, coser, e fazer todo o servico de urna casa
de pouca familia, e que seja fiel e diligente. Na
mesma casa precisa-se de um escravo para o ser-
vico de eozinha : quem tiver pode dirigir-se
ra do Imperador n. 27 confronte a ordem ter-
ceira de S. Francisco, que achara com quem tra-
tar, das 9 horas da manhaa s 4 da tarde.
Companhia do fie-
beribe.
Para cumplimento do disposto no
art. 1 do decreto n. 2686 de 10 de
novembro de 1860, sao convidados os
Srs, accionistas da Companhia do Be-
beribe a se reunirem em assemblea ge-
ral no dia 2 de abril prximo futuro no
escriptorio da metma companhia. Re-
cife 21* de marco de 1861.O secreta-
rio, Manoel Gentil da Costa Alves.
Costureiras.
Anda precisa-se de algumas costu-
reiras que estejam acostumadas a coser
costuras de alfaiates, pai'3 trabalhar por
dia em casa de familia : na ra Nova
uto a Conceie,ao dos Militare n 47:
0 bacharel WITRUV10 pode ser
ppwurado na roa Nova n. 23, primeiro
andar, do sobrado da esquina que volta
para a Camboa do Carmo.
Agencia dos fabricantes americanos
Grouver & Baker.
Machinas de coser: em casad e Samuel P.
Johston & C, roe da Senzalla Nove n. 52.
aLOTlBI
MDepois d'amanhaa, quinta feira 4 de
abril andam impreterivelmente as ro-
das da quinta parte da quinta e Dri-
meira do sexta lotera a beneficio do
hospital Pedro II, na thesouraria das Io-
terias.rua do Queimado n. 12, primeiro
andar, e as tojas commissionadas na
praca da imdependencia n. 22 do Ir-
Santos Vieira, ra Direita botica n. 3
botica do Sr. 'Chsgas, no Recife ra da
Cadeialoja *. 15 dos Srs. Porto Irmaos.
AextraccSo teca' lugar impreterivel-
laenie no dia ? de abril prximo, as
Nortes serao pagas com promptido a
entrega des listas no dia ira mediato ao
da extraccao.Otbesoureiro, Antonio
Jos Rodrigues de Souza.
Attesasp&o, senbores habitantes da
Escada.
No armazem e na loja doslllms. Srs.Capt5es Jo-
s Lucio Hoaleiro datFranca e Thomaz Rodrigues
Pereira, subscreve-se para urna agencia commer-
cial e particular entre a villa da Secada o o Re-
cife pela diminuta quantia de tres -mil ris, men-
saes: as vantagensque esta agencia ofterece tanto
ao coarto ere i o como agricultura e a todas as pes-
soas-em geral sio mmencas esse podem avahar
a vista dos estatuios que eslao patentes nos luga-
res mencionados avista de todos os commercian-
tes-e gricullores devem ir examinar os ditos es-
tatutos* com duas asignaturas e mensalidades e
proraoverem o andamento dessa agencia, da qual
depende o augmento-do commercio e a prosperi-
dade dessa villa-; pela quantia de tres mil ris
meosaes, qualquer pessoa pode ter um portador
seguro para o Recire todos os dia* uteis, preoe
este muito abaixo de urna s viagem pela via fr-
rea, anda mesmu na terceira classe, estas vanta-
getHi csto bem aoalcaoce do qualquer intelli-
geaeia.
flEMEDIO tNCOMPARAVEL
UNGENTO OLLOWAY.
Hilhares de individuos de todas as najte
padem testemunhar as virtudes deste remedio
iaeomparavele provar em caso necessario, que,
pele uso que delle fizeram tem seu corpo e
meraferos integramente saee depois de hav< em-
presjado inutilawnte outtosttatameatos. Cada
pessoa poder-se-ta convencer dessas-curas ma-
r viftosas, pela leitura dos peridicos, quelh'as
relaiam todos .os dias ha muitos annos; e a
maior parte dellas sao tao sor preudentes que
admirara os mdicos mais .celebres. Ouantas
pessoas reeobraram com este soberano remedio
o uso de seus bracos e peraas, depois de ter
permanecido longo lempo nos hospitaes, onde
daviam soffrer a ampata;ao 1 Dellas ha mui-
cas que ha vendo deixado esses, asylos depade-
timenlos, para se nao submeterem a essa ope-
rajo delorosa oramuradas eompleumente,
mediante o uso desse precioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na nfuso de seu reco-
nhecimento declararam estes resultadas benfi-
cos diante do lord corregedar e outrea magis-
trados, afim de mais auteatjearem sua afirma-
tiva*
Niaguem desesperara do estado de saude se
tivessebastanteeonfianca para encinar este re-
medio constantemente seguindo algum tempo a
tratamento que neeesstasse a natureza do mal,
cujo resulLada seria provar incontestavelmente!
Que ludo cura.
O ungento be til, mais particu-
larmente nos seguintes casos.
1
s 'i '
o 9 ff a
o
-Q
O
."O
If o
I
Chegando ao conhecimento de
urna pessoa qne se acba fora desta pro-
vincia ba dousannos que neste Diario de
14 de feverciro do corrente anno fora
publicado um annurcio chamando a J.
L. de A para fallar a seu credor mo-
rador na ra do Imperador desta cida-
de, e coincidindo estas letras com a
da pessoa ausente ba dous annos, roga-
se ao autor do referido annuncio decla-
re se aquelle chamado se entende com
pessoa existente nesta provincia ou lora
della e em que lugar,
; SSo convidados OS membros do
partido conservador a comparecerem
no da 3 de abril pelas 4 horas da tarde
a'ra da Aurora n. 38, afim de assisti-
rem a posse do directorio eleito em ses-
sao de 27 de marco-
Connte da mesa provisoria :
Presidente.
Manoel Carne.iro de Souza Lacerda.
1* secretario.
F. L. de Gusmao Lobo.
2- secretario.
Firmino Jos de Ol vira.
mm/rnaag/mm rgrrijric MBBWlt
: e/ra CBIW c/ AltencaoU 4Uencao!!
O abaixo assignado pede ao Sr. Dr. A.
C. da C. e a J. M. C. da C que no prazo
de 15 dias tenhara a bondade de manda-
ren) pagar a importancia que nao igoo-
ram dos fornecimelos feitos ao seu en-
genbo B... oa provinoia da Parahiba. do
contrario passaro pelo desgosto de ve- g
rem os seus nomes^ior extenso nesta fo- S
lhaatomeu real embolco. Recife 27 32
de marco de 1861.
Antonio Jos Mauricio. X
Wsm MPmOM V9IV wsa/^ cm* MnMWVslOTM
A firma comroercial que nesta pra^a lem gy-
rado sob a raz&o de Seraphim Teixeira Basto, ti-
ca substituida pela de S. T. Baslo & Irmos des-
de o principio do corrente mez ; assim como a
que no Para gyrava sob a de Antonio Joaquim
Teixeira Basto, Oca sendo Teixeira Basto Irmos,
Meando estes responsaveis pela liquidadlo da-
quellas. Os sosios que fazem parle das novas fir-
mas, sao Antonio Joaquim Teixeira Basto e Joa-
quim Jos Teixeira Basto, residentes no Para, e
Seraphim Teixeira Basto, nesta prac.a. Pernam-
buco 28 de marco de 1861.
H
H
O
Q

as
w
ees
H
ce
ees
o
as
S)
a
.
a
e
M
O
ce
<
r-
------- --
glrtlflt
Imisoo
vi I -
o
-=
es


99
es
<
n
z
<
s
a
PS
<
a
5
2SSS 12
o
=3
iet-^
_______.
&40seeMeeoeenee'a*
o
m
<
s
3
5

t~ f-1 r^ t^ oo oo
o
SI
I
o
de cai-
de ca-
de cai-
decai-
J3
a
99
z
. o
' I 09 "O
-o o o
a
Aseigaedofi. H. Braman,
Superintendes.
Alporeas
Caimbraa
Callos.
Anceres.
Cortaduras.
Dores de cabera.
das costas.
dos membros.
Enfermidades da cutis
em geral.
Ditas de anus.
Erupces escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Grieire.
Gengivas escaldadas.
Inchacoes.
Inflammago do figado.
Inflammaco da bexiga
da raatrix
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos. '
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmes.
Queimadelis.
Sarna.
Supuragoes ptridas.
Tinha, em qualquer
parle que seja.
Tremor de ervos.
Ulcsras na bocea.
do figado.
das*' articulaces.
Veias torcidas ou no-
das as pernas.
Vende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, Strand, e na loja
de lodos os boticarios droguista e outras pes-
soas encarregadas de sua 'venda em toda a
Amerita da sul, Ha vana e Hespanha.
Vende-se a 800 rs cada bocetinha conim
urna insiruego em pqrtuguex para explicar o
modo de laxar uso deste ungento.
0 deposito gara! em casa do Sr. Soum,
harmaceutico, na ra de Cruz o. 22, em
'eroambuco.
commisso de escravos
na ra da Penha, sobrado
numero 2.
Nesta nova casa de commisso de escravos, re-
cebem-se escravos por commisso para serem
vendidos por cootade seussenhores, afianzndo-
se a prompta venda, assim como o bom Irala-
meoto para os mesmos. afim deque ossenhores
dos mesmos escravos flquem satisfeilos com as
diligencias que da paite do commissionado flzer
para em ludo agradar aquellea senhores que
quizerem bonrar com a su j conllanQj, no que es-
pera merecer attencio tanto dos senhores que
jb'os quizerem confiar para vender, como aquel-
los que pretendan) confiar, poia espera ter sem-
pre para vender escravos de ambos os sexos e
idades.
Precisa-se de 2 ou 3 officiaes de charuteiro
que sejam perfeitos nos seus trabalbos : a fallar
na ra da Lingoeta por cima do deposito do Sr.
Cataba.
Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos
equetenha alguma pratica de taberna para ir
para o mato perto da praca : a Iratar na ra Di-
reita n. 55.
l precisa-se contratar, para feitor de um angenho!
um Portnguez, casado, robusto, que entenda de*
agricultura, e que d fiador a sua conducta.
4 quem convier.
Um empregado publico bem conhecido, e que
offeraceas necessarias garantas, recebe em sua
casa 10 a 12estudantes de preparatorios sob sua
direceo, dio tendoseus pais ou correspondentes
o menor cuidado com elles para que entrem na
academia. lima casa commoda, bom tratamento,
a maior solicitude pela sua applicacao, para que
tenham bom resoltado nos exames; e finalmente
urna gratilicaco a mais mdica e razoavel : taes
sao as vantagens que encontrario. Podem-se in-
formar dos Illms. Srs. Figueiroa, Drs. Sabino, Ga-
briel S. R. da Cmara, Lula F. S. Leio, Agostinho
E. Pina, o maior Jos Joaquim Antunea, ou na
ra do Rangel n. 73. onde se trata.
! m *
Jos Goncalves Ferreira da Costa tem
# para vender urna canoa do carreira em
Smaito bomlsso pela quantia de 80. m
IHH #$
Aluga-se acara terrea da ra Direita n. 83
a qual sempre foi muito boa para loja de miude-
zaa od outio qualquer estabelecimento ; quem
pretender, dirija-se a roa da Penha n. 5.
Aluga-se o sitio da Capunga nova, o qual
flea em frente da ra que val terem S. Jos do
Manguiuho. tendo grande e excellente casa asso-
bradado, cocheira. casa para criados, e rande
banheiro com tanque, boa estribarla, e bastantes
arrorea frocteraf: a tratar no sobrado da ra
Nova n, a6.
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
Tira retratos port 3$
Tira ratratos por3$-
T ira retratos por 3
T i ra retratos por 3
Tira retratos por 3
Tendo receido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de oai-
xinhas novas
Tondo recebido um sortimento
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento
xinbas novas
Tendo recebido um sortimento
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento
xinhas novas
No grande salo da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ruado Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
. W. sborn, o retratista america.
no te.101 recentemente recebido um gran-
de e va riado sortimento de caixas, qua.
dt'os, ap.',rat08 chimicesye um grande
numero dt^' bjects relativos a arte-
Como tambe m um grand lomea men-
t de caixas pa ra retrato de 3jjf000 rs-
cada um, as pes* *oa* ^ desejarem ad"
qnirir conhecimei 'to> P^a.t',cc, na artc
de retratar acharSo abax0 aigndo
sempre prompto sob cond,<6e* mu,t0
razoa veis.
Os cavalheirosesenhora '.20convida-
dos a visitar estes estabeleci men*8' Pa"
ra examinarem os specimen. cima fica anunciado.
Compras.
^ Compra-s moedas de ouro de
20$ : na ra da Cadeia loja de cambio
n. 58.
4f ,ompram"s? escraos do sexo masculino de
atdz n.'12loja U negr8 "" '"lBpe-
mZT- ComPram-se notas de 1J e 5velbas, com
mmero 228Cn : "* P"C* d* IndePendenc'a
Compram-8e moedas de ouro de 20$ ; na
ra Nova n. 36, loja. '
Compra-se ana mobilia de Jacaranda -ni
muito bom estado ; quem ver annuncie.
Compram-se es-
cravos
sais 'cXXTm^z'&r""""Pe-
Vendas.
l^e
Manteiga ingleza flor a
800 rs. a libra.
Na roa daa Cruzes n. 2, esquina da travesea
do Ouvidor.
- Vende-se umcabrioltt e cavallo. s com
vista se poder* ajustar: no pateo- do Carmo n
9, primeiro andar.
Vendem-te-pecas de franjas de seda com
10 varas, propnss para vestido a ID a peca, nada
mais barato : na ra do Qneimade- o. 47.
Vende-se um carro de i rodas
em bom estado e por preco commodos
adinbeiroou a praio : na cocheira da
ra do Imperador n. 27.


w
iJUO E EARUUCCQ. TE&yL m*A %Bl ABUk Dg 1861.
tbenos e descdbertosr peques*! grandes, de
ouro ptente inglez, para homem e senhora de
ib dos melbores fabricantes de Liverpool, va-
dos pelo ohirao peqaeta ingles : en casa de
Sonthall Meuor d C.
Vndente un bom eicravo cosinheiro : s
tratar no armazem de cabos o. 23.
Vende-se fallaba de mandioca mnito bea,
riada de Santa Calharina. a bordo do brigue Ma-
ri Rosa, tundeado em frente ao caes do Colle-
glo ; a tratar com o capilio bordo, ou cora
Manoel AlvesGuerra, na rea do Trapicha n. 14,
primeiro andar.
Vende-se urna escrava de meia idade, cora
varias habilidades, e tambera se permuta por ou-
tra mais nova na ra da Roda a. 54.
Vende-se urna botica na villa da Escada.
Vende-se una mulato de 18 a 20annos:
quera pretender, dirija-se a praca da Indepen-
dencia, loja de chapeos ns. 14 e 16.
Vende-se ptimo sal do Ass, na barca;*
Santa Rita, fondeada no caes do Ramos ; para
ajustar, na ra deQeimsdo, loja n. 41.
Vende-se um bem cavallo de montara oa
mesmo para carro, com os competentes arreios
ou sera elles; a tratsr na ra do Queimado n.
75, loja deJoaquim Jas do Costa Fsjozes Jnior.
Relogios.
Vende-se em casa de Jobnston Pater dd.,
ra do Vigario n. 3 nm bello sortimento de
relogios de ouro, patente ingles, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
urna variedade de bonitos tranceln* para os
mesmos.
DO BOCTOR
|Rad way fe C, de New-YorkJ
Pilulas reguladoras.
Estes remedios j sao anui bem confie-
S cidos pelas admira veis coras que tem ob-
lido em toda a orle defebres, molestias
9 chrooicas, molestias de senboras, de pe-
le etc., etc., conforme ae vS as instruc-
(oes que se acbam traduzidas em por-
5 tugue*.
9
i
Attenco
Na raw Imperial, taberna o. 87, se dir quem
vende urna mobilia de jacaraod moderna, com
muito pono use. fabricada por um dos melhores
artistas desta provincia, tendo os consolos e a
mesa tampus de pedra.
Arcos para saas a balo,
A 160 r. a vara : na roa do Queiraade n. 29,
-outr'ora 27.
Ltrros.
Vendem-se diccionarios inslezes grandes, por
Vieira, ditos francezes por Fonseca, ditos latios,
Eucdes, Horacios conf iaterpretacoes e notas,
curso de verciflcacio ingleza por Sadler, brevia-
rios para padre : na ruada matriz da Boa-Vista
numero SI.
Vende-se urna barcaca nova o muito bem
construida, que pega em 609 saceos ; para ve-la,
no caes do Ramos, e para tratar, na ra do Quei-
mado, loja n. 41.
Vende-se a loja de taiendas em um do
melhore lugares da ru do Queimado ; para tra-
tar, na loja n. 41 da mesma ra.
- Vende-se um sellim de meio uso per preco
em conta ; na ra Nova n. 22.
Vendem-se na ra Direita n. 99, queijos
muito novos a \Q900 e a 1&709, e ootros gneros
Saceos com milito a
51500.
Em porjie se faz abatimento, farelo a 3J800 ;
na taberna da estrella no largo do Faraizo nu-
mero 14.
A mil ris o corle.
Casemirasinglezas com
na ra do Crespo n. 18,
n andes.
|Salsa parrilha legitima e
f original do aotigo
IDR. JACOBTOUNSEND
0 melhor purifleador do sangne
cara radica lmeattv
en Erisipela. Phtisicas.
q Rbeumatismo. Catarrho.
aj Chagas. Doencas de ligado.
j} Alporcas. EffeitosdoazOugue.
g Impingeos. Molestias de pelle.
Y.*n(,e:sno armazem de fazendaa de I fioarma .1^ -.^l"
5 Raymundo Carlos Leite &Irmo, ra do 5 ^*garr* QG papel e
jj Imperatrizn 12.
Vende-se ps de larangaira de u rubigo e da
i
CAPORAL
Deposito las manutaeturas imperiaes de Y ranea.
Camj&SImwF ?!"* ^f"1*4* listamente na ra Novs a. 28 ESQUITU DA
LAMBOA DO40ARlfO,o qo.l se rnnde por masaos de 3 hectogramos a 1000 e em porcio do
l^ISS^ZI k1?!T10- 6 *5 Pr Mnl' TO mesmo aWecimento acha-se tambem
o vorfadatro pape! de nho para cigarros. 4
CENTRO C0MMERC1AL
15 RadaCadeiadoRccife 15
NERALE
ItATRAIXEDE VICHT
,-0.sLI!0.?_* boticafranceza ra da Cruz n.21
AHMAZEf'Dt TABACCtHARUTOS E CIGARROS
DE
Jos Leopoldo Bourgard
de
Charutos suspiros d. 1,Ba
conls da grande fabrica
Charutos suissos m.n^
^f^SX^^XSSLtS^i&ii
Ja-
em
china, de sspoti, fruta pe, abacate, limao para
cerca e nutras qualidades de fructas. Na ponte
de L'eha sitio de vinva do Jeo Carroll.
ra
n
supe-
s
um toquo de avaria :
loja de Diogo A Fer-
Os senhores alfaiales.
Na ra do Crespo n. 18, loja de Diogo 4 Per-
nandes, tem um sortimento de casemiras nue-
zas muito finas a I5O o corado.
9 Em casa de Mills Lalham & C. na
# da Cdeia-do Recife n.52, vende-se :
9 Vinho do Porto.
9 Dito Xere! engarrafado de muito
9 rior quahdade.
9 Oleo de liuha^a.
9 Alraiade.
9 Secante.
9 Azarco.
9 Encarnado veneriano em p.
999S999 9939 9999999999
Capellas finas para noivas.
A loja d'aguia branca recebeu aovas e delica-
das capellas de flores- finas para a* noivas, e as
est vendendo a 69 e a 84, conforme o seu pro-
posito de batateira loja d'agua branca, ra do
Queimado n. 16.
Ra do Crespo,
GRANDE SORTIMENTO
DE
Roupa feita,
Na loja e armazem de Joa-
quim Rodrigues Tava-
res de Mello.
Hua do Qaeiaado n.39
Loja de quatro portas
Sobrecasacas de panno fino obra muito bem fei-
ta, de 353 a 40cada una.
Paletots de panno fino prelo, de 25 a 30.
Colletes de velludo preto bordado, a 12 cada
um.
Ditos de gorguro preto a 7 idem.
Ditos de stim maco a 9$ idem.
Ditos de caaeaoira preta a 5idem.
Calcas de casenrira preCa fina de 12 a 14.
Paletots de estineBlia a 5.
Ditos de alpaca preta, saceos de 45 a 5.
Ditos de dita sobrecasicos de 8 a 93.
D;tos de bymbolioa preta superior faznda a 12.
Dil^padaJineia casemira a 10.
Ditos de casemira muilo fina a 14J.
Um completo sortimento de paletots de fustao e
brim, e caigas e coletes, que tudo se vende por
prego em conta.
Rival sera segundo.
Na ra do Qeeimado n. 55, loja de miudezas,
est queimondo os seguintes artigos abaixo de-
clarados, todas as.miudezas esto: perfeitas, e o
prego convida :
Caixas de clcheles a 40 rs.
Cartcs de ditos a 20 rs.
Groza de pennas de ago muito finas a 500 rs.
Charutos muito finos, caixa com 002551)0.
Groza de botoes de louca a 120 rs.
Carretel de linha com 100 jardas a 30 rs.
Bules com banha muito Gua a 320 rs.
Dito dito dito a 500 rs.
Banha em lata com 1(2 libra a 500 rs.
Frasco de oleo de babosa a 400 rs.
Cuitas com obreias muito novas a 40 rs.
Ditas com phr sphoros especiaes a melhor que
ta a 160 s.
Pares de raeias cruas pera homom a 160 rs.
Ditos de ditas muito finas a 200 rs.
Pegas de franja de- lia muilo bonitas cores
800 rs.
Duzia desabneles muito finos a 600rs.
Iscas para acender charutos a 60rs.
I'hosphoros em eaia de folha a 100 rs.
Carlas de alfineles finos a 100 rs.
-Calas fle agulhas-francezas a 130 w.
Pares de sapatos de Iranga d algodo a 1.
Ditos de la para meninos a 200 rs.
Frascos de macass perola a 200 rs.
Ditos de oleo a 120re. -, .jl.'-
Duzia de facas e garlos de cabo pxe,to a 3j.
Pares de luvanda Id de Escocia 320.
Cassos de gcamp* finos a 40 rs.
Caivetes de aparar penna a 80 rs.
,Ie*our*s P*tuh*ae cuaima muilo iaas
500 rs.
Pegas de tranga de la com 10 varas a 320.
Escova* para d#Bt# muito ouas a IDO m.
oxdao Hspet.l 6aa40r|.
Jilo. grosao a.80W..
Cqrdoes fia^ .espartUbo a80 ra.
Calxrt para rap muito finas a 1.
Pares-de meiMpree arre nreoinss a-M6 M.
Lino de marcar,(porello) 20 a.
Croza de moceas para cobrii a 60 ra.
loja n. 25, de Joaquim Ferreira de S, vendem-
se porpregos baratissimos, para fechar oontas;
chapeos do Chille para homem e menino a 3500,
corres de casemira de cores a3500, pegas de ba-
bados largos e transparentes a 3, pecas de cam-
braia lisa fina a 3, sedas de quadrinhos miudos
de cores escuras e gostos novos a 800 rs. o cova-
do, chitas largas cores escuras e claras a 240 rs.,
cassas de cores de bons gostos a 240, organdys
muito fino e padroes novas a 500 rs. o covado,
pegas de entremeios bordados fiaos a 1500- ba-
bados bordados a 320 a vara, goliobas bordadas
_Tp^--7-w~7a 640, manguitos de cambraia e fil a 2, bra-
- mantu de algodao com 9 palmos de largura a
IJ280 a vara, sobrecasacas de panno fino a 20 e
25, paletots do panno e casemira de 16 a 20J,
dita de alpaca pretos de 3500 a 7$, ditos de
brim de 3 a 5, caigas de casemira preta e de co-
res para lodos os pregos, ditas de brim de corea e
brancas de 2500 a 5. colletes de casemira de
cores e pretos, ditos de setim preto. tudo a 5,
cortes de cassa de cores a 2, pegas de madapo-
lao finoa4500, assim orno outras muilas fa-
zendasque se vendero por menos do seu valor
Dar acabar.
As mehores machinas de co-
zer dos mais afamados au-
tores de New-York, Siqger
& C, Whecler & Wilson e
Geo. B. Sloat A C.
fajeada superior e que se venda a 455.
jBocaaTp^S^
aS20rT^ CQarUl com agarras de metal al cada o, dilos para cigarros .
lidade.0*1*01^ UW,>h Terdsdeiro en> oagos de diversoe tannos, f arante-se a qua-
abaco flTd?harlebeteUbra Z T *"" W*
chimbos, fazendo-se .br,!meof e- ^ *~ u-h. P-a cigarros e J
Cigarros de manilha de papel branco e pard0. o
Machinas e papel para cgarros aemaQiIha>
vasos de louca ebarro para labaco a rap
Cachfmbr0S C SCaS de dtTW1M **""PM t""10'-
do nfoTgfXcotp"r.enD0-S* *** P<- o charutos,
AprStal"Se encon9nds. ^ahotam-se e remeilem-se .os seusdestinos com iro-
All2.ttoSe C*eXp08" l0m UB iado tia'*i0 d8 ***** Proptlos para 09 senhores fu-
barato d0^Te^e^o^^.d?.Oq9ear^,Pg8?fe.direCla,aeBle' m0f P9l flual *** 'and jo
V^ader rnaito para veader barato
___^_^^^ Vender barato para vender wuito.
fiua do Crespo n. 8,
de 4 portas.
PechincTiaque admira.
Chitas francezas cores fixas e lindos desenhos
a 240 ra. o covado do-se amostras coaa penhor.
Na loja defazendas
aopedo arco
de Santo Antonio.
Chegou um completo e rico sortimento de
eoeiros bordados e j preparados para bapthwdo,
assim como chapeos etouquinhas do ultimo gos-
to para e mesmo fin. Ha tambem couetantemes-
te lengos e fronhas delabytintho, bicos da trra,
oonets de velludo do ultimo gosto para meoinos,
.pnnbos para camisas de menino, saiaa a balo
com.babado. e sem ellas. g.JUnha. otangaita,
Dahsinhos de mariscos e de tartaruga, proprios
para jotas e outras muilas azendas de gosto e por
pregue commodoel v
Meias pretas e brancas.
Na luja d'aguia de ouro, na do Cabs i n.11,
jeadem-ae meia. pretas de seda para homem a
1 o par, ditas de laia omito superior a 23500,
ditas brancas a 160,200 e 240 rs., muito finas a
400 ra. e par. ditas pretas para aenora a500 r...
brancas a 240 e 320, finas a 400 rs. o par, ditas
para meniaa a 240, dilas para menino a 200 e a
240 rs. : s na loja d'aguia de ouro, ra do Ca-
'foucinho de Santos a 280
rs. a libra
ma-
quan-
nuais
Estas ma-
chinas qua
sao as melho-
res e mais
u r adoura*
moslram-se a
qualquer hora
e ensina-se a
trabalhar as
casas dos com-
pradores ga-
rantindo-se a
suaboa quali-
dade e dura-
cao : no depo-
sito de ma-
chi n as de
Raymundo Carlos Leite & Irmo, ra da Ia\pe-
ratriz n. 12, adtigamente aterre da Boa-Vista
Liivas de Jouvin.
Vendem-se as melhores e mais frescas luvas;
de pellica de Jouvin que se podem desejar, por
terem sido recebidas pelo vapor franrez, sendo
brancas, pretas e de cores, tanto para bomem
como para senhora : na rus do Queimado n. 22,
loja da boa f.
Vendem-se por prego eommodo eaixas com
vidros para ridraga e chumbo em barra : a tra-
tar na ra do Queimado a. 41.
fil'HGEL & PRDIti\0.
FAZENDAS BOAS E BARATAS.
Ra da Cadeia loja n. 23.
Veslidos superiores de blonde com
manta, capella, flores-e mais perteuces.
Vestidos de seda de cores e de mo-
reantique.
SEDULAS
de lie5^000.
Coalmua-se a trocar aedulas de uma s figura
por melado do descont que exige a thesouraria
desta provincia, e ae notas daa mais pregas do
imperio eom o bate de 5 por cente: no escrip-
tnrio de Azevedo & Alendes, ra da Cruze
n. 1.
Lagedo.
!
Vestidos de cambraia brancos borda-
d9a e de phanlasia superior._______ '
Manteletes, taimas, visitas de fil, de
gorguro liao e bordados.
Sedas ae quadrinhos, grosdenaples de
todas as cores e moreantigue.
Saias balo de todas as qualidades e
lmannos para senhoras e meninas.
Camisas de linlio para sephora, de
algodo para meninos de (odas as idades.
Pentesde tartaruga modernos e dos
mais acreditados fabricantes de 10f a 30$.
Luvas de Jovin e enfeite de cabega.
Cassas. organdys, diamantina, chitas
claras e escuras, francezas e nglezaa
Nests loja s se vende a dinhairo o
i por isso mais barato que em qualquer ou-
1 tra, acu sortimento completo de fazen-
das de moda, ditas oledores e roupa fei-
M e seus pregas muilo conhaoidos: na
rus da Cadeia loja n. 23, dao-se as
amostras.
Vende -ae a csa n. 2 da xua daa Trincheiua
atr.tarcom Jos Fernandea Lima aa ra MOM
numero 3.
-- No (armazem de materiaes da rnn do Br,u
n. 55, vende-se coqueiros para mudar: quem.
pretender dirija-se ao mesmp.
Tndn-se umnAm sot e ogo de baocM de
pleo e .urna cama de arwaCao de angjcq, jm;
prego eommodo : no becco dos Ferreiroa n. 5,
Aletria. talharim e macarrio a 400 rs a libra:
vende o Braodo. na Lingoeta n. 5.
Vidrilhos de todas as
cores.
Na loja da aguia de ouro, ra do Cabug n. 1
B, vende-se vidrilbo preto, azul e braceo asse-
tinado, que se vende por baratissirao prego de
2,500 rs. a libro s na sguia branca.
As verdadeiras lu-
vas de Jouvin.
A loja d'aguia-branca reeebeu pelo vapor fran.
cea uma no-v* ramessa da verdadeiras-luvas de
Jouvin, cuja sup.erioridade jabera eonbecida
por quanlos as tem comprado, e ser mais por
aqoelles que se dirigirem ra do Queimado,
loja d'aguia branca n. 18, aeseverando que sao as
melhores e mais novas no mercado. Tem sorti
meato de todas as-cores tanto
para senhora.
para homem como
Machinas de vapor. ag
Rodas d'agua.
Moendas decanna.
Taixas.
Rodas dentadas.
9 Rronzes e aguilhoes.
0 Alambiques de ferro-.
SCrivos, padroes etc., ote,; Z
Na fundi^So de ferro de D. W^Bov/man
9 ra de Brum paseando 'o chafwiz. Z
99*99+9 99 #
Vende-se um terreno com 30, 40 ou 50 pe-
mos de frente, conforme melhor coavier ao com-
prador, tado aterrado, situado na ra do Brum,
juntoafuudicao ingleza, om maie do 300 pal-
Vendem-se 200 varas de lagedo ebegado lti-
mamente de Lisboa no brigue portuguez Flo-
nods ; a tratar com F. fc\ Rabello & Filho. lar-
go da Assembla n. 12.
Vendem-se por prego eommodo uma por-
ga de tooea de wios lamanhos, muito proprios
para depsitos de mel, ou para as destilagOes
dos engenhos, aasim eomo para depsitos de
agoa em casas particulares: par. ver e tratar
na loiada raa do Queimadon. 41.
Casefrilbas de seda de todas
as cores.
A loja d'aguia hranca leeebeu com as demais
cousas vindas pelo nlUmo vapor francez, mui no-
vas e bonitas cascarrirhas de seda para enfeiles
de vestido. O sortimento da cores excellente
inclusive a-prtsta, que tem de diversas larguras,
e obra de laoto gosto, s se encootra oa loja
d agina branca, raa do Queimado n. 16.
JLabyriuthos
Na raa da Cadeia do Recife n. 28 primeiro an-
dar, Tendem-se longos e toalhas de labyrinthos.
Pechincha.
Vendem-se bales de 30 arco, pelo diminuto
prego de 4: oajua da Cadeia n. 24.
Vende-se na'rua das Cruzas n. 24, esquina da
travessa do Ouvidor.
Vende-se farinha de mandioca muito boa,
""da. Pr 5#SD0, a dinbeiro ; na rus No-
Vfl D. OO .
Booets de gorguro avel-
ludado.
Vendem-se mu bonitos bonets inglezes de gor-
guro e velludo, mesetados e de mui bonitos pa-
droes a 1J500. Esees baaet. por auas boas qua-
lidades e muita duraglo tornam-se mui proprios
para os meoinos do escola, e mesmo para pas-
assim como outrps bonets de palha e pao-
Saunders Brothers & c. tem pra vender em
eu armazem, na praga do.Corpo Santn. 11.
algn pianos do ultimo fresto feeeatinKnt
negados dos bem conbecido e acsedUadMfa-
bricantes J. Broadvrood A Sonado temares e
muito proprioBara eateclima
Yendem-se e trocam-se
escravos de ambos os sexos : no escripiorlo de
Franeineo II F. da Costa, xua Direita n. 66.
Fil preto.
Vende-se fil de nho preto liso pelo bar.tis-
simo ?reco de 800 rs. a vara : na rna do Quei-
mado n. 22, roja da boa f.
Chapeos na ra larga do
Rosario n. 32.
Fjnissimos chapeos de castor branco a 12f
litios de dito rapados a 12J. ^"
Ditas pretos com pello a 10.
Ditos ditos rapados a Stt.
Ditos de massa fiaos a 7a.
Ditos de dita a 6$.
Ke se : ?3Jrnwte **" *
Novos e bonitos
enfeites de Tellado;
seio
no fino, etc.. etc., e mui bonitos
4g, o melhor possivel: na ra do
16, loja d'agvia brinca:
25580, 3 e
Queimado n.
vende-se a3a6O0, no arma-
Ferreira, ra da Madre de
em saceos grandes
zem do More ira &
Deos-n. 4.
Propriopara minio*
S-na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n.
IB, chegado hoj ootolelo sortimento de oai-
i ni has para costura de todos os taannos, orna-
das com preparos muito fiaos e ricamaute enfei-
tad-M, propria para qualquer mimo de senhora
ou menina : isto sna loja d'aguia de euro, ra
do tbu a. IB.
Veade-seo engenhoTriinaphante
situado no- Vao de Bia : a tratar na ra
do Crespo n 20 A, ou na cidade do Ro^
Formosocom o Sr. Dr. Gaspar de Me-
nezes Vasconcello de Drummond.
Para a quaresma.
Ricos eosies de wstidos de grosdenaple relo
mos de fundo, a promplo para se edificaren! re- bordados a velludo com algumas pintas de mofo
Jlnatoea, padanas, ou potros quaesquerestabelo- que mal se conhece, os quaes se lera vendido por
cunemos por ter excellente porte para embarque 160, eque se ve aera por fifi&
e desembarque de gneros: na ra da Madre de
Dos, armazem n. 10.
KILOfilOS,
Vende-se em casa de Satinares Brothers 4 C.
praca do Corpo Santo, relogios do afamado fa-
brieaute Roskell, por pregos commodos e tam-
bem trancellins e cadejos para os mesaos de
excellente gosto.
Para cabecas de senhoras, chegados pelo ultj.
mo vapor, assim como cintos "pretos com veas
titas pretas para cintos, grande sortimento teB-
JOVI pretas, bripcaae^r de cannt f>m ho*.
mens e senhoras ; em csa de J. ralque,iua do:
Creapo n. 4.
Luvas de torcal
com yidrlllw 1QO0 Q par.
A loja d'aguU branca. Apue no mnswoaito
de baraieira esli vendeftdTmnj novas bonTas
loras prelas detoreat com vWfflho al o par-
. arla., antea que a acaben : va ara flo Quei-
mido, loja d aguia branca d. 16, Srn.
Ditos ditos sem ser bordados a velludo, fazn-
da muito boa e encorpada por Hf e 600.
Manta, pretas de linho bordada, a 89.
Visitas pretas muito bea oofeiladas a 13g.
.Ditasde seda de cores muito liadas a 20$.
Grosdenaple preto superior de StfOO e 2#, e
muito largo a 8&80Q.
Sarja preta hespanhola boa a2d.
Velludo preto liso muito bom a 4|. 5 e M.
Corteada casemira preta bordada para collete
Pni^Aftde TeU0 **?*> beefltdo para collete
a lupuO.
Caigas de casemira preta. fioa a10 e 12J.
Casacas esobrecaanca preta. bem feitas a 303.,
Gorguro prelo e bordado de cor delicada, o
covado 44.
Colletes de casemira pretos bordados a 9$.
Paletots de panno preto a 12$ e 18$.
Ditos de alpaca-preta a 3, i,,it 68, o muito
floo.a 81000.
Saias balo a 4j(.
Chales de merio bordados, grandes a 5& 6j
e 7#0#6.
UM ido seda pretos grandes W.
Vestidos de sedad* cor bordados de du3. saiaa,
.aenda muito boar eom algum mofo a 40 o (JOB.1
Ditos oe pluntnala em tmlaa a 15.
Caiga, de casemira de cor a 6, 8, 9 e 108.
Saccoa de tapeta de dweraos tMnhos para
viagem a 5.
M*Ua deso* para viaa^fcd^.lJM 18.
Chapeos pretos franceses unos a 81
Wlos de eastm-brauM-em pello mtrtte bons a
Juidar, vnden>-.eJararto.; a loja *
a roa da Ca.el. . m anniii-
de faxandas
d.0 Cunbae

Attenco.
Era S. Jos do Manguinho vende-se um grande
sio com bastantes e bons srvoredos de fructo,
grande baixa para capim, eas. para grande fami-
lia, cocheira, estribara, casa para pretos, cori-
nha com boa agua, lomba e tanque para banho:
quem o pretender, dirija-se a ra da Cruz o. 54.
ou a ra da Praia, serrara n. 59.
Villa do Cabo.
armazem dobarateiro.
Run do Livramenlo, esquina da traves-
sa da Torrinha.
O Machado avjsa a seus Bumerosos fregueze,
que em seu armazem tem sempre graode sorti-
mento de todos os gneros necessarics, e com es-
pecialidade carne e bacalho, e contina a ren-
dar pelos meamos preeos do Recite ; tomando-se
muilo eommodo este estabelecimento, nao s por
vender barato como por livrarem-ee do incom-
mode de mandarem ao Recife.
Attenco.
Na ra do Trapiche n. 46., em casa de Roslron
Rooker & C, existe um bom sortimento de 11-
nhis do cores e brancas em cartoteie do melhor
fabricante de Inglaterra, as quaes ae vendem poi
preco mui razoavei.
Chega para todos.
Gaseas francezas mnito bonitas e decores fixa;
a doae vintenso covado, mais barato do qn
chita, approveitem em quanto nao se acabajn
na roa do Queimado n. 22, na bem conhecida lo-
ja da Boa F.
A loja da ba-f
na Tua do Queimado n. 1
est inao sorluYa.
e vende mnito barato
Brim branco do puro linho transado a IgOOO e
18400 rs. a vara; dito pardo muilo superior a
13200 a vara; gangas francezas muito finas de
padroes escuros a 500 rs.; riscadinhos de linho
proprios para obras de meninos a 200 rs, o co-
vado: cortes de cal$a de meia casimira s tfSOO;
dito de brim de linho de cores a 28 rs.; breta-
nha de linho muito fina a 208, 228 e a 248 rs. a
pega com 30 jardas; atoalhado d'algodo muito
superior a 18400 rs. a vara ; bramante de linho
com 2 varas de largara a 28100 -a vara ; lengos
de cambraia brancos para algibeira a 28400 a
duzia; ditos maiores a 3; ditos de cambraia
de linho a 6, 7* e 8J rs. a duzia ; ditos borda-
dos muito fino n 88 rs. cada um ; dito, de cam-
braia de algodao com bico largo de linho em
volla a 18280; ditos com renda, bico e labyri-
lo a 28000; e alm disto, outras multas fazn-
da que se vaodem muito barato a dinhairo a
vista: na ra do Queimado n.22, loja da Boa .
Cheguem ao barato
O P regaifa est queim&ndo, em sueloja na
ruado Queimadon. 2.
Pecas de bretanha d rolo com 10 varas a
2$, casemira escura of estada propria para cai-
ga, collete e palitots a 60r. ooovado, cam-
braia organdy de omito bom gosto a 480, rs.
a rara, dita liza transparente muito fina a 39,
4#, 59, e69 a peca, dita tapada, czm 10 varas
a 59 e 626 a pes,chitas largas ale modernos e
escolhido padreas 840, 260e 2&0 ra. o cova-
do, riqaissimos chales de merino estampado a
7* e 8, ditos bordados com duas palmas, fe-.
aenda muilo delicada a a cada un, ditos tora
uma s palma, milito finos a 850(J, ditoslisos
com franjas de seda a 59, lea501 de cassas eom
barran 100, 120 e 160 nada nm, metas mnito
finas para tambora a 49 % dama, datas de boa
raa*"1*** a 3 9 89500 dtttia, Abas fran-
eexaa de ricos deseaba*,par* cebarla a 80js.
o aovado, ebitaaeMuras isjgieaaa* 5900 a
paca,. a 160ts. o ovado, brim branco de puro
lio al9, 1920 o 1*800 a vara, dito preto
multo encornado a 19500 awa, brilhajtUn
azul a 400rs. o covado, alpacas de diffnrentes
cores a ^00 .ra.D nevado, eaassniras pretas
fiawa SMO^ 39 e 3#&06 o ooYde, eambtan
prtta a da aarpiflo. a 100 r. a vara, e nutra.
mitas lateada, qua se far patente ao oampra-
dov, a a teda u ara ejnosiraa com -ptimoTj
A loja d guia branco acaba de receber pelo ul-
timo vapor francez uma pequea quantidade de
enfeite. de veUudo os mais modernos e bonito.
[ue aqu tem vindo. e de seu cosame est ven-
lendo mui baratos a 10} cada um ; por isso di-
Pechincha para a
quaresma.
Manteletes de grosdenaple e da fil de aeda
LPaSL? d?oC0re' i"810 "aratsimo preco de 5,
09, ug e 128 : na ra do Queimado n. 44.
Vende-se na cidade do Aracaly uma casa
terrea eom sota*, bem quii vio cacimba, na prin-
cipal ra de commereio, propria para quem qui-
zer ati estabelecer-ae, por ter nao s eommodos
precisos para residencia, como tambem loja, arma-
zem, etc.: a tratar oa mesma cidade com os Srs.
ourgel Irmaos, que eslae autorisados para esse
nm, oa nesta praga na roa do Cabug, loja n. 11.
Superiores iBanteletes.
Vendem-se superiores manteletes pretos rice-
mente bordados, pelo baraasimo proco de 35
na ra do Queimado n. 22, loja da boa f.
Ruada Senza!aroTan.42
Vende-se em casa de S. P. Jonhston &
sellins e silhes nglezes, candeeiros e casticaes
bronzeador lonas nglezes, fio de vela, chicote
para carros, emomaria, arreios para ca/ro do
um edous cvalos relegiesde ouro patento
ingina.
Caes do fiamos armazem
n 24.
Vendem-se tabeas de amaren, louro e pinho
por preeos razeaveis.
Loja das 6 portas
F.M
Em frente do Livrameiite
Lavas dt tercal a 800 rs, o par.
Chitas escuras francesas, tinta seguras a 220
re. o covado, ditos estreitos com muito bom pan-
no a ibO r8. o eovado, cassa. de cores seguas a
200 rs. o covado, pecas de bretanha de rolo a 28
brimzinho de oaadrinhos a 160 o covado, musse-
lina encarnada fina a 820 o covado, algodo de
duas larguras a 640 a vara, lencos de cassa pin-
tados a 120 rs. cada um, seda pela de ramagem
a 800 rs o covsdo, fil de linho preto com sal-
pico a l400a vara, luvas de toroal muito finas a
fl" J"Z l lo>* Ml bw,B das 6 huras da
macha a 9 da noite.
Franjas do-torcal para mante-
letes.
Tende-se mu largas e bonitas-franjas de tor-
ear; propnas para enfeites de manteletes, corpes
oe vestidos etc., etc.. mesmo para pannos fi-
.ne. em logar de rela : prejjo sao baralissi-
.mos, vala das larguras e bom gosto. de taes
^anjas sao de M800 a 3S00O a vara ; na ra do
Queimado, loj d'aguia branca o. 16.
A12J0O0
Na ra do Queimado n. 47, eode-se chapeos
vf ed8* i*g,e*' d* bo* a**lidade.
vende-** um pianao de mes, com pouco
nao e que serve para principiante aprender, mui-
ko barato ; bo paleo do Carmo n, 0, primeiro
Franjas de seda cenn vidrflhos
e sem elles.
Na loja d'aguia branca se encentra um helio o
vanado sortimento de franjas de seda de difieren-
tes larguras e cores, inclusive a preta, tanto com
vidrilhos como sem elle*, e da larguras de um
dedo at mete palmo, aoa preces de 500 rs. a>
ZJMRI a vara ; viela do comprador todo neao-.
eio se far pora apurar diiheiro: ntvsua do Quei-
mado n. 10, loja d'agnia branca.
Manteiga ingleza
em barri. de vinte e tanUs libra: do armazem,
de lasso Irmaos.
Grinaldas de flores.
Na loja d'aguia de ouro, ra do Cabug a. 1 B
acaba-se de receber de aua propria encommenda'
lindas grinaldas de flores, tanto par senhoras
como pata meninas, que ae vendo pelo baraasi-
mo prego de ae 4$ : s na loja d'aguia de ojito
ra do Cabugi a. i fi. '
Os lindos cintos tanto para
senhoras como para meninas.
S oa loja d'aguia de ouro, ra do Cabug n
1 B. aonda as senhora achevo oa lindos ciatos
lano para senhora como para meaina, os msiari-
cos que se pode encontrar, tanto dourado fino
como de outras cores, que em vi.u do ultim
goeto-nioguem deixar de tamprar : s na ton
d'aguia de ouro, rna do Cabug n. i s. *
Farnha de
mandioca
de muito boa- qaalNtade ; veada^ae 3*300 a
aoca : no armaaem daHoreire if Perrelre, rna
da aladre de Dos n. 4.
"


atura di maJunMc. -terca fi**.M j*iu ociaai.
i
ROUPA FEITA
BE
Joaquina Francisco dos Santos.
PO RUA DO OlEMADO 4
Defroote do becco da Congregado letreiro verde.
Neste esUbelenonto ha seorean ortmento completo de roupa feita de todas
srsi asas ssr*,ot """' '-* r"8"-*'"
Csomb* de pdoo preto. 40, 35$ e 38*000
Sobrecasaca de dito, 353 e 30$00
Grosdenaples baratis-
simos.
Vendem-se grosdenaples preto tpelo barata-
sn*njec,n
Queimado
a-se grosdenaple
i iu 32,"loa da b
a covado: na rua
oaf.
do
0 BASTOS
Palitotsde dito decores, 35, 3.
J**000* mOOO
Dito de csimira de cores, 248000,
t. 12 ^T* 990M
Ditos de alpaka preta golla de vel-
soe
5*000
ludo.
Ditos de merin-sltim pretos e de
cores, 9JO0O
Ditos de alpaka de-cores, 5 e
Ditos de dita preta, 9, 7. 5 e
Ditos de brtm de cores, 5$, 45W,
fUove
Ditos de bramante de liohe branco,
6S000, 5&000 e
Ditos de merino da cordo preto.
15*000 e .
Calsas de casimira pela e decores.
12. 10, 9 e
Ditas de princeza e merino de cor-
dio pretos, 5 e
Ditas de brim branco- e de cores.
.5S0OO. 4500 e *
Ditas de ganga do cores
Colletes de velludo preto e de co-
res, lisos e bordados, 129, H e
Ditos de casemira preta e de oores,
lisos e bordados, 6, 5$500, 5 e
isooo
335O0
3JJ0O
3J500
4*000
8}000
6fl000
4*500
2500
36000
8000
33500
Ditos do setim preto
Ditos de seda e setim bronco, 6 e
Ditos de gurgurao de seda pretos e
de cores, "jJOOO, 68000 e
Ditos de bnra e fuelle branco.
3*500 e
Seroulas de brim de linho
Ditas de algodo, 1g600 e
Camisas de peito de fusilo branco
o de cores, 2$500 e
Ditas de peito de linho 6g 6'
Ditas de madanolo branco e de
cores, 3, 2$500, 2 e
Camisas de meias
Chapeos pretos de massa, francezes,
formas da ultima moda 10,8500
Ditos do feltro, 6, 5J, 4 e
Ditos de sol de seda, inglezes a
francezes. 14, 12, llj e
Collarinhos de linho multo floo,
novos feitios, da ultima moda
Ditos de algodo
Relogios de ouro, patentes hori-
sorrtaes, 100, 90, 80 e
Ditos do prata galvaoisados, pa-
tente hosantaes, 40S 30000
Obras de ouro, aderecos e meios
adrenos, pulseiras, rozetas e
anneis a
Toalhas de linhe, duzia ItftOOft e lOtOOO
5g000
3000
2*200
1*280
29300
3*000
1S00
1*000
7*00!
29000
7000
800 <*
70000 a
*
ARMAZEM PROGRESSO
DE
Largo da Penlia
O proprietario deste armazem par-
ManteigainsAeiaperfeitameoterio ,.
mi se far algum abalrmento. a 800 rs. a libra, e em bax-
Mauteiga iraneeza a"!o
c%* o,i., h,8 nZ*n rr. "* ""
1600 rs. a libra. r es melnores que ha neste genero a 2500, 2 e
Queijos flamencos ,
cao se far algum abatimento.g UeSte uUl" Tapor EttroP **< "., em por-
m.? SU1SSO "centemente chegado e de superior qotlid.de vende-se 640 rs. a
laixmYas com urna c divas libras ,
differentes qualidades de confeitos. amendoas cobertas wifiSLSU!?L**!2 CKnt end.
propno para mimo a 1 cada um, "*" "J0"1. pastiinas etc., etc., o que ha mais
Passas muito novas
gresso a 2 cada urna. Cai"' eoa lf 15 ,ibras nde-se nicamente no Pro-
Figos de comadre
m W,"C em canas de 15 libras a 2* so no Progresso
Ameixas francezas a480r, ,. 8
VffMUU VmperialT T Z '^ *'*" abalImen,-
Lisboa a 800 rs. a libra. aiaado Abreu' e do oulro """os fabricantes de
l.alas com boiaciaUas de soda
differentes qualidades. ?eno-se a 1J600; rs. cada urna con
o mais superior que tem vindo a este mercado
das em direilura 800 rs. e frasco mais n0Tas 1ae na Por serem Tin-
Wetria, nvacarrao e talharim ino lu,
roha nnr & a 4 rs. a libra e em caixas de urna ar-
a900rs. a fibra.
ao mercado a 900 rs. .
molhos com 20 macinhos
roba por 8.
Palitos de dente lixadjos^
Toucmno de Lisboa m,a9 e"1" ttaciBh0S pot ao0rf'
. arroba 9{. ma18 n0T0 1TO n arcado a 320 rs. a libra em barril
. mull noT0 ^entfe-se para acabar a 400 rs. a libra.
Cnotmeas e palos a nna h ..
a Hbra. qae de bom neste genero por serem muito noros a 560 rs.
Banka fte poreo retinada
480 rs. a libra e em barril a 400 rs. que pode harer ne mercado Tende-se a
Liatas com neixe de posta
res qualidades de peixe que ha em. PortuBal^'BSvd4^elhor maneira P0^"! das melho-
qoalidadMdosmelhoreSf.brica^sdo'sI.Felu^.t? 8 !,U8p,ro8 e de outras cuitas
cerreja de ditas, marrasquino^^uSf ft.;^-m?inhe da" m!ls editadas mai
barata, e oalroTmltoV^^^^arK 5e
. em calda, azeitona.
superior nualidade. *
Loj

a das seis portas
frente do Livramenlo.
^Roupa feita para acabar*
caka8edfltSri,a?0 9uta 22' fazenda A".
calcas de casemua preUs e de fiece.. diUs d
d'.eJlePDgs' '"ebrim brTuco* paletots
J*f "n 6 a ^ itoa de Ub* e coros tt,
rirf to'/e al.paca Prett 8acc MbrecaLaM
n,i^ ke8C."PLlorio de Clau chumbo mnniio de todo o. bhWm ridraoiU
oos os Umanhos para Tdr.SasTstfmrJ225
ebicers de aalea par. curo akafauL^S.
mixUrde ora composico para aui fotouM*/
" i"?"? "o *6 n>5< de 10 Ve',. SS
*5000 o distrae am ou m rffi"
Sapatinhos de setim e
meias de seda para bap-
tisados.
*
m^Zf,a: eIicad09 Paulos de sauSupK
oSTKu boriado> o uaes est vendeSdo
!Hf5,im? preC de3. (nesae genero Bio
m??^i aPfeitosU8 m como Mtroad.
merin* tambenr bordados a isfiOli r1^.
^Svi-^h^ **""-?*- nws entocado
borr.cn q,
ja> e> .geia franca
^ faites e easamen-
tos
Libras sterlaas.
que outr'ara tioh. loja na ra de Quei-
mado a. 46 que gyrara aob flrm. de
Ges & Bastos participa aos seus nume-
rosos freguezes que dissolveu sociedade
que liaba com o mesmo Ges teado sida
substituida por um seu mano do mesmo
nome, por isso ficon gyrando a mesma
firma o Gea 4 Bastos, assim comoapro-
Teita a occasiao par, a au ociar abertura
do se grande, armazem na tua Nova hia-
to CoBcei;$o dos Miliiares n. 47, que
passa a gvrar sob a firma
DE
Bastos ( Reg
com um grande e numeroso sorlimento de
roupasfeita. e fazendas de apurado gos-
to, per precos moflo modificados como 6
de seu costme, assim como sejam : ri-
co, sobrecasacos de superior panno, fia*
prelo e de cora 25, 28jg e 30, casacas
do mesmo panno a 30 e a 35, paletots
sobrecasacados da mesmo panno a 18
20 e a 22g.ditos saceos de panno prelo a
12 e a 14J, ditos de casemira do cor
muito fina modelo ingl.r a 9$, 10, 12
el4, ditos de estamenha fazenda do
apurado gosto a 5 e 68, dito de alpaca
preta e de cor a 4, sobrecasacos de me-
rino de-cortfSo a 8, ditos moite superior
a 12, dito saceos a 5, ditos de esguiao
pardo fino a 48,4500 e 58. ditos de fu-
Uo d*.c6JL* 3f 35500 e *Sr dito, bron-
cos a 4500 e 5500, ditos de brim pardo
fino sacco a 280O, caleasde brim de cor
finas a 3. 3500,.4ie 48500, ditas do di-
to braoco finas 58 6500, dito, de
princeza proprias para luto a 48, ditas de
merino de cordo preto fino a 5 e 6
"22.**" "8em'l' *e cor e preta a 8, 9
el/J, eollete de casemira de cor e pre-
U a 48508e 5, ditoodo soda branca pan
casamento a 5, ditos de brim branco a
d e 4, ditos de cor a 3,colletes de me-
, chambres de chita para homem a 10,pa-
Ietols de panno fino par* menino a 1B e
14,casacas do mesmo panno a i58.eaka. S
\ de brim e de casemira para meninos, na-
Ietotsde.lpacaede brim para os meamos, B
, sapaos do tranca para homem e senho- ff
1 JaVSSl},500'cerMlaa de K
i es e 20 a duzia, camisas
17d|e*0oenta.niS".5e B0V0S modelos a
1/8 18, 20, 248. 28 e 30 a duzia
ditas de peitos de linho a30 a doria di-
tas para menino a I38OO cada urna, r'icss
graratas brancas para casamento a 1*800
e 23 cada urna, ricos uBiformes de case-
?-dH-Cude B0il aPurdo gosto tanto
no modello como n, qualldade pelo di-
J preC de 355, e s com avista se
pode recoohecer que barato, ricas capas
de casemira para senbora a 188 e 20
e muitas outras fazendas de eicellenie
gosto que se deixam de meBcioBar quo -
por ser grande quantidade se torna S-
\Qnci
Di
a
fi-
fadonho, assim
que
en-
. como se recebe teda e
qoalque, encommonda de ronpas feitas
para o que ha umgr.ade numero de fa-
3 5! .dih-S?coIh,d",e ama 8rDde ofikina
Cassas de cores.
Ainda se vendem cassas de rnr. ... _.j -
bonitos, pelo tSJSgZ!VSmm
mais barato que chita na ra do'
fudico m-m%
IiaUaBziUaIIytii^2.
Neta estaaolocimeato contina a hav.r um
tmplelo Mrtim.nio d. moead.s emeias moen-
pti eagenho, maehin.s d. vapor e tsixas
le ferro batido e eoado, do todos os Umaabos
para dito,
Tachas emoendas
Brag, Sil?, A C., tem seropre no seo depo-
site da ra da Meeda n. 3 1, am grandesor-
mento de tachas e moeodas para engenho, de
muito acreditado fabricante Edwin Maw a tra-
tar bo mesmo deposito ou na ra do Trapiche
As verdadeiras luyas de pelli-
ca Jouvin.
S na loj, d'agota do ouro, roa do Gabag n.
1 B, recebera-ae um completo sorlimento das
verdadeiraa luras de pellica Jourin, sendo das
cores seguintes : pretas, cor de caima, amarellas
e brancas, sorlimento completo, tanto para ho-
mem como para senhora, pois afianzamos a boa
quahdade e fresquidao, pois se recebe em di-
reilura pelo Tapor fraacez: s na laja d'aguiade
ouro, iua do Csbog b. 1 B.
Chegnem oja da Boa f
Chitas francezas muito finas de corea fizas a
ZoU rs. e corado; cambraias francezas muito fia
Tif Wo rs Tar8 idem 18a muito fina a
4600 e a 6J00O a pe^a com 8 Tr2 varas ; di-
muito superior 88000-a pec.com lOfarasf;
dita fina com salpicos a 4800 a pega com 8 1[2
varas; fil de linho liso multo fino a 800 rs. a
'ara ; tartaleas branca e de cores a 800 rs. a va-
ra ; e outra. moitas fazendas %ue, sendo a di-
nheiro, vendem-se muito baratas: na ruado
Queimado n. 22. as loja da Boa f.
Lencos para rap,
Vendem-se lencos muito finos proprios para os
R-n'S1 *" por serem de cores escuras e flxas a
mm doria: b. rea do Queimado b. 22, aa
oja da Boa f.
Sor lmenlo de chapeos
/?ua do Queimado n. 39
Laja de quatro portas.
Chapeos pretoafraBeeze.de superior quelida-
06 A 7.
iHtos dos mais modernos que ha bo mercado
Vitoadocastor preto. e braoeos a 16.
Uiapeos liso, pora senhora a 25.
Ditos de velludo cor zul a 18.
Ditos de seda para meaiBas ricameBte eafeita-
doa, 8ff.
Des ditos para menino a 5.
Liados gorros par. meninos a 38.
Bonets de velludo a 5.
Ditos depalha muito bem enfeitados a 48.
Chapeos de sol frsncezes de seda a 7.
Ditos inglezes de 10, 12 e!3 para um.
Ki-llante-
V
45 Ra Direita 45
Por sem dovida que o Sr.ex-ministro da fazenda
esteva despeitado com o. delicados ps dasnossas
amaveis patricias Prova-o bastante e augmento
de 160 |0 nos direilos que pagam .. bolinas de
senhora em relacao s de homem que apenas ti-
veram o de 25 i01 S.Excdesei.v. que ellas tro-
cassem urna bem feita bolina /oy.por algum cbi-
DI ?a amaDnjdb, eocostorado de popa proa,
aflm de obstar a que ostentassem com'garbo o mi-
moso p da bella pernambucana,qoe n8o tem ri-
val as cinco partes de mundo. Mu S. Eic. leve
de encontrar urna opposicio firme o enrgica no
proprielario do estabelecimento da ra Direita n.
4, que nao quiz vender aa suas bolinas a 7MO00
comoS.Exc. pretende, e sim pelos pre^o. se-
Borzeguins para senhora.
68GOO
55500
5^000
40500
io\j (com brilhantina).
Dito (com laqo e firella). .
Austraco (sem lcoj. .
Joly (ga$pa baixa). ....
Para menina.
De 23 a 30......,
Dei8a22......\
Para homem.
Nantes (2 bateras). .
Francezes (diversos autores. .
Inglezes de bezerror mteii icos
Ditos (cano de peluca). .
Ditos vaqueta da Russia .
Ditos oernambuca nos .
Sapates para homem.
2 bateras (Nantes)..... 5600
1 batera )Suzer).....5J2OO
Sola de bater (Suzer). 5^000
Meios borzegns (lustre). 60000
Sapates (comebstico). 5$000
Ditos para* menino. ?$500 e 48000
raE,Calad? btm kitonopaiz porprecosba-
nninT u*\a Como cou, de lustre, m.rro-
2""Ube2.e:,r. fr,a_DC3 "_Urinho, vaquetas pre-
abundancia e muito
40000
30500
100000
90000
90000
Su 00
80500
60000
paradas,
barato.
sola, fio ele. em
^9Kmm9Kmmmmmm
aazei D DA
nua do Queimado n 19
Cobert..de chita. gos,^n^;2;
Lenco..de^no pufino. .JOO.
r.opree8coddeTra '* "'^"fina, peloba-
larla tasa.
Tarlalana branca para forro do veiirf .
baratissimo preco de 260 rs. a vara. pel
Gambraia de cor.
esmbraia matizad-a fina a 240 rs. o corado.
Chita franceza.
coado? fraDCeZ" pel barat0 P de 220 o
.,. c Ptei" te Indi,
sdaei,4'e5cLB6a?1JBO,d'-r^ W" P ^r.,
mru dCotes de coileee.
Corte, de TeUJo,pre*. bordado, a fi.
Mantas e Llonde.
Manas de blonda pretas de todas ,s qualidades
tambraia branca.
^s de cambraia branca fina a 25800, 3000 e
_ Toalhas.
f oalbas de fusilo a 600 rs, cada urna.
h naratissimol
Ra do Crespo n. 8, l0ja de
vedo* mS C?feS fil" "dir/has .
o'covTdo eVhifaD,yslndos desenhos', 40
280 o covado V. W,arg?* Ccas de 20. 260 e
raliaaiS tleeJ dan' mmln fazend" por b.!
na. mm* dAracaty.
Vndese u,r.:Pnni'dra and". !
1 S a t fi e unja escrav moca de
casa n. 15.
4
240
portas,
rs. o oo-
Piando a ponte i^SZZZ
o corado,
Queimado
Bo. f.
n. a. na bem coahecida loja da
Calvce,
Como se pode ver pelos
livroa dos capiles Coek,
Bougainvlle e oulros via-
jantes, os habitantes de al-
guma. ilhas da Oceniia,
conservam ainda em sua
velhice cabellos quecausam
adrairac.ao dos estrangei-
ros. O ebimico de Pars,
autor da pomada indiana,
depois de ler estudado suas preparacoes conso-
E 'Urar;Sr?da CalviC9 e Pedfdo da "et
soasque j flzeram oso della que M resolvi a
ntroduu-U ne commercio. Beposito em Vec-
?^SCn0 \* rU" do0ImPdor n. 59 e Tu. do
Sf d "5 Prar,s BenlTrd Bonne Nou-
velle. Preco cada frasco 3.

4 fama iiifliplia.
Os Iwraleirts da loja
Encyclopedica
DE
Guimardes Villar.
jRua do Crespo numero 17.1
Vendem nqoissimoa chapeos de seda'
brancos para senhora a 15S, admiravel
a pechincha.
Riquissimo chapeos de palha da Ita-
lia ricamente enfeitados a 285 e 350.
Paraa quaresma.
Superiores cortes de seda preta borda-
dados a velludo de 2 saias e oulros de 7
babado por precos bararissimos.
Groa prelo. de toda, as qualidades D-
los precos de 1&90O, 20, 2fll00, 2*700 o
m*F!Vr^an5and-S0 J** s preso,
menos 400 ra. em corado do que .o nodo
compeas en outra p.ite. v
Ricos enfees impexatrii o melhor
que tem viado a provincia.
Cortes de colletes de
bordado a5g o corte,
vendo.
A 28Q rs, o covado.
no rh*wlf.ize.s de ricas cores e desenhe*
C pelo baratissimo preco de 280 rs. o co-
- vado, affiaaca-se serem ISo boas fazendas
que muito se tem vendido s crimaira
pessoas da provincia. "
t>rabp,iad. China bordada, a mSo
8ft? *r*f a <*? por 6M,i. ri.o cor- i
tes de.cabMa,bpr.d*da. com 7 o 9, baT
bados por 350, cortes de lias a G.rlbaTdi
a Wcom 25covado9, balde, de 30-
W oottMo muswKM 5.
^f^^dadw a atSOO cada amo.
mtaa bordadas,/ .4 cota 4 taos. .
i, aS'Mt vAom vidorKidos. ;
. ui?,.i!2lul^b,P? 1ue hfl de me-
lhor, partilhM d. tuda* aa qoaiWes.
brande sortimenio de
roopas wui, flbacaaaca*v p^atom. coU
Calcado afeit
vellndo preto
iocrivel s se
letes alO^ea 12$.
Anda continuamos a ter grande
quantidade de manteletes modernos pe-
lo diminuto preco de 100 e a 120: no
armazem de Bastos Si Reg, na ra No-
va junto a Conceicao dos Militares nu.
mero 47.
Vendem-se
Na ra das Cruzes n. 38,
segundo andar,
por mu barato preco os movis seguin-
tes : urna cama de casal, embutida ;
um porta-serv Jor ; um cokao de mo-
las ; urna commoda : um espelho gran-
de ; um armario com outro espelho ;
amapparador; urna mesa para doze
pessoas; um porta-licores ; servic,o de
porcelanaparajantar; um relogio de
marmore negro, representando Miguel
Angelo ; duas betlas gravuras (Apollo e
as musas, Moliere em casa de Ninon de
l Enclos), em duas ricas molduras. Ten-
do seu dono da retirar-se para o campo,
por isso deaaz-se (testes objectos, man-
dados i expressamente de Paria, aon-
de foram confeccionados com perfeicao
& apurado gostf>.
Deposito da fabrica do
Monteiro.
^ua de apollo n. 6.
j.Ve?fo56 "sucar refinado desde 3JJ200,.3^600,
do cr sta1isadoC "rba* Pr 5,12 e 6540
Potassa.
Vende-se a 240 rs. a hbr8, a
superior e aira potassa do acredi-
tado fabricante Joao Casa-nova ,
cuiaqLualIdadeereconbecido ef-
feito igual ou superior a de
Hamburgo, feralmente conheci-
da com da Russia : no deposito,
ruada Cadea n. 47, esenptorio
H de Leal Keis.
|R01JPA FEITA AIINDA MAIS BARATAS.l
SORTIMENTO COMPLETO
[Fazendas e obras feitasj
o
RA
i LOJA E ARMAZEM
DE
Ges & Basto!
I NA
Uua do Queimado
tt **i frente amarella.
I riCHnsU^emente 'emosum grande e va-
nado sortimeato de sobrecasacas pretas
SocP8e df cres muito Sdo a 28,
.iUrEnf"me8BOS PDne
! 22* e 24 dlts ecos pretos dos
' EL* !? pann-.s ? 1416 e 18s. s-
i cas pretas muito bem feitas e de superior
? panno a 28, 30S e 35. sobrecasacas de
! TS-S.*" core muUo fiDOS 15. 16S
! 188. ditos saceos das mesmas casemi-
I 9 a 10f, 12 e U$, calcas pretas de
! flm.1.r" fln" Para homem a 8, 9, loj
99 e 10, ditas de brim brancos muh
M M&* H' ?]S9 ditos de corea
3, 3500, 4 e 4500, ditas de meia ca-
semira de ricas cores a 4$ e 4*500, col-
letes pretos de casemira a 5 e 6, ditos
de ditos de cores a 4J500 e 5, ditos
brancos de seda para casamento a 5
ditos de 6, colletes de brim branco e
LUr'? a3S' 3>500 e ** ditos de cores *
29500 e 3, paletotspretos de merino de
cordo sacco e sobrecasaco a 7, 8 e 9
coHete. pretos para luto a 450O e 5
Cas pretas de merino s 45C6 e 5, pa-
letots de alpaca preta a 38500 e 4g, ditos
sobrecasaco a 6, 7 e 85, muito fino col-
letes de gorguro de seda de cores muito
boa fazenda a 3J800 e 45. colletes de re-
ludo de core, e pretos 7 e 8, roupa
par. menino sobre casaca de panno pre-
tos e de cores a 14, 15 e 16, ditos de
casemira sacco para os mesmos a 6&500 e
i 7, ditos de alpaca pretos saceos a 3 e
3^500, dito, sobrecasacos a 55 e 5500,
c*kasde casemira pretas e decores a 6,
' 65500 e 7, camisas para menino a 20
a daa, camisas inglezas pregas largas
muito superior a|32 a duzia para aeabar.
Assim como temes urna oflicina de al-
faiate onde mandamos executar todas as
obras com brevfdade.
Paletos.
Vendem-se paletos de panno preto fino, milito
bem fetos 22 ra.; dito, de brim branco de
nnno a 5 rs.; ditos de setineta escuros a 3500
muito barato, aproveilem : na ra do Queima-
do n. 22, loja da Boa f.
Potassa da Russia e cal de
na
O
NO
a <
> ba
w 1
2 m
i m as
0
3
a 14
S- O
a O
0
* O
s r>5
^ 1*
O
i>S
i>
yidrilho de todas as cores.
C,"J$LU de ouro- rua cabugi n. -
vidnlho pnto. azul, branco asse,
leja
vende-se
que se vende por baratsVim
libra : s na guU de ouro.
prec.0
1 B,
assetiDa,do,
de 2$500 a
Caigas de casemira.
feitas^ 10S?iiiS58dH,Ca!,8'n^pre," muil ***
H tan h t k dSdlla de cor muito superior a
S;io^da8batnd: a '" d *>**
A 1^000.
doGn"22r!o!arrbod,ar,n: 8a im dQueiaia-
Allencao.
Vende-se um bole novo com 24 palmos de
compnmento e 7 de bocea, bonita forma ;paa
ver e contratar, no estaleiro de Machado Freir
me'?8801" "f" NTa' 0U rua do "oris 2S
Vende-so ou perraula-se por casas nta
praca um excelltnle sitio no c/ld"e,ro e
bf^dr""03' COn b0S C88a de 'ivend. gr'and"
b,ix, de capim margen do Capib.ribe.ol.ria
e barro para trabalbar na mesmaTesla proprip-
dade rende annu.lmer.te 1:700. e faz-se fua-
SSP! *," oBseqoeoci. do propriel.rio
reut-se poralum lempo para fr. da provin-
looc". V. T.1 D rU" da C8deia i0 Recie- iJ de
Arados americaxiof e machina-
pata avarroupa: em casa d S.P. Jo
hnston 4 C. rua daSenzala n.42.
Manguitos egolla.
mn?eE"JeK8i".?,$8e' de C8mbra muilo fin,
muito bem bordadas, pelo baralissino preco de
a rua do Queimado d. 22, loja
5 cada urna
da boa f.
^Vlws eDgarrafados^a


No bem conhecido e acreditada deposito da rua
da Cadea do Becie n. 12, ha para vender a ver-
deaeir. potaaaa d. Russia, aova e de superior
qualidade, a.akn como tambera cal virgen em
podra ; ludo por preco. mais barato, do que em
outra qualquer parle.
Atten^ao.
N. 4(Mtoa do Amorim-N. 40.
yendom-se saceos grandes coa tres quarUs de
fannha de mandioca a 2500.
Uliuia moda de Pars
Fnfeites de cabeca para as se-
iihoras de bom gosto.
S aa loja .'.ni. de ko. ru dn *.
agoi. de (wd, roa do Cabug d.
1 B. aoode a. senbMM acbaro um completo
S? de eaeitw to cabe5a> t.nto preS
como de lindas cores, da ultima moda de Paria
recebidos oo dia 16 pelo vapor rancez
ris,
pojs as
"""""= 4"o ueseisrem ver podero mandar do-
fr;q^Pr0,fIplamevnle selh* rao as amol-
dJl814P,8e8la?o bem convencidos aue en visu
?.tn "J?e- "-0. D,B^UCm deixar d comprar :
Termo
Collares.
Lav radio.
Madejr*.
Carca ellos.
Arinlhp.
Buceltas.
Mn^8uVd?Via."8de2lad-uzi" de ?"fM:
na rua do VjjanoB, \9 iBOflutfro. ulor.
v Toada.
Vende-se um lustre de vidro n*i. pf0pio
A^OOOe-.OWocorte.
Casemiras. inlezw. Djiudaa com toque de ava- l
n.l$,'
Relogios
Suissos
M.
qgidos.
r3bf-
sobrado amareU
^-7i-axi30Vf3.
Ees csaada SahafleUlla & C.raad. Crus a.
2 d alfibeira horisontaes, patentes,
earoaometros meioschronometros de ourotor,-
tadoatada ofoleadao, ouro, senoo esto, rel-
Sahfl.
Joaquim Prancntc.o de Mello Santos avisa aos
>4 aalme, do cempriaientq
i5ESSSa^?*iKS*.
prego oficia outras fabrican No meauo arma-
osea deposito de velas de cara.
-Z.Ai'^;slft,lld?r0n">,'1I,w Alonme. folo.
SSS-f-"^ ** "! eoaUnB" Pe
age, onde mora o m. o pelo Flix auo
foi escravo dolir. Lopes Wuo : quem o egaT
queira entrega-lo na rua do Imperador o. 73, ou
aa roa Bell d. W, que ser reeomoeneado.
-?Fagto da cidade do ncaty, no raer de sa-
ssabro prximo passsd*/ vm eser.vo do cota-
msMdtnle superior liaww) Jos Peafea Pachec.,
que b pouco o fa.vta comprad ao Sr, Sent
touftaao GaHataa da- ama- Jaaqaia, da idado
de cineoent, tanto. .Meo, luteyaho negro,
dente, graaae, e coa falu #e stgaa. na frtota,
aueixofioo, pe.gr.aoae, aaasD os dedos gran-
de, dos p. bem bertos, rauito palavrieder, in-
culca-s. torro, a lesa sigaeadi ter sts surtad..-
Cons. qoo esta eocravo sppareeera ne di, g da
aanaata, vitada da radb da Ciaee Pontaa, asss-
doeoterrogado parvas parMeko se aoaaecidt,
dsse que trate sido vendida por seu sector para
Gekaniria: qukiuor pesas, qvaepanrepo-
dw* *m asa.e**MSAas aa SnbBsMaA L*
nos, que gratificarao generosamente.


<)
DIARIO DI MEMABtCO. afiTERC-Y ISBA M miL DE lili:
LHteratura.
A pifla de Loidrs'e ai
ii
fia Mi*.
ilin.
21 sch. d. (26 ir. 50).
16 9 d. (21 fr. 00).
15 d.
11 6d.
7 d.
Alm do certo ponto, polica mais perfeita
n3o pode prevenir o crime ; pode conslranger os
criminosos nsssarem a.maior paile da vida na,
prisoes ou doportar um numero mut erescdo,
porm nada mais pode. Esses entes infelzes,
pela maior parte nascidos o criados no crimes
conlrhiram habilos viciosos em edade muilo
teura, para comprehende'rera as terriveis conse-
quencias da vida que levara. RehabiliUiem-se
converterera-se, para elles quasi impossivel ;
talvez este respeito lhes offeregam as colonias
algumss probabilidades favoraveis que se nao
acbam na nossa velha sociedade. Desde que be-
bern) na taga envenenada, lhes para scmpre
fechada qualquer volta urna existencia honesta
e regular; orgoso que vivam custa da socie-
dade. quer na priso, quer fra della : a propor-
;ao entre este* dous modos de viver depende da
maior ou menor vigilancia da parlo da polica.
Durante a minha breve viagem Irlanda, diz
sir Francia B. Head, desojando' estudar o me-
lor que podesse o carcter irlandez sob seus as-
pectos diversos, oblive permisso do inspector
da polica metropolitana de Dublin, composta de
103 sargentos, de 12 agentes de polica de des-
coberla (detectives; oOQciaes da polica de segu-
ranza) de 951 policiaes e 20 supraoumerarios,
formando um total de 1,099 mejnbros, cuja paga
semanal da maneira seguinte:
Sargentos e agentes da
descoberta ....
Policiaes de 1* classe.
2? .
3* .
< Supraoumerarios .
Para ser admiltido ao corpo da polica de
Dublin, preciso saber ler e escrever, tor vinle e
seis annos de edade, e estalara de cinco ps e
nove pollegadas inglezas.
Todos os homens do corpo tm, termo medio,
cinco ps e onze pollegadas, formando na reali-
dade como na apparencia um exercito de grana-
reros ; e os da diviso B., composla de 190, lm
seis ps pelo menos. Entre os policiaes conta-se
s um antigo militar e um antigo advogado. Ape-
nas ha um natural de Dublin, porque os commis-
sarios preferem aceitar os camponezes de todas
as provincias da Irlanda, sem quererem saber da
sua religiao.
As condicoes do alislamenlo sao, que o alis-
tado nu perlencer i nenhuma sociedade secreta
ou poltica, e que se absler de exprimir qualquer
opiniao poltica ou religiosa fim de nao offender
ninguem. Estes regulamenlos, to simples e to
sensatos, sao fcilmente aceilos e rigorosamente
observados. Resulta d'ahi que, emquanto toda a
Irlanda seacha convulsivamente agitada por *ni-
mosidades religiosas, que cada gerago de esta-
distas inglezcs declara implacaveis, a polica do
Dublin, composta decatholicos e protestantes, re-
crutsdos em toda a superficie da Irlanda, oflerece-
nos urna sociedade de homens que, nao s vivem
perfeilamenle uns com os outros, mas at ao si-
nal da matraca ou do apilo, reunem-se frater-
nalmente para agarraren), amarrarem, ou.seisto
nao bastar, baterem e fazerem cahir seus ps
qualquer pessoa ou quaesquer pessoas que, por
um pretendido motivo poltico, religioso, ou ou-
- tro qualquer, prelendessem perturbar a paz pu-
blica.
No maior dos aposentos achei urna cola de
recrea j)Bsupraqmr^ios. D-se-lbes ali li-
gao para aperfegoa-los na escripia, aprenden
de cit ora Mtiiemsmti, oads lhes i tatamente
explicado que o de ver para com o prximo, le-
va-lo tranquillameste mais prxima esligo, so
acaso perturba ello a ordem publica ; lova-lo em
lo torga no caso dalle resistir; dellar-llie angi-
nhos se elle se resellar com violencia.
cha ; fulmino foT om eterno analhema a he-
resia trumphate em Constantinopla, e soffreu
com urna heroica paciencia as perseguigoes, os ul-
iroges, o exilio, e terminou sua penivel, porm
gloriosa carrelra pelo martyrio.
Tal o quadro qe traga um historiador da
egreja do 'glorioso pontificado de S. Martinho i
uragos se ai pomas se recusaren) 6 andar; leva- (5 d Jul?o de 64916 de setembro de 655)."
Marliono era originario de Todi na Toscana ;
seus paes Ihe liuham dado urna educaco distinc-
la ; suas virtudes excedan) aioda os seus conhe-
cimenlos; a belleza de sua pessoa era como quo
a expresso di belleza de sua alma e o refiexo de
a No exercicio desle dever sagrado, e para ob-
ter este nobre trampho, setenta soldados desle
exercito da ordem foram gravemente feridos no
doze ltimos mezes que se acabam de passar.
Nao ser estranho que em presenca do que po-
dem fazer o bom accordo e urna muda unani-
midade para a conservarlo da paz de urna grande
cidade, exista urna assembla, quo ao nome s
da Irlanda, pronunciado apenas, mul de repen-
te cm arma de discordia e dependencias acerbas
Supponhamos que os membros da assembla
que alludo aqu, fossem nomeados agentes da po-
lica metropolitana de Dublin, conseguiran) elles
acalmar tao bem os espalos como o fazem o co-
ronel George Browo e seus policiaes, protestan-
tes e calbolicosf Antes de tentar assim a expe-
riencia do effeilo dos seus bellos discursos, pro-
-poria eu que os fizessem substituir, durante urna
sesso do parlamento, pelo coronel George
Browu e seus valen tes silenciosos ou lacnicos,
cuja humanidad e firmeza offereceriam um bel-
lo exemplo aos legisladores dos tres reinos da
Inglaterra, Escossis e Irlanda.
Ha em Dublin dezaseis eslacdes de polica,
-munidas cada urna de um sino, cojo sigoal basta
- para reunir em um momento dezaseis reforcos
em urna superficie de qnarenta e quatro milhas
quadradas, tudo islo sob a directo de dous com-
niissarios, um civil e outro militar, cuja reparti-
dlo est situada no palacio do lord lugar-tenenle.
< No deposito ou arsonal de policio, que est
situado tambem no palacio, vi diversos trophos
alcanzados pelos policiaes. Entre ellos notei o es-
tandarte tricolor olTerecido ao Sr. Haegher por
certas damas de Pars, de mui accommodada vir-
tude poltica, e que foi tomado em 1848 ; vi um
- Da escola dirigi-nie urna sala, onde vi sen-
tsrem-sc em derredor de urna mesa viute bellos
rapazes corados e do denles alvos, que jaula-
va ru urna porgo de batatas, cuja quanlilade pa-
receu-me bstanle para os fazor arrebentar. En-
sinava-se-Ihes nao s jantar bem, mas tambem
jantarem asseiadameote sobre urna toalha sem
nodoa, e a servirem-se de talher sem eoiporca-
Iharem o uniforme. Eram supraoumerarios que
com o sold de um schiling por da habituaram-
se urna nova exislencia o comecavam j com-
prebender que seriam tanto mais felizes quanto
melbor se portassem e constrangeasem portar-
se bem aquellos qu viviam sob a sua vigilancia.
< Anda aqu os membros das duas religides
msluravam-se em urna communho pacifica ; e
vendo desapparecer as hlalas que por um mo-
mento tinham coberio os pratos, difiicil seria ade-
viuhar se haviam sido devoradas por um catholi-
co ou por um protestante. Do facto, to fcil
entreter, sobre este ponto, a boa harmona dos
recrutas, que na sexla-feira os supraoumerarios,
como todo o resto do corpo de polica, janlam
peixe de muito livre vootade. Em urna palavra,
os preconceitos que os estadistas declararan) ser
completamente invenciveis, sao aqu mui fcil-
mente destruidos pelo proceaso da masligarao.
< Os quartos de dormir, assoalhados, eram sa-
dios, arejados, constantemente lavados e asseia-
dos por mos de mulher, porque sao ellas, mu-
lheres velhas alugadas pelo corpo de polica, que
se eocarregam desta tarefa. Depois de havermos
visitado muitai ordens de quartos, fomos aquel-
las onde dormiam profundamente uns cem ho-
mens com as jaoellas fechadas. Ksses cem ho-
mens eram os que tinham feito o serrino duran-
te a noite.
Abrindo a porta, e parando no limiar, vi dian-
te de mim, luz mortiga que vintia de fra, es-
tendidos os que dormiam entre lences, restau-
rando as forgas perdidas pelas vigilias e rondas.
Aqu e ali abriam-sc, peatanejando uns olhos,
que fecbavam-se de prompto vencidos pelo sora-
no. Aqu e ali levanlava-se urna cabera e con-
(emplava-nos com olhar espantado, mas cahia
logo sobre o Iravesseiro. Nao querendo incom-
modar mais estes pobres diabos, retirei-me lenta-
mente e sem ruido, deixaodo aquello que se ti-
nha querido levantar o texto de urna historia, na
qual contara elle seus cantaradas ter visto,
dormindo, o coronel seguido de um estranho cu-
rioso, que parecia desenliar-lhe o retrato em um
lbum.
Em urna bonita cmara pequea visitei um
sargento de primeira classe, que alm da mulber
e de urna filha de bella figura, possne urna sotu-
rna de 100 j, depositada na caixa econmica. So
bre a mesa vi urna volumosa biblia, e pensando
que o santo livro nao deixra de influir um pou-
co na economa do bom homem, fiz algumas
pergunlas que me deram em resultado saber que
os membros protestantes da polica de Dublin
possuem na caixa econmica urna somma egual
a 20,000 se.
Neuhum homem casado admittido no cor-
po ; ao depois, neuhum membro do corpo pode-
r casar sem que possa urna de 40 5?. Por-
tanto, a primeira cousa que deve ensinar Cu-
pido ao policial de Dublin, por de lado urna
moeda de 6 pences, o repetir por cem vezes a
mesma operacao, para poder obter licenca para
casar-se.
< A' polica metropolitana est addida urna
brigada de bombeiros, com urna magnifica bom-
ba de incendio, sob a direccao de um sargento
especial que tem s suas ordens quatorze bom-
beiros (lirados da polica montada) e vinle supra-
oumerarios para manobrarem a bomba.
Em urna das estaedes de polica (a de Chan-
cery-Lana) amiga e estreita ra em que outr'ora
residiam o promotor e o procurador geral, visi-
tei as casas de detencao (vilons) onde s um lo-
catario encontrei, cidado muilo bem visto, bas
lante conhecido do coronel Brown, que tinha t-
do a desgrana de embriagar-se de tal modo que
imposssirel lhe foi articular urna explicago. Ao
sen lado achava-se urna lileira de lona que serve
para trazer aquelles que a polica enconlra em-
briagados na ra ponto de se nao poderem
mexer.
Meuexame revelou-me um faeto ptecioso.
Os bebados, disseram-me, nao sao pouco nleis
para baoir do corpo de polica todo o sentimento
hostil que tivesse origem na differenca de reli-
giao, porque, como em sua demencia temporaria
atacam elles com egual violencia protestantes
e catholicos, os individuos atacados sao obrigados
unirom-se em mutua defeza; e assim que
por urna influencia providencial, o vicio e a bru-
talidade lazem nascer a virtude da tolerancia en-
tre os cam pedes da ordem legal.
sua castidade. Elle desde logo consagrou-se ao
servigo de Deus. A caridade para coro o prxi-
mo, seu amor aos pobres, sua vida mortificada, a
firmeza que mostrou como delegado do Papa em
Constinopla, o designaran) escolha do clero e
povo.
Foi elelto unnimemente, e Bao esperou o con-
sentmento do imperador para proceder sua sa-
grago, pelo que este mais aecusou-o de ha-
ver tomado o pontificado irregular mente e tem
fci; era accusa-lo de nao se ter subraettilo
urna pretengio injusta e de nao ter esperado o
consentimento de um imperador hertico para to-
mar o governo da egreja....
S. Martinho esteodeu sua solicitude todas
as parles da egreja onivtrsal. A Syria, a Pales-
lina e o Egypto, conquistadas pelos rabes mu-
sulmanos, eslava em urea desolago extrema.
Para nellas conservar a f, o Papa nomeou seu
yigario apostlico Joio, bispo de Pniladolphia
(ntiga capital dos Ammonitas), com ordem de
prover Incessantemeote as egrejas cahoiicas de
bispos, de sacerdotes, e de diconos orihodoxos,
e combater os herticos que apparecessem som-
bra da autoridade musulmana.
Estes fados, diz o abbade Rohrbacher [Historia
da egreja calholica. 1. XLIX), merecem urna re-
ligiosa attencao. O pontfice da cidade de Ro-
mulo ordenando ao pontfice da cidade dos Am-
monitas que eslibelega em seu nome pontfices e
sacerdotes do verdadeiro Deus as antigs regios
de Mezzaim, de Chanaan, de Ammon, de oloab,
de Hadian, de Edom, do Emath, de Aram, de
Assur ; as antigs conquistas de Alexandre, de
Cyro, de Nabucodonosor, de Sesoslris, de Nem-
brod ; de certo, eis um facto capital da historia
humana. De mais, estes tactos nos mostrara de
que maneira a jurisdcgo sacerdotal se commoni-
cava segundo os tempos, e qual era sua lote
nica.
Em virtude de seu primado os pontfices roma-
nos instituas) immediatamente os patriarchas,
e ao mesmo lempo lhes conferiam o poder de
confirmar seus sufragneos ;disciplina, que o
concilio de Nica reconheceu expressamente e
consagrou por seus caones. Mas quando des-
granados acontecimentos'vinham perturbar esta
ordem to sabia, quando levanlavam-se dissen-
goes, quando urna egreja pairiarehal se via priva-
da de pastor, equando motivos geraes nao per-
mittiam fazer cessar promptamente sua viuvez,
entao era do dever, bem como da prcrogativa da
santa s rehaver os direitos, que ella nao perde-
r cedendo-os, e exercer por si propria para o
bem da egreja a autoridade, que nos tempos or-
dinarios confia va seus delegados.
Entretanto S. Martinho ia ser victima da per-
seguido. Importa para a instruego de todas as
edades, para a conQrmago da f e da confianga
dos fracos, bem como para a gloria da egreja,
cootar esta perseguigo em suas particularidades.
O imperador Constancio tentara desde o prin-
cipio fazer com que o Papa S. Martinho se sub-
mettesse ao rescripto, (t) Nem as astucias, oem
as ameagas poderam conseguir isso, e pois elle
resolveu empregara violencia. Mandou Italia
como exarcha seu camarista Olimpio com estas
instrueges : Se poderdes assegurar-vos do
exercito da Italia, prendereis Martinho, que foi
delegado em Constantinopla. Se achardes resis-
tencia no exercito, flcae quieto al que sejaesse-
nhor da provincia e tenbaes ganho s tropas de
Roma e de Ravenna,
texto. Um de seus offlelaas Telo dizer ao
Papo:
V6s tendea preparado armas e podras para
defonder-ros, o tendee gente armada em vossa1
casa.
O Papa por nica resposla pedia aoe de Callio-
pas que visilassem todos os recantos do palacio
e da egreja, e que vhwem Se eocootravam armas
e pedras.
Elles roliaram sem torera achado cousa algu-
ma : disse-lhei o f apa,, entao :
Eis como sempre se tem obrado como oseo,
por meiode mentiras e calumnias. Quando Olim-
pio veio, tambem houve mentirosos, que pre-
tendan) que eu quera rechaga-lo mao ar-
mada.
Os de Calliopas se "foram com esta resposla.
Este nao procurava mais. Certo de que o Papa
nao poda defender-se, tornou-se mais atrevido.
Elle em pessoa chegou com gente armada, que
entrou na egreja sem repeito algum pela mages-
tade do santo lugar.
Calliopas apresentou aos sacerdotes e diconos
urna ordem do imperador para depr Martinho
como indigno e intruso, e envia-lo Constanti-
nopla.
O Papa enfermo eslava deitado porta da egre-
sa. Sem respeito sua posigio, o exarcha or-
deuou-lhe que fosse ao seu palacio. O clero bra-
dava :
Analhema quera disser ou escrever que o
Papa Martinho madou um s ponto na f Ana-
lhema quem nao perseverar at morte na f
calholica I
Calliopas diz :
Nao ha oulra f que nao a nossa, e vossa f
a minha, mas sou obrigado etecutar as ordens
do imperador.
Algons membros do clero insisttam com o Papa
para que elle resistisse ;
Antes quererei, responden elle, morrer
dez vezes do quo causar a morte de urna s
pessoa.
E transportou-ae ao palacio do exareha depois
de haver pedido come nico favor que lhe fosse
permittido levar comsige para acomnpoha-lo os
membros do seu clero, que elle designosse,
favor que lhe foi logo ostensivamente conce-
dido.
Desde entao Calliopas aneditava em ilhtir os
effeitos desta coneesso.
No da seguinte todo o clero veio (18 dejunho)
visitar o Papa no palacio do exarcha. Um gran-
de numero de clrigos e leigos se tinham prepa-
rado para embarcar com elle e j tinham embar-
cado os seus trastes.
Mas na seguinte noite pela meia noite tiraram
o Papa do palacio e fecharam rodos os do ses-
quito, assim como diversas corteas que eram ne-
cessarias para sua viagem ; apenas deixaram-lhe
tres criados muito joveos e urna- quartinha de
agua.
Assim fizeram-o sabir de Rom-a ; e fecharam
logo as portas da- cidade para qoe ninguem po-
desse segui-lo, e levaram-o um* barca que es-
tar no Tbre.
O Papa e seus eascereiros chegaram Porto na
terga feira 19-de janbo pelas dez horas da ma-
ntisa ; sahiram d"abi no mesmo da e chegaram
Micenas no 1 de j.ulho.
D'ahi par lira m para a Calabria, e- depois para
algumas ilhas, onde demoraram-se tres mezes.
Emfim chegaram ilba de Naxos, onde ficaram
um anno.
O-fim dos- perseguidores era sem duvida, ou
desembaragarem-se-do Papa, ou abatersua cons-
tancia ; porquanto- durante esse lempo todo S.
Mwlinho foi accommettido de urna enfermidade,
que nao lhe deiiava repouso nem de noite, nem
de dia, e nenhum alivio lhe ministravam. Ape -
as permittiram-ltte tomar dous ou tres banhos
e-n> Naxos e habitar urna casa da cidade.
Todo uado abl !" wooido per ordem
do imperador. S. Marlidho te' ?' M trans-
portado em urna cadeira, potajo* a uPPoga nao
lhe deixava forgas para cammha?/ Ma# 0 chan-
cellar por om requinte de crueldade ofdenoa-lhe
que se conservasse de p, e como atattinft nao
pedia faze-lo por causa da grande fraquoia]Dze'-.
ram-o sustentar dos dous lados por uldado..
17,- r '
Entao comegou o inierrogaiorio do rigario de Ja-
sas Chrislo.
Dize, raisettirel, ?sclamou o chauheller,
presidente da assembla, quo mal ti fez o impe-
rador; conQscou leus bens? Opprimio-ti por
meio de violencia?
O vigario de Christo nada respondeu ; os fados
fallavam bastante alto.
Nao respondes, proseguiu o chancellar
colrico; leus secnsadores vao entrar.
Esses aecusadores erara em numero de vinte,
pela mor parle soldados,ou pertencendo escoria
do povo. Martinho eslava perante um tribunal
de um novo Caiphaz.
Sao estas asteslemunhas? diz elle rindo se;
este o rosso processo ?
Depois, como mandavam-os jurar sobre os
evaogelbos.o homem justo, tocado de compaixao
por suaa almas, voltou-se para os magistrados e
disse-lhes :
Eu vos rogo em nome de Deus que nao
lhes fagaes prestarem juramento; digam oque
quzerem, e vos meamos fazei o que vos foi or-
denado. Que necessidade ha de que elles per-
cara assim suas almas ?
A primeira das testemunhas falsas exelamou
designando o papa com o dedo :
Se elle tiresse cincoenla cabegas, merecera
perde-las por haver conspirado no occidente
contra o imperador de commura accordo com o
exarcha Olympio.
Perguntaram ao papa se assim era.
Se queris ouvir a verdade, eu vo-la direi,
respondeu S. Martinho. Quando o rescripto fui
feito e enviado pelo imperador........
Nao nos fallis aqu em f, exelamou o
prefeito Troile ioterrompendo>-; aqui s se trata
do crime de estado. Somos todos christios e
orihodoxos, os Romanos e nos.
Praza Deus l diz o pontfice,, todava no
terrivel dia de juizo eu darei testemunho contra
vos respeito dessa f.
Porque, perguntou-lhe depois Troile, porque
quando vieis Olympie trahir ao imperador, nao o
deviasles- disso ?
En'.o o santo pontifica interrogo tambem o
juiz, qoe lhe censura-va faltas de outrem, que
elle nao tinha podido impedir, lembrando-lhe
factos conbecidos de todo o mundo t
Dizei-me, senhor Troile, quando Jorze,
principio mongo e depois magistrado, veio aqui
do campo, e-fez o que sabis e o que ouvimos
dizer, onde estaveis vos e aquelles que eslo
com vosco Nao s nao rasististes, meo aioda
vos fez um discurso e e&pellio do palacio -quem
quiz. B quando Valentn) se revest cora a
purpura, por ordem do imperador, e sentou-se
com elle,, onde estaveis vos? nao estaveis
aqui 1 penque nao o- impedisles ? porque
ao contrario lomastes seu partido? E eu,
como poda eu resistir Olympio, qoe tinha
todas as forgas da Italia? Fui eu quem o fez
ex archa ? Mas, eu vos conjuro, em nome de
Deus, fazei quanto antes oque tendes resolvido
de mim, porque Deus sabe que me procuraos
urna grande recompensay qualquer qoe-seja a
morte de que me fagaes morrer.
Haviam anda algumas testemunhas, que falla-
vam ser ouvdas; mas os-juizes, quem emba-
eslandarte negro, com a harpa symbolica da Ir-
landa em um campo braceo ; outro estandarte ne-
gro agradavelmente ornado com os nomes de
Fome e peste; langas de todas as especies para
cortar bridas, estropiar cavallos, espetar protes-
tantes, etc., etc.; emfim, nm crneo humano que
durante os processos polticos de 1848 havia sido
suspenso na argola da porta da casa do Sr.
Kenns, promotor publico, como advertencia sa-
lular.
Obaervei tambem urna escolha de armas pa-
ra o uso da polica, nos casos em que os simples
bastoes de policiaes sao recoohecidos insuficien-
tes ; estas armas sao espadas, facas de marinhei-
io com puoho de ferro, e emfim como o remedio
mais heroico da pharmacopa da ordem publica,
davinas de canos oscuros.
Na veatlaria acham-se amontoados capotes
para a noite, calcas para o invern, chapeos de
couro envernizado o colchoes feitos com a fibra
da palmeiu das Indias.
Do palacio, residencia do rice- rei, tevo o co-
ronel Brown a boudade de acompsnhar-me ao
palacio velho do bispo, boje estabelecimento
principal da polica, que consiste em urna serie
fie aposentos rodeados de urna alta mnralba.
c Em ama estrenara, tao asaeiada o posso zer tao elegante como oulra nenhuma aristocr-
tica em Londres, vi Tinte cavallos de raga para,
pertencenles ao destacamento de polica monta-
da, cada homem do qual perfeilamenle exerci-
tado no manejo das armas de cavallaria.
< Os arreios de quatro dess compridas car-
ruagens que, em Dublin como em Londres, ser-
ven) para transporte dos presos aos Iribunaea de
polica, e dos tribunses priso, achavam-se lio
cuidadosamente limpos e envernizados, como se
pertencessem i equipsgens de algum grande se-
nhor.
c Tendo assim completado a minha visita e
tomado minhas notas sobre todas as minuciosi-
dades do estabelecimento, s me restava assistr
inspeceo dos homens, que o coronel ia fazer
nesse pateo quadrangular do palacio de Dublin,
no centro da qual desdobra-se o estandarte in-
glez. era derredor de urna baste de alabarda, que
sustenta urna sentinella.
A diviso que ali vi perfeitamente em linha,
formava um corpo admiravel de bellos homens,
cojo uniforme e pouco mais ou menos egual ao
da polica de Londres; trazem egualmeote o cha-
peo de feltro prelo, cuja base superior e de
couro enveroisado, fraques azues de botdes pra-
loados, golis pretas, caigo azues, cintos de cou-
ro prelo, luvas brancas e botas. A nica peque-
a differenga que pude observar foi que os alga-
rismos o as letras que indicam a diviso e o nu-
mero de cada policial sao de galo branco em
Dublin e nao de algodo da mesma cor, como
em Londres.
< Sea asseio, porle e garbo militar, a regulan-
dade de suas marchas e contra-marchas no pateo,
tudo nellas indica va a seguranea que a disciplina
accrescenta forga physica.
(Revista Britannico.)
da
S. Martinho I, Papa e niarlvr.
Eram grandes as difflculdades no tempo
morte 4o Papa Tbeodoro. Oachristios da Syria,
da Palestina e do Egypto, sujeitos ao dominio dos
Mahometanos, viam a mor parle de suas egrejas
sem pastores legtimos. Em Constantinopla ama
heresia, creada pelos patriarchas e sustentada pe-
lo poder imperial, ameagava perverter o Orient6
cada vez mais. Condemna-la immediatamente
seria atlrahir contra si a vioganga de um principe
que s tinha por lei o seu capricho, por poltica
astucia e a violencia ; setia procurar persegu-
ges, ultrajes, o exilio e talvex a morte.
A alma do novo Papa mostrou-se maior do que
as difflculdades. Para salvar as egrejas desoladas
do Oriente, elle estabeleceu nellas vigarios apos-
tlicos, com ordem de prov-las da bispos e sas
cerdotes, esperando poder-lb.se dar um patriar-
Olimpio chegou quando o Concilio eslava reu-
nido. A' principio elle teotou dividir em seus
esforgos, recorreu traigo: seu escudeiro devia
dar no Papa no momento em que o pontfice lhe
apresentasse a communho na egreja de Santa
Mara Maior.
Deus nao permittiu que se realisasse este exe-
cravel designio. O escudeiro estara prompto ;
mas, como depois elle garantiu com juramento
muitas pessoas, foi accommettido de cegueira, e
nao viu o Papa quando veio dar e communho ao
exarcha.
. Olimpio, reconhecende a inlennao do cu foi
'angar-so aoa ps de S. Martinho, coofessou-Uu
ludo que se passra, sollicilou seu perdi, obte-
ve-o, e passou para a Sicilia com seu exercito
para combater os Sarracenos (rabes), que j ahi
se haviam estabolecido. Nesta expedigo viu el-
le morrer a maior parte de suas tropas, o auc-
cumbiu urna enfermidade algum tempo depois.
O mu xito de urna primeira tentativa niodes-
viou o imperador Constancio de seus criminosos
projectos. Theodoro, donominado Calliopas,
foi mandado om lugar de Olimpio com ordem de
apoderar-se da pessoa do Papa. Os inimigos de
S. Martinho tinham o cuidado, como sempre fi-
zem os malvados, de colorir suas criminosas
emprezas com especiosos pretextos. Elles aecu-
savam o santo pontfice de nio honrar Virgero
Mara como me de Deus, e invertiam contra el-
le os propros actos, que lhe traziam mais honra.
Assim, sabendo Martinho dos estragos causados
na Sicilia pelos Sarracenos, enviara grandes som-
mas de dinheiro para comprar os prisieneiros ca-
bidos em suas mos : aecusaram-o de ter feito
passar thesouros aos Mosulmanos para ajuda-los
na guerra, que faxiam ad imperio. Martinho por
tasto era um hertico e um traidor, e o impera-
dor obrava smente no interesse da f e do im-
perio.
Calliopas chegou i Roma 15 de juoho de 653.
S. Martinho sabendo do que se trama va contra
elle retirra-se com o clero para a egreja de
Latro.
Eslava elle doenlo, quando o exarcha chegou.
Em vez da apresentar-ee elle como era de coa-
tume, Martinho apenas pode enviar-lhe algans
membros do clero. O exarcha, que julgava o Pa-
pa com elles, recebeu-os em seu palacio; maa
vendo que o Papa ahi nao eslava lhes disse :
Desejavamoa aauda-lo, iremoa v-le ama-
nbia.
Al enlo elle nao sahira do navio, que era sua
priso, ainda que aquelles que o conduziam
viessem muitas vezes ierra para descan-
saren).
Os fiis da ilba de Naxos, commovidos com as
angustias do Pontfice, enviaram-lhe em grande
quaulidade todo- qne lhe podia ser necea-
sario.
Mas todas as vezes que chegaram estes presen-
tes, os guardas roubavam tudo- aos proprios olhos
do Papa, que elles ao mesmo- tempo cobri&m de
injurias.
Tambem maltratavam aos quo traziam os pre-
sentes, diaendo-lhes :
Todo aquella que ana este homem man-
go do imperio.
Estes ultrages eram nsak sensiveis- ao Papa do
que as dores da enfermidade.
De Naxos transporlaram-o pata porto de Aby-
dos, d'oode seus guardas mandaran Constanti-
nopla a noticia de sua chegada, tralando-o de
heretico.de ioimigo de Deus e de rebelde, que
subleva va todo o imperio : os testemunhosde ve-
ne ngao que os fiis lhe davam eram imputados
como crime.
O santo pontfice s chegou Constantinopla
17 de setembro de 654. DeixaramrO no porto
desde a manha at as quatro horaa da tarde,
deitado no navio em nm catre, exposto om es-
pectculo todo mundo.
Muitos insolentes, e at pagaos,'se approxima-
vam dalle e o insultavam. Um escriba, chamado
Sagolevo, veio afinal com muitos guardas. Ti-
raram o Papa do navio, carregaram-o em urna
padiola, levaram-o urna priso chsmada Pran-
dearia, e Sagolevo prohiba que se Qzesse saber
que elle ahi eslava.
O santo flcou pois encerrado nessa priso, sem
communicago com pessoa alguna dorante no-
venta e tres das, islo desde' 17 de setembro at
15 de dezembro.
Ha de S. Martinho duas cartas, que foram pro-
vavelmente escripias nessa priso. Na primeira
elle se justifica de todas as aecusagoes feitas'coa-
tra ella. Na segunda conta como foi roubado
d'entre os seus, o que soffreu na viagem e tr-
mica assim :
Fazem quarenta e sote diss que nao tenho
podido obter lavar-me, nem com agua quente,
nem com agua fra. Estoa de todo extenuado e
O dia seguinte era um domingo. A misss foi regelado, tenho o corpo inleiramenle quebrado,
celebrada na egreja de Latran, e povo concorrea e quando quero lomar alimento nao tenho aquel-
em multido. i* 1ue podera fortificar-me, e estoa eompleta-
;', ..j.... -, -. mente enfastiado do qae tonho. Mas espero eso
Calliopas temeu rnscar-se no aeio dessa gen- .,,,,<.. T ... ..
. ZiTa.. al*. p... Deus 1ue lua T* luwdo Ello me ttver tirado
te, o^mandou di er ao Papa, peraegutm
c Estou to fatigado da viagem. que nao posso k-1m nenilencia
tos i verhoje; mas amanhiairei langar-me aos "" g" M WMtacu.
ps de Vossa Santidade. \ Sublime caridade do santo Papa, cuja mais
No dia seguinte elle inventou um outro pro- doce esperanca 6 ver seus inimigos anependidos
*.......> Q-e ieuj crimes 1
Na sexla-feira 15 de dezembro de 654, pela
manha, tiraram o santo-Pontfice da priso, e
levaram-o casa de Boucoleon, chancelier qu
po tbetouwiro,
(11 Este rescripto foi publicado em 648 para
impr silencio egualmeote aos catholicos e sos
monothelilas. S. Martinho foi exilado per havsr
condemnado o rescripto do imperador.
(Nota, 4o traductor.)
ragavam ae-rospostas do- papa, disseraca que
eram j bastante. Como o papa exprimia-se em
lalim, um interprete verta para o grego. As
palavras eram to pouco agradaveis aos-juizes,
que o chancelier disse furioso ao interprete :
Porque traduzis essas palavrast! Nao di-
zei-uos o que elle diz 1
E' assim que esses juizes- procuraran) saber a
verdade.
O chancelier levaotou~se, dirigio-se ao impe-
rador, e referio-lhe o que quiz. Fizeram aahir
o santo pontfice da sala do conselho, sempre
carregado-em urna cadeira, e deixaram-o no pa-
teo que esteva frontoifo, junto daa-catallarigas
do imperador, no meio de urna multido ira-
mensa, que esperaua que o chancelier vol-
tasse.
Os guardas que cercavam o papa coatinbam
essa multido. O imperador desejou vs-lo pelas
jelosias de sua sala de jantar; levantaran) o
veneravel velha em presenca de todo o senado,
sustentando-o dos lados, e o tiaamno pode con-
templar sua victima no meio de urna multido
que cada vez tornava-se mais eonsidesavel.
O chancelier sahio enlo da cmara, onde es-
livera Cazendo seu relatorio, e rompendo a mul-
tido, veio dizer a S. Martinho:
Ve como Deus ti enlregou em oossas mos.
Trabalhavas contra o imperador, com que espe-
raaca? Abandonaste a Deus e Deus ti aban-
donou.
Ento elle ordenou um de seus guardaa que
rompesse a capa do Papa e q > arrancasse as
correias de suas sandalias O depois entregotv-e
as mos do prefeito de Constantinopla, dizen-
do-lhe :
Tomai-o, senhor prefeito, e fazei-o. em
pedagos.
E ordenou i todos os sssistentes que aoathe-
matisassm o papa ; mas apenas houve algumas
vozes que Se ergueram ; os outros sabendo qae
ha no cu um Deus que tudo v e que vinga tar-
de ou cedo oe ultrages feitos seus servos, abai-
xaram a cabega, o retiraran)-se acabrunhados de
tristeza.
Entretanto os algozes apoderaram-se do santo
pontfice; tiraram-lhe as vestes sacerdotaes e
despojaram-o de todos os seus vestidos, excep-
gao de urna nica tnica sem cintura, a qual
rompern, dos dous lados de cima a baixo, d
sorte que se via o corpo n. Pozeram-lhe ao
pescogo urna argola de ferro, e assim arrasu-
ra m-o pelas ras da cidade desde o palacio at a
pretorio para mostrarem que elle eslava condem-
nado morte. Diante dolle levavam a espada,
com que diviam executa-lo.
O poniitlce no meio de lanos soffrimentos
conservava om rosto sereno e os ultrages dexa-
vam-o to tranquillo com se eatiresse em urna
assembla de piedosos fiis. Alguos miseraveis
regosijaram-ao e insultavam-o saco diodo a
cabega.
Ood est o seu Deus, diiiaoa ellas desa-
tando a rir? onde est sus f? onde est sua
doutrina ?
- Porm a massa do povo permaneca mergu-
Ihada no pasmo; nunca imperador algum chris-
to tinha ainda ultrajado assim ao Vigario de
Jess Christo,a barbaria paga apenas podra
egualar tal crueldade.
Quando o papa chegou ao pretorio carrega-
ram-o de cadas, e jogaram-o na priso onde
eram encerrados os ladros e aasaaainoa:urna
hora depois transferiram-o para ama outra cha-
mada de Diomede. Arrastavam-o com tanta vio-
lencia, que aubiodo os degros qoe eram altos e
grossos, elle quebrou as pernas e ensaugueniou
a escada : elle pareca quasi dando a alma
Deus, to fraco eslava I
Entrando na priso cabio muitas vezes. Sen-
taram-o em um banco, encandeado, carregado
de ferroa, morrendo de fome e de trio; e ahi o
deixaram quasi nm da intairo sem comer, tendo
sraenle seu lado um joven clrigo, que o
acompanhra e que se lamen Uva, e o carcerei-
ro, aempre ligado com elle conforme o oso dos
Romanos. Duas mulheres,mi e filha,que
guardavam a chave da priso, commovidas de
ama tal miseria, bem queriam dar ao pontificice
ama morada asnos horrvel, mss nao o usa vam
lazel-o por causa do carcereiro; alm da que
espetaran ver chegar de um morjqenlq para,
outro a ordem, da eieouclo,
No nm de muitas horas um offlcial chande) so
carcereiro. Apenas deseen este as escadaa um
deseas mulheres csrregou o Papa moribundo.
detteu-o em ama eama e embrulhou-o o melhor
que pode para aqswce-lo. Mas elle flcou at i
larde sem recobrar o uso da palavra. Ento man-
da rara S. Martinho a m pon co de alimento. O
official encarregado desta commisso disse-he :
- Nao suecumb vossas penas; esperamos
que Deus nao permitlir qne morraes^
O sonto pontfice, que dosejava o rartvrio, fl.
coa Huiro afflicle ao ouvir estas felavrs. Ti-
rar ample immadialamente os ferros.
Entretanto o pslriarcha Paulo, cansa principal
desta perseguigo, cahira doente e nao tinha mais
speranga de cura. O imperador foi v-lo, ejul-
gando causar-lho prazer narrcu-lbe de que ma-
neira fra o Papa tratado. Palo dando m pro-
fundo gemido exelamou, voltaado-se para a pa-
rede:
Desgranado de mim I Islo ao far mais de-
que augmentar minha condemna-go.
O imperador pergunlou-lhe pos qoe falUva as-
sim.
Senhor, responden elle, nao urna cousa
deploravel tratar a um pontfice desle modo?
E pedia instantemente ao imperador que se
coolentasse com o que o Papa j tinha soffrdo.
S. Martinho ainda soube disto con magua,
por que via-ge frusUdo da coroa de toarryr que
elle se preparara ganhar.
Paulo morreu; Pynho, o antigo patriareba,
que eslava ento em Constantinopla, esperou-po-
der galgar sus sede. Mas ceosuraram-lbe a re-
tratago, que fizera as mos do Papa Theodoro.
Como os espirilos se esqueotavam nesta occa-
sio, sustentando Pyrrho que elle sempre fra or-
ihodoxo e os outros sustentando o conlrano, o
imperador quiz saber com certeza o que se pss-
srs em Roma o mandou Demostbenes, fiel do
chancelier, com um secretario-, para interrogar
S. Martinho em sua priso. Estabeleceu-se o
seguinte dialogo entre o santo pontfice e o fiel
do chancelier ;
Demostheres. Vede que glora cheg-aaies, e
que estado cstaea reduzido I SoU ros- irareamen-
te a causa de vossa to triste situago.
O papa. Gloria e aeges de ragas por todas as
cousas ao nico rei immortall
Dehostberes. O imperador quer saber de vos
o que se passou aqui e em Roma respeito* de
Pyrrho, ex-patrarcha. Para que Cm foi elle-
Roma "' Foi por ordem de alguem, o de sea
motu-proprio?
O papa. De seu motri-prepro.
Demostbb!*e3. Como fez elle esse Hbel'.o [de
retraligo?) Foi obrigado a isso ?
O papa. Nao ; elle o fez de sua propria ven-
tado.
Demosthenbsv Como receben Pyrrho e Papa
Theodoro, quando aquello foi Roma? Como
bispo?
O papa. Como pois o teriar elle recebido, visto
como antes que Pyrrho viesse Roma, Theodo-
ro' claramente escrevra Pauto que elle nao fi-
zera bem ero usurpar a sede de ouirera ? Depois
vindo Pyrrho it orna langar-se aos ps de S. Pe-
dro, como podia elle deixar de soeeerrS-lo e hon-
ra-lo eomo biapo ?
Demdsthenes. E* verdade; me d'onde havia
elle a subsistencia ?
O papa. Sem duvida do palacio- patriarchal de
Roma.
Demosthenes. Que pao lhe davam ?
O pap&v Nao cooheceis a egreja romana. Quem
lhe vae pedir hospilalidade, por mais miseravel
que aeja, do-lhe todas as cousae necessarias ;
S. Pedro nao regeita pessoa algum a, Devam-lhe
pao alrissimo, e vinhos de diferentes qualidades,
nao s para elle, como tambero para os> seus.
Porahijulgae como deve ser tratado-um bispo.
Demosthenes. Disseram-nos que- Pyrrho-fez o
libello torga; que lhe pozeram embanco* e fi-
zeram-lbe soffrer muitos males.
O papa. Nada disso fizeram. Tendes-em Cons-
tantinopla muitas pessoas-,. que estavam entao em
Roma e que sabem o que-se passou; ellas pode-
ro nstruir-vos, se que nio as impede o temor
de dizer a verdado. Tendes entre outros- o pa-
tricio Plaiio. que era exarcha e que mandou seas
soldados Pyrrho. Mas para que tantas-pergun-
las ? Eis-me em vossas mos ; aaei de rcin o
que quizrrdes. Quando me fizerdes cortar em
pedagos como foi ordenado ao prefeiio, eu nao
commuoicaria com a egreja de Coostantinopta
Ainda se falla em Pyrrho-, Untas vezes- deposto
esnalhematisado?
Assim, e corajoso pontifico nao tema- ditos a
verdade, ainda que bem soubesse que- ella devia
irritar contra si Pyrrho, que para agr lar ao mo-
nothelilas imputara ao coostrangimonto o vio-
lencia a reirataco, que- fizera outr'ora- de seu
motu-proprio.
Demostbenes, admirado de urna UVconsUnoi,
relirou-se depois de ler feito escrever a resposla
do Papa.
S. Martinho flcou perto de tres mezes na pri-
so de Diomedea at 10 do margo do 655.. Enlo
o escriba Sagolevo veiu dizer-lhe:
Tenho ordem para vos- transfer para rainha
casa e para mandar-vos dentro em dous das para
onde o chancelier ordenar..
O Papo perguntou onde queriam leva-es maa
Sagolevo- recusou dlzes-lh'o, e nao lhe qaiz piar-
mittir ficar na priso at o. dia de sen exilio.
Pela larde disse o santo aquelles que estavam
seu lado:
_ Vnde, meua iemos, digamo-nos adeus,
vo tirar-me d'aqui.
Entso-cada umdelle bebern nm gole-do vi-
nho. O Papa sempre calmo e eheio de- coasUn-
cia, disse um dos- assistentes quem amara
mais do que aos outros :
Vnde, meu irmao e dav-me-o beijode paz.
Este, que apenas podia reter os suspiros, dea
um grande grito, e todos pozeram-s a chorar o
lamentarem-se. O veneravel ponMace-, olhaii-
do-os com um rosto sereno, censoxoa-lhes do-
ceraenle esta fraquaza, a- pondo a aso sobro a
eabaga do primeiro, disse :
Tudo islo bom, meu irmio-, tudo isto
vantajoso. Por que esses. choco lamentagoes ?-
antes devereis rigosijar-vos da que me acon-
tece.
Este respondeu :
Deus o sabe, servo de Christo; eu me reg-,
sijo com a gloria qae Deas- vos prepara, mas me
aflujo com a perda de tantas ootras.
(CoN(tnuar-se-Aa')
Variedades.
UM JUIZ ENFORCADO.
Era Leaksville foi ha pouco enforcado iti jo-
vea magistrado, por haver assassinado urna mu-
lata quem seduzira.
Williams que era muito rico, moito elegante,
e de extraordinario talento, era sempre arrasiado
pelas paixoes amorosas, e muitas donzellasda
Leaksville, onde exercia importantes funegoeeju-
digiaes, tinham sido victimas de sua aedueco.
Cegamente enamorado da formoss mulata Peg-
gy Resly, fez esforgos superiores para seduz-ia.
at qae o conseguiu, abandonando-a depois.
A rapariga apaixonada por elle, persegua-
continuamente com suas queixas e os seus zesos.
Um dia entrn em casa de Williams e nao
sshiu.
Comegaram correr tristes rumores sobre a
sua deiapparioo, e em casa do magistrado foram
encontrados aire as cintas os restos le ossoa
humanos e porgoes de cabellos, que se> conheceu
ser de Peggy.
Momentos antes de morrer jurou Williams no
cadafalso que morria nnocenla: u que ls ap.
parencias que o condemavam eram taes qae se
elle tivesse feito parte do jury dara o sea vota
conde amatorio.

O GRANDE THEATRQ DE MOSCOW.
A casa do grande theatro do Moscow, construi-
da por Alberto Cabos, arebitecto da corte da
Russia, urna das mais vastas e perfeitas da Eu-
ropa.
Acora moda sem o menor constraogjmento
2,300 espectadores.
Tem 5 ordens de esmerles, e ama outra forr
mando orna galera : 17 Ordens de cadeiras ceta
passagens espagosas, completara com a platea, o
todo da casa.
Junto i cada camoroU ha nm gabinete ou sa-
la onde os espectadores podem retirar-se nos en-
tro-actos.
Cada camarote accommoda i rontade 8 pes-
soas e de todas as partes o efteito d'optiqa n-
cellentf,
[Naeao).
rt
* PMN.^IYP.DKM.F. DIAWA,r48,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIW94KVLM_1E47BA INGEST_TIME 2013-05-01T01:15:17Z PACKAGE AA00011611_09253
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES