Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09242


This item is only available as the following downloads:


Full Text
f
1110 XIIT1I IDU10 40
Per tit* aeies adianUlos 5j0d0
-Ptr tres sues vencidos 6J60O
SEGOIB mu 18 1E EgfflEUO H ttlt
Per ni* atoii., f 9|000
Parle (ranchar a sabaati|tor.
XCARRB6AD09 DA SUBSCRIPCAO DO NORT *
Parahiba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima ;
alai, o Sr. Antonio Marques da Silra ; Araea-
ty, o Sr. A, de Lemas Braga; Cetra o Sr. J. Jos
de Oliveira; Maranho, o Sr. Maooel Jos Mar-
tina Ribeiro Guimaraes; Para, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
PARTIDAS DOS CUKItEiS.
Olinda lodos os dias as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goianna e Parahiba as segundas e
seitas-feiras.
S. Aoto, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho e
Garanhuns as tergas-feiras.
Pao d'Albo, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Iogazeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Fx oas quartaa feiras.
Cabo, Serinhaem, Rio Formoso, Uoa.Barreiros,
Agua Preta, Piraenloiras e Natal quintas feiras.
{Todos os correiospartem as 10 horas da manha]
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVEREIRO.
2 Quarto minguanle as 7 horas 40 mnalos da
manha.
9 Loa ora as 5 horas e 45 minutos da larde.
17 Quarto crescente as 10 horas da tarde.
25 La cheia as 2 horas e 23 minutos da man.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 11 horas e 42 minutos da manha.
Segundo as 12 horas e 6 minutos da larde.
DAS DA SEMANA,
18 Segunda. S. Theetonio prior da Santa Cruz.
19 Terga. S. Conrado f. ; S.Gabino m.
20 Qaarta. S. Eleuterio b. m. : S. Nicolao b.
2f Quinta. S. Maximiano b ; S. Angela de M.
22 Sexta. Os myslerios da Pcixio de J. Christo
23 Sabbado. S. Lzaro monge; S. Milburges t. ('
24 Domingo segunda da quaresma. S. Mathiasapi
LUU1KNUAS UUS TRIBNAB DA CAPITAL.
Tribunal do commercio ; segundase quintas.
Relago: tergas, quintas e Abbados as 10 horas.
Pazenda : tergas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo d commercio : quarlas ao meio dia:
Dito de or>hos: tercas e sexta as 10 horas.
Primeira tara do civel: tergas e sextas ao meio
Via.
Segunda van do civel: quarta* e sabbados a i
hora da larde;
ENCABREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL*
Alagoas, o Sr. Claudioo FalcoDas; Baha
Sr. Jos Martina Arres ; Rio de Janeiro, o Sr
Joo Pereira Martina.
EM PE1NAMBUCO.
O proprietsrie do uaaio Manoel Figneiroa do
Paria.na sua livraria pra^a da Independencia ns
6e8.
Achando-se estabelecida
urna agencia para a entrega
deste Diario, na estago da via
frrea de Ipojuca, convidamos
s pessoas alli residentes, que
qnizerem assigaar. de envia-
rem seus nomes livraria da
praca da Independencia.
Igualmente convidamos aos
nossos assignarttes, que rece-
berem o Drario em outras lo-
calidades, e morarem alli, que
avise m a mesma livraria, am
de se fazer a transferencia.
PARTE OFFICIAL
ministerio, do Imperio.
Decreto n. 2,727 de 16 de Janeiro de 1861.
Proroga por tres annos o praso do privilegio ex-
clusivo concedido a Anacalo Fragoso Rhodes
por decreto n. 638 de 5 de dezembro de 1819.
Attendendo ao que me representou Anacido
Fragoso Rhodes, hei por bem conceder-lhe por
mais tres annos a prorogago |do privilegio ex-
clusivo que Ihe foi concedido por decreto n. 65$
de 5 de dezembro de 1819 para s elle fabricar
vasilhas de sua invengo, segundo o modelo
apreseotado, e cujos pregos nao excedero a 5$,
destinados a condcelo de materias fecaes aos
lugares marcados para receb-lis, da qual se
lhe passara a competente carli 003 termos e com
a clausula da carta de lei de 28 de agosto de
1830.
Joo de Almeida Pereira Filho, ministro e se-
cretario de estado dos negocios do imperio, o
tenha assim entendido o faga executar. Palacio
do Rio de Janeiro, em 16 de Janeiro de 1861, 40
da independencia e do imperio. Cora a rubrica
de S. M. o Imperador. Joo de Almeida Pereira
Filho.
3a secgo.Rio de Janeiro. Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 26 de Janeiro de 1861.-
Illjn. e Exai. Sr.Foi presente a S. M. o Impe-
rador o officio de V. Exc. n. 102 de 5 de oulu-
sem ser pelos meios que a constituigo reco-
nhece?
E o mesmo augusto senhor, lendo-se confor-
mado por sua immodjg}. resolugo de U do cor-
rente mez com o parecer da secgo dos negocios
do imperio do conselho de estado exarado em
consulta de 24 de dezembro ultimo, ha por bem
mandar declarar o seguinte :
1 Que, sendo em 1856 o dito eidadao official
do exercito do servigo activo, nao podia ser em-
possado dos cargos de vereador ejuizde paz. pa-
ra que fra eleito, visto que, segundo o decreto
eleigo partencia turma dos supplenles; o quo
nao tere lugar, visto que elle nomeou ura se-
ment, e este com os dous j eleitos pela turma
dos eleitores pelo juiz de paz nomeou o V
mesarlo, o que de certo contrario s instruc-
Ces annexas ao decreto n. 1,812 de 23 de agos-
to de 1856.
2." Que tambera nulla a eleigo de Toreado-
res e juizes de paz a que se procedeu no curato
da Boa-Vista, visto ter feito parte da mesa o ca-
pito Quirino Ribeiro de Avellar Rezende, que,
nao estando alli qu.ali0.eado, nao liona urna das
de 25 de junho de 1831, incompativel o exer- qualidadesde eleitor, o nao podia portanto, vis-
cicio simultaneo do servico militar com o das
funcges municipaes: mas, tendo elle sido pos-
teriormente reformada no posto de coronel, dei-
xando assim o servico activo do exercito, e nao
constando que esteja militarmente empregado,
cessou o legitimo impedimento que obslava ao
exercicio dos referidos cargos; alm de que a
doulrina do aviso ti. 36, de 8 de margo de 1847,
em quo se fuodou aquella cmara municipal para
nao ompossar dos ditos cargos ao referido cida-
do, nao altera o portara n. 207 de 6 de margo
de 1847, cuja disosigo explicou e nao compre-
heude a hypothese actual, visto como o eleito
nao pedio nem foi escuso dos cargos; deixou
apenas de exerc-los por impedimento legal, quo
podia cessar cora a reforma ou demisso do ser-
vigo do exercito, como se verifico depois. Quan-
lo mudanga da parochia, os atlestados offere-
cidos pelo presidente da dita cmara nao cocsti-
tuem prova sufflciente que possa destruir a pre-
surapgo da cootinuago do domicilio estableci-
do pelos documentos produzidos pelo eleito.
2o Que sera duvida nenhuma lei existe que
obste a que o militar seja eleito, maso exercicio
dos cargos de vereador e juiz de paz nao se pode
realisar emquanto o militar for etfectivo, cono
se decidi ltimamente pela portara desle mi-
nisterio dirigida Illm. cmara municipal em
16 de dezembro prximo passado.
3 Tomado o quesito de V. Exc. na generali-
dade em que concebido, a solugo deve ser
negativa, visto que inquesenavel que o go-
ta do art. 5o das citadas inslrucgdes, ser eleito
membro da mesa. Esta irregularidade envolve a
pretericao de urna formalidade substancial, e co-
mo tal nao pode doixar de affectar a validada da
eleicao.
Cumpre portanto que ^. Exc. mande proceder
nos referidos curatos a nova eleigo de juizes de
paz smenle, visto nao conslituirem os seus To-
los maioria dos do municipio.
Dos guarde a V ExcJoo de Almeida Pe-
reira Filho. Sr. presidente da provincia de Mi-
nas- Geraes.
3.* secgo.Rio do Janeiro.Ministerio dos
negocios do imperio, em 29 de Janeiro de 1861.
Illm. e Exm. Sr.S. M. o imperador, tendo-se
conformado por sua imediata rtsolucao de 19 do
correte mez com o parecer das secges dos ne-
gocios do imperio e jusliga do conselho de esta-
do, exarado em consulta de 29 de outubro do an-
no passado, sobra as leis da assembla legislativa
dessa provincia promulgadas no anno de 1858,
que autorisam a presidencia para addir a qual-
quer repartigo provincial dous empregados da
secretaria da mesraa presidencia demiltidos por
ura dos antecessores de V. Exc, e um emprega-
do da Ihesouraria provincial tarabem demitlido,
ha dtir boru mandar declarar o seguinte :
1. Quer fosse ou nao legal a demisso dos re-
feridos empregados, aquella assembla nao podia
mandar addi-Ios a qualquer- repartigo provin-
cial, pois que esta atlribuigo nao est compre-
verno nao tem a faculdade de per limites sfunc-: hendida as que o acto addicional constituigo
goes eleitoraes escando o militar as condige8! poltica do imperio confere s sssemblas provin-
da constituigo e da le; mas. entendendo-se a8 ciaes; havendo porlanlo-exorbitaocia no seu pro-
palavras de V. Excfuneges eleitoraes na cedimento, e alm disso invaso das altribuiges
accepgo deexercicio dos cargos de que se tra- do poder execjitivo, que era o nico competente
ta, evidente que o governo, estabeiecendo li- para semelhante acto ;
negocios da marioha, em 21 de Janeiro de 1861.
S. M, o Imperador conformando-se por sua
imperial resolugo de 12 do correte mez com o
parecer excedido pela secgo de guerra e mari-
nos do conselho de estado, em consulta de 24
de dezembro do anno passado, ha por bem man-
dar declarar que o oppositor da escola de mari-
oha especialmente incumbido do ensino chimico
applicado pyrotechaia tem direito a perceber
ordenado e gratificarlo como lente, durante o
lempo que efectivamente exercer esse lugar
Deusguaide a V. S.Francisco Xavier Paca
Brrelo. Sr. cooselheiro director da escola de
marioha.
mitaces do exercicio Je laes famecoes, nada mais
fez do que executar o que j se acha estableci-
do no citado decreto Com esta solugo flea tam-
bem respondido o terceiro quesito, visto que no
caso de que se trata nao ha lroitago de fne-
bre-do anno passado, transmitlodo a represen- goes eleitoraes ; ha apenas suspenso de exerci-
Governo da pro*irlcta.
Expediente do dia 14 de fevereiro de 1861.
Officio ao coronol commaodante das armas.
Sirva-se V. S. de dar execugo ao que determina
o Exm. Sr. ministro da guerra em aviso de 21 de
Janeiro ultimo, constante da copia junta, acerca
do servigo medico do hospital militar desta pro-
vincia.Remelleu-se tambera copia do mencio-
nado aviso Ihesouraria de fazeuda.
Dito ao mesmo.Queira V. S. mandar apre-
sentar ao juiz municipal da segunda vara desta
cidade, um soldado de cavallaria, alirn de entre-
gar a correspondencia relativa convocaco do
jury desle termo.
digoes Jos Joaauira Borgcs Ikha, Carlos Jo-
s Das da Silva, Joo de Souza Marinho, Miguel
rooloura de Souza Magslhes, Joaquim Francis-
co Borges Ucha. Joaquim Jos Baymundo de
Mendonca,Francisco Bellarmino.dos Santos Frei-
tas, Innoeencio Jos Pereira de Lyra, Henriques
Das de Freilas e Juveniano Fernandos da Silva
Manta.
Foram concedidas dispensas da segunda con-
digo, por j terem satisfelto a primeira, Si-
dronio Augusto de Hollaoda Soares e Affonso
Sergio de Moura Mallos.
Dita.Os Srs. agentes da companhia brasileira
de paquetes vapor maodem dar transporte,por
conta do ministerio da guerra, no vapor que se
espera do norte, ao soldado Manoel Senhorinho,
que tendo concluido o tempo de senlcnga de pri-
meira deserto, segu paras corle, aflm de ter
destino.Communicou-se ao commaudante das
armas.
Mandou-se igualmente dar transporte para a
provincia do Para ao soldado Daniel Francisco
Antonio.
DESPACHOS DO DI 14 DE FEVEREIRO DK 1861.
Requerimentot.
3803.Affonso Sergio de Moura Mallos.Passe
portara dispensando o supplicante da segunda
condigo do arl. 19 do regulameolo de 14 de de-
zembro de 1860, com a obrigago de que trata o
arl. 36 do mesmo regulndolo.
3804.Sidronio Augusto de Hollaoda Soares.
Passe portara dispensando o supplicante da
segunda condigo do art. 19 do regulamento de
Dito ao inspector da tbesouraria de fazenda.,
Estando nos termos legaes os documentos juntos, 1* de dezembro do auno passado, com a obriga-
mande V. S. pagar ao alteres Joo Marques Eu- Cao de que traa o art. 36 do mesmo regula-
throplo de Miranda, os vencimenios do destaca- ment.
ment de guardas naciooaes de Caruar cootar' 3805.Joo Landelioo Dorneltas Cmara.__
do V at 30 de Janeiro ultimo, dia em quo foi Passe portara dispensando o supplicante da
dlssolvido o mesmo destacamento, segundo cons- primeira e segunda condicoes do art. 19 do re-
ta de officio do commandante superior do Bonito, gulamento de 14 de dezembro de 1860, com obri-
dalado de 8 do correte.Communicou-se gco de cumprlr urna e outra pelo modo deter-
este. minado no art. 36 do mesmo egulamento.
Dito ao inspector da Ihesouraria provincial. 3806.Justniano Maooel de Barcellos.In-
sciente do que expe V. S. em seu oflkio de II forme o Sr. Dr. provedor da Santa Casa da Mi-
deste mez, cabe-me dizer-lhe em resposla que serirorda.
nesla dala tenhodeterminado que o escripturario 3807.Joviniano Fernandes da Silva Man-
da extincta adrainistrago do patrimonio dos or- ta-Passe portara conceden Jo a dispensa pe-
phaos, quera allude V. S., passe funecionsr dida-
nessa Ihesouraria com os mesmos vencimeotos,
que ento percebia, devendo oceupar-se exclusi-
vamente do expedieule cargo da secgo creada
pelo art. 2 do novissimo regulameolo de 28 de
Janeiro ultimo.
Que autoriso V. S. contratar, mediante urna
gratiflcago rasoavel, um empregado geral, que
se eocarregue com o outro dos trabalhos da re-
ferida secgo, em horas destnelas das do expe-
diente da respectiva repartigo, visto informar o
inspector da ihesouraria de fazenda que a deffi-
ciencia do pessoal nao permilte que um dos em-
pregados da mesma seja destacado para a Ihesou-
raria provincial, como prope V. S. no final do
seu citado officio.
3808.John Donnely.Informe o Sr. inspec-
tor da Ihesouraria da fazenda.
EXTERIOR.
Os diversos servigos administrativos, que cora-
poem o ministerio do interior, acabara de soffrer
urna nova organisago. Um decreto Imperial,
baixado sobre proposta do Sr. conde de Persig-
ny, institue cinco drecges gerae3, assim deno-
minadas :
Dirocgo geral da adranstraco-departamen-
tal e communal ; drecgo geral" da pessoal e do
tago que a V. Exc. dirigi o eidadao Joo Mar-
tins Gomes pedodo que seja annullada a eleigo
de vereadores e juizes de paz, que se procedeu
ns parochia do Gequiry no dia 7 de setembro do
mesmo anno.
E o mesmo augusto senhor, tendo-se confor-
mado por sua immediata resolugo do 22 de de-
zembro do anno passado com o parecer da secgo
dos negocios do imperio do conselho de estado
exarado em consulta de 10 do mesmo mez, ha
por bem mandar declarar o seguinte :
Io Que da resposta dada pelo juiz de paz pre-
sidente da mesa paroemal se deduz que elle dei-
xou de convocar os oito cidados immediatos em
votos para a organisacao da mesa, pela errada
inteligencia que deu ao art. 6 da lei de 19 de
agosto de 1816, eutendendo que a convocago
para eleger a mesa nao devia ir alm do numero
fixado, e que, teodo fallecido um Jos cidados
comprehendidos dentro daquelle numero, nao
podia ir convocar eulro que eslivesse fra. A
V. Exc, como mais informado dos manejos dos
interessados na eleigo, compete apreciar cssa
ernda inteligencia da lei e decidir se nella hou-
ve m f.
2S A arguigo'de ter o cidado Jos Alvos Lu-
nes, escrivo do juizo de paz e da subdelegada,
unccionaio na mesa como tal e como mesario,
acha-se pliusivelraeote refutada pela explicago
dada pelo referido juiz, visto que, emquanto nao
se conlassom os votos dados para a organisago
da mesa, nao era possivel saber-se se o escrivo
eslava eleito, para que fosse substituido as fune-
ges que exorcia em virtude de seu officio.
as mesmas circunstancias acham-se as outras
arguiges que allega o representante, sendo por-
tanto a nica procedente a que se refere ao nu-
mero dos cidados que organisaram a mesa pa-
rochial, a qual nao sufficieule para que se an-
nulle a eleigo, visto que na questko pendente
occorre que a falta de um desses cidados nao
anfluio no processo eleitoral.
Entendendo porm V. Exc. que a eleigo de-
Te ser annullada, o governo imperial deixa a de-
ciso do caso a V. Exc, que deveri allender ou
nao aquella representago, segundo as razoes que
liver, Qlhas do conhecimento particular dos tac-
tos. Dos guarde a V. Exc Joo de Almeida
Pereira Filho.St. presidente da provincia de
Minas Geraes.
co de fuocgoos municipaes, por forra da lei,
sem offensa nenhuma da constiluig&o. Dos
guarda a V. Fxc. Joao de Almeida Pereira Fi-
lho.Sr. presidente da provincia do Rio de Ja-
neiro.
3" secgo.Rio de Janeiro. Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 26 de Janeiro de 1861.
Illm. e Exm. Sr.Foi presente a S. M. o Im-
perador o officio de V. Exc. de 30 de outubro do
anno passado, ezpondo as duvidss suscitadas
pela cmara municipal da cidade de Petropolis a
eespeito do exercicio dos cargos de vereador e
juiz de paz pelo aajor reformado do corpo de
eogeoheiros Amaro Emilio da Veiga, e pedindo
ao gaverno imperial a solugo dos seguiotes
quesilos:
Io O militar do servico activo pJe ser eleito
para o cargo de vereador e juiz de paz?
2 O governo pede esUbelecer limitages do
exercicio das [anegos eleitoraes aos militares de
1 liona?
S Essss iaitacoes do exercicio das funcedes
eleitoraes podm ter o carcter permanente de
urna suspeoco indefinida de djreilos polticos,
31 secgo Rio do Janeiro. Ministerio dos ne-
gocios do imperio, ero 28 de Janeiro do 1861.
Illm. e Eira. Sr.Foi presente a S. M. o Im-
perador o officio de V. Exc. u. 117 de 10 de
junho do anno passado, transmitlodo a repre-
sentago que ao governo imperial dirige o capite
Joaquim Ferreira do Souza Jacaranda,queixando-
se do procedimenlo da assembla legislativa dessa
provincia por ler approrado a eleigo do collegio
de Pastos Bons.
Allega o representante o seguinte :
1 Nao o ter. a dita assembla aimillido a to-
mar asseolo na qualidade de supplente, como o
fizara a respeito de outros;
2. Ter admittido um membro efTectivo que es-
lava pronunciado quando foi eleito ;
3. Ter approvado, cora prejuizo delle repre-
sentante, a eleigo do collegio de Pastos Bons,
estando falsificada a respectiva acta.
E o mesmo augusto senhor, tendo-se confor-
mado por sua immediata resolugo de 23 do cor-
rete mez com o parecer da secgo dos negocios
do imperio do conselho de estado exarado em
consulta de 8 de outubro do anno passado, ha
por bem mandar declarar o seguinte :
Que aquella assembla obrou dentro de suas
faculdades constitucionaes, vista do art. 6a do
acto addicional a constituigo poltica do impe-
rio ; sua resoluco peremptoria, e nao ha della
recurso.
Assim o decidi o governo imperial por aviso
de 21 de Janeiro de 1859, expedido ao presidente
da provincia da Parahiha em virtude da resolu-
to de consulta de 31 de dezombro de 1856 sobre
caso semelhante.
Portanto nenhuma providencia tem o mesmo
governo que dar acerca dos aetos de que ar-
gida a referida assembla : e quanlo falsifica-
gao da acta da eleicao do collegio de Pastos
Bons, cumpre que V. Exo, mande proseguir as
diligencias comegadas para verficago desse cri-
me e consequente punigo dos delinquenles.
Dos guarde a V. ExcJoo de Almeida Pe-
reira Filho.St. presideate da provincia "de Ma-
ranho.
2." Que tambem inconstitucional o artigo da
lei do orgamento em que a mesraa assembla de-
terminou que os dous empregados da referida se-
cretaria fossem pago3 de todos os vencimeotos
que deixaram de perceber desde a demisso, e
fossem vencendo ate serem addido, por quanlo
nao ha no acto addicional urna s disposigo quo
autorise o pagamento de ordenado a quem nao
est em exercicio de emprego. Semelhante au-
torisago equivale a urna merc pecuniaria, e
como tal da algada do poder execu tivo.
Attendendo a estas consideragoes o governo
imperial resol ve, de accordo cora o arl. 20 do re-
ferido acto addicional, reraetter as ditas leis
assembla geral legislativa para sua revogago ;
cumpriodo entretanto que V. Exc. deixe de usar
da aulorisago concedida pelas leis, visto que a
suadisposigo nao preceptiva ; fleando entendido
que o facto de serem essas leis submeltidas ao
poder legislativo nao obsta a que V. Exc, se jul-
gar conveniente, chame aquelles cidados ao ser-
vigo publico, nomeando-os de novo por acto me-
ramente seu, e nao em virtude de semelhante
aulorisago.
Dos guarde a V. Exc Judo de Almeida Pe-
reira Filho. Sr. presidente da provincia da
Baha.
vo ; drecgo geral da seguranga publica, e di-
recgo geral daslnhas telegraphieas.
Um outro decreto designa os titulares destas
cinco grandes dircegoes.
Nao sabemos julgar por ora qual a vantagera
desta organisago : em materia de adminislrago
a experiencia ludo ; entretanto o mtchansmo
Que finalmente seudo urgente pdr em dia os gabinete; drecgo geral da impreso e archi-
trabalhos de importancia, que, segundo consta '
de suas inforniagoes, acham-se em grande atraso,
cumpre que V. S proroguo por mais una hora
o Irabalho diario dessa repartigo, e quo empre-
gue todo o possivel rigor para conseguir nao s
que os empregados corapare;am hora marcada
por lei, como que cessem as continuadas faltas.
quo do, partecipando imraedialamente tudo que adoptado pelo Sr. conJe de Persigay recorda an-
occorrer, para providenciar, como for justo. 'gas medidas, que o lempo tem sanecionado.
Dito ao mesmo.Tomando em coosiderago o Podemos, portanto, por comparago augurar
qoo me expoz o gerente da companhia Pernam- importantes melhoraraenlos na marcha dos ne-
bucana em officio de 12 do corrente, recommeo- gocios pblicos ao ministerio de interior.
ooo V S" t,ue mando Pa8ar *<> s a quanlia de Do todo ao systema parece-nos desde j fcil
3:333ft33i, em que importa a prestago, relativa concluir urna siraplificago immediata do orga-
ao mez de Janeiro ultimo, com que a provincia nismo administrativo. Esta simpliucacao. diga-
auxilia aquella companhia, mas tambera a de mo-lo de passagem, ser um verdadeiro benefi-
10:0009000 proveniente de iguaes prestagdes ven- c' no caso que se realiso,
cidas nos mezes anteriores.Communicou-se ao As direeges geraes, como ascomprehende-
gerenle. mos, pdera com efteito exonerar o ministro do
Dito ao coronel Domingos Affonso Nery Fer- cuiJado dessas mil particularidades secundarias
reir.Recebi o officio que V. S. me dirigi com- 4e invadindo o gabinete retardara a solugo de
mullicando-aie que vai ser recolhido thesou- uumerosos negocios. Ellas concentraro o trabn-
taria provincial o saldo de 19.625^825 verificado Iho em mos especiaes, apressaro a destribui-
no tira do anno prximo passado, pela extincta ci delles, e assim facilitarn a troca das rela-
administraco do patrimonio dosorphos, deque Qoes entre as admnistragoes dos departamentos
V. S. foi presidente, bem como de estar o ex- e o poder central. Responsavois pela regulari-
thesoureiro do patrimonio encarregado de liqui- dade do servigo e da marcha geral da adminis-
dar as contas da receita e despeza, relativas ao tiagao : vemos, em ama palavra, apenas leva-
lempo decorrido do 1* de Janeiro at o dia 12 do rom ao ministro, o exame dessas questes impor-
correnle, e ioteirado do contedo do mesmo ofl- tantes, cujo carcter administrativo pode ter sido
ci tenho decUrar-lhe em resposla : 1." que alterado por certas circunstancias excopcionaes,
os livros, pspeis e movis da extincta secretaria para d'cllas fazer dealguma sorte altas questes
do conselho devem ser recolhidos i secretaria da goveroamentaes.
crnu^lL dL H'IS PUblCa 5 2' .fnttVrf ,1 consel-ho de?e aPseotar-se ao revelam-se aos nossos olhos tendencias muito
P.i? r.d" lhe80urar,a Provincial, afim de pres- pronunciadas para a descentralisago. Para ex-
VJi i sIr!'S0S' ff"Qd0, Darle d.a 8.ec,a0 Pcarmo-nos sobre este assumpto, devemos es-
creada pelo art. 2 do regulameolo provincial de -
28 de Janeiro ultimo, perceboodo por ora os mes
mos vencimeotos.Officiou-se ao director d
moveUi?0 PUbl'Ca Cer* d recolhiraeoU) dos comparaco em urna organisacao j ant
m eis# que funeciona admiravelmeote. Queremos fallar
Dito ao juiz de paz mais rotado de Papacaca. da organisago do ministerio das tlnangas
Tendo em coosiderago o que se me represeotou Esta organisago, que tem resistido i todas as
acerca do procedimonto do escrivo desse juizo, mudangas goveroamentaes ou ministeriaes, pro-
negando-se aulhentiear e laucar no respectivo cede igualmente de grandes direcces Tudo
livro de notas a acta de um dos collegios eleito- quanto a servigo administrativo pode offerecer
raes, que se reumram nessa villa, por occasio de perfeito, como ordem, promptido e regulari-
da eleicao do depulados geraes, declaro Vmc dado, sem que a iniciativa e independencia dos
para sua inleltigencia, que competindo esse
funecionaro exercer as altribuiges de tabellio
de notas nessa villa, onde nao ha foro civitlei
de 30 de outubro de 1830, e aviso de 25. do mes-
mo mez de 1850, evidente que lhe incumbo
tambem a obrigago prescripla pelos arls. 79 da
lei de 19 de agosto de 1846. e 24 do decreto a.
1,812 de 23 de agosto de 1856, devendo alm
disto no caso em questo aulbenlicar e laucar
em notas ambos as acias, porque os escrivei
nao sao competentes para coohecer da legalida-
de dos trabalhos dos collegios eleitoraes, como
preceitua o aviso de 3 de fevereiro de 1857.
Recommeodo, pois, Vmc, que determine ao
3.* secgo.Rio de Janeiro.Ministerio dos
negocios do imperio, em 28 de Janeiro de 1861.
Illm. e Exm. Sr.Foi presente a S. M. o Impe-
rador o officio de V. Exc. n. 112 de 5 de novetnbro
do anno passado, dando as ioformagoes exigidas
por aviso desle ministerio de 25 de outubro do
mesmo anno sobre as eleiges de Toreadores e
juizes de paz da Tilla Leopoldina.
E o mesmo angosto senhor, lendo-se confor-
mado por sea immediata resoluco de 26 do cor-
rente mez com o parecer da secgo dos negocios
do imperio do conselho de estado exarado em
coumlta de 2 do mesmo mez, ha por bem man-
dar declarar o segainte:
1. Que nulla a eleicao a que se proceded no,
curato do Rio Pardo; porquanto, tendo compa-
recido u,aa so supplente eleitor, devia este no-
er ea dous, erbios d* mesa parochUl, cuja
Ministerio da justica.
Decreto n. 2,728, de 16 de Janeiro de 1861.
Crea mais um lugar de juiz municipal no termo
de Porto Alegre, na provincia de S. Pedro do
Sul, annexsndo a jurisdigao orphanologica
primeira Tara, e a de proTedoria de capellas e
residuos segunda.
Hei por bem decretar o seguinte:
Art. 1. Fca creado no termo de Porto-Ale-
gre, na provincia de S. Pedro do Sul, mais um
lugar de juiz municipal.
Art. 2. A jurisdiego orphanologica do referi-
do termo pertencer Ia Tara, e a do provedoria
de capellas e residuos 2a.
Joo Luslosa da Cunta Paraoagu, do meo
conselho, ministro e secretario de estado dos
negocios dajustiga, assim o tenha entendido e
faga executar.
Palacio do Rio de Janeiro, aos 16 de Janeiro
de 1861, quadragesimo, di independencia e do
imperio.
Com a rubrica do S M. o Imperador. Joo
Lustosa da Cunha Paranagu.
Decreto n. 2,735 de 30 de Janeiro de 1861.
Crea o lugar de juiz municipal e de orpbios no
termo da Ponta Grosss, na provincia do Pa-
ran.
Hei por bem decretar o seguinte:
Art nico Pica creado o lugar de juiz muni-
cipal e de orphios no termo da Ponta Grosss, na
provincia do Paran.
Joo Lustosa da Cunha Paranagu, do meo
conselho, ministro e secretario de estado dos
negocios da jusliga, assim o tenha entendido e
faga executar.
Palacio do Rio de Janeiro aos 30 de Janeiro de
1861, qoadragesimo da independencia e do im-
perio.
Com a rubrica da S. M. o Imperador, Joo
Lutlota do Cunha Paranagu.
Ministerio da marlnba.
Atuso de 21 ilejanr de 1861.
Declara que ao oppoiiilor da escola de marinha cano, aj\m
especialmente incumbido dei ensino de chimica cr^, em 0 anno crtente, ficando portra obri-
apphcada pyroiechnia, cabem os Tencimen- ^{0 j Mttsfszer as referidas condicoes. de con-
loa de leote por todo o lempo que. effec%J formidade com o art. 86 do diado reguU-
monlo exercer esse lugar. monto
?, ecco.TrBio de fp?iro-MiD,t#rh} os
sem duvida lera feito. A imprensa deixa de fi-
gurar oae denoroinages, administrativas, porm
fiada %? 5 Vb *e* da direc?i0 eril con-
Uada a Sr. de la Gueronmere. Se nao nos en-
ganamos-devemos ver nesta modiOcacao um no-
vo lestemunho dos seniimentos lio honrosos Da-
r a iroprensa. expresados pelo Sr. conde do
lersignjr. Depois. do haver tragado aos escrio-
lores polticos o papel sao digno e to nobre qS
elles devem desempenhar.o ministro do interior
penasi cora razao quo a imprensa nio poderla
constar um servigo adminislraiivo propriamen-
A imprensa nao se administra ; guia-se es-
clarece-se e aconselha-se ; mss por sua propria
natureza como obra de livre discusso ella es-
capa aegao regular da adminislrago. Collo-
cada pela* condigoes de sua existencia material
sob a direccao. da impresso e archivo, ella acha-
ra ah todas as garantas, que deve deseiar, o*
rcgulamenlos que o prolegem e que servera para
ella.e. oigamos tambem, os regulamentos que
prolegem contra ella o pubitco e o estado
Urna lal organisago parece-nos perteita. Ella
corresponde bem as esperanzas cootidas as cir-
culares mioisteriaes, e a sua primeira realisa-
cao. Acrescentemos que achando-se a frenle
da irapressao e do archivo o funecionaro. quo
dirige ha mais de um anno este vasto servico os
escnptoresi polticos appreciaram molhor anda o
carcter liberal desta til e importante medida.
Alera disto, lodo os directores geraes, que o
Sr. conde de Persigny chama para ajuda-los.
um '*.'? ?roT" ,de caPldade administrativa,
ur. Boittelie, que mantera a soguranga publica,
soube conciliar todas as sympathias pela firme-
za e Mhedona de sua alta adminislrago. Mr. de
bainl Paul j dirigi o pessoal com a mais ben-
vola imparcialidade. Mr. Tulllier doixar era
uro grande deparlamento lembraogas que dizem
bastante alto tudo quanto delle se pode esperar.
Finalmente o Sr. conde de Vougy oceupou em
urna outra poca a direccao dostelegraphos, on-
de mostrou a mais intelligente actividad*.
Hojo recebemos i o leressanles 'paVcdaridades
sobre a tomada de Pekn pelas nossas tropas a
pelas dos nossos alliados.
Bem que estas narrages ainda nc-sejam com-
pletas, todava ensinam-nos fictos novos e in-
teressantes ; e assim parece que a tomada e pi-
Ihagem do palacio de esto do imperador prece-
der m seis das tomada de Pekin Este palacio
est situado fra dos muros da capital, e como
segundo as indicages das cartas elle acha-se ao
norte, da suppor que tivesse lugar urna marcha
operada pelo exercito de expedicoX
Este successo foi seguido de um pedido psra
que fossem postos em libordadac-s presioneiros
que os Chins precedentemente neo haviam feito
foi ento que os Srs. Paskes e Loch foram entre-
gues aos Ioglazes.
Os seguiotes dias deviam tec sido empregados
em preparar o ataque contra, a cidade de Pekin.
A 19 de outubro o general iog}cz publicara urna
ordem do dia regulaado esto ataque.
A ultima espera concedida aos Chinezes para
se entregaremera ateo meiodia de 13, um pou-
co antes que expirarse a demora, chegou. Um en-
viado chioez portador de umadeclarago, annua-
ciando que se fazia justigt & todos os nossos pe-
didos, que a cidade nao Untara resistencia al-
guma, e que as portas de Pekn nos estaram a-
bertas.
As portas exteriores e- interiores foram logo
oceupadas, e ao mesmo. lempo os estandartes da
Franga e da Inglaterra fluctuaran) sobre as trin-
cheiras da capital da China.
Nao temos ainda informagos precisas sobre a
fuga do imperador. A data deste aconlecimeote
nao indicada no documento que mais abaixo
reproluzimos. O jornal China Mail diz. a-
penas :
O exercito de San-ko-lin-sin continua a.oc-
cupar o campo. O imperador fugio para a-Tar-
taria.
Nao acrescenla. como fazia um officio: .com o
exercito trtaro..
Os Chinozeo paracam ler tratado seus pcisionei-
ros com urna crueldado, que nao faz mais do quo
augmentara, iodignaco j causada na. Europa
pelo seu prfido, proceder.
Hoje, ao. menos possuimos um penboc mate-
rial, que assegura-nos execugo immediata e
completa dasconligoes, que julgarmos deverim-
por-lhes.
Emfim, soltaremos brevemente ,esle ponta
importante.
Eknesi Dreole.
ConstitucionelS. Filho.
agentes sejam sacrificadas, acha-se. reunido no
departamento das finsneas.
Olhamos portanto est departamento como mo-
delo, de quo inspirou-se o Sr. conde de Persig-
ny, e a admiostrago do interior pode (ucear
com urna approximago, combinada, verdade,
em urna certa medida.
Se julgarmos agora as novas direccoes geraes
segundo suss denomioaces, vemos qoo com
effeito a simplificado devora resultar ioevitavel-
mente desta diviso bem. estabelecida entre to-
dos os servigos. Da um lado esto os negocios
departamenlaes e cojamunaes desembargados
dos negocios do pessoal o do gabinete ; de outro
INTERIOR.
predito escrivo que compra sera (alta esse de- lado est tudo o qoo compoe esso immenso ser-
ver imposto por lei, afim de que a acta, que vigo, que se chama archivo eimpiesso, e resu-
me refiro, leona e destino conveniente. i me todo o mavimonlo iutellectual e poltico do
Portara.O presidente da provincia, usando paiz.
da aulorisago que lhe confere o 11 do art. 26 Para esta lerceira drecgo. to claramente do-
da lei provincial o, 488 de 16 de maio do anno finida ; e cujas altribuiges comprehendem urna
prximo passado, resolve conceder Manoel. larga parle dos trabalhos da intelligencia, existe
Francisco Coelho, protessor publico de latim da precedentes que pleiteiam em favor de sua orga-
freguezia de S. Jos desta cidade, um anno de oisaco, Um decreto imperial de 10 de fevereiro
licenga com todos os seus vencimenlos, para tra- de 18,10, tioha creada ums drecgo geral do ar-
lar de sua ssode onde lhe convier. | chivo e da impressao ; o primeiro titular d'ella.
Dita.O presidente da provincia, attendendo foi o general baria de Pommereuil. conselheinx
ao que Iherequereram Amorim Irmos, consig- [ d'estado, que Uve por auccessores os Srs. Porfca-
nalanos do patacho nacional Relmpago, resol-.I lis e Villemain ; e s em 1815 foi que um de-
ve conceder permisso a Antonio Travasso da ~
Rosa, para matricular-se, independente de apro
sentago de carta de piloto, como eapilo do re-
ferido patseho, na visgem que est destinado
para o Rio de Janeiro, devendo o mesmo oapi-
to asslgoar lermo na capitana do porto, pelo
qual se obrigue exhibir a predita carta para
outra qualquer viagem.
Dita.O presidente da provincia, attendendo
ao que lhe, roquereu Gaataro Olympio Ferreira
Alvares, resolve conceder-lhe dispensa das con-
dicoes primeira e segunda do art. 19 do regula-
meato interno do curso commercial Poroambu-
de poder matricular-se no mesmo
o art. 36 do citado
FprBJ concedidas, dispensas das mesmas, gon-
creto ( 24 de margo) asupprimio para submalter
os seus servigos adminislrago da polica-,
O governo imperial, seguiodo hoje os oros do
primeiro imperio, responde aos meamos votos
que foram ento manifestados pelos principaes
representantes de urna arte, (eita talvez depois
uma industria, mu que deve fioar urna arte.
Queremos fallar da impressao. A impressao o
archivo reunidos pddem com effeito formar por
si sos urna vasta drecgo j administrativamente
regulados no proprio inleresse dos especulantes,
elles eoostitnem dona servigos quasi polittoos no
inleresse do paiz.
O decreto que lhes di s vanUgsna do passado
deixa tamben grandes osperaocaa para o roturo.
Ha ums organisago possivel para a irapresoao,
Ojqlgeaos que ala organisacao ser a consa-
cquenciada mudanga. fue ao opera hoje.
e^ta-ROf (azar ojm, observaban que quJo,uir
S. PALLfJ
S. Paulo, SO de jasjBlrode *843t.
Hontcm leve lugar a reunio dos eleitores. des
te collegio no pago da cmara municipal, adra da
elogerem tres deputados assembla geral. Cora
efleto, alli reunidos sob.a presidencia, interina
do juiz de paz mais votado da parochia da S,
Dr. Rodrigo Antonio Mntciro de Barros, o no-
meados por esto na forma da lei os mem.bros da.
mesa provisoria, o elaiter padre Joo Vicente
Valladlo fundamentan um requerimeuLa assig-
nado por quareota e taptos eleitores. para que os
eleitores da parochia da S nao fossem admitti-
dos a votar promiscuamente com os demais elei-
tores do collegio, visto a notoria, aullidade do
eleicao dessa parnchia, constante do respectiva
livro que se achara sobre a mesa. O juiz de paz.
entendendo que por si nada podia resolver acer-
ca de lal assumpto, em face da lei eleitoral e do
aviso de 14 de julho do 1854 ,1. por isso quo
nao licito, descoohecer eleitor algum, por mais
viciada que. seja sua eloigo, declarou que ia con-
sultar o collegio eleitoral, como se ortica a res-
peito de. lodos os incidentes suscitados antes da
constituida a mesa definitiva.
Essa declarago provocan urna celeuma horri-
vol, gritps, provocacoes de toda a especie, in-
sultos e ameaca&ao.juiz de pazl Em vo esto
funecionaro reclamara a ordem ; os eleitores li->
Ueraes, tendo sua frente os questionadoselei-
tores da S, lovanlavam novos gritos, protestan-
do que nao se (arla a votaco desse requerimon-
lo, havendo quem bradasss que o juiz de paz es-
lava insinuado pelo presidente da provincia, do
quem era instrumento.
Croscendo cada vez mais a agitaco dentro do>
proprio collegio eleitoral. composto de pessoas
gradas do dislricto, o juiz de paz declaran quo so
julgava coacto, e que se retirara para a sala im-
medtaia afim de Coaccionar coa os eleitores que
a quizessem acompanhar, e com effeito assim
procedeu. A turbulencia para alli so transportou,
e immediatamente a agilago pareca tender a
resolver-se em actos maferlaes. Ento o juiz do
paz, com a sua reconhecida circumspecoo o
prudencia, suspenden lodoa'os trabalhos, afim do
consultar o governo sobre a especie em questo.
Sereoaram um pouco os nimos, mas o grupo da
eleitores liberaos nao se descuidou ; ao pasos quo
represeotavsm ao goveroo pan qoo obrigssse o
juiz de paz mais votado a cumprir a lei como)
elles a enleodlam, convidavam o 3 e 4*Mkes. da
i dizeotjo ouo.0 joix do paz jui* THdolo ka-
P?
L


<*H\ M mm? 1 s(: tURIO M fWUJIlCOf SEGUNDA i EIRA 1* {* FEYEHEUM DE 1MI.
via ausentado do collegio eiaitoral. quanda du-
rante todo o da nao abandonan apile .do mea-
mo collegio 1 Has o tcrceiro e quarto juizes de
paz se recusaran! ao avwMtVbUo; e uUo re-
solveram esperar pela decisao do governo.
A'e 5 horas e mel da larde, toait ablandaos
Q>
resposiis do Sr. Henriques ao juiz de paz e aos
eieilores liberaos, o tttatao juiz de pez doctas**
adiada peta dia tntjitiate os Irritamos prepa-
ratorio* do collegio, ato eer Urde.
No Ai a seguinle, teto *)e, reunido de no-
vo todos os eleilores, o jume e paz referido leu
a reaposia do averno, e deckarau que, pira evi-
tar mais questoes, denana.atoe aoeaa os re-
qaerimenlos para terem desatad o pelo collegio
.emiloral quando coe>aWiAeValaitiaMieaie. Urna
sotogo tal provocoi por parte do9 eleitores oo-
servadore um protesto aoftpto declareode que
se separavam para que seus rotos legtimos, to-
ma 4e*-engloba demento com os -rotos -nathw dos
eleitores da S e O',, nao ossera depois outilt-
sados pela cmara dos depulados, ioutilisado
tambero todo o collegio.
Cora effeito, rctiando-se om massa aem tu-
multo para a sala immadala, convidaran) o mes-
rao juiz do paz rnsis otado para presidir seu col-
legio; ao que o mesmo funccciouario accedeu,
dmglndo-se mosma sala e procedendo dos ter-
mos da lei eleitoral para a formacao da mesa de-
finitiva desse collegio. Estamos pottanlo aqui
com dous collegios eleitoraes.
O collogio liberal lem a mesa constituida do
seguinte modo :
Presidente o senador Francisco Antonio de
Souza Queiroz;
Secretarios, os Drs. Joo da Sfiva Carrao o Joo
Clirispimano Soares ;
Escrutadores, o Dr. Antonio Joaquim Ribas e
Jeremas Jos da Silva.
O collegio conservador consliluio sua mesa do
modo seguinle:
Presidente, capitao Uanoel Jos de Moraes ;
Secretarios, gario Jos Vicente Valladao e le-
nente-coronel Joaquim Deoedilo de Queiroz
Telles ;
Escrutadores, capitao Benedicto Antonio da
Silva e alteres Jos Antonio da Cruz.
Amanha lera lugar a votago dos depulados,
A resposta do governo aos eleilores lber aes e
ao juiz de paz mais volido foi nos termos do of-
ficio junto, deque envio-lhe copia ; e ella de-
inoustrou patentemente a seto razo com que es-
ees cidados ua collegio eleitoral aggrediraru o
juiz de paz declarando-o insinuado pelo presi-
dente da provincia.
Se eu poJesse ir alm do minha missao do
correspondente, emilliria minha opiniao sobre a
razo que assiste a qualquer dos partidos nesta
questo, que motivou a aeparaco do collegio.
Os partidarios disouliro esso negocio, o raui-
to provavel quo os correspoudeutes do Diario e
do Jlcrcanii/ apresentem os successos sob a cor
que mais Ihes convier, tanto mais se forera
candidatos rebucados em correspondentes de
jornal.
Eis o officio do Sr. Henriques ao juiz da paz
presidente interino do collegio, ea que me retiro
cima :
2.a seccao. Palacio do governo de S. Pau-
lo, 29 do Janeiro de 1861. Acabo de 1er com
a maior sorpresa o officio que Vm<\ me dirigi
nesta data, commuiiicando-me que, depois de
organisada a mesa interina, sendo o presentado
um requeriraonto relativo a nulidade da eleigo
da freguezia da S, ooncluindo pela votacao em
separado dos eleitores della, urna turma de elei-
tores, avancando-se para a mesa, declarara em
vozerias que nhoadmiltia que o dito roquerirnen-
to fosse submettido a votacao, sendo inuteis os
esforcos por Vmc. empregados para maaler a
digoidade da cadelra que oceupa, em consequea-
cia dos insultos contra Vmc. dirigidos, apesar
mesmo de se haver pausado para a sala immedia-
ta, em cuja occasiiio the foram tomados oslivros
" por alguns djs ditos eleilores ; consultando em
coaclusao se no cso de continuarem os isullos,
dever recorrer torca publica para maaler a
ordem. oh relirar-se para oulro edificio onde
possa tunec jnnr coro liberdade.
Km resposta teuho a declarar-lhe que no
exercicio da presidencia que a le Ihe confere, e
no edificio competentemente designado, a Vmc.
toca salisfazer religiosamente an disposto nos
arls. 69 e 70 da lei de 19 de agosto do 1816 e de-
visos do goveroo imperial, nao pdenlo porm
Vmc. des.arde reconhecer para os actos prepara-
tonos do collogio, nem os eleilores quo se acha-
rem habilitados con os respectivos diplomas,
porque ao collegio eleitoral compete a verillcagao
das poderes delles. e a apreciaco do sua donei-
dade e legitimidad*; como dispoe o art. 71 da
citadalei. e 6 expresso no aviso de 14 de julho
de 1854, nem lambcm a competencia do mesmo
collegio para deliberar sobro qualquer inctenle
quelhesej ofteredido, e cuja solucSo nao seja
por lei da allribuico de Vmc. fazendo-se na
competente acta a mais circumstinciada e minu-
ciosa declaraco do occorrtdo. Para esse im cm-
pregar Vmc. lod >b os recursos que a sua reco-
ohecida prudencia e moderago lhe puderem
suggerir, chamando a ordem e contendo os elei-
lores que della se desviarem no circulo das atlri-
bnicoes somenle que por lei Ihes sao conferidas,
sein que deixe dcmanler ao mesmo tompo a d-
4?iiiJ.-iJo inherente ao seu lugar. Da qualidade
e patriotismo das pessoas quo compoem o colle-
gio eleitoral de esperar que, mediante as con-
venientes admoestacds do Vmc cessem o ala -
rido e iosultos a que Vmc. so refere, e que, esii-
tutdo o collegeio culma e circumspec^o com
que lhe cumpro funecionar, progrida em seus
Ira bal nos com a dignidaJe e decoro que sao in-
dispensaveis. Faga pois anda Vmc. um esforco
mais, e a presidencia confia que elle ser corna-
do dos mclhores resultados. Deus guardo a Vmc.
Antonio Jos Henriques S;. juiz de paz
mais votado do districto do Norte, da freguezia
da S. Dr. Rodrigo Antonio Monteiro de Barros.
A' ultima hora.
/(estillados da votaco do collegio conservador com
47 eUitore, fallando un ieiior eonsaroodor
de Jundiahy.
Os Srs.:
Dr. Rodrigo Sila. ....
Gommeodador A- J. da Rosa.
Oesembardor J. J. Pacheco. .
Dr. Jos Bonifaeio.
votos.
... 47
... 47
... 46
Resultado da volaro do collegio liberal com 51
eleilores.
Os Srs.: votos.
Dr. Jos Bonifacio......... 51
r- **?* ....... 50
Dr. Paula e Souza......... 49
Dr. Carvalhes.......... 1
Dr. Joo Chrispiniano....... 1
Espora-se at amanha o resultado d3 vota-
cao do collegio de S. Roque coto 44 eleilores
conservadores, e o de Mogy com 48 eleilores do
mesmo credo, e nos quaes suppe-se nao haver
divergencia.
( Caria Particular ).
ri-
J conhecida a volago de todos os collegios
do Io districto. Pelo resultado seguinte ver Vmc
que s temos um deputado certo, cuja eleico es-
t independenle de qualquer deciso da cmara
sobre as eleices litigiosas desle districto: Refe-
rirao-nos ao Sr. Dr. Rodrigo da Silva, nico can-
didato que obteve grande votaco de ambos os
partidos, mui principalmente na marinha. To-
dos os outros aioda dependem da cmara dos
Srs. depulados, que lera de julgar de suas elei-
ces em algumas localidades.
CAPITAL.
Primtiro collegio.
Dr. Aandrada.....l
Dr. Carrao......50
.45
50
1
1
47
47
Dr. P. Souza .
Dr. Crispiniano .
Dr. Carvalhaes. .
Segundo collegio.
Dr. Rodrigo ....
Commendador Rosa. .
Dr. Pacheco.....,
Collegio de S. Roque.
(44 eleilores conservadores.)
Dr. Rodrigo ..... 44
Commendador Ro. 4i
Dr. Pacheco.....44
_ Collegio deSarocaba.
r. Rodrigo.....
Commendador Rosa. .
Dr. Pacheco.....
Dr. Carrao. .
vti Souza T
Br At,dr.d. ,. \ \
Vm voto em separado.
TJtretrrrgo. .
Commendador Rosa.. .
Br. Bchece ....'.
.*Ckgio de Braganga.
i'& i*1****" e 6 cemefTadores.
s>f, \tanv.....
20
90
90
8
8
8
1
t
1
Dr. Andrada ... .
Ur. Paula ......
Dr. "Rodrigo......'
Dr. Pacheco.....
Commendador Rosa. .
CoUe/io de It.
[7 eleitoresliberaes.)
r.Vaula ....
Sr. Carrao .. .
Dr. Andrada ...
Collefi de Porto Feliz,
(90 eleilores ttberaes e 5 conservad oree.
SI
18
10
10
6
7
n
27
Dr. Andrada.....18
r. Carrie......18
Dr. Paula ; .. 44
Br. Rodrigo.....8
Commendador Roa. 7
Dr. Pacheco......6
Campos Mello.....I
Br Atmeia ...... 1
Dr. Slarlim......1
Collegio de Mogy das Cruiei.
Dr. Rodrigo* ..... 41
Dr. Pacheco.....37
Commendador Rosa. 36
Dr. CarrSe. (*)
Dr. Pinto .... 1
Volosem separado de Ilaquaciluba.
Dr. Rodrigo ..... 3 ,
Dr. Pacheco......3
Commendador Rosa. 3
Votos en separado de urna das eleices de Mogy
Dr. Carrao. 21
Dr. Andrada.....23
Dr. Souza......82
Votos em separado de urna das eleices de
Ilaquaciluba.
Dr. Carrao. : 3
Dr. Andrada.....3
Dr. Souza ...... 3
Collegio do guape.
(27 eleitores conservalores e 19 liberaes.)
Dr. Rodrigo......39
Dr. Pcheco.....27
Commendador Rosa. 27
Dr. Andrada.....20
Dr. Carro......16
Dr, Paula......8 "
Collegio de S. Sebaslio.
(20eleilores liberaes e 7 conservadores )
Dr. Andrada.....18
Dr. Carrao......16
Dr. Rodrigo.....14
Dr. Souza......13
Dr. Pacheco.....7
Dr. Carvalhaes .... 7
Commendador Rosa. 6
Collegio de Atibaia.
(25 eleilores liberaes )
Dr. Andrada.....25
Dr. Carrao......25
Dr. Souza......24
Dr. Rodrigo.....1
Volaram pois 391 eleilores.
Apuraco com os votos em separado para lodos.'
(*) Dr. Rodrigo da Silva 224
Dr. Pacheco.....197
Commendador Rosas 193
Dr. Carrao......192
Dr. Jos Bonifacio .189
Dr. Souza......162
O Dr. Rodrigo pois o nico dapulado do Io
districto que est fra de queslao, porque nao de-
pende, como se v pela sua votacao, da eleiqo
de Mogy, Itaquacituba, e mesmo da de Soro-
caba.
Na minha opiniao os tres primeiros ho de ser
os representantes do Io districlo.
SECUNDO DISTRICTO.
Collegio de Jacarahy.
(14 eleitores conservadores e 14 liberaes.)
Dr. Lopes haCes. ... 57
Baro de Bolla-vista. 42
Dr. Taques......40
Dr. Uaniui......21
Dr. Lessa......8
Dr. MarconJes .... 5
Dr. Chrispiniano. ... 1
Os tres primeiros conservadores.
Collegio de Ubaluba.
(30 eleilores )
Dr. Lopes Chaves. ... 26
Barao de Bella-Yista 26
Dr. Taques......26
Qualro votos em separado.
Dr. Marlim......4
Dr. Lopes Chaves ... 4
Baro de Bella-Visla 2
Dr. Lessa......2
Collegio de S. Luiz.
(18 eleilores.)
Dr. Lopes Chaves. ... 18
Biro de Bella-Vista 18
P/. Taques......18
Cunha.
Dr. Lessa......14
Dr. Marlim. r .13
Dr. Marcondes .... 13
Baro de Bela-Vista 1
Dr. Taques. ... .1
Collegio de Parahybuna.
Dr. Lopes Chaves ... 21
Baro de Bella-Vista 21
Dr. Taques.....21
Dr. Campos Mello. ... 4
Dr. Marlim......2
Faltam ainda rouitos collegios deste districto.
O Dr. JooChiispioiano Soares, da chapa libe-
ral, j est derrotado.
Do 3* districto ainJa nao temos noticias certas.
Aioda nao foi nomeado contador para o
Ihosouro provincial. O Sr. conselheiro Henri-
ques procura individuo quo possa preheneber
esse cargo com vantagem do servico publico.
Quem sabe o oslado dosta repartico deve com-
prehender os apuros do governo na nomeaco
de individuo habilitado; o Ihesouro provincial
ainda est por organisar I e o contador lera gran-
des afazeres, porque lera de crear o mechanismo
odispensavel para que as rendas sejam arreca-
dadas com fidelidade pelos diversos exactores. O
estado dos cofres provinciaes muito desani-
mador !
Emquanto um presidente de provincia nao
a luentar lugar afira de poder crear e raaoter um
systema definido de adminislraco, mal iro as
provnolas ; porque se um faz, olro desfaz, e os
cofres pagam sempre as cusas das continuadas
invencoes; lodos querem experimentar suas con-
ceptees governamentaes !
A creaco dos conselhos de provincias muito
pode ulilisar para o Om exposto mas infeliz-
mente as instiluicoes nenhum bem fazem quando
os nomeos as desvirtuara. A poltica no Brasil
tudo estraga, inclusive os caracteres ; a corrup-
cao anda ao lado da ambico, especialmente hojo
que esta era ao menos tem a vantagem de ser
regularisada pela accaodo governo ; o principio
da autoridade nada, porque oinguem no presen-
te a receia, oceupando-se ella exclusivamente do
fazer equilibrios polticos. Seria melhorquese
nao oceupasse de poltica, por qualquer modo
enci-rada.
Nao quero concluir esta mi-siva sem conti-
nuar a refutacao das aecuesces que o Correio
Mercantil e o Diario teem feile ao Sr. conselheiro
Henriques.
Ao passo]que a Lei. oi-gao conserrador, la-
menta a posico de imparcialrdade assuraida pelo
presidente da provincia, deixando os conserva-
dores, que se denominara homens da ordem, en-
tregues aos seus nicos recursos em lula com a
turbulencia, a slmprcnsa Paulist, assaca-lhe
quanta injuria equanla calumnia lhe suggerem
seus despeitos, dando-o como causador de suas
derrotas, sem duvida por nao ter continuado a
prodigalisar aos liberaos a prolecco que os an-
tecessores de S. Exe. se linham pefmitlido pira
com a parcialidade poltica desse peridico.
Mas a Impreosa Paulista liroita-se injurias
de toda a especie ; a royslifleacio dos tactos vai
para os referidos dous jocoaes desea corto ahi
os correspondentes desses joroaes diem todo
o que querem, sera receto de immediata cootes-
Ugo.
E' assim que o Correio Mercantil de 13 do
prximo passado mez di o correspondente como
nteresse eleitoral a susoenso da posse das c-
maras e juizes de paz, novameute eleitos de So-
rocaba, Mogy das Cruaes, etc.
Que nleresse eleitoral, quando os juizes de
paz do quatneomo Jado, que foram mandados
continuar no exereicio, eran oe unios compe-
lentes para presidir as meses parochiae. no dia
W de dezembre. valo que os novoa tmente le-
mariam possa no dia 7 de Janeiro ? I
Na secretaria do governo exisliam repreeenla-
coes documentadas contra as eleitee municipaes
i
de Guaratinguet, Mogy das CruM*. BWOjriH.
Soccorre, e outres.
Em Guaratieguel houve at duplicis, e c-
mara e juizes de paz do quatriennfo-^koo
liberaes.
Em Soccerro a eleicso toi tumultuaria; e a'Te^
presenlaeJj# guari juiz de paz iliberal] con-
fua patffMtiiAtle 4asa eleieao. ellidade'4lts
provadiegitM dae peeprias acta* da mesma elei-
co. O qe fazer porta n lo o goveroo ?
O avies ate 13 de marco de 1854 declara nao
ter precisa a approvacio do governo para que as
eleices de creadores e de juizes de paz produ-
smh todos o* seas effeitos .< quando nao forem
levadas ao sea coohecimenle. para providenciar
sobre irregularidades que oealas lenham feride.
e decidir de aua alidade aa forma do arte 148
da respectiva lei.
O Sr. conselheiro Henriques, porlanto, proca-
deu nm rpgn mnrtni1n mil.r posta rialin ca
maras e juizes de paz, cujas eleices eram impug-
nadas, at poder habilitar-so paxa decidir sobre
ellas com informacBes a quo sem duvida tena
mandado proceder. <
Convm notar que o Sr. Amara] Gurgpl, guando
no exerclcw da vice-presidencia, procedeu de
igual modo em relapso s carairase juizes de paz
do Uapera da-Puioa e de Rolucst, eos liberaet
enlao nada disseram. porque isso por eerle Ihes
eocvinha I E' infelizmente esse procediraenlo que
desraoralisa os partidos no Brasil, quemudam de
doulnna conforme as circumstancias einteresse
ue occasiao I
Ouanto qoeslo dos successos eleitoraes de
Mogy das Crines e de Sorocab, o edades dadas
pelohr. conselheiro Honriqueg. enlendo qnano
devo prevenir juizos do poder compleme :- po-
rem posso declarar que sao falsas todas as aecu-
sacoes quearespeito se fazem nesses referidos
joruaes ao governo Os partidos nao coropre-
nenJera o mal que fazem 6 sua causa, quando
mysiificam os successos para augariarem por mo-
mentos o apoio da opiniao. Pois ciivel que o
Sr. conselheiro Henrique procedesse como o in-
culcara esses correspondentes ? Mal de um psr
Udo quando om beneficio de sua causa necessita
soccorror-se mentira e ao embuste, pregados
ao longe I
Assim sao todas as aecusaces que se tem foito
a administraco actual e n diversos cidados con-
servadores desta proincia, quer em correspon-
dencias anonyrpas, quer em correspondencias as-
signadas o lm uuteo fazer efTeito na opiniao
e a ousadia da assignalura concorre moite
muito para isso, principalmente assignatura de
pessoas importantes por sua posico social. A le-
gislado da imprensa em nosso paiz ludo ajuda
a honestidade se desvair ante a impotencia da
saneco penal.
; Relativamente correspondencia do Cor-
reio Mercantil de 23 do prximo passado, ainda
um amoutoado de faisidades ; ahi se inculca
r. conselheiro Henriques como que lomando
parte na confeeco das chapas do partido conser-
vador I apoiando aunse repelliodo a outros
E bem sabida a historia das chapas; foram
confeccionadas em reuoio desse partido, nao
sendo alirado ninguem aos lobos. Se e partido
liberal resolveu cerrar fileiras, era natural que o
oulro partido lambem izesse o raeemo. Feliz-
mente a trica nao pegou ; os esforcos de todos os
conservadores para o trlumpho das chapas-de-
monslraram-se va votaco cerrada dos eleitores
desse partid, e o mesmo Ozeram os liberaes pa-
ra com os seus amigos candidatos.
Foi suspenso e mandado responsabilisar o
juiz de paz mais votado de Guaralinguet (do
qiiiinennio lindo, mas ainda em exercicio) Anto-
nio Luiz dos Reis, por ter desobedec.o ao go-
verno, nao preslaudo as informaces exigidas so-
ore as ultimas eleices municipaes. Esse juiz
paz lera fama nos fastos eleitoraes desta pro-
vincia.
[Carla particular.)
W O 8 rolos do collegie de Mogy Mes so Dr.
Carrao aao podera ter contados cory unca mente
om os23 votos em seperado ueetU leve, por
MriS2! 2^** mt el*6ale ae-aa parechla.
tf) taH ,ota toaM mb separado.
Minas-Geroes.
Villa Ghristina, 5 de Janeiro de 1861.
Em todas as provincias do imperio temo Jor-
nal do Vommercw correspondente?, e sendo to
vasta e populosa a de Miuas c com inieresses to
vanados, nao de.reparar que tonha pelo menos
tres para poderem noticiar o que occorrer no sul
centro o norte desta in(eres3ante provincia.
Asno.-sas coramunieacoes com oOuro-Preto
sao diluccis e demoradas, e de ordinario por in-
termedio da coi te sabemos mais depresa das oc-
urrencias daquella capital, do quo pelo correio
que dalli aos vom de dez am dea das. No nor-
te aconieco a mesma cousa desde que se abriram
ascommunicacdes pelo Mucury. Asshnsabia-se
nessa corte, e mesteo ooOuro-Prelo, das noticias
deste lado de Minas pelas nossas missivas, que
lerao sempre o cuuho da vcrJade sendo escripias
com moderago e criterio.
A grande quesio do momento a de eleices.
Preoccupa ella todos os espirites, eos clculos
succedom-so nos clculos para conhncer-se quaes
os candidatos que a prxima lula do diaiOdo
corren te tero a fortuna de contar as glorias do
iriurnpho. Comeceraos pois por ella.
S.i candidatos por este circulo (o 5o) nSo me-
nos1 de cinco doulores o um advogado. Qualro
os Dr. Fumino, Joaquim DelQno, Bretas, e Eva-
risto sao legistas, o 5o; Dr Maximiaoo de Azeve-
do e medico, o o advogado Jos Antonio Ra-
oello Campos, proprietano de urna fabrica do lou-
ca da cidade de Ties-PonUs, que, a triurophar,
uaodeixar provavelmente de pugnar na cmara
temporaria pelos inieresses da induntria cer-
mica tao peuco conhecida e considerada nlre
nos.
Se nao falham os meus clculos, pens poder
desde ja assegurar que dos qualro legislas sahi-
rao os tres depulados que nos lem de represen-
tar. Falla-se lambem que j se apresonlaram ou
ao apreseolar-se caodidaios os Drs. Joo Bsp-
tisla dos Santos e Gabriel Pi; deputado pro-
vincial pelo extinto circulo do Cudas ; roas elas
duascanoidaturas dispoera de pouca probabilida-
de, e de crer que es pretendentes abandonera
o campo antes da lua.
O 8o circulo, que comprehendo os antigos dis-
tritos eleitoraes do Baepeody, Barbacna e Leo-
poldina, um verdadeiro mnibus de candidatos.
Sao elles tantos que para dar-lhes os respectivos
nomes sena preciso encher urna comprida pagi-
na. Ha all candidatos epresentados pelos dous
credos polticos, conservador e liberal, e portan-
te j se v que nenhum prelendente poder con-
tar como iriurnpho, e se o partido que o tiver
apresenlado nao alcaocar a victoria.
E" natural que os eleitores de Barbacena e Leo-
poldina, que focilmeute poJem commuoicar-se
ltenla a proximidade daqoelles extintos dislric-
los, fajara algura accordo sobre a eleigo, se este
tacto se der, nao testa duvida que sero depulados
os protegidos e acceilos pela liga. J-sabemos das
eleices primarias das diversas freguezias mais
prximas, e sentimos noticiar que corre o boato
(ainda que dependente de confirmaco) de terha-
vido espancamenlo na villa de llagnahy por oc-
casio da eleigo primaria.
Entre os feridos apona se o nome de urna pes-
soa estimavel, o mejor Francisco Pereira de Ma-
galhaes Frade, que seagarrou i urna para defen-
de-la eguarda-U, quando vio que mios profanas
quenam arrebatar a Vestal de dentro do temple
era que eslava depositada.
Ignera-se as providencias
toridades, assim como
que concorreram para
Ihaote attenlado.
Coraecaram as chuvas cora muits torga e in-
tensidado, e as nossas estradas, que em ceral
eram ms, esto agora iutransiUveis.
Para urna provincia central como esta nao po-
de haver maior ealamidade de que a mina das
vas do communiesco, principalmente iras cir-
cumstancias actuaes, em que nenhum auxilio se
pode esperar da administrado provincial, atien-
ta a falta de diobeiro com que he meito lula a
fazenda publica para occorrer aos mais insignifi-
cantes pagamentos. Felizmente costme enli-
go deste lado de Minas suspenderem-se as ro-
raeasas de gneros para a cOrte al passar a es-
ucao invernosa, sendo de esperar que em abril,
com a accao de ol, e alguna pequeos reparos
que se poder lser, estejara as estradas incita-
reis.
Ainda nao chegado i cidade da Campanha o
jufct de direito Dt. Salom Qeeirega, ha poueo
removido para all. Sua demora bastante sen-
swel administraco de juatica, e mats seris se
osen tubstituto. nao (osee oDr. Leonel, digno
juiz municipal daquella cidade.
[Carla par tvmlar.)
13
1 trela de chronista dos coi4a-
em o norte de Minas, com-
pleto as informacdet sobre o municipio do Serr,
de que trate! oa minha interior, communicando-
Ue que na freguetla de 8. Jos de Jacury inda
que lomaram as au-
oa nemes dos individuos
a perpetraco de serae-
atota vez azaran
maeero
m-
IOS 17IXI OlEi
Continuando
ci meatos eleitoraes
eleices eivadat de nulli-
parochial repellido grande
incluidos oa qualiQcaqo,
lo do conselho municipal
como outros alistados pela jn-
enlos. -Ptelexto denlo Mn paro-
. *!* *'*"ze-la. quando neakema pa-
le netle jMia temar, sendo domiciltato ere te*-
tao divetee. nae estando qualineado a fregue-
zia. Bol elle como se me informa, que nao so
ervio de yteaideate. como de secretado da moas
ou escnyso das^das, o que se veri|atselo_iao-
|joprio hvro dMUa.que emfi> foi presente aca-
mara municipal ando previamente feilo escala
pelo esciiptoriodo baro da "ianna
-, i '^^l0 indebi|a e escndalos de um
lrjflfi -narPafllnTio jas Jutas-efaiteraoado JaciM*
j deu moUvo a que.nao.podesse aquella fregue-
zia tomar parte na eleigo de deputados ceral e
proviaciaes da ultima legislatura, e que em te-
lena oro nao se fizesse all eleigo municipal 5 e
iguaea lacios se reprodiutreo emquaulo se tole-
rar que um frade elrangeiroseja o supremo ar-
bitro dos negocios pblicos daquella freguezia.
No municipio da Diamantina o partido d op-
posigao venceu as freguezia da cidade. Rio-Pre-
10 e retina, e o conservador fez os eleilores as
tres outras. Oouva. Ciuimaiahy e Rio-Manso.
Lra nenhuma cidade e municipio de Minas
cuja ampoUaocia-ae approxime -a da Diamaotina,
tem o partido conservador tantos e lo poderosos
elementos Je Iriurnpho como alli; ro obstante,
os pseudo-liberaes o vo codilhanJo sempre, por
allar-lhe um centro director. A aegio se para-
lysa por carencia de pensamenlo esclarecido,
conceituado e attendido. O espirito publico entre
os conservadores da Diamantina permanece no
citado de entorpecimento em que o dominio cor-
ruptor da conciliago ia abysraaudo o paiz iutei-
ro ; e esta 1 causa porque seus adversarios, em
menor numero e com menos torga, porem com
mais sagacidad*, cantara victoria sobre elles. Eac-
tcs, que realmente maravilaam, demonstrara a
justeza do meu asserto.
Na freguezia da cidade Diamantina, em urna
eleigo que se diz disputada, aao concorreu nem
sequer a lerga parle dos votantes qualitkados, e
fez-se o grande numero de 42 eleilores com tre-
zenlos e lanos votos, oblendo os suppleotes cen-
toe tantos. Na freguezia do Gurimatahy, que d
14 eleitores, apenas comparecern! 16 volantes 1
Se na eleigo primaria os conservadores da Dia-
mantina, salvas excepges, dormiram profundo
somno de inercia, em c#rapensacao desenvolvem
para a secundaria urna admiravel actividade? o
que faz lembrar-me um aotle glosado por um
compaoheiro de collegio:
Havendo rap,
Nao falla nariz .
Na verdade pretendem conservadores da Dia-
mantina, que nao fizeraro um s cleilor, riscar
candidaturas, impr candidaturas, emim por o
dispor do que oulrQ3 izeram ; e para isso suas
circulares seguem todos os rumos, e algumas at
com um tora ameagador 1
Na freguezia do Rio-Manso, eminentemente
conservadora, o Io juiz de paz Joo Floriano
Guieiro, feilura condigna da conciliago em 185l>,
pnncipeu o annj do 1860 negando-se a fazer a
qualificago por ser anno de eleiges S depois
de terminantes ordens do governo, a cujo conhe-
cimento levou-se o fado, leve ella lugar no mez
de juoho, sob a presidencia do juiz de paz.
No dia 30 de dezembro. o Io juiz de paz, Guiei-
ro, raanifestou proposito Armo de tornar nulla a
eleigaoinsistindo em organisar a mesa parochial
P2csy8,"ma rev8<, da lei de 19 de ogosto de.
1846, e nao por votago aos eleitores o supplen-
tes, como dispoe a lei de 1855, o s depois de
minias reclaraages cedeu. Organisada a mesa e
layrada a respectiva acta, e sendo tarde, o-l
juiz de paz deixou a primeira chamada parausar
eita no da 31, e encerrando cau/oa e provi-
dentemente na urna o I;vro das actas, o da quali-
llcaco, que lhe havia sido enviado pela cmara
municipal, e at a propria lista geral dos vetan-
tes, adrede arrancada do interior da matriz, onde
exista afiliada pela junta, relirou-se, sera ao
menos, para salvar as apparencias, requisilar urna
guarda para a urna.
No dia 31 verilicou-se que a urna com lodo o
seii cnnleudo linha levado o rumo da fumaga ;
Foi o tnosmo que cahir a sopa no mel. O uosso
juiz de paz declarou ipso fado irapdssivel a elei-
?aof nao obstante as reclaraages dos mesarios
fc.4equiel Netlo Carneiro Leao e Joo AlvesSepul-
veda. que mostravam a a jilidade de aze-la, aubs-
utuindo-se a urna por outra de tres chaves, e
exrgindo-se do 3o juiz de pez, que presidir
qualificago. a lista authentica dos voluntes que
exista em seu poder, e preparando oulro livro,
na forma dajei, para langar-se as actas. O 1
juiz de paz, porm, offlciando ao presidente da
provincia sobre o desapparecimento da urna, ob-
love dos inesarbs que preslassera suas asslgna-
turas para que o governo provincial se certifi-
casse de que eram mombros da> mesa parochial
inslallada por elle ; o que feilo, o nosso juiz de
paz, multo ancho, bateu a linda plumagem para o
seu arraial do Mendanha, prximo ao do Rio-
Manso.
_ Os mesarios, que noquizeram deixar-se codi-
lhar, e de accordo com os votantes que permane-
cern! no Rio-Manso, dirigiram-se ao 2o juiz do
paz afira dedesignar-se novo dia para a primeira
chamada, e dar-se providencias sobre o livro de
actas, urna e lisia de volantes.
Annunciada por ediial da mesa, assim compos-
la. a primeira chamada dos volantes para o dia
3 de Janeiro, os mesarios olTiciaram o presiden-
te da provincia, e lambem ao Io juiz de paz para
fazer-lhes saber que a eleigo seria continuada
no da 3, e este respondeu-lhes por escriplo que
nao se prestava a presidi-la e que considerava a
reuniao dos mesarios sob a presidencia do 2o juiz
(Jo n. .._ .;.._.--------- :n:....
mus seguras garanlias de triumpho; e depois
desses etclarecimenlos-poderei mostur o mane-
jos_e arles com quo o Sr. Vaz Mourio cealiu*
all a subrogar a vontade geral na S'ia.
Nio concluir! o que llnha 1 noticiar sobre_oji
acontecimentos eleitoraes do importante munict- "
Diamantina, aMMlnda "|iy' "
abundara Hrimd,, ydete el
ideal conservaaajrea, aio obstaotooa e.
caneados pela chamada coomliego, e a falla ,
quettee direcgao, ato urna mteUigettcia aicva
eaeeaaecida, quemaba aproeoitar eelorglsdis-
Pa sem nexo, por isso mesmo inactivas, e
que reunidas e beta dirigida* aprese*UrUmaamu
adversarios urna barreara manperavel.
Ja ae poda saber do resellado das eleices de
algumas freguezias da comarca do Jeaoitinboabe,
om. Joo Baptista, cidade de Minas-Novas,
Piedade, CJ>ellinha e Santa Cruz da Chapadaj
mas aa obovaa teem sitio sobremodo copiosas des-
de o mez prximo oassado. e o estafeta q,ue dp-
iia chegar a 9 desto ainda esperado.
Por esta ccasio charaarei a attengo do Sr.
administrador geral dos correios paca a maneira
defeituosa porque feito esse ramo de servigo
publico daqui para o norte. Entre esta cidade e
as de Minas-Novas, Grao Mogol, Rio Pardo e vil-
la de Arassuahy ha somente tres viagens raen-
eaes, e as.malas sao canegadas s costas do pro-
ttrio estafeta. Sendo grande aa distancias a trans-
pr. nao pode o estafeta levar muito peso, o que
occasiona prejudicial retardamenta na correspon-
dencia, sujefto aioda shrlerrupges causadas por
forga maior, como a chuva, rios cheios, etc. Cum-
pre pois que se augmente ao menos urna xiagem
por mez, tendoeslas elevadas ao numero de qua-
lro.
ConcLuixei esta a presentando um quadro com-
parativo das torgas dos partidos nocorpo eleitorfl
desle municipio e do da Diamantina.
Eleilores conservadores: Serr 110, Dimanlina
46; total 156.
Eleilores da opposigo: Serr 6, Diamantina
66: total 72.
Maior ia a favor dos conservadores 84. Nao in-
cluo os 6 do Jar.ury.
MoaUeiro
Franco. .
Paula Ramos.
61
42
37
33
26
W
paz um ajuntamenlo illicilo
Os artigos 4o e 5o das inslrucg'es do 28 do ju-
nho de 1849 determinara expressamenle quo a
sub3luuigo do juiz de paz mais votado pelos
seus immediatos em votos,na formado art. 2o da
le, lera lugar, qualquer que seja o motivo da sua
falta, e em qualquer lempo om que olla se d; e
que a substituigo se far. indepedentemente de
ordem previa da autoridade superior, sempre quo
constar aos substitutos, por qualquer maneira, a
talla do juiz de pez a quem devem substituir, e
que cessar a subsliluigo.lqgo que o juiz de paz
a quem de preferencia compelit se aprsente para
tunccionar nos termos da lei. Os arls. 16 o 17
dispem como sor supprida a falta do livro do
actas o a lista dos volales. E finalmente o art.
O da lei prescreve que, quando era alguma fre-
guezia nao se possa verificar a eleigo no dia de-
signado, que faga-se logo que cesse o Impedi-
mento, em oulro dia mareado pela mesa, se j
Uversido installtda.
Desde quo o 2o juiz de paz Legtimamente subs-
tituto ole reunio-so aos mesarios, havia mesa
legal, que, na forma do arl. 6, annunciou a con-
tinuagao da eleigo, tendo cessado o impediraeo-
to, que era a, falta de urna, de livro que foi for-
necido immediatamente, e de lista dos votantes
visto que existia a propria, pela qual deviaser
m a..ch*mad8. segundo os arls. 21 e 48 da lei.
NO da3 de Janeiro, reunida a mesa e assem-
bla parochial. depois de lavrada a primeira seta
de jodo o occorndo, da organisago da mesa e sua
instanacao, que tivera lugar a 30 de dezembro
pelo mesmo escrivao de paz que havia escripto a
primeira acta especial no livro que deseppareceu
com a urne, enlro ao arraial do Rio-Manso o Io
juiz de paz Guieiro, acompanhado de um gaupo
de pessoas que ameacavam os votantes, assoa-
Ihando que ah viuha o Dr. juiz municipal Fran-
cisco Jos Ferreira Torres com torga armada pa-
ra prende los; e ebegeodo matriz e offerecen-
do-lho o 2o juiz de,paz a preaideucia da mesa,
elle recusou-a, declarando queapparecia somen-
le para protestar contra a contiouago da eleico
e que se tivesse torga armado feria dissolver a-
quelle ajuDlaraenlo lucilo; palavras conlra as
quaes reclamou o poro em alvorojo, palavras que
iam dando lugar a coofflictos.
Serenada a tormenta, e vendo o Io juiz de paz
Guieiro, ou que elle havia de se prestar a presi-
dir eleigo, ou que esta continuara sob pre-
sidencia do2o juiz dojpar, apoi*do pala lei,.pe-
los msanos e pelo povo, requeren que, como vo-
tante da freguezit, quera Inserir seu protesto
contra o acto quo te praticava, e eendo attendido,
contraproteslou-se. a preteguio-se ae jieiteau
eleitoral, que correo regularmente em paz at ao
Um, fleando amim urUdo o tOtmo-cam que a op-
posico, par mo de seu instrumento, o juiz de
paz uieiro, pretenden privar seus adtcaahas
dos votos do ooze eleitores uaqualU Ireguezia
eminentemente couserradora.
Fallam-me os precisos etclareeimeotot para
Ouro Preto, 24 ee Janeiro de 1861.
Em quanto os joruaes dessa corte nos noticiam
os acnntecimentos mais ou menos sanguinolen-
tos, s duplcalas e futilidades que houve em
diflereotes provincias do imperio por ccasio da
ullima_ eleigo, nao ha nesta a communicar,
excepgo do pouco j ahi sabido, seno que em
taes e taes freguezias venceram os liberaes, em
laes oulras os conservadores : de pouco porm
lhe poder servir saber onde venceram aquelles
e estes, porque a eleigo secundaria que ha de
dar o verdadeiro resultado dests lula, em que
nem lodos enlram com as armas do seu proprio
arsenal.
Inqueslionavelmeote obteve consideravel ma-
teria na provincia o partido conservador, nas
nao so soguo d'ahi que todos os depulados Ic-
nham de ser dessa opiniao, pois em alguns luga-
res dividem-so as suas torgas por ura maior
numero de candidatos, e isto dar lugar ao Iri-
urnpho de seus adversarios, c em outros susten-
ten!.muitos conservadores candidatos da chapa
liberal: isto ainda urna prova de que j nao
ha nesta provincia esse grando exaltamento po-
ltico, capaz de produzr osexcessos que se teem
dado em outras e al nessa corte: e que, sejam
quaes forem as excilages que de l vierem,
jmais se prestar ella como instrumento de
quem quer que seja que nao livor por primeira
condigo de seu prugramma a susieatago da
ordem publica, a abrigo da qual smentc licito
gozar-se de verdadeira liberdado.
Publicou o Bem Publico ura novo regularaento
provincial para a arrecadago do imposto c"a meia
sita dos escravos; aproveila mullas das disposi-
ges da lei ultima do orgameulo geral, repro-
duzidas no regulamenlo do Ihesouro de 28 de
novernbro do anno prximo passado, mas conlm
disposiges difterentes quanto parto penal: o
do ihesouro comprehende duss hypolheses para
a applicago de pena3, isto a de ser preciso
revalidar o titulo da compra para poder ser exhi-
bido em juizo, caso em que se exige o pagamen-
to duplo ou na razo de 10 % 00 de denuncia
por falla de pagamento do imposto, caso em quo
se pagar urna multa na razo de 20 a 30 % com
recurso para o tribunal superior.
O-elvar de 18 9, donde se dirive este imposto
conlinha para ambos os casos smente urna pena
pecuniaria, que era a da perda do valor does-
cravo tanto para o vendedor como para o
comprador.
A legialaco desta provincia, conservando algu-
mas disposiges do alvar de 1809, afastou-se
delle todava quanto a quanlidade da multa,
eslabelecendo ora a de 20 %, ora a de 10 ou o
duplo do imposto que devia ser pago : e esla a
ultima disposigo que existe.
O novo regulamenlo porm ioclue duas penali-
dades. 1.a, do pagamento em dobro quando a
revalidago feila sem inlervengo olDcial ou
por meio de denuncia: e 2., a perda do valor
do escravo quando lem lugar a denuncia, pena
esta que, alm de ser queslionavel na opioio de
miiitos, foi alm disso substituida na legislaco
geral de 20 a 30 %
Alm desta innovago ha no regulamenlo a
reslaurago do mposio de 20J por escravo que
tur vendido para fra da provincia, imposto que
ligurou om algumas leis de aonos anteriores,
mas que deseppareceu das dos ltimos orga-
raentos.
E' natural que haja alguma nova disposigo em
que se funde o rogulamemo, e que o Dem Publico
nao lenha ainda publicado, pois, como sabe,
aida se publicam as sesses da assembla pro-
vincial que Qndaram em seterobro; sirvara po-
rm estas observages ao menos para activar laes
publicages.
E por hoje baste.
28 de Janeiro "
Esl passad nma das campanhas eleitoraes
era que se achava empenhada esta provincia :
verificou-se hontem a eleico para preenchi-
raento da vaga de um senador, deixada na
respectiva cmara pelo distincto conselheiro
Barbosa.
Devia compor-se o colegio desle municipio
de 63 eleilores, fallaram 8 comparecern! 55.
Obliverara votos os Srs. Dr. Luiz Carlos 36,
commendador Paula Santos 29, Cruz Machado
J4, Ottoni 19, Dr. Jerooymo Penido ,19, Dr Fir-
mino 12, conselheiro Paula Candido 7, cooselhei-
roAnto 7. Dr. Mello Franco 6. desembergador
Pedro Cerqueira2. desorobargador Costa Pinto 1,
conselheiro Chrislionol, Dr. Jote'Joaquim Mon-
teiro I, Antones 1.
No collegio de Marianna reuniam-se 61 eleito-
res, que deram o seguinte resultado :
Ottoni 43, Paula Sanios 31, Cerqueira Leite
27, Cruz Machado 19, Firmino 16, Dr. Lobo 15,
Dr. Penido 10, Luiz Carlos 8, Mello Franco 5,
Paula Candido 3, Chiistiaoo 1, Bispo 1, e mais
Ires a 1 voto.
Como ver, cada collegio votou exprimindo as
forjas de cada um dos lados politicos, tanto
quanto o permillio o grande numero de candi-
datos, sendo que no desta capital obteve o se -
gando da lista votos de um e outro lado, o que
prejulicou um dos candidatos da opiniao ero
materia.
E' natural que .toda a previncia houvesse o
mesmo derramamento de votes como rus dous
collegios j conhecidos pois oseleitore espociaes
foram fetosem poca em que se achavam amor-
tecidas as paixes polticas: nenhum juizo
portante se pode fazer sobre o resultado da
eteigao.
36
19
18
18
12
11
11
10
8
3
87
81
8
63
02
59
[Carla particular.)
.1. defevereiro de 1861.
Nao faltam agora noticias a dar-lhe. As duas
eleiges que se vericarara a 27 e 30 do mez pas-
sado do materia para fatlar-lhe muilas vezea do
qoe vai por esta provincia, se eu puder acom-
padbar os resultados das dilas eleiges de algu-
mas observages que deem a conhecer o estado
do espirito publico, o que nao ser sem nleresse
para aquelles que desejarem conhece-lo, e bem
assim os ofteitos da nova ei eleitoral, que ele-
vou a 3 o numero de depulados por oada distric-
to. e tubdUidio os antigos circuios em Untos
collegios quantos sao os municipios nelles co-
udos.
Comecarei por este 1. distrieto, quo o de
3ue por-ora ha aqui noticias : compe-se Ue
o municipio da capital, que d.
Eleitores........... 87
^oelnzi(a91goasdeo1slanci). 43
Ubi (*18)......105
Pirtngt (a 10) ..... o
Marianna (a 2).-.....188
darrar-ihe n oceurrencias da tragueis tpBHV. No eallegio da eeoital nwrin.ii il fiialrin
opde um volbo pastada por India e atina burleu a, WtoadV3 riwnMton^aiZT^.
! ft*r PtmU Campos, qoe oha por si ilaMtoTr^ wi jefuaniee c*b-
0 I. 3.' e4.*'*o da nberal. 0 f,. 5..
e sV da cooaervadora. ol. e &. de ton da.
chapas : o partido liberal linha M -ou 32 eleito-
res. e o conservador 52 ou 53 : e-M n-a- flua
QtKBMimos atan so auxiliaum oa ana advera-
ritwom aena toiO volaa, onm aada.eram
at de 29 a candidatos avalaos. ^"n
Coileeio deQuelu:.
Comptreceram 42, sendo conservadores 24 a
liberaes 18. -Socam oUdot :
Dr. Ta vares. fa;------
_ Paula Ramos..... 10
Dr. Laffayette..... -il
Monteiro de Barros 15
Mello Fraoce .... 14
Paula Santos .... 13
Conselheiro Anto. 9
Dr. Lobo...... 7
Carlos Pinto..... 3
Peixoto de atollo..... 2
Os libearaes desperdigaran! 20 votos e os con-
servadores 14.
Collegio da Piravga.
Comparecern) 7, sendo liberaes 20.
vadores 37.
Foram votados :
Ramos borle.. .
Peixoto Jde Mello.. .
Lobo.......
Loffayelle '.
Carlos Pinto. .
Mello Franco.. .
Paula Santos .
Monteiro de Barros .
Vasconcelos Coimbra
Tavares.....
Afilio. ..'.'.
Diversos.....
veaperdigaraa o liberaes 1* votos e os con-
servadora 54 :
Resumo dos tres collegios.
Paula Saeloa (da chapa liberal),
Ramos'liona (da conservadora)
Monteire .de Barros (dem). .
Lobo (da liberal) .....
atollo Franco (dem). .
Tavaces (da conservadora). .
Aioda nao conhecido o resultado dos cole-
gies do Uo e Marianos, da quollo porque flea a
18 leguas de distancia desta cidade (onde foi as-
tistir leigao o Dr .Lafi.yelte), e o desle por-
que comquanto diste apenas 2 leguas, nao se li-
nham aioda reoebdo ao menos as cdulas at
hoje por .larde, tendo alias tide lugar no dia 30
a missa do Espirito Santo, qual devia seguir-
se mmediatameiite aquello acto, como expres-
so no art. 72 da loi; duravam ainda as discus-
soes sobre raes ou suppostas nullidades de al-
gumas freguezias, entretente que era j ali desde
hontem conhecido o .resultado de 3 collegios
a o ser lambem o do Ub autos que se tenh
procedido votago.l....
Nao bislar a proxiraidado em que esto os
collegios uns dos oulros, facilitando al quasi a
ultima hora as providencias equilibristas dos
candidatos ; veio ainda esla uova especie de re-
curso, de que, dadas corlas circumstancias, se
podera elles servir como arma de cabala, se fr
lujito execuiar-se assim o art. 60 da lei. que alias
manda fazor eleigo de depulados em um mes-
mo da em todo o imperio ; ser um preceden-
fe que, adoptado, falsear completamente a me-
Ihor garanta da livre manifesiagao das urnas os
propnos candidatos de urna mesma parciedado
lerao de soffrer al de seus companheiros, se
por ventura algum delles nao ver lido a neces-
sana influencia para conseguir dos oleitores do
collegio sob sua direcgao urna votaco igual
sua para os seus ouiros collegas dos mais colle-
gios oodo a eleigo se faga em das diferentes :
nao poda de certo ter esla a intenco da previ-
dente lei de 18 de Agosto de 1846 outras.
ELEigO DE SENADOR.
Alm dos dous collegios do Ouro-Preto e Ma-
rianna de que ji lhe dei noticia, sao mais co-
nhecidos os ueQueluz, Barbacena. Santa Barbara,
Sabara. Santa Luzia, Parahybuna, BomOm, Pi-
ranga, Ohveira e Itabira, dando o seguinte re-
sultado :
Olteni......200
Firmino......164
Cruz Machado. ... 158
Penido......145
Luiz Carlos.....134
Paula Sanios..... >16
Cerqueira Leite : 108
Paula Candido. ... 36
Mello Franco ; 32
_ An'ao....... 30
Faltam 42 collegios.
2 de fevereiro.
Acaba de chegar a noticia de que hontem V
tarde receberam-so e apuraram-se as listas do
eleilores do collegio de Marianna.
Devia compr-se o collegio do
Falteu ....
Compareceram.
Supplenles.. .
Obtiverara votos
Mello Frauco .
Lobo.....
Paula Santos .
Paula Ramos .
Monteiro de Barros
Tavares .
Octaviano
os seguintcs :
93 18 em separado."
92 18
92 18
10 27
9 27
9 27
111
110
110
37
36
3
1
eala-
Nos separados, da chapa liberal pareee
rem os 7 suppleotes do Jequiry, e 11 eleilores e
supplenles da Ponte Nova, e nos da chapa con-
servadora os eleitores do Anta, os do Jequiry e
3 da Ponte Nova. Contra a espectaliva geral,
cerraram ambos os lados suasjfileiras oeste col-
legio, onde se esperava que o Dr. Lafayelle e o
Commendador Carlos Pinto obtivessem avullada
votago eis um dos resultados do prolonga-
memo dos trabalhos I
(Carta particular.)
ESPIBITO-SAATO.
Victoria, 1 de fevereiro.
Esl terminada a eleigo secundaria ; as ves-
peras della o commendador Monjardim cedeu os
seus votos 10 Sr. Camillo Faro Jnior.
A votago de todos os collegios da provincia
a seguate :
O Sr.,Luiz Antonio da Silva Nunes, 144 vo-
tos, dos quaes 7 de eleitores da freguezia do
Cachoeiro excedentes ao numero marcado pela
presidencia.
O Sr. Silva Nunes foi votado por quasi lodo
os eleilores Gregos eTroyanog.
O Sr. Antonio Pereira Pinto leve 125 votos.
Sao estes os dous depottdos por esla pro-
vincia.
Alm delles o Sr. Camillo Faro leve 33 votos,
dos quaes ele da freguezia do Cachoeiro, exce-
dentes ao numero designado.
O capitio-tenento Sido leve cinco votos,
dados i ultima hora, sera que ninguem espe-
0 Sr. Camillo Faro leve apenas tres votos dos
eleitores que votaram no Sr. Pereira Pinto, o
aeompanharn o partido de que chele o Sr. Dlo-
nizio Alvaro Rozcndo.
A votago do Sr. Faro indica, pois, os elemen-
tos Je que dispunha no corpo eleitoral o outro
partido.
Depois da noticia t6o imprtente, aioda que
prev, deuo tudo o mita pora as seguale oor-
respondenciis.
(Carla particular.)
[Jornal do Commercio do Re).
PERMM8UC0.
Por portara de 15 toi concedida exoneracao do
lugar de 2o escripturarto da ihesouraria provin-
cial ao bacharel Antonio Wltrnvio Piulo Bandea-
ra e Accioli de Vaseoncello, *We ler ido Bo-
rnead lente da segunde oadeira da Curse Cot*~
marcial Ptrnambucano.
Existindo duas vagas de 2* escriturarios na
eontadorla da thesouraiia provincia], em conte-
quencia daexonereceo do tachare! Wtnrvio e o
axceeto do Sr. atoreemiro Paacracie Pwatra dos
Santos, o Exm. Sr. presidente por acto de 15 do



imwBmmQBx; -mGuBvnmit i*bb mam** n tm.
correle mandou pOr concuo o proviment
aessas duna ragas, na eonformidade do art. 42 da
regulamoolo da m.ir^ 'tviiyirtiHUii
Hoje comees concurso na directora ger.il
fla insiruccao publica para o preeochimeato daa
cadeiras da iosiruccao elementar, quu a achata
?Ala.
Por portara de 1$ do correte fot traHferi-
<3a para a catara da sexo ferniuiao, nonrmante
CSN' "!U,dCaM, a profaaaora de Sed'
naaem Porua Jesuna BapiiaU da Silveira.
Por portara de 14 do crtente mea fui con-
cedida licenca ao proeasor de lata da freguezia
de S. Jos por uro aono, adra de tratar do sua
saude.
-. Sabbado reuaio-se a assembla geral dos
accionista da Companhia Pernarabueana de va-
pore costeiro. e, deaoi de exposta o estado
presente da compartira, que asis satisfactorio,
proccdeu-se eleico da mora direeco. anindo
eleitos;
Presidente da assembla geral.O Exm. Se.
visconde de Camaragibe.
Secretarios.Dr. Jos Mamede Aires Ferreira
e Dr. Jos Bernardo Galvo Alcofurado.
Directores.Antonio Luiz dos Santos, Jos Js-
coraeTasso, P. Needham, John Killy e Dr. Joe
Bernardo Galvo Alcoforado.
CoromUso da exameB. Robilliard, Honry
oster e Joao Baptisla Fragoso.
Marcou-se o dia 23 do correlo para a comis
aao de cootas apreseniar o seu parecer, o pasaar
o exercicio sua successora.
O vapor brasileiro Cruziro do Sitl, sabido
para os porlos do norte, condozio a seu bordo os
scguiotes passageiros :
Antonio Jaciutho Simos. Joo Correa de Car-
valho, SegUfredo Leopoldo de Figueiredo Veiga,
Antonio da Silva Maja, D. Joanna Francisca La-
vanere, Jos Gomes, Manuel de Oliveira Maia
Jos Francisco Rittoncourt, soldado Silverio Viei-
ra da Silva, soldado Daniel Francisco Aulonio e
Jos Goncalves Vlaverde.
CHRONICA^mOKURIA.
TRIBUNAL DA RELIGO.
SESSlOBM 16DE|FEVEREIRO DE 1861.
PRBSIDEaciA DO BXM. SR. C0KSELHE1R0 ERMEL1N0
. BE LE>0.
As 10horas da manhdftchando-iepresen-
tes o Srs. desembargadores Silveira, Gitiraoa
Lourenco Santiago, Silva Gomeo,.4erra. pro-
curador da corda, e Costa Motta, faltando com
caffsa o Sr. desembargador Caetano Santiago.
Coi aberta a sessao.
Pasudos os eitos e entregues os distribui-
do.-, procedeu-se aos seguintes
JULGAMENTOS.
JtffVa.ni-A6i3"VOa ?f FMS0, v }s eocWmeola delevapoV mo" pquie'de
griSti iuizn 7 ComPnhia ; "t16 d0 a,esmo m" e Uve o pVazer de o ver en-
Llatnr n ir ri..mh.niM ci r h"-" Ul seu bordo oegle porto em 5 de no-
W^lA. A'. 'rgadiUr /* G0"?' Pemblfcp|.'ot-inc muito agradavel observar eo-
e Silvlfr. desembargadores Gilirant^tao c^ 2 mjerrdeclarS vos que sabr ser
Nao se fez aggravo.
WrtWfc al tundea* que a a-etom eRe mm-
matraados por officiae experienie a de conUaa-
c e sendo o seu estado o mais satisfactorio,
operar de immerecllo dlstredito em que haviam
eotiido, nao sendo alm- dsso a ton* era que
feita a oossa najegaco, sugeita temperare,
tninha opisiio que nao teja renovad* o s>guro
logo que lermiaeo aclsal; vos; porfm.perlen-
ce o falioerat acerca de-obiecto de tanta mas-
oiluoT.
Nao sa t&airto-repirar a eornpannTa por oio
haver pago em lempo o repectivo sollo, do a-
4*.wk,J**t*%tAt\ W por'ceoo^qhdte
capital, recorr so tribunal- do thesouw, que se
serano abiolve-lr da multa, mandando-a adovit-
tir a pagamento do mUo simples na importan -
ca de Z5i*3(>, que foi irumedialantents effee-
tuado.
Confecclonou-se nova tabella do freLes e pas-
sagens, a quai se executa desde o Io de- jalho do
anno p. p., elevando um pouco o valor das pas-
sageos entre algn pontos, qoe eta extrema-
mente mdico, entretanto que aind aesira este
valor, em rela^o fdl versos-portos 'enr que to-
cam tambem os paquetes da companhia do Rio,
tica muito qaem do. que se paga esta.
Nio lendo sida pago, desde qoe foi concedido,
o foro do terreno que a companhia posiue no
largada asierabla, tere airrda de petar sobre o
lempo da minha aimiaisteaco easa verba que
teria sido muho redonda, se nao se hoovesse
deixado de paga-la ero lempo proprio.
Figura ig-nlmente no lempo da minha admi-
nistrado o pagamento da multa de 1:00J qoe
a companhia foi condemnada, por nao ter anle-
normenle curaprido a 2? coa lieco das que bal -
xarara-com o decreto n. 2511 de 14 de dezem-
bro de 1859.
Para economisar o gasto extraordinario que se
lazia com verbaaguada, podi e obtive do Sr.
presidente da companhia de Beberibe, a graga
de encaar agua para o caes da companhia, on-
de della se refaxemas barcas com a maior faci-
lidad* e mediante mui mdica despezs.
Tom sido desempanhsdo com a maior regula-
ndade o servico contratado com o governo im-
perial, bem como os comproraissos com a* di-
versas provincias. Effectuarara-se durante os
novo neies da minha a Jministracrre 27 viageus,
soo^to.18 ao sul e 9 ao norte, lendo sahido sein-
pre Com a maior ponlaalidad os nossos vapores
a 5 e 20 de cada mez para o sul c^a 7 pars o
norte.
Alm dos vapores /ouarasii e Persinimga de
que logo Iralaiei, possue hoje a companhia o Ja-
gumnbe de 429 toneladas: sau cusi como veris,
inclusive o seguro pela viagom, eombustivol,sol-
dadas, manlimenlos e varios sobressalentes da
machina etc., monla 163:437til. Tomando
eo posseda gerencia da companhia 14 de mar-
gados aubaltamos. pormmi, oohoreo, oe ap-i
proyeite a proaeote oceaaiaa, pora Ihesrender
aqu os meua oms cordeaet agradecimenlos.
Contando com a ToaiB^waulgeneia, por qual-
quer falta, emquo pdrVofflura tenha involunti-
namente incorrido, e aam assip por oaafapojr
lacuna d'orto ro|alod. ochar-mo.hela.ptea^o.
sedDfre de boa roatdoj aiowltar-voavquaoo-
"rnanftuc^*reeWeiVffc*8fll.
O gerente, F. F. Dorgcs.
ftAUNO DA COMPArJHTA' PBRNAIBUGANA
DE IUVEGACO COSTURA A' VAPOR.
Si*..'--. .Ikm'. .
Empreatimoo do goTerno geral
(com juros).......
Agencia do Natal. ^ -._. .
Dita do Ceari.......
Dita da Granja.......
Remessas para Inglaterra .
Samuel P. Johnsto dtC.
Jos Antonio deP
nior Rio de Janeiro]
BarSo de LtrraaaenM
SauBde, BrelhersrSC.
Lucros e perdas .
600:000^000
311 lOOJtOOO
297x514
69385
439S67J
2:8965377
1:567#>00
8:4280O0
3:031*000
3r519*000
40:449*769
971.S49J217
jcendoojjs passageiros todos os confortes,
tfg'.la!>-l*.'.lfaJ>i*' f0?88 d*90*1'. Maw aP" colsomme mui po^ carvao.
pellaos, os directores do hospital portuguez.'
Reformada a sentenca.
Appellante, Manoel Ignacio da Silva Teixeira :
appellado, Antonio Pereira de Ferias.
Confirmada a sentenca.
APFELLAQOES CRIXES.
Appellanle, ojuizo ; appellado, Mareos Anto-
nio Hibeiro.
Improcedente
Foi proposla a peligo de habeas-corpus de Vi-
cente Ferreira de Paulo, preso em Fernando, pe-
dindo ordem para ser apieseniado no tribunal,
e foi-lhe concedida, marcado o dia 13 de abril
prximo, para ser apresentado, ouvidas as auto-
ridades competentes.
Assignou-3e dia para julgamento da seguine
oppellacao criroc :
Appellante, o juizo ; 8ppel!ado, JoSo Evange-
lista da Molla.
Appellanle, o juizo; appellado, Mathias Jo-
sede Queiroz.
Appellanle, o juizo j appellada, D. Antonia de
Agular e Bollo.
Appellante, Sabino Jos Elias ; appellado, o
juizo.
Appollante, 0 jai
nandes Beltro.
Appellante, o juizo ; appellado, Pedro Ferrei-
ra do Nascimento.
Appellanle, o juizo: anpollado, Alexandre Ri-
lieiro Quintiliano.
Appellante, o juizo; appellado, Loiz Francisco
da Silva.
aiSTRIBUICES.
Ao Sr. desembargador Gitirana, as anpellaces
civeis : *
Appellanle, oaquim Francisco Doarte ; appel-
lado, Joao Pinto de Mendonca.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago o
aggravo de instrumento :
Aggravante, Gnncalu Francisco Xavier Caval-
canti Uchoa ; aggravados, os religiosos do Carmo.
As appellaijoes crimes :
Appellaute, Jos Francisco Nones ; appellado.
Alvaro Jorga da Silva Loureiro.
Ao Sr. desembargador Silva Gomes, asappel-
lares crimes :
juizo ; appellado, Manoel Fer-
'"^C^Vtruido, de um trabalho perfeito, ofTere-
este
vos.
Appellante, Antonio da Silva Rosa ; appella-
do, o juizo.
Foi concedida a soltura pedida por Domingos
Migael dos Santos, em ordem de habeas-corpus.
A 1 hora da lardo encerrou-se a sessao.
l.ELATOMO
a presenta a o assembla se ral de
accionistas da compaa a Pernam
bucana de naveacto cosleira
vapor, pelo rente F. F. Borges,
em 16 de feverelro de 1861.
Srs. accioaislas.Convidado pelo conselho de
direccao da companhia pernambucana de nave-
gagao costeira vapor, para tomar conla de sua
adannistracno, fui della empossado em 14 de
marco do aooo que expira, mais confiado na boa
vontade e poderoso auxilio de cada um de
do que as proprias torgas.
O estado decadente da companhia enlo,
tao conheeiJo de todos vos, q..e espere rae pou-
pareis o desgosto de vo-lo paleotear, como tai-
Tez rae cumpna; bastar dizer-vos, que logo que
entre no exercieio de nimbas funecoes, foi meu
pnmeiro cuidado cortar e diminuir as extraordi-
narias e superfluas despezas que se faziam, sem
comtudo se allenderaos verdadeiros ioteresses
resultantes da cammoJidado dos passageiros
bom scondicionamenlo das cargas.
Assim, pois entendi que igualando os salarios
dos empregados de bordo aquellos que pereebem
os da grande companhia do paquetes, que per-
corre a no3sa costa, do Amazonas ao Prata, ao
passo que fazia urna grande economa, pra-
ticava tambem um acto da maior justica, por-
quanto, senhores, principiar pelos Srs. com-
jnandanles. percato* cada um dos nossoj .
1:09o por nao ms do que aquatiea i quem
estconhado o commando dos grandes navios
Cruzeiro e Oyapock, conhecido de todos vs,
entretanto que tinh-am muito meaos servico.
Reduti ainda de metade am lerco a quota
que os meamos comraandaotea percebiam para
pdr mesa ao passageiros, o que ainda assim
superior ao qne percebem os daquella compa-
nhia, oide leudo somanta um quarto, devem
anda fornecet viuhos communs de pasto, ao
que nao eram obrigados os nosso que assim
continuara.
O que se dava com os Srs. commandaoles,
dava-se com quast todos os empregados de bor-
do e com o proprios foguistas e arvoeiros, que
alem de maior ealario liohan aiola para eonw-
doria maw 50 por canto, d qoe o que andana
na ja> citada companhia do Rio, que alia tem
muito mais Irabalho. Fiz igualmente eliminar
de bordo do que navegava para o sul o ortico
da corta queja era conservado por mal entendi-
das coostderacas, com o que so ecouomisou a
quaoiia de 1.2005 annuaea, sem rentado fazer
a menor (alia ao servico, a fwova do que est na
ponlualidide e regularidado com qoe elle se tem
eito desea data ate hoje sem faina de am so dia
o com o melttot aurceaao.
..l0f*m**,"io*d*,i8Ulm~* pwvieogeoo as
difiranles barra, para aqaeiiaa de- dossm Bi-
vios, que conforme os difTerenles regula melos
dellas eslavam isentos, assia pois, que o Per-
tinunga e Jognaribe, doinam de paga-las em al-
guna porto i por nao otaren nesse caso, atiento
o seu callado d'agua.
O nonos Mrtoa roe at aquello periodo {o -
rain seguros en 'jffttorra, achara -so-.desde que
expirou all o przo, aeguros no Rio 5 por cea-
to- ppr ooo e aeodo eou orna rerba qua cusa
anaualdioBto-* cvfltpocraia a grandd sotmaa de
O Iguarasu, de forte.cAttsirucc5o, acaba de
aoceber>iovo jogo de cadeiras, que cucoaanen-
&* Pg'a mesmo paquete de 16 do marca; tee
Hb dTs de tornear todas as varos e bastea,
bem-comir-fuodir de novo os respectivas bronzes,
alm ,de nMlhoramento de 4 em lugar de dous
excntricos, o que dar eJvresultao o engenho
igoaldieiite novo, vista do quo espero que
prpslava mui bons servigosv
O Persflanaa^que tioha contra si, desconcei-
tb immerecido, por quaoto se dizla muito arrui-
nado, em rojulladoNi') minuciosos exames que
eu ntesmo proced por dentro e por tora, sendo
depois examinado pilo digno constructor do ar-
senal o Sr. Trajano Augusto de Carralho, que
gualjneate empregou a maior minuciosidade,
veriuefiBiy searse o casco em perfeito estado,
sendoqeo machisrae, que se acha em muito
bom estado, nao tem a Torga necessaria para lhe
imprimir urna veloeidade, como era para deso-
jar na poca presente, em que possuimos o Ja-
guaribt, e em que nos sao igualmente conhecidos
us vapores de forca superior.
Conserva-se, pootm, no maior eio, e sua
cmara acaba de ser pintada, offerecendo assim,
aos passageiros todo o conforto possivel.
As cargas hoje sao mui bem tratadas ; oeahu-
ma queixa ha subido ao meu conheciraenlo, que
possa aulorisarpcnsamenlo contrario.
A acquisicao do novo vapor trar companhia
augmenlo de despeza, porqu^como sabis, ese
acha demonstrado, aqui, como em toda a parto,
nao ganham os vapores para o seu costeio, mas
desuppor que o governo de S. M., serapre solli-
cito pelo bem do paiz, e compenetrado da neces-
sldade de collocar em raelhor p ascoramunica-
coes entre os variados portos das difTerenles pro-
vincias, esteja disposlo & alten Jer ao augmento
da despeza, quo o melhoratnento do servico nos
accarreta.
Pelo resumo do balanco fechado em 31 de de-
zembro. veris o estado da companhia.
Sendo mais proprio para induzir em erro, dj que
para moslrar a verdaeiraposieao da companhia, o
systema seguido al aqui, do figurar no seu acti-
vo todo o material, pelos cultos primitivos, sem
atlencSo ao uso e deterioramento, desejava ser
autorisado com o conselho de direcgo, fazer
avaliar conscienciosamenlo o material da compa-
nhia, que tem attingido.um valor exagerado, de-
vido fiquelle syslema.
Sobretudo as emharcacoes raiudas, bem como
barcasas, alvarengas, etc., em difTerenles ppitos,
sobre cujo cusi (em lugar dededuzir-se) se tem
accumulado suas despezas, figurara por cifras
que nao sendo reaes, sao coratudo aquellas por
que as receto das mos dos meus anteces-
sores.
Apparecendo diversas reclamaces por contas,
de que se diz devedera a Companhia Pernam-
bucana, masque no constara do balanco fecha-
do em 31 de margo, nao tenho dellas tomado co-
nheciraenlo, entretanto sendo alguraas follas
exactas na minha opiniao, acho justo que me au-
toriseis descrimioar aquellas, que se devem pa-
gar, de outras que meu ver no merece ra inleira
f, e o seu resultado pdr era vosea ou em presenga
da directora,que resolver o quefrdejus-
tiga.
ET isto inda consaquencia do grande deleixn,
em que audavam ae cousas da Companhia, qu
teta de gemor sob seo resultado por muito
lampo.
Fazende trancar os livros da companhia, com
o balanco fechado em 31 de margo, e que me
foram dados era 28 de julho, denominei alcance
em 31 de margoo saldo da conta de lucros e
perdasque mooUva ento re. 13S:926965, e
tendo recebido subvences e varias contas stra-
zadasno valor de 69:416J665 r., flz dedirzir esta
d aquella qwanlia, o que deixa o saldo constan
le do balango actual, sob aquella denominaco
de rs. 69.509JH86, *
Fazendo, pnis. escriptnrar separadamente as
transaegoes durante o lempo da minha adtninij-
tragao, veris qaio n'esse periodo houvo um ex-
cesso de receita, /incluiudo as subTences) sobre
a dospezi de rs. 40:i49#769,como claramenta vos
aprsenla a deraonstragao da conla de lueros e
perdas que abaixo vos otlerego.
Como vedes o omprestimo do governo impe-
rial, nao lera sido tocado, senio para acquisigo
de novo material, e disso prova acharem-se re-
colhi_dos_ Caixa Filial 114:697|42l rs. e em caixa
2:0258476, sendo que o vapor Jaguaribe e as no-
vas caldeiras do Iguarau imporlaram aproxima-
damente no reate.
Terreno do Forte do Mallo.
Esta importante propriedade, eujo valor excede
mutto o qoe lhe est assignalado no balanco.
sena para desejar quo se lhe dsse ainda mjior
valor, edifleantfo-se ahi ermazens.
De actOrdo rom a itluatro dwectori, lancarei
mao de oecasio oppotluna pa levar effuito
LqiJI^LU PenMraon,,>. Pe augmentar con-
aulMelmenle a importaoeia da nossa com-
E'. pois, por demais satisfactorio o, eaUdo da
companhia, atteadermos que'quando e
Uei para a gerencx, pwava aobre aoMlla um
consideravel dficit do\km ZZVmLZ
vid. de 20^0001 que^q3a7.7hrreZzid
* Creo de fcOOOfc leo le- pago esta^ *""
Se aproscnlando-vos esto resoTtado, eu nao
leaho afortune do MtWestr a voseeeoperao-
oas, roala-nt o Umootar, oea a circum*aciat,
o imnlu iraca intolligeoeia, neo me tenham per-
HtUdo alcanfor rooao-e o mea desidertum,
odeedoenUeunto aoooforar-To qtre teoho err-
* **ttot2J* T* ^w? pwa eeoiegi-li.
.,;, 1mTantu*? "* mI eootterecw da
parte de todos os Exm, preeideolos, iaspeclores
?.. aIT."?"1 6 ?"* de msrinhas, che-
patiiv^e, bem como tlfandegu etc., e ompre-
Accoes disponivei ..."..
Caix*.........
Subvanco geral......
Dita provincial do Pernambuco .
Dita dita da Alagoas ....
Dita dita do Ceat......
Dita dila do Rio Grande do Nor-
v,e .........
Vapor Iguarassu ....;.
Vapor Pertinunga.....
Vapor Jaguaribe......
Alcance de 31 do marco de 1860.
Bens movis.......
Terreno e caes de Forte do Mat-
. K..........
Al va renga Cearense.....
Barcaca A^opo Flor, no Acarac.
Dita Triumphantt, no Aracaty .
Dita Maurxcia, ao Acarac .
Canoa de Areqaind. ....
Dita da Parahiba......
Dita da pranchs do Forte do Mat-
t03..........
Obras de lrepisstmTa; ."',
Ditas do canal de Arequlnd
DitasdeGoianua. .'
Doea da Granja......
Agencia de Macei.....
Dita da Parahiba (aotiga) .
DUa da dits (nova).....
Dita do Aa4 litiga) ....
l)i t do Aracity .......
Dila do Maco.......
Armozem do Acarac ....
Trapiche de Tamandar. .
Dito da Granja.......
Conservacao. do canal de Are-
e.uiol1 v.......
Caixa Filial do Banco do Brasil .
SobrejoaUeiires em deposito .
Joaquibpmlvcs Moreira. .
93:2009000
2:0z5i76
7:UOO|000
OOOOSJVJO
3:33343:14
3:333p34
2:00OgOOO
230:6965790
107:26394
163:437^141
69:5003986
1:26&JOUO
37:476)621
3:3lla330
1:9109000
2 95OJ0O0
1:669*000
1:4153000
l:290j000
1:8029480
11:0749040
30:4039000
15:31Q|36l)
15 1750
470910)
867f82
579000
9188630
46*401
38*020
lOOO
41 9679140
2:3145300
_______________________ O^frflfr- Baja
L da'ndepor
_*uoccees. Em execoelo. do-ori. W
W'teailameBt passa o utimo Sr. rho-
t:te,Sii1nlr !0r"'i* Pfoio4ols>
**? e 1*6*99, TeriQeado no ultimo.do de-
.^3F Prou,poaoado1 romo do balando que
^^coMaro-receita o desdeza relativa ao
eti dita n r,otim* fla* coowod at
rmnli^V .PrJm' r-
uIT de,li" ,,ue *nm lef rehiro e
mEZwretaria da conaetho, assim orno os
mwe da sal das suas sonde, e IgeateieMe o
aciuai eacnpturario e aatigo secretario, que ha
S?i na* iem eHo ta*1 ipiuTjgo
ao patrimonio dos orphoscom zlo e fidelidade
L'! e por S9r hon*"> P de fmula so faz
oigno^fioraUendido- por V. Kxc. visto com o
referido reglame*) n.. dispo explieitamente
P.o ?** L ResU conselho agradecer V.
txc. o hav- dispeassdo do penoso encargo de
i-i,.i! ""f de ,r,s aOQ0S ** echar* onerado
-R6*? 8urde a ExcBecif,.
*oe o eoeaelhfl administrativo do patrimonio
dos orphios, 12 de fevereiro de 1861.
illm. e Exm. Sr. Dr. Ambrozio
nna, dignissima presideole da
o por falte de oaoo psmua oooat-etiabihrada p.
ra esse eaoiao. K
No decoimo do aono loerr> educanda oreo-
dora os proeeito do MHgl&ov loitaira,. eoerieta,
aritnmetM. a Uagaa verncula eoro a ooa orttse.
graphia, e a frasees*. Matoo. *srada, geasra-
Pma, costora, tecldo. heododoo, tapesari, flo-
res eou Iros traba Ibes rosease proprio desea
sexo, aflm de mrum ata edascsfl sdosnada a
orna dooa de caos, o habilita re m-aa poco oodMe-
rentes raisleiea ds ddt
As educanda'.
da lei geral
sala dasses-
1208000
114 6976421
4:OISgJ07
79200
971:3499217
S. E. e O.
Pernsmbuco, 31 de dererobro do i0.
DEMONSWAgO DA CONTA DE LUCROS E
TERDAS.
Haver.
Subvengoes geraes por 9 mezes.
Ditas provinciaes de Peroambu-
buco. idera. X~ ..
Ditas ditas do Alago, 3em.
Ditas ditas do RioGdmle do Nor-
le, idera ?" ; .
Ditas ditas do Cear. : .
Frotes e passigens atrasadas. '.
Ditos e dita do/?Mm*h. .
Ditos o ditas do Permrumga.. .
DUo e ditas do /dbtmrioe. .
63:0005000
300003000
-4f. OOO9OOO
Leil.ao da Cu-
_ provincia,Do-
TeuS* ^** *"* *,rni"' P*-este. doeon-
RELATOniO.
n ik. N'01' e Exln s'-
u conselho administrativo do patrimo do or-
pnaos m observancia do dfsposlo no art. 42 dos
estatuios de 13 do Janeiro de 1855, aproseuta a
v. txc o seguiot* relatorio eo balango geral do
nno prximo rundo, afiui de que posea V. Exc.
aquilatar o proapero estado administrativo, e eco-
nmico do mesmo patrimonio.
Predio.
Possue o patrimonio, cenlo e quatro casas e
um slo na ru do Vigarlo, de nma casa que foi
demolida, cinco sitios e ceoto e quarenta e cinco
lerreno, de quo em geral se recobem foros, nao
contando alguna predios rsticos quenada ren-
dem por se acharen indevidamentw na posse de
vanos hereosecujos titulo eslo langados no li-
vro do tombo do patrimonio.
Alguus predios leem sido reparados, e outros
necessiiam de reediacaCao, o que nao se tem po-
dido fazer por depender de avultado dispendio,
superior s forgas do patrimonio,
itrrendamento.
Os arrendamentos dos predios do patrimonio
continuam sor de um a tres annos, em vkt.de
do acto da presidencia de 11 de oulubro de 1858,
naveodo alguns predios arrendados por mais lon-
gos prasos, autorisados pela mesma presideocia
cm diversas datas.
31:2029018
17:8785370
2.8059206
164.48IS624
Deve.
Barcaga Espranga Feliz, prejui-
o..........
Fretes e passagens do /juornssi"*,
urna passagem para Parahiba.,
que nao foi paga.....
Francisco Ferreira Borges,impor-
tancia do seta ordenado come
gerente desta companhia, in-
clusive a de todos os ca xe i ros
e despachante, por 9 mezes e
15 dias, razio do 14:0009000
por aono........
Salarios e porceotageas de agen-
r tM -.........
Commiesoea .......
Juros a descont. ..."!.'
Co.-leio do vapor Iguarassu .
Dito do vapor Jngsorie. .
Dito de vapor Peniniango. .
Dilo da barcaga Triumphanle .
Dilo salarios e poroentagen9
atrasados........
uit imposta peto ministerio
do imperio, decreto do 14 de
dezembro de 1859, falla de
meus antecessores. ....
Despezas geraes.....
Armazem do Porte do Natos. .
Seguros do vapor Iguarassu .
Ditos do vapor Jmguarib,>. .
Ditos do vjpor Persinun.ua .
Saldo para o anno de 1861 .
1:7939030
209000
T1:083J333
&:e099435
417*317
1:656*790
58:153*375
3:047*875
2i:5o0286
508*720
749*763
1:0009000
2:392)0i.l
4079860
5:106*000
8:0349000
3 0669000
40:449t769
S.J. oO. Bs. 164:48l8Bi
138^21*851
Peroambuco, 31 de dezembro de 1860.
ALCANCE DE 3! DEMARCO DE 1869.
M Do Margo 31.Saldo de cotila. .
Haver.
Subvengoes atrasada
recebidas desdo 31
de margo.......... 60 116*665
Saldo para o anno de
1861 ........i.....69:509*056
S. E. e O. .
Pernamlwce, 31 de deiembrodo 1860.
Extincta adiniiislracao do patrimonio
dMorp
*'! f*!8^Palacio do governo do Pernambu-
co, 6 dereveveiro de HMlr.
loemelteudo ao conselho administrativo do pa-
tnraamo doo'Ophao, pura fu eoBiaecimenlo o
regulamento que em 28 mez paseado Ox pubiienr
para o colreglo dos orphio e a porlaria de-la
dat* caique mando vibrar provaorta mete o
de 22 de |unho de 1865, dado para o eollegio das
orphaas, resta-me agradjeer ao mesmo conselho
o* bon servrgos que ha prestado em pro daquel-
les eslabelementos.
(Assignado) Ambrczio Uiloda Cttnha.
1 alacio do governo de Pernambuco, 6 de feve-
reiro de 1801.
O presidente da provincia aseado da ficoldade
que lhe confere o art. 44 da lei provincial, n. 452
de 21 de junho de 1858, resolve qne provisoria-
mente e am mato oio fur dado novo regolamen-
10 para o eollegio das or baas, vigore o de 22 de
dejuahode 1855, quo se acha em execago, sen-
do as artrrbuiges do ronselho administrativo
exercdas peto director geral da instructio p-
blica, e as despezas do que Iraism oarU 41, 4d,
e 4 do capitulo 6" ou outros quaesquer, assim
como a prestagodas respectiva contas eitas por
intermedio do mesmo director, e pela forma pros-
cripta nos 9 6 e 10 do ait. 16 do regulameoto de
20 de jaoeiro do crrante anno dado para o eolle-
gio dos orptao.--Asibrflzhi Lello d, Canha.
Conforme, Antonio Leite ds PioAo.
Illm-e Es*. Sr.
adainnlrstioo Jf pslimonio do
Finangas.
A renda annualdo patrimonio, de 55:692*580
somma esta, que ainda foi elevada na ultima r-
remalagao que principiou no Io de julho do anno
undo, e leve o augmento de 71O930O
A arrecadagao dos rendimentus tem sido feita
por trimostrea pelo respectivo procurador.
ite eobV?.D<> jUDt0 v"se ,'Ufl rece,la fo de
00.618,8424 e a despeza de 46:9929599, do que re-
suitt favor do patrimonio o saldo de 19:6209825
iS*? que na receila yti ocluido o saldo de
iJ.itW3di9 a favor do patrimonio em 31 dezem-
bro de 1839.
Donativos.
Recebeu-se o legado de 5:000JO0O deixados
pelo fallecido Joao Vieir Lima, para dolededez
orphaas.
O Exm. e Rvm. Sr. hispo diocesano continua a
contribuir mensalment com a quantia de SOaOOO
em beneficio dos orphos. O conselho rende a
divida homenagem ao virtuoso prelado.
. Loteriai.
A le provincial n. 330 de 19 de abril de 1854,
O rti^nann.^n,aw?r d0 Pslrimon'. quatro loteras
7-^innnn A* i0*000m> eada urna ; al esta dala porm,
3 ) 1 segunda lotera, sesJo que no anno prximo un-
do nem se quer una f extrahida, faltando at
esle auxilio ao patrimonio dos orphaos.
Subsidio.
tm annos anteriores aos da actual administra-
gao tora eoneedida pela assembla provincial um
subsidio de 3:OOSOOO para coadjuvagao das suas
despezas, com o qual augmentada a cifrado seus
rendimentos se teria podido emprebender a reo-
dibcacao de alauns predios do patrimonio e pro-
mover a acquisigo de urna casa para o eollegio
aos orphaos, visto como essa subvencao muito
poderia concorrer para aatisfazer todas a neces-
idades de tao pos eatabelecimenlo*, ma tam-
bara Ie foi denegada nos ltimos tros annos.
Collegio dos orphaos.
u colegio dos orphaos tem presentemente 60
eJucaodos. e conta 14 empregados internos ; no
decurso du auno pasMdo entraran) 6, e 4 foram
entregues a suas mea e prenles.
Do estado sanitario do collegio do conta o rea-
pee ivos professures ds saude e director forondo
sentir que a febre intermitente a molestia que
mais atormeula o collegiaea o atlribuindo-a ao
pantano que flca mui prximo do edificio em que
so acha o collegio.
Urna das providencia* mais urgentes, em que o
conselho lera insistido. 6 o encauamenlo d'-gua
potare! para esse ealabelecimento ; pois a deque
elle se serve, de sessiraa qualidade, segundo
tem declarado repel las vezes o respectivo pro-
essor de saude, e asss nociva saode dos col-
legiaes, alm de ser all muito dispendioso esse
genero tao essencial a vida.
Tem pois o conselho tido em vislas obterumi
poona d agua do rio Beberibe pelo canal que so
tem abeno na direccio da cidade de Olinda, per-
to do mesmo collegio, para o seu abaslecimento,
o que se conseguira com muila facilidade e pou-
ca despeza. echando-se o ediflcio desde o lempo
dos padres Thereseus prvido de cerUs obras,
como sejam : umbaoheiro de pedra e cal Cober-
to, e cora os arraojos necejsarios, e arcadas tam-
bem de pedra e cal, por onde passam os canos,
que conduzriam a agua para o eslabelecimento :
mas anda oao pode realisar eslegrando melho-
ramento por nao depender somenle dos3eus bons
desejos.
O odicio do collegio e a igreia eontinuam a ser
minados por grandes tormigueiro, que muito o
deteriorara ; tndo-se empregado vellas mixtas,
como meio mais fcil de as extinguir, mas sem
resultado satisfactorio
O respectivo director pedo aulorisagio para
contratar com um individuo que se comprometi
a extirpa-Ios por meio do folie, 00 que se diz mui-
to pntico exigindo a quantia de 60000 por osse
Outro-sim, tem o conselho considerado, como
urna oecessidade argente a remogao da latrina,
por se achar ella coliocada cm lugar que infecta
o eslabelecimento: o se ha esforgado por fazer
ludo aiianto (relie depende e as circumstancias
teera permittido, afim de elevar ao grao de pros-
peridad* que deve altiogir, um monumento da
caridade publica desta ordem.
Collegio das orphaas. 1
O collegio da orphaas conla hojo 81 educandas,
e 12 empregadas internas.
No anno prximo passado nao houve casamen-
to ; sahiram 4 orphaas, foram admittidas 6, e fal-
lecer rtl 4.
A educanda Lneia Constantina dos Passos, con-
tinua a reger no mesmo collegio a cadeira de cos-
iera, pereebendo a gratiQcaeao de f2*500 rb
mensaes.
O collegio se acha n'um edificio particulsr ns
ra d Aurota, pelo qual paga-se o exorbitante a-i
luguel de 2:5009000 ris anonaes.
Por vezeo tem o conselho proposto presiden-
cia da prdofscia o alvitre de constrair-se urna ca-
sa approprladaem lugar sulubrs, a/astida do cen-
tro da ctriids, eso bastante ospaco, para urna
cerca de recreio e outros comando oecessarios
ao estasolecimento, e iasisiinde ueste idea gran-
diosa, indicou o conselho mesma presidencia o
sobrado da roa da Qoria a. 9 per te con le, ao pe-
nmojio, com bastantes proporedes para esse Rm,
iszeodo-se as obras e a oceommodagdes inis-
pensavei, para reeeber pelo menos 150 orphaas,
e 9 empregadas que actualmente eristem no res-
poefiro- cofegio, ristoV ser para isso mesmo mui-
to acanhado e insufflciente no seu estado actual,
Pre O qoe foi o conselho autorisado-por essa pre-
sidencia em porlaria de 25 de abril de 1859; mas
_ sigse desenvolv-
ment, e seria do grasd antagem aogeita-las a
exame d essss matetUs>so fia do armo, de con-
ornudtrde eom 0 regalrnoslo da inattuccio pu -
biics-da provineia, aira de as submelter orna
rigorosa prova de seus eslorgos durante o anno; o
que Inca servir i j de estimulo.
m t- Ofcf'ctos diverso.
no toro pende alm de outras a causa em-qae
0 patriraooto^litiga com Filise Mena Callado da
rooseca para revindicagao do sitio Parnomsrira
esta oMere o patrimonio accordao do tribunal
da relagao que lhe foi favoravel smente em par-
te, e que por isso mesmo ainda se acha penden-
te por embargos de ambasspartes. Das outras
causas do oatriateoio tambem eato pendente da
lnal decisao do mesmo tribsoal, a que fui inten-
tada centra o herdeiro ds AgosUsho Kduardo
1 ma ; e em grao de execugo a que se promo-
ve coolra francisco Ignacio de Athayde, e seu
fiador Jos Marta Freir Gameiro, que ultima-
meota opp*erwn embargo mesma exeeocao.
Os direclore, empregados e empregadas de
ambos os collegios leem cumprido as suas obi.
goes. O eoacelho tem conscieacia da haver tao-
bem cumprido es seus deverea, proraovendo o
oein estar dos orphaos e orphaas de ambos os col-
legio, esludando com aflioeo as suas necessida-
uese os motos de as salistaier enm a maior eco-
noma possivel, o procurando augmentar os sous
rendimentos. Se mais nao tem podido faxe, ha
silo por falta de coadjuvagao dos poderes provin-
ciaes. Todavia limitado aos proprios recursos do
patrimonio tem promovido nota veis raelhoramen-
joa trovando ambos oscollegios dos movis ne-
cessasios, como a substituicae do velhos catres
de madeira qoe achou no dos orphaos por 60 ei-
tos de ierro novos, elevando a este numero o dos
oducando, que d'anies eram apenas 40. Igual
eneomraeoda fez ao commerciaote Joo da Cruz
dos Santo para o collegio da orphaas, cajo nu-
mero lera augmentado a um tergo maia do que
d antes era ; o sem embargo da caresta dos vi-
vereo, que tero havido nos tro annos da sua ad-
nainistragao e de ter encontrado no cofre dos or-
ptiSos o diminuto saldo do 1:421*857 ris, tem
hoje o conselho a salisfago de v-io elevado
somma de 19 625*825 ris. Confia pois o mesmo
gonselno quo V. Exc e o publico lhe faro a de-
vida justiga.
Deus guarde a V. ExcSala das ess5es do
eonsalho administrativo do patrimonio dos or-
phaos, 4 de fevereiro de 1861Illm. e Exm. Sr.
Dr. Ambrozio Leilao da Cunh, presidente da pro-
vincia.
Presidente do consellio, Domingo Afronto N-
ry Ferreira
BALANCO GERAt
Da receila e despeza do patrimonio dos orphaos
do 1 de Janeiro a 31 de dezembro de 1060.
RECEITA.
Alugueis de cases o dos sitios..
Donativos.......................
Landeraios......................
Foros..........................
Restituigoes....................
poTissofsri
ce
pratiear
Dio eessarei de pedir em fonas tHea
Po*dM> do quenlo me ha feUo> & a perig
qoshz...eaue lhe d mais um pouco de
afloa da que nao continu a commemorar
laott insensaloz a moralidades que pral
como esuid.ntedessiissjlphio, ose seorr
a V* CT,"w""e >> ho,lo pratieadoar,
aeoatogo s sua naixdes, para que contrito 01
repeodido posta cooreaoar-ee na present a
ream e satttftzer a penitencia qoe lhe atril.
P*o. eos desejs earidoaootests por amor
AlfsmdVes;a,.
Rendimento do da 1 a Ib.
dem do dia 16. .
239:6011
9
*t*3siia
-te"4?r-
39
aor
72
98
-- 170
47%992i
5:2209000
152S500
569396
1119894
Saldo em 31 de dezembro de 1859.
DESPEZA.
Conselho administrativo........
Collegio dos orphaos...........
Collegio das orphaas...........
Concertos de predios...........
Despezas diversas..............
Saldo em 31 de dezembro de 1860
53:510g035
13:1089389
66618942
3:5089 alo
22 77B5297
18502*492
1 361|42
8519830
48:9929599
19:6259825
66:618*424
patrimonio dos orphaos, 4 de
Gabriel Soares Rapor.o da
Theseurari* do
fevereiro de 1881.
Thesoureiro.Dr.
Cmara.
Secretario.Dr. rcenle Pereira do Reg.
Publicacoes a pedido.
138:9269651
maior
como
O conselho
orphaos, leaderdtebido 1 eortdttdf V. Exc. de.
6 do corretedoMnd* regoraaenri que em 281 por falU de auxilios pecuniario* *ao se tem po-
|do fez publicar para o collona doj, I1J0 dar princioi>aVdij|*s aMobiri as quaesJ
rlatia da sesma data udonda 'era o conselhoa^arda^Btolhoropportuoidade,
*IM m de855; esperando o cooeorso dh subttn^o pedida i a-
IfstirajBx o> pOdsafeu- i serobla provincial e a extrago das loteras que.
,-i ^. lm"*i6'W^l^Sr-3l*U*tn'*nm le, erem as oroaaas transferid]
IfS-' e"mmLenda<>or Jos Victorino Lemos e au-j PtoUto dte per ors edMajlov ptoprlo.eomo team
^iw^T*?:L*-^?*^^^n^-]2r*>;*(|e muito ha o conselho ame-
dido havor hoio TaTat^.'^Jlt^'n *'^"^"i A -c*4eira dB uca vocal o de piano, nao foi
atoo ir.r noje logat reumio, "b mesmo coa-iprond, nao s pot economa do ptiiiaWo, co-
Ao publico.
J nao conveniente o silen.io ; preciso que
ou falle, e que tambem mequeixo para que nao
pareja insensibilidade o que foi prudencia. E
havendo eu do mostraras ingratidoes, perfidias e
infidelidades que certos rromeiis, que se declara-
vam amigos, hao impressionado om raen animo,
por entender que callando-as parece que Ihes da-
aos azo para que nos tenham por insensiveis, ou
uiguoo de desprezo com que nos ho tratado, a
loeo melhor as poderei manifestar que ao pu-
blico sensato t
Sejs esta publica manifestago o rasu anico le-
nitivo, j que os beneficios colhidos no seio da
minha amizade sao de nenhuma valia I Saiba o
publico que ja nao sao os tres ioimigos d'alma,
como reza a Cartilha, os horaens fazem daselei-
goes, isto da poltica o quarto inimigo, e sob
cuja presso acho rae victima per cerina homens,
que sempre utilisaram-se do meu fraco spoio era
sua ctises, desconhecera o beneficio recebido
nao perdendo tempe nem oecasio em me atra-
vessarem com as agudas settas das suas llnguas,
e sao contra mim tintas invectivas, quantos s.io
os vicios que nelles ha I N.io sei como possa crer
que o Sr. Victorino de Souza Trarasso, que pa-
receu-me consagrar sempre a mais sincera ami-
zade seja hoje sem motivo algum o meu
inimigo, causaodo-me enorme prejuizo,
instrumento s psixoes alheiasl...
Enlregaodo-me elle urna casa na Boa-Vista
podido meu, em cumprimento do compromisso
da irmandade de Nossa Seohora da Conceigo de
Beberibe, que dspoe para o capellao, e outra na
povnacao bastante arruinada, aulorisou-mo como
thesoureiro da mesma irraandado a fazer os con-
certos cora a casa, que a irmandade levara em
conta metale das despeza feita, o que de bom
grado annu, jurando na palavra do Sr. Trarasso
e no lisongeirj conceito da mesa regadora. Re-
oducada a casa com a importancia de seiscenlos
mil ris pouoo mais ou menos no espago de sele
mezo, em quo se ochava vencida tambera apor-
ao da capellana, sem que a tiveste recebido,
raandei cobrar esla, doxando aquella para quan-
do houvesse mesa, e em vez de ser altendido
com toda a delicadeza por nunca haver incom-
modado o Sr. thesoureiro por dinliero, que sem-
pre recebi em diminua parcellas a porgo da
capellana de 3 o 4 mezes vencidos, e o amizade
que contigo entreiioba, negou-me o pagamento
por achar tilvez um motivo, que ha lempos pro-
curaba para desmascarar-se I a' vista disto dh-
clarei que nao contiouava a celebrar missa na
capaila por nao haver sido pago pelo thesoureiro
da porgao de 7 mezes vencidos da cspollania, em-
quanto nao deeidissa a mesa regadora sobre o
meu pagamento. K officiandu eu ao respectivo
juiz para que reunase mess eom urgencia, s de-
pois de 15 dias, e quasi noile reunio-se. e ra-
solveram aceitar a minha domiasao pedida do ca-
pellao, sera que eu pedase nem por patarras,
nem por esenpto,em eonsultarem-mo a respeito
com aquella pradencti e delicadeza necessarias
ao corpo cellectivo em sua deliberago, aera ter
sidotoaridado como merabro da mesa regedoca I
Desde enlao conheci aleivosia a mais- descarada
bita ao capellao prestalivo o bemfeilor da igreja,
em soneseio da corauem eom que sustonloa de
nao sujeitar-se ieaposige que so lhe tea do acei-
tar o lugar de juiz de paz do 4." aooo se votisse
com a pareiaiidade que o elev-ar*. oceupando esse
Uigar s Sr. Travasa,. ambara (osse o mais velado
do a.0 anno. por conciliario f...
Como- sei prezac a minha dignidado, o creio
que cm mim nao se den caosa, seno vivo con-
tente, vivo consolado, lombrando-nta sempre qne
a lisonja qne os.pasaos,rendea vore de-
fazeado-se om oasto nao eov iionc4o ao tron-
ca,, moa sir s truel...
Continuo, o Sr, tbesoureiro a ecoir da inalru-
meolo (orna vecero diz que por aua parle pago,
porm que ootigam-no oso. azeol...} extor-
quindo e-ibrintb-& posse da cas da Boa-Vista,
.qne OM eaUegazs,. obstando pac- que seno pa-
gue-me, qua ro gastei o meu dioheiro na ma-
lhor boa f, por junar am.assriasTa, e eom a-
cnflcio om proveito do patrimonio da igreja, qoe
pptlld pata jartis do Daj, que n&o falla, e
Hovlmento
Volurae entrados cora fazeodas..
* com genero..
Volumes sabidos com fazeodas..
* com geaeroo..
Descarregam hoje 18 de fevereiro.
Bngue ingleLiodisfarnefazeoda.
Patacho porUiguez-Jaroontereadoria,
^umaea hespanholaArdilavinhe o passa
Patacho brasileiroBeberibediversos Kenero,
Barca portugueza-Maria-ticho e ferro.
Patacho americano-Anee D. Jorda-earae seces
Importacao.
Polaca galeota hespanhola Ardilla, rinda de
Barcelona, consignada roanifestou O segninte -
125 pipas, 210 barr de quinto e 99 dito de
de dcimo vinho tinto. 70 caixas. 90 metas e 12
de quarto passas ; ao capito D. Jaime Ferrer.
u.i a? a'Deri,:no nn -Tordou, vindo ds
Moolevido, consignado a Henry Forsler A C
mantfeslou o seguinte:
&So?IMT^J^: *-uo dil0 "a**
aos
a Lis-
>ao as
com 5,000ar-
Ivp,>rtaVa.> dodla 16.
Bngue portuguez ata Ul, com destino
boa carregaram : /
Manoel Ignacio de Oliveira 4 Filho 127 sacco*
com bb arrobas de assucar.
Joaquia Antonio Pinto Serodo Jnior. 109
saeco e 2 barncis com 50i arrobas e 30 libras de
Salle9 T.
r/XV Sevfri8nt> tabello 4 Filho 100 barris
com S.594 caadas da mel.
Escuna hollandeza Geertruid, com destic
canal, carregou :
N. 0. Bieber 4 C. 1,000 sacco
robas de sssuca.
Brigueaueco nna, com destino a Stockhomu
carregou: ^
K0- Bieber & C. 1,396 couros com 44.319
Barca franceza Elizabtth, com destino so Ha-
vre, carregou :
Tyssel-freres 4 C. 5O0aaccos com 2,500 arrobas
de assucar.
Brigue portuguez Uetla Figuerente, com des-
tino a Lisboa, carregou :
Francisco Joaquina Goncalves 50 molho da
ptasaava.
Ucee be doria Je renda *-|1rr
geraes de Pernambuco
endimento do da 1 a 15. 10.704S821
do da 16. ... 835J197
dem
11:540*018
Consulado provincial.
Rendimento do di 1 a 15.
dem do di 16. .-
34.988JJ8IB
270TJI3S
37:6759944
PRA^A DO RECIFE
16DE FEVEREIRO DE 1801.
A'S 3 HORAS DA TARDE.
Revista Senaoal
Cambio----------Sobro Londres saceoo-se a 26
1/4 e 261/2. d. por l*rs.. sabr
Pars a 363 rs. p. f., e sobre
liamburgo a 685 rs. por M. B..
e abre Lasbotrde 104 a 100
por cent* de premie, regulan-
do pota* 110,000os saques da
semina.
Assucar----------O branco de segunda e ter-
ceira orto bam vendeo-se de
3800 a 4800 rs.. o de lercelra
sorte regular de 3p600 a 3$70>
r., a quarto sorte 3&500 r .
ea quinta e sexta de 3JMO0 a
3#300 r por arroba; o masca*.
vado escolhido de2>400 s2j>50O
rs.. o canal bom de 2800O a
2150. e '"ordioaris a 1*960
por (8
AlgodSo Sem venda-
Agurdente Vendeu-se de 8O9OOO a 8i00O
rs. a pipa.
Couros- Os seceos salgados venderam-
se a 220 rs. por libra.
Arroz-------------Vendeu-se de2jOOa 2900 rs.
por arroba.
Azeitc ddee Vendeo-se a 2f800 r. por
galio.
Azeitonas-------dem de 800 a 13200 r9aanco-
rela.
Batata----------Vendern-se a 2J500
arroba.
r. por
Carne secca-
Feijo-----------
Loura------------
Bacalho--------Era ataeedo venden-ge a 14frs
e a retal ho do 11 a ISSOOf
rs., fleando em depozito 10.000
barricas.
Retalhou-se de 5>*00 a 560O
rs. por arroba da Rio Grande.
e de 4400 a 4*600 rs. a do-
Rio da Puta, fleando era ser
33,000 arrobas da priraeira. e
6,000 da segunda.
Caf-----------------Veodeu-s de 5*800 a6400rs.
por arroba.
Cha------- Vendeu-se a'1#725 por libra
Csrvo de podra- dem de 15*000 a 16*000 rs.
por tonelada.
Cerveja- Idera de 4J0O0 a 4*300 rs. por
duzra de garrafas.
Farinha de trigo. A de Richraond retalhou-sa
de 258000 a 28*000 rs. em borri-
ca, o a de flew-York a 25$uO
ra., fleando era ser 6.900 barri-
cas da primeira, e 600 da se-
gunda.
Par. de mandioca Venden-se de 3J500 a 40OO
rs. porsacc.
Vendeu-se a 7*000 re. a
sacco.
A ingleza ordinaria vendeo-se
290 por ceoto de premio so*
bre a factura, cambio ao par.
Manteiga----------A franceza vendeu-se a [680
rs. por libra, e a ingleza de
800 a 850 rs. a libra, fleaudo
em depozito mil barris.
Oleo de linhaca- dem a 1*500 rs. por galio.
Queijoa Vetidcrstn-se de 1*100 a l*60O
rs. os flamengos.
Vinagre dem de 0* a 115*000 rs. s
pipa.
Vinho-----------O do Estreito vendeu-se a270>
rs apipa.
Descont- Cdatio-oam de 10 a 18 por cen-
to a anno, rebatendo a cai-
xa filial- cerca de 4O0:O#0O>
a 10 por cont,
fretes.....Paraeanala3oy
ALFANDEGA BE PERNAIsSCCO.
Posta dossrsjaj davonre mjtUo d dimifo
de ajportneso, Sewmna oV 18 aMdomts
de fevereiro at 1861.
asearoodsriss. Daidados. Valere-.
Abano ..... + ..
Agurdenle de cana. .
dem reatilad* e do reino .
dem caxaca........
dem gsirebta .
dem afeoel oa espirito de
agurdente .......
Algodo. ea eatoeo....
dem entorna onemlai .
Arroi com casco. .....
cento I9OO0
caada 1*000
IfMO
1500
UfOOO
$900
arroba 2|200
8J80O
a 8oo


f)
DUBIO M PtAHABlfUGO. UllMO fWU 18 OE FEVBASIAO DE l*u
dem descascado ou pilado.
Assucar mascavado
dem branco.....- >
dem refloado...... *
Azeite de amendoim ou M-
dobim...... .. casada
dem de coco ......
dem de mamona .....
Balitas alimenticia* .... arroba
Bolacha ordinaria propria para
embarque.......
dem fina......... >
Ca bom ._^
dem eicolha ou rtfstolho
dem terrado...... libra
Caibros....... um
Cal.......... arroba
dem branca ......
Carne secca charque. ... >
Carvo vegetal......
Cera de carnauba era broto. libra
cento

libra
um
>
libra


um

dem idem em reas. .
Charutos.....
Cocos seceos.....
Couros de boi salgados .
dem seceos espichados.
dem verdes ....
dem de cabra corlidos .
dem de onra. .
Doces seceus ....
dem em geleia ou massa
dem em calda. .
Espanadores grandes. .
dem pequeos .
Esleirs para forro ou estiva de
navio ......; cento
Estoupa nacional .... arroba
Fannha de mandioca. alqueire
dem de araruta..... arroba
Feijo de qualquer qualidade,
Frechaes........ um
Fumo em folha bom. ...
dem ordinario ou restolho.
dem em rolo bom .... >
dem ordinaro restolho. >
Gomma........ arroba
Ipecacuanha (raz) ....
Lenlia em achas..... cento
Toros........
Lenhas e esteios..... om
Hcl ou melaco...... caada
Milho........ arroba.
Pao brasil ...... quintal
Pedras de amolar urna
dem de filtrar .....-
dem rebolo......
Piassava........ molhos
Ponas ou chifres de vaccas e
novilhos....... cento
Pranchoes de amarello de
dous custados...... urna
dem louro.......
Sabo......... libra
Salsa parrilha....... arroba
Sebo em rama......
Sola ou vaqueta urna
Taboas de amarello .... duzias
dem diversas.....';
Tapioca........ arroba
Travs......... urna
Unhas de boi...... cento
Vinagre ........ caada
2*790
3S500
.apoco
awo
1JW0
tooo
?jeco
-7J600
.6JOO0
5gO00
:J3C0
*400
-200
.$400
4j000
1J600
taeo
$400
fiJWOO
48800
227
5360
190
8300
osooe
10G
500
5500
40000
2^000
243000
IgOOO
lj}600
63000
1$500
5gC00
14$000
70000
120000
60000
29500
250000
20000
10000
500000
220
10000
1090CO
9800
1000 00
102CO
0200
49OOO
16000
80000
$120
250000
50000
20400
1209000
729000
39500
109000
$300
280
CAMBIOS B NETAES.
Londres 60 HO ds.26 5t8 a 8(1 3|4 d.
Paria > > 3E>5 a 360 ra. o Ir.
Hburgo 680 s 700 m. b.
Lisboa 104 a 105 plO.
obloes hespanhos31 a 319500, etc.
da patria30*500 a 310. idem.
Pecas do 6)400 velhas16*500 a 17 id.
de 40-09300 a 994OO. idem.
Soberanos9800 409OOO. idem.
Patacdea brasileiroi2 a 29100.
> heipanhoes29 2100.
> mexicanos19900 a 19960.
(Otario da Bahia).
Chegou a este porto, vindo de Pernambuco,
a escuna banoveriana Nicolus, com 3 das do
viagem.
Sahiram para Pernambuco, 31 do pasaa-
do, o palhabote Sania Cruz ; 1 do correte, a
escuna Carlota ; 5, barca Ingleza own-of Li-
verpool ; e a 6 ; o t*,por de guerra ilag.
Alfandega de Pernambuco 16 de evereiro de
1861.
O prmeiro conferente. Domingos da Silva
Guimares. O segn Jo conferente, Jos Miguel
de Lyra.
Approvo.Alfandega de Pernambuco 16 de e-
vereiro de 1861 Barros.
Conforme. Joao Jos Pereira de Faria, ter-
ceiro escriplurario.
Rio de Janeiro.
PRACA, 6 DE FEVEREIRO DE 1861,
Colaces officiacs da junta dos correlores.
Cambio.Londres. 26 e 26 118 d, a 90 das.
Pariz, 370 rs. a 90 dias.
Havre, pagavel em Parii, 365 rs, a 90
dias.
Hamburgo. 690 rs. a 90 dias.
Lisboa. 113 0|0 vista.
Metaes.Soberanos, 90500.
Acjoes.Banco dn Brasil, 759 de premio.
Companhia de Seguro Fidelidade, 19
premio e ao par.
Estrada de ferro de Petropolis 80 de des-
cont.
Deocleciano Bruce, presidente.
A. J. de Campos Porto, scretario.
BOLETIM.
Rio de Janeiro, 7 de fevereiro de 1861.
A' ultima hora.
Cambio Fecharam-so transaccoes regulares
sobre Londres a 26 d., obteodo os tomadores em
algumas dellas concesses mais favoraveis para
o pagamento das cambiaes.
Sommam, pois, os saques pelo paquete inglez
Magdalena :
Sobre Londres, 5f 480,000, aos extremos de
26 5|8 a 26 d.
Sobre Paris. 1,2000,000 francos, na maior par-
te de 365 a 367 rs., e o resto de 360 a 370 rs.
Sobre Hamburgo, 350.0CO m. b a 685 e
690 rs.
Sobre Lisboa e o Porto regulou a tabella se-
guale t
113 0)0 alista.
112 OO a 30 dias.
111 OO 60
110 0|0 90
Caf.Veaperam-se hoje 6,000 saccas. coro
destino na maior parte a mercados europeos, e
o resto para os Estados-Unidos, regulando para
os lotes os presos extremos de 59200 a 59750.
Os possuidores contiouam firmes em suas pre-
.tenQOOS, nao s fundados ni escassez, anda sen-
sivel, das qualidades superiores, como animados
pela procura que houe do genero nos ultimes
das, em consequencia da ner.essidade que tirina m
os exportadores de carregar navios j fretados
fjra esse fin.
Para melhor comparadlo da pequea baxa
que soflreram as qualidades inferiores, public-
bamos cpm as colaces de boje as que vigora-
vaai saluda do paquete francez Guyenne :
Lotes redondos.
24 de Janeiro. 7 de fevereiro.
Taraos Estados.
.Unidos.....,. 58400;a 5(600 59400 a 59600
Canal...... 59200 a 50400 59100 a 50300
x> Norle da Europa, nominaes 50800 a 6.000
Mediterr-
neo..... 5J2Q0 a 5500 59200 a 59500
Qualidades.
Lavado..... 69500 a 79000 69500 a 70200
Superior.... 59800 a 69OOO 5&000 a 69OOO
l.s boa....l. 50500 a 8800 50500 a 60600
1.a ordinaria 59250 a 50300 50200 a 51300
2.a baa.,.:. 50100 a 59150 59000 a 59100
2.*orrftnario 4*100 a 4*900 495O0 a 49800
Ha emser............ 40,000saccai.
{Jornal do Commtrtio, do Rio.)
Chegaram este .porto, viodos de Pernambu-
co : a 27 do pasado, a barca americana Elf, com
It dias de viagem ; 30, o patacho americano
Virginia, com 7 ; e 3 do correte, o brigue
Conceico, com 15.
Sahiram para Pernambuco : 30 a barca
Catiro III, i 1, a escuna ingleza Queen Esther ;
5, a barca Rufina ; e i o patacho ftom Je-
ra.
A chava-se i carga o brigue Conceico.
Bahia.
PRACA, ti DE FEVEREIRO DE 1861, A'S 3 HO-
' RAS DA TARDE.
Cotacoes oflic\aei da juntas do correlores.
Assucar mascavado 3M00 a 20400.
Dito branco 29700 a 280q.
Cambio sobre 26 3|4 d.
Guilherme Evan, presidtntt.
i. P, Froe, secretorio,
Movimento do porto.
Navios .mitados no dia 16.
Rio de Janeiro M dias, brigue brasileiro Seis
ruidos, de 303 toneladas, capito Bel miro Bap-
tisla de Souza, eqeipagem 6, em lastro-; ao
mesmo capito.
Rio de Janeiro60 da*, patacho americano Idra
de 280 toneladas, capilo H. N. Herriman,
equipagem 12, carg* caf ; a ordem. Veio re-
frescar e segu para Kew-Orlesns.
Ro de Janeiro19 dias, barca ingleza Fleelwing,
de 2i9 toneladas, capito Roben Night, equi-
pagem 12, em lastro; a Saunders Brothere
&C.
Mar-Pacifico115 dias, galera americana Abram
Parker, de 400 toneladas, capilo G. W. Slork-
cum, equipagem 30, crga azeite de pexe ; ao
mesmo capito. Veo refrescar e seguio para
New-Bedford.
io Grande do Sul37 dias, patacho nacional S.'
Joaneiro, do 174 toneladas, capilo Felippe
Nery de Oliveira, equipagem 12, carga 9,000
arrobas de carne secca ; a Manoel Alves Guerra.
Navios sahidos no mesmo dia.
StockholmEscuna dinamarquesa Elixa Mara,
capito C. H. Jakobson, carga eouros.
Rio Grande do Sul Patacho nacional Relm-
pago, capito Antonio Francisco da Rosa, carga
assucar.
Portos do norte Vapor brasileiro Cruzeiro do
Sul, commandanle o l. lente Pontea Ri-
beiro.
ros iaterinoi os eredorts lasso & lrmiai ; e pres-
tado pelos prmeiro* o jrameos stylo e
polos segundos assigoado termo de deposite, o
eservo remetiera copia desia eaieo$ ao iiz
de pax competente para a apposiclo dsenos,
que ordeno ae pooham na forma da lei em todos
esbens lirros e papeia do fallido.
'Feito o que e publicadi a presente nos termos
dos acta. 812 do cdigo (ommercial, 129 do re-
gulamento 0.738, se davama* subsoquentes pro
videncias, que os referid os cdigo e ragulmento
prescrevem.
Nada mais se conlinho em dila sentenea, em
consequencia da qual sao convocados lodo* os
credores daquelle fallido para que no dia 20 do
corrente as 10 horas da maoha e na sala dos
.auditorios comparecam ailru de se proceder no-
mea(o de depositario ou depositario?.
E para que ebegue aochecimento de quem in-
teressar poasa, mandei passar editaes, que sero
afiliados e publicados pela imprensi.
Dado e passado nesta ctdade do Recite de Per-
I nambuco, aos 16 de fevereiro de 1861.
Eu, Manoel de Carvallio Paes de Andrade, ea-
crivio do juizo especial do commercio, o Dz ea-
orever.
Anselmo Francisco Peretti.
RiodeJaneiro,
o veleiro e bem coohecido Seis Irmaoe pre-
4ende seguir com muita brevidade, tena parte de
sea carregameoto prompto : para o resto que Ibe
falla, trata-so com os seus consignatarios Ase-
#edo 4 Mendes, no seu escrplorio roa da Cruz
1, ou com o capito Belmiro Baptista de Sau-
na praca.
pecial do commercio a requerimento
nislradores da massa fallida ds Castro
o os < 0 S-' S- 1 Boros r r = B |
n c S 5 S B c 5" (O Itmotp htra. O
V v, m Lo m m pi Direccao. H H O 70 0 os c* ce
S a w ^ =5 S 2 1 Intensidadt. 2 Sm 5 1 a r* 0
a g 00 -j X M C2 -.1 Fahrenheit. 0 3 0
55 u, ca is Ul ~4 0 ~4 en Centgrado. la! 5I
8 00 w o 1 Hygrometro.
1 Cisterna hydro- 0 0 \ mtrica.
-a -i -j _i ^j jS S 23 jS g \Francez. Vo 00 00 00 o td > x O n -i V 0
ce so es eo ea 1 1 rnglu.
A noite clara com alguns nevoeiros, vento
ES E fresco e assim amanheceu.
OSCILLaCXO da M*n.
Preamar as 8 h. 54' da manha, altura 5,9 p.
Baixamar as 3 h. 6' da tarde, altura 1,6 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 16 de fe-
vereiro de 1861.
ROMANO STEPPLB.
1* lente.
Editaes.
O Illro. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia, de 9 do corrente, manda
fazer publico, que no dia 7 de marco prximo
vindouro, perante a junta da fazend da mesma
thesouraria, se ha de arrematar a quem por me-
nos fizer, a obra do coica ment da ra do Impe-
rador, a partir da porta do palacio da presidencia
at a praca do Collegio inclusive, avahado em
86:5429.
A arrematado ser feila na forma da lei pro-
vincial numero 343 de 15 de Janeiro de 1854, e
sob as clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
do comparecam na sala das sessoes da mesma
junta, no da cima declarado, pelo meio-dia,
competentemente habilitadas.
E para cooslar se mandn afinar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 11 de fevereiro de 1861. O secre-
tario,
Antonio Ferreira da Annuncia^io.
Clausulas especiaes para a arremataco.
1 A obra ser principiada em dous mezes a
contar da data da arrematado e concluida no
prazo de 10 mezes.
2.a O arrematante ser obrigado a attender as
observacoes concernentes boa execu;o da obra
feitas pelo engenheiro encarregado da sua Osca-
lisaca.
3.* O pagamento ser devidido em qualro pres-
taces iguaes, correspondendo cada urna um
quarto do valor da obra constante do ornamento.
4.a Para so proceder ao pagamento ser a obra
avallada em bracas quadradas, ficando o arrema-
tante sugeilo pelo prego do orcamento ao aug-
menio da obra, se o governo assim o entender.
5.a O arrematante ser obrigado a seguir res-
trictamente as obrigacoes contidas no artigo 36
da lei n. 286, e nos mais artigos da mesma lei,
que regula as arrematacoes.
Conforme. O secretario, A. F. di Annuo-
cia(o.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 15 do corrente, faz pu-
blico que o coocurso para os lugares de 2. es-
cripturario da contadoria da mesma thesouraria
ter lugar no dia 18 de marco prximo vindouro,
devendo os preteidentes serem examinados na
grammaUca da lingua nacional, escripturaQo por
partida dobradas, arithmetica e suas applica-
coes, com especialidade a redcelo do moeda, pe-
sos e medidas, ao calculo de descont e juros sim-
ples e compoatos ; sendo preferidos os que tive-
rem~boa leltra e souberem linguas estrangeiras.
Os pretendemos devero apresentar seus reque-
rimentos na mesma thesouraria com cerlido em
que provem ser maiores de 20 snnos.
E pira ehegar ao conhecimento dos ioteressa-
dos se mandou afBxar o presente e publicar pelo
Diario
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 16 de fevereiro de 1861.
O secretario,
A. F. d'Annunciaco.
O Dr. Anselmo Francisco Peretti, commeadador
ds imperial ordem da Rosa, da deChrslo, ejuiz
de direito especisl do commercial deata cidade
do Recite, e seu termo, capital da proviocia de
Pernambuco, por Sua Magestide Imperial e
Constitucional, o Senhor D. Pedro II. que Deus
guarde etc.
Fago saber pelo presente que requerimento
dos negociantes Henry Fosler & C. e Tasso &
Irmos, se acha aberta a fallencia de Joaquim Luiz
dos Santos Villa-Verde pela senleoca do theor se
guite :
Da Exposico conslsnte da pelicao de folhas
duas, baseada as cartas ds folhas 11 e folhas 12,
e com referencia ss coalas de folhas 3 e olhas 4,
e letras de folhas 5 s folhas 10 se mostra baver o
commerciante Joaquim Luiz dos Santos Villa-
Verde, estabelecido com padaria na ra Imperial
numero 199, eessado os seas pagamentos : pelo
que o declaro em estado de quebra o flxo o ter-
mo legal da exiitencia desta i contar do dia 7 de
Janeiro prximo pastado. Nomeio curadores Di-
ctes 09 ertdpres Heory FoslerftC, e deposita.
Declarares.
Sania
do
Casa de llllsorieordla
Recite
A junta administrativa da irmandade da Santa
Casa de Misericordia do Ilecife, manda fazer pu-
blico que o hospital dos ;azaros precisa de dous
serventes e um cozinheiro. Os prelendentes diri-
jam-se sala das sessdes da mesms junta no lar-
go do Paraizo n. 49, no dia 21 do corrente pelas
4 boras da tarde. Sacre taria da Santa Casa de
Misericordia do Recifc 16 de fevereiro de 1861.
O escrivo,
Francisco Antonio Cavalcanli Cousseiro.
Consellio administrativo*
0 conselho administrativo, para fornecimentc
do arsenal de guerra, tom de comprar os objec-
tos seguintes :
Para a enfermara do presidio de Fernando de
Norouha.
2 barricas de assucar branco.
3 saceos de arroz pilada.
1 sacco com cafa em grao.
1 caixa de cha da Indi da melhor qualidade.
6 barricas de farioha d* trigo marca MSSS
2 libras de linhas inglezss n. 30.
12 pegas de madapolo n. 3.
Para o almoxarifado do mesmo presidio.
1 folhioha.
6 resmas de papel branco almaco marca de
agua.
6 caixas de peonas de sc.o finas e de bea qua-
lidade. *
12 lapis finos.
Para os calcetas que exisi.em no hospital militar.
2 chapeos.
I manta de la.
3 esleirs.
Para a companhia de cavallarla delinha.
6 davinas de fuzil com varetas de ferro
II espadas com bainhar.
11 apparelhos de limpeza.
11 bolgas para apparelho de limpeza.
11 bornaes para rncoes..
Para o forte do Buraco.
1 bandera grande imperial de flele.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
suas proposlas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manha do dia 22 do
corrente mez.
Sala das sessoes do conselhe administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra 15 de'
fevereiro de 1861.
Bento Josi Lamenha Lint,
Coronel presidente.
Francisco Joajuim Pereira Lobo,
_ Coronel vogal secretario inteAo.
reta subdelegacia ds freguezia de Saulb
Antonio do Recite foi apprehendido um cavallo
com cangalha por ter sido encontrado sem dono
vagando a noite pelas rua;j desta freguezia : quem
for seu dono, comparece oeste juizo, que pro-
vendo seu dominio, lhe ser> entregue.
Joaquirn Antonio Carneiro.
Subdelegado supplenle.
Consulado provincial.
Peta mesa do consulado provincial se faz pu-
blico que do da 1.a de fevereiro vindouro em
diante se principiam a contar os 30 dias uteis pi-
ra pagamento bocea do cofre dos seguintes im-
postes : 12 0(0 sobre as lojas a retalho, armazens
de fazendas. tabernas e casas de leilo ; 4 o\o
sobre os armazens de recolher, botequins, hoteis,
casas de pasto, typographias, prensas de algedo,
cocheiras, cavatlaricos, e lodos ns mais estabele-
cimentos em que houverem gneros expostos
venda ; 2009 obre casas de cambio, 50 sobre
casas de modas, perfumaras, de chapeos fabri-
cados em paiz estrangeiro e por cssa de jogo de
bilhar ; e bm assim o imposto sobre carros, m-
nibus e carrojas, Unto do servico particular co-
mo de auguel. Mesa do consulado provincial
28 de Janeiro de 1861.Pelo administrador,
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva.
Avisos martimos.
, Para o Rio de Janeiro sahe com toda bre-
vidade a linda e veleira barca nacional Iris:
para carga e passageiros, trala-se com os con-
signatarios na ra do Trapiche n. 6.
Baha.
Para a Bahia segu em poucos dias a escuna
nacional Carlota ; para alguma carga que lhe
hita,, trala-se com seu consignatario Francisco
L. O. Azevedo, ns ra da Madre de Dos n. 12.
Para o Aracaty
s.-gue em poucos dias o hiato Beberibe ; para
carga e passageiros, trala-se na ra do Vigario
numero 5.
Rio de Janetro
Oveleiroe bem con nocido patacho nacional
Beberibe, pretende seguir com muita brevidade
tem parte de seu car regiment prompto para o
resto que lhe falta tnla-se com os seus consig-
natarios Azevedo 4 M&ndes, no seu escriptoro
ra da Cruz n. 1.
O hiate Sergipano segu para a llha de
Fernando; quem no mesmo quizer carregar, di-
rija-seao seu consignatario, ou ao mestre.
Aracaty e Ass
^ous IrmSos, uahe na presente sema
be carga.
Para o Aracaty
Hiate Dous IrmSos,
anda recebe carga.
seguir brevemente o hiate bacipnal Exalacio:
para o restante do seu carregamento e passagei-
ros, trata-se com Gurgel Irmos, em seu escrip-
toro na ra da Cadeia do Recite, primeiro an-
dar n. 28.
COMPAMA PERNAIBICANA
DI
Navgaco costeira a vapor.
O vapor Pcrsinunga, commandante Manoel
Rodrigues dos Santos Moura, segu viagem para
os portos do sul em 20 do corrente mez s 5 ho-
ras da larde. Recebe carga at o dia 19 ao meio
dia. Passageiros edioheiro a frete at odiada
sabida s 3 horas. Escrplorio no Forte do Mat-
ato o. 1,
ifexl>\
Ir?.
Para o Para em direilura.
O palhabote Garibaldi, segu nestes dias por
ter engajado parte do seu carregamento : a tra-
tar com Tasso Irmos ou com o capilo Custodio
Jos Vianni.
Acarac
Com toda a brevidade ha de seguir o bem co-
nhecido patacho Emulaco ; para carga e pas-
sageiros, trata se com o capito a bordo, ou no
escriptoro de Manoel Goncalves da Silva.
Para Lisboa
em poucos dias
vai sabir a muito veleira barca Maria, por ter
quasi completo o seu carregamento : para o res-
to e bassageiros, trata-sccom Carvalho, Noguei-
ra & C. na ra do Vigario n. 9, primeiro andar,
od)com 6" capito na praca. -
; COMPANHIA PBR3AMBCANA-
dos admi-
---------& Amo-
nro, tari leilo no dia cima indicado da loja de
miudezas e dividas que constituem a mesma
msssa, ns ras do Cabug o... ss 11 horas em
ponto:
Farinha de mandioca.
O preposto do agente Oliveira fu leilo por
conta e risco de quem perlencer, de porcAo de
saccas com farinha de mandioca recentemente
chegadas : terca-feira 19 doeorreotajs .11 horas
da manha no Irmazem do Exm. baro^o Li-
vramento, caes d'Apollo.
Terca-feira
19 do corrente.
horas da manha e s
horas da tarde.
MA
p
para cozinhsr
s
4
DE
DE
al o dia
no Ferie
Navegacao costeira a vapor
O vapor Iguarass, eommandaote Moreira, se-
gu viagem para os portos de norte at o Cear
no dia 22 do corrente.mez s 5 htinfstA.tarde, v
Recebe carga at o dia 21 ao mei*dia. Encorn
mendasvpassageiros edioheiro,a frete
de sua sahida as 3 horas. Escrplorio
do Mallos n. \.
Para
de Janeiro,
o veleiro e bem coohecido brigue escuna Jovem
Arthur, pretende seguir com muita brevidade,
tem dous tercos de sna carga prompla: para u
resto que lhe falta, tratarse com os seus consig-
Precisa-sa de uma ama 1 n.
gomoMr, para cssa de pooca familia : na loja de
livros so p do arco de Sanio Antonio.
Manoel Joaqnim Rodrigues Guimsres sua
mulhervSo a Europa.
nE,*VV,?'*<. Bshis, es em do S.
Dr. Martina Alves, 4a obras seguintes :
l. Educado ortica das mulheres por M.Wa-
thalia de Lajolais: obra premiada pela academia
francezae traduzda do trances sobre a segunda
edicio por L. O. P, de M. Preco 6J.
2.* Repertorio do crime contando o extracto
de toda a legislado policial e criminal, e das
disposigea relativas s autoridades e empregados
de juslica criminal, publicados at u fim de 1858
por um bacharel. Proco 6.
3.* Formulario de despacho* e sentencas, no
civil, commercio, juico de orphos e ausentes,
provedora e crime, o de alguns processos que
correm nos mesmos juizos. Preco 3$. Por um
bacharel.
4.a Compendio de philosophia, de Barbe, tra-
duiido pelo Dr. Luiz Alvares dos Ssntos, lente de
rhelorica do lyceu, oppositor da escola de medb-
cina, lente de lattm, ingles e francs, excellenre
, poeta, Iliterato dislincto, e sbalisado medico.
\ Prego OJOOO.
Os pedidosdovem ser feitos directamente ao
Sr. Dr. Jos Martins Alves, ra dos Droguinhas
numero 51.
O Sr. Jos Muniz Teixeira Guimares quei-
rs dirigirse a ra de Apollo, armazem de Fran-
_ M.,. i\t ft, I cisco Xavier de Oiiveira, para receber uma carta
na ra Nova n. 24, ao T,nd".?io,leJaDeiro-
i .* L"7 Re,lra-e P>r o Ro de Janeiro al o dia
correr do martejlo. I \lt sunff"?^!?"Forrei" Guim-
PFI n irciVTl? Lava-se e engomma-se com perfeicao por
EjLU AljiMt, j prego mais commodo que era outra qualquer
parte ; na ra dos Patoso. 1.
i. "7 A'uga-se o segundo andar e sotao do s"o-
i brado da ra da Cadeia do Recite"n. 60, com bons
commodos para familia, bastante aceiado, a sala
toda pintada a oleo, e forrada com esleir a
____ ____ tratar no armazem do mesmo.
Oagente>acima fara* leilo por auJ gu-,oa Soum. C'd torisaQo dos administradores da anisa i latAftsiAi
de Manoel AnlSnio dos Passos Oiv2P"| r
& C, dostrastes pertencentes a Jojana!
ra Nova n, 24, a qual consiste de 6o.
biliasde Jacaranda', mogno, nogueira,
faia, guardas* roupa, vestidos, camas,
guarda louca, bids, lavatorios, secre>,
tat.ias, cadey-aj de IjaJanco, a parado \
res. espelhos, piarqiiezas, cabides.q"fiaj
Unh"eiras,.dus^ricaj colchas, um iim".
mensidade decadeiras, mesas jAfcas
outros objectos que estfr^T'pteK^ ru,
acto do leilo.^ / "^ i
Convidase aos^migos das flechiil?!
aue.aprovRpm a occaspj^de t
-$K&8 -Of 'ieus trastes com pgucpd&fj.V Francisco Pinto Uxorio continua a col-
nfieiro ql/esempre nao anDarede^cllBls .,oc" denles artinciaes tanto por meio de p
^u:^T' i- i'-iw Xm? % molas como pela pressao do ar. nao re- S
pechincTas, para oommodida^^ de 1- i \% cebe paga alguma sem que as obras nio 2
gunssenbores principiara' o leilaa, as Hfxn a vontade de seus donos, tem pos S
10 horas do dia fara' ponto UJ&U,} %tf\^S:ffiii* &"eat3
Um monstro leilo
PKL AGENTE
CfiMARGO
3~Rna estreita do Rosario~3
natarios
ra da
seu escrplorio
o bem cTmbecidae veleiro Drigu^nacional Al-
mirante pretende seguir com muita brevidade,
tem parte de sua carga prompta : para o resto
que lhe falta", trata-se com os seus consignatarios
Azevedo & Mendes, no seu escriptoro, ra da
Cruz n. 1.
COMPANHU BRASILEIRA
PAQUETES* A VAPOR.
Espera- se dos portos do norte at o dia 18 do
corrente o vapor Oyapoch, commandante o ca-
pito tenente Santa Barbara, o qual depois da
demora do cosame seguir para os portos do
sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir, a qual de-
ver ser embarcada no dia de sua cnegada :
agencia ra da Cruz n. 1, escriptoro de Azeve-
do & Mendes.__________._____________________
Leiloes.
LEILO
DE
Tinta branca em latas e3
caixas com phosphoros.
Quarta-feira 20 do corrente.
Antunes far leilo em frente da alfandega na
porta do armazem do Sr. Annes, de ama porcao
de latascom tinta branca de muito boa qualidade
que sero vendidos sem reserva de prego, bem
como de 3 caixas com phospboros err perfeito
estado. As 11 horas em ponto.
LEILO
Segu no da 31 do correle o caler Erna, para
o resto da larga que lhu falta, trata-se com oea~
Sito Jle A?tunes ti Sijveira, 0a ra da Madre
ePwn.4.
A prazo e com garanta.
O agente Hyppolito da Silva autori-
sado pelo Sr. Jos Germano, fara* leilo
de 4 carros novos com 4 rodas cada um
servindo os mesmos para serem pucha-
dos por 1 ou 2 cavallos, e 1 dito de 4
rodas envidrando, o qual forrado de
panno de teda branca, tendo todos elles
os competentes arreios, os quaes sao de
ultimo gosto e modernismo, nao sendo
necessario tecer elogios visto que sao
fabricados em Franca, podendo os pre-
tendentes dirigirem se no dia do leilo
ao armazem n. 21 sito na ra Nova
feridos carros,
Na mesma occasiSo se vendero dous ro que for do fallido para pagarem
lindos carrinhos para meninos.
LEILO
Commercial.
Quinta-feira, 21 do corrente
Antuaej aulorissdo pelo Esm, Ir.Pr, jais es
.^ 5? V, J*?.' iyra conservado da bocea. S
\r?J J-fiT^ ? 6 i?*4^' NHl
ira ateas 10 horas da noite. i kfW\'WH\\ j'w*^^
DA
Terca-feira
O agente Evaristo levar&IeiliWpela
vez das dividas da massa fallida ie'Miguel Gomes
da Silva, e bem assim as de'Fulgencio Jos de
Oliveira, e espera o mesmo agente a concurren
cia por isso qne offerecem vwU?gem a quem quer
que as arremate, s 10 horas em poni do dia
cima mencionado no seu armazem o. 22 na ra
do Vigario.
Avisos diversos.
Perdeu-se da ra do Queimado at a roa
do Crespo um masso com documentos perten-
centes a irmandade de N. S. da Conceico da
Coogregaso : roga-se a quem os achou, que os
entregue na ruado Crespo n. 12, ou na ra do
Queimado n. 24, sobrado, quesera gratificado.
Quem precisar de uma ama para casa de
homem solteiro para coziohar somente, dirija-se
a ra da Paz, antigamente do Cano n. 32.
uJrsr BS^sfotfjs: ? I Sfjfssr.K:.!!??^
mos durante os poucos dias de toa estada alli. I J '"" b'!hfles> m-8S a?be ?or1uo "egocian-
Quem preciaardeum moco que sabe ler ',0' %A\ pr,/,0?a ""'l eno me-
lhor resultado, alm de que concorrem desta for-
PROVINCIA.
O abaixo assigoado tendo sido pelo Exm. Sr.
presidente da proviocia nomeado thesoureiro das
loteras, e desejaodo efcazmeote restabelecer o
crdito qne deve ter uma instituico to til s
obras pias e mais beneficiados, desde j aflanca
ao respeitavel publico que o seu principal fim
satisfaze-lo bem, garaoliodo-lhe como de se
devera mais decidida honradez e fidelidade na
exlracco das loteras e promptido nos paga-
mentos das sortee; roga pois a sua valiosa coad-
juvaco na compra dos bilhetes.
A prmeira lotera a beneficio da igreja de
Sania Rita de Cassia, cujos bilhetes estaro
venda do dia segunda-feira 18 do corrente em
diaole, em seu escriptoro na ra do Queimado
j. 12 primeiro andar e as lojas commissiona-
das ; as rodas andaro no da quarta-feira 6 de
margo p. fuluro, e se daraoas listas no dia se-
guiote pela manha.
O mesmo abaixo assigoado pede encarecida-
mente aos Srs. que negociam com bilhetes de
escrevere contar, para criado e comprar na ra,
dirija-se a ra da Senzala Velha n. 42, segundo
andar.
. Precisase alugar uma escrava pan o ser-
vido de uma casa ; na ra do Hospicio n. 64.
Precisa-se fallar com o Sr. Jos Florencio
de Oliveira Silva que mora em Giqui : na ra
do Queimado d. 39, loja.
Attencao.
Jooyos de Figueirodo, tendo comprado o
estabelecimenlo de fazendas finas ds ra do Cres-
po n. 9, que foi de Siqueira <& Pereira, avisa a
todos os freguezes dos mesmos, que elle conti-
na a vender fazendas de muito gosto, bem como
obras de ouro e brilhantes, ludo por menos de
seu valor para liquidar.
Consulado de Franca.
Diversos devedores db hotel ioglez, ommissos
de se conformar o convite que o cnsul de Fran-
ca tinha lhes dirigido por este Diario, de vircm
saldar suas cootas, do dia 6 a 16 do corrente, no
dito consulado, vem de novo aviss-los que se at
o dia 28 deale mez elles persistirera a nao se
apresentarem, que elle ser obrigado,bem contra
sua vontade, a mandar publicar os seus nomes
e usar contra elles dos meios que a lei do paiz
lhe facultam. O consulado acha-se aberlo das
10 horas da manha s3di larde.
Pernambuco 16 de fevereiro de 1861.
Manoel Pe-
reir Lopes Ribeiro com loja de birbeiro na ra
da Imperalriz n. 13, participa as pessoas que
alugaram-lne vestuarios e cabeleiras que o car-
naval j se acabou, roga-lhes o favor de virem
entregar, do contrario nao se queixem ; na mes-
ma cssa aluga-se bichas de Hamburgo e amo-
la-se todo ierro corlaule.
Aviso.
Aos devedores da massa de
Jos Luiz Pereira Jnior.
Sao avisados para dentro de 10 dias
terca-feira 19 do corrente as 11 horas virem a mado Queimado n. 75 a' loja
em ponto, que ahi enflgisxrrarao os re- ^e Fajoet Jnior ou se terem com o
Sr Demeterio Hermilo da Costa caixei-
que devem a dita massa e aquelles que
n5o comparecerem serSo chamados pe-
los nomes por extenso por este Diario.
Roga-se a todas as pessoas que sao devedo-
res do estabelecimenlo da ra das Crazas n. 41,
que pertenceu a Maooel Teixeira de Miranda, e
cujas dividas foram arrematadas em leilo, o fa-
vor de virem salisfszer no prazo de 8 dias na ra
das Cruzes n. 33, segundo andar, senao quizerem
ver seus nomes e quantias publicados por este
Diario. Recite 18 de fevereiro do 1861.
Ama.
Preciss-se de uma ama: na ra Nota a, 5,
ma para o eograndecimento dos diversos c la-
belecimenlos pos da provincia, mais beneficia-
dos e ao contraro lhes eslaro fazeodo todo o
mal, espera pois que nao lhe deem o desgosto de
na qualidade de thesoureiro das loteras fazer
reprimir semelhante trafico.
Recife, 16 de fevereiro de 1861.
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Abaixo vai transcripto o plano que o mesmo
Exm. Sr. presidente se dignou spprovar para a
exlracco das loteras.
PLANO.
3000 bilhetes a 10.............
Beneficio e sello de 20 por ceolo
30 0009000
6:000#XX>
Lquido. 24:000!000
1 Premio de............10:000
3 Ditos de 900$........2:700$
t Dito de................ 500
3 Ditos de 200$........ 600g
6 Ditos de 100$........ 60g
14 Ditos de 40$........ 5605
32 Ditos de 20*........ 64A
840 Ditos de 10........ 8:400
900 Premiados.
2100 Crneos.
----------24:000$000
3000 Bilhetes.
N. B. A sorle [grande sugeita ao disconto
da lei.
Approvo, Palacio do governo de Pernambuco
16 de fevereiro |da 1861.Assignado-Leilo da
Cunha.
Conforme.Antonio Leite de Pinho.
O abaixo assignado previne s autoridades
policiaes, que Joaquina Januaria da Silva eva-
di-se de sua casa na larde do dia 13 do correo-
te, levando comsigo o seguinte, que lhe roiibata :
12 patacoes velhos. 23 em sedulas, 5 colheres
de prala para adpa, 5 de cha, um cabocolo de pra-
tica ou palileiro, 1 par de brincos, 1 de acgolas e
1 annellao, ludo de ouro. Esta raulher era tam-
bera cozinbeira de siguas estudanles asafstenle*
no convento de S. Francisco d'Olinds, e consta
.que fugira para o Recife em companhia do cabra
Anaclelo. escravo do esludanle Pelinca do Rio
Grande do Norte. Pede-se, pois, a quem forem
ofierecidos aquelles objectos o especial favor do
participar polica ou deapprehende-los levao-
do-os so abaixo assignado em Olinda, o ao Dr
Joo Vicente da Silva Costa na ra do Raogel o"
73, ou na ra de S. Goncalo n. U, de quem ro-
ceber uma generosa recompensa qualquer pes-
soa que dr noticia de semelhante roubo. O an
nello tem esta firma : A. C. M.
Olinda 15 de fevereiro de 1861. *
O conego Joo Berntnuvem Maciel
Aluga-se um sobrado de um andar com
commodos para grando familia, bastante fresen
silo ns roa da Concordia n. 34} lamben, se alu
o armazem por baixo do mesmo sobrado, muito
propno para qualquer estabelecimenlo o offlei-
na a beira-mar; advertindo que alaga-se aeos-
radamen e ou coojuoctamente, como melhorcoo-
?a n?27?g,ian0 : tf,Ur M ru d UffSSto
Aluga-se
a loja da roa Direita n... cora armaco
para qoalqoer estabelecimenlo : a tratar
daroadoQuimsdon. 46.
roa Diriu a. M para receber ama carta.
propria
na loja


DlAEIO m MW4IBDG0. SGU1U>A ftl&A 16 J>& PfiVBRBIHO M U61.
HOSPITAL
PORTGEZ DE BENEFICENCIA
EH
Pemambuco.
Por ordem do IIIm. Sr. proredor do Hospital
Portugus, coudo a todos os senhores socios do
mesmo a rouuirem-sc no estabelecimento pelas 9
horas da manhaa do dia 17 do correte, para em
assembla geral cnraprir o disposto no 1. do
art. 17 dos estatutos.
Recife 13 de fererciro de 1861.
Manoel Itibeiro Bastos,
1." secretario.
Roga-se as pessoas que tena penhores na
mi da abaixo assignada, que os mandem tirar no
prazo de 15 das da data deste, do contrario se-
o rendidos para seu pagamento. Recite 15 de
fevereiro de 1861.
Antonia Calorinda da Conceico.
eisa-se de urna ama de leile sem filho .-
i Hortas n. 22, segundo andar,
ra-s udj moleque de idade 13 annos':
pretender, dirija-se a rae do Sebo n. 36,
que achara com quem tratar.
Aluga-se um moleque crioulo o bastante
vivo, proprio para todo o servico, de idado de 14
annos : na ra do Araglo n. 7.
Quem se julgar credor de Adolpho Mulier
aprsenle as suas contas at o dia 22 do corre-
te para serem satisfeilas, na ra da Cruz n. 10.
rao vendido
fevereiio dt
W-1 najruBTl
quem^^re
Philosopaia, de geographia e rhetorica
PELO BACHAREL
A.R.DE TORRESBANDEIRA.
Professor de geographia
e historia anliga no gy mnasio desta
provincia.
Esto abertos estes cursos na cssa da residen-
cia do annuncianle, ra larga do Rosario n. 26,
segundo andar ; e dar-se-ha lugar a novos cur-
sos destas mesmas disciplinas, a proporcao que
augmentar o numero dos alumnos. A classe de
geographia comprehende :
1. o estudo de geographia.
2. o estudo da historia com especialidade a do
Brasil.
A classe de rhetorica est dividida em duas
seeces:
1. de rethorica em geral.
2.a de potica e analyse dos classicos.
Deseja-se saber so existe cesta cidade o re-
verendo padre Henrique Camillo de Helio Pa-
checo, capelao que Col de um eogenho na villa do
Limoeire, a negocio do mesmo senhor, no es-
critorio de Domingos Alves Matheus, na ra da
Cadeia do Recife n. 51.
APPOVACiO E AUTORISACiO
DA
mcft mmtL m muuu
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
CHAPAS MEiteiNAE!
ELECTROMAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo
AS CHAPAS MEDICiNAES sao rauito coriheotdas no Bo de Janeiro e era todas as pro-
vincias deste imperio ha raais de 22 annos, e sao afamadas, pelas boas curas que se tem obtido
as enfermarlas abaixo escripias, -o que se prava com innmeros aitesiados que exisiem de pes-
soas capazos de distineces.
Com estas CnAPAS-ELRCTRO-MAGNETicAS-EPisrASTiCAS obtem-se urna cura radical e in
fallivel em todos -os casos da irrfljrimaco ( eanta exlernas, eomo do figado, bofes, estomago, baco, rins, ulero, peito, palpitacao de coracaa, gar-
ganta, olhos, erisipelas, rheumatismo, paralysia e lodas as affecees nervosas, etc., etc. Igual-
mente para as difiranles especies de tumores, como lombinhos escrfulas etc., seja qual fr o
seu tamaito -e profundeza, por meio da suppurac.o sero radicalmente extirpados, sendo o seu
uso aconselhado por habis e distinclos facultativos.
As encommeudas das provincias devera ser dirigidas por eseripto, tendo lodo o cuidado de
fazer as necessaras explicaoes, *e as chapas sao para hornera, senhora ou crianca, declarando a
molestia em que parte do corpo existe, se na cabeea, pescoco, brae,o coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, declarando a circumfereocia: e sendo inehaces, feridas u ulceras, o molde do seu ta-
manho em um pedaco de papel e a declaracao onde existen], afim de que as chapas possarn ser
bem -applicadas o seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas serio acompanhadas das competentes explicaces e lambem de todos os acceso-
ios para a colloca^ao dallas.
Consulta as pessoas que a dignaren! honrar com a sua coBfian$a, em seu eeeriptorio, que
se achara aberto todos os das, sem encpelo, das 9 horas da manila s 2 da tarde.
119 Ra do Parto ||9
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
Mudanca de esta-
beleetmento.
Jos Moreira I.opua visa aof aeus amigte
fregueies desta ja de oulras provincias, que mo-
dou o seu estabelecimento de fazeodaa qae liaba
no obrado amarello da ra do Queimado, para a
loja e armazem que f ai dos Srs. Santos & Rolim,
onde tem o mais completo e variado sortimeoto
de fazeodaa de todas as quslidades para vepder
em grosso e a ret.illu por precos muito baratos:
ra do Crespo, sobrado de 4 andares n 13, e ra
do Imperador, ouir'ora ruado Collegio, sobrado
de um andar n. 96.
Camargo <& Silva.
recentemente estabelecidos com loja de fazendas
na ra do Crespo o. 1, junto ao arco de Santo
Antonio, tcem a honra de convidar aos senhores
consumidores, tanto da praca como do malo, a
visitaren) seu estabelecimento afim de sorlirem-
se de boas fazendas por precos mui razoaveis,
dos quaes aqui estao alguns : chitas francezas de
multo bom panno, cores fitas, a 240 rs. o cova-
do, velbutioas lavradas imitando velludo a 600
rs. o cavado, sedes de qnadrinhos a 640 e 800 rs.
o covado, grosdenaple de cor com algum toque a
1 o covado, camisinhas de cambraia para se-
nhora a 18, ricos cortes do vestido de seda com
algum toque, muito barato, cassas, organdys,
chales de diversas quslidades, enfeites de cabeea
de 29 a 5$, uvas de seda enfeitadas a 1$ o par,
e dutras muitas fazendas que se mostrarlo op-
portunamenle.
Vaccina publica.
Transmisso do fluido de braco a braco, as
quintase domingos, no torreo da alfandega, e
nos sabbados at as 11 horas da manhaa, Da resi-
dencia do coromissario vaccinedor, ra estrella
do Rosario, segundo andar do sobrado n. 30.
Aluga-se urna nasa terrea n. 54, na ra do
Brum, propria para grande familia : a tratar na
ra dos Guararap's II. 46.
O bacharel formado Jacintho Pereira do Re-
g advoga ne foro civil e criminal, no ecclesias-
lico e do commercio com seu pai o Ur. Vicente
Pereira do Reg, na ra de Queimado n. 46, pri-
meiro andar, onde teem ambos o seu escriptorio,
e podem ser procurados desdo as 9 horas da ma-
nhaa al as 3 da larde, que sao as do seu expe-
diente ordinario, ou em casos urgentes a qual-
quer outra hora, na casa de sua residencia, ra
do Hospicio n. 26.
Precisa-se de urna ama que
! o diario de una casa de pouca fa
ir dormir era sua ctsa ; no Reci
n. 31, armazem.
O engenheiio Antonio Feliciano Rod^ues
Selle se presta com eelo e actividade al ejerci-
cio de sua proOssao, quer na esajjpialidade de
I agrimensor, desenvolvendo com lalefcp eiubili-
I dade es principios g;ede?icos applicavYs s*pe-
I races de niedicao, demarcacao de littiics de
propriedades lerntorUes, e levontameniaje suas
| respectivas plantas topographicas; e fwrando
Fessoalmeute o processo verbal de seusKMba-
hos ; quer na do architeclo da oidem civil em
| que planeja elegantes e bellos desenos de e&ifi-
; cios particulares, com o gosto artstico de que
tem dado sobejas provas ; toma son sua respon-
sabilidado a direcgo scientifica da construeco
dos ditos ediGcios. A modicidade dos presos por
que satisfaz a execuco de-qualquer desles ser-
vicos deve animar os senhores de engenho e
propietarios da cidade a se utilisarem de sua
habilidade e pericia. Pode ser procurado na ra
estreita do Rosario, sobrado n. 30, terceiro andar,
ou na botica de Jsaquim Ignacio Itibeiro Jnior'
na praca da Boa-Vista.
Precisa-se alugar urna preta que cosinhe e
faca o mais servico de urna pequea familia, e
agrsdando-se d-se 20$ de aluguel: na ra do
Amorim n. 33 segundo andar, ou annuncie.
Aluga-se a loja do sobrado da ra das Cru-
zes n. 18 : a tratar no mesmo sobrado.
CASA DE SALDE
DOS
SJSu&a SSi&flBiUo <&L &S& cr S&
fwmmm te mt
Acham-se venda na livr&ria da praca da Independen-
cia ns. 6 e 8, as bein conhecidas folhinhas impressas nesta
typographia
Folhnha de porta ou KALENDARIO eeclesiaslieo e civil para o
bispado do Paroambuco..........-. 160 rs-
Ltlta de algibeira eonlendo alm do kalendario eeclesiaslieo e civil,
explicarlo das fesias mndaveis, noticia dos planetas,
tabellas das mares e nascimento e occaso do sol;
ditas dos'emolumentos do tribunal do commercio;
ditas do sello; ditas do porte das cortas;' ditas
dos impostes geraes, protinciaes e municipaes, ao
que se juntou urna colleceao de bellos e divertidos
joges de prendas, para entretenimenlo da BMiidade. 320 rs.
Ultd alta .... contando alm do kalendario eceleaiMaieo civH, expli-
cscio das Testas mudaveis, noticia dos planetas, tabellas
das mares e nascimento e occaso do sol; duas dos emo-
lumentos do tribunal do commenio ; ditas dos impostes
geraes, provinciaes e municipaes, ao que se reuni o
modo de confessar-se, e corxungar, e os officios que a
igreja eosluma celebrar desde domingos de Ramos, at
sexta-feira da Paixo, (em portugnez). prego..... 320 rs.
Dita do alniCMClk civil, administrativo, eommercial e industrial da provin-
cia de Pernambuco, ao preco de: ....... i$ooo
Para facilidade do uso deste a Imana k, augmentou-se
de formato, e izeram-se muitas alteraces, sendo a correc-
co a mais exacta que foi possivel, em materia desta ordem,
(que todos os dias soffre mudancas) acrescentaudo-se a nu-
meraco dos estabelecimentos coixmerciaes e industriaes;
acompanhado de ndice para facilitar o uso, procurando o
que se deseja pela oceupaco do individuo de quem se quer
saber a residencia.
Julio & Conrado.
Ra do Queimado n. 48.
Participan) aos seus numerosos fregue-
zes que tendo chegado o seu meslre al-
faiale que mandaram contratar em Paris,
acham-se promptos a maodarem ezecu-
lar loda e qualquer obra lendenie a al-
faiale, assim como tem em seu estabele-
cimento grande sorlimento de ludo quan-
lo se desejar, para qualquer das esla-
ces nao s de fazendas como diversos
artigos de luxo, continuando o mesmo
mestre a receber por lodosos vapores fl-
gurinos para melhor poderem servir ao
respeitavel publico a quem pedera de vi-
re m visitar o seu estabelecimento que
encontraro aquillo que desejarem.
Sita em Sanio Amaro.
Esteestabelecimentocontinua debaixoda admirmtraqao dos pro-
prietarios a receber doenies de qualquer natureza ou cathegoria que
seja. ,
O zelo e cuidado all empregadospara o prompto restabeleciuien-
to dos doentes geralmente conhecido.
Quem sequizerutilisar podedirigir-se as casas dos propietarios
ambos moredores na ra Nova, u entender-secom o regente no esta-
tabelea ment.
Reforma de presos.
Escravos. -..... 2#000
Marujos ecriados..... 2^500
Primeira classe 3^f e. 3#500
As operaqdesserao previamente ajustadas.
CONSULTORIO
MED RO COPAR TE1E OPERADOR.
3 III A IVVC.I OKIA.C ASVIHM I \l| V03
CUniea por ambos os systemas.
O Dr. Lobo Moseoso di consultas todos os dias pela manhaa, e de tardedepois de i
horas. Contrata partidos para curar annaalmente, nao so para acidade, cerno para o entrenhos
u oulras propriedades ruraes. r ougouuo.
Oj chamados davem ser dirigidos sua casa at s 10 horas da manba e em caso
de urgencia outra qualquer hora do dia ou da noiie, sendo por escriptoem que se declare
o nome da pessoa, o da ra e o numero da casa.
Nos easos que nao forem de urgencia, as pessoas residentes no bairro do Recife po-
derlo reraettr seus bilbetes i botica do Sr. J. Sounn & C. na ra da Crui, ou i loja de
jivros do Sr. Jos Nogueira de Souza na ra do Crespo ao p da' ponte velba.
Nessa loja e na easa do annuneianteachar-se-b constan temen le o memores medica-
mentos homeopticos j bom conhecldos e pelos pregos segaintes:
Bolica de 12 tubos grandes...........iOtOOO
Dita de 24 ditos.................153000
Dita de 36 ditos.................203000
Ditt de 48 ditos................. 25&000
Diu de 60 dito................. 809000
Tubos avirisoseada um.........; 1000
&* E^., u5u.rMv ;............8000
Mannalde medicina homeopathica polo Dr. Jahr, tra-
durtdo em porloguei, com 0 diccionario dos termos
do med.e.na, eirnrgia etc. ele........S0#000
^mriorS;C*Ln)f'5WD8 con"^onario. 10*000
Ufftflorio do Dr. Mello Maraes. ,...,., 6900O
Esino particular.
O abaixo assignado, professor particular do
pnmeiras letras, latim e francez, reside no ler-
ceiro andar do sobrado n. 58 da ra Nova, onde
com toda a dedicagao, prudencia e actividade
exerce sau magisterio, e contina a admiltir al-
guna internos de pouca idade.
Jos Mara Machado de Figueiredo.
Attencao.
Gouvea & Filho com casa de consig-
nacoes novamente estabelecida nesta
praca, avisam aos seus coinmitter.tes e
ao publico em geral, que podem ser
procurados a qualquer hora do dia em
seu escriptorio na ra da Cadeia do Re-
cife n. 3, primeiro andar.
Aluga-se o sobrado de S andares e solio:
da ra da Imperial n. 109. a fallar na roa da
Aurora n. 36.
Precisa-se de- urna ama forra ou captiva
pata lodo o servigo de ama casa de familia na
ra larga do Rosario n. 28, segundo andar.
Precisa-se alugar urna escrava quesaiba co-
zinbar e eogommar, para casa de pequea fami-
lia, ou mesmo forra, ou alguraa purlugueza : na
ra das Cruiesn. 41, segundo andar.
O abaixo asignado, relirando-se tempora-
riamente dcsla provincia, deixa por seus procu-
radores aos Srs. Gracoliano Octavio da Cruz Mar-
tin?, I. Augusto Caors, 2., e Joao Barroso de
Carvalho, 3.
Antonio Joaquim Dias Medronho.
O abaixo assignado fazscienle ao respeila-
vel publico e principalmente ao corpo do com-
mterCI2vque Tendeu 8U ,0> il n ra do Cabu-
ga n. 2 C ao Sr. Jos Goncalves da Silva Raposo.
Vicente Monleiro Borges.
JosGongalvesda Silva Raposo faz sciente
ao respeitavel publico, e em particular ao corpo
do commercio, que comprou a loja de miudezas
sita oa ra do Cabug n. 2 C ao Sr. Vicente Mon-
teiro Borges.
Precisa-se de um cozinheiro ou cozioheira
para casa estrabgeim : quem e julgar habilita-
do, dirija-se a ra do Trapiche n. 8.
Pede-se ao Sr. Luii de Albuquerque Mar-
nhao.do engenho AH, queira ter a bondade
de responder as caria que se Iho tem dirigido,
e de ordenar ao seu correspondente, ou enlao
enTJLr.pAg" a8 8ua* 'tras vencidas de reis
2:890719, e rs. \:Vmm. Wo al odia 14 do
correle. Racife 11 de fevereiro de 1861.m
credor,
Bolinholos.
Bandejas eofeii ad is com diversos modelos e
lindos fetios de bolliibos os .-ice bem prepara-
dos dos nossos mrcalos, para casamentos, bailes
f k "rejas; assim como s ha peso em
libras separadas para as procisioea dividir-se
peas figuras, o mtis dm cesta e aceisdos que se
procuram : quem quzer, dirija-se a ra da Pe-
nha n. 25, para balar.
CONSULTORIO ESPECIAL HOMEOPATHICO
DO DOCTOR
SABINO O.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos es dias uteis desde as 10 horas
at meio dia, acerca das seguiutes molestias :
i. molestias das mul/ieres, molestias das crian-
zas, molestias da pelle, molestias dos olhos, mo-
lestias stphiliiicas, todas as especies de febres,
febres intermitientes e suas consequencias,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPATHICA.
Verdadeiros medicamentos homeopatbicos pre-
parados som todas as cautelas necessaras. in-
alliveis em seus effeitos, Unto em tiutura, como
em glbulos, pelus precos mais commodos pos-
siveis.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos em sua pharmacia : lodos
que o forem lora della sao falsas.
Todas as carleiras sao acompanhadas de um
impresso com um emblema em relevo, leudo ao
rtdor as seguintes palavras : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Esle emblema posto
igualmente na lista dos medicamentos que se pe-
de. As carleiras que nao levarem esse impresso
assim marcado, embora tenbam na lampa o no-
me do Dr. Sabino sao falsos.
Precisa-se alugar urna
escrava para o servico de urna
casa de familia: na ra da Ca-
deia n 53, terceiro andar.
II. do Oliveira Maia, porluguez, vai as pro-
vincias do norte.
Aluga-se urna sala decente para algum
senhor advogado. ou outra oceupaco : na ra
Nova n. 16, se dir.
Precisa-se de urna ama para cozinhar para
duas pessoas ; na ra dos Pescadores ns. 1 e 3 :
paga-sebem, a sim agrade.
COMPMHIA
ALLIANCE,
estabeecida em Londres
mam m mu.
CAPITAL
Cinco Btilhoes de Ultras
sterlinas.
Saunders Brothers & C. tem a honra de in-
formar aos senhores negociantes, propietarios
de casas, e a quem mais convier, que estao ple-
namente autorisados pela dita eompanhia para
eflectuar seguros sobre edificios de lijlo e pedra,
coberlos de telha, e igualmente sobre os objectos
que contiveremos mesmos edificios, quer consis-
ta em mobilia ou em fazendas de qualquer qua-
I idade.
KdiQrem*3-reesee:dH-eK?KSK$
Dentista de Paris.
15Ra Nova15
Frederic Gautier, cirurgio dentista, faz
todas as operacoes da sua arle e enlloca
denles artificiaos, ludo com a superiori-
dade e perfeigo que as pessoas en tendi-
das lhe reconhecem.
Tem agua o pos den tif r i cios ele.
4os consumidores de %m.
A empreza da illuminaco
gaz, roga a todos os Srs. con-
sumidores o favor de nao en-
tregarem aos seus machinis-
tas ou serventes qualquer di-
nheiro quer de reparos ou
outro qualquer pretexto, sob
pena de lhes ser novamente
exigido Todos os pagamen-
tos devem ser feitos ao Sr.
Thomaz Garrett nico cobra-
dor autorisado ou no escrip-
torio dos gerentes.
Camargo Silva,
compradoras da loja dos Srs. Campos & Lima,
sita ba ra do Crespo n. 1, junto ao arco de San-
to Antonio, pedem aos devedores daquella firma
que por obsequio venham salisazer suas contas,
afim de evitar que sejam procurados.
Um preto forro, perito
cosinheiro se oiterece para co-
sinheiro de qualquer casa na
cional ou estrangeira : quem
precisar do seu servico p-
pareca na ra da Cruz n, 4.
Os devedores da
massa Garrido e
Veiga
sao rogados para dentro de 8
dias virem ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, pa-
ra pagar o que devem a dita
massa: e aqutlles que nao
comparecerem serao chama-
dos pelos nomes por extenso
por este Diario.
Quem annunciou precisar de 1:000$ com
hypotheca a um silio perlo da cidade, pode ap-
parecer na roa do Quemado, bolica do Sr. Jos
Alexandre, at as 9 horas da manhaa, que acha-
rcom quem tratar.
JOIAS.
Joaquim Monleiro de Oliveira Guimares com
loja de ourives na ra do Cabug o. 1 A, partici-
pa aos seus amigos freguezes e a publico em
geral, que se acha sorlida das mais bellas e deli-
cadas obras de ouro e prata, e quereitdo acabar
como negocio, est resollido a vender mais ba-
rato do que em outra parte, garantindo as ditas
obras, passando coota com recibo, declarando a
qualidade, e compra ou troca obras velhaa, pa-
gando o ouro por mais do que em oulra parle.
Lauriano Jos de Barros
participa aos seus numerosos fregaezes desta ci-
dade e mesmo de lora, que acha-se regendo a
grande officina de roupas feitas de Ges & Bas-
tos na ra do Queimado n. 46, onde pode ser
procurado a qualquer hora, poia est prompto a
desempenhar qualquer obra importante, pois
para isso tem na mesma loja um completo sor-
limento.
-- Na travessa da ra
das Cruzes n. 2, primeiro andar, contina-se a
tingir com toda a perfeigo para qualquer cor, e
o mais barato possirel.
AtteiKjo.
As pessoas que liverem relogios para se con-
certar na ra Nova n. 11, e que tem mais de seis
mezes ; facam o favor de vir busca-Ios no prazo
do 30 dias, sob pena de serem vendidos para in-
demnisa'.o dos concerlos.
tffe Sociedade tfts
aknWLEti DE ^BBg
Edificagoes e compra de
terrenos.
O abaixo assignado convida os propietarios
quej lhe ofTereceraro terrenos para com o va-
lor dos mesmos entrarem na sociedade na qua-
lidade de commanditarios, a apresentar-lhe os
planos, confronlac.de*, siluages e avaluares dos
respectivos terrenos acompanhados de urna car-
ta pedindo a sua admisso como socios comman-
ditarios da referida sociedade.
A correspondencia dever ser-lhe dirigida
ra do Crespo n. 4 loja. Pernambuco 6 de feve-
reiro de 1861.
F.U. Ouprat.
g O Dr. em medicina P.
deB. Cotegipe mudou a
sua residencia para a S
ra Nova casa n-. 46, pri-
meiro andar, onde pode
ser procurado para o
exercicio de sua profis-
m
a
sao.
Para urna casa
franceza.
Precisa-se de urna escrava que saiba engom-
mar, coser, e fazer lodo o servido de urna casa
de pouca familia, e que seja fiel e diligente. Na
mesma easa precisa-se de um esrravo para o ser-
vico de um sitio : quem livrr pode dirigir-se
ra do Imperador n. 27 confroole a ordem ler-
ceira de S. Francisco, que achar com quem tra-
tar, das 9 horas da manhaa s 4 da tarde
- Aluga-se a casa da praca do Cor-
po Santo onde foi o estabelecimento dos
Srs. Rostron Rooker & C. : a tratar na
travesa do Queimado n. 1, com Joa-
quim de Almeida e Silva.
COMPANHU DA Y1A FRREA
RECIFE A SAO FRANCISCO.
(limitada.)
Avisa-se ao rrsaeitevel publico que do dia 1
de fevereiro at outro aviso o Irem que D.rt L
eatacao das Cinco Ponas s 8 1,2 |?oraaPd. ma-
nhaa correr smenle al a Villa do Cabo o
irem que at agora tem sahfdo da Escada 1 3(4
^r"d,1"'d,.9 discontinuado, mas sahi *
do Cabo s 3 horas da larde como costuma-
n.u k?i" da l"",i.da d08 lrens ierSo "guiadas
pela tabella segumte : "euua
S
ee
es
ti
se
w
a
ce
<
= g?S IS"5
O n". a
e* n n

<
<
$.%*
iinmo
m .
2 00 00 00 O O o> o>
o
n
o

o
ja
3
e. .2 S-2


ce
o
Q
m
*
w
H
73
en
o
WD
a
a-
e
0
a
ta
li
S 15
o
M
<
<
S3
z
s
isass is
'<
iseietevsN
se

eo
a
as
<
<
a
z
*z
ss
1.2
IS
I "linoo
0
\z
X
W Bn -V -T
% KJlftO I5
2S$S? 12
I "
T- !
la

o
5P
. o
a m
B, m
o
5
.5 S.
_ ._ *^ C k. C *- c
Assignado-fi. H. Bramah,
Superintendente.
O Dr. Casanova
pode ser procurado lodos os dias em se
consultorio especial homeopathico
30--Roa das Oozes-30
Neste consultorio tem sempre os ma
novos e arredilados medicamentos pre-
parados em Paris (asliniuras) por Ca-
tellan e Weber.por presos razoaveis.
Os elementos dehomeopalhia obra, re-
commendada iotelligencia de qualquer
pessoa.
CASA
Aviso
de commisso de escravos, pa-
teo do Paraizo n. 16, sobra-
do que foi do fallecido Ni
colo
Para a dita casa foi transferido e antigo escrip-
torio de commiso de escravos que se aihava
eslabelecido na ra larga do Rosario n. 2u e
ahi da mesma maneira se contina a receber es-
cravos para serem vendidos por commisso e
por coola de seus senhores, nao se poupando "es-
forros para que os mesmos sejam vendidos com
prompiiuio, afim de que seos senhores nao sof-
fram empales com a venda delles. Nesle mesmo
eslabelecimenlo ha sempre para vender escravos
de ambos os sexos, velhos e mocos.
Aluga-se a padaria da ra Imperial n. 173
onde Irabalhava Joaquim Luiz do Santos Villa-
verde, com todos os seos utennlios, menos a-
quellcs qoe me Dio pcrlencem, o lugar excel-
a.Vor.trpe?efra.UOdOC',n,0 N"CS0
Banhos econmicos!
Na casa de banhos do paeo do
Carmo. -
Nesle estabelecimento (alem dos banhos j co-
nhecidosjeefornecer d'ora em vanle, por maior
commodo do publicobanhos econmicosera
luzo, mas com toda a decencia aos precos se-
guintes :
1 banho avulso 'frio W0 r-
momo 400 rs.
7 car toes para banhos Jfri8 '
(momos 2JJ0O.
JO banhos consecutivos trios ou momos 5$.
aosterceiros da ordem deSjJ^X?XZ^
FranCSCO i v,3r0 "/. primeiro andar, escriptorio.
Na ra do Queimado n. 89. loja de 4 portas, Precha4e alugar urna preta que
vende-se eslamenha para habaos a 2*300 0 eo- irva para vender na ra : a tratar nes-
ut 'toi^tftSttf^S* ^ .^Pr?r.pbia com Joao Francisco Fer-
taita; reir.
ILEGVEL


Vi
i
Collares medicinaes ano-
linos para as dores da rlentico,
a cees sos. eonvul^df, Pebres e ou-
tras nferini-fades das crlancas.
Este innocente e infalivel remedie dispensa de
fazer tomar as crianzas os remedios interiores,
que nun-ra querem tomar. Prece flxo ff.)
Deposito geral, na do Parto n. 119.
Precisa-se da um ou dous amassadnres da
perfeicao e quesaibam desempeohar o fabrico do
pao e bolacha, como requer a arle : 01 que se
acbaretn nestse rircunn'aiidM, podem dirigir-se
a ra larga do Rosario,padarie n. 18, que arhareo
coro qiiem tratar. Na mearos tambeaj admille-se
um (orueiro bom.
Para alugar.
O primeiro andar do sobrado da ra Imperial
d. 11C, muilo fresco, e bastantes commodos para
familia por ter duas alcovas na sala da frente,
um grande quarlo ao lado do norte, defronte de
urna janella, que urna boa sal, e outros quar-
tos : a tratar na ra Direila o. 141, taberna.
SOCIEDADE
LMIO BENEFICENTE
DOS
ARTISTAS SELLEIROS
Km l'ernambueo.
Por deliberacao do couselho convido aos se-
nil ores socios elTeclivos pira sessao extraordina-
ria de a*serobla geral, terca-fera 19 do corren-
te, as 6 1|2 horas da larde.
Secretaria da sociedade Unio Beneficenle dos
Artistas Selleiros era Pernambuco 15 de feverei-
ro de 1861.
Auspicio Anlonio de Abreu Guimaraes.
1. secretario,
Precisa-so de um criado que de conheci-
menlo de sua conducta, para o servico interno e
externo de urna casa de familia : a tratar na ra
da M ilri/ da Boa visla n. 24.
Efeposlto de materiaes, na ra
do Brum defronte do cha-
fariz n. 55.
OtamprieUrio deste eslibelecimenlo*Svsa aos
senhotes prnprietarios do Recite que vende os
materiaes por grosso e a relalho por precos mais
Commodos que em outra parle.
Prerig-se alugar um rmilcquc para con-
ducir taboleiros com j miar para (ora ; na ra
larga do Rosario botequtm n. 25.
DIARIO Dff KhmUBUOO. 5EWBd fEWA III HIHIBIfl HUtU
&Sw
estando em IWruidaHjao de son toja 6e fezenda,
.na na ra da Impertirla n. 60, por meio deste
annuncio arisam a todas os' seos devsdores pon
coola e letras j vencidas, virem pagar seu
dbitos oo prazo de 80 dtas, costados da data do
primeiro annuncio, fludo elle serao seus nomes
publicados neste jornal. Recite 16 de fevereiro
de 1801.
AVISO.
Emite Laurence, rerentemente chegado de Eu-
ropa, previne ao coromercio que, a principiar de
hoje, ello s tornar canta da gerencia da sus
casa, que durante ana ausencia luira dada a aeu
irmo Achules Laurence.
Achules Laurete ra i Prane tratar de
sua saude.
Precisa-se alugar um moleque para conffu-
zir taboleiros com juntares para fra : na ra lar-
ga do Rosario n. 95, bolequim.
Urna mulher parda, de boa conducta, se
oftereee para ser ama de cozinha em casa de fa-
milia : quema preteader, dirija-se a ra da Ca-
deia do Recite n. 22, sogundo andar. Na mesma
casa precisa-se de nma ama forra1 que saiba en-
gommar; podendo ir dormir em sua casa.
Aluga-e ou venda-se urna canoa em bom
estado, quecarrega 900 lijlos: quera a preten-
der, dirtja-se a roa do Imperador n. 46, das 9
horas al as da larde, que achar cera quera
iralar.
Alugam-se Juas escravas ; na ra da Gloria
numero 18.
Precisa-se de urna mulher qae enlenda de
cozinha : na ra da Lingoete n. 10, loja.
i.
Pr o pr i e ta? ios d af m^ze
PROGRE
m nnacii a. r m 7 a m Prn<%aan ..__aLatl- _._____
Compras.
Traspassa-se o aluguel de urna casa terrea
com commojos para familia e de proco de 25$.
com a condjco de se Qcar pDr compra com urna
mubilia de Jacaranda pelo prego que se conven-
c.onar: quem quizer, annuncie ou procure na
ra dos Prazeres n. 30.
Toma-se 600jj a 1:0003 a juros, dando-se
de premio 1 1|4, com a vantagem porm de se
couservar inalteravel o pagamento deste juro in-
tegralmente, dando-se por conta do capital a
quanlia de DOj pormez; a quem convior annun-
cie para se procurar, c tratar-seda garanta.
bddiarel A. R. de Torres Ban-
deira continua a advogarno crime e ci-
vel : em sua casa na ra larga do Ro-
sario n. 28, segundo andar.
Um moco porluguez, gusrdi-livros de urna
casa commercial. dispondu de algunas horas,
nellas se olTerecc para alguma e^cripturaQo ;
qnem precisar, deixe caria techada oeste lypo-
graphia sob as iniciaes I. A.
Compram-so escravos para embarcar para
fra da provincia ou para engenho ; no escripto-
rio da ra pircita de Francisco Malhias Pereira
da Costa n. 66.
Compram-se escravos.
Compram-se, vendem-se. e trocara-se escravos
de ambos os sexos e de toda dado : na ruado
Imperador n. 79. primeiro andar .
Gompram-ie acc5e$ do novo ban-
bo de Pernambuco: na ra da Cadeia
n. 41.
ComptMtn se notas de # e 5$ ve-
Ihas" com mdico descont : na praca
da Independencia n 22.
Compram-se Diarto para embrulho a 3&800
a arroba : na ra larga do Rosario na. 15 e 17.
Compra-se urna casa lerrea na ra das Flo-
res ou camboa do Carreo, que seja boa, ou per-
muta-se por outra : a tratar na ra Nova n. 51.
ilo bem enfeiladas proprias para
10 rs., aanea-se serem as melho-
; Consultas medicas. |
Serao dalas lodos os dias pelo Dr. Cos- *
i mode S Pereira no seu escriptnrio, ra gjj
! da Cruz n. 53, desde as 6at as 10 horas a
! da manhaa menos aos domingos sobre : jjt
1." Molestias de olhns. w
2." Molestias de coraco e de peito. C
3." Molestias dos org.los da geracfto e M!
do anus. fy
O exame dos doent-s s-*r feilo na or- 8j
dem de suas entradas, com eran do se po- <9>
rrn por aquellos que soTrerem dos
olhos. t
Instrumentos chimir-ns, acsticos e op- |
tiros sern empregados eas suas cnsul- Je
taces, e proceder cuw lodu rigor e pru- *
dencia para obler certeza, ou ao menos
probabilidade sabr a sede, natureza e jjf
causa da molestia, e dahi deduztr o plano
de IralameBlo que deve destrui-la ou &
curar. C
Varios medicamentos serSo tambem 3?
em pregados gratuitamente, c pela rer- *?
teza que lem de sua verdadeira qtialidade,
promplid&o era seos elTeitos, e a necesri-
dale do seu emprego utgenle que se usar
delles.
Pracar ah mesmo, ou coi casa dos
doentes toda e qualquor operivco que
julgar conveniente para o reslbeleci-
mento dos mesmus, para cu jo firn se acha
prvido de urna completa collecgao de
instrumentos indispensavel ao medico
operador.
Aluga-se o segn lo
'o
andar da casa n. 15 da
ra du Vig*rio : para tratar, no caes do Ramos
D. 21, on a ra Augusta n. 114.
O Sr Jos Goncalves da Silva, estabelecido
em Macei com padaria, e que se acha nesla ci-
dade, que-ra dirigir-se a casa de Tasso Irmos
para neitncio de seu inleresse.
Precisa-se de urna ama de leite, forra on
captiva, pnrm que soja de boa conducta : para
Iralar na ra do Trapiche n. 44, lerceiro an lar.
Aluga-se um sitio no suburbio da cidade,
por arrendnmento de 1 a 3 annos, que tenha boa
casa e arvoredos, assim como baixa de capim
para ou 6 cavallos; a Iralar na ra Direila nu-
mero 66.
Precisa-se de orna pessoa para entrar do
socio em urna taberna, e esta que seja de boa
conducta, desempedida, o que entre com os
fundos que se con.vencionar: a tratar na ra do
Apollo n. 21, se dir quem precisa.
Nova cartifta.
Acaba de sahir dos prelos dcsta lypographia
urna nova edicf.o da cartilha ou compendio de
doutrina chriiaa, a mais completa de quaotas so
tera impresa, por quanto abrange ludo quanto
continua a antiga cartilha do vbbade Salomonde
e padre mostr Ignacio, acreacenlando-so muias
oracoes que aquellas nio tinharu ; modo de a-
cori'paiihar um moribundo nos ltimos momen-
tos da vida, com a tabella das testas mudareis,
e erlypses desde o corrente anno al o de 1903,
segnida da telhinha ou kalendario para os raes-
mos annos A bondado do papel e excelleqcia da
impressao, do a esta edijo da cartilha urna
preferencia asss importanle : vende-se nnica-
meme na livraria ns. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia.
Vendas.
Vcnde-se urna escrava de meia idade. que
ensaboa sollrivelmente, propria para casa de fi-
milia por saber andar com meninos, e timbera
vende na ra: a tralar na ros das Cioco Pentas
numero 54.
Parece impossvel
A 45#000U!
Riquissimos vestidos pretos bordados pelo ri-
diculo preco de 45J cada um : vende-se na rui
Nova n. 42, defrunte da Conceico dos Militares.
Boa pechincha
de manteletes prelos, oovos e bonitos : na ra
Nova n. 42, defronte da Conceiao dos Militares.
Quem duvidar
venha ver como se vendem vestidos decambraia
braneos, bordados ricamente, com 3 e 4 babados
par 7j cada um, e finis,imas cambraias com lin-
dos adamascados proprias para cortinados com
20 varas cada peca a lo : na ra Nova n. 42,
d-fronte da C>n>'-K'ao dos Militares.
POGOES ECO-
NMICOS.
Nova descoberla americana : riquissimos fo-
goes econmicos de muilo bonitos modelos, e
todas as commodidadea para cozinhar, tendo a
vantagem de. com um tegao desles, fazer-se to-
da a qualidade de comida para um jantar, com
i diminuto tempo por alrairem si todo calor das
ternalhas, lem mais a vantagem de no'fazer fu-
maca era qualquer urna casa, por conter em si
urn cano que expelo loda a fumaca a lugar que
nao eneonimode e nem prejudique a propriedade,
por precos muito commodos : na ra Nova n. 20,
loja do Vianna.
ExposicOes de
metaes.
Riqulssimo sortimonio da toda a qualidade de
metaes unos proteados, era apparelhos e avulsos,
grandes e pequeos, ludo quanto se pode deso-
jar para servido e ornamento de urna mesa, ap-
parelhos para almoco, desde o mais fino at o
mais ordinario, comendoem si os apparelhos fi-
nos a garanta do fabricante por esparo de 20
annos, ludo se pode garantir ao comprador, e
on tras muitas quadades de objeclos, conlend
assim taboleiros para dar cha, bastantes grandes,
e que muito deverio agradar aos freguezes quo
precisarom ; na na Nova n. 20, tejado Vianna.
Vende-se szeite de carrapato em caadas e
garrafas ; em garrafa a 480 rs., e em caada a
3520 : na ra do Padre Floriano o. 15.
Vende-se urna carro-;* e um boi por piejo
eommodo, no lugar dos Remedios : quem pro-
tender, dirija-se ao mesmo logar, a tratar com
Caetano Baptista de Mello.
Aviso
Pierre Pueche, propretario do hotel e caf
francez, faz seiente ao respeiavel publico, que o
Sr. Paul Guelpho sahio do seu eslabclecimenlo,
o que n.lo se responrabilisa por qualquer tr&n-
saccao que o mesmo faija.
Recite 14 de fevereiro da 1861.
Francelino Izidoro t.esl 4 C recebersm
pelo patacho Jareo, ltimamente chegado do
Lisboa, caixas com massas Onisaimas e sortjdas,
meias ditas, quarlas com passas muito novas,
e lats com doce secco de difTerentcs qualidade?,
tudo venrtetn por precd multo eommodo, etn o
seu armazem na ra da Madro de Daos d. 10.
No angenho Guiabeira, junto a povoa;o de
Santo Amaro de labat&o, preciii*se de am fei-
tor de campo : a fallar no mesmo ngonho.
Quem precisar de urna criaa portugrwza
para casa de familia, deixe earta techada nesta
(fposraphia com as inkfaeSf, N.
= Aluga-se para ama era casa de familia ama-
5reta escrava de boa coaducla : q,JCtn pretender
tija -se a|rua Cintos
pretos com Qvelas de ajo e todas prelas para lu-
to, pfoprios para senhoras : em casa de i. Fal-
que, ra do Crespo n 4, onde se acha tambem
bandos para cabeca de senhoras, tudo
eommodo.
por preco
Agua para tingir
cabellos.
Era casa de eabeHehviro, ns-ra doQueimado
n. 6, primeiro andar, existe excellente agua paro
tingir cabellos, a melhor que lem appareerdo no
mercado ; o processo de usar rpido e facilimo.
Sortimenlo de chapeos
/aa do Queimado n. 39
Loja de quatro portas.
Chapeos prelos francezes de superior qualida-
de a 7* -r i
Ditos dos mais modarnes que ha n mercado
a 9$.
itns de castor pretos braWcn#a 160.
Chapeos lisos para sentara a W$.
Ditos de velludo cfjr azu! al^C
Ditos de seda para raesinas ricamente ecteita-
daisSl.
Ditos ditos para,menino a 5*.
Lindos gorros pata merlinos a 3S.
Boneis de velludo a &J.
Ditos do palha mTto bem enfettados a 4g.
Chode aot Vaakr 4t m4* i 7).
Ditos ingleaes de teylSf e 13f pm ara. .
Vendem noseu irmszem Prograsso os segstates gsneros recente-nscrt chegados por -
Ktsf- >* --- "-& s5odoop;eSeKs;? nr-mSo8. K
CUa.^o^ra!rcd.dSo^r M a dUlU e 2 a W, llanca-* que
a boa qu.Hd.de. s noTogUo.5" UnC,mle T6Dde D0 "ffl"em Pr0*s. "
^_ dos mis acreditados fabricantes daEoropa a 900 rs. a libra, s no Progresso.
ilftTQit'llQ'l
. em compoteiras de folha do mais acreditado fabricante da Europa vinda pela
primetra vez a esta provincia lacrada hermticamente e omito bem enteilada a la rs. a libra,
s no Progresso.
"^^^^M1^ i1!!!^^**?^ afi""d5 Abrea c oulro 'bric**- Premiados na ex-
posicio de Londres a 800 rs. a libra, s oo Progresso.
I aja ae tomate legada ltimamente da Europa a 900 rs. a libra, s no Progresso,
, chegadas de conta propria no ultimo navio a I600 e 43 latas com
8 libras, s no Progresso.
mJl^aSn UCei,aS "J melhor que ha neste genero a 1S100 a libra e em latas a
ls, s no Progresso.
A.meix*s rainfca Claudia ,., 1bra eem caird de(arroba a 12g s
no Progresso. (P
2560, 2 e 1S600 a libra, s no Procresso.
Ca xas com8 libras de
meninos a 3$ e em caita da 1 awoba a l|~e e
res do mercado,s no Progresso.
Zant corVmn ou passas propria8 pa
l^oce da csea de g-naba a
lllUO XeteX d0 m9inor qu se poleVricr/ntra/n
Progresso.
Vinbos paTa pastt e Be,mo para
caada e 640 rs. a garrafa, s no Progresso.
Yinbo Hondean*
Progresso.
aervejaS dasmelhores marcas que tem vin
(branca) s no Progresso.
vUa^S paTa SOpa e seVadinha muilo nova a 500 e 320 rs. a libra, s no Progresso.
Nlanteiga raUeeia Chegada no ultimo navio do Havre a 800 rs. a libra, s no
Progresso.
raillOS UXAttOS 03 muihores que lem viodo 10 mercado a 200 rs. o masso cora 20
msssinhos, s no Progresso.
A-Ztlionas a jj^o rs> 0 bSrtB> sd no pf0gres0.
aillia ae pOrCO refina(ia a mais alva que existe no mercado a 480 rs. a libra o em
porco de-8 libras para cima a 440 rs., s no Progresso.
Touembo de L*iboa omclhorquchaa9 a arrobao 320ts a libr8) sno
Progresso.
Sevaaa rauit0 nova a 3^ a arroba e 120 a libra, s no Progresso.
\lSlil 0 mal3 limpo qQe ha a 55 a arrjba e 160 rs. a libra, s no Progresso.
SpermaCete a gOO rs. a libra, s no Progresso.
radimuu e ou,ras mutls quadades de peixo om latas Je 13200 a 2J, s no Progresso.
Os proprietarios prometiera aos seus freguezes continuaren a terem os melhares gneros
relalivamente a molhados e venderem mais barato qu> em outra qualquer parte, prometiera mais
tambem servirera aquellas pessoas que mauiarem por outras pouco pralicas como se viessem pes-
soalmeole, rogam tambera a todos osSrs. do engenho e Srs. lavradorcs queiram mandar suas en-
commendas que no armazera Progresso se Ihes aanca a boa quatilade e aconJiciooamento por
mais longequesejaoserto.
i marcas mais a
o frasco, s no Progresso.
Jio Progresso.'
genero a 13609 a garrafa, s no
pelas suas boas quadades a 43500 a
das a 115 a caixa e 13 a garrafa, s no
mercado a 5J a duzia e 500 a garrafa,
dos verdadeiros das fabricas de Francisco Jos Cardozo e Jos Furlado de Lomo?, garante-se a su-
perior qualidade no centro commercial ra da Cadeia do.Recite n. 15, loja.
quasi de graca! I
Calcado barato.
Borzeguins para meninos de ambos os sexos
ns. 25,26. 27, 28, 29 e 30 a 3 o par : na loja n.
9 da ra da Cideia do Recite.
Estampas finas e iteres-
sa utes.
A loja d'Aguia-Branca recebeu mui finas, e gran-
des eslampas, do fumo, e coloriias, representan-
do urnas a morte de juslo rodeado de anjos, etc.,
e outras a morte do peccador cercado de demo-
nios, ele. Sao na verdade interessanles essas
eslampas para quem as sabe apreciar, pelo que
se (ornam dous quadros dignos de se possuir, e
mesmo pela raridade delles aqui. Vendem-so
a 23000 cada estampa, na ra do Queimado o.
16, loja d'Aguia-Branca.
Agua imperial.
Na ra do Queimado n. 6, primeiro andar, ca-
sa de cabelleirciro, vende-se a excellente agua
imperial para lavar a cabeca, limpar as caspas e
fazer renascer os cabellos ; nesta mesma casa
lava-se cabeca com esta maravilhosa agu por
500 rs. Na mesma casa ha grande porro de
perfumarla, ese est em quidacao.
Na loja de miudezas da ra do
Imperador n. 38, por baixo
da bandeira do retratista.
Lia para bordar do- todas as coces, a libra a 5J,
6J e8j, afamares para capole dourados e bron-
zeados, a groza a 8-, 10 12. chapeos de soda
para senhora a 12 e a 15$, peonas de ajo a groza
a 400 e 500 rs., botes de linha, de fustio e de
seda para casaveque, a dinia a 200, 320 e 500 rs.
caixas de lampartnas a 40 e 50 rs., manguitos
23 e 2)500. gollinhas' a 800. 1/ e 2, golliohas
prelas a 28 e a 33, mar.tegueiras Anas a 43 e 58
caixas de vispora a 800 rs., babado do Porlo lar-
go lavrado a 120 e 160 rs., fila de tos a peca a
160 e 200 rs., Ota de linho a 40 ra., caixas e car-
toes de olclietes a 6r> n., fro'co pira bordar a
288 rsi a peca, troco para llares e estarles a 320 o
400 rs. a peca cosa Mame e sen ette, papis de
rebique a 100 e 80 rs. agurheiros com agxlhas
fraocezas a 120 r., franjas e galOes de linha a
vara a 80 e 100 ra., boles da touca pera camisa
a g/oza a 100 e 120 re., massoa de aratnpos a 40
rs., pentes de balis para alisar 200 e a 240 rs.
franja de seda prelas u de oores de um dedo
um palmo de largura, litan de todas as quada-
des, quadros- dourados, tsoelao dourados, ban-
dejas, bicos de seda pretos e brancos, chapeos.
(eocMMlonets fiara ansnioo, graratas, e oetros
muilos objeclos ; tudo se vende por bartiasisao
pfe^o, e tambera se vende a armacioe portnsa-
em porcBs ; tambem si vende a piazo.
GRANDE SORTIHEMO
DE
Roupa feita,
Na luja e armazem de Joa-
quim Rodrigues lava-
res de Mello.
Una do Queimado n.39
Loja de quatro portas
Sobrecasacas de panno fino obra muito bem fei-
ta, de 353 a 403 cada urna.
Palelols de panno fino prelo, de 259 a 303.
Golletes de velludo preto bordado, a 123 cada
um.
Ditos de gorgurao preto a 73 idem.
Ditos de selia raaco a 6$ idem.
Ditos de casemira preta a 5jidem.
Calcas de casemira preta fina de 12 a 143.
Paletots de eslamenha a 5$.
Ditos de alpaca preta, saceos de 43 a 53
Ditos de dita sobrecasacos de 83 a 93.
Ditos de bambolrna preta superior fazenda a 12a,
Ditos de meia casemira a 103.
Ditos de casemira muilo fina a 14f.
Um completo sortimenlo de palelols de testao e
brim, e carcas e coletos, que todo se vende por
preco em conta.
Doce de pelluve.
Na ra do turramente n. 26. vende-se este do-
ce pelo baratUsirao prego de 500 ra. em libra, e
em potes de arroba para cima a 13 a arroba.
ha
Rival sem segundo.
Na roa do Queimado o. 55, loja de miudezas,
preco convida : !
Caixas de clcheles t 40 rs.
CarieesdedijsaaOra.
Croza de pennas d.ac,o muito finas 500 ra.
Charutos moita fiaos, caixa error t* a 23500
Groza de bottas d louca alaOrs.
Carretel de linha con 100 ardas a 30 rs.
Bules com banha multo fina a 320 rs.
Ditos com dita dita a 500 rs
Banha em lata com lt2 libra a 500 rs.
Frasco de oleo de babosa a 400 rs.
Caixas com obreias mnito novas a 40 rs.
Dlticft0m Pnc8Phor8 especiaes a melhor qae*
Pares de meias cruas pera hornero a 160 rs.
Ditos de ditas muito finas a 200 rs.
Pogas de franja de laa muilo bonitas cores
ouu rs.
Duzia de saboneles muilo finos a 600 rs.
Iscas para acender charutos a 60 rs.
Phosphoros em caixa de folha a 100 rs.
Cartas de afflnetes finos a 100 rs.
Caixas de aguThas francesas a 120 rs.
Pares deaapatos de Irania de algodo a 13.
Ditos de laa para meninos a 200 rs.
Frascos de macass perola a 200 rs.
Ditos de oteo a 120 rs.
Duzia de facas e garlos de cabo preto a 3*.
Pares de luvas de fio de Escocia a 320.
Masaos de grampas finos a 40 rs.
Caivetes de aparar peana a 80 rs.
Tesouras para unhaS e costura muilo finas aH
500 rs.
Pegas de tranca de lia com 10 varas a 320.
Escoras para dentei muito finas a 200 rs,
Cordao imperial fino a 40 rs.
Dito grosso a 80 rs.
Cordes para espartilho a80rs.
Caixas para rap muito finas a 13.
Pares de meias de corea prra meninas a 160 rs.
Linha de marcar (novello) 20 rs.
Croza de marcas para cobrir a 60 rs.
por-
Baratissimos jarros de
cellana.
Vende-se mui bonitos jarros de porcellana doo-
rada, e de tamanhos nao pequeos, proprios pa-
ra en tet les de mesas, ornato de gabinete, etc.,
pelos baratissiraos precos de 3tf e 4SO0O o par:
na ra do Queimado loja d'Aguia Branca o. 16.
Attenco.
Na ra do Trapiche n. 46, em casa de Rostroo.
Kooker C, existe um bom sortimenlo de li-
nhas de cores e brancas em carreteis' do melhor
fabricante deloglaterra, as quaes se vendem por
precos mui razoaveis.
O
M
o
C/3
r1
H
O
w
w
s
>
e-l
na
O
c=!
c?a
b?
Ce
es
O

*%
S3
?
r
3
O"
|
E
I"
e*.
e*.
O
es
WJ|:
cobertos e descoberlosr peijueoes grandes, V)
oturo patete inglez, par bomem e seakera dt
nm do neHiofef fabricintes d Ltrerpool, vtn-
ds pelo ullrmo paquete ioglez : em casa da
Sonihal! Mellor d C.
A loja da ba-f
aa ra do Queimado n. 2ft
est muito sertida,
e vende muito barato :
Brim branco de puro linho trangado a IJOOO e
12a n rs" a vara dil0 par^ muito superior a
lJ2Oa vara; gangas francezas muito finas de
padroes escuros a 500 rs.; riscadinhos de linho
proprios para obras de meninos a 200 ra, o co-
vado : cortes de caiga de meia casimira a 1S600 ;
ditos de brim de linho de cores a 23 rs.; breta-
nha de linho muito fina a 203, 223 e a 243 rs. a
pega com 30 jardas ; atoalhado d'algodo muilo
superior a 13400 rs. a vara; bramante de linho
com 2 varas de largura a 23400 a vara ; lengos
de earabrata brancos para algibeira a 23100 a
duzia; ditos maiores a 3j; ditos de cambraia
de linho a 63, 73 e 8$ rs. a duzia ; ditos borda-
dos muito finos a 83 rs. cada um ; ditos de cam-
braia de algodo com bico largo de linho em
volta a 13280; ditos com renda, bico e labyrin-
lo a 2J000; e alm disto, outras muitas fazen-
das que se vendem muito barato a dinheiro a
vista: na ra do Queimado n-22, loja da Boa. .
Bonitos cintos para senho
ras e meninas.
Na loja da aguia branca vendem-se mui boni-
tas fitas com Qvelas para cintos de senhoras e
meninas, e pele baratissimo prego de tg : em
dila loia da auia brinca, ra do Queimado nu-
mero 16.
Cheguem ao barato
O P reguisa est queimando, em sua loja na
ra do Queimado n. 2.
Pegas de bretanha de roto com 10 Taras
28, casemira escura infestada propria par* cal-
a, collete e palitois a 960rs. ocovado, cam-
braia organdy de muito bom gosto a 480, ra.
a vara, dita liza transparente mnito fina a 39,
4, 5, e9 a peca, dita tapada, coa 10 tara*
a 59 e 6J> a peca, chitas largas de modernos e
eseolhidos padrees a 240, 280e 280 ra. o eova-
do, riqaresimfls ehatesde marinrj estanpado a
79 e 83, ditos bordados com duas palmas, fa-
zenda muito delicada a 93 eada um, ditos com
urna s rrslma, mofto finos a 8f 509, ditoslisos
com franjas d seda a &&, lencos de cassa com
barra a 100, 120 e 160 eata nm, meias mnito
W-Bw Dreta 45
Tendo de augmentar 30 "i. o calcada de' se-
nbore e o de hornea 10 V dtef btmSn
eae-diactev a escse^uen'cia mmniSS^l
ha de vigorar na aUandega; paoortrario do
bem aortido eslabatecimenio de n Direila n
45. nao quer que oa sena, tregete earregnem
com as consaquencias do systema flnanceiro do
Sr. ministro da fazenda e por isse sustenta n^
precos do seu cal cade, pela tabella segante
Homem.
Borze^ama par iranaem
penaes)......
Ditot (arteocrtico*). .
Ditos (pTora d'agua) .
Dto(Ber*agJlfiri). .
Ditos (communiatas). .
Meio borzeguins (patente). feQ0
SapatOes (3 batera). 5$60O
Dito (ola dupla). 5#200
Dito (bhia)......5^000
Senhora.
Botina (prima dona). 5#000
Dito (vU a v>). .... 40800
Dito (ene deixe)..... 4^500
Ditos (gruete)...... jQOO
Meninos e meninas.
Sapatoe (bezerro)..... 4$000
Dito (diabretes)..... 350o
Dito* (salva pe)...... 3000
Botinas (bolirjosM)..... 4*000
Dita (para crianzas). o^j^q
Sapato* para enhora (lu*tre). 1A200
E em completo aortimento de couro de luatrp
rHrrqu,T,,oU-beMrro fraMe. couriohos e
ludo que oecessario a um irraio de S. Cris-
Pim. advogadodos artistas sapateiros, por precos
que s este estabelecimento pode vender
iMVende"se iup {0J farinha de andloca a
2rV "ru" d Mi Moreira & Ferreira.
Vendem-se escravos de ambos os sexos e
juntamente urna preta de meia idade, cozinheira
e boa ensaboadeira ; ua ra Direila n. 66.
Enfeitesdecabe^a
muito barato para e&egar a
todos,, na toja d'guia d ou-
' fo, raa do cabug m: 1B.
Vendem-se enfeilea'pretos de vidrilho pelo b.
ralueiatto preco de f, ditos de velludo a 3> e 4*
ditos de tranca de. retro*, e lacoa chegados pelo
paquete a 3 e 4|, e outros nuilos mais obiectos,
que a risla do freguez nao se engeila dinheiro.
Roa do Crespo,
loja n. 85, de Joaquim Ferreire de S, vende-se
porpre^oabaratissimoa, para araar: pecas do
cambraia lisa fina a3, organdys muito finase
modernas a 500 rs. o covado, cassas abertas de
nooilas cores a 240 rs., chitas largas a 200 e 240
f"***?!*" de corMa eremeios borda-
dea a 13500 a pega, babados bordados a 320 a
vara, sedinhas de quadros finas a 800 rs, casa-
veque de cambraia- e rite a-5, penteadorea de
cambraia bordados jr 5 gollinhas bordadas a
640, dilascom ponas a 3*800, manguito borda-
dos de cambraia e fil a 2. damasco de lia com
9 palmos de largara a 13600, bramante de linho
com 5 palmos de largura a 900 rs. a vara, luvas
fiara senhora a 100 rs. o par, eapas de tes I ae en-
tenadas a 53, pecas de maaapolo fino a 48, la-
zinha de quadros para vestidos a 320, camisusde
cambraia bordados r 2, sobrecasacas de panno
? 8J?* e25S- Plelot8 <>e panno e casemfra de
10 a 20S, ditos de alpaca.de 33500 a 83, ditos de
orira de crese brancos de 3500 a 5S, calcas de
casemira pretas e de corea para todos ps precos.
ditos de brim de cores e brancos de 23 a 58 ca-
misas brancas e de corea para todos os precos,
colletes de casemira decores finos a 53 ; assim
como outras muilasfazeiulas por menos do seu
valor para fechar contas.
Cal de Lisboa
No deposito d* raa da Cadeia do Recite n. 12
acaba de chegar pelo ultimo navio a verdadeira
'cal virgem era pedra, i.So havendo alem desla
mais neuhuma no mercado, em poucos dias se
concluir, por sso devem os prelendenlea con-
correr auanto antes.
Attenco.
Ra do Amorim n. 40
HXJ?\': r*_? ^ttftstttS
Vende-se farfnha de mandioca,
quarlas, pelo barato preco de 33.
saceos de tres
qualidade a 3 8^500 a duzia, chitas fran-
cezas de rico desenos, para coberla a 980 ra.
o eovado, chilasescuras ingieras a 5900 a
peca, e a 160 rs. eovado-, brim branco de pare
linho a 19, 1920 1600 a vara, dito- preto
muito encorpado a 19500 a vara, brilhanlin
azul a 400 rs. o aovado, alpacas de differeaia*
ores a 360 rs. o aovada, aasmiras pretas
finas a 21500, 39 e 364 o aovado, amarala
preta a da salpico a 900 rs. a vara, a entras
muitaa fajeadas qu ta fax patente ao oompaa-
dor, 9 da toda* s davio anostru cara pankor
Nova inven?o.
fliquissimas bacas de porcelana para lavar o
roste, de novo caodello, para quarlo ou sala, as
quaes tem (modello) a vantagem de nao ser pre-
ciso mo-er-sedo lugar psra esgolar as aguas por
terem as competentes esvaquacoes por meia de
urna babola para qualquer lugar qae tenha aua
espedico : na ra Nova n. SO.teja do Vianna.
Vende-se o sitio Pitees, junto ao engenho
Bomfim.na freguezia da Escada, distante da via
f*"e* leK a meia, com 500 bragas de frente a
000 de fundo, todo cercado, com casa do viven-
da, senzala, casa de farinha.com rio peravarze,
tem mais de 3.000 ps de cafezeiros j criadoe e
produzindo fructos, mais de 5C0 ps de bananei-
ras, muilos ps de larangeiras, limeiras, e outras
arypres.de utilidade, um excellente viveiro de
peixe, e outras muitas comtnodidades, que s os
pretendentes com a visla podero observar, as
ierras fio proprias e sem o menor onus : para
infarmagoes podem entender-se eom Joao Pe-
reira Babello Braga em seu escriplorio, ra de
Vigario n. 11, e para tratar, com o seu propre-
tario, morador no mesmo sitio.
Vende-se um oplrmo armazera na ra nova
da Prata, tanto para estabelecimento como para
depsitos, muito bem edificado: na ra de Mor-
as n. 34, se dir quem vende.
Vende-se ama secretaria de a amello, com
7 gavetas, obra muilo bem acatada ; a tratar na
ra do Amorim n. 37, lerceiro andar.
Vende-se urna barcaca bastante boa de vela
e ainda nova, de cavername dobrado, pegando
20 caixas: a tratar na ra do Amorim n. 37, ler-
ceiro andar.
Vestidos de seda preta a 60$.
Na ra do Cabun, loja a. 8 j exislem poucos
eories de ricos vestidos pretos de grosdenaples
bordados e de babados, em eartes grandes, que
se venderam a 1003: a elles.antes que se acaben
teo boa pechincha para a quaresme.
Veade-se ou armida-se am engenho at-
ente e corrente, com boas trra* aera toda elaa-
tacao de lavouras, riacho corrente de iaverno a
verso, matas para se fazer qualquer obra, e de
taboado ereeftenle, pode raafrejar mais de 1,500
paesaamal, distante deas leyees da cidae a
Victoiia : para ver e iralar, os pretendenles pro-
eurem ao Sr. teneole Migael Aires ios Prazerss.
morador na ra da Atagoa do Barro da mesma
cidade, que dir^quem vende.
Na ra de Crease n. 8, loja de 4 portas
'ende-se madapolo muito fino com um peque-

na ra Di-
Vendetn^e quei/o boa a Mi40
reita n. 8. ^
Vende-se urna casa terrea com urna porta
e dea tenerlas, envidraeada, de pedra e cal, com
3 qeartes, eespanas, cotlaha fra. quintal mura-
do, cacimba, ni rea da S'Miguel dos Afogado
tw57 ; qaem a pretender. *rtia-se a ruado Col-
tealo. casa do Sr. Dr. Deodorh, que ahi se dir.
^sat iH'peaava qne tentSF
ILEGVEL


QtteW
*
Defronte do beeco da Congregaco letreiro verde.
Nesle eslabeleairaento ha sempre um sortimento completo de roupa feita de todas as
qualidades, e tambem se manda executar por medida, vonude dos freguezes, para o
que tem um dos melhores professores.
I Casacas de panno preto. 409, 35 e 30*000
Sobrecasaca de dito, 35 e 30*00
Palilots de dito e de cores, 35, 30.
25$000 e 20S000
Dito de casimira de cores, 22G00,
15, 1? e 9*000
Ditos de alpek, preta golla de vel-
ludo, usooo
Ditos de merio-sitim pretos e de
cores, 90000 -8*000
Ditos de alpaka de cores, 50 e 3*500
Ditos de dita preta, 9, 7. 5 e 3*300
Ditos de brim de cures, 5*. 4*500,
4$000 e 3*500
Ditos de bramante de linho branco,
6g000, 5*000 e 4gC00
Ditos de merino de cordo preto,
15*000 e 8*000
Cilsss de casimira preta e de cores, *
12*. 10, 9* e 60000
Dilas de prioccza e merino de cor-
do pretos, 5 e 4*500
Ditas de brim branco e de cores,
5$000, 43500 e 2&50O
Ditas de ganga de cores 3$000
Colletes de velludo preto e de co-
res, lisos o bordados, 12*. 90 e 8*000
Ditos de casemira preta e de cores,
lisos e bordados, 6, 5*500, 5 e 3*500
Ditos de setim preto
Ditos de seda e setim branco, 6 e
Ditos de gurguro de seda presos o
de cores, 70000, 6*000 e
Ditos de brim e tusio branco.
3*500 e
.'Seroulis de brim de linho
Ditas de algodao, 10600 e
Camisas de peilo de fusto branco
e de cores, 2*500 e
Ditas de peito de linho 60 e
Dilas de madapolo branco e de
cores, 3*, 2;500, 2 e
Camisas do meias
Chapeos pretos de massa, francezes,
formas da ultima moda 100,85500 e
Ditos de fellro, 6, 50, 4* e
Ditos de sol de seda, inglezes e
francezes, 14, 120, 110 c
Collarinhos de linho muito finos,
novos feitios, da ultima moda
Ditos de algodao
Relogios de ouro, patentes hori-
sootaes, 100*. 90, 80 e
Ditos de prata galvanisados, pa-
tente hosontaes, 400
Obras de ouro, aderemos e meios
aderecos, pulseiras, rozetas e
nnneis
Toalhas de linho, duzia 12*000 e
5*000
5*000
5*000
3*000
2*200
10280
2*300
3*000
1*800
1*000
7*000
2*000
7*000
70*000
30*000
10*000
lu1ERJ(tE
NATURALLE DE VICHY.
Deposito na botica franceza ra da Cruz n..22
Queijos frescos
a1$800.
Vendem-se queijos vindo no ultimo vapor, e s
servo para comer j por ser frescos e de nao po-
der aturar muito lempo a 1*800, dito em libra a
640: na travessa do pateo do Paraizo n. 16, casa
pintada de amarello.
$p Machinas de vapor.
Rodas d'agua. 0
Moendas de canoa. g
@ Taixas. a$
@ Rodas dentadas. sj)
@ Bronzes e aguilhes. 0
0 Alambiques de ferro.
dj Crivos, padroes etc., etc.'
aj| Nafundicaode ferro de D W. BowmuS
ra do Brum passando "e ehafariz. Q
Bolsas de tapete para
viagens.
Vendem-se mu bonitas bolsas de tapete pro-
priaspara viagens, etc., etc., pelos baratissimos
precos de 5, 6 e7 : na loja da aguia branca,
ra doQueimado n. 16:
As melhores machinas de co-
zer dos mais afamados au-
tores de New-York, Singer
& C, "Whecler & Wilsou e
Geo. B. Sloat & C.
Estas ma-
chinas que
sao as melho-
res e mais
durado uras
moslram-se a
qualquer hora
e ensina-se a
trabalhar as
casas dos com-
pradores ga-
rantindo-se a
sua boa quali-
dade e dura-
gao : no depo-
sito de ma-
chi as de
Raymundo Carlos Leite & Irmio, ra da Impe-
ratriz n. 12, adtigamente aterro da Boa-Vista
Veode-se a parte de um sobrado de 3 an-
dares, natua Dircila n. 88 : os pretendentes di-
rijam-se ra do Queimado a. 41.
Pennas d'aco.
A loja d'Aguia-Brsnca recebeu um grande sorti-
mento de pennas d'aco de diflerenles qoalidades
as quaes est vendendo de 500 a 1*000 rs. gra-
sa. E' o mais barato possivel: na ra do Quei-
mado loja d'AKuia-Branca, n. 16.
Quem gosta dormir do
fresco.
Veode-se um sitio no lugar da Torre, na mar-
gen) do rio Cabibaribe, cora boa casadle sobrado,
muito bem feito, cora bastantes commoJos, es-
tribara para 4 cavallos, cocheira para 4 carros,
casa para feilor, cacimba com boa agua de beber
e com bomba de machinismo de puchar agua, ps
de fructeiras de diversas qualidades, capira para
3 ou 4 cavallos, o sitio est todo murado, tem
muilo boa bomba : os pretendentes apparecam
na ra Nova n. 22, para tratar. Vende-se por
prego muito em conla por motivo de retirada.
Vende-se presunto mullo novo a 400 rs. a
libra : na ra das Cruzes n. 24, esquina da tra-
vessa do Ouvidor.
Vende-se farinha do reino chegada lti-
mamente do Rio de Janeiro : na ra de Apollo
o 20, arraazem de assucar de Antonio Marques
de Amorim & C.
/fuado Crespo n. 8, loja
de 4 portas.
Pechinclia que admira!
Chitas francezas, cores fizas o lindos desenhes
a 240 rs. acovado; do-so amostras com penhor.
Vtnde-so a taberna da ra dos Copiares,
antigo boceo (do Lobato) o. 12: a tratar na
meato a.
Vende-so a tsberna da ra do Padre Flo-
riano n. 47, em razo do dono retirar-se para To-
ra da cidade por se achar doenle: a tratar na
mesma.
B4ST0S
aovas.
g
que outr'ora tinha loja na ra do Uuei-
mado a. 46, que gyrava sob a firma de
Ges & Bastos participa los seos nume-
rosos freguezes que dwsolveu a sociedade
que tinha cora o mesmo Ges tendo sido '
substituida por um seu mano do mesmo
norae, por isso fkou gyrando a mesma
firma de Ges & Bastos, asaim comoapro-
veila a occasiao para annnnciar abertura
do seu grande armazem oa ra Nova jun-
to a Conceico dos Militares n. 47, que
pasia a gyrar sob a firma
DE
Bastos < Reg i
eom um grande e numeroso sortimeato de 1|
roupasfeilas e fazendas de apurado gos- jj
to, por precos muito modificados como *
de seu costnme, assim como sejam : ri- -
eos sobrecasacos de sugerior panno fino
preto o de cor a 250, 280 e 30, essacas
do mesmo panno a 30* e a 35, paletots
sobrecasacados do mesmo panno a 18,
20 e a 220. ditos saceos de panno preto a
12 e a 140, ditos de casemira de cor
muito fina modelo inglez a 90, 10, 12
e 14, ditos de estamenha fazenda de
apurado gosto a 5 e 60, ditos de alpaca
preta e de cor a 4, sobrecasacos de me-
rino de cordao a 8, ditos muito superior
a 12, ditos saceos a 5, ditos de esguiao
pardo fino a 4*. 4*500 e 50, ditos de fus-
ta o de cor a 3, 3;:500 e 4, ditos tran-
cos a 4*00 e5*5C0, dilos de brim pardo
Que sacco a 20800, caigas de brim de cor
tinas a 3. 3*500, 4e 40500, ditas de di-
to branco finas a 50 e 6*500, ditas de
princeza proprias para luto a 40, ditas de
merio de cordo preto fino a 5 j 6,
ditas de casemira de cor e preta.a 8, 9
e 10*, colletes de casemira de cor e pre-
ta a 40500 e 5, ditos do seda branca para
casamento a 5, ditos de brim branco a
3 e 4, ditos de cor a 3.colletes de me-
rino para lulo a 40 e 4*500, ricos rob-
chambres de caita para hornera a 10,pa-
letots de panno fino para menino a 120 e
14,casacas do mesmo panno a 150,caigas
de brim e de casemira para meninos, pa-
letots de alpaca ede brim para osmesmos,
sapatos de Iranga para horaem e senho-
ra a 1 e 1*500, ceroulas de bramante a
18 e 20 a duzia, camisas francezas fi-
nas de core brancas de novos modelos a
170.18, 20, 240, 28 e 30 a duzia,
jfH ditas de peilos de linlin a 30* a duzia, di-
tas para menino a 1J800 cada urna, ricas
grvalas brancas para casamento a 1*800
t e 2 cada urna, ricos uniformes de case-
1 mira de cor de muito apurado gosto tanto
u no modello como oa qualidade pelo di-
o minuto prego de 350, e s com avista se
|e pode reconhecer que barato, ricas capas
*P de casemira para senhora a .18* e 20,
|g e muias outras fazendas de exeellente
gosto que se deixam de mencionar quo
por ser grande quantidade se torna en-
fadonho, assim como se recebe tada e
qualquer encommenda de ronpas feitas,
para o que ha um grande numero de fa-
zendas escoltadas e urna grande ofiicina
de alfaiale que pela sua promptidao e per-
5> feicao nada deia a desejar.
Milho novo.
novo em taceos mia-
a ra da Senzala
Vende-se milho
to grandes a 4$ :
Velha n 106.
Cassas de cores.
Ainda se vendem cassas de cores fizas, padroes
muito bonitos, pelo baratissimo prego de 240 rs.
barato que chita
o covado,
Queimado
Boa f.
A loja d'agu'ia branca acaba da receber de aua
propria encommenda um lindo e completo sorti-
meato de perfumaras finas, as quaes est ven-
dendo por menos do que em ouira qualquer par-
le: seodo o bem conbecid oleo philoeomo e ba-
nha (societ hygienique) a 1 o frasco, finos
extractos em bonitos frascos de cores e dourados
a 29, 29500, 3, e e, a afamada banha trans-
parente, e outras igualmente finas e novissiraas
como a japonaise em bonitos frascos, cuja lam-
pa de tidro tambem cheia da mesma, buile
concrele, odonnell, principe imperial, reme,
em bonitos copinhos com tampa de metal, e
muilas outras diversas qualidades, todas estas a
19 o frasco, bonitos vasos de porcellana doura-
da. proprios para offerta a 29 e 29500, bonitos
bshusinhos com 9 frasqutnbos de cheiro a 2,
lindas ceslinhas com 3 e 4 frasquinhos, e caixi-
nhas redondas eom 4 ditos a 1*200 e 19600,
finos pos para denles e agua balsmica para ditos
a 19 e 19500 o frasquioho; e assim urna in-
finidade de objectos que slo patentes em dita to-
ja d'aguia branca, na ra do Queimado n. 14..
Cera de carnauba.
A melhor que tem vjndo ao mercado, por
preco commodo : no largo da Assembla n. 19
armazem de Anlunes Guimares & C.
Cheguem ao bar ateiro, na
ra do Queimado nu-
mero 47.
Vendem-se chales de lia e seda pretos a 10300,
dilos de cores de tita a 1, cortes de casemira
preta a 7*500, panno tino a 3*500 o covado, chi-
tas fizas a 140, cambraia de barra a 2*8C0 o cor-
te, chitas francezas escuras a 240 o covado, gros-
denaple a 1*600 o covado, cortes de castor para
caiga a >, madapolo bom a 4*200 e 50 a pega,
seda de quadros a 600 rs. o covado, chaly a 600
rs, o covado, omisas francezas de cores a 2,
ditas brancas a 2*500, grvalas de setim preto a
4*500, e outras mais fazendas que se vendem por*
todo prego vista do dlnheiro.
Arados americanos e machina-
par a lavar roupa: cm casa deS.P. Jos
hnston & G. ra di-Senzala n.42.
Cheguem aloja da Boa f
Chitas francezas muilo finas de cores fizas a
280 rs. o covado ; cambraias francezas muilo fia
naa a 640 rs a vara ; idem lisa muito fina a
4*500 e a 60000 a pega com 8 1|2 varas; di-
muito superior a 80000 a pega com 10 varas':
dita fina com salpicos a 4*800 a pega com 8 1|2
varas; fil de linho liso multo fino a 800 rs. a
vara ; larlalana branca e de cores a 800 rs. a va-
ra ; e outras muitas fazendas que, sendo a di-
nheiro, vendem-se muito baratas: na ruado
Queimado n. 22, na leja da Boa f.
Lencos para rap.
Vendem-se lengos muilo finos proprios para os
tabaquistas por serem de cores escuras e fizas a
5*000 a dozia : na ra do Queimado n. 22, na
loja da Boa f.
Na loja da Boa f yende-se
panno preto fino a 4, 5, 6, 8 e 100 rs. e co-4
vado, casimira preta fina a 20, 3e 4* rs. o co-
vado ; gros de naples preto a 2, 20500 e 33 o
covado; alpaka preta fina a 640, 800, e muito
fina a 1 rs. o covado ; casimiras muilo finas de
cores escuras com 6 palmos de largura a 4 rs. o
covado ; ditas de cores claras a 60 rs. o corte de
caiga ; meias de algodao cr muito superiores a
4*800 rs. a duzia ; ditas Je algodao ;ru tambem
muito superiores para meninos a 40 a duzia ; e
assim moilos outros arligos de lei que se ven-
dem baratissimos, sendo a dioneiro : na referida
loja da Boa f. na ra do Oueimao n. 32.
Camisas e loalhas.
lea n-
gleza de Ollendorff.
Novo metbodopara aprender ai lr,
la eicrever e a fallaringlezem 6 mezes,
obra i nteir ament nova, parauso de
todos os estabeiecimentos de instruc-
$So, pblicos e prtculares. Vnde-
se napraca de Pedro II (antigo largo
do Collegio) n. 37, segundo andar.
Fardo e milho.
Burros de Bontewdo,
Im.St'l0 P,efC' B,D8* Krd0 r n0
amarello em frente do arsenal traur *nm
cap.taoSebast, ou rom An.un" Guim,
no-largo da Assembla n. 19.
aares A C.
ROIPA FEITA UTO VAIS BARATAS.i
SORTLMENTO COMPLETO
Fazendas e obras feitas.)
HA
LOJA E ARMAZEM
DE
Ges & Basto!
NA
Rua do Queimado
. 46, trente amarella.
Constantemente temos um grande e va-'
riado sortimeoto de sobrecasacas prelas
de panno e de cores muito fino a 69,
800 e 359, palelois dos meamos pannos V
H a 200, 220 e 240, ditos saceos pretos dos |
K mesmos pannos a 14, I69 e 18f, casa- i
cas prelas muilo bem feitas e de superior S
panno a 28, 300 e 35. sobrecasacas de
casemira de cores mullo finos a 158, 16f
e 180, ditos saceos das mesmas casemi-
ras a 100, 12* e 14|, calcas prelas de
casemira fina para homem a 8$, 99, 10/
e 12, ditas de casemira de cores a 70, 89,
99 e 109. ditas de brim brancos muito
Ona a 50 e69, ditas de ditos decores a
39, 39500, 49 e 49500, ditas de meia ca-
semira de ricas core. a 40 e 40500, col-
leles pretos de casemira a 59 e 69, ditos
de ditos de cores- a 40500 e 59, ditos
brancos de seda para casamento t 59,
ditos de 69, colletes de brim branco e de
fuslo a 39, 39500 e 49. ditos de cores a
29500 e 39, paletots pretos de merino de
cordao sacco e sobrecasaco a 7, 89 e 99,
colletes pretos para luto a 4{5t<) e 59,
(as pretasde merino a 495CO e 59 ia-
letots de alpaca preta a 3g500 e 40, ditos
sobrecasaco a 69, 79e 80, muito liiio rol-
leles de gorguro de seda de cores muito
boa fazenda a 39800 e 40, colletes de vel-
ludo de crese pretos a 79 a 89, roupa
para menino sobre casaca de panno pre-
tos e de cores a 149, 159 p lf>9. ditos de
casemira sacco para os mesmos a 6$5C0 e
79, ditos de alpaca pretos sacros a 39 e
39500, ditos sobrecasacos a 50 e 59500,
calcas de casemira prelas e de cores a 69,
60500 e 79, camisas para menino a 2f'
a duzia, camisas inglezas pregas largas
muito superior a 329 a duzia para acabar.
Assim como temos urna ofiicina de el M
faiate onde mandamos executar todas as S
obras com brevidade. *
Relogios.
de Jobnston Pater & C,
DA
FIMICOIWHNW.
Ra da Senzall* Kav d.42.
esta estabelecimento contina a bater m
competo sortimeato de moendaa enejas mon-
das para engenho, machinas de vapor e lanas
e ferro batido e coade, do todos os (amarnos
para dito,
E' baratissimo!
Ra do Crespo n. 8, ioja de portas.
Cassas de cores fizas miainhas a 240 rs. o co-
ado, csmbraia, orgasdys lindos desei.bos a 400
rs. o covado. e chitas largas finas de 240, 260 c
280 o covado. e outras muitag fazendas por ba-
rausano pre^o : oao-se amostras com penhor.
Para deseirho.
Mu benitas caizinhaa invernizas, com tintas 0-
desenlio. E' o que de melhor e mais perfeiio se
tem visto aqui em tal genero, e vendfi-ae JUL
16*. 89, U$ 129 e 149: naVu. d0Qimado *'
16, laja 'Aguia-Branca. w*.
Escravos futidos.
e mais barato que chita : na ra do
n. 22. na bem conhecida loja. da Veodemrae camisas brancas E.uito*finas pelo ba-
ratissimo preco de 289 rs. a duzia; toalhas de li-
RELOGIOS.
ditas felpudas mui-
ra ra do Queima-
Vende-se em:asade Saunders Bro hers &
C. piacado Corpo Santo,* relogios do afama
do abricante Roskell, por presos commodos
a tambemrancellins e cadeiasf araos mesmos })em
deexceellntc costo.
Attenco
Saunders Brothers & G. tem pa vender em
eu armazem, aa pra^a do Corpo Santn. 11,
alguns pianos do ultimo gosto recentimente
chegados dos bem conhecido e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood & Senado Londres
muito oroDrioyara esteclima
Veada de predios.
Vende-se no cidade do Aracaty, provincia do
Cear, um sobrado e melado de outro, este sito
na principal ra do Comraercio, lado do nascen-
te, local alli preferido por lodos para qualquer
estabelecimento e morada de familia ; tem boa
loja, armazem e grande quintal, aquello sito na
ra da Cruz do mesmo lado, com bous commo-
dos, boa loja e armazem, e quintal com bastante
fundo, ambos com cacimbas com boa agua. Tam-
bem se far permuta por predios neslapraco com
alguma peesoa que deata para alli querr se esta
belecer ou morar, visto ter ido residir para aquel-
la cidade immensas familias que ten se dado
bem tanto de saude e passadio, coci pelo tom
negocio que fazem : quem pretender oe referidos
predios, oirija-se a ra do Vigario n. 8, que acha-
r com quem tratar.
Cambraias
baratas.
19 Ra do Queimado 19
Cortes de cambrala branca muito finacom sal-
picos miudlohoa a 4J&600
Cambraieta para vestido, muilo fina.pelo ba-
rtUBsimo proco de 2*600,29800,3fe 39500 cada
fielei deiBuasaM, dilos arread dos, ditos
Tem chegado em casa de A. L. Delouche, ru
Novan. 22, o mais bonito eortimento de relogio
americano que nunca tem apparecido neste mer-
cado ; vende-se por preso commodo,
Fazendas proprias para a
quaresma, no novo es-
tabelecimento de Jos
Moreira Lopes, ra do
Crespo n. 1S.
Manteletes, vestidos de grosdenaple com bar-
ras de velludo, ditos bordados, veos pretos de
fil bordados, sarja preta, grosdenaples, casemi-
ras, pannos fiaos, e outras muilas fazendas, ludo
por precos muito commodos.
Vende-se o engenho S. Jos, de Bom Jar-
dim, sito na freguezia de N. S. da Luz, moente e
correle, distante da praca 4 legoas, quasi prom-
pto para moer com agua, com boas matas, ex-
eellente cercado, boas obras, e urna boa safra j
criada : os pretendentes hajam de dirigir-se ao
mesmo engenho, ou no engenho Penedo de bai-
xo, que se far todo o negocio i vista do com
prador.
Vende-se um jogo de diccionarios covos da
lingua portugueza da sexta edicto, autor Moraes,
por commodo preco na ra da Paz n. 9.
Vendem-se 4 burros do pasto, mansos, de
carga, por prego commodo : a tratar oa Boa-Vis-
ta, ra da ConceiQo n. 25.
Na ra do Queimado n. 2,
3.4-andar, apromp-
t&o-se
vestidos pretos, casaveqaes, perulinas, golas,
capas, bandejas com bolos, ditos de bacia, dilos
inglezes, francezes, podios, pastis de nata, tor-
tas, e toda o qualquer massa de torno, e faz-se
boqueta e era vos artificiaes aioiilac,ao dos atu-
raos, e toda a obra de flores de papal, pane etc.,
ludo por pretos rssoa veis e presteza.
Voodena-se omcaaa da Braga, Silva & C,re-
logios de ouro do diversos; fabricantedilBllojes,
par prego commodo.
Pailaria.
Na padaria de Antonio Fernandes da Silva
Beiris, ra dos Pires n. 42, da-se pao de venda-
gem, e na mesma vende-se pao commum, dito
de Provecca, bolacha de boa qualidade e nova,
bolachinhas. biscoitos doces e aguados, fallas,
roscas, araruta franceza, bolachinhas de dita, fa-
rinha do reino muito nova, tudo feito das me-
lhores farinhas, e trabalhado com aceio e lim-
peza.
240.
Cassas de lindos padroes e cores fizas que se
pode garantir aos comprados, a 240 rs. o covado
na ra do Queimado, loja de 4 portas o. 39.
Xarope pdtoral brasi-
leiro.
Os Srs. Joao Soum & C nicos possuidores des-
te xarope j bem conhecido pelos seus bons ef-
feitos, continuam a vende-lo pelo preco de 19
cada vidro, fazem urna dilerenca no pre;o aos
collegas e a todas as pessoaa que tomarom de 12
vidros nara cima.
Milho e arelo a
3,100 rs.
Vendem-se saceos com 24 cuias de milho a
391O, dito novo a 306(0, <;m porco se fazdiffe-
renca, e saceos com farelo muito barato por ser
de commissao: na travessa do pateo do Paraizo
n. 16, casa pintad, de amurallo.
Vende-se urna carrosa e um boi por preco
commodo, no lugar do Remedio : quem preten-
der, dirija-se ao mesmo lugar, a tratar com Gae-
iaoo Baptista de Helio.
Chega para todos.
Cassas francezas muito bonitas e decores fiza;
a doze vintens o covado, mais barato do qn
chita, approveitem em quanto alo se acabam
na ra do Queimado n. 22, na bem conhecida lo-
a da Boa F.
Vende-ae urna carraca e boi, tndo em bom
estado : aa Soledade, taberna do Gregorio.
Pao a tarde.
Vende-se pao quenle da melhor farinha, das 6
horas da tarde em dianle, na padaria atraz da
matriz da Boa-Vista n. 26, e no pateo do Ca.-mo
numero 43.
Aviso geral.
Na ruaHeva n. 29, anegado um sorttmenlo
de riqoiamaits camas de farro, volantes, que
muilo commedas sao ,?ara viagem para outro
qualquer aervico que se qoizer applicar, aao mul-
to uteis por serem de lena e nio precisarem de
col vio, a outras maltas qualidades, que eom 1
praeoirca do comprador lererio agradar ; loa do
Yfanna.
nho para rosto a 99 a duzia
lo superiores a 129 a duzia
do n 22, loja da Boa f.
Paletos.
VeDdem-se paletos de panno preto fino, muito
feitos a 229 rs.; ditos de brim tranco de
linho a 59 rs.; ditos de selioeta escures 31500,
muito barato, aproveitem : na roa do Queima-
do n. 22, loja da Boa f.
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
No bem conhecido e acreditado deposito da
ra da Gadeia do Recite n. 12,ha pars vender
verdsdeira potassa da Russia nova e de superior
qualidade, assim como tambem cal virgem em
podra, tudo por precos mais baratos do que em
oulra qualquerparte.
Vende-se em easa
rus do Vigario
Muala fgida.
00T"u U"/C;da asa oe 8eol">T. a Passa-
S^QMtgn,,eM' CODron,e a" o a casaao-
vadoSr.Velloio.no dia 12 do corrente a es-
rr.va mulata, de nome Calh.rioa, baiza oraa
y,PrfnndHeft"b.0C,8'.de abe"08 Sr";.,.'0/^
la velho ?' ch8,8d0- '"do venido de cas-
sa velho com que isi.va no servico da rasa
consta que passou no meaoo dia 12, por volta de
aojecife"^0 *d'. destin
ao Becie quem a pegar 0d della der noticia
d.r.ja-se. ra da Cadeia do Rerifa n. 57 0Q
comiendo"0 refend0 f,0' *" "r >-<-
miTuh*!* . me Isabel, peitencenta a orpha Francisca, filha
os .signaea segu.nlea: idade 36 annos, poueo
majs ou menos,,|lora IBgllUri lem um'8 ""
runS^0,eSqKerd0,utrm 0S dedos K!
tuosos, a cbe{a chata o com cantos, crioula
l^Z nPi"' l6Ve fUa aas A*u" V^des. 0-
pens?d": 4nd*r' qu ser recum-
n .."S'r"0 da f deDe arozirao psssado
o preto Felic.auo. da es. de se sn.hor
do Rosario n. 23. estando j
por
na ra
alguns
Oiqui ; e tambem 00 engenho S. Paulo, em oasa
ao preloSeraphim por uso quem o levar a seu
seohor ser grlificado.
Na n.anbaa do dia 12 do corrente mez de
evereiro fugio o escravo,Feliz, pardo, claro, al-
to, ci.eio du curpo. representa ter 30annos, levou
urna bluza azul e uma rla velha de quadri-
i.hos, costoma andar no Forte da Mallos, no Re-
cie. e 01 visto na Soledafle ; dado a bebidas
espirituosas, muilo humilde e calado quando
nao bebe, e gosta muito oe andar pelas tabernas
ja tem feito outras fgidas e semprc tem sido pe-
gado no Rcrifc : quem o pegar, leve-o a seu se-
nnor Antonio Leal de Barros, no seu siiio na ra
de Joao Feruandes Viene, junto ao Mancuioho
que ser recompensado. '
100#000.
Fugio no dia 14 de dezembro do anno prximo
passado um negio de nome Filii.pe, escravo do
w 1 francisca Rosa Pereira dos Santos Bezerra, me-
n. 3, umbello sortimeato de r*dorfl.ea lerr" du pogenbo do Curado, rujo es-
_ 1 1 1 cravo tero os signis seeui.tes : cor fula alta
relogios de ouro, patente inglez, de um dos ma.s | secC0i pouc, bB*bt. pea groaaos e iaia praioa do
que a cara, pernas malfeilas. olboe bramos c pa-
pudos, deot.-s pequeos, cabeca pequea, duas
afamados fabricantes de Liverpool ; tambem
uma variedade de bonitos trancelic* para o
mesmos
2 Remedios americanos
DO DOUTOR

Radway A C, de New-YorkJ
PROMPTO ALIVIO
Resolutivo renovador. S
I Pilulas reguladoras. %
Estes remedios j sao aqui bem conhe-
cidos pelas admiraveis curas quo tem ob- 9
tido em toda a aorte de febres, molestias
chronicas, molestias de senboras, de pe- O
le etc., etc., confrmese T naa inatruc-
(oes que se acham traduzidaa em por- 0
tuguez. C
SEDULAS
del^eSWOO.
Continua-se a trocar sedul8s de uma s figura
por metade do descont que rzige a Ihesouraria
desta provincia, e as notas das mais pravas do
imperio com o abate de 5 por cenK>: no escrip-
torio de Azevcdo & Alende?, ra da Cruze
n. 1.
Gees k Bastos.
Ra do Queimado n. 46.
que o irou-
rua Augusta n.
m


Salsa parrilha legitima e
original do aotigo
IDR. JACOBTOUNSENDl
0 meihor perificador do saogoe
cura radicalmente
JD Erisipela. Phtisicas.
q Rheumatiamo. Catarrho.
aj Ghagas. Doencas de Qgado.
^ Alporcas. Effeilosdo azougue.
A Impingeos. Molestias de pelle.
a Vende-se no armazem de fazendas de
s, Raymundo Carlos Leite &Irmo, ra do
^ lmperatriz a 12.
*## '
Loja do vapor.
Grande a variado sortimento de calcado fran-
cez, roupa feita, miudezaa finas e perfumaras,
ledo por menos do que em oulra parte : na leja
do vspor, na ra Nova n. 7.
Gomma do Aracaty.
Veode-se escolente gomms do Aracaty; na
ra da Cadeia do Recife, primeira andar, n. 28.
Libras sterlnas
Vendem-ee no escriptorie de MaBset Ignacio
de Oliveira t Pilho, largo do Carpo 8anto.
Ruda Senzala Nova a. 42
Vende-se'sm asada S. P. Jonhaion AC,
seUinsa silhss nglaaes, estadeairas a caatieaes
bronzeados, lonas nghsas, fio de vals, kieale
para carros, emoniaria.arreios para carro da
ta dous cvalos relogios da ouro paienia
fallas e muilo mansa, e quando olha para qual-
quer pessoa fita os oihos e nao peslaneja, nade-
gas grandes e empinadas, levou caiga preta de
casemira nova, paleto*de alpaca tambem preta,
chapeo da moda de massa de edr, sapatos de
couro de lustre, camisa de madapolo nova e
tambem de baeta verde j velha. abena, e tam-
bem do algodao azul, chapeo de massa cor de
, chumbo javatho. de auppor que em vi.gera
| elle nao ande com a ruup. va e sim com o ae-
I tna por ser mais propria : a peesoa
xer no referido engenho, ou na
21, receber aquaniia cima.
Fugio no dia 13 do ccrrenle a negra So-
nedle la quefoi escrava do Sr. Salustiano Caule-
lista ; alia e fula, levou vestido do chita cin-
zenta de raroagens, e chale encarnado: recom-
menda-se a companhio de pedreste e capitaes de
campo,que a peguero e levam-a a ra da Seuzalla-
velba n 94.
Acha-so fgido o moleque Antonino, fulo,
serco, de idade do 15 annos. costuoia estar pela
Fassagem, aonde mora pai. o prelo Flix que
foi escravo do Dr. Lopes Netlo quera o pgar,
Tendo oa anouncisnles conseguido elevar ettejqueira entrega lo n, ru, do Imperador n. 73, o
- na ra Bella n. 33, que ser recompensado.
Fngio na noite de 23 de Janeiro do frren-
le anno, desta cidade, o esrraocrioulo de nome
Hanoel, de 43 annos de idade, cor preta, espa-
duas largas, estatura regular, disbarrigado, e fal-
la um pc-uco fanhosa em razoo do muilo tabaco
qjie toma, foi vestido com camisa de algodao de
listras e ral$a de elpodao azul americano ; elle
natural da cidade do Ass, provincia do Rio
Grande do Norte, offitial de ferrairo, falla bem,
e apezar de ser de meia idade, bem parecido
basianle ladino : este preto sizudo e U-m bom
comporlamento, sendo chamado por alcunha Ma-
noel Ferreiro ; e como seja provavel que elle v
trabalhar de offlrial de ferreiro em algum povoa-
do ou villa, dando-se por forro, por Isso roga-se
as auloiidades dos lugares por onde elle anoar, a
sua apprehensao, sssm como recommenda-se
aos capitaes de campo a sua captura, e aquello
que delle ilej noticiasoo o agarrar, pode-o levar
ao seu senhor o major Antonio da Silva Gusmo,
morador na ra Imperial, que aera bem recom-
pensado.
. Fugio o preto de na^o por nome Joao. do
idade 55 bdoos, um pouro banzeiro das pernas,
tem o dedo mnimo de uma das roaos que nio
pode abrir, estatura e corpo regular, acha-se f-
gido desde o ptiaripio do mez de Janeiro ultimo:
quem o levar a ra da Cruz n. 80, ser recom-
pensado.
Fugio no dia 2 do corrente o escravo cabra
de nome Joequim, de estatura regular, rr)r ma-
cilenta, bastante atoleimsdo, e com sfgnaes de
chumbo eas rostas ; levando vestido ealca e ca-
misa de riscadinho azul, bem como uro chapeo
de castor rapado com fila preta larga ; soppe-se
ter seguido para Macei, d'onde veio remettido
pelo Sr. Domingos da Silva Torrea para ser aqui
vendido : quemoappreienderpodeentrega-lona-
quella cidade ao dito senhor, ou nesta a Jos Joa-
quim Das Fernandes 4 Ftlhos, no seo escripto-
rio, no largo da Assembla n. 16. que se arati-
uesr.
Fogio da cidade do lracaty, no mez da se-
lembro prximo psssado, um escravo do com-
maadaata superior ilanoel Jos Peona Paewco,
?ue bs pouco o hera comprado ao -Sr, Bento
.ourenjo Corlares, de nomo Joaquim, de idade
de eincoeiMa a tantos anuos, fulo, alto, magro,
dentes grandes, o com faifa'de alguns na fenle,
queixo fino, ps grandes, e eom os dedos gran-
des dos ps bem abortos, muito palavriador, in-
culea-se fono, e toe aigaaes de Ver sido surrsdo;'
Cont-u que este escravo appareeera no dia t do
corrente, vindo do lado das CineoPoritss, e sen-
do entarrogado pot um parecairo seu conhecido,
disse que lnsa sido vendida por seu seohor para
Goiaaninlia: quatauer pesaos que a pegar o po-
dert levar em Pernarntuco sos Srs. Basto & Lo-
mos, que gralificaro generosamenle.
estabelecimento a um engranderimentn digno
desta grande cidade, apresentam concurrencia
desta iilustrado publico, o mais moderno, varia-
do o escolhido sonimenio de roupas diversas e
de fazendas escolhidas para todas as estacos
Sempre solcitos em bem servir aos seus nume-
rosos freguezes nao s ero precos como ero bre-
vidade, acaba de augmentar opessoal de sua of-
fina, sendo ella d'^ra rm diante dirigida pelo
insigne mestre LAURIAP-0 JOS' DE BARROS,
o qual os seos numerosos freguezes podem pro-
curar na loja n. 46 ou no primeiro andar do
mesmo estabelecimento, assim pois em poucos
dias se aprompta qualquer encommenda, quer
casaca, quer fardoes dos Srs. ofllrises de marinha
e exercito. Outro sim recommendam aos Srs
paes de familia grande sortimento de roupas pa-
ra meninos de todas as idades.
FROCO.
Vende-se frco de todas as cores e grossuras,
com rame e sem elle a 400, 500, 640 e 1$ rs. a
pees; aa ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n.16.
t Relogios jfe
Suissos.
Em casadeSchafleitlln & C.rua da Cruz n.
38, vende-se um grande e variado sortimeato
de relogios de algibeira norisontaes, patentes,
chronometros, meioschrenometros e ouro, pra-
ta dourada efoleedos a ouro, sendo eates elo-
gios dos primairos fabricantes da Suiaaa, que se
vandero por precos razo,veis.
Veadem-se noventa apolices da
companhia do Beberibe : na ra Nova
a. 14, primeiro andar.
Vende-se na cidade do Aracaty uma casa
tarrea com sotio, bom quintal e cacimba, na prip-
Qipal nm daOBaaaereio, propria para quem qui-
ar^li atabeleceavao, por lar nio a commodos
ptaaiaas paraceaidancia, como tambem loja, arma.
aaoi4 ate.: a tratar na asame cidade com os Srs.
Gucgel rmaos, que eato ulorisadoa para ese,
aso, ou neelaatacan, roa AoCabug, loja n. II.
Cal de Lisboa.
Vende ao ees superior e Lisboa, propria pasa
anganhojs 7| barril: oa roa do Brum o. 68, ar
aaazeat oe asauear.


M -3^r i^m
r%)

Litteratura,
Wsearso. pruBaaciJo por Mr. Sapey,
na audieicia soles ic de abertara da
crte imperial de Pars.
Sen h ore.
de?11?lHM.'hef*eraQe,^ed0 ,r,bun:i' 0a
reun, e? rae,u da se r-.u, ? Um deMes la,el*Mperimeoados,
seis SSfT* ,ro4ew' porm "O ""Je <1
seus colloradore; aquello, quera honra e i^
"'"^omesojo lempo essa desigmc.io. niot.ra
sfinoi le necesstdade deappellar para'toda a ros-
SJ nlulgencia, dore alem disso procurar na es-
coma do assumplo, de le vera tratar peranle v<
urna desculpa i sua (raquera e um titulo vossa
miencao. au mira, que podo er permiliido
desenvolver aqui essat grandes verdades judicia-
nas, que era oulras boceas teem lano brilho e
autoridade. Em rez de enireter-vos coca os vos-
eos doveres, aero instruir-me cora os voseos ex-
emplos, e tirando de vos raesmos, de vossa pro-
pria historia a materia deste discurso, creio ceder
anda menos um gosto pessoal, do que obede-
cer urna conveniencia.
Enire as.niilias illuslres, as quaes se perpe-
tua e persoatflca a honra da magistratura fran-
ceza, ha urna, que mais que outra qualq ier. per-
tence esse circulo, que por urna tronsmisau se-
cular, e sempre sustntala de dignidades e ta-
lentos, tem dado ministros ao principe, rejigio
e juatica, advogalos geraes, conselheiros. pre-
sidentes de Inbunaes judiciarios, que ligam os
lempos amigos aos lempos modernos, o seclo
XVI ao secuto XIX, o partimento de Paris acor-
te imperial, e cujos brilhautesdestinos eu quita-
ra esbojar perante v*. e seguir atravez dos lem-
pos. A histeria dos Seguier urna parte de ros-
sa historia, e sua gloria um raio de vossa cora
Acreditara.
um esiudocheio doinstrucjo e altractivo o
esludo da origem dessas rajas histricas, que ele-
v ira ni -se pouco a pouco e por degrus at s dig-
nidades supremas da magistratura e da loga. Ve-
mo-las amseu nasctmeuio, humildes principio
e modestas, encerradas na pratica de austeros
devrese oos limites de sua provincia onde sua
cidado, crescerem em silencio e preludiarera sua
illustrajat futura por obscuros servidos e talentos
iem brilho.
Nesses lempos decnsturaes simples e de f in-
genua os lilhus respiram, por assim dizer, som-
bra do lar e ao p da ara domestica, o perfume
das iradijes da familia : avs deseonhecidos de
urna posteridade gloriosa, vivem e morrem legan-
do-lhe apenas urna lembranja e um nome ; mas
a heranca das fortes virtudes, acumulada piedo-
samente por suas mos fiel*, augmenta transmil-
tindo-se, al o dia em que, sabido da mesma fon-
te, iiutiida da aeiva comruum, um ramo fecundo
produz o reoenlo predestinado, que colhe final-
mente a recompensa das virtudes de toda a sua
raga, e Ilustra ao mesmo lempo seus antepassa-
dos e seus ocsceodenles.
Tal exista na provincia do Languedoce na pe-
queua cidaoe de Narboone, a familia Seguier, j
amiga uoseculo XV, contando j en re seus avs
juizes do crime, cnsules, oflciaes da cora, pre-
sidentes do parlamento de Touluuse.
Espalhada no Quercy por um de seus ramos, e
em breve utrodutida aa corte e Diada om Taris
pormeiu de nossus res, ella vira um de seos
membros, depois de um glorioso exercicio da
proii-so de adrogado, sentar-se sobre as flores
de lir. Gerardo Seguier corneja parajsua raga no
meiadodo seculo XV, no parlamento de Paris,
Usa successo quasi oo iulerrom.da de magis-
trados, que foramsua honra-. Mas eslava reserva-
do um de seus descendentes ullrapassa-lo ca-
minhnndo sobre seus tragos : por seus talentos,
por suas virtudes, pelo brilho espalhado sobre seu
oome, o presidente Pedro Seguier o vcrdadei-
ro fundador da nobreza de sua familia, o seu
av.
Nascera elle nos primeiros snnos do seculo XVI,
essa edade heroica da magistratura franceza, e
sua moci lado formra-se na escula desse tnbu-
al, quera n i mi laja o do antigoidade inspirara
as virtudes antigs. Ello e Christovo do Tbuu
eram os principaes dessa magistratura, segundo
L-U;v,i'j Pasquier : baixo e nervoso, segundo a
expresso de Loisol ; avaro de seu patrono e de
sua palavra, porm sempre armado de todos os
documentos ; osss modesto para recorrer cru
dic.io de Dumoulin. seu douio co-irmo : assoz
eluquenle p*ra embelleza-la, elle era muito su-
perior Christovo de Thou, seu rival, julgar-
se pela antiihese que servia para caraclerisar u
talento de cada um dalles. Dizia-se d6Sle o que
em lodos os lempos tom-se podido dizer de ami-
tos oradores : pauca mulls. Dizia-se de Seguir
o que gosiamos de poder dizer de alguna : mulla
paucis. Estas palavras no-lo represeutim ao vivo,
quaes essos civalieiros amigos, dos quaes nada
nos resta, mas que julgamos reconhecer lendo
sua divisa.
Pedro Seguier nao foi smente advogado : as
honras da magistratura linbara rodeado seu m-
rito. Francisco I o nomera a ivog.ido do rei na
corle das coniribuicdes e chaoceller da rainha ;
Ilenrique II elevoa anda sua fortuna ; e oa po-
ca cm ie o capricho da linda duqueza do Va-
leotinois roubava Franja um grande magistra-
do, asseguraudo a desgraja dochanceller O.iviqr,
escolha do rei dava um grau<1e magistrado
ao parlamento, nomeando Pedro Seguier ad-
vocado geral em lugar de Giles de Maistre.
_ Era o tempo de urna dessas frequenles ques-
I5es entre os papas e os reis. Hennque II esla-
va irritado contra Julio III, que acabsvi de reu-
nir o concilio de Trento. por instigarlo e influ-
encia de Carlos V. Julio III nao per-loava 6 eo-
riue II o garantir ao jovea Uctauo Foruesio a
posse do ducado de Panno, feudo enlo relevante
da santa s.
Einquanlo linha lugar era Roma o rompimento
entre a sania s e o embaixadur da Franca paran-
te o sagrado Collegio. o Aoiyut a por ordem do
re descouhecer era Trento a autoridade do con-
cilio reunido, Seguier, desempenhando o dever
de seu.cargo, e invocanuu com elocuencia as
Iemhrancas de Cirios VII e de Luiz XII, requera
ante o parlamento a regislracao do edicto, que
prohibid sob pena de punij.io corporal raandV
Roma alguus desses tributos, que tinham multi-
plicado a abolicao da pragmtica e a concordata de
Francisco I.
MAMO M tiMhliigCM, SPWPA nmil Dt mtftlltO l>t 1641

- P r,Tf^ MWUv-a-ie enrgicamente
es as rtq^iC*Mtde Mu .dvogpdo geral, i estas
tutss do re cnrfflantmo contra o chele da chris-
landade. Felizes dos sculos, em que mi
Hrmee raspeitoia ao mesmo tea po sabe esta be-
lecer o limito dos dous poderes 1 Miis felizes
ajada aquello, nos quaes. as ojaio 4* sas pra-
vangas, as diisences potitieas nao acarrelam lu-
la*, nem represalias ; nis qnaas nada pio fazer
sabeduria do principa esiuecer a venerarlo de-
vida jo chefe da egreja, e nos nuaes a magesla-
de do Summ-o Pontfice, no meio dos inimigos,
que aalaeam, e da guerra, que brame em torno
della, repousa ao abrigo de todo o prigo, goar-
dala por um respeito religioso e por armas
Deis I
Banalmente dedicado sua f e seu paiz Se-
guier naurjulgou faltar seus deveres de chris-
1*0, cumpruidu os do'eres de sublilo. Has al-
uns anuos apenas tinham decorrido. Meorique
II, muito dcil ao novo pontfice Paulo IV, cheio
de colera e espanto lata dos progressos do
protislaolumo. quera i eiemplo do rei de Hes-
panha inlroduzir em Franga o tribunal da inqui-
siQa_o. A' leilura do edicto que o ordena, e cuja
regislracao requerida, o pnrlamsnto ioteiro se
lovanta Seguier, feilo presidente, deu o signat
da resistencia : foi elle quem levou aos ps de
Ilenrique em Viller-Colterets as queixas da ma-
gistratura.
No momento de eotrar no gabinete do rei ad-
vertiram-o de que era preciso ter os ouvidos
batxos ; o condeslavel de Montmorency, o duque
de Quise, o guarda dos selles, o cardeal de Lor-
raine, ventilador do eJicto, cercam o otoaren*
irritado ; mas o presidente Seguir, impassivel.
sent sua coragera elevar-se altura do seoti-
raento que o inspira e do perigo que affronla.
elle falla com liberdade, com respeilo, e sua
voz o rei que sent baquearem suas violentas
resolugoes. inclina-se diaute da coragem e da
virtudf.
Taes eram, senhsres, os magistrados desse tem-
po. independemos o liis. E o que falta a esses
inumphos da eluquencia ds seculo XVI para
para igualar os da eloquencia sntiga 1 Falta um
gosto mais puro, um idioma mais formado, ou
talvez smente um historiador, que recolha essas
palavras dignas da historia ns lingua ingenua.
que era ja a de Amyot ; mas a julgar pelos re-
sultados, esse presidente du parlamento, que sal-
va um povo inleiro dos rigores da inquisicao
nao eguala por ventura ao orador romauo salvan-
do Ligario da colera de Cesar I
Elle arrancn tambem mais de urna vez o sup -
plinto os protestantes pene/nidos, A cmara de
la Tournelle por elle presidida dislinguia-se da
outra cmara presidida pelo primeiro presidente
l.e Maistre pola docura de sua jurisprudencia em
materia religiosa. Representa!-vos, senhores,
no meio do fogo das guerras civis, o processo
desses quatro esludantes, que, coademnados
morie por crime de heresia appellaram da sen-
tenga para o parlamento de Paris, cheios de mo-
cidade e de coragem, irrprehensiveis em sua
vida, mas embebidos das mximas novase corren-
do ao mariyno com o imprudente enthusiasmo
de sua edade e de seu seculo. Que luts>cheia de
mteresse e emoeo entre esses aecusados que
querm perder-se e esse digno presidente que
qu;r aalra-los 1
Anles de seu interrogatorio, elle advertio-os
que fossem cireoraspectus era suas palavras : se
Ihes escapa urna palavra ambigua, elle as inter-
preta em seu favor e faz della urna arma para
defende-los contra elles niesmos. Quando toda
a sua moderacao v-se quebrada contra a obs-
linacia delles, elle addia para o dia seguinte, e
exige que elles tenham lempo de meditar e es-
crever sua resposi, e quando essa resposta es-
cripia urna conflssao mu explcita de sus he-
resia, elle acha anda um desvio feliz para rouba-
los ruorto e pronunciar apenas o banimenlo....
Ah 1 sern duvidaconvm due-lo, e nem per-
mertido nos, nem este auditorio esquece-lo,
nos lempos regulares o magistrado que illule, ou
que viola as leis, cuja apphcaro Ihe conliada,
merece vossas censuras e nao vossos elogios :
falta sua misso, se oo sabe optar entre o de-
ver de cumpn-la e o de esjuvar-se ; mas sob
urna legislarla sanguinaria e cm presenta daJ
fogueira, o qiie. seria era outra occasiao um acto
do fraqueza torna va-se um acto de coragem.
H-nrique II, indignado de ver escapar essas
victimas de sua poltica, vem em pessoa no pala-
cio, osieniando lodo o poder real, pedir cootas
ao parlamento de sua iudu'gencia ; Seguier noj
se perturba sua approxuuacJo ; inabalavel em
sua moduraco como ni f de seus pas, elle sabe
sustentar em presen.;* do rei os direilos do parla-
mento e a independencia de seus arestos.
Uopois do ha ver-se assim inlromettido com
brilho nos negocios da poltica e da religiao, que
enlo nao se separavam, voltavam os grandes
parlamentares ao cumpnmento dos deveres ju-
dicianus. Segujer iniHrrompeu-os unicamento
para prestar Franca um derradeiro servido, que
hoje principalmente nao pode a nossa gralido
es mecer.
A casa de Saboya, sacrificada pelas guerras
iravadas pela rivalidade de Carlos V e Francisco
I, linha sido inteiramento despojada de seus esta-
dos. Francisco I se considerara herdeiro delles
por parte de sua me, ou ao menos reivindicara
dominios importantes, entro os quaes figuraram
o condado de Nize e a Barona de Faucigny. O
tratado de Chaleau-Cambresis resliluio a Emma-
nuel Philisbertoa iutegridade de seu patrimonio,
excepcao de algumas pravas no Piomonta dei-
xadas em penhor Franca para garanta de seus
direitos, e U-nrique 11 na respera do dia era que
s lanc de Monlgommery havia de feri-lo, deu
sua irma em casamento ao duque, tornado seu
alliado. Mas resiava i regular a execucao do
tratado, misso sempre delicada e sempre difcil,
e estatuir deQihiivamenie i respeito de preten-
ces, que nao eslavara abandonadas.
Seguier fui do numero dos commissarios desig-
nados para lixar entre a Franja e os estados do
duque de Soboya a frdnteira incerta ; e urna tra-
di;o refero que ntnguem defendeu com mais
calor e autoridade os direitos do rei de Franja
soore provincias, que as armas nos deram e tira-
rara alternativamente, porm que s deriam ser
definitivamente fraucezas no dia em que viessem
a so-lo, oo por conquista, mas pelo livre coa-
senso dos povos e dos res.
Elle leve a houra de ser o primeiro amostrar
poros amigos o estandarte pacifico da Franja.
De t-olta I Patis, no meio las perturb
tosas, encontra Mediis iriuraphau
tal exUtfdo, a gutr
parte, proprio Chrlstc vo teVhK
do parlamento perturbado, felicitando a
pelo S. Barlholomeu. Puro d
Ah
obre volho ao a p partee' asre
ho?^kos
lOUEirilM
ORIGINAL DO DIARIO DE PERNAHBUCO-
mmk Mmttmt
LY
Summario Dous caracos ojportunos.Scenas
conieaiporaneas da vida marilima Um ho-
meuj ao mar I
lembrar-se-ho anda nossos leilores que, na
primeira Resenta quo escrevemos esle anuo, -
zerans um pedido especial aos Srs. compositores
do Diario, para terera todo o cuidado em repetir
nos typos, o que achassem em nossos aulogrs-
phos. -
Pareceu-nos que nossa sollicitace linha sido
atteodida ; porque as Resenhat seguinies nao
notamos mais a raullidko de erros que alropia-
ram multas do anuo passado, de eternas lumi-
narias.
Estavaraos engolphados nesta doce satisfacio
quando a do segunds-feira ultima, nos vcio ou-
tra vez mergulhar em desprazer.
Nao sabemos se foi peca deentrudo ou nao. Se
loieste o pensamentoque os guiou para suppri-
mirem nella periodos de msis oe tres linhag, co-
mo fizeram, affianco que a graja foi pesada de
mais ; porque comeram-nos dous lindos caroei-
ros sem se aperceberem, como se rer na errata
publicada na Recisia Diaria de terca-fetra.
nHa,n1Ml"b0 e be"a capital muita gente que
nos e dedicada, que aprecia nossos escrtplos em
grande cousa, quem nao desojamos deaagra lar.
Eulrelanto se lies sahirem luz assim mina-
dos, o com palavras trucadas ou upprlmida, se
tornarao incomprehenaiveis ; porque nao terio
ligajao, e todo o oiscredilo ser nosso.
Nao queremos aftronia-lo, e j reem 01 Srs
compositores o mal que nos (atara.
Tornamos, por Unto, 4 repeiir-lha o pedido
que ji urna rez Ihes dirigimos, e confiamos que
nao taremos mais occasiao de fallar oeste as-
surapto, que muito dos iucomraoda todo o lys-
tema nervoso.
iU
los, o
eorajo por wihif&boTi .Tabe-
ojstn, e linalmeota morre de urna anorte chris-
lia como sua rid. repet ido coar,'uspal
Excidat illa dies.....
oescrevendoem latina as ultimas paginas de um
tratadoDo conhecintenlo de Dos e d ti proprio
obra, que traduzio a piedide de nossos pais
que talrez um dia a de nossos descendente tor-
nar a dar luz.
Deixou elle seus fllhos, todos magistrados, to-
dos dignos de seu nom. as agita jos da Liga
onde tantas consciencias perturbaram-s, nenbum
delles desriou-se da liaba estreita do dever De-
P das barricadas, tres .l'enlre elles associando-
se a adversidad^ do principe, cujo poder nao
adularan, acompanham Chartres sua realeza
fugitiva : depois do crime de Clemente, elles sao
os primeiro siudar na pessoa de Henrique de
Navarra o representante ds honra a da indepen-
dencia da Franca. (Jm quurto acompanha Tours
o exilio do parfairrento fiel, e na quatidade de
adrogado geral lem a honra de requerer cootra as
bullas de Roma aiteatatorias dos direitos ds co-
rta O quinto, que Qcara em Paris, raetiido na
oastiiria, e brevemente exilado pelos dezeseis
Quando Hennque IV foi conquistar se throno
ems Diomzio por ama foliz abjurajo, ara Se-
guier acompanhou-o ; fot em casa de um Seguier
ql'e- "f/Bnou-se em S. Dionizio s conreotao,que
abno-lhe as portas de Paris, pacificado ; porm
esse cortezo da desgrac sfer o derradeiro a rir
ao Louvre saudar a fortuna, e seta preciso que o
re, fazendo recuar diarwe dalle as leiras da
muttidao que cerca semore o throno exclama
estendendo-lhe a m5o;
Meus senhores, deiu* approximar-se o- in-
separarel de minha adveisidsde...
Tal era essa posteridadode Pedro Seguier, oouo
ano linha degenerado dai- virtudes palomas. O
ugar-tenents civil depon- da se ter dedicado pe-
lo principe, dedica-se pelo poro e morre em Pa-
na, na-flor da edade, de urna epidemia, caja
victimas a elle tralar, e detxa dous fllhos,um
bispo, que baptisou Luii XIY, e o outro magis-
trado, que foi chanceller fe Franca. O presiden-
te, oapois de urna glorios>embauada Veneae,
onde desligou a repubiici do partido do duque
de Saboia, cuja perfidia i* forjar a Franja tor-
na a pegar era armas, rollou envilhecer no
culta da joslija o das U-ttras, fundando para oa
jovens o*phaos o hospicio- da Misericordia, sacri-
licando sua fortuna aos cobres o seu repotuo ao
esludo. r
Oriundo desse sangue Ilustre, fllho do lugar-
lervente civil e feilo presdante por havec seu lio-
resignado, Pedro Segoiai-, o futuro chanceller da
Franca, achara o cammho das honras abarlo
dame do sua mocidade depois de ter sido suc-
cessivamente conselheiio, referendario, inienden
te da Guienna.
Elle linha todos os Irijos dislirullros de sua
raja, a sciencta adquerida, a eloquencia natucal,
o amor das lettras e essas rplica Mizas, heran-
ja transmittda de familia, bem o sabis, at aos
seus ltimos descendente s.
O cardeal de Richelieu foi o autor de sua for-
tuna. Seguier susleniou-a durante quareota an-
nos. e nessa looga carreira atravessada pelas pro-
ranjas o ricissitudes da poltica e s rezes ex-
posla aos julgamentos severos dos partidos, dore-
mos nelle destinguir o chanceller do ministerio
de Richelieu, o chancellar do tempo da Fronda,
e o chanceller dosbons aun os do reinado de Luiz
Quando o imperioso crdeat tirando os sello o
a liberdade Chateauneuf, fixou sua escolha para
substtlui-lo no presdeme Seguier, ella procura-
ra um instrumento seus designios, um minis-
tro dcil suas vontades. Seguier nao illudiu sua
expectativa, mas associou-se poltica do car-
deal, que era emfim a verdadeira, a grande pol-
tica da Franja ; esludou-o e conseguiu muitas
vezes adojar-lhe o carador indomarel. E' esle,
senhores, o Irajo saliente desta pirte de sua csr-
reira; e ssivo urna s, mas triste e sanguinolen-
ta excepjo, dere seresia a sua honra aerante a
historia e a posteridade.
Apenas a morte de E'.tero d'Aligre collocra
sobro a cabeja do guarda dos sellos a digoidade
dd chanceller, Rcheliej, que, nao contento com
o exilio da rainha-me, cercava a rainha reinan-
te do sua vigilancia e suspeilas, julgou ter en-
contrado o (lo de urna intriga urdida enlre Anna
d'Austrta e a Hespanha. Um bilhete tinha sido
sorprendido ; fallara-so de urna correspondencia
mysteriosa e o odio de cardeal rgoaijava-se de
ver entre suas mos a >orte da joven rainha e de
sua altivae seductora emiga a lida duqueza de
Chevreuse. *
Nada o detm, nem a respeilo ao throno, nem
_ respeito urna casa santa ; elle ordena urna
pesquisa no conralo do Val-de-Grace, al cel-
ia, oode Aona d'Austria costumava ir abrigar
seus segredose suas de res. O chanceller para ah
transporta-se com arcebispo de Paris e inter-
roga as religiosas; mas emquanto narnjoes por
muito tempo acrediludos o ropresentam como
ejecutando com rigor ordens severas e lanjando
urna mo profana sobro os papis e a propria
pessoa da rainha, testemunhas mais .fidedignas,
ensinam-nos que illudindo desta rez a confianja
de Richelieu, elle enriara de anlemo Cho-
lilly, onde eslava a raiaha, um aviso til, e sal-
vara assim magostada real um ultrage o um
perigo. Triste tempo para um chanceller de
Franja amello, em que sua consciencia, fatal-
mente dividida entre dous dereres, faltara um
para preencher o outro I.... Nao se encontrou
cousa alguma em Val-de-Grace; ese mais tarde
Anna d'Austria aecusou-se, foi sob as rislas e ao,
ourido do artifioioso cardeal, que finga ourir
sua confidencia unicamento para reconcilia-la
com o rei.
Mais grave e mais r erigosa que essas impru-
dencias de urna joven rainha, rompeu em breve
em (oda a Narmandia a rerolta dos nu-pieds,
exasperados pela miseria e pelos imposlos. De-
pois de have-los castigado pelas armas de Gas-
sion, Richelieu quiz inlimida-loi com a prsen-
os do chanceller. Escoltado de urna pompa mi-
litar e civil, investido do direilode vida e morte,
seguido de um corpo de exerciio, chefe da justi-
Fallamos ha pouco das sympalhias mui destin-
las que hemos encontrado aqui, e nao fra de
proposito, poitanlo, traiar das que se vo mani-
festanJo em nosso favor em as provincias risi-
nhss. Todas ellos nos lisongeam muito, germi-
nara era nosso corajo senlimenios de gratido
inexiiiiguiveis, que nao lemos expressoes para
da-lo conhecer em luda a sua forja.
Na erudita correspondencia do Rio-Grande do
Norte, publicada oeste Otario de 22 do mez fia-
do, em que seu digno autor se mostra versado
profundamente na historia antiga e moderna, e
sabe prender a attenjo do leilor pelo bello es-
tylo queempregt, se l estas linhis nosso res-
peilo, que, escripias por pessoa lio compleme,
nos sao mui honrosas, fallo dos lastimosos
naufragios do bngue Calliopee da crvela Isabel
to exacta e paiheticamente descriplos pela hbil
penna do insigne esenptor, desse noro Corte Real
prosador, que redigo a Rcsenha Marilima do seu
Diario.
Aiuda oo agradecemos ao Ilustre collega o
delicalo juizo quo faz deste nosso modesto tra-
balho, e por isso oos conceder que hoje cum-
prsmos esto dever.
Nao somos novel lidsdor na arena litteraria,
urna rerdade ; desde mui joven que a imprensa
no* aitrahiu e recratou para a phalauge dos que
militara sob sua baodeira ; dos que a coosideram
como o prinripal ficho civilisador do mundo, co-
mo a luz celeste que o ha da guiar aoa seus altos
destinos. Animados por homens Ilustrados, que
nao se dedignaram da applaudir nossos primei-
ros esforcos na capital do imperio, que nos eu-
sinaram i firmar os passus anda racillantes, te-
mus considerado como timbre, como derer de
honra, mosirar-lhes que nao perderara seu, lem-
po, nem que erraram no apoio que nos deram
Assim, poi, luda a ooss vida lem sido dedi-
cada ao estudo, e provavat que tachamos pro-
veitado algama cousa. Mas bem longe calamos
de suppor que possuimos j ama penna hbil, e
que nos postamos comparar algum dia Corte
Real, esse insigne cantor portuguez, contem-
porneo da Carade, que se tlluslreu, detereven-
du era um poema mui tocante a historia do ntu-
fragwa da*aorta de Hanoel Soiza de Sepuire-
da, e de sua esputa, poema que, pelo seu mri-
to, tem tido traduzido pira o hespanhol e para o
francez; sendo que asta mesmo tacto inspirou
tambem ao immorial principe do poeta lusita-
nos ettes sublime versos ;
* 4im con4aUr|
^tompo^ Sagaiei ^m urna
____
k-feiaacansgado ITmos-
tr JKtreau.. 0emire p-
Urna linda pintura de Lebrun
ni **# #os pegaos
Ita
e serro.'oo' aso&an'lo 5*her"iu*tR ?^il
lomnenactdadedeBouen. Sua ralsslVeracaj^
sar o tribuoae judiciarios, que llnham animado
a revolta por eonnirencia ou fraqueza, restabe-
lecer os imposto, julgar e punir sozinho. sem
appellajao, sea recorzo at para a eleme*ncia do
re. Assim o linha prescripto o terrirel car-
Ma o chanceller limiiou este poder tem limi-
tes. Severo em sua linguagem, foi moderado em
seus actos ; prodigo de ameajas, avaro de casti-
gos : sete someote dos prtncipaes culpado agar-
rados cc-m as armas na mos (orara suppliciadcs
e os oulros pela mor parta forara tratados eom
docura e bemo pelo catado que elle pro-
prio sedara de fazer redigrr sua risla o jornal
eifl0 miaucioao de sua ringem, que o dole-
1"*"*.^" l. nao csqwecendo nunca qua
ene oerra coala sua consciencia e posterida-
' "i^03 **8 anles da eaerce-lo inclinar-
S8 Pr d0*a,,*re parante o juta dos res.
Oxala- que da pon de haver feio-parlo da com-
raissao qoojulgou o duque de Lavalelle, elle nao
ti rene eu sua rolla presidido qu- conUemnou
Thra0rneiK *c? Gin(f-M" e o iotelR do'Fhou.de
inou.ulho do historiador, que deverra- proteger a
gloria de sea pse.netoda Christovo da Thou que
tinhs sido oo tribunal o emulo e amigo' do pri-
meiro Seguier, e que repousa va ao lado desCe em
Saiot-Andr-ies-Arls. oa paz do mesmo- tmu-
lo i Ah I os restos dos dous magistrades-estre-
meceram sem duvida- de dor oo momento- do san-
guinolento a resto......
Digaraoa todaria. para desculpa do chaneelrer,
digamo com a historia que Qnq-Marse de Wk>u
eram culpados, que tinham conspirado nao s
contra Richelieu, mas anda eonlra a Francjr, e
que se o rer que deixou-os morrer nao foi de-
mente para cora elles,. os juizes-, que os coodera-
ntrara nao foram injustos E*es dous supplictos
decam i Kicrralieu< o gozo da sua ultima rio-
ganja^
Morto o cardeal, o papel de Seguier nao era
mais o mesmo. No reinado de Luiz XIII elle mo-
derara violencia de ministro -r na- regencia elle
a tornar-se o npoio da minora do rei. ,
Dedicado rainha > ponto de- associar-se ao
acto do parlamento, que desconheceu as derra-
deiras vontades de Luiz XII!, elle serviu-a du-
rante a Fronda com perigo da propria rida.
yuem ousaria, senhores,. depois- do- cardeal de
Keiz deserever esses jogoasanguinolentos ds po-
ltica e da intriga, pintar esses amotinadore e
sediciosos-, ah I os mesmo em todos os lempos,
essa nobreza imprudente, esse pavo sublevado,
esse parlamento com o primeiro presidente Ma-
iheus Hal sua frente, exigindo segunda vez
Broussel e Blancmesnii? Porm Matheus Mole,
cuja coragem foi egual do principe de Conde
nao foi s intrpido.
Com asameajadoras noticia da sedijo que
augmenta, a corle se perturba, a raiuba derrama
lagrima, o chanceller so-v-o perigo- e a affron-
ta : ello ir alravessando a cida-Je insurgida, le-
var ao parlamento as ordens do rei- Sobo em
um carro; seu irmao, o hispo de Meaux, o acom-
panha; sua (liba, a joven duqueza da Sullyae
colloca seu lado e obstina-se segui-kn Ki-lo
que se dirige atravez das ondas de uo> povo agi-
tado, o chaoceller da Franja, escoltado por um
sacerdote e urna mulher, dirn de qua se o poro
nao retpeilar ao ministro do principe, detenha-se
ao menos em presenja da mageslade do sacerdo-
te e do encanto da belleza.
Na l'oote-Nova a muhido o para, ameajado-
ra e irritada cecea seu carro e sola gritos de mor-
te ; mas as ameacas o encontrara impassivel;
persiste, e quando os carallos nao podem abrir-
Ihe passagem, contina p sua porigosa via-
gem.
Da Ponte-Nova ao caes dos Agostinhos elle
lula assim passo passo, firme no dever, o fa-
zendo face ao perigo, al o momento em que a
mujiido, que o aporta e cresce cada instante o
obriga lanjar-se oo hotel de Luyoes que in-
vadido depois delle. Ahi, em um gabinete onde
'Iguraas taboas mal juntas oceultam-o apenas
aos punhaes, que o procurara, elle s espera a
morte. porm a espera como christo depois de
hav-la aflrontado como hroe ; em seu irmo el-
le v nicamente o ministro do Deus que o cha-
ma, e seprostra peraote elle... De repente, nes-
se momento solomne, apparece um libertador. O
marechal do-La Mailleraie, mandado pela rainha
com Ires companhias forja as passagens; collo-
ca o chanceller no meio dos seus soldados e o
conduz ao Palais-Royal com a duqueza de Sully
ferida por um tiro ao lado de seu pao.
Dizem que de volla, o chanceller ochando o
parlamento reunido no palacio da rainha, fez um
discurso sera colera, sem fraqueza, senhor do
sua palavra e de si proprio, tanto eslava elle em
seu estado normal no meio desses perlgos I
Depois de taes actos de dedicajo e coragem,
elle teria podido substituir Mazanno no pavor da
rainha, quando o prudente cardeal foi obrigado
retirar-se da corle; porm moderado no poder,
elle o era tambem na ambijao ; as Memorias do
tempo Ihe censurara isso ; elle contentou-se de
servir no successor de Richelieu a poltica do
Richelieu. A' excepcao de um passageiro eclyp-
se, explicado pelo olTuscaraeoto que Ihe causa-
ram um momento as ameacas do grande Conde,
elle nunca abandonou a causa de Mazarino, que
representava muito melhor cerlamente a causa
da Franja, do que a partida dos da Fronda ; sof-
freu a irapopularidade, o desvalimento, o odio de
um parlamento rebelde ; e a inconstancia do urna
corte lgrala ; duas vezes os sellos Ihe foram
restituidos, e a forluua abandonando-o ou pro-
curando-o, sempre o achou (le Frauja e ao
re.
Elle julgou-se livre de urna pesada tutella no
da em que o joven Luiz XIV declarou no seu
primeiro conselhoque seus ministros s doreriam
dirigir-se elle d'ahi em diante; (dra por lon-
gos lempos o homem da poltica, o ministro su-
bordinado de Richelieu e Mazariao; ia finalmen-
te tornar-se agora o verdtdeiro chefe da justija,
o verdadeiro chaoceller da Franja, livre em re-
gies mais serena.
A ordonanja civil, a ordenan ja criminal, todas
essat bou W sobra o coramercio, ma.ufacto-
^.!?tt flo/,*. wecedem no pri-
meiro anuos do reinado de Luiz XJV, e o Stoc-
mi9lUil,,0l,aJ p8r,e de 9ua W*n. el W-
S a'*!fttr".d" re,hice do Sntx1W5r. Aeoa-
ulaJa.?iiil? Meihalro .'.ladol lie de
'a com tnata meabrot ft> parlaM
pno Luiz XIV, segundo Vohaire, assislia algumas
rezes s suas assemMaa. Aim. vira-e oo
principio desle seculo grandes jariscon.uas dic-
larem cdigos mmorfaes, e um grandeDtoeo
que esperara o throno da Luiz XIV. anim-|os
com sua presenja o com seu gejio. Bem como
os oomes de Portalis, Tronche!, Mallerille os*
nome de Lamoignon, dePussoro de Colbert 'sao
ligados sua obra, e o do chaneelHsT que presi-
dia a seus trabalhos, deve ser inscripto priraeiro-
que todos os outros. A gloria do legislador a
coroa de seos cabelles Draocos.
interroa
lapendo o loase
l aaVatratura e
nada nelle era eslranho: sabia a theologia coao
o drreito, e um bibliotheca escolhida, curioaa
e mraeosa, hoje ah I quasi iafeireraenle dislrui-
da,formava-se e aOgmenlava-se todos os das da
sua vida sob sua sabias mo.
..~. ..unuiUlim, ueuses ae Homero abettodo todo > --,
ehai1VDenS alFraB5? 'he dere molo como Ri- lempo gorperredobrados-o fundamentos^^
ehelie a academia franceza; eile presentio-lhe Jjosdeuma nova Troia. Me m flu,nnl
ser8sreu'lSednf.!l,n0^ prPS """ uiz !.piriio. nobreremb.reaa-sTsea oh,?.lr
mL V n,ro,; 'ornou-ae seu- protector por 'noUs proias cantaodaohmno dilear^v.
HazanS"0'1!" 8 ^ eBeolhr ** "referencia ,< orgalbo; nobres cotajoesTmbem nTrn^
.!?!? H-a^i prime,,'* offeoer um asylo nwnlo de rerem desabar esaV throno niianf^
" ??Vt ,lusre e aind* rete; e essa sombrado quaMioha a Franca^araenia^ g^..&'
ho.plUltd.de gloriosa por. quem ad o palacio *^t^^^'^'^*^^
Seguier eicedeu ao Lourre. Cuidadoso d man-
ler i eguldadade nestesanctuario.presidia-o co-
mo simple* acadmico, a cioso de assegurar-lhe
a independencia, recebia nelle a rainha Christina
sem abanar enlre a mageslade do throoo a dia-
nidade das latirs. Amiga- das arles, protega a
icadeoiia da pintura bem como a academia fran-
ceza ; fazia a fortuna de Lebrun e honran o ge-
nio de Coroelio.
Entretanto as lettras, que elle tanlo amara, col-
ligaram-ae contra elle por eecwio do orocesso
de houquet. A-araisado de madama deSevign
a eloquencia de Pallisson, os-rersos de Ea Pon-
ame enganaram a posteridade, mostrando ape-
na a rictima de Luiz XIV e de Colbert no-supe-
r-iolendente cartegado dos despojos da fortu-
na publica. Madama de Sevign principalmente,
que pouco se coohecia em processo criminal, nao
perdoa ao chaoceller o ter interrogado Fouquet
eom a severidade de um juizq. porm ella arre-
pendeu-se mais- tarde de seua-juizos temerarios.
Fellisson em sua-hisloria da academia taz o elogio
de Seguier.; o abbade Talletaanl o vinga das inju-
rias de um outro Tallemant; madama Srvign,
sabendo de sua morte, o vinga. em urna carta
sua filha, na qual piola, como ella sabe piolar,
a sciencia, a eloquencia, a piedade e o desin-
teresse sem egual.. Ella o loura melhor d que
o-fez Mascaron, ella que, melhor que Flechier,
soube louvar Turema.
Assim as prevenjes contemporneas mesmo
erara ao chanceller Seguier urna tarda justija,
e seu nome, despeito dos detractores, des-
peilo das (altas iiisepariveis lalrez de um longo
exercicio do poder, ficou um dos grandes oomes
no historia.
Pelo casamento-de suas filha elle cruzara seu
saogue com o daa mais illuslres- familias de Fran-
ca, cornos Coislio,os-Sully, a-at com o singue
de ilenrique IV, porem elle morria sem deixar
lhos.
Quem esse mancebo que no seculo seguinte
vae succeder seus talentos o seu nome?* 0-
riundo de um ramo collaieral, que com menos
brilho, porm nao meaos honra, produzio duran-
te seculos magistrados e guerreiros, ello appa-
rece no Parlamento pousos- anuos depois- da
morte de Aguesseau: ello lem de Aguesseau o
saber e a eloque'ncia, e se os cootratempoaiio
Iho houvessera quebrado a carreira, elle Ulvez
leria sua fortuoa e gloria.
O rei por seu molo proprio e na f de seu. no-
me o nomeia advogado geral, e Antonio Segujer
pareco desde seu primeiros passo fazer re vi ver
om si todos^os grande magistrados de sua raja.
Ou porque na queslo do judeu Lery elle defen-
da com autoridade da razo e da sctencU contra
a inconstancia de um esposo os direitos sagrados
do matrimonio, qualquer que seja a le* religiosa,
soba qual foi elle coutrahido; ou porque no
meto de um auditorio apaixooado, que murmura
e que elle forja ao silencio, garanta por sua elo
queucia oobre familia de Fazensac a proprie
o lo Breo
enerra-
-----------------atubsti-
', qual Kalesherbet, fez
de protestajio e de dor.
'. onde o rei, acompa-
upeou, inttallara seu
m pafTamenta, elle ousou proaundar me fa"
ror do parlamento anligo palarraacuia eloauea-
ca ere egual14 amgm. o da gufnWle
demittia-se de san foncece, ea dobrari?
nem face das ame,M J0 minisSo,e afi
ItJma auira lula nao menos- perigosa derla en-
couir.-lo na. menos inlrepi*. Que espectculo
senhores, o dos vinte annos que procdem de*.
truicao da mooarchia (raneen I A rerolocao
ahilosopae. *> .eculo VIH ultrapaseaVa mu
.Tal se mostra o chanceller na'vida;puMic: mi- leiCrW\t!Li.,?CU,0' XVIir uJtrap"w*ra
mstro moderado no tenrpode Richelieu f ministro eTet^oLaTi^L' ,"* "e.iwief
dedicado duwnie a Fronda; ministro legislador ciatoV^TZ.?^*? Ump0' ltohem i*tMer-
no lempo de Luiz XIV; nelle o hornera privado mesmo L^i!.-^PBl"'.. em ^"nU> **<
tem anda ees olho da posteridade um tiMo de com ttJ?*" "es sustentaram atada
honra, que realj. lodo o m.Is,-o nobre amor, mo e d ~r? "taa-"to do e>>iritoaii-
o amor desiotoressado das- leUras. Elle guardou eoo a exirtLS'^S* crenSas "' *>
emsuasdtrersas fortuna o cuito, que seallis-Uo d'alm.J-uraa ^i! tt,0*?* e ""slidade
^r^1t!!!J^^VH^a.el<''l.?encia.poeaa. um. *G*&!T: ?"*" *
Houve um momento-oeste M
illeraluro- toda inteir. pareeeu^u.men* confu-
rada; a nu-vern se diseipou, e julgou-a rftr u*
deuses de Homero abai.no todos ." J,
?T PJJ;. -^^.ccoraa^^s^e om. trut
leza profunda ; vara em soceorro da sociedad*
em perigo. e creom que wsareTreform. \1
.era ...nniquilar,.e .r?..cam S^A-S^fc
.0 adrogado geral Seguier fot deste numero.
af ?i.da'ft 8 8e C"50' ert 'iccao de
sua alma. Os enciclopedistas ros philotonho-
loraado. oanipeleote. ccusa-U-W. otribu:
nal da postend.de ; elle o abe.-aar oo hesita
e convencido da irapopularidade. mas "orle em'
sua conocencia, denuueiaao parlaaeolo eserfp"
toscallentnos contra a religiao e-ooetra a m"?al
publica. Tere elle aio(el,oidada de eh.mar a
severidade d.justija .obre um. dessas obras que
o genio m.rcou com o-wu-seilo, e eak Tuto, l
posteridade absolve paras condemnSo, juiies?
i *qne elle ostkgmatisou mereca-Ioen
c. fIu nTPS' 8b IWlM i"**" da Pr-
ja. Elle nao persegua as afoutezas do Emilio
porm s-impied.des do sysisma da aolurew
ou as dedamajoes d. UisZia das da.7jd*as'
Em sua firme lmparcialidade. com a mesma ralo
que combata a irreligiao, elle combali. tambem
nrATaAU>ltr2mnl*M M PPoh8 s em-
prezas da.corte de Boa..;, com a raesma peona
que esligm.tisara a heanoa dos escriptores; elle
sustentara.contra os prejuizos-de seu-tempo o di-
reito mviolavel e sagrado da propriedade liltara-
na ;e provocara a reforma da mooarchia com
Uno ardor como defenda sua existencia, e
i,.f,v. fperanoas-Pblicae- renda gra-
jas LuizX.V-Lpela coaroeajo doseaUdos ge-
Ah I sem duvida enlre as ideas aove noara-
alguma cuja grandeza-elle nao compreheudeu
quando -Sema e Dupaty ousaram ergaer a voz
contra o, rigores da legaslajao criminal, Seguier,
muito ligado ao passado, lancava ao da peona"
pare defcnd-la ;.aas lambrai-vos para resnaUf
otfeeiz0L?;.eUeletUSalrad0' SeOMe P0M'^-
im 5uaint0 elle Pr09e8uia m no meio das
n7r" 3US '' Uda e brilhanie, um
outro Seguier na independencia da rida- privada
llustrava pelas scienciaeum nomej-illustreTe-
la magistratura e pelas letra; nobre exeaplo
senhore, em nossos diaa aobremuia reoo-ado!
Mas. a onda das rerolucoes- arrasU ea sua-ear-
r?i ti 8ablos e- m8'" geral Seguier o no subir sem empallideooa. Es-
cutao suas ultima mercuriaes sobre FLiniao
puiUc*. sobre a Estabilidad* da manimShsra-
a roz d Aguesseau. enternecida po* uaa tris-
teza^rophetics. Elle (o o primeiro a assigojlar
o perigo e o derradeiro que deix da aurela-
lo ; e quando a patarra Ihe retsade, quando
essa grande funeco de adrogado ger.l ao paria-
nieoto, inaugurada por um de seus aotapassados
destruida em sua pessoa, eile rao uwrrer exi-
oade donme de seus paesTotl po*rquerco. .doV porta d^aFreBcriue ^oTo'mr'o tem"
urna mo profliga elle derrame sobre", caus da po, teriatra elle recom"eos, e w Se riul
roztere de Salency o encanto e a graca de um sara um tmulo.
talento todo Iliterario, a sociedad do seoulo XV Hf
se rene para ouvi-lo, e os principe eslrangei- Esta recompensas eslavara
ros o felicitsm ao sahir da andiencia. Elle rfao e4u Uln0- ^le_0 presentara
lem os acentos patbeiicos de
Cerbier, seu con- ad?ogoo em 1789 como um
seu nome, rerestira-o dentro
temporneo, e essas imagens sbitas, que saltara seu DOme, reresltra-o dentro em pouco do offl-
do corajao como do urna foule sagrada, mas se- 5' de conaelheiro do re, substituto do procura-
melhame d'Agnessoau, sem modelo, tea casa aof *eral D0 parlamento de Paris, e o joven Se-
eloquencia coosiencios, que espera da inspira- gu,er T,r* esplendor da mooarchia anUnU
jao do auditorio o que pode pedi ao recolhimen- 80Dente para assistir sua ruina. Mas aeixae
ie vagareza, eque tem todo o seu ralor na boc- B" c*iao em osao, sahir a sociedade muderna
a do ministerio publico, porque ahi tem ella lo- com* uma estatua ainda nao acabada, a qual um
la a sua conveniencia. Madama de Sevign te- g^.'* poderoso animar eom.- o fogo celeste
ia louvadonojoren advogado geral. como o fez "o os templos da religiao e da iu3lxa, ono-
im seu ov, essa memoria prodigiosa que emba- me ae beguer reapparecer enlo, cercado do
Outro tambem vir, de honrada fama,
< Liberal,cavalleiro, enamorado,
c E comigo trar a tormos dama,
Que amor por grao merc Ihe lera dado.
Triste ventura, e negro fado os chama
Neste terreno meu, que duro e irado
Os deixar d'um cr naufragio vivos,
c Para rerem traballtos excessiros.
verio morrer com fome os fllhos charos,
Em tanto amor gerados e nascidos ;
Vero os Cafre speros o araros
Tirar linda dam.i seus vestidos :
c Os crysUlinos membros, e preclaros,
A* calma, ao (rio, ao ar rero despidos,
Depois de ter pisado longamente
C'os delicados ps a ara ardente.
c E rero mais os olhos que escaparem
De tanto mal, de lenta desventura,
Os dous amantes miseros Qcarem
< Na ferida e implaeabillespessura.
Ali, depois que as pedras abrandaram
Com lagrimas do ir, de magoa pura,
a Abracadas as alm is soltaro
c Da formosa e misrrima priso.
Corte Real no seu tempo servio sua patria
nos mares, como mis fazemos agora, dedicou-se
s lettras, no que tambem o imitamos, e estas
duas circunstancia*, reunidas ao inleresse pro-
prio dos (acto que narramos, induziram talvez o
nosso destincto collega nos por em parallelo,
sem se lembrar de que a natureza nao reparliu
comoosco osdoos que liberalmeote prodlgalisou
aquello, que se o flzesse Ihe aCDanjamos que o
lomaramos por mcdello.
Mas em todo o cuso, nunca esqueceremos esU
fineza, que prova ethuberantemete a apreciavel
sympathia que metecemosde um homem de let-
tras, quem bom ilesojamoz conhecer.
jao do auditorio o que pode pedir ae recolhimen
lo do estudo, que tem mais elerajo do quo mo
vimento, qual era mesmo asseula um pouco
de ragsreza, e que tem todo o seu valor na boc
ca '
da
em seu ov, essa memoria prodigiosa que emba-
rajava alternalivameote e eocontrava os poetas
aos quaes recitara seus rersos no momento em
que acabara de ouril-os. A academia franceza
bem depressa reconheceu nelle o sangue do
chanceller, e escolheu-o aos trila annos para
substituir Fonleoelle.
Mas sua rida nao era destinada s honras tran-
quillas da magistratura e das lettras ; comocon-
rnha essa ralele natureza, ella estava desti-
nada para a luda e os combales, luta respeitosa
contra o arbilrio real, lula desesperada contra as
paizes populares.
Quando a guerra achou-se trarada enlre o po-
der do reis e o dos Parlamentos, que julgaram-
8e inimigos por um eslranho e peiigoso erro ;
!.'^P.03 aaaare L. ,5de lodos <> elementos da sociedade anli-
. ga eato em tusSo. sabir a sociedade maderna
At vigsimo quinto dia de viagem nenhuma
circumtlincia nott.rel occorreu em nossx oave-
gajo, que mereja mencionar-te.
Quasi eapre litemos rento pelo quaduole de
NO, com bom ou mo lempo, e com elle e pe-
zar delle nos femou approxtmando do Rio de Ja
airo, tendodiaadi belliatima singraduza, quan-
do e chamara do S'. para NK. J etUvamot oo
mar bastante lea po, nao htviam mais contos
_ nem pilh.ri.s retarir-se, e o rancho lornava-se
f*** *? P*n- iosupporuvel ; o que eamud.cia a musa do
notaos poetas, quo rauilo ae inspirara em" uma
bamCsa, como iirvmos|oa ida, O tpletn, ou
mo humor, por Unto, comejara domioar-nos,
quando um fatal successo anda nos reio impres-
siooar mais, e mortificar o espirito, meio dispos-
to j melancola.
Naquelle dia (17 d ferereiro de 1847) s 3 ho-
ra e30' da Urde falleceu bordo o carpioteiro
Joao Paulo da Silva, que se achava doente.
Se a morte em Ierra produz as emojoes que
todos conhecemos, quando surge no mar, no
mel de uma pequea reunio de homens, que
se grupam em um acanhado espejo, faz uma im-
presso singular, que dificilm entese extingue e
disperta uma sorie de ideas cada qual mais f-
nebre.
Nao sabemos que apego tem o homem ao seu
miseravel 6 frgil enrolucro, que treme sempre
quando pensa que, em lugar de caber-lhe uma
sepultura frequentemenle orralhada pelas lagri-
mas de seus prenles e amigos, cultirada e flori-
da, rae talrez ser elle devorado pelo peixes, co-
mo se o devesse preoecupar muito isso.
Nao haramos at enlo pensado na possibilida-
de de fazer-monot dali mesmo vita para o ou-
tro mundo : a sorprendente partida de um nosso
companheiro para to tonga viagem nos fez cahir
na realidade ; nos conrenceu peremptoriamente
com a lgica ioexorarel do fado.
D'ahi quaolas preoecupajdes sioislras I Como
a reajo se manifeslou viva e intoleravel I O que
at ha pouco iulgavaraosimpossivel, aflastado in-
leiramente denos, pareca agora eminente e ioo-
vitavel. Quanto oos tardara chegar ao Rio de
"Janeiro! Ah I o negocio nao era agradavel ; j
oo vollavamos todos; slguem mais poderia ter o
mesmo deslino, e todos tremiam por si.
Este acontecimento que, por mais natural que
seja e frequenle, sempre se nos afflgura extraor-
dinario, foi descriplo em poucas elacnicas li-
abas no quaderno dos quartos, onde ae escrevem
toda as novidades do dia, e que 6 ama exacta
chronologia de bordo.
Logo que o infeliz chegou aos seus ultimas ins-
tantes, o capello assistio-o cora todo os soccor-
ros espiriluaes ; e deade que elle rendeu a alma
ao Creador, at que fui entregue ao. ocano, este-
re velando junto seus restos morlaes um dos
carnerada de proa.
Na miahaa seguale, o fiel do pari cumpriu
o seu rude dover de amortalhar o cadver, e de
amarrar-lhe forlemenle aos ps duas baila de
30 ,uo o deriam lerar ao fundo. A' uma hora e
roeia, formada" loda a guarnijio na tolda, aqbtu
para ella o corpo, acompanaad,? pel9 sajefrjoie,
que recitara as orajoes do mqnento, e debaixo
do mais religioso silencio, estando todos desco-
bertos,. collocou-se o quartel sobre o qual elle
jazia inerte e desfigurado em cima do prtalo, e
apenas o navio inclinou-se para barlarento,
urna voz breve deixou-se res-valar e cahir n'agua.
O mar abriu-se para receber esle infeliz, bor-
bulhou e uniu-se do noro, nio deixando um s
signal que Indicasse esta sepultara, na sua agi-
tada superficie. Eram decorridos apenas cinco
das, quando uma ora desgraca nos veio accom-
metter, e prorar-nos msis claramente quo pre-
caria a nossa existencia, principalmente na res-
ta extenso do ocano, onde a conservamos sem-
pre mal segura um tenue fio, que o mais leve
esforjo parte I
O tempo como que se resentir da perda que
soffreramos, e se moslrou de enlo em diante
carregado e sombro ; o rento augmeotou de in-
tensidade, e as ragas alterosas cansavam horri-
velmente a nossa forte currla.
Lularamos com a tempeslade ao amanhecer
do dia 22, quando s 6 horas um grilo sinistro,
medooho, terrirel nos gelou de espanto, e dis-
pertou at aos' que descansaran) do quarto da
meia noite s 4 horts. nT/i homem ao mar !
Nao possirel dizer-se o que se sent quando
se oure em um navio estas palavras I E' o
aviso de uma calastrophe funesta, da luta de um
nosso semelhante, de um nosso amigo dedicado
talvez, com o mais formidiverdos elementos.com
a morte mais inquieta e dolorosa que se pode co-
conhecer Quando estas vozes rtbrarara aos nos-
sos ouvidos.o guarda marinha Ribeiro Guimares
punha a barca e aentiu qoelhe puchavam riolen-
amenle a linha que se parliu, nio podeodo reis-
tir ao choque. Era o infeliz que se tinha agarrado
com desespero esta fugitiva esperance da *U
?HCflOa
Maislrapidamente do ene se pode imaginar, o
inmediato, que esUra de quarto, atrareuou o
navio, e determioou que oa gageiro rigiauem
das garias o deagr.jado para nao perde-lo do
vista. Boias de 8alrjo, poeira, ludo quan-
to poderia ofTerecer-lhe um apoio ift lanjado ao
mar tmmediaumm. Ao mesmo lempo que
aquello dwuocto offlclat cuidara disto, lerido e-
mente pelo imputso de leu crtelo gneros
qne nao Ihe deixara peroeber o perigo, gritou
que ae hariam 12 homen qua o qaizestem a-
comtanhar para alm o companBe\re, "que h-
hiuem afronte, *
Por honra uan deremc-i consignar o faelo dq
reservadas para.
ao juramento de
digno herdeiro de
em pouco do olfl-
Seguier "reapparecer
sua aureola antiga.
Aquelle que o tem contina resolutamente sea
carreira: alternativamente substituto, coroais-
sario do governo junto do tribuoal de primeira
instancia de Parts, commissario da redaeco do
novo cdigo do processo civil, elle destinado a
unir o presente ao passado, a magistratura nova
magistratura amiga. E' enlo que Napoleo
Unja sobre elle os olhos, escolhe-o enlre todos
para presidir sua corle imperial de Paris, e desde
logo ojoren primeiro presidente conquista as boas
grata do juren imperador por sua presenja de
espirito, pelo proposita de uma resposta feUz.
(Coji(atar-e-flaJ
que mais de cincoeat. re apresentaram sem he-
sit.jo, par. arrestar a morte cerU qua encon-
Ir.nam no mar, se ousastem couiar^e elle,
n aquella occasiao, em um escaler.
Nao obstante alo, ettes horneo heroico tea
realuar esle tofruclirtro sacrificio, quando o ri,
gias deram parte qne o doagracado, depois de
debaler-M no meio da ondas. q*ue quaes'aoa!
lanhas se ergoiam, harta desapparecido nara
sempre 1 Oh l nao podemos relsUr.io.iJl*
dolorosa que experimentamos entio! Toda
nossa alma sofTreu um violento .balo, e anda
boje guardamos uma impresso pro(unda deate
triste succeso. Perdida a esperanja de salvar o
desgrasado, mandou o coramsndante formar in-
da aguarnijo, e se verificeu faltar nella pela
chamada o gromete do corpo de imperiae ma"
rinheiros Manoel Lopes Galvo, qne fra dpea.
tado dos quartos para serrir aos ofllefaes mari-
nhoiros, mis que lembrou-u de subir eriH do
triquete, tea ter que fizer nella trabalho afium
donde cahiu ao mar. Era a morte que SSL
va devia cumpnr o seu destino I Quando o im-
por eplteeeu at eegMile lafieT '
un9m* w"**!" diario,teopo nu-
blado alguaa reaes bastante 08*^0^01110
mu fQrle.e da ra adw rieleuta. aTue greude
Mgaluao. A18 hora, oahiu-nos 10 m firu-
mettimperial Manoel Lope Galrao. que^o
no fot poaivel airar por cauta do muito tea-
ao'm.r ********* ,0 *?<' 1"* ciu
.....* ; %w, .
.rUti?v* *h' ^ *> dWa^reiro
ansiamos Cabo Fro ao amanhecer, e Urde
fundtarame na iMBaiacaJahUido Rio de ianei-
ro, trute, ahalio, inquietos, e preoecupados
coa esta morte lio cruel, cujo aenlimepto obre^
puj.ra ao pr.ze que deriaao. ter pato regregso
4 patria, e atrwio ga faalHal
E.A.
FlRN.-f TfT. M M. F. DI FAMA j-1861.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQYGWWNOX_0YB6PD INGEST_TIME 2013-04-30T20:24:57Z PACKAGE AA00011611_09242
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES