Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09239


This item is only available as the following downloads:


Full Text
\
AIIO IIITII IDIEIO 37
M
Por tres mezes adiantados 5$000
Par tres mezes vencidos 6}000
Til I
-
t99iM.2 nat na 5>*f!a rsj
QDIlTi rail 14II FETEBEHO I ISIf
Par ana adrarte* 19$906
Pirte fraica pan a sibscriaiar.
Mili
ENCARRBGADOS DA. 9UBSCRIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alezaodrino de Lima ;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Slra ; Aroca-
ty, o Sr. A, de Lemos Braga; Cear o Sr. J. Jos
de Oliveira; Maranhao, o Sr. Manoel Jos Mar-
tios Ribeiro Guimares; Para, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
PARTIDAS DOS CUiUlBlU.
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do da.
Igtiarass, Goianna e Parahiba as segundas e
sextas-feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Ciruar, Altinho e
Garanhuns as lergas-feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Ingazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Px as quarlas feiras.
Cabo, Serlnhaem, Rio f ormoso, Uoa.Barreiros,
Agua Preta, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correiospartem as 10 horas da man ha a]
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVEREIRO.
2 Quarto minguante as 7 horas e 40 minutos da
manhaa.
9 La nova as 5 horas e 45 minutos da Urde.
17 Ouarlo crescente as 10 horas da tarde.
25 La cheia as 2 horas e 23 minutos da man.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 8 horas e 30 minutos da manha.
Segundo as 8 horas e 54 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA.
11 Segunda.
12 Terca. S.
13 Quarla de
14 Quinta. S.
15 Sexta. Ss.
16 Sabbado.
17 Demingo.
Ss. Lzaro, Dativo e Clocero
Eulalia r. m.; S. Modest
Cioza. S.Gregorio II. p.;
Valeotim m: ; S. Auxen o
. Fauslioo e Jovila mm.
S. Porphyrio m.; S. Honesto
S. Silrino m.; S. Secundiano
PARTE OFFICIAL.
Governo da provincia.
Expediente do da 11 de fevereiro de 1861.
Officio ao coronel commandante das armas.
Transmiti por copia a V. S. para seu conheci-
mento e davida execugo o aviso da repartirlo
da guerra de 18 de jaoeiro ultimo, maodaodo
exonerar do servigo do hospital militar o actual
fiel de roupas daquelle estabelecimeoto. cujo
lugar foi supprimido.Communicou-se a thesou-
raria de fazenda.
Dito ao mesmo.Pela leitura do officio cons-
tante da copia junta ficar V. S. inleirado de
haver o lente lleorique Eluardo da Costa Ga-
ma chegado povoago de Aguas Bellas no dic
28 de Janeiro ultimo, cora a furca sob seu
commando.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Cora as inclusas copias das informac&es minis-
tradas pelos comraandaotes de armas, da divisao
naval o da capitana do porto, remello a V. S.
o officio do chefe de polica datado do 1 de de-
zerabro ultimo, afim de que informe acerca do
pagamento que solicita o delegado do termo do
Cabo, capilao Jos Pereira Teixeira.
Dito ao mesmo.Estando nos termos legaesos
inclusos documentos mande V. S: pagar a Tho-
maz Ferreira de Cuvalho os vencimentos no s
dos guardas nacionaes destacados na villa de
Barreiros, a contar do Io de novembro do aqgo
prximo passado ateo ultimo de Janeiro prximo
findo, mas tambera do alferes Mmoel da Rocha
Wanderley, commandante daquelle destacamen-
to, relativamente ao citado mez de novembro,
visto assim mn haver requisitado o comman Jauta
superior do Rio Formoso em officio de 7 do cor-
rente. Coramunicou-se ao commandante supe-
rior da mesma guarda nacional.
Dito ao mesmo.Restituindo a V. S. a conla
que acorapanhou a sua informago de 9 do cor-
lente, sob n. 105, o autoriso a mandar pagar a
quanlia de 1260180, era que importam diversos
objectos que venderam Guimares & Oliveira pa-
ra o expediente da repartido das trras publicas
xiesta provincia, visto nao haver inconveniente
nesse pagamento, segundo consla da citada in-
urmac.ao.Communicou-se ao delegado da re-
parlico das ierras publicas.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar os venci-
mentos que percebe, por conla dos ministerios
do imperio e marinha.o engenheiro William Mar-
tineau, relativamente ao trimestre Ando em 9 do
crrente mez. (
Dito ao mesmo.Subsistindo a urgente neces-
sidade do fjzer continuar as obras do raelhora-
mento do porto desla capital com operarios na
maior parte estrangoiros contralados cora a fa-
zenda, que perceberiam seus salarios, anda sm-
pensos os trabalhos, em que se occupavara, cora
grave detrimenlo dos cofres pblicos, alm do
prejuizo consideravel a *** uit>sl r-i*
perJa do servigo ji eilo, deve V. S. nao obs-
tante as razoes ponderadas pelo procurador fiscal
dessa reparlicuo na parecer que por copia me foi
enviado cora o seu officio de 9 desto mez, a que
respondo, e cora que est V S. de accordo, cum-
prir a minha ordera de 8 do correte, mandando
pagar sob respoosabilidade da pserideocia as
ferias desses operarios, c que pelos mesraos fun-
damentos determino, que se torne extensiva ao
pagamento do material necessario para continua- '
gao das mesmas obras, sem o que intuitivo
quo esta nao se poderia realisar : certo de que
nesta dala levo o occorrido ao conhecimenlo do
governo imperial, reiterando o pedido de crdito
para aquella despeza.Communicou-se ao ins-
pector do arsenal de marinha.
Dito ao inspector da ihesouraria provincial.
Nao podendo essa thesouraria, segundo consta
do officio que V. S. me dirigi em 8 do corrente,-
sob o. 52, pagar i caixa filial do banco do Bra-
sil nesla capital a lelra a vencer-se hoje na im- '
portancia de f47:433}550, proveniente do em-
prestimo eBecluado em coosequencia de meu of-
ficio de 9 de outubro do atino prximo passado,
o autorizo a contrahir com a mesma caixa, e para
pagamento daquella letra um novo empreslimo
de igual quantia por lempo de dous mezes, e
com o juro que se convencionar, ficanflo V. S.
outrostm aulorssdo a assignar a letra que se
houver de saccar por esse empreslimo.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.
Haja V. S de informar acerca da solidez, per-
fecio, o quaesquer oulras circumsianciw, com
que estejam feitas pelo baro do Livramento, os
quarenta e seis palmos de caes em terreno do
Forte do Mallos, a quo se referen, os papis in-
clusos, que me devolver.
Dito ao commandante do corpo de polica.__
Respondo ao officio que V. S. me dirigi, sob n.
63 e data de 6 do correle, declarando que nao
pode ser alistado no exercito o soldado do corpo
sob seu commando. Jlo do O' Cavalcanti por
terside considerado incapaz disso em inspecgo
de saude, como declarou o coronel commandante
das armas em officio de 9 desle mez, curoprindo
que V. S. o corrija no mesmo corpo polo mo
comportameoto que lera apresentado.
Dito ao mesmo.Tendo por portara desta
dala noroeado o capito do corpo sob seu com-
mando Jos Francisco Carneiro Monteiro para o
cargo de subdelegado do Io districto da fregue-
zia dos Afogados, assim o comraunico a V. S.,
afim de que faga seguir o nomesdo para aquella
freguezia com seis pregas do mesmo ooipo, que
devem ficar all destacadas.
Diio ao juiz de direito da comarca do Brejo.
Em additamento ao meu officio de 7 do corrente,
lenho a dizer quemando Vmc. arrematar o cai-
xiko que existo em seu poler, contendo medica-
mentos e bem assim recolher o seo producto 4
thesouraria de fazenda, visto constar de offioo
do respectivo inspector, datado de 8 do corrente,
sob n. 104, que nao existe collectoria geral ness
comarca.Communicou-se o thesouraria de fa-
zenda.
Dito ao director geral da instruegao publica.
Mande Vmc. admittir no collegio das orphas,
sendo possivel, as menores Mara Lios, de idad
de 7 annos, e Olindna Linsde 8, ulnas de Joa-
quina Francisca dos Aojos.
Dito ao Sr. juiz de paz mais votado do Io dis-
tricto do actual quairenoio da freguezia da Esca-
da.Nao se bavendo installado no da designado
por le a junta de qualificago dessa freguezia
felos motivos constantes de seu officio de 21 de
aneiro ultimo, e competindo actualmente a Vmc.
a presidencia dos trabalhos da mesma junta, avi-
so n. 50 de 26 de fevereiro de 1819. para os quaes
devem concorrer os eleitores e supplentes da le-
gislatura a lindar em maio do crreme anno por
forja do art. 1- do decreto n. 1812 de 23 deagos-
to de 1856. aviso n. 62 de 17 de fevereiro de 1857
idSt 2 d0 decret0 D- l821 de a de oslo de
1860, cumpre que Vmc. fazendo a convocagode
que trata o art. 4 da lei de 19 de agosto de 1846,
rena a respectiva junta no dia 24 de marco vin-
douro, que parauso designo, eiostalladaella.pro-
aiga nos de mais termos do processo de qualifica-
$io, ludo na forma da lei. Comomaeoo-se
cmara respectiva.
PorUria.-O presidente di provincia atienden-
flo ao que lhe requereu Joaquim Airea Pereira
da Fonseca resolve concoder-lhe dispensa das
condices 1." e2. do art. 19 do regulamento in-
terno do Curso Commercial Peroambucano, am
de poder matricular-se no mesmo curso em o
anno corrente, ficando porm obrlgalo satisfa-
zer as referidas condices, do conformidade com
o ait. 36 do citado regulamento.
Rita ciyicedendo igual dispensa Jorencio
Temporal:
Dita concedendo dispensa da 2.* dos ditas con-
dices a Lail Bernsrdo Castello-Branco Rocha.
Dita.O presidente da provincia resolve con-
ceder a exonerado que'solicitou o capito Ma-
noel Sabino de Mello dos cargos de subdelegado
de polica do 1. districto da freguezia de Flores,
e 1. supplenle do delegado do termo do mesmo
nome.Communicou-se ao commandante das
armas, e ao Dr. chefe de polica.
Dita.O presidente da provincia, rosolvo con-
ceder a demisso que pedio Manoel Gamillo Pi-
res Falcao. do lugar de thesouroiro das lo-
teras. Fizeram-se as commuoices necessa-
rias.
Dita.O presidente da provincia resolve, de
conformidade como art. 2do regulamento pro-
vincial de 27 de abril de 1851, noraear a Antonio
Jos Rodrigues de Suuza para o lugar de Ihesou-
reiro das loteras da provincia.Communicou-
se ao nomeado, e thesouraria provincial.
Diti.O presidente da provincia resolve no-
mear o promotor publico da comarca de Santo
I Antao bacharel Jos Mara Ribeiro Paragoass
para o mesmo lugar na comarca do Pao d'Alho,
i e o desta bacharel Manoel Innocencio Pires de
| Figueirdo Camargo para aquella comarca, por
assim convr ao servigo publico.Commnnicou-
so ao presidento da relago, thesouraria de fi-
izenda, e aos juizes de dreilo das referidas co-
marcas.
Dita.O presidente da provincia, resolve exo-
nerar do cargo do subdelegado do 1," districto
! da freguezia dos Afogados a Antonio Goncalves
de Moraes, bem como noraear para o referido
cargo de conformidade com a proposta do Dr,
! chefe de polica, o capilao do corpo de polica
Jo3 Francisco Carneiro Monleiro.Fizeram-se
as communica(ues do estyllo.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao coronel Alexandre Manoel Albino de
Carvalho, director do arsenal de guerra na corte.
O Exm. Sr presidente da pfovincia manda de-
clarar V. S., em resposta ao seu officio n. 281,
datado de 6 de novembro ultimo, que no exame
que se procedeu nos barris de plvora e cu-
nhetes de cartuxame viudos no brigue nacional
Almirante com destino s provincias do Cear e
Maranhao, acliou-se de mais um barril de pl-
vora, o que V. S. melhor ver do officio por co-
pia junto. r
Dito ao promotor publico da comarca da Boa-
isla. S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda declarar V. S. que recebeu o sou officio
do 5 de Janeiro ultimo, e ficou inleirado de se
ler concluido, sem alterado da ordera publica a
eleigao de eleitores da freguezia de Cabrob.
Dito ao capilao delegado de polica de termo de
Cabrob.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
contelo do seu officio de 5 de Janeiro ultimo.
Dito ao cidado Jos Soares de Mello Avellios,
presidente da mesa parochtal da freguezia de Ca-
brob.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
minda declarar V. S. que recebeu com o seu
officio de 5 de Janeiro ultimo a copia da acta da
eleiqao de eleitores que se procedeu nessa pa-
roclua.
DESPACHOS DO NA 11 DB FSVEREaO DE 1861.
Requerimentot.
3770,Jos Hygino de Miranda Voltede no-
vo ao Sr. inspector da thesouraria de fazenda
com o documento junto pelo supplicante.
3771.Maximino da Silva Gusmo.Passe-se
portara dispensando o supplicante da t. e 2.a
condices do art. 19 do regulamento de 14 de de-
zembro do anno passado cora a obrigacao de que
trata o art 36 do mesmo regulamento.
3772.Jos Joaquim de Miranda. Passe-se
portara dispensando o supplicante da 1 e 2.a
condices do art. 19 do regulamento de 14 de
dezembro do anno passado com a obrigac..0 de
que .trata o art. 36 do mesmo regulamenlo.
3773.Manoel Camillo Pires Falcao.D-se-
Ihe a demisso.
3774.William Marlioeau.Fcam expedidas
as convenientes ordens no sentido que pede o
supplicante.
EXTERIOR.
Proclamar o de-Vctor E mina nuel
os povos da Sicilia.
Com a alma profundamente commovida, piso
o slo desta Ilustre ilha, que em outro lempo, e
como um presagio dos actuaes deslaos da Italia,
teve por monarcha um dos meus antepassados;
que nos nossos dias elegeu para seu re a meu
chorado irmo, e que hoje me chama, eom o seu
unnime suffragio para ampliar-lhe os beneficios
da liberdade e da unidade italiana.
Em pouco tempo tem-se levado ao cabo gran-
des cousas; mas preciso realisar anda muitas
mais. Contando, porm, com o auxilio de Deus
e com as virtudes do povo italiano, promelto
chegar ao cumprimento desla magnnima em-
preza.
O governo que vos trago ser nm governo de
reoar.oao ocoucordia, que respeilar sincera-
mente os direitos da religio, e mantera em todo
seu vigor as antigs prerogativas, a gloria da
greja siciliana e o apoio da ordem civil; lngara
os fundamentos de urna administrado que possa
reslabelecer os principios de moralidade iodis-
pensaveis a qualquer sociedade bem ordenada =
e que desenvolveudu progresaivamenTe ospTrrrci-
pin rln oronomi nrial, lomar fructfera a ferti-
lidade do seu slo, far reoascer a actividade do
commercio eda marinha, pondo afina! os habi-
tantes na completa posse dos doos que a provi-
dencia derramou com mo prodiga nesta privile-
giada trra.
Sicilianos I A vossa historia a historia dos
grandes feltos e das empresas generosas. Che-
gou para vos, assim como para todos os italia-
nos, o tempo de provar Europa que se sabe-
mos conquistar com o nosso valor, a indepen-
dencia e a liberdade, sabemos tambera conserva-
la por meio da nossa concordia e das nossas vir-
tudes civicas.
Falermo 1* de dezambro de 1860.
Yiclor Emmanuel.
Nota do governo napolitano aos
seas embaucadores nos pases es-
tranpelros.
Exm. Sr.Ainda que a revoluco das Duas
Sicuias tenha conseguido j quasi realisar com
rapidez maravlhosa e completa ruina desta mo-
Barchia, aconteetmento flue se preparou com to
niquos quao mysteriosos artificios, a magestade
de el-rei nosso augusto senhor nao tem deixado
de resistir, e nesta obaa oso menos gloriosa que
infeliz, sua magastade tem empregado exforcos
heroicos de constancia e energa que sempre
permaneceram como um monumento immorre-
dooro da sua gloria.
Sua magestade el-rei foi excitado para obrar
assim por dous deveres que estavam fortemente
arraigados os sua real olma, cujas nobres inaol-
racoes, agora mais do que nunca se fundara na
lei da moral, que regr suprema a que de-
vem ligar-se os actos dos homens. e sobretudo
dos principes.
Estes deveres sao: primeiro, a obrigacao de
conservar e defender a monarchia das Duas Si-
cihas, como augusta heranca que Ihj conflaram
os seus antepassados; segundo, ofrespeito ao laco
fraternal que doveria unir entre si as monarhias
conforme a misso divina commum, o na con-
formidade dos seus interesses.
Nao necessario discorrer muito acerca da pri-
raeira obrigacao a que sua magestade estava li-
gado, notn a respeilo da moneira por que se cons-
tituio nella.
Todo o governo que conla secnlos de existen-
cia encontr as duas tradieges de ser as tradic-
Qes histricas, e as condices dos povos, con-
sidera como primeira obrigacao susteotar-s, de-
fender-se e combater qualquer que ameace a sua
existencia.
Todos conhecemos como o exercito tem sido
minado e desordeoado pelos manejos preociosos
da revoluto: a deserto e perda da marinha. a
frac-sao e a indisciplina que havia penetrado at
corte e ao proprio conselho, tudo indicara es-
pantosamente urna catastrophe inminente, e urna
completa dessoluco do reino.
El-rei nosso sehor, porm, resislindo cora he-
roico valor aosvis^conselhosdosquelhepropun-
hamuma fuga vergonhoss. encerrava-se nos pri-
maros baluartes do reino, e, exercitando all
toda a sua actividade e esludo, conseguio reunir e
organisar exercito, pouco numeroso, verdade
mastao fiel e valenle. quepoda tentar de novo a
sorle da guerra.
Os gloriosos feilos desle punhado de vlenles
conhecidos sao da Europa; e a propria imprensa
revolucionaria oconheceu e nao teve valor para
desmentir. Y
O inimigo foi repollido nos alsques e langado
tora das suas posises; os principes reaes expu-
zeram a sua preciosa vida nos mesmos campos
oe batalha em que se celebraram as victorias dos
seus antepassados; o mosmo rei foi o primeiro
que se distingui entre os combatentes, e vio
correr a seu lado os martyros que se immolavam
pela sua sagrada causa.
A revolugo ficou ferida e confundida ; o povo
nel, que solTna impaciente o seu jugo lyrannico,
comesava a agitar-se, e tudo presagiava a volta
numphante do re legitimo ao seio da sua capi-
tal, quando oulro soberano perjuro e desleal en-
trou repentinamente, atesta de um exercito po-
deroso nos estados de el-rel, para fazer com-
prehendera toda a Europa, que esta revoluco
era obra sua, e que nao quera perder o vergo-
nhoso fructo da mesma revoluso.
Forsoso foi eoto renunciar ae primeiro pen-
samento de guerra. Limitando-se defensiva,
nao era possivel com um pequeo exercito, j
fatigado pelas privages e perigos soffridos, mar-
char atraz do um inimigo forte a disciplinado
que vioha ataca-lo.
pode contar urna victoria decisiva, e urna parte
das tropas reaes vio-se forgada a passar as fron-
teiras pontificias, e outra a encerrar-se as mura-
Ihas de Gata.
No momento em que vemos isto, nao resta ao
re mais do que esta praga forte o a do Messina,
ltimos baluartes da autonoma deste reino das
Duas Sicilias, to poderoso e bello em outro
tempo.
Ambos serlo deffendidos com constancia e
valor proprios da augusta dynastia dos Bour-
bons ; mas como a resistencia da praga depende
necessariameote de mil diversas circumslancias
que nao carece enumerar, muito provavel que
esta delTesa nao possa prolongar-se tanto como
parece que desejam os soberanos da Europa.
E quando chegar a hora fatal e irremiavel de
se render, o nosso auguslo soberano descera
do seu tnrono no meio das lagrimas dos seus
subditos fiis, e com resignaso cheia de dig-
nidade que distinguo a sua augusta familha, e
recordar com justa a oobre altivez que nao dei-
xou de cumprir nenhum de seus deveres.
Resta-me porm examinar se S. M., pagan-
do generosamente a divida quo o prenda aos
demais soberanos, recebeu em troca os soccor-
ros e os boas offieios que tinha direito a espe-
rar; j comprehendereis que esta tarefa ser lo
fcil e concludente como a primeira.
Nos sele mezes que conta no reino o reina-
do da revolugo, favorecido sempre franca-
mente por um governo perjuro e perverso, nao
poudo el-rei, meu amo, obter dos soberanos das
Europa, a quera esperava que a sua causa po-
desse interessar, seno expresses ineflcazes do
affectuosa sympalhia.
Os grandes perigos de um pequeo exercito,
a oppressora penuria do thesouro real, as viola-
goes inslitas do direito das gentes, a ambigo
illimitada de urna revolugo que ia sempre avan-
te, ludo finalmente, fei exposto considerago
das grandes potencias da Europa, e todas ellas
nao poderam ou nao quizeram responder seno
com bons desejos e conselhos.
Nem os interesses das dymnaslias, nem os
pengos coramuns, nem as autigas amisades e
amaneas poderam separar os governos europeus
d esse indfferenlismo pulitico, de que do urna
bem clara provs, assistindo tmpassiveis queda
de urna monarchia secular.
S o imperador dos francezos (um' dever de
jusliga a de gralido nos obriga a declara-lo
bem alto) deu generoso exemplo de querer sa-
hir desle estado de universal apathia. A mo-
narchica e leal Inglaterra atreveu-se a repro-
va-Io amargamente por este exemplo, emquan-
lo que os ouiros gabinetes se limitavam a dei-
xars aquello imperador uvealurar-se na mig-
"*~"~* rTpi*"* *"" ompiuiiondia.
~ ^^-esquajfa racer*-para as aguas
i. J^e ffralernal a<-'colhimento feto pe-
los soldados francezes no territorio pontiucio
aos reslos Oeis e valorosos das tropas reaes. sao
aconlecimenlos coja memoria ficar para sera-
pro gravada no rei nosso soberano, a excedem
em muito o resultado qua team tido os protes-
tos de amisade ofierecidos por S. M. ao resto da
c.uropa.
O rei nosso soberano esperava em ultimo caso
que a reuniao da Varsovia provocara a de um
congresso europeu, nico meio que teria ha-
vido para por termo s violencias brutaes da tor-
ga que transtorna a escarnece todas as leis mais
sagradas a antigs.
? i0 .5rin*ado da soberana popular, de
que se asta abasando to extranhamente, de-
IVh'aIV?6 PP,0810 para contrabalancar o an-
r.1uli 5u6,,eo PrePad Pela prudencia e
dlscusso d aquellos principios oppostos, a o
exame imparcial de todos os protestos, produ-
zissem urna nova ordem, conforme os princi-
pios e acceitavel para os povos, que assim te-
riam recobrado a prudoncia a n paz.
-' h"e* nane" P" Europa. Todo
?WJ?1!*!!-"? !IBltaMe a*e"C o obstaca-
mhS a ?* IQlereMM praseotes sbriria ca-
?.^A..?T0la?a. ,ae 8,) P|0P5e ,r Jarruban-
ae de Brincin?e8l,gad0 d'('uella "nde unida-
rrAP aC'P, que >nUtiie a salvaguarda das
coras, e a garanta da pa: e prosperidade
8 ,\l0rl- Aa?iW0o te principio", v!
5ACAAf.OBpreh*nd6ra 'mHmwW o grave pesar
donoo augusto soberano qaando souberque
bb.
r> m.
.Benigno,
ab.
sac.
m.
TrfK i a ------'"Bunats DA CAP
Tribunal do commercio : segundase quintas
Reagao: t quinta, a sabbado,?.,o horM
Fazenda : torgas, quintas e sabbado. ,s i0 Z"'
DH^0 CHmnierC0 : qUarl" ao ^ >
Dito de orphaos riergase sexta, a, 10 horas
Prime,, vara do cival: '" sexta. i0"meio
STo?.dad.T,ta'rdde-CreI: 1"'ebb.do.a,
ENCARBEGADOS DA SUBSCRIPCA DO SL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Das ; Babia
Sr. Jos Marlins Alvos ; Rio da Janeiro, o Srl
Joo Pereira Martina.
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do duiio Manoel Figaeiroa da
Pana, na sus linaria praga da Independencia
6 a 8.
esto excedente projecto se ha de frustrar por
causa de potoocias que nulrom os seus ren-
cores particulares, prepondo-se qiiestos de
importancia secundaria aos grandes princi-
pios de ordem universal e do seguranca dos
thronos.
Poitanto, em nome do re, vos enoarrego de
communicar a idea que deixo exposta ao gover-
no junto do qual estaes acreditado; < se a idea
nao fr acceita tal como nos a entendimos, en-
carrego-vos de perguntar formalmente ao mi-
nistro eos negocios estrangeiros quaes sao as
instituiges do seo governo, a respoito da ultima
e immioerte crise da monarchia.
Era virtide d'esta soberana vontade, lereis
e daris copia d'este despacho aquel e minis-
tro, e me com mullicareis o resultado i Testa per-
gunla, am de servir de regra m ineira por
que el-rei ter de proceder.
(Assignado) Case la.
Mensagem dos italianos ao imperidor dos
francezes.
Senhor : J est regenerada a [(alia. A
sua nacionalidade fica cstabelecida d aqu por
diante. Ifcntem eramos quatro milhois e-meio
de homens subditos sardos, e hoje so mes j 22
milhes de italianos, todos unidos c< mo um a
sem que o mais leve symploma do anarchia
tenha oftoscado o brilho das nossas t -es cores
S nos falu fazer o resto, mas havem >s de fa
ze-lo.
Carecemos perm, senhor, para a cangar c
nosso um da vossa cooperajo, de ima coo-
peragao ficil e pacifica, quo nao exig Fran-
fa nenhun sacrificio, e que ao meso o tempo
-------------- j w "juv uu **aC9tl
que resulr em sua gloria, ser deci
a [lili*
obtive soVe ISSSSUS llrTTnrT *'">
que visitei, das medida, nr.fl Pr0,nc'
e dos ramos de a7o? is'r.cl i "^.que 8,d0plei'
as e immediain. rlri 5 i e demandam se-
os impoTto T or^S odo de cobrar
estado das estrada, d\ dVol,n" rral. e o
sur.t?r v""",'6 *S5tss z
sssnr fi*j r saarss
ae rosM magestade irapral o, trabalhea *d.
anvasasrs -~s
" '*" TZ'v:: :"2-ss*&2Si
,-------------------------- -.....yvuo iilUIKi 3. VU lU-
dO noutraparte poderia suscitar-se unaamea-
ga por causa de municipalismo, emude e e cede
Italia.
Senhor. vos mesmo teaJes desejaldo
futuro. Nao queris, nao podis susteiter esta
denegagaoassigoada em nomo da Fraicae de
Roma. *
Senhor, esta denegasao deslroe a noss i obra e
oo.vs;,a,J,.}eren>os sempre a guerra, impede-
que pamo fu.t8"JJy.igos que temo i, e aos
direito elimo, o paiz italiano nao pertaee""sa*
nao Italia. Affastai-os, senhor. Aqi ella na-
go arroja i scentelha do odio entre duai nages
a Italia.
Senhor relirae de Roma as vossafe tropas,
razei quea questo italiana sia de uia estado
arbitrario e inconstante para collocar-s) na base
dodireitc .racional ; fazei que a invi ilabilida-
de dessedireito e do territorio italiano, fuja do actvaient" dVar.II; 11": senno^ 8ria e
dominio da torga para se collocar sob a garan- cads um desse, amb^A. S". qUB r.eai0Tam
ta de u principio; sej. esse princlnio'raco- dentro m pTu" subme udos f,.h.?.,0"'er?0
exemo1 P8' d FfaD5a de TOSSa agertade. Pprovagao
Senhor, necessitamos de Roma, fuella lad?inVi\|PIJi,,1nCa conflo!,.r0Ma -
s^svxs^i^v^^S;i^Ssv
mera distucto, e de genio vosso to mn\,m li i J as- devera serv,r de es"-
A_ nO. COm S< auno, a rnnD. .____________ ...
O dictador de aples antes da sua retirada
para Caprcra, publico os seguiotes decretos:
Italia e Vlefcy:.r(n01iin-:
i Cu.fri.rc.and'o qo no dia nefasto de 15 de
Aqi ella na- maio de 1818, o governo dos Bourboos rompeu o
m,Y'BZ'Zn\iZZ'J,T'"' uu UJ,U c"iro ''"i81 a?3 pact0 urdo. enchendo a cidade de terror e de
tWTsZEE^2LTS&i *"*< sangue, sabstituindo o arbitrio ea violencia
i>eu9, e une uevem caminhar iiiiidn, nn n nm ain,i j. i: .
Deus, e que devem caminhar unidos pe o cami
oho do devir e do bem.
Senhor, acobai com esses odios .
mo i a nossa obra, A religio, a Italia,
fama ganharo com isso.
A religio taroce quando nao est su tentada
com razoes decididas, mas por bayonetas
geiras. A Ittlia nao quer vr-se conde u
arrastar-se de contenda em contenda, < tu'lagar
de realisar pacificamente a sua unificar, io, e a
Europa ha-da persuadir-se de que nao para
conquistar, mas para emancipar que a Franca
se aprsenla mais urna vez no solo italiano.
F'Jl nnmo rfn itircii.% nM .___j_ r._i*
:umpri-
a vossa
E nome do direito, em nome da .
em nome da Fraoga, retirai, senhor, s
tropas de Rom. Esto o desejo doi_.
asignados ; este o grito, a esta a es .eranga,
at agora frustrada da Italia.
Novembro, 26.
Relatorio dirigido ao Imperad lor da
Turqua pelo grao visir den sis da
sua visita reita a algara, pro-
vincias.
iS?rfl?n*:"" Vx0aa "NPaitS, na sua cinstante
2 PeI b!ra e Prosperidade de todas as
i ,'eUSM-MilM- dignou-se co,ifiar-me
2P ."i9 m'8sao -de Proceder a um ijquerilo
rhruis fVSe,",,.fa,ta em "orne da p. pulaco
SSSletUP'l insPeccionar o e .tado'da
estados europes8 "gU,na, pro"n d -
a ianrn"*? l6em' natralmente. de perlado
no nXrJo- T0M.a magestade imperta Dou,
BBSSL^* respeitoso relaiorio, ao
resultado das miohas investigages sobro este ob-
saPUenst.ad7leLCOelrado oas orden. ua tos-
cfa^t LrannT dr"' oa n,inha Prlid. a apre-
verno! o S\ Z'ZrXZ* H P' 8"
naja desprezei tendente a alcanSar seJelhant
d'oQn".n.rtU.g"el. pror0 deNish, ponto
mefimmed i\St?-M *"*"* ^
comoslo d r? um lbunal extraoidinano,
ttSf Us-ados frCC,0.narios musulmanos o chris-
con8selho8proviQcunhfla ?Mi0 de men bros do
para esclarecer todo, n. rae,.roPol!lan,, 8re0'
zera urna relacio ,L" 'W108' da e ,e fl"
le, <*- m'nha :.f0n>municada ao aoverno, an-
a ho"nra de ,P,Kr,'da de Conalanlinopla. Tenho
"ial o irn meUer T0S8a laagealad irape
numerosos dj"l-:.eit0 pel olttribcnsl
lalia, e
vosias
abaixo
r1aUmrno0sSidrtOCUmen,oa > ahisa .ilude to-
ComoP vn i03 D0S archi'a da ab<>' Porta
submetlidn, I .magestade ''* Pelos doc imentos
So mod m.i".e'"ada con.Pider.cio affirmo
algum do spoosr .?' q2e na0 ach.e'Tes,,810
nisado pelo fa,i1?"tema de Perse8u,S { orga-
christos n. 8mo niuaulmano centra os
cuja relaco toa.SS,1",Dos' bolencias a roubos,
eflte* mi.. .leTada a0 conhecim nlo das
cem ante n" 6 alliada. W todoo deiapparc
da auesiiA a"1"" concieDCioso do tribuna!. Ca-
enosBL?,obJecl da umioquerito especial,
Knland ? nm UnC0 me0 ,,*ah
aue renr16nr""h"' Por W* "<> > iaJa ,ido
Nao 1?S 0u('ue P1" crime uu erro?
man. e m.'rFora nao conhecer a na,u B" ha"
exislenu !'Ml,r """opioio ridicula, negara
evitar n, f desordens. quo nio podera m ainda
alo foi J."!105 ms, "m organisados O que
inauflrii^. iTel cocluir, e o que resulta de meus
a?.hdU?J "fr tateiramonto falso que 1 .Chn,IM 'eo-ho* a queixir-s da me-
cnnHrt.H-gul?ao yslematca da parte de seus
S..*01 ,mu,ol". qe.bom Cmo em
2 A5 1"""ciedade humaa, esda parte della d
rMn0DVngente oa crlminos que desafim a se-
Irimnl da.lu''Sa, a qua o coulexlo di relago
K?..mf-men.c.lonada existe no espirito dos que
..J'" anUar-nos aos olhos das pote idas es-
m.kgeirM- Precisol demorar a minha a tada em
wtsn, para ler lempo de esclarecer a vallada so-
k ,qu.anto acabo de expor, e para tor nar idea
caoat do que os habitantes carecem paraaug-
t a e,,Bt Prosperidade.
Toado feito a Bol osposicio desta parta da mis
os
ponh. termo *SSSZ Z^%ST
tosca a reputagao do clero, opprimindo o mes-
mo lempo os subditos chriataosT
*JVnT?. .d6 T09/a n,a8Mad. contormao-
,T:8.6.-0.88 ord9D8. ". aenhor. seria e
r,r i nimi tussu Kuverno
que se contente com o que est feito. Longe de
mim um tal pensamento. Julgo. pelo contrario,
no, cora as quaes se consiga para vossos subditos
o grao do prosperidade eseguraoga que 6 o cons-
tante objecto de nossos desejos.
auloridade da lei;
Considerando que o governo produzido por
aquella catastrophe nacional, proseguio com in-
crivel perseveranga durante o decurso de doze an-
nos, e violou o santuario da justiga e da familia ;
de maneira quo os homens honrados e amigos do
seu paiz toram condemnados penas crimioaes,
as prisoes cheias de victimas, e uro grande nu-
mero de cidados constrangidos a abandonar o
estado, e a refugiar-se fra das trras hospitalei-
ras, italianas ou estraogeiras;
< Considerando que toram immensos os dai-
nos, a os males produzidos por urna lyrannia ter-
rivel;
"' Considerando que urna divida de justiga,
digna de um governo italiano a livre, compensar
tanto quanto seja possivel, os prejuizos .offridos
pela causa que hoje triumpha ;
Decreto.
Art. 1." Do valor das rendas confiscadas aos
Bourbons, a [angadas tambem em crdito do es-
tado pelas procedentes disposigoes, ser separada
a somma efiecliva de seis milhes de ducados,
que, segundo um calculo estimativo, serio dis-
tribuidos petas victimas polticas das provincias
contioentaes, desde 15 de maio de 1848.
Art. 2. Para esse fim o governo nomcar
urna com misso de cidados ntegros que faro a
distrbuigo da dita somma em favor:
Dos que soffreram com os roubos de 15 de
maio de 1848;
Dos que toram presos ou condemnados por
coisas polticas;
c Dos quo emigraram em coosequencia de um
mandado de priso, quer seja da auloridade ju-
diciaria, quer da auloridade poltica ;
< Dos que toram violentamente cxpulsos do
estado por coisas polticas;
Dos que toram obrigados por coisas polticas
a deraiciliar-se n'oulra municipalidade diHerente
d'aquelia em que lioham estabelacida a ana re-
sidencia ;
Finalmente, dos que toram constrangidos a
permanecer homisiados em consecuencia de um
mandado de pristo por causas polticas.
Art. 3. A mesma commisso, executando
esta medida, calcular na sua sabadoria i com-
pensago que deve atlribuir-ae a cada um pelos
prejuizos soffridos.
< Art. 4 O direito de iodamnisigo podo tam
bem exercer-so pelos ascendentes ou descenden-
tes 'aquellos quo estiverein comprehendidos as
C0lad$6O9 ocirtla ndka4*
Art. 5. Os pedidos dos ioteressados devem
aprosentar-se commisso no espago de quatro
mezes, desde o dia cm que tiverem sido publica-
dos no jornal officiol os oomes dos seus mem-
bros. O prazo de quatro mezes nao podea ser
prorogado.
a Art. 6." Todos os ministros ficam eucarre-
gados da execucao do presente decreto.
aplas, 23 de outubro de 1860.
O dictador.
G. Garibaldi.
A commisso central nacional estabelacida em
Veoeza, fez affixar a aeguinte proclamado :
aos nossos irmaos de V'eneza.
< Irmaos I Sio solemnes os actuaes momentos
para a Italia. Dens favorece-a. e os destinos da
nossa patria marcham para ama solago. Tem-se
dito que aples era a chave da Italia ; pois bem,
aplos cahio em poder do hroe Garibaldi.
< Irmaos 1 Vollai os vossos olhos para o mar
Adritico. Quando virdes treniular ao longe a
bandeira tricolor, essa bandeira abeocoada, Gari-
baldi estar prximo, o dentro em pouco se en-
contrar entre os filhos de Veneza. Ouvi nesta
caso as palavras da commisso. Ha. d'aqui at
l, haja tranqullidaJe a todo o cusi ; affa.lae
dos vossos coragdes lodo o odio pessoal e todo o
rancor, porque no altar da patria devem fazer-se
lodos os sacrificios. Reuni-vos em torno desse
altar, abracai-vos como irmaos, para que a na-
ao vos encontr unida a torta no dia do perigo.
loto esse grito unnime soar desde os Alpes
al ao Guarnero.
c Viva a Italia 1 Vira Vctor Emmanuel! Vira
Garibaldi 1
Veneza, 16 de outubro de 1860,
. v co",mo nacional central.
tssia proclaraaco, em lingua italiana foi f
rua'sdrve0"6^' Para *" 2q".Sd.s
rt? eneza' e Principalmente as mesmas
estos do imperador d'Austria ; os agentes d" po-
lica tiveram muito trabalho par, arrancar e ras-
lev1ufrr0oC,,nl,naSeS- Apa"' 0t I'aoV0eaia
levantar os olhos para as esquinas das ras a
sPombri.niaf daCdad9 ,0rn"e Se
?r P. o^ue enlao que apparecem asme-
?-. '.ref"*M. como se para abafar os inslinc-
loid aquellos povos, fosse bastante oppressio.
blSdSnn.UUv* -corresPondaoc de Roma, pu-
entr.^ ^one. as tropas napolitanas que
S2ST pon,ificio- di'W>
a1 !*W ho!eaa em Frosnone, 1,000 homens
ArH.Vre,n C,89rna: .51 tT Kbao
Paisa ueDfanS; *-'000 en,re Ffa8ceti-
i assa e Monte Porzo ; 1,500 entre Bracciano
Mangana e Orolo ; a,500 entre Ci.iU-VecchU'
rUaCaJ.0SCaDerlla 6, M,al, 3-0 ^ C'-
nano rl^n' Cast8lou.<"0. Rign.oo. C.rapag-
nano 6.000 b3 provmcia de Viterbo; 1,000 ho-
mens pouco mais ou meos Acarara em TerraeU
n depoi. do terem declarado que queri.m en-
trar no servigo de Viclor Emmanuel.
Acre4iu.se geralraente que esta fgida para
mirr'nfln.A.P,0nHl'Uc inha por m P' "onu
mero de soldados disposigo de Francisco U
depois da queda de Gaeta. para que so podase'
emprehender urna guerra civil no reino do Na-
5 P q."9 .Prece de?e l6r 8id0 comblua-
rm % Car,lea, Ao,one,,. o qual desde prin-
cipio declarou querer dar-lha a sus protecgo
[Jornal do Commercio de Lisboa.)
As ultimas noticias vindas dos Estados-oidoa
dao esclarecimentos inleressantes sobra o. estado
publica a de Llncoln P* e8ta Vaa re-
Hoje nao se pode mais duvidar quo ella nlo
rtv.re,fi8y,DnPl0rS d 'o.4,, podem
mn fj fj j 8h'8ma Parece um faclo prxi-
mo da realidade, e a Carolina do Sul parece pres-
tes separar-se do resto da confederago. Quo
faraoos oulros estados de escravos? Iraitaro es-
te exemplo ou o reprovaro ? Que attitude toma-
r o governo federal em prosenga da tentativa da
Carolina, urna vez que ella tenha sido consagra-
da por actos legislativos deste estado? ChegarA
elle poni do eropreg.r a torga, a com que pro-
nabilidade de successo poderia emprehend-lo?
Eis o que impossivel prever por em quanto ; a
civKaao0. m,0quedeve Preoccupar o mundo
-f. 8le'5ao do presidente Lincoln apresenlou
urna circumsUttcia. que atento nunca se tnha
""rSiSft' ri-? fdaS 8S elBoe8 eriores os
siirr.!2 can1d>los, que entre si disn.-i>m o
ero"g^p-0u^fiueshfivrsoTs-ffoTaiT.'^
coniatoTftra1iJa^03A0eu"?.?m!!A^
vres, e nao contava com urna s commissao"*arn
so amigo nos estados escraros, onde nao obtere
nem um voto.
Nao se pode negar que por isso mesmo sua au-
loridade moral deva ser traca em todo o meio-
dia da Uniao E entretanto, apezar dessa oppo-
sigao compacta de tolo o sul, elle reuuio a maio-
ria requerida pela constituigo ainda que tres
candidatos lhe disputassem o favor publico no
norte : M. Douglas, M. Breckeoridgo a M. Bell.
O modo seguinle pelo qual se conlam os volos
influo de alguma sorte para este resultado.
E com elTeito, cada estado figura no voto defi-
nitivo cora toda a sus masss, isto todos os to-
los que lhe sao attribuidos as>proveitam ao can-
didato que teve a maioria, ainda mesmo que esta
fosse extremamente fracs.
Lembreraos titule de apontamento que o nu-
mero de votos dados cada estado, para a elei-
go do presidente, igual ao dos seus represen-
tantes em ambas as cmaras do coogresso ; mas,
sabido que em urna das cmaras o senado,'
todos os estados teem o mesmo numero de votos)
que sao apenas dous, entretanto que o numero*
de tribunas que possue cada estado na cmara
dos representantes proporcional populago.
donde resulta que pouco mais ou menos a po-
pulago, que regula o numero de rotos, que cada
estado possue.
Segundo estas bases, eslava escripto que um
dia siria, no qual a maioria de vera pronunciar-
se contra a eseravido na eleigo do presidente ;
era a forga irresstivel das cousas, era conforme A
eterna justiga, que quer que a cauaa dos princi-
pios sobresahia com o auxilio do tempo.
A eseravido oa Unio, sendo raantida apenas
por urna causa de enfraquecimento para os esta-
dos, que a perpetuavam. Os progressos do nor-
te deviam ser mais rpidos do que os do raeio-dia,
o que equivale a dizer que em um momelo da-
do os estados do norte deviam exercer a prepon-
derancia.
O dia da aupremacia do norte chegou final-
mente. O que era necessario para que ella se
manfeslasse ? Urna scousa : que o meio dia
era vez de abragar os conselhos dos homens sa-
bios, que exhortavam-o a acantonar a instituido
particular, lenlasse propaga-la, e empregasse
para este fim meios violentos. Ora, eis o aspec-
to, que oflereceu o raeio-dia durante os dez ulti-
mo, annos, e que deu o ascendente na generali-
dada dos estados do norte um partido, que so
honra em detestar a eseravido.
De todos os estados meridiooaes a Carolina do
Sal o que mais ardor mostrou, mais esforgos
dispendeu em favor da escravidn -. i iu <^uv /.
trinta annA* comegra urna tentakra de
scisao sob os auspicios de Mr. Calhsuo, hornera
de um talento raro, em quem o patriotismo local
sobrepujou o amor da Doio, tambem o estado
onde o acaso fez uascer mais homens superiores,
resolutos a por suas faculdades aoserrico da es-.
cravidio.
Os homens de estado da Carolina do Sul espe-
ravam desde um certo numero de annos osacoo-
tecimentos com ioquielago ; e pode-se acredi-
tar aue a soparago est no fundo de seu corago
desde a poca de Mr. Calhouo. Elles deviam
estar persuadidos de que no dia em que o norte
adquirase definitivamente influencia e despertas-
te sobre a quesio da eseravido, seus principaes
interesses que estos consideram como estrella-
mente ligados solidez da inaituifo, se aeha-
riam comprometlidos.
A eleigao de um presidente do norte, apresen-
lado por suas tendencias contrarias eseravido.
parece ser urna occasio de que ellas quarero
approveiur. Ella lhes fornece Os meios de exci-
tar as paixoes do sul, afim de romper os lagos da
Uaio no maio dessa efervescencia. At aqu
tudo indica que elles querem tirar proreito disso.
Gomo se portarlo os outro. astados escravo. r
A' este respailo ha urna dstinego a fazer. En-
tre os estados escraros, sigues, os mais prximos
do norte teem speoas motivos mediocres para
permanecerem debaixo do jugo da instituido
particular; estes esUdos sao aqueltos nos quaes
a cultura a mesma que no norte, aquellos, cujo
clima improprio para a cultura do assucar, e
pouco ou nada se acommoda i do algodio e ar-
roz, taessio, o DeUware. o Maryiand, o Missou-
ri, a Virginia, o Kentucky, e at a Carolina do
Norte e o Teoaessee.
A* fallar a verdade, todos ou quasi lodos essos
castados ja leriam podido brtar-se da combina-


^mi u ofli33Yii u n usa mm
IA1U0 DI1, tERHAMBUCfcV *\ UVINURtfaV**
00 social, fundada obre a escrnvido o negro,
como ha setenta anuos poiMjtell' u
zeram os outros esladoa da eoiue4)era^iokUesco-
mo New-Yoik, PensjrvWlliMP'mfmSkmmi
Ellea deverian mesmo faze-lo, e leem a lamen-
tar nao lerem preenchido MWTelt llfl ftlBI-
go. ft|lr-jvr""* l'vrt yjflQa eixa rajad
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE
PERNAMBUCO.
LISBOA.
tS de Janeiro de 1861.
Xio continuando os trabalhos parlamentare*
aem grandes naoifesUcoes de hostilidade contra
o aianas. -
Vetea-asa* ene ambas as eaaaaras as re
m discurso a corda, toado tito a. minora
de ale escolher case tartao para batalha
que o sle, Barquante trab
W permito* aos areos entrega re-se a
wlirlr* ala agiieuHur*, ae ate do
ajf.il eataeves.
Se esc grupo de estada* permanece e anadea-
do i causa da escrevido, ante* deve a raades
da amor proprie do que da intv ruase, aules de-
* telina do qoe aacalaala. -
Oa Mlroa estada* asan meridioaaes, aa qae
foraeceav propra Uuiao ai Europa a tmmensa
tjuauidaae de algodio, qae a materia prima de
tantas manufacturas, aquellesem menor numero i <7".'k*".'"T"""."'''"'"i ?," :
oa cuilivam a canoa de essecsr ; lodos elle* <-
julgam, nao aem ratao, menos pof ara no as-
tado actual dos processos. de cultura, que a abo-
tieao daescravidao seria a de organlsacao de seus
productos. Ora eaaes sao os mais numerases e
os mais animados de todo grupo do sol.
Se hoje em seu seto a escravido fosse seria-
mente atacada, astea ultimas estados orgaer-se-
hiara como um s hornera, com a energa do de-
sespero para defend-la. Mas nenhum projeclo
&flati*a*nat)le j tam chafado a todos aa par-
lamentas* cooviceie da renosla talla de Ihro-
cbtoll'aaCata"' "m i,*k i'"***0 *
Na larsMiao da parecer da < ommiasao d* verf-
aeaco da pode rea sobre a ele icio do ministro da
mannha (Cario Bonlo da Silva) pelo circulo 116
{Lisboa) fot mtirto raphrds: Depois de donrdia*
do acalorados debates, resalvsu a cmara dos de
putadas que as Usas brancas que entrera na ur-
na das ossmblas primarias, nao se devera con-
tar para a maioria absoluta de rotos. Esta re-
saludar da cmara compreheodeu a apiTovaeSo
da-eleicao do miaistro, o qaal tambera sahio de-
potado pela Figueira.
O projeclo do reforma da pauta geral das al-
ondegas est na tela parlamentar; a discusso
comtudo Tai correndo com placidez e de crpr
aggroesivo par*e eirair no espirita de Mr. Un- ^ ^ ^ amanna odjgeaces
colu nem no de algum dus homens notaveis aa
norte.
Entretanto parra temer ooe algarrs desses es-
tados, anda em falla de qualquer aggresse e
simplesneate por temor do futuro, faca causa
couiojura com a'Carolina dosul, quando esta li-
vor proclamado ofcialmente que se retira da
asaste
Assim, sao fundados os serios temores que se
possam nutrir sobre a Georgia Albame parta
propostas pelo ministro da fazeoda. As mais im-
portantes elleracoes da pauta otam mencionadas
a ninna ultima resenha qae lne enviei a 13 do
crranle.
Os adversarios da eituaco, pela imprensa e na
tribuna, empenhan-se por atenuar a importancia
da reonna, como era de esperar.
Torna-se a fallar-se na nomeaco de noves pa-
rea do reino, mas parece que a /ornada nao ex-
ceder a oito ou dez. AfErna-se que a opposi-
Eis os seus nonaii:Jos Ixii
visconde de Orla : Ribeiro da Ci
cipe de'Looz ;o conde da La Gi
bario Vicente, senalor ;Poriau,
to ;Bonnin, dem; Nouette Dotar!
Ir;Vergniolie.
ingoSHlala. """iMlW"'.' "
nhaj aftfrler geral da proticia de Ca-
Pubste*iam-ae Jt os mappas estalisticot da
fandega daroriu relativos ao ana* econmico de
mirad idos coordenar pelo director actos
Manan th. As) aUaodegaa continuas aauvor
Baaimadora. O ieudine*o
ul;fce aaiosmaaajas earoiAMattfhna-
ceJar am 80 a tantia aoeto* rea-
iguJr nrez do anao paseado
Eaic miitiaiA f.i pallar os impugnadores
oTttma refurtua dsr'irauta e, se cutitinnareui ruaior do 7.094#&0t) res.
escalla, como se e.ipera com as allera;des scaes
recempropostas e qua dentro em pouco sero
conveiiidas em le, nao dove assustar-nos o nos-
so estado flnanceiro, tendeado por tanto o dficit
a dimiuuir cons deravelinente e a desapparecer
om ponaos annos.
Nao sendo anda negocio resolvido o ponto em
que deve ser langada a ponte sobre o rio Douro
para a passagem do eaminho de ferro, parece
com todo que a epmioo mais seguida tanto pelos
engenheirna, como pelo inspector por parla do
governo, de que o local mais apropriadoe mais
fcil as prox.mades da Fedra Salgada, eslabe-
u mi.
u osaiai uTiii oiia
A compaai
segaros na i
duiiram o pre
inda aos juroaproveoientes
ora alorado i quan-
e pas ilvo do Banco em SI
_ encon ra-lo-ha o leitor no
denda.
em 1' do presente mes. a
mpa IMMbspn
. de a:
is disposia
anime
receraj
cluou
Ca db
7:0431
ila spprovadas, a as
o voto de ospocJal
raoU*banno 1,751
8:01ty675, que pro-
10, cuja quantia rau-
da penhores, e ao
*- laaaita
Nos c
na-
miuislro da f.uenda
ularuiente, oestes dous estados arrastanam u o g tienda Se-rmncipalmente as tropas federaos o- CUM0 9 umt \toiec^ ao
milicias do aorle, rhamsdas pelo presidente fose
ssem dirigidas contra a Carolina do aul afim d-
ibmetie-la fts leis ledorees, isto auiorisaria a
pensar que todo este grupo correra armado em
aau socorro.
fio casa desta collisao, a cathogoria dos Esta-
dos dooul.-a qual enumeramos em prinaeiro lu-
;. uc um projeClO
e para a capitalisa;ie das di vi Jas antigs, taes como
uadroes de jura real, ttulos atoes, wtheles do
aoligo cummissariado, etc., fundando se em que
esses papis, al agora muito depreciados, parara
4>eU niaior parte, nas raaos de alguna agiotas,
resultando deala operacao, um beueficto minio
circunscrito. E' de crer porm, que nao sendo
aa* 18 barcos, que
rregamenlos na im-
^rendo a companha
agencia da compa-
Duraote o anno naafrh
haviam segurado os aeus
portancia de 9:760j40, a
o prejuiso de 2:4049360.
-Os segaros effectuados n
nhia na barca fAloa prodiiziram 2;45*ao5.
As despesas de *dmiaisiric,o, agencias e or-
denados foraro de 1:7^110&>.
A companhia tai fazer dividendo de 500O
por accao.
No da 15 reuniram em as tembl* geral c
bscriptores que formara a nova companhia L'ii-
lldade Publica, a qual lea por fio o fazer em-
lecendo-se a ga -i \. a margen diieila do rio. en- prestimos ao governo para obras de viacao, con-
tra a igreja do Campan ha e a quinta de Novaes forme as bases que aonuu iamos em urna das
e as quaes j tora o
ar. a das quaes o mats mflueate a Virginia, u mMilit fle exUema orgoncla aida ieja
recusar-se-hia a concurrer para medidasimiUta- i rvo *e qae fosse ebteclo a Carolina, e nio per- 10 winMlliti0 M& u, jrgovernando com a
mituria que seu >turrilorio fosse airatessado pelas ca aTUHIldo a dissoluSao que Me pode ser
Peixolo. I anteriores correspondencias
Um individuo daquella cidade dirigi a D. Jos | discutidas e approvadas.
Salamtnca, coacensionario do eaminho de ferro, | Nesla reuniao decidiram os subscriptores que
urna expsito em que se descreve ura plano para se proposesse ao governo, uo os 500 contos de
a coostrueco da oeute sobre o Douro, entre os res, que segundo as base do contracto devera
pontos aEira do Convento da Serra e o sasseio \ *cr desuados para o can ioho de ferro do nor-
das Fontaiuhas. com a estacan na Balalha. So- le, sejam appltcados coi islrucjao de urna doc-
gundo esto plano a ponte formada de um s ca uo rio Douro para abrigar os navios no oaso
arco sobre o rio. de ferro, como para o transito publico, coradouro ordioario, res Ivendo a aasembla,
Nao satisfactorio a estado sanitario de Coim- que quando o governo ni i convenha nesta alie-
bra. Grassam ali multas molestias, e algunas de \ rar.o, se trete do obter ue no contracto do
mo carcter. empresliino o mesmo governo se obrigue a man
Falleceram j de typho deus acadeoicos, e vai | dar proceder aos esludos lecessarios para a fei-
tura daquella obra, obrigaado-se a companhia a
levantar os fundos necessa ios para a fazer, lo-
tropos.
verdade quo o presidente teria ornar para
ohegar ao Estado recalcitrante ; mas algumas pea-
soas que conhecem o patz nao olham como im-
poesivel qa<"-, caso xompessem as hostilidades, a
Virginia, par exemplo, roandassesua milicia con-
correr aos emandortes da Carolina do Sul.
Kc grupo dos Estados mais meridioaaes e mais
dados cultura do algodo ou do assucar, deve-
auos por de parte a Luiziana, cuja metropele o
grande porto da Nova-Orlenas, assim como 9S ou-
,tn>8 Estados nbeirinhos immediatos ao Mississipi
Cates devem por fis ou por nefas seguir a sorle
do norte. Nunca os Estados populosos ou cheios
^e futuro, que forman por excelldncia o que se
-chama o Oeste da Uuiao, taes como o Ohio, a In-
diana, o Illinois, o leva, consenliram na separa-
cao do paiz etravessado pelo magniGco rio, que;
serve de arteria seo comraercio, e cuja livre na- !
vegacau Ibes* tao tndispeiisavel para prospera- |
rem, como oiro para respiraren).
O lempo, como se sabe, c um poderoso auxiliar
nos negocios humanos em favor do urna accom- {
moJaQao pacifica. Ora. ueste, o lempo nao falta.
Jlr. Linela nao tomar immediamenle p.isse da
primeira magislratura da Uuiao, e s 4 de mar-
co que elle deve eutrar no exercicio de suas
uuccoes. Convm lanibem dizer que em quanto
dorar o novo congresso, isto durante dous an- j
nos, o novo presidente eer forjado a addiarscus j
mu-utos, purquanlo a maioria de cada urna das
alnas cmaras favoravel aos Estados escravos.
Emlim, nada auluiisa a predizer que Mr. Lincoln i
-obrar de outro modo que nao seja com a cir- |
um.cpetcao, que cunvein ao chefe de um grande |
governo. tille nao um abolicionista apaixona- '
do, um hornem liberal e moderado que pariilha
a opinio de que a cscravalura urna obra da |
.huinauid.ide e um flagello, roas que eulrcianlo
mo quer faze-la desapparecer atodo transe; el-
le ot aqui se tem exprimido como um humera
-vvuTouoi.tn am OS lemnor*mP.nlns e com a Socorrer dos 80-
. Assim. emir..;- *f.o, uur eaie pronun-
ciados e os inanifeslos publicados em seu rime,
elle aJmille que haja urna lei contra os escravos
fgidos [fugilive sluve law), isto uiua lei que
auiurise os propietarios a pers-gui-los e appre-
hende-los, por meio da justica federal, quaado
eu escravos estejam fugitivos no territorio dos
Estados livres.
o que existe hoje ; mas a opinio liberal sup-
porta esta legislarlo com urna impaciencia extre-
ma. Os tribunaes de muilos Estados do norte ad-
mitiera por seus arestos que o negro, que liver
estado em solo livre, seja por isso s considerado
liberto.
E' anda em virlude da exlin<-cao gradual que
Mr. Liucolu lera recomraeudado a aliolicoo da
escravido no pequeo dislricto de Columbia, s-
de do congresso e to governo federal, onde nun-
ca devora ter sido a escraviao reconbecidd. Em
urna palavra, ninguetn tem o direilu de aecusar
a Mr. Lincoln o querer por medidas sumu.arias
precipitar a crise. E'j uma garanta, quando
nD contra um rompiuieulo parcial, ao menus
contra a exteDso do mal.
* Aseparaco da Carolina do Su), a qual prova-
etmenle seguir-se-hia ao menos a Georgia, a
Alabama e a Florida, seria um exemplo quo a-
meacaria tornar-se beui contagioso.
Be ni pedera ser que elle fosse seguido em bre-
ve por orna outra parle da Uoio, recentemente
Bovoada, a qual nao tem escravos, mas que oc-
cupa uma situaco bem excntrica em relaco
massa dos amigos Estados ; quedemos fallar da
'California e do Oregon, que com algumas outras
partes de territorio compoe a veitente da rep-
blica americana subre o ocano pacifico. Nao ha
xazes asgas ponderosas para que esta re^io per-
Bianega indefinidamente ligada ao resto da Unio.
E' desta separada por uma distancia immeusa, e
para se ir ter ella 6 preciso, chegando ao valle
do Missouri., atravessar dsenos de uma eslerili-
dade irremediavel e de montanhas inaccessiveis.
O melhor eaminho para ir S. Francisco de New-
York e Philadelphia, ou mesmo do Ciocinaii e
S. Luiz, consiste em atravessar depois de uma
longa viagem por mar a America central ou o
isthmo de Panam, para fazer una outra traves-
sia sobro o mar pacifico. Se o espirito de sepa-
rado penetrosse nos Estados Unidos, certameote
3ue os habitantes da California e do Oregon se
eixariam arrasiar pela correte, e formariam
uma repblica iDdependent, cujo futuro seria
grande.
fatal.
A questo do nuncio Mr. Ferrierf tem estado
esquecida ; a da desaaorlisacaa des beos eccle-
sianticos pro9egue leatsmenie em negocia(des,
, cujo resallado nao se far comludo esperar
muito.
Veio ao parlamento o tratado com o reino de
Siao, e vai-lhe ser outro submellido outro cele-
brado coma pequea repblica da Siberia.
luaogoruu-se o curso superior de lettras ; a
coocucrencia lera sido multo nmeros. El-rei
o Sr. Podro V tem assislido a arias prelec-
! coes de Rabello da Silva que tem sido brilhaoles.
Lopes de Meiidunca coniinua inielizmenle a fof-
frer da alienacae de quo fui acommettdo ha dous
meaos pouoo mais ou menos. A monomauia am-
biciosa de quo fra atacado, formou-se em ma-
na, enfermioade que di mais serius cuidados
uiedecina.
Ha dous dias comeraram o manifestar-se no
disimilo escriplor, sympiouas da paraiysia geral
que os mdicos nao hesitam em altriuuir a co-
aeco de amolecimentudo cerebro. O excesto de
esludo a quo o Sr. Lopes de Meudonca se entre-
ara ultiman.cute, para que podesse desempe-
uhar, de um modo digno de seu soma, o magia-
leo (do curso superior de lettras) para que fra
nomuado, dizem que deu causa a esta penosa en-
fermidade.
O Sr. Mendonca mal dorma ltimamente duas
ou tres horas por noite, passaudo o resto do te ra-
po mesa do trabalho, com a cabeca vergada so-
bre es livros, e usando mais de artilieiu para afu-
geniar o soinno.
Julga-se que aquello demasiado afinco au tra-
balho, aquello receio permanente, queoalor-
menlava, de nao salisfazer cabalmonte s obriga-
es que o seu novo cargo lha impunha, provie-
raui das injustas e grosserias com que algumas
pessoas ceusuravam oseo despacho. O nosso
escriptor Meodes Leal Jnior oifereceu-se para
ubstituit interinamente o Sr. Mendonca na re-
gencia da 6ua cadena. Por ora tem sido eita
mesmo Iliterato tu_'r. Rabello da Silva. O
drama em 5 actos de Aleundie DuuiasCarlos
Vilque est em eusaius no iheatro normal, o
seu desemponlio encairegaJo aos actores :
osa, Tasso, Soler, Mauoel Res e Cesar de La-
cerda, que faz nesla peca o seu debut uaquelle
lliealro.
Nodia 1 dejunho prximo, terminar o con-
curso que se acha aberto para os premios que se
bao de distribuir s produccoes dramticas que
delles se toruem dignas. Eslo escrevendo pira
irem ao concurso, os seguinles escriploros : Meo-
des Leal, Ernesio B iealer. U. Jos de Almada,
Cesar de Lacerda, PalmeUim e Joao de Andrade
Corvo.
Em S. Carlos ensaia-se a Marlha de Verdi, A
tavorua, a Sapho. Poliuto, Luita Miller, Filha
da Regtmenlo, I Mamadiere, Uarino Faliero e
Gemma de Verges leem sido al agora as operas
quealli se teero cantado oeste invern. No Gym-
Mosto deu-se ha poucos dus uma parodia de Braz
Marns Judilh, como titulo de valurosa riuva
passarinliada em tantos ai tos.
O actor Santos faz o papel de papagaio em que
imiia o cellebre actor brasileiro Joao Ctelaiio
que e.-tevh entre nos ltimamente. A parodia
desenxablda e o publico paleoa-a Braz Marlios
j na sua penltima compolto dramticaO
peceados do seculo X/JT.-fra infeliz. Os louros
sacros de Santo Antonio devem todava coo-
teota-io, fazendo-o outra vez mudar de rumo.
Isto de parodias nao para todos.
No theatro da ra dos Condes subi soena o
Castillo de Bronze que prometi dar multo cobre
a erupreza. Mida, ou a Fada dos bosques lenta
encantar o publico das variedades,mas o circo de
Price, que mora defronte, roubi-4he a concur-
rencia, como a tem desviado at mesmo do thea-
tro lynco. Os bailes do mascaras no sali do Ca-
f concert Flonsta Bfypcia encarregam-se de
apiegoar a vlsinhanja do carnaval, mas dgi-se
a verdade, aquello divertimenlo s para certo
publico.
Comeraram as obras para a elevarlo do monu-
mento a Luiz de Caraoes, na nova praea
augmentando o numero dos fallecinenlos. Diz
urna folha de Coimpra -que a cidade est sobre
um fermento de miasmas e exhalacts veoeno-
i sas, em consecuencia de se achar entipido o ca-
no geral pelas ar&s que se lhe amonioaram nas
ultimas cholas.
Iuauguraram-se em Pona de Liria os traba-
lhos da oonslrucgo da estrada que rai camelar
d'ali para a cidade de Braga.
Em Lisboa U lleceu a semana pissada o vo-
gal do supremo cooselho de juslica nililar Joao
Leandro Vailacay, lpenle general, (ootava per-
to de luO annos.
Na freguezia de Ventosa, conedho da Ma-
Ihada, em uma excavacao que se fez asnalmen-
te, encoalramm-su todos os vestigios d'uma po-
voaco soterrada, ilescobriudo-se asninas de al-
gn* edificios, as ras e algumas casis.
Para acddir, quanlo seja possisel aos pre-
juizos que houve ueste invern po* causa das
cheias, o governo apreserilou s cmaras um
projeclo de le pan ser aulorisado a bvantar no
corrente auno al a semana de 200 coalas de res,
para serem applicados na reparado das ruinas
opeadas pelas chjvas em diversas oirs d'arte
de estradas e edificios pblicos. Ntflgumas po-
voaes, como em Alcacer do Sal e oulias, tema
dupla vanlagem de proporcionar trababo a ope-
rarios que ficaram no ultimo estado di penuria.
Tem bavido furiosos temporaes no aichypeUgo
dos Acores, fazendo consideraveis estragos nas
estradas e em mmtas propriedades, ausando a
morte de algumas pessoas. As bexisas devasla-
vam inuitas enancas e grande numero de adultos
tem ali sido igualmente atacados deda doenca.
Apparecem em S. Miguel alguna saraupos.
Sahio ha 3 dias para os porlos de Ifrica occi-
deutul o vapor Zire da companhia Iniao mer-
cantil. Alera da carga e passageiros, transporta
oiienla e tantos degradados.
Foi approvada a proposta do ninislro da
fazenda para ser o governo aulorisado a proro-
gar al ao da 31 de dezembro de 1861 os prazos
para a troca e gyro das moedas de ooxo e prala
mandadas relirr (la circulago.
A receita publica, seguudo o projeclo de orna-
mento geral do estado para o anno econmico
prximo futuro, foi ayalUda_euj
A Europa tem suas razoes para nao ser indilTe-
leute ao quo de presente se passa nos EsUdos-
ijnido. Todas aa grandes oaco*s, acam o que
S*ereJni.JAo solidarias; nao poiatreJ que
Uessc b,.j
dos membros
" )cbri
tfwS
um
citilllao cbrislaa siTtVvvos'sojoliSS1*1
___IWb a*3Qk
que os outfs se resintam. J *tiri8e nolillca
emeaja determinar oa tioio uma dessas crises
commerciaes. que repercutem sempre sobre a
' Europa. Muilos bancos acabara de suspender seus
pagamentos em especies. SeasuspeOsegaohas-
se os Bancos deew-yoiF e de Bostn, as rsla-
coes da Europa com o.Novo-Mundo tomar-se-
hara vacillsntes; o consumo do mercado ameri-
cano, oflerecido ao* productos de nossas manu-
facturas e de nosso solo diminuira naturalmen-
te, e o reembolso tornarse hia incerto ; porm
sobre ludo no ponto de vista da proviso de sua
rende industria algodoeira que a Europa deve
eg:tar-so.
Muitos milboes de operarios espalhados pela
Inglaterra, Franca, Allemanha. Suissa. Blgica,
por toda a Europa, vivem de tecer esta preciosa
materia prima; seria pola *m desastre eurOpeu
ee ella viease a faltar no mercado.
Nao queremos dizer que haja a optar entre a
conservacio da eseravatara nos Estados Unidose
segu ranea das prorsoes de algodio, que recia-
mam as msnufaetnrat europeas; mas cremas
que dizemos a verdade, afancando que se a es-
cravido oo desapporecesse da Unio Dio ser
per meio dos horrores de uma guerra civil ou da
*aa sierra servil, d'ahi prvida um abalo formi-
davel noseio de cada ama das arandas potencias
msaufaetnreirag.
Toda a Europa por consegointe interaasadt,
por seu proprio repouso e prosperidade em que
a erse suscitada presentemente na America pela
J*M.o da escravidio lenta ama solucio pici-
F. Curcs.
[Journal des Dto*H.8. FUho.)
havendo portaoto um de/icU de
ao qual aeress a importancia da
despeza exlraordiaaria, calcu-
lada em.....................
1;6j6:89P257
74:108*839
L681:007D96
o que eleva o dficit total a..
As novas coutrijuijes voladas ni ultima ses-
so legislativa Cguram j nesle orcameuto por
uma soraraa superior que se avafiira no orca-
mento pra o anno correnle.com rlago s con-
tribuicoes eextinctas, ou substitu.as por aquel-
las. A esta circumstancia e ao augmento de ou-
tros reudimcnlos, e com especiaiidade ao de 180
contos de res no preco annual da arremalacao
do monopolio do tabaco, devida a diminuifio
do dficit do actual orcamenlo anterior, compu-
tado em 2,114:370Jt673 rs.
- -,-----------r--.- que em
S2i 22^ Por 0CCUam-se a|g"ns a mesma dreccao posea abanar i
wsund ^rcVlV\TT rC? 2" PfT' ^ue' >. I""* circuTnstaoclas o
segundo o orcameuto apresentado pala cmara '
municipal, deve consurnmir uns 4:5269009 res.
Esta despeza feila por cenia da cmara. O pro-
ducto da subscripeo andar j por 26 contos de
reta, fallando apenas 4 contos para completar a
quaniia em que o monumento foi oreado. Mui-
los dos bailes da presente estacao e diversos be-
neficios nos thealrosda capital, vo ser destina-
dos a este objeelo nacionallesimo.
Annunciava ha poucos dias a Patrie e repeti-
fi,?."no iolhas porluguezas, ter-se coustituido
uma u.r u rnrn_Kr.i. .-...,!..*.
dotkaa de Lisboa e do eaminho de ferro de Cin-
tra. N'esla cidade acha-se Mr. de Bellegarde,
socio do duque de Btanzares, recommendado
por Mr. de Morny e outros capit.ilisias. o qual
vem tratar com o goveroo a com Mr. Lucotle so-
bre a coucesso do eaminho de ferro de Cintra e
docks*.
Alguns. jomaos que so leem oceupado d'este
assumpto, sao de parecer que boa a cesso ab-
solutt e sem reserva de todos os direitos da con-
cessao sociedade Vaoder Elst & C, debaixo de
um preco fixo em acgoos convencionadas pela no-
va coropanbia, cuiosaclos se lavraram no tabel-
llo Abranches e foram saneciooados pelo gover-
no a 29 de novembro de 189. A demora na cons-
IrucgSo das obras
dadi
esl
eos que teem inquietado a Europa o obstado por
este meio as operaede* flnanceiras de uma certa
importancia. 0 prego de 7 por cenlo de descou-
to em Londres e em Pars, onde antes era de 3 e
4, nao cansara um obstculo? Poderla o gover-
no com iustica obrigar o empresario, em siroi-
lhanles circumslanciag a uma obra, quaodo nao
resultaste prejaizo da demora da sua exe.uco?
Segando se afBrma, a companhia franco-belga
acba-se agora bem constituida, e realisar em
'brere o eomece dos seas trabalhos. Por um lele-
gramma recebldo da Paria a 23, soube de que o
conselho de adraioislrajo da empreza Vander
Elstt C, de Broxellas, eoacessionaria das docka*
de Lisboa e do caminbo de ferro do Ciotra, te
acha doflnitivamoote constituido. Figuram nelle
proprietarioscapitalistas, binqueiro, emm ho-
mens importantes e de conlderacSo a todos os
respaitos.
POSTO.
26 de Janeiro le 1861.
No dia 17 do crranle reunia-se a assembla
geral do Banco Commercial do Porto para lhe
ser apreseuUJo o paecaid* conamissio de exa-
e. ue .?onts. fIaiira*-ao anno que acaba de
undar, discutir as duas prooosJ.as ouea direceo
conjooiamonto com o seu relatoHo,haa apresen
lado em sessaodo ia 5, e nomear dlrecgo quo
hade governar estu stabeltcimeaio na anno de
lo61, vigsimo sexto da sua existencia.
A commissj aaprovoa lodos os actos da ge-
rencia que acabava de ndsr; reconheceu que
os factos e asserocies consignadas aa se* relato-
no eran verdadeiras, a propoz um voto de lou-
vor mesma gerencia pelo acert ara que diri-
gir as operajoes do Banco, procurando assegu-
rar-lho o bem merecido crdito de que goza.
A cjrnraisso Umbern deu o seu assestlmen-
lo s duas propostas quo cima mencionamos,
sendo a primeira para a dreccao ser autorisada
a fazer emprestians com pechar em inscripeos
par mais cem cantas de res, atm das qoaotias
anteriormente aubuisadaa: e a segunda para que
aos de-
permit-
tirera e com as coodic.oe* que iulgar mais con-
venientes.
A assembla geral approvou plenamente estes
pareceres da commissao.
Pelo relaiorio ia dreccao v-ae qoe o Banco
desconlou no anno passado 3032 letras commer-
ciaes na importaneia do 1,783:160#977 re* ; e
que se negociaram letras d cambio, sobre pra-
vas estrangeiras, no valor de 285:73(088.
Os emprestimos sobro penhores. ineluiodo oa
bilhaiea do Latesouro com garanta de inscrip-
tota'Bie&XASBaar." "'""<"" *"r"'
Fizeram-ee transferencias de fundo* entre a
praca do Porto e a de Lisboa na importancia de
3a4:775J>714.
O Banco, por acsordo feile com o governo, re-
cebeu da casa da nioeda, esa troca de moedas de
prata do cunho amigo, barras do mesma metal,
na importancia de 156O98107-
Por conta do ou:.prestio para a nova alfande-
ga pageu 108:U8Q.>000;
Os depsitos particulares prezeram a quantia
de 3.836.9389068.
Por coatas tos depositantes recebsram-se 527
letras na importancia de 403 594^420.
Para dar maior desenvolvlmenlo s eperaces
?L?aL l?fiVi8 t,n>,0br4 Mcie-Sdo Banco, tomou-se a prazos cortos de p.gaaneo-
u Sauder Eisl di L. depois destas coocessoes, lo, e com juro mdico, a quaolia de 150 oW)00
1Bi1ei ij.SI.'DcaKa pe,0S faCS polili- owta eral da caira, nao i^clu^dV
troca do notas, foi de 14,7306a>>393.
Os lucros do Buco foram lS7:378g656 res, a-
baleodo, perrx oi prejuizos liquidada* aa som-
raa da 2i :zt2jH19, e a importancia de gastas sa-
raos 10:105#259 and Ac a cifra da 9:ia9^J86
quana equiraleote a 7 3k85 do capital d
Banco.
Do saldo da luiiros dispoz a diraccao, as-
sembla geral npp.rovou, a .seguate diviaio :
Para dividir pelo* Accionistas 6 OuO
ou 112*000 iris por accio, in-
cluindo os 9 li'l 0|0 pagos por
cont* no I. seiaestre..........
Para abonar ac< uado de reserva 1
OrQ ou melace do excedente a 5
Para abona uos lucro* deste anno o
remanescenln.....................
80:244|000
13:3748000
1:6411086
Mil.... 95:WteS6laoSsume*to d*
go quo os estudos esicjaaj concluidos.
fim seguida fui approvada a proposta que fl-
zcram alguas cavalheiros qne se cumpromeiliam
a subscrerer com a quaat a de cerca de 89 coti-
los de ris que anda falla* a para elevar a subs-
cripeo a 1:200 nonios, com que, por agora.se
havia resolvido e constUuii a nova companhia.
Fiualisiram os trabalhos da assembla nomo-
ando-sc a commissao qui deve coutecioaar os
estatutos na courraidade das bases j appro-
vadas.
Contina aberta a aubsc ipcSo a favor daa vic-
timas da iuuuJac.o do rio Douro no l'ezo da Re-
oa. Fui promovida pela rico proprielario o Sr.
Antonio Bernardo Ferreir e monta ella ji *
mais de 3:60000 ris.
Seguudo a acta da Ia sesiso da commissao, in-
lallada na Regoa, e eucarr ;gada de distribuir o
producto da mesma subsciipcao, coosla que no
dia 18 do correle exista era caixa 3:2159440 ris
e que a commissao aocordl ra em qae se proce-
desso iudagagao dos prejuizos causados pela
inundaco nas freguezias d& Pazo da Regoa, Uo-
dim, Fontellas e Vellariah > dus Freires, pur se
rem as nicas desie consol 10 que sollreram co.u
a chcia ; para o quo encar regaran neslas quatro
freguezias pessoas da msi ir respeilabllidade,
colidas por este meio tot a*as infotraacoe pre-
cisas, resolveu a commisaat que para a fregue-
zia de Fontellas fosse destinada a quantia de
3&34O0 ris para a dislribu r e admiuUlrar u rae
retissirao abbade ; para a de Godin a quantia de
423^000 ris, eucarregadi ao cidado Manuel
Antonio Francisco Cerdei a ; para a de Villari-
nho dos Freires a quana de 8Uj0 ris, eo-
carregada ao benemrito ci valheiro Marcos Jos
Teixeira ; e que quanlo reguezia do Pezo de
Regoi, onde os estragos for n imaiores, destruin-
do porfo grande de caspa habitadas pur gente
pobre, cousiauteniente sugeilass mais pequeas
iuundacoes do rio e mais coudises insalubres
do local, se applicasse lo la a quantia rostaale
para a acquisico de um melhor terreno e nella
fossem construid sassem as que aquelles d isgracados perderam,
a^k.i. .i. jS- -i --- < .....
commissao.
O asylo de mendie-lade ha pouco installa^o
nesta cidade, pelos exforcoi particulares auxilia-
dos pela primeira autoiidale administrativa do
tfislriclo, reoolhea j 130 nbbres, e acha-se ha-
bilitado a receber at ao numero de 160.
Pelas ras da cidade vagjieiam muitos mendi-
gos que perteoeem a outras localidades, e para
obviar a que cresca anda mais o seu numero, e
para que os que nella esmolam individamente,
sejam remellidos s suas ni totalidades, as admi-
nistradores dos bairros teeo i lomado as necessa-
rias providencias.
Tendo sido o asylo de iieadicidade formado
por meio de valiosos donali os e subseripces dos
habitantes do Torio com o iluilo de diminuir o
ou mero de pobres que pel s ras transita vara,
seria para desgostar o ver que esse numero nao
diminua, e de ah nasceria a alias plausivel re-
cusa de continuar a contrib lir para a sustenta-
cao de um estabelecimeato ue nao preeuchia os
seus flns.
Nas diligencias cm que ai autoridades audara
erapenhadas de fazerem dioiinuir o numero de
mendigos, deu-s&a semaaz ultima um tacto, o
qual veio provar mais uma rez que a caridade
publica muitas vezes illud da por falsas appa-
rencias.
Um homem que se diria ceg, e como Ul pe-
dia csmola, foi preso por si ispeita de que nao
solfria a cegueira que incu cava. Na presencia
da autoridado sustenlou que nao possuia a luz
dosolhos, porm como aquella tivesse vehemen-
tes indicios de que o raenui| o fallara verdaae,
mandou-o inspeccionar ao hospital da Misericor-
dia, cojos facultativos decl raram que effecliva-
mente elle era ceg. A autaridade em vista des-
ta declarcSo poz o homem em liberdade, mas
tralou de lhe pesquizar os ] assos, e por novas
informacoes que colheu soube, qae elle effecti-
vamente nio tiuha defeiro allgum visual, e, pren-
dendo-o oulra vez, de taes irtes usou a aulori-
dade, que obrigou o fingido :ego a confessar, que
se servia daquello meio pa a melhor captar a
benevolencia e piedade do p iblico I
Cmo este ha mullos.
O* presos da enxovia de Si r.to Antonio das ca-
deias da relaco desta cidade teotaram evadlr-se
na noite de 15 do correle azendn um grande
rombo por baixo das grades i e uma das janellas
da dita priso. Foram presentidos por um dos
guardas que lhe pertencia vigiar da meia noite
para o dia, e o qual dando parto do acontecido
ao carcereiro, lomaram-se ai providencias pre-
otsss para que a premeditada fuga nao fosse le-
vadora elfeito.
Na manhaa do dia seguio e apresenlarsm-se
na priso as autoridades respectivas o alli forma-
... r^ ..o>.iig rfllf a qu l> consia que a pa-
reao i mh tn TJtfC Os ITUSus piinIFlaram
a fater rombo lem 7 palmo e meio de espea-
sora, a que j a linham rompido cousa de 4 pal-
mos, em liaha recta. Os instrumentos de que os
presos se serviam para pralicar o arrombamento,
foram-lhes encontrados na priso, e coostavam
de dous forros de assento, daus ps de trempe
grandes de (erro e um barr le e.
Na tentativa de fuga enlrav am os 70 e tantos
criminosos que eslavam na di la enxovia, os quaes
se reveesvata uas aos outro; dos trabalhos do
arrombamento.
Falleceu no dia 12 do correle o rico coramer-
cianle desta cidade o Sr. Manonel Pereira Penna-
Eotre oulras disposigoes testamentarias deixou
Misericordia do Porto 8:000^000 ris com a obri-
gago de comprar 600 antas para as camas das
enfermaras do seu hospital, i Estas mantas de-
vem ter a marca do legado, de servirem nas ca-
mas dos doeates, desde novembro a abril de ca-
da anno alen da roupa quo ai Santa Casa costa-
na a dar. O excedente devdr ser empregado
em insenpeoes, par* cora o juro deltas sustentar
nais ama orpha na recolhieMQto d* Sao Lzaro,
a casa da mesma Misericordia.
A'a orden* de Nossa Senhor da Lapa, da Nos
aa Seuhora do largo de Caridade, da Saatfasima
T riodade e dos te/cairos de Si* Francisco 400*090
a cada una.
A' iraaandade 4* Sio iasjdlas Tainas 2009009;
digital quantia* cada orado* aeguintes estabe-
lecimeatos pos asyla do seadlcidade, reco-
lbimealos da meoiass aban|doaadas, meninas
radas.
da fraguada da
aa SaDttssl-
1OH0O9.
embro, ultimo, dotad
con 174)00*000 ris, em ioscrtpcdMeatorccir* iL9l
de Nossa Sao hora da Car rao, para q*a ***. toda* '
as tercas-feiras houvesse Lauapareoue na igreja
da mesma Orden.
1 Sr. Penca Un ha mandado coastrur ara
|*eqo0meUsmo*J hllcef S-lb*p
la de que a sua galera asta va prosapia para ter
dallado agoa, asjsssad gr. Peona, aaaa voz
j moribunda, quaaaaa eerasaoaia tivess* lagar
a* tarde deste mesmo dia. O Douro recebeu
effeetivamenta o taaiar daa aavios qwe le** sido
caaatruido nos astateJkos da Porto, nas aio a
Uaapo do seu praprasdataa lar a saliafaco do sa-
ber que a operacao tora feita com o aaalhar asilo.
Tanbem fallecers* aa presente senana os
dous nais antigos officiaes da marinha mercante
da praca do Porto, a Sro. Otogo do Soasa Lobo,
e Jos Antonio da Natividade. O primeiro con-
tara. 86 anno* de idade, ejha nuio que ha-
via trocado as fadigas o Irabalbos da vida mar-
tima pelo repouso domestico. A galera Central
Saidanha, que navegava entra este porto o e de
Santos, foi o ultimo navio que commandou. O
segundo tinha 76 annos. e ara oa actualidade
meslre de manobra na academia PoIyiechatca
desta cidade. Ceno bom porluguez, que era,
prestou revelantes servicos ao pas no lempo da
guerra Peninsular.
Acha-se nesta cidade, d'unde natural, o Sr.
Victorino Pinto de S Passos, respeilavel com-
nereiaata da praca do R4o de Janeiro. Esl hos-
pedado em casa de seu cimbado o commeodidor
Antonio Gomes dos Santos, homem sjrmpalhico
e respeilado pelos commerciantas seus collegas.
O Sr.-S Passos ha sido visitado pelos seus
muitos amigos, que o trato affavel e cavalleiroio
de S. S mcomo longo da patria, ten sabido aug-
mentar. Trouxera-o Lisboa urna inelicidado
domestica, e antes de partir para a Franca, on-
de vai consultar os mais notareis operadores, so-
bre a molestia de sua espesa, quiz vir ao Porto
apagar saudades de familias, e abracar os seus
ntimos amigos. Conlava demorar-se aqui apu-
nas Iresdias, poim uo pdda oeiaar de condes-
cender com os desejos manifestados por sua in-
teressante sobnuha, filha do Sr. Gomes dos San-
tos, para aesistir ao soire que deve ter lugar
amaohaa 27, dia do seu 16 natalicio. Foi uma
fineza que o Sr. S Passos fez a sua encantadora
sobrinha, mas que della se torna credora pelas
suas maueiras delicadas e ama veis, Qlkas da es-
merada eduosco que lhe leem dado seus pas.
Em um dos dias desta semana oeufragou no
rio Douro, nas proximidades das podras de Li-
nhares, a 5 lesoas o meia de>ta cidade, um barco
que conduzia da Birca O'Alva para o Porto um
carregameolo de trigo. Morreu atuigada uma mu
Iber que vinha de passagem. A carga eslava se-
gura ta campanhia hospauhota Unio, que deveu
o salvarem-so uns 800 alqueiras de trigo, ao au-
xilio prestado pelo arraes de um barco que se-
gua do porto o que naufragara.
A galera Cidade do Porto, um dos navios que
a chela do Duuro litera eucalhar no sitio do (Ju-
ro, e que eslava segura na companhia Seguranca
em 22:0003, foi arrematada por 7 010$ pelos pr-
prios proponanos da galera, osSrs. ViuvaAze-
vedu & Filhos.
Em S. Pedro da Torre (freguezia pouco de un
quarto de legua distaute de Vaienca do Minti)
diz uma correspondencia dirigida au joroal desta
cidade o Purgatorio, que no dia 10 lora aquella
freguezia um empregado da alfandega, a ordena
de um fiscal, e quiz dar viva forca una busca
em casa de ura kogiala, o qual nao permutio que
a forca armad i en trasse em sua casa sem que
viesse acompanhada pela autoridad* da (reguezia.
O empregado retirou-e sen (aier a neuor re-
sistencia ; porm, aneacando o mesmo logisla,
lhe disseeu trarei quen lhe a busca.
EHeclivanente no dia segainte appareceu o
fiscal aconpauhado de quatro soldados de caval-
laria, e cercando a porta da loja travou-se o se-
guite curioso dialogo entre aquelle empregado e
o dono da loja :
Enlo vo-se o valento que nao pernille
o dar-se-lhe busca en casa ?
Eu uo consinio que en minha casa se me
deem buscas sem serem como deteraaina a lei;
eu tenho visto rauito enpregado e per laso V. S.
nao meatenerisa.
Voss que diz, seu maroto? e desembai-
nhando a espada e mesmo a cavallo Uve alirou
uma estocada, que a nao ser o desvio que o nu-
lo, 12B^S3g2Sl/Veis, havendo rendido
mes do uno anterior 112:052*610.
. bataneis cu tbodimeato do dito nez
en 18l7l6:980d41.
'^^?'rtWI'Wbado para exportaco na dita
'.'daga, a* Mate da lioi, somiadoa lista
I'AIZCS.
Australia......
Caaad ...;....
Caiades Haasoattcas .
Dinamarca......
KaUdos-mdos. .
FraaKta ,......
tr-BreUnba.....
llespanha.......
ttottTOja .......
Reino e possessoas .
Rossia......4 .
Snecia e Noruega. .
Terra Nova .;..,.
w5
B1S7
101
84
158
ste
86
91416
81
387
225
86
27809 14
Aira. Can.
10 6
1* 9
1 S
15 11
11 11
IB 9
13 10
17 5
12
7 It
10 3
'? 10
ao 4
Total. 278W 14 lt
Em resultado do rejo qae pela mesma al-
fandega se procedou no Io de Janeiro, corrate,
nos arnaaens desta cidade e villa Nova de Caa,
verificou-se
agurdenle
a exisleocia
Viobo da Ia qualidade.
Do de 2*.
Diio de consume, ma-
nifestado. ....
do seguale viudo
Airo.
Agurdente
Pipas.
ooolv
299
20
55638
684
Cao.
8
A Nos** Saabera da L
JaUaieiH da lai* sMimi.
3
17 Jl
Comparando o resultado do varejo no presente
auno eam o de 1850, encontra-se a differenc.a
para menos no deposito em 1890 de cerca de
16U0& pipas de vlnho de la e 2* qualidade, e de
400 e tantas pipas de agurdente.
Cambios sobre Londres a 00 d. v. 54 1/4a 90
Abrirn termo de carga :en 4 de Janeiro
a gslera Amizade. para o Rio de Janeiro ;em
7 o patacho Boa Nova, para o Para ; era 23
barca Alfredo, para o Maranho.
Entraram no Douro :em 9 de Janeiro o
patacho Novo Lima, procedente da Baha, por
"bML.e Vig9 ;~e*n ia barc* Formoza, do
Maranho ;em 13 a barca brasileira BHfnon-
t, do Maranho, por Vigo ; em 15 a barca'A-
fredo-, do Maranho. por Lisboa e Setnbal.
Sahtrn :a 16 de Janeiro a gatera Auroro,
para o Maranho, por Lisboa ;era 24 a barca
Ftrreira Borgts, para o Rio de Janeiro.
Resumo do activo e paesivo do Banco Commer-
cial do Porto em 31 de dezembro de 1860.
ACTIVO.
Existencia em cofre era metal. .
Letras descontadas a receber. .
Enprestmo subre diversos pe-
"bores.......,,,....
Esapreslimo ao govetho para a
nova alfandega do Porto ....
Ttulos de dr*i* publica (valor
do balaneo). ........'..'
Liquidacoes...... :.....
Crditos diversos.........
Emprestimo forcado Junta do
Portj era 1847 ;..... o7.855S000
Custo adu-il do edificio do Banco,
machinas, movis, etc. ....
507:642J82l
727:1829185
190S39J980
145 9803000
3 42:620 JS40
3:0229079
380.8339975


rao anda o ferio do raspao detrs de uma orelh.
A esle tempe acudi o povo, e cerno todos fis-
sem lo revollanle atlenlado, comec-iram a gri-
tar voz de el-rei contra o aggressor, ao que
elle responden mandando deserauainhar espadas,
e carregaudo o poro alropellando uns e feriado
outros I Felizmente uo houve desgraca de maior
vulto, o que devido prudencia do regedor que
logo acudi, e com boas maoeiras fez retirar o
povo que j em grande numero se reuna.
O estado sanitario em algumas localidades das
proviocias do norte nao ten sJo satisfactorio.
A Misericordia da Poroa de Varzn esl lu-
tando can graves difllouldades en razo do gran-
de numero de enfernos que tem dado entrada no
seu hospital en consequencia de haver grassado
con grande ialensidade naquelle conceibo, mo-
lestias graves,
Os apuros tlntnceiros em que se v a mesa ad-
ministradora daquella santa casa proven da di-
miauico do imposto sobre o vinho, que era am
dos eeus principaes rendimeutds.
Actualmente para nu fechar as portas dos hos-
pital aos pobres, v-se obligada a vender ou a
cnstrahtr emprestiraes sobre as suas rendas.
Era Aveirn, o nas povoagoes- ruraes tem-se
deseovelvido a epidemia das besJgas, tendo vic-
timado muitas enancas.
Era Vizeu e suas im mediales a febre typhoi-
de lera ceifado algumas vidas.
Era Cabcceiras de Bastos tem-se desenvolvido
plcurizes agudas, geralmenre faiaes nas pessoas
da idade provecta.
De CoimDra corrern ha dias noticias bastante
aterradoras. Algunas cartas pe*tiewteft>s lavam
alli o typbe fasendo aerviveis estrago*, havendo
mesmo quen aOlancasse que a Uaiveraidade se
hia fechar por esse motivo. Felizmente nao se
eoofirnarara seraelhantes boatos, sendo, porm,
certo que naqueita cidade, ten havido muitas
doencas roas nao de carcter epidmica.
Nas noticias dos desastres causados pelas inun-
dacea dos rios Douro a Mondogo, de que demos
conta na carta anterior,-eonneilemes ana inex-
aciidi) quaodo dissemos que eaa Coimbra nao
linham havido victimas. Desgraca*ament pere-
ceram mai e dous filhos.
Por todo o reino o temporal do Ora de dezem-
bro da-1860 deixou naiores ou menores vesti-
gios da sua aeco destruidora.
O rio Minho subi sraade altura, chegando
a cubrir as veigaa de ambas as suaa mr8nns. A
impetuosidaao da crrante inpedio, por alguns
dias, a comraunicaco entre Valen** a Tuy, e
bem assim tai intercepiada a estrada que da-
quella villa vai pora o Alto Mioho. Os estragos
e prejuizos causados pela cheia foram grandes.
Ashortss ficaram destruidas, muitas arvorea fo-
?aW^awTocauav, c os estruuua para adato das
ierras, qoe foi urna per da seosive para os lavr,
dores, foram levados pelas agoas.
O no Lina tamben sahio do seu leito. As suas
agoas, s bocas das nares, chegaraaa oca Viaaoa
a cobrir alguna caes, a a ameacar as habitaces
prximas ao rio.
Na comarca de Feigueiras os riachos e riaoiros
eocheram a ponto da impedir a commueieacao
entre alguns poveado*. Um ampo prximo a
Feigueiras foi invadido com tao grande (arca pe-
las aguas que as podras dos muros, muilas videi-
ras e rveros de fructo (orara levadas a grandes
distancias. Dia ama carta eaeripta desta iocaii-
dade, que o prejuizo causado nesle campo or-
eado em maia d cem mil reis.
Noticias de Bragaaca dizera que a corrente do
Sabor, subiu no dia 28 de dezembro aonde nin-
guem ae lembra de a ter visto subir causando
grandes prejuizos nas propriedades contiguas,,
levando grande quantidade de moinhos, e arrui-
nando os acudes dos que ficaram.
Segando o Campeo das Provincias, jornal
d'Averro a estrada mrgtnal Angoja alera dos
muitos estragos que ssjlreu em toda a sua ex-
tentio da parte do rio Touga, onde a agoa fes
desabor nraifo torrlo, occasionando assim pro-
fondas tecas, abra no centro ama breche, qae
loria de canprimento 20 metros, pouco mais ou
nenes.
A cheia alli foi extraordinaria, pois qne che-
gou a galgar qaasi a estrada ; e de certo ficarian
ioutilisados tantos contos de reis, que o governo
empregae na sua constroeco, te nao fosse a vi-'
gilaacia a o dedwado aelo do8*c*t d'aquella seo-
?ib e do droiotttrafor _*9 eoocerho do After-
garia.
Aalfanaag* i* Pon* reateu a* raes da deiera-
Reis .....
PASSIVO.
Capital actual do Banco.....
Diversos depositantes.......
Notas em circulacao...... .' .
Amorlisaeo do empreatimo para
a nova alfandega........
Dbitos em con t corrente ....
Dividendos a pagar........
Fundo de reserva.........
Lacros e perdas (deduzidos reis
33:435^000 dividendo do pri-
meiro semestre]........
25:10t870
2,391:2298050
l,337:WJ00O
479:9768714
272:74j000
U.250SOOO
150-.OO0JO09
7:8935250
7O.45#0O0
61.82IS086
Reis.....2,391:229^030
Manco commercial do Poito, 2 do Janeiro de
1861.
HESPA!HBL%.
i.,n Lis1 lo Janeiro.
corrente *m ** 00a's ao ?1""ho reino a 24 do
As cmaras legislativas hespaoholas UsUvanj
de assunptos exclusivamente de interesa* na-
CLOnal' s?" objecto algum de polilica geral.
A toerta tinha escripio que em consequencia
?n i0 ;e.r ceiebfdo sesso o congresso no da
10 par falta de numero de depuiados se divul-
garam boatos assuUdores al em algumas re-
partirles do estado, altribuiuda-se o Cacto
gravtdade de un lelegramma ettraogeiro rece-
bido pelo governo.
A Ctrretpoudencia rerpondeu-lhe:
Escusado dizer que nem houve tal Lele-
gramma, aera devian ser rcui assisados os que
se assustaram porque n&o se celebrasse a sesso,
vislo que com a declaracio da noticia natural-
mente seria cocheada a causa, a
Ura correspondente de Pars diz Independen-
cia belga que devendo a Hespmha Frange sos-
sonta nilhues era consequencia da intervengan
de 1823, se essegursva que o governo francez
reclamara esla sarama, e que o seu pagamaoto
est prximo, visto qoe o ministro da laceada da
Franca, aprsenla essa quana entre os recursos
prximos a entrar na orcanento.
0 goverao hespanhol est preparado, segundo
se diz, pasa todas aa eventualidades que pessan
provii da questao de Marrocor.
Preseniumeiite aciivan-se negociacoes entre
.Midrid e Fez para obter o curaprimento do tra-
tado de Vad-Raa.
Nada omine o goveroo hespanhol {escreve a
Correspondeneim] para que os marroquinos re-
conhecam a nobreza da Hespanha ; mas se nao
eauber apreciar este sentimsuto, natural no*
que sao fortes, Marrocos ver preste* qne oo se
falla impunemente jos tratadas,
0 Commtrcio de Cidx rrferindo-se questao
de Maocos exprime a opinio de quo* Uespa-
nh deve.aspirar posee em pleno dominio do
territorio conquistado aos mouros, porque nao
pode consentir que nessa parte da.cosla africana
do Mediterrneo venha com o andar dos lempos
a dominar ou a Franca ou a Inglaterra, como
succeder se a llespanha nao se aniecipar a fu-
mar alli a sua batideixa.
Na sesso do congresso do dia 16, Vendo fallo
o Sr. Valero e Soto algunas pergunta ao go-
verno sobre a pasamento da indemnisaco devida
pelo imperio de Marrocos, respondeu o presi-
dente do conselho, duque de Tetuo :
1", Que eslavam para para embarcar-te ai
aS*fV"" auM6nl* railhoee.
a Que o em prestio marro quino cora uma
Cap%W" cw*,*a P** a sua realisatao.
,.,!. S0;?0 ae julgava aulorisado para
conceder os prazos do pasamento.
No dia 14, no Mogador conev".t eTeclivanea-
te o embarque de doua nilhues de duros que
Marrocos entrega Hespanha conta de indera-
^'V'a Cu,',0wva a operaso con rapidez,
na data das ultimas noticias. *
Parece que o governo hnspanhol irau de alar-
gar os limites do territorio circumvziobo da
pra;a de Ceuta, segundo o tratado con os nar-
roquiaos, e pavear o espseo adquirida al bnia
de Benz, annunciando as condice de colani-
saco.
A avalaco feila ltimamente pelos easenhei-
rosctvi. que o goverao eocarregou deile ob-
jecto eleva a quaiorze milhes de reales annuaes
s o producto qu* devem rendar as artades
mallas de sobreos.
Publcoa-sa a lei dos orcamentoa par* o
presente anno, sanecionada em .11 do cor-
rete.
As desperas ordinarias da estado durante
aono pe 1861 sao avalladas na somma de....
1.931,474:305 reales. .......
As daapezat inherentes ao producto da vendas
dos beos do estado oulras procedencias, a par-
te deste producto appticavel i amorlisaeo da
divida consolidada e deferida, as obras publicas
extraordinarias, o material extraordinario de
guerra, marinha e oulras repartieres, a as sub-
venedes para caninhos de feTr* oreara era......
428-445,613 reales,
A mesma lei dispe que emquanto o saldo 4*
caira de depsitos por suas entregas ao theaou-
ro oo baixar 40o milhes da reales, nao poder
o thesouro ter en circulacao. durante o exercicio
de teftt, naier soma* a'ootrs classe de -valorea,
^^ representara, a vida lactstaat*, qne a
do 240 mithes, aa*p4iando-sa asU Mautia Unto
oantodinhiuir aqnarle 8g|g0 ,^ a mmmk g0
^?*nMIaWWa
"


r


1
Y*

*RW M IHMM^. ^JWWfifMBM-14'it'tlWWgiiB M fMf
-
O ti. 7 redot a cinco reales por cada atria
de dez patarras o prego atedio do mico lale-
graphieo interno'
N'outro artigo flia-se em ees waler o prego
o kilogramma de plvora do rias.
PuDticou-se tambem, sancatraade, una* lei de-
clarando que sao divida sem Jera, e eemalal ee
convertero ero divid* aroorlisavel de 2* ciaste,
creada pela le do 1 de agosto de 1851, os juros
eenlcoiplados as laaeripeoea 4o divida contente '
de 5 por cento em papel o os documentos Interi-
nos quo por o(equivalencia lenhara sido expe-
didos pelo gorero.
No congresso o Sr. Mendoz Vigo exptannu a
sua interpella;ao sobre os prejuizos que est oc-
castonando agricultura, a industria e aus inte-
resses era ge ral do paisa progressiva eraigraceo
da mocidade das provincias do norte da Hespa-
Dha para as colonias e repblicas americanas, o a
necessidade de que o goveroo adopte medidas
opportunas para evitar esta verdadeira calomi-
dade.
Omia9tro do reino, na aesso de 14 do cr-
tente, no congresso, responpeu ao Sr. Mndez
Vigo, que, nio obstante achar-se disposto o go-
verno a tomar alguraas providencias, estas, da
tnesma manelra que as rogulsraentavea o indi-
toctas ]i existentes, nunca serao snfllcientea pa-
ta evitar a emigrarlo daquelles individuos que,
sonhando com urna riqueza que lem visto adqui-
rida por outro, se arrojam era demanda deila :
e para proseguirem no sen intento emigrara para
paiz eslrang.!iro, afim de se dirigirem d'aht s
regios americanas.
Disse mais o ministro, que na imposibilidade
de evitar o mal, raeditiva o governo trnala
mais proveiiosa para os emigrantes, fomentando
a par dos interesses destes os das provincias hes-
panholas na America, para onde procurarla ou-
caminhir a emigraco.
Anda continuou por algum lempo a diseusso
sobre o mesmo assumpto, lembrando o marquez
deS. Cirios, que servira para coarctar essa emi-
graco publicar amiudadas vezes nos Boletn*
officiats das provincias as listas dos que allecem
no ultramar, podendo sastra eonvencer-se os que
projeitam emigrar da sorte desgranada da maio-
ria dos que abandonara a patria sonhando chime-
ricos venturas.
V6-se, pois, que o governo da Hespanha ra
seguiudo neste ponto o exemplo do gabinete por-
tuguez.
A marinha hespanhota tem as aguas de Gae-
ta um vapor de guerra, ontro vapor transporte,
e a corveta Villa de bilbau, sendo esta de vela,
volta provincia substituindu-a outre vapor de
guerra.
Estas torcas sao destinadas a proteger os inte-
resses da Hespanha naquellas costas e a offorecer
um decoroso asylo familia real de aples em
caso necessario, nao se inlrometlendo nem ja-
mis se ingerindo as questdes que se agilam na
Italia.
No dia 22 houve no senado tres votares im-
portantes.
Tundo concluido o longo debate sobro o pro-
jecto de le relstivo o acoessos militares, foi
approvado por 82 votos contra 26.
O adiantamento da subveneo s empresas de
caminhos de ferro, foi approvado sem dfseossao
por 83 votos contra 9.
O projecto de lei para o addiamento da pratica
do system* mtrico decimal at ao Io do Janeiro
de 1870, tambem foi approvadusem debate por
82 votos contra 7.
O principe das Asturias, reslabelocido em sua
saude, fui comprimeolado no dia 23. seu anui-
versariu natalicio, com a etiqueta do eslylo.
A morte do conde de Moote-Molim em Tries-
te, tem produzido em Hespanha certa excitago
na impreosa.
Appareceu um artigo na Esperanza discutindo
e examinando o estado da questao dymnaslica
aps a morte daquelle principe, expoz que de
certo um doa partidarios da dymnasti.i proscrip-
ta reconheceriam o infante D. Joo como repre-
sentante da legilimidade, outros porm iriam
buscar os Qlhos deslo, pois que o pai tendo-se
collocado tora dos principios da legilimidade,
nao poda representi-los.
Acrescentou, que, se a legilimidade nao era
possivel com principios Calhulicos, valia mais
urna repblica calholica, do que um reino domi-
nado por um principo como o infante D- Joo, o
qual nos seus manicstos mais pareca um instru-
mento da propaganda revolucionario anglicana e
anli-papisla, do que um principe hespanhol.
Produzio este artigo grande impresso em toda
o jornalisroo adverso, quer na parte exltala,
quer nos inimigos do parlamentarismo, porm
defensores de Isabel II, os quaea sao muilos.
Tinham dito lodos elles que o partido carlista
j eslava morto, mas quo o cadver ia sepultar-
se com o do lilho de Carlos V. E uns concluiam
dizcudo que as reliquias do partido carlista de-
viam colligar-se com os moderados, pois eram
os iuimigos natos da revoluco, dos ossassinos
dos padres e frades, etc.; outros peto contrario
queriam que esses restos de carlismo entras-
sera na uniao liberal, fortificando o actual go-
verno.
A Esperanza elevou-se cootra nns e outros.
Diz. que, se ha tanto lempo que esses jornaes
julgavam morto o partido carlista, como querem
acha-lo agora vivo por causa de nma morte que
nao mata os principios
Depois acrescenta : se eslava morto, deixem-
no como eslava. E porque lhe langavam. em
rosto, que o filhos do infante D. Joo sao anda
meninos, e nao so sabe se seguirlo ocaminho de
seu pai, responde, que uro dalles j lera 14 an-
OuS, e que educados por sua mal, rirtuosissima
princeza, epurura soberano igualmente virtuo-
so, qual o lio delles, nao poderao deixar de
ser principes catholicos. E como a Iberia tinham
dito que Cabrera estara prompto a partir de Lon-
dres para Madrid, a unir-so aos homens da sita-
cao ; rosponde-lhe que Cabrera partir ou ia
partir de Londres para Frosdorff, onde eslava
Com seus filhos a archiJu lueza esposa de I).
Joao. Acrescenta anda em outro artigo que
sao altos os juizos de Dos, e que muitas vezes
o que aos homens parece ser una perda irrepa-
ravel, um grande mal, um termo para as espe-
rances, venha a ser a causa deltas se realisareno.
A Esperanza, para mostrar que nao basta a
nm principe ter direttos por nascimento, mas
que indtspensavel reunir todas as condiees,
de que depende o principio hereditario, diz o
seguiote :
Nao nos peza que os nossos collegas liberaos,
fazenio caso oroisjo do qeo antc-honlem disse-
inos acerca do conde Montemolin, s se tenham
occupido, j em commentar o que suppuzemos
pensara a Hespanha calholica respeito de I)
Joo, j cm fazer conjecturas acerca da rol socao
com que citamos os dous filhos do matrimonio
deste principe com a cunhada de Henrique V da
Franca. Tiraram-nos dessa maoeira a occasio
de continuar adulando as grandezas do infortu-
nio eas gran lesas do sepulchro, nicas entre as
da Ierra a que estimamos tisongear ; masera tro-
ca deram-nos a conhecerqne nao ha que tomar
os seus vituperios pelo que sdara, e at que pou-
co Ihes falla para respeitir os morios que hajam
sido principes e Bourbons.
Ooanlo ao mais sentimos que tenha havido en-
treelles, ou qoem pensasso que iamos agora en-
contrar-nos em grande comfliclo, ou quero julgas
se, contrario s prescripcoes da legilimidade do
direilo divino a que a respeito de O. Jeiodisse-
mosem nomo da Hespanha calholica, nome que
todos eltea lomam sem reparo algum por synorii-
rnu do partido CarlUta, on finalmente quera
olhe a nossa perseveranga com signal de urna
culpavel rebelda contra os decretos do Altissi-
mo ; decretos qoe, no sea juizo, aos estilo indi-
cando que devenios langar-nos de urna vez nos
bracos do palamarttaflsiao.
Mas nenhum distes testa havido, se todos ti-
vessem presente o que" em diversas occasies
tem dito a Esperanza.
Amante, anta ludo, doa princiaios a Esperanto
nio pede, nem achar-se em embaraces, porque
tal en qual pessoa morreu, nem renconhecer o
ninguem o direilo de inculcar es que prefessa,
nem olhar nunca como recurso, o que eoasidera
mau.
J (em dito, em quanlo e legilimidade que
longe de julgar limitada a de direite di viso ao
inonerchas, a estende a ouiro qoalquer poder:
transmettido successiramente sem oafoeieae atu>
rente am loago espaco de lempo, e ten* eaedieaeia, que a quo ae dev a tada peder
leailimo nio podeiver-sa alano ponte de reee*
nbeoernelle a fau|dade de ceewpicae oeJ|iaa>a
reiifiev nem deaubaererter aretUerieeeearte a*
lem MdameaUee de Eatade, nem do alienar es
Cce conforme a doutrina da ana escola qe e
onarcha eat e peder, que .nenda Ate mwe
tradlnceas e tfaa de povo, fae enueea KikUuat-
mente ou por ayilema se dte considerar
tujelte 1 ama miei, o no estado de demencia,
trasladando o exercieio da soberana a quem pela
lei dere succader-lhe.
A eaagerecAo enperstciosa dot foros da legili-
midade acabe e devia, a seus olhos, acabar,
com vMajd seu panegirista moderno, o defeu-
*b prtoeipmdkl BRlmrnick que com tao laraenta-
vel erro pereceu ter crido que era por si s bs-
tanla para dar aot Estados a tranquilidade que o
setMibarattamo ceettuv.
minando ti-Reino a sltuaclo das coasas
- e lera de Hespanha, o espirito de certas
esceia, e reparando que' no mesmo dia (15 do
corrente) em que falleceram o conde e a condes-
ea de Montemotlm, morreu tambem a camaris-
ta ao servido uesta princeza, dizque se percebe
sem grande esforgo que iste que ainda hontem
nao passava de suspeita, quanlo ao fallecimeote
nada natural desses pereoaagens, deve eje ter-
se j por evidente.
Urna carta de Trieste datada de 8, que i Espe-
ranza publica dando conta do bito do D. Fer-
nando de Bourben, fazia j presentir fiovas des-
granas em sus desafortunada familia, e fallando
das doencat de D. Fernando diz qee t parece ter
sido (sublinhando estas palavras) urna aTcccta
pulmonar.
Falla-ge os prisao de duaa altas personagens,
urna deltas do sexo feminino, sobre a causa de
tal medida circulara veranes fatdicas.
As folhas minnisteriaes estko no caso de recti-
ficar a opinio para que nao se desvair.
No dia 27 do mez passado deu o Papa bo Vati-
cano um banquete explendido a que assistiram
a rainha Christioa e seu esposo o deque de Rion-
zares ; a rainha viuva de aples cora sua fami-
lia, o conde de Trapani, os embaixadorea de Isa-
bel II e de Francisco II, e oilo cardeaes.
O lugar de preferencia diroita do pontifico
foi designado raiuha Cbristina ; esquerda do
papa sentou-se a rainha viua de aplos. O caf
foi servido na s .1 do Ihrono.
Nao ceno, dizem as folhas de Madrid que S.
M. a rainha me raanifostasse a resoluto de nao
voltara Pars. A rainha D. Mara Chnstina pas-
sar o invern em Roma no palacio Albani que
compran ejreedificou, e voltar a Pars no mez
de maio.
No dia 20 verificou-se no pago a solemne ce-
remonia de lomarcm a almofada, fsto de torem
o previlegio de sentar-se na real presenca, quin-
ze damas da rainha, de Cobrirem-se perante eo
soberano Ireze grandes de Hespanha de primeira
classo e um de segunda claSse. Entre os primei-
ro, oenlavara-se o marquez del Duero, o duque
de Tetuu preaidenle do eonselho ; o marques de
Guad-el-Jel, general Ros de Olano ; e o mar-
quez de les Castillejos, general Prira. A' larde
receberam SS. MM. em audiencia particular sir
Buchanan, enviado extraordinario e ministro ple-
nipotenciario da Graa-Bretaoha.
Acha-seem Braga (Portugal) D. Ramn Barros
Sibello, dislincto archeologo hespanhol, que em
1859 examinou e esludou a va remana de Braga
para Attorga pela serta do Geret. Parece que
vem agora efTerecer academia real das scieocias
de Lisboa os sces Irabalhos acempanhados de urna
circumslanciada memoria.
No dia 14 deste mez, no alto mar, o vapor hes-
panhol Marquez dt la Victoria, que levara para
Tetuio um es^uadru de carallaria, abalroou
cora urr biigue, soITren lo ambos grandes araras.
Espalhcu-se que a Russta e a Hespanha, quan-
do a esquadra frnncezase retirasse das aguas de
Gaeta, a fariam substituir por esquadras suas,
mas nao parece provavel tal medida, que longe
de produzir um effeito favoravel, iria de cerlo
complicar a questao. Tem apparecido aecusa-
edes vivissimas contra urna fragata bespanhola
fondeada em frente de Gaeta e que so dizia auxi-
liar por meio de aignaes, a rectificar os tiros das
bateras da praca. Parece que a este respeito se
proceder a uro inquerito, e que do resultado se
colheu que nao liana exaclido naquellas aecu-
sage?. A respeito deste assumpto, na cmara
dns deputados fez o governo urna declararlo of-
ficial, desmentindo o que se dizia, e aproveitan-
do a occasio para dizer quo estando resolvido a
permanecer neutral, linha ordenado que a mari-
nha tambem observasse neutralidade absoluta.
A Espaa, jornal de Madrid, allude noramente
questao de alliangas, e er que o governo, a jul-
gar pelas declararles que fez ainda nao ha mul-
lo, tem o proposito de encerrar-se dentro dos
limites da neutralidade mais completa, calculo
que 0 citado jornal qualiGca da prudente Moa,
acrescenta que a verdadeira questao que cumpre
resolver cora urgencia seo governo se acha pre-
parado para manter essa poltica e para lison-
gear-se com a esperanza deque a sua neutralida-
de soja respeilada.
L.
o
Dr.
do
meirojuiz de paz nlelenha o podef dt lizer
os votante* toe ee I ^^
O otitf rjepalarjo pelo circulo do sul
Boojamio Franklin da liocba Vietri |^H
8r. minietrb doa eati'dnjtefroi,
por emboe os partidos t pero WBqe'lbram eleifos :
es Dra. Soeridia El.>y de *f^M ftd e Aef-
reliano Candido Tave res taaJUlpwte o tarcelro
decidir a amara' dos diputados entre s Dra.
Jacinto Paes de MectMitt;a-r Silvcira Lobo ; j v portante.qpe o oorpe elei-
toral (serio ?) escolhsu tres deputados e doua es-
colher a cmara, e sem davida, tendo era isla
os mais severos principios de jusiiea,
Tem continuado a chuver, o que ha eauaedo
grande mal a presente nafra.
Nada mais por hoje.
PERHflMBUCO.
REVISTA DIARIA-
Hoje abrem-se an aulas do Curso Commer-
cial, e amanha encerrase definitivamente a
matricula neste crtente anuo lectivo.
Por portara de 11 do corrente mez foi
creada urna cadeira de instruego elementar do
sexo feminino na villa do Cabo.
Hontem leve lugar a procissao de clnza,
que fui aprcsenlada cora a pompa, qu de ordi-
nario preside esse acto religioso da veneravel
ordem tercelra de $. Francisco.
Foi exonerado aeu pedido o thesoureiro
das loteras desta provincia, o Sr. Manoel Camillo
Pires Falco, sendo substituido pelo Sr. Antonio
Jos Rodrigues de Souna.
Por portara do 11 do corrente foram remo-
vidos, por conveniencia do servido publico, os
Drs. promotores pblicos das comarcas de Pao
d'Alho e Santo Anlo, do uma para oulra deesas
comarcas.
O capito Manoel Sabino dd Mello fui dis-
pensado a seu pedido da subdelegada do 1.*
dislricto da fregues de Flores, bdra como do
lugar de f. auppltiote do delegado do mesmo
termo. *-
Temos as seguales noticias eleitoraes
relativas ao 5. di-trido :
No dia 29 do ultimo reuniram-se os eleilores
deCimbres da duplcala presidida pelo juiz de paz
Eraigdio Camello Pessoa de Siqueira Cavalcantl,
na igreja matriz da mesma parnchia ; e depois
dos actos religiosos e outros rcais determinados
pela lei o seguinlo di*, procedeu-se a votagao
com 28 eleilores prcaeoles, a qual deu esto
resultado :
Conego Joaqnira Pinto de Campos.......... 28
l>r. Augusto Frederico de Oliveira........... 27
Dr. Antonio doa Santo; Siqueira CavalCanti. 1
Inlnrmam-nos igua1 mente, que os eleilores
da outra parcialidade da mesma freguezia, con-
juntamente com os da freguezia de Alagoa de
Baixo, da eleico presidida pelo juiz de paz Ve-
ras, reuniram'-se no ca 29 no paco da cmara
municipal da villa de Pesquoira, sem que ahi se
procedesse no entretanto ao acto religioso pros-
cripto pela lei, nem que foss convidado para
esse flm o respectivo vigario d Cimbres.
Por engao typi>graphico sohio honldra,
com data de lt o expediente do governo da pro*
vincia, quando apenas era dessa data a portiria
do adiamento da assecnbja provincial, sendo
restante de 9 dd corrente.
e reeoebeekaaatb meefte vlr-
homem. cujo beilo trete^ pao
rauilo fcil de enconlrar-ae em uma
N aa palanas totlis que oa homeri
'. ePt ajease seaapt daimMtbme pela
pratica de seus actos.
TalTlT,
_ ba.diq-
mbuco, de
m vantqgem,
ttifitaf, que
dpone.
tz em quando
IpeWEuUres
'M4reM0ta^
dessa presi-
atai
do
6 o Exm..$ti 9r. Ambeotie
no presidente desta proviai
quem continuamos a ouvir trat
o que agora tivemos occeeriro
bem merecida esaa riombada ^
I com effeito dirigindo-noa de
resta capital, a tratar de negOci
notaos, nestas poucae berad que !
mo, aempre temos tocado ao pac.
atdauMM; abservemoa que ama sapsfogle e getal
contentamente domina a todos qnatito all clie-
gamaquetle passo ;som duvdaTporqeeo Em.
i>r. Dr. Ambrozio Leitao da Cunhja, intelligcnte,
de um coragao bem formado, qne parece ser
o hornero azado c proprio para-administrar esta
provincia.- r y
Bem pederamos agora descer k autlyse do cer-
los actos meritorios praticados nest provincia pelo
Exm Sr. Dr. Ambrozio Leitao da Cunha. mas nio
podendo isto augmentar o aeu elogie, porque elle
ja o lem completo nesse nome e reputacio honrosa
geralmente se lhe reconbece, i
que acertada escolha com que o
o encarregou de larefa to ardoi
Continu o Exm. Sr. Dr. Aro
Cunha a proceder sempre co
todee o proclaroarao por um pe
E nos que supplicamos aos c<
das so dilatem aempre chelos
que V. Exe. seja elevado out
admlrrtstraclo, que possa merec
beneaerito.
Queiram. Srs. redactores, dar publicidade a
estas mal tragadas linhas, que exprimero os ver-
dadeiros senlimentoe des que multe the agradece-
rn e prezam-ae ser seus constantes leilores
Os Cinco Escdense.
Villa da Escada, 30 de janeifo de 1661.
sobre tudo na
verno imperial
e milindroia.
rezio Leitao da
o al hoje, que
etto cavalhelro.
para que seus
felicidade, para
mais vaotajosa
r um cidado to
COJMUHJEBCIO.
NOVO BANCO
PERHAMBUCO.
EM 18 DE I'EVEIlEIft DE 1861.
O banco descorita na presente semana a 10 */,
no anno at o prazo'de 4 mejzes e a 12 /0 al o
de 6 toezes, e toma dinheiro m coalas crrenles
simples on com juros pelo pf< mi e prazo que se
conveheionar.
4ttanttogBj,
endimento do da 1 a 11. 116:0629735
dem ido dia 13.......61bzo2zl
L 222:224*946
Wnvtinento da a Ifandcgu.
Voturoes entrados com fazendas.. 170
al com geneos..
ros tent E fresco e assim amanneceu.
OXIUAfAO A BftPl.
Preeoar aa 6 b. 30' da machia, hura p.
Bauamar a 0 b. 42" da tarde, altura 1,1 p.
Obaervatorio de arsenal de marinha, 13 de fe-
TOtetro de 1861.
aOMAHO 8TIPPLI.
1' lente.
Editaes.
-------------!
- *
Volum ia sahidos com fazendas.,
com gneros..
848
------' 1,024
169
18
------187
INTERIOR.
CHROIIICii_JUltURII.
TRIBUNAL DI RELCO.
SESSAOEM 12DEFEVEKEIRO DE 1861.
PRESIDENCIA DO EU. SR. CONSELHEIBO EHMELISO
DE LEAO.
As 10 horas da manha, achando-se presen-
tes os Srs. desembargadores Silveira, Citirana,
Lourengo Ssuliago, Silva Gomes, Guerra, pro-
curador da corda, e Costa Molla, faltando com
causa o Sr. desembargador Caetano Santiago,
foi aherla a soasan.
Passidos os feitos e entregues os distribui-
do?, procedeu-se aos seguinles
JULGaMBNTOS.
AGOBaVO DE PETtgO.
Aggravante, Jos Gongalo do Espirito Santo ;
aggravado, o julzo.
Relator o Sr desembargador Silveira.
Sorteados os Srs. desembargadores Costa Molta,
Gitirana.
Deram provimento.
Aggravante, Jos Gongalo do Espirito Santo ;
aggravado, o juizo.
Relator o Sr desembargador Citirana.
Sorteados oa Srs. desembargadores Costa Moda,
e Silveira.
Deram provimento.
Aggravante, Basilio Alvares de Miranda Vare-
o ; aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Motta.
Sorteados os Srs. desembargadores Louren-
co Santiago, e Gitirana.
Negaram provimento-
app:;ll vgoES GtvEis.
Appellaole, Bcnto Bezerra de Mallos
lado, Domingos Francisco Cavalcanti.
Conlirniaram a sentenca.
Appellanle, Joo Sergio Cesar de Albuquerque;
appellado, Candido Eustaquio Cesar de Mello.
Fi'ou adiado.
Appellaote, Antn u de Oliveira Muniz
pellada, padre Joo Cyrillo de Lima.
CotiQrmou-se a sentenca.
Appellanle, Antonio Virissimo da Silva
pellado, padre Joaquim Xavier Potolla.
Rcceberam-se os embargos.
Appellanle, Antonio Domingos Pinto ; appella-
do, Manoel Alvos Guerra e outro.
Desprezaram-ae os embargos.
Appellanle, Gervazio Jos de Magalhes ; ap-
pellado, Jos Soares do Azovedo.
Conrmada a sentenga.
Na petico de Jos Ignacio do Monte, pediedo
uma o/dem de habeas-corpus, foi concedida, e
marcado o prazo de 2 horas para ser o reo apre-
senlado, ouvida a aateridado competente.Deu-
se soltura.
DILIGENCIAS CRINES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
juslica, as appellaces crimes:
Appollante. Joaquim Dumingus Corris; ap-
pellada, a Justina.
Appellanle, o juizo ; appellado, Francisco da
Rocha Barros Wanderley.
Assignou-se dia para julgamenlo da seguinte
appellaco crime :
Appellanle. o promotor ; appellado, Jlo
Eduardo de Aquino.
Appellanle, o juizo; appellado, Martinho Pe-
dro de Albuquerque.
Appellanle, o ji izo; appellado, Jeronyrao Jos
d'Alexandria:
Appellanle, ojeizo; appellado, Joo Francisco
de Moraes.
A appellaco cvel :
Appellanto. Mathias Lopes da Costa Mata ; ap-
pellados, D. Maris ee Jess Cordelro e os direc-
tores do hospital poriaguez.
As 3X horaada tarde encerrou-sc a sessSo.
notes do louga, 6 bar-
de gesso ; s Joaquim
las liohaca, 2 ditas
carbonato de amnico
ilo de horva-doce, 1
appel-
ap-
ap-
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
ALAGOAS.
Sfacei 8 de fevereiro.
Est terminado o rendido pleito, ou mais pro-
piamentepassou-se o carnaval eleitoral ; li-
raram-se as mascaras, e muia cara, que se oc-
caitava sob agradaveis apparencias ah est
mostra em toda sua hediondez ; muita doepcao,
muito logro, muita deslealdade e muita infamia 1
Eis o que caraclerisa em nosso paiz uma elei-
co ; fontede currupgo, ahi que est a causa
das grandes degragas desta pobre trra.
E tanta cegueira em contervar-se uma causa,
qne nao traz seuo ruinas I
Por amor da liberdade I... Onde est a garan-
ta da liberdade nessa farra, qne se chama ava-
lenta eleitoral?
Por maiorea que sejam os tratos que eu d
minha imaginando nao descubro a razo, porque
tanta gente se extasa diante do syslema, que
nao pode vier sem eleigo, isto sem qne se
ponhaemjogo tudo, que as patines humanas
contera de mais oerroaivo, sera que se revolvam
at as fezesos senlimentos mais ignobeis ; pobre
Brasil onde irs ter con tuas eleicea '? I Dos
nao perraitlir, que eu morra sem que te veja
liTre desso cancro,que te corroe as entranhas mo-
raes 1
Se qncres ser governado acaba com esse sys-
lema de mentiras, e confia naquelle que a pro-
videncia te destinou a guiar-te pelo cafflioho do
porvir ; confia nelle, qee oao pode ter onlro in-
leresse, que nao se identifique com e leu, elle
(eu verdadeiro e nico mandatario, aqeellea que
te impe de quatro em qualro annos, esses nao
sao mandatarios seno do si meemos.
Nesse syslema ninguem est bem onde est ;
todos aspira*subir, ro per subir, mes para go-
zar. Ninguem ha que nao crea ouvir essa 'voz
falidlca, que oavia Mcbeth lhe exclamando ;
Macbelh I Macbeth I tu sers rei. O eieitor
ouve uma voz que lhe diz : eieitor tu ser dopu-
tado I O deputado ouve uma voz que lhe diz:
deputado lu sers ministro I O ministro ouve uma
voz que lhe diz : ministro lu eevs..\ e rrao soi
o que, senhores.. .,<.,
Assim se ennunciava Donoso Corlcz no rjaila-
mento hespanhol.
Aqu uma Influencia eleitoral ouvio uma voz
que Ike dizia : inluenea tu aeras.... o que ? Hice-
ou grande ? I E' um mystorip para os homens de
honra, qu respeilem a thea.
O fado que oceupa todas asallengoes, o qne
ae den no dislricto do sul. onde se coniava u'utn
collegio toda a votatjo para cerlo candidato, e
da urna sahio o nomo do adversario, cuja candi-
datura foi (gentada at'a veedora ; Uto se da va
quando a iu fluencia exclusiva do collegio proles-
lavo bu candidlo engwado a (haier lealdade o
dedicano I
A Influencia tfue fe a defec^to foi o tenente-
curonel Joao rerreira da Costa Uubuseiro, de
Anadia, o o candidato trarido o Dr. Jos Anelo
Mtele da Silva-, tufa frMMfia, altas ninguem pe*
nha em duvida, seu nome foi substituido pelo
do Or. ararleel Joaqun de Mv>n8cr>a Cestetto-
Braneo, quo ostensivamente havia deixadu de
ser catrdffftn dVstfe qtjd e' irmfro JadnthO de
de Meddouga se apreaeotou pala tstclo do
norfe.
O Ibelo delxea | te*aotereaendtlo, maiji
3^Te^
apparece, que seja honroso ae ptotegoaiat*
Arrcsce que a provincia nao otha bem para f
pnaiane* te Ooffmioa I aentarem-se na re-
pMewaaacJmnacfaMeaL
Entretallo deve dizer que a eleijro ddDr, Jet
Anee** aAe eeU petdida, poia o/aa eee eon*>aiea,
euia.vaU4adeaeDMoenteta>tom eMmvor vete aibrt o aeu Nnpttio^, aoj* eavtrada d.
peni* e irppfovaeee de ani dviie4ta> do Srs. reataclores. _.
nedo evidentemente nulla, amenos, que ua>Aie-IUsoDja quem nos rajinaiaite moajento, mu sin &..$ 9' S
escarreaam hoje 14 de fevereiro.
glezaTaasobacalbo.
dglezLiodtsfarnemercaduras.
portoguezJareo mercadorias,
Escuna naoionalCarlotadiversos genero.
Importado.
Brigue portoguez Jareo, viudo de Lisboa, con-
signado a ..., manifes'ou o seguihte:
1 caixo'te com 100 Hbfag dj> carbonato de amo-
niaco, lo.arroba de aleciim, 1 caixote com 50 gar-
rafa* de agua inglesa, 1 barrica linhoga, 8 ditas
er, S ditas ochre, 1 dita altha, 1 caixote com 4
pilos de podra, 1 dito man, 1 dito com 250 li-
bras de drogis medicina*?, 1 dito rom 10 arrobas
de dita, e 4 dilas de colla d pellica, 2 ditos com
40 libras de producios chimicos, ditos medid-
naes, e 1 aVroba de limalhaj de ferro, S c.aixotes
com 44 duaas de broxss e nieis, 1 dito cora 6
funis do vidVo, 1 dito com
ricas com 55 1|2 arrobas
Ignacio Ribeiro Jnior.
4 barricas moslarda. 6 d
bicarbonato de aoda.tcalxol
2 ditos broxia, 1 dito esp
dito caixiuhas, 1 dito raejrcurio. 1 dito crmor
trtaro, 2 dito com 100ganafas d'agua ingleza.
e mais 1 fardo com flor de sabugo e 1 caixote
drogas medicinase; a Joo da Silva Faria Furia.
20 barricas er, 7 caixeles azulejos; a B. F.
de Souza.
1 caixote drogas medie naes, 1 dito medica-
mentos, letreiros, 2 ditos vidros, 1 barrica lin.is-
C' ; a Ignacio Jos do Con o.
50 saceos semea; M. Gibaon.
1 caixnle livros encadei nados, impressos, e
typos; G-i i maraes & C.
1 caita, impressos ; ao cpnsul portuguez.
1 dita, impresaos e livjroa encadernados ;
Elias Jos dos Santos Aodiade & C.
3 pinas e 25 barra fin! o ; Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho.
10 barricas gesso. 1 catia litros impressos;
Manoel Gougalves da Silv i.
1 caixa cho oale; Marcelino Henrique
Perera.
10 saceos seri ia
1 saeco fava,
obras de metal amare
Breckenfleid.
3 volumes, uvks e passns, 30 caixas massas, 1
France '
I Jost Pereira V'ianoa.
1 dita grao ale bico, 1 caixote
o: i Chrislovlo G.
ioo Isidoro Leal,
Frsucisco Luiz
de
as; Jo Jos Pereira Mou-
dita doce seceo
30 barricas tejuciuho
Oliveira Azevett .
1 caixote, ped
tinho.
6 pipas vinagre, 16 ditas, 2 meiae e 9 barris
vinho, 40 ditos touoinho; Araorira & Irmus.
50 caixas, batatas, 25 litas ceblas, 20 barris
vinho. 12 ditos churigas, 6 pipas, 12 rheias e-23
barris vinagre, 150 barris, 60 ditos loucinho ;
Francisco Sevenano Rabillo & Filho.
300 caixas batatas, 50 litas ceblas, 30 barris
sardinhas; Luiz Jos d i Costa Araorim.
1 calzte bixas, 1 dito tintas, 1 dito oleo de
bacalho e raspas de veac o, 2 fardos flor de sa-
^
Commuaicados.
E' sublime, alera de uompleld em harmonas,
o bello orgo que acaba de chegar da Italia, com
eu mimoso painel, repre%etttSBd S. Miguel, pa-
ra a igrej matriz o Corpo Santo. Honra seja
feila a todas as confrarias ali congregadas que
ajudaram para ensa aoquisieo' alias mu impor-
tante e nocessari". Oescobrimns nellas um gosto
aiHado para o santuario do Seohor, e scja-tios
licito dar em partid, lar Ilustre irmandadede
S. Migael oa maiores elogios, ptriojao, alm do
ee acabamos de observar, sabemos or peaaoaa
rledlgoas, que tJenra raa oova e grande rois-
sa com msica nHHtnr ew a rjriafexrjcotar trrh-
bel *hjvrJi<|rJvodlad*a*a ?M.ooura (e*t*
vidade. Essa nova produego eceleaieatiea o ori-
ginal dizem ser obra-prima, escripia e delineada
pelo aeu autor, do ftiearfli triodo, cmo d.uem'es-
creve ama carta i tfe correspondente, coma
maiur indiffereng e aVhDtt auxilio de instrumen-
to algum.
O gosto do publisp pernambiicand decidir,
fois, do bem retio1rrfrj'e;cohecerqaetemos
Oda a razio de daVAiedesde j* oa-noasoa para-
bena aos dignos che*tevt4tsa illuatre confraria, .
Corresjkxudencias.
bugo, 1 dito ervas medicii i
dito agaates : Manoel
4 pipas. 35 barris o
barris vinagre. 120 ditos eaixas cera em velas
seca.
16 pipas, 2 meias e 60
Joaquim e Silva.
100 barris rzeite doucel
Joo da Silva Regadas.
Bcceberloria de randas Internas
ajerae* de P trnambnco
Beadimeulo do dia 1 a ti. 9:3.18*634
dem do dia 13.
aes, 1 dito macollas, 1
os de Souza.
10 ancoretas vinho, 5
al, 50 ditos loucinho 30
H omaz do Aquino Fnn-
barris vinho; Manoel
50 ditos loucinho ;
Consalado
Rendimento do dia t a 12. .
dem do dia 13.
'ti,
3293653
O Dr. Ansnlmo Fraanieco Pereifi, commedadov
da imperial ordem da Hoaa, da te Cbristo, julz
de direito especial do coraroercie doata cidade
do Recito de Peraaoabuco e aeu termo por 8.
M. o Imperador, que Deusguarde ele.
Fago saber aos que o presente ediial virem,
e delle noticia tiverem, que no dia 6 do mee de
margo prximo futuro ae ha de arrematar em
praga publica deste juizo. um sobrado de dous
andares, sito no pateo do Terco n. 12, avallado
em 12:000?, o quaf- peden cento a Jco Chrysos-
lomo Pacheco Soares, e ua mulher D. Loorenca
Balbina de CarValho Soares.' e val I praga por
execugao ojue lhes move Antonio Valentira da
Silva Bsrrora ; eesso n8o apparega langador que
cubra o prego da avaliaco, ser a arremalacao
feta pelo prego da adjudicagao com o abate
da lei.
K para que chegue ao conhecimente do todos
mandei passar editaes, que sero publicados pela
imprensa e afiliados nos lugares destgaados no
cdigo commercial.
Cldale do Itedft?. n de fevereiro dn tWlt, 41T
da independencia e do imperio do Brasil.Eu
Manoel Marta Rodrigues do Nascimento, escrivio
o subscrevi.
A nselmo Francitco Perelti.
Por ordem do Sr. inspector da alfandega se
faz publico que no dia 14 do corrente a 1 hora da
larde se pora em leilo, porta desta raparlicao,
para ser arrematado pof quem mais der, uma
bombada apagar incendio cbm seus eeriences.
4.' secgao da alfandega de Pernambuco 11 de
fevereiro de 18M.o 3. eserlptorark,
Joo Jos Pereira de faria.
Joo Baplista de Castro e Silva, inspector da the-
snurtria de faraiida do Pornambaco, por Sua
Mig<>etade Imperial e Constitucional, que Dus
guarde, etc.
Em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. mi-
nistro da fazendn de 27 de dezetobro ultimo, fago
saber ao Sr. Jos Alexandre do Santos, que foi
indpflrido pelo tribunal do tfiesouro nacional o
requer ment em que pedio o Sr. Santos urna
indemnisago por prejuizos quo allegou ter tido
durante a rvolta de 8I8, valo se ter proscripto
o Seu drreito por nb o haver requerido dentro
de prazo de cinco annos.
Thesourarla de Pernambuco, 19 do Janeiro de
1861.
Joo Baplista de Castro e Silva.
0 Dr. Anselmo Francisco Perelti. commendadori
da imperial ordem da Rosa, da de Clirsto. e
juiz de direilo especial do de commcrclo des-
la cidade do Recite e seo termo capital da
provincia do Pernambuco por S. M. Imperial
r cooslitucional o Sonhor Dom Pedro II, que
Dos guarde etc.
Fago saber aos que o presente edital virara, e
delle noticia tiverem, que no dia 27 do correnie
mez so ha de arrematar era praga publica deste
juizo a qeem mais der na sala dos auditorios a
pela Joanna, crioula, de idade 40 annos pouco
mais ou menos, avahada ejn 800)000 rs., a qual
ral a praga por execugao de Joo Baplista de
Barros Machado, contra Marciauo Accioly Lins
Barrajas, o ser arrematada na falta de licitan-
tes pelo prego da adjudicagao com o abalimento
da lei,
E para que chegao noticia a todos, mandei
passar editaes que sero aluzados nos lugares
do costume e publicados pela imprenas.
Dado e passado uesta cidade do Recite de Per-
nambuco aos 11 das do mez de fevereiro de
1861. Eu, Manoel de Carvalho Paes de Andra-
de.escrivo do juizo oapecial do cooaraerdo o
Qz escrever.
Anselmo Francisco Perelti.
O Illm. Sr. inspector da thesourarla pro-
vincial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia, de do corrente, manda
fazor publico, que no dia 7 de margo prximo
vindearo, perante a junta da fazenda da mesma
Ihesouraria, se ha de arrematar a quem por me-
nos fizar, a obra do ealgamento da ra do Impe-
rador, a partir da porta do palacio da presidencia
at a praga do Collegio inclusive, avaliado em
86:542.
A arrematago ser feila na forma da lei pro-
vincial numero 343 de 15 de Janeiro de 1854, e
sobas clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas qne se propozerem a esta arremata-
gao comparegam na sala das sessdes da mesma
junta, no da cima declarado, pelo meio-dia,
Competentemente habilitadas.
E para constar ae mandou aluzar o presente e
publicar felo Diario.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Per-
nambuco, 11 de fevereiro de 1861. O secre-
laiio,
Antonio Ferreira da Annunciago.
Clausulas especiaes para a arrematago.
1 A obra aera principiada em dous mezes a
contar da data da arrematago e concluida no
prazo de 10 mezes.
2.a O arrematante ser obrigado a altendcr as
observages concernentos i boa execugao da obra
feitas pelo engenheiro encarregado da sua fisca-
llsaco.
3.* O pagamento ser devldido era quatre pres-
1 tagoes ignaes, correspondendo cada uma em
quarto do valor da obra constante do orcamento.
4.* Para so proceder ao pagamento ser a obra
avaliada em bragas quadradas, Picando o arrema-
tante sugeito pelo prego do orcamento ao aug-
mento da obra, se o governo asstm o eotender.
5." O arrematante ser obrigado a seguir res-
trictamente as obrigagoes coolidas no artigo 36
da le n. 286, e nos mais artigos da mesma lei,
que regula as arreraatages.
Conforme. O secretario, A. F. d Amiun-
ciago.
Por esta subdelegada se faz publico, que
foi preso e roeolhido casa de detence 0 preto
Marcelino, que disse estar ausente da cas* de
seu sonhor Manoel Antonio Corris, morador no
engenho Collegio, freguezia da Luz: outro sim
tambem se acha depositada uma vacca appr'e-
hendida cm um sitie ; quem se julgar com di-
reilo a uma e oulra cousa, comparega, que pro-
vando, lhe ser entregue.
Subdelegada do 1." distrirto da freguezia dos
AfogadosO de fevereiro de 1861.O subdelega-
do sepelente, Jas Buarque Lisboa.
prsmeiro mez, de 20 por cento no
gundo, de 30 por cwrto no terceiro e
assim succeMtj tonificar no dci-
mo mez e d'aH Wmm em mais ?-
lor algum, Aedf & i*e feVereirb de
#801. i Q* dirttttom gerentes, Luk
Antonio Yieira, /oao Ignacio d
dairoi Reg.
Secretaria lo ajawaroo ale
buco S de terereiro to Sfcf.
Pela secretaria do-governo se fat publico ajara
cen he cimento dos nteressaues, que pela repar-
'ige de fazenda foram devolvidos a S. Ese. e Sr.
presidente da provincia, aBm de serem deterioei
come entender conveniente, es reqoerimritos
dae pessoas. abaixo aderadas, acerca de terre-
nos de marinha.
RequerimerrW do marjor Jttftvj Francisco do Re-
g Mala.
c do coronel los Pedro Velloso da
Silveira.
de 0. Manuella Caetana de Oliveira
de D. Franceliu* Hermina da Silva
Ferreira.
de Fraacieco Wtatoo de Andrade a
Joa Mara da Silva,
de D. Isabel de Silveira Miranda
Seve a D. Isabel da Silveira Mi-
randa Seve e Cunha,
de Francisco Botelho de Andrade.
de Francisco Gongalvesde Arroda,
a de Frederico Miguel de Souza.
Joo Rodrigues Chaves.
Conselho administrativo,
O eonselho administrativo, para (oreecioMDiu
do arsenal de guerra, tem de comprar es objee-
los seguinles :
Para o forte do Buraco.
I.bandeira grande imperial de Qlele eont 8
pannos.
Para o 8" batalho de infantaria.
261 mantas grandes de la.
362 esleirs de palha de carnauba.
Quem quizar vender laes objectos aprsente as
suas propostas em carta lechada Ha secretaria do '
conselho, es 10 horaa na manha de dia 15 do
corrente mez.
Saladas sessdes do cerfsellto-'aflrrrtnistralivo,
para fornecimento do arsenal do guerra, 8 d*>
fevereiro de 1861. 'i /
Bento Josl Lamenha lina, *
Coronel presidente.
Francisco Joaquim PertiraLobo,
Coronel vogal secretario interine.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado prorrncial se faz pu-
blico que do dia 1. de fevereiro vindouro era
diante se principian) a contar os 30 das uteis pa-
ra pagamento bocea do cofre dos seguinles im-
posto : 12 0(0 sobre as lojas a retalho, armazens
de fazendas. tabernas e casas de leilo ; 4 OtO
sobre os armazens de recolher, botequins, hoteis,
casas de pasto, typographiss, prensas de algodao.
corheiras, carallarigas, e todos os mais estabele-
cimentoa era que houverem genetoa espacios A
venda ; SOOj) sobre casaa de cambio, 50 sobre)
casas de mudas, perfumaras, de chapeos fabri-
cados em paiz estrangeiro e por esaa da jogo dft
bilhar ; e bem asiim o imposto subre carros, m-
nibus e carrosas, tanto do servigo particular co-
mo de* aluguel. M-sa do consulado provincial
28 do Janeiro de 1861.- Pelo administrador,
Theodor0 Machado Freir Pereira da Silva.
Curso commercial
Pernambucano.
Faqo publico, a quem cot>ter, que
acha-se berta a matricula para este
curso ate' o dia 15 do corrente, quando
sera' encerrada definitivamente, segun-
do o dispotto no art. 21 do regulamen-
to interno.
As pessoas pois que pretenderen ma-
tricular-se, e que ainda o nSo tenham
feito, po'ierao dirgir-se a secretara da
directora geral da instruecao publica,
onde tem lugar a respectiva inscripeo,
tendo-o previamente requerido ao Exm.
Sr. presidente, na conformidade do art.
36 do referido regulameato.
Curso commercial Pernambucano 6
de fevereiro de 1861.
O pfofessor,
A. W. Pinto BandeiraeAcciol deV-
THEATRO
DI
Santa Isabel.
SABBADO 16 DE FEVEREIRO DE 1861.
Grande e variad espectculo
EH BENEFICIO 00 ARTISTA
Depois que os protessorea da orchestra execa-
tarem uma bella ouvertura, represenUr-se-hj e>
bem aceito e applaudido drama em 3 actos, inti-
tulado,
9.662*289
rovlnelal.
. 26207*901
2:128$974
2.436j)875
==
ia*.
MoTmcnto do porto.
" ? laros
liad W a bajerac** smi '.
Peraute a cmara municipal deala tidade
cofre m praga pnblica p-ra ser arrematado por
venda nos dias 7, 14 e 21 do corrente o predio
contiguo a igreja de 9. Sebastiao desta aoeima
ddade, em chao foreiro, com 62 palmos de (reo-
te, avaliado em 6:000), menos a quinta parte do
valor dado.
fcaadj
l)eclarac;f3*7
NOVOBANCO
DI
O ssovo banco continua a substitus
ou a reagatar al neta de 0$ c **$ dfoe
hvt emtttidn e ainda existeaa esn rit>
cilbwjiey
o decrete
uitime deetofte do ttrrbonai ala ifrssiit
rodc 1* de Janeiro de ievtnuae amney
esta substituido t continua. Mnv nne*
uta do posstdores .das.
Baha.
iernnindo de oue wmitmme Para a Baha egi
n. 8,80* de 10 de outnnro $XSt23t,
D1AB0 E
9
CARNE.
Os intervalos serao preenchidos coa ricas pe-
r;as de ausiea.
No flm do drama a Sra. D. Isabel eo benefi-
ciado caataro o jocoso duetto,
Terminar o espectculo com
da comedia em um acto,
APANELLADOFEITIQO.
a muito desrja-
______tSMU
DE
Vil ai ;abls vIO-
Era cejo espectculo lomam parte os artistas
Visate, ayraundo, Carvalho, 8knor, los, Joan
Alves, Joao Alvee, e benoOdado, Eleuterio Fran-
cisco (reeenteaaeote chegade i eeta dtfadej, e aav
Srae. O. Isabel, Leepeldioa e D. Antonia da
Saeta Rosa.
O baneflciade espera a areteccae do respeita-
vel publico, quera mais de uma vez lem lecur-
rido. sendo sempre atol hito com etithusiasmo.
Os bilbetes acham ae desde j 4 disposicao da
respeiUvel publico na rea de Santa Isabel o. 13.
residencia do beneficiado, o no dia do espectcu-
lo ao escripleri do theatro.
_________________Principiara s 8 horas.
Avisos m#ilimos.
Para o Rio de Jane *? aasveom toda bre-
vidade a linda e veleara nana aanional Iris:
para carga e passageiros tratk-se com os con-
aignatanos na ron do Trapiche n. 8.
aegae em poneos dias a escua
m panv alga ,arga: a lee
_ ae_ conatoMasJk) faaoctac
*.{). Atevedo. sa rea da Madre de Dos a. 1*.
Prftt o Aracaty
**ft em pnucos dias o hiato Beberibe ; para
caife e passageares, tratara a nan tM^igno
ia>ato 5.
Cear.
at 9 de nactte. pwjumo rtndenrov pon
que em din wv danta t te' ratW
cota e descante vasal > weniaiiana aliA418 Vad*u mm+ <*"*?$ a
lo, bo lado db torpo Saato a


m
OURiO DE M^IABMDCO. -* QUlIO*, HU M 0 Fy
* >V \
RISCO MAUlTiMO.
Precita-se a risco m-tritimo oWre o
cajeo, veame, mastoeacSo, apparelho
da galera americana Masnic, Jota-
cao 397 toneladas, -apitto John A. Se-
bait, cerca de 2:000$ para occoroer as
despezas que necessita fazer ueste porto,
am de continuar a ua viagem com
destino aoporto Galveston, (EstadosUni-
dos) : os pretendentes queiram dirigir
as suss propostas por escripto em carta
fechada ao consulado dos Estados Uni-
dos da America, ra da Cruz.
Para o Para era direilura.
O palhabote Garibaldi, segu oestes das por
ter engajado porto do seu carregamenlo : a tra-
tar com Tas.'o Irmaos ou com o capilo Custodio
Jos Vianni.
Acarac
Com toda a brevidade ha de seguir o bem co-
nhecido patacho Emulacao ; para carga e paj-
sageiros, trata te com o capilo a bordo, ou no
escriplorio de Maooel Goncalves da Silva.
Para o Rio Grande do Stfl.
Segu com toda a brevidade o brigue escusa
Ntgrau, por ter pule da carga prompta : para o
reato trata-ge na ra do Trapicho n. 14. coa o
consignatario Manoel Alvea Caerra, n cem* ca-
pilo .bordo;
Para
Rio de Janeiro,
o veleiro e bem conhecido brigue escuna Jovem
Arthur, pretende seguir com muita brevidade,
tem dous tercos de sua carga prompta: para o
resto que Ihe falta, trata-se com os seus consig-
natarios Azevedo & alendes, no seu escriptorio
ra da Cruz n. 1.
1PM
Rio de Janeiro
o bem conhecido e veleiro brigue nacional Al-
mirante pretende seguir com muita brevidade,
tem parte de sua carga prompta: para o resto
que lhe falta, trata-se cpm os seus consignatarios
Azevedo & Mendes, no seu escriptorio, ra da
Cruz n. 1.
guns senhores principiara' o leilao as
10 horas do dia tasa' ponto as 4 horas,
tornara* comear as 6 horas da tarde
ti' ateas 10 horas da noite.
- O bacharel A. R. de Torres Ban-
deira continua a ad rogar no crime e ci-
vel: em sua casa na ra larga do Ro-
sario n. 28, segundo andar.
Quem tiver e quizer alugar urna eterava que
coznhe e engomme, dlrija-ae a cocheira da ra
da Roda n. 45, que achara com quem tratar.
Um mojo porluguez, guarda-livros de urna
casa commerctal. dispondo de algumas horas
nellas se offerece para alguma escripturaro
qnem precisar, deiie carta fechada nesta lyoo-
graphia sob as iniciaes LA. K
Preeisa-se de urna ama para o servico de
casa de urna familia ; no armazem de Luiz Au-
nes ;e dir.
Offerece-se urna pessoa para amamentar
omleite ima enanca em sua casa, em razo da
sua ter fallecido : quem precisar, dirija-se a ra
ao rogo n. 4.
VMo de Bor
Em. cas* de Kalkmann Irmao i 4 C, rus da
Crus n. 10 enoonira-se o depos lo das bem eo-
dos Srs. Oldekop Mareilac 4 C, em Bordeaux.
Tea as seguintes qualidades:
De Brandenburg f reres.
Su Eslpb. "
Su Julien.
Margan x.
La rose.
Cha lea it Leo vi lie
Cha tea u Marga ux.
De Oldekop A Man ilhac
Su Julien.
St. Julien Mdoc.
Chateau Loville.
Cognac em barris qualidade fina.
Cognac em caitas qualidade inferic r.
Na raesraa casa
vender:
Sherry em barris.'
Madeira em barris.
lia para
COflPAIWUA PEIIAMBICAIU
Leiles.
DB
UilB
Sabbado 16 do-oorrente s 11
horas era ponto.
DE
lina foja de ferragens
NA
Ra Direita.
O agente Camargo fara' leilao
Navegaco costeira a vapor.
O vapor Persinunga, commandante Manoel,
ourigues dos Santos Mnura. segu viagem para ;
os porios do sul em 20 do corrente mez s 5 ho-
^yz^^z^t^^ ^^ "wBtf 5jmarffara' ie,s pr
aahida s 3 horas. Escriptorio no Forte do Mat- i mandado do Exm. Sr. r. jutz especial
do commercio a requerimento de P-
rente Vianna & C, da loa de ferraeens
e mais hens pertencentes a Manoel
Francisco de Moraes, no mencionado
dia as 11 horas em ponto.
REAL COMPANIIIA
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
Priado qijeimado 40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde. '
qoauS J'Ue2ile h8 '"S" "m sorlimeDl "Pl>o de roupa lata de todas a.
P'ttrm dVZSre8.8 ZTLVeT" PM *""' Btad- free"9' *"> '
(.a..APa rio nannA .* 1A^ o-- ._
APPROYACiO E AUTOBISAClO
DA
v. IJJTI NTRALDE HYGIENE EUBUCA f
ZMfM ME06AE
ELECTROMAGNTICAS EPISPASTICAS
De Ricardo Kirk
Para serem applicadas s partes affecta^as
sem resguardo nem incommodo
LEILAO
DE
Terca parte do sobrado da
ra Direita u. 88.
Paquetes inglezes a vapor.
No dia 14 do correrte espera-se do sul o-vapor
Magdalena, o qual dopois da demora do costume
seguir para Southampton tocaudo nos portos do
S. Vicente e Lisboa, para passagens etc. trata-se
com os agentes Adarason, Howie & C. ra do
Trapiche Novo n. 42.
Pura LiSboa Qiiinta-feira 14'do corrente.
pretende sahir Dor estes das a A,Dlunesi8rMli?m 8eu 8rn)am na ra
l v OUilu FUI CSlCSUldS do Imperador n. 73, de uma tercji parle do so-
P0r ter flUdSe O SeU Carreja- ""dodaruaDireiUn. 88. quesera vendido im-
monirv nnn*~t u prelenvelmente pelo raaior preco que for ofe-
UieniO prOmptO O DrigUe por-(recido> DOdia cima indicado ao meiodia.
tuguez Laia II, quem no !
mesino quizer carregar ou ir
de passagem dirija-se aosseus
consignatarios F. Severiano Mihilfae A* omorllA
Rabello AS CHAPAS MEDICINAES saomuilo conhecidas no Rio de Janeiro e
vincias deste imperio ha mais de 22 annos, o sao afamadas, pelas boas curas que si
as emfermarias abaito escripias, o que seproia com innmeros atteslados qu
soas capazes de disiircces.
Com estas Chapa3-electro-magneticas-epispasticas oblem-se urna
cura radical e in-
------------- -- -*-"-* iuuni>in,uxrurAsilas uuim-se urna cura
fallivel em todos os casos de inflamraasao ( caniaco ou falta de respirando), sejam i
externas, como do flgado, bofes, estomago, baco, rins, ulero, peito, palpiaco de co
gama, olhos, erysipelas, rheumausmo, paralysia e lodas as afec?oes nervosas, ele
mente para as differentes especies de tumores, como lombinbos escrfulas ele., sej
seu laraanho e profundeza, por raeio da suppuracao sero radicalmente extirpados
uso aconselhado por habis e distinclos facultativos.
As encommeudas das provincias devem ser dirigidas por escripto, ten do lodo
fazer as necessarias explicacoes, se as chapas sao para hornera, senhora ou crianca, dpclaran
-------------------__ .HH,^HHW HW IV1U Ul|
LEILAO
sembla n. 12.
Para Lisboa
em poucos dias
vai sahir a muito veleira barca Mara, por ter
quasi completo o seu carregamenlo : para o res-
ta e passageiros. trata-sc com Carvalho. Noguei-
ra & C. na ra do Vigario n. 9, primeiro andar
ou com o capitao na praca.
deiras avulcas, objectos
de ouro e prata, rozelas
I e botes de brilhantes,
Antones far leilao em seu armazem na ra
do Imperador n. 73, de ricas mobilias de ama-
relio, guarda roupas, cadeiras, aparadores, qua-
dros para salas, um rico espelho com moldura
dourada, toileles, joias do apurado gosto, an-
iantes etc., etc.: quinta-feira 14 do corrento ao
meio dia.
molestia em que parte do corpo existe, se na cabeca, pescoco, braco coxa, perna, p, ou tronco
do corpo, declarando a circunferencia: e sonde inchagoes. feridas ou ulceras, o molde
manho em um pedaeo de papel e a declaraeo onde exislem, afim de que as chapas
bem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qalquer ponto do imperio do
Brasil.
As chapas serao acompanhadas das competentes explicacoes e tambem de lodos fas
nos para a collocaglo dellas.
Consulla as pessoas que a dignarem honrar com a sua confianja, em seu escrii torio que
se achara aberio todos os dias, sem excepeo, das 9 horas da manhaa s 2 da tarde,
las as pro-
tem obtido
Casacas de panno prelo. 40, 3&J e 3O000
Sobrecasaca de dito, 35j e 30800
Pa^edl0edecore8' 35*. 30. ^^
zdJOOO e 20S000
Dito de casimira de cores, 228000
15, 12 e o^ooo
Ditos de alpaka prela golla de vel-
ludo, 114000
Ditos de merin-sitim pretos e de
cores, 9J00O V
Ditos de alpaka de cores. 5J o
Ditos de dita prela, 9. 7. 5 e
Ditos de brim de cores, 5f, 450O,
Di,Jlxe Dr8raant6 de linho bran:o
OgOOO, 58000 e '
Dii3joblSeriD d0 cordSo prel0'
W- CalS9* dLcaoLmi"prela e de cores.
>fc i*5,10, D e
Ditas de pnnceza e merino de cor-
dao prelos, 58 e
DW. 4JW?BM e de Cre8'
Ditas de ganga de cores
Golletea do velludo preto e de co-
res lisos e bordados, 12, 93 e
Uilos de casemira prela o de cores
lisos e bordados, 6, 5*500, 5 e'
Hilos de selim preto
Ditos de seda e setim branco, 6 e
Ditos de gurgurao de seda pretos o
decores, 7|000,68000e
Dilos de brim e fusto branco,
3500 e
Seroulas de brim de linho
Ditas de algodao, 1J600 e
Camisas de peito de fustao branco
e de cores, 2500 e
Ditas de peito de linho 6$ e
Ditas de madapolao branco e de
core, 3, 2^500, 2 e
Camisas de meias
Chapeos pretos de massa, francezes,
formas da ultima moda 108,88600 e
Dilos de feliro, 6, 5$, 4 o
Ditos de sol de seda, inglezes e
francezes, 14. 12S, llfi e
Collarinhos de linho muito finos
novos feilios. da ultima moda '
Ditos de algodo
Relogios de ouro, patentes hori-
sontaes, 100, 90, 80 e
Ditos de prata galvanisados, pa-
lente hosonlaes, 40S
Obras de ouro, aderecos e meioa
aderecos, pulseiras, rozelas e
i anneis
38500 Toalhas de linho, duzia 128000 e
8$000
3J500
3500
38500
450OO
8000
6S000
4)500
2500
3g0O0
8000
58000
500O
58000
3000
2200
1*280
2300
3000
1800
IJOOO
74000
28000
78000
internas ou
aco, gar-
1 te. Igual-
ual fr o
si ndo o seu
cuidado de
Vaccina publica.
as
do seu ta-
possara ser
COMPAPiHU PERNAMBllCANA
Navegaco costeira a vapor |
O vapor Iguarass, commandante Moreira, se-1
Kue viagem para os portos de norte at o Cear I
no da 22 do corrente mez s 5 horas da tarde, i
Hecebe carga at o dia 21 ao meio dia. Encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frele al o dia 1
de sua sahida s 3 horas. E.criptorio no Forte!
do Mallos n. 1.
COMPANHIA
DAS
Messageries imperiales.
Al o dia 14 do corrente espera-se da Europa
um dos vapores, o qual depois da demora do
costume seguir para o Rio de Janeiro locando
na Baha, para passageiros etc., a tralar na agen-
cia roa do Trapiche n. 9. B
Maranhao.
Segu nesies dias o hiato Santo Amaro re-
cebe carga a frele ; a tratar com Caetano Cy'riaco
da C. K. Irmao, no lado do Corpo Santo n 23.
Para.
O paVhabote Santa Croz a chegar nesles dias,
e logo que escarregue, carregar para o Para
em direilura por ter mais de meia carga promp-
ta ; para o resto da carga, irata-ae com Caetano
Cyrlaco-da C. M- & Irmao, no lado do Corpo
Santo n. 23.
ParaoRio Rio le Janeiro
segu com muita brevidade a veleira barea na-
cional Thereza I por ter j alguma carga a bor-
do, e parte engajada : quem quizer carregar, di-
rija-se a Bailar & Olivar., ra da Cadeia do
Becife n. 12.
Quinta-feira 14 do corrente.
Evaristo levar segunda vez a leilao por se
nao tereTectuado o leilao das difidas da massa
fallida de Miguel Gomes da Silva bem como as
-le Fulgencio Jos de Oliveira, no mesmo dia aci-
-a as 10 horas em ponto, no seu armazem da
a do Vigario o. 22. ^^
LEILAO.
; Sexla-feira 15 do corrale,
, Evaristo far leilao, do urna barcia desalvo-
rada, que pega 22 caixas, a qual j tem alguma
obra nova : os pretendentes poderao entender-
se com o mesmo agente para examinarem, assim
como se vendero ao correr do martello algumas
obras de marcineiria e cartas de jogar: no ar-
mazem n; 22 da ra do Vigario, s 10 horas em
ponto do dia cima.
Tercafeira
s 10 horas da manhaes
4 horas da tarde.
DE
Um monstro leilao
na ra Nova n. 24, ao
correr do martello.
PELO AGENTE
Ra do Parto
t*ERTO DO LARGO DA CARIOCA
119
Transmisso do fluido Ide braco a l
qu.nlas e domingos, no torreao da alfandega.
nos aabbadosat as 11 horas da manhaa, naresi-
denria do coramissario vaccinador, ra estrella
do Hosano, segando andar do sobrado n. 30.
rri^luga';se ma granda casa le"ea sita na
m?. ?"Ul D-ACOm- baslan,e8 commodaces
para uma grande familia ; a tratar na mesma ra
n 33, com Francisco Jos de Campos Pamplona.
Precisa-se de uma ama de leite sem lho:
na ra do Borlas n. 22, segundo andar.
Deposito de materiaes, na ra
do Brum defronte docha-
fariz n. 55.
O proprietario deste eslabelecimento avisa aos
senhores proprictarios do Becife que vende os
malcran por grosso e a retalho por precos mais
commodos que em oulra parte.
Sedulas
de 5$ e 1$, trocam-se na ra
da Cadeia do Recife n. 15, loja
de Jos Leopoldo Bourgard.
Allenco.
CASA DE SALDE
DOS
Constanca Perpetua de Lacerda Machado, pro-
ressora de inslruccao primaria, de novo lembra
ao respaitavel publico, que desde o dia 4 do cor-
rente tem lido sua aula aberta em Fra de For-
jas, ra do Pilar d. Hl, onde seropre os pais de
lamina que quizerem assegurar s suas Glhas os
pnmeiros desenvolvimentos de educa^ao, podem
contar alem do ensino dagrammalica porlugueza
o completo conhecimenlo de labyrinlhos e bor-
dados eno lodas as qualidades, marcas e quaes-
querlrabalhos de agulha, ludo pela i mencio-
nada exportula de 59 mensaes.
MS.M1K9S&S8
Sita em Santo Amaro.
Esteestabelecimentocontidua debaixoda admioistraqao dos jro-
--------------------------------------~~ ..^^^w "im i""-w <-ta nuuiIUKllItaU UOI
pnetarios a receber doentes de qalquer natureza ou cathegoria
seja
O zelo e cuidado all em pregados para o prompto restabeleciiren-
to dos doentes egeral mente conhecido.
Quem se quizer utilisar pode dirigir-se as casas dos propriet irios
ambos morsdores na ra Nova, o u entender-secom o regente no usta-
tabelecimento.
Reforma de presos.
Escravos. .....
Marujos ecriados, ....
Primeira classe 3^ e. ,
As o pera Ques serao previamente ajusta das.
2$ 000
20500
3^500
que
M.
CAMARGO
O agente cima fara' leilao por au-
tor isac5o dos administradores da massa
de Manoel Antonio dos Passos OHveira
& C, dos trastes pertencentes a loja da
ra Norata, 24, a qual consiste Je mo-
bilias de Jacaranda', mogno, nogueira,
taia, guardas roupa pitidos, camas,
guarda louca, bids, lavatorios, secre-
tarias, cadeiras de balanco, aparado-
re, espelhos, marquezas, cabidf,quar-
tinheiras, dus ricas colchas, uma im-
mensidade de cadeiras mesa* elsticas e
CONSULTORIO
nn
i,
O brigue nacional Encantador, a *hegar por
estes dias do Rio de Janeiro, seguir ao mesmo
porto com muita brevidade, para eargaa e pas-
sageiros trata-ee na roa da Cruz a. 45, ascrip-
torio,
Aracaty e Ass
1 acto do leilao.
Para o Aracaty
22? .rfTe.m*.nU bU,# D:ion, E"lacao ;
? tS.2 nte dVeu ""'o e passageiJ
Ih n. 8e 5o? 9ur8,,, Irm*09. ei e escrip-
torio d. roa dagdeia 4o Recite, primeiro
| Convidare aos amigos das peohia-1
Cht* qne aprovettem a occasiSo de re-
fot.-marem os seus trastes com pouco di-
nhe1^ quosempre nao apparece destas
pcchiocW; par commodidade de .al-
DO
IDE. IP.^a ILBIIICI
r DIBOCOrAR TE1I OPERADOR.
3 iu \iFAC.roRiA.i vsinon \D03
CUniea por ambos os sysiemas.
k r!?.lr,:I^b,M0Se08,> Cn,ulU,8 ,d08 os dia8 **'* manha e J t*rdeepoisde 4
horas. Coairala partidos para curar aopualmenie, nao s para acidada, coraopara J enwnboi
u oulras propriedades ruraes. r
Os chamados devem ser dirigidos 4 sua casa at s 10 horas da manhaa
de urgencia outra qalquer hora do dia ou da noite. sendo por escriptoem que
o nome da pessoa, o da ra a o numero da casa.
Nos casos que nlo forera de urgencia, as pessoas residentes no bairro da Becife no-
derio reraetter seus bilheies botina do Sr.J. Sounn & G. na rna da Cruz, onT loia ds
ivros do Sr. Jos Nogatura de Spuza na rus do Crespo ao p da ponte vaina.
Nessa loja e aa cusa do annuneianttachar-se-ha coas tan tmenle os nulhares
montoshomeopathicoB ja hoto conhecidos e pelos precos seguintes:
Botica de 12 tubos grandes. .......... 10*000
Diu de 24 dilos........;........ 15000
Dita de 36 ditos.................SO*H
te de 8 dilM................. 5000
,S*,6?dIM;.............. 30000
Tubos avukoscada um.........: ; 1M00
Frascos da naturas. .- :...........; SfOOO
Manaald. msdtaina homeopamics palo Di. Jahr, tra- .
datidxiain portuguaz, sam o diccionario los termo*
i sMcina^.atuzgia ^tc eU5..... 20*000
Mim o Drf Mtilo Mjs|A t ; %] Woot
e em caso
se declare
medica-
I Consultas medicas.
Serio dadas lodos os dias pelo Dr. Cos-
me de S Tereira no seu escriptorio. ra
da Cruz n. 53. desde as 6 al aa 10 horas
da manhaa menos aos domingos sobro :
1." Molestias de olhos.
2." Molestias de coracio ede peilo.
3. Molestias dos orgaos da srselo e
do anus.
O exame dos doentes ser feito na or-
dem de suas entradas, comecando-se po-
rm por aquelles que soflrerem dos
olhos.
Instrumentos chimicos, acsticos e op-
leos serao empregados em suas consul-
taces, e proceder com todo rigor e pru-
dencia para obler certeza, ou ao menos
probabilidade sabro a sede, natureza e
causa da molestia, edahi deduzir o plano
de tratamento que deve destrui-la ou
curar.
Varios medicamentos serao tambem
empregados gratuitamente, pela cer-
teza que lem de sua verdadeira qualidade
promptidao em seas eueilos, e a necesi-
dade do seu emprego urgente que se usar
delles.
Pralicar ahi mesmo, ou em casa dos
doentes toda e qalquer operaco que
julgar conveniente para o restabeleci-
mentodos mesmos. para cujo fim se acha
prvido de uma completa collecgao de
instrumentos indispensavel ao medico
operador;
cai-
cat-
Desappareceu no dia 11 do
correnle at s 8 horas da ma
nha de casa de Joo Antonio
Carpinteiro da Silva, no Man-
guinho, um relogio de onro
patente inglez autor C. Simp-
son Samwell n. 35,472, e cor-
rente de ouro com esmaltes
crderosaejulga-se ter sido
feito o dito roubo por dous
serventes de pedreiro que
trabalhamem sua casa cujos
sao escravos e ignora-se seus
senhores por isso rOga-se as
autoridades policiaes e aos
Srs. relojoeiros e as mais pes-
soas a quem forem offerecidos
os ditos objectos os aprehen-
dam e participen, ao mesmo
no Manguinho ra Real n. 63.
que se recompensar com
generosidade.'
Trecisa-ae fallar com Sr. Jlo Aires Fer-
rara, escasa 4a FlixN. da Cantalice, ruada
Imperador n. 57.
Aloga^ae um aitio eos ptima eaaa da vi-
venda, excelleete bata de capi, muflo arvo-
redos : no pateo do Terco,, casa a. 8, Neeta
Bcama casa veede-se um carro da alfaadega
umboi, "
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
Tira retratos por 3/j
Tira ratratos por zk
Tira retratos por ty
Tira retratos por 50
Tira retratos por 3$
Tendo recebido um sortimento de
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de
xinhas novas
Tondo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um 'sortimento de cai-
xinhas novas
No grande salo da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salo da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
A. W. Osborn, o retratista america-
no tem recentemente recebido um gran-
de e variado sortimento de caixas, qua-
dros, aparatos chimicos, c um grande
numero de objectos relativos a arte.
Como tambem um grande ornecimen-
to de caixas para retratos de 3jjl000 rs.
cada um, as pessoas que desejarem ad-
quirir conhecimentos pratiecs na arte
de retratar acharao o abaixo assigndo
sempre prompto sob condic5es muito
razoaveis.
Os cavalheirose sen horas So convida-
dos a visitar estes estabelecimentos, pa-
ra examinarem os specimens do que
cima fica anunciado.
Aluga-se o segundo andar da casa d. 15 da
roa d. V,gario : para tratar, no caes do Ramos
r^ 24, ou a ra Angosta d. 114.
CompanhiaPernambucana de
navegaco costeira a vapor.
Jr 0dem da a!recll ao convidados osSrs.
ar i'J^? a/lUi"r*,e em Mmblea geral ordi-
naria no d.a_16do correnle ao meio dia na sala
snton0.?."??.0 coa,,ncal no largo do Corpo
banto para Ihes ser preseale o balance da mes-
ma coropanhu* Hecije9 de erereiro de 1861.
MSL&
Prcciaa-se de uma ama ; na roa Nova d. 5.
Quinta-feira teri principio os sermdes da
qaareaaa na igreja da veneravel contraria de
^ant Rita de Ctala, sendo o orador o pregador
da capella imperial Fr. Joaquim 4o Eapirilo San-
to.O escrivio.
Jlo Pedro de Jesos da Malta.
o-Tu ,/loth Go?c,,*e <> Sil, estabteeido
em Macelo com padaria, qoe se acha naata ci-
dade, quft'ra dirigirse a caaa de Tasto Irmaos
para ntffocro de seo inlereese.
Preciea-se de ama ana de leito, farra a
a pUva, porm qua teja de boa coodueU :- aera
ratar na roa do Trapiche n. 44, Itretiro andar.
Aluga-se aa sitio no suburbio 4a cidade,
per arre4amoto de 1 a 3 moav que'toalla boa
casa s arveredee, assim come Ma 4a capias
para i ou 6 ca vatios: a tratar na na Direrta a-
meroofl.
Alaga-s* ama casa terrea os roa Imperial:
a tratar na rea 4a Praia com Jos4 Bigina 4e li-
notaa.
\


=
DI AMO DE PERNAlttDCO, QWNXA FE1JU 14 JW PEVBREIRO Bl H6i.
<*)
1 i
O EXTRACTO
COMPOSTO DE
SALSA PAaBOLHA SO g)R. TOWsMHIB
MELHORADO E FABRICADO SOB ADIRECCAO* DO DR JAMES R. CHILTON,
imico e medico celebre de IVew York
GRANDE SUPERIORIDADE DO EX-
TRACTO FLUIDO COM POSTO
DE
SALSA PARRILHA
Explica se pelo sao extraordinario
e quasi miraculoso effeito ao
sangue.
Cada um sabe que a saude ou a infermidade
ispeada directamente do estado desteFLOlDO vi-
tal. Isto ha de ser, visto o partido importante
que tem na economa animal.
A quautidade do sangue a'ura homem d'es-
tatara mediana est avaliada pelas as primeiras
autoridades em vinte e oito arrateis. Em cada
pulst^So duas oncas sahera do coracao nos bofes
e dalli todo o sangue passa alera no corpo huma-
no era menos de qatro minutos. Urna dis-
posifo extensiva tem sido formada e destinada
coro admiravel sabedoria a destribuir e fazer
circular esta corrbnte db vida por todas as
partes da organisajo. Deste modo corre sera-
pra pelo corpo era torrante, o qual a gran
fonte de infermidade ou de saude.
Sd o sangue por causa alguma se emprenha
de materias ftidas ou corrompidas, diQunde
cora vblocidadb ELCTRICA a corrupgo as
mais remotas e mais pequeas partes do corpo.
O veneno lanca-se para tras e para diante pelas
arterias, pelas veas, a pelos vasos capillarios,
at cada orgao e cada teagem se faz completa-
mente saturado e desordenado. Desta maneira
a circulado evidentemente se fas um bngenho
poderoso de doenca. Nao obstante pode tam-
bero obrar com igual poder ni criaco de saude.
Estivesss o corpo nfeeionado da doenc.a maligna,
ou local ou geral, e situada no systema nervoso
ou glanduloso, ou muscular, sa somante o san-
gue pola fazer-se puro esaudivel ficar superior
a d>!'i;a e inavitavelmejlte i expellir da cons-
lituiQo.
O grande rainancial de doenga entao como
d' aqu consta no fluido circulante,e nenkum
medicamento que nao obra directamente sobreel-
le para purificar e renova-lo.possue algum direi-
to ao cuidado do publico.
O sangue 1 O SANGUB o ponto no qual
se ha mysler fixar a attengo.
O ORIGINAL E O GINUINO
AO PUBLICO.
Nos, os Assigaaotes, Droguista na cidade de
Cada garrafa do original e genuino extracto do Dr. Townsend tem a assigaatura e a certidodo Dr. J. R. Chlillon, na capa
exterior de papel verde
No esariptorio do proprietario, 212 Broadway, New York, e em Pernambuco na ra da Cruz n. 21 escriptoric 1. andar, tam-
al na blica da ra Direita n. 88 do Sr. Pranos.
New-York, bavemos vendido durante mui tos an-
nos o extracto de salsa parrilba do Dr. Town-
send, considera rao lo ser o extracto original e ge-
nuino de salsa parjjlha do Dr. Townsend. o
qual primeramente sob este no me foi ap resca-
tado ao publico.
BOYO d PAUL, 40ConlandiStreet.
WALTER.B TOWNSEND & Co, 218 Pearl
Street.
LEEDS& HAZARO, 121 Maiden Lae.
JOHN CABLE & Co, 153 Water Street.
M WARD & Co, 53 Maiden Lae.
J. & i. F. TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GRAHAM & Co, 10 Od Llip.
OSGOOD S JENNINGS, 188 PearlSlreet.
R. B. HAV1LAN D & Co, Office 177 Broad-
way.
JACKSON, BOBINS & Co, 134 Water Street.
THOMAS & MAXWELL, 86 William Street.
WM. UNDEBH1LL, Junr, 183 Water Street.
DAVIDT. LANMAN, 69 Water Street.
MARSH & NORTHROP, 60 Pearl Street.
NORTON, BABCOCR & WOOD, 139 Mai-
den Lone.
PENFOLD, CLAY& Co, 4 Fletcher Street.
OLCOTT, M KFSSON & CO, 127 Msiden
Lae.
A. B. & D. SANDS. 100 Fulton Street.
SCHIEFFELIN, BBOTHEB & Co, 104 &
106Jobn St.
LEWIS & PRICE. 55 PearlSlreet.
HAVILAND, KEESE & CO, 80 Maiden La-
na.
RUSHTON, CLARK i CO, 110 Broadway,
lOAstor.
House, and 273 Broadway, cor. of Chambers
Street.
PHILIP SCHIEFFELIN & CO, 107 Water
Streat.
POU PALANCA, 96 John Street.
SHERWOOD & COFFIN, 64 Pearl Streot.
RUST & HOUGHTON, 83 John Street.
I. MINOR & CO. 214 Futon Street.
INGERSOLL & BROTHER, 230 Pearl Streat.
JOSEPH E TRIPPI, 128 Maiden Lae.
GREENLEAF & KINSLEY, 45 Corllandl
Street.
HAYDOCK, C0RLIES& CLAY, 218 Pear
Street.
CUMMING & VANDUSER, 178Greenwch
Street.
HASKELL & MERRICK, 10 Gold Street.
B. A.FAHNESTOCK & Co. 49 John Street.
CONHECEMOS AARVORE E SUASFRU-
TAS )
B IGUALMENTE
Conheccmos um Medicamento .nos seus Effeito'
O extracto eomposlo de Salsa parrrlha do
Dr. Townsend est
0 MEDICAMENTO DO POYO'.!
Adata-so tio maravillosamente a constituic.50
que pode ser ulilisado em quasi todas as enfermi-
dades.
ONDE E DEB1L1DADE,
fortalece;
ONDE E'CURRUPCAO,
purifica;
ONDE HE PODR1DA0,
AL1UPA.
Este medicamento celebrado que tao grandes
servidos presta a humanidade, prepara-se agor
na nova fabrica, na esquina das ras Fronte
Washington, Brooklyn. scb a inspec$cdirecta
do muito conhecidoehimic e medico Dr. James
R. Chilln, da Cidade deNew-York.cuja cer-
tido e assignatura se acha na capa extenor da
cada garrrfa de
ORIGINAL E GENUINO
EXTRACTO COMPOSTO DE SALSAPARRILHA
DO DR. TOWNSEND-
O grande puricatlor do sangue
CURANDO
O Herpes
A Hertsipela,
160 rs-
miNMMS BE mi.
Achm-se venda na livraria da praca da Independen-
cia ns. 6 e 8, as beinj conhecidas folhinhas impressas ntsta
typographia
FolHnha de porta od kA'LE'DARIO eclesistico e civil para o
_ '; bispado de Pernambuco..- V.: ......
UllCL de algibeira contando alm do kalendario ecelesiastico e civil,
explieaeao das festas mudaveis, noticia dos planetas,
tabellas das mares e naseimento e occaro do sol;
ditas los emolumentos do tribunal do coramercio;
ditas ao sello; ditas do porte das cartas; ditas
dos i m pos tos geraes, provinciaes e municipaes, ao
que se juntou urna colleogo da bellos e divertidos
jegos de prendas, para entreten i meo lo da mocidade.
contando alm do kalendario ecelesiastico civil, expli-
cado das festas mudaveis, noticia dos planetas, tabellas
das marea e naseimento e occaso do sol; ditas dos emo-
lumentos do tribunal do commertio ; ditas dos impostos
geraes,! provinciaes e municipaes, ao que se reuni o
modo de confessar-se, e comungar, e os i fficios que a
igreja cosluma celebrar desde domingos de Ramos, at
sexta-feira da Paixo, (em porluguez). pre$o.....
Dltado almanak civil, administrativo, eommercial e industrial da provin-
cia de Pernambuco, ao prego de:
A ASTRICC, AO DO YBM-
TRE,
As Alporcas
OsEffeitos doazou-
GUB,
Dispepsia,
As Doencas,dbfiga-
D0,
A Hvdropesia .
A Impinge
As Ulceras,
O Rheuhatisho.
As Chacas
a ded1l1dade gehal
AsDoencasde pe:
AS BORBULBAS KAjfiA
RA
AsTossESt,
Dita dita
320 rs.
320 rs.
...... 1*000
Para facilidade do uso deste almanak, augmentou-s*
de formato, e izeram-se muitas alteraces, sendo a correc-
co a mais exacta que foi possivel, em materia desta ordem,
(que todos os dias soffre mudanzas) acresce litando -se a nu-
meraco dos estabelepmentos commerciaes e industriaes
acompanhado de ndice para facilitar o uso, procurando o
que se deseja pela oceupaco do individuo de quem se quer
saber a residencia.

COMPANflU DA VIA FRREA
IK)
REC1FE A SAO FRANCISCO.
(limitada)
Avsa-se o rrsi>riut| publico que do da i
de faveretro aloulro aviso 0 tren, que parada
lacio da. Cinco Po.,t.s la 8 1,2 SZ.?a,a,i
nhai corro 8n.enie al a V.t'a do Cabo e o
tren, que 1A agora tem s.hido da Escada 4 \\a
hora, oa tarde ser* dbronlinuaoo. n... *,J'{
do Cabo s 3 horas da tarde como co*lUBi,.
no. Krf." ,""".(, d08 lreDS "*o reguladas
pela tabella seguinte : 5U""
Os Catarrhos, As Tsicas, etc.
OExtracto acha-secontidoemgarrafas quadra-
das e garante-se ser mais forie e melhor em to-
do o respeito a algum outro purificador do san-1 se^efs1i0bul08. Pelu W>
gne., conserva-se em todos os climas por cer-
to sspa^o de tempo.
CONSULTORIO ESPECIALHOMEOIUTHICO
DO D0UT0R
SABINO O.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6,
Consultas lodos os dias utois desdi as 10 horas
at meio dia, acerca das seguales molestias :
1. molestia! das mu\heres, molestias das crian-
gas, molestias da pelle, molestias dox olhos, mo-
lestias ssphiliticat, todas as especies de febres,
febres intermitientes esuas consequencias,
PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPTICA .
Verdadeiros medicamentos homeoplathicos pre-
parados som todas as cautelas necessarias, in-
falliveis em seus effeilos, tanto ero tintura, como
mais commodos pos-
CASA DE BANH
___________________________ HO ______
Assignatura de banhos fros, momos,de choque ou ehuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos. ,....... 109000
30 canoa? p?ra os ditos banhos tomados em qualquer tempo...... 15)000
15 Dito dito dito dito i 000
7 ...:.. d#000
Banhos ivulsos, aromticos, salgados esulphurososaosprecos annunciados
Estareducqao de presos facilitar aorespeitavel publico ogozo dasvantagens queresultam
da frequenciade um estabelecimento deuma utilidadeincontestavel, masque infelizmente nao
estando em nosso hbitos, ainda pouco conhecida eapreciada:
TABAC CAPORAL
Deposito das manufacturas imueriaes AeTau^a.
Esteexcelente fumo acha-sedeposiudo, diretamente na ra Neta r. 23,ESQUINA DA
JAMBOA DOGVR.MO, o qual se vende por mseos de 2 hectogramos a 15000 e em porcaode
10 mseos para cima com descont de 25 porcento ; no mesmo estabelecimento acha-se tambem
o verdadeiro papel de linho para cigarros.
Aviso
s.
aos terceiros da ordem de
Francisco.
Na ra do Queimado n. 39, loja de 4 portas,
vende-se estamenha para habito3 a 2*200 o co-
vado, e se apromptam os meamos hbitos a von-
tade dos irmos a 45) cada um, obra muito bem
feita.
Banhos econmicos!
Na casa de banhos do paeo do
Carmo.
Nesle estabelecimento (alem dos banhos j co-
ntaecidoa) se fomecer d'ora em vante, por maior
commodo do publicobanhos econmicossem
luxo, mas com toda a decencia e aos precos se-
guintes:
1 banho arulso ifrio 32? "
1 momo 400 rs.
7 carlee, para banho. }* ^
30 banhos consecutivos frios ou momos 5).
Carvalho, NogueiraAC,
saccam sobre Portugal qualquer quantia : na rus
do Vigario n. 9, primeiro andar, escriptorio.
COMPAMHIA
ALLIANCE,
estabeecida em Londres
capital
Ciueo m'iluoes de libras
sterViuas.
Saunders Brothers i C. tem a honra de in-
formar aos senhorts negociantes, proprietario*
de casas, e a qnem mais convier, queestao ple-
namente autorisados pela dita companhia para
eflectuar segaros sobre edificios de tijolo e pedra,
cobertos de tena, e igualmente sobre o ORjaclos
que contiverem os meamos edificios, quer consis-
u em mobilia ouem fazendas de qualquer qua-
lidade.
Precita-M ahsgar urna preta que
sirra para tender na ra; a traUr net
ta typographia com JoSo Kranctsco Fer-
rara.
Mudanca de esta-
belecimento.
Jos Horeira Lopes avisa aos seus amigse
fregueies desta e de oulras provincias, que mu-
dou o seu estabelecimento de fazendas que lioha
no sobrado amarello da ra do Queimado, para a
loja e armazem que foi dos Sr*. Santos & Rolim,
onde tem o mais completo e variado sortimeoto
de fazendas de todas as qualidades para vender
em grosso e a retalho por precos muito baratos:
ra do Crespo, sobrado de 4 andares n 13, e ra
do Imperador, outr'ora ruado Collegio, sobrado
de um andar n. 36.
Camargo ( Silva.
recentemente estabelecidos com loja de fazendas
na ra do Crespo n. 1, junto ao arco de Santo
Antonio, tcem a honra de convidar aos senhores
consumidores, tanto da praca como do mato, a
visitaren) seu estabelecimento aOm de sortirem-
se de boas fazendas por precos mui razoaveis,
dos quaes aqui esiao alguns : chitas francezas de
muito bom panno, cores Qxas, a 240 rs. o cora-
do, velbulinas tarradas imitando velludo a 600
rs. o covado, sedas de qnadrinhos a 640 e 800 ra.
o covado, grosdenaple de cor com algum toque a
1) o covado, camisiohas de cambraia para se-
nhora a 1), ricos corles do vestido de seda com
algum (oque, muito barato, cassas, organdys,
chales de diversas qualidades, eofeites de cabera
de 2) a 5), luvas de seda enfeitadas algo par,
e utras muitas fazendas que se mostraro op-
porlunameole.
Hotel inglez.
O cnsul de Franca sendo pela morte da fina-
da M. Uarmier, conbeeida nesta praga como H.
Dubois, incumbido de realisar a parte que a dita
senhora linha no hotel ioglez, conrida as pessoas
que tem eontas a receber da dita senhora ou do
mesmo hotel, de as apreseotar no consulado
francez no prazo de 10 dias da dala deste, para
serem reeonhecidas : outro aim roga as pessoas
que se acham devendo aodito hotel ou a M. Du-
bois o favor de mandar pagar a. respectivas eon-
tas ao referido consol no mesmo prazo de 10 dias:
as pessoas que desejarem comprar o dito hotel
deverao dirigir-se para tratar do ajuste ao aupu-
dilo cnsul. Peroambuco 5 de fevenir de 1811
Irmandde das almas do
Recita
Emborne da mesa regadora da irmandade das
alntasda aalrit U Corae Santo, convido todos
os irmaos pera a reuaiao da mees geral do dia
uinta-faira 14 do correte, as 4 horas da tarde
ecjje.J2 dilo/re^o de 1861.No impedimen-
lo.do esciirao, Vanoel Moreira Campos.
Deseja-se fallar com o Sr. JoSo Ferrelra do.
Sanioi, oa roa da Frsia a, 10,
Agencia dos fabricantes americanos
Grouver & Baker.
Machinas de coser : cm casa de Samuel P.
Johston & C, ra da Senzalla Nova n. 52.
Aluga-se a casa da praca do Cor-
po Santo onde foi o estabelecimento dos
Sr. Rostron Rooker & C. : a tratar na
travesa do Queimado n. 1, com Joa-
quim de Almeida e Silva.
Companhia de seguros
equidade.
Estabeleeida na cidade do Porto.
O agente desta companhia em Per-
nambuco, Manoel Duarte Rodrigues,
aceita por conta da mesma companhia
seguros de todos e pai a todos os porto?
conhecidos, sobre embarcacoes de qual-
quer parte e a precos muito razoaveis :
agencia ra do Trapichen. 26.
Aluga-se a loja do sobrado da ra das Cru-
zes o. 18 : a tratar no mesmo sobrado.
.Manoel Rodrigues Fraga retira-se para a
Europa.
Aloga-se o sitio Chaco oude morou o Sr.
cnsul britnico : os prelendentes poderao en-
tender-se com o seu proprietario, no escriptorio
da ra do Vigario n. 13, ou na sua residencia na
ra Real ns. 15 el7.
Alugam-se o 1. e 2." andares das duas ca-
sas da ladeira da Ribeira e Quatro Cantos em 0-
iinda ; a tratar na ra da Cadeia do Recite, es-
criptorio n. 56, de Leal & Irmo.
O abaixo assignado deu procurarlo bstan-
lo ao Sr. Antonio de Paira Ferreira para cobrar
as dividas activa, da casa de Tbiago da Costa
Ferreira Estrella, por lhe peitencercomo consla
da arrematado fcila peranle em audiencia do
Exm. Sr. Dr. juiz especial docommercio e cons-
tara das eontas e relaco que o dito Sr. Paira
apresen tara. Recife 1 de evereiro de 1861.
Antonio Joaquim Vidal.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
nicamente vendidos em sua pharmscia ; todos
que o forera fia della sao falsas.
Todas as carteiras sao acompanhadas de um
impresso com um emblema em relera, leudo ao
rtdor as seguinles patarras : Dr. Sabino O. L.
Pinho, medico brasileiro. Este emblema posto
igualmente na lisia dos medicamentos (que se pe-
de. As carteiras que nao levaren ess impresso
assim marcado, embora tenham na lampa o no-
mo do Dr. Sabino sao falsos.
Precisa-se de urna ama para o servido in-
terno de urna casa de pouca familia : a tralar na
ra da Senzala Velha n. 104.
Precisa-se alugar urna
escravapara o servico deuma
casa de familia: na ra lia Ca-
deia n 53, terceiro andar.
TRA\ESSA DOSPIKES
JOSEPH GROSJEAY
_ Joseph Grosjenn prerine ao respr-ilavel pu-
blico e em particular us seus freguezes-, que ten-
do rollado de Franca, lomou noramenie conta
da sua officlna de ferreiro, sita na travpssa do*
Pires, e que se arha prumplo para qualquer con-
cert de seu offino : as pesMiaa que quizerera
honra-lo com sua ronHanQa, arhirao o seu psta-
belecimento muito bem sonido de fVrn.s do toda
qualidade para os carros, e tambem um bonito
soilimeiilo de
Lanternas para carros,
Couros e va jnetas de lustre.
e outros ornamentos npcessarios para carros, to-
do de superior qualidade, e mais barato do que
em qualquer outra pane, por ler sido loos es-
ses objectos comprado* a dinheiro rista, em
casa dosmelhores fabricantes de Paris.
0 O adrogado Dr. Manoel do Naseimento
Machado Pcrlella pode ser procurado para
9 s negocios de sua profissao, das 9 s 4
@ horas da tarde, em seu escriptorio no pri-
& meiro andar da casa n. 83 da ra do Im-
perador.
Aluga-se o primeiro andar da cas da ra
da Senzala Velha n. 36, pintada de novo : a tra-
tar na ra do Crespo n. 19.
5*5* flasMMIMMMIBMnfltt W
^DaWwBWoaiW eSffnifBfvBf vSWonoBVm
Dentista de Paris.
15Ra Nova15
Frederic Gautier, cirurgiao dentista faz
todas as operaces da sua arte e colloca
denles arlificiaes, ludo com a superiori-
dade e perfeigo que as pessoas en tendi-
das lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentifricios etc.

SRa estreita do Rosario--^
Francisco Pinto uzurio continua a col-
locar denles artificiaes tanto por meio de
molas como pela pressSo do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
@ fiquem a vontade de seus donos, tem pos f
@ e oulras prepara^oes as mais acreditadas
^ para conserragao da bocra.
Quem annunciou precisar de l'OOftycom
hypotheca a um siiio peno da cidadp, pude ap-
parecer na ra do QuPimado. botica do Sr. Jos
Alexandre, at as 9 horas da mannaa, que acha-
rcom quem tratar.
JOIAS.
1 Julio & Conrado.
Ra do Queimado n. 48.
Parlicipam aos seus numerosos fregue-
zes que tendo chegado o seu mestre al-
faiate que mandaran) contratar em Paris,
acham-se promptos a mandaren) execu-
lar toda e qualquer obra tendenie a al-
faiate, assim como tem em seu estabele-
cimento grande sortimeoto de ludo quan-
to se desejar, para qualquer das esta-
cos nao e de fazendas como diversos
artigos de luzo, continuando o mesmo
mestre a receber por todos os vapores fi- S
gurinos para melhor poderem servir ao 1
respeitavel publico a qu?m pedem de vi- j
rem visitar o seu estabelecimento que 1
encontraro aquillo que desejarem.
5ae53issi5e m emmmu
Ensillo particular.
O abaixo assignado, professor particular do
primeiras letras, lalim e francez, reside no ter-
ceiro andar do sobrado n. 38 da ra Nova, onde
com toda a dedicarlo, prudencia e actiridade,
exerce sau magisterio, e contina a admittir al-
guns internos de pouca idade.
Jos Mari Machado de Figu.iredo.
Aos consumidores de
A empreza da illuminaco
gaz, roga a todos os Srs. on-
sumidoresofavor de nao en-
tregarem aos seus machi [lis-
tas ou serventes qualquer di-
nheiro quer de reparos ou
outro qualquer pretexto, sob
pena de lhes ser nvame nte
exigido. Todos os pagamen-
tos devem ser feitos ao Sr.
Thomaz Garrett nico cob ra-
dor autorisado ou no escrip-
torio dos gerentes.
SiS?i6ftS C*ec* iSAi
O bacharel Manoel Nclto Carneiro de
Souza Bandeira abri ua villa do Cabo
seu escriptorio de advocada, ra da ma{
triz casa amarella, e ahi offerece os sen
vicos de sua profissao mesmo aos hab]
tantes fora da comarca que tiverem al-4
guma questo para aquelle foro.
Joaquim Monteiro de Olireira GuimarSes rom
loja deourives oa ra do Labug n. 1 A, partici-
pa aos seus amigos frrpuezes e ao publico em
geral, que se acha surtida das mais bellas c dpli-
cadas obras de ouro e prala, e quprendo acabar
com o negocio, est resoivido a pnder mais ba-
rato do que em outra parle, garantindo as ditas
obras, passando conta com recibo, declarando a
qualidade, e compra ou troca oras velhaa, pa-
gando o ouro por mais do que em outra parte.
Lauriano Jos de Barros
participa aos seus numerosos freeuczes desta ci-
dade e mesmo de fora, que arha-so regenrio a
grande officina de roupas [pitas de Ges & Bas-
tos na ra do Queimido n. 46, onoe podp ser
procurado a qualqupr hora, puis esi prompto a
deseropenhar qualqupr obra importante, pois
para isso lera na mesma loja um completo sor-
timeoto.
-- Na travessa da ra
das Cnizes d. 2, primpiro andar, conlina-se
Ungir com toda a perfeicao para qualquer edr,
o mais barato possirel.
ijilljlslg
w h. C w > Se.ft.ee.ii3
Assignedo-ff H. Braman,
Superinieiidenle.
O Dr. Casanova
I pode ser procurado lodos os dias em seu
i consultorio especial homevpoihtco
I 3--Rea das Cruzes30
Nesta consultorio tem sempre os mais
noros e arredilados mpdiramenlos pre-
parados em Paris (astiniuras) por Cs-
lellan p Weber.por precos razoaveis.
Osp|pnipnio. dehoropopathia obra, re-
commendada intelligencia de qualquer
pessoa.
CASA
Atten$o.
As pessoas que tiverem rptogftis para se con-
certar na ra Nora n. 2-2. e que tpm mais de seis
mezes ; facam o favor.de vir busca-los no prazo
do 30 dias, sob pena de serem vendidos para in-
demnisago dos conceilos.
Mftfe Sociedade
DE
Gouvea & Filfao com cala de consig-
nac3ei Dovamente estabeleeida nesta
prara, avisam aos seus oominittentes e
ao publico em geral, que podem ser
procurados a qualquer hora do dia em
seu escriptorio na ra d' Cadeia do Re-
cife b. 5, primeiro andar.
Aloga-se o sobrado da 2 andares e toteo
da ra da Imperial n. 10$, rallar oa roa da
Aurora n. 36.
Aloga-se o armazem ca casa da ra da
aJeeda-n.7 : a tralar pe Jad dt'Corpo Ssnto,
srmawm de caboi n. 23.
Camargo Silva,
compradores da loja dos Srs. Campos & Liba,
sita sa ra do Crespo n. 1, junto ao arco de San-
to Antonio, pedem aos devedores daquella tilma
que por obsequio veoham satisfazer suas conta*,
aQm de evitar que sejam procurados.
O Dr. Francisco de Paula Papliata oolia
a advogar no sea escriptorio, na ra das Tr n
cheiras, aobrado n. 19, primeiro andar, aoadao
acharao todos os dias otis desde' as 9 horas da
manha al as 3 da larde.
Uin preto forro, perito
cosinheiro se offerece part co-
sinheiro de qualquer casa n
cional ou estrangeira: que
precisar do seu servico ap
pareca na ra da Cruz n, 4.
Aluga-se os* primeiM andar na roa
Raogel, e urna casa terrea ns estrada dos Rem
dios : a tratar na ra do Queimado o. 53:
Preeisa-se de urna ama de lelte, pa^a-ie
bem : no beccode Santo Amaro, com a 30.
Edifica^oes e compra de
terrenos.
O abaixo assignado conrida os proprietarioa
queja lhe offereceram terrenos para com o va-
lor dos meamos entrarero na sociedade na qua-
lidade de commandilarins, a aprespnlar-lhe os
planos, confrontaces, situacoes e arluc5fs dos
respectivos terrenos acomoanhados de urna car-
ta pedindo a sua admissao como socios comman-
ditarios da referida sociedade.
A correspondencia dever ser-lhe dirigida i
ra do Crespo o. 4 loja. Pernambuco 6 de fere-
reiro de 1861.
P. H. Duprat.
#
ODr. em medicina P.
de B. Gotegipe mudou a
sua residencia para a L
ra Nova casa n. 46, pri-
meiro andar, onde pode
ser procurado para o
de commissode escravos, pa-
teo do Paraizo n 16, sobra-
do que foi do fallecido Ni
colo
Para a dita casa foi transferido o antigo escrip-
torio de commi.-sao de escravos que se ar-hara
estabplendo na roa larga do Rosario n. 2o ; e
ah da mesma maneira se contina a receber s-
craros para sprem vendidos por rommisso e
por conta despus senhores, nao se pnpndo es-
forcos para qup os mpsmos spjam rendidos com
prompli'lao. afira do que spus senhores nao sof-
fram empales com a venda delles. Nesle mesmo
estabelecimento ha sompre para vender escravos
de ambos os sexos, reinos e mogos.
O ur. Mamiel Horeira Guerra tem o 2
spii pseriptorio de adroracia na rua do S
tU Cbug n. S sala continsua ao do cartu- 11 rio do esinrio Paes de Andrade, onde M
A > encontrado das 9 horas da manha S
at as 3 horas da tarde.
Deaapparereu do dia 8 do correle, da rua
ora, um quartn caslanho, nsfrego, urna oao
branca, estratlinha na leta, pelladura de urna
banda e marca de peiinral, castrado, rxriencento
a Joaquim do Rpro Barros Pessoa, proprietario
do pngeuho Novo Goii, freguezia da Luz, cuja
marca exprim o nome do proprielarto, e levava
cangalha e dous pares de saceos.
Precisa -se de ama ama qne engomme e co-
zinhe ; oa roa do Hospicio o. 62.
:
AVISO.
Quem precisar de una ama de leite para criar,
dirija-se a rua larga do Rosario n. 33, oa loja ou
em cima no Sobrado, quo srhari rom auem tratr
Aloga-se a psdaria da rua Imperial n. 173
tvarnirA rt< ano nrnfo- 9 01"ie traoalhava Joaquim Luiz do* Santos Villa-
exercitioue sua prous- t% .W(toi eom loaog 0;g#,08 ulenfiM> Ben0i ._
sao.
quedes qne me nao perlencem, o lugar escol-
enlo ; a tralar no pateo do Catmo com Narciso
' Jos da Corta Pereira.


#)
mimo t wiAirttG. Qomt* re* iv m fetereibo di
=
=
Mr
Ctooocia^ao tEgpogvapfticA
{ktfnambucaua.1
Quinta-feira, 14 do correte, i 8 horas da
noitt>, havar aessSo extraordinaria do conse-
lho director e da asse-nbla geral, para tratar-
se de negucios de alta importancia social, delibe-
rando o ronselho no caso de nao se reunir nu-
mero sutttciente para a aserabta.
Secretaria da Associaqao Typographica Per-
nsmbucaoa 12 de fevereirn de 1861.
Ji-vencio Cesar,
Io secritario.
Attenco.

iVluj.i-se urna casa terrea coro andar
corr lo na frente de detraz, cozinha lo-
ra, cacimba o quintal murado, rom bas-
tantes comroodoa pintada ba pourn ;
lu (ni da ra da Aurora, entre a ponte
ronde nado Sr. Star, junto so Illm.
Sr. rapilo Porfirio : a tratar em Santo
Amaro coru Jos E. Ferreira Costa.
Os devedores da
massa Garrido e
Para urna casa
franceza.
Precisa-se de ama eserava que salba engom-
mar, coser, e fs/.er todo o servico de ama casa
de pooea Familia, e que spja fiel e diltgente. Na
roesma casa precisa-sede uro i-scravo para o ser-
vido de um sitio : quem tirer pode dirigir-se
ra do Imperador n. 27 confronte a ordem ter-
ceira de S. Prancisco, que achara cora quem tra-
tar, das 9 betas da manhao is 4 da tarde
Jos Gomes, subido portiguez, relira-se
para o Para.
Veiga
sao rogados para dentro de 8
das virem ra do Impera-
dor q 17, segundo andar, pa-
ra p*gar o que devem a diti
massa: e aqu lies que nao
eoinpareoerem sero chama-
dos pelos nomes por extenso
por este Diario.
I'reisa-se de um hornera de nao menos de
30 anuo* le irtade, e que de fiador a sua conduc-
ta, para administrar urnas carrugas : a tratar na
ra do Crespo i. 25, das 9 as 10 horas da ma-
nha.
Perdeu-sedo porto da ponte da Tassagem
ra do Sebo, urna iroux pequea com roupa e
algom dinheiro, sendo que a pessoa que achou a
qunira restituir, pode dirigir se a rus do Sebo
n. 4 i, que so gratificar, sendo exigida a gratifl-
cacu.
Traspassa-.se o alugnel de urna casa terrea
Philosopbia, de geographia e rhetorica
PELO BACHARKL
A.R.DE TORRES BANDEIRA,
Profescor de. geographia
e historia amiga no gymnatio desta
provincia.
Esto abertos estes cursos na casa da residen-
cia do aununo.ianle, ra lar^a do Rosario n. 26,
secundo andar ; e dr-se-ha lugar a novos cur-
sos destas mesroas disciplinas, a proporr;ao que
augmentar o numero dos alumnos. A classe de
geographia comprehend*;
1. o esludo de geographia.
2. o e.-t'ido da historia com especialidade a do
Brasil.
A classe de rhetorica est dividida em duas
seccoes:
1." de relhorica em geral.
2.* de potica e analyne dos classicos.
Precisa-ae de urna ama forra eu captiva
paia todo o s"ricode orna casa de familia na
roa larga do Rosario n 28. segunde andar.
Precisa -se de 1:000 a premio sobre hypo-
thera de daos escravos : quem quizer, dirija-so
a ra aa Imperatriz n. 54, que se lhe dir quem
precisa.
SMKM VSS1U
DE
Santo Amaro
EM SUA
Capelladas Salinas.
No dia 16 (*abbado) as 7 horas da aoite, urna
gyr.mdola de foa> dir o signal da bandeira, que
Fazendas gretas para a
quaresma
Ka nt tU Q aeim&\o m. 33
Loja de quatro portas
DE
Joaquim Rodrigues Tvares
de Mello.
Cortes d rostidos de seda pretos bordados a
reliado muita superiores a 120$. ditos bordados
a retroz e vidrilho a SC9, ditos bordados a seda,
fazenda omito superior a 70$, manteletes de filo
de lindos gostos a 2rg ditos de grosdenaple pre-
to ricamente enfeitados a 20$. 25$, 30$ e a 35$
cada um, ricas mantas do blonda hespanholas a
20$, ditas de fil bordadas a seda a 12$ e a 15$
cada urna, grosdenaple prelo de superior qualida-
de de 1$800 at 3$200 o corado, luvas pelas en-
feiiadas e de superior fazenda 29200 cada uns, e
outras muitss mais fazendas proprias para a qua-
resma.
Sortimcnlo de chapeos
Rusl do Queimado n. 39
Loja de quatro portas.
Rival sem segund
i tai.
I.
II.
hor
com eommoioe para familia e de preco de 25$. sahjri da cflgJ1 dl) ult co.iduzida por meninas, e
com a co'idiuao de se finar p3r compra com urna
mobilia o> Jacaranda pelo preco qme se conen-
ciunar : quem quizer, annuiieio ou procure na
ra dos Prazeres n. 30.
Toma-se 600J a 1:000$ a juros, dando-se
de pr-mio 1 1|4, com a vantagera porcm de se I|s-Baa7a ee^lmea*neaa gyr<.ndoas
conservar inallerarel o pagamento desle juro tn-'
capital
precedidas as duas alas de mimosas rirgona, que
ir cantando durante todo trajelo da bandeira,
versos de urna romposic,o mnsical, digna de seu
grande autor. O roastro compolenlemenie enflo-
rado receber este estaodarle, cuja asceoslo ser
que levaran
tegralmente, dando-se por cunta do capital a
quantia de 503 por mez : a quem convier annun-
cie para se procurar, c tratar-seda garanta.
At ten gao.
Urna pessoa que se ocha habilita ja. offerece-se
para fazer cobreng*s, tanto amigavel corno judi-
cialmenln nesla cidaile at a provincia do Cear,
dando Oidora sua conducta : quem precisar, di-
rija-so i ir.-i vess.i das Cruzes n. 2 A.
Desoj-i-se saberse eiiste ne.-ta cidade oro-
verendo padre Henrique Camiilo de Mello Pa-
checo, ciprino que fui de um engenho na Tilla do
Lirnneiro, a negocio do mesmo S'-nhor, no es-
criptorin de Domingos Alves Matheus, na ra da
Cadeia do Kecif n. 51.
O eng^nheiro Antonio Feliciano Rodrigues
Sello so presta com zel e aclivioade ao ejerci-
cio de sua profissao. quer na especialidade do
agrimensor, desenrolretido rom talento e habili-
dad os principios geodsicos applicareis s opa-
raroes de mesicfto, demarcarn do limites de
proprie lades terriloriaes, e levantarnenlo de guas
respectivas plantas lopugrnphicas ; e lavrando
pegsoalmeiite o proceso verbal de seus traria-
Ihos ; qner na de arclnt-cto da ordem civil em
que ptaneja plegantes bellos desenhos de edifi-
cios particulares, com o "gosto arlislico de que
tem dadn sobejas pmvas ; toma sob sea respon-
sabilidadu a iiiiecco sciemitica da coiHlrucc.iu
dos ditos editirios. A moJicidade dos presos por
que silisf iz a execucao do qualquer desles Sar-
ricos deve animar r.os senhores de engenho e
proirietarios da cidade a se ultlisar-m de sua
habiiid.Tie o pericia. Polo ser procurado na ra
estrena da Rusario, sobrado n. 30, lerceiro andar,
au na botica de Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior,
na praca da Boa -Vista.
Pelo juizo dos fellos da fazenda se ha de ar-
rematar no dia 15 do crrente, linda a audiencia,
um sitio em aberlo, com casa terrea de pedra e
cal, com i j mellas o 1 porta ua frente, tendo esta
5 plmos e 21 d<- fundo, com corintia fra, ava-
li ida pur 2tXI$, sendo dito sitio n<> lugar du Rio
Doce, o peuhorado por execugo da fnzenda con-
tra a viuva de Firmino Jos Flix da Rusa.
Caetano Pereira de Brito.
Solicitador interino.
Cassino Militar
Pernambucano,
Provine-se aos Srs. socios o roga-se para corapa-
receeereni na sexta-feira 15 do correle no pa-
lacete da wa da Praia, pelas 4 horas da lardo,
aflu de durera posse a dirocloria eleila, e apre-
ciarem aore^entaco dos estatuios pela respec-
tiva couiuiifso.
Joo do Reg Ramos l'alcao,
major secretario interino.
Precisa-ae de um criado que d ronheci-
mento de sua conducta, para o servico interno e
externo de urna casa de familia : a tratar na ra
da M iriz da Boa vista n. 24.
O Sr J. L. de A. queira rir entnder-se
com o seu crelor ni ra do imperador, ficando
co'io que se nao comnarecer chamado no Ota-
rio de amonhis, conlondu-se a origem da divi-
da, fle etc.
I'ri-cisa-se alugar urna prela que cosinhe e
fiQa o mais serrino de urna pequous familia, e
agradando-so d-se 2t)J de aluguel: na ra do
Amoriiu n. 33 segundo andar, ou annuncie.
Xarope peitoral brasi-
leiro.
Os ?rs. Jnao Soum & C uncos possuidores dos
te xarope j bem couhecido pelos seus bons ef-
feitos, continuara a venle-Io pelo prego de 1$
cada vidro, fazcm una diff-renca no prego aos
coMegas e a tudas as pessoas que toinarem de 12
vid ros para cima.
Wiiiiam Webb, relira-se para a Europa.
Pede-se ao Sr. Lua de Albuquerque liara-
ohao. do engenho Aldea, queira ler a bonda te
de responder as cartas que se lhe tem diriitjdn,
e de ordenar ao seu correspondente, ou eoto
de vir pagar as sua* lettrag vencidas de res
t.890a7ia, e rs. 1:159$681. i.itu t o da 14 do
crreme. Recife 11 de feverciro de 1861.Um
credor,
Precisa-ae de ora prefesaor ou professora
para leceionar a duas meninas n'um engenho
perlo da Gstaclio da Ilha o que quizer prestir-
se, pode dirlgir-se a ra da Imperatriz a. 51,
que achira com quem tratar.
Precisa-se singar um moleque para con-
duzir laboleiros com jantar para fra ; na ra
larga do Rosario botequim n. 25.
Pugio o preto de najao por norae Joo, de
ida te 55 aunos, um pouco banzelro d tem o dedo mnimo de urna dM maoa que nao
pode abrir, estatura corpo regular, acha-ae f-
gido deed* o piiuciwio do mez de Janeiro ultimo:
quero o levar a ra da Crui a. JO^ter recom-
peoaado.
Hypntheca-se mi casa de pedra e al caa
urna puna e dina janellas, ices nanos, despea-
M. cazinha ra, quinUl raur.do efocimb, aa
ra de S. Miguel, nos Afogados, por 8UQ|: quem
quizer (azor tal ri*ocio, precure em casa do Ur.
Deodoro, ra do Culle^io, qua ah se dir qutm
a pessoa.
Quem precisar de ama ama deleite ceai D-
iho, dirija-se a ra do Arnorim a. 10.
Chspos pretos francezos de superior qualida-
de a 7.
Ditos dos mais modernos que ha no mercado
a 9$.
Ditos de castor pretos < brancos a 16$.
Chapeas lisos para senhora a 25$.
Ditos de velludo edr azul a 18$.
Ditos de seda para meninas ricamente enfeita-
dos a 8).
Dito* ditas para menino a 5$.
Lindos gorros para meninos a 3J.
Donis de reliado a 5$.
Ditos de palha muilo bem enfeitados a 4$.
Chapeos de sol franeezes de seda a 7$-
iUDitos inglezes de 10$, 12$ e 13$ para um.
GR4NDE SORTIHENTO
DE
Roupa feita,
aos ares o anouncio da grande alegra do povo
Sanl'amarense. o domingo (17) cometario as
novenas sempre com boa msica, o linalisando
com primorosos versos, enioados por um bando
de famosas cantoras, que se dedicam ao festejo
do mais milagroso dos santos. A fesla ser no
domingo 24. do modo segointe :
Na madrugada do domingo gran les gyrin Jolas
de fugo annnnciaro aos imolas de Santo Amaro | IV- I p nVlUntam i^A Ina
e a todos os devotos do Recife que vat araanhe- i" *vJJ C 11111 clALUI UC JUd-
car o erando dia, que um motivo de prazer ps-,
ra lotos que I-mu recorrido a infinita pntlecco
desse medico de todas as enfermidades. Pelas
10 horas, depnis de algumas pegas musicaea exe-
cutadas por urna banda militar, dar comeco a
festa, que lera loda a pompa, acrescentando-se
sobre as paseadas, ludo o que tem lembrado o
zeloe actividade dos novos fesleiros- Ser&o dis-
tribuidas na occasio do gloria estampas de glo-
rioso santo a larde haver corridas (cavalha las)
que alguns cavalleiroa pretendem fazer, como
uro resfolgar do grande calor que softrero os
devotos que forero do Recife assislir a solemoi-
Oade da fesla, o como dUtracgio, que serve ao
mesmo lempo de augmentar a pompa e magos-
tad? do festejo. Baldes. .. baldes... nao falla-
rao, de Indos os mdelos. Terminar a fasta com
Grande Te-Deom, guardando-se para a segunda-
fera (l>) o fugo de vista, como om presento offa-
recdo aos derolos, que nao poderem visitar o
lurioso sanio no domingo, o porque a noite des-
te dia ser prehenchida com o liramcnto da ban-
deira. que se recolher casa da aova juiza.
Lices de inglezefrancez.
5(000 por mez, duas vezes por teme na, etrsi-
na-se a fallar c escrerer : na ra estreita do Ro-
sario b. 10.
tiouipras.
Compram-se escravos para embarcar para
fra da provincia ou para engenho ; no eicripto-
rio da ra Direila de Francisco Mathias Pereira
da Costa n. 66.
Compram-se 40 apolices da Componhia de
Beben be, com tanlo que o seu prego nao ezceda
a 50$ : quem as liver, comparece, aa ra Diroita
n. 21, segundo andar, das 2 s 3 1|2 horas da
larde, na das 7 horas da ooite em diante.
Compram-se moedas de ouro de 20, : oa
ra Nova n. 36, loja.
Compram-se escravos.
Compram-se, vendem-se. e trocam-se escravos
de ambos os sexos e de toda daJe : oa ruado
Imperador n. 79. primeiro andar .
Compram-t acqSes do novo ban-
bo de Peraa ni buco: na ra da Cadeia
n. 41.
Compram-se notas de i$ e 5 ve-
Ihas com mdico descorito : na praca
da Independencia n 22.
Compra-se ama eserara mulata ou negra,
que soja sadia, moga, e tenha cria de 4 a 8 me-
zes ; na ra da Cadeia do Recife a. 51, segundo
aadar.
Compri-se papal de jornaes a 120 r. a
libra ; na ra larga do Rasario, deposito de as-
, na ra larga do
sucar n. 35.
Vendas.
aovo a 400 rs. a
esquina da *r*-
Vnde-ae urna eserava crioula com urna
fllha de paito, goza saude, mega, tem boa fi-
gura, coiinha e engomma, nao con perfefeto,
cose bem e *o* lavadeira de barreda : para
tratar, na ra da Cruz n. 43, segundo andar.
Vende-se urna carroga e um boi por prego
coremodo. no lugar do Remedio : quem preten-
der, dinja-ae ao mesmo lugar, a tratar coa Cae-
tano Bapiiala de Mello.
Attenco
Tem chegado em casa da A. L. Delouche. ru
Nova n. 22, u mais bonito sortiraenlo de relogio
americano que nunca tem apparecido oeste mer-
cado ; vende-se por pr"go coronado,
~ Vende-se preaunlo mullo
libra : oa rea das Cruzes a. 24,
vessa de Ouvidor.
Oliera gosla dormir no
fresco.
Vende-se um sitio no lugar da Torre, oa mar-
geni dorio Cebiearibe, cera boa Casa de sobrado,
multo henVfeito, coro baetatitea cOmotlot, ea-
trinarla para 4 cavalios. cocheira para 4 carros,
alta para feitur, cacimba com boa at^ia da beber
cora bomba de raachioisrao de puchar agua, ps
defrtdteiras d*divertsqu.liadea, capim pira
3 ou 4cavaii, o aHio est lodo omiti, i*m
muita boa bomba : os prelerideotes apnaregam
aa ra Nov nw. 22,. para inur, Veadersa par
prego muilo m cunta por motivo de ralirada.
Veode-sc urna escrara boa oaaatuira, par
preciaio : na ra da Praia o. 47, primeire andar.
Ventte-te trinha rj reino negada Mi-
amente do Rio de Janeiro : na ra de Apollo
o 20, armazem de assucar de Aatouio Marques
quim Rodrigues Tva-
res de Mello.
Rua &% Queimado n.39
Loja de quatro portas
Sobrecasacas de panno Tino obra moito bem fei-
ta, de 359 409 cada urna.
Paletots de panno fino preto, de 2>9a 30a.
Colleles de velludo preto bordado, a 129 oda
um.
Ditos de gorguro preto a 79 idem.
Ditos de selim maco a Gg idera.
Hitos de casemira preta a 5? idem.
Caigas de casemira preta lina de 12 a 149-
Paletots de esta ment a a 59.
Ditos de alpaca preta, saceos de 49 a 59.
Ditos de dita sobiecasacos de 89 a 99.
Ditos de bambolina pretn superior fazenda a 129.
Ditos de meia casemira a 109.
Ditos de casemira muito fina a 14$.
Um completo sortimento de paletnta de fusto e
brim, e caigas e coletea, que ludo se vende por
prego em conta.
Vende-se superior farinha de mandioca a
39500: na ra da Madre do Dos armazem de
Moreira & Ferreira.
Vendem-se escravos de ambos os sexos e
juntamente urna preta de meia idade, cozinheira
e boa ensabeadeira ; ua ra Direila n. 66.
Enfeilesdeabcca
muito barato para chegar a
todos, na loja d'aguia de ou-
ro, ra do cabug n. 1B.
Vendem se eufeites pretos de vidrilho pelo ba-
ratissimo prego de 2*. ditos de velluda a 39 e 49,
ditos de tranga de retroz e lagos chegados pelo
paquete a 3 49, a outroa mu tos mais objectos,
que a vista do freguez nao se eogeila dinheiro.
Estampas finas e interes-
s a ntes
A leja d'Aguia-Branca recebeu raui Unas, o gran-
des eslampas, de fumo e coloridas, representan-
do urnas a morte do justo rodeado de anjos, etc.,
outras a morlo do pactador cercado de demo-
nios, ele. Sao na rerdado inleressantes essas
estampas para quem as sabe apreciar, peto qua
se ternam dous quadros dignos de se possuir, e
mesmo pela raridad delles aqui. Vendem-ao
a 29000 cada estampa, na ra do Queimado o.
16, loja d'Aguia-Brmca.
Agua imperial.
Na ra do Queimado n. 6, primeiro andar, ca-
sa de cabelleireiro, vende-se a excellente agua
imperial para lavar a c.ibega, limpar ss caspas e
fazer renascer os cabellos ; nesta mesma casa
lava-se cabega com es.a maravilhosa agu por
500 rs. Na mesma casa ha grande porgo de
perfumaria, e se est em liquidago.
Vende-se urna casa de pedra e cal com 4
qUartos, 2 salas, cozinha tira, quarto para es-
cravo, muro na frente com porlto, 650 palmos de
fundo e 70 de frente, com diversis arvares de
fruclo : na Capunga Nora, junto ao baoho, pas-
saado a casa da Sr. Alejandre Rodrignes dos An-
jos ; a tratar na entredi, da Gapunga a. ti, ou
na travessa da Madre da Dos a. 8.
Attenco.
Ra do Arnorim n. 40
Vende-se farinha de mandioca, saceos da tres
quartas, pelo barata prego de 3#.
es Vehde-se o sitio que toi do fallecido Rufino,
porleiro que foi do presidente, na entrada da es-
trada do Arraial, com boa casa para familia, eati
bailantes commodoa, cacimba Com boa agua de
beber, ps de fru rteiras de diversas qualidades,
aasim como larangeiraB, pioheiras, saputlzeirds,
a outroa makoa, ler uat Haoho qu* o cotta pelo
meio, que nunca secca, e banheiro na mesmo,
ru rs.
2J500.
que
i coces a
Na ra do Queimado o. 55, loja de miudezas,
est queimaodo os seguintes artigoa ataizo de-
clarados, todas as miudezaa esli perfeliae. o o
prego convida :
Caizaa de clcheles a 40 ra.
Cartoes de ditos a 20 rs.
Croza de pennas de ac muito finas a $00 rs.
Charutos muito flnds, ciza coTn 100
Croza de botdes de louga a 120 ts.
Carretel de linha com 100 jardas a 30 ra.
Bules com bmha muilo fina a 320 ra.
Ditos eoth dlis dita a 500 r
Baeha em lata com Ij2 libra a 500 rs.
Frasco de oleo de babosa a 400 rs.
Caizas cora obreiaa muilo novas a 40 .
Ditas com ph sphoroi eapeciaea o me
ha a 160 rs.
Pares de meias creas pera homem a 160 rs
Ditos de ditas muito linas 900 ra.
nE"5*1 de fr"* de ,a" nuito bonita
800 rs.
Duzia desabneles muito finos a 600 b
Iscas para aceoder charutos a 60 rs
Phosphoros em calza de folha a 100 r
Carlaa de alfioelea fines a 100 rs.
Calas de agulhas fraocezas a 120 rs.
Pares de sapatos de tranga de algodaoj
Ditos de laa para meninos a 200 rs.
Frascos de macassa parola a 200 rs.
Ditos de oleo a 120rs.
Duzia de facae e garlos de cabo preto
Pares de lurss de fio de Escocia a 320
Massos de grampas fines a 40 rs.
Caivetes de aparar penaa a 80 rs.
Tesouras para un has a costura muito finas a
500 rs.
Pecas de tranca de laa com 10 raras a
Escoras para denles muito fioas a 200
Cordao imperial fino a 40 rs.
Dito groeso a 80 rs.
Cordes para espartitho 80.
Caixas para rap muito finas a 19.
Pareada meias de cores prra menina a 160 rs.
Lmha de marcar (novello) 20 rs.
Croza de marcas para cobrir a 60 rs.
i de ser
a I.
i3g.
320.
ra.
Francisco Jos Rolrignes deiio
caixeiro de Vicente Ferreira da Costa ddsde o dia
li do corrente.
SON PRO-
gresso
Queijos flamengos chegados no ultimo paque-
te da Europa a 2J5O0 ; vende-se nica irente no
armazem Progresso, no largo da Penha
Roa do Crespo,
loja n. 25, de Joaquim Ferreira de Sa\ vende-se
por pregoa baratsimos, para acabar : pegas de
cambraia liar fina a 3, orgarrajt moite finas e
modernas a 500 rs. o corado, cassaa abortas de
henitas cores a 240 rs., chitas largas a 200 o 240.
cortea de casa* de cores a 29. ntremelos borda-
des a 19500 a pega, babadas bordados a 320 a
vara, sediohas de quadros finas a 800 rs., easa-
requesde cambraia e fil a 59, penleadoroa de
cambra i a bardados a 59, gol lio has bardadas a
640, ditas com ponas a 39500, manguitos borda-
do de cambraia e QI6 a S#, damasco de la eons
9 palmos de largara a I96OO, bramaste de liaba
eom 5 palmos de largura a 900 rs. a rara, luvas
para senhora a 100 rs. o par, capas de fusto en-
feitadse a 59, pegas de mad^polo no a 4$, la-
zinba de qoadros para vestidos a 320, camisos de
cambraia bordados a 29. sobrecasacas de panno
fino a 20$ e 25$. paletols de panno e casemira de
16 a 205, ditos da alpaca de 39500 a 89. ditos de
brim de crese brancos de 3*500 a 5g, caigas da
casemira pretas e decores para todos ps pregoa,
ditos de brim de cores e brancos de 29 a 59, ca-
misas brancas a decoras para todas ea preces,
colleles de casemira da coras finos a 59 ; aasim
como outras muitaa fazendas por menos do sea
ralor para fechar coalas.
*sa3 m atea m mmsmm
0$ barateiros
Guimaraes $ Villar.
Ra do Crespn. 17.
Vc-ndem colleles de.vallado bordado a
59, parece iacrivel.
Saiss baldes de 30 arcos a 59, de mus-
selina \ 5g.
Cortes de cambraia a Stuart riquissimos
desenhos a 2|500 o corte.
Saias bordadas de tres pannos a 2$500.
Ditas de 4 pannos ricamente bordadas
a 49OOO.
Caaemiras de bonitos padroes e 2 lar-
guras a 29500 o corado. Appareeam e
ver3o o bom gosto

O

13
O
rja
1-*
H
O
w
w
>
SE

>
tr*
o
c
w
s-
i-
o

S
o
rl
Ce
J*fc
y
3

Alerta!
S
&
e*.
O
r
N
P
a

A loja daba-f

urna grande bai de euplm que sustenta 6 ca
rallos de vero a invern : a pessoa que o pre-
tender ,dirija-ee ao dita tftiuratratar com a viurx.
Doce de pelluxe.
Na ra do Livramtato o. 26, feada-ae este da-
ca patebaraUssWno frrgd*60ft rl. a libia, 4
ein potes de arxoba j.arn cima a 13a arroba. ouiita *
E quasi tde gracar..'.
Calcado barato.
Borzegulnl para manaos 4a ambas aa setos
oa. 25,26. 2J, 28, 2!> a 30 a 3| o par : oa loja n.
tala ra da Cade* lo .Ratife.
na Tua do Queimado n. 1
esta ib a \lo sorlida,
e vende muito barato :
Brim branco .de puro linho Iraogado a 12000 e
19400 rs. a vara; dito pardo muito iuparior a
1S200 a vara; gangas francezas muiti finas de
padrdes oseros a 500 rs.; riscadinhes de liaho
proprios para obras de meninos a 20) ra, o co-
vado: cortea de caiga de meia casimir 1 a 1S600;
ditos do brim de linho de cores a 29 is.; breta-
nha de liuho muito una a 209, 229 e i 249 rs. a
pega com 30 jardas; atoalhado d'algcdao muilo
suoerior a 19400 rs. a vara; braman e de linho
com 2 varas- de largura a 29400 a r -a ; lencos
de cambraia brancos para algibeira a 2$400 a
duzia ; ditos maiores a 3$; ditos de cambraia
de linho a 6*9; 79 e 8$ rs. a duzia ; di tos borda-
dos muito finos a89rs. cada um; ditos de cam-
braia de algod&o com bico largo di linho em
volla a 19280; ditos com renda, bico e labyrin-
lo a 2)000; o alm disto, outras ma las fazea-
das que se vendem muito barato a liaheiro a
vista : na .ra do Queimado n. 22, loja da Boa .
Bonitos cintos para senho
ras e meninas.
Na loja da aguia branca vendem-ae mui boni-
tas fitas com fivelas para cintos de leohorase
meninas, o pelo baratissimo prego 1 e 2f : em
dita loia da aguia branca, ra do Que madunu-
mero 18.
Cheguem ao barato
O Pregules est quetmando, em sua loja na
ra do Queimado n. S.
Pecas da breanhs de rolo com 10 varas a
2S, casemira escura infestada proprii para cal-
da, collete e palito a 060 ri. oeovido. cam-
braia orgafidy de muito bom gosto a 480, rs.
a rara, dita liza transparente muito f na a 39
49, 59, a 6# a pees, dita tapada, eom 10 varas
a 59 e 69 a peca,chitas largas de modernos e
escolhidos padroes a 140, 260e 280 rs. eova-
do, riquissimos chales de marin estsnpsdo a
78 e 89, ditas bordados com duas Mimas, fa-
anda muito delicada a 99 cada um, ditos com
urna s pilma*. aito 6ooe a 81500, ditos lisos
oom franjas d sada a 5, bsHop da cisas eom
barra a 100, 120 e lio cada um, meias muito
finas psra senhora a 49 a duzia, ditas de boa
quslidade a 39 e 89500 a duzia, chitas fran-
cacas de ricos desenhos, para coberta a 280 rs.
o aovado, chitas escuras ingieras a 59900 a
toes, a lOON.oearado, brim branco de poro
liaho a 19, 19200 e 19600 a vara, Uto preto
miiiio anearead* a 19600 avara, btiTaaniIn
400 rs. o con4o,alaaaaavddiS>BreBtes
<00 rs. a o*vado, ecaamirta pratas
finas 9M00, 39 e 30500 o eovtrfl, ambrala
pfeta a de salpicas a 500 rs. a vara, j e aatrae
muhaa faadas qua aa far patente ao cinspaa-
[dar, a da todas se dario amOtlrtt fam penlrat-
Na ra da Aurora n. 10, segundo
andar, vende-se urna bonita eserava
sem vicios, que sabe coser, cosinbar e
eogoramar bem moga e sadia, se dir'
ao comprador a razao porque se vende.
1 Attenco.
Cortes de vestidos de nobreza bordados
a velludo de duas saias e dous babados a
808000.
&$St9& ft***
Grosdenaple preto de I98OO a 49 o co-
vado.
9 Mantas de fil de seda preta a 7J, di-
@ ta de dentelle a 20$. e outras muitas fa- ^
jg zendas pretas proprias para a quaresma a
99 9 9I
S Sobrecasacas
9 pretas finas a 26$.
a>9 9
9 Palelot de panno mesclado a 209 : na
9 ra do Crespo n. 8, loja amarella, succes* 9
9 "'r de Antonio Francisco Pereira. f*
9999 9099 9
Queijos frescos
al|800.
Vendem-se queijos vindo no ultimo vapor, e s
servo para comer ja por ser frescos e de olo po-
der aturar muito lempo a 19800, dito em libra a
640: na traressa do pateo do Paraizo n. 16, casa
pintada de amarillo.
Tachas e moendas
Braga Silva & C, tem sempre no seu depo-
site da ra da Sdoeda o. 3 4, una grandesorti-
mento de tachas e moendas para engenho, do
muito acreditado fabricante Edwin Maw a tra-
tar no mesmo deposito ou na ra da Trapi-
che .i.
Cal de Lisboa.
Na traressa do arsenal do guerra, taberna na.
1 e 3, eslo & renda os seguintes gneros por pre-
sos commods :
Barricas de cal virgem de Lisboa em pedra.
Saccas com arroz das Alagoas, muito dovo
Mullios de palha de carnauba muilo alva a
oova.
Urna carrnca para um s boi, ora e bem cons-
truida de sicupira.
Relogios.
Vendem-ae am casa de Braga, Silva & c, re-
ogios de ourolde diversos, fabricantes inglezes
or preco commodo. '
9999999 999-9
49 Machinas de vapor.
9 Rodas d'agua.
^P OvMl'uas Q0C9QDB.
9 Taiaasi
9 Rodas dentadas.
9 Broozes e aguilhes.
9 Alambiques de ferro.
^ Crivos, padroes etc., ele:
SNa fundigo de ferro de D. W. Bowman.
ra do Brum passando o chafariz.
999 999 9999999 9999 <
Bolsas de tapete para
viagens.
Vendem-se mui bonitas bolsas de tapete pro-
priaapara viageoa, etc., etc., pelos baralissimoa
preces de 59. 69 e 78 : na loja da aguia branca,
roa do Queimado o. 16:
As melhores machinas de co-
zer dos mais afamados au-
tores de New-York, Singer
A C, Whecler A Wilson e
Geo. B. Sloat A C.
Estas bi-
chioas que
sao as melho-
res e mais
durado oras
moslram-se a
qualquer hora
e enstna-se a
trabalhar as
casaa dos com-
pradores ga-
raotindo-se a
sua boa quali-
dade e dara-
?ao: no depo-
sito de ma-
chinas de
Raymundo Carlos Leite & IrmSo, rUa da Impe-
atriz n. 12, edtigasneeU aterro da Boa-Vista
Padaria.
Na travessa do arscoal de guerra ns. 1 3,
vende-se ou aluga-se urna padaria bem montada
em em bom lugar, bem como um deposito da
mesma enllocado em o Centro desta cidade e de
muita concurrencia : qncm pretender ambos os
estabelecimentos ou s a padaria dirija-se casa
cima que se far negocio em conta.
Cal de Lisboa
No deposito da ra da Cadeia do Recife n. 12,
acaba de chegar pelo ultimo navio a verdadeira
cal virgem em pedra, cao haveodo alem desta
mais neuhuma no mercado, em poucoa dias se
concluir, por isso devem os pretendeoles con-
correr quanto antes.
Na roa daCrui Asmare n. 41 esquina para a
ma da Liogoeta, ha um completo sortimento de
raleado de todas as qualidades. assim como sola
franceza, cordario, couro da porco e todo os
aviamentos precisos, o que ludo se vende por
menos preso que em outra qualqaer parta ; na
mesma loja preciaa-se de oflkiaea desapateireo
tarobem se recebe alguna spretidizea forros eu
escravos.
Botica.
Bertholorncu Francisco de Souza, ra lirg
do Rosaiio a. 36, venda os seguintes medica
mentas :
Rob l'Affecteur.
Pilulas contra sezoes.
Dius vegetis.
Salsa parrilha Bristol.
Dita Sands.
Vermfugo inglez.
Xarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febres).
Ungento Holloway.
Pilulas do dito.
Ellixir anli-asraathico.
Vidros de bocea larga cora rolhas, de 2 oseas
12 libras.
Assim como tem um grande'sortimento da pa-
pel para forro de sala, o qual vende a modioe
preco.
Vendc-se a parte le um sobrado de 3 an-
dares, na la Direila n. 88 : os prclendentes di-
rijam-se ra do Queimado o. 41.
Pianos
cobertos e descohertosr pequeas e grandes, de
ouro patente inglez, para homem e senhora de
um dos melhores fabricantes de Liverpool, vin-
dos pelo ultimo paquete inglez : em casa de
Sonlhall Mellor A C.
- Vende-se um preto moco, bom cozinheiro,
prefere-se vende-lo para engenho : na ra da
Cadeia do Recife o. 29, armazem de louca.
Vendem-se 3 vaccas, 2 paridas de pouco :
a tratar na cocheira da ra da Roda n. 45.
Vende-se um excelleoto mulato moco, e aa-
bendo cozinhar: na ra dos Guararapee n. 64.
de
por-
Saunders Brothers & C. tea paca vender em
en armazem, na praca do Corpo tanto o. 11,
alguna pianos do ultimo gost recentimente
chegados dosbem conhecido e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood dt Sonada Londres e
muito oroprio para este clima
liquidado.
IPMfi MMJLi.
Na loja de miudezas da ra do
Imperador n. 38, porbaixo
da bandeira do retratista.
Ua para bardar de todas as cares, a libra a 55,
69 e 85, alamarea para capole dourados e bron-
zeados, a groza a 8, 10 o 129, chapeos de seda
para senhora a (2 e 158, peonas da ac a groza
a 400 e 500 rs., bordes de linha, de fuslio o do
seda para casareque, a duzia a 200, 320 e 500 rs.,
cairas de lemparinaa a 40 e 50 rs., manguitos
29 e 29500, gollinhas a 800,1/e 29. gollinhas
pretas a 29 e a 39, mantegueiras fioas a 49 e 59,
caixas de vispora a 800 ra., babada do Porto lar-
o lavrado a 120 e 180 rs., fita de eos a peca a
60 e200 rs., fita de linho a 40 rs., caizaa ecar-
,toes de clcheles a 60 rs., froco para bordar a
200 rs. a peca, froco para florea e enfeiles a 828 e
400 rs. a peca com rame e sem elle, papis de
rebique a 100 e a 80 rs., agulheiros com agulhas
francezas a 120 rs., franjas e galSes de linha a
vara a 80 e 100 rs., boles de louca para camisa
s groza a 100 e 120 rs., masaos de gramposa 40
rs., pentes de balis para alisar a 200 e a 240 rs.,
franjas da seda pretas e de cores de am dada a*
um palmo de largura. Otas de todas as qualida-
des, quadros dourados, espelhos dourados, ban-
dejas, bicos de seda pretos e braceos, chapeos,
loucaa e bonete para menino, grvalas, a utros
muitos objectos ; ludo aa venda por baratissimo
preco, e lambem se vende a armacioe pertences
em porees ; lambem se venda a preso.
Baratissimos jarros
cellana.
Vende-se mui booitos jarros de porcotlana doo
rada, e de lamanhos oao pequeooa, proprias pa-
ra eofeites de mesas, oroato de gabinete, etc.,
pelos baratissimos precoa de 89 e 4 jOOO o par:
na ra do Queimado loja d'Aguia Branca a. 16.
Attenco.
Na ra do Trapicha a 48, em casa da Rottron
Rooker A C, existe um bom sortimento de ti-
nhaa do cores e braocas em carteteia do raelhar
fabricante da Inglaterra, aa sjaaea aa vendem pe
preces mui razoaveia.
(arabriias
baratas.
19 Ra do Queimado 18
Cartea de cambre bfettea dito iaa m l-
pico mlutftrtrios a 48808.
Cattbnriea para veattdo mullo laa, poto a-
ralissimo preo de t|800,|800,3| a 3860 cada coreadaWatmactes pata aasaaa daHm, a-
? -_ .aheleo ou a prazo, conforme convier ao comara-
Baloes de mussulina, to* arreadado, ditos fdor ; aa ra da Praia a. 47,
Vend de predios.
^nde-se na cidade do Aracatr, provincia do
Cear, um sobrado melado de Outro, este aito
na principal roa.de Commercio, lado do naaeen-
te. local aW paaaarllo pM todea pata qaatquer
estabeleciraenlo e morada do familia ; tem boa
leja, armazem e grande quintal, aquello sito na
roa da Cras do mesmo lasa, com bons (afano-
dos, boa leja e armazem, e quintal com bastante
fundo, ambos com, cacimbas can 80a agua. Tam-
bem se far permuta por predios nesta praca com
alguma peasoa que desia para atrt ojieire ae ata
betecacae aatrrar. vala lar Ido raataV para aewet-
la cidade itemansaa familias qua tem aa Jado
bem lano O taude e paaaadio, eorao pelo bom
??** M'*vaaHVlgatla8a cfte-
ra-oa>9 e)aaa> tratar.
a traspasu-aavaaso asa tor-
-_s a seus 1 madeiras
UtdNtiXH' que preteeter, a^aSMtrtn das
Trincheiraa n. 16, loja.
Veastem-se M,pertaaa 4a-aHa aatrar.


u-*n%vmmw*k 'ii'wmuiao iii6i.
Grammatica in-
giera da OUendorff.
Novo metbodopara m^reuder a liu,
a escrever e a fallari agieseis 6 mese,
obra inteiramente nova, parauso de
os estabelecimentos de instruc-
ha de vigorar naalfandega; o propri.lerio do cg0 pblicos e prticulares. Vende-
bem sonido e.tabelecimeoto da ra Direita n. *"" ..,^ J ,, 7
45. nao quer que 01 teas freguesa, crreguem," napracs de Pedro II (antigo largo
com as coosequeoeias do systema floaoceiro do do Collegio) n. 37, segundo andar.
Sr. ministra da fazeuda e por ,"" >
45 Ra ireita 45
Tendo de augmentar 30 *i, o calcado de
se-
nhora e o de homem 10 i., do dia 9 de favereiro j" J
em diac-te, em consequeucia da nov pauta que. todos
e por isso suiteola oa
presos do seu calcado pela tabella seguate :
Homem.
Borzeguios para homem (im
periaes)....... 10*000
Ditos (aristocrticos). 9#000
Ditos (prova d'agua) 8#500
Ditos (Bersaglieri)..... 8000
Ditos (communtstas). 6000
Meios borzeguins (patente). tyOOO
Sapates (3 bateras). 5 Ditos (sola dupla)..... 5$200
Ditos (blusas)...... 50000
Senhora.
Botinas (prima dona). 5^000
Ditos (m a vis)..... 4$800
Ditos (me deixe)..... 4$500
Ditos (grisete). ...... 4#000
Meamos e meninas.
Sapatoes (bezerro).....4/J000
Ditos (diabretes).....3500
Ditos (salva p<)......3^000
Botinat (bolicosas). .... i.yOOO
Ditas (para crianzas). 3$500
Sapatos para senhora (lustre). i#200
E iio completo sortimento de couro de lustre,
marroquim, sola, bezerro francez, courinhos e
ludo que necessario a um irraao de S. Cris-
pim, advogadu dos artistas sapateiros, por presos
que s este estabeleeimentopode vender.
Veodem-se duas pequeas moradas] de ca-
sas terreas de lijlo c cal, sendo ama dolas
maior de que a oulra, e ambas juntas, no aterro
dos Afogado. na. SU e 216 ; a tratar na de n.
214 que (lea quasi conlronle a aula particular de
primeiras letrss do professor o Sr. Manoel Flix
Aires da Cruz.
Vinho do Porto, genuino,
Rico de 1820.
Stomacal de 1830.
Precioso de 1847.
As duzias.e em caixinha., a dibeiro, por ba-
sto prego : vende-se oa ra do Trapiche n. 40,
escriptorio.
Milho e farelo a
3,100 rs.
Vendem-se saceos com 24 cuias de milho a
3*100, dito novo a 3g6C0, em porgao se faz dille-
reuga, e sccos com (arelo muito barato por aer
decommisso: na travessa do pateo do Paraizo
o. 16, casa pintada de amarello.
/toado Crespo n, 8, loja
de 4 portas.
Pechincha que admira!
Chitas francezas, cores fizas o lindos desenhos
a 240 rs. a covado; do-se amostras com penhor.
VENDE-SE.
No armazem de Antuoes Guimares & Com.,
milho novo e farello em caceas grandes uo largo
da Assembla n. 16.
*fisa

i
Vende-se algodiio moastro con duaslatgoras,
muito proprio para iQtlhja e leucea por dispen-
sar toda e qualquer costura, pelo baratissimo
preso de 6Qr.. a Tari ; aa rea ao Queimado a.
i*, ni laja da boa .
Qeeu
flor do Brasil
charuto* Flor do Brasil, voade
B4ST0S
fe
[-11-4111 II
de-se I
|R01PA FEITA AI1DA MAIS BARATAS.]
SORTIMENTO COMPLETO
DE
IFazendase obras feitasj
RA
LOJA E ARMAZEM
DE
Gcs k Basto!
NA
Una do Queimado
u. 4ft, frente amareWa.
_ Constantemente temos um grande e va-
riado sortimento de sobrecasacas pretas
de panno e de cores mullo fino a 28, |
30g e 359, paletota dos mesmos pannos *
a 20$, i2g e 24$, ditos saceos pretos doa fi
mesmos panno, a 14. 169 e 18$, casa- J;
cas pretas muito bem feitas e de saperior 8
panno a 28. 30$ e 35. sobrecasacas de *
casemira de cores muito finos a 159, 16$
e 18$, ditos saceos das mesmas caserr.-
ras a 10$. 12 e 14$. caigas pretaa de
caseraira Qna para homem a 83, 9, 10|
e 12, ditas de casemira de corea a 7$, 89,
99 e 109, ditas de brim braocoa muito
Qna a 5$ 069, ditas de ditos decores a
39. 39500, 49 e 49500, ditas de meia ca-
semira de ricas corea a 4$ e 4$500, col-
leles pretos de casemira a59 e 69, ditos
de ditos de cores a 4$500 e 59, ditos
brancos de seda para casamento a 59,
ditos de 69, colletes de brim tranco e de
fustao a 39, 39500 e 49, ditos de cores a
295OO e 39, paletotspretos de merino de
W cordo sacco e sobrecasaco a 71, 89 e 99,
55 colletes pretos para luto a 4950O e 59,
IB qts pretaa de merino a 49500 e 59 pa-
B lelots de alpaca preta a 39500 e 4$, ditos
H sobrecasaco a 69, 7e 8$, muito Onocel-
leles de gorgurio de seda de cores muito
boa fazenda a 39800 e 4$. colletes de vel-
ludo de crese pretos a 79 e 89, roupa
para menino sobre essaca de panno pre- f
8 tos e de cores a 149, 159 e l&f, ditos de |
casemira sacco para os mesmos a 6$500 e 1
S 79. ditos de alpaca pretos saceos a3jctt
39500. ditos sobrecasacos a 5$ e 9500, o
B calcas de casemira pretas e de cores a 69, f
g 635OO e 79, camisas para menino a SO9 O
1E a duzia, camisas ingleza. pregas largas 3
2 muito superior a 329 duzia para acabar. JJ
H Assira como temos urna offkina de al if
55 fsiateoude mandamos executar todas as 25
li obras com brevidade. l
ntmm&ams tere mm*:*t*
EAU MINERALE
NATURALLEDE VICHY.
Deposito na boticafranceza ra da Cruz n.22
que oul 'ora tinha loja na roa do
mado b. 46, que gyrava sob a firma de
es & Bastos participa aos seus nme-
ros* (reguezes que dsolveu a sociedade
que tinha com o mesmo Ges lendo sido
substituida por umseu mano do mesmo
nome, por isso ficou gyraado a mesma
firma de Ges & Bastos, assim comoapro-
veita a oceasiio para annuncisr abertura
do seu grande armazem na ra Nova jun-
io a Cooceicio dos Militares n. 47, que
passa a gyrar soba firma
DE
Bastos ( Reg
com uro grande e numeroso sortimento de
roupas (eitas e fazendas de apurado gos-
to, par precos muito modificados como
de seu costnmo, aaaia como sejam : ri-
cos sobrecasacos de superior panno fino
prelo o de cor a 25$, 28$ e 309, casacas
do mesmo panno a 309 e a 359, paletota
sobrecasacados do mesmo panno a I69,
209 e a 22$, ditos saceos de panno prelo a
129 e a 14$, dno.'i de casemira de cor
muito fina modelo inglez a 9$, 109, 129
el49, ditos de eslamenha fazeuda de
apurado gosto ,i 5$ e 6$, ditos de alpaca
prela e de cor a 4c. sobrecasacos de me-
rino de cordao a 89, ditos muito superior
a 129, ditos saceos a 59, ditos de esguiio
pardo fino a 4fc, 49500 e 5$. ditos de fus-
to de cor a 39, 3.1500 e 49, dilos bran-
cos a 49000 e 'j5l0, dilos de brim pardo
fine sacco a 2S800, calcas de brim de cor
finas a 39. 395OO, 49e 4$50O. ditas de di-
to branco finas a 5$ e 69500, ditas de
princeza proprias para luto a 4$, ditas de
merino de cordao pelo fino a 5 e 6,
ditas de casemira de cor e preta a 89, 99
e 1W0, colletes de casemira de cor e pre-
tt aiJOe.r, ditos do seda branca pan
casamento a 59, ditos de brim branco a
39 e 49. ditos de cor a 39.colletes de me-
rino para lulo a 4$ e 4$50O, ricos rob-
chambres de chita para homem 109,pa-
leols de panno fino para menino a 12$ e
|| 149.casacas do mesmo panno a 15$,caigas
*j de brim e de casemira para meninos, pa-
1| letets de alpaca ede brim para os mesruos,
5 sapatos de tmnc para homem e senho-
11 ra a la e 1*500, ceroulas de bramante a
8189e 209 a duzia, camisas francezas fi-
nas de core brancas de oovos modelos a
S> 17$. 189, 209. 24$. 289 e 309 a duzia,
gj ditas de pcilos uo linho a 309a duzia, di-
las para menino a 1)800 cada uma, ricas
gravlas brancas para casamento a I9SOO
9 e 29 cada uma, ricos uniformes de case-
n mira de cor de muilo apurado gosto tanto
no modello como na qualldade pelo di- 1
minuto prego de 35$, e s com avista se B
H pode reconhecer que barato, ricas capas ||
P de casemira para senhora a 188 e 209, *
|E e muitas outas fazendas de excelleote ||
* gosto que se deiiam de mencionar quo 9}
1| por ser grande quantidade se terna en- m
^w fadonhn, assim como se recebe tada e 51
M qualquer encommenda de roupas feitas, M
m> para o que ha um grande numero de fa- m>
J| zendns esrnlhidas e uma grande ofllcina ||
* de ajfaiate que pela suapromptidao eper- tf>
Jg feico nada d >ii;i a desojar
Milho novo.
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas
Camisasinglezas.
Peitosparacamisas,
Biscoutos
Emcasade Arkwight 4 C, rus da
Grua. 61.
HHili
Para bales.
E' chegado i loja da guia de ouro o 1 ra do
Cabug n. 1 B, as verdadeiras molas pana bales
que se vt-ndem por baratissimo preco de 200 rs.
a ver ou peca de 50 metros a 8$, assim como
cintos de marroquim muito lindos pelo baratissi-
mo preco de 19 e 19200. peotes de borraha lan-
o para alisar como para bichos, e de Iravessa
para menina de todos os lmannos o o ais fino
que pode haver ; assim como chegou o bi lio sor-
lmenlo de franjas de belota para cortina lo, pe-
la a 2$600 e 298OO a peca de 15 varas, e ronitos
mau obyectos que se vende tuda muito barato, e
que a visla do freguez nao se tngeila negocio.
Breu e farelo.
Vende-se superior breu e farelo ; no
de Francisco L. O. Azevedo, oa ra da
Dos n. 12.
Seus propietarios offeree.1. .aw^omerosos Treguases e ao pubbico em geral. toda equ.1
ouec obra mtauf.lur.da m sea 'eo.nhec.do ubelicimeoio Saber: m.cab..Tv.por de indo
o. unannos, rodas i .ga par. geauos, todas da ferro ou para cubos de m4er. moendas
eia. moendas, lachas de ferro balido, fundido do todos oa t.m.nhos, guindastes guHchos
bombas, rodas, rodetes .guilbocs e boceas par. fomalha, mchin.sP.r..m.M.r manilioc. a para
descarocar .Igodio. preneas para mandioca o oleo de ric.nl, portos grad.ria, columnas e rnoi-
nho. d. rento, arados, cultivadores, pontea, cadeir.s e tanques, bolas, alvoieng.s, botes e todas
s obras de m.cbin.smo Executs-se qualquer obra saja qnal for sua natureza pelos desenhos ou
moldas que para ul Gm arem apresaoUdos. Reeebem-se encommendas neste .suuieeimenio na
ra do Brumo. 28 A o a. ruado CoUegie boje do Imperador n.65 moradia do eaxeiro do es-
ubelecimento josa Joaquio da Costa P.reir, com quera os pre tendentes se podem entender otra
qualquer obra. r v"m
na
Cheguemao barateir
ra do Queiuiadol nu-
mero 47.
Vendem-se chales de lia e seda-pretos a 1$300,
ellos de cores de laa a 19, cortes de casemira
prela a 79500, panno fino a 99500 o covsdo, chi-
tas fixos a 140, cambraia de barra a 28C0 o cor-
te, chita, francezas escuras a 240 o covado, gros-
dcnaple a ljCOO o corado, cortes de castor para
cal^a a 19, madapolo bom a 49200 e 5$ a pega,
seda de cuadros a 600 rs. o covado, cnaly a 600
rs, e covado, camisas francesa, de coics 29,
ditas brancas a 2*500, grvalas de s
495OO, e outraarosis fazendas que se
todo preco a vista do dlnheiro.
Arados americano e
para lavar roupa: en casa d
hnston & C. ra di Se rizal
Para desenlio.
Mu bonita, caixinhas envernizas, com Unta, fi-
nas, lapis, pincel., e ns mai. necessarios para
desenho. E' o que de melhor e mai. perfeiioae
tem visto aqu em tal genero, e *enneni-*e 59,
69. 89, 10$, 129 e 149 : na ru. do Queim.do n.
16, laja O'Aguia-Branca.
Vende-se um rico santuario de Jacaranda, e
uma meia commoda da mesma madeira, obra de
apurado gosto ; n. camboa do Carro o n. 10.
Ra da Senzala Nova n.42
Vende-se'em casa da S. P. Jonhstoo & C,
sellinse silhSes nglezes, e.ndeeiros e casticaes
bronzeados, lonas nglezes, fio de vela, chicote
para carros, emoniari., srreios par. carro de
um e dons cvalos relogios de onro patente
nglez.
E' baraUssimol
Ra do Crespo n. 8, leja de 4 portas.
Cassasde cores fizas miudinha. a 240 rs. o co-
rado, cambraia, organdys lindos desenhos a 400
rs. o covado, e chitas largas finas de 240, 260
280 o covado, e outras m unas fazendas por ba-
ratissimo prego : aao-se amostras com penhor.
XOENXV
DA
FUD1CA0 LAW-1H0W,
Roa da Senzalla Nova d. Ai.
Neste eslabelecimenio contina b.ver um
completo sorlimenio de moendas e mei.s moen-
a das p.ra ongenho, machinas d. v.por e taix.s
endem por)te'erro batido e coado, de todos ostamanbos
para dito.
(rmazem
ladre de
Perfumaras
novas.
A loja da aguia branca acaba de receber de su.
propria encommenda uro lindo e com|.letn sorti-
mento de perfumaras th,as, asquaes esl veb-
deodo por menos duque em oatra qualquer par
te : sendo o ben. conhecidn oleo philo.one( ba~
nha(Societ Hjgiei.iqu.-J a 19 ofraaro. linos eX_
irarlos pm bunitii. frasros de cor" e dourados a
29,21500,39 e 49. .afamad, banha traiispercn!
te. e outras igualmente fina, e novissimas cciro
ajapenaise ero bonitos Irascos, cuja lampa de t
dru tambero cheia oa mesma, huile concrelp"
odonneM, principe imperial, creroe, en. bonitoi
copinhu.com lampa de metal, o muias ouir,.
diversas qualidadrs. todas eslas 19 o fra.ro
bonito, vasos de porcellaDS dour.da proprios oa-
rorTeriaa29e295(iO, bonitos b.huziiipo c.m
9 fra.quii.ho. de cheiro a 29, linda, resiinha.
com 3 e 4 frasqu.nhos, e caixinhas r*dnndasrom
4 dito, a 11*00 e 1*600. finos pos para denles^
agua balsmica para dito, a 1e 1,500 o raQui-
nho ; e assim uma intiuidadede objclosqop fn
patentes em dita loja da .guia blanca, na ruado
Queimado d. 14.
Escravos fgidos.
Cheguem aloja da
achina-
S.P. Jos
n.2.
af
Cera de carnauba.
cOres fizas a
.. muito fia
nnito fina a
2 vara.; di-
peca edm 10 varas ;
com 8 1i2
Chitas francezas muito finas del
280 rs. o covado ; cambraias.francs
as a 640 rs. rara ; dem lisa
485C0 e a 6$000 a r*c,i com 8 1
muito superio. a SgOOO a peca ct
dila fina com salpico, a 4*800 a peca
varas; fil de linho liso muilo fiho a 800 rs. a
vara ; tsrlalaoa branca e de cores a 800 rs. a va-
ra ; e outras muila. fazendas qu >, sendo di-
nheiro, vendem-se muito bsralai: na ruado
Queimado n. 28, ns leja da Boa fe.
Lencos para rap.
Vendem-se lenco, muito finos pioprios psra os
tabaquistas por serem de cores escuras e fizas a
58CU0 a duzia : na ra do Queimado n. 22, na
loja da Boa f.
Na loja da Boa fyende-se
. A melhor que
I preco commodo
tem vindo ao mercado, e por
no largo da A??n>bla n. 19
novo em saceos mui-
ra ra da Seuzala
Pennas d'ao.
A leja d'Aguia-Branca recebeu um grande sorti-
mento de pennas d'aco de difTerente. qualidades
as quaes est vendendo de 500 a 19000 rs. gro-
sa. o mais barato possivel: na ra do Quei-
mado loja d'Aguia -Branca, n. 16.
SYSTE HA MEDICO DE HOLLW AY.
PILULAS HOLLWOYA-
Este tnestimavel eepeeifieo, composto ialeira,
meute de hervas medicinaos, nao contera mercu-
rio era alguma oulra substancia delecleria. Be-
nigno mais tenra infancia, e a compleicao mais
delicada igualmente prompio o seguro para
desarraigar o mal na compleicao mais robusta ;
eatetramante innocente em suas operaces e ef-
feitos ; pois busca o rernove as doentjas de qual-
quer especie e grao por mais antigs e tenazes
que sejara.
Entre. mimares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j esta varo, as porta, da
morte, preservando em seu uso : conseguirn.
recobrar a saude e lorcas, depois de haver tenta-
do inuliimaote todos os oulros remedios.
As mais afflictas nao Javera entregar-se a des
esperaijao ; facam um competente ensaio dos
efteazes edaitos desta assombrosa medicina, e
prestes recuperarlo o beneficio da saude.
Nao se perca lempo em tomar este remedio
para qualquer das seguintea enfermidades:
Aocidentes epilpticos
Alporcas.
Am polas.
Araias (mal de).
\slhm.
Clicas.
Convulses.
Dabilidade ou extenua-
rao
Febreto da especie.
Golta.
Hemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestes.
Infla mm.^oes.
Irregularidades
maostruacao.
Dabilidade ou falla do Lombrigas de toda es
forjas para quaiquor
cousa.
Deaiateria.
Dor do garganta,
de barriga.,
nos rins.
Durara no entre.
Eafermidadesao entre
Ditas ao ogado.
Ditas venreas.
Enchaqueea
Herysipela,
Febre biliosa.
pecio.
Mal de podra.
Manchas na cutis.
Abstrucco do ventre.
Phtysiea ou consump-
pulmonar.
Retorci do ourin..
Rheumatrsmo.
Symptomas secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venereo(raal).
Febreto intermitente, [
Vende-se estas pilulas no astabeleciment "ge-
ral do Londres n. 224, Strand, o aa loja da
tolos os boticarios droguista o outras pessoas en-
earrogadas de sua venda em toda a America do
Su!, Hvani e Bspanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs. cada
ama dallas, contera uma instraeglo om porlu-
gaez para explicar o modo do se usar destas pi-
lulas.
O deposito garal em casa do Sr. Soum
dharmaceutico, oa roa da Cruz n. 22, em Pr-
nannrueo.
Vende-se milho
to grandes a 4/jf :
Velha n. 106.
Cassas ae cores.
Anda se vencen, cassas de cores Das, padres
muito bonitos, pelo baratissimo preco de 240 rs.
o covado, e mais tralo que chita: na ra do
Queimado n. 22, na bem conhecida loja da
Boa f.
panno preto fino a 49, 59, 69, 89
vado, casimira prela fina a 5>, 3:
vado ; gros de na pies prelo a 2:
covado; alpaka preta fina a 64
fina a 19 rs. o corado ; casimiras
de
REMEDIO 1NC0MPARAVEL.
UNGENTO HOLLOWAT.
Milhares de individuos de todas as nacoes
podem testemunhar as virludes desta remedio
incomparaveleprovarem caso necessario, que,
pelo uso que dalle fizeram tem mu eorpo e
membros inteiramente saos depois de havar era-
pregado intilmente outros traUmenlos. Cada
pessoa poder-se-ba convencer dessas curas ma-
ravilhosas pela leilura dos peridicos, que lh'as
relaum todos os das ba muitos antios ; e a
maior parte dallas sao lio sor prndenlas que
admiram os mdicos mais celebres. Quantas
pessoas recobraran com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois de tar
permanecido longo lempo nos bospiues, onde
deviam soffrer aampulatjao I Delsa ha mu-
cas que havendo deixado esses, asylos de pade-
limenlos, para se nao submeterem a essa ope-
racao dolorosa oram curadas completamente,
mediante o uso desee precioso remedio. Al-
gn, as das taes pessoa na eufusae de seu reco-
nheciraenlo declararam estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, afim de mais autenticaren aua a firma-
liva.
Ninguem desesperara do estado de saude s
tivesse bastante confianza para encinar este re-
medio constantemente seguindo slgom tempo o
tratamenio que necesslasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provar inconlesuvelmente.
Que tudo cura.
O ungento he mil, mais particu-
larmente nos seguintcs casos.
BEL06I0S.
Vende-se em.as.de Saunder. Bro her. a
0. pracado Corp o Santo, r elogio, do afama
do abricante ttoskell, por precos eommodo.
tambemrancellins e cadeiasfaraoa mesmos
d.exceellrita ao.to.
Pallara.
Na padarla de Antonio Fernandes da Silva
Beiris, ra dos Pires n. 42, da-se po de venda-
gem, en.mesma vende-se pi eommum, dito
de Provecta, bo.acha de boa qaalidade e nova,
bolachinhas. biscoilos doces e aguados, fatias,
roscas, araruta franceza, bolachinhas de dita, fa-
rintaa do reino multo nova, todo feito da. tne-
Ibores f.rioh.s, e trsbalhado com aceio e lim-
peza.
Aa barato.
Peca de madap.lo Ano com mofo a 39, dita
de cambraia lisa fin a 39 e 3*500, lia de qua-
drinhos proprla de vestido a 30 o covado, chita
franceza a 200 rs. o covado, dita ingteza a 160 o
covado : na ra do Queimado n. 44.
240.
Cassas de lindos padres e cores fixas que sa
pode garantir aos comprados, a 240 rs. o cov.do
Da ra. do Queimado. loja de 4 portas n. 39.
10$ rs. o co-
e 49 rs. o co-
2$500 e 39 o
800, e muilo
muito finas de
cores escuras com 6 palmos ce laj-gura a 49 rs. o
covado ; ditas de cores claras a Cg rs. o corte de
caiga ; meias de slgodao cr muSto superiores a
49SOO rs. a duzia ; dita, ie slgodao sru tambera
muilo superiores para menino, ja 4$ a duzia ; e
assim muitos outros arligos dellei que se vcd-
dem baratsimo., sendo a dinhetro: na referida
loja da Boa f. oa ra do OueimaUo n. 22.
Camisas e toalhas.
Vendem-ae camisa, brancas mui)io finas pelo ba-
ratissimo prego de 289 rs. a duzia ; toalhas de li-
nho para roslo a 99 -duzia ; ditas felpudas mui-
to superiores a 129 duzia : n. ra do Queima-
do n 22, loja da Boa f.
Paletos,
Vendem-se paletos de panno preto fino, muito
bem feito. 22 rs.; dito, de brim branco de
linho a 59 rs.; ditos de selioeta escuro, a 3j500,
muito barato, aproveileo : na ru. do Queima-
do n. 22. loja da Boa f.
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
No bem conhecido eacreditado deposito da
ra da Cadeia do Recife a. 12, ha para Tendera
verdadeira potassa da Russia nova do superior
qualidade, assim como tambera cal virgen, em
edra, tudo por precos mais baratos do que em
utra qualquer paria.
armazem de Anlunes Guimares & C.
Farelo e milho.
Sacros grandes, e de muite boa qualidade : no
largo da Assembla n. 19, armazem de Aniones
Guimares & C.
Burros de 111(1 iileiiilo,
por todo o prego, mansos esordos- no srmazpm
amarello em frente do arsenal : a tratar rom o
capillo Sebasi, ou rom Aninne. Guimares & C,
no largo da Assembla n. 19.
Attenco.
*
Vende-se 1 negrinba de 8 annns de idade por
56O$0OO, uma dita de Hade de 9 annos por 65('S,
5 escravos de 25 a 38 annns de iOade, 2 negros
pecas: na ra das Aguas-Verdes n. 46.
Relogios.
Vende-se em casa deJobnsionPater & C,
ra do Vgario n. 3. un bello sortimento de
relogios de ouro, patente inglez. de uro dos mais
afamados fabricantes de Liverpool tambero
uma variedade de bonitos trancelins p.ra o
mesmos.
SEDULAS
de 1e 5M)00.
Continua-se a trocar sedu'*. de um. s flftura
por metade do df sconio que eiige a thesouraria
desta provincia, e as olas das mais pracas do
imperio com o rbste de 5 por cen torio de Azevedo & Mtnoes, ra da Cruie
n. 1.
Ces k Bastos.
Roa do Queimado n. 46.
Alporcas
Causaras
Callos.
Ancores.
Cortaduras.
Dores de cabeea.
das costas.
dos membros.
Emfermidades da cutis
em geral.
Ditas do anos.
Erupcoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Fialdada ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva escaldadass.
Inebages.
Inamacao do figado.
Vende-se este angaanta aa aatabeleeimanto
geral de Londres n. 144, Strand, o na loja
de todos os boticarios droguistas outras pes-
soas encarregadas da asa venda am toda
America do aul, Havaaaa Haaaanba.
Vende se a 800 rs., cada bocetinba contm
uma instrueso em portuguez para explicar
modo da fazer uso desta ungu.nio.
O deposito fatal a am ata do Sr. Soum,
pharmacentica, na ra da Crux b. 23. em
Fernambaeo.
Inflatnmago da bexiga.
da matriz
Lepra.
Males d.s pern.s.
dos peitos.
deolbos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos
Pulmes.
Queimadelas.
Sarna
Su puraces ptridas
Tinka, em qualquer
parlo que seja.
Tremor da ervos
Ulceras na bocea,
do ligada,
das artiewlaces.
Veias torcidas ou
das na. pernas
9
lazen d as boas e baratas.!
1 Vende-se 1$800 grosdenaples preto
l encorpado cem almos de largar., fa-
zenda que aempre ae venden por 2*500'e
aS800. oalojap.23.
Vende-se a 10 mantas preta. de fil de
,,linho seiopre se vendeu por 14 e
15, na loja o. 23.
prelo
gor-
ven-
no-
Veode-ge a 2)i00 grosden.plcs
superior to encorpado que parece
gurofazenda r: de. 39260 e 39500 n. loja n. 28^______
Vende-.e \ tro. 19, que sepre se vendeu por
l800e 2g. na loja n. 23.____________
Pelo annuncio parece incrivel que e-
sas fazendas se vendam por esses prego.
que na verdude o mais barato que se tem
visto.
f Do-se as amostra, na roa da Cadeia
confronta aa 6e:eo Largo loja n. 23 de
Gurgel Perditfo.
MSattfiHfiafis m&sm ewMKN3
Chega para todos.
Cana, francezas muito bonitas o decores fiza;
a dote vileos o corado, mai. barato do qn
chita, approveitem am quanlo nao aa acabam
na ra do Queimado n. 22, na bem conhecida lo-
a da Boa P.
Vende-se oa arread.-M a engeaho Santa
Rita, na freguei de-Iguarass, cora boa. var-
zeas par. plaaiaciwi, podando safrejar de d jus a
tre.mil pe. de asacar, boas cercado, bem por-
to de embargue, boa ca. de vivenda, e outros
omodos que ierie patentas ao pttteaaaaM,'
m poder* dirirjr-. aa dte asgesb. au a ra*
da Senzala Nora n. 518 aa aV. Beraardiao da Saaa
ronlual.
i Remedios americanos |
DO BOUTOR)
Sftadway & C^ de New-York*
g PROMPTO ALIVIO
Resolutivo renevador.
Pilulas regulladoras.
9 Este, remedio, j sao. .Lai bem con he- i
5 cidos pelas admiraveis curas que tem ob-
" tido em toda a sorle de Tebres, molestia.
9 chronics, molestias deaeohoras, de pe-
# le etc., etc., conforme se T as inslruc-
# ces qul se ach.m traduzidas em por-
tugooz. 1 m
{Salsa parrilha legitima eg
original do antigo 4
DR. JACOB TOUNSEND
0 melhor purificador do saagoe
Cira radicalmente
Erisipela.
Rheumatismo.
Chagas.
AlporcM.
Impiogeaa.
2 Vende-ae no arma
a Raymundo Carlos Leile
Z lmperatrizn 12.
Pbtisicas.
Calarrho:
Doencas de figado.
Efleitosdoazougue.
esliu de pelle.
de fazendas da
Irmo, ra do
:*it1?a**aVi
Loja do vapor.
Gr.ode e variado sortimento de calcado fran-
oei, roana feita, miudeza. fln.s e perfumaras,
taaalporaaenoada que ata oulra parte: aa loja
do v.por, aa roa Nora o. 7.
Gomma doAracaty.
? ende-seexcallente gomma do Ar.caty; na
ra d. Cadeia do Recife, primeira andar, n. 28.
Libras sterlinas.
Vendem-se na escriptorio de Manoel Ignacio
de Olireira & Filho, latfd do Corpo Sanio.
Milho, trelo e gomma.
Vende-s no arnjazam
ra da Madre de Dos a.
deM.rwrad Rarreira,
4, por preco commodo.
Mai
gratifica cao
Fugio no dia 12 do frrente roer, da ebaixo
assigna.ia, a esciava de nomo Ant..ni.. lei.dp os
sign-.es seguinles : estatura regular, rj.r Urea a
picada das bexigas. nariz rhalo. olhus pequeo,
sem gentes n. frer-te, tendo unicarr.ente ,s rtua
prezas, pellos cehidos, antar Ilueiri, muito sa-
cudido, braco, messua e cheios de veias, pS lar-
gos1 eapapngMadoe, cleia do corpo. Uvuu cn.i-
a branca. sia do chita escura e chales de algo-
dio, e miio Ma de cara, cosluma dizer que
lona e dar o nome tro< ado, consia ler ido ara
os suburbios da cidade lavar roupa : quem a
capturar e levar sua rasa Da na do Roogel n
67, seguuuo andar, >er bem graiiGcado
Isabel Maris Nunes de Oliveira
Fugiome um n.oleque de idode de 13 psra
14 annos, por non.e Geraldo, nao muito preto o
verdadeiro signal de um lado da rb.>ca un, Tu-
gar de urna postema que nunca ha de encabellar
qu^m o pegr uu souberdelle, dinja-s- ao lugar
Venda Grande, sio dominado Olaria, que ser
recompensado.Jos Budriauea Pae..
Fugio na noite de 23 de Janeiro do Trren-
le anno, desta cidade. o esrra.ocriou'o de nome
Manoel, de 43 auno, de idade, cor prela, espa-
ouas larga, estatura regular. disDarrigodo, e fal-
la um pouro fanhosa em razo flo muito tabaco
que toma, foi vestido eom camisa de Modaode
I i. Iras e-e alca de algudo azul anericano ; elle
natural da cidade rio Assu. provioria do Rio
Graude do Norie. ofEcal de fern-uo, f*Ha bem
e apezar oe ser de n.eia iiade, 'bem p-recido e
basianie ladino : esle preto siudo e u-m boro
compurUmento. sendo chamado por alcmiha Ma-
noel Ferreiro ; e con.o seja provavel que elle v
trabalhar de ofJlcial de fereiro em algum peoa-
do ou villa, dando-se pnr forro, j.or l.sso n>ga-se
as auloiidadesdns lunares por onde elle an.iar, a
sua apprehenso, asaim como reroinmenda se
aos capnes d campo a sua captuia, e aquelie
que dellu iter noticias ou o agarrar, pode-o levar
ao seu senhor o niajor Antonio da Silva Gusmo
morador na ra Imperial, que ser bem recom-
pensado.
_ TT AJ'nda est& '"gida a negra Maria, escrava de
! Flix Venancio de Canlalice, morador na ra do
Imperador, cuja prela tem os sianaeg seguinles
leou vestido de chita de asseuio hiamo e qua-
dros cor de caf, upie-se ter levado m*ii oa-
tro vestido, de chita rf)xa que talvez tenha muda-
do, chales de lia maiellu j& desboindo rom bar-
ra encarnada.lem um signal no peito de dounSS,
tero os ps curtos, tendo o dedo grande muito
comprido e os mais curtos de mais, rabellu cor-
lado eom urna pequea gafurina, falla um pouco
atravestMdo por aer de Angola : pe.ie-se as au-
loridade. ou a comosnl.ia de pedeatre de pega-la
e leva-la em casa do proprio senhor. Ella tem
sido vkU pela B..a-Vista.
Fugio no dia 2 do cnrrenle o escravo cabra
de neme Joaquiag, de eatituia regular, tor ma-
cilenta, bastante atoleimado, e com signaes de
chumbo as rostas ; levando vestido calca e ca-
misa de nscadinho azul, bem como um rhauo
Tendo 0^ annuncnnles conseguido elevar ette! de eastor rap.iie mm fila preta larga ; suv^b/sa
ler argido pars M.cei, o'nnde veio ren.eitido
pelo Sr. Domingos da Silva Torres pro ser aqui
vendido: quem o apprehender pode enlrega-lo na-
quejla cidade 90 dilii f enhor, ou nesia a Jos Joa-
quiro Dia. Fernandes & Filbo., no seu escripto-
rio, no largo da Assembla n. 16, que se arati-
Ocai.
Fugio da refinacaoda ra do Bruro o prto
Francisco, fulo, alto, aecco do corpo. pernas fl-
n^., tem crsvos na sola dos ps, representa ter
20 annos oe idade, sem barba, multo pechla e
regrisla, crioolo, q.iando se ri d uma garga-
Ihada, cosluma iiitiiular.se por forro, rustuma
andar de cao.iaa de meia por bozo de outral
br/nca ou aaul. lev, u sapatoes, caiga brqnea e de
edr, cam'sa de las-encarnada aberta pela fr>nta
9 debruada ; rugi na ooite do oa Z7 de Janeiro
do cnrrenle anno ; este eacravo foi ...n prado ao
Sr. Bei.to Leile CavalcanU Lina em 17 de dezem-
bro de 1859, por isso o abaixo assinnado roga s
autoridades e mais pessoae a appu>hei.*ao do oito
esrravo. e leva lo diU iefinac,ao. ou mancar dar
P'rie na mesn.a em qualquer paite que esteja o
dito e*rrao.
Do engenho Cutigi, freguezia da Evada,
ftrgio do dia 3 da noven bro do crreme anno
o escravo de nome Antonio, eom signaos se-
guinles : esialur. regular, cor mul-lo, cabello de
negro, pouca barba, denles limados, dado 25
oa 2 annos, pescoco e pe grossos, lero pelo
rosto, pescoco e peitos .Igumas ro.ro s de pan-
nos, e .(gomas cetrize* pela, costas que pare-
eem ler sido de chicote; nao leou comsigo rou-
pa algoms, a consta baver fugido p.r. o lado do
sertio d' onde vier.: quem o apprebender, i oder
lea-lo ao referido engenho, ou no Reei'e, ra
estrella do Rosario n. 2, ao Illro. Sr. Floris-
mundo Marques Lins, que ser bem recompen-
sado.
Fogit da ciaada da Ar.caty, no mez de se-
lembro prximo paseado, um escr.vo do cora-
mandante superior M.noel Jos l'eoaa Pacheco,
que ba pouco o havia comprado ao Sr, Bento
Loorenca Collares, de nomo Joaquim, de id.de
de ciacoeut. a Untos annos, fulo, alto, magro,
denles g'andes, a com falta de alguns na fren le,
queixo fina, pos gr.udes, e con os dedos gran-
des doa pa bem abarlos, muito palavriador, in-
culca-., forro a tem signaos da ler .ido murado^
Coma que esle escravo apparecera no dia 6 do
torrente, vlndo do lado ds Cinco Ponas, e sen-
do enterrogsdo por um pareceiro seu ronheci.ro,
disse que tinha sido vendido por seu senhor para
Goianninh. : qualquer pessoa que o peg.r o po-
dare lavar m Pernambuco .os Srs Basto d Lo-
ma*, sttagtatifiearo goneroumente.
eslabelecimento um ei.granoeriroenln digno
desla graude cidade, apreseniam i concurrencia
deste iiluf Lrado pubiii o, o mai. moderno, varia-
do e escolhido sonimenio de roupas diversas e
de fazeodaa rolhidas para todas as estaces
Seropre solcitos em bem servir sos seus nume-
rosos fregueze. nao s em precos romo em bre
vidade, acaba de augmentar o pessoal de sua of-
floa, sendo ella o'>ra rm diante dirigida pelo
insigne mostr LAUBIANO JSE' DE BARROS,
o qual os seus nun etuaos fieguezes podem pro-
curar d. loja n. 46 ou no primeiro andar do
mesmo ot.belrcin.enlo, as.-im pois em pouco.
dias se aprompta qualquer encommenda, quer
i casaca, quer ferdoe doa Sis. oiTwiaes de mannha
e exercito. Outiosim recoB.meudam aos Srs
I p.e. de familia grande soriimtnto de roupas pa>
11 menino, de todas as idades.
FROCO.
Vende-se frco de todas a. Arca e grossuras.
eom rame e sem elle* 40o, 500, 640 o 1 ra. .
pee.: na roa do Queimado, loja d. .guia bran-
ca B.U.
S Relogios JB
Suissos.
Em casado Schafleitlfn i C,ra da Cruz n.
38, vende-.e um grande e variado sortimento
de relogios de algibeira borisontaes, patentes,
enrome tro, meioschronometros de ouro. pro-
s dour.da e foleados a ouro, sendo estes relo-
gioada. primeiros fabricantes da Suiasa, que se
venderloior precos razoaveia.
Vendem-se soveirta apolices da
compajqhia do Beberibe : na rus Nova
a. 14, primeiro orlar.
Vende-se na eidade do Arar.aty ama cana
terrea com sotio. bnm quintal e cacimba, na prin-
cipal ra. de eommereio, pronria par. quem qui-
zar sil aU%elaeer-ae, por ter nio as eomroudas
preciso, par. residencia, como tambe* laja, arma-
aaa, ote.: a tratar na >ibii cidade eaoi o. Srs.
A.igoS Irma a., qea esiio auioriaados par. esse
I ai, oa aaeta praca na ru. do Cabug, toja o. 11.
Cal de Li^i3oa,
Vende-se cal superior da Lisboa, propria para
engenho il| o barril: aa ru. do Brum n. 66, r
mazom da aasucar.


')
biajuo di nununofio. ~
1 uw
QUISTA; FE1RA 14 Bl mWttO BE 1811
Variedades.

------------------------------------------------*-**-------------->
FORgAS MILITARES J>A CHINA.
As torcas de trra e do mar de que pode dspOr
O imperador da China olerara-se 6 1,200:000 ho-
mens, espalhados sobre (oda a superficie do im-
perio, edeiliJos era tres grandes divisdes. A,
primeira comprehende ai oilu bandeiras, coib-
poslis de lartaros-manlchoux, de mnngols e de
kan-kiun (nhinezcs reunidos ao gaverno desde a
c inij 11 -ti lirlara-mantcboiix). cujo numero lo-,
t^l se eleva 270:000; a segunda comprehende
as milicias da bamluira verde, no numero de 6<)()
mil, o cnicposlas de Ghinezea, excepto de al-
guns ofciaes generaes ; finalmente, a lerceira
comprehende a milicia urbina, era numero de
300:000, esperie de guarda municipal, cujas func-
coes consisten) era manler a seguranza getal.
Alera d'estas tres grandes divisos bem destine-
tas, lera o exercito dos voluntarios, que, em lem-
po de guerra, deve pegar em armas su o rom-
mando do imperador. Esta quarta dmso, es-
pecie de landwer, apresenta um cifra indeter-
minada, e que nao se polo avaliar senao pelo
chamamenlo feilo por ordem superior. Qual-
quer que ella seja, o seu numero nao deixa de
ser importante; e, primeira vista, uao pt
deixar do causar admiraco que um exercilo lu
considrate! nao tenha tarca para reprimir csup-
pant ir urna rebeilio que lodos os annos aug-
menta a sua violencia e extensao.
Ocouperao-nos agora da primeira divisao, a
mais imporUnle, quando nao pelo numero, ao
menos pela sua composico, e pelas suas quali-
dades militares.
O exercito chamado das oilo bandeiras sssim
devidido :
l.'bandeira amarolla
3."
4.
amarella
dadura
branca. .
com bor-
vermelha.
branca
dura
com bordi-
vcrraelha...
|chamadas bandei-
ras superiores, e
compostas de tar-
larus-manichoux
e mongola.
5.a
6.a
7.a
8.
chamadas bandei-
deiras inferiores,
e complot trtaros- m a n t-
choux, roonguls
ekan-kiun.
um saio Vraalhas feilo oe cadeiazinhas de fer-
ro ; aind* trazara, como arma defensiva, escudos
e um mitro de altura, em que pintam caberas
de tigres ou de animaea phantaslicos de temerosa
caladura.
Nenhura cavalleiro trtaro M pos caroinbo
em o seu cachimbo, i sua enlarda; o grande
cachimbo e a rentarais sao dual cousas indis-
pensareis, que revelara os coslumos e oshabiloi
dos soldados do celeste imperio.
(Diario de Litboa.)
NAO ERA 0 CASO PARA MENOS !
O saquete franeez Cairo, un sua ultima viagem
de Mnrselhi, sol'reu um t-mporal de sudoeste,
que o obrigou a estar capa por espago de 16
horas.
Ttnha bordo mais de 400 passageiros.
Alta noite, um vagalho demarcahio sobre o
navio, varreu o con vs, peueirou as cmaras, na
machina e iovou a conslernacu e terror aos nu-
merosos passageiros.
A tcipolsco iratou logo de os soccorrer.
Esiancou-se a agua, taparan!-se as aberturas,
quando, de repente se ouviram espantosos gritos
sahidos oe ura camarira dos segundos.
O lubarau cume-ms I gritara, com voz aba-
fada pelo terror, um pobre artista dramtico que
ia para Argel, e que, despertando n'ura banho
forrado, recebeu nos bracos um carnelro, que a
vaga precipitou no camarina, pela abertura su-
perior.
Aruram logo ao viajante, que estava mais
morto quo vivo o raeio emergido na compaohia
lo paciiii-o quadrupedo. Purera esta scena lancou
o infeliz artista n'um estado de sobre-excilacio e
allucinacao tal qu, apezir de tolos os soccorros
que Ihe prodigalisarain. foi impossivel deslruir-
Ihe a impresso que sentio, e assegnra-se que,
desdo ento. se juigs sempre perseguido por ura
raopslro raariuho I
INDEMNISAgO DE GUERRA.
A indnranisaco que pagara os Chins aos In-
glezes sobe a 2.9O.O00 libras esterlinas. Citad-
la-se que a guerra custou Gra-Brelanha libras
14.000:000.
manuel se dispoz tgreuar
o conselho municipal denla a!
dio offerecer *o re, fugo que
capiul, ama rica corta de ca
feila de ouro. A corta derla fab
dtas,.e nao houve por isso artista que a podeise
fazer en tao corte prizo. Um Judeu lirou e con-
aelho municipal do embarazo; ffereceodo por
6,000 (rencos (1:080SC'00), urna corda como se dc-
sejavaTA corda Tul dada e aceita, porm julgue-
se do desapontamenlo da corporago municipal,
quando depois soube, que perlencera celebre
bailarina Fany Essler, 4 quem foi dada n'uma noi-
le de espectculo, no tlieatro de Londres, por um
rico Inglez, admirador eolluniasla da famosa ar-
lisla I
i '
u ma egreja,_ussi caaa pa
russos
melroi
las
na a>
missio e monges
Hdej^tfa; entra para 300 ro-
*, ostra para WD, e um hospital com 60
na
O NOVO MDIUM,
chrooica parisiense de um jornal
vcrmelha..........
vermetha com bor-
dadora azul, ....
azul cun Dordadura
vermelha.........'
Todas estas bandeiras sao tambera subdividi-
das em vinle e cinco corpos, que lem i seu car-
go a guarda exclusiva de Pekin, a provincia im-
perial, c que fazem alm d'isso a guarnico das
onze provincias do imperio, na Mantthuria e no
Tuikestm.
1. O primeiro corpo, Isin-kiun-yng, a
guma imperial junta pessoa do imperador, r
encariegada do servido interior do palacio impe-
rial, assim como das viole c quatro portas da
cidade trtara de Pekn.
Compe.-se de
12 Ofltaiaes mandaras de 1.a classe,
12 Ditos de 2.a dita,
616 Ditos de 3.a dita,
23 Ditos de 4. dita,
172 Ditos de 5.a dila
261 Ditos de 6.a dita.
E do 1:756 ofciaes inferiores e soldados,
formando ura total de 2:957 homens.
Todos os offleiies da guarda imperial sao
nobres,-principes ou alliados da familia impe-
rial ; os ofciaes inferiores c soldados, trtaros,
mongolsechinezes.sein das Ires bandeiras supe-
riores,onde sao escollados d'enlre os mais bravos
e os mais dedicados. Todas as noraeaces, por
adraissaj ou promoco, sao feitas directamente
pelo imperador, sobre proposla do conselho da
guanta imperial, coraposlo de officiaes generaes
e superiores. Os regularaeslos particulares que
regera os officiaes e soldados da guarda sao dos
mais severos, e as menores infraces de urna
scntinella sao castigadas com lodo o rigor ; cen
bastonadas sao a pona dis mais ligoiras infrsc-
coes, o degredo e a morte o castigo dos delictos
mais graves.
Nota-se que, nos 2:957 militares que compera
a guarda imperial, ha 1:756 officiaes inferiores e
sollados, e 1:201 ofciaes, numero quasi egual
ao dos soldados. O eslaln-maior, mttiio nume-
roso, coraposlo, como j cima dissemos, de
principes ou allia los da familia imperial, e forma
duas classes destnelas: a primeira coraprahen-
de os tartaros-raaotchoux, doscendendo em linha
directa do fundador da dynaslia reinante; a se-
gunda comprehende os ramos collateraes, des-
cendendo dos tioseirmos do fundador. Noslas
duas elass-s esto res, principes, duques e
condes formando doze graos de nobreza here-
ditaria.
L-se
belga :
J fallei do ooro mdium americano, Mr.
Squire, e do maravhoso poder que elle excerce
as mezas. Posso dar teatemunho deste oxtraor-
diniriq phenomeoo, que ouri realisar hootem
noile em casa do doulor I'ierart, redactor em che-
fe da Revieta espiritualista, na presenna de urnas
trinta pessuas, metade iniciadas e melado incr-
dulas. Digo ouvi, e nao vi, porque o prodigio
opera-se s escuras.
c O que rou contar deve sorprender os outros
como mim me sorprendeu.
< Deixaram-me com o mdium, tendo o seu
braco atado ao meu com um lenco de sJa. Puz
a miaba com a modolle sobre urna mesa de car-
valho, que pesa 80 libras, e senti a mesa levan-
tar-se e vir por si mesrai collocar-se sobre as
oossas cabecas com os ps rollados para o lectol
Vae por contado chronista.
MUNIFICENCIA IMPERIAL.
A raperalriz da Austria, que actualmente se
acha na iiha da Jdadeira, 10 dia U de dezembro,
seu anniversario natalicio, mandou entregar ao
bispo do Funchal 500, p ira seren deslr1Jrj>ld01'
peloi asylos de mendicidade e ofpjhos."' '
NAUFRlGIO.
No mesmo dia.de 21 dezembro nanfragou
ao Horte da ilha ida Madelra urna galeota hollan-
deza, procedente de Lire pool para o Hait. Sal-
rou-se a tripolaclo e grah.de parte da carga.
Alera da familia real ha na China urna classe
de nobres hereditarios, cujos ttulos sao irans-
missiveis, roas que, dimiuuindo de grao cada
geraco, acabara por se extingue na segunda,
lerceira, quarla ou quinta gerac.no, conforme o
grao de nobreza.
De mais mais a nobreza da China apenas
um titulo que nao conslilue, favor a'aqu'lle
que o merecen, nenhura privilegio, nenhuraa
pensao. Os mais altos cargos do estada sao
oceupados por pesioas que sera da ultima-classe
do povo, e que chegaram primeira por raeio
do irabatho e da intelligencia. Nao queremos
cora isto dizer que o favoritismo nao exerca na
China, como em toda a parte, a sua (afluencia ;
apenas asseveraraos a existencia do elemento
popular as principses molas do gorerno
chioez.
O armamento da gaarda imperial consiste em
espingarda, sabr, punha', alabarda, escudo,
arco e trechas. Urna certa quantidade de espin-
gardas sao de percusso, mas o maior numero
enlra na cathegora das espingardas primitivas,
lies como espingardas de pederneira e fuzil. A
plvora que se usa na China muilo grossa, e
parece-ge muilo com a que gastamos com a
nossa artilharia: estraga depressa as armas, e faz
com que o tiro ainda seja mais incerto. Todos
os arc'b'ueirs usara de balas cyltndricas ou de
cartuchos com bala rylindrtca.por cima das quaes
ainda itiiroduzera barras de chumbo ou graos de
ferro. Os seus conheciraentos militare!, pelo
que pertence exacta pontana, deixam, como se
ve, muilo desejar.
A alabarda urna especie de langa de pao,
erminada por um tridente de tetro.
O arco a arma primitiva e predilerta do exer-
cito chioez. Traz em-o em bandoleira; ao
lado do arco est o carcaz de cobre, que contera
frechas de muitos lmannos, armadas com btcos
ou tridentes de ferro. Cada carcaz, dividido em
tres compartimentos, contm geralmente tres
grandes frechas, doze de tamaoho regular, cra
bicos, e doze mais pequeas, com tridente. Ha
carcazes qu Alguns esquadroes nio trazera nem arcos, nem
frechas, nem espingardas, nem langas, mas ni-
camente um grande sabr que manejara com
muita deiteridade.
Usam uro pequeo capacete, ornado com urna
cabeca de tigre, cabaia de ramos, coberli com
NAO SE ENTENDEM.
Urna carta de Bj-iou dizque reina nos estados
do sui urna grande divergencia de opinies acer-
ca da forraaco de governo quo se lera de adop-
tar se a separacao se vertilcar ara grande numero
de estados. Aiguns querem urna monarchia cons-
liiucional, e juigara que conviria ir pedir a In-
glaterra um principe da familia real ingleza,
quem se fizesse rei. Oul'os, sm querer um re,
aspirara constituir um governo forte cenlralisa-
do, e al aspirara safar as linhasque separam
os estados. A dirisa deste partido a Repblica
urna e imlivjsive!
Oulro partido quer que a nova repblica seja
urna copia exacta da actual ; e nutro Qnalmeute,
desej ainila mais deseen Ira-isaco, do modo que
o poder central seja mui dbil, e os estados in-
dividuaes rauito fortes, afin de poderem subroel-
te-lo aos seus caprichos, assim como a Carolina
do Sul esleve subuieiiendo aos seus a Uoio iu-
teira durante os ltimos trinta annos.
TERRENJS AURFEROS.
Parece que nos no vos e fuis terrenos banda-
dos pelo rio Amor o receuiemeule adquiridos
pela Ru governo rusio acaba de mandar urna expedicao
para reconhece-los.
A exploraco do ouro flcar duranto dons an-
nos ns maos do governo, alim de evitar que na
pnmeiri quadra do entiiusiasrao mineiro Oquein
desertas as colonias nnliiares.
MISTIFICA CAO.
O major general Opermuii, jorernador de Ra-
dom (Polonia), sperava uliiinamente na dita ci-
dade o imperador da Ruasia. quando recebeu or-
dm oe mudar immediatamente. o uniforme da
sua guarda, sgundo u>u desenho que acorapa-
uhava a ordem, e representaba um garibaldiuo
com camisa vermelha.
O geiieral Operraan, sabendo que Alexandre II
gosta de riiiid.ui ;as de uniforme, nao eslranhou e
den exer.ucao ordem, informando disto o prin-
cipe GurtschakolT, queso leve lempo de lhe man-
dar um expresso para o convencer de que Ora
victima de urna mystiUcaco.
Se o expresso se deraurassa um quarto de hora
mais. o zar seria receido por urna tropa de ga-
ribaloinos.
Estes factos revelara as provincias polacas
urna certa azitaco que do exterior recebo impul-
so e direceo.
PENTEADO EXQUISITO.
Urna memoria que acaba de publicar acercados
cabellos dos dilTerentes povus, Mr. Gortambert
refere curiosas circumstancias respeilo da naci
dos Cnfuzos, que habita ao longo das margensdo
Amaziiiifs, pola sua crrente media, e que pare-
ce porvir de urna mistura de naluraes americanos
e de negros importados da frica. O que R^i-
ciilarmeiite caraclensa esta raca a sua enorme
catieileira ricada, coja forma das mais extrava-
gantes.
O cabello dos Confuzos, diz Mr. Richard Cor-
tamberi, o ru-lo entre a carapinha dos negros
e os cabellos compri ios e tezos dos Americanos.
Esta csbeileira natural s vezes lao alia, que
obriga os indgenas abaixnrein-se para entra-
ren n sahirera pelas poit tan junta, lo compacta, que impossivel pen-
tea-U.
um faMo notavel, e que se poderia erigir
em le: todas as vezes que ha mistura de duas
ragas, ha tambera superaoundancia no syslema
espillar.
Os Paps, com cabellos igualmente prodigiosos,
e quo provavelmente provm de urna mistura do
malaioe do Melanesiens, sao urna prora evidente
disto.
ESTATISTICA ECCLESIASTICA.
Ha na Italia 1 patriarcha, 47 arcebiipos e 215
bispos.
Na Hcspanha 9 arcobispos e 45 bispos.
Em Portugal e ilhas I patriarcha, 2 arcobispos
e 14 bispos.
Em Franca 16 arcebspos e 65bispos.
Na Blgica e Hollanda t arcebspos e 9 bispos.
Na Austria 15 arcebspos e 48 bispos.
Na Confederarlo Germnica 6 arcebspos e 18
bispos.
Na Inglaterra 5 arcebspos e 38 bispos.
No norte da Europa i arcobispos o 14 bispos.
Na Suissa 5 bispos.
Em Malla, Grecia e Turqua 6 arcebspos e 14
bispos.
O mundo calholico comprehende 1,007 pispa-
dos, ou prelaturas com jurisdieco episcopal, a
sabor: 681 na Europa, 128 na Asia, 29 em frica,
146 na America e 23 na Oceania.
PAIZ D TOSO.
Pela primeira rez subii ara oseuropeus a mon-
tanha sagrada do Jap&o, haraada Fusijama.
O ministro inglez em Ieddo e sete inglezes
mais obtireram este prir legio.
A visgem foi felicissim i o os viajantes regres-
sarara encantados das inararilhas do paiz e de
bem-estar e cultura dos habitantes, tanto das al-
deas como das cidades q te percorreram.
Segundo o seu relator o, mal ple fazer-ie
idea de um paiz mais diloso que o Japo.
Sahiram de Ieddd pe a estrada de Nagasaki,
que dizera admrarel p la largura e pereicio
do empedrado e pelos gi ;anlescos cedros e par-
reiras que a orlam e aas< mbram em toda a sua
extensao.
BOA RECOMPENSA.
Os propietarios do Times portarim-se com a
maior generosidade cem a riura do seu corres-
pondente, assassinado pelos Chins, concedendo-
Ihe urna grande peuso. Alm disto, nao desce-
; r de 10,000 libras sterlinas, o que a rura tom
de receber da indemnisaco exigida aos Chins.
ABUNDANCIA DE RELOGIOS.
Segundo as correspondencias da China, era
immensa a quanlidade de relogiosque os alliados
cncontraram no palacio de rero do imperador
da China, que, apesar de tanta abundancia do re-
'ogios nao sabia qutalas andar.
Um correspondente que risiloa o campo fran-
cez diz :
O numero dos relogios immenso. Creio
que cada soldado francez lem um, e sei de um
soldado que reuna 92.
Parece que o imperador linha decidido predi-
Iccco pelos relogios de algibeira e de mesa. Em
cada habitago do palacio havia varios relogios
inglezes ou francezes e alguns dos que vi as
raaos dos soldados sao de grande merecimento e
de muilo valor.
JUSTIQA NARUSSIA;
Os jornacs de S. Pelersburgo publicara alguns
dados cstatisticos, exlrahidos do rea torio do
ministerio da justica relatiro ao anno do 1858.
O numero total de pessoas julgadas em todo o
imperio russo foi de 404,717, das quaes se con-
serraram ainda as prlsoes 75,378.
Daquelle numero toram condemnados penas
que importara, a perda dos diroitos eiris, 70,66a,
trabalbos forcados 1,761 e degradados 3,060.
Entre os condemnados perder as prerogatiras
anoexas sua classe haviam 33 nobres heredita-
rios, 39 que gozaram nobreza pessoal, 22 padres,
6 commercianles e 5,634 pertencentes i diversas
classes.
COSTUMES INGLEZES.
Mr. Horsman, depulad) na cmara dos com-
amos do burgo de Stroui, foi obrigado dar ex-
plicar-oes aos seus eleitoijes, que desapproraram
o seu procedimeolo na cmara.
Como as explicagdes nio salisQzeram os elei-
tores liberaes, conrocoa-ie um segundo meeting,
em que Mr. Horsman foi noramente obrigado
dar coota do seu maudali. O auditorio compre-
hendia quasi todo o colle ;io eleiloral, transfor-
mado em tribunal, que, ( epois de ouvir o depu-
tado, docidiu que este pr< codera tanto em des-
accordo com as opinies < os eletores liberaes de
Slroud, que estes lhe re iraam o direito de os
continuar representar no parlamento. Mr. Hors -
man recusara dar a sua d missao.
Mr. Bridges, mimbro do meeting, coraparou a
posicao de Mr. Horsman cam a do criminoso que
pede justija e quem responder : Sim, justi-
ca tereis, porque araanhaa serois enforcado. O
voto de censura que a assq nbla deu, quasi un-
nime, conflrmou a patarra
ges.
enrgica de Mr. Brid-
SEPULCROS NTIGOS.
No dislrieto de Puente-Dburo, urna legua de
Valladolid, a cheia do rio rpmpeu a Ierra e des-
cobriu uns Irinta ou quarenla sepulcros e outros
tantos esqueletos humanos inieiros.
O governadof da provincia adoptou medidas
para que ninguem toque naeuellas sepulturas e
outras ruinas que ao molmo tempo se desco-
briram, em quanto nao fo em cuidadosamente
examinadas.
Parece que sao do lempo Idos Romanos.
rsao Pars. Re-
a excurso projec-
da paschoa. No-
irregada de tratar
VAO FRATERNIZANDO.
No hotel Andersoo, em Fldet Street (Londres),
houre um meeting do comit dos artistas ingle-
zes, que projeclam urna excu
solveu-se unnimemente qui
tada se effectuasse na seman
meou-se urna commisso em
com os caminhos de ferro, aiconvencoes neces-
sarias para o transporte dos viajantes.
Annunciou-se que em plris se formar um
comit, composto de artistas e pessoas da classe
media, para faior o melhor acolhimenlo aos ar-
tistas inglezes, e prov-los e ludo o que lhes
for necessario durante a sua istada na capital da
Franca.
O presidente do meeting
curso projectada era eatran
poltica.
declarou que a ex-
toda a intenco
os edictares, mas tambera se comprehende ye o
proco os atiesta -ora potasa. Proearpurae ama
combinico, e chegou-se i realisar o seguate :
Mr. Solar oferece ?5,000-ncos palo treito
de publicar a obra em tolhetiaa ; e um editor of-
ta*aeaoulroi75,0^ata proeriaaade dos rota-
ra n ; total 150,800 frneos. Mu estes offeree-
entos nao fazem atada senlo a metade das exi-
gencias do granda poeta. Que farer ? Urna ul-
tima combinaeio, acresoenta o Fgaro, ae po-
rm.arranjarludo. O pedido de Mr. Vctor Hugo
sera acceito por junto, omente era pego por
diversas vezes, tanto por volum.
Revista de Lisboa.
Lenda dosreis Magoi.=X,ttlrella e a p red cedo
de haias.=Herodet o* seus rtceioi.=0 pre-
tepio.=A tradieco da mua e do boi.=Ado-
raeao dos santos reis.Poesa do Sr. Casal
Rioeiro=0 ministro e o poeta.=zOs lempos
que l vao.=Superslicet no Russia.z=0 Neoa
e a agua merifica.=Os duendes.=zt e l ms
fada ha.As nossas aguas que s possuem
virtudes diablicas=0 duque ds Hijar o
uso dos soberanos da Hespanha. Vestidos de
quatro seculos.=Etptctaculos. = Frank Pa-
tor.z=Todos somos mortmes.Remate philo-
sophico.
LISBOA. 6 DE JANEIRO.
< E por este tempo appareceu no cu urna
estrella de grande brilho, para as bandas do Ori-
ente, a qual encheu i lodos de admiraco.
E, sabendo-se que ura propheta predissra
que n nasciraenlu do rei dos Judeus seria an-
nunciado por urna estrella, pensaram os magos
que era ebegado o momento de se realisar esta
prophecia.
c E sahiram do Oriente, e pozeram-ae cami-
nho, seguiodo a estrella, que oa encaminhou
Jerusalem.
Estes magos eram Ballhisar, Belchior e
Gaspar, e cada ura deltas levara a sua offerta,
um incens, outro ouro o outro myrrha, todas
ellas para deporem ante o re dos Judeus, que,
segundo o aviso da predieco de Isaas, era nado,
e ao qual queriam adorar.
E, chegados que foram Jerusalem, onde a
estrella os conduzio, esta desappareceu.
Onde estperguntaram elleso rei dos
Judeus que acaba de nascer, pois viraos a sua
estrella no Oriente e riemos adora-lo ?
< E tanto que isto foi dilo, espalhou-se para
logo na cidade esta noticia, o Berodos, stterrido
cora a idea de que lhe usurpara a coroa, congre-
gou todos os Scribas e Phariseus, aura desabor
onde seria que dereria nascer o Messias promet-
tido, coja vioda era annunciada pelos Judeus; e
os Scribas e Phariseus, ten lo ouvido osdoulo-
res, responderam que diziam as propheclas quo
seria em Bethlem.
E Merodea eolio chamou os magos e infor-
mou-se cora elles secretamente do apparecimen-
to da estrella, e, despedindo-os para Bethlem,
Ihosdisse estas patarras:Ide; e indagas cuida-
dosamente quanto este menino se refira, e, se o
achardes, participae-m'o, para que eu v
tambem logo adora-lo.
E, sahindo os tres magos de Jerusalem,
appareceu-lhes de novo a estrella milagrosa e os
guiou al au sitio onde eslava o menino.
E eotrando no estabulo, viram Mara e Jos,
Iluminados pelo Espirito Divino, e conheceram
logo o menino Jess no recem-nascido deilado
sobre um feixe de palhas, cujo lado eslava
reclinado um boi, que as bafejava com meiguice,
como querendo aquec-las, pelo que a sua raca
se tornou fecunda eabeoc,oada, e do outro urna
raulioha, que ruminava nasmesmas palhas e as
coma, tirando assim ao Fllho de Maria e seu
abafo, polo que a sua raca se tornou maldita e
estril.
c E os Ires magos, mal viram isto, proslraram-
se logo, por conhecerem que estavam diante do
Filho de Deus, e o adoraram e lhe depozeram
aos ps as ricas ofTrendas que traziam, que con-
sistan! em ouro, que lhe offereceram como mo-
narcha, em incens, que lhe offereceram como
Deus, e em myrrha, quo lhe offereceram como
mortal, o
E esta singela lenda com que a tradico con-
memora a rovelaco de Jess aos Gentos, e que
a egreja catholica celebra debaixo do nome de
Epiphania.
Os leitores nao rero aqui sem interesse os bo-
nitos rersos com que o Sr. Casal Rbeiro, ento
ainda lcnge das agitadas regies da politica, era
que o rimos figurar passados annos, canlou esta
potica legenda do chrislianismo. Nao deixa de
trazer-nos urna certa curiosidade ao espirito o
vrmos agora alrarez do deputado e do ministro
o poeta, o qual j nos fica longo, e que pelas cir-
cumstancias que depois lhe lem atraressadoe
quem sabe se amarguradoa existencia, lio df-
ferente nos apparece hoje, parecendo-nos al
impossirel quo fosse o estadista e o. linanceiro
que houvesse sonido, embora no periodo sempre
florido e sereno das primeiras illusos da juven-
tude, s tentaces da musa popular.
E, comtudo, assim foi. Os interesses positivos
do paiz talrez applaudam ter encontrado antes o
homem de estado no poeta, mas eu, como es-
criptor, lamento muito mia a ausencia do poe-
ta. Isto nao quer dizer que o Sr. Casal Rbeiro
fosse melhor poeta que poltico ; quer dizer que
eu sympalhiso menos com os politices do que
cora os poetas.
Ahi rao os versos do Sr. Casal Ribeiro :
*!....
v
TRAGEDIA AMOROSA.
Escrerem r"e Londres ao Uanchester Guardian
de 21 dezembro o seguinte :
O yalch do marnuez de D., agora em ap-
les, foi o iheairo de urna desias tragedias da vida
real, que estarnos dispones crer, nestes tristes
das de prosasmo, ex'la ios no dominio do dra-
raathonro ou do romancista. O marquez cruzara
ha algura lempo as aguas de aples com algubs
memoros da sua familia, o principalmente urna
joven 151 ha, lody Alice.
O yat'-.h era coraraandsdn por um lenla de
mariuha real ero disponibilidade. O marquez,
chegando inesperadamente bordo, de urna ex-
curso a Ierra, encoiiiiuu o corainandante aos ps
de sua fllha e beijando-lhe as raaos. O pai, in-
dignado, [ura homem de urna tarca herclea)
agarra-o e lanca-o por cima da borda do yalch
ao mar.
O lenlo foi ao fundo, e, apezar dos esforcos,
acresceiitira alguma* lesteraunhas do incidente
do marquez e dos seus marinheiros, nao pude ser
salvo. Teria hns'tado em conlar-vos este tacto,
>-e nao livess" obtido inforinnQes de pessoas que
acabam de chegar mesmo de aples, e que nao
me deixam dunda algoma acerca da aulhentici-
dade deste drama martimo.
CAVALLOS PARA PArREACO.
O nosso cnsul da Aiexandria acaba de partici-
par, que reaiisou a compra de um bello carillo
de raca rabe pura, para satisfazer a encommea-
da, que pela governo lhe havia sido feila. Asse-
gura que brevemente fara afquisicao de mais
ion para completar a encommenda, que de
tros caballos.
Segundo affirma o dito cnsul, o cavallo, que
se desuna Apadreacao, rene todas as coodiedes
para este Importante llm.
O seu cultu foi de 300 libras. E' extremamente
barato, se corresponder ao que diz o cnsul, que
pessoa respeitavel. Por esta occasio refere elle,
que fazendo-so no dia 10 de dezembro ultimo um
leilao de cavellos de um principe torco, que mnr-
rera, e concorreram i lancar os com emisarios
que. para effeiio nico, ali haviam mandado qua-
si todo* us (ovemos da Europa, bem como
o Srtuh'da Persia. O commiasario de Wurtem-
berji arrematou um cavallo de 23 annos de edade
por 730 libras I
Isio prova a grande falta de bons cavallos, que
ha por oda a parte. Esperamos tmbelo, que
era breves dias o nosso cunsul em Tnger faca a
remesas de 5 cavadlos rerroquioos, que o gover-
no baria eocummeudadido pira iancamento.
PODA BEM SER ASSIM.
Contam,alguns joroaes, que quando Vctor Em-
FADO DAS LETRAS.
O Figaro annuncia que Mr. Eugenio de Mire-
court, cujos pamphletos tanta bulha fizeram ha
annos, morreu ltimamente na Russia. Refu-
giou-se primeiro em Inglaterra, onde rireu em
extrema pobreza, pois como nio achasse meio de
ulilisar a sua penna, aprenda & grarador.
Esperando que na Russia, onde toda a genle
Ilustrada falla o francez, se poderia entregar
oceupaedes luteranas mais productivas, foi para
S. Pelersburgo ; porm ali, como em Londres, se
rio sem recursos e morreu na maior miseria.
VENDA DE AUTOGRAgHOS.
Procodeu-se ltimamente em Pars renda de
autographos pertencentes collecc&o de Mr. de la
arriette. Citaremos o preco que alguns deltas
oblireram:
Urna poesa copiada peta duqueza d'Argubina,
100 fr. Urna issignatura d'Oliririo Cromwell, 280.
Urna carta d'Angelica d'Estrees prometiendo
Henrique o grande ama-lo eternamente, 125.
Urna de Taima, 83. Urna de Isabel e Inglater-
ra Henrique IY, 460. Um bilhete de Mara
Sluart 350. Urna carta do Papa Pi VII, queixan-
do-se docemente das violencias que soffra, 225.
A assignatura de Motier n'um documento jurdi-
co, 950. Urna carta de Napoleo Maria Luiza,
que a nao recebeu, l,200.Uma carta de Robspier-
ro, 250 ; eootra de Samson, o rerdugo do mesmo
Robspierre, s 18 francos.
GRANDE NAVIO.
Foi ha pouco lancada af ua em Inglaterra a
formidarel fragata Warrior,
guerra construido al hoje, e
celadas mais que qualquerou ro navio existente,
excepto o Great Easlearn. Espera-se que as
proras, sobre ludo om quaoto
resultados satisfactorios. Em
casco o expessura da sua cotiraca de ferro de
seto polegadas, no resto de quatro e meia.
o maior aario de
le tem 1,500 to-
marcha, daro
algumas parles do
MOEDEIROS FALSOS.
Na noile de 5 do corrente, o inspector da po-
lica Hartley, e agentas da mesma, entraram de
aorpreza n'oma casa, em Manchester Road, que
pareca desoecupada. Encontraran oa mance-
bos, Thomaz Williams, e Benjamn Woodheat,
oceupados fabricsr florins e meios soberanos
falsos.
MELHORAMENTOS EM JERUSALEM.
A commisso russit nos lugares sanios rae em-
prebendar grandes melhoramentas em Jeruealem
em consequencia do augmento de peregrinos. Na
praca de Belem, Jatfa e outros, rae-se construir
NOVAS MOEDAS FRi .NCEZAS.
Em Pars esto se cunhando oras moedas de
ouro e prata, as quaes sppare e o imperador re-
vestido com o traje que se usa para a coroaQo.
Isto faz crer que se medita a celebrado desla ce-
remonia, e que se coota com (que de um modo
ou de outro r o Papa ParsJ
O INVERN EM LO O inrerno actual o mais sspanloso que se
conheceu em Inglaterra. Lonc res est coberta
d'uma immensa capa denert. As suas aguas
passaram todas ao estado solide ; os seus jardins
esli desporoados ; as suas rui s, excepto as de
commercio, desertas ; os seus r arques apresen-
lam o aspecto da arruinada Palmyra, eal o cau-
daloso Tamisa parece ter perdido a circulacao, o
movimento e a rida,sob o peso eolossal dos gelos
fluctuautes que o opprimera. A rida toda da
metropole concenlrou-se nos foges. Sem o car-
rao de pedra, algum viajante atrevido, fazendo
inresligscoe3 sobre a grandeza passsda das na-
coes, de certo que, depois de aigumaa reflexes
philosophicas acerca da inslabilidade das cousas
humanas, tomara o buril e inscreveria em sl-
guma parte meio arruinada da ponte de Londres
o lelreiro seguinle :
c Aqui foi a capital da orgullosa Inglaterra.
LONGEVIDADE.
'No poro de Beoacazor, prorilacia de Se vil ha,
diz a E'poca, de Midrid, vire u na reina que rae
completar 118 annos, gozando de todas as suas
{acuidadesinlellecluaes e de um i orejare saude.
A boa reina tem quiotoa uelos, e entre estas
um quo passa de 80 annos e iue todos os dias
rae bagar respeitosamente a Imio da sua cari-
nhosa iaaarav, que o despedej dando-lbe a sua
benro e dizendo : Dta* te faca um tanto .
TALENTO RENDOSO.
Mr. Vctor Hugo lermloou finalmente o seu
grande romance' os Misarareisi; a obra com-
pleta tara aea rolumes. O autor, diz Figuro,
quer por ella 300:000 francos. I E' urna difflcul*
dade. E' escusado dizer que o romance eogoda
K ADORACA0 POS MAGOS.
Que estrella tao fulgurante
Que reluz no cu do oriente !
To aira como o diamante.
Como a per'la transparente I
Astro de tanta lindeza
Nao creou a nalureza
Entre as estrellas do cu ;
E' slgoal que se traduz
N'aquelle ocano de luz
Quo da noite rasga o ru.
E1 signal que o Redemptor
Vem enmprir as prophecias ;
E' a estrella do Senhor
Como a predisse Isaas :
E' a luz do evangelho
Que deslumhra o mundo relho
as treras da corrupeo ;
E' sbarol da ora le.
Que rem resgatar a grei
Dos ferros da escrarido.
Viram, leram os ires magos
A estrella do nascimento
Leram seus sonhos presagos
No iirro do firmamento :
Conduzidos pelo astro
Leram cofres de alabastro
De myrrha e d'oure tambem ;
Vo adorar o Messias,
Que, segundo as prophecias,
asceu agora em Bethlem.
Nao o procuris ao lado
Desse Herodes impostor,
Que quer ser idolatrado
Qual Nabuchodonosor:
Magos, fugi da citada,
Fagi da corte empestada
Do falso rei dos Judeus;
Fugi do rei orgulhoso,
Deixae o louco raidoso.
Que quer talar contra Deus.
Nesses pacos ha mentira,
Ha lyrannia e Iraic&o ;
Os ratas da sua ira
Despede Herodes em rao ;
Sempre em rio, que nao ataaaca
Nos seus sonhos de rioganca
Desmentir a prophecia ;
Sent aos ps tremer o solio ;
Treme em Roma o capitolio
Ao claro do novo dia.
Arante, magos, arante,
Que essi estrella roa coaduz;
Vde-i bem parar diante
Do alrergue de Jess I
E' ahi, entre os pastores,
E' aesse berco de flores.
Onde est o Redemptor,
E' naa taiqoes da innocencia
Que a divioa Providencia
Escoudeu o seu fulgor. _
E em tonto ao berco sagrado
Eotoam aojos um hyasoo :
Sobre as palhas reclinado
Dorme um Deus neaae soeaiao ;
Olhae, t Virgem prostrada
Satrt, Meaiias da aaz, ^
Nabrl)odeaaTidl
Essa estrella que nos traz,
Nos condumio para t;
O leu rosto raiis brl I han te
Do que o sol l no levante ;
Tens por throno o Armamento :
Peta poder do tea brago
Gyram mais mundos no espato
Do que abrange o pensamento.
Nossas joias, nossos ouros
Vimos depr leus ps ;
Nossos sceptros e thesouros
Tudo aqui par trra res :
Cucrae-ros, grandes da trra,
Ante este berco que eneerra
O Senhor, o tei dos cus t
Curne-ros, poros do mundo,
Ante o mystario profundo,
Anle o mysterio do Dos I
E os poros do mundo cu r varan-se e o dia de
Res tomou-se um dia de testa quasi universal.
Se al ua Russia. na sua capital, se festejara os
Res I Mesmo- em cima doa glos do era, ira.
'rento do palacio imperial, levantara um magni-
fico Ihrono, ao qual sobe o imperador, mal sa o
rceo-dia. Urna salra de artilharia annuncia o
principio da ceremonia que rae seguir-se. Esta
ceremonia consiste nis heneaos do chefe do
clero russo, que depois desee os degros do sea
estrado e vae aomeio do rio, quebra com ocouto
da haste de uma cruz a superficie gellada da
agua, mergulha depois toda a cruz dentro, e em
seguida abeoeda-a no meio de repetidas a:ces
de gracas dos sacerdotes e poro.
E assim que eslo ceremonial religioso se retira,
precijdtam-so todas os habitantes de S. Pelers-
burgo em roda da abertura eom canecos, canta-
ros, jarras, bacas, potes, barris e alguidares, e
Iralam de encher tudo da agua abencoada, a
qual, segundo o espirito supersticioso dos Ros-
sos, possue a merilica virtude de banir, com a
sua simples presenca, duendes, trasgos e male-
ficios.
Quem nos dra que isto fosse rerdade e que
fosse o nosso Tejo o reservatoro de lo miracu-
loso liquido I Diabos domsticos que expellir
nao nos fallara nos c. Coosolera-se na sua
desgranaos Russos, se aorli ha muitos duendes,
que entre nos tambem nao ha poneos. E ha-os
al com formas seductoras de mulher e que arre-
medara a appareacia do que a creatura humana
pode ter de mais attraetivo ; mas preciso nao
fallaron), nem obrarem, porque moslram logo a
sua natureza diablica. E, comtudo, nao temos
c nenhuraa agua que possua a virtude de os re-
pellir. Peta contraro, as aguas mais conheci-
das, como agua de Colonia, ca de vie, agu de
Mclissa, encerrara o condo de os tornar mais
eocantadoros, perfumados e appetilosos.
Naste paiz desgranado al as aguas esto de
accordo com os intuitos do reino infernal 1 Se
at os posseios das aguas frreas e os banhos das
aguas thermaos se inventaram pira tortura dos
maridos l
Mas j agora quero rematar esats noticias acer-
ca do dia de Res com mais outra noticia do que
se passa em Hespaotu nesfe mesmo ota.
Em Hespanha tio namorado este dia,
que elle tem dado occasio fazer-se um dos
mais ricos museus que possue Madrid, que o
museu que perteoce ao duque de Hijar. Faca o
leitor de conta que est vendo uma guarda-rou-
pa monumental, e far uma idea aproximada
deste museu do duque de Hijar, condecido pe-
lo Museu de Epiphsnia, porque encorra a cal-
locco completa dos vestidos que, desde quatro
secutas, as raiohas de Hespanha tem vestido no
dia de Reis.
Nao supponbam que a manta deate duque de
Hijar ser ura adello em grande, e que por isso,
elle e os seus antepassados, lhes tem dado para
andarem alarefados ajontar desde pocas ia-
memorises as galas que ornaram as soberanas de
Hespanha no dia de Res. Isto uma honrara
que lhe pertence e que iaz uma certa celebr-
dade i sua casa. Ainda o anno passado. se fez
esta ceremonia. O restido que a rainha tarara
festividade da Epiphania era de damasco cor
de parola, com folhoa de renda, ipinbadoa em
festoes com rosas tambem brancas. Pois este
rico restido, com o ru, tambem de renda, com
s luvas, o tango e ludo o mais, foi levado n'um
dos mais surapluosos coches da casa ao palacio
do duque. Atraz eeguii um esquadro de coura-
ceiros e adiaote, e em roda, fazendo alas, viam-
se os arebeiros reaes.
Chegado que tai ludo isto ao palacio do durjue
de Hijar. este, na sala de honra se ergue o- seu
ihrono ducal, rodeado de toda a sua familia e cria-
dagem, e tudo tnjindo de gala, recebeu os- ma-
geslalicos restidos, e os foi collocar no musen na
tanga serie de trajos que tantas ]rainhas tem res-
tido no decurso j de qualrocentos annos
Dere de ser, realmente, uma curiosa collecco
esta quo eneerra um lo riquissimo museu I At
o estudo da historia se pode auxiliar com esta
aulhenlica e opulenta vestiaria.
Depois deatas descripces de um dia do fasta, .
impossivel deixar de deilar um ralanco de albos
sobre os espectculos.
Ha muito lempo que nao falto do circo Price,
Dehulou finalmente, depois de urna sequencia de
annuncios de quinze dias, o volteador americano
Fraock Pastor. Nao um artista, e um demonio.
Salta, faz cabriolas, d saltos moraos, roa por
entre arcoa, despenha-se do cavallo, arremeca-se
aos ares, galga fachas; n'uma palavra, parece
aquello duente da bailada allemaa, que, n'um gi-
nele negro, desapparecia por cima de collinas,
despenhadeiros e ros, como se fosse um phaa-
tasma impellido peta mi do mysterio.
O peior que Franck Pistar nao pertence
ordem desles seres sobrenaturaes. O sou corpo
de carne e osso, e per isso, quebradizo e frgil
como o dos outros simples mortaes. E elle deu-
nos disso j um testeuunho, forceado n'um dia
um p, o quebrando n'outro dia a caDoca.
Eu d'antes, quando via desles homens atiran-
do-se aos ares em cabriolas temerariaa e fisendo
arrojos de dealoeacao, auppunha que elles nao
tinham cabeca nem ps ; que tudo aquillo era
mera apparencia, c, por isso me maravilhara to-
das as rezes que ouria dizer que o volteador tal,
que no dia antecedente Azora prodigios degym-
naslica, oslara doente como qualquer simples
mortal, que por dar quatro pasaos com mais al-
guma celeridadej fica deitar os bofes pola boc-
ea fra.
Hoje, porm, j eslou desengaado, e a rinda
Lisboa de Franck Pastor desenganou-me de to-
do. Quando este diabrete quebra a cabeca e tor-
ce os ps, necessario confessar que ninguem
est isento disso.
Este facto nao um simples transtorno n'um
artista, uma lico humaadade.
Depois de tio grares considerac-es philosophi-
cas, parece-me que o melhor fechar aqui.
Cavalheiro Carmole.
TREVAS EM LONDRES.
Na manhia do dia 10 pouco depois das 11 ho-
ras, a cidade de Londres eslava envolrida n'um
neroeiro que se tai gradualmente condensando ;
ao meio dia tornou-se to intenso, que a circula-
cao sempre difficil as ras poroidis de Lon-
dres se tornou excesivamente pergoaa ; era im-
possirel deslingnir qualquer cousa & cinco pas-
aos de distancia. Quasi todas aa tajea accende-
ram o gaz. O rento loprara de este. O ther-
mometro Aereara seta groa abaixo de zero, e
bom tempo. O Timiaa est ebeio de gelos.
UM AVARBNTO.
Acaba de morrer n'um hospital de pobres em
Inglaterra o celebre James Mac-Donnald, profes-
sor em artes e collaborador d'um acreditada jor-
nal, apparentemente no matar grao de miseria e
abjeceo. O seu alojameuto linha por todo o
adorno e commodidades um banco e ama mesa
de madeira estragada e um emergi de palha
em que dormia. Todava nos farra pos que se lhe
acharara em casa deseobrram-se cosidas entre
os forros 3,196 libras esterlinas em ouro e uma
nota de 52,600, isto 28,830 libras.'
(Commercio io torio.)
Pttl!.- TYf. DI I. f. DI IAJIA. -1861.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELIU6NDKM_DFJ41W INGEST_TIME 2013-04-30T20:22:17Z PACKAGE AA00011611_09239
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES