Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09220


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIIO IIXTII IDIEKO 18
Por tres mezes adiantatjes 5$000
Pr tres mezes vecides 6JJOOO
TERCA FEI1A 22 DE JANEIRO DE 1861
Per anno adiantado 19$00O
Porte frasco para o subscriptor.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima ;
Natal, o Sr. AdIodo Marques da Silva ; Araca-
ty, o Sr. A, de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos
de Oliveira; Marauhao, o Sr. Manoel Jos Mar-
tins Ribeiro Guimares ; Piauhy, o Sr. Joo Fer-
nandes deMoraes Jnior; Para, o Sr. Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
PARTIDAS US CUKKK1US.
Olinda todos os dfas as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goianna e Parahiba as segundas e
sextas-feiras.
S. Aniao, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho e
Caranhuns as tergas-feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Fx as quartas feiras.
Cabo, Serlnhaem, Rio Formoso, Uoa.Barreiros,
Agua Preta. Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios parlem as 10 horas da manhaa)
EfHEMERlDES DO MEZ DE JaNEIRO.
3 Quarlo minguante as 11 horas e 4 minutos da
tarde.
ti La nova a 1 hora e 8 minutos da manhaa.
19 Quarto erescente a 1 hora e 11 minutos da
manla.
26 La cheia as 2 horas e 47 minutos da tarde.
PREAMAR DE 1I0JE.
Primeiro a 1 hora e 42 minutos da manhaa.
Segundo a 1 hora e 18 reinlos da tarde.
DAS da semana.
21 Seg. S. Ignez t. m.; s. Patrocolo ra.
22 Ter?. S. Vicente m.; s. Gaudencio b.
23 Quart. Os desporios d& N. Senhora.
24 Qulnt. N. Senhora da Paz; s Themoteo b. m.
25 Sext. Conversao de S. Paulo ap.; 8. Ananias.
26 Sab. S. Policarpo b. m.;s. Paula v. m.
27 Dom. da Sept.; S. Jeo Chrysostomo b. d.
^^l^"A^!f;"'-|""" (*> Hn.
Tribunal do commercio ; segundase quintas.
Relar.ao: tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Fazenda : tercas, quintase sabbados as 10horas.
Juizo do commercio : quartas ao mel da:
Dito de orphos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda rara do civel: quartas e sabbados a 1
hora da tarde.
Alagoas, o Sr. Claudino Falclo Dias; Bahia,
Sr. Jos Martina Alves ; Rio de Janeiro, o Sr*
Joo Pereira Martina.
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do diario Manoel Figueiroa da
I Faria, na sus livraria praga da Independencia n
6 e 8.
PARTE OFFICIAL.
Ministerio do imperio.
3.a secgo,Rio de Janeiro,Ministerio dos
negocios do imperio,em 31 de dezembro de 1860.
lllm. e Exm. Sr.Em resposta ao officio que
Vms. me drigiram em data de hornero, decla-
ro-lhes;
1. Quo muito legalmenle procedeu o 3. juiz
de paz dessa parochia assuraindo a presidencia
da mesa parochial, urna vez que hora mar-
cada pela lei nao se achara presente o i. juiz
de paz, a quera compela a refer la presidencia,
era o como seu immedialo, pois que, segun-
do asinstrueges annexas ao aviso n. 168 do 28
dejunho de 1849, a substluiclo do 1." juiz de
paz pelos seus immediatos em votos deve ter
lugar, qualquer que seja o motivo da falla d-
quelle e em qualquer lempo que ella se dO Cura-
pr e porlanto que o dito 3." juiz da paz continu
a presidir os trabalhos eleiioraes, al que se a-
presente ol., ou o 2. aos quaes de preferencia
compete a presidencia dos mesmoi trabalhos.
2.o Que nao linha lugar a dissolugo da mesa,!
organisada sob a presidencia do dito 3.# juiz de
paz, e a formarlo de outra, como requerera o
2." juiz de paz, sob pretexto de que ella se or-
gaDisara sem elle estar presente na qualidade de
eleilor, pois que nao era necessario uem legal
que se demorasse a organisago da mesa at
que elle ou outro qualquer eleitor ou supplen-
to comparecesse. Dos guardo a V. Exc Joo
de Almeida Pereira Filho.Srs. presidente e
membros da mesa parochial de Santa-Cruz,
4. secgo.Ro de Janeiro Ministerio dos
tiegocios do imperio, era 29 de dezembro de
1860.A S. M. o Imperador foi presente, com o
officio de V. S. de 18 de maio deste anno, o pa-
recer da congregaco dessa faculdade, sobre o
compendio dedireito romano, composto pelo Dr.
Ernesto Ferreira Franca ;
E o mesmo augusto senhor, conformando-se
por sua immediata resolugao de 22 do correte
znez, com o parecer da secgo dos negocios do
imperio do conselho de estado, exarado em con-
sulla de 15 do dito mez, ha por bem mandar
declarar a V. S. para que leve ao ouhecimen-
to da referida congregaco, que nao pode dei-
xar de merecer reparo do governo imperial a clau-
sala final do parecer da comraisso nomeada pe-
la dita congregaco, e que foi approvado, pelo
qual se eslabeleco que perlence autonoma
da congregngo a escolha dos compendios que
devem servir de texto para a expticago das ma-
terias do curso respectivo.
Semelhante precaucao s se pode explicar pe-
lo pensamento de se attribuir ao governo a in-
tencao de desconhecer os direiios que competem
polos estatuios s congregacoes, o que se nao
depreheude da latra do aviso de 28 de feveroiro
ultimo.
A autonoma da congregaco, pelo modo por
que ella quer enlend-la, nao existe, nem po-
da jamis existir; os estatutos a repellen). A
adopgo dos compendios uo direilo exclusivo
ou privativo dos lenles, porque importara isto
privar o governo de exercer interferencia o ins-
peceo a.respeilode urna materia to transcedente
io ensino publico, o que inadraissivel. Dos
guarde a V. S.Joo de Almeida Pereira Filho.
Sr. director da faculdade de direito de S.
Paulo.
Ministerio da guerra.
Expediente ra 12 dezembro de 18C0.
Primeira directoria geral.
1.a secgo.Ao Sr. conselheiro de estado com-
xnandante da escola central, mandando nomear
os leutes precisos da dita escola para o exame
dos candidatos ao lugar de stereoraetra da alfan-
dega da provfncia do Para, quo deve ter lugar
lio dia 26 de feveroiro prximo futuro, comniu-
nicando a esta secretaria de estado os seus no-
mes, afira de, com a necessaria autecedente, fa-
zer-se sciente ao Sr. ministro da fazenda que^s
requisitou. f
Segunda directoria geral.
Ao presidente da provincia de Pernambnco, re-
metiendo o processo de conselho de guerra do
soldado do 10. batalho de infantaria Manoel de
Souza, am de que seja cumprida a sentenc)
proferida pelo conselho supremo militar de Jus-
tina no mesmo processo.
Quarla directora geral.
Ao presidenta da provincia da Parahyba, com-
muoicando nao ser possivel autorisar desde j
o comeco da construego de quartel novo da
mesraa provincia, visto nao ler sido essa obra
consignada no orgamento, como exige o art. 14
da lei o. 1,040 de 14 de setembro de 1859 ; mas
que se tomaro as medidas necessarias para ser
etlectuada cm lempo.
~a Ao do Maranha. Pa" que pela thesoura-
ria da fazenda se faca carga ao major Francisco
Antonio de Souza Camiso, da quanlia de.....
1275596, provenientes de vaulagens que indevi-
daineule recebeu pela thesouraria de Minas-Ge-
raes.
A inspector da thesouraria do Piauhy, de-
clarando que o saldo existente no cofre do hos-
pital do corpo de guarnicaoda mesma provincia,
deve ser recolhido respectiva thesouraria. co-
mo bem entoudeu, em vista da circular de 12de
abril de 1854.
14
Segunda directoria geral.
Ao presidente da provincia de Pcrnambuco,
remetiendo o requerimento do 2 cadete do 9.
batalho de infantaria Luiz Dias de Toledo que
pede passagem para um dos corpos da provincia
do Rio-Gr-inde d Sul, para que se junte ao
mesmo requerimento a respectiva f de oflicios :
devolvendo ludo secretaria de estado dos ne-
gocios da guerra.
Quarta directorio geral.
A' thesouraria do Para idem, que do 1. de
junho lindo em dianle dever cessar o descont
da consignacao de 25$, que deixara ncsla corte e
2. lenle Joao Antonio Pereira do Lago.indcm-
nisando-o do que se I he dever conforme a guia
que selh6 remelle.
% Requerimento despachados
De Manoel Jos de Castro Vianna, 2. sargen-
to do 4. bai3lhao de arlilhria a p, pedindo
permissao para estudar na escola militar alguns
preparatorios que Ihe fallara para frequentar o
curso da respectiva arma Nao lem lugar por
j nao existirera essas cadeiras.
De Dormevil Jos dos Santos Malhados, eslu-
dante de medicina na faculdade da Bahia pe-
dindo para ser nomeado alumno pensionista
do respectivo hospital militar.Nao tem lugar.
De Demetrio de Guimares Coelho. alferes da
companhia fixa de cavaliaria de Pernambuco
pedindo demisso do servigo do exercito.J foi
deferido.
De Miguel Jqaquim Machado 2. cadete do
9. batalho de infantaria, que se acha preso e
respondendo a conselho de guerra, pedindo a
graca de se Iho conceder a cidade por menagem.
-rlodeerido.
-15-
Primeira directoria geral.
Ao Sr. ministro da.azenda, communicaodoque
foram nomeados para o exame dos candidatos ao
lugar de stereometra da alandega do Par o
lente da escola central conselheiro Jos Mara da
Silva Paranhos e os oppositores bacharel Miguel
Autonio da Silva Jnior e Dr. Agostinho Vctor
de Borja Castro.
-18-
Prmeira directoria geral.
Ao presidente da provincia do Rio Grande do
Norte, coromunicando ter sido nomeado ajudante
de ordeos da mesma provincia o lente do cor-
po de estado maior de 2a classe Vicente Ferreira
Lima, em lugar do tenente-coronel Jos Lucas
Soares Rapozo da Cmara. |
Ao-da Parahiba, idem o major do corpo de
estado maior de Ia classe Antonio Mara Cabral de '
Mello, em lugar do tenente-coronel Nicolao To-
tentino de Vasconcellos.
Segunda directoria geral.
Ao presidente da provincia da Para, coromu-
nicando que o soldado Jo Flecha, do 3 bata-
lho de artilheria a p. preso nesta corte para
ser processado pelo crimo de 2a desereo aggra-
vada, falleceu no hospital militar desta guar-
nicao. i
Terceira directoria geral.
Ao presidente da provincia do Marauhao, de- ,
clraodo em resposta a seu officio de 5 do mez fin-
do, que, tendo-se remeltido da materia prima
ltimamente vinda da Europa a que na distribu-
cao tocou dita provincia, pode com ella mandar
manufacturar o fardamenlo pedido para as ex-
tinctas companhias de pedestres e 5 batalho do
de infantaria, cujo fornecimenlo se ordenou em
22 de junho do auno passado e 10 de setembro do
correute anno.
-19- ;
Segunda directora geral. I
Ao presidente da provincia da Parahiba, re-
metiendo o processo do conselho de guerra do
capillo Antonio Francisco de Avilla e do soldado
Izidoro_Pereira de Araujo, ambos do corpo de
guarnicao dessa provincia, afim de serem cura-
pridas as senlenca proferidas pelo conselho su-
premo militar de justica nos mesmos processsos.
Ao da do Para, remetiendo para o mesmo
fim o processo de conselho do guerra dos solda-
dos do 3 batalho de artilheria a p Anaslacio
Antonio Vieira, Ambrosio Elias da Costa e Joa-
quim Jos ; dos do 11 batalho de infantaria
Fortunato Cordeiro de Sant'Anna, Raphael dos
Santos, ManoelJ'rancisco Primeiro e Antonio Fer-
reira.
Ao da do Amazonas, remettendo para o
mesmo fim o processo de conselho de guerra do
soldado do corpo de guarnigo da mesma provin-
cia Pedro Ao Ionio. |
Ao da deMnas-Geraes, remettendo para o
mesmo fimo processo de conselho de guerra do
ex-major da guarda nacional da mesma provfncia
Joaquim Correa da Silva.
Ao do MaranhSo, remetiendo o processo de
conselho de averiguacao, para ter o conveniente
destino, a que se procedeu para a qualicaglo de
soldados particulares dos paisanos Paulo Adol-
pho Saulnier de Pierrebeve e Carlos Eduardo de
Saulnier de Pierrebeve, residentes na mesma
provincia.
Terceira directoria Ifleraf.
Circular.Illm. eExm. Sr.Sendo convenien-
te restringir o sentido lato do avise circular*de
31 de agosto ultimo, declaro a V. Exc. que poder
mandar fazer qualquer fornecimenlo de plvora,
ou de outro artigo de guerra, quando a necessi-
dade do servigo publico o exigir imperiosamente,
dando immediatamente parte a esta secretaria de
estado dos motivos que leve ; e de haver proce-
dido ndemiiUnrao respectiva, quando tiver si-
do ordenado o rornecimento por conla de repar-
tidlo eslranha ao ministerio da guerra.
Dos guarde a V. ExcSebastto do Reg
Barros.Sr. presidente da provincia de....
Quarta directora geral.
Ao presipenle da provincia do MaranhSo, ap-
provando por esta vez a deliberaolo da presiden-
cia, de mandar satisfazer pelos cofres geraes as
despezas com alugue?s de casas e quartel para o
destacamento da Ia companhia de pedestres na
villa da Passagem-Franca, posto que fossem an-
teriores circular del de dezembro de 1859, quo
manda que taes despezas corram por conla desle
ministerio.
Ao de Pernambuco, em resposta ao seu of-
fiio do 24 de novembro prximo passado, decla-
rando que sempre que nos destacamentos com-
postos de ma's de 40 pragas do exercito, edo cor-
po policial for maior o numero das do exercito,
dever ser abonada ao commaodante a gratifica-
gao de exercicio marcada na tabella de 1 de maio
de 1858.
Ao inspector da thesouraria do fazenda da
Bahia, devolvendo o processo de divida de exer-
cicio lindo, do que credor o Dr. Antonio Duarle
da Silva, afim de ordenar que se satisfaga o indi-
cado na inforraagao junta ao dito processo.
Ao da do Marauhao, em resposta ao seu of-
ficio de 24 do mez prximo passado, approvando
o prazo de dous mezes para a apresentagao dos
livros e documentos das despezas feitas pelos res-
ponsareis deste ministerio pordinheiros e valores
dafszenda nacional.
21
Quarla directoria geral. *
Ao presidente da provincia do Maranho,
declarando que S. M. o imperador houve por
bem mandar pagar ao major reformado Jos Ma-
aoel Braga as vantagens que lhe competirera por
ter funecionado no conselho de investigarlo,
apresentando documentos que comprovem o exer-
cicio.
Ministerio da m&rinha. '
EXPEDIENTE DO DIA 5 DE NOVEMBRO DE 1860.
A' presidencia de Pernambuco, para que,
vista do que ponderou o quartel-geoeral, e das
informagoes transmltidas pela mesma presiden-
ciai hiate Parahibano seja vendido em basta
publica, em consecuencia do seu estado de rui-
na, ou posto dispo8iglo do arsenal de mari-
nha daquella provincia, quando possa anda ser
aproveilado para algum servijo, devendo dar do
resultado parte a esta secretaria de estado. Fi-
zeram-ie as necessarias communicaces.
A' iospecgo do arsenal do Para, |que, para
ser tomada em considerarlo a proposta que fiza-
ra, afim de levar a efeilo a construccao de um
edificio proprio para enfermara de marinha, de-
ve reraetter a esta secretaria de estado o plano e
orgamento do que se projeela, com as alterages
indicadas pelo director das obras civis e milita-
res no officio que por copia se transmute.
A' presidencia do Para, aecusando o rece-
bimento do officio de 9 do mez prximo passa-
do, que acompanhou um exemplar da falla com
aue abri a sesso ordinaria da assembla legis-
lativa da mesma provinci% no dia 15 de agosto
ultimo.
A' de Pernambuco, declarando, em respos-
ta ao seu offlcio de 24 do mez prximo passado,
que o decreto n. 2,583 de 30 de abril do corren-
te anno, que reorganisou os arsenaes de mari-
nha do imperio, da. aquella um ajudante gmen-
tele por isso nao pode ser attendida a represen-
tagao, aue Qzera no dito officio sobre a necessi-
dade de mais um ajudante para o mesmo arse-
nal.
2a secgo. A' presidencia de Pernambuco,
autorisando-a para contratar um engenheiro que
sirva de ajudante ao encarregado das obras dos
ministerios da marinha o imperio n'essa provin-
cia, William Marlineau, devendo o mesmo aju-
dante servir de secretario ou cscreveote, e sendo
pagos os respectivos ordenados pelos supradilos
dous ministerios igualmente. Deu-se conheci-
menlo aos ministerios do imperio e fazenda e
conladoria.
A' mesma, dizeodo-lhe que, em vista do
que declara o engenheiro W. Martineau no final
de seu rotatorio sobre as obras do roelhoramento
do porto, declare-lhe que se aguarda a informa-
cao que promelte a respeito dos mesmos traba-
lhos, acompanhada do resumo do parecer do pro-
fesional, a quera ouvio aquello engenheiro Da
Europa ; e que, attendendo ao que expoe sobre a
necessidade de certas pegas em duplieala para
substituir a oulras deterioradas da barca de ex-
cavagao ah empregda, transmitta o orgamento
do custo dessas pegas, com as indicagdes conve-
nientes, para proceder-se sua acquisiglo.
6
Ia seceo. A presidencia do Tara Haven-
do a escuna Tibagy passado por um fabrico n'es-
sa provincia em maio do cotrete anno, e sendo
agora vistoriada e julgada pelos peritos em estado
de no poder navegar sem outro fabrico, que or-
gado em 5:096#760, lenho por conveniente que V.
Exc. faga com que de novo seja minuciosamente
examinada a mesma escuna, afim de averiguar-se
quaes as causas que sobrevieram depois daquelle
to recente fabrico. E por que preciso que es-
ta escuna, quando verificado fique o seu mo es-
tado, seja substituida por outro navio na estagao
em que serve, recommendo a V. Exc. que infor-
me a esta secretaria de estado se n'esse porto
existe alguma escuua, sendo preferivel de cons-
truccao americana, que possa ser comprada para
o dilo fim, devendo V. Exc, no caso aflirmali-
vo, mandar examina-la pelos peritos do arsenal,
e enviar-me a opinio desles, nao s sobre o pre-
go, como acerca das qualidades, construccao e
mais condigOes indispensateis em um navio que
deve montar artilheria. Communicou-se ao
quarlel-general.
A' do Maranho, ordenando que mande fa-
zer as obras do que carece o vapor Csmocuan,
afim de ser o alojamento do commandante sepa-
rado do dos officiaes, alm de oulras as caixas
das rodas e no passadigo, e remover da tolda as
quartolas da aguada. Expedio-se o competente
aviso ao quarlel-general.
3a seceo. A' presidencia de Pernambuco,
aecusando a recepglo do officio de 18 do mez
prximo passado, sob n. 268, a que veio annexo
0 requerimento em que Jeronymo Melchiades
Ferreira da Silva*porteiro do arsenal de marinha
da mesma provincia, pede restituiglo do que pa-
gou pelo seu novo titulo, dado em virlude do de-
creto n. 2,583, de 30 de abril do correte anno.
que reorganisou os arsenaes de marinha do im-
perio, e declarando que o supplicante, com quan-
to ficasse no emprego que exercia antes da pu-
blicago do mencionado decreto, nao est com-
prehendido na disposiglo do aviso do ministerio
da fazenda de 26 de julho ultimo, porque o seu
ordenado, que era do 120000 annuaes, foi ele-
vado a 400fl; e, alm disso, tem a gratiQcago
de 200J, como se v da tabella annexa qnelle
decreto ; sendo que o referido aviso somente dis-
pensa do pagamento do sello e emolumentos aos
empregadoacrae foram conservados com os mes-
mos vencijlnratos nos lugares que j oceupavam,
e aos que tambem com os mesmos vencimentos
passarijn para novos lugares nos sobredilos ar-
seoaeavF
* -9 -
Ao quarlel-general, declarando que, como re-
gra geral, o anno do doente exigido no-ert. 2.,
1., condigo 2.a do decreto n. 260 do 1 de
dezembro de 1841, afim de passarem para a 2a
os officiaes da Ia classe da armada, deve ser
sempre contado da data da apresentagao da parte
do doente documentada dasses officiaes, muito
embora se lhe nao siga o pedido de reforma, ou
seguindo-se-lhe, nlo tenha deferimento, ou soja
deferido ; e'bem assim que quelles officiaes que
anteriormenle ao aviso de 23 de outubro de 1859
requerera ra reforma por motivo de molestia que
os inhabililava para o servigo, sem haveretn da-
do parle de doente documentada, e que ao pre-
sente ainde nao liveram deferimento ou foram in-
deferidos os seus requerimenlos, deve-se contar
o referido anno da data das inspeeges do saudc
que os consideraran! Incapazes de continuara
servir, quer essas inspeeges fossem feitas por
ordenado autoridade competente, depois da apre-
sentagao do requerimento, quer com ellas o do-
cumentassero. Remelleu-se copia desto aviso
ao conselho naval, e communicou-se secgo
de marinha e guerra do conselho de estado que
a consulta de 27 de setembro ultimo, sobre este
objecto, foi resolvida de conformidade com o pa-
recer da mesma secgo.
, -10-
3.a secgo.A' presidencia do Rio Grande do
Norte, declarando, em resposta ao seu officio n.
44 de 20 de agosto ultimo, quo pode fazer con-
' linuar a obra do armazem que mandou construir
para abrigo dos escaleres do Estado ; na inlelli-
gencia de que se officia ao ministerio da fazenda
afim de ser posta sua disposigo a quanlia ne-
cessaria para a concluso do referido armazem.
OfBciou-se neste sentido ao ministerio da fazen-
1 da, e communicou-se contadoria.
13-
2.a 8ecglo.A' presidencia do Maranhlor, ap-
provando a dcliberaglo que lomara, de mandar
parar as obras do caes da Sagragio ; recommen-
dando que faga regular o dispendio com os tra-
balhos do dique e com as barcas da excavaco de
modo que circumscreva-se ao restante liquido da
quaotia concedida a essa provincia na rubrica-
Obraspara o actual exercicio, autorizando mais
a despeza de 9:000$ com a ec'iflcarao do pharol
de Santa Anna, e exigindo urna conla de quanto
se ha gasto com o mesmo pharol. Deu-se co-
nhecimeuto ao ministerio da fazenda e conta-
doria.
A' do Piauhy, approvando a deliberaclo que
tomara de negar ao capito do porlo o pagamen-
to que requerera dos respectivos ordenados, an-
tes de apresentar-se na ctdade da Parnahyba.
3.* seceo.A' das Alagoas, devolvendo o re-
querimento de Manoel Joo dos Santos, a que se
refere o seu officio o. 28, de 15 de setembro ul-
timo, afira deque lhe delira como entender de
justiga, visto que pela circular de 19 de margo de
1858 foram as presidencias das provincias autori-
sdas a conceder licenga para cortes de madeiras
em matas particulares.
14-
A' presidencia de Pernambuco, aecusando a
recepglo do officio em que participou ter, pelas
razes nelle expendidas, resolvido fazer conducir
no vapor Viamo para o presidio de Fernando
de Noranha a forga que foi render a que aili se
achava destacada, e alguns dos sentenciados mi-
litares que existan recolhidos na fortaleza do
IB ruin.
A' do Par, declarando que, para ser toma-
do em consideraglo o pedido que fez em officio
de 21 do mez prximo futuro, sob n. 13, da quau-
tia necessaria concluso da obra que tem por
fim fechar o arsenal de marinha daquella provin-
cia pela parte do rio, tanto do lado do norte como
do su!, alea batente d aixa-m&r, convm que
exija e transmita a esta secretaria de estado o
plano e orcamento dealhado da referida obra.
A' de Pernambuco, remetiendo por capia,
em additamento ao officio de 19 do tnez prximo
pretrito, o aviso do ministerio da fazenda de 7
do coirente, em resposta ao que lhe foi dirigido
naquella dala, afim de mandar restituir aos era-
pregados do arsenal de marinha da mesma pro-
vincia, que estivessem as condiges declaradas
no dito officio, a importancia do "sello e emolu-
mentos das novas nomeages, que ficaram de ne-
nhura effeito e Ibes ha va m sido dadas por occa-
sio de executar-se o decreto n 2,583 de 30 de
abril ultimo, que reorganisou os arsenaes do ma-
rinha do imperio.
A' do Amazonas, aecusando a recepglo do
officio de 28 de setembro ultimo, que acompa-
nhou quatro exemplares dos doenmentos perlen-
cenles ao relatorro com que o ex-prosideute, Dr.
Francisco Jos Furtado, abri a sessao ordinaria
da assembla legislativa da mesma provincia.
2.a secgo.Ao conselho de compras, appro-
vando o contrato celebrado era 15 do corrente
com a casa de Scolt Hett & C.a para o forneci-
menlo de carvlo de pedra necessario aosservigos
da repartirn de marinha nesta corte, e as pro-
vincias da Bahia, Pernambuco e Para.Na mes-
ma data remetteu-se copias do dito contrato ao
Sr. ministro da fazenda, contadoriS da marinha
e aos presidentes dassupraditas provincias, e fez-
se a communjeaco do cstylo intendencia.
-20
A' presidencia de Pernambuco, approvando
o contrato a que se refere o seu officio o. 281 de
5 do corrente, e que fdra celebrado pela iospec-
go do arsenal de marinha da dita provincia em
29 do mez prximo pretrito, com Samuel Po-
wer Johnston & C.a, na conformidade do aviso
de 6 de agosto ultimo, para a acquisiglo e collo-
cagloda cobertura de ferro destinada a urna das
carreiras de construegao do mesmo arsenal.
Deu-se conhecimenlo do sobredito contrato ao
mioisterio da fazenda e conladoria.
21
1.a secgo.Ao quarlel-general S. M. o Im-
perador, conformando-se por immediala resolu-
go lomada em 14 do correle cora o parecer da
secgo de guerra e marinha do conselho de esta-
do, emittida em consulta de 22 do mez prximo
lindo, ha por bem mandar declarar que as pragas
tanto de marinhagem como dos corpos de mari-
nha, nao podem obter escusa do servigo medan-
te a entrada de quanlia alguma para os colresp-
blicos, por nlo ser semelhante meio apoiado em
lei ou regulamento algum da armada: o que
communico a V. S. para seu conhecimenlo e
execugao, prevenindo-o de que em consequencia
sao indeferidas as pretengdes do segundo mari-
nheiro Francisco-Florencio Pereira da Silva, e do
soldado do batalho naval Tobas Epiphanio, cu-
jos requerimenlos acompanham os oflicios desse
quarlel-general n. 868 de 16 de abril, e n. 1,683
de 3 de agosto do corrente anno.
22
A* presidencia de Pernambuco, ordenando,
vista do que expoz o director das construegous
navaes do arsenal desta tortea respeito do vapor
Thetis, da estacan daquella provincia, que mande
proceder a um minucioso exame no casco e ma-
china desse navio, dando do resultado parte a es-
ta secretaria do estado.
2.a secglo.A' do Par, dizendo que, estando
contratado com Scolt liell & C.a o fornecimenlo
de carvo de pedra nessa provincia, convm que
no respectivo arsenal de marinha se prepare lu-
gar apropriado para nelle depositar-sc o mesmo
combuslivel.
23-
1.a scelo.Ao quarlel-general.Foi presen-
te a S. M. o Imperador o requerimento do impe-
rial marinheiro Francisco Ribeiro da Costa, que
acompanhou o officio desse quarlel-general o.
1,397 de 23 de junho ultimo, pedindo que ao
lempo do servigo quo tem prestado no corpo a
que pertence se addicione o que servir como
praga de marinhagem ; e o mesmo augusto se-
nhor, depois de ouvir o conselho supremo mili-
tar, houve por bem, por immediata resolug&o de
17 do crrenle, tomada sobre consulta do mes-
mo conselho, deferir o mencionado requerimen-
to, mandando declarar que s pragas que servi-
rem como pragas de marinhagem e passarem pa-
ra algum dos corpos de marinha, ou s que,
tendo dado baixa eutrarem novamente para o ser-
vigo nos dilos corpos, se deve contar o tero po de
servigo anterior s ditas passagens ou baixas. O
quo communico a Vmc. para seu conhecimenlo e
execugao.
Governo da provincia.
Expediente do dia 18 de Janeiro de 1861.
Officio ao Exm. presidente de Matto-Grosso.
Accuso a recepgo do officio de V. Exc. de 6 de
outubro do anno passado acompanhado de duas
collecges dos actos legislativos dessa provincia
promulgados n'aquelle anno.
Dito ao provedor da santa casa da misericor-
dia. Inteirado do conleudo do officio, que V. S.
me dirigi em 16 do corronte, lenho dzer-lhe
que autoriso a junta administrativa dessa santa
casa mandar fazer por ora os reparos iodspen-
saveis no hospital da misericordia do Olinda afim
de serem mandados para all os alienados que se
achare no grande hospital de caridade.
Dito ao mesmo.Approvo a deliberago que
tomou a junta administrativa da santa casa de
misericordia do Recife, como me communica
V. S. em seu officio de 17 do correle, de man-
dar fazer diversas obras de que necessitava, nao
s o hospital do Paraizo, mas tambem a casa dos
expostos, e bem assim a coberla, muro e 0utro3
reparos no hospital dos lazaros.
Circular todos os commandaoles superiores.
Remello por copia V..... para seu conheci-
menlo e devida observancia, o aviso expedido
pelo ministerio da justiga ao presideate da pro-
vincia da Bahia era 30 de novembro praxino fin-
do, declarando quera compete conceder guia
de passagem aos officiaes da guarda nacional de*
nomeago do governo imperial, que se mudarem
para fura dos districtos dos respectivos carpa* ou
coramandos superiores, e ministrar as infortna-
ces, de que trata a 2a parte do art. 45 dogeana-
lo de 12 de margo de. 1853.
Officio ao commandante superior do Brejo.
Sirva-so V. S. de mandar dissolver odeajajea-
mento de guardas nacionaes existente na villa de
Cimbres, visto que o se auxilio j se nlo torna
m ais preciso ordem publica.Conynuaicou-se
thesouraria de faaena. V
Dito ao commandaro aaferiorda Bba-Vsla.
Mande V. S redozir 12 pragas o destacamento
da guarda nacional existente na villa de Cabrob.
Communicou-se theajuraria de fazenda.
Dtoao inspector da tnesouraria de fazenda.
Nos termos de sua informagao de 17 do corrento,
sob n. 33, mande V. S. suspender o pagamento
da quanlia de 24$, que de seu sold consignou
mensalmente nesia provincia o eapelllo alferes
Joaquim Virissimo dos Anjos, e remellar a com-
petente guia thesouraria de fazenda do Ama-
zonas, conforme pede o procurador do mesmo
eapelllo no requerimento que se refere a ci-
tada informagao.
Dito ao inspector da thesouraria- provincial.
Nesta data approvei a deliberaglo, quo, segun-
do consta de officio do chefe de polica de 15 do
corrente, sob n. 23, tomou o delegado do Ex
de mandar construir para seguranga da respec-
tiva cadeia duas grades fortes de madeira para as
prisoes de ambos os sexos, e por isso manda V. S.
pagar ao mesmo delegado, ou pessoa por elle
aulorisada, a quanlia de 16j}600 rs.. em que im-
portaran! as referidas grades.Communicou-se
ao chefe de polica.
Dilo ao mesmo Recommendo V. S. que
em vista da inclusa conta que acompanhou a sua
informagao de 7 de dezembro ultimo, sob n. 562,
mande pagar aos emprezarios da illuminago
gaz desta cidade a quantia de 115&200 rs. emque
imporlou o gaz consumido na casa de detengo
durante o mez de setembro do anuo provimo nas-
sado. v
Dito ao juiz da direilo da comarca da Boa-
Vista.Inteirado da materia do officio que Vmc.
me dirrgio em dala de 23 de dezembro ultimo,
cabe-me louva-Io pelos bous servigos que pres-
tou, conseguindo que a tranquilidade publica e
seguranga individual nao fossem ahi alteradas
por excessos de homens inconsiderados : e espe-
ro que continu empregar os recursos de sua
autoridade para center semelhantes homens na
rbita de seus deveres,como convm ordem pu-
blica.
Dito ao juiz deorphaoseausentesdacapitalIn-
formeVmc. circumstanciadamenlecom o que hou-
ver occorrdo.e com a brevidade possivel.cerca da
materia do iso, por copia junto, que rae foi ex-
pedido pelo ministerio dos negocios estraogeiros
era 4 do corrente mez, remetleodo-me ao mes-
mo tempo copia do inventario, se o houver, dos
beusdeixados pelo subdito Sardo Valenlim Bar-
santo, quo se refere o aviso citado.Ofilciou-
se tambem ao vigario da frcgvezia da Boa-Vista
desta cidade pedindo a remessa da certidlo de
bito do mesmo Bassanti, que falleceu no hospi-
tal de caridade:
Dilo ao director das obras publicas.Concedo
a autorisago que Vmc. pedio em seu officio de
16 do corrente para mandar lavrar o termo do
recebimento definitivo da obra do cmpedramenlo ;
da 1.a parte do primeiro tango da estrada de
Po d'Alho, certa de que nesta data recommendo
a thesouraria proviucial que paue, om vista do
competente certificado, a importancia da ultima
prestago, que tem direito o arrematante d'a-
quella obra.Officiou-se noste sentido a thesou-
raria provincial.
Portara.O presidente da provincia, de con-
formidade com oque dispoe o art. 20 do regula-
mento de 29 do fevereiro de 1860, resolve appro-
var o regulamento interno docurso commercial
Pernambucanodatado de 24 de dezembro ultimo
organisado pela respectiva junta dos professores
presidida pelo director geral da instruegao publi-
ca, o manda que neste sentido se expegam as
convenientes ordens.Remetleu-se copia desta
portara so director geral da instruegao pu-
blica.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao commandante da estago naval.S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, manda decla-
rar a V. S. que pela leitura do seu officio de 17
desle mez ficou inteirado de nao poder ser trans-
portado para o presidio de Fernando, no hiate
Rio Formse o capilao reformado Joaquim Gu-
iarte da Silva.*Comniuuicou-se ao commandan-
te das armas.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, manda
transmittir a V. S. a inclusa ordem do thesouro
nacional datada de 5 do corrente, sob o. 2.
Dito ao director geral da instruegao publica.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, manda de-
volver a V. S. as provas escripias do oito cida-
dos que no dia 10 de dezembro ultimo, se su-
geitarem ao exame de capacidade para o magis-
terio primario, as quaes vieram annexas ao offi-
cio dessa directora de 15 daquelle mez.
DESPACHOS DO DIA 18 DE JANEIRO DE 1861.
Requerimenlos.
3563.Antonia Caelana deCarvalho Silva.
Informo o conselho administrativo do patrimonio
dos orphlos.
3564.Azevedo & Mendes.Informa o Sr. ca-
pito do porto.
3565.Clara Maria da Concelglo. Indefe-
rido.
3566.Jo3 Hygoo de Miranda.Satisfaga o
supplicante a exigencia constante do parecer da
contadoria de fazenda langados no verso.
3567.Felizmina Maria da Conceigao.Pode
seguir.
3568.Jos Hygin'o do Mirando.Satisfaga o
suppiicante a exigencia da thesouraria constante
dos pareceres contidos no verso da presente pe-
tgo.
3569.Francisco Alexandre Dornellas.Expe-
dio-se ordem a thesouraria de fazenda para li-
quidar, nos termos da^jrcular de 6 de agosto de
1847, o que se estivada de*er ae supplcaole so-
mente na parle relst&a ao fornecimenlo deJuz,
devendo o pagamente .fagua sertalisfeilo pelo
corp a que perlencia o destacamento, conforme
dispoe o aviso do mioisterio da gufhra de 1 de
dezembro de 1859. -^
3570.Fielden Brovhers.Dirja-se a theso*-
raria provincial. .mm
3571.Joaquim d'Assmpgao Queiroz.Infor-
me o Sr. director do arsenal de guerra.
3572.Padro Ju venci Verissimo dos Aojos.
Ficam expedidas as convenientes ordeos no sen-
tido que pedo o supplicante.
3573.Bacharel Luiz Antonio Pires.Passe-
se portara prorogando por um m.e a Hcengacom
que so acha o supplicante.
3574.Maria Francisca d'Annunciaglo e ou-
tros:Satisfagam os supplicantes a exigencia, da
thesouraria constante da informagao n. 36 de 17
do corrente.
3573. Marcelina) Jos Lopes.Informe o Sr.
oapector da thesouraria a Fazenda.
3576.Maximiane Fraacisco Peixolo Duarle.
Passe-se portara coacedendo a licenga pedida.
3577.ficante Uoibeiino Cavalcaole de Albu-
em virlude do parecer da junta militar de saude
resolveu o mesmo Exm. Sr., conceder ao Sr 2 o
lenle do 4 batalho do arli.haria ap Ameri-
co Clemente Duarle Pereira Ires mezes de licen-
ga com sold simples, paro tratar de sua saude
nesta provincia.
Filialmente o mesmo corqnel commandante
das armas faz publico que de conformidade com
o decreto e regulamento do 1. de maio de 1858
aprovou os engajamentos que em data de 19 tam-
bem do corrente contrahirara as pracas abaixo
mencionadas par servir por mais 6 annos : do
9. batalho de infantaria o Sr. 2. cadete 1. sar-
gento Vicente Ferreira do Loremo, 2. batalhlo
lambem d.e infantaria, o anspegada Jos Hono-
rato Pereira, e da companhia de artfices os cabos
de esquadra Antonio Jos de Oliveira. e Antonio
Leopoldo dos Sanios e o soldado Cypriano Fran-
cisco Sallao.
Assignado. Josi Anlonto da Fonceca Galvao.
Couforme.Jntonxo Enias Gustavo Galvao.
Alleresajudante de ordensinleriuo do comroando.
EXTERIOR.
De urna correspondencia de Turin extrahimos
o segrate :
Suspendeu-se o fogo contra Gaela.
Nao precisamente um armisticio, mas a
cessago momentnea de hostilidades, em virlu-
de de um accordo tcito. Esta especie de tregua,
ha de ser consagrada a negociagoes, cujo resul-
tado se espera seja a retirada definitiva de Fran-
cisco II.
Contina a tratar-se da apprehenao dos na-
vios carregados de armas, que o governo turco
verificou no Danubio. Diz se que sao as armas da
divisao Turr, que aquelle general, por ordem do
seu chefe, mandava aos seus compatriotas, do-
pois da dissolugo das suas tropas. E' fcil com-
prehender que a este respeito nao se pode ga-
rantir cousa alguma.
Os voluntarios garibaldinos cootiouam a coo-
vidar-se para a prxima primavera. Os officiaes
e soldados da divislo Bixio, autos de se separa-
rem, oflereceram urna espada de honra ao seu
chefe. Nessa occasio entregaram lho urna men-
sagem, que termina uestes termos :
Quando dermos*a suprema batalha pela nos-
sa independencia o pela nossa liberdade, es-
peramos que langareis mo dessa espada, quo
recordar o amor que vos dedicamos, e ha de
ser o terror dos ioimigos da Italia.
a Adeus, general, esperamos tornar-nos a ver
< dentro em pouco, em novos campos de bata-
lha. />
Como vdos, por toda a parte o sempre so
ouve o mesmo grito. Calcula-se que ae Garibal-
di fijr de novo um appello aos seus voluntarios
poder reunir uns 80,000 homens. Efectivamen-
te os garibaldinos nao teem de que se queixar,
cora quanto gritera, ou para melhor dizer gritem
os outros por ellos. Kecebem 6 mezes de sold,
e esta gratificaglo impe um encargo ao thesouro
que nao inferior a 14 milhoea.
Fizeram urna campanrrfirilhante, cm resul-
tado pouco sensivel, e vftm-se cercados de urna
aureola potica. Agora achara-se dispersos, e
pode fcilmente acredilar-se que cada um d'elles
rollar pelo menos com ura ou dous recrutas. A
retirada momentnea de Garibaldi nlo faz mais
do que augmentar a sua popuUridade 0 o sea
prestigio, u
querque *N
3W8.~
'Peixolo.'
du fazead
-Nad> te
tem lugar o que requer.
" de Alcntara dos Guimares
mt o Sr. inspacHir da thesouraria
cb
* CDMI1ND0 DAS AMAS.
Quarte do commando das armas
em (ernambuco, na cidade do
lleoife, il de Janeiro de tS8t
ORDEM DO DIA N. 67.
O coronel commandante das armas faz publico
para conhecimenlo da guarnigo e devido effeilo,
que por portara da presidencia da proviucia da-
tada de 19 do corrente mez lho foi communicado
ter a mesma presidencia concedido a exonerago
que pediram os Srs., capillo do 4 batalho de
arlihana ap, Antonio Luiz Duarle Nunes, e
lente do 5." bitaihio de infantaria addido ao
2." da mesma arma, Leonardo Luciano de Cam-
pos ; o 1., do cargo de delegado de Polica do
termo de Olinda, o i, do-de 1. supplente do
subdelegado do districto de S Jos, desta cidade,
pelo que o Exm. Sr. presidente os manda louvar
pelos bons servigos que prestaran) maniendo a
ordem publica e seguranga individual durante os
dias da eleigao ltimamente concluidas nos lu-
gares de suas jurisdigo.
Outro sin que por portara da mesma data e
LC-se no Morning Star :
Jos Mazzini acaba de redigir os Estatutos
fundamentis da associaco da unidade italia-
na ; eis os termos :
Considerando que o primeiro dever de
qualquer povo que se eleva na escala social,
conhecer perfeitamenle os seus diretos, tanto
civis como polticos, e ligar-se pela administra-
gao de todos os seus negocios, o que torna neces-
sario urna coustanlo harmona entre o povo e o
governo; tata entre a parte da naco que pen-
sa, e a qiie apera ;
t Considerando que essa harmona impossi-
vcl sem a expresslo incestante dos desejos, das
necesidades e das aspiragdes do paiz; sem a
raauifestaglo continua dos pensamentos popula-
res, que do dever de todo o governo livre e es-
clarecido examinar, purificar, e pr"era acglo ;
Considerando que urna semelhante iniciativa
tanto legal como poltica, conslitue a liberdade.
aflasla do paiz as discordias, as (acedes e a guer-
ra civil;
Considerando que a nagao italiana comegot
a sua obra de liberdade, e se es(orga por desen-
volver todas as suas forgas moraes e matoriaes,
am da venceros seus inmigos no interiore no
estraugeiro, de manifestar a sua existencia na
Europa, e de declarar a sua vontade pela voz do
um povo intero, assegurando-se de novas allian-
eat que servirao para dirigir o bom senso inslinc-
trvo e as aspiragoes naturaes da uaglo, e corri-
gros erros que possam commetter alguns ho-
mens quj^ato no poder;
- Torna-se necessario provr de um meio le-
gal e constante, examinar os desejos, os pensa-
menlas e a vontade da naglo; ludo isto que
que nos'obriajt a fundar:
1. A associarlo da uniJade nacional.
2. Tem por fim :
(a) Chegar a unidade contribuindo com todas
as suas forgas para a realisaglo pratica e comple-
ta do. pru^ramma do general Garibaldi, e a uni-
dadafoa naci, tendo Roma por capital.
(b) Reunir e fazer conhecer por todos os
meios legaes que esto em seu poder, os votos
do paiz quaalo sua organisacie interna o ex-
lerna, i.
< (cj Animar a educagao social e poltica das
classes operaras.
c 3." Um dos centros da associaco eslabele-
cido em aples, al que possa ser estabelecido
para Roma, que o centro natural da Italia. To-
dos os cidadaos italianos podem ser membros da
associago, com tanto que aceilem o programla,
ou nao naja motivo da sua excluso por causas
de immoralidade. Ninguem pode entrar na asso-
ciaco sem ser proposto por algum membro, o
sem se subiuetter s regras sotabelecidas as so-
ciedades semelhantes a esta.
C 5. A iniciativa das proposlas perlence
* igualmente a lodos os membros da associago.
6. A direcgo convocar as assemblas re-
gulares, e far executar as resolucea aceitas de-
pois da discusslo.
7." A pedido de dez membros, a eommsslo
da direcgo tem o poder de convocar a assem-
bla. f
8. Alm da direcglo ha ver tres secgoes
distinctas quo hlo de corresponder s trplices
inlcnges j manifestadas, e cada urna dellas
ser presidida por um membro do conselho cen-
tral, eleito pela direcgo e pela eommsslo cen-
tral. Urna das secgoes ser para secundar o
cumprimento da unidade segundo o programma
de Garibaldi (a) ; a segunda seccao para reu-
nir e manifestar os votos e a vontade da nagao
(b), a terceira secgo ser para estudar o bem.
estar poltico e social das classes aperaras (c).
9o. Estas secgoes podem dividir-se emeomrais-
soes secundarlas e especiaes, segundo as neces-
sidades do momento.
10. Qualquer membro da associago pagar
urna contribuico mensal que ser de um car-
lin por cada operario, e nao ser nunca menor
de seis carlins, para os domis membros.


W

w
lAtUO DE PKRRaMBUO. TERQA fEIRA 22 DI UHEIRO DE 1861.
fSH IH
ll
II. O fundos da associago, augmentados
por offertas sempre progressivst, ficarao sob a
vigilancia de urna cornraiss&o Qaaaceira, com-
posta du un tliesoureiro, de um recebedor, de
un agente contador, presidiado um memoro da
commisso.
12. Cada provincia Veri urna commisso fi-
lial central, fundada eegeade es aseemos rega-
lamealoa ; cada cidade teri ni ceaamisso cen-
tral secundaria, un m simples delegado, segun-
do a importaacia da sua pspelaco.
13. Todos os actos da eoctedado seras pu-
blicados, dando ella urna couta exacta peridica
da m si luanes fuudamcntsl.
14. O jemal denominado El Poplo d'lUeliM,
ser e seo ergio. >
De uiua carta escripia de Gaeta. em'data de80,
extrahiroos os seguidles paragraphos relativos
situar aquella Dfac :
O espirito das tropas e dxoellcnte, e a sua
deciso cada vez roais firme, contribulado para
feto o exemplo que el-rei d.
Habita este apenas tres poquenos qurtos, um
para elle, oulro para a rainha.e o lerceiro para a
duqueza de S. Cosario, dama de honou
A mesa real excessi va mente parca, cooslen-
do apenas do -estrictamente necessario. Francis-
co II nao se contenta com o er-so reducido
vivar peior o que qualquer particular: dir-se-
liia que a sua juveulude e e seu nobre sangue
acharam nos perigos e tristezas da sua situaco
travo fuodo de energa c arder sempje crescente.
De dia quasi nao descansa ; as bateras de mar
tena o vcem aecudir le promptimeote como
o canho dispara, e nao as -abandona eraiuanto
-dura o fago. Os quarteis e hospitaes Ihe pron-
em depois a alleneao, sendo o objecto dos seus
spaciaes cuidados : empreando depois as horas
da noile, menos tres, ou o muito quatro, que re-
serva para descanco, em despachar com os seus
ministros.
Em todas estas larefas o acompauliam sou tio
O conde de Trapani, e seus joveus innao0
Para dar alguma idea do que estes sao, basta
saber-so que o joven coniie de Ossciti passou
duas iioites, de 26 a 27 as bateras.
A r.iinlia pela sua parle emprega-se exclusiva-
mente em alliviar a sorle dos inelizes.
Na ultima soilida que fez o general Bosco apri-
sionamos roais du ltK) piernoutezes, a maior par-
te ftidos, que foram conduzdos ao hospitil on-
de se encontrara nesta dala. Vendo estes infe-
lizes que er.im objecto das mais delicadas alten-
roes, e a solicitud qae inereciara ao rei que vi-
iham despojar da -coroa, nao cessavara de dar
amostras do maior assombro. Nos das 28 e 29
o rei e a raiuha entraram na sala aonde os pio-
moulezes se -chara misturados com os napolita-
nos, e peicorreram as ramas umi por urna, dis-
pensando a todos palavr.is de consolaco e soc-
corros pecuniarios. a
[Jornal do Commercio de Lisboa.)
sTARb"DE~ PRNAMBUCO-""
Ernfim est passada crise, Deus a conju-
re para bem longo por estes tres annoa.
Temos i um mes um italiano, anda joven,
que com as suas represenl&ces no thealro, nos
tem divertido, com danesa de corda, saltos mor-
laes o outras peloticas, e, exeicicios gimnsticos
e acrobticos.
< Sr. Elias Bernardi, que 4 osle o seu ne-
me, nos veio do Lisboa, e os seos trabalhoa tem
sido applauddos pelo publico; pbrm a osa
grande mania fszer urna ascengo pur tssas
re grao serias.
Para esse Ora prepara um immenso balao,
que ssbir ao ar no dia 20 s 8 oras da ma-
nha, indo ao mesmo teropo fetendo variados
ejercicios gimnsticos.
Ha, por certa, horneas para tudo; anda
mais admira que este joven se atreva eses te-
meridade o'uma provincia tao cercada de.ros
profundos e de metas fechadas, onde pode mui-
to bem cahir, e nao haver por esses lugares urna
s viva alma que Ihe preste o menor auxilio.
Erum cada um sabe da aua vida e do seu
officio, e por conseguale o rcspeilavel publico
lera esse novo divertimeeto, o qual estou sera
muito victoriado.
a Consta que o dito Bernardi depois desta as-
cenco nao representar mais, e seguiri para as
provincias do sul.
< O commercio tem estado nestes ltimos das
em apalhia, por que as casas commerciaes
oceuparam-sc ltimamente nos seus balaocos.
Varios estabelecimentos findarsm os seus
negocios, assim corno novas firmus e sociedades
appareceram com o anuo novo.
Do commercio martimo ja livemos varias
entradas de navios de portosde Inglaterra, Fian-
za e de Hambucgo.e dos Eslados-Uiidos.
Da roesma sorle ja houverara sahidas para a
Europa, tendo partido honicm para Lisboa o
briguc portuguez Ligeiro, com um carregamento
superior -trinta conios de res.
c Ja que fallo era noticias do commercio,
aproveito a occasio para noticiar o failecimenlo
do negociante Manoel Lopes llorn, socio da lir-
ma Lamaro & Lloita desta praca e da do Ma-
ranho.
Succumbio a urna affecgo de coracao, que
em pouco tempo o levou sepultura.
Desta vez suu breve, por que lenho ouIroS
uegocios de importancia Iratar para esto vapor;
c por conseguinle fecho a presente com essas
poucas novidades do anuo do 1861.
Como sempre seu allencioso amigo e leitor II
Maranho. Na noile de 8 do eorrente, alguns
presos da cadeia da capital, apruveilando-se da
votos. Corra que o Dr. chefe da sslieia seguir
para Sanl'Aona, aonde sua presen es Ion recla-
mada.
Caniad.Venceu o partido conseraanar, pos
renhida lula licita, sem que o menor disturbio
occorresse.
Em aUssao-velhs. Lavras; loi. Riacho do San-
gue, Persiro, S. BeraarJo a Atscaty csrriam re-
gularmente os trabal nos eleitarses, em que ata-
da se podaste eeaheuer para onde Bando a ba-
tanea.
/cio-^reae-do-Jforc.A carta do nosso ner-
respotiesHe da tudo quanlo occorreu aps a ul-
timo vapor.
c Este Mwdo, dizem os pbilosopbos, c o mun-
do das ce rapensacona ; e eu creio, que assim ,
parquate alm do quo teste visto a observado,
e rae ha succedido rnuitas races em minha vida,
Em miaba opiniao este um documento,
V Una honra t carcter circunspecto do seu
autor, cono abasa a sua recoohectda llluslra-
So : elle falla rois alto e mais eloquentemente
1 fan-na-ie per isso me dispensa qualquer com-
mentaris. ou elogio seu respeilo, pois que
aquelle s Astaiapara fijaai li. a este as
aada iiiassliria o seu valmV Bi4a :
atasiaajacaaasei conta da administra co des-
< ta praviscia. taabo feito senlir msi darameate
a Mama iolancao de garantir a liberdaae do
a vots.fsregsisidade do pracaaso eleitoral,
recosasordailo ao mesmo tempe o mais de-
cidido esapeabo das autoridades
Hotilem undearam era nosso porto os vapores
Paran e Jaguaribe, viudos dos porto? do norte,
adianlando as seguinies datas s que tinhamos.:
Amaionas 25 de dezembro. Par 11, Maranho
14, Cear 17, (lio-Grande do Norte 19e Parahiba
-20 do crreme.
Eis as noticias iju-j colhemos d'umas e d'oulras:
Ama zonas. A assembla provincial dirigi
urna felicilaco ao Exm. Sr. Di. Mauoel Clo-
meulinu Caruciro da Cunha-, por occasio do sua
iioiuea ;-io eposse, assegurando-lhe que ella es-
tara sempre proaipta poiar os actos que, co-
mo presidente da provtiicia^nublicasse, e que
tivessem o cuuho da jusln;a^n. Exc. rospondeo
^ue esforcar-se-ia por correapomivr cunlianca
da assembla, proraovendu, de acord cora el-
la, o melhoramenlo e progVesso de que precisa
a provincia.
Vara.A carta, abaixo transcripta do nosso
correspondente, narra cora rainuciosidade e cir-
cumspecco, o que por esta provincia occorreu :
Coineco a prsenle, dandu-lhe mui boas
feslas pela saluda do auno velho e entrada do
anuo de 1861.
Por certo que os annos bissextos sao (olJi-
cos, oo passado como tal fui ura dos que trouxe
comsigo nao pequeuas desgranas I
L v, porra. para a eteroidade dos seculos,
desejauJo que o presente nos seja propicio.
Passou-so tambera a poca eleitoral ; por
emquanto as noticias vindas do .-ti! nao sao das
peiores; poj^aqui tambera estes negocios passa-
rara-se sem gfti^es desgranas.
A lula aqui iiaNscilat correu mais ou me-
aos regularmente ; ponqu sera um dito, um em-
purran nao ha eleicoes noasiveis.
_ O partido conservador abandonou, por as-
sim di/.er, a lula na capital, havendo os liberaes
cooseKuido grande maioria as principies fre-
guezhs.
Entretanto, se a sorte das urnas Ihe fui pro-
picia ueste pooto, fui-lhes adversa a lolaliJade
daeleicoem muilos oulros pontos por fra, e
onde esperavam conseguir tambero a victoria.
Os negocios era Camel, paja onde conrer-
girara todos os esforcos dos partidos -anda nao
se achara completamente decididos ; mas por
domis certo, quo os conservador**..ganliam .a
eleic'j, qual foi palmo palmo e legalraeule
pleiteada.
Do certao ha os mesraos fundaman^os', e
por isso o partido couserva.lor dova tw urna*
maioria de duus tercos de eleitujesjsd .<>
Serio, pois, os moderados quoi {or^oaot; de
agora mesmo acontecen, que passaodo ltima-
mente o Oyapock nito lve quasi que Ihe esore-
ver,| ncm lempo para o fazer, ao passo que pre-
sentemente sobra-roe urna e outia cousa, e em
tanta copia o que dizer, que s por um excesso
de sua boudado, ou porum esforco de sus con-
descendencia podera Vine, permittir, que so im-
prima em sua integra esta eofadonhamento ex-
tensa correspondencia.
O tempo tragador, qoe, na phrase do prin-
cipe dos poetss lusitanos, ludo consom, acaba
de engolir o aune de 1860 ; foi mais um nome
lanzado no obituario da eteroidade. Pela minha
paite nem Ihe fago a apothose, nem tambem o
condemno s penas do inferno ; como ludo neste
mundo, elle leve verso e reverso, fez o bem e fez
o mal, nasceu, viveu e morreu tendo amigos e
inimigos.
Na Asia se o imperio celestial deplorou a
sua sorto vendo as suas fortalezas arrazadas, o
seu estandarte abatido, e o excrcito dos alliados
s portas de Pekn, exigindo um tratado bayo-
neta calada, os generaes inglezes e francezes di-
rigirn) hosannas Deus Sabbaholl pelos trium-
phos que Ihes conseguio a nova invengao do Ar-
mstrong: e se vinte mil chrslos em Damasco e
em Beyrouth cahiram aos golpes da cimitarra de
selvagens musulmanos, a humanidade amida e
consternada teve o consol de ver ao horror do
crime seguir-se o exemplo da sua punicio.
c Na Europa ao passo que perdeu "terreno o
principio da tegitimidade, e es reis viram aluidos
em suas bases os thronos em que se sentam, ga-
nharam campo c fortaleza as ideas da laerdade ;
e se Ullda e Caslla sustentaram aquelle, Gari-
baldi e Cialdini defendern] estas.
_ Semelhanlemente se o espirito revoluciona-
rio tentou arrancar ao Chefe Supremo da lgreja
grande irovoada quo fazia, arrombarara o lelha- d* Jess Christo as doaces espontaneas de Pi-
do de um dos quarlos da mesma, e evadiram-se, P'no o Carlos Magno, os bispos do Frange, e com
sem que a guarda presentase a fuga.
Alera deste facto, ludo mais que occorreu vem
narrado ua presente carta do nosso correspon-
dente :
Como ha muilo tempo Ihe nao esrrevo, de-
sojo quo Vmc. tenha atravessado o anno que fin-
doo, rodeado de venturas, e enlrasse neste com o
p direito. Estes votos, creta, eu os fago de todo
o coragao.
Nunca sent tanta dilliculdade de escreveros
acooteclrnentos desta provincia, como agora, nao
s por que no meio dos variados e importantes
tactos que ltimamente se tem dado, nao sei por
onde coniece, como porque me faltam as neces-
sarias habililages para pinta-Ios ao vivo. E' o
qu me vcrlarde Cicero.
Entretanto, como inieressa que Vmc. fique
ao par desses ocontecimenlos, mxime nesta
quadra do enredos e mentiras, vou dar comeen
narragao delles, seguindo a ordeui chronologica,
era que se deram.
O priraeiro importante acontecimento, com
que nos encontramos, a eleigo senatorial, que
aqui se fez no dia 25 de norembro prximo
Ondo.
a J Vmc. deve ler noticia de que os mais vo-
tados para a lista triplica foram os Srs.: Dr.
Dias Vieira, coronel Izidoro edesembargador Ma-
rianni; o, supposlo aioda falte conhecer-se o
resultado do collego do Carolina, a lista est
inalteravel.
Sao, pois, os elcitos da provincia aquelles 3
senhores.
Apenas concluio-se a eleigo, os membres
mais importantes do partido liberal desligaram-
se de seos sinceros alliados, e propozeram ao
partido conservador una allianga honrosa, que se
elTectuou com regosijo da populago inteira desta
cidade no dia 9 de dezembro.
Firmada em solidas bases esta allianga, tra-
tou o numeroso partido da coalico de preparar-
se para a luta Jo dia 30, e nmbora em lo curto
prazo nao podesse urna reforma lo importante
produzir os bellos fructos, que anda lera a pro-
vincia de colher, de todas as partes do interior
chegavam salisfalorias noticias de novas o valio-
sas adhesdes.
O. partido enlao organisou a sua chapa para
depuiados geraes, Qcando ella confeccionada pe-
la seguinto maneira :
Primeiro destricto,
Ur Joao Pedro Das Vieira
Dr. Fabio A. de Carvalho Riso.
Dr. L. A. Vieira da Silva.
Sogundo destricto.
Dr. Joaqun Gomes de Souza.
Dr. Francisco Jos Furtado.
Dr. Vinato Bandeira Duarte.
Sao seis caracteres recommendaveis pelo sa-
ber integridad*, o quena cmara ^temporaria
bao de fazer valer-qs direitus -de sua provincia
coQslderacrxdo gowBBOmperial. i
Organisada a chapa com aquelle cuidado

a
> gao da orden publica. Procedendo-se i eleigo
a de verea dores a juizes de paz, procurei averi-
guar o modo porque eram cumpridas as minbes
ordens, e se na salisfez completamente o re-
a gullado vantajoso, que Um prn mar parle das localidades da provincia pude
reconhecer, que infelizmente o meu pensa-
ment foi mal comprehendido, e executado em
alguns pontos. Varias providencias e medidas
de rigor devem ter convencido aos mais iocau-
< los, de que o governo nao indifferente ao pro-
cedimenlo dos fuoccionarios pblicos, que dei-
xam de cumprir os seus deveres. Depois das
recoramendages, que dirig ltimamente pare-
ce me desnecessario acrescentar, quo as in-
tences benficas do governo acerca das eloi-
roes ue vereadores e juizes de paz, eio as
mosmas que o lom de dirigir na prxima elei-
cao primara. Firme portanto na proposito de
a proteger efflcazmente a liberdade do voto, e o
livre exercicio das attribuigoes conferidas s
mesas parochiaes, nao deixarei de usar dos
meios legaes ao meu alcance, para que nem
ellas violem impunemente as disposigoes em
vigor, nem soffrara a menor coaego em seus
trabalhos. A's autoridades, coma os cidados
\< interessados na conservago da tranquillidade
' publica, e na religiosa observancia das leis,
corre o dever mu rigoroso de cooperaren!
com toda lealdade, para que se evitem quaes
quer fraudes, eu actos de pcrseguio e vio-
< lcncia, que ho de ter a puuigo legal, quando
nao seja possivel prevem-las.
Espero, quo Vmc. nao deixar de empregar
de sua parle os convenientes esforcos, para
que os factos correspondis s maniestaces,
que tenho foite.
Dos guarde, ele.
Nao valero. porm. lo puras intengoes,
para que aqui, all, ou acola as cousas nao cor-
respond6ssem aos desejos de S. Exc.
Nesta cidade, na de S. Jos, em Extremo/,
Touros, alacio, Penha, Arez e Goianninha nada
houve, a excepgo dasqueixas dos vencidos, que
perturbasse as eleiges e as Uzease interromper
por qualqucr incidente desagradavel, ou enlutar
por alguma desordem quo valha a penna roencio-
nar-se. Mas em outras freguezias sempro hou-
ve alguma cousa, que nao posso passar em si-
lencio.
Em S. Gongalo, por exemplo, depois dofeita
puladus, e visla do exposto prov-avel :tqse o .proptro deum parjidoque deseja o engrandec-i
representar
Dr. Tilo Franco de Almeida nao v
o Para na presente legislatura^
Nao so esperava por ura Iriumpho lo deci-
sivo, mas o quo cedo que o partido con-
servador trabalhoa osle atino com mais calculo e
coragem.
A prova que nao fizorara grande queslo,
pela que perderam ua capital, ao passo que ,o
contrarios deram deraonslr^ges publicas da ajad
victoria parcial. !
Eis como sao as cousas, rfuando uns r*em
outros choram, agora os que cforar*ia;.riem-so e
aquelles choram!....
Pretenda nao locar n*ifW ^c^e*cimcntQ.
que leve lugar na noile de 31 do mz Dndo;
islo um accommettimenlo*8e,v1fnbs inividuos
da classe menos prensante do Para, contra abanas
Porluguezes aguadeiros moradores no larg'
Pedro n.J*urgolfffgr da plvora.
Diz-so quo ao'''
freguezia da Ti i
guns homens.'e Tqram investir*^'1," r*><
id' vrt da eleicoes umgrijo, da
iodade; Sm',JtttP4t&ijme al-
menos, contraO' lufr Onio
deiros.
moyam'esi
5:
ua-
miBnlp','0'
ara mallrtados
ospifal da Mi-
nento da provinciat sguardou-se quo odia 30de
dezembro demonslrasse a maneira, porque a.pp-
pulai^Q tygcber.a a i}usao.-c. com effeilo, essa de
monstracao nao poi'ser mais solemne, do que
a alcaii'! Ja, vencendo jj, partido da coafiro .nos
pontos mais importantes do primeiro destricto,
elles todos os catholicos "romanos espalhados
pelo orbe, se levanlaram era massa para .issegu-
ra-las as mos augustas de seus legtimos dona-
tarios : euifira se a antiga Roma vio o marido de
Allilia abJicar o sceptro da Dictadura para era-
punhar de novo a sua aguilliada de colono, o
anno de 1860 presencou o sacrificio extraordini-
rio de um homem, quo qual nutro Monk, poden-
do por sobre sua cabega a cora brtlhanle de um
reino, que acabava de conquistar, foi colloca-la
na de seu rei e seu amigo, contentando-se por
todo premio de lo altos feitos c de tao heroica
dedieago em habitar a humilde morada de urna
pequea ilha, apenas conhecida pelas devassi-
does, que alli praticra um antigo imperador, e
com a quanlia de mil e oltoccntos francos quo le-
vara em sua bolsa para allmentar-se si, sua
mulher e filhos.
Na frica seainda urca vez correu o sangue
dos christaos, o Duque de Tetuo segurou talvez
para sempre a liberdade da navegago sobre as
aguas do Mediterrneo.
Na America se em slgumas repblicas a fu-
ria dj raga hespanhola sacricou sua insacia-
bilidade algumas victimas, a pacifica eleigo do
actual presidente dos Estados Unidos foi um
triumpho ineslimarel para a clvilisaeo mo-
derna.
Entre nos se vimos a fome desolar urna das
mais ricas e poderosas provincias do imperio, a
Baha, presenciamos lambem a farlura e a abun-
dancia, que reinou as provincias do norte,
sugeitas iguaes vicissitudes ; se urna le de 1860
nao vai tirar uns seis mil cotilos mais ou menos
de novos tributos, urna outra le do mesmo anno
nos libertou do insupportavel jugo dos bancos,
que malava de fome, de miseria e de trabalbo
.cera criaturas, para fazer viver nos prazeres, ua
opulencia e ua mais louca prodigalidade um s
iudividuo ; se os valentes, que nao pdom re-
nunciar o uso das armas prohibidas; se os tur-
bulentos, que lodos os dias por d c aquella
palha inringem a diaposigo do artigo 201 do
cdigo ciiminal, se virara livres do culello das
leis de 6 de junho e 26 de oulubro de 1831, os
ladres de cavallos, esses inimigos implaca*^ do
irabalho licito, osso veneno corrosivo da lavpura,
da creago, do commercio o da propriedade en-
conlram agora na le 1090 do 1. de selembro do
anno passado um phanlasma, que os assombra,
ura espectro, que os aterra, um algoz, que tem
diante de seus olhos a espada da jusliga erguida
para decepar-lho as mos criminosas, que tenta-
rem ou consegutrem tirar a cousa alheia contra a
vontade de seus danos : finalmente se as paixes
violentas de partidos exaltados conseguirn! aqui,
ou acola perturbar a ordem, coagir a liberdadej.
do voto o alterar a regulandade do processo das''t0s Pscfip{ao alguma, eeafre os
eleicoes, por toda parlo o espirito do paz, os sen-
tmenlos do patriotismo e as inspiracoos da ho-
uestidade se apresentaram em defeza'desses gran-
des principios de existencia social. Sopara urna
perda irreparavel, para, calamidades, que nunca
sero es,q,uecidas, nem'.era poca alguma dexa-
ro de ser sentidas,, cu nao acho compensago
igual oo anno de 1860"fallo dos lastimosos nau-
fragios do brigue Caliope da corveta Isabel, lo
.exacta paibeticameple des^ptos pola hbil
yerra i do.iusjgne escriolors esse novo Corto Rea'
Em o pavoroso Pao dos Ferros consta, que
lora rasgada a casaca do jutz do pax, sresideate
da mesa, e que fra tal o barulho, as m* ra-
solveu addiar a eleigo para o dia 18 deste mes.
Na Conceigo do Jardim por urna pequea
queslo entre os proprios mesarios foi tambem
addiada a oleigo. ftasassin fresaaws nao
mes noticias ; scaidaass parque asilas
basas; porquanta aaatsjaasa oasas h
ji aaberiamos aqui, porqae.como Vaae. o
fsa dos mos aasaasos*aaaassaaada l
cidade, ao lempo qae a das pros peros nao
| nba senao em arre puchado basa. &ejaaa,
manulen- [ porm, quaes focas* as noticias, que teabassde
noachegar, podsssaa desaV j diaer urna aaaa.
emi ser, que os asaterasdores faabaraai daas
tercos, ou tres qoassss da terreno disputada, e
qoe por isso pode-se Seria por averiguado, que
um dos dous jan dula toa aaic nacesaariamente
do seu seio, e que o outro tambera sahir por
pouco que a opposico deixe abrir a menor bre-
cha em suas flleiras. Por hora as probabilidades
de bom exilo anda estao i favor dos Drs. Bezer-
ra Cavalcanti (conservador) e Moreira Braodo
(liberal) ; mas quem sabe, o que ser no dia, em
que se coniarem aa lavas?
Basta por hoja, ou ao menos por esta vez, de
elegoes, que para mira (tallo-lhe a verdade)
materia por lal forma j enfadonha, que s fallo
nellas arrastado pela torga da necessidade.
a O invern lo abuodanle, quanto extempor-
neo, que desde os priraeiros dias deste mez tem
cahido em toda esta provincia, ha feito urna ver-
dadeira revolugo. A secca medonha, que pare-
ca querer reduzir-nos ao estado dos sertes da
Baha, substituto um verde esperangoso ; ao es-
morecimenio seguio-se a animago. A queslo
ao dizimo do gado vaceum e cavallar, que a
primeira queslo nanceira do Kio Grande do
Norte, foi resolvida de urna nianeira vantajosa-
meute favoravel quer para o cofre provincial,
quer para es arrematantes dosse imposto ; os
meamos ompregidos. que por aqui andavam tris-
tes, pensativos a cabis-baixos, hoje tem a eabega
erguida, o passo nobre e as Ceiges radiantes de
alegra. Eu j lve occasio de dizer Vmc ,
que nos paizes de lavrar e crear, chuva a pro-
pria riqueza ; e agora accrescenlo, que riqueza
a sciencia, que resolve lodos os problemas, an-
da mesmo os de maior dilliculdade, das demais
sciencias sem exceptuar uns s. Nao sei, so os
Srs. Stork, Smilh e Joo Baptista Say estaro por
esta minha doulrina ; digo porm, que um pro-
fessor mais Ilustrado do que esses tres luzeiros
da economa poltica, e .do que lodos os oulros,
que della hao tratado, o profossorExperiencia
pralicame ha convencido por lal forma deste
verdade, que hoje psra eu descr-la, seria pre-
ciso que o dedo da Omnipotencia transloroassa
em minha cabega todas as regras da minha razo,
e confundase lodos os preceitos, que regulara o
principios de ordem, respeilo a le e a obedien-
cia 4 eatetidads, sae oerecterislico dos parahy-
bsaee, se date aUnbair usa resultado, que mui-
to noa honra.
_e.a cosa -saliatago s orgulhoa Paraby-
ba passou dula pocas importantes ; daas elei-
pleiteiM si todaasa parteada sjaiuieria
shia coosla, sasaas peraaasar de tacase aaa *aa-
periantes, nnabeai acenieeiaseoia
se desrespaile 4 sei e dsaadiaacaa
empaiou
imte na ..^ .
majs vutddo
com um dos da
Ou do proposito ou ne^
certo qqp-^;lrto agadcird
com pancadas, itfb um para .
sericordia, no^wco molesto7 *
Felizmente'daVhouverara tirle
se esle desgoslo, qi/nlb esrava'm; po
zer, quasi terminadas as eleiges, s
consequeuctasT
A pelitia procedu'logo a necesssflibrpo
de delicio, e fdrVm'a'valiadas as onsas'e* (ri-
mentos de um, em"*cincocnt< mil ris"b"cz
dias de curativo,e dos ouHrosem viBte *mil
ris c quatro dias de enfermiJade'.
iz-se que houverara suas explicacdes^n-
tre o cousul portugus e o presidente fla' pyo-
Hoje me olsseram que o Dr. Morena', qrje
principio se %nc6rtfmodra bastaule conj/este
auccessoasti agora rais aiisfei;o,* nao s gb/
estar Ittso; em processo um sotdado de p'Jl^
por norae-^os''J-pa^uira Antonio d Mallos,'
tor ostensivtr^fssWacto, corap.por'que a'b
deocia dera rodas "s explicV^oeS e a segu
de medida1 enrgicas'.
O qufe venho de contar nao deixa de ser mal
ou menrJI real; poTque eparei que tanto a poli-
ca coras -o consulado portuguez esliveram nestes
dias erafCo.hsianles trabalbos e actividaJe.
TaWf%Br. chefe de polica, como o actual
cnsul qjfljhier, gao pessoas mui bem vistas
nesta ptpyrnqa.^hcios de circuraspeegao o enor-
ffcos7er)fJr''i#3,fes!loii persuadido quo esto ne-
gocio.'-bwtanit'vorgonhoso para os seus 8010^63,
se bade desQbr*convenientemente fazendo-se a
justifa devUfc'com, t |e na mo.
Prenhbeyotro Tacto notarel tem aqui pren-
dido a aftticao'-puBlfea,
Os jomaes iradia-tnas tem fallado neates dias
seno em Ue^ls'eleitoraes; atof cad.a um,
egnodo as suw't&itvenlncias. ''
Por certo,"qde tanta polmica Bisturada de
tantas mentiras exheredas, aborrecers homens
sensatos, e nosso' ver valia mais ntj baver
liberdade de imprnda-tos dias do procesad elei-
toral.
Tanto o Diario do Grao-Par como o Jor-
nal do Amaionas tem dito cousas que era mais
prudente nunca tivessem' visto a luz do dia I...
.nuxdeiiJo apenas om Alcntara,- Van
rituezia d Victoria, onde o primeiro i
7a'chapa conservador
lista adversa.
Ao psso que estas cousas so davam, o par-
tido Estrella, em desespero de cama, tonta al-
liar-se com qualquer grupo, descontente, ou ira-
p.arcial, que midessc dar-lhe urna, sombra de im-
porlancia.ft envidando lodo3 os esforcos ple
alfim conseguir urna fuso com o Dr. Aoxandre
Vzv.irus de Alcntara, que daspeilado por nao
rallado na ctta conservadora es-
q/icetT^ofios. autigupr^ftassu^ fazer causa
comijiura^om^os Ss, s^uspia^ ^ncaruigadu> ini-
migos. ..T^ ^a^T ^ ....
- 1-y.i assim quo-a rfy'eiia^inda .Ji*lcgi- t
gar algutfpBspusa, mas paja* isso, teve. necessi-
dade de langar mo dtatelos reproaados, acon-
sglhando o promovenao daplicalas, cqmo,-a'de
5. Vicente rerreri e actas falsas como a de S.
Bento. a*^
Portanto pode-se dizer que o Iriumpbro da
chapa conservadora (orada duvida
Quarifrss invectivas que se dielge ao carcter
honesto e justiceiro do Sr. Silretra fi Souza,^oo
blasTThemias de morib/indds impasilentes, que
precisara darjjma cor. su datroia..
O Sr. Silveira de .Souza -lido geralraenle
por um administrador' ligente ; e goza em Coda a^rosiScta .por suas
C0BSderaso4gual i que linha/o fallecido-ri
^limio Machado. .! >* 0-1, a \
Esta, porm, j vs lo8ga,/-je por 6stj -parn
aqu. y-.\ a / S~*X\ +
/~* .prosador, que reige/ fesenUaMar.itimq dp seu
''' "i fll/lf-l/i *i.i ffmie ti 11 t'iv-s fi i ue ilU maorwrt en nmi.-
.a Pelo .vapor s^guirsjavjascrevdr-
VQUcios rerromper de ora em diaoke armi
deocia com Vmc1. a
Adeps.
PiatA((.jj-N&sJiuma caita oo j
Isla provincia, oaa^ doaupporl
'esse occorr-Up, porq*^, ao con
na constar no%Iaranho>em cu
vem relatado.
i* mfs
noa ia-
dtrnpona
ebemos
da hou-
ij*s'jrjuas nada
m
Diario. Se dous naufragios, ojj mesmo je mais
de mil naufragios, coma\.acoule.co as costas da
Inglaterra, fossem motivo .nlajjsivel e prova ple-
na para condemuar-se a memoria do ura'auno,
seguramente eu amaldigoaria q cdo anno pas-
sado. i
Tratando parUcularmente de mira,, poss) di-
zer-lhe, que se nello nem uraa cousa ganhi,
tambera o nico preiuizo que li've, fo: o da diroi-
nuieao de uns 366 das no eyelo de minha exis-
tencia.
Por esta curta exposigo de factos, e sua justa
apreciarlo, j vera Vmcs Srs. redaeldres, 'que
se lenho motivos para dizer mal do anno passa-
ds. nao me faltam razos para justificar a sua
bondade ; e que neste estado de incertesa, e per-
plexiJade, em que se acha o meu espirit, de
prudencia e bom aecrdo, que eu deixe, aoff que
nelle fizerim a sua fortuna, a trela de Ihe lece-
rem elogios, -assim como aos que cahiram era
desgraga durante o seu curso, o desabafo de Ihe
votaren) uraa exeorago eterna ; que quanto
mim, tufe imparcial, o recto, sem odio, ncm aiTei-
gao, ltmito-me- acrever sobre a lampa do ata-
de, que enoarra o seu despojo mortalreouij
cal in pac?
Saudamo#agora o novo anno.de 1861, e em
todo casa*lesejeraos nelle raellioo* sorte, quo no
seu prximo antecessor.
- Fetas assim adespedida ao anno que findou,
e cortezia ao quopriocipiou, passeraos j ordem
do dia, quoro dizer s eleiges. Estas,como adan-
te lhc moslrarei, nao tem corrido com a suavi-
d*d*,-qitc se esperava nos mesmos lugares, que
iwojLgiaasla capital, Papary, Nuva Cruz e Pao dos
foi, gieu charo senhor, posso afiirmar-lhe
q.ue ana aera humanamente possivel esperar-
le.- quo o Exm. Sr. Dr. Jos Bento Jnior,
dec/elaase medidas mais prudeulea e cautelo-
:Sast afian de evitar todo pretexto de briga, todo
mukv-f do queixa, toda coago, toda irregula-
iidaiJe no procosso eleitoral.
a eleigo, guardand-se a urna para no dia se-
guinte fazer-se a apurago, um grupo de homens
Desuntados de tisna invadi a igreja horas per-
didas, ej um delles sahia com ella, quando os
gangos do Capitolio que a guardavam, desperta-
ran-], atiraram sobre os temerarios, que j se re-
tiravam, malaram o conductor da vestal, que re-
tomaran ; e segundo se diz, feriram a mais al-
guns, ficando urna ou mais de uraa das sentinel-
las tambera contusas de bordeadas que levuu,
dadas pelos companhuiros do moito, que se cha-
mava Joo de tal, poralcunha Joo Babo, e que
o acudiram quando elle levou o tiro.
Entretanto diz a voz publica que a nova Rha
Silvia sempre deu luz saos c salvos, c no esta-
do de completa perfeigo, os filhos de que estava
grvida, nao obstante a violencia que soffreu.
Na freguezia da Nova Cruz, cuja sede f> i por
acto novissirao da presidencia trasladada para a
povoago de S. Bento, houve um homicidio du-
rante o processo eleitoral, mas que se furnia que
absolutamente nao foi pralicado por motivo de
eleigo, a qual foi desputada palmo a palmo pe-
las partos beligerantes, sahindo vencedores os
saquaremas e derrotados os luzias, que fizeram,
dizem-me, um immenso protesto na esperanga
deque a cmara dos depuladoi a annulle. Eu,
porm, que nao ignoro o que sejam as appella-
ges para esse tribunal, que ou nao tem outra
regra para as suas decises se nao a soberana de
sua vontade, ou se a tem essa celebre le de 19
de agosto de 1816 e a magos comitante caterva
de avisos que a mystificam eirT lodos os sentidos
e do razis plausiveis para as mais absurdas e
contradictorias senlengas, digo, que o terrivel
vw vicis, proferido pelo soberbo e deshumano
Breno nao foi um triste desengao., urna ameaca
de perdigo smente para os Roma'tos W/nciBos;
que pesavam as suas joias e o seu ovjto contra
um pesofalso, augmentado aioda con b de urna
espada do vencedor, seno ^para' todos oa-que.
como esses hetos no vale do Alia, suatfdmbern
no campo da batalha. .?
a 8e nos tribtmaes judiciaros, onde os accor-
dos sao tomados Sobre o dfreito positivo, e nor-
mas flxas, asaMenca appelladas, como diz Mel-
lo Freir nec semper in nieltBNmfurmctntiir ;
o que podero os etitidos splMB^bma-a lago julgada.por joies irresponJBlMf^que nao
esto adstriotos neuhuma formula* 1 Vki. sugei-
s ve-
zes est sentado o proprio raas parlrtSI^Jmente
inleressado na deciso da causa ? Sem dVvida a
perda do seu lempo, do seu Irabalho, edas suas
despezas. t
Em Papary per uraa pequea duvida do lo-
ma nao toma o hvro das actas, o juiz de paz, que
anda nao linha formado a mesa, ou aterrado cora
a grande maioria, que Ihe fazia opposico, como
peosam uns, ou por plano j de anle-mo con-
certado, como presumem oulros, tomou a delibe-
rarlo de adiar os trabalhos pira o dia 6 do cor-
rente; i ~
Neste dia, presente o chfe de polica inte-
rino, e urna massa de povo talvez excedente a
-quinhenUs peWJMs, depois deformada a mesa,
composta de conservadores, suscitoii-se a espi-
uhosa queslo a respeito do methodo a adoptar-
se para serem chamados os velantes entregar
suas cdulas, ou deposita-las na uina. A mesa
quera que se retirasse lodo o povo para fra da
igreja, o que s enlrasse para ella um por um
votante a proporgo que fosse chamado ; a op-
posico, porm, reclamava pela execuco do ar-
tigo 44 da lei, que permute aos volantes acerca-
rem-se as*mesas para Ihes inspeccionaren] os tra-
balhos e vedarem assim as espertezas.
A mesa fundava-se para a saa exigencia na
coaego era que se via para tomar as suas decl-
Quinde aaaia ate exprnao ais t que paira
occsltar asa ferias asi o qae flreu em soldada de
palieia esa Cabecearas, asea o sttattsmesue des
psisaes hejea a aaa alta ente, pote asa passo
deixar da eassiderar seosafltsnte lete aaea sala-
cao cora o pleito alerte ral; porgese sansa sao
fora, certo estou qoe teamos de referir sucres-
sos lamentaveis tristes, visto como a asoll-
menlo das paixes era em alto grao, como disse.
c Apenas (allano-nos noticias de cinco fregue-
zias, as mais longisquas, d'onde nada ha a re-
ce iar.
Fizeram-ae algumas duplcalas, que demos*
tra, segundo pens, 'raqueza e impotencia da
parte daquellee que as proraoverim.
c A cmara do Srs. deputados competa deci-
dir quera andou ne caminho da legalidade. -
O Despertador coutin com vehemencia, a
opposico quo resolveu fazer a administrago ac-
tual, e mostra por esses esoriptes que poseoal
a guerra desabrida que promuve-4u apposi-
cao ao pretndemee sim desabafo ressenti-
menlos occilius; pois uo proprio manifest de
guerra, publicado no n. 145 de 15 do mes passa-
do. se leom as seguintes palavras : que elle (o
prosidenle) chegaria at a fazer-lho (partido ras-
gado) coocesses. A'vista de conOsso to in-
genua, sae perece que outro qualquer motive se
nao pode aceitar da opposigo, como justificativa
para um tardo e iujuslificavel rompimenlo.
A redaccao do Despertador aodeva matro-
ca, os arligos oeohums importancia tinham, an-
tes de recolber-se aos patrios lares certo licen-
ciado quo deixa os discpulos no raelhor tempo,
mas depois que obteve essa cuadjuvacao seus ar-
ligos sao melltores, po Jera ser hdos, embora ba-
ja desabrimeulo e vehemencia as expresses
exagera-se a duvidar-se que laes oscriptos sejam
de urna pena que devia escrever em phrase que
nao produzisse o escndalo, peccado contra o
qual tanlo clama a igreja por seua ministros.
< Espera-se (owod Deus avertal) que ae reno-
ve a poca de 1856, em que a imprensa nesta
provincia devassou o recinto das familias, com
grande escndalo do pblicos neohum proveilo
para os partidos.
< O Despertador na falta de motivos para ma-
teria dos artigos que enebem suas columnas, at-
iribue ao Sr. Silva Nunes tudo quanto publica e
Imparcial e faz ao mesmo responsavel pelos arti-
52T 'nP*^a me or8nisar com novas facul- g0a da redaeco. Procura assim faxer ebegar
oaues niollectuaes. A fora a safra de assucar j fura daqui que o presiJenle chefe de partido
oos senhores de engenhos. quo solfre pela sua ; e naoum administrador illusliado, justiceiro e
paratmgao em virtude das aguas, tudo mais ga- superior aos inleresses mesquiohos de partido
nlia, nao ura por cenlo. mas cento por um. Os ] como o deuomioavam uo ha muito torapo. entes
mesmos senhores de engenhos com isso nada | de o terem investido do apostolado da ressurrei-
perdem ; porque se fazem de menos alguns paea gj0 ao8 aDtigos paitidos com suas ideas bem ex-
ucar, ganham a prodigiosa vegetagao du tremadas e decidido antagonismo.
soca e da canoa novamenle plantada, e mais do
que sto anda a regeneragao de suas fazendas de
gado no serlo ; pois, como se sabe, nao ha aqui
senhor de engenho, que nao possua urna ou mais
fazendas pelo centro ; e para justificar esta mi-
nha assergo tenho a observago de um sartanejo
veiho, homem de um senso pratico extraordina-
rio, que, como o velho, de que falla Cames,
possuiaum saber s de experiencias feito,o
qual rae disse o seguiote por occasio de me eu
queixar, que a chuva j fazia malSr. fulano,
certifique-se, que nos sertes ridos do norte do
Brasil os prejuizos do invern sao preferiveis
aos lucros da secca por urna vacca, que morre
alolada, criam-se cem vaccas qual mais
gorda.
Eu nao sei at onde alcanca a evidencia des-
te Iheorema ; o que Ihe posso" porm dizer. ,
que nao vejo secca, sem que eu veja igualmente
diante de mim um espectro, que me aterra a
fome ; nao vejo chuva, nao ooco trovoada, sem
que presinta urna voz, que me brada prepara-
te para os queijos, a carne gorda, a fartura e a
barateza ; p haver para o empregado, que
vive de ordinario mesquinho e fixo, urna lyra
mais sonorosa, urna voz mais melodiosa, do que
a Ijra e a voz que toca, canta e promette a dado
de ouro, que para o homem pobre nao outra
seno a quo Ihe traz a abundancia do gneros
alimenticios, e o seu prego baixo e rasoavel?
Nao pego a resposta desta peigunla Vmc,
porque no sendo empregado publico, seno pro
prietario de um grande e rendoso estabelecimen-
lo, nao est no caso de apreciar os veixamos,
angustias e afflicges porque passam os pobres
com a escassez e caresta do sustento ; pergunle
porm ao exercito dos que ah vivem das presta-
Qes dos cofres pblicos, e o que olles Ihe disse-
re,mmande tambem dizer-me.
As noticias que chegam do fra. referem
maravilhas da grandeza das chuvas ; nao ha um
s rio que nao tenha lomado muita agua, e alguns
em rjuanlidade nunca vista, como seja o Cear-
mirira, que tem submergido toda a lavoura, que
existo no seu valle. Nesle caso j os prejuizos-
nao sero s os da interrupcao da moagem, i
nao o da morle de muita caona o raandiqca,
Radas debaixo de suas aguas, que quando so-.Xr'
iraordinarias, como agora, levam umjjtz oq s-'
escoarem-se, o nesta demora fazi>d?pubACjVp^
me dizem os nossos lavradores, toVs as"ra
da plantac.io que est as baixas : o que expircaa
esla domora a n;linagao do terreno, por (.al frf
Quaesquer que sejam as arguges que pos-
sam fazer o elTecltvamente fagam os homens do
Despertador ao Sr. Silva Nev.es ; paraellas nao
haver outra justificagodesejos malogradas,
esperancas monas oo nascedouro.
E' conveniente nao oceupar mais ospago com
o procedimenlo do Despertador, nao digo dos
rasgados por que muilos faa que reproram pro-
ceder que lano tem de injusto quanto de incon-
sequeole.
< O commandaote do Tocanlins parece que
tras eucommenda ; pois a primeira palavra que
se Ihe ouve o midtslerio nao pode aguantar-
se, est em crise, no seguinte vapor vem a noti-
cia de aubstiluico 1 E entretanto alada isto nao
succedeu.
Se esse senhor primeiro tenenlo da armada
nacional /"que pelo nome nao perca) contina a
ser ptrlador de noticias que se nao realisam,
mal ir elle, pois concorrer para que sua pala-
vra nao tenha peso algum, o semelhante proce-
dimenlo no bonito em qualquer homem m-
xime naquellecuja devisa valor e lealdade.
A chuva. tem sido -abjiodanlissima, j ha
muita humidade.
O Parahyba tem descido eom continuadas e
successivas cheias, e ha receios de que se perca
oos campos oque faltava a colher-se de safra
passada.
Os cofres provinciaes melhoraram alguma
cousa, o parece que sem meios extraordinarios,
por agora, se poder alar um pouco.
c Oh que nada lo difficil como cerregar-se
com consequencias de situages que foram por
oulros creadas I
Corre por aqu, e ha quem assevere, fora dc-
iniliido o secretario de polica Manoel Porfirio
Arail a, e substituido pelo ex-secretario do go-
verno, Thomaz de Aquino Mindello : ambos sao
leales ao iyceu desta cidade.
E' minha humilde opiniao que nao possi-
vel so poss* ao mesmo tempo oceupar cargos
taes; pois alera de ser preciso esforgo, talvez
superior, para exercerem-se ambos os cargos,
coiBode-vem os meamos ser exercidos, accresco
que ha de o servigo publico soffrer. quando as
,sali8.fac0 de deieres, para os quaes se crearam
-0*4,*** cargos. as aecuraulagoes s aproveita
AquejUe-que os exerce ; o servigo publico soffro
issrvelmente.
orre mais qoe foi nomeado juiz municipal
os do termo do Pianc o bacharel Jos
ses, quoro dizer, para decretar as suas excluses Quando, pois o valle fr todo aproveitado nao
cercada, oppriraida e abafada por urna multido,! pela estupidez da rutina, mas pela esclarecida in-
tiln minla narla ae* h^i n nulvla ni\mi ,-. Cear.Chuvas abundanlissimas csfciram nes-
ta provincia desde a capital at o Craie> que
animara os cultivadores o creadores.
Achavam-se j concluidas as eleieass em
quasi toda a provincia, sem que o menor dis-
turbio apparecesse, sendo as noticias tecebidas
na capitel as seguintes:
Maranguape. A eleigo correa pUcida e Irn-
qutllameute, em cooseajencia da concordata he-
rida entre conservadores e liberaes, dando estes
os supplentes e aquelles os eleitores.
Aquiraz.Procedeu-se 4 eleigo. sem altera-
gao, aendo o gaoho de causa dos conservadores.
Santa-Cruz.Concluio-se a eleigo em boa
ordem, vencendo os conservadores.
Oueixeramobitn.A eloico, 3, (ultima dala)
marchava regularmente e com calma, havendo
sido receidas 913 sedulas, e fillaado votar 400
e tantaa pessoas qualifleadas.
Sobral.Havia-se concluido a chamada,
aliando os conservadores por maioria de
v
J soldado nesta cidade, foi distribuida por
s pontos cardeaes, onde a sua presenga
ornar-.m indispensaval : o proprio chefe
de-potara inleriho parti para Papary; nomea-
ram-sdlaulpridadea policiaes para os lugares va-
gos com um escrpulo verdaderamente religio-
so, at/(cslio que dbAa jauaonira vez) se vio o go-
verno emua loaldah dmgif-se aos cidados pa-
cificos.v^Biais sinceramente interessados na ma-
nutengoda ordem, o tsanquillidade publicas, con-
vidndolos auxiliarana a sua acgo no empenho
de garantir a liberdade^do voto, sustentar a paz,
e regular pelas formulas legaes o processo elei-
iorai. Repetiram-so as ioitrucgoes de que j
lhejdei noticia, expedidas para a eleigo de 7 de
selembro, por sobre ellas anda mais urna cir-
cular em dala de 15 de dezembro, que julgo con-
veniente copia-la textualmente aqui, para que
Vmc. e os leitores do sou Diario, t apreciem em
toda pureza de sua doulrina, na correceo do seu
estylo, na profundidade das ideas, e na altura dos
pejuanienles.
cuja quinla parte, se nao o quarla, compunba-se
de elementos estranhos a aquella reunan, islo ?,
de pessoas qtie nao estavam qualicadas, e -anui-
tasdas quaes eram mesmo de freguezias diver-
sas : a opposico, porm, receiosa que*lhe nao
succedosse o que acontecer em Pao dos Perro
e eslava aconlecendo em S. Bento, onde fra el
la purificada em um coador lo fino e aperlado,
que tleou quasi toda reduzidaa sedimento, dando
apenas algumas golas de liquido aproveitavoi.nao
so desapadrinhava do seu artigo 44, j citado,
com o qual, come os velhos e velhas pnanalicas
de Troya com o seu pilladium, quena morrer
abracada.
Para conciliar estes extremos, que a scien-
cia chama viciosos, propaz o chefe de polica o
meio termo, que a mesma sciencia chama virtuo-
so : e era, que as parcialidades elegessem suas
respectivas commissoes para inspeccionaren! os
trabalhos da mesa, e os votantesentrassem para
a igreja por turmas, isto porquarteires. Por
esle methodo, que ficava entre a synthese e a
analyse, nem a mesa corra o risco deger abafa-
da, e por consequencia de ser coagida em suas
deliberages, nem os votantes da opposico o de
serem depuradas nesse crysolda ourivesaria ele-; a provincia.
lelligeocia la industria agrcola, o que nao ser
elle ) ..~mn
" Ah vem'chegando a vapor "d norle ;
.es^la j, antes que fique c, porque estes rTe"us
senhores coramandantes dos vapores enlen-
sJ'd^m quo nos aqui no Rio-Grande do Norle nao
1^ olvemos ter tempo nem para abrir ou lechar
urna carta : quando se dizah est o vapor
um pega pega, como o do embarque no dia do
diluvio universal para a barca de. No.
E bom foi elle chegsr, por que eu abaorvido,
como eslava, no meu vicio de prolixidade nao
acabarla mais nnnea este insupportavel testa-
mento.
Parahyba. Anda limitamo-nos, /ista da
maneira porque narra os factos, dar, acerca
desta provincia, nicamente a carta do nosso
correspondente.
Nao posso, anda que queira, deixar de oc-
cnpar-me com os negocios polticos da terrs ;
pois devo-lhe noticia do que por aqui se passa,
embora a nenhuma parte que tomo, nqs mesmos
polticamente fallando, e a igual distancia em que
me conservo das duas parcialidades, quo plei-
teara as posicoes, com grande desvanlagem para
PERNAMBUCO.
raa insensivel, que olhndo-se para o valle ntr Cyna'co Raposo Soares da Cmara, moco dislic-
guern podo dizer qual a sua parlo supenor# e i0 o Qlhodessa provincia 1
inferior: desta falta de incluago do terreno as-1 ___
ce a pequea correnleza das aguas, e da pouca
correnteza a sua quasi eslagnago: mas esla mes-
ma estagnago, que ura mal para a lavoura do
Cear-merim, ao mesmo lempo o maior de lo-
dos os beneficios para ella, visfo que pelo rucio
desta demora e repreza das aguas, que ellas tem
o tempo e a seren Jade, uu quielago, de que ca-
recen! para deixarem a carnada de humus, gordu-
ras.^dimento, ou o que os naturalistas Ihe qui-
zeromhamar, que forma a prodigiosa vegetago
do Cear-mirim, que o faz comparar em pouto
pequeo com o Nilo ; comparago que nao seria
exagerada, se os Rio-Grandenses do Norle fossem
os laboriosos Egypcios, ese o nosso governo fos-
se o governo dos Sezoslris ; o Cear-mirim nao
produz hoje menos de 300 400 mil arrobas de
assucar, e os seus lavradores mais praticos e co-
nhecedores da extenso do valle, affirmam que
nem a sexta parte delle est anda aproveitads.
toral, que os reduz quasi todos fses, com mui
pequeas partculas de metal sem liga alguma.
A attitude hostil que m ostra vara as duas par-
cialidades (ambas conservadoras) que se pleiteara
Discutia-se este arbitrio, que pareca merecer a a dirigir os negocios na freguezia de Taqura,
approvago da maioria, quando infelizmente um obrigaram a ida para alli do Dr. chefe de*policia
e de alguma forga, o quo tem sido su luciente
para garantir a seguranga individual, que parocia
ameigada, em visla de muitos recursos da parlo
da maioria da mesa, que se mostrara diaposta a
dar triumpho a parcialidado a que perlesce.
< Nos demais pontos da provincia nenhum
espectador, que nao era nem votante nem mora-
dor da freguezia, priocipiou a fallar, querendo to-
mar parle no debate : esta preteoceo illegal foi
repellida por um volante, a que acompanharam
oulros muitos ; n'nin momento levantou-se um
tumulto tal, que deu em resultado o segundo ad-
diamento da eleigo para o dia 18, e por fortuna
nenhum acontecimento funesta.
* Agora sim estou cerio que ha de se fazer a
eleigo de Papary, ou pelo rifo que diz que
para as tres o diabo as fet, ou parque (e isto
me parece mais ceno), o Espirito Sanio, que j
por 14 andou duas vezes, e perdeu o seu lempo,
desta ha de deepacbar sobre aquellos enlendi-
mentos absecados um raiotal de luz, que neces-
aaramente os ha de illuminar, faze-los ver a es-
trada da verdade, e lera-Ios ao ponto dse-
REVISTA DIARIA.
Acha-se funecionando a junta de qualifica-
go da freguezia de Santo Antonio, cuja mesa a
seguinte:
Presidente. Antonio Epaminondas de Mello.
Secretarios.Prancisco Lucas Ferreira.
Marcolino dos Santos Pioheiro.
Escrutadores.Joo Francisco Daslos.
Manoel Raymuodo Penna Forte.
A ponte do Breemsinho, em consequencia
das chuvas cabidas na semana Onda, soffreu no-
laves damnitlcaces em sua conlruccao.
Ficaram por occasio das mesmas chuvas
inlransitaveis os pateos do Carino, Ribeira e S.
Pedro, alm das ras adjacenies.
Este estado proceden de acharera-se os canos
de esgolo dos referidos largos obstruidos, de mo-
do que nao deu o escoamento conveniente, e por
conseguinle ficaram por alli empogadas as aguas.
Isto posto, importa que se faga aquella desobs-
(ruego ou o servigo ali necessario quanto antes,
afirn de nao repetir se o alagameoto, de que nos
oceupamos.
Por seotcnca do Sr. Dr. juiz de direito da
2.a vara, Francisco Domingues da Silva, foi ab-
solvido o commerctanle Alcxandre Ferreira Ca-
minha, que acha va-so pronunciado noart. 821 do
cod. comm.
Felicitamos o Sr. Caminha pelo bom xito que
leve nessa dilliculdade de sua vida commercial,
ficando assim salva a repulagao da casa, que re-
presentava, e que alm da perda de seu chefe,
leve anda de passar por taes prevages.
Sabbado passado celebron-ae o Te-Deum
pels coocluso do processo eleitoral da parochia
de S. Jos, na respectiva matriz.
Como j noticiamos, no dia da lei enlrou
em exercicio a vereagao novamenle eleiti ; e
como hoje tem olla uraa vida offlcial, que espe-
ramos se manifest por actos de beneficio para o
respectivo municipio, temos de dirigir-lhe agora
urna palavra nesle sentido.
Sim, faz-se preciso que sejam examinados os
abusos para a respectiva coarclagao ; importa
que o relaxamento quo d-se no municipio te-
nha um paradeiro ; necessario finalmente que
os factos desminlam a apprehenso de que esta
larra acha-se abandonada, e que nao tem muui-
cipalidade que cure de aeus interesaos mun-
cipaea.
Faz boje aua primeira commisso o hiato
do guerra Rio Formoso, que mais de um anno
facto de aigoificaco houve no correr do processo cahio ao mar nesta provincia, e est imperfeita-
eleitoral, cuja durago em nada iofluio no curso mente concluido internamente, e mala imaerfei-
tamente armado.
ordinario dos wgocios pblicos,
Quando de outras provincias nos chegara no-
ticias desagradaveis, desordena e morticinios ha-
vidos, a Parahyba tora calma e tranquilidade,
depositou as urnas a sua vontade, cuja manlfes-
tago final, me parece, ser toda em favor do
partido conservador.
Sem acompanhar a aquelles qne altribuem
que ao Sr. Silva Nunes, em grande parte a aos
Sahe para a liba de Fernando de Noronha, le-
vando trala e cinco cootos de ris para aa despe-
zas do presidio, o um destacamento.
Desojamos propicia viagem ao seu digno com-
mandante, o Sr. 1. lenle Manoel Carneiro da
Rocha.
w No ssbbado s 9 horas da noile fundeou no"
tudo ao governo, nao posso deixar de confessar lamaro a crvate "vapor Pedro U, que sahlra
do Rio de Janeiro no dia 8, e da Babia no dia 17
i rrif\/n



*
MUDOH
*
TEMQk FEIRA 11 DC JlIffiO DB 1861.
r.
do correte. Na mar do domingo entro* pira o' Tenente Thomaz Rodrigues Pereira
mosqueiro, e aneoroa ao longo do recre.
Vem substituir nojervico deetlacoa corve
ta' 4 hlice liamo, que aere era breve "seguir
para o Rio de Janeiro, aflra de metler nova* cal-
deiras.
Tem esta 130 pravas (te guarnicao, monta dous
rodicios de calibre 68, e em arrenjos internos
urna das ruis bellas do nossa esquadra.
Sea digno comruandante o distiorto Sr. capi-
to -lente Luiz da Cunha Moreira, lho do Sr.
almirante Visconde de Cabo Fro.
Os otTiciaes do navio sao os Sr. : 1." tenente
Bernardino Jos de Queiroz. Joao Gongalves Duar-
le, 2." tenenlo Jorge Saturnino de Menezes, l.
cirurgio Dr Joaquim Marcelino de Brito, com-
missario de 2.a classe Francisco de Paula Sena
Pereira da Costa, e escrivao de 1.a classe Fran-
cisco Das da Htta Franca.
O I.* machinista o Sr. Augusto Hildwlreto,
um dos ruis habis que temos ae nosso servigo.
Este vapor esteve aqui em 1859, e fot ao Rio
metter caldeiras oras, e. substituir o con vez.
Coosfa-nos que a veneravel Ordem Tercei-
ra de S. Francisco, pretende fazer a procisso de
Cima, na quarla-feira 13 de fevereiro prximo,
como acto que encela a quaresma, que nesse da
corneja.
Concluram-so os trabalhos eleitoraes das
rillas do Cabo e Eicada, cujo resultado 6 o se-
guate :
Cabo.
Paro eleitores.
Os Srsk:
Braz Carneiro Leo........................ 1*59
Alvaro Barbalho Uchoa Cavalcante........ 156
Antonio Luiz Cavalcante de Albquerque .. .1541
Fernando ao Reg de Mello Brrelo...... 1532
Jos Carneiro Rodrigaes Campello......<-. 15-3
Antonio Bandeira Carneiro Leo (ue Mato
Grosso.................................. 15*0
Paulino Pires Falco...................... 1494
Francisco Luiz Cavalcante de Albuquerque. 1440
Agostiuho Bezerra de Mello Barreto....... 1488
Francisco Carneiro Rodrigues Campello... 14-1
Jos Joaquim do Rogo Barros ............ 1317
Antonio Manoel do Reg B................. 1293
Antonio de Lima Maciel.................. 1293
Francisco Paes Barreto.................... 1290
Manoel Joaquim do Reg Barros.......... 1289
Jos Luiz Pereira deQueiroz.............. 1229;
Juvoncio Virissimodos Anjos.............. 1185:
Visconde da Boa-Vista.................... 1183
Leopoldo Augusto CesardeG.............. 118!'
Manoel da Vera CrurLins e Mello........ 1181
......
685
684
681
590
588
587
586
585
583
Calislo Teixeira de Carvalho...........
Miguel Joaquftn de Santa Anna........
Bernardino Pinto de Alroeida..........
Antonio Alexaadrino Caraleanti.......
Domingos Gomos da Silva...
Antonio Caraleanti Barreto....
Francisco Antonio de Carvalho........
Manoel da Costa Praaeres..............
Alferes Joaqun! Rodriguesds Silva....
Zeferino Aureliano de Figueiredo e
Mello................................. 582
Joo Manoel de Barro e Silva......... 580
Joo BaptUta da Silra Maia............ 579
Joaquim Lopes Ferreira de Melto...... 577
Jos Paulino da Silva................... 576
Joao Feij de Mello.................... 573
Joao Paes Barreto...................... 572
Supplentes.
Manoel Gomes da Foaseca............ 569
Fxancisco Fecreira da Silva'............ 568
Flix Velloso da Silreira............... 560
Canudo Feij de Mello.................
Fernando Barbuza de Carvalho........ 557
Antonio Bernardo Pereira.............. 549
Joo Francisco Ferreira..........'...... 548
Antonio de Hollanda Cavalcante Jnior 547
Christovo de Hollanda Cavalcanti..... 543
Casimiro Lucio Jorge.................. 536
Manoel Francisco di Silva............. 538
Pedro Ferreira Lima..........,......... 537
Francisco de Ilollaoda Cavalcanli...... 536
Antonio Velloso Uchda................ 535
Francisco J os de Vasoncellos........ 531
Estanislao Nunes da Rocha............. 530
Jos Florentino Leo................... 529
Antonio Francisco Gomes de Mello..... 528
Antonio dos Anjos Pessoa.............. 508
Joo Leandro de Barros................ 344
Nos diasl9 e ti) do correte foram recolhi-
dos casabe detengo 10 homens, sendo8livres
e 2ecravos ; a ordena do subdelegado de Santo
Autonio 1, a ordena do de S. Jos 5, e a ordem Jo
de Muribeca 4.
Passageiros sahidos para o Aracaly nohiate
nacional Invencivel;Joaquim Lemos Ferreira,
Antonio Alves Ribeiro, Theophilo Antonio Alves
Ribeiro, Anglica Theophila, Delmiro Alves Maia,
Agostiuho Fernandes de Carvalho, a senhora do
capilao D. Jovila Moreira Alves da S"ilva 1 sobri-
nha e 1 escrava com 2 crias.
Passageiros vindos do Para e portos nter-
medios no vapor Paran :Eiin. bario de Ja-
paratuba e um lho, Cnstodio Goocalves de Ol-
ueira, Francisco Antonio de Oliveira Sobrinho,
Sebastin Antonio do Reg Barros........ 1176 Manoel da Costa Moura Bravo, Manael Jos do
Thomaz Jos da Silva Gusmo............ 1174
Joaquim Manoel do Reg Barreto ........ 1172
Joao Eloy Cavalcanli...................... 1166
Francisco Ferreira de Barros Campello ... 1159
Francisco Augusto da Costa.............. 1158
Antonio Jos Campello.................... 1157
Joo Carneiro Leo........................ 1157
Allomo do K-go Barros.................... 1155
Jos de Moraes Gomes Ferreira............ 1154
Francisco Camillo de Paula Pacheco...... 1151
Antonio Carneiro Lias e Mello............ 1152
Manoel Neto de Souza Bandeira.......... 1151
Antonio Baptista Teixeira.................. 1148
Antonio Netto Carneiro Leflo.............. 1141
Antonio Joaquina C valuante.............. 1141
Vicente Francisco Mondes das Chagas 1138
Manoel Barbosa da Silva.................. 1138
Manoel Olympio Carneiro Leo............ 1138
Jos Xavier Rodrigues Campello.......... 1134
Jos Paulo do Reg Barreto ............ 1127
Jos Xavier da Rocha Wanderley.......... 1125
Antonio Bm leira Carneiro Leo.......... 1120
Francisco Manoel do Reg Barreto........ 1107
Bernardo Ferreira de Barros Campello.... 1101
Joaquim Theodoro da Silva Cisnciro...... 1081
Jos da Silva CisneiroGuimares.......... 1081
Dr. Francisco Elias do Reg Dantas....... 1063
Estevo Jos Velho Brrelo................ 1033
Joaquim Sabino de Carvalho Cavalcanli... 1026
Joo Paulo Carneiro de Souza Bandeira... 1024
Antonio de S jueira Cavalcanli............ 988
Candido Jos Lopes de Miranda........... 983
Jos Presbtero da Expectagao............ 953
Antonio dos Sanios Siqueira Cavalcanti... 945
Dr. Ignacio de Barros Brrelo............ 933
AITonso de Albuquerquo Mello............ 835
Francisco Berengucr Cesar de M.......... 848
Jos Mendes de Souza Bandeira........... 833
Feliciano do Reg Barros.................. 798
Joo Baptista de Moraes................... 777
Supplentes
Autonio Tedro do Reg Brrelo........... 726
Manoel Jos de Soulo Araujo.............. 669
Igoacio Jos Velho Barreto................ 662
Eduardo Carneiro Leo.................... 624
Joaquim Albino de Gusmo.......7........ 585
Joaquina Izidoro do Reg Brrelo......... 575
Manoel Claudio da SilvaJGusmo.......... 528
Ignacio Tolentino da Fonceca............. 468
Andr Bezerra de Albuquerque Mello..... 358
Flix Ribeiro de Carvalho................. 39
Joaquina de Souza Leo................... 316
Joaquim Marques da Costa Soares........ 314
Fermino Francisco de P. Mosquita 314
Jos Antonio de Sant'Anna..... 312
Manoel Felippe de Souza Leo .... 308
Jos- Rodrigues da Silva Cabral .... 307
Jos Antonio de Sant'Anna Jnior 307
Luiz Felippe de Souza Leao..... 306
Umbelilno de Paula de Souza Leo 306
Domingos Francisco de Souza Leo 306
Joo Cavalcante de Souza Leo .... 306
Ignacio Jos Machado....... 305
Izidro Nunes Cavalcante...... 305
Joo Rufino Ferreira....... 305
Joo Nunes Cavalcaule....... 305
Antonio de Paula de Souza Leo 305
Antonio Ferreira de Barros Campello 305
Antonio Jos de Moraes...... 305
Luiz Gomes de Moura _...... 304
Jos Joaquim dos Santos Ca .... 304
Manoel Clemente Ribeiro Varejo 303
Juli'o Pereira Mattoso....... 303
Manoel Mendes Caminha...... 302
Ricardo Bento de Moura...... 302
Manoel d'Assumpco Fernandes .... 302
Francisco Rodrigues da Silva..... 302
Epitaneo de Souza Leo ..:... 302
Jos Eloy de Paiva 301
Virginio Burboza da Silva ...... 301
Manoel Vaz de Souza Leo ..... 301
Francisco Alvos de Miranda Varejo 301
Claudino dos Santos Lopes C. Branco 301
Jos Joaquim Barboza....... 301
Joo Gomes Pereira...... 301
Joo Francisco d'Arruda Falco .... 301
Manoel Seraphim de Torres ..... 300
Manoel Joaquim dos Santos..... 300
Antonio Mana Ramos ........ 300
Antonio Mendes da Silva...... 297
Francisco de Salles da Costa Martins 297
Faaocuco Xavier Mendes da Silva 296
Antonio Vicira de Lyra...... 295
Jos Flix da Rocha Falco..... 294
Joo Xavier Mendes da Silva..... 287
Joaquim dos Santos Romeiro de Gouveia. 271
Ignacio Ferreira Coirabr...... 244
Ignacio Jos da Silva....... 226
Candido Jos Barboza....... 218
Joaquim Pedro do Freitas Camboim 208
Francisco Marinho Falco da Silva 197
Jos Antonio de Mendonga..... 174
Baro de Utinga.....................:.. 800
Coronel Francisco Autonio Barros o
Silva................................. 799
Capilao Antonio Marques Hollanda Ca-
valcanl'.............................. 798
Vigario Siweo de Azevedo Campos... 796
Capilao Belmioo da Silveiri Llns....... 795
Capilao Mauoel-da Racha Lins......... 794
Tenente Bunio Leile Cavalcanli Lins... 792
Capillo Salvador dos Santos Monteiro
Cavalcanti........................... 790
Salvador dos Santos Siqueira Cavalcanti 788
Tenenente Emilio Cavalcanli Llns..... 787
Teneme-cotouel Jos Francisco de Fa-
rias Salles............................
Capilao Matciooillo da Silveira Lins 785
Coronel Jos Loso Pereira de Mello.... 784
Tenenie Aggo Eduardo Velloso Freir. 781
Roque Ferreira da Cosa..:............. 780
Tenenie Jos Pedro de Oliveira"........ 778
Romarico Antonio de Barros o Silva... 776
Capilao Henriquo Marques da Silvcira
Lins.................................. 775
Tenente Joaquina Cavalcanli Ribeiro de
Lacerda.............................. 773
Padre Belarmino Jos Cavalcanti...... 770
Florismuodo da Sitvea Lins.......... 699
Alferes Joo Romarico de Azevedo
Campos.......................'.,..*. 697
Joo Francisco Pessoa de Siqueira Ca-
valcanti.....i........................ 695
Francisco de Barras; Velloso da SUveira 694
Antonio de Hollanda Cavalcanti........ 693
Franco Cavalcanti de Albuquerque.... 691
Manoel Cavalcanti Barreto............. 90
Nascimenlo e Sila. G. W. Wu.hezer, Harisraan-
dy Augusto, Jos Ferreira Guimares, alferes Iler-
culano de Lima Pires, alferes Raimundo Augusto
Das Marlins, alferes Albino Jus de Faria, capi-
lao Antonio Francisco de Aviila o urna Gllia, Dr.
Jos da Costa Machado, Guilhennina Anglica
Costi e urna criada, Ruzalina Carolina Alexan-
drina. Amonio Alberto de Souza Aguiar, Alexan-
dre Rigenier e um criado, Jos de Azevedo e
Silva, Antonio Dias Pinto, Jos Cavalcanti do Al-
ququerque, o menino Angelo Castodio e um es-
clavo a entregar.
Seguem para osul .-Coronel Francisco Xavier
Torres e urn lho, capito Guilherme Marques de
Souza, tenente Luiz Eduardo do Carvalho e dous
escravos, tenente Joaquim Jos da Cru'z, alferes
Jos da Cunha Lyra, sua senhora, 2 Gllios, 1 ir-
mao e um criado, alferes Carlos Magno da Silva,
alferes Peregrino Alves Ribeiro da Silva, Dr.
Francisco da Silva Castro e um filho, Antonio
Guilhon Sanches, Manoel Joaquim Paes Barreto.
Manoel Nogueira Paiva e Silva, Anna Pereira do
Couto, Francisco de Paula', alteres Luiz Carvalho
de Moraes, 4 cadetes, 4 soldados, 1 ex-soldado,
3o escravos entregar.
Passageiros viudos do Acarac e porlos in-
termedios no vapor nacional Jagoaribe:Fran-
cisco Este ves Paes Barreto, Eulalia do Carmo Bar-
reto e 2 escravos, Francisco Manoel Facundo de
Faria, Manuel Joaquim de Carvalho, Hermene-
gildo da Costa Gomes, Ricardo Rodrigos Macha-
do, Jos Alves Fernandes, Joo Maria Curdeiro
Lana e 1 escravo, Jos Anlonio da Silva Jnior
e 3 escravos, Jos A. Costa de Souza, Luiz Anto-
nio Ferreira Jnior, Trajano Cilisto, Jos da Sil-
va, Thomaz Gomes da Silva, Joo C. de Oliveira
Jnior, Joaquim Soares R. da Cmara, Igoacio
Tiburciodo Amaral, Manoel Gomes do Oliveira,
Vicente L. C. Campello, Manoel do Couto Guedes,
Raimundo Jos do Araujo, sua ruulher e 2 me-
ninas, Antonio de Souza Moreira Pinto, Jos Leo-
poldo Burgard, Manoel Luiz da Veiga.
Passageiros sahidos para os porto* do sul
no vapor nacional Persinuaga :O criminoso
Antonio Geraldo, o sentenciado Marlinho Gomes
Meirelies e tres pragaaqaM os esco.taram, Precia-
no de Barros Accioli Lins e um criado, Eduardo
Daniel Cavalcanti Vellez do Guevara e um cria-
do, Joaquim Cavalcanti de Albuquerque Mello,
cadete Jos Higino Xavier da Fonseca e 1 praga.
HVTADOIRO PIBL1CO
Malaram-se no da 20 do correte para o con-
summo desta cidade 70 rezes.
No din 21, 61 ditas.
Mortalidad!, do da 21.
Thereza, parda, 5 annos, ttano.
Caetano Lopes da Silva Guimares, pardo, so!tet-
ro 24 annos, tubrculo pulmonar.
Ramiro, proto, 7 dias, espasmo.
Severiano, pardo, 7 rnezes, losse convulsa.
Luiza Maria da Conceigo, parda, casada, 35 an-
nos, tsica,
Maria, preta, escrava, solleira, 38 anaos, tubr-
culo pulmonar.
Francisca, parda, 11 mezes, convulsoes.
Vicente, preto, 10 mezes denligo.
Ascendino, branco, 5 annos, gastro interile.
Francisco da Silva Santos, branco, solteiro, 50
annos, hydropesia.
Romualdo, pardo, 11 mezes, inflimmagao.
A delino, preto, escravo, 2 annos, tosse convulsa.
Um preto encontrado no caes da Lingoela.
Damo, preto, escravo, 42 dias, convulsoes.
Clotildes, branca. 1 anuo, convulsos*-.
tobelecera oaMtoMr pasatnr d guarda nacio-
nal ao terreno do armas a patrones, emquanto
existirem eleigoes dentro desta capital, especial-
mente na fregeeata da tV-Viita, onde a elecao
talve saqueada *t# o ultimo dvdfco me da U-
Desde que foi publicado o citado aviso nesta
cidade, que se devia logo obstar a reunio do 3
batallio da guarda nacional para o servico de
sjuarnicao, pois que desde esto da so acha a po-
pularlo daquella freguezia om latas preparativas
para o novo combate elitoral uo dito dia 17,
taesmo porque st-> ae compadece com a doutri-
na do aviso imperial de data de novembro prxi-
mo passado.
S. Ce. o Sr: visconde comnmndaitte superior
sabe que o 3 batalho forma naquella freguezia
a maiona votante em dita eleigo, e ninguera sa-
be melhor que S. Exc. da obediencia e grandio-
sos servirlos que ha^prestado o dito batalho nes-
ta cidade.
Em um tempo excepcional, como o de elei-
55J cae, anda ninguem que lendo dous dedos de
senso commum. ousou recriminar a guarda na-
cional com o labio de insubordinada e desobe-
diente,, principalmente a guarda nacional desta
cidade.
Os servicos dos quatro distinctos batalhoes da
guarda nacional desta cidade, datara cerca de 7
annos sem torcer a face ao rigor da disciplina,nem
aos horrores da epidemia, que por rezes devas-
taran! esta populacao.
Agora porm um ou outro maldizente, que nao
sabe descrioaiaar b ordinario do excepcional, que
nao pode ser seoo um mero mandatario sem in-
teligencia e nem criterio, ousa querer lancar no
esquecimeuto estes grandes servidos, em renta-
neraro dos quaes o por disliucc&o, mandou S.
M. I. em seu nome elogia-la em ordem do dia.
Os officwa.es e soldados quo presentemente for-
mara os quatro carpos de guarda nacional desta
cidade, sao os mesmos que nos quarteis e fora
de'les, lera dado provas bem vivas de adheso e
(idelidado s instituices e ao paiz, eso os mes-
mos que pelo brilho e disciplina fuerana valer aos
olhos do proprio Mona relia, a alta considerado
e estima em que tem S. Exc. o Sr. commandanle
superior.
A guarda nacional nao pedio emprestado, nao
caloteoj ; no longo lempo de 8 aquarleliameutos
nao pedio soccorro, e as borriveis quadras de
epidemias, uo deu um gamido....
Oh 1 como agora se pretende bruscamente in-
juriara esta mesma gente fazendo desmerecer
tantos servidos, e procurando tisnar a corda de
louros, que por aquella ordena imperial, a guarda
nacional do Recite procurou com tantos sacrifi-
cios lam;ar sobre a cabnca de seu dislincto chefe
superior?
E estas verdades nao entram pelos olhos destes
igoorantes e embusteiros, para os convencer de_
que as faltas presentemente corameltidas pela'
guarda nacional, sao devidas nicamente ao ele-
mento elitoral, elemento na phrase da sciencia,
verdadclro perturbador al das grandes caberas
do estado?
S. Exc. o Sr. commandanto superior tem o pre-
ciso criterio e illustraco para ver todas essas
verdades, e evitar que os commandantcs de cor-
pos, majorca e capites nao conlinucm a perse-
guir com prlsdesa guarda nacional.
Com que autoridade ura ofBcial chama hoie
um soldado para o servico, tendo anda hontem
Ihe pedido um rolo, e pretendendo ainda pedir?
Nao ha empregado de ponto, caixeiro ou artis-
ta, que tendo assistido a luta elitoral, ou estan-
do ainda interessado nella, nao esteja por este
facto justificado das faltas que lera coramellido a
Juizo de scus respectivos cheles, palroes e mes-
tres.
No entanto as simples falt3s da guarda nacio-
nal de comparecimcnlo para o servido, ninguem
as justificam, pelo contrario os commandantes,
majores e capites a perseguom horrirelmenle
uns poneos de dias, sera aitendra estes grandes
seri?os e sacrificios prest idos anteriormente
Finalmente de esperar nos senlimentos que
ennobrecern a toda prova a S. Exc. o Sr. comman-
dante superior, altamente collocado, que por
ruis lempo nao consentir esta terrivel persegu-
gao que se est praticando com a briosa guarda
nacional.
T.
Recife, 15 de Janeiro de 1861.
COSIMERCIO.
JklnMeltBjBjAt
Rendlmento do da 2 a 19. .
dem do dia L .
191.9688972
19:250j606
211:2195578
Movlmeato da alfandeg*.
Voluntes entrados com fazendas..
* com gneros..
Vnlnmes sahidos com fazendas..
com gneros..
54
------ 54
100
111
------211
nescarregam hoje 22de*janeiro
Bngue hamburgusCapibaribefazendas.
Patacho americanoEagletdem.
Vapor nacional Jaguarihe, vlado do notte, ma-
nifestou o seguinte :
50 sacos caf ; a Jos>Lopes Ferreira.
1 dito, O rajaos, 1 eaixut', 1 pacota, 1 lata
ignora-ae a Gurge4 4 Irma.
Vapor nacional Paran, vindo do sul, manifes-
lou o seguinte :
15 barris 30 meios manteiga de vacca, e 1 sac-
co ignora-se ; a Ordem.
t lat ; a Joaquim Francisco de Oliveira.
1 caixot*; a a. J.do Mello Pereira.
1 encapado ; a Alolpho Uenrique Muller.
1 embrutho a Candido Nones de Mello.
2 cavalloa a G. Wantum.
Bceebedoria te rendas internas
geraes de Pernambucn
Hendinaenlo do dia 2 a 19. 9:4793766
dem do dia 21.......3:1153760
12:595*526
Consulado provincial.
Rendimento do dia 2 a 19.....394650116
dem do dia 21.......3:229*257
42:694373
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 20.
Baha2 dias e rapio, vapor de guerra nacional
Pedro II, comraandaulc o capito tenente Luiz
Moreira da Cunha.
Naviot sahidos no mesmo dia.
Publicaces a pedido.
Commuiieados.
O direito de eleger e ser eleilo, um dlreilo
que mais ennobrece o hornera, e por isso que
a sua influencia nao sendo esclarecida depressa
desee degenerago.
Nao ha homem ou mulher, menino ou mogo,
rico ou pobre, nobre ou ptebeu, branco ou preto,
que em dias de eleigo popular nao sinta o vivo
efeito de urna animago voluntaria pouco vulgar.
Nestcs dias. perdern-se as crengas, perdem-se
perJem-se os bros, os devores, perdem-so as
amizades.perdem -seas afeiges, perdem-se os res-
peitos, e ha quera tenha perdido at a propria vida.
O filho nao conhece o pai, a mulher nao co-
nhece o marido, o irrao nao conhece os irmos,
o sobrinho nao conhece o lio, o soberano anivel-
lado, autoridade desobedecida e o soldado des-
obediente.
Esla especie de alienaco mental se reproduz
oeste paiz de 4 em 4 annos com grande calor, e
ella quo quasi sempre traz comsigo desastres e
grande perturbado da ordem publica, quasi em
lodo este grande imperio.
Nesle estado anormal nao ha crime ou falta
que se nao justifique cora boas provas; o crime
de morte mesmo tem urna justiQcago plena ;
tem urna parcialidado poltica a favor e oulra
contra, urna que afOrma e oulra que nega, e se-
gundo os principios de direito, basta este estado
de duvida para bsolvigo do verdadeiro crimi-
noso !
Sim, nesle estado de perturbado, raro o sol-
dado que obedece ao superior, fallo do soldado
cidado, que vota e votado, em outra phrase,
fallo do soldado da guarda nacional.
A populago deste imperio pola lei n. 602 de
19 de setembro de 1850, quasi toda guarda na-
cional, ella quo forma a maieria quasi absoluta
da nacao. a qual est presentemente dividida em
duas parcialidades politices, segundo as suas con-
viegoes.
Ellas lutam, como disse, ao campo elitoral,
e noexercicio do direito de eleger e ser eleito,
que o soldado da guarda nacional quebra o no da
obediencia para cora os superiores, e se deixam
do mi tur por algum lempo das regalas do direito
de volar.
Desde o dia 7 de,selerabro prximo lindo, que
lemos eleigo nesta cidade, e ainda era algumas
freguezias se est fazendo a apurago da eleigo
de eleitores, sendo qe por aviso do 24 de de-
zerabro passado, toreaos no dia 17 de fevereiro
prximo futuro a eleigo de juiz de paz na fregue-
zia da Boa-Vista.
Eis porlanto a longa data de perto de 4 mezes
consumido* entra a primeira e ultimas eleigoes
deeia cidade, na qual a grande maioria do sua
popalajao guarda nacional, o exclusivamente
interessada no (riumpho de lies eleigoes.
Qual teri pois esta nao poderesa que far res-
Offerecido- Exma. Sra. D. Maria Rita
da Cruz Neves, pela sentida morte
de sen chorado esposo.
A forja da razo su je te a pena,
Na bondale de ura Dos consiste o fado
Louvemos o bem e o mal que otado ordena.
Bocace.
Nao existe o caro esposo, o temo pai.
Que inda ha pouco esta vida respirava ;
Nao existe o amigo vero, probo e honrado,
Que na vida, da urtude ligoes dava.
No seio da familia que przava,
De que era o equilibrio todo inteiro,
Contente e satisfeilo s'enlrctinha,
Conversando com um amigo verdadeiro.
Subtilmente cair deixa a fronte honrada,
era mais urna palavra j se ouvia, .
Desprendo de seu peilo terno adeos,
N'um momento su'alraa ao co suba !....
Que >'-, pois, oh 1 vida humana? se desl'arle
Te evaporas totalmente em nosso ser I
Es' sonho de ventura, ou agr dor,
De que ce lo acordamos p'ra viver.
Desprendo oh 1 alado ura triste canto,
Qu'a saudade de meu peilo l'engrandece ;
Chora tambem de dor, infiltra ri'alma
A suave harmona que appeteco.
Chora, por que chora a cara esposa,
Porque os Qlhos tambem sentem tal dor;
Choremos todos sim, porque a saudade
Se mitiga com lagrimas de amor.
Cala oh '. alade o triste harpejo ;
Antes da lyra um canto sublimado,
Em preces suba ao co, ondo s'enconlra
O esposo, o pai, o amigo lo chorado.
E v9 senhora, quera meu canto ofTrego
Minorar vossa ddr ora deveis
Se a morte vos roubou o terno esposo,
Nos Qlhos muito amor encontrareis.
Jf. M. C.
Rio-Grande do SulBrigue nacional Camacuam,
cpito Jos Monteiro de Oliveira, carga assu-
car e mus gen ros.
Rio-Grande do SulBrigue nacional Mrquez
de Olmda, capito Anastacio da Silveira
Mendes, carga assucar e mais gneros.
AracatyHiate nacional Invencivel, capito Jo-
s Joaquim Alves da Silva, carga differentes
gneros.
Navios entrados no dia 21.
Portos do Norte.7 dias, vapor nacional Jagua-
ribe. commandanle Manoel Joaquim Lobato,
dem.9 dias. vapor nacional Paran,comman-
danle o cKfito-teneute Jos Leopoldo de No-
ronha Turrezo.
Richmond.67 dias, barca americana Marian-
na, de 275 toneladas, capito W. H. Hipkins'
equipagem 10. carga 2475 barricas cora fariuha
do trigo; a Felippe Brothers C.
dem27 dias, patacho americano Virginia, de
222 toneladas, r.aoitao R. H. Ransey, equipa-
gem 9, carga 2522 barricas com farinha de
trigo ; Felippe Rrothers, C. seguio para Rio
de Jaoeiro.
New-York30 dias, patacho americano Eagle,
de 293 toneladas, capito Ferry, equipagagem
8, carga farinha de trigo, mais gneros ; a
Saunders Rrothers C.
Cardif. 54 dias, barca franceza Cephise, de 197
toneladas, capito A. Blier, equipagem 13, car-
ga carvo de pedra ; a Tisset Frero C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Macei.Brigue brasileiro Deolinda, capilao Jos
Rodrigues Coujo, carga carne o mais g-
neros.
Canal. Barca iogleza Ellerslie, capillo-Samuel
Couley, cursa assucar.
Bahia.Patacho inglez Harriet, capito W'elliam
Sraitl; carga a mesma que trouxc de Terra
Nova.
Portos *do Sul.Vapor nacional Persinunga,
commante Joaquim Rodrigues dos Sautos
Moura.
Francisco de Barros Cerris
Hjrpolilo Cassiano de Vaaconcelloa Albuquerque
Maranhao.
Francisco de Lemos Duarte.
Lniz do Azevedo Souza.
Francisco Ignacio de Attahjde.
JeaMuim Metilo Blariz.
Jos Carneiro da Curaba.
Benlo dea Santos Ramos.
Bclaiiro Augusto de Almeida.
Jos Antio de Souza Magalhaes.
Joo da Silveira Borges Tavors.
Alexandre dos- S.otoa Barros.
Snppleates.
Os seuhores :
Decio de A quino Fonseca.
*lavio Ferreira CatSo.
Thom Carlos Peretli.
Joaquim Elias de Moura Gondim.
Francisco Accioly de Gouveia Lins.
Dr. Lourencn Trigo de Loureiro.
Clorindo Ferreira Cali.
Jos Hygino de Miranda.
Venceslao Machado Preire Pereira da Silva.
Joo Bartholomeu Gongalves da Silva.
Jos Barbosa de Miranda Santiago.
Pedro de Alcntara Silva.
Por tirio da Cunha Moreira Alves.
Miguel Archenjo Fernandes Vanos.
Jos da Costa Bandeira Cordeiro.
Manoel do Nascimenlo da Costa Monteiro.
Joaquim Fernandes de Azevedo Jnior.
Jos Joaquim Ramos e Silva.
Joo Pacheco deQueiroga.
Francisco Rufino Corris de Mallo
francisco Martios Raposo.
Feliciano Joaquina dos Santos.
Manoel do Nascimenlo Vianna.
Desembargador Manoel Rodrigues Villares.
Jos Nunes de Oliveira.
Francisco Mendes Martins.
Francelino Augusto de Hollanda Chacn.
Joaquina Jorge de Mello.
Dr. Joaquim Oliveira Souza.
Jos Lucas Rodrigues Machado.
Outro sim adtirto aos cidadaos qualiftcadoa
vetantes, que no sero apuradas as listas que
contivererr nomes riscados ou substituidos por
ootros.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
ser o presente atixado nos lugares mais publicus
desta freguezia, e publicado pela imprensa
Dado e passado nesta freguezia da Boa-Vista
aos 16 dias do mez de Janeiro do anoo de 1861.
Eu Francisco de Barros Corrcia, escrivao que es-
cre viAntonio Carneiro Machado Res.
A cmara municipal do Recife manda pu-
blicar para conhecimento do publico, que o Exm.
presidente da provincia, tero recommendado ao
director das obras publicas que mande tomar as
avenidas da ponte velha do Recife', que se acha
arruinada com perigo eminente dos que por ella
transitam, de forma que fique completamente
vedado o transito que ella se presta.
Pago da cmara municipal do Recife, em sos-
sao de 7 de Janeiro de 1861.Luiz Francisco de
Barros Reg, presidente.Francisco Canuto da
Boa-Viagem, offical-maior servindo de secre-
tario.
tem de compras a objec-
do arsenal
Q. G. 00 a. ai i 0. 5' 0 L? 1 5 I floras
W c ta n a B eT m 1 1 p ! Atmosph tra
V w V3 Direco. 1 O
* 9 a i 0 Intensidad
00 00 00 00 5 1 | Fahrenheit 1 5 9) H -O
en 55 te 00 en Centgrado. 1 ,._
0 ~1 -4 00 r3 Hygrometr
< w V 0" os 0 Cisterna hydr mtrica. 0-
OS -4 "t* ao -4 to 1 Francs. 1 B > O K
0 *> g s ^ 00 0 8 "5 1 Inglez. H O
a
SO
C/i
P5
93
<
>
i
A noile nublada at 10 h. e depois clara, ven-
to SE regular e assim amanheceu.
0SCILL*g*0 DA M*RK.
Preamar as 10 h. 54' da manha, altura 6,2 p.
Baixamar as 4 h. 30' da tarde, altura 1,6 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 21 de Ja-
neiro de 1861.
ROMANO STEPPLB.
1 tenente.
O Dr. Anselmo Francisco Peretti, commendador
da imperial ordem da Rosa e da Chrislo, e juiz
de direito especial do commercio, desta cidade
do Recife e seu termo, capital da provincia de
Pernambuco e seu termo, por S M. I. e C. o
Sr. D. Pedro II, que Deus guarde, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem,
e dele noticia tivercro, que Alexandre Mae Kay
me dirigi por seu procurador a peligo do Iheor
e forma seauinle:
Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz especial do commer-
cio.Diz Alexandre Mae Kay por seu procurador
nesta cidade, que seudo-lhe devedores por ttulos
commcrciaes j vencidos Joo Doundy da im-
portancia de 1813500, Joaquim de Souza Pinto
& C. da de 586486. herdeiros de Manoel Novaes
da Costa de 5103146, Jos Manoel Cesar do Ama
ral da de 30?. Manoel Jos Gongalves Braga da
de 165#750. Pedro Garca Ralis da de 312JJ05,
Jernimo da Costa Guimares e Silva de 1419187,
herdeiros de Domingos Antonio Gomes Guima-
res da de 2125633, saldo de tres letras, herdei-
ros de Jos Claudino Deitu e' Anlonio Jos Fer-
reira da Cosa da do 1209000 por letra, Joaquim
Francisco de Mello Cavalcanti e Jos Joaquina
Bezerra Cavalcanli da de 700$ por letra, Manoel
Jos Magalhes da do 2:000j> por 4 letras, Anto-
nio Borges de Cerqueira da de 2:358}755 por 2
letras, e Joaquim da Silva Guimares da de
210$00, e esleiam quasi a fndar-se os 5 anuos,
sem que as lenham pago, ou depois que Ibes fdra
feila a ultima citago e inlimago judicial por
protesto, quer o supplicaiile de novo fazo-Ios ci-
tar e protestar pelo pagamento para conservar
salvo o seu direito contra ellos e interromper a
prescripgo. E como sejam os 5 piimeiros pre-
sentes e moradores nesta cidade, quer que sejam
elles citados e intimados de protesto pessoalmen
te ; mas sendo os demais ausentes e de residen-
cia incerta ou nao sabida, quer o suplicante jus-
tificar a mesma ausencia e residencia incerta,
para que justificado quaotu baste, sejam citados
e intimados por caria de edites pela f<5rma ad-
mittida em juizo, afim de que tomado por termo
o seu protesto seja elle a uns e outros intimados
pela forma dita.E R. M.O edvogado, Aleo-
forado.
Nada mais se continha em dita peligo aqu
mu bem e fielmente transcripta e copiada, a
qual sendo-mo apresentada, dei o profer o des-
pacho que se segu:
Distribuido. Como requer. Oliuda 22 de de-
zembro de 1860.A. F. Peretti.
E mais se nao continha e nem outra alguma
cousa se declarava em dito despacho aqu inser-
to, em cumprimenlo do qual fora a distribuigio
feila ao escrivao Manoel de Carvalho Paes de
Aodrade, que lavrara o termo de protesto do
theor e forma seguinte :
Termo do protesto.
Aos 22 de dezembro de 1860, nesta cidade do
Recife de Pernambuco. em meu cartorio veio o
solicitador Antonio Pinto de Barros, procurador
bastante do supplicante Alexandre Mae Kay, e
peranle mim e as testemunhas iofra assignadas
disse, que nos termos de sua petico retro, que
Oca sendo parte do presente, protestava por lo lo
o seu conleudo; ede como assim o disse e pro-
fesin, Qz o presente em que so assignou o dito
solicitador com as testemunhas abaixo assigna-
das.Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade,
escrivao o escrevi.Anlonio Pinto de Barros.
Justioiano Augusto de Oliveira.Anlonio Car-
neiro Piulo.
do arsenal do guerra,
los seguintes :
Para provimeoto dos armazens
de guerra.
10 resmas de papel atmago gretev
10 resmas de dito pautado.
10 arrobas de salitre calcinada
Quem qnizer vender taes objectos aprsenla as
suas propostas cm carta fechada na tacrelati do
conselho. s 10 horas na manha do da 28 do
correte mez.
Sala daa sessoes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra 21 te
Janeiro de 1861.
ffenfo Jos Lamenha Lint,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vegal secretario interino.
Correio.
Pela adminlslrago do correio desta provincia
se faz publico que as malas que deve conduzir
o vapor Peran para os porlos do sul, sari fe-
chadas hoje (22) as 3 horas da larde. Os segaros
serio feites at 2 horas.
Santa casa de misericordia do Recife.
A junta administrativa da Iroandade da Santa
casa de misericordia do Recife, manda fazer pu-
blico que oo dia 39 do correte, pelas 10 horas
da manha, na casa dos expostos, far-se-ha pa-
gamento s amas qoe forem acompaohadas dos
respectivos expostos, Secretaria de santa casa
da misericordia do Recife 18 de Janeiro de 1861.
Fancisco AotanioCavaleaZili Cousseiro.
Escrivao.
Joo Baptista de Castrar a Silva, inspector da
thesouraria de fnzendar de Pernambuco por S.
M. Imperial a Constitucional que Daos gnarde.
Em cumpr ment da ordem do Exm. Sr. mi-
nistro da fazenda de 27 de dezembro ultimo, faco
saber no Sr. Jos Alexandre dos Santos que fui
indefiTido pelo tribunal do Ihesouro o requer-
mente em que pedio o Sr. Sanios urna indemni-
saco por prejuizos queallegou ter lido durante,
a revolta de 1848, visto se ter prescripto o sea
direito por nao o haver requerido dentro do pra-
zo de 5 annos.
Thesouraria de Pernambuco 19 de Janeiro da
1861.Joo Baptista de Castro e-Silva.
Directoria geralda instruego
publica.
Por esla secretaria se faz publico que o Ulan.
Sr. Dr. Joaquim Pires Machado Portella reassu-
mio hoje as funeges de director geral.
Secretaria da instruccio publica de Pernam-
buco 16 de Janeiro de 1861.
Salvador Uenrique de Albuquerque.
Secretario interino.
Conselho administrativo.
O consolho administrativo, para fornecimento
Jo arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
os seguintes :
Para o 2 batalho de iofanlaria.
Casemira azul, covados 10 1|2.
Para a fortaleza do Bruna.
Bandeira imperial de filete com 8 palmos 1.
Adriga com 32 bragas 1.
Plvora grossa, arrobas 60.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
sua- proposlas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da mauha do dia 23do
corrente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 16 da
jaueiro de 1861.
Bento Josamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Edita es:
POCO DA PANELLA.
Fesla da Milagrosa Senhora da Saude.
Sabbado 2 de fevereiro prximo, dever ter lu-
gar a festa da Milagrosa Senhora da Saude que
se venera na igreja matriz do Poco da Panelle.
O levantamento da bandeira ser na madruja-
da do dia 24 do corrente. O prestito sahir de
urna das raelhores casas do lugar, onde se de-
vem reunir as senhoras que se dignarem acom-
panhar a bandeira.
A msica dos versse de nova e bella corapo-
sigo, assira como os versos sao produego de um
dislincto poeta pernambucano.
O acompauhamento ser feito pela banda de
msica do 4. batalho de artilharia.
O levantamento da bandeira ser annunciada
por girndolas de fugo e por baldes aerost-
ticos.
Durante as novenas haver boa msica, versos
cantados pelas senhoras devotas daquella Mila-
grosa iraagem, illuminago baldes, e os signaes
de regosijo proprios de taes actos, conformo a
influencia e o enlhusiasmo religioso dos de-
votos.
Na fesla pregar o insigne orador Rvd. Sr. Joa-
quim Ferreira dos Santos, o no Te-Deum um
dos mais distinctos alomaos do seminario de 0-
linda.
A igreja estar armada com toda magnificen-
cia. A msica ser dirigida por um dos maia
habis professores desta eidade.
A' noile depois do Ie-Deum queimar-se-ha
um grande fogo de vista.
Ao romper de tio grato dia, assim como
tarde haver salvas, baloes. msica e ontros fes-
tejos queso preparan).
Espera-se porlanto o concurso dos devotos.
E* preciso que todos dff sua parte corrtribuam
para o esplendor dessd festividad, urna das mais
antigs o da maior deve;o de quanlas se fazem
em nossos arrabaldes; o que cortamente devi-
aos mullos leMemunhos que do sua ineffavel
bandade tem dado a Senhora da. Saude .aos seu?
derotos.
O tenente-coronel Antonio Carneiro Machado
Ros, commendador da imperial ordem da Ro-
sa, juiz de paz mais votado do 1. districlo da
freguezia do Sanlissimo Sacramento da Boa-
Yisla do termo da cidade do Recife de Pernam-
buco em vrtude da lei, etc.
g|Fago saber que tendo sido communicado por
officio de 5 do crreme do Exm. presidente da
provincia que por aviso de 24 de dezembro pr-
ximo findo foram annuladas pelo governo impe-
rial as eleigoes que ltimamente tiveram lugar
nesta freguezia para juizes de paz a vereadores,
foi pelo mesmo Exm. Sr. ordenado que se pro-
cedesse as eleigoes somonte de uizes de paz no
dia 17 de fevereiro prximo futuro, de conformi-
dade com as disposiebes da lei de 19 de agosto
de 1846, e aviso de 21 de fevereiro de 1853: pelo
que convoco os eleitores e supplentes abaixo de-
clarados, assim como os cidadaos qualiflcados
volantes aflm de compajeccrem no referido dia
17 s 9 horas da manha. Da matriz, para que se-
jam conferidas as disposigese ordens a respeivo,
sob pena comminada na dita lei.
Eleitores.
Os senhores :
Anlonio Carneiro Machado Ros.
Simplicio Jos de Mello. t <+
Jos Joaquim Anlunes.
Amaro de Barros Correia.
Antonio Carlos de Pinho Borges.
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva.
Dr. Bento Jos da Costa.
Thomaz Jos da Silva Gusmo.
Vicente Autooto do*Espirito Santo.
Thomaz Antonio Maciel Monteiro.
Jos Maria Freir Gameiro.
Dr. Luiz de Carvalho Paos de Andrade.
Manoel Coelho Cintro.
Padre Francisco Alve.s de brante,
Jos Antonio dos Santos e Silva.
Jos AOonso dos Santos Bastos.
Manoel Luiz Viraos.
Joo Grigorio dos Santos.
Jos Gongalvos da Silva.
Joaquim Jos Ferreira da Penha.
E mais senocontinha e nem outra cousa alguma
se declarava em dito termo de protesto, que aqui
est fielmente copiado o transcripto ; e dos res-
pectivos autos mui bem o verdaderamente va-
se que os devedores ausentes, que sao citados
por meio do presente, sao Jernimo da Costa
Guimares e Sijva, Antonio Jos Ferreira da Cos-
ta, Joaquim Francisco de Mello Cavalcanti, Jos
Joaquim Bezerra Cavalcanti, Antonio Borges de
Cerqueira, Joaquim da Silva Guimares e Manoel
Jos Gongalves Braga ; e dando o supplicante as
suas teslemunbas que mostraran) e proveram a
ausencia dos meamos, subiram os autos a con-
concluso, e nelles dei e profer a seguinte sen-
tenga :
vista dainquirigo de fulhas 10 a folhas 11,
jnlgo provada a ausencia dos justificados em lu-
gares nao sabidos, e maodo que Ihcs seja intima-
do o protesto de folhas 2 por meio de editos,
passando-se a respectiva carta no prazo de um
mez ; pagas pelo justificante as custas. Recife 2
de Janeiro de 1864.Anselmo Francisco Peretti.
E mais se nao contigba em dita rainha senten-
ga, que aqui est bem o fielmente transcripto e
copiado, em virtude da qual.o escrivao que este
subscreveu. fez pasear o presente edital com o
prazo de 30 dias, pelo qoal e seu Iheor chamo,
intimo c hei por intimado aos ditos supplicados
ausentes justificados cima declarados de todo
conteudo na peticao o termo de protesto cima
copiados.
Pelo qual toda e qualquor pessoa prenles ou
amigos dos supraditos supplicados ausentes po-
dero faaer scientes do que aqu est exposto ; e
o presente ser afiliado nos lugares do cosime
e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife do Per-
nambuco, aos 10 dias du mez de jaueiro de 1861.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, es-
crivao do juizo espacaial do commercio o Qz es-
crever.
insa/mo Francisco Peretti.
Caixa filial.
Da ordem do E\m. presidente da ca-'
xa iilial do banco do Brasil nesta pro-
vincia, se faz publico para conbeci-
tnento dos Srs. accionistas, que o the-
soureiro da mesma caixa esta' autori-
sado a pagar d'ora em diante o IV di-
videndo relativo ao semestre findo em
31 de dezembro p. p.. a razao de Q$
por accao de conformidade com as or-
dens recebidas da caixa central.
Caixa filial em Pernambuco 15 de Ja-
neiro de 1861.O guarda livros,
Ignacio Nunes Correia.
NOVO BANCO
DE
Pernambuco.
O novo banco continua a substituir
ou a resgalar o resto das notas de 10# e
20$ que bavia emittido e ainda existe
em circulacao, declarando que, en
cum primen to do decreto n. 2,664- de
10 de outubro do corrente anno, esta
substituido ou resgate devera' efTee-
luar-se dentro de 4 mezes, e que findo
este prazo $ podera' ter lugar com o
disconto progressivo de 10 por cento ao
mez, ficando asnim na forma do art 5
da lei n. 53 de 6 de cutubro de 1835
sem valor algum no fim de 10 mezes.
Recife 9 de novembro de 1860. Os
directores, Joo Ignacio de Medelros
Reg, Luiz Antonio Vieira.
Por esla subdelegada se faz publico que so
acha sob a guarda de dous individuos dous pran-
choes de amarcllo, que por elles foram adiados
pelo rio absixo j quem se julgar com direito e
dando os signaes certos e pagando as despezas.
Ihe sero entregues. Subdelegada do l.9 dis-
triclo da freguezia dos Afogados 18 de Janeiro de
2861.
Jos Ruarqne Lisboa.
Subdelegado supplente.
Pela inspeegao da alfandega se faz publico,
que no dia 22 do corrente, depois do meio dia, s
porta da mesma reparticao, continuar a arre-
matago das morcadorias j annunciada em edi-
taes do da 16 do andante. Alfaudega de Per-
nambuco 21 de Janeiro de 1861.
Maximiano Francisco Peixoto Duarte.
2. escriplurario.
wII
Avisos martimos.
Declarares.
Para Lisboa
sahir com brevidade o brigue portuguez Relia
Figueircnse, capito Jos Ferreira Lessa ; para
carga e passageiros, para os quaes tem exceden-
tes commodos, trata-ae com os consignatarios F.
Severiano Rabello & Filho, largo da assembla
numero 12.
Para o Rio Grande do Norte
sahe impreterivelmente no dia 25 do correte *
barcaga Santa Calharina : para o resto da car-
ga, a entender-se na escadinba da alfandega.
COMPAA PE*NAllttJCAN4
DB
Navegado cosleira a yapor
O -vapor Jaguaribe, com mandante Lobato
sahe para es portos do norte at ao Cear no din
126 do correle aa 5 horas da tarda. Recebe car-
ga at ao dia 25 ao meio dia e passageiros at o
dia da sahida a 1 horas : 00 escriptorio da com-
, Conselhod araaistratlvo.
O conselho administrativo, para forneximeaio | panhio largo da AaaamW n. 1.


(4)
DIARIO DI PI&KBMUOO. TERCA. FE1RA 21 OS UMM OS 18l.

Cear com escala por Aracaty, a frete
reiuzidos.
flO hiilo Nicolao I, capillo T rajan o Antunes
a Costa, sahe inalivelmenle do fim do corrente
mez por ter a carga prompta: para um reto que
lho falta, e passageiros, trata-M com Parete
Vianna & C, roa da Cadeia o. 57.
O brigue Constante
segu impreterivetmenle viagem para Lisboa, no
dia 28 do corrente. Ainda recebe carga e| passa-
geiros, para o que trata se na ra do Vigario n.
19, primeiro andar, com o consignatario Tbomaz
de Aquino Fonseca, ou com o capilao o Sr. Au-
gusto Garlos dos Res.
o Rio de Janeiro
segu com brevidade o hiate Artista, recebe
carga a frete e passageiros: a tratar com Caeta-
no Cyriaco da C. M. & Irmao, no lado do Corpo
Santo n. 23.
Para Cear.
O hiate Sergipano j lem a maior parte da
carga ; para o resto trata-se com Martina & Ir-
mao na ra Nova o. 4S, ou com o capilao Hen-
rique Vieira da Silva.
annos, asaimcomo de diversas pegas de marci-
neira e cartas de jogar. no sea armazem n. 32
da ra do Vigario, as 10 horas do dia cima
mencionado.
Transferencia
DO
Rio de Janetro
O veleiro e bem conhecido brigue nacional Ve-
loz pretende seguir com mua brevidade, tem
parle de seu carregamento prompto : para o.res-
to que lhe falta, esrravos a frete e passageiros,
para os quaes tem excelleutes commodos. 'trata-
se com os seus consignatarios Azevedo & alendes,
no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
i' ra
Rio de Janeiro,
sefiue em poucos dias o biigue Mara llosas,
anda admitte alguma carga, tem boas commodos
dar passageiros e escravos : trata-se com J. B.
pa Fonseca Jnior, ra do Vigario n. 23.
Para o Rio de Janeiro
O bem conhecido e veleiro briguo nacional Eu-
genia segu com brevidade, lem parte de seu
carregamento a borda : para o resto que lhe falta,
tratase com os seus consignatarios Azevedo 4
Mendes, no seu esciiplorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio Graudo do Sul pelo
Rio de Janeiro
segu com n;uita brevidade a veleira barca na-
cional Thereza I por ter j alguma carga a bor-
do, e parte engajada : quem quizer carregar, di*
rija-se a Bailar & Oliveira. ra da Cadeia do
Recife n. 12.
1
Para a Baha segu em poucos dias o palha-
bote nacional Dous Amigos, tem parte de sua
carga engajada; para o resto, trata-se com seu
consignatario Francisco L. O. Azevedo, na ra
da Madre de Deus n. 12.
Para Aracaty e Ass
segu o hiate Dous Irmaos ; para carga, trata-
se com Martins & Irmao na ra Nova n. 48, ou
com o mestre Joaquim Jos daSilveira.
Para o Cear, Ma-
ranho e Para.
O hiate nacional Rosa, recebe carga para os
portos cima e seguir nm poucos dias, trata-se
com J. B. da Fonseca Jnior, na ra do Vigario
ii. 23.
Para o Rio de Ja-
neiro
Segu era poucos dias o patacho nacional Lux-
c.z, s ialla-lhe 3,000 arrobas de carga, recebe
escravos a frete e passageiros, trata-se com 1
E. da Fanseca Jnior, na ra do Vigario n. 23.
Para o Aracaty
seguir brevemente o hiate nacional Sanl'Anna;
para o restante do seu carregamento e passagei-
ros, Irata-se com Gurgel Irmaos, em seu escrip-
torio na ra da Cadeia do Recife, primeiro an-
dar n. 28.
Para Lisboa e Porto.
Segu irapreterivelmenle no dia 22 do corren-
te a veleira barca Sympathia, por estar com-
pleto o seu carregamento : recebe passageiros,
acerca do que, trala-se com Bailar & Oliveira,
na ra da Cadeia do Recife n. 12.
Bareaca Thereza.
Segu com brevidade para o Aracaty com es-
cala pelo Ass. quera nella quizer carregar, ou
ir de passagem, dirija-se a ra da Cruz do Ke-
cife n. 50 1. andar, ou com o meslre da mesma
na escadinha d'alfandega.
Si A
JE
i\
Rio de Janeiro,
vai seguir em poucos das a barca Rio de Janeiro
por ter parte de seu carregamento prompto : pa-
ra o resto, trala-se com Antunes Guimaraes
C, no largo da Assembla n. 19. ,
Para o Rio de Janeiro.
segu nestes dias o patacho Alfredo; para o
resto da carga, trata-se cora Csetano Cyriaco da
C- M. & Irmao, no lado do Corpo Santo n. 23, ou
com o capilao An.onioTravasso da Rosa.
Babia.
O hiate a tratar com Gaetano Cyriaco da C. M. & Irmao,
do lado do Corpo Santo n. 23.
Leiloes.
Leilao commercial.
Quarta-feira 23 do corrente
as 10 horas.
Antunes autorisado pelo Exm. Sr. Dr. juz es-
pecial do commercio tranferlo o leilao commer-
cial da massa fallida de Siqueira & Pereira para
o dia 23 do corrente que definitivamente ser ef-
ectuado em presenta do mesmo Exm. Sr. Dr.
juz do commercio.
Principiar as 10 horas em pouto.
LEILAO
Commercial.
Segunda-feira 21 do corrente.
Antunes autorisado pelo Exm. Sr. Dr. juiz es-
pecial do commercio a requerimento dos depo-
sitarios da massa fallida de Siqueira & Pereira.
far leilao no dia cima designado das fazendas
e dividas, assim como da parte da casa em que
est o estahelecimento na ra do Crespo n. 7,
onde ter lugar o leilao as 11 horas em poni
com assislencia do mesmo Exm. Sr. Dr. juiz do
commercio.
LEILAO
DE
Um a rica arma cao, gene-
ros de estiva e perten-
ces de um armazem de
molhados na ra da
Cruz do Recife n. 15.
Quarta-feira 23 do corrente.
Antunes por conta de quem perten-
cer faro' leilao na ra da Cruz n. 15,
da arrnacao, gneros de estiva, doces
de dillerentes qualidades, urna grande
mesa muito propria para htel, duas
mesas com tampos de marmore, urna
balanca franceza, caixas para doces
etc., etc., que tudo sera' vendido ao
correr do martello e aos estouros da
champagne, as 11 horas em ponto do
referido dia.
LEILAO
possanleie escolhidos, com oa arreos necessa-
rios tanto para carros como para montana. Por
esta (dmdii oceasiio tumben) aera arrematada
urna porco de armas e petrecboj proprios para
ca$a, dos melhorese mus acreditados fabrican-
tes de Inglaterra e por isso os amadores desse
enlretenimento dvern aproveitar essa oceasiio
para se proverem. Para comodidade das pes-
soas qne qulzerem honrar com suas presencas
esse leilao o qual dever ter lugar no dia ter-
ca-feira 22 do corrente mez, na casa de residen-
cia do mesmo Sr. Cowper no lugar denominado
Chacn, serio postados dous mnibus na ra do
Crespo as 9 horas da manbia do dia cima in-
dicado, aflm de conduzir gratuitamente as pes-
soas que para o mencionado leilao quimereen ir
A 21 do corrente.
O leilao de mobilia do Sr. C. J. Ben
son, annunciado para 18, fica transfe
rido por causa dachuva para segunda-
feira 21 do corrente, consiste o mesmo
em mobilia* completas e de gosto e de
todos os mais artigos precisos em urna
grande casa de familia, tera' pois lugar
dito leilao na sua casa de residencia ra
do Mondego n. 38.
Importante
LEILAO
DE
Queijos suissos,
Quarta-feira 23 do corrente.
Antunes fara' leilao por conta de
quem pertencer na occasiao de vender
o armazem de molhados da ra da Cruz
do Recife, de urna porc,ao de queijos
suissos muito novos vindos do Havre
pelo navio francez Thuspan, a boa qua-
lidade destes queijos cima o agente a
convidar aos Srs. taberneiros, para que
vao ao referido lugar as 11 horas em
ponto comprar os ditos queijos sem re-
serva de preco.
Quinta feira 24 do corrente
Leilao
E DE
LElilO.
Quinta-feira 24 do corrate.
Costa Carvalho far leilao em seu armazem na
ra Nova o. 65, por conta de quem pertencer
DE
Urna porcio de caixas com viohodo Porto.
Urna porga o de cestas portuguezas.
4 caixes com qaarliohis de Hamburgo; em um
s lote ou a retalho a vonlade dos comprado-
res, as 11 horas em poni.
Quarta-feira 23 do corrente.
O agente Evaristo, competentemente autorisa-
do pelo Sr. Domingos da Silva Torres, morador
na provincia de lagoas, far leilao do seu cs-
cravo Joaquim, pardo, sapateiro, de idade 25
Urna excellente escrava.
Antunes far leilao por conta de quem per-
tencer, na ra do Imperador n. 17, de urna por-
Cao de taboas de amarello, cadeiras hamburgue-
sas, pretas e brancas, horcos, camas, marquezas,
secretarias, lavatorios com pedra e sem ellas,ca-
deiras de pianno, cabides, bidets, camas para
menino, costurciras, mesas elsticas, pedras mar-
more para consolos e mesas de meio de sala, ca-
deiras americanas de diversos gostos etc. etc.;
s II horas em ponto, na ra do Imperador n.
17, defronte do S. Francisco.
LEILAO
ESPLENDIDO
Com grande lunch.
O agente Hyppolito da Silva autorisado polo
Sr. Henrique Augusto Cowper, que se retira para
(ora do imperio temporariamente com licenea do
governo de sua naci, far leilao da suas es-
plendidas o completas mobilias de apuradsi-
mos gostos e variadas qualidades onde os Srs.
concurrentes encontraras chrystaes flnissimos,
ricos aparehos para mesa de apurado gosto e
bem assim um excellente servido de cosioha.
lambem encontrarlo nm rico curo e carillos
Urna taberna
Costa Carvalho far leilao por conta de quem
pertencer da taberna do pateo do Terco n; 93,
muito afreguezada propria para quaqiuer princi-
piante a dinheiro ou a prazo: quarta-feira 23 do
corrente s 11 horas em ponto. '
LEILAO
DE
120 barris com bo-
lachas de Trieste.
Sexta'feira 25 do corrente.
Antunes fara' leilao por conta de
quem pertencer no caes do Apollo ar-
ia .zem de farinha do Sr. Jos Duarte
dasNeves, de 120 barris com bolachas
de Trieste muito nova, chegada lti-
mamente, para o que chama a a t ten cao
dos Sis. de engenhoque em consequen*
ca da carestia da farinha vao ou man-
dara comprar as referidas bolachas para
sustento de seus escravos, as quaes se-
rao vendidas sem reserva de preqo as 11
horas do supra mencionado dia.
Avisos diversos.
Aluga-se o sobrado de 2 andares e solao:
da ra da Imperial n. 109, a fallar na ra da
Aurora n. 36.
Aluga-so uma casa terrea sita na ra da
Msngueira da Boa-Vista : atractar na ra do
Livraroento n. 41.
Aluga-se uma casa terrea cita na ra Im-
perial ; a tratar na ra do Livramento n. 41.
D. Mara Bernardina da Concei-
cao Lima viuva de Antonio Rodrigues
Lima, nova mente roga a todos os ere-
dores de seu fallecido marido o obsequio
de apresentarem suas contas e letras ao
Sr. padre Jos Leite Pita Ortigueira
ate' o dia 30 do corrente impretervel-
mente, afim de se cuidar no pagamento
das mesmas contas e letras.
Manoel Ferreira da Silva Tarrozo
na ra do Apollo n. 28, saca sobre a
cidade do Porto.
Precisa-se de uma mulher maior de 30 an-
uos, que tenha exemplar conducta o sem filhos,
e inteiraraente desembalada e independento,
para se encarregar da regencia de uma casa e do
trato de 4 meninos : quem estiver nestas cir-
cunstancias, dando prova de sua boa conducta,
dirja-se ao sobrado da ra de S Francisco n. 10,
como quem vai para a ra Bella, das 6 s 7 ho-
ras da maohs, e das 4 s 6 da larde, para fallar
com o proprio dono da casa, e tralarem do ajuste.
Precisa-se de um caiieiro que tenha pratica
de taberna, e que d fiador a sua conducta : a
tratar na ra Imperial n. 7.
Antonio Augusto Fernandes Guimaraes dei-
xou de ser caixeiro do*5r. Leandro Lopes Dias
desde o dia 20 do crreme.
Quem precisar de um criado para copeiro
ou para outro qualquer servico do uma sala, di-
rija-se a ra da Penha, casa n. 9, que l achara
com quem tratar.
Aluga-so uma prela cozinheirs, que cozinhe
o diario de uma casa : a tratar na travessa do
Queiraado n. 1, primeiro andar.
Precisa-se de uma criada portugueza para
casa de ponca familia: na ra do Imperador n.
51, segundo andar.
AUen$o.
Na ra do Santa Rita n. 33, fornece-se come-
doria por prego razoavel ; quem pretender, diri-
ja-se a mesma casa, que achara com quem tratar
Attenco.
Aluga-se urna sala propria para escriptorio :
quem pretender, dirija-se a ra estreila do Ro-
sario n. 27, segundo andar, que se dir quem
aluga ; na mesma casa fornece-se comida com
asseio e promptido.
Lava-se e engomma-se com perfeigio o
promplido : na travessa do Carmo n. 16, segun-
do andar.
Ama de leite.
Na rus da Hangueira n. 8, precisa-se alagar
uma ama de leite.
Engomma-se com perfeigao o aceio ; na
ra da Mangueira n. 5.
Jos Dias Pereira retira-se para fra da
provincia.
Deseja-se fallar ao Sr. Sabaslio Jos Lame-
nha Lins, na ra Direita n. 66, a negocio que lhe
diz respeilo.
Pede-se aor. J. L. H F., que mora-na
villa da Escada, para vir pagar o seu vale de 1088,
na ra do Rangel o. 53, a Jos Joaquim Fer-
reira.
Vinho de Bordeaux.
Em casa de Kalkraano Irmaos & C., ra da
Cruz n. 10 encontra-seo deposito das bem co-
nhecidas marca dos Srs. Brandenburg Freres e
dos Srs, Oldekop Mareilsc C, em Bordeaux.
Tea as aeguintes qualidades:
De Braadenburg frres.
St. Esipb.
St. Julien.
Margaux.
Larose.
Ghieau Loville
Chleau Margaux. m
De Oldekop A Mareilhac.
Si. Julien.
St. Julien Mdoc.
Cha leau Loville.
Cognac em barris qualidade fina.
Cognac em caixas qualidade inferior. '
Na mesma casa ha para
vender:
Sherry em barris.
Madeira em barris.
eobertos e descobertof r pequeas e grandes, de
ouro patente Inglez, para hornera e senhora de
um dos melhores fabricantes de Liverpool, vin-
dos pal* ultimo paquete inglez ; a can de
SooibAli Mellor C
DE
umm f&muk
DE
GEOGRAPIIIA E HISTORIA
DE
rillI.OSOPHIA
DE
ItHETOIUCA E POTICA
POR
JOS SOARES DE AZEVEDO,
professor de lingoa e litteratura nacio-
nal no Gymnazio de Pernambuco, em
sua residencia, [praca del). Pedro II n.
37, segundo andar,
. A inscrever-se de manhaa at as 9
horas, e de tarde a qualquer hora.
AtteiNj:
Trocam-se sedulasde 13 e 5J das que o the-
souro desta provincia exige 10 0[0 de descont,
assim como notas dos bancos e caixas das mais
pravas do imperio mediante o abite de50|0 : no
escriptorio de Azevedo & Mendes, ra da Cruz
numero 1.
Precisase de urna ama de leite
na ra do Imperador n. 67, segundo
andar.
Precisa-so de l:'K)oj a premio sobre hypo-
Iheca em um silio porto da praca ; quem quizer
fazer esse negocio, annuncie para ser procurado.
COMPAMIA DA VIA FRREA
DO
DO
Recife ao rio Sao Francisco.
Limitado.
De conformidade com as instrueces recebidas
da respectiva directoria faz-se publico que desta
data era diaole sao convidados os accionistas
desta companhia a cumprirem com os termos do
aviso que por ordem da mesma abaixo ficam pu-
blicados.
Escriptorio da companhia 17 de dezembro de
1860.E. II. Bramah. thesoureiro.
Aviso.
COHPAMiiA DA VIA FRREA
DO
RECIFE A SAO FRANCISCO.
(LIMITADO.)
Pelo presente faz-se publico que por reolugo
da directoria desta companhia, tomada nesla da-
ta tem-se feito uma oulra chamada de duas li-
bras sterlinas por cada aegao, a qual chamada ou
prestacao dever ser paga at o dia 31 de Janeiro
prximo futuro no Rio de Janeiro em casa dos
Srs. Maua Mac. Gregor& C, na .Baha aos Srs. S.
S. Davempurt A C, e m Pernambuco no es-
criptorio da thesouraria da mesma via frrea.
Polo presente Oca lambem entendido que no
caso de nao ser a dita chamada ou prestacao sa-
tisfeita no dia marcado para o seu pagamnnto ou
antes o accionista que incorrer nesta falla paga-
r juros a razo de 5 por cento ao anno sobre
tal chamada ou prestacao a contar desle dia al
que seja realisado o pagamento. No caso de'nao
effectuar o pugamento desta chamada ou presta-
cao dentro do 3 mezes a contar do dito dia fizado
para o embolso da mesma ficaro as aeges que
incorrerem em tal falta sujeilas a serem confis-
cadas segundo as disposijes dos estatutos a este
respeilo.
Por ordem dos diroctores.
AssigoadoW*. II. Bellamy,
lnn Secretario.
199 Gresham House.
Od Brouad Street.
EC.
22 de novembro de-1860.
Atteiujo.
O abaixo assignado roga as pessoas que lho es-
tao a dever o favor de virem pagar seus dbitos
ateo fim deste mez: na ra do Imperador n. 63.
Recife 9 de Janeiro de 1861.
Jos Antonio Soares de Azevedo.
Precisa-se de uma pessoa que saiba com-
prar e cozinhar : a tratar na ra do Imperador,
n. 43, primeiro andar, das 11 as 4 horas da
tardo.
Precisa-se de um homem para feilor de um
engenho no termo de Serinhem.offerecendo-se
boui ordenado, e enlendendo de hortalice, com
preferencia ser engajado : quem quizer, pode
dlrigir-se aos Afogados, ra Direita d. 41, ou oo
pateo do Paraizo n. 30.
MH&
Precisa-se de uma ama para casa de pouca fa-
milia : a tratar na ra da Cadeia do Recife n.
45, ou na ra da Senzala Velha n. 80.
Precisa-se alugar uma casa com commodos
para grande familia no bairro de S. Jos ou de
Santo Antonio ; quom liver e quizer alugar, diri-
ja-se a ruado Brum n. 44 ; adverte-se que pa-
ga-ae bem.
Gaetano Jos Garca, subdito portuguez, vai
ao Rio de Janeiro.
Precisa-se de um pequeo com pratica de
taberna ou sem ella : na ra do Rangel n. 75.
Roga-se aos Srs. Joao Francisco Maia e
Manoel Lopes dos Res de se dirigirem ra do
Crespo n. 3, ou annunciarem suas moradas para
serem procurados.
Jos de Azevedo Maia e Silva declara pelo
presente que entregou as dividas daloja de miu-
dezas da ra Direita n. 102 ao seu proprietsro
que linha sido da lojs, o Sr. Antonio Aleo Ra-
mos Maia, pois o uuico dono que as pode co-
brar, e para constar a todos que Ibes sao devedo-
res, fago o presente para todos ficarem scientes.
O bacharel Joo A. do S. Beltrao de Arau-
jo Pereira agradece aos seus co-parochianos da
freguezia da Luz a voiaco que lhe deram para
juiz de psz e cletor as duas ultimas eleicoes,
nao obstante nao ter annuido a partilha que se
lhe propz para juizes de paz, e nem ter compa-
recido em nenhuma das eleicoes ; este agrade-
cimento tanto maior, quanlo certo ter a pre-
ventiva polica de Pao d'Alho, acompanhada de
nao pequeo numero de soldados empregado os
maiores esforeo para fazer raelhor eleicio (eli-
minando-se certos uomes, e especialmente o do
mesmo bacharel] e para obrigar o poro a votar
livremente.
Quem quizer alugar uma parda escrava com
24 annos de idade, sadia, sabe ongommar, lavar,
coser e cozinhar o diario de uma cssa bem, procu-
re na ra da Roda n. 23, das 6 s 8 em diante do
dia, e das 4 s 6 da larde, que abi a ver e ajus-
tar.
Antonio Goncalves de Souza e Antonio Nu-
nes Beiro vo a Portugal.
AttencSo.
Aluga-se o sitio perteocente is orphas do fal-
lecido Francisco Mame Je de Almeida, sito na es-
trada que segu para a otaria de Bento Joaquim
Gomes, junto ao sitio de Bailar & Oliveira ; os
pretendentes dirijam-se a ra do Vigario n. 1.
Fugio no dia 17 de dezembro do anno p. p.
a escrava Rosa, crioulu, de idade do 50 annos,
lem sido vista vendendo fruclas, e costuma an-
dar na Soledade, Capunga, Mangunho, Campo
Grande, Jacar, onde vai lavar roupa, levou ves-
tido de chita escura com o roupioho amarello e
um chales de merino cor de rosa usado, lem oa
signaes seguales ; cara redonda, uma cicatriz de
talbo por baixo do nariz, o p esquerdo inchado,
corpo secco, estatara regular, bastantes cabellos
brancos: roga-se* as autoridades e espitaos de
campo que apprebeudam e levem a aua senhora
na ra da Paz o. 38, que recompensar genero-
samente.
Aluga-se uma escrava moca propria para o
servico interno de uma casa : quem precisar di-
rija-se a ra do Ser n. 30.
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
Tira retratos por 3/jf
Tira ratratos por 3$
Tira retratos por 3$
Tira retratos por Zjf
Tira retratos por 3$
Tendo recebido um sortment de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas -
Tondo recebido um sortimento de ca-
xitilias novas
Tendo recebido tim sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salSo da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
A. W. Osborn, o retratista america-
no tem recentemente recebido um gran-
de^e variado sortimento de caixas, qua-
dros, aparatos chknicos, e um grande
numero de objectos relativos & arte.
Gomo tambem um grande forneetmen-
to de caixas para retratos de 3#000 rs.
cada um, as pessoas que desejarem ad-
quirir conhecimentos pratiecs na arto
de retratar acharao o abaixo assignado
sempre prompto sob condicSes muito
razoaveis.
Os cavalheirosesenhoras sao convida-
dos a visitar estes estabelecimentos, pa
ra^ examinarem os specimens do que
cima fica anunciado.
Precisa-se de uma pessoa para administrar
os trabalhadores de algumas carroyas ; assim
tambem se precisa de dous trabalhadores para
andar com as mesmas : na ra do Crespo n. 25,
as 10 horas da manha. achara com quom tratar.
A quem interessar,
Precisa-se do seguinln : 3 linhas de 50 palmos
8|9, 6 travs de 28 palmos 8|8, 1 dita do 40 pal-
mos 8|8,26 ditas de 30 a 32 palmos 8|8,portas de
madeira de qualidade, ou piuho risinoso. Tam-
bem se comprara bois mansos e habituados ao
servico de carrocas : na casa de banhos do pateo
do Carmo at 8 horas da manha, ou das 4 da
larde em vante.
Uma pessoa que n5o pode ir ao
Manguinho fallar ao Sr. Manoel Ephi-
genio da Silva, roga -lhe queira annun-
ciar onde o pode procurar nesta cidade
visto nao ser permittido allar-se-Ihe na
alfandega.
A officina de marmore
mudoo f. sua residencia do caes 22 de Novembro
para i travessa da ra da Praia o. 8, junto ao
caee do Ramos.
Aluga-se
O primeiro andar do sobrade na ra Direita n.
93 : a tratar oa mesma rus n. 91.
Aluga-se
A loja do sobrado na ra Direita o. 89: a tratar
na mesma ra n. 91.
Aviso s familias.
Acha-se aberta i assignatura do jocoso jornal*
SEMANA 1LLLSTRADA,
que se publica no Rio de Janeiro e sahe luz
uma vez por semana.contendo cada numero qua-
tro paginas de gravuraa primorosas, e as outras
quatro de artigos escolhidos e ioleressanlea is
senhoras e pessoas de bom gosto. J se acbam
aqui os dous piimeiros nmeros. Assigoa-se e
paga-se adiantado na roa da Imperatriz n. 12.
toja. Por trimestre 6*. semestre 11#, anno 181.
[ QKtteeieeiearm; fiKaeaeeeex
Aviso.
Roga-se aos deveddres da loja do fina-
do Antonio Francisco Pereira. que ve-
nham realisar seus dbitos no prazo de
15 dias, na ra do Crespo n. 8, do contra-
rio verao seus nomes por este Diario at
pagarem o que esto a dever.
COMPAMBLIA
ALUANCE,
estabcecida em Londres
wm m mi,
CAPITAL
Cinco mlUiftes de Vibras
sterlinas.
Saunders Brothers & C. tem a honra de in-
formar aos senhores negociantes, propietarios
de casas, e a quem mais convier, queestao ple-
namente auiorisados pela dita companhia para
eflcciuar seguros sobre edificios de lijlo e pedra,
eobertos da telha, e igualmente sobre os objectos
que contiverem os mesmos edificios, quer consis-
te em mobilia ou em fazendas de qualquer qua-
lidade.
K3iSSiAi2- 5lcMlfiQ3a^-SI3ft351Sf
2 WOT wcdv C/mW BSfvmiSffVBf BnWWDWCBW#t*
Dentista de Pars.
15Ra Nova15
Frederic Gautier, cirurgio dentista, faz
todas as operaedes da sua arte e colloca
denles artificiaes, tudo com a superiori-
dade e per/eico que as pessoas entendi-
das lhe reconhecem.
Tem agua e pos denlifricios ele.
Um moco solteiro aluga metade de um se-
gundo andar em que mora a uma pessoa que es-
teja em iguaes circumslanrias ; a tratar na ra
da Cadeia n. 28, primeiro andar, dts 9 horas s
4 da tarde.
Precisa-se de uma ama que cozinhe com
perleigao e limpeza, para casa de pouca familia,
nao's.e olhando a preco ; a fallar na ra doQuei-
mado, loja n. 46.
Precisa-so de uma ama de leite, no pateo
do Carmo n.18, primeiro andar, que seja limpa,
prefere-se escrava e que nao tenha Qlho : quem
liver e quizer alugar, pode dirgir-se a dita casa,
certo de que se pagar muito bem.
Precisa-se para escriptorio uma sala inde-
pendente, err 1. ou 2. andar, na freguezia do
Sanio Antonio ou S. Jos : quem a tiver para
arrendar, dirija-se a ra do Queimado n. 43, a
indicar sua morada para se procurar.
|A*1
CASA DE SAME
DOS
BES B&lfilBS & SS
Sita em Santo Amaro.
Este estabelecimentocontinua debaixoda administrado dos pro-
prietarios a receber doentes de qualquer natureza ou cathegoria que
seja.
O zelo e cuidado all empregados para o prompto restabeleciinen-
to dos doentes geralmente conhecido.
Quem se quizer utilisav pode dirigir-se as casas dos proprietarios
ambos moradores na ra Nova, ou entender-secom o regente no esta-
tabelecimento.
Reforma de pelos.
Escravos. -..... 2$000
Marujos ecriados, ... 2.S00
Primeira classe 3$ e. 3^500
As operaqoes serio previamente ajustadas. .
CONSULTORIO
DO
E> S> A MI:iM8>S,
MED RO COPAR TEIE OPERADOR.
3 RA DA GLORIA, CASA DO 11 \ l> O a
Clnica por ambos os syalemas.
O Dr. Lobo Moscoso d consultas lodos os dias pela manha, e de tardedepois de 4
horas. Contraa partidos para curar annualmente, nao s para acidado, como para o engenho
ou outras propiedades ruraes.
Os chamados devem ser dirigidos sua casa at s 10 horas da manhaa e em caso
de urgencia outra qualquer hora do dia ou da noiie, sendo por escriptoem que se declare
o nomo da pessoa, o da ra e o numero da casa.
Nos casos que nio forem de urgencia, as pessoas residentes no bairro do Recife po-
derlo remoller seus bilhetes i botica do Sr. J. Sounn & G. na ra da Cruz, ou i loja de
livros do Sr. Jos Nogueira de Souza na ra do Crespo ao p da ponte velha.
Nesta loja e na casa .do annuncianle achar-se-ha constantemente os melhores medica-
mentos homeopathicos j bem conhecidos e pelos presos seguintes:
Botiea de 12 tubos grandes...........10*000
Dita de 24 ditos........;........159000
Dita de 36 ditos.................209000
Dita de 48 ditos.................259000
Dita de 60 ditos............... .309000
Tubos avulsos cada um.........: ; 19000
Fraseos de tinturas. ; ;.........., 2*000
Manual de medicina homeopalhica pelo Dr. Jahr, tri-
duiidtfem portuguez, com o diccionario dos termos
de medicina, cirurgia etc.. ele........209000
Medicina domestica do Dr. Hering, com diccionario. 109000
Repertorio do Dr. Mello Meraee. 69009


DIARIO DE FERNA1BCO. TER^A EIAA 22 DE JANEIRO DE 1801,


m
O EXTRACTO
COMPOSTO DE
SALSA [PAB&DL&A g) B- TTWKlgIMI
MELHORADO E FABRICADO SOB ADIRECQAO' DO DR JAMES R. CHILTON,
i ni ico e mdico celebre de New York
GRANDE SPERIORIDADE DO EX-
TRACTO FLUIDO COMPOSTO
DE
SALSA PARRILHA
Explica se pelo seo extraordinario
o quasi miraculoso effeito no
sangue.
Cada um sabe que a saude ou a infermidade
epende directamente de estado deste floido vi-
tvl. Isto ha de ser, visto o partido importante
que lem na economa animal.
A quautidade do sangue n'ura horaem d'es-
tatura mediana est avaliada pelas as primeiras
autoridades era vinte e oito arrateis. Em cada
pulsadlo duas oncas sahera do coracao nos bofes
e dalli todo o sangue pssa alera no corpo huma-
no em menos de quatro minutos. Urna dis-
posi^o extensiva tem sido formada e destinada
cora admiravel sabedoria a deslribuir e fazer
circular esta corrknte db vida por todas as
partes da organisacao. Deste modo corre sera-
pre pelo corpo em torrente, o qual a gran
fotite de infermidade ou de saude.
Se o sangue por causa alguma se emprenha
de materias ftidas ou corrompidas, diffunde
cora vblocidaur blectbica a corrupco as
raais remotas e raais pequeas partes do corpo.
O veneno lanca-se para tras e para diante pelas
arterias, pelas vetas, e pelos vasos capillarios,
at cada orgo e cada teagem se faz completa-
mente saturado e desordenado. Desta maneira
a circulacao evidentemente se faz um engenho
poderoso de doenga. Nao obstante pode tam-
bera obrar com igual poder na criacio de saude.
Estivasse o corpo infecionado da doenca maligna,
ou local ou geral, e situada no systema nervoso
ou glan luloso, ou muscular, se smente o san-
gue pode fazer-se puro e saudavel 6car superior
a doenga e inevitavelmente expellirda cons-
tituigao.
O grande manancial de doenca entao como
d' aqui consta no fluido circulante,e nenhum
medicamento que nao obra directamente sobreel-
le para purificar e renova-lo,possuealgum direi-
to ao cuidado do publico.
O sangue I O sangos o ponto no qual
se ha rayster fixar a attencao.
O ORIGINAL E O GINUINO!
AO PUBLICO.
Nos, os Assignantes, Droguista na cidadede
Cada garrafa do original e genuino exfractu do
exterior de papel verde
No esariptorio do proprieiario, 212 Rroadway,
em na blica da ra Direita n. 88 do Sr. Prannos.
New-York, bavemos vendido durante muitos an-
nos o extracto de salsa parrilha do Dr. Town-
send, consideramo lo ser o extracto original e ge-
nuino de salsa parrilha do Dr. Townsend. o
qualpriraeiramente sob este nome foi apresen-
tado ao publico.
BOYD A PAUL, 40CortrandtStreet.
WALTER.BTOWJNSENDCo,2l8 Pearl
Street.
LEEDS& HAZARD, 121 Muden Lae.
OHNCABLE&. Co, 153 Water Street.
M WARD & Co, 53 Maiden Lae.
J. & J. F. TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GRAHAM A- Co, 10 Od Llip.
OSGOOD & JEPNINGS, 188 Pearl Street.
R.B. HAV1LAND & Co, Office 177 Broad-
way.
JACK.SON, ROBINS& Co, 134 Water Street.
THOMAS & MAXWELL, 86 William Streeu
WM. UNDERHILL, Junr, 183 Water Street.
DAVID T. LANMAN, 69 Water Street.
MARSH & NORTHROP, 60 Pearl Street.
NORTOiN.BABCOCK & WOOD, 139 Mai-
den Lone.
PENFOLD, CLAY& Co, 4 Fletcher Street.
OLCOTT, M KFSSON & CO, 127 Msiden
Lae.
A. B. & D. SANDS. 100 Fulton Street.
SCHIEFFEL1N, BROTUEB & Co, 104 &
106 Jobo St.
LEWIS & PR1CE. 55 Pearl Street.
HAVILAND, KEESE & CO, 80 Maiden La-
e.
RUSHTON, CLARK & CO, 110 Broadway,
10 Astor.
House, and 273 Broadway, cor. of Chambers
Street.
PHILIP SCHIEFFELIN & CO, 107 Water
Street.
POU & PALANCA, 96 John Street.
SHERWOOD & COFFIN, 64 Pearl Street.
RST & HOUGHTON, 83 John Street.
I. MINOR& CO, 214 Futen Street.
INGERSOLL & BROTHER, 230 Pearl Street.
JOSEPHE TRIPPI, 128 Maiden Lae.
GREENLEAF & KJJNSLEY, 45 Cortlandt
Street.
HAYDOCK, C0RLIES& CLAY, 218 Pear
Street.
CUMMING & VANDUSER, l78Greenwch
Street.
H ASK.ELL 4 MERRICK, 10 Gold Street.
B. A.FAHNESTOCK & Co. 49 John Street.
CONHECEMOS AARYORE E SUAS FRU-
TAS ,
IGUALMENTE
Conhecemos um Medicamento nos seus Effeitos.
O extracto composlo de Salsa parrrlha do
Dr. Townsend est
0 MEDICAMENTO DO POYO'!
Adata-so lio maravillosamente a constituido
que pode ser utilisado em quasi todas as enfermi-
dades.
ONDE E DEB1L1DADE,
fortalece;
ONDE E' CURRUPCO,
purifica;
ONDE HE/1'ODRIDO,
ALIMPA.
Este medicamento celebrado que tao grandes
servidos presta a humanidade, prepara-se agor
na nova fabrica, na esquina das iuas Fronte
Washington, Brooklyn, sob a inspecc,o directa
do rauho cnbecido chimico e medico Dr. James
R. Chilln, da Cidade deNew-York, cuja eer-
tidao e assignatura se acha na capa exterior da
cada garrrfa de
ORIGINAL/E GENUINO
EXTRACTO COMPOSTO DESALSAPARRILHA
DO DR. TOWNSEND.
O grande puricador lo sangue
CURANDO
O Herpes
A Hertsipela,
A Adstricsaodo ven-
TRE,
AsAlporcas
OsEffeitosdoazoo-
gue,
Dispepsia,
As Doencas.defiga-
do,
A Hydropesia.
AImpingb
As Ulceras,
O Rheumatismo,
As Chacas
A Dedilidade geral*
As Doencasde pellb
AS BORBDLHAS NA CA-
RA,
AS ToSSESt,
Os Catarrhos, As Tsicas, etc.
OExlracto acha-secontidoemgarrafas quadra-
das e garante-se ser mais forte e melhor em to-
do o respeito a algum outro puricador do san-
gue., conserva-se em todos os climas por cer-
to sspaco de tempo.
Dr. Townsend tem a assignatura e a certidao do Dr. J. R. Chlitton, na capa
POUtlRMJtS M MU.
Acham-se venda na livraria da rraca da Independen-
cia ns. 6 e 8, as bem conhecidas folhinhas impressas nesta
typographia
Folhinhd de porta ou KALENDARIO eeclesiastico e civil para o
n.. bispado de Pernambueo........... 160 rs
Ulia ae algibeira contendo alm do kalendario eeclesiastico e civil,
expleae,ao das festas modaveis, noticia dos planeta*,
tabellas das mares e nascimento e occaso do sol;
ditas dos emolumentos do tribunal do commercioj
ditas do sello; ditas do porte das cartas; ditas
dos impostos geraes, prownciaes e municipaes, ao
que se juntou urna colleccao de bellos e divertidos
n.f jagos de prendas, para entrelenimento da mocidade. 820 rs.
Ulta alta .... cosiendo alm do kalendario eeclesiastico civil, expli-
carlo das festas mudaveis, noticia dos planetas, tabellas
das mares e nascimento e occaso do sol; ditas dos. emo-
lumentos do tribunal do comroertio ; ditas dos impostos
geraes, provinciaes e municipaes, ao que se reuni o
modo de confessar-se, e conungar, e os oficios que a
igreja eosluma celebrar desde domingos de Ramos, at
sexta-feira da Paixo, (em portuguez). prego..... 320 rs.
Dita uO almanak civil, administrativo, commercial e industrial da provin-
cia de Pernambueo, ao prego de: ....... 19000
Para facilidade do uso deste almanak, augmentou-s-
de formato, e fizeram-se muitas alteracoes, sendo a correc-
5o a mais exacta que foi possivel, em materia desta ordem,
(que todos os dias soffre mudanzas) acrescentando-se a nu-
mera^o dos estabelecimentos commerciaes e industriaes;
acompanhado de ndice para facilitar o uso, procurando o
que se deseja pela oceupaco do individuo de quem se quer
saber a residencia.
Riia do Amorim n. 40. ]
Precisa-se de urna ama para cozinhar o dlari-j
de urna casa de pouca familia, preferindo-se eso
crava.
O Dr. Antonio Agripino Xavier de Brito #
reside na ra da Imperatriz d. 47, pri- '
. pri-
meiro andar, onde pode ser procurado a
qualquer hora, para o exercicio de sua
prosso.
Aluga-se aloja
e armaco
i da ra Direita n. 87, propria para qualquer esta-
; belecimento, por preco commodo : a tratar na
, ra do Qucirnado n. 46, luja.
New York, e em Pernambueo na ra da Cruz n. 21 escriptoric 1. andar, tam-
TTEO I>CB T3 jm^lEM. Al _
Assignatura de banhos frios, momos,de choque ou chuviscos (para una pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos. ,...... 109000
30 carter p>ra os ditos banhos tomados em qualquer lempo...... 15)000
1S Ditos dito dito dito i .... 000
7 ...:.. 4000
Banhosivulsos, aromticos, salgados esulphurososaosprecos annunciados
Esta reducto de presos facilitar aorespeitavel publico ogozo dasvanlagens queresultam
da frequenciadeum estabelecimento de urna utilidadeincontestavel,masque infelizmente nao
estando em nosso* hbitos, ainda pouco conhecida e apreciada:
TABAC CAPORAL
Deposito das manufacturas Imucvaes i\erautja.
Esteexcelente fumo acha-se depositado, diretamente na ra Nova n. 23, ESQUINA DA
CAMBO A DOC ARMO, o qual se vende por mseos de 2 hectogramos a l5?000e em porjaode
10 mseos para cima com descont de 25 porcento ; no mesmo estabelecimento acha-se tambem
o verdadeiro papel de linho para cigarros.
O Sr. alferes Thom G. Vieira
Lima, queira dirigir-se a esta tjpogra-
phia, que se lhe precisa fallar.
Com o descont de 5 0|0 trocam-se as se-
dulasde 19 o jg, das que s podem ser trocadas
no thesouro geral desta provincia, com o descon-
t de 10 0(0, na travessa da Madre de Dos n. 17,
das 8 horas da manhaa s5 da tarde.
PIANOS
J. Laumonnier, havendo sahido de casa do Sr.
J. Vignes, offerece-so para tudo quanto diz res-
peito sua arte, como seja, afinar e concertar
pianos, orgos de igreja, harmnicos, etc., em
sua ofllcina, ra da Gadeia do Recite n. 11, pri-
meiro audar. ,
' Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 34,
na ra do Rangel, com bastantes commodos pa-
ra familia ; a tratar no segundo andar do mesmo
sobrado.
Aluga-sc a casa terrea da roa dos Pires n.
21 : a iratar na roa Nova n. 51.
i
EAU ADINRALE
NATRALLEDE VICHY.
Deposito na botica franceza ra da Cruzan. 22
INJECTION BROU
gg csr O Sr. Dr. Joo Pi-
SS nheiro de Lemos queira ir a negocio que ,
3> nao ignora a loja de fazendas da ra da cD
g Cadeiado Recife n. 23.
M3@3&3i$3ge3,3 IS!SISst
Precisa-se alugar um sobrado no bairro de
Santo Antonio ou S. Jos : a tratar no largo da
Penha n: 8.
Na cocheira de mnibus de Claudio Dubeux i
existem recolhidos dous burros, ignorando-se a
quem perlencem : qucni fr seu dono pode pro- i
cura-Ios.
4os consumidores de gaz.
A empreza da illuminago
gaz, roga a todos os Srs. con-
sumidores o favor de nao en-
tregarem aos seus machinis-
tas ou serventes qualquer di-
nheiro quer de reparos ou
outro qualquer pretexto, sob
pena de lhes ser novamente
exigido. Todos os pagamen-
tos devem ser feitos ao Sr.
Thomaz Garrett nico cobra-
dor autorisado ou no escrip-
torio dos gerentes.
Notas
Aluga-se loja n. 9 na ra Direita : a tra-
tar na ra da matriz da Boa-Vista n. 36.
Ha por alugar urna casa de porta e janella
com duas salas e um quarto, fica com a frente
para o rio e ao norle da fabrica do gaz, junto ao
sobrado do Sr. Valenca : a eotender-se como
mesmo.
Ignorando se a actual residencia
do Sr. Jos Mana de Oliveira e Silva
natural de Lisboa, que foi guarda do
gabinete portuguez de leitura e ultima-
de 5#000ede 1#000 de urna
figura.
Trocam-se estas nntaspor gneros, no estabe-
lecimento de Sodr & C. ra eslreita do Rosario
o. 11 ; tambem se veodem as bellas uvas de Iia-
marac.
O abaixo assignado faz ciente ao respeila-
vel publico, principalmente aossenhnres da pra-
ca, de nao fazerero iranarcio alguma com oilo
letras aceitas por elle aos consenhorps ao enge-
nho Leo, sito na freguezia da E>cada, por i.-so
que tendo-as firmado na inielligeccia de effec-
tuar a compra do dito engfnho a nao realisou,
tendoj esperado pela ro-uiuicao das mesmas,
depnis do aviso que lhes dirigi.
Ju.io Carneiro (.ios Barradas.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
ra Imperial o. 195, com vista para o mar e es-
trada de ferro, tendo 6 quarlos, 2 salas e soio
corrido com mirante : a Iratar no primeiro an-
dar do mesmo.
Aluga-se um primeiro andar na ra da Cruz
n. 29, com fundos para a ra dos Tanoeiros : a
Iratar no pateo de S. Pedro n. 6.
O advogado Antonio de Vasconcellos Me-
nczes de Drummond arhar-se-ha promplo para o
exercicio da sua prolisso em lodos os dias uleis,
das 10 horas da mnnha s 4 da tarde : na ra
do Imperador n. 43, primeiro andar, por cima da
cocheira dos mnibus do Sr. Claudio Dubeux.
Atten^^.
Aluga-se o segundo antar da casa n. 15 da
ra do Vigario : quem pretende-lo, dirija-se ao
caes do Ramos n. 23, ou a ra .Augusta n. 114,
a fallar com Prxedes da Silva Gusmao.
Acha-se a berta a matricula d'aula
mente caixeiro do Sr. Candido Jos da ?,f ^e at'm da freguezta de San
Silva Guimares, joga-se lhe queira JSe de8tacidade. e o seu exercicio tera
comparecer a ra do Crespo loja n. 20 f0me
A, que se lhe deseja fallar.
d;
Thiago da Costa Ferreira Estrella, retira-se
para tora da provincia.
a 4 de fevereiro pro\imo
uro: os interessados dirijam-se a'
casa do respectivo protessor sita nolat-
go do Tei-Qo n. 33.
sita* ri a!^r?e dn" cas" P8" f-sta
aufllnientes para qU.lqo(.r f,milia. e-banho ,,t
de casa, oaromai sauda.el par a saude a
tratar no paleo 4e S. fedro n. 9.
Agencia do fabricantes americano
Grouver & Baker.
Machina de coser: em casa de Samuel P.
Joojton & C., ra da Sentada Nova n. 52.
Precisa-e alugar urna eicrova pa-
ra casa de famdia : na ra da Cadea n.
53, terceiro andar.
Avisa-se a quem convier, que hoje 18 do
correntA met de Janeiro, apparereu na ra do
imperador um caalto castanho com cangaiha e
um par Oe ancoras vasias. euj'o cavallo se acha
na cocheira de Augusto Firher; portento quem a
elle .ejulgar com direito. queira apparectr rom-
petntemente legalisado, que lhe ser entregue
depoisdo pagar as despezas que se tier teito.
OfiVrece-se um rapaz puituguez de idaae de
1 annos.para caixeiro de loja de fazendas, com
alguma piatica do Jilo estaoelecin.enlo : quem
delle precisar, dirija-se ao oaes do Ramos n. 4.
Alugam-se o segundo e terceiro andares da
casa aa ra da Cruz n. 45 : trata-se do primeiro
andar da mesma caaa, das 9 horas da manhaa s
4 da tarde.
Vludanca de esta-
belecimento.
JosMoreira Lopes avisa aos seus amigse
freguezes dada e de nutras provincia, que m-
dou. o seu estabelecimento de faz.nd.is que linha
no sobrado amarello da rg. do Queimado. para a
loja e armazem que foi dos Srs. Santos & ttolim
onde tem o mais completo e variado soitimento
de fazendas de todas a qualidades para vender
ero Rruso e a retalho por precos muilo barato;
rua do Crespo, sobrado de 4 sndan-s n 13. o ra
do Imperador, oulr'ora ruado Collegio, sobrado
de um andar n. 36.
Precua-se de urna prela escrava que ?aiba
cozinhar e engommar : na rua da Senzala Velha
numero 106.
5$000 mensaes.
Constanca Perpetua de Lacerda Machado, pro-
fessora de inMrucQao primaria, compeiememente
autonsada peto V.xw. Sr. presdeme da provinria,
arisa ao respeitavel publico, que do da 4 de fe-
vereiro vinduuro em diente, ter aberfa sua aula
em Fra de Portas, rua do Pilar n. 141, onde to-
dos os das nteis das 9 horas da manhaa s 3 da
tarde, funcrionaro os seus trabalhos : aos pais
de familia que se quizerem ulilisar de seu magis-
terio, garante tod a efficacia no ensino de suas
alumnas.
LINES
DE
PARTIDAS DOBRADAS.
0 ensino pratico de escripturaco rommerrial
por partidas dobradas o de arirtmetica, diriaide
pelo abaixo assignado, contina a funcrionar re-
gularmente as quartas e sabbados de cada se-
mana, das 7 horas s 9 da noile.
As pessoas que dt-sejmem ter conhecimento de
qualquer daseferidas materias, queiram dirisir-
se casa do aonuncia-nte*na rua Nova n. 15, se-
gundo andar, nos dias e horas cima designadas.
E tao claro e feci' o systeroa de escripmrar os
livros mercantis por partida dobradas, que s t
pessoas desfavorecidas do menor grao deintelli-
gencia eerao capazes de nao reconliecerpm a rer-
dade do expendido logo as p'rimeiras licoes que
receberem do abaixo assignado.
M. Fonstca de Medeiros.
Attencao.
Gouvea & Filho com casa de consig-
nacoes novamente estabelecida nesta
praca, avisam aos seus committertes e
ao publico em geral, que podem tor
procurados a qualquer hora do dia em
seu eteriptorio na rua da Cadtia do Re-
cife n. 3, primeiro andar.
i O Dr. Casanova I
m pode ser procurado todos os dias em sru |K
7 consuliorio especial homeupathico
30-Raa das Cruies~30
H Nesle consultorio lem sen>pre os mais K
Remedioinfallivel contra as agnorrhas antigs e recentes.
nico deposito na botica franceza, rua da Cruz n. 22.
Preco da frasco 3c000.
mumm
Scientificam aos seus amigos e freguezes desta e d'outras
provincias, que imidaram o antigo estabelecirneuto de fa-
zendas que tinhaui na rua do Crespo n. 13 e do Imperador
n. 36, para o bem conheicdo sobrado amarello, na esquina
da rua do Queimado n. 31, propriedade do Illm. Sr. com-
mendador Magalhaes Bastos, oude continuaro a ter o mais
completo sorfimento de fazendas de todas as qualidades
para venderem por mdicos precos em grosso e a retalho.
SOBRADO AMARELLO
ESQUINA DA RUA DO QUEIMADO N. 31.
Precisa-se alugar urna ama para cosinhar
para pouca familia: a tratar na rua da Praia do
Santa Rita sobrado n. 55, primeiro andar, junto
ao Sr. Dantas.
Ribeiro, com loja de barbeiro e cabelleireirotem
bicha de Hamburgo, tira denle, sangra, appli-
ca ventosas pela presso do ar, bota ouvidos em
armas de espoleta, amolla todo o ferro cortante,
tudo teto com promplidao o pode ser procurado
a qualquer hora na rua da Imperatriz n. 13.
Aluga-se a loja do sobrado da rua das Cru-
zas n. 18 : a tratar no mesmo sobrado.
O abaixo assignado previue ao publico que
ninguem contrate com a Sra. D. Carlota Estrepe
Pereira a compra da casa terrea sita na rua do
Brum n. 2, e de mais 2 escravos, porque dita ca-
sa e escravos nao pertencem a mesma senhora,
mas sim foram dados no Inventario e partilhas
que se prscedeu dos ben de seu Finado marido
Manoel Jos Perefra, para pagamentos de eus
Trovador.
O proprieiario deste eslabelecimenlo desejsn-
do por todos os modos a seu alcance corresponder
a bondade de seus freguezes, mandou vir de Pa-
rs um primorosobilhar de mognoe o tem a
disposico dos amadores desso bello passa tempo
a todas as horas do dia e da noite. Espera que
seus freguezes e amadores nao dexaro de fre-
qoentar constantemente o seu eslabelecimenlo,
concorrendo assim para que seus exforcos sejam
coroadosdebom xito. Rua largado Rosario nu-
mero 44.
Lices
de primeiras letras, portuguez, lalim, francez,
inglez, em casas particulares : na rua da matrix
daBoa-Vista n. 34.
Hotel estrella do sul.
Na estago da villa da
Escada:
Antonio Flix Pereira lem a honra de avisar
ao respeitavel publico e especialmente aos senho-
res passageiros da estrada de ferro, que no dia
20 do crreme ter lugar a abertura do holel es-
trella do sul, e desde enfao se achara promplo a
receber e hospedar qualquer pessoa que se digne
procurar dito hotel.
De sua parle empregar todos o meios possi-
veis afim de que seus hospede sejam bem ser-
vidos, para o que tem todas as proporcoes e boa
vontade.
As familias que quizerem passar dias, acbarao
todos os commodo desejaveis, e um excellenle
banbo no Ipojuca, a distancia de 100 palmos pe-
lo fundo do hotel. ,
Assim pois o annunciante espera ser animado
em tao til e neceasario emprego pela concur-
rencia.
VIA FRREA
DO
1
LIMITADA.
ABERTURA DA SKDlUi SECfAO AT A ESDA.
Dodia3dedezembrode 1860 at outro aviso a partida dos
trens ser regulada pela tabella seguinte :
HA.
Perderam-se 4 qoarto d ns. 2 a beneficio da cmara de Vlenos, cuja extrac-
co tem lugar no Rio de Janeiro, adverte-se a
quem os tiver achado que costme traierem no
verso o nome de Joaquim Diabo, e tambem jase
crpdQra. -"- Prevenio o correspondente ethesoureiro da lotera
X2aSa.d^^ Khu P8ra -a0 Par.casoSaia algum premio seno o
diu. renrt.g. A 'ue Prote,u *%*** }i Dnu,lar ProP" dono ou a sua ordem : quem otiveracha-
S 7 de iandro dae1^9erem effecluad"- Re" tenhDa ^Me de mandar fevar na pr.ga do
cite / ae Janeiro de 1861. | Corpo Santo armazem n. 6 de Palmeira
Luiz Antonio de Siuza Ribeiro. trio, que se gratificar.
& Bel-
ESTAC5ES.
Cinco Ponas
Afogados........
Boa-Viagem.....
Prazeres.........
Pontozioha......
liba.............
Villa do Cabo......
Ipojuca.........
Olioda..........
Timb-Ass-----
Escada (chegada
Trens para o interior.
DIAS DE TRABA-
LUO.
M ANUA A.
ESTACOES.
Escada...........
Timb-Asa......
Olinda............
Ipojuca..........
Villa do Cabo.....
Ilha................
Ponlezinha......
Prazeres........
Boa-Viagem...,
Afogados.......1
Cinco Ponas (che-
gada.J.........
Hor.
8
8
8
9
9
9
9
10
10
10
10
Mi.
3
40
50
15
25
40
35
50
IARDE.
Hor.
4
4
4
5
5
5
5
6
6
6
6
Min
301
40
5!
15
25
40
.
s
DOMINGOS E DAS
SANTOS.
MANHAA.
Hor
7
7
7
8
8
8
8
9
9
9
Hin.
30
40
50
15
25
40
20
35
50
TARDE.
Hor.
6
6
6
7
7
7
Min.
31
40
50
15
25
7, 40
Precos de bilhetes.
VIACENS >1NGE-|V1AGENS PE 1D\
LAS. R Vi uta
]."
400
1200
140O
2400
2700
3400
1
300
9oii
lint)
1900
2300
27U0
450O 3300
5300 3800
6000, 4300
6500 4500
3.J
200
500
600
1000
1100
1400
2000
2300
2600
E VLTA.
f.
600
18u0
2000
3600
4000
5000
6900
8000
9000
30o0|l0000
Trens do interior.
DIAS
DE TRABA-
LHO.
MANHAA.
Hor.
5
6
6
6
7
7
7
7
7
8
Mo.
45
5
80
35
15
25
40
50
iO
TARDE.
Hor.
1
2
2
2
3
3
3
3
3
4
4
Min
45
5
20
35
15
25
40
50
10
DOMINGOS E DAS
SANTOS.
MANHAA.
Uor.
Min.
15
25
40
50
10
TARDE.
Hor.
3
4
4
4
5
5
5
5
5
6
6
500
1400
1600
2600
3200
4000
5000
5700
6500
7000
3."
300
800
900
1500
1700
2100.
3000
3M)0
3900
4500
_ pre- a
w parados em Pars (as tinturas) por Ca- 5ff
X lellan e Weber, por precos razosveis. 3>
|g Os elementos de homeopathia obra, re- $
jg commendada intelligencia de qualquer fi
fs pessoa. M
mwmmsBmmmmmwm
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho saram
sobre Lisboa e Porto : no largo do Corpo Santo,
escriptorio.
% Dentista francez.
@ Paulo Gaignoux, dentista, rua das La- O
rangeiras n. t5. Na mesma casa tem
agua e p dentico. @
Traspassa-se a renda do eDgenho U-hfla.
sito na freguezia de Afogados, pouco dais de
urna legoa distante desta praca, este engenho
tem muilo boas trras, boas malas, e n.uito
bom de agua com a nova obra que se fez. tpm
grande casa de vivenda e concertada de noto ;
safreja de dous a tres mil paes e m*is que t
queira plantar, pois tem Ierra sufJBrienles para
isso : quem o pretender, procure ao mejor Anto-
nio da Silva. Gusmao, na rua do Queiniido, loja
n. 41, ou no mesmo engenho.
Joo da Silva Ramos,
Medico pela universidatlc de Coimbra.
Tendo de passar algum tempo no si-
tio do* Buritis na estrada do Arraial,
meu consultorio estara' aberlo todos es
dias das 9 horas as 11 da manhaa e das
5 as 5 da tarde. As pessoas que man-
darem procurar-me, terao a bondade
de dirigir os chamados porescripto ra-
ra a loja de louca defronte da casa de
mirilla residencia uj rua Nova.
Protesto
O
Precos de bilhetes.
VIAGENS SINGE
LAS.
1.a
Min.
44
5 700
20 1400
3S .2100
- 8900
15 3800
25 4400
40 5000
50 5600
- 6000
2.'
500
1000
1500
2200
2800
3100
3800
4000
4300
3."
300
600
900
140O
1700
1900
2300
2400
270rj
1C
6500 4500 3000 10000 7000
VIAGENS DE IDA
E VOLTA.
1."
2.
1000 800
2100 1500
3200 2200
4800; 3300
5700 42(10
6600 4600
7900 5700
8400 6000
9500 6800
3.a
AsaignadoE. H Braman,
Superintendente.
500
900
1400
2100
250(1
2800
3400
3600
4000
4500

emprezaro da companhia lyrica italiana
usando do direito que lhe vero dos contratos as-
signados pelos artista seus engajados, declara
formal e publicaroenle que nao pertencem mais
a sua Companh.a lodoa aquelles artistas que nao
cumprirara com a ordem que rece.beram pelo
Diario, as publiracoes do abaixo asonado
nsendas nos diaa 16.17 e 18 do correle, por
lerem assim faltado as obrigaces de seus enga-
jamenlos; sendo os que fallaran) aa suas obriga-
ces e que fleam por isso exonerados a Sra. Egis-
lena Cerrhini. e o Sr, F. Hubert. Tanto Oca Tilo
para conhecimento de lodos.
G. Marinangeli.
Pela segunda vez ausentou-se da
casa do abaixo assignado o caboclo for-
ro de nome Alexandre, cora 12 annos
de idade pouco mais ou menos, o qual
se acha va em sua companhia ha quasi 3
annos. O mesmo abaixo assignado ro-
ga a quem delle subcr o favor de d-
rig.r-sea rua dos Guararapes em For
de Portas n. 30, e declara quede hoje
por diante nao se responsabilisa pelo
qtiepossa succeder ao d to caboclo. Re-
cre 17 de Janeiro de t861___Antonio
Rufino de Andrade Luna.
%fc


()
DIARIO' DI PEMHWeO. ttB?f WA 34 Wf JAUtHWDI li.
ASSOCIACiO POPULAR
M
Soccorros Mutuos.
Domineo 27 do corrente haveri sessao ordina-
lia da assembla ireral de accord com a primei-
ra p#rtf ilu art. 25 dos respectivos estatutos : os
snuliores socios sao pela teroeira vez convidados
a comparecer esta sessio,-visto nao terem com-
parecido corno Ihcs cumpria nos das 6 e 13; co-
no furarn irisados, e se por casuatidade anda
deiiarem de comparecer as 10 horas da manhaa
do referido dia mencionada sessao, nao haver
mais a convocagSo da reuniao da assembla geral
nesUi mez. Oulro sim, os aenhores socios le-
cha m eiD vista o disposto no art. 70 1.a dos
resoectivos estatutos, quesera pontualmeole eie-
culad ate o dU 15 de fevereiro futuro.
Secretaria da AssociacSo Popular de Soccorros
Mutuos 21 de Janeiro de 186!.
Joo Francisco Marques.
I.9 secretario.
GABINETE PORTGUEZ
DE
LEITIRA.
Nao tendo ti Jo lugar a sessao ordinaria do con-
selho t'di I.) do corrente, conso foi annunciada,
em consecuencia de nao haver-se reunido nume-
ro competente de membros que podessem tunc-
cionir, sao le novo convidados es senhores con-
selheiros a reunirem-se para tal Qm, quinla-feira
21 do corrente, na sala das sesses do mesmo ga-
binete.
S-crelaria do Gabinete Portuguez de Leituca
21 de jaueiro de 1861.
Francisco Ignacio Ferreira.
1. secretario.
Aluga-se o quarto andar da casa da ra do
Trasuea n. 14, c o segundo andar da ra Vetha
n. 43 : a tratar no primeiro andar da primeira.
Ha um excellente bote com tolos os shus
perlences para alugar, palo prego e lempo que
se coovenciooar ; a tratar na praca da Iudepen-
deniii n. 3i.
Precisa se de um coziaheire ; na ru Nora
n. 21, loja do Germano.
Candido Bernardioo da Costa retira-se para
fura do imperio por motivo de molestia.
Alug.vse um moleque de 12 anuos ; na ra
da Praia n. 47.
ATegocio de vaatagem.
D-se sociedade em urna taberna no melhor
luga' da Boa-Vista, est bem sortida e bera afce-
guezida para praga, mas precisa-sede urna pes-
soi 'p lenlia bastante praiica deste negocio, e
que cutre com a metade, pois o dono faz esie
negocio por ter outros afazeres e nao poder estar
efferlivo no blco, o que offerece grandes van-
tagens e garanta; quem pretender, pode annuu-
ciarsua morada para ser procurado, ou deiiona
livraria di (raga da Independencia ns. 6 e 8 em
U'iia carta fechada com as lelrasiniciaes A. B. C.
O Sr. Domingos Ferreira de Oliveir.i nao se
pode retirar parara da provincia sem que pri-
niflirn nao dirija-se a ra da Imperatriz n 54, pa-
ra o (iin qu o mesmo senhor nao ignora.
Roga-se ao Sr. Francisco Jos Coelho que
queira ter a boodade de dar conta doqueseihe
enlregou.
Qoem precisar de urna pessoa para cobrar
dividas f a da capital, tanto para c centros do
sol corno do norte, anuuncie para ser procurado,
ou dirija-se a ra da Lapa u. 13, terceiro andar.
Jiaulios econmicos!!
Na casa de banhos do paeo da
Carmo.
Nesle e.tabelecimen(o (alem dos banhos j co-
nhetido*] se fornecer td'ora em vanle, por maior
cominolo do publicobanhos econmicossem
lux; mas com toda a deceucia e aos precos se-
guiutes:
Vendem-st ps de hrangeiras, de ombigo e
da china, pea de sapoti, fructa-plo, japola, li
mo para cerca, e outras qualidadea de plantas
no sitia da viuva de Joao Carroll, na Ponte de
Uchoa.
Venda-as um par do arreios para carro, do
4 rodas com pequeo uso, e por prego commodo :
na ra do Trapiche o. 14, primeiro andar. Na
mesma casa vende-se urna bonita parelha de ca-
vallos do Rio Grande, estando j ensinado para
carro.
Vende-se a loja da calgado da Iravessa da
ra das Cruzas o. 2 A, a dioheiro i vista, e raui-
to afreguezada, pelo dono se retirar, a tratar de
sua saude ; a tratar na mesma.
Vende-se urna escrava de idade 34 aonos,
pouco mais ou menos, que cozinha bem o diario
de urna casa, eus&bo c engorama soffrivelmeiite:
o a ra da Praia n. 57.
Vende-se urna rasa terrea com 8 mei-aguas
no fundo, e chaos proprios. na ruado Padre Fla-
riano; cujas rende por anno 1:550$; a tratar na
ra larga do Rosario n. 20, segundo andar.
fL i WUsSEL
Velbuttaa de caros que parece verdad** vel-
Inda, apva d* lia > versas corea-e mascaras :
na ra do Cabng n. 8, loja de Almeida & Burgos
Attencaa
Vendem-se4 vaccas, sendo 3 paridas e 1 mo-
jando, 1 boi manso: a tratar na Estrada- Nova,
aende ae achara as vaccas, no rancho do Masca-
renha: vendera-se por pregos commodos para
acabar.
Vende-se na ra de Apollo o. 28, armazem
de Maooel Ferreira da Silva Tarroso, o superior
vfhho do Porto em garrafas, por prego commodo.
Vende-se um carro destes que trabalham na
alfaodega, concertado do novo : quem pretender
dirija-so ao caminho novo da Soledade, na lend
de Joo Baptista, crioulo ; o carro tem o n. 144.
Vende-se a casa do becco do Lobato n. 4
quem vai pela ra de Santa Thereza : a tratar na*
ra estrella do Rosario n. 1.

1OT !MM!TO
DE
1 banho avulso
7 cartes para banhos
fri 320 rs.
; momo 400 rs.
lirios 29 rs.
(momos 2j500.
30 banhos consecutivos frios ou momos 59.
Quem precisar de um cruzeiro ou adminis-
trador pira iMigeuho, dilija-se a roa dos Guara-
rapes, casa n. 59
O baiio assignido (confeulero) tendo vin-
do da cidade de Lisboa em dreittH* par casa do
Sr. Domingos Jos da Cunta Liifas, para exercer
seu lugar, faz ver ao respeilavel publico que se
despeda do mesmo senhor no dia 19 do corren-
te, as*im como est pao e satisfcito de seus or-
dena tos al a mesma data. Recite 21 de Janeiro
de 1661. Manuel da Silva Rieiro.
Desoja-se fallar com o Sr. Joaquim Caval-
canti do Aibuquer.jue Mello, morador na ra Im-
perial n. 101, com quem j se tratou.
ADVOCACIA.
O-flb'ko assignalo raudoo seu escriptorio para
a ru du Imperador, oulr'ora do Collegio n. 51,
primeiro solar, onde pode ser procurado todos
os din uleis, desde as 6 horas da raanhia al as
4 da tard-.Antonio J. da Costa Rtbeiro.
0 lem perdeu urna canoa, dirija-se barca
nova <1h os/avagao da atfiodega.
ti ompras.
Compram-se escravos.
Comi-ram-se, vendem-sc. e trocam-se escravos
de amos os sexos e de toda idade : na ruado
Imperador n. 79. primeiro andar .
Compram-se escravos,
de ambos os sexos, que sejam sadlos e de boa
figura, com habilidades, e que sirvam para o ser-
vico de campo, de 8 a 40 anuos de ioade : no es-
criptorio de Francisco Malhias Perelra da Costa,
na roa Direita n. 66.
Compra se urna mobia de jaca-
randa' com tirapos de peJra e uma
mesa elstica : na ra da Icoperattiz
n. 58.
Compram-se rooedas de ourobrasileiros de
20 ; no escriptorio de Manoel Ignacio de Oli-
veira Compra-se ou aluga-se um escravo que
saibi cozinbar, e que nao seja de bebidas : na
rus do Pilar o. 143.
Coinprarn-se escravos
sendo do spxo masculino, mogos, de 12 a 20 an-
nos de idade, e sadios : na ra da Imperatriz n.
12, loja.
Vendas
Vendem-se figos de commadre o rrfais novo
possivel, em caixas pequeas, marmelada nova,
em lats de libra e de 2 libras, e barris de 5. de
vinagre chegados ltimamente de Lisboa na bar-
ca Bella Figueirense, ludo por prego rauito
commodo ; no armazem de Francolino Izidoro
Leal & C, ra da Madre de Dos n. 10.
Livros.
76 -Ra Direita76
Vendem-se livros em braneo com todos os ris-
cas ne,;essarios para escripturagao por partidas
dobralas e simples, eocadernar.Jo frauceza, ham-
burgueza n nacional.
Diario e razio.
Borrador.
Ciixa.
R-giatro de letras.
A'ieredario.
Copiador de cartas.
E um grande sortimento de livros avulso, en
diversos lmannos, cadernetai para lembrangas,
tinta de tedas as eores, lapis, pennas Unas, tin-
taros, papel braneo e azal de todas as qualida-
d's, dito de cores, dito de mala-kerre, lacre,
obrejas d tudas as qualldades, letras em braneo,
canias litho de todas as qualidadea, e outros mullos objectos,
o que todo se vende por pregos commodos. Gha-
Eoj do Chile mullo fino do ulllmo gosto, aba
rga. '
BE
Joaquim Francisco dos Santos.
40 RA DO QUEMADO 40
Defroote do becco da Coogregaco letreiro verde.
Seda de quadrinhos mnito fina covado
Gofeites de velludo com froco pretos e
de cores para cabera desenhora da
ultima moda
Pazendas para vestidos, sendo seda la
e seda, cambraas e seda lapada e
transparenre, covedo
Luvas de seda bordadas e lisas para
senhoras, homens e meninos
Lengos de seda rxos para senbora a
29000 e
Mantas para grvalas e gravatas de
seda de todas as qualidades
Chapeo francez forma modrrna
LenQosde gurguro pretos
(ticas capellas brancas para noivados
Saias balao para senhora e meninas
Tafeta rxo o covado
Chitas franceza a 260, 280, 300, e
Cassas francezas, a vat%
19000
2550O
81500
2#000
5500
#320
500
Setim preto azul e encarnado proprio
para forros cora 4 palmos delargnra
o covado 19600
Casemiraliss de cores 2 larguras, o co-
vado .290OO
Chales de mi ro bordados, lisos ees*
tampados de todas as qualidades
Seda lisa preta e de cores propria par?
forros com 4 palmos delargura, o
covado 19500
Ricos cortes de seda pretos e de coros
com 2 saias e de babados
Ditos de gaze e de seda phanlasia
Chalas detoquim muito finos
Grosdenaple preto e de cores de todas
as qualidades
Seda lavradapreta e branca
Capas de fil e visitas deseda preta
com froco
GUINDE SOBTIILYTO
DE
Fazendas e roopa feila
NA. LOIA E ARMAZEM
DI
Joaquim Rodrigues Tavares de Helio
RA DOQUEIMADO N. 39
HStTX LO O QUATROPOK1AS.
Tem um completo sortimento de roupa feila e
convida a todos seus freguezes e a quem desejar
ler um uniforme feito com todo gosto dirijam-se
a este estabelecimento que enconlrarao um h-
bil artista chegado ltimamente de Lisboa para
desempenhar as obras a vontade dos freguezes e
ja tem um grande sortimento do paletats saceos
a tngieza de cstamenfia de cor cinzcolo, oscuros,
mais claro a 49 cada um, ditos da mesma fa-
zenda de pura lia fina a 89. ditos de meia case-
mira de cores escuras e claras e sinzentos de
apuradogosto a 109, ditos do caseraira de cores
a 14J, ditos de fina casemira de- quadrinhos a
169, ditos de alpaca fina saceos a 69, ditos so-
brecasacosa 8j, ditos com gola de velludo a 99,
dilos de panno e de casemira preta a sobreasa-
dos a 229, 25| o 309. sobrecasacos muito finos a
3og e 409, pletots de brins, de fustao ede gan-
ga a 49 e 59, collotes de velludo bordado a 129,
ditos de gorgurao de seda pretos muito boa fa-
zenda a 63. ditos de casemira a 59, dilos de fus-
toa3j500, caigas debrim e de fustao a4}J e 5$,
ditas de casemira de cores a 99 e 109, ditas pre-
tas a 12J e 149, assim como muitos mais artigos
que seria impossivelaqui as poder mencionar.
Queijos muito novos.
junto ao sobrado novo do Sr. Kgueiroa ven-
S^*6 qe,w' che1Jo no ultimo vapor por
28700 cada um, taanbesa leo qet]o suisso e
queijo prato. '
-* Vende-se uma morada de casa
terrea na ra da matriz da aW-Viata :
a fallar na mesma ra sobrado que vol-
ta para a ru da Glorian. 33.
Bua do Crespo,
loj> n. 25, de Joaquim Ferreira de S, Tendease
por pregos baratissimos, para acabar : pecas de
cambraia Usa fina a89, organdya muito finase
modernas a 500 rs. o covado, cassas aberlas de
hernias corea a 240 rs., chitas largas a 200 e 240,
cortes de cassa de cores a 29. ntremelos borda-
dos a 19500 a peca, babados bordados a 330 a
vara, sedinhas de quadros finas a 890 rs., casa-
veques de cambraia e fil a 59, perneadores de
cambraia bordados a 59. gollinhas bordadas a
840, ditas com pontas a 29500, manguitos borda-
dos de cambraia e fil a 29, damasco de laa Com
9 palmos de largaras 19600, bramante de linho
com 5 palmos de largura a 900 rs. a vara, luvas
para senhora a 100 rs. o par, capas de fuslo en-
tenadas a 59, pegas de madapolao fino a 4$, la-
zinha de quadros para vestidos a 320, camisusde
cambraia bordados a 2J, sobiecasacas de panno
f? JOS e 25S. pletots de panno e casemira de
16 a 205, dilos de alpaca de 39500 a 89, ditos de
bnm de cores e brancos de 39500 a 5$, caigas de
casemira pretas e de cores para todo* ps pregos,
ditos de brim de cores e brancoa de 29 a 59, ca-
misas brancas e decores para lodos os precos,
colleles de casemira de cores finos a 59 ; assim
como outras muilas fazendas por menos do seu
valor para fechar conlas.
Padaria.
Vende-se um esfabelecimenlo de padaria bem
montado,cem um deposito no centro desta cida-
de, em muito bom lugar: tambem ae vende s
a padaria mnito em eanta; a filiar na travesa
do arsenal de guerra a. 1 a 3.
z
i
Barato.
PROGRESSO
de
MI.
^-iargo da Penha--
Os proprietarios deste estabele-
ciraentoconvidam ao respeilavel publico, principalmente aoe amigos do bom e barato, que se
achara em seu armazem de molhados de novamente sonido de gneros, os melhores que tem
rindo a este aereado, porserera escolhidos por um dos socios na capital de Lisboa e por serem
a maior parte delles vindos por conta dos proprietarios
lugos com cliampauVia
das melhores marcas que ha no mercado a 20?W00 e em garrafa a 2?000 .
Figos de comadre
dm caixas proprias para mimo a 19000.
Barris com azeitonas
os mais novos que ha no mercado a 19*2000.
Serveja branca
das mais acreditadas marcas a 58000 a duzia e em garrafa a 500.
Queijos Wamengos
recebidos pelo ultimo vapor de Europa a 39000
Queijos parto
da* melhores qualidades que tem vindo a este mercado a 900 reis a libra, e em porco se fa-
ra algum abalemenlo.
Q uci,\os suisso
recen temen te chegado e de suqerior qualedade a 960 reis a libra.
Cuoeolate
dos melhores autoresde Europa a 900 rs. a libra em porgao a 8tf0/.
Marmelada imperial
do afamado Abreu.ede outros mais fabricantes de Lisboa em latas de i 1 2 libras a 800
rs., em por$o de se far algum abatimento.
Ma?a de tomate
m latas de 1 libra por 900 rs.,em porgao vende-se a 850 rs.
Conservas traucezas e inglezas
as mais novas que ha no mercado a 700 rs. o frasco.
Latas de bolacaiuua de soda
com diferentes qualidades a 19600 a lata
iYmeixAs tvaueezas
as mais novas-que Um vindo a este mercado em compoteiras.eontendo 3 libras or aSlfin r
e em latas de 1 e l| libra por 1*500 reis P
Gaixinuas com 9 Vibras de passas
a 3*000 rs. em porjo se far algum abatimento, vende-se tambem a reulhoa libra a 500 rs.
Mauteiga ingleza
perfeiUmenteflor a mais novaque ha no mercado a 1*000 rs. a libra, em barril se far al-
gum abatimento.
Ca perola
o melhor que ha neste genero a 29500 rs. a libra dito hyson a 2.9000 rs.
Mauteiga frauceza
a 720 rs. a libra em barril se far abatimento.
Toucinuo de Lisboa
o mais novo que ha ao mercado a 320 reis a libra.
Ma^as para sopa
m eaxtnbas de 8 libras com deferentes qualidadespor 49000 rs.
Tambem vendem-seos seguintes gneros, tndo recen temen te chaga do a de superiores qua-
lidades, presuntosa 480 rs. a libra, chounga muita nova, marmelada da mais afamado fabricante
de Lisboa.maga de tomate, perasecca, passas, fruetas em calda, amendoas, nozas, frascos com
amendoas cobertas, confeitas, pastilbss de variasfualidades, vinagre brarco Bordeaux, proprio
para conservas,charutos dos melhores fabricantes de San Feix, magas de todas as qnlidades
gorama muito fina, ervilhas franeezas, champagne das mais acreditadas mareas, cervejas de ditas)
spermaeeie barato, licores francezosmuito finos, marrasquino de zara,' azeife doce purificado, azei-
tonas muito novas, banba de porco refinada e ontro muitos gneros queetcontrsrao tendentes a
molhados, por isso prometiera os proprietarios vedarem pormuilo meaos doqueoutro qualquer
promattem mais tambem servirem aquellas pessoas que mandarem por ostra* pouco pralicas como
m viessem pessoalmenle; rogam tambem a todos os senhores de engenhe a senhores lavraderes
queiram mandar suas encorfimendas no armazem Progresso,que selhes affianca a boaqaalidadaa
o acondicionamento.
Para quem precisa de eslabelecer qualquer ne-
gocio em ponto pequeo, aluga-se a loja da ra
Direita n. 102 com a competente armacao, pro-
pria para qualquer negocio : quem precisar pode
procurar na mesma ra o. tO.
SO NO PRO-
fresso.
Queijos flaraengos chegados no ultimo paque-
te da Europa a 2J500 ; vende-se nicamente no
armazem Progresso, no largo da Penha n. 8.
II Gurgel & Perdigo.
||fiia da Cadeia loja n. 23.
Reoeberam modernos vestidos de phan-
^ tasia e de cambraia brancos bordados.
X Receberara noi-os vestidos de seda, di- _
^ los de blonde com todos os pertences.
j| Roceberan completo sortimento de x
manteletes, saludas de baile, taimas de j
erme de seda, ditas pretas bordadas.
Vendera modernos chapeos de pallia, 8
enfeiles modernos para senhoras.
Vendem as com modas saias balao de 9
musselina e culim para senhoras e me- 31
Dinas. Jj
Vendem seda de quadrinhos, grosdena- M
pies escuros.^itosde quadrinhos,morean- S
tique e lanzinhas em covado, cassas de m
salpico,cambraia de core,organdis e mais S
fazendas proprias para vestidos. m
m^m &*^sn8 ^mmw
A Ioj?i da ba-f
ua ra do Queimado u. ^1
et muito sortida^
c vende muito barato :
Brim braneo de puro linho Irangado a 1J000 e
1*400 rs. a vara ; dito pardo muito superior a
lg2(J0 a vara; gangas francezas muito finas de
padres oscuros a 500 rs.; riscadinhos de linho
proprios para obras de meninos a 200 rs, o co-
vado : cortes do caiga de meia casimira a 18600 ;
ditos de brim de linho de cores a 29 rs.; breta-
nha de linho muito fina a 209, 229 e a 249 rs. a
pega com 30 jardas ; atoalhado d'algodio muito
superior a 1400 rs. a vara ; bramante de linho
com 2 varas de largara a 2*400 a vara ; lengos
de cambraia brancoa para algibeira a 2ji00 a
duzia; ditos meiores a 3$; ditos de cambraia
de linho a 69. 7 e 8$ rs. a duzia ; dilos borda-
dos muito fios n 8> rs. cada um ; ditos de cam-
braia de algodo com bico largo de linho em
volta a 19280; ditos com renda, bico e labyrin-
lo a 23OOO ; e alm disto, outras muilas fazen-
das que se vendera muito barato a dnheiro a
vista : na ra do Queimado n. 22, loja da Boa |
Bonitos cintos para senho
ras e meninas.
Na loja da aguia branca vendem-se mui boni-
tas fitas com fivelas para cintos de senhoras e
meninas, o pelo baratisaimo prego de 2* : em
dita Iota da aguia branca, ra do Queimadonu-
mero 16.
s
Cheguem ao barato
O Preguica est queimando, em sua loja na
ra do Queimado n. 2.
Pegas de bretanha de rolo com 10 varas a
2$, casemira escura infestada propria para cai-
ga, collete e palitots a 960 rs. o covado. cam-
braia organdy de muito bom gosto a 480, rs.
a vara, dita liza transparente muito fina a 39,
4*, 59, e69 a pega, dita tapajja, com 10 varas
a 59 e 69 a peca, chitas largas de modernos e
escolhidos padres a 240, 260e 280 rs. o cova-
do, riqoissimos chales de merino estanpado a
7* a 8*, ditos bordados com duas palmas, fa-
zenda muito delicada a 9* cada um, ditos com
uma s palma, muito finos a 8*500, ditos lisos
com franjas de seda a 59, lengos de cassas com
barra a 100, 120 e 160 cada um, meias muito
finas para senhora a 49 a duzia, ditas de boa
qualidade a 3* e 39500 a duzia, chitas fran-
cezas de ricos desenhos, para coberta a 230 rs.
o covado, ehitaseseuras inglezas a 5*900 a
peca, e a 160 rs. o eevado, brim braneo de paro
linho a 19, 19200 e 1*600 a vara, dito preto
muito encorpado a 19500 avara, brhantin
azul a 400 rs. o covado, alpacas de difieren tas
cores a 360 rs. o covado, easamiras pretis
finas a 2*500, 39 a 3*500 o covado, cambraia
areta e de salpicos a 500 rs. a vara, e outras
muitas fazendas que se far patente ao compra-
dor, e da todas sa darlo amostras jom penhoi*.
240.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
ttoendaa de canoa.
Taixas.
Rodas dentadas.
Bronzes e sguilhBes.
Alambiques de ferro.
Crivos, padres etc., etc."
Na fundigo da ferro de D, W. Bowman,
na do Brum passando o chafartz.
Bolsas de tapete para
rgens.
Vendem-se mui benitas! bolsas de tpele pro-
prias para tmbhs, etc^ ata., pelos kwraaiaaisaoa
pregos de 59, o* a 79 : na loja da aguia branca
ra do Queimado o. 16: '
(Liana americana a 100 rs.j
de 200 jardas
branca e de todas as cores, estas linhaa
sao fabricadas para cozer em machinas
por serem mullo fortes e iguaes sao as
melhores linhas que tem vindo a este
' mercado.
[Retroz e trogal preto e dej
cores
tambem proprio para coser em machi-
nas, vem em carretela e vende-se em li-
bra a 20* ou 2$ um carretel de 12 em li-
bra : na ra da Imperatriz n. 12, princi-
pal deposito de machinas de coser.
N. B. Como existe um grande sorti-
mento destes objectos vende-se mesmo
a quem oo tem comprado machina da
p cozer.
Vinho do Porto, genuino,
Rico de 1820.
Sloraacal de 1830.
Precioso de 1847.
As duzias.e em caixinhas, a dinheiro, por
rato prego : vende-se na ra do Trapiche n.
escriptorio.

ba-
40.
Fende-se
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas*.
Camisas inglesas.
Peitos par ac misas,
Biscoutos
Emcasade Arkwight 4 C, ruada
Crus n. 61.
iohaa38S00
Veodesefarinhade mandioca a 3^500
a sacca : na ra da Madre de Dos nu-
mero 35.
* 3 jes) ~9 I O & 5 SO SBSCaSBOD^
Cassas de lindos padrees e cores fixas que se
pode garantir aos comprados, s240 rs. o covado,
na ra do Queimsdo, loja de 4 portas n. 39.
Ainda contina a eslar para se vender, per-
mutar por casa nesla cidade. e em ultimo caso,
arrenda-se a quem Ozer as obras e concerlos que
a casa precisar, sendo descontada a quanlia gasta
do aluguel que tiver de pagar, o sitio da travessa
do Remedio, na freguezia dos Afogados n. 21:
quem o pretender, entenda-se com seu proprie-
tario na ra de S. Francisco, como quem vai pa-
ra a ra Bella, aobrado n. 10, ou na alfandega
aonde empregado.
Relogios.
Vendem-se em casa de Braga, Silva & C, re-
logios de ouro de diversos fabricantes inglezes,
por prego commodo.
Issucar e caima.
Vende-se assocar mascavado a 100 rs. a li-
bra, agurdente de canna engarrafada a 240 a
garrafa ; oa traveasa do pateo do Paraizo n. 16
casa pintada deamarello.
Esteiras da India de 4, 5
e 6 pamos de largo.
No armazem de tazendas da ra do Queimado
n. 19, propriamente para forro de salas e camas
por ser di melhor qualidade, e todas brancas
Vende-se doce da casca da goiaba, o que
pode haver de melhor neste genero : no paleo
do S. Pedro n. 6.
Tachas e moendas
Braga Silva & C., tem sempre no seu depo-
sito da ra da Moeda n. 3 A., um grande sorti-
mento de tachas e moendas para engenho, do
muito acreditado fabricante Edwin Maw a tra-
tar no mesmo deposito ou na ra do Trapi-
che n.4.
Chega para todos.
Cassas francezas muito bonitas e de cores Gxas
a doze rinlenso covado, mais barato do qne
chita, approveitem em quanto nao se acabam ;
oa ra do Queimado n. 22, na bem conhecida lo-
a da Boa P.
Hna do Queimado n. 39
Loja de quatro portas
DE
JOAQUIM RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Ha cortes de vestidos de seda de cores, fazenda
muito superior com pequeo toque de mofo a
609000, dilos sem detono a 1009000, tem um
resto de chales de toquim que estao-se acabando
a 309000, ditos de mirin bordados com ponta
redonda a 89000, ditos sem ser Je ponta redonda
a 85000, ditos estaopados com listras de seda
em roda da barra a 99000, ditos de ricas estam-
pas a 73*000, ditos de ganga franceza com fran-
ja branca a 2000, ditos, sera franja e muito
encorpado a 29000, ricos manteletes de grosdi-
niples preto e de cores ricamente enfeitadosa
259000, ditos muito superiores a 309000, en-
feiles de vidrilho preto a 39000, ditos de retroz
a 39500, organdisda mais fina que ha no mer-
cado a 19OOO o covado, cambraias decores
de padres muito delicadosa 800 rs. a vara, ditas
de outras qualidades a 600 rs. a vara, ricas chitas
sYo^M"^ Pegas de cambraia de flore. 39500 a peca,
ozu, e *uv rs. ao covado, a melhor que se pode- chita franceza clara e escura a 20 rs. o covado
imaginar, pellos para camisa a 240 rs. cada uma, [grvalas de linbo a Pineau o de setim a 500 rs.',
cortes de caseraira decores a 6>000 ditasemgr09denaple prel0 a 'J900 teof> e a*400 c-
pesca da auadrinhnaa 4finn ,n.^* ",,:'.?* v.ado- cortes de cambraia de cores a 29200, atgo-
t
Seguro contra Fogo
COHP1HHIA !
LONDRES
..AGENTES
JG J. Astley A Gompanhia.
!
i
para
Vende-se
Formas de ferro
purgar assucar.
Enchadas de ferro.
Ferro sueco.
Fspingardas.
Ac de Trieste.
Pregos de cobre de com-
posico.
Barrilha e cabos.
J Brim de vela.
Couro de lustre.
Palhinha para marcinei-
ro: ao armazem
J. Astiey&C
a.3-5 I2nV! San?
em de C. j
IEL0GI0S.
Yende-se ennasa de Saunders Bro hers &
C. praca do Corpo Santo, relogios do afama
do abracante R osle el 1, por precos commodos
o tambemrancelllns e cadeiasrara os meamos
deexceellnte costo."
Para acabar.
Pegas de esmbrata de flores a
------ "www* U1IO CUi
pesca de quadrinhos a 43*000 o covado, gollinhas
de muito bom goslo a 19000, dilos de outros
bordados ricos a 30000, manguitos da cambraia
bordados a 3*ooq, tiras bordados e entrimeios
que se vendem por preco commodo, bombazil de
cores proprio para roupa de enancas, e capinhas
para senhoras a 19400 rs. o covado, cortes de
cambraias de salpicos a 5W)00, cortes de cam-
braia enfeitadas com tiras bordadas a 69000,
e outras muitas mais fazendas que ser difcil
aquipode-las mencionar todas.
Por metade do sea
valor.
Ra do Queimado n. 19.
Vestidos de gato e phantasia,muitoslindos.de
c'te' Pel *K*tit,Im# P*codol09cade
Cambraias
baratas.
19 Ruar do Queimado 19
Cortea de cambraia branca muito fina com sal-
picos miudinhos a 49000.
Cambraieta para vestido, muito fina, pelo ba-
ratisaimo prec.0 de 296OO, 9800,39 e 39500 cada
peca.
Baldes de mussulioa, ditos arrendados, ditos
dio com 20 jardas a 9 e 39300, e 49900 com 22
jarda,chapeos de sol de panno a 19800, ditos de
fuliro pra cabera a 49 e $9800, meia para se-
nhora a 3ff500, e 39800 superior, algodio de duas
larguras a 600 re. a vara, chales de la oscuros
a I98OO, brins miudos a 190 o covado, ditos de
linho puro braneo fino a IglOO a vara, camisa
franceza de cores e brancas a 1*700, madapolo
a 39300, 49500 e 5f a peca, e outras muitas ta-
zendas que vista do comprador far fe: na loja
da ra do Passeio Publico n. 11.
As melhores machinas de co-
zer dos mais afamados au-
toresde New-York, Singer
& C, Whecler A Wilsou e
Geo. B. Sioat 4 C.
r .Ua ma-
canas aue
ao as melho-
' e *.ais
aura d o oras
moslram-se a
o,ualqor hora
e eaaiaa-se a
to***loa as
casas dos com-
pradores ga-
rantindo-ae a
ua boa quali-
dade e dura-
do : no depo-
sito da ma-
chi naa de
Ratmuado CarlosLeile & Irmo IIN Qt jm_a
ratriz n. 12, adligamente aterro 'a Boa-Tiata



DUAie ai f kihamtuco. tsrsa *ehu i jb -jamuro biei.
W
Qualidades escolhidas.
4o:-ttua DreiU--45
Eis a (esta I E neceasario reeovar o oalgado e
correr ao stabelecimento da ra Direita, que o
vende muito fresco e era perfeiio estado por es-
tes pregos :
Borzeguins de hornera (bexerro e lustre) 9|500
Ditos de dito idem) 9JJ000
Ditos dedito idem) 8J500
Ditos dedito idem) 8JU0O
Ditos dedito idem) 69000
Borzeguins de senhora 59000
Ditos de dita 4&800
Ditos de diU 4*500
Ditos de dita 4J000
Sapatoes de bezerro (3 1[2 balera) 59600
Ditos de dito e de lustre 5&A0O
Meios borzeguins de homem 6(000
Borzesuios de menina 4-gQOO e 39600
Sapa toes de bezerro para menino 4f e 39500
Sapatos de lustre para senhora a 1$200
Pechinchasem
igual.
Gassas francezas de cores a 200 rs. o
covado, ditas muito linas miudinhas de
multo lindos padrees a 240 rs. o cova-
do, ditas organdys matisadas a' bom
gosto a 210 rs. o covado : na lo ja do so-
brado de 4 andares na ra do Crespo
n. loeno armazem da ra do Impera-
dor n. 36 de Jos Moren-a Lopes.
i
Labras sterlinas.
Vende-se libias sterlinas no escriptorio de Ma-
noel Ignacio de Oliveira & Filbo, no largo do
Corpo Santo.
Campos (L Lima
receberam una factura de chapeos de sold se-
da para homem, leudo entre estes alguna peque-
nos que serreos para as senboras que vo para o
campo tomar baahos se cobrirem do sol,e como
a porco seja grande se resolverao vender pelo
prego de 69 e 6(500, e alguns com pequeo de-
leito a 59 : na ra do Crespo n. 16. | a*
Gomma do Aracaty.
Vende-se excellente gomma de Aracsty; na
ra da Csdeia do Recife, primeira andar, o. 28.
Pechincha.
Vende-se urna negrada nagao, ou troca-se por
um moleque : na ra do Rasgal n. 11.
Na loja do barateiro, Braga &
Lima, na ra Direita n. 68,
alm de moflas fazendas e roupas feitas existe
grande quantidade de chales de chila pretos a 69
a duzia.
Algede mofistro.
Vende-se algodo monstro com duaslsrguras,
muito proprio para toalbaa e lenges per dispen-
sar toda e qualquer coatura, pelo baralissimo
preco de600rs. a vara ; na ra do Queimado n.
s, na loja da bea f.
BASTOS
Vendem-se5carrosnoros com lodosos
arreios : na ra Nova n. SI.
1
Ceblas.
Vende-se a 60 e 800 rs. o cento ; na travessa
do pateo do Paraizo n. 16, casa piniada de ama-
relio.
Ra do Queimado
n. 39.
Loja de quatro portas
DE
JOAQUIM RODRIGUES TA VARES
DE MELLO.
Chegou ltimamente a este eslabeleclment um
completo surtimento de chapeos pretos francezes
do melhor fabricante de Pars, os quaes se ven-
dera a 7*000, ditos a 89000, ditos a 98>000
ditos muito superior a 109000, ditos de castor
pretos e bra acosa I6000, o melhor que se
pode desejar, chapeos de feltro a Garibaldi de
muito superior massa a 79000, ditos de copa
baixa para diversos pregos, ditos de palha escura
de varias qualidades que se vender por preco
barato, bonets de veludo para meninos a 59000,
ditos de palha escuras e claras a 49000, ditos
de panno muito bem arranjades a 39500
chapeos de seda para senhoras a25000 muito,
superiores, ditos de palha escuras proprios para
campo a 1 25000, ditos para meninas a 109000,
chapeos de sol de seda ioglezesa 109 e a 129
muito superiores, ditos francezes a 89OOO,
ditos de panno muito grandes e bons a 49000.
sapatos de veludo a 29000. ditos de tranca a
19600, sintos de gruguro para senboras e me-
ninas a 29000, coeiros de casemira ricamente
bordados a 129000, e outras muia fazendas
que a vista dos freguezes nao deixarao de com-
prar.
FROCO.
Vende-se frco de todas as edres e grossuras,
com rame e sem elle a 400, 500, 640 e 19 rs. a
peca ; na ra do Queimado, loja da aguta bran-
ca n. 16.
DA
FINDMO LOW-MOW,
Roa da Scnzalla Nova n. 42.
Neste estabelecimeoto contina a haver um
completo sortimento de moendas e meias moen-
das para engenho, machinas de vapor e taixas
te ferro balido e coado, de todos os lamanbos
para dito.
Liquidacof
A dinheiro.
Na loja do finado Antonio]
Francisco Per eir,
ra do Crespo numero 8.
Paletots de panno prelo saceos muito
H linos a 123 e 16g, chaly de quadros a 320
frs. o covado, mosselinade urna s cor a |
240 rs. o covado, cortes de casemira mui- <$
to finos a 59, barege e gaze a 500 rs. o S*
covado, organdis de bom gosto a 800 e 8>
Jp 900 rs. a vara, chapeos de seda para se- <
H nhora a 159 e 259 (gosto de Pars) e ou-
n tros muitos arligos por baralissimos t
f precos. m
g Vestidos de seda a 30$ 9
|g com pouco mofo e perfeilos a 50$ e 809 o fazenda de muito bom gosto.
RSA>Uifi*^UiA a-ja aA SUfr^ Qt-o a CD-a aq'O yfi
Fil brauco a 500 rs. a va-2
ra, esta fazenda muito boa e propria 2?
para ossuores campestres. if
Laaziohag de quadros e lavrdas com .
SK flores a 360 rs. o covado.
Lia escosseza com fios de seda a lg20
o covado, tarlatana a 400 rs. a vara.
Capas prelas de borracha e 15$.
Grosdenaple cor de caf e mais cores a
19700 o covado, sodiohas de bom gosto
a I920O o covado, grosdensple furia eores
com quadrinbos (gosto de Paris) a I96OO
o covado.
Modas de Paris.
Vestidos do cambraia brancos bordados
de duna saias'a 309, musselina branca do
cordo a 600 rs. o covado, cambraia bran-
ca de palminhas, flores e salpicos.
Ceblas a 600 rs.
o cento,
Vendem-se ceblas a 600 rs. o cento : na ra
dasCruzes n. 24, esquina da travesea do Otrvidor
Vende-se um chapee novo 4o Chile, finis-
simo, por 150|: sa praga da Independencia, lo-
ja ns. 19 e 21.
i Remed s americanos i
2 D DOCTOR
iRadway & C, de New-Yorkf
g PROMPTO ALIVIO |
Reselntivo renovador.
* Pihuas reguladoras.
Estes remedios j sao aqu bem conhe- 9
2 cios pelas admiraveis curas que tem ob- 9
tirio em toda a sorte de febres, molestias 9
chronicas, molestias de senhoras, de pe- 9
9 le etc., etc., conforme se v as insiruc- 9
9 cues que se achira, traduzidas em por- 9
9 tuguez. &
|Salsa
parrilha legitima eg
original do antigo g
SDR. JACOBTOUMSEND
0 melhor purificado!* do sangue
cura radicalmente
"I Erisipela. Phtisices. f$
Rheumatismo. Catarrho.
f Chagas. Dnencas de figado. ^
a Alporcas. EfTeitosdo azougue. m
* Impingeos. Molestias de pelle. m
fi Vende-se no armazem de fazendas de a
a Raymundo Carlos Leile & Irmo, ra do a
lmperatrizn 12. a
9em @@@s
Potass* da Russia e cal de
Lisboa.
No bem conhecido eacreditado deposito da
ra da Gadeia do Recife n. 12, ha para vender
verdadeira potassa da Russia nova e de superior
qualidade, assim como tarabem cal virgera em
edra, tudo por precos mais baratos do que em
utra qualquer parte.
Vende-se urna escrava crioula. cozinha e
engomma suffrivel, e cose costura chas, de ida-
de 20 anuos, bonita Ggura, sem vicios ncm acha-
ques : na ra da Guian. 9, taberna .
tmv*S98&Q 9*39*3 &eeissi33a
ROL'PA FEITV AIM.4 MAIS BARATAS.
o SORTIMENTO COMPLETO
DB
fazendas e obras feitas.
nx
LOJA E ARMAZEM
DE
IGes & Bastol
NA
Una do Queimado
n. 46, frente amareWa.
_ Constantemente temos um grande e va-
riado sortimento de sobrecasacas prelas
de panno e de cores muito fino a 28$,
30$ e 359, paletots dos mesmos pannos
a 20$, 22j] B 24$, ditos saceos pretos dos
mesmos pannos a 149, 16$ e 18$, casa-
casrpretas muito bem feitas e de superior
panno a 289, 30$ e 359, subrecasacas de
casemira de cores muito finos a 159, 16$
e 18$, ditos saceos das mesmas casemi-
ras a 10$, 129 e 14$, cairas prelas de
casemira fina para homem a 89, 99. 10/
e 12, ditas de casemira de cores a 7$, 89,
99 e 109, ditas de brim brancos muito
Gna a 58 e 69, ditas de ditos decores a
39, 39500, 49 e 49500, ditas de meia ca-
semira de ricas cores a 4$ e 4$50O, col-
leles pretos de casemira a 59 e 69, ditos
de ditos de cores a 4$500 e 59, ditos
brancos de seda para casamento a 59,
ditos de 69, colletes de brim branco e de
fuslo a 39, 39500 e 49. ditos de cores a
2500 e 39, paletots pretos de merino de
cordo sacco e sobrecasaco a 78, 89 e 99,
cuteles pretos para lulo a 4;50O e 59,
gas prelas de merino a 49500 e 59 pa-
lelots de alpaca preta a 39500 e 4$, ditos
sobrecasaco a 69, 79 e 8$, muito fino col-
letes de gorgurao de seda de cores muito
boa fazenda a 39800 e 4$. colletes de vel-
ludo de crese pretos a 79 e 89, roupa
para menino sobre casaca de panno pre-
tos e de cores a 149, 159 e I69, ditos de
casemira sacco para os mesmos a 69500 e
79, ditos de alpaca pretos saceos a 39 e
395OO. ditos sobrecasacos a 5$ e 59500,
calcas de casemira prelas e de cores a 69,
6$500 e 79, camisas para menino a-209
a duzia, camisas inglezas pregas largas
L5 muito superior a 329 a duzia para acabar.
9g Assim como temos urna officina de al
fi Caale oude mandamos*ezecutar todas as
i| obras com brevidade.
2f 9863I929312 SttS$3 gflfiatSifftSMfiM
Vlt cu* wmm vam eimm mbvvjii WwvmvDVVflnPi
A 2,000 ris!!
Sapatos de borracha para senhora e 29500para
homem de pe grande: na ra da Imperatriz o. 12.
Grammatica in-
gleza de Ollendorff.
Novo methodopara aprender a lr,
a escrever e a fallar i nglezem 6 mezes,
obra inteiramenfe nova, parauso de
todos os estabelecimentos de nstruc-
c5o, pblicos e prticulares. Vende-
se na praca de Pedro II (antigo largo
doGollegio) n. 37, segundo andar.
Inleresse publico.
6 escravas de idade 25 a 40 annos,*fazem todo
o servico interno e externo de ama casa, de pre-
cos de 7009 a 8509, 1 bonita moleca de idade 9
aonos por 9009, 1 bonito moleque bom boleeiro,
de idade JO airaos : na roa de Aguas Verdes nu-
mero 46.
que out 'ora tuina loja na ra do Quei-
mado n. 46, que gyrava 10b a Arma de
Ges & Bastos participa aos seus nume-
rosos freguezes que dissolveu a sociedade
que tinha cora o mesmo Ges tendo sido
substituida por um seu mano do mesmo
nomo, por isso Qrou gyrando a mesma
firma de Ges & Bastos, assim como apro- ,
veita a occasio para annnnciar abertura I
do seu grande armazem na ra Nova jun-
io a Conceico dos Militares n. 47, que
passa a gyrar sob a firma
DE
Bastos com um grande e numeroso sortimento de
roupas feitas e fazendas de apurado gos-
i| lo, por precos muito modificados como 6
, de seu costnme, assim como sejam : Ti-
licos sobrecasacos de superior panno fino
S prelo o de cor a 25$. 28$ e 309, casacas
do mesmo panno a 309 e a 359. paletots
snsrecasacados do mesmo panno a 189,
209 e a 22$, ditos saceos de panno prelo a
i 129 e a 14$, ditos de casemira de cor
I muito fina modelo inglcz a 9$, 109. 129
el49, ditos do estamenha fazenda de
apurado gosto a 59 e 6$, ditos de alpaca
preta e de cor a 49. sobrecasacos de me-
rino de cordo a 89, ditos muito superior
a 129, ditos saceos a 59, ditos de esguiSo
pardo fino a 4fc, 49500 e 5$. ditos de fus-
laaade cor a 39, 385UO e 49, ditos bran- i
eos a 49b00 e 595C0, ditos de brim pardo \
fine smco' a 2$800, calcas de brim de cor i
finas a 39. 39500, 49e"4$50O. ditas de di- !
to branco finas a 5$ e 69500, ditas de
princeza proprias para luto a 4$, ditas de
merino de cordo pteto fino a 59 e 69,
ditas de casemira de cor e preta a 89, 99
el09, colletes de casemira de cer e pre-
ta a4$500e59, dilusdo seda branca pan
casamento a 59, ditos de brim branco a
39 e 49, ditos de cor a 39,colletes de me-
rino para luto a 4$ e 49500, ricos rob-
chambres de chila para homem a 109.pa-
letots de panno fino para menino a 12$ e
149, casacas do mesmo panno a 15$,caigas
de brim e de casemira para meninos, pa-
letots de alpaca ede brim para os mesmos,
sapatos de (ranga para homem e senho-
ra a 19 e 19500, ceroulas de bramante a
18j e 209 a duzia, camisas francezas fi-
nas de core brancas de noros modelos a
17$, 189, 209, 24$. 289 e 309 a duzia,
ditas de peitos ae linho a 309 a duzia, di-
I tas para menino a 1)800 cada urna, ricas
1 grvalas brancas para casamento a I98OO
\ e 29 cada urna, ricos uniformes de case-
mira de cor de muito apurado gosto tanto
no modello come ni qualidade pelo di-
minuto prego de 35$, e s com avista se l>
pode reconbecer que barato, ricas capas iE
de casemira para senhora a 188 e 209. S
e umitas outras fazendas de excellente w!
gosto que se deixam de mencionar que jffj
por ser grande quantidade se torna en- 11
adonho, assim como se recebe tada e SS
qualquer encommenda de roupas feitas, fk
para o que ha um grande numero de fa- S
zendas escolhidas e urna grande officina xj
de alfaiate que pela sus promptidao e per- o*
feigo nada deiza a desejar.
Vendem-se escra vos.
Um molatinho de 18 annos, boleeiro, 1 dito de
asnos por 3009 com um pequeo deleito, 2 ne-
gras de 30 anuos, que cozinha o diario de ama
asa, e sio boas enssboadeiras, 1 negro de 20 an-
nos, 1 moreque de 15, el negra de 22, ambos
para o servico de campe, 1 moleque perito co-
peiro de 18 annos, e outros escraros que ae
achara venda 00 escriptorio de Francisco Ma-
linas Pereira da Costa, na ra Direita n. 66.
Barato que admira.
Superiores cortes de chita franceza larga de
muito lindos padrdes, de cores escuras e claras,
miudtnhas, com il cevados cada corle, pelo ba-
ralissimo prego de 29500; na loja do sobrado de
4 andares na ra do Crespo n, 13, de Jos Mo-
reira Lopes.
Espirito de vinho.
Vende-se de 29560 a 29800 a caada : na tra-
vessa do paleo do Paraso a. 16, casa pintada de
amarello.
Vende-se na cidade do Aracaty urna casa
terrea com sntao, bom quintil e cacimba, na prin-
cipal ra de commercio, propria para quem qui-
zer aliestabelecer-se, por ter nao s commodos
precisos para residencia, como tarabem loja, arma-
zem, etc.: a tratar na mesma cidade com os Srs.
Gurgel Irmos, que esiao autorisados para esso
lim, du nesta praga na ra do Cabugfi, leja n. 11.
A 9,000 a arroba.
Vende-se cera de carnauba da velha
e nova safra a preco de 9/f: no antigo
deposito do largo da Assemble'a n. 9.
Arados americanos e machinas
paralavarroupa:emcasa deS. P. Jo-
Imston & C. ra daSenzala n.42.
Relogios.
Vende-se em casa deJohnstonPater & C,
ra do Vigario n. 3, umbello sorlimenlo de
relogios de ouro, patate inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool ; tambem '
urna variedade de bonitos trancelins para o--
mesmos.
Cheguem loja da Boa f \
Chitas-francezas muito finas de cores fizas a
280 rs. o covado ; cambraias francezas muito fi-
nas a 640 rs a vara ; idem lisa muito fina a
49500 e a 6$000 a pega com 8112 varas; dita
muito superior a 8$000 a pega com 10 varas;
dita fina com salpicos a 498OO a pega com 8 1i2
varas; fil de linho liso multo fino a 800 rs. a
vara ; tarlatana branca e de cores a 800 rs. a va-
ra ; e outras minias fazendas que, sendo a di-
nheiro, vendem-;e muilo baratas: na ruado
Queimado n 22, na loja da Boa f.
Lencos para rap.
Vendem-se lengos muito finos proprios para os
tabaquistas por serem de cores escuras e flxss a
59OOO a duzia : na ra do Queimado n. 22, na
loja da Bea f.
BATATAS.
S DO Progresso, chepudas no ultimo paquete a
mente no armazem Progresso.
39IOO a arrima 120 rs. a libra, uniea-
Fume em folhapara charutos.
De todas as qualidades em f.rdos
grandes e pequeos: na travessa da
Madre de Dos armazem n. 21.
Vendem-se saceos cem farelo de Lisboa a
49500, saceos com feijo mulatinho proprios pa-
ra animaos a 39 o sacco: no pateo de S. Pedro
numero 6.
Vende-se urna mulata de idade 18 annos,
com urna cria-de 4 mezes. engomma, ensaboa
perfeitsmenle, cozinha e faz lodo o mais servigo
de urna casa, muito rariohosa para criangas: na
ra do Queimado n. 39, loja de fazendas.
Vende-s a casa de sobrado na ra
Imperial n. 79, com frente para o largo
do viveiro e no fundo passa a estrada
de ferro: a tratar na ra Direita loja de
miudezasn 103 ou no Recife na ruado
Capim escriptorio do Sr. Hanoel da Sil-
va Santos a tratar com Joao Ferreira
dos Santos Jnior.
E' baralissimo!
Ra do "Crespo n. 8, loja de 4 portas.
Cassas de cores fizas miudinhas a 240 ra. o co-
vado, cambraia, organdys lindos desenhos a 400
rs. o covado, e chitas largas finas de 240, 260 c
280 o covado, e outras muilas fazendas por ba-
ratissimo prego : ao-se amostras com penhor.
Vende-se urna.casa terrea na ra de Sania
Rita n. 63 com portao para a ra da Prais : quero
a pretender dirija-se ra do Queimado n. 33,
loja de ferragens.
Vende-se urna carroga : oa padaria da ra
dos Pescadores ns. 1 e 3.
,,*w ^9JWW9JW wwwOTW ffftmt WHrW CT^ OTF CTtiVi *m
Na ra da Cruz n.
vapor Tocantins.
Na loja da Boa fe vende-se
panno prelo fino a 49, 59, 69, 89 e 10$ rs. o co-
vado, casimira preta fina a 2J, 39 e 49 rs. o co-
vado ; gros de naples preto a 29, 2fl500 e 39 o
eovado ; alpaka preta fina a 640, 800, e muilo
fina a 19 rs. o covado ; casimiras muito finas de
cores .escuras com 6 palmos de largura a 49 rs. o
covado ; ditas de cores claras a 6$ rs. o corle de
caiga ; meias de algodao cr muito superiores a
498OO rs. a duzia ; ditas ie algodao cru tambem
muito superiores para meninos a 4$ a duzia ; e
OllOlinC i\^ \l nOC assim muitos 01.(ros arligos de le que se ven-
V"vJ|Uij vlC 1vI111CA9 dera baralissimos, sendo a dinheiro : na referida
loja da Boa f, na ra do Queimado n. 22.
Camisas e loalhas.
Vendem-se camisas brancas muito finas pelo ba-
ralissimo prego de 289 rs. a duzia ; toalhas de li-
nho para rosto a 99 a duzia ; ditas felpudas mui-
to superiores a 12 a duzia : na ra do Queima-
do n 22, loja da Boaf.
Paletos.
Vendem-se paletos de panno preto fino, muito
bem feitos a 229 rs.; ditos de brim branco de
linho a 59 rs.; ditos de setineta escaros a 3500,
Anda se vendem cassas de cores fizas, padres muilo barato, aproveitem : na ra do Queima-
do n. 22, loja da Boa f.
Milho novo.
novo em saceos mui-
na ra da Senzala
Vende-se milho
to grandes a 5,s :
Velha n. 106.
Cassas de cores.
muito bonitos, pelo baratissimo prego de 240 rs.
o covado, e mais baralo que chita: na ra do
Queimado n. 22, na bem conhecida loja da
Boa f.
ranos
Vende-so urna escrava preta crioula muito
boa figura, excellente engommadeira, costureira
e cozinheira ; na ra do Hundo Novo n. 68, se-
gundo andar.
Saunders Brothers & C. tem para vender em
eu armazem, na praga do Corpo Santo n.ll,
alguns pianos do ultimo gosto recentimente
chegados dosbem conhecidose acreditados fa-
bricantes J. Broadvood & Sons de Londres a
muito proprioroara este clima
Rival sem segundo.
Na ruado Queimado n. 55, loja de miudezas,
est queimando os seguintes arligos abaixo de-
clarados, todas as miudezas estao perfeitas, e o
prego convida :
Caixas de clcheles a 40 rs.
Carios de dilus a 20 rs.
Croza de pennas de ago muito finas a 500 rs.
Charutos muito finos, caixa com 100 a 29500.
Groza de bolOes de louga a 120 rs.
Carretel de linha com 100 jardas a 30 rs.
Bules com banha muito fina a 320 rs.
Ditos com dita dita a 500 rs
Banha em lata com 1|2 libra a 500 rs.
Frasco de oleo de babosa a 400 rs.
Caixas com obreias muilo novas a 40 rs.
Ditas com phcsphoros especiaos o melhor que
ha a 160 rs.
Pares de meias cruas pera homem a 160 rs.
Ditos de ditas muito linas a 200 rs.
Pegas de franja de lila muito bonitas cores a
800 rs.
Duzia desabneles muito finos a 600rs.
Iscas para acender charutos a 60 rs.
I'hosphoros em caixa de folha a 100 rs.
Cartas de alfineles finos a 100 rs.
Calzas ti sgulhas francezas a 120 rs.
Pares de sapatos do tranga de algodo a 1.
Ditos de la para meninos a 200 rs.
Frascos de macass perola a 200 rs.
Ditos de oleo a 120 rs.
Duzia de facas e garlos de cabo preto a 3.
Pares de luvas de fio de Escocia a 320.
Hassos de grampas finos a 40 rs.
Caivetes de aparar penna a 80 rs.
Tesouras para uuhas e costura muito finas a
500 rs.
Pegas de tranca de la com 10 varas a 320.
Escovas para denles muito finas a 200 rs,
Cordo imperial fino a 40 rs.
Dito grosso a 80 rs.
Cordoes para espartilho a 80 rs.
Caixas para rap muito finas a 19.
Psresde meias de cores prra meninas a 160 rs.
Linha de marcar (novello) 20 rs.
Groza de marcas para cobrir a 60 rs.
Luvas
As melhores turas para montar a cavallo ;
vendem-se em casa de J. Falque, ra do Crespo
a. 4, chegadas pelo ultimo vapor.
Cevarfa nova,
Vecde-se tanto a retalho como por atacado,
pelos pregas seguintes : arroba a 2J200, e em
saceos a 2g a arroba: na ra da Peona n. 33,
taberna.
Vende-se cem de carnauba, superior qua-
lidade, e por mono de que em qualquer outra
parte ; a tratar na ra da Guia, taberna n. 9, ou
na ra da Madre do Dos n. 4.
I *3* NA LOJA
[ Encyclopedica
DE
Guimares & Villar.
Ra do Crespo numero 17.|
j Vende-se fazendas de superiores qua-
t dades e gostos por precos incriveis:
Chapeos de seda para senhora brances e
de cores a 159.
Ditos ditos do ditos de cores e brancos a
209000.
Ditos de palha ticamente enfeitados a
. '289 e 409.
Riquissimos cortes de cambraia branca
bordados a 359.
Ditos ditos s 209.
i.aas de Garibaldi em corles com 25 co-
vados a 109.
Cassas a Garibaldi e outros delicados
gostos a 700 rs.
Cassas miudas superior fazenda de cores
fizas a 200 rs. o covado.
Las de todas as qualidades a 39600 rs.
Manteletes, sahidas de baile riquissimas.
Chitas francezas de todas as qualidades.
Sedas de quadrinhos e gros de todas as
cores. *
Cambraia branca da China com palmas de
9 varas cada pega a 6$50O.
Saias bales de 30 arcos a 59.
Chales de touquim brancos e outras qua-
lidades do chales finos.
Cambraia bordadas a mo a pega a 249.
Saias bordadas e de (uslo.
Sedas de cores e prelas de 2 saias borda-
das a velludo em cartes ultima moda
de Pars.
Esparlilhos de molas.
Grande sortimento
de roupas feitas. sobrecasacas, paletots,
colletes, cale js,camisas e seroulas, meias,
grvalas etc., etc.
! Calcado Mell ltimamente chegado de
1 Paris.
Neste estabelecimeoto encontra-se
1 grande sort ment de fazendas de to-
das as qualidades proprias para seoho-
ras, horneas e meninas e seus pregos
1 sao admiraveis.
Aos prqprietarios de co-
cheiras, de carros de
aluguel, e particulares
NaJoja da ruado Crespo n. 14, vende-se um
completo sortimento, de objectos para rorro de
carros, como sejam, vaquetas, sota, encerado,
lanternas, chicotes, gales, virola, borllas, da-
masco de seda, puxadores. botos, velas de cera,
e arreios para cabriole!, tudo por menos prego do
que em outra qualquer parte.
Sedulas de 1,000 e de!
5Me lima figura.
Trocam-se.estas sedulassem descont
por fazendas que vendem-se por baralis-
simos precos, na ra do Crespo loja ama-
relia n.8 de Leandro Lopes Das succea-
sor de Antonio Francisco Pereira.
Fazendas linas.
Vendem-se chapeos de seda de muilo
bom gosto a 159 c a 259, vestidos de se-
da de muito bom gosto a 40g, 509 e 80$,
ditos de barege e gaze a 109, ditos de
cambraia branca bordados (mullo ricos),
haly e barege s 500 rs. o covado, or-
gandis de muilo bom gosto a 800 e 900
rs. a vara, basquinas de fil com ricos bi-
cos de seda a 39, talhos rom bicos para
e vestidos de senhora a 500 rs., camisas
5 com pellos e puohos de linho a 309 a du-
f zia, gollinhas bordadas para senhora a 3
g 19. mussulinas de urna s cor s 240 rs. V
1| o covado e muilas ouiras fazendas de bom S
2c gosto que se vendera por metade de seu i
ai valor ni ra do Crespo loja aroarella n. 1
S 8 de Leandro Lopes Dias successor de SE
H Antonio Francisco Pereira. |
nvx rvtii-m c7on RB* W VAV C7>oVTTiW Z7m% 9ZVV!ni W
J0I4S.
Seralim Si Irmo com loja de ourives na ra do
Cabug, esquina n 11, confronte a ra Nova e
pateo da matriz, participara a seus amigos, fre-
guezes e ao publico em geral, que se achara sor-
tidos das mais bellas e delicadas obras de ouro
para senhoras, assim como par homens e meni-
nas, pormenores pregos do que era outra qual-
quer parte ; e garnntem ditas obras passando conla
com recibo, declarando a qualiaade do ouro;
para facilidade das familias que quizerem esco-
Iher mais a gosto no estabelecimento, acha-se
este aborto at as 71/2 horas da nuite.
Metachromatypia,
arte de trasladar em poucos minutos, imagens e
desenhos coloridos, impressos em papel prepara-
do, para objectos e materias de loda a especie,
como sejam, madelra, fulha, muro, vidro, pape),
etc., ele. ; vendem-se. curiosas collecjoes ero
caizinhas com a explirago do uso que se faz de
to interessaote diverlimento : na ra da Cadeia
do Recife.
Mesa para escripia, quasi nova ; vende-se
na ra da Imperatriz, loja n. 45.
[Acaba de ebegar ao arma-
zem de Bastos & Reg
Urna grande quantidade de camisas inglezas pei-
tos de linho com pregas largas, e por ser grande |
quantidade deliberamos vender pelo diminuto
prego de 309 a duzia com o fim de dar prompta
extraego : na ra Nova unlo a Conceico dos
Militares n. 47.
Vende-seo engenho Sibir do Mato, silo na
fieguozia de Ipojura ; quera qu'zer-comprar, di-
rija-se ao proprietario Francisco Lins P. B., no
engenho Arendipe, eu ao Sr. Maooel Alves Fer-
reira.
Attenco.
*
Vende-se a taberna da ra Direila n 31, com
poucos fundos, propria para principiante, a prazo
ou a dinheiro ; a tratar na mesma.
Carros
Vendem-se dous ricos carros, um grande e ou-
tfo menor ; no escriptorio de Manoel Igoacio de
Oliveira & Filbo, largo do Corpo Santo.
Xarope peitoral brasi-
leiro.
Os Srs. Joao Souw & C, nicos possuidores
deste xarope ji bem conhecido pelos seusbons
efleilos, continuara a vende-lo pelo prego de 19
cada vidro ; fazem urna difierenga no prego aos
collegas e a todas as pessoas que lomarem de 12
vidros pira cima.
jfe Relogios jBt
oB trFV
Suissos.
Em casa de Schaflelln A C, ra da Cruz n.
38, vende-se um grande e variado aoriimento
de relogios de algibeira horisontaes, patentes,
chronometros, meioschronometros de ouro, pra-
la dourada e foleados a ouro, sendo estes relo-
giosdos primeiros fabricantes da Suissa, que se
vandero >or precos razoaveis.
Vende-se
EM CASA DE
Adamson Howie & G.
Vinho do Porto de superior qualidade.
Tinta de todas as cores.
Lona e filele.
Fio de vela.
Sellins,silh&es, arreios echicotes. $"
Ro| bes.
Ra do Trapiche n. 42.
r Vendem-se noventa apolices da
conrpanhia do Beberibe : na ra Nova
n. i*, primeiro andar.
Ruada Senzala INova n.42
Vende-se|em casa de S. P. Jonhston 4 C,
sellins o silhoes nglezes, eandeeiros e casngies
bronzeados, lonas nglezes, fio de vela, chicote
para carros, e moniaria, arreios para carro de
um dous cvalos relogios de ouro patete
ingles.
Perfumaras
novas.
A loja da aguia branca acaba de receher de sua
propria encommenda vro lindo e completo orti-
mento de perfumaras finas, as quaes est ten-
deado por menos do que em oulra qualquer par-
le : sendo o bem conhecido oleo philoconie ( ba-
nha (Societ Hygienique) a 1 o frasco, finos ex-
tractus em boiiilus frascos de cores e dourados i
2, J850O, 3 e 4. a afamada banba transparen-
te, e outras igualmente finas e noviasimas cobo
ajapooaiaeem bonitos frascos, cuja tampa devi-
dru tambera cheia Oa mesma, huile concrete
odonnell, principe imperial, creme, em bonitos
copinhos com lampa de metal, e muilas oulras
diversas qualidades. todas estas a 19 o frasco
bonitos vasos de porcellana dourada proprios pa-
ra olTerta a 29 e 28500. bonitos bahuzinbos rcm
9 rrasquinhos de cheiro a 2, lindas restii.has
com 3 e 4 frasquinhos, e caizinhas r*dondasfm
4 ditos a 10,800 e ijgoO. finos pos para denles e
agua balsamina para ditos a 19 e 19500 o frasquj.
nho ; e assim urna infinidade de oljec ios que o
patentes em dita loja da aguia blanca, Da ra do
Queimado n. 14.
Escravos fgidos.
No da 8 do rorrenle fugio o prelo Pedro
de nagao, que representa ter 40 annos, pouco'
mais ou menos, estatura regular, magro barba
no queixo, com falla de 2 denles de um 'lado da
parte de cima, levou vestido raiga de brim escu-
ro, chapeo de feliro usado, bem fallante e pa-
rece crmulo, tem o peilo de um p ir.chedo de
eiysipella; este escravo foi arrematado pelo an-
nuncianle em praga publica do juiz dos feitos da
fazenda. porexecugao contra o senhor do enge-
nho Pi-utisla. a quero peitencia o dilo esrravo-
fugio oa padaria das Cinco Puntas que foi da An-
dr Nauzer & C.: quem o pegar, i-ode lea-lo
mesma padaria, ou a seu senhor Joaquim da
Silva Lopes, ne Recife, travessa da lladie de
Dos n. 18, que ser bem recompensado de seu
trabalho.Joaquim da Silva Lopes.
Annuncio.
Fugio na manha de 7 do correle o escravo
Gaudencio, mulato esruro. natural do Para, mo-
go, sem barba, de estatura regular, uro tanto
rheio do corpo. e sem defeilo algum ; nabalha de
peoreiro sofirivelmente, o locador de viola : le-
vou veslido roupa fina afim de passar por homem
hvre.
Tambem seacha fgido desde 27 de novembro
do anno passado o cabra Marcelino, que foi es-
tra\,0o^r Anlonio Baptisla de Mello Peixolo,
subdelegado de Gsranhuns : de estatura alta
grosso do corpo, bem barbado (bem que antes de*
fugir raspasse loda a barba), com falla de der-tes
na frente, e usa constantemente de um centurao
de soldado na cintura. Consta que esle escravo
se dirigi para Papacags.
Quem apprehandar os referidos escravos e os
levar ao abaixo assignado no engenho Dous Ir-
mos, na freguezia do Poco da Panella sei re-
compensado com generosidade.
Recife 7 de Janeiro de 1861.
JossCesario de Mello.
Escrava fgida.
Fugio no dia 16 do correiite, de minha casa,
urna escrava cabocola, de Dome Francisca, idade
25 annos, cabello grande, estalara regular, gor-
da, elem um pequeo defeilo na vista ; julga-
se estar aqui no Renfe por me constar ella Kr
amizade cum um soldado do 2.a baialhao, mas
ella natural do serlo do Aracaty ; roga-se a
lodas as autoridades policiaes, capilaes de cam-
po s companhia de pedestre a apprehensao da
dila escrava, eleva-la a ra da Praia 11. 78. cu
em minha casa, ra de Sania Rita n. 55, primei-
ro andar, que sero generosamente recompen-
sados.Antonio da Silva Ramos.
Fugio no dia 10 do correnteo escravo Joao,
com os signaes seguintes : cabera bramo, rela-
tara regular, cor prea, sem denles na (rente de
rima, com o dedo mnimo da mao esqnerda que
oo abre, bebe bastante, muito amigo de pigo-
dos ; quero o pegar ser generosamente recom-
pensado, e entregar a seu senhor na ra Nova
numero 51.
Do engenho Cutigi, freguezia da Escada,
fugio no dia 3 de novembro do crreme anuo o
escravo de nome Antonio, com os signaes se-
guintes : estatura regular, cor mulato, cebello de
negro, pouca barba, denles limados, idade 25 ou
28aonos, pescogo e ps grossos, tem pelo rosto,
pescogo e peitos algumas marcas de pannos, e
alguraas cicatrizes pelas costas que parecero ter
sido de chcete ; nao levou comsigo rouia algu-
ma, e coosla haver fgido parado lado de serto
d'oode viera : quem o apprehender, poder el-
va-lo ao referido engenho, ou no Recife, ra es-
treita do Rosario n. 29, ao lllm. Sr- Fiorisn un-
do Marques Los, que ser bem recompensado.
Escravo fgido.
Um muiatoclaro, magro, com pannos pretos
oa raagaa do rosto, representando ter 25 annos
de idade, natural do Rio do Pexe, chamado
Luiz, desappareceu no dia 30 de outubro da rasa
do Dr. Cosme de S Pereira, de quem escravo ;
suppoe-se ter levado um cavallo prelo do Sr.
Rostron que se bavia soltado, e que elle fra
era busca do mesmo ; supp5e-se mais que sua
mulher de nome Maria tambem o acompanha
levando um pequeo bahu de {landres : roga-s
as autoridades policiaes e a outras quae.-quer
pessoas que o prendam, e remettam ao seu se-
nhor, que pagar qualquer despeza.
- Pu$io da cidade do Aracaty, no mez de se-
tembro prximo passado, um escravo do rom-
mandante superior Manoel Jos Penna Pacheco,
que ha pouco o hava comprado ao Sr. Rento
Lnurengo Collares, de nome Joaquim, de idade
decincoentae tantos annos. fulo, alto, magro,
denles grandes, e rom falla de alguns na frente
queixo fino, ps grandes, e com os dedos grandes
dos ps bem beatos, muilo palxvriador, inrul-
ca-se forro, e tem signaes de ter sido surrado^
Consta que este escravo apparecera no dia 6 do
corrente. vindo do lado dasCinco Ponas, e sen-
do enterrogado por um parceiro seu conhecido,
disse que tinha sido vendido por seu senhor para
Goianninha : qoalquer pessoa qu<> o pegar o po-
der levar em Pernaroburo aos Srs. Basto & Le-
mos, ou* frratiflrftro generosametnp.
No dia 27 de novembro de 1860 fugfo do
engenho Coqueiro, comarca de Santo Anto, o
eseravo CI>mantino. cabra, reprsenla ler de
idade 20 a 22annos, imberbe, lendo apenas um
pequeo buco, lera nariz chito, rosto alegre, es-
tatura regular, corpo b"m frito, cabellos um pou-
cr moles e approximando-se a carapinhe. bastan-
te rob-Digente, e tem muilo uso de servigo do-
mestico. oficial de sapateiro, e levou lodos os
insjrumentos do oficio ; levou em sua compa-
nhia orna mulher forra de nome Paulina, com
quem amasiou-se e por quem foi drsemeabega-
do; natural que queira passar por osado e
forro, e qu tenha mudado o nome ; soppe-se
haver fuRtdo para essa praga, sendo mais certo
have-lo feito para os sertoes d>sta provincia, es-
perilmenie para os da Parahiba do Norte : quem
o pegar, poder lev*r ae referido engenho a Joa-
quim de Barros Correia de Queiroz, que lera 100J
de grtificgao, ou a seu senhor, e abaixo assig-
nado, morador na villa do Pilar, na Parahiba do
Norte.Luiz Correia de Queiroz Barros.


(%)
uno di miuMMieo. ^ tersa rnu m di janiiio di mi
Litteratura.
A
u m .1
Sccnase icconlaces doBai&o-
Laugueduc.
AS 1 mi A AS COLLACAS.
XXII
[Conl^uago.
po amor que Ihe parta a alma, e-lo parar com
um gesto supplicante qu.indo passou por junio da
della. lias embaide quiz a pobre enferma tre-
lo com preheaner que ella couhecia a situado de
seu cerarao. Risueo s comprehendeu uma cou
sa em seus olliarrs ancinsos, (oi que seria verda-
deramente ca iduso se restituir-se-lhe a patarra. B
quando ihe propunha experimentar nella a elc-
tricidade que havia pruvado bem em casos aoa-
l<-g.., chpgon de vagar Berjonnelle veslida de
brinco e com o pdico vn sbreos olhos.
. Ah 1 uieu senhor, disse ella Antigua, os
doce presen de Herjonneltc, que, como milJ5r* nao sao mais deste mundo I
anjo consolador, nao deixava a mansarda de! .."* ^n.
Iretant se cu conseguirse [azer aquolle,
ledro, au tardou un contrabalangar no coiago dl5Cp "'sueno, (ariaroefi o de amarme?
de Ri-uenn a viva impresso que Ihe llzera Su- i",,n respond.-r, retirou-se Berjonnelle, coran-
em Vardires. Tudas as manhas, linha a do Da.ra a s.u* ofBefua, e o mancebo decidi que
ra inga urna nova allengo paro divertir o pobrp
leri'lo; ella ornara-llic a camarazinha de flores,
caniava-lhe piedosos caninos para distrahi-lo
dos padpcimentos e para alegra-lo; fazia com
elle nsunhos projectos para o futuro. Mas assim
que o rap.-wiuho recobrou algoma forg.i, disse-lhe
um crrurgiao seu amigo comegaria logo no da
seguate o trjtamenlo "da paralitica.
t-vendo renovarse por alguns dias a serie
deoperaces elctricas, rosolveu-se que o Sa-
boyardo levasse todas as manhas a velha dona
a cmara de Risueo. Berjonnete foi nalural-
adeus. Seu papel eslava Ando, e a lrma de mente obrigada acumpanhar sua av para as-
Caridade, lornando-so moga tmida e recatada, 8'sti-la nos momentos dolorosos de seu trata-
no deixou mais a av. ment.
Um da, quando trabalhava junio sua grande Q"nlo ella entrou no quaiio de Risueo, es-
poltrona, foi decentemente lirada do seu scismar lrpmeceu ao recordar-se da noile em que vira li-
pilus sons de um realejo que Itivia parado em | rar de cima d" leito do mancebo os retratos que
baixo da janella tocando a serenata de Schubert continham sua3 feices e as de Suzana. Lera-
A expresso da meloda era lio otarla que jal- \ brou-se da mysleriosa oracao, das sensares se-
gar-ae-bia ouvir tambera as palavras. Berjon- ; cre,'s que Ihe agitaram a alma, e da paxao que
licite corren janella para ouvir meihor o loca- desde enlo a consumi Deiiou um olhar tina-
dor de reviejo, e alcou um grito de sorpresa 30 do para a parede donde tirara o quadro, e nao
reconhecer Pedro. pode canter um grilo desorpreza ao ver a copia
Cornpreheiideudo quao diffiril seria pira o 'iel ,1"e subsliiuio.
joven Saboyardo continuar o officio com uft braco R'sueno perguntou-lhe sorrindo se anda que-
de menos, Risueo iizcra-lhe mimo de um rea- tla priva-lo daquetlas aoces iinagens.
lejo, que devia minisirar-lhe a subsistencia at o ~~ O iapis guiado pela memoria, como um
lira de seus dias. Era a estra do bello iustru- espelho que reflecte as sensaces e as alegras
ment que Pedro vinha d.r Berjonnelle Era do Pasado, disseelle; nao consente voc que
em baixo da janella da fanqueira que ia elle de j eu "formse" minha habitagn cora o que eocar
preferencia locar o seu repertorio. Leudo no n'e" corago? E' sob essa moldura querida q
rosto da moca as impressocs diversas que senta,' v,'nho saborear minhis mais doces meditacoes,
modificaya segundo su'isimpressoes o roovimeu- P"!8 so o lempo, como um porfume, va sero
deixar signal alxum. o "pensamento a urua pre-
ciosa que o conserva para embalsamar o futuro.
lo das anas; desorle que em vez de voltar ma-
cninalmeme a manivella como os simples realei-
jislas dos mas, aprendeu a liugungein potica] Espero quo em punco darei um appondice esse
da n.usica e soube traduzirsensscntimenlos pela 1<|uadro, querida Berjonnle, accrescenlou elle ;
expressflo de seu toque. Com um natural apai- ser 'eprsentago da cura de sua av e a ex-
xonaiio o (.fficio mais vulgar p le reveslir-se de Pre8Sau de sua... alegra, disso elle, nao ousan-
um ar original: o amor ensinou ao pobre toca- i do traduzir seu verdadeirj pensamento.
dor do realejo tirar de um instrumento como 1 Entreunto, hnvia Pedro trazido ura appa-
q ie uma anglica meloda. i rojho electro-medico, e leudo chegado o cirur-
Inleiramente. oceupada para a eslagao nova, I *'B0 comecou-se elerlnsar a laryngo da dona.
Berjonnelle nao deixava mais as fitas ueru asflo- I'"'"'"da para a av, Berjonnete segua a opera-
res. Mas, repetidas vezes pensativa, ficava es-
quecidas horas com cabi-ca inclinada sobre o
peilo. Sua av envolvia-a enlflo n'om extenso
olhar de triste. Um dia em que B.TJoimelt*
estara assim pensativa, raostrou-ihe a duna com
o dedo a corda de roargaridas que ella tinna i Jo
lm>car no tmulo de Yolanda. A rapariga cor-; 5"8 = av' olhuu para ella com tristeza, a lin-
eu. e ajoelhou-se dianie da duenie : 1 gua tinha de novo flcado paralytica Parecen-
do, porm, esse resultado concludente para o ci-
cao com anciedade. A velha aoente soffre co-
rajosaraeuia esse primero ensaio que nao deu
resoltado. Os sesuinles nao foram mais felizes.
Ao cabo de uns ello dias. pote comtudo a dona
emttiir alguns sons fracos. Berjonnelle, inteira-
ruente conmovida, preiipiou-se em seus bra-
Ah voinha [manielta], Ihe disse ella,
eolio o amor mais foile do que a razao, a ora-
cao e a'vootade?
Desde enlo pareca a velha dona opprimida
por uma idea nova; ella ogitava os labios con-
Tulsirniuente. Nao a lendo visto assim, Berjun-
DClle assusisva-se; porcro aflnal compreheuueu
que a paralytica, que nunca quizera que procu-
rasseon restiiuir-lhe a voz, senta agora um vio-
lento esejo 0e recobra-la. E' por tua causa
que queto fallar, para dar-te o feheidade,
rurgio, pedio mais oito dias para curara apho-
nia da velha.
Aelcrtncidaie acabou por Iriurophrda para-
lysia.o Risueo vio-s bem feliz u'uma manhaa
olhaudo para Berjonnite que, com os olhos cheios
de doces lagrimas, ouvia sai av fallar.
Admirada de ouvir si mesma. a pobre dona
ensaiava com desconlianca a voz surda, e quan-
do esteva bem certa de que sua linguagem era o
resultado da vontadn e que Ihe traduzia ospen-
Simunlno ntnn f..-a .. j__. 1 1 .
pareca "izer o olhar que dirigi neta quando sam',los, manifestou o desojo de licar s com
esta o adevinhou.
Nesle cmenos chegou a festa do corpo de
Deus. o que retardou a realisagao da vontade da
duna. Ostentando as procisses seu esplendor
pela i-idade, offereceram uma phase singular de
devocio e de alegra lerresire. Reinou dentro
em pouco urna grande ngitacao na caziuha di
praca Redonda, pois a procisso da parochi 1 de-
via passar por sob suas janellas. epois de
haver guarnecido as paredes da casa cora os len-
f'oes niais novos chavcr*dado a meihor Sra.
de iNi-rs, Houbasse deseen roa para fazer os vi-
zinhos iidmirarem o lindo efleilo que produzio
Otrajecdrde rosa de suzana desticando-se da
alva fichada da casa, epois, pondo cadeiras
dianl da porta, convdou sentarem-se as ami-
gas de Flora. A grande poltrona do dona Ran-
quelte (oi rolada al o Itmiar da porta, e Berjoux
ajudou transportar para a praca e por ao redor
du um aliar de cslacao {repostoir) grandes vasos
de espirradeiras e de romeiras todas floridas.
Uma dupla fileira de assenlns ornava a ra; as
comadres davam ah tramela esperando pelo
prestito. As verandas esiavam cheias de damas
s quaes a devoj.io servir de pretexto para se
mostrarem bellas, mas a rasquilharia e a vunia-
de de bnlhar de algu
das penitentes. O-desejo de orar ede admirar asi dna fallar com elle acerca das duas collagas,
procisses. Cala janella tmha seus curiosos, e "a fu! srm duvuia o que menos o encantou na
cada caneca Unha uma expresso dilferente. O dcdicacio de Durti. Flora fez Francisco pro-
barrete de algodio de um doenle apiiarecia por] metter-lhe que Ino havj3 trazer mil curiosidades,
cima de,uin grupo zomtieteiro de raparigas; os I cojicmiihas, perolas e papagaios.
Risueo.
Ah I disse ella Antigua apenas se retira-
ra ni sua neta e o cirurgio, eu muilo estimara
fIUr para lliedizer que Berjonnelle a ama-lo o
tambem nao iiv.essc de dizer-lhe que a Sra. de
Ners tem Ihodtdo o roraco. Na duph paixo
que divide seu senlimento com as duas irmas,
reslava Vmr. a esperaoca de poder amar ni-
camente que Ihe tvesse'amnr, mas essa illusao
desappare-o com a coi teta da ternura de cada
urna deltas. Sa ausencia podo restituir a tran-
quilidade alma dolas e liuerdade ao espirito
do snior. Retire-se, pois, para a sua risouha e
longlnqua llavana. O cu da patria nao s ve-
zes nidifferente s determinaces do coracao.
IVaqui a um anno, pode Vmc. voltar e es'co-
Iner aquella que deve ser sua companheira por
loda vida. r
Foi preciso resignar-se e seguir o conselho da
velha dona. Aos olnos do mundo, a partida de
Risueo foi realisada sob protexlo de negocio.
Mademoiselle Iudith al acreditou que elle ia
por em orriern sua fortuna alim de poder despo-
sa la quando voiUsse, S Fraucisco conheceu
toda a verdade e propoz ao amigo acompanha-
lo ao seu longinquo pas, o que Risueo acei-
tn com muito gusto. O pensamento deque po-
A
.garotos Midavam trepados pelos telhados, e essa
muliidio variegada dava & procisso um quadro
virginal e variado.
Francisco e Risueo havium tomado lugar na
jan.'lio onde enclin.iva-se Rraciosamento Su?aua.
O navio, que condmia'os dous amigos, sahio
deCelte n'uma bella noite de verSo.
^VIII
Foi um triste anno o que decorreu durante a
ausencia de Risueo. Suzana passou-o t odo in-
'ahi descobria-se em toda a exlensao a longa teiro n'uma casa de campo quefpossuia nos arra-
Blada procisSio. O cortejo carainhava de vagar baldes do Gardiola. Essa sjlida'oagradava sua
recordava Risueo era
por entre duas alas de soldados que llieabitaui
Camuho por cutre a multido. Os accolylos ag -
lavara era cadencia os thuriferos embalsamados,
os alvos penachos do palio da freguezia balanga-
vam-se ao ar, e a n.usica militar acompauhava
cun seus accentos sonoros o andar dos liis. A
procisso parou dianledo altar da estago
tristeza, ludo que Ihe
para ella ura mutuo de dor. epois que elle
partir, a ctdade precia-lhc deserto i seu pala-
co lgubre. Nao leudo a coragem de supportar
o soffrimento de uma ventura mallograda, evita-
va em torno de si ludo quanto Ih'a recordava;
eram abandonados os passeios onde o passo de
Reunidas em coro, as meninas da parorhia Risueo ficra impresso ; nao se tinham tornado
enioaram um cantigo piedoso; o sol illuminoul abrir os livros que haviam sido lidos juntos;
rjingesiosamtnte o altar, e Risueo, cuja alma jjazia n'um canto partitura que ella prefera;
impressionavel experimentara uma especie de nao eram mais colhtdas as flores, de cujo perfu-
extasi, senlto crescer anda sua comniocao vis-I me gosiava elle; as utas de sua escolha dor-
ia de Su/ana que orava seu lado. Nunca ella | raiam as caixas do papelo, eoramodeouro
llie psreceu to bella ; levado por um transpor-1 havia si lo guardado no fundo do relicario. Para
uuvo, cahto tambem de joelhos, e pegando-lhe rodesr-se daquellas leslemunhas do ura lempo
na uio a levava com embriaguez aos labios; meihor, esperava ella lhes poder sorrirdenovo
quando, levantando-se o slo, o Uuibre admira- \ com aquello cuja prosenca lhes dava todo 0 apre-
90. Exje.-siva em ludo, pensava ella que lo-
vel de uma voz fresea o pura levou o recolhi-
nirnti) todos os corucoes.
Essa voz suave que do cu pareca fallar
Risueo no momento em que elle esquecia-se
de si na trra, era a de Berjonnelte. Deixou a
mimosa oio que apertava, e esforcou-se para
destiiiguir o rosio delicado da fanqueira no gru-
po de meninas coberlo de vu. Sem ve-lo, ade-
\iuhou-usob o alvo panno que o cubra.
cando nesas cerdas vibrtiles do passado, havia
de augmentar sua dor, e, como consequencia de
sua natureza ardente, essa usilaniraidade de
senlimento dava-lhe urna falsa apparencia de
leviandade. Mais que altiva para deixar adevi-
nhar seus 8offrimentos, soube oceultar made-
moiselle Judiih as angustias do seu coracao. O
lulo que trazi3 de um prenle mui prximo, e a
A multido havia desapparecido, as armacoes 1 saude, que segundo diria ella, reclaraava o ar vi-
arraucavain-se, os albires derooliam-se, as ja- vGcanle do mar, ser-iram-lhe de pretexto gara
nellasfechavam-so e a Praga Redon la havia j ir sepuliar-se nos rochedos da Gardiola. A casa
recobrado a sua tranquilidade habitual, e Risue-
o pareca ouvir anda.....
De sua grande poltrona todo vira a dona. Re-
solvda subtrahir desde logo o mancebo ao du-
1OLDETLH H
A LINDA MERCADORA DE PANOS
POR
ELIE BERTHET.
de campo e a natureza severa que a cercav!"
eram do um asperln assaz triste para Ihe deixar
ser melanclica sem despertar suspeilas. Re-
cejando comtudo trahir-se ao nome de Risueo,
' houve-se de modo i nao pronuacia-lo nunca em
suas conversacoes com mademoiselle Mdith.
Todos os dias, s a pensativa, dirigia-se ella i
exlremidade de sua propriedade, cujo termo era
indicado por um rochedo solado o Inclinado para
o meditterraneo. Ah contemplava o mar, que
se estendia dianto della, ora tranquillo e sereno,
ora irritado e mugicior. Nunca Ihe mterrompe-
ram a peregrinaeo quoliJiana 03 raios abraza-
dores do sol, nera o gelado nordeste, era o
vento desabrido, nem a fra chura. A voz do
mar nao era a tnica que poda gemer cora ella,
a nica que poda chorar e chamar Risueo? o
o$tremeimeolo voluptuoso das onda, que so
acariciavam ao sol, e na franja argntea que vi-
nham depr seus ps julgava ella 1er um feliz
prosagio do futuro.
Berjonnelte pelo contraro comprazia-se em
considerar o passado, pois receiava que a ventura
nao Ihe tivesse escapado para sempre. Gostava
de fallar em Risueo com a av, e nao poda
cao;ar-3e de ouvir a voz della, beneficio daquelle
quem amava; tornava ver em seu espirito
lodas as horas que elle havia passado seu la-
do. Trazia diariamente o traje de que Risueo
gosiava de v-la alaviar-se : lembrando-se de
seus gostos em ludo, cantava olla os romances
que elle prefera, e aprenda de cor os livros que
elle buha lido. Alim de poder diriglr-lhe pela
manhaa o priraeiro olhar e noile seu ultimo
adeus, balaoceava-se ao p do leito o ramo que
Antigua Ihe dera. Estimara summamente ir
passeiar no pssseo publico do S..., de rezar na
egreja da p8rochia do Risueo, de respirar em
ura aonde a maoeira de sua presenca deixra
como que ura perfume.
llavendo chegado ao lermo da existencia, a
velha dona morreu denlro era pouco, e com ella
Berjonnelte vio fugir as lernas ifluscs, as con-
aolaces e a syrapalhia que Ihe suavisavam as
peuas. D'ali em dianto, bem triste e afflicta em
sua ofBcina, s leve para comprehend-la e di-
verti-la o seu pintasilgo. O mimoso e intelli-
gente animal, agitando-sc no pauzinho com o
barabaleamento casquilho proprio sua especie,
pareca querer tirar com suas gentilezas a pobre
rapariga do seu scismar. Voluntariamente des-
terrada no mcio de suas flores e de suas filas, a
joven fanqueira nao pareca mais fazer parte da
familia, e Roubasso nao a via sem langar-lhe era
rosto ser ella, pela sua lolice, a causa da parlida
de Risueo que, casando com ella, podia enri-
quecer lodos.
Parece-me quo elle nao ha de voltar, dizia
com asedume.
Berjoux emborrachava-se mais que nunca, e
Flora procurava consolar-se da ausencia de Durti
em alegres distraccoes.
Berjonnelte quiz ura dia ver os vestuarios de
velho e velha que havia cuidadosamente guarda-
do desdo a noile do domingo de entrudo. Diri-
gio-se, pois, a antiga cmara de sua av, o ex-
perimentou uma dolorosa commocao ao entrar
naquelle pequeo reduelo fechado delde morle
da dona. Esperava-a ahi uma cruel sorpteza;
haviam desapparecido o embrulho que continha
os dtsfarces bem como alguns movis da doeu-
lo. Apenas restave a poltrona velha n'um
canlo.
Interrogada, por Berjonnelte. Roubasse acabou
por confessar que vender aos roupasvolhas e a
modesta mobilia de dona Ranquette.
Para vestir-se de luto, acabava a moga de gas-
tar suas ultimas economas; porm resolvida
resgatar por mais que custasse os preciosos dis-
farces, nao heeilou ella levar ao Monte-pio
de S...seus antigos alavios, Obrigada esperar
bstanle que chegasse a sua vez, senlou-se tris-
temente n'um banco de pedra que se achava
entrada. Teve assim lempo de dzer adeus aos
trajes noos que ia erapenhar, e cujas cores ale-
gres pareciam encerrar toda a sus felicidade. Ia,
pois, seprar-se do chalezinho azul que trazia em
Vardires, e que consorvava o signal de uma
gota do sangue da ferida de Risueo 1 Aquella
pequea touca cor de lyrio tnha o fundo bordado
por ella;i'uma noile de inverno.em quanto Anti-
gua lia-lhe Paulo- e Virainia. Aquella vestido
de florionas cor de rosa era o que mais estimava
ver em sua pessoa o joven Havanez.
Berjonnelte hesitava sacrificar esses objec-
los quo Ihe recotdavam to doces instantes,
quando resoaram ao p della os sons de um
realejo bem conheddo.
Pedro vinha de um giro aos arreba-ldes; a bolsa
ficra cheia, c nunca se vira to feliz como na
occasio om que pode oTeret-la Berjonoet-
10. tragas ao Saboyirdo, pode a rapariga tor-
nar comprar os trajes de te//io e velha sem por
isso renunciar seus lindos atavos.
O bairro dos roupavelheiros de S... formado
de ras tortuosas e estreitas que sao orladas de
eseuras lojas, dianle das quaes esto expostos
trapos e fragmentos de toda a sorle. Sahidos de
todas as classes da socredade, viudo para ahi ora
razo da miseria, do vicio ou da morte, esses
movis carcomidos e esses pannos sem cores
formara o espectculo mais lamenlavel.
Nao desanimando com as pilberias dos roupa-
velheiros que tagarellavara aporta de suas lojas,
Berjonnelte suba de vagar a ra principal do
bairro, olhando com altengo para cada loja. Em
flm.ao p de uma casaca de Pierrot suja em or-
gias, e de uma alva de padre de aldeia tantas
vezes remendada que pareca coberta de borda-
dos massicas, avistou os trajes de velho e velha,
quo, um tanto amassados e aberlos, balancea-
vara-se um sobro o outro como que para se
prolegerem e se unirem ainda.
Foi com alegra que Berjonnelte arrancou-os
dessa porfanago e que guardou-os preciosamen-
te em seu armario de nogucira junto seus
alavios novos.
Concertada por Pedro, a poltrona velha da
doeole foi o assento predilecto da moga, em
quanto que sentado no alto tamborete da o Ski na
o Saboyardo Ihe i.illava no passado da pobre
dona.
XIX
Havia expirado o termo da ausencia de Risue-
o, e comtudo nonhuma das duas irmas linha
recebdo noticias delle. Suzana, cuja anciedade
augmeotava todos os dias, foi S.... Precisava
exhalar seus soffrimentos e remover suas sensa-
ces ; correu, pois, casa de Berjonnelte. Am-
bas resolvern) apressar, se fosse possvel, o mo-
mento que deva terminar uma incerteza to dolo-
rosa. Pedro era o nico que deva saber do se-
gredo, e como suadlscrigo era loda a prova,
foi encarregado de inforraar-se em Cotte se o
vapor que havia levado Risueo e seu amigo, nao
devia traze-los prximamente.
O Saboyardo parti logo, e soube que um navio
chegado da Havana ancorara na vespera no porto
de Cetle. Sendo o captio Agdeose, aproveit-
ra-so do refresco de alguns dias para ir ver a fa-
milia em Agde, e Pedro vio-se obrigado diri-
gir-so aos marojos para obter algumas iuforma-
goe i respeito dos passageiros.... Nio se podia
applicar a Risueo a deecrrpco de nenhum del-
le; Pedro voltar, pois, bem descontente do re-
sudado de sua missio, quando um moco, que ha-
ra escotado do alto da meia verga, desceu ligei-
ramente.
*~JVo,c^ ,e cei, disse elle ao mariohei-
ro, de fallar no motto, naquelle que o amigo
poz n ura cofre preto afim de o levar para Var-
dires." r
F.nto agora os atades se contam como pas-
sageiros? disse um marujo velho enchendoo ca-
chimbo.
O que sao iropedo que o defunto sejs talvez
aquello por quem perguntam, responden o moco.
Ah le mais que provavel, pens Pedro."
Apesar das reticencias que empregou o Sa-
boyardo para contar que um alado chegado da
Havana fra levado para Vardires, as duas col-
lagas, entregues uma inquietago mortal, qui-
zeram todo o custo saber se erara fundadas as
suas suspeilas. Parliram, poi, inmediatamen-
te para o asile solitario.
Urna coramogo to viva apoderou-se dellas i
vista da egrejnha caiada de branco em seu qua-
dro de verdura que viram-se obrigadas i parar
e a sentarem-se, aOm de tomar alent. A doce
clartdade de uma bella noite de verio estendia-se
pelo campo, a relv colhia uma frescura nova as
emanage do Nem, cujas aguas socegadas cor-
ran enlro duas margeus floridas ; os golphes
levantavam cima do rio seus alvo diademas ;
os ramos escarales das olaias derramavam pela'
Ierra uma chuva de fogo ; os codegos balougavaw
suavemente os cachos n'uma almosphera tempe-
rada ; o grillo cantava na Ierra, o rouxinol na
tilias cobertas de fi-res ; uma doce brisa acari-
eiava as folhas da hera que se desprendiam do
Cu como as estrellas oe esmeralda.
Por ura instante o insecto suspendeu o grito e
o passaro a cango. Sem dunda esperavara que
o echo repelsse naquella noite os cnticos de
amor da natureza. As nuvens, afaslando-se pou-
co pouco, deixaram apparocer a luz que pareca
vigiar o campo adormecido. Gelou do terror as
ras cnllagas esse silencio estendido sobre Var-
dires como um sioistro presagio. Encostadas uma
oulra, pozeram-so de novo caminho e cada
uma sentio as palpitagoes apressadas de doces co-
dages.
De repente o sino da egreja dobrou, e-desper-
tada de seu doce somoo, a natureza relpondeu-
Ihe gemendo. O mistral suspirou na planicie ;
o rouxinol langou no ar os accentos 'sonoros de
seu terror, e como uma' queia suffocada, o grito
do grillo escapou-se de sua morada subter-
rnea.
A' claridade vacillante de urna lampada sepul-
cral, deslinguia-se um caixo de bano sobre as
lageas da antiga capella de Vardires. Estava
escrito o nome do Risueo no lampo, e n'um n-
gulo da egreja, Durli olhava com ama emogo
pungente para o coveiro oceupado em abrir uma
sepultura. To paludas como sombras-e trmu-
las como folhas, as duas collacas chegacam de
vagar e ajoelharam-se junto aoatade. Mudas,
cera o rosto encunado para os restos daquelle &
quem haviam tanto'amado, ahi Gcariam toda a
noile so Durti nao as tivesse aQoal avistado. O
mancebo icou alerrorisado pelo aspecto- dellas.
Erara de uma elocuencia pungente aquellesolhos
sem lagrimas, aquel.es otilares flxos e ardentes,
e aquello desespero silencioso. Ellas levanta-
ran!-se, foram tercom elle, mas nao poderam fal-
lar. Reunindo toda a sua coragem, Durti lhes fez
a triste narrago da morte de Risueo.
L6'ofilinuar-se-/ia.J
Variedades.
VII
[ Continuago.)
Villanegra ia anda elevar a sua voz ; porm
Defunctis [ez-lhe signal que se calasse, e disse ao
infeliz mercador com ar de autoridade :
Que significa eala obgtinaco, Sr. Polvean ?
Pois possvel que um hornera probo e sensato,
como leudes sido at aqiii.-se enlrognesemelhan-
tes transportes? Vamos, continuuu elle com do-
cura tomando a mo do. velho, e apertando-a
cordealmente ;. j nao o magistrado quem vos
falla ; o vosso compadre Defunriis, o vussn an-
tio amigo do Hotel de Ville. Tornae vos : as
desgranas por que acabaes de passar sao grandes,
verdade ; porm nao sao irreparaveis : rouba-
ram-vos uma sorama crescida. mas resta-vos ain-
da crdito, reslam-vos amigos," que vos podem
tirar destes apuros. Quanto vossa fliha, uma
injustiga torna-la responsavel pelas loucuras de
um joven cavalleiro, que ferio ae introduzio no
Eeu quarlo ; e j que ellajuru que nada ten: de
que ser aecusada, j que oSr. de Villanegra affir-
inou por sua honra...
O mercador linha ouvido a priroeira parte des-
ta admoestago com abalimeoto ; mas logo que
o magistrado tentn defender sua filha, cahto
dos mesmos furores que ante.
Itelvco nominal don presidente e-vice-presiden-
les que tem- administrado a provincia de Per-
nambuco desde-182* at 1860,. com declarago
das datas de swas nomeages e ejercicio, e es-
pteiflcaeo dos seus ttulos honorficos.
i. Jos Carlos Marink da Silva Ferro, ca-
valleiro professo e depois commendador na or
dem de Chrislo B coronel de cavallaria de 2.a li-
nha do exercilo. Nouieado presidente por carta-
imperial de 25 de abril de 1824, s pode assu-
mir o goveroo da- provincia em 23 de maiodej
1825, deixando-o depois, em 12 de abril de 1826-
para ir corte adra de tomar assento no senado^
i- Francisco de Paula Cavalcant,d'Albu-
querque, Qdalgo cavalleiro da casa imperial, of-
licial da imperial ordeni do Cruzeiro, tenente
coronel de milicias.e conselheiro do goveroo mais-
volado e por consequencia 1." vice-presidente na
forma da le. Substituto o presidente Jos Car-
los Marink da Silva Ferro, era sua ausencia,
desde 12 de abril de 1826 at 30 de Janeiro de
1827.
3. Jos Carlos Marink da Silva Ferro, sena-
dor do .imperio, commendador da ordein de Chris-
to e coronel de cavallaria da 4*; linha do exer-
eito, continuo no govervo da provincia desde
30 de Janeiro de 1827 al 24 de dezembro do
1828.
4% Tiloma Xavier Garca d'Almeida, offi-
cial e depois dignatario da imperial ordem do
Cruzeiro, coraraendor da de Christo, desembar-
gador da relago da Baha 2. presidente da
provincia Noraeado por carta imperial de 22 de
setembro de 1828, toraou posse e entrou om
exercicio em -2i de dezembro do mesmo anno,
at 15 de fevereiro de 1830, em que foi substi-
tuido.
5.Joaquim Jos Pinhero de Vasconcelos,
dignatario da imperial ordem do Cruzeiro, de-
serabargador da relago desta provincia e seu 3.
presidente, nomeado em 9 de dezembro dol829,
entrou em exercicio em 15 de fevereiro de 1830
e servio al fl de outubro de 1831.
6 Francisco deCacvalho Paes do Andrade,
4. presidente da provincia, nomeado por car-
la imperial de 14 de setembro de 1831 Entrou
em exercicio era 11 de outubro do mesmo anno.
Esteve impedido pordoente desde 28 do feverei-
ro at 20 do margo de 1832; e coniinuou ser-
vigo desta data al 4 de selembro. do mesmo
anno.
7. Francisco de Paula Cavaleante de Albu-
querquo, servio interinamente pela 2*. vez du-
rante o impedimento do presidente Francisco de
Carvalho, desde 28 do feveceiro at 20 de mareo
de 1832.
8. Dr. Bernardo Luiz Ferreira, deo da ca-
thedral de Olinda, como conselheiro do goveroo
mais votado substituio o presidente Francisco de
Carvalho Paes de Andrade, que por molestia pe-
dir demisso,desde 4 de setembro at 14 de no -
vembro de 1832.
9. Manoel Zeferiuo dos Santos, cavalleiro
da ordem de Ctmsto. 5. presidente da provin-
cia. Foi nomeado por carta imperial de 9 de ou-
tubro e entrou em exercicio em Ude oovem-
?omK h i'oii"a'10 a Presencia em 38 de
seiombro de 1833.
mii"HFe,ix Jos Tavares *e Lyra, conse-
2"! d? oerno, servio interinamente desde
2 da aetembro at 6 de djwJro de 1833.
It francisco de PaW4 de Alraeida Albu-
querque. cavalleiro da ordem di Chrislo, desem-
bargador da relagao desda provinefa, e 6." presi-
dente della, oucnpou a presidencia desde 6 de
dezembro de 1823 al 17 de Janeiro de 1834 com
excepgaode um dia.
12. Joaquim Jos de Miranda, conselheiro
do goveroo. servio no dia 13 de Janeiro de 1834
no impedimento do respectivo presidente.
13. Haooel de Carvalho Paes de Andrade,
senador do imperio e conselheiro do goveroo.
Substituio interinamente ao presidente Francisco
do Paula Almeida Albuquerque, em 17 de Janei-
ro de 1831, e confirmado presidente por caria
imperial de 22 de fevereiro, prestou juramento
em 3 de Janeiro do mesmo anno e coniinuou a
servir al ti de abril de 1835.
14- 'Vicente Tboraaz Pires de Figueiredo
Camargo, cavalleiro da ordem de Chrislo. As-
suraiu interinamente a presidencia, como conse-
lheiro do governo mais antigoem ti de abril e
servio at o 1. de junho de 1835.
15. Francisco de Paula Cavalcante de Albu-
querque, fldalgo cavalleiro da casa imperial, of-
flcial da imperial ordem do Cruzeiro e coronel da
eiiiocta 2.a linha, 8o. presidente da provincia,
""ojeado por caria imperial do 15 de abril de
1835, lomou posse do governo era 1. de junho
do mesmo anno, deixando-o no l.de fevereiro
de 1837.
16- Vicente Thomaz Pires de Figueiredo
Camargo, cavalleiro da ordem de Chrislo. No-
meado presidente em 13 de dezembro de 1836,
comegou fuoccionar no i", de fevereiro de 1837
e servio al 2 de dezembro do mesmo anno.
17. Francisco do Reg Barros, depois vis-
conde da B-Vsta, bacharel em mathemalicas
pela universidade de Paris, capilio do 3. bata-
Ihao de artilharia de linha e depulado assem-
bla geral legislativa. 10. presidente de Per-
nambuco, foi nomeado for carta imperial de 16
de outubro de 1837, toraou posse no dia 2 de
dezembro do mesmo anno-, e servio al 3 de
abril de 1841. Durante a sua admioislrago foi
duas vezes corte afim de lomar assento na c-
mara temporaria.
18. Francisco de Paula Cavalcante *de Albu-
querque, vice-presdente nomeado em 8 de abril
de 1837 pela assembla provincial na forma do
art. 6. da leide 3 de outubro de 1834, substi-
tuio ao presidente Francisco do Reg Barros, na
su-a 1.a ausencia, que mediou de 12 de maio
30 de outubro de 1838.
19. Thomaz Antonio Maciel Monleiro (de-
pois baro de llamarac ) substituio na qualida-
de de vice-presidente noraeado na- forma cima
em9dea-bril de 1839, ao presidente Francisco
do Reg Barros na sua 2.a ausencia,, e servio at
3 de novembro de 1810.
20. Manoel de Souza Teixeira, ( depois ba-
ro de Capibaribe}, tenente corronel da guarda
nacional da provincia, e seu 11." presidente. Foi
nomeado por caria imperial de 18 de fevereiro,
lomou posse em 3 de abril elargou a presiden-
cia em 7 du-dezembro, ludo do anno de 1841.
21. Baro da Boa-Visla [ Francisco do Reg
Barros ), bacharel em mathemalicas pela univer-
sidade de Paris, dignatario da imperial ordem do
Cruzeiro, coruineudador da de Chrislo por S. M.
F. a Ratnlia de Portugal, cavalleiro da deS. Beu-
to de Aviz, major do estado maior do exercilo,
e depulado i assembla geral legislativa. Nomea-
do pela 2.a vez presidente desta provincia por
carta imperial de 17 de novembro de 1811, pres-
tou juramento e lomou posse do goveroo d'lla
em 7 de dezembro do mesmo anno, e servio sem
interrupgo at 13 de abril de 1844.
22. Podro Francisco de Paula Cavalcanle de
Albuquerque, (depois visconde deCamaragibe ),
Qdalgo da casa imperial, commendador da or-
dem de Chrislo, lente da academia de sciencias
juridacas e sociaes de Olinda, e deputado as-
sembla geral legislativa, como vice-presidente
servio interinamente deade 13 de abril at 2-de
maio de 1844, em que seguio para a corte para
tomar assento na cmara temporaria.
.23. Isidro Francisco de Paula Mesquita e
Silva, tenente coronol da guarda nacional e vice-
presidente, substituio ao Dr. Pedro em 2 de maio
e servio at 4 de junho de 1844.
24. Joaquim Marcelino de Brito, do conse-
lho de S. M.o Imperador.eoraraendadorda ordem
de Chrislo e desembargor da relago da Baha,
13. presidente da provincia, noraeado em 16-de
abril de 1814, entrou em exercicio no dia 4- do
junho e foi substituido em 9 de outubro do mes-
mo anuo.
25. Thomaz Xavier Garca de Almeida, do
conselho de S. M o Impera Jor,dignatario da im-
perial ordem do Cruzeiro, commendador da or-
dem de Chrislo- e desembargador da relago da
Baha. Nomeado pela 2.a vez presidente desta
provincia por caria imperial de setembro de 1844
prealou juramento e lomou poase da presidencia
era 9 do outubro do mesmo anno, e deixou-s em
de junho de 1845.
26. Manoel de Souza Teixeira,.fldalgo ca-
valleiro, commendador de Christo e lenle co-
ronel da guarda nacional, como vice-presidente
servio do 5 de Janeiro II dejulho.de 1815.
27. Antonio Pinto Chichorro da Gama, do
conselho de S. M.o Imperador, cavalleiro da or-
dem de chisto e desembargador da relago do
Rio de Janeiro, 15. presidente da provincia,
servio desde 11 de julho de 18i>.at 19 de abril
do 1848.
28. Manoel de Souza Teixeira, pela 2.a vez
assuroiu o governo da proviocia como vico-pre-
sidente, exercendo-o d6 19 26 de abril de 1848.
29. Padre Vicente Pires da Molla, commen-
dador daordem de Chrislo e lente proprielario da
academia de sciencias jurdicas o sociaes de S.
Paulo, 16. presidente da provincia, foi nomea-
do por errta imperial de 2 de abril, tomou posse
em 26 de abril e servio at 17 de junho do anno
de 1818.
30. Domingos Malaquias de Aguiar Pires
Ferreira ( depois baro de Cimbres ) commen-
dador da ordem de christo e vice-presidente no-
meado por carta imperial de 2 de juoho de 1848
Servio desde 17 deste roez 15 de julho seguinte
do mesmo anno de 1848.
31. Antonio do Costa Pinto, desembargador
da relago do Rio de Janeiro, e depulado 83-
sembla geral legislativa, 17." presidente nomea-
do por caria imperial de 14 de junho de 1848. To-
raou posse 15 de julho e exerceu a presidencia
al 17 de outubro do mesmo anno.
32He re ulano Ferreira Penna, official da im-
perial ordem da Rosa e deputado assembla
geral legislativa. Foi nomeado presidente por
{*) Vide Diario n. 16.
Nao me fallis della, inlerrompeu elle :
uma mentirosa I Se nao amasse este peralvilho,
que Deus contunda, teria por ventura sacrificado
a honra deseo pae, i sua propria honra ? Ite-
pito-vus que uma crealura abominavel, quera
odio, e quem matarei, se me nao livrarem da
sua presenga.
O magistrado comprehendeu que em tal estado
de desespero, Poliveau seria surdo todas as expli-
cages, o pois nao sabia j de quo meio laugasse
rao para dar (ira essa crise dcplovavel. De re-
pente o mercador exclamou com a voz um pouco
mais calma, e com o accenlo de quem pede :
Ainda bem que vos lembrastes aflnal da nos-
sa amizade em lempos mais felizes : em nome
dessa mesma amizade que vos pego me ajudeis i
sahir da espantosa siluago, em que me acho.
Ouvi; estou arruinado, cstuu deshonrado ; ama-
11 lia talvez os merinhos e os esbirros viro car-
regar com o que me resta ; e serei obrigado
declarar-me fallido, istu miseravel e infame 1
A minha honra passada de hoje em diaote ser
mais uma desgraga para mim I A vida vae lor-
nar-se-me pesada ; e poderia deixar-me arrastar
pela horrivel lentacode vingar-medaquellaque
causa lodos os meus males I Defunctis, mea
amigo, salvae-me desta lenteci, poupae-me o
crime de derramar o meu proprio sangue... le-
vae comvosc.o esta odiosa crealura. Sois um ho-
mem respeitavel, circuropecfo, quem se pode
confiar uma misso desla ordem. Levae-a, a me-
nos que ella preQra acompanhar o seu seductor,
poi* que Ihe pertence, e quem tem o direito de
reclama-la. Sjacomo for que se retire nesle
momento: se eu passasse uma nica noite sb
o mesmo ledo que ella, nao respondera pela
minha colera...
Pronunciando estas ultimas palavras o velho
linha no olhar, no gesto, na expresso do rosto,
uma selvagera energa : ninguem duvidava de
que fosse elle capaz de reitsar as suas ameacas.
Smente Rosinha nao pareca espantar-se desse
lerrivel delirio : ergueu-se, apreseutou-se em
frente de seu pae, e Ihe disse comeslranha resig-
nago :
Pois bem, meu pae, aqui eslou, matae-me!
por ventura n.o vos pertengo eu 1 Affastse-vos,
senhores, coniinuou ella com firmeza ; o vosso
ministerio est concluido : com que dreto vos
vindes collocar^entro ura pae e sua Ulha ? Nada
receieis por mim : far-lhe-hei ver que nao mere-
go o seu odio nem o seu desprezo... E de mais,
quando mesmo viesse cumprir a sua ameaga
quero antes morrer, do que viver sob o peso da
sua maldigo : a minha morte pelo menos teria
a vantagem de expiar & seus olhos os criraes, que
elle me impula e talvez um dia chorasse a mi-
nha memoria 1
Oh I ainda em cima vom insultar-me Ou-
vis, seuhores ? Vera insultar-me ainda em cima !
exclamou o mercador incapaz de apreciar a to-
cante submisso de sua filha.
Villanegra se tnha aproximado do juiz, e Ihe
fallara com vehemencia.
Senhora, disse o magistrado com gravidade
lomando Rosinha pela mo, intil na presen-
te occasio procurar abrandar vosso pae ; dei-
xaeeste cuidado ao lempo e reflexo; araanha
talvez esleja elle mais calmo ; entretanto per-
mita que vos cooduza minha casa ; seris con-
fiada aos cuidados de minha mulher, que lera
para comvosco loda as attengoes de uma me, se
[ que nao prefers um asylo no convento da A ve-
Mara, cuja superiora minha prenla. Acho
conveniente, e at mesmo prudente nao irritar por
mais lempo 6 vosso pae com v essa insistencia
intil.
Eu nao o deixarei 1 etclamou a pobre mo-
ga com forga : nao o abandonarei quando tantas
desgragas ao mesmo lempo se accumulam sobre
sua cabega I Quem Ihe Qcaria enlo para o con-
solar e fortalecer ? Quem teria elle que o amas-
se como eu ?
Ainda aqui eslou, Sra. Rosinha 1 respondeu
Gil Poinselol com orna voz iraca.
Villanegra quiz juntar as mu instancias s do
carta imperial de 3 do outubro da 1848 em 17 do
mesmo mex, tornea posse e entrou em exercicio
serviodo at 25 de dezembro.
33 Manoel Vieira Tosta (depoU brio de Mu-
ribbaj. eooMaodador da ordem de Chrto e
desembargador da relacio da Baha ; 19 presi-
dente da provlnota e o 7a que a goyernou duran-
te o anno de 1848. Foi nomeado por esrta im-
perial de 17 de dezembro deste anuo, e em 25 do
mesmo mez lomoo posse. Servio at 2 de junho
do anno seguinte.
34Honorio Hermeto Carneiro Lelo (depois
marquez de Paran], do conselho de estado, so-
nador do imperio e official da imperial ordem do
Cruzeiro. 20 presidente da provincia. Nomeado
por carta imperial de 31 de maio de 184, tomou
posse do governo em 2 de jimho do dito anno o
servio at 8 do maio de 1859.
35Jos Ildefonso de Souza llamos, commen-
dador da ordem de Christo, cavaiheiro da impe-
rial ordem da Rosa edeputsdo assembla geral
legislativa. Nomeado presidente por carta impe-
rial de 23 de abril de 1850, comegoo i funecio-
nar em 8 de maio do mesmo anno e servio at
10 de junho do anno seguate.
36Vctor de Oliveira, bacharel formado en
sciencias sociaes e jurdicas e depulado k assem-
bla geral legislativa, 22a presidente da provin-
cia. Foi nomeado por carta imperial de 13 de
maio de 1851, tomou posse em 16 de junho do
mesmo anno e servio at 9 'delnaco de 1852.
37Francisco Antonio Ribeiro, bacharel for-
mado em sciencias sociaes e joridicas, commen-
dador da ordem de Christo e deputado assem-
bla geral legislaliva, 23* presidente da provin-
" Foi nomeado por caria de 3 de fevereiro de
1852, tomou posse em 9 de margo do mesmo oo-
no e servio at 23 de abril de 1853.
38Jos Bento da Cunha e Figueiredo, do con-
selho de S. M. o Imperador, ofBeal da imperial
ordem da Rosa, lente proprielario da academia
de sciencias jurdicas e sociaes de Olinda, e de-
pulado assembla geral legislativa, 24a presi-
dente da provincia. Foi nomeado por carta im-
perial de 21 de margo de 1852, to-mo-a posse em
23 do abril do mesmo anno e servio sem inter-
rupgo at 28 de maio de 1856.
39Sergio Teixeira de Macedo, do conselho de
S. H. o Imperador, seu enviado extraordinario e
ministro plenipotenciario em dispombirtdade,
grao-cruz da imperial ordem da Rosa e da de
Nosso Senhor Jess Christo de Portugal, com-
mendador da de S. Gregorio Magno de Boma, da
de S. Mauricio e S. Lzaro da Sardtnha, da de
S. Jorge de Parras ; 25 presidente da provincia.
Foi nomeado por carta imperial de 26 de abril da
1856, toraou posse do goveroo em 28 de maio *
mesmo auno e servio al 8de abril de 1867.
40Joaquim Pires Machado Porlells, bacharel
formado era sernelas sociaes e jurdicas ; 3 vi-
ce-presideute nomeado em 24 de margo de 1857,
servio interinamente desde 8 de abril at 4- de
outubro do mesmo anno.
41Benvenule Augusto deMagalhes Taques-,
official da imperial ordem da Rosa e juizde direito
da comarca de Caraveliaa ; 26 presidente da
provincia. Foi nomeado por carta imperial de
3 de setembro de 1857, tomou posse da adminis*
trago em 14 de outubro do mesmo anno e servio
at 6 de dezembro do 1858.
42Manoel Felizardo de Souza e Mello, do-
conselho de S. M. o Imperador, commendador
da ordom de Christo, grao-cruz da ordem da-
Nosso Senhor Jess Christo de Portugal, senador'
do imperio, brigadeiro graduado, lente jubilado-
da escola militar do Rio de Janeiro, doulor era
sciencias mathemalicas e physicas e director-ge-
ral des Ierras publicas -T 27" presidente, da pro-
viocia. Foi nomeado por carta imperial do 26 de-
outubro de 1858, tomou posse em 6 de dezembro
do mesmo anno o servio somonte al 27 de Ja-
neiro do anno seguinte.
43Jos Antonio Saraiva, do conselho de S.
M. o Imperador, bacharel formado em sciencias
jurdicas e sociaes, commendador da ordem da
Christo e deputado assembla geral legislativa ;
28 presidente da provincia. Foi nomeado por
carta imperial de 17 dedezembro de 1858, lomou
posse da presidencia era 27 de Janeiro de 1859 e
servio at 20 de abril do mesmo anno.
41Baro de Camaragfbe (depois visconde do
mesmo titulo, Dr. Pedro Francisco de Paula Ca-
valcanti de Albuquerque), graede do imperio, do
conselho de S. M. o Imperador, commendador da
ordem de Christo, doutor em sciencias sociaes a
jurdicas peTa faculdado de direito de Gotting,
lente jubilado e director da faculdade de direito
do Recite e depulado a assembla geral legislati-
va ; 1 vice-presidente da provincia, nomeado
em 21 de outubro de 1853. Servio interinamen-
te desde 20 de abril al 15-de outubro de 1859.
45Luiz Barbalho Moniz Fiuza (depois baro
do Bom-Jardim), official da imperial ordem da
Rosa, 29 presidente da provincia. Foi nomeado
por caria imperial de 14 de julho de 1839, tomou
posse em 15-de outubro do mesmo anno e servio
at 23 da abril de 1860.
46Ambrosio Leito da Cunha, cavalleiro fl-
dalgo da casa imperial e commendador da ordem
de Chrislo, 30 presidente da provincia. Foi no-
meado por carta imperial de 20 de margo do
1860, lomou posse em 23- de abril do mesmo an-
no e tem governado felizmente at boje.
Obseruaces.
Sao esses os presidentes e vice-presidentes,
que como taes tem legtimamente administrado
esta provincia desde o anno de 1824 ou mais pro-
pria mente desde 25 de maio de 1825 al o pr-
senle.
Antes, porm, da administrago do senador
Jos Carlos Marink da Silva Ferro, que eolloca-
raos em primeiro lugar na classe dos presiden-
tes, e depois da extinego do governo provisorio,
esta provincia cootou tres differentes administra-
dores, que nao podemos classificar como presi-
dentes, e que foram.
1.a Manoel. de Carvalho Paes de Andrade, aa
sua tumultuaria administrago durante a revotta,
por elle dirigida.
2.a Francisco Paes Brrelo, depois marque do
Rocife. Ia presidente nomeado par a provincia,
mas que nao consta ter nella exercido aclo al-
gum presidencial, se bem que se saiba que to-
raou posse ficticia da adrainistrac.ao da provincia
no lugar de Barra-Grande, as Alagoas.
3.a Finalmente, o brigadeiro Francisco de Li-
ma e Silva, fldalgo cavalleiro da casa imperial,
guarda-roupa de S. M. o Imperador, grao-cruz da
imperial ordem do Cruzeiro, commendador da de
S. Bento de Aviz, general em che fe do exercilo
cooperador da boa ordem na provincia, e nella
encarregado interinamente do governo militar o
civil, depois da derrota de Manoel, de Carvalho.
Servio como tal desde 14 da setembro de 1824,
era que entrou na cidade do Recite, al 23 do
maio de 1825, em que, como fica dito, tomou.
conta da presidencia o senador Jos Carlos.
magistrado ; porm a moga o inlerrompeu arre-
batadamente.
Com que direito vindes dar-me os vossos
conselhos ? Ser porque sobro mira pesa a res-
ponsabilidade da vossa insigne baixeza?
O mancebo ergueu a fronte altivo e orgo-
Ihoso.
Com que direito, rae perguntaes ? disseelle
em voz alta de sorte que fosso ouvido por todos
os circuraslanles. Cora o direito que lem o cul-
pado de arrepeoder-se e de expiar a sua falla ;
cora o direito que tem o hornera imprudente
de reparar o mal que fez... e se ainda nao
bastante com o direito que pode ter umma-
rido de velar sobre sua mulher: porque, sir-
vam de leslerauuhas todos que aqui se acham
prsenlos, juro pela minha honra de cavalleiro,
qu s vos seris miuha mulher !
Ouvindo esta promessa solemne, o magistrado
abanou levemente a cabeca em signal de du-
vida.
Poliveau desalou a rirera umriso ironico.de
escarneo.
E agora, senhor, conlouou o marquez di-
rigindo-so Defunctis, executae o vosso intenlo ;
certo de que, d'ors em disote a marqueza de
Villanegra que se acha confiada aos vossos cuida-
dos palernaes.
O juizinclinou-se, e quizconduzir a linda mer-
cadora: esta resisti com todas as suas torgas,
e exclamou com a voz clara e penetrante :
Nunca I nunca I
Ah! ah J nao quer ser marqueza I disse
Poliveau com um riso mais zorabador. Coiladi-
nhe I quer que Ihe inslem! que fazeis, senhores?
Instae, ped, rogae ella vos hade recompen-
sar quando for duqueza... o ou, oh 1 sim, euno
deixarei tambem de sgradecer-vos...
Meu pae 1 meu pae 1 exciamava a pobre Ro-
sinha, i quem Defunctis arrastava, apezar de sua
resistencia ; pois assim me abandonaos I ?
Sr. Poliveau, disse o magistrado parando
sobre o Umi&r da poeta, quanao o yosso corago
de pae se despertar, vale minha casa que ah
encontrareis vossa ulha.
O velho se levsntou, estendeu os bracos para
diante, e exclamou com uma voz de trovo :
JPossam as charamas do infer...
Nao acabou a sua maldigo ; cabio desmaiado
sobre a cadeira apenas nao podo mais avistar sua
Ulha.
Quando tornou sPestava ainda na loja. A' seu
lado se achavam Genovena e Gulherme prodiga-
lisando-lhe soccorros os mais solcitos ; em frente
sobre uma outra cadeira eslava Gil Poinselot, to
fraco e abatido como seu amo, aoffreodo tanto
como elle.
Todos os oulros se haviam retirado : smente
se ouvia da parte de fra o andar compassado de
uma sentinella, que o juiz ali deixra para pre-
venir novas tentativas de roubo. Uma fraca cla-
ridade do dia, penetrando por entre as grades ci-
ma da porta fazia amortecer o claro da candeia
que se achava ainda accesa sobre o balco. Tris-
te silencio reinava nesse lugar poucas horas autes
to agitado.
O pobre mercador lerantou a cabega com ex-
forgo, e olhou lentamente ao redor de si: de re-
pente levou a mo atesta como se ahi acabasse
de receberum golpe. Sem duvida recordava-se
de tudo ; porque deixou pender de novo a ca-
bega, e poz-se chorar. Os oulros nao quizeram
perturbar a sua dor : chorarain tambem com
elle.
Depois de haver dado livre curso s suas lagri-
mas, o mercador examinou outra vez uma por
uma as pessoas que se achavam presentes ; re-
conhecendo Genoveva e Guilherme, fez um aig-
Abragaram-se ambos e confundirn! as s*as la-
grimas.
Patrio, replicou o ferido, nao levaos & mal
que eu leaha voltado ? Nao estaos zangado co-
migo ? Nao me expellis mais da vossa. casa ?
Eu, zangado com ligo I respondeu o infeliz
pae. Eu ecpellir-te de minha casa l Alas como
se nao ha nesle mondo quem eu estime
quem eu ame tanto quanto ti 1 Ao passo que
os ou tros dormiam, velavas pela miatha fortuna e
pela minha honra, lu, que eu liaba maltrata-
do, repellido e insultado I Ao passo que os la-
droes e os infames se introduziam na minha casa
estava ali sobre o batenle da porta para defen-
de-la ; derramavas o tou
para defen-
, uo.i.uiavaa o icu sangue coma um cao
uet, clamando por soccorrol Eu expallir-te I
Mas como se i nao s meu hospede, meu a-
prendiz, o sim meu fllho muito amado 1 ?
Senhor, disse tmidamente Gil, tendes urna
outra filha...
Nao me falles della, inlerrompeu Poliveau
com violencia, nao me falles della, se queresque
eu aiuda viva. E vos, acrescenlou com lora fe-
roz voltando-se para Guilherme e Genoveva, lem-
brae-vos sempre de que nao tenho filha, que' tutu-
ca a tive ; se liverdes a audacia de pronunciar o
seu nome na minha presenga....
Neste momento seus olhos flxaram-se por aca-
so no lugar, que Rosinha costumava oceupar na
toja : anda ali estavam o seu banquinho, a sua
cestinha, de costura, como e ella tivease do vol-
tar. O aspecto desses objeclos abaten a coragem
do pobre homem : cahio sobre a cadeira, e cabrio
o rosto solucando.
^r~.^n'" de vir 4 perdoa-la murmtrott
Gil olhando para Guilherme. Tratemos nos de
dos : mat quando os seus olhos perceberam Gil
Poinselot, que ancioso esperava o effeito desse
oame, lerantou-se e correu a elle com os bracos
aberlos, exclamando :
Gil I meu pobre Gil 1 Eis-le emQm de
tolla...
JILEOVEL
nal affectuoso, agradecendo-lbes os seus cuida-" curnprtr os nossos deveres ; e que a deshonra o
a ruina nao venham mais bater aquella portal
LContinuar-se-ha.)
PERN.- TTP. DI M. F. DS FAMA. --186*.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E94W8IMPJ_W2GZIP INGEST_TIME 2013-04-30T20:07:27Z PACKAGE AA00011611_09220
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES