Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09213


This item is only available as the following downloads:


Full Text

+ -*.. .
AIIO IXIYII. HIERO II
Por (res mezes adiantados 5$000
Por tres mezes vencidos 6 . h->
Ui/M.< 4
SEGUIDA FMA 14 DE JANEIRO DE IS6I
Por annfratfiantado (9|000
Porte franco para o subscriptor.
EXCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima ;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Araca-
ty, o Sr. A, de Lemos Braga Cesr, o Sr. J. Jos
de Oliveira; Maranhao, o Sr. Manoel Jos Mar-
tina Ribeiio Guimares; Piauhy, o Sr. Joo Fer-
nandes de Moraes Jnior ; Para, o Sr.Justino J.
Ramos; Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
PARTIDAS DUS LUHtlKlu:.
Olinda todos os dias as 9.1/2 horas do dia.
Ig'iarass, Goianna e Parahiba as segundas e
sexlas-feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Csruar, Altinho e
Garanhuns as lergas-feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh,* Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Iogazeira, Flores, Villa-Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Yx as quartas feiras.
Cabo, Serlnhaem, Rio Forrooso, Una.Barreiros,
Agua Preta, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correiospartem as 10 horas da mnnha)
EfUfcMEKlUES UO MtZ UK JAPibtHU.
3 Quarto mioguante as II horas e 4 minutos da
tarde.
11 La nota a 1 hora e 8 minutos da manhaa.
19 Quarto crescente a 1 hora e 11 minutos da
manhaa.
26 La cheia as 2 horas e 47 minutos da tarde.
PltEAMAR DE HOJE.
Priraeiro as 6 horas e 54 minutos da manhaa.
Segundo as 7 horas e 18 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA.
14 Segunda. S. Flix de ola m. ; S. Macrina v.
15 Terga. S. Amaro ab. ; S. Secnndina v. m.
16 Quaita. S. Harcello p. m ; S. Berardo m.
17 Quinta. S. Anlio ab.; Ss. Eleusipo e Lenilla.
18 Sexta. A cadeira de S. Pedro em Boma.
19 Sabbado. S. Canuto re m. ; S. Audifax m.
20 Domingo. O SS. Nome de Jess; S. Sebastio,
AUDIENCIAS UUS TRlbUNAEs DA CAPITAL:
Tribunal do commercio ; segundase quintas.
Relago: tergas, quintas e sabbados ss 10 horas.
Fazenda : tercas, quintas e sabbados as M> horas.
Jurzo do commercio : quartas ao meio- dia:
Dito de orphos: lergas e sextas as 10" horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas so meio
da.
Segunda vara do civel: quartas o sobados a 1
hora da larde.
ENCaRREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alegeos, o Sr. Claudlno Falco Das; Baha
Sr. JosMarliosAlvcs; Rio de Janeiro, o Srl
oao Pe reir Martios.
EM PERNAMBUCO.
O proprielario do diaiio Manoel Figneiroa d
Paria, na sus livraria praga da Independencia ns.
6 e 8.
PARTE OFFICIAL
Governo da provincia.
Expediente do dia 10 de Janeiro de 1861.
Officio ao Sr. W. P.ilsfaekeo, cnsul interino
do Bremen.Pela coramunicagao que me dirigiu
o Sr. W. Pulsfacken cora data de 24 de dezembro
ultimo, Oquei inteirado de que vai reassumir in-
terinamente o exercicio de cnsul da cidade li-
vre ansetica de Bremen nesta provincia.
Aproveilo esta occasio para epresenlar ao
mesmo Sr. W. Puisfackeo os meus protestos de
estima e considerarlo.Comtnunicou-se a quera
compela.
Dito ao Dr. chefe do polica. Devolvendo o
requer ment de alaria Clara das Dotes, que a-
companhou o ofricio de V. S. de 3 de dezembro
prximo finio, tenho a dizer-lhe que nos termos
da iuformaco junta por copia do director da re-
parlico das obras 'publicas deve a supplicante,
para poder ser alten iida provar perante essa re-
partico que viiva do preso Jos Victorino de
Santa Anna, cujos salarios vencidos como traba-
mador da essa de detengo quer ella receber '
o que V. S. lhefar constar.
Dito ao comrnaodatile superior da guarda na-
cional de Garaohuns.Mande V. S. destacar e
marchar para a povoago de Aguas Bellas a for-
9a da guarda nacional do municipio da Buiquc,
que parecer-lhe necessaria para restabelecer ali
o imperio da lei, em auxilio da torca de linha
que em data de 8 do corrente raandei seguir o
mesmo destino da villa de Tacaral, devendo V.
S. entender-so quanto s providencias que hou-
ver do tomar com o juiz de direito da comarca.
Dito ao mesmo. Inteirado da materia do seu
officio de 12 de dezembro prximo pretrito, ap-
provo a deliberarlo qutV. S. tomou de ordenar
que o batalho 11. 29 W iufantaria prestasse a
torga para o destacamento da villa de Garanhuns
por mais tres mezes, a contar do Io do corren-
te mez, alientas as circunstancias indicaais em
seu dito oflicio, quo inbibem os demais corpos
sob seu coruraando superior de prestarem-se ao
mesmo servigo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Maude V. S. pagar ao 2o lenle de arlilharia
Miguel Teixeira Lopes Malhoiros o sold e van-
lagens, que elle liver vencido al o dia do seu
embarque para a corte, bem como adiantar-lhe
um mez de sold, providenciando a V. S. ao
mesmo lempo para que se abone ao procurador
desse offlcial a prestaco de 15$0i rs., que elle
pretende consignar nesta provincia durante os
mezes de fevereiro e margo deste anno.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Mande V. S. pagar sos agentes da companhia
brasileira de paquetes a vapor a quanlia de
23550O rs., emque importara as passagens dadas
era ura dos vapores da mesma companhia ao
criminoso Joo Carneiro de Lacerda, e a duas
pragas que o escoltaran! das Alagoas para esta
capital, como se ve da conta unta era duplca-
la, que para esse fim, me foi reraettida pelos
mesmos agentes com officio de hontem.Com-
municou-se a esles.
Dito maioria da mesa parochial do Bonito.
De posse do officio que me dirigi a maioria da
mesa parochial do Bonito com data de 8 deste
mez, communicando quedous membros da mes-
ma mesa, apossando-se da uroa, e mais papis,
e presididos pelo Io supplente do juiz de paz dos-
sa freguezia continuaran) o processo eleitoral
que competentemente havia sido suspenso e adia-
do no da antecedente ; em resposta tenho a
Oixer-lbe que com as providencias boje expe-
didas cerca das occorrencias, quo liveram lu-
gar nessa villa, esto accautelados os successos
ulteriores no sentido de ser a lei ahicumprida e
garantida a liberdade de voto. Remello a maio-
ria da mesa parochial para sua intelligencia co-
pia da resposla que dei aos dous membros da
minora, a quem allude a cerca de sua reunio
depois de adiados ostrabalhos da eleico.
Dito a mesma.Sciento pelos officios que me
fingi a maioria da mesa parochial da fregue-
zia do Bonito com dala de 7 deste mez dos mo-
tivos que Ihe aconselharam a suspenso dos res-
pectivos trabalhos, que al ento haviam corn-
eo regularmente, apresso-me cm declarar-lhe
que cam expedidas as mais terminantes provi-
dencias para que seja a mesa parochial garantida
nodesempenho de suas legitimas attribuigocs,
respeitando-se, como cotivm, as suas decisoes;
e lhe recoramendo que continu nos termos do
processo eleitoral a Ora de que este so conclua
em ordem e com a precisa legalidade
Dito aosSrs. Antonio Feitosa de Mello e Joo
Braulio Corris o silva, membros da mesa paro-
chial do Bonito. Em resposla ao officio que
Vmcs. me dirigiram com dala de 7 do corrente,
cabe-medeclarar-lhes que. havendo sido adiada
a eleigo dessa freguezia pelo juiz de paz pre-
sidente da respeciiva mesa, de accordo com os
outros dous membros,por se verem coactos como
o que me comruuoicaram'por officio d'aquclla
data, nao podiam Vmcs. convidar o juiz de paz
immediato para, sob sua presidencia, continua-
ren nos trabalhos eleitoraes, como declararan]
que tinham feilo, visto que lhes nao competa,
constituidos em minora, seuo conformar-so
com as deliberaeoes da maioria da mesa, leeal-
menle tomadas.
Sendo, portanto, Ilegal a reunio, a que allu-
dem, cumpre que Vmcs. aguardem o dia que
Kr designado para reunio da mesa, afim de pro-
seguirse com regulandade nos trabalhos da
eleico.
Dito ao juiz municipal do Bonito.Ficando in-
teirado do que Vmc. me communicou em officio
de 7 do corrente, tenho a dizer-lhe que hei pro-
videnciado convenientemente para que continuem
com regularidadc os trabalhos eleitoraes da fre-
guezia do Bonito dessa comarca, que foram sus-
pensos, e nao seja por essa occasio alterada a
ordem publica.
Recommendo a Vmc. que procure abster-se de
tomar parte no pleito eleitoral seno para com
sua autoridade procurar fazer com que a ordem
publics e a seguranza individual sejam plenamen-
te mentidas.
Dito ao director das obras militares. Mande
Vmc. fazer cora urgencia os concerlos de que ne-
cessita o telhado do quarlel do dcimo batalho
de infantaria.Commuoicou-se ao commandante
das armas.
Portara. O presidente da provincia resolte
dimitlir a bem do servigo publico o lente Jos
Cunegundes da Silva do cargo de delegado de
polica do termo do Bonito. Communicou-se ao
chefe de polica.
Dita. O presidente da provincia, tendo em
vista o que requeteu o guarda da Ifandega des-
(a capital, Francisco Joaquim Clemente dos Sao-
tos, resolve conceder-lhes tres mezes de licenca
com vencimentos para tratar de sua saude.
Dita. O presidente da provincia, allondeodo
ao que Ibe requereram Bailar & Oliveira, con-
signatarios da barca nacional Thtreza l, resolve
conceder permsso a Joo Hypolito do Couto
{ara, independeule de carta de piloto, malricu-
ar-se como capito da mesma barca na viagem
a que est destinada para o Rio Grande do Su I
com escala pelo Rio de Janeiro ; deveodo assig-
nar termo na capitana do porto, pelo qual se
obrigue a exhibir a predila carta para outra qual-
quer viagem.
Iguaes concessoes foram feitas para as matri-
culas de Joo Flores do Amaral e Anaslacio Sil-
veira Mandes, este para capito do brigue Mr-
quez de Olinda e aquello do brigue Conceiro, os
quaes foram requeridos por Azevedo & Mello e
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho.
Dita.Os Srs. agentes da companhia brasileira
de paquetes a vapor mandem dar transporte para
Macei, no vapor que se espera do norte, em lu-
gar de proa destinado para passageiro de estado,
a Candida Mara da Conceigo.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao curador dos africanos livres.S. Exc,
o Sr. presidente da provincia, manda communi-
car a V. S para seu conhecfmenlo que, segundo
lhe parlicipou o director do arsenal de guerra, a
africana de nome Isabel, empregada n'aquelle es-
tabelecimento, dora a luz urna changa, que, de-
poisde baptisada, falleceu de espasmo.
DESPACHOS DO DIA 10 DE JANEIRO DE 1861.
Requerimentot.
3515.Alexandre Primo Camello Pcssoa.In-
orrae o Sr. inspector da thesouraria provincial.
3516.Antonio Jos Victoriano.Informe o Sr.
Dr. chefe de polica.
3517. Bruno Alvaro Barbosa da Silva.Infor-
me o Sr. inspector do arsenal do marinhs.
3518.Francisco Joaquim Clemente dos San-
tos.Passc portara concedendo a licenga reque-
rida na forma da lei.
3519. Josepha Mara da Conceigo.Informe
o consejho administrativo do patrimonio de or-
ph.ios.
3520.Miguel Teixeira Lopes Malheiros.Di-
rija-se ao Sr. inspector da thesouraria de fazen-
da, a quem nesta data se expede a cenveniente
ordem.
1.a Secco. Palacio 11 de Janeiro de 1861.
O presidente da provincia, atlendendo ao que
lhe requereu o alteres do nono batalho de in-
fantaria Manoel de Farias Lemos, que foi consi-
derado incapaz do servigo em inspecgo de saude,
resolve, de conformidade com o regulamento que
baixou cora o decreto n. 2677 de 27 de outubro
ultimo cooceder-lhe tres mezes de licenga com
sold simples para tratar de sua saude no centro
da provincia.
ERRATAS.
No officio do juiz de paz do 3. dislricto da Boa-
Vista publicado no Diario de 12 do corrente di-
rigido a presidencia em data do 19 do mez pas-
ssdo, em lugar deprecodentes leia-se pen-
dentes e era lugar de9leia-se29 de Janeiro
de 1834.
COIiiNDO DAS ARMAS.
Qaartel do commando das armas
em ernambaeo, na cidade do
Heeife, 1Z de Janeiro de 18G1
ORDEM DO DIA N. 64.
O coronel commandanle das armas faz publi-
co para conhecimeoto da guaroigo edevdo ef-
feilo, que por officio da presidencia datado de
10 do corrente, lhe foi communicado o ter sido
nomeado por portara da mesma data, para o
cargo de delegado de polica do termo do Boni-
to, o Sr. teoente do 2o batalho de infantaria
Luiz Marlinsde Carvalho, quo para esse lugar
fdra proposto pelo Dr. chefe de polica.
Faz igualmente publico o mesmo coronel, que
hontem foi conlratado na forma determinada pela
secretaria de estado dos negocios da guerra ex-
pressa na terceira parte da ordem do dia da re-
partido do ajudante general do exercilo sob o
n. 224 de 15 de dezembro ultimo, para coadjuvar
o pharmaceutico alteres do corpo de sade Po-
lycarpo Jos Piuheiro, que da provinaia do Ma-
ranhao lera de vir para esta, o pharmaceutico
civil BrazMarcellino do Sacramento, que ora j
tem a seu cargo a pharmacia militar desta pro-
vincia, percebendo por este servico urna reniu-
neraco pecuniaria equivalente aos vencimentos
que actualmente percebem os pharmaceulicos
do dito corpo de saude.
Assignado.Jos Antonio da Fonceca GalvSo.
Conforme.Antonio Eneas Gustavo Galvo.
alteres aldante de ordensioterino do commando.
EXTERIOR.
Inglaterra.
A POLTICA DO GOVERNO INGLEZ PARA COM A ITALIA.
Por complicados que hoje eslejam a olhos vis-
tos os negocios polticos da Europa, nao deve se-
melhaute estado de cousas actuar seriamente so-
bre as relages da Inglaterra com qualquer das
potencias estrangeiras. No continente sao bem
apreciadas as circumstancias desses paizes, e os
inglezes podera, muilo senhores de si, passarera
cm resenha os acontecimentos que tantos temo-
res e desconfianzas provocaram as monarchias
absolutas. A Gra-Brelanha nao foi affectada
pelo que occorreu por occasio da guerra da Ita-
lia e das negociares que della se originaran).
Havendo desde o principio grandemente syra-
pathisado com o triumpho da causa italiana,
achou-se o povo inglez apto para discutir livre-
raente acerca da phase do conflicto, e nao enco-
brio a sua satisfago ao v-la apropioquando-se
ao ponto desejado a Italia livre e unida. O par-
lamento refleclio fielmente essa impresso un-
nime do seu paiz, e ao governo coube o mrito
de compeli-la e patentea-la. A poltica da In-
glaterra foi a da syrapathia e da adheso moral,
sendo porm a da oso intervencio.
Em questo da estofa da questo italiana cum-
pre deixar a solugo aos italianos. As nagoes
mais visinhas devera curar somente dos interes-
ses geraes da questo ; tem de ver em que affec-
ta aos demais povos; tem de acompanha-la em
seus resultados mediatos, em suas mais remotas
consequencias. Seu respeito paz, assira como
a sua natural repugnancia guerra vedaram
Inglaterra reconhecer officialmente os actos do
Garbaldi e tornar-se cmplice da poltica do con-
de de Cavour. Nao houve inconsequencia deste
procedimento. Nao faz guerra por amor de ideas.
Quando os grandes interesses da Europa
icham-se arriscados, como em 1854, empreen-
do a guerra que o proposito de dar, quaoto an-
tes, cabo da influencia perturbadora. Mas, quan-
do, como na Italia, o pleito local e o interesse
tambera local, por nobre, por grande, por til
que seja esse interesse, nao empunha as armas,
porque nao deseja ver a questo italiana defen-
dida e resolvida por quem nao seja italiano.
E ahi est a forja da Inglaterra. Pouco lhe
importa que os imperadores se enconlrem em
Varsovia ou em qualquer outra parte. O seu pen-
samento se enderega aos interesses materies da
Europa : se as outras potencias rofleclirem ma-
duramente, cuidaro de alcaogar o mesmo resul-
tado em suas conferencias.
Felizmente parece que este o seu desejo.
Nao ha razao para receiar-se que a poltica os-
tensiva de algumas potencias do continente en-
cubra sinisiros intentos. Actualmente esli S-
mente cuidosas e inquietas, principalmente as
que te avistaram na anliga capital da Polonia.
Vem na Italia um movioiento que abaten todos
j os obstculos, e gauhou gloriosa victoria; E' na-
tural que inquiram qual tem de ser o seu lermo.
Est fra de duvida a annexago de aples ao
Piemonte; acha-se j realizada. Em taes circums-
tancias simplesmente impossivel que Francis-
co II permanega em Gaeta. E' igualmente im-
possivel que Roma se conserve por muito lempo
na situago em que hoje a vemos.
O diluvio vae pouco a pouco crescendo e cer-
ca as muralhas de Roma. A Franga ampara o
papa com o seu escudo, e para defender os inea-
timaveia thesouros desse estado das violencias
puniveis em urna revolugo popular, assim co-
mo para assegurar ao chefe da igreja romana a
consideragao devida ao seu carcter, reforga a
sua guarnico. Mas, segundo se infere do qua
foi dito e feito, a Franga nao se roostra inclinada
a nter vir contra os prohressos graduaes que tm
de parar na unidade completa sob o sceplro de
Vctor Emmanuel.
A poltica da Franca como a da Inglaterra
de nao intervenro.
Tendo, qnando assomou o moviraanto italiano, ]
ura p somente em Roma com o proposito es-
pecial de proteger o Papa, nao poda deixar de
prestar essa mesma prolecgo quando o perigo
tomou maior vulto. Mas a presenga das tropas
francezas em Roma, por grande que seja o seu
numero, nao urna quebra ao principio de nao
iutervengo visto como suscitou-so depois da
oceupago franceza a questo a que se refere a
intervengo.
Felirmente para a Franga, a manifestado da
vontade popular na Italia nao lhe pode causar
temor. Se o movimento um tanto revolucio-
nario, assemelha-se ao que precedeu o Imperio.
Se Vctor Emmanuel foi proclamado rei pelo
voto universal, nao foi lambem assim que Luiz
Napoleao foi feito Imperador dos francezes ? Mas
as outras potencias tem sobeja razo para se in-
quietaren). E' intil negar que parte do plano
declarado por Garbaldi foi a libertago de Vene-
za, e nisto nao ha que estrauhar. Como um
patriota italiano poda deixar de pensar nessa
grande provincia opprimida ?
O proprio Cavour reconheceu que, algum dia
o povo italiano ter torga sufficiente para exigir
que Veneza seja restituida A Italia. E' awump-
fo extremamente serio para a Austria. Se este
imperio fosse homogneo como a Frang ou uni-
do como a Inglaterra ; se o governo do impera-
dor fosse popular e o povo Del ; os intentos da
Italia fariam tanta mossa no governo austraco,
quaota os de alguns irlandezes querende estab-
lecer um parlamento em College-Green poderiim
produzir no animo dos nossos estadistas de Dow-
niog-Street. Mas a Austria notoriamente in-
feliz e desunida. A invaso da Venecia seria tai-
voz o sigoal da insurreigo de mais de urna pro-
vincia tributaria do imperio.
Urna guerra na Venecia e urna revolta na Hun-
gra daara cabo do 'mando e do dominio da
Francisco Jos, e manda ra m a casa de Hapss
burgo para onde j esliveram alguns de seu-
membros e para onde tem de ir brevemento um
dos ltimos Bourbons. Esta questo, necessaria-
te grave em Vienna, o tambem, anda que me-
nos, em Berlim e em S. Petersburgo. A Prus-
sia nao quer que a Austria, como potencia alle-
ma, seja inquietada.
A Russia nao quer que tambera o sejam os
sous fragmentos hngaros. Ha, portanto muitos
sentimentos communs, qne acooselhem urna reu-
nio tendente a discutir interesses communs e
talvez tambem a concertar um plano de acgo
com muro, dadas certas eventualidades posslveis.
E' bem natural que assim procedam estas po-
tencias ; extremamente improvavel que fagara
mais do que isto. E, pois, nao ha fundamento
para a Inglaterra entrar-se de suspeitas ou te-
mores em faces dessa reunio.
Nao duvidoso que os dous imperadores e o
principe regento ho de reconhecer o principio
da nao intervengo quaoto ao presente, mas
com o proposito bem decidido de abragarem cer-
tas medidas, se 6 novo reino da Italia investir o
territorio actual da Austria.
De primeiro parecer cerlo, vista da extem-
pornea,.proclamago de Garbaldi, que se a re-
volta napolitana fosse avante, fariam parte do
programma o cerco de Roma e o esbombardea-
mento de Veneza.
Mas folgamos de saber que mais sabios conse-
Ihos actuaram em seu animo, e que agora se
contenta com ver a Italia livre sob o sceplro de
Vctor Emmanuel, deixando ao futuro comple-
tar o programma, que fez palpitar tantos cora-
ces e emprehender to esforcdos feilos. Sem
debate esle o mais prudente accordo.
Consolide a Italia a sua forja, cousa que nao
das mais facis, e assegure o que j alcan-
cou : ento dada a occasio, que talvez se nao
demore muito, Veneza podera ser redimida, e a
formula da Italia livre dos Alpes ao Adritico
se hade realisar completamente* pelo andar na-
tural dos acontecimentos e com a sanego da
Europa. Por efteito desta esperanga a Inglater-
ra sympathisa actualmente com a Italia, aos-1
tendo-se, porm, de cooperario activa : ella de-
soja cordialmeoto que as outras potencias con-
corram para levar ao termo esta mesma polti-
ca sabia, pacifica e prospera.
[Mogrnin Post.)
A legitimidade em aples,
Nao sao bastantes as ternuras que tem pre-
sentemante pelo joven rci de aples, as folhas
legitimislas.
AGazeite de France e a Un ion prepara m para
o pobre principe urna palma e urna corea que re-
gara com suas devotas lagrimas. Urna palma
para o tnarlyr ; urna corfia para o hroe ; por-
que Francisco II ludo lsso. Em recompensa,
sous algozes pagam caro o mister que desem-
penham.
Os jornaes piedosos esgotaram sobre elles suas
aljavas de epilhetos ; e Deus sabe se ellas se
acham ordinariamente bem guarnecidas I Vctor
Emmanuel e Cialdini sao dous piratas, dinamar-
quezes, dous pelles vermelhas.
Comprehendeis que quando um piemontez (e
ludo), tomou a liberdade de baler 300 ou 400 jo -
veos francezes, a flor do nossos departamentos
do oeste, sem dze.r cautela, sobre/ o odioso pre-
texto de que deve se deixar s proprias pessoas o
cuidado de se purgarom do seu defeitos, embora
sejam elles italianos, e que 300 ou 400 jovens
bravos desse paiz, a flor das Marcas o da Umbra
seriam muito mal recebidoi vindo policiar-nos.
comprehendeis, diziamos, que nao ha mais nem
direito das gentes, nem moral, nem propriedade,
nem familia, nada emflm que se assemelhe a ci-
vilisaco, a humaoidade volta irremis3ivelmente
ao estado selvagem.
Esperemos 1er, que o general Cialdini esmsga
crianciuhas sob as palas de seu cavallo, e que
Vctor Emmanuel faz levantar pyramides com as
cabecas dos realistas.
Nadadesejamos mais do que lastimar o rei de
aples. Tem 22 annos, e esl expulso do thro-
no de seus pas : eis o marlyrio. Detondo-se
com bastante vigor : eis o herosmo. E' talvez o
primeiro de sua raga (nao nos referimos seno aos
Bourbons de aples) que tem feito o seu dever.
Seus antepassados, aos momentos crticos de
sua historia, nao sabiam fazer seno duas coa-
sas ; fugir e vingar-se. Este defeode-se- Nada
mais desojamos do que constatar que ha progres-
so, e, se querem aljaoiutmenle que seja esse 9
herosmo, nos com isso concordamos de boa von-
tade. Here martyr, martyr e here, estamos
entendidos.
Lastimamo-Io pois, esse principe dtploravel,
mas confessamos humildemente que lastimara-
mos anda rcais seos subditos, se eslivessem des-
tinados felicidade de o conservar.
Nao o joven Francisco II que Vctor Emma-
nuel trata de expellir presentemente do reino de
aples : o absurdo principio (mil veiesperdo
pela grande liberdade 1 oh 1 meus senhores da
Gazelte e da Union) que, pela graga de Deus faz
de um povo & propriedade Me urna familia, d
lodo o direito esse proprietario'de escravos so-
bre o rebanho humano que seu bem e sua pro-
priedade, divioisa, desde que se ostentam sobre
um throno.todas asbaixezasda natureza humana,
e faz em urna palavra, Nro legitimo e (Jaracalla
sagrado.
Em vodizomos : E' Nro I
Calai-vos, sacrilegos i> E' legitimo.
Eis a monstruosa asoeira de que Vctor Em-
manuel faz justiga na innocente pessoa de Fran-
cisco II. E o que pode d'zer o joven principe para
sua defeza ?
O passado de sua rara que faz lodo o seu pie-
tendido direito, justamente o que o esmaga.
Succumbe sob a detcstavel memoria de seus
avs. E' joven e nao tem feito mal, dizem os
seus amigos, e nos censentimos em absolverlo
mesmo das barbaridades de Palermo, mas elle
hade ser um lionera, e ento quem queris vos
que elle se assemelhe ? onde queris que elle
v buscar os seus modelos f sobre que principios
queris que elle se guie ? que tradigdes queris
que elle siga?
Os exemplos, os principios de sua familia.
Isso fatal: loevitavel. E' seu pei, seu avO,
seu bisav. que elle ha de imitar e nao & Vctor
Emmanuel.
Ora, o que fuera os seus predecesores^ mul-
tas vezes se tem dito, e aqu mesmo ; mas em-
quanto houver pelo mundo doutoies em legili-
mismo, nunca.o tero dito bastantes vezes.
O gritar pela violago dos direitos das gentes ;
convina nao esquecer que a violago do direito
das gentes, e de todos es direitos possiveis
urna das tradiges dos Bourbons de aples. E'
picante comparar o general Cialdini a Carrier,
mas seria justo nao esquecer que no seio des-
sas populagoes das Abbruzias e da trra da la-
voura, atterradas hoje pelo brbaro Piemonte,
que florosceriam no bom lempo da leglimidado
Fr Diavolo, Sciarpa, Manuraone, esses nobres
defensores do throno e do altar.
Os bourbons de aples fizeram desses mal-
trapilhos coronis e bardes, cobriram seus peitos
de medalhas e apertaram suas maos sanguino-
lentas. Preferimos Cialdini, que loria fuzilado
sem trepidar esses patriotas fuzidos das gales; e
se hoje, por alguns aalulares exemplos, acabar
de uroa vez com essa industria, ter desempe-
nhado as funecoes de um bom gendarme e bem
merecido de seu pait. Foi bastantejpara a Italia
ter produzido um Fra-Diavoio. A necessidade
do um segundo nao se faz sentir.
E' ura bello texto para a declamaco a conduc-
ta desse rei que repelle a offerta de seu prim
para precipita-lo pela astucia e torga ; mas nos
conliecemos um oulro anda melhor, ei-lo : Um
rei ameagado de urna Invaso. foge de sua capi-
tal e de seus Estados de trra; firme. Seus sub-
ditos abandonados sujeitam-so lei e ao gover-
no do vencedor. Esse governo deiribado no
lira de alguns mezes por urna collgacto formi-
davel. Urna capilulago promelte a vids salva
aos vencidos. Essa capilulago garantida por
um almirante inglez por nome Nelson.
O rei restabelecido ; mas quer vingar-se. A
vinganc um prazer divino e regalo das almas
baixas. Como fazer? Esse Nelson eslava escra-
vissdo s vontades de urna corteza. A rainha
lauja-se aos ps dessa mulher e supplica-a de
obter de seu amante que rasgue a capitulaco
que tem assiguado. Essa rainha era urna iiabs-
bourg da mais soberba casa da Europa.
Esse passo cuslou-lhe talvez um pouco ; mas
sua rai, a virtuosa Maria Theresa, nao havia
escripto cora sua augusta mo a Mlle. Antoi-
netie Poisson, sultana favorita do rei mui chris-
lo: Querida amiga e bella primal Esse
respeitavel exemplo a decidi. A corteza, muito
lisongeada, como de suppor, prestou esse ser-
vigo sua real amiga.
O almirante inglez, que era ura here no'fgo,
foi to cobarde como Antonio diante .de Cleopa-
tra, e.cedeu. O rei, que sabia por instincto,
como Vitellios, qusnto cheira'bem o corpo de
um inimigo niorto, embarcou-se immediatamen-
te para a sua capital, nada querendo perder da-
quella testa ; e ento, eis o que se Vio:
Para todo aquello que havia ajudado os fran-
cezes em sua invaso, contribulndo em arrancar
aos lazzaroni o castello de Saint-Elmo, entabo-
lado negociages secretas com o inimigo depois
do armisticio do vigario geral Pizuatelli, a mor-
te. Para todos os funecionarios do governo re-
publicano, representantes, ministros, generaes,
juizes, a morte. Para todos aquelles que haviam
lomado as armas contra os bandos realistas do
cardeal Bullo, a morte. Para todos aquelles
que haviam assistido erecr.o da arvore da li-
berdade na praga do Espirito Santo e destru-
cao dos brazes reaes, a morte Para todo aquel-
le que havia fallado ou escripto contra o rei ou
a familia real, a morte. Para todo aquello que
se havia tornado culpado de impiedade em pro-
veilo da repblica e em detrimento da raouar-
chia, a morte I
Quarenta mil cidadoea, pelo menos, estavam
aracagados de pena capital. (Colleta, liv. V.}
O rei era Fernando de Bourbon, o bisav de
Francisco II.
O' vos que chamaes Vctor Emmanuel pirata,
c Cialdini assassioo, que nome daris esse car-
rasco coroado ? Isto passou-se em 1799. Anda
ma vez antes de sua morte, esse mesmo ho-
rnera fez urna igual festa.
Quanto a suas mentiras e a seus perjurios,
quasi to dilicil conta-los como suas victimas.
Lede Colleta, o Tcito desee ero grotesco, alma
de lama amassada com sangue.
E' verdade que era rei legitimo. Seu neto,
Fernando, o pai de Francisco II, tambem o era.
Cedo fallaremos delle.
Ed Deschampe.
(Da Optnton Nationale.)
INTERIOR.
Baha
20 de dezembro de 1860.
No da 18 do corrente ale meia hora leve
lugar a reunio convocada pela Associago Com-
mercial. Comparecern] seis membros da mesa
e trite e dous socios, sob a presidencia do Sr.
commondador Manoel Belens de Lima, e servin-
do de secretario o Sr. Joo Cesimbra. Lu-se a
acta da sesso antecedente, e foi approvada.
Depois foram compareceodo mais socios.
O presidente leu um relatorio em que dava os
motivos que haviam levado a mesa directora da
associago a convocar a reunio, e concibi.offe>*
recendo a consideragao da assembla tiualro, o
tigos, que sao pouco mais ou menos estes.:
1.* Representar ao governo con'.ra ceclas. for-
mulas descriptas no reculamente, das. alfaudegas,
que intorpecetn a marcha do c^rajaercio,,
2. Pedir qne os julgamenlos das fallencias se-
jam pelo tribunal do commercio e rto pela re
lacao.
3." Pedir urna providencia que d garantas
contra o abuso das hypothecas, as quaes nao se
devem effectuar sem que Ibes lenha precedido
annuncio pelos jornaes.
4." Oue as compras da praga sejam feitas por
Foram lidos era seguida alauns papis offere-
cido por pessoas do commercio :
Um reclamando contra a morosidade dos des-
pachos, e trazendo o exemplo de urna lata de
amostras de caf, que pagou 3 rs. de direitos e
20 rs de capatazia, e cujo despacho durou Ires
das, tendo ao cooclur-se doze assignaturas.
9.,ltr0 aclamando contra a prohibigo de se
baldear nos trapiches assucar despachado em
trapiche diverso, sem se lhe dar nova entrada e
exame lenha lugar ns occasio do embarque : a
nova entrada em taes circumstancias constitue
urna duplcala, ou moslra aGnal um resultado
superior ao da safra, por se dar entrada em um
trapiche ao mesmo assucar que j em outro
deu.
Oulro contra o imposto de 1 X % da plvora,
alm das despezas que ora^o fazera no forte do'
mar, onde ella se recnlhe.
Outro contra a prohibigo do trabalho nos Ira-
piches nos domingos, para arrumaren) e fazerem
encanleiramentos, o contra a Oscalisago para
isso, da qual se presume que provra essa pro-
hibigo;
Submettido discusso o 1." artigo, oSr.com-
mendador Maiinho opinou que tendo o Sr.
inspector da alfandega dirigido ao poder com-
petente varias observarles contra o regulamento
das alfandegas, deve-se esperar resposta do
governo: que hoje os despachos j se fazem
com mais facilidade do que nos primeiros das
da execugo do regulamento etc.
O Sr. tenente coronel M. J. do Magalhes
nlerrompeu-o, dizendo que tambem esperava
que viessem essas reformas e modiflcaces, que
o Sr. Angelo Ferraz costuma fazer obngado pela
procipitago e capricho que sao o cunho de todos
os seus actos, que tem levado sempre essas
explicagoes, raodifcagdes, reformas etc.
O Sr. commondador Belens opinou que se
devja fazer urna representago de accordo com
as judiciosas e experientes razoes levadas ao
governo pelo Sr. inspector da alfandega, as
quaes, auxilliadas pelas da associago commercial
deveriam produzir mais torga.
Trataudo-se da baldeago e nova entrada de
ura mesmo assucar em mais de um trapiche, o
Sr. commendador Marinho declarou que eslava
convencido que isso era engao ou m inielli-
gencia da disposigo da lei nessa parte ; o Sr.
commendador F. J. Godioho, porm, dissoque
nao havia engao, e que por esse motivo j lhe
havia acontecido flear em ierra carga de um
navio.
O Sr. tenente coronel Magalhes disse que o
regulamento era ioexequivel e duro, e que se
nao fosse a prudencia dos inspectores da alfan-
dega e da thesouiaria, nao se teri posto em
execugo.
Entenda por tanto que se devia representar
de accordo com as representscoes por elles
dirigidas.
Submettida a materia votago, foi nesse sen-
tido approvada unnimemente, tendo sido con-
trario somente o voto do Sr. commendador
Marinho.
Tratando-se do julgamento das fallencias, re-
solveu-se que se representasse ao governo para
que esto obtivesse do poder legislativo urna lei
no sentido de seren taes decisoes em appella-
cos dada3 pelo tribunal do commercio e nao
pelo da relago.
O Sr. Cesimbra apreseotou urna iodicago, que
foi approvada, aOm de que por pretexto algum
se possa mudar os noraes dos navios, porque as
mudangas de nomes s servem para Iludir os
carregadores e os seguradores.
Tralando-se das hypothecas precedidas por
annuncio?, fallaram contraos Srs. Magalhes e
Marinho, e outros muitos se manifeslaram no
mesmo sentido.
O Sr. Marinho lembrou como preferivel pe-
dir-se ao poder competente urna reviso da lei
hypothecaria de modo a evitar abusos, devendo
ellas ser registradas, e o registro franco quem
0 quizer ver.
Posto votago, foi regeilad) o artigo, sendo
approvada a proposta para se pedir a reviso ou
reforma da lei.
Paesando-se tratar das transeeges por letras
ou coolas assignadas, o Sr. Marinho offereceu o
seguinte :
Organisar-se um systema fixo e iovariavel
de compra o venda para cada praga ob-
jecto de muila conveniencia, o do maior alcance
ce para o desenvolvimento da prosperidade com-
mercial : se a occasio, em relago praga em
que vivemos, a mais azada deixo-o vossa fi-
na penetrago.
At agora temos vivido na mais deploravel
liberdade sem bases e nem ideas que estabele-
gam sequer urna regular forma para que na
concurrencia mercantil se reconhega o peso de
seguranga e garantas de cada urna individua.
Daqui nasce a razo de termos si Jo levados de
absurdo em absurdo al a borda desse abysmo
onde se submergem as pequeas como as gran-
des fortunas, visto como na concurrencia de
compra e venda tantas vantagens colhe o que d
solidas garantas como o que nenhumas tem,
por isso mesmo que, nada tendo que arriscar o
individuo levado a emprehender com a maior
imprudencia e ousadia ludo quaoto lhe sugre a
imaginario : chegou este abuso a um ponto in-
leiramente deploravel, e que deu em resultado
parladas desgranas que lemos perante os olhos.
Por outro lado o comprador de gneros, parti-
cularmente de importag8o, langava-se no mer-
cado com torgas'de gigante, quando nem de pyg-
meu as poda mover: compra va tudo e a todos ;
obrigago alguma contrahia aeno sob palavra ;
aquella mesma de levar a seu diario as compras
era ou desprezada, ou feita sem regularidade
porque as mais das vezes os ttulos de compra
eram nicamente as conlas enfiadas n'um rame
em qualquer prego de parede: por causa mortis
ou fallencia que difficuldades se tem encontrado
para a veriGcago de dbitos?
< Nao dando urna conta assigoalada cm que
se eslabelega a condigSo do pagamento e a obri-
gago pela mora e muito menos urna letra o
individuo eternisava seu debito, comprometien-
do crdito para uns, mas procurando no vos fre-
guezes que por tal forma lhe confiassem. Em
resultado aoimava-se a imporlaco debaixo de
falsas ideas de consumo e as desgranas eram cer-
tas tocando ao importador e consumidor. O
comprador assim empenhado em compras pela
mesma forma e com o mesmo erro procurava
vender, e o que mais porque nao linha dado
ttulos de sua divida que lhe impozessera urna
feoa pela demora ; as cobrangas que fazia em
ligar aos credores as conduzia para deposito de
. um estabelecimenlo bancario, sacrificando as
mais das vezes seu crdito s pola ambigo de
1 usufruir interesses que nao devia ambicionar
porque o dinheiro era alhelo, e se elle fosse
mais moderado e mesmo conhecedor dos pro-
prios interesses nao o faria sem dnvida. Os que
assim fizeram senhores, encontram-se hoje bra-
(0 6. braco com difficuldades, cota os maiores
embarocos porque por um lado tem os credores
porta pelo oulro as dividas porddas o os ttu-
los do dinheiro sublrahdo-despense-se-me a
expressao-, de seu legitimo curso depreciado
no Humo ponto: acbam-se verdaderamente
m?i. a T honr"so e se capital, fazendo a
mais deploravel figura. I nao ser .0 commer-
cio Ilustrado, nao ser a voz. senhores da Asso-
ciago Commercial que corre o dever de. aoro-
veitando-vos de tantas ligdes severas, e al Iris-
tissimas reformar este desgragado estado de cou-
ms tornando nossa praga mais regular em seu
movimento, mais civilisada pelos usos e coslu-
t'jrnescoraraerciaes.e Analmente mais morali-
S3U9 .
Be mais, para vos convencer mais da ur-
gencia das reformas mister que chame vossa
atlencao para .estas iromensas casas bancarias
que temos onde existe depositado o suor de
muita familia honesta, e que sem tituloe legti-
mos de commercio nao se podera, e era moral-
mente se devera conservar. Nao vos trarei
neste momento a idea o numero de familias e de
individuos redolidos a penuria quando ha pouco
aispunnam de meios seno abastados ao menos
sullicientes para viverem por causa do reprova-
ao systema de assignar-se leltras de favor-por-
que meu fim n5o. pintar quadros lgubres e
sim nicamente pedir vossoapoio para a reforma
no sentido de nao termos mais qne deplora-los-
neste intuito tomo a liberdade de offerecer-vos
este projecto para base das condigoes de compra
e venda da nossa praga que sero tomadas ou
nao em consideragao segundo vosso esclarecido
juno, reduzido que seja um systema fixo, e s
vanavel segundo as conveniencias dos contrac-
tantes, mas que eslas nunca cheguem a dispen-
sa da troca de ura titulo que represente a ope-
raco. deixaremos o resto a acgo do lempo por-
quo confio que com a ajuda da Divina Provi-
dencia chegaremos a regenerar-nos da desbra-
gada situago em que nos achamos.
Tenho concluido.
Exportacao.
Assucar, algodo. cacao, caf, couros, fumo
em folha e rollos1 e 2 mezes.
Agoardente 2 raezes-138 gallocs inglezes eu
O caadas cada pipa e 21 graosno Rio vnde-
se < 4 mezes,
Madeiras, piassava2 mezes.
Munigesdinheiro.
Imporlaco.
Xarque3 mezes na capital e 4 fra della.
Constas prestadas mensalmente, declarando o
termo medio do veocimento, e assignados em
duplcala, com a condico dos pagamentos e
premio na falta.
Arroz, cebla,' batata, eijo, fructas, conser-
vas, farello, sal. carvo, maiores leguraes es-
lrangeiros-3 mezes.
E1 licito ao comprador pagar a vista com des-
corito mais favoravel dos Bancos; mas nunca
ser licito deixar o vendedor sem titulo descon-
tavel; e quando o faga, entende-se venda feita
a vista, correndo os juros desde a data da conta,
com direito de exigir-se o pagamento, passados
os 2 primeiros mezes.
Rac-tlho 4 e 6 mezes.
Ferragens e todos os mais gneros d'eslivas
6 e 9 mezes.
Fazendas seccas8 e 12 mezes.
Diamantes2 e 4 mezes.
0 Sr- Belens (presidente) propox entender
que do Io de Janeiro em diante nao se deviam
fazer transaeges de compra e venda seno pelo
plano que sobre as bases do apreseolado, deveria
ser feito e estudado por pessoas habilitadas e pu-
blicado opportunamenle.
A assembla pareceu assentir nisso.
[Jornal da Baha.)
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA-
Os Blgaros volvem igreja universal, ao ca-
tholicismo, que primitivamente foram unidos
por vnculos de filial obediencia pelos apostlos
Cyrillo e Methodio ; que deram-lhesuma hierar-
chi.t cannica nacional e destincta, mas subordi-
nada prolecgo da santa igreja romana.
Rompe assim a nago blgara a ligago que
tioha ao patriarchado de Conslantioopla, e pa
a igreja blgara aob os auspicios dosuccessor de
S. Pedro, di igreja de Roma, cujos dogmas re-
conhece por sanlos.com proroessa de plena e sin-
cera fldelidade S. S. Pi IX, seus successores
e seus dolegados apostlicos, e solicitago de
ser acolhida aq seio da referida igreja de Roma ;
qual alm disto impetra o reconhecimenlo co-
mo cannica da sua hierarchia destincta e na-
cional.
E este um dos tactos mais memorareis que o
anno de 1860 vio consumar-se no seu decurso ;
e os fiis nao podem deixar de exultar cora a
aciencia delle, pois que traz ao gremio calholico
urna populacao maior de milhes.
Que nelle se espelhe a incredulidade de nossos
dias I
A barca de Pedro, por maiores que sejam os
escarceos que se levantem em sua rota, sempre
sobrepujar essas ondas das paixes humanas,
que resentindo-se da fraqueza de sua condico,
sao impotentes para essa lula de anniquillamen-
to, que phantasiam em horas de satnica obece-
caco do senso moral.
Abaixo publicsmos a Homenagem\nechrolo-
gica, pronunciada por occasio da missa fnebre
pelo repouso dos iofelizes officiaes e marinheiros
da crvela U. Isabel, de que trata a nossa Rese-
nha Martima.
Eis all o exemplo, hoje que resta
a De tanto trabalhar
Nem o despojo vil da carne humana
< Que nsdou sobre o mar.
Amaral Tavares.
Estas palavras proferidas no devaneio de um
poeta sao os verdadeiros tragos do pavoroso e la-
menlavel quadro do negro naufrago, que, hilando
com forjas superiores, expira aem lhe ser con-
cedida a sepultura destinada ao christao. Anda,
senhores, a mo do tempo nao envolveu no esque-
cimento essas luctuosas scenas, que de espanto e
de horror impressionaram nossos camaradas, an-
da no livro fatal nao est extincta a memoria dos
laraentayeis naufragios da charra Carioca, e bai-
gue Caliope, gravada em tristes caracteres, por
isso que, amigos nossos, nossos camaradas, hi-
tando contra os olemenlos, sob a influencia de tre-
mendo temporal, morreram victimas de sua de-
dicago pelo servigo inherente i vida, o,ua pro-
fessavam ; aioda, senhores, as lagrimas (bucha-
das nos semblantes das familias, dos amigos, e
Olhos, nao deixaram de correr, e j um novo gri-
to, o da morte, pronunciado debaixo das mais
crueis torturas l as coatas da Barbaria, atra-
vessa os mares, e vem choar as plagas ameri-
canas, repassando-nos de dor, e de senlimento
profundo, porque vemos que mais um vacuo se
abre as fileiras da corporago da armada.
Quiz a Providencia, que compulsando n3 o li-
vro da (alalidade, o abrisseraos nessa pagina ne-
gra e horrenda, onde em caracteres indoloveis sa
acha escripia a hora prexa, que nos indica o,
momento em que ritos os la$os, que nos une &




w
tf VT;>
aHARK) DE f ERCUMBUCO. SKGOMD FEIRA U DI JANEIRO DE 1861.
ni
[ jrr: -

n*i
urna vid loda de illuses, vamos-encarar a rea- passamento le.gou-tos cssa espada, que lanas
lidade, e ahi receber o premio, a dada de Jramorredouras Mfi4 destinadas ao qse levada topos do naufragio i praia de Tan-
justo, ao cbiislao, aquello qu na peregrinc.so ger, revelou-so nesse incidente o dedo da Pro-
deate mundo, nao manthou com o seu proceder
as aceas da vida.
O aspecto du templa, o aons que ae despren-
den) dos brouzea, o cenolaphio, que aqu vedes,
os cnticos legantes enlosaos pelos levitas, esta
moeidese com as fardas eovolus no orcpe diri-
gaos preces ao Ahissituo, siesigoaes ineqaivs-
coe provas renes, de que a norte .te nivela to-
da dessn seriaos, scmsIbalKe m elctri-
co, levou a scentelha exteraalnadora, e passando
por entro eeaas phalanges, que representan! a
corporaco da armada, cortee exwtaaseia de ir-
naos c amigos, diiiindo submersos no petar e
na saudade, aquelles i quera os vnculos da ami-
eaae. da sympMftie, ou do parentesco parecan*
streitar victime, roubando-nos, e para seifinre,
camarades dossos na aurora da vida, que com-
oosco militatam prestando a patria relevantes
ser vicos.
Esses, que em seuscoraceesencerravam virta-
mos exemplares, cahiram cerno a folha bafejada
pela brisa matutina, leudo por tmulo o ocano,
de honra e gloria I
No da 11 de novembro de 1860, a crvela D.
babel, cuja guarnicie, depois de praticarno por-
to de New-York, una dessesacios do feumaoide-
de e herosmo, salvando da voragem das cham-
rnas a guarnico de nm navio; que depois de per-
correr a Europa gentil, se balangra'no porto do
Marsellia, prestando serricos reconhecidos nesse
caiacliraa lerrivei, por que passra a Italia ; essa
distincla offlcialidade, que pelos seus bons olBcios
liuha inscripto seus nomes em um dos acios no-
taveis da vida de nossa princez, e de scu esposo
o conde d'Aquita, dcixando urna honrosa recor-
Jacao do Brasil, porque na sobarba Europa foi
prestar o seu contingente ; cssa crvela quasi ao
terminar a cooimisso scieKtvfica, que to dig-
nos ofilciaes fra confiada, leudo atlavcssado o
Mediterrneo, quasi romper o eslreito deGi-
braltar, por urna dessas cirouraslancias, que s o
liomem do mar pode avaiiar collocado ao eaia-
Tcnto, tendo dianle de si o cu e o ocano, per-
de-se na costa da Barbaria, seis mhas no sul do
cabu Spartel. e nesse naufragio succuinbciu 120
pracas, inclusivo 23 offlaiaes, que de balde so de-
bateramcom as aleanliladas vagas do ocano, que
nao podiara ser superadas pelos clculos huma-
nos por niel luir concebidos.
A Providencia sabia em seus derrt-tos, julgou
que esses verdadeiros raailyres deveriara receber
a coia, que Ihesestava destinada, e assim aban-
donarem este mundo, no lorvelnho do qual im-
perara a intriga, a calumnia, a ambicio, e o
egosmo.
Nao a raorte, senhores, que sorprendo o sol-
dado no campo da balBlha, o marinheiro i bordo
do seu navio enlhusiasmado pela abordagem, ou
pelo ribombar do canho, vendo cahU phalan-
ges inimiga, que superiores em forjas, sao re-
chazadas pela bravura ; nao fl por esles que vie-
mos ao templo do Senhor derramar urna lagrima,
nao 1 pelo passamento desee, que l em Ier-
ras estranhas, em mares que banham patzessc-
ini-barbarosdesappareceram do mundo depoisde
solTrorem crueis loituras I
Ah que trisle quadro, que negras cores ahi
so achain debuchadas, que spdem ser compre-
heudidas, por aquelles compauheiros. a quem ha
poucos das as ras desta cidado abracamos, e
que escaparan essa horrivel calastrophe 1 I
Moiieram esses nossos camaradas depois de so
terein cubcrlo de loaros na Europa, honrando o
pavilhao auri-verde 1
M jrreram sem dizerem o adeus da despodida
ao idolatrado pac. ao estremoso irmao, querida
esposa, desvellada man, s innocentes innaasj
Morreram sem eslieilar em mutuo amplexo os
sous proprios compauheiros do navio arrebatados
pelas vagas, e neuhuma prece poderam ao menos
balbuciar, que lhes servisse de lenitivo e consolo
na hora do passamento !
Os nomes desses camaradas. dignos de respai-
lo, o os do tantos raarinheiros, que com elles
siiccunibiram, nao podendo vencer as aleanlila-
das sorras do ocano, que ludo destruiam ; os
nomes desses compauheiros generosos, dolados
do un carcter prava da mais viva contrarie-
dad-', alegres no meio das alieinativas as mais
peniveis de urna vida, onde sseeuconlram pe-
rigos e provaces, passarao s goraces futuras
cm caracteres de ouro, e immorredouros, (carao
gravadas as tristes paginas dos nossos fastos
martimos, e nos annaes histricos de uossa
patria.
Morreram sem terem junio & si um ministro do
altar, que com elles proferisse a voz da verda-
de e Ua relgio, porque esse lambem l morreu,
esmagado pela anleua do navio, esse que pode-
rla erguer a sua voz, que semelhanle a um balsa-
mo salutar, consola o moribundo nesses lerriveis
momentos nuncios da emigraco do espidi para
urna morada, quo fecha suas portas ao materia-
lismo, e que nos indica a existencia de um Ser
Supremo, de um Ente necessario ; io msgestoso
poder do qu-1 nos devemos curvar, e cegaruenle
obedecer.
E' eniiio que o homcm reconhece, e admira a
grandeza do universo, os insondaveis segrcJos
da natureza, e com urna voz enlrecoilada pelos
solugos, leudo em suas mos a imagein do Cru-
xificado, exclama contricto : Senhor, sal-
vae-me.
Passaram esses nossos compaoheiros rpida-
mente desle mumopara a eternidade, legando
muilos delles a suas familias a pobreza, o tormen-
to, e a angustia, ese como so exprime U'Alem-
bert o repousosuccedou aomoviraento.se a cons-
ciencia de sua existencia, se esse sentimento in-
terno, que conslilue o eu, desappareceu, conser-
varemos com ludo a recordago dessas vidas de
outr'ora, que serapre forara modeladas pelo justo
e pelo honesto, caracteres que ornavam aquelles
que boje planteamos ; e nesses intantes crueis da
vida, quo temos no mar, nessas horas de desgos-
to, uessas noiles nebulosas que nos convidara
meditagao, em que consideramos a nossa cruel
contingencia, recordaremos com saudade amigos
to dedicados, soldados to valenl->s, que nunca
trepidaran! ao sibillar das balas, c ao rufar das
caixas degucrrns, que oschamavam seus postos,
e, que verdadeiros baluartes, sustentculos dos
direitos da cora, c de nossas instituirnos, nunca
vollaiiara as costas ua occasio do prigo, o ar-
cando peito a peilo, sustentaran! o aur-verde
pendao, emblema de nossa nacionalidade.
Pranteemos, briosa oicialidade brasleira, a
morte desses camaradas, lancemos urna lagrima
sobre aquello cenotafio.
Alt est representado esse variado jogo de
aceas, que conslilue o mundo ; ali, de envol-
ts com o rico, com o potentado da Ierro, com o
aristcrata e o plebou, so confunden! as ossadas;
e nellas nao so recoohecerao s que perlenceram
aovaidoso da socedade, que no mundo das il-
luses s lanc suas vistas para o m de suas am-
bigoes!
Ali existe a realdade, as pompas c as gallas
desapparecem, e se ergue o juiz supremo para
distribuir juslica.
Se a nafureza por urna mesrna le submelteu
todos os seres morle, coosolou-os tambem com
a lembranca da eternidade, c como um destinelo
escrplor hrasileiro direi :
Mal da vida Be, nos srrancos estranguladores
que sent com o desabar da pedra do tmulo
impetlida pela morle nao encarasse aorir-lhe
os bracos Cruz do Senhor, erguendo-se bella,
e mageslosa d'entre as renques de suas sepul-
turas.
Permilli agora, que lendo cumprido um dever
imposto pela ddr de que me acho possuido, eu
revele tambem o nobre sentimento da gratidao.
Permilli que, c de bem longo eu envi urna sau-
dade aquolle, que neste momento torturado
pela acerba morle de seu Irmao chora essa per-
da to irreparavcl. Eu vos quero fallar Srs.
Co eximio general Joaquim Jos Ignacio irmao
to desventurado commandante da crvela D.
Isabel.
Senhor. Cumprlram-se os fataes presenti-
meutos de vosso irmao, manifestados em cartas
escripias em I.iorne !
Sel que urna dr otcessiva como a que agora
Tosopprimeo coracao nao permitle reflexo e
lenitivo algum ; s5 a encontrareis na religlo.
Abragado cora a cruz daqulle, que tanto por nos
soflrea no Calvario, resignae-vos, o vosso ami-
go intimo, nquelle, que tudo vos dove na car-
reira militar, aquello, que settrpre abracou vos3os
conselhos qaem isto vos paule. Conflae na reli-
giao, que com o conhecmenlo dos sens sabios
dogmas nao nos faz lular, como dizBossuet. en-
tre as trevas e a Inz, entre o ideal e o real en-
tre a aefao e a paixo, entTO o espirito e a'ma-
teria ; confiae no Homem Dens.qne vos ofTereco
o mais edificante exemplo de seus sonVimentos
Perdeile um raio idoltrenlo, nnr na hora do
videncia manifestado em
Ella quiz que um irmao
toda a sua magnllude.
como vos a possuisse
como^ttvUf. qN eaonitmi 4 vosso api to 4*ftao Bna do Vce4lo-
Commandantes Superior Francisco lizerra
do Vasconcolloi Torres.................>a
Padre Manoel Gomes de Brilo........,.....
Capito Goncalo Ttixeira de Carvalho......
Mojor Joo Bezerra de VasconcellosToftfa
Capito Manoel Antonio Ferreira..........
438
lhota corageaa e a bravera i*qee, quena
meio las vagas que magiam, a espnmavam, o
vento, que coa lurer bravia, estas sconas de
desordena e d espanto o commaneaole intrpido
nunca perdeu o sangos fri detapparecenao com
a cnrtetiguando faguelra esperanja de aalva-
mento j estar de todo extincla.
Sim, senhores foio capito lente Bento lose
de Carvalho que at 4 ultima hora nonca abindo-
nono aeu posto, e proferio essas palavraa, que
nos recordm as dos hroes de antigs eras
A vid i* um commandante dt navio 4e f*err
to cara depois de um naufragio, que nao va-
te apena disputa-la as vagas.
E' o militar que, reconhecendo os lajos que o
prendem diciplinir, o militar, que nos mo-
mentos de maior perigo aconselha aos seus ca-
maradas com toda a calma, que se salvem edes-
cendo cmara ahi fui procurar a morte. Ese
como se exprimi um destnelo urgo da impren-
pernambucana A morte do commandante da
crtela D. Isabel pdese considerar um sici-
dio elle tinka raxo as palvras que proferia.
Sirva, Senhor, a espada de vosso irmo, em-
puuhada por algum de vossos Glhos para sus-
tentar vosso lado essa brilhante divisa, que
vos tem acoropanhado na carreira militar pa-
tria, le, imperador .
Paraphraseando, Senhores, as eloquenles pa-
lvras do distincto orador do instituto histrico
brasileiro, direi : no dia 11 de novembro de 1860,
abrio-se o mar para azyllar os cadveres dos fi-
nados, o cu para receber as almas dos justos, o
coracao da patria para guardar a lembranga de
fithjs queridgs.e o Panlheon da posler'dade, e da
gloria para honrar a memoria de filhos seus,
horneas virtuosos, e cidados benemritos,
Lina saudade sobre o tmulo desse, quo hon-
rado anda no verdor dos annos por urna nntabi-
lidade scienliGc, teve um fin quasi semelhanle
de seus desgranados irmos I
Urna saudado em memoria de tantos camara-
das, de lautos bonicos do mar quo l suecum-
biram I I
Lagrimas o saudades por esses valemos alhle-
tas habituados aos gemidos, e aos sofTrimentos
nolelo da dr, no arquejar do moribundo, que
so estorce sob o pezo de cruel eufermidado.
Por esses filhos de Hyppocrales, que alistados na
honrosa pleiado da corporaco da armada, guia-
dos polo amor da gloria e do esludo, deixarara a
palria o foram suecumbir longo dos seus, sem
poderem abracar a .chara consorte, e os temos
filhinhos. Pranto o saudades por osses onze jo-
vens, que tendo pouco transposlo os urnbraes
da academia nao tiuhara completado o 1. mar-
co da estrada, e morreram quando o honsonto
da vida ae lhes apresentava risonho e fagaeiro 1
Camaradas, deixemos em paz, qnem era paz
descanga o acompanhemos as familias desses
bravos em sua dr, dirigindo preces Deus pe-
lo descanco bienio I
Comecam boje, as preces ordenadas pela
pastoral do Exm. diocesano, datada de 8 do cor-
rele.
Por portara do 12 foi nomeado continuo da
secretara do governo, o Sr. Anselmo Jos Fer-
reira.
Promove o Sr. Dupral a organsagac de urna
sociedade em commandita com o flm de comprar
terrenos o nellcs edificar sob certas proporcoes
archilhelonicas.
O fundo social do 1,000:0008, sendo a meta-
de subscripta desde j, e a unir ao depois da
funlaco da sociedai'e, segundo o euleoderem os
socios gerentes.
A primeira subscripeo sora realsada dentro
de viola mezos, contados da dala do contrato da
sociedade, em dez presiaccs do 10 010 do capi-
tal subscripto, mediando da entrega de urna
outra sessenta das.
A sociedade ser legalmente constituida quan-
do as quantias subscriptas prefizerem o quarto
do fundo social.
l'oi demitlido de continuo da secretaria do
governo o Sr. Cezario Aureliano Ventura.
Por autorisaco do Sr. capito do porto,
acham-se diflerenles boles estacionados na esca-
dinha do Recite e no caes 22 de novembro.
para a condueco dos individuos que sedirigirem
de um pora o nutro bairro, e que quizerem abre-
viar o trajecto por esse modo, em quanto durar a
prohlbleo do transito pela ponte velha.
Eslc transporte eila 80 rs. por cada pessoa
transportada, sendo vedado essas duas eslacoes
a conducho de pessas, que nao eslejam do lado
em que Tica cada urna d'ellas.
Por acto do governo de II do corrente foi
mandado entrar era exercicio o porteiro da Ihe-
souraria provincial Francisco Antonio da Silva
Cavalcauli, que fra dspronuncado, e era va
de recurso para a relacao do distrelo absoivido
do crirae de responsabilidado.
Hojo ao meio da echar-se-ho as malas
do vapor francez, para o Rio e Dahia.
Acham-sa concluidos oslrabalhoseleitoraes
das freguezias de Tejucupapo, Serinhem e Gr-
vala, sahinio eleilos os seguidles senhores :
Tejucupapo.
Vigario Antonio Juliao Kogerio.
Padre Antonio Pinto do Abreu.
Proprielario Antonio Gongalves d'Azevodo.
Dito Francisco Xavier d'Albu'querque Mello.
iio Satyro Clemenlinn.Coelho Catanho.
Dito Joao Ribeiro Campos de Vasconcellos.
Dito Antonio Raposo Falco.
Dito Ilr. Francisco do Paula Rodrigues d'Al-
raeida.
Dlo Francisco Bezerra de Figueiredo.
Negociante Manoel Antonio de Souza.
Dito Carlos Soares de Medeiros.
Fiscal Manoel Ferreira de Allemo.
Negociante Manoel Xavier de S e Albuquefauc.
Proprielario Faustino Nicolao da Silva.
Dito Antonio Paulino do Rogo.
Dito Manoel Antonio Pinheiro.
Dito Joo Antonio Pinheiro.
Dito Aleixo Alves Bandeira.
Agricultor Eustaquio Jos da Fonccca.
Dito Eruesto Brasiliano da Cunba Ucha.
Capito Jos Rufino Coelho Calanho.
Capito Joo Rodrigues da Silva.
Proprielario Domingos Martns Ribeiro.
Agricultor Theodoro Jos d'Aguiar.
Serin/iaen.
Jos Cavalcanti de Albuquerque Ucha.
Manoel de Mesquita Barros Wanderley.
Dr. Antonio Germano Rigueira Pinto de Souza.
Major Ignacio de Barros Wanderley.
Dr. Gaspar Cavalcanti de Albuquerque Ucha.
Tenente-coronel Coriolano Velloso da Silveira.
Coronel Gaspar do Menetes Vasconcellos Drum-
mond.
Luiz Paulino Cavalcanti de Albuquerqae.
Dr. Manoel Nicolao Rigueira Pinto de Souza.
Pedro Cavalcanti de Albuquerque Ucha.
Goncalo Francisco XKvrer cavalcanti UcnOa
Tenente-coronel Jos Venceslao AfTonso Riguei-
ra Pereira de Baslos.
Jos Eugenio de Souza Ramos.
Francisco Manoel Wanderley Lins.
Fructuoso Das Alves da Silva.
Dr. Sebastio Antonio Accioli Lins.
Ponciano de Barros Accioli Lins.
AfTonso de Albuquerque Maranho Cavalcanti.
Dr. Gervasio Campello Pires Ferreira.
Carlos Lenidas do Reg Barros.
Adolpho de Barros Wanderley.
AfTonso de Albuquerquo Maranho.
Joo Florentino Cavalcanti de Albuquerque.
Pedro AfTonso Rigueira Pinto de Souza.
Manoel Peres Campello Jacome da Gama.
Joao Manoel de Barros Wanderley Lins.
Battholomeu do Reg Barros.
Manoel Germano Rigueira Pereira de Bastos.
Jos do Reg Barros Wanderley.
Francisco do Paula Cavalcanti Wanderley Lins.
Francisco Dorotheo Rodrigues da Silva.
Joo Cavalcanti de Albuquerque Ucha.
Joao Affouso Rigueira.
Jos Manoel de Barros Wanderley.
Francisco Manoel de Souza Oliveira.
Vigario Demetrio Jacome deAraujo.
Francisco Lins Wanderley.
Gaspar Mauricio Wanderley.
Vicenlo Elias Cavalcan de Albuquerque.
Joaquim Martioiano dos Res.
Thefesphoro Marques da Silva Jnior.
Thelesphoro Marques da Silra.
Joo Pereira Chaves.
Jos Henriques da Silva.
Jos" Alexandre Carvalho Leb.
Sano'cl Thpbilo deAraujo Lima.
Miguel Alexanotino da Fonseca GalrSo.
Grtate.
Vigatlo Tilo 4e Barros ta.............. 507
Torres..................................
Proprielario Antonio ManoelPbVtira Vian-
na Jnior................................
Capito Jola Captstraao Torrea Gallindo....
Tone ule Jos alendes de 0Uretra..........
Negociante Hanoel Henriques 4 Miranda
Accioli.,...............................
Tente Francisco Luis do Sacramento.....
Proprictarlo Jo Paulino Pereira da Costa.
Artista Manoel Soarea de Alaeida........
Proprielario Manoel Baptista das Neves....
^^^B Joao* Baptista -se MoOitv. r.xi-
423
43
480
429
4
428
427
,0r*5.ari &y:2S.l.^ aMm ,bri0 m "" a iroslho. dessa cruzad. Ullesaria. a vs. a vs
Tudo rSgenerecau benec. iuvencio ess. S^^nV^Sm f'LV f-1"* tf a,&~
grande idea, e os proprios eaeraroaquelfabalha-J Sain?. dln'iria
meiba de viver" eterno no coracao ie suV'fUnos goso de alauf tLh*rn\ t'al^^'iL'^^lf^ ** aasesulha morte. A barbaria n
4* amor, iaesMaval.no trabalho, prudente. n;S
acedes, commedido as palvras; seu A,cao
433: st tn cofre inexhaurivel de bondade.. aeu uo-
433 me ha d viver eterno no corai"
quelles-qp a hecerar^r
J.ajg Mfbt.me;>t>fi VguS*.
te sua aaemorim
Que anoso.*tnos amigos iceitsss sata po-
gina de reeordaflea como urna prova per deasM
sincera da nossa Mfakade.
esse somno pesado e sombro
fUhos goso de algus senhores fe'udiesTeTo'luVhVvlam]!^.^?!?^?* ..T,",!!' AfrbV'a no5
es sagrados diglasiaa Je sous^itos, r. ^JSJc "& iiJSt,"
RecifenoTeaiWrde 1860.
J.M.
aa.
ma|-
Seraphira Jos do Res......... 425
Alteres Francisco Vaz Salgado.............. 425
Jos Antonio da Costa Braga........ 425
Sopetalas.
Padre Antonio Vieira de Mello.............. 272
Proprielario Jos Soares de Oliveira Grande 272
Alexandre Manoel Bezerra...... 272
Bellarmino Soares de Oliveira
Sizudo.................................... 272
a Manoel Soares de Oliveira...... 272
Negociante Jovino doa Aojos Araujo....... 27
Proprielario Laurentino Jos da Kouceca
Costa...................................... 272
Agricultor Manoel Antonio da Paixo...... 272
Proprielario Vital Pereira de Mello......... 272
Jos Rufino de Mello........... 272
Manoel Luiz de Franca......... 272
Joo Francisco de Moura Borba 272;
Firmo Jos Mooteiro de Souza. 272
Agricultor Antonio Paesda Silva Lindon... 272
Negociante Manoel Jos de Vasconcellos
Santos.................................... 872
Proprielario Beulo Jos de Araujo......... 271
Jos Ignacio de Fbntes......... 271
Antonio de Lomos Vasconcellos 269
Tencute Jos Clemente da Silva............ 16
Foram recolhidus casa de detenco no dia
11 do corrente 2 homens e 1 mulher, sendo 1
livre e 2 escravos. saber: ordem do subde-
legado de Santo Antonio 1, oidora do de S.
Jos loa ordem do da Boa-Vista 1. *
Passageiro do hiate nacional Sergipano,
vindo do Assu' : Jos Martns Ribeiro.
Falleceram durante a semana 25 pessoas.
senda : lvres. 7 hornees, 4 mulhcrese 9 prvu-
los ; escravos, 2 homens, 2 mulheres e i pr-
vulo.
MATADOVRO CBUCO-:
Mataram-se no da 10 do corrente para o eon-
summo deala cidade 48 rezes.
No dia 11 do corrente 61.
MORTALlOADE 00 DA 12.
Manoel, branca, 3 annos, pneumona.
Aletandrina Mara da Conceicao, parda, casada.
30 anngs, Uiarrhea.
Mara, parda, 18 mezes, convulsts.
Discursos prtnteiadss
na 4a 4*socacao Tvpograpfaic Per-
uambucana.
os seus das par-
um facto da sua
que
Senhores.Se os povos tem
ticulares, em que solemoisam
tida nacional, as Associaces ,
se levantara com fins louvaves, nio rauito que
tambem os tenham em sua esphera mais res-
tricta.
Esto dia em que a Associacao Typographica
Pernambucana festeja o quarto aomverssrio da
sua existencia social, (vos o compreheodeis, se-
nhores) nao poda passar desaepercebido para a
Sociedade Unan BencQcente dos Artistas Sellei-
ros, que nelle nio v mais qtre ama phase de
sua vida combinada.
Comparltlhando dos meamos sentimentos, que
vos trouxeram rcunilo, no dia sublime da von*
lado coran.um, das forcas deque dispooha cada
um de vos, e que isoladas se perdiam n'uma es-
terilidade inconveniente, a Sociedade Uniao Be-
ncflcenle drjs Artistas Selleiros em vossos passos
na senda do progresso, conta com um incentivo
poderoso para o seo caminhar no conseguimento
dos fina socia'es, assim como de vos j lirou o
exemplo de aproveilar a unidade, por meio da as-
sociacao, psra utildade de lodo, abalendo por
tal forma o interesse, pessotl da individualidad*
peante a voz do dever essa credor de tudo
quanto ha de grande no mundo.
Odia portmto, que to proveitosas licoes vio
despuntar em sen horisonfo, o dia queioaugu-
rou urna poca nova para as corpornedes artsti-
cas desta provincia, odia que Analmente, susci-
ta recordaces to graias ao espirito da confrater-
nldado dos irmaos do urna mesma arte, nao ,
nao pode o nem devia ser indifTerente para a
Sociedade Unio Beneflcenle dos Artistas Sellei-
ros de mandar-nos vir tomar assento no maia
humilde lugar desta fesla social.
conheceram chegada _
a jogo aacudirirn aaegrt Vai. qua laea osar
raiam oa pulsos e t epkiio latima e Uvre an-
gada pela imprenseeae ha aauito revalida asa
seusiaatinctos, poreatre eltesifTua4ie*ae como
a rapidez do mete*.
Apagaram-so ae fogaeiraa do faaattamo.ao
Evagefbo pregado eth ledos oa anfaiea da ierra
iornou-e esclarec mata arraigado ao safe-
cao doa fiis, e os preprioa rois symaolos da ty-
ranriia descerara os degfeos de seus thronospara
auracar aqualles a que conaidaravara seus es-
cravos e os ellos das cadeas do barbarismo par-
tlram-se de lodo, se sumiram sobre o elarario
da lber Jado e em torn deste foco de bens para
dCntre elTo^^f,0"e^ If.!? fa.Ch d" "*** f aaciancia.
01ARI0 DE PERNAIWBUCO.
As noticias da Europa, rzidas polo vapor
francez Guyenne, alcancam : de Hamburgo 20,
de Londres 23, de Pars 24, Je Uespanha 26, do
Porto 2,5, e de Lisboa 29 do aorrenle.
Eis o que, hora adiantada em que recebemos
a correspondencia, 8 da noite, podemos colher :
Forara suspensas 14 as hostifidades con Ira
Gaela, por accordo tcito vista de negociares
entra o Piemontc e Francisco II para.a entrega
da praca.
Corra quo Vctor Emmanucl, Francisco Jos
e o Saolo Padre haviam enlabolado negociaqes
para regularem no futuro os negocios da Italia,
evitando-se urna nova guerra.
Na Hungra o descontenlamenlo era geral, ha-
vendo podido suas demsses alguns chefes dis-
trittaes.
O povo arrancou as armas austracas dos edifi-
cios pblicos. Ao partir, porcra, do paquete os
nimos acaluiavam-se.
Fallava-se, cm Viefina. cm novas reformas eco-
nmicas, polticas e religiosas.
parlamento inglez fra de novo adiado para
5 defevereiro.
Urna mensagera dos Irlaodozes foi apresentada
ratoha Victoria, pedndo urna consulta do povo
sobre a continuacao da sua annexacio i Inglaterra.
Falleceu a rainha da Sueca Eugenia Bernar-
dina Dsre, viuva do Carlos Joo XIV.
A autoridade turca, na Syria, mandou desarmar
os Mussulmanos de Damasco e uns 500 rabes
que se achavara reunidos Abd-el-Kador.
Manifestra-se em Loanda a febre amarella.
Urna nova victoria foi alcancada pelos Porlu-
guezes em Congo.
A' 7 se deviam abrir as cortes porluguezas.
Tratava-se em Lisboa do casamento do princi-
pe de Hohenzollern com a priuceza D. Antonia.
Pokim acha-so em poder dos olliados, havendo
fgido o imperador.
Foi erguida urna cruz na calhedral franceza de
Pekm em commemoragao da victoria ganha.
Publicaces a pedido.
i^ouluSaS t1*1*"- e ^vo do aUTlade Beaa sr-
raneaetes do abysae das trevas a gatele ador-
meeMa no Iodo 4a estuaMas. Vea viestee, a
coaeosco vete a vida, a gloria, a vnose e a are-
!rateo : vos vteatee corarsece velo a libertada
a humanidad, Ilustres fllbea de Oatlambafg.
Salta.
JMaa,
COUMERCIO.
brilhaodo c geralmenlo coutribuindo para a In-
dependencia do progreaso oTelilidade das na-
coes. .
Biso que pode dizer um artista fraco de intel-
igencia, e como amante do eugrandecimenlo do
seu paia natal. Aconselho-vos o animo e a co-
ragem, e desculpai-m se mal cumpri o meu de-
ver, nas reconhecei que a sociedade que per-
lenco e que hoje represento dezeja-vos longos
anuos do vida em vosso caminhar. Ionio, porm
glorioso, o assim recebei de sua parle numeras
saudacoos pela aurora brilhante de vosso da, e
eu vos felicito igualmente.
Ilecife, 12 de agosto de 1860.
rorguoo Jos Monteiro.
Senhores da Associacao Typographica Pernam-
bucana.
Deus nada ere ju e produzio
sem um flm benfico ; desco-
bri-lo o approveita-lo devo sor
todo o empenho da intelligen-
_ ca humana.
Quando a cvlisacae e o progresso se diffun-
dem por lodos os ngulos do universo, quando a
idea da unidade c do socialismo retumba do um
i outro polo, e a humanidade reconhecendo que
smenle a unao que a pode guiar ao verdade-
ro progresso, desenrola os lbaros da civlisacao
em que se eslampa est,e benfico principio a
unio faz a forc.a nao muilo que so notem
reunioes como esta cm que os inleresses pes-
soaes se reunera aos inleresses do paiz, e em que
o homem, essa obra prima do Omnipotente, pon-
do em arco as suas (acuidades, trata de conden-
Alfandega,
Rendimento do da 2 alt. .
dem do dia 12......
90:4819128
15:66uf9
112.1419187
Movlnsentu da airandara,
Volumes entrados com fazendas..
com gneros..
Volnmea saludos com fazendas..
a com gneros..
32
32
~83
487
------570
Deacarregam hoje 14 de Janeiro.
Brigue inglezJames Sleolebacalho. '
Brigue porluguezBella Figuerense merca-
dorias.
Barca americanaElffarioha de Irlgo.
Patacho americanoNahum Slelonbacalhe.
Bceebedoria de rendas internas
Seretes de Pernambnco.
Rendimento do dia 2 a 11. 5:8483318
dem do da 12....... 932*890
_ ..... arcao as suas
Desta lugar senhores, para o qual a toiaaa sym- ar as aiVlrM do progtcaso e prodamar 0 seu
proprio aperfeicoamcnlo.
palhia artstica convocou a Sociedade Uniao Be-
nefleente dos Artistas Selleiros, em seu nomo eu
vos sado com fraternal affeigo, e felicito a as-
sociacao Typographica Pernambucana da solem-
nisaeo do quarto anniversario.
Vale.
LtA*tbrancas aos inens amfajos o
. capito Hilario de Athaydes .Vas-
concellos ao sea digno irmao
Mnrcellino* S. de -Vasconcellos
Leltaoj* Albuquerqae.
DesejanJo dar urna prova de amizade a estes
dous dignos personagens, venho peranle o pu-
blico manifestar a estima que lhes trbulo.
Nao ha muito que eslea dous mancebos per-
deram suas dignas consortes, tlcando ambos en-
carregados do zelar na educaco de seus inrib-
contes filhinhos ; mas com resignar/So suppor-
laram este golpo e a esperanza e a'f religiosa
Ihe apagaram as lagrimas.
Vou desdobrar urna pagina querida aos meus
amigos, urna parle da vida do sea nunca asss
chorado pai.
O Sr. Hilario de Alnaydes Vasconcellos nasceu
na villa de Itamarac no anno de 1756 o morreu
no anno de 1859- durante este periodo esto dig-
no anciao deu sempre mostras de urna alma ge-
nerosa, heroica e muitssimo religiosa.
Quando a nossa cabec so dobra ao pe'so das
mais saudosas recordasoes, quem pode escrever
um pagina, anda que esta pagina seja a histo-
ria de um ente amado que aemelhante a um pla-
neta enche o caminho da vida de lnzes, e aa sua
revolucSofez desabrocharas flores de muitas do-
ces aspirajoos o fortificar a arvore frondosa e
sempre bella da liberdade nacional ?
Quando o Brasil anda era metropole eacala-
vamos com lodo o respailo o nomo de D. Joao
VI, foi em urna poca critica de revolucao que
este digno anciao se afoutoo a ir em nms'janga-
da, acompanhado de um seu escravo ao bloqueio
receber as ordens reaes, e a bandeira nacional,
depois de haver offerecido ao general daqulle
teme o e ao goVernador, e como a jangada se
apaitasse do rumo foram aportar s Candeas
aonda foram estrepitosamente recebidos pelos
indgenas que saudaram em nome do rci o pen-
dao nacional; e dahi seguio para o ongenho No-
vo entregar as ordens ao capUo-mr da praca
o Sr. Antonio de Moraes e Silva, acompanhado
por mais de cem homens, armados lodos do ar-
cos e flechas e olle seuio o capilao-mr at ao
Recife aonde foi recebldo com as maiores de-
monstraedes de amor e patriotismo. 0 nosso
digno hroe foi condecorado, mas o seu despre-
zo s dislnec5es nao lhe permltio que ello
usasse de sua coromenda.
Era filho do licenciado Hanoel Correa Telles,
criou-se no Apodi, tindo depois para Pernam-
buco onde foi educado ; andar sempre em via-
gens para os sertoes em que gaslou a sua moci-
dade ;. casou-se na idade de 40 annos com'sua
prima D. Maria dos Prazeres Vasconcellos com
Wem tlveu quasi vinte annes, a qual senhora
ofrendo, teve por successora a St. D. Anna
Igcacla do Carmo L. A. de qudm teve 5 fllhos.
Fallecen4e'uma idade tao avancada 1B3 an-
no, assim mesmo data mostras de urna eslranha
orlaleza.
Senhores.A sociedade de Soccorros Mutuo;
e Lenla EmaocpagSo dos Captivos, grata ao be-
nvolo convite que vos dignastes fazer, para as-
sisiir a urna to sublime reunino, nos envia
corresponder ao vosso rcspeitarel convite por
mel de urao commissao, da qual me constitui-
r m orgio.
Senhores. a nossa sociedade, inda que nova,
nao pode deixar de aplaudir com verdadeiro con-
tentamente e enthusiasmoos tcumphoa e as vic-
torias de urna sua companheira, quo j conla
qualro annos na sua duraco.
A Socedade Lonla Emancipacao, vena socie-
dade Typographica Pernambucana, urna institui-
co que caminhando alm de nutras exerce para
o espirito mesmo misler, que relativamente ao
corpo, lendo todas as suas bases nos sagrados
principios das inslituicors da caridado chrisla ;
porquanto se a nassa sociedade toda de huma-
nidade para com e prximo asaociado, e a rege-
neraco dos infelizes captivos, nao menos a
Associacao Typographica Pernambucana, que por
meio dos typos derramou a luz ao mundo civi-
lisado, o seu fim instruir e aperfeicoar a arle,
dando ao mesmo artista um fatuto duradouro;
espargindo-lhe na alma essas dotilrioas sas,
quo abrindo ao homem oa othos e a intelligencia
proporciona-Utos o mel de melhor conhecer de
sua arte, e a migestade do seu Creador; c os do-
veres que dimanam de sua posico de crealurs,
infinitamente amado.
Senhores, ernbora o artista lypographo se pos-
sa considerar filho da primeira arle du mundo,
porque della depende toda luz do genio, do bem
e do mal, embora, digo toue, por meio dos typos
leva a sabedoria ao maj remoto lugar; todava,
senhores, csse artista ue rivendo isolado no
meio da sociedade publica, sem garanta do go-
verno, precisa de duast indices indeclinaveisda
existencia : a fralernidade, a harmona entre el-
les, c proprio de se skxiliarem mutuamente, a
fraternidad e a unio antro elles, no seio dos
quaes existem, para que sa facam respeitados,
esses dous elementos si proprios para sublimar
a condijao humana nesla mundo de privacoes;
sao ptimamente preenehidas pelas duas iosli-
loicOes que ellas me refiro, pois no seio da
illustraco, e dos soccorros aos necessilados, que
a caridade se torna universal. E' lempo, senho-
res, do 4oJas as Classes |artsticas e homens la-
boriosos, levaolarem-se do abatimcnlo em que
esto, sem distini-co do grande, do pequeo, do
sabio e do ignorante ; parque todos sao filhos de
Deus, elle nos ensina a
procosso desta ordem, q
se tornaro independen
miliacao, porque nasceu
iramodiala coosequenc
volvimento o o progress
coromercio, industria e illuslraglo dos potos, por
que seu fim era facilitar ao homem os meios de
har ao prximo E' por
\e os artistas brasleiros
os do servilismo e hu-
associac,ao, e com ella
trouxe ella o desen-
I das arles e agricultura,
Sabis, senhores, o acanhamento que sempre
acanipauha o homem que lego era lodosos prin-
cipios e ett|uetas exigidos nos altos crculos, v-
se por um dever forcado comparecer no recin-
to desta casa, onde de um lado encontra notabi-
lidades puramente luteranas, e deoulro a bon-
dade e alTablidade daquelles quo o atiendem,
deveis conhecer qual a posico em que me collo-
co, mas por cerlo desculpar-me-heis se altender-
des que foi smenle um dever nobre o santo co-
mo o de representar a Associacao Unio Benefi-
ccnle dos Martimos, quo me faz comparecer an-
te vos.
Sim, o enlhusiasmo quo nos ferve no peilo,
este enlhusiasmo qn6 cresce sempre que en-
contramos urna occasio de reconhecer que o
nosso progresso nao urna das muitas illuses,
quosoem apparecer humanidade, esse enlhu-
siasmo, repito, que nessa occasio para mim lo
grata se apodera da sociedade Uuio Beneficente
dos Martimos, mostrando a verdade da nossa ci-
visago, e risonho nos apontando um futuro
grandioso c sublime reservado para o imperio da
Santa Cruz.
E ua terdade, scohores, que espectculo mais
animador, que prova mais concludenle dessa nos-
sa asserro do que a presente reuuio em que o
artista, esse ente lio necessario ao universo e a
quem de boa vontade chamarei o civilisador
do mundo, comparece ao lado do lilteralo, o
pobre a par do potentado, o nesla festa puramen-
te civilisadora todas as classes de mos dadas se
coaligara para elevarem o paiz esse grao de
apetfeicoamenlo, que nos aguarda, e para o qual
tanto na concorndo a unio e fralernidade dos
nossos patricios.
Quando o Brasil anda joven silenciosamen-
te observado pelas, nacoes estrangeiras quepas-
mam de notar o raro incremento que aqu se d
a lodos os ramos da civlisacao, quando do norte
ao aul, do scpientrio eo meio da, se difundem
o nosso piogresso, e as nossas irmas do norte e
sul, tratara de concorrer de sua parte para a con-
summago da gigantesca obra da unidade, quan-
do finalmente em todo o Brasil ae admira a forca
o prestigio do leao do norte, nao muilo que ve-
jamos os nossos irmos reunidos em associoses
como esta que augmentara a furca e poder do
nosso amado Pernambuco.
Sim, senhores, como todos vos somos braslei-
ros, todos artistas, muilo embora a nossa vida nos
haja levado a iuimensidade do ocano,onde des-
pulamos as ondas e tempestades, o amargo pao
para o sustento ; somos os entusiastas das ar-
les, os amantes do progresso, os irmos que nao
pedem negar- vos um brado de animacoo, que
nao podem ser eslranhos ao vosso bera-ostu.
Senhores, a rosea associago tem prestado nao
poucos servijosa vos o ao paiz ; ella cresce e vi-
gora de da era da, e o mundo artstico e scien-
lifico j vos olha como agentes do progresso.
Continuai, pois, seja a unio a vossa divisa, e
a ai le o vosso idolo ; longe do vos essas irritan-
tes disences arvoradas pela mao da intriga ;
amai-vos como irmos, como brasleiros, e como
artistas ; nao vos descontente o caro prego do
nto comprado pelas insomnas e altribula-
isso 6 anda urna gloria, um
o
vivor; pela sociedado, senhores, o homem con- I cues do"dribla"-
segu a descoberta de moHos mais appropriados.louro : vvera'custa do vosso trabalho re-
a consecucao de seus de^ejos. elle fortalece suas pito, um brasao de gloria que transrniu.reis aos
cJV _____________1- ., vossos filll0S. o que vos ha de acompanhar ainda
Senhores da Associagd Typographica Pernam- mesmo alm do tmulo,
bucana, saudando-vos nb quarto anniversario Os vossos negocios sao hoje dirigidos por urna
desta vossa feliz instituido, pago-voa pela pri- commissao prestigiosa, que nutre os salutaies
meira vez a homenagem sngela quo tos consa- principios du progresso ; tendes a vossa frente o
Desculpai a fraqueza do orador, qu s o dever do
socialismo o faria apparecer amo vos___ Eis o
abraco fraternal de urna vossa companheira : eis
a copia fiel do meu pensamenlo ; avante, avante,
senhores da Associasio Typographica Pernam-
bucana, vossos feitos coroarSo vossos desejos e
vossa gloria 1! I Respeilavel auditorio eu vos
sado.
Francisco Manoel de Almeida.
dador do imperio, o Sr. D. Pedro II.
Aqui paro, senhores, depois do ter desabafado
o enlhusiasmo qae no peilo mo fervla para anda
urna vez dizer-vos :
A Associacao Unio Beneflcenle Martima nos
envia ante vos para neste instante solemne dar-
vosum aperto de mo de amigos, abracar-vos e
saudar-vos como irmos, e prot?star-vos desde
j a amizade e estima que vos consagra. Sao ar-
tistas cmo vos que vos saudam, sao tambem ir-
mos que nesla occasio represento, e que me
encarregaram de dlzer-vos que a Associago Be-
neflcenle Martima deseja a Typographica Per-
nambucana todo o augmento e progresso.
Janoei da Silva Pessoa.
Senhores.Chamada a sociedade dos artistas
alfaiates por um convite para assistir a sesso
magna do 4 anniversario de vossa associacao,
era fallar ao mais sagrado dever da gralido, o
deixar de enviar urna commissao para em seu
nome fazer demonstrar o quanto de jubilo se --._
acha ella possuida por ver urna sua irraa com Senhores.A Associacao Otlhodoia levada oe-
W?. I! ""/ r n* *erd,deM senda do losseolimentosdeconfralernldade, nopOdefur-
lnrirnentn^andnmrnmp S,0ft"PSSa um pr,un sentimento quando me vejo no rigoroso dever
de exprimir por meu fraco crgo, o dever do
muilos, todava escudado e s escudado em vos-
sa benevolencia, venho trazer meu debolado
ramalhete de violeta ao altar de vossa festa.
A imprensa foi o primeiro molor do progresso
no seculo actual, e nao ha de contestar essa ver-
dade, quera bem attentar para a espantosa velo-
cidade dos melhoramentos materiaes e moraes.
O scgulo actual arrostando todo o podero das
conveniencias sociaes tem ganho palmo a palmo
a sua superioridade inlelleclual, e se a sciencia
em cerlos pontos nao lo robusta e piofunda
como em os seculos passados, (em por si a gran-
de vantagem de haver-se mais Reneralisado.
A' geraco presente eslata guardada esta glo-
ria dos melhoramentos e dcscobertas, mas se-
nhores, todos esses invenios se eclypsam ante a
maior inv6nco dos seculos passados.
A Guttemberg, essehomeu fadado pelo archi-
(ecto do universo para ser o regenerador de urna
nova epocha, eslava reservado urna pagina bri-
lhante nos livros de todas as naces, e assim de-
va ae-lo porque permitti-me que vos diga, olle
abaleu a tyrannia dos tribunos, e o poder dos
Cesares cou esmagado debaixo das rodas do
seu carro de triumpho, e de todo se quebrou o
poder odenlo de alguna aeptros indevidamenle
sustentados, mas senhores, a oceulta machinaco
de algas espiritos verdaderamente anti-progres-
sstas lulou por apagar esse facho brilhante de luz
que Iluminara o horiaonte de risonhas e bellas
eesperancas; mas essa luz de dia em dia cresceu
desenvolveu, trouxe come consequencia ne-
cessafi a liberdade da idea, aconmunlcac geral
6:781*208
Consulado
Rendimento do dia 2 a
dem do dia 12. .
-.rigir
duai palavraa ai aigaai do gralido, o que ora
faz por mim, sea fraco orgo.
Se em um paiz cuja velhice tediosa e melan-
clica fa-la abhorrido e triste estorcer-se no la-
borioso leito da decrepidez, que no seu vegetar
inerte pranleia os raios da vida, que lnguidos se
amortecem no occaso, e qae borda do tmulo
deplora os longos dos horisontos de esperance
qae se escondem por e.nlro montonas e pesadas
sombras do deslenlo eda morle, nada oonvm
que os talentos adormecaos no lethargo da igno-
rancia. Em um paiz, eheio de vida e vico, para
o qual a mocidade sonhando um brilhante e ri-
sonho futuro, deaenroltr o bandeira da civlisa-
cao, baleros eampos da intelligencia, sondaras
veredas da sciencia, das artes, e das lettras : cul-
tivar o ongenho, inalrair-se e tornar-ae lio illus-
trado como os paizea que hoje florecer no apo-
geo da gloria da sabedoria humana, dte ser sua
idea grandiosa
Senhores, a civlisacao dos potos o progresso
da humanidade. E' bruendo essa vereda cheia
de cardos e abrolhos, qae ella chega perfeicio;
por essa regenerado social qae ella torna-se
digna de ser chamada a obra prima do Creador.
O saber a riqueza e a felcidade de todos os
povos.
Laucando oa elhoa neste recinto o que temes ?
Urna mocidade cheia de esperances e vida de
gloria. All, diatingaimoa es filhos de Guttem-
berg, verdadeiros marlyres do progresso, da hu-
manidade. O que fazera elles, o que esperan ?
enobrecerem e honraron o legado sublime da-
qulle que immolou-se pela humanidade. No-
bres campees das geraedes rindouras, verdadei-
pro viudal.
11.
28:1)638135
1 610S754
30:73{889
PRAA DO RECIFE
i de janeiro dej28ui.
a's 3 horas da Tarde.
Revista Semanal
Cambios----------Saccou-se sobre Londres a 26
1/4 e 26 1/ d. por 1 sobre Pars de 365 a 368 rs. por
franco esobre Lisboa a 110
por por cento de prmio; mon-
tando os saquea sobre Ingla-
terra 60,000.
Algodo----------O superior vendeu-se a 8*200,
e o regular a 88000 rs. por ar-
roba.
Assucar----------O branco vendeu-se de 3#i00
a.4g000 rs., o someoos de 38 a
38100 rs., e o mascavado de
2*300 a 29700 rs. por arroba.
Agurdente-------Vendeu-se a 75$000 por pipa.
Couros------------Os seceos salgados venderam-
se a 225 rs. por libre.
Azeito doce Vendeu-se a 3(000 re. por
galo.
Arroz-------------dem a 28800 rs. por arroba.
Bacalho--------Em atacado negociou-se al0#20O
rs. por barrica, e a relalho de
108 a 128000 rs., (cando em
deposito 17,000 barricas.
Batata----------Venderam-se a 18600 rs. por
arroba.
Carne secca- A nova do Rio Grande vendeu-
se de 58000 a 5*200 rs., por ar-
roba, e a velha de 18000 a 4
rs., e a do Rio da Prata de
2*500 a 2*300 rs flcaudo em
ser 9,00o arrobas da nova do
Rio Grande, e 6,000 da velha ;
e 28,000 arrobas da do Rio da
Prata.
Caf------------- Vendeu-se a 68000 rs. por ar-
roba.
Cha-----------------Vendeu-se do lg600 a 18800 por
libra.
Csrvao de podra- Vendeu-se a 178C0O a tonelada
em atacado.
Cerveja-------------dem de 4S500 a 58600 rs. por
duzia de garrafas.
Farinha de trigo. Depois de nossa ultima revista
tiyemos um carregamento de
Hichmond, o qual se est re-
tallando de 248 a 26*000 rs.
a _barrica existindo em ser
2,700 barricas.
Far. de mandioca Vendeu-se de 4 a 4*500 rs.por
sacca.
Fejo-----------Vendeu-se a 18600 rs. por ar-
roba.
Genebra--------Vendeu-se a 340 rs. por botija.
Louca------------- A ingleza vendeu-se de 285 a
290 por cento de premio sobre
a factura, cambio ao par.
Manieiga----------A franceza vendeu-se de 700 a
750 por libra, e a ingleza de
800 a 850 rs., havendo pouco
depozito.
Queijos Venderam-se a 2*500 rs. os
flamengos.
dem a 7g500 rs. por arroba,
dem de 90* a 100*000 rs. a
pipa.
O do Eslreito vendeu-se a 250*
a pipa.
O rebate de lctlras regulou de
10 a 18 por cento ao anno,
discontando a caixa filial cerca
de 400 contos de rs. a dez por
cento ao anno.
Freles----------Para o Canal de 30 a 36.
Toucinho-
Vinagre -------
Vinhos- -
Desconlos
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
Pauta dos precos dos gneros sujeitos direitos
de exporlaco. Semana de 14 o 19 do mes
de Janeiro de 1861.
Mercaduras. Unidades. Valcres.-
Abanos..... cento 1*000
Agurdenle de cana. caada 1*000
dem restilada e do reino a IgOO
dem caxasa...... **50
dem genebra...... 1*000
dem alcool ou espirito de
agurdente....... 1$800
Algodo em caroco .... arroba 2$I00
dem em rama ou em l. > 8f9DO
Arroz com casca..... JJ900
dem descascado ou pilado. 2g50O
Assucar mascavado .... > 2*450
dem branco...... 3$80O
dem refinado......- 6J40O
Azeite de amendoim ou mon-
dobim........ caada 2*000
dem de coco ....;. 2*500
dem de mamona..... > 1J60O
Balats alimenticia* .... arroba 1*000
Bolacha ordinaria propria para
embarque....... {O00
dem fina........ 7$50O
Caf bom.....; ; 8f00O
dem escolha ou restolho a 5J000
dem terrado...... libra J3C0
Caibros ........ um $360
Cal.......... arroba |50O
dem branca ...... $800
Carne secca charque. ... > 4g000
Carvo vegetal. ..... 1C6Q0
Cera de carnauba em broto. libra *300
dem dem em telas. : > rn^QQ
Charutos....... cento 2*500
Cocos seceos....... > 4JQOO
Coeros de boi salgados libra *227
dem seceos espichados. gggft
dem verdes...... |rlS0
dem de cabra cortidos um JJ00
dem de onca...... 10J000
Doces seceos...... libra 1*000
dem em geleia ou maesa gMO
dem em calila...... jfSut)
Espadadores grandes. um 4f000
ILEGVEL]



MA M nUUMOOO. m- SEGUNDA fEflU H II JlWIHO M Sil.
I
dem pequeos.....
Esteiras para farro o* estirace
n,o......i cenio
Estoupa nacional .... arroba
Fariuha de mandioca. alqaeira
dem de aramia..... arroba
Feijao de qualquer qualidade.
Fracases........ um
Fumo em folha bona. ...
dem ordinario ou reslolho.
dem em rolo bom .... a
dem ardioaro restolho ...
Gomma........ arroba
Ipecacuanha (raz) ....
Lenba em achas..... cento
Toros........
Lenhas e esteies..... um
Mel ou melado...... caada
Milho........ arroba.
Pao brasil ...... quintal
Pedra3 de amolar .... urna
dem de filtrar.....
dem rebolo......
Piassava........ molhos
Puntas ou chitres de vaccas e
oovilhos.......canto
Pranches de amarello de
dous cuslados......urna
dem louro.......
Sabio......... libra
Salsa parrilha.......arroba
Sebo em rama...... a
Sola ou raqueta ..... urna
Taboas de amarello .... duzias
dem diversas.....;
Tapioca........arroba
Travs......... urna
Unhas de boi......cento
Vinagre ........cariada
Alfandega do Pernambuco 12 de Janeiro de
1861.O pracro conferenla, Pedro Alexandri-
no de Barros Cavalcanle.O segundo confcrentc.
Jos Themaz de Aguiar.
Approvo. Alfandega de Pernambuco 12 de
Janeiro de 1861.-- Barros.
ConformeJoo Jos Pereira de Paria, lercei-
ro escriplurario.
Movimento do porto.
Navio entrado no dia 12.
Ass10 dias, hiato nacional Sergipano, de 51
tcneladas, capiao Henriquo Jos Vieira da
Silva, equipagera5, carga sal e cera de car-
nauba ; a Mnrlins Irmo.
Navios sahidcs no mesmo dia.
AssHiato nacional Camaragibe, capillo Vir-
ginio Juslioiano dos Santos, carga difTerenles
gneros.
Rio da PrataBriguo nacional Mentor, capitao
Joaquim Francisco da Silva Cruz, carga as-
sucar.
w
2jeo
249000
1J600
2f4O0
8J800
1J200
5g000
15JO0O
7JJOOO
16$000
7*000
39600
255000
2*500
12*000
50$OO0
9240
IgOOO
109W0
9800
i ogo oo
1J2CO
8200
59000
18*000
8$000
140
258000
58000
28800
IO89OOO
50900o
39500
I29OOO
8300
280
0 M .-* te 0
o. a. 0> 0. o. floral
r* fi> B
n
t a
w c *: B 0 a tmophtra O
be
V H W Q O O Direcco. i M <
SB 63 .-3 SO >
0 O a r 1'.
3 c ^ " a fl Intensidade O * c
*~ 9 0> t 0 CA
-1 te
-41 10 OO 1- OO O 00 Fakrenheit n 0 > n n H M O
B)
535 te OS Centgrado. n -i 9) O O 5 c
ce -4 $ Hygrometr fe
Cisterna hydr O-
O 0 0 O -.i 0 mtrica.
-4 -41 ~> -4 -j Francez. td
Cit en en os -4 en o: 9
t0 00 O
?S ?o co CC hS W .
0 o 0 0 00 0 0 O s 8 j Ingle;. -1 :
em circulado, declarando que, em
cumplimento do decreto n. 2,664 de
1 (X de outubro do crtente anno, esta
substituidlo ou resgate devera' eFec-
tuar-se dentro de 4 mezes, e que fiado
i este prazo s podera* ter lugar coo o
I disconto progressivo de 10 por cento ao
' mez, ficando asm na forma do art 5
da le n.53 de 6 de outubro de 1835
sem valor algum no fien de 10 mezes.
Recife 9 de novembro de 1860. 0$
directores, Joio Ignacio de Medeiros
Reg, Laz Antonio Vieira.
A secretaria do gorerno precisa de dota
encadernadores para preparar 09 livros da cor-
respondencia officisl; quem quizer se encarregar
desse trabalbo, dirija-se a aaama secretaria.
Irmandade da Santa Casa
da Misericordia do Re-
cife.
A junta administrativa da irmandade da Santa
Casa da Misericordia do Recife, manda fazer pu-
blico que nao se tendo effecluado a arrematado
do fornecimento do pao 0 bolacha de que preci-
sarem os estabelecimentos^ie carldade no se-
mestre de Janeiro a junho do correte anno vai
de novo a praca dito fornecirnento no dia 17 do
correnle pelas 4 horas da tarde na sala de suas
sesses no largo doParaizo n. 49, aonde poderao
os concurrentes ir previamente ver as clausulas
especiaes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia de
Recile 11 de Janeiro de 1861.
O esorivo,
Francisco Antonio Cavalcanti Consseiro.
Conselho administrativo.
O consalbo administrativo, para fornecimento
Jo arsenal de guerra, tom de comprar os objec-
tos seguintes :
Para o 2 batalhio de iofantaria.
Pesos da bronze de urna oitava al meia ar-
roba.
Para o 10 batalhao de iofantaria.
50 mantas de laa.
Para o hospital militar.
25 garrafas de xarope peiloral brasileiro.
Pan diflerenles corpos.
309 esteiras de palha de carnauba.
Para provimento dos armazens do arsenal
de guerra.
500 caadas de azeite de carrapato.
10 milheiros de pregos de meiacabeca.
Para o laboratorio.
6 resmas de papel carto.
Para a officina de ftrreiros do arsenal de guerra.
lOOOunhas de boi.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
suas proposlas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da-manhaa do dia 16 do
correnle mez.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para foruecimento do arsenal de guerra, 9 de
Janeiro de 1861.
liento Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel yogui secretario interino.
Desde odia late o da 31 do corrente es-
to abortas as matriculas na secretaria do Gym-
nasio. Recife 11 de Janeiro de 1861.
O secretarioA. A. Cabral.
Anoilo clara at 11 h. que taino um forte
aguacciro, tornando-so o lempo nublado, venlo
E frasco al 10 h. 30' o depois bonanca, ron-
dando para o terral ao amanhecer.
OSCILLACAO da HAR.
Preamar as 4 Ii. 30' da tarde, altura 7,5 p.
Baixamar as 10 h. 18' da manha, altura 0,7 rx.
Observatorio do arsenal de marinha, 12 de Ja-
neiro de 1861.
ROMANO STF.PPLK.
Io lente.
Avisos maritimos.
Para
Editaes.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial manda fazer publico, que o thesoureiro da
mesma thesouraria est aulorisado a pagar do
dia 12 do corrento per diante os juros das apoli-
ces da divida publica provincial, vencidos at o
ultimo dedezembro prximo lindo.
E para cooslar se mandou affixar o presente e
publicar pele Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 9 do Janeiro de 1861 .--O secretario,
A. F. d'Anuunciaco-
A cmara municipal do Recife manda pu-
blicar para conhecimento do publico, que o Exm.
presidente da provincia, (em recoramendado 00
director das obras publicas que mande lomar as
avenidas da ponte velha do Recife, que S6 acha
arruinada cora perigo eminente dos que por ella
transitam, de forma que que completamente
vedado o transito que ella se presta.
Paco da cmara municipal do Recife, em ses-
sio de 7 de Janeiro de 1861.Luiz Francisco de
Barros Reg, presidente.Francisco Canuto da
Boa-Viagem, official-maior servindo do secre-
tario.
ReparU^ao da policial
Ia secgo. Secretaria da polica de Pernambu-
co, 4 do Janeiro de 1861.
O Illm. Sr. Dr. chelo de polica da provincia,
manda fazer publico, para que chegue ao conhe-
cimento de quem possa interessar, oconleodo no
cilicio que abaix.o vai transcripto, dirigido em dala
do 4 de dezembro ultimo pelo Dr. chefe de poli-
ca da proviucis do Piauhy.
Oficxo.
Secretaria da polica do Piauby.cm 4 dezembro
de 1860.Illm. Sr.Acha-se preso na cadeia da
ciJade de Oeiras desta provincia um escravo que
diz chamar-se Casemiro, e pertencer a Jos Fran-
cisco, morador na Floresta perto dessa capital,
d'onde fugira ha 6 aonos : e para que isto che-
gue ao conhecimento do senhor do dito escravo,
am de o sollicilar, mediante documentos que
provem o seu dominio, assim ocommunico a V.
S a quem Deus guarde.Illm. Sr. Dr. chefe
de polica da provincia do Pernambuco.O chefe
de polica, Francisco de Farias Lemos.
Conforme.O secretario, Rnfino Augusto de
Altneida.
Declara$oes.
NOVO BANCO
DE
Pernambuco.
O novo banco continua a substituir
ou a resgatar o resto das notas de 10$ e
20$ que havia emtttdo e anda existe
Rio de Janeiro,
seaue em poneos das o brigue Mara Rosa,
anda admilte alguma carga, lem bons commodos
dar passageiros e cscravos : trala-se com i. B.
pa Fonseca Jnior, ra do Vigario n. 23.
Para o Rio de Janeiro
O bem conhecido e veleiro brigue nacional Eu-
genia segu com brevidade, tem parte de seu
carregamenlo a bordo : para o resto que lhe falla,
Irala se com os seus consignatarios Azevedo 4
Mendes, no seu esciiptorio ra da Cruz n. 1.
REAL COMPANHIi
DE
Paquetes inglezes a vapor.
No dia 14 deste mez espen-se do sul o vapor
Tyne, commandanlc Jellicoc, o qual depois da
demora do costume seguir para Soulhampton
tocando nos porlos de S. Vicente e Lisboa, para
passagens ele, Inta-se com os agentes Adam-
son, Howie & C. na ra do Trapiche Novo n. 42.
N. B. Osembrulhos s se recebem at 2 horas
antes dse fecharon) as malas ou urna hora pa-
gaudo um pataco alem do respectivo frete.
Para o Porto por Lisboa
segu imprelerivelmenlo no din 15 do corrente a
mui conhecida barco portegueza Sympathia :
recebe anda alguma carga a frete e passageiros;
cousignalarios Dallar & Oliveira, ra da Cadeia
do Recife n. 12.
Para a Babia
pretendo seguir cora moita brevidade a sumaca
nacional Hortencia, a qual tem prompta parte
de seu carregamenlo : para o resto que lhe fal-
ta, (rats-se com o seu consignatario Azevedo i
Mendes, no seu escritorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio Grande do Sul com
escala pelo Rio de Janeiro,
segu com toda a brevidade bem conhecida o
veleira escuna nacional Emilia : para carga,
Irata-se no escriptono do Manoel Goocclves da
Silva, ra da Cadeia do Recife n. 39, ou coa o
capnao abordo.
Para a Baha segu em poueos dias o palha-
bole nacional Dous Amigos, tem parte de sua
carga engajada; para o resto, trala-se com sea
consignatario Francisco L. O. Azevedo, na ra
da Madre de Deus n. 12.
COMPANHIA
DAS
Hessageries imperiales.
Al o dia 14 do correcto espera-se da Europa
o vapor francez Guienne, eommaedante Enotit, o
quil depois da demora do costume seguir para
o Rio de Janeiro tocando na Babia, jara passa-
geiros etc., a tratar na agencia ra do Trapiche
o. .
Para Aracaty e Ass
aegue o hiate Dous Irmaos ; para carga, trata-
se com Marns 4 Irmo na ra Noca o. 48, oa
edm o mestre Joaquim Jos da Silveira.
Rio Grande do Sul.
O brigue Princeza anda recebe alguma carga :
trata-se com os consignatarios Marques, Barros
& <-., largo d. UKpo Sanio n. 6.
Para o Rio de Ja-
neiro
O pancha 5. Sttvador asme em poneos dias.
pode adftitlir alguma carga; trata-n com os
consignatarios Marques, Barres & C. largo de
Corpo Saat bv6.
Barcaca Thereza.
Segus com brevidade para o Aracaty com es-
cala pelo Ass; quem nella quizer car regar, ou
ir de psssagem, dirija-se a roa da Cruz do Re-
cife d. 50 4." andar, ou com o aesUe da metma
na scadinba d'alfandega.
LEILAO
Rio de Janeiro,
vai seguir em poueos dias a barca Rio de Janeiro
por ter parte de seu carregamenlo promplo : pa-
ra o resto, trata-se com Antunes Cuiraares 4
C, no largo da Assembls n. 19.
O>-agente Hrppatiio da SilVa fari (tlo por
conla e ruco de quem pertencer, de um serti-
menlo de miudezas e algomas fazendas reeom-
mendaveis par* poca, as quacs se acham era
seo armazem, or.de lera lugar o referido leilao :
terca-feira 15 do corrente, as 11 horas era poni.
o Rio de Janeiro
pretende seguir oestes oito dias o brigue nacio-
nal Conceico>, tem dous tercos de sea carrega-
menlo a bordo : para o teste que lhe falta, tra-
ta-se com os seus consignatarios Azevedo & Men-
des, no seu escriplorto ra da Cruz n. 1.
Rio de Janeiro
O veleiro e bem conhecido brigue nacional Ve-
loz pretende seguir com muita brevidade, tem
parle de seu carregamenlo promplo: para o res-
to que lhe falta, escravos a frete e passageiros,
para os quaes lem excelleutes commodos, traa-
se com os seus consignatarios Azevedo & Mendes,
no sea eecriptorio ra da Cruz n. 1.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Espera-se dos portos do sul at o dia 14 do
correnlo o vapor Tocantins, comraandante o
primeiro-tenente Pedro Hypolilo Duarte, o qual
depois da demora do costume seguir para os
porlos do norte
Recebem-se desde j passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder conduzr a qual de-
ver ser embarcada no dia de sua chegada : agen-
cia ra da Cruz n. 1, escriplorio de Azevedo 4
Mendes
COMPANHU PERNAHBUCAM
DE
avegacao costeira a vapor
O vapor Persinunga. commandante Moreira,
segu viagem para os porlos do sul em 21 do
correnle mez as horas do costume por ser do-
mingo n dia 20.
Recebe carga para Macei e porlos intermedios
at o dia 19 ao meio dia.
O expediente na gerencia ser at as 3 horas e
depois de fechado nada mais se admiilir : es-
criplorio 00 Forle do Mallos n. 1.
Leiles.
LEILAO
DE
Urna taberna.
Terga-feira 15 do corrente.
Costa Carvalho far leilao por conla de quem
pertencer da taberna do paleo do Tergo n. 23,
consistindo era bons gneros e muilos novos,
sendo a mesma muilo afreguezada, principiar
as 11 horas em ponto.
LEILAO
ESPLENDIDO
Com grande lunch.
O agente Hyppolilo da Silva autorisado pelo
Sr. llenrique Augusto Cowper, que se retira para
forado imperio temporariamente com licenc^do
governs de sua naco, far leilao de suas es-
plendidas e completas mobilias de apuradsi-
mos goslos e variadas qualidades ondo os Srs.
concorrentes encontraro chrystaes finissimos,
ricos aparelhos para mesa de apurado goslo e
bem assim um exeellento servido de cosios.
Tambem encontraro um rico carro e carallos
possantes e escolliidos, com os arreios necessa-
rios tanto para carros como para montara. Por
esti mesma occasio tambem ser arrematado
uma porcio de armas e pelrechos proprios para
C3ca, dos melhores e mais acreditados fabrican-
tes de Inglaterra e por isso os amadores desse
enlretenimento devera aproveilsr essa occasio
para se proverem. Para comodidade das pes-
soas que quizerem honrar com suas presencas
esse leilao o qual dever ter lugar no dia quin-
ta -fera 22 do corrente mez, na casa de residen-
cia do mesmo Sr. Cowper no lugar denomnalo
Chacn, sero postados dous mnibus na ra do
Crespo as 9 horas da manha do dia cima in-
dicado, aQm de conduzir gratuitamente as pes-
soas que para o mencionado leilao quizerem ir
LEILAO
Commercial.
Quarta-feira 16 do corrente.
Antunes aulorisado pelo Etna. Sr. Dr. juiz es-
pecial do commercio, a requeiimenlo dos depo-
sitarios da massa fallida de Siqueira 4 Pereira,
far leilao no dia cima designado das fazendas
e dividas assim como da parte da casa em que
est o estabelecimento na roa do Crespo n. 7,
onde lera lugar o leilao s 11 horas em ponto
com ass mercio.
Avisos diversos.
O abaixo assignado tem contralado, livree
desembarazada, a loja e armario do Sr. Joo de
Saot'Anna Rosa Muoz, na ruado Livramenio n.
33 sealguem se julgar com direito a mesma,
dirija-se no prazo de tres dias ao indicado esta-
belecimento, e nao comparecendo Oca sem res-
ponsabilidade alguma.
Jos Joaquim dos Res.
Aviso s familias.
Acha-se aberla a assignatura do jocoso jornala
SEMANA ILLSTRADA,
que se publica no Rio de Janeiro e sahe luz
uma vez por semana,contendo cada numero qua-
tro paginas de gravuras primorosos, e as ouiras
quatro de arligos escolhidos e interessantes s
senhoras e pessoas de bom goslo. J se achara
aqu os doua primeiros nmeros. Assigna-se e
paga-se adiantado na ra da Iraperatrz o. 12,
toja. Por trimestre 6#, semestre 11#, anno 18.
- Precisa-so do uma pessoa capaz que se
queira ancarregar de umoa cobranzas para o sul
da provincia, e que d fiador : a pessoa que se
queira encarregar disto, pode apparecer na ra
da Moeda n. 3, segundo andar.
Os abaixo asignadas fazem ver ao publico
e com especialidade ao corpo de commercio, que
o Sr. Jos Custodio Braga deixou de ser seu cai-
xeiro de cobrarla desloo dia 11 do corrente.
Recife 11 de jaueiro de 4861.
Vidal & Daslos.
Aluga-se o segundo andar do um sobrado
sito na ra da Pr*ia de Santa Rit*, assim como
o sobrado por cima do armazem do sal na ra da
Conceigao da 11 >a-Vista : a tratar na ruada Cj-
dsia do Recife ti. 62. segundo andar.
Nos abaixo assignados fazemos publico ao
respcitavel corpo do commercio, que temos dis-
solvido a sociedade que nesta praga gyrava sob
a firma de Martins 4 Alvaro, ficando a cargo do
socio Manoel Carlos Martios a liquidarlo do ac-
tivo e passivo da dita sociedade, e exonerado o
socio Alvaro Jos Teixeira, o qual fica pago de
seu capital e lucros correspondenles. Recife 31
de dezembro de 1860.Manool Carlos Martins.
Alvaro Jos Teixeira.
Precisa-se de uma ama para o servico in-
terno de uma casa de pouca familia : a tratar na
praca do Corpo Snto n. 17.
Achou-se uma canoa junto a praia do ph.i-
rol : a pessoa que se julgar com dircilo ella di-
riji-se a nova barca do o.cavacao que dando os
sigues certos Iho ser entregue.
Precisa-se do 270$''OO por espaijo do seis
mezes dando-se no dilo prazo 3009(100 : quem
quizer este negoeio diriji-se a entender-so na
ra da Ribeira da Boa-Visla, casa n. 11. que
achara com quem tratar, das 3 horas da larde em
diaole.
Aluga-se uma ras* na ra do Cotorello n.
10: a fallar na ra do Imperador n. 57.
Atteoeao.
Gouvea & Filho com casa de consip
naces Dovaraente estabelecida nesta
praca, avisam aos seus coinmittentes e
ao publico em geral, que podem ser
procurados a qualquer hora do dia em
seu escriplorio na ra da Cadeia do Re-
cife n. 5, primeiro andar.
PRECISA-SE
de uma mulher que saiba cozinhar e
engoaimar, para ir servir em uma
casa de pouca familia na villa da Enca-
da ; paga-se bem : a tratar nesta typo-
grapliia.
3Ra estreita do Rosario3
Francisco Piolo Uxorio continua a col-
locar deotes artificiaestaoto por meio de
molas como pela presso do ar, nao re-
cebe paga alguma sem que as obras nao
Piquera a vontade de seus donos, lem pos
e outras prepararles as mais acreditadas
para conservarlo da bocea.

BE

O agente Hyppollto da Silva autorisado pelo
Sr. Dr. Jos Antonio de Magalhes Bastos, que
se retira para fora da provincia, far leilao de
um sitio na ra do joo Fernandes Vieira; o
qual tem 17 propriedades, Gacimba, arvores fr-
tiferas etc. os preleudentee o nodero ir exa-
minar e enlender-se com o referido agento que
Ihes fornecer as ioforuac.5es exigidas, devecdo
os raesmos senhores prelendentes comparecer do
dia 15 do corrente, s 11 horas da manha, era
seu armazem na tus do Imf arador a. 85. .
Ciernen! Vital Edouard Rougelron, subdilo
francez, retira-se para Maranho.
Aluga-se urna casa terrea cora 6 quarlos e
2 salas : na ra Augusta n. 92.
Muita aliento.
O abaixo assignado vendo um annuncio inse-
rido no Diario de hoje feilo polo Sr. Antonio
Jos da Silva Guimaraes, em que diz ou quer di-
zcr. nao se responsabilisar por debito algum con-'
Irahido para o hotel sito na ra do Imperador
n. 16 por Diogo Jos da Cosa Fontes, tem a de-
clarar ao mesmo Sr. Guimaraes que protesta re-
ceber delle a importancia do seu debito, visto
que quando o mesmo Sr. Diogo traspassou o ho-
tel ao novo possuidor, delle recebeu o dito Sr.
Guimaraes a quantia de 1.0003, a titulo de luvas
do dilo hotel, e para esse Qm se dirigi o dito
Sr. Guimaraes casa do abaixo assignado. exi-
gindo saberquanlo era aconta deque o dito Diogo
era devedor para salisfazer no prazo por elle mar-
rado por esto Diario, e por isso em lempo com-
petente o abaixo assignado palomear era juiro
com ptenlo ao Sr. Guimaraes, c s por ora faz o
presente annuncio, para que so nao chame a ig-
norancia.
Recife 12 de Janeiro de 1861.
Jos Mara Jorgo de Azevedo.
Perdeu-se uma ordera aceita para 30 do de-
zembro ecom o pague-se a Jos MariaGonc^lves
Vieira Guimaraes ou a sua ordom por rao de
Jos Norberto Casado Lina, cuja ordera nao foi
paga no dia do vencimento, e como se tenha de-
sencaminhado, previne-se ao aceitante de n&o a
pagar seno ao mesmo Guimaraes, e tambera
qualquer pessoa que a achar o quizerentrega-la,
pode-o fazer na tua Nova n. 49 ao Sr. Jos Ma-
ra Goncalves Vieira Guimaraes.
Precis..-se de uma ama para o servico in-
terno de uma casa : a tratar na ra da Seozalla
Velha n. 112, 1." andar junto a cocheira.
Deseja-se fallar
aos Srs Francisco Ignacio Ferreira, Caelano de
Assis Campos o Trajano Felppe Ncry : no largo
do Paraizo n. 14.
PrecUa-se de um caixeiro que lenh3 alguma
pralca de taberna : a tratar na ra do Rosario da
Boi-Visla n. 41.
Roga-se ao Sr Joaquim Cavalcanli de Al-
buqoerque Mello dirija-se ra Dreila n. 28, a
negocio de seu inleresse.
Agencia de passaporte e
folha corrida.
o mjnu Ou n<-go Um Un pissiporte para
deolro e fra do imperio com presteza e coramo-
do preco : na ra da Praia, primeiro andar, nu-
mero 47.
Aluga-se um sitio na eslrada de Joao Fer-
nandes Vieira ; a tratar na ra do Queiraado nu-
mero 44.
Offerece-sa urna pessoa capaz, que entende
de negocio e falla francez, para caixeiro : quem
precisar, deixo carta no escriplorio deste Diario,
com as iniciaes A. P.
Se far todo negocio com uma taberna rom
poueos fundos e com commodos para familia e
bem afreguezada, na ra Imperial n. 178.
Aoputlicj.
Jos Joaquim da Cosa Maciel, thesoureiro que
fora da veneravel ordem terceira do Carme, ten-
do lido um impresso que fez distribuir o Irmo
ex-prior o Sr. capito Flix Francisco do Souza
Magalhes, em que so r publicado o seu rela-
lorio que lizera de sua adrainistraco, quando ce-
deu o seu logar ao novo eleito, com grande sor-
prez* deparou com urna parte que lhe diz respei-
to, e porque nella encerra uma inexaclido ou
folsidade que fez induzir a crer ao nosso zeloso c
digno ex-prior, que sem examinar e pesquizar o
fado, deu por verdadeiro ; rog* ao respcitavel
publico e a lodos os charissimos irmaos da vene-
ravel ordem lerceira do Carmo que tenhtm a be-
nevolencia de suspenderem o seu juizo at que
Maciel, munido de mais -ilguns documentos que
lhe fallara, possa, com a maior das evidencias,
provar que outros e nao elle, sero os que rae-
recem o censura publica, exposta talvez com
muita juslica pelo referido irmo ex-prior.
Est contratada a compra da casa terrea da
ra da Gloria n. 116, no bairro da Boa-Visla:
quem tiver slgum embarazo a por concluso
deste negocio, queira dirigir-so ao escriplorio do
labellio Portocarreiro, na ra do Imperador.
G. Bellramini.G. Girelli, A. Marchelli e sua
senhora, C. Bartolucci, F. Riglii e sua senhora,
A. Mariotti, A. Abbiate, L Bassani e G. Marinan-
geli com seu lilho menor embarcam no vapor
brasileiro para o norte.
Aluga-so ou veodo-se um sobrado de um
andar em Olinda, concertado do novo, na ra da
Ladeira da Ribeira, lado esquerdo n. 26: a tra-
tar no Recife, na ra da Seozala Velha, no se-
gundo andar do sobrado n. 26, aonde mora D. Jo-
sepha Mara da Conceico.
Viilio de Bordeaux.
Era casa de Kalkmann Irmaos d- C, ra da
Cruz n. 10 encontra-seo deposito das bem co-
nhecidas marca dos Srs. Brandenburg Freres e
dos Srs. Oldekop Mareilac & C, em BorJeaux.
Tem as seguintes qualidades:
De Brandenburg frres
St. Estph.
Si. Julien.
alargaux.'
La rose.
Cha lean Lovle
Qiteau Margaux.
DeOidekop A Mareilhac.
St. Julien.
St. Julien MJoc.
Chaleau Loville.
Na mesma
vender:
Sherry em barris.
Madeira em barris.
Cof te em Wris qualidade Ina. m
Cogote era canas qualidadt inferior.
Em casa de N. O. Bieber & Successores, ra
da Cruz b. 4, veode-se :
Champaoha marea Pane A C ama da* masa
acreditadasmarcas.muieooaecidas ao Rio o> Ja-
neiro.
Vioho xerez em barris, cognac em barrito
caizas.
Vinagre branco etinto em barris.
Brilhantes de varias dimeases.
Eihcrsulfurico.
Gomma Itere clara.
Lonas, brinzos e bros.
Ac de Milio.
Ferro da Suecia.
AJuodo da Babia.
SYSTBKA MEDICO DEnOLLOWAY.
PILDLAS HOLLWOTA-
Este inestiraavel especifico, composio inteirs
mete de her?ts meJicinaes, nao conten mercu-
rio era alguma oulra substancia delecteria. Be-
nigno mais lenra infancia, o a compleicao mais
delicada igualmente promplo e seguro para
desarraigar p mal na compleicao mais robusta ;
enteiraraenle innocente em suas operacoes eef-
fetos ; pois busca a remove as doengas de qual-
quer especie gro por mais antigs e tenaz
que seam.
Enire miihares de pessoas curadas cernele
remedio, muitas que j estavam as portas da
morte, preservando em seu uso : conseguiram
recobrar a saude e forjas, depois debaver tenta-
do inultimente todos os outros remedios.
As mais afflictas nao devem entregar-se a des-
esperaco ; faeam um competente enstio dos
elBcazas effeitos desta assombrost medicina, a
prestes recuperaro o bene6eio da saude.
Nao st perea tempo em tomar este remedio
para qualquer das seguintes enfermidades:
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Ara polas.
Areias (mal de).
Asthma.
Clicas.
Convulsoes.
Debilidadeou extenu
cao.
Debilidade ou falla de
forjas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga..
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidadesno ventre.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueca
Herysipela.
Febre biliosa.
Febreto da especie.
Gotla.
Hemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Inflammsfes.
Irregularidades
menstruacao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Abstruejao de ventre.
Phlysica ou consomp-
pulmonar.
Retencao de ourina.
Rhearealismo.
Symptomas secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venereo(mal).
Attenco.
O abaixo assignado, vendo no Diario de hoje
ora annuncio do Sr. Antonio Jos da Silva Gui-
maraes dizeodo que nio pagava conla alguma do
hotel ds ra do Imperador o. 16, aonde era ad-
ministrador Diogo Jos da Costa Footes^pois que
nao o (ioha autorisado a fazer dbitos ; tendo o
Sr. Guimaraes tanto pessoai, como em seus an-
auncios chamando todos os credores do dito ho-
tel a recebersuas contaa no prazo de 8 dias, na
ra Direita ; a rainha conla de carnes verdes
que forneci no mez do novembro al 81 de de-
zembro; portanto protesto contra o Sr. Guima-
raes, pois caroe genero de primeira necesstda-
de, depois disto o Sr. Guimaraes recebeu I:00j
por um estabelecimento, quena verdade, nao va-
lia a mtade, e porque razio o Sr.-Guimaraes
nao ha de pagar f por agara basta. Recife 11 de
Janeiro de 1861.Antonio Jos Esteres Guima-
raes.
Lces de Inglez e francez
Mrs c-Miss Mortimez estando de volla a esta
prac.a j principiaran dar licoes, de manhaa,
das 10 horas Al meio dia, e de tarde, das 6 al
7 horas : na ra estreita do Rosario n. 10, segun-
do andar.
- O bilhete a.3457 da lerceira parte da pri-
meira lotera da irmandade do Senhor Bom Je- ., O dono deste estabelecimento obrigado i fechar os seus rmaseos por causa de grandes re-
sue dos Marlyrips desta cidad, perlence a Joa- paracoes a fazer no predio e aproveitando a occasio para fazer uma liquidado ilepois do inven-
quim Jos Aires, do Porto, e fica em poder de lario'do fim do anno, participa a quem pertencer que tem resolvido retirar suas fazendas para ser
Almeida Gomes, Alvos & C. ['rendidas na casa de commercio dos Srs. Gaucanas e Dubourc.
casa ha
para
Febreto intermitente.
Vende-se estas pilulas no estabelecimento fge-
ral de Londres n. 224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguista e outras pessoas en-
carregadas de sua venda em toda a America do
Sul, Havana e Ilspanha.
Vendem-se as bocelinhas a 800 rs. ctdt
uma dallas, contera uma nsJrucc,ao em portu-
guez para explicar o modo de se usar destas pi-
lulas. r
O deposito geral em casa do Sr, Soum
dharnuceutico. na ra da Cruz n. 22, em Per-
nambuco.
REMEDIO INCOMPARAVEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Miihares de individuos de todas as nacoes
podem teslemunhar as virtudes deste remedio
incomparavel e provar em caso necessario, que,
pelo uso que delle fizeram lem seu >rpo e
membros inteiraraenle saos depois de havor em-
pregado intilmente outros iralamenlos. Cada
pessoa poder-se-ha convencer dessas curas ma-
ravilhosas pela leilura dos peridicos, que Ib'as
relatam todos os dias ha muitos aonos ; e a
maior parte deltas sao lo sor prndenles que
admirara os mdicos mais celebres. Quantas
pessoas recobraran) com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois de ter
permanecido longo tempo nos bospiues, onde
Jeviam soffrer a amputado 1 Dellas ha mui-
cas que havendo deixado esses, asylos de pade-
liraenlos, para se nao submelerem a essa ope-
racao dolorosa foram curadas completamente,
medanle o uso desse precioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfuso de seu reco-
nheciraenlo declararan) estes resultados benfi-
cos dianle do lord corregedor e outros magis-
trados, afim de mais autenticaren) sua a firma-
Uva.
Ninguem desesperara do estado de saude se
tivesse bastante confianza para encinar este re-
medio constantemente segundo algum tempo o
iratamento que necesslasse a natureza do nal
cujo resultado seria provar incontestavelmente.
Que ludo cura.
O ungento he
luruiente nos
Alporcas/
Caimbras
Callos.
Ancores.
Cortaduris.
Dores de cabeca.
das costas.
- dos membros.
Eraferraidades da culis
era geral.
Ditas do anus.
Erupr6es escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Fialdade ou falta da
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva escaldadass,
IneharjS.
Inflamarlo do figado.
Vende-se este ungento no estabelecimento
geral de Londres n. 244, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguistas e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em toda a
Amrica do sul, Havana e Hespanha.
Yende se a 800 rs., cada bocelinha contera
uma in8truccao em portuguex para explicar
modo de fazer uso deste ungento.
O deposito geral em cata do Sr. Soum,
pbarmaceutico, na ra da Cruz a. 22. em
Pernambuco.
til, mais particu-
segaintes casos.
InflaramaQo da bexiga.
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos
Pulmoes.
Queimadelas.
Sarna
Supuraces ptridas
Tinka, em qualquer
parle que seja.
Tremor de ervos
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulaces.
Veas torcidas ou no-
das as pernas.
14
FABRICA DE CHAPEOS
DA
RA DA FLORENTINA.
14
V



**)
DIARIO DE *tnHASKUQO -*-'SBGUN&l FEIR1T4 W JANEIRO DE 1811.
Os caradores fiscaes da (allencia de Lima A
Martina, avisim pela uliiraa ves aos devedores i
tnassa de virem saldar seus dotlos at ao fin do
correle raez, depois do qual sero competidos
pelosraeos judiciaes ; devendo, para o paga-
mento, eotenderem-se cora os Srs. Barroca &
Medeiros, dopositarius.
Ni ra da Aurora a. 50, alugam-se duas
famosas estribaras para 12 oavallos.
yatv^ i6ftaa*i^*isais-ai&sil6fti6^ISSf
WtGJBif wb* WBwwm%W* wwawm un* vara **
4viso. # I
Roga-se aos devedores da loja de fias- g
do Antonio Francisco Pereira. que -ve- ^
nham realisar seus dbitos no prazo de a>
15 das, oa ra do Crespo n. 6, do contra- 1
rio vero seus nomos por este Diario al g
pagarem o que esto a devor.
Urna pessoa habilitada propoe-se a sitiar
primeiras letras cm casas particulares^ os pais
de familia que se quizerem utilisar de eeu pres-
timo, dirijain-se a ra di Imperalriz n. 18.
Attenco.
Trocam-se sedulasde 19 e 5J das que o the-
souro desla proviocia exige 10 0(0 de descont,
assira como notas dos bancos ecaixas das mais
pracas do imperio mediante o abale de 50(0 : no*,
escripturio de Azevedo & Mendes, ra da Cruz
numero 1.
Agencia dos fabricantes americanos
Grouver & Baker.
Machinas de coser: em casa de Samuel P.
Johslon & C, ra da Senzalla Nova a. 52.
ALLIANCE,
estabcceitla em Londres
wmm m mu.
CAPITAL
Cinco miVVioes de Vibras
sterimas.
Saunders Brothers & C. lera a honra de in-
formar aos senhores negociantes, proprietarios
de casas, e a quero mais convier, que esto ple-
namente autorisados pela dita companhia para
eflocluar seguros sobre edificios de lijlo e peira,
cobertos de telha, e igualmente sobre os objectos
que contiverem os mesmos edificios, quer consis-
ta em raobilia ouem fazendas dequalquer qua-
lidade.
Dentista de Paris.
15Ra Nova15
Frederic Gautier, cirurgio dentista, faz
todas as operacas da sua arte e colloca
denles artificiaos, tudo com a superiori-
dade e perfeic,ao que as pessoas entendi-
das lhe reconhecem.
Tem agua e pos denlifricios etc.
Manoel Ferreira da Silva Tarrozo
na ra do Apollo n. 28, taca obre Por-
tugal.
=5-^ Sr. Dr.JeaoPi-||
nheiro de Lemos queira ir a negocio que ,
g nao ignara a loja de fazendas da ra da <
fla Cadeia do ftecifo o. 23.
Collegio de Santa rsula.
D. rsula Alejandrina de Barros tem a honra
de prevean: aos pas de suas alumnas, e a quem
mais interessar possa, que oodia 15 docorreote
mez de Janeiro se abriro as aulas do collegio de
Santa rsula, de quo directora, o qual se cha
estabelecido na ra Formse, sobrado o. 15.
Ensino particular.
0 abaiio asignado, residente no lerceiro an-
dar do sobrado n. 58 da ra Nova, competente-
mente provisionado pela directora geral de ins-
truccao publica para ensinar primeiras letras, la-
"e francez, tem a honra de participar ao rea-
i
| Sr. 6. Furness, ernpreteiro da va terrea
do Reeife a S. Francisco.
ESPECIAL H0ME0PATH1C0
Roa de Santo Amaro (Mundo-novo) n. 6.
O Dr. Sabina O. L. Pinna
tim .
peilavel publico, e matime aos senhores pais de
seus discpulos, que pretende dar principio ao
exercicio de seu magisterio no dia 14 de Janeiro
do correte, admiltiodo em sua aula alumnos in-
ternos e externos para serem disciplinados as
supra-mencionadas materias.
O meerao abaixo assigoado -sempre solicito no
desemperno de seus deveres, tem dado prpvas
exuberantes no adianlamenlo de seus discpu-
los, apresentando-os a exames pblicos, como
pode probar cora os termos de exaues dos annos
passados.Jos Mara Machado de Figueiredo
todas os das uleis desde as 10 horas at meio
da. Visita ates doentes em seus domieilios
de meio din -em diante, e esa caso de ne-
eessidade i qualquer hora. As senhoras de
parto e os doentes de molestia aguda, que
nao tiverem anda tomado remedio algum al-
lopathico om horaeopalhico, serio a Hendidos de
preferencia.
As molestias sais freqnentes debaixo dos
climas do Brasil, principalmente as que sao
mais diffieeis de eurar, lhe tem merecido um
estado especial; sao ellas :
1. Molestias proprias das raulheres.
2. Molestias das creaneas.
3. Molestias da selle.
4." Molestas dos olhos.
5. Syphilis, ou gallieo.
6. Febressy mplhomaticas das lesoes do cere-
bro e de eaas membranas, dos orgos do peito,
e do apparelho digestivo; febres intermitien-
tes e suas consequeucias.
Pharmacia especial homoeopathica.
*m
Wif aCiV r^ffS
A ofeina de marmore
mudou a sua resi lencia do caes 22 de Novembro
para atravessa da ra da Praia n. 3, junto ao
caes do Ramos.
Attenco.
D. Thereza Alexandrina de Souza Bandeira faz
sciente ao respeitavel publico que se ocha cora
a sua aula aborta desde o dia 7 de Janeiro de
1861 cnsina primeiras letras, grammatica portu-
gueza, bordados de todas as qualidades, e varias
galantarias de 13a e llores da raesma, e recebe
meninas externas e internas; quem quizerservir-
se do seu pouco presumo, dirija-se a ra do Ro-
sario ii- 14.
rrecisa-so alugar um prelo para conduzir]
comidas para fra
Rosario n. 2>.
no botcquira da ra larga do
F. Vjllela, pholographo da augusta casa im-
perial, estabelecido na ra do Cabug o. 18, so-
brado, entrada pelo paleo da matriz, avisa que
acaba de receberura bello sortimento de alfine-
tus de ouro de lei para retratos. Entre esses al-
iinetes achara-se muitos com folhagens e flores
de ouro de cores, outros com perolas. coraes o
pedras, e alguns para brilhantes. Os presos
dessas jotas sao raui nzoaveis. Na raesma casa
conlinua-re a tirar retratos por todos os sy-le-
mas photographicos.
Quem liver e quizer alugar aunualracnte
um sitio com arvoredos de fructos ainda que
com pequea casa de morada e essa mesma de
laipa nos seguintes lugares : Rosarinho, estrada
de Joao de Barros, Afllictos, Estrada Nova, Tor-
re e Capunga, cujo aluguel nao seja exorbitante
annuncio por este raesmo jornal ou dirija-se a
ra Direila n. 7, luja, que acnar com quem
tratar.
0 abaixo sssignado, arrematante do contra-
to do imposto de 20 0|0 sobre a agurdente do
consumo no municipio desta cidade, para escla-
recer a todos esses senhores taberneiros, que por
meio de annuncios era jornaes pretenden] esqui-
var-se de pagara contribuido, lhes declara o se-
guiule :
Que o regulamenlo que rege a arrecada<;ao do
referido imposto o de 9 de dezembro de 1853.
Que nenhum dos artigos do regulamento citado
manda assignar a collada, mas apenas proceder
a ella.
E finalmente *que o meio indicado no art. 9
para fazer cessara collecla.ou obrigagao de con-
tribuir, urna justificaco judicial, e nunca an-
nuncios era jornaes, como erradamente enten-
Luiz Jos Marques.
Modista lirasileira
Madama.Rosa de Oliveira Miranda, com loja
de modas na ma Nova n. 34, avisa ao respeitavel
publico, que de hoje em diante continua a fazer
vestidos proprios, para bailes, theatros o casa-
tnentos, e para esto lim acha-se com os flgurinos
mais modernos, vindos de Franca, e com duas
fraucez.is para ir provar os vestidos em casa das
pessoas que nao se quizerem dar ao trabalho de
ir em sua loja, assira como tambera se encontra-
r sempre uro grande sortimento de modas das
mais modernas que possara haver no mercado, e
ara grande sortimento de chapeos de sol de
todas as qualidades : ra Nova n 34.
Precisa-se de urna preta escrava que saiba
cozinrrar o engommar : na ra da Senzala Velha
somero 106.
Josepha Heoriquela de Miranda Barros,
professora particular da instrueco primaria, avi-
sa aos pais de suas alumnas, e ao respeitavel
publice, que abre a aua aula ao dia 14 do corre-
te, e se acia prompta a receber alumnas exter-
nas e internas, pensionistas e meia-pensionlstas:
quem de seu pxestimo se quiz?r utiltsar, dirija-
se a roa da Mangueira, casa n. 7.
COMUMIIA DA VIA FRREA
DO
DO
Recite ao rio Sao Francisco.
"Limitado.
De conormidade com as iostrucees recebidas
da respectiva directora faz-se publico que desta
data era dianle sao convidados os accionistas
desta companhi&a cumprirem com os termos do
aviso que por ordem da mesma abaixo ficam pu-
blicados.
Escriptorio da companhia 17 de dezembro de
1860.E. II. Bramah. thesoureiro.
Aviso.
COMPAMIIA DA VIA FRREA
DO
RECIFE A SAO FRANCISCO.
(LIMITADO.)
Pelo presente faz-se publico que por resoluto
da directora desla companhia, tomada nesta da-
la tera-se feilo urna oulra chamada de duas li-
bras stcrlinas por cada acyao, a qual chamada ou
preslacao dever ser paga at o dia 31 de Janeiro
prximo futuro no Rio de Janeiro em casa dos
Srs. Mau Mac Gregor& C, ua Baha aos Srs. S.
S. Davemport A- C, e em Pernambuco no es-
criptorio da thesonraria da mesma va frrea.
Polo presente fica tambem entendido quo no
caso de nao ser a dita chamada ou prestado sa-
efeita no da marcado para o seu pagamnntoou
antes o accionista que incorrer nesta falta paga-
r juros s razio de 5 por cenlo ao anno sobre
tal chamada ou preslaro a contar dcste dia al
que seja realisado o pagamento. No caso de nao
effectuar o pigamenlo desta chamada ou presta-
rlo dentro do 3 mezes a contar do dito dia fixsdo
para o embolso da raesma ficaro as acedes que
incorrerem em tal falta sujeitas a serem confis-
cadas segundo as disposQocs dos eslatutos a este
respeito.
Por ordem dos directores.
AssigoadoW. II. Bellamy,
Secretario.
100 Crcihom Homo.
Od Brouad Street.
EC.
22 de novembro de 1860.
Attenco.
*
O abaixo assignado roga as pessoas que lho es-
to a dever o favor de virem pagar seus dbitos
ateo fim deste mez: na ra do Imperador o. 63.
Reeife 9 de Janeiro de 1861. .
Jos Antonio Sosres de Azevedo.
I Consultas medicas. 1
SerSo dadas lodos os dias pelo Dr. Cos-
me de S Pereira no seu escriptorio, ra
da Cruz n: 53, desde as 6 at as 10 horas
di manhaa menos aos domingos sobre :
1. Molestias de olhos.
2." Molestias de coro -o e de peito.
3." Molestias dos orgos da gerario e
do anus.
O examo dos doentes ser feilo Da or-
dem de suas entradas, come;ando-se po-
rra por aquelles que soffrerero dos
olhos.
Instrumentos chimicos, acsticos e p-
ticos serao empregados em suas cnsul-
lardes, e proceder com todo rigor e pru-
dencia para obter certeza, ou ao menos
probabilidade sobre a sede, natureza e
causa da molestia; e dahi deduziro plano
de iiatamenlo que dere destrui-la ou
curar.
Varios medicamentos serao tambem
empregados gratuitamente, pela cer-
teza que tem de sua verdadeira qualidade,
promptidu em seuseffeitos.e a necessida-
de do seu emprego urgente que se usar
dalles.
Pralicar ahi mesmo, ou cm casa dos
doentes toda e qualquer operaco que
julgar conveniente para o reslabeleci-
raento dos mesmos. para cujo m se acha
prvido de urna completa colleccio de
instrumentos iodispensavel ao medico
operador. -t
Precisa-se de urna ama: na ra Bella
n. 23.
Aviso ao publico.
Dis 5 horas da manhaa s 9 da noite ha sempre
bote para transporte das pessoas que quizerem
embarcar do Caes do Collegio para a escadinha
da alfandega a 80 rs. cada urna pessos, durante
o impedimento da ponte velha.
Aluga-se a loja do sobrado da ra das Cru-
zes n. 18 : a tratar no mesmo sobrado.
Especialidado de retratos em pao encera-
do para se remetieren) dentro de cartas. Ti-
rara-se no estabelecimento ohotographico de F.
Villela, ra do Cabug n. 18, sobrado, entrada
pelo pateo da matriz.
William Sippin esuaseohora subditos in-
glezes retiram-se para o Maranho.
Precisa-se de um caixeiro para taberna e
que seja zeladorde sua obrigaco ; em Fora de
Portas n. 92, ra do Pilar.
Precisa-se da quanlia de 8 pagaodo-se de juros 2 por cento ao mez, e dan-
do-se em hypolheca um escravo pardo, moco,
cozinheiro, bonita figura ; flcando porrn o dito
escravo na mo.da pessoa que precisa do diohei-
ro, para o que a dita pessoa pagar, alm do
juro mais 109 por mez como aluguel do escravo :
quem quizer este negocio annuncie para ser pro-
curado:
Pede-se a pessoa que annunciou em os Dia-
rios de 22 e 24 de dezembro prximo passado,
ter um sitio na estrada do Arraial com casa, bas-
tantes comraodos, fructeiras, baixa de espiro, e
um rio que vai ter Olinda ; como nao dissesse
qual sitio e quaudo o tenha ainda para vender,
qneira fazer o favor de o repetir com a indicac.ao
precisa do sitio, para ser procurado, e ver se
do agrado de quem precisa.
Jos Baptista da Silva GuimarSes retira-se
para fra da provincia.
Roga-se aos Srs. Francisco Xavier de S
Joaquim Carneiro Leao, Domingos Firreira de
Oliveira, que lenham ahondado de comparecer
na ra da Imperatriz a, 54, negocio que os
mesaos senhores nio ignorara.
I X>s jornaes inglezes contm o aviso de um cn-
tralo celebrado pelo Sr. Q. Furness com a direc-
1 loria das obras publicas em Londres, para com-
, pletar cinco railhas de obras de esgolo. (Drama-
ge-works) em dous annos, pela somma de seis
centos e viole cinco mil libras sterlinas, (perto
1 de sete mil conloa). Parece que as autoridades
1 cm Londres, nao obstante que o Sr. Q. Furness
I nio salisfez o Sr. Peniston no complemento das
venientes na ortica, principalmente para os mes obras da estrada de ferro nesta provincia, julga-
dicos que comecsm fazer eDsaios, eparassl'J n.;0i!ei,_8nieDt.eomPlen,e P" contratar
pessoas cariosas que nao sabem conhecer essa-
differencas, e por isso poderse allribuir inefica-
IHIS
AGITADOR DYNAMICO.
A pharmacia homceopathica est longe de
preencher todas as vistas dos mdicos homoe-
pathas em quanto forera os medicamentos pre-
parados mo. A forja do hornero nao po-
de ter a precisa uniformidade para bem de-
senvolver as propriedades medicamentosas das
substancias; ella vae naturalmente enfraque-
cendo medida que se vae fazendo o traba-
lho da dynamisacao; e por essa rtzo que
numerosas vezes accontece que duas prepararles
de acnito, por exemplo, da mesma dynami-
sacao, feitas pelo mesmo homem, no mesmo
dia, ou em dias diversos, ou feitas por dous
homens diuVenles, nilo produzem o mesmo re-
sultado em casos anlogos de molestias; urna
desinvolve urna acrao mais prompta, a oulra
urna aeco mais lenta.
Alm disso, sendo essencial para a regu-
laridade das dynamisafes que cada liifuipao
tenha um numero certo de abalos ou vascole-
ja^des, para que nao acconte^a que pelo excesso
ou pela insufficiencia d' estas percam os medica-
mentos as propriedades que Ibes sao assignala-
das, ou que convem cada dynamisacao, nao
se pode isso obter as prepararles fui las mo
porque o numero de abalos sempre maior ou
menor, d' onde evidentemente resulta um effeito
tambem maior ou menor, e por conseguate
duvidoso na appcco do medicamento ; se os
abalos sao insufficientsa nao se desinvolvem
todas as propriedades convenientes dynamisa-
cao que se quer fazer, e se sao de mais, desin-
volvem-se algumas das propriedades da dyna-
misacao superior, com perda certa de militas
das que convem dynamisac.ao que se quer
preparar, o que sem duvida tem graves incon-
eta da homceopathia, o que realmente depende da
m prepango dos .medicamentos.
Para obviar esle graves inconvenientes o
sgiudor dynaraico do Dr. Sabino munido
de um contador em que se acham as unidades,
dezenas, centenas, milhares, dezenas demilhares
collocadas convenientemente, de msneira que
cada vaseolejacao apparece um numero novo,
desde t at 10 mil; nao sendo desla sorle
possivel engao algm.
Os medicamentos homceopathicos preparados
por meio desla maquina sao os nicos que de-
sinvolvem propriedades uniformes capazes de
eurar as molestias com a maior certeza pos-
sivel.
Alem disso, desojando tirar de sua viagera
Eurcpa todas as vantagens para o progresso
da homceopathia no Brasil, o Dr. Sabino nao
poupou esforcos para obter as substancias me-
dicamentosas dos proprios lugares, onde ellas na-
turalmente nascem, e har isso eolendeu-se com
um dos melhores herboristas d'Allemanha, para
lhe mandar vir as plantas frescas, afim de pre-
parar elle mesmo as tinturas.
E' assim que o acnito foi mandado vir dos
Alpes, a rnica -das montanhts da Suissa, a
belladona, bryonnia, ehamomilla, pulsatilla.rhus,
byosciamus, foram eolhidas n'Allemanha, na
Franja e na Blgica, o veralrum no monte Ju-
ra, ele. etc.
Desta sorte provida a pharmacia do Dr.
Sabino das substancias que serviram para as ex-
periencias puras de Hahnemann, descriplas na
pathogensia, acharo os mdicos e os amigos da
horaceopaihia os meios seguros e verdaderos de
curarem as enfermidades.
obras muito mais diffieeis e sumptuosas.
A Sra. D. Margarida Lourenca da Cmara
Rodrigues tem urna carta no escriptorio de Ma-
noel Ignacio de Oliveira & Filho, larga do Corpo
Sanio.
Aluga-se urna casa .terrea na ra do No-
gueira ; a tratar na ra de Queimado u. 53.
GABINETE PORTUGUEZ
DE
LE1TURA.
Por ordem do lllm. Sr. presidente convido aos
senhores conselheiros para que se reunam em
sesso ordioaria do cooselho, terca-feira 15 do
correte, pelas 6 112 horas da larde, na sala das
sesses do mesmo Gabinete.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leitoja
11 de Janeiro de 1861.
Francisco Ignacio Ferreira.
1. secretario.
Prccisa-se de um pequeo para caixeiro de
taberna mais que tenha pratica e d fiador a sua
conduela : na ra das Cruzes n. 22:
Antonio Lopes da Cunha retira-se para o
Porto.
O Sr. Jesuino Antonio Vianna deixou de
ser caixeiro do abaixo assignado desde honlem
9 do correte. Reeife 10 de Janeiro de 1861.
Manoel Jos de Faria.
Urna pessoa que n5o pode ir ao
Manguinho fallar ao Sr. Manoel Ephi-
genio da Silva, roga lhe queira annun-
ciar onde o pode procurar Desta cidade
visto nao ser permittido fallar se-lhe na
alfandega.
DE
PARTIDAS DOBRADAS.
O ensino pratco de escriturario commerrtal
por partidas dobradaa e de arilhmetica, dirigido
pelo abaixo assignado, contina a funecionar re-
gularmente as quarlas e sabbados de cada se-
mana, das 7 horas s 9 da noite.
As pessoas quo desejaiem ter eonhecimento de
qualquer das referidas materias, queiram dirigir-
se casa do aqunciante, na ra Nova n. 15, se-
gundo andar, nos dias e horas cima designadas.
E to claro e faci' o syslema de escripturar os
livros mercanlis por partidas dobradas, que s as
pessoas desfavorecidas do menor (rao deinlelli-
gencia serio capazes de oio reconhecerem a ver-
dade do expendido logo as primeiras ces que
receberem do abano assignado.
M. Fonttca da Medeiros.
Carvalho, Nogueira C.
Sacio qualquer quanlia sobre Lisboa e Porto :
no escriptorio da ra do Vigario n.9, Io andar.
CONSULTORIO
Joo da Silva Ramos,
Medico pela universidade de Coimbra.
Tendo de passar algum tempo no si-
tio dos Buritis na estrada do Arraial,
raeu consultorio estar* aberlo todos os
dias das 9 horas as 11 da manhSa e das
3 as 5 da tarde. As pessoas que man-
daren procurar-me, terao bondade
de dirigir os chamados por escripto pa-
ra aloja de louca defronte da casa de
minha residencia na ra Nova.
OS PRECOS SAO OS SEGU1NTES:
Bolica de 24 tubos grandes 12 a 16
Dita de 36 > .....; 189 a 229
Dita de 48 ....... 21 a 29
Dita de 60 ......30 a 359
N. 13. Existem carleirss ricas de veludo para
maior prego.
Cada vidro de tintura avulso. : 29
Cada tubo avulso...........l*
Caixas com medicamentos em glbulos e to-
turas de diversas dynamisacoes (mais usadas):
De 24 vidros com tintura e 48 tu-
Notas
de 5$000 e de 1#000 de urna
Dentista francez.
Paulo Gaigooux, dentista', ra das Ls-
rangeiras n. 15. Na mesma casa tem
agua e p deotifico.
iraspassa-se a renda do engenho Uchda,
sito na freguezia de Afogados, pouco mais de
urna legoa distante desta presa, este engenho
tem muito boas trras, boas matas, e muito
bom de agua com a nova obra que se fez, tem
grande casa de vivenda e concertada de novo ;
safreja de dous a tres mil pies e mais que se
.queira plantar, pois tem trras sufficienles para
11 glira. jls.!0 : quem o pretender, procure ao major Anto-
Trocam-se estas notas por gneros, no eslabe-l"10a SlWa Gusma0. na ra do Queim.do, loja
cimento de Sodr & C. ra estrella do Rosario \ 41,U0U no. ,me8m. e"g?.ho: .,,_
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho sacam
sobre Lisboa e Porto : no largo do Corpo Santo,
leci
o. 11 ; tambem se veodem as bellas uvas de lia-
marac-
escriptorio.
DA
[Sedulas de 1000 e del
PROVINCIA 1 5 de ama figura.
%aF %aV I irm 1 Trocam-se estas sedulas sem deseo:
bos grandes.
O Sr. thesoureiro das loterias manda declarar ,
qne se acham a venda no escriptorio das mes- !
De 36 ditos dita e 56 tubos grandes 649000
De 36 ditos dita e 68 tubus grandes. 70000
De 48 ditos dita e 88 tubos grandes 928000
De 60 ditos dita e 110 tubos grandes 1159000
Estas caixas sao uleis aos mdicos, aos Srs,
de engenho, fszendeiros, chefes de familias
capilaes de navio, e em geral todos que se
quizerem dedicar pratica da homceopathia,
Yendem-se tambem machinas elctricas por-
lateis, para tratamento das molestias nervosas.
Estas machinas sao as mais modernas e as
mais usadas actualmente em toda a Europa,
tanto pela commodidade de podorem ser iiasi-
das na algibeira, como porque trabalham com
preparares que nao sao nocivas:
Cada urna. ..;.... 505000
O Dr. Sabino ensina a maneira de se servir
desta maquina.
1"* *** uwiuu* .. ri_uUU UU CBllipiUIIU uao luco
485)000 mas os bilhetes da terceira parte da primeira lo- '
CASA DE SAUDE
DOS
Sita em Santo Amaro.
Este estabelecimento continua debaixo da administrarlo dos pro-
prietarios a receber doentes de qualquer natureza ou cathegoria que
seja.
O zelo e cuidado alli empregados para o prompto restabelecimen
to dos doentes geral mente conhecido.
Quem se quizer utitisar podedirigir-se as casas dos proprietarios %
ambos mors resna ru;i Nova, ou entender-secom o regente no esta-
tabeleciment .
t>ria da igreja doSeohorBom Jess dos Marty-
rios desta cidade cujas rodas devero andar im-
preterivelmente no dia 19 de Janeiro prximo fu-
taro.
Thesouraria das loterias 22 de dezembro de:
1860.-O escrivo, J. 11. da Cruz.
Trocam-se estas sedulas sem descont
por fazendas que vendem-se por baralis-
simos presos, na ra do Crespo loja ama-
rella n.8 de Leandro Lopes Dias succei-
sor de Antonio Francisco Pereira.
Fazendas'Anas.
Reforma de presos.
Escravos. -..... 2^000
Marujos ecriados, .... 2^500
Primeira classe 3$ e. 5J500
As opera c/es serao previamente ajustadas.
CONSULTORIO
,
DO
HEOIR0G0PAR TEIE OPERADOR.
3 RA DA GLORIA, CAS A DO FUNDAO 3
Clin Vea por ambos os systemas.
O Dr. Lobo Moscoso d consultas todos os dias pela manhaa, e is tardedepois de 4
horas. Contrata partidos para curar annualmente, nao s para acidado, como para o engenhos
ou outras propriedades ruraes.
Os chamados devem ser dirigidos sua casa at s 10 horas da manba e em caso
do urgencia oulra qualquer hora do dia ou da noite, sendo por escriploem que se declare
o nome da pessoa, o da ra e o numero da casa.
Nos easos que nS forem de urgencia, as pessoas residentes no bairro do Reeife po-
dero remetter seus bilhetes bolica do Sr. J. Sounn & C. na ra da Cruz, ou i loja de
livros do Sr. Jos Nogueira de Souza na ra do Crespo ao p da ponte velha.
Neasa loja e na casado aaouncianteachar-se-ha constantemente os melhores medica-
mentos horaeopalhicos j bem conhecidos e pelos presos seguintes:
Bolica de 12 tubos grandes.....,.....lOOOO
Di la de 24 ditos........;........159000
Dita de 36 dito............., 209000
Dita de 48 ditos............, 255000
Dita de 60 ditos................ 309000
Tubos avulsoscada um. ...,...,;,..* 19000
Frasees de tinturas. .:;............'29000
Manual de medicina homeopathica pelo Dr. Jahr, tra-
ducido em portuguez, com o diccionario dos termos
de medicina, cirurgia etc.. etc. .......209000
-Medicina domestica do Dr. Hering, com diccionario. 109000
Repertorio do Dr. Mello Moraes. (..jai* 69000
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
Tira retratos por 3$
Tira ratratos por 3^
Tira retratos por 3$
Tira retratos por 3
Tira retratos por 3^
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tondo recebido um sortimento de cai-
xinhas Dovas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
A. W. Oborn, o retratista america-
no tem recentemente recebido um gran-
de e variado sortimento de caixas, qua-
dros, aparatos chimicos, e um grande
numero de objectos relativos a arte.
Como tambem um grande ornecimen-
to de caixas para retratos de 3#000 rs.
cada um, as pessoas que desejarem ad-
quirir conhecimentos pratiecs na arte
de retratar acharao o abaixo assignado
sempre prompto sob condiedes muito
razoaveis.
Os cavalheirose senhoras sSo convida-
dos a visitar estes estabelecimentos, pa-
ra examinarem os specimens do que
cima fica anunciado.
Vice-consulado pontificio
em Pernambuco.
O vicecnsul avisa aos subditos da
nacao que representa e a todas aquel-
las pessoas qne quizerem enviar um
bolo para o di nheiro de S. Pedro, a
irem levar ao escriptorio do consulado
o que houverem de depr nessa bolsa,
certos deque sera' remttido o produc-
to dilectamente ao Exm. Sr. cardeal
ministro dos'negociosestrangeiros, com
o discurso de apresentacao, que sera'
publicado, bem como a lista dos subs-
criptores, pelos jornaes desta capital.
Vire consulado-pontificio, em Per-
nambuco, ra do Trapichen. 40, 4de
janeiro de 1861.
Thomaz de Faria.
Vendem-se chapeos de seda de muito
bom goslo a 155 e a 25$, vestidos de se-
de de muito bom goslo a 40$. 50$ e 8Cg,
ditos de barege e gaze a 10, ditos de
cambraia branca bordados [multo ricos),
choly e barege s 500 rs. o covado, or-
K gands de muito bom gosto a 800 e 900
St rs. a vara, basquinas de Gl com ricos bi-
eos de seda a 3, lalhos cora bicos para
Si vestidos de senhora a 500 rs., camisas
i

i| zia, golliiihas bordadas para senhora a
*> 19, mussulinas de urna s cor a 2-it) rs.
1| o covado e muitas outras fazendas de bom
JK gosto que se vendem por metade de seu
m valor ni ra do Crespo loja amarella n.
2. 8 de Leandro Lopes Dias successor de
I 9f Antonio Prancisco Pereira. &6
\ mz&smtm asees mommmm'm
Feitor para engenho.
Precisa-se de um portuguez para feitor de um
engenho pouco distante desla capital: no escrip-
! torio de Manoel Ignacio de Oliveira Filho, lar-
go do Corpo Sanio.
Nicoli Greco, subdito napolitano, retira-se
para a Europa.
ravawimFaw vNi MM SMinHPBvSwSK
O Dr. Casanova I
pode ser procurado todos os dias em seu e
consultorio especial homeopalhico.
30-Raa das Gruzes-30
Neste consultorio lem sempre os mais
novos e acreditados medicamentos pre-
i| parados em Paris (as tinturas) por Ca-
V tellan e Weber, por procos razoaveis.
a Os elementos de homeopathia obra, re-
commendada intelligencia de qualquer
|g pessoa.
Gustavo Sander, ourives allcmo, avisa ar>
respeitavel publico, e particularmente a seus nu-
merosos freguezes, que mudou o seu eslabeleci-
mento de ourivesaria do aterro da Doa-Vista para
ra do Cabug o. 9, loja aonde o acharo sempre
prompto a fazer obras para brilhantes ou para
outras quaesquer pedras, assim como toda a quas
lidade de obras de sua ofQcina. No seu aovo es-
tabelecimento ha um bello sortimento de obra-
estrangeiras de ouro de lei e de qualidades que
se vendem a prerjos mui mdicos.
Preeisa-se engajar a compra de tra-
pos proprios para o fabrico de papel :
quem se quizer encarregar deste for-
necimento dirija-se a ra da Cadeia do
Reeife escaiptorio n. 47, para contratar.
Precisa-se alugar urna escrava de
boa conducta e que saiba cosinhar com
pe feicSo: a tratar na ra da Cadeia do
Reciten. 47, primeiro andar.
Jos'Pereira da Cunha & Filhos
sacam sobre a cidade do Porto.
O encarregado da testa do glorio-
so martyr S. Sebastio na matriz da
villa do Cabo, declara que por motivos
independentes de sua vontade tem ad-
diado a mesma esta para o dia 5 de
fevereiro prximo futuro,
Pergunta-se
so impondo o cdigo criminal pennas contra os
que prometiera fazer mal a alguem por meio de
ameacas, ou de palavras, 011 por escripto, sendo
circunstancias aggravanies feitas em publico, es-
tar isento desta criminalidadeoS.0 supplenle do
subdelegado de polica do arrabalde, com nome
de urna companhia... e juiz de paz e eleilor do-
districlo para a seu geito ameacar em publico de
mandar quebrar de pao a diversos cidados pac-
ficos no meio de familias, e ufanarse deja o ha-
verrealisado em o feitor de um sitio, que ebeira
meiriro ? .. O cidadao adoptivo e seu cyreno
uepileptico..
0 abaiio assignado lem contratado com to-
dos os moradores da ra Nova a limpeta e rega-
ceo do ra cooao manda a postura da cmara, e
est reaolvido a contratar com todos os proprie-
tarios das mais ras : aquellas senhorea que se
quizerem ulilisar de seas servicos podem dirigir-
se a ra Nova, em casado Sr Miguel Roberto,
que ahiacharo com quem tratar.
Miguel Antonio Roberto;


DIARIO DI PEWMtCO. SEGUNDA FEIIU 14 DE JANEIRO DI 1861.
f6)
O EXTRACTO
COMPOSTO DE
SALSA [PAKDLHA E)0 E)R- TOWMMB
MELUORADO E FABRICADO SOB ADIREC^AO' DO DR JAMES R. CBILTON,
i mico e medico celebre de IV'ew York
Acham-se venda na livraria da praca da Independen-
Aos pas de familia.
O barbare! formado Americo Fernandes Tiigo
de Loureiro tero aberto o seu curso de algumas
Dinlnrias preparatoria* para a Faculdae de Di-
reno do da 15 do crreme mei cm disnie, na
: o i casa de sua residencia, ra da Saudade n. 9, das
ca ns b e 8, as bem conhecidas folhiunas mpressas nesta ?horasd mantea .0 me\0 du; e procese
tVDOCrSIDhia igualmente da nirsoia dala em dianle a lomar li-
GRANDE SPERIORIDADE DO EX-
TRACTO FLUIDO COMPOSTO
DE
SALSA PARRILHA
Explica se pelo seo extraordinario
e quasi miraculoso effeito no
sangne.
Cada un sabe que a saude ou a infermidade
iepeade directamente do astado desie floido vi-
tal, lato ha da ser, visto o partido importante
que tero, na economa animal.
A quautidade do sangue o'um homem 'es-
tatura mediana est avallada pelas as primeiras
autoridades em vate o oito arralis. Em cada
pulsaijao duas ongas sahem do coracao nos bofes
e dalli todo o sangue passa alem no corpo huma-
no era raenos de qatro mindtos. Urna dis-
pasi^o extensiva tem sido formada e destinada
cora adrairavel sabedoria a deslribuir e fazer
circular esta corrbntb db vida por todas as
parles da organisac,-io. Deste modo corre sera-
pre pelo corpo em torrente, o qual i a gran
fonte de infermidade ou de saude.
Se o sangue por causa alguma sa emprenda
de materias ftidas ou cu-rompidas, diffunde
cem vblocidadb elctrica a corrupto as
mais remotas e mais pequeas partes do corpo.
O veneno lanca-se para tras e para diante pelas
arterias, pelas veias, e pelos vasos capillarios,
at cada orgo e cada teagera se faz completa-
mente saturado e desordenado. Desta maneira
a circulando evidentemente se faz um engenho
poderoso de doenoa. Nao obstante pode tam-
bera obrar com igual poder na criaco de saude.
Estivesse o corpo infecionado da doenc. maligna,
cu local ou geral, e situada no systema nervoso
eu glan luloso, 011 muscular, se smente o san-
'gje ple fazer-se puro e saudavel ficar superior
a doenja e iaevitavelmente expellir da cons-
lituigao.
O grande manancial de doenga enlao como
d' aqui consta no fluido circulante,e nenhum
medicamento que nao obra directamente sobreel-
le para purificar e renova-lo,possue algum direi-
to ao cuidado do publico.
O s\ngde 1 O sangcb 1 o ponto no qual
se ha mysler fixar a attengo.
O ORIGINAL E O GINUINO!
AO PUBLICO.
Js, os Assignantes, Droguista na cidadede
Cada garrafa do original e genuino
exterior de papel verde
No esjriptorio do propietario, 212 Broadway,
era na blica da ra Direita n. 88 do Sr. Prannos.
New-York, bavemos vendido durante muitos an-
uos o extracto de salsa parrilha do Dr.JTown-
send, consideramo-io ser o extracto original e ge-
nuino de salsa parrilha do Dr. Townsend. o
qual primeramente sob este nome foi aposen-
tado ao publico.
BOYDd-PAUL, 40 CorilandtStreet.
WALTER.B TOWNSEND & Co, 218 Pearl
Street.
LEEDS& HAZARD, 121 Maiden Lae.
JOHN CARLEA. Co, 153 Water Street.
M WARD & Co, 53 Maiden Lae.
J. & J. F. TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GRAHAMdcCo, 10 OldLJip.
OSGOOD & JENNINGS, 188 Pearl Street.
R.B. HAV1LAND & Co, Office 177 Broad-
way.
JACK.SON, ROBINS & Co, 134 Water Street.
THOMAS & MAXWELL, 86 William Streeu
WM. UNDERH1LL, Junr, 1*3 Water Street.
DAVID T. LANMAN, 69 Water Street.
MARSH & NORTHROP, 60 Pearl Street.
NORTON, BABCOCK & WOOD, 139 Mai-
den Lone.
PENFOLD, CLAY& Co, 4 Fletcher Street.
OLCOTT, M KFSSON & CO, 127 Msiden
Lae.
A. B. & D. SANDS. 100 Fulton Street.
SCHIEFFELIN, BROTHER & Co, 104 &
I06 Jobn Si.
LEWIS & PRICE. 55 Pearl Street.
HAVILAND, KEESE & CO, 80 Maiden La-
e.
RUSHTON, CLARK &CO, 110 Broadway,
10 Astor.
House, and 273 Broadway, eor. of Chambers
Street.
PHILIP SCHIEFFELIN V CO, 107 Water
Street.
POU & PALANCA, 96 John Street.
SHERWOOD & COFFIN, 64 Pearl Street.
RUST & HOUGHTON, 83 John Street.
I. MIN0R& CO. 214 Futen Street.
INGERSOLL & BROTHER, 230 Pearl Street.
JOSEPHE TRIPPI. 128 Maiden Lae.
GREENLEAF & KINSLEY, 45 Cortlandt
Street.
HAYDOCK, C0RLIES& CLAY, 218 Pear
Street.
CUMMING & VANDUSER, 178Greenwch
Street.
HASKELL & MERRICK, 10 Gold Street.
B. A.FAHNESTOCfc & Co.49 John Street.
CONHECEMOS AARYORE E SUASFRU-
TAS ,
B IGUALMENTE
Conhecemos un Medicamento nos seut Effeitos.
O extracto composto de Salsa parrrlha do
Dr. Townsend est
0 MED I CIMENTO DO POYO H
Adata-so to maravilbosaraenle a consltuicjio
que pode ser utilisado em quasi todas as enfermi-
dades.
ONDE E' DEBIL1DADE,
fortalece;
ONDE E'CURRUPCAO,
PURIFICA',
ONDE HE PODRID AO,
AL1MPA.
Este medicamento celebrado que lao grandes
servicos presta a humanidade, prepara-se agor
na nova fabrica, na esquina das ras Fronte
Washington, Brooklyn. sob a inspecc,o directa
do muito conhecido chimico e medico Dr. James
R. Chilton, da Cidade deNew-York, cuja cer-
tidao e assignatura se acha na capa exterior da
cada garrrfa de
ORIGINAL ,E GENUINO
EXTRACTO COMPOSTO DE SALSAPARR1LHA
DO DR. TOWNSEND.
O grande purlcador do sangue
CURANDO
Folhitlha de porta ou KALENDARIO eeclesiasiico e civil para o
- bispado de Pernambueo........... 160 rs.
Dlt de lgibeira contendo alm do kalendario eeclesiasiico e civil,
explicacao das festas mudaveis, noticia dos planetas,
tabellas das mares e nascimento e occaso do sol;
ditas dos emolumentos do tribunal do commercio;
ditas do sello; ditas do porte das cartas; ditas
dos impostas geraes, provinciaes e municipaes, ao
que se juniou urna collece,ao de bellos e divertidos
jogos de prendas, para entretenimenlo da mocidade. 320 rs.
Dit dlt .... contendo alm do alendarlo eeclesiasiico civil, expli-
cc,ao das festas mudaveis, noticia dos planetas, tabellas
das mares e nascimento e occaso do sol; ditas dos emo-
lumentos do tribunal do commercio ; ditas dos impostos
geraes, provinciaes e municipaes, so que se reuni o
modo de confessar-se, e cortungar, e os officios que a
igreja eosluma celebrar desde domingos de Ramos, at
sexia-feira da Paixo, (em portuguez). prego..... 320 rs,
Dit do lMYlk civil, administrativo, commercial e industrial da provin-
cia de Pernambueo, ao pre$o de:....... 15000
Para facilidade do uso deste almanak, augmentou-s*
de formato, e fizeram-se militas alteracdes, seudo a correc-
co a mais exacta que foi possivel, em materia desta ordero,
(que todos os dias offre mudancas) acrescentando-se a nu-
meraco dos estabelecimeutos commerciaes e industriaes ;
5gQ00
O Herpes
A Hertsipbla,
A Adstriccao do ven-
tee,
As Alporcas
Os Effeitos doazod-
gub,
Dispepsia,
AS DoENCAS.DEFIGA-
DO,
A Hydbopesia .
AImpingb
As Ulceras,
O Rhedmatismo,
As Chacas
A DED1L1DADE GERAL*
AS DOENCASDE PELLE
As Borbulhas p a ca-
ra,
As ToSSESt,
Os Catarrhos, As Tsicas, etc.
OExlracto acha-seconlidoemgarrafas quadra-
das e garante-se ser mais forie e melhor em to-
do o respeito a algum outro purificador do san-
gue., conserva-se em todos os climas por cor-
to sspac/) de tempo.
a certidao do Dr. J. R. Chlitlop, na capa
acao
acompanhado de ndice para facilitar o uso, procurando o
que se deseja pela oceupaco do individuo de quem se quer
saber a residencia.
Aluga-se o segundo andar da casa n. 43 na.
ra Velha, e o quarto andar da casa n. 14 na ra
do Trapiche ; a fallar no primeiro andar desta .
ultima casa.
LOTEHI
DA
ex rae tu de Dr. Townsend tem a assignatura e
New York, e em Pernambueo na ra da Cruz n. 21 escriptoric 1. andar, tam-
H
NO
Assignatura de barhos fros, mornos.de choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos. ,........... 10&000
30 cartoer optaos dilosbanhos tomados em qualquer tempo...... 151000
15 Ditos dito dito dito .;.... 000
7 > ...:.. 4000
Banhosuulsos, aromticos, salgados^sulphurososaospreQOS annunciados
Estateducc,o de presos facilitar aorespeitavel publico ogozo dasvantagens que resultara
da frequenciadeuro estabeleciment de urna ulilidadeincontestavel,masque inielizmente nao
estando em nosso* hbitos, ainda pouoo conhecida eapreciada:
TABAC CAPORAL
Uq^osto Aas manufacturas VmpcTiaes AeT?Tanja.
Eie excelente fumo acha-se depositado, d i reta mente b a ra Nova n. 23, ESQUINA DA
CAMBO A DO G ARMO, o qual se vende por mseos de 2 heciogramos a l^OOOo em porQaode
10 masaos para cima com descont de 25 porcento ; no mesrao estabelecimeoto acha-se tambem
o ver laieiro papel de liaho para cigarros.
O Sr. alfere* Thom G. Vieira
Lima, queira dirigir-se a esta tjpogra-
phia, que se lhe precisa fallar.
Na ruado Imperador n. 28. vende-se cer-
veja ingleza muito boa vinda em quartolas, a
garrafa por 400 rs., cada copo de meia a 200 rs.
Precisase alug-ir urna preta que cozinhe e
compre para casa de pouca familia : na ra do
Amorim n. 33, segundo andar.
Fabrica do Monteiro,
com deposito na ra de Apollo n. 6, principia a
ler assucar crystalisado Cno pelo systema Euro-
peo ; assim como amarellioho para caf por pre-
go baratissimo.
Lava-se ojsngomma-se com toda a'perfei-
q5o e aceio : quem precisar, dirija-se a ra da
Soledade, casa terrea n. 64.
Com o descont de 5 OO Irocam-se as se-
dulas de 1 e 5g, das que so podem ser trocadas
no ihesouro geral desta provincia, com o descon-
t de 10 0(0, na travessa da Madre de Dos n. 17,
das 8 horas da manhaa s5 da tarde.
Jos Aithur Pinto de Abreu rclira'-se desta
provincia.
PIANOS
J. I.aiirr. oimier, havendo eahido de casa do Sr.
J. Vignes, offerece-se para tudo quanto diz res-
peito sua arle, como seja, afinar e concertar
piano?, orgoe de igreja, harmnicos, etc., em
sua oflicina, ra da Gadeia do Recife n. 11, pri-
meiro andar.
EAU MINERAL!
NATRALLE DE VICHY.
Beposito na botica franceza rsa da Cruz n. 22
Remedio infallivel contra as agnorrhas antigs e recentes.
nico deposito na botica franceza, ra da Cruz n. 22.
Prego do fraseo 3&008._________
wm&m ^ wmum
Scientificam aos seus amigos e freguezes desta e d'outras
provincias, que mudaram o antigo estabeleci ment defa-
zendas que tiiihain na ra do Crespo n. 13 e do Imperador
n. 36, para o bem conheicdo sobrado amarello, na esquina
da ra do Queimado n. 31, propriedade do Illm. Sr.com-
mendador Magalhes Bastos, onde continuaro a ter o mais
completo sortimento de fazendas de todas as qualidades
para venderem por mdicos precos em grosso e a retalho.
SOBRADO AMARELLO
ESQUINA DA RA DO QUEMADO N. 31.
ao senhor que hontem pelas 11 horas do dia es-
leve Da ra da Senzala, e ahi manifetou sua ha-
bidade, talvez.por brincadeira, queira apparecer,
pois do contrario ser publicado seu nome por
este jornal, declaraodo-se tambem qual a habili-
dade praticada, o que bom evitar em lempo,
quaudo nao queira ir em pessoa conciliar-se :
pede-se que o faga por meio de urna carta ano-
nyma.
Aluga-se o sobrado de dous andares e so-
toda ra Imperial n.169 : a fallar na ra da
Aurora n. 36.
Urna senhor a casada, com pou-
eos Albos, e j maicr, natural e residen-
te em Hamburgo, maa que esteve no
Brasil, acceita dou on tres meninos ou
meninas para educar com todo o esme-
ro e por condicOes rasoaveis ; a fallar
na livraria n; 6 e 8 da praqa da Inde-
peadencia, onde se da rao todas a in-
ibraoaQOes.
PROVINCIA.
O Sr. thesoureiro das loteras manda declarar:
que se acham expostos a venda os bilhetes da i
terceira parle da primeira lotera da irmandade
do Senhor Bom Jess dos Martyrios desta cidade |
cujas rodas deverao andar imprelerivelmente no
dia 19 de Janeiro prximo futuro.
Tbesourana das loteras 22 de dezembro de'
1860.Jos Mara di Cruz, escrivo.
Na cocheira de mnibus de Claudio Dubeux
existen) recolhidos dous burros, ignorando-se a
quem pertencem : quem tur seu dono pode pro-
cura-Ios.
Nova pauta ou tarifa da
alfandega
Ne livraria da praca da Independen*
cia n. 6 e 8, existe a nova tarifa qut
tem deexecutar-se a 9 de fevereiro, a
qual sera' mostrada aos Srs. assignantes
do Diario, que a quizerem consultar em
quinto n3o chegam alguns para vender.
ios consumidores de gaz.
A empreza da illuminaco
gaz, roga a todos os Srs. con-
sumidores favor de nao en-
tregaren! aos seus machiois-
tas ou serventes qualquer di-
nheiro quer de reparos ou
outro qualquer pretexto, sob
pena de lhes ser novamente
exigido Todos os pagamen-
tos devem ser feitos ao Sr.
Thomaz Garrett nico cobra-
dor autorisado ou no escrip-
torio dos gerentes. .
Terrenos de marinha.
O 2." lente Agrimensor, novamente convida
. os Srs. Benlo Jos Ramos de Oliveira, Manoel
! Alves Guerra e Dr. Joaquim Antonio Carneiro da
Cunha Miranda, porsiou por seus procuradores,
, a comparecerem na casa de sua residencia, na ra
Direita o. 74, para se lhes marcar o dia em que
leem de asistir a medicao, demarcac.So 6ava-
luado dos terrenos de marinha que lhes foram
;' concedidos.
' Irmandade de N.S. da
i
Boa-Yiagem.
Em face dos arts. 14 e 15 de seu compromisso
sao convidados os irmaos desia irmandade para i tenha todas
que comparecen) no dia domingo 13 do crreme,
as 10 horas da manhAa, aftm de darem cumpri-
meutoao que determinan) os pr^diios artigos.
O secretarioJ. I. Comes.
Precisa-se de umn mulher maior de 30 an-
nos, que lenha exemplar conduca e sem Qlhos,
c que seja inteiramente desembarazada e inde-
pendenle, para se encarrrgar da regencia de urna
casa de familia e de homem casado : quem esti-
ver nestas circunstancias, dando conherimento
por pessoa fidedigna de sua boa conducta, diri-
ja-se a casa terrea sita no paleo do Paraizo desla
cidade n. 6, que lho dir quem a>sm o pretende.
|Precisa-se singar um preio de idade, ou
um moleque forro ou captivo, para compr.is e \
Cps da nifsmii materias por casa* parlicularrs,
das 4 s 8 ho>a da larde ; prometiendo a sfus
alumnos ventajoso approveitamenlo dn seu me-
thodo de ensino, por ter para isso raides funda-
das na experiencia de mais de dous unos, e al-
lesiadas por pessoas fidedignas, cojos flihos leem
sido por elle leccionados : quem de seus servi-
do quizer ai>proveilar-se, dirija-se mesmn ca-
sa, as mesmas horas da manbaa. As mensalida-
des sao asseguinte, pagas adiantado.
Em . Cada alumno de cada materia
Em casas particulares.
Cada alumno de cada roaieria 10S0OO
Cda alumno de duas materias 15oCO
Dous alumnos da mesmi materis 15J000
Tres alumnos da mesma materia S0:00
Dahi para cima, e em collegios, conforme se
convencional-. Lines diarias, excepto aos do-
mingos e das santos, e quinlss-feiras a.is sema-
nas em que nao houver algum dia santo.
Aluga-se para escriptorio urna sala com
um qiiartj era primeiro andar, que seja sito em
alguma das seguintes ras : Queimado. lamo do
Coilegio, Imiierador, Crespo, Cruzes, Cabuea,
larga e esirt-iado Rosario ; quem liver para alu-
gar annuncie, ou dirija-so foja u. 21 da ra Jo
Queimado.
Prccisa-se de um professor habilitado para
ensinar primeiras lettras duas meninas em casa
do pai d'ellas ; quem a isio se propnzer, dirija-
se S ra do Hospicio n. 17, onde se indicar a
pessoa que o procura
John Duran!, sua senhora
reliram-se para Europa.
Attenco.
Precisa-se alugar um silio perto da prap :
quem quizer aluga-lo. dirija-se i ra de Apollo
o. 38, armazem de assucar, a tratar.
Roga-se por favor qneiram dirigir-se j ra
do Cabux, loja n. 11, a negocio os senhores:
Jos Cecilio Carneiro M. Jnior.
Elisiarin Gomes de Lima.
Dr. Miguel Luiz Vianna.
Marrolino Alves da Silva.
Pranrisro Jos Alves de Albuquerque.
TeneMte Joaquim Ribeiro Guimaraes.
Jos Francisco Mailins de Alaeida.
Romao Gomes de Oli'eira.
Claudio Raptisia Barroso.
Paulina Ramos de Carvalho, viuva de An-
tonio Jos Fernandos de Carvalho, dona do esia-
belccimento >ilo na ra do Amorim n. 36, o
qual girava sob a firma de Viuva Carvalho, par-
ticipa ao publico e especialmente ao respei-
tavt'l corpo de commercio, que os Srs. Joa-
quim Jos de Azevedo, e Anlonio Jos de Sam-
paio deixaram de ser seus eaileirua desde o dia
21 do correte, continuando ainda o seu esla-
belecimcnlo sob a gerencia de seu geuro Vicente
Alves da Cc-ta e Silva, com quom se devem en-
tender todas as pessoas que com o mesmn teero.
iransaccoes. Recife 24 de dezembro de 1800.
Precisa-se de urna senhora capaz e quo
as habililaedes necessarias para en-
e ama cri?n;a,
sinar duas meninas cm um engenho da comarca
do Rio-Formoso, por isso quem estiver no caso,
pode dirigir-se ra eslreita do Rosario n. 29,
que achara com quem entender-se.
g383-99$9 @Jg Mf
^ D. Dina da Silva Coulinho avisa aos
JjJ paes de suas alumnas que ha de abrir sua Q)
1$ aula particular no da 15 de Janeiro, con- fcj)
@ linua a receber alumnas externas e inler- S
@ as e tambem meio-pensionislas em sua g)
@ casa ra Direila n 68, primeiro andar. *$
Precisa-se fallar aos Srs. Manoel Garcia de
levar de comer a una pessoa no eslabeiecimen- f"l,za."^mos e Joo Joaquim Eugenio Ayres.
lo : em Fra de Ponas, roa do Pilar n. 80.
Aluga-se
o piimeiro andar do sobrado n. 47 da ra da Ro-
da, proprio para homem solleiro ou pequea fa-
milia : na ra Augusta n. 94.
Os abaixoassignados fazem scicnle que fin-
dou-se o seu contrato de sociedade nesia dala, o
Sr. Adolpbo Muller deixou de ser socio da firma
Kalkmann Irmos & C. Recife. 31 de dezembro
de 1860. Kalkm;nn Irmaos & C. Adolpho
Muller.
Roga-se aos Srs. Francisco Jos
Coelho que ja teve armazem no beco da
Boia no Recife, queira ter a born a de
de comparecer na praqa da Boa Vista
n. 16 A, aiitn de dar contas do que
Vmc nao ignora o que Vmc. venden e
recebeu e ate' o presente nada de contas.
Saques.
Luiz Antonio Sequeira, ra da Ca-
deia n. 20, saca sobre Lista-por qual- ^^^^i^
quer qusntia que os pretendentes pre-
cisarem aos prazos e cambios qne se
convenctonar.
VIA FRREA
DO
negocio de seu inleresse: na ra Nova n.52, loja.
Francisco Augusto do Mello e Manoel Cor-
deiro, subditos portuguez reliram-se para o Rio
de Janeiro.
lima pessui q-.ie solTre de cataratas e dese-
ja suboietier-se operago. pede que se Iho in-
dique quaes sao os que eslo vendo dessea quo
lera sido apresenlartos romo operados,afim de se-
ren procurados, e veriticar-se se rom eVilo da
operaco se lera seguido o restabelecimento da
vista, por qusnlo o essencial nao est na opera-
cao, massim no resultado.
O abaixo assignado declara pelo presente
que nunca leve sociedade alguma nem tem na
loja de louga da ra da Imperatriz n. 38, perlcn-
rente a sociedade dos Srs. Manoel Carlos Marlins
e Alvaro Jos Teixeira, quegyrava sobre a firma
de Martina i Alvaro, a da no dia 31 de dezembro p. p. deu-se este en-
gino por um descuido.como s t no por isso Taco etla declaracao por esla folba. Re-
cife 12 de Janeiro de 1861.
Lo'prenco Pereira Mendes Guimaraes.
MinoelLeo de Castro participa ao respei-
: lavel publico e principalmente aos seus freguezes,
ima deixou de
_ de dezembro de
1860.
D. Josepha Claudina Soares Vilella, com-
petentemente licenciada por S. Exc. Sr. presi-
dente da provincia, tem aberlo em sua rasa na
ra Velha n. 46 urna aula de inslrucgo primaria,
ensinando igualmtnte a cnser, bordar, Inbyriti-
thar. etc., etc., para cujo fim convida aos |>ais de
familia a lhe rondaren) suas fllhas, assegurando-
lhes todas as vaiiia{ens para o adiantamenjo del-
las. Na mesma aula tambem se admitlira nu-ias
pensionistas.
Quero precisar de urna escrava para o ser-
vido interno on externo de qualquer casa de fa-
milia, pode dirigir-se ra eslreita do Rosario
n. 29, que achai cora quem tratar.
Lices
de primeiras letras, porluguez, ltiro, francez,
ingle7, em casas particulares : na ra da matria
da Boa-Vista u. 34.
LIMITADA.
ABERTURA DA SEGUNDA SEC(A0 AT A ESTADA
Do dia 3 de dezembro de 1860 at outro aviso a partida dos
trens ser regulada pela tabella seguinte :
O Sr. Filippe Carlos Simoes dos Santos, em-
pregado na estrada de ferro, apparega na ra No-
va, caca de Jos Ricardo Coelho, pois muito se
lhe deseja fallar.
i5" Manoel Pereira Lopes
Ribeiro, com loja de barbeiro e cabelleireiro tem
bichas de Hamburgo, tira denles, sangra, appli-
ca ventosas pela presao do ar, bofa ouvidos em
armas de espoleta, amolla todo o ferro cortante,
lodo isto com promplido e pode ser procurado
a qualquer hora na ra da Imperatriz p, 13.
O abaixo assignado previne ao publico que
ninguem contrate com a Sra. D. Carlota Estrepe
Pereira a compra da casa terrea sita na ra do
Brom n. 2, e de mais 2 escravos, porque dita ca-
sa e escravos nao pertencem a mesma senhora,
maa sim foram dados no Inventario e parlilhas
que se pracedeu dos bens de seu finado marido
Manoel Jos Pereira, para pagamentos de seus
credoresde seu casal, em cujo numero se acha o
abaixo assignado, que protesta desde j annullar
ditas vendas, no caso de serem effecluadas. Re-
cife 7 de Janeiro de 1861.
Luiz Antonio de Sauza Ribeiro,
Trovador.
O proprietario deate eatabelecimento desejan-
do por lodos os modos a seu aleando corresponder
a bondade de seus freguezes, mandou vir de Pa-
rs um primorosobilbar de nognoe o tem a
disposico dos amadores desse bello passa tempo
a todas as horas do dia e da noite. Espera que
seus freguezes e amadores nao dexarao de fre-
quentar constantemente o seu eslabelecimento,
concorrendo assim para que seus exforcos sejam
coroados de bom xito. Ra larga do Rosario nu-
mero 44.
JosMoreira
ESTACOES.
Tren* para o interior.
DAS DK TRABA-
LHO.
Lopes
mudou o seu eslabelecimento da casa amarella
da ra do Queimado para a roa do Crespo, para a
loja que foi do Sr. Santos & Rolim n. 13, e ar-
mazem na ra da Imperador, outr'ora ra do
Coilegio d. 36.
Cinco Ponas.... .1 8
Afogados..........I 8
Boa-Viagem.......1 8
Prazeres...........
Pontezinha........ u
Ilha............... 9
Villa do Cabo...... 9
Ipojuca........... 10
Olioda............. 10
Timb-Ass....... 10
Escada (chegada).. 10
MANHAA.
Hor.|uin.
30
ESTAFES.
Escada............
Timb-Ass.......
Olinda.............
Ipojuca.........
Villa do Cabo..
Ilha..............
Pontezinha........
Prazeres........
Boa-Viagem.. .,
Afogados........
Cinco Ponas (che-
Bda.)........
40
50
15
25
40
20
35
50(
TARDE.
Hor.
4
4
4
5
5
5
5
6
6
6
6
DOMINGOS E DIAS
SANTOS.
MANHAA.
Min
3(
40
r-,
15
25
40
2(1
35
50
Hor
7
7
7
8
8
8
8
9
9
9
9
Min.
30
40
50
(5
25
40
20
35
50
TARDE.
Hor.
6
6
6
7
7
7
7
Min.
30
40
50
15
25
40
Precos de bilhetes.
VIAGENS CINCE-
LAS.
1/
400
1200
1400
2400
2700
3400
4500
5300
6000
6500
1
300
900
111)0
1900
2200
2700
3300
3800
4300
4500
8/
VIAGENS DE IDA
E VOLTA.
1."
200
5(10
600
1000<
1100
1400
2000
2300
2600
30.-0
00
1800
2000
3600
4000
5000
6900
8000
9000
10000
2
500
1400
600
2600
3200
4000
5000
5700
6500
7000
3.
C oinpras.
Compra-se urna escrava moga ede boa con-
ducta, que s.uba engommar e cozuihar : a Irataj:
na ra do Seve ou ilha dos Ratos, casa terrea n
1 Corapram-se frascos grandes vastos de 3"ua
de colonia de aulor Lub.n a 100 ris cada um
na ra das Larongciras o. 16.
Compra-se urna armaco
ra largado Rosario n. 12.
enridracada: na
Trens do interior.
300
800
900
1500
1700
2100
3000
300
3900
4500
DIAS
DE TRABA-
LHO. -
MANHAA.
Hor.
5
6
6
6
7
7
7
7
7
8
Min.
45
5
20
35
15
25
40
50
10
TARDE.
Hor.
1
2
2
2
3
3
3
3
3
v 4
Min
45
5
20
35
15
25
40
50
10
DOMINGOS E DIAS
SANTOS.
MIXIIAA.
Ilor.
Min.
15
25
40
50
10
TARDE.
Hor.
3
4
4
4
5
5
5
5
5
Min.
45l
5
'20
35
1S
25
40
50
10
Precos de bilhetes.
VIAGENS SINGE
LAS.
1."
700
1400
2100
3200
3800
4400
5000
5600
6000
2.a
500
1000
1500
2200
2800
3100
3800
4000
4300
3.a
VIAGENS DE IDA
E VOLTA.
|.
300 1000
600 2100
900 3200
1400 4800
1700 5700
1900 6600
2300 7900
24011 8100
2700 9500
6500 4500 31)00 10000 7000
2.
800
1500
2200
3300
4200
4600
5700
6000
6800
3.'
AssignadoE. H Bramah,
Superintendente.
500
900
1400
2100
2500
2800
3400
3600
4000
4500
Compram-se escravos.
Compram-se, vendem-se. etrocam-se escravos
de ambos os_sexos e de toda idade : na ruado
Imperador n. 79. primeiro andar
Compra-se em segunda mao um par de ve-
noiianas que estejara em bom estado : na rtia
Direita n. 17. fabrica de espirito.
Compram-se escravos,
vico de campo, de 8 a 40 annos de ia.de no<-s-
cripiono de Francisco Mathias Pereira da Costa,
na ra Direita n. 66. '
Compra-se uma jarra vidrada,
grande, de bocea larga, de Genova :
nesta typograpiia.
Vendas.
," Vende-se uma mulata com 30 annos de
idade. perfeit. engommadelra e cozlnheirs, de
fflS-ffSrV D" '"ga d0R08"0D-
Caixas para rap.
Ricas caixas de tartaruga enesstoadas de ouro *
uno, de diversos gostos e precos; na ra do Cres-
po n. 4, casa de J. Falque.


0)
DIARIO DI PEftHAMUCO. SEGBKDA FUA 14 DE JAMEiEO 01 1161.
Liquidado
h
Na ra do Queimado n. 47.
Cheguem ao barateiro.
Vendem-se chitis de cores lu 160 rs. o co-
vado. ditas em retalhos a 140, risrados (raocezes
200 rs., cambraias dei barr a 3$, cortes de cas-
sa chiti a 1. grvalas de seda a 500 <., ditas
pretas a 700 rs., lencos de seda grandes a 1500,
corles de cambraia de seda a 4$. musselinas de
corps a 240 o corado, cortes de chita (te barra a
zjjOO, cassas de cores a 200 rs. o corado, chilas
largas boas a 220 o corado, cortes de riscado
francez a 158OO, chales da merino lisos a 5ff, di-
tos bordados a 7#. gangas ae cores para cal^a a
520 o corado, cambraias lisas de 10 jardas a
395OO, ditas mais finas a 49600, cortes de cam-
braias bordadas, fazendas Anas a 59, cortes de
raeia casemira a 29400, ditos de brim adamasca-
do braoco a 29500, lencos de la e seda a IJ00O,
grosdonaple muilobom a 29 o corado, chupos
de massa Qnos a 49, panno Gno boro a 3$500 o
covado, e oulras mais fazendas que vendem-se
por lodo e qualquer preco, e dao-se amostras
com penhores.
Presunto a 480 res.
Toucinho a 320.
Al pista e paiiiQo a 200 rs,
Na ra das Crures n. 24, esquina da Iravessa
do Ouvidor.
Vendem-se dos negras com as habilidades
de engommar e cozinhar, urna mulata mora com
20 anuo*, com alguraas habilidades, urna negri-
nha de 12annos, muito linda e esperta, urna ne-
gra de rueia idade, 3 negros de bonitas fig'iras
proprios para enxada por serem robustos : na
ra larga do Rosario o. 20, segundo andar.
/?ua do Queimado n. 1.
Para acabar, vende-se cassa miudinha fina a
2S0 rs. o covado. dita Rrauda a 240 o covado,
tiras borladas a 2J500, 39. 33500 e 49, la de cor
a 400 rs. o covado, c oulras mullas fazendas por
presos comraodos.
Veode-aa urna moenda de buxa, cora toda*
os mus preparos de moer de kesia pe* muda**
entjajnho para aua ; rer e (ratar. ae engeeM
ettWeaw, tetaao do Bonito, ea ru 4e Impe*-
dor n. 50, terceiro andar.
Fivelas.
O mais lindo e variado sortimento de velas
para cintos de senhora que se pode encontrar ;
vendem-se p de J. Falque, ra do Cre.epo n. 4.
9 Remed )s americanos |
DO BOUTOR
jRadway & ., de New-York|
| Prorapto alivio. ResolntiT
9 renovador. S
S Pilulas reguladoras, g
Estes remedios j sao aqu bem conhe- H
9 cidos pelas admirareis curas que tem ob- <8
ft tido em toda a sorte de febres, molestias #
chronicas, molestias de senhoras, de pe- #
W le etc., etc., conforme se v as inslruc- i%
Si roes que se acham (raduzidas em por-
tuguez A
**$ #$ ##
fSalsa parrilha legitima e*
J original do antigo
IDR. JACOBTOUNSENDf
|> 0 mclhor porificador do sangae
cora radien Intente
9 Erisipela. Phlisicas.
q Rheumatismo. Catarrho.
g Chagas. Dnencas de flgado. a
jg Alporcas. Effeilosdoasoogue. a
$ Impingeos. Molestias da pelle.
^ Vende-se do srmazem de fazendas de 2
g Raymundo Carlos l.eite Irmo, ra dj J
lmperatrizn 12. i?
S 9**> 9S99999999
Bomvinho deBourgogne
Na casa do Sr. Lecomle, ra da Imperatriz n.
7, tem vlnho superior em caixa de duzia, e por
preco razuavel.
'S Francisco Gonoalves de Moraes, doutor
O em medicina raudou a sua residencia pa- @
ra ra da l'enha sobrado n. 5, primeiro
33 andar.
Cera de carnauba.
Vende-se cera de carnauba de superior quali-
dade, em porcao e a retalho, por preco mais ba-
rato do que em oulra qualquer parte : na ra do
Queimado, loja de cera n. 77._____________
Novo sortimento
de cortes de chita franceza de padres
inteiramenfe noTOs tanto daros como
escuro* com 11 covado* pelo diminuto
preco de 2#500: na ra do Queimado
n <8 A, esquina da ra do Rosario lo
ja de Jos Mo reir Lopes.
Xarope peiteral brasi-
leiro.
O Srs. Jlo Souw & C, nicos possuidores
deste xarope j bem conhecido pelos seus bons
effeitos. continuam a vende-lo pelo preco de 13
cada vidro ; (aseas ama differenca no preco aos
collegas e a todas as pessoas-que lomarem de 13
vidros para cima.
[Ltnha americana a 100 rs.
de 200 jardas
branca e de toda3 as cores, estas linhas
| sao fabricadas para cozer em machinas
por serem muito fortes e iguaes sao as
melhores linhas que tem vindo a este
mercado.
[Retroz e trocal preto e de]
cores
tambem proprio para coser em machi-
nas, vera em carretela e vende-se.em li-
bra a 209 ou 2J um carretel de 12 em li-
bra : na ra da Imperatriz n. 12, princi-
pal deposito de machinas de cescr.
N. U. Como existe um grande sorti-
mento des tes objectos vende-se mesmo
a quem nao tem comprado machina da
cozer.
Vende-se urna morada de casa
terrea na ra da matriz da Boa-Vista :
a fallar na mesma ra sobrado que vol-
ta para a ra da Glorian. 33.
Ra do Crespo,
loja n. 25, de Joaquina Ferreira de S, vende-se
por pregoa baratissimos, para acabar : pecas de
cambraia lisa flna a 3$, organdys muito finas e
modernas a 500 rs. o covado, cassas aberlas de
hernias eorea a 240 rs., chitaa largas a 200 e 240.
coru* de cassa de cores a 2. enlremeios borda-
dos a J9500 a pega, babados bordados a 320 a
vita, sedinhas de qoadrs finas a 900 re., casa-
veque* de cambraia e fil a 59, peleadores de
cambraia bordados a 59, golliohas bordadas a
640, ditas com ponas a 29500, manguitos borda-
dos de cambraia e fil a 2. damasco de lia com
9 palmos de largara a I96OO, bramante de linho
com 5 palmos de largura a 900 rs. a rara, luvas
para senhora WO re. o par, capas de fusto en-
fetadas a 5ft, pecas de madapolao fino a 44, la-
zinha de quadros para vestidos a 320. camisus de
cambraia bordados 1 2, sobrecamas de panno
nao a 205 e B05, paletots de panno e casemira de
lfl a 20J, drtos de alpaca de 39300 a 89, ditos de
brim de coras e areos de 39500 a 58, calcas de
casemira pretas e de cores para todos ps precos,
ditos de brim de corea e brancos de 2$ a 59, ca-
misas brancas e de cores para todos os precos,
colletes de casemira de cores finos a 59 ; assim
como oulras meilas (atendas por menos do seu
valor para fechar contas.
Booels para meninos.
0 lempo 6 proprio para se comprar os bonitos
bonete de paaao fio* earfeitadoe cem fila de cha-
malote e serila, outros eofeiladoa com fila de
reliado e pluma, e outros com galozinho dou-
rado todos pelos baratissimos presos de 39500,
49 e 59, ditos de palha escara, mui bonitos e
uSSi" *'.g*"M 42,t,h br"ct
199W, e outros mu dlfterentes bonets de panno
epfeitados a 19 e 19280 : na rus do Queimado,
loja da aguia branca o. 18.
S99M99 9S*9a
Machinas de vapor.
# Rodjs d'agua.
9 Moendas de canaa.
0 Taitas.
9 Rodas dentadas.
9 Bronzes e aguilhdes.
9 Alambiques de ferro.
% Crivos, padres etc., etc.
Na ondieSo de ferro de D. W. Bovman,
ra do Brum passando o chafariz.
FUMO AMERICANO
ad^fJnn^ffn aro,za d^ raIaci.nh(,s embrulhados em chumbo: no centro coramercial ra da
3adeia do Recife n. 15, loja de Jos Leopoldo Bourgard.
tle
MU:
te-
Os proprietarios deste estabele-
dimito convidara ao respeiiavel publico, principalmente aoe amigos do bom abarato, auese
ashra em seu arraazem/de molhados de novaraente sonido de gneros, os melhores que tem
viii,!o a este cercado, por serem escolhidos por um dos socios na capital de Lisboa e por serem
a maior parle Jolles vtnaos por conta dos proprietarios
Gagos com eliampanlia
das melhores marcas que ha no mercado a 205000 e era garrafa s 29000.
Figos de comadre
om caixas proprias para raimo a 19000.
Barris com azcitoaas
os mais novos que ha no mercado a 1?2000.
Serveia branca
das mais acreditadas marcas a 59000 a duzia e era garrafa a 500.
Quecos amengos
recebidos pelo ultimo vapor de Europa a 39000
Qucijos navio
Qucijos snVsso
recenteraente chegado e de suqerior qualedade a 960 reisalibra.
Choco Vale
das raolhores autores de Europa a 900 rs. a libra em porcao a 830/*.
MarmeAada imperial
t alranAbr,%de-I,r0SraaS fabriean'de Lisboa emlatasde i a 2 libras a 800
r., era porcao de se fara algum abatiraento.
Ma^a de tomate
em latas de 1 libra por 900 rs.,era porcao vende-se a 850 rs.
Conservas francesas e Inglezas
as mus novas que ha no mercado a 70o rs. o frasco.
Catas de bolacinha de soda
ora diferentes qualidades a 19600 a lata
\.n\fev&.as francesas
.?'! n^asiT,91traI.^ndo a este mercado em compoteirae.eontendo 3 libras por 39000 r..
era tatas de 1 e I|2 libra por 19500 res prv.
Calxlnnas com 8 Vibras de passas
s 33000 rs. era porcao se fara algum abatiraento, vende-se tambem a retalhoa libra a 500 rs.
liantelga inglesa
parfeitaraanteflor a mais nova que ha no mercado a 19000 rs. a libra, em barril se far al-
gn abatiraento.
Cha perola
o malhor que ha ueste genero a 28500 rs. a libra dito hyson a 28000 rs.
Niantelga francesa
a 710 rs. a libra em barril se far abatimento.
euclnno de Lisboa
o mais novo quaha no mercado a 320 reis a libra.
Macas para sopa
em caxinhas de 8 libras com deferentes qualidadespor 48000 rs.
Tambera vendera-seos seiruintes gneros, tudo recen temen te ehegado e de superiores qua-
lidades, presuntos a 480 rs. a libra, choorics muita nova, mermelada do mais afamado fabricante
de Lisboa.maca de tomate, perasecca, passas, fructas em calda, araendoas, noze, frascos com
amendoas cobertas, confeites, pastilhas de varia cualidades, vinagre>anco Bordesux proprio
para conservas charutos dos melhores fabricantes de San Flix, macas de todas as qualidades,
gomraa rau.to fina, ervilhas francesas, champagne das mais acreditadas marcas, cerrejas de ditas,
spermacete barato, licores francezesmuito finos, marrasquino de zara, azeiledecepurificado aze-
tonas muito novas, banha de porco refinada e outros rauitos gneros qne encontrarlo tendentesa
molhados, por .sso prometiera os proprietarios venderem por muito menos deque outro qualauer
proraettem mais tambera serv.rera aquellas pessoas que mandarem por oulras pouco ptaticas como
se viessem penalmente; rogara tambim a ledos os sen hores de engenbo e sennoreslavradores
quetram mandar suas encoraraendas.no armazem Progresa,que selhes affianca a boaqualiia'de e
o acondicionamento, M
Vinho do Porto, genuino,
Rico de 1820.
Stomacsl de 1830.
Precioso de 1847.
As duzias.e em caixinhas, a dinheiro, por ba-
rato preco : vende-se na ra do Trapiche n. 40,
escriptorio.
Bolsas de tapete para
viagens.
Vendem-se mui bonitas bolsas de tapete pro-
prias para viagens, etc., etc., pelos baratissimos
precos de 59, 69 e79 : na loja da aguia branca'
ra do Queimado o. 16.
Farinha a 3#500.
Vende se no armazem da ra da Madre de Dos
o. 35, saceos com boa larinha de mandioca, de-
sembarcada hontem, pelo barato preco do 3S500
cada sacco.
Milho novo a 4#000.
Vendem-se milho novo em saceos grandes, pe-
lo prego cima ; no armazem da ra da Madre
de Dos n. 35.
Kna do Queimado n. 39
Loja de quatro portas
DE
JOAQUIM RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Ha cortes de vestidos de seda de cores, fazenda
muito superior com pequeo toque de mofo a
608000, ditos sem defeito a 1009000, tem um
resto de chales de toquim que estac-se acabando
a 309000, ditos de mirin bordados com ponta
redonda a 89000, ditos sem ser de ponta redonda
a 88000, ditos estanpados com listras de seda
em roda da barra a 99000, ditos de ricas estam-
pas a 78000, ditos de ganga franceza cora fran-
ja branca a 29000, ditos sera franja e muito
encorpado a 29000, ricos manteletes de grosdi-
naples preto e de cores ricamento enfeitados a
259000, ditos muito superiores a 308000, en-
feilesde vidrilho preto a 39000, ditos de retroz
a 39500, organdis da mais fina que ha no mer-
cado a 19000 o covalo, cambraias decores
de padres muito delicados a 800 rs. a vara, ditas
de oulras qualidades a 600 rs. avara, ricas chitas
farncezasde muito boas qualidades a 280, 300,
320, e 400 rs. ao covado, a melhor que se pode
imaginar, pe tos para camisa a 240 rs. cada una,
corles de casemira de cores a 68000, ditas em
pesja de quadrinhosa 48000 o covado, golliohas
de muito bom goslo a 19000, ditos de outros
bordados ricos a 3#000, manguitos de cambraia
bordados a 39000, tiras bordados e entrimeios
quesevendem por preco commodo, bombazil de
cores proprio para roupa de crianzas, e capinhas
para senhoras a 19400 rs. o covado, cortes de
cambraias de salpicos a 58000, cortes de cam-
braia enfeitadas com tiras bordadas a 69000,
e outras muilas mais fazendas que ser difcil
aquipode-las mencionar todas.
Anda contina a estar para se vender, per-
mutar por casa uesta cidade, e em ultimo caso,
arrenJa-se a quera lzcr as obras e concerlos que
a casa precisar, sendo descontada a quantia gasta
do aluguel que tiver de pagar, o sitio da travessa
do Remedio, na freguezia dos Afogados n. 21:
quera o pretender, entenda-se com seu propie-
tario na ra de 8. Francisco, como quem vai pa-
r a ra Bella, sobrado n. 10, ou na alfaodega
aonde empregado.
Relogios.
Vendem-se em casa de Braga, Silva & C, re-
logios de ouro de diversos fabricantes inglezes,
por preco commodo.
Chega para todos.
Cassas francezas muito bonitas e de cores fixas
a doze vintenso covad, mais barato do qne
chita, approveitem em quanto nao se acabara :
na ra do Queimado n. 22, na bem conhecida lo-
ja da Boa F.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P. Jo-
hnston & C. ra daSenzala n.i2.
Cheguem ao barato
O Preguica est queimando, em sua loja na
ra do Queimado n. 2.
Pegas de bretanha de rlo com 10 varas a
28, casemira escura infestada propria para cal-
a, collete e palitots a 960 rs. o covado. eam-
brala organdy de muito bom gosto a 480, rs.
a vara, dita liza transparente muito fina a 38,
49, 58, e 68 a peca, dita tapada, com 10 varas
a 58 e 68 a pega, chitas largas de modernos e
escolhidos padres a 240, 260e 280 rs. o cova-
do, riqussimos chales de merino estanpado a
7* e 8f, ditos bordados com duas palmas, fa-
zenda muito delicada a 99 cada um, ditos com
urna s palma, muito finos a 89500, ditos lisos
com franjas de seda a 58, lencos de cassas com
barra a 100, 120 e 160 cada um, raeias muito
finas para senhora a 48 a duzia, ditas de boa
qualidad a 39 e 38500 a duzia, chilas fran-
cezas de ricos desenhos, para coberta a 230 rs.
o covado, chilasescuras inglezas a 59900 a
pe$a, e a 160 rs. o covado, brim branco de puro
linho a 18, 18200 o 100 a vara, dito preto
muito encorpado a 18500 avara, brilhantina
azul a 400 rs. o covado, alpacas de differentes
eres a 360 rs. o covado, casemiras pretas
flnasa 2f50O, 38 e 39500 o covado, cambraia
prea e de salpicos a 500 rs. a rara, e oulras
muitas fazendas qu se far patente ao compra-
dor, e de todas se darao amostras jom penhor.
240.
Cassas de lindos padres e cores fitas que se
pode garantir aos comprados, j 240 rs. o covado,
na ra do Queimado, loja de 4 portas n. 39.
As verdadeiras luvas de
Jouvin.
A loja da aguia brancas acaba de receber de
sua encom lenda as verdadeiras luvas de Jou-
vin, prime! a qualidade, tanto brancas como pre-
tas para ho nem e senhora : quem precisar, diri-
ja-se a dita loja da aguii branca, rna do Quei-
mado n. 16.
Assucar e caima.
Vende-se assucar mascavado a 100 rs. a li-
bra, agurdente de caona engarrafada a 240 a
garrafa ; na travessa do paleo do Paraizo n. 16,
casa pintada de amarello.
Esleirs da India de 4, 5
e 6 pamos de largo.
No armazem de tazendas da ra do Queimado
o. 19, propriamente para forro de salas e camas
por ser di melhor qualidade, e todas brancas
Chales,
Ricos chales de merino eslampados, de cores
muito bonitas a 79, ditos muito Qnos a 89500,
ditos lisos a 59, ditos bordados a matiza 8950o,
na ra do Queimado n. 22, loja da.boa-f.
Tachas e moendas
Braga Silva & C., tem serapre no seu depo-
sito da ra da Moeda n. 3 A, um grande sorti-
mento de tachas e moendas para engenho, do
muito acreditado fabricante Edwin Maw a tra-
tar no raesrao deposito ou na ra do Trapi-
che ri.4.
(apellas e flores.
Mui bonitas cappllas para noivas a 59, 69 e 7$,
ditas para meninas a 23. bonitos e delicados cai-
xos de flores fln3s a 1J500, 29 e 3* : na ra do
Queimado loia da aguia branca n. 16.
GUINDE SORTIMENTO
DE
Fazendas e roupa feila
NA LOJA E ARMAZEM
1
Na loja da boa f, na ra
do Queimado n. 22,
vende-se muito barato.
Cambraia liaa fina com 8 i\t raras cada peca a
49500, dita muito flna com salpicos a 59, dita de
coreado padres muito bonitos a 320 o covado,
corles de cassa pintada com 7 varas a 29240, fil
de licho liso muito fino a' 800 rs. a vara, tarlaia-
na muito flna brfebea e de cores com 1 1|3 vara
de largura a 800 rs a vara, guarnieres de cam-
braia (manguitos e golla] bordadas muito finas a
59, gollinhas bordadas de cambraia muito fina a
19, esparlhosmoito superiores pelo baratissimo
prego de 6J, penles de tartaruga a imperatriz
muito superiores a 99, bonets de velludo para
meninos a 5$, ditos de panno preto a 3J, sapati-
nhos de merino muito enfeitados a 2J o par, chi-
tas francezas fins escuras e claras a 280 o cova-
do, cortes de cambraia de cores com 3 babados
com 11 e 12 varas cada eorte a 49500, superiores
longos de cambraia de linho muito flna e rica-
mente bordados a 9J, ditos de cambraia de algo-
do cora bico de linho a 19280, ditos de cam-
braia de linho proprios para algibeira a 69, 7e
09 a duzia, ditos de cambraia de algodo a2J(400
e 39 a duzia, tiras bordadas largas e finas com 3
1(2 varas cada pe?a a 2S5O0, e assim outras mui-
tas fazendas que vendem-se por precos muito
baratos : na ra do Queimado n. 22, na bem co-
nhecida loia da boa f.
Vende-se
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitos paraca misas,
Biscoutos
Emcasade Arkwight 4 C, ruada
Cruzn. 61.
DB
Joaqoim Rodrigues Tavares de Mello
RA DOQEIMADO N. 39
EM.SUA LOJa OB QUATRO P0R1AS.
Tem ura corapletosortiraento de roupa feila,
convida a todos os seus freguezes e a todos
quedesejarera ter um uniforme feito cem todo o
gosto dirijam-se a este estabeliciraenlo que em-
contrario um habel artista ehegado ltimamen-
te de Lisboa para desempenhar as obras a von-
tade dos freguezes, j tem um completo sorti-
mento de palitots de fina casemira modello im-
glez, e rauito bera acabados a 169300, ditos
de merino setira a 125000, ditos de alpaca
pretos a 53OOO, ditos de alpaca sobre casacas
a 89000, ditos com golla de velu a 99000,
ditos de fusilo, ditos de ganga, ditos de brim,
ludo a 530 .0, ditos de brim de linho tranc'a
do a 69000, calca de brim de linho muito 8U_
perior a 59000, ditas de casemira de cor a
93000 ea 103000, ditas de casemira pre-
la superior fazenda a 129000, palitots fran-
cezes de panno Sno fazenda muito fina a 253
sobre casacas de panno muito superiores a 353
ea 409000, ura completo sorlimenlo decami-
sas fracezas, unto de linho como de algodo
efustao vende-ge muito em canta, afim de que-
rer-seliqiudarcom as camisas.
Vende-se urna grande propriedade aila na
Passagem da Magdalena, entre as duas pontes,
com mullos commodos para familia, e outros pa-
ra alujar, que peder Jar de rendimento 1:4009
annunaes, sendo os chaos proprios. e achando-
se reedificada ; quem pretender, dirija-se a ra'
Oireita, loja de funileirc n. 47. a tratar com Jos
Antonio de Carvalho.
Por metade do seu
valor.
Ra do Queimado n. 19.
Vestidos de gaze e phaniasia, muitoslindos.de
duassaias, pelo baratissimo preco de 10 cada
um corle.
Caniluraias
Farinha a 3S500
Vende se farinha de mandioca a 3^(500
a sacca: na ra da Madre de Dos nu-
mero 35.
i Seguro contra Fogo (
{ COHIPANHIA |
' MT)!
LONDRES
AGENTES
C. J. Astley A Gompanhia.
Vende-se
i
para
Formas de ferro
purgar assucar.
Euchadas de ferro.
Ferro sueco.
Feringardas.
Ac de Trieste.
Pregos de cobre de com-
posieo.
Barrilha e cabos.
Brim de vela.
Couro de lustre.
Palhinha para marcinei-
ro : no armazem de C.
J. Astley 4 C.
Ouni 039C9E
ao n m .-a sm sb
RELOGIOS.
baratas.
19 Ra do Queimado 19
Cortes de cambraia branca muito fina com sal-
picos miudiohos a 43600.
Cambraieta para vestido, muito fina, pelo ba-
ratissimo prego de 29601), 2800,3$ e 3*500 cada
pe?a.
Baldes de mussulina, ditos arrendados, ditos
Vende-se emjasade Saunders Bro hers&
C. pracado Corpo Santo, relogios do afama
io abncante KosWell, por presos commodos
a tambemrancellins e cadeasraraoa meamos
deezceellnte costo.
Para acabar.
Pecas de cambraia de flores a 3J500 a peca
chita franceza clara e escura a 260 rs. o covado'
grvalas Je Jinho a Pineau e de sellm a 500 rs '
grosdenaple preto a 1*900, 28200 e 28400 o co-
vado. orles de cambraia de cores a 2*200, ali?o-
dSo com 20 jardas a 3 e 3300, e 4900 com 22
jardat.chapeos de sol de panno a 1800, diios de
fellro para cabesa a 4e 2J800. meias para se-
nhora a 3J500, o 3*800 superior, algodo de duas
larguras a 600 rs. a vara, chales de laa escuros
a 1800, brins miudos a 160 o covado, ditos de
linho puro branco fino a 1JJI00 a vara, camisa
onoeza de cores a brancas a 19700, madapolio
a 38300, 4850O e 55 a peca, e oulras muitas fa-
zendas que vista do comprador far f : na loia
da ra do Passeio Publico n. 11.
Vende-se a taberna sita na ra Augusta
confronte ao chafariz n. 114. '
As melhores machmas de co-
zer dos mais afamados au-
tores de New-York, Siuger
& C, Whecler fe Wilsou e
Slot C Estas ma-
chin aa fue
sao as melho-
res e mais
d u radouras
moslram-se a
qualquer hora
e ensina-se a
irabalhar as
casas dos com-
pradores ga-
ranlindo-se a
sua boa quali-
dade e d*jra-
tjio: no depo-
sito de ma-
chinas de
RaymuBdo Carlos Leile & Irmao, ra da Impe-
ratriz n. 12, adtigamente aterro da Boa-Vista.
Bonitos cintos para senho-
ras e meninas.
Ka loja da agvia branca vendem-se mui boni-
tas fitas com velas para cintoa de senhoras e
meninas, e pelo baratissimo preco de 1$ : em
dita loia da aguia braaca, ra do Queimado nu-
mero 16.
Objectos de gosto
senhoras e meninas.
A loja da aguia branca reeebcn om bello aorti-
menlo de objectos da muito gasto e ultima ase-
da, proprios para senhoras e meninas, sendo de-
Iteadaa gollinhas e volts* de vidrrrne, voltea de
coral e cornalina com atacador de ato, asura-
do obra inteiramente nova e de muito goato, e
pelos baratissimos precos da 28 cada objeclo :
na ra do Queimado, roja a aguia branca nu-
mero 16. ,
Perfumaras
novas.
A loja da aguia branca acaba de receber de sva
propria cncommenda um lindo e completo sorti-
mento de perfumaras fioaa, aa quaea est ven-
dando por menos do que em oulra qualquer par-
te : sendo o bem conhecido oleo philocome e ba-
nha (Societ Hygieniqu*) a 1 o frasco, finos ex-
tractos em bonitos frascos de cores e dourados a
28,25500,38 e 48, a afamada banba transparen-
te, e outras igualmente finas e novissimas como
ajaponaiseem bonitos frascos, cuja lampa de vi-
dro tambero cheia da mesma, hwile concrete,
odonnell, principe imperial, reme, em bonitos
copinhos com tampa de metal, o muilas outras
diversas qualidades, todas estas a 18 o frasco
bonitos vasos de poreellane dourada proprios pa-
ra offerla a 2 e 2*560, bonitos bahuzinhos ceta
9 frasquinhoa de cheiro a 2, lindas cestinhas
com 3 e 4i frasquinhos. e caixiohas redondas cam
4 ditos a 15200 e 18600. finos pos para denles e
agua balsmica para ditos a e 18500 o frasqui-
nho ; e assim orna infinidade de objectos que sao
patentes em dita loja da aguia btaoca, na ra do
Queimado n. 14.
Ra daSenzala Novan.42
Vende-se era easa da S. P. Jonhston 4tC,
sellinse silhes nglezes, candeeiros e casticaes
bronzeados, lonas ngleies, fio de vela, chicote
para carros, e monera, arreios para carro de
um e dous cvalos relogios de ouro patente
inglez.
Gurgel & Perdigo. j"
MRua da Cadeia loja n. 23.1
Receberam nctdernos vesiidos de phan- '
^ tasia e de cambraia brancos bordados.
5 Receberam novos vestidos de seda, di-
g> tos de blonde com todos os pertences.
Receberam completa sortimento de
manteletes, sahidas de baile, taimas de
croie de seda, ditas pretas bordadas.
Vendera modernos chapeos de palha,
enfeites modernos para senhoras.
Vendem as commodas saias balao de
mussr-lina e culim para senhoras e me-
ninas.
jK Vendem seda de quadrinhos, grosdena-
K pies, escuros, ditos de quadrinhos,morean-
m tique e lanzinhas em covado, cassas de
*), salpico,cambraia de cores.organdis e mais
^g fa?endas proprias para vestidos.
Vende-se urna eacrava moca, reforcada e
com algumas habilidades ; na ra do Brum nu-
mero 33.
Vende-se
EU CASA DE
Adamson Howie & G.
Vinho do Porto de superior qualidade.
Tinta de todas as corea.
Lona e flele.
Fio de vela.
Sellins.silhoes, arreios e chicotes.
Rolhas.
Ra do Trapiche n. 42.
Machinas ameri-
canas
E OUTROS ARTIGOS.
N. O. BIEBER & C. SUCCESSORES;
tem exposto nos seu armazens da ra
da Cruz n. 4 e 9, urna infinidade de
machinas etc., como sejam :
ARADOS de difieren tes modelos, tr aba-
leando de 2 lados.
CULTIVADORES para limpar e abrir a
trra.
M01NHOS para cana em ponto peque-
no, podendosergovernadaspor urna
pessoa. propria* para lavradores.
Ditas de DESCAROCAR MILHO, um
processo pelo qual se poupa muito
tempoe emprega-se somente 2 pes-
soas,
Ditos de MOER MILHO, CAFE etc.,
etc. at o grao mais fino que houver.
Ditos para FAZER FARINHA de mi-
lho etc.
MACHINAS para fazer BOLACHINHA.
BOMBAS para cacimbas e
navios, mito maneiras e
de forca superior per
mdicos precos.
Ditas com correntes para
tirar agua de lugares
mui fundos.
VERNIZ de superior qualidade nara
' carros. r
CARROS de m3o muito leves e baratos
BALANCAS de 1,000 libras para bafxo
proprias para armazens, depsitos,
tabernas, boticas etc., etc.
MAPPAS geographicos do mundo e
uas partea.
MACHINAS de costura de Sivat A C as
melhores que at hoje tem appare-
Entremeios e liras
bordadas.
&3i*,:ess peios *& Vio! d


DlitIO M IWAM*UC. GWWM fUU 44 Al JKtfRO D* 1861.
J*"'*
W
1
Calcado,
Qualidades escolhidas.
4^-Ri Direita-45
Eis a {esta I necessario renovar o calcado 6
correr ao eslabelecimeoto da ra Dlreiia, que o
reade muito fresco e em pereilo estado por es-
tea presos :
Borzeguios de hornera (bezerro e lastre) 9(500
Ditos de dito idem) 9gOOO
Ditos dedito dem) 8$500
Ditos dedito idem) 8J0UQ
Ditos dedito dem) 69OOO
Borzeguios de senhora 59000
Ditos de dita 498OO
Ditos de dita 49500
Ditos de dita 4J000
Sapa loe* de bezerro (3 1(2 batera) 5&600
Ditos de dito e de luatre 59000
Meios borzeguios de homem 6g00O
Borzeguios de menina 4(000 e 3*600
Sapates de bezerro para menino 49 e 39500
Sapatoa de lustre para senhora a 1(200
Feijomulatinho.
Na ra da Madre de Dos a. 18, largo da al-
ia ndega.
Vendem-ie noventa apolices da
companhia do Beben be : Da ra Nova
n. 14, primeiro andar.
Lindas caixinhas de eos-
\GHi\
DA
(ora.
HJNDICiO LOW-MOW,
Ra 4a Seutlla Nava a. 42,
Neste eslabeleciment contina a haver um
completo sortiment de moendas e meiai moen-
das para engenho, machinas de vapor e leixas
te/erro batido e coado, de todos os lmannos
para dito,
Potassa daRussia e cal de
Lisboa.
No bera conheeido eacreditado deposito da
ra da Gadeia do Recife n. 12, ha para vender
verdadeira potassa da Russia nova e de superior
qualidade, assira como lamben) cal virgem em
podra, ludo por procos mais baratos do que em
oulra qualquer parte.

Vcndem -se escravos.
i
Na loja da aguia de ouro, ra do Cabug n. 1
B, vendem-se as lindas caixas de costura pro-
prias para mimo, assim como pianiohos com a
s ja competente msica, quadros dotuados, tan-
tos de santos como de retratos, proprios para en-
eite de sala, jar;os com (lores muito lindos, es-
tampas tanto de guerras como de vistas decida-
des, caixas de msica com lindas pegas, realejos
grandes com 30 pegas compostas de valsas as
mais modernas, ludo isto se vende por precos
commodos.
Vendem-se 5 carros novos com todos os fie
arreios : na ra Nova n. 21. @
Ceblas.
Vende-se a 640 e 800 rs. o cento ; na travessa
do pateo do Paraso n. 16, casa piniada de ama-
relio.
Ra do Queimado
n. 39.
Loja de quatro portas
DE
JOAQUIM RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Chegou ltimamente a este estabelecimento um
completo su runenlo de chapeos pretos francezes
do mjlhor fabricante de Paris, os quaes se ven-
dem a 79000, ditos a 89000, ditos a 99000
ditos muito superior a 109000, ditos de castor
pretos e brancosa 169000, o melhor que se
pode desejar, chapeos de feltro a Garibaldi de
muito superior massa a 79000, ditos de copa
baixa para diversos precos, ditos de palha escura
de varias qualidades que se vendem por prego
barato, bonets de veludo para meninos a 59000,
ditos de palha escuras e claras a 49000, ditos
de panno muito bem arranjades a 39500
chapeos deseJa para senhoras a259000 muito,
superiores, ditos de palha escuras proprios para
campo a 129000, ditos para meninas a 109000,
chapeos de sol de seda inglezesa 109 e a 129
muito superiores, ditos francezes a 89000,
ditos de panno muito grandes e bons a 49000.
sapatos de voludo a 29000. ditos de tranca a
19SOQ, sintos de gruguro para senhoras e me-
ninas a 29000, coeiros de casemira ricamente
brdalos a 123000, e outras muila fazendas
q 13 a vista dos freguezes nao deixaro de com-
prar.
Ven Je-so dous bon3 escravos, sondo um
cozinheiro : trata-so na ra larga do Rosario
n. 23.
fina do Queimado n, 27,
loja de miudezas de 3
portas, frente amarel la
Fronhas grandes de labyriotho.
Ditas pequeas.
Lengos de linho.
Toalhas todas de labyriotho.
Bicos c rendas da Ierra.
Eofeiles de vidrilho a 29500.
Manguitos com gollinhas a 2g500.
Gollinhas pretas de vidrilho a 19500.
Seda frxa para bordar, a meada a 60 rs.
Franjas brancas e do eores para cortinado, pe
ca a 35400.
Carleiras grandes para letras.
La para bordar, a libra 69OQO.
Espelhos grandes para salas por barato prego.
Casaroques de fustao braocos a 89.
Fitas lavradas de todas as cores e larguras.
Jarros do porcelana para sala.
Meias muito bara-
tas.
A loja da aguia branca est prvida de urna
grande quantidade de meias, e melhor aortimen-
to que se pode dar, e por Uso est veodendo-as
mais barato do que em cutra qualquer parle ;
seodo meias cruas encorpadas, de abaohado ou
bocal elstico para homem a 2^500, 3$, 3$500, 4$,
4$3U0 e 59 a duzia, ditas ioglezas o melhor que
se pode.encootrar a 69 e 69500, ditas de 60 de
Escocia ponta encarnada imitandoseda a 800 rs.
o par, e de cores a 640 e 800 rs., ditas brancas
mu finas e tapadas a 2)400, 3&500 e 59, e fins-
simas a 89 a duzia, ditas brancas finas e fio unido
para senhoras a 49,4S800, 59500 e 69500, e de
fio de Escocia primeira qualidade a 89500 a du-
zia, ditas de seda brancas e pretas a 25500, 3#,
3j00 e 4$, ditas cruas mui encorpadas para me-
ninos a 200 e 240 rs. o par, ditas brancas e de
cores a 240 e280 o par, ditas para meninas a 39
a duzia, ditas de seda para bapsado a 29 o par,
ditas de laia e de seda para padres a 29, 3$ e 49
o par. Emlim vista de tantas e diversas quali-
dades, o melhor approveilar-se a occasio, e
dirigir-se a ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16, que ser servido com agrado e since-
ridade.
FROCO.
Vende-se frco de todas as cOres e grossuras,
com rame e sem elle a 400,500, 640 e 19 rs. a
pega ; na ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16.
Grammatica in-
>za de Ollendorff.
Noto methodopara aprender a lr,
a escrever e afaUaringlezem 6 mezes,
obra inteiramente nova, para uso de
todos os estabelecimentos de instruc-
qIo, pblicos e prticuiarei. Vende-
se napraca de Pedro II (antigo largo
do Coltegio) n. 37, segundo andar.
Na encyclopedica
E admiravel
Vende-se na loja da
ra do Crespo
DE
Guimaracs& Villar.
Chapeos de seda braocos edr de caf,
cor de rosa c outras cores delicadsi-
mas a 159 e209, parece incrivel.
Mimos de yy.
Riquissima fazenda propria para vesti-
dos de senhoras do bom tom a 500 rs. o
covado.
Las para vestidos de senhora a 360 rs.
o covado.
A Garibaldi.
Riquissimas cassas e cortes de las a
Garibaldi.
Algodo nwDSro.
lgodo monstro com duasla.D
I para toalbas e leogdes por dispeu- i 8'" de 30 annos, que coznha
ualquer costura, pele baratissimo 6W, boas ensaboadeiras,
a. a vara ; na roa do Queimado n. no*. molequ de 15, 1 neg
Um aaulelioho de 18 aonos, boleeiro, 1 dito e
Vende-se algodo monstro com duaslarguras, 1 6 anD.081or 30* C0IB ua> pequeo defeilo, 2 oe-
muilo proprio para toalbas e leogdes por dispen- i graa de 30 aaaoa. que cozinba o diario de urna
Mr toda e qualquer costura, pe* baratissimo eaia.eaaa boas ensaboadeiras. 1 negro de 20 ao-
preco de 600ra. a vara : na ra do Queimado n. no". molequ de 15, 1 negra d 24, ambos
22, oa loja da boa f.
BASTOS
glei
A 15,000.
Manteletes de fil de lioho goslos in-
teiramente novos e proprios para a qua-
|$j resma fezenda que se tem vendido a 359
SE e 409 para acabar.
f> Cassas de cores a 240 rs. o covado e
|fe corles de cassa com 20 e 22 cavados a
P 359e outras muitas fazendns de apurado
2 goslo e por pregos baralissimos.
UIMfl'&^aaaK^jIftlA &L2 t"^ ^gj/a auj/a m.iwa **.*
Vende-se um moleque de 16 annos, forte,
sem virios e dcfcilos, para todo o servigo : na
ra das Cruzes n. 18.
Em casa de Dammeyer
Carnciro $ C ra da
Cruz n. 49, vende-se;
Livros em branco do melhor fabri-
cante da Alloman lio.
Prensas para copiar cartas-
Livros para ditcs.
Milho e farinha.
Na ra da Madre de Dcos armazem n. 8, ha pa-
ra vender-se saccas de milho muito novos a
3950O e 49 e farinha a 53, 5}500, 49 e 39500.
Attengo.
Vende-se um sitio 00 lugar Peres, no qunl tem
urna padaria, e boa casa para familia, c bstanles
fructeiras : fallar na ra do Queimado n. 65.
Grande "pechincha
a 640 rs.
Fustao branco patente de superior qualidade a
640 rs. o covado ; vende-se Da ra Nova o. 42,
defronle dtj, Conceigo dos Militares.
Chapeos pretos.
Recebeu-sc urna factura de chapeos pretos,
pello de seda, propiiospara a quaresma, recom-
mendaveisnao s pela sua excellenle qualidade,
como pelo modernismo do goslo : na ra Nova
n. 42, defronte da Conceigo dos Militares.
A 10$ a peca,
de finissima cambraia adamascada para cortioa-
dos, com 20 varas cada pega : vende-se na ra
Nova n. 42, defronte da Conceigo dos Militares.
baratissimo.
Cortes de vestido de cambraia branca muito fi-
na com 3 e4 babados, ricamente bordados, pelo
diminuto prego de 8$ cada ura : na ra Nova nu-
mero 42, defronte da Conceigo dos Militares.
Calcado barato, na praca da
Independencia, loja de Joa-
quim Pereira Arantes.
Borzeguins elsticos, gaspiados, de verniz, a
79000.
Meios botuis de bezerro a 79.
Sapsioes de lustre a 39.
Dilos de Nantes a 49.
Sapatos de entrada baixa com salto a i?.
Ditos de lustre para danga a 3$.
Ditos de tranga aljj.
Ditos de bezerro para menino a 2{500.
Botins de bezerro a 39.
Borzeguins elsticos de cor para senhora a 4$.
Ditos pretos sem salto para senhora a 4.
Sapatos de borracha para homerr, senhora e
meninos a 29.
Veode-se urna calecba nova, sem arreios :
na ra Nova n. 59, cocheiradeP. Eduardo Bour-
geois.
Livros para oscripluraco.
Chegou ltimamente, um novo sortimento de
livros em branco, de muito superior qualidade.
Vende-sena livraria econmica junto ao arco
de Santo Antonio.
Enfeites de velludo, ultimo
gosto.
A loja da aguia branca acaba de receber mu
bonitos e delicados eufeiles de velludo, obra de
toda perfeigo e ultima muda : vendem-se a 109
e 129: quem os vir nio hesitar de os comprar;
vendem-se tambem outres de velludo e troco a
3$, 4f e 5|: na ra do Queimado, loja da aguia
branca a. 16.
jjBfe Re.og.os S
Suissos.
Em casade Schaleltlln & C, ra da Cruz n.
38, vende-se um grande e variado sortimento
de relogios de algibeira horisontaes, patentes,
chronometros, meioschronometros de ouro, pra-
la dourada e {oleados a ouro, sendo estes relo-
gios dos primeiros fabricantes da Suissa, que se
TonderSo^or prego, razoareis.
que ouir'ora lioha loja na ra do Quei-
mado n. 46, que gyrava sob a firma de
Gea & Bastos participa aos seus nume-
rosos freguezes que dissolveu a sociedade
que tinba com o meimo Ges teodo sido
substituida por um seu mano do mesmo
nome, por isso flcou gyrando a mesma
Arma de Ges & Bastos, assim comoapro-
veila a occasio para annunciar abertura
do seu grande armazem na ra Nova jun-
to a Cooceigao dos Militares n. 47, que j
passa a gyrar sob a firma
DE
Bastos ( Reg I
eom um grande e numeroso sortimento de 1
roupas feitas e fazendas de apurado gos- ]
to, por pregos muito mjdificados como j
de seu costnme, assim como sejam : ri- 1
eos sobrecasacos de superior panno fino!
preto o de cor a 25$, 28$ e 309, casacas <
do mesmo panno a 309 o 359, paletots
sobrecasacados do mesmo panno a I83,
20$ e a 22$, ditos saceos de panno preto a I
125 e a 14$, ditos de casemira de cor
muito fina modelo inglcz a 9$, 10, 12
e 149, ditos de eslamenha fazenda de
apurado goslo a 59 e 6$, ditos de alpaca
preta e de cor a 49. sobrecasacos de me-
rm de cordao a 85, ditos muito superior
a 129. ditos saceos a 59, dilos de esguio
pardo fino a -, 49500 e 5$, dilos do fus-
tao de cor a 39, 39500 e 49, dilos crn-
eos a 490OO e 55510, dilos de brim pardo
fine sueco a 2$80O, caigas de brim de cor
finas a 39. 39500, 4$ e 4$500, ditas de di-
to brinco finas a 5$ e 69500, ditas de
princeza proprias para lulo a 4$, ditas do
merm de cordao pelo lino a 59 e 69,
ditas de casemira de cor e preta a 89, 9
e 109, rlleles de casemira de cor e pre-
ta a4$500e59, ditos do seda branca pan
casamento a 59, dilos de brim branco a
39 e 49, dilos de cor a 3, collelcs de me-
rino para lulo a 4$ e 49500, ricos rob-
chambres de chita para homem a 108,pa- S
lelols de panno fino para menino a 12$ e J>
149, casacas do mesmo panno a 15$,calcas %L
de brim e de casemira para meninos, pa- **
letols de alpaca ede brim para os mesruos, |n
sapatos de lranga para homem e senho- K
. ra a 19 e 19500, ceroulas de bramante a le
189e 209 a duzia, camisas francezas D- %>
as de cor e brancas de novos modelos a
17$. 189, 21)9, 24$. 289 e 309 a duzia, %.
diUs de peilos ae linho a 309 a duzia, di- ^
tas para menino a 1)800 cada urna, ricas Ut
grvalas brancas para casamento a 1;800 $
e29 cada urna, ricos uniformes de case- tt
mira de cor de muito apurado goslo tanto 3>
no modello como na qualidade pelo di- |l
minuto prego de 35$, e s com avista se 3p
pode reconhecer que barato, ricas capas |E
de casemira para senhora a 18( e 209, ^
e muitas oairas fazendas de excellenle ap
goslo que se deixam de mencionar quo jx
por ser grande quantidade se torna en- mt
S fadonho, assim como se recebe tada e S
w qualquer encommenda de roupas feitas, w
m P*ra o que ha um grande numero de fa- *
zendas escolhidas e una grande ofiicina ^j
yi> de alfaiale que pela sua promplidao e per- a
j feigo nada deixa a desejar.
WSay8'^*^!-*^iiS-'i SiiaHKaiv21*,a
psra o aervice de campo, 1 moleque perito co-
peiro de 18 annos, e outroa escravos que se
acham venda no Bscriptorio de Francisco Ma-
thiaa Pereira da Costa, na ra Direita o. 66.
Barato que admira.
Superiores corles de chita franceza larga de
muito liedos padrees, de cores escuras o claras,
miudtnhas, com 11 covados cada corle, pelo ba-
ratissimo prego de 2|500; na loja do sobrado de
4 andares na ruado Crespo o, 13, de Jos Mo-
rena Lopes.
Espirito de vioho.
Vende-se de 29560 a 298OO a caada : na tra-
vesa do pateo do Paraso n. 16, casa pintada de
amarello.
Cofres de ferro para dinheiro,
joias. etc., etc.
Na luja da aguia brinca vendem-se bonitos co-
fres de ferro mui fortes e seguros, com techadora
e chave, e de differentes lmannos, proprios para
se guardar dinheiro, oias e papis de importan-
cia, pelos baralissimos precos de 4$50O, 5$000,
59500 e 6$ : em dila loja da aguia branca, ra
do Queimado n. 16.
Vende-se na cidade do Aracaty urna casa
terrea com solo, bom quintil e cacimba, oa prin-
cipal ra de commercio, propria para quem qui-
zer ali estabelecer-so, por ter nao s6 commodos
precisos para residencia, como tambem loja, arma-
zem, etc.: a tratar na mesma cidade com os Srs.
Gurgel Irmos, que cstao aulorisados para esso
lim, ou nesta praga na ra do Cabugi, leja n. 11.
A 9,000 a arroba.
Veride-se cera de carnauba da velha
e nova safra a proco de 9f: no antigo
deposito do largo da Assembla n. 9.
Cravos brancos
No primeiro andar do sobrado da ra Imperial
n. 195, vendem-se cravos em pequeas e grandes
porges a 40 rs. cada um, e tambem se recebem
encmmendas para dias marcados,
Vende-se urna escrava crioula, de idade 30
a 35 annos, pouco mnis 00 menos, cozinha, en-
saboa, engomla, faz reoda, cose chao, refina
assucar, ludo com limpeza ; quem preleader,
dirija-se a ra da Cruz o. 33, primeiro andar.
lmagcns de Lisboa.
Na ra da Gadeia n. 25, trocam-se as seguin-
tes iroagens : Santo Cbristo em agona, de 2 1|2
palmos, S. Juao Baplisla de 5pollegadas, S. Ono-
fredel]2 palmo.
Relogios.
Vende-se em casa deJohnston Pater & C,
ra do Yigario n. 3, um bello sortimento de
relogios de ouro, patente inglez. de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool ; tambem
urna variedade de bonitos trancelins para os
mesmos
Bales de 30 arcos.
Vendem-se superiores baldes com 30 arcos,
sendo muito recommendaveispoi poderem ficar
do tamanho que se precisar, pelo baratissimo
prego de 69 ; na ra do Queimado n. 22, sa loja
da boa f.
Na ra do Imperador n. 28 ha para vender
e alugar em pequeas e grandes porges supe-
riores bichas hamburguezas.
'ROITA FEITA ANDA MAIS BARATAS.!
SORTIMENTO COMPLETO
DB
Fazendas e obras feitas.!
8
HA
LOJA E ARMAZEM
DE
I ad/c
o\
% ua do Queimado ]
fg 11.4, frente amareWa. j
Constantemente temos nm grande e va- !
riado sorlimonlo de aobrecasacas pretas '
de panno e de cores muiio fino a 289, '
30 e 359, paletots dos mesmos pannos
a 20g, 22JJ e 2-g, ditos saceos pretos dos
mesmos pannos a 149. 169 e 18g, casa-
cas pretasmuito bem feitas e de superior
panno a 289, 30$ e 359. sobrecasacas de
casemira de cores muito finos a 159, 16g
e 18$, dilos saceos das mesmas oasemi-
ras a 10$, 129 e 14$, caigas pretas de
casemira fina para bomem a 89, 99. 10/
e 12, ditas de casemira decores a 7$, 89,
99 e 109. ditas de brim brancos muito
fina a 5$ 069, ditas de ditos de cores a
39, 39500, 49 e 49500, ditas de meia ca-
semira de ricas cores a 4$ e 4$500, col-
leles pretos de casemira a 59 e 69, ditos
de dilos de cores a 4$500 e 59, ditos
brancos de seda para casamento a 59,
ditos de 69, colletes de brim branco e de
fuslo a 39,39500 e 49, ditos de cores a
295OO e 39, paletots pretos de merino de
cordao sacco e sobrecasaco a 7f, 89 e 99,
colletes pretos para luto a -48500 e 59,
cas pretas de merino a 49500 e 5**, pa-
lclots de alpaca preta a 39500 o 4$, ditos
sobrecasaco a 69, 79 e 8$, muito Dno col-
letes de gorgurao de seda de cores muito
boa fazenda a 39800 e 4$. colletes de vel-
ludo de cores e pretos a 79 e 89, roupa
para menino sobre casaca de panno pre-
tos e de cores a 149. 159 e I69, ditos de
casemira sacco para os mesmos a 69500 e
79, ditos de alpaca pretos saceos a 39 e
:i9500, dilos sobrecasacos a 5g e 59500,
calcas de casemira pretas e de cores a 69,
6$500 e 79, camisas para menino a 209
a duzia, camisas inglezas pregas largas
muito superior a 329 a duzia para acabar.
Assim como temos urna ofiicina de al
fsiate onde mandamos executar todas as
obras com brevidade.
tf l6fi;*3 OtSSatt ttattMBNSSISiS
A 2#500.
Vende-se cada urna saia bordada, muito boa,
para senhora ; na ra do Crespo n. 20 B, loja de
Adriano & Castro.
AttenQo.
Na ra da Cruz a. 60 vendem-se mios, bragos,
percas, peitos, cabegas, de cera, objectos estes
proprios para promessas que trverem feilo Se-
nhora do Monte e Sanie Amaro, e todo por pre-
gos mui commodos.
Vendem-se travs de 30, 40 e 60 palmos,
ensarnis, rolos de sicupira com 2 palmos de lar-
gara para carroceiros, 16duzias deiouro, e ama-
rello em chaproes : a tratar na roa do Impera-
dor n. 80, terceiro andar.
1600 a libra.
Vendem-se peonas de ema para espanadore;
oa ra do Yigario n. 2, taberna.
ARMAZEM DE ROUPA FEITA
Defronte do becco da Congregado letreiro verde.
Casaeasde panno preto a 309, 359 a 40*000
Sobrecasacas de dito dito a 359000
Paleiots de panno pretos e de corea a
20, 259, 309 e 35*000
Diios de casemira de crea a 15 e 229000
Ditos de caaemiras de corea i7|e 129000
Ditos de alpaea preta gola de velludo a 129000
Ditosde merino selim preto e de cor
a 89 e 99000
Ditos de alpaca de cores a 3*500 e 5*000
Ditos de alpaca preta a 39500, 59,
79 e 99000
Dilos de brim de corea a 3*500,
49500 e 5*000
Ditos de bramante da lioho brancos a
19500 a 6*000
Caigas de casemira preta e de corea a
99, 10 e 12*000
Ditas de princeza e alpaca de cordao
pretos a 5*000
Ditas de brim branco e de cores a
2*500 49500 e 59000
Ditas de ganga de cores a 3*000
Ditas de casemira a 59500
Colletes de velludo decores mui lofi no a 109000
Ditos de casemira bordados e lisos
pretos e de cores a 5*, 59500 e 9000
Diloa de setim preto -a 5|00O
Ditos de casemira a 39500
Ditos de seda branca a 59 e 69000
Ditos de gurgurao de seda a 59 e 6?C00
Ditos de fusto brancose decores a
39e 39500
Ditos de brim branco e decores a 25? e 2!" 600
Selooras de linho a 29500
Ditas de algodio a 1*600 e 89000
Camisas de peilode fuslo branco e
de cores a 29300 e 29500
Ditas de peilo e punhosde linho mui-
to finas inglezas a duzia 35*000
Ditasde madapolobraneas e de cores
a 1*800, 29 e 2*500
Ditas de meia a 1* e 19600
Relogios de ouro patente eorisontaes 9
Ditos de prata galvanisados a 25* e 30*0CO
Obras de ouro, aderegos, pulseiras e
rosetas
de gra Cortes de caigas de meia casemira de cores es-
curas a 1J600, dilos de brim de linho de cores a
2g,riscadinhos de lioho proprios para obras de
meninos a 200 rs. o covado, grvalas de seda de
cores a 640, ditas pretas estreitinhas e largas a
15, e alem disto outras fazendas que se vendem
muitoem conta; na loja da boa f, na ra do
Queimado n. 22.
Bramante
bretanhas e atoa] hado
Na loja da boa f, na ra do Queimaoo n. 22,
vende-se bramante de linho muito fino com duas
varas de largura, pelo baratissimo prego de S94OO
a vara, brelanha de linho muilo fina e muito
targa a 209, 22$ e 249 a pega com 30 jardas,
atoalhado de algodo com duas larguras a 194(10
a vara, dito de linto muito superior, tambem
com duas larguras a 3$ a vara, ; na ra do Quei-
mado n. 22. na loja da boa f.
Pianos
Saunders Brothers & C. tem para vender em
eu armazem, na praga do Corpo Santo n.ll,
alguns pianos do ultimo gosto recentimente
ehegados dos bem conhecidose acreditados fa-
bricantes J. Broadwood & Sonado Londrea a
muito pronriosoari este clima
Campos receberam urna factura de chapeos de sold se-
da para homem, lendo entre estes alguns peque-
nos que servem para as senhoras que vio para o
campo lomar banhosse cobrirem do sol.e como
a porgao seja grande se resolverlo vender pelo
prego de 69 e 6$5O0, e alguns com pequeo de-
eito a 59 ; na ra do Crespo n. 16.
Extracto
DE
sndalo e outras essencias
parlenlos.
Na loja da aguia branca se acha o verdadeiro
extracto de sndalo, bem conheeido por sua su-
perioridade, em frasees menores e maiores a 29
e 29500, assim como finas essenciasde rosa, Mag-
nolia, Patcholy.Luiza & alaria, e muilos outros
cheiros novos e agradaveis, e conforme o tama-
nho do frasco vende-se a 29, 3, 4 e 5. A bon-
dade de laes essencias e extracto j bem co-
nbecida pelas muitas pessoas que tem comprado,
e ainda ser por quem de novo comprar : na ra
do Queimado, loja da aguia branca n. 16.
Na ra Nova n. 42
defronte daConceicao
dos Militares,
um explendido sortimento de organdys, cam-
braias brancas, de cores, e de salpicos, sedinhas
de quadros, chitas muito finas, largas e eslrei-
tas, claras e escuras, de modernos e delicados
goslos e padroes escolhidos, chales de merino de
pona redonda, eslampados, bordados e lisos,
manguitos e gollinhiis, cortes de vestidos de cam-
braia bordados com 3 e 4 babados, e outras mui-
tas fazendas, cojos precos sao os mais diminutos
possiveis.
E o ultimo gosto.
Superiores gurguros deTseda de quadrinhos,
de lindos padroes, ielo baratissimo prego de 1*
o covado, groadenaples liso de lindas corea a 2*
o covado. cortea de lia muito fina com 15 cova-
dos, padroes muito IiobIos a 8*, ditas de quadros
padrea tambem amito bonitos a 480 ra. o ova-
do, chales de edrea, padroes inteiramente novos
a 1* rs. o covado ; aproveilem ea quanto ae nao
* : na ra do Quinad n. 22, leja de
ba-o.
Vendem-so 3 randas, sendo urna d'agua,
urna que pega 110 lijlos de alvenaria grossa e
oulra propria para condueo decapito todas no-
vas, na rus Imperial n. 197.
Vende-se um par de arreios para carro de
4 rodas, com pequeo uso, e por prego commo-
do ; na roa do Trapiche n. 14, primeiro andar.
Na mesma casa vende-se orna bonita parelha de
carallo8 do Rio Grande, estando um j ensinado
para carros.
Machinas de costura
DE
Slvat & Companhia.
Estas machinas sao as mais perfe'a
no ramo de mec&numo, unindo a urna
simplicidade a maior ligeireza e pcrlei-
rao para toda e qualquer qualidade de
costura, do ponto mais Uno ao mais
grosso. O vendedor se obliga a ensinar
o methodo aos compradores te o sa-
ben m bem, assim como a ter as machi-
chinas em ordem durante um anno.
Lstas machinas coscm com 2 los nao
quebram o lio como muitas outras o fa-
zim e ao as melhores e mais baratas
at boje conhecidas no mundo, ellas se
achm expostas na galena do SR. OS-
BORN, RETRATISTA AMERICANO NA
RA DO IMPEKADOR N. 3, onde
urna senhora competentemente habili-
tada as fara' ver e trabaIhar. Igual-
mente se acham expostas no armazem
de MACHINAS AMERICANAS, Rl A DA
CRUZ N. 4 E 9.
Rival sem segundo.
Na loja de miudezas da Tua d< Queimado n.
55, defronte do sobrado novo ha para vender
pelos diminutos pregos os seguiniea artipos :
Duzia de saboneles muito finos a Ct 0 rs.
Cartes de clcheles com duas ordens a 20 rs.
Ceixas de clcheles batidos a 60 rs.
Duzia de meias cruas para homem a 39-
Dila de ditas para senhora a 3$5ti0.
Pares de meias para senhora a 300 rs.
Latas com banha muito fina a 500 rs.
Jscas para acender charutos, caixa a 60 rs.
Phospboros em caixa de folln a 120 rs.
Carlas de alfinetes muilo finos a 100 rs.
Caixas de agulhas francezes a 120 r.
Pares de sapatos de tranga de algodo a 19.
Frascos de macass perola a 200 rs.
Dilos de dito oleo a 120 rs.
Duzia de facas e garfos, cabo preto, a 3<.
Pares de sapatos de la para meninos a 200 rs.
Dilos de luvas de cor fo de Escoria a 320.
Massos de grampas muito finas a 40 rs.
Caivetes de aparar penna a 80 rs.
Tesouras muito finas para costura a 500 rs.
Ditas ditas para unhas a 500 rs
Pegas de franja de la com 10 varas a 800 rs.
Ditas de tranga com 10 varas a 320.
Linha Pedro V, carto com 200 jardas a 60 rs.
. Dita com 100 jardas a 20 rs.
Escovas para denles muito finas a 200 rs.
Cordao imperial fino e grosso a 40 rs.
Oleo de babosa muito fino (frasco) 400 rs.
Fitinhas estrellas para enfeilar vestidos a 800
ra. a -pega.
Labyrinthos de muito bonitos goslos por lodo
o prego.
Cordoes para enfiar esparlilho muito grandes
a 100 rs.
Dito para dito pequenes a 80 rs.
Pegas de tranga de linho com 10 varas a 200 rs.
Ditas de Irania de seda preta com 10 varas a
15400.
Vara de dita a 160 rs.
Pares de meias de cores para meninos a 160.
Caixas para rap muito finas a 19.
Linha para marcar (caixa de 16 nvelos) a 320.
Escravos fgidos.
Fugiram no dia sabbado 24 de novembro de
1860 os escravos seguinles : Leonardo, pardo
escuro, alto, bastante corpolenl-o, fallo de denles
no queixo superior, com cicatriz de um panaririo
em um dedo grande da mo esquerda, tem falla
muito mansa, e sempre que falla rindo se : le-
vou alguma roupa de seu uso, e tambem roupa
engommada de ae srnbor, sendo camisas, li n -
coes, meias e um travesseiro. Simo, pardo,
baixo, cabellos corridos, com todos os dentes,
marcado de bexigas pelo corpo, com pouca bar-
ba, quando anda puxa um pouco por um p, na-
riz chalo, pescogo bastante enterrado ; levou al-
guma roupa de seu uso, sendo urna raiga branca,
sapatos de couro de lustre, orna camisa branca,
urna dita de riscado de algodo trancado de qua-
dros amarellos, ama caiga de algodo trangado
de listras escuras, chape de Chile pintado de cor
de ganga ; ambos estes escravos sao filhos de
serloes do Cear, foram calgados e inlilulam-se
forros, tendo sido vistes em seguimento da estra-
da nova do Cachanga na mesma noite da fuga:
sendo generosamente gratificado quem os levar
ra o Destino, cata terrea de dous por loes nu-
mero 16.
No dial.0 do correte auno fugiode ura si-
lio do cngfenhoCejabussuzinho orna mulata cla-
ra com mo cabello, estatura ordinaria, secca do
corpo, peitos pequeos, o maior signal ler o
dedo minimo e o immediato sem poder estirar
proveniente de um pansncio, chamada Bertlio-
ieaa levou urna filhinha tambem mulata por
noase Rita, de 2 annos, que tem na cabeca falta
de cabello por causa de urna poslema ; ha noti-
cias que foi para banda do nortn cm companhia
de um negro captivo, que tambem anda fgido,
e qual ten es aignaes seguinles : cabra negro,
barbado, grosso : quem pegar, leve ao dito en-
genhe ao seu senhor Jos Joaquirn dos Santos,
o na ra do Imperador n. 67, seguodo andar,
que ser generosamente recompensada.
Fugio no dia 14 de dezembro p. p. ana es-
curro de nome Anastacio, crioulo, idade pouco
mais ou menos de 25 annos, estatura regular, o
qual eseravo foi do engenho Barra Noa, disiric-
tode Serinhaem, e hoje pertencente ao ahaixo
assifnado ; foi comprado a Juvioiaoo da tsl, a
tem os signaes seguinles : rosto redondo, olhos
afumagadoa, nio leas barba, to somante tem bi-
gode, do lado direito em cima dos labios tem
urna costura : quem o pegar, dirija se a levar ao
mesmo abaixoassigoado, que o seu senhor, na
Ca punga, ou no escriplorio da ra da Cruz n. 8,
primeiro andar, uue ll.e gratificar ; assim como
fugio tambem outro eseravo acabocolado do en-
genlio Pombal, com um cavallo,monUdo de can-
galha, isto ha tres mezes, pouco mais ou meos,
idade 18 annos : quem o pegar, dirija-se ao mes-
mo escriplorio, que se gratificar pla fuga.
Vicente alendes Waudeiiey.
Atlencao.
Fugio uo dia 31 do mez prximo passado o es-
eravo Joo, com os signaes seguinles : pardo
claro, alto e secco, representa ter 24 annos, (ra-
jando camisa e caiga de algodo branco, um
pouro calado, carrrgou comsigo um bah de
amaiello com roupa de homem, c mais alguns
objecios ; de suppor que leona Irajado dita
ruupa para melhor sn oistarqar ; julga-se andar
por esla cidade e seus arrabaldes, assim como
desconfia-se que seguio para o serlo com outro
que tambem fugio ao Sr. Cesarlo, morador nes
Apipuros ; rosase porlanlo as autoridades poli-
iaes e sos rapiles de campo de o prenderen) e
levar ao Rf rife, ra de Apollo n. 24, ou ro Mon-
teiro em casa de seu senhor Antonio Jos Teixti-
ra Bastos, que ser generosamente recompen-
sado.
No dia 18 de dezembro prximo pausado
desappsrereu de casa do abaixo assienado um
seu eseravo de nome Moyss. de 18 sodos de
idade, cor paida nao escura, corpo secco e espi-
gado, cabega pequea, cabellos m pouro cara-
pinliados, olhus pardos, naiii afilado, borra pe-
quena, labio inferior grosso, naos e es grandes ;
levou camisa branca, una catga de riscado azul,
OBtra de Isa parda escura e chapeo de palha da
Dalia : quem o apprehender pode leva-lo ou
ra do Yjgaiio n. 21 no bairro do Recife, 00
ra das Cruzes n. 35 rm Santo Antonio, ou ao
sitio na travessa da Casa-Forte para o Poco da
Panolis, que ser generosamente recompensado.
Antonio Joaquim de Moiaes e Silva.
Aununcio.
Fugio na mnnha de 7 do correle o eseravo
Gauuencio, mulato escuro, natural do Para, mo-
go, sem baiba, de estatura regular, um tanto
cheio do corpo. e sem defeilo algum ;tiabalhado
pedreiro soflrivelmente. o tocador de viola : le-
vou vestido roupa fina afim de passar por homem
livre.
Tambem se acha fgido desde 27 de novembro
do anao passado o cabra Marcelino, que foi es-
eravo do Sr Antonio Bnptisla de Mello Peixolo,
subdelegado de Caranhuns : de estatura alia,
grosso do corpo, bem barbado (bem que antes de
fugir raspasse toda a barba), com falta de di 1-les
na (remo, e usa constantemente de um centollo
de soldado na cintura. Consta que este eseravo
se dirigi para Pspocaga.
Quem spprehandar os referidos escravos e os
levar ao abaixo assignado no engenho Dous Ir-
nioof, na freguezia 00 Togo da Panella sei re-
compensado com generosidade.
Recife 7 de Janeiro de 1861.
JossCesario de Mello.
Fugio no principio do crreme mez do
sillo de Jos Pereira da Cunha, na Passagem da
Magdalena, o eseravo Domingos, pardo, altura
regular, e reforgado do corpo andava fazendo
frr-tesrom uro carro de boi, era bem conheeido
pelos moradores da Magdalena, Estrada Nova e
Torre, e por alguns desles se fazia acreditar que
era forro pela sua espeiteza : roga-sc as au-
toridades policiaes que o mande apprehender e
leva-lo ao seu senhoroo dito sitio, ou na ra da
Cadeia do Recife n 14, que se gratificar bem.
No ia 13 de dezembro prximo passado
ausenlou-se de casa de seus senhores a preta
I.uzia, de quarenta e lanos annos. de nsgao An-
gola, estatura regular, dentes limados, signaes de
barba por baixo do queixo, e as ponas dos dedos
das rxos bstanle grossas ; esla preta muito
prosista, quando se ausenta diz que val a recado
de seu senhor, e cosluma tambera vender fruclas
e a occullar-se pelas bandas da ra co Caldeirei-
ro por casa dos pretos da mesma naga o : roga-
se portsnto as autoridades policiaes e"rapiles de
campo a apprehenso, e levar ao caes de Apello
n. 55, que se gratificar rom generosidade.
Do engenho Culigi, frejiuezia da Escade,
fugio no dia 3 de novembro do correle anno o
eseravo de nome Antonio, com os signaes se-
guinles : estatura regolar, cor mulato, rebcllo de
negro, pouca barba, denles limados, idade 25 ou
28 annos, pescogo e ps grossos, lem pelo rosto
pescogo e peitos algumas marcas de pannes,
algumas cicatrizes pelas cosas que paiecrm ler
sido de chicote ; nao levoo comsigo roupa nleu-
rra, e consta haver fgido para o lado do serlo
d'onde viera : quem o apprehender, poder el-
va-lo ao referido engenho, ou no Recife, ra es-
treita do Rosario n. 29, ao Illm. Sr- Fiorisn un-
do Marques Lins, que ser bem recompensado.
Eseravo fgido.
Um mulato claro, magro, com pannos pretos
na magaa do rosto, representando ler 25 annos
de Hlade, natural do Rio do Peixe, chamado
Luu, desappareceu no dia 80 de outubro da caa
do Dr. Cosme de S Pereira, de quem eseravo
suppoe-se ter levado um cavallo preto do Sr!
Rostron que se havia soltado, e que elle fdra
ero busca do mesmo ; suppoe-se mais que sua
mulher de nome Maria tambem o acompanha,
levando um pequeo bah de flandres : roga-se
as autoridades policiaes e a outras quaetquer
pessoas que o prendam, e reroetiam ao seu se-
nhor, que pagar qualquer despeza.
Pugio da cidade do Aracaty, no mez de se-
tembro prximo passado, um eseravo do com-
mandante superior Hanoel Jos Penna Faenero,
que ha poseo o havia comprado ao Sr. Brrl
Lnurengo Collares, de nome Joaquim, de idade
de cincoenta e tantos annos, fulo, alto, magro,
dentes grandes, e com falta de alguns na frente,
queixo fino, pea grandes, e com os dedos grandes
dos ps bem herios, muito palavrfador, incul-
ra-se forro, e tero signaes de ter sido surrado.
Consta qoe ale eseravo apparecera no dia 6 do
corren te. vindo do lado das Cinco Ponas, e sen-
do enlerrogado por um parceiro seu conheeido,
disse que linha sido vendido poraeu senhor para
Goianninha ; qualquer pessoa quo o pegar o po-
der levar em Peraarobuco aoa Srs. Basto & Le-
ntos, que gratificarlo generoaametue.



)
DIARIO DI PIRHAMBUCO. SEGCK&A FEIRA I* Di JANEIRO DE i0f t.
Litieratura.
Viaxem ao l'bfbet e al Alta Asia,
pelos Srs. Adolpho, Herma no e
Roberto von Schlagintweit.
{ Concluido. )
' A sociedade de geographia en Pars, volou
sos Srs. Svblaginlweil a sua grande mcdalha de Dous phenomenos grandiosos, dos quemis
ouio pelos seos descobiimenloe geographicos, e poderoso influxo f^rcem n.s revoluces actoaes
a sociedade geograplu.o de Londres, pela voz; ,
de lo Ilustre saino, qool 6 o seo ptesidenle b I da crusta do eloh", si esludadoscuiisdosamen-
dciiii iissiu.o gelogo, sir Roderi k Mure itson, *e i'clos Srs. Scblsgintweit ; sao os phenomenos
bre a paleontologa, sobre a analyse chimic e os'; mag de 700 desenliados pelos Srs. Schlagintweit. | ido de Calcuti ao Himalays occidental por Be*
csraclarea physlcos da nascentes thermies. Urna A' benevolencia do Sr. lenle Schlagiolweit, da
collecgo de mais de 1,006 etemplares de rochas; carallari bavara, o qoal j tiremos occasiao de
servio de fundamento aos esludo3 sobre a consti-
luiglo geolgica do Himalayse doThibet.e figura
hoje no opulento museu da companbia das In-
dias.
mencionar, doremos o ler visto algumas destas
mimosas squarellas, representando alguna dos
mais celebrados picos do Himalays.
nares, AManabas, Agr o FaUhgarb, e tinham
atrareasado a fronteii-a do Thibei.
Posto que inteira nenie disfargados em Bou-
thias ( este o nomo dos habitantes das maiores
alturas do Himalays), os inspectores chinezesre-
Damcs em seguida o extracto do parecer, que i i
. 6 ., ....... ^ -.-... I conheceram lodaria que elles eram europeus, e
coostaotemente, e conseguirn enriquecer com rocabularloa geographicos. etc., e que entre os
coiisogrou i ni luoii(-ros relatnos quanlo as
sciinrias dinero quellt-s sabios ollenie..
Os Srs. Hermiuu e Robrrlo von Sdilaginlweit
teill recebido ue un Mande numero de soberanos
as mais deatioctas provea da considerado, em
que km osseus Irabalhos, condecorando-os com
as insignias de muias otdeus, e algumas das
mais nolaveis academias lem inscripto na lisia
dos seus raerabros os nomes dos dous
illostres.
Sua magostado o rei de Baviera honrou com
urna bu ira deslinrco os seos dous sub los,
que tanta gloria reflecten! sobre o sou paiz. Con-
eriu-Ihes a nobreza e f.-z patricios dos seus es-
lados os que j eram meoibros da aristocracia
inlellectual.
A academia real das sciencias de Lisboa re-
da forja erosiva da agua, e os phenomcoos
geleiras.
das
A erosao das rocha?, pela acgo principalmen-
te ruechanica, das aguas, a origen) das mais
profundas raod>Dcages na geognphia pliysica
as regios, principalmente raonlanhosas. Na
Bavaros j sita Asia, os plisnoroetios, quo sao j adraira-
vois nos Alpes, chegam proporces verdadei-
ramente culossaes. A geologa dever aos dous
sabios allemes muitas observgdes oovissimas,
e o esludo das geleiras, to curiosamente exem-
pliflcado para a Europa as observarles de al-
guns gelogos, e principalmente na bella.mono-
cebeu d'elles o presente do magnifico volurae graphia de Agassiz sobre as geleiras e moraines
intitulado Objects du cuite houdhittique, onde se dos Alpes, achara novos aperfeigoaraentos, pelo
acham representados em fiaelissicnus desenhos que respeita s grandes massos de eclo do Hi-
urna grande copia de objei los pericnceules aquel- ..,.. .,.,. ,, .
la celebrada rel.gio asitica. mala> nos rablhs os umaos Bchlagintweil.
F dereu benevolencia dos dous sabios alie- i 0 volume Vil archiva todos os resultados da
rr.aes un r.uriosissiiuo devocionario ou livnnho .
de orages da religio budhistico, o qual con- *!agem. no *?ue Pert-,npe a botnica e zoolo-
sisteem um verdadeiro volumen ou longa lira
de papel de olguns metros de comprido, cm que
estao escripias aquellas resas orientaos, e que
por um movimenio de rotaco impresso ao sin-
glo pparelho, a que se adapta, so desenrola
lentameul*, para que o devoto de Buddha v
leudo e-u bem tragados caracteres os hyperbili-
cosloovores de falsa dmndade. Tanto o gran- Jiramente virgem, revelar no VII volume lo-
de atlas do culto budhistic-, como o manual das .. ....
devoces, nos furam presentados, para os off- ddS as que.as uhytolugicas, que at hoje s? es-
Tecer academia leal das ciencias, pelo syoipa- condiara aos botnicos. Um copioso herbario,des-
thico e insiruido oflicial de cavallaria, o Sr. tinado figurar as collocces da companhia
gia. Segundo o cxemplo de Humboldt, os auto-
res consagram urna altenco particular deslri-
buigo geographica das plantas e estrella liga-
gao quo piendo a geographia botnica cora a al-
titudo, o clima, e ascondicoes geolgicas do so-
lo. A flora do Thibel e do Turkestao,flora quasi
sociedade imperial geographica de Pars leu o
Sr. de la Roquette, relator da commissao en&ar-
regada de julgar a importancia dos descobrimen-
tos geographicos dos Srs. Schlaginlweit.
A Comm 'sso resolreu enanimmentedopois
de um longo e consciencioso exime, conceder
grande medalha de ouro oos Srs. Adolpho, Her-
mano e Roberto Schalginlweit, riajanlcs, ge-
logos, naturalistas e physicos bavaros, pelas suas
exploracoes no Thibel e no Turkestao oriental, e
pelos descobrimentos que fizeram ao oeste,
ao norte e ao noroeste das montanhans do Hi-
malays.
Estes tres irmos ersm j vantajossmente co-
uhecLJos pelos bellos Irabalhos por elles secu-
tados nos annos de 1846 1848 e nos de 1850
1835, sobre a geographia physica e a geologa doi
Alpes, Irabalhos que lhes conquistaran) um lugar
distincto entre os geographos e naturalistas, cujo
metilo a academia das scienci-is aprecia, e de
que por muilas vezes fez menguo no seu bole-
lim ; quando osseus nomes estaram j vincula-
dos sciencia, se lhes offereceu a occasiio nica
do alargaren! as suas exploracoes sobre o mais
vaste dos theatros I
progressos notareis a geographia do globo. lo-
formacoes completamente oras sobre a conflgu-
ragio dos paites que foram os primeiros i risi-
lar, sobre a direccao e altura de multas cadas
de montaahas, e sobre os ralles que ellas dei-
xam entre si, sobre as ragas e o idioma de seus
quizeram constrangi -los retrocederem. Has.
eumerosos atlas, que derem acompinhar a sua
publicagio, ha de figurar um grande atlas geo-
graphico.
Para nos resumirmos e fallrmos apenas de om
dos seus principaes deKabrimewoa .geographi-
cos, sobre que obtiremos minuciosos esciareci-
mentos, acreditamos poder dizer que os irmos
habilanles, emna cartas levantadas por elles, S;hignlweil sao os primeiros eurepeus que
depois de urna porfiosa resistencia, os sudases, e em visU d" ODSe"O slrouomicss que de-1 atraressaram a crisis do Karakorum e do Kuen-
' terminara a situagao de muilas das localidades LuD' ,Jue delerminaram exactamente a posigao
desconhociJas at onto, e que servirn) rec- I *eoJr,PHhlcfl- a ,ele"S,il0 e di!e!:?,0 dls.jluas
.. '. H ocirirom a rec cadCas de montanhes da alta Asia, que o llus-
liticacao do outras, sao tilulos honrosos grali- tro barao de Humboldt, com a sua sagacidade
do que aos tre3 sabios bavaros devem os geo- inslincliva, lioha, por assim dizer, aderinhado e
graphos.
talvez imprudentes.exploradores, persistiram na
sua resolugo, amelgando empregar a torga, se |
tanto fosse necessano. A sua attilude resoluta,
e sobreludo algum dinheiro por elles dado aos
inspectores, acabarain com lodos os obstculos.
Poderam assim continuar a sua viagomno Thibel,
mas liveram de ser acompanhados por urna es-
colla chineza, cuja dedicaco captiraram bem
dopressa, talvez pelo mesmo meio. Ento risi-
Um dos relatnos oflkiaes, qui acabamos de
Iludir, o n. 8, datado do Leh 26 de setembro
de 1856, onde Roberto e Hermano havlara esta-
belecido um observatorio magntico, e o deposi-
Eduardo Sc.hlagintweit, quo passou por Lisboa,
volla de llpspanha c de Marrocos, orne assis-
tiu no quaiti'l-general hespanhol durante a ul-
tima rampaiiha, na qualidade de ofli'ial com-
niissanBdo pelo governo da Baviera.
A obra colosssl, que n'esto momento prepa-
ram em Londres os Srs. Schlagiutweii, compre-
dai Indias, representar, trasladado em estam-
pas fidelissiraas. as feigbes e os caracteres da
flora thibetana. Urna serie de obserragoes,sobre os
phenomenos peridicos da vegetago, cbntinua-
rao, para asregioes orientaes. os Irabalhos, em-
tius e Quetelet.
As inveslijt9goes e estudos sobre o reino ani-
hende nos nove volumes, de que insta, urna \ Prenendidos cora o mesmo objecto por von Mar-
grjnde copia do observares, que illustram a
geographia, a historia natural, a physica terres-
tre e a i-tlinographia, e a lingistica nas extensas,
regioesda India,do llimalaya, do Thibel, do Dek-, mal abrangem apenas a mammalogia, a ornitho-
ban e Turbslan. logia, e a orpetologa. Urna preciosa colleccao
() primeiro volume dedicado 9 OMervacoas ntinUi.!.
astronmica* e magnticas. Esle-dem te desde "slMlS,ca enr.quecer a anatoma compara-
Cevlao ao Turkislan e de Assam Kabu. O ira- aa* a muttos animaos, inteirameule desconhe-
gi'io das linhas jao^onicas, as ubservages sobre cidos at hoje, dar o Vil volume interessautes
a ntensidade magntica, do esla primeira, descripgos. Alm da zoologa systematica os
farleda obra um iuleresso scieolilico da mais
alia cor.sideragao.
Os Srs. Schlaginlweit tra o mrito de have-
taram sem difJQculdtide as nascentes do lodus e ; lo dos seus instrumentos, faz-nos conhecer quo
do Suthledj, os arredores dos lagos sagrados de I os dous sabios viajantes, tendo deixado 14 de
Mansaraur e de Rakus, bem como Gartok, a' julho a capital do Lidak, onde, segundo o seu
mais importante cidade commercial desta re-
glio.
costume, tinham entrado disfargados, foram por
caminhos differeotes explorar o Turkestao pro-
Iodo de Gartok Jpnra Gerhral, zeram o reco- prtmeDle diio.
nbecioienlo de um vasto grupo de moDles de' Atravesssndo e torneando o Karakorum e o
geleiras, que circundam o Ibi-Uamin, montanha ; Kuen-Lun, que at esta poca eram representa-
de mais de 7,700 metros de altura. Depois de se dos como urna s e mesma cada, reconhoceram
haverem demorado nestas regioes glaciaes oito j que erara na realidade dua? completamente des-
das, que empregaram no exame das geleiras, no ; tinctas, e tendo urna differente orientago. Foi
leranlamento de cartas, e em fazer obserragoes j depois de terem atraressado a cadeia mais septen-
physicas, os nossos dous viajantes continuaran) o trional do Kuen-Lun, que os nossos exploradores
Srs. Schlaginlweit animaram a aridez das des-
cnpges zoolgicas, com a historia dos hbitos, e
das emigragoes dos animaos, e com importantes
rern instituido observaces magnticas no nle-
rio da India. As observagoes execuladas tios esclarecimentos sobre a sua destribuicao geoera-
observatorios de Bombaim e de Madrasta, 1- ..
guias oulras emprehfndidas porTaylore Calde- '
coit na India meridional, c oulras Mas por j O volume VIII contribuir de certo para allu-
^ZmSSA ft!!!R.Wt': f"p: i10?,0 enreKdad0S e iDCerl0S pareceres
hitol Builean, em i846 e 1847, e cujos re^is-j1103 utropologistas sobre a grande questao das
tros foram oestruidos em Agr, durante a rebei- | ragas humanas, queslo, que alm do interesse
lio de 1857, estiv.im mui longe de resolver ae: puramente scioniifico, se prende intimamente
importantes questoes do magnetismo lerrestrs com 0ulros inleresses moraes da ordem mais
ros vasiis.-i-nas regios do Indostao, Lu-,.i- c i r 7
I elevada, e se de um lado confronta cora os dog-
Nesle mosmo volurae destinam s^us autores j roas da nosg8 fi pe|o 0(|Uo serTe d(j rgudanien.
una gran le parte rollecco dos seus Irabalhos ,0> ou qe nei astronmicos e geodsicos. Posto que as ope- daiiedade humana.
racoos geodsicas, cominell4as i direcgo do I _
co'ronel Waugh e do major ThuiUier hajam Bxa- 0i esludS de elhnograph.a. cujos resultados
do as longitudes e latitudes de um grande Ill(. j consignara os sab.os Aemes nesle volume, as-
mero de lugares, com extrema exactidao, os Srs.! ^"'"m sobre o exame de crneos o esqueletos.
Schlaginlweit determinaran) n.s regie. do Ui-! comprehend.dos na sua copiosa colleogao anlhro-
malaya a posigao geographica de mullos lugares. '
cuja siluaguo anlava errada nas cartas anterior-
mente levantadas.
As observagoes hypsomelricas e trignometri-
cas, cornprehendendo a determina ;ao das altitu-
des de uina grande mulliplicidade da punios im-
prtanles, do picos.de montanhas, do geleiras, no
Ilimal'iya, no Thibel o no Turkestao, constituem
o assumpto do segundo volume.
Os itinerarios correctos do llimalaya, do Tur-
kcslan e do Thibet.lo importantes sob o aspecto
mercantil e militar, os vocabulario e as inves-
tigagoes lingisticas do ao terceiro volume por
um lado um carcter eminentemente pratico,
tornando mais fcil a comraunicago com aquel
les nf istados paizes da Asia, e pelo oulro lado
oflerocem preciosos subsidios aos estudos, hoje
lio fervorosamente proseguidos sobre a compara-
go e historia das linguas orientaes.
A meteorologa enche os volumes IV o V. De-
vem estes dous volumes figurar entre os mais
curiosos de toda a colleccao. A temperatura, as
observagoes psychrorootricas, udoraetricas e ane-
mometricas, o estado do cu, a sua edr, a trans-
parencia da almosphera, os phenomenos pticos
era gcral, a composigo chimica do ar, deduzida
em parle dcanalysesexecutadas nos proprios lu-
gares, em parte' realisadas sobre o ar, colligido
em tubos alturas que muitas vezes attiogirim
18,000 ps, as observaces ozodometriras, a tem
peralura do slo, desde a superficie a differenles
profundidades, e a temperatura dan nascentes o
dos ros ; taes sao os assumplos que eniiquecem
os dous volumes consagrados meteorologa.
O VI volume dedicado geologa e hydrolo-
gia da alta Asia. As exploracoes scientitkas
deste genero estivam ainda muilo pouco adian-
tadas naquellas regioes do globo, e em algumas
parles foram os Srs. Schlaginlweit os primeiros,
que as intentaran), ali, onde as revolugoes do
globo, espedagaram a crusta da trra, para pro-
jeclarera nos ares as mais erguidas serranas, o
gelogo devia achar eosejos favoraveis para alar
gar os dominios da sciencia. O volume deve
conter os resultados de numerosas observagoes
sobre a composigo chimica das rochas, sobre
as leis rocchanicas da sua diviso (lascado) so-
raenle tomadas sobre a cabega e differenles par-
tes do corpo de mais de quatrocentos iodividuos,
pertencenies ragas e tribus diversissimas, e fi-
nalmente sobro mais de ires mil moldes faciaes,
ou mascaras, modeladas em homens vivos. Os
moldes negativos servirn) para obler pela fundi-
go os moldes positivos de metal. Urna precio-
sa collecgo de photographias das varias Iribus
asiticas, completa o museu aothropologico dos
Srs. Schlaginlweit.
A grogseira e nativa architectura dos povos
descriplos no rolume, nao esqueceu aos incan-
saveis observadores, como um complemento eth-
nographico, que saberio apreciar os que no con-
fronto das cooslrucgns e monumentos, baseara
as suas theorias sobre a hisloria da cirilisago.
O IX o ultimo volume ha de conter, o'uma for-
ma mais popular e accommodada ao commum
dos leilores, a descripgao das paysageos e dos as-
pectos magestosos, com que a natureza manifes-
la a sua sublimidade ou a sua belleza,nas regioes
do Iudostao e da alta Asia. Passaro diaote
dos olhos do leitor as scenas variadas das cos-
tas tropicaes, as chapadas do Dckhan, as speras
serranas da India central, os syslemas dos seus
ros principaes, o Ganges, o Iodo, o Brahmapu-
tra, os immensos plainos da India septentrional
e occidental, e os aspectos diversissiraos, com
que a natureza se melamorphoseia nas differen-
les estacoes.
Tendo fallecido em Masulipatam, no da 4 de
agosto de 1852, o capilo William Elliot, e tendo
deixado por acabar o levaotamento das carias
magnticas da India [I he magnelic sur rey of In-
dia), a companhia iugleza das ludias orientaes
procurou dar-lhe um digno successor. O Sr.
Bunseo, embaixador da Prussia em Londres, in-
formado desta circumstancia, communicou-a ao
bario Alexandre de Humbpldt, e este vencravel
e ilUnir decano da sciencia, que tinha no racior
cooeeito os talentos, o zlo e a adividade dos
irmos Schlagintw6il, recommendou-os ao coro-
nel William Sykes, membro da cmara dos com-
muns, um dos directores influentes da compa-
nhia das Indias, sabio deslindo, conhecidu por
excellenles Irabalhos, o por consequencia em
circunstancias de apreciar o mrito dos oulros.
Adolpho Schlaginlweit, foi convidado vir
Londres, e nos primeiros mezes de 1854 enlrou
no servigo da companhia das Indias.
Esta poderosa companhia, que, em muilas oc-
casioes, se lem mostrado a protectora esclarecida
e generosa das mais importantes emprezas iden-
tificas, fazendo abstraego de nacionalidades,
mostrou-se ainda agora nesta occasiao o mais li-
beral que possivel. Alm de urna quantosa
gratificagao annual dada Adolpho Schlaginlweit,
destinou urna somma de 30,000 francos prxima-
mente para a acquisigo de instrumentos de toda
a ordem que fossem precisos ao sabio allmo, e
encarregou-se alm d'isso de todas as oulras des-
pezas.
Era t Adolpho Schlaginlweit, segundo dos
tres irmos, o que tinha entrado em ajustes com
companhia, mas, Hermano e Roberto, tinham,
a pedido seu, sido aulorisados acompaoha-lo.
Apenas desembrcalos no solo indico, lord Da-
Ihousie, ento goveroador geral das possessoes
inglezas, encarregou Hermano e Roberto de col-
laborarera os Irabalhos de Adolpho ; vindo fl-
car assim os dous ao servigo da companhia, quo
lhes fixou os mesmos honorarios e lhes concedeu
eguaes vantagens.
Embarcados em Soulhampton 20 de setem-
bro de 1851, bordo do rapor Indus, os Srs.
Schlagintweit dirigiram-se primeira mente llora-
baim, por via do Egyplo. De Bombaira, onde ti-
nham chegado )6 de oulubro, os tres irmos,
terminados alguns preparativos preliminares, fi-
zeram, cada um por seu lado, a explorago do
interior do paiz, estudando successivamente o
Dekhan e oulras provincias meridionaes da
India, e rouniram-se depois em Madras. Desta
cidade foram por mar Calcuta, onde se demo-
raran) quasi tres semanas.
seu caminho, e s no fim de seis mezes, que foi
todo o tempo que durou esta excursio, que tor-
naran) rcr arvores.
Em quanto Adolpho voltava de Gerhva! para o
Thibel, descia depois Massuri, situado na raiz
desceram ao grande valle deYarkanl, vasta de-
presso de 900 1,200 metros, que separa o Kuen
Lun do Saiaa-Shan, ou mais geralmente como
dizem os Srs. Schlagintweit, as montanhas da
Asia central ao sul da Russu. Visitaram esla re-
do Himalaya. pela garganta do Nelong e pelo val-1giio de lsnl mais nteressante exploraco, quan-
le do Gaoges superior, Roberto visilava os estrei-t0 aioda '> sido atravessada por euro-
Ios e quasi ignotos valles situados entre a Jumna peus' e aonde ainJa alm das observagoes do
e o Ganges, e separados por desfiladeros de mais
de 400 metros.
No dia 17 de outubro, reuniram-se Adolpho e
Roberto em Massuri, de onde logo partram para
continuaren) juntos a sua viagem, atravessando
Dehli, Agr e Sager. Adolpho, marchando de-
pois para o sul, chogou 4 Madras no meiado de
fevereiro de 1856. Explorou ento a regio si-
tuada entre Trichinapoli, o cabo Comorin, e a
cada des Nilgheris ou montanhas azues; mais
tarde foi para Calcula, e depois, pelo j conhecido
caminho ao longo do ralle do Ganges, se dirigi
Simia, onde ebegou no mez de abril seguinle.
Durante o invern de 1855, Roberto examinou
as regioes cenlraes da India, e especialmente os
montes Vindhya, que se derem considerar como
o seu nodo. As deasas'e insalubres florestas*, o
estado selvagem dos habitantes pertencentes s
ragas primitivas desta vasta regio, teem at hoje
quasi inteiramente fechado aos viajantes estran-
geiros eetas interessantes montanhas eos seus
valles; assim as nogoes geographicas, que se tem
chegado colligir semelhanle respeito, apenas
fundadas em noticias ragas dos habitantes, nao
offerecem, pela maior parte, seuo erros. Acre-
ditou-se, por exemplo, em presenga de taes re-
latnos, poder dar-se urna grande olevago me-
dia ao Amarkanlak, chapada em cujas proximi-
dades lem origem inuilos dos principaes rios da
Indi, em quanto que, segundo a delerminago
de Roberto, esta elevago nao exede 9C0 e tan-
tos metros.
As cadeias gigantes do Himalay, a do Karako-
roura e do Kien-Lun, situadas entre a India, o
Thibel o o Tuikestan, as scenas da sua robusta e
opulenta vogetagao, os effetos pittorescos das
geleiras colossaes, os picos nivosos, os mais al-
tos que se conhecera no globo, ajudaro, em
desciipges msela Jas de a venturosos episodios,
imprimir um carcter quasi encyclopedico, ao
mesmo lempo scientifico c litterario, obra mo-
numental dos naturalistas bavaros.
O alias, quo s por si forma urna obra de ver-
dadeiro mrito artstico, que o mais completo
lbum de paysagens oriontaes, comprohende alem
de numerosos mappas Ilustrativos da parto geo-
dsica, physica, geolgica, moleorologca e hy-
drologica, 80 vistas e panoramas selectos d'eotce
Os Srs. Schlagintweit separaram-se ento pe-
la segunda vez; Hermano visitou no anno de-
corrido desde margo de 1855 ao mesmo mez de
1856, Bengala, a regio do Himalaya, cempre-
hendida no Skkim, a fronteira oriental do Nepal,
os terrenos montanhosos dos Nag*s e dos Khas-
sias, o Boulhan, o Assam, o delta do Ganges e do
Brahraapoutra, o Oude, el'. Foi da crisla Sin-
galila que separa o Nepal de Sikkim que Herma-
no medio o pico de Gaurisankar, que elle coosi-
dara como a maior elevago do globo. E' evi-
dentemente o monte Everest, cuja elevago o
coronel Waugh, (que s o avistara nas planicies
e urna grande distancia, nao tendo aprendido o
norna que lhe davam os habitantes) calcula em
8,840 metros cima do nivel do mar.
" Pouco tempo depois. Hermano medio tambem
no Sikkim, entre ura grande numero de picos
elevadissimos, o Kanchinginga visinho eriraldo
Gaurisankar, que o coronel Waugh tinha da-
do 8,582 metros de altura. Duas magnificas
aquarellas destes dous picos gigantes, desenlia-
das por Hermano, e que elle tevea delicadeza de
communicar sociedade, offerecem aos olhos o
aspecto grandioso daquellas sublimes paysagens
asiticas.
As differenles ragas primitivas,' as dos Bhils,
dos Kols, etc., das quaes apenas, pelo menos de
algumas, s eram conbecidos os nomes, foram
por elle estudadas com o maior cuidado ; leve
Roberto occasiao de medir muitos individuos, de
os photographar. de lhes modelar o buslo. de
colligir vocabularios das linguagens fallados por
estas ragas, idiomas que lhe parecem ponto
de se extingairem. Estas observagoes sao tanto
mais importantes, quanto estas tribus, outr'ora
numerosissimas, e hoje quasi reduzidas peque-
no numero de individuos, nao tardaro prova-
velmonte, segundo a opioiao do nosso viajante,
desapparecer de todo, como j tom acontecido
muitas das tribus indgenas da America.
Deixand* o Amarkaotak, dirigi-se Roberto
para Allahabad, visitou Agr e Dehli, e d'aqui
seguio para Simia, ondo eocontrou Hermano o
Adolpho.
Durable as quatro semanas da sua demora nes-
ta estago, os tres irmos empregaram o seu
lempo em rever e comparar as differenles obser-
vagoes que tinham feito, os instrumentos de que
se tinham servido, e prepararem-se emm para
a prjima excurso, que se propunham executar
no Ladak, em Cachemira e em Balti.
Ajudou-os da mineira a mais affectuosa e a
mais enrgica lord William Hay, ento primeiro
oflicial civil da companhia em Simia, eos conso-
Ibos deste persooagem reconhecem os irmos
Schlagcntweil haverem-lhes sido de grande uti-
lidade. Com elle discutirn) o plano de urna nova
excurso, cujo desempenho lhes augurara os
mais bullanles resultados.
magnetismo terrestre, da temperatura, ele se
poda estadtr a formago, a eJade, e as direc-
goes de cadeas de montanhas, quo os viajantes
modernos considerara completamente, ou, em
grande parte, desconhecidas.
De volta Leh, seu ponto de partid, os dous
irmos, alravossando por caminhos differenles
Cachemira, se dirigiram ao Penjab.
Quasi ao mesmo tempo, islo de raaio no-
v;enibro de 1856, Adolpho, que toha deixado Sim-
ia 28 de maio, chegou 26 de junho, .dirigin-
do-se por Kulu eLahoul.4 Zanskar.no Thibet, e
oceupou-se particularmente do exame dos paizes
occdentaes desta regio e de urna exteoso con-
sideravel da cada de Kuen-Lun, situada mais
ao norte. 19 de outubro estava em Cachemira,
e i 17 de novembro seguinle em Rawull-Pundee,
np Penjab, d'onde datado o seu relalorio of-
licial d. 9, e onde Adolpho enconlrou seus dous
irmos.
Roberto que partir de Rawull-Pundee 18
de novembro de 1856, explorou o Chakowal, atra-
vessando a cada das montanhas de sal, chegan-
do Moultan 4 de Janeiro de 1857 Entrando
dopois, 14 de margo, em Bhooj, capital do
Kutch, dirigio-se Bombaim, onde embarcou
para a Europa no mez do abril; seu irmo Her-
mano, depois de ter visitado o Nepal, parti de
Calcuta, e regres jo a egualmente sua patria.
Adolpho,' que deixamos no Penjab, mostrou
desejos dse demorar ainda um anno no Thibot
e no Turkestao, para visitar de novo estes dous
paizes, e em particular a cada de Kuen-Lun e
a de Karakorum, para assim completar as pro-
prias observagoes e as de seus irmos sobre estas
curiosas regioes, que elles tinham, deremos re-
conhece-lo, primeiro do que ninguem, atraressa-
do e descripto com exactidao ; propunha-se de-
pois voltar Europa pelo Penjab e Bombaim.
Sabe-se que 16 de setembro de 1856 deixou
Rawull-Pundee, que nos primeiros das de julho
de 1857 passeu a cada de Karakorum pela gar-
ganta de Aksae-Chin, situadla tres das de mar-
cha ao sueste da garganta do Karakorum. cami-
nho novo e nao frequeotado, e que 20 do mes-
mo mez passou o Kuen-Lun, junto de-Karon-
gatok.
Nos principios do mez de agosto de 1857 Adol-
pho estava nos arredores de Yarkand, e alguns
dios mais tarde era Kashgar. Depois nao sa re-
ceberam mais noticias positivas sobre o seu dea-
tino.
em parle tragado por algumas indicagea de via-
jantes chinezes, n'uma carta de 1843 junta sua
bella ebra sobre a Asia central, e que outrog via-
jantes tinham sempre confundido.
Os irmos Schlagintweit foram os primeiros
que desceram i alguns ralles riziohos destas ca-
das, estudando as populacoes, sob differenles
aspectos, fazendo obserragoes astronmicas e
magnticas combinadas com outras de zoologa e
de physica terrestre; e que, passando a cada
de Kueo-Lun pela garganta de Bushia, cuja al-
tura cima do nivel do mar de 5,250 metros,
verificaran) que a ua direccao era de oeste para
leste, em quanto que de Karakorum tinha ama
direcgo parallela ao Himalaya, isto do noroeste
para o sueste.
Que em fim, seguindo ao longo da'cada de
Kuen-Lun, se convenceram que esta cada nao
forma a linha de separagao das aguas, como at
ao seu tempo se acreditara, por isso que atra-
vessada pelo rio de Yarkand, que passa sua ex-
tremidade occideutal, e por dous outros rios. o
Karakash e o Keria, que se unem ao Yurunkash
e ao Khoun, para desapparecerem completa-
mente no lago de Lop.
Estes descobrimentos dos tres irmos Schlagiol-
weit sao descriptos nos relalorios officiaes, por
elles dirigidos i companhia das Indias orientaes ;
rcsultam das explicages escripias, que nosso
pedido, nos traDsmiltiram os Srs. Hermano a
Roberto, acompanhando-as de urna carta que
comprehende a India, a cada do Himalaya, o
Thibel occidental, e urna partejdo Turkeslan, em
que vera marcados os seus itinerarios ; e, ainda
alm disto, de um esforgo dos syslemas de ca-
das do montanhas e dos rios da alta Asis, e de
urna tabella geral das casias e das iribus repre-
sentadas na sua collecgo de 270 photographias
e modelos plsticos dos bustos dos naturaes da
India e alta Asia, para servirem estudos ethno-
graphicos.
Sustentamos ainda as nossas concluses em
explicages da mesma ordem, que devemos ex-
trema benevolencia do Sr. barao de Humboldt e
do Sr. coronel William Syhes, um dos directores
da companhia das Indias, vice-presidenle da
sociedade geographica de Londres, ou nas que
extrahimos dos relalorios apresentados nas duas
ultimas sessoes geraes da mesma sociedade geo
graphica, por sir Roderick Hurchison, seu presi-
dente.
Depois de terem elogiado, como deviam, os
Irabalhos gigantes dos Srs. Schlagintweit duran-
te as suas ultimas exploragcs, os distinclos sa-
bios, que acabamos de citar, sao aecurdes em re-
conhecer que os tres irmos foram os primeiros
europeus que visitaram urna parte das localida-
des citadas neste relalorio, e o seu teslemunho,
indirectamente confirmado por celebres viajantes
iuglezes, taes como o Dr. Thomaz Thomson e o
major Alexandre Cunningham.que marcara aui-
tos dos pontos explorados pelos nossos viajantes
como paizes desconhecidos, tem tanto mais peso,
quanlo, alm do carcter eminente e do conhe-
cimonlo profundo da India o da alta Asia, os
Srs. Humboldt e Sykes, e sir R. Murchison lem
lido sua disposigo todos os relalorios manus-
cripios, e a correspondencia oflicial dos sabios
bavaros, de que so podemos examinar algumas
pecas.
{Diario de Lisboa.)
VOLlIETUl
ORIGINAL DO DIARIO DE PERNAMBUCO*
Os Srs. Schlagintweit, nao tendo calculado
ainda a altura de cada um destes dous picos, jul-
garam provisoriamente dever adoptar as do co-
ronel Waugh.
Na estago ingleza de Simpla, collocada ao
sueste de Lahore, Hermano encoutrou Adolpho
e Roberto, que no mez de abril de 1855, tinham
No novo plano que tinham tragado, novos
descobrimentos puramente geographicos, s de-
viam figurar em segunda linha ; eram principal-
mente sobre o descobrimento estrictamente scien*
tfico, sobre o magnetismo terrestre, sobre a
geologa e sobre a physica do globo, que se de-
viam Qxar, e de feito se fixaram, mais especial-
mente as suas allenges. Todava, v-se dos
seus relalorios officiaes, dirigidos mensalmente
direcgo da companhia das Indias, (entre os
quaes muitos datados de Agr, de Simia, de
Leh, de Rawull-Piudee, de Bhooj no Kutch, fo-
ram impressos por ordem da companhia, j em
Lahore, j em Agr, j em Calcula) que explo-
rando regioes pouco ou nada coohecidas, sobre-
tudo no Himalaya, tanto ao norte, como ao oeste
do Thibel, os irmo3 Schlaginlweit procuraram
L
Slmhario.Facto saliente da semana.Discur-
so f.m.-bro pronunciado pelo Sr. cirurgio de
diviso Dr. Carlos Frederico dos Santos, chefe
de sade da estago naval.Oulro discurso
pronunciado por nos.
Na sexta-feira ultima, 11 do correle, dous
mez>-s exactamente depois do dia em queso per-
deu na costa da Barbaria a crvela D Isabel,
preseociou a populago desla capital um facto al-
tauente significativo da unio que liga em urna
s familia todas as classes da armada nacional,
um faclu por demais honroso para ella, porque
mostrou a nobreza e elevago de sentimenlos dos
nossos officiaes.
Levados por um impulso de saudade, reuni-
ram-se lodos, colisaiam-8, esufTragaram, seoao
com pompa, na matriz do Corpo Santo, ao menos
modesta e decentemente, as almas dos mfelizes
cuja recordago nunca mais se lis de extinguir
em nossa imaginago.
O acto esleve mui concorrido, e asiiiram
elle quasi lodds as nossas primeiros autoridades,
dictes de repartiges, varios cnsules estrangei-
rus, officildade de linha e do exercito, alm de
muitos cfficiaes de marinha de todas as classes e
graduagoHS, e cerca de cincoenta pragas do
corpo de imptrlaes marinheiros, e balalho na-
val, que tambera foimaram nos extremos das alas
dos convidados, com brandos.
A tristeza que so notava em todos os seblanles,
principalmente nos camarades dos nufragos, o
cntico dos sacerdotes, a melancola da msica,
o crep negro que envolva algumas senhoras que
comparecern), e que tomaram urna parle intima
na dr geral que se via no santuario, porque cho-
ravam un numero das victimas entes que lhes
erm mui charos, ludo tornou esta ceremonia
mu tocante e eulerneceddra, e nos fez protunda
impresso.
Os navios de sueirs da estago cooserraram-se
durante toda ella rom asbandeiras em funeral.
Um balalho de linha da guarnigao devia postar-
se na porta da egreja e prestar as ultimas horras
fnebres roemona dos finados; mas um inci-
dente imprevisto, urna demora na entrega da cor-
respondencia oflicial vedou que isto se realizasse,
pelo que S. Exc. o Sr. presidente da provincia
moslrou-so mui sensibilisado em urna carta que
vimos dirigida ao Sr. commandante da estago.
Se nao fra a forle rhuva que desabou a hora
marcada nos convites, muilo maior loria sido a
concurrencia ; porque anda depois de terminado
o a>to aapareceram algumas pessoas gradas.
Os nossos officiaes de marinha tomaram por
divisa aquello pensamento sublime do poeta la-
lino : O amigo certo encontrarse na occasiao
da desgraca. >
Por isso que nunca os remos (altar ao cum-
Parece hoje (1859) desgracadaraeote certo,
vista de um documento oflicial chegado pelo ul-
timo correio & compsnhia das Indias, que Adol-
pho Schlsgolweit foi assassioado em Kashgar
por um fantico Synd ou Sayad, chamado Wul-
lee-Khan, e que se nao achou junto do infeliz e
to lastimado viajante seno alguns papis ras-
gados e um telescopio quebrado, tristes reliquias
que foram remeltidas familia do desditoso ex-
plorador.
Tentar expor, mesmo summariamente, os im-
mensos o variadissimos Irabalhos dos irmos
Schlagintweit e os servigos quo prestaram to-
das as provincias, dos conhecimenlos humanos,
durante os Ires annos consagrados por esles sa-
bios explorago da India inteira e das regioes
septenlrionaes e occdentaes do Thibet c dos pai-
zes vizinhos, regios que se esteodem por mais
de 30 graos do latitude sobre urna media de quasi
20 de loogilude, reRiocs que elles alravessaram
em lodos os sentidos, seria urna obra impossivel
nest momento, e que em caso algum o vosso
relator nao oussria emprehender.
Para dar urna imperfeita idea desles Irabalhos,
diremos apenas, restringindo-nos principalmente
ao que tem relaco com a geographia, que, dos
quarenta o tres volumes maouscriptos depostos
na India-House, sede da companhia das Indias,
e que os Srs. Hermano e Roberto Schlagintweit
esto ponto do dar luz, e cujo conledo live-
ram a bondsde de nos communicar minuciosa-
mente, mais de oito Iratam de lopographia, do
medidas trigonomtricas, de observagoes astro-
nmicas, de hydrographia, de ragas humanas, se
Historia de Franca.
Hr. Henri Harlin concluio a quarta edigo da
sua Historia de Franca. Esta importante obra
recebeu agora a sua forma completa c dellnili-
va. O autor era quasi descoohecido quando es-
creveu a primeira pagina; hoje o seu nome
dos mais populares da litieratura, e com justos
ttulos. Faltava-nos urna boa historia de Fran-
ca. De balde monges e sabios accumularam de
investigages e zerara achados felizes; ninguem
'surgi para coordenar os materiaes dispersos e
recolher a heranga da sciencia antiga. Meseray,
Garnier, o padre Daniel, Villare, o abbade Vli
tentaram essa empreza no tempo em que his-
loria fallava o seu mais solido apoio, a librela-
Jo. A velha raonarchia nao se deixava discutir ;
a egreja tambem nao ; a nobreza ainda menos ;
de maneira qne sem a, rerolugo nao teriamos
nunca urna rerdadeira Hisloria de Franga. A de
Hr. Henri Martin completa em dezesseis volu-
mes ; o decimo-setimo contera um ndice das
materias, redigido com tal cuidado e clareza que
facililsro o achado dos pontos i ver, e contri-
buirlo muilo para a utilidade da obra.
A segunda metade do decimo-oitavo seculo 1
que se consagra o ultimo volume, fecundo em
notareis acontecimentos polticos; a parlilha da
Polonia, a abolico da ordem dos jesutas, a
supresso dos parlamentos, a declarago da in-
dependencia dos Estados-Unidos, a assemblea
dos nolaveis, e cmfim a convocago dos esla-
dos-geraes. Estes acontecimentos e outros ami-
tos que nao tem menos valor nao sao entretan-
to a parte mais interessante da historia deasa
poca.
O movimento das ideas mais importante que
o dos fados em um seculo que fez a mais vasta
applicago da philosophia poltica que tem sido
mencionada nos aanaes do espirito humano. A
verdadeira forga da philosophia est nas suas all-
angas; na antiguidade alliou-se ella com a mo-
ral ; m edade media, com a theologia ; no de-
cimo-oilaro seculo, com a poltica. Os philo-
sophos desse lempo sao publicistas; o autor do
Ensaio sobre o espirito e coslumes das naces,
o autor do Espirito das leis, e o autor do Con-
trato social resumem quasi toda a philosophia
do ultimo seculo. Dos seus livros que sahiram
as theorias sociaes que sao hoje discutidas. He.
de Haislre lem razo quando diz que o deai-
mo-oitavo seculo poda bem acabar smente sos
almanacks. A tentativa da reaccao de que (omos
recentemente lestemunhas levou-nos rauito natu-
ralmente philosophia do decimo-oilavo seculo,
e assim acontecer todas as vezes que se entrar
em urna nova phaso da velha lula entre a razo
e a f.
primento destes pesados devores na hora conve-
niente.
Continuem na pratica desta virlude admiravel
hoje em dia; honrem os seus camaradas, soccor-
ram as familias delles que o precisaren), e alm
da estima geral que ho de alcangar, do respeito
e admirago publica, ganharo as bengos do cu.
Depois do memento cantado, apoz muitas mis-
sas, o Sr. cirurgio de diviso Dr. Carlos Frede-
rico, chefo de saude da estago, com urna voz
inspirada, repassada de dr, recitou o eloquento
discurso que sob a rubrica Revista Diaria publi-
camos, que profundamente commoveu todo o au-
ditorio.
Terminou a ceremonia com oulro pequeo dis-
curso, que (ambem nos animamos recitar, sem
poder comtudo vencer a emogo que nos domi-
nsva, o embargiva a voz; porque o assumpto era
por de mais doloroso para nos, que tinhamos
diante dos olhos a imagem dos amigos qne pran-
teomos.
Senhores.Sabis todos porque neste momen-
to solemne nos achamos reunidos aqui, e para
que fim. ,
Quando o homem procura o templo, se prostra
humilhado aos ps dos altares, e implora a mise-
ricordia dirina; nao ha mais que indagar.E'
que a mi da desgrnga pesou esmagadra por so-
bre elle ; o tufo da adversidade abaleu-o E'
que a ierra pequea para sua dr, impotente
para consola-lo nesta hora asiaga da rida.
Ento emseu espirito atribulado se opera urna
rerolugo singular; ama idea luminosa scintilla
nas trovas que o eooogrecem, como em um ho-
risonte cacregado e tempestuoso, apparece ao
navegante, que se julga perdido, a luz de um pha-
rol, que lhe indica um porto de salvago ; a
idea de Deus em lodo o seu esplendor, desse
Deus amoroso de quem ainda ha pouco eslava
esquecido, e que lhe offerece agora, na ora-
cao, um conforto admiravel, um forte escudo,
urna resignago evanglica, que um balsamo
saudavel, espalhado por sobre as feridas d'alma.
Logo que esla feliz idea occorre, o homem
desgragado est salvo : ao desespero succede a
saudade, como tormenta succede a calms, co-
mo o dia substitue ooile, na marcha immuta-
vel da natureza. O sentimento que o domiuava
existe sempre, menos violento todava, e mais
puro e santificado.
Sob est i nova forma elle resiste ao lempo, por-
que retempera-se no cu ; se identifica com o
homem, sem o pungir cora angustias, lorna-o
mais temenle Deus de quem o approximou no
transe da amargura.
Tudo isto mui natural, senhores, a analy-
se do corago humano, a historia de nossa rida
Nesta situsgo nos achamos presentemente
Urna grande desgraga nos ferio, que por sua ex-
tenso verdaderamente urna calamidade na-
cional, que desde o throno al cabana prorocou
sentidas lagrimas.
Quando nos chegou sua primeira noticia tre-
memos de horror, desesperamos de dr, e eolio
com prebendemos o grande poeta francez que es-
creveu esles Tersos.
El je sents ainsi, daos une heure eWrnelle.
Passer des merss d'angoisso et des siles d'hor-
reur,
c Et la douleur comblala place o fui mon cceur.
Tinhamos pordido premaluramenle, de urna
[Continuar-$e~ha.)
maneira medonha, em poucas horas, e de sorpre-
za, amigos e companheiros d'armas, que em bre-
ve esperramos abracar, cobertos da gloria e
honra que adquirirn) na brilhante commissao
scientilica da crvela D. Isabel, gloria e honra
que se refleclla em toda a marinha nacional, de
que, por consequencia tambem psrtilharamos.
Vamos numerosas familias de lodo o imperio
suecumbirem dr vehemente de perderem fi-
Ihos vigorosos, na flor da edade, que tinham de-
dicado ao servigo da patria, os quaes estreiavam
a profisso com magnificas proras.
Robustas esperangas, excellenles precedentes,
urna plyade que rulilava em torno de rstrosco-
nhecidos e brilhanles, tudo ficra sepultado no
ocano, que, em urna hora sinistra so encrespou,
ensoberbecen-se, e devorou a nossa bella curr-
is, e a maior parte da sua desteida guar-
nigao.
Mocidade, talento, sciencia, passado notare!,
futuro de rlaoohas cores, assim se esraecia, em
um curto instante 1
Estava prescripto noa decretos da Proridencia
este fatal e triste aconlecimento, ede balde lu-
taram nossos companheiros para erila-lo.
Era este, porm, o derer que, por honra da
nossa marinha, foi cumprido at o herosmo, com
dedicaco sem pazl
Em bem curto espaco de tempo tem ella sof-
frido tres catastrophes desla natureza, e pago um
bem pesado tributo de ridas ao mar.
Sao prorages mui dolorosos, i que nao resis-
tiramos, se nao foramos educados na religio do
Calvario ; se oo pensassemos em que a parlilha
de nossa cUsse 6 padecer sempre, viver no olvi-
do, em quanto lodaa nossa existencia um sa-
crllicio constante ao estado.
Permita Deus que estas tres earas liges nao
sejara perdidas, e provoquen) medidas que, cons-
tiiuam em bases solidas este poderoso elemento
de nossa grandeza e prosperidade.
Mas, senhores, estes instantes nao pertencem
aos vivos ; por que os dedicamos aos morios.
Cumpram-os este piedoso dever com recolhi-
meoto ; do inlimo d'alma elevemos ao Creadon
nossas preces pela salvago eterna de nossarr
companheiros de irabalhos, officiaes e niarinhos-
ros finados na costa de Marrocos.
Esla mora foi terrirel, porque nao liveram
urna exlremosa me, urna esposa querida, um pae,
um irmo, um amigo dedicado qne lhe recolhes*
se o ultimo suspiro, para nos transmillir seas l-
timos peosamentos.
Has, senhores, foi urna morte gloriosa, urna
morte digna do homem do mar, para o qual o
ocano o tmulo mais monumental.
Intercedamos por elles para que gozeos no cu
estas delicias inlermioaveis que a nossa f ga-
rante aos escollados de Deus.
E' o nico lenitivo que nos resta agora, porque
o sacrificio est consuramado. Porm sabis que
elle infinito como aquello que no-lo concede.
Prestemos, por tanto, esla saudosa homena-
gem que devemos estes maaea to charos ao
nossos coragns, aos quaes ser por sem durida
de muila utilidade.
Vamos, senhores, coragem e resignago.
B./t.
PEm- TTP. DE M. I. DE FJJUA, 181.
''


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQ7TVVON1_4SSX26 INGEST_TIME 2013-04-30T23:19:25Z PACKAGE AA00011611_09213
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES