Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09206


This item is only available as the following downloads:


Full Text
]
I
f
/
iHH IIXTIi. HOMERO 4
Por tres mezes adiantados 5JJ000.
Por tres mezes vencidos 6$000.
SABBADO 5 DE JAMBO DE 1861.
Por amo adiantado 19$000
Porte franco para o subscritor.
DIARIO
l'AKituAs DOS GOKKE10S.
RNCARREGADOS DA SBSCRIPCAO DO NORTBOIda todos s dias as9 ,/2 h0r8S do dia* .
Iguarass. Goianna e L'arahiba as segundas
Parahiba, o Sr. Antonio Aletandrinode Lima-
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de OI-
veira; Maranho, o Sr. Manoel Jos Martinsflbei-
ro iuimaraes; Piauhy, o Sr. Joo Fernandes de
Moraes Jnnior ; Para, o Sr. Justino J. Ramos;
Amazona?, o Sr. Jernimo da Costa.
e sextas feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caruar, Allinho e
Garanhuns as tercas feiras.
Pao d' Alho, Nazreth, Limoeiro, Brejo, Pes-
Iqueira, Ingazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
jOricury e Ex as quartas-feiras.
Cabo.Sirinhaem, Rio Formoso, Una, Barreiros,
'Agua preta, Pimenleiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios partem as 10 horas da manha
EPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO.
3 Quarto mingusnte as 11 j horas e 31 minutos
da tarde.
11 La nova a 1 hora e 8 minntus da manha
|19 Quarto crescente a 1 hora e 41 minutos
da manha.
|26 La cheia as 2 horas e 47 minutos da tarde,
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro ss 11 horas e 42 minutos da manhia.
Segundo as 12 horas e 6 minutos da tarde.
AUDINECIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do eommercio : segundas e quintas.
Relacao torras, feiras e sabbados.
Fazenda : trras, quintas e sabbados as 10 horas-
Juizo do eommercio.- quartis ao meio dia.
Dito de orphos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio dia
Segunda vara do civel ; quartase sabbados aum
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
31 Segunda. S. Silvestre p. ; S. Nominando m
1 Terca, cgj Circumciso do Senhor.
2 Quarta. s. Isidoro b.m. ; S.Argeo m.
3 Quinta. S. Aprigio b. de Reja : S. Antero.
4 Sexta. S. Tito discpulo de S. Paulo.
5 Sbbado. S. Seraeo Estellila; S. Telesphoro,
6 Domingo. Dia de Reis. S. Marc3 v. m.
PARTE OFFICIftL.
Governo da provincia.
Expediente do dia 1 de Janeiro de 1861.
Officio ao coronel commundante das armas.
Achando-se impossibililado por molestia de se-
guir pera seu destino o soldado Daniel Francisco
Antonio, conforme declarara os agentes da com-
pauhia brasileira de paquetes a vapor em officio
testa data, sirva-se V. S. de o mandar recebera
bordo do vapor Paran, afim de ser conveniente-
mente tratado, e poder seguir para o Para.Offi-
ciou-se ao arsenal de marinha para prestar um
bote para o desembarque do dito soldado, e com-
municou-se aos agentes.
Dito,Sciente do que expe a mesa parochinl
da freguezia de S. Pedro Martyr de Olinda em of-
ficio desta data, apresso-me em declarar-lhe que
leve continuar o processo eleitoral que suspen-
der pelo motivo declarado em seu dito officio
lembrando-lhe ao mesmo tempo que c permilti-
do por lei aos cidados volantes inspeccionarem e
uscalisarem os trabalhos da eleigo em que sao
iuteressados.
Dito .1 mesa parochial de Grvala.Inteirado
pelo ollicio quo em 30 do mez prximo lindo me
dirigi a mesa parochial de Grvala da oceurren-
cia que dra lugar interrupgo e adiamento dos
trabalhos da mesma mesa para o dia 6 do cor-
rele, tenho a dizer que j hontem havia eu da-
do as providencias necessarias para que cessasem
os motivos, que occasionaram aquella imerrop-
co e adiamento : o espero que com ellas o pro-
cesso eleitoral ahi corra pacifica e regular-
mente : devendo a mesa parochial por sua parte
para isso concorrer quanto em si couber por meio
de suasjustas deliberaces, e usando o seu pre-
sidente das ailribuices" quo Ihe sao conferidas pe-
lo art. 47 da lei n. 387 de agosto de 1816.
2
Ofcio ao commandante das armas.Transmit-
i incluso por copia o aviso da reparligo da
da guerra de 31 de dezembro lindo para que V.
S-, ouvindo o commandante do 10 balalho de
infantaria acerca do que allega no requerimento
jomo o soldado do 13 batalhao da mesma arma
f.ourenco Jos do Nascimenlo, se sirva de orde-
nar-lhe que no caso de serem vindicas seraelhan-
tes allegaces, que passe novo titulo de engaja-
uieuto a essa praga, o qual rae ser apresent'ido
com a respectiva guia de assentamentos, afim de
lorom o conveniente destino.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. os autos
do processo de conselho de guerra dos soldados
Joaquim Ferreirados Sanios e Bulduiuo Antonio
Ternura de Souza, a fin de que se sirva de mandar
curaprir a sentenca proferida pelo conselho supre-
mo militar de justica.
Dito ao mesmo.Para cumprimento do dis-
SOSto no aviso da repartico da guerra de 10 de
ezembro prximo, findo sirva-se V. S. de remet-
tc-r-rue afim de serem traosmillidas a mesma re-
parlicao as certidesdos assenlamcnos das pracas
constantes da relacao junta por copia, as ques
ioodo pertcncido aus corpos em guarnicao nesta
Irovincia, acham-se linje com praca nos bata-
lioesl2 e 13" de infamara.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S., com urgencia, passar guias de soc-
rorrimenlo aos alleres Antonio Ferreira da Molla
t\ Augusto Pinto Pacca, que forara transferidos do
fj para o 8o balalho do infaniaria. Providen-
ciou-se sobre a passagem desses officiaes e deu-
sc sciencia ao commandanle das armas.
Dito ao mesmo. Transmuto por copia a V.
S. a i n forro ara o ministrada pelo commandante
da diviso naval acerca do seu ollicio de 29 de
dezembro ultimo sob n. 227, relativamente a re-
messa de 35:000$ em um dos navios da armada
para as edspezas do presidio de Fernando nos
mezes de uovembro do anno prximo passado a
Janeiro correle, alimdoque inteirado do con-
tt-do do citado ollicio mande V. S. fazer effectiva
essa remessa na primeira opporlunidade e com
segurauga ; cerlu de que lie.ira expedidas neste
sentido as convenientes ordens ao mencionado
coramandatuo da diviso naval.
Dito ao mesmo.A' vista do incluso pedido
mande V. S. adantar ao almoxarife do hospital
militar a quantia de 1:200$ para occorrer ao pa-
gamento das despezas daquelle estabelecimento
na primeira quiozeoa do presente mez.Com-
municou-se ao commandante das armas.
Dito ao mesmo. Remeti por copia a V. S.
para seu conhecimento o aviso da reparligo da
guerra datado de 17 de dezembro prximo findo,
do qual consta haver-se solicitado do ministerio
da fazenda ordem afim de ser essa thesouraria
datada com o augmento de crdito, na importan-
cia de 32:400$, destribuido de conformidade com
a tabella tambera junta.
Dito ao mesmo. Transmitto por copia a V. S.
o aviso da reparlicao da guerra de 18 de dezem-
bro prximo findo, do qual consta haver-se soli-
citado do ministerio da fazenda a expedico de
ordens no sentido de fazer-se effeclivo o augmen-
to de crdito na importancia de 5:284$ concedi-
do a essa thesouraria de conformidade com a la-
bella tamhem junta por copia.
Dito a Emilio Americano do Reg Casumb e
Custodio Manoel Theodoro, membros da mesa
parochial da S.Jos do Kecife.Respondo ao of-
licio que Vmcs. acabam de dirigir-me, dizeodo-
lhesque, tendo os trabalho da mesa parochial,
de que Vmcs fazem parte, sidoinlerrompidos pe-
los lasmentavels successos, que hontem tiveram
lugar, foram addiadospara amanh&a 3 do corren-
te, em que Vmcs. podero comparecer na res-
pectiva matriz, certos de que tenho dado todas
as providencias para quo a eleico corra placida
c regularmente.
Dito ,'i Maooel Ferreira Accioli, Joaquim Pe-
dro dos Saotos Bezerra e Joo Antonio da Silva
Pereira, presidente e membros da mesa parochial
de S. Jos do Recife,Ao officio que Vmcs. roe
dingiram testa data respondo declarando-lhes
que no que ha pouco enderecoi ao juiz de paz
presidente da mesa parochial, communiquei-lhe
quo tinha expedido as providencias qu julgava
necessarias para que fosse garantida a seguran-
za individual nao s da mesa, como tambera de
todos aquelles que concorrerem i eleico, e para
que esla continu amanha coma mesma calma
e regularidade.
. Dito ao juiz de paz Joo Francisco Vieira de
Mello.Ao officio em que Vmc. na qualidade de
juiz de paz mais vizinho, me cpmmunica que,
convidado por dons membros da! mesa parochial
de Grvala assumira 6 presidencia dos trabalhos
leitoraes dessa freguezia, c nelles prosegue sob
Midamenlo de terem os respectivos juies de
paz abandonado a eleico, tenho
a dizer-lhe, que
havendo o juiz de paz e dous m< mbros da mes-
m:i mesa parochial, que consli uem a maioria
ti'.la, me communicado em dala de 30 do mez
passado que haviam addiado deisa parochia pa-
ra o dia 6 do crreme, irregular o procodimen-
to de Vmc., que s. podoria presidir os referidos
trabalhos na falta ou impedimento dos respecti-
vos juizes de paz e seus supplenlea, conforme
fcfermioa o art. 2. da let n. 3s7 de 19 de agos-
to de 1846, e declaram o aviso da 8 da margo de
1847 |, e outras decises do governo.
Dito .ao delegado de Ohnda.Achando-se qua-
si concluidos o$ trabalhos leitoraes nessa cida-
de, e podeudo porjun|o ser dispensada a presen-
ta da 20 pragas e um inferior de artfices, que
(U seguir pica ah, baja, ymc, de expedir as suas
ordens para que as referidas pragas estejam nes-
ta capital amanha, s 7 horas do dia, devendo
no entretanto permanecer nessa cidade as 12
pragas do corpo de polica, quejiella se achara.
Dito & mesa parochial de Iiaraarac.Conside-
rando o que se me representou acerca do proce-
dimenlo da mesa parochial da freguezia de Ita-
marac, que negara-se a recel>er"um protesto de
alguos cidados dessa parochia contra abusos e
irregularidades que riles entendem ter sido pra-
ticados no processo eleitoral, que aht corre, devo
clarar-lhe para sua inlelligencia que cumpre que
esse protesto seja recebido e lancido na respec-
tiva acta, como preceitua o art. 9. do decreto,
n. 2621, de 22 de agosto do anuo prximo lindo,
reservando-se ao poder competente o direito de
apreciar devidamente os seus fundamentos, o re-
solver como for justo.
Portara.O presidente da provincia, alten-
dendo ao que requeren Ignacio Vieira de Mello,
escrivo de orphos do termo de Nazreth, re-
solve conceder-lhe tres mezes de licenga para
tratar de sua saude.
Dita.O presidente da provincia, atlendendo
ao que lhe requereu Jos Joaquim Mendes re-
solve conceder-lhe permissao, para independen-
te de carta de piloto, matrcular-se como capi-
llo do hiate nacional Novaes somenie na viagem
a que est destinado para o Rio de Janeiro; de-
vendo porem assignar termo na capitana do por-i
lo, pelo qual se obrigue a exhibir a predita car-
ta para outra qualquer viagem.
Dita,Os senhores agentes da companhia bra- I
siloira de paquetes a vapor raandem dar trans- !
porte para a Bahia no vapor Oyapock, em lugares i
de proa destinados para passageiros de estado,;
a Manoel Amancio dos Santos o Antonio Fran-
cisco Nunes.
Dita Os senhores agentes da companhia bra- !
sileira de paquetes a vapor mandem dar trans-
porte para a Bahia por corita do ministerio da
guerra aos alteres Antonio Ferreira da Molla,
Augusto Pinto Paca primnro cadete seguodo
sargento Antonio de Paula Cavalcanli de Almei-
da e soldados Sebasliao Pereira da Costa e Braz
Manoel do Nascimento, os quaes vito reunir-se
ao 8. batalhao de infamara, a que pertencem.
Expediente do secretario do governo. ,
Officio ao Exm. marechal de campo Francisco
Telles da Fonseca Pereira Pinto, ajudante gene-
ral do exercito.De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia communico a V. Exc. quo dos
exemplares e ordens do dia annexas s notas as-
signadas por V. Exc. em 14, 18 r 20 do mez de
dezembro prximo findo, fallavam 4, sendo urna
da ordem n. 225 e tres do de n. 226.
Dito ao commandante das armas.De ordem
do S. Exc, o Sr. presidenlo da provincia passo
s maos de V. S. um exeujplar da tabella do l.o
de maio de 1858 para ser remetlido ao comman-
dante do corpo de guaruigoo desta provincia que
o requisitou como coaita, do officio de V. S. de
4 de dezembro ultimo.
Dito ao Sr. Jos Antonio de Calasans Rodri-
gues, director geral da secretaria de estado dos
negocios da guerra.Logo que recebi o officio de
V. S. datado de 21 de dezembro ultimo transrailli
ao commandanle das armas, afim de ser entregue
ao commandante do corpo de guarnicao fixa des-
ta provincia, o exeraplar da tabella do 1. de
maio de 1858, que, para ler esse destino, V. S.
me envin com o citado officio.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, manda
transmittir a V. S. as seis inclusas ordens do the-
suurn nacional sob ns. 200 a 205.
- DESPACHOS DO DA 2 DE JANEIRO DE 1860.
liequerimenlo*.
3156.Ignacio Vieira de Mello.Passe porta-
ra concedendo ao supplicanle 3 mezes de licen-
ca na forma requerida.
3457.Jos Joaquim Mendes.Passe portara
concedendo permissao para matricular-se smen-
te para a viagem a quo est destinado o hiate,
ficando obrigado a apreseniar carta de pillo para
outra qualquer viagem.
3458.Antonio Eneas Gustavo Calvao.Re-
meltido ao^Sr. director do arsenal de guerra pa-
ra satisfazer.
3459.F. F. Borges.Informo o Sr. capitao
do porto.
[ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SL
Alagoas, o Sr. Claodino FalcSo Dias; Bahia,
>r, Jos Marlins Alves; Ri de Janeiro, o Sr.
Joao Pereira Martins.
EM PERNAMBUCO.
O proprielario do diario Manoel Figueiroa da
Pana, na sua livraria praca da Independencia ni
O 6 O.
f^ZTJr^t10*?- conform VTmunicou lnimig0 n8 occuP'va marera direita do Mu-
Vmc. era dala de 31 do mez passado esla pro- soue, alguna bersaqtieri embuscados *\mlm-
acabo de ser informado de que Vmc. pretende
proseguir hoja nelles. e nao no dia marcado.
E porquo esse procedimaiHo aeja Ilegal, tu-
multuario e nadmissivel, tenho por conveniente
recoramendar que. caso esteja essa mesa func-
cionando, seja ella dissolvida, para novamente
reunir-se no predito dia 13, em que dever con-
tinuar a eleijo, que fora adiada ; cerlo Vmc. de
tueram fago sobre os atiradores do corpo deno-
minado carabineiros suissos, que formavam s
frente do columna: estes atravessaram o rio com
rapidez, e foram forraar-se atraz de um valado
que orla a margem esquerds.
Emquanto as nossas primeiras pecas do ar-
lilharia atravessevam o rio, o Io batalh'o de ca-
. gadores e os atiradores franco-beleas semii-
que nesta data officio ao ota de paz seu imrae- ram os carabineiros, e estes tres botalhoes fo -
dalo em votos delerminaodo-lhe que. se por.; maram-se em tres pequeas columnas retal
" Vdmc- nao "" ^sa parochial no dia guarda do vallado, sob os ordens do valenteco-
supracitado, a convoque elle, e assumma a res- ronel Corbucci
Pneaa EXlTiv'S* 14he.comPe,, P,.r lcj- Apena-" alumas Pec8s atravessavam o vau. o
DeusRuarde A \ mc.-Afflbrosto eWao tfa Cu-' general Pimodan den ordem aos carabineiros
Toja'cu''?." P8Z ma,S VOlad ^ reEUe" d6 I KK tomarem Primeira herdade. e ao ba-
como aos tiradores
talho de cagadores assira
para que os apoiassem.
lllm. e fcxm. Sr.Tendo a mesa parochial des- Como neste ataque o commandanla do Io de
iid So'ediS dV%S d?^de ej"CUP8r de8g" Ca?8d0reS deu provas da m2nep.or.vel fraque!
L! P L!r ^? raeAde deMml,ro pr" ", o general Pimodan foi obrigado a confeir o
xirao passado o da de boje 2 do corrente Janeiro, commando deste batalhao ao aiudanto maior
para conlmuar nos trabalhos da eleigao adiada Arranesi. que durante todo o combate.se houve
no suppra da 30, alenlos os motivos i commu- ; com a maior bravura e intelligencU
meados V. Exc. succedeu que, comparecendo Emquanto as carretas da artilharia airarem-
os abauo ass.gnados-l." juii de paz presidente ; vara o vau. os dois ltimos b.talhes da colori-
do ac e secrtanos, nao podessem hvremeote na do 2 de cagadores e do V berTalieraforara
fonccionar na respectiva, matriz, nao s em r.zo reunirem-se nVuns ja.dins. protegidos po uma
das violencias, que desde o romper d'aurora co- sebe de cannas. Algumas balas do inimigoTo-
^f? nJ7a^Hrr8ranudee9CalaSubde,Cgad0 ""hlrno ponto onde se achawodeM-
do respectivo distncto Francisco Gongalves de : gadores. e o major leve a infeliz idea de formar
Arroda, processado por cr.me do furto no termo urna companhia em ordem do atiradores noTu-
de Jgoarassu, poslando diversos piquetes arma-I gar em quo se abrigara a sua foca esta cora-
dos nos caminhos e prendndo so.b falsos pretex
tos os cidados votantes que nao eram de sua
parcialidade poltica, com o intuito de disprsa-
los pelo terror ; como tambem porque, leudo
pauhia comecou a fazer fogo, para a frente, na
direccan donde vjnham as balas, que natural-
mente iam cahir sobre os nossos batalhes de
ataque- O general Pimodan foi obrigafo a man-
amanhecido no paleo da matriz uma forg'a de .7- > dar os" seus ^fs e c sr o ogo que o
nha sob o commando do capito Pedro AlTonso ferira um soldado. Do-se rauitas vez'es fallas
SVwli Tf Pel? dClKga"d0 da COmfnrC"' e9"l nticas a esla. mesmo com soldadosmaw'ha!
la se poz as ordens do subdelegado refraclario, i b.tuados ao fogo do que os nossos e por isso
re orgada por um onlro sequilo do facinorosos, e ; para lamentar que este acoelecimon\o proro-
aaaim o aoo.ava nos insultos, in urias e ameagas casse aecusages falsas, que foram entre"
manejadas contra os abaixo assignados e mullos
cidados notaveis pelo grave peccado de se acha-
ren) em maioria. vendo-so e nolando-se geral-
menle que o propno commandanle da forga fazia
insinuages ao subdelegado e indicara qual de-
via ser o proceder da mesa, alentando a pettur-
bagao o os insultos que so desenvolvern), logo
quo tomaram assento e eotraram no conieco de
seus trabalhos. Coagidos, pois, os abaixo assigna-
dos pelas bayonetas e pelos bacamarlcs dos faci-
norosos, e aterrados pelas injurias, tomaram a
resolucao de virem unecionar na capella filial de
Nossa Senhora do Rosario ; mas depois que o
merabro da minora e escrutador Jos Francisco
de Souza invocou em altas vozes o commandante
da forca e seus apasiguados para os expellirem
com violencia e couvocaram o 3. juiz de paz,
nico quo Ihes convinha e dous cidados que ser-
vissem de secretarios.
Declarado assira o plano secreto
publicidade sera mais dolido oxame.
A primeira herdade, apezar de ser bem defen-
dida, foi tomada ; fizoram-se 100 prisioneiros,
entrando neste numero um official. Duas pecas
foram logo depois conduzidas para a encosta,
alun de protegerem contra nui ataque provavel'
a posigo que haviaraos conquistado, e 2 obu-
ses, s ordens do lente Daudier, foram igual-
mente conduzidos sob um fogo dos mais vivos
ate parte anterior da casa com o auxilio dos ir-
la ndezes. /
Estes valenles soldados, depois de cumprirerh
a missao que Ihes fora confiada, reuniram-seaos
atiradores, e, durante o resto do combate, dis-
tinguirara-se entro elles.
Quatro pegas e 2 obuses da balera Bichterti-
nnam chegado a altura da posico que haviamos
lomado. Esta arlilheria foi dirigida com a maior
indiligencia pelo coronel Blumensthil. fazendo
que se pnn-, graves estragos ao inimigo. O caoito Hichlpr
cip.ava execular, os abaixo assignados prole,- apezar de le sido ferido poV unJa bala conser-
taram contra semelhante v.olenc.a, reconhece- j vou-ae no meio do fogo ; o ten en te Daud'io? co -
ram-se coagidos. e rel.raram-se para esta capella, | locado a descoberto com os seus obuses com-
trazendo o hvro das actas e o da qualificagao, | peDsava pola sua docidida
onde se acham funecionando, longe do aspecto
de uma forga parcial e connivente : oque parti-
cipan) V. Exc. para os tos convenientes. Alm
do exposto relova mais declarar V. Exc. que o
tenente-coronel Jos de S Albuquerque Mello
Gadelha, commandante do batalhao de guardas
narionaes.coulrariaudo as ordensexpressas de V.
Exc. expedidas no meado do armo prximo pas-
sado, fez reunir e armar de bncamartes parte do
mesmo batalhao, e aqui apresentou-se na matriz
competentemenle_fardado, as vistas de incutir perior Bcdeivre,"00^*037^03'alzadores frn-
lemor na populacao rotante e pacifica, bem como co-belgas e destacamento de carabineiros e do Io
coragem e profundos
conheciraentos militares a inferioridade da nos-
sa arlilheria, em relago a do inimigo.
Os dois ltimos batalhes do general Pimodan
tinha atravessado o rio, ficando em reserva a
1,500 metros do distancia na reta-guarda de uma
planlacao de arvores.
Era chegada a occasiao de atacar a segunda
herdade.
O general Pimodan forma uma pequea co-
lumna, que entrega s ordens de um official sa-
que tendo-se procedido cnnlagem das sedulas
depositadas na urna no dia 30 do passado, apezar
de viva opposigo da minora, do subdelegado,
de cagadores.
Esla columna
avangou com resoltfco, nao
lllm. e Exm. Sr.Hojo as nove horas da ma-
nha, na forma da respectiva inslrucco, reuni-
ram-se no corpo desta matriz os votantes da fre-
guezia para proceder-se eleigao dos eleitores de
parochia. Installada a mesa, procedeu-se regu-
larmente na chamada dos volantes, e quando j
eslava o servigo alguma cousa adianlado, susci-
lou-se urna grande questao por occasiao de um
individuo, que nao era votante, querer entregar
uma chapa ; o que sendo advertido por uro ou-
tro, tambem nao votante, deu motivo esse gran-
de alarma, em razo do qual fui forcado sus-
pender os trabalhos e adia-los para "o dia 13 do
prximo futuro Janeiro, e nessa occasiao de geral
confuio urna das parcialidades, em que est di-
vidida, pode introduzir na urna algumas chapas.
Esta parcialidade diz e propala que ha de vencer
per fas ou per nefas, e que quando conhecer que
perde a eleigo hadeinulilisa-la: nestas circuns-
tancias em que nos acharaos collocados, vimos
reclamar de V. Exc. promptas providencias, afim
de que nao seja dorraraado o sanguo brasileiro.
Infelizmente o subdelegado e o tenente-coronel
commandante do batalhao desta freguezia, deven-
do ser os mantenedores da orden, acham-sode-
dicados essa parcialidade quo ludo envida para
vencer.
Outro shn, tendo-s npresentado no acto da
chamada alguns criminosos, e requisitaudo o pre-
sidente da mesa ao subdelegado a pristi delles,
sua requitigio nao foi satisfeita. Os dous sup-
plentes membros da mesa negaram-se subscre-
yer esta represenlacao, por ser um delles o que
iotroduzio as chapas na urna.
Deus guarde k V. Exc. por muitos annos. S.
Lourengo de Tojucupapo 30 de dezembro de 1860.
lllm. Exm. Sr. Dr. Ambrozio Leito da Cunha,
dignissimo presidente da provincia. Joo Ri-
beiro Campos e Vasconcllos, juiz de paz presi-
dente. Satyro Clementino Coelho Catanho,
secretario. Francisco Xavior de Albuquerque
Mello, merabro.
do tenente-coronel e do proprio capito Pedro i ?us,anle fgo vivo que parta di herd'ade e do
Alfonso, que allegava o exemplo do que so pra- b0^1"e- Devia assim percorrer 500 metros a dcs-
ticou na eleigao passada na freguezia de S. Jos *:obe.rl0 porm quando chegou 150 passos dis-
dessa capital. veriDcou-se nella um excesso de!ancla cume. da collina, foi recebida por um
quarenta e duas sedulas, excesso que revela fal- i ?" de duas '""ras de uma forte linha de bata-
siUcago e a causa oceulta de to injusta opposi- : }ha* que 'nfi Poz uma '*' quantidade do homens
cao s deliberages da maioria da mesa. Tudo Jt .de. c9mbot,,i 1e a obrinou a retirar-se.
quanto fies relatado justifica o proceder dos abai-1 inimigo perseguio-a ; porm justamenle na
xo assignados, que ser devidamente apreciado joccasiao era quo mais se aproxtmava dos nossos,
por V. Exc. e pelo poder legislativo geral. I estes voltaram afrente retaguarda, espera-
Deus guarde V. Exc. felizmente. Capella fi-! ram- a quinze passos, recebendo-o com um fo-
lial de Nossa Senhora do Rosario da freguezia de i g0, m dirigido, e carregaram sobre elle bayo-
S. Lourengo de Tejucupapo,2 de Janeiro de 1861. i '\ela' Sorprendido de tanta ousadia e presenca
Joo Ribeiro Campos e Vasconcllos, 1. juiz espinto, e apesar de ser muilo superior em
de paz presidente. Francisco Xavier de Al'bu- numcro inimigo recuou uns duzentos passos,
buqoerquo Mello, secretario.Saiyro Clementino que deu ,u8ar n 1ue os nossos soldados de no-
fiArk. pninni.n .i..: vo se adanlassom '*'' m *********** ^*^A :_-----
Coelho Calaoho, secretario.
4. secgo.Palacio do governo de Pernam-
buco. 3 de Janeiro do 1861.
Sciente do que expem Vmcs. em officio de 2
deste mez, apresso-me em responder-lhes quo
constando clara e indubtavelmente de seu officio
de 30 do passado que os trabalhos leitoraes
dessa parochia foram adiados para o dia 13 do
corrente, altamente eslranhavel o procediraento
de Vmcs-, reunindo-se hontem para continuar
essa eleigao adiada, conlradizendo assim a com-
municago feita no officio de 30 e o edital do I toes na retaguarda.
at a posigao d'onde tinhara
partido. O fogo da nossa arlilheria, convenien-
temente dirigido, protega estes movimentns.
Da posigao onde me achava, um pouco re-
taguarda, podia eu observar as diflerenles pha-
ses deste corabat. Seguia-as com a maior at-
lenco quando recebi a noticia de que o general
Pimodan fra ferido no rosto. Ordenei entao aos
dous batolhea do 1. estrangeiro, s ordens do
coronel Alet, que atravessassem o rio e avans
gassem at a altura das reservas da 1* column-
com o 2o balalho do 2o estrangeiro e o batalhao
de linha. afim de se formarem em pelo-
addiaraentoe infrigindo a lei, que nao permitte
restringir os prasos de laes addiamentos.uroa vez
deliberados competentemente. Em officio de
hontem datado fiz sentir Vmcs. que essa reu-
nio de que me do sciencia em dito officio, e da
qual ti vera euj noticia, era tumultuaria e inad-
miisivci, devendo agora declarar-lhes que com
razo nao n reconheceu a forga publica ali exis-
tente, como rima tropela de formulas, e um
acto ellegal e insubsistente, que devora Vmcs.
4.a Secco.Palacio do governo dePernarabu-
co, em 31 de dezembro de 1860.
Recebi o officio que me dirigir m Vmcs.com dala
de 30 do correte participando os motivos porque
foram suspensos osrtrabalhos da eleigo dessa pa-
rochia o espacados para o dia 13 de Janeiro prxi-
mo vindouro, e era resposta tenho dizer-lhes
que acabo de officiar ao delegado desse termo o
commandante da forga existente em Goianna para
dar as providencias necessarias no sentido de se-
rem garantidas a tranquillidade publica, segurn-
ca individual e a liberdade do roto.
Deus guarde a Vmcs. ,lrnorozio Leito da
Cunha. Srs. Joo Ribeiro Campos de Vascon-
cllos, Satyro Clementino Coolho Catanho e Fran-
cisco Xavier do Albuquerque Mello, presidente e
membros da mesa parochial de S. Loorenco de
Tejucupapo.
4," Secco.Palacio do governo de Pernambu-
co, 2 de Janeiro do 1861.
Tendo a mesa parochial, de que Vmc. presi-
dente resolvido adiar os respectivos trabalhos,
marcando o dia 13 do corrente para nelle prose-
pr termo,
que no dia
dessa freguezia, para continuar a eleigo'regular-
mente, devendo servir no desempenho de suas
funcgdes os substituios Iegaes, se Vmcs. isla
nao se quizerem prestar, como Ihes cumpre.
Resta-me dizer-lhes que nesta dala reitero as
convenientes ordens para que seja a mesa paro-
chial garantida no cumprimento de seus deveres,
Depois fui herdade, afim de examinar bem o
estado das cousas. Nao obstante estar ferido, o
general Pimodan conservara o seu commando :
o inimigo tinha perdido muitos soldados, porm
ns nossas perdas cram sensiveis, e, relativamen-
te, de mais considerago do que as suas. Reco-
nheci que os dous batalhes e meio que o gene-
ral linha comsigo nao erara aufficientes para to-
marem, sem auxilio, a segunda posigo ; mandei
buscar os dous batalhes de reserva pelo capito
dissolvendo essa rcunio, cerlos de i Lorgeril, e fi-los substituir pelos dous batalhes
convocada a mesa parochial do 1." estrangeiro, determinando aquelles que se
collocassem em ordem estendidos, afim de apre-
sentarem menos victimas ao fogo. Finalmente,
mandei pelo capito Palffy ordem cavalleri
para que atravessasse o rio, e segusse sobre o
dosso flanco dircilo a marcha das nossas colum-
nas.
Em quanto eu adoptava estas dsposigoes, o
lhos, que foram assim inlerrompidos.
Deus guarde Vmcs. AmBrozio Leito da
Cunha. r.rs. Joao Bibeiro Campos do Vascon-
cllos, Satyro Clementino Coelho Catanho e
Francisco Xavier de Albuquerque Mello, presi-
dente e membros da mesa parochial da freguezia
de S. Lourengo de Tyjucupapo,
ao bosque,
EXTERIOR.
quando tiver de continuar nos respectivos traba- inimigo teniou atacar a herdade por dous lados
a despeilo do fogo da nossa arlilheria, e os seus
atiradores comecaram a atacar do flanco as nos-
sas reservas, formadas na retaguarda das casas.
O major Becdelievre, reunindo o que anda lne
restava do seu meio batalhao e alguns destaca-
mentos de dous ootros, avangou sobre os atira-
dores, e obrigou-os a retirarem-se
d onde tinham sabido.
Os movimenlos ordenados infantera Bze-
r\lT"S re6ularmenle1 porm apenas o 1." bata-
nao estrangeiro comecou a manobrar, reconheci
ORO o abalo que produzia as suas fileiras a bu-
lla dbs obuzos e os ferimentos de dous ou tres
soldados, que cahiram aos primeiros tiros.
Muitos officiaes deste regiment, devo dize-lo,
participavam daquelle terror mais anda do que
os proprios soldados. Em vio leoiei tranquilli-
sa-los, e o bravo coronel Alet, que constante-
mentepercorria a cavallo UJa a linha de bata-
Ihi, nao foi mais feliz do que eu ; de modo que,
passados alguns momentos, os dous batalhes,
sera mesmo dispararem um tiro, derara meia
rolla, fugiram e debandaram. N^-^ri#u~ segundo
peloto de reserva, qoe nao tinha um s ferido.
seguio este triste exemplo. Na occasiao em que
eu era testemunha deste pnico o 2." de bersa~
Be I a torio do ene ral Lamorleire,
dirigido ao ministro da guerra
dos Estados Pontificios.
Rema, 3 denovembrodel860.
3a PARTE.
O terreno em frente de Loret. Posicot de ini-
migo. Chegada da brigada Pimodan, Comba-
te de Casleljidardo. Marcha sobre Ancana. Pri-
meira operagoes da esquadra contra esla ci-
dade.
(Cootinuago do n 2152.)
A primeira columna poz-so em marcha as oi-
to horas o meia e a segunda as nove horas. 0
mam-se era columna da primeira herdade, onde
anda se ronservava o general Pimodan. O 2.
de cegadores, rendo que os suissos tinham do-
sapparecido, fugio e deseen a toda a pressa pela
encosta pela qual tinha acabado de subir.
Devo dizer. para elogio do 2." batalhao de ber-
Sttflimri pontificios, commandado pelo ralete
major Fuchman. que no meio desta immensa
desorden) se conservou firme no sen posto, e que
defendeu com a maior firmeza a posico aue
oceupava. H
A nossa arlilheria, de que apenas estavam 6
Pecas em balera, operava na estrada d'onde dif-
liciimente pode sahir por causa dos fossos que
orlavam a mesma estrada.
O pnico coraraunicou-se a uma parte dos ar-
tilneiros; uns queriam fugir oom as pecas o
quo era impossirel em consequencia da pouca
largura da estrada, outros cortaram os tirantes
aos cavallos e fugiram pelos campos.
Debalde tenlei reunir alguma porgo da infan-
tera estrangeiro na retaguarda dos vallados e
em volla das casas, onde se podia conservar ao
abrigo da artilhoria, tudo foi intil. O coronel
Cropt e o coronel Alet. que se conservavam a
cavallo no meio dos fugitivos, nao tinham a me-
nor aeco sobre elles. e mesmo os officiaes pa-
reca m achar-se pos3uidos do maior terror.
Ordenei ento aos dous coronis que fizessem
o possivel para reunirera os fugitivos as proxi-
midades do Musone, endo estvessem ao abrigo
dos tiros do inimigo, e depois os conduzissero
ale ao continente do Aspio, quo Ihes fizessem
passar o vo e os dirigissom para a estrada de
Umana, Depois regressei casa, onde o com-
bate conlinuava cada vez mais renhido. Quando
estara j muito prximo desta posico, encon-
ire o bravo general Pimodan raortan'menlc feri-
do, a quem os soldados transportavam para o
ambulancia estabelecida perto do rio.
Troquei com elle algumas tristes palavras de
despedida. Esla ultima desgraga, maior do que
lodas as outras, veio aggravar ainda mais a nossa
siluagao, que se achava j muito compromet-
tida.
Ordenei ento ao coronel de Cudenhoven que
se dirigisso casa, e mandasse retirar as tropas,
que all se achavam para o lado do rio quando
ja nao podessem resistir, porm que fizessem
o possivel para salvar a sua arlilheria. Depois
regressei ao rio para ver se os fugitivos tinham
seguido a direccan quo eu havia indicado, e fazer
tomar posigo a nossa cavallara afim de pro-
teger a nossa infantaria que retirava em deban-
dada.
Aristei iramedatamente na planicie o esqua-
dra o de cavallaria ligeira, commandado pelo ca-
pito Zichy, official do cavallaria mm intelligen-
te, que j por sua ioicialiva linha lomado a po-
sigo mais conveniente para o fim a aue eu me
propunha, e que achando-se a muitos metros de
distancia do inimigo, nada linha a receiar do
seo fogo. Infelizmente o resto da cavallaria nao
o linha seguido. Os voluntarios a cavallo que
formaram o segundo esquadr&o tinham atrares-
sado o no, porm como se formaram do outro
lado do ro, perderam de vista a cavallaria li-
geira, e foram collocar-se n'uma vinha, onde
estavam protegidos pelas sinuosidades do terre-
no. Os drages que formavam o terceiro esqua-
drao estavam um pouco atraz dos voluntarios
cavallo.
O major Odescalchi/quo dena regularsar este
morimanto, eslava muilo oceupado em reunir o
sen Io esquaaro de drages. que apenas se dis-
parou o primeiro tiro, fugio, com o seu capito
na frente, abalando muilo a firmeza do esqua-
dro, que todava se conservou firmo no seu pos-
to, gregas aos cuidados do seu bravo capito Ber-
solari. O capilo Elig, com o meio esquadro
de gendarmes. Jicara de guarda s ambulancias.
Enviei successvamonte Robiano e Frsnce, o
Sr. deTerves e Montmarin, voluntarios a caval-
lo, que, nesse dia, estavam s minlias ordens,
para que ordenassem a cavallaria que so reunis-
se ao esquadro de cavallaria ligeira ; e vendo
que uma grande parle dos nossos fugitivos des-
ciam ao longo do Musone, porm sem o atraves-
sarera, mandei o capitao de Lorgeril, o capito
l.epri o o tenente de Maistre, para que os fizes-
sem parar e os formassem ao menos por bata-
lhes. Felizmente |para nos, o inimigo, a quem
o fumo do cmbate, e algumas arvores nao per-
mitliam ver bem as nossas lionas, nao linha
ainda conhecimenlo da grande desordem que eu
acabo dedescrever, e dcixava immoveis as qua-
tro grandes calumnas quo oceupavam as suas
respectivas posiges na nossa frente. Porm a
sua ignorancia nao podia durar muito, e a nossa
posigo era das mais criticas-
En eslava
nn0ir,Pia"'" ,c ,inha ,oda esperanga na ma-
nclra porque elles procederan).
,'?,c"pitt0 ZicJy "*. mandado tres explorado-
res ..umana. afim de saber se era verdde, co-
an\l"m. S h8b,lBnlM do paiz, que esla cida-
de nao eslava oecupada pelo inimigo. Por elles
minhom0S qUG D5 h8Va obstacul a|gm no X
Emquanto isto se passara. os batalhes de Pi-
modan depois de se conservaren* por mullo tcm-
dnrnnmhe.r.ade(,Ufl,Dham l""<>o no principio
oo combale, evacuaran) aquella --=-=-- -
ram-se para o rio.
O batalhao Fuchmann,
da retaguarda, desenvolve
la posigo e retira-
encarregado da guarda
veu neste movimento a
as
inteiraroente resolvido a marchar
para Ancona com as forgas que podesse reunir.
Tudo vinha corroborar esla concluso. Era cla-
ro que se eu me retirasse a Loreto tinha de ca-
pitular no dia seguinte. porque alm de me fal-
taren) os vveres era evidente que|os homens que
tinham recusado bater-se, por cerlo uo susten-
taran) no dia seguinte um assalto depois do que
se dera na vespera.
Finalmente, eu sabia que o bombardeameote
de Ancona devia comegar nesse dia, e tinha for-
tes razes para acreditar que se uma parle das
minhas columnas, pelo menos nao chegasse ci-
dade, a capitulagu de Ancona seguira muilo de
perto a de Loreto.
No ntanto os officiaes que eu linha mandado
para reunirem os fugitivos, linham conseguido
formar uma columna de 350 a 400 homens, que
depois de atravessarem o rio um pouco abaixo
do confluente do Aspio, seguiram pelo camioho
de Umana.
Recetando alguma emboscada, ordenei ao ca-
pilo Zichy que dirigisso para aquelle caminho a
sua cavallaria ligeira, e que fosse reconhecerum
vo sobre o Aspio, e alguns fossos quo entro os
dous ros cortam a planicie em diflerenles sen-
tidos. Depois de feito este reconhecimento, a
cavallaria ligeira marchou para Umana na frente
da infantaria.
Querendo fazer seguir a mesma direcgo ca-
vallaris,.e para evitar qnalquer engao, ordenei
a um dos meus officiaes que Iheindicasse o ca-
minho que devia seguir. A cavallaria, porm,
nao appareceu, e dos qoatro voluntarios, a ca-
vallo, que eu mandei em procura delta, dous vie-
ram dizer-me que a nao tinham encontrado, e os
dous outros nao voltaram.
O movimento. para a retaguarda, dos drages
de uma parte, e da outra a mudenca de posigo
qoe flzeram os voluntarios a cavallo, para nao
ficarem intilmente exposlos aos obuses do ini-
migo, porm sem tomarem a precauco de des-
tacaren) rdelas, havia sido a causa deste depio-
ravel coutialempo.
Fiquei'nicamente com 45 cavallos, porque,
por urna nova fatalidade, o official que comman-
davo o 4o pelotao de cavallaria ligeira cahio na
occasiao em que atravessava um canal perto do
no, retardando-so por isso a marcha do seu pe-
loto e retirando-se para o rio.
Fui ento jeunir-me columna de infantera,
que seguia pelo caminho de Umana, sob o com-
mando dos majores Dupasquier e Bell, com mui-
tos officiaes.
Na frente marchara o capilo Delpech com a
bandeira do 1~estrangeiro, precedido por alguos
tambores, que tocavam a marcha
maior actividade.
De 12 pegas que tinham atravessado o vo ape-
i Perdemos 3 o fizemos 150 prisioneiros.
nnnrf g\.8"l!fell Cm 9 8Ua V'dOria, O SUP-
aenrm "udold V n" has e jardas que
separara o Musone de Loreto se achava uma re-
serva composta de to bons soldados como os quo
de manha o tinham attacado, parou as proxi-
midades do rio-e nao foiem perseguigo das nos-
sos irop-s.
Porm, a despeto de ludo quanto so fez, os 5
batalhes, que linham debandado uma hora an-
jes, ingiram-se para Loreto ; e a arlilheria. que
tora a primeira a retirar-se, seguio a mesma di-
..:.a0 ".esla occasa. cumpre dize-lo, era
mu o difficil transmitlir. o absolutamente nipos.
slrel azer executar qualquer ordem.
i:i!v^rS*^de i'oreril e de Maistre. vendo a nu-
tihdade dos seus esforcos, vieram reunir-se a
.T\ ?,uedllBclraente conseguirn! fazer.' Os
Srs. de Robiano e do Terves nao voltaram.
Portante devia tentar recolher-mo a Ancona
e7*0L^nV^'T' 4f' S0.ldad0# de cav""'
Lr?,.- V,e infanteria Este numero devia
tarnar-se anda mais limitado.
,v',?t,nUa1d0 a nossa "n:ha para Umana.
11 .T-S nSSa esquerda uns 5 homens d
voluntarios piemootezes [bersaglieri) era linha
domlra.dreSVqUe a:ancava P"a o raar. Elle,
ZPA'T fgsabre o flanco e sobre a recta-
guarda do nosso pequeo corpo de infantera ;
esta deu uma descarga, porm. logo em seguida
mais de me ade dos soldados e os dous officiaes
superiores, lugiram na direceo do mar e depo-
zeram as armas. v
Oitenla homens. com o capilo Delpech, reuni-
dos em volla da sua bandeira. continuaron! a
marchar pelo caminho que eu Ihes havia indica-
do. Os voluntarios piomontezes coctentarara-so
eni levar os seus prisioneiros e nao conlinuaram
a inquietar o resto da nossa pequea columna
que seguio na direcgo de Ancona.
tndV.ra nam" Umana e Sirol- e no caminho.
todas as pessoas que enconlravamos nos diziam
qut ate Ancona nao encontraramos obstculo al-
gum porem que Camerano estava fortemente oc-
dipnoa.
Adianle de Sirolo o caminho forma tima curva
sobre a esquerda, segu pelo flanco do monto
Ancona opposto ao mar. o na distancia de quasi
duas leguas fica a descoberto deCamerano.de
que apenas separado por um riacho profundo.
Oe Camerano uma boa va de comraunicacao re-
ne este caminho a Proggio. obliquando pura An-
Era muito de presumir que as tropas de Ca-
merano nos avistassem. e fcilmente poderiam
razer opposigo a que seguisseroos o nosso ca-
minlio. hstas considerares resolveram-rae a
desviar-mo d elle, e tomar direita seguindo po-
la estrada do convento doscamaldunenses, tendo
o cuidado de deixar no ponto onde me havia des-
viado do pnmeiro caminho.
_ a marcha do regiment.
. _. --------.- Os soldados velhos que iam em volla da bandei-
J.tert e o 2, de caca dores pontificio? npproxi- ra eram homens de conHanca : Oirigi-thes algu-
. dous bravos campo-
nezes, que me juraram pela Senhora do Loreto.
quo hcavam all para indicarem os que me se-
guism o caminho que eu tomara. Estes campo-
nezes cumpriram a sua promessa.
Foraos magnificamente acolhldos pelos reve-
rendos padres do convenio, que de novo me af-
angaram que o caminho nao estava oceupado
por tropas; e depois de me demorar all um
quarto de hora para reunir toda a columna, se-
guimos pelo bosque o caminho que comraunica
com a montanha, onde tica situado o telegrapho
peste ponto deseemos porum atalho, o fomos sa-
bir um pouco adianto de Proggio.
Foi durante esle trajecto. que se verificou sem
noridade, que descobrimos a esquadra que bom-
birdeava Ancona. Havia j algum tempo que ou-
viamos os Uros. Estavaraos apenas a duas le-
guas e meia d'aquella cidade. e a 6:000 metroi
das nossas guardas avancadas.
A's cinco horas e meia* entramos aa cidade : o
bombardeamento durava ainda, e continuou at*
a norte, que todaria nao fez cessar completamen-
te o fogo.
4." parte.
Chegada a Ancona. Estado da cidade e da guar-
nicao. Bombardeamento. Atlaque das colum-
nas ptemonteza. Primeiras operaces do ii-
Uo. Atlaque desesperado da esquadra. Entre-
ga da cidade.
Nao fallamos ainda de Ancona. desde que as
columnas commandadas pelo general de Courten
e oelo coronel Kanzler all entraram nos dias 13
e 14 de selombro. As nossas communlcages com
esta praga acharam-se quasi completamente in-
terrumpidas desde essa poca, e s quando che-
gasse. poda eu ser sabedor de tudo quanto ali
se passra nos ltimos cinco dias.
No da 13 recebeu-so nesta cidade o despacho
dirigido por S. Exc. o embaixador de Franca ao
seu cnsul de Ancona. Esle despacho enviado
pelo te egrapho. afim de que fosse communicado
ao publico, devia ser trausmillido ao vice-consul
dai Franca em Pesaro; porm as columnas pie-
montezas oceupavam j Sinigaglia. O cnsul ri-
se pois na necessidade de dirigir este importante
documento ao general Cialdint. pedindo-the que
loraasse conhecimemo delle e o flzesse chegar ao
rLUieSt,n-i)Wn?ral ""toB-M apassaV um
recibo, sem dar nehuma outra eiplicicao. Po-
" ChefM vda. c-nn-isso rerolucionaria de
l-r h i qe hi,!,arn s,d0 in-ormados do con-
L despach0' nifeslarom a maior preoc-
cupa^ao, porqoe o consideravam. como quasi to-
da a gerrte, como o annuncio de uma intervengan
n,TAa P?T parte da Franca' Parecendo a todos
que s esta ameaca sera sufficiente para quedes-
?io'^nS.SSe CrimD0Sa ,nVa8S d0 terri,-
Ignoro o que elles resolreram ; porm certo
que no da seguinte flzeram constar quo tinham
mandado dous dos seus membros em deput.co
junio do general Cialdinf. e que se Ihes respon-
der que o embaixador do Fraoga em Boma e o
seu consol em Ancona nb estarara iniciados nos
segredos da poltica ; quo tanto o general Fanti
C?.(IneheC.0nrn,,arm a BreBPri a frene
0ftlf, al fl su,Bc,en'e Pra destruir o bom
effe.to que em nos prodozira o despacho do em-
baixador de Frange. Cumpre notar que, nos 15
das anteriores, acmpre se veriflcaram as noticias
dacommi8aio revolucionaria.
Na noite do dia 16, o sub-intendente Forri -
nha chegado de Porto de Recanali. & bordo do
San-Paoto, com o thesouro. Quando desembar-
cou. soube que oa praga nao havia farinha algu-
ma, e que a guarngo, nos ltimos tres dias, se
sustentara A bolacha. Esta situacao era o resulta-
do da negligencia do servieo administrativo (tai-
voz devesse empregar uma patarra mais serera.)
Os abastecimentos de farinha e de pao tinham si-
do dados aos agentes roasconhecidoa da revolu-
to ; nao se ijaria reftcado se nos armaiena es>


fe
i
r
IARIO DE PERSAMBUCO. SABBA0O 6 DE JANEIRO DE 1861.
tavam as provises do farinha qaedoriam echar-
se all, o elles linham esperado que o exercito
imig oceupasse, cora torcas imponentes, os
moinhos de Fiumicino para|pedirem auloridade
unlitar que mandasso tropas aos moinhos, aura
de trazerem toda a farioha que all se achava por
sua conta. A auloridade militar, com razo, nao
quiz acceder a este pedida. A expedigo alru de
perigosa, atienta a inferioriaado das nossas tor-
gas, era intil, porque se os Piemontozes tives-
sem encontrado farinha nos moinhos, sem duvi-
daitinham j disposto delta para aeu uso,
O sub-iniendente Ferri, reconhecendo a gravi-
dado de semelhante situarlo, parti nessa mus-
ma nolto a bordo do vapor do Lloyd, quo feliz-
mente eslava ancorado no porto de Andona, o di-
rigio-se i Trieste. No dia seguate chegou es-
ta cidade, e pode felizmente mandar-nos polo
mesmo vapor, ne dia 19, a farinha sufliciente pa-
ra a guarnigo.
Pprm~#m preseng.3 de um sitio, tornava-se
tambem ilrdispensavel prover a popularlo, por
que na cWade de Ancona nao lia moinhos.
louco apios liaba-se contratado o estabeleci-
rnento de um moinho a vapor, destinado para o
servido do exercito. Este moinho devia estar aca-
bado, quao^e-multo, no dia 15; porm como
nao se exigir a execuco do contrato, ainda no
da 18 o moinho ne "irabalhava. Nisto houve
descuido e m vontade, porque trinta e seis ho-
ras eram suflicientes para por a machina om mo-
vimento.
Ainda islo nao era ludo : nao se havia Ira-
lado do abastecimento de carne fresca. O pe-
quena rebanho que possuiaroos chegava apenas
para (rezou quatro dias, e era necessario reser-
va-lo para os hospitaes. onde tinhamos pedo de
4(10 doentes. J se ttnha comegado a distribuir
carne salgada. Encarreguei o major de Quatre-
barbes de prover ao fornecimento da carne, e
realmente o resultado que obteve foi muito alm
das nossas esperancas. Os camponezes dos ana-
baldes, que linham ganho muito dinheiro du-
rante os trabalhos, foram gratos, e conseguirn)
augmentar o nosso gado, a despeito da vigilan-
cia exercida pelos guardas e palrulhas do ini-
uiigo.
O general do Courlen. sendo avisado na noi-
te do da 16, pelo vapor San Paolo, da nossa
('negada a Loreto, e imaginando que eu nao ti-
rina de esperar ali pelo general l'iraodan, en-
leudeu que dovia partir no dia 17 para Aucona,
e rnandou fazer um recoohecimeiito, n3 distan-
cia do trez leguas, pela estrada de Camerano,
alim de adquirir a certeza de que esta nao esta-
ra oceupada. Conscrvou-se muito lempo era po-
sigo, e como nao ouvisse dolado deLorelocou-
sa alguma que podesse indioar-lhe um combate
regressou a Ancona. Foi n'esta occasio que elle
avistou a esquadra piernonleza que ia ancorar
em Sinigaglia, dizondo-se que, no dia seguiole,
principiara o ataque.
O bombardeameniu comegou como so viu,
evitando quo o general envisse forjas ao nosso
encontr como o lzera na vespera. IVeste dia
iicnliuma columna saliiu de Ancona, e fui por
equivoco que so disso o contrario. Alm d'islo
parece ceno que o inimigo, conhecendo a reu-
niaodas minhas duas columnas no dia 17, es-
perava por um ataque no dia 18, e que, sabon-
do que chegra a esquadra, fra iulimado, nao
obstante nao ler sido ainda declarado o bloqueio,
para coraegar a bombardear a cidade n'e.sse dia,
alim de evitar que a guarnico se reuuisse a
no?.
U borabardeamento causou maiores estra-
gos na cidade do que mesmo as obras da pra-
ga : muitos telhauos Qcarara destruidos ; moras
'las creangas e urna mulher; um hornera per-
rneas fra de combato, todos gravemente feri-
aos. A uossa arlilharia respondeu vigorosamen-
te ao fogo do inimigo, n alguns navios que se
aproximaran! mais das baleras, foram alcanza-
dos por mullas das nossas balas.
.Veste da liveraos occasio de apreciar de-
vuiamenlo o formidavel armamento dos navios
quo tinhamos a combater. Qualro trgalas de
MI, e sete navios menos importanles couliiiham
mais de 400 boceas de fogo ; s pecas erara de
oO.ou raladas cora balas de (15 kilograrumas ; os
mV0S "la'S Pe1ueaos liuhaiu pegas raiadas de
'O kilograminas. O eieilo que os projectis pro-
duzrara contra as nossas muralhas a distancias
mediocres, e o sen enorme alcance, superior a
J.OifO metros, inquietararu-me muito, porque,
do lado do mar tinhamos apenas parapeilos de
pedra e trincheiras descobertasat aos ps; aim
U isto as nossas baleras, que defendiam o por-
to, linham apenas 23 pecas, sera poderem rece-
bermais, e mesmo estas eram do calibre e al-
cance mui inferiores s do inimigo. No curio es-
pago de alguns raezes, nao nos fura possivel me-
morar e augmentar a deeza do lado do porlo.
1 ara- isto sera necessario langar ciuicalos uas
rochas, quo uas mares altas o mar cobre, para
o que se careca de muilo lempo ; e alm d'isto.
curupre dize-lo sera rodeios, nunca imaginamos
quo seriamos atacados por mar com rueios lao
poderosos como os que eram empreados contra
mu.
Do lado de trra, o inimigo eslava ainda a
grande distancia da praga ; aaladireila da sua
tuina era em Camerano,"e prolongava-se em se-
mi-circulo al ao mar perto do Falcobara, na
distancia de du3s leguas o raeia das nossas mu-
ralhas0 N'este semi-circulo, os pontos por oude
podamos sabir acavam-se forlemente defiendi-
dos, e dilferentes patrulhas percorriam constan-
temente o terreno que nao eslava oceupado por
tropas em forga raaior. N'uma palavra, a'praga
niio linha ainda sido investida, e os nossos mer-
cados conliouavam a ser abastecidos. Alm dos
fortes pertencenles praga, oceupavamos ainda
na direcgo do Camerano dois reductos de Ierra
construidos pelos austracos na sua ultima oceu-
pago, o situados nos moutes conhecidos pelos
nomes do Monle-Pelago e Monte Solilo, na dis-
tancia do 2,001) o de 1,500 metros das nossas
lortiticages.
Na direcgo de Sinigaglia e as encostas de
Montagnolo oceupavamos tambem a 1,500 me-
tros da cidadella, o reducto chamado de Seri-
ma, construido na mesma poca e as raesmas
condigoes que os precedentes. Estes irabalhos
de deffesa nao se achavam acabados, e nao os
augmentamos porque, alienta a grande distancia
a que ticavam da praga e o elTectivo das nossas
tropas, nunca pensamos em osoecupar por mui-
to lempo n'um caso de sitio.
As nossas fortificages permanentes do la-
do do campo eram mais solidas do que as def-
fezis do lado do mar. As brechas dos inlrin-
cheiramenlos haviarn sido alteradas, as obras
exteriores completadas e melhoradas, os para-
peilos estavam quasi acabados, e s havia falta
de caminhos cobertos, porque nos pontos oude
existiam, uinguem se oceupou da, sua organisa-
go. Dava-se o mesmo em relago s esplana-
das, que estavarn coberlasde vinhas.de amorci-
ras o at de casas de campo quo por falla de
tempo nao foram demolidas^
Tinhamos sobre as trincheiras que deila-
vam para o campo 110 pegas de sitio e 14 pecas
de menor calibre, altavam ainda 20paracoin-
pletarmos aquillo a que seda o nomo do arma-
mento de seguranga, por conseguate nada ti-
nhamos de reserva. Perianto, estavamos longe
de possuir o necessario para podermos sustentar
um sitio dirigido ao mesmo tempo por maro por
trra.
As nossas maiores pegas eram do 36, e de
estas s tinhamos 18. E' intil accrescenlar que
nao possuiraos pega alguma raiada. As nossas
provises de plvora e bala eram suficientes,
porm as boceas de fogo eram de origem muito
diversa : todas as artilharias da Europa ali esta-
vam representadas, o que produzia urna muiti-
plicidade de calibres que difflcultava muito a
manobra. Foi por isso que, lendo-se dado al-
guns equivoeos, houve quem os attribuisse a
traigo, como serapre acontece era casos taes.
Finalmente apesar de termos irabalhado extraor-
dinariamente para coucerlarmos as nossas car-
reas, meltondo al algumas novas, tinhamos
ainde muitas cuja solidez deixava ludo a de-
sojar.
A questao dos abastecimentos que surgiu
logo no dia immedialo invaso, inquieta-
ra e descontentara as tropa?, dando-se at al-
gumas desordens na occasio da dislribuigao
dos vveres. A agitago cessou, ragas s me-
didas enrgicas adopladas pela auloridade, po-
rm subsislu o effeito moral; alm d'isto a
commisso revolucionaria melhor informada do
que nos acerca de ludo qnanto se passava
fra, todos os dias espalhava a noticia do urna
nova victoria dos piemonlezes. Um da era a
tomada de Orvieto, depois a do Perusa, em se-
guida a de Spolelo e a do Yjlerbo, e por ul-
timo a invaso do proprio patrimonio de S.
Pedro.
A (ropa eslava visivelmenle agitada, e a ol-
cialidado participara da inquielaco geral.
Era conhecido o effeclivo dos corpos que li-
nham atravessado As fronteiras romanas. Hiara
lodos reunir-se a mu pequea distancia dos
nossos muros, e loriamos de lutar com um ini-
migo dez vezes superior em numero.
Calculava-se a superioridade de calibre o
de alcance da arlilheria inimiga, a ausencia
quasi absoluta as nossas leiras de carabinas
e de espingardas raiadas, e concluia-se que
deviamos necessariamente snecumbir, porque
ninguem vinha em nosso auxilio ; que urna
resistencia mais prolongada era nao s intil,
mas at criminosa, porque hia sacrificar sol-
dados valentes por urna causa evidentemente
perdida, e que linalmenle ee alcangariam me-
lhores condigoes de capitulago, se o exercito
se enlregasse, podendo anda resistir por al-
guas dias.
Charaei minh.i preseoga alguns officiaes es-
colhidos dos diversos corpos, para conferenciar
cem elles acerca de taes boatos, e noohum tentou
dissimular as suasapprehenses quanto s dispo-
sigoes da iropa. Fiz-lhe ver que estavamos n'uma
praga de guerra bem fechada, munida de ludo
quanto careca para sua doteza, e que a honra
militar nao perroilli qne nos enlregassemos era
quanto as nossas fortilicagoes se conservassem
imadas ; que as balas do inimigo opporiamos os
nossos parapeilos; quo para abrir brecha as
nossas muralhas era necessario approximar-se
dellas, e que enlo as nossas pegas fariam estra-
gos sensiveis; e, linalmenle, que quaudo mes-
mo fosse aberta alguma brecha, sempre teriamos
tempo de examinar se deveriamos enlo render-
nos, e que neste mundo me obrigaria a retirar as
minhas bandeiras em presenga de araeacas de
bonbardeamento ou de escalada.
Os quadros dos balalhes que eu linha na pra-
ga estavam muilo incompletos ; o 4o batalhao de
voluntarios (bersaglieri), recenleraenle formado,
nao linha dous olficiaos por companhia. O 5o,
quo se estsva orgaoisando, achava-se no mesmo
caso ; era um grave inconveniente para a disci-
plina e para o servico. Usei enlo da latitude que
V. Em. me conceder para fazer promoges, caso
as minhas communicagoes se achassem interrum-
pidas, e nao obstante deixar ainda vagaluras, iz
muitas nomeages.
O estado maior da arlilharia era tambem mui-
to insuficiente. O capilao Zichy, que servir na
nrarinha e na arlilharia, linha sido encarregado,
havia muilo tempo, do commando das bateras
que deitavara para o mar. Este offlcial, que me
mereca iuteira conanga pela sua experiencia e
dedicaro, feito prisioneiro no ataque inesperado
de Pesaro, onde linha ido levar por marj pro-
visoes.
O coronel Blumenstb.il, qne devia dirigir este
servigo. o mais mporianle de lodos para a dee-
za, foi feito prisioneiro em Loreto. Para preen-
cher esta falta tanto quanlo cauia as minhas
torgas, noraeei majores os dous capiles Pileri e
Larai, e dei a este ultimo as ftincces de chefe
do ostsdo-maior do servico durante' o sitio.
Finalmente nao tinhamos sapadores, que lo
necossarios sao para a defeza lano antes como
durante o sitio. V. Em. deve recordar-se docon-
Iratempo que influio para que esta organisaco
fosse redardada. Formei pressa um destaca-
mento do trabalhadores, que de boa vontade se
prestaram a sses trabalhos, e confer o comman-
do desta forga ao capilao Popiel, que lirou dos
subordinados o partido que so poda tirar.
Na manha do dia 19, um barco de. pesca trou-
xe-nos do porto de Ricanati o lenle de arlilha-
ria Uhdo com as 2 pegas da sua seceo e 40 ho-
mens. Uepois de ler corajosamente combatido as
proximidades da herdade onde fra ranrlo o ge-
neral Pimodan, retirou-se para o lado do mar, e
prevendo a sorle que o esperava no dia segualo,
embarcou cora os poucos artilheiros que ainda
Ihereslavam, e alguns soldados de infamara que
se reunirn) a elle.
Como o publico se tem oceupado muito dos
meus registros de correspondencias, e como se
disso que haviam sido apprehendidos pelo inimi-
go, permitla-se-me que eu acrescente que foi in-
justamento por esta via que os recebi. A minha
carruagem, que devia seguir o comboyo, eslava
perlo do local onde embarcou o lente Ulide.
O brigaJeiro de gendarmera, que licra de guar-
da s bagagens do estado-maior, pegou na caixa
onde se achava a minha correspondencia cora al-
guns outros objectos de raeu uso, e veio ter co-
raigo a Ancona, para onde suppunha eu rao di-
rigir.
Pouco depois, vimos chegar o Sr. de Terves,
voluntario pontiiicio, que nao liana podido al-
cancar-rae na vespera. Acompanhava-o ura
bravo sapador dos carabneiros suissos, chamado
Simo.
Tendo sido separado pelos bersaglieri piemon-
lezes da nossa pequea calurana, que elle vira
seguir-se o caminho do Ancona, e tentado reii-
rar-se pela montanha, avistou as guardas van-
gadas do inimigo, em consequencia do que, vol-
tou para o lado do mar, o resolveu um pescador
a conduzi-lo para Ancona.
Muitos navios da esquadra vieram ainda ca-
nhonear os nossos fortes, porm o seu fogo foi
menos intenso do que na vespera. Um ou dous
navios conliuuaram ainda o fogo durante a noite.
No dia 20 foi-me enviado o agente da columua
de Loreto, pelo ceronel Condenhove, com ura
salvo conducto. Era portador da copia da capi-
tulago que fra assignada na vespera, e pedia-me
urna quantia de dinheiro que Ihe raandei en-
tregar para pagamento do sold alrazado das
tropas.
O borabardeamento da esquadra conlinuava
sempre, Dorm sem plano bem decidido. Todava
os navios linham adiado perto das rochas escar-
padas, na altura de Monte-Pelayo, urna posigo,
da qual, sem serem inquietados pelos fortes de
Gardetto.' por causa da distancia, elles podiara
langar sobre os nossos reductos os seus projectis
de 65 kilogrammas.
A elevaco do nosso reducto cima do mar
exceda 30 metros, o os navios, collocando-so a
3:500, estavam era boas condigoes de tiro. O seu
fogo bera dirigido, apesar de nao nos matar mui-
tos soldados, inquietava incesssotemente os nos-
sos dous reductos. Os projectis que erravam o
primeiro iam ordinariamente cahir no segundo.
A cidade tambem conlinuava a soffrer. Neste
dia foi altrahida a nossa allengo para o lado do
campo, a frente das columnas de tropas que li-
nham combatido em Loreto vinhara encher os
espagos nao oceupados pelo cordao de ailaque
de que fallamos.
Finalmente outras torgas que se avistaram na
direcgo de Osimo, avangavara para o mesmo
fim.
A sua importancia fez-nos crr que o corpo do
oierciio que alacra Perusa, depois de alravessar
os Aponanos, comecava a chegar pela nossa
frente.
Esta supposigo era verdadeira, porque no dia
seguale soubemos que o general Fanli, que em
pessna diriga esta columna eslava em Loretto.
A esquadra nao linha cessado o fogo desde
o dia 18, e na manha de 22. percebemos que
um escaler com bandeira parlamentaria se diriga
para nos
O ofcial, que vinha a bordo, era portador de
urna carta do almirante Persano, que me notiQ-
cava o bloqueio do porlo, e me pedia que enlie-
gasse ao cnsul inglez algumas notas, que acom-
panhavam a sua carta.
O fogo da esquadra parou um instante, e co-
megou depois com mais vigor. Causava-nos por
da urna parda (termo medio) de 20 a 25 homens
fra de combate, na qual os artilheiros entravam
geralmente por melade.
Continuavamos a ter em frente das nossas for-
tificages eoinpanhiasdeguarda,quebatliara opaiz
a grande distancia, porque as nossas esplanadas
e o terreno continguo estavam cobertos de jar-
dios, tornando assim indispensavel aquella forga
da exploradores para se evitarem as surprezas.
Apesar dasforgas do inimigo lerera augmenta-
do consideravelmenle, as suas guardas avangadas
conservavam-se serapre a grande distancia : po-
rm eu tinha a certeza de que bem depressa se
approximariam, e deque seriamosaltacados com
minia brevidade.
Nesta previsao divid o commando, e dei a cada
um o seu lugar diQnitivo de combatte.
A nossa guarnigo companlia-se da seguate
mancira :
O 1. regiment de linha (coronel Serr), duas
companhias do 1." slrangeiro : o deposito deste
regiment e o destacamento que eu trouxera de
Castellidardo formavam um pequeo batalhao,
que eu puzera i ordens do capiluo Castellaz.
Os 1.. 3. e 4." baUlhoes de bersaglieri, qua-
tro companhias do 5. dos mesmos voluntarios
que se estavam orgauuando; quatro.companhias
ao batalhao de S. Palricio, urna companhia de
gendarmera movel, e um destacamento de gen-
darmes a cavallo, a cavallara ligeira que veio de
CastelQdardo, perto de 450 artilheiros de difle-
reuies baleras o um destacamento de sapa-
dores.
O batalhao do 1.* de linha e o 3." batalhao de
bersaglieri linham perdido algumas companhias
que ihes caram prisioneros em Pesaro, Pao,
San-Leo, e alm disto estes corpos soffreram
perdas sensiveis no combatte de San-Angelo.
Estavam muitos soldados doentes em conse-
quencia do causago das marchas, achando-se
assm reduzida a nossa infanta a 4200 ho-
mens. V. Em.a calcular quanto esla cifra era
insufficiente, em presenga das torgas quo nos
ameagavam, para deffesa de Ancoa. onde o
corpo de praga e os fortes que lhe flcam adjacen-
tes apresentam um desenvolvlraento superior a
7:500 metros.
Confer ao general de Coarten o cemmando do
recinto proprio da cidade, do lazareto e do re-
duelo ao Moate-Seriama, oceupado por urna
companhia.
O general Kansler recebeu o commando dos
fortes exteriores e dos reductos de Mente Pelago
e Monte Palige. O commando da praga foi con-
ferido ao coronel Gt.
O recinto foi dividido para i defesa entre o co-
ronel de Gadoly, e major Einen, e o capito
Castellaz. O major de Quatrebardes continuava
exercendo as uneges, muito difllceis e porigosas
nesta poca, de governador civil.
O coronel Vogelsang e o major Giuzol, com o
I. o 3. balalhes de bersaglieri, oceupavam al-
ternativamente o Gordclto e os roductosde Pela-
go e Polito. O major Pross;ch, com urna parte
do seu batalhao e tres companhias do batalhao
de S. Patricio, oceupava o acampamento entriu-
choirado. #
Urna companhia do seu batalhao e urna com-
panhia irlandeza estavam na cidadella ; final-
mente duas companhias, que se revesavam, de-
fendiam a posigo de San Stefaoo.
Depois da evacuago dos dous reductos de Pe-
lago e Polito, ura dos dous balalhes do coronel
Vogelsang devia recolher-se cidade, atlm de
ali formar urna reserva, que at ento apenas se
compunha da gendarmera oda cavallara ligeira
commandada pelo coronel Zarabelli.
No dia 23, que cabio a um domingo, o bora-
bardeamento lornou-se muito vivo logo ao rom-
per da manha, depois de durar toda a noile.
Era esle o signal de que as columnas que nos
ameagavam brevemente se aproximaran) mais,
e fui estabelecer-me na cidadella a fim do oceu-
par um ponto mais central.
Neste dia, a cidade foi rauito mallralada. Mui-
tas bombas foram cahir as igrejas, os fiis que
assistiam ao santo sacrificio da raissa reliraram-
se, e os padres que a celebravam doram provas
de toda a coragem. consorvando-se no altar.
Lomo um dos navios da esquadra, querendo bom-
bardear Pelago, fosse mal dirigido, a nossa arli-
Ihona do forte deCapuccini e de Gardetto cau-
sou-lhe prejuizos sensiveis; foi mandado outro
navio para auxiliar o primeiro a fazer-se ao lar-
go ; porra, antes do terminar esla operaco.
dous obuzes de carapanha, dirigidos pelo capilao
Mager, foram collocar-se no fundo do valle dos
Jardins, e por um fogo dos mais vivos obrigaram
aquelles navios a retirar-se. Esta insignificante
victoria causou a maior satisfajo aos nossos
bravos artilheiros; porm, logo depois, outros
navios vieram substituir aquelles que haviam
sdoobngados a relirar-se do combate.
A' note avistamos muitas massas do tropas
que vieram acampar as colinas visinhas, a dis-
tancia de 5,000 metros; porm as suas guardas
avangadas nao desciara anda para os valles que
nos separavam dessas collinas.
A' noite deu-se ordem para que a companhia
que oceupava o reducto do monte Serima se re-
tirasse, com receio de que fosse tomado pelo ini-
migo. Na manha do dia seguate foi a mesma
companhia oceupar de novo a dita posigo, e
logo depois avistamos urna forte columna que
saina do Falconara, enviando parte da sua in-
fantera para as encostas de Montagnolo. A co-
lumna era seguida de urna numerosa arlilheria ;
julgamos que esta forca devia ser ou urna parte
do parque de cerco, ou a arlilheria de reserva
dos corpos do exercito reunidos para concorre-
rem ao sitio. A infantera inimiga oceupou des-
de logo as povoaces e as casis ou encostas do
nosso lado, e como alguns atiradores avanr.aram
para o reduelo do Monte Serima, comecou o fo-
go. Nos nao queramos sustentar urna posigo
to avangada, e deu-se ordem companhia para
que se relirasse sobre o Borgo Pi.
Bera depressa o cume da montanha appareceu
coberto le arlilheria do inimigo, que rorapeu o
fogo contra nos, com as suas peess raiadas, na
distancia de 3,000 metros prximamente. Forera
vio que nesta distancia os projeclis rebentavam
antes de ebegarom aos pontos onde se achavam
as nossas forgas. Nos, nem mesmo tentamos
responder. Eulo, desceu a encosta e veio col-
locar-se um pouco retaguarda do reduelo de
Serima, sustentando o fogo da sua arlilheria com
ura ou dous balalhes de infantera. Nesta dis-
taucia, o fogo lornou-se mais eicaz, e os obuzes
rebentavam na cidadella, no acampamento iu-
triucherado e oa cidade.
Cooceutramos entao o fogo de muitas das nos-
sas pegas de maior calibre sobre algumas das do
inimigo; outras foram aponladas para a infante-
ra, que avistavamos. Nao obstante a distancia
ser grande para as nossas pecas, alguns tiros bera
dirigidos obrigaram o inimigo a retirar as suas
pegase a subir de novo para a posigo d'onde
acabava de descer.
As pecas empregadas pelo inimigo eram de
um calibre quo muito so- approxmava do das
pegas de oito, francezas, e os projeclis cos, que
os soldados chamam garrafas, pela forma que
teem, podiam pesar 12 a 14 libras. Os que che-
gavara s nossas escarpas inteiramente deseo-
bertas desse lado, faziam pequeos orificios, po-
rm o tiro ora muito incerto para que o inimigo
esperasse fazer brecha a essa distancia.
Nunca comprehendi qual era o fim deste ata-
que, porque o fogo limilava-se a um bombar-
deameuto muilo meaos prejudicial que o da es-
quadra.
A noile o inimigo consinti urna batera de 8
pegas raudas no reduelo Serima. Tinha, alm
dislo, collocado as encostas de Montagnola 20 a
25 pegas da mesma nalureza que as da batera,
abrigadas nicamente pela fra do terreno. Lo-
go ao romper da manha, comecou o_fogo con-
tra as nossas defezas e contra a "cidade, e alguns
dos navios da esquadra vieram igualmente ata-
car-nos. O fogo de todas as nossas pegas esta-
vam voltadas para o reducto foi coucentrado so-
ore ella. Tres mosleiros foram destinados para
o mesmo fim. Vimos que a balera solTria mui-
to, e passadas algumas horas cessou completa-
mente o fogo. Quanto s pegas collocadas em
pequeos grupos, atacamo-las'depois, porra os
uosos tiros eram poucos cerleiros.
Ura dos navios errando o rumo sotTreu muito
em consequencia das nossas descargas. O bora-
bardeamento foi dos mais vivos, causando gra-
ves estragos na cidade.
Urna bomba foi caluma sala dos archivos do
consulado francez : o cnsul e toda a sua farai-
Ua estavam era casa. Outra fot rebeular no pa-
lacio do arcebispo.
O fogo contiouou com a .mesma ialensidade
at a noite. Ficaraos com muitas pegas des-
montadas e algumas carretas partidas. Na cida-
de ficaram doze pessoas moras ou feridas, e as
nossas perdas foram de maior considerar a do
que nos outros dias.
O inimigo havia tentado ua noite de 25 tomar
povoagode Piadella-Croce, que nos oceupa-
vamos na distancia de 500 metros, em frente do
reduelo de Pelago.
O 3o batalhao de bersaglieri commandado pelo
major Giuzel, defenda nesse dia os dous reduc-
ios, e urna companhia a povoaco ; depois de
um pequeo combale, oa bersaglieri inimigos e
os nossos linham conservado cada ura os pontos
extremos da posigo, recolhendo-se s casas de
que se haviam apoderado.
O nosso batalhao tinha quando muilo 600 h-
meos ; 100 estavam na guarda principal, 300
cora 6 pegas no reducto Pelago, e 200 no de Mon-
te Polito com outra batera. Esta forga tinha or-
dem de nao defender a todo o transe aquellas po-
siges, mas sir de se retirar lentamente, de
modo que houvesse lempo para que a arlilharia
descesse as encostas, por onde devia retirar.
Tornra-se digna de censura maneira por
que as companhias estrangeiras tinham feo o
servigo da cidade nos dias anteriores, e quiz que
ossem substituidas na posigo importante que
eu Ihes confiara nos intrincheiramentos.
O capito Castellaz, antigo oirial dos regi-
menios estrangeiros, homem decidido e fiel, res-
sintio-se da minha desconflanga, nao obstante
ser ella corrobrada por boatos que eu suppunha
nao serem destituidos de fundamento, e propoz-
me para experimentar os seus soldados, o lomar
urna hora antes de romper a manha a extremi-
dade da povoago de Piadella-Croce que na ves-
pera nos fra arrebatada. Aceitei a proposta.
Elle alacou os piemonlezes i hora convoncionada,
a sua guarda asis numerosa fez fogo, os nossos
suissos respouderam, porm retiraram-se em
desordem. O inimigo vendo este movimento foi
em sua perseguigao, e a nao ser a dedicago de
tres ou quatro homens fiis, que Castellaz levara
comsigo elle proprio teria flcado prisioneiro.
A fgida destas com panhias deu em resultado
a retirada da companhia do 3o bersaglieri, que
anda oceupava a outra exlremidaoo da povoago*.
Esui parou no reducto de Pelago, e as duas com-
panhias estrangeirasregressaram cidade, tendo
infelizmente justificado as nossas apprehenses.
uo lado de Serima, vitaos que o inimigo, que
na vespera obaodonra a batera que construir
no reducto, levantara urna nova, na retaguarda
da pnraeira. artilbando-a com 10 pegas raiadas,
a qual mmedialamenlo nos atirou alguns pro-
jectis de multo maior calibre dos que a mesma
batera havia empregado no dia anterior ; 30 pe-
gas collocadas a direita e a esquerda desta bate-
ra comegarara tambera o fogo. Da nossa parle,
repelimos a manobra de que na vtspera tiramos
lao boas rosultados. Bem depressa diminuto o
logo da batera, depois extinguio-se completa-
mente, e s livemosdo combater o fogo produ-
zido pelos pequeos grupos de pegas dispersas.
A esquadra, logo de manha, rompeu o fogo
contra Moote-Pelago ; e s nove horas e meia
esla posigo foi atacada por tres balalhes. dos
quaes dous so apresentaram de frente, e o ter-
ceiro pela direita, do lado do jardim. As arvo-
res e o fumo do combate nao permittiram quo o
avistaremos. Sendo atacadas por forcas supe-
riores, as nossas quatro companhias prpararam-
se para a retirada, e comegarara a por em movi-
menlo as pecas de arlilharia que al ento ti-
nham feito fogo. Era tarde, o inimigo j as havia
cercado. O caminho polo qual poda descer a
arlilharia eslava oceupado por ura batalhao cora-
posto de um effectvo que constitua quasi o do-
Oro do das nossas quatro companhias ; e estas
reiiraram-sesempoderera levar a sua arlilharia.
u otucial, que comrasndava as tres companhias
que oceupavam o reducto de Monte-Polito, deu
ordem para quo as suas pegas relirassem, movi-
menio este que se operou na melhor ordem pos-
sivel. r
Da cidade de Ancona e das suas fortalezas
quando se olha para'o monto Pelago, esta colina
parece dominar urnas e outras, de modo que as
defesas devem cahir apenas aquello monto fr
tomado pelo inimigo ; porm a importancia des-
ta posigo mais apparente do que real, e todas
as obras exterioros se achavam em estado de
poderem sustentar-se, nao obstante a lomada
daquelle ponto, que nos oceupavamos nicamen-
te como posigo avangada. To.lavia a tomada
do monte Pelago pelo inimigo impressionou a
nossa guarnigo, e todos repetiam que em 1849
a cidade se entregar aos austracos logo depois
do elles oceuparera aquelle ponto. Animado
pelo bom resultado quo alcancra, o inimigo,
que sem duvida nao havia mandado reconhecer
as escarpas da posigfio San-Stephano, era mes-
mo a maneira por que esta posigo se achava de-
fendida, julgou poder toma-la com a mesma fa-
cilidade que os outros reductos. Vendo que se
preparava este alaque, ordenei s forgas que all
se achavam que dnixassera o inimigo avancar
at a parte mais elevada da csplanada, e que nao
rompessem o fogo seno quando vissem os pri-
meiros sitiantes nofosso.
Os atirados inimigos attacaram com ousadia,
e os mais decididos avangavara al perto das es-
carpas : um fogo terrivel os accorametteu ento
de lode a parto, e foram obrigados a relirar-se
em grande desordem. Tenlaram forraar-se de
novo ao abrigo das sebes o das casas ; porem as
balas dos nossos obuzes os desalojarBm ainda da-
quell posigo, de modo que s poderam reunir-
se novamenle ua retaguarda dos reductos, que
elles havum consqu slado pencas horas antes.
Alguns otBciaes a cavallo, que eu vira dirigir
este altaque com lana imprevidencia como au-
dacia, suslentarara corajosamente a retirada, na
qual os seus saldados soTreram perdas muilo
sensiveis. Era seguida a um revez alcaocaraos
urna victoria ; porem a esquadra que j nao ti-
nha de bombardear os nossos reductos, dirigiu
o atlaqiio para o iorte dos Capuchinos. Urna
bomba deitou fogo ao corpo da guarda, raallou
inultos soldados, e feriu gravemente o capilao
Capucini, commanilante daquellas forgas. Urna
das pegas de maior calibre que possuimos foi
partida por ura projectil, e duas carretas ficaram
lora de servigo.
Lojzo depois avistamos bera do mar urna co-
lumoa de arlilheria, que avancava juntamente
cora trez ou quatro batalhes de" infantera. Es-
las forjas subiram pelas encostas da Monlagoolo,
dirigindo-se pelo mesmo caminho quo o inimi-
go seguir oo dia anterior.
A's quatro horas comegou a chover fortemen-
ie, o que nos obngou a suspender o fogo : po-
rem duas horas depois comecou de novo, e s
aeabou noilo. As pordas ueste dia foram da
nosse parte 40 homens morios, foridos ou feitos
prisioneros noatlajue dos reductos ; 20as bat-
lorias, 6 ntn numero quasi egal no resto da
guaruigo. Na cidade foram feridas qualro ou
ciuco pessoas.
O immenso arr.ibalde de Porta-Pa urna
grande difiiculdade para a deffesa. Na vespera
tinhamos nos abandonado as estacadas que ha-
viaraos levantado na eslrada. Na noile do dia
26, o inimigo occiipini este arrabalde com qua-
tro batalhes, e o fogo dos seus bersaglieri, que
se iam approximaodo, abrigados pelas casas,
lornou-se muito iucommodo aos defiensores dos
entrincheiraraeulos visinhos de Porta-Pa e at
Capo di Moute.
Ad romper da manha, a vanguarda-do ini-
migo approximou-se mais das nossas muralhas.
e fez com que se relirassem praca as compa-
nhias que estavam nos jardins. N'estes conflic-
tos foi gravemente ferido c alteres Meiternich dos
bersaglieri ; e njorlo o teneote Balsoni, um
dos melhores officiaes do 1. de linha.
De manha forara desparados alguns tiros tanto
das baleras como das nus, porem depois ces-
sou o fogo, e passou-se o dia sem occorrer no-
vidade alguma. Isto causou a raaior admirago
tanto na cidade como na guarnigo ; uns conie-
Carara a nutrir esperancas, outros desanimavam :
estes infelizmente eram em|maior numero.
Notava-se que o borabardeamento de Ancona
nem mesmo tinha o previlegio de allrahir os na-
vios das grandes potencias neutraes, que
ordinariamente sao mandados era tes cir-
cunstancias para protegerera os cnsules e os
seus nacionaes, assim como para ofterecerem os
seus servlgos aos habitantes que querera desvi-
ar-se de um campo de balalha onde podem ser
morios, apesar de serem apenas espectadores
inofensivos.
O fogo contra Ancona durava havia oito dias.
Ouviam-se os tiros, em Veneza, na costa da Dal-
macia e at mesmo, segundse dizia, era Trieste.
O lelegrapho nao se conservara mudo ; a Euro-
pa sabia o que se passava as nossas muralhas,
o nos nao ayistvamos ao menos urna vela neu-
tral ou amiga que quizesse corarouoicar cora-
nosco.
Pouco depois viraos na ne direcgo de Came-
rano urna columna de arlilheria, quavancou at
muito perto de urna altura prxima de Monte-
Aculo. Foi entio que alguns habitantes nos de-
rara a explicago do movimenlo da hida e volta
que alguns vapores tinham operado entre Si-
nigaglia e a embocadura do Musone. Era urna
parle do parque de cerco que se traosporlava
pare Umaua, e que deste ponto vinha tomar po-
sigo a fim de guarnecer a direita dos ataques
inimiga,
O silencio das bateras que tinham feito fogo
al ento, e a chegada deste parqjje de cerco pa-
recan) indicar que os piemonlezes renunciavam
ao s.ystema do fogo que tinham adoptado nos dias
anteriores com -10 ou 50 pegas de arlilheria, e
sem grande resultado, contra* fortiUcagoes per-
manentes.
Alm das bateras as quaes se trabalhava em
Monte-Pelago e em Monte-Polito, elles estavam
construindo outras a 2,000 e 2,500 metros das
nossas posges, d'onde podiara, com a sua forte
arlilharia raiada, baler-nos sem que nos fosse
possivel responder.
O ataque regularisava-se e ia lomar urna di-
recgo mais seria.
Purera allendendo ao estado em que a chuva
tinha posto os caminhos, e sobreludo dilficui-
dade do terreno, eram necessaiios anda muitos
dias para que estas bateras se achassem comple-
tamente guarnecidas o aotilhadxs.
A' noite deu-se um fado muilo desagradaveL
O lazareto, especie de ua grande reducto de can-
tara cercado por um pequeo brago do -mar, si-
tuado fra do recinto na [rento de Porla-Pia,
continha urna parte das arrecadages das corpos*
Commonieou-so o fogo e essas arrecadages ou
por accidente ou em consequencia dos tiros que
o inimigo disparou sobre aquelle ponto.
Como o fogo dos atiradores quo se achavam
embuscados em algumas casas do arrabalde, fe-
rio alguns homeus entre os defensores d'essa po-
tra !
o
Por
08
1
gas
par
He
sigao, ella foi evacuada com a maior precipila-
gao. Os armazens foram em parte saqueados o
bem depressa ardeu a ponte que estabetece as
coramunicacoes cora a cidade. Tinhamos as
trincheiras do lazareto 3 pecas que batiam a en-
trada do porto, porm foram abandonadas depois
de encravadas. No dia seguioto deviamos sanlir
amargamente a sua falta.
Na noile de 27 para 28. a esquadra tentou.
eom as suas chalupas, cortara correte do porto.
As nossas canhoneiras observaran! esle movimen-
|to, e alguns Uros de metralha, disparados sobre
, as chalupas do inimigo, obstaran) a que elle con-
seguase o fim i que se propunha.
Ue manha avistamos urna batera quo o ioi-
migo havia construido em Borgo-Po. Concen-
mos immediatamente sobre essa batera o fo-
suicunte para o obrigat evacuar essa po-
sicao. Os Uros de Moote-Serima-conliouavam
como na vespera.
Porm os balalhes que oceupavam os subur-
bios tinham arranjado barcos duraute a noite, e
um d'elles, depois de se introduzr no lazareto
dos atiradores, que eslava 40 ou 50 metros de
rta-Pia, incommodava muito os artilheiros e
soldados de infantaria que os sustentavam.
Porm immediatamente se ordenou quo 4 pe-
s ,do carapanha, commandadas pelo capito
Meyer, fossem dirigidas para a plataforma de
Lapo di Monte, o quo occasionou ao hatalho que
oceupava o lazareto perdas to sensiveis, que o
u fogo se extiognio no mesmo momento. Esle
balalhao anda lentou retirar-se, porm para
isso tinha de alravessar o pequeo brago de mar
que cerca as defensas, e as nossas bateras impe-
dirn) osse movimento. Pouco depois avistamos
urna forte columna de infantaria que se diriga
ra Monte-Pelago : esta forga fez alto fra do
canee das nossas pegas. Apenas algumas bom-
bas cnegaram al frente da columna.
O movimento d'osta columna nao continuou ;
porm ao meio-dia as fragatas lirigiram-se para
" baleras da fortaleza e do pharol, e comecaram
ntra ellas ura combate renhido, revesando-se
successivamente urnas s outras. O lente West-
mienslhal.que comraaudava estas baterias.de-
sonvolveu urna coragem superior lodos os elo-
gios ; eo alferes d'ella Piasse. assim como os
seus soldados, seguiram o exomplo do seu bravo
commandante.
A batera do pharol foi bem depressa desampa-
rada, e muiros ariilheiros ficaram mortos ou fo-
ndos ; o resto, em pequeo numero refugiou-se
na batera baixa. Voltando-se ento s para as
baleras da fortaleza, urna das fragatas atacou de
lalo : os nossos artilheiros voltaram as pecas e
bateram-se corpo descuberlo. Alguns tiros e
especialmente duas descargas da fragata des-
montaran) as pecas e pozeram as outras fra de
corbate. Mullos d'aquelles valentes soldados se-
guiram o exemplo dos da outra batera e reco-
lhersm-se ao nico ponto que n'essa occasio se
pedia aiuda sustentar, a balera baixa. Esta con-
tava 9 pecas, e como as fragatas nao a alacavam
senao oi om lado, apenas 3 pegas podiam respon-
der ao fogo do inimigo. Osses enormes projec-
lis, Iaugados a 400 ou 500 metros, demolan) f-
cilmente as moralhas e augraenlavam todo o
momento a largura das fendas. Bem depressa a
metralha se lornou to terrivel na batera onde
so achavam ainda os nossos artilheiros, como o
fra n aquella que elles haviam abandonado. A
fragata, que sustentava o ataque a menor dis-
tancia, confiando na sua immensa superioridade,
approximou-se al distancia de 250 metros.
Urna das nossas pegas foi desde logo partida
por urna bala do obuz de 80. Os artilheiros que
a serviam ficaram todos fra do combate. De 120
que defendiam esta parto dos nossos onlrinchei-
ramentos, apenas restavam os homens necessa-
rios para o servigo das duas pegssque faziara fo-
go. Os feridos empregavams no servico das
muniges. A fragata recebeu immensas balas que
lhe causaram prejuizos muito sensiveis ; o len-
te Westrninsthal.qup, cora opunhado de homens
que lhe restava, quera ficar sepultado sob as
ruinas de sua bateria, eslava a apontar urna das
suas pecas, quando fot morlo por urna bala de ar-
lilharia. Esla lula desigual durava havia hora e
raeia, porra devia acabar bem depressa.
Urna das balas dos obuzes inimigos, entrando
rlh bateria por urna das fendas. penetrou em um
dos depsitos de plvora, seguio-se umaexplnsao
o as bateras Ccaram destruidas. O caes soiTreu
grandes estragos, e os muros quo sustentavam a
correte cahiram, achando-so assim destruidas
lodas as defezas do porto.
Urna brecha do 500 metros de largura eslava
aberta no corpo da praga, porque, na retaguarda,
o recinto da cidade nao offerecia obstculos se-
rios. O inimigo poda desembarcar no caes, e
tomar a praga de assallo sem que podessemos op-
por-nos a isso. V-me eoto na necessidade de
arvorar bandeira branca na cidadella, e todos os
fortes repetirara esle signal.
Envei iraraedialamenlo o major Manri, a bor-
do da nao almirante, aflra de tratar da capitula-
gao. Eram perto de quatro horas e meia da tar-
de. O fogo cessou immediataraeote tanto de urna
como de outra parte. Assim se conservaram as
coosas al s nove horas da noite. Foi ento que
o iuimigo coraecou de novo a fazer fogo do lado
de Ierra. No dia seguinte s nove horas cessou
completamente o fogo, e em seguida s conferen-
cias necessarias, a capitulago, de que vossa emi-
nencia teve noticia, foi assignada s duas horas.
Nao accrescentarei cousa alguma ao que se pas-
sou na noite o na maoh do dia seguinte. O ven-
cido nao deve queixar-se do vencedor; nesla
parle, reporto-me quanlo aos fados, carta mui-
to conhecida do major de Quatrebarbes, e quanto
s apreciaces, reporto-me s do almirante Per-
sano, queousou dizer a verdade ao seu paiz com
urna coragem que nao honra menos a marinha
piemonteza do que o feito de armas que deu era
resultado a lomada de Ancona.
Termino este relalorio, j muito oxtenso, res-
pondendo urna palavra s censuras quo me foram
dirigidas por ter publicado no comego da guerra
alguns documentos que me pareciam anounciar o
auxilio da Franca.
Nao tenho difiiculdade em convir que nos pri-
meiros dias acreditei nesse auxilio, e por tanto
nada mais natural do que servir-me d'aquelles
documentos para sustentar o espirito das tropas
que coramandava. Porra enganam-se aquelles
q^ue quizerem achar a explicago do plano de
campanha que adoptei na esperanga do auxilio
que pareca ter-nos sido prometlid. Eu eslava
collocado em presenga de urna quesio de dever
e de honra, e se as minhss resolugoes tivessera
mullido em linha de conta a grandeza do pergo
que nos ameagava, os meus amigos companhei-
ros de srmas do exercito francez renegar-me-hiam.
ou para melhor dizer, talvez nem mesmo rae re-
conhecessem.
Vossa eminencia encontrar, junto a esle rela-
torio, a lista dos militares que mais particular-
mente 3e distinguirn) nos diversos combales de
que cima fallei. Esta lista vai incompleta no
que diz respeilo a muitos batalhes; ped infor-
mages a este respeilo, e dentro em pouco pode-
rei fcilmente reparar as omissoes involuntarias
que porvenlura commatli.
Aceitat, senhor, etc.
Lamorieire.
No Journal des Debato l-se o seguinte artigo
assignado por Mr. Alleury :
O re Vctor Emroanuel esl sentado no
throno de aples, e Garibaldi est na Caprera.
Este o desfecho da campanha emprehendida no
mez de maio ultimo polo homem extraordinario,
cuja audacia e genio admira toda a Europa. Em
seis raezes, o nome e a espada de um soldodo
patriota Azorara mais a liberdade da Italia, do
que o teriam podido fazer em seis annos as me-
lhores combinaces da poltica ofcial o da
sciencia diplomtica. Em seis mezes, aquelle
soldado feliz conquistou um reino, ligou dez mi-
thes de italianos patria commum, e collocou
a cora da llalla na cabera de Vctor Kmraanuel.
A obra annunciada em um programma clebre e
lo sloros'amenle inaugurado pelas armas da
Pranga esl enmprida no quarto mez; nada rea-
ta mais do que coroar o edificio. No entretanto
o principal aulor d'este grande drama desappare-
ceu da scena ; aquelle quem tanta gente anda
sent prazer de chamar um flibusleiro, e que a
voz publica denomina Washingslon italiano, en-
trou de novo na sua rustica habitago eom a sua
camisa vermelha, abandonando os curdoes e t-
tulos de nobreza .aquelles que os pdem ambi-
cionar.
Pode critiear-se esta dedicago, pode pare-
cer muilo ihealral e muilo classico, pode censu-
rar-se, lamenta-la mesmo segundo o poni de
vista poltico, mas deve pelo menos coovir-se
aue nao vulgar. Os loros de Cincinnatus e de
Washington nao sao os melhores para os nossos
dias. Haveria tanta frivolidade como injustiga
em nao reconhecer o carcter heroico e ai gran-
des qualidades de um homem que su por si fez
grandes cousas, e tomou um lugar distlnclo na
opino dos outros homens.
Em todo o cajo se alguom ha que tenha ra-
aao para excouiinuogar Garibaldi, nao somos nos.
Nao sentimos o menor prazer em depreciar o
umeo homem que boje soube vencer poderosa-
mente as uugirtsges e os coraces un nome e
em proverlo das ideas e dos principios que sao e
sero sempre os nossos.
Na nossa opiniio, a revologio que n'este
momento se consumma alm dos Alpes, 6 o
raaior movimento nacional que se lem visto na
Europa desde 1789.
< Ha alguns dias, proclamava um membro
eminente do gabinete inglez, proclamara a soli-
danedade que a revolucio de 1788 eilauelecia
entre a Iuglaterra e a Italia em 1860. Com quan-
to mais justa razo se nao deve reepnhecer a so-
Udariedade que existo entre a Pranga e a Italia
de \ clor Emmanuel I
A revolugao italiana filha da revolacao
iranceza : em direto, o principio do um o
principio de outro, o principio 0a soberana na-
cional ; de tactos, as queixas de urna esli to
jusiiucadas como as da outra, e so se quzeres-
tabelecer um parallelo entre as duas revoluges,
nao sena cerlamente desfavoravel a revolugao
Fot em nome de um nico principio, do um
grande principio, que na verdade abrange todos
os outros ; foi era nome da iiberdade que os nos-
sos paes se Ievaniaram em 1789. Era 1860, a Ita-
lia combato toda pela revindicago da sua inde-
pendencia, da sua nnidade nacional e da sua li-
oerdade.
A grande expresso do programma italiano fi
a ae Uumlel; ser ou nao ser lo be or not
to 6e. Concluo-se, pois, que se a revoluco fran-
ceza foi justa e legitima, pode dizer-se que a re-
volugao italiana tres vezes mais justa o Icgi-'
luja.
Existe urna completa solidariedade, e nao po-
demos comprehender por quo mistorio de lgica
ha partidarios dedicados pela revolugao franceza,
que se julgam no dreito do combate'r e condom-
nar a revolugao italiana.
Somos obrigados a dizer que isto um extra-
ordinario o doloroso problema. Quanto a nos,
nunca calmemos n'uma semelhante ncoasequen-
cia ; amamos muito aos principios de 1789, e em
particular o principio da soberana nacional para
nao os confessar o revindicar por toda a parte ; a
que queremos, o que desejaraos para a Franca,
queremo-lo e desejaraos para a Italia.
O Journal des Debis nao pode ser liberal
aquem dos Alpes, e absolutista alm dolles. J
tez mais do urna vez a sua profls*ao de f a fa-
vor da causa ilaliaoa ; nao perder nunca a occa-
sio de a sustentar o de a renovar aquelles que
mostrara ar de admirago.
Dizem-nos todos os dias, o sera duvida nos
di rao anda amanha Fallaes como o Siecle.
Muito bem, sim, fallamos como o Siecfel A res-
peilo da maneira que nos oceupa, s ha duas ma-
neiras do ver e de concluir ; a favor ou contra
os direitos o votos da nago italiana ; nao ha
raeio termo.
So as nossa3 sympathtas o as nossas conclu-
soes nao so eiicontrassera com as do Siecle en-
coolrar-se-hiam forgosamenle comjas dosjornaes
que nos fazein este cumprimento titulo de ar-
guraeato.
Estimamos mais fallar como o Siecle do quo
como a Garete de Frante.
Vultoraos Garibaldi
O antigo dictador das Duas Sicilias leva na.
sua retirada um nomo cheiode prestigio inextn-
guivel.
Era Caprera assim como em aples, Garibal-
di ha de ser sempre o conquistador de ura reino,
o hbortador da Italia meridional, e na Ilha d'El-
bs, onde elle proprio se foi exilar, vai engrande-
cer-so e brilhar pela sua ausencia. Ern Caprera
como era aples. Garibaldi nao pode ser s urna
espada llustre ; se ficar o que foi ha seis raezes,
a bandeira da Italia libertada e unida sobre o
scepiro constitucional de Vctor Emmanuel, ha
do tornar-se fatalmente bandeira dos partidos
extremos.
Segundo a attilude que elle houver de lomar,
segundo o uso que fizer da influencia ligada ao
seu norae, ser o bom ou mo genio da revoluco
italiana.
As scenas de desordem que acabam de se pas-
sar era aples j teem provado que este perigoj
nao chimerco. A retirada de Garibaldi, sem
ler o carcter e o alcance de ura completo rom-
pimento com o governo do rei Vctor Emmauuel,
um incidente lameutave!.
Esta separago pessoal entre quem tem lanio
interesse em permanecerjunido abre do urna ma-
neira terrivel a nova era da uoidado. Quanto
mais falsa, delicada e perigosa esta siluagao,
mais necessidade ha do contar com prudencia o
sabedora das duas partes.
Anda nao conheceraos com exactdo as
circumslancas que produziram esla separacao
intempestiva, nem os arraojos que so lhe segui-
ram.
Mas nao ha a menor apparencia em Turin a
em aples, de esquecer, nem de que se posea
esquecer nunca o que se deve ao soldado da in-
dependencia e aos seus companbeiros d'armas.
Os sentimeotos elevados do re, o tacto politico
e o sanguo fro de Mr. de Cavour ho de reunir-
se e enlender-se para combater ou atenuar a
cnse O ponto negro em Caprera.
Mas deste mesmo lado ha bons prognosticos;
o caractare os antecedentes de Garibaldi sao ga-
rantas reaes. Garibaldi um patriota e nao um
pretndeme; depois de ter abdicado a dictadura
as mosdo rei Vctor Emmanuel, nao querer
constituir o antagonismo do governo que ello
proprio proclamou. Comprometida gravemente,
trahiria a causa que lo gloriosamente servio, se
abusasse da sua posigo excepcional para impor
ao rei que elle fez, condieges irncompalireis
com a dignidade, com as prorogativas, direitos o
deveres essenciaes de um governo regular.
O poder cujos destinos esto insepararel-
menle ligados aos da nova Italia, tem necessida-
de de ser forte para cumprr a sua misso diffi-
cil; para ser forte, carece de serindependenle.
F' isto que nao pode escapar ao bom senso, aos
boas sentimenlos do General Garibaldi. O seu
patriotismo est esperimeotado ; a sua dedica-
go cavalheiresca pessoa do re hodeafaslar-
lhe as pequeas animosidades, os pequeos rao-
cores, e as influencias pergosas que o pdem
cercar, masque uunca a dominaran). Elle nao
deixar usurpar o seu nome pelos partidos ou
pelas coterles quo e quizerem explorar em pro-
veito das suas ideas particulares. Aquelle cuja
nica ambico ver a Italia urna e unida dovo
sacrificar qualquer nutra preoecupago do
grande pensamenlo. General de exercito ou che-
fe de voluntarios, Garibaldi nao pertenco asi;
perteocea Italia. A Italia, que podo esperar
ludo da sua dedicago. pode-lhe urna urna coo-
perago franca e completa, urna cordeal harmo-
na cora o governo do rei Vctor Emmanuel.
E' a mais grave, e a mais dedicada prova a
que jamis esteve sujeilo o carcter e o patrio-
tismo de Garibaldi. Os seus amigos eiuimigos
ho de julga-lo nesta provago,
(Jornal do Commercio de Lisbi. )
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA-
Hoje publicamos um trabalho Importante do
Sr. Dr. Antonio de Menezes Vasconcellos de
Drummond. para o qual chamamos a aitenrao
dos nossos leilores.
Esse trabalho urna relagao nominal das pes-
soas que ho sido ministros e secretarios de es-
tado dos negocios desie Imperio no espace de-
corrido de 1822 1859, que dividido em qua-
lro pocas.
A importancia desta rolago resulta principal-
mente trabalho tanto mais iucommodo quanlo implica
com datas, que enlre nos sao mui difOeeis de
obler, quando seno enconlra um cahos no fim
dapesquita empreada, raormente quando se
refere esta 6 lempos da tundagSo do imperio.
Como quer que eja, urna acquisigao para a
historia polilico-adminisirativa, que muilo im-
portar para quera a tiver de escrever, ralendo
desde j multo para os espiritos esclarecidos, que
s vezes andam atraz de urna dala, como quera
quizera haver um brilhante.
Differentes emergencias tera-se dado no
processo eleitoral da parochia da Tejueupapo.s
quaes acaba Sv Exc. de por termo com as suas
solages, quo se Iem na parte offlcial.
Por disturbios que se levantaran* na matriz,
por occasio da chamada, no dia 30 da dezem-
bro ultimo, o jutz de paz presidente suspeodeu
N-


DIARIO DE PERHAMBOO. SABBADO 5 DE JANEIRO DE 1861,
(J
>
os respectivos trabalhos e adiou-os para o dia 13
do crreme ; o que Irouxe ao conhecimenlo do
Exm. Sr. presidoote, reclamando por providen-
cias.
S. Etc.. ero face disto, approrou aquello al-
vilre da mesa, e eipedio ao delegado do termo
e coromandantc da torga existente em Goaan,
as precisas ordens para a sustentado da tran-
quillldade publica e garanta da iiberdade do
voto. Neste sentido para ali foi manda Jo o Sr.
capitao Pedro Afoso Ferreira com urna
tlnquella Torca.
Ora.quando assirn pcrmanociam as cousas,quan-
tlo pela parleciparno da mesa presidencia ioram
transferidos os trabalhos para o da ii do cor-
rente, quando e>ia medida fura approvada pela
presideucia, apn-sentam-se os mesmos raembros
< quererem continuar quelles liaballios no lia
9eom infraccao da le, que nao permiti a res-
tricco dos prazo* assignados csses adiamenios
pela mera vonlade individual.
Coininiinicada esta nova forma dos nezocios
cloiloraes daqueila parochia, S. Exc, indifferan-
te fia quesles pessoaes que se agitam, e smen-
te por amor do imperio da lei, ordenou a disso-
luro da reotiiio do dia 2 como tumultuaria e
inadmissivel, como urna verdadeira tropela de
formulas, como finalmente um acto millo, que
nao podo produzir elfeito valido ; visto que leve
logaren da difirante dnquelle marcado no adia
ment sendo isto por eonseguinte urna verdadei-
ra sorpresa ao* votantes.
A solucao de S. Exc. altamente racional e
jurdica, ao passo que extirpa o espirito de chi-
caoa ([ii.; parece querer insinuar-se ali. Unto
mais quaoto utecipa-o pela medida de servir
no deseropertho das fuucces da mesa parochial
os substitutos legaes, quando os msanos efecti-
vos nao compareeam no da designado.
Bis o nulo de r-orpo de delicio, que completa
as primeuas pesjuizas qoe a polica fez, no
assassiualo de I). Ursulina Cintra da Silva
Araujo:
Aos dous dias do mez de jsneiro do anno do
nascimento de Nosso Senhor Jess Chrislo de
rail oitocentos e sessenla e um, as 7 horas da
manhaa. nesla cidade do Recife. em a roa do
Caldeireiro, casa terrea n. 82, aonde foi vindo o
delegado do Io dslricto do termo do Rebife, o
Dr. llenrique Pereira de Lucen, comigo escri-
linha e meia de largura, dirigida obliquamente
de cima para baixo, e de dentro para fra, de
cor negra, e mais duas de forma irregular, de
dimetro de 2 a 3 liohas.
o O tegumento do pescoco. mais ou menos l-
vido, offorecia, na sua pane superior, tima fita
circular, aonde nao havia lividez, que tendo a
largura de linha linha e meia, circumscrevia
todo o pescoco; um pouco abaixo desta havia
outra, feitd tara bem sem lividez, occupando so-
parte] mente os tres quartos anteriores do pescoco; a
posico dessas fitas era quasi horisontal; na par-
to media externa esquerda do pescoco haviam
duas pequeas soluces de coniinuidade, de 3
linhas cada urna, dirigidas horisontalmente, in-
tercessando o tegumento.
t As extremidades superiores nao linham re-
gidez cadavrica, o apresentavam lividez na sua
parle superior.
As mos aberlas ; os dedos mu pouco do-
braveis inflexo. O tronco offerecia na sua
parte superior-anterior, n3 parle posterior do
inoras, bera manfesla e (orle lividez cadavri-
ca, achando-se bem desenliadas as ramiGcaces :
na regan lombar tambem s havia a'lividez ca-
davrica : na ragln cubeao? e na parte interna
das Cutas, havia sangue secco. O abdomen
pouco lvido estava bastante abahuiado e so-
noro .
As extremidades inferiores com pouca re-
gidez, apresentavam no joelho direito o tegu-
mento spero e sujo como se houvesse passado
despido de vestimenta sobre o chao ou ladrilho
nao limpo ; e na parte interna da extremidade
interior esquerda, rorrespondendo articularlo
da perna com a cosa, haviam diversos pontos
escoriados, formando assirn urna escoriaco alon-
gada do polegada e meia de extens.io. "
as partes genilaes nada havia menco-
navel.
O cadver foi reconhecdo ser do Ursulina
Cinta Silva Araujo, por Jos da Cruz Santos,
morador na ra Nova, c pelo r. Abilio Alvaro
Martins e Castro, subdelegado desta freguezia;
que represenlava ser do individuo de estatura
mais alta do que regular, o ler 30 anuos pouco
mais ou menos, e por isso respondem aos que-
sitos:
Ao Io, sim ;
Ao 2o e aos demais, declarara que s p-
vao da subdelegada da freguezia de Santp An- i dem responder depois da autopsia, o que passYm
tomo, abano assiguado, presentes os peritas no- | proceder.
meados, os lira. Augusto Carneiro Moa tetro d : E sao estas as declaraces que em sua cons-
itva Santos, Manuel Alves da Costa Brancalnte e! ciencia, debaixo do juramento prestado, tom
Xavier, moradores, o Io nal ra i fazer.
pro-
por veneno ou
Ignacio Firmo
do Kangel, o-2" na do Imperador e o terceirb no
lar^.i do l'arairo, e as teslemunhas abaixo asig-
nadas, o juiz deferio aos mesmos peritos o jura-
mento aos santos evangelhns de bem e ioloien-
I" desempeiiharem a sua minio, declarando cora
rerdade o que de.-cobrirera e encontraren), e o
que eni sua consciencia putenderem, encaere-
gou-lhes que procedessem exame no cadaWr
<1 Ursulina Cintra da Silva Araujo, e que res-
pondiesen) aos quesilos seguinles:
Io Se houve cora etfeiio a morle;
2o Qual a sua causa inmediata ;
3o Qual o meio etnpregado que a
duzio ;
'< 4" Se a morle foi causada
ioQuodacao;
G" Se era mortal o mal causado ;
7o So nao sendo mortal o mal causado,
(1'lle rosultou a morle por falta de cuidado da
Hendida ;
" s" Se n morle foi provocada pelo proprio
individuo ou porum estranho;,
" '>". Se lia suicidio, e se para elle ler lido lu-
gar liouvo o auxilio de alguem :
< 10. Se ha homicidio, e se oi praticado por
um ou mais individuos :
< 11. Se para ler havido homicidio era mis-
lerque o homicida livesse superioridade em for-
ras e armas:
12. Se o cadver demonstra ler havido gra-
videz :
< 13. (,)ue lempo linha o feto;
11. Oual o valor do damuo causado.
< l'.m consecuencia mandaram os perilos fazer
os exames e investigaees ordenados, e as que !
jnlgaram necesaaras, 'concluidas as quaes de- >
clararan) o seguate :
'. Que leudo sido conduzidos caa n. 82 da
ra do Caldeireiro, encontraran) na sala anterior j
da mesilla casa, dentro de um esquile, o corpo
de um individuo do sexo feminino, que se cha-
va vestido com vestido de chita de quadrus de
cor, descalco, sera meias e sem camisa, com us
cabellos sollos e desgrenhados, tendo amarrado'
no pescoco nina corda, dando o laco na parte i
posterior do mesmo pescoco, sendo o laco corre- j
dio, e as ponas da mesma' corda urna de seis po-;
legadas, u a ontra do dous palmos, lendo cada :
tima um n na sua exlremidado ; a corda era
de crau, e linha o dimetro de duas a tres
linhas.
A B\fl em que se achava o corpo era mal
preparada! tendu^noucos trastes, e eutre estes
una mesa redoiSf gnde haviam diversos ob-
jectos, em mais oq, nn'iios ordem, havendo en-
tre olles-frascos co.m liquid^. Baaminado o la-
drilho da sala nao foi encontrado vestigio de
sangue, mas em diversos lijlos percebia-se o
elTeito du atrito de um corpo resistente e duro,
que pareoeu-nos ter sido feilo por um par de ta-
nidiicos que na mesma sala existia.
E por nada mais haver, deu-se por concluido
o examo ordenado, e de ludo se lavrou o pre-
sente auto, que vai por mira escripto, e rubri-
cado pe'o joiz, e assignado polo mesmo, peritos,
e testeraunhas e os demais que assistiram ao
acto, asseverando a identidade da pessoa, com-
migo escrivao Joaquim da Silva llego, que o fiz
e escrevi, do que ludo dou (.llenrique Pereira
de Lucena.Or. AuquHo Carneiro Monteiro da
Silva Sanios.Dr. ilanoel Alvx da Cosa Bran-
canle.Ur. Ignacio Firmo Xavier. Cndido
EmijgdioPereira l.obo.Manoel Diogo Chaves.
Jos da Cruz Santos.Abilio Alvaro Martins
e Castro.O escrivao, Joaquim da Silva Reg.
Ueclararam em lempo que na parede do mu-
ro que devide o quintal do predio cima men-
cionado, do predio annexo n. 80 haviam duas
lislras de sangue dessecado, que se exlendia
desde a parte superior do muro at a reunio do
terco superior com os dous tercos infeiiores, e
que no mesmo muro, da parle" correspondente
este lugar, da parle do quintal vizinho, ha-
viam vestigios de sanguo ressecado : que, pr-
ximamente essa lita do sangue, haviam no
muro duas osc.avac.oes, que acilitavam galga-lo ;
e mais nao declararam ; o que don f. Eu Joaquim
da Silva llego, escrivao que o escrevi.
Esiararu as mesmas assignaluras
". Declarou o perito Carneiro Monteiro. que
tendo sido chamado no dia anterior, com o Dr.
Ignacio Xavier, para fazer o trabalho que hojo
se est fazendo, e que ti,1o tove lugar por causa
do incoratnodo dos peritos e oceurrenciasque se
deram, encontrara o cadver na sala posterior
do nnsmo edillcio, deitado de brucos sobre um
panno branco eslondido no chao,' estando da
nnneira cima mencionado, respeito do seu,
habito externo, havendo,'po'rm, junto ao'rues-
mo cadver ovos quebrados, folhas verdes de
carrapaieira e muilo prximamente um pequeo
fugareiro de barro com cin/a dentro. Nesta* sa-
la o ladrilho era hmido na/parle aonde so acha-
va o mesmo cadver e na*sna circumvizinfcn-
ea, e ahi se percebiam diversas manchas sangu-
neas. O corredor qu* communicava as duas
salas nada linha de apreciavel.
'< 0 predio de urna alta construeco, de mo-
do que o seu Iravejamenlo nao fcilmente al-
lingivel, e nem neile se nolava vestigio algum
que m.istrasse ter-se prestado ao acto da sus-
pensao.
Era lugar algum da asa havia signal de que
nelle se livesse praticado a suspensao.
Km urna das cadeiras existentes na sala an-
terior havia na palhinha manchas de sangue.
No quarto da sala anterior haviam difiranles
objeclos om ordem, mas um bah com roupa
aberlo e em perfeita desordem como remexido.
Nos outros quartos nada havia digno de
tnenQo ; na cozioha foram encontrados 2 frascos
quasi cheios um de um corpo purverulcnto de
cor verde, que nos pareceu verdete, e o outro com
urna massa de cor verde escuro, que tambera
nus pareceu verdete.
Soubemos por nos ter dito o subdelegado
desta freguezia, o Dr. Abilio Alvaro Martins e
Castro, que foi quem hotilera nos andn cha-
mar, e quu linha de presidir aos trabalhos dos
peritos, que as portas do edificio, tanto as que
communinam para o exterior, como as dos quar-
tos, se achavam abertas, e que elle subdelegado
linha achado sobre a mesa uus pos brancos, que
havia entregue ao escrivao Joo Soares da Fon-
seca Vellozo.
Nesta occasiao o perito Carneiro Monteiro,
pedindo os pos, aflm de que fizesso urna ligeira
analyse, recebeu au mesmo escrivao Soares, que
enlao entrara da ra, um papel que tirou da
algibeira, com urna boa porco de' pos branco,
sem que este papeltestivesse amarrado, lacrado e
rubricado, conforme ordenado pela sciencia, e
se pratica com todos os objectos suspeilos, antes
oe se proceder annlyso : examinado esto corpo,
demonslrot a infallivel-chiraiea que era um cor-
po capaz de produzir o envenenamenlo, e que
era urna preparaco de chumbo. Entao errli-
nhado o papel que continha os pos, foi entregue
ao subdelegado Abilio, afim de que lacrasse e
rubricasse.
No quintal do mesmo edificio, cujo muro
posterior bastante alto, e nao fcilmente sujei-
to ser pulado, e os laterae* tambera de boa
altura, sendo b meio divisorio dps, quintaos vizi-
nhos, nao havia cousa nolavel.
O cadver tioha 9 face lumefeita e lvida,
as palpebras cerradas, luraefeitas e lvidas, os
labios lvidos, tumeaitos e separados, de modo
que a ponta da lingun, grossa e lvida, sa apre-
sentava na abertura, que apreseotav os/labios,
sendo trincada pelos denles que se achaaam cer-
rados, as orelhas estavam lvidas masnaqi tumefei-
tas, das narinaseda bocea corra sangue fluido,
no tegumento correspondente regiSd- externa
esquerda do frontal havia urna mancha alongada,
interpolada, de polegada e meia de extensio, e
lfnntem foi recolhido i casi de detencao,
um prelo da Costa, conhecdu p r preparador
de feiliro. o qual frequenlava a ca da victima,
e que havia sido visto cutrar para e.la ueste dia
imite, e ro sabir.
Na parte respectiva vai transcripta urna de-
clararlo do Sr. Thomaz do Paria, vice-consul
dos Estados-Pontificios, em Pernambuco, que,
accedendo ao nosso convite de liontem, pede
aos subditos de sua nacao, e quelles que deso-
jarem ossignar para o dinheiro de S. Pedro, &
ilir2irem-se ao escriplorio do consulado, na ra
do Trapiche n. 10.
Igualmente abrimos, no escriplorio de nessa
redaccao, roa das Cruzes n. 4 i, segundo andar,
das 2;'is 8 da tarde de todos os dias uleis, urna
subscripeo para o mesmo fim.
Felizmente nada occorreu hontem as di-
versas freguezias da capital, concluindo as do
Recife, Boa-Vista e Santo-Antonio a terceira
chamada, e comecando as duas primeiras as res-
pectivas apuraces.
Era S. Jos conlinunu a mesa funecio-
nar, procedendo segunda chamada.
Na (loria do Goit achara-se concluidos
os trabalhos eleiloraes.
Abaixo transcrevemos a sentenca do Sr.
Dr. chefe de polica, no processo instaurado
pelas pancadas dadas em o Sr. Modesto Francisco
das Chagas Canabarro :
Vistos estes autos, em que autora a justica,
sendo Joao Ferreira de Souza Bilo, como man-
datario. Tuda do Andrade Gomos, e Bernardino
de Senna Barros, como mandantes, e Juvino Car-
neiro Machado los, como cmplice, mostra-se
primeiro, que sendo espmcado Modesto Francis-
co das Chagas Canabarro, foi vistoriado, e no au-
to do corpo de delicio se declarou, queoferimen-
to exsienlo na cabeca, produzia grave incoramo-
do de saude, e inhabilitarlo de servico por mais
e um mez. ^
Segundo, que procedendo-se depois fi exame
"de sanidade, veri(icou-se estar o feriraento sara-
qqe este nao pro.luzira grave incommodo
f.
do.
inhabilita va do servico por mais
de saude, nem
de um mez.
E porque contra ns reos se.Vocedera ex-offi-
co, em virtudo do corpo d delicio, e ache-se
destruida esta base do pVocedimento official
polo exame de sanjdade, que alterou a qualiflca-
cao do delicia, e o termo de aeco particular, nao
sendo dos em que tem lugar 'a denuncia, jnlgo
improcedente o presente suramario emquanto aos
reos Tude de Andrade Gomes, Bernardino de
Senna Barros e Juvino Carneiro Machado Ros,
emquanto porm ao r^o Joo Ferreira de Souza
Bilo, julao procedente o mesmo summaro, visto
ter sido elle preso em flagrante decto o caber
por esta razao o procedimento oficial, e assim
pronuncio o mesmo reo Joao Ferreira de Souza
Bilo, como incurso as penas do art. 201 do c-
digo criminal, sejs o nome do o lascado no rol
dos culpados, recommeude-se na priso em que
se acha, e passe-se alvar de soltura em favor
dos reos nao pronunciados, cTimprrndo )io raais o
escrivao o seu regimen(fl. h
Em consequencta de fiaverem os reos requeri-
do ordem de habeas-corpus, e das diligencias,
que mislor foi fnnrem -o, nao podo ete prooes-
so rerconcluso dentro do prazo de 8 dias.
Recife 34 de dezembro de 1860.Tristo de
Alencar Araripe.
E mais se pao continha em dita pronuncia aqu
copiada, que bem e fielmente extrahi dos pro-
prios autos, us quaes me rcporlo, e est sem
cousa que duviaa fac;a. por mira escripia e ssig-
nada nesta cidade do Recife de Pernambuco, aos
27 dias do mez de dezembro do anno do nasci-
mento de Nosso Sonhor Jess Christo do 1860,
3 da independencia e do imperio do Brasil, es-
crevi e assignei.
Em f de verdade.Pranciico qV Barros Cor-
reia. **
Quando noticiamos o assassinato havido no
largo do Terco, por occasiao das eleieoes, de-
mos o crime perpetrado pelo Sr. Antonio Fran-
cisco Lisboa Esteves, por que foi esse o rumor
publico que percorreu por entre a mullidao ali
reunida. Hoje, porm, que se acha provado,
segundo nos nlbrmam, que o autor foi Angelo
de tal, morador na Cabanga, vimos, por forca
da verdade, ractlficar o que dissemos, baseads
nao s em informaces de pessoas fidedignas,
como na nota de culpa enviada aquella senhor.
Anda bem que desta vez nao ficou o criminoso
livre da accio da justica, pela capa da innocen-
cia calumniada.
Chega-nos ao conhecimenlo. que alguem
d urna extenco ao imposto de 40#M)00 rs. da
raeia siza dos escravos, que se nao deprehende
do decreto n 2699 de 22 de oovembro ultimo,
qnedeu regulamento para a respectiva arreca-
dacao.
Esla extensSoqge se empresta ao disposto da
lei.chegaaopontodeabrangerasprovincias.quan-
do da mesma lei o que decorre que esse imposto
restricto ao municipio da corte, onde somenie
elle exequivel.
E' pofs necessario que semelhante inteligen-
cia se subordino lifteral da lei re^ecliva, e
isto tanto mais quanto o refe/ido imposto pro-
piamente provincial conforme a mesma lei.
Desde o Io do corrate mez que enlrou no
exercicio de suas operarles bancadas a socie-
dade em commanditasob a razio social A. Schaf-
ter & C.
O respectivo escriplorio acha-se installado na
ra da Crui o. 9 1 indar.
Reclamara por nosso intermedio dos Srs.
flseaes da freguezia do Poco e da povoaco de
[Beberibe o cumprimento das posturas relativas
ao dccotamonlo das arvores, que se acham so-
bre a estrada; visto que estas ja interro mpem o
transito publico.
Por portara de hontem foi Horneado pro-
motor da comarca do Cabo o bacharel Alvaro
Barhalho choa Cavaleanli.
A' casa de delenro foi recolhido no dia 3
do crreme, soraente um humen) lvre, ordem
do subdelegado do Poco da Panella.
Mata 1101:11 o publico :
Mataram-so no dia 2 do crrante para consu-
mo desta cidade 89 rezes.
No dia 3 i rezes.
Publicaces a pedido.
ROMANCE
Era um fido mancebo que amava
Linda virgem dos annos na flor;
A donzella era um anjo cncanlava ;
Kraum vate o mancebo amador,
Um poeta que amores sonhava,
Uu' em segredo gemia de dor.
Nunca a virgen) do vate soubra
A paixao que nu peito Ihe arda ;
Mas um riso que meiga Ihe dra,
Tao do co, recendeno ambrosia,
Fez do vate a paixao mais severa,
Augraeiitou-lhe esse amor que sen'ia.
Eis que o vate de amor combatido
Vence ao pojo que a voz Ihe embargava.
E fallando, inda mal decidido
Pule a virgem dizer que adorava,
Oue o amor qu' ella linha incendido
Como a luz de sous olhos brilhava.
Oh quo linda que estava a donzella
Ouaudo o vate a paixao Ihe dizia!
Como a face formosa e singella
De carmiro, de pudor se tioga I
Ali! raen Deus, como a virgem lo bella
Urna estrella nos cos nao se via I
Mas a virgem formosa e engranada,
Tao gentil, e tao m>iga e sem par,
Despreudendo um sorriso eoleiada
Nao qniz mais ao poeta escutar ....
E fiigiudo qual rola assustada,
Fui bem longe, bem longe pousar.
E o mancebo que amava extremoso
A donzella dos annos na flor,
Hoje Inste, coitado e chorosu
Passa os dias gemendo de dor,
E se a lyra inda empunha ancioso,
S murmura da bella o rigor I ....
1860.
M .
Edita es.
HupartU-ao da polica.
1 leccao. Secretaria da polica de Pernambu-
co, 4 de Janeiro de!86t.
O Illot. Sr. Dr. chefe de polica da provincia,
manda fazer publico, para que cheguo ao conhe-
cimenlo de quem possa interessar, o conleudo no
olcio que abaixo vai transcripto, dirigido em data
do 4 da dezembro ultimo pelo Dr. chere de poli-
ca da provincia do Piauhy.
Oficio.
Secretaria da polica do Piauhy, em 4 dezembro
de 1860.Illm. Sr.Acha-se preso na cadeia da i
cidade de Oeiros desta provincia uro escravo que
j diz chamar-so Casemiro, e perlencer a Jos Fran-
cisco, morador ua Floresta perlo dessa capital,
! d'oode fugira ha C annos : e para que isto che-
gue ao conhecimenlo do senhor do dito escravo,
aiim de o sollicitar, mediante documentos quo
provem o seu dominio, assim ocommunico a V.
S a quem Deus guarde.Illm. Sr. Dr. chefe
de polica da provincia de Pernambuco.O chefe
de polica, Francisco de Farias Lemos.
Conforme.O secretario, Rufino Augusto de
Almeida.
UJUM
o Rio de Janeiro
! pretende seguir nestes pito dias o firigue nacio-
nal Conceigaof, tem dous tercos de seu carrega-
raento a bordo : para o resto que Ihe falta, tra-
ta-se com os seus consignatarios Azevedo & Men- |
des, no seu escriplorio ra da Cruz n. 1.
Leiloes.
COiHMEKCIO.
4.1fandegn.
Rendimento do dia 2 a3 .
dem do dia 4......
13 864*744
6:217J879
20.0829623
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia manda fazer publico, do
couforroidade com a ordem do tribunal do Ihe-
souro n. 200 de 10 de dezembro do anno pro-
! xirao lindo, que no dia 24 do crranle mez s,e
I far concurso nesta thesouraria para preenchi-
1 ment da vaga de 4." escripturario da alfande-
ga desta mesma provincia. Os que pretendercm
ser admillidos ao concurso deverao provarler
vinle annos de dade e que excercera algum dos
lugares de intrancia inferior as alfandegas, mesas
de rendas, recebedorias; thesourarias ou no Ihe-
souro. Os exames versa rao sobre as seguinles
materias .
1 Grammatica da lngua verncula, leitura
e escripta correcta o correte.
2.a Theoria das escnpturar.au mercantil por
partidas simples e dobradas, o suas applicacoes
ao commercio, e administrarlo ua fazenda.
3.a Arilhemetica e suas applcaroes ao com-
mercio, com especialidade a redueco de pezos e
medidas nacionaes eslrangeiras, calculo de des-
cont e juros simples e compostos, Iheorias de |
cambio e suas applicacoes.
4.a Noches d'algebra!
5.a Traduc^io correla das linguas inglcza e
franceza ou p'elo menos da ultima.
(i.' Principios geraes de Ceographia, de histo-
ria do Brasil e de estslistica commercial.
Secretara da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 3 de Janeiro de lSl.O official raaior
interino, I.uiz Erancisco oe S. Paio e Silva.
CORREIO.
O Illm. Sr. Dr. Jus Lourenyo Meira e Vascon-
celos quera dirigir-se a repartino do correio,
afim de receber urna caria importante viada da
cidade da Parahiba.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial manda fazer publico que do dia 3 do cor-
rele por diatite, pagim-se os ordenados dos e.m-
pregados pnviociaes, vencidos no mez de de-
zvmbro prximo lindo.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 2 de Janeiro de 1861.O secretario,
A. F. d'Annuociaco.
Rio de Janeiro
O veleiro e bem conhecido brgue nacional Ve-
loz pretende seguir com rnuita brevidade, tem
parto de seu carregaraento prompto : para o res-
to que Ihe falta, escravos a frete e passageiros,
para os quaes tem excelleuies commodos, trata-
se com os seus consignatarios Azevedo no seu escriplorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio de Janeiro
O bem conhecido e veleiro brigue nacional Eu-
genia segu com brevidade, tem parte de seu
carregaraento a bordo : para o resto que Ihe falta,
trala-se com os seus consignatarios Azevedo &
Mendos, no seu escriplorio ra da Cruz n. 1.
Iloi intento la nlfaiirlesa.
Voliunes entrados cora fazondas..
cora gneros..
Volnmes sahdos com fazendas..
com gneros..
190
188
------384
20
132
------158
Desea Traga m hoje fi de Janeiro.
Barca inglezaWarrior Quenntrilhus de ferro.
Barra inglezaKllersttercarvao.
Barca inglezaSerphinamercadorias.
Barca francezaTuspanmercadorias.
Brgue nacionalVelozdiversos gneros.
Brigue portuguezBella Figuerense ceblas e
batatas.
Hccebeaoi-ia de raudas internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 2 a 3 1:2460107
dem do dia 4...... 736*174
Consulado
ftendimCnto do dia 2 a
dem do da 4 .. .
provincial.
I 16:721*664
.... 3:4.268617
Vaccina publica.
Havendo 'presentemente mu boa se-
ment vacciniea, o coramissario vaccina-
dor provincial convida aos paes de fami-
lias desta cidade a comparecerem com
seus filhos e mais agregados que preci-
saren) ser vaccinados as quintas-feiras
e domingos, no turtco da alfandega das
7 as 10 horas da manhaa c nos sabbados
na casa de sua residencia, segundo andar
do sobrado da ra estreita do Bosario n
30, para assim poder conservar a trans-
ruissao do fluido de braco braco, nica
roaneira de sua conservaco cora pro-
veito.
i'...aa.asH,
10:1488311
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 1.
Lmar. 86 dias,, barca ingleza Edmund, de 489
toneladas, capitao I. Cross Combe, eijuipagem
20, carga borra de cobre, ao capiao. Veio re-
frescar, e seguio para Liverpool.
MasaMan.--110 dias, barca ingleza Colima, de
227 toneladas, capitao Tawnson, equipagem
12, carga madeira de tngir, ao capitao. Veio
refrescar e seguio para Liverpool.
New-Bedford.42 das, galera americana P.mma
C. Jonnes, de 316 toneadis, capitn G. R. lio-
nes, cquipagem 30, carga petrechos para a
pesca, ao capiao. Veio refrescar e seguio pa-
ra a pesca.
Portos do Norte.7 dias e 11 horas, vapor bra-
sileiro Oyapock, commandanle Santa Barbara.
Navios eahidos no mesmo dia.
AracalyHiate fijfcsileiro Vdela, mestre Fran-
cisco Flix NogBira, carga gneros.
Canal.Barca ingleza Iris, capitao John Lecon-
lin, carga assucar. I
Portos do sal Vapor brasilelro Paran, cora-
mandante Noronha Torrezo.
Navios sahidos no dio- 2.
As.sHate brasleiro Oliveira II, mestre Jos
de Oliveira Leile.
Maceibarca ingleza Miranda, capiao John W.
Symon, carga parle da que Irouxe de Terra-
Nova.
Navios sahidos no dia 3.
S. Domingos Barca ingleza Cheny, capillo Ri-
chard Waiion, em lastro-
Rio de Janeiro l'alhahote Novaes, capitao Joa-
quim Jos Mendes, carga assucar.
Portos do sulVapor brasleiro Oyapock, com-
mandante Santa Barbara,
O Illm- Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia manda fazer publico que
no dia 10 de Janeiro prximo seguinte haver
1:9829281 concurso nesta thesouraria para praenchimento
de 10 vagas de pralicante da alfaudega desta ca-
pital, comecando os exames as 10 hora* da ma-
nhaa sobre as seguinles materias : leitura, e ana-
lyse grammatical da lngua verncula, orthogra-
phia, c arithmelica al a theoria das proporces
inclusive.
quelles, que pretenderem ser admitttdos ao
concurso, deverao previamente provar que. leem
18 annos completos de idade, que eslo livres de
culpa e pena, e que leem bom procedimento.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 12 de dezembro de 1860.O oflicial-
maior interino, Luiz Francisco de Sampaio e
Silva
NOVO BANCO
COMPANHIA BRAS1LEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Espera-se dos portos do sul at o dia 14 do
crranle o vapor Tocanins, commandanle o
prmeiro-tcnenle Pedro Hypolito Duarte, o qual
depois da demora do costume seguir para os
portos do nofte
Recebem-se desde j't passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir a qual de-
ver ser embarcada no da de sua chegada : agen-
cia ra da Cruz n. 1, escriplorio de Azevedo &
Mendes,
AracatyeCear.
O hiate Gratido sahe impreterivelmenle no
domingo 6 do crranlo : para passageiros, trata-
se com Pereira & Valente, ra do Cordoniz n. 5,
Forte do Matos, ou com o mestre Pedro Jos
Francisco.
Para o Rio de Janeiro.
segu em poucos dias o veleiro brigue Deolin-
da, por ler parte de sua carga prorapta ;, para o
resto e escravos a frete, trata-so cora seu consig-
natario Domingos Alves Matheus, na ra da Ca-
deia do Recife n. 51.
Para o Porto por Lisboa
segu impreterivelmento no dia 15 do crrante a
mu conhecida barca portegueza Sympalhia ;
recebe anda alguma carga a frete e passageiros :
consignatarios Bailar & Oliveira, ra da Cadeia
do Recife n. 12.
Lisboa.
pemente a muilo ve
Flor deS. Simao;
Consulado de Franca
LEILAO
A requerimento de Joao KcUer & C.
e com autorisaoao do Illm. Sr. cnsul
de Frauofc <; em sa pretenca o i^enl.-
Hyppolilo da Silva vender' em eil.io
por ponta e reo de quem pcrtern er,
urna caka marca XLX n. 20 conferido
t pecas de mossnlina adamascada da
9ji de largura e 19 jardas cada peca,
avanadas a bordo do navio francez
Adelle, capitao Gallier, vindo lti-
mamente do Havre: no da 8 do cor-
rente no armazem alfandegado do Exm.
Se. bar5o do Livramento, as 11 horas
da manhaa.
Avisos diversos.
Precisa-se de urna ama para cosinbar par 1
duas pessoas, paga-se bera, ua ra dos pescado-
n. 1 e :.
8@8 @@^ S@S*$@ag
Urna pessoa com as habilita- .;
@ cues precisas e com bastante pra- >
tica de leccionar latim e francez ?
em dillerentes collegios, olere-
g ce-se para leccionar os mesmos
$ preparatorios : os senhores estu-
dantes que se quizerem habilitar
* para exames em marco e que o
s* quizerem honrar com sua con-
3 llanca poderao procura-lo na ra
g estreita do Rosario n. 32,
A ro andar.
Vai sabir brevemente a
dilada barca
muilo veleira o acre-
recebe carga e passageiros : a tratar cora Carva-
lho Nogueira C, ra do Vigario n. primeiro
andar, ou com o capitao na praca.
Brigue Constante
Segu para Lisboa al 15 de Janeiro, para o
que j tem metade do carregaraento quem no
mesmo quizer carregar ou ir de passagem, para
o que tem as melhnres accomroodages, dirja-se
ao consignatario Thomaz de Aquino Fonseca, na
ra do Vigario n. 19, primeiro andar, ou a o ca-
piao o Sr. Augusto Carlos dus Reis, na praea.
IC
O
O
i
i
pnmei-
_ &g@^8
yuem precisar do um menino portuguez
com 15 16 annos, quo sabe ler escrever bei
para qualquerarmazem, dirija-se a ra do lio/a-
rio Estreita n. 43.
Precisa-se alugar urna sala independenle
em sobrado, na freguezia do S. Jos ou Santo
Antonio, para um pequeo escriplorio: quem a
a liver para arrendar, dirija-se a ra do Oucima-
po n. 41, a indicar a sua morada para se pro-
curar.
Precisa-se alugar um cozinhero forro o
urna eserava para o servico interno do urna casa
ingleza na Escada ; agradando paga-se bem : a
fallar na ra do Trapiche n. 18, escriplorio.
Roga-se aqs senhores que se acharen) com
relogio3 ; na ra da Imperatnz n. 1 na loja de
Albert AschotT que v buscar no prazo de 8 dias
e nao )ndo, serao vendidos para pagar-se do seu
Irabalho.
t/Swe
Aviso.
g&m
a. hS

I
e l
Horas
Atmosphera.
z
irecgio.
Intensidade
o
00
4
I
ci I Fahrenheit

u
S5 R 8
OS -4 ?* D
Centigfado.

I Hygromtro
I Cisterna hydro-
mstvica.
I
II
3
9
Pernambuco.
O novo banco continua a substituir
ou a resgalar o resto das notas de 10# e
20$ que havia emittido e ainda existe
em circulacao, declarando que, em
cumprimento do decreto n. 2,664 de
10 de outubro do corrente anno, esta
substituicao ou resgate devera* eTec-
tuar-se dentro de 4 raezes, e que Ondo
este prazo s podera' ter lugar com o
disconto progressivo de 10 por cento ao
mez, icando astim na forma do art 5
da lei n. 53 de 6 de outubro de 1835
sem valor algum no fim de lo mezes.
Recife 9 de norembro de 1860. Os
directores, Joao Ignacio de Medeiros
Kego, Luiz Antonio Vieira.
Pela mesa do consulado provincial se faz
Eublico que os* 30 dias uleis para o pagamento
osea do cofre, da decima urbana dos predios das
freguezias desta cidade e da dos Afogados, per-
tencentas ao 1.* semestre de 1860 a 61, ao finali-
sam no dia 8 de Janeiro prozimo vindouro, lindo
os quaes incorrem na malta de 3 0[0 todos os que
* deij^r*) de pagar seus dbiles.
Mesa do consulado provincial 31 de dezembro
dol860.-Pelo administrador,
T. M. F. Pereira da gilva.
De ordem do Illm. Sr- inspector da thesou-
raria de fazenda desa provincia se faz publico,
para conhecimenlo de quem interessar, que no
dia 16 de Janeiro prximo futuro, perante a mes-
ma thesouraria, sor arrematado a quem mais
der, o arrendamento dq proprip nacional sito no
Forle do Mallos, denominadoArmazem do Pao
Brasil.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 31 de doiembro de 1860.
0 official maior interino,
Luiz Francisco de Sampaio e Silva.
11
Para a Baha segu em poucos dias o palha-
bote nacional Dous Amigos, tem parte de sua
carga engajada; para o resto, trata-se com seu
consignatario Francisco L. O. Azevedo, na ra
da Madre de Deus n. 12.
Para a Baha
pretendo seguir com muita brevidade a sumaca
nacional Hortencia, a qual tem prompta parle
de seu carregaraento : para o resto que Ihe fal-
ta, trala-sc com o seu consignatario Azevedo &
Mendes, no seu escriplorio ra da Cruz n. 1.
rj
Rio de Janeiro,
vai seguir em poucos dias a barca Rio de Janeiro
por ter parte de seu carregamenlo prompto : pa-
ra o resto, trata-se com Antunes Cuimaraes &
C, no largo da Asserabla n. 19.
A noitenublada at 1 (jora que tornou-se
aguacciros, vento eonttailemenle fresco -do
e assim amanheceu.
0SCILI.ACA0 DA MART..
Preamar as 9 h. 42' da raanha?, altura 5,8 p.
Baixamar aos 3 h. 5,4' da tarde, altura 1,6 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 4 de
neiro de 1861.
ROMANO 8TEPPL1.
de
NE
*--
martimos.
ja-
'S
,s
. A*jso martimo.
O capitao T. C. Schel do brigne escuna Iiollan-
dez Sicilie vindo de Rotterdam com destino
para Sograbaya e Macassaf com um valioso car-
regaraento arribado neste porto, precisa tomar
risco martimo sobre o casco, (rete e carregamen-
lo (ip seu djlp naTjo e Rea viagem sobredita a
guantia de 6:000^ a 7:00# para pagamento das
despezas de rooceftos que fez neste porto. Os
pretendentes queirara dirigir as suas proposlasao
emulado dos Pauta Baiios, ra do Trapiche No-1 imm$Z escravos"': Tratarse cora
0 5 do corrente, ao meio dia. > da Fonseca Jnior, ra do Vigario n. 23.
Rio Grande do Sul
sahir com toda a brevidade o brigue nacional
Mrquez de Olinda. ; para o reatante da carga,
trata-se no escriplorio de Manoel Ignacio de Oli-
veira & Filho, no largo do Corpo Santo.
Para Aracaty e Ass
segu o hiate Dous Irmos ; para carga, trala-
se cora Martins & Irroao na ra Nova n. 48, ou
com o mestre Joaquim Jos da Slveira.
Para Figueira
com escala fpor Lisboa sahir com brevdado o
patacho portuguez Mara da Gloria, capitao An-
Roga-se aos devedores da loja do lina- {^
do Antonio Francisco Pereira. quo ve- Je
nham realisar seus dbitos no prazo de S
1 15 das, na ra do Crespo n. 8, do contra- JC
rio veriio seus nomes por este Diario al <\>
pagarem o que estao a dever. jg
jSedulas de 1,000 e de
| 5$ de una figura.
Trocam-se estas sedlas sem descont |~
5 por fazendas que vendem-se por baratis- Sm
i simos precos, na ra do Crespo loja ama- ?{
relia n.8 de Leandro Lopes Dias succes- 4g
sor de Antonio Francisco Pereira. S
\ Fazendas linas. |
Vendem-se chapeos de seda de muito aj
bom gosto a ir>S o a 25?>, vestidos de se- 35
da de muito bom gosto a -g, 50j) e Sg, M
i ditos de barege e gaze a 10, ditos de S
i c.imbraia branca bordados (multo ricos), 1
| chaly e barege a 500 rs. o covado, or- S
i gands de muito bom goslo a 800 e 900 |t
rs. a vara, basquinas de tilo com ricos b- aS
i eos de seda a 3, talhos rom blcos para 5g
vestidos de senhora a 500 rs., camisas al
com peitos e punhos de linho a 30 a du- R
zia, gollinhas bordadas para senhora a &|
1$, mussulinas de unta s cor a 240 rs. vB
o covado e muitas oulras fazendas de bom f
gosto que se vendem por metade de seu
valor ni ra do Crespo loja amarella n. m
8 de Leandro Lopes Dias successor de **j
Antonio Francisco Pereira. SL;
tonio de Barros Valente; para carga e passa-
geiros, trata-se com os consignatarios Francisco
Rabello & Filho, largo da Assembla
Severiano
n. 12.
A&,

O hiate Garibaldi, segu para o Cear em pou-
cos dias : a tratar com Tasso Irmos ou com o
capitao Custodio Jos Vianaa.
Rio-Grande do Sul.
Prjnceza segu dentro em poucos
dias, por ter mel carregamenlo prompto : para
o resto trala-se com os consignatarios Marqnes
Barros & C, largo do Corpo Santo n. 6.
O brigue
Para
Rio de Janeiro,
segu em poucos dias o brigue Mara Rosa,
anda admltte alguma carga, tem bons commodos
i. B.
das obras da casa de correccao da corte prtente
ao Sr. Antonio Joaquim da Silva Figueiredo, do
Macei, e o bilhete n. 2051 da lerceira parte da
primeira lotera do Senhor Bom Jess dos Mar-
tyrios pertence ao dito Sr. Figueiredo e ao abai-
xo assignado, em poder de quem el les ficam.
Joo Jos da Costa Santos.
Newton Cesar Burlamaque convida a lodos
os seus parantes e patricios, bem corao a todos
os amigos e collegas do seus iiruos Polydoro,
Lenidas e Fenelon, a assistirem urna missa quo
o mesmo lera de mandar celebrar no dia 7 do
corrente, na igreja matriz da Boa-Vista, s 7 |r2
horas da manhaa, pelo eterno repouso de sua
sempre chorada mi.
Aula de primeiras lelras.
Manoel de Souza Cordeiro Simos, autorisado
pelo Exm. Sr. presidente da provincia para o en-
tino de instrucc&o primaria nesta cidade, avisa
aos paisdeseus alumnos e ao respeitavel publi-
co, que no dia 7 do crranle se achara aberta n
sua aula particular, continuar as {unecoes do
seu magisterio : e que continua a admiilir alum-
nos exUraos e internos, pensionistas c meio pen-
sionistas : na ra Travessa dos Expostos, casi
numero 16.
Na occasiao em que segua o wagn das Cin-
co Ponas para o Cabo, hontem 4 do corrente,
esqueceu porta da entrada a um passageiro quu
seguio, um embrulho contendo o seguinte : um
pao de 160 rs., urna corrente de ouro que so d
urna rolla para pescoco, um annelo, um par de
rosetas, estando urna cora o aro quebrado : quem
acliou, querendo restituir, leona a bondade de
levar ra do Collegio, armazem n."81, que ser
gratificado.
Vice-consulado pontificio
em Pernambuco.
O vice-consul avisa aos subditos da
naci que representa e a todas aquel-
las pfsoas qne quizerem enviar um
bolo para o dinheiro de S. Pedro, a
irem levar ao escriptorio do consulado
o que houverem de depr nessa bolsa,
certos deque sera' remedido o produc-
to dilectamente ao Exm. Sr. cardcnl
ministro dos negocios estrangeiros, com
o discurso de apresntacao, que sera'
publicado, bem como a lista dos subs-
criptores, pelos jornaes desta capital.
Vice-consulado-pontiicin, em Per-
nambuco, ra do Trapiche n. 40, 4 de
Janeiro de 1861.
Thomaz de Faria.
Os abaixo assignados fazem cien-
te que por mutuo accordo o Sr. Carlos
Diogo Benson deixou de ser socio na
firma de Rostron Kooker & C. desde o
da 51 de dezembro de 1860, Pernam-
buco 2 de Janeiro de 1861.Rostron
Rooker & C.B. J. Benson.


()
DIARIO DE PERNABMUCO. SABBADO 5 DE JANEIRO DE 1861.
m
Desappareceu da casa dos Srs. Slahl & C, na
ruada Imperatriz n. H, no da t. de Janeiro do
correte anno. pelas 10 horas do dia, uoi relogio
oriontal de prata foliado d. 17849, mais urna
cadeia de ouro no feitio de oroa cobra, roais um
sinete de ouro com pedra branca, mais um enfei-
te de ouro do feitio de urna cassoleta j com o
vidro quebrado, emais urna chave de dar corda :
roga-se a pessoa que delle tiver noticia, dirja-
se ao mesmo estabelecimenlo, que ser bera re-
compensado.
Precisase alugar una prela que saiba co-
zinhar ; a tratar na ra da Autora D. 80.
Aluga-se a casa assobradada da ra da Ale-
gra n. 36 : a tratar com Marcelino Jos Lopes,
na ra do Mondego. olaria n. 13.
t O abaixo assignajo declara ao publico desta
capital havt-r sahidodo Hotel Trovador no dia 4
do crrenle mez, o achar-se anda no desembolso
do ordenado de 2 mezes e 8 dias, a razo de SUJJ
mensaes, por ler o Sr. Garrido, proprielario do
dito hotel, querido descontar em seu ordenado a
Inuca quebrada e sumida durante este diminuto
lempo ; bem como o peixe que em dito hotel os
assignan.es comiam. Vejim e apreciem que tal
este menino. Recife de Janeiro de 1861.
Joaquim da Cunha Freir Bizerril.
Ao commercio.
O bacharel Jos Antonio de Magolhes Basto,
tendo de so retirar para a provincia das Alagos,
onde vai abrir seu escripiorio de advocada, oflfe-
reco-se aos senhores negociantes desta praca para
S9 encarregar de qualquer causa crime, civel ou
commercial, prometiendo zelo no cumprimeuto
de seus deveres, e raodicilade na paga de seu
Irabalho ; quem o quizer, pode procurar nesta c-
dade, ra do Crespo, loja do Sr. Ferrao, e na ci-
dade de Macei. na roa do Commercio, loja do
Sr. tfagalha.es Basto, que achara com quuui so
entender.
Attenco.
o
Irocam-se scdulisde 13 e 58 das que o llie-
souro desta provincia exige 10 0(0 de descont,
assin como olas dos bancos ecaixas das mais
pracas do imperio mediante o alate de 5 0|0 : no
escripiorio de Azevedo & Mendos, ra da Cruz
numero 1.
Attenco.
Em 19 de dezembro prximo passado furtaram
da casa de P.enjami'i Pockaias ao p da pon-
te da fundigao do Sr. Star 100$ em dinheiro
tirados de urna carteira, e em 30 do mesmo mez
pela noite derara outra saltada na mesma casa,
julga-se que entraram pelos fundos dos muros
da dita casa onde forcaram a porta da cozinha, e
carregaram os objeclos abaixo menciunados :
quem der noticia dos meamos ou parle ser bem
gratificado ; j se fez scienle a polica do occor-
rido : 1 par de botins novos, 1 chapeo de sol usa-
do de panninho, 1 caivete folha de prata, 1 de-
dal de prats, 2 retratos, 1 bolsa pequea dourada,
1 pincel de ouro, e 640 em dinheiro.
Escola central do metho-
do Castilho.
De conformidade com a lei da instrucro pu-
blica esiao a bertas todas as nossas escolas de um
e d'oulro sexo, de 7 de Janeiro em vante. Ra das
Flores n. 3.Francisco de Frelas Gamboa.
Precisa-sede urna amaescrava ou forra pa-
ra cozinhar : na roa do Crespo n. 25.
Na ruada Cadeia da Recite, escripiorio de
Manoel Joaquim Itamos e Silva, exisle urna car-
ta vinda do norte para a Sra. D. Esculaslica Fran-
cisca de Albuquerque, ou anuuncie stia morada
para ser procurada.
CONSULTORIO FUNDICAO
ESPECIAL HOMEOPATHICO
MM
Precisa-so
n. 23.
de urna ama: na ra Bella
Aluga-se o sobrado amarcllo e sitio na Pon-
te de I chiia junio ao mesmo sobrado: trata-se
com Ignacio I.uiz de Brilo Taburda, ou u ra
do Crespo n. II, loja.
Agencia dos Fabricantes americanos
Grouver & Baker.
Machinas de coser: em casa de Samuel l\
.lohstoii & C, ra da Senzalla Nova n. 52.
stahp.ftcida pal Londres
mm bis ft4?.
CAPITAL
Canco ithota Ac Vibras
sUvrVinas.
Saundera Broiliors tS C. lena a honra de in-
formar aos senhores negociantes, propreanns
de casas, o a quem ruis convier, tiueesiao ple-
namente autorisados pela dita companhia para
elljcluar seguros sobre edificios de lijlo e pelra,
rbenos de lelha, e igualmente sobre os objeclos
pie enntiverem os mesmos edificios, quer consis-
ta em mobilin ouem azendas de qualquer tjua-
lidade.
av'aSSfa
Dentista de Pars.
15Run Nova15
Frederic Gaulier, eirurgio dentista, faz
todas as operar-oes da sua arle e collona
denles arliliciaes, ludo com a superiori-
dade e perfeieao que as pessoas entendi-
das Ihe reconhecem.
Tem agua e pos dentifricios ele.
A officina de marmore
luudou a sua residencia do caes 22 de Noverabro
para a Iravessa da ra da Praia u. 3, junto ao
caes do llamos.
Precisa-se de urna ama para fazer as compras
e cozinhar pra casa do punca familia : na ra do
t Cabug n. 3, segundo andar.
A. Schali'ter & C participan! ao
respeitavel corpo do commercio desta
praca que tem estabelecido desde o 1
do corrente, urna casa bancaria em
commandita na ra da Cruz n. 9, pri-
meiro andar.
Aluga-se a loja do sobrado da na das Cru-
zes n. 18 : a tratar no mesmo sobrado.
Lenibranea ao publico.
(1858).
A primeira pessoa que foi curada com as cha-
pas medicinara do Sr. iticardo Kirkfoio Sr. Tho-
maz Antonio Rodrigues FilhcT, de urna dr de go-
la rlieuiustica nos ps. Naquelle lempo tiste ae-
nhor morava na ra de S. Jorge u. 43. Elle deu
uma rertido por osla cor, e all allirma que ti-
nha sollado por om mez dores atormentadoras,
e que nao poda por os ps no chao ; logo que
applicou as chapas achou um grande alivio, e em
cinco dias licou perfeitameiite bom. tanto assim
que j poda sabir do casa (vejara o sllestado
abaixo); estas chapas forara applicadas no dia i
de agosto de 1838, do dia 4 de novembro seguin-
le toruou o rheumatismo a apparecer (por causa
de nao deixar as chapas' o lempo prescripto], e
outra vez se applicou as chapas com igual suc-
cesso.
Um amigo delle, que mora em S. Joio do Prin-
cipe, onde o Sr. Rodrigues reside agora, veio a
esta corte, e no dia C de abril de 1841 me deu
uma encommenda de nma chapa para si mesmo.
Este senhor diz que seu amigo Itodngites est de
saode perfoia, e que nao tem tido nenhum ata-
que depois.
Muitas ostras pessoas nesta cidade o em todos
es punios (teste imperio ii'-ni sido curadas de
rheiiuialismos, crysipelas e nutras molestias, e
dessas eusM exislem em meu poder muitas cer-
lidcs de pessoas respeitaveis e de disiinrcao (
disposicao de quem as quizer ver), que provariio
a efflcacla e os fhzos resollados das diUs chapas
medicinaos.
O escriptotio est aherlo lodos os dias das 9
horas da manba as 2 da larde.
Kic.rdo Kirk & C.
Itua do Tarto u. 119. perto do largo da Carioca.
ATT ESTADO.
Atiesto que ai'hando-mecom um grande ata-
que de rlieuinalismo no p direilo, o 'pial havia
um mez meimpndia de sabir de casa, por nao
poder i'ir o p no '-hio, e leudo por noticia que
o Sr. liicardo Kirk, com escripiorio na ruado
Parto u. 119, carava esta molestia, mandei cha-
mar o mesmo senhor, e elle l'azendo-nie applica-
cao das anas chapas rnedicinaes, mo po bom era
cinco dias, experimentando gratules niethoras lo-
go no primeiro dia. E por ser verdade passei o
presente por mira feito e assignado. Itua de S.
Jorge ii. 43.Tlioma/. Antonio Rodrigues Filho.
Rio de Janeiro em 10 d& agoslo de 1838.
ASSOCIUJU) POPULAS
DE
Soccorros Mutuos.
Domingo C do correle haver sessio ordina-
ria da ass-tmbla geral de conformidude com a
primeira parlo do art. 2> dos respectivos estatu-
ios, os senhores socios cffectivos sao convidados
a comparecer a dila sessao, que ter lugar as 10
horas da manhaa.
Secretaria da Associaco Popular de Soccorros
Mutuos 2 de Janeiro de 86.
Joio Francisco Marquos.
1." secretario.
Rua de Sanio Amaro (Mundo-novo) n. (i.
O Dr. Sabino O. L. Pinho d consultas
todos os dias uteis desde as 10 horas al meio
dia. Visita aos doenles em seus domicilios
de meio dia em diante, e em caso do ne-
cessidade qualquer hora. As senboras de
parto e os doentes de molestia aguda, que
nao tiverem ainda tomado remedio algurn al-
lopathico ou homeopathico, serao attendidos de
preferencia.
As molestias mais freqaenles debaixo dos
climas do Brazil, principalmente as que sao
mais difficeis de curar, lhe tem merecido um
esludo especial; sao ellas :
1. Molestias proprias das mulheres.
2. Molestias das creancas.
3 Molestias da pelle.
4. Molestas dos olhos.
5. Syphilis, ou gallico.
6. Febressymnthomslicasdas leses do cere-
bro e de suas membranas, dos orjjaos do peito,
e do apparelho digestivo; febres intermitien-
tes e suas consequencias.
Pharmacia especial homoeopathica.
venientes na pratica, principlmeme para os mes
dicos que comegam a fazer ensaios, e para as
pessoas curiosas que nao sabem coohecer essa-
difTerencas, e por isso poderv atlribuir inefica-
cia da homceopalbia, o que realmente depende da
m preparacao dos medicamentos.
Para obviar estes graves inconvenientes o
agiadop dynamico do Dr. Sabino munido
de um contador em que se ach m as unidades,
dezenas, centenas, militares, dezenasdemilhares
enllocadas convenientemente, de maneira que
cada vascolejaco apparece um numero novo,
desde l al 10 mil; nao sendo desta sorle
possivel engao algum.
Os medicamentos homoeopathicos preparados
por meio desta maquina sao os nicos que de-
sinvolvem propriedades uniformes capazes de
curar as molestias com a maior certeza pos- i
sivel.
Seus propneiarios offerecera aseus numerosos freguezes e ao pubbico em geral, toda equal-
quer obra man ufatu rada em seu reconhecido esubelicimento a saber: machinas de vapor de iodos
.os tamanbos rodas d agua paraengenhos, todas de ferro ou para cubos de madeira moendas e
meias moendas, taclias de ferro batido e fundido de lodosos tamanhos, guindastes, guinchse
bombas, rodas, rodetes agutlhes e boceas para fornalha, machinas para amassar mandioca e para
descarocer algodao. prencas para mandioca e oleo de ricini, porles gradara, columnas e moi-
nhos de vento, arados, cultivadores, pontes, cadeiras e tanques, boias, alvorengas, botes e todas
as obras de raachin.smo Executa-se qualquer obra seja qual for sua natureza pelos desenlio* ou
moldes que para tal fim forem aprestados. Recsbem-se encommendas nesie estabelecimenlo na
ruadoBrumn. 28 A e na ra do Collegie hoje do Imperador n.65 moradia do caxeiro do es-
tabelec.menm Jos Joaquim da Costa Pereira, com quem os pretendentes se podera entender para
Notas
de :4000 e de 1#000 de uma
figura.
Trocam-se estas rjntas por gneros, no estabe-
lecimenlo de Sodr & C, ra estreita do Rosario
n. 11 ; timbera se veodem as bellas uvas de Iia-
marac.
Na ra da Mangueira da Boa-Viste n. 16,
tem para se alegar um preto para tratar de ca-
rillos em alguma cocheira, para o que lera Mi-
ta pratica e habiliUcoes, por 20$ mensaes, dan-
do-se-lhg de comer ; 011 para algum sitio, e ser-
na mesma ha um sellim
por comniodo pre-
AGITADOR DYNAMICO.
A pharmacia homceopathica esl longe de
preencher todas as vistas dos mdicos homoe-
pathas em quanto fonm os medicamentos pre-
parados mo. A forja do hornera nao po-
de ler a precisa uniformidade para bem de-
senvolver as propriedaMes medicamentosas das
substancias; ella vae naturalmente enfraque-
cendo medida que se vae fazendo o iraba-
lho da drnamisacao e por essa razo que
numerosas vezes accontece que duas preparares
de acnito, por exemplo, da mesma dynarai-
saco, Cuitas pelo mesmo homem, no mesmo
dia, ou em dias diversos, ou feitas por dous
homens differenies, no produzem o mesmo re-
sultado em casos anlogos de molestias; uma
desinvolve uma accao mais prompla, a outra
uma aojao mais lenta.
Alera disso, sendo essencial para a regn-
laridade das dynamisafGes que cada dtluipao
tenha um numero ceno de abalos ou vascole-
jacoes, para que nao acconteca que pero excesso
ou pela insulliciencia d' estas percam os medica-
mentos as propriedades que lnes sao assignala-
das, ou que convem cada dynamisaqao, nao
Alem disso, desejando tirar de sua viagem
Eurcpa todas as vantagens para o progresso
da homceopathia no Brasil, o Dr. Sabino nao
poupou esforcos para obier as substancias me-
dicamentosas dos proprios lugares, onde ellas na-,
turalmente nascem e par. isso entendeu-se com | ^irS^^ii
um dos memores herboristas d Allemanha, para co e com seus periences.
lhe mandar vir as plantas frescas, afim de pre- Aluga-3 um grande armazera com grandes
parar elle mesmo as tinturas. telheiroa, proprio para qualquer ofliciiia. tenda
Alpes, a rnica das montanhss da Suissa, a Imperial ns. 260 e 262 : a tratar na ra Dircita
belladona, bryonnia,chamomilla,pulsalilla,rbus, numero 84.
hyosciamus, foram colhidas n'Alleraanha, na ,a~ Prec'sa-Sf de ma criada e um moleque de
Franca e na Blgica, o veratrum no monte Ju- | ZXa^\S'^^
r, etc. etc. j vos : a tratar na fundico, em Santo Amaro, a
Desla sorle provida a pharmacia do Dr. qualquer hora, ou annuucie para ser procurado
Aviso ao commercio.
Paulo Casses lem contratado comprar a casa de
pasto sita na ra do Imperador n. 16. perleocen-
le ao Sr. Antonio Jos da Silva Guimares, da
qual era administrador lliogo Jos da Costa Pon-
te? se alguem se julgir com direilo a dila casa,
quelraapresentar suas coritas na mesma no pra-
zo de 3 dias, lindo o qual a nada se altender..
Recife 2 de Janeiro de 1861.
Rabe Schmelm & c. participan) quo os
Srs. F. \V. Quist e Wm. Olto enlrartm como so-
cios na sua casa commercial desde o dia 1" desle
mez.Recife 2 de Janeiro de 1801.
Gaz
Sabino das substancias que servirn) para as ex-
periencias puras de Hahnemann, descriptas na
pathogensta, acharao os mdicos e os amigos da
homceopalbia os meios seguros e verdadeirosde
curarem as enfermidades.
OS PREQOS S.\0 OS SEGUINTES:
Avs?.-se aos Srs. consumidores que no
caso de apparecer das 4 horas da tarde
alguma escapa ou ma* luz podero di-
rigir-se a casa do macliinista eucarre-
Rado desteservico Vicente Jos de Oli-
veira na ra de Santa Isabel n. 15.
Aluga-se a casa da ra dos Prazeres, de por-
tao com 2 lees: a tratar na mesma com Jos
Carneiroda Cunha.
CONSULTORIO
hh.taMiM J.o5o,da Silva Ramos,
fere-se escrava epaga-se bem : na ra da Cadeia 1 BICIllCO Mil liniVPI'sidatll' llft (oillll)ra.
to dos Buntis na estrada do Arraial,
^M^
- -.- ,-----r. da estrada'
dos Allhcios perlenceute a viuva de Jos Joa- "'* *miho u cmihuh uu /\nuiai,
quim de Mesquita. com muilos arvoredos produc- meu consultorio estara' aberlo todos os
10* ir* ,|V0S euma excellente casa assobradada, quo se : j: -jo o l.. < 1 j l- i
oi 2 ,orna recommendavel pelos seus commodose de dia" daS 9 horM a,llda manhaa e das
18> a 22J -'-- -
Botica de 24 tubos grandes .
K'.la i J "...... pendencias a iratar na ra do Queimado n.l
IJila de 48 > .......24 a 29 loja de M. R. de Carvalho.
Dila de 60 ......30 a 359' ~ Aluga-se um negro que seja fiel para o ser-
N.B. Exislem carleiras ricas de veludo para mero 19 arm""m : na rua da Cruz- arn,azem
maior preco. -Ta ru"a Nova n. 7 tem cartas para ser en-
Cada vidro de tintura avulso......29 treges aos senhores :
Cada tubo avulso......... l* Manoel Lopes Guimares.
Caixas com medicamentos em glbulos e tin- ^prnoVo^P*..
turas de diversas dynamtsacoes ( mais usadas ) : @g-f ;? @s@ |@@@@Si
De 24 vidros com tintura e 48 lu- 9 O bacharel P. L. de Gusmao l.obo pode
bos grandes........"... 4S9000' 8er Procurado para o exercicio de sua @
De 36 ditos dita e 56 lubos grandes 6^9000 11 '.""^ % f "" |
De 36 ditos dita e 68 tubus grandes. 70000 | @@@g8 9 @@@@I
De 48 ditos ilita e 88 tubos grandes 92000
De 60 ditos dita e 110 tubos glandes 1159000
Estas caixas sao uleis aos mdicos, aos Srs,
de engenho, fazendeiros, chefes de familias
APPROVACiO E AITORISACaO
DA
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
mnmz mbmmt
ELECTRO-MAGNETiCAS EPISPATICAS
De Ricardo Hirk
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo.
AS CI1APAS|MEDICINAES sao muito conhecidas no Rio de Janeiro e ero todas as provincias
desle imperio ha mais de 22 annos, e sao afamadas, pelas boas curas que se lem obtido as enfer-
maras abaixo escripias, o que so prova com innmeros allestados que existem de pessoas capa-
zes e de distinecoes.
Com estas CiiAPAS-F.i.Er.TRo-iiACNr.TiCAS-EPir-ASTic.AS obtem-se uma cura radical e infallire
em todos os casos de inflammacao (cansaco ou fal(p de respiraco), sejam internas ou externas
como do ligado, bofes, estomago, baco, rins, ulero, peilo, palptalo de roraco, garganta, olhos
erysipelas, rheumatismo, paralysia e todas as affecces, nervosas, ele, etc. igualmente para as
diilerenles especies de tumores, como lobinhos, escrfulas etc.. seja qual fdr o seu lamanho o pro-
fndela, por meio da suppuraco serao radicalmente extirpados, sendo o seu uso aconselhado ao
habis e distinetns facultativos.
As encommendas das provincias devemser dirigidas por escripto, tendo todo o cuidadode
fazer as necessarias explicacoes, se as chapas sao para homem, senhora ou crlinra, declarandop
molestia era que parte do corpo exisle, se na cabeca.pescoco, braco, coxa. perna, p, ou tronoc
do corpo, declarando a circumferencia: e sendo ir chaces, feridas ou ulceras, o molde do seu ta
manho em um pedaco de papel e a declaragio onde existem, afim de que as chapas possam ser
bem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do B rasil.
As chapas serao acompanhadasdas competentes explicacoes e tambem de todos os accesso-
rios para a coocacjio dellas.
Consultas todas as pessoas que a dignarem honrar com a sua conflanca, em s escriotorio
que se achara aberlo todos os dias, _3em excepcao, das 9 horas da manhas 2 da ta '
||9 Rua do Parto || PERTO DO LARGO DA CARIOCA
DA
se podo isso obier as preparares feitas mao C8piles do nav0> e em {;eral todos que se
porque o numero de abalos seropre ma.or ou quizerem dedicar pratica da homceopathia.
menor, d onde evidentemente resulta um effeilo 1 Vendora-se tambera machinas elctricas por-
lambem maior ou menor, e por conseguinte! uAi, para tratamenlo das molestias nervosas.
diividosona appheacOo do med.camenio ; se os | Fslas maeilinas sa0 as mais raoje,nas e as
abalos sao .nsufllcentes nao se desinvolvem \mili usadas ac,ua|mente era toda a Europa, ,
mdas as propnedades conven,entes dynamisa- tonl0 ,, comra0(,idae de poderem ser tra Zs o^h^les rSc'eira0
cao que seqner fazor e so sao de mais. des.n- dg na a|ibeira, como porque trabalham com t-ria da igreja doSenhor R..
volvem-so algumas das propriedades da dyna-1 nrenarasoes que nao sao nocivas: rin*,"'-'!- -" ~
misacao sunerior. com nerda cena da muitas r.j___..

misacao superior, cora perda cena de muitas
das que convem dynamisaQao que se quer
preparar, o que sem Juvida tem graves incon-
Cada uma........505000
O Dr. Sabino ensina a maneira de se servir
desla maquina.
CASA DE SAUDE
BjLMIIS
Sita cm Sanio Amaro.
^J tabelecirnent
Esteestabelecimentocontinua debaixo da administr'actio dos pro-
pietarios a receber doentes de qualquer natureza ou- catbegoria que
seja. -ur''
O zelo e cuidado all empregados para o prompt resl
to dos loen tose ge ral mente conhecido.
Quem se quizer tilisar podedirigir-se as casas do*
ambos more resna rua Nova, ou entender-secom o i*e|
Reforma de presos.
Escravos. -.....
Marujos ecriados, ....
Primeira classe 0$ e. ,
As operae/es serao previamente ajustadas.
2^000
2500
5^500 (
CONSULTORIO
DO
EDI RO COPAR TEIE OPERADOR.
3 RUA DA GLORIA, C ASA DO FITND AO 3
CVin'ica por ambos os syslemas.
O Dr. Lobo Moscoso d consullas todos os dias pela manhaa, e de tardedepois de 4
horas. Contrata partidos para curar annualmente, nao s para a cidade, como para o engenhos
ou outras propriedades ruraes.
Os chamados devera ser dirigidos a sua casa at s 10 horas da manhaa o em caso
de urgencia outra qualquer hora do dia ou da noile,v sendo por escriptoem que se declare
o nome da pessoa, o da rua e o numero da easa.
Nos casos que nao forem de urgencia, as pessoas residentes no bairro do Recife po-
dero remetter seus bilbetes botica do Sr. J. Sounn & C. na roa da Cruz, ou loja de
livros do Sr. Jos Nogueira de Souza na rua do Crespo ao p da ponte velba.
Nessa loja e na casa do annuncianteachir-se-ha constantemente os melhores medica-
mentos homeopticos ja bem conhecidos e pelos precos seguintes:
Botica de 12 tubos grandes...........10000
Dita de 24 ditos. ................159000
Dita de 36 ditos.................209O00
Dita de 48 ditos................. 2515000
Dita de 60 ditos................ 30*000
Tubos avulsoscada um.........:..'.' 1000
Frascos de tinturas. ; ;........... 2000
Manual de medicina homeopathica pelo Dr. Jahr, tra-
ducido em poriuguez, com o diccionario dos termos
de medicina, cirurgia etc.. ote........209000
Medicina domesticado Dr. Hering, com diccionario. 109000
Reperlorio do Br. i
C9000
PROVINCIA.
O Sr. lliesonreiro das loteras manda declarar
que se ncham s venda no escripiorio das mes-
mas os bilheles da lerceira parlo da primeira lo-
(ria da igreja doSenhor Rom Jess dos Mariv-
rio* desta cidade cujas rodas devero andar im-
5 as 5 da tarde. As pessoas que man-
daren! procurar-me, tero a bondade
de dirigir os chamados por escripto pa-
ra a loja de louoa deronte da casa de
minba residencia ua rua Nova.
Aluga-se um bom sitio na Itoa-Viagem
prximo ao sitio do Sr. Lima com ptima casa,
tendo quatro grifo des quartos, duas salas, cosi-
nha fora, quintal com bstanles ps de arvores e
frlolraa : quem a pretender dirija-so ao mesmo
sitio tratar cum a viuva de Jos Joaquim do
Souza.
Alugam-se o primeiro e segundo andares do
sobrado dos Uuairo Cantos era Ulinda, cm fren-
te para a ladeira da Misericordia e oitau para a
rua de Malhias Ferreira, com direc^o ao mar,
sendo bem fresca^ com commodos sufBcieulos
para uir^ famUiji&njc queira fazer uso dos bn-
nlvps salgados : 'JTralar na rua da Cadeia Velha
do llecife, escripiorio n. 50. de I.eal & Irmo.
O Dr. Manoel Moreira Guerra durante as
ferias tem o seu escripiorio em casa de sua resi-
dencia, rua da raalriz da Boa-Visla n. 24
Eduard Fenton previne a quem inleressar
possa, que nao facam negocio algum com o Sr.
Thom Francisco da Rocha, relativamente aos
carros.^artjlbs, arreio ele, periencentes a co-
cliejf mr nrsmo. porQue ludo* se acha divida e
preterivelniente no dia 1{) de Janeiro prximo fu-^'**"* ^ ntesmo. porQue ludo* se acha divida e
luro. regalmetote hyporhecado ao anjdunciante, que pro-
Thesonraria das ----- --. Kha Ai,.,n Z------ ----- -
1860.-O escriv
- .^n....UcnvE iij ptrinc^auu >iu aiiuuiicianie, que pro-
idas loteras 22 de dezembro de: iesla "s,*,*fM11 direilo conya quem quer qne
iviio, J. M. da Cruz. forqne negocie em la.es objettos comeo referido
!sr. Tnom. "7
Jtoga-se ao Sr: -J. 1. M. C. queira ir'ou
mandar rua Nova n. 7, a negocio que nao igno-
ra, no prazo de (rea dias, do contrJS^.publicar-
se-ha qual o negocio e o seu JMDfT por extenso.
; Uma S'enhora^oitit2jiy: de meia idade,
, habituada aleccionar memna#, deseja accolbmo-
dar-se para onnfc Dm enwalguma dSsafe fa-
milia- respeitlml : qj;em della precisar, deixe
"rla fechada nesta typograph. com as iniciaos
* 1. 11 H. i
O artista,americano
O artista americano
^ft artista americ?no
OBu'tista americano
O^tista americano
Tira rV.atos por ,",$
Tira rattos por 3$ >
Tira retratos por a'f
Tira retrais por o$ *
Tira re trajo? por 5^ !
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinbas novas
Tendo recebido um jortimento.de cai-
-vinhas novas *
TondoJ^lBido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo rc^bi^) um sortimento de cai-
xinbas novas r
Tendo recebido^im sortimento de cai-
xinna\no/as
Tendo recebido um'sortimento de cai-
xinbas novas
No grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
A. W. Osborn, o retratista america-
no tem recen temen te recebido um gran-
de e variado sortimento de caixas, qua-
dro, aparados cbimicos, e um grande
numero de objectos relativos & arte.
Como tambem um grande fornecimen-
to de caixas para retratos, de 3#000 rs.
cada um, as pessoas que desejarem ad-
qnirir conhecimentos pra tices na arte
de retratar acharao o abaixo assignado
sempre prompto sob condiooes muito
razoaveis.
Os cavalheirose sen horas sao convida-
dos a visitar estes estabelecimentos, pa-
ra examinarem os specimens do que
cima lica anunciado.
Aluga-se para passar a festa duas casas si-
tas em Santa Anna de denj.ro, com baslantea
commodos para qualquer familia, sendo o lugar
o mais saudavet .nara a saude, com banbo perto
de casa : a fte.lj^jjttDateo devS. .Pedro n. 6.
Q.hetep^eqjsar d.e.um menino de 16 annos,
que le e e*reve bem para estabelecinjqaio, menas taberna e padaria, pode
dirigir,e^a rua de Apollo n. 82.
I
^rariisto y&i SrVeirn', roga aos
\m ogeauto dea&ssistirem a uma
missa fnebre], p\xr occasiao do
stimo dia, nq igreja da Santa
Oruz, as 7 horas da manhaa do
jdia 4 do corrente.
aa
Despachos -telgraphicos por
via de Ricardo Knowles, de
Lisboa.
Luiz Antonio Siqueira.^previne aos
negociantes desta praca que precisarem
dos subscriptos, mstruccoes eimpressos
para os referidos despachos que os po-
dem procurar no seu escripiorio na rua
da Cadeia n. 20.
Dentista francez.
Paulo Gaignoux, dentista, rua das La-
! rangeiras n. 15. Na mesma casa tem
w agua e p den tfico.
Traspassa-so a renda do engenho UchoT
Rio na freguezia de Afogados, pouco mais de
uma legoa distante desta praca, este engenho
te.m muito boas larras, boas matas, e muito
bom de agua com a nova obra que se fez, tem
grande casa de vivenda e concertada de novo
salreja de dous a tres mil paes e mais que se'
queira plantar, pois lem trras sufficientes para
sao : quem o/pretender, procure ao major Anto-
oo da Silv Gusmao, na rua do Queimado, loja
n. 41, ou no mesmo engenho.
rrecisa-se de una ama que saiba cozinhar
e fazer todo o aervico de casa ; na rua do Cal-
deireiro. taberna n. 60.
[Collegio Bom Conselho rui
da Aurora n. 26.
Precisa-se de uma senhora de meia ida-
de para se incumbir da r'oupa e sceio
dos pendonistas, promelte-se-lhe um
ordenado vanlajoso.
A secretaria do governo precisa de dous
encaderoadores para preparar os livros da cor-
respondencia offlcial; quem quizer se encarregar
desse trabalho, dirija-se a mesma secretaria.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho sacam
sobra Lisboa e Porto : no largo do Corpo Santo,
escripiorio.
1ILEGVEL
f
f
\


DlAHIO DE PEKNAtafcCO. SABBADO 5 DE JANEIRO DE 1861
O EXTRACTO
COMPOSTO DE
ALA IPARRDLHA S R. T@Wi!!
MELHORADO E FABRICADO SOB ADIRECCAO' DO DR JAMES R. CHILTON,
imico e medico celebre de New York
EX-
GRANDE SPERIORIDADE DO
TRACTO FLUIDO COMPOSTO
DE
SALSA PARRILHA
Explica se pelo seo extraordinario
e quasi miraculoso effeito no
saagae.
Cada um sabe que a saude ou a infermidade
dependa directamente do estado desie floido vi-
tal. Islo ha de ser, visto o partido importante
que tem na economa animal.
A quautidade do sangue n*ura homem d'e3-
taliira mediana est avallada pelas as primeiras
autoridades era vinie e oiio arralis. Em cada
pulsado duas oucss saliera do coraco nos bofes
e dalli todo o sangue passa alera no corpo huma-
no era menos de quatro minutos. Urna dis-
pos'Hjao extensiva lera sido formada e destinada
cora admiravel sabedoria a destribuir e fazer
circular esta corrente db vida por todas as
parles da organsac,o. Deste modo corre sero-
pre pelo corpo em torrente, o qual a gran
fonte de infermidade ou de saude.
Se o sangue por causa alguma se emprenha
de materias ftidas ou cirrompidas, diffunde
com vblocidadr elctrica a corrupco as
raais remotas e mais pequeas partes do corpo.
O veneno lanca-se para tras e para diante pelas
arterias, pelas veas, e pelos vasos capillarios,
al cada orgao e cada teagem se faz completa-
mente saturado e desordenado. Desta maneira
a circulado evidentemente se faz ura engenho
poderoso de doen^a. Nao obstante pode tam-
bera obrar com igual poder na criado desande.
Estivosseo corpo infecionado dadoenga maligna,
ou local ou geral, e situada no systema nervoso
ou glan lutoso, ou muscular, se smenle o san-
gue pode fazer-se puro e saudavel ficar superior
a doenca e inevitavelmente a expedir da cons-
lituigo.
O grande raaoancial de doenca enlao como
d' aqu consta no fluido ctRCULANTE.e nenhum
medicamento que nao obra directamente sobreel-
le para purificar e renova-lo,possuealgum direi-
to ao cuidado do publico.
O sangue l O sangue o ponto no qual
mysler Oxar a attencao.
New-York.bavemos vendido durante mnitosan-, IIASKELL <& MERRICK, 10 Gold Street.
se ha
O ORIGINAL E O GINUINO!
AO PUBLICO.
Nos, os Assignantes, Droguista na cidadede
nos o extracto de salsa parrilha do Dr. Town-
send, consideraran lo ser o extracto original e ge-
nuino de salsa parrilha do Dr. Townsend. o
qual primeramente sob este norae foi aprescn-
tadoao publico,
BOYDPAUL, 40 CortlandtStreet.
WALTER. B TOWiNSEND & Co, 218 Pear)
Street.
LEEDS& HAZARD, 121 Maulen Lae.
JOHN CABLE & Co, 153 Water Street.
M WARD & Co, 53 Maiden Lae.
J. & J. F. TRIPPE-, 92 Maiden Lae.
ORAHAMA Co, 10 Od Llip.
OSGoOD & JENNINGS, 188 PearlStreet.
R.B. HAVILAiND & Co, Office 177 Broad-
way.
JACKSON, R0BINS& Co, 134 Water Sireet.
THOMAS & MAXWELL. 86 William Street.
WM. UNDERHILL, Junr, 183 Water Street.
DAVIDT. LANMAN, 69 Water Sireet.
MARSH & NORTHROP, GO Pearl Street.
NORTON, BABCUCK & WOOD, 139 Mai-
den Lone.
PENFOLD, CLAY& Co, 4 Flelcher Street.
OLCOTT, M KFSSON & CO, 127 Msiden
Lae.
A. B. & D. SANDS. 100 Fulton Slreet.
SCHIEFFELIN, BROTHER & Co, 104 &
106 Jobn Si.
LEWIS k PRICE. 55 Pearl Slreet.
HAVILAND, KEESE &CO, 80 Maiden La-
e.
RUSHTON, CLARK. & CO, 110 Broadway,
lOAslor.
House, and 273 Broadway, cor. of Chambers
Street.
PHILIP SCHIEFFELIN & CO, 107 Water
Slreat.
POU & PALANCA. 96 John Street.
SHERWOOD & COFFIN. 64 Pearl Slreat.
RUST & HOUGHTON, 83 John Street.
I. MINOR g, CO. 214 Fu ton Street. ,
INGERSOLL& BROTHER, 230 Pearl Street.
JOSEPHE TRIPPI, 128 Maiden Lae.
GREENI.EAF & KINSLEY, 45 Cortlandt
Street.
HAYDOCK, C0RLIES& CLAY, 218 Pear
Slreet.
CUMMING & VANDUSER, 178 Greenwch
Street.
B. A.FAHNESTOCK & Co.49 John Street.
CONHECEMOS A ARVORE E SUASFRA-
TS ,
K IGUALMENTE
Conhecemos um Medicamento nos seus Effeitos.
O extracto cornposto de Salsa parrilha do
Dr. Townsend est
0 MEDICAMENTO DO P0Y0
Adata-so to maravilhosamente a conslituicao
que pode ser utilisado em quasi todas as enfermi-
dades.
ONDE E DEBIL1DADE,
fortalf.ce;
ONDE E'CURRUPCO,
purifica;
ONDE HE PODRID O, '
ALIMPA.
Este medicamento celebrado que tao grandes
serviros presta a humanidade, prepara-se agor
na nova fabrica, na esquina das ras Fronte
Acham-se venda na livraria da praca da Independen-
cia ns. o e 8, as bem conhecidas folhinhas iinpressas nesta
typographia
Bita (fila
tolllUlha (le porta ou KALENDARIO eeclesiastico e civil para o
n x bispado de Pernambuco........... jco rs
I fila de algibeira contando alem do Intasstiiin ortilanuoHo t~\C,\,
explicado das fesias mudaveis, noticia dos planetas,
tabellas das mares e nascimento .e occaso do sol;
ditas dos emolumentos do tribunal do commercio:
ditas do sello; ditas do porte das cartas; ditas
dos impoitos geraes, provinciaes e raunicipaes, ao
que se juntou urna collecco de bellos e divertidos
jogos de prendas, para entretenimenlo da mocidade. 320 rs.
coRtendo alm do kalendario eeclesiastico civil, expli-
cado das festas mudaveis, noticia dos planetas, tabellas
das mares e nascimento e occaso do sol ; ditas dos emo-
lumentos do tribunal do commertio ; ditas dos impostos
geraes, provinciaes e municipaes, ao que se reuni o
modo de confessar-se, e coroungar, e os officios que a
igreja eostuma celebrar desde domingos de Ramos, al
sexia-feira da Paixao, (em porluguez). preco..... 320 rs.
civil, administrativo, commercial e industrial da provin-
cia de Pernambuco, ao prego de:....... 19000
Para lacilidade do uso deste almanak, augmenlou-se
de formato, e izeram-se muitas alteracoes, sendo a correc-
Washington Brookiyn. sob a insPecSaodirecta cao a mais exacta que foi possivol, em materia desta ordem
do muito conhecidochimico e medico r.Jamesj / i \ '"^iiauooiauuciu,
R. ciniton, da Cidade deNe^-York, cuja cer- l(lue lodos os das soflre mudancas) acreseeiitando-se a nu>
tido eassignatura se acha na capa exterior da meiaCO dOS estabeleCUieillOS CumilierciaeS e udustriaes "
acompanhado de ndice para fieilitar o uso, procurando o
que se deseja pela oceupacao do individuo de quem se quer
saber a residencia.
NO
Trovador.
bonddtlOS ""1* a S" 3]can mSdr
ri ? mJtf "S rpKuezes. maudou vr de P-
ns um prTmorosn-b.lhar de mogoo-e o teni i
JosMoreira
Lopes
Diludo almunak
cada garrrfa de
ORIGINAL ,E GENUINO
EXTRACTO COMPnSTO DE SALSAPAUR1LHA
DO DR. TOWNSEXD.
O grande pnriftctttlor to saugttt'
CURANDO
O Herpes
A HerVsipela,
A Adstriccaodoven-
TRE,
AsAlporcas
Os Effeitos do azod-
GUE,
Dispepsia,
AS DoENCAS.DEFIGA-
D0,
AHydbopesia.
A Impingb
As Ulceras,
O RUEUMATISMO,
As Chacas
A DF.DILIDADE GEIIAL'
AS DOENCASDE PELLE
As Borbulhas ^'A ca-
ra,
As Tossesi,
Urna pessoa que nao pode ir ao
Manguinho fallar ao Sr. Manoel Ephi-
ffenio da Silva, toga. 1 lie queira anntin-
ciar onde o pode procurar nesta cidade
visto nao ser permittido fallar se-lhe na
altandega. 1
1
amarella
a
ar-
oulr'ora ra do
mudouoseuestabelocimento da casa
SSS.''S."lmf""'"
j.i eo,n amiazem de carne sprr.
de&afn'om? ,he ".-". por h.V
'S"al nome, s assignar de hoio
Manoel da Costa Cordeiro ).ma J
era
ouiro
dianlo
DA
Os CATARRnos, As Tsicas, etc.
OExtracto acha-seconlidoemgarrafas quodra-
das e garante-se ser mais forie e melhor em to-
do o respeilo a algum outro purificador do san-
gue., conserva-se em todos os climas por cer-
to sspac.0 de tempo.
original
' Cada garrafa do
exterior de papel verde
No esariptorio do propietario, 212 Broadway, New York, e em Pernambuco
em na blica da rua Direita n. 88 do Sr. Paranhos.
e genuino extraclu do Dr. Townsend tem a assijjnalura e a certidao do Dr. J. R. Chlillon, Da capa
na rua da Cruz n. 21 escriptoric I. andar, tam-
Assignatura do banhos fros, mornos.de choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 das consecutivos...........
30 candas paraos ditos banhos tomados em qualquer lempo. .
13 Ditos dito dito dito ....
7 ....
Banhosavulsos, aromticos, salgados esulphurososaosprecos annunciados
EstaraducQo de presos facilitar aorespeitavel publico ogozo dasvantagens que resultara
da fretinencia de um estabelecimento deuma utilidadeincontestavel,masque infelizmente nao
estando em nosso* hbitos, ainda pouco conhecida eapreciada:
109000
15*000
000
4*000
TABAC CAPORAL
Deposito das manufacturas impcviaes ueFrauca.
EteeXCelenl8 fum acha"se opositado, diretamente na rua Nova n. 23, ESQUINA DA
CAMBOA DOC ARMO, o qual se vende por mseos de 2 hectogramos a lOOOeem por?aode
10 mseos para cima com descont de 25 porcento ; no mesmo estabelecimento acha-se tambem
o verdadeiro papel de linho para cigarros.
EAU MINERALE
NATURALLE DE VICHY.
Deposito na botica franceza rua da Cruz n. 22
Ensino de msica.
Offerece-separa leccionar so\fejo,comotara-
bera a tocar varios instrumentos; dando asli-
coesdas7horass9 \\li da noilera tratar na rus
d Roda n. 50.
O Sr. alferes Tliom G. Vieira de Avisa-so ao rospeitavel publico qu
Lima, queira dirigir-se a esta typog a- lem"'s_Cinco Ponl.as. bilhetes de periodo del
PROVINCIA.
O Sr. lliesoureiro das loteras manda declarar
que se acham expostos a vpnda os bilhetes da
terecira parte da primeira loleria da irmandade
do SenliorBom Josus dos Marlyrios desta cidade
cujas rodas devcro andar imprelerivelmeule no
dia 19 de Janeiro prximo futuro.
J liesourana das loteras 22 de dezembro de
lotiU.Jos Maria di Cruz, escriviio.
COMPAMIIADA VIA FRREA
tK)
/ecife a Sao Francisco.
pliia, que se llie precisa fallar.
Jos Mara da Silva Ferreira avisa a seus
freRuezes e imigos que mudou o seu estabeleci-
mento de tinturara de todas as cores, do largo da
Soledade para a rua do Hospicio n. 42, conti-
nuando a receber nos mesmos depsitos, lano no
largo do arsenal de marinha n. 8, do Sr Anselmo
Jos Duart Sedrim, assim como no largo da ma-
triz de Santo Antonio n. 2. do Sr. Antonio Joa-
qun) Panasco.
A administreao do correio da
Parahiba do Norte contrata homens ca-
minheiros para a conduccao das malas
e paga o jornal mensal de* 24#.O ad-
ministrador, Francisco de ssis Car-
neiro.
Remedio infallivel contra as agnorrhas antigs e recentes,
tnico deposito na botica franceza, rua da Cruz n, 22
Preco do frasco 3JJO00.
Rua Nova, em Bruxellas (Blgica),
hl- JOB A DIRECaO DE E- KERVAND
Este hotel co locado no centro de urna Jas capitaes importantes da Europa, torna-se de anda
valor paraos brasileos e portuguezes, por seus bons commodos e eonfortarel. Sua posico
urna dasmelhores da cidade, por se achar nao so prximo sestacSes de caminhos de ferro, da
Allemanha e Franja, como por ter a dous minutos de si, todos os theatros e diveriimentos: e
alem disso, os mdicos precos convidara
No hotel hasempre pessoas espeeiaes, fallando o francez.allemao, flamengo, inglez e por-
uguez, paraacompanhar astounstas, qur em suas excurses na cidade, qur no reino, qur
emnm para toda a Europa, por precos que nunca exeedem de 8 a 10 francos (39200 4000)
Durante o aspa? de ito a Jez mezes, ahi residiram os Exms. Srs. eonselheiro Silva Fer-
rao, e seufilhoo Dr. Pedro Augusto da Silva Ferrao, ( de Portugal) e os Drs. Felippe Lopes
NeTto, Manoel deFigueirta Feria, edesembargador Pontes Yisgueiro ( do Brasil, i e muitas ou-
Uas pessoas tanto de um, como de outro paiz. '
Os presos de todo o servieo, por dia, regalam de 10 a 12 francos (4&000 i 4500.)
no hotel encontram-se inforraacoes exactas acerca de tudo que pode precisar um estrangeiro
Armazem para alagar.
Alugam-se os dous grandes armazens da rua
da Concordia, onde est o Sr..Paulo Jos Gomes,
do 1.-de Janeiro do anno viodouro em dame:
a tratar com o Dr. Lobo Mosfcoso, na rua da Glo-
ria n. 3.
O Dr. Lobo Moscososcientica aosseus an-
ligos freguezes, que pelos commodos que offerece
a rua nova casa da rua da Gloria n. 3, denomi-
nada 1'unilan, continuar a receber escravos o-j
para tralar de suas molestias ou fazer-se-llies
qualquer operarao : alem da boa situacao ha a
grande vantagem dos banhos salgados, muito ef-
licazes para certas molestias chronios,
Os Srs. abaixo assignados sao rogados a v-
rem a rua da Imperalriz, loia n. 82, a negocio
que muilo Ihes inleressa o diz respeilo :
Jos Caelano Pinto do Queiroz.
Manoel Flix Nasario, de Santo Anlo.
Domingos Jos Dantas.
Sabino Joaquim da Purificaran.
Joao Augusto de Hollanda e' Silva.
Lucas Antonio Evangelista.
Jos Joaquim deAguiar.
Manoel Izidro do Nascimenlo Arauio.
Manoel Seraphim.
Joaquim Juvencio de A^meida.
TheodoroJos Pereira lavares.
Jos Pedro Ralis Barbosa.
Antonio Homem Ledo.
Miguel Carneiro de Moraes.
Manoel Flix.
Conrado Jos da Silva.
Domingos Francisco Regis.
Jos Antonio da Silva.
Joilo Barbalho de Mello.
Jos Leocadio do Reis, morador no engenho Jar-
dim, freguezia do Cabo.
_- Aluga-se o sobrado de dous andares e so-
laoda rua Imperial n.169 : a fallar na ruada
Aurora n. 36.
Urna senhoia casada, com pou
eos filhos, e j maior, natural e residen-
te em Hamburgo, mas que esteve no
Brasil, acceita dous on tres meninos ou
meninas para educar com todo o esme-
ro e por condicSes rasoaveis ; a fallar
na livraria n. 6 e 8 da praqa da Inde-
pendencia, onde se darao toda as in-
formacOes.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e en-
gommar para casa de ura mogo solleiro : quem
esliver no caso, pode apparecerna rua da Moe-
ua o. 49.
Pt-ecisa-se alagar urna ama para cozinhar o
onrio de nma casa de pouca familia ; na rua da
Praia n. 57.
mezes para todas as eslaees, com grande
abaiimouio nos precos e que se fizeram diversas
reduccoes nos precos de transporte entre Cinco
I ontas, Escada e as outras estacoes nos spguintes
artigosasaber cavallos. assucr. madeira. pe-
ora, lenha, carvaode pedra, eslrume. capim, ti-
jolos, leihas e ladrillios, para mais iniurmsijoes
dinjam-seaoSr. James Kirkhara na villa do Ca-
bo uu em qualquer das eslacoes.
AssignadoE. R. Bramah,
Superinlendente.
Nova pauta ou tarifa da
alfandega
Ne livraria da piara da Independen-
cia n. 6 e 8. existe a nova tarifa que
tem deexecutiirse a 9 de fevereiro, a
qual sera' mostrada aos Srs. assignantes
do Diario, que a quizerem consultar em
qtianto nao chegam alguns para vender.
4os consumidores de gaz.
A empreza da illumina^o
gaz, roga a todos os Srs. cod-
sumidoresofavor de nao en-
tregaren! aos seus machinis-
tas ou serventes qualquer di-
nheiro^ quer de reparos ou
outro qualquer pretexto, sob
pena de lhes ser novamente
exigido Todos os pagamen-
tos devem ser feitos ao Sr.
Thomaz Garrett nico cobra-
dor autorisado ou no escrip-
torio dos gerentes.
Precisa-sa de urna ama para o servico in-
terno de urna casa de pouca familia : na praca
do Corpo Santo n. 17.
i ~m A,lu8asf um escrava de mullo boa conduc
la. muiio sad.a e fie|, engomma poZZZl
SJStVr ass fai'SS
canso na l.vran. do Sr. Figueiroa se dir
-- Aluga-se urna casa lerrea na frcuezia de
S. Jos : quem delta precisar, diriia-se oara in
formajes rua do Viwrio.cwa n. 29 P
~;*",on" Jos da Silva, porluguez. relira-se
para o Araraly, a tralar de sua saude.
viaT \\IT\'S" de uma ama 1ae wwnhe o tri-
vial o lave .Iguma cousa : na mesma precisa-so
de um preto para lodo servico, nao duffido-ae
pagar bom ordenado na rua das cqco Ponas
20 a 25 milheiros
pagar bom ordeoado
n. 38, padaria.
Quem quizer vender -
luolas de alvenara. postos no polio de Santn!
na aPpareca na rua Nova no primeiro andar'por
dammanhSa C,ra d Ad,ph' dflS 9 s *
- Fugio no dia 3 do correle mez um nreio
de nagao de nomo Joao, com id.deT poTo m
UTdX pTCndeu 0ci0 de cozinhar emea!
sa do Sr. Francisco : quem o trouxer a Fsirid,
S'd'olo^'1? abaX ri8nad0' receber /2S
rhii. .80*J.,,evou ca'C de azulao e camisa do
chita ; o dito preto gosta de agurdente
o 7 h*""?6 alugar um obrado de primoiro
destS nr.?"ndar *m> al8Uumas Principa" ru
PaSraafaP^ ?UaepeeSsS3o:e'-ha- ^^ *?"
rua Direita o. 16
que o tiver, dirija-se a
ou annuncie por este jornal.
Compras.
Olaria.
pimE"8.? 0,\ arren.da-se urna olaria de fabri-
Compram-se escravos,
h7^ ?p se oualuKs-se um escravo quesa-
ba cozinhar. e que nao seia de bebiri.i. n. Ju-
do Pilar n.143.
Senl.l10NoPvrrnr3S.laDS!,para<,OCe:na rUa da
Vendas.
Collegio Bom Gonselhorua
da Aurora n. 26.
No dia 7 do corrente esli abertas to-
das as aulas deste estabelecimento.
mmmmtmms mtmmmmn
Lscrava para.alugar.
Na rua estrella do Rosario n, 43, tercetro an-
dar, ha uma escrava para alugar, a qual lava bem
do aabao, cozinha bem o ordinario de urna casa e
compra, e tambem sabe vender na rua.
Offerece-se uma ama para criar com bstan-
le leite : na rua da Conceican n. 14.
8 ^Attenco.^7
A cocheira nova da rua do Tambi n.
11 lem cavallos de aluguel para passeio.
muito bons, e recebem-se de trato.
Aluga-se o primeiro andar de um sobrado
na rua da Cruz n. 29, com fundos para a ruados
Tanoeiros : a tratar no pateo deS. Podro n. 6.
Precisa-so de uaaa de leile na pateo do
Terco n. 2C
Precisa-se deuma ama forra, que saiba en-
gommar, e fazer alguns trabalhos de casa de fa-
milia quem pretender dirija-sea ruadaCadeiado
Recife n. 22.
VU FRREA
DO
Recife a Sao Francisco.!
(LIMITADO.)
Avisa-se ao respeitavel publico que do dia 31
do corrente em diante a companhia deixar de
despachar carga para a estacao da Pontezinha, o
trera continuar a passar para tomar e deixar
passageiros e bagagens.
AssignadoE. H Bramah,
Superintendente.
Alugam-se os dous andares do so-
brado da rua da Cruz n. 45, recente-
mente pintados e commodos suflicientes
para familia : a tratar no armazem do
mesmo.
Atlenco.
Existe o verdadeiro queijo inglez Chedder, que
so pelo excellente gosto e qualidade superior e
prelerivel a oulro qualquer, estando venda no
eslabelecimento de Sodr & C, na rua estreila
do Bosario u. 11, nico deposito.
Atteniion.
Parties desirons of relshingand appreciating
the well Knnwn Chedder Cheese willhave to ap-
plyto Sodr & C, n. 11, rua estreita do Rosario,
wnich is ihe only place wher this delicious ar-
ticleis to be liad ai presen!.
Attention-
Les amateurs de fromage Chedder Cheese bien
connue sour co ora et qui dsirent degouler doi-
vont se presenter ru de Rosario estreila n. 11
chez Sodr C, altendu que l'unique deposi-
iaire de ce fromage reside dans cetle ru.
. O Dr. Joaquim da Silva Gusrao, medico l-
timamente chegado a esta capital, pode ser pro-
curado para o exerclcio de sua prolissao, na rua
Imperial n. 64.
Escritorio de advocada
DO DOTJTOIt
Felippe ta Molla de Azcvedo forrea.
Rua do Cano n. 2i, primeiro andar.
Kio de Janeiro.
O Dr. Molla de Azevedo advoga tanto no foro
civel e commercial como no criminal e eecle-
siastico, era qualquer das instancias; trata de
revistas, encarrega-ge de delezas fora da corte,
Dodisincto da relacao do Rio de Janeiro, res-
ponde a consultas e propostas sobre quesioes ju-
rdicas, d mioeitas para contratos, escripturas
etc., emflm, trata de tudo quanto diz respeilo
a sua prolissao, e por um honorario razoavel.
Tendoem vista o interesse d'aquelles que ha-
bitara as provincias e que lendo dependencias1
na corle, a maior parte das vezes nao possuem
um procurador ou correspondente habilitado que
cure de seus interesses, o supradilo advogado
tem annexado ao seu escriplorio um outro, es-
pecialmente d procuradura no qual, debaixo de
sua immediala vigilancia e direccao, se encon-
trara empregados habilitados que tomara a si o
tratarem de todos os negocios que correm pelas
secretarias de estado e reparlicoes publicas da
corle e oaptal da provincia do Rio de Janeiro ;
fazerem extrahir alvaras de mercs, ttulos, hon-
ras, condecorares, diplomas, patentes para ot~-
ficiaes da guarda nacional, cartas de juizes de
direlto, municipaes e de orphos, de escrives,
tabellies. contadores, distribuidores, partido-
res, provisoes paraadvogar e solicitar, dispensas
para casamenlos, e oulros negocios dependentes
do internuncio apostlico, respostas a consultas,
dadas pelos mais abalisados advogados; agen-
ciaren! pelo Ihesouro geral o recebimento de di-
nheiros que tenham cahido em exercicios Godos,
tratarem de cartas de naturalisaco etc.
Os precos sao mui razoaveise garante-se a
promptidao e zelo, no desempenho das diversas
commisses, sendo sempre bom que as partes
indiquem qual a pessoa da curte encarregada do
negocioe do pagamento das despezas. Aspar-
les que nao tiverem correspondente na corte,
podem dirigir-se directamente ao advogado ci-
ma mencionado, ou a algum dos seguales agen-
tes as capitaes das provincias :
Para.
Maranhao, .
J,'iauhy- Sherry em barris.
Kahyba. Madeira em barris.
Pernambuco, Frederico Chaves rua da Impera-1rgnac em msqualidade fina.
iriz u. 17.
Alagoas.
Sergipe.
Bahia.
Espirito Sanio.
S. Paulo.
Paran.
Hias Geraes.
Santa Calharina.
Rio Grande do Sul.
Os abaixo assignados fazem sciente ao res-
peitavel publico, e principalmente ao corpo do
commercio, que diaeolveram amigavelmente a
sociedade que tinham na taberna sita no pateo
do Terco n. 11. no dia 31 de dezembro, ficaudo o
socio Novaes encarregado de todo o activo e pas-
avo, livre da relacao de dividas que ficou a cargo
do socio Ferreira, como consta da relacao que
dito socio tem em seu poder. Recife 2 de Janei-
ro de lobt. Frederico Augusto Ferreira de No-
vaes.Fortunato Jos Ferreira Pereira.
rua
Vioho de Bordeaux.
Em casa de Kalkmann Irrr.aos & C, rua da
t-ruz n. 10 encontra-se o deposito das bem co-
nhecidas marca dos Srs. Brandenbure Freres e
dosSrs.OldekopMareilacCemLdeaux!
lem as seguimos quadades:
J)e Brandenburg frres.
St. Estph.
St. Julien.
Margan*.
Larose.
Cha tea ii Loville
Cha tea u Margaux.
DeOldekop A Mareilhac.
St. Julien.
St. Julien Mdoc.
Chateau Loville.
Na mesma
vender:
pasa ha para
g O Dr. em medeetna Carlos Frederico dos m
santos Xavier, recentemeole chegado a m
4$ esta capital, offerece seu presumo no exer- fe
eicio de ana prolissao a todaa as pessoas dj>
y que o quizerem honrar com a sua confian- &
m ?? Dar consultas aos pobres todos os m
0 das, das 7 as 8 li2 horas da manha, e S
f i'JJ fS 5 da'oarde' em 8u casa, rua da Z
Si^rriz "' 53' Pnmero andar. Z
O abaixo assignado declara que venden o
seu hotel silo na rua do Imperador n. 16, ao Sr.
Paula Casses : qem so j'ulgar credor do mesmo,
aprsente suas contas no prazo de oilo dias para
serem pagas na roa Direita o. 26.
Antonio Josa da Silva Guimares.
Quem quizer encarregar-se de mandar pdr
no porto de Santa Anua 20 a 25 milbeiros de l-
jollos de alvenara apparega-na rua Nova no 1."
andar por cima da cocheira do Adolpho com sua
proposta.
O padre Manoel Adriano de Albuquerque
Marrano mudou-se da rua dos Marlyrios para o
principi
Cognac em caitas qualidade inferior.
Rua da Senzala Nova n.42
Vende-se em casa de S. P. Jonhston 4 C
sellinse silhes nglezes, candeeiros [e casticaes'
bronzeados, 'lonas nglezes, fio de vela, chicote
para carros, emoniaria, arreios para carro de
una e dous cvalos relogios 'de ouro paienle
ingles. r
Doce de peluxo.
Ha para vender excelleute doce de peluxo ni
rua do Livramonlo n. 26, deposito. '
Vende-se um grande sitio em S. Jos do
Mangutnho, com uma boa casa e bastante com-
modo para grande familia, baixa para capim, bas-
tantes ps de arvores e frncteiras; quem o pre-
teudnrl d,nJ"-se a da Cadeia do Recife nume-
ro 50 A.
Vendem-ie noventa apolices da
companhia do Beberibe : na rua Nova
n. 14, primeiro andar.
1 marqueza e 6 cadeiras de palhinha. ven-
de-se por pre<;o com modo: no aterro da Boa-
Vista d. 45.
Vende-se uma casa no bairro da Roa-Vista,
sendo nos Quatro Cantos, tepdo bom local por ser
na esquina e ter bella vista, e ser em cbos pro-
pros, etc., etc. ; a tratar na roa da Roda n. 38.
Vende-se uma mobilia de Jacaranda com
12 cadeiras, 1 sof, 2 consolos, e 1 mesa redon-
da ; na roa da t'alma n. 19.
Para principiante.
Vende-se a taberna sita na rua Imperial a. 191
com commodos para familia, bastante afrogue-
zada, e juntamente a fabiioa de charutos fue tem
na mesma casa, cujo estabelecimento ge vende
por sen dono precisar de tratar de sua saude fra
da praca: a tratar na mesma taberna.
Vene-se um escravo bom coziaheiro : na
rua do Rosario n. 23.


w
DIARIO DB PERNAMBUCO. SABBADO 5 DE JANEIRO DR 1861.1
Bolsas de tapete para I
viagens.
Vendem-se mui bonitas bolsas de pele pro-
prias para viagens, etc., etc., pelos baratissimos
precos de 5, 68 e 79 : ui loja da aguia branca,
ruado Queimado o. K.
Farinha a 3,<500.
Vende se no armnzein da ra da Madre de Dos
n. 35, saceos com boa larinhu de mandioca, de-
sembarcada honlem, pelo barato prero de t$500
cada sacco.
Milho novo a 4^000.
Vendem-9e railho novo em saceos grandes, pe-
o prer.o cima ; uo ai inazem da ra da Madre
de Dos n. 35.
Hua do Queimado n. $9
Loja de quatro portas
DE
JOAQUIM RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Ha cortes de vestidos de seda de cores, fazenda
muito superior com pequeo toque de mofo a
603OOO, ditos sem defeito a 1009000, tem um
resto do chales de toqui m que estc-se acabando
a 308000, ditos de mirin bordados com pona
redonda a 88000, ditos sem ser de pona redonda
a 850(10, ditos eslaripados com listras de seda
em roda da barra a 99000, ditos de ricas eslam-
pas a 75OOO, ditos de ganga franceza com fran-
ja branca a 28000, ditos sem franja e muito'
encorpado a 29000, ricos manteletes de grosdi-
naples preto e de cores ricamente enfeitadosa
259000, ditos muilosuperiores a 305000, en-
feitesde vidrilho preto a 39000, ditos de retroz
a 39500, organdisda mais fina que lia no mer-
cado a 19000 o covado, cambraias de cores
de padroes muito delicados a SOO rs. a vara, 1 i tas
deoulrasqualidadesa 600 rs. avara, ricas chitas
farncezas de muito boas qualidades a 280, 300,
320, e 400 rs. ao covado, a melhor que se pode
imaginar, peitos para camisa a 240rs. cada urna,
cortes de casemira decores a 69000, ditas em
pesca de quadrinhosa 49000 o covado, gullinhas
>le muito bom gis I o a 19000, ditos de oulros
bordados ricos a 3-S000, manguitos de cambraia
bordados a 39000, tiras bordados e entrimeios
quesevendem por prego commodo, bombazil de
cores proprio para roupa de mangas, e capinhas
para senhoras a 19400 rs. o covado, corles de
cambraias de salpicosa 59000, cortes de cam-
braia enfeiladas com tiras bordadas a 68000,
e outras militas mais fazendas que ser difcil
Iaquipode-las mencionar todas
Ao bello sexo. 1
Vende-se urna morada de casa
terrea na ra da matriz da Boa-Vista :
a fallar na mesma ra sobrado que vol-
ta para a ra da Glorian. 33.
Ba do Crespo,
loja n. 25, de Joaquim Ferreira de S, vende-l
por precos baratissimos, para acabar : pecas do
cambraia lisa fina a J, oryandys muito tinas e
modernas a 500 r9. o covado, cassas aberlas de
bonitas ores a 240 rs., chitas largas a 200 e 240,
cortes do cassa de cores a 8. enlreraeios borda-jftaa..j.RO.,
dos a 18500 a peca, babados bordados a 320 a i* u7u'* ^W
' Machinas de vapor.
a" 3$ Rodas d'agua.
Bonete para meninos.
O lempo proprio para se comprar os bonitos
boneisde panno fino entenados com fita de cha-
malote e borlla, oulros enfeitados com tila de
velludo e pluma, e outros com galaozinho dou-
rado, todos pelos baratissimos precos de 38500,
49 e 59, ditos de pal ha escura, mui bonitos e
fortes a 38, gorras de palha branca entenadas a
18500, e oulros mu diferentes bonels de panno I
ra do Queimado,
enfeitados a 18 e 1$280 : na
loja da aguia branca o. 16.
peca, babados bordados a
vsra, sedinhas de' qundros finas a 800 rs.,
vcqiies de cambraia fil a 5?, perneadores de
cnmbruia bordados a 59, Rolliuhas bordadas a
640, ditas com ponas a '5500, manguitos borda-
dos de pambr.iia e lilo a 29, damasco de 15a com
9 palmos de largara a 18600, bramante de linho
com 5 palmos de largura o 900 rs. a rara, luvas
para senhora a 100 rs. o par, capas de fuslao en-
tenadas a 58. pegas-do madapolao tino a 4$. la-
zinha de iiuadrns para vestidos a 320, camisusde
cambraia bordados a 29, sobiecasacas de panno
fino a 203 e 25g, pib'lpls de panno e casemira de
16 b 203, ditos de alpBca de 30500 a 88, ditos de
brim de cores e brincos de 385(10 a 53, caigas de
casemira prelas e de cores para todos ps precos.
ditos de brim de cores e brancos de 28 a 58, ca-
misas brancas e de cores para todos os precos,
colleles de casemira de cores finos a 59 ; assim
como outras militas fazendas por menos do seu
valor para fechar cuntas.
8
Moudas de canoa.
Taixas.
Rodas dentadas.
@ Bronzes e aguilhes.
q5 Alambiques de ferro.
> Griyos, padroes etc., etc.
j Na fundicao de ferro de D, W. Bowman,
@ ra do Brum pnssando o chafariz.
C*
240.
Cassas de lindos padroes e cores fixas que se
Na loja da boa fe, na ra
doQueimado n. 22,
vende-se muito barato.
Cambraia lisa fina com 8 1)2 varas cada peca a
49500, dita muito tina com salpicos a 59, dita de
cores de padres muito bonitos a 320 o covado,
cortes de cassa pintada com 7 varas a 29240, fil
de lie ha liso multo fino a 800 rs. a vara, tarlata-
pde garantir aos comprados, s '240 rs. o covado' I "f in{0 *atnca u de cores com 1 M* vara
na ra do Queimado, toja de 4 portas d.39. i J'!"?"" T ,s a
v v braia (manguitos e so
Bonitos cintos para senho-
ras e meninas.
Na loja da aguia branca vendem-se mui boni-
tas filas com fivelag para cintos de senhoras e
meninas, o pelo baratissimo prego de 2 : em
dita loja da aguia branca, ra do Queimado nu-
mero 16.
Objectos de gosto
senhoras e meninas.
A loja da agina branca receben um bello sorti-
menlo de objectos de muito gosto e ultima mo-
da, proprins para senhoras e meninas, sendo de-
licadas gollinhas e voltas de vidrilho, voltas de
crale cornalina com atacador de mola, doura-
do.obra inteiramente nova e dp muito gosto, e
pelos baranssimos precos de 2* cada objeelo :
na roa doQueimado, loja da aguia branca nu-
mero 16.
Perfumaras
novas.
Faria & C. proprielarios da loja do Si>
marmore, avisam ao bello sexo em geral vis
quo acabam de receber um cmplelo sor- jyg
limento de fazendas de modas propinas r>y>
^ da prsenle estacan. |
Enfeites de velludo, ultimo
gosto.
A loja da aguia branca acaba de receber mui
bonitos e delicados eufeiles de velludo, obra de
toda perfeico e ultima moda : vendem-se a 108
e 1>9: quem os virnio hesitar d os aomprar;
veiideui-se tambem oulros de velludo e froco a
8J1 4S e 5!; na ra do Queimado, loja da aguia
branca u. 16.
A loja da aguia branca acaba de receber de sua
propria encommenda um lindo v completo sorti-
mento de perfumaras tinas, asquaes estft ven-
dendo por menos do que em outra qualquer par-
vara, guaroic&es d cam- Ile : s,,ndo o bem ennhecido oleo philocome e ba-
"a) bordadas muito finas a I nha(Sociel Ilygienique) a 1? o frasco, finos ex-
4 l_j 1 J o, gollinhas bordadas de cambraia muito fina a
AS VerlaCieiraS lUVaS le >1, esparlilhos muito superiores pelo baratissimo I
_ preco de 6J, penles de tartaruga a imperatriz
JOUVIII i muito superiores a 99, bonels do velludo para
meninos a 5j, ditos de panno preto a 3$, sapati-
A loja da aguia brancas acaba de receber de' nhs dfi raeri"0 muil enfeitados a l| o par, chi-
sua encommenda as verdadeiras luvas de Jou- |J f^ncezas fins escuras e claras a 280 o cova-
vin, primeira qualidade, tanto brancas como pre- < d"- '-da cambraia de cores com babados
las para homern e senhora : quem precisar, diri- f0"1 ,l 12 c cada corte a 48500. superiores
longos de cambraia de linho muito tina e rica-
mente bordados a 9jJ, ditos de cambraia de algo-
d.io com bico de linho a 19280, ditos de cam-
braia de linho proprios para algibeira a 68, 7 e
S a duzia, ditos de cambraia de algodo a 29400
e 39 a du/.ia, liras bordadas largas e linas com 3
1|2 varas cada pega a 2j>500, e assim outras min-
ias fazendas que vendem-se por pregos muilo
baratos : na ra do Queimado n. 22, na bem co-
nhecida loia da boa .
ja-se a dita loja da agina
mado n. 1G.
branca, na do Quei-
Os proprielarios deste estabele- Suissos.
elogios
Feijo mulatintio.
Vendem-se saceos com feijo mulatinho, che-
gado da Ilha de Fernaudo ; no 8rraazem de Bar-
ros & Silva.
Esteiras da India de 4, 5
e G pamos de largo.
No armazem de lazendas da roa do Queimado
n. 19, (iropriamente para forro de salas e camas
por ser da melhor qualidade, e todas brancas
Chales.
Ricos chales de merino estampados, de cures
muilo bonitas a ~9, ditos muilo liaos a 88500,
ditos lisos a 59, ditos bordados a matiza 8850o,'
na ra do Queimado n. 22, loja da boa-t.
Tachas e moendas
Braga Silva & C., tem sempre no seu depo-
sito da ra da Moeda o. 3 A., ura grande sorti-
menio de tachas e moendas para engenho, do
muito acreditado fabricante Edwin Maw a tra-
tar no mesmo deposito 011 na ra do Trapi-
che n.4.
! os, gollinhas bordadas de cambraia muito fina a 'fados em bonitos frascos de cores e domados a
2, 2&500, 38 e 49, a afamada banha transparen-
te, e outras igualmente finas e novissimas como
ajaponaiseem bonitos frascos, cuja lampa devi-
dro tambem cheia da mesma, huile concrete,
odonnell, principe imperial, creme, em bonitos
copinhos com lampa de metal, o muitas outras
diversas qualidades, todas eslas a 18 o frasco,
bonitos vasos de porcellana dourada proprios pa-
ra offerta a 28 e 2J500. bonitos bahuzinhos coro
9 frasquinhos de cheiro a 28, lindas restinhas
com 3 e i frasquinhos, e caixinhas redondas com
4 ditos a 1S200 e 18600. finos pos para denles o
agua balsmica para ditos a Ije 18500 o frasqui-
nho ; e assim urna inlinidade de objectos que so
patentes em dita loja da aguia btanca, na ra do
Queimado u. 14.
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitosparaca misas,
Riscoutos
Emcasade Arkwight & C,
Cruz n. 61.
El-
Vende-se uro negro mogo, robuslo, para
qualquer servico, lano de ganhar na ra como
de campo, por estar a estes servicos muito acos-
Inmado: a tallar no Mangunhn, primeira casa
da estrada dos Afflictos, lado direito, com solao
de varando de ferro.
Vende-se urna casa lerrea no bairro de San-
0 Anlonio : quem pretender, dirija-se a ra da
Cruz n. 51, armazem.
K9KC
pinaiitoconviilam ao respeiuvel publico, principalmente ane amigos Jo borne barato, que se
ncham cm seu armazera de molliados de novaraente sortido de gneros, os melhores que tem
viudo a esteucrcailo, porserem escolhidos por um dos socios na capital do Lisboa e por seren
a maior parle delles vinaos por conla dos proprielarios
Gigos com c\van\pan\ia
das melliores marcas que lia no mercado a 203JOOO e em garrafa a 25000.
igos Ae coma A ve
um caixas proprias para mimo a 19O0O.
ttavrs com azeUouas
03 mais novos que lia no mercado a 1#2000.
Scrveja branca
das mais acreditadas marcas a 58000 a duzia e cm garrafa a 500.
Queijos fVamcngos
recebidos pelo ultimo vapor de Europa a 39000
Qucijos parlo
das melhores qualidades que tem vindo a este mercado a 960 res a libra, e em porco se
r,i
algum abatemenlo.
fa-
Farinha a 3*500
Vende-se farinha de mandioca a #500
a lacea : na rua da Madre de Dos nu-
tr ero 55.
lira casa de N. O. Cieber & Successores, ru
da Cruz n. 4, vende-se :
Cliamp.ioha marca Parre & C, urna das mais
|acreditadasmarcas,muiconhecidas no RlodeJa-
Mui bonitas capellas para noiv.is a 59, 63J e <9.1 neiro.
xerez em barris, cognac em barris e
Capellas e llores.
dilas para meninas a "2,9, bonitos e delicados ca-; Viuho
xos de llores Ilu3s a 18500, 2j e 35J : na rua do : caixas.
Queimado loia dn nuia branca n. 16.
Em casa de Schafleitlin & C, rua da Cruz
38, vende-se um grande e variado eortimento
de relogios de algibeira borisontaes, patentes,
chronometros, roeioschronomotros de ouro, pra-
ta dourada e foleados a ouro, sendo estes relo-
giosdos primelros fabricantes da Suissa, que se
vonderaopor precos razoaveis.
Queijos suisso
recen teniente chegado e de suqerior qualedade a 960 res a libra.
Chocolate
dos melhores autores de Europa a 900 rs. a libra em porgao a 80 fw.
* Marmclada imperial
do afamado Abreu, e de outros mais fabricantes de Lisboa em latas de 1*2 lillas a 800
rs., em porcao de se far algum abalimenlo.
Maca de tomate
em latas de 1 libra por 9QQ rs.,em por^ap venderse a 850 rs.
Conservas Tranchas e inglezas
as mais novas que ha no mercado a 700 rs. o'fraseo.
L.atas de bolacV\in\\a de soda
rom diferentes qualidades a 19800 a lata
iVmeixas traucezas
as mais "novas que tem viqdo ajeate mercado em compoteiras, contando 3 libras por 39000 rs.
o em ratas .le l e 1(2 libra por 119500 res
Caixinlias com H libras de passas
a 39000 rs. em porcao se far algam abaiment, vende-se tambem a retalhoa libra a 500 rs.
lianteiga ingleza
perfeitamente flor a mais nova que ba no mercado a 19000 rs. a libra, em barril se far al-
gum abalimento.
Cha perola
o melhor que ha nesle genero a 29500rs. a libra dito hyson a 23000 rs. ''
Manteiga frauceza
a 720 rs. a libra em barril se far abatimemo.
Toneinho de Lisboa
o mais novo que ha no mercado a 320 res a libra.
\ Macas para sopa
etn eaxinhas de 8 libras, com deferentes qnalidadespor 49000 rs.
Tambem vendem-seos seguimos gneros, tudo reeentementecbegado e'de superiores qua-
lidales, presuntos a 480 rs. a libra, chouriga muia nova, marmelada do mais afamado fabricante
de Lisboa,maga de tmale, perasecca, passas, (metas em calda, amendoas, nozes, frascos com
amenteas cobertas, confeiles, pistilhas de varias qualidades, vinagre braneo Bordeaux, proprio
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de San Flix, magas de todas as qualidades,
gomma muito loa, ervilhas francesas, champagne das mais acreditadas marcas, cervejas de ditas,
spermaca^e barato, licores f rancezes muito finos, marrasquino de zara, aaei te doce purificado, azel-
tonas muito novas, banha de peroo refinada e outros muitos gneros que encontrarao tendeniesa
molhados, ^or sso prometiera osproprletarios venderem por'muito menos do que outro qualquer,
proraettero nais lambam sarvirem aquellas pessoas que mandarem por outras pouco praticas como
sa vi essem penalmente; rogam tambem a todos os senhores de engenho e senhores lavradgres
queiram mandar suas encoramendas no armazera Prpgresso,que selhes affianga a boa qualidadee
o acondiciona ment.
Vende-se freico dfi lodas as cores e grossuras,
com rame e sem elle a 400, 500, G40 e 19 rs. a
peca ; na rua do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16.
Grammatica in-
gleza de OUendorff.
Novo methodopara aprender a lr,
a escrever e afallaringlezem 6 mezes,
obra inteiramente nova, parauso de
todos os estabelecimentos de nstruc-
nao, pblicos e prticulares. Vende-
se naprac.a de Pedro II (antigo largo
doColIegio) n. 57, segundo andar.
Relogios.
Vendem-se em casa de Braga, Silva & C, re-
logios de ouro de diversos fabricantes inglczes,
por prego commodo.
Ghega para todos.
Cassas francezas muito bonitas e decores fixas
a doze vintens o covado, mais barato do qne
chita, approveilem em quanto nao se acabam ;
na rua do Queimado n. 22, na bem conhecida lo-
ja da Boa F.
Arados'amertcanos e machinas
para lavar roupa: emeasa de S. P. Jo-
hnston & C. rua daSenzala n.42.
Gheguem ao barato
O Preguica est queimando, em sua loja na
rua do Queimado n. 2.
Pegas de bretanha de rolo com 10 varas a
2S, casemira escura infestada propria para cal-
fia, collete e palitots a 960 rs. o covado, cam-
braia organdy de muito bom gosto a 480, rs.
a vara, dita liza transparente muito fina a 39,
4f, 59, e 69 a pega, dita tapada, com 10 varas
a 59 e 69 a pega, chitas largas de modernos e
escolhidos padroes a 240, 260e280 rs. o cova-
do, riquissyno8 chales de marin estanpado a
79 e 89, ditos bordados com duas palmas, fa-
zen-da muito delicada a 9 cada um, ditos coro
urna s palma, muilo finos a 89500, ditos lisos
com franjas de seda a 59, leos de cassas eom
barra a 100, 120 e 160 cada um, raeias muito
finas para senhora a 49 a duzia, ditas de boa
qualidade a 39 e 39500 a duzia, chitas fran-
cezas de ricos desenhos, para coberla a 280 rs.
o covado, chitas escuras inglesas a 59900 a
pega, a a 160 rs. o covado, brim braneo de puro
linbo a 19, 19200 e 19600 a vara, dito preto
muito encorpado a 19500 a vara, brilbantjo
azul a 400 rs. o covado, alpacas de difiranles
cores a 360 rs. o covado, casemiras pretas
finas a 29500, 39 e 39500 o covado, cambraia
preta e de salpicos a 500 rs. a vara, e outras
muitas fazendas que se far patente ao compra-
dor, e de todas sedarao amostras com penhor.
Vinagre braneo etinto em barris.
Itrilhantes de varias dimensoes.
K1 hersulfurico.
Gomraa lacre clara.
Lonas, brinzaos e brins.
Ac rie Milo
Ferro da Suecia.
Algodo da Bahia.
' E cano ata . Seguro conlra Fogo
GS.UDE SOBTIHESTO
DE
Fazendas e roupa feila
NA LOJA E ARJIAZEM
DE
snriillClt'
li
LONDRES
AGENTES
|G J Astley A Companhia.
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello '
RUA DOQUEIMADO N. 39
EMESIA LOJ* DB QUATRO PORTAS.
Tem ura completosortimento de roupa feila,
convida a todos os seus freguezes e a todos
quedesejarem ter um uniforme feito cora todo o
gosto dirijam-se a este estabelicimento que era-
contraro um habel artista chegado ltimamen-
te de Lisboa para desempenhar as obras a von-
tade dos freguezes, j lera um completo sorti-
mento de palitots de fina casemira modello im-
glez, e muito bem acabados a I69OOO, ditos
de merino selim a 129000, ditos de alpaca
pretos a 59000, ditos de alpaca sobre casacas
a 89000. ditos com golla de velo a 99000,
ditos de fustao, ditos de ganga, ditos de brim,
tudo a 59010, ditos de brim de linho tranca
do a 69000, caiga de brim de linho muito su_
perior a 59000, ditas de casemira de cor a
99000 ea 109000, ditas de casemira pre-
ta1 superior fazenda a 129000, palitots fran-
cezes de panno fino fazenda muito fina a 259
sobrecasacas de panno muito superiores a 859
ea 409000, um completo sortitnenio de cami-
sas fracezas, tanto de linho como de algodo
e fusilo vende-se muito em conta, afim de que-
rer-seliqiudar com as camisas.
Cera de carnauba
Vende-se da primeira qualidade especial a 99
a arroba : 11a rua da Cadeia n. 57, armazem de
Prente Vanna & C.
Por metade do seu
valor.
Rua do Queimado n. 19,
Vestidos-de gaze e phaniasia, muitoslindos.de
duassaias, pelo baratissimo prego de 109 cada
um corle.
Cambraias
baratas.
19 Rua do Queimado 19
Cortes de oambrala branca muito fina eom sal-
picos miudinhos a 4*600.
Cambraieta para vestido, muilo fina, pelo ba-
ratissimo prego de 29600, 29800,39 e 39500 cada
pega.
Rabies de mussulina, dilos arrendados, ditos
Vende-se
Formas de ferro para
I'iirgar assucar.
Efichadas de ferro
Ferro sueco.
3 F.eMngardas.
ac de Trieste.
I Pregos de cobre de com-
I posicao.
I Barrilha e cabos.
I Brim de vela.
j Couro de lustre.
Palhinha para marcinei- I
ro : no armazem de C. I
J. AstieyA G.
Na travessa da rua da Cruz n.
14, vendem-se as obras
segumtes:
Um burro de Salustio, traduzido ao p da letra
por 320 rs.
Urna obra de Virgilio em 2 tomos por 500 rs.
Philosophia de Gerusez, traduzida, por 19,
Historia da mesma pelo padre Joao Rodrigues
por 500 rs.
Oblagao do Christianismo por Torres Bandeira
por 800* rs.
A voz da nalureza por 500 rs.
Ensaios do elocuencia por 800 rs.
Salustio por 500 rs.
Vida dos philosophos Ilustres por Fenelon
por 320 rs.
Atlas moderno por 300 rs.
Cdigo commercial portuguez por 500 rs.
Rhetorica de Qulntiliano por t.
Dita de dito por 500 rs
Potica nacional por 500 rs
Geoprapbia de Carneiro por 19500.
A rrite do castello por Castilho por 19500.
Potica porCarvalho por 19500.
Etoquencia nacional pelo mesmo por 19500.
Debacle de la politique por 19500.
Gabinete de Napoliao por 1J500.
Diccionario da fbula por 29000.
O solitario palo visconde de Aliccourt por
195 00.
Poesas de Fonseca por 19500.
RELOGIOS.
Vende-se em:asade Saunders Rro hers A
C. praga do Corpo Santo, relogios do afama
do abrioante Roskell, por pregos commodos
tambemrancnllins e cadeiasfaraoi meamos
deexceellnte tost..
Ao publico. *
Faria & C. proprietario da loja de mar- ^
more, avisam aos seus uumerosos fregu- ^
zes e ao publico em gerat que acabam do S
recober um completo sortimento de a- &"!
zendas de modas e lodas serao vendidas ^
;.K porprerns mdicos. J^
Gomraa superior do Aracaly.
Vende-se a prero commodo : na rua da Cadeia
numero 57.
Vende-se
Ell CASA DR
Adamson Howie & G.
Vinho do Porto de superior qualidade.
Tinta de todas as cores.
Lona e flele.
Fio de vela.
Sellins,.sillies, arreios e chicotes.
Rolhas.
Rua do Trapiche n. 42.
Machinas ameri-
canas
E oi;trcs AiiTir.os.
N. O. BIEBER & C. SUCCESSORES,
tem exposto nos seu arma/.ens da rua
da Cruz n. 4 e 9, urna nfinidade de
machinas etc., como sejam :
ARADOS de dilerentes modelos, traba-
lbandode 2 lados.
CULTIVADORES para limpar e abrir a
trra.
M01NHOS para cana cm ponto peque-
o, podendo sergovernadas por urna
pessoa. proprias para lavradores.
Ditas de DESCAROCAR MILHO, um
prpeesso pelo qual se poupa muito
tempoe emprega-se somonte pe-
soas,
Ditos de MOER BIILIIO, CAFE etc.,
etc. at o grao mais fino que liouver.
Ditos para FAZER FARINHA de mi-
llio etc.
MACHINAS para fazer ROLACHINIIA.
BOMBAS para cacimbas e
navios, muito manfiras e
de forca superior por
mdicos precos.
Ditas com correnles para
tirar agua de lugares
mui fundos.
VERN1Z de superior qualidade para
carros.
CARROS de mao muito leves e baratos
BALANZAS de 1,000 libras para baixo
proprias para armazens, depsitos,
tabernas, boticas etc., etc.
MAPPAS geographicos do mundo e
suas partes.
MACHINAS de costura de Sivat & C. as
melhores que ate boje tem appare-
cido.
ntremelos e liras
bordadas.
Vande-se mui bonitos entremeios e liras bor-
dadaa em fina cambraia, obras mui bem acaba-
?8^?8en,reroe'08Pe,Q8 haraliaaimoa preces de
13600, 29 e29lOO a%ega e as tiras tordaf'por
29.39500, 39, 49,5$ e 69. Avista da ?uperW
ridade da faienda oingaem deiiar de comprar e
paraisso dirjam-sea rea do Queimado loja da
aguja branca p. 16.
Loja das 6 portas
em frente do Lvramento
lazinhas a 800 n.
Caraisinhas muito bonitas cora duas larguras
paraveatidoa de senhora a 500 rs. o covado, cor-
tes de riscadq fraocet pra vestido a 29, sa^as
balo parr menina a 89500, ditas para senhora a
4$500e 59 ; d-se amostra com pentior. A loja
est a rta at aa horas da noite.
V


DIARIO DE PERNAMBUCO. SABBADO B'DB JANEIRO DE 1861.
PO
Calcado,
Qualidades escolhidas.
45-Kua Direita-45
Eis a [esta necessario renovar o calgado e
correr ao estabelecimenlo da ra Direita, que o
vendo muito fresco e em perfeito estado por es-
tes presos :
Borzeguios de homem (bezerro e lustre) 9$50ft
A.GENCA\
DA
Ditos de dito dem)
Ditos dedito dem)
Ditos dedito idem)
Ditos dedito idem)
Borzeguius de senhora
Ditos de dita
Ditos de dita
Ditos de dita
Sapales de bezerro (3 Ii2 batera)
Ditos de dito e de lustre
Meios borzeguioa de homem
Borzeguins de menina 4(000 e
Sapales do bezerro para menino 49 o
Sapatos du lustre para senhora a
9J0OO
8g500
8S000
69OOO
59000
45300
49500
4S000
5jt600
53000
63000
36O0
33500
lg-200
>ende-se um sitio na Baixa Verde da Ca-
pungti, com duas casns de vivends, viveiro e ca-
cimba ; a (aliar na ra larga do Rosario n. 34.
na botica.
Liadas caixinhas de cos-
tura.
Na loja da agua de ouro, ra do Cabug n.l
B, vendeiuse as liodas caixas de costura pro-
pnas pura mimo, assim como pianinhos cora a
sua competente msica, quadros dourados, tan-
tos de santos como de retratos, proprios para en-
feio de sala, jarros cora llores muito lindos, es-
tampas tanto de guerras como de vistas decida-
des, caixas de musica cora lindas pecas, realejos
grandos com 30 pegas corapostas d"e valsas as
inais modernas, ludo isto se vendo por precos
rommodos.
Assucar e caima.
Vcnde-se assucar mascavado a 100 rs. a li-
bra, agurdente de canna engarrafada a 240 a
arrala ; na travessa do paleo do Paraizo d. 16,
casa piulada do amarello.
Ceblas.
Veade-se a 6i0 e 800 rs. o rento ; na travessa
do paleo do Taraizo n. 1G, casa piaiada de ama-
rello.
Ra do Queimado
n. 39.
Loja de quatro portas
DE
JOAQUIM RODRIGUES TA VARES
DE MELLO.
Cliegou ltimamente a este estabelecimenlo um
completo surtiinenlo de chapeos pretos francezes
do melhor fabricante de Paris, os quaes se ven-
dem a 79OOO, ditos a 89000, ditos a 9S>000
ditos muito superior a 19000, ditos de castor
pretos e braocosa 169000, o melhor que se
podo desejar, chapeos de feltro a Garibaldi de
muito superior massa a 79000, ditos de copa
baixa para diversos precos, ditos de palha escura
de varias qualidades que se vendera por preco
barato, bonets de veludo para meninos a 59000,
ditos de palha escuras e claras a 48000, ditos
dd panno muito bem arranjados a 39500
chapis desuda para senhoras a259000 muito,
superiores, ditos do palha escuras proprios para
campo a 125000, ditos para meninasa 109000,
chapeos de sol de seda inglezesa 109 e a 129
muito superiores, ditos francezes a 8*000,
ditos de panno muito grandes e bons a 450O0.
sapatos de valudo a 23000. ditos de tranca a
19G00, sinfos de grugurao para senhoras e me-
ninas a 29000, coeiros de casemira ricamente
bordados a 125000, e outras muita fazendag
que a vista dos freguezes nao deixaro de com-
'remedio incomparavel.
UNGENTO HOLLOWAY.
Militares de individuos de todas as nagoes
podera testemunhar as virtudes deste remedio
incomparavel e provar em caso necessario, que,
pelo uso quo delle fzeram tem seu <*-irpo e
membros inteiramente saos depois de havar era-
pregado intilmente outros tratamentos. Cada
pessoa poder-se-ha convencer dessas curas ma-
ravilhosas pela leilura dos peridicos, que Ih'as
relatan) todos os das ha muitos annos; e a
iniior parle dellas sao tao sor prndenles que
admirara os mdicos raais celebres. Quantas
passoas recobraram com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois de ter
permanecido longo tempo nos hospitaes, onde
deviam soffrer a amputagao I Dallas ha mu-
cas quo havendo deixado esses, asylos de pade-
timentos, para se nao sobmeterem a essa ope-
ragio dolorosa foram caradas completamente,
mediante o uso desse precioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfuso de seu reco-
ithecimento declararam estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, afim de mais auteaticarem sua a firma-
Uva.
^ Ninguem desesperara do estado de sando se
tivossa bastante confianga para enciuar este re-
medio constantemenle seguindo algum lempo o
tratamento que necesstasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provar incontestavelmente.
Que ludo cura.
O ungento he til, mais particu-
larmente nos] seguate easos*
Inflaiamacio da bexiga.
da matriz
FUNDIGIO LOW-MOW,
Roa da Scnzalla Nova n. 42.
Nesle eslabelecintento contina a haver um
completo sonimento de moendas e metas moen-
das para engenho, machinas de vapor e taixas
te jerro batido e coado, de todos os tamanhos
para dito,
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
No bem conbocido e acreditado deposito da
ra da Cadeia do Reeife n. 12, ha para vendera
verdadeira potassa da Russia nova e de superior
qualidade, assim como tambero cal virgem em
pedra, tudo por precos mais baratos do que em
outra qualquer parte.
Espirito de vinho.
Vende-se de 29560 a 29800 a caada : na tra-
vessa do pateo do Paraso n. 16, casa pintada do
amorello.
Em casa de J Praeger & C. ra
da Cruz n 17, existe um pequeo resto
de queijo suisso de superior qualidade,
vende-se por proco muito commodo pa-
ra fechar contas.
Farinha e milho.
Vcnde-se boa farinha de mandioca a 3/5C0, e
milho novo em saceos grandes a 43; na ra da
Madre de Dos n. 4 ; approvoitem, antes que se
acabe.
t;Vende-se urna grande porca que se faz ter
para mais de 8 arrobas, muito mansa, boa pari-
deira e criadeira, cora 11 porquinhos filhos da
mesma, com um mez de nascidos, um barril com
18 caadas do azeite de peixe, saceos de teijo
raulatisho e milho com alguno toque de bichos :
a.tralar.na ra Velha de Santa,Rito, casa n. 85.
Botica.
> -
Alporcas
Caimbras
Callos.
Anearos.
Cortaduras.
Dores de cabega.
-das costas.
dos membros.
Emfermidades da cutis
em geral.
Ditas do anus.
Erupges escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Fialdada o a falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva escaldadass,
Inebaces.
Inflamagao do ligado.
Vende-se este ungento no estabelecimenlo
geral de Londres n. 244, Strand, a na leja
de todos os boticarios droguistas e outras pes-
soas encarregadas de sua venda em- toda a
America do sul, Ha vana a Hospanha.
Vende se a 800 n., cada boeetinha contera
urna instruegao era portugoez para explicar o
modo de fazer Uso deste ungento.
O deposito geral e em casa do Sr. Soum,
pharraaceuico, na ra da Cruz n. 2E em
Pernimbueo.
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos
Pulmes.
Qnelmadelas.
Sarna
Supuragoes ptridas
Tinha, em qualquer
parte que seja.
Tremor da ervos
Ulceras na bocea.
do ligado.
das articulages.
Vetas torcidas ou no-
das as pernas
Bertliolomcn Francisco de Souza, ra larga
do Rosario n. 3G, vende os seguintes medica-
mentos ti
Rob rffecteur.
Pilulas contra sezoes.
Ditas vegetis.
Salsa parrilha Brislol.
Dila Sands.
Vermfugo inglez.
Xarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra ebres).
Ungento Hollovray.
Pilulas do dito.
Ellixir anli-asmalhico.
Vdros de bocea larga com rolhas, de 2 oncas
e 12 libras.
Assim como tem um grande sonimento de pa-
pel para forro de sala, o qual vende a modieo
prego.
wm mwmmmmmmmw
^ Gurgel APerdigao. m
jjg/iua da Cadeia loja n. 23.jj
Receberani novos corles de cambraia m
branca bordada de duas saias e babadi- j
(ai> nhos. s*
** Receburum completos sortimeiitos de
S'| vestidos de blonde com manta, capella e
? mais pertences.
G Receberam modernos chapeos de pa-
9| Iba para senhoraenfeilados de plumas e
S Receberam novos enfeites de cores e
*> peitos para senhora, pulceiras e estratos
ie de sndalo.
Algodo monsro. A 9,000 a arroba.
Vende-se algodo monslro com duas larguras,
muito proprio para toalhas e lenres por dispen-
sar toda e qualquer costura, pelo baratissimo
preco de 600 rs. a vara ; na ra do Queimado a.
22, Da loja da boa f.
lK3K9W9tt9K9tt SKS19Si53f
ROIPA FEITA ANDA MAIS BARATAS.'
SORTIMENTO COMPLETO !
DK
|| Receberam chapeos para homem, de
3$ castor preto, branco e de seda forma
5/.; moderna
O Vendem ricos cortes de vestidos de
2gj seda, ditos de barege e gaze de seda de
ai babndinhos.
jS> Vendem as cuiumodas saias balao de
ig musselinas n cutim de Mitodao para se-
5 nhora e criancas.
8 Vendem ses u gtosenu' Its de qna-
ag drinhos padrees Uioeoa 3 cores es-
?p curas, ditos lisos.
se- Vpndem aaDletetes pratos ce grosde-
| naples, ditos do seda bordados e doos
|g bicos, caplnias c erse brancos e de
cores, polonezas .< rorgurao, taimas de
lil, lilas paro c:l'.j.
8YSTEM MEDICO DEJIOLLO\\A\.
PILULAS HOLLWOYA-
Este inestimavel especifico, composto inteira,
mente de hervas medicinaes, nao contm mercu-
rio nem alguma outra substancia delectera. Be-
nigno mais tenra infancia, e a compleigao mais
delicada igualmente prompto e seguro para
desarreigar o mal na compleigao mais robusta ;
enteiramenle innocente em suas operages e ef-
feitos ; pois busca e remove as doengas de qual-
quer espec6 e grao por mais antigs e tenazes
que sejam.
Entre mimares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que estavam as portas da
morte, preservando em seu uso : consegu rain
recobrar a saude e torgas, depois de haver tenta-
do inullimente todos os outros remedios.
As mais afictas nao devera entregar-se a des-
espersgo ; fagam um competente ensaio dos
eflicazes effeitos desta assombrosa medicina, e
prestes recuperado o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em lomar este remedio
para qualquer das seguintes enfermidades:
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areas (mal de).
Asthma.
Clicas.
Convulses.
Debilidadeou extenua-
gio.
Debilidade ou falta de
forgas para qualquer
cousa.
Des i n lena.
Dor de garganta.
de barriga..
nos rins.
Dureza no venlre.
Enfermidadesno venlre.
Ditas no ligado.
Ditas venreas.
Enchaqueca
Herysipela,
Febre
Febreto da especie.
Gotta.
lleraorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestes.
[nflammagoes.
Irregularidades
menstruagao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal-de pedra.
Manchas na culis.
Abslrucgao de ventre.
Phtysica ou consump-
pulmonar.
Retengo de ourina.
Rbeumaiismo.
Symptomas secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venereo(mal).
biliosa.
Febreto intermitente. I
Vende-se estas pilulas no estabelecimenlo ge-
ral de Londres n. 224, Strand, a na loja de
todos os boticarios droguista e outraspessoss en-
carregadas de sna venda em toda a America do
Sul, Havana e Hspanba.
Vendem-se as bocetinhat a 800 rs. cada
urna dallas, contem urna instruegao era portu-
guez para explicar o modo dse usar deslas pi-
lulas.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
dharraaceutieo*, na ra 'da Cruz n. 22, em Per-
nambuco.


sFazeodase obras feilasj
% LOJA E ARMAZEM
DE
W 1
Roa do Queimado
g n. 46, {rente amareWa. %
Constantemente temos um grande e va- tt
riado sorlimento de sobrecasacas pretas 5
de panno e de cores muito fino a 28$, 3|
30g e 358, paletots dos mesmos pannos *
i a 20$, 22j e 24$, ditos saceos pretos dos %
g mesmos pannos a 14j>, 16J> e 18$, casa- *J
li cas pretas muito bem (citas e de superior m
^ panno a 28. 30$ e 35. sobrecasacas de **
3| casemira de cores muito tinosa 153, lCg *
2 e 18$, ditos saceos das mesmas casemi- X
H ras a 10$, 12 e 14$, caigas pretas de II
(3, casemira lina para homem a 8$, 9, itg S
^ e 12, ditas de casemira de cores a 7$, 8)5, W
| 915 e 10, dilas de brim brancos muito g
ff) fina a 5$ eC;, ditas de ditos de cores a al
jg 30, 35500, 49 e 45500, ditas de meia ca- a
7f> semira de ricas cores a 4$ e 4$500, col- f
9| leles pretos de casemira a 5 e 6, ditos 3
de ditos de cores a 4$50O e 5, ditos De
|e brancos de seda para casamento a 55, 9C
fl ditos de 6, colletes de brim branco e de 5
3! fusto a 35,350O e 5, ditos de cores a S
9 25500 e 3, paletots pretos de merino de *S
S5 cordo sneco e sobrecasaco a 19, 85 e 95, |i
55 colletes pretos para lulo a 4J50O e 5?, J
* calcas pretas de merino a 45510 e f<9, po- ge
y letots de alpaca preta a 3^500 c 4$, ditos ,
^ sobrecasaco a 65, 7e 8$, muTto fino col- *
a/ leles de gorgurao de seda de cores muito S
H boa fazenda a 3^800 e 4g. colletes de vel- |f
O ludo de cores e pretos a 7 e 8, roupa m
ffc para menino sobre casaca de panno pre- |{|
tos e de cores a 149, 15$ e 16, ditos de 9
casemira sacco para os mesmos a 6^500 e *
g 7, ditos de alpaca pretos saceos a 35 e SR
; 3*500, ditos sobrecasacos a 5$ e 5JJ500, Qa
i caigas de casemira pretas e de cores a 65, 32
** 6$500 e 75, camisas para menino a 205 *
|& a duzia, camisas inglezas pregas largas 3
** muito superior a 32 a duzia para acabar. J
| Assim como temos urna officina de al af
fsiate onde mandamos executar todas as Se
H obras com brevidade.
Vinho do Porto, genuino,
Rico de 1820.
Stomacal de 1830.
Precioso de 1847.
As duzias.e em caixinhas, a dinheiro, por ba-
rato preco : vende-se na ra do Trapiche n. 40,
escriptofio.
Meias muito bara-
tas.
A. loja da aguia branca est provida de urna
grande quanlidade de meias, e melhor sortimeti-
to que se pode dar, e por isso est vendendo-as
mais barato do que em cutra qualquer parle ;
.-rniio meias cruas encorpadas, de abanhado ou
bocal elstico para homem a 2500, 3$, 3$500, 4$,
4$500 e 55 a duzia, dilas inglezas o melhor que
se pode encontrar a 65 e 65500, ditas de fio de
Escocia ponta encarnada imitandoseda a 800 rs.
o par, e de cores a 640 e 800 rs., dilas brancas
mui finas e tapadas a 2}-(!0, 3$500 e 59, e finis-
simasa 89 a duzia, ditas brancas finase fio unido
para senhoras a 49. 4$800, 59500 e 65500, e de
fio de Escocia primeira qualidade a 89500 a du-
7in, ditas de seda brancas e pretas a 2g500, 35,
3g500e45. dilas cruas mui encorpadas para me-
ninos a 200 e 240 rs. o par, ditas brancas e de
cores a 240 280 o par, dilas para meninas a 39
a duzia, ditas de seda para baptisado a 29 o par,
ditas de laia e de seda para padres a 29, 3$ e 4
o par. Enilim vista de tantas e diversas quali-
dades, o melhor approveilar-se a occasiio, e
dirlgir-se a ra do Queimdo, loja da aguia bran-
ca n. 16, que ser servido com agrado e since-
ridade.
Admirareis remedios
americanos.
Todas as casas de familia, senhores de enge-
nho, fazendeiros, etc., devetn estar prevenidos
com estes remedios. Sao tres medicamentos
com os quaes se cura eficazmente as principaes
molestias.
Promptoalivio de Radway.
Instantneamente alivia as mais acerbas dores
e cura os peiores casos de reumatismo, dor de
cabega, nevralga, diarrha cmaras, clicas,
bilis, indigestao, curp, dores nos ossos, conlu-
ses, queimadura, erupges cutneas, angina,
retengo de ourina, etc., etc.
Solutivo renovador.
Cura todas as enfermidades escrophulosas,
crnicas esyphililicas : resolve os depsitos de
maos humores, purifica o singue, renova o
syslema : prompto e radicalmente cura, escro-
phulas, venreo, tumores grandulares, ictericia,
dores de ossos, tumores brancos, afeeges do li-
gado e rins, erysipelas, abeessos e ulceras de
todas as clases, molestias d'olhos, difCculdade
das regras das mulheres hipocondra, venreo,
etc.
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regular isa r o syslema, equilibrar a circu-
lado ojo sangue, inteiramente vegetaes favora-
veis em todos os casos nunca ocasiona nao-
zeas nem dorres de venlre, dses de 1 a 3 re-
gularisam, de 4 a 8 purgam. Estas pilulas
sao efficazes as alecges do figado, bilis, dor
de cabeca, ictericia, indigeslao, a emtodaa as
enfermidades das mulheres, a saber: irregula-
ridades, Iluso, relences, flores brancas, obs-
truegoes, histerismo, etc., sao do mais prompto
eflilo na escarlatina, febre biliosa, febre ama-
relia, e em todas as febres malignas.
Estes tres importantes medicamentos vem a-
companhados de instriNges impressas que mos-
tram com a maioj* minuciosidade a maneira de
applica-los em qualquer enfermidade. Esto ga-
rantidos de falcifeagao por so haver venda no
armazom de fazendas de Raimundo Carlos Le-
te ri Irmao, na ra da Imperatriz n. 10, ni-
cos agentes em Pernambuco.
TLEGVFL \
Vende-se cera de carnauba da velha
e nova safra a preco de 9# : no antigo
deposito do largo da Assembla n. 9.
Vendem-s* 5 carros novo3 com todos os H
arreios : na rba Nova n. 21. S
CANDIEI^OS
ECONMICOS
NA
Ra N^va n. 20
Ghegou um riquissimo sorlimento decandieiros
econmicos de muito bonitos modelos, desde o
mais superior at o mais ordinario, por prego
muito commodo, com a experiencia propria de-
ver agradar ao comprador, e vista da pouca
despesa que faz, animar a ser Iluminado s com
os ditos candieiros a gaz ; os mais baratos sao a
imilacao de um* lamparina, produzindo a luz a
tres velas de espermacete com a importancia de
40 rs. por noite ; gradualmente ir sobindo to-
das as mais qualidades at o maior, que servir
para ornare llurainsr urna rica sala, equivalente
a 16 velas de espermacete, tudo isto se garante
sob a condieo de voltar e resluir-se o seu
importe, na falta de nao agradar a experiencia
feita: na ra Nova n. 20, loja do Vianna.
Cofres de ferro para dinheiro,
joias. etc., etc.
Na loja da aguia branca vendem-se bonitos co-
fres de ferro mui fortes e seguros, com [echadura
e chave, e de differentes tamanhos, proprios para
se guardar dinheiro, joias e papis de importan-
cia, pelos baralissimos pregos de 4$500, 5g000,
55500 e 6g : em dita loja da aguia branca, ra
do Queimado n. 16.

-
i*
1 o
c ,cs
"o
O) O
O- l-
0.0) ;
_ o a.
1 o
a>
S:5
5
VS
ill
c S m
co o o
3 -=" MI
- ~
o "
E 2 -*&
**" o j -
O o, en
O ^,5
<" co .Sr
S'.,
-COI
te a es 1
Es
irE
2 o
. 1 1 o a
o o o H
-5
2 b 2 s
= Z =
o-J.-|
c "-o co 5"
P8-5B5I
m O S S 5
3 O.
O" .
S2
SI
01
o
O CB I
OaitlO
H c? V
S o o
3 to
u a
o a
C *- S
co CD
o -a
a
ARMAZEM DE ROUPA FEITA
Defronte do becco da Congregacao letreiro verde.
Casacasde panno preto a 305, 359 e 40*000
Sobrecasacas de dito dito a 359000
Paletots de panoo pretos e de cores a
20, 25, 30 e 35*000
Ditos de casemira de ceres a 159 o 929000
Ditosde casemiras de cores a 7 a 129000
Dtosde alpaea preta gola de velludo a 12:9000
Ditosde merino selim preto e de cor
a 89 e 99000
Ditos de alpaca da cores a 3500 a 59000
Ditosde alpaca preta a 39500, 59,
79 e 99000
Ditos de brim de cores a 3|500,
49500 e 59000
Ditos de bramante de linho brancos a
49500 e 69000
Caigas de casemira preta e de cores a
99, 109e 129000
Ditas de princeza e alpaca de cordo
pretos a 59000
Dilas de brim braneo a de cores a
29500 49500 e 59000
Ditas de ganga de cores a 39000
Dilas de casemira a 59500
Colletes de velludo decores muitofino a
Di ios de casemira bordados e lisos
pretos e de cores a 59, 59500 e
Ditos de setim preto a
Ditos de casemira a
Ditos do seda branca a 59 a
Ditos de gurgurio de seda a 59 e
Ditos de ustao brancos e de cores a
39 e
Ditos de brim branco e decores a 29 e
Selouras de linho a
Ditas de algodao a 19600 e
Camisas de peitode fustao branco e
de cores a 29300 o
Ditas de peito e punhosde linho mui-
to finas inglezas a duzia
Ditas de madapalo brancas e de cores
a 19800, 29e
Ditas de meia a 19 e
Relogios de ouro patente eorisoniaes
Ditos da prata galvanisados a 259 e
Obras de ouro, aderejos, pulseiras e
rosetas
109000
69000
59000
39500
69000
69000
39500
29500
29500
29000
29500
359000
29500
19600
9
309000
IOT lf 1MIIOTI)
DE
-=!'
E-= S
2 s-'E
O o c> S *
SJEq.S2
ce co fc. CO &
t 5 o 2
0 o S, co
O C n O
c o > E s. C
x
CIJ .-----
S B
O 3
2 8
22
o
. 3
a
c
a>
o
o o.
CO
.- O
"O
3
=
ta--
r~ co
oto
-.2
Z--Z2
2gS
e i e
3
O
J2 o
9 S W
be
o
co
Z V
Relogios.
Vende-se em casa deJobnstonPater & C,
ra do Vigario n. 3, um bello sorlimento de
relogios de ouro, patente jnglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool ; tambem
urna variedade de bonitos trancelins para os
mesmos
Na loja do Dubarry, na ra da Imperatriz,
existe anda um resto de chicotes americanos, a
mrlhur rousa que tem vindo a este mercado pela
ra muita duraro : a elles, que esto no resto.
Balesde 30 arcos.
Vendem-sa superiores balees com 30 arcos,
sendo muito recommendaveis por poderem ficar
do tamanho que se precisar, pelo baratissimo
preco oe 69 ; na ra do Queimado n. 22, na loja
da boa f.
de graca.
Cortes de caigas de meia casemira de cores es-
curas a 1JJ600, ditos de brim de linho de cores a
2g,riscodinhos de linho proprios para obras de
meninos a 2U0 rs. o covado, grvalas de seda de
cores a 640, dilas pretas estreitinhag e largas a
18, ealem disto outras fazendas que se vendem
muito em conla ; na loja da boa f, na ra do
Queimado n. 22.
Bramante
bretanhas e atoalhado
Na loja da boa f, na ra do Queimaoo n. 22,
vende-se bramante de linho muito fino com duas
varas de largura, pelo baratissimo prego de 2^400
a vara, bretaqha de lioho muito fina e muito
targa a 209, 22g e 2-!; a pega com 30 jardas,
atoalhado de algodo com duas larguras a 19400
a vara, dito de linho muito superior, tambem
com duas larguras a 3$ a vara, ; na ra do Quei-
mado n. 22. na loja da boa f.
ISLY L.OJ\ iVRMAZ^M
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
40 RIA DO QUEMADO 40
Defronte do becco da Congregacao letreiro verde.
19000
Seda de quadrinhos muito fina covado
Enfeites de velludo com froco pretos e
de cores para cabeca de senhora da
ultima moda
Fazendas para vestidos, sendo seda la
e seda, cambraias e seda tapada e
transparenre, covedo
Luvas de sedabordadas e lisas para
senhoras, homense meninos
Lencos de seda rxos para senbora a
29000 e
Mantas para grvalas e grvalas de
seda de todas as qualidades
Chapeo francez forma modrrna
Lencosde gurguro pretos
Ilicas capellas brancas para noivados
Saias balo para senhora e meninas
Tafeta rom o covado
Chin**- "Ja a 260, 280, 300, e
Castas'* zas, a vara
Setim preto azul e encarnado proprio
para forros com 4 palmos de largnra
o covado
Casemira I isa de cores 2 larguras, o co-
vado
Chales de mi ron bordados, lisos e es-
tampados de todas as qualidades
Seda lisa preta e de cores propria para
forros com 4 palmos de largura, o
covado
Ricos cortes de seda pretos e de coros]
com 2 saias e debabados
Ditos de gaze e de seda phantasia
Chales de toquim muito finos
Crosdenaple preto e de cores de todas
as qualidades
Seda lavrada preta e branca
9500 Capas de fil e visitas deseda preta
93201 com froco
9>00
29500
89500
29000
19600
29000
19500
ranos
Saunders Brothers & C. tem para vender em
eu armazem, na praca do Corpo Santo 11.11,
alguns pianos do ultimo gosto recentimente
chegados,dosbem conhecidose acreditados fa-
bricantes i. Broadwood i Sons de Londres
muito Droi>rios y ara este clima
Campos receberam urna factura de chapeos de sold se-
da para homem, tendo entre estes alguns peque-
os que servem para as senhoras que vao para o
campo tomar banhos se cobrirem do sol, e como
a porco seja grande se resolvero vender pelo
prego de 69 e 6S500, e alguns com pequeo de-
eito a 59 na ra do Crespo n. 1G.
Extracto
DE
sndalo e outras essencias
para lencos.
Na loja da aguia branca se acha o verdadeiro
extracto de sndalo, bem conheeido por sos su-
perioridade, em frascos menores e maiores a 29
e 29500, assim como Unas essencias de rosa, Mag-
nolia, Patcholy, Luiza & Maria, e muitos outros
cheiros novos e agradaveis, e conforme o tama-
nho do frasco vende-se a 29, 3. 4 e 59. A hon-
dada de taes essencias e extracto ja bem co-
nhecida pelas'muitas pessoas que tem comprado,
d anda serfi por quem de novo cociprar : na roa
do Queimado, loja da aguia branca n. 16.
Palitos do gaz e
de cera
desta superior qualidade s se vendo no arma-
zem de Barros & Silva.

E* o ultimo gosto.
Superiores trurgures de'seda de quadrinhos,
de lindos padroes, pelo baratissimo prego de 19
o covado, frrosdeoaples liso de lindas cores a 29
o covado, cortes de la muito fina com 15 cova-
dos, padroes muito bonitos a 89, ditas de quadros
padrees tambem muito bonitos a 480 rs. o cova-
do, chales de cores, padroes inteiramente novos
a 19 rs. o covado ; aproveitem em quanto ae nao
acaba : na ru do Queimado c. 22, loja de
Uoa-f.
Machinas de costura
DE
SI va l & Companhia.
Estas machinas sao as mais perfeilas
no ramo de mecanismo, unindo a urna
simplicidade a maior ligeireza e perei-
qo para toda e qualquer qualidade de
costura, do ponto mais fino ao mais
grosso. O vendedor se obriga a ensinar
o methodo aos compradores ote o sa-
ben m bem, assim como a ter as maclii-
cbinas em ordena durante um anno.
Estas machinas cosem com 2 fios nao
quebram'o fio como multas outras o fa-
zem e iSo as melhores e mais baratas
ate boje conhecidas no mundo, ellas se
achm expostas na galera do SR. OS-
BORN, RETRATISTA AMERICANO. NA
RA DO IMPERADOR N. 38, onde
urna senhora competentemente habili-
tada as ara' ver e trabalhar. Igual-
mente se acham expostas no armazem
de MACHINAS AMERICANAS, RA DA
CRUZ N. 4 E 9.
Rival sem segundo.
Na loja de miudezos da ra d( Queimado o,
55, defronte do sobrado novo ha para vender
pelos diminuios precos os seguintes artigos:
Duzia de sabonetes muito finos a 600 rs.
Cartoes de clcheles com duas ordens a 20 rs.
Caixas de clcheles batidos a 60 rs.
Duzia de meias cruas para homem a 3j}.
Dita de ditas para senhora a 39500.
Parea de meias para senhora a 300 rs.
Latas com banha muito fina a 500 rs.
Jscas para acender charutos, caixa a 60 rs.
Phosphoros em caixa de folha a 120 rs.
Cartas de slfinetes muito finos a 100 rs.
Caixas de agulhas franeczas a 120 rs.
Pares de sapatos de tranca de algodo a !J.
Frascos de macass perola a 200 rs.
Ditos de dito oleo a 120 rs.
Duzia de facas e garlos, cabo preto, a 3#.
Pares de sapatos dla para meninos a 200 rs.
Ditos de luvas de cor fio de Escocia a 320.
Massos de grampas muito finas a 40 rs
Caivetes de aparar penna a 80 rs.
Tesonras muito finas para costura a 500 rs.
Ditas ditas para unbas a 500 rs
Pegas de franja de la com 10 varas a 800 rs.
Ditas de tranca com 10 varas a 320.
Linha Pedro V, carto com 200 jardas a 60 rs.
Dita com 100 jardas a 20 rs.
Estovas para dentes muito finas a 200 rs.
Cordo imperial fino e grosso a 40 rs.
Oleo de babosa muito fino (frasco) 400 rs.
Fitinhas eslreitas para enfeltar vestidos a 800
rs. 4 peca.
Labyrinthos de muito bonitos gostos por todo
o prego.
Cordes para enQar esparlilho muito grandes
a 100 rs.
Dito para dito pequeos a 80 rs.
Peces de tranca de linho com 10 varas a 200 rs.
Ditas de Irania de seda preta com 10 varas a
1J4O0.
Vara de dita a 160 rs.
Pares de meias de cores para meninos a 160.
Caixas para rap muito finas a I9.
Linha Dar marcar (caixa de 16 nvelos) a 320.
cobertos e descobertosr pequeos e grandes, de
ouro patente inglez, para bomem e senbora de
um dos melhores fabricantes de Liverpool, viu-
dos pelo ultimo paquete inglez : em casa de
Sontball Mellor & C.
Vende-se pregunto muito novo a 480 rs.,
toucinho a 320, arroz a 100 rs. a libra : na ra
das Cruzes n. 24, esquinada travessa do Ouvidor.
Vendera-se duas casas terreas na ra da
Palma ns. 3 e 5, todas novas e bons quinlaea : a
tratar na ra das Flores n. 9.
Vndese urna mulata escrava de 26 annos
de idade, que sabe C37inhar, lavar e fazer o ar-
ranjo de urna casa, assim como um escravo tam-
bem mualo de 28 annos. bastante forte e vigo-
roso : na ra da Palma n. 59.
Escravos fgidos.
No dia 30 de dezembro prximo passado
fugioda padaria da ra larga do Rosario n. 18,
um preto por nome Jos, de nsco Angola, re-
prsenla ter 35 a 40 annos, estatura regular, os
ps um pouco grossos c picados de haver lirado
bichos, barbado, mas nao geral no rosto, apenas
no queixo e no beico, este preto bebe muito e
fcil ser encontrado por acudir de prompto ao
chamado de Jos moleque, sanio de camisa e cai-
ga de algodao e chapeo de palha : roga-se a to-
das ss autoridades policiaes e capites de campo,
ou pessoas particulares por quem possa ser en-
contrado, o mandem pegar e entregar na referi-
da padaria cima, que serao generosamente re-
compensados pelo seu proprietario.
Do engenho Cutigi, freguejia da Ecada,
fugio no dia 3 de novembro do crreme anno o
escravo de nome Antonio, com os signaes se-
guintes : estatura regular, cor mulato, cebello de
negro, pouca barba, dentes limados, idade 25 ou
28 annos, pescogo e ps grossos, tem pelo rosto,
pescogo e peitos algumas marcas de psddcs, e
algumas cicatrizes pelas costas que parecen) ter
sido de chicote ; nao levou comsigo roupa algu-
ma, e consta haver fgido para o lado do serto
d'onde viera : quera o apprehender, poder el-
va-lo ao referido engenho, ou no Becife, ra es-
trella do Rosario n. 29, ao Illm. Sr- FlorisrcuD-
do Marques Lios, que ser bem recompeusado.
Escravo fgido.
Um mulato claro, magro, com pannos pretos
na maga do rosto, representando ter 25 annos
de idade, natural do Rio'do Peixe, chamado
Luiz, desappareceu no dia 30 de ootubro da casa
do Dr. Cosme de S Pereira, de quem escravo ;
suppe-se ter levado um cavalio prelo do Sr.
Rostron que se havia soltado, e que elle Sra
en? busca do mesroo ; suppde-se mais que sua
mulher de nome Maria tambem o acompanha,
levando um pequeo bah de (landres : roga-se
as autoridades policiaes e a cutres quoesquer
pessoas que o prendara, e remellam ao seu se-
nhor, que pagar qualquer despeza.
Pugio da cidade do Aracaty, no mez de se-
tembro prximo passado, um escravo do com-
msndante superior Manoel Jos Penna Pacheco,
que ha pouco o havia comprado ao Sr. Benlo
Lourcnco Collares, de nnme Joaquim, de idade
decincoenta e tantos annos, fulo, alto, magro,
dentes grandes, e com falla de alguna na frentr,
queixo fino, ps grandes, e com os dedos grandes
dos ps bem abertos, mnilo palavriador, incul-
ca-so forro, e tem signaes de ter sido surrado.
Consta que este escravo apparecera no dia 6 do
corrente, vindo do lado das Cinco Ponas, e sen-
do enterrogado por um parceiro seu conheeido,
disse que tinha sido Tendido por seu senhor pera
Goianninha : qualquer pessoa qe o pegar o po-
der levar em pernamboco aos Srs. Basto & Le-
mos, que gratiflearao generosametoe.


/i)
DIARIO DE PEBNAMBUCO. S. 5A1BAD0 8 DE JANKIftO DE 1861.
Litteratura.
Clementina Anbernin.
[Continuaco do n. 4.)
VIII
Eu nao atrovia-rae diie-Io, entretanto
raen pensamento, conlinuou Clementina cora
mais forca. Sera porque son moca, cercada de
amizades, e talvez dotada de alguna cousa que
se parece coro (ormusura?.... Procuro que ioi-
miga, que amiga antes podedar-rae esse golpe...
nao vejo ninguora.... S conheco urna mulher
quem prejudiquei.... a quem comtrariei em
seus inleresscs___masessa impossivel!
Quem ? perguntou a senhora de Rosai,
perturbada.
Voce 1 respondeu Clementina, olhando-a
do frente.... Longo de mim o pensamento de ac-
cusa-la de tal abominago, que suppoe naquella
que o concebeu urna alma vil, dotada dos instinc-
tos mais baixos o vergonhosos.... Sei quera
vocA e que vota-mo aroizade sincera, porm se
eu nao o soubesse, veja as appareucias que a
condemnariam. O Sr. de Blangy nao queria ca-
sar-se ; viva cora a senhora, junto de vocS ;
seus filhos eram delle por adopco ; tinha voce
a administradlo de urna fortuna que depois dello,
devia ainda perlencer-lhe ; tvoc partilhava
todas as vaotagens resultantes de sua posico, de
sua influencia, de sua celebridade. Appareci eu,
e pelo simples felo de meu casamento, ficou
voc" privada de todos esses bens. Quantas razes
nao tem para odiar-me, e como qualquer outra
que nao fosse voce, tena promptamente ce-
dido .1 essa antipalhia que era seu direito, e quo,
di-lo-hei ? receiava eu 1
Clementina calou-sa por um instante depois des-
sa replica, cujas palavras havia afiado, e cujo ef-
eito calculara ; depois sorrindo-se :
Mas cu apreciei logo o que valia seu cora-
cao, conlinuou ella, c nao tive mais medo.
A sonhora de Rosai eslava aterrorlsada. O Sr.
do Blangy nao podia ter-se esquecido das insi-
nuacoes que olla tinha feito contra Clementina, o
olhar do irraao cravava-so nella o augmentava
sua perturbaco. Sentia-se vencida e nao sabia
como lutar. Nao Ihe vinha era auxilio o odio
mais implacarel, o nao achava cousa alguma no
momento era que scr-lhe-hia preciso toda a sua
presenca de espirito para repellir um ataque nao
menos hbil que vigoroso em sua audacia. A se-
nhora de Blangy acabou de venco-la, era quanto
a senhora de Rosai procurava urna resposta :
Torne si, lhe disse ella, voc; tem a alli-
tude de urna culpada, e todos sabem que inno-
cente.
Dcsta vez a senhora de Rosai balbuciou algu-
nias palavras.
Ora, nao se justifique, replicou Clemen-
tina.
Rila olhou para o Sr. de Blangy. Este nao sa-
bia o quo crer, mas ja penetrava-o a suspeita de
que sua irraa podia ter escripto aquella carta
anonyma.
Lembrava-se com que acento tinha ella accu-
sado Clementina, conhecia seu genio onde o ran-
cor e o amor proprio oceupavam um grande lu-
gar, sua physionomia, depois que havia ontrado,
(razia o ennhodo embarazo, nao achara umapa-
lavra, um grito para dosculpar-se ; quantas ve-
zes nm sua carreira de magistrado nao tinha elle
sondado a proundidade das acedes negras aonde
a anoraisidade pode conduzir urna mulher vinga-
liva A situago tornava-se insuportavel para a
senhora do Rosai ; nao tendo animo de encara-
ja de frente u ousadamenle retirou-so.
Ento ? disse Clementina ao Sr. de Blangy,
antes mesmo que ella tivesse desapparecido.
Leonel tomou-a pela cintura.
Era le esniagar-te se mentisses 1 disse
elle.
Nessc cmenos eolrou a senhora de Lu-
zenil.
Nao se encomraode, disse ella alegremonte,
sou de casa.
Clementina deixou-se prender pelos bracos do
marido. Sahio-lhe do peito um profundo suspi-
ro ; a conversa ia tomar outro rumo, e flcava-lhe
a victoria.
F.i-a, conlinuou a senhora Luxenil, o que
faziastu esta tarde n'um coupf, e na ra da Pe-
pinire'.' Que relaccs tens daqoelle lado? Eu
berate conheci___ olha, tinhas aquello chapeo
do velludo preto que esl ali, ohamei-te ... Ah I
sira I o cocheiro respondeu cora urna chicotada,
e o cavallo parti.... Dous minutos depois, en-
contrei o Sr. de Versac a p ; elle offereceu-me o
braco e reconduzio-rae para entre gente.
Clementina ficou toda branca. Incapaz de ser
senhor do si, o Sr. de Blangy passou diante dclla
e sahin.
Ah 1 tu me perdeste 1 exclamou Clementi-
na deirando-se sahir n'uma poltrona.
(Conlinuar-se-ha.)
) naco um appello invocando a solidariedade de
todos os Italianos. Combtenos hoje pelos
nossos irmaos, dizia elle, araaohaa corabatere-
mos por nos. Um punhsdo de valentes que me
acompanharam por todos os campos de batalha
da patria, marcha eomigo. A Italia conhece-os;
elles apparecem quando sa a hora do perlgo...
Estas resumidas palavras, compendiara a his-
toria do chefe e dos soldados; elles apparecem
na hora jo perigo, e apparecaro sempr que a
Italia carecer de seus bracos.
No livro que alludimos, echarnos urna lista,
cuja lertura recommendamos qoelles que afflr-
inam que no exercitode Garibaldi havia de tudo
menos Italianos.
E' a lista dos 1085 voluntarios que embarcaran)
em Genova no dia 5 de maio. Ah se encon-
trarlo dous Hngaros, Turr e Tuckerytodos os
mais san Italianos. Reunirara-se, verdade, de
todas espartes da Italia, vieram do Milanez, do
Veneza, da Toscana, das Romanias; mas quem
nao v nesta fuso a consagrarlo da anidado Y
Chegou, viu e venceu. O xito corou a sua
audacia, e tanto na roconstituicao do seu paiz,
como na admiragao popular, colheu os fruclos
da sua patritica e santa estravagancia..........
Ob I Deus, quanto sangue generoso nao correu
antes que surgisse o dia da victoria I Quantas
eslacoes nao assignalaram este doloroso calvario
da iiberdade I No meto das festas, ao clarao dos
fosos de artificio, qUantos espectros nao se le-
vantaran) aponlando para os corpos mutilados, e
pedindo a parle que lites compete na gratido da
patria ...........................................
[Jornal do Commercio,de Lisboa.)
Relaco nominal dos ministros e secre-
tarios de estado dos negocios do Bra-
sil desde o anno de 1822 at o de
4859, com a deelaraco das datas
em qne lora ni nomeados.
MINISTERIO DO IMPERIO.
1." poca.
1822 a 1831.
1 Jos Bonifacio d'Aodrada e Silva, oomeado
a 16 de Janeiro de 1822.
2 Jos Joaquim Caroeiro de Campos ( depois
marquez de Caravellas ), nomealo a 17 de julho
de 1823.
3 Francisco Vilella Barbosa ( depois marquez
de Paranagu ) nomeado a 10 de novembro de
1823.
4 Pedro d'Araujo Lima ( depois marquez d'O-
linda ), nomeado a 14 de novembro de 1823.
5 Joo Severiano Maciel da Costa i depois mar-
quez de Queluz), nomeado a 17 de novembro de
1823.
6 Estevao Ribeiro de Rezende ( depois mi1"
quez de Valeuca ) nomeado a 14 de outubro
de 1824.
7 Felisberlo Caldeira Brant ( marquez de Bar-
barena ), nomeado a 9 de novembro de 1825.
8 Jos Feliciano Fernandes Pinheiro (depois
viscondo deS. Leopoldo ) nomeado a 21 de no-
vembro de 1826.
9 Marquez de Lages ( Joo Vieira de Carva-
Iho ), nomeado interino a 20 de Janeiro de 1826.
10 Marquez de Caravellas ( Jos Joaquim Car-
oeiro de Campos) nomeado interino a 23 de Ja-
neiro de 1826.
11 Pedro de Araujo Lima ( d epois marquez
d'Olioda ) nomeado a 20 de novombro do 1827.
12 Jos Clemente Pereira, nomeado a 15 de ju-
nho de 1828.
13 Marque/, de Caravellas { Jos Joaquim Car-
noiro de Campos ) nomeado a 4 de dezembro
de 1829.
14 Visconde de Alcntara ( Joo Ignacio da
Variedades.
GARIBALDI.
Ha dias. Da prara fio S. Francisco de Paula,
em aples, o intrpido capito dos voluntarios
italianos destribuiu urna medalha commemora-
tva aos primeiros companheiros da sua empreza.
Isla medalha charaava-se a medalha de Marsa-
la, para coramemorar o lugar onde se effectuou o
desembarque, que est par dos mais romanes-
cos da historia. A primeira foi destribuida
urna mulher a nica que embarcara em Genova
com os voluntarios, e que tinha tratado dos fe-
ridos no campo de batalha e debaixo das balas.
l'/ara os voluntarios 1065 no primeiro combate,
e no dia da recompensa 400 ; os ootros ou ti.
nham cahido no campo ou morrido no hospital.
Emquanto ao chefe, cojo pensamento fixo e
jndomavel coragem, osconduzira atravez de to-
dos os perigos, tambem recebia. como memoria
dos seus soldados, urra cruz cravejada de dia-
mantes, com esta legenda : Imille a loro duce.
'< Os mil ao seu capito. Esta recompensa po-
pular foi a nica que elle quiz aceitar : cum a
sua propria mo desamarrou o cabo que praia
amarrava o seu navio, e volveu 4 sua solitaria
ilha.
Nada accrescentaremos s homenagens que
lhes foram prestadas. Talvez, atlendendo s
sua gloria pessoal, que Dzesse o que mais lhe
convinha. Ninguem se lembraria de Cincinalto
so o nao foram buscar ao arado, e Diocleciano
menos famoso por ter derramado os de sangue,
que por ter tratado das couves do seu quintal.
Assim que seria difficil representar Garibaldi
son.io do casaco encarnado. Garibaldi de farda
bordada, Garibaldi general do quadro, e refor-
mado, nao seria o Garibaldi da legenda ; sera
apenas urna reliquia, e em urna trra onde
abuodam as reliquias.
Temos avista um livro do qual sao desenhados
com enrgicas cores os episodios da expedico
da Sicilia e muilo folgamos de nellc encontrar
as proclamarles que Garibaldi publicou antes de
embarcar. Escrevla elle ao rei : c Nao acon-
selhei o movimento revolucionario dos nossos
irmaos da Sicilia ; porm, desde que se levan-
taran] em nome da anidado italiana, de que V.
M. personifteaco, nao hesitei era collocar-me
sua frente........Sei que me aventuro urna
empreza arriscada, mas tenho esperanza em
Deus......
A um amigo dizia o segoiote : Quando es-
tas linhas chegarem s las roaos, ja irei por
esse mar fr. AinsurreicSo siciliana contera
em si os destinos da nossa naciooalidade; vou
corrar-lhe a sorle ; vou achar-me aOnal no meu
elemento, que trabalbar pela realisago de urna
grande idea. Nao me chamem imprudente, es-
peren).......... Finalmente, diriga & toda a
Cunha ) nomeado interino a 12 de agosto de
1830.
15 Jos Antonio da Silva Maia, nomeado a 4
de outubro de 1830. :
16 Visconde de Alcntara ( Joo Ignacio da
Cunha ), nomeado interino na ausencia do pro-
prietario a 24 de dezembro do 1830.
17 Visconde de Goianna ( Bernardo Jos da
Cama ), nomeado a 28 de marcos -V
18 Marquez de Inharnbupe ( At *'u'z Pe-
reira da Cunha ) nomeado a f de abril de
1831.
2.a poca.
1831 a 1840.
19 Visconde de Goianna ( Bernardo {Jos da
Gama ) nomeado a 7 de abril de 1831.
20 Manoel Jos de Souza Franca, nomeado in-
terino a 26 de abril de 1831.
21 Jos Lino Coulioho, nomeado a 16 de julho
de 1831.
22 Diogo Antonio Feij, nomeado a 3 de Janei-
ro de 1832.
23 Antonio Francisco de Paula Hollanda Ca-
valcanti- de Albuquerque ( depois visconde de
Albuquerque j nomeado interino a 3 de agosto
de 1832.
24 Nicolao Pereira de Campos Vergueiro, no-
meado a 13 de selembro de 1832.
25 Aureliano de Souza e Oliveira Coutinho (de-
pois viscondo de Sepetiba ), nomeado a 23 de
maio de 1833.
26 Antonio Pinto Chichorro da Gama, nomea-
do a 10 de outubro de 1833.
27 Mauoel do Nasciraenlo Castro e Silva, inte-
rino, nomeado a 16 de Janeiro de 1835.
28 Joaquim Vieira da Silva e Souza, nomeado
a 20 de Janeiro de 1835.
29 Antonio Paulino Limpo d'Abreu (depoisde
visconde de Abaet) nomeado interino e 14 de
outubro de 1835.
30 Jos Ignacio Borges, nomeado a 5 de feve-
reiro de 1836.
31 Antonio Paulino Limpo d'Abreu ( depois
visconde de Abaet ), nomeado interino a 7 de
junho de 1936.
32 Gustavo Adolpho d'Aguilar Pantoja, nomea-
do interioo a 29 de selembro de 1836.
33 Manoel da Fonseca Lima e Silva ( depois
baro de Suruhy J nomeado a 1 de novembro
de 1836.
34 Antonio Paulino Limpo d'Abreu ( depois
visconde de Abaet ] nomeado interino a 18 de
margo de 1837.
35 Manoel A Ivs Branco ( depois visconde de
Caravellas ) nomeado interino a 16 de maio de
1837.
36 Pedro d'Araujo Lima ( depois marquez de
Olinda ) nomeado a 18 de selembro de 1837.
37 Bernardo Pereira de Vascoocellos, nomeado
interino a 19 de selembro de 1837.
38 Francisco de Paula d'Almeida e Albuquer-
que, nomeado interino a 16 de abril de 1839.
39 Manoel Antonio Galvo, oomeado no 1. de
selembro de 1839.
40 Francisco Ramiro d'Assis Coelho, oomeado
interino a 2 de maio de 1840.
41 Caetano Mara Lopes Gama ( depois viscon-
de de Marangaape) nomeado interino 18 de
maio de 1840.
41 Joaquim Jos Rodrigues Torres ( depois
visconde de Itaborahy ), oomeado a 23 de maio
de 1840.
43 Bernardo Pereira de Vasconcellos, nomea-
do a 22 de julho de 1840.
44 Joaquim Jos Rodrigues Torres ( depois
visconde de Itaborahy), nomeado a 22 de julho
de 1840.
3.a poca.
1840 a 1849.
45 Antonio Carlos Ribeiro d'Aodrada Macha-
do e Silva, nomeado a 24 de julho de 1840.
46 Candido Jos d'Araujo Vianna ( depois vis-
conde de Sapueahy ), oomeado a 23 de margo
de 1841.
47 Jos Antonio da Silva Maia, nomeado a 20
de jane iro de 1843.
48 Jos Carlos Perolra d'Almeida Torres ( de-
pois visconde de Macah ), nomeado a 2 de fe-
ve reiro da 1844.
49 Manoel Alves Branco ( depois visconde de
Caravellas,) nomead Interino na ausencia do
proprietario a 29 de setembro de 1845.
50 Joaquim Marcellino de Brilo, nomeado a 3
de maio de 1846.
51 Manoel Alves Branco ( depois visconde de
Caravellas ), nomeado interino a 30 de maio de
1846.
52 Francisco de Paula Souza e Mello, nomeado
a 16 de julho de 1847.
53 Manoel Alves Branco ( depois visconde de
Caravellas ) nomeado interino a 28 de agosto
de 1847.
54 Visconde de Macah ( Jos Carlos Pereira
de Almeida Torres ) presidente do conselho,
nomeado a 9 de margo de 1848.
55 Jos Pedro Dias de Carvalho, nomeado a 31
de maio de 1848.
56 Visconde do Monl'Alegre ( Jos da Costa
Carvalho ) depois marquez de Monte Alegre,
nomeado a 29 de setembro de 1848.
4.a poca.
1849 a 1859.
57 Francisco Goncalves Martin, nomeado a 11
de maio de 1852.
58 Luiz Pedreira de Couto Ferraz, nomeado a
6 de setembro de 1853.
59 Marquez d'Olinda, presidente do conselho
de ministros, nomeado a 4 de maio de 1857.
60 -Sergio Teixeira de Macedo, nomeado a 12
de dezembro de 1858.
61 Joo d'Almeida Pereira Filho, nomeado a 10
de agosto de 1859.
MINISTERIO DA JtlSTlf.A.
1.a poca.
1823 a 1831.
1 Caetano Pinto de Miranda Montenegro ( de-
pois marquez da Praia Grande ) nomeado a 3
de julho de 1822.
2 Sebastio Luiz Tinoco da Silva, nomeado a
28 de outubro de 1822.
3 Caetano Pinto de Miranda Montenegro ( de-
pois marquez da Praia Grande ) nomeado a 30
de outubro de 1822.
4 Clemente Ferreira Franga ( depois marquez
de Nazareth ) nomeado a 10 do novembro de
1823.
5 Sebastio Luiz Tinoco da Silva, nomeado a
21 de novembro de 1825.
6 Visconde de Caravellas ( Jos Joaquim Car-
neiro de Campos, depois marquez de Caravellas),
nomeado a 21 de Janeiro de 1826.
7 Marquez de Nazareth ( Clemente Ferreira
Franga ) nomeado a 16 de Janeiro de 1826.
8 Viscondo de S. Leopoldo (Jos Feliciano
Fernandes Pinheiro), nomeado interino a 11 de
margo de 1827.
9 Conde de Valonea, depois marquez, ( Estevo
Ribeiro de Rezende ) oomeado a 18 de maio de
1827.
10 Lucio Soares Teixeira de Gouva, nomea-
do a 20 de novembro de 1827.
11 Jos Clemente Pereira, interino,nomeado a
18 de junho de I82S.
12 Jos Bernardino Baptista Pereira, nomeado
a 25 de setembro de 1828.
13 Lucio Soares Teixeira de Gouva, nomea-
do a 22 de novembro de 1828.
14 Visconde d'Alcntara ( JoSo Ignacio da
Cunha ), nomeado a 4 de dezembro de 1829.
15 Manoel Jos de Souza Franca, nomeado a
19 de marco de 1839.
16 Visconde de Alcntara (Joo Ignacio da Cu-
nta), nomeado a 5 de abril de 1831.
2.a poca.
17 Manoel Jos de Sonza Franga, nomeado a 7
de abril de 1831.
18 Diogo Antonio Feij, nomeado a 5 de julho
de 1831.
19 Manoel da Fonseca Lima e Silva (depois
baro de Suruhy), nomeado interino a 1 de agos-
to de 1832.
20 Pedro de Araujo Lima (depois marquez de
Olinda), nomeado a 3 de agosto de 1832.
21 Honorio Hmelo Caroeiro I.eo (depois
marquez de Paran), nomeado a 13 de setembro
de 1832.
22 Candido Jos de Araujo Vianna (depois vis-
conde de Sapueahy), interino, nomead0 a 24 de
maio de 1833.
23 Aureliano de Souza e Oliveira Coutinho (de-
pois visconde de Sepitiba), nomeado interino a 4
de junho de 1833, e effectivo a 10 de outubro de
1833.
24 Manoel Alves Branco (depois visconde de
Caravellas), nomeado a 16 de Janeiro de 1835.
25 Aolonlo Paulino Limpo de Abreu (depois
visconde de Abaet), nomeado a 14 de outubro
de 1835.
26 Gustavo Adolpho de Aguiar Pantoja, no-
meado a 3 de junho de 1836.
27 Francisco Gd'Acayaba Monlezuma (depois
visconde de Gequilinhonha), nomeado a 16 de
marco de 1837.
28 Bernardo Pereira de Vasconcellos, nomeado
a 19 de setembro de 1837.
29 Francisco de Paula de Almeida e Albuquer-
que, nomeado a 16 de abril de 1839.
30 Francisco Ramiro d'Assis Coelho, nomeado
no Io do setembro de 1839.
31 Jos Antonio da Silva Maia, nomeado inte-
rino a 18 de maio de 1840.
32 Paulino Jos Soares de Souza (depois vis-
conde de Uruguay), nomeado a 23 de maio de
1840.
3." poca.
1840 a 1849.
33 Antonio Paulino Limpo de Abreu (depois
visconde de Abaet), nomeado a 24 de julho de
1840.
34 Paulino Jos Soares de Souza (depois vis-
conde de Uruguay) nomeado a 23 de margo de
1841.
35 Honorio Hermelo Carneiro Leo (depois mar-
quez de Paran), nomeado a 20 de Janeiro de
1843.
36 Manoel Alves Branco (depois visconde de
Caravellas), nomeado interino a 2 de fevereiro de
1844.
37 Manoel Antonio Galvo, nomeado a 23 de
maio de 1844.
38 Jos Carlos Pereira de Almeida Torres (de-
pois visconde de Macah), nomeado interino a 26
de maio de 1845.
39 Antonio Paulino Limpo de Abreu (depois
visconde de Abaet), nomeado interioo na au-
sencia do proprietario a 29 de setembro de
1845.
40 Jos Joaquim Fernandes Torres, oomeado
a 5 de maio de 1846.
41 Caetano Mara Lopes Gama (depois viscon-
de de Maranguape), nomeado a 22 de maio de
1846.
42 Nicolao Pereira de Campos Vergueiro, no-
meado a 30 de maio 1847.
43 Saturnino de Soua e Oliveira, nomeado in-
terino, por molestia do proprietario, a 80 de
maio de 1847.
4* Jos Antonio Pimenta Bueno, nomeado in-
terino em 22 de Janeiro de 1842, e effectivo em
9 de margo de 1848.
45 Antonio Manoel de Campos Mello, nomeado
a 31 de maio de 1848.
46 Euzebio de Queiroz Coutinho Matoso da C-
mara, Romeado a 29 de setembro de 1848.
4.a poca.
1849 a 1859.
47 Jos Ildefonso de Souza Ramos, nomeado
em 11 de maio de 1852.
48 Luiz Antonio Barbosa, nomeado a 14 de
junho de 1853.
49 Jos Thomaz Nabuco de Araujo, nomeado a
6 de setembro de 1856.
50. Francisco Diogo Pereira de Vascoocellos,
nomeado a 4 de maio de 1857.
51 Jos Thomaz Nabuco de Araujo, nomeado
a 12 de dezembro de 1858.
52 Baro de Murilibs (Manoel Vieira Tosta),
nomeado em 21 de margo de 1859.
53 Joo Luslosa da Cunha Paranagu (deputa-
do), a 10 de agosto de 1859.
MINISTERIO DOS ESTRANGEIROS.
1.a poca.
1822 a 1831.
1 Jos Bonifacio de Andrade e Silva, oomeado
a 17 de Janeiro de 1822.
2 Jos Joaquim Carneiro de Campos (depois
marquez de Caravellas), nomeado em 17 de julho
de 1823.
3 Francisco Villela Barbosa (depois marquez
de Paranagu), nomeado a 10 de novombro de
1823.
4 Luiz Jos de Carvalho e Mello (depois vis-
conde da Cachoeiral, oomeado a 14 de novembro
de 1823.
5 Francisco Villela Barbosa (depois marquez
de Paranagu, nomeado interino a 4 de outubro
de 1825.
6 Visconde de Santo Amaro (Jos Egidio de
Almeida), nomeado em 21 de novembro de
1825.
7 Visconde de Inharnbupe, depois marquez,
(Antonio Luiz Pereira da Cunha), oomeado a 18
de Janeiro de 1826.
8 Marquez de Queluz (Joo Severiano Manoel
da Costa), nomeado a 16 de Janeiro de 1827.
9 Marquez d'Aracaty (Joo Carlos Augusto
Oyenhanseo), nomeado a 20 do novembro de
1827.
10 Jos Clemente Pereira, interino oomeado a
13 de abril de 1829.
11 Miguel Calmon dn Pin e Almeida (depois
marquez de branles), nomeado a 4dedezembro
de 1829.
12 Marquez do Paranagu (Francisco Villela
Barbosa), interino nomeado a 29 de setembro de
1830.
13 Francisco Carneiro de Campos, nomeado a
29 de outubro de 1830.
14 Marquez d'Aracaty (Joo Carlos Augusto
Oyeohansen), nomeado a 5 de abril de 1831.
2.'poca.
1831 a 1840.
15 Francisco Carneiro de Campos, nomeado a
7 de abril de 1831.
16 Pedro de Araujo Lima (depois marquez de
Olinda) nomeado a 3 de agosto de 1832.
17 Bemo da Silva Lisboa (depois baro de Cay-
ri) nomeado a 3 de setembro de 1832.
18 Aureliano do Souza e Oliveira Coutinho
(depois visconde de Sepitiba), interino oomeado
a 21 de fevereiro de 1834.
19 Manoel Alves Branco (depois visconde de
Caravellas), interino,nomeado a 16 de Janeiro de
1835, e effectivo a 1 ( de oulubro de 1835.
20 Jos Ignacio Borges, interino, nomeado a 5
de fevereiro de 1836.
21 Antonio Paulino Limpo de Abreu, nomeado
a 3 de julho do 1836.
22 Gustavo Adolpho de Aquillar Pantoja, in-
terino, nomeado no 1. de novembro de 1836.
23 Antooio Paulino Limpo de Abreu (depois
visconde de Abaet), nomeado a 20 de fevereiro
de 1837.
24 Francisco G d'Acayaba Monlezuma {depois
visconde de Gequilinhonha), interino, nomeado a
10 de maio de 1837.
25 Antonio Peregrino Maciel Monteiro, nomea-
do a 19 de setembro de 1837.
26 Candido Baptista do Oliveira, nomeado a 16
de abril de 1839.
27 Caetano Maria Lopes Gama (depois viscon-
de de Maranguape), nomeado no 1." de setembro
de 1839.
2.a poca.
1831 1840.
12 Jos Manoel de Almeida, nomeado a 7 de
abril de 1831.
13 Joaquim Jos Rodrigues Torres (depois vis-
conde de Itaborahy), nomeado a 28 de ootobro
de 1831.
14 Bento Barroso Pereir*. oomeado interioo a
3 de agosto de 1832.
15 Antero Jos Ferreira de Brito (depois bario
de Tramandahy), nomeado interino a 14de outu-
bro de 1832.
16 Joo Paulo.dos Santos Barreto, nomeado in-
terino a 16 deljaneiro de 1835.
17 Joaquim Vieira da Silva e Souza, nomeado
interino a 14 de marco de 1835.
18 Jos Pereira Pinto, nomeado a>!7 do mar-
go de 1835.
19 Maooel da Fonseca Lima e Silva (depois
baro de Suruhy), nomeado interioo a 14 de ou-
tubro de 1835.
20 Salvador Jos Maciel, oomeado em 5 de fe-
vereiro de 1836.
21 Trislo Pi dos Santos, oomeado cm 16 de
maio de 1837.
22 Joaquim Jos Rodrigues Torres (depois vis-
onde de Itaborahy), nomeado a 19 de setembro
de 1837.
23 Jaciotho Roque de Senna Pereira, nomeado
a 16 de abril de 1839.
24 Salvador Jos Maciel, nomeado interino a
18 de maio de 1840.
25 Joaquim Jos Rodrigues Torres (depois vis-
conde de Itaborahy), nomeado interino a 23 de
maio de 1840.
3.a poca.
1840 1848.
26 Antooio Francisco de Paula Hollanda Ca-
valcanti de Albuquerque (depois visconde de Al-
buquerque). nomeado a 24 de julho de 1840.
27 Marquez de Paranagu (Francisco Villela
Barboza), nomeado a 23 de margo de 184!.
28 Jos Clemente Pereira (interino por impe-
dimento do proprietario at 13 de selembro), no-
meado a 26 de agosto de 1842.
29 Jos Joaquim Rodrigues Torres (depois vis-
conde de Haborahy), nomeado a 23 de jaoeiro de
1X43.
30 Salvador Jos Maciel (interino por impedi-
mento do proprietario al 2 de fevereiro), nomea-
do a 24 de Janeiro de 1843.
31 Jeronymo Francisco Coelho, nomeado a 2
de fevereiro de 1844.
32 Antonio Francisco de Paula Hollanda Cval-
es nti de Albuquerque (depois visconde de Albu-
querque). nomeado a 23 de maio de 1844, e in-
terino a 5 de maio de 1846.
33 Joo Paulo dos Santos Barreto, interino a
22 de margo de 1847.
34 Candido Raptisia de Oliveira, nomeado a 30
de maio de 1847.
35 Manoel Felizardo de Souza e Mello, nomea-
do a 9 de margo de 1848.
36 Joaquim Anto Fernandes Leo, nomeado
3." poca.
1840 a 1849.
28 Aureliano de Souza Oliveira Coutioho (de-
pois visconde de Sepetiba) nomeado a 24 de ju-
lho de 1840.
29 Honorio Hermeto Carneiro Leo (depois
marquez de Paran), interioo, nomeado a 20 de
Janeiro de 1843.
30 Paulo Jos Soares de Souza (depois visconde
de Uruguay) nomeado a 8 de juoho de 1843.
31 Ernesto Ferreira Franga, oomeado a 2 de
fevereiro de 1844.
32 Antonio Paulino Limpo de Abreu (depois
visconde de Abael nomeado a 26 de maio de 1845.
33 Baro de Cayr (Bento da Silva Lisboa) oo-
meado a 5 de maio de 1846.
34 Saturnino de Souza Oliveira, nomeado a 30
de maio de 1847.
35 Jos Antonio Pimenta Bueoo, nomeado a
22 de jaoeiro de 1848.
36 Antonio Paulino Limpo de Abreu (depois
visconde de Abaet), nomeado 4 9 de marco de
1848. i
37 Bernardo de Souza Franco, nomeado a 31
de maio de 1848.
38 Visconde de Olioda (depois marquez de Olin-
da) presidente do conselho, nomeado a 29 de se-
tembro de 1848.
39 Paulino Jos Soares de Souza, oomeado a
8 de outubro de 1849.
40 Antonio Paulino Limpo de Abreu, nomeado
a 6 de setembro de 1853
41 .los Maria da Silva Paranhos, oomeado a
14 de junho de 1855.
42 Visconde de Maranguape, nomeado a 4 de
maio de 1857.
43 Jos Maria da Silva Paranhos, nomeado a
14 de dezembro do 1858.
44 Joo Luiz Vioira Cansanso do Sinimb,no-
meado a 10 de agosto de 1859.
MINISTERIO DA MAR1NHA.
1.a poca.
1822 a 1831.
1 Maooel Antonio Farinha, (depois conde de
Souzol), nomeado a 22 de abril de 1821.
2 Luiz da Cunha Moreira (depois visconde de
Cabo-Fro), nomeado a 28 de outubro de 1822.
3 Pedro Jos da Costa Barros, nomeado a 15
de novembro de 1823.
4 Francisco Villela Barbosa (depois marquez
de Paraoagu) nomeado a 17 de novembro de
1823.
5 Mrquez de Macei (D. Francisco de Souza
Coutinho), nomeado a 16 de Janeiro de 1827.
6 Diogo Jorge de Briito, nomeado a 20 de no-
vembro de 1827.
' 7 Marquez deAracaty (Joo Carlos Augusto de
Oyenhansen), interioo por impedimenio do pro-
prietario al 6 ae junho, nomeado a 30 de maio
de 1828.
8 Miguel de Souza Mello e Alvim, oomeado a
16 de juoho de 1828.
9 Marquez de Paranagu (Francisco Villela
Barbosa), nomeado a 4 de dezembro de 1829.
10 Jos Manoel de Almeida, nomeado a 19 de
margo de 1831.
11 Marquez da Paraoagu (Francisco Villela
Barbosa), nomeado a 5 de abril de 1831.
a 14 de maio de 1848.
37 Manoel Felizardo de Souza e Mello, nomea-
do a 29 de selembro de 1848.
4.a poca.
1849 a 1856.
38 Manoel Vieira Tosta (depois baro de Mu-
ritiba), nomeado a 23 de julho de 1849.
39 Zacaras de Ges e Vasconcellos, nomeado
interino a 11 de maio de 1852.
40 Pedro de Aleantara Bellegarde, nomeado in-
terino a 6 de selembro de 1853.
41 Jos Maria da Silva Paranhos, nomeado a 15
de dezembro de 1853.
42 Joilo Mauricio Waodeiley, nomeado a 14 de
juoho de 1855.
43 Jos Maria da Silva Paranhos, nomeado in-
terino a 8 do oulubro de 1856.
44 Jos Antonio Saraiva, nomeado a 4 de maio
de 1857.
45 Visconde de Abaet (Antonio Paulino Limpo
de Abreu), nomeado 12 da dezembro de 1858.
46 Francisco Xavier Paes Barreto (deputado),
nomeado 10 de agosto de 1859.
MINISTERIO DA GUERRA.
1.a poca.
1822 a 1831.
1 Joaquim do Oliveira Alvares, oomeado em
Janeiro de 1822
2 Luiz Pereira da Nobrega. nomeado interino a
27 de junho de 1822.
3 Joo Vieira de Carvalho (depois marquez de
Lages), nomeado a 88 de outubro de 1822.
i Jos de Oliveira Barbosa (depois visconde do
rio Compridoj nomeado a 10 de novembro de
1823.
5 Francisco Villela Barbosa (depois marquez
de Paranagu) nomeado a 14 de novembro de
1823.
6 Joo Gomes da Silveira Mendonca (depois
marquez de Sabara), nomeado a 19 de setembro
de 1823.
7 Francisco Villela Barbosa (depois marquez
de Paranagu), nomeado a 26 de julho de 1824.
8 Joo Vieira de Carvalho (depois marquez de
Leges), nomeado a 3 de agosto de 1824.
9 Bento Barroso Pereira, nomeado a 21 de no-
vembro de 1827.
10 Francisco Cordeiro da Silva Torres (depois
visconde de Jerumerim) nomeado a 15 de juoho
de 1828.
11 Joaquim de Oliveira Alvares, nomeado a
24 de junho do 1828.
12 Jos Clemente Pereira, interino a 5 de agos-
to de 1829.
13 Conde do Rio Pardo (Thomaz Joaquim Pe-
reira Valente), nomeado a 4 de dezembro de
1829.
14 Jos Manoel de Moraes, nomeado a 19 mar-
go da 1831.
15 Marquez de Lages (Joo Vieira de Carva-
lho) oomeado a 5 de abril de 1831.
2a poca.
1831 a 1840.
16 Jos Maroel de Moraes, nomeado em 7 de
abril de 1831.
17 Maooel da Fonseca Lima e Silva (depois
baro de Suruhy), nomeado em 16 de julho de
1831.
18 Bento Barroso Pereira, nomeado em 3 de
agosto de 1832.
19 Antero Jos Ferreira de Brito (depois ba-
ro de Traraaodahy), nomeado em 14 de setem-
b ro de 1832.
20 Joo Paulo dos Santos Barreto, nomeado
em 16 de Janeiro de 1835.
21 Joaquim Vieira da Silva e Souza, interioo,
nomeado a 15 de margo de 1835.
22 Baro de Itapicur-mirim (Jos Telles Pe-
reira de Burgos) nomeado a 16 de marco de 1835.
23 Manoel da Fonseca Lima e Silva (depois ba-
rio de Suruhv) nomeado a 14 de oulubro de
1835.
24 Marquez de Lages (Joo Vieira da Cruz) oo-
meado no l. de novembro de 1836.
25 Salvador Jos Maciel, interino 7 de abril de
1837.
26 Jos Saturnino da Costa Pereira, nomeado
a 16 de maio 1837.
27 Sebastio do Reg Barros, oomeado a 19 de
setembro de 1837.
28 Joaquim Jos Rodrigues Torres (depois vis-
conde de Itaborahy), interino na ausencia de pro-
prietario oomeado a 5 de margo de 1839.
29 Jacinlho Roque de Senna Pereira, interino
(na ausencia do proprietario) nomeado a 16 de
abril de 1839.
30 Marquez de Lages (Joo Vieira de Carva-
lho), nomeado a 16 de maio de 1839.
31 Salvador Jos Maciel, nomeado a 18 de
maio de 1840.
3.a poca.
1840 a 1849.
32 Francisco de Paula Cavalcanti de Albuquer-
que. nomeado em 24 de julho de 1840.
33 Jos Clemente Pereira, nomeado a 23 de
marco de 1843.
34 Salvador Jos Maciel, nomeado a 20 de Ja-
neiro de 1843.
35 Jeronymo Francisco Coelho, nomeado inte-
rino a 2 de fevereiro de 1844, o efoctivo a 23 de
maio de 1844.
36 Antonio Francisco de Paula Hollanda Ca-
valcanti de Albuquerque (depois visconde de Al-
buquerque), interino, nomeado a 26 de maio de
1845.
37 Joo Paulo dos Saotos Barreto, nomeado a
5 de mato de 1846.
38 Antonio Manoel de Mello, oomeado interi-
no a 30 de maio de 1847.
89 Manoel Felizardo do Souza o Mello, no-
meado interioo a 9 d margo de 1848 e effectivo
a 14 de maio de 1848.
40 Joo Paulo dos Sales Barreto, nomeado a
31 de maio de 1848.
41 Mauoel Felizardo de Souza e Mello, nomea-
do interino a 29 de setembro de 1848.
4.a poca.
1853 a 1856.
42 Pedro de Alcntara Bellegarde, nomeado a
6 de setembro de 1853.
43 Marquez de Caxias, presidente do conselho,
oomeadoa 14 dejunho de 1855.
44 Jeronymo Francisco Coelho, oomeado a 4
de maio de 1857.
45 Manoel Felizardo de Souza e Mello (conse-
lheiro e senador), nomeado a 12 de dezembro da
1858.
46 Sebastio do Reg Barros (conselheiro e
deputado), oomeado a 10 de agosto de 1859.
MINISTERIO DA VAZENIU.
1.a poca.
1822 a 1831.
1 Caetano Pinto de Miranda Montenegro (depois
marquez da Praia Grande), oomeado em jaoeiro
de 1822.
2 Martira Francisco Ribeiro de Andrada, no-
meado a 4 de julho de 1822.
3 Manoel Jacintho Nogueira da Gama (depois
marquez de Baepondy), nomeado a 17 de julho
de 1823.
4 Sebastio Luiz Tinoco da Silva, nomeado a
10 de novembro de 1823.
5 Mariano Jos Pereira da Fonceca (depois
marquez de Marica), nomeado a 13 de novembro
de 1823.
6 Viscondo de Barbaceoa, depois marquez (Fe-
lisberlo Caldeira Braot), oomeado a 21 de novem-
bro de 1825.
7 Visconde de Inharnbupe depois marquez (An-
tonio Luiz Pereira da Cunha), Interino, nomeado
a 20 de Janeiro de 1826.
8 Visconde de Baesendy, depois marquez (Ma-
noel Jacinlho Nogueira da Gama), nomeado a 21
de Janeiro de 1826.
9 Marquez de Queluz (Joo Severiano Maciel
da Costa), ioleriuo, nomeado a 16 de Janeiro da
1827.
10 Miguel Calmon du Pin e Almeida (depois
marquez d'Abranles), nomeado a 25 de seambro
de 1828. *
11 Jos Clemente Pereira, interino, nomeado
a 16 de juntio de 1828.
12 Jos Bernardino Baptista Pereira, nomeado
a 18 de junho de 1828.
13 Miguel Calmoo du Pi e Almeida (depois
marquez d'Abranles), nomeado a 25 de setem-
bro de 1828.
14 Marquez de Birbacena (Felisberlo Caldeira
Branl). nomeado nm 4 de dezembro de 1829.
15 Jos Antonio Lisboa, oomeado em 2 de ou-
tubro de 1830.
16 Antonio Francisco de Paula Hollanda Ca-
valcanti de Albuquerque (depois visconde do
Albuquerque), oomeado em 3 de novembro de
1830.
17 Marquez dn Baeoendy (Manoel Jacinlho
Nogueira da Gama), nomeado a 5 de abril de
1831.
2a poca
1831 a 1840.
18 Jos Ignacio Borges, nomeado em 7 d'abril
de 1831.
19 Bernardo Pereira de Vasconcellos, oomea-
do ero 16 de julho de 1831.
20 Joaquim Jos Rodrigues Torres (depois
visconde do Haborahy), interino, nomeado em 10
de maio de 1832.
21 Antonio Francisco do Paula c Hollanda Ca-
valcanti de Albuquerque (depois visconde de
Albuquerque), nomeado a 3 de agosto de 1832.
22 Nicolao Pereira de Campos Vergueiro, no-
meado interino a 13 de setembro de 1832.
23 Candido Jos de Araujo Viaooa (depo9
visconde de Sapueahy), nomeado a 14 de dezem-
bro de 1832.
24 Antonio Pinte Chichorro da Gama, interino,
a 2 de junho de 1834.
25 Manoel do Nascimeoto Castro e Silva, no-
meado a 7 de oulubro de 1834.
26 Manoel Alves Branco (depois visconde da
Caravellas), nomeado a 16 de maio de 1837.
27 Miguel Calmon du Pin e Almeida (depois
marquez de Abrantes), nomeado a 19 de setem-
bro de 1839.
28 Candido Baptisla de Oliveira, interino, no-
meado a 16 de abril de 1839.
29 Manoel Alves Branco (depois visconde dn
Caravellas), nomeado no Io de selembro de
1839.
30 Jos Antonio da Silva Maia, nomeado a 18
de maio de 1840.
3a poca.
1840 a 1849.
31 Marlim Francisco Ribeiro de Andrada, no-
meado em 24 de julho do 1840.
32 Miguel Calmon du Pin e Almeida (depois
marquez de branles), nomeado em 23 de marro
de 1841.
33 Joaquim Francisco Vianna, nomeado em 21
de Janeiro de 1843.
34 Manoel Alves Branco (depois visconde de
Caravellas) nomeado om 2 de fevereiro de 1844.
35 Antonio Francisco de Paula Hollanda Ca-
valcanti de Albuquerque (depois visconde de
Albuquerque) nomeado em 5 de maio de 1846.
36 Jos Joaquim Fernandes Torres, nomeado
em 22 de maio de 1847.
37 Manoel Alves Branco (depois visconde de
Caravellas), presidente do conselho, nomeado em
30 de maio do 1847.
38 Antonio Paulino Limpo de Abren (depois
visconde de Abaet), nomeado intorioo em 9 de
margo de 1848.
39 Jos Pedro Dias de Carvalho, oomeado em
14 de maio de 1848.
40 Francisco da Paula Souza e Mello, presi-
dente do conselho, nomeado em 31 de maio de
1848.
41 Visconde de Olinda, depois marquez (Pedro
de Araujo Lima) nomeado em 29 de selembro de
1848.
42 Joaquim Jos Rodrigues Torres (depois vis-
conde de Itaborahy) nomeado em 6 de outubro
de 1848.
4a poca.
1849 a 1859.
43 Paulino Jos Soares de Souza (depois vis-
conde de Uruguay), interino por impedimento
do proprietario at 13 de Janeiro de 1851, no-
meado em 2 de dezembro de 1850.
44 Manoel Felizardo de Souza e Mello, nao
consta o dia em que foi oomesdo interino.
45 Visconde de Paran (depois marquez) pre-
sidente do conselho, nomeado em 6 de selembro
de 1853.
46 Joo Mauricio Wanderley, interino, no-
meado em 23 de agosto de 1856, e effectivo
em 8 de outubro de 1856.
47 Bernardo de Souza Franco, oomeado em 4
de maio do 1867.
48 Francisco de Salles Torres Homem, nomea-
do a 12 de dezembro de 1858.
49 Angelo Muniz da Silva Ferraz, (conselheiro
e senador), oomeado a 10 de agosto de 1859.
Oburvacao.
Desta relago se evidencia, que desde a fun-
dago do imperio at hoje tem havido 299 minis-
tros de estado, entre os quaes apenas se contara
10 Pernambucanoi, saber : (1) o Exm. Sr. mar-
quez de Olioda (Pedro de Araujo Lima) tendo
oceupado por quatro vezes a pasta do imperio,
duas a de estrangeiros, urna a da justici. e outra
a da fazenda; (i) o Bxm. Sr. visconde de Albu-
querque (Francisco de Pauta Hollanda Cavalcanti
do Albnquerque). tem oceupado por ma vet a
pasta do imperio, outra a da guerra, duas a da
fazenda e tres a da marinha ; (3) o Exm. Sr. vis-
conde de Maranguape (Caetano Maria de Paiva.
Lopes Gama), tendo oceupado por urna vez a pas-
ta do imperio, outra a da juslica, e duas a de es-
trangeiros ; (4) o visconde. de Goianna (Bernardo
Jos da Gama), tendo oceupado por duas vezes a
pasto do imperio ; (5) o Exm. Sr. senador Fran-
cisco de Paula Almeida e Albuquerque, tendo
oceupado por urna vez a pasta da jostiga e Mtra
a do imperio ; (6) o Bxm. Sr. conselheiro Sebas-
tio do Reg Barros, .tendo oceupado por duas
vezes a pasta da guerra ; (7) o Exm. Sr. vistooe
de Suassuoa Francisco de Paula Cavalcanti do
Albuquerque, tendo oceupado por urna vez a pas-
ta da gnerra ; (8) o Bxm. Sr. bario da IUmaraci
(Aatooio Peregrino Maciel Monleiro), teodo oc-
eupado por urna vez a pasta de estrangeiros;
(9) o Exm. Sr. conselheirb Francisco Xavier Paes
Barreto, teodo oceupado por urna vez a pasta da
marinha; (10) Jos Ignacio, Borges, lando oceu-
pado por ama vez a pasta do imperio, outra. a da
estrangeiros e outra a da fazenda.
PBM.- TTP.DEM. P. DE FWaV'rrlWl,
ILEGVFLl


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYU94QS6R_X4Z4E0 INGEST_TIME 2013-04-30T20:41:18Z PACKAGE AA00011611_09206
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES