Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09204


This item is only available as the following downloads:


Full Text


4111 III?li. I01ERO 2
a?-.- i .. -
mu

;-
P
i
Per tres Mezas adiaatados 5$.
Per tres mezes vencidos 6$00.
OOiMTA fEIA 3 DE JAHE1R0 DE IS61
Per aiie adianUde 19$000
Perte franca para e snbscritor.
na
KNCARREGAD03 DA 9UBSCRIPC10 DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silra ; Aracaty, o
Sr. A. de Leraos Braga; Cear, oSr. J. Jos de 01,-
reira; Maranho, O Sr. Manoel Jos MartinsRiber
re Guimares ; Piauhy, o Sr. Joo Fernandos de
Moraes Jnior ; Para, o Sr. Justino J. Ramos:
Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
PARlll)ASUOS COKHKIOS.
Olinda todos os das as 9 1/2 horas do dia.
Igaarass, Goianna e Parahiba na* segundas
e sextas feiras.
S. Antao, Bezerros, Bonito, Caruar, Allinho e
Garaohuns as lerdas feiras.
Pao d* Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Ingazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex as qoartas-feiras.
Cabo.Sirinhem, Rio Formoso, Una, Barreiro,
Agua prea, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios partera as 10 horas da manhla
EPHEMERIDES DO HEZ DE JANEIRO.
SQuarto mioguante as 11 : horas e 31 minutos
da tarde.
11 La ora a 1 hora e 3 minutus da manna
19 Quarto crescente a 1 hora e 41 minutos
da manha.
96 La cheia as 2 horas e 47 minutos da tarde.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 10 horas e 6 minutos da manha.
Segundo as 10 horas e 30 minutos da tarde.
[AUDINECIAS DOSTRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relaco tergas, feiras e sabbados.
Pazenda : tercas, quintas'e sabbados as 10 horas-
Juizo do commercio: quartss ao meio dia.
Dito de orphaos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira Tara do crel: tercas e sextas ao meio dia
Segunda rara do cirel; quartase sabbados auma
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
31 Segunda. S. Silvestre p. ; S. Nominando m
1 Terca, cga Circumciso do Senhor.
2 Quarta. S. Isidoro b. m. ; S.Argeo m.
3 Quinta. S. Aprigio b. de Beja ; S. Antero,
4 Sexta. S. Tito discpulo de S. Paulo.
5 Sabbado. S. Seroeo Estellita; S. Telesphoro.
6 Domingo. Dia de Reis. S. Marca t. m.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO SOL
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Dias; Babia,
.Jos Martina Aires; Rio de Janeiro, oSr.
|Joao Pereira Marlios. T
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do diario Maooel Figueiroa da
Pana, na sua lirraria praca da Independencia u
o e 8.
i
PARTE OFFICIaL
Ministerio do Imperio.
4.a secgo. Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 4 do dezembro do 1860.
Foram presentes a S. M, o Imperador, cora o
oflicio dessa directora datado do 9 de junho pr-
ximo futuro, todos os papis que o acompanh-
ram, coocurso a que te procedeu para o provi-
mento de tres lugares de oppositor da secgo
de sciencias medicas dessa faculdade. E o mes-
mo augusto senhor. ourida a respectiva seceo do
cooselho de estado, nao s acerca das irregula-
ridades argidas no processo do referido concur-
so, como tinbem sobre a representagao em que
unidos candidatos, o Dr. Pedro da Cunta Valle,
attribuo a sua excluso da lista apresentada ao
goveno impeiial s mencionadas irregularidades,
conformando-se por sua immediata resoluco de
14 de norembro do crrente aono cora o parecer
da mesma secgo de 25 de outubro prximo pas-
sado- ha por bem mandar declarar:
1." quanto prosposta dos Drs. Demetrio Cy-
riaco Tourinho para o primeiru lugar, e Luiz Al-
ves dos Santos para o segundo, oenhuma duvida
existe, porquanio amaioria absoluta foi decisiva
logo no primeiro escrutinio para ambos os can-
didalos, e foram no processo do concurso obser-
vadas todas as disponeos e formalidades l-
gaos.
2. Que a votacao porem para o provimento
do tercoiro lugar est gravemente viciada e in-
clina em nulltdade, por isso que, contra a ex-
pr'essa o termname disposigodo arl. 155 do re-
gulamenlo complementar dos estatutos das facili-
dades medicina do Imperio, nao se retirarn di
sala, neni so abstiverao de votar, como Ihes
cumprta, dous lentos particularmente inleressa-
dos pela sorte de dous candidatos, de quem era
um delles sogro e outro cunhado.
3. Quo pelas palavras particularmente inle-
ressado do art. 155 do regulamento complemen-
tar dos estatutos das faculdades de medicina do
imperio nao se deve entender smente o iule-
resse individual, ou o que inteiramente pes-
soal, cora excepeo de outro qualquer iuleresse,
como quizero eotender alguus lentes dessa fa-
culdade ; porquanto lo individual ou pessoal
o inlcresse proprio como que o deve existir en-
tre pareles que pelo grao de consaguinidade
ou sUinidadu sao pela legtslago geral impedi-
dos de ser juizes em taes causas.
4. Que, como consequencia do que Pica ex-
posto, cumpro que a congregarlo dessa faculda-
do preceda a nova votacao para o provimento
dores e juizes de paz da cidade de Santo Amaro,
resolveu approvar a mesma eleico.
Quanto aos votos para.juiz de paz do 1 distric-
to que recahiram sobre um cidado qualiflcado no
3o, observo a V. Exc. que nao se acha provada
nos documentos annexos ao citado officio a cir-
cunstancia de achar-se o dito cidado qoaliQcs-
do no 3o dislricto ; pois delles apenas consta que
esse individuo era um dos juizesde paz do 3 dis-
lricto, o que de cerlo nao pode obstar sua elei-
cao para o Io, portanto aquellos votos smente
devem ser considerados nullos, no caso de estar razoes em que elle s funda para supporque tem
1860. Com a rubrica do S. M. o Imperador.
Joao de Almeida Vertir Filho.
3.a seceo. Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 14 de dezembro de 1860.
illm. e Exm. Sr. Consultando o governo im-
perial o juiz de paz roais votado da parochia de
Ub se pode presidir prxima eleigo de elei-
tores, apezar de ler exercido o cargo de supplen-
te de juiz municipal, declaro a V. Exc. para fa-
zer constar ao dito juiz, que nao procedem as
bem averiguado o facto do achar-so o dito cidado
qualiflcado no 3o dlstriclo.
Dos guardo a V. Exc Joao de Almeida Pe-
reira Filho. Sr. presidente da provincia da
Baha.
3." seceo.Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 13 de dezembro de 1860.
Illm. e Exm. Sr.Tenho presente o officio de
V. Exc. de 11 do correle mez, subroeltendo fl
deciso do governo imperial as seguinles duvidas
propostas a V. Exc. pelo juiz de paz mais votado
da parochia do Santissmo Sacramento de Canta-
gallo.
1. Se tendo de ser fota a eleicao de deputa-
dos assembla geral legislativa, depois da posse
dos juizes do paz eleitos para o futuro quatrien-
nio, e ao mais votado desle quatnennjo, ou a elle
representante, apezar do Andas enio as suas func-
coes, quo compele A presidencia interina do col-
legio eleitoral.
2. So os actos preparatorios, de que tratam os
arls 69 e 70 da le de 19 de agosto do 1846, de-
venda ler lugar no dia 30 de Janeiro prximo fu-
turo, e a dita eleico no seguinte.
Emende V. Exc., quanto primeira duvida, que
segundo a doutrina dos avisos na. 2 e 185 de 8 de
Janeiro, e 21 de julho de 1849, aquella presiden-
cia pertence ao juiz de paz mais votado do futuro
qualrienmo, por isso que o exercicio das funecoes
dos juizes de paz do actual deve terminar no da
6 de Janeiro ; e quanto segunda, que expiran-
do no dia 29 do mesmo mez o prazo de 30 dias,
marcado no art. 68 da citada le, contados de 31
do correte, nesse dia que devem effectusr-se
os referidos actos, e na seguinte a eleico.
Deus guarde a V. Exc. Joao de Almeida Pe-
reira Filho.Sr. presidente da provincia do Rio
de Janeiro.
3.a seceo.Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 14 de dezembro de 1860.
Illm. e Exm. Sr. Foi presente a 3. M. o Im-
perador o officio de V. Exc.de 3 do corrento
direilo aquella presidencia, pois qu o aviso de
2G-de outubro ultimo, que elle cita, refere-se a
um juiz de paa que exerceu aquello cargo depois
deexpedido o aviso n. 162 de 6 dojulhode1859,
que declarou, que o cidado que servisse o cargo
de supplentc do juiz municipal nao perda o de
juiz de paz ; mas tendo o representante exorcido
esse csrgo, quando ainda vigorava a incompati-
bilidade revogada pelo citado aviso de 1859,
inquestronavel que, segundo o aviso do Io de ou-
tubro do mesmo aono, renunciou o cargo de juiz
de paz, e portanto ao seu remedalo em votos
compete presidir dita eleicao.
Deus guarde a V. Exc. Joao de Almeida Pe-
reira Filho. Sr. presiden lo da provincia de Mi-
nas Geraes.
3.a seceo.Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 19 de dezembro de
1860.Illm. e Exm. Sr.Tenho prsenle o officio
do V. Exc. le 1 i do correte mez, submetlendo
deciso do governo imperial a consulta que a
V. Exc. dirigi o juiz de paz mais votado da pa-
rochia de S. Salvador de Campos, aflm de saber
se devem ser convocados para a prxima eleico
douseleilores que. tendo-se mudado.
E em reiposta declaro-lhe que o governo ira-!
penal approva as decises de V. Exc. pelat ra-
zoes em que ellas se fundaram, menos a 5a, por
quanto nenhuma illegalidade ha em chamar-se '
para compOr o conselho municipal de recurso o
4 votado para vereador, que est exorcendo o
cargo de presidente da cmara, pois que oimpe-
dirrenio que inhibo os tres vareadores mais vo-
tados de exercer aquello cargo os priva igual-
mente de formar parte do referido cooselho.
E por esta occasio devo observar-lhe que a
deciso relativa oos cidados que teem de votar
na prxima eleico de juizes de paz e vereadores
so provalecer no caso de nao ler havido recurso
para a relaco, porque enlo consldera-se com-
pleta a qualifcago, segundo o que por vezes se
tem decidido.
O que communico V. Exc. para sua inlelli-
gencia, e para o fazer constar aquella juiz. Dos
guarde V. ExcJoao de Almeida Pereira Fi-
lho.Sr. presidente da proriocia deS Paulo.
3.a seceoRio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 22 de dezembro de
1860.lilm e Exm. senhor:Foi ouvida a sec-
gaoidos negocios do imperio do conselho de es-
tado sobro o oflicio de V. Exc. n. 67 de 17 do se-
terabro prximo passado, consultando ao gover-
no mperial se o cargo de juiz de paz presidente
nesa parochial ou nao incompativel com o
ber dos proprietarios daquellas embarcagoes, a
qual dever ser feila directamente pelo thesouro
nacional, nos termos do aviso constante do exem
piar incluso, expedido em 7 do citado mez de
novembro a respeito de outros anigos de receita.
Deus guarde a V. S.Francisco Xavier Paes
Brrelo.Sr. inspector do arsenal de marinha
da corte.
Ministerio da marinha.
Aviso de 12 de dezembro de 1860.
Manda eliminar do art. 14 do regulamento da
praticagem da barra da provincia do Rio Gran-
de do Sul, de 16 de novombro de 1857, as pa-
lavras primeiros ou segundos; e declara
que nao tem lugar a crcaco de mais um pri-
meiro pralico para o serrino da dita pratica-
gem.
2.a seceo.Rio de Janeiro.Ministerio dos
negocios da marinha. em 12 de dezembro de
1860.
Illm. o Exm. Sr.
tomado em considera? io o que V. Exc. expende
ra
era oflicio n. 50 de 21
substituirlo do segund
carregado do material
vincia, embaracos que
dor encontrava em a
bro de 1857 e dos trab,
penhando os primeiros
de conformidade com o
de i (licial do corpo de pohcia. E S. M. o Impe-
rad ir, conformando-se por sua immediata reso-
lug o desla data com o parecer da referida sec-
cao exarado em consulta de 26 de novembro
ulti no, manda declarar V. Exc. que nao sendo [
pos ivel que o official do corpo de polica de-! gulamonto s eliminera
emiennesatisfactoriamente ao mesmo lempo aos'
devres de seu posto e os do cargo de juiz de
M. o imperador tendo
de julho ultimo sobre a
pratco quo se acha en-
da praticagem dessa pro-
o respectivo administra-
poder levar a effeilo, em
vista do art. 14 do reg lamento de 16 de novem-
Ihos quo estavam desem-
e segundus praticos ahi
existentes, ouvio a respeito o conselho naval, e
parecer por este emittido
que, lenoo-se mudado, um para
a Parochia de S. Joo da Barra e o outro pira a paz.l nao pela nalureza d"o aYr'rteo da'qell
de_S. Fidehs, voltaram depois para aquella. como tambera porque nao pode contar com re-
resposta declaro V. Exc, para o fazer sidencia effoclira no lugar para que foi eleito
em consulta n. 353 de' do correte, ha por bem
determinar que do referido art. 14 do citado re-
as palavras primeiros
ou segundos, com o due desapparecem as diffi-
Em
constar ao mencionado juiz, que, segundo os
avisos ns. 19 e 134 de 20de fevereiro o 1 de ou-
tubro de 1847, n. 91 de 10 de agosto de 1848. e
ns.-3 e 7 de 8 e 9 de Janeiro de 1849, que V. Exc.
cita, e o art. Io das inslruccoes annoxas ao de-
creto n. 1,812 de 23 de agosto de 1856, nao de-
. para
juiz, cerlaroente incompalivel a accuinulaco
dos dous cargos : e sendo a presidencia da mesa
parochial umu fuera o annexa ao cargo de juiz
de paz, o cidado* que nao pode servir este
cargo, tambem nao pode exercer aquella fuoc-
So. Dos gusrde V. Exc Joao de Al-
as, por isso que a subs-
poder ser feita com um
ha as necessirias habili-
vem ser convocados para a organisaco da mesa meida Pereira Filho.Sr. presidente da provin-
paroclual, nem por qualquer modo intervir no ca das Alagos.
mez, remetiendo a representarn que a V. Exc.
do 3." lugar de oppositor da seceo de sciencias! dirigiram alguna cidados da parochia do S. Sal-
medicas, deveodo nesse, bem como em lodos os vadur, do municipio de Campos, pedindo que se-
outros actos disciplinares cingir-se stiidamente. ja annullada a eleico de vereadores e juizes de
r, explcitas determinacoes da' respectiva legis-
lar.o vigente.
5.a Fioalmenlo, que para obviar a aquaesquer
duvida futuras, que se posso suscitar, de dif-
erengas de redaeco entre o regulamento com-
plementar dos estatutos das faculdades de me-
dicina do Imperio, e as inslruccoes de 12 de de-
zembro de 185 quo foram provisoriamente da-
das, e cujas dispusicoos nchara-se pela maior
parle naquelle regulamento, licam d'ora avante
sem effbito, e completamente revogadas as re-
feridas inslruccoes.
O que ludo communico a V. S. para seu co-
nhecimeuto o execuco, e em resposta ao cida-
do oflicio de 9 de junho do correte anno. Deus
guarde a V. S.Joao de Almeida Pereira Filho,
Sr. director daculdadede medicina da Baha.
4.a seceo.Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, ero 11 de dezembro de 1860.
Era soluco ao oflicio dessa directora de 7 do
mez lindo, no qual, commuuicando-me terem
dous estudantes de preparatorios respondido na
irova escripia a pontos diversos daquelles que
be sahiram por sorte sendo um delles reprova-
do e o outro aprovado simplemente, pedia urna
resoluco do governo imperial que regulasse es-
ta hypothese ; cabe-rae declarar a V. S., para
seu conhecimento e execueo, que era laes ca-
sos a commisso dos exames deve abster-se de
julgar do ment dos estudantes cujos exames li-
cam ipto facto nullos, cumpriudo que haja o
maior cuidado em verificar-se previamente se o
estudante tomou com toda a Adeudado o ponto
que lhe coube, na forma dos arts. 16 e 17 do
regulamento de 24 de fevereiro de 1855, para
que se nao repito fados desla nalureza.Deus
guarde a V. S. Joao de Almeida Pereira Filho.
Sr. director da faculdade de direilo de S. Paulo.
paz que se procedeu na dita parochia.
E o mesmo Augusto Senhor, conformando-se
por sua un mediata resoluco de 12 do mesmo mez
com o parecer da seceo dos negocios do imperio
do conselho de estado, de que envi a V. Exc. a
inclusa copia, ha por bem mandar declarar-lhe
que as irregularidades de que trata o referido pa-
recer praticadas pela mesa parochial consti-
tucm nulhdades que viciara lodo o processo elei-
toral.
Cumpre portanto que V. Exc, de accordo cora
o disposto com o disposto no aviso n. 62 de 21 de
fevereiro de 1853, mande proceder smente a
nova eleico de juizes de paz na mencionada
parochia, visto que o numero dos respec-
tivos rotantes nao conslituio a maioriadosdo
municipio, ficando os cidados que obtiversm vo-
tos para vereadores na ordem que Ihes assignar
a volaco das outras parochias do mesmo muni-
cipio, feita a dedueco da de S. Salvador, que
annullada.
Deus guarde a V. Exc.Joan de Almeida Pe-
reira Filho.Sr. presidente da provincia do Rio
de Janeiro.
2.a seceo.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 13 de dezembto de 1860.
Illm. e Exm. Sr.Foi ouvida a sec?o dos nego-
cios do imperio do conselho de estado sobre a
seguinte duvida : Se os meslres da familia impe-
rial eslo comprehendidos entre os empregados de
que trata o arl. 4 do decreto n. 545 de 23 de de-
zembro de 1847.
ES. M. o Imperador, conformando-se por sua
immediata resoluco de 12 do correte mez com
o parecer da mesma secgo, exarado em consulta
de 27 de norembro ultimo, manda declarar a V.
Exc que aquella classe de empregados nao est
coraprehendida nos de que trata o referido decreto
eque.competindo'ao rhefe do estado a nomeacio
dos ditos mestres, a elle toca expedir os respecti-
vos decretos do modo quo Dem lhe aprouver.
Pica assim resolvida a matara do oflicio de V.
Exc. de 18 de agosto do correte aono.
Deus guarde a V. Exc.Joao de Almeida Perei-
ra Filho.Sr. Paulo Barbosa da Silva.
Senhor.Em observancia do aviso do 5 do cor-
rele, a secgo dos negocios do imperio do con-
selho de estado, tem a honra de consultar coro
seu parecer sobre a vahdade da eleico de varea-
dores e juizes de paz a que se procedeu na paro-
chia de S. Salvador do municipio de Campos,
provincia do Rio de Janeiro, e contra a qual re-
presentaran) oilo cidodos assignodos no reque-
rimenio junio ao oflicio incluso do presidente da-
quella provincia, datado de 3 do corrate, a que
eslo acostados varios documentos.
E' a dita eleico lachada dos seguinles vicios :
1.a Nao st ler escripto as duas actas que os
arts. 43 e 49 da lei n. 387 de 19 de agosto de
1846, aos quaes so refere o art. 104, manda lavrar
da organisaco da mesa e do recebimento e apu-
raco das cdulas.
2. Ter sido chamado no ultimo dia da eleico,
para servir de secretario da mosa, um cidado
que, nao estando seienle do que anteriormente se
passra, narra coraludo, na nica acta que se la-
vrou, as oceurrencias dos dias em que elle nao
exercia aquellas funecoes, nem mesmo outras
quaesquer.
3. finalmente. Infringir-se obertamente a lei,
nao se fazendo menco na acta, como exige o ar-
tigo 49, dos nomes dos votantes que deixaramde
comparecer.
O presidente da provincia informando a este
processo eleitoral,os dous eleitores deque se tra-
ta, erobora a seu respeito se de a circunstancia
de terem voltado parochia, por isso que ellos
nao recuperara com a rolla o cargo que perde-
ram pelo fado da raudanca.
Dos guarde V. ExcJoao de Almeida Pe-
reira Filho.Sr. presidente da provincia do Rio
de Janeiro.
3a secgo.Rio de Janeiro. Ministerio dos ne-
3a secgo.Rio do Janeiro. Ministerio dos ne-
gocios do imperio, em 23 de dezembro de 1860.
Illm. e Exm. senhor Tenho presentes os of-
cos de V. Exc. ns. 91 e 96 de 19 e 20 de novem-
bro ultimo, remetlendo-mo a represenlaco que
a V. Exc. dirigiram alguos eleitores o supplen-
tes da parochia do Porto de Podras contra a qua-
liilcago de votantes a que ahi se procedeu lti-
mamente, e expondo-me as duvidas suscitadas
gocios do imperio em 19 de dezembro de 1860.- pelo juiz de paz mais votado da dita parochia so-
tilm. e Exm. senhor.Em resposta ao oflicio de bre a qualicago pola qual se deve fazer a cha-
V. Exc. n. 245 de 13 de novembro ultimo, di- mada dos votantes na eleigo de vereadores e
claro-lhe que, com quanto sejam confrmese juizes do paz que se tem de proceder na refe-
lei as razoes emquev. Exc se tundou para inde- rida parochia.
ferir a represenlaco dirigida por alguna cidados Observa aquella juiz que nao c possivol pro-
contrai a eleicao de vereadores e juizes de paz da ceder-se essa eleigo pela qualificaco do cor-
parochia da Barra do Naluba, o governo imperial rente anno, que nao se acha concluida, nem pe-
nada pode resolver a tal respeito sem que V. Exc la do anno passado. que nao ficou completa por
remella a dita representagao e os documentos ler fallado a segunda reunio da iunla de que
com que porventura ella se achar instruida, pois trata o arl. 22 da lei reglamentar das eleiges ;
que, tendo o mesmo governo de julgar das deci- alera de quo, leudo elle requisildo do presiden-
soes dadas sobre eleiges de vereadores e juizes te da cmara municipal a remessa das aurifica-
do paz pelos presidentes das provincias era virtu- g.s dos annos anteriores a 1859. aflra de pro-
V'loil18, dalC1 re8ulamenlar de 19 de ceder-se a eleigo pela que parecesse legal, o
agosto de 1846, indispensavel que laes decises mesmo presidente lhe olcira dizendo que ne-
Ine sejam subraeludas com todos os oocumentos nbuma dessas qualQcaces se achava no archivo
com que os oteressados tiverera fundamentado da cmara
assuasreclaraagoes.-Deos guarde V. Exc.- Em resposta declaro-lhe que, so estiver suf-
Joao de Almeida Pereira Filho.Sr. presidente flcientemente provada a arguigo de ter feito
da proviuda da Parahiba. parte ds qualifcago do corrente aono, como
------ ^> merabro da junta, o eleitor Joo de Almeida Pi-
3. secgo.Rio do Janeiro. Ministerio dos no- meniel, que tinha-se mudado da parochia, V.
gocios do imperio, em 20 de dezembre de 1860. Exc deve mandar proceder a nova qualifcago
Illm. e Exm. senhor.Foi presente ao gover- p0ls no imperial o officio de V. Exc. datado de 16 do M<^^ exigidas, a residencia na parochia, elle
mez prximo passado, sob n. 283. ao qual acora- n0 Pdia, seguudu o art. 5 das inslruccoes an-
panharam por copia a consulta que a V. Exc di- "228,'10 de.crel n- *>82 de 23 de agosto de
rigira o juiz de paz mais votado da parochia de 1856, funecionar como membro da mesa. Con-
culcados cima aponlac
liluigo de que se trata
lerceiro pralico que len
lages ; e outrosim manda declarar a V. Exc.
que nao misler ao seijvigo da mencionada pra-
ticagem a creago de mais um lugar de primeiro
pratico.
Deus guarde a V. EicLFrancisco Xavier Paes
Brrelo.A S. Exc. o Sf. conselheiro presidente
da provincia de S. Pedro do Rio Grande do Sul.
a resposta d'esss presidencia,
a approvago do governo im-
Santo Amaro, e
a qual merecen
perla!.
Consultando aquello juiz de paz se devia ser
convocado para funecionar na prxima eleigo
um supplenie de eleitor que, postse achasse
ausente da dita parochia no exercicio de urna
commisso do servigo publicu. nao havia mani-
festado a inlenco de mudar de residencia, de-
ca ron-lhe V. Exc, em solugo a essa consulla,
que nao tinha perdido o direito de ser convocado
e de funecionar na prxima eleigo e referido
supplenteMe eleitor, visto nao ter havido mudan-
ga, mas simples ausencia do seu domicilio.
Daos guarde V. Exc.Joo de Almeida Pereira
Eilho.Sr. presidente da provincia do Sergipe.
cluida essa nova qualificaco, por ella se proce-
der eleigo de vereadores e juizes de paz,
continuando entretanto a exercer as suas func-
ges us vereadores e juizes de paz do actual
quatriennio, como a tem decidido em casos an-
logos.
A eleigo de eleitores, de que V. Exc. tambem
trata, deve ser feita pela qualifcago de 1852,
nao somonte porque, como declara o aviso de 27
de maio de 1859, o simples facto de ser amiga
nao affectan validada da qualifcago, como tam-
bem porque, segundo V. Exc. affirms, a nica
do cuja aulhenticidade se nao pode duvidar; e
tm tal caso poder ser restringido, na forma do
art. 9 das inslruccoes de 28 de junho de 1849, o
prazo que deve mediar entre a convocago e a
reunio do collegio eleitoral. Se porm, como
Se
3.a secgo.Rio de Janeiro. Ministerio dos se collige do officio que a cmara municipal di-
negocios do imperio, em 22 dezembro de 1860. rigi a V. Exc. em 18 de junho u\Jimo, existen)
Illm. e Exm. senhor.Tenho presente o ofli- na parochia outras qualicages posteriores de
ci de V. Exc. n. 114, de 10 do corrente mez su- 1852, cumpre que V. Exc, examinando qual a
jeitando approvago do governo imperial as se- que foi feila com as formalidades legaes, por ella
guintes decises, que deu as consultas que a V. mande proceder mesma eleigo, pois que o
Exc. dirigi o juiz municipal do S. Joo do Rio- art. ti das citadas insirueges de 1849 delermi-
Claro
1.a Que, supposto nao fosse
rem os trabalhos do conselho
regular comega-
das 11 horas da
respeito, entende que a eleigo deve ser annulla- manha em diante, e entraren) pela noile, vis-
3-a secgo.Ro de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 13de dezembro de 186o.
Illm. e Exm. Sr.Em resposta ao officio de V.
Exc. n. 88 de 29 de novembro ultimo, declaro-lhe
que o governo imperial approva, por, seren con-
formes i lei, as seguinles decises por V. Exe.
dadas consulta da cmara municipal da cidade
Je Lages :
i." Que se a convocago do juiz de paz de que
se traiava, quera dizer expedigo de ordem
para celebrar-se a eleigo, muilo rregularmen-
te proceder a mesma cmara, pois que a paro-
chia de Caapos-Novos, nao se achando ainda ca-
nnicamente prvida, nao poda reputar-se ha-
bilitada para asoperages eleiloraes, segundo o
decreto n. 4840 de 24 de oulubro de 1846 ; mas
que, se a convocago referia-s aos votantes da
dita parochia que deviam votar a eleigo de
eleitores da parochia matriz daquellacidade, na-
da havia que objectar ;
2.a Que a chamada dos votantes devia ser feita
pela qualifcago do anno de 1856, erabora anliga,
pois que era isto melbor do quo deixar a parochia
de intervir na eleigo.
Deus guarde a V. Exc Joo de Almeida Pe-
reira Filho.Sr. presidente da provincia de San-
ta Catharina.
"'
3.a secgo.Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 13 de dezembro de 1860.
__film, e Exm. Sr. Em resposta ao officio de
V. Exc. n. 106 do 1 do corrente mez, declaro-
lhe que o governo imperial allendendo a que nao
se acha provada a existencia das irregularidades
expolias Da representagao que a V. Etc. dirigi-
ram tutios ciddoa contra o eleigo de verea-
da pela omissao dos nomes dos votantes que fal-
laram, e porque o documento n. 4 firmado pelo
juiz de paz mais rotado, denuncia a existencia de
fraude coma inlroducgo de listas dentro das que
foram entregues.
Os vicios argidos sao em parte prorados pelo
documento n.l, que a copia da acia do recebi-
mento a apurage das cdulas.
A secgo, comtudo, paseara por elles, se se
dessem singularmente a desacompanhados da
circumstancia da fraude.
Nao s deixou-se de fazer menco dos rotantes,
chegou-se mais longe : nem ao menos se disse o
numero dos que nao acudiram s chamadas.
O qua junto i incluso de mais de urna cedu-
ia em alguns iprolucros, como affirma o juiz de
paz mais volado, revela o proposito de impossi-
bilitar a fiscatisago e veriQcago dos actos so-
lemnes do recebimento e apurago regulares das
cdulas.
Cumpre que a lei seja executada fielmente em
suas disposigeg, que prescrevem a forma desses
actos, sem o que nao pode haver presumpgo da
pureza da eleigo.
Nao regular comprehender em urna s teta o
que a lei manda fazer em duas, a saber, o reca-
bimento das-cdulas, na qual se deve declarar os
nomes dos que fallaran) e a da apurago.
Em conrluso do que tica expendido, a sec-
go de parecer qua se declare nulla a eleigo para
vereadores e juizes de paz, feila em 7 de setem-
bro ultimo na parochia de S, Salvador do muni-
cipio de Campos, e se mande proceder smenle
nova eleigo para juizes de paz, visto como o nu-
mero de votantes da parochia nao compreheude
a maioria do municipio, segundo se collige do
parecer du presidente,
Vossa Magestide Imperial resolver como hou-
rer por bem.
Sala das conferencias da seceo dos negocios do
imperio do conselho de estado, em 10 de dezem-
bro de 1860.Viscoode de Sapucahy. Mrquez
de Olinda.Jos Antonio Pimenta Bueno. -
Como parece. Pago, em 12 de dezembro de
t do aviso n. 68 de 13 de abril de 187.. 1
que declara que elles devem principiar das 9 ho
na que em casos taes a eleico seja feila pela ul-
tima qualifcago.
Outrosim chamo a attengo de V. Exc. para a
roaneira por que teem procedido na referida pa-
rochia as autoridades incumbidas de executar o
que dispe o art. 21 da lei regulamentar das
ras al ao sol poslo, todava essa alterago, s- eleiges, acerca da guarda dos livros da qualiQ-
mente de lempo, nao annullava os trabalhosfei-
tos dentro d'elle ;
2. Que as convocagoes dos membros do con-
selho devem ser feitas oito dias anteriormente
sua reunio, segundn aviso 8." do 1. de feve-
reiro de 1847 ;
3. Que nao fra irregular o procedimento do
conselho por tertomado conhecimento dos recursos
logo nos dous primeiros dias, pois que
cacao e das copias autheotioas dos alistaraeutos
dos votantes, nao exceptuando-se a piopria se-
cretaria dessa presidencia, onde deviam achar-se
depositadas as ditas aulhenticas.
Cumpre que V. Exc, averiguando quaes os
autores de semelhante abuso, contra elles pro-
ceda na forma da lei.
Dos guarde a V. Etc.Joao de Almeida Pe
reir Filho. Sr. presidente da provincia das
Alagoas.
o art. 7."
do decreto n. 511 de 18 de margo de 1847 apenas
prohibe a apresentago dos recursos depois dos' -
cinco primeiros dias da reunio do cooselho ; Aviso de 4 de dezembro de 1860.
Que os recursos j decididos por maioria Autorisa o inspector do arsenal de marinha da
de votos, conforme o arl. 36 da lei de 19 de
agosto 'de 1846, nao podiam ser submeltidos a
nova deciso, e que, se esta era contraria lei,
d'ella poda se recorrer para a relaco do dis-
lricto ;
5.a Que fra urna illegalidade o chamar-se o
corle mandar admiltir na morlona da ilha de
Mocangu as embarcacoes mercantes qua pre-
cisaren) limpar o fundo ou fazer alguns re-
paros.
3a secgo.Rio de Janeiro.Ministerio dos
negocios da marinha, em 4 de dezembro de 1860.
4o votodo para vereador afim de compr o con-' S. M. o Imperador, i vista do que V. S. expoz
seibo por estar exercendo a presidencia da cama-' era officios os. 878 e 899, de 23 e 28 de norem-
ra municipal ; pois que, sendo o fim di lei que bro prximo pretrito, ha por bem autorsa-lo a
o conselho seja composlo dos cidados que pela mandar admiltir na morlona da ilha do Mocan-
maioria de rolos tenham merecido maior con- gu, quando ella nao for necessaria para o serri-
Qanga dos seus coocidados, devia, segundo o go dos navios do estado, as embarcagoes mer-
aviso o. 88 de 27 de julho de 1848, ser chamado cantes que precisaren! limpar o fundo ou fazer
para o consaUo o vereador primeiro volado, e ; alguos reparos, pagando os respectivos proprie-
na sua falta ou impedimento o 2o, e nao o 4 .
embora este esfivesse exercendo o lugar de pre-
sidente na cmara municipil : e que portanto
considerava nullos os actos do cooselho, e desig-
nava da para que elle se reunase de novo ;
6. Qua podiam volar na eleigo de juizes de
paz e vereadores, no dij 7 de selembro do cur-
rante anno, lodos os cidados qualificados votan-
tes, anda que os trabalhos da nova reunio do
conselho lermioassem no dia 2 do mesmo mez;
7. Que a deciso do governo imperial, relativa
As referidas consultas, s tinha de ser declarada
na acia, e pao nos despachos proferidos nos re-
querimentos das partes.
Atiso de 10 de dizembro de 1860.
Declara que se devem appjicar arrecadaco da
renda da praticagem do porto de Paranagu as
disposiges dos arts. 10 e 13 do regulamento
annexo ao aviso de 16 de novembro de 1857,
ficando assim derogadas as do art. 27 e outros
em contrario, do que baixou com o aviso de8
do fevereiro de 1858.
2a secgo.Rio de Janeiro.Ministerio dos
negocios da marinha, em 10 de dezembro de
1860.Illm. e Exm. Sr.Veriflcaodo-se pela
inormaco da capitana do porto dessa provincia,
annexa ao oflicio de V. Exc. n. 24 de 9 de no-
vembro prximo lindo, que nao ha entre os pra-
ticos da cidade de Paranagu sujeilos idneos
para o cargo de thesoureiro da renda da pratica-
gem, como dispe o art. 27 do regulamento que
baixou com o aviso de 8 de fevereiro de 1858, e
conformando-me com o parecer emittido pelo
conselho naval em consulta n. 218 de 2 da mar-
go ultimo, tenho por conveniente declarar que
deve ser a mesma renda arrecadada na alfande-
ga da supradila cidade com as formalidades e &
semelhanga do que se prstica acerca de servigo
idntico no Rio Grande do Sul, em virlude dos
arts. 10 e 13 do regulamento de 16 de novembro
de 1857. E V. Exc. fique cerlo de que ora solli-
cilo do ministerio da fazenda a expediego de
ordem a lal respeito.
Deus guarde a V. ExcFrancisco Xavier Paes
Brrelo.Ao Sr. presidento da provincia do Pa-
ran.
Governo da provincia.
2.a secgo.Palacio do governo de Pernambu-
co em 2 de Janeiro de 1861.Inleirado polo offi-
cio que Vmc me dirigi com data de hootem do
laraenlavel successo que se deu por occasio da
questo eleitoral, a que Vmc. allude, e que o re-
solveu a adiar os trabalhos para pedir-me garan-
tas soguranga de sua pessoa o das dos mesados
que Vmc. julga seriamente araeagadas, tenho a
dizer-lhe que nao sendo Vmc. competente para
por si s adiar, como diz que fizera, os traba-
lhos eleiloraes e sim a mesa, como expresso
na lei de 19 de agosto de 1846 art 60 deve ama-
nha proseguir n'aquelles trabalhos, certn de
quo cora as decisivas providencios, que acabo do
lomar, posso assegurar-lhe que ser plenamente
garantida a segurenga individual, nao s da me-
sa, como da todos aquellas que concorrerera a
eleigo.
A mesa paroshial, porm, deve convencer-se
de que nao pode haver garanta alguma de or-
dem, nem de seguranga individual desde que a
lei nao fr religiosamente observada e desde
que as recommendages da presidencia n'aquelle
sentido nao forem rigorosamente cumpridas pe-
las mesas parochiaes.
Dos guarde a Vmc. Ambrozio Leilo da
Cunha.Sr. juiz de paz presidente da mesa pa-
rochial do s Jos desla cidade.
(arios 400 rs. diarios por cada tonelada das mes-
mas embarcagoes so estis se demorarem all at
quatro dias, e 30 rs. lambem diarios se a demo-
ra exceder o referido praso, ficando esse arsenal
somonte obrigado a por os navios em seguranga
na morlona, traza-la para trra a arrea-la para
o mar quando isso for exigido ; o que commu-
nico a V. S, para sua intelligencia e execugjo,
prevenindo-o de que semelhante servigo deve
estar a cargo do director das conslrucgoes navaes,
adoptando-se o syslema em uso acerca dos alu-
gueis das laochas e mais o bj retos sob a guarda
do patrio-mr, menos na parle relativa arre-
cadaco das quaoliaa que se houvorem de rece-
Bxpedienle do dia 29 de dezembro de 1860.
Officio ao provedor da santa casa da misericor-
dia.Concedo a autonsago que V. S. pede em
seu officio de 27 do correte para mandar pagar
irma de caridade, a que se refere o citado of-
ficio a mesma annuidade que rencem as outras.
que se acham em serrico no grande hospital de
caridade.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Re-
mello incluso o termo da avaliago procedida
nos predios indicados por V. S. como indispen-
saveis a esse arsenal, para que, do conformida-
de com o ariso da reparligo de marinha, de que
lhe remetti copia cora o raen officio de 4 do cor-
rele, ajuste amigarelmente a compra dos mes-
mos predios com os respectivos proprietario?,
communicando-me o resultado.
Dito ao commandanle do corpo de policio.
Nao podendo ser rendidos pelo motivo declarado
em seu officio de 28 do corrente as pragas do
destacamento da villa de Iguarass, que contam
mais de seis mezes de estada all, como convem
a disciplina do corpo e lhe foi recommendado
por esta presidencia em officio de 27 deste mez,
aotoriso V. s. a langar mo do alvitre que lera-
bra no final do seu citado officio, fazendo trans-
ferir as preditas pragas d'aquelle destacameolo
para outro, o que sem duvida satisfaz o fim da
le, e V. S. entender referir-se s pragas dos
demais destacamentos, que se acharem as mes-
mas circuroslaucias.
Dito ao inspector da thesooraria de fazenda.
Expega V. S. as suas ordens com urgencia para
que seja entregue ao engeoheiro William Marti-
neau um caixo vindo da Europa com dasenhos
para a repartico das obras publicas, o qual exis-
te naalfandega.
Dito ao mesmo.Restituindo a V. S. a conta a
que se refere a sua ioformago de 20 do corre-
le, sob n. 1334, o autortso a mandar pagar a
Thomaz Fernandes da Cunha, conforme requisl-
tou o inspector do arsenal de marinha em offi-
cio de 12 deste mez, sob n. 495, a quantia de
5469500, em que imporlam difiranlas objectos
por elle fornecinos para a capitana do porto,visto
nao haver inconveniente nesse pagamento, se-
gundo consta da citada informago.-Communi-
cou-se ao inspector do arsenal de marinha.
Uito ao mesmo.-Em rista de sua informacao
dei hontem, sob n. 1357. dada acerca do requri-
Pere r.Tr6 e!pitt? *****<*<> *<> Cabo. Jos
n. h. '? pede. Se|* arDltrad* gratificago
que lhe compete pela captura de dous rocrutas
"ra o servigo da armada, recommendo a V S
\mn p:gar ao suPP1cnte a quantia de rs.
otfuuu por cada um dos mencionados remitas
rii!. -B0 me^?'Cert0 00 eooteudo de sua in-
torroagao de 24 do crrante, sob n. 1346, dada
com referencia 4 da contadoria dessa ihesouraria
acerca do pagamento da quantia de 31*360 rs.
que, segundo consta do requerimeoto e docu-
mentos, que dorolvo. foi dispendida por Jos Ja-
nuano Alvares Ferreira com o forneciraenlo de
luz para o quarlel do destacamento desuardas
nacionaes da villa do Pao d'Alho. a contar de 20
de outubro do anno prximo passado at 30 de
junho ultimo, lenho a dizer que sendo o aviso
do ministerio da guerra do 1. de dezembro de
i, apenas lulerpretalivo, por elle deve ser re-
gulado o pagameolo das despezas feitas e nao
real.sadas antes de sua promulgarlo e por isso
man je v. >. pagar ao supplicante o que se Iho
esiiver a dever por semelhanlo fornecimenlo em
iodos aqueiles mezes na razio porem de seis gar-
rafas mensaes, conforme V. S. indica em sua ci-
tada informsgo.
Dito ao mesmo.A'visla da coola e dos docu-
mentos junios mande V. S. pagar ao delegado do
cirurgiao-mr do exercto a quantia de 394600.
que dispendeu cora a scquisgo de varios objec-
tos para o expediente da respectiva secretaria no
Timeiro semestre do presente anno.
Dito ao inspector da thesourarU prorincial.
Logo que fr possirel mande V. S. pagar, con-
pt,PrrT.mrhqU8l0J,"me renle da companhia
Pernambucana de navegacao costeira a rapor em
oiucio de hontom, a quantia de lO.OOsOOO em
que importa a subrengo com que esta provin-
cia auxilia aquella empreza relativamente ao tri-
mestre decorrido do l.o de outubro ao ultimo
de dezembro desle anno.Communicou-se aquel-
la companhia. H
Dito ao mesmo.Em vista da conta junta que
me foi remetlida pelo chefe de polica com offi-
cio de hontem, sob n. 1617, mande V. S. pagar
"Z^H,iDte Aodrade & Reg a quantia de
0*000, dispendida no mez de novembro ultimo
com o sustento dos presos pobres da cadeia de
V illa Bella.Comunicou-sa ao chefe de polica.
Dito ao juiz de paz mais votado do Limoeiro.
-Accedendo ao pedido que Vmc. me fez acerca
do garanta ao hvre uso das attribuigoes da mesa
parochial, de que Vmc. presdeme, tenho a di-
zer-irie que recommeodei terminantemente ao
delegado de polica desse termo que tralasse de
prestar a garanta solicitada por Vmc absleudo-
se completamente de tomar outra parto na elei-
cao dessa freguezia que nao sf ja para garantir a
tranquillidade publica e a seguranga individual,
o que por certo nao conseguir so deixar que as
deliberares da mesa se vejara ex postas a recur-
sosextralegaes. A mesa tem o rocurso legal do
addiameoto da eleigo desde que seus trabalhos
forem perturbados por qualquer forma, dndo-
me parte do que occorrer.
Dito ao director das obras publicas.Conside-
rando o estado de ruina da ponte velha, que pren-
de o bairro do Recife ao de Santo Antonio desla
ciuse. e sendo necessorio evitar qualquer siuis-
tro, que por ventura possa occorrer, tenho resol-
vido recommendar a Vmc, que procedeudo a um
minucioso exame sobre o seu estado, me informa
com urgencia se corre risco a seguranca indivi-
dual no transito ainda mesmo a p, que se faz
actualmente por ella ; podeudo Vmc. ser auxi-
liado uesso servigo por algum ou alguns dosen-
genheiros dessa reparligo.
Recommendo outro sim a Vmc que na mesma
occasio me informe se aquella ponte suscepti-
vet de algum ligeiro o muilo mdico reparo, ou
obrado seguranga.com que possa continuar a
prestar-se ao transito de pessoas a p. emquanto
o governo imperial nao resolve acerca da cons-
truccao da nova ponte, que a deve substituir.
Dito ao mesmo.Mande Vmc. fazer com ur-
gencia os reparos de que precisam os lados da
ponte da Boa-Vsla para darem livre transito
loriara.O presidente da provincia, attenden-
oo ao que lhe requereu Banholomeu Lourenco
prouneiario do patacho nacional JSom Jess, re-
solve conceder permissio para independente de
carta poder Joo Goncalves dos Reis matricular-
so como capito do diio patacho somenle para a
viagem ao Rio de Janeiro, a que est destinado
devendo porem o referido capito assignar lerm
na capitana do porto, pelo qual se obrlgue a
extiiDir a predita carta para outra qualquer va-
gem.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao bacharel Luiz Antonio Pires, juiz
muuicipal da Escada.Do ordem de S. Exc. o
Sr. presdeme da provincia, aecuso a recepco'do
officio que V. S. lhe dirigi em 24 do corrente
communicando ter entrado no gozo da licenga
que lhe foi concedida.Fizeram-se as conveien-
tes communicages.
30
Officio.Ao juiz de paz presidente da mesa
parochial da Vsrzea.Era resposta ao officio de
vmc. com data de hoja, em que requisita forga
para guarda da urna, devo dizer-lhe que so-
guera para esse fim quatro pragas de caralla-
na commandadas para um inferior.as quaes dere-
rao regressar para esta capital amanha pelas C .
horas do dia.
Quanto ao mais de que trata o mesmo officio
ra ordem ao chefe de polica para que o subde-
legado se abslenha de qualquer interrenco in-
debita na eleigo.
DKSPACHOS 00 DU 29 DE DEZEMBRO DE 1860.
Requerimentot.
3440Candida Seohornha de Jess.Deferido
dando a supplicante flanga idnea. *
3441Ado Mathias.Informe o Sr. inspector
do arsenal de guerra. *
3442-Francisco de Barros Vellozo da Silrei-
"'equeira thesouraria de fazenda.
3443GuimaresA Olireira.Informe o Sr.
inspector da thesouraria da fazenda.
3444.Jos Pereira Teixeira.Dirija-se a the-
souraria da fazenda.
3445.Jos^ Hygiuo de Miranda.Informe o
bISpec,or da 'hesoorariade fazenda.
J446Joaquim da Cunha Figueiredo.Infor-
me o Sr. inspector da altandega.
3147Leodegario Liberato Pereira Caldas.
Fasse portara concedendo ao supplicante 3 me-
zeq..e licenca com rencimentos.
^SUnoel Josquim de Figueiredo Seabra.
fasse portara concedendo a prorogago re-
querida na forma da lei.
3449.Mara F.Informe o Sr. Dr. curador
de africanos lirres.
3450.Tito Arelino de Barros. Informe o
Sr. inspector da thesooraria de fazenda oarfado
o Sr. inspector da alfaodega.
COMANDO DAS ARMAS.
Qoartel do eoanmaado das amias
ena reraunhoeo, aa eMade o
Beelfe, S de Janeiro de 1S1.
ORDEM DO DIA N. 60.
O coronel gommandaote das armas faz publico


()
psra conhecimento da guarnicio e devido effeito,
que hontem te apreseniou o 6r. capiiu do corno do
estado maior de 2* rlajaedoexercilo Luiz Fran-
cisco Henriques, o qual mediante o disposto na
ordem do da da secretaria d'estado dos negocios
da guerra expedida pela repartido "ao* ajudanle
general na dala de 5 e dezembro do anno proxi-
i4 fb n. Xl tnlrou hoja o exerekio do
r da secretario do enramando das armas des-
provinala, flcando d'ella exonerado o Sr. majar
francisco fjamelo Pessoa de Lacarda, Momeado
ara servir de ajodonte de ordeas da presidencia
oMaraohio. Por esta occa sito cabe-meo de-
tarde louiar o dito Sr* saajor, ozelo. inlellujen-
fta, fidelidade e aplidao cora que empro desera-
oonhoo o emprego que deixa da atarear, falo
que Ihe dou os meus agradec menina.
Asalgnado.Josi Antonio da Fonetca Gnlvao.
Conforme.Antonio Eneas Gustavo Galeno,
alfares ajudaala de ordena interino do eemmaedo.
EXTERIOR.
Ordem do dia do general Be-
nedeck
Pela confiancique mereco a S. M. o Imperadr,
chefe soberano do exercito, foi-me confiado o
enramando do paiz qoe lomo hoje mesmo, dia
da minha chegada. Ao activo zelo e aus pro-
fundos conhecimenios do meo antecessor o feld-
meslre conde Delgenfeld, actual ministro da
guerra, devo a excellenie inalruccio, e a aptidio
militar das tropas, que animadas do melhor es-
pirito, esli actualmpBte s niinhaa ordens, e cu
cotloco-me tosa d'esla importante parle do
anti^o e colebre exerciio austraco, debaixo de
cuja bandeira fui oducado.
Fui entinado na escolla do nosso glorioso feld-
marcchal Radelzki ; adianli-me na minha rar-
rein pela graca do men imperador, e pela surte
da guerra, de um exercito em cuja prosperidad
e desgraca tenho tomado pane durante 38
anno*, e que conta as suas Qleiras milharns de
cantarada, e de bravos companheiros de armas,
os quaes conheco pessoalojento, e por quem te-
nho o maior apreco.
Nao esquecerei nunca que muilos generaos do
exercilo que eslao hoje sob o meu commando,
eraui os meus mais amigos carneradas, e sinto-
me possuido de um legiiirao orgulho, vendo o
meu augusto general de divi.-o da cimpanha da
Italia em 1849 ; S. A. I. o valente archiduque
Alberto, subordinar-se-me cora a mais nobro
abnegacio. Tanto ao exen-ito, como a mira sen
chefe, perlence lornar-mo-nos digno d'esla raag-
nanimidade que nos honra.
Reconheco perfeitamente a grande responsabi-
lldade do commando quo me foi confiado, mas
tomo-o p.m vacillar. cora a consciencia da mi-
nha torca moral, e da minha firmo vontade, com
urna Adeudado consagrada ao nosso imperador c
chefe militar, e o senlimento sagrado da honra
do saldado.
Tomo o commando n quero exercel-o severa-
mente e com benevolencia, firmemente e com
Justina, sem arrogancia na prosperidade, com
tranquilidade e sem desalent na desgraca.
Compra cada um de nos com alegra e a>nor o
servico, os deveres do seu cargo, e a sua po-
sir.o.
Cont com a maior obediencia, quaodo as cir-
cumstancias o exigerem com a cooperado livre e
responsavel de cada um no curnpriraento do
grande fin.
Empreguemos sompre os nossos esforcos em
cuidar do soldado, em proteger o cidadio parifi-
co, mas seja para nos sagrado primeiro que tudo
a honra do exercito. Confio na actividado do
futuro, na disciplina e tenaz bizarra das tropa*,
as minhas rectas intences, m minba antiga
soite do soldado, e na bencio divina.
Sejamos pois sempro fiis e soldados valentes
do imperador, e se chegar o dia do combale,
Tincamos ou morrauos com honra. Viva o im-
perador. I
Ordem do dia do re de Auples.
Soldados !
y.iando depois de dois mezes de generoso en-
thusiasmo, do perfeita abnegago, de trabalhos e
de fadigas, jolgavaraos por termo i nssa obra
deslruindo e abaiendo a invasio ravolucionerla
no nosso paz.chegou o exercito regular de um so-
berano amigo, que, anieacandn a no*sa linha de
retirada, obrigou-nos a abandonar as nossas po-
slcoes.
Acntela o que acontocerd'esles fados, a Euro-
pa iuteira apreciando-os e julgando-os, nao po-
dar deixar de recuuhecor o valor e a fidelidade
de um punhado de bravos que, resislindo a so-
duceos perdidas, e s firmas de dois exercitos,
tom sabido n.io s resistir, mas illustrar tambem
e historia oapolitana com os nomos de Santa
Maria, Cajazzo, Tnllsco, Sanl-Angelo e outros.
Estes factos ficaro indelevelmeute gravados
no meu coracao. Para Ihe perpetuar a memo-
ria; ser confiada urna raedalha de bronze com a
legenda : Campanha do setembro e oulubro de
1860, e as seguimos palavras m> reverso : San-
ta Mana, Cajazzo, Triflsco, Sant-Angelo, etc., etc.
A medalha andar suspensa de urna feita azul e
encarnada ; condecorando os vossns nobres pe-
tos, recordar a todos a vossa fidelidade e o vos-,
so valor, que sio sempre um titulo do gloria
para aquelles que herdarem o vosso nome.
liarla, 31 de oulubro.
Francisco II.
Protesto da Hespaaha contra a en-
trada das tropas piernntezas no
territorio napolitano.
Para S. Exc o ministro dos negados estrangei-
ros de S. M el-rei de Sardenha.
Turia, 9 de outubro de 1860.
Exm. Sr.O governo de S. M.
roe ordem para protestar contra
exercito sardo no reino das Duas
a rainha deu-
a entrada do
Sicilia?, e con-
tra a projoctada anoexaco dus Estados de S. M.
Francisco II monarchia de S. M.
denha.
el-rei de Sar-
de aggressdes voluntarias, e com o proposito de
impedir que a revolnc.no demaggica se nlo lor-
aasae geuhora da Italia meridional. Os escritos
reatos, e oa governos verdaderamente, conseja-
dores, sustentaran) com razo que a violceo de
todos os principios tniernacionaes, e o ostracis-
mo de dynastias legitimas, nunca poderiam ser
un aaaio ffiYaz do suspender o desenvolvimento
doa alamentos revolucionarios na Italia a Eu-
ropa-
O goverep da S. M. a rainha do oapanha,
que aio poopou esforco algum, na eaphera da
ua inBuooria, para oblar urna alliapca'lntyna
entre us dous princpaes estados da pennsula
italiana, e que sempra tem secundado toda a
tendencia que se dirigase a ligar os inleresses
das principes aos dos seus povos, contempla com
profunda magua a serie de acontec mantos que,
comecando pelo ataque coranjeuido contra os d-
reilo legiiimos de um innocente orpbio, na pes-
sda do duque Roberto I, e que proseguirn) com
a invaso dos estados da Sania S, acabaram
pela conquista do reino das Doas-Sicitias, e pea
annexar.au da Italia meridional s pnssesses he-
reditarias de S. M. el-rei de Sardenha.
No seu vivo desejo de ver consolidar a paz do
continente, afastar toda a causa de desordena
futuras e acabar na Italia a poca das convul-
ses que tao profundamente a leera agitado o
governo de S. M. a rainha de Hespahha, abstra-
hindo-se dos ataques aos direilos legtimos, que
nem a violencia nein a torc oediam destruir,
quer anda esperar que a Sardenha suspender
no funesto camiuho que encetou, e adiando as so-
Incoes que nunca poderiam ser definitivas, dei-
xai Europa a alia niisso de por termo a lu-
fas da Italia, e profunda inquietirO das na-
ces europeas, consultando os verdadeiro3 dese-
jos dos povos italianos, e tendo em conta direi-
los sempro dignos de respeilo.
Aproveito ela occasiao, anda que penosa
para mim, para renovar a V. Exc. ss senlimen-
tos da minha alta considerado.
( Assignido ) Diogo Colho.
MARIO DB PERWAllICa.
QjTA.&&&* DI JAREIRO DE 1861.


Emquaolo os dolorosos acontecimentos de que
a llalla meridional est sondo hoje thealrn, pa-
recern) obra exclusiva da revoluco, a Hespa-
nha, ligando inioira f s propostas reiteradas do
gabinete sardp, quando assegurou nao ter loma-
do parte alguraa nos actos consumados contrarios
a lodo o direito internacional, julgou dever li-
mitar-so a cnndemriar esses alternados de aocor-
do com todas as potencias europeas, a pedir ao
governo de S. M. el-rei de Sardenha que prova-
se de remedio a um estado de cousas que elle
proprio reprovava, e a significar as funestas con-
sequencias que fados desta naturea nio podiam
deixar de produzr para a causa da liada o para
a tranquiljidade da Europa. Este procedimento
meditado do governo hespanhol dava urna nova
prova do vivo desejo que linha de conrvr aa
enrdeaes reaces que raantm com o governo de
S. \l. el-rei de Sardenha, e lendia a modificar a
aeco moderadora dos ministros de S. II. sarda
em presenca do desenvolvimenlo revolucionario
Has em presenca dos fartoa ofBciaes e pbli-
cos, que a Europa contempla com dolorosa aor-
preza, o silencio da Hespanha equivalaria a ab-
dicaQo do direito que ella lam, assim como do
dever de defender a existencia legitima de urna
dynaslia unida i de 8. H. a rainha Isabel II, pe-
los mais sagrados tacos, e de manier ao mesmo
tempo os direilos que os tratados de 1755, reca-
nhecidos pela Sardenha e pela Europa intaira, ga-
rantidos e raiificados por estipulares posteriores
segurara a 8. M C.thuhca o throno das Duas
Sicilas. Os tratado que constiluem o dlreilo
publico, em que repousa a pase.o equilibrio da
Europa, nao podiam ser destruidos pele suffra-
gio universa', pralicado as circuraalaneiaa e pe-
la forma por que o rae ser oo meio dia da Ita-
lia.
A Europa nao admiltir nunca as suas reta-
cees de naci 4 nac.o uro criterio publico que
darnbasse todo o direito legitimo, e qualquer
pacto internacional.
Para condaoioar a serie de facloa, que (era le-
vado o reino das Duas Sicilias ao estado em que
hoje se acha, o abaixo-aasignsdo nio Um neces-
sidade de appailar par* as mais simples noces
de oireito, para a opiniao da Europa, era para
os principios de. urna elevada moral: baata-lhe
reproduzir o juiso severo, mas justo, que o go-
vorno sardo fez a respailo das mvasoea armadas
da Sicilia e ae aples, e lembrar a reprovar^ao
explcita o solemne que os documentos offlciae
impozaran, noe da i. Jd. gt-ral da Sarde-
nha, aquelles que violaram o territorio de urna
pola acia amiga, dovaodo amra orna anio que
atara era plena Baz pam Sirdanlae.
Fol sm fio tina as praXendM Uatifietr esta
intervengio, hostil ao rei das Pva-sicilias, com
o desejo de por termo A urna enarchia nascida
Protesto da eompanhia de dess a
a S. M. Vctor Emmanuel rei da
Sardenha
Senhor: O proposito geral da eompanhia de
Jess dirige-se respeitosamente ao throno de V.
M com o Ore de alcangar juslica e reparagao
das graves injurias quo ha algum tempe se com-
meltem na Italia, e sefr baldada esta especta-
tiva, para protestar pelo menos de urna maneira
publica.
us prmeiros movimentos italiacos, que tive-
ram lugar no flm de 1847, e principios de 48. to-
das as casas e collegios que tinha na Sardenha a
eompanhia de Jess, de urna e oulra parle dos
mares, foram approhesdidos e confiscados os
seus bons, e os seus membros dispersados e ig-
nominiosamente perseguidos.
Para dar alguma sombra de legalidade a laes
actos de injustiQ.i,promulgou-se logo um decre-
to, supprimindo a propria eompanhia, no qual
so maudavam confiscar os seus bens, o se sujei-
tavam seus membros a differenles prescripces
vexatorias.
Um semelhante decrelo promulgou-sesm co-
nhecimento de Carlos Alberto, augusto pae de V.
M. e mesmo contra as suas intencoes, pois que
el-rei, depoisde se haver mostrado benvolo pa-
ra com a nossa ordem, durante o lempo do seu
reinado, quando rebentou a tempestada, animou
os padres para eslarem tranquillos, e vendo o
receio dealgons, queixnu-se aos superiores de
que nao tivessem a sulcienle confianija ou na
lealdade da sua palavra ou no poder da sua pro-
teceo.
Aquella decreto, anda que nao poda ter forra
retrospectiva, comtudo foi invocado para legiti-
mar o facto ntquo, o foi posto em vigor pelo go-
verno, que desde etito presidio aos destinos do
reino.
Desde o lempo da guerra italiana no anno
passado at agora, a eompanhia perdeu na Lnm-
bardia tres casas e collegios. no ducado de Mo-
dena soi, nos listados Pontificios onze, no reino
do aples treza, e na Sicilia quinto. Era loda
a parte foi a eompanhia despojada de lodos os
seus bens movis e immoveis. Os seus mem-
bros em numero de uns 1.500, foram expulsos
das casas e da cidade, foram repellidos como
raalfeiiores de paiz em paz cora mo armada,
presos as cadeias publicas, maltratados e atroz-
mente ultrajados: foram privados de procurar
um asylonoseio de algum a familia piedosa, e
era muitas parles nem se quer se leve respeilo
cora os anclaos, com os enfermos graves, nem
com os impedidos.
Todos estes actos se consummarara sem que
se imputasso aos que delles foram victimas ne-
nhum acio criminoso nem contrario lei, sera
forma alguma de julgamenlo, o sem Ihes deixar
raoio de se justificaren); era urna palavra. pro-
ceueu-se despticamente e de urna maneira sel-
vagem.
Se taes actos se tivessem verificado no tumul-
to um populacho desenfreiado e obsecado,-se-
na forcoso soffre-lo em silencio. Mas precisa-
mente, porque se quiz legtima-Ios com as leis
saidas, e os governos provisorios estabelecidos
nos estados da casa d'Este, e nos da santa igreja,
o o proprio dictador das Duas Sicilias apniaram-
se na auloridade do governo sardo ; e porque se
invocou e se invoca o nome de V. M. para dar
forca nenes decretos intquos, e a sua mais ini-
qua execucao, nao posso licar espectador modo
de tamanha injusti^a, e a minha qualidade de
cabeca suprema da ordem, me impe o mais in-
timo dever de reclamar jusiica e satisfacio, ou
de protestar ante Deus e os homens, para que a
resignado do maior numero, e a paciencia reli-
giosa nao pareca que degenera em debilidade,
nem possa interprelar-se como confissao da cul-
pa ou abandono dos direilos.
Protesto, pois, de urna maneira solemne, e na
melhor forma que me 6 possive, contra a sup-
presso dos nossas casas e collegios. contra as
proscriptos, desierros, prises, violencias e ul-
trajes que se leera feilo soffrer a meus irmios
em religiao.
Protesto perante todos os catholicos em nome
de todos os direilos da santa egreja, sacrilega-
mente violados.
Protesto em nomo dos bemfeitores e fundado-
res de nossas casas e collegios, cuja expressa
vontqde e intencoes por lanas obras piedosas a
beneficio de defuncios e de vivos, teem flcado
sem effeiio.
Protesto em nome do direito de prepriedade
velipendiado pela forca brutal. '
Pro'esto em nome dos direilos de cidadios e
de inviolabilidade pessoal, da qual ninguem pode
ser privado, sem culpa, julgamenlo e sentenga.
I rotalo em nome dos direilos da humanidade,
ultrajada vergonhosameole em tantos anciaos,
enfermos e impedidos, como os que foram arran-
cados de seu pacifico asylo, privados dos neces-
senos auxilios, e lancados & ra sera Ihes pro-
porcionar meios alguns de subsistencia.
J que por desgraca nao poso dar ao maior
numero dos meus religiosos oulra conslagao,
vero com este acto meu que o seu pae com-
mum nao era indifferente sua sorle.
Dirijo este proleslo cnnsciencia de V. II. De-
pnsito-o sobre o tmulo de Carlos Manuel IV,
Ilustre predecessor de V. M., que renunciou o
ihrono em quo V. M. reina actualmente, para
morrer entre os nossos. vestido com a sua solai-
na e ligado cora os votos da eompanhia ao novi-
ciado de Roma, onde descansara as sua ben-
coadas cintas ; aquella memoria de vida a que
o governo de V. M. persegue com odio tao ca-
umnioso e feroz.
A mamona de benevolencia que em pocas
passadas a casa de Saboya demonsirou Compa-
panhia de Jess, e o sublime carcter de que
V. M. est investido, devem inspirar-me confian-
ca de que as minhas supplicas e protestos nao
ficaro desallendidas.
Mas se a foz de lanos direilos offendidos nao
fr ouvida nos tribunaes da ierra, appello final-
mente para aquello tribunal supremo e tremendo,
de uin Deus Sanio, Justo e Todo Poderoso, no
qual a inuocencia oppnmida ser indefeclivel-
mento vigada pelo juiz Eterno Rei dos Rejp, e
Senhor ds dominadores- Na mi deslo Deus
entrego loda a minha causa, e plenamente
seguru por ns.oulros, Iho supplico que ins-
pire a V. M., e aos que o aconselham, sentl-
raentos de jusiica e de equi jade para lentos in-
nocentes fllhos meus injustamente perseguidos
e opprimidos.
Enireaino eu e os meus religiosos (eremos a
consolacio de pi haremos sido indignos de
padecer alguma couse pelo nome do Jess, at-
testando com a nossa consciencje 91 nanhum
oulro motivo lemos dado para esta recrudescen-
cia de antigos odios, mais do que pregar 6 e/ui
Oe Jesu-Crlslo, o respaito e obediencia santa
igrejaj e ao seoccabeca, o soberano ponlitca, II dairalida pos respectivos cofres. Tam-
submissao e fioelidade aos principes, a i todas bm rocebo alpinnas externas, por meio de um
aa.autoridades consiiluidas por Beue
De V. M. mui humilde servidor, ffdra Beata,
proposito geral da Companhia de Jema.
Roma, 24 de outubro de 1860.
( Jornal do Commtrcio de Lisboa. 1
DIARIO OE PERNAMBUCO-
Terca-feirs, primeiro do correte anno e mas,
s 4 1/2 horas da larae, fundeouem nosso portoo
vapor brsslleiro Oyapock. Irazendo-nos cansa a
jornaesque alcancam as seguintes datas; Par
4, Maranhao !8, Piauhyl, Cear* J9. Rio-Grande
de Norte 31 do passado, e Paraniba 1 do cor-
rente.
Eis as noticias que delle coJhemos :
Pord.O nosso cocrespondente diz-oos, A ul-
tima hora, o seguinte:
As eleic&es, sio as ambicSes e os anhelos
mais deslumbrantes de urna meia duzia de cori-
pheus, que com isso desejam chegar ao poder e
seus lins.
Actualmente, nio se cuida se nio em fazer
iistss, engendrar estallas, e mil oulras cousas,
para um partido derrotar oulro.
verdado, que todas estas cousas sio aqui
era geral postas em pralica em santa paz ; "nao
como por urna provincia.
c Nesta capital como ji Ihe tenho dito a elei-
cio portence ao partido liberal, assim como para
o sorlio, excepto um ou outro lugar, a victoria
ser dos conservadores.
Em virtude desie equilibrio de foress eleilo-
raes, as vistas dos partidos convergira! para a
districto de Gamela, onde os conservadores Ji-
veram sempre raaiona; mas que ltimamente tem
soffrido suas defeccoes e reveses, pelo que os Ii-
beraes vio formando urna seria opposicito e re-
sistencia s influoQcids conservadoras, que ah
dominam.
O certo que alguns dos generaes da elei-
cao, tanto de um lado como de oulro, foram para
aquella districto, e armados dos seos jornalistas,
proprios do momento, tem discutido, a materia
do voto nacional, cada um seu modo.
a L foi p Dr. Paes e se acha de volta nesta
capital ; l est o Dr. Tito Franco de Almeida
escrevendo e dirigindo o seu lado, assim como
para all seguirn) aconego Slquoira e o Dr. Frei-
las influencias e candidatos conservadores.
Algumas pessoas mais timoratas do lugar,
recejara pola paz publica, menos que para as-
aistir a eleicio nao v o Dr. chefe de polica.
Creio porera que isto sao temores ou desejos
de mais ; entretanto o que Ihe posso dizer que
o presidente e o chefe de polica nio se teem
pronunciado, nem por um ora por oulro partido.
Apesar de seren conhecidos os principios
polticos de cada um. al hoje se vio conduzindo
mu satisfactoriamente, o cima das ambices
partidarias.
Com tudo ha quera diga que relativamente ao
presidente, a sua indecisao de pronunciar-se por
qualquer dos lados, i espera de ver quem se-
rao os eleitores, o que depois S. Etc., seguindo
o cosime de viva quem vence, se laucar nos
bracos dos vencedores, para poder impdr os seus
candidatos recommendados.
Entretanto eu presumo que podia antecipar
a indicaQio dos depulados paraenses; pois que
os nomos dos Exras. Drs. Leitio da Cunha, Faus-
to eTlto, sio os que reunem mais syrapalhias,
cora especialidade o presidente dessa provincia
que lavado urna, em geral, por arabos os
partidos.
Eis-aqui como esli os negocios eleiloraes
do Para e do seu resultado era brovo communi-
car-lhe-hei e do mais que no meio disso possa
vir occorrera.
Acabamos de saber pelo seu jornal e por pas
sageiros desta provincia, vindos da Europa do
lastimoso naufragio da crvela DSJsabel. O Pa-
ra tambem foi cotizado na perda deste navio ;
porque um dos ofBciaes morios, pertencia urna
das princpaes familias desta provincia, e que
segundo o comporiamento e a carreira que leva-
va esse infeliz mojo, haviara nelle as melhores
esperanzas.
Emlim, o segundo tenonle Marcelino Perd-
gao de Oliveira Ribeiro, j nao existe e quici o
co abencoe a alma e os exforcos do Olho, que
illustrando-se, se sacriflcou pela patria.
Ha dias succedeu um desles acontecimentos
proprios de uaiNorle-araerlcano
O hiato americano Eugenia oslando prorap-
to para sahir, ou porque nao o despacnassem
com a brevidade quo o seu capiio desejav*, ou
por qualquer oulra causa, era urna manhoa le-
vantou ancora e poz-se aofresee pela barra fra,
sem ter fechado na alfandega, nem visitado pela
polica e nem com os papis do seu cnsul I
Sabendo disto as autoridades da provincia e
a consular, deu-se pressa em fazer sahir a ca-
nhoneira Ibicuy, que parlindo do ancoradouro s
2 horas da larde pode alcanzar o navio s 6 no
lugar denominadochapia virado. Com ef-
feito, no outro da segumle, pelo meio dia, vi-
nham a canhoneira o o hiate dar fuodo no anco-
radouro.
Que sem ceremonia americana !
Diz-se que o caoiiio cora igual sem cerimo-
nia se disculpava com o consignatario, visto que
esle Ihe dissera, [o que duvidamos) quo o uavio
podia partir, porque estava prompto.
Entretanto s depois de novamente despa-
chado e pagas as mullas, por tanta pressa, que
largou o hyate deste porto livremeule no flm de
24 hnn.s.
Hoje segu para a corte a tomar posse do
seu lugar na alfanaega o Sr. Jos Joaquim da
Gama e Silva, que por muilos annos fui aqu
guarda-rar.
O Sr. Gama e Silva na sua retirada, foi ob-
sequiado pelo commercio com um servico de
prata para cha, em tlencio aos servic.os presta-
dos ossa curporac.ao, no cumprimenlo dos seu.
leveres; eos seus subordinados, guardas da al-
fandega, tambem mandaram tirar o retrato do
seu chefe, sendo enllocado na salla*da guarda-
moria.
Na verdade, 0 Sr. Gama e Silva um hbil
e excellenie empregado, e deixa na sus provin-
cia natal muias saudades, syrapalhias e a mais
grata recordagao dos seus semeos ao estado e ao
commercio. *
Consta que, para as bandas de Maraj appa-
recera um corpo branco, com aignaes de haver
aido assassioado. Em virtude disto parti dias
o Dr. chefe de polica, no vapor de guerra Piro-
jo a syndicar do faci, e tratar da prisio e pro-
cesso dos culpados.
Sua senhoria voltou pastados dias, e por em
quanto nada transpira de exacto sobre as oceur-
reiicias de semelhante acontecimento, nio se sa-
bendo quem seja o assasainado.
Ilia-me esquecendo noltciar-lhe que houve
um serio abalroamento enire os vapores da eom-
panhia Amazonas denominados Tapajoz Ma-
caj pela noite de 14 para 15 do crreme, seguu-
do ditem pelo lugar das Araras.
Nio se sabe ao certo como isto foi. porque
osjornaes nada disseram a tal respeilo; maso
facto real, tanto que o vapor Maraj, que se-
gua para a 2* linha. que parle de Manaes para o
Per, regressou com a proa completamente ave-
riada, e o Tapajoz cota urna caixa das rodas em
pednrOS,
e se culpa a ninguem do successo. por-
que aoibos os commandantes ao bons officiae*
de marinha e pralicos do Amazonas, o que se
er, que foi disouido das vigas ou oulra qual-
quer eousa, que produio semelhante resultado
Felizmente nio houveram desgraoas, nem
perda ou avena de cara, mas o modo e o susto
que os passageiros tiveram nao foi pequeo I
A Hdtwfria ambiciosa vai por aqui hzendo
M eua melhorameritus, o a prova disto que o
Jornal do Amazonas, era urna correspondencia
de dous noggcianlea extrangeiros, expo a ma-
POira por que se tem introducido a fraude dos ge-
nero de exportagio desta provincial
* O negocio al aqui ia s com a borracha,
agora, falsificara o vrue e introducen maierias
eslranhas as saccas de algodo e as de caedo.
Esk-s factos nao s desacreditan) os gene-
ros, como a praca que os remelle, e rom taes
dolos grande* sao as perdas para os fabricantes
e para o commercio.
ltimamente leve lugar e feohamente do
anno lectivo do eollegio de nossa Senhora do
Amparo,
f Depois dos exsmes houve urna eiposicio
doa ubjoctos e prendas feltos pelas collegiaes, a
que ssisiiram muias familias, disiinguindo-se
muias meninas, nio s no seu curse de instruo-
cio primaria, mas nas prendas que estavam pri-
morosamente bem trabalhadas.
. 0 eollegio de nossa aWnkiera do Amparo
inaliluigao do governo provincial, costeado para
Upaadio satos.
i slabetecimento est actualmente em
n?*' lera Pro8fP Fecho a presente cora o annuncio abalxo
transcripto, que hoje apparece op yornaf do
masnos. rr
So por um lado urna ollera qoe o commer-
cio dula praca faz ao governo Imperial, por ou-
1 flirM,J8 C8nf',e Jesculpavel; porque rendendo
a alfandega aonualmenie perto de mil e oito
caitos conloe, ainda o governo nio achou oeca-
siao de dispeaaar alguns cotilos da res para a
factura de urna ponte para o desembarque das
mercadoriai gneros importados, stand* a -
Iha que all existe no matar pango e omfbse
tem averiado e perdido, por tal motivo, multas
fazendas.
Para evitar demoras, e commercio ir facer
urna ponte para o seu servico, semelhante i que
fez a companhia do Amazonas psra os embar-
ques e desembarques dos vapores, sendo bemfeia
o solida e pouco maiscusloudo quo qualro cantos
de reisl Erotlra todas as obras e negocios do go-
verno sio tarde, e mal feilos, e dispendiosos, e
por isso o commercio do Par, o quer dispensar
de trabalho edespezas!
Ahi vai o annuncio :
ATTENCAO.
AHendendo ao pouco redimenlo que lti-
mamente tem tido a alfandega desla praga, e
julgando que isso se deve o nao haver hoja
urna ponte de descarga ; acha-se aberta urna
subscripgao, psra se olTereoer ao governo urna
ponle provisoria, igual que foi construida pela
companhia do Amazonas para snu uso.
a As pessoas que quizerem subscrever drijam-
se casa de Miguel Jos Raio & G.. -que esi eu-
torisado a receber as quantias destinadas esle
Um.
Para, 22 de dezembro de 1860.
Aqui Oca como sompre o seu constante leitor
a amigo.Pagt. t>
Alera disso lemos mais no Jornal do Amazo-
nas :
Sexta-feira, 1* do cerrente, s 3 horas da
Urde, o bngue inglez Bgerattia, abalroou cora a
forga da endiento na polaca hespanhnla Vctor,
ficandu-lhe esta atravessada na proa. Acudi
iramediatamenle o Sr. guarda-mr Jos Luit da
Gama e Silva, cora a guarnirlo da barca da al-
fandega, e pode, depois de muito trabalho. se-
parar os dous navios ; infelizmente porra s 10
horas da noile, novo abalroamento leve lugar, e
novamenio o Sr. guarda-mr apresentou-se e
podo com igual trabalho, fazer prolongar os dous
navios, depois de soffr>rem alguma avaria ; e
recelando que no sabbado na repona da endien-
te houvesse novo abalroamento, apresnnlou-sn
bordo s 6 horas da manhia e fez, nio s, sus-
pender a polaca hespanlioia, como fundear dis-
tancia conveniente, aura de prevenir novo desas-
ir.
x Nio podemos deixar de loovar a actividado
do Sr. guarda-mr, (nica auloridade que com-
pareceu prestar soccorro !)
No trabalho de apartar os dous navios, foi
ferido um marinheiro dos escaleres da alfan-
dega.
Maranhao.Havia sido concluida a eleicao
para um senador, flcando a lista trplice compos-
la dos Srs. Dr. Joio Pedro Dias Vieira, coronel
Isidoro Jansen Pereira, e dezembargador Jos
Mananni.
Urna carta do pessoa fidedigna, da capital, diz-
nos o seguinte acerca da eleicio para depulados
assembla geral, e relata o que de importante
ha por all occorrido :
Esl sendo sumraamente disputada.
Sio candidatos pelo lado conservador -libe-
ral no primeiro districto os Drs. Joio Pedro Das
Vieira, Fabio A. deCarvalho Res e Luiz Antunio
Vieira da Silva; pelo lado liberal-conservador
as Urs. Jos da Silva Mais, Carlos Fernando Ri-
beiro e Alexandre Jos de Viveiros.
< O iriuraphoesi problemtico.
_ Aquella cunta, na eleicio primaria, coma
victoria em 16 freguezias, inclusive as tres da
capital, ao lod i 196 votos: o oulro julga vencer
em nove freguezias occideniaes, ao todo 213
votos. Estou convencido que em resultado ha
do apparecer nio pequea differenga nos clcu-
los de uns e outros.
Sio candidatos oonservadores-liberaes no
segundo districto : Drs. Francisco Jos Furtado,
Joaquim Gomes de Souza o Virialu Bindeira
Duarte.
Pelos conservadores puros : Drs. Candido
Mendos de Almeida, Jos Mana Brrelo e Para-
guass (vaina a verdade )
a Us liberaes-conservadores nio organisaram
chapa nnsio districto por Ihes fallar para isso
elementos.
O ganho em favor dos ttes prmeiros hoje
crenca gHr.il. dizem, porm. que podo fazer fias-
co o Dr. Vriato, sendo substituido pelo Dr. Bar-
reto, a nio renunciar este em favor do Dr. Men-
des de Almeida, como ae espera pelo resultado
das combiaaces diplomticas qoe eslao em
jogo.
Os factos eslao succedendo com tanta rapi-
dez, que nem ha lempo para seren esludados....
Apezar da maior agitacao dos espirilos poli-
ticos, reina protunda paz e nao ha o menor re-
ceio de ser alterada a ordem publica em parle
alguma da provincia, grecas absoluta neutrali-
zado em que se tem conservado o Sr. Silveira
de Souza, e as acortadas providencias e medidas
preventivas turnadas lempo.
Affianco-lhe que, depois de 1836, esta a
quadra eleitoral mais livre e calma que tem tido
o Maranhao.
O presidente, ombora amigo mais ou menos
intimo de um ou oulro candidato, nio tem em-
pregado a sua influencia em favor deslo ou
d'aquellc; nao tem lancado mi de nenhum
meio, j nio digo reprovado, ao menos se quer,
irregular: nio se lera constituido chefe de urna
opiniao, como muilos de seus antecessores:
a prova tem-se nessas desercoes, nessas juuc-
ces de figuras helorogeneas, nessas francas
adheses das localidades do interior por urna ou
oulra localidade.
Se a presidencia impozesse, dirigisse ape-
nas a opimio, as facces, dilaceradas como se
achavam, nenhuma resistencia aprosentariam:
curvar-so-ian completamente.
Cum o titulo de Ordem e Progresso publi-
cou-se no dia il deste raez um jornal, que o
orgao chefe do partido conservador da capital.
E' ejcnpio om linguagem pura e elegante :
ampa ptimamente as ideas de progresso, or-
mentn industrial.
Por portada de S. Exc. Rvdm.* de 11 deste
mez fui julgada interdicta a igreja do Sanl'Anna,
filial da matriz da. Conceicio, por nella ter-se
reunido no da 9 em sessio popular o partido
conservador liberal.
om a noticia da reforma da secretaria da
guerra, foi aqui applaudida a nomeacio do Dr.
Simplicio Hemelerio Machado para primeiro of-
hcial de urna das directoras.
No dia 17 do crreme falleceu de uma apo-
plexia fulminante o caoitio Francisco Antonio
Bandotra de Mello (cunhado do inspector di the-
souraria de fazeoda desta provincia.;
Dntado de multo boas quslidades, predomi-
nava oelle a de graildio para com todos aquelles
de quera recebia um favor: para com os que
considerara amigos verdadeiros, rendia um por-
folio culto, a
Piauhy. Nesta provincia foi bastante festeja-
do e dia natalicio Oo S. M: o Imperador, como se
la no.seguinte trecho do Propagador.
As 9 horas da manhia o meio batalhao desta
provincia, em grande uniforme, formou em pa-
rada na frenie do palacio da presidencia, e depois
das descargas de mosquetaria, o vivas 8S. MM.
II., s augustas priocezas, e independencia do
Brasil,dados pelo Sr. lenle-coronel Antonio
Joaquim de Magalhies Castro, desfilou em conti-
nencia ao aora do sua msica o da dos educandos
cujo corpo se achava postado ao lado de palacio!
All se achava S. Exc. convenientemente lar-
dado, e grande concurso de funcionarios pbli-
cos e pessoas gradas que o haviara Ido cuoipri-
mentar em lio faustoso dia.
* O Ilustre Sr. lenente-coroner Antonio Joa-
quim de Magalhies Castro, mui .digno comman-
dante do meio batalhio desta provincia, militar
sincero e honrado, digno por suas qualidades e
servicos, Oe toda a estima e confianca, reunido
briosa e digna offlcialidade i que eommanda, e
mais alguns pjeos ofciaes superiores da guar-
da nacioual prepararan) uma rica illuminacno
oa frente do quarlel, e ahi servlo-se aos soldados
uma esplendida eeia.
No interior o qaariel ao harmonioso soto de
de uma msica marcial cantaran) algumas senho-
ras ohymno perante aa efigies do SS. MM. II.
Era seguida aomecou om baile que foi pti-
mamente, servido. r
As differenles commissdes encarregadas dos
preparos para tao solemne festejo sao dianas da
lodo louvor, e ao Sr. tenente-coronel Castro,
como iniciador da idea, cabe por sem duvida,
grande louvor por lio solemne demonstrarlo de
amor, respeilo e adhesio ao noaso augusto e ado-
rado mounreha o.
Coar. Embarcaras no dia 20 da passado. na
ttjpor Camossxm, otr. Dr. chefe do polwia, um
oficial de sua rol,na, atao.offc**je*ioeoen-
la praeas de lirA* aom deslino 4 Sobral, aoode
iara ass.st.r da e4oices da 30, que te dizia serem
all ameacadas.
flavta sido all abarla, pelos Ir. Dr. Miguel
goraandes Vieira, Joaqim da Cunha Freir e
load Francisco da Silva Aloano, uma aubteripcao
favor das infeliz** Victimas dos serlo** da
ahia. A esse respeilo diz o Pedro II:
A subscripgio que promove neata capital os
Srs. Dr. Miguel Fernaade* Vieira. Joaquim da
Cunha Freir e Jos Francisco da Silva Albano
ero favor dos infelizes que nos seriftes da Baha
morrera tome, montava sabbado 2:2253.
Ouvimos dizer que o que o Sr. Pernandes
Vieira pretende remtter no vapor o resultado da
referida subscripcio ao Exm. Sr. srcobispo para
farer l a competente dislribuigao ; ao virtuoso
prelado que em 45 se lembrou da penuria do
povo Cearense, e promoendo pelas parochias da
sua dioceso subscripgoes reraelteu-nos 5:5oO
por vezes *
O producto da subscripcio, promovida nesta
capial esponianeameute p^io* dislinclos cava-
Iheiros Dr. Miguel Fernandas Vieira. Joaquim da
Cunha Frer* e Jos Francisco da Silva Albano,
era favor dos indigentes que nos se toes da Baha
perecem fome, monta j a 2365, como verao
os leitores das assignaluras abano inscriptas.
O povo cearense esseneialmente generoso
se mais nlo tai, porque suas posaos recursos
nio permuten).
Mignel Pernandes Vieira............ 200*000
Joaqun da Cunha Freir............ feOuyOOO
Jos Francisco da Silva Albano...... 200gOU
Consetheiro Jota Martinian* Atascar 2uUOOo
Monde* A Irmio e Filhos............ 2UUU0d
* M- M-.G.......................... 1001000
I)r. Antonio de Bnlo Souza Gayoxo.. lOUpUO
Jos Smilh de Vasconcellos.......... lUOaOoi
Luiz Ribeiro Oa Cunha............... IOU9OOO
Severiano Ribeiro da Cunha........ lOOgOUO
Ildefonso Jos de Abren............. lOOfiUOU
Manoel Nutres de Mello............. 5o3ll
Tenante-coronel Jos Domingues do
Con lo...........................#>> 503000
Salgado Souza & C.................. aOjoOU
Antonio Teixeira Bastos Leal........ 4o000
Jos DissMacieira.................. 30000
Uro pobre............................ 25IM)0
Manoel Francisco da Silva Albano... 2)S0OO
Joio Franklin de Lima.............. 20,000
Diogo Jos da Silva.................. 20900
Jos da Rocha Moreira............... 202000
Manoel Antonio da Bocha........... 205000
Francisco Fidelles Barrozo.......... 2ojOiH)
" c'G...............f.............. 20800U
Mr. Saillard........................ SoSoOO
Carreira & C......................... SoTouO
Pereira & Vinhas................'.'". 2O9OOO
Joaquim Jos Barbosa.............. 20*000
Jos Feij de Mello.................. 20*000
Antonio Francisco Carneiro Monleiro
P'rao.............................. 20*000
Justa i Faria........................ 2000
Joio t ptala da Guerra Machado.... 20*000
Adoluho Herbsier........,........... 203OOH
Jos Paulino Hoonlli................ 20J00
Joio Amonio do Araaral............. 10#0O0
Manoel Duarte Pimentel............. 109<)00
Franciaco Lua de Vasconcellos...... oaOOO
Francisco Coelhn da Fonseca........ lOsOOo
Ji^rd\?"V3Braga................ wo
Jos Coelho Barbosa................ 10a000
Amonio Vicenta Ribeiro............. IOJO00
Figuereoo & Irraio.................. 10aU00
Manuel de Moura Rohm..........,.. IOjWikj
Uta Bahiano.......................... lOaOO
A. P. da C. Mamede........'..'.Y.'.'.'.'. 105OO0
J. B. C. J.,.......................... lOOoo
Zef9ri,, Dolervil Ferreir* da Silva.. i( 9000
Bernardo Piulo Coelho........... lOJUW
Antonio da Silva Leiio.............. \[&m
Amonto Coelho da Fouseca.......... I09OOO
u Tv."-"......................... 59000
Manuel V.e.ra Bastos................ 59OUO
Francisco Dulr* Macado............. 59O00
D- n j .. *s' 2:369000
10 Grande do Norte. Carla de pesio* de con-
Uanca. da capial, diz-nos o seguinle acerca das
eleiioes do da 30:
, N". c?l'iial, Extremoz. S. Goncslo e S Jos
de Mipibu correm ellas serenas, e sem novidade ;
era fduary, porm. o uiz de paz adiou a dessa
tregueiia para 6 do crrante, em consequencia
de haverem invadido a igrea o vigario, o dele-
gauu, e o commandanle do destacamento, loma-
do os livros. papis n al mesmo a urna ( tex-
tual dojmz du paz). As parlecipacocs do delega-
do e do coraraaudanle da for^a, dirigidas presi-
dencia dizera que fra isso uma estrategia da-
quile riicciouario, por insinuares do eandidato
do seu lado.
Nesta perplexidade, S. Exc. o Sr. presidente
lez partir para aquella Incalidade o Dr. chefe de
S fu 1",e"n. u'a Lobo, allrade coohecerda
verdade dos fados, e se poderera tomar as medi-
das necossarias ao caso.
Ha serias apprehenses pelas eleicoes de
Nova-Cruz e Pi dos ferros ; em toda ademis
provincia espera-se que tudo se acabe bem .
rarahuba. A carta do nosso correspondente
traz a oarracao do que por all ha occorrido :
Nenhum facto importante se tem dado nes-
ta provjiioia, que teuha chegado a meu conheci-
mento, quer pela imprensa quer por oulro qual-
quer meio. r *
Admira que assim fenha succedido ; poisem
poca eleitoral, pouco comrauro, ver-se reinar
lamo socego, tanta tranquillidade, mas o facto
real e por mim observado.
Na matriz nio se ouve uma palavra mais
spera, ou uma voz mais elevada, smente a do
juiz de paz se faz otivir chamando pelos votan-
tes que teem concorrido era pequeo numero ; o
inumpho perlence a uma chapa na qual entra-
ran) alguns rasgados nio como rasgadosmas
sim como homens bons.
Os rasgados at agora s tem votado para
garantirem-se supplencia, que boro proveilo
mes taca, ao passo que os outros, os baetas, nio
se satisllzerara com a mesclada e appresenCanm
oulra, da qual excluirn) os rasgados que como
homens bons raziara pane da mesclada.
Ilota eleicio aqu custava muito dinhero
era muito cara; desta vez sae muito barata
cuslou bem pouco dinherofoi um grande favor
feuo a provincia que se hia desmoralisando, e
principalmente a certos homens de dinheiro que
desla vez |d escansa rain.
Pomos bem felizes, ao menos at esta hora as
noticias receidas nos aulorisara a acreditar que
nenhum facto desagradavel se lera dado durante
o correr do processo eleitoralcujq triumpho per-
lence ao partido conservador.
Adespeza que fazia a provincia com o ali-
mento dos presos existentes na cadeia d capital
cujo numero lera chegado a grande cifra de 130,
na pesando aos cofres de modo que o Sr. Silva
Nunes havia dado providencias no seolido de
evita-la reduzindo o mais possirel o numero dos
que tinham de receber a alimeatacio ; mas Isto
nao bastava por que mesmo assim, em propor-
go, bem pouco se consegua, por que por cada
preso raccionado pagava a provincia 420 ris
diarios, aos saos e aos doentes 960 ris em vista
de uro contracto existente.
* O 8r. Dr. Neiva, digno chefe de polica,
procurou examinar e ver o como era feilo seme-
ntante fornecimenio. o que tendo resinado obser-
vou quo era posslvel alimentar-se ae mximo dos
presos (130) em loda sua lotalldade, gastando a
mesma quaniia que so despenda qora 75.
S S. apreseittou ao Sr. presidente da pro-
vincia o resultado do que tinha vislo e observa-
do e propoz fosse o fornecimento feito como elle
entenda e expunha, o que annuio o Sr. Silva
Nunes, desejoso de melhorar a sorte de taes in-
felizes e aliviar um pouco os cofres, cujo "estado
actual desanimador.
Do Imparcial, n. 49 extracto o qoe abaixo
se 16, acerca desse objeeto, com o que ver {ue
nio s actualmente pode a provincia alimentar
130 presos na cadeia da capital, como ainda lu-
eram es cofres provinciaes mais de um cont de
ris mensalroente, quantia que ficava no bolsi-
nho do forneeedor; notandu-se uma circums-
tancia que acluairaentq a alimentario t mais
abundante e mais sia.
< Temos a satistscio de registrar aqu um facto
de nio pequeo nteresse para 9 provincia, e
que muito abona o zelo e flseallsacio da poli-
eia, a cuja frente se acha offl magistrado digno
desse nome, por ao* iMualracio, probidade e
ioiareu* pelo serviee nbltco.
O Sr. Dr, Neiva, digno chefe de polleii des-
ta provincia, reconhecendo que os presos da ;
cadeia nio eram alimenlados convenientemen-
te, estando o fornecimento a cargo de um for-
neeedor, por contracto com o thesouro pro-
- vincial, e observando que tal*** **m *ior
Ceoonomi* p*des*em elle* ser m*lh*r tratados,
independen!* d* contraet* *mpre*ien*>) U-
aor o ornecimanto p^|t polici*; o que, levou
a eff.'ilfiCom a grande Trtago** de alimantar /
a lodo* ora igualdade. o rneUror tratamtrto,'
resuli**do para oa cofre* da -MvincU orna
- econodiMi maior de um cont da res por eada
* mez. *^
Coa* frito, ni poea em que 9 Ir. Dr.
* Neiva fez esle feH ensato, com quo feote f-
vorecera a sorte daquellec infelizes, e aa fl-l
naneas da provincia, existiam na cadeia 132 |
presos, dos quaes apenas 35 eram alimenta- I
dos pele forneeedor, sendo dez doentes eom
a diaria de 960 ris, para cada um, e 15 sa-
dios cora a de 420 ris, eoncorreodo mais o
theso.iro provincial com a diaria de 6#4O0 ris
para ser destribuida por 40 presos na razio de
160 res, em dinheiro a cada um
* Deixa*am pois dn ser alimentados 55 pre-
* sos; sendo que os 3 alimentados pelo for-
c necedor, pnr contracto, despendan) JOjlOQ
ris, e os 40 que eram esmolados, em dinheiro
6*400 ris; ao todo 26f,500 diarios para o
sustento de 75 presos.
Pois bem ; com esss mesma somroa do....
26#5o0 passaram a ser alimentado* 130 presos,
senio melhor, ao menos com as mesroas quan-
iidades e qualidades em auas raeoe, e srt
'< que resulta a maravilho** proporcao de que
20al00:35::26d00: 130 e lorna-seeVidenlequo
passam a ser alimentados gratuitamente 55
t presos, que quando mesmo sadios trariam a
despeza diaria de 23|10u ris.
Essa.despeza reunida a de 16|800 ris que
seria necessaria para o sustento dos 40 preso*
nio alimentado! pelo forneeedor, dara o total
de 3)#90O do qual deduxida a queta dn 6*400,
ellas esrooliados
oe 31*500. que
diariamente,
nienaalmente
coro que eram
v*** a aamma uv *.ifnw, ^no in<-a>inrr..u
ae eleva a 1:005*000. e annualmente a 12:0609
ris, quanto juntamente ecenomisaram oa co-
tras da provincia para o Hm de augmentar e
melhorar o sustento dos presos pobres.
O Sr. Dr. Neiva, lera direilo a nossa gra-
tidi* e aprego por lio importante e valioso ser
vico.
Procedimento tal digno de imitar-se o do
mais vantagem ser o resultado se a expensara
fr feila era um eslabelerimenio que comportar
maior numera do dtenlos. Nio historia de
meia noite, fado sabido e dado nesta capital, o
cujos resultados Bcam patentes com a demons-
trarlo feila.
Funcrionarios como o Dr. Neiv* honrara os
cargos que exercem, e provincia que os vio
uascer,
Consta-me que S. S. conseguir igual re-
sultado na provincia de Alagaa; o que corro-
bora ainda o nosso pensar de que sendo a expe-
riencia feita em uma casa, como a de detencao
dessa provincia que muilo maiores seriam as
vantagens colher-se.
Na ptaia do Taraban, prxima ao Cabo Bran-
co morrerara 4 mocas allegadas, Ires irmias e
uma prima: o Imparcial, refere esse facto da
maneira seguinte:
c Um fado bem lamentavel leve lugar na ma-
nhaa de 27 do correle na p ra i aHnsea da
c enire a Penha (Cabo Branco] e o Tamba, a
duas leguas de distancia desla cidade.
Tres filhas do Sr. capilio Modesto Honora-
to Vctor, e uma do Sr. lenle eWnel Joio
a Francisco da Natividade, cujas familias all se
acham ha mezes foram ao banho na mar
acompanhados de uma filha do Sr. Luiz da
Suva Baptisla ha pouco all chegado com a sua
familia, e que iie.-se dia as visitara,
c Banhavam-se em nio pequea distancia de
torra, ao lado de uro dos curraos de pescara,
e eram apenas vistas por uma mulhcr, quo es-
tava prxima ao mar.
Na sahida do banno, tomando diverso ru-
mo, a ultima dolas, e em seguimeolo ss qua-
lro companheiras, cahlram em uro pero, jun-
io a uma pedra nio pequea e visinha ao
mesmo curral.
A primeira que precipltou-se pode felizmen-
le escapar depois de penosos exforcos e fadi-
gas em lula horrivel eom as ondas, e de j
haver bebido bastante agoa ; as oulras porm
jamis poderam livrar-se.
.Por aviso daquella mnlherque asobservava,
diversas pessoas laucaram-se ao mar, e apenas
poderio salvar aquella que j se achava fra
do pero, pois que acharara logo tres j mor-
as, e procurando a ultima que resista, forio
afinal descubrir o seu cadver na sala do mes-
mo curral.
Os qualro cadveres forio sepultados jo r,e-
miterio da povoacao do Tambc, j qnaal de-
negridos, e com diversas conioses fetts sem
duvida pelo choque das ondas, que 0* levava
a de encontr ao curral e pedra, que Ihe ficava
prxima.
A lilha do Sr. Luiz da Silva Batiste, se-
gundo nos informara, acha-se reslabelecida o
< livre de perigo.
Deploramos lio triste oceurreucia, devida
< lalvez a imprudencia dessas mocas, que assim
< deram lio funesto destino aus seus dias, o
occasionaram aos seus prenles tao cruel o
profunda magia.
Pesias de dr e lagrimas leve essa pobre fa-
milia, digna de compaixio
J l se fui o bissexto 1860, que bem la*
grimas cuslou a populacao dessa capital onde a
angina e a escarlatina lautas victimas fizeraro.
Quanios cheles do familia, quantas pessoas
estimaveis deixarara de existir nesta auno que
honleni findou
< Permuta Deus que o novo anno Ihe seja
propicio e para esle seu correspondente que tam-
bem soffreu e muito; o mal para todo* o
bem para bem poucos.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
. 1* Jr6Uueiia de 8- Jos, Pelas 2 horas da
tarde do l. do crreme, por occasiao de ir volar
Antonio Pontes, surgirn), da parte de varias
pessoas que se achavam dentro da igreja, duvidaa
acerca da identidade do votante, resultando
serlas disputas, que lemaram maiores propnrees
da parte exterior da igreja, aonde, depois de
terera havido pauladas de parte e d'oulra, foi
assassinado Alexandre Francisco Regs, por An-
tonio Francisco Lisboa E-teves, que foi captura-
do pela polica bem como Jos Simplicio
de S Esleves, que se aeham recoihidos casa
de dotencio.
O Sr. Dr, chefe de polica, allendendo ia recla-
raaces de diversos cidadios, fez correr uma casa
das vuinhancas da igreja, na qual se dizia haver
armamento e genio, e ahi enconlrou alguns ins-
trumentos contundentes, que foram apprehen-
didos. rr
O juiz de pac em exercicio suspendeu es tra-
balhos por tampo iliimitado, mas 8. Ex. o Sr.
presidente da provincia mandn que eontinuas-
sero hoje os trabalhos da mea*, eom calma e
regulandade.
- Nas freguezias do Recife, Boa-vlsl. Santo
Amonio, alm de alguns pequeos disturbios
occasionados pela recusa de cidadios, cuja iden-
conlesta nada mais tem occorrido, proseirindo
as mesas respertivas os seus traballMo.
Na freguezia do Arrogado coneluie-** hontem
a apuracio das lislas.que deu o resultado abaixn
e lavre*-se a competente acia t '
Senho res Voloa
Manoel Joaquim do Rege Albnqnereue.... 3in
Franoiseo Carneiro Machado Ros Jnior
Anacilo Antonio de Moraes............
Jos Thoma* Cavalcante Pessoa.!.!
Pran;i*co Cavalaante de Alboquerque. '."'.'
Manoel Joaquim do* Pasaos..........
Antonio Correa Maia................'*
Seraphlm Pereira da Silva Monleiro!..!!!
Manoel Gouva de Sousa Jnior......
Jos Lucio Lins........................
Francelino Americode Albnquerqueliilo.'.'
Jesuino da Costa Albuqoerque Mello....
fanoel Jos Mauricio de Senna...-^,......'.'
Antonio Ooncalves de Moraes...... A......
Jos BuarquILisboa...........]..... ..
Marcol.no Fcrroit* da Costa................
Jteiermmo do "osario Birros.............
tmplicio Rodrigues Campello.,..i.!.!.!!
Padre Antonio F. Ooncalves Gulmrles!!!!
Domingos Aires Maifiro....!;. ../...
SOS
308
807
sor
306
906
306
906
906
305
305
305
995
;
i


)
DURIO DE RRIUMBCO. Ju QUIMA PEIRA S DE JANEIRO DI 61.
I*.
I
*

9
9;J
>21
92
90
90
Antonio Valenta da Silva Barroca........ 30
Joo Francisco deCarvamo Paos de A.... SUS
Joaqun Jos Bello........................ 30*9,
_^ 8upplmtt$.
Seabores Volee
Salvador Barbalho Ucha C..............f, 110
Delphino Lins Carilcanle Pessoa.......... 110
Manoel Bezerra Cavalcante................ 110
IranciscoPoocalves Servlna................ 110
Jos Bollicio Camello Bessone.............. 105
Antooio Rodrigues Momas................ 105
Easebio Napoleo de Siqueira.............. 105
Francisco Nicolao de Pontes.............. 105
Fructuoso Pereira do Nasclmento.......... 101
Custodio Floro da Silva Fragoso............ 104
Maxiiniano Antunes Tavnres................ 102
Rufino Rodrigues Campello............... 101
Flix Lins Cavalcanle...................... 97
Paulo Palatino Nigramonle................ 97
Manoel Jeronymo Bornes U................ 97
Jos Elnsbo Corgos Ucha...............'. 96
Jos Luii de Franca........................
Ignacio Xavier da Costa....................
Firmino Firmo de Azovedo................;
Jos Antonio T. da Luz....................
Tlioma/ de Aquno Cesar..................
Antonio do Mello Falcan...........,........
Marcolino da Cruz L. Wanderley.....'...".'. 86
Na freguczia daVarzea flcou assiin composta
a mesa :
Presidente.-Ignacio Alves Honteiro.
Secretario.Jos Duarte Raogel.
Dr Felippo Caroeiro de O. C.
Escrutadores.Bsrao de Muribeca.
Honorato Augusto de Miranda.
Ilvendo flcado impedido por molestia o se-
gundo juiz de paz cima, assumio a presidencia
da mesa o terceiro o Sr. Jos Antonio de Brito
Bastos, que proseguindo nos trabalhos, concluio
o rocebiraeiito das chapas, verilicando-so lerein
volado 52 pessoas. fallando apenas 98 para
completar o numero das qualiQcadas.
Indonesia freguezia correu placida e tranquil-
lamente, sera que nenhuma das duas fracrjes
polticas que pleiieavam a cleicao livesse occa-
siao do disputar sobre as questes que se
clovim sempre cm taes emergencias.
Felizmente, nem a polica nem a mesa vio-so
obrigada 5 eropregar outros meios que nao fos-
som o de explicar os fados que parecum duvi-
dosos.
Boj deve cncetar-ro a apurarSo, o s depois
dola 6 que se poder dizer miem cabom as
glorias do certamen.
Ao amanhecer do dia Io do corren^, foi
eocjnlrada mora, na casa ent que morava, na
ra do Cildeireiro, a Sra D. Ursulina da Silva.
I'iversas versestem corrido acerca desse fac-
i, que comtudo coniinia sob o involucro do
misterio ; passando, entretanto, como cerlo, que
a cerda, que se achava ao pescoeo da victima,
nao foi mais do que ura aieio de iludir as pri-
iioras pesquizas.
tonvm que se nao deixe era olvido esse cri-
ne emdemazia atroz, por ser executado contra
ina mulher, inerte e fraca."Diz-se geralmenle
qui urna carta fra encontrada, que poder ori-
euar as pesquizas. Ha fados acerca dos quaes
a rolicia deve por era campo todos os seus re-
cursos, aini de descobrir e punir severamente
os irimnosos e este um delles.
l ra comraissao medica prooedeu honlera
aut.psia, sem que, at 7 horas da noile, fosse
coulietido o resultado.
Hoje pelas 11 horas da manhaa, i porta da
repirticao do curreio, proceder-so-ha a iuuli-
lisa'.ao das cartas ali existente, relativas ao
mez de dezembro do anno de 1859. na coiifor-
mididedo eslaluido no regulamenlo de81 de
dezombro de 18H. ail. 138, e decreto n. 785 de
1.0o mniode 1851, art. 9.
A lista competente foi devidamentc afjQxada no
lugar do cusiume.
Foram recolliidqs acata de detenijo no dia
31 4e dezembro proiimo findo, e no dia 1 desle
me 6 horaens e 1 mulher, arado todos lires,
a saber: a ordem do Dr. chele de polica 3, a
ordem do Dr. delegado do 1* dlstricto 1, a or-
dem do subdelegado do Recife 1, a ordena do da
Boa Vista 1, o a ordem do dos Afogados 1,
Thesouraria provincial*
DEMONSTRADO DO SALDO EXISTENTE NA CAIXA
ESPECIAL DO CVI.CAMESTO DAS RAS DESTA CI-
DADE, El 29 DE SETEMBHO DE 1860.
Saldo em 30 de no ve muro
p. pastado .... y
Receita de 1 a 31 do cor. tl3O0
Despera idom
119300
11*300
Saldo.
CAITA DE DEPSITOS, EM 31 DE Dl/.EMBRO DE 1860.
Saldo" cm 30donorembro
p. passado .... 279.961JD2S
Recita de 1 a 31 do cor. :830|000
------284:716*212
Dcspeza dem .... i :O22088
________
Saldo .... 283:724! 54
Em moeda corrale 5635(79
Accoes. ....... 9:000*000
Letras......274:160*207
mi6j54




.'
DEM03STRACA0 DO SALDO EXISTENTE NA CAIXA ES-
PECIAL DA DIVIDA PUBLICA EM 31 HE/.F.MRRO
DE 1860.
Saldo cm 30 de noverabro
p. passado '28:100}000
Receila de 1 a 30 do cor. $
---------------28:100#000
Dospeza idem :.......6100*000
Saldo : 22:000$000
Monmento da o/fteialidade da marinha impe-
perxal em 1860.
Morrerararl chefe deesquadra.
2 cliefes de divislo graduados.
1 capilaode mar o guerra.
1 capitao tenento (od naufragio.)
4 Primeiros lenles (em naufragio.)
2 Segundos lenles (em naufragio.]
guardas marin (em naufagio lodos )
II
Tala!. 22. Sendo 17 em naufragio.
l*lormaiam-se da Ia classo :
2 eapila.es de fragata.
3 capilaes lenles.
5 Primeiros lenles.
da 2a classe: 6
idal. 10
Reformaram-se
leneiles.
Total dos refurmaods 16.
Dtmitliram-se 2 primeiros lenles.
Itrdeu.pois, marinha no anno findo pelas'
dilloieiites cousas cima especificadas 10 ollciaes
de lulas as graduacos, enire os quaes 17 primei-
ros laoeoles ; islo. prximamente a decima
parle do seu pessoal actual.
Para reparar estas fallas obteve da escola de
maricha 2i) guardas raariohas.
No corpo de saudo da armada deu-se o se-
guin.e movimento durante o mesmo periodo de
lempo]
Motreram : 1 cinirgaaade divisao.
1 1 frur?iao (em naufragio.)
2 2* dilos (era naufragio.)
1 2o phamaceutico (em naufragio.)
Total... 5. Sendo 4 em naufragio.
IMormou-so 1 cirurgio de esquadra.
A'o corpo do fazenda occorreu o seguinle :
.ucrreraui: 1 esrrivo de Ia classe.
1 commissano de 2a classe.
1 dito de 3" classe fera nafragio.)
1 escrivo de 2a cla9se(em naufragio)
1 dilo de commisso (em naufragio)
Total 5. Sendo 3 em naufragio.
Refirmou-se 1 commissario de primeira classe,
Alera d'estas perdas morreram tambera cerca
de 150 niarinheiros e soldados do balalho naval
nos naufragios do bngue Calliope e crvela
D. zibcU.
Trisle e pozado tributo pagou nossa marinha
no asno Pind ao ocano I
Relajo dos baptisados da freguezia de San-
to Antonio do Hecifo, de 23 a 31 do dezembro
do anuo prximo passado
Leopoldina, parda, filha natural de Belarmina
Maria de Barcellos.
Alexandnna, simibranca, filha natural de Izabe-
liua Maria Marcellina dos Reis
Tburcio, branco.filho legitimo de Luis Francisco
Barbalho e D. Rosa de Lima Pereira Barba-
lho.
Luiz e Jesuina, pardos, fllhog naturaes de Ge-
ra.dina Maria da Silva.
Manoel. crioulo, escravo de Luiz Jos Pereira
Simes.
Jos, pardo, fllho legitimo do Cornelio Jos da
Ro:ha e Paula de Mello Brrelo.
Lucai. branco, lilho legitimo de Lacas Antonio
Mcnteiro de Castro Jnior e D. Anua Adelaide
Maotoiro.
Lupicina, parda, filha legitima de Elias da Ro-
cha Pereira e Alexandriua Firmina da Concel-
o Pereira.
Um menino, fllho legitimo de Frederico Augusto
de Lemos.
Mataouro publico :
Mataram-so no dia 30 de dezembro p. p. para
consumo desta cidade 90 rezes, e para o dia 1*
do crreme 81 rezes,
Mortalidade do da Io do corrente :
Jos, branco, 12 horas; espasmo.
Jacob, preto, solteiro, esetavo, 45 annoi; frial-
dade.
Salustiana Maria da Conccifao, parda, solteira,
2) aunos; foridas no ulero.
Jacinto, preto, escrav, solteiro, 25 a'nnos: hy-
dropezia.
Antonio Benlo Pendra, branco, gotleiro, 45
annos; hopetfiaces.
Demetrio, preto, 9 mezes; espasmo.
Augusto, branco, 21 mezes; convulsoes.
Alttaddro Francisco Regia, picib\ caaaio, M
annos; lima ferida penetrante.
Luica, parda, 6 das; convulcoes.
UmbeUoa Mara de Mallo, p'arda, niletra, 22
anno*, peritonite purperal,
Antonia Ignacia de Souza, branca, vluva, 36
annos; tsica pulmonar
Lmbclina, parda, 4 oezes; maligna.
Paulo, preto, 8annos; bexgai.
Antonia Umbetio, preta, solteira, 40 annos;
tizicapulmouar.
Antonio, branco. 8 asnos; gastro enterile.
Urcula Arcelina Cintra, da Silva Araujo, bran-
ca, viuva, 38 annos; ignora-se a causa da morte.
'. Bosalina, parda, 2 mezes; calor de ligado.
X Adolpho, 8 das; convulcoes.
CAIXA ESPF.CHL DAS APOLICE*
I".M 31 DE DEZEMBRO.
Saldo em 30 do noverabro
p. passado .... 29:200*000
Receita de 1 a 31 do cor. 9
------------29:200*000
Despcza dem........ $
Saldo.
29:200000
CAIXA DO
DEZEMBRO
DEMONSTRADO DO 845.00 EXISTENTE NA
EXERCidO he 1860 a 1861, em 31 i.e
de 1860.
Saldo em 30 do noverabro
p. passado .... 6:045*361
Receila de 1 a 30 do cor. 114.086j828
---------------120:1828192
Dcspezaidem.........86:30-{279
Saldo. .
33:823913
Carvo vegetal.....
Cera de carnauba em kruto.
dem em velas (carnwlfcTj. ''
Charutos........cento
Cofoaseccoi....... >
Couros de boi salgados libra
Idemsecoos. .Jp.
dem Verdes......
dem de cabra cortijos um
dem de onga......
Doces seceos......iiura
dem em calda. .,'...
dem em massa ou geleia >
Espanadores grandes. um
dem pequeos..... *
Esleirs propras para forro de
nM">........cento
Kstoupa nacional .... arroba
Farinha de mandioca. alqneiro
dem de aramia.....arroba
Feijo de qualqaer qnnlldade.
Frechaes........um
Fumo em folha bom. .
dem ordinario ou reslolho.
dem em rolo bom ,
dem ordinaro reslolho. .
Gomma ......... arroba
Ipecacuanha (raz) ....
Lenha em achas.....cenlo
dem em toros. ...
Lenhas e esletos.....um
Mcl de canna......can ada
Milito........arroba.
Pao brasil] ...... quintal
Pedras de amolar urna
dem de filtrar.....
dem rebolo......
Kwm........molhos
Ponas de vaccas e de Dovilhos cento
Prancboes de a ni arel lo de
dous cuslados......urna
dem louro.......
Sabio......., ibra
Salsa parrilha.......arroba
Sebo cm rama......
Sola ou vaqueta ..... urna
Taboas de omorello .... duzas
em diversas.....;
TaPoca .'.......arroba
Travs.........urna
Unhas de bi ..... cento
Vinagra ........ caada
w
1560O
fSOO
|400
2500
4)009
jflB5
8969
J*150
gaoo
1050 oo
1000
9500
9500
4S0O3
25000
249000
1*600
2400
8$O00
1$200
50OO
15000
7J000
16SO00
7S000
392OO
253OOO
20OO
I29OOO
50SOOO
9240
IjgOOO
IO9OOO
800
1 oso 00
12C0
8200
59O
nao aabidos, Je mando por isso que lhes seja in-
timada- o pioteato da fia. 5 por meio da editos,
Bassando-ae o respectiva caria com o prazo de
80 diaf: nagas pela justificante as cusas. Becife
18 dezembro do 1860.Anselmo Francisco Pe-
retii. i
E maisse Dliocontinha, eaj tal serilenc.a aqui
transcripU ; ero cuBprimenm (taqual o raspee-
drectores, Jo&o Ignacio de Medeiro
Reg, Luiz Antonio Vieira.
Pela subdelegacia da freguezia de Santo An-
tomo do Recife acaa-se depositado um cavallo
pedrez qut foi encontrado sollo sen dono : a
........uem elle perlencer. compareca oeste juizo, que
Iva eacrlvo faz saasaro prsenle edital cam o, Prva!l seu domio'. 'he mesm prazo o>80 das, pelo theer do- qual. in- Z4 de dezembro de 1860.O subdelegado sop-
limo e hei por intimado aos ditos seus devadores plente Joaquina Antonio Carneiro.
toda o sea cometido. | ~ "e'a mesa do consulado provincial se faz
E para que chagua ao conhecimento de todos,! Pa^ic 1** 30 dias uteis para o pagamento
ser esle publicado e affixadona forma do eslylo. 1 r0"" e?red* decima urbana doa predios das
Recife, 20 de dezembro de 1860.Eu Maoe
Maria Rodrigues do Nascimeoto, escrivo o subs-
crevi.
Anulmo Francisco Peretli.
Declarares.
189000
sjtooo
9140
5|000
spoe
108#00O
509000
39500
129000
#300
9280
Em moeda crrante 33:8239913
COMMERCIO.
Praca do Recife 2 de Ja-
neiro de 18.61.
A. tres \\ovas da turAc.
Ciitiii/oes oficiues.
Cambio sobre Londres26 1|2 d. *ju d|v.
Descont de letras15 0|0ao ann-i.
George PatchellPresidente.
DubourcqSecretario.
Airndola,
Rendimento do dia 2 7.7865823
.ilovimciito da alfandeera.
124
162
------286
91
38
------132
Descarregam boje 3 de Janeiro.
Origue portuguezllella Figuerense ceblas e
batatas.
Barca inglezaEllaslercarvo.
Origue nacionalVelozcaf e farelo.
primeiros Barca francezaTuspaumercadoras.
t Barca inglezaSeraphinafazendas.
Consulado provincial.
Rendimento do dia 2.....1:657*209
Voluntes entrados eom fazendas..
com gneros..
Volnrnes sabidos com fazendas..
com gneros..
Movimento do porto.
o eo _^
o. te
a
B
Boto.
5
o-
c
=8
Atmosphtra.
Dirtetao.
3 f
l
Intensidade
8 SS


I
I Fahrenheit
te
9
?o
C3
QO

CO
o CO ^ oo
Centgrado.
i
-i
Hygrometro
CO
en
tu
ta
-l
2
00 li
Cisterna hydro-
melrica.
Francez.
ts

en
i-
ce
fnglez.
* 8
o S
^ "S
> M
X C
m so
5 o
? 5
RENDIMENTO DA MESA DO CONSULADO PRO-
VINCIA!. EM O MEZ DE DEZEMBRO DE 1860.
A SABER :
Dircitos de 90 rs. por (f) do as-
sucar exportado.........
Dito de 20 rs. por caada d'aguar-
dente. alcool etc................
Dito de 7 01o do mel.......
Dito 2 01o idem do algodao expor-
tado ...............
Dito de 17 rs. por libra de couros
seceos, verdes e espichados.....
dem idem de 5 idem dos mais
gneros exportados.......
Capatazia de 320 rs. por sacca de
algodn exportado .......
Decima dos predios urbanos .
Sello de herancasc legados. .
2 por cento de meia siza de es-
cravos..............
Emolumentos de polica.....
Escravos despachados ............
10 por cento de novse velhos di-
reitosdos empregados provin-
ciaes................
Imposto do 4 por ceulo sobro
a divida activa..................
Dito de 40jJ)00 por casa de perfu-
maras etc......................
Resltiiices o reposicocs .
Dito idem idem de bhar.........
20 01o do consumo d'aguardente .
Multas por infraccoes ......
Juros da decima .".........
Ta.xa da instrucean publica.......
43:1533644
1:9829078
796j>596
1:762#946
3:399g796
" 3919340
1:147$810
48.636g583
1:022J570
4:2038750
39600
963JO00
A noile foi de continuados aguacciros, vento
NE fresco e assim amanheceu.
OSC1LLAC..10 DA MAIIK.
Preamar as 8 h. 6' da manhaa, altura 6 p.
Baixamar aos 2 h. 18' da tarde, altura 1,4 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 2 de Ja-
neiro de 1861.
ROMANO STEPPtl.
Io lenle.
Editaes.
5143183
1.4079800
1209000
809547
20-5OO0
8g0O0
2479306
49311
2C9800
109:8969090
Mesa do 'consulado provincial 2 de Janeiro
de 1860.
O 3o cscriplurario,
Antonio Rodrisnes de Albuquerque.
Pauta dos precos correles dos prioci-
paes geoeros e produccocs
nacionaes que se despacharam pela aljandega
na semana As 31 dezembro de 1860a 5
de juneiro ie 1861.
Abanos.....: ceulo I90OO
l|0OO
1000
970O
19000
Agurdenle de cana. . caada
dem restilada e do reino .
>

dem alcool ou espirito de
agurdente......
Algodao em em caroco. . arroba
dem em rama on em 15. . -
Arroz com casca .
dem descascado ou pilado. .
dem mascavado..... >
As sucar branco .....
dem refinado...... i>
Azeite de amendoim ou raon-
dobim........ caada

^
BaUtjs alimenticia .... arroba
Bolacha ordinaria proprla para
embarque.......
Cal bom. ^
.......
dem escolha ou reslolho . >
Ideal (errado...... libra
Caibros ....... um
Cal. ,.....i arroba
dem branca ...... V
Carne secc 1 charque. . "
O Dr. Auselmo Francisco Peretli, commendador
da imperial ordena da Rosa e da de Chrisio, e
juiz de dircito especial do commercio deala ci-
dade do Recife o sea termo, capital da provin-
cia de Pernambuco, por S. M. I. e C. o Sr. D.
Pedro II, que Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem,
que Thereza Goncalvcs de Jess Azeredo, viuva
de Cietano aa Silva Azevedo, me dirigi a se-
guinle peticiu :
Illm. e Exm. Sr.Diz Thereza Goncalves de
Jess Azevedo, viuva de Caelano da Silva Azeve-
do, e tulora de seus lhos menores, que sao de-
vedores do seu casal, por obrlgaces vencidas e
con tas correles as pessoas constantes da relacao
junta quo se achara ausentes e em lugares nao
sabidos; o a Bernardo Jos da Cmara, que se
acha presento da quanl9 do565g868, e para que
nao sejam prejudicados os seus tutelados dndo-
se a prescripcao, vera a supplicanie, em viriude
do cdigo coramercial art. 453 3o protestar ju-
dicialmente as referidas quanliw, que ja foram
protestadas no aono de 1855, pelo cartono do es-
crivo Duarte, hoje Manuel Maria, sendo intima-
dos por editos osauseutes e pessoalmeute o refe-
rido Bernardo Jos da Cmara, visio se achar
presente, o assim requer a V. Kxc. Iho mando la-
rrsr o seu proieslo como 6 de direilo. Pede a
V. Exc. Illm. Sr. Dr. juiz do commercio lhe de:
lira na forma requerida.E R. M.Thereza Gon-
calves de Jess Azevedo.
E mais se nio conlinha em dita petigao aqui
transcripU na qual dsi o seguinle despacho :
D. Como requer. iuslitlcada a ausoncia dos
supplicados. llicife 2$ de norerobro de 1860.
A. f. Peretli. 1
E mais se nao conlinha em dito despacito, em
virtude do qual Cora a meaua peticao distribuida
ao escrivo deste juizo Manoel Maria, que lavrou
o respectivo termo de ptotesto, no qual assignou
por su bastante procurador Bernardipo de Sena
pas, pesante duas lestemunhag, a o theorda re
lacio dos devedores a seguida :
Joi l'arreira Dohiiugues Fradellos 139J908
Zacaras Rodtgs laJjilM 8tt8fjf ; Manoel
PranCBco Perfita 1:0209788 ; Hanoel Antonio
Pocas 1:152|839 ; AugestoiBaiidoirati C.IO6940O;
Jos dos Saptos Porto 143)320 ; Joaqun Tci-
xeira Bastos 628g9O : Bernardmo Jos Ferrelra
Barbosa & C. 1839830 ; Filippe Ghilque 9259045;
Manoel Francisco dos Santos 2939840 ; Manoel
Jos da Silva Qabral 23{00O ; Aoiooio Lopes da
Silteira 1:0009; Maboel Honorato Vctor........
8I2J09 ; Antonio Jos Mendos 1:1709 ; Francis-
ci8co Menna de Souza 79500; Manoel Antonio
de Araujo Ramo 4599585 ; Antonio Moreira de
Almeids Leal 7,549482 ; Ignacio Lopes da Silra
1:0009; Francisco Teixira dos Rei Cuiraaraes
3l8#u0 ; Joaqun da Costa Perer l:tOJfllO;
Josft Alexaridre Saobra de Mello l.lOOf; Manoel
Jos Mendes Bastos 2569 .' Jernimo da Costa
Guimares e Silya'4954850 ; Ignacio Manoel de
Freitas 1269; Francisco de Souza Mentz U09-
Joaquim dos S*jft(af< Aievedo 1869595; Jos
Theophilo RabeUo 4Ift|250; Eduardo Bourgard
2009; Manoel Francisco dos Santos e Silva....
4JQ00 659400; Bernardina Jps "Lupes 689;' Viclorinb
Augusto Borgos 381101; Manoel Moniz de Almei-
1379972 ; Jos da A asa ral 101$120.
bis o iheor da selicjo dos devedores de que
trata a petigo supra; e lepdp o aueDUcaole,
provado a ausencia e incerteza da moratoria
desles individuos foram sellados e preparados os
autos, e subindo a aiibi concluso, nelles dai a
sentonca do llieof agptqle :
A vista da !-
Corroio gem.
RelaQo das carias seguras vindas do snl e
oorle pelos vapores Paran e Oyapock, para
os senhores abaixo declarados:
Dr. Augusto Frederico de Oliveira (2)
Antonio Ramino de Souza Uchoa.
Antonio Carlos Damasceoo.
Francisco Uaphael de Mello Reg.
Joaquim de Barros Corris de Queiroga.
Jos Malheus Evaristo Lopes.
Pedro Alexandrino de Barros Cavalcanti de La-
cerda.
Ulisses Pereira Ferraz.
Pela administrarlo do corroio desta cidade
se faz publico que as malas que tero de conduzir
vapor Oyapock para os portos do sul sero
fechadas hoje (3) as 3 horas da larde : os segu-
ros at 2 horas.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial manda iazer publico que do dia 3 do cor-
rente pordianle, pagam-se os ordenados dos em-
pregados pr< vinciaes, vencidos no mez de dc-
zvrabro prximo findo.
Secretaria da thesouraria provincial, do Ter-
nambuco 2 de Janeiro de 1861.O secretario,
A. F. d'Aonunciaco.
Conseibo administrativo.
0 conselho administrativo, para fornecimento
do aioenal de guerra, lem de comprar os objec-
losseguinles :
Para o arsenal de guerra.
10 toneladas de carvo de pedra.
6 resmas depapel carlo.
100 unhas (te boi.
1 arroba de cera branca:
Para o balalho de artilharia.
loo mantas de lia.
Para o 2 balalho de iofaotaria.
Pesos da bronze de urna oitava al meia ar-
roba.
Para o hospital militar.
12 arrobas de sssucar refinado de primeira qua-
lidade.
25 garrafas de xarope peiloral brasileiro.
Para a companhia fixa do RioGrando do
Norte.
150 mantas de la.
Para o presidio de Fernando de Noronha.
Meia tonellado de carvo de pedra.
Meia barrica de areia de caldear
500 alqueires de farinha de mandioca, medida
velha.
Quem quizer vender taes objectos aprsente a.
suas propostas em carta fechada na secretan,
do conselho, s 10 horas do dia 7 de Janeiro d
anno prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 28 de
dezembro de 1860.
Benlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente,.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Conseibo administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, lem de comprar o genero
seguinte :
Para o presidio de Fernando do Noronha.
500 alqueires de farinha do mandioca medida
velha.
Quem quizer vender o genero cima mencio-
nado, aprsente suas proposlas era carta fecha-
da na secretaria do mesmo conselho, s 10 horas
do dia 7 de Janeiro do anno prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para forneciraenlo do arsenal de guerra, 27 de de-
zembro de 1860.
Benlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario nlerino.
[reguezias desta cidade e da dos Afogados, i,er-
lencentes ao l. semestre de 1860 a 61, se flnali-
sam no da 8 de Janeiro prximo vindouro, findo
os quaes ocorrem na multa de 3 OO lodos os que
deixaram de pagar seus dbitos.
rfMwhd0 nsul?do Provincial 31 de dezembro
oe lJjo. Pelo administrador,
T. M. F. Pereira da Silva.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia se faz publico,
para conhecimento de quera interessar, que no
da Ib do Janeiro prximo fuluro, porante a mes-
ma ihesouraria, ser arrematado a quem mais
der, o arrendamento do proprio nacional silo do
orle do Mallos, denominadoArmazem do Pao
Brasil.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 31 de dezembro de 1860.
O ofllcial maior interino,
Luiz Francisco de Sampaio e Silva.
A junta administrativa da irmandade da
Santa Cosa de Misericordia do Recife, manda fa-
zer publico que no dia 3 do prximo futuro mez
de Janeiro, pelas 4 horas da tarde, na sala das
suas sesses, ir a praca para ser arrematada por
quem por menos Ozer o fornecimenlo da carne
verde, bem como do pao e bolacha que se hou-
ver de consuramir nos estabelecimentos de cari-
dado do Io do referido mez de Janeiro a 30 de
junho.
Os prelendentes devom apresenlar as suas
proposlas em cartas fechadas no lugar,- dio, e
horas apresadas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 26 de dezembro de 1860 O escrivo F.
A. Cavalcanti Cousseiro.
O Illm. Sr. regeoor do Gymnasio manda
avisar aos pas, tutores ou correspondentes dos
alumnos internos do mesmo Gymnasio, que no
dia 24 do corrente principia o locebimonto das
mensalidados correspondentes ao 1. trimestre
do 1. de Janeiro ao ultimo de marco do anno
vindouro. Secretaria do Gymnasio Grovincial de
Pernambuco 22 do dezembro de 1860.O secre-
tario. A. A. Cabra!.
A junta administrativa da irmandade da
santa easa de Misericordia do Recife manda tazes
publico que no dia 3 do prximo futuro mez de
Janeiro, pelas 4 horas da tarde, na sala de suar
sesses, iro praca para ser arrematados por
quem mais der as rendas das casas abaixo de-
claradas, pelo lempo que decorrer do dia da ar-
remalagSo a 30 de junho de 1863.
Ra do Pilar n. 74.
Dita do Padre Floriano n. 49.
Dita do Fagundes u. 32.
Dita de Santa Thereza n. 4.
Dila dos Pescadores o. 11.
Dita Dlreila n. 7.
Beceo do Quiabo da Boa-Vista n. 8.
Os pretendemos devero comparecer no dia,
hora e lugar aprosados, acompaohados de seus
poderes ou munidos de cartas desles.
Secretaria da sania casa de Misericordia do Re-
cite 26 de dezembro de 1860.O escrivo,
F. A. Cavalcanti Cousseiro.
?j||^
C01MPB1A PEWIAIBIJCAM
Navegado costeira a vapor.
O vtpor Jaguaribe de primeira marcha, com-
mandenle Lobato, sahe para o Acarac com es-
cala pelos portos intermedios no dia 7 as horas
do coslume. Recebe carga e encommendas pa-
ra o Acaraeu e Ceara desde ja at o dia 3. Ma-
ceo e Rio Grande do Norte e Parahiba nos dias
3. 4 e 5 al ao meio dia. Passageiros at as 4
horas do da da sahida: escriptorio largo da As-
mblea n. 1.
Rio-Grande do Sul.
O bngue Princeza* segu denlro om ponroi
Oas por ter meio carregamenlo prompto : para
R,rr?no0ir8,'a"?eCom. 2 enPitaro* Mar-ino-,
Barros A ... largo do Corpo Santo n. 6.
Para
Avisos martimos.
Para o Porto por Lisboa
segu impreterivolmento no dia 15 do corrente a
mui conhecida barca portegueza Sympailiia ;
recebe anda olguraa carga a frete o passageiros :
1 consignatarios Bailar & Oliveira, ra da Cadeia
do Recifo o. 12.
Lisboa.
remente a muito v
Flor de S. Simao;
Vai sahirbrevemente a muito
dtada barca
velcira o acre-
recebe carga e passageiros ; a tratar com Carva-
Iho Nogueira & C, ra do Vinario n. 9, primeiro
andar, ou com o capito na praca.
Brigue Constante
Segu para Lisboa at 15 do Janeiro, para o
que j lem roelade do carregamenio : quem no
mesmo quizer carregar ou ir de passagem, para
o que tem as raellmres accoramodaces, dirija-se
ao consignatario Thomaz de Aquino Fonseca, na
ra do Vinario n. 19, primeiro andar, ou ao ca-
ito o Sr. Augusto Carlos dos Reis, na praca.
H
Rio de Janeiro,
seauo em poucos dias o biigue Maria Rosa
anda adrante alguraa carga, lem bonscomraodos
para passageiros e escravos ; trata-se cora J p-
da l'onseca Jnior, ra do Vgario n. 23.
COMPA7IHI4 PEIr1AIRUCAU
np.
avegacao costeira a vapor
no da 5 s horas do coslume. Recebe carga t
do dAV" m Passa"eros al s 4 horas
blan : escr,Plono !arS di Assem-
1$800
98100
88000
S900
28500
2*500
4S10Q
6J400
2JJ100
2*000
1J0OO
19000
Vaccina publica.
Havendo presentemente mui boa se-
ment vacciniea, o commissario vaccina-
dor provincial convida aos paes de fami-
lias desla cidade a comparecerem com
seus filhos e mais agregados que preci-
saren! ser veccioados as quintas-feiras
e domingos, no torico da alfandega das
7 s 10 horas da manhaa e nos sabbados
na casa do sua residencia, segundo andar
do sobrado da na eslreita do Rosario n
30, para assim poder, conservar a trans-
misso do floido de braceo braijo, nica
maneira de sua conservarlo com pro-
3f veito.
O Illm- Sr. Inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia manda fazer publico que
no dia 10 de Janeiro prximo seguinte haver
concurs nesta thesouraria para preeochimenio
de 10 vagas do praticante da alfandega desla ca-
pital, coraecando os exames as 10 horas da ma-
nhaa sobre as segundes materias : leitura, e ana-
lyse grammaticaf da llngua verncula, orlhogra-
nhia, e arithmelica al a theoria das propqrgdes
inclusivo.
Aquelles, que prelenderem ser admiltidos ao
concurso, devero previamente provar que teem
18 anuos completos de idade, que eslo livres de
culpa e pena, e qu teem bom procedimanto. *
Secretaria da thesouraria dft fazenda do Per-
naabuee 12 de dezembro de 1860.O official-
maior interino, Luiz Francisco de Sampaio e
Para a Bahia segu em poucos dias o palha-
bote nacional Dous Amigos, tem parle de sua
carga engajada; para o resto, trata-se com seu
consignatario Francisco L. O. Azevedo, na ra
da Madre de Deus n. 12.
Para a Bahia
pretendo seguir com moita brevidade a sumaca
nacional Hortencia, a qual lem prompta parte
de seu carregamento : para o resto que lhe fal-
ia, trata-se com o seu consignatario Azevedo &
Mendes, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
LEILO
Commercial.
Quinta-feira 3 de Janeiro.
Antunes, autorisado pelo Exm. Sr. Dr. juiz es-
pecial do commercio, a requerimento dos depo-
sitarios da massa fallida de Castro & Araorim,
tara lcilo no da cima mencionado, das m-rca-
doriss e dividas da loa da ra do Cabuga n.2 D
que perlencia a aquelles fallidos, l'rincniar as
11 horas em ponto.
LILAO
DE
Objectos
DE
Pescara.
O agente Iypolito, de novo levara'
a leilo, por conta e risco Le seu pro-
proprietario os objectos pertencentes a
companhia de pescara, que se adiara
depositado no forte do matto armazem
do Pau Brasil, sextafeira 4 de Janeiro
de 1861, as 11 horas era ponto.
Avisos diversos.
B
cj
Rio de Janeiro,
vai seguir om poucos dias a barca Rio de Janeiro
por ter parte de seu carregamento proraplo ; pa-
ra o reslo, trata-se com Antunes Guimares &
C, no largo da Assembla n. 19.
3JG0O
54C0
5800'
4$000' provada a auseo
nquinjlio. de fls. 6 e fls. 8. iuT|p
seotitt dos jistincados em lugares
NOVO BANCO
DE
Pernambuco.
O noto banco continua a substituir
ou a resgatar o reito das notas d 10$ e
20# que tiavia emittido e anda existe
em crculacao, declarando que, em
cumpritriento do decreto n. 2,664 de
lOdeutubro do correrte anno, esta
substitui&q ou resga|e devera' effec-
tuar-se dentro de 4 mezes, e uue findo
este prazo s poder' ter lugar com o
disconto progressivo de 10 por cento ao
mez, icando astira na forma do art 5
da le n. 55 de 6 de outubro de 1855
s#n Valoralgttttno fim de 14) mezes.
Recife 9 de noTerabro d 1860____Os
Rio Grande do Sal
salar com toda a brevidade o brigue nacional
Mrquez doOlinda ; para o restante da carga,
trata-se no escriptorio de Manoel Ignacio de Oli-
veira & Filho, no largo do Corpo Santo.
Para o Rio Grande do Sul segu em poucos
dias a barca nacional Clemenlina, capito Be-
larinino dos Santos Pinheiro por ter quasi toda a
carga prompla : para o resto a passageiros, trata-
se com Guilherme Carvalho & C, ra do Vigario
mero 17.
^ara o Rio de Ja*
l neiro ]
f;ue em poucos dias o palhabote Artista ; pa-
0 resto da carga, passageiros e escravos a fre-
a, trata-se eom Caelano Cyriaco da C. M. & Ir-
safio, ao lado do Corpo Santo n. 23.
Para Aracaty e Ass
segu o hiate Dous Irmos ; para carga, trata-
se com Marlins &Irmao na ra Nova n. 48, ou
com o mestre Joaquim Jos da Silveira.
Para Figueira
cam oscala [por Lisboa sahir com brevidado o
Klacho portuguez Maria da Gloria, capito Ar>
no de Barros Valent ; para carga e passa-
jttiros, trata-se com os consignatarios Francisco
*ay*o Rebollo & Filho, largo da Assembla
O abaixo assignado faz sciento ao Sr. Luiz
Jos Marques, arrematante dos 20 por cenlo de
agurdenle de produccao brasiloira, que deixnu
ae vender tal genero em sua taberna da ra Di-
reila n. 141 desdo hoje 31 de dezombro de 1860
como lhe fiz scionte quando lhe fiz o pagamento
do primeiro semeslre decorrido de julho a do-
zembro, e que por isso nao s ao dito como as
autoridades competentes que coto o Sr. Marques
nao tem mais negocio algum porque nada Iho da-
ve, e nem assignou a colleta como manda a lei
ou regulamen:o para fazer tal cobranca.
Francisco Ferreira da*Costa.
Escola central do metho-
do Castilho.
Do confoimidade com a lei da inslruccjo pu-
blica estaoaberlas todas as nossas escolas'de um
e d'oulro sexo, de 7 de Janeiro em vaote. Ruadas
Flores o. 3.Francisco de Freitas Gamboa.
Precisa-se de urna ama escrava ou forra pa-
ra cozinhar : na ra do Crespo n. 25.
Na ruada Cadeia da Recife, escriptorio de
Manoel Joaquim llamos e Silva, existe urna car-
la vinda do norte para a Sra. D. Escolstica Fran-
cisca de Albuquerque, ou aouuncie sua morada
para ser procurada.
Attencao.
Em 19 de dezembro prximo passado furtaram
da casa de Benjamn Fuckaias ao p da pon-
a da fundigo do Sr. Star lOOg em dinheiro
tirados de urna carteira, e em 30 do mesmo mez
pela noile deram outra saltada na mesma casa,
julga-se que entraram pelos fundos dos muros
da dita casa onde forcaram a porta da cozinha, e
carregaram os objectos abaixo mencionados :
quem der noticia dos mesmos ou parte ser bem
gratificado ; j se fez sciente a polica do occor-
rido : 1 par de botins novos, 1 chapeo deso usa-
do de panninho, 1 caivete folha de prata, 1 de-
dal de prats, 2 retratos, 1 bolsa pequea dourada,
1 pincel do ouro. e 640 om dinheiro.

O hiate GarHaldi, segu pira o Ceir em pou-
cos das : a tratar com Tasso Irmaos ou com o
capito Custodio Jos Vianna.
ico, e 640 om dinheiro.
Precisa-se de urna ama para fazer as compras
e cozinhar em casa de pouca familia : na ra do
Cabug n. 3, segundo andar.
A pessoa qoe tem snnunciado pelo Diario
querer comprar um sitio perto da praca, dirja-se
a ra do Queimado n. 69.
Um hornera que escreve soffrivelmenle a
tsm algnraa pratica do commercio, offerece-se
para Caixefrode urna casa eatrangeira a pessoa
que precisar de seus servaos, annuncie por esle
jornal para ser procurada.
A offleina de marmore
mudou a sua residencia do caes 22 de Novembro
para a travessa da ra da Praia n. 3, junto ao
caes do Ramos.
OTerece-se urna ama para criar com bastan-
te leite : na ra da Cooceico n. 14.
Quem annunciou querer comprar om sitie
com boa casa de vivenda, o arvores do fructo,
dirija-se a ra do Colovello n. 1, segundo andar,
que achara com quem tratar.


(4)
DIARIO DE PKRNABHUGO. QUINTA fEIBA 3 DE JANEIRO DE 1861.
APPH0VA(\0 E MJTORISM&O
DA
kummk wmwi m mmmm
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
ELF.CTHO-MAC.NET [CAS EPISPTICAS
Deicardo Hirk
Para serem appcadas s partes affectadas
sena resguardo nem incommodo.
AS CHAPAS MEDICINAES sao muilo conhecidas no Rio de Janeiro e em todas as provincias
deste imperio ha mais de 22 annos, e sao afamadas, pelas boas curas que se tem oblido as enfer-
maras abaixo escripias, o que so prova com innmeros attestados que cxislem de pessoas capa-
zes o de distincces. ,, .. _r.ii:_.
Cora estas CinPAs-F.LECTRo-MACNF.Tir.AS-F.pisPASTir.*s oblem-se uros cura radical einfallne
om todos os casos do inlammacao (cansafo ou/ata de respiraco), sejam internas ou externas
como do Osado, bofes, estomago, baco. rins, tero, peilo, palpilacao de coracao, garganta, o
ir.ilysia e todas as aTecres, n
CONSULTORIO
ESPECIAL HOMEOPATHICO
FUNOIQAO D AURORA.
lervosas, etc., etc. Igualmente para as
ervsipnlas, rheumaiismo, pa...._,.,.- ^ ---- _- ,-----*---'
diiferenlcs especies de tumores, como lobinhos, escrfulas etc.. soja qual for o seu tnmanno e pro-
fundeza, por moio da suppnraco serao radicalmente extirpados, sendo o seu uso acouselhado ao,
habis c distinems facultativos. ..... j.,,,.,,
As encommendas das provincias deveir ser dirigidas por esenpto, tendo todo o cuidadone
fazer as necessarias explicares, se as chapas s5o para horaem, senhora ou crlanga, declarandop
molestia em que parte do corpo existe, se na babega, ppseoco, braco, coxa. perna. p, ou tronoc
do corpo declarando a circumferencia e sendo inchacoes, feridas ou ulceras, o molde do seu ta
manho ero u-n pednro do ppele a declarado onde existem, aiim de que as chapas possam ser
bem appcadas no seu lugar. m
Porie-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do 13 rasil.
As chapas ser.io acompanhadas das competentes cxplicaces c tambero de todos os accesso-
rios para aiollocaciio dellas.
Consultas todas as pessoas que a dignaren! honrar rom a sna eonlianra, em s escriptono,
qnn se adiar aborto lodos osdias.scm excepcao, das 9 horas da manhaa As 2 da la
||9 Rua oo Parto ||!l
PERTO DO LARGO DA CARIOCA
dia. Visita aos doentes em seus domicilios
de meio dia em dianle, e em caso de ne-
cessidade qualquer hora. As senhoras de
parlo a os doentes de molestia aguda, que
nao tiverem anda tomado remedio alguna al-
lopathico ou homeopathico, serao attendidos de
preferencia.
As molestias mais freqaentes debaixo dos
climas do Brasil, principalmente as que sao
mais difficeis de curar, Ihe tem merecido um
esludo especial; sao ellas :
Molestias proprias das mulheres.
Molestias das creancas.
Molestias da pelle.
Molestas dos olbos.
Syphilis, ou gallico.
FebressympLhomaticas das lesoes do cere-
bro e de suas membranas, dos orgaos do peilo,
e do apparelbo digestivo; (ebres intermitien-
tes e suas consequencias.
Pharmacia especial homceopalhica.
Seus proprielarios offerecem aseas numerosos fregueses e ao pubbico em geral, toda e quas
quer obra manufaturada era seu reconhecido eslabelicimento a saber: machinas de vapor de lodt-
os tamanhos, rodas d'agoa para engenhos, todas de ferro ou para cubos de raadeira, moendas e
. meias moendas, tachas de ferro batido e fundido de lodosos tamanhos, guindastes, guinchse
bombas, rodas, rodetes aguilhoes e boceas parafornalha, machinas para amassar mandioca epara
d consultes venientes na pratii*, principalroea.^f *f8 escarocar algodao. pree*. P.r. mandile oleo de reni, portoe gradarla, columnas e o-
horas atmeio dtcos que comecam a faier ensates, epara on03 da vento, arados, cultivador,
Rua de Santo Amaro (Mundo-novo) n. 6.
O Dr. Sabino O. L. Pinho
lodos os das uleis desde as 10
1.
2.
3
4.
5.
6.
pessoas curiosas que nao sabem conhecer essa-
differencas, e por isso podera altribuir inefica-
cia da hommopathia, o que realmente depende da
m preparic.o dos medicamentos.
Para obviar estes graves inconvenientes o
agitador dynamieo do Dr. Sabino munido
de um contador em que se acham as unidades,
dezenas, centenas, milhares, dezenas de mimares
eollocadas convenientemente, de maneira que a
cada vaseolejac.ao apparece um numero novo,
desde 1 at 10 mil; nao sendo desla sorte
possivel engao algum.
Os medicamentos homoeopalhieos preparados
por meio desla maquina sao os nicos que de- i
sinvolvem propriedades uniformes capazes de
curar as molestias com a maior certeza pos-
sivel.
Alem disso, desejando tirar de sna viagem
a Eurcpa todas as vantagens para o progtesso
da hommopathia no Brasil, o Dr. Sabino nao
poupou esforcos para obter as substancias me-
dicamentosas dos proprios lugares, onde ellas na-
turalmente nascem, e para isso entendeu-se com
um dos melhores herboristas d'Allemanha, para
Ihe mandar vir as plantas frescas, afim de pre-
parar elle mesmo as tinturas.
R* assim que o acnito foi mandado vir dos
Alpes, a rnica das montanhas da Suissa, a
belladona, bryonnia, chamomilla, pulsalills.rhus,
hyosciamus, foram colhidas n'Allemanha. na
Franca e na Blgica, o veralrum no monte Ju-
radores, ponas, cadeiras e tanques, boias, alvorengas, botes e todas ^.
as obras 4e machinismo. Fxecuta-se qualquer obra seja qual for sna natnreza pelos dtennos ou
moldes que para tal fio forera apresanlados. fW.abem-=e encommendas neste estabelecimente na
ra do Brum n. 28 A e na ra de Collegie boje do Imperador n. 65 moradia do eaxeiro do.es-
labelecimenio Jos Joaquim da Costa Pereira, com quem os prelendentes se podem entender para
boalquer obra.
Notas
ra, etc. etc.
Rua Nova, em Bruxellas (Blgica),
A DIMICVO DE E- KtRVASD
AGITADOR DYNAMICO.
A pharmacia homoeopathca est longe de
preencher todas as vistas dos mdicos homov
palhas em quanto foram os medicamentos pre-
parados mo. A torca do homem nao po-
de ler a precisa uniformidade para bem de-
snvolver as propriedades medicamentosas das
substancias; ella vae naturalmente enfraque-
cendo medida que se vae fazendo o traba-
Iho da dynamisacao; e por essa razio que
numerosas vezes acconlece que duas preparaces
de acnito, por exemplo, da mesma dynami-
sacao, feitas pelo mesmo homem, no mesmo
dia, ou em das diversos, ou feitas por dous
bomens difiranles, nao produzem o mesmo re-
sultado em casos anlogos de molestias; urna
desinvolve urna ar^ao mais prompta, aoutra
urna acQo mais lenta.
Alm disso, sendo essencial para a reg-
laridade das dynamisafoes que cada (hluigao
lenha um numero certo de abalos ou vascole-
jaQocs, para que nao acconteca que pelo excesso
ou pela insuffciencia d' estas percam os medica-
mentos as propriedades que lhes sao assignala-
das, ou que convem cada dynamisacao, nao
Desla sorte provida a pharmacia do Dr.
Sabino das substancias que serviram para as ex-
periencias puras de Habnemann, descriptas na
pathogensia, acharo os mdicos e os amigos da
homoeopathia os meios seguros e verdadeirosde
curarem as enfermidades.
de 5^000 e de 1#000 de urna
figura.
Trocam-se estas untas por gneros, no estabe-
Heciment de Sodr & C. rua estreita do Rosario
o. ti ; tambem se veodeiu as bellas uvas de lia-
marac.
Na rua da Mangueira da Baa-Visla n. 16,
tem para se alugar um prcto para tratar de ca-
villos em alguma cocheira. para o que tem mui-
ta pratica e habilinqes, por 20$ mensaes, dan-
do-sn-lhe e comer ; ou para algum sillo, e ser-
vico de casa de familia : na mesma ha um sellim
em meio uso para vender-se por commodo pre-
qo e com seus pcrlences.
Aluga-se um grande armazem com grandes
lelheiros^iroprio para qualquer ofRcina, tenda
urna porff para cocheira, assim como um outro
rom soto e commodo para familia, sitos na rua
[ Imperial ns. 260 e 262 ; a tratar na rua Direila
: numero 84.
Precisa.se de urna criada e um moleque d
12 annos para todo o servico da casa de urna fa
milia de 4 pessoas, prelero-se que sejam escra
vos: a tratar na fundico, em Santo Amaro,
qualquer hora, ou ann'uncie para ser procurado
Aviso aocommftpcio.
Paulo Casaos tem contratado comorar a caaa de
pasto sita na ruado Imperador n. 16. pertPncen-
te ao Sr. Antonio Jos da Silva Guimaraes, da
qual era administrador Diogo Jos da Costa Pon-
tes : se alguem se julgir com direito a dita casa,
queira presentar suas contas na mesma no pra-
zo de 3 das, (Indo o qual a nada se altender.
Recife 2 de Janeiro de 1861.
Vende-se presunto muilo novo a 480 rs.,
l'iucinlin a 320, arroz a 100 rs. a libra : na rua
das Criizes n. 21, esquinada travessa do Ouvtfor
Vend*m-se duas casas terreas na rua r"a
Palma ns. 3 e 5, todas novas e bons quintaes : a
tratar n i rt das Plores n. 9.
Vende-se urna mulata escrava de 26 annos
de idade. que sabo c.winhar, lavar e fazer ar-
ranjo de urna casa, assim como um escravo tam-
bem mulato de 28 annos. brotante forte e vigo-
roso : na rua da Palma o. 59.
Ttabe Schmetlau & C. participara que os
Srs. F. W. Quist e Wra. Olio entraran) coaao so-
cios na sna casa coramorcial desdo o da 1 desle
mez.Recife 2 de Janeiro do 1861.
OS PRECOS SAO OS SEGUINTES:
im&
Gaz.
Botica de 2 i tubos grandes 129 a 169
Dita de 36 .....; 189 a 229
Dita de 48 ......2i a 29
Dita de 60 ......309 a 369
N.B. Existem carteiras ricas de veludo para
maior prego.
Cada vidro de tintura
Cada tubo avulso ..........1^
Caixas com medicamentos era glbulos e tin-
turas de diversas dynamisacoes (mais usadas):
De 24 vidros com tintura e 48 tu-
bos grandes...........489000
De 36 ditos dita e 56 tubos grandes 649000
De 36 ditos dita e 68 luhus grandes. 709000
De 48 ditos dita e 88 tubos grandes 929000
De 60 ditos dita e 110 tubos grandes 1159000
Estas caixas sao uteis aos mdicos, aos Srs,
de engenho, fszendeiros, chefes de familias
Precisa-se de urna perfeila engomroadeira, pre-
fere-se escrava epaga-se bem : na rua da Cadeia
do Recife, segundo andar o. II.
Vende-se urna grande porca que se fazter
para mais de 8 arrobas, muito mansa, boa pari-
deira e criadeira, com 11 porquinhos filhos da
mesma, com um miz de oascidos, um barril com
18 caadas do azeite de peixe, saceos de leijao
mulatinho e milho com algum loque de bichos :
a tratar na rua Velha de Santa Rita, casa n. 85.
Aluga-se um negro que seja fiel para o ser-
viro de um armazem : na rua da Cruz, armazem
numero 19.
Na rua Nova n. 7 tem cartas para ser en-
avulso. : 29 treges aos seuhores :
Manoel Lopes Guimaraes.
Antonio Piolo Soares.
Pompilio Numa Pesaoa.
&$ 3 @** *>&&
#jp O bacharel P. I., de Gusmao Lobo pode &
9 ser procurado para o excrcicio de sua
f prof S sidencia, rua do Cabug n. 611). 9
Avisa-se aos Srs. consumidores (rueo
caso de apparecer das 4.horas da tarde
alrjuma escapa ou ma* luz poderao di-
rigtr-sea casa do machnista encane
fiado deste servido Vicente Jos de Ol
vera na rua de Santa Isabel n. 15.*
Aluga-se a casa da rua dosPrazeres, de [0-
to com 2 leoes: a tratar na mesma cora Joi
Carneiro da Cunha.
CONSULTORIO
Este iotel collocado no centro de urna das capilaes importantes da Europa, torna-se de grande
valor paraos brasileiros e portuguezes, por seus bons commodos e confortavel. Sua posicao
urna das melhores da cidade, por se achar nao s prximo s estates de caroinhos de ferro, da
AHemanha e Franca, como ,ior ter a dous minutos de si, lodos os thealros e divertimentos; e,
alera disso, os mdicos precos convidara
No hotel hasempre pessoas especiaes, fallando o francez.allemao, flamengo, inglez por-
uguez, para acompanhar as touristas, qur em suas excurses na cidade, qur no reino, qur
emfim para loda a Europa, por precos que nunca excedem de 8 a 10 francos (39200 49000)
por dia.
Durante o espaco de oito a Jez mezes, ahi resdiram os Exms. Srs. conselheiro Silva Fer-
rao, e seufilhoo Dr. Pedro Augusto da Silva Ferrao, ( de Portugal) e os Drs. Felippe Lopes
Netto, Manoel de Figueira Faria, edesembargador Pontes Vfsgueiro ( do Brasil,) e muitas ou-
tras pessoas tanto de um, como de outro paiz.
Os precos de todo o servico, por dia, regulam de 10 a 12 francos ( 49000 49500.)
No holelencontram-seinformaces exactas acercatle ludoquepde precisar um eslrangeiro
se podo isso obter as preparaces feitas mfio capilaes de navio, e em geral lodos que se
porque o numero de abalos sempre maior ou' quizerem dedicar pratica da horoceopathia,
menor, d' onde evidentemente resulta um effeito I VenJem-se tambem machinas elctricas por-
tambem maior ou menor, e por conseguinte 1 talis, para tratamento das molestias nervosas,
duvdoso na applica^o do medicamento ; se os
abalos sao inaufiicientes nao se desinvolvem
LDfSUm
DA
Estas machi as sao as mais modernas e as
mais usadas actualmente em toda a Europa,
todas as propriedades convenientes dynamisa- lan(0 pe|a commodidade de poderem ser trasi-
ego que se quer fazer, e se sao de mais, desin- (ias na algibeira, como porque trabalham com
volvera-se algumas das propriedades da dyna- preparaces que nao sao nocivas:
msacio'superior, com parda certa de muitas adauma........509000
das que convem dynamisacao que se quer o Dr. Sabino ensina a maneira de se servir
preparar, o que sem duvida tem graves incon-l jesta maquina.
PROVINCIA.
O Sr. thesoureiro das loteras manda declarar
que se acham a venda no escriptorio das mes-
mas os bilhetes da terceira parlo da primeira lo-
tera da groja doSenhorltom Jess dos Marly-
rios desla cidade cujas rodas deverao andar i ni -
preterivelmente no dia 19 de Janeiro prximo fu-
turo.
Thesouraria das loteras 22 de dezembro
1860.-O escrivao, J. II. da Cruz.
DE
Joao da Silva Ramos,
Medico pela universidade de Coimra.
Tendo de passar algum tempo no si-
tio dos Buritis na estrada do Arraial,
meu consultorio estara' aberlo todos os
dias das 9 horas as 11 da manhaa edas
3 as 5 da tarde. As pessoas que man-
darem procurar-me, tero a bond&de
de dirigir os chamados por escripto pa-
ra a loja de louca defronte da casa de
tninha residencia ua rua Nova.
Manoel Perreirada Silva Tarroso, na rua do
Apollo n. 28, sacs sobre Portugal.
Desencamihhou-se do poder do abaixo as-
signado urna letra da quantia de 3019000 sacada
por Antonio Alves de Moraes em 30 de marco de
' 1860, aceita por Domingos Teixeira Bastos para
30 de dezembro do corrente, os quaes eslo pre-
venidos de a nao pagar se nao ao abaixo assig-
nado ou com sua assislencia. Recife 2 de Janei-
ro de 1861
Domingos Rodrigues de Andrade.
AUenc&o.
Vendem-so sorvelcs do lodas as qualidades de
frnclas ; na Capunga, rua da Amizade n.4, a 210
rs., e supprc-se tambem para casa de familias.
Precisa-se de urna ama para cozinhar era
casa de homem solteiro: na rua do Crespo, casa
numero 12.
[Collegio BomConselho rua
da Aurora n. 26. |
Precisa-se de urna senhora de meia ida- g
de para se incumbir da roupa o sceio f|
dos pencionistas, promotte-se-lhe um jo
ordenado vantajoso. H
A secretaria do govprno precisa de dous
oncadnrnadores para preparar os livros da cor-
respondencia official; quem quizer se encarregar
ilcsse trabalho, dirija-sea mesma secreiaria.
Manoel Ignacio de Oliveira & Filho sacam
sobre Lisboa e Porto : no largo do Corpo Sanio,
escriptorio.
A pessoa que diz morar na casa n. 25 da rua
da l'niao, que so olerece para ama, pode diri-
gir-se a rua do Torres, no primeiro andar da ca-
sa n. 18, para tratar, no caso quo agrade o ajuste.
Precisa-se de urna ama para cozinhar o en-
gomraar para casa do um moco solteiro : quem
esliver no caso, pode apparecer na rua da Moe-
da d. 10.
HOSPITAL
PORTGUEZ DE BENEFICENCIA
EM
Pemambuco.
MOVIMF.NTO DO HOSPITAL DO MEZ DE DE-
ZEMBRO DE 1860.
Medico o Sr. Dr. Prxedes Gomes de Souza
Pitonga.
Ficaram em tratamento no mez de
novembro........................ 33 doentes.
Entraran no mez de dezembro...... 21
Total .............. 54
Sahiram curados .................. 20
Falleceram.......................... 4
Etistem em tratamento.............. 30
Total ............ 51
ISa travessa da rua da Cruz n.
14, vendem-se as obras
seguales:
Um burro do Saluslio, Iraduzido ao p da letra
por 320 rs.
Urna obra de Virgilio em 2 tomos por 500 rs.
Philosophia de Gerusez, iraduzida, por 1#.
Historia da mesma pelo padre Joo Rodrigues
por 500 rs.
Oblaco do Christianismo por Torres Bandeirs
por 800 rs. .
A voz da natureza por 500 rs.
Ensaios de eloquencia por 800 rs.
Saluslio por 500 rs.
Vida dos philosophos Ilustres por Fenelon
por 320 rs.
Atlas moderno por 80O rs.
Cdigo commorcial portuguez por 500 rs.
Uheloricade Qulntiliano por 1J>.
Dita de dito por 500 rs.
Potica nacional por 500 rs
Geographia de Carneiro por 13500.
A noiledo castello por Castilho por 15)500.
Potica porCarvalho por 19500.
Eloquencia nacional pelo mesmo por 19500.
Debacle de la politique por 19500.
Gabinete de Napoliao por 1J500.
Diccionario da fbula por 29000.
O solitario pelo visconde do Alccourl por
19500.
Poesas de Fonseca por 19500.
Farinha e milho.
Vende-se boa farinha de mandioca a 3/5C0, e
milho novo em saceos grandes a 49; na roa da
Madre de Dos n. 4 ; approveitem, antes que se
acabe.
Compra-se pitanga para doce: na rua da
Senzali Nova n. 30.
CASA DE SAME
DOS
B1S.MMS&SOT.
Sita em Santo Amaro.
Este esljabelecimentocontinua debaixo da administracao dos pro-
pnetarios a receber doentes de qualquer natureza ou cathegoria que
seja. |
O zelo le cuidado alli empregados para o prompto restabelecimen
to dos doentes geralmente conhecido.
Quem1 se quizer utilisar pode dirigir-se as casas dos proprietnrios
ambos mprc resna rua Nova, ou entender-secom o regente no esta-
tabeleciment .

Reforma de presos.
Escravos. -..... 2#000
Marujos ecriados, n. 2#500
Primeira classe 5$ e. 3^500
As operaqftes serao pi eviamentea]listadas.
1 de
Dos fallecidos foram : 2 de tubrculos,
syphilis o 1 de erysipela.
Recife 1.' de Janeiro de 1861.
Manoel Ribeiro Bastos,
1. secretario.
j^aiU^AtttABifiA ^lAafiANaV^'ttA ^tf^^ajaA
^R^W^^W^Ww nW^Km a^P w^ WmV9P9
"[CoUegio BomGonselliorua
da Aurora n. 20.
No dia 7 do corrente eslao aberlas lo-
das as aulas deste estabelecimento.
Escrava para alugar.
Na rua estreita do Rosario n. 43, terceiro an-
dar, ha urna escrava para alugar, a qual lava bem
do sabo, cozinha bem o ordinario de urna casa e
compra, e tambem sane vender na rua.
Quem precisar de um menino do 16 annos,
que l e escreve bem para caixeiro de qualquer
eslabelaeimento, menos taberna e padaria, pode
dirigir-ae a rua de Apollo n. 32.
ONSLTORIO
DO
Francisco Jos Silvetra roga ao
amigos do seu especial amigo Dr.
Jos Silvano Hennogenes de Vas-
concellos, ex-promotor do Cabo,
o obsequio de assistirem a urna
missa fnebre, por occasiao do
stimo dia, na igreja da Santa
Cruz, as 7 horas da manhaa do
dia 4 do corrente.
lia,
3 RUA
Em casa de J. Praeger & C. rua
da Cruz n 17, existe um pequeo resto
de queijo sutsso de superior quadade.
vehae-se por preco muito commodo pa-
ra fechar contas.
Precisa-se alugar urna ama para cozinhar o
diario de orna casa de pouca familia ; na rua da
Praia n. 57.
MED RO COPAR TEIE PEIABIR.
DA (OKIA. CASA DO FUMO AO 3
CUnica por ambos os systemas.
O Dr. Lobo Moscoso d consultas todos os dias pela manhaa, e de tardedepois de 4
horas. Contrita partidos para curar annnalmenie, nao s pera acidada, como par o engenhos
ou outras propriedades ruraes.
Os chamados deven ser dirigidos sna casa al as 10 horas da manhaa e em caso
de urgeoci] ouira qualquer hora do di* oa da noite, sendo por escripto em que se declare
o noroe da (pessoa, o da rua e o umero da casa.
Moa esos que nio foram d urgencia, as pessoas residentes no bairro do Recife po-
derlo remellar seus bilhetes bodea do Sr. J. Souno & C na rua da Cruz, ou loja de
livros do Sr. Jos Nogueira de Souza na rua do Crespo ao p da pon velha.
Nesga loja e na asa do annunciante achar-se-ha con sun teman te os melhores medica-
mentos lionwopathicos ]s bem conheoidos e pelos presos seguintes:
Botica de 12 tobos grandes...........10*000
Dita de 24 ditos.................lMKKiO
Dita de 36 ditos.............. a*KH>
Dita de 48 ditos.................S5&000
Dita de 80 ditos...............- 80000
Tubos avulsos cada um.........; '
Fraseos de tinturas. ............ 2f000
Manual de medicina homeoptica pelo Dr. Jahr. ira-
duzido em portuguez, com o diccionario dos termos ^^
de medicina, cirurgia etc.. ele...... WWOO
Medicina domestica do Dr. Hering, com diccionario. IOiWOO
Beparlorio do Dr. Mello Moraes. ........ -6000
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
O artista americano
Tira retratos por 5#
Tira ratratos por 5#
Tira retratos por 5#
Tira retratos por 3$.
Tira retratos por 5,^
Tendo recebido um sortimento de ca
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
\nhas novas
Tondo recebido um sortimento de cai-
x'mhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
No grande salo da rua do Imperador
No grande salSoda rua do Imperador
No grande s.alao da rua do Imperador
Aluga-se ura bom sitio na Boa-Y:agem
de: prximo ao sitio do Sr. Liroa com ptima casa,
* tendo quatro grandes quartos, duas salas, rosi-
I nha fora, quintal cora bstanles ps de arvres e
' fruieiras : quem a pretender dirija-so ao mesmo
' sitio tratar cora a viuva de Jos Joaqun de
Souza.
Alugam-se o primeiro e segundo andares do
sobrado dos Quatro Cantos em Olinda, con fren-
te para a ladeira da Misericordia e oiaooara a
rua de Malhias Ferreira, com direccao ao mar,
sendo bem fresca e com commodos sufcjerites
para urna familia quo queira fa?.er uso das ba-
nhos salgados : a iralaj na rua da Cadeia Velha
do Recife, escriptorio n.56. de Leal & lrnao.
Quem anuunciott precisar de 300.3 por seis
mezes, a juros, dando para seguranca umi mo-
bilia de Jacaranda, dirija-se a rua Direila, ao se-
gundo andar do sobrado n. 89, ou no de o. 74,
que ahi se dir quem os d.
iW gnuui ocwnwua 1U -N ..Uf~...~w. |r ue eg
No grande saldo da rua do Imperador | Sr. thom.
No grande salo da rua do Imperador
No grande salo da rua do Imperador
A. W. Osborn, o retratista america-
no tem recentemente recebido um gran-
de e variado sortimento de caixas, qua-
dros, aparato chimi*os, e um grande
numero de objectos relativos a arte.
Como tambem um grande ornecimen-
to de caixas para retratos de 30000 rs.
cada um, as pessoas que desejarem ad-
quirir conhecimentos pratiecs na artr
de retratar acharo o abaixo assignado
sempre prompto sob condicOes muito
razoaveis.
Os cavalheirose senhoras sao convida-
dos a visitar estes estabelecimento, pa-
ra examinarem os specimens do que
cima lica anunciado. i a>ei|
Precisa-se de urna ama secca : na travessa
das Flores n. 25, junto ao sobrado novo.
Fugio no dia 28 de dezembro, do abaixo as-
signado, o escravo Mauricio, crioulo, idade de
22 annos, pouco mais ou menos, com ossignacs
seguintes: estatura e corpo regulares, cabera o
nariz chato, tendo um dente na .frente podre,
bu;o muito pouco e barba debaixo do queixo da
mesma sorte, foi vestido com urna camisola de
algodaozinho branco euma caiga de brim de qua-
dros pretos e brancos, levou tambem un baiu'i
de (landre azul, contendo tal vez caira, camisa,
jaquel* branca, e alguma roupa mais, tem oflt-
cio de cozinhelro, costuma shir ao passcio nos
domingos, muito pachola, intiiulando-s forro :
por isso roga se as autoridades policiaes e a ou-
tras quaesauer pessoas que o capturar, de levar
ao armazem da rua de Apollo n. 20, dos Srs. An-
tonio Marques do Amorim & C, que ser bem
recompensado.Antonio M. de Amorim.
O Dr. Manoel Moreira Guerra durante as
ferias tem o seu escriptorio em casa de sua resi-
dencia, rua da matriz da Boa-Vista n. 24
Eduard Fenton previne a quem inleressar
possa, que nao facara negocio algum com o Sr:
Thom Francisco da Rocha, relativamente aos
carros, cavallos, arreios, etc., pertencentcs a co-
cheira do mesmo, porque ludo se acha denda e
legalmente bypothecado ao annunciante, que pro-
testa usar do seu direito contra quem quer qne
for que negocie em laes objectos com o referido
4
D-so 1:500 ou menos a joros, com nypo-
theca em casas terreas : no pateo do Terco, ta-
berna o. 19.
, Precisase de urna pessoa que entenda de
fazer reas de carnauba para trabalbar n'uma pe-
quea fabrica : na rua da Santa Cruz n. Ti, ta-
berna.
Roga-se ao Sr. J. L M. C. queira ir ou
mandar rua Nova n. 7, a negocio que nao igno-
ra, no prazo de tres dias, do contrario publicar-
se-ha qual o negocio e o seu nome por extenso.
lima aenhora porlugueza, de meia idade,
habituada a lercionar meninas, deaeja accommo-
dar-se para o mesmo Um em alguma caaa de fa-
milia respeitavel : quem della precisar, deixe
carta fechada nesta typographia com as iaiclaes
M. 11 R.
Aluga-se para pasear a festa duaa caaes al-
us em Sania Anna da dentro, com bastantes
coromodoa para qualquer familia, sendo o logar
o mais saudavel pura a saude, com banho perto
de caaa: a tratar no pateo de S. Pedro n. 6.
Aluga-se a primeiro andar do so-
brado n. 3* da rua do Rangel : a tra-
tar no segundo andar do mesmo so-
brado.
Despachos telegraphicos por "
Yia de Ricardo Knowles, de
Lisboa.
Luiz Antonio Siqueira, previne aos
negociantes desta praqa que precisarem
do subscriptos, instruccde eimprestos
para os referido despachos que os po-
dem procurar no seu escriptorio na rua
da Cadeia n. 20.
Aluge-ee a casa terrea n. 1, sita na rna do
Hoepkio, esquina da rna Forroosa : a tratar no
Mondego, esa casa do fallecido commendador
f.uJz Gomes Ferreira. ."


9

DIJAIO DE fERNAteBCO. filjlNTA fEIRA 8 DE JANEIRO DE 1861
O EXTRACTO
COMPOSTO DE
ALA PARItDIUMA @ SU. TOWH.3EHE)
MELHORADO E FABRICADO SOB ADIRECCAO' EO
DR JAMES R. CHILTON,
imico e medico celebre de New York
GRANDE SUPERIORIDADE DO EX-
TRACTO FLUIDO C0MP0STO
nn:
SALSA PARRILHA
Explica se pelo seo extraordinario
e qaasi miracaloso effeito no
sangue.
Cada u.u sabe que a saude ou a infermidade
lepende directamente do estado deste ploido vi-
tal. Islo lia de ser, visto o partido imprtame
que lera na economa animal.
A quautidade do sangue n'ura homem 'es-
tatura mediana est avallada pelas as primeiras
autoridades em vinte e oito arralis. Era cada
pulsarlo duas oncas sahem do coraco nos botes
e dalli todo o sangue passa alera no corpo huma-
no era menos de qoatro minutos. Urna dis-
posigoextensiva temsido formada e destinada
com admirav'el sabedoria a destribuir e fazer
circular esta corrbnte de vida por todas s
partes da organisaco. Deste modo corre sera-
pre pelo corpo em torrente, o qual a gran
fonte de infermidade ou de saude.
Se o sangue por causa alguraa se emprenha
de matonas {elidas ou carrorapidas, diffunde
com velocidaIb elctrica a corrupto na*
mais remotas e mais pequeas parles do corpo.
O veneno lanca-se para tras e para diante pelas
arterias, pelas veas, e pelos vasos capillarios,
at cada orgo e cada teagera se faz completa-
mente saturado e desordenado. Desta maneira
a circulado evidentemente se faz um engenho
poderoso de doenga. Nao obstante pode tara-
bem obrar com igual poder na eritejto de saude.
Eslivesse o corpo infecionado da doenga maligna,
ou local ou geral, e situada no systema nervoso
ou glan luloso, ou muscular, se s&mente o san-
gue pode fazer-se puro e saudavel Bcar superior
a doenc,a e inevitavelmente a expellir da cons-
tituico.
^ O grande manancial de doen$a entao como
d' aqu consta no fluido circulante^ nenhum
medicamento que nao obra directamente sobreel-
le para purificar e renova-lo.possuealgum direi-
to ao cuidado do publico.
O sangue O sangue o pomo no qual
se ha mysler fixar a alienlo.
O ORIGINAL E O GINUINO!
AO PUBLICO.
Nos, os Assignanies, Droguista na cidadede
New-York, ba veraosvendido duraule milites an-. H ASt ELL & MERRICK, 10 Gold Street.
nos g extracto de salsa parrilha do Dr. Town-
send.onsideraraoloser o estrado original o ge-
nuino de salsa parrilha do Dr. TownsendV o
qualprimeiraraeate sob este nome foi apreson-
tadoao publico.
BOYD & PAUL, 40 Cortlandt Street.
WALTER. B TOWiNSEND & Co, 218 Pearl
Street.
LKEDS& HAZARD, 121 Maiden Lae..
JOHNCARLE & Co, 153 Water Street. '
M VVARD & Co, 53 Maiden Lae.
J. & J. F. TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GRAHAM Co, 10 Od Llip.
OSGiOU&JENNINGS, 188 PearIStreet.
R. B. HAVILAND & Co, Office 177 Broad-
way.
JACKSON, ROBINS& Co, 134 Water Street.
MOMAS & MAXWELL, 86 William Street.
WM. UNDERHILL. Junr, 183 Water Street.
DAVIDT. LANMaN, 69 Water Street.
MAIl'.H & NORTHROP, 60 Pearl Street-
B. A.FAHNESTOCK & Co. 49 John Street.
CONIIEfiEMOS AARVORE E SUASFRU-
TAS ,
E IGUALMENTE
Conhecemos um Medicamento nos seus Effeitos.
O extiacto composto de Salsa parrrlha do
Dr. Tow^send esl
0 IEDI CIMENTO DO l'OYO
Adata-ge tao maravilbosamente a constituicuo
que pode ser utilisado em quasi todas as enfermi-
dades.
ONDE E DEBIL1DADE,
fortalf.ce;
ONDE E'CURRUPQO,
purifica;
ONDE HE PODRIDO,
ALI5IPA.
Este medicamento celebrado que tao grandes
servidos presta a humanidade, prepara-se agor
r oorastM m
INI.
ilndependen-
conbecidas folhiuhas impressas nesta
cia ntC6T8"lVeQdan?1Tra da cagada Independen-
ca ns. 6e8,^sbem conhecjdfls fn.hi,,hn0 ;~___L .
typographia
OTta ou KALENDARIO eclesistico e civil
bispado de Pernambuco.......
Pira contendo alm do kalendario
Folhinha de
Dita de alqi
urna cri.da eatFangeira ,,.?,"; I4, .Pre.c,*-se de
os 8 '
ver o
uraaeohoa%lcT;uaTroTo 23%
iratar o negocio. an' *
para o
Dita dita
ecclesinstico e civil,
expl.eacao ds festas mudaveis, noticia dos planeta*,
ui>ellas das mares e nascimenio e occaso do sol:
Jilas dos emolumentes do tribunal do commercio:
duas do sello; ditas do porte das cartas; ditas
ios impostes geraes, prownciaes e municipaes, ao
que se juntou urna colleceao de bellos e divertidos
jogos de prendas, para en trate ni mente da
contendo alm do kalendario eclesistico
fiO rs-
NORTON, BABCOCK & WOOD, 139 Mai- na n0va fabrica, na esquina das ras Fronte
den Lone.
PCNFOLD, CLAY& Co, 4 Flelcher Sireet.
OLCOTT, M KFSSON & CO, 127 Msiden
Lae.
A. B. & D. SANDS. 100 Fulton Sireet.
SCHIEFFELIN, BROTHER & Co, 104 &
oejobnSt.
LE VVIS & PRICE. 55 Pearl Street.
HAVILAND, KEESE &CO, 80 Maiden La-
e.
RUSHTON, CLARK & CO, 110 Broadway,
lOAstor. }
House, and 273 Broadway, cor. of Chambers
Slreet.
PHILIP SCHIEFFELIN & CO, 107 Water
Streat.
POU & PALANCA, 96 John Slreet.
SHERWOOD & COFFIN. 64 Pearl Slreat.
RUST & HOUGHTON, 83 John Street.
I. MINOR& CO. 214 Futon Street.
INGERSOLL & BROTHER, 230 Pearl Slreet.
JOSEPHE TRIPPI. 128 Maiden Lae.
GREENLEAF & KINSLEY, 45 Cortlandt
Slreet.
HAYDOCK, C0RLIES& CLAY, 218 Pear
Slreet.
CUMMING & VANDUSER, 178 Greenwch
Street.
Washington, Brooklyn, sob a nspeccao directa
do muito conhecidochimico e medico Dr. James
R. Chilln, da Cidade de New-York, cuja cer-
tidao e assjgnalura so acha na capa exterior da
cada garrafa de
CBIGINAL /E GENUINO
EXTRACTO COMPOSTO DESALSAPARR1LDA
DO DR. T0Wi\SEi\D.
4de purMcartor do sangue
CURANDO
O Herpes
A Hertsipela,
Dita do almatiak
mocidade.
civil, expli-
cacao das festas mudaveis, noticia dos planetas, tabellas
das mares e nascimenlo e occaso do sol; ditas dos emo-
lumentos do inbunal do commertio ; ditas dos impostes
geraes, provinciaes e municipaes, ao que se reuni o
modo de confessar-so, e conungar, e os oficios que a
igreja eosiuma celebrar desde domingos de Ramos, at
sexta-feira da Paixo, (em porluguez). preco.....
civil, administrativo, commercial e industrial da provin-
cia de Pernambuco, ao pre$o dei
320 rs.
320 rs.
15000
urna letra da
conlr Ribeiro
lindo.
O grai
Parafacil.dade do uso deste almanak, augmentou-se!HKIV^""-- "S"
lato, e fizerani-se rnuitas alteracoes, sendo a eomcJwuV*^.!V:&
Cao a mais exacta que foi possivel, em materia desta ordera ^7^^Z^^^^^
^ue todos os das soffremudancas) acrescentando-se al ^^>^X^
No b/iirro do Recife, ra do Torre. .
- As 9 hora,lSIil5Ceha0dla.ra Sf>,e,,-
gio do collegio d rnnL;^- e dembro fu-
lypographia. OC0"eK10. >" nesta cidade nesla
P<-?a. aseus fiihos JoX Pcrefi-T r,eKdJ,e,ta
e irroino Fereira daCunhi CHnba?'>or
Principio nodia 1 d0 SrVpni?" socieda9fe ve
= ^2S^S^&vai a Europa
por
meiagao dosestabelecimentos commerciaes eindustriaes
acomunarlo de ndice para facilitar o uso, procurando o
quesedeseja pela occupa^&o do individuo de quem sequer
saber a residencia. H ^ t|ei
Caj & C
ai possa fazer Iransacca''
A Adstriccaodo ven-
TRE,
As ALPOR 3AS
Os Effeitos do azo-
ge,
DlSPEPS A,
As Doenc
DO,
1S,DEFIGA-
AHydbopesia.
AImpingb
As Ulceras,
ORlIEMATISMO,
As Chacas
A EDILIDADE GERAL1
AS DOENCASDE PELLE
AS BORBLHAS NA CA-
RA,
AS TosSESt,
Ura
original
e genuino exraciu do
Caita garrafa do
exterior de papel verde
No esariptorio do proprietario, 212 Broadway,
era na betica da rua Direita n 88 do Sr. Paranhos.
Os Catarroos, As Tsicas, etc.
OExtracfo acha-secontidoemgarrafas quadra-
das e garante-se ser mais forie e melhor em to-
do o respeiio a alguna oulro purificador do san-
gue., consehra-se em todos os climas por cer-
lo sspajo de lempo.
Dr. Townsend tem a assignatura e a certiao do Dr. J. R. Chlition, na capa
New York, e em Pernambuco na rua da Crz n. 21 escriptoric 1. andar, tara-
II
NO
Assignatura de banhos fros, mornos.de choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos. ,........... 105000
30 canoas paraos ditos banhos tomados em qualquer lempo. ..*."' lr,*onn
1*Dilos dil d'10 dito .;.."..' 000
Banhos i vulsos, aromticos, salgados esulphurososaospre$08 annunciados '
Esta redcelo de probos facilitar aorespeitavel publico ogozo dasvantagens que resultara
d*rrequenciadeura estabelecimento deuma utilidadeincontestavel,masque infelizmente nao
estando em nosso hbitos, ainda pouco conhecida apreciada.
ARIHAZEMDEROIPAFEITA
4i MAS HiEBAi 4
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Casacas de panno preto a 30$, 35-3 e
Sobrecasacas de dito dito a
Paletots de panno prelos e de cores a
20, 25$, 305 e
Ditos de casemira de cores a 159 e
Ditos de casemiras de cores a 7J e
Ditos de alpaca preta gola de velludo a
Ditos de merino setim preto e de cor
a 839 e
Ditos de alpaca de cores a 3$500 e
Ditos de alpaca preta a 359500, 559,
7J9e
Ditos de brim de cores a 3J500,
49500e
Ditos de bramante de linho brancos a
459500 e
Calcas de casemira preta e de cores a
9, 1059 e
Ditas de princeza e alpaca de cordo
pretos a
Ditas de brim branco e de cores a
29500 459500 e
Ditas de ganga de cores a
Ditas de casemira a
409000 Golletes ile velludo decores muitofmo a
3559000 Ditos de casemira bordados e lisos
prelos e de cores a 59, 539500 e
359000 Ditos de setim preto a
-239000 Di los de casemira a
129000 Ditos de seda branca a 559 e
129000 Ditos de gurgurSo de seda a 559 e
Ditos defusto brancose decores a
959000 39 e
59000 Ditos de brim branco e decores a259e
Selouras de linho a
959000 Dilas de algodao a 159600 e
Camisas de peitode fustao branco e
5#000| decorosa 29300 e
Ditas de peito e punhosde linho mui-
69000 to finas inglezas a duzia
Ditasde madapelaobrancas e de cores
129000 a 19800, 29e
Ditas de meia a 19 e
59000 Relogiosdeouro patente eorisontaes
Ditos da prata galvanisados a 259 e
559000 Obras de ouro, aderegos, pulseiras e
39000 rosetas
59500
109000
69000
5000
39500
69000
69000
39500
259500
29500
29000
29500
359000
29500
19600
9
309000
Ensino de msica.
Offerece-separa lecciooar soUejo.comotam-
beraa tocar varios instrumentos; dando asli-
coesdas7horss91(2danoile:atratarna rus
di Roda n. 50.
, O Sr. alferes Thom G. Vieira de
Lima, queiija dirigir-se a esta typogra-
pliia, que sel Ihe precisa fallar.
Joi Mara da Silva Ferreira avisa a seus
reguezes e imibos que mudou o seu estabeleci-
mento de tinlurfiria de todas es coros, do largo da
Soledade para si rua do Hospicio n. 42, conti-
nuando a recebfk- nos mrsmos depsitos, tanto no
largo do arsenal de marinha n. 8, do Sr Anselmo
Jos Duart Sodim, ossim como no largo da ma-
triz de Santo Antonio n. 2. do Sr. Antonio Joa-
quim Panasco. I
A admjnisticao do
Parahiba do
a pessoa que nao pode ir ao
Mangumlio fallar ao Sr. Manoel Ephi-
genio daSilfa, roga lhe queira annun-
ciar onde o pode procurar nesta cidade
visto nao se- permttido fallar se-lhe na
altandega.
LOTEKIi
PROVINCIA.
O Sr. lliesou.-eiro das loteras manda declarar
que se acham ixposlos a venda os bilhetes da
lerceira parte da primeira lotera da irmandade
do Senhr.r Rom Jess dos Marlyrios desla cidade
cujas rodas doverao andar imprelerivelmenle no
da VJ de janei'o prximo futuro.
1 JreS0iUrV1.? as ,0,cri" 22 de Sembr de
80U.Jos Mara di Cruz, escrivo.
Antonio .oaquim Vidal, tendo arremalado
para seu pagaraei.lo ss dividas da casa de Thiago
da Cosa Ferreira Estrella, como constara do edi-
tal no Liberal Pernambucano de 19 do correnfe
niez vem pele presente fazer cente aos ditos
sennores deveiores que elle o nico habilitado
ao recebiment das mesraas dividas, e pede a
urevidade do pagamento, afim de poupar desDe-
as entre as parles. ; e outrosim, previne mai
aquelles dos nesmos senhores devedores que s
se espera al 15 de Janeiro provimo viudouro e
depois desta data entregar a pessoa habilitada,
atim de cobrar na forma da lei
TABAC CAPORAL
Heposo das manatacluras imperiaes deFran^a.
Esteexcelenta fumo acha-se depositado, diretamente na rua Nova n. 93, ESQUINA DA
CAMBO A DO C ARMO, o qual se vende por mseos de 2 hectogramos a 19000 e era porcaode
10 raasgos para cima com descont de 25 porcento; no mesmo estabelecimento acha-se tambem
verdadeiro papel de linho para cigarros.
I Wi WHIH-K-BKMBiHH H *
EAU MINERALE a
NATUHALLEDE VICHY.
Deposito na botica franceza rua da Cruz n.22
correio da
orte contrata homens ca-
minheiros para a conduccao das malas
e paga o jornal mensal de* 24fO ad-
ministrador, Francisco de Assis Car-
neiro.
Armazdm para alugar.
Alugam-se os dolos grandes arraazens.da rua
da Concordia, onde) est o Sr. Paulo Jos Gomes
do 1.- de Janeiro do anno vindouro em dianie :
a tratar com o Dr. I^obo Moscoso, na rua da Glo-
ria n. 3.
. ~ Dr- Lobo Mdscoso scientiDca aos seus an-
ngos freguezes, quebeloscoramodos que ofTerece
a rua nova casa da rfoa da Gloria n. 3, denomi-
nada Fundan, continkiar a receber escravos ou
para traiar de suas molestias ou fazer-se-llies
qualquer operaro : alem da boa situacao ha a
grande vaniagem dos banhos salgados, muito ef-
ticazes para certas molestias chronics,
Os Srs. abaixo afesignados sio rogados a v-
rem a rua da Imperakriz, loia 11. 82, a negocio
que muito lhes inlerebsa e diz respeiio :
Jos Caelano Pinlo do Queiroz.
Manoel Flix Nasario.ldc Sauto Anlao.
Domingos Jos Dantas.
Sabino Joaquim da Purificaeo.
Joao Augusto de Hollanda e* Silva,
f-iicas Antonio Evangelista.
Jos Joaquim de Aguiar.
Manoel Izdro do Nascimenlo Aranio.
Manoel Seraphim.
Joaquim Juvencio de Almeida.
TheodoroJos Pereira Tavaros.
Jos Pedro Ralis Barbosa.
Antonio Homem Ledo.
Miguel Carneiro de Morjes.
Manoel Feliz.
Conrado Jos da Silva, i
Domingos Francisco Regs.
Jos Amonio da Silva.
Joo Barbalbo de Mello.
Jos Leocadio do Reis, morador no engenho Jar-
dim, freguezia do Cabo. |
_- Aloga-se o sobrado Ide dous andares e so-
taoda rua Imperial n. 169 : a fallar na rua da
Aurora n. 36.
COMPAMIIA DA VIA FRREA
/ecife a Sao Francisco.
Avisa-se ao respeil.avel publico que se emit-
lem as Cinco Ponas, bilhetes do periodo de 1
a o mezo para todas as eslacoes, com grande
abaiimeDlo nos pregos e que se Rzeram diversas
reduccoes nos precos de transporto entre Cinco
1 unas, Lscada e as outras ostaces nos seguintes
arligosasaber cavallos. assucar, madeira, pe-
ora, tenha, carvaode pedra, cstrume, capim, li-
jlos, telhas e ladrilhos, para mais informaces
dinjam-se ao Sr. James Kirkhara na villa do Ca-
00 ou em qualquer das estacos.
AssignadoE. R. Bramah,
Superintendente.
Nova pauta ou tarifa da
alfandega
Ne livraria da praca da Independen-
n. 6 e 8, existe
Fugio no da 31 do dezerobro o mulat
Joao, com os sigoaes seguintes : corpo secco, cor
clara, cabello cortido. ps esparragados, levan-
do conisigo-um bahde amarello, contendo rou-
pa de homem ; o mesmo anda pelo Monleiro e
scusarrabaldes: roga-se aos capitaes de campo
e mais autoridades policiaes, de o apprehender e
levs-lo a rua de Apollo a Antonio Jos Teixeira
lidStOS*
Aviso.
0 abtixo assignado faz scento ao Sr. Luiz Jos
Marques, arrematante do imposto de 20 OO sobre
o consumo de agurdente do municipio do Re-
cife, qne desde a data do 31 de dezembro de 1860.
deixa de vender agurdente em sua taberna sita
?2ba I"?1"- "-J1- Recife 31 de dezembro de
lob.Antonio Thoraaz Pereira.
Quera precisar de urna ama com muito bom
e abundante leite para criar, dirija-se a ruada
Conceicao n. 10.
Precisa-se alugar para um sitio perto da
praca urna negra boa quilandeira ou moleque
trata-seepaga-sebem : para ajustur, no largo
da Assemblea, Forte do Mallos, cima do escrp-
lono dos lllms. Srs. Rabello & Filhos.
Hr.mll,?ase um si,io no Prlcipio da estrada
dos Alllictos pertenceute a viuva de Jos Joa-
quim deMesquita.com muitos arvoredos produc-
idos e urna cxcellenle casa assobradada, que se
torna recommendavel pelos seus commodos e de-
pendencias a iratar na rua do Queimado n. 18
loja de II. R. de Carvalho. 'iB'
o prseme aonunci^'rJo^T.in* jelr f-"
Deseia-se saber ,/ Ppe dos Sa"l0?.
ro de Frella." "b".*,,ro ou _m0rtoGrego-
na
rua do
o
do sitio das Neves frev d J^su? naturaes
Aenco.
outra qual-
para o mato,
ca
:pe
tarifa
a nova tanta que
tem deexecutarse a 9 de fevereiro, a
qual sera* mostrada aos Srs. assignantes
do Diario, que a quizerem consultar em
quSnto nao chegara alguns para vender.
Recife ao rio Sao Francisco.
LAmitaAo.
daDr0eSCnonHr"d?de.com ^Irucnoes recebidas
dii. 'fC- ,direcloria -o publico que dest.
delf,,'anll? S5 con' ?"! C??p"nhls.a cunprirem com os termos do
No largo do Parazo, cocheira 1
Brartsttaar" ^
A casa de Phippt Irmaos C, a-
ro 2e8tabe,ecda a rua do Viga-
Te'r'-"9 de uma de e na pateo do
hnT ?Uemo^r 20nta co o navio
ar hHrf i "a la, ni"6*'6 E^' 3 ?" PaK. nestes trez dias,
dera RrP Tr0t """P*** Bren!
nlfi PC,'T d Trapiche no-
jon 16. Pernambuco 1. de Janeiro
SaSio- Xflm med^"rMrFTeTe^cTao
Sanios Xavier, recentemente cheeadn M
esta, capital, offereceseu presumo o Se* S
eicio de sua proissao a todas iVna.iii.i S
cq.ue d!S""' l!,nrarconi --"SSK!
I di3 das 7 aTsUA kS pobres ,odos o"
I dasV*8 l .. Jl2 "ras da manh". e
Sos6 Prordem da ""ma abaixo Dcampu-
IsKM^trh^tnlouVeir? deZembr de
AVISO.
COMPAA D.4o VIA FRREA
RECIFE A SAO FRA!VCISCO.
(LIMITADO.)
H.PHei presep'e faz-se Pl'C0 que por resolucao
da directora desta companhia, lomada nesta da-
ta tcm-se feto uma outra chamada de duas li-
bras slerlinas por cada accao. a qual chamada ou
io-cSK.t,',KK"'"'5"-
sua senhora.
sua companhia
INJECTION BROU
Remedio tnfallivel contra as agnorrhas antigs e recentes.
nico deposito na botica franceza, rua da Cruz n, 22.
Preco do frasco 3J000. '
Atten^o.
Roga-se a pess'oa que tiver achado um peque-
no embrulho de papel cor de rosa, contendo um
irancelim de ouro e uma roseta de ouro com co-
ral, de fazer o favor de entregar na rua do Quei-
mado, loja de erragens n. 13, que ser bera re-
compensado.
Uma senlioia cacada, com pou-
cos filhos, e j maior, natural e residen-
te em Hamburgo, mas que esteve no
Brasil, acceita dous on tres meninos ou
meninas para educar com todo o esme-
ro e por condicoes rasoaveis ; a fallar
na livraria n. 6 e 8 da praqa da Inde-
pendencia, onde se darSo todas as in-
formaces.
Aluga-se um escraropara todo servicode
uma casa, pretender dwija-se a rua do Queimado
loja n. 14.
Conscieneia.
fer
Pede-so ao Sr. S que alugou un sellim por
duas horas na cocheira da rua do Tambi n 11
no da l do corrente, e que at esta dala 'nao
restltuio, queira ter a conscieneia ou bondade de
entregar, do contraro veri o seo, nome poces-
temo, e se cobrara por outros meibs, visto se ter
esqoecido.
4os consumidores de gaz.
A empreza da illuminacao
a gaz, roga a todos os Srs. con-
sumidores o favor de nao en-
tregaren! aos seus machiois-
tas ou serventes qualquer di-
nheiro quer de reparos ou
outro qualquer pretexto, sob
pena de lhoo sor novamente
exigido Todos os pagamen-
tos devem ser feitos ao Sr.
Thomaz Garrett nico cobra-
dor autorisado ou no escrip-
torio dos gerentes.
Preclsa-sa ce uma ama para o servico in-
terno de orna casa de pouca familia : na orara
do Corpo Santo n. 17.
~ Quem annociou precizar de 20r000 at
4009000 a premio sobre pinhres de ouro, 00 hi-
potheca em casa, queiru dirigir-se a rua da Im-
petriz ou por outra Atierro da Boa Visla n. 19
das 10 horras emdianta.
^Attencao.^
A cocheira nova da rua do Tambi n.
tem cavallos de aluguel para passeio.
multo boas, e recebom-se de trato.
prestaco devera ser paga'al o da 31 de Janeiro
^' ui,urorDoRio de Jner<> em cLados
Kuj"'- -Gr'O' & C., na Baha aos Srs. S.
nS-ni & ? em Pcmambuco no es-
criplonoda thesourana da mesma va frrea
1 ele. presente fica tambem entendido que no
caso de nao ser a dita chamada ou prestaco aa-
i n dl3.marcad0 P" o seu pagamento ou
antes o accionista que incorrer nesla falta paea-
SfiEl'J"*0 de 5 Pr cen, ao ><> sobro
tal chamada ou prestaco a contar deste dia at
Pffer8ea, real,88d0 pa8a"ento. No caso de nao
etrecluar o pagamento desta chamada ou niesta-
n. d",Ih,' 3 rzeS a C0I,lar d0 dil dis"o
para o embolso da mesma ficarao as accoes que
incorrerem em tal falta sujeitas a serem confls-
edp9eSUogUnd "S di$os'Wes dos estatuios a este
Por ordem dos directores.
Assignado-W. H. Bellamy,
ion r Secretario.
199 Gresham House.
Od Brouad Street.
E. C.
22 denovembrodel860.
-7 Alugam-se os dous andares do so-
brado da rua da Cruz n. 45, recente-
mente pintados e commodos suficientes
para familia : a tratar no armazem do
mesmo
nP7en1Uoga"80.0.armazoin da roa da Madre de
Dos n. 2 ; a tratar com Martins y Irmo.i
Precisa-se de uma ama de leite
na rua do Imperador n. 67, segund
andar.
Atten^o.
Snetle%rlade!:0^u!ii0J?lzC!>dder,que
Abridor de lettra
Faustino Pereira Mar-
ques.
uh a Como smetes Pa marcar ronoan
asvss rr objec">: iw
vincia da Baha para onde parle P
snrhn.o1boa',X0 assi*nad0 deelara que vendeu o
seu hotel silo na rua do Imperador n. 10 ao Sr
rnrUpapSa.M.e" : qUem S0 jul8ar credordo m*2m5"
aprsente suas conlag no prazo de oito das na ',
serem pagas na rua Direita n. 26. P
Antonio Jos da Silva' Guimares
n~ Q.UT 3",zer encarregar-se de mandai nr
no porto de Sania Anna 20 a 25 milheiro,V
jollcs de alvenaria appareca na rua No a no {o
tS; C,ma da cocheira d Adolpho com sua
Compras.
Compram-se escravos,
sendo de ambos os sexos, de 12 a 20 annos de
!riazdne:a?o8iae.ba8gUra9; Darua daCr-
h7J?pra"se oual.a8s-se um escravo quesai-
ba coznhar. enu nao sej, de bebidas :,,,,,
coznhar, e guo
do Pilar n. 143.
Vendas.
Aluga-se o primeiro andar de um sobrado
Da rua da Cruz n. 99, com fundos para a rua dos
Tanoeiros : a iratar no pateo deS. Pedro n. 6.
Curso de geome-
tra.
Antonio Egidio da Silva, professor de malhe-
roatica no Gymnat4o Provincial, abre no da 7 de
Janeiro o curso de geometra que dirige particu-
larmente : os senliore estodantes que o quize-
rem frequoDlar, dirijam-se casa de ana residen-
cia, na rua Direita n. 74, para serem matricu-
lados.
s pelo excellente gosto e qualidade su ior e
prorenve aoulro qualquer, estando venda n5
estabelec.meD.odeSodr&C., na rua estrea
do Bosano n. 11, nico deposito. '"------
Attention.
Parties desirons of relinhingand apprecialioK
Sv,reB"An07^ ChedeT Chee8e wil1 wTo api
f0,.8.od!*c1-'D;".'MetraiU do Rosarfo.
ZV? 'k6 Knly place wher lhi8 delicioua ar^
lele s to be had at present.
Attention-
Mnn8an,,lear8 dero"Re Chedder Cheese bien
connue aour ce nom et qui dsirent degouter doi-
IkDt2e,J*?l,!Br ruo de Rosario afeita n!ll
chezSodr&Catlendu aue l'uniqae deposi-
de ee fromage reside dans ceUe roe.
tin^m-il" 2a,am da 8u,t Gu>o. medico ol-
!51 chegado a esta capital, pode ser pro-
Imperial"* exerclc, de 8ua Pra"a<>. rua
ir Ag8",M 8obratJo de dous andares e so-
La 81t0 na raa d0 >Prador : a tratar 00
ffK,d0 fanecid0 -*'
Espirito de vink
Viiiho de Bofdeaux.
rrf- Vn Kalkmann IrmSos&C, rua da
Sh!w'10 enconra-*e o deposito das bem co-
nnecidas marca dos Srs. Brandenburir Frrea
SJ-; S8- 0ldekP.-'eilb.c ftc.em Bor-
deaax Tem as seguintes qualidades:
DeBrandenburg frres.
St. Estph.
St. Juen.
Marganx.
Larose. a
Chteau Ldovllle.
Ghiteau Margaux.
De Oldekop A Mareilhac.
st, Juhen
St. Julien Hdoc.
Chateau Loville.
Na mesma
vender:
Sherry em barris.
Madeira em barris.
Cognac om barris qualidade fia*
Cognac em caixasqualidade inferior.
Cer a.
casa ha para


~)
l)
DIARIO DE PEhNAMBUCO. QUINTA FE1RA 3 I>E JANEIRO DB 186!.
2.; I
1 B-o o
o < o
a o Ir- .f o g "
C
o o g
2

CU "*
O O
8 n-fc-B o S"

_ c -. .1
3- e 2 .
" S' S B o" = o
c g .s s z
C -. O B 3 0 0
Q. ts 3 'v P
2 H"~ w o-^-o
5' o c v. 2 /
B re r
B
reB?SS39S"
o S. n
-3 ; -n i s
i_ ^ r, O o
^..JS B 2
-3
*
B.8
8|
Bolsas de tapete para
viagens.
* Vendem-se nui bonitas polsas de tapete pro-
prias para viagens, etc., ele., pelos baralissimos
precos de 5j>, 6 e 7J> : na toja da aguia branca,
cua'do Queimado o. 16:
Farinha a|3500.
Vende se no armazem darua da Madre de Dos
o. 35, saceos com boa larii a de mandioca, de-
sembarcada hontem, pelo t irato prego do 3J500
cada sacco.
Milho novo i 4$000.
Vendem-se milho novo en saceos grandes, pe-
lo prego cima ; no arraaam da ra da Madre
de Dos n. 35.
Hua do Quemado n. 39
Lojade quatro portas
DE
PROGRESSO
JOAQUIM RODBIGIES TAVARES
DE MEL.O.
Ha cortes de vestidos de ida de cores, fazenda
maito superior com pequjio toque de mofo a
609000, ditos sem defeilo i. 1009000, lem um
resto de chales de toqui m ru estao-se acabando
a 309000, ditos de mirinlbordados com ponta
redonda a 89000, ditos sem er de ponta redonda
a 89000, ditos eslanpudos com lislras de seda
em roda da barra a 99000, ditos de rieas estam-
pas a 79000, ditos de ganga (ranceza com fran-
ja branca a 29000, dilos sem franja emuito
encorpado a 29000, ricos manteletes de grosdi-
naples preto e de cores ricamente enfeilados a
259000, ditos muilo superiores a 309000, en-
feilesde vidrilho preto a 39000, dilos de relroz
a 39500, organdis da mais fina qie ha no mer-
cado a 19000 o covado, cambistas de cores
de padrees muilo delicados a 800 rs. a vara, ditas
deoulrasqualidades a 600 rs. a vara, ricas chitas
farncezas de muito boas qualidadei a 280, 300,
320, e 400 rs. ao covado, a mellor que se pode
maginar, pellos para camisa a 24* rs. cada urna,
cortes de casemira decores a OJbOO, ditas em
| pesca de quadrinhos a 49000 o covado, gollinhas
de muito bom goslo a 19000, dios de outros
bordados ricos a 3:>000, manguitas de cambraia
bordados a 39000, tiras bordadas e enirimeios
quesevendem por prego commodc, bombazil de
cores proprio para roupa de cranos, e capinhas
para senhoras a 19400 rs. o co'ado, cortes de
cambraias de salpicosa 59000, :ortesde cam-
braia enfeitadas com tiras brdalas a 69000,
e oulras muitas mais fazendas que ser difcil
aqu pode-las mencionar todas
^e&mmtm-wz @Ktti98i3s$H
Ao bello sexo. |
Faria & C. proprietarios da loja de
marmore, avisara ao bello sev> em geral
quo acabara de receber um conplelo sor- |g
lmenlo de fazendas de modas proprias (f>
Yende-se urna morada de cata
terrea a ra da matriz da Boa-Vista :
a fallar na mesma ra sobrado que vol-
ta para a ra da Glora n. 33.
Boa do Crespo,
loja n. 25, de Joaquim Ferreira de S, vende-se
por procos baralissimos, para acabar: pegas de
cambraia lisa fin i a 39, organdys muito linas e
moderna; a 500 rs. o corado, cassas abortas de
honilas cores a 240 rs., chitas largas a 200 e 240,
cortes de cassa de cores a 2. enlremeios borda-
dos a lj>500 a pega, babados bordados a 320 a
v*ra, sediuhas de quadros unas a 800 rs., casa-
veques de cambraia e fil a 59, perneadores de
cambraia bordados a 59, gollinhas bordadas a
640, ditas com ponas a j500, manguitos borda-
dos de cambraia e lit a 2$, damasco de la com
9 palmos de lardara a l$G0O, bramante de linho
com 5 palmos di; largura a 900 rs. a vara, lavas
para senhora a 100 rs. o par, capas de fustao en-
feiladas a D9, pecas de madapulo lino a 4$, laa-
', zinha de quadros para vestidos a 320, camisus de
cambraia bordados a 2$, sobiecasacas de panno
fino a 20$ e 25g, paletols de panno e casemira de
16 a 205, ditos de alpac de 39500 a 89, ditos de
britn de crese brancos de 395U0 a 5$, calcas de
casemira prelas e de cores para lodos ps precos,
ditos de brim do cores e brancos de 2} a 59, ca-
misas brancas e de cores para todos os precos,
colletes de casemira de cores finos a 59 ; assira
como oulras muius fazendas por menos do scu
valor para fechar conlas.
Cera de carnauba
Vende-se da primeira qualidade especial i9>
a arroba : na ra da Cadia n.
Prente Vianoi & C.
57, armazem d
Bonets para meninos.
O lempo 6 proprio para se comprar os bonitos
bonets de panno fino enfeilados com illa de cha-
malote e borlla, outros enfeilados com fila de
velludo e pluma, e outros com galiozinho dou-
rado. lodos pelos baralissimos precos de 39500,
49 e 59, dilos de palha escura, mu bonitos e
fortes a 39, gorras de palha branca enfeitadas a
19500, e outros mu ditTcrentes bonets de panno
enfeilados a 18 e I928O : na rus do Queimado,
loja da aguia branca u.lG.
Vendem-se saceos com feijo por 3j o sac-
co, proprio para animaes: no palco do S. Pedro
numero 6.
210.
Cassas de lindos padrees e cores fizas que se
pode garantir ans comprados, a 240 rs. o covado'
na ra do Queimado, loja de 4 portas n.39.
As verdadeiras luvas de
Jouyii.
A loja da aguia brancas acaba de receber de
3$ Machinas de vapor. Q
!:} Rudas d'agua. g
@ Moendas de canna. $
% Taixas. $
5 Rodas dentadas. Q
@ Bronzes e aguilhoes. 0
9 Alambiques de ferro.
]t$ Grivos, padres etc., etc.
Na fundigao de ferro de D, W. Tlowman, ^
^ ra do Bruin passando o chafariz. ^
3d s$s@ @#
Va loja da boa f, na ra
do Queimado n. 22,
vende-se muito barato.
Cambraia lisa fin* com 8 1(2 varas cada peca a
4>500, dita mu+to fina com sal picos a 59, dil de
cores de padres muito bonitos a 320 o covado,
cortos de cassa piolada com 7 varas a 29240, fil
ora caixas proprias para
de ,
~IiMg dn Penha
Os proprietarios deste estabele-
riiiiuntoconviilam ao respeitavel publico, principalmente aoe amigos do borne barato, quese
acharo em seu armazem de moldados de novarnente sonido de gneros, os melhores que tem
viudo a este nercado, porserem escolldos por um dos socios na capital do Lisboa o por serem
a tnaior parlo delles vindos por conla dos proprietarios
Gigos eon\ c\\aiapan\\a
das melhores marcas que ha no mercado a 209000 o em garrafa a 25000.
Figos de comadve
mimo a 19000.
Barris com azcllonas
os mais novos que lia no mercados 192000.
Setveja branca
das mais acreditadas marcas a 59000 a duzia e em garrofa a 500.
Queijos Wamengos
rocebidos pelo ultimo vapor de Europa a 39000
Queijos parlo
das melhores qualidades que lem vindo a este mercado a 960 reis a libra, e om poreo se fa
r algum abalemenlo.
Qucijos 8WSS0
reconiemente chegado e de suqerior qualedade a 960 reis a libra.
Chocolate
dos melhores autores de Europa a 900 rs. a libra em porreo a 850 ts.
Marmelada imperial
do afamado Abreu.e de outros mais fabricantes de Lisboa em latas de 1 a 2 libras a 800
rs., em porco de se far algum abatimento.
Mac^a de tomate
em latas de 1 libra por 904) rs., Conservas rancezas e inglezas
as mais novas que ha no roee*do a 700 rs. ofrasco.
Catas de bolachinna de soda
om diferentes qtuilidndes a 1*800 a lata
A.meix.as raucezas
as mis novas que tem vindo a este mercado em compoteiras, contendo 3 libras por 39000 rs.
a em atas de 1 e 1|2 libra por 19500 reis
Caixinuas com 8 libras de passas
a 39000 rs. em porcao se far algum abatimento, vende-se tambera a retalhoa libra a 500 rs.
Maateiga ingleza
perfeiamente flor a mais nova que ha no mareado a 19000 rs. a libra, em barril se far al-
gum abatimento.
Ca perola
o raeilior que ha nesle genero a 29500rs. a libra dito hyson a 29000 rs.
Manteiga franceza
a 720 rs. a libra em barril se far abatimento.
Toncinno de lAsboa
o mais novo que ha no mercado a 320 reis a libra.
Macas para sopa
em caxinhas de 8 libras com deferentes qualidadespor 49000 rs.
Tambera vendem-seos seguales gneros, tado recen temen te chegado e'de superiores qua-
lidades, presuntos a 480 rs. a libra, chourica rauila nova, marmelada do mais afamado fabricante
de Lisboa,maga de tomate, perasecca, passai, fructas m calda, amendoas, notes, fraseos com
amendoas cobrtas, eonfeites, pastilhasde varias (u.aHdades, vinagre braneo Bordeaux, proprio
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de San Flix, magas da (odas ss qualidades,
gomma muito una, ervilhas francesas, champagne das mais acreditadas mareas, cervejas daditas,
spermanete barato, lieorMlraneaZMmuiU fios, marrasquino de zara, azeita doce purificado, azei-
tonas muito novas, banha de porco refinada e outros muitos gneros que encontrarlo tendeniesa
molhados, por isso prometiera os proprietarios vendtrem por muito menos doqueoutro qualquer,
prometiem mais tambera servirn aquellas pessoas que mandarem por oulras poueo praticas oomo
se viessem pessoalmente; rogam tambero a lodosos senhores de engenho a senhoretlavradores
queiram mandar suas encommendas no armazem Progresso,qne se Ihes afBanga boa qualidade e
o acondicionaraento.
da prsenle eslaco.
Enfeites de velludo, ultimo
gosto.
A loja da aguia branca acaba do receber mu
bonitos e delicados eufeites de velludo, obra de
toda perfeico e ultima muda : vendem-so a 109
e 129: quem os virnao hesitar da os comprar;
vendem-se lambem outros de velludo e froco a
3$, 4$ o 5$: na ra do Queimado, loja da aguia
branca 11. 10.
Relogios
Suissos.
sua encommenda as verdadeiras luvas de Jou- i de ,icho !iso '""'o fino a 800 rs. a vara, tarlala-
na muito fina branca o do cores com 1 1|2 vara
de largura a 800 rs a vara, guarnieres de cam-
braia (manguitos e golla] bordadas'muilo finas a
59, gollinhas bordadas de cambraia muilo fina a
1-3, espartilhos muito superiores pelo baralissimo
preco de 6g, pentes de tartaruga a impnratriz
muito superiores a 99, bonets de velludo para
meninos o 5$, ditos de panno preto a 3$, sapali-
nhos de merino muilo enfeilados a 2J o par, chi-
tas francezas finas escuras e claras a 280 e cova-
do, corles do cambraia de cores com 3 babados
com 11 e 12 varas cada corle a 49500, superiores
lencos de cambraia de linho muito fina e rica-
mente bordados a 9g, ditos de cambraia de algo-
do com bico de linho a 19280, dilos de cam-
braia de linho proprios para algibeira a 69, 7 e
89 a duzia, ditos de cambraia de algodo a2j400
o 39 a duzia, tiras bordadas largas e finas com 3
11 varas cada peca a 2$00, e assim outras mui-
tas fazendas quo vendem-se por precos muilo
baratos : na ra do Queimado o. 22, n'a bem eo-
nhecida loia da boa f.
*"** '&!
4-*..^.
vin, primeira qualidade, tanto brancas como pre-
las para hornera e senhora : quem precisar, diri-
ja-se a dita loja da aguia branca, rna do Quei-
mado n. 16.
Feijo mulatinho.
Vendem-se saceos eom feijao mulatinho, che-
gado da Una de Ferntrado ; no armazem de Bar-
rus & Silva.
Esleirs da India de 4, 5
e 6 pamos de largo.
No armazem de iszcndas da ra do Queimado
n. 19, propriamoute para forro de salas e camas
por ser da melhor qualidade, e todas brancas
Chales.
Ricos chales de merino estampados, de cores
muilo honilas a 79, ditos muito finos a 89500,
ditos lisos a 59, dilos bordados a matiza 8950o,
na ra do Queimado n. 22, loja da boa-f.
Tachas e moendas
Braga Silva & C, lem sompre no seu depo-
sito da ra da Muela n. 3 A, um grandesorti-
menlo de tachas e moendas para eogenho, do
muito acreditado fabricante Edwin Maw a tra-
tar no mesmo deposito ou na ra do Trapi-
che n.4.
Capeas c flores.
Mu bonitas capillas para noivas a 59, 69 e 79,
ditas para meninas a 2$, bonitos o delicados cai-
zos do flores finas a 1 g500, 29 e 38 : na ruado
Queimado loia da aguia branca n. 1C.
Veaile-se
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitosparacamisas,
Biscoutos
Emcasade Arkwight & C, ruada
Cruz n. 61.
Bonitos cinlos para senho-
ras e meninas.
Na loja da aguia branca vendem-se mui boni-
tas fitas com flvelas para cintos de senhoras e
meninas, o pelo baratissimo preco de 2 : em
dita loja da aguia branca, ra do Queimado nu-
mero 16.
Objectos de gosto
senhoras e meninas.
A loja da aguia branca recebcu um bello sorli-
reento de objectos de muito gosto e ultima mo-
da, proprios para senhoras e meninas, sendo de-
licadas gollinhas e voltas de vidrilho, voltas de
crale cornalina com atacador do mola, doura-
do, obra inleiramenle nova e de muilo gosto, o
pelos baralissimos precos de tf cada objetlo :
na ra do Queimado, loja da aguia branca nu-
mero 16.
Perfumaras
novas.
A loja da aguia branca araba de receber de sua
propria encommenda um lindo e comj.leto sorti-
menio de perfumaras fiuas, asquaes esli ven-
dendo por menos do que cm oulra qualquer par-
le : sendo o bem conheeido oleo philocome e ba-
nha (Societ 11 ygieniquH) a 1 o frasco, finos ex-
tractos em bonitos frascos de cores e dourados a
29, 2)500, 39 e 49, > afamaba banha transparen-
te, e outras igualmente finas e novissimas como
a japonsiseem bonitos frascos, cuja lampa devi-
dro tamben chein da mesma, huile concrete,
odonnell, principe imperial, creme, em bonitos
copinhos com lampa de metal, c muitas outras
diversas qualidades, todas estas a 19 o frasco,
bonitos vasos de porcellana dotirada proprios pa-
ra ollera a 29 e 5c50. bonitos bahuzinhos com
9 frasquinhos de cheiro a 29, lindas cestinhas
com 3 e '< frasquinhos, e caixinhas redondas com
4 ditos a 1$W0 e 1$600, finos pos para denles e
agua balsmica para ditos a l9e 19500 o frasqui-
nhu ; e assim urna infundado de objectos que o
patentes em dita loja da aguia branca, na ra do
Queimado n. 14.
Vende-se uro negro moco, robuslo, para
qualquer serviQo, tanto de ganhar na ra como
de campo, por estar a estes servidos muito acos-
lumado : a tallar no Manguinho, primeira casa
da estrada dos ArTlictos, lado direito, Com solao
de varanda de ferro.
Vende-te urna casa terrea no bairro de San-
to Antonio : quem pretender, dirija-se a ra da
Cruz n. 51, armazem.
Ao publico. *
Faria & C. propietario da loja de mar- H
more, avisara aosseus numerosos fregu- 9U|
tes e ao publico em geral que acabara do
receber um completo sorlimenlo de fa- 32
zendas de modas e todas serio rendidas V
por precos mdicos.
w5W Mw&^w "W*wftrfi'is
Gomma superior do Aracaty.
por preco commodo.
Chega para todos.
Cassas francezas muito bonitas e decores fizas
a doze vilense covado, mais barato do qoe
chita, approveitem em quanto nao se acabam ;
na ra do Queimado n. 2!, na bem conhecida lo-
ja da Boa F.
Cal de Lisboa,
nova, e muito bem acondicionada : na ra da
Cadeia do Recite n. 38, rrimeiro andar.
Cheguem ao barato
O Preguiaa est queimando, em sua loja na
ra do Queimado n. 2.
Pe^as de brelanha de rolo com 10 varas a
28, casemira escura infestada propria para cal-
(a, collete e palitois a 960 rs. o covado, cam-
braia organdy de muilo bom gosto a 480, rs.
a vara, dita liza transparente muito fina a 39,
49, 39, e 69 a pega, dita tapada, com 10 varas"
a 59 e 65 a pega, chitas largas de modernos e
escoltados padres a 240, 260e280 rs. o cova-
do, riquissimos chales de merino eslanpado a
79 89. ditos bordados com duss palmas, fa-
zenda muito delicada a 99 cada um, dilos com
urna s palma, muilo finos a 89500, ditos lisos
com franjas de seda a 59, lencos de cassas eom
barra a 100, 120 e 160 cada um, meias multo
finas pira senhora a 49 a duzia, ditas de boa
qualidade a 39 a 39500 a duzia, chitas fran-
cezas de ricos desenhos, para eoberta a 230 rs.
o covado, chitas escuras inglezas a 59900 a
pega, e a 160 rs. o'covado, brim braneo de paro
linho a 19, 19200 e 19600 a vara, dito preto
muito encorpado a 19500-avara, brilhantin
azul a 400 rs, o covado, alpacas de differentes
eres a 360 rs. o covado, caaemiras pretil
finas a 29600, 39 a 39500 o ovado, cambraia
preta e de salpicos a 500 rs. a vara, e outras
muitas fazendas qae se far patente so compra-
dor, e de todas se darao amostras com penhor.
GRANDE SOnTISEXTO
DE
Em casa de Schafleit'ln & C.rua da Cruz n.
38, vende-se um rande e veriado sortimento
de relogios de algibeira Iiorisontaes, patentes,
chronometros, meoschronometros de ouro, pra-
la dourada e foleados a ouro, sendo estes relo-
giosdos primeiros fabricantes da Suissa, que se
vanderofior precos razoaveis.
FROCO.
Vende-se frco de todas as cores e grossuras,
com rame e sem elle a 400, 500, 60 e 19 rs. a
peca ; na ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 10.
Grammatica in-
gleza de Ollendorff.
Novo methodopara aprender a lr,
a escrever e a fallarnglezem C mezes,
obrainteiramenre nova, parauso de
todos os estabelecimentos de instruc-
jao, pblicos e prticulares. Vnde-
se napraca de Pedro II (antigo largo
doColIegio) n. 37, segundo andar.
Relogios.
Vendem-se em casa de Braga, Silva Si C, re-
logios de ouro de diversos fabricantes inglazesjglez, emuito bem acabados a 169000, ditos
nnr nraen i*nmmnrln *!..* ^ ^ _^ -. '
Farinha a 3S500
Venciese farinha de mandioca a5,*j500
a sacca : na ra da Madre de Dos 11 u-
rn ero 35.
Km casa de N. 0. Bicbcr ir Successorcs, rna
la Cruz n. i, vende-se :
Charapaalia marca Farre 4 C, urna das mais
acreditadasmarcas.muiconhecidas no Rio de Ja-
neiro.
Vinho xerez era barris, cognac em barris e
caixa3.
Vinagre braneo etinto em barris.
lirilhantes de varias dimeosoes.
\Z< hersulfurico.
Cuaima lacre clara.
Lonas, brinz5os e brins.
Ac de Milo
Ferro da Suecia,
Algodo da Bahia.
Libras sterlinas
Venlem -se no cscriptorio de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho, prac.a do Corpo Santo.
e roupa feita
NA LOJA E ARMAZEM
DB
Joaquini Rodrigues Tarares de Mello
RA DOQUEIMADO N. 39
Rjrsi'A LOI* DE QU.VTRO P0R7AS.
Tem um cornpleto convida a todos os seus freguezes e a lodos
quedesejarem ter um uniforme feito com todo o
gosto ilirjam-fe a este estabelicimento que em-
conlraro um habel artista chegado ltimamen-
te de Lisboa para desemponhar as ob^s a von-
tade dos freguezes, j tem um completo sorti-
mento de palitots de fina casemira modeilo im-
de merino selim a 129000, ditos de alpaca
pretos a 59000, ditos de alpaca sobre casacas
a 89000, dilos com golla de velu a 99000,
ditos de fustao, ditos de ganga, ditos de brim,
ludo a 590 >0, ditos de brim de linho tranga
do a 69000, caiga de brim de linho muito gu_
perior a 59000. ditas da catemira da edr a
99000 ea 109000, ditas de casemira pre-
ta superior fazenda a 129000, palitots fran-
cezes de panno fino fazenda muito fina 25JJ
sobrecasacas de panno muito superiores a 359
ea 409000, um completo sortimento de cami-
sas fracezas, tanto de liaho como de algodo
e fusilo vende-se muito em conta, afim de que-
rer-8eliqiudar com as camisas.*
Vende-sena ra do Livrmeuto
n. 19, borzeguins francezes a 6/jf, dito
de bezerro a 6$, dito de vaqueta a 7#.
Por metade do seu
valor.
Ra do Queimado n. 19.
Vestidos de gaze e phaoiasia.muitoaliodos.da
duassaias, pelo baralissimo preco da 109cada
um corte.
Cambraias
baratas.
19 Ra do Queimado 19
Corles de cambraia branca muilo Qna eom sal-
picos miudinhos a 49600.
Cambraieta para vestido, muito fina, pelo ba-
ralissimo prego de 2*600, 29800,89 e 39500 cada
peS8-,-
Baloes de mussulina, ditos arrendados, dilos
6
Seguro contra Fogo
COMPANHIA
LONDRES
AGENTES
|G J. Astley A Gompanhi.}
I
3 Vende-se
Formas de ferro
purgarassucar.
Euchadas de ferro.
Ferro sueco.
Fr>ingardas.
I Ac de Trieste.
para
a
i
9
I
I

Pregos de cobre de com-
posicao.
Barrilha e cabos.
Brim de vela.
Couro de lustre,
Palhinha para marcinei-
ro : no armazem de C.
J. AsUey A C. I
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P, Jo-
hnston & C. ra daSenzala n.41.
Raa da Senzala Nova n.42
Venda-sa em casa da S. P. Jonhston A C
vaquetas de lustre para carros, sellinsesilhe8
nglezes, candeeiros e castigaos bronzeados, lona8
ngleaes, fio de vela, chicote para carros, e mon-
iaria, arrotos para carro da um dous cvalo*
relogios de ouro patente ingles.
RELOGIOS.
Vende-se a preco commodo
numero 57.
na ra da Cadeia
Vende-se
EM CASA DE
Adamson Howie & G.
Vinho do Porto de superior qualidade.
Tinta de todas as cotos.
Lena e (lele,
fio de vela.
Sellins, silhes, arreios e chicotes.
Rolbas.
Ra do Trapiche n. 42.
Machinas ameri-
canas
E OUTROS RTICOS.
N. O. BIEBER & C. SUCCESSORES,
tem exposto nos seus ai mazeos da ra
da Cruz n. 4 e 9, urna ininidade de
machinas etc., como sejam :
ARADOS de dierentes modelos, troba-
1 liando de 2 lados.
CULTIVADORES para Hmpar e abrir a
trra.
M01NHOS para cana em ponto peque-
o, podendosergovernadaspor urna
pessoa. proprias para lavradores.
Ditas de DESCAROCAR MILHO, um
prqccsso pelo qual se poupa muito
tempoe emprega-se somente 2 pes-
soas,
Ditos de MOER MILHO, CAFE etc.,
etc. at o grao mais fino que bouver.
Ditos para FAZER FARINHA de mi-
Iho etc.
MACHINAS para fazer BOLACHINHA.
BOMBAS para cacimbas e
navios, muito roanciras e
de forca superibr por
mdicos precos.
com corren tes para
tirar agua de lugares
Ditas
tir
mui fundos.
superior qualidade para
VERNIZ de
carros.
CARROS de mao muito leves e baratos
BALABAS de i,WD libra! para baix
proprias para armatens, depsitos
tabernas, boticas etc., etc.
MAPPA9 geographicos da mundo e
suas partes.
MACHINAS de costura de Sivat 4 C. as
melhores que ate boje tem appa'rc-
cido.
ntremelos e tiras
bordadas.
Vande-se mui bonitos enUemeios e tiras bT-
dadas em 6na cambraia, ob'r mui bem aeikav
?iS9Dlr "fi"* p,,8 h"iBioa precM de
SPS'J "^SP Ue^ e S liras ^to&
S.'.^5?0^3*' I?' 5? e 6*' ATS,a d*up*r!o-
ridade da lazenda ninguem dixat tie comprara
paraiaaodiMJam-searoido Queimalrleja da
aguia branca n. 18. *" "
Loja das 6 portas
em frente do Livramnto
Lazinhagab'OO rs.
Camisinhas muito bonitas com duas lareuraa
Vende-se em:aaa de Saunders Bro hers A pararestidos de senhora a 500 rs. o covado co-
B. praca do Corpo Santo, relopoado afama tes de rlscado francet para TesWp aW'tVa
do abricante Hoskell, por pregos commodos bailo parr menina a SJ500, ditas para senbora a
atambemrancellins e cadeasraraos meamos 45500e 5 ; d-se amfislrt eom penhor A loia
deexceellnte tosto.5 I est* aberta at as 9 horas da noile. '


y
MANO M m**H*m> -r WSTA FURA ? D* J4WWHNI 1861.
Calcado,
Qualidades escolhidas.
4S-,Rua Direita-45
rarrV. .,wE."aeMMrl r"0' ocalgadoe
h sUMeeiiBento di roa Direila, que o
Us pr^0"s ein PCrelt0 MUd0 por es-
Borzeguins de homem (bezerro e lastre]
Olios de dito den)
Ditos dedito
Ditos de dito
Ditos de dito
iorzpguins de senhora
Ditos dt din
Ditos de dita
Ditos de dita
Sapatoes de bezerro (3 1|2 batera)
Ditos de dito e de lustre
Meios borzeguins da homem
Borzeguina de menina 4JOO0 e
Sapntots de berro para menino 49 e
Sapatos do lustre p,ra senhora a
-- Vende-te a tab> rna tita na roa
(idem)
(idem)
(idem)
AttENClA
VA
4
596OO
SfOO
CfilOO
3#600
395(10
1S200
a do Rosario
da Boa-V,,ta n. 54; a tratar na mesma.
i.erTi, n 7e a luJ' d.e c,,?do 0a "> da Im-
pemnzn. 84; a casa tem commodos
queua familia.
para pe-
Vendo-te urna preta con) 18 annos de ida-
&2S! diariode u "M. engomraa sof-
frifelmente, cose e lava de sabio, sem defeito
algum : na ra das Cruzes n. 18.
Lindas caixiohas de cos-
tura.
Na loja da aguia de ouro, ra do Cabug n.l
B. vendenvse as lindas caixts d9 costura pro-
pnas oara mimo, assim como pianinhot com a
s Ja competente rausica. quadros dourados, tan-
tos oe santos como de retrato, propriot para en-
leue de sala, jarros com flores muito lindos, es-
tampas Unto de guerras como de vista decida-
oes, calas de mu sica com lindas pecas, realejos
grandes com 30 pecas compostas de Valsas as
isr- m isise vende pr >
Assucar e carina.
Vonde-se assucar mascarada) a 100 rt, a li-
bra, agurdente de canna engarrafada a 240 a
garrafa ; na travessa do paleo do Paraizo d, 16
casa pintada de amarello.
FUNDIDO LOW-1H0W,
Roa da Senzalla Nova n. 42,
Neste estabelecimenio contina a baver un
completo sortiment de moradas e meias raoen-
das para engenho, machinas de vapor e taixas
te jarro balido e coado, de todos os lamanboi
para dito.
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
No bera conhecido e acreditado deposito da
roa da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender
verdadeira potassa da Russia nova e de superior
qualidade, assim como tambera cal virgera era
pedra, nido por procos mais baratos do que era
outra qualquer parle.
As melhores machinas ele coser dos mai
afamados autores de New-York, I
M. Singer &C. e Wheeler & Wilson-
1&
Imperatriz n. 10
vista.
Neste estabeleci-
mento vendem-se at
machinas deste dous
autores, mostram-se a
qqalquer hora do din ou
da noiie, e responsabili-
samo-oes por sna boa
qualidade e seguranza:
no armazem defazendat
do Rayroundo Carlos
Leite 4 Irma os ra da
antlgamente aterro da Boa-
MUTA FE1TA ANDA MAIS BARATAS.
SORTIMENTO COMPLETO j
Fazendas e obras feitas.1
g;A 9,000 a arroba.
Vende-se cera de carnauba da velha
e nova safra a pretjo de 9#: no aptigo
deposito do largo da Aliembla n. 9.
LOJA
E ARMAZEM
DE
ce(Lc?9aj/c
r NA
Vende-se urna preta sera cios, moca, sabe
coznnaro engomroar, lava de sabSo, o por ore-
co commodo ; na ra das Cruzes n. 18.
Vende-se urna mulata moca'sem vicise
nefelios, com principios de todos es arranjos de
urna casa, por ser do mato, um mulato tambem
por prego commodo, um moleque sadio e multo
diligente com 16 annos, um preto bom canoero
e caiador, e pronrio para todo o servigo : na ra
das Cruzes n. 18.
Ceblas.
Palitos do gaz
de cera
e
desla superior qualidade
zem de Barros & Silva.
s se vende no arma-
Vende-se a 610 e 800 rs. o cento ; na Iravessi
do pateo do Paraizo o. 16, casa pioiada de ama-
relio. '
Ra do Queimado
n. 39.
Loja de quatro portas
DE
JOAQIM RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Cnegou ltimamente a este esUbelecimento um
completo surtimonlo de chapeos pretos fraocezes
do melhor fabricante de Pars, os quaes so ven-
dem a 7000, ditos a 88000, ditos a 99000
ditos rnuito superior a 10*000, ditos de castor
pretos e braocosa 16#000, o melhor que se
pode desojar, chapeos de feltro a Garibaldi de
muito superior massa a 79000, ditos de copa
baixa para diversos procos, ditos de palba escura
de varias qualidades que se vendera por prego
barato, bonets de veludo para meninos a 500<,
ditos do palha escuras e claras a 49000, ditos
de panno muito bem arranjados a 39500
chapeos de seda para senhora* a25j000 muito,
superiores, ditos de palha escuras proprios para
campo a 129000, ditos para meninass 109000,
chapeos de sol de seda inglezesa 109 e a 129
muito superiores, ditos franceses a 89000,
ditos de panno muito grsndes e bons a 49000.
sapatos de voludo a 29000. ditos de tranca a
19600, sintos de grugurao para senhoras o me-
ninas a 900', oeiros de easemira ricamente
bardados a 128000, e eutras rauita fazendas
que a vista dos freguezes n8o deixaro de com-
prar.
Militares de individuos de todas as naeSes
podara testera un ha r as virtudes deste remedio
incomparavele provar em caso necessario, que,
palo uso que dalle fizeram lem sen *rpo o
membros intuir mente saos depois de havor era-
pregado intilmente outros tratamenios. Cada
passoa poder-se-ha convencer dessas curas ma-
ravillosas pela leitura dos peridicos, que Ih'as
relatara todos os dias ha muitos annos; e a
maior parte deltas sao to sor prndenles que
admirara os mdicos mais celebres. Quantas
pessoas recobraran! com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois de ler
permanecido longo terapo pos hospitaes, onde
"aviara soffrer a amputado 1 Dolas ha mu-
cas quehavenlo deixado esses, asylos de ptde-
tiraentos, para se nao subraeterera a essa ope-
rario dolorosa forara curadas completamente,
mediante o uso desse precioso remedio. Al*
gura das taes passoa na enfusao de seu reco-
nheciraento declararam estes resultados beneB-
eos dianta do lord eorregedor e outros magis-
trados, afim da mais atiiefUicarera sua afirma-
tiva.
Ninguera desesperara de estado de saod se
tivesse bastante confianea para encinar este re
medio constan teniente seguiado algum tempo o
trata meato que necesstasse a natursza do mal,
cujo resultado seria provar incontattavelmente.
Que ludo cura.
O ununto he til, mais particu-
lar ment nos, sejcuintes casos-
E' o ultimo >flslo.
Superiores gurgures delseda de qnadrinhos.
de lindos padroes, pelo baratissimo prego de 1
o covado, grosdenaples liso de lindas cores a 2a
o covado. corlea de la muito fina com 15 cosa-
dos, padroes muito bonitos a 89. dias de quadros
padroes tambera muito bonitos a 480 rs. o cova-
do chales de cores, padroes inteiramente novos
a 19 rs. o covado ; aproveitera em quanto se nao
acaba : na ra do Queimado n. 22. loja de
boa-f. '
Vende-se urna escrava de 26 annos, cozi-
nha. engomn,a e lava, e nao tpro vicios oaos, por
prego commodo : na ra da Prai, armazem de
carne secca n. 9.
Gurgel ua da Cadeia loja n 23.J
Tleceberam novos corles de cambraia
branca bordada de auas saias e babadi-
nhns.
Keceberam cuinplelus suriinii-nios de
vestidos de blonde com manta, capella e
mnis pprtpnres.
Rt-ceberam mouernos Chapeos de pa-
lha para senhora entenados de plumas e
flores.
Receberam novos enfiles de cores e
peitos para senhora, pulceiras e estratos
de sndalo.
para homem, de
e do seda forma
Receberam chapeos
castor preto, branco
moderna
Ven dem ricos coi les de vestidos de
seda, ditos de barege e gaze de Seda de
babadinhos.
Vendem as coinmodas saias alo de
musselinas c cutim de Msodo
nhora e criancat-
para so-
Vendem seu^s e tioscaa
drinhos padroes moaeruos
curas, ditos lisua.
les de qua-
i cores es-
Vi'nuem manteletes pret03 ce grosde-
naples, ditos de 88Ja bordados o dous
bicos, eaptohas ; orase brancos e de P
corps, poloaei.->s or -urSo, taimas de S
3| fil, filas ptr.. c:l*.^.-. ag
8YSTEMA MEDICO UEII0LL0WAV7
PILULAS HOLLWOYA-
Este inestimavel especifico, composto inteira,
mente de hervas medicinaes, nao contm mercu-
rio era alguma outra substancia delecteria. Be-
nigno mais lenra infancia, e a compleicjio mais
delicada igualmente prompto e seguro para
desarraigar o mal na compleico mais robusta ;
enteiramente innocente em suas operaces e ef-
feilos ; pois busca e remove as doencas de qual-
quer especie a grao por mais antigs e tenazes
que sejam.
Entre miibares de pessoas curadas eom este
remedio, muitas que j eslavara as portas da
morte, preservando em seu uso : conseguiram
recobrar a saude e torcas, depois dehaver tenta-
do inuliimente todos os oulros remedios.
As mais attlictas nodevem entregar-se a des-
espere^o ; fa$am um competente ensaiodos
efGcazes effeitos desta assombrosa medicina, e
pre.tes reeuperarao o beneficio da saude.
Nao se perca terapo era tomar este remedio
para qualquer das seguint.es enfermidades:
Una do Queimado
n. 46, frente amarella. ^
Constanlemente temos um grande e va-
riado sorlimento de sobrecasacas pretas C
de panno e de cores muito fino a 289,
SOJ e 859, paletn dos mesmos pannos
a W$, 2-25 e 24$, ditos sarcos pretos dos fj
mesmos pannos a 149, 169 e 16$. casa- I
| cas pretas muito bem feitas e de superior m
g paDno a 289. 80$ e 35. sobreasaras de ?
m caspmirade cores muito finos a 15, 16J ||
, e 18J. ditos saceos das mesmos casemi- S
I ras a 10$, 12 e 148, caigas pretas de ij
easemira fina para homem a 89, 9, 10/ J
e 12, ditas de easemira decores 8,7, 89, ij
99 e 109, dias de brim brancos muito oj
fina a 5J e 69, ditas de ditos de cores a ff
39. 39500. 49 e 49500, ditas de meia ca-
semira de ricas cores a 4{t e 4J50O, col- n
letes prelos de easemira a 59 e 69, ditos fU
de ditos de cores a 4J50O e 5, dilos *
brancos de teda para casamento 59, &
ditos de 69. cnlleies de brim branco e de v
fusiao a 39.39500 e 49. ditos de cores a |
2J500 e 39, palptuis prelos de merino de *5
cordio sacco e sobrecasaco a 71, 89 e 9, ||
eolletes pretos para lulo a 4500 e 59, *f
caigas pretas de merino a 49500 e 5, pa- *
letots de alpaca preta a 3j500 c 4g, ditos 2?
sobrecasaco a 69, 79e 8$, muito finocol- |f
letes de gorgura de seda de cores muilo &
boa fazpnda a 3j8oO e 4g. eolletes de vel- *
ludo oe crese prelos a 79 e 89, roupa S
para menino sobre casaca de panno pre- 21
tos e de cores a 149, 159 e I69, ditos de
i$ easemira sacco para os mesmos a 65llO e
II 79, ditos de alpaca prelos sacros a 39 e
?P 39500. ditos sbrocasneos a 5$ e 6)J300,
K calcas de casen.ira prelas e de cores a 69,
6fi500 e 79. camisas para menino a 20j>
a duzia, camisas inglezas pregas largas f|
_. muito superior a 329 a duzia pare acabar, y
1| Assim como temos urna offirina de al S
-, faiate onde mandamos executar todas as j>
9 obras com brevidade. ase
u&tmmm 9KSI3 di.disQisMp.1
Alten cao
Na ra po Vigario. taberna n. 12, tem saceos
rom feijao mulatinho, preto, furadinho, que de.
todas as qualidades se vendem por precos ra-
'zoaveis.
Vende-se um ascravo cozinheiro; na ra
do rilar n. 143.
Vinho do Porto, genuino,
Fico de 1820.
Stomacal de 1880.
Precioso de 1847.
As duzia, e em caininhas, a dinheiro, porba-
ralo prego : vende-se Da ra do Trapiche n. 40,
escripturlo.
Meias muito bara-
tas.
A loja da aguia branca esl provida de urna
grande qnantidade de meias, e melhor sortimen-
to que te pode dar, e por isso esi vendendo-as
mais baralo do que em entra quilquer parte ;
sendo meias cruas encurpadas, de abanhado n
bnral elstico para homem n 2500, 3f. 3^500, 4J,
4$500e 59 a duzia, ditas inglezas o melhor que
se pode encontrar a 69 e 6*500, dias de 60 de
Escocia ponta enramada imiandoseda a 800 is.
o par, e de cores a 640 e 800 rs.. ditas brancas
mili finas e tapadas a 2J400, 88500 e 59, e fins-
si mas a 89 a duzia, (Jilas branras finas p fio unido
'para senhoras a 4.48800, 5500 e 6500, e de
fio de Esencia primeira qualidade a 89O0 a du-
zia. ditas de seda brancas e pretas a 28500, 39,
3g500e4, ditas cruas roui enrorpadas para me-
ninos a 200 e 240 rs. o par, ditas branras e de
cores a 240 p 280 o par, ditas para meninas a 39
a duzia. ditas de seda para baptisado a 29 o par,
ditas de laia e de spda para padres a 29, 38 4
o par. EoiUm vista de tantas e divprsas quali-
dndes, o melhor approveilar-se a ocrasiao, e
dirlgir-se a ra do Queimsdo, loja da aguia bran-
ca n. 16, que ser servido com agrado e since-
ridade.
1 m ##
Vendam-at 5 carros aovos com lodos oa
IP arreios : pa ra Nova n. 21.
CANDIEIflOS
ECONMICOS
NA
Ra Nova n. 20.
Chegou um riquissimo sortimenioderaodieiros
econooiicos de muito bonitos modplos, desde o
mais superior at o mais ordinario, por preco
muito commodo. com a experiencia propria de-
ver aKradar ao comprador, e vista da pouca
despesa que faz. animar a ser Iluminado s com
01 ditos candieiros a gaz ; da mais baratos sao a
milagao de urna lamparioa, produzindo a luz a
tres veis de esperroacete com a importancia de
40 rs, por noite ; gradualmente ir sobindo to-
das as mais qualidades at o maior, que servir
par ornar e illuminar urna rica sala, equivalente
a 16 velas de espermacete, luoo isio se garante
sob a condigno de voliar e restituir-se o seu
importe, na falta de nao agradar a experiencia
feta: na ra Nova o. 80, loja do Vianna.
Cofres de ierro para dinheiro,
joias. etc., etc.
Na loja da aguia branca vendem-se bonitos co-
fres de ferro mu fortes e seguros, com fechadura
e chave, e de diferentes lmannos, propriot para
se guardar dinheiro, joias e papis de importan-
cia, pelos baratisaimos precus de 4$500, 58000
69500 e 6{ : em dita loja da aguia branca, ru
du Queimado n. 16.
SfAHllIMA
DE
JOAQUIIH DE OLIVEIRA MAIA
Grande,, sarjado e efccoihido sortimento de chapeos de
.todas as formas e qualidades, a saber:
, v?Ve(!? ?S0S,^S castor braocos e pretos, compeli e
1 pello, de 10 a 14^, de feltro de todas as olidadi
sem
Tarias formas, Magenta Solferino, Touristas, Jerome, etc.,
etc.: de palha escura phautazia), de palha e easemira
tthatr1^ doCh^ -^ ^o fi'os, a^elSos,
altos e baixos, de gorgurao de seda, de oleado para criado.
De Manilha,
oSng.adVre.C5(.o.,neDd"e8 P'" "** Pr 8erem le"8' 0 ***.
escurot, elegaoies e de
De baleia, forma cavour,
elegantes, muito frescos, leves e de duracio
11 f&lEl ftMl SMUWES
escuros e claros, com enfeites e sem ei.feiles. ^""** wua-iuuuvufiU&ua/,
Ctmplelo sorlimenlo para meninos
dem de bonets para homens e
e finalmente outros muitos, quesera enfadouho mencionar.
e enancas.

1
1C5 o*- nr 8 ?. '
o
O. fi w
S i 5 = s 2 =
o
a m
a, o
6
DI

a O-
cae

c a.
"-SSeSSjl*- -J-^Sa
= '2 gfSo
l&*E-2*S
mm itiManro
DE
o-o-c
cr =

CQ rr, P
O -

e-a
a o
c o
> "j: 2*"?2
ai k -o -p s 5
N\ LOJ\ t& \KM\Z1M
DE
^s-It-eS^ee-Se'^-?

ce a u o c-c
t~ en C c g
C V .

3 T -Z
0..5 > 6cn'5 2 "" ;
tuc>BEJ2 tei
Algodo monslro.
Vende-se algodn monstro com duaslarguras,
muito propriopara toalhas e lenges por dispen-
sar toda e qualquer costura, pelo baratissimo
prego de 600 rs. a vara ; na ra do Queimado D.
22, na loja da boa f.
Relogios.
Vende-se em casa deJohnston Pater & C,
ra do Vigario n. 3, um bello sorlimenlo de
relogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabrican es de Liverpool ; tambem
urna variedade de bonitos trancelins para os
mesmos
Na loja do Dubarry, na roa da Imperatriz,
existe anda um resio de chicotes americanos, a
melhor cousa que lem vindo a este mercado pela
ra muila durigo : a clles, que eslo no resto.
Balites de 30 arcos.
Vendem-se superiores baloes com 30 arcos,
sendo muitu rerommendaveis poi poderen< flcar
do tam*nho que se precisar, pelo baratissimo
prego oe 6 ; na ra do Queimado n. 22, na loja
da boa f.
_ *
E de gra^a.
Corles de caigas de mei* easemira de cores es-
curas a 1^6(10, ditos de brim de linho de cores a
2$,riscadinhos de linho proprios para obras de
meninos a 200 rs o envido, grvalas de seda de
cores a 640, ditas pretas eslreitinhas e largas a
li). ealem disto outras {azenoas que se vendem
muito em conta ; na loja da boa f, na roa do
Queimado n. 22,
Bramante
bretanhas e atoalhado
Joaquim Francisco dos Santos.
40 RA DO QUINADO 40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
19000
Seda de quadriohos muito fina covado
Enfeites de velludo com froco pretos e
de cores para cabega de senhora da
ultima moda
Fazendas para vestidos, sendo seda la
e seda, cambraias e seda lapada e
transpareBre, covedo
Luvss de sedsbordadas e lisas para
senhoras, homense meninos
Lencos de seda rxos para senbora a
19000e
Mantas para grvalas e grvalas de
seda de todas as qualidades
Chapeo francez forma modrrna
Lengosde gurguro pretos
llicascapellas brancas para noivados
Saias balo para senhora e meninas
Tafea rxo o covado
Chitas franceza a 260, 280, 300, e
Castas francezss, a vara
2&500
8500
29000
$500
9320
)00
Setim preto azul e encarnado proprio
para forros com 4 palmos delargnra
o covado
Casemira lisa de cores 2 larguras, o co-
vado
Chales de miron bordados, lisos ees-
lampados de todas as qualidades
Seda lisa preta e de cores propria para
forros com 4 palmos de largura, o
covado
Ricos cortes de seda pretos e de coros
com 2 saias e de babados
Ditos de gaze e de seda phsntasia
Chales detoquim muito finos
Crosdenaple preto e de cores de todas
as qualidades
Seda lavrada preta e branca
Capas de fil e visitas deseda preta
com froco
19600
29000
19500
Machinas de costura
Al p oreas
Gaimbras
Callos.
Ancores.
Cortaduras.
Doras de cabera.
-das costas.
dos ma.nbros.
Emfermidades da eulis
em geral.
Ditas do anua.
Erupges escorbticas.
Infla.nmagao da bexiga.
da matriz
Lepra.
Afiles das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos
Pulraoes.
Queimadelas.
sama
Supuraces ptridas
Tinb, em qualquer
parte que teja.
Tremor de ervos
Ulceras na bocea.
do ligado.
das articulaces.
Veas torcidas ou no-
das as pernas.
Fstulas nq abdomen.
FiaMada oa falta de
eilor as extremida-
des.
, Frieiras.
* Gengiva escaldadass,
Inehaces.
Infhnwgao do flgaejo.
Vende-se este ungento no esUbelecimento
geral de Londres n. 244, Strapd, e na loja
de tojos os boticarios droguistas e ootris pes-
soas oncarregadas de sua venda em toda a
America do sul, Hivana e Hespanha.
Vende se a 300 rs., cada bocelinha contm
urna imirucgo era portvgaez para explicar a
modo de fazer uso desta ungento.
0 deposito geral e em essa do Sr. Soum,
pharmaxeuco, na ra da Cruz n. 22. en
0. Pmbiv.
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
A m polas.
Areias (mal de).
Asthma.
Clicas.
Convulsoes.
Debilidadeou extenua-
eao.
Debilidade ou falta de
forcaspara qualquer
eousi.
Desinteria.
Bor de garganta,
de barriga..
nos rins.
Dureza no entre.
Enfermidadesno venire.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueca
Herysipaia,
Febrt biliosa.
Febreto da especie.
Gotta.
Hemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indines toes.
Inflammaeoes.
Irregularidades
menslrusgao.
Lombrigaa de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na calis.
Abstrucgao de ventre.
Phtysica ou consamp-
pulmonar.
Retengao de ourina.
Rheuroalismo.
Syrapioraos secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venereo(mal).
Febreto intermitente,
Vende-se estas plalas no ostabeleeiment ge-
ral da Londres n. 224, Sirtnd. e na loja de
todos ot boticarios droguista e outraspesaoas en-
aarracadtt de sa venda em toda a America do
Sul, Havtnt e Htpanha.
Vendem-se at bocelinha a 800 rs. cada
uma dalias, eonteaa ana instruceio em portu-
uex para explicar o mede de se usar dealaa Di-
luas.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
dharmacwico, na ru* da Crwn. 22, em Per-
aambco.
4dmiraveis remedios
americanos.
Todas as casas de familia, senhores de enge-
nho, fazendeiros, etc., devem estar prevenidos
com estes remedios. Sao tres medicamentos
rom os quaes se cura eficazmente as principaes
molestias.
Prompto alivio de Radway.
Instantneamente alivia as mais acerbas dores
e cura os peiores casos de reumatismo, dor de
cahega, nevralgit, diarrha cmaras, clicas,
bilis, indigestao, curp, dores nos ossos, contu-
soes, queimadura, erupcoes cutneas, angina,
retengo de ourina, ele, etc.
Solutivo renovador.
Cura todas as enfermidades escrophulosas,
crnicas esyphiliiiras : resol ve os depsitos de
maos humores, purifica o ssngue, renova o
systema : prompto e radicalmente cura, eaero-
phulas, venreo, tumores grandulares, ictericia,
dores de ossos, tumores brancos, afeeges do li-
gado e rins, erysipelas, sbcessos e ulceras de
todas as clases, molestias d'olhos, difjficuldade
das regras das mulheres hipocondra, venreo,
etc.
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regnlarisar o systema, equilibrar a circo-
lsgao do sangue, interamente vegetaes favora-
veis em lodos os casos nunca ocasiona nau-
zeas nem dorres de ventre, dses de t a 3 re-
gtilarisara, de 4 a 8 purgam. Estas pilulas
sao efficazes as afleeces do figado, bilis, dor
de abeea, "Selericia, indigesto, eem todas as
enfermidades das mulheres, a saber i irregula*
ridades, fluxo, reiences, floree brancas, obs-
irucgoes, histerismo, etc., sao do mais prompto
effeito na escarlatina, febre biliosa, febre ama-
relia, e em todas as febres malignas.
Estes tres importsrites medicamentos vem a-
companhados de instrueges impressas que mos-
tram com a maior minuciosidade a maneira de
applica-los era qualquer enermidade. Estio ga-
rantidos de falcificijao por s baver venda no
armazem de fazendas de Raimundo Carlos Lsi-
ledf Irmao, na ra da Imperatriz n. 10, ni-
cos agentes em Pernambueo.
Na loja da boa f, na na do Queiraaoo n. 21,
vende-se bramante de linho muilo uno com duas
varas de largura, pelo baratissimo prego de 89400
a vara, breanha de linho muilo fina e muito
larga a 20. 22J c 24 a pega com 30 jardas,
atoalhado de algodao cora duas larguras a 14 a vara, dito de linho muito superior, tambem
com duas larguras a 3g a vara, ; na ra do Quei-
mado n. 22. na loja da boa f.
Pianos
Saunders Brothers & C. tem para vender em
eu armazem, na prga do Corpo Santo n. Jl,
alguna pianos do ultimo gosto recentimente
ehegadot.dosbem conhecido* e acreditados fa-
bricantes J. Broadvood A Sons de Londres e
muito proDriospara este clima
Campos (, Lima
receberam urna factura de chapeos de sold se-
da para homem, tendo entre estes alguna peque-
os qoe servem para as senhoras que vio para o
campo tomar bandos se cobrirem dn sol, e como
a porgo teja Brande se retolvero vender pelo
prego de 6 e 68500, e algn? com pequeo de-
elto a 5 : na ra do Crespo n. 16.
Extracto
DE
SlvatA Companhia.
Estas machinas sao os mais pereilas
no ramo de mecanismo, unindo a urna
simplicidede a maior ligeireza e perlei-
c5o para toda e qualquer qualidade de
costura,, do ponto mais fino ao mais
grosso. i O vendedor seobriga aensinar
o melliodo aos compradores r t o sa-
ben m bem, assim como a ter as machi-
cbinas em ordem durante um anno.
Estas machinas cosem com 2 ilos nao
quebrara o fio como muita outra o fa-
zem e tao as melhores e mais baratas
ate boje conhecidas no mundo, ellas se
acham expostas na galeria do SR. OS-
BOBN, RETRATISTA AMERICANO NA
RA DO IMPERADOR N. 38, onde
urna senhora competentemente habili-
tada as fara' ver e trabalhar. Igual-
mente se acham expostas no armazem
de MACHINAS AMERICANAS, RA DA
CRUZ N. 4 E 9.
Rival sera segundo.
ATTENGAO.
i Vende-se o deposilo da Fu dos Cruzes n. 41,
sendo a armagao. o gaz, os gneros e os sppare-
Ihns de comida, timo em muilo bom estado e por
diminuto prego : a tratar na ra das Cruzes n.
33, segundo vndsr.
Milho e farelo a 3#500.
Na taberna do estrella no largo do Paraizo nu-
mero 14.
iil
DE
sndalo e outras essencias
para lencos.
Na loja da aguia branca se arha o verdadeiro
extracto de sndalo, bom conhecido por sus su-
perinridade, em frascos menores e minores a 8
e 2*500, assim como finas essencias de rosa, Mag-
nolia, Palcboly, Luiza atara, e muitos outros
cheiros novos e agradaveis, e conforme o tama-
nho do frasco vende-so a 3. 4 e 5 A hon-
dada de tana essencias e extracto j bem co-
ndecida pelas muitas pessoas que lem comprado,
0 ainda ser por quera de novo comprar: na ra
do Queimado, loja da aguia branca n 16.
No armazem de E. A. Burl
le C, ra da Cruz nu-
mero 48,
vende-so cnampanfta das melhores marcas que
vem o mercado, mais barato que em qualquer
Outra parle ; cofres de ferro (burras) das que coa-
luma recetier, do melhordibricante que. ka neste
genero, ior dosot pregos ; novo sortimento de piapos, d
um encllenle fabrcenle, que se venderao por
copla, do mesmo, deduzinds-se fl commissao e o
descont aa os tornasse baratissimos.
Na loja de miudezall da ra d< Queimado n.
55, defronle do sobrado novo ha para vender
pelos diminutos pregos os seguintea arligos:
Duzi de taboneles muilo .finos a 6t<0 rs.
Cartes de clcheles com duas ordena a 20 rs.
Caixas de clcheles balidos a 60 rs.
Duiit de meiat cruts par) homem a 3>.
Dita de ditas para senhora a 3&500.
Pares de meias para senhora a 300 ra.
Latas com banha muito fina aSOOrs.
Iscat para acender charutos, calxa t 60 rs.
Phosphoros em raiza de folha a 120 ra.
Carlaa de alflnetes muito finos a 100 rs.
Csixvs de agulhas francezas a 120 rs.
Pares de sapatos de tranca de algodao a 1)J.
Frascos de macass penda a 200 rt.
Dilos de dito oleo a 120 rs.
Duzia de facas e artos, capo preto, a 3{.
Pares de sapatos dlas para meninos a 200 rs.
Ditos de lavas de cor fio de Escocia a 920.
Masaos de grampns muito finas a 40 rs
Caivetes de aparar penna a 80 rs.
Tesouras muilo finas para costura a 500 rs.
Ditas ditas para unhas a 500 rs .
Pegas de franja de lila com 10 varas a 800 rs.
Ditas de tranga rom 16 ara a 820.
Linha Pedro V. eartao eom 200 jardas a 60 rs.
Dita con) 100 jardas a 20 rs.
Esrnvas para denles multo finss a200 rs.
Cordao imperial fino e grosso a 40 ra.
Oleo de babosa muito fino (frasco) 400 ra.
Fitinhss estreitas para enfeiiar vestidos a 800
rs. a pees.
Labyrinthos de muito bonitos gostos por todo
0 prego.
Cordes para enriar esparlilhe muito grandes
a 100 ra.
Dito fiar* dito pequeos a 80 rs.
Pegas de tranga de linho com 10 varas a 200 ra.
Ditas de Irania de seda preta com 10 varas a
1f400.
Vara dita a 160 rs.
Paraa de aneiat da cores ptra meninos a 160.
Caixai ara r#p muim nu 1.
Liphapara marcar [calxa de |6 nvelos) a po.
cobertos e desrobertosr pequeos e grandes, de
ouro patenis inglez, para homem e senhora de
om dos melhores fabricantes de Liverpool, vin-
dos pelo ultimo paquete inglez : em casa de
Sonthall Mellor & C.
E sera vos fgidos.
No dia 18 do corrente desappareceu da casa
do abaixo assignade um seu escroto de nomo
Moyss, de 18 annos de idade. pardo, de esutura
regular, corpo secco e espigado, sem barba ne-
nhuma, olhos pardos, nariz afilado, bocea peque-
a, labio inferior grosso eps grandes, levou ca-
misa branca, urna calca parda escura e outra
azul : a pesaos que o apprehender, pode leva-lo
ou a ra do Vigario. sobrado n. 21, segundo an-
dar, ou a ra das Cruzes, em Santo Antonio, so-
brado n. 35. primeiro andar, ou ao sitio na tra-
vessa da Casa Forte para o Toco da Tanella, que
ser recompensado.
A. J. de Moraes e Silva.
Do engenho Cuiigi, freguezia da Escada,
fugio no dia 3 de novembio do crreme anno o
escravo 0> nome Antonio, com os sigraes se-
guintes : estatura regular, cor mulato, rebello de
negro, pouca barba, denles limados, idade 25 ou
28 annos, pesrogo e ps grossos, tem pelo rosto,
pescogo e peitos algumas marcas de pannts, e
algumas ricatrizee pelas costas que parecern ter
sido de chicote ; nao levou comsigo roupa algu-
ma, e consta harer fgido para o lado ae serlo
d'onde iera : quem o apprehender, peder el-
va-lo ao rpferido engenho, ou no Becife, ra es-
ireita do Rosario n. 29. no lllm. Sr- Fiorisp ur-
do Marques Lins, que ser bem recompensado.
Escravo fgido.
Um mualo claro, magro, rom pannos prelot
oa ,maSaa d0 8'o, representando ter 25 annos
ue aade, natural do Rio do Peixe, chamado
Luiz, desappareceu no dia 80 de ouluhro da rasa
do Dr. Cosme de S Pereira, de que escravo
suppoe-se ler levado um eavallo prelo do Sr!
Bosiron que te hsvi sollado, e que elle fora
em busca do me*1? ; suppoe-se mais que sua
mulher de nome Mara tambem o arompanha,
levando um pequeo bahu de flandres : roga-.e
as autoridades pnlieiae* e a nutras que*quer
pessoas que o prendam, e remetlam ap sen se-
nhor, que pagar qualquer despeza.
Puiio da eidade do Artr-sly, no mp de se-
tembro protimo pateado, um escravo dqrorr-
mandanie superior Manoe] Jos Penna Parnero,
que ha pouro o hpia comprado ao Sr. liento
Lourcngo Collares, de nome Joaquias, da idade
decincoents e lanos annos. lula, alta, magro,
denles grandes, e rom falla de alguna na frente,
queixo fino, pl grandes, e com os dedos grandes
dos ps bem iberios, muito pnlivriador, inrul-
ct-se forro, e tem signaet de ter eWe turrado.
Consta que este escravo ippsrecera no di| 6 do
corrente. viudo do lido das Cinco Pontea, f sen-
do enterrogado por um parreiro seu conhecido,
disse que tinna sido Tendido por seu aeaho para
Goianninha ; qnaiquer pessoa qe O Fer # po-
der levar em Pernambueo aos Sr* Pa**o 4 Le-
mos, que gratifica rio generosa metne.
i
ILEGVEL


- ;-_ ----.
rt)
DUMO t)t PkRNAkBCO. ~ Olim FIU S D JAIEtfeO Dfc 18ei.
Bsaoui
Litteratura.
rezes fliil circumslaucizinhas e em caso de ne-j O $t, da Versac perteneia escola daquelles |
ceasidade accidentes que sabia fazer apparecer I homens quefazem ludo is claras, aflm d que na-
Clementiua Aubernin.
(Continuando do n. 300.)
VIU
O que meaos pcrdoam as tuutheres oa longa
lista das cousas que uso perdoam, o emprego
das ardis de que usam sem muita ceremonia.
Parece-lho que umainvasio em seus dominios,
uma usurpaco que nao pdem telerar, salro se
irahirem a causa sagrada de seus direitoi A re-
toIU ento um caso de legitima defeza, as re-
presalias sao um dever. Aquella compaixode
que se nao pdem iseotar as mulheres mais a-
paixonadasao aspecto do mal que fizeran, e que
Cleraenlina sentir por um instante, vendo a per-
turbado dolorosa do Sr. de Bangy. (oi por ella
esquecida; elle quizara penetrar tortuosamente
uo intimo de sua alma; havia-se dado o caso de
guerra, ella acceitou-o, mas ao preparar-se para
a lula, nada esqueceu do que podia faze-la con-
verter-se em proveito seu. Sabia agora com que
homem deviabarer-se e quo temivel podia ser
um dia.
Ella espreguicou-se na poltrona por um mo-
vimento cheio do flexibilidade e graca, o reatan-
do o fio da conversa onde o tinha cortado:
E' provavelmente do lado da Magdalena
disse ella olgando com a pona do cinto, que o
nosso amigo tem a sua cazinha? No lempo em
que voc era solleira, tambera as lioha?
O Sr. de Blangy tomou a cabera de Clementi-
no entre as mos e abracou-a pelo rosto cora
um ardor tr't com tanto impeto e paixo que ella
ticou commoVida; mas lanr.ando-lhe um olliar
que parti como urna flecha:
Ento o Sr. no mais cioso? disso ella.
__Ah I eu doro-a! exclamou Leonel que
lancou-sc seus ps.
Apenas a tinha deixado o Sr. de Blangy, Cle-
inenlina, saltando na pona dos ps, correu para
um morelzinbo que servia do secretaria, e tiran-
do uma folha de papel, escrereu com mo
fabricitante estas palavras para o Sr. de Versac :
c Amo-o___porm elle lera suspeitas Se
vior descobrir verdade, estamos perdidos
Era justamente isso o que recejara o Sr. de
Versac. A' leitur.i desse bilhetezinho que o en-
conlrou om Pars para onde se dirieira pela raa-
nha, antes de poder encontrar Clementina,
iranzio o sobr'olho :
__ Eia Irava-se o duellol pensou elle.
A lerauranca do Sr. de Blangy o assustava me-
nos que a de Clementina. Com Leonel apenas
tinha roceiar uma estocada e as estocadas nao
matam serapre. Com o genio espontaneo, im-
petuoso, sera norma nem paradoiro, de Clemen-
tina, eslava todos os das exposto v-1 entrare
em casa e cahir-lhe nos bracos com esta expres-
sao terrivel das mulheres apaixonadas:Son
tua___lujamos! Enchia-o de terror o simples
pensamento desse resultado, o qual era pelo me-
nos possivel, seno provavel. Adeos liberdadel a-
deus vida feliz esera encommodos! E elle entrevio
como n'uma longinqua perspectiva uma familia so-
litaria onde entraran) com insolencia os amigos de
umdia. Todos os vexames de uma uniao Ilegiti-
ma,aquelles meio-sor risos, aquelles olhares atrevi-
dos, aquellas saudaces rpidas que a socieda-
de gasta com os hroes de aventuras escandalo-
sas: ao depois o aban Joo lento, inevitavel, suc-
cessiro de todos aquelles que o tinham conheci-
do, e talvez no Gm de tudo isso, por aborreci-
mento, aquedau'uma sociedade sem classo que
aerecruta oas existencias duvidosas ou al ovil-
ladas, leve um calafrio, e batendo o p :
Quando alguem passa dos trinta annos, nao
deve amar do que seis mezes seguidos.
Luciano tinha pressa de ver a Sra. de Blangy
alim de pelo menos saber a natureza daqucllas
suspeitas que Leonel concebera c combater-lhes
a volta. Clementina aproveitava ento rauitas
para ir i Paris eli passar duas ou tres hora, s
Qual a dona de casa que nao tem compras a
azer? Urna locomotiva levava-a, outra Ira-
zia-a. Estara, pois, certo o Sr. de Versac que
ella nao baria de tardar. Desde o dia seguidle
que uma patarra adverlio-o de que a Sra de
Blaogy o esperara no aposento ondo tiuham por
coslume enconlrar-se. Para la dirigio-se elle.
Por um daquelles senliraeotos particulares s
mulheres e que Ihes fazom considerar como ni-
cas cousas importantes na vida, aquellas em que
seu coraco interossado, a prlmeira patarra de
Clementina, aristando o Sr. de Versac. foi e m
relac.30 s confidencias de seu marido. Tinha a
coovicgo, mas nao a certeza de que era um ar-
dil, e contra a rontade pensara nisto desde a
vespera. K ao depois se Luciano nao fosse ver-
dadeiramente culpado, com que [anudada nao
lhcfaria ellaesquecer a atllccozinha que Ihe ia
causar I
da se saina. Era para elle um principio que, para
nao atirante a atteoco, o nico meio mostrar-
se a que uinguem se oceupa com as acedes que
tem o publico por testemunho. Era era conse-
quencia desse systema que passelara por todo
Pari3 com a gentil creatura que o Sr. de Blangy
rira seu braco. Nao se incommodava'com isso,
e nao era aquella a primera rez que percorria as
ras de Paris com ella, qur p qur carro.
Quando estere s depois que Clementina o dei-
xou, deu um profundo suspiro :
Ah
s a senhora de
a presenta e a re-
Temos noticias suas, raeu senhor; ora di-
ga-me l por quem como se chama a linda
actriz do theatro francez quem dar o braco
to amorosamente um destes dias?
Ficou vermelho o rosto do Sr. de Versac ; quiz
responder, porm perturbou-se. Clementina que
o obserrara, sentio despedagar-se-lhe o coraco.
Ento era verdade I exclamou ella.
E oceultando o rosto as mos debulhou-se em
lagrimas.
O Sr. de Versac comprehendeu logo a tolico
que havia commettido. Para quem eslava acos-
tumado aps duellos de salflo, houvera-se como
um estudile. Corar e porturbar-se elle que
nao tinha mais trinta annos I De que servia, pois,
Qcar velho? Nao perdeu um segundo para re-
parar seu estouraraente, e com o arrojo d o um ho
mem ferido om seu melindre :
Voss acrodla-o. Oh!... ohl moClemen-
tina I exclamou ello.
Gostam de ser engaadas as mulheres bem co-
mo seus inimigos, os homens. Entregam-se as
mais ardilosas, s rezes al cora uma sorpren-
dedora habilidade, gritos, protestos, jura-
ramentos, transportes de dr e colera fingidas,
cujo emprego apropriado, gradago conveniente o
eterna illuso s ellas conhecem. O Sr. de Ver-
sac bem o sabia ; militas rezes Gze.'a essa expe-
riencia ; e como quer que a sonhora de Blangy
Ihe censurasse a hesitago que mostrara e aquelle
embarao cujo signal aiuda conserraram suas fei-
coes.
E quem nao teria corado at a raz dos ca-
bellos? replicn elle vivamente... Leio em seus
olhos que voss tem suspeitas de mim; a senho-
ra o diz com o assento da convegao e nao quer
que se perturbe meo coraco indignado.... Mas
se voss faz esse conceito do horaem que a ama
nicamente, porque est aqui? Porque da-me o
direilo de Ihe fallar? Nao espere que eu me jus-
tifique... Se alguraa cousa em ross nao tomar
vigorosamente a minha defeza, porque Ihe direi
que se alguem vo-mo dando o braco uma mu -
Iher, tenho infelizmente mil amizados quera
posso offerec-lo, dez paes que m'o podem po-
dir? Deixe estar, vossft fez-rae uma injuria nior-
iall... Se arrefeceu seu amor, porque procura um
pretexto? Seria mais digno de voss uma decla-
rarlo muito franca... leria eu encontrado em
meu dospreso a forra do poupar-lhc os enfados
de um rompimenlo... eu leria partido, ,e vos e
Qcaria livre I
Levar a guerra para o territorio ini migo foi sem-
pre manobra dos grandes tcticos. Alera disso,
Clementina era demasiadamente mulher por nao
gostar daquellas grandes exploses de sentimen-
(os onde a indignago entremeia-se com a expresso
do desespero, o que fazera vibrar todas as cor-
das do despeito, da colera, do temor e do orgu-
Iho.- Langou a vista para o Sr. de Versac e per-
turbada, vencida e cheia de alegra, com o rosto
anda todo banhado em lagrimas, cahio-lhe nos
bracos.
FOJLHETIM
01Y LEVINGSTONE
ou
A' TODO TRANSE
POR
disse elle, ia-me perdendo.
Ao depois pergun lou si repentinamente e
com espanto como nao se aproveitra de to boa
occasio para desfazer sem tumulto e sem estroo-
do uma siluago em que nao encontrara mais um
attracliro to riro seno pelo passado e que nao
podia ser continuado sem perigo. S tinha de
nao defender-se, de confessnr tudo at e retirar-
se, acceitando um ronpimento ioevitsrel como
uma coodemnaco. Clementina era demasiada-
mente altiva para jamis perdoar-llie. Foi extre-
ma a sorpreza do Luciano quando veio-lhe essa
reflexo. Sem durda alguma tinha cedido
atraieco, talvez tambera aquelle seulimeoto de
vaidade que faz que certos homens nao queirara
ser rencidos em nenhum terreno, e que procu-
ran) o Iriumpho todo o custo, anda que depois
houressem de laraenla-lo. Considerando as cou-
sas pelo raelhor lado, podia aiada acontecer que
o Sr. de Versac nao quzesse aproreitar-se cobarde-
mente de uma circunstancia quo Ihe deixara re-
tirar-so no mesmo momento em que a roz de um
mulher que seharia sacrificado, indicara lho que
um perigo ameagara 5 ambos.
Essa actriz, quem o Sr. de Versac serrla de
caralleiro, fra por este encontrada outr'ora as
caldas dos Pyreneos; um acaso os reuni em
Pars, e cora o auxilio do diabo, o conheciraento
que comecra no circo de (aramia, assumira um
carcter mais intimo n'um camarim da Chauatie
TAntin. Nao era da parle de Luciano urna Irai-
co premeditada, nao era to pouco |um amor;
era um daquelles acasos da rida parisiense taes
como faz nascer um passeio pelos boulevards,
que ninguem d importancia alguma e que ce-
der, uos por desenfado ou fatuidade, oulros por
que lhes parecera ridiculo repelliruraa aventura
que se lhes offerece sob as feicoes agradareis de
uma mulher de vinte annos. O Sr. de Versac
nao era ura caralleiro da raosa redonda, tinha o
coraco fatigado, e esses coraces esto sempre
prestes eair.
Dous das depois de sua explicacaocom a se-
nhora de Blangy, voltou o Sr. de Versac para
Sirry. Nada haria mudado apparentemente nos
hbitos dos hospedes do cnstello. O Sr. de Con-
de persegua sempre a senhora de Luxentl, que
arriscara ura ourido ; os peritos comegaram
predizer o dia era que se faria brecha no cora-
co da rebelde ; mademoiselle do Lavour traba-
lhava em silencio, illumioando o lugarzinho
onde occultava-se com uma graca arrebatadora;
o Sr. Dubulsson continuava o curso do suas u-
dagaces psychologcas. Era s vezes sorpre-
hendidn estregando as mos, depois de um ou
dous dias de ausencia.
Chego de Pars, responda elle quando o
questionavam, a mulher de um notario de meus
amigos tiDha uma aneurisma, decedi o labellio
dar dous ou tres bailes nesle invern, sua
mulher est curada.
Ou cnlo com ar tranquillo :
A senhora de C. ., que casou com um ex-
ministro, solivia bastante de uma nevralgia...
Segundo os meus conselhos.o estadista resolreu-
se corapar uma quinta para as baodasde Chan-
tilly onde lord II... costuma cagar. A senhora
de C .. j vae muito molhor.
Quanto senhora de B..., cuja saude era
compromeilida por accessos de febre intermit-
iente, accrescenlava elle, est em bom p de
cura... o Sr. de B .. fez-I he a sorpreza de dar-
Ihe um collar de diamantes semelhante ao que
(razia a mulher do embaixador do Portugal no
ultimo baile da corte. Nao possodizer o raesmo
respailo da senhora do R...; sollre cruelmente
de Dores hepticas... u Sr. do S... acaba de ser
nomeado cnsul em Bucharest e parte d'aqui ha
tres semanas.
Riam*se em torno delle;
Blangy Ucava silenciosa. Se
rolta de Luciano tinha por um instante reanima-
do a cooQanca no corago de Clementina ; a du-
nda ah entrera apenas ella haria Qcado s. Po-
dia esquecer-se daquella rermelhido que aecu-
ara o Sr. de Versac, aquello embarace de que
s podera aahir pela colera ? Pensara nisso con-
tinuamente, e procurara em toda t parte com
urna angustia secreta indicios qao a pozossem
as pegadas da rerdado. O Sr. de Blangy Ih'as
fornecia. Quantas ailuses aquelle encontr
que lirera, o como sabia felicitar o Sr. de Ver-
sac pelos seus triumphos no terreno da comedia !
Essa noticia, hbilmente transportada foi contada
pelos ociosos com amitos incidentes pittorscos,
dos quaes sempre chegara alguma cousa aos
ouridos de Clementina. Erara oulros tantos espi-
nos quelhe entrarais pelocoraco;porerr. cm rez
de fugirdesas confidencias dolorosas.cujo echo sao
raui roluntariamenle as amigas do sallo, ella as
prorocara com uma inquieta avidez, Clementina
soube logo o nome dessa actriz, e dispoz-se
passar uma noite no theatro-fraocez, n'um ca-
marote do proscenio, n'um dia era que ella re-
presentarse. O Sr. de Blangy foi o prtmeiro
convidar o Sr. de Versac para ac.com pan ha-los.
Era impossirelrecusar. Leonel tmha-se certifi-
cado antecipadamenle de quo Luciano estara
desoecupado. Comojbaa o coraco de Clemen-
tina quando leranlou-se o panno! Que tormento,
quando appareceu em scena sua inimiga I como
olhara alternativamente para o Sr. de Versac e
para a actriz como esforgava-se por ler
em seus rostos I mas ao mesmo lempo quanto
riso e que alegra appareote para dissimular
seu marido os sigoaes da espionagem subterr-
nea que se entregara I O Sr. de Versac adevi-
nhra tudo apenas se tratara de ir ao theatro
franzez. Desta rez ninguem o apanhara descai-
go ; nada appareceu em sua physionomia ; nao
sentio incommodo nem conslrangiraento, e nao
procurou oceultar-se n'um canto do camarote.
O Sr. de Blangy declarou com*una emphase do
caso pensado que raras vezes tinha visto uma
mulher to linda como a actriz que eslava em
scena, e que Ihe pareca irrcsUiivel em sua mo-
ndado e notarel sedugo.
Feliz quem Ihe agrada I disse elle emfim.
O Sr. de Versac estara entre dous cacho pos.
Tudo approrar ou ludo negar,o elogio e a censu-
ra tornaram-no egualfiiente suspeilos. Elle sou-
be conservar-so n'um prudente meio termo, i
egual distancia do cnthusissmo e da critica.
A culpa o minia, disse elle entrando, e
palana de honra que fiz o que pude para nao
rizita-la.
sempre, respoudeu Clementina
Astete-so
embancada.
Antes de o fazer, o Sr. Dubuissoa poz primeiro
a bengala e o chapu n'um canto o encostou-se
ao fogo. Nao porque, continoou elle, a se-1 copiamos das excellenU* estalisicas fetai'soori
800 pacotas para o Egj*|to por mar
J5 por trra,
IdO i, a Bafb'aria
,, Marselha
l Damasco
10J) a Alepo
aw a- cooaamo local.
Eu aqu finalmente um mappa geraj da
dueco e do consumo das sedas da Syria,
pro-
qua
ohora nao tenha os olhos amortecidos e as faces
mais paludas do que preciso, ainds i urna
mulher que exagera a destioccSo o a moda; o
que feilo daquellas rosas do atino passado 1....
Dga-me para onde vao as andorinhas 1 Honlem
a senhora tinha as mos abrasadoras e a roz ner-
vosa. Por esses signaes se conhece bem que
nao temos saude........ Mas todos os medica-
mentos da faculdado aenhum poder tem para
com esso mal. Entretanto, como convm que a
sciencia esteja em regra, vou passar discreta-
mente urna receita cujas prescnpgoes podo a
senhora seguir ou nao, sem que d'ahi Ihe resulte
cousa alguma.
O Sr. Dubuissoo tomou pena e papel. A se-
nhora de Blangy olhara para elle.
[Conlinuar-se-ha.)
este comtnereiopor Mr. Cuys, antigo cnsul do
Franca em Beyroui :
Producco
quiuUes
430
200
200
150
100
30
500
100
70
70
1:800
Variedades.
Commerelo de Beyroutb.
Damasco
Alepo .
Trpoli .
Deir-el-Qaroar
Zoug. .
Reyrouth o a
montanha .
Seyde .
llama, Homs .
Exporlacao .
Total
Contumo
quintaes
500
Jorge Alfredo I.awrenee
XXXV
Ah I sir Lancelot 1 eis-te
prostrado, tu que nunca
Eras o mais lindo, o mais for-
te de todos aquelles quo ou-
'< tr'ora figuraran) na multi-
do dos cavalleiros; eras
o mais leal para com leus
< irroos d'armas, e de to-
dos aquelles, que traziara es-
poras ; eras o mais fiel dos
amantes ; eras ainda o mais
cortez e o mais amarel de
todos os genlis-homens, sen-
tadOS as grandes salas com
< com as damas ; e eras o co-
valleiro mais temivel, que
por rentura trouxera uma
langa em risle contra seu
< mortal inimigo.
Quando Powel, depois de ver a natureza da
ferida de Guy. perdeu to completamente o po-
der de domnar-se, nao era smente por que pre-
risse o resultado fatal e Inerilarel, mas por que
tambem sua sciencia Ihe dizia que horrireis sof-
frimentos deriam preceder-lhe a morte.
Todos os cirurgies chamados nao poderam dei-
xar de confirmar estas predicgdes.
A or^a colossal e a energa vital, que Leriogs-
tone reuna em sua estatura e em sua constitui-
rlo, s lentamente cederam um golpe, que te-
ria immediatamente esmagado qualquer outro
horaem. Todos os reductos exteriores estarn
j arruinados o oceupados ; mas a morte tinha
ainda de sustentar uma lula encarnizada antes de
tomar a cidadella.
Nlo posso entrar as particularidades, e ape-
nas limitar-me-hei 4 dizer que s rezes nao po-
damos supportar o espectculo de seus atrozes
soffrimeolos, os quaes entretanto jmats arranca-
ran) ao paciente uma queixa ou um gemido.
Tem-se discutido, e, por assim dizer, analysa-
do todos os prazeres, mas nao sabemos compara-
tivamente cousa alguma sobre a physiologia da
dor. Nao ha medidas que pnasam aprecia-la, aia-
da mesmo que se encontrasse um homem. assaz
corajoso paciente para fazer uma analyse exac-
ta de toas propros soffrimentos.
Nio se tem sempre aopposto que a guilholina
() Vide Diario d. 301.
um beneficio, por que anniquilla como o raio ?
Vede osquadros de Wiertz em Bruxellas. Se
tal idea tem fundamento,e muilos cirurgies
dslnctos a partilham hoje,rereis que a som-
tua das dores de uma longa existencia tica ainda
inferior ao que nos parece, nos, ura minuto de
agona.
Isto assemelha-se legenda desse rei do Orien-
te, que mergulhando a cabega em uma agua m-
gica durante um segundo, adquire logo a expe-
riencia de cincoenla annos. Para uma alma que
sollre nao ha relogio.
Ficae certo de uma cousa :os temperamentos
rigorosos sao os mais sensiresao prazer, porm
lambem osquesoffrem mais,e que, mais ainda'
sabem soffrersera pronunciar uma patarra.
A agona do lobo dere ser mais dolorosa que
a da lebre.
Has Guy nao tinha smente coragem ; elle es-
tara realmente mais alegre do que eu o tinha vis-
to desde a morte de Constancia ; gostara de ver
seusanligos amigos, ourir a narraco de suas ca-
gadas, de fallar ero caes e espingardas.
Para fazer-lhes justiga, nao haria um s d'en-
tre elles, que nao renunciasse alegremente o me-
lhor rendez-vous do Pylcheley, ou mesmo uma
batida no bosque mais frtil de caga do condado,
para rir senlar-se uma tarde nesse quarto de
doente. Havia tambem conversas cheias de jo-
rialidade e de .ternura entre sua me o sua
prima.
Pobre Isabel Forrester! Esse segundo golpe
acabou de despodagar-lhe o corago. Depois do
marido que ella perder, creio que amava Guy
mais que ninguem no mundo. Era muito na-
tural :elle tinha cuidado delta como de uma
enanca, e protegido-a durante toda sua vida.
Huitas rezes ella nao podia furtar-se tristeza,
ainda que Qzesse todos os esforgos por domna-
la por amor dos outros.
Fazia ento piedade v-la, sentsda parte du-
rante horas ioteiras, olhando, sem rer, essa pai-
sagem de invern glacial e deserto, em quanto as
lagrimas deslisaram lentamente sob suas palpe-
bras fatigadas.
Fosler, que sempre estara em Kerton, vicha
rauitas vezes rer Lerigstooe. Pessoa alguraa Ihe
podia fazer mais bem. Quanto o digno sacerdo-
te era firme e pouco capaz de especular com o
que dizia respeilo ao seu ministerio, tanto elle se
mostrara confiado em si proprio quando s aquel-
le estara em queslo.
Elle era um homem to honrado, lio franco e
to leal,to isento de declamaco extraragante
e affectago,to slidamente abrigado sob sua
simples e ingenua theologia,que logo o enfermo
abrio-se com elle inteiramente, quando esle Ihe
fallou do passado j longinquo, e do futuro to
prximo. Seu arrependimento comegra no Uito
de morte de Constancia, e foi completo, estou
corto disso, quando elle morreu por Ba rez.
Frank, diz-rae Guy uma manha, escreri
Cyrillo Brando pediodo-lhe que riesse yerme
Experimente essa felicidadel disse elle com
o sorriso do homem sem illuso respondendo ao
Sr. de Blangy........ A sua graridade de ma-
gistrado sempre o afaslou dos bastidores; outr'ora
atraressei-os. As actrizes sao como o rinho de
Champagne que crepita o trasborda espuman-
do ; no fundo do copo nao ha nada. Em scena
sao a personifleaco da seduego, do ardor, do
genio ; em casa sao nada...... Com tudo con-
fesso que sao seductoras das oilo horas at meia
noite.
Ajoelhada ento no scenario, a actriz langou
um olliar para o Sr. do Versac, ao qual respon-
deu elle dostramenle. Clementiua reparou nesso
olhar.
Eis roto o capitulo das suspeitas, murmurou
de vagar Luciano inclinando-se ao ouvido de sua
vizinha que via j empallidecer, ao passo que o
rosto do Sr. de Blaogy, certo da victoria, res-
plandeca com uma alegra louca.
O quo era mister crer, ou da palavra dita bai-
xinho, ou do olhar audaciosamente correspondi-
do? Clementina enlrou em casa incerta, anciosa
e incommodada.
Pulo lint da situago tomaran) um carcter
mais assustador os symptomas das indisposicoes
que sentir uma vez; era impossivet, por mais
robusta que fosse sua constituirse,que a senhora
de Blangy resislisse to longas perplexidades ;
riram-se logo os signaes em seu rosto. Assus-
tou-se a senhora Aubernin; rogou de noro
Clementina que consultasse o Sr. Dubuissoo.
Nao conheco outro medico mais sabio e me-
lhor conselheiro que esse relho. disse com aquella
linguagem precipitada que tinha por coslume*
Nao ha nevralgia nem gastritis que tenha direito
do emmagrecer efazern gente empallidecer con-
tra a rontade, e aposto que has de ler ba saude
antes do invern........ O que seriara os meus
bailles, se tu nao Qzesses as honras delles I Por
isso desde amanha estar em tua casa o Sr. Du-
buisson.
Com effeito, no dia seguinle ao amanhecer, o
relho doutor pedio para fallar senhora de
Blangy.
estar aqui amanha ; e eu serei muito feliz se
Ihe ourir dizer que me perdoar.
Crdes que ser assim ? perguntei-lhe tris-
tomeole ; por quanto ou tinha como uma certeza
inquietadora que esta entrevista deria trazer uma
ora tristeza, e que seria trabalho perdido.
Nao sei dizer, rospoodeu Guy com uma roz
firme ; mas Fo-.Uir persuado-me que de meu
dever tenta-lo, e creio que elle tem razo. Po-
dis assislir.so quizerdes, esta entrevista, com
uma condgo : prometter-me-heis nao iotro-
metter-ros, diga elle o que dissor, faga o que fi-
zer, nem por um gesto, nem por ama patarra.
Promelti ; mas nao foi sem apprehenso que
esperei a chegada de Brando.
Uma hora mais tarde annunciaram-o.
Era a primeira rez que eu o ra ; e fiquei vi-
vamente toca.lo da expresso, misturada de sof-
frimento e crueldade, que pareca estender-se
como uma mascara sobre seu rosto sombro e fa-
tigado. Vi uma vez apeaas um seu egual, e
era um louco furioso.
Elle foi direilo cama de Guy, sem dar-me al-
teogo, e ficou em p, silencioso, fixando sobre o
doente os ratos ardeotes de seus olhos negros.
grande bondade rossa terdes rindo, diz Guy,
nao ousara esperar.Fui injusto para comrosco,
offendi-ros mui gravemente, que se nao me sen-
tisse no fira da rida nunca teria a coragem de pe-
dir-ros perdi. Quereig estender-me a rao ?
Na verdade I estou profundamente arrependido I
Brando respondeu bruscamente com sua roz
mordaz:
Vim porque ha annos teria rendido minha
alma para gosar deste espectculo, e rer-ros ja-
zendocomo ura verme esmagado. Injustigas pa-
ra comigo I E' preciso dizer-ros o que tendes
feito ?Eu s amara uma creatura no mundo,
era minha irraa. Durante tantos anuos quo es-
tire na ludia, pensara sem cessar no dia que nos
reunira. Voltei e achei-a moribunda, mais an-
da achei sua alfaico desriada de mira. Vos fi-
zestes ludo isto. Eu ros digo, durante todo o
lempo que ella gastou para morrer nao pude ob-
ter um de seus olhares amantes, nem uma de
suas patarras de outr'ora ; lioha medo de mim,
eis tudo. Pelo inferno 1 estirestes entre mim e
ella at o fim. Sabei que ella se arraslou meus
joelhos, pelo quarto, meus joeihos I mim!
que nunca tinha recusado satisfazer algum de
seus caprichos, em primeiro lugar para obter
permissao de ver-vos, e depois para fazer-me ju-
rar nao atteotar contra rossos dias.
E parou rangendo os denles.
Todas as (eiges de Guy, paludas econlrahidas
pelo soflmenlo, animaram-se subilamento de
uma ternura e contentamento inexpressareis,
quando soube o que tinha soffrido e feito por el-
le aquella quem amara.
Elle leria oceultado o rosto se suppozesse
quanto o contentamento, que nelle se pintara'
deria irritar o carcter irascirel de Brandio.
Deus rps coodemoe I bradou- este ultimo
como um louco.Ousais tomroste ar de irium-
pho!
A importancia de Reyrouth, como cidade com-
mercial, data de trinta anuos. Como adquiri
esta importancia ? Porque razo Damasco, Alepo
e Trpoli, que Ihe sao muito superiores pelas
suas populacoes, e parecen) doladas de uma
mullido de vaniagens, que aquella uo possue,
nao ganharara ou uo irapedrara esta preponde-
rancia ? Eis ah oulras tantas questes, a que
to til como interessante responder.
A sua posgo central, a proximidade de Da-
masco, a excedente qualidade das suas sedas e a
bondade da sua barra, teem sera envida contri-
buido poderosamente para ihe dar esta suprema-
ca. Has o que tem feito com que o mercado
seja o mais considerare! da costa, o que tem al-
trahido a este ponto os negociantes do interior, e
por coosequencia tambem o commercio eatran-
getro, o qoe faz com que o dinheiro, este gran-
de instigador dos negocios, se dirija cora prefe-
rencia a Reyrouth, principalmente a proximi-
dade da montanha.
Na falta desta protecgo e deste impulso local,
que o comroercio da Syria nunca leve nem as
cidades da costa, era as do interior, devia ne-
cessariamenle estabelecer-se onde Ihe era mais
fcil a defeza e oais segura a protecgo.
Se, porm, considerar-moa que a Syria, mais
do que qualquer outra provincia do imperio, es-
tere sujerU a riolencias e espoliare-es de lodo o
seero, comprrhender-e-ha a influencia da vi-
sinhanga da montanha ; porque a montanha era
om lugar de refugio, ura abrigo quasi seguro para
os quo queriam salvar abolsa eavidt. ura, mais
do que em outra qualquer parte, se offerecia es-
te recurso aos habitantes de Beyrouth ; a auto-
toridade do Hutssellem uo se eslendia para
alm do pinhal e da nbeira, espago esle que se
podia atraressar em menos de urna hora.
A primeira noticia de uma violencia, ou sim-
plesmcule aosragos rumores que precedan) quasl
sempre iniquidades de toda a ordein, as pessoas
abastadas refugiam-se as aldeas da nionlanha,
d'onda nao sainara sem a tempestada ter passa-
do. Nao se podem contar as emigragoes que li-
verara lugar durante a adrainistrac.i'o do Dgezzav-
l'acli o de Abdallah-Pach. Mas so estas emi-
gragOes causaran) uma estaguaco momentnea
no commercio de Beyrouth, acabaram-no de
todo em Trpoli, e m Alepo, cujos habitan-
tes estavam merco de um senhor insacia-
vel. Assim alguna dentro estes ltimos, qne
se entregavam ao commercio, turara partindo a
pouco e pouco, raaneira.dos de Beyrouth, e co-
mo a viagem era looga nao roltaram.
E' assim que Beyrouth se enriquece, apezar
das vexaedes dos. seus governadores, com as
desgragas de outra ordem da Syria, e principal-
mente de S- Joao de Acre. As guerras intestinas
de Alepo e de Damasco irouxeram-lhe tambera
rauitissimos emigrados. Todos aquelles anal-
mente que as perseguiedes expulsavara dos seus
lares, erara attrahidos pelaranlagem que lhes of-
ferecia o Lbano, e era Beyrouth. podiam n'um
momento dado aproreitarera-se disso, sem dei-
xarem oe frequenar s cidade e de fazerem o seu
commercio.
A principal produc de Beyrouth a seda, e
affirina-se que ella chega nos annos coromuns a
450 quiutaes do paiz (101.250 kitograrainas). Em
idnticos annos exporiam-na tambem, transfor-
mada em 1,800 pacutes, cuj diriso media a
seguinle :
Damasco
Deir-el-Qamar
Zoug. .
Trpoli .
Seyde. .
Laitaqui .
Anliochia e to-
do o norte .
Interior,|Hama
e Homs .
Damasco,depen
dencias, sul.
Total .
Julgamos ser rerdadeiros, dizendo que a cifra
das.quanlidades exportadas deve ser augmentada
com as diftereocas que exislom entre a qualidade
de sedas que rao para os paizes cima Hornea-
dos, e a que consumida as suas fabricas
Assim Damasco, cujo consumo de 500 quin-
taes, s fabrica cerca de 250 os toares de Alepo
nao ab-orvem mais do que n terco da cifra das
suas compras era bruto. Estas differengas po-
dera pois entrar na composico da balacea do
commercio da Europa.
320
50
80
30
seo
100
20
500
1:800
Acressenlemos finalmente, que melhor seda
branca a dos arredores de Beyrouth : cha-
mam-lhe belidi (do paiz), e quasi toda expor-
tada. A seda amarella de primeira qualidade 6
a do Kastravan e do Damour, que se empresa na
fabricara dos estofos mais escoltados da Syria.
Cnmpreliendlda a seda, os productos de Bey-
routh e os do Lbano que d'ella dependem, ele-
va m-se termo medio a 11.908:800 piastras (a pi-
astra vale 20 a 25 cntimos). Estes productos
enumerados segundo a sua importancia, sao : a
sede, o azelte, o rinho, o tabaco, as fructas sec-
cas, as madeiras de construego, os cereaes, o
ferro e o carro artificial. S a seda Qgra
n esta somma por 9.000:000 de piastras, o a Site
por 1,600:000. o rinho, o tabaco e as fructas sec-
cs por 900:000. e os cereaes d'esta (erra, to
productiva, smente por 200:000 piastras I
Quanto industria indgena, ha em Reyrouth
muttos lecelea de cilos de seda, que se usam
em facha ou armando os turbantes. A corpora-
gao dos fabricantes de bahus a caixas. vem logo
depois da dos leceles, que se honram com a re-
outagao dos seus cofres em toda a Syria e no
Egypio. Estes cofres encarnados e verdes, orna-
dos de mosaicos de caberas de pregos doitadas.
sao as prendas de casamento impostas galan-
tera rabe, e o que fazera de melhor n'este
genero os Tahan da Syria. Um outro artigo afa-
mado, da fabrica de Beyrouth, o kalva que en-
tra nos elementos que forman) as cargas da ex-
portago. E' urea massa obtida pela extrargao
dos suecos da raiz do kalva e da alfarrobeira
com o oleo de ssamo. Os rasos de barro po-
roso, propros para refrescar a agua, teem. lam-
bem uma grande repulago, mas sao de uma for-
ma monos elegante que os feilos pelos oleiros
do Egypto. A impresso de algumas cusas im-
portadas de Inglaterra, entra ainda no quadro da
industria indgena, mas n6 abooam muito o
goslo das fabricantes. Emfim. a extraeco da
seda completa a lista das occupar.oes dos habi-
tantes de Beyrouth.
Diremos algumas patarras d'esta oxlracco,
cujos procesaos imperfeitos differem essencial-
menle dos que se empregam na Europa.
Os syrios lingam na caldeira, sem escolha al-
guma. todos os cazulos. Os dos sao apresenla-
dos ao acaso a uma especie do fuso cheio de fo-
Ihas de ago em rolla, at que os esforgos de uma
roda, que tem perto de tres metros de dimetro,
os faga successiramenle quebrar. Ento o ope-
rario mergulha a rara na caldeira, e, depois de
ter agitado a massa dos cazulos, retira-a com o
numero de fios que com este morimento tenha
reunido. Este processo torna os'fioa grossos a
designacs no cumprimenlo.
Os proprietarios teem tido occasio de reco-
nhecer que poderiam ranlajosamente modificar
este processo. Viram amostras dos seus cazulos
extrihidas em Franca, e estas instrueges prati-
cas continuadas sua propria vista nos estabele-
cimentos fraocezes que se formaran) om Bey-
routh e nos seus arredores. Has tal o o impe-
rio do habito n'este povo, e to natural a sua
averso para toda a ordem de innorago, quo
tem preferido a desraulagem da sua retina i
adopgo de um methodo mais seguro e mais
proficuo.
E arrancando a lura deu violentamente com
ella na face de Leringstone.
Ura terrirel tremor percorreu todas as fibras
do corpo do g gante fulminado, as quaes conser-
raram ainda sua sensibilidade. O sangue subi
rpidamente fronto de Guy, e refiuo logo para
o coraco, deixando-1 he nos labios uma pallidez
mortal : elle levanlou vivamente a mo, mas foi
psra fazer-me signal que recuasse,porque, d-
cil e pacifico como sou, eu tiuha-mo adianlado
to feroz como Can.
Com essa raesma mo ello agarrava no pulso
de Brando, o qual se conservara com os olhos
baixos, com o ar sombro,e nao tentava desera-
baragar-se. E quando mesmo o fizesse, todo seu
vigor nao poderia livra-lo.
Agradeco Deus do fundo do corago, diz
Guy com uma voz lenta e muito calma,porque
se tornar ver rossa irma no outro mundo, po-
derei apresentar-me sera temor perante ella, e
juleo ter curaprido ludo que Ihe promelti. Escu-
tae Icorareis at o Qm de rossos dias por ha-
verdes batido em um infeliz sem defeza, em um
moribundo paralytico 1 No enlanto nao assim ;
nao sabois que ros expozestes. Estaris ao al-
cance de meu braco, e eu anda posso de perto
ser temivel. Vede!
E tomou uma pequea chicara de prata, quo
eslava seu lado, o achatou-a entre os dedos.
Reinou ento um longo silencio, durante o
qual ouria-so apenas a respirago irregular e pe-
nosa de Brando, como se elle teotasse tirar um
peso, que Ihe opprimia o peito.
Guy olhou-o o disse-lhe com o semblante o
mais amigare!, estondendo-lhe a mo :
Ainda uma rez, perdoae-me.
Cyrillo respondeu balbuciando com uma roz
suffocada:
Nao ros apertarei a mo; nao ros perdoa-
rei nunca ; mas perdo Constancia, porque ho-
je a comprehendo.
E roltou as costas e sahio sem acrescentar ums
patarra, sempre de cabega baixa, como um ho-
mem que sahe de um sonho.
Segui-o com os olhos al que a porta fechou-
se deragarinho sobre elle. Ento rolri os olhos
para Guy, o qual tinha deixado cahlr a cabega
para traz ; e suas feiges pareceram-me lio al-
teradas, que del um grito, crendo que elle nao
exista mais. Era apenas um desmaio ; mas, que
durou muito.
Ainda uma scena, e minha narrago est con-
cluida.
Uma tarde lia eu no quarto de Guy, o qual oo
tinha dito nem uma patarra desde algum tempo,
e eu o julgara adormecido. De repeole cha-
mou-me :
Frank, rinde c,mais perto. Tenho mui-
ta cousa dizer-ros e sioto que dero apressar-
me. Nao, nao chamis ninguem. Honlem disse
adeus i minha me, o nos de vem os poupa-la
quanto for possivel.
A' vista de um to sublime imperio sobre si,
nao ousei trahir minha dor por algum signal ex-
terno.
Puz-me silenciosamente de joelhos ao p delle.
Guy proseguio com uma roz, que bem que sur-
da e entrecortada pola falta de respirago, estara
ainda perfeitamenle calma e compassada :
Regosijae-ros de me rer chegar ao termo
de lodos os meus males, e felicit.ie-me de ter ti-
do lempo de preparar-ue para isso. Estou por
ventura assaz prompto agora ?Nao sei:
Foster assegura-me que devo esperar, e,
posso dize-lo, nao tenho medo. Huitas vezes
pequei e gravemente; mas Aquelle que me ha
de julgar lambem Aquelle que me creou, e El-
le sabe qual era a violencia das paixoes de minha
natureza. Elle sabe tambem quanto tenho soffri-
do. Nao fallo disto, diz elle lerendo a mo s
pernas paralylicas com um de seus gestos desde-
ohososde outr'ora ; mas sim da amargura e iso-
lameoto de meu corago. Alera do que, estou
muito certo que minha amaute nao ter deixado,
desde que morreu, de pleitear minha causa aos
ps de Deus, e posso crer que suas supplicas le-
nbam sido ouridas. Sabis que a lioha recta de
minha familia extingue-se era mim ; eslou satis-
feito. Heu herdeiro mais prximo seria um pri-
mo, que faz uo sei que commercio em Edim-
burgo. Por couseguinte deixei Kerton minha
me emquanto for rira, e depois, ros. Caluda 1
O lempo insta para que eu possa escular objec-
gdes ou agradecimentos ; e domis, presentes
feitos no leilo da morte indicara apenas uma ira-
ca generosidade. Eu deixaria meus beos Isabel,
se nao temesse que seriara para ella antes um
embarago, do que outra cousa. Tomareis cuidado
de todos e de cada um. Dizei adeus de minha
parle meus aotigos amigos, o principalmente i
Hohuo. Pobre Ralph I elle lera alguraa trialeza
quando rollar da Bohemia, e nao me encontrar
mais.
E levantou-se um pouco do modo que pode
apoiar a mo sobre meu hombro, por que eu es-
lava ajoelhado :sua roz neste momento tornou-
se ainda mais grare em sua calma profunda e
solemne.
Heu charo Frank,ainda uma patarra por
ros, que tendes supportado com paciencia meu
detestare! carcter, desde a poca em que ambo*
eramos crangas. Eu oada ros dizia; porm no
fundo do corago eu nao e/a ingrato. Por lodo
quanto rossos pensamentos e accoes tinham de
bondado o abnegago,por todo o bem que qui-
zestes fazer-me com os rosaos conselhos, por
todos os esforgos que lentasles para collocar-vos
entre mim e minhas mis aeges, amigo expe-
rimentado, fiel e leal camarade I eu ros agrade-
go de toda minha alma, e pego Deus que sem-
pre ros abengoe.
S uma firmeza d'alma quasi sobrehumana po-
derla dar-lhe a forra de pronunciar estas pata-
rras com uma roz firme ; por que a agona da
morte apoderara-se j delle antes de ter acabado
de fallar.
Durante os terrireis minutos' que se seguirn,
apeoas escapou-lbe dos labios serrados o ruido
de sua respirago ofTegante ; e nem uma coorul-
so agilou seu rosto, bem que os cabellos e a
barba que o corearan) pareressem achatados o
molhados pelo suor da agonia. O corago forte a
os nerros aheneosdominaram como aenhores at
o fim,e domaram soberanamente a inlensidada
da dor.
Quando Guy tomou abrir os olhos, os quaea
conserrra fechados durante o tempo to longo
desta agonia suprema, haria nelles seu antigo
olhar de bondade, posto que esliressem j flxos e
vidrados. Elle encoutrou minha mo, e conser-
vou-a aperlada na sua at o momento em que
senti a rida refluir e extinguir-se em seus de-
dos.

Em seus labios, que agitaram-se ainda, li a
patarraAdeus! e depois elle deisou pender a
caneca para traz; e sem um suspiro, sem um
estremecimento, a alma desse homem to forte
roou para a noite eterna.
Um sentimento de isotameoto completo, e co-
mo o horror das grandes treras, apoderou-se
inteiramente de mim, quando encosiei a fronte
coolra a face do morto solugando com a fraqueza
de um menino.
i
I,
Pouco ros importa sem durida saber quanto
os lodos o choramos.
Querereta antas qua eu ros diga que, bem que
sua me risita seu tmulo, ha uma mulher,
uma $6, que ahi rae mais rezes ainda.
Ninguem de nos ainda encontrou-a, porque el-
la ahi rae sempre i noile, muito tarde, ou pela
manhaa muito cedo. Has quando aehamos, no
rigor do inreroo, ou nos das ainda fros da'pri-
raarera.osolo todo juncado de flores exticas e as
mais raras,uo dispersas com cuidado, mas es-
padadas por trra como uma chuva, por uma
mao.cujo delaixo aecusa uma alma desesperada
sabemos que Flora Dorrillen ahi reio recordar-
se e chorar.
Nio a censuris por aferrar-se assim ao nico
romance de aua existencia toda artificial, lem-
brae-ros que quando elle riria, nada haria por
mais raro e precioso, qua digo? nao haria, nem
mesmo o sacrificio da sea corpo e desea alma
que ella oio depozesse con prazer aos ps d
Guy Leringstone I
Ch. Bernard Dkrosxk.
[Prmt.Souta Filho)
PRN,- TTP. DI H. F. DI FA1U..-1M, \


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8YXSNW3W_RB6EYP INGEST_TIME 2013-05-01T01:16:19Z PACKAGE AA00011611_09204
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES