Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09203


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.0 1
Ifl

y. \
.ior ; I'ar> Justino L n
unas, n Sr. Jernimo da Costa.
PARTE OFFICInL.
Ministerio da fazenda.
J* becreto n. 2,699 de 28 de novembro 4<
*-'rgwla a arrceadaco do imposto do
ra a boa exerucio dos arts. 11 |
f
*.rtfll>A3 UUS COK REOS.
nda todos os dias as 9 i/2 horas do dia. EPHEMERIDES o mz DE JANEIRO.
iars, ootanna e Parahiba as segundas 3 Quarto antiguante as It luyase "i minutos
..-Has reirs. Ja tarde.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho el]]' La nova a t hora e 8 mioutus da maona
jaranhuns as torgas tetras. |19 Quarto crcente a 1 hora e 41 minuto
Pao d' Alho, Nazareth, Liraoeiro, Brejo, Pes-I d manha.
queira, Iogazeira, Flores, villa Bella, Boa-Vista.Ia6 Loa cbeia as 2 horas e 47 minutos da tarde.
Oricury e Ex as quartas-feiras. ini?un' ^^
'i Cabo.SirinhSem.Rio Formoso, Una, BarrelruiJ PRKAWAR DE HOJE.
,Agua preta, Mmenteiras e Natal quintas eiras.jPrimeiro ss 9 horas e 18 minutos da msnha
jTodos os crrelos parlera as 10 horas da manhalSegundo as 9 horas e 42 minutos da tarde.
AUDIH8CIAS D08 TRIBNAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Kelncio tercas, eiras e sabbados.
Pazenda : tercas, quintas e sabbados as 10 horas-
Juizo do commercio: quartas ao meio dia.
Dito de orphios : tercas*e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio dia
Segunda vara do civel ; querasesabbadoe aum
horada Tarde.
DAS DA SEMANA.
31 Segunda. S. Silvestre p. ; S. Nominando m.
1 Terca, cgi Circumriso do Senhor
2 Quarta. S. Isidoro b. m. ; S.Argeo m.
8 Quinta. S. Aprigio b. de Beja ; S. Antero,
4 Sexta. S. Tilo discpulo de S. Paulo.
5 Ssbbado. S. Semeio Estellila; S Telesphoro
6 Domingo. Dia de Reis. S. Marca *. m.
ENCARREGADOS DA SBBSCRIPCO NOS
/ Alagoas o Sr. Claudino Faleao Dias ; Bab
Joa'"!.^1**^"": d J*to. o
Pereira Mattios.
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do diario Manoel Fiweiroa d
Pana, na sua livraria praca da Independencia
h
, 12
. da'fjt n. 1,114 de 27 de setembro do corre-
le anno^ipor bem decretar o seguinte :
ArUl.? O imposto da meia-siza, estabelecido
pelo alvar de 3 de junho de 1809 2.' ser ar-
reeadado na rezo de 4S'HJ() por cada escravo
que por qualquer modo fr vendido, permutado,
adjudicado arrematado dado ou cedido em
soluc&o" de divida, ou alienado era virlude- de
renuncia e qualquer oulra Iransaccio equi-
valente compra e venda, ou troca (lei n. 1,114
de 27 de setembro de 1860, art. 12 7.. e arl.
15 do regulameuio n. 151 do II de abril de
J842).
1." Exceptuando-se da regra cima estabe-
lecida : primeiro, a alforria de qualquer escra-
vo, onerosa ou gratuita, qualquer queseja a for-
ma to acto porque eiia se effeclue ; segundo, as
coijpras de escravos feitas pela fazenda na-
cian.l.
f 2. Picam coraprehen iidas na disposigo do
pacagrapho antecedente as compras, arremaia-
oes e adjudicarles, ou outrus actos que se rea-
Marera cura a clausula de tlcarom libertos os es-
dravos desde logo.
Art. 2. Pagar-se-ha somente metade do im-
posto da meia-siza : primeiro, das compras de
escravos pertencentes a fazenda nacional, feitas
l por particulares ; segundo das adjudicares de
; escravos fazeuda nacional as execuces fls-
caes.
/ Art. 3." A escriptura publica da substancia
de todo e qualquer contrato de compra e venda,
troca e doaco tu solulum de escravos, cujo va- I
lor ou preco exceder de 200J0J0, qua/quer que
fr o lugar era que laei contratos se cetebrarera
ou eTecioarera.
1." As escripturas sero larradas por oriera
Vonologica, era livro especial de notas, aberio,
numerado, rubricado e encerrado na forma da le-
gislaejo em vigor, por tabelliao de notas legti-
mamente constituido, ou por escrivo de paz nos
lugares designados pelo art. 1." da le do 3d de
outubrn de 1831), e contero, alem das declara-
res exigidas pela or. liv. 4. tit. 78 4., 5 n,
6., e tit. 8j 7 o, os nomes e muradas dos
contrllenles, o>> nom/e, sexo, cor, offlciu ou pro-
lissao, atado, idade e naturalidado do escravo,
e quaesquer outras qualldades ou signaes que o
possarn distinguir.
*." I)a escnptura se dar traslado ao compra-
Jornia e dentro do prazo da. or
nico. Nos casos de restituido do imposto
de meia siza de escravos se observarao as regras
eslabelecidas pela legislaco em vigor a respeito
da restituirlo da siza dos bens de raz.
Art. 10. Sao solidarios ao pagamento do im-
posto de meia siza da compra e venda dus escra-
vos que se hoverera colebrado al a data dajpu.- [Chavas, Jos Luiz da Costa Jnior
bltcscaodo presente decreto no municipio d> eor- 1* regiiftent '
te o comprador e o vendedor. O vendedor do
'lor, na
*' 7* *
e o
escravo s flear desooerado desta responsabili-
dado se tiver entregado o escravo vendido ao
comprador avista da quilaeo do imposto passada
pela recelwdoria do municipio (arl. 8. do de-
creto n. 411 de 4 de junho de 184)
Ait. 11. A pena de meia-siza em dobro, esta-
belecida no art. 17 do regulamento do 11 de
abril de 1842 para os que voluntariamente do-
nunciavam a omissao do pagamento, continuar
a ser applicada, no caso por ella previsto, aos
contratos celebrados antes do dia 15 de oulubro
do corrente anno, em que leve execuco na re-
cebedoria do Rio de Jaueiro o art. l 7." da
lei n. 1.114 de 27 de setembro do mesrao anno.
Arl. 12. As autoridades judiciaes mandarau
levar em conta, no prego dos escravos arremata-
dos ou alienados por qualquer outro acto judi-
cial, a importancia que os arrematantes ou ou-
trus adquireutes pagarem da ttxa dos mesmos
escravos para ob'er o conhecimento da meia-si-
za, na conformidade do art. 'I do regulamento
de 11 de abril de. 1812, anda que a mesma laxa
comjirehenda outros escravos por se acharem in-
cluidos era urna s matricula.
Ail. 13. Os tabellies sero obrigados a re-
metter ao thesouro nacional, nos mesmos pra-
zos em que enviara as relajos das transaeces
sujeitas s sizas, urna relac.au exacta e circutns-
tanciada de ludas as transaeges obrigadas
meia-siza de que tverera lavrado escripturas.
nico. O mesmofaro os escrivaes a respei-
to das arrematares, a IjuJioaco-'s e outros actos
judiciaes que se tenhara realisado em execuQdes
ou pendencias de seus cartorios.
Art. 14. Us jui7.es de direito em correigSo exa-
minaro se os tabellies e esciivaes cumpriro as
disposices estabelcridas no artigo antecedente,
impondo aos remissos a pena de supenso al
ao cumprimenlo Ueste derer.
Art. 15. Picara revogados os arts. 16,17, 18,
23. segunda paite, e 29 do regulamento de 11 de
abril de 1812. e art. 8. do regulamento de 4 de
junho de 1845, bera como quaesquer oulras dis-
posices era contrario s do presente regularaen
lo, que lera eileito o vigor oito diasdepois de pu-
blicado no peridico era queso pubcam os aclos
officiaes.
Angelo Munz da Silva Ferraz, do meu conse-
lho, senador do imperio, presidente do conselho
de ministros, ministro o secretario de estado dos
>rJ. Uv. | negocios da fazenda presidente du Inbuual do
1 TO^e'g.srarr^gTilff.*' i**'"- ^w**-!. Sf m f^tthA t^tiTk ta^
jada, troca ca execular. jT
izo da o
Art. 4.a O contra tu de compra "e veada, troca
ou daco intaluluiii de escrivos, cujo valor ou
preco nao exceder de OUJUOi), poder ser cele-
brado por esenpto particular, assigaado pelos
contrarenles e por duas testeiuunhas( art. 19 do
regulamento n. 151 de 11 de abril de 1842). e
contera todas as declaraces exigidas no 1. do
artigo antecdanle.
nico. Esta disposiQo, na parte relativa s
dediraQes exigidas"pelo cii*iu Io Jo artigo
antecedeote, fica extensiva t* Carlas de arrema-
tado e adjudicado.
Art. 5. Ficam prohbaos, sob pena de nulli-
dade, os contratos feiii^ em virtuJe do cartas de
orduiis ou por procura^c^ que nao sejacn espe-
ciaos para os mesmos contritos.
nico. As. pdcura$ee"~*speciaes de que
trata o presente artigo nao podero ser aceitas
em juizo ou fura dille sem designaren o escravu
ou eneraros por seus noraes e conlerem as de-
ipais doclartices exigidas no 1. do art. 3.
Arl. 6.a A arrecadacJo da meia-siza ser feila
pela recebedoria do municipio da corte, de todos
Palacio du Rio de Janeiro, em 28 de novem-
bro de 1860, trigsimo nono da independencia e
do imperio. Cora a rubrica de S. M: o impe-
rador Angelo Mooiz da Silva Ferraz.
Ministerio da guerra.
Relacao dos offioats subalternos transferido! de
ins paira oulras corpos e dos promovidos por
ecrelo de 2 do corrente, que sao distribuidos
pelos dos corpos.
Arma de arlilharia.
I" relmenlo a cavallo.
Os primeiros teneules Manoel Jos da Silva e
Joo Thoraaz de Canluaria, e os segundos ditos
Carlos Machado de Biilancoart e Joo Luiz
Gomes.
1 batalho a p.
Os primeiros teneules Raymundo de Souza
Raposo, Sebastin Chrisogno de Mello Tambo-
rim e Pedro Ribeiro de Souza Rezende; e os se-
gundos ditos Paulino Francisco I'aes Brrelo,
Patricio Emilio de Sepulveda Ewerord, Fran-
os contratos da compra e venda, troca, adjudica- cisco Mara Pluheiro de Bittencourt, Amonio

nao, arrematarn, daco in sotutum, e aliimac.io
ero virtude de renuncia ou de qualquer oulra
transaego equivalente compra o venda, ou
troca, que se celebrarem ou lirerem lugar no
mesmo municipio.
1. Apresentado o bilhete ou guia do label-
lio ou escrivo que tiver de jassar a escriptura
publica ou carta ue arremataco ou ad>udicaco,
e paga a meia-siza, dar-se-h parte um conhe-
nnieulo numerado, contendo a pagina do livro
da receite, o nomo e morada do comprador ou
do novo possuidur ; nome, sexo, cor, ofcio ou
protlsso, estado, idade e naluralidade do escra-
vo, importancia do imposto, pago, e em que es-
i pecie, e o dia, mez e anno do pagamento.
2. O conhecimento do pagamento do imposto'
da meia-siza, ou cerlido da eslago fiscal por- !
Luiz Teixeira Campos e Amphnso Fialho.
2 b.italho a pe.
Os segundos lenles Amonio Jos de San-
l'Ai.na, Francisco Soln de Sampaio Ribeiro,
Jorge Diniz de Sanliagu, Sabino Fernandes Ce
Souza, Joo Soares Neiva, Carlos Antonio Es-
pindol, Paulino l'ompilio de Arauju Piuheiro,
Jos Ignacio da Silva Raynaul e Luciauo Pereira
de Souza.
3o batalho a p.
O segundo lente do Io batalho Joo Viclor
Vieira da Silva Coquetro, e os segundos dilos
Miguel Antonio de Araujo, Jos Conrado de Sou-
za Mascarenhas, Marcos Antonio Rodrigues e
Francisco Joaquim Alfonso.
4o batalho a p.
0 segundo lenenie do 3o batalho Francisco
que conste a isenco legal, dever ser incorpo- Rodrigues Chaves, e os segundos lenles Jos
redo de verbo ad verbum as escripturas e car-
tas d-'*are"inatac.o ou adjudicado ( lei o. 1,114
de 27 de setembro de 1860, ait. 12 7." ) sob
pena de responsaoihdade para o tabelliao ou es-
crivo que deixar de transcrever os referidos co-
nheciraentos, alm da uuliidade, na forma do al-
vara de 3 de junho de i8l)9 9
urbano Pacheco de Mello e Alexaudre Rodrigues
d( Suuza.
Corpa de Mato-Grosso.
Os segundos tenantes do Io batalho do corpo
do Amazunas Joo los de Toledo Ribas e Ja"o
^Alves Fernandes de Anjrade.
Corpo 5o Amazonas.
lo, Samuel Filipoe Pires, Egydio de Oltveir*
Prado e Joaquim Ellas Machado.
5 regiment;
O lente do Io regiment Joao (aldino Pica-
lugu, os ditos Leopoldo Alves Brro, Carlos
Augusto Pereira de Carvalho. Luiz Manoel das
. o alteres do
. o Candido Ensebio Xavier Coz, o dito
do corpo de Mato-Grosso JoSo Lqiz da Cosa e
o alferes l.eopoidino Sileira da Fontoura.
Corpo de Mato-Grosso.
O tenente do 2o regiment Jos Martins Tei-
xeira de Castro, o dilo do 4o dito Jos Mauricio
veasco Molina, o dilo Antonio Joo Ribeiro o
alteres do 5 dito Miguel Ribeiro do Nascimento,
e os al-rcs Manoel Rodrigues Berafica e Do-
mingos Magues Lopos Fogaga.
Esqnadrao da Bahia.
O aleres do 2o regiment Antonio do Mallos
relies de Menezes. o dilo quarlel-mestre do
mesmo esquadro Jos Antonio dos Santos Ca-
valc-nii, para a lileira ; o dilo secrelario do dito
francisco de M.itios Telles de M-nezes, para a
tiieira ; e os ditos Antonio Ludgero da Silva Pa-
ranhos e Antonio Placido dos Guimaraes Cova.
Compnnhia de Pernambuco.
O tenente do 5o regiment Manoel Joaqum
Machado, o alferes secretario do dilo regiment
Ignacio Pereira Souza.
Compnnhia de Mnas-Geraes
O tenente Joaquim Rodrigues de Almeida e o
alteres Jos. Juaquim Ferreira Jnior.
Coinpanhia de S. P^ulo.
Os alteres Francisco Geraido de Andrado Vas-
concellos e Manoel Coelho Nollo
Arma de infanlaria
Io batalho.
O tenente do 6 batalho Joo Antonio de Oli-
eira Valporto, o dito do 12 dilo Jos Antonio
i ereira do Almeida, o dito do corpo de gur.rni-
cao de Minas-Geraes Manoel Jorge Mansinho, o
dito Francisco de Lima e Silva* os alferes do 3o
batalho Eduardo Emiliano da Fonseca e Jos
Lerte Pacheco Jnior, e dito do 7o dito Francis-
co de Paula Pereira. o dilo do 8 dito Feliciano
n '."C'i AnJraJe Mota, o dilo do batalho da
Hahia Flaminio Antonio de Vasooncelios Macha-
do, o dito do corpo da guarnigio do Ama^ouas
u. Faustino Jos da Silveira, e os dilos Francisco
Loelho de Souza. Leocadio Jus Rodrigues e
Augusto Tiberio Cesar Burlaraaque.
2o batalho.
Os lenles Flix Justiniano da Albuquerque e
Manuel Venssimo da Silva, os alferes do 8o ba-
talho Julio Pumpeu de Barros Lima e Manoel
Joaqun) de Oliveira Curchaluz, e os ditos Joa-
quim Evaristo dos Santos, Jos Domingos Ra-
mos, Jeronyrao Ignacio dos Sanios. Julio Augus-
jo Carlos e Silva, Jos Manoel da Silva, Francis-
c.t?.t BP.Vrnrt*> f-ereiVa o Anselmo Pereira Gui-
UiuidCJ.
. 3o batalho.
O alferes do 7o batalho Catao Augusto dos
santos Roxo.e os ditos Jos Machado de Souza,
Fernando Jos da Gama Lobo, Andr da Paula
de Atnayde Seixas, Aurelio Augusto Carlos Be-
cerra, Antonio Leopoldo Pereira da Cunha e Luiz
Xavier Esleves.
4 batalho
O lente Affonso de Lima o Silva, o alferes
do 1 balalho Hippolytu Mendes da Fonseca.
o dito do 3o dito Francisco Xavier Brrelo, e os
daos Fortunato Melchiades Ferreira Lobo, Fran
cisco Antonio Reiner e Joo Pereira de Medeiros
Vasconcellos.
5o batalho.
O tenente do 2o batalho Leonardo Luciano de
Campos o dito do 13 oito Luiz Augusto Cullin,
u dito Jus Anastacio de Carvalho, os alferes
Antonio Grigorio Pinto. Adriano Joaquim de
Aodrade, Manoel Bezerra Lima, Fraocisco de
Paula Munleiro de Albuquerque, Manoel Anto-
nio Sodr, Joaquim Alves Feilosa, Sebastiio
Raymundo Ew-mon, Delflnn Jos do ouva,
Honorio Clemotiuu Marlins, e o dito do corpo
deguarnico do Piauhy Antonio Raymundo Fer-
reira Rubira.
6o batalho.
Os lenles Valentim Jos Barbosa e Felicio
Domingues. os alteres Antonio Pedro da Silva,
Jos Francisco Avelino Xavier, Pedro Goncalves
dos Santos, Francisco das Chagas Pinheiro. Jos
Thoraaz Ferreira Neves, Cullatino Ferreirra de
Azevedo e Jos da Cunha Lyra.
, Uc Z.6 clVpo i* So do Paran Fran-
jeo Jos Cardse Guapor, e os ditos Domingos
F?t.,.?H Nu,,es'9stantino Pedro Duarte.
f o h r2-! V,",ra de Aui". Jeronyrao
Fernandes da Silva Antonio Fernandes da silva.
Balalho de Goyaz
S^fi*0"10 dfl u""'So OS Mina.-Ge-
raes Antonio Alexandrino Ferreira da Silva,
dessa violacao da lei, e para a qual vito que
nao deve contar cora o auxilio da admloislraco
nem da polica.
Quanto ao segundo ponto da representecSo
tambera carece de fundamento jurdico'a deciso
da mesa, sendo certo o que allegara os peticina-
nos, porque, nao podendo avista dn art. 2 das
seus membros assiste o direito de reclamar con-
tra a que se pretender lancar na urna sem er
n aquella conformidade, para pedir ao presiden-
te da mesa a providencia ordenada no supracitado
rugo, o nem so pode conceber como se levante
urna quesiao por motivo semelhanle.desde que se
nao pretender por meio de fraude patente vio-
lar a expressa *> a.* ._.\___
ridas
mes de Castro. Ataliba Duarte Godinho, Joo Bap-
usla Freir, os alferes Antonio Carlos da nnun-
S.*S?J J" Ignacio Pinheiro. Saturnino Affonso
aa silva Juao Ernesto Doraingues do Coulo, Pau-
lo Anonio Ferreira Lisboa. Liberato Augusto Pe-
mr,Jp0.mb3' Joao M" Berqu, Frankln Tupi-
namb Manbundo da Triodado. Pedro Nunes Bap-
ImU Ferreira Tamarindo. Francisco de Paula
Uuarte Pinheiro. Jos Augusto de Figueiredo e
Joao Baptisia de Almeida.
Balalho da BahiA.
Os lenles Felppe Nery dos Anjos, Luz Vi-
cenln Vianna, Le .poldo Borges Galvo Uoha.
Pedro Alvares d Aleocar. Julio Cesar Pereira de
carvalho, Joao Pinto Humem o Joo Jos Evan-
gelista Costa, o alferes do 1 batalho Raimundo
ue Almeida Sampaio. e os ditos Frederico Au-
gusto de Suuza. Pedro Theodoro Pereira de Mel-
lo. Vicente Ferreira de Fari Goiaboira, Mauricio
tgydio Martn, Leovigildo Tanri da Costa Gra-
pera, Antonio da Vera-Cruz Doria, Manoel Este-
vao de Ohveira Pmto, Ignacio Ascioli de Cer-
queira p Silva Jnior, Juo Barbosa Cordeiro Fei-
losa Faustino Mnimo Duarte Gamellelra, Ameri-
Illm.
observancia da lei.
guarde a Vmc ^mfirozio LeitSo da
Cunha. | Sr. juiz de paz presidente da mesa pa-
ruchialde S.Jos desta cidade.
Cusa Alvarenga.
Batalho do deposito.
O lenenie du 7o balalho Leopoldino fachado
de Lomos, os dilos Joao Conrado Nieroeyer e Cy-
priano Jos Pires ForlW, os alferes do 2o bata-
Ihao Feliutu Elysio de^Costa. o dito do batalho
da Baha Antonio Mauricio da Fonseca Lessa, o
osdilosTherasloclesdoRegcMv>rcanti de Al-
buquerque Barros. Mariano Jos de Ges. Joo
Machado de Souza e Jus Augusto Piulo de Al-
meida.
Corpo de guarnicao de Minas-Geraes.
O lenle do l balalho Joaquim Jos dos
l assos. os diius Jos Garca Teixeira. Jus Cae-
ano1 :J;",,a Crlus frederico da Rocha, Secun-
dio Filaflano de Mello Tamburim e Joaquim An-
tonio. deMoraes. o do ll batalho Francisco de
Paula Xavier Felicissirun Jnior, os ditos Manoel
Carvalho, Maxiroiano de Oliveira Leite e Abreu e
Bento Luiz da Gama.
Corpo de guarnicao do Amazonas.
O tenente stlveno Jos Nery, os nlteres Jos
Mannho.de Almeida Villa-Nova, Manoel Msrli-
Dh^J*o*-Sios Abreu e Oiympio d CusU lvu-
*
disposfeo das insirucci's ref-
convindo mesmo ao proprio votante re-
pelhr incontinente por meio de um exarae na
cdula a iraputaco desairosa que se Ihe preten-
der langar.
Chamo por tanto tambem para essa especie a
atiencao de Vmc. porque ir nisso igualmente
urna das providencias para o curaprimento do ..,
dever. que iheimpe a lei. de regular a polica LJ empenhavam, abandonaram
dos trabalhos eleiloraes, visto como dessa. eo-
mo de outras questes, se originara os conflictos
que na eleicao podem produzir bem funestos re-
sultados.
Respondo agora ao ofUcio que Vmc. n dri
gio nesla data, participando que a mesa paro- ,!*"'," "8e"alD,'nie. u mencionado Pinheiro
chial nao podia continuar seus trabalhos sem ,r ? .Ceu"8e.. d'ess* P^u'-na alieracio para
que fosse garantida contra os insultos e violen- frr008,,r Hito das actas o qual nflo>ftUe
. al n /T *" rocl da f
n llit N- S- 0 oa"'^ d* ciJle de Goi.
m. apreasa-se era communlcare V. Ex. as lze
esoecn/r"?'"' q'-,e M dar"n no e a
wEl e.'6'lores, e feil. 8Ba puraco
G^v.u os:w,; Jo PBulinoP da^Cp
fo, nPln [""i" Al'e8d' Roch8 Bastos l
'os pe oque tendo concorrido ao acto smet,
d rnTT1 f.0r",m e",M declarados meSo ,
iLT- P81"00'.""1- Os outros cidadaos Dr J.
Jonr ?h.-Flrmn0- eAnMo Pinheiro de
Se^ida i1?/8"* 8Pen"5 votos, e como &
perdida a causa por que pleiteavam, qulzer
da 1 Jl,0 "a^ '""do urna gr'ande voz
Di-.lin.ui-,!"d"d0 ,nuli,ii,,r "* das ,..
nhPir ?H- V AeMe act0 fida,Jao Antonio
alte ra "endon<8' -*UsJ cjMm de tod*
.V. C i 0,''r", quo "^rou^SeTl-ci e.,
~ O. dlMto'JJ
eleicao
sem -
dossupplenle.saquarforreir. ,em contesl(
e com a mator tianquilidsde. *
. No meio.do leve uisturbio, de que j so fallou
cabeceo co-t :r lreiro- ** *&
cabeca do cidadao Joaquim Moreira de Agoiar
o- orva,.0J,gei,,"n:.n,e- "^-"do Wnhrirn
prevaleceu-se d'essa pequea
arrebatar o tlivro das actas o
tomado: pelo que o presidente d-eiet-
ou cmara municipal, reqwisitando
. Constancio 5,lv. Godinho e Domingos da u^SiwS 'araT.gadT 07^ JosTo! "^"^ "
^^tairtes. declarando-lhe que o Dr. chefe de poli- 1""
ca. que ah ir amanha ao comecar os traba- r,- aul 'he foi remettidircompeten-
Ihos da eleiro. providenciar na forma das ins- ume'"e I''8do, lan?ando-se oelle os traba
truccoes. que Ihe dei, de modo que se removam -"_? de h.Je *lue ae idarain
da eleicao quer es desalios dos votantes, quer
os abusos da mesa, quum anda urna vez re-
commendo a mais restricta
Dos guarde a Vmc
continuaran
eleicao.
Dos guardo
segundo de
ra paz, e assfni
esperar at o flm da
a V. ExcMatriz difregneii
.e^_0,a1"a-_aos 3 de dezembro de ISBO.^Um.
Expediente do dia 2T de dezembro d* 1860.
OUicio ao chefe da estacan naval.A' vista do
do que pondera o inspector da thesnuraria de
fazenda no incluso offlcio. que me ser devol-
vido, informe V. S. sobre a possibilidade de re-
meiler-se por algum dos navios de guerra, que
a crusar, o quantilalivo destinado
e Exm. Sr. Dr. Ambrosio Leito da Cunha. i
D. presidente da provincia.- O presidente da'
mesa parochial Joaquim Raphael de Mello
Jumor.-Serafim Alves da Rocha HastosJoo
Paulino da Cunha Gouveia. mea.rio.-Fraoci.co
Antonio de Castro, mesario.- Jo.quim Jos de
Mello Jnior, mesario.
Illm.
e Exm. senhor.Coramunico V. Exc
para as 2ue depois de um conflicto, havido por occasio"
de ser lida a ultima cdula dos eleilores que vo-
irno ao inspector da thesourana de fazenda, 'ar8n' Para a organisaco da mesa oarochial e,
Aos negociantes Andrade Si Reg mande V. S. f'g''ezia desta cidade, originado de harer o ma-
pagar os vencimentos. relativos ao mez de no- Jor Antonio Pinheiro do Mendonca esmaizadn
verabro ultimo, do destacamento de guardas na- eS8a cdula, quandu foi lida, e de que nao resul
tou consequencia alguma funesta, sendo apenas*
rado.
cionaes de
nos termos
roo forom
Villa-Bella, ums vez
legaes os documentos
levemente com um linteiro
apenas
Joaquim J.os
3." Os contratos que se celebrarem por es- Os segundos lenles Joo Valente do fouto e
cnpto particular, na forma do art. 4.a, pagaro o iP.inho, Macrino Leocadio Ferreira da Sil a, Jos
imposto dentro de 30 dias contados da data do ITheopliilo Cardoso. Jos Faganha da Siva Bai-
escnplc^ib pena de nollidade, nos termos do jma'-d Francisco de Paula Barros.
l,a% 3\ Junho de 1809 8 e 9-' d0" ( Corv de artfices da Corte.
*9"S3b. estacas lisCH' averoar u,lyel de ""da I Os segundos lenles do 1 balalho Ja com-
B')lhas livro\ dala e,n <*"e tica 'an?ad8 8 re-|panliia de artfices de Pernamouco Jao Jos
?ita e dar oaJi6 re3"eclivo conhecimento,/ Ribeiro e Miguel Teixeira Lopes Maleros,
na forma do 1 **&f'" arliz;
Art. 7. as vendas juoiclaestaj
ver pagar o imposto da meia-siza
artigo antecedente 3 contado da data do auto
,ni se de^- 0l segunu
prazo 00 finheiro e Amaro
Go.npsnhia dw arlllices da Ba|t.
de arremaiacu, da publicacu da senlenca de
adjudicado, ou de qualquer outro actu judicial,
sob pena de nullidade. na forma do alvar de 3
de juuho de 18 09, J 8. e 9.
Arl. 8. Os que no municipio da corle nao ti-
raron pago o imposto pa meia-siza dos escravos
que hnuverem adquirido, iocorrero na mulla de
10 a 30 por.C8nio do valor do escravo vendido,
lite enire o vendedor e o comprador
de 27 de setembro de 1860, art. 11
al ser imposta pela recebedoria do
forma do regulamento n. 8551 de
-o do correte anno, salvo aos mulla-
irso legal para o tribunal superior, e te-
Atr,ao marcada 00 9." do alvar de 3
de 1809.
1. 1 A autorisacao por esenpto para a
escravo ou eacra'os que comiver reci-
Aqao do seu preco, ou de adiantamen-
-ce-versa, com renuncia de qual-
cebido, ou sem ella, ou
rem por coala do cor-
egado da venda ou ris-
' o caso e quando outros
> reconhecimento da
dar lugar ra-
le artigo, anda
iada de pro-
co do art. 5.-
iodo impos-
)ue disserem
uco e arre-
competencia
do dicidir-se
* regula me 11-
approvado
1o setem-
4.U14 oUrios de Hourao
Theophilo de Almeida.
Coinpanhia de artiilces de Pernambuco.
Os segundos tenentes Ascencio Minerviuo Met-
ra e Antonio da Bocha Bezerra Cavalcatili.
Compauhia de artillcea de Mato-Grosso.
. O seguudo tenante Jos Leite da Silva.
Compauhia de ariitkes da fabrica de plvora.
O Io tenente do curpo de ariitices da curte Joa-
quim Pinlo Guedes, e os segundos ditos Anoibal
Antunes Maciel e Olympio Aurelio de Lima C-
mara.
Arma de cavallaria.
1" regiment.
O teneole do 4o regiment Diogo Alves Ferraz,
o dito do 5o dito Manoel Jacimho Pereira, o al-
feres do 3* dito Joo Bonifacio de Camargo, o
diiu do 4" dito Pedro Flix de Medeiros Maliel.
o dilo do 5 dito Joaquim Podro Salgado e os
alferes Ignacio Jos da Silva Azeredo e Joio Jo-
s da Rucha.
8o regiment.
0 tenente Manoel Joo da Fonseca Lessa, o
alferes do esquadrio da Bahia Miguel Ribeiro de
Moraes, e os dito* Rogero Pedro da Alcntara,
Joaquim Pantaleo Teilea de Queiroz e Jos Ri-
beiro Vieira,
3 regiment.
Os tenentes do corpo de Mato-Grosso Joa-
quim Soares de Figueiredo e Joo Eliziario
Braudo de Lima, e os alferes Manoel Jos Pe-
reira, Utldebrando Heraoterio Torre, e Germano
Julio da Silva.
4 regiment.
0 tenente do 1* regiment Manoel Jos de
de Paria, e o do 3" dito Angelino de Carvalho,
o. lenle. Joaquina Jus Baptisla, Francisco
Ferreira da Rocha, Diontzio Amor, o o. alferes
Jos Ignacio Funiuura, Juo da Sil'. Fuado,
Patricio da Costa Nunes, Antonio Dellino Leite
de Cerqueira, Francisco de Caatro Canto e Mel-
7o balalho.
O tenente da companhia de Sergipe Joaquim
Martins Fontes Jnior, o dilo Manoel Jos dos
cantos Porlella, o alferes do 3o batalho Domin-
gos de Azeredo Coutinho, o dito do corpo de
guarnicao da Parahiba Luiz Correa de Moraes, os
unos da companhia de Sergipe Hermes Francisco
de Souza e Epifauio Manoel de Carvalho, os dilos
Euzebio Gomos de Argollo Ferro, Francisco Eva-
risto Bairos Passos, Urbano Wenceslao Gomes de
Larvalho, Francisco Antonio Machado, Xiburcio
Joaquim de Aodrade c Candido Mara Alves.
8o batalho."
Os tenentes Joao Gooqalves Baptsta, Basilio
aguo da Silva Jnior, Joaquim Jos da Cruz.
Sevenano de Siqueira Daliro. Licinio Ltborio
I assos. Semea Correa Lima, os alferes do S ba-
talho Augusto Pinto Pacca e Luiz Antonio Fer-
reira da Molla, o dito do corpo de guarnicao do
Piauhy Joao Francisco das Chagas. e os ditos Ma-
noel Antonio Tavares, Jos Francisco Alves do
Lima, Hyppolyto Jos Rodrigues, Pedio Fierre
de Carvalho a Claudino Jos dos santos Ferreira.
9 batalho
Oa lona---
Manoel
" "- '^"""s Joaquina Manoel da Silva'e S e
Manoel Dionisio de Souza, e os alferes Secundino
Ayres Ve so de Mello, Francisco de Freitas
Moreno e Albino Jos de Fana.
10 batalho.
Os lenles Luiz de Queiroz Coutinho, Jos
Francisco Machado, Antonio Manoel Barbosa e
Joaquina Jos Pereira Van na, e os alferes Anto-
nio Vicente Ferreira da Fonseca. Joio de Oliveira
Mello. Carlos Cesar Maciel Aranha, Pedro Joa-
quim Alves, Raimundo Augusto Dias Martins,
Herculano de Lima Pires. Joo Eduardo Vlganigo.
Alexaodre Francisco da Costa o Luiz Antonio de
Menezes Santos.
11 batalho.
0 lente do corpo de guarnicao da Parahiba
J0S0 Cnucalvps Baplista de Monra, o dito Fer-
nando Martins Carrocho, o alferes do 6 balalho
Joo Ignacio de Oliveira Cavaiero, o os ditos Rai-
mundo do Nascimento Pereira, Jos de Souza
Abreu, Solino Velloso da Silveira, Feliciano Xa-
vier Freir Juniure Antonio Raphael Fluquet.
13a batalho.
Os tenentes Francisco Jos Rodrigues, Antonio
Augusto Sarment de Mello. Salviaoo Pires Cam-
pos, Ludgero Braulio da Cruz, Antonio Jos Fer-
nandes, o alferes do corpo de guarnicao da Para-
hiba Jos Caio de Andr.de, e o dito Domingos
Baplista de Carvalho.
13 batalho.
Os tenentes Joo Jos Cardoso, Jos Antonio
Pessoa de Carvalho e Affonso Jos de Almeida
Curte-Real, os alfres Francisco da Lapa Trau-
co so, Furtunato Machado da Rosa, Ftrmino Jos
Espindola, Raphael Fernandes Lima, Fabriciano
Augusto da Silva e Albino Justiniano Barbosa
Lima.
Batalho da Mato-Grosso.
Os lenles Martinhn Jos Ribeiro, Joio Anto-
nio dos Sanios Vital, Antonio Rodrigues Pereira,
Jos Goncalves Meirelles, Juaquim Francisco de
Carvalho Menezes e Joaquim Rodrigues de Suuza,
Corpo-Se guarnicao do Maranho.
Os tenentes d,o a" balalho Antonio Alexandri-
no de Melloe Ratmunuo Jos de Muraes, os ditos
Antonio Joaquim Falco e Francisco Jos de
Souza Neiva, os alferes do 5o balalho Antooo
Nugueira Pinto, Jos Pedro de Souza Q*!iroz e
Joao Luiz Tavares, ajudante do 6o dilo Francisco
Raimundo Maciel. o dito do 8o dito Joo Frnncis-
cu da Cusa Estrella, ajudante du corpo de goarni-
Caodu l aran Antonio Joaquim Guedes de Mi-
randa, us alteres Mano-i Alves de branles, Ge-
raldu de Araujo Maltez, Francisco Ferreira Ra-
bello e Joau Nunes Sarment.
Curpo da guarnicu do Piauhy.
us lenles Joiqutm Prudencio de Souza Li-
a 1u^"lU,U0 de tiuJy Moreira. o alferes do 5o
batalho Carlos Maouel de Lima, o dito do 7o di-
lo Agostiuho Nunes de Souza e o dilo Lupercio
(jumes do Brilo.
C rpo de guarnicao do Cear.
Us teneulea Anastacio Antonio de Faria e Ja-
cimho Brrelo de Camro, o alferes do 7o balalho
uemeinu Raimundo Mana de Oliveira. o dito do
corpo de guarnicao do Amazonas Adelo Fran-
cisco dos Kets e o dito Josiuo Frankln Bellota.
Corpo do guarnicao da Parahiba.
Os teuentes Feliciano Jos Henriques Jnior.
Beojaroim Rodrigo Baplista. Mauael Joaquim Ri-
oetru, Ruzendo Mont-iru de Lima, os alferes do
/ balalho Joaquim Manoel de MeJeiros, Anto-
nio Juaquim da Cusa, os ditos Lepoldino Evan-
gelista Parahiba o Antonio AWsda Cunha.
Corpo de guurntcau de S. Paulo.
vOs alferes.Fernando Martins Boutiha e Manoel
Alvares de Azevedo Macedo.
Corpo de guarnicao do Paran.
Us tenentes Jus Anluntu de Lima Jnior, An-
tonio Jo,e Pinto Baudeira. o alf-res du balalho
de-Maiu-Grossu Manoel Euphrasio da Assumpcu,
o alferes do 13 balalho Manoel Joaquim Telles,
e os ditus Antonio Martins Mtlaueixas o Francisco
Antonio de Macedo.
Corpo du gusrnicjio do Espirito-Santo.
O leuente Jos Fo.-reira de Azevedo Jnior, o
aileres ducorpode guarnicao do Cear Joo Be-
zerra do Salles, e os dilos Agoslinho Jos d9 An-
drade, Francisco Srveriano Bemcio de Carvalho.
Constancio Quiriou de Aguiar e Silva. Francisco
Florei.ciu Pinheiro Passos e Antonio Augusto No-
gueira de Baumann.
Corpo de guarnicao de Pernambuco.
O tenente do 8o OaUtlho Joo Antonio da Sil-
va, o dito do 10 dilo Antonio dos Sautos Cana,
eos alferes Joaquim Pedro do Reg Barros,
n~-'"a **" Reu Barroa. Jos-Ieancio Ribeiro
'" ,lduio Marta de Souza Lobo, Bernardino
Candido dotLr"^"' ^s LullulTl1'0 a Costa Lei-
le e FrederlK.'-",e Weckiuhagem.
Cumpinfftd.^ Rio-G-ande do Norte.
O alteres uo HaWj/ju 'iniMl jVAttBW fll
Costa.
que estejam. uU. co
juntos, que ["|J
correntl. cou.ecuu regularmente o poceHo da eleicao .. -
Qdante su- d'an'eos meus esforSos, apoiada era parleida for"-
5a sob meu commando. por ler eu observado
uue a tranfuilildado publica podia ser alterada
sem a minha prompta intervenco.
Urna das parcialidades politices empenhadas na
lula abandur.ou a mtr.z, 0 dizem que levaudo o
d lo 1 inheiru n livro das aclas,| foram fazer urna
outra eleiSao na igr^ja du Carino.
A mesa parochial, porm. requisitou cma-
ra municipal um livro competentemente legalt-
...... sado, que Ihe foi ministrado e continua em suas
). gue deve Vmc. proceder quanto ao recur- """""Coes sem alterago.
sr de alguna habitantes dessa parochia, a que .. Resguarde V. Exc. Quartel da forra exoe-
allude no citado ufficio. e que foi prvido pela cioii.ru em Goanna, 30 de dezembro de 1560
relacao do distncto, na conformidade do art. 37 as 2 ho9 da tarde.
Illm. e Exrn. Sr. Dr. Ambrosio Leito da Co-
nha presidente da provincia.O major commtn
dante, Joao do Reg Barro* Falcan,
remrllidOS pnlu cespectivu cormin- Moreira de Aguiar. lnstallou-ae mesma tnh
I danto superior com ofBcio de 15 do corrent' con.ecuu reztifm-mpni.. r. o. -. _,
! Communicou-se ao mesmo commac
pertor.
Dilo ao mesmo. Transmiti V. S. para os
conveniente, exames as inclusas copias das ac-
tas do sonselho administrativo para fornerimento
do arsenal de guerra, datadas de 12 e 22 desto
mez.
Dito ao juiz de paz mais votado da Treguezia
de Barreiros. De posse de seu oIRcio de 24
deste me/., e era solugao ao que oelle consulta
apresso-me em respnnder-lhe:
Canpanhia de Sergipe.
lie uo, o batalho Maximie
O tenente dor" balalho Maximiano Ferreira
Chaves, os alfaea Francisco Antoniu Leilo de
Almeida e Peregrino Alves Ribeiro da Silva.
Goveuo la provincia.
2." seceo. Iilacio do governo de Pernam-
buco, 30 de dezetjbro de 1860. Acabara de re-
presenlar-me, potindo providencias, dous mem-
bros da mesa paochial, de que Vmc. presi-
ueole, contra o es procedimento prohibindo
que os votantes \ freguezia inspeccionen] os
trabalhos da roen, conservando-so dentro do
templo, e oppondojie que a li.t. do volitante
Manoel Joaquim ftrreira Esteves fosse exami-
nada ante, de lenla na urna, visto supporem
elles representante! que a mesma lista, nao s
oontinha oulras, jomo Dio eslava fechada por
um dos lados conta a expressa determinaco
E' to clara e tetninanle a disposgo do arl.
44 da lei de 19 d agosto de 1846, que nao
fcil conceber-se edmo tnnham razao os repre-
seotanies, sendo tarto o fado allegado de que
Vmc. resolver a atpulso dos cidadaos volan-
tes do templo, ont se faz a eleicao nessa pa-
rochia. No entretanto nao sendo licito quem
quer que seja proceder de maneira opposta
disposico expressa da le, qoaes quer quesej-m
os inconvenientes, qie por outros meios devem
ser removidos, recuaimendo Vmc. que oao]
permita que m vei| o ingresso no templo I
(odus aquelles I quero por lei compete a inspec-
co immediaia dos trabalhos eleiloraes, lem-
Drando-se.que aera o respousarl por quaes quer
conflictos que se originen) immediatameute
da le, n, 387, do 19 de agosto de 1846, o an-
dando incluir os seus nomes no livro da quali-
licacao de votantes em lisia supplemenlar, lo-
go que o accordo d'aquello tribunal Ihe fdr
apresentado com o cumpra-se do presiden-
te do conselhn municipal de recurso, ou que
assim Ihe fdr requerido pelos interessados com
documentos cemprabatorios do provimenlo de
seu recurso, devendo para sto requisitar o livro
da qualilicac.ao cmara municipal, quando j
Ihe tenha sido remetiido. como determina o avi-!
so de 8 de fevereiro de 1849 8 7 ; convindo ac- i
cresceutar para ana inteligencia a devlda exe- I
cugo, que se por falta de lempo, ou ouiro qual-
quer motivo
furmalidades
COMMANDO DAS ARMAS.
Quartel do commando das anuas
em -ernambneo, na cidade do
Heciie, .11 de dezembro de I86O.
ORDEM DO DIA N. 59.
0 coronel comraandante das armas, determina
nao poderem ser preenrhidasj r.s que na niahaa do dia 2 Je Janeiro prximo vin-
eslabelecidas as citadas dispdsi- duu-se. se passe revista geral do raostra no.
?oes. de maneira que no lempo d eleicao nao se"8 """Pectivos quarteia aos corpos moris do
estejam incluidos na lisia dos vntantes os" nomes exfrcil 81ul "lentes, e as companhias soladas
dos cidadaos prvidos em grao de recurso pela Pela, crdea' seRuin'e :
relacao, aero nao obstante os mesmos cidadaos A s6 hor88 80 batalho de infantaria, s '
admttiidos volar, urna vez que se faca certo o mtla 80 *-" hatalho de arlilharia a p V i
seu provimenlo, por Isso que o art. 50 da pre- i companhia de artfices ; s 7 a companhia' flx.
dita le n. 387 s prohibe que votem pessoas nao CarS,Isria : s 8ele e meia o 9.a batalho .
qualiilcados citado aviso 13. i8 80 t0.ambos de infantaria.
2." Que na hypoihese por Vmc. figurada de i mpsmo coronel declara
para o fim conve-
querer o 4o juiz de paz fazer urna oulra eleicao nlenlel1u" PProvou o engajamento que hontem
contrahio para servir por mais sejs annos, os
em duplcala na mesm, eccaso e lugar, deve
vmc. continuar com a mesa parochial sob sua ,.erm-sdo decrelo e regulamento
presidencia o processo da eieijo, observando
em ludu a precisa regularidade, e deixando ao
po ier compleme o julgar da validado da elei-
cao feita por aquello juiz.
Dito ao juiz de paz mais votado de Taqu.ri-
tinga. Respoodendo ao ofBcio que Vmc. me
dirigi em 18 do correle t-nho declarar-lhe
que nesta data recommendo ao delegado do ter-
mo duLimoeiro que providencie no sentido de
ser Vmc. garantido na presidencia da mesa pa-
rochial, que Ihe compete, impedindo pelos meios
a seu alcance que sejam perturbados os traba-
lhos da prxima eleicao de eleiiorcs. Offiiciou-
se ao delegado do Liraoeiro sobre o assumplo de
que se treta.
Portara. O presidente da provincia, alten-
CTiif i ijin Mu nnuiiBB u iJiiiti utomiiflo
Joaquim Guiarte da silva, resnlve conceder-lhe
licenca para ir ao presidio de. Fernando tratar
de negocio particular com o major Manoel Cae-
tano Nunes Pinlo, que ali se acha.
Dita. Os Srs. gerentes da companhia de il-
luminaco a gaz mandem substituir por novos
os 20 bicos dos candieiros da illuminaco da ca-
sa dedoiencao, que se acham estragados pelo
uso, e fornecer 16 glubos de vidro para os.mes-
mos candieiros, conforme requisitou o chefe de
polica, por parle do administrador d'aquelle
estabelecimento em offlcio de 27 do crreme.
DESPACHOS DO DU 28 DB DEZEMBRO DE 1P*"
llequerimenlos. ^
3431Augusto Elisio de Castro i"*eea. Re-
queira ao thesouro.
3432 Baro do Li"*roent0-" Inoroe o Sr.
inspector do arsenal de marinha.
3433Gervasio Campello Pires Ferreira.Fica
ptoronado o praso por mais2 mezes,
3i3lJuaquim Fraocisco da Silva Cruz.Co-
mo requer devendo o supplicaute assignar teimo
pelo qual se obrigue a apresentar carta do pillo
dentro do praso que Ihe for marcado pela capi-
tana.
3(35JoaquimTheotonio Soares de Avollar
Como requer.
3436Joaquim Ignacio de Siqueira, Seo
supplicaute estiver qualllicado deve votar em
face da doutrina do aviso do 1' do corrente
sefs;
db'
de 1858. o soldado Antonio Alves da
nhia do 2. batalho de infanlaria.
Assignado Josi Antonio da Fonc
Conforme.Antonio Eneas Gusta'
EXTERIOR.
lenta
Protesto do governo pontificio
Ha pouco que a Santa S se queixuu da tq-
nta mvaso realisada em vanas proviucias dos
estados pontilicios, depois do que se verifica
as Remanas, por ura governo visinho que '
minado pela extravagante ambicio de torn
'."r"'-* I'aba inleita. com os despi
'UUtfii *--,-1 II liJilA^nr." -'"i- "
traer de consumar os seus *er,
orante e despresador deJhdos o
quem nao reeonhece-^friio a0 seu de,
o espirito de ussrpaco.
epoisdeje ier apoderado das Marcas, da C
i a mi.
ni" """ e urna .,erra ,jigDa de ser cita-
/ ?i!a,.IM" mon8lri>8 piraiarias. o gover-
ufpiemontei procura ir.nq,,^, ora a me.
*a di 'uas. 'wl'Soe. ^0"aniS poniiQcia.
M. *o insigne abuso ^^cuido pur elle
.ras comarcas anlenorme^*** "* mAn. iani>na
fingir orna m.uifesUc.ao uaurp?M*' Z,nnl\
imaginando oue assim i.** vontado nacioo.l.
verd.deiro par legitimarl"1*1 "?"
tono usurpado com desprA* W.nX5
tidos.
Baldado seria coruif
fraudulentos comuCgnobei
parado e orgauisado sempn
pellaces para a^oniade
tyrannia que audazmente se
recer cumu resultado da liv
desejos do povo. Islo eii
mons.rado, anda que por o<
porta qualiQcar e .presentar
a maneira com que se exltt
vo. O que primeiro que lud
e reprovar altamente, essa
os principios com que se preti
uta titula
lo torrl-'
zo dos direito dqu- ;
''N,.rtlf lio
com d>. eien pre-
essas ioisriaa ap-
opular; rdadaira
rata de faar appa-
e manifencau dos
notonsntnte de-
ro lado, oque |m-
nesle moieuto nao
e esse vio abusi-
impurt. vituperar
esordeuade lodos
ode intoduzir no
anno.
3437Manoel do Nascimento de Araujo. De-
clare o suppttcaote quaes as obres a que al-
lude
8438Joviniano Diamantino Alves de Lima.
Nao ha que providenciar em vista da informa-
co.
mo lerno direito internacional'um eleneuto emi-
nenleraenle revolucionario, e *Jesiruidlr de todos
os ttulos de legitima soberana.
Mas sej.m quaes forom es'.e respeito 5"v0fi~
nies de um governo que, inttmtmenll, ilptatt
com a revulugo. Ihe presta ajoto cq^/promo-
tor o caudilho, de toda a manaira 0 Jraciuio que
se pretendo introduzir, acha-fa ementa con-
\.
i
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
m


*u
rf&o

PE
ft&m
i#w
eli imraulfeii da
s do co*to4fft
iai|Mgg*w'7i r -:";"'-
Pf****^^nm#* a. eoDOjanio.
o..-, profundo que.fosse o seu direrUl,'lWt.
esse julgar moU do perigo d* *er-se arbitra-
lejUe, e quando m/mot so espertse, irans-
mdt destenida ? A que [alaos ineertazas
wasrconstantenaonle exportes osgorerno
ellea lodo o mondo civilisado, sujeilos ao
) de um principio por aua propria oatureza
cando em egitacao, ena turbulencias o des-
*, capazesde prbduzir una confuio un-
versan?
Fundado nestas graves eonsideragea. ve-se o
governo de Sua Saalldadena posigo de proles-
lar contra o abuso commettido (e que continua a
commcuei) pelo governo usurpado, a favor daa
siii Dosla appelago para o voto das povoaces
atira de decidir da sorte dos soberano!: abuso
equivalente a proclamar um principio que, au-
dazmente annnlla os direitos e prerogativas do
todas que desala o frustra a le, que sob a f dos
_, dos solemnes e pactos internacionaos, rege o
governo dos estados; (ende a transtornar as m-
ximas eternas e invariaveis da equidad ; e eri-
gindo em direlto a oceupaco (monstruosa pre-
tenco pur certol) inocula na sociedade um ger-
men de funestas inquietoges e desordens.
Os testemunhos de enrgica reprovago com
e os domis governos da Buropa tem condem-
do a poltica do prevaricador do Piemonte, e
allitnde usurpadora que manlm, assim nos
lados di Santa S, como nosdemais da Italia,
odelxem duvida deque so achara plenamente
accordo com este protesto que hoje faz o go-
o pontificio, em apoio edefeza da soberana
poral do Sumrao Pontfice, contra o proceder
la vez mais criminoso do usurpa ;or, por isso
este proseguindo em suas audazes e horri-
usinvases as provincias cima indicadas, co-
no j o imita feito as comarcas da egreja de
anteriormente se apropriou.
eve portanto esperar-se que os governos raen-
nados estejam promptos a prestar eflicaz
oio s reclamaces de Sua Santidade, assim
>mo tambem a mantor o pleno direito que a esto
verno assiste para tornar responsavel o sobe-
o da Sardenha, e seus ministros, de todos os
reiuizos quo.se sejpiuem da invaso hostil effee-
niaia o perpetrada nos estados da Santa S, e
para pedir completa restiuiicao de tudo aos inva-
sores.
Nesla plena confianca e firme persuasao, ocar-
deal abalxo assignado, secretario de oslado deSua
Santidade, convi la-vos a communicar .ao vosso
governo a presente nota, etc. etc.
Novembro, 4 de 1860.
Cardn! nlonelli.
[Jornal do Commercio de Lisboa).
*
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Pars, V de dezembro de 1H0.
' NoV da 25 de novembro, posterior ao em que
encerramos a nossa ultima carta, tia-se oo Mo-
nitor um decreto de Napoleao III, concedendo
reformas s instituigoes imperiaes. Este passo
anneorre para arredar da Franca a censura, que
sobre ella pezava, de pugnar pela liberdado do
* exterior, solTrendo entretanto no interior o desr
potismo.
~F.rs aqui o decreto.
Art. Io. O senado e o corpo legislativo discu-
tirlo no principio do cada sessao um projecio de
resposts nossa falla.
Art. 2. Essa discussfio ter lugar em presen-
ta dos delegados do governo. que daro escama-
ras os osclareciraenlos necessarios sobre a politi-
ce do imperio quer interior quer exterior.
Art. 3. Para facilitar ao corpo legislativo i cx-
presso livre de sua opiniao na confeceo das
leis, eo direito de modiQca-las, lica desde jem
vigor o art. 5i do nosso decreto de 22 de marco
do 1852, e alterado o regulamento do mesrao
corpo legislativo da maneira seguinte:
Inmediatamente depoisde distribuidos os pro-
roclos de lei, o flxado odia pelo presidente, o
corpo legislativo antes de nomear a suacommis-
sno se reunir ena sesgan secreta, onde so abrir
umjplUcussao summana sobre o proiecto apro-
_ -fado, tomando nella parle odele{rsos do
governo. A presente disposico nao applica-
vol aos projerlos de loi relativamente ao inleres-
so local, nem aos que admitiera urgeruiiaiy
Art. 4. Alim de tornar mais fcil e wts com-
pleta a reproduccao dos debatejkdss dufc cama-
ras o projcclo de scratus-cupsun ser aprosen-
tado de vespera ao senado ;"e a exposigo das
sesses dcste ultimo, e das do corpo legislativo,
recopiladas por secretarios redactores sob a au-
loridade do presidente de cada cmara, ser ro-
mettida aos jornaes todas as tardes.JAIm disto os
discursos de cada seaso sero reproduzidos pela
tachygraphia, e puDlicados por extenso no iornol
official do dia seguinte.
Art. 5. Durante a sessao aonual o Imperador
designar ministros sem pasta para defendereru
erante as cmaras os projeclos de lei aprsenla-
o ppelo govnrno, e islo de accordo conro pre-
sidente e membros do conselho de estado.
Art. 6. Fica supprimido o ministerio da Alge-
ria e das colonias, e estas reunidas ao ministe-
rio da marinha. ... O conde de Chasseloup
Saubat, que era ministro daquelta pasta Oca sen-
do d'ora em dianle ministro da marinqa e das
colonias. O almirante Hamellin, ministro da mari-
nha, passa a ser grande chanceller da legiao de
honra, eo marechal Pelissier, duque de malakof,
passa a goveroador geral da Algeria
Resta agora que o paiz saiba agradecer ao Im-
perador a pariecipaco mais directa que elle
permille ao sonado e a o corpo legislativo na po-
ltica do Estado. Estes dous corpos, cujas ses-
ses de hoje em dianto sero publicas, podero
iscutir urna rosposta falla do throno. e por
sse meio provocar explicaces do governo so-
or^odas as questoes da poltica inlorior e exte-
rior: esta uma concesso muito importante,
cuja (alta fazia pairar muitas vezes sobre as in-
teuces e 0 sentido geral da poltica do Impera-
dor urna obscuridade bem lastimavel.
A resltuicao do direito de modificaco das
leis, concedida aos corpos deliberativos, mais
sua importancia, mais realca a sua
A publicidade dos seus debates os
municaco com o paiz, que sao cha-
iresentarem.
e se deva esperar que tudo isto nao
--" "rimjro passo no caminho da
_jd prometuua, do que a primeira peilra
laucada no pouto que de certo tempo para c se
tem coavencionado chamar o complementa do
Hdiciu, nao'se pode com tudo negar o grande
.-Icance desse acto espontaneo: com efieito o Um
dessa medida buscar a forrea immensa que re-
sulid da luz; procurar apoderar-so da opiniao
pa-
Publica por meio da discusso aberla ; contar
ti o apoio daquelles de quem se invoca o pa-
- mostrar forca e confianza ; (i nal me ule
** eclarecer-se com os coocelhos do
~'ier yy*^ i ... t **-----T". .
y aP'it,udir sera prevencoes oS8e
^ ti de^nove-Ao, que foi um passo d,j0
a lito Jau'e, e^trnando livre a discu
1 "'les assembleas as'associou desta fo
scusso dos grandes intereases nacionaei
lo
cmplices e respasaTWrperanle i Euro-
Mas faltas e das suas iniquilndos.
jiuto porm confessar que osorgos liberaes
agao germnica nao so ho collocado nesse
erreno de desconfianzas e rancores.
Mas voltemos nossa apreciaco. ;
iniciativa imperial desperlou muitas espe-
uns pensara que aps a liberdade da tri-
3in-a ''berdade da imprensa; outros
accrediMU nr-iTra^lncao do corpo legislati-
vo que ha oito anos eleito, j nao se pode
ter como a verdadttri reprosentacao da expres-
ado do piiiz, assim corao n'um prximo appello
aos eleitores. que desta sorte tero occasio de
so declararem soleoineraenlo [as cirenmstancias
actuaes.
Quaea sao na roalidade os projectos do gover-
no? E o que ignoramos, e neste easo esto
quasi todos. Nao obstante nos inclinamos crer
qus, antes de dar mais um passo aTanto rrossa
nova sendo em que se elle internou, aguardar a
experiencia qun Ibe podfr mioistrar urna sessao
do parlamento feita as condieges do decreto de
2i de novembro Al aqui o imperador tem go-
venia.lo por sis. Em que limites pretender i prolongada da maior
ello repartir com outros o cargo e a responsabi- cunstaocias actes
lidade dos negocios? At que ponto qoerer at-
trahlr os esclareciraentos e a discusso sobre os
dos c sobro a direceo geral da sua poltica ?
At que ponto analmente lhe ser conveniente
appellar para as livros manifesiacdes do espirito
publico? O seu decreto de 24 de" novembro nao
o declara.
As reformas do gabinete das Fulherias come^a-
ram a ser exeeuladas logo nos primeiros dias da
publicaco do decreto. A' 24 de novembro o
conde de Walenski subsiituio ao Sr. Achules
FauM no ministerio do imperio ; 25 o almiran-
te Kamelin passou s exerer a pasta da marinha
em lugar do condo de Chasseloup Laubat, a 26 o
conde de Persigny, embaixador da Franja em
Londres, fra designado para succeder ao Sr. Bil-
iaultfna pasta do inteiior, asiinveomoo Sr. For-
cade.de Roquelia para succeder ao Sr. de Mague
na pasta da fazeoda : os Srs. Billauld e Magno fo-
ram nomeados ministros sem pasta. A' 27 o ge-
neral conde de Flalrand (ora escoltado para re-
presentar a Franga junto ao governo inglez. Fi-
namente 4 de dezembro o Sr. Barache racm-
bro do conselho privado, e presidente do conse-
lho de estado, tomou o titulo igualmente de mi-
mislro sem pasta.
A Gazeta autlriaca, e o 0 Denlsth Post de-
etc, continuaro como teem sido al aqui.
estado s reservar para si o direito de alta i
lancia, de examo, e de jurisdiegae superior.
Os maiores serfio nomeados directamente pe-
conselho communal. As communas urbaraas
adminislrar-se-ham a si mesmas sob a direccioN
do conselho provincial. Desta sorteo governo cen-
tral Dio exercer mais do que urna vigilancia,
administrativa, e iniciativa provincial concede-
r muitas atiribolcoes de que gozava pelo ant-
rogimen.
Eate projeclo de Niogheti foi submetlido ao
exaroe dos homens da adminislraoo. e cata-
diste.
Vctor Emraanuel ontrou em Palerrao no dia l>
do dezembro|; foi ahi recebido por urna populaco
enthusiasta a ponto de querer tirar os cavaltos
o carro para poxa-lo O poro otte conaorru do
todas as partes da Sicilia, avalia-se ora 400,000
pessoas. Antes de chegar ao palacio o rei en-
trn na Cathedral. Tem elle de voltar nao para
in. mais para aples onde a sua estada
opportunidade as cir-
JArtIRO DE 18b
Tiveram lugar a 20 de novembro as primeiras
operacoes contra Gata. O general Piemontoz
decidi que, em quanto -nao sao assestadas as
rimoiras ballenas, os morteiros collocados a
,500 metros para paralysar a ac{io dos defen-
sores da praca comecassora a obra de bombar-
deamento : estes ltimos devem comecar o fogo
l para o dia 10 de dezembro.
Os sitiados, que teem sua disposico urna
numerosa ariilliaria e muitas provises, estao
dispostos a levarom a resistencia at a ultima
exlrcmidade. Cela pois est destinada a muito
soltror se urna circumstancia qualquer nio vier
por fim lula : essa praca se aoha guarnecida
de um populaco de 12,000 habifallos, e 15,000
soldados, e as bombas a ninguem poupam. Fran-
cisco II, quo defeode a sua corfla e a causa de
que elle representante, reveste-se de novo ani-
mo para continuar na sua obra de protestaces
vista do movimento reaccionario quo se pas-
sa nos Abruzzos.
O governo pontificio, da' mesma sorte qoe o
austraco ressente-se de urna falta pecuniaria,
de que o zelo dos calholicos difflcilmente consi-
guir fazo-lo sabir
A populaco romana supporta j as terriveis
consequencias tessa situico desagradavel : a
ram s modicacoes das instituigoes policas da miseria grando nos Estados ecclesiasticos, e
franca applausos taes que deveram por era que- caresta ali toma proporcoes, quo muito cootri-
bra a destreza e finura do governo da Austria ; '
porque infelizmente em materia de reformas o
imperador Francisco Jos tem tido a sorte de des-
fazer com urna mo aquillo qne faz com a outra.
Esla manobra nao tem conseguido o seu lim de
lludir os povos ; e o dficit no estado financeiro a-
pressar segundo as appsrencias o dia das lamen-
tares inuleis. Esse dficit imraenso anda mais
augmenta com o accrescimo de despezas neces-
sanas para os armamentos e trabalhos de defe-
za. ltimamente o gabiuete de Vienna espalhou
na circulago dez milhoes debilhetes de eincoenla
cntimos para supprir a falta de moedas desse va-
lor. Tem-se fallado de um emprestimo que ser
contrahido por um novo melhodo e muito mais
simples: o governo emiltir ate trinta milhoes de
florins era notas do thesou.ro com hypolheca as
salinas de Saltzburgo e da Galicia, e o banco
descontar essas notas; por desgrana porm
essas salinas esto j hypothecada por sommas
superiores ao valor indicado ; o os Viennenses
nao se acham por ora muito disposlos adeixanr
o seu diuheiro pelo simples engodo de um pen-
hor que nao pertence ao governo seno in no-
mine.
Por mais que digam certos jornaes e muitas
correspondencias, parece ainda duvidoso que a
Austria leoha comprehendido* a necessidade de
renunciar ao seu dominio na Venecia : que ella
se arruine para raanter um direilo que lhe ne-
gado pelas quatro quiotas partes da Europa ; que
corra o perigo i m minen te de perder loda a car-
regaco por nao ler a prudencia necessaria para
sacrificar ainda em lempo parle delta ; nego-
cio este que s compete casa dos Hapsburgos.
Esta resistencia se explica tanto menos quanto
conhece o governo austraco com toda a eviden^
oja a gravidade do perigo, a ponto de nao ai?e-
ver-se ha pouco tempo a -lestacar da sua esqna-
dra un AUrioin u uiu <.iso qne couOuzlsse a liu-
peratriz Madeira. A situaeao anormal da Ve-
necia inquieta Europa tanto quanto a Italia
Dizem quo o parlamento italiano ua occasio de
proclamar Victor Emraanuel re da Italia preten-
de declarar a Venecia como fazendo parle do ter-
ritorio italiano, e que as potencias principaes
teniam negociacoes no sentido de obterem a este
respeito urna transaeco pacifica.
Se por um lado na Inglaterra, na Franca, e
n'uuia parle da Ailemanha se elevam vozes para
detuoiistrarem acorte de Vienna a necessidade
de ceder a Venecia, vozes que nao teem podido
aiuda incutir a persuasao, por oulro lado outras
se elevam no centro da mesma Italia, que direc-
tamente vo ler Francisco Jos ; sao ellas vo-
zes de mulheres, entre as quaes mencionaremos
a condessa de Mootemerti, que escreveu de Pisa
ao Imperador :
vocou as manifeatacoesda opiniao public?
um senlimento deVppiovacao unnime r'*J
ponto de partida de t"nt "" politice de Naf
leaolll.'se tem ergjdo cm quasi toda a F
O no eStranireirn i^*Tinrvn.i nnriciAnaa o.n
10 estrangeiro.
essa poltica com
quando dizemos a
pense qoe nos referi,
cuja appprencia sim.0
-gem susjeita como 0
Patria. 0$ jornaes 0
sa ponlilical Dcaram
exolusi'iflrue "^
niinc/Uesfopo o /
sa, o Sech a urna
ser-lhe prmiltido v
liberdade
rensa parisiense stuaVJ
usiasmo* sgniuca*^
rensa parlsiruae nao si,
s somcoto pos joroaea,
cial toruam 1 sua lingua-
onstitucional, o Paiz e a
monte dedicados a cau-
doa sob a preoecupaco
(5q, u/ros orgos pree-
.. biyfebatet, a Impren-
voz fettr.ilanm o paiz por
para \ :iar o comeco da
Era Loores o tfr%ing Chronicle e o Uoruing
Post, orgl do lord Walnverston, appellidam o de-
creto imikrialunJ rcconciliacao do imperio
com os dititos podjilares do governo represen-
tativo vem em tufo isto uma nova garanta dos
destinos nanos, erUma certeza de que a Fran-
ja se tornacada v berdade. .sses amigos dos jornaes ingleses sao
de alguma forma um manifest semi-official om
rdem a ijmar a ajlianca anglo-fraoceza.
.nifi/^ d" A'lemanh Pelo conlrario ho
tft desconanca contra a Franca
clamar overot r<** 5 elles se poseram 'a-
SraquI^Xt'10'1 """beodo-so -"preaentanles da nagio, o tor-
Senhor, entregai Italia essa nobre porco 1
que jhe pertencea Venecia 1 Abri o preco essa 1
cessao, e qualquer que elle seja, nos Italianas nos !
reuniremos parj comprar esse terreno glorioso,
iremos todas depr as nossas ofTrendas. Si nao
baslarera os nossos recursos, aceitaremos o soc-
corro dos povos amigos que viro auxiliar a nos-
sa obra : em ultimo caso, se preciso for, estende-
remos a mo para mendigar a esmola abenc_oada
aquellas almas generosas, que nao duvidam sa-
crificar o seu bem estar em proveiio da causa da
liberdade!
Evitai, senhor, as hitas lana armada ; evi-
lai o derramamento do sangue I Na Italia nao
tendes fortalezas, nao tendes subditos I Nos eo-
sinaremos aos nossos lilhos a pronunciarem a
palavra P*ria antes de ensinar-lhes a balbu-
ciarem o nome de mi ; e lhes diremos : sses
soldados estraogeiros que vos governam sao vos-
sos oppressores 1 Filhos, tornai-vos grandes para
expelli-los. tornai-vos horneas para resgatar a in-
dependencia custa da vossa vida I
Senhor, medilai bem I Nos vos supplicamos
cora todas as torgas da nossa alma entregai a
Venecia. Imponde vos mesmo as coodices ooe
quizerdes: o nosso patriotismo nao recuar pe-
rante sacrificio algum I s>
Esta supplca locante, este conselho eloquente
le acaso a torga bastante para ganhar a causa
da Venecia ?
Dizom que para Vctor Emraanuel receber o ti-
tulo de rei da Italia nao se oppe consideraco
alguma de ordem diplomtica ; apenas espera
elle a reunio do parlamento afim de receher
essa nova qualficago dos proprios representan-
tes do paiz. NNo reino de aples ho appareci-
do diversos rao viajemos mesmo dentro da capi-
tal : esses movimentos no sentido reaccionario
bastante senos obrigaram o Sr. de Farini a trans-
miliir s autoridades a ordem de porem os Ab-
bruzps em estado de sitio.
fcWi VMS Sir. rijla-^raiJllCTJOSS* SOaiicuei i
porque se certo que ha uma naci por longo
lempo escravisada basta um violento extorco pa-
ra reconquistara sua liberdade, tambem certo
que nao se entra em urn mundo novo e quasi
desconhecido como n'um palacio de anle-mo
preparado com todas as commodidades da vida.
Lom effeito nao ae trata s de conquistar, cum-
pre organisar a conquista : a Italia est neste ca-
so, e sendo assim, nao para admirar as diffi-
culdades quo ella deve encontrar nessa sua obra
ubonosa. E' de esperar que Victor Emmanuel
fel seren,r a fervescencia reaccionaria man-
conseel,a, pro,,1DC'a Sicilianas e na letra firme:
cara ,.S?, ru"ado. ao governo italiano II-
Z\Za\o7fp^t*ro de du,ar ?a mr-
nialrtivn m, 1 a cna> vm systema admi-
, ,!? P S" ",watec todos os inte-
resses, e mesmo a certos preiuizoi iutiliiladua
n.emnaes, n'uraa tal ou qul pioSso
cosfl8,,1.0,?!6^? latim' acaba de ^^' o
nioru i, "U e!n tfr8,,de c'reumpcripges ter-
ntonaea dolada de uma independencia adminis-
irauva pouco mais ou menos eartplela. A ba-
se racional em que assenta esaa nova organisa-
fao e a centraliaaco poltica militar e financei-
1 9 deceotralisago administrativa.
buem para augmentar o descontenlamento
As noticias quanto partida de santo padre sao
de todo contradictorias; mas ellas sao concor-
des quanto diviso que se ha produzdo no
seio do sagrado callegio e quanto opposigo
violenta que soffre o cardeal Antonelli dos ou-
iros cardeaos seus collegas ; as ultimas reu-
nies de suas eminencias foram calorosas, e
as dissidencias se manifostaram anda mais a-
bertameiite. E' com monsonhor Merode que An-
Uinelli se acha na mais doctorada opposigo De
tudo islo resulta a necessidade imminento de
modificaces importantes na alta adrainistracao
da sonta s. Todava o cardeal Antonelli nao
se supponhe aindajsacrificado : nao foi aceita a
demissoque ello pedir ao santo padro para po-
der juslificar-se das vilenlas increpaces que
contra eilo sao dirigidas.
A corte de Vienna concentra grandes torcas
as frontoiras dos principados Danubianos; por-
que, segundo dizem, tora descoberta uma vasla
conspiraco dirigida'contra a Austria pelos revo-
lucionarios italianos o hngaros, os quaes ( a
verseo qne corre) renunciando ao projcclo pri-
mitlivamonte concebido de um desembarque so-
bre seoslas do Adritico favoreceram os esforgos
dos Magyares invadindo as provincias com o con-
curso do principe Alexandre Joo.
Uma correspondencia telgraphica mais expl-
cita annuncira que o partido democrtico, pre-
ponderante entre as populaces Mado-Valaquias,
entrara em relagdes directas com os chefes do
movimento revolucionario na Hungra, na Servia,
e em todas as provincias slavas subraellidas
Austria e Tuiquia.
Nao so trata de nada menos do queestabelocer na
baca do Danubio urna grande repblica federativa,
daqual Hungra far parte.Receia-se igualmente
em Vienna que estejam de intelligencia o gover-
no Moldo-Valaquio o o gabinete de turiai ; po-
rm esta apprehenso sera tundamento se se
lhe attribuir o carcter de allianea effectiva :
com ludo ella nao tesponde por um laclo bstan-
le roai que merece ser attendido. Os habitantes
do Moldo-Valachia edu muilas outras provincias
vizinhas formam uma populaco total de cerca
de dez milhoes de almas, que'se dizem descen-
dentes do antigs colonias romanas o italianas :
a lingua que ellos fallam pertence ao grande ra-
mo das linguas neolatinas, e ledos sympathisam
profundamento cora a Italia.
Rm Turim nao se ignora tudo isto, e o gabine-
te nada tem poupado para estrellar cada voz mais
esses lagos de sympathia, que um dia podero
favorecer o desenvolvimento da marinha italiana,
e servir de apoio ao novo reino para fundar este
a sua influencia no Oriente. Ora, nao se deve
nunca perder do vista que a Italia, uma vezre-
gcoerada, vollar necessariamente as suas aspi-
rages para o Din de representar um papel pre-
ponderante no Mediterrneo : seus interesses. a
isso a impeliera, o seu passado lhe o instiga. E*
portanto evidente a toda a prova que em boa
poltica o gabinete de Turim dever preoc-ipar-se
do apoio que poder enconlrar as margena do
Danubio nessa eventualidade de uma nova luta
contra a Austria.
Se, como asseguran, existe as fronteiras da
Auslria e da Turqua uma vasta conspirago li-
beral, o novo principe da Servia deve estar pre-
parado para lomar nella um lugar importante;
por quanto passa elle por ler abandonado a pol-
tica austraca e russa para approximar-se da
poltica da Franca e do Piemonte.
O gabinote grego pedio a sua demisso em
consequeucla do Iriumpho parlamentar ganho
pela opposigo liberal: o rei porm nao don essa
demisso, e ordeoou antes a dissolugo das c-
maras. Sao graves o estado poltico' desse paiz
e a agilago das populages, sobre tudo em face
do que se passa j na Buropa Oriental.
O Sr. Limos, que gosava de grande reputago
liberal e scientifica, subi ao poder ha seis mezes
no momento mesmo em que so tornava mais
activa a formen taca o das ideas e das nacionali-
dades : em lugar'porm de por se frente da
opiniao publica elle a abandonou, perdendo
assim a reputago de que gosava ; o que veio a
verificar-se na primeira sessao das cmaras
quando leve de proceder-se escolha do respec-
tivo presidente: nessa occasio o governo foi
balido com grande satisfago do paiz. O rei quo
conheceu a impopularidade do seu ministerio
nao pode sustoota-lo seno por alguns das. Dis-
solvidas as cmaras, appellou-se para o sufirsgio
do paiz: r riirn i:m felo 411 n trar novos acon-
tecimentos.
China.Kmprehender n quasi 5,00Q#guas de
distancia uma guerra contra uma na^To de 300
400railhes de habitantes,com a raolu'co lomada
de an\e rain e oirtu rt arw na sua propria
capital lo povoada quanto o slLondres e Poriz
reunidas, na realidade um casteste que bem se
podeita ter como a maior das teieridades I Essa
guerra, por muito lemeraris qw fosse, fornece
um juizo claro sobro a poca fesente, uma
manifeslago evidente da torc e do poder de
Occidente, um desafio dirigidf pela Europa ao
velho Oriente, uma advertenca a este afim de
quo deve preparar-se para reober. bom ou mo
grado, a influencia irresisiil da civilisago
europea. 1
Na China os anglo-franceze foram de victoria
em victoria desde o comeco Je hostilidades. Se-
gundo as ultimas noticias, Ye sao de 23 de se-
lembro. se achavam elles a/arapndos a 3 leguas
de Pekn avistando as alas muralhas dessa
capital. '
Entretanto nos combates(c 18 a2loinimlgo
?nn!,V* a'nda p0Sl em hT* mais d0 .ue 3
4U.OU0 Trtaros: oque led feilo conceber-se
algomas duvidas, vendo-se o governo chinez
onpor forgas tao diminutas para defeza da capilal
j ua concluso da uerra. [ha, o exercilo im-
perial se eleva era tempo d< paz a 740,000 ho-
mens, dos quaes pcrlencem ^civallaria 175 000-
lo possivel que os combates de Ch'sng-
'0 novo desojo de negociagdes ser sincero,
nao passar. de ura meio para ganhar tera-
1 Bis uma questo bem melindrosa. Ojn-
arno aproxima-se; nessa parte da China o
lo extraordinario ; os rios e os canaes (Icario
Helados atS ro grande profundidade; as com-
municage doa\Franco-Inglezos com o littoral
serio iaterrompidM. o tornar-ae-ha diffieil a
^avegagao sobro a costa.
rPor consegointe os Chinezes devem ter tanto
aTteresso em ganharem tempo, quanto osalliados
|m chegarem a urna solugo diOaitiva. Lord
Elgin e o baro Groa saben com que iniaigo
leem a naver-sc, e de presumir qoe as oeg0-
ciagoes sejam mterrorapdas arrebatadamente ae
os Lhinezes pereistirem no seo espirito habitual
de chicana, e irresolugo.
G. M.
iWTEHIOB.
Smf*n(inrf f cb"; fenle de 200 ......
JO0.000 Trtaros, Mogolos./eChinezes? E' este
um1 objecto para mut graves apprehensoea.
. A l deaeterabro mandarina enviados oaqua-
idade de parlamentarios m apreseniaram ao
baroo Gros e a lord Elgin para anuunciar-lhes a
prxima chegada do principe Kong, irmo mais
veJho do imperador, encarregado de. negociar
com elles as coodiges da paz.
!iV0.mV,tBbein P*ra a* 'diccoes niunici-
paes da Italia de muitos secuto.
O plaoo obra do Sr. de Hioghetti : diride
o estado italiano em dez paizes correspondentes
s antigs divisoes histricas da Italia, os quaea
sao : PiMiMlt. L.guria. Nodena, Parma. Tos-
cana, Lombardia, Nepoloa, Sicilia, e Sardeuha.
cada paiz ter um governador geral, e um coo-
8eIho olecttvo ; e ser dividido em provincias ad-
BIO DE JANEIRO.
11 de dezembro ato 18 t O
Por decreto de 6 do correte mez fei transfe-
rido para eadeiradepaisagem da latperial Aca-
demia das Bellas-Artes o professor da cadeira de
desenlio figurado goslioho Jos da Motta.
Por decreto da mesma data foi conced la a
cada um dos guardas nacionaes da provincia da
1 rahiba Franceltno Antonio Marques e Antonio
Flix da Cooceigo, que em servigo nacional fi-
caram inotilisados, penso de 500 rs. diarios.
No dia 8 do correte appareceu um indivi-
duo no escriptorio do Sr. corrector de fundos e
mercaduras Guilherme de Lara Tuper, procuran-
do para comprar 500 soberanos.
Estando ausento nessa occasio o Sr. Tuper,
effectuou um seu erapregado a venda, rerebondo
em pagamento um vale de 5:000 com os no mes
dosibanqueiros Gomes & Filhos, do qual deu
2U0> de volla.
Hontem sendo apresenlado ao troco esse vale,
reconheceram os Srs. Gomes & Filhos que a sua
lirraa tora n'elle falsificada grosseiramente.
^5'8 1ue mesno ladro fra hontem ven-
der 200 desses soberanos 8$80 no banco Com-
morcial e Agrcola, e que a 99200 conseguio pas-
sar mais 250 era uma casa ra da Valla.
O Sr. Charega, com lithographia travessa do
Ouvidor n. 2.3, descubri tambem hontem que lhe
faltavam dous recibos de uma porco que devia
entregar aos Srs. Gomes & Filhos, e que sao evi-
dentemente os dous que teem sido apprehen-
didos.
A polica procede a averiguncoes sobro o facto.
12-
Pjr decretos de 6 do corrento foram no-
meados :
Chefe de secgo da contadoria da marinha, o
1. escripturano Miguel Joaquim Ribeiro de Car-
valho ; -
1. escriplurario, o 2."
Franga ;
2. escriplurario o 3.
Castro ;
3. escriplurario, o 4.
Lima.
do e Lima u- u<.
hyras, da dioceso da BaHia.
Foram nomeados: *"
O bacharel Abilio Alvaro Uartins e C
juiz municipal e de orphos dos termos^
dos do Rio Tardo e Encruzilhada, na provii
do Rio Grande do sul;
O capiio Ascanio Julio Gomes Belfort, aoaje
ajudante do commando sopartor da guarda
conal dos municipios 4o Rosario loal, 6
profincia do Maranho ; ,* .^T
Antonio Candido Gabral^capilTaterelario ge-
ral do mesmo coaaotonde superior.
O lenlo Manoel Antonio Airea Ribeiro. ea-
plto qiiartol-mestre do commando superior da
guarda nacional dos municipios de Aracaly e S.
Bernardo, da proviucia do Cear.
Foi transferido o tenente-coronel Alexandn
Jos e_\veiros, do batajho de.inanlarU n. *
da guarda nacional da proTincir do Maranhi
para a i eegio de baUlho de reserva da ref
nda guarda.
Foram concedidas:
A Antonio "de Magcarenhas Camello, asho
ras do posto de ten'ente-coronel, que exerceu n
anliga guarda nacional da provincia de S. Paulo
Ao padre Antonio Braga de Araujo. vigario d-
freguezia de Guarapuara, na provincia do Para-
n, as honras de conego da S de S. Paulo;
Ao padre Lourenco Borges de Lemos, vigario
da freguezia da Penha da capital da Bahia, as
honras de conego da S Metropolitana A
Foi aceita a desistencia que fez Manoel Gov
mes da Cunha e Silva da serventa vitalicia de
partidor do juizo de orphos do termo de Ara-
ruama na provincia do Rio de Janeiro.
Foram com muladas:
Ao bacharel Jacintho Jos Coelho. era 200 rs.
para a casa de caridade da cidade de Cabo Fri,
na provincia do Rio de Janeiro, a pena de mez
Jos Bernardes da
Lourengo Bibiano de
Francisco Antonio de
Por aviso de 10 do corrente conredeu-se dis-
pensa do exercicio interino de raemhrodo con-
selho naval ao canito de fragata Joao Mara Pe-
reira do Lacerda, e nomeou-se para interina-
mente servir o diio encargo o capiio de mar e
guerra Raphael Mendesde Moraes e Vallo.
Tomaram hontem o grao de bacharel em ma-
Ihematicas e sciencias physicas os seguinles Srs.
alumnos desti escola, era nunr.ero de eincoenla e
Ir s :
Antonio de Senna Madureira, Antonio Eleute-
rio de Camargo, Antonio Jos Raposo, Antonio
Mascarenhas Tellos Freilas, Antonio Jos Ramos,
Antonio Lardoso Cotrim da Silva, Antonio Luiz
da Cunha Bahiana, Aureliano Ferreira de Carva-
liio, Amenco Rodrigues de Vasconcellos, Alvaro
Joaquim de Oliveira, Antonio de Oliveira Guima-
raes, Bcnjamim Constaiu Boielho de Magalhes,
Ohrysolilo Ferreira Castro Chaves, Clao Gomes
Jardira.-caadi,!,, Jl)S Coolao dMoura. Diogo
VinaZ Vafco"lioS SobrTnh^=--: ,i:r!;
Voiga, Eugenio Adriano Pereira da Cunha Mello,
Francisco Bello Valente Cordeiro, Franklim
Mendes Vianna, FranciscoAnlunio Monleiro Tou-
rlno, Firmno Rodrigues Vieira, Gongalo Mari-
nho Arago Bulcao, Hermenegildo Luiz dos San-
tos Wernerk, Honorio Bicaiho, Trineo Jos das
Santos, Jos Corri Kernandes Jnior, Jos An-
tonio Rodrigues, Jos Thoraazde Cantuaria, Jos
ihora Salgado. Jos Eduardo Barbosa, Jos Si-
raeao de Oliveira, Jos Saldanha da Gama J-
nior, Jos Pereira Lete e Silva, Joaquim Rodri-
gues Moraes Jardiin, Jeronyrao RoJrigues Moraes
Jirdim, Joaquim l.eovegildo de Souza Coelho,
Julio Adelo Falco da Frota, Joaquim Velloso
lavares, Jos Augusto da Rocha Lima, Luiz
Francisco Monleiro de Barros, Luiz Antonio do
Miranda Freilas, Luiz alaria Gonzaga de Lacer-
da. Manoel Bernardes Calmon, Manoel Antonio
da Silva Res, Manoel Jos Pereira Jnior, New-
ton Cesar Burlamaquo, Pedro Dias Gordilho
Paes Lerae, Secundioo Felaflano de Mello Tara-
borim, Vicente Mara Paulo do Lacorda, Jos Ti-
burcio Pereira de Magalhes.
14
Por decreto do 19 do mez passado loi condeco-
rado o Sr. Nicolao Henriqnes Soares com o ha-
bito da imperial ordem da Rosa.
15
A grande sosso anniversaria Tdo instituto his-
trico ter lugar hoje, pelas 5 horas da tarde, no
pago imperial da cidade. O programma o se-
guinte :
8S. MM. II. sero recebidas na entrada io pa-
go por todos os socios presentes.
Os Exms. Srs. conselheiros de estado, minis-
tros e secr latios de estado e bispocapellio-mr
sero recobraos por uma commisso na sala in-
mediata da sessao e cooduzidos ao lugar que
lhes compete.
Os Exms. Srs. do corpo diplomtico fero re-
cebidos por outra commisso entrada da sala e
conduzidos seus lugares.
Os Srs. socios do instituto, tanto eHectivos co-
mo correspondentes e. honorarios, loniaro as-
sento promiscuamente ao lado esquerdo da sala,
principiando da mesa em que devem estar o pre-
sidente, vice-presideutes, secretarios, orador e
Ihesoureiro.
Os Srs. ministros e conselheiros tomaro assen-
to ae lado direito da sala, seguindo-se o Sr. his-
po capello-mr, corpo diplomtico e consular,
etc.e promiscuamente os demais convidados.
A ordem da sessao a j publicada oas tullas
diarias
Uma banda de msica tocar antes e nos in-
valtos das leituras escolladas pegas, bem co-
mo o hvmno naciOtlaTJa-'-cfiti1iavq^?.tlida de SS.
MM. II
-16 -
Foram nomeados ofOciaes da ordem da Rosa
Jos Francisco de Souza Werneck e Pedro Jos
Pinto Cerqueira ; cavalleiros da mesma ordem
Antonio Leito da Silva e Joaquim Domingos
Lopes.
Por decreto de 11 do corrente foi Manoel Pe-
reira Res nomeado professor de desenho hydro-
graphico da escola de marinha.
Tomaram hoje o grao de bacharel cm mathe-
maticaa e scieocias physicas os Srs. Antonio Va-
leriano da Silva Fialho, Gustavo dt Reg Mace-
do e Pedro Tiel Monleiro Bitlencourl.
18 -
Por decreto de 10 do corrente foi nomeado 2
cirurgio do corpo de saude da armada o Dr.
Augusto Newis.
19-
Consta por uma carta de Benevente em 12 do
Correle ter fallecido o Sr. baro de Iiaperairim
de um ataque de estupor, do que fra accom-
meliido ero sua fazeuda do Banaual, no termo de
Uipeaairim.
-21 -
Foram nomeados :
Official da imperial ordem da Rosa, Candido
Brrelo da Silva Franco, o cavalleiro da mesma
ordem, Claudio Huel do Bacellar Pinto Guedes.
Cavalleiro da ordem de Cliristo, o vigario An-
tonio Gomes Coelho do Valle. '
22
Temos datas do Ouro-Prcto at 15 e de S.
Paulo at 18 do corrente. As cartas que deixa-
ir.os transcriptas resumtn as oceurrencias de
maior intere&se.
23 -
Por decretos de 14. 18 o 21 do correte foi
apresenlado o padre Francisco Antonio de Uzo*

o
cauoes para
2 da
1.
tire
que
e meio de priso que lhe foi imposta porsenten- L?,rv!T!?en(l0','; eD" con*cn<:ida qnci
gado subdelegado da freguezia de Nossa Senl.o- h n"'.C "8 P,ar.a sempre. ahi seo geni-
_ -_._. ^ }-ii.-nv fue 111c mi mi|(U3tii yui sctitcu*
cado subdelegado da freguezia de Nossa Senlio-
ra da Assumpgo;
Ao reo escravo Manoel, cabra, em gales per-
petuas a pena de morte quelho foi imposta pelo
jury do termo de Caet, da provincia de Minas-
Geraes;
A Francisco Gomes Lima, era 12 annos de pri-
a peno de gales perpetuas que lhe foi imposta
pelo jury do termo de Pao d'Alho, na provincia
de Pernarabuco.
Foi perdoado a Antonio Thomaz Pereira o
resto do tempo que lhe falta para cumprir a pe-
na do 14 annos do priso que lhe foi imposta
pelo jury do mesmo termo.
Foi nomeado inspector de saude publica da
provincia da Parahiba o cirurgio-mr Joo Jos
Innocencio Poggi.
Porara nomeados:
Official da imperial ordem da Rosa, Manoel
Venancio Campos da Silva: cavalleiros da mes-
ma ordem, Joo Carneiro do Alraeida, Manoel
da Costa Rocha, Guilherme Jorge da Meta, Ma-
thias Jos de Carvalho, Joo Mortiniano Fonta-
nelas, Joo Jos Ramada e Costa, Manoel Jos
da Silva e Duarte Claudio Huet do Bacellar Pin-
to Guedes; cavalleiros da ordem deChristo, pa-
Jos Alexandre Gomes de Mello c Dr. Galdino
Emiliano das Nevos.
24
Entrou hontem dos portos do Rio da Prata o
paquete francez Saintonge.
Touxe-nos folhas de Montevidu at 16 do
correte, de Buenos-Ayres at 14, e do Paran
at 9.
De Montevidu as noticias sao dislituidas de
toda a importancia.
A mesa central escrulaJora j havia terminado
a apurago dos rotos, o proclamado 09 represen-
tantes da 9 legislatura.
Ainda nao tinham sido nomeados os membros
da junta econmico-administrativa; segundo a
Repblica, em breve o seriara.
A questo da substraeco e falsiflcaco dos
ttulos do propriedades 'territoriaes achava-se
quasi concluida, sem dar nada de si. Dez indi-
viduos, refere a folha official, tinham sido postos
em liberdade por falta de fundamento para a
pronuncia. Ficaram apenas detidas, de tantas
prisoes que se fizeram, quatro pessoas.
Fallava-se em um projeclo de tratado sobre
extradigo de criminosos enUe o Estado Oriental
e_a Co"''*or',5o Argenlio---
Froi Vic -?"ua ArgumiaJ que, eirmo j noti-
ciamos aos leitores, tinha recebido, requisigo
do geral da ordem franciscana, ordem de sahir
para fra do paiz, implorara a protecgSo da cum-
raissao permanente, e em quanto esta resolva, o
governo havia suspendido aintmago do sahir.
Publicara as folhas, acompanhado do parecer
da coramiseo consultiva, o projeclo de systema
decimal que o governo pretende apresenlar
prxima legislatura e que roger de 1866 em
doslo,
As nossas relaroes com aquella governo con-
tinuavara no mesmo p.
lancia toma occorrido.
Mitre j se achava de volta ; as eleiges de de- de autoridade que mantenha a
potados ao congresso teriam lugar no dia 23 *-- "-,------J------------
lo rr,n, .... -______^^ j__:-
alinda que com grande pezar, a
no, rfluiroz e Acosla. seus corapanheiros
m generosos, tossem levados de euvoll
cirro e Iangados no fosso commum.
Josi, Hayes e Pedro fossera levados
oaae tire que reeorrer ao convento de
ragos e de assentsr o nome dos morios
irina.
2 61|2toi levado o corpo de Jos, oj-
poisdxncommeodo-la; enio convencida que i
a <..ill .... .^___. .
n-l. 10 u
dos. Quajido acor'dei. Uve'quo bandonp.
da que contra vootade, as ruinas que ttf
daavam ; mas em todas as direeges nao, ,evN
senao charcos de sangue, porlC4^-ciTroni>,3
bahus vatios e despegados, pois emqjian?ir'u
matavam outros saqueavam. nao deilar-ut sel
quernem o anne! de casamento no dtdo Tua
infeliz irmaHelena.
E' com a maior repugnancia quo transcreve-
mos essa caria ; cusa ouvir a narraco de se-
melhantes horrores.
Do Paraguay nao ha noticias modernas.
Pelo vapor Apa, da liona do sul, entrado hon-
tem, temos data de Porlo-Alegre at 14, do Rio
Grande at 19. o de Santa Catharina at 22 do
corrente.
As noticias sao de pouco interesse*
Os trabalbos da assembla provincial rio-gnn-
dense achavam-se paralysados porque s hara
na capilal 10 morabros que o numero restric-
tamente necessario para formar casa, e esse Ri-
mero raras vozes se reuna.
A proximidadc das eleiges convidara os re-
presentantes da provincia a recolherem-se ssuai
locallidades para pleiloarem suas candidaturas
e as do seus amigos. Suppnnha-se portanto que
eslava finda a sessao deste anno, apelar de nfn>
se acharem ainda votadas as leis do ftrgamento
e de fixago de torca.
Antes da interrupeo dos trabaAnos, khou\e em
diversos dias discussocs caloras, fias quaes
uma pequea minora da asserdnla jecusou o
presidente da provincia do lotervir as eleiges.
Era processado no juizo eclesistico o Rvd. pa-
dro Brito, vicario da cathedral, Jem consequencia
de um casamento celebrado poa sua autorisaco
em supposto artigo de morte, e do que resultou
um caso de bigamia. a
Pela secretaria de polica tirTham sido expe-
didas as seguinles circulares :
Secretaria de polica de Porto-Alegre, 20 de
novembro de 1860.Muito recommendo a Vmc.
a pontual execugo do officio circular que na mi-
nha ausencia desta capital lhe dirigi o Exm. Sr.
conselheiro presidente da provincia datado de
18 de outubro, despertando a attonco da auto-
ridade publica para que senu.r*^o-.bi'.itae*t'e
sanguinarias, como as que se deram no 01a 8 tfi
selcmbro prximo passado na cidade da Cachoei-
ra, nao se reproduzam as eleiges primarias a
que se vai proceder no dia 30 de dezembro. *
pqrque muita ''nvonha acabar com o nveir*a"
^"^'""""ao'ToTrmt. u..ez.s na8
ras e mais lugares das cidados, villas o povoa-
coes cumpre que Vmc. faga prender em flagran-
[!1, S|aApeSSOaSque forem 88sim encontradas
seja qual fox a sua cathegoria e posigo, proces-'
sando-as1 logo nos termos do art. 3 da loi de 26 de
ia "bfde S?- ,De08 8"rde Vmc.-O chefe
de polica Eiuardo Pindahyba de MaUo$.8r
delegado de poiScia do termo de Bag
Secretaria da polica de Porle-Alecro tQ h
novembro de 1860._Recom-mernlaoASi1V.nt!
mente a Vmcs. que pt* forma alguma constntam
que pelas ras dessa ciide percorram sernelas
J
En, Buenos-Ayres nada igualmente de impor- iu queque,^ajuntamonto* $l"w Z71
ncia havia occorrido. O snrdrnmtnr onnernl un nrocoila .-, Iin..nn t'UJ I P"*
O-goveroador general isso se proceda a licenga. e flP fltlI/irtr1jilQ mo r.1 r. n t.,..U.. r
ordem, e vede
~tJ2JS7i2i?n """ & SSSS.J**. .?/ X* -
que corresponden] a Buenos-Ayres.
lie Paran ainda nio traz este paquete a orga-
oisagao definitiva do gabinete nacional, continu-
ando a pasta de relages exteriores a ser preen-
chida interinamente pelo Sr. Riealra, minilro da
fazenda, a do governo pelo Sr. Olmos, minislro
do culto e instruego publica
Segundo a Tribuna ; foram chamados sucr.es-
sivamenteos Srs. Valentin Alsina. Carril e Pico,
para orgaoisaretn o minislerio, que nao accei-
larara.
A desintelligencia que existia entre o Sr. Pujol
e o governo nacional, e da qual j draoconhe-
cimento aos leitores, apresentava melhor face. A
dar-se crdito ao que dizem tTribuna e o Nacio-
nal, a provincia de Corrientes j nao resista a
por em execugo o decreto do Roveroo nacional
interpretativo da reforma aanecionada pela Con-
vengan ad hoc, relativa eleigo oos successores
dos representantes e dos senadores, cujo direito
caducava pela mesma reforma.
O Sr. Alvear lenunciava nomeacSo de envia-
do extraordinario e ministro plenipotenciario
junto ios Estados-Unidos.
Uma revolugo sanguinaria tinha arrecentado
na proviocia de S. Joo cont/e o goveroador
legal o coronel Jos Virasoro. que perecer em
combate.
Ot revolucionarios apodenram-se do poder, e
flcava do posse do governo da provincia o Dr.
Aberrattaio.
Amdl nao eram conhecidas ofucialmente as ;u,"s uu acaso um
circuintancias que acompanharam essa revolu- Ia victima al sobre o thalamo ?
gao; 0%i>fnaes do RilAima. Aviva a lln Pirani r___
hn teJe, Pl,cla. E- P- de Jfatos.-Idonlico a lo-
dos os delegados da provincia.
O Correio cto Sul, sob a rubrica Algrete diz :
Noticias do Algrete a: 22 do passado an-
nunciam a estada do Sr general Csnnavarro, em *
cora.inarao com sous amigos polticos, para a
escolha da chapa de deputados
Tinha havido avisos ae que prelendiam in- '
vad.r e inutihsar a typographia do Algreteme ;
masnada parece que os autorisasso. :
Os Srs. Mathias Teixeira e Dr. Vicente Fer- A
rera omes, que andavam este para Uruguayan-
na. e para1 M.ssdes aquello, linham-se recolhldoo
Alegrte atnbos.
Aguardava-se nsquella cidade uma eubs-
cnpgao para o monumento de Cames.
Le-so na mesma folha :
Mais um myslerioso assassinato nos an-
ounciado de S. Borja.
No dstricto de Caraaquam, prximo aquella
nm inSE' "Ce" ?r'" COm vari" Pnhiloas
sorte qUe ia Par" par com 8Uacon-
Como foi isso? Que horrirol drama se revela
por essa morte pavorosa ? .
Nao o dizem. nem nada acreacenfSai maie
as nossas cartas, mas a justiga deveria dize-lo
bssa mulher que all dormia ao p do ho-
rnero a quem jurara amor e obediencia, seria
. culpada no enrae ? Foi seu brago que rasgou o
coragaode seu marido a jura mentida deaeus la-
as i01"8 0u acaso um criminoso ousado foi ferir
gao; o
segund
ciaco
narra a
Espe
passa-1
jomaee de Buenos-Ayres e do Paran,
lo seu credo poltico, divergem na apro-
as facloa e se contradizem. Cada um
Iu modo esse triste acoolecimento.
ios, pois, -noticias mais positivas para
ao leitor; o-y !anto els aqui a esse
Veremos se algum dia a justiga rlrfegka pera-
trula-lo e descobri-lo : porm fr./ca espe-anca
temos dtsso, se ella continuar om/?. Borja j)pm0
linda ha pouco estava. Dzemot/isto porqueros
tonsta que quasi pelos mesmoS dias do anierto
respeito umciTtrta\\a7. S^sSS^^SXmS^!SA^^ qU*m prH\
cscrtpU a seu irmao. publicad. neTa- m^^?"?"*** l^*n*
LMJELHOR EXQyPLA^ENCONTRADO
escripia a
Pacijica.
Meu querido irmSo.Mendonza, 10 de no-
vembro de 1860.Fazendo um esforgo sobrena-
tural, posso dizer-te que hoje fazem doze dias
que teu irmo, e meu querido esposo, foi cobar-
dimente aiaassinado por um grupo de homens,
oa raaia decentes de S. Joo, sendo victima "com
elle noso 'irmo Pedro, Hayos, Cano, Quiros,
Acosla, e tambem um tal Boleo, que havia che-
gado um dia antes, e que cu at ahi nao con-
hecin.
Eram esses os homens que se achavam em
nossa casa naquelle momento. Seguros dislo.os
sicarios arremessaram-se s 8 da manhia do dia
16, tomando todas as sahidas que podiam ler os
atacados, eem numero de dez a quinze pessoas
contra cada ua dos que estavam ajli. Assim
foi, que nao tiveram tempo de fugir, nem de de-
fenderse, e em poucos minutos todos os que
acabo de nomear eram apenas cadveres.
Como tu sabes, meu desgragado Jos no
tinha neaa busca va mais gozos que os que lhe
proporciooava sua familia. Assim que naquelle
momento o encontraran) rodeado de alguns do
seus lilhos, pois outros ainda dorman. Alexan-
dre se achava em seas bragos e a Providencia o
pode salvar. Joa cahio crivado de balas, mas
o menino, coberto pelo seu corpo. foi arraneado
da debeixo do seo cadver, sem coniuso alguma
seno produzida pela queda.
a Eu que achava-rae um pouco indlsposla es-
tava deilada e dorma naquelle momento ; o es-
trepito de um diluvio de balas dentro de asa me
fez saltar espavorida da cama, sem poder fazer
mais que lomar um roupo: descaiga e roela
despida (ancei-aae no meio daquelta turba de
toragidoB, procurando meo marido o meus
ihoe.
Desgracadamenle neitmm doa Uros qe sobre
de um Indita que appareceu morto dentro do seu
mesmo rancho, e suburbios da sobredita villa.
Havia dias que o rancho nao era frequentado
e por flra l foi aehado o proprietario morto. An-
dou-se, virou-so, mexeu-so, e por ultimo grecas
ao Sr. Falco. Io supplentedo delegado de poli-
ca e juiz commissario das mmllfes de trras pu-
blicas, que compareceu pace aquello acto jurdi-
co, e constalou a morte por apoplexia.
Felizmente dizem-nos que o Sr. Dr. juiz do
direito vai procurando a seu turno endireitar
lanas cousas tortas, dando o exemplo da rectido
da justiga e da regularidade.
8. S. depois de ter presidido uma otsf* "^
jury em Ilaquy, e de ahi ler feito eorre
tara para S. Borja. e annuncira a abe
jury para 26 de novembro, e a da corr
1 de dezembro.
Temos em Porlo-Alegre uma cel
c Chegaram ltimamente dous con
pelo jury da villa de Santa Mara, e
o Prussiano Joo Fredcrico Sr-fc
annaes do crime pelo b'
infeliz consorte.
Este rannstro, de q\
fallamos, foi sentenci-
acha-se recolhido
tro desgragado,
Florencio Paim
do priso po
Fot assassi
Antonio d'A
nos de idade
recelo de Ca
No Jaguar
Eduardo Don
Ihador do sr
O Sr. cr
la cidade
de Chu-
aY
i rrontADo



DIARIOl. PERNAMBUCO. s* ^ tiTA g
-'*-se no Cinmerciai do Rio-Grande, 10b o
tilulo-uesordens no mar.
O dia 8 foi um tanlo aziago para os maritl-
No patacho Tygre ura pteto mariuheiro quiz
cstaijucar o capiUo.
No S. Janutrio deu-se igual aconteciraenlo
Cora o cauito do raesmo navio.
No Singular lambem oulro escravo mari-
nheiro l'Tantou-so contra o conlra-roestre c
quiz-U| furar u tripas.
Xa barca Ueslaura^o (anliga norta-araeri-
cana Hedor) uui raannheiro norte-americano
t com un pedai;o de carvo da podra quebrou o
nariz e quasi (ura os olhos Ue ura escravo.
Os tres priraoiros acham-se recebenilo o com-
pelite premio de suas sganhas na cadew, e o
ultimo desapparcceu, porra a polica trata de o
cap'urar.
Nbdia 15 cahio agua no Rio Grande urna 110
va brea de excavado construida de ferro.
DoSanta Catharina nada temos quo accrescen-
Ut parta quo deixarnos transcripta.
V-tao* dalas dn Paran al 17 do cormnln.
Vt'a occorrora de,importancia.
"jfrsU-no"! ijno polo governo imperial acaba
iler approrado o contrato celebrado entro a
presVi''";^ da l'.ahia c o Sr. Joaquira Jos do
Araujo t'oa'i'iM p_ra o cstabulecimento de urna
colonia do familias brasileiras na margem do
Jio Pabilo,conformo a aulorisa--ao o insirueces
dada /Apuso do ministerio do imperio de 23 do
outnbro proxmo finito.
A colonia, seguido nos informan), ser funda-
da na margem di.eita daquelle rio; entro osdous
saltos deoomiuaiios de baixo e de cima, e em
terrenos devulutos que para esse fim a presiden-
Ctirmander inmediatamente edir e demarcar.
Sessa colonia sern recebidas de preferencia a
quaesquor outras as familias que tein sido im-
pedidas pela secca e pela fome a emigrar de di-
versos pontos do interior da provincia para as
proximidades do Rio Pardo. Alli recetar cada
urna dolas um lote de tenas de250a 300 bracas
de lado, convenientemente medito e demarcado,
com urna derribada de 1,000 nacas, mais ou
menos, j queimada o com algdm principio de
cultura de gneros alimenticios.
O contratante obrga-se alm dfrsoa forneccra
cada familia ou colouo nao s os meios precisos
de transporte para a colonia, mastambem casas,
semientes, instrumentos de lavoira, casaes da
cnacao e animaos domsticos, plvora, chumbo,
o durante os primeiros seis rae/.es do eslabeteci-
nienlo de cada colomno nina inensalidade de 8j
nos que nao tiverera familia, do 15g ,aos quo a ti-
verem legitima, comprehnndendo ale 5 pessoas,
o de _">.-> as que excedern) a esse numero.
Nao lor.io porra direito a essa raansalidade os
colonos que possuiium algons bens ou recursos
proprios, e os que se empregirem, mediante sa-
lario, nos trabalhos da colonia. \
Os colonos (icam obrigados a pagar a wpor-
taocia do seus rospectivos lotes ao preco de lj
real por braca, e bem assim a dos sdiaotamektos
que receben, ludo isso no praso de cinco aunes
contados da data em que all as cstabelecerem.
As questes que possam suscilar-seentre o con-
traanle, e os colonos,- seta decididas por arbi-
tros, com recursa para o presidente da provincia.
A fundaco desse estaoelecimento ter lugar
dentro em seis mezes a datar da assgnaiura do
respectivo contrato, devendo achar-se reunida
no lugar da colonia, lido esse praso, urna po-
pularan de 500 pessoas pelo menos.
O contratante oflerece todas as garantas con-
venientes para a segunuca das obrigacocs con-
traalas com o governo n'cum a [azoada publica,
da quaj receber era prestacoes a somma de
40:ti008 liara o lim a que se oiriga.
A colonia lera opportunamenle um c.ipello o
um uiesire de primeiras letras, pagos pelo es-
tado.
A adopgo das providencias a que nos referi-
mos musir a sollicitudu com que o governo im-
perial procura proporcionar os uecessarios soc-
corres a essa porc.au do povo brasiloiro tao cruel-
mente flagellada pelos horrores da secca e da
fome.
Cumpria ao governo e ao sen delegado na pro-
vincia da Bahiu acudir, como tem felo, com au-
xilios promptos e remessas de vveres que po-
dessem rcsgatir de urna morte quasi corla a
centenares ou mudares do familias a queui a
ierra eslerilisada por ama secca abrasadora re-
ouaaaui _. miimm\i''*W^'vmf' . era mister, era indispensavcl prever sobre o fu-
turo dessos miseros e piY-los ao abrigo de des-
granas e privarnos idnticas as quo temos de-
plorado.
Este Ura procura o governo^ realisar com a
ereacao .la colonii do Rio Pardo~e de outras que
intenta fundar no mesino inluilo.
Faoemosofl mais sinceros votos para que essas
prelences generosas sejam coroadas do mais
prospero resudado.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE
PEBNAMBUGO.
Rio le Janeiro StSde dezeinbro.
bous assuojptosit-ualiueute graves, e umd'elles
cxlremaraeule doloroso, preor.cupam nesle mo-
mento a auene.io .eral do publico nesta corte ;
o primeiro, que j ha mais lempo a dominava,
a gran le campanha eleitoral que vai ser dada
no dia 30 do correle, e da qual portanto oito
dias apenas nns separara ; e o segundo, do qual
s uestes dous ltimos dias tivemos conhecimen-
to por noticia chegada pelo vapor Fraocez, a
lamentavel calaslropho da crvela da nossa ar-
mada D. Izabel, uaufragada nas costas do medi-
teraneo, onde se di/, que perecern) a maior par-
te dos olliciaes e marmheiros que faziam parle
da sua guaruigo. Alguns oulros que se salea-
ran depois de grande solTrimenlos e perigos,
conforme relatado em urna carta de um guarda
ruarinha escripia ao pai vieram taiubom no va-
por francez, e aqui chegaram aiuda milito mal-
tratados das consequencias do sen desastre.
Os jornaes de buje publicam urna noticia mais
consoladora, vinda por urna caria inscripta de
Londres, em que se diz qoo foram salvos por
um navio ingle/, alguns olliciaes naufragados da
crvela, e entre oulros o seu enramndome ca-
pil.io lente Rento Jos dn Carvalho, os quaes
lodos j se julgavam perdidos. Nao sabemos po-
rm que grao do veracidade e de criterio possa
ter esta noticia, e s o paquete inglez que se es-
pera no dia 3 de Janeiro prximo podera tirar
tolas as duvidas, e confirmar ou desvanecer as
fugitivas esperaneas das familias dos nufragos
que esta noticia "de hoja veto despertar, e cujo
desougano ser duplamente cruel.
A consternaco foi geral nesta cidade com a
noticia de tamanha desgrana, com raso consi-
derada como urna calamidade nacional o do-
mestica, visto como muitas familias ficaram des-
granadas, com a peda d'equelies que eram o seu
nico arrimo. Dizem quo S M. o Imperador e
toda a familia imperial, bera como o governo
foram dolorosamente irapressionados por ella, e
que se acliarao dlsposlos a minorar em ludo que
for possivel a desgrasada, surte das riotimas des-
la cataslrophe. Ura dos ofil.aes que se supu-
nhn perdido, e que agora se pensa estar salvo
conforme a uolioia hoj tecobida, o minio dis-
linclo 1." lente Caio Pinheiro de Vasconcellog,
cunhailo do ministrb da justica, e filho do con-
salheiro Pinheiro, muiio conha'cido nesta provin-
cia e em todas as partes do Imperio, por ser o
mais elevado membroda magistratura brasileira, e
um dos palriarchas da nossa independencia, em
cujos actos rauilo flgurou Da Bahia, sua provin-
cia natal.
Esta tristissiraa noticia veio pois fazer urna di-
versao no espirito publico, inteiramente preocu-
pado pelos cuidados eleitoraes; mas muito
provavel que seja dominada por estes, e quo a
cab ila consiga obsorver o sentimento que avia
produzdo o naufragio da crvela, reassumminlo
o principal movimento das ideias, sempre porem
coi sentido pacifico, para cuja seguranza cunipre
leconliecer que ltimamente todos se tem esfor-
{.ado, e que principalmente o governo tem to-
pado topaa as providencias qu o caso re-
quer: acreditamos portanto que a troquilida-
de publica nao correr aqui o atanor pango, e
muito desojaremos que por l lambem nao
corra.
Alera de lodos os motivos que ha era qualquer
outra parte do imperio porque sejs mantida a
ordem e a tranquilidado publica, ha aqui entre
nos na corte do Rio de Janeiro, mais um que
tem multa influencia, e que faz talvez o maior
peso na batanea das garantas da paz e da or-
dem ; isto aem do respeito devido lei e 4
autoridade publica, eocarrgada de a fazer cum-
prir e guardar, que urna coudijao geraLe-eeUp.
mum a todos os pontos do imperio, temos de
mais a mais a presenca do Imperador, e a ?ene-
ra;ao o sympalhias que toda a populado lhe o-
pre a eougervar-se dentro dos limites da moda-
ragio a da ordem. nao s para nao violar as leis
do paiz que a estabelecera e recommendam,
como tamOem para nao i lamelar o espirito do
monarcha ede sua augusta familia, nem incorrer
no seu desagrado, o qne seria para todos, seno
urna desgrasa, ao menos urna vergonha.
Nao que o povo do llio de Jan iiu.e era geral
o de lodo o imperio do Brasil asim proceda por
temor de odio ou de castigos decretados do acta
do throuo imperial,pois que sobejamenle --onhece
e esla acoslumado a recebar as mais significati-
vas provas da clemeocia e magnauimidade do
seu soberano; mai que por isto raesmo elle
nada se atrevera a fazer que podesse desgosts-
lo, o que por certo acconteceria com qualquer
perturbaco da ordem e tranquiliiade publicas,
mesmo que fosse accidental o momentnea, em
que elle fosso delnqueme. J v portanto que
aqui possuiraos cora a presenca do Imperador
todas e mais urna dascondices de seguranca pu-
blica que por l possuera.'o que nao obstante,
esperamos que as de l sejam snTicientes paia
garanti-la na quadra actual em toda a sna ple-
nitudc o a todos os habitantes deste imperio.
Como esleja lo immenle a dnciso do pleito
eleiloral alguns candidatos tem apronscnlado ao
publico a sua profissao do f o a exposico seus
principios polticos, o alguns grupos do cabalis-
tas das difierentes fresuezias cidade tem tamhem
publicado os seus programmas e as chapas dos
seus candidatos ao elcilorado, no intuito de al-
ralur as sympalhias e a confianza do povo vo-
tante. Entro oulros porm notavel o program-
'ii da commisso eleitoral da freguezla ue Santa
Anna, acomiiauliado da sua lista de nomes para
eleitores. como representantes das ideas libo-
raes, o qual foi publicado nob jornaes destes ul-
liraos dias. Como nao ignora, esta cousa de
ideas liberaes em poltica pratica, urna especie,
de caldo de substancia a que recorren) e se ap-
plicarn os candidatos que julgara em perigo a sua
influencia local, os que nao foram contemplados
na chapa quo se supe provavelraente vencedora
em qualqor localidade e em qualquer eleicao ; e
islo precisamente o que acoulece aos tae's libe-
raes de Santa Anna, e concimiitanleraenle a lo-
dos us oulros que agora se improvisaran) como
laes e adornarara-se cora os atiributos do libera-
lismo.
O Regenerador, peridico poltico de ideas
sas que aqui se publica, escriplo por urna das
mais habis pennas do nosso jornalismo poltico,
e que agora mesmo acaba do tornar-se diario para
diiTundir raelhor as suas ideas na populaco, j
tuina antccipadamenie discutido os difierentes
ponas do programma dos liberaos da Sanl'Anna,
como fazendo parle da feiso geral da nossa po-
liiica, e das aspiracos o esorjos de qualquer
partido que possa subir ao poder, e piincipal-
mente do partido conservador qoo j muito tem
feitu em favor d'elles. como bem podera atista-
lo a nossa legislaco. Disse porm, que havia
sement em tudo isto urna diffirenra, o que o
parifdo conservador com os seus hbitos de pru-
dencia e a sua experiencia dos negocios pblicos,
testa dos ques tem quasi sempre estado, nao
seria capaz de aveulurar-sc em reformas, seno
cora rauilo tino o umita opportuiiidade, nem ou-
lorgaria jamis as ideas e normas existentes do
governo aos azares de algumas utopias o novi-
dades, por mais brilhantes e lisongciras que pa-
rocesgem. E nisto tem elle muita razo*
Para mim acho q je ludo islo se pode dizer em
quatro patarras, deste modo os horacns quo di-
zem pn.fessar 'deas liberaes nao qnerero, nem
prometiera mais nem menos do que os conserva-
dores ; porm estes sao capazes de cxacular o
que prometiera e o que pensara, e aquclles nao,
como j o lera demonstrado por lacios. Islo pode
auxiliar muito o povo na concluso que deve ti-
rar para aceitar uns ou oulros.
E aqui termiBO por hoje cl anno de 1860,
reservando-rae para continua viudouro de
1801, que desejo-lhe seia prospero e feliz.
nesta villa procurando vender um fexp de lenhi,
para do producto comprar com que altroentasse
seu filho, qne irazia is costas, o qual ella suq-
punha.dormir, quando, sera sua desgrasada mi
o sentir,, essa infeliz enanca tiuha succumbido
a tome !!!...
As preces e penileaeias continuara nesta
villa; mas Deus to se commoveu anda de oda
pelo muito que a ella temos ofTBdida ; por que
nao lera apparecido as chuvas tao necessarias.
Ue ama caria escripia do Joazeiro em data
de 3 do corrale, extraamos o seguinle :
s Estamos na miior penuria, a ponto de nao
termos farinha paraxoniprar por preco alKum, e
acontece com gera remediado, quanto mais
com quem vive as expensas da caridade publica,
cujo numero extraordinario, e que lera de se
tornar no decuplo ou muito mais, visto nao ha-
ver meio do se arranjar manlimentosnao s
por lerera morrido as planlacoes por causa das
chuvas, como porque, sendo o Salgado que sup-
pria esta villa e termo, est exhausto, e as bar-
cas que coslnraaram Irazer mantimentos cliegam
vazias, o a noticia qne trazera das outras de
virara no mesmo estado.
Deu urna boa chuva a poneos dias, e anda nao
houvo repeticao, e e de muito mo agonro, por-
quento o anno passado assim acconleceu.
Vimos-nos aqu airopollados com os pobres,
pelo grande numero que exigiera, e principal-
mente do criangas o mulhere3 no mais msern
estado que se pode imaginar, pela grande fome
porque esto passando.
Imagino que, si os grandes o chamados ricos
esto passando muito mal ou antes pessimamon-
le, quanto mais quera nao tem meios de traba-
Ihar, e o uo pode fazer, visto a fraqueza o o
tremor quo aoffrem.
Alguns j tem vindo nossa casa a tremer de
fome, e em um estado que faz mdo se olhar.
Os soldados pedestres da villa da Barra foram
ao curral, aonde se guardan) os bois para sup-
primenio destu villa, e raalaram um e a forra o
esfolaram, e levaram para o lugar em que se
acha/am arranchadosa islo por estarem som
sold. Os soldados sao uns viudo3 ha pouco da
Bahia, commandados pur um cabo de esquadra.
Alagas. Fura concedida demissao, do Dr.
Ambrozio alachado da Cuoha Cavalcanii, do lu-
gar de promotor publico da capital, sendo no-
mea lo para o substituir o r.Tiburcio Valeriana
da Rocha Lius,
Temara sui<'id8r-se. dando urna navalhada no
pescoco, o lente coronel Jos Lopes Ferrcira,
seuhor do engenho Uruc, coi consequencia de
achar-se era estado dilficil de curar de urna mo-
lestia de que s'oil're ha rauilo. Ficava em peri-
goso oslado.
Havendo o Exm. Sr. presidente da provincia
mandado para Porlo-Galvo 30 pracas do 8 bala-
llio de infanta ria, a fim de alli raanler a tran-
quillidade publica, por occasio das eleices,
estas, em conlinuaQao de renhida discusso," di-
vidiram-se em duas fraesoes, e bateram-se
bayonnela, de que resultaran) urna morte e di-
versos remenlos.
Esta ultima noticia foi-nos communicada por
um passageiro, que a ourira narrar no palacio
da presidencia, algumas horas antes de largar o
vapor Paran.
DIARIO OE PERNAMBUCO
Pelos vapores Paran o fslremadure, entra-
dos sabbado dos portos do sul, recebemos jornaes
e cartas: do Rio de Janeiro at 5, da Baha at
28, e de Alagas al 30 do corrento.
Alm do que por extenso vai publicado sb a
rubrica in/erior^enconiramosmais o quese segu:
lito ae JuiEirB.(,r-o ,, -......--,., mjgjj.;
_ Sua Mageslade o Imperador visilou hontera
15 pelas 10 horas da manila o collegio do nioslei-
ro de S. Benlo. Achavam-se presento 270 alum-
nos, sendo 2uO de nula primaria elementar o 70
da aula primaria complcmcnsar. Os oulros, per-
lenceutes s Jaulas secundarias, eslavara j de
ferias.
Ao entrar Su Mageslade na aula, acompa-
nhado de toda a communtdade .-ompcu um hym-
no ao Imperador, cantado pelos meninos. Ao
sentar-se Sua Mageslade, um dos religioso leu ao
Imperador um abreve allocucao.
Em seguida cantaran) os meninos de joelhos
urna invocago Daos, e o professor, suindu
cadeira, apresenlou seus alumnos, e com ellas
desenvolveu dianle de Sua Magostado todos os
exercicios do sua aula, regida pelo meihodo do
consellieiro Caslilho. Em geral os meninos de-
ram boas provas, desenvolvendo-se bem nos ex-
ercictus pralicos do leitura, da arilhmetica e da
grammalica. Logo em seguida o menino |Florin-
do Jua iuim da Silva, depois de haver loda a au-
la cantado um liymuo do traballio, dingiu a Sua
Mageslade um pequeo discurso, terminando por
olerecer-lhe um lindo tope de cravos brancos. li-
gado por urna lila branca, em cujas ponas se liam
em ouru as palavrasamor e respeito.
Terminaran) a exposigao cantando os meni-
nos de joelhos um liymno de gracas a Deus.
A escola apreseutava um espectculo mu e-
dilicante : durante os hymnos a Deus Sua Mages-
lade se oonservou de joelhos diaule da imagen
que dominava a salla da aula deceutemeulc pre-
parada.
Bahia.Sahira para a freguezia do Cat o Sr.
Dr. chele de polica, am de assistir fis eleises
de eleitores, em consequencia de preverem-se
naquella localidade serios disturbios.
L-se no Jornal da Tarde:
'< Em conseqneucia da recepeo de um despa-
cho tolegraphico.que noticiava'o arroborabamen-
lo do oscriptorio da compaohia da estrada de fer-
ro no ponto de Periperi, u roubo do cofre com a
quarilia de 2:000j> rs. em prata, papel e cobre,
mandou o Sr. I)r. chefe de polica seguir imnie-
diatarneule para aquelle ponto urna forca de 10
pracas para auxiliar o delegado do 2a dis-
iricto. Acham-se presos Olympio de Cerqueira
Tosa e l.ibanio Francisco da Costa, sobre quem
recahiram as suspeilas.
De cartas de Macahubas de fias de novembro
soubemos das mais aterradoras noticias desse
lugar.
A fome conlinuava sua obra de destruirn e
peno de 700 pessoas linham cahido sob esse lia
gello.
Os cemiteros abundam em morios e j nao
podem receber quantos fallecen).
O povo desesperado procura em balatas e era
raizes as mais nocivas e s vezes venenosos urna
aliraenisc.o que nao os garante do mal e ateo
apressa.
Para se fazer urna idea da caresta dos gene-
ros, basta dizer-se que veode-se a 160$ rs. um
l^ueire de farinha I
De uma.correspondencia do Camisocom da
ta de 30 de novembro, ao Progresso da Cacho ei-
r, copiamos o seguate trecho :
Em dias da semana passada tivemas uma
grande trovoada acompauhada de um forte agua-
ceiro : d'ahi para c lera continuado um calor
oxCesslvo. O nosso tanque poca agua recebeu-
A farinha. neates ltimos das, tem-se vena
ddo a lj>280, 1*440 e 1600 a quarta. o milho a
800 rs. e IS, o feijao, a SSJ560 e 3J.
c Tem desodo muito gado para a feira de 8an-
tAona, e consta que tem sido vendido muito
cm caula
De uma outra correspondencia dos Lencea
de 12 de novembro dirigida ao mesmo peridico,
copiamos tambero o trecho seguinte :
A emigragao conlina, assim como a raor-
tandade ; e grande numero de infelizes quaes es-
queletos ambulantes transita por estas ras: sem
quo o numero dos emigrantes os lasadiminuir.
Alguns desvairados pela fome que os anniquilla
lngara mi da cepa da bannaneira para tirarem
seu agro alimento!
Causa d. sonhor redactor, ver as enancas
devoraren) os bagacos de caima que encontrara
pelas ras; e couros podres que apanham nos
depsitos de lisos II
. O sangue das rezes mortas para o consumo
j nao chega para os infelizes que o pfucuram I
Ha poucos dias uma infeliz mulher entrou
Assignala o anno de 1861 o trigsimo so-
timo da nossa existencia no jornalismo do paiz.
Essa vida, que assim se manifesta longa nesse
espaco material, tara bebilo a seiva de que gosa
na benignidade dos nossos leilores, cuja cenfl-
anea tem sido Ilimitada para o Diaria de Per-
nambuco, que tara bera seu turno tudo tem
envidado para sustunla-la no p qu convem a
loios os interesses, a que se liga o mesmo.
No presente anno portanto nao falsearemos
os nossos principios, que sao assaz conhecidos
para ecusar uma reprodurcao de prolisso de
j f neslas palavras, que ora Tragamos.
A lgica dos anteceleutes irrecuavel na
I apreciaco dos fados; e o passado nao pode ser
prescindido para a combinaco do futuro.
E, pois, fundado na coiiflanca que haveraos
merecido aos nossos leitores, encelamos hoje o
nosso trigsimo stimo anuo jornalislico, era
cujo desenvolviraeoto proseguiremos em saisfa-
zer a expectativa publica, procurando sempre
corresponder devidamente a essa Ilimitada con-
fianca, de que objecta o Diario de Pernam-
buco.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA-
Um anno que acaba e oulro quo comeca, cora
ser um farto ordinario e que se reproduz den-
tro do um certo periodo, nao deixa de suscitar
todava algumas considerasocs ao espirito que,
nas evoluces do lempo, deraora-se na cntem-
plaro do passado ; que nao deve certarnent-
ser abslrahido do presente, ao qual serve defa,
ual, quando seiprocura urna norma de conducta
quando se esmerilha um molde para serem por
elle visados os passos da vida actual.
O tempo, em sua personilicaso allegonca de
Saturno, com a fouce exterminaddra de luda
quanlo ha tocado o nivel da existencia, nao deve
ser considerado um velho imbcil, que brinca
com uma arma imptente.
Derribando tudo em que loca, importa dis-
tinguir, quo a sua misso providencial nao se
limita tao somenld esse acto de Justina. Depois
de haver cegado, com effeito, elle sema ; e o
grao de fuluro nao ter para brotar oulro sol nem
oulros orvaihos. quo nao sejam os do passado.
Este deixa efectivamente ao presente ludo
quanlo tem de realmente vital ; e cora esla
heranca que as ideas do prsenle gravitara para
uma reasaco porvir mais ou menos distante.
A semelhanca da llor que, contrahindo suas
pealas, emmurchece e cahe afinal sobre o pe-
dnculo, o anno de 1860 passou da existencia ao
dominio das recorda^des, onde ao fogo da re-
crudescencia das paixoes se elabora esse acervo
de impiilar.oes, quo lhe devem ser atiradas; e o
de 1861, como a rosa desabrochando a.corolla ao
bafejo da roanha, expando hoje todas as suas
gragas, desponla auspicioso para a realidade do
presente, em que as imaginar-Oes frvidas se es-
meran), grupando-se a roda d'lle como essas
slalacliles de formas fortuitas e caprichosas, e
descobrindo em seus contornos um complexo es-
pecioso, a intuico d'uma pleiiilude phanlaslica,
que domina ento os acontecimentos, e de que
mais adianto se desilludem s vezes.
He notavel, porm, que quando v-se sempre
o pretrito sob cores mais lisoogeiras do que
aquellas que colorem as realidades ou oposili-
vismo do prsenle, d-se o duplo phenomeno
de analhematizer-se o anno velho e de asperar-
se tudo do novo I J se disse :
Anno novo nova vida
P'ra todo o mundo em geral,
He ura luzeote fanal
De esperncese bonanza;
< Pois que o anno no comeco
Sempre nos traz esperanza.
a Essa esp'ranca dora sempre
SrjvjMla *t> 00r$a,
Quer seja leliz ou nao
O anno novo saudade.
O anno sempre bonito,
Com vottlnras comec.ado.
Quando era da de anno bom
Tem a gente a algibeira
To cheia, que pode feira
Ir comprar o quo melhur,
Logo diz : Etle annosinho
< Parece que vai mellior.
Mas quando seo ter viniera,
a Ou receber ordenado,
Amanhece o desgranado
Sem vinlam para comer,
Diz logo : Mal vai o anno,
J conuco padecer.
< Assim, pois, permiltireis
Que os bofes anuos eu vos d;
Pois quem nos anuos nao er,
Nao er om Deus, nem na sorle;
Que o fnno noto vagn
Da curta nitrada da morte.
Mas este seu turno tambero decahir desse
prestigio, faoaado-se uma uma todas as espe-
raneas, que nelle se fundavam mais ou menos
justificadamente. ...
Ento, como Mario sobro as ruinas de Cartla-
go, ter o anno, que de novo Iransformou-se
em velho pela revoluto do tempo, a sua hora
m, ollercccudo-sc-iho apenas um leito de pro*
no
os-
custo para repoia
existencia.
Enlioo velho de 3
Va com verdadeiros a
do ao nascer, aperV
colhe ao aeio da et<'
Eolio flnalmedta
calumniado aindapo
edeoaaram j, que d'e,
Cm anno novo,
uitas esperanca
""legre ao mundo
zo seu raiar lodo am
zto comero que mil I1C
O tal marrac nos d f <.
2o meio comesa j '*
o quo quer fazer mostan?
- o anno novo, sinh \f'' <\
E quem sao esses palinodeitps, que de i
tremo pastam oulro on^uslo ?
A imprena com .os ftios que ha wnsit
o que p_rov -"neo^ifeniinuava a oxhV
e uma rir,,0,la eloqaonte, do cuja com!
Pr W de!"acaremos.
Coradla ologia de um nao importa o \-.
rwiiooi'\i n;10 precisamos desfazer no
vell)o*,.,u-Qn,rada do novo sauda-mos o
sosjlfioros.^ y
J|o pode ler sido tao mo o velbaf; quando
Q/Ixon-nos a possbilidadodo festejVnovo.
E nos deixand'j-o pois na sua- necrpolis do
passado, e declinando para oulros a sua biogra-
phia, desejamos nos nossos leitores os bons mi-
nos hoje, que Janeiro assignala a entrada do anuo
de 1861, almejndo-lhe simultneamente que no
viadouro possam lodos receber as nossas felici-
lacdes; pois que cuntamos lambem pode-las
dirigir-lhes.
Das parlicipaQoes officiaes e de carias re-
cebidas sabbado eis o que consta da formaco das
mesas nas localidades abaixo :
Tejucupapo.Ap6s a formatura da mesa, o
juizde paz presidente, julgando-se cselo, sus-
penden e adiou para 13 do correte os iraba-
llios eleitoraes, afim de pedir providencias
presidencia du provincia.
Grvala Havendo Manoel Teixeira Barba-
lao, crimiooso de morte, apparecido, no dia 28,
nesla povoagao reunido ura grupo de sequazes,
foi perseguido pela polica, disparando elle um
tiro que ocnhum damno causou. No dia 30, jul-
gando-se o julz de paz pouco garantido, cnlen-
deu suspenderos lrabalhosn fazendo chamar in-
continenlc o juiz de paz mais vistnho para con-
tinuar OS traba.hos.
Goianna.Tendo sido recebidas as sedulas e
feita a appuraco dos votos da turma dos eleiio-
res, obtendo maioria os Srs. Joo Paulino da
Cunha Gouva e Seraphim AUes da Rocha Bas-
tos, os que ficaram em minora pretendern)
perturbar a ordem, nao s por meio do vozeria,
como atirando com um linleiro cabeca do ci-
dadao Joaquim Moreira de Aguiar qu sofireu
um leve Cerimeulo. Vendo elles, purm que
nada conseguiam, retirarara-se para a egreja do
N. S. do Carreo, aonde se achara procedendo uma
outra elenSo.
Santo-Anlo.A formaco da mesa procc-
deu-se com calma e tranquilidade, vencendo a
parcial dado do coronel Jos tavalcante Ferraz
de Azevedo.
5. Loureno.0 processo eleitoral tem corrido
com regularidide e placidez. A mesa acha-se
assim compusla : ?
Presidente.Visconde de Camaragibe.
Secretarios.Dr. Augusto de Souza Leo, o
Lote Francisco de Barros llego.
Escrutadores.Joaqu)ra Corn'a de Aranjo, a
Gervazio Elizio Bezerra C.
Farsea.Nao julgando o juiz de paz sufficiente-
meule garantida a urna, pedio forca, que lhe foi
mandada meia noile do da 30, voltando na
manha de 31, sera que nada bouvesse ali occor-
rdo.
Olinda.Al sabbado i noile, nada occorreu
que perturbasse os trabalhos das mesas, que se
achara assim constituidas:
S. Pedro Alarlyr.
Presidente. Manoel Antonio dos Passos e
Silva.
Secretarios.Christovao Pereira Pinto, e Fran-
cisco Luiz Vires.
Escrutadores.Camllo Borges Tavora Indge-
n.i, o Evaristo Vieira Cavalcanle de A.
Si:
Presidente.Manoel Joaquim de M. Lobo.
.Secretario, Joo Gonc.aiyes Rodrigues Ju-
nier, e Jos Jaaquun ao Lima Jnior.
Escrutadores Joaquim Isidorio da Silva, o
Antonio Francisco Cuimarues.
Recife.Os trabalhos correrara tranquillamen-
le era todas as quatro freguezias da cidade.
-' Temos noticias de Villa Bella, as quaes re-
ferem-nos que acha-se a populaco dessasombra-
da da secca pelas chuvas, que cahiram no mez
passado, e que parecem ter sido geraes u'aquel-
le termo.
Foi encontrado o esqueleto de um rapaz,
que dasapparecera em setembro p. p. da compa-
ohia do Sr. Francisco Estanislao Mendes,
Eslava escondido em uma loca de pedras ao
p da Serra do S. Benlo. Suppe-se que foi as-
sasinado, e a polica acha-se no encalco do ne-
gocio.
Nao houve reunio do jury, como se esperava.
J sendo alli victima de um proprio escravo
o Sr. Francisco de Souza Magalhes* por occa-
sio de castigar a este ; mas sendo a lempo soc-
corrldo, pode escapar. O escravo acha-se era
poder da autoridade-
Bem que na corte se ache era execugo a
ordem do thusouro nacional mandando espasar o
prazo marcado para a substituido das notas de
19 e 5$ de uma s figura, comtudo at agora nao
chegou ollicilmente communicaqao Ihesoura-
ria de fazenda, pelo que expirou o prazo no dia
31 do passdo, passando a soffrer o descont
da lei.
Em nosso numero seguinte concluimos o
folhelira (luy Leoxngslone, e no imracdiale
encelaremos a publicaro de um novo de Mr.
Elie Berthel. cheio de lances bellos e scenas in-
teressanliasimas. Seu titulo A linda mer-
cadora de pannos.
Passageiros viudos do sul do vapor Paran:
coronel Trajuno Cesar de Burlamaque, sua so-
nhora o duas filhis, capito Luiz Francisco Hen-
riques. padre Francisco de Sales Oliveira Bastos,
Manoel de Gouveia, Maooel Joaquim da Silva
l.eao, sua seohora, 1 filho e 2 escravos, D. Du-
vina Rosalna da Cunha, D. Isabel Mara do Jess
Albuquerque e 1 escrava, D. Francisca Joaqui-
na Guimares e 1 creado, Joo Xavier do Reg
Barros, Antonio Wenceslao de Souza e 1 criado,
Manoel do Muraes Abreu e Lima, Jos Joaquim
de Oliveira, Joo Antonio Machado, Manoel Jos
de Abren Farias, Joo Jos de Miranda, Jos
Joaquim Dias Ferreira, Eugenio Mara da Costa
Paiva, C. L- P. Rock eonsul da Suecia e Noroe-
ga, Joo Martina, Jos Rodrigues Freir, Jos
Teixeira Lima e 1 escravo, Goncalo da Silva Lis-
boa, Antonio Jos de Moura, Vicenlo Ferreira de
Paula, Rita Mana da Concoigo e 1 menino.
Seguera para o aorle : conselheiro Cyprano
Jos Velloso, C'jnslauliuo Teixeira Machado,
Francisco. Rodrigues Branco, D. Idalina Alexan-
drina do Espirito Santo, Rila Theodora da Costa
el lrn, III ira Joseph, Lulge Josephe, 1 ex-ma-
rhafeeiaD da arjua^a. J2 soldados e 1 escravo a
Passagniro do palhabole hrasleiro Piedade,
saludo para Rio de Janeiro : Joo Baplisia Mar-
tins. .
jt> Passagairo da barca portugueza Silencio,
sahido para o Porto Joaquim Goncalves Cnscao.
Passageiros do vapor fraocez Ktlremadure,
entrados doa portos do sul: A. P. Lopes Chaves,
Giuseppa Rollen, Benedicto Ferreira do Carvalho
de Moraes Purlamaque.
Seguera tara a Europa : Georges Nesbill, An-
tonio Martina Moreira, Manoel Joaquim Nunes
Bairo, Heury Adour, Harroohi, Giuseppe, Bar-
rochi, Queranny Htsbello, Barbosa da Silva.
Passageiros do brigue escuna Graciota, sa-
bidos para o MaraohSo : Dr. Estevio Lopes Cas-
tello Branca Jnior e 2 escravos, Fenelon Cesar
Burlamarque.
Foram recolhidos a casa de delenso 5 ho-
rneas e 2 mnlheres, sendo 2 livres e 5 escravos,
a saber : a ordem do Dr. .'fe de polica t, a
ordem da subdelegado do Recite 3, a ordem do
de S. Jos 1, e a ordem do da Capunga 1.
REXDIMF.NTO DA RECEBEDORIA DE RENDAS
INTERNAS GERAES DE PEnNAMBLCO DO
MEZ DE DEZEMBRO, A SABER :
Rendas dos propros nacionaes.. 53&8450
Foros de terrenos de marinha .. 336g-202
Ladennos..............;........ tifiaOOO
Siza dos bens do raiz............. 3:537S580
Decima addicional das corpora-
les de mo mora............. 5:3913180
Dreitos novos e velhos e de
chancellara.................. 985&90
Ditos de patentes dos officiaes da
guarda nacional................. >
Diurna de chancellara........... 2188153
Matrcula da Faculdadc de Direilo. 409-5600
Multa por infracces do regula-
monto.......................... 73JJ32
Sello do papel fixo................ 2:980jH^o
Dlo do proporcional............. 6.8193292
Premio de depsitos pblicos___ 7#2<3
.Imposto de Correlores............ 8
Emolumentos................. t'is;i20
Imposto sobre lojas e casas de
desconlos............
Dito sobro casas de movis, rom-
pas, ele. fabricados em paiz us-
. irangciro............ 1:640*000
Dito sobre barcos do interior.". 62S400
Taxa de escravos......... 2:1408000
Cobranca da divida activa 3t6l27
Indemnisases........... 124#19l
Receita eventual................... g
Public^ces pedido.
. Aos conservadores 1Publicamos a chapa in-
fra da eleitcires da freguezia de Ssnlo Antonio
por sor a que est adoptada pelas pessoas que di-
rigen) actualmente a eleieo n'essa froguozia, e a
dirigiram e venceraia em setembro.
c
os
Te!
nestos
. conser-
.ictoria dos
pessoal. Votai
es, para que haja
uma necessidade poli-
, e de todos os partidos :
uEITORES.
. Alencar Araripe.
.Jor Antonio Joaquim de Mello.
..uniu Epaminondasde Mello.
Ignacio Nery da Fonseca.
Antonio Rangel de Torres Bamleira.
Ignacio Firmo Xavier.
Angelo Henriquo da Silva.
i Jos Joaquim de Moraes Sarment.
'< Manoel Jos Domingue? Codicoira.
Francisco d'Araujo Barros.
Joo I.ins Cavalcantid'Albuqderquc.
Coronel Domingos AfTonco Nery Ferreira.
Teaenle-coronel Sebastin I.opos uimares.
Major Claudino Benicio Machado,
a Antonio Bernardo Quinleiro.
c Bernardo Luiz Ferreira Cesar Loureiro.
Capio Firmino Jos d'Oliveira.
Jos Luiz Pereira Jnior.
Tenente Gamillo Augusto Ferreira da Silva.
Agosinho Jos d'Oliveira.
Alferes Joaquim Francisco Torres Galindo.
Despachante Jesuino Ferreira da Silva.
Manoel Jos d'Oliveira.
Virgilio Jos da Motia.
Joaquim Antonio Carneiro.
Esrrvo Joaquim da Silva Reg.
Solicitador Joaquina Jos de Abreu Jnior.
Negociante Jovino Carneiro Machado Rios.
c Luiz GooQalves Agr Jnior.
' Bcrnardino de Sena Barros.
Banholomeu Guedes de Mello.
C. Jos Candido de Souza Castro.
Jos Firmo Xavier.
Empregado Marcelino dos Santos Pinheiro.
Propretario Ignacio lenlo de I.oyla.
Artista Joo Luiz de Carvalho.
Francisco Jos do Sacramento e Silva.
Barca portugueza
seu Martins Carvalho,
malBrigue inglez Sea
liam Dawbins, carga assu
Navios entrados o
Portos do Sul7 dias c 23 horas, .
leiro Paran, comraandante o capili.
Jos Leopoldo de Noronha Torrezo.
dem6 dias, vapor francez Euramadure,
mandante C. Trollier.
Sumatra86 das, barca ameLcana The
398 toneladas, capito T. Ful'er, equip
W carga pimenta ; ao capii o. Vei
frescar. v
A'avios sahidos ;vo mesmola. .
/VtramaJitr.
Portos da EuropaVapor francez
comraandante A. Trollier. BHr
MaranhoBrgue escuna fraciu:,u pto Joo
Jos de Souza, carga diversos ge o.
Declarares.!
fcr
COHUtUClO.
Bceebedoria de rendas internas
geraes de Pernambuco.
Rendimenlo do dial a 30. 38:8339821
dem do dia 31.......5:1569515
43:9899769
Consulado
Rendimenlo do dia 1 a
dem do dia 31. .
provincial.
30. 103:431*006
.... 6:4650064
109:896*990
Con sel lio administra!
O conselho administrativo, para Lilnecimentn
do arsenal de guerra, tem de compra* os objec-
losseguintes :
Para o arsenal de guerra.
10 toneladas de carvo de pedra.
6 resmas dejpapcl carto.
100 unhas de boi.
i arroba de cera branca.
Para o 4" baialho de artilharia.
100 mantas de laa.
Para o 2 batalho de infamara.
Pesos da bronze de uma oilava at meia ar-
roba.
*____Para o hospital militar.
12 arrobas de issucar
lidade.
25 garrafas de xaropo peitoral brasiloiro.
Para a companhia fixa do RioGrandc do
r Norle.
150 mantas de la.
Para o presidio do Fernando do Noronha.
Meia lonellada de carvan de podra.
Meia barrica de area de caldcar
500 alqueiros do farinha de mandioca, medida
velha.
Quem quizer vender laes objeclns aprsenle as
suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas do dia 7 dejanoirodo
anno prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 28 de
dezembro de 1860.
Denlo Jos Lamenha Litis,
Coronel presidente.
Francisco Joefaim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Pela inspeceo da alfandega se faz publico,
que no dia 2 rio Janeiro prximo vindouro se ho
de arrematar porta da mesma repartirn, dous
coelhos vindos de Lisboa no brigue portuguez
Bella Figueirense, no valor do 1CS666 cada ura,
abandonados aos dreitos por Joo Bernardino do
Moraes, sendo a arremalaco livre de dreitos ao
arrematante.
Alfandega de Pernambuco 31 de dezembro do
1860.O 2. escripturario,
Maximiano Francisco Peixoto Duarlc.
Conselho administrativo
O conselho administrativo, pajf fornecimenlo
do arsenal de guerra, tem de comprar o genero
seguinte :
Para o presidio de Fernando de Noronha.
500 alqueires de farinha de mandioca medid i
velha.
tfi-ivu-r->'! Quem q,,'l7Cr Toniler genero
irvi.Mj.>ii_ nn(j0t aprsenle suas propnstas
| da na secretaria do mesmo consell
___
| do dia 7 de Janeiro do anno prximo Vindouro.
43:9899769
Rocebedoria de Pernambuco 31 de dezembro de
1860.
O escrivo,
Manoel Antonio Simoes do Amoral.
Movimento do porto.
e_ _ o. o to os CL s Horas
v a o -3. c al Atmospntra. O eo
V Direcco. n H O 00 <
w m n en O o Intensidade 1
2S 00 4 O -J 1 Fahrenkeit 1 n o n H 33 O S3 s -
8 ?S te 00 -4 -1 ~1 _. -I ~1 ~I o Hygrometro C-
o o o o o Cisterna hydro-metrica. > 7
-j Si "<35 -4 --J Si 3 "i ao Francez. 3S > O
ss m s " 5C -4 inglez. n -i 31 ? 1
A noile clara, vento E regular at as 11 h. 30'
que rondou para ENE e assim amanheceu.
OSCILLaCAO da un.
Preamar as 6 h. 80' da manha, altura 6,8 p.
Baixamar aos 42' da tarde, altura 1 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 28 dede-
zembjg de 1860. '
ROKANO STErPLt.
1* tenente.
Navios entrados no dia 30.
Rio de Janeiro14 dias, brigue nacional Euge-
nia, de201 toneladas, capito Manoel E. Me-
guins, equipagem 12, em lastro ; a Azevedo &
Mndes.
Rio de Janeiro23 das palhabole nacional Oli-
veira II, de 2 toneladas, capito Jos de Oli-
veira I.eite equipagem 1_ em lastro : a
ordem:
CardiT46 dias, barca iogieza Ellerslie, de 199
toneladas, capito S. Cowley, equipagem 11,
carga carvo de pedra : a Soulhal Mellors
& C.
dem51 das, barca grega Cloelia, de 305 to-
neladas, capito A. N. Paskales, equipagem 12,
carga carvo de pedra ; a ordem.
Havre35 dias, barca franceza Tuspan, de 208
toneladas, eapito Questel, equipagem 3, car-
ga fazendas e mais gneros ; a Tisscl frres
4C.
Navio sahido no mesmo dia.
LisboaBarca portugueza Gratido, capito An-
tonio Pereira Borges Pestaa, carga assucar.
Rio da PrataSumaca hespanhola Esmer"'-*
capito D. Jos Millet, carga assucar.
Rio de JaneiroPalhabole brasiloiro **'
pilo Jos Marquos Vianna, -
/
- mencio
(t- (.'ilia-
IO toras
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, _7 de de-
zembro de 1860.
Benlo Jos Lamenha lint,
Coronel presidente.
_ Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Vaccina publica.
Havendo presentemente mu boa se-
ment vacciniea, o commissario vaccina-
dor provincial convida aos pses de fami-
lias desta cidade a enmparecerem com
seos fllhos e mais agregados que preci- r
sarem ser vaccinados nas quintas-feiras Jg
e domingos, notorreo da alfandega das s>
B 7 &s 10 horas da manha c nos sabbados rjo
P oa casa do sua residencia, segundo andar J^
m do sobrado da ra estrella do Rosario n w-
5m 30, para assim poder conservar a trans-
s| misso do fluido de braco braco, nica Jff
r maneira de sua cooservaco com pro- a
K-w,A___a__s*sv. -M-M-M 9_yaa>___a____-____
O Illm' Sr. inspector da thesourara de fa-
zenda desta provincia manda fazer publico quo
no dia 10 do Janeiro prximo seguinte haver
I concurso nesla thesourara para preeochimento
I de 10 vagas de pradcanle da alfandega desla ca-
I pial, comecando os exaraes as 10 horas da m:i-
1 nha sobre as seguintes materias : leitura, e ana-
lyse grammatical da lingua verncula, orlhogra-
phia, e arilhmetica al a theoria das proporrijes
inclusivo.
Aquelles, que pretenderem ser admitlidos ao
concurso, devero previamente provar quo leein
18 annos completos de idade, que eslo livres du
culpa o pena, e que teem bom procedimcnlo.
Secretaria da thesourara de fazenda do Per-
nambuco 12 de dezembro de 1860.O ofikial-
maior interino, Luiz Francisco de Sampaio e
Silva
NOVO BANCO
DE
Pernambuco.
O novo banco continua a substituir
ou a resgatar o resto das notas de 10# e
20# que havia emittido e ainda existe
em circularsao, declarando que, em
cumprimento do decreto n. 2,66i de
10 de outubro do corrente anno, esta
substituicao ou resgate devera' efTec-:
tuar-se dentro de 4 mezes, e que ind
este prazo s podera' ter lugar com o
disconto progressivo de 10 por cento at
mez, (cando astim na forma do art 'S
da lei n. 53 de 6 de outubrggi ->p o5
sem valor algum no fir^jde li mezes.
Reicite 9 de novembroi^ 1860. Os
directore, Joao \p<~ ** l^edeiros
Reo, Luiz Arf' X_^
SjPela -
loirto *
<
V
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO (MUTILADO


\
-S-
rEIBA 2 DE
rtv^D 1861.
*
l
'i-
sulado provincial b\
teis para o pagamerf
a urbana dos predios
e da dos Afogados, pe
are de 1860 a 61, se una!
iro prximo vindouro, Ando
na mulla de 3 0)0 todos os que
ar seus dbitos,
onsulado provincial 31 de dezembro
Pelo administrador,
P. M. F. Pereira da Silva,
e ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
e (azenda desta provincia se faz publico,
onhecimenti de quem intercssar, que no
de jnneiroprximo futuro, perante a mes-
i souniia/sorA arrematado a quem mai?
arrendaoento do proprio nacional sito no !
i Maltas, denominadoArmazem do Pao
II. ., '
,ecrelan 1 la thesnuraria de fazenda do Per-
.mbuco 31 Ido dezembro do 1860.
I O official maior interino,
lluif Francisco de Sampaio e Silva.
Ajuofa administrativa da irmandade da
anta Casa Misericordia do Recife, manda fa-
er publicojqde no da 3 do prximo futuro mez
uu janeiro pelas 4 horas da tarde, na sala das
suas sessoei, ir a proeja para ser arrematada por
quem por lenos flzer o fornociment da carne
verde, bem como do pao o bolacha que se hou-
ver de cons immir nos eslabelecimentos de cari-
dade do 1 do referido mez de Janeiro a 30 de
junlio. <
Os pieter.dentps devem apresentar as suas
propos'.as cm cartas fechadas no lugar, dia, e
lloras apraiadas.
Secretar/a da Santa Cus de Misericordia do
Recife, 2f/de dezembro de 1860 O escrivao F.
A. Cavaloanti Cousseiro.
Recebedoria de rendas nter-
i
ra t
te. .
mao,
segu o hiate
se com Marlins u.
cora o mestre Joaqu
Para F%
coro escala "por Lisboa sahira
patacho portuguez Maria da (Ion.
Ionio do Barros Valento; para ci..
geiros, trala-sc com os consignatarios >
Severiano Rabello & Filho, largo da Assei..
n. 12.
INSULTORIO
AL HOMEOPATHICO
7
FABRICA
DE
o. i
.6 desde
js doenies
em diante,
Santo Amaro (Mundo-novo) n. 6.
venientes na praiica, principalmente para os mas
dicos
Pinho d cousultas
as 10 horas at meio
m seus domicilios
e em caso de ne-
qualquer hora. As senhoras de
os doerttes de molestia aguda, que
rem anda* lomado remedio algum al-
.0 ou homeopffihieo, serao a (tendidos de
ncia
astias mais freqftju^-lkfea'
j Brazil, principalmente as^
CO.liTAMHA PERNAMBUCANA
as geraes.
Pela recebedoria de rendas internas geraes sa
faz publico, que no correte mez termina o prazo
do recebimenlo dos irapostos do exercicio de 1859
a 1860, no domicilio dos contribuinles a cargo! KlO-ViTandC do Slll.
lO,9Q!?bedOHr0C" aSSm COm d0 P'1game"- Ia : br'S"e Trincoza segu dcnlrn
5SSi var ? pr,raeiro ?s,rQend" e"".,c, ue dias. por ler meio ca
Navegacao costeira a vapor.
O vapor Jagnaribe de primeira marcha, con-
mandaote Lobato, sahe para o Acarac com es-
cala pelos portos intermedios no dia 7 as horas
do coslume. Recebe carga e encorr.mendas pa-
ra o Acarac c Cear desde j al 0 dia 3, lia-
rn e Rio Grande do Norte e Parahiba nos dias
3. 4 e 5 at ao meio dia. Passageiros al as 4
horas do dia da sahida: escriplorio largo da As-
sembla n. 1.
em poneos
Rio de Janeiro,
segu em poucos dias o biigue Mari Rosa,
anda admille alguma carga, tem bons comtnodns
para passageiros e escravos : Irala-se com J. R.
da Fonseca Jnior, ra do Vigario n. 23.
i,,',) 1>n qv >. i'"1 lr uiciu larrcgamenlo promptn : para
?,J .n.Qc T da ""? de M d-S ,mp?S" i res, ,ra,"-se cn' os consignatarios Marao*.
" llf 0d.ec,n?fl "'.cona! de mao mora- Bnrros C larg0 d c 0 s"antu u> *
imposto do 20%, sohre lojas e casas de descon,
to ; dito especial sobre casas do mnvis, r:i;
calendo, mobiligs fabr'"r"1-., zu, pinzieitrangclro ;
'C CuLo barcos do'interior; findo o qual se-
guir se-ha a cobrane.a executiva quanto ao de-
bito daquel'o exercicio, e a porcepeo da multa
quanto ao deste.
Recebedoria de Pernambucrr Io de dezembro
de 1860.O administrador, Manoel Carneiro de
Souza l.acerda.
O Illm- Sr. regeoor do Gymnasio manda
avisar aos pais, tutores ou correspondentes dos
alumnos internos do mesioo Gymnasio, que no
dia 24 do corrcnlo principia o leccbimcnlo das
mensalidades correspondentes ao 1." trimestre
do l." do Janeiro ao ultimo de marco do nnno
viodonro. Secretaria d>> Gymnasio Grovincial do
Pcrnambuco 22 do dezembro de 1860.O secre-
tario. A. A. Cabral.
A junta administrativa da irmandade da
santa easa de Misericordia do Recife manda fazos
publico que no dia 3 do prximo futuro mez de
janeiro, pelas4 horas da tarde, na sala de suar
sessdes, irio praca para ser arrematados por
quem mais der as rendas das casas abaixo do-
claradas, pelo lempo que decorrer do dia da ar-
rcmataco a 30 de junho de 1863.
Roa do Pilar n. 74.
Dita do Padre Floiiano n. 49.
Hila do Fagundes n. 32.
Dita de Santa Thereza n. 4.
Hila dos Pescadores n. 11.
Hila Direita n. 7.
Itece.o do Ouiabo da F.oa-Visla n. 8.
Os pretendentos deveriio comparecer no dia,
Lora c lugar apresados, acompnnhados de sous i
poderes ou munidos de cartas oestes.
Secretaria da sania casa de Misericordia do Re- \ j
cilc 20 de dezembro de 186Q. O escrivao,
F. A. Cavulcanli Cousseiro.
O hiate Garibaldi, segu para o Cear em pou-
cos dias : a tratar com Tasso Irmos ou com o
capilo Custodio Jos Vianna.
COIPANHIA PERNAHRUCAM
1>K
Avisos martimos.
Para o Cear
i
- oni poucos dias o hiato < reos Uo carregamentb fMfcnptiT; para ni
t,.o,,-p v*3$eiros, trata-se com Pereira & Va-
l'iile, na ri'V 'o Cordoniz n 5, Forte do Mallos.'
B. igue Constante
Segu para Lisboa at 15 de Janeiro, para o
que j tem metode do carrcgamenio quem no
mesmo qnizer carregar ou ir de passagom. para
o qii* tem as melhores accommodaces. dirija-se
ao consignatario Thomaz de Aquino Fonseca, na
ra do Vigario n. 19. primeiro andar, ou ao ca-
pilo o Sr. Augusto Carlos dos Rcis, na rara.
Navegado costeira a vapor
O vapor Persinunga, commandante Moura, sahe
para Macelo com escala pelos porlos intermedios
no dia 5 s horas do cnstume. Recebo carga .it
ao meio dia do dia 4. Passageiros at s 4 horas
do dia da sahida : escriplorio largo da Assein-
bla n. i .
lc*'**n^*^ajapory^Mijaar^BW%ajaiiiataMMfc^iWafcaaMaiiM
Leudes.
is freqfeu^-^fc^ixo dos
je sao
^ uifhceis de curar. Ihe tem fi-r/do um
estaco especial; sao ellas: --
l.^^olestias proprias das mi /tes. '' \
2. Molestias das creanas. "\
3. Mslias da pelle. \
4." Molestas dos ollios.
V Syphilis, ou gsllico.
6. FebressymplhomaticasddS leses do cere-
bro e de suas membranas, dos orgos do peito,
e do apparelho digestivo; febres intermitien-
tes e suas consecuencias.
que comecam faxer, ensaios, par* as
pessoaa curiosas que nao sabem conbecer essa-
differencas, e por isso poder attribuir inefica-
cia da hommopaihia, o que realmente depende da
m preparaco dos medicamentos.
Para obviar estes graves inconvenientes o
agitador dynamieo do Or. Sabino munido
de om contador em que se acham as unidades,
dtuenas, centenas, milhares, dezenas de mimares
collocadas convenientemente, de maneira que
cada vaseolejagao apparece nm numero novo,
desde 1 at 10 mil; nao sendo desta sorte
possivel engao algum.
Os medicamentos homoeopathicos preparados
por meio desta maquina sao os nicos que de-
sinvolvem propiedades uniformes capazos de
curar as molestias com a maior certeza pos-
sivel.
Pharmacia especial homosopathica.
AGITADOR DYNAMICO.
A pharmacia homceopathica est longe de
preencher todas as vistas dos mdicos homoe-
pathas em quanto forsm os medicamentos pre-
parados mao. A Torca do horaem nao po-
de ter a precisa uniformidade para bem de-
sinvolver as propriedades medicamentosas das
substancias; ella vae naturalmente enfraque-
cendo mediia quo se vae fazendo o traba-
lho da dynamisac.ao; e por essa razio que
numerosas vezes aecontece que duas preparaces
de acnito, por exeraplo, da mesma dynami-
sacfio, feitas pelo mesmo homem, no mesmo
dia, ou em dias diversos, ou feitas por dous
homens diffsrenie?,* nao produzem o mesmo re-
sultado em casos anlogos de molestias; urna
desinvolve urna aocjio mais prompta, aoutra
urna accao mais lenta.
Alm disso, sendo esseneial para a regn-
laridade das dynamisafes quo cada dtluigao
tenha um numero certo de abalos ou vascole-
jacoes, para que nao acconiec,a que pelo excesso
ou pela insufficiencia d' estas percam os medica-
mentos as propriedades que Ihes sao assignala-
Alem disso, desojando tirar da sua viagem
a Eurcpa todas as vantagens para o progresso
da hommopathia no Brasil, o Dr. Sabino nao
poupou esforcos para obter as substancias me-
dicamentosas dos proprios lugares, onde alias na-
turalmente nascem, e para isso eniendeu-se com
um dos melhores herboristas d'Allemanha, para
Ihe mandar vir as plantas frescas, afim de pre-
parar elle mesmo as tinturas.
R* assim que o acnito foi mandado vir dos
Alpes, a rnica das montanhas da Suissa, a
belladona, bryonnia,chamomilla,pulsalilla.rhus,
hyosciamus, foram colhidas n'Alleraanha, na
Franca e na Blgica, o veralrum no monte Ju-
ra, etc. etc.
Desta sorte provida a pharmacia do Dr.
Sabino das substancias que serviram para as ex-
periencias puras de Hahnemann, descriptas na
palbogensia, acharo os mdicos e os amigos (Ja
homoeopaihia os meios seguros e verdadeirosde
curarem as eufermidades.
OS PRECOS SXO OS SEGUINTES:
Botica de 24 tubos grandes 129 a 16
Dita de 36 >...... 189 a 229
Dita de 48 ......2t# a 29
Dita de 60 ......309 a 350
N.B. F.xistem carteiras ricas de veludo para
maior prerjo.
Cada vidro de tintura avulso. 29
Cada tubo avulso...........1*
Gaixas com medicamentos em glbulos e tin-
turas de diversas dynamisacoes ( mais usadas ):
De 24 vidros com tintura e 48 tu-
bos grandes............4S$000
De 36 ditos dita e 56 tubos grandes 649000
De 36 ditos dita e 68 tuhus grandes. 709000
De 48 ditos dita e 88 tubos grandes 929000
De 60 ditos dita e 110 tubos grandes 1159000
Estas caixas sao uteis aos mdicos, aos Srs,
. BUQEOiAirjA g f(rioi(;io m vina.
Sita na roa Imperial n. 118 e lio Junto a fabriea->de sanan. '
DB
Sebasliao J.da Silva dPi|idapopFpancisp,Belniipo da Cosa.
Neste estibelecimento ha sempre promptos alambiques de cobre de diflerenles
oes de 3009 a 3:()009J simples e dobrados, para distilar agurdente, aparelhos destila
continuos para resillar e destilar espirites com graduacao at 40 graos (pela graduado de
Cartier dos melhores systeroas boje approvados e conhecidos nesta e outras provincias do ii
bombas de todas as dimenc^es. aspirantes e de repucho, tanto de cobre como de bronze 1
torneiras de bronze de todas as dtmencoes e feitios para alambiques, tanques etc., parafu de
bronze e ferro para rodas d'agua, portas para fornalhas e crivos de ferro; -tetof cobre e
chumbo de todas as di meneos para encanamenlos camas de ferro com armaco e *n elle,
URoesde ferro potaveis e econmicos, tachase tachos de cobre, fundos de aUmbUue- pa^sa-
deiras, espumadeiras, coccos para engenho, folha de flandes, chumbo om lenco>o-Autra zinco
em lencpl e barra, len^es e arroellas de obre, lences de ferro e lalao. torro suecia inglez
de todas as dimenr5es, safras, tornos e folies para ferreiros etc.,e ouiros r/uitos anigos poi
menos preep do que n ouira qualquer parte, desempenbando se toda e quaquer encommen-
daccm prestesa e perfeicao ja conbecida e para c iinnodidad^dos freguezes que se dignawm
honrirera-nos com a sua confianza, achao na ra Nova n. 37, luja de ferragen?, pessoa habi-
litada para tomar nota das encommendas.
FUNOIQAO DARORA.
Seus proprietarios offerecem aseus numerosos freguezes e ao pubbico em geral, toda equasl
quer obra manufaturada em seu reconhecido estabelici ment a saber: machinas de vapor de lodo-
os tamanhos, rodas d'agua para engenhos, todas de ferro ou para cubos de madeira, moendas e
metas moendas, tachas de ferro batido e fundido de todos os tamanhos, guindastes, guinchos e
bombas, redas, rodetes aguilhoes e boceas para fornalha, machinas para amassar mandioca e para
descarocar algodao. prencas para mandioca e oleo de ncini, porles gradara, columnas e moi-
onos de vento, arados, cultivadores, pontes, cadeiras e tanques, boias, alvorengas, boles e todas
as obras ie machinisrao. Executa-se qualquer obra seja qual for sua natureza pelos desenhos ou
moldes que para tal fim forera aprestados. Recibera-s encommendas neste- siabeleciroenlo na
ra do Bruran. 28 A e na ruado Collegio hoje dol/perador n.65 moradiado caxeiro do es-
tabelecimento Jos Joaquim da Costa Pereira, com qum os pretendenles se podera entender para
bualquer obra.
' Aluga-se um negro que seja fiel para o ser-
vico de um armazem : na ra da Cruz, armazem
numero 19.
Na ra Nova n. 7 tem cartas para ser en-
tregues aos seohores :
Mannel Lopes Guimares.
Antonio Pinto Soares.
Pompilio Numa P-ssoa.
3&&S@? ti & $$@&$A/
O bacharel F. I.. de Gusmo Lobo pode j$
ser procurado para o exercicio de sua a$
proGssao de advogado na casa de sua re- @
^ sidencia, ra do Cabug n. 61 1). $
cy
s^>
das. ou que convem cada dynamisacao, nao Ae engenho, fazendeiros, chefe de familias
Para a Rabia segu em poucos dias o palha-
bole nacional Dous Amigos, tem parle de sua
carga engajada; para o resto, trala-se com seu
consignatario Francisco L. O. Azovedo, na ra
da Aladre de Deus n. 12
Para a Bahia
pretendo seguir cora muita brevidade a sumaca
nacional Hortcncia, a qual tem prompta parte
de seu carregamento ." para o resto que lho fal-
ta, trata-se com o seu consignatario Azovedo &
Mendos, no seu escriplorio ra da Cruz n. 1.
Para o Cear
segu oestes dias o hiate Videta ; para o resto
da carga, trata-se com Caetano Cytiaco da Costa
Motcira & Irmo, ao lado do Corpo Santo n. 23
O capito T. C. Schol, do briguo escuna
linllandez Sicilie, vindo de Rotterdam com des-
tino para Sourabaya e Macassar arribado neste
porto, precisi tomar risco martimo sobre o
rasco e frelo do dito seu navio e pela viagem so-
bredila a quanlia de 6 a 7:000g rs., para paga-
mento das despezas de concerlos que fez neste
porto : os pretendenles qm-iram dirigir as suas
propostas ao consulado hollandez. na ra do Tra-
piche n. 10, al o dia 2 de Janeiro prximo ao
meio dia.
D
Rio de Janeiro,
vai seguir em poucos dias a barca Rio de Janeiro
por ler parte de seu carregaraentoprompto : pa-
ra o resto, trata-se com Antunes Guimares &
C, no largo da Asserabla n. 19.
\Jlio Grande do Sal
ttfi "m toda a brevid
TI (Trina
"^i^odTEVngnacic
brizue napional)
da co'"g,
lrats-se no esenpion de Manoel Ignac
veira & Filho. no largo do Corpo Santo
_- Para o Rio Grande do Sul segu em poucos
dias a barca nacional Cl*mntna>>. capilao Be-
,......ou aanios Pinheiro por ter quast toda a
carga prompta : para o resto e passageiros. trata-
so com Gnilherme Carvalho & C, ra do Vigario
numero 17.
LEILO
Commercial.
Quinta-feira 3 de Janeiro,
Antunes, aulorisado pelo F.xm. Sr. Dr. juiz es-
pecial do commercio, a requerimento dos depo-
sitarios da massa fa/lida do Castro & Amorim,
f^r leilo no dia cima mencionado, das m-rca-
dorias e dividas da loja da ra do Cabug u.2 B,
que pertencia a aquelles fallidos. Trincipiar as
11 horas em ponto.
LEILO
Commercial.
Quarta-feira 2 de Janeiro.
Antunes aulorisado peloExm. Sr. Dr- juiz es-
pecial do commercio a requerimento dos deposi-
tarios da massa fallida de l.uiz Jos da Silva
Cavalcante, far leilo no dia cima designado,
das morcadorias e dividas da loja de ratudezas da
rua.direita n. 77. Principiar as 11 horas em
ponto.
LEILAO
DE
Objectos
D
Pescara.
O agente Hypolito, de novo levara'
a leilo, por conta e risco de seu pro-
proprietario os objectos pertencentes a
companbia de pescara, que se dfeham
depositado no fortejjG matto armazem
do Pan lSrasil, sexta feira-*de anro
de 1861, as 11 horas em ponto.
*2fii^^k
C0W1PANHIA BRASILEIRA
DE
MDIPIS UTO!
se podo isso obter as preparaces feitas mao
porque o numero de abales sempre maior ou
menor, d' onde evidentemente resulta um effeito
lambem maior ou menor, e por conseguinte
duvidoso na applicc9o do medicamento ; se os
abalos sao insuflicientes nao se desinvolvem
todas as propriedades convenientes dynamisa-
cao que se quer fazjr. e se sao de mais. dtfi-
voivem-se aigumas aas prupiiedades da rlywa-
misaQo superior, com perda certa de muitas
das que convem dynamisacao que se quer
preparar, oque sera duvida tem graves incoo
ffl
capiles de navio, e em geral todos que se
quizerem dedicar pratica da homoeopathia,
Vendem-se tambem machinas elctricas por-
talis, para tralamento das molestias nervosas.
Estas machinas sao as mais moJernas e as
mais usadas actualmente em toda a Europa,
tanto pela commodidade de poderem ser trasi-
das na algibeira, como porque trabalham com
prepararoes que nao sao nocivas:
Cada urna........509000
O Dr. Sabino ensina a maneira de se servir
desta maquina.
CASA DE SAIDE
DOS
BIllS SE
Sita em Santo Amaro.
Este estabetecimentocontinua debaixoda administrado dos pro-
prietarios a receber" doentes de qualquer natureza ou cathegoria que
seja. ^
O zelo e cuidado all empregados para oprompto restabelecimen
to dos doentes ge ral mente conhecido.
Quem sequizerutitisai podedirigir-se as casas dos proprietarios 2
ambos more resna ra Nova, ou entender-secom o regente no esta-
tabelecimeuto.
Reforma de presos.
Escravos. -.....
Mar lijos ecriados, ....
Primeira classe o$ e. ,
As operaQfies serao previamente ajustadas.
2^000
2|500
Avisos diversos.
_ Aluga-se a casa da ra dos Prazeres, de por-
teo com 2 lees; a tratar na mesma com Jos
Carneiro da Cuoha.
CONSULTORIO
DE
/
Esperarse $~
janeiro o-
pito,''
de/'
ios do norte at o dia
~k, commandante o;
'* o qual dep
-% os port
Joao da Silva Ramos,
Medico pela universidade de Coimbra.
Tendo de passar algum tempo no si-
tio dos Buritis na estrada do Arraial,
meu consultorio estara' aberto todos os
dias das 9 horas as 11 da manhaa edas
3 as 5 da tarde. As pessoas que man-
darem procurar-me, terao a bondade
de dirigir os chamados por escripto p-
U>ia de louca defronte da casa de
^dencia na ra N vu.
1)A
PROVINCIA.
O Sr. (hesourciro das loterias manda declarar
que se acham a venda no escriplorio das mes-
mas os bilheies da lerceira parle da primeira lo-
Pede-so ao Sr. S que alugon um sollim por
duas horas na cocheira da ra do Tomba n. 11,
no dia 21 do crreme, e que at esta dala nao
restit-iio, queira ter a consciencia ou bondade de
entregar, do contrario veril o seu nomo por es-
tenso, ese cobrar por outros meios, visto se ter
esquerido.
^Attenco.^ff
A corheira nova da ra do Tambi n.
11 tem cavados de aluguel para passeio.
muilo bons, e recebem-se de trato.
^i6s^fit2ie- siedis flMaiB S4&i
nn^nvvnvonvBV ^WHH ^m*t mliw VH 0J1V
' Aluga-se o primeiro indar de um sobrado
na ra da Cruz n. 9, com fundos para a ruados
Tanoeiros : a tratar no paleo deS Podro n G.
Precisa-se do um caixeiro que tenha prati-
ca de taberna, e que a<% Piador a sua conducta,
para tomar conta de urna taberna a tratar na
ra Dirciia n. 09.
ria da igreia doSenhor s dos aUtv-f L- U PS O lO^i^Oni O -
preterivclmenle no dia 19 de Janeiro prximo fu-
turo.
Thesouraria das loterias 22 de dezembro de
1860.O escrivao, J. M. da Cruz.
tria.
Antonio Egidio da Silva, professor de malhe-
m.iiica no Gymnasio Provincial, abre no da 7 de
Janeiro o curso de geometra quo dirige parlicu-
i larroenie : os senhores estudanles quo o quize-
rem frequentar, dirijam-se A casa de sua residen-
cia, na ra Direita n. 74, para serera matricu-
lados.
CONSULTORIO
DO
hed ro copar teie operador.
3 RIJA DA GLO ttIA, CAA1IO ffUMD^O 3
U\ica por ambos im systrmas.
O Dr. Lobo Moscoso d consullas todos os dias pela manhaa, e de tardedepois de 4
horas. Contrata partidos para curar annualmente, nao so para acidado, como para o engenhos
ou oulras propriedades ruraes.
Os chamados devem ser dirigidos sua casa al s 10 horas da manhaa e em caso
de urgencia outra qualquer hora do dia ou da noile, sendo por escriptoem que se declare
o nome da pessoa, o da ra e o numero da casa.
Nos easos que nao forem de urgencia, as pessoas residentes no bairro do Recife po-
dero remetter seos bilhetes i botica do Sr. J. Sounn & C. na roa da Cruz, ou loja de
livros do Sr. Jos Nogueira de Sonsa na ra do Crespo ao p da ponte velha.
Nesga loja e na easa do annuncianleaehar-se-ha constantemente os melhores medica-
mentos horneopaihicos j bem conhecidos e pelos precos seguintes:
Botica de 12 tubos grandes...........10*000
Dita de 24 ditos.................159000
Hita de 36 ditos.................209000
Dita de 48 ditos................. 959000
Dita de 60 ditos............... 309000
Tubos avulsos cada um. ,.......... IfCOO
Frascos de tinturas................2000
Manual de medicina homeopatnica pelo Dr. Jahr, tra-
duzidoem portuguez, com o diccionario des termes
/ de medicina, cirnrgia etc.. ele........309000
Medicina domesticado Dr. Hering, com diccionario. 109000
Repertorio do Dr. Mello Moraes......... 69000
artista americano
artista americano
artista americ?no
O artista americano
O artista americano
Tira retratos por 5$
Tira ra tratos por 5$
Tira retratos por 3#
Tira retratos por 5^
Tira retratos por 3#
Tendo receido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tondo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da ra do Imperador
No grande salao da sua do Imperador
No grande salSo da ra do Imperador
No grande salSo da tua do Imperador
No grande sali da ra do Imperador
A.. W. Usborn, o retratista america-
no tem recen teniente recebido um gran-
de e variado sortimento de caixas, qua-
dros, aparatos chimiros, e um grande
numero de objectos relativos fe arte.
Como tambem um grande fornecimen-
to de caixas para retratos de 3#000 rs.
cada um, as pessoas que desejarem ad-
qnirir conhecimentos pratiecs na arto
de retratar achanto o abaixo assignado
sempre prompto sob condicOes muito
razoaveis.
Os cavaIheiros e senhoras sao convida-
dos a visitar estes estabetecimentos, pa-
ra exammarem os specimens do que
cima ica anunciado.
Aloga-ae para passar a feala duas casas si-
tas em Santa Anna de dentro, com bastantes
coramodos para qualquer familia, sendo o logar
o maia saudavel para a saude, eom banho perto
de casa: a tratar no paleo de S. Pedro n. 6.
Aluga-se o primeiro andar do so-
brado n. 34 da ra do Rangel : a tra-
tar no segundo andar do mesmo so-
brado.
Alugam-se o primeiro e segundo andares do
sobrado do Quatro Cantos em linda, com fren-
; te-para a ladeira da Misericordia e oilo para a
ra de Malhias Ferreira, com direceso ao mar,
sendo bem fresca e com cemmodos sufcienles
para urna familia que queira fazer uso dos ba-
nhos salgados : a tratar na ra da Cadea Velha
do Recife, escriplorio n. 56, de Leal & lrmo.
Quem anuunciou precisar de 3008 por seis
me?es, a juros, dando para seguranen urna mo-
bilia de Jacaranda, dirija-se a ra Direita, no se-
gundo andar do sobrado n. 89, ou no de n. 74,
que ahise dir quem os d.
Precisa-se de urna ama secca : na traressa
das Plores n. 85, junio ao sobrado novo.
Fugio no dia 2S de dezembro, do abaixo as-
signado, o escravo Mauricio, crioulo, idade de
2z anuos, pouco mais ou menos, com ossignaes
seguintes: estatura e corpo regulares, cabeca e
nariz chato, tendo um dente na frente podre,
bu;o muito pouco e barba debaixo do queixo da
mesma sorte, foi vestido com' urna camisola de
algodozinho branco e urna caiga de bnrn de qua-
dros pretos e brancos, levuu tambem um bah
de (landre azul, contendo talvez calca, camisa,
jaquel* branca, e alguma roupa mais, tem o ofi-
cio de coziohelro, costuma s.-hir ao passeio nos
domingos, muito pachola, intiiulando-se forro:
por isso ruga se as autoridades policises e a ou-
lras quaesquer pessoas que o capturar, de levar
ao armazem da ra de Apollo n. 20, dos Srs. An-
tonio Marques de Amorim & C, que ser bem
recompensado.Antonio M. de Amorim.
O Dr. Manoel Moreira Guerra durante as
ferias tem o seu escriplorio em casa de sua resi-
dencia, ra da matriz da Boa-Vista o. 24
Eduard Fenton previne a quem iuteressar
possa, que nao fajara negocio algum com o Sr:
Thom Francisco da Rocha, relativamente aos
carros, cavallos, arreios. etc., pertencentes aco-
cheira do mesmo, porque ludo se acha devida e
legalmenle hypolhecado ao annuncianle, que pro-
testa usar do seu direito contra quem quer qne
for que negocie em laes objectos com o referido
Sr. Thom.
-- D-se 1:5005 ou menos a juros com hypo-
theca em casas terreas.: no patoo do Terco, ta-
berna o. 19.
Precisa-se de urna pessoa que entenda de
fazer velas de carnauba para trabatbar n'uma pe-
quena lubrica : na ra da Santa Cruz n. 7*. ta-
berna. m ifrlsii
Roga-se so Sr. J. L M. C. queira ir ou
mandara rus Nova n. 7, a negocio que nao igno-
ra, no prszo de tres dias, do contrario publicar-
se-ha qual o negocio e o seu nome por extenso.
Urna senhora portuguesa, de roela idade*
habituada a leccionar meninas, deseja accommo-
dar-se para o mesmo fim em alguma casa de fa-
milia respeitavel : quem della precisar, deixe
carta fechada nesta typographia com as iniclaes
M. II R.
P/ecisa-se fallar ao Sr. Joao Mi-
guel de Oliveira Beraldo, nesta type-
graphia.
Despachos telegraphicos por
via de Ricardo Knowles, de
Lisboa.
Luiz Antonio Siqueira, previne aos
negociantes desta praca que precisarem
dos subscriptos, nstruccdet eimpressos
para os referidos despachos que os po-
den procurar no seu escriptorio na ra
da Cadera n. 20.
Aluga-se a caa terrean. 1, sita serna do
Hospicio, esquina da ra Formosa : a tratar no
Moodego, em casa do fallecido commondador
Luiz Gomes Ferreira,
i
-
MUTILADO
J MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO



r -^
DIARIO DB, PERA'dfiUCO. yu^TA ftiRA DE J|^EIR0 DE
O EXTRACTO
COMPOSTO DE
ALA IFAKtaDLKlA @ B. Taras W
MELHORADO E FABRICADO SOB ADIRECgAO' DO DR JAMES R. CHILTON,
r
i mico e medico celebre de Xew York
EX-
A GftANDE SUPERIORIDADE DO
TIUCTO FLUIDO COMPOSTO
f>P.
SALSA PARRILHA
Fnica se p lo sao extraordinario
e quasi mira cu I oso effeilo no
saigue.
Cu'i mn sabe que a saude ou a inferraidade
(lpete di recia mente do estado desie fi.oido vi-
tal, lo lia de ser, vislo o pmido importante
que tem nfc{OMlA animal.
A quaufufo do sangue o'um homem 'es-
tatura uie autoridades n tinto e oito arrateis. Era cada
T>iU?o iua. oncas sahem do coracao nos bofes
e "lalli tolo o sague passa alem no corpo huma-
no un menos d\ Quvrivp minutos. Urna dis-
posigioextensi/aiemsidA formad o destinada
cora aaminvel .autora a-^bsiribuir e fazer
circulrosla corrbnt db vda por todas as
partes da organtsac.no. DesteWlo corre sera-
pre pelo corpo m torrante. qual a
fonte de inferraidade ou de saud.
c, ______ .1
gran
Se o sangue
de matorias
COm V8L0CIDA0E
mais remotas
O
New-York, bavemos vendido durante muitos an-
nos o extracto de salsa parrtlha do Dr. Town-
send, consideramo-lo ser o extracto original e ge-
nuino de salsa parrillia do Dr. Townsend. o
qual primeiramenle sob este nome foi aprescn-
tadoao publico.
BOTD d- PAUL, 40 ConlandiSlreel.
WALTER. B TOWNSEND & Co, 218 PearI
A Street.
UEDS& HAZaRD, 121 Maiden Lae.
JQHNCARLE& Co, 153 Water Slreel.
M VVARD & Co, 53 Maiden Lae.
J & J. F. TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GR.YHaMA Co. 10 OldLIip.
OSG iOU & JENNINGS, 188 PearlSlroet.
R. B. HAVILAND & Co, Office 177 Broad-
way.
JACK.S0N, R0BINS& Co, 134 Water Street.
THOMAS & MAXWELL, 86 William Street.
WM. UNDERHILL, Junr, 183 Water Street.
DAVIDT. LANMa-V, 69 Water Streel.
MARMi & NORTHROP, 60 PearI Streel.
NORTON. BABCOCK & WOOD, 139 Mai-
ie por causa algma se emprenha Dlfm*r.M^i .v i r
ftidas ou cirromidas. diffunde PfcJNF0LD. CLAY& Co, 4 Fletcher Street.
3 OLCOTT, M KFSSON & CO, 127 Msiden
Lae.
A. B.ti D. SANDS. 100 Fullon Slreel.
SCHIEFFELIN, BROTHER & Go, 104 &
106 Jobn St.
LEWIS & PRICE. 55 PearI Slreel.
HAVILAND, KEESE &CO, 80 Maiden La-
e.
RUSHmV, CLARK & CO, 110 Broadway,
10 Astorj.
House, and 273 Broadway, cor. of Chambers
Street.
PHILIP SCHIEFFELIN & CO, 107 Water
Streal.
POU & PALANCA. 96 John Streel.
SHERWOD & COFFIN, 64 PearI Street.
RUST & HOUGHTON, 83 John Street.
I. MINORCO. 214 FutonSlreet.
INGERSOLL & BROTHER, 230 PearI Street.
OSEPH E TRIPPI. 128 Maiden Lae.
GREENLE)lF & KINSLEY, 45 Cortlai
Streel.
HAIDOCKJC0RLIES& CLAY, 218 Pear
Street.
CUMM1NG|& VANDUSER, 178 Greenwch
Street.
elctrica .' corrupQao as
e mais pequeflas artes do corpo.
veneno laoca-se para tras e pta diante pelas
arterias, pelas veias. e pelos va>s capillarios,
ate cada orgao e cada toagom sr faz completa-
mente saturado e desordenado, lesla maneira
a circulado evidentemente se fas ,ra engenho
poderoso de doenca. Nao obstanc- pode tam-
bera obrar com igual poder na criaci, de saude.
Lslivosse o corpo infecionado da doenc*,raali"na,
ou local ou geral, e situada no systm nervoso
ou glan luloso, ou muscular, se s6 minie o san-
gue pode fazer-se puro e saudavel ficr-uperior
a doenca e inevitavelmenie a expellira ducons-
tituQo.
^ O grande m3nanc,ial de doenca entao cono
d' aqu consta no fluido circulante^ nenhu'n
medicamento que nao obra directamente sobteel-
le para purificar e renova-lo.possue algum direi-
lo ao cuidado do publico.
O sangue I O sangue o ponto no qual
se lia myster ixar a attencao.
O ORIGINAL E O GINUINO!
AO PUBLICO.
Nos, os Assignates, Droguista na cidadede
---------------------------------------------------^----------------------------------------------------------------------
HASKELL & MERRl^K, 10 Gold Street.
B. A.FAHNESTOCK & Co. 49 John Streel.
CONHECEMOS A ARVORE E SUAS FRU-
TAS ,
E igualmente
Conhecemos um Medicamento nos seus Fffeilns.
O extracto composlo de Salsa parrrlha do
Dr. Townsend esta
0 MED I QUEMO DO POYO"
Adata-so tao maravilhosament- a conslituico
que pode ser ulilisadu em quasi todas as enferma
dades. jr'
ONDE Er DEBILIDADE,
fortalece;
ONDE ECURRUPgO,
purifica;
ONDE HE PODRIDO,
AL1MPA.
Este medicamento celebrado que tao grandes
servicos presta a humanidade, prepara-se agor
na nova fabrica, na esquina das res Fronte
Washington, Brooklyn, scb a inspecc.o directa
do muJto conbecido chimico e medico Dr. James
R. Chilln, da Cidade deNew-York, cuja cer-
lido e assignalura se acha na capa exterior da
cada garrrfa de
ORIGINAL E GENUINO
EXTRACTO COMPOSTO DE SALSA PARRILHA
DO DR. TOWKSD.
O grande purllicador do sangue
CURANDO
O Herpes
^
Ti?r -*r
f oiniias M m
Acham-se
ca ns 6efe,as
ty pographia
nnha de poraou f41PKniR^ ^z^l ^f^T^90
enda na livraria conhecidas folliiuhas impressas nesta
urna
urna
cutara}
Folhinhi
civil
para o
Calendario eclesistico e
Dita de alqibeim J.en'do d^Per;af ,uco;-; ; ;
' ,. ,lo alm do kalendano eeclesiastico e civil.
cxplicacao '
y}wllas d mudaveis, noi^ia dos planetas,
*\\t dos" mars e Da?cin>ent0 occaso do sol;
S 'J!'^ 0 se|#olumentos do tribunal A) commercio;
^ / (lilas o^ ...^. ditas do por,0 das ^arla8. dllas
imposi*5 geraes, pro\inciaes e raiiin^ipaes, ao
'.|Ue \Junllu una colleceao d bellos e divertidos
jogos ^ prenHas. para entretenimenlo da rgcidade.
eontendo\.|gf M Calendario ecclesiasiico civil.Vpli-
160 rs-
I)
a
(fia .
320 rs.
"S
eac^o "^^ftas mudaves, nolca dosflanets, teftllas
(as ma^j e nascmento e occaso do
\
- sol; ditas dos
lumi,,., do tribunal do commertio ; ditas dos impo:
goraes, provincia e municipaes, ao que se reuni o
modo de confessar-se, con ungar. e os officios que a
igreja eosluraa celebrar desde domingos de Ramos, at
sexta-feira da Paixao, (em portuguez). prego.....
civil, aiminislralivo, commercial e industrial da provin-
cia de Pernambuco, ac pre?o de:.......
Para facilidade do uso deste almanak, aiirmentou-s
lormato, e fizeram-se muitas alteraQes, sendo a corree- vl
Dita do almanak
32c
rs.
0 ."" ." tr"<. do cominho rovoi
f,I id?M,ngulobo'8tio 74,iHec.
criada eatrangeir. para o ervico inte,
peqneoa familia ; pede-so que saiba a
mente engommar e cozinhar.
Aviso.
u.?Lf,!S0 ,ss8Dad0 f" cente ao Sr. Luiz Jos
rifa n ?Lt ag"ardeD,e d municipio do Re
dei.'a^l^6 d3Ude 31 de dembrode 1860.
na ni ITer aS'r<, e Ufcerna ma
1860 K "VP- "?' 31 d dezembro do
ibou. -Antonio Thomaz Percira.
e aTUnd,,enUPCiS8r de Uma ama com mui> *">
notue?aonn.oeparacr,ar' dirija-se ruad"
Wnf \Tm- Cru medec'na Carlos Frederico dos
' .a nrnnL*^ r?c! sea Preslira'J no exercicio de
sua profisa a t0daa as pessoas que o quizerem
hua a dV-* 'i- d8S 7 a88 !'2 hon" da ma"
ImoeratS, n3"w5 d- ,a-de> em 8ua casa- rua da
imperaiuz n. 53, pnmeiro andar.
Fugio no dia 31 do dezerabro
J": C.J?-?." ,,D?e? seg'untes : corpo secco.cor
o mulato
P "?. b-ahAde ama""'o. con.eodo rou"-
arrM. ome8mo anda Pelo Monieiro e
rrabaldes: roga-se aos
e -is au.oridadea ^Uci^lTZ^Te
levlo a rua de Apollo a Amorto Jos Teiiefra
S? sss t:Vd^tdao;:r^hd
"atar o negocio.
A Hertsipela,
A AriSTRIC5AODOVEN-
TRE,
As Alpobcas
Os Effeitos do azod-
GUE,
Dispepsia,
As Doencas,de fga-
ro,
A Hydropesia.
AImpinge
As Ulceras,
O lilIECMATlSMO,
As Chagas
A IIEOILIDADE GERAL'
As Doencasde pelle
AS BORRDLHAS > A CA-
RA,
As Tossesi,
de uma ama para
cao a mais exacta que foi possivel, em materia desta ordem,!18- P'Wj^"r&^do-ToiM. casa
(que todos os das soffre mudancas) acresceutando-se a nu-
meracao dos estabelecimentos commerciaes e industriaes
acompaohado de ndice para-facilitar o uso, procurando o
quesedeseja pela oceupago do individuo de quem se quer
saber a residencia. M
Uma pessoa que nao pode ir ao
Manguioho fallar ao Sr/ ftlanoel Ephi-
genio da Silva, roga llie queira anuun-
ciar onde o pode procurar nesta cidade
visto nao ser permittido'fallar-se-lhe na
alrandega.
original
e genuino exlractu do Dr. Townsend tem
Cada garrafa do
exterior de papel verde
No es3riptorio do propietario, 212 Broadway,
em na blica da rua Direita n 88 do Sr. Paranhos.
PROVINCIA.
O Sr. thpsoureiro das loteras manda declarar
que se acham cxposlos a venda os bilhetes da
do o respeilo a algum outro purificador do san-' !,er oeira Par,le da Pmeira uleria da irmandade
gue., conserva. er-
to sspaco de lempo.
Os Catarrhos, As Tsicas, etc.
OExtracto acha-seconlidoemgarrafas quadra-
das e garante-se ser mais forie e melhor em to-
*- nS.h!_uin" p1uena familia.
publico a 5 n.sIn,d0 Pcipa ao respeitavel
le deha XI ^ de.Jf"ero de 1861 em dian-
Mn"era s^.k 6r 68p,ri, de Pincelo brasi-
.em *'* ^beroa na rua Direita dos Afog.dos
>0r friaS^TKTSS ^vSe^S3^
dia Itf de Janeiro proiinio futuro.
... ^ ^ ___ Thesourana das loteras 22 de dezembro
a assignatura e a cerlidao do Dr. J. R. Chlitton, na capa 1860.Jos Mara da Cruz, escrivao.
de
lew York, e em Pernambuco na rua da Cruz n. 21 escriploric 1. andar, tam-
_____NO
Aiilgnnari tomados em SO das consecutivos. ,........."?*~t 109000
30 c.artoes paraos ditos banhos tomados em qualquer lempo...... 159000
15 Ditos dito diio dito ...... 000
7 ...... -Ooo
Banhosivulsos, aromticos, salgados esulphurososaospre^os annunciados
Estareducco de presos facilitar aorespeitavel publico ojrozo dasvantagens que resultan
da freiiuenciadeum estabelecimento de uma ulilidadeincontestavel,masque infelizmente nao
estando em nosso* hbitos, anda pouco condecida e apreciada.
ARIH4ZEN DE ROVPA FEITA
Defronte do becco da Congregacoletreiroverde.
Casacasde panno preto a 309, 359 e
Sobrecasacas de dito dito a
Paletols de panno prelos e de cores a
20, 259, 309 e
Ditos da casemira decorosa 15} e
Oitos de casemiras de cores a 7 e
Ditos de alpaca pruta gola de velludo a
Ditos de merino setim prelo e de cor
a 89 e
Ditos de alpaca de cores a 3500 e
Ditos de alpaca preta a 39500, 59,
79 e
Ditos de brim de cores a 3*500,
49500 e
Ditos de bramante de linho brancos a
49500 e
Caigas de'casemira preta e de cores a
9, 109 e
Ditas de princeza e alpaca de cordo
p retos a
Ditas de brim branco e de cores a
29500 49500 e
Ditas de ganga de cores a
Ditas de casemira a
40000|Colleiesde velludo decores muiono a 109000
359000 Ditos de casemira bordados e lisos
prelos e de cores a 59, 59500 e t>9000
359000 Ditos de setim preto a 59000
229000 Di los de casemira a 39500
129000 Ditos de seda branca a 59 e 69000
129000 Ditos de gurgurao de seda a 59 e 69000
Ditos de fuslao brancos e decores a
99000 39e 39500
59000 Ditos de brim branco e decores a 29 e 29500
Selouras de linho a 29500
99000 Ditas de algodao a 19600 e 29000
Camisas de peitode fuslao branco e
59000 decorosa 29300 e 29500
Ditas de peito e punhosde linho raui-
69000 lo finas inglezas a duzia 359000
Ditas de madapalo brancas e de cores
129000 a 19800, 29e 29500
Ditas de meia a 19 e 19600
59000 Relogios doouro patente eorisontses 9
Ditos de prata galvanisados a 259 e 309000
59000 Obras deouro, aderecos, piilseiras e
39000 rosetas
59500 \
TABaC caporal
Heposo das manufacturas imperta es i\e?ran?a.
Este excelente fumo acha-se depositado, diretaraente na rua Nova n. 23, ESQUINA DA
CAMBO A DOC ARMO, o qual se vende por mseos de 2 heciogramos a 19000 e em porja de
10 mseos para cima com descont de 25 porcento ; no mesmo estabelecimento acha-se tambem
verdadeiro papel de linho para cigarros.
BM1 1-B-l MHMKHSM
EAUMINERALE
NATURALLEDE VICHY.
Deposito na botica fjanceza rua da Cruz n.22
s
INJECTION BROU
Remedio nfallivel contra as agnorrhas antigs e rcenles.'
nico deposito na botica franceza, rua da Cruz n. 22.
Preco do frasco 39000.
Ensino de msica.
Offerece-separa leccionar soUejo.comotam-
bema tocar varios instrumentos; dando asli-
ges das7 horas s 9119 da noilera tratar na rus
d: Roda n. 50.
O Sr. pifares Tlinmp. fl. Vifira de
Lima, queira dirigir-se a esta typogra-
pUia, que se llie precisa fallar.
irD^AWi^^fl?d^0M,,JlW^isa^^a^^us
ment de tinturara de todas ss cores, do largo da
Soledado para a rua do Hospicio n. 42, conti-
nuando a receber nos mesmos depsitos, tanto no
largo do arsenal de raarinha n. 8, do Sr Anselmo
Jos Duart Sedriro, assim como no largo da ma-
triz de Santo Antonio n. 2. do Sr. Antonio Joa-
quina Panasco.
A administicao do correio da
Parahiba do Norte contrata horaens ca-
minheiros para a criduccao/ das malas
e paga o jornal mensal de_24!$,.O ad-
ministrador, Francisco de ssis Car-
neiro.
Annazem para alagar.
Alugam-se os dous grandes armazens da rua
da Concordia, onde est o Sr. Paulo Jos Gomes,
do !. do Janeiro do anno vindouro em dame :
a Iratar com o Dr. Lobo Moscoso, na rua da Glo-
ria n. 3.
O Dr. Lobo Moscoso scientiOca aos seus an-
ligos freguezes, que pelos commodos que offerece
a rua novacasa da rua da Gloria n. 3, denomi-
nada Fundo, continuar a receber escravoe ou
para Iratar do suas molestias ou fazer-se-lhes
qualquer operaoo : alem da boa siluacao ha a
grande vanlagem dos banhos salgados, ruito ef-
ficazes para certas molestias chronics,
Os Srs. abaixo assignados sao rogados a v-
rem a rua da Imperatriz, loia 11. 82, a negocio
que muilo Ihes inieressa e diz respeilo :
Jos Caetano Pinto do Queiroz.
Manuel Flix Nasario, de Santo Antao.
Domingos Jos Dantas.
Sabino Joaquim da Purificaco.
Joo Augusto de Hollanda e Silva.
Lucas Antonio Evangelista.
Jos Joaquim deAguiar.
Manoel Izidro do Nascimenlo Araujo.
Manoel Scraphim.
Joaquim Juvencio de Almeida.
TheodoroJos Pereira Tavares.
Jos Pedro Ralis Barbosa.
Antonio Homem Ledo.
Miguel Carneiro de Moraes.
Manoel Flix.
Conrado Jos da Silva.
Domingos Francisco Regs.
Jos Antonio da Silva.
Joo Barbalho de Mello. .
Jos Leocadio do Res, morador no engenho Jar-
dim, freguezia do Cabo.
Urgencia.
Conlrata-se um rapaz para servir de fiel na
companhia de aprendizes marinheiros, advertin-
do-se que fcar esle sent do servir.o da guarda
nacional : a tratar cora o coonmissar'10 da mes-
aba, na rua das Trincheiras a. 16, segundo andar,
'ou no respectivo quarlel.
Atten Roga-se a pessoa que tiver acbado um peque-
no embrulho de papel cor de rosa, conlendo um
Irancelira do ouro e uma roseta de ouro com co-
ral, de fazer o favor de entregar na rua doQuei-
mado, loja de ferragens n. 13, que ser bem re-
compensado.
Urna senboia catada, com poti-
cos ilhos, e j maior, natural e residen-
te em Hamburgo, mas que esteve no
Brasil, acceita dous on tres meninos ou
meninas para educar com todo o esme-
ro e por condic,5es rasoaveis ; a fallar
na livraria n. 6 e 8 da praca da Inde-
tendencia, onde se da rao todas as n-
brmacfies.
Aluga-se um eseravo para todo servico de
uma casa, pretender dwija-se a rua do Queimado
loja n. 14.
Precisa-se de uma ama para cosinhar, pa-
ga-se bem agradando o seu irabalho, na roa dos
Pescadores n. 1 e 3.
Aluga-se o sobrado de dous andares e so-
lio da rua Imperial n.169 : a fallar na rua da
Aurora n. 36.
Antonio Joaquim Vidal, tendo arrematado
para seu pagamento ss dividas da casa de Thiaso
da Costa Ferreira Estrella, como constam do edi-
Ul no Liberal Pernambucano do 19 do correnfe
mez, vem pelo prsenle fazer scienle aos ditos
senhnres devedoros que elle o nico habilitado
ao recebimeuto das mesmas dividas, e pede a
brevidade do pagamento, afiro de poupar despe-
as entre as partes. ; e outro sim, previne mai
quelies dos mesmos senhores devedores que s
se espera at 15 de Janeiro provirao viudouro, e
depois desta data entregar a pessoa habilitada,
afim de cobrar na forma da lo.
he/
C01PAMIIA DA VIA FEBREA
DO
/?ecife a Sao Francisco.
Avisa-se ao respelavel publico que se emit-
tem as Cinco Ponas, bilhetes de periodo de 1
a 6 mezes para todas as eslaces, com grande
abalimenlo nos precos eque se fzcram diversas
reducfes nos presos de transporte entre Cinco
Ponas, Escada e as oulras eslaedes nos seguintes
artigosasaberf cavallos, assucr, madeira, po-
dra, lenha, carviio de peJra, estrume, capira, t-
iolos, lelhas e ladrilhos. para mais infurraagoes
drijam-soaoSr. James Kirkham na villa do Ca-
bo ou em qualquer das eslaces.
AssignadoE. R. Bramah,
Superintendente.
Nova pauta ou tarifa da
alfandega
Ne livraria da praca da Independen-
cia n. d e 8, existe a nova tarifa que
tem deexecutar se a 9 de fevereiro, a
qual sera' mostrada aos Srs. assignates
do Diario, que a quizerem consultar em
quanto nao chegam algum para vender.
los consumidores de gaz.
A empreza da illuminagao
gaz, roga a todos os Srs. con-
sumidores favor de nao en-
tregaren! aos seus machiois-
tas ou serventes qualquer di-
nheiro quer de reparos ou
outro qualquer pretexto, sob
pena de lhes ser novamente
exigido Todos os pagamen-
tos devem ser feitos ao Sr.
Thomaz Garrett nico cobra-
dor autorisado ou no escrip-
toHo dos gerentes.
AluRa-ae o armazem da casa n. 41 alia na
tufi do Imperador ; a tratar na casa do fallecido
coraraendador Luiz Gomes Ferreira, no Mondego.
Precisa-so de uma ama para o servido in-
terno de uma casa de pouca familia : na praca
do Corpo Santo n. 17.
Precisa-se alugar um preto : na rua da
Matriz da Boa-Vista, padaria n. 26.
Quem annunciou precizar de 20fJ)000 al
400JKH)Oa premio sobre pinhres d ouro, ou hi-
potheca em cast, queira dirigir-se a rua da Im-
petriz ou por outra Atierro da Boa Vista n. 19
das 10 horras emdiante.
VIA FRREA
DO
Recile a Sao Francisco.
(LIMITADO.)
Avisa-se ao respeitavel publico que do dia 31
do crreme emdiante a companhia deiiar de
despachar carga para a estarlo da Pontezinha o
Irem continuar a passar para lomar e deixar
passageiros e bagagens.
AssignadoE. II. Bramah,
Superinlendente.
Precisa-se alugar para um sitio porto da
pra$a urna negra boa quitandeira ou moleque
trala-seepaga-sebem : para ajuslur, no largo
da Assembla, Forte do Uattos. cima do escrip-
lono dos Illms. Srs. Rabello & Filhos.
~" Aluga-se um sitio no principio da estrada
dos Afilelos perleoceute a viuva de Jos Joa-
quim de Mesquita.com tnuilos arvoredos produc-
tivos e una excellente casa assobradada, que se
torna recommendavel pelos seus commodos e de-
pendencias : a tratar na rua do Queimado n.18
loja de M. R. de Carvalho.
numero 20.
- Eduardo rSE?1 Archan da O" Rastelli.
pera do norte, declara nada'deTeT^ Q M 6"
gio-doAcsoLh0asddaa asa rr'iLSu
Pesc^mSd^nSa^S
anuos, bonita, carapinha dividida, a meio S r?
quera a pegar pu dalla der noticia, ser' bSn"t\-
;fipogdroaPnha,relIeco,iegio'ou nesia *-. -s.
Aviso.
O abaixo assignado avisa ao Sr. Luiz Jos Mar-
ques, arrematante do imposto das agurdente,
que do Io de Janeiro vindouro era diante deixa
vender agurdente em sua taberna sita na rua do
Codorniz n. 4. Recife 28 de dezembro de 1860.
Luiz de Pinho Tavares.
Quem precisar de uma ama para todo o ser-
vido deuma casa de pouca familia, dirija-se e rua
da Unio, passando a pontezinha, casa n. 2j.
Ama.
Precisa-se de uma ama para cozinhar em casa
de homens solleiros : oa rua Nova n. 43.
"TiiJsnijiafflaijBL
uecife ao rio Sao Francisco.
I/imitado.
Do conformidade com as inslrtfc?oes recebidas
da respectiva directora faz-so publico que desta
dala em dianle sao convidado* os accionistas
desia companhia a cumprirero edm os termos do
aviso que por ordem da mesma abaixo ficam pu-
blicados.
ifnCr'pCJ0aeorapanhia17 de dezembro de
18bU.E. II. Bramah, Ihesoureiro.
AVISO.
COMPANHIA DA VIA FRREA
DO
RECIFE A SAO FRANCISCO.
(LIMITADO.)
Pelo presente faz-se publico que por resolucao
da directora desta companhia, lomada nesta da-
ta tcm-se feito uma ouira chamada de duas li-
bras slerhnas por cada ac^o. a qual chamada ou
preslacao dever ser paga al o dia 31 de Janeiro
prximo futuro no Rio de Janeiro em casa dos
Srs. Mau Me. Gregor & C, na Babia aos Srs. S.
S. Davemporl & C, e em Pernambuco no es-
criplorioda thesouraria da mesma via frrea.
Pelo presente dea tambera entendido que no
caso de nao ser a dita chamada ou prestaran sa-
tisleita no da marcado para o seu pagamento ou
a ules o accionista que incorrer nesta falta paga-
r juros a razaode5 por cento ao anno sobre
tal chamada ou preslacao a contar deste dia at
que seja realisado o pagamento. No caso de nao
eliectuar o pagamento desta chamada ou piesla-
cao dentro de 3 mar.es a contar do dito dia xado
para o embolso da mesma ficarao as aeces que
incorrerem em tal falta sujeitas a serem confis-
cadas segundo as disposigoes dos estatutos a este
respeito.
Por ordem dos directores.
AssignadoW. H. Bellamy,
*nn r u Secretario.
199 Greshara House.
Od Brouad Street.
E C.
22 denovembrode!860.
Alugam-se os dous andares do so-
brado da rua da Cruz n. 45, recente-
mente pintados e commodos suficientes
para familia : a tratar no armazem do
mesuio
Henry Adour, subdito francez, segu para a
Europa.
n7I A,oga",e. ."noiem da roa da aladro d
Dos n. 2 ; a tratar com Mamas (V TrmBo.
Precisa-se uma sala independente. em so-
brado, na freguezia de Santo Antonio ou S. Jos,
para um pequeo escritorio, quem a tiver para
arrendar, dirija-se rua do Queimado o. 41 a
indicar sua morada para ser procurado.
Precisa-se de uma ama de leite,
na rua do Imperador n. 67, segundo
andar.
Attencao.
Existe o verdadeiro queijo ioglez Chedder, que
s pelo excellente goslo e qualidade superior e
prcferivel a outro qualquer, estando venda no
estabelecimenio de Sodr & C, na rua estreita
do BosarioD. 11, nico deposito.
Atteniion.
Parties desirons of relishingand appreciating
the well Known Chedder Cheese will have to ap-
plyto Sodr 4 C.n. II, rua estreita do Rosarlo,
which is the only place wher ihis delicious ar-
ticle is lo be had at presen!.
Attention
Les amateurs de fromage Chedder Cheese bien
connue sour ce nom et qui dsireot degouter doi-
vent se presenter ru de Rosario estreita n. 11
chez Sodr & C, atlendu que fuique deposi-
iaire de ce fromage reside daos cette ru.
de Janeiro de 1860.
Oa,l8* Perfira Bor8e "i a Europa
rSE^'-a^-i^^i
aTzer^^
o presente annuncio. j'oao Filinpe d Santos
rio~d. Zt;?B Sat>Her vivo ou morto Grego:
Lt ae,,,M I diiem ter morado na ruado
iaw *a 'dade> oflicial d9 MP'teiro. e fllho
di S B.Fr,M e fAD,0Da de J". "WM
?lh. i. *. ^"e"'- freKuia de S. Goncalo da
ani -",eir"' '"l d2er6m 'er O'rido ha 15
annos.o se era casado e linha lhos : qualquer
? do dqUo6 reJUlgr T-dire0 a a'Suma heran-
Mm jfn. ?r gfn' d,n ao escriptorio de
Lima Jnior & C. na rua da Cruz n. 28 para se
me darem os esclarecimenlos necessarios. lano
dos prenles exisleutes nesta cidade como na fina
[ da Madeira.
Attencao.
r.A.,1irg0ido Paroiz0' cocheira n. 21. ha bons
carros de aluguel para passeio dentro o fra da
cioaoc, mais commodo do que em outra qual-
quer parte, e faz qualquer viagem para o mato,
pois tem bons cavallos.
A casa de Pliippg Irmaos C a-
clia-se estabelecida na rua do Vica-
rio n. 2. B
Precisa-so de uma de leite na patoo do
Precisa-se de uma ama forra, que saiba en-
gommar, e fazer alguns trabalhos de casa de fa-
milia quera pretender dirija-se a rua da Cadeia do
ivtciic n. t
Quem tiver contas com o navio
hollandez Sicilie capito F. C. Senol,
arribado ueste porto, queira apresen-
ta las para serem pagas, nestes trez dias,
no escriptorio dos consegnatarios Bren-
deraBrandis C, rua do Trapiche ne-
vn. 16. Pernambuco 1. de Janeiro
de 1861.
O Dr. Joaquim da Silva Gusmo. medico l-
timamente chegado a esta capital, pode ser pro-
curado para o exercicio de sua prodssao, na rua
Impenaln. 64.
Ai?ga"e sbfado de dous andares e so-
lio n. 35, sito na rua do Imperador : a tratar no
Mondego, em casa do fallecido commendador
Luiz Gomes Ferreira,
-Francisco Jos dos Passos Guimaraes vai ao
Rio Grande do Norle, levando em sua companhia
sua senhora. r
C ompras.
Compra-se
um jogo de bagatelas, novo ou em bom estado
quem tiver Je quizer vender, dirija-se a rua do
Cabug o. 2, onde achara com quem trataa.
Conipmm-se escravos,
sendo de ambos os sexos, de 12 a 20 annos do
idade, sadios e boas figuras ; na rua da Impera-
triz n. 12. loja. p
Con-pra-se on aluga-se um escravo que sai-
ba cozinhar. eque nao seja de bebidas ; na rua
Vendas.
Attencao
um ascravo cozinheiro; na rua
.-\ ?t p X,KfrL- taberna D-12- tem ecos
com feijo mulaunbo, preto. furadinho. que do
todas as quahdades se vender por precos ra-
Vende-se
do Pilar n. 143.
d.lyeS?."r." %i,be,t ?ta n' a do Rosario
da Boa-Vista n. 54; a tratar na mesma.
atrh i"a,l0ja d.e c",ad0 raa da Ib-
!ueu.n,faDauHa.; "** *" C0,BO0<,08 Pra V
*rJri2SZV** P/eta com ,8 de ida-
de. coznha o diano de uma casa, engomma sof-
rivelBente, cose e Uva de sabio, Em dafoilo
alguB : na rua das Crozes o. 18. uio
-- Vende-se uma preta sen vicios, moca, sabe
cozinniro engommar, lava de sabio, e por pre-
co commodo ; na na das Cruzes a. 18.
Vende-se uma mulata maca gem vicjoi,
defeitos, com principios de todos es arrniPaf uma casa, por ser do mato, ura ma^iPtziZi.
por preco eoQMDodo, nm u&0eF2L 71-S2
diligente com 16 amio^^SS Ef SS
* *

\ MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO fe .
.7^50


) ,
/

'
j
uts do gaz
de cera
,esla superior qualidade s s vende no arma-
om de Barros & Silva.
E' o ultimo gosto.
Superiores gurgures delseda de quadriahos,
e liados padroes, pelo baralissimo proco de 1
.> covado, grosdeoaples liso de lindas cores a 2
o covado. cortes de laa muilo fina com 15-cova-
dos, padroes muilo booitos a 8S, ditas de quadros
padroes tatnbem muilo bonitos a 480 rs. o cova-
do, chales de cores, padroes inteirauente noos
a 1$ rs. o covado ; aproveitem em quanlo ae nao
acaba : na ra do Queimado n. 22. loja de
boa-f.
Farinha a 3S500
Vendesefarinba de mandioca a 3#500
a sacca : na ra da Madre de Dos nu-
mero 35.
Em casa de N. O. Bieber & Successorcs, ra
da Cruz n. 4, vende-se :
Ghnmpanha marca Farre&C.uma das m ais
acreditadas marcas,muicoohecidas do Rio de Ja-
neiro.
Vioho ieroz em" barris, cognac em barris e
caixas.
Vinagre branco etinto em barris.
Brilhantes de varias dimenses.
Eihersulfurico.
Gomma lacre clara.
Lonas, brinzaos e brins.
Aro e Milo
l'erro da Suecia,
Alsodao da Babia.
Ao publico
Faria & C. proprietaiio da loja de mar-
^ more, avisam aosseus uumorosos fregoe-
5 zes e ao pub"o ea> geral que acibara de
frse*t9c uaijJuBplB^fV'' nenio de (a-
zendas de modas e todas cro veudidas
3fc por precos mdicos.
Bolsas de tapete para
viagens.
Vcndora-se mui bonitas bolsas de tapeto oro-
priaspara viagens, etc., etc., pelos bnratissimos
precos de 5fy, 6# e7# : na loja da aguia branca,
rua'do Queimado n. 1C:
Vendo-so una escrava do 26 annns, cozi-
nlia, engnmma e lav, e nao tem vicios mos, por
proco commodo : na ra da Praia, armazera de
cariio secca n. 9.
Vende-se urna morrk de cata
terrea na ra da matriz da Boa-Vista :
a fallar na mesma ra sobrado que vol-
ta Dar a ra da Gloria n. 33.
H Gurgel & Perdigo. m
%Rua da Cadeia loja ri 23. ||
Receberam nuvos corles de cambraia
l branca bordada de duas saias e babadi-
t olio.
DIARIO DE f^jp^
--J-j|.Ui" r-
AMpCO QUARTA FEIRA 2 DE JANEIRO DE 1861
X

_^
Receberam completos sorlimento de
vestidos de blonde com maula, capella e
mais pertences. _____________
Receberam moaernos chapeos de pa-
lha para senhora enfciaHOs de plumas e
flores.
Receberam novos
peitos para aenhora
de sndalo.
Receberam ch
castor preto,
moderna

eites de cores e
ulceiras e estratos
a a 30500.
kem da ra da Madre de Dos
a farinha e mandioca, de-
pelo barato preco de 3$500
erna n
mdem rio|s
, ditos r) para horocm, de
e do seda turnia
Veud
seda
baba di"''*'
ja ules de
barege e gazo
vestidos
de seda
de
de
Ve dem as commodas saias Ualo de
mosselinas o cuttm de algodao para -
iihora e criancas.
-^'cndeui sedas e grosdenaples de qua-
drinhos padroes modernos e cores es-
curas, ditos lisos._______^__
do grosde-
e dons
e de
Vendern manteletes pretos
naples, ditos de seda bordados
bicos, capiuhas de croxe brancos
cores, polonezas degorgurao, taimas
l, fitas para cintos
de
Roa do Crespo,
Vende se no ar
o. 35, saceos com
sembarcada hooli
cada sacco. i^ no?Q ^QQ0
Vendem-se *'lh n0V0 efr' 8ac-co* gr8Dde- Pe"
lo preco acim
RuaA^ Queimado a. 39
L0iade quatro portas
TOAAr11*1 RODRIGUES TAVARES
JOAQr DE MELL0.
Ha cortes **e ""yH08 de seda de cores' 'azenda
multo a>^1e"or>ror0 >JJiieno to(|ue de mofo a
60&o4v'u'MID defei lo"* 100*000, teni uro.
reslo j^luaJas di toquira qu.estg-se acabando
a 20w00, Allfs Je m'rino bordadostoiFT{>nta
redon a **00, ditos sem ser de ponta re Qda
a 8*10, d'los s'anpados coro lislras de *eda
etnrod' bar" a 90, ditos de jicss estom-
pas a 7M1' d,,0S deSanga frannezi tarnTraii'
5 branca a ''?* .di,os feQrt'fnjae muito
!enco'/-ao a 20(M T,COB manteletes de grosdi-
,! a pies preto e de l'.res-'i tea mente enfeitadosa
259000, ditos muilo superiores a 30=5000, en-
feilesde vidrilbo preto a 3000, ditos de relroz
a 39500, organdis da mais fina que lia no mer-
cado a 19000 o covado, cambraias decores
: de padroes muito delicados a 800 rs. a vara, ditas
'deoutrasqualidadesa 600 rs. avara, ricas chitas
; farncezas de muilo boas qualidades a 280, 300,
320, e.4()0 rs. ao covado, a melhor que se pode
1 imaginar, peitos para camisa a 240 rs. cada urna,
corles de caseraira de cores a 65000. ditas em
pesfa de quadrinliosa 49000 o covado, gollinbas
de muito bom goslo a 19000, ditos de outros
bordados ricos a 3->000, manguitos de cambraia
bordados a 39000, tiras bordados e entrimeios
quesevendem por pre;o commodo, bombazil de
Bom e barato, i Espirito de vinho.
Vendem-se manleiga inglexa a 960 rs. a Wbtyi- VanAa ao
dita franceza a 641) ebOO rs., toucinho a 320
permacele a 680 aseite de carrapalo a 440/w-
rofa. milho e farelo a 200 rs. a cuia ch/ 5t. amello.
vinho do Porto engarrafado al) 800/* Ba-
rata ; na travesea do paleo do Paraiz^*- *" ca"
sa pialada de amarcllo.
Vende-se a 23560 e 29800 a caada ; na 1ra-
vessa do pateo do Paraizo d.16, casa pintada de
Cera de carnauba
BodRos cintos |ra senho-
ras e meninas,.
Taberna.
Vendo-se urna taberna, com poucos fundos e
bem afreguezada, sita em um dos melhoros lu-
gares dos arrabaldes desta cidade : os preien-
(Jcnles podem-se dirigir proca da Independen-
cia n. 5, onde receberao as dvidas iuformacoes.
Ao bello sexo.
loja n. 25, de Joaquina Ferreira de S, vende-se
por preijos baralissimos, para acabar : pegas do
cambraia lisa fina a 3, organdys muito finas e ,
modernas a 500 rs. o covado, cassas abertas de cores propno para roupa de crianzas, e capinhas
honitas cores a 240 rs., chitas largas a 200 e 240, para senhoras a 19400 rs. o covado, cortes de
cortes de cassa de coi es a 29. entremeios borda- cambraas je sal picos a 5J5000, cortes de cam-
v^a:SaVdTquroastnasr^ %i\>** enfeudas com Oras bordadas a 69000
veques de cambraia e fil a 59, peuleadores de e outras multas mais fazendas que sera dincil
cambraia bordados a 59, gollinhas bordadas a aqu pode-las mencionar todas
640, ditas com ponas a 29500, manguitos borda-
dos de cambraia e fil a 29, damasco de laa com
9 palmos de largara a 13600. bramante de linho -
com 5 palmos do largura a 900 ra. a vara, luvas 1
para senhora a 180 rs. o par, capas de fosto en- i
feiladas a 5a, pocas de madapolo fino a 4S, laa-
zinha de quadros para vestidos a 30, camisusde
cambraia bordados a 29, sobiecasacas de panno
fino a 20g e25S, paletols de panno e casemira de
16 a 20J, ditos de alpac de 39300 a 89, ditos de
brim de crese brancos de 395U0 a 5g, calcas de 1
casemira preUs e de cores para todos ps precos, |
ditos de brim de cores e brancos de 29 a .39, ca-
misas brancas e decores para todos os presos,
colletes de casemira de cores finos a 5 ; assim
como outras muitasfazendas por menos do seu
valor para fechar contas.
Libras sterlirias
Vendem-se no cscriptorio de Manoel Ignacio
de Oliveira & Filho, praca do Corpo Santo.
Cassas de lindos pagy'68 e "ores ftxas que se
pode garantir aos conprados, s240 rs. o covado'
ua ra do QueimscK loja de 4 portas n. 39.
As verdadeiras luvas de
Jouv.n.
A loja da aguia brancas acaba de receber de
sua encommendo as verdadeiras luvas de Jou-
vin, pnmeira qualidade, tanto brancas como prer
las para homerii e senhora : quem precisar, diri-
ja-se a dita loj'i da aguia branca, roa do Quei-
mado o. 16.
I Attencao. I
*f* Vende- on permula-se por casas pe- <
g> quenas urna grande casa sili em um lu-
^ gar prximo desta praca, podem dirigir- ll
x se para itiormaro e ajuste ao agente &
f% Aotunes na ra do Collegio. ?|
Feijo miilalinho.
Vendem-se saceos com feijo mulatinho, che-
gado da Ilha de Fernando ; no arenazem de Bar-
ros & Silva.
Esteiras da India de 4, 5
e 6 pamos de largo.
Vende-se da primeira qualidade especial a
a arroba : aa ra da Cadeia o. 57, armazem
Parate Vianna & C.
Bonets para meninos.
de
Na loja da aguia branca vendem-se
tas lilas com fivelas para cintos de
meninas, e pelo baralissimo
dita loja da guia branca, ra
mero 16.
senho..
preco de ifT*
do Queimado nu
0 tempo proprio para se comprar os bonitos
bonets de panno fino enfeitados com fila de cha-
malote e borlla, outros enfeitados com Ota de
velludo e pluma, e outros com galaozinho dou-
rado, todos pelos baralissimos presos Qe 39500,
49 e 59, ditos de palha escura, mui booitos e
fortes a 39, gorras de palha branca enfeitados a
I950O, e outros mu ditlerenies bonets de panro
enfeitados a 19 e 19280 : na ra do Queircad,
loja da aguia branca n.16.
Vendem-se saceos com feijo por 39 O sa^-
co, proprio para animaos : no paleo de S. Pedro
numero 6.
i
No armazem de tazendas da ra do Queimado
n. 19, propriamete para forro de salas e camas
por ser di melhor qualidade, e todas brancas
Chales.
99*&
i$ Machinas de vapor. %
$$ Rodas d'agua.
9 Moendasde canna.
9 Taixas.
}j$ Rodas dentadas.
Bronzes e aguilhes.
^ Alambiques de ferro.
fr) Crivos, padroes etc., etc.
*3 Na fuodico de ferro de D. W. Bowman,
@ ra do Brum passando o chafariz.
999S99 S@3@@ 8e@
Na loja da boa f, na ra
do Queimado n. 22,
vende-se muito barato.
Objectos de gosto "
senhoras e meninas.
A loja da aguia branca reeebeu um belloiWrii-
menlo de objectos de muito gosto e ullin/ mo-
da, proprios para senhoras e meninas, seF de-
licadas gollinhas e voltss de vidrilho, yvn de
cor. I o cornalina com atacador de mola, pora-
do, obra inteiramenle nova n de muilo mi", e
pelos baraiissimos preros de 29 cada JF':
na rn do Queimado, loja da aguia uanoa nn-
moro 16. .i
Perfumanas
jiovasi
A loja da aguis**nca oraa de re^ber do tna
propria rncomaifda uro ndo e completo sortv-
menlo de perfur/rias fluas, asquaes est ven-
dendo por monofdo que em oulrs qualquer par-
le : sendo o beo conherido oleo philocome e ba-
nha (Socirt Ily^eiiiqu-) a 19 o frasco.
Irados em bonif
PROGRESSO
de
--Mrso Penita--
M Faria & C. proprietarios da loja de
( marmore, avisam ao bello sex# em geral
W que acabam de receber um completo sor-
Si tmenlo de fazendas de modas proprias
7g da presente estacao.
Enfeiles de velludo, ultimo
gosto.
A loja da aguia branca acaba de receber mui
bonitos o delicados eufitcs de velludo, obra de
toda perfi-irao e ultima moda : veodem-sn a 109
i e 129: quem os vir nao hesitar de os comprar;
i vendem-se tambera outros de velludo e froco a
3$. 4J e 5g: na ra do Queimado, loja da aguia
branca n. 16.
Chapeos deso
DE
Seda grandes parahoraem
a 5#000.
Na ra Nov n. 36, defronte da igreja da Con-
ceican dos Militares.
Cambraia Usa fina com 8 1(2 varas cada peca a
4$500, dita muilo fina com salpicos a 59, dita de
cores de padroes muilo bonitos a 320 o covado,
cortes de cassa pintada com 7 varas a 29240, fil
de lir.ho liso muilo fino a 800 rs. a vara, larlala-
. j. I na muilo fina branca o do cores com 1 1|2 vara
.R:1.C.LC_h:al.eS *WR.-!!R?a*. .ecT^1 de largura a 800 rs a vara, guaroicOes de cam-
braia (manguitos e golla) bordadas muilo fins a
59, gollinhas bordadas de cambraia muito fina a
1>, espartilbos muito superiores pelo baralissimo
preco de 6j, penles de tartaruga a imperatriz
muito superiores a 99, bonets de velludo para
meninos a 5$, ditos de panno preto a 3$, sapali-
nhos de merino muito enfeitados a 2J o par, chi-
tas francezas fins escuras e claras a 280 o cova-
do, cortes do cambraia de cores com 3 babados,
cora 11 e 12 varas cada corte a 49500, superior*/
lencos de cambraia de linho muito fina e riai-
mente bordados a 9 dao com bico de linho a 19280, ditos de ram-
braia de liohd proprios para algibeira a 69. 7 e
85 a duzia, ditos de cambraia de algodao a *|400
e 39 a duzia, liras bordadas largas e finas com 3
1|2 varas cada per;a a 2$3O0, e assim oulras mul-
las fazendas quo vendem-se por precos muito
baratos : ua ra do Queimado n. 22, na bem co-
nhecida loia da boa f.
! 29,29500, 3| e
te, e oulras ig
a japonaiae em
dro tatnbem
odonuell, prin
copinhos com
diversas quali
bonitos vasos
ra offerta a 29,
9 frasquiuh
com 3 o 4 f
4 ditos a 1
agua balsa
muito bonitas a 79, ditos muito finos a 89500,
ditos lisos a 59, ditos bordados a matiza 8;50(J,
na ra do Queimado n. 22, loja da boa-f.
Tachas e moendas
Braga Silva & C, lom sempre no seu depo-
sito da ra da Moada n. 3 4, um grande sorli-
menlo de tachas e moendas para engenho, do
muilo acreditado fabricante Edwin Maw a tra-
tar no mesmo deposito ou na ra do Trapi-
che ti.4,
Capullos e llores.
Mui bonitas capellas para noivas a 59, 69 e 79,
ditas para ni ninas a 23. bonitos e delicados cai-
xos de llores finas a 1500, 29 e 39 : na ra do
Queimado. loja da aguia branca n. 16.
|pe
ira
frascos de cores e dourados a
a afama 'a banha transparen-
Imenle finas c novissimas como
nilos frascos, cuja tnmpa de vi-
fteia* oa mesma, huile concrete,
imperial, creme, em bonitos
rr.pa de meiol, c muitas outras
des, todas estas a 19 o irasco,
porcellana dourada proprios pa-
295OO, bonitos bahuzinhos rom
'de cheiro a 29, lindas restinhas
quinhos. caixinhas redondas com
e lc600, finos pos para denles e
para ditos a 19 e 19500 o frasqui-
fteloglos
Suissos.
Os proprietarios deste estabele-
cimento conviJam ao respeilavel publico, principalmente aoe amigos do bom e barato, que se
acharo cm sau armazem de molhados de novamente sonido de gneros, os melhores que tero
viudo a este uercado, porserem escolhidos por um dos socios na capital de Lisboa e por seren
a maior parle delles vindos por conta dos proprietarios
Gagos com c\iampau\\a
das melhores marcas que ha no mercado a 203*000 e em garrafa a 2&000 .
igos ae comadre
era caixas proprias pata mimo a 19000.
Barris com azeiloiias
os mais novos que lia no mercado a 1$2000.
Scrveja branca
das mais acreditadas marcas a 59000 a duzia e era garrafa a 500.
Quejos Wamengos
recbidos pelo ultimo vapor de Europa a 39000
i>uei\os parlo
das melhores qualidades que tem vindo a este mercado a 960 reis a libra, e em poreao se fa-
r algum abateraenlo.
Quejos suVsso
recentenaente chegado e de suqerior qualedade a 960 reis a libra.
CYioeoVale
dos melhores autores de Europa a 900 rs. a libra em porc,ao a 850 fb.
Marmelada Imperial
do afamado Abreu, e de (outros mais fabricantes de Lisboa em latas de 1 a 2 libras a 800
rs., em poreao de se far algum abatimento.
M.aea de tomate
em latas de 1 libra por 900 rs., em porejio vende-se a 850 rs.
Conservas francesas e inglezas
as mais novas que ha no mercado a 700 rs. ojfrasco.
Latas de bolaeninna de soda
ora diferentes qualidades a 18600 a lata
iVmevxas traneezas ^^
as mais novas quo tem vindo a este mercado em compoleiras, contando 3 libras por 39000 rs.
era atas de 1 e 1(2 libra por 19500 reis
Caixinbas com S libras de passas
a 39000 rs. em porejio se far algum abaliraenlo, vende-se tambem a retalhoa libra a 500 rs.
Manteiga ingleza
parteitamenie flor mait noia que ha no tBroiao "a* f%QrjTJ ra. a
gum abatimento.
Cb perola
o melhor que ha neste genero a 29500 rs. a libra dito hyson a 29000 rs.
Manteiga franeexa
a 720 rs. a libra em barril se far abatimento.
Toncinno de Lisboa
o mais aovo qua ha no mareado 320 reis a libra.
Macas para sopa
era eavtnhas de 8 libras com deferentes qualidadespor 49000 rs.
% Tambem vendem-seos seguintes gneros, todo recentemente chegado e de superiores qua-
lidades, presuntos a 480 rs. a libra, cuourifa mui la nova, mormelada do mais afamado fabricante
de Lisboa,maca de tomate, pera seoca, passas, fructas em calda, amendoas, nozes, frascos coro
amendoas cobrtas, coafeites, pastilhs de varias luadades, vinagre branco Bordeaux, proprio
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de San Flix, macas de todas as qualidades,
irorama muito fina, ervilhas francezas, champagne das mais acreditadas mareas, carrejas de ditas,
* spetmacete barato, licores francezes muito finos, marrasquino de zara, azeite doce purificado, azei-
tonas M^AjQovas, banha de porco refinada e outros muitos gneros que encontraro tendentesa
molhados, porsto pjometiem os proprietarios vnderem por muito peos doqueoutro qualquer,
prarnetiem mais tambenY^cj^rera aquellas pessoas que raandarem par oulras pouco praticas como
se viessem pessoalmenle roghfc-^aj^n, a iodos os senhores de engenho e senhores lavradores
queiram mandar suas eocommendas nfrW^t,, Progresso^ue selhes affian?a a boa qualidade e
o acondicionamentO ^^
Em casa de Schafleitlin & C, ra da Cruz n.
38, vende-se um grande e variado sorlimento
de relogios de algibeira horisontaes, oatentes,
chronometros, meiosebronometros de ouro, pra-
ta dourada e foleados a ouro, sendo estes relo-
gios dos primeiros fabricantes da Suissa, que so
vonderoBor precos razoaveis.
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisasinglezas.
Peitos par ac misas,
Risr.nutos
Emcasade Arkwight & C.;
Cruz n. 61.
):i\P9E SURT SEXTO
a, em brrtl aafari
FROCO.
Vende-se frco de todas as cores e grossuras,
com rame e sem elle a 400, 500, 610 e 1 rs. a
peca ; na ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 10.
Grammatica in-
giera de Ollendorff. *
Novo methodopara aprender a lr,
a escrever e a fallaringlezem 6 mezes,
obrainteiramente nova, para uso de
todos os estabelecimentos de nstruc-
f^ao, pblicos e prticulares. Vende-
se napraca de Pedro II (antigo largo
doColIegio) n. 37, segundo andar.
Relogios.
Vendem-se em casa de Braga, Silva & C., re-
logios de bur de diversos fabricantes inglezes,
por preco commodo.
Chega para todos.
Cassas francezas muito bonitas e de cores Gxas
a doze vintens o covado, mais barato do qne
chita, approveitem em quanlo nao se acabam ;
oa ra do Queimado n. 22, na bem conhecida lo-
ja da Boa F.
Cal de Lisboa,
nova, e muilo bem acondicionada : na ra da
Cadeia do Recite n. 38, primeiro andar.
Cheguem ao barato
O Preguica est queimando, era sua loja na
ra do Queimado n. 2.
Pecas de breanha de rolo com 10 va ra o
28. caaamir oscx infaaJaiU rnpr,i>Mw -
;a, collete e palitots a 960 ra. o covado. cam-
braia organdy de muito bom gosto a 480, rs.
avara, dita liza transparente muito fina a 39,
4>, 59, e 69 a pega, dita tapada, com 10 varas
a 59 e 69 a peca, chitas largas de modernos e
escolhidos padroes a 240, 260e280 ra. o cova-
do, riquissimos chales de merino eslanpado a
79 e 89, ditos bordados com duas palmas, fa-
zenda muito delicada a 99 cada um, ditos coro
urna s palma, muito finos a 8}500, ditos lisos
com franjas de seda a 59, lencos de cassas com
barra a 100 120 e 160 cada um, meias muito
finas para senhora a 49 a duzia, ditas de boa
qualidade a 3 e 39500 a duzia, chitas fran-
cezas de ricos desenhos, para coberta a 280 rs.
o covado, chitas escuras inglesas a 5*900 al
pega, ei 160 rs. o covado, brim branco de puro j
linho a 19, 19200 e 19600 a vara, dito preto'
muito encorpado a 19500 avara, brilhantina
azul a 400 rs. q covado, alpacas do difiranles
eres a 360 rs. o rovade, casemiras pretas
finas a 29500, 39 e 39500 o covado, cambraia
preta e de salpicos a 500 rs. a vara, e outras
muitas fazendas que se far patent ao compra-
dor, e de todas sedarlo amostras com penhor.
DE
Fizenlas s roupa feila
NA LOJA E ARMAZEM
DB
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello
.RA DOQUEIMADO N. 39
EWSUA LOJa DB QUATRO PORTAS.
Tem um completo sor ti ment de roupa feila,
convida a todos os seus freguezes e a todos
quedesejarero ter um uniforme feito com todo o
gosto dirijam-se a este estabelicimento que ero-
conlraro um habel artista chegado ltimamen-
te de Lisboa para desempenhar as obras a von-
tade dos freguezes, j tero um completo sorli-
mento de pilitots de fina caseraira modello ira-
glez, e maito bem acabados a 169000, ditos
de merino seiitu a 129000, ditos de alpaca
pretos a 59000, ditos de alpaca sobre casacas
a 88000. ditos com golla de velu a 99000,
ditos de fustao, ditos de ganga, ditos de"briro,
ludo a 590 >0, ditos de brim de linho tran;a
do a 6J000, caiga de brim de linho muito 8U_
perior a 59000, ditas de casemira de cor a
99000 e a 109.100, ditas de casemira pre-
ta superior fazenda a 129000, palitots fran-
cezes de panno fino fazenda muito fina a 259
sobrecasacas de panno muito superiores a 359
ea 409000, um completo sorlimento de cami-
sas fracezas, tanto de linho como de algodao
efusto vende-se muilo em conta, afm de que-
rer-seliqiudar com as camisas.
E pechincha.
Na loja do Preguiga, na ra do Queimado n 2
tem cobertores de algodao de cores bastante
grandes, proprios para escravos, pelo baratissi-
mo prero de 18-
Vende-se na ra do Livrmeuto
n. 19, borzeguins francezes a 6^, dito
de bezerro a 6$. dito de vaqueta a 7$.
Por metade do seu
valor.
Ra do Queimado n. 19.
Vestidos de gaze e piiantasia, muitoslindos.de
duassaias, pelo baralissimo preco de 10 cada
um corle.
A* pechincha, antes que
se acabe.
Na loja do PreguiQa, na roa do Queimado n. 2,
tero saias balo abortas, do ultimo gosto, pelo
diminuto prego de 59.
Cambraias
baratas.
19 Ra do Queimado 19
Cortes de cambraia branca muito flna eom l-
picos miudlnhos a 49600.
Cimbraieta para vestido, muilo flna, pelo ba-
ralissimo prego de 29600, 29800,39 e 39500 cada
pega.
Bales de mussulina, ditos arrendados, diloa
de madnplo.
PaodeSenteio novo.
Acha-se todas as qnarlas e sabbados, das 11
horas do dia em dianto : em Santo Amaro, pa-
daria allem.ia, e na ra da Imperatriz n. 2, ta-
berna.
Seguro contra Fogo
COJHPAHH1A
ira
LONDRES
AGENTES
C /. Astley A Companhia.
Vende-se
Formas de ferro para
purgar assucar.
Enchadas de ferro.
Ferro sueco.
Fo^ingardas.
Ac de Trieste.
Pregos de cobre de com-
posico.
Barrilha e cabos.
Brim de vela.
Couro de lustre.
Palhinha para marcinei-
ro : no armazem de C.
j. Astley & C.
i
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em caa deS. P. Jo-
hnston & C. ra dnSenzala n.il.
"aaatWMH* Umn a r.oeber-se por tt
sos Vapores artigos de modas para
horneas, inclulndo calgado de Melis na

Ljade mrmor.
Ra da Seitzala Nova n.42
Vande-se em casa de S. P. Jonhston S C
vaquetas de lustre para carros, sellinsesilhoe
nglezes, candeeiros e eastifaes bronzeados, lonas
nglezes, fio de vela, chicote para carros, erooo-
aria, arreios para carro de um e dons cvalos
relogios de ouro patente ingles.
*:
9 Kecobeu-se eeontlnua areceber-se por #
todos os vapores, vestimentas, calcado c|
0 chapeos para meninos na 2t
^ Loja de marmore.
RELOGIOS.
Vende-se em:asade SaunderaBro hers
C. praca do Corpo Santo, relogios d6 afama
do abncante Roskell, por pregos commodos
e tambemraocellins e cadeia atar a os meamos
aeexceellnte costo.'
nho ; e asfim urna inlinidadc de objectos que siio
patentes ei dita loja da aguia blanca, na ra do
Queimado d 14.
Vinho genuino.
Ai .da ha urna pequea quantidade de ancore-
tas/esie vinho sem coofeigoo, e proprio de doen-
te.-^ na ra do Vigario n. 19, primeiro andar-
W Vende-se um negro moco, robusto, para
[qualquer servieo, tanto de ganhar na ra como
de campo, por estor a estes amigos muilo acos-
| turnado : a tallar no Manguinhn, pnmeira casa
ida estrada dos Afflictos, lado dlreito, com sotao
I de varanda de ferro.
Vende-se urna casa terrea no bairro de San-
to Antonio : quem pretender, dirija-se a ra da
Cruz n. 51, armazem.
Vendem-se dous toneis proprios para azei-
te de carrapalo ; na ra Direila n. 4.
Vende-se um bonito boi muito manso, pro-
prio para carroca : quem o pretender, dirija-se
i Torre, no sitio do Sr. Francisco Gomes de Oli-
veira, que achara com quem tratar.
Gomma superior do Aracaty.
Vende-se a preco commodo : na ra da Cadeia
numero 57.
Vende-se
LSI CASA DE
Adamson Howie & G.
Vinho doForto de superior qualidade.
'
I.oirr e flele.
Fio de vela.
Sellins, silhes, arreios e chicles.
Itolhas.
Ra do Trapiche n. 42.
Machinas ameri-
canas
E OUTROS ARTIGOS.
N. O. BIEBER & C. SUCCESSORES,
tem exposto nos seus armazens da ra
da Cruz n. 4 e 9, urna infinidade de
machinas etc., como S-jam :
ARADOS de dierentfs modelos, traba-
1 lian do de 2 lados.
CULTIVADORES para Hmpar e abrir a
trra.
MOIMIOS para cana cm ponto peque-
no, pode ndo ser go ver na das por urna
pessoa. proprias para lavradores.
Ditas de DESCAROgAR M1LHO, um
processo pelo qual se poupa muito
tempoe emprega-se somente 2 pes-
soas,
Ditos de MOER MILHO, CAFE etc.,
etc. at o grao mais fino que bouver.
Ditos para FAZER FARINHA de mi-
IIio etc.
MACHINAS para fazer BOLACHINHA.
BOMBAS para cacimbas e
navios, muito mamas e
de forca superior por
mdicos precos.
Ditas com correntes para
tirar agua de lugares
mui fundos.
VERNIZ de superior qualidade para
carros. MB
CARROS de mao muito lev& e baratos
BALANCES de i ,000 libras para baixo
propria para armazens, deposito,
tabernas, botica etc., etc
MAPPAS geogrpbicos do mundo e
suas partes.
MACHINAS de costura de Sivat C. as
melhore que at boje tem atipare*
cido. r
Entremeios e tiras
bordadas.
VW#e-se mui bonitos eslrameios e tiras bor-
dadas em Coa caiabraia, obras mui bem acaba-
paraissodirijam-searua do Oueimadolojada
aguia branca d. 16. '
Loja das 6 portas
em frente do Livrjiftnto
Laziahas a 860 rs.
Camisinhas muito bonitas com duas larguras
tes de riscado francs jifa vestido a t, naa
f^,h.? ff"se ">' com penhor. A loja
esta aberta at aa 9 horas da noite. '

i
1
MELfiOTTEXEMPLAR ENCOTRADfJ I



t
" "^
=
DUIIO DE PERNAMBUCO. QUARTA FEIR 2 DB JANEIRO D8 1861.
Calcado.
Quadades escolhidas.
45:-Rua Direiti-43
[Eis a testa I E necessario renovar o calgado e
rer ao estabelecimento da na Direita, que o
Me muilo fresco e em perfeiio estado por es-
18 precos :
przeguins de hornera (bezerro a lustre) 9500
Ditos de dito dem)
Ditos dedito dem;
Ditos de dito idem)
Ditos dedito idem)
przeguins de senbore
Ditos de dita
Ditos de dita
Uitos de dita
apaiOes de bezerro [3 1[2 bateria)
Ditos de dito e de lustre
ios borzeguios da horaem
przeguins de menina 4JOO0 e
ppaloes de bezerro para menino 4$ e
[palos de lustre para senhora a
Recebeu-serecenlemente e continuo a
recebor-se directamente de Pars e Lon- 2
drespor lodosos valores, de eocommen @
da especial, wligos de modas para se- I
nhoras na 2
Lojade marmore. g
9*000
8J500
8S000
69OOO
59OOO
15800
4500
4S000
:>96O0
59006
6S<>00
39600
39500
1fi200
lindas caixinlias de cos-
tura.
j Na loja da aguia de ouro, roa do Cabug n. 1
L vendero-se as liodas caixas de costura pro-
nas para mimo, assini como pianinlios com a
lia competente msica, quadros dourados, tan-
Is da saatos como de retratos, proprios para en-
tile da sala, jarros cora flores muilo liados, es-
Impss tanto de guerras como de vistas decida-
fes, caixas de msica com lindas degas, realejos
randes com 30 peinas corapostas de falsas as
Jais modernas, ludo isto se vende por precos
ommodos.
TAssucar e caima.
Vondo-se assucar masenvado a 100 rs. a II-
ra, agurdente de canna engarrafada a 240 a
durrafa ; na iravessa do pateo do Paraizo 11. 16
{asa pintada de amarello.
Ceblas.
Vende-se a 610 e 800 rs. o cenlo ; na iravessa
do pateo do Paraizo n. 16, casa piolada de ama-
rollo.
Ra do Queimado
n. 39,
Loja de quatro portas
DE
IOAQUIM RODRIGUES TAVARES
^DE MELLO.
Chegou ltimamente a este eslabeleciment um
completo surtimenlo de chapeos pretosfrancezes
do melhor fabricante de Paris, os quaes se ven-
dem a 79000, ditos a 8000, ditos a 9S>000
ditos muilo superior a 109000, ditos de castor
pretos e braacosa 169000, o melhor que se
pode desejar, chapeos de /eltro a Garibaldi de
milito superior massa a 79000, ditos de copa
baixa para diversos precos, ditos de palha escura
de varias quadades que se vendera por preco
biralo, bonets de veludo para meninos a 59000,
ditos de palha escuras e claras a 49000, ditos
de panno muito bem arranjados a 39500
chapeos deseda para senhoras a259000 muito,
superiores, ditos de palha escuras proprios para
campo a 129000, ditos para meninas 10*000,
chapeos de sol de seda inglezesa 109 e a 129
muito superiores, ditos francezes a 83000,
ditos da panno muito grandes e bons a 49000.
sapilos de valudo a 29000. ditos de tranca a
l&iOO, sinlos de grugurao para senhoras e me-
ninas a 2J001, coeiros do caseraira ricamente
bordados a 129000, e outras muir fazendas
que a vista dos frageles nao deixaro de com-
"REMEDIO INCOMPftRAVEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Milhares de individuos de todas as nacoes
podem tostemunhar as virtudes deste remedio
incomparavele provar em caso necessario, que,
pelo uso que dalle fizeram tem seu arpo e
rnembros inieiramente sosdepoisde havot em-
pregado intilmente outros tratamentos. Cada
pessoa poder-se-ha convencer dessas curas ma-
ravillosas pela leiiura dos peridicos, que Ih'as
relatam todos os dias ha muitos annos; e a
maior parte deltas sao to sor prndenles que
admiram os mdicos ruis celebres. Quantas
pessoas recobraram com este soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois de tr
permanecido longo lempo nos hospitaes, onde
deviara solTrer a amputado 1 Dallas ha mu-
cas quehavendo deixado esaes, asylos de pade-
timentos, para se nao submeterem a essa ope-
rac,5o dolorosa foram curadas completamente,
mediante o uso desse precioso remedio. Al-
guraas das taes pessoa na enfuso de seu reco-
nhecimento declararam estes resultados benfi-
cos dianle do lord corregedor e outros magis-
trados, afira de mais autenticaren! su* afirma-
tiva.
Ninguem desesperara do estado de saude se
tivesse bastante confianza para encinar este re*
medio constantemente seguindo algum lempo o
tratamento que necesstasse a natureza do mal,
cujo resultado seria provar inconleslavelmente.
Que ludo cura.
O ungento i,e til, mais particu-
larmente nos* seguintes casos.
Alporcas
Gaimbras
Gallos.
Ancores.
Cortaduras.
Dores de cabera.
das costas.
dos me.nbros.
Emfermidades da culis
em geral.
Ditas do anus.
F.rupcoes escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Pialdade os falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva atcaldadass,
Inehaces.
Inflamaijo do {gado.
Vende-se este ungento no estabeleci ment
do Londres n. 244, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguistas a oolras pes-
soai encarregada de sus venda em toda a
Amaricado Bul, Havanat Hespanha.
Venda se a 800 rs., cada bocetinha conim
urna instruccao em portugus para explicar o
modo de fazar uso dest unguotuo.
O deposito geral em as do Sr. Soum,
pharmaeeuitco, na na da Cror. n. 23. em
Pernamkico.
Infla aimagao da bexiga.
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos pe tos.
deolhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos
Pulmoes.
Queimadelas.
Sarna
Supuraces ptridas
Tinfaa, en qualquer
parle que soja.
Tremor da nerroS
Ulceras na bocea.
do figado.
nas artieulaees.
Veas torcidas ou no-
das as pernas.
AGENCIA
DA
FUNDIDO LOW-MOW,
" Una da Senzalla Nova n. 42.
Neate estabelecimento contina a haver um
completo soniment de moendas e meias meca-
das para engtnho, machinas de vapor e taixas
te/erro balido e coado, de lodos os lmannos
para dito.
Potass da Russia e cal de
Lisboa.
No bem coohecido eacreditado deposito da
ra da Cadeia do Recite n. 12, ha para vender
verdadeira poiassa da Russia nova e de superior
qualidade, assim como tambera cal virgem em
pedra, tudo por precos mais baratos do que em
oulra .qualquer parte.
Ra do Crespo
loja n. 25 de Joaquina Ferreira de Si, vende-
e por 1 precos baratissiroos para acabar : ves-
tidos de tarlatana bordados de seda a 89000,
organd de cores muito finas a 320 rs. o 00-
vado .cassas de cores a 240 rs., chita larga a
200, e 240 rs., capas de fusilo enfeitadas a
59000, easaveques de cambraia e fil a 59000,
perneadores de cambraia bordados a C9000,
babados a 320 rs. a vara, tiras bordadas mui-
to finas a 19500 a pega, riscado francez fino
a 160 rs. o covado, golnbas de ponas bor-
dadas a 29500, manguitos de cambraia e fil
a 29000, camisinhas bordadas muilo finas a
29000, chita larga com lustro e muito fina
propria para coberla e roupes a 320 rs., es-
guio de lindo a 1200 a vara, roupes de
seda fei|os a 129000, vestidos de seda mofados
a 89000, luvas arrendadas a 100 rs. o par,
vestidos de grosdenaple pretos com barra de
cor a 20r>000, palitos de pao prcto e de cores
de 10-SOOOa 209000, sobrecasacas de panno
muilo fino a 259000, caigas de casemira preta
e de cores de 69000 a 109000, ditas de brim
branco e de cores de 2)5000 a 59000 palitos
de brim branco ede cores de 29500 a 59000,
ditos j de alpaca de 39000 a 89000, brim
trancado de algodao com 9 palmos de largura
proprio para toalhas a 900 rs. a vara, damas-
co de la com 9 palmos de largura a I96OO0
covado, velbulina preta a 400 rs., brim de
linho de cores a 19500 o corte, meias cruas
para homem a 19200 a duzia, camisas de
linho! inglezas a 329000 a duzia, pegas de
raadapolo fino a 49500, cortes de lanzinha
muito fina com 15 covsdos a 86000 rs., ca-
misas de cotos e brancas de 19500 a 39000,
e outras militas fazendas por menos do sen
valor para fechar contas.
As melhoresmachinas decoser dos mais
afamados autores de New-York, I.
M. Singer &C. e Wheeler &Wilson.
Q)
Imperatriz n. 10
Yista.
Neste estabeleci-
mento vendem-se as
machinas deste dous
autores, mostram-se a
qualquer hora do da ou
di noiie, e responsabili-
samo-nos por sua boa
qualidade eseguranca:
no armazem de fazendas
do Raymundo Cario
Leite 4 Irmaos ru da
amigamente aterro da Boa-
Loja das seis portas em
frente do Livramento
Covado a 200 rs.
Chitas largas de bonitos goslos a 200 rs. o co-
vado, ditas estreila.s de cores escuras a 160 rs.,
pecas de bretanha de rolo com 10 varas a 29
dilas de esguiao de algodao muito fino a 3$, ris-
cadinho de linho a 160 o covado, lencos brancos
cora barra de c6r 1 120 rs., ditos brancos com bi-
co a 200 rs., algodao monstro com duas larguras
a 610 a vara, laziohasde duas larguras, fazenda
nova para vestidos a 500 rs. o covado, enfeites d
tranca com lago de fita para caliera de senhoras
a 2^500, cortes de riscado para vestidos a 2g, pe-
cas de madapolao com 4 1|2 palmos de largura a
49100, chales de merino estampados muilo tinos
a 63. A Inia est aborta aleas 9 horas da noile.
SYSTEMA MEDICO DE HOLLOWAY.
P1LUI.AS HOLLWOYA-
Este inestimavftl especifico, composto inteira,
mente do hervas medicinaes, nao contm mercu-
rio nem alguma oulra substancia delecteria. Be-
nigno mais tenra infancia, e a compleico mais
delicada igualmente prompto e seguro para
desarreigar o mal na compleico mais robusta ;
enteiramente innocente em suas operaces eef-
feitos ; pois busca e remove as doencas de qual-
quer especib e grao por mais antigs e lenazes
que sejam.
Entre mimares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que eslavam as portas da
morte, preservando em seu uso : conseguirn!
recobrar a saude e forjas, depois de haver tenta-
do inullimente todos os outros remedios.
As mais afflictas nodevem entregar-se a des-
esperado ; fac,am um competente ensaiodos
efficazes effeitos desla assombrosa medicina, e
preMes recuperarao o beneficio da saude.
Nao se perca lempo em lomar este remedio
para qualquer das seguirnos enfermidades:
[ROUPA FEITA ANDA MAIS BARATAS.!
SORTIMENTO COMPLETO
gFazendas e obras feitasj
!
LOJA E ARMAZEM
DE
Hua do Queimado
i n. 46, trente amareUa. %
Constantemente temos um grande e va- |
riado sorlimrnto de sobrecasacas pretas 5
de panno e de cores muilo fino a 289, 9|
30J e 359, paletols dos meamos pannos
a Sos, 22$ e 24g, ditos saceos pretos dos |f
mesmos pannos a 149, 169 e 18g,^asa- *
cas pretas muito bem feitas e de superior *
panno a 289, 30$ e 359. sobrecasacas de 52
casemira de cores muito finos a 159, 16g *
e I6g, ditos saceos das mesmas casemi-
ras a 10$, 129 e 14$, caigas prelas de if
casemira fina para homem a 89, 99, 10/ fj
e 12, dilas de casemira decores a 7$. 89, 98
S9 e 109, dilas de brim brancos muito aj
fina a 5g 069, dilas de ditos de cores a fl
39, 39500, 4 e 49500, ditas de meia ca- |
semira de ricas cores a 4$ e 4J500, col- f&
leles pretos de casemira a 59 e 69, ditos S
de ditos de cores a 4$500 e 59, ditos *s
brancos de seda para casamento a 59, fl
ditos de 69, colletes de brim branco ede O
fusio a 39,39500 e 49, ditos de cores a S
295OO e 39, paletols pretos de merino de ^
cordo sacco e sobrecasaco a 7f, 89 e 99, |
colletes pretos para lulo a 49500 e 59, 2
caigas pretas de merino a 49500 e 59, pa- *
lelots de alpaca preta a 39500 e 4$, ditos 5)
sobrecasaco a 69, 79 e 8$, muito lino rol 1|
leles de gorgurao de seda de cores muilo
boa fazenda a 39800 e 4g. colletes de vel- fl
ludo de cores o pretos a 79 e 89, roupa para menino sobre casaca de panno pre- jfl
l tos e de cores a 149.159 e I69, ditos de 91
% casemira sacro para os mesmos n 6J500 e
St 79. ditos de alpaca pretos saceos a 3? e S
*m 39500, ditos sobrecasacos a 5$ e 59500, 5
Sjj caigas de casemira pretas e de cores a 69, 31
p 6$500 e 79, camisas para menino a 209 *
| a duzia, camisas inglezas pregas largas 8
9 muito superior a 329 a du2ia para acabar. JJ
m Assim como temos urna ofhina de al S|
& faiate onde mandamos execular todas as Jy
a| obras com brevidade. 3
Coke (carvo),
ou combustivel para cozinhas, cadeiras, etc.,
muito econmico para as casas particulares: ven-
rle-se na fabrica do gaz, em porgos de um quin-
tal para cima a 19 o quintal.
Vinho do Porto, genuino,
Rico -- de 1820.
Slomacalde 1830.
Precioso de 1847.
Asduzias.e em caiinhas, a diuheiro, por ba-
rato prego : vende-se na ra do Trapiche n. 40,
escriplorlo.
Meias muito bara-
tas.
A loja da aguia branca esl provida de urna
grande quantidade de meias, e melhor sorlimeu-
to que se pode dar, e por isso esl veudendo-ss
mais barato do que em oulra qualquer parle ;
sendo meias cruas encorpadas, de abanhado ou
bocal elstico para homem a 2j;500, 3$. 3J50O, 4g,
4S500 e 59 a duzia, dilas inglezas o melhor que
se pode encontrar a 69 o 6S50O, dilas de fio de
Escocia ponta encarnada imitandoseda a 800 is.
o par, e de cores a 640 e 800 rs., ditas brancas
mui finas e tapadas a 2(400, 3$500 e 59, e flua-
simas a 89 a duzia, ditas brancas linas e fio unido
para senhoras a 49, 4J80O, 5c500 e 6*500, e de
fio de Escocia primeira qualidade a 8*500 a du-
zia, ditas de seda brancas e pretas a 2$500, 3{J,
300 e 49, ditas cruas mui encorpadas para me-
A 9,000 a arroba.
Vende-e cera de carnauba da velha
e nova safra a preco de 9$: no antigo
deposito d largo da Assembla n. 9.
5kf
@ Vendem-se 5 carroa novos com todos os 5
arreios : na ra Nova o. 21.
CANDIEI/fOS
ECONMICOS
NA
Ra Nova n. 20.
Chegou um riquissimo sortimenlo de candieiroa
econmicos de muito bonitos modelos, desde o
mais superior al o mais ordinario, por preco
muilo commodo, com a experiencia propria de-
ver agradar ao comprador, e vista da pouca
despesa que faz, animar a aer Iluminado a com
os ditos candieiros a gaz ; os mais baratos sao a
imitago de nma lamparina, produzindo a luz a
tres velas do esperroacete com a importancia de
40 rs. por noite ; gradualmente ir sobindo to-
das as mais quadades at o maior, que servir
para ornar e Iluminar urna rica sala, equivalente
a 16 velas de espermacete, tudo isto se garante
sob a condigao de voltar e restiluir-se o seu
importe, na falta de nao agradar a experiencia
feila: na ra Nova n. 20, loja do Vianna.
Cofres de ferro para dinheiro,
joias. etc., etc.
Na loja da aguia branca vendem-se bonitos co-
fres de ferro mui fortes e seguros, com fechadura
e chave, edediffercnles lmannos, proprios para
se guardar dinheiro, joias e papis de importan-
cia, pelos baratissimos pregoa de 4J500, 58000,
5*500 e 6$ : em dita loja da aguia branca, ra'
do Queimado n. 16.
5010.
o ira a- o <
i
i

o ? a
t- s- o.
O. o ^ <
o a o
e 13.
o a,
S o-?
1
B M
ogSS
*.?

= =-
-||8.SS
DE
JOAQUN DE OLIVEIRA MAIA
24-30~Praca da Independeacia-24-30
Grande, cariado e escoiido sortimento de chapeos de
todas as formas qquadades, a saber:
De seda Anos, de castor, brancos e pretos, compello e
sem pello, de 10 a 14$, defeltrode todas as quadades e
vanas formas, Magenta, Solferino, Touristas, Jerome, etc
etc.: de palha escura (phantazia), de palha e casemira
(dem), de palha do Chille, ditos muito finos, aveudados
altos e baixos, de gorgurao de seda, de oleado para criado '
De Maula,
loSngaad^raCc5ireDdaTeS Para a esla5 P" "em leves, multo frescos, escures, elegante. d.
De baleia, forma cavour,
elegantes, muito frescos, leves e de duragio.
, WL MOA ma shunums.
escuros e claros, com enfeites e sem enfeites. -w-#9
Ctmpleto sorlinienlo para meninos e criancas.
dem de bonets para homens e meninos
e finalmente ontrosmuitos, quesera enfadonho mencionar.
!TO IDMlil
DE
* S9

ra o
vr
7M>
en
a-asga
* lT c S. i-^ P^: w a
o
P g
.

S--2
eco
N\ liOalA. JL V1VM VZEM
DE
O a. *" -
o> O) ,2f
O Cv o'
c-w o-t-o s 8^2 E -
c
iSSSI-Ssg-
c ar>
S C
cz ra t- iy. CT'.O

.oi
S8IS
3 *TT----
ttce c;c >E^E = cci
Algodao monstro.
Vende-se algodao monslro com duas larguras,
muilo proprio para toalhas e lences por dispen-
sar toda e qualquer costura, pelo baratissimo
preco de 600 rs. a vara ; na ra do Queimado n.
22, na loja da boa f.
Relogios.
Vende-se em casa deJohnslon Pater & C,
ra do Vig8rio n. 3, umbello sortimento de
relogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool ; tambem
urna vaiiedade de bonitos trancelins para os
mesmos
Na loja do Dubarry, na ra da Imperatriz,
existe anda um resto de chicotes americanos, a
melhor cousn que lem vindo a este mercado pelB
ra muila duraro : a clles, que eslao no resto.
Balos de 80 arcos.
Vendm-se superiores baloes com 30 arcos,
sendo muito rrrommendaveis poi poderem flcar
do tamanho que se precisar, pelo baratissimo
preco oe Cft ;_na ra do Oueimado n. 22, na loja
da boi f.
m
E de graca.
Corles de calcas de meia casemira de cores es-
curas a IjtGOO, ditos de brim de linho de cores a
2g,riscadinhos de linho proprios para obras de
meninos a 200 rs o covado, grvalas de seda de
cores a 640, ditas pretas eslreiliDlias e largas a
Joaquim Francisco dos Santos.
40 RA DO OUEIMADO 40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
19000
Seda de quadrinhos muilo fina covado
Enfeites de velludo com froco pretos e
de corea para cabera de senhora da
ultima moda
Fazendas para vestidos, sendo seda la
e seda, cambraias e seda lapada e
transparenre, covedo
Luvas de sedabordadas e lisas para
senhoras, homense meninos
Lencos de seda rdxos para senbora a
2000e 29500
Mantas para grvalas e grvalas de
seda de todas as quadades
Chapeo francez forma modrrna 81500
LenQosde gurguro pretos 2}000
liiras capellas brancas para noivados
Saias balo para senhora e meninas
Tafeta rxo o covado 9500
Chitas franceza a 260, 280, 300, e 93*20
Cassas francezas, a vara 9600
Selim preto azul e encarnado proprio
para forros com 4 palmos de largura
o covado
Casemira lisa de cores 2 larguras, o co-
vado
Chales de miron bordados, lisos e es-
tampados de todas as qualidades
Seda lisa preta e de cores propria para
forros com 4 palmos de largara, o
covado
Ricos cortes de seda pretos e de coros
com 2 saias e de babados
Ditos de gaze e de seda phantasia
Chales de loquim muito finos
Grosdenaple preto e de cores de todas
as qualidades
Seda lavrada preta e branca
Capas de fil e visitas de seda preta
com froco
lC00
29000
19500
Machinas de costura
Bramante
bretanhas e atoalhado
Na loja da boa fe, na ra do Queimaao n. 22,
vende-se bramante de linho muito fino com duas
varas de largura, pelo baratissimo prego de 29400
a vara, bretanha de lioho muilo fina e muilo
targa a 209, 22$ e 249 a pega com 30 jardas,
atoalhado de algodao com duas larguras a 19400
a vara, dito de linho muilo superior, tambem
com duas larguras a 3J a vara, ; na ruado Ouei-
mado n. 22. na loja da boa f.
Pianos
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
A ra polas.
Areias (mal de).
Asthma.
Clicas.
ConvuUes.
Debilidsde ou extenu
580.
Debilidado ou falta de
torgas para qualquer
eousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
T-d barriga..
nos rins.
Dnreza no ventre.
nfermidadesno ventre.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueta
Herysipela,
Febre biliosa.
Febreto da especie.
Gotta.
tleroorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Infla mmafes.
Irregularidades
menslruaco.
Lombrjgas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Abstrucjao de ventre.
Phiysica ou consump-
pulmonar.
Retenco de ourina.
Rheumatismo.
Symptoraas secundarios
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venereo(mal).
Febreto intermitente.
Vende-se estas pilulas no estabelecimento ge-
ral de Londres n. 224, Strand, e na loja de
lados os boticarios droguista e outras pessoas en-
carregadas de sua venda em toda a America do
Sul, Havana e Bspanha.
Vendem-se as boeetipbas a 800 rs. cada
ama dallas, contem ama instrucelo em portu-
guez para explicar o medo de se usar deslas pi-
lulas.
O depoailo geral em casa do Sr. Soum
dhBrraaceutko, na rna da Cruz n. 22, em Per-
nambuco.
nios a 200 o 240 rs. o por, ditas brancas ede 19, ealemdistu^"outras azendas'qu" se ve'ndem
cores a240 o 280 o par, duas para meninas a 39' muito em routa ; Da loja da boa f, na ra do
a duzia, ditas de seda para baptisado a 29 o por, | Queimado n. 22.
ditas de laia e de seda para padres a 9, 8 e -i5
o par. Emlim vista de tantas e diversas quali-
dades, o melhor approveilar-se a occasio, e
dirlgir-se a ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16, que ser servido com agrado e since-
ridade.
Ailiiiiravi'is remedios
americanos,
Todas as casas de familia, senhores de enge-
nho, fazendeiros, etc., devem estar prevenidos
cora estes remedios. Sao tres medicamentos
cora os quaes se cura eficazmente as principaes
molestias.
Promptoalivio de Radway.
Instantneamente alivia as mais acerbas dores
e cura os peiores casos de reumatismo, dor de
cabega, nevralgia, diarrha cmaras, clicas,
bilis, indigestao, curp, dores nos ossos, contu-
ses, queimadura, erupQes cutneas, angina,
relen^ao de ourina, etc., ele.
Solutivo renovador.
Cura todas as enfermidades escrophulosas,
crnicas esyphililicas : resolve os depsitos de
maoa humores, purifica o sangue, renova o
systema : prompto e radicalmente cura, escro-
phulas, venreo, tumores grandulares, ictericia,
dores de ossos, tumores brancos, afeccoes do fi-
gado e rins, erysipelas, abeassos e ulceras de
todas as clases, molestias d'olhos, diffieuldsde
das regras das mulheres hipocondra, venreo,
etc.
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regularisar o systema, equilibrar a circu-
lado do sangue, inteirameate vegeues ftvora-
veis em todos os casos nunca ocasiona nau-
zeas nem dorres de ventre, dses de 1 a 3 re-
gularisam, de 4 a 8 purgara. Estas pilulas
ao efficazes as aflecces do figado, bilis, dor
de cabeca, ictericia, indigestao, e em todas as
enfermidades das mulheres, a saber: irregula-
ridades, fiuxo, reieuces, flores brancas, obs-
truccoes, histerismo, etc., sao do mais prompto
effeito na escarlatina, febre biliosa, febre ama-
relia, e em todas as febres malignas.
Estas tras importantes medicamentos vem a-
companhados de instrueces impressas qua raos-
tram com a maior minuciosidade a manaira de
applica-losem qualquer enlormidade. Eslao ga-
rantidos de falcificajao por s haver venda no
armazom de fazendas da Raimundo Carlos Lei-
te & Irmao, na ra da Imperairiz n. 10, ni-
cos agentes em Pernambuco.
Saunders Brothers & G. tem para vender em
eu armazem, na pr-ra doaCorpo Santo n.ll,
alguns pianos do ultimo gosto recentimenta
chegados.doabem conhecidose aereditadoa fa-
bricantes J. Broadwood & Sons de Londres
muito proprio spara este clima
Campos <&L Lima
receberam urna factura de chapeos de sold se-
da para homem, tendo entre estes alguns peque-
os que servem para as senhoras que vo para o
campo tomar banhos se cobrrem do sol, e como
a porcio seja grande se resolver o vender pelo
preco de 69 e 6g500, e alguns cora pequeo de-
eiio a 59 : na ra do Crespo n. 16.
Extracto
DE
sndalo e outras essencias
para lencos.
Na loja da aguia branca se acha o verdadeiro
extracto de sndalo, bem conheoido por sua se>
perioridade, era frascos,menores e maiores a 29
e 29500, assim como finas essencias de rosa, Mag-
nolia, Patcholy, Luiza l alaria, e muitos outros
cheiros novos e agradareis, e conforme o tama-
ito do frasco rndese a 29, 3, 4 e 59 A bon-
dad de taes essencias e extracto j bem co-
nhecida pelas muitas pessoas que tem comprado,
e ainda ser por quem do noro comprar : na ra
do Queimado, loja da aguia branca n. 16.
No armazem de E. A. Burl
le (fe C, ra da Cruz nu-
mero 48,
rende-se chmpanos das melhores marcas que
vem ao mercado, mais barato que era qualquer
oulra parte ; cofres de ferro (burras)das quecos-
turna receber, do melhor fabricante que ha oeste
genero,sortimenlos dolodos os" lamanhose to-
dos os precos ; novo sortimento de pianos, de (
um excedente fabricante, que se veodero por
conta do roesmo, deduzindo-se a coravissao e o
descont aue os tornasse baralissimos.
DE
Slvat & Companhia.
Estas machinas sao as mais perfeitas
no ramo de mecanismo, unindo a urna
simplicidade a maior geireza e perli-
cao para toda e qualquer qualidade de
costura, do ponto mais fino ao mais
grosso. O vendedor se obriga a ensinar
o methodo aos compradores ?t o sa-
bcrcm bem, assim como a ter as machi-
cbinas em ordem durante um anno.
Estas machinas cosem com 2 /los nao
quebram o fio como muitas outras o la-
zem e tao as melhores e mais baratas
ate boje conhecidas no mundo, ellas se
achm expostas na galera do SR. OS-
BORN, RETRATISTA AMERICANO NA
RA DO IMPERADOR N. 38, onde
urna senhora competentemente habili-
tada as ara' ver e trabalhar. Igual-
mente se acham expostas no armazem
de MACHINAS AMERICANAS, RA DA
CRUZ N. 4 E 9.
Rival sem segundo*
Na loja de miudezas da ra dtQueimado n.
55, defronte do sobrado noro ha para render
pelos diminutos precos os seguintes arligos:
Duzia de saboneles muito finos a 600 rs.
Candes de clcheles com duas ordens a 20 rs.
Caixas de colchetes batidos a 60 rs.
Duzia de meias cruas para homem a 89.
Dila de ditas para senhora a SfoOO.
Pares de meias para senhora a 300 ra.
Latas com banha muito fin* a 500 rs.
Iscas para aeender charutos, caixa a 60 rs.
Phosphoros em caixa de folha a ISO ra.
Cartas de alflnetes muito finos a 100 rs.
Caixs de agulhas francezas a 180 rs.
Pares de sapatos de tranca de algodao a 19.
Frascos de macass perola a 200 rs.
Ditos de dito oleo a 120 ra.
Duzia de facas e garlos, cabo prelo, a 3#.
Pares de sapatos deles para meninos a 800 rs.
Hilos de luvas de cor fio de Escocia a 380.
Masaos de grampas muito finas a 40 rs
Caivetes de parar penna a 80 rs.
Tesouras muito finas para costura a 500 rs.
Ditas ditas para unhas a 500 rs
Pecas de franja de lia com 10 varas a 800 rs.
Ditas de tranca com 10 raras a 320.
Linha Pedro V. carlao com 200 jardas a 80 rs.
Dita com 100 jardas a 20 rs. ,
Escoras para denles muito finas a 800 rs.
Cordao imperial fino e grosso a 40 rs.
Oleo de babosa muito fino (frasco) 400 rs.
Fitinhas estreitas para enfeltar Vestidos a 800
rs. a pega. .
Labvrinlhos de muito bonitos gostos por todo
o preco.
Cordes para andar espartilho muito grandes
a 100 rs.
Dito para dito pequeos a 80 rs.
Pecas de trinca de linho com 10 raras a 200 rs.
Ditas de Irania de seda preta com 10 raras a
1|400.
Vara de dila a 160 rs.
Pares de meias de cores para meninos a 160.
aixas para rap multo finas al},
iohapara marcar (caixa de 16 nvelos) a 320.
ATTENCAO.
Vende-se o deposito da ra das Cruzes n. 41,
sendo a arma^ao, o gaz, os gneros e os sppare-
lhos de comida, tudo em muito bom eslado epor
diminulo preco : a tratar na ra das Cruzes n.
33, segundo indar.
Milho e farelo a 3#500.
Na taberna do estrella no largo do Paraiso nu-
mero 14.
cobertos e descobertosr pequeos e grandes, de
ouro patente ingler, pera homem e senhora de
um dos melhores fabricantes de Liverpool, in-
dos pelo ultimo paquete inglez : em casa de
Sonihall Mellor -C.
Escravos fgidos.
No dia 18 do corrente desapporeceu da casa
do abaixo assignado um seu escravo de nome
Moyss, de 18 annos do idade. pardo, de estutura
regular, corpo secco e espigado, sem barba ne-
nhuma, olhos pardos, nariz afilado, bocea peque-
a, labio inferior grosso eps grandes, levou ca-
misa branca, urna calca parda escura e oulra
ara
ser
azul : a pessos que o apprehender, pode leva-lo
ou a ra do Vigario, sobrado n. 21, segundo an-
dar, ou a ra das Cruzes, em Santo Antonio, so-
brado n. 3, primeiro andar, ou ao sitio na Ira-
vessa da Casa Forte para o Foco da Panella, que
ser recompensado.
A. ]. de Moraes e Silva.
Do engenho Cuiigi, freguezia da Fscada,
ftgio no dia 3 de novembro do correle anuo o
escraro de nome Antonio, com os signaes se-
guales : estatura regular, cor mulato, cehello de
negro, pouca barba, denles limados, idade 25 ou
28anno8, pescoco e ps grossos, lem pelo rosto,
pescoco e peiios algumas marcas de pames, e
ajgumas cicitrizes pelas costas que parecem ter
sido de chicote ; nao levou comsigo roupa algu-
ma, e consta haver fgido para o lado do serio
d'onde viera : quem o apprehender, poder el-
va-lo ao referido engenho, ou no Becife, ra es-
trella do Rosario n. 80, ao Itlm. Sr- Florismun-
do Marques Lina, que ser bem recompensado.
Escravo fgido.
Um mulato claro, magro, com pannos pretos
rt iH?daa 0 r08'?' "Presentando ter 25 anno*
iJ, a Dfltur'1 d0 8i0 d0 Peiiet chamado
a n ""PPmpcou no dia 30 de outubro da cosa
o ur. Cosme de S Pereira, <|e quem escraro -
suppoe-se ter levado um carallo preto do Sr!
ttosuon que se cavia sollado, e que elle fora
em busca do mesmo ; auppe-se mais que sua
mulber da nome Maris tambem o acopipanha**
levando nm pequeo bahfi de flandres : roga-se*
as autoridades policiaca e a culrs quaetquer
pessoas que o prendan, e remeUam o seu se- -
nhor, que pagar qoplquer despeza.
Pugio da cidade do Aracaiy, no mez de se-
tembro prximo passado, um escravo do rom-
mindan* superior Manoel Jos Peona Pacheco,
que ha pouco o havia comprado ao Sr. Bento
Lourenco Collares, de nome Joaquim. de idade
derincoentae tantos annos, fulo, alto, magro-
denles grandes, e com (alia de alguns na frenti-
queixo fino.-ps grandes, e com os dedos grai..;,
dos pt bem iberios, muito palavriao,- ir ,-m-
ca-se forro, e tem signaes de ter sido%irradA
Consta que este escraro apparecera no dia 6 do
correte, rindo do lado das Cinco Ponas, e sen-
do enterrogado por um parceiro seu coonecido,
disae que linha sido vendido por seu senhorpara
Goianninba : qualquer pessoa que o pegar o po-
dara levar em Pernambuco aos Srs. Basto & Lo-
mos, que gratificarn genrosmelne.
ILEGVELI
' MUTILADO


<)
DAkfu t>* mnmm. gujMk mu m hmtt} 01 un
j.-r.-----------.........-------ArTf|Tfi.
\

Variedades.
! mesmo em Franca, um ceno alvnroto entre
i"J"
SUPERSTigES D05 INDIOS.
D'u'ua caria que da rnissao de S. Miguel das
Indias, com data de 29, um padre capuchinho da
provincia da Suissa escreve m seu couit.iie
de Fribourg, extrae* le Chronqueur a* su-
guintes passsgens, que nos aqui traduzimos :
Um dos grande* vicios cotnbater nos lu-
dios o espirito de superstigio. O Intio su-
perstioso por sua nalureza, e rauitas vezes, ainda
que convenido, tem nanitas difficullades em
uao se abindonar s pracas supersticiosas dos
pago^. Vou cilar-vos alguns exemplos d'islo.
Quando vao para a caga, f.zem queiraar certas
hervas ou roizes, e passara e repassam as suas
espingardas de caga, reun las em feixes, pelo fu-
mo poduzido pelo fogo. Os mancebos que teern
era vista mudar e oslado, trazem com ellos cer-
tas bolsinhas contando pos tirados do reino ve-
getal ou raiueral, pos >m team seusolhosa
efficaciu de lhes conciliar a affeigio da pessoa,
objecto da sua escolha. Se ha urna pendencia
entre um marido e sua raulher, e que esta re-
ceia ver-.se abandonada, recorre amuletos, para
recuperar a affeieo do maiido irritado.
B', sobreludo, nos casos de dojmea, que o In-
dio recorre a cem praiioas supersticiosas, mais
abominaveis e mais ridiculas urnas do que as
oulras. Assim, os Indios reputados doulores
que furuiam uras sociedade parte, especie do
ranc-uiaconaria, que tem suas differencas de
graos, reunem-se era redor do doente. Ahi
executam certas dansas chamadas as dansas da
grande medicina. Cada medico ou feiticeiro
est armado do seu sacco de medicina, que con-
siste u'uma pello d'ura animal qualquer, ou
u'uma pelle de serpenle, coutendo os ingredieu-
es de medicina que cala um tem o direito de
ler, segundo o grao que occupa na faculdade.
Todos so aproximara do doente fazendo cora o
seu sacco ura movimeuto de projecco, e acom-
pnnbaudo este gesto d'uma forte aspiraco. Du-
rante este lempo, um dos mdicos agita sem
cossar urna cabaca che'a de semenles secas ;
depois ha discusso, consultara acerca dos reme-
dios que se devem empregar para a cura da do-
euca era questo. Devenios dizer de passagem
que estes homens conhecem um grande numero
de remedios muito efflcazos, e tem acontecido
indios curarcm docnles que mdicos americanos
liubam abandonado. As libacoes d'agua de fogo
(agurdente), por que os Indios sao loucos.
acompanham estas consultas, e ordinariamente
estes doulores sabem das suas conferencias n'ura
completo estado de embriaguez. Os Indios m-
dicos tem em certas pocas assemblas em
que os candidatos sao recebidos forca de pre-
sentes, ou iniciados admittidos um grao supe-
rior. Esta promocao consiste em lhes serem da-
das as raizes ou simples remedios para curar,
que elles al enlo nao linham, com a indicacao
do eniprego quo u'elles devem fazer. Oulras di-
versas ceremonias, que teem alguma cousa das
do baptismo, sao postas era pratica u'essas occa-
.sioes.
0-: Indios tem alm d'isto urna grande fe
nos snnhos. Ordinariamente, na sua mocida-
tle, jejuam cinco a dez das consecutivos, aflm
de oblerem um sonho tavoravel do grande-espi-
rito. Dse jara, sobreludo, ver o sol em sonho,
porquo, segundo elles, um tal sonho um pe-
nlior corlo de que mais tarde se tornaro guer-
reiros valontes ou habis cacadnres. Quando
urna creanca lem um sonho que desagrada
seus pues, piniam-lhe a cara de prelo e fazem-
o jejuar ludo-un dia, para impedir os mos re-
sultados que esse sonho poderia ter. Tambera
piutam a cara do prolo em signa 1 de luto ; por
um irmo, por ura esposo fallecido, o luto c
d'um mez lunar, por um ilho de dez dias s-
menle.
Como os antigos, os nossos Indios levam
comer aos morios. Levantara sobre o sepulcro
urna pequea casla de madeira, com urna ni-
ca abertura, pela qual passara o sustento. Te-
nho passado militas vezes junto d'estes lugares
de sepultura. Sobre os sepulcros dos guerrei-
i us destinguem-se pequeos paos com a cruz de
Sanio Andr pintad- de vermelho. Estas cruzes
indicara o numero de individuos que o fallecido
malou na vereda da guerra, como elles se expri-
mem. Notae que ludo o que acabo de dizer s
se applica aos pagaos, mas que muitas vezes os
nossos christaos leera difflculdade em se absle-
rem completamente d'algumas d'estas pra-
ticas.
.i. .J.M1 .' .. .... _------------'------------- r ..iran vvnwiw.ni ap Amonio uoueano
| all sociedade, os joalheiro e lapidarios. Des* margen* do Garonna, p. aquello* Qnineontes, iotegritati usa restitu. Lugduni apud. Leb.ry-
cobriu-se, ao quo parece, recenlemenle no reino que sao a gloria e o desranecimenlo dos habitan- phisiom 1541, in 4.
de A va urna nova especie de brilhautes, que tes da ra Mon tesquieu e mais ras, beccos e
li%m i.J. .. l.^lt ..._i:i.j... J.. .. ..____ ... .. J-
tetn todo o brilhu e qualid.des dos ouirus, e
alm d'isso, um* propried.de odorfera, que se tecu! d nosso israelita Iliterato desappareceu.
.... u ...-> piiiuou.ue uuuruciii, que .oueu i u nosso israeiua iliterato aesappareceu. "Bieiene ui au rol uora Ldoard traduiCl du aiirtrt d C --------- -
ra.nife.ia u'uma temperatura elevada da athruos- nao como o Le VolGhabrol, o Prost e oulros Caslill.n (de Luiz Hurlado) en francote par Jac- S 1 tul d b k T ** Prla"leio'
phera de urna cmara, ou melhor aiuda, u'uma Buanceiros de syrapathias porluguez.s, mas co- quea Vinceol de Crosl-Arnauld en Douohin va- *r\ panhl Por 7a> de
sala ,i I.sIb mr. n,.0m -,,.; ....., ____......... i.vnn Tkih..i.'t.... i> -._.._ ... '8**8 Vereniots, a Paria eiu casa de Es-
BRILHANTES ODOBIFEROS.
Ha, diz o Spartrt, actualmente em Londres, e
i' ww^Ii^>
1 OLHETOI '
GDY LEYI[\GSTONE
sala de baile.
Estes diamantes apparcem na parte de Ava
banhada pelo Irawadi, cujo slo se Compoe de
materias frreas e carbnicas.
O perfume que exhalara um mixto de m-
bar, de incens e de urna esseocia de madeira,
muito commum uos trpicos, e que se designa
com o nome de pao da India.
Ja no reino de Ava, e era algumas oulras par-
tes do Bereraan, ande estes brilhanles sao co-
uhecidos, a imaginacao oriental lhes aliribe
virtudes lalismanicas, ao ponto de admillir que
a pessoa que os traz exerce um poder fascinador
sobre aquelles que se lhe aproximara, e que a
sua accao produz urna especie de hypnolismo
moral, urna embriaguez de affeicoes e de senli-
tnenlos do corceo.
Esta crenna d um grande valor i esles dia-
mantes. Sao, particularmente, procurados pelos
oabaDos, principes, etc., cujo trage habitual
comporta os mais sumpluosos adornos.
' mais urna gloria ameacada, mais urna re-
voluto que se prepara para vencer o diamante
de nossos avs e deslhronal-o da sua anliga
preponderancia.
A llvraria de um millionario.
Entre os banqueiros ricos de Pars llgura ura
hornera de Brdeos chamado Flix Solar. Foi
socio do grande e incomparavel Mus, o recons-
truidor de Marselha, e em poucos anuos de sim-
ples jornalista converteu-se em millionario. A
tenacidade e raais qualidades da raca israelita
fazem miudo scmelhautes milagres.
Deslas ultimas palavras conclue o leitor que o
Sr. Solar judeu, e conclue bem. Diz elle que
judeu ponuguez, proiencao aristocrtica de io-
dos os israelistas da Europa. Parece que os nos-
sos judeus eram da tribu mais fldalga de Israel,
e nao ha rabbi de Odessa, de Cmnsladt, de Ar-
changel, de Amsterdam ou da Ilaia quo nao juro
ler urna coslella pnrtugueza. Tenham, se isso
lhes agrada, o ha muito quo se diz: l're-
sumpc.ao e agua benlu cada qual toma a que
quer.
Mas que os rabbinos portugueses eram do san-
gue real, isso parece cousa apurada. O caso
que por raais que a inquisiclo queimou nelles, e
os flagellou, e atorraeutou, e encarcerou, e se-
queslrou, os que-escaparam essas tormentas
sao hoje genle de grande valia e muito procura-
dos para o servico da naci e do rei, o que me
nao pareco mal, so elles leem os requisitos ne-
cessarios para isso
Pois o Sr. Solar, depois que se despachou mil
lionario, nao se esqueceu de que fura jornalista
Comprou i Emilio Girardin a l'rcsse e nos
casos graves nao desdenhara de sahir lume
cora o seu arligo de fundo dcvidamenle assigoa-
do. Apezar dos milhes, os arligos do Solar
nem dourados agradavam ao publico, e a au-
toridad.- do urna vez implicou com elles. O
nobre fiuanceiro depoz a penna de Girardin, que
era pesada para as suas mos, e eclipsou-se da
arena jornalista.
Porm como as ioflammacoes lilterarias sao
das mais rebeldes e acompanhadas de um pruri-
do insupporlavel, o Sr. Solar deixou de ser jor-
nalista e lez-se bibliophilo. Agora o vers I Era
um comprar de livros, como nunca se vira'
A^iui pagava ura rolume com roaos cheias de
ouro; acola comprava urna bihliolheca inteira
s para adquirir urna ou duas obras. Ao cabo
de pouco lempo achou-se proprietario de gran-
des raridades bibliographicas, e augrnentou o
valor desles thesouros fazendo encadernar os li-
vros pelos mais celebres encadernadores de Pars
e com as mais ricas encadernacoes.
Pallava-se muito da bibliolheca do Sr. Solar,
entregue aos cuidados do Sr. padro Deschampa,
homem entendido na materia e bibliotecario do
S. Exc. como se dizia era Portugal, se o tal
sugeito eslivessesBo servico de qualquer calca de
Couro, elevado millionario por acasos s vozes
pouco virtuosos, e pintado de visconde ou de
baro por um ministro amigo da limpeza, como
se manda caiar um muro sujo para recreio dos
que passam e asseio do sitio.
Ha lempos comecou-se dizer que o Sr. So-
lar tiaha chelo o saccu e que se retirara para as
travessas da cidade de Borbos.
assim .con- MiH.nt el >* tictorienx cher.lier P.lraerira de ""co 7ZZl TZ!'^" ^
duiaurmu. Angleterrefllsduroi n.n> F,1 mo quem vae muito soiegado para sua casa,
com lencao de lhe mandar gravar na porta o
Inveni portum; spes tt fortuna vahU:
Sai me lutti, ludite hunc altos,
que assim o fez em lempos mais remolos e muito
nobre e astuto Sr. D. Gil Braz de Santilhana
no seu casal do Loria. E como se foss embora,
resolveu vender a bibliolheca na bem fundada es-
peran;, de que circumstancia de serem livros
do um banqueiro rico e a excellencia das enca-
dernacoes fari.m com que lhe comprassem por
200 o que lhe cusiera 4 ou 5.
O livreiro Techeoer fez o catalogo e expedio-o
aos mais notaveis madores da Europa. O cata-
logo um bello volunte em 8o do 516 paginas
com as noticias necessarias acerca de 3148 vo-
lumes, alguns na verdad da grandoproco, es-
tros nicos no sea genero. O celebr bibliophilo
P. L. Jacob escreveu o prologo, que pelo es-
tylo de annuncio e reclamo em queest redigido,
poderia ter sido escripto pelo Sr. Pais ou por
qualquer outro arrematante de publicidade, sem
incommodar um hornera de lettras.
Falta-me espaco para indicar as riquezas des-
ta colleccao de livros de millionario israelita,
mas devo dizer quo urna das mais perfeitis bi-
bliothecas francezas que teobo visto. Corr o
catalogo ou antes li-o cora attencao, nao s pelo
interesse que em geral essas cousas inspirara aos
homens de letlras, mas principalmente para ver
em que numero os nossos livros figuravara n.
collecro de quem se presava de origem portu-
gueza. flo encoutrei um s Carades por enlre
as multiplicadas odices do Tasso, do Dante e
do Ariosto !
Honlem foi o priraeiro dia de arremataco,
mas eu nao pude l ir. Hoje fui, por que onlre
os livros que deviam vender-se havia o seguinte
sob o n, .499:,
Hieronymi Osorii Lusitani. De Gloria Lib V.
Ad Joannem Tertium Lusitania Regera Floron-
tias 1552 Apud Laurentium Torrenlinum cum Pri-
vilegion 4."
A* este titulo acresccnlra o redaclor do cata-
logo as observarles que vao ler-se :
Bell, edicao desta obra celebre do Cicero lu-
sitano, dedicada D. Joao III. rei de Portugal.
Sobre a capa, depois de feita a encadernacao,
foi poslo ura escudo cofli as armas de Franca.
Era tudo isto ao menos nao ha lolice de mar-
ca maior, o admira, porque, por exeraplo. no
numero 369 em que se d noticia de urna vida
de Fr. Barlholomeu dos martyres, era fran-
r,e Foriz166). diz o catalogo: Archevesque de tenant eomment l'Inde
Tereotil comedi9:MX ab Antonio Goueano
w*.-.
Le premier (el le second) livre du pieux,
dos de Macedoni. e da bella Gri.na, tr.d. do cas-
lelhano em fr.ricez por Jan Maugin. chamado U
petit angevU, P.ris, Viocent Sertenas 1353 io
foi., e finalmente a Historia de Primalaio d. Gre-
Vincenl de Crosl-Arnauld en
Lyon, Thibauld Payer 15S3. 2 lora, em
foi. (Reli o.r Padalou. 1 Tm .. nrm a*. urouiwau ioo m tol. Todo, estes cinco
^L'Z'."221*1 i"rA""" 22?'"""*, r*MH **
^u rnnippo. colleccao que no calhaiogo tem por titulo Os
Le Courrier d'Aniour par Gen. Gomes de '
V.sconcellos. Lyon tCT in 12.
-- wnBui#,aH ucsifl Tauua nouTer mais .1-
Tirante il Bianco, valorosissimo cavaliero. guma cousa digna de mencionar-se, darei coola
di liogua sp.gnola nel lo idioma nostro per mes- exacta .os leitores. Do calhaiogo que so ha de
ser Lelio di llaufredi iradotlo. lo Venegi. nclle roimprimir com os presos das vendas cont re-
casn di Nicnlini du Qnlihin .11 ____ ___ j\ _..... __ ___* .__ ........
_ Brague (Uragance) que assira se sabe geogra-
phia portugueza entro os bibliophtlos francezes.
Fui com elTeito. nao par. comprar, mas ni-
camente para ver al que ponto vallara os nossos
autores nesia babylonia parisiense. Fui cedo
de mais. Estive muito lempo espera o como
havia pouca gente notaram a minh longa de-
mora sera dar ura lauco. Afinal appareceu o
llvro do hispo Ozorio com s folhas douradas, a
capa loda cubera de flores de liz, e as armas de
Franca de cada um dos lados. Por dentro era
lelira do mi o de dala moderna um extracto
biographico do aulor e urna referencia aodiccio-
nario de Moren.
Posto leos, ning.iem offerecou um cnti-
mo. Aloal, um livreiro velho, que ostava ao p
de mira, disse com desdem 5 francos, e oslavara
para lh'o dar. Nao me pude conler e lancei mais
um franco. Pois franco franco levaram-o a
35 francos o mais 5 por cem para as despezas,
segundo o estylo. Fiquei cora o livro, e confesso
que vim para casa lo contente, como se tivesse
resgatado o nosso hispo de Silves do poder dos
inflis.
Os livros francezes venderam-se precos fabu-
losos. Eu vi vender ura livro (cujo. cgul possuo
e me custou 1 franco) por 99 francos, e mais nao
vale quasi nada, mas a encadernacao era de Ca-
p, e urna encadernacao de Cap, de Dura, de
Troujs-flaaonnet e do alguns oulros valo para
os amadores como tima taca de Benvenulo Celi-
ni para um esculptor, ou um quadro do Hurillo
para um ap.ixon.do de pintura.
Eu aiuda l quero vollar Tenho desejos do ver
por que pregos se vendera os seguinles volu-
mes :
case di Nicolini da Sabbio : alie spese pero del
nobile huorao H. Fed. Torresano a'Asola nell'ao-
uo 1538 in 4.* 2 rol. (Roll par Padelftup). Exem-
plar la Vallire. Esta rarissiina obra perlence
colleccao dos Aldea.
Aloisias Sigoem Tuletan Satyra Soladica de
arcani. amoris el Voneris. Amsteodarae (Gen-
ve) sem data, 2 partes em 1 vol. em 11 (Enca-
denado por Cap) Edi<;ao rara
Proverbios de Sneca. Imprcssos on Sevi-
Iha por Juan Croberger 1535 in fol-goth. era duas
columnas, grandes iniciaos de madeira. Magnifi-
ca encadernacao de Cap.)
Aschanii Angli, regim olira majesfati lati-
nis epistolis, .miliarum epist, libri III accesso-
runt htec postroma edil. Joan. Sturm. Hior.
Osorii, aliorumqueepstolas, addila sunl.... Rog.
Aschan poom.la. Ilanovias 1602 in 12 (cora as
armas dedeThou) O calhaiogo diz quo este
lindo volume perteoceu colleccao dos snjs. Pay-
no e Foss, e quo a edigSo completa destas car-
tas lid'as em conl do classicasem Inglaterra e
dedicadas rainha Isabel.
Lellres de S. Prancois Xivier, de la com-
pagine de Jsus par Mr. L. Abolly, prestro. Pars
1860 in8. (Encadernaclo de Duesseuil.)
Letlres portugsises. A Pars Ct-Barbin 1669
in 12. Edicao original em caracteres grandes, diz
o calhaiogo.
Exegesis Genealgica sive explanalio arbo-
ris gentilicias Henrici regis, nominis HH, Na-
varra III. los. Teera Portugalo auctoro. Lug-
duni Batavorum in ofllc. Plauliniaoa 1592 io 4."
com as arvores genealgicas e o' bello retrato de
Hennque IV gravado no estylo de Thoraas de
Leu, acrescenta o cathalogo.
Relation des Irouhlos srrivez dans la cour
de Portugal en 1667 el 1663. Arasterdara (F.lser.
laSphre) 1674 in 12. Encad. de Daru). Con-
lm. diz o cathalogo. a reuu nciaco de Affonso
VI coroa, a dissolucao do seu casamento com
a princeza Maria Francisc Isabel de Saboia, o
casamento da raesraa princeza com Pedro, re-
gente do reino e as razes que so allegaran em
Roma para oblera disponsa. (Este livro j eu ti-
ve comprado no caes Voltaire por ura franco.)
Lo premier livre de l'hisloiredo rinde, con-
ost dcoiivcrte par lo
Vernassas Quereiuob), a Pars em casa de Es
lienne Gruulleau 1550 in ol. Todo, esles neo
melier um oxempl.r i bibliolheca publica,
qual devia ter um agente era Paris e outre m
Londres para a compra de algum livro raro e e>
prego para nos.
As legacdes, sondo compostas, segundo a lei,
de homens cora habilitares litterarias, poderiam
fcilmente fazer esse servico ou .o menos remol-
ler os calhalogos com antecedencia para a biblio-
lheca publica. Os cathalogos com precos leem de
mais a vantsgem de mostraren) quanto atem no
mercado europeu os livros que possuirmos eguaes
aos rendidos, e que se os ttvermos era mais do
que dou ou tres exempl.res podera servir para
rocas proveitosas. As bibliolhecas publicas de
Londres, de S. Petersburgo e do Munich team
sempre agentas as vendas de livros em Paris e
por iutervenco d'elles teem feito acquisices im
portantes.
Eu nao digo que rompremos tanto como a In-
glaterra ou como a Russia, mas cora a Baviera
ainda poderiamos hombrear, mrmente seappli-
cassomos para estas iguarias que sustentara o os-
pirilo, algumas das sommas que perdamos em
nutrir o cev.r corpor*Bem entendimonlo empre-
gados em commisses, sera juizo. Eeta ao me-
nos a minha humilde opinio.
A. A. Teixeir.i de Vascoxcellos.
recaa era bons canditados Para isto miste
que a cubeta estja era bom estado, o que s pode
assegurar-vos o uso liberal das pilfuio* uivtrtatt
do Dr. Brandret Estando os ioteslioos em Mas
coDdices, a cabeca e o juizo nao podera estar da
outro modo. Tome eda roanle, polo mono*,
uma dse de qualro pihlas ante, de terga feira
prxima e o sou voto ser conforme justica I
um m*io poltico de que ucuhum goveroo se
liaba ainda lerabrado I
E' REMAR CON IRA A NAHE'.
N'uin meeiing que a sociedade dos adversarios
do tabaco, na Inglaterra leve em Glasgow, presi-
dido por Mr. W. Rwing, resulreu-sequese apre-
aenlasse uma represenlajo ao lord prevoste para
obter que a poltica prohibisse fumar as ras.
Quo diria uualquer dos raombrus d.quella so-
ciedade se viesse assistir um espectculo do
nosso Ihealro-crco, entre nuveos densas de fu-
mo de tabaco? I___
de C8l-
COUSAS DESTE MUNDO.
Quando em abril de 1857 se pozeram em leilo,
os objectos que perteoceram grande trgica Ra-
chel, o [r. Deschowiiz, medico polaco, irrema-
lou uma caixa de ouro cravejada de diamantes,
com quo o imperador Napoleao tinhi presenlea-
do a grande trgica ; ura bracelete esmaltado o
guarnecido de brilhautes, prseme da rainha Vic-
toria, cujas iniciaos linha gravadas, o um mag-
nifico broche de diamenles.
O doulor, encarregado de curar um doente ata-
cado de alieoaco e natural de llavaua, correu
com esle a Europa e desembarcou por IIm 6
de setembro em Nova-York, lovando n. su. ba-
gagem as joiss quo tinhara pertencido celebre
NECROLOGIO.
Ne dia 21 de novembro falleceu em Buckebur-
go o principo reinante de Schaumburgo-I.ippa,
iorgeGuillierrae.com 78 annos deed.de, poia
linh. nascido 20 de dezerabro de 1784
Succede-lho seu lilho. o principe hereditario
Adolpho Jorge, nascido no Io da agosto de 1817
O principado de Schaumburgo, estado da con-
federaco germnica, enlre Prussia e H.nover,
tem 560 kil. quadrados e 26.000 habitantes e fo
corislituido em 1648 pelo tratado de Weslphalia.
CAMINHO DE FERRO.
Com dala de 18 de oulubro. escrevem
culi ao Timts o seguinte :
A India inaugurou um. nov. seceo dos seu
catninhos de ferro, que sao desiiuados ser par
esle paiz um poderoso meio de civlisacao. N
da tli, a linha do caminho de ferro foi aborta al-
Rajmahal, sobre o Ganges, i 202 milhas de Cal-
cul. O trew chegou osla .miga capital de
Bengala com uma presteza de 35 milhas por hora;
transportara o governador geral, o commandante
em chafe e Igumis notabilidades de Calcula.
Tor esta occasio houve bauquele e prooun_
carara-se discursos. O de lord Canning tere o
ro mrito de salsfazer toda a genio.
A viagem correu perfeitamenle. Os accionis-
tas desle caminho leem agora 8 p. c. de juro. O
transporte de viaj.Qi.es e mercadorias lem aug-
raeutado cjnsideravelmeoie todos os annos, o
;ora muito mais devo crescer. Se chegarms a
fazer face por alguns annos ao nosso terrivel d-
ficit, ha de ser a locomotiva achare que abrir
energa inglezi os immensos recursos ainda inex-
plorados desle paiz.
BISPOS DESORDKIROS.
Segundo escrevem de Constanliuopla, acaba de
passar-se uma sceoa pouco edificante no syno-
do, por occasio da promoco do arcebispo de
- -------------*......-" i"--' """" __. i-ikuiu^iu uo arcenispo de
trgica (rancez. ; e que nao pagar.ra direilos na Cyzique dignidade de patriarch. Durante as
altndola. OOmue st r.oiiiiilp.rar.i-n nhiootna no._ dplilnlrarop> rolitliva nota bumJ.______. .
OU
A' TODO TRANSE
Jorge Alfredo Lawrenee
XXXIV
Quer seja o dia multo ex-
tenso, quer muito curto, ero
lempos deve o ngelus soar-
Pouco ha que notar nos acr-nlecimenios dos
annos seguimos. Leving.tone vivi. quasi sem-
pre em Keriou ; monlav. muito c.vallo, e fa-
/ia-se deslinguir mais que nunca em lodo, os
caca e do campo ; mas ainda
commderaent du roi Emanuel: el la guerre que
les capitaines porlugalois oot menee conlre Sa-
raorim, ro do Calocul: faiel par Femad Lpez
de Castagneda et traduict de portugus em fr-
?oys par Nicols do Grouchy. Pars, Vascosan,
1553; io 4." Livro raro, acrescenla o calha-
iogo.
Com isto satisfago a minha cu riosidade, visto
que o Sr. SoUr nSo lem livros portuguezes. Os
encadernados suciro altos pregos. Os outros
talvez nao. Esta veuda ple charaar-searreraa-
tago de oticadernaces, porque para que olha-
vara com maior apreco os compradores quo por
l vi hoje.
Ha livros que de ceno so venderao por pregos
oxorbltantes, como, por exemplo, urna biblia
irapressa era Lyon era 1491, ouira impressa era
Neufchalel era 1535. que a primeira que os
protestantes imprimtram era frasees, as lluras
golhcss de Thoraaz Kerver impressas em Pa-
ris em 1522 o o Officio da Semana Santa, de
Collorabat,1743, livro que Luiz XVI linha cora-
sigo na priso, e no qual escreveu sele liuhas da-
tadas de 3 de Janeiro de 1793 o assignadasLuiz
Capelo. Todos estes livros dovem vader-se
peso de ouro.
Com o Pilraeirini de Inglaterra est o Amadis
do Caula ira Juzido era francez pelo Sr. dos Es-
sars. Nicolao deHerberay. P.ris 1550-55 et 1560
12 vol. in 8.; o Thesourode lodos os livros da
Amadis de (Jaula, Lyoo, J. A. Iluguetan 1606.
2 rol. in 16; os Allos Feitos d'Espla ndi.no, con-
tinu.gao do Amadis do Gaul. por mademoiselle
do Luberle, Arasterdam. Jolly.1751 iu 8.. a His-
toria do Palmeirim de Oliva fliho do rei Floren-
alfandega, porque se consideraram objectos pes-
soaes.
i
Em Nova-York encontrou o doutor a mo do
seu doente, e como as viagens o nao linham me-
lhorado, houve uma consulla de mdicos, cuja
deciso foi que o doeate entrasse no hospital de
alienados em Bloomiogdale.
Assim ficou o doutor privado dos recursos que
- -----------j .....- iuiiicni jreg. a communa are-
recobta para omp-nhar e tralar o enfermo, e. gra de Conslanlinopl. dirigi Porta ura protesto
achando-se em difllculdades pecuniarias, resol- ccnlra a escolha desle bispo, que, justa ouinjus-
veu desfazer-se das joias que ha dous annos. ira- lamente, nao tem geraes sympalhas. mas nou-
. Nao achando joalheiro que co provavol que isto d algum resultado.
oulros prazeres da v<.v- -- r-
mesmo era seus oiveriimentos favoritos elle li-
nha perdido essa suprema aptido para gozar da
vida, que ouir'ora pareca fazer parte integrante
de sua vigorosa organisago.
LemDraes-vos dessa scena da Nexia onde
o espectro de Achiles adi ola-se lentamente
iravez de um duvidoso crepsculo, para rer ain-
da seu anligororapanheiro d'armas ? Nos suas
feicOes e toda a sua pessoa esto alterados de
uma maneira to horrirel.que o proprio Ulysses,
posto que abatido pelas fadigas do mar, cora os
vestidos nodoedos, parece brilhante junto delle ;
mas ainda lodos os seus senlimonio. leem soffri-
do urna transformado muilo mais eslranha e ab-
soluta.
Ouvi-o.
F.lle informa-se de seu pae, de quem separou-
se aind* criang. ; de seu filho, quem nunca
mais vio ; mas nem se quer uma s p.l.vra lhe
sahe da buce, sobre seus bellos e primeiros amo-
res, nra uma s pai.vra sobre a mulher, que
foi a paixo de sua ed.de madura, e & qual pro-
tegen um dia contra dez mil inimigos. Prefere
fallar de Peleo o Neoptelemo, do que de Deida-
mia e de Brisis ; e quanto Polyxene, ficae cer-
ti^qn.n elle nao se reroraa de nada, nao ser que
lha estendia a mi no momento em que foi mor-
loj.elo irmao de sua noiva. Perdoar-lhe-ha elle
algum dia No, mesmo quando ella podsse
expiar essa desgraca pelo sacrificio de des eaxis-
>encias ao mesmo lempo, em vos da nica, que
lio francamente lhe deu no promontorio deSigeu.
Tem ainda a ambicao poder sobre elle ? Para
respirar sement em liberdade o ar fresco-da lar-
de, em vezdessa pesada e tenebrosa athmosphora,
elle renunciara o imperio dos morios, e consen-
tira em tornar-se escravo do raais humilde cam-
ponez.
Entretanto uma vez, so nao nos falha a memo-
ria, ello enfurece-se asss vivamente por uma pa-
lavra de autoridade cabida da bocea do rei dos
homens.
Um de seus antigos sobrevive anda, um s e
muiio simples. Elle esqueceu o sabor dos viohos
de Scio e de Cho ; mss. quando nao fusse senao
por amor dos copos quo juntos bebersm, nio
querer Ulys3es reeusar-lhe uma libacao nova na
negra trinchera. Ha tanto lempo q'ue elle nao
tem provado sangue I
Guy nio se pareca raais |com sigo proprio, do
que a sombra cora a pessoa do fllho de Peleu.
Elle eslava lnguido, inassiraplesmenle apathico
e indifferenie, de sorle que ninguem poda dei-
xar de ser consianleiuenle tocado do contraste
que se notara entre sua natureza moral e seu
estado physico : sob esla ultima relagio, eile
sempre aitingia a perfigio da forga muscular.
E' impossivel ser melhor do que elle para com
sua mae, e tambero para com Isabel Forrester,
que passavs em Kerton grande parle de seu lem-
po, Cuja sade era minio delicada.
Se Lady Calhanna lhe podsse ver apenss mais
alguma alegra, ella julgar-se-hia muilo feliz.
Si'u maior prazer era fazer-lhe sorprezas e al-
raenisr-lhe os defeilos, como era seu costume
quando Guy era menino, e procurara sem cessar
conformar-se com seus goslos as mais pequeas
cousas.
Guy achara cada instante em seu quarto al-
gum enfeile novo, ou algum objecto para comple-
tar a coraraodid.de de sua morad, particular. In-
differenie ludo, como elle se tinha tornado, nio
poda deixar de notar ao primeiro volver d'olhos
Ih'as comprasse, s pode obter que um delle
Ih'as expozesse venda na sua loja, por conta
do doulor, mediante uma commissao.
Quando um individuo de Boston eslava pon-
to de concluir a compra do bracelete, apparece-
ram os flscaes da alfandega e apprehenderaru as
joias como sublrahidas aos direilos, por isso que
appareciam venda, tendo passado na alfandega
como de uso pessoal.
Seguio-se um processo, e o jury declarou pro-
cedente a tomadia, concedendo-se apenas ao
doutor um prazo de 30 das para apresentar bil
de excepcao, podando, sem o que a senteora se-
r effecliva.
E ah temos as joias d'uma grande artista oo-
vameule em leilio, e desta vez por autoridade
e era proveito do governo dos Estados-Unidos.
Trisle destino das cousas desle mundo I
A ARTE DO RECLAMO.
Nos Estados-Unidos onde a arle do reclamo
faz raais progressos.
Por occasio das eleices appareceu nos joroaes
o seguinte annuncio do doulor Brandret :
Votantes necessario que vossa escolha
estas attences.
cao da conversa, o vi espalhar-se-lhe pelo rosto
uma cor de chumbo, semelhante que se observa
era um doente, prximo de seu termo.
Sim, fago muilo mal, e muilo egoisrao
obugar-vos estar de p, diz elle : mas as nuiles
sao lao compridas I
Deixei-o sem lhe dizer uma s patarra ; porm
fiquei sera poder pregar olhos durante muito
lempo, perseguido em minhs insorania por esse
rosto desfeito e por esse olhar carregado o triste.
Desejaria nao o ter tornado ver tantas rezos de-
pois em meus sorsaos.
Tiveram tambera lugar Igures, que nao em
kerton Manor, graves aconiecimenlos, e tor-
nou-se um racuo o quarto mais luxurioso de Al-
bany.
Os credores, s gotla rheumatica e a sacidade
de todas as cousas tinhara acabado por consumir
a paciencia de Sir Henry Fahowfleld. Em uma
certa tarde, por conseguinle, fez elle solemne-
mente seu discurso de despedida na sala du fu-
mar do club do "\ discurso, no qual ellefez-se
notar por uma critica excessiramenle serera e
espirituosa sobre a absurda minia e mo gosio
daspessoas, queso .bailarao suicidio, qualquer
que seja a circumstancia.
No dia seguinte de manhaa acharam-o cora a
garganta air.vessada pelo que nao desejariamos
ver a nossa, como diz Tennyson. A mi, cujo
tremor nervoso o razia enr.ivecer tanlo, qo.T-
do levava aos labios um copo, linha sido todava
asss forle e bastante firme, quando se tra-
tara de quebrar o copo de ouro de sua alma,
cortando a corda de prata de sua existencia.
En.-arava elle a morle face face, no momento
era que recitou a diairibe em questio, e tinha si-
do ella de sua parlo ura calculo par. realgar o
rasgo iheatral do dia segui'e ? Ou seria nica-
mente o paroxismo da dor physic, que lhe tinha
) VoeaPi
ario n. 301.
Diffluilmenie crer-se-hi. que um rosto fro e
altivo como o de su. roiefosse capaz de animar-
se cora o crio, que se lhe vi. quando Leviogsto-
ne lhe agradeca.
Pobre lady Calhirina I Esses poucos ltimos
annos eram seu eslo de Saint. Martin, eslacio nio
menos doce, ainda que as nevos do invernse
agglomerasseui J sobre o cimo das alvacentas
montanbas.
Havia de lempos lampos no caslello grande
numero de convidados, quasi sempre homens;
porm nio mais haviara tragos das louess folias
do oulr'ora ; bebi.-se com moderagao, e quanto
ao jogo, nem vale pena fallar nisso.
Urna cousa not.vel : era o ardor que Guy des-
envolva para prolongar as reunides da noile.
limpenhava nos em longas discusses, e empre-
gsva todos os artificios engeuhosos par. impedir-
nos que nos fossemos deit.r, o quo tornara-so
muito pesado par. a minha dbil constilui-
co.
Ftz-lhe uma noile notar Isso depois de retirar-
se o resto da sociedade.
Suas faces perderam rpidamente a leve anl-
maco, que aellas tinha deixado a salular excita-
- r----------- ww. yjo,%,mt ifUO a.lT tUMIO
4 fe i lo perder a raio, assim como tem acontecido
homens, que raliam mais do que elle ? Quem
poderia dize-lo T
Pens e espero queso deve abracara ultima
supposicao, mas durido.
Sera ter nunca Iido Aristteles, Henry Fallow-
fleld se linha abandonado durante toda sua vida
aos principios da nepineleia.
Flora Bellassys tmh.-se casado.
Era o partido que eu lhe esperar, rer lomar.
As propriedades do Sir Harmadube DoniMon
eramasss vastas para salsfazer todas as amhi-
ges, e sua edade punhao amor fra de questio.
O* amigos de Sir M.rmaduke linham sldb pro-
pheta. as adrerteurias que lhe tinhara feito ;
mas, pezar disso, nio duvidaram jamis de lu-
do quantu elle linha suffrido as mos dessa cruel
mgica;
Elle fez o que pdde para nao ser zeloso, mas
nao p6de deixar de sersensivel ; e assim ella lhe
infling, dia por dia pena das injustas suspeitas
e o supplicio das recusas sem cesssr renovadas e
mullo mais do que elle poJta supportar.
Causar, irsloz. rer a maneira por que esse
bom relho emmagrecia e deperocla i olhos vistos;
entretanto nunca se queixara ; e ralhava com
seus melhores amigos por ousarem lastima-lo.
Elle ora lio cortez, lio am.vel.lio caratleires-
co ; tinha tanta consciencia da desvantagem que
lhe irazia sua edade ; era tao generoso em Oar-se
nella. e esperarcontra todas as esperangas mos-
irava-se lao atiento em prevenir todos os seus
desejos o seus menores caprichos, que isto devia
exciiar a corapaixo de Flora.
Mas o grande desapontamenlo porque ella pas-
sars, tinh.-lhe singularmente mudado e Irritado
o carcter.
Ella de enlo em diate flcra sem corapaixo
a goma, e s pareca estar satisfeila quanto fazia
alguem soffer.
Nio quo suas maneiras se tornassem imper-
tinentes ou desagradaveis ; ella exercia absoluta-
mente a raesmi fascinago de oult'or. ; mas ha-
ra calculado nao sei que de frieza em suas phan-
lasias. Ella trabalhav. com todas a. forgas por
tornar tao delicioso quanto fosse possirel o pra-
zer do momento, flro de que a dr devia seguir-
se se tornasso mais terrivel, bem como esso en-
genhoso l.drio das fronleiras que sustentav.
seus inimigos com as mais excitantes iguarias,
para depois deixa-los morrer sede.
Enirelanto nao erara invejaves suas sensagoos
intimas. Dizera que todas as grandes eiticeiras
desde Meda e Circe al nossos dias, forera ge-
ral mente infelizes em amor, ou porque ellas nao
podessem evocar o espirilo, ou porque elle se
rnostrasse inlracla vel; ou porque sua affeico nio
fosse correspondida, ou inda porque seu "objecto
acobasse por lornar-se infiel.
No caso unico, era que pondo de parle sua
sciencia e seus philtros. ellas foram multeres.
naturaes e sinceras ; em que, par. coneerv.rem
seus thesouros. ellas quebraram de cor.gio su.
v.r. mgica, s enlo ellas vi.m ludo inteira-
mente perdido, e notavam que apenas eram semi-
poderosis.
Era uma justica deslribuitiva.mainleiramente
completa.
Ficae certo que nessas naturezas ap.ixon.d.s
o balsamo de mil triumphos nunca cheg..
dor crucianto de uma s decepcao. Os as
morados que corriam era bandos de todas a-
prai.3 e cid.de. do mar Egeo par junto de Sa-
pho. nio lhe fizer.m eaquecer, um. hora se quer,
o teimnso o iudifferenie Ph.nn. O que ha de ad-
mirar que essas pobres mulhr-res sajara depois
crueis e injustas para com seus subditos? Mais
d. ora infeliz Egeo lem rauitas vezes soffrido s
pena da infidelidade de Jasoo.
Pouco resta-me dizer, e ainda sao essas cou-
sa, quo ganhnm em serem ditas em poucas pa-
l.vr.s. r
Uma manhfia llnham-se reunido os cies nao
longe de Kerton. Uma geada de tres dias ac-
bava do passar, tornando superficie do slo
escorreg.di. ao caaeo do c.vallo e o lado norte
das barreiras muilo perigoso.
Nesso dia Levingstoiie uiootava Axeina. O
lindo alazio era sempre seu favonio e o mais es-
perte earallo de caga dos tres condados viziohos,
ainda que nunca tiresse perdido a manha de d ar
de cabega.
A batida tinha lugar era ura vasto campo co-
berto de moutns expessas. e a raposa foi logo le-
vantada. Do extremo raais inclinado do bosque,
parta um grande pasto que descit em ladeira, e
no lira desse pradq havia una dessas barreiras
chamadas posl and rails, muilo alta, nova,
rauilo solida, cora um fosso profundo do outro
lado. Em uma de suas exlromidades hara uma
sahida, pela qual passavaiu todos os caladores.
Os caes acabavam de pr-se pista, quando
vollando-me por acaso, vi Leving*tone chegar
descendo a barreira. Desde o principio elle li-
nha lomado uma ra direcgo e quera segui-l.
em Ituha recia par. gauhar terreno sobre a ma-
nira. Como Axeine galopava loda redea dea-
cendo a laletra, e dava de cabega com todas as
suas furgas, era evidente que nem elle, nem seu
cavalleiro procurav.m evii^r o obstculo.
Era o derradeiro que ambos deviam pass.r
No momento era que o alazio ia sallar, os ps
irazetros escorregar.m. e indo baler b.rreir.
que resisti ao choque, elle caho completamente,
deixando seu cavalleiro em baixo de si.
Eu tinha visto Guy cahir cem vezes, mas sem
experimentar o oresentimento que me apertou o
corceo, em quanto dirigia-me galope para
elle. Mullos eagadores tiver.ra o mesmo prt-
seuiimento porque deixaram ir os caes sem se
ram junio de Guy.
Axeine linha cahido morto, com o pescoco
quebrado, e seu enorme corpo cshio cora todo
privado de lodo o senilmente tinha no rosto uma
nallidez livid., eep.ntosa, e n. test, uma pro
funda f'---------..--
que nio vamos mais grave.
Tivemos muito trab.lho par. tlra-lo de debai-
xo do cav.Ho. E entrelanio. nao podemos des-
cubrir nem urna fr.clur. ou lesao externa. Lan-
gamos-lhe no rosto um pouco d'.gu., e no m
de alguns minutos .bro os olhos, o pareceu logo
ranniiho/ina a*<4> J. __ .
os olhos par. o orimoiro picador,
lava e disse
depressa sobre as barreiras, J.ck .
Tive eolio bastante certeza de que ello estar,
mortalnienle iertdo, tanlo sua voz eslava fraca
mudada.
Onde cslaes ftido, Guy ? alguem lhe oer-
guniou. r
Quanto i mim, eu nio linh. torcas p.ra fol-
lar. r
Nio sei, respondeu elle olhando par. suas
pernas com um ar exlr.nho e perturbado; a ca-
bega e o brego mo doera, mas nao sinto mais na-
da d. cintura par. baixo.
ciara moras.
mia.
ra
deliberagoes relativas esle negocio, os arcebis-
pos mosiraram lio grande animacao, que chega-
ram v ir s raaos, e o primeiro dia de elegao
lerrainou por urna desordem, na qual esles re's-
pelaveis prelados foram bastante maltratados,
o dia seguinte, gragas estes meios violentos,
terrainou-se por se admillir a eleigio de Joaoi-
kos, que foi acceita pelo sultao, e que oceupar
- Uirono do patriarcha grego. a communa gre-
FAMILIA PRIVILEGIADA.
Ha na Blgica, diz a Patrie, uma familia quo
desde lempo immemoravel goza o singular privi-
legio de que todos os seus. membros do sexo fe-
minino tem seis dedos, tanto as mios como nos
ps. E' o seu dedo mnimo, tanto nos ps como
as mios, que se divide era dous. Os sextos da-
dos das mios abrera-se, fecham-se e prestara
aquellas que os possuem os mesmos servigos que
os oulros.
A unica-e ultima herdeira desta cofiTormagao
excepcional, longe de a dissmular. mostra, com
certa complacencia, as suas mos de uma perfei-
la harmooia e os seus lindos seis dedos agug.dos
como fosos.
N03 bailes e nos passeiosusa luvas de seis de-
dos obra prima de Chavigny.
Mademoiselle ** excellenlo pianista e os
seus seis dedos permittem-lhe obter effeilos im-
possiveis de obter para os oulros pianistas quem
a nalureza s deu cinco.
Conserva-se na familia de mademoiselle *" o
retrato de uma das suas avs, feiio pelo celebre
Rubens. O famoso pintor reproduzo cora extre-
ma Gdelidsde as encandoras e phenomenaes mios
de seis dedos do original.
t[Commercio do Porto.)
Vi o Squire de Br.inswick rollar a cabeca tre-
mendo, e suspirar; elle amav. Guy como seu
proprio fllho. E ouvi-o murmurar :
A espinha dorsal I...
Er. verd.de, e o proprio Levingstone nao tar-
dou era reconhece-lo. Uma nica vel elle sus-
pirou tristemente, mas ninguem poderia mandar-
ino que fallasse, como elle o fez dizeudo-nos :
E' preciso que me Icve-n para casa, .inda
que eu sej. pesado. Nao caminharei mais, est
ludo acabado.
Fizeraos uma especie deliteira a miii commo-
da possivel, com vsras e r.mos. Lembro-me
que no momento em que ptssav.mos, levando o
ferldo, junto do corpo de axeine, Guy mandou-
nos parar um momento, e deixando cahir a mao
sobre o pescogo teso e deslocado do pobre ani-
mal, deu-lhe uma pequea pancada de mizade
Adeus, pobre csvallo velho I diz elle, a
culpa nao tua, sempre me carregaste bem.
E nao abri m.is a bocea at chegarms Ker-
ton-Manor.
Isabel Forresler tinha felizmente aahido po-
rra lady Calh.rin. veio ao nosso encontr sobre
os legraos da escada.
Ella nal) gritou, nem desmaiou.'endo cumprido
em toda sua exteoaio o horrivel presenlimeoto
que a acomp.ohsr. depois de tantos annos'
Ajoelhou-se ao p de seu fllho.quando o deS
tamos em Seu leito, enxugou um. ou duas aS-
--------,>... f,^. ucuaiuin ir us caes sera se >" em seu leuo, enxugou uma ou du** m,
rlTi' an.r/rm ""' e muU0> *l me Precede- ^haS d-e Mngue '"bn^lo^co^*"muml
ram junio de Cuy. das mana dmla n, .... k;:...'.. 7 ^om Vmt
das mios delle as suas beijaudo-a ci
tsniB.
Tinturaos de snte-m.io mandado prevenir o
privado de todo o senilmente tinha un r...n m. em seu man ut,y sozuh
em seu quarto.
Powel tinha sido rice-cirurgiao
_ ..-., ..p...., ,osvn Ulna nro- uwoi tuina sioo rice-cirurs ao em na *.,;
ferida ; mas todos nos comprehendemos d-*a. e servia sob Colimad es? Tr.f?lr"
ao vwmo a mais arave. auandn mu n.. j,; "_____T ,ra,a|gar.
quando seu navio, primeiro, empenhou a
eJT ^ttnb0rtJt0. dos ,eiD',os ntuos cora-
ra.ndoo i frente da baUtha. Nao han, fr.cta
ras, membros humano, mutilados, com os quae
nio esl.vesse fsmil.ansado ; e minh. ultima !
per.pca desvaneceu-se, quando o vi rollar iodo
,-.__!. -------7--------. w uareceu logo khv" ucouccou-se, quando o Vi rollar lortn
reconhecer cad. um de nos ; porqu.nlo lev.i.irau remulo, cora .ua asper. physionora a' ran-tor
os olhos para o nnmeiro nicadnr nU ..,. nada nada rnmn.i.iX Y J '"""' iransior-
que o sust.n- nu pela compaixio.
,.,V';a"a"fl''d'z ,elh0 o1?*. Nanea
o .. uaacor, UIZ O reino SO UCando Nitnm
-- Sempre me dissestes que eu corra muito Pense que o visee morrer. e prircip.lmente !
pressa sobre as b.rreirM. Jark I rer assim I ",u'-,ljaimente mor-
rer assim
- .Guy Bhi uma lesao mortal na medalla espi-
Enlio um grito terrivel. partido de um corceo
c.nSS. 'MC,pou doi Ub08 p114"0 *"ay
ML'lD,M,S.qnfs,e me 'Primeiro!
Porm logo readquino seu imperio sobre si
roesm. e qu.ndp entrou no aaarto de sen fllho
seu ex iso ua entrevista des-
ILEOVLl
Com eBeito, o resto do corpo. sem esl.r nem ,M d<>u* corac^ee tio rtes.
deslocsdo. nem choto de coniusoes, linha um. 1u "> delles nnh. encontrar-se fal i r!S
horrivel .pparencU de luorc, e as pernas psre- "> "f errtfel marte, e o outro conTum. tria!
. Nemumsdeseusmuftulostre- tesa Ulrex m ind. fCoTtn.)
1 tlwJ.- nr. i' u, r. E failu.-isei."
/
K


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYEIW6WOL_H93BLQ INGEST_TIME 2013-04-30T20:14:20Z PACKAGE AA00011611_09203
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES