Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09202


This item is only available as the following downloads:


Full Text
>
iliS XIITI. IUIERO 302
SEGUNDA FEIRA 31 DE DEZERBRO DE 186*.
Por tres mezes adianlados 5&000.
Per tres mezes vencidos 6J}000.
Por anuo abantado 19fl000
Porte franco par& 0 subscritor.
BNCARREGADODA 9UBSCRIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Aleandrinode Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty.
Sr. A de .emos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de OI-
veira; Maranho, o Sr. Manoel Jos Martins Ribei"!
ro Guimaraes; Piaithy, o Sr. Joo Fernandos dej
Moraes Jnior ; Par, o Sr. Justino J. Ramos
Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
l'.AKliDAs nos CUKKfclO.
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do da.
Iguarass, Goianna e Parahiba as segundas
e sextas feiras.
S. Aoto, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho e
Garanhuns as tercas feiras.
Pao d' Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Ingazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex as quartas-feiras.
Caho.Sirinhem, Rio Formoso, Un, Barreiru.s,
Aguamela, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios partem as 10 horas da manba
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO. lAUDINECIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
5 Quarto antiguante as 3 horas e 40 minutos L ... ,
da tarde. Tribunal do commercio : segundas e quintas.
12 La nova as 10 horas e 28 roinutus da manhaa
20 Quarto cresceute as 3 horas e 50 miaotos
da manhaa.
98 La cheia aos 58 minlos da manhaa.
PREAMAR DE IIOJE.
Pr!
rimeiro as 7 horas e 42 minutos da manhaa.
Segundo as 8 horas e G minutos da larde. -
Kelaco tercas, feiras e sabbados.
Fazenda : tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio: quartas ao meio dia.
Dito de orphos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do ciael: tercas e sextas ao meio dia
Segunda vara do civel ; quartase sabbados auma
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
31 Segunda. S. Silvestre p. ; S. Nominando m
1 Terga. cgi Circumcisao do Senhor
2 Quarta. S. Isidoro b. m. ; S. Argeo m.
3 Quinta. S. Aprigio b. de Beja ; S. Antero,
,4 Sexta. S. Tilo discpulo de S. Paulo.
5 Sabbado. S. Semrao Eslellita; S Telesphoro.
6 Domingo. Dia de Reis. S. Marca v. m.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQO NO SUI.
Alagoas, o Sr. Claudino FalcSo Dias ; Baha,
r, Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr.
Joo Pereira Martins.
EM PERNAMBUCO.
O proprielario do diario Manoel Figueiroa d
Pana, na sua livraria prasa da Independencia n8
6 e 8.
PARTE OFFICIAL.
Goverao da provincia.
/expediente do dia 26 de dezembro de 1800.
Offlcir* ao Sr. F. I). Fewerheerd, consol inte-
rino d'Austria e vice-cnsul de Hamburgo.Ac-
ensando recebida a communicaco que me dirigi
tiesta data o Sr. F.1, D. Tewerherd, cnsul inte-
rino d'Austria e vice-consul de Hamburgo nesta
provincia de haver nomeado ao Sr. Gustavo II.
Piaeger
para encarregar-se interinamente das
l'in^^pes consulares durante a viagem que vai fa- brigue a exhibir a referida carta para outra qual-
zerartapital do imperio, onde pretende demorar-i 1UPr vagem.
se pouco lempo, tenho a declarar.-lhe era respos-1 Iguaos concessoes forara feitas aos requerentes
ta que apprnvand provisoriamente a sua delibe- Para poderem Manoel Antonio Marques e Joao
raco, mandei passar a portara que sollpitou pa- Augusto de Pinho Vista matricular-se como ca-
ra a.sua saluda do porto desta cidade.Aprotei- t'itoes, aquello do brigue Olinda, e este do
to esta occasiao para reiterar ao mesmo Sr. F. D. brigue I.eo, ambos com deslino ao Rio Gran-
e Fewerheerd os meus protestos de eslima
sideraco.
Dito ao inspector do arsenal de marnha.Re-
elle excedido o praso da prorogacao, que ulti- criptas por extenso no jornal official do dia se-
guinte.
Art. 5. Em quanto durarem as sessoes, o im-
perador indicar ministros sem pasta, que nao de
defender as cmaras, conjuntamente cora o pre-
sidente e raembros do conselho do estado, os
projciop_d.e lei dp governo.
Art. 6. O ministerio da nossa casa fica suppri-
mido, e as suas attribuicoes sero agregada do
grande marochal do palacio.
Art 7. Fica suppriraido o ministerio da Arge-
lia e das Colonias As Colonias sero aunexadas
ao ministerio da marinha.
Art. 8. O Sr. conde do ChaSseloup Laubiu,
anligo ministro de Argelia e 'das Colonias fica
nomeado ministro da marinha e das Colonias.
Art. 9. O almirante Humelir ser nomeado
grande chanceller da legiao de honra.
Art. 10. O marerhal Pelissier, duque do Ma-
lakoff, est nomeado governador geral da Ar-
gelia. .-
Art. 1!. Os ministros sem pasta que teem a o.a-
thegoria e Iralamenlo dos demais ministros for-
mara parte do conselho de ministrse tero
paga pelo estado.
mmente Ihe fui concedida. Oque camniunico
a Vmc. em resposta ao citado officio.Expedio-
se a ordem de que se trata.
Portara.O presidente da provincia, atten-
dendo ao que requereram Bailar & Oliveia con-
signatarios do brigue nacional AtTonso resolve
conceder permssao para indpendente de caria
de piloto poder Jos Manoel Vieira matricular-
se como capitao do mesmo brigue smente para
a viagem ao Rio Grande do Sul, a que est des-
tinado, devendo porm o mesmo capitao assig-
uhr termo na capitana do porto, pelo qual se
casa
do do Su
Dita.O presidente da provincia, tendo em
vista que a freguezia de Agua Preta deu na elet-
cebi o seu officio de 26 do correnle, n. 506, e te- i Ca0- a 1,ie se procedeu em novembro de 1852,
nho a dlzer-lho era resposta que sendo de urgen- I Tiu,e o dous eleitores, numero que doveria dar
ca a conduccao de objeelos do quarlel de S. Fran-: na eleieo do 1856. que nao foi approvada, como
cisco para o do S. Amaro, de ve V. S. logo que | constou de aviso de 33 de maiode 1857, resolve
Tor possivel, c sera prejuizo dos servicos" a que ,1"e a referida freguezia de na prxima eleieo
alludo em dito officio. mandar postar duas lan- 3? eleitores, visto que do respectivo territo'rio
chas por mais urna vez no lugai j indicado, alim nao sc desmembrou parle alguma para outra ;
de conrluir-se aquella conduccao. : licandn assim alterado o numero mencionado na do S Pedn nrinrine dns -.
Dito ao inspector da Ihesouria do fazenda.- taea annexa portara de 26 de novembro JEtf?%X *T5fVS!J5
tm vista do que expoz o commandanle superior l 'no-
da guarda nacional da comarca do Brejo, em offi- :
cio^de 6 do correnle, junto por copia, transmuto
S. para o fira conveniente os inclusos prets
a V.
dos vencimenlos dos guardas nacionaes destaca-
dos naquella villa nos mezes do selerabro a no-
vembro deste anno, sendo 3 importancia de taes
vencimenlos entregue a Symplicio Jos de Mello.
conforme solicita o mesmo commandanle supe-
rior urna vez que nao baja inconveniente.Com- I
municou-se ao predito commandanle superior.
Dito ao commandanle do corpo de polica
Mande V. S. substituir por oulras as pracas do \
corpo sob seu enramando designadas na relacao
junta, perlencentes ao destacamento existente"na
villa de Iguarass, as quaes all ge acham ha mais i
ilo seis mezes, por ser isso contrario disciplina
militar.
Por semelhante motivo inforraar-mo-ha V. S.
quaes os destacamentos e pracas, que esto na-
quello caso, alim de opporlunameuleserem subs-
tituidos.
Dito ao inspector da tliesouraria provincial,
Logo que fr possivel, mande V S. pagar a Jos
Francisco Berilo a quantia do 2:OIHO rs., em
quo, segundo os conliecimenlos junios, importa-
ran) diverjas ferragens por elio fornecidos para a
obra do raio do sul da casa do detenco, confor-
mo declara o director das obras publicas em sua
informado do 27 de outubro ultimo, e a que se
refere a de V. S. de 23 do novembro prximo pas-
sado sob n. 539.
Dil i no juiz municipal do Barrciros.Chcgou
ao mou conhecimento em virlude de represenla-
ro de Francisco Antonio Pereira dos Santos, quo
Vmc. negara-se a mandar cumprir um accordao
da relacao do dislricto determinando a incluso
na lista da qualificaco de votanles dos notnes de
diflerenles habilante's dessa parochia, sob pretex-
to de que, sendo o accordao dirigido ao conselho
municipal do recurso, era mister convocar esse
conselho, para Iho dar cnmpriruenlo, o que cons-
ta de urna informar"
observancia de dos
direito,\ que me
senlacao,
Ijhvo pois declarar-!he para sua sciencia, que
('. irregular o seu procedimento a semelhante res-
peilo, e quo alm do nao ser permiltido convocar
o conselho municipal de recurso fora do caso
marcado no art. 36 da lei n. 387 de 19 de agosto
de 18t, ou em virlude ordem superior na hy-
polliese prevista pelo aviso do 25 do fovereiro de
1817 $ 3 a Vmc. incumbe como presidente do
conselho de recurso, o como executor nesse ter-
mo em virlude de lei das decises das autorida-
des judieiarias superiores dar prompto cumpri-
menlo ao predito accordao, procedendo em con- j
formidade do art, 38 com referencia ao art. 37
da citada lei, n. 397 ; o que hei por muito re-
commendado a Vmc, lembrando lhe a responsa-
bilidade em que por essa omisso possa ocor-
rer.
ultimo.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao bacharel Lourenco Jos de Figuei-
redo. De ordem de S. Exc o Sr. presidente da
provincia aecuso a recepQo do officio que V. S.
lhe dirigi em 13 do corrent<-0 communicando
ter assumido no dia 8 do correnle o exercicio
das funecocs do seu cargo de juiz municipal e
do orphaos do termo do-Bonito.Fizeram-se as
coramunicages do costume.
hespaciios do da 27 de dezembro de 1860.
Itequerimentos.
3 23.Agostinho Fernandes de Queiroz.Re-
queira a thesouraria de fazenda.
3124. Alexindrina Maria da Luz.Requeira
a antoridade competente.
3425.Bartholoraeu Lourenco.Passo porta-
ra concedeiido permssao para'o mestre matri-
cular-se para a viagem de que se trata assig-
nando termo peio qual se obrigou aprsenla:
carta do piloto para outra qujlquer viagem.
3426.-Candida Senhorinha de Jess.Infor- qua'quor igreja
me cora urgencia o conselho administrativo do
patrimonio dos orphaos.
3427.Joao Jos Lopes Pereira.Seja o
da Italia a melhor garanta da sua liberdade e
da sua prosperidade, a vos mais do que a nin-
guem que isso se deve.
Convidando a V. Exc, em nomo do governo
do re, a regressar vossa patria, e a auxiliar1
com a aulnridadc dos vossos conselhos os horaens i
a quen. S. M. tiver commettido a difficil larefa
de estabelecer na Sicilia a ordem e tranquillda- !
de de que o naiz lem tanta necesstdado nao fa-
<:o mais do que pagar um tributo de admiracao
e de reconhecimento a um dos mais Ilustres
cidados da Italia. O rei Victor Emmanuel nao
poder inaugurar melhor o seu governo na Sici-
ia do que convidando a V. Exc. a voltar do um
longo e imraorecido exilio.
Aproveilo esta occasiao para apresenlar a
V. Exc. o testimudho da minha alta conside-
rado.
C. de Cavour.
O veterano da independencia italiana, Roggo-
rio Settimo respondeu a esle convite do con- j
de de Cavour, para quo regressasse Italia. Os !
senliraentos ennuncisdos na sua carta, e que sao :
inleiramente a favor do desenvolvimento regular
da nacionalidade italiana debaixo da directo do
rei Vctor Emmanuel, san urna adhesao explci-i
ta, c cheia de autondade s tendencias do par-
tido moderado.
F.is a resposta :
Malta, 3 novembro.
Exm. Sr.
Nesle momento de interesse supremo para a
Italia o para n humanidade, dignaos vos recor-
dar de mira o canvidar-me, em nome do rei,
para regressar minha parlria. Nao poderei ma-
ni testar-vos em tcrros assaz expressivos, a mi- i
nha gralidao por una leninranca to lisongeira. i
C dadao italiano, sinto'pelo rei e pelo seu gover-1
lio a dedicaco de um hornera quo ve, pelos seus
esforcos. libertada a sua patria do urna oppres-
sao secular, o constituida em nacao.
Italiano, nativo da Sicilia, devo a V. Exc. |
um reconhecimento particular pela sua justa a- j
preciado do sentimento nacional que lera guia- I
do os raeusconcidadins, por isso que vio, com j
rasao, na poltica seguida pelo governo proviso-!
rio da Sicilia em 188 a tendencia para a unida-i
de nacional soba dymnaslia da Saboya, ten- i
dencia raanisfestada pela maneira porque sel
encaminhava a situacao poltica de enlao.
Teslimunha, e, *de tima maneira modesla,
auilior na lucia que, desdo o ultimo seculo a hu-
_ maniJade sustenta para se libertar do despolts- i
das cada anno, correspondentes s festividades I m de toda a qualidado que a lem opprimido,
dos Santos Apostlos Pedro e Pauto, da cathe- ps me- ^a^f S. Pedro em loma, e por ultimo da de j berdado e a prosperidade de um estado depen-
Ilreves do sua santidade
Pi Papa IX.
Para perpetua memoria. Sabendo que nesta
nossa cidadese acaba de fundar sob a invocacao
instituto e. congrogar-se para auxiliar a Sania S
com oracoes e obras, especialmente emquanto
durarem os actuaos calamitosissircos lempos, e
para que esla congregarlo logre todos os dias
I maiores engrandecimentos, nos, confiados na mi-
, sericordia Ue Deus lodo poderoso, o cam a auto-
ndade dos seus apostlos Podro o Paulo, outor-
. gamos indulgencia plenaria de todos os seus pec-
cados e remissao misericordiosa d'elles em Deus,
| a todos os liis de um e outro sexo que entraren
j na dila congregacao, sempre que no primeiro dia
da sua entrada receberem verdaderamente con-
, tridos e confessados o Sanlissimo Sacramento da
i Eucharislia.
A mesma Indulgencia plenaria o remissao mi-
sericordiosa de lodos os peccados, oulhorgamos
aos fiis, de um e outro sexo lambem. que j li-
nham entrado, ou que de futuro entraren) na di-
ta congregacao, sempro que igualmente do cora-
cao contrielos, confessados e confortados com a
Sagrada Corumunhao, visitarem devotamente
publica em qualquer dos tres
. director do arsenal de *_ PedroAdvincula; as quaes igrejas hao de vi-de da sjia plena independencia. Islo nao mais
do quo lima garanlia por meio de um poder real.
aqni nasce a necessidade da constituigo de
grandes associaces de nacionalidades.
or apresenlado ao
guerra. sitar desde as primeiras vesperas at ao por do
3128Jos Parera Teixeira. Informe o Sr. so1 de qualquer dos ditos tres dias, pedindo a
inspector da ihesouraris de fazenda. Deus n'ellas com piedoso fervor pela paz o con-
3429.Jacinto Jos de Mello.Informe o Sr. cordia dos principes chnstaos, extirpacSo dos he-
inspector da thesouraria do fazenda. reges o exaltacao da nossa santa madto igreja.
Pedido do 9o batalhao de inlantana.Remet- Alm disso, a todos os fiis, de um e outro se-
ldo ao Sr. director do arsenal de guerra para *? irrnaos da dita congregacao que em qualquer
mandar recolher.
3130.Ulsulino Cavalcante da Cunha Reg.
Informe o Sr. Dr. chefo de polica.
EXTERIOR.
dia resnrem devolamente, e ao menos com o co-
ragao contricto, a oraco dominical, a saudjgao
anglica, o o symbolo dos apostlos, concede-
mos-lhes sote anuos de perdao, o oulras tantas
quarentenas; e por qualquer obra do seu insti-
tuto que exercerera, Ibes diminuimos, na forma
costumada pela igreja, trezentos dias das peni-
tencias que Ihes tiverem sido impostas, ou que
! dar cumpriioeoto, o que cons- Bpev_ d_ s K-ntMfnlm liri-i.l,. de 1"9e' o"1" modo odeverem ser ; as quaes
jcao ministrada por Vmc. em e m a santidade dirigido ao indulgencias, iemiss*es de peccados, e dirainui-
spacho doxespectivo juiz de .,!?."?. cao de penitencias,- as oulhorgamos igualmente
foi presante com aquella repre- lio A, soberano ponlxfi.ee. no Senhor, que possara applica-las todas o cada
Arto nnccixc nunrn Aos nossos queridos lilhos, sado e bengo
apostlica.
Cora o maior prazer recebi as vossas cartas de
22 de setembro ultimo, cheias de um profundo
senlimeoto de f, de piodade, de amor e venera-
Cao para comnosco, e para cora a cadeira do S.
Pedro.
as vossas ditas cartas daes um toslemunho,
urna como sulfragio pelas almas dos fiis que
tiverem fallecido era candado e graija de Deus.
As presentes sorao todas perpetuamente como
validas no futuro, sem que obstem quaesquerou-
tras era contrario ; e queremos quo qualquer
copia ou exeraplar dolas, quer seja impresso, as-
signado pela mao de algum notario publico,,ou
autorisado com o sello de pessoa constituida era
queridos filhos, da dor, amargura, pena e indig- dignidade ecclesiaslica. se 'presta a mesma foque
nacao que vos causa a invasao impa e sacrilega, se preatoria as presentes se fossem exibidas ou
Dito aos Srs. Miguel I.uiz da Silva,
o o despojo do nosso principado civil e desla s
apostlica, consummados por esses homens, que,
inimigos de toda a justica, declararam encarni-
zada guerra egreja cathohea. a nos, e a esta
santa s.
Jos Moreira o Joo Gome de Souza, eleitores da
parochia de Goianna.Respondendo ao quecon-
sullaraVmcs. em officio de 19deste mez devo di-
zer-lhes que nenhuma disposicaode lei prescie-
ve que os eleitores e supplenles votem em escru-
tinio secreto na occasiao da organisaco da mesa
parochia!, nao se podendo por islo prohibir, que
o facara do moda, que possam ser couhecidos os
seus votos.
Alm de nao ser tambera expresso em lei que
a eegueira, ou outro qualquer padecimento phy-
sico, que inhabilite o eleitor para oxercer as func-
Os vossos cxcellenles sentimenlos e tao dignos
de encomios, sao para nos causa de grande con- j
solaran no meio das amarguras o das augustias
Joaquim que nos opprimera.
mostradas. Dadas em Roma era S. Pedro, sob o
annel do pescador, no dia 31 de outubre de 18C0,
dcimo quinto do nosso pontificado.
Lugar do sello.
G. Cardeal de Genga.
Pi Papa IX.
Para perpetua memoria.
Com animo grato outorgamos quanlo nos pa-
rece idneo para fomentar o zelo da roligiao, e
mover a piedade e a f para com esta S Apos-
tlica.
Erigida recentomenle em nossa santa cidade,
sob a invocacao de S. Podro, principe dos apos-
Conlipuai, queridos filhos, a elevar a Deus
bondosissimo e omnipotente as vossas oracoes
cada vez mais fervorosas, atim de quo dissipe
urna tempestade tao violenta ; para que arran-
que a sua sania egreja de tao grandes e tao nu-
merosas calamidades ; para que lhe conceda em
toda a trra, novo? e ainda mais brilhantes spxo, cujo instituto ver os meios de auxiliar
triumphos, e para que venha em nosso auxilio e Cu,n oracoes e obras a Santa S, especialmente
nos fortalega o consol em lodas as nossas tribu- emquanto durarem os actuaes calamltosissimos
lacoes. lempos, pedio-se-nosem nomo da dila piedosis-
Como conheceis muito a fundo a guerra afilie- sima congregacao, quizessemos eregi-la em con-
tiva que agora enche de dor a nossa religiao san- gregario primaria, ou seja archiconfraria.com
res de um emprego civil, como o do escrivo, o tissima, apoiando-vos na vossa vocacSo c no vos- faculdade de aggregar quaesquer outras que da
mpossibilile igualmente de concorrer com o seu so dever, e firmados no auxilio celeste, esforcai- sua mesma especie ou instituto se fundarem onde
vos, queridos llllms, em sustentar valorosamete, quer que seja, e de faze-las tomar parlo das in-
sob a drecoo do vnsso arcebispo, os combates dulgencias do que aquello gozar por apostlica
do Senhor, em defender com valor a causa da concesso. E como nos esperamos da referida
religiao, m velar com zelo pela salvacao das al-
mas, era refular os numerosos e perniciosos er-
ros dos homens niinigos, em descobrir as suas
emboscadas, e era repellir os seus ataques.
Nuiri a firmo persuaso de quo nos pedimos
humildemente ao Pai de misericordia clementis-
sirno que derrame sobre vos lodos os doos da
sua bondade.
E como premio desses dons, e em testemunho
Eslou alm disso, couvencido de que a li-
berdade nao pode existir sem ordem interior,
garanta de urna prudente conservacao, e de um
sabio progresso. Todos estes beneficios, s nos
pode garantir a constituico da Italia em mo-
narchia constitucional, sob o sceptro de um rei
que nianteuha alta o mraaculada a bandeirada
independencia e da liberdade italiana. Todas as
regies da Italia teem comprehendido osla verda-
de. D'aqui provem o nobre e unnime enlhusi-
asrao que ha em sacrificar no altar da patria os
votas e os generosos prejuizos do um municipa-
llsmo a canhado.
A Sicilia nao quera e nao podia ser menos
italiana du que o resto da Italia. O seu voto
unnime e enihusiasta pela annoxacao est pro-
vado As felzes e grandiosas consecuencias des-
so fado, para a Italia o para a humanidade em
geral. nao podem ser duvidosas.
A Sicilia, sob o governo regular e sabio do
re, sua unio cora o rosto da familia italiana,
encontrar essa tranquilizado de que tanto care-
ce, essa prosperidade, que os favores da nalure- !
sa lhe dao direito a esperar. Anda tenho a!
conscencia do nao valer cousa alguma ou mu>to
pouco, o esteja ao mesmo tempo convencido i
do valor dbs homens a quem S. M. ha de con-;
liar o governo da Sicilia, todava, conhecendo
quanto difficil este encargo no estado a que
a Sicilia se acha reduzido, sinlo que do de-
ver de todo o cidadao honesto dedicado Ita-
lia, prestar o seu concurso, medidas das suas
forcas.
Por esta raso tambera, e para correspon-
der ao honroso convite quo de vos recebi, vej-
me obrigado a dirigir-me Italia, logo que me
permita a enfermidade de quo nesies ltimos
dias tenho sofTrido novos altaques. Este regres-
so lambem me dictado pelo desejo que tenho
) tornar a ver a minha patria e os meus con-
voto para a organisaco da mesa pnrochial e de
oxercer assim um direito poltico que nenhum
cidadao podo.perder, seno nos casos marcados
emlei, occorre que o aviso de 23 de julho de 1819,
conformando cora esto principio eslabelece dou-
trina em contrario, proscrevendo que o eleitor,
que por sua avancada idade ro que o pode inha-
bilitar para o "xefeicio do um emprego qualquer)
foi eliminado da lista dos votantes, nao pode ser
preterido de votar para a composiQo da mesa
parochia!.
Do exposto se peduz que o eleitor dessa paro-
chia Joo Jos da Cunha Menezes, a quem alin-
de o cilado officio apesar de sua incapacidade
physica para servir o officio de escrivo de ca-
pellas desse termo, deve ser convocado para
fazer parte das turnas de quo trata o art. 41 com
referencia &o art. 8 da lei, n. 337, de 19 de agos-
to do 1816.
Fica assim solvda a dnvida exposta por Vmc.
na 2a parte do predicto officio.Remolleu-se
copia deste officio ao respectivo juiz do paz mai3
votado para sua sciencia e direceo.
Dito ao conselho administrativo.Antoriso o
conselho administrativo a comprar para forne-
eimenlo do arsenal de guerra os objectos men-
cionados no incluso pedido.Communicou-so
thesouraria de fazenda.
Dito cmara municipal do Brejo.Nao sen-
do conveniente que o tribunal do jury desse ter-
mo continuo a funecionar de modo que os es-
pectadores estejam confundidos con; os respecti-
vos juzes do acto, como acontece, recommendo
cmara municipal do Brejo, que, conforme me
requereu o juiz de direito da comarca, mande
enllocar na sala das sessoes d'squello tribunal
urna grade de madeira.que separe o lugar que de-
vem oceupar os juizes de facto do dos expecta-
d'ores, a fim do remover-se o inconveniente indi-
cado. Commuuicou-se ao supradito juiz de di-
reito.
Dito ao director das obras publicas.Concedo
a aulorisac&o que Vmc. pedio em officio de 2%
do correnle, sob n. 342, para mandar lavrar o
termo de recebiraento definitivo da obra do
areiamento da estrada do Cachang, e nesta dala
expeco ordem a thesouraria provincial para pa-
gar a vista do competente certificado a importan-
cia da ultima preslaco a que lera direito o ar-
congrcgaQo abundantes fructos para bem da re-
ligiao, temos julgado conveniente annuiraoque
ella sollicita.
do vosso afiecto paternal para comvosco. conce- bemaveniurado Podro principo dos a,
dorao-vos do mais intimo do nosso coracao, a aos Puentes o confrades eonstilu.d,
nossa bencao apostlica. "*; da m"> congregacao j erig
Nesta conformidade, pelas presentes lettras e
mediante a nossa auloridado apostlica, erigimos
em archiconfraria, o instituimos como tal, a men-
cionada congregacao de um e outro sexo, funda-
da nesta cidade soh a invocacao e patrocinio do
dos apostlos, e
os em dig-
ida em ar-
Dado era Roma, em S. Pedro, a 11 do outubro f^.""^"8. outorgamos a faculdade de aggregar
du jago ja si quaesquer outras congregacoes do mesmo
Pi IX I i"sl'lu,0> 0ln qualquer parte que fundem, sempre
________ quooteuham sido com licenga dos respectivos
Decreto do imperador Napoleo. \ /danos, como lambem faze-las tomar parle
Napoleo. por grasa de Deus. o pela vonlade em, t?a e om cada u,"a das indulgencias, e ab-
nacional, imperador dos francezos. Fa0 saber solviCao do penas quer p enanas quer parciaes,
a todos os presentes e futuros : com, ^',e^r *>sla S "P^tol.ca tenha sido agra-
Querendo que os corpos superiores do estado ciada a dita archiconfraria. Outorgamos e con-
tornen! urna parte raais directa na poltica geral rpdemos .es,e- nao obs,ante la^iuer oulras le-
do nosso governo. e dar-lho um testemunho pal- lraM" houT!r em c"". forem dignas de
pave. da Lsa confianca temos decretado e So- c,alZ< "' ^m 2*J&1
tea
creamos o seguidle :
Artigo i. O senado e o corpo legislativo vola-
rao todos os annos na abertura das sessoes urna
resposta ao nosso discurso.
Art. 2. Esta resposta ser discutida na presen-
t dos commissarios do governo, que dar&o a c-
mara todas as explieacoes necessarias acerca da
poltica interna e exlerna do imperio.
Art. 3 I m mediata monte depois da distrbuicao
dos projectos de lei, e no da Gxado pelo presi-
dente, o corpo legislativo, antes de nomear a sua
commisso, a reunir em commisso secreta, o
celebrar urna discusso summaria sobre o pro-
jecto de lei, tomando parte nelle os commissarios
rematante d'aquejla obra, nao pbslaole hover IsaoseroreproduzldatachigraQcameQte.e trans-' lefra. e recoohecer na independencia e unidado
tolos, urna piedosa congregacao do um e outro cidados, aos quaes sou vivamente reconhecido
pela sua afl'eico. Se esle desejo nn poder cum-
prir-se, so eu liver de acabar a minha longa ex-
istencia na trra hospilaleira do meu exilio, fi-
licarei tranquillo quanln ao fuluro da Italia e da
Sicilia confiados um rei leal e a um governo
sabio.
Dignai-vos acceitar a "seguranea do minha
dedicaco ao rei. e da minha respeitosa eslima
pela pessoa de V. Exc.
Roggerio Seltxmo.
Publicamos em seguida urna proclamaco uni-
taria ospalhada pela comraissSo revolucionaria
enlre os povos do littoral da Dalraacia. Esla
proclamacao convida os marinheiros da costa
veneziana a entrar no servido dos navios ita-
lianos.
Eis o texto:
A janta central de Veneza aos ma-
rinheiros venaz.lanos.
Marinheiros da costa veneziana IChegou pa-
ra vos lambem o terapo de servirdes a patria,
Ainda que perlenceis marinha mercante, ou
servis a vosso pesar, nos navios austracos,
impossivel que nao conheceis quanto humilhan-
te a vossa sorle.
A esquadra austraca nao a quo se chamava
a lieal Veneciana, e cujos officiaes e marinhei-
ros erara todos Italianos: hoje s teem mando
nella os Allcmes, e os desgranados Italianos
que servem s suas ordens, vivem sob o peso
dos castigos.
A mancha italiana [j a tendes ouvdo em
Ancona) que ha de libertara infeliz Veneza, e
esta a uuica marinha em que deveis servir.
Veneza ja nao tem navegado, nem commercio,
nem dinhairo para pagar aos seus marinheiros, e
nada pode fazor por eles emquanlo nao fr li-
bertada.
Desta maneira, portanto, procederiam con-
venienlemenle os propros marinheiros mercan-
tes se fossem engajar-se nos navios do aples,
Ancona e de Genova, em que flucta a bandeira
tricolor, para regressarem depois vencedores
sua patria, assogurando a liberdade e prosperida-
de de Veneza.
Se nao podis fazer isto, mandai all ao me-
nos aquellos dentro vos que f ore ni mais fortes e
experimentados, afim de que nos representem
na marinha italiana, assim como outros j nos
representan) no oxercito de Vctor Emmanuel e
de Garbaldi.
Logo que Veneza for livre, (ornaremos a co-
mecar os trabalhos nos nossos arsenaes o es-
tallemos; tereraos urna esquadra do guerra nu-
merosa, e sob a sua protec;o, tornaro os ma-
rinheiros venezianos, como outr'ora noa pellos
das de Veneza, a conquistara gloria; e lambem
loremos navios para realisarmos expedicoes que
nos enriquecern.
A bandeira veneziana chegar at ans porlos
dos Oriente e a abundancia seguir todas as fa-
milias dos martimos.
A Italia espera muito dos valorosos marinhei-
rns da costa voneziana, de lodos vos que por-
tanto lempo fizestes que nos mares fosse temido
e respeitadoo l.eo de S. Marcos.
Viva Vctor Emmanuel, rei da Italia I
Viva Garibaldi I
Viva o almirante Porsano, vencedor do An-
cona I
Viva Veneza libertada !
Veneza, 25 do outubro de 1860.
No dia 6 do correlo commetlcu-so em Ma-
drid um attentado contra a vida do general
O Donnell, duque de Teluao, e presidente do
conselho de ministros.
Eis m que termos a correspondencia de Hes-
panha noticia deste acontecimeuto :
Um horrlvel attonlado, que felizmente nao
teve as consequencias que se receiavam, e que
seriam o principio de grandes calamidades para
o nosso paiz, foi hontem 6) commettido fiaseis
horas da larde na pessoa do presidente do con- i
seibo do ministros, duque de Tetuao. Na oc-
casiao em que este sahia do senado, um individuo
embocado em urna capa approximou-se dol, e '
levantando una pistola a disparou gritando:
morra_o traidor.
O duque de Tetuao foi levemente ferido no
ho"mbro esquerdo.
Um tachigrapho pertencente cmara dos
senadores, I). Alexandre Ganzalez, que facul-
tativo, examinou immedialaraenie o general, e
declarou que o ferimenlo nao era grave, mas que
se a pistola estivesso bem carregada, as conse-
quencias teriamsido funestas.
Vendo-se ferido o general O'Donnell. ex-
clamou coro o maior sanguc-fio:
Nem as balas dos Africanos, nem as do c
podem contigo.*
Esta noticia conslou desde logo no con-
gresso, e todos os deputndos se dirigram casa
do duque de Tetuao, onde so athavam j
mutas pessoas de lodas as classes c coodic-
cies.
O general eslava levantado, a bala apenas o
ferira levoraente no hombro, e o facultativo da
casa do duque nem mesmo lhe encontrara a mais
pequea alteracao no pulso.
O autordo'crime chami-se Manoel Nieto
Imaz. Tem quarenta a quarenta e quatro annos
de idade; um homem demente, mas que em
tempo presin relevantes servicos instruc?
publica, shegando a Jar luote'algumas memo-
rias e opsculos sobre este assumpto. Durante
algum tempo dirigi a escola normal do Leou, e
depois foi nomeado inspector da ioslroeeio pu-
blica, eremos que na provincia de Almera. Des-
gosloso com a sua carreira, deixou, pouco de-
pois, de exercer este cargo. A sua razo foi-so
alterando vizivelmenle, e no tempo das cortes
constituintes Nielo arreraessou da tribuna do
cungresso urna exposicSo, dirigndo no mesmo
lempo algumas palavras aos depulados presen-
tos. Em consoquencia disto foi preso, e depois
pnsto em liberdade, allendondo a que era um
hoinem de bons antocedentes, e que prestara
servicos, e sobre ludo a que era um mauoma-
niaco, mas digno de lastima do que de castigo.
No anno de 1857 foi nomeado inspector das es-
colas publicas de Madrid, e um ou dous annos
depois inspector das da provincia de Soria. Ig-
noramos so agora ainda continuava no exercicio
deste car3o, porm cromos que fora suspenso
em consequencia do lastimoso estado da sua
rezo.
Todae as pessoas que o conheciam de porto
sabera qual era a monomana que o dominava, e
e em algumas redaces de peridicos e/itro ellas
na da Correspondencia, deu elle provas eviden-
tes do mo estado das suas faculdades menlaes,
querendo absolutamente que se fizessem publi-
cas differonles machinacoes sonhadas por elle,
contra a vida de altos personagens a quem dizia
seguir por toda a parte, julgando-so elle a pes-
soa dcstnade para os salvar de um immenso
perigo.
_ Desde que foi nomeado inspector de inslruc-
co publica da provincia de Soria at hoje, nao
tornamos a ter noticia de semelhante hornera.
Nieto pareca ser urna crealura inoffensiva ; po-
rm como era tao publico o seu estado de allu-
cinaco, possivel que alguem trabalhasse para
lhe exaltar ainda mais a imaginaco.
Durante estes ltimos dias do chuva, Nieto
passou noites tnteiras na praea do Oriente, o no
vero ultimo esteve lambem na Granja, sem-
pre com a apprehenso de conjurar grandes pe-
rigos.
sob o annel do pescador, no dia 14 de outubro de
1860, dcimo quinto do nosso pontificado.
Lugar do sello.
G. Cardeal de Genga.
O conde de Cavour dirigiu a Roggero Soltmo
urna carta convidando-o a voltar a Italia. Eis o
texlo d'ossa cart :
Turin, 23 de novembro
Exm. Sr.
No momento em que a Sicilia manifesla com
admiravel unanimidado o desejo que tem de se
unir aos estados do rei Victor Emmanuel, o meu
pensamento fixa-se em vos, que hs dez annos,
do governo. A presente disposicao oo applica- tivestes a gloria de dar urna sabia e moderna di-
vel nem aos projectos do lei de interesse local, receo ao governo siciliano. Esla unio dy-
nem em casos urgentes. I naslia do Saboya, qual desde cnto tendes at-
Art. 4. Os extractos das sessoes do senado e tendido, est a ponto de verificar-se, gracas no
do corpo legislativo, redigidos pelos secretarios bom senso, e no patriotismo dos sicilianos, de-
redactores, s ordans do presidente de cada urna baixo dos melhores auspicios, e as mais favo-
das assemblas serao noile enviados a lodos os raveis circumstancias. Se os sicilianos teem tra-
jornaes. Alm disso as disposices de cada sea- I lado de unir os seus votos aos da pennsula |in-
ipoles se trafico-i com a magistratura e com os
loleresses pblicos, sempre venerados pelos paes
Vtol *8"?a0 i,aliana. como coisas sanias ein-
Os aconte.imentos do 1848 sao muilo rece-
ios, para quo nao tiremos d'elles exemplos. A
repblica franceza caliiu, poique ameacnu ludo
porque lenlou destruir ludo sem ter sabido crear
nem reedificar.
Nao esquecam este acontecmenlo os partidos
colhgados na Ital:, at agora teem-so mostra-
do mais tyrannicos do que os governos derru-
nados.
Inaugura-so mal a liberdade pela suspeila e
pela lyranma ; que significa o desarmamento de
lodas as communas ? o quo> o estado de sitio
proclamado em lodas as provincias ? Similhan-
tes medidas esto longo de mostrar a esponta-
neidades do su fing o universal, o a confianca da
anthoridade nascente
Preserve-nos o genio da nacao de novas cala-
midades Quanlo a mira, emquanlo o futuro
oa Italia se nao mostrar debaixo de mais favora-
veis auspicios, perraanecorei espectador, limitan-
do-me a fazer votos para que aquellos que em-
prehenderam a regenerado de um povo. que
ate aqu era exemplo de gloria e do infortunio
sejam inspirados da virlude, da sabedoria, o d
patriotismo de nossos paos.
Proponho a federacio, poique a julgo mais
conformo com as tradioes nacionaes, coqi os
costuraos e inleressos da Italia. Proponho-a
pnncipalmenle pela averso que sinlo por toda a
especie de tyrannia. Sei quo as rpidas em-
presas da violencia nao leem durado, a tenia-
iva actual do iinificaco italiana parece-mo ar-
tificial o violenta. Accredilo que s da federa-
Cio pode sahira uaidade quo tenha por fim con-
ciliar as liberdade os interesses locaes com o
poder da antoridade nacional.
Quando a Italia tiver conquistado a liberdade
o a grandosa, estarao cumpridos os mais caros
desejos de mou pao c os meus.V
Carta do principe Mnrat
Querido duque.Nao s a vos, mas lambem a
muitos amigos meus, linha cu promettido tomar
urna viva attitudo nos assmptos do reino do
aples. Dando-vos agora urna resposta publi-
ca, respondo ao mesmo lempo a vos e a elles.
L'm senlimenlo do patriotismo e de dever dic-
ta va as minhas palavras ; a minha alma resista
idea de que o meu nome, a influencia que
tem, o a dos meus amigos, podesse oppor algum
obstculo obra da uniicaco da Italia.
Longo de mo poder oppor a ella, a memoria
do mou pai era sufficiente para que eu desde lo-
go correste em seu auxilio ; o esta a rasao por
que respondenJo-vos declaro quo eu nao podia
suscitar obstculo algum aquella obra, e quo em
qualquer circumstancia terjn respeitado o decre-
to supremo da ventado nacional.
A islo me limiiava, e podia faze-lo accrescen-
tado alguma coisa mais, se tivesse atlendido aos
preseulimentos que me impeilem a por era duvi-
da o xito, assim como a lealdade dos meios que
se empregavara para conseguir aquelle fim.
A obra da unidado italiana estriba-se no prin-
cipio da soberana popular, em frente do qual se
levanta todava ameacador, aioda que j meio
vencido, o principio do direito divino. Tendo
este reinado durante muitos seculos, creou e sus-
tontou monarchias poderosas, cuja historia,
forcoso confessal-o, so identifica gloriosa ment
cora a da civilisacao e do progresso. Este prin-
cipio reinou cercado de respeito ; sendo o fructo
da sabedoria e da virlude quo tora lido grandes
ris, e da veneraco que o cercava. Hoje der-
ruba-se este principio ; mas para que desappa-
reca do mundo sera enramoces nem perigos,
necessario que no seu nascirento seja nao s
igualado pelo direito popular, mas que so esfor-
c em excedel-o tanto era sabedoria como em
virlude.
Este o meu culto por esse novo direito que
a minha abstenco linha por fim evitar que fosso
Lum prelexto para divisos que nao houvesse ne-
cesstdado de serom exploradas pelos seus ini-
raigos. *
Mas como a vida do progesso nasce da fonle
pura da sciencia e des nobres inslinctos, eu la-
mento altamente que a exaltacao na Italia da so-
berana popular nao tenha sido acompanhads de
indispensavel cortejo de todas as grandes virtu-
des cvicas. Vi abrir as pracas publicas urna
do escrutinio, mas indignet-mo vendo girar era
torno d'ella a corrupto e a violencia. Tambera
foi para mita multo doloroso saber que em Na-
iano Murat.
Proclamacfio de Fuad-Pacha aos
christaos de Damasco.
A nossa persislencii na rosolugo de parlir para
Beyroulh om difierentes columnas sob prelexto
de ralsos boatos que se tem feito espalhar. e de
inventes imaginarias, ha de augmentar o senli-
menlo que lenho lido pelas vossas desgranas, sen-
lmenlo de quo tem lomado parle S. II. como
todo o mundo sabe.
O efioito da justica suprema exercido era nome
de S. M. I. em Damasco, urna sufficiente prova
para fazer desapparerer o terror e o recreio ; as
Torcas militaros que so oncontram em Damasco e
as uumediaces, sao mais quo sufficientes para
a vossa seguranea, o os justos castigos applicados
aos vossos adversarios, leem creado entre elles o
lerror. tanto mais quanto, qu preciso nao ne-
gar quo san visiveis os signaes do arrependimon-
to dados pelos povos por haverera obrado de urna
semelhante maneira.
E' pois inconlestavel que a impresso do cas-
tigo apphcado e o arrepeiidimcnto das suas ms
aegoes, sero para o fuluro um incentivo que os
ha de obngar a conduzir-se de urna maneira
nuvavel o conforme aos diroitos da humanidade,
limttnndo-se s boas relacoea, alm disso, as or-
ganisacoes que formemos sero, com o auxilio do
Deus, a base de seguranea e tranquillidede con-
tinuas.
Nao vos considerando ignorantes que lemem a
dosgrag em emigrar, convido-vos a fazer desap-
parecer lodas essas machinacoes, o installar-vos
com confianca em vossas hah'itaces, sem alterar
os vossos espirilos, deixando de perder, sem ra-
zao, as despezas que (izerdes de ida e volta. F
se o que temos foiio nao bastante para a vossa
seguranea, tndicai-noso que temos a fazer.
E j lempo de pensar no valor o na qualidade
dos vossos prejuizos, sssim como na vossa ventu-
ra e as vossas habitacoes. Por consequencia, os
que sao de Damasco, 'devem abandonar toda a
idea de partido, assim como devem regressar os
que j abandonaram a cidade, afim do que junios
se oceupera desla importante questo como jul-
garera mais a proposito se alcancar o que se de-
seja, conforme o direito e a justica.
Dado no tribunal da administrago dos negocios
estrangeiros e da nossa misso particular e ex-
traordinaria na Syria, a 5 rabiabar 1277.
Fuad-Pacha.
A Cazela de aples publicou o sesuinte de-
creto :
Victor Emmanuel I, rei da Sardenhi, etc., etc.
Visto o resultado do plebiscito que leve lu-
gar a 21 do mez passado, em que se mamfesla-
ram os desejos das provincias napolitanas ;
Sob proposta do conselho de ministros ;
< Temos decretado e decretamos :
Artigo 1. Um lugar-tenenle geral. nomea-
do por nos, fica encarregado de reger e de gover-
nar em nosso nome, e por nossa auloridado
as provincias do continente da Italii meridional'
e por nossa mediaco, quando all estivermoa
presentes.
Fica alm disso autorisado a promulgar al
o reunio do parlamento, toda a qualidade de
actos que forem nocessarios para estabelecer e
coordenar a unio das sobreditas provincias cora
o resto da monarchia, e a prover s suas necessi-
dades extraordinarias.
Art. 2o. Ser directamente prvido as re-
partios dos negocios estrangeiros, da guerra e
da marmita, pelo nosso governo central.
O nosso lugar-leuente geral prever direc-
tamente aquella parto dos negocios estrangeiros
que diz respeito especialmente aos interesses in-
lernacionaes dos particulares.
Art. 3o. O cavalheiro Lula Carlos Farini
nomeado lugar-tenente geral as provincias na-
politanas.
Ordenamos que o presente decreto, munido
dos sellos do estado, seja inserido no cdigo dos
actos do governo; mandando a quem de direito
pertencer, que o observen) e facara observar.
Dado no nosso quarlel general de Sessa, em.
b de novembro do 1860.
Ft'cor Fmmanuel.
Cavour.
Mr. Farini, logar-tenenle geral do rei Victor
Kramanuel as provincias napolitanas, dirigi ao
seu soberano o seguiule relatorio :
Senhor.Dignou-se V. M. confiar-me o go-
verno destas nobres provincias no momento so-
lemne era que, segundo os relacoes polilicas e
soctaes, ellas entrara na vida italiana, a qual to-
dos os seculos prestarao um tributo de gloria in-
tellectual.
Para cumprir os deveres de que fui encarre-
gado, tomarei como regra as mximas que V.
M. exprimir nos mantfestos que foram para to-
da a nacao os programmas e oscompromissosin-
violaveis da realesa italiana, tomarei por modelo
essa forma de governo, que com applauso das
nages civilisadas, e gloria dos maravilhosos re-
sultados que produzio, tem sido seguida nis vos-
sas antigs provincias, as quaes reconhecem que
vos devem haver sido os instrumentos priocipaes
da liberdado italiana.
Os Italianos, senhor, sabem como procede
urna auloridide que funeciona em vosso nome.
O vosso governo chama em sou auxilio a libor-
\.


w
URIO DE PERNaMBUCO. SEGUNDA FEIRA 81 DB DEZEMBRO DE 1860.
'v i
dade c a clvilisago porque a prosperidade c *
forga da nossa.patria ho de elevar-se tanto tlals
depressa, quanto mais rpido marchar o-progres-
so moral e social do poro ; preoccu^-se da edu-
carlo einstrucgio religiosa do /ovo, do engran-
decimenio das sciencias, >ss industrias, e do
cornmcrcio de que depe*iue o bem-estar e a sa-
tisfagio do povo.
O tosso govcfno applica-sp ao mesrao lem-
po ero fazer reviver cm toda a Italia a iradiccao
do espirito militar que nao s um elemento do
forga, mas de educacao moral, no que loca s
nc6es era virlude da disciplina e do culto do
dever.
Mas a organisacao de um governo liberal e
civil, nio o termo final a que os Italianos de-
vem tratar de chegar, precisam principalmente
que conslituam em umdade n'um mesmo es-
tado todos os membros dispersos da familia
nommum.
A vida italiana tora diversificado segundo os
tristes deslaos da nos9a historia ; todava pela
virlude inherente a este povo, as provincias di-
vididas nao tom deixado de ser o foco glorioso
de urna civilisacao e do tradicgdes moraesa
longa duraran dos anligos estados da llalla rreou
interosses umita especiaos.
'< F.ssas tradicgdes e inieresses devera ser res-
pailados em ludo quanto nao offenda ou eufraqae-
<;a n uoidade italiana.
c A Italia sabemos que nao podo enconlrar
paz e prosporidado duradoura seno permane-
eendo sob o dominio da vossa dynastia, traton
inyunctivamente do conservar, como garanta do
civilisacao e de liberdado contra as usurpar.ues
do urna ci'iitralisar.o soberana, u deseo volviraen-
to iraiJicrion.il da sua vida local.
< Este duplo flm da poltica italiana no se
mostra em parle alguma to desejado como as
provincias napolitanas, quer soja pela importan-
cia do estado quo compem, quer pelo systema
de Curte ceiilralisacao que as rog, o principal-
mente porque teem por capital urna das cidades
mais ricas e mais populosas da Europa.
Neste estado de cousas 6 manifest que se o
governo que so instala aqu em nomo e sob a
auloridade de V. M. deve sem demora tomar a
sua direegio segundo os grandes principios que
dirigen o vosso estado civil, o estado definitivo
dessas provincias, na organisacao geral da Italia,
perlence de direito deciso e s deliberaces
do parlamento que houver de representar a
nacao.
a A intelligencia e a sabedora pralica dos Ita-
lianos saberio organisar instituigoes pelas quaes
as grandes provincias da Italia permanecerio li-
vres para poderom administrar os seus inieresses
particulares, conservando-se cstreilamente liga-
dos cora urna forte representario nacional.
(ragas a lae9 instiluices, o patriotismo e
actividado civil encontrarn semprc urna carreira
na triplica esphera do estado, da provincia e da
cidade, o as diversas capitaes da Italia verao aug-
mentar o seu explendor em consequencia da vi-
da commum da najao, que por toda a parte se
deve ter tornado mais vigorosa e mais efficaz.
Tal 6 a obra que est reservada ao parla-
mento, o queso o parlamento pode cumprir, por-
que i o representante supremo da vontade de
todos, e porque em um paiz onde reina a li-
berdade, justo que o-governo deixe liberdade
o mrito o a honra de djr nagao as suas ins-
tituices fundamentaes.
A auloridade que me foi confiada por V.
M. h3 de ser por mira exercida cora a idea de
reparar aquellas provincias, para cumprirem
ago que llius d'ir possivel, o acto solemne da
elecao. *
Ser do meu dever no entretanto, assogurar
a ordem moral e material, que teem soffrdo, nao
tanto pelo effeito actual das mudancas polticas,
como pela acc.io corruptora e funesta do anligo
dominio. A cousciencia publica lia de encon-
trar a garanta da justga e da honcslidade do
governo, na garanlia da" liberdade e da publici-
dade, que longo do enflaquecer reforjara pelo
contrario urna- administrado reparadora.
.. Ha grandes necessidndes a satisfazer em
um paiz onde-os interosses malcriaes foram
desprezados, para que possam ser mais fcilmen-
te altendidas. Algumas dessas nacessidades po-
dem ser fcilmente satsfeilas ; osdemais benefi-
cios devera esperar do elTeito espontaneo ds no-
vas instiluigoes, da liberdade e das qualidades
laboriosas do povo.
En farei estudar prorapta e cuidadosamente
os prjjeclos de grandes obras publicas, e dos
caminhas que devera facilitar as coromuuicar.des,
e ligar o comraercio e a industria ; farei esludar
os raeios de facilitar a instruccao popular, que
d em resultado reanimar entre si as diversas
classes da sociedade; preslarc 03 meus cuidados
i beneficencia publica, que se nao torna digna
deste nomo seno quando dada ao pobro com
o pao da educacao moral e o senliraenlo da dig-
nidade humana.
' Fu nao seria digno interprete das ntengijes
de V. M. se pelo respeilo do todas as eonscien-
r.ias o de todas as opinies honestas, cu nao eon-
forraasse a minha adminislragio com esso espiri-
to de concordia, que a ningem pode ser mais
caro do que a v?, senhor, que sois o symbolo de
i'oncordia italiana.
Fomarei como regra as nobres palavras que
V. M. proferio quando abri o actual parlamen-
to, ondo pela priroeira vez se encontraran! reu-
nidos os representantes de onze muos de H-
llanos, enio deixarei de mo recordar que a an-
tigs lucias nao devem substir seno para me-
moria das nossas desgranas communs, e do noseo
commum amor pela Italia.
'< Sinlo quanto dfllcil a minha tarera, e pe-
50 e espero ter a cooperario dos cidados ; serq
o auxilio publico, lodo o governo impotente
para pralicar o bem.
Desejo ser ajudado pelos cooselhos de todos
os homens honestos, Tenho necessidade do
concurso de alguns desses homens importantes,
desses patriotas experimentados, que eslas pro-
vincias possuem em grande numero. Ho de
servir-me de conselho, dirigindo ao mesmo lem-
po os ramos era quo se divide a adrainistragio
regular do paiz, e preparando as innovaces 'le-
gislativas que se julgarem necessarias. *
'< Digno-se V. M. fazer conhocer se as prece-
dentes ideas sao da sua approvaco.
aples 8 de novembro de 1860.
(Assignado) Farini.* -
A 9 S. M. dignou-se approvar.
A Patrie publica novos despachos relativos
carapanlia do general Lnmoricire, para mostrar
que o commandante era chefe do exercito ponti-
ficio dirigi todas as suas operaces sem contar
rom o concurso das armas da Franca.
Advertido por muitos lados da ap'proximagao
dos pieraontezes, o commandante em chefe di-
rigio-S'j ao cardeal Antonclli, afim de obter delle
explicagao.
Eis os termos:
Ao cardeal secretario de Estado (Roma.)
Peco a V. Exc. que me diga, se Mr possi-
vel, o que posso eu recoiar das tropas piemon-
tezas. A cada instante estou recebendo do toda
a nossa fronteira avisos de que, na rectaguarda
as columnas de tropas regulares que se approxi-
mam de Arezzo, de Cortona, do Cilla delta Picva
e de Acquapendente, se encontrara bandos de
insurgentes que se arraam nos depsitos que fl-
cam na fronteira, o que vio verificar urna inri-
sao no nosso territorio, accrcscentando-se que as
tropas piemontezas dizem francamente quo ho
de seguir de pcrlo os insurgentes.
< Nao hesitara em altacar aquelles que se
appresontarem na nossa frente; mas as condi-
goes da lucta sao muito diflerenles, se tivermos
de combatter os piemonlrzes ou smenle os in-
surgentes.
O general cm chefe.
Ve Lamoricire.
\ Patrie nao publica a resposta do cardeal
Antonelli, mas indica quo o texto est reprodu-
cido no seguate despacho dirigido ao general
Schraid:
Ao general Sckmid (Perugia.)
Recebi de Roma do cardeal Antonelli, o se-
guinie despacho qu*e me apresso a communicar-
tos :
'< Sua Mageslade o imperador dos francezes,
lendo sido informado do Ge o governo sardo
se dispunha a fazer ao governo pontificio a in-
lmacio para licenciar as tropas estrangeiras que
esli ao seu servico, com a ameaoa, no ca30 de
isto se nio exeeutar, de ver oceupar (Pilos pie-
monteze) as Marcas e a Ombra, escrevea de
Marselha ao re do Serdenha para lhe annunciar
aue no caso das tropas piemontezos entraren] nt>
torrilorio pontificio, elle se voria obligado a
oppor-se e que, para esse fim, j tinha dado
ordens para quo a guarnicao de orna fosse aog
mentada.
O general em chefe.
De Ltimoricitre.
No mesmo da o general Lamoricire r#eebeu
tambera dous despachos do conde de Marode,
um que nio tem grande sigoificaco. e oulro que
sendo escripto era cifra, aquello em queseen-
contra a celebro expresso pela forca.
Eis o primeiro despacho :
10 de setembro, 4 horas e 20 minutos da
tarde.
Asseguraram-me esta manhaa que vos foi ex-
pedido um despacho, informando-vos que a Fran-
co nao permiliir que o Piemonte atlaque os
Estados pontificios. Apezar disso, convm que
vos nio divdaos. Viterbo, annunca Orvielo, est
a ponto de ser invadida.
Marode.
Quanto ao segundo despacho em cifra, pareca
que o general Lamoricira nao comprehendeu os
termos em que era concebido, segundo se v da
sua seguinte communicacio:
to ministro das armas [Roma.)
Recebi o vosso ultimo despacho, e nao com-
prehendi a phrase que' mais importanlo se torna
para mire. Nao pude sahir de urna declara-
cao geral que nos foi feita pelo embaixador de
Franca. Isio nao quer dizer cousa nenhuma;
ralilicai-o, o dai-me informacocs claras.
O general em chefe.
De Lamoricire.
O ministro das armas nao respsndeu. Eis p
novo despacho do commandante em chefe :
Ao ministro das armas.
Estou sem resposta explicacao que pedi so-
bre a phrase inintelligvel do nosso importante
despacho desia noito; e vendo que o tempo ins-
la, peco que se fuga junio do ministro de Franca
as inlerrogigoes necessariis para quo o general
No'ic possa affaslar-se do texto das suas inslrae-
roes, e possa sem demora oceupar Viterbo, don-
de se mande a guarnicao um auxilio do Orvielo.
A comraunicago ao ministro de Franca mo-
livava-se sobre a ola expedida pelo "general
Fanti.
Logo que um batalhao deNouesteja em mar-
cha, a guarngo do Viterbo pode sahir.
O general em chefe.
De Lamoricire.
Ao mesmo lempo escrevia o general Lamori-
cire ao coronel Ulumensthil.
.lo coronel Blumenslhil [Perugia.)
A Franca prohibi ao Piemonte que altacasse.
tnos o Piemonte pode muito bem nao ouvir logo
a Franca. Fazei preparar aposentos em Gubbio
e em Tralla. Tortai todas as delerminagoes em
Perugia, o part amanha s quatro horas e
raeia com o batalhao Bcil e as vossas qualro
pecas, para vir a Foligno, onde cu vos encon-
trarc, e estarei bem acompanhado.
Porgla mandou pedir licenga noticia da
partida do Kanzler. Nada de novo.
O general em chefe.
De Lamoricire.
de outubro. Penalisa-nos ver avallado com tan-
to rigo, por ura gabinete liberal e conservador,
o nosso proceder, sempre guiado por estes dous
principios. Senlimo-lo muito, porque a Europa
nio devia illudir-se al este ponto, quanto aos
successos de que a pennsula o theatro. A Eu-
ropa nao devia perder do visla que o governo
de el-rei na Italia o nico poder conservador,
capaz de oppor um dique ao espirito verdadera-
mente revolucionario o de o dominar.
Nao justo, era prudente enfraqucer este
poder, separaodo-o e forgando-o, por assim di-
zer, a escorar-se as circumstanciss dadas era
elementos que se pnderiam tornar perigosos.
Convinha bem ao contrario que Iho ajudassem
os esforgos, a bem da ordem e da paz, alm de
quo vencesse as difficuldades que o cercara
Nada queremos occullar nem disfargar. Esta-
mos na Italia, e trabalhamos em seu nomo ;
porra ao mesrao tempo somos os moderadores
do movimento nacional. Os nossos esforcos e
mais constantes disvellos leem por unico'alvo
dirigi-lo e conl-lo, em via regular, obstando a
que se desfiguro com impuras alliangas.
Somos o representante do principio monarchi-
co, que a Italia j nao existia nos corages, por-
que a vinganga popular o anniqullaria. Ressus-
citamos esso principio, rclcmperamo-lo, e de-
raos-lhe urna nova consagraco. Agora"cofisli-
lue elle a nossa forga, o sera a nossa egyde no
futuro.
Confiados, pois, na justca da causa quo de-
fendemos, e na sincerdade "de nossas intengoes,
esperamos resolver o vencer as dflicuidades da
presente crise. E quand) o reino da Italia as-
sentar as solidas bases do direito nacional, e do
direito monarchico, estamos certosde que a Eu-
ropa nao ratificar o jui/.o severo que pesa ago-
ra sobre nos.
Tende a bontfado, Sr. conde, de 1er osla nota
ao bario de Schlenitz, dando-llie copia delta se
a quizer. Sou, etc.
Cavotir.
Vota do o\ ei-nn piemontez, em res.
posta nota enviada de Coblentz,
ao ministro da Prussia eui Turin.
TURIN 9 DE NOVEMBRO DE 1860. *
Ao conde de Launnr/, enviado extraordinario e
ministro plenipotenciario de S.M. em Berlin
Sr conde.O conde Brassier do Saint Simn
deu-mo conhecimenlo de ura despacho, datado do
Coleniz, 13 de outubro ultimo, no qual, o ba-
ro de Schleinitz, manifestando o desejo que tem
o gabinete de Berln de consorvar-se em boas re-
lages com a Sardenha, nos fez vera divergencia
que ha enlre o govorno do el-rei.. o o principo
regente, na apreciagio dos aconteciraenlos da
Italia.
O bario de Schleinitez, observando que a poli-
tica do governo do el-rei, exposta no memorn-
dum de 12 de setembro, se funta no direito abso-
luto das nacionalidades, se apressa a dizer qoe
est longe de contestar o subido valor da idea
nacional, idea que 6 o movel esse.icial e allamen-
10 declarado, na politica prussiana na Ale-
nla n ha.
Purera na sua opinio, nao dovo achar-se esle
principio ora opposigo com as regras do direito
das gentes, sob pona dcalterar o socego da Euro-
pa, e de arraslar os povos e os governos para a
senda das revolugoes.
Por felizes nos damos de ver que n governo do
principe regento nio s reconhece a idea nacio-
nal, como um dos elementos ess^nciaes do direi-
to publico, mas tambem so a honra de ser o no-
bre representante d'esta idea na Allemanha.
Alera d3so, se lomos a lamentar hoje o vorre-
provada a necossaria applicago do principio que
se respeita, -nos com tudo licito esperar que o
gabinete de Beiln, mais esclarecido, quanto ao
verdadeiro alcance dos successos, os possa um
dia olliar com maior benevolencia e equidade.
lia um po.ito que importa bem definir, e a res-
peilo do qual releva que insistamos : c 6, a ques-
lo das Marcas, da Umbra, e a das Duas Sicilias
e questo puramente italiana, e que, como tal,
nio prende do modo algum cornos direilos posi-
tivos das demais potencias.
O direito publico de lodos os lempos reconhe-
ceu era cada nago o poder de dirigir os seus
proprios destinos, e do fundar as instituigos que
mais lhe conviessom ; consliluindo-so do modo
que reputasse mais til para a seguranca c pros-
peridade do estado.
Esse direilo nunca foi olhado como opposlo s
leis ntornwciooaes. antea a base deltas, porque
so fosse desprezado o violado, nunca mais haveria
na Europa independencia era liberdade.
Dizem-nos, porra, que as divisos territoriaes
da Italia achara-se sanecionadas por tratados so-
te mnes.
A Europa possue, consequenlemente, urna ju-
risdieco dequenio pode ceder, sera rogeitar as
tradiegoes do passado, expondo-se de futuro
contingencia das revolugoes e aos perigo9 d39 de-
masas populares.
Nao vem agora a ponto examinar at ondo as
estipulages inlernacienacs que se Ilude, fo-
ram dictadas no vordadeiro interesse da Italia.
Porra o tacto em si, isto as disposicoes de
qualqiier tratado podem, porventura, coraprehen-
der a idea da abdicago perpetua e inleira da na-
go, feitura da sua constituigo interna?
O gabinete de Berlin nao querer, de ccrlo,
defender tal doutrina.
A historia dos ltimos quarenta annos mostra-
nos que as convenges publicas esli sujeitas
passar por jftodificages exigidas pelos lempos,
e que a Europa nao se iulga abatida, respeilando
primeiro, o reconhecertdo defois, as alteragoes
feitas fura da sua iniciativa.
Conheceu a Europa, ha muito tempo, que a
situacao da Italia devia ser modificada para bom
da paz e da ordem.
O gabinete de Berlin, por ordam do bario de
Schlocinitz, vos tem, mais de urna vez, Sr. conde,
fallando nesle sentido ; e a sua lnguagem ha s-
do conforme com a dos outros gabinetes ; porm
agora, em vista do occorrido as Marcas o ero
aples, dizera-nos : o vosso proceder nio tem
sempre sido razoavel : esto acto contrario s
mximas do direito, e aquello estabelece um des-
gracado precedente.
Parece-nos quo tambem temos o direito de
perguntar : culpa nossa quo a Italia abando-
donasse a vereda das reformas que lhe foram re-
commendadns pelo governo prussiano.e das quaes
demos exemplo peto espago de dez annos?
Nao devem escurecor-so as causas quando so
trata dejutgar os fados.
Foram os pequeos estados da Italia ; foram a
Santa S o o governo de aples, que, quando
era tempo, regoitaram os meios de conciliagio
cora os povos cangados e opprmidos.
Foi a Austria que, no anno lindo, atacando o
Piemonte, apressou os aconlecimentos ; foi ella
que mostrou aos Italianos que a pe nsula nio
leria seguranca nem independencia, emqnanlo nio
fosse reunida rr'um s estado.
Nao insistiremos mais sobro esle faci, que
domina toda a situagio; c pergunlareraos qual
a aecusagio que se fezao governo d'el-ret?
Accusam-o de ter vindo era auxilio dos povos
que se Invino, libertado de governos com que es*
lavara em lula ha quarenta annos. Porm o
que pralicmos era circunstancias quo, por si
sos, justificara o nosso proceder, n5o o fizeram
os ditTerentes estados da Europa em occases que
todava nao offereccm igual josliflcac&o? Quan-
do a Franga e Inglaterra auxiliaran] a Flandres
revoltada. calcaram por venlnra aos ps as le*
interpacionaes? Foram acaso infringidas por Luiz
XIV, quando auxiliava a sublevagio hngara ;
pelos estados geraes quando sustentavam Oui-
Iherme de Orange contra Jacques II ; por Luiz
XVI, quo lio nobremonte concorreu para a li-
Ifcrlagio dos Estados-Luidos da America ; e pela
Europa chrislaa, que subtrahio a Grecia ao do-
minio 4a Porla-Ollontana ?
Nio acceitamos, pois, a censura que os ulii-
mos actos d'et-rei leem merecido ao gabinete
de Berlio, e que se expressa na sua nota de 13
Despacho do governo de Francisco
II aos seus representantes.
Exm. Sr.
O abaixo assignado, presidente do conselho de
ministros, encarregado da pasta dos negocios es-
trangeiros, lem a honra de levar ao conhecimen-
lo de V. Exc- novos actos dignos de reprovagio,
commettidos pelo exercilo de invflsio, que vie-
ram confirmar as joslas queixas manifestadas em
a noite de 26 de outubro ultimo.
Para que as tropas escalonadas ao longo do
Ganglianose livrassem do Dombardeamento que
a esquadra piemonteza diriga contra o campo,
foi misler ordenar um movimento de retirada
que principiou na tarde do primeiro de novem-
bro.
Logo que a esquadra piemonteza tomou posigio
ao longo da praia que costeia a estrada, e rom-
pen o fogo contra as tropas reaes, que, de arma
no brago e em boa ordem, oxecutavam o movi-
mento proscripto.
O inimigo nao cessou o fogo de arllhara, du-
rante toda a noite e grande parle do da seguinte,
leo tirada retirada da9 tropas sera defoza, as
quaes s se podia dirigir a censura de contaren)
com a seguranga formal qao ft Iho fizera de que
nioseriam atacadas pelo lado do mar.
Todo o exercilo do re achando-se pois concen-
trado entre Mola de Gaeta e a fronteira do reino,
a esquadra piemonteza para ah se dirigi, e em
a noite de 3 para 4, durante sois horas seguidas,
al o meio dia de 4, nio deixou de langar sobre
a desgragada cidado de Mola bombas, granadas e
outros projects, do queso veem agora os vesti-
gios sanguinolentos o devastadores particulares,
1109 pospitaes, o entro os pacficos e inoffensvos
habitantes.
Nos lempos pastados, de cada vez que o sobe-
rano legitimo das Duas-Sicilias se vio obrigado
com grande pesar seu, a recorrer aos tristes ex-
pedientes da guerra para reduzr obediencia
alguraa cidade rebelde, os defensores ociosos dos
subditos insurreccionados nao faltavam a contes-
tar, em lnguagem ultrajante, ao governo do re
o primeiro direito de lodo o governo quo deseja
mantor a propria auloridade e proteger a ordem
publica.
Hoje, 09 exercitos e as esquadras de um go-
verno que so diz regular e civilisado, invadeui,
sem declarario de guerra, um estado visinho e
amigo, combatendo as tropas por lodos os meios
dosleaes e indignos, quando nao conseguem, por
vis artificios, desvia-las da fidelidade e da hon-
ra : estes exercitos o esquadras Iralam do des-
truir os elementos de forca e de prosperidade
n um povo a quem anda' chamara iroso; c,
emm, bombardeiam as pacificas o innocentes
populages, sera que na Europa urna s voz se
levanto contra orna serie de atrocidades que nao
leem exemplo na historia.
E' lempo que as hypocrisias e as perfidias da
poltica piemonteza sejam aposentadas Euro-
pa sob o vordadeiro aspecto, e o governo do rei,
decidido cumprir at extremidade o dever de
combater, mesmo com as armas da publicidad*,
os fautores da desordena moral e da revolugo
social, encarregou o abaixo assignado do instruir
sobre o passado a V. Ex para que .0 seu go-
verno tenha conhecimenlo dos fados.
Apressando-se cm desempar a missao que lhe
foi confiada, o abaixo assignado aproveita a on-
porlundade de renovar a V. Exc. a seguranca
da sua alta consideracio.
General Casella.
Jornal do Commercio, de Lisboa.
geral da instruego publica, relativa a inscrpgio
dos candidatos que foram reprovados em exame
de vericagio de capacidade profissional, o da
qual j tratamos.
Isto posto, d'ora em dianle o reprovado em ura
destes etames s poder ser inscripto para novo
depoisdo lapso de seis mezes ; o sendo inda re-
provado nesse segundo exame, s poder ser ad-
mitlido ao terceiro depois de um anno, quando
desgragadas c um s membro gozando tudoquan-
lo devia ser repartido.
Eu o minhas irraas fomos enormemente lesa-
dos no famoso inventario do Noruega ao qual pre-
sidio o bacharel Sergio como juiz de orphos, e
para as partilhas recebi urna carta de JoSo Car-
los cilando-me quando j estavam fcitos.
Hoje o bacharel Sergio nao mais o juiz de
orphios da Escoda ; porra advogado e Joio
,.., :".:,.;; r, j i" rpnaos aa cscaaa; porra advogado e Joio
ser reputado inhabilitado 1 hmxne, se por ac- Carlos sempre oscrivio tudo se me prepara
so resuitar-lhe das provas urna terceira renrn- eu ei mi mIa hi,h,.-----.. _. L. '
DIARIO DE PERNAMBUCO
Hoje cncerra o anno de 1860 o eyelo de das,
de que se ello compunha ; e com a sua^xtinc-
go, fecha-seou compIMa-se tambem o trigsimo
sexlo anno da existencia deste Diario.
Com o presento numero,com cffeito, termna-
nos os nossos trabalhos jornalslicos em 1860.
que todos com justa razio se apressam levar
tumba, por entre um necrologa que em nada
poder salisfazer aos seus apologistas.
Noparega isto paradoxal, pois a lei dos con-
trastes predomina neslo mlhor dos mundos pos-
sves. Quando esle chora, aquello sorri ; e o
que me nio agrada, salisfjz 1 oulrem ; de manei-
ra que assim nao ha um ino absoluto, nem ura
bom que nao seja relativo.
Como quer quo seja, e sem que nos sobrecar-
reguemos da noticia biographica do anno de 1860,
assignalaremos sempre quo foi elle o raas labo-
rioso desta empreza pela accumulaco de causas
extraordinarias e supervenientes, que so nao en-
lorpecerara-lhe a marcha normal, todava trou-
xeram-lhe algumas difficuldades.
Sira, ella leve do lutar com trabalhos mu se-
nos, quer pelo grando augmento que luraou em
suas proprorges, quer pela superveniencia da
crise comraercial, porque passou o paiz nesle an-
no, crise que affectando todas as industrias
eslendeu-so tambem h ella pelas relaces qu
manlm com as demais.
Sem embargo, porm, dssa situacao, que nos
crearam taes omergoucias, forga de trabalho,
perseveronga e resignagao podemos superar as
difJiculdadcs, vencer os obstculos o viogar final-
mente esse espaco desastroso em nossa ordinaria
inalterabilidade, gragas benigna e constante
coadjuvago que nos prestam no>sos assignanle3.
Se com tudo os deveres que nos decorrem da
posigo de jornalista o de euiprezario do Diario
de Pemambuco nao foram cabalmente desenvol-
vidos na pratica ; se no decurso desle anno, que
hoje cahe nos nnnaes do pretrito, fallamos a
lgum delles, temos certeza de que ser-nos-ha
relevada a omissio por nao ser ella inten-
cional.
Nao porm desconhecdo a ninguero o nio
havermos poupado esforcos nem sacrificios, para
a salisfago plena desses deveres ; e onde falte-
cera os meios, suppre a boa vontado que de nos-
sa parlo sompro existe, boa vontade que se ma-
nifesla por urna 9erie conSlanto e successiva de
fados, que nada lem de problemticos, e que
convergen) ao ponto do manifesta-la era toda a
sua extenso.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Por portara de 26 do quo hoje flnda, foi
nomeado para juiz commissario das ruediges das
trras publicas do municipio de Agua-Preta o Sr.
Alexandrno Olympio do Hollanda Chacn.
K urna acertada escolha, alientas as condignos
do habilitagio, que concorrem na pessoa do no-
meado, a quem conliecemos mu de perto.
Por portara da mesma dita, foi nomeado
para igual lugar no municipio do Rio Formoso o
Sr. tenenlo-coronel Jos Antonio Lopes.
Foi approvsda a deliberado da directora
so resuliar-the
vagio.
Hoje ullima-se o segundo prazo marcado pa-
ra a inscrpgio dos terrenos possudos, nesta pro-
vincia, t
Falloceu no da 28 o Dr. promotor publico
da comarca do Cabo, Jos Silvano Hermogenos
de Vasconcellos.
E' para sentir cssa morte. que arrancou vida
um joven na aurora da sua carreira publica.
-No dia 27 do correnle, s 5 horas da tarde,
achando-so o meslre podreiro Antonio de Paula
endireitar urna terca da coborta da uraa casa
lerrea que se est edificando na ra do Brum, de
propriedade de Manoel Martins de Carvalho, da-
nto, baiendocora a cobega em urna pedra, do que
lhe resulloii a morte algdia minutos depois.
Aimperatriz Eugenia.'** *ua actual viagem
pola Escossia vistou o sstao de estudo de sir
Wffcter, Scotl, em Abbotsford, prestando assim
afia Somenagem disincta o honrosa memoria
d.ef.ebro romancista.
**A formosa imperairz era o alvo das atlengocs
e do enlhusiasrao das populages Escocezas e in-
glezas por onde passava.
Deve chegar em brevo s nossas aguas o
contra almirante sir Henry Keppel, na fragata
hlice frisk, nomeado commandonte da estagao
naval ngleza no Brasil, por ter acabado o lempo
de servigo do almirante que actualmente est
ne9ta commiss?o.
O contra almirante sir Henry Keppel acaba de
commfndir as forcas navaes do S. M. B. no cabo
da Boa-Esperanga.
Este mesmo almirante no dia 10 de agosto ul-
timo aprisionou no canal de Mogarabique urna
grande galera, chamada Sunny South, carrega-
da com 846 escravoo o tendo urna guarnigio do
40 pragas, inclusive o capitao, offciaes, piloto, e
um doulor em medicina.
Diz-se que ori&inariamenle aquello navio se
empregava na navegagao entre New-York eo
Rio de Janeiro, como paquete. Suas dimenses
siol5pse8 polegada.s de curaprimento, 3tl
pes e4polegadas de bocea, el 6 pese 6 polega-
das de ponlal.
Est averiguado que elle de 702 toneladas,
que foi construido era New-York em 1854, e
vendido em Havana em 1859 por 20,000 dollars,
onde era considerado como a eoibarcaco mais
veloz.
Sahio d'ahi cm 5 de marco, com bandera
chilena e o nomo de Manoell lendo despachado
para Hong-Kong.
J se v que os negreros nio desanimaram
Apoz as missas votivas no Espirito Santo
as diversas matrizes da capital, ficiram as me-
sas assim composlds :
S. Fr. Pedro Goncalves.
Presidente. Pairo Jos Leit Pilla Ortgueira.
Secretarios.Jos Pedro das Nevos.
Domingos Hcnriques Mafra.
Escrutadores.Luiz Amonio ongalves Penna.
Innocencio Xavier Vianoa.
Santo Antonio.
Presidente.Dr. Antonio Epaminondas deMello.
Secretarios.Joio Ailianazio Botelho.
Gamillo A. Ferreira da Silva.
Escrutadores. Dr. Jos Flix de Britto Macedo.
Jos Francisco Cameiro.
Hivendo dado parle de doenl", depois de ler
tomada assenlo. o Sr. Joio Athanazo Bolellio,
foi eleito, por U votos, o Sr. Marcotino dos San-
ios Pinheiro, lavrando-so a acta.
San Jos.
Presidente.Manoel Ferreira Accoli.
Secretarios.Joaqum Pedro dos Santos Bczerra.
Joo Antonio Pereira da Silva.
Escrutadores.Emilio Americo do RegoCazumb.
Custodio Manoel Theodoro.
/loa Vista.
Presidente.Antonio Carnero Machado Ros.
Secretarios.Manoel Coelho Cintra,
Simplicio Jos de Mello.
Escrutadores.Decio de Aquino Fonccca.
Joaqum A. Ferreira Jacobina.
Durante lodo o dia houve perfeta tranquillda-
de na cidade, correndo o trabalho das mesas em
perteila calma.
Foram recolhidos casa do delencao no
da 28 do corrento, 2 homens, ambos livres, sen
do 1 a ordem do Dr. chefe de polica e 1 a or-
dem do subdelegado de S. Jos.
Passageiros do brigue portugus Bella Fi-
gueirente, vindo de Lisboa : Joio Bernardino de
Moraes e sua senhora, Verissimo Ferreira Patri-
cio, Antonio Francisco Seabra, Agostlnho Anto-
nio Pereir., Bolelho, Antonio Pinto Pedrosa J-
nior.
Passageiros do brguc inglez liabella, sa-
ludo para o Rio-Grande do Norlo pelo Canal :
Jos Aynes Vieira de Souza.
Publicacoes a pedido.
Correspondencias.
AO PUBLICO
O meu perseguidor.
Vctima da mais damnada perseguigao do ba-
charel Sergio DiQiz de Moura Mallos ex juiz mu-
nicipal e orphos do termo da Escada onde vivo
e minhas irmaas na propriedade que meus pais
adquirirn) cusa de muito trabalho e que nos
legaram, tenho sido atropellado comanla furia
por este hornera pequeo o fraco quo nao tenho
um s momento para descangar.
Astucioso como o bacharel Sergio, obleve
neste_ termo o concurso do um homem, cuja des-
cripcio nao possivel, e o nome bastara para
designa lo : este homem o escrivio de orphos
do termo da Escada, e chama-se Jo1o Carlos Ca-
valcanii d'Albuquerque.
Eu nio devia demorar-mc com esle ente que
debaxo da maior hypoerisia vai mastigando as
espinhas que cahem da bocea daquelles, a quem
serve na obra d'anniquillar os adversarios de
seus amos : mas necessario dizer que Joio
Carlos Cavlcanti do Albuquerque, escrivio d'or-
phios da Escada est sempre prompto a servir
nos que eslo dispostos a fazer mal, e que junto
com o bacharel Sergio est sempre prompto a
anniquillar aquellos a quem esle homem vola
anniqulllamento.
Eu fui um dos que o astucioso Sergio votou ao
infortunio Eu sou um dos que o astucioso
Sergio designou a Joo Carlos para ser anniquil-
lado.
Joo Carlos enearregou-so de completar mi-
nha dosgraga o Irabalha cora tal instipdo que j
lem alcangado admirar o astucioso que louva sua
dedicagio.
E necessario dizer, que Joio Carlos vai illudin-
do a todos, sendo que do todos vai mastigando
quando chega occasiio de mastigar : necessario
dizer que Joio Carlos sabe quando deve masti-
gar e o que deve masligar:
Joio Carlos incoraprehensivel, nunca esl
contente, sempre triste, quasl chorando, com
voz supplicanle vai rogando, agradando, oblen-
do, justificando todos seus ards, e moslran lo
que em vista de sua lio reconheoda candura,
lirapeza d'alma o desinteresse nao possivel que
livesse era mente o mal quo causou aquelle que
o aecusa e a quem elle alaga desculpando-se.
Joio Carlos agacha-so diante do poderoso, er-
gne-se e formatisa-se diante do pequeo, o em
qualquer destas posiges sempre o honrado o
incorruptivel oscrivio do lermo da Escada.
Contra Joio Carlos nao ha meio a erapregar
com probabilidade d'efficacia, porquo Joio Car-
los amigo dedicado de todos, desvellado ca-
rnhoso do todas as autoridades, compadre dos
grandes, compadecido pelo soffrer dos pequeos,
tem adhesio a todas as polticas : opposicio-
nisla exaltado, all'errado governista, republica-
no vermelho, monarchista puro, finalmente Joio
Carlos ludo quanlo quizerem cora tanto lhe
deixem ser escrivio d'orphios do lerrao da Esca-
da honrado e xncorruplivel como .
Esle homem rasleiro e subtil como a vbora,
feroz como o tigre, astuto como a raposa, est
assulado contra inim o nao recua porquo sabe
trabalhar de tal forma que tudo alcanga fleando
sempre salvo e garantido. *
Esle homem jurou obedienaia ao bacharel Ser-
gio, desde que este bacharel entrou em exercicio
do lugar de juiz municipal e orphos do termo-da
Escada.
eu sel que estou destinado para soffrer no inven-
tario do Campestro raas do que sorTri no inven-
tario de Noroga o j o bacharel Sergio e Joio
Carlos esli trabalhando e o que j zeram mos-
lra bem como devo ser lesado .Eis o facto quo
est provado cora documentos sob n. I,
C^ No dia 19 do correnle, o herdeiro Jerni-
mo tarreiro de Moraes Rangel, cliente do bacha-
rel Sergio foi a casa do Jas Ignacio da Fonseca
e Mello, que tinha sido norauado partidor no in-
ventaro de Cimpestre e lhe disse que fosse a vil-
la da Escada para fazer as partilhas dos beos dei-
xados por minha mi.
Fonseca dirigido por Jeronymo para a casa
de Joo Carlos, e ah sera formaldade mais do
que a presenca do bacharel Sergio. Jeronymo e
Joio Carlos foram apresontadas pelo outro parti-
dor urnas partilhas para Fonseca assignar dr/.en-
do-se-lhe que eram as partilhas de Campestre e
que estavam bem feitas.
Fonseca lendo este papel onda nao est minha
deserdacio, porm a maior lesio que so pode fa-
zer-me, vio que eu eslava mal, e vendo que os
escravos mais velhos o inuteis eslavara langados
em quinhao para raim, fez ver que a partilha nio
eslava boa ; mas o bacharel Sergio respondeu di-
zendo que se os peiores escravos me linham sido
langados em quinhio havia a grande vanlagem
em esses escravos inuteis serem avallados por
baixo prego.
Na opiniio do bacharel Sergio era urna inuli-
lidado barata para mira tendo en a grando van-
lagem de ser o melhor aquinhoado na safra do
engenho Campestre, bem este que foi avaliado
mais caro.
A safra, disse o bacharel Sergio para convencer
a Fonseca, que tinha sido avaliado um baixo
prego.
A prova mais evidente de que a safra o peior
bem da heranga depois dos escravos inuteis,
que na safra junta oom taes escravos se fez o qui-
uhao que se me qoer dar; e Fonseca ignorando
que o bacharel Sergio me quer ver anniquillado,
e como nao livesse anda felo partilhas na me-
lhor boa f assignamos, depois de assignar o ou-
tro partidor.
Assignadas as laes partilhas por Fonseca, Joao
Carlos que ludo presendou cora cara do peniten-
te tomou a si a missao do solemnisar e o'ahia
poucos minutos eslava ludo lio solemne como se
as partilhas tivessera sido feitas pelos partidores
presidindo o juiz, presentes os herdeiros.
Joo Carlos trabalhou de lal maneira que quan-
do cheguei a villa para assislir as partilhas tudo
j eslava acabado.
Assim se achara entranhados nos autos do in-
ventario de Campestre estas famosas partilhas, e
sendo eu inventarianto e primeiro lestamenteiro
nao fui ouvido. e neslas parlilhas esli 6 melho-
res escravos dados ao cliente do bacharel Sergio
para pagamento de dividas.
Felizmente Fonseca lera conscioncia e compa-
recen peranle o Dr. Luiz Antonio Pires juiz do
inventario, e debaxo de juramento declarou todo
decorndo em casa de Joo Carlos no dia 19 do
correnle : sua declaragao foi em casa do Dr. Pi-
res peranle rnuitas tesiimuiihas, que ficaram hor-
rorisados de tanto escndalo.
O que Fonseca declarou vai aqui transcripto e
nao publico j algumas- pegas d'este famoso in-
ventario porque o l)r. Pires no mesmo dia da de-
claragio de Fonseca parti para a capital e eu
nao sei a quem devo requerer.
Fonseca debaxo de juramento declarou que nao
foi ciladoesoraente chamado por Jeronymo, Joio
Carlos cerliicou quo Tora cilado o que se v 110
documento sob n. 2.
Tenho necessidade de parar aqu para com pro-
vas mostrar como se trabalha quando se quer
anniquillar ura inimigo que tem;a grande falta do
nao saber agradar. -
Manoel Jeronymo Barroso Rangel.
Campestro, 24 de dezembro do 1860. .
N. 1.
Illra. Sr. Dr. juiz municipal e de orphos.
Diz Jos Ignacio da Fonceca o Mello, que a bom
do sua repulagio quer peranle oslo juizo fazer
declaragoes que interessara a justca, e mesmo
a esto juizo, assim se digno V. S. mandar que o
escrivio comparega in continenti peranle V. S.
afim de lomar as declaragoes do supplicanle.
Pede a V. S. delira.Jos Ignacio da Fonceca
Mullo.
Como requer.Villa da Escada, 22 de dezem-
bro do 1860.Pires.
Termo do declaragao Aos 22 do mez de de-
zembro de 1860, nesla villa da Escada, em casa
do residencia do juiz municipal e de orphios o
Dr. Luiz Antonio Pires, onde eu escrviu de seu
cargo abaixo assignado, vim em virlude do des-
pacho retro, ah presente o declarante Jos Igna-
cio da Fonceca e Mello, a quera o sobredito juiz
lhe defiri o jnranonlo dos santos ovangelhos
encarregando-lhe que declarasse so fazia ssa
declaragao de sua livre e expontanea vontade,
sem constrangmenlo algum, ao que respondeu
quesim.
Declarou que vindo a villa no dia quarta-feira
1 do crreme para a factura das partilhas do in-
ventario que se proceden por fallecimenlo de D.
Francisca Luiza Rangel, como partidor que era
fora-lhe apresentada a parlilha na casa do escri-
vao de orahos Carlos Cavlcanti por Franco Ca-
v alean ti de Albuquerque tambera partidor do
mesmo inventario, e lhe parecendo que as parti-
lhas nao estavam bemfeitas, porque via no qui-
nhao que se langou pira o herdeiro Manoel Je-
ronymo Barreiros Rangel, escravos bstanlo ve-
lhos, o quo sendo reclamado por elle declarante
fot-Iho ponderado pelo Dr. Sergio Diniz de Mou-
ra Mattos, que os escravos eram velhos, na ver-
dade, porm, que linham sido avahados baratos,
e lambora que a safra tinha sido avahada por
prego baixo, e que o referido herdeiro se achava
tambem aquinhoado nella, e lambem admirado
elle declarante do pouco que tocava ao referido
herdeiro no engenho Campestre, pelo mesmo
doulor lhe foi apresenlado como razao a safra
porque era vanlajosa para elle herdeiro Bangel,
e romo nunca elle livesse felo partilha, e ni
cniendesse disso, assgnou por ter visto o outro
partidor Franco Cavlcanti de Albuquerque, as-
signar e isto elle declarante fez iva melhor boa f,
e que nessa occasiio estavam presentes.o escrivio
do orphos Carlos Cavlcanti, o Dr. Sergio Diniz
de Moura Mattos, o herdeiro Jerouymo Barreiros
do Moraes Rffngel, o o partidor Franco Cavl-
canti de Albuquerquo, declarou mais quo nio
havia sido c'ado, e sim chamado pelo herdeiro
Jeronymo Barrerros de Moraes Rangel, e por
nada mais declarar nem lhe ser perguntado deu-
se por (Inda a prsenle declaracio, que assgnou
com o juiz e 09 lestemunhas j'oio Damaaceuo e
silva, Caetano Jos Fragozo, Joio Baptisla do
Araaral, o eu Joo Carlos Cavlcanti de Albu-
querque, escrivio escrevi.Pires.Jos 0gap
da Fonceca Mello.Joo Damascono e Sil-a
Caetano Jos Fragozo.Joio Baptisla do Ama-
ral. Reconhego verdadeiras as assgnaturas su-
pra, seren as proprias dos assignantes retro dou
fe.bscada 22 de dezembro de 1860.
Era testemunho de verdade e9lava o signal pu-
blico. O tabelliao publico MathUs de Albuouer-
que Mello Jnior.
(Eslava reconhecido e sellado.)
A.o partido conservador
Tomos a honra de offerecer attence do nu-
meroso partido conservador de Santo Antonio os
nomes dos seguintes candidatos :
Dr. Tristo de Alencar Araripe.
Coronel Domingos Affonso Nery Ferreira..
Tenente-coronel Sebastio Lopes (iuimaries.
Dr. Francisco I.eopnldino de Gusmio Lobo.
Capito Firminn Jos pe Oliveira.
Major Clauoino Benicio Machado.
Alferes Joaqum Francisco de Torres Galliudo.
Dr. Manoel de Figueiroa Paria.
Dr. Antonio Epaminondas de Mello.
Proprielario Joaquim Antonio Carnero.
Negocianle Jovino Carnero Machado Ros.
Dito Bernardino de Sena Barros.
Dr. Ignacio Nery da Fonseca.
COMMERCIO.
Alfandega.
Rendimento do dia 1 a 28. .
dem do da 29. ... ,
Movimento da alfandega,
V'oluraes entrados com fazendas.. lito
com gneros.. 169
Volnraes sabidos com fazendas.,
cora gneros..
------299
119
124
239
Descarregam hoje 31 de dezembro.
Brigue inglezUranismercadorias.
Barca inglezaIsabella Radelybacalho.
Barca inglezaSeraphinameVcadorias.
Recebedoria de rendas internas
roraes de Pemambuco.
Rendmenlo do dia 1 a 28. 35:118*057
dem do dia 29.......3:415*167
38:833322 i
Algodio -
Assucar -
herangas foran. divididas com tanta igual
quo no tormo da Escada existem familia? inte1
lade
Consulado provincial.
eRndimento do dia 1 a 28. 96:214*280
dem, do dia 29.......7:216$726
1034318006
PRACA DO RECIFE
S DE DEZEMBRO DE IHiO.
A'S 3 HORAS DA TARDE.
* Revista Semanal.
Cambios----------Sacrou-se sobre Londres de 26
1/4 a 26 1/2 d. por 1*000 rs.,
sobre Pars a 365 rs. por
frinco, sobre llamburso a
680 por M. B., e sobre Lisboa a
110 % de premio, somando os
saoues por rjt 50,000 sobro in-
gtlerro, e F. 350,000 sobre
Franga.
O superior vendeu-se a 8*100
rs. por arroba, o o regular a
7*900 rs.
Eslevo mais desanimado, ven-
dendo-se de 3*600 a ijOO rs.
por arroba do branco. de 3J201
a 3*300 pelo smenos; masca-
vado purgado de 3*200 a 3J300'
e bruto de 2*000 a 2*500 rs.
por arroba.
Agurdenle-------Vendeu-se de 85g000 902000
por pipa.
Couros- Os seceos salgados venderm-
se a 225 rs. por libra.
Arroz-------------Mera r 23800 rs. por arroba.
Azeito doce-------Vendeu-se a 3*000 rs. por
galio.
Bacalho--------Em atacado obteve 9*000 rs.
por barrica, e a retalho de 10*
a 12* rs., ficando em ser 16,000
barricas.
Batatas----------Vcnderara-se a 1*600 rs. por
arroba.
Caf.---------------Vendeu-se de 6*000 a 6?600 rs.
por arroba.
Ch-.....- dem de 1$600 a 1*800 por li-
bra.
Carvio de pedra- dem de 17$ a 18* rs. a ton-
tada.
Carne secca- A do Ro;Grande vendeu-se de
1*600 a 4*500, e a do Rio da
Prata de 2gs00 a 3*200 rs.; fi-
cando era ser 20,000 arrobas
da primeira, e 50,000 da se-
gunda.
Cerveja-------------dem de 5$008a 5*600 rs. por
dnzia do garrafas.
Farnha de irgo.JRetalhou-se do 0* a 24$ rs.
por barrica da de Philadelphia,
de 283 a 30* a de Trieste, e da
25g a 26* rs. a do Richmond,
Ocaodo em ser 4,600 barricas
da primeira, 1200 d3 segunda,
e 1,000 da terceira.
Far. de mandioca Vendeu-se a 4* a 4*500 rs. por
sicca.
Feijio-------------dem a 1J600 rs. por ai roba.
Genebra-----------Vendeu-se a 340 por botija, o
5*800 rs. por frasqueira.
I.ouga- A ingleza vendeu-se com 280
por cento de premio sobre a
factura.
Manlega----------A ingleza vendeu-se de 800 a
850 rs. por libra, o a frame/a
a 660 rs.
Queijns----------Os flamengos venderam-se do
2*100 a 2*500 rs. cada um.
Toucinho----------dem a 7J50O rs. por arroba.
Vinagre----------I lem do 90* a 100*000 rs. a
pipa.
Vinhos-----------O tinto de Lisboa vendeu-
se de 2608 a 280gOO0 rs. a pipa.,
Descontos O rebato do lettras regulou de
10 a 18 por cento ao anno,
discontando o banco cerca da
500 contos de rs. a dez por
cento.
Freles Para o Canal a 32/6, o 7/16 pelo
algodio.
N. 2.
Illra. Sr. Dr. juiz de orphios.Diz Manoel Ja-
ronimo Barreiros Bangel. que lendo por esle
juizo declarado Jos Ignacio da Fonseca o Mello,
que 1110Tinha sido cilado para proceder as par-
tilhas do casal da mii do supplicanle D. Fran-
cisca Luiza Bangel e como interesse ao direilo
do supplicanle o saber se existe intimagio do
mencionado Fonseca nos autos do inventario dos
bens do referido casal, por isso requer a V. S. I
quo se digne mandar que o escrivio de orphios
Carlos Cavlcanti, incontinente, certifique se fez
ou nao a referida cilacio e se existe rertidio nos
autos ; nestes termos pedo a V. S. deterimento.
E R. M.
Corliflqnp.-.-Villa da Escada 22 de dezembro
de 1860.Pires
Em curaprimento do rsjpelavel despacho su-
pra certifico que nos aulo conlem a cenidao era
que foi citado Jos Ignacio da Fonceca, como
partidor do inventario da tinada D. Francisca,
00 qual inventario me reporto e dou f. Escada'
' 2-2 de dezombro do 1860.Em testemunho do
E8A'ia" a, ) 1860. F.i
Jo, P-mJ 1 h.,PKr TT10-'- lemp cnl'W*-' Joao Carlos e ao bacharel Sergio nesse tempo as valeanli de Albuquerque
nerancas lorsrr, ammrUa mm tni .'mmu.j. n?_.________,' .'
(Estar reconhecido e sellado).
Panta dos precos correntes dos priiic-
paes gneros e prodoeces
narionas que se despacharam pela alfandeg
na semana de 31 dezembro de 1860 a 5
de janeiro de 1861.
Abanos.....: cento 1*000
Agnardenle de cana. caada 1*000
dem reslilada e do reino 1J0OO
dem caxaca...... > $700
dem genebra...... 1JOOO
dem alcool ou espirito de
agurdente...... ij800
Algodio em em caroco, arroba 2gl00
dem em rama ou em la. 8gO0O
Arroz com casca..... 5900
dem descascado ou pilado. 2g50O
Idom mascavado..... 2*500
Assucar branco..... > 4jjl0
dem refinado...... 6S0O
Azeite de amendom ou mon-
dobim........ caada 2*000
dem de coco...... 2*000
dem de mamona..... ... IfiOOO
Batatas alimenticias .... arroba 1*C0O
Bolacha ordinaria propria para
embarque....... 4JO0O
dem fina........ 7^500
Caf bom....... 800
dem escolha ou restolho 5JO0O
dem terrado...... libra 3J00
Caibros ........ um j360
Cal.......... arroba *400
dem branca ...... $800
Carne secca charque. ... > 4f0QO
Carvio vegetal...... lf60O
Cera de carnauba em bruto. libra *:joo
dem era velas (carnauba). ojoo
Charutos. ........ cenlo 2*500
Cocos seceos....... > 4 jOOO
Couros de boi salgados ijbra *225
dem seceos....... tmu
dem verdes...... ^\^
w
335.075?79O
I2:371fi345
347:447*135
m


dem de cabra cortidos .
dcm de onra.....
Doces seccus .....
dem em calda.....
dem em massa 011 geleia .
Espanadores grandes. .
dem pequeos ....
Estetas propri-is para forro de
nav't ........ cenlo
Estoupa nacional .... arroba
Farinha de mandioca. alqueire
dem de araruta.....arroba
Foijo de qualquer qualidade.
um

libra


um

S-IOO
10S000
19000
|500
&5O0
4J0O0
2J0OO
24OOO
1600
2400
Melaes preciosos.
Ouro em barra.....P. onc.a T7|9 a
Portuguez em moeda. TT,'
" Brasil.....
Onoas hespanholas. .
I americanas.
Prala em barra ....
Patacas brasileiras .
Pesos columuarios heipan.
Pesos das repblicas hesp.
meiicaoos .....

Prechaes........ um
Fumo em fnlha bom. ... />
dem ordinario ou reslollio.
Mem em rolo bom ....
dem ordinaro reslolho.
Gonuna........ arroba
Ipecacuanha (raz) ....
l.iiilia em adas..... cenlo
dem em loros. ...
f.enlias e esfeios..... um
Mol de conna...... caada
Milho ........ arroba.
Pao brasil ...... quintal
Podras de amolar urna
dem de filtrar.....
dem rebolo......
Piassava........ molhos
Ponas de vaccas e de aovilkos cenlo
Pranclioes de amarello de
dous matados...... nina
dem louro.......
Sabio......... libra
Salsa parrilha...... arroba
Sebo cm rama......
Rola nu raqueta ..... urna
Tabms de amarello .... duzias
em diversas......
Tapioca........ arroba
Travs......... urna
I nhas de bi...... cerno
Vinagre ........ caada
1S200
5SC00
15$00O
7g000
ogoon
73000
39200
25SO0O
SgOOfl
129000
50g000
240
JOOO
lOftOCO
#800
105000
182(0
g-200
5.3OOO
18j>CO0
N0<10
5140
KfOOTJ
58000
2g8O0
IOS9COO
5O9OOO
3?f)00
12000
$300
280
Moelai Je 5 fr.
Cruzados nuvos





77(9 1)2
77|G
70|6 a 76(9
7410 a7|6
51 5(8 a 51 3i4
4|lt 7|8
CiVa 6|5
8 ) -.o
itl 3|t a4|lt
C 1,4 a 60 3t8
BOLET1M.
LIVERPOOL, 8 DE DEZEMBRO DE 18(10.
o importarlo.
Litros de direilos pura o vendedor.
Gateros. Precos.
Algodao de Pernnmbuco por lib.:
9 1|3 d
8 5(8 d
8(t a S1|Sd
Sl|2rt
S .1 h 8 I 8 d
7 7|8 d
91|4da91|2d
!)d
8 5|8d 83ii d
83|8d
7 3|4 d a 8 d
7 5|8d
2716 a 321
26(0 a 26|6
22|9 a 26|0
2716 3t|6
26.0
23|0
2716
26|0
23,0
'2,1
1,11
2|
1,9
lie
ti*
l,G
26|6
25,6
31)0
20,(1
6|0
fil|0 a 62)0
52|0 a 53|0
58| a (II1
001 h 571
62| a O(
55| 57|
53| 5i|
58| a 60|
55| a 6>|
1"l
59,
^l
5" ,(>
63,
15|a30
1()| a 20,
f ', 1Orfta5 0|r,;
310|OhO,o
9 d a 1|3
9d a 1l
Rom.
Mediano.
Ordinario. .
dem da Rabia, bom. .
Mediano .
Ordinario .
dem do Maranho, libra longa
Alcntara .
Ilapicur .
Casias
dem de machina bom .
Mediano .
Ordinario. .
Assuear por 112 ;, do Kio, b. .
Louro .
Masca vado
dem de Pernambuco branco.
Louro : .
Mascavado .
Mem da Rabia e Macei b. .
Louro. .
Masravado .
Ral-amo ile c upa i ba por i, claro
Torvo .
Borracha por lina. .
Mediana. .
Ordinaria .
Cabera, de Negro
StniMiiby .
dem doCtara, palles. .
SemamOy. .
Cacao, por 112 libias: "
Para bom.....
Rabia, a.....
Caf, por 112 i Rio l. sorle.
Sesun<1a .
l-'.-.-ull.iilil .
Heida Rabia primeira sorle.
Segunda <
Escollado .
dem do Cear.........
f.astanha por 112 i do Para n.
i ebo por 112 ido Rio ('.rinde
II.mi e duro..
Mediano. .
Escuro. .
('era de carnauba, por 112 .
Chifres, por 123 h de vacca .
1>- hoi. .
(unzas deossos por tonelada:
Rranca.
Preta .
Mina por Ti decavallo .
de vacca .
Cobre velbo, purlb. .
Couros por do Kio,
Seceos de 30 a 35 *.
. de 20 a 24 i
el e loaros, 35 a 40
dem do Rio Grande, por :
SaIgados.de 65 70$.
a de 45 a 50 c
> de vacca 40 a 481t
Ca vallo, secco*, 10 a 13
11. um -
dem salgados, 23 a
30 .....
dem dem. 16a 20 St.
dem de Ptrnambuco, Babia,
Maranho e Para pr ft
Seceos salg., 26 a 30 ,
.. espichados 16 a 20 i
Curtidos 7 a 9 t
M .Miados salgados, 40
alCIbf...............
do Cear, Paralaba e
Macei por i..
Seceos salg. 30 a 32 Ti.
Mollisdos s.45 a 50 5 d a o d/i 4
Cumar por libra hora. lt'
Ordinario 1'2
Comma so bucto da pixa por sr*
(.fuiuba, l1 qualid. 4|0a 4|3
9> dita. "^3 a 3(9
3a dita. 2,6 s 3,0
qualidade 4|0
2 dita. .
3 dila. .
1" au
2 dita .
3a dita. .
qualidade .
2a dils .
Jacaranda por tonelada do Rio.
Min da Babia. .
Cerzelim, por quarteirao. .
Piasiava por 2240 Ib. do Para'.
da Baha..... U 1l
Pixurim, por 1121b. bom 15l
Salsa parrilha por libra boa. 18|
Inferior.....14|
Tapioca por 112 ,l Rio superior. 68( a n(
Ordinaria .... 45| a aU(
l'rac por ,< do Para bom. 24 a 4 d
Fundor e Cambio*.
Fundos inglezes.
Banco de Inglaterra (acetas) Por 0|0232 f
Consolidados.....3_M7,8a.9t
.
Cambio*.
Lisboa.....OOd.d.53
P0H0..... 53 1[4
Rio de Janeiro. 60 d v 25 1|2 a 26
Amslerdam. 3 m. d. 11.17
Ilamhargo ... a 25,35 a 25.40
Pi8..... 25.12112 a 25.171 [2
NVIFS A' CAUCA PARA O BRASIL.
Dezembro 20.Par.'i, Isabel Seo.
Dezcmbro 15.Pernnmbuco, Mara.
15. Quien.
15. Minatitlitii.
12. Diana.
12 94en.
numerario.Em consequencia da continuada
exporlacao do. ouro desle paiz o banco de Ingla-
terra olevou a Isxa do juro para 4 1/2 0/0, em 8
do iiassado ; e como este movimenlo nao leve n
effeitn necessario tornou a eleva-lo para 5 0/
em l do mesmo, e logo no da seguate para
6 0/0. Poneos dias depois o banco do Franca
fez um convenio rom o do Inglaterra pan a tro-
ca de < 2,000,000 de prala d'aquelle estabeleci-
menlo pelo equivalente era outro dcsto ; e com
este arranjo desaparecen em parle o motivo que
deu lugar i elevarlo do juro, e em 29 do passa-
do o banco baixou a laxa para 5 0/0. Entre os
bancos parliculares, fcil obler uesconlos por
papel de |." classe. e a prazos curtos, de 4 1/2 a
3/4 0,0.
Algodao.\ subida no juro, leve o devido ef-
feilo, causando estagnacao no movimenlo do
mercado, e baxia no proco ; porem a dimintii-
Qo na quanlidade do algodao em ser, e linal-
ruento a baixia do juro fez reanimar os compra-
dores, toruando-se os prcos ao ponto cm que
ficavam na dala da nossa ultima.
( total doalgodo entrado esto auno al 7 do
correnle, monta em 2,996,737 sacas, incluindo
95,801 do Brazil. As vendas durante o mosmo
periodo nioulan em 3.330,150 sacas, incluindo
118,660 do Bidil Em ser (cara 578,900 sacas
do todas as qualidades, ini-linndo 3250 sacas do
Pernambuco, ele. ; 3850 da Rabia, ele. o 4650
di> M aran bao, contra 23,450 sacas 5300 sacas e
5200 sacas respeilivamenie destes portos no
mesmo periodo de 1659.
Arroz em casca.As transaccoes neste artigo
lem sido em grande escalla, montando as ven-
das do srmazem em 62.140 sacos nos precos do
11/1 1/2 a 11/3 pelo velbo de Moulm.'in ;" 11/4
1/2 a 11'd pelo dilo de Neroamie a 12/ pelo no-
vo ; 11,6 a 12/ pelo Rungoou velho; 12/ pelo
Balara ; 13/6 pelo velbo de Uengal, c 16 6 pelo
novo 0no_ Em vlagom as rendas inoniam em
cerca de 7950 toneladas aos segualos prcQos, a
saber :loo tonenadas de Bong.il a 13/ ; 5150
toneladas necrancie de 11/3 a 12/ ; 1350 tonela-
da de panguen de 11,9 I/i a 12 ; 1000 tonela-
das do bassein de 12/1 1/2, e 350 toneladas de
arrancan a prego reservado.
Entraran este anno al 3o de
novembro, 1S60.....29,880 toneladas.
Hilo no mesmo periodo de 1S59 26,05(1
Kilo dito 1858 83.620 a
l.xportaram-so al 30 de novembro,
1860 20,900
hito no raesmo periodo de 1S59 26,175
Dito dilo 1858 27.105
Kmserem30denovembo,186(> 30,280 >
Hito no mesmo pe iodo de 1859 SO, :!S
Dito dilo 1818 81.S98
Assuear. raesmo molivo que translornou as
operaces 110 mercado de algodao, leve idntico
effeito com o de assuear, o temos de notar me-
nos actiridade no do Brazil.
As vendas foram reglales, montado em 105
caixas, e 25,500 sacos, aos precos, de 24/3, 25/,
25,3, 26/3, e 26/6 pelo do Pernambuco segundo
BUS qualidade ; 25 9 polo de Macei ; 25/3 polo
de Paraiba ; 26 pelo da Babia, e Ceara, e 17/
polo do Rio Grande.
A/eite de palma.As vendas do armazn) an
Dito raascavado , 1C15(J 23000
Dilo do Rio de Janeiro m 1100 18800
Dito da Babia b . . 13900 23200
Dilo dilo mascavado . 19W0 13850
Dito do Cara bruto . 13100 1#800
AIP'sta............ A 700 800
Arroz da Mosanao e Parsup 11 63-700 68100
Dito dito b un . 5J6O0 68600
Dilo ililo ordinario. 532OO 53400
Dito dito mi'jdo. 4'J0O 43400
Caf do Rio primeira sorle. ( 35900 48000
Dilo ililu segunda dita. . 33200 39500
Dito dilo terceira dita . 33100 33200
Dito de boa escolha. . . 2360 0 28700
Cacao do Para...... b 3^700 33750
Hila da Babia , 0 33IOO 33200
Cera amarella de Angola . . ar. 310 312
Dita dita de Benguela. . . 315 317
(00 700
Gravo do fiirofc...... ar. 110 130
ar 137 207
Ditos rurdes do Para . 117 122
Ditos ecplchadot das Minas... 22 232
Ditos di os da Babia..... 187 197
Dilos ditos de Angula...... 125 190
Ditossalgidos do Maranho . a 177 187
Dilos salg. de Pernambuco . 0 197 207
Ditos ditas da Babia....... 152 162
Ditos dilos de Angola..... 165 175
Com ibes......... 61' 33000 33600
Denles de marfm lei...... i> 13100 18300
Dilos dito meiao........ 1100 18200
Ditos dilo e-rra volito..... 750 18100
(S> 431100 43300
Farinha de pao..... A. 91 >0 13000
(iomma copal superior..... 4H00 58500
Dila dita regular....... 53000 53200
Dita dita ordinaria....... 23200 S86O0
Melac.0............ P 478000
Oleo de copahibj...... b5 iJOOO 553OOO
ni too 130 110
Pimenta da Indi......... 140
Salsa parrilha suptriur..... (al 17-5000 19.5OOO
Dila dila regular....... 13S>00 153000
I'iia dila ordinaria...... 11 IO3OOO 11,3000
Vtigo eslrangeiro rijo..... A 620 660
Tapioca boa.......... (S| 13200 28RI0
I'rzella de Angola...... M'l IO3OO1) 118000
Dila de Beugoela....... D 118000 12,3500
Dita de Cabo Verde...... 9.5OOO IO3VIO
Vaquetas do Maranho..... ama 13600 2->00
Dita de Pernambuco ... . \ 2?20O 295OO
Etcportaei 0.
Agurdente........ Alm. 6.3OOO
Azeite doce........ 3;:oo 33650
Amen.loa doce era milo . i) 432OO 435OO
Banha de porco...... 3-3600
Raalas ........... ar. 260 280
Cera branca em grana. . i) 3S0 400
Dita dila em velas..... 400 420
Ceblas .j>....... M 180 200
Cenleio. '........ A 3SD 390
A 280 6 300
12300:1
de porco 0 228000
Cliouricos......... (5) 33600
Farinha de trigo..... K 93OOO
Milho............ A 370 440
I'aio............. Diw 900
Presonlos......... (a) 1300
Sal......... Moio 130O
A 6 SO 710
620 O i' 9l).->000 1 700
3.3OOO
Viudo de Lisboa tinto . OO.3OOO
tas sao maiores do que a procura desle genero.
Os suppnmentos consistiram em 816 paneiros
e 41 alqueiros do Maranho.
Melaco. S licam em ser dnas partidas do Pa-
18800 ra anida em quarentena ; lodo o.raais foi vendido
pelos precos colados.
Os destiladores aguardan) o resultado da re-
presenlacao feila ao governo-sobre os direilos im-
posto* sobre esse genero, e decemas s fabricas
de deslillaco.
Kutrararh do Para 162 barris e 13* potes ; de
Londres 110 barris ; de Antiqua 42 pipas ; e da
Madeira 67 cascos.
Harflm. Entraran) no decurso desta revista
1450 ponas de Londres ; 28 de Benguella ; e 44
de Mossamedes. As vendas sao regulares e os
procos sustentam-so firmes.
Salsa parrilha, Effecluaram-.se algumas ven-
das para Genova das qualidades superiores.
O deposito 6 regular, e durante o prazo desta
revista enlraram do Para 1280 rolos.
Sal.Vendas regularos, ainda que o mercado
Oca 11 m tanto frnnxo.
I.r/olla.As rondas leom diminuido muilo ; a
reexportarlo no mez passado loi menor que a do
mez anlecedonte.
Esto genero*nntualmeote quasi que so pode re-
putar era completa apathia.
Vinho e vinagre.Actualmente o mercado para
este genero esl quasi limitado ao consumo os
embarques teem diminuido, o qno 6 devido em
parle as noticias recenteraente chegadas do
Brasil;
EMBAUCACO DESPACHADA.
Pernambuco.Relia I'igueirense (brig. port.)
com 69 barris de vinho, 1 de dito da Madeira, 7
de vinagre, 15 de agurdenle, 20 de azeite, 421
de loucinho, 29 bairis e 89 barrilinhos de car- I
nes, 9 pipas e 4 barris de azeile de palmeira, 11
volume e 11 barris de presuntos, 3 i barris de i
chouricos, 14 caixas de linguicas, 10 barris de
palos, 50 saccas de lomeas, l() do farello, 30 de
graos, 13 de nozes. 60 caixas de cera em velas,
11 de doce, 200 do batatas, 10 de fructas seccas,
6 de vidros, "8 do Ggos, 261 ancorelas de azei-
tonas, 2 barricas do linhaes, 40 de pazzolana, 56 ,
caixas e 1000 molhos de cebollas, 1 barril de mel, !
4 de cebo, 100 barricas de cal em pedra, 92 do |
sarduihis, 621 podras de cantara, 50 barris de i
pcixe salgado, 6 alados de passas, 15 pipas vasias,
21 volumes de drogas, medicamentos e tintas, c .
32 diversos.
aroosa & C. 1838830 ; Fihppn ,, .
Hanoei Francisco dos Santos 293a8V. ,,?',! I
Jos da Sitas Cabral 238000 : Antonio Upe" -Y
Silveira 1:0008 -, Vianoel Honorato Viclor
M2309O; Antom^osO^ndeslrlTJ; Franci*-
cisco Momia de ^ouza 79g50b do Araojo Ramos 4598585 ; Antonio Moreira do
Almeids Leal 7548S82 ; Ignacio Lopes da Silva
1:0008: Francisco Teixeira dos Reig Guimar&ea
3l85u0 ; Jnaquim da Costa Perem 1.1603010
Jos Alexandre Seabra de Mello 1:100$; Manoel
Jos Mendes Bsstos 2568 ." Jernimo da Costa
Guimares e Silva 495J850 ; Ignacio Manoel de
Froitas 1263 ; Francisco de Souza Moniz 1103 ;
Joaquim dos Ssntos Azevedo 1863595 ; Jos
Theophilo Rabello 479J250 ; Eduardo Rourgard
2008: Manoel Francisco dos Santos o Silva___
658400 ; Bernardino Jos Lopes 688 ; Victorino
Augusto Borges 38gl00 ; Manoel Moniz do Almei-
1378972 ; Jos do Amaral 1010120.
I'.is o thnor da potieao dos devedores do que
trata a peiirao snpra ; e londo o supplieante
provado a ausencia e incerteza da moratoria
desloa individuos foram sollados n proparador, ns
aulos, e subindo i minha conclusao, nelles do a
senlonca do Iheor seguinte :
A vista da nqoirQo do fls. 6 o fts. 8
provada a ausencia dos justificados em
nao sabidos, e mando por isso que lites aoja in-
timado o protesto de fls. 5 por raoio de editos,
passando-se a respectiva carta com o prazo d
30 dias : pagas pela justificante as cusas. Recife
18 dezembro do 1860:Anselmo Francisco l'e-
retii.
E maisse nao conlinha em tal sentenca aqu
transcripta ; em cumpriraento da qual o "respec-
tivo escrivao fez passar o presente edital com o
mesmo prazo de 30 das, pela theor do qual, in-
timo e hoi por intimado acs dilos seus devedores
lodo o seu conleudo.
E para quo chegue no etnhecimento do todos,
ser esto publicado e afiixajo ua forma do eslylo.
Recife, 20 de dezembro de 1860.Eu Manooi
Maria Rodrigues do Nascimenlo, escrivao o subs-
crevi.
yt iise'io Francisco Perclli.
jiilyo
lugares
vao de pedra.
ealdi ar
i, de u,and 3, medida
qui'.ui ji. 1 1 .a
Vistas enve 1
elh. 6s lOH, e
jximovindou: l
;onto as
bada n secretara
9 da Via 7 dt Janeiro do
Iho. Administrativo,
ar cual d> guerra, 28 P
prazo
Declarares.
CORRlfSr
do
do
Dito dito branco...... 1208000 1303000
Vinagre de Lisboa tinto P. 459000 508000
Dito dito branco...... 4"000 509000
Cambio.
Londres 90 d|d......511 '2
Paris 100 d|d.......526
Genova 3 mpl.
Ilairtburg) : nipl.
Amslerdam 3 m|d.
Madrid s ,llv. .
Porlo8d|v.....
9 d
9 d
8d
1 11 1|2 d
1 11 1|2 d.
a 9d
Mem
61,2d a 7 d.
6 1|4d63|4d
6 1j4 d a 6 Ii2 d
8| a 10i
10| a 11,6
61|i d a61[2d
8 d a 81 |i d
9d a 10 d
9 d a 10 d
5da5l|2d
8 d a 8 3/1 d
Pescada. 1'
Piriaba,
Bagre, Ia
3(6 a 4|0
2,6 a 3|2
4i0
3|3
2,6 a 2|9
ljlO 2.9
20 a 25
14 a 6 18
OOi
37
l.onsolioaoos......'"'Tlwti
Reduzidos...... ffPZfflS
J-undos de..... _92 1(8 a 92 l|i
Eslrangeiros.
Belgas.......41|2
Idam cerca do 1,010 toneladas aos procos de 43/,
I 45/, 45/6, 1G. o 47/. e 830 toneladas em vlagem
aos procos de 45/, 46/ o 46/6 por 162 libras.
Em ser em 30 novembro, 18*) 1785 looaladas.
dem dilo 18 9 1335
Proco boje. t 45 a 14510.
Proco no mosmo periodo de 1859, S 4 10/
Em l.endres o azeite de Largos, lino vale 147 a
S6 47 10/ por tonelada.
Azeite doce.O mercado tem estado animado,
c temos do notar a subida de 3o. a 40/ por tone-
lada no do Portugal. As vendas de todas as
qualidades, montam em 605 toneladas, nos pre-
ces de t 60 a tf 63 pelo do Galipoli.e H? 5610,,
i 57, t 58 10/, S 59 pelo de Portugal.
F.m ser, cm 30 de novembro, 1860 720 to-
neladas.
dem, dito 1859, 945 toneladas.
Proco hoje pelo de Portugal u? 59 toneladas.
dem no mesmo periodo de 1859, Z 54 tone-
ladas.
Jlorrocba.Temos de recordar a baixa de 6 d
a 7d por Ib. uesle artigo desdo a dala da nossa
ultima. Tao grande lem sido o desojo para
realisur, que alguits dos possoidores teem ido
pcssoalrnoute para a provincia procurar os fabri-
cantes. Deste proceder nao se podo esperar 011-
Iro resultado scoo o que sen'. Os fabricantes
eslao suppridos, e quanto mais os possuidores
se mostraren) desojlos de vender, quanto mais
os compradores se afaslam de comprar. As ven-
das durante o mez andam cerca de 105 toneladas
aos pree.osde 2(7, 2| l[i. 2| 4|2, 2[, 2|2, e 2
pola fina ; 2(2 a 2|1, 2| e f i> pela mediana ; 1|9,
1 iS. Ii7, o 1|6 por cabeeas de negro, e liG 1|2
pelo sernamby do Cear.'i.
Cacao.As vendas montara em 200 saceos aos
precos de 61[ a 62| pelo do Para.
Caf.As vendas do armazem lora sido pe-
queas, montando apenas em 470 si ecos aos
precos do 56|0, 56|6 e 57(0 a 61|6 pelo ordinario
do Rio ; 5910 por urna pequea partida do 160
saceos da Babia, e G2|0, 6816 pelo do Cear. De
cargas em viagem notamos a venda de 5 aos so-
guintes precos, siber .urna, carga de 3,2o0
saceos, da qualidade, para um porto chagado a
53pO. lima de 3200 saceos a 55|6, e oulra 2600
saceos a 57[6, ambas eslas para um porto chega-
do, e livres de avaria particular, e duas cargas
com 4300 saceos para o continente, a precos re-
servados.
Castanha do Para.Ponca em ser, e osl-so
rendendo em Londres de 301 a 35[ por barril de
boa qualidade ; era Liverpool o preco 17| por
112 Ibs.
(unzas d'ossos. As ultimas vendas foram
oflectoadas aos precos de a? 4 15i a i 4 17i6 por
70 0|0.
Couros,Nao lem havido alteracao nos pre-
cos deste artigo, mas o mercado tera estado fir-
me, e como as qualidades era ser vo diminuin-
do, de supprque teremos algum raelhor aug-
mento em preco.
As vendas de couros de Bueuos-Ayres, Mon-
tevideo etc., montara em 19,461 couros, aos sc-
guintes precos, a saber : pelos de bot do 89 Ib.,
7 5|8d. por Ib., tara 5 Ib. ; dora de 47 a 49 Ib.,
de C 5|8 d. a 6 3|4 d. por Ib., tara 4 Ib. De boi
fosados, de 86 113 Ib. a 6 3|4 d. por Ib., taras 7
l.; de vacca de 46 Ib. a 5 d. por Ib., tara Ib.
De Montevideo de boi salgados pesados de 63 Ib.
a 67 Ib., de 7 d a 7 114 d. por Ib., taras 5 Ib. e
6 Ib.
Do Brasil as entradas montara em 10,310, o as
vendas em 8,505, quasi todas ainda era viagom.
Os precos do armazem sao os seguimos ; socos
524
. 48 I18
... 42 5,8
. 930
. pr.
Metaes.
Pecas de 83OOO ....
Oium* hespanholas. .
Ditas mexicanas. .
Atinias de ouro dos,Ela-
ilii.-l 111 io-i ....
Soberanos (a prala;. .
Ouro eerceado .a ouro) .
Patacas hespanholas .
Di'as brasileiras .
Ditas mexicanas .
Cinco francos ....
Prata (marco;.....
Fundos e ac
3 por cenlo de asientan). .
('.mi I mus ......
Divida dillerida .
Banco de Portugal. .
Dilo coioinercial do Porto
Dito Mercantil dn dito .
REVISTA COMMERCIAL
de 12 de novembro a 11 de dezembro.
Durante o periodo desla revista o nosso merca-
do conservou-se com pouca animaco, e astran-
saccoos foram quasi exclusivamente destinadas ao
consumo.
O mercado de fundos tambera seconservou om
apathia, e muilo insignilicantcs operaces live-
rain lugar.
8.3020 83050
15ffOOO 1.58200
143100 149200
183250 189400
49490 43500
13980 29OOO
9O 960
930 950
910 960
880 890
83OOO 83030
oes.
46 3,1 a 47
15 3|4 a 46 1/8
37 a 37 1/2
5608000 a 562-3000
2588000 a 2608001)
2389000 a 26OSO0O
BARRA DE LISBOA.
Entradas.
Novembro 21 Nereide cap. Olireira,
Para.
dem 22 Bom Successo, cap. Almeida,
Maranho.
Dezembro 5 Feliz Uoiao, cap. Gonc.alvcs, do
Maranho.
dem 6 Seixas I, cap. Gonealve3, arribado e
desarvorado na rt. 36 N. loug, 12 9' a O. de
Greenvich.
dem 6 Cidade de Bclcm, cap. Rocha, do
Para.
dem 6'cFeliz Ventura, cap. Silva, do Para.
dem 11 l.igeira, cap. Santos, do Para.
dem 11 Ueiiaique, cip. Loureiio, do Para.
Sabida.
Novembro 21 Bella Figueirenso, cap. I.essa,
para Pernambuco.
EMBARCACO A' CARGA.
Pernambuco.Brigues Laia 2 a, Soberana epa-
tadlo Iarco.
Maranho. Patacho Boa F.
Para.Barca Fiordo Vez, e brigue Feliz Ventura.
MONTLIHO Movimento do porto.
Navios entrados no dia 29.
Rio de Janeiro20 dias, biigue nacional Ve-
loz, do 201 fondadas, capilo Manoel Fer-
reira Leite, equipagem 10, carga caf e mais
gneros: a Azevedo i Mendes.
Lisboa35 dias, brigue portuguez Relia Figuei-
renso, de 210 toneladas, capilo Jos Fer-
roira I.essa, equipagem 15, carga vinho e
mais gneros; a F. S. Rabeho.
Xanios sahidos no dia 29.
S. Thomaz barca americana Dacotah, capi-
lo VVilliara II. Besse; em lastro.
Canal pelo Rio tirando do Nortebrigue ingloz
IsaboUa, capitn F. Howell; om lastro.
Babiasumaca nacional llorleucia., capilo
Jos Quaresma dos Santos; carga diferentes
gneros.
Pela adminislraeo do correio desta provincia
se faz publico que as malas une deve conduzir os
vapores cosleiros Porsincnga e Jaguanbe,
aquella para Macei o portea intermedios, e este
para o Cear e porlos iulirmedios, sero fecha-
das a daquelle no dia 5 de Janeiro, e a deste no
dia 7 do referido mez, aranas as 3 horas da tarde.
Conselbu administrativo.
O consolho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, lem de comprar o genero ,
seguinte :
Para o presidio de Fernando de Noronha.
500 alqueires do farinha de mandioca medida
reina.
Quem quizer vender o genero cima mencio-!
nado, aprsenlo suas propostas om carta fecha-:
da ua secretaria do mesmo conselho, ,'is 10 horas'
do dia 7 de Janeiro do anno prximo vindouro.
Sala das sossoes do conselho administrativo,
para fornecimonlo do atsenal de guerra, 27 de de-
zembro de 1860.
Denlo Jos Lamenha I.ins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
I A junta administrativa da irmandado da
Santa Casa de Misericordia do Recife, manda fs-
, zer publico que no dia 3 do prximo futuro mez
de Janeiro, pelas 4 horas da larde, na sala das
suas sessoes, ir a praca para ser arrematada por
quem por menos tizer o fornecimenlo da carne
verde, bem como
ver de consumi
dade do 1" do referido mez de Janeiro a 30 de
junho.
1 Os prelendentos devora apresentar as suas
'propostas era cartas fechadas no lugar, dia, e
horas aprasadas.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia do
Recife, 26 de dezembro de 1860 0 escrivao F.
A. Cavalc.anlt Coussciro.
Meia lonerada dc
Moia barrio.,je ar
500 alqueires do 1
ver..
Que-, quizer v-Snd
suas proK)i
do conseih.
anno prox
Sala das sesses d.
para fornecimenlo di
dezembro do 1860.
liento Jo ; ,',q i,i\t
Coron-.l p' iSdilil '. ,
Francisco Jo; uim PereirhLobc,
Coron : al seireinri interino.
Recebedoria el ; nmiias inter-
nas ,'(1X1 os.
Pela recebedoria d rendas inlorms g
faz publico, quo or. r inte nw termina
.LTn1"11""110 doq' ,; Mtd "erncio d
a aoo, no doraiciliu di eonl :mintesa .
dos recebedoro^, is&m .orno o do pigamentn r
recebedoria do primo r-i semestre do exercli
1S6H a 1861, livre da molla 1e 3 dos .,
los seguimos : docta id. ic mal de mao mor
imposto do 20";os( a casas d di
lo ; dito especial so cas >de movis i
calcado, mobilias {a ;: adoaemoei u> f
dito sobre barcos Co intei ,| s
guir-se-ha a cobrar.. 1 ex cutir -
bito daquelie exen ircepcao a''
quanto ao deste.
Recebedoria de Pernambuco, da dezemt.
de 1860.-0 adminif sd Manoel Caraeko .
Souza Lacerda.
O Illa. Sr. rgelo; di (>
avisar aos pas, lutore "U correspondentes d B
alumnos internos do 11 Cy .
dia 2i do correntn p o ieeet
mensalidades corres es a 1 I .
do 1. de Janeiro ao -,0 Bnm)
yindouro Secretaria d
: Pernambuco 22 do d
' lario. A. A. Cabral.
A junta admii
santa casa de Uiserii
publico que no dia 3
Janeiro, pelas i hora r I
sessoes, iro praca
quem mais der as re
claradas, pelo lempo decoi
remalaeo a 90 de j> to do I i
Roa do Pilar n. 71
Dita do Padre PloriAfto D 49
Dila do Facundos 1
Dila de Sania The
Dita dos Pescadorc o. 11.
Dita Dirota n. 7.
Becco do Quiabo d
Os pretendemos
hora e lugar aprasa
poderes ou munidos
Secretaria da santa
cile 26 de dezembro
rn
i
il
I
, a
irlas des s.
': er .
b
F. a Maselo,
Avisos ; os.
C0MP&NH1A BRASiLHIRA
ni
PAQUETES A VAPOR.
F.spera-se do sul at o corronir 1
) d'pa e'bVcha'qeVc'ho-i C/tT"?!' r"m,!,n^' Ptimoiro te
ir nosesubelecimentos de cari- Jnn? '^^IIV ^r0?^ :"/l0-. ? r'":'- -
pois da demora do costme seguir4 para os
porlos do norte.
Recebem-se desdo j .a igaja M
a carga quo o vapor po.^ ,i,._
ver ser embarcada no 1a cheg
cia ra da Cruz n. 1, 1-- :
Mendos
os
a.
-
o
c
B
Horas
B
5
i"
c
tmosphtra.
n
w
ireccao.

as
e
33
O
I
Inttnsidade
I
Assuear.F.ntraram neste periodo da Babia 170
caixas, 10 barricas o 5 saccas ; do Para 200 har-
neas ; de Londres 300 caixas ; do Liverpool 2288
saccas; o do Hambnrgo 153 canaslras.'
As noticias de Inglaterra dando este genero em
m posiro, o estarmos no Um lo anuo, a espera
em que os compradores oslo sobro os procos que
se abrircra para o assuear novo, e o termos em
deposito para cinco nu seis mezes, tem fcito cora
que as transaccoes sejara inlciramento reduzidas
ao consumo.
A existencia actual doste genero de
Caixas Pe tes Barricas Saccas Canastras
1692 73S 2011 29399 153
Algodao.As Iransaceoos realtsadas aos precos
colados foram muito limitadas, e p6da-sereputar
este genero em apathia.
As entradas consistiram em 413 saccas do Ma-
ranho ; 25 do Para ; 21 saccas e 16 fardos de
Loan la ; e 132 fardos de Liverpool.
Agurdenle do Brasil. Nao ha. De Londres
vieram 20 cascos ; de Glasgow 86 ; e do Ilambur-
go 100 pipas.
Azeite.O rigoroso invernn porque estamos
passando lera prejudicado a collada, e por isso
pouco tem concurrido ao raercaoo, alcancando
oreos que se nao esperara regulassem. Do vo-
lito ha muilo pouco. Sem se ultimar a colheita e
sem que se saiba quaes sero os supptimentosdo
que carecen) os mercados consumidores, nao se
pdc avaliar quaes sero os precos no futuro.
Para embarques nao ha transaccoes, e os presos
sao nominaes.
Arroz.Vendas limitadas ao consumo. O sup-
primenlo que Ovemos foram de 1997 alqueires do
Para, e 1420 saceos de Londres.
Alpista.Poucas vendas.
Caf. Este genero esl em m posigo, e df-
ficilmente se poderia realisar qualquer partida
mais avultada sem grande redueco nos precos
colados, e por isso s temos a mencionar vendas
a retalho pelos precos das nossas cotaces.
Os supprimeutos foram apenas de 38 saceos de
Luanda e 1133 de S. Thom.
Cera. As grandes porches que vieram desle
genero, e a pouca procura que para elle houve,
deu lugar a quo se flzessem algumas vendas, Pi-
cando por isso os precos reduzidos s cotaces
que marcamos.
As entradas pois foram de 671 gamellas de
Loanda ; 785 de Benguella ; 48 do Mossamedes o
293 caixas de Londres.
Cacao. Pelos supprimcntos que temos tidn
tera os possuidores querido obler maior preco do
que se efTectuou as vendas mencionadas na ul-
tima revista, mas os compradores nao passam da
ofTerta dos precos de cnlo, o que fez com que as
-1
ce
00
10
00 co
I
-I
I
Fahrenheit
I
co
-I
00 hi)

Centgrado.
o
MI
Hygrometro
Cisterna hydro-
metrica.
-1
55
vi
-i
o
-I
os
-i
C5
~1
w
Cl
as
o
as
as
"as
-t
1 Francs.
Inglez.
o
es
(/3
53
>
1 <"
S c
V.
* SB
3 H
M f.
M C
5S
5 C
A noite nublada com pequeos aguacciros.ven-'
lo CSF. bonauca e assim amanheceu.
OSCII.LaCAO da mabk.
Preamar as 5 h. 18' da tarde, altura 7,2 p.
Baixamar as II h. 6' da raanha, altura 8,7 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 28 de de-;
zembro de 1860.
ROMANO STF.PPI.E.
Io lenle.
j Vaccioa publica. m
tf Havendo presentemente mni boa se- 5|
W> meulo vacciniea, o commissario vaccina- ^
^ dor provincial convida aos paos de fami- JW
S lias desla cidade a comparecerem cora flS
Vg sous filbos o mais agregados que preci- rj>
f$, sarem ser vaccinados as quintas-feiras ^
9 o domingos, notoneo da alfandega das -y
Jt 7 s 10 horas da manha e nos sabbados 7ft
g na casa de sua residencia, segundo andar
gg do sobrado da ra estrella do Rosario n |g
af 30, para assim poder conservar a Irans- (
^ misso do fluido de braco braco, nica ^
a raaneira de sua conservarn cm pro- j
(CE voito. ^
: as BjwaajagjajBsata. s^a^.>^sfi,SiAiS&^g
O Illm- Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desla provincia minda fazer publico que
no dia 10 de Janeiro prximo seguinte haver j
concurso nesta thesouraria para prcenchimento J
de 10 vagas do pralicanle da alfandega desla ca-
pial, comecando os examos as 10 hora. da ma-
nha sobre "as seguintes materias : loitura. o ana-
lyse grammalical da lingua verncula, orthogra-
phia, e arithmelica at a theoria das proporees
inclusive.
Aquelles, que pretenderen) ser admittidos an
concurso, devero previamente provar que teem
18 annos completos do idade, que eslo livres de
culpa e peua, e que teem bom procedimento.
Secretaria da thesouraria de fazenda do Per-
nambuco 12 de dezembro de 1860.O oQicial-
maior interino, Luiz Francisco de Sampaio e
Silva
Para o
i"!
segu em poneos dias
ler tres leos do car>'
resto e passageiros. Ir 1
lente, na roa do Cor
Brigue
Segu para Lisboa
que j lem metade 1
mosmo quizer carro
o que tem as melhnr
ao consignatario Thi
roa do Vigarion. 19, ".
pilo o Sr. Augusto

V.i id
T
' I 4 -
I.
Iineii
:n 1.
.
.a-
NOVO BANCO

DE
Editaes.
Brasileros

inamarqoezes
ilespanhoes
98 1|2a 99
4 1l286 ll 87
3 81 a 83
3 49 3| a 50 1[1
DifTeridos 341 1|2
Hollandezes. '^^f^
321 a 21 3ti
346 1i2
346 114 a 463(4
5 104 -106
1,293 1(2 a 94 1)2
fr. 28,65 f.

Mexicanos......
Portuguezes 1856 1857..)
1859..)
1853...
Rsso.......
a ......4
Baneo de Franja (acedes).
Pandos francezes. 4 t|2 95,60
salgados do Cear, de 32 1|2 Ib. a 36 Ib., do 8 i transaccoes fos3em de pouca ou nenhuma im-
1|2 d. a 3 5j8 d, por Ib. ; idera hmidos de Ia
classe, de 7 d a 7 3|8 d. por Ib. ; de Pernam-
buco de 28 2|3 Ib. Ia classe, 8 1[4 d. por Ib ; de
18 Ib. a 7 1|2 d. por Ib., e com defeito a 7 d,
ludo vendido para exporlacol
(iomma de poixe.Tem sabida regular.
Marflm.As ultimas vendas nesta montara em
cerca de 10 toneladas de denles d'Africa aos
precos que cima vo colados.
Sarro de vinho.Venderam-se 51 cascos aos
precos de 53(, 54 e54|6. Procura regular.
Enlraram 271 saccas do Para e 3 de
REVISTA COMMERCIAL.
LISBOA, II DE DEZEMBRO OE 1860.
Preros correales dos gneros de importaco do
Brasil.
Algodao de Pernambuco. % 130
Dito do Maranho '130
Assuear do Pornamlnico 1>. ^ 2M00
portancia.
S. Thom.
Couros. Durmi o periodo desla revista as
Iransaceoos foram regulares as diftercnles qua-
lidades das diversas procedencias.
Entraran) neste periodo 8193 do Para, 341 da
Babia, 2991 do Maranho, 2285 de Loanda, 129
de Benguella, 289 de Mossamedes, 25 de Cabo-
"1 Verde e 130 de Madeira.
Gomma copal.Das qualidades boas as que nao
esto vendidas nicamente devlda s prelences
dos possuidores, que todos os dias se elevam.
Quanto branca e ordiuaiia tem havido algumas
vendas pelos precos que cotamos, que nao sao
superiorqs aos queja ha bastante lempo havia.
Entraran) do Loauda 156 saccas, e ae Benguel-
140 AJ a*iias.
\V> **T;omoja do Brasil.As porces que chegaram
abastecern) o mercado, o por isso hoje as ofler-
MUTILADO
2*900
O Dr. Anselmo Francisco Perelli, coramendador
da imperial ordem da Rosa e da de Chrislo, o
juiz de direito especial do commercio desta ci-
dade do Recife o sea termo, capital da provin-
cia de Pernambuco, por S. M. I. e C. o Sr. D.
Pedro II, que Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem,
Pernambuco.
O novo banco continua a substituir
ou a rcsgalar o resto das notas de 10$' e
20$ que havia euiittido e ainda existe
em circulacao, declarando que, em
cumprimento do decreto n. 2,6Gi de
10 de outubro do corrate a ano, esta
substituicao ou resgate devera' eflec-
COM
Messageri
At o dia 1" do jan
sul n vapor francoz /.
Trollior, o qual depo.
Seguir para Bordean
Lisboa, para passagei
tralarjia agencia m*
>"

0.0 S.
n ei
friaVM
que fhereza Concalves do Jess Azevedo, viuva | tuar-se dentro de 4 mezes, e i]ue fiado
de Cietano da Silva Azevedo, me dirigi a se-
guinte pelico :
Illm. e Exm. Sr.Diz Thereza Goncalves de
Jess Azevedo, viuva deCaetano da Silva Azeve-
do, e lutora de seus fllhos menores, que sao de-
vedores do seu casal, por obrigacoes vencidas e
cuntas correles as pessoas constantes da relaco
junta que se achara ausentes e em lugares nao
sabidos; e a Bernardo Jos da Cmara, que se
acha presente da quantia de 55g868, e para que
nao sejam prejudicados os seus tutelados dndo-
se a prescripcao, vera a supplicante, em virtude
do cdigo couamercial art. 453 3o protestar ju-
dicialmente as referidas quinlias, que j foram
protestadas no anno de 1855, polo carlorio do es-
crivao Duarte, hoje Manoel Maria, sendo intima-
dos por editos os ausentes e pnssoalmente o refe-
rido Bernardo Jos da Cmara, visto se achar
preseute, e assim requer a V. Exc. Iho mando la-
vnr o seu proiesto coran de diroilo. Pede a
V. Exc. Illm. Sr. Dr. juiz do commercio Ihe do-
flra oa forma requerida.E R. M.Thereza Gon-
calves de Jess Azevedo.
E mais se nu conlinha em dita petigo aqu
transcripta ua qual dei o seguinte despacho :
D. Coran requer, justificada a ausencia dos
suppiicados. Recite 20 de novembro de 1860.
A. I'. Peretli.
E mais se nao conlinha em dilo despacho, em
virtude do qual (ora a mesma pelico distribuida
ao escnvno desle julzo Manoel Mara, que lavrou
o respectivo termo de protesto, no qual assignou
Cor seu bastante procurador Bernardino de Sena
Has, peranle duas testemunhas, e o iheor da re-
laco dos devedores a seguinte :
Josa Ferreira Domingues Fradellos 139j908;
Zacaras Rodrigues da Silva 88)809 ; Manoel
Fraucisco Pereira l:020o788 ; Manoel Antonio
Pocas 1:1529839; Augusto Bandeira & C. 1069400;
Jos dos Santos Porto 1439320 ; Joaquim Tei-
xeira Bastos 628J920 ; Bernardino Jos Ferreira
este prazo s podera* ter lugar rom o
disconto progressivo de 10 por cento ao
mez, (icanilo astim na torma do art 5
da lei n. 55 de 6 de outubrggr, dp o5
sem valor algum no llm de | mezes.
Recife 9 de novembro de 1860. Os
directores, Joo Ignacio de Medeiros
Reg, Luiz Antonio Vieira.
Pela subdelegada da freguezia de Santo An-
tonio do Recife acha-se depositado um cavallo
podrez que foi encontrado solt sem dono : a
quem elle pertenece comparcea neste juizo, que
provando seu dominio. Iho ser entregue. Reci-
fe 21 de dezembro do 1860.O subdelegado sup-
plcnte, Joaquim Antonio Carneiro.
Conselho administrativo
0 conselho administrativo, para fornecimenlo
do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
los seguintes :
Para o arsenal de guerra.
10 toneladas de carvo de podra.
6 resmas de papel earlo.
100 unhas de boi.
1 arroba de cera branca.
Para o 4o balalho de arlilhuia.
100 mantas de laa. >o
Para e 2o balalho de infanlar
Pesos da brotizo de urna oitava a
roba.
Para o hospital milita
12 arrobas de assuear refinado d
1 idade.
25 garrafas de xarope peitoral '
Para a companhia l xa d"
Norte.
150 mantas de lia.
Para o presidio de '
Rio de Janeiro,
vai seguir om ooucosdias a barra Rio de Janeiro
por ler parle o seu carre^amenlo prompto : pa-
ra o resto, trata-so con) Antones Guimares VV
C, no largo da Asserabla n. 19.
Uil
Rio Grande do Sul
sahir com toda a brevidado o brigue nar'""
Mrquez deOlinda ; para o restmte (
trata-se no escriplorio de Manoel Ign
veira & Filho.no largo do Coro" "
Para o Rio Grande do f
dias o barca nacional Cien
larminodos SantosPinheir
carga prompta para o rev
so comOnilherme Carv
numero 17.
r\
t
jane
pit
den
f
. MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


*)
DIARIO DE PERNABMUCO. SEGUNDA FELBA 31 OE DEZEMURO DE 1860.
X
Para o nio efe Ja-
neiro'
soguo eni poucos -lias o pollbole A*sla* Pa"
ra o resto da car. ta. trala-sncoroCaeta/io CyriacoA C. M. & Ir-
uijo, ao ladoo Corpo Santo n. 23.
Para Aracaty e Ass
segu o hiate Dous Irmos ; para carga, traa-
so rom Martina iumo na rus Nova n. 48, "
i'nm n nvstre Joaquim Jos da Silvcira.
Para Figuera
h ; -. rom brevidado o
a (loria, rapilio An-
tonio Ji. Parr Vafeoie para carga o passa-
-, U scoi signatarios Francisco
\ largo da Assembla
DE
Sita na run Imperial n. 118 e lio junto n fu hi-icn 1* sbila.
DE
Scliasliao J. du Silva dirigidapoi'oFranciscBelniiro da Cosa.
..klyga-se o prnneiro anclar do so-
brado n. 3i da ra do Kangel : a tra-
tar no segundo andar do' mesmo so-'
brado.
Coaipanliia h rica de G. Ma-
rinangeli.
Participase a queui convier <|ue to-
dos os escripturado s e empreados do
theat'^o de Santa Isabel foram comple-
tamente papos dos sete nu zes decorri-
dos ate boje, e que nada devem rece-
ber do abaivo assignado. Recife 20 de
dezembrode 180U.O cmprczario, G.
llarinangeli.
Despachos telcgra piucos poi
CONSULTORIO
ESPECIAL HOMEOPATHICO
Ra de Santo Amaro (Mundo-novo) n. 6.
O Dr. Sabino O. L. Pinho d cousultas venientes na pralica, principalmente para o
WMIIA FEKNAtUll'aM
o cosleira a vapor.
. ui'irn marcha, corn-
il Acarar cnm es-
lia ', no lia 7 as horas
NeMe estAbeleci ment hi sampre promptos alambiques de cobre de di lie rentes diraen
'coes de 3908 a 3:000?; simples e dobrados, para distilar agurdente, aparelbos destilatorio
continuos para resillar e destilar espiritos cora graduagao al 40 graos (pela graduarlo de Sellen
Cariier dos melhores sjstemas boje approvados e conhecidos nesta e outras provincias do imperi- i negociantes desta praea que precisarem
bombas da todas as dimencoes. aspirantes e de repucho, tanto de cobre como de hronze e ferro : dos subscriptos, instruceoes eimpressos
i lorneiras de bronzo de todas as dimencoes e feitios para alambiques, tanques etc., para lusos de para os referidos despachos que os po-
I bronco a ferro para rodas d'agua, portas para fornalhas a crivos da ferro, tubos de cobre e
chumbo de todas as dimencoes para encanament03 camas da ferro com armacao e sem elle,
i fnes de ferro polavois e econmicos, lachas e tachos de cobre, fundos de alambique, passa-
deiras, espumadeiras, coccos para engenho, folha de flandes, chumbo om lencol e barra zinco
os mes
dicos que come^am fazer ensaios, e para as
pessoas curiosas que nao sabem conhecer essa-
JiiTerenras, e por so podara* altribuir inefica-
cia da homfpopalliia, o que realmente depende da
em lencol e barra, .'ences e armellas do cobre, lenges do ferro e latao, ferro suecia inglez
de todas as dimencoes, safras, tornos e folies para ferreiros etc.,e ouiros muitos ariigos poj
menos preco do que em oulra qualquer parle, desempenhando-se toda e qualquer encomraen-
todos 08 das uteis desde as 10 horas al meio
dia. Visita aos doeules em seus domicilios
do meio dia em diante, e em coso do ne-
cessidade qualquer hora. As senhora3 de
parlo e os doenles de molestia aguda, que mu prepararlo ,los medicamentos.
noiiyorera anda lomado remedio alguraal-| Para obviar ; esles graves inconvenientes o
Via (le Ricardo Knowles'de lopalhico.oul'oraeoPalllico serao allendidosde aguador dynamico do Dr. Sabino munido
if-i____ "preferencia. i de um contador em que so arham as unidades,
As molestias roais frequentes debaixo dos dezenas, centenas, milhares, dezenas de mimares
climas do Brazil, principalmente as que sao
mais difficeis depurar, lhe lera merecido um
estudo especial; sao ellas :
l. Molestias proprias das mulheres.
2. Molestias das creancas.
3. Molestias da pelle.
4." Molestas dos olhos.
>. Syphilis, ou gallico.
C. Febressymplhomaticas das leses do cere-
bro o de suas membranas, dos oreaos do peito,
a do apparelho
Lisboa.
Luiz Antonio Siqueira, previne aos
dem procuiar noseu esenptono na ra
da Cadeia n. 20.
CONSULTORIO
DR
Joao da Silva Ramos,
digestivo; febres intermillen-
. r. m o oncon mt-daspa- da com' prestesa e pifeicao ja" conhecila e para cumiodidade dos freguezes que se dignarem MJlC0P UniVCrSdadft de foimhrl.: tes e suas consequencias.
raoA "lia 3, Ma-;honrarom.nos Com a. sua confianca. achao na ra Nova n. 37, loia de ferragens, pessoa habi- Tendo de passar algum temponosi-j
sPs"aS!o9 m" Si lita(,a ^ toraar nola das encommendas. t,o dos Bu^is,
la sah !' oscriplorio largo da As-
de do Sul.
ue dentro em poneos
ii Tilo promplo : para
i gnatarios Marqnes,
Santo u. 0.
a
na estrada do Arraial, Pharmacia especial homceopathica.
meu consultorio estar' aberlo todos os;
dia* das 9 horas as 1 i da manhaa e das
) as 5 da tarde. As pessoas que man-
darem procurar-me, terao a bondade
de dirigir os chamados por escripto pa-
ra a loja de louca defronte da casa de
I miaba residencia na ruaNovu.
Seus
quer obra
proprielari's offerecera aseus numerosos freguezes e ao pubbico ein geral, toda equasl j O Dr. Joaquim da Si
manufalurrri'.a em scureconliecido eslabelicimento a saber: machinas de vaporde lodo-i l'mani0"lc cneSado a esls
Silva Guarni, medico o-
osla capital, pode ser pro-
os lmannos, rodas d'aga para engenhos, todas de ferro ou para cubos de madeira,' moendas e impo,".^'1" Qic,erc,cI dc sua Proliss5. Iia r,ia
e ferro balido e fundido de loJos os tamanhos, guindastes, guinchse! __ Aluga-seo s
meias moendas, tachas de
sobrado de duus audares o so-
collocadas convenieniemenle, de maneira que
cada vascolejac,ao ap[iarece um numero novo,
Jesde 1 at 10 mil; nao sendo desla sorte
possivel engao algum.
Os medicamentos honirpopathicos preparados
por meio desta maquina sao os nicos que de-
sinvolvera propriedades uniformes capazes de
curar as molestias com a maior certeza pos-
sivel.
bombas, rodas, rodetes aguilhoes e boceas para fornalha, machinas para amassar mandioca e para l,r,o n- 35, sito na rus do Imperador : a tratar no i
Ideacaroear algodo. preiiijas para mandioca e oleo de ncini, porloes gradara, columnas e moi- i Mo,|dego, em casa do fallecido commeudadur i A pnarmacia
nhos de vento, arados, cultivadores, pontes, cadeiras e tanques, boias, alvorebgas, botes e todas i Lu' H'i^cl!''"61"'. 4 | preencher todas
l j l-- n t i/ i Aluga-se a casa terrea n. 1, sita na ra do nnhas nm nnam
as obras de raachinismo. Executa-se qualquer obra seja qual for sua natureza pelos desenhos ou Hospicio, esquina da ra Formosa : a tratar no .7 "
moldes que para tal fira forera apresentados. Recabem-se encommendas neste^elabelecimento na Mondego, en casa do fallecido
>do r"a <1 ,{ru,n 8 A e na rua (, Collegio boje do Im perador n 65 moradia do caxeiro do es- I-U1Z c'oaies l'erreira.
Alem disso, desejando tirar de sua viageni
a Europa todas as vantagens para o progresso
da homo'opaihia no Brasil, o Dr. Sabino nao
poupou esforcos para obier as substancias me-
dicamentosas dos proprios lugares, onde ellas na-
turalmente nascein, e para isso entendeu-se com
um dos melhores herboiislas d'Allemanha, para
lhe mandar vir as llantas frescas, afim de pre-'
parar elle mesmo as tinturas.
E' assira que o acnito foi mandado vir dos
Alpes, a rnica das montanhas da Suissa, a
belladona, bryonnia.cbamorcilla, pulsatilla.rhus,
hyosciamus, foram eolhidas D'Allemaoba, na
i Franca e na Blgica, o veratrutn no morete Ju-
I ra, ele. etc.
Desla sorte provida a pharmacia do Dr.
Sabino das substancies que serviram para as e\-
pharmacia homceopaihica esta longe de I PWen as vistas dos mdicos homie- i Palllgensia acharo os mdicos e os amigos da
homceopathia os meio* seguios e verdadeirosie
curarem as enfermidades.
AGITADOR DYNAMICO.
irga, lem bons coinm .
trata-se rom J. II. tabelecimento Jos Joaquim da Costa Peroira, cora quem os pratendentes se podera entender para
i \ ario n. 23. bualquer obra.
' ear
" > i
i .iis i i '- lela ; para o resto
o Cyriaco da Costa
Corpo Sanio n. 23
''., do litigue escuna
Rotterdam com des*
ii V i tasar arribado ueste
ar nscc marilimo sobre o
^r
M.j
n l'
Pede-so ao Sr. S que alugou uin sollim por
duas horas na cocheira da roa do Tambi o.11,
no dia 21 do currenle, e quo at esta dala nao
dc de
r cs-
se ler
i liollandez, na roa do Tra-1
, nu uia i\ uo ciirreiiie, u (iuo aie esta naiu
niE .^n,^" rwtitoio, queira lera conscienciaou bondad
OS rs, para pal}.- Lntregar dl) eonlrario ver o sen nomo por
de janeiro prximo ao
MMKmeesB-eieeis mm mm
-^Attcncuo. ^ I
r
A coi'beira nova da roa ilo Tambi n.
lem cavalloa de aluguel para passeio.
rmiilo bous, e recobeni-so de trato.
. Aluga-so um negro que seja fiel para o ser-
vieo de um armazem : na rua da Cruz, aruiazern
numero 19.
N j rua Nova n. 7 tem cartas para ser en-
tiegues aos senhores :
Manoel Lopes Uuiroares.
Antonio Pinto Soares.
l'ompilio Numa Pr-ssoa.
Pede-se ao Sr. Sarnico que foi empregado
as obras publicas, e ao Sr, Trajano, msico, te-
| nliam a bondade de vir ao largo do Panizo, ta-
berna da Vstrella, que se lhe Ueseja fallar.
Na rua Bella u. 23, pre-
cisa-se de urna ama, que coziuhe e engomme,
para urna s pessoa.
uanto foriin os medicamentos pre-
r I parados mo. A forp lo homem nao p-
| de ler a precisa uniformidade para bera de-
sinvolver as propriedades modicamenlosas das
substancias ; ella vae naturalmente enfraque-
cendo medida que se vae ruteado o (raba-
Iho da dviiamisa^o: e por essa razao que
numerosas vezas accontece que duas preparaces
de acnito, por exemplo, da mesma dynami-
saeo, feitas pelo mesrao hornera, no mesmo
O artista americano
O artista americano
OS PRF.C0S SAO OS SEGUINTES:
Botica de 2 tubos grandes 12* a 16*
Dita de 36 > 0...... 18J5 a 225
Dia de 48 ......2i9a29j
Dita de 60 n >.......;jo a 3555
N.B. Existen! ca tetras ricas de vtludo para
O abaixo assignado faz scienle ao publico e i
O artii-ta americano
1 i r,i o Cear em pon
Irmos ou com o
i.
to e Lisboa
.f
aB8.*n infama uugms \ *-== com "specialidade ao Sr. Lu/. Jos Marones, ar- O artista americano
181 rematante do imposto de S por canto sobro o Q artita ammcano
.... i maior preco.
da, ouerad.as diversos, ou fe.ias por dous! Cada vidro de lintura avalso.
Dmeos diflsrenies, nao produzem o mesmo re- Qa(ja lu|,0 avu|so
aullado em casos anlogos de molestias; urna1 Caixus com medicare.'.lo's '
desinvolve urna arcao mais prorapla, a oulra Iliras de diversas dynamisaedes
urna accao ma.s lenta. De 24 vidlos com lin(ura ^ Jg
Alm disso, sendo essencial para a regu- j,og ^raniies
Iaridadedasc/yaani5afd> quo cada diluido I)e 36 ditos d'itaV-16 tubos grandes. 64*000
tenha um numero cer.o de abalos ou vascole-1 ,)e 36 d.los dita e 68 tubus grandes. ToJooO
jasoes, para que nao acconteca que pelo excesso De 48 ditos dita e 88 tubos grandes. 9200O
ou pela insufficenca d estas percara os medica- | e 6o di|03 d[a e n0 lubosgrandes ,6P0(J0
2
1
glbulos e lin-
ais usadas ) :
u-
4S000
Curso de geome-
i
ia,
I : i
mos, vai sabir bre
i indicados ; qoom
.i ir de passagpm,
maignatarios Ma.iar
biirro do Kecife nu-
ii
^
. c Antonio F.gidio da Silva, professor da maihe-
i maliea no Gymnasio Provincial, abro no da 7 de
Janeiro o curso do gcomolria que dirige partir-

coi
...
H
is '
:

i.
fr.^-i "lii'WihaW
BECm
ira a vapor
ndante lloara, sabe
portos intermedios
Recebe carga .it
rus al s horas
largo da Assera-
larmcntu : os senhre* cstudantes que o quizo-
rom [requemar, dirijam-se casa de sua residen-
cia, na rua lliieil.i u. Ti, para seiem matricu-
lados.
Alogam-se o primeiro e segundo andares do
sobrado dos Qmtro Cantos em Olioda, com tren-
te para a ladeira da Misericordia e oito para a
rua do Malinas Ferreira, cora direceo ao mar,
sendo bem fresra e com commodos siiic.ientes
para urna familia quo queira fa/er uso dos ba-
nbos salgados : a tratar na rua da Cadea \elha
do Itocife, osrriptorio n. 56, do Leal i\ Irmao.
Quem anuiinriou precisar de 300o por seis
mP7es, a juros, dando para seguraoca urna mo-
bilia de jacarandS, dirija-se a rua Dimita, no se-
gundo andar do sobrado n. 8'.), ou no e n. 7,
fue abi se dir quem os d.
'ciiiisiirruiio de bebidas espirituosas de produccao
brssileira coosummidas nesla provincia, que nao
lhe convindo mais colleclar sua taberna, sita na
ma Nova n. CO, no primeiro semestre de 186 a
11861, que cometa no primeiro de Janeiro viu-
Idouro, lempo em que deve o Sr. arrematante fa-
j zer sua codela, deixa pelo fado de se no col-
lectar de vender semelhanle contiibuie.rio, sem
I que lhe seja preciso justificar, como quer o Sr.
arrematante, pois tal iuslificaeo, segundo o re-
gulamenlt em que elle so f
Tira retratos por ."#
Tira ral ratos por 5^1
Tira re I ratos por "><>
Tira re ratos por ."j
Tira retratos por 3^1
Tenclo recebido um sorlimenlo
\inli;.s novas
de
s
ca-
gar no caso de es.ar o *Jg2 Scudo e Tendo ^^^ u sortimento de ca-
querer deixar de vender aquellos espiritos, e nun-
ca com aquellos quo deixara do vender do
principio do semestre, que vcni a ser do primei-
ro de Janeiro vindouro.
Recife, -X de dezembro de 1860.
'Jos Francisco Ferreira.
1-
M.inool da Silva Jaeome Pessoa, uo auge
da dOr, pela morto de sen presado ami-
go Joao Ferreira Chaves, convida lodos
OS prenles e amigos do finado, assislirem
missa que pelo reponso do sua alma,
manda celebra no dia 2 de Janeiro prxi-
mo, na igreja da Santa Cruzas 7 l|2 da
roanha. onde sedarn esmolas aos pobres
que comparecerem. Recito 31 do de/.oinbro
de 186.
L
vinhas novas
Tondo recebido uin sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
- Constando ao abaixo assignado, que Andr ^endo recebido um sortimento de cai-
de Medeiros Euzebio, morador na povoaco de ; xinhas novas
Sanio Amaro de .laboatao. quer vender urna casa Tendo recebido um sortimento de Cai-
que pDssuia na mesma povoaco, sendo esla a
nica segoranca para seus credores, vem esto
prevenir a quem quer que a queira comprar que
esle roo pode vender emquanto nao pagar ao
abaixo assignado tres letras vencidas aceitas pelo
mesmo Audr ; e sendo psla lodos os bens que
possue, est claro que Contra a lei commercial
a que pertence as letras, vender oceultamonte, ou
nogar-se ao pagamento, nao so achando no seu
domicilio quando se procura,assim como lem acon-
tecido comigo ; e para nao haver ignorancia da
memos as propriedades que Ibes sao assignala
das, ou que convera cada dyaamisaejio, rao
se podo \$p obier as preparaces feitas muo
porque o numero de abales sempre maior ou
menor, d'onde evidentemente resulta um efleito
tambera maior ou menor, e por conseguinie
dttvidoso na applicc.o do medicamento ; se os
abalos sao insuflicientes nao se desinvolvem
todas as propriedades convenientes dynaraisa-
-o que se quer fazer. e se sao de mais. desin-
volvcra-se algumas das propriedades da dyna-
misagao superior, cora perda certa de muilas
das que convem a dynamisacao que se quer
preparar, o que sera duvida lera graves incon-


J ..
eial.
l'ri'i inii-.-e do iim.i bhi* se.;ea : uu iiuvossa
! das Flores u. 25, junio ao sobrado novo.
Fugio no dia 2S de desean bro, do abaixo as-
I signado, o escravo Mauricio, crioulo, idade do
; 22 annos, pouco mais ou menos, com os signaes
seguintea: estelara ecorno regulares, cabeca e
nariz chalo, leudo nm denlo na frente poilre, ,
I bu;o muilo pouco o barba debaixo do queixo da > # J? ##&
' mesma sorte, foi vestido com urna camisola de *? ^ bacharel F. L. de Cusroo I.obo pode *
jalgodozinho branco e urna calca de briin do qua- ** ser procurado para o exercicio do sua
sortimento
xinbas novas
No grande salao da rua do Imperador
Xo grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Emperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
A. W. Osborn, o retratista america-
fe, 27 de dezembro de 186. Joao Baplista da n0 tem decentemente recebido um gran-
Rocha- L^e e variado sortimento de caixas, qua-
Manoel Ferreira da Silva Tarroso, na rua !<*ros aparatos chimicos, e um grande
de Apollo n. 28, sacca sobre Portugal. numero de obiectos relativos .' arte.
No da 7 do corrente fugio a crioula Felicia rnm *_ u <
de idade do 12 annos. poucomai3 u .no a' C L ta.mbem ura "ande omecimen-
qual tem os bem salientes signaes dos olhos bo- It0 de Caixas para retratos de 3|000 rs.
alhudose um p muilo indiada do erysipela ; cada lira, ai pessoas que deseiarem ad-
quema pegar, leve-a a rua do Codorniz n. 9,
Eslas caixas sao uteis aos mdicos, sos Srs,
de engenho, fazendeiros, chefes de familias
capilaes de navio, e em geral lodos que se
quizerem dedicar pralica da homceopaihia,
Vendem-se lambem machinas elctricas por-
tabais, para traiamenlo das molestias nervosas.
F.sias maehinas sao as mais modernas e as
mais usadas actualmente era loda a Europa,
tanto pela comrr.odidadc dc podeiem ser troci-
das naalgibeira, como poique irabalham rom
preparaces que nao sao nocivas :
Caia tima........50*000
O Dr. Sabino ensina a maneira de se servir
desta maquina.
Acham-se venda na livraria da praca da Independen-
cia ns 0 e 8, as bem eonhecidas folhinhas impressas nesla
typographia
Folhinlia (le porlClou KALENDARIO eeclesiaslico e civil para o
bispado de Pernambuco........... .
DUa de algibeira contendo alem do kalendario eccletiastico e civil,
explica^ao das festas mudaveis, noticia dos planetas,
tabellas das mares e nascimenio e occaso do sol;
ditas dos emolumentos do tribunal do commercio:
ditas do sello; ditas do porte das cartas; dilas
dos irapostos geraes, prownciaes e municipaes, ao
que se juntou urna collecc,ao de bellos e divertidos
jogos de prendas, para entretenimenlo da mocidade.
100 rs.
320
r.
que ser bem recompeusado.
; lira


le jdiieiro,
;m. Sr. Dr. juiz es-
rimento dos depo-
Casiro & Amorim,
* i ionado, das nvrea-
i do Cabug n.2 B,
los. 'riucipiar as
4^AO
rcial,
rO.
es-
os-
ilva
ido,
> da
em
9 profisso de advogado na casa de sua re-
Q) sidencia, rua do Cabug n. 61 D. @

MU
i
DA
dros prctos e brancos, levou lambem um bah
de fiandre azul, conlendo talvez calca, camisa,
jaqoela branca, c algn:a roupa mais, tem o olli-
cio de co/.inheiro, cosluma s hir ao passeio nos
domingos, muilo pachola, intiiulaodo-se forro :
por isso roga se as autoridades puliciaes o a ou-
tras quaesquer pessoas que o capturar, de levar
ao armazera da roa de Apollo n. 20, dos Srs. An-
touio Marques do Amorim & C, que ser bem ;
recompensado.Aulooio M. de Amorim.
O Dr. Manoel Moreira Guerra durante as
ferias tem o seu escriptorio em casa de sua resi-
dencia, rua da matriz ua Boa-Vista n. 24
Fazemos ver ao lllin. Sr. inspector da al- O Sr. thesoureiro das loteras manda declarar
fandega que no dia 24 do corrente pela t 1|2 ho- que se acham a venda no escriptorio das mes-
ra da tarde, passando um bole com familia pela mas os burieles da lerceira parle da primeira lo-
alfandega, os remadores e patro fizeram urna : tria da igreja doSenhor Bom Jess dos Harty-
assuada, assuviaram, ele.; por isso pedimos ao nos desta cidado cujas rodas devero andar im-
Sr. inspector que de providencias, afim de nao preterivelmente no dia 19 de Janeiro prximo fu-
reDar-!turo.
PROVINCIA.
continuaren] com esle relaxamenio u'uuia repar
tico publica. Thesouraria das loteras 22 de dezembro
Eduard Fenton previne a quem iuteressar 1860.O escrivao, J. M. da Cruz.
possa, que nao (acara negocio algura com o Sr.
Thom Francisco da Rocha, relativamente aos
de
carros, cavallos, arreios. etc., perlencentos a co-
cheira do mesmo. porque tu Jo se acha devida e
legulmeule bypothecado ao annunciaule, qua pro-
testa usar do seu direilo contra quem quer qne
for que negocie em tacs objectos com o referido
Sr. Thom.
-- D-se 1:500$ ou menos a juros com hypo-
theca em casas terreas : no palco do Terco, ta-
berna n. 19.
Benicio Dantas Martins, tendo de retirarse
no primeiro vapor, declara nada dever: se po-
rm alguem julgar-so seu credor, dirija-sc a rua
do Hospicio ii. (ii.
O abaixo assignado faz sciente ao respelta-
vel publico, e com especialidado ao corpo de
omraercio, que uo dia 12.do corrente assotiou
i sua taberna da rua das Aguas-Verdos n. 48,
>. Jos Antonio Soares ao qual entregou a
cia interna do estabelecimento, tirando a
de ani' "3 os socios as compras dos gneros
'abelecimento, debaixo da firma social
Soares. Recife 2i do dezembro de
uim Filippe da Veiga.
sede urna pessoa que entenda de
carnauba para trabalhar u'uma pe-
na rua da Santa Cruz n. 74, ta-
. f
Sr. Y. II M. C. queira ir ou
n- 7, a negocio que nao igno-
dias, do contrario publicar-
"> scu nomo por extenso.
laves, Dr.
Daquilll
D. Luzia Ferreira Ch!
Ferreira Chaves ^ausente), Francelino Eleo-
terio Ferreira Chave, Jos Ferreira da
Silva Chaves, D. Francisca Ferreira Chaves
Guimares, D. Idalina Carolina Ferreira
Chaves, D. Maria Precilla de Carvalho Cha-
ves, Jos Joaquim da Silva Guimares, D.
Auna Emilia da Silva Guimares, D. Clara
Maria Vie,ira de l.acerda. mi, irmos, cu-
uhadose sobrinba do fallecido Joao Fer-
reira Chaves, agradecer cordialmente a
todas as pessoas que se dignaram acorr pa-
nhar seus restos morlaes au cemiterio pu-
blico, e de novo as convida a assislirem as
missasque pelo repouso do mesmo falleci-
cido se devem celebrar na igreja da Saota
Cruz as 7 horas da manhaa do dio 2 de Ja-
neiro futuro, pedindo desculpu a todas
aquellas pessoas que deixaram de ser con-
vidadas pelo excesso da dor de que se acha-
vam possuidos.
Urna senhora porlugueza, de menTidaii^
habituada a leccionar meninas, deseja accommn-
dar-se para o mesmo tiui em alguma casa de fa-
milia respcitavel : quem dola precisar, deixe
csrta fechada nesta typosraphia com as iniciaos
H. II. R.
Precisa-se fallar ao Sr. JoSo Mi-
guel de Oliveira Beraldo, nesta typo-
graphia.
rjnirir conhecircentos pratiecs na arte i
de retratar achariio o abaixo assignado
sempre prompto sob condicoes muito
razoaveis.
Os cavalheirosesenlioras sao convida-
dos a visitar estes estabelecimentos, pa-
ra examinaren! os specimens do que
cima lica anunciado.
Aluga-se para passar a festa duas casas si-
las em Santa Anna de dentro, com bstanles
commodos para qualquer familia, sendo o lugar
o mais saudavel pura a saude, com banho porto
de casa a tratar no paleo de S. Pedro u. 6.
Aluga-se o primeiro andar de um sobrado '.
na rua da Cruz n. 29, com fundos para a rua dos j
Tanoeiros : a tratar no pateo de S Pedro n 6.
As pessoas que se julgarem credores de
Manoel Teixeira do Miranda, que nao tem appa-
reciio, queiram ler a bondade de apparecer na
rua das Cruzes n. 3:1, segundo andar, no prazo
de tres das porque aquelles que se nao a pre-
sentaren), nao se responsabilisa por conta al-
ma que possa apparecer.
Attemjo.
Tendo o abaixo assignado arrendado o trapi-
cho de Itapissuma com o Qm de receber lodosos
assucares d'aquelles senhores de engenhos que
se quizerem ulilisar do mesmo trapiche, nao
obstante i ler contralado com todos os senhores
de engenhos, e sobre as condicoes abaixo decla-
radas, por isso vai por meio desle lembrar aos
mesmos quese acha naquelle trapiche munido de
urna grande balanca para receber os assucares por
peso para evitar as grandes faltas que de ordina-
rio appareceai as condueces dos mesmos assu-
cares, tendo lambem urna boa barcaca para trans-
portar coro brevidado as cargas aos seus corres-
pondentes, bem assira o devolvimenlo dos sac-
eos vazios e encommendas sobre o diminuto pre-
go de 320 ris por sacco. No mesmo trapiche
existe um grande sortimento de gneros de pri-
meira necessidade, e oulros muitos que escusado
mencionar: .todos estes gneros pelo preco do
Recife. Itapissuma, 27 de dezembro de 1860.
Jos Lopes Machado.
Precisa-se alugar um preto escravo para
todo servico de urna casa : quem quizer, dirja-
se a rua do Trapiche n. 12.
D. Luzia Anglada, sua mana D. Antonia
Fonte e seu Dlho Jos Anglada, vao ao Rio de Ja-
neiro.
Precisa-se do um caixero que lenha prali-
ca de taberna, e que-dt fiador a sua conduela,
para tomar conta de urna taberna a tratar na
rua flireita n. 69.
Dita dita
, contendo alem do kalendario eeclesiaslico civil, expli-
cacao das fesias mudaveis, noticia dos planetas, tabellas
das mares e nascimento e occaso do sol; ditas dos emo-
lumentos do tribunal do commercio ; dilas dos impostos
geraes, provinciaes e municipaes, ao que se reuni o
modo de conessar-sc, e coaungar, e os officios que a
igreja cosluma celebrar desde domingos de Ramos, at
sexta-feira da Paixo, (em porluguez). preco.....
Esl a conchiir-se a impressuo do almanak uo breve
ser annunciado, nao estando j prompto pelas grandes al
teraces que se deram neste anno.
350 rs.
CASA DE SAUDE
DOS
BES B JUHES 4
Sita em Sanio Amaro.
Este estabelecimento continua debaixo da administracao do pro- sA
pnetarios a receber doentes de qualquer natureza ou catliegoria que
seja.
O zelo e cuidado all empregados para o prompto restabelecimen*
to do doentes geralmente conhecido.
Quem se quizer utilisai pode dirigir-se as casas dos propietarios
ambos more resna rua Nova, ou entender-se com o regente no esta-
tabeleciraento.
Reforma de presos.
Escravos. -..... 2#0()0
Marujos ecriado..... 2'500
Primeira classe 3# e. 3^500
As operaqf.es serao previamente ajustadas.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
V
MUTILADO
/


I
.*-3
\
4

i
O EXTRACTO
COMPOSTO DE
ALA PAB10LHA B. TWAmSttB
MELHORADO E FABRICADO SOB ADIRECCAO' DO DR JAMES R. CHILTON,
_ imico e medico celebre de New York
A GIUNDE SUPERIORIDAD* DO EX-
TRACTO FLUIDO C0MP0STO
SALSA PARR1LHA
Eplica se p.-Io seo extraordinario
e quasi miraculoso effeito no
sangue.
Cada
New-York, bavemos vendido durante muitosan-.HASKEI.L & MERRICK, 10 Gold Street,
nos o extracto de salsa parrilha do Dr. Town-!R. A.FAHNESTOCK & Co. 49 John Street,
send, considera rao lo ser o etlracio orignale ge- rONDETRline a Rvnftr r (.iucbrit
nuino da salsa parrilha do Dr. Townsend. o
qualprimeirarnonte sob este norae foi apresen-
lado ao publico.
BOYD A PAUL, 40 Cortlandt Street.
W sabe que a saude ou a inferraidadei WALTER. B TOWNSEND & Co, 218 Pearl: Df
depende directamente do estado des.eFLO.oo vi- r *""* Dr, M rnsendeSl
LKEDS& HAZARD, 121 Maiden Lae.
TU Islo ha de ser, visto o partido importante
que tem na economa animal.
A quautidade do sangue n um homem d'es-
talurai mediana est avallada pelas as primeiras
autoridades em vinie e oito arralis. Encada
pulsado duas oncas sahem do coraco nos bofes
e dalli todo o sangue passa alem no 'corpo huma-
no em menos de cuatro minutos. Urna dis-
posigao extensiva tem sido formada e destinada
cora admiravel sabedoria a destrihuir e fa/er
circular esta c.orrbnte D8 vida por todas as
partes da organisao. Deste modo corre sera-
pre pelo corpo em torrente, o qual a gran
fonte de inferraidade ou de saude.
Se o sangue por causa alguraa se emprenha
de materias ftidas ou cjrrorapidas, difluude
com vblocidadb klectrica a corrupQo as
mais remotas e mais pequeas partes do corpo.
O veneno lanca-se para tras e para diante pelas
arterias, pelas veas, e pelos vasos capillarios,
at cada orgao e cada leagem se faz completa-
mente saturado e desordenado. Desla maneira
a circulac.ao evidentemente se faz ura engenho
PODEROSO de doenca. Nao obstante pode tara-
bem obrar com igual poder na eructo de saude.
Eslivosse o corpo infecionado da doenca maligna,
ou local ou geral, e situada no systema nervoso
ou glanduloso, ou muscular, se smente o san-
gue ple fazer-se puro e saudavel Gcar superior
a doenca e inevlavelmento a expell'uda cons-
lituigfio.
O grande manancial de doenca enlao como
d' arfui consta no fluido ciRCULANTE.e nenhum
TAS,
E IGUALMENTE
; Conhecemos um Medicamento nos seus Effeilos.
O extracto composlo de Salsa parrrlha do da 19 de Janeiro prximo futuro.
Jl,so|>raria das loteras 22 de dezombro
loCO.Jos Mara di Cruz, escrivao.
,w i-" Miutrao Sr. Manoel Ephi-
genio da Silva, roga-llie queira annun-
ciar onde o pode procurar nesta cidade
visto nao ser permittido fallar se-lhe na
al'andega.
DA
PROVINCIA.
i O Sr. Iliesourciro das loteras manda declarar
que se arbam expostos a venda os bilheles da
VIA FRREA
Recife a Sao Francisco.
(LIMITADO.)
Avisa-so ao respeiUvel publico que do da 11
. do corrento -radiante a companhia deixara d
lyccira parte da priraeira lotera da irmandade : despachar carga para a estaco da Porttozinh* n
Attenco
^noco que se .-.lia'o. aipregado o
se para ,seirO de
qnaliioer Sv-viro : q [,-se a rua
larga do Ros.,0 n.
Quem tiv,r p ;,hcJs d uro e rala em
poder de Manoel Doi Silva, na
ra da Paz n. 36,aui rlia
do Canno, venham Un-los n> p-j, de in das,
JOHN GARLE & Co, 153 Water Slreet.
M WARD & Co, 53 Maiden Lae.
J. & i. F. TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GRAHAMcv Co, 10 Od Llp.
OSGODA JENNINGS, 188 Pearl Street.
R. B. UAVILAND & Co, Office 177 Broad-
way.
JACKSON, R0BIIVS& Co, 134 Water Street.
THOMAS & MAXWELL, 80 William Street.
WM. UNDERHILL, Junr, 183 Water Street.
DAVIDT. LANMaN, 69 Water Street.
MARSH & NORTHROP, GO Pearl Street.
0 MEDICAMENTO DO P0Y0
Adaia-sn io maravilhosamenle a constituicSo
; que pode ser utilisado em quasi todas as enfermi-
dades.
ONDE Er DEBIL1DADE,
fortalece;
ONDE E C U R R U P C A O,
purifica;
ONDE HE PODR DO,
AL1MPA.
Este medicamento celebrado que lao grandes
servjcos presia a humanidado, prepara-se n^jore
di Sen ti o r Rom Jess dos Marlyrios desla cidade
cvjns rudas deverao andar imprclervelmenle no
de
Antonio Joaquin Vidal, tendo arrematado
para sen pagamento as dividas da casa de Thiago
da Cosa Fercira Estrella, como constara do edi-
la no Liberal l'ernambucano de 19 do crlenle
nez, vera pelo presente fazer sciente aos ditos
so-ihores devedores que elle o nico habilitado
aorecebimenlo das mesmas dividas, e pede a
brevidade do pagamento, '"" *" --..-
as ~

se
d
Irem continuara a passar para lomar c deix'ar
passageiro3 c bagagens.
AssignadoE. II. Braman,
Superintendente.'
do contrario serio vea
i-ncipul e juros.
: ios para po^rapii
Am&.
de honienssoltoiros sa ra
estrada dollanguinro, su ,, j,
uraa criada estrangt;.i;jr;i
unja pequea famili, lc.
cularraente engomo ,r '
Precisase alugar para um siiio pcrlo da ~ M,anopl Ignacu do Olive .,0
praga urua negra boa quilandeira ou raoleque -0 e Llsboa "> "u WriDtorio
trata-se e paga-se bem : para ajustur, no laro >
da Asserabla, Forte do Mallos, cima do escrip- i T ''recisa-se alagar uoa .im Mn r .,,.-,
lorio dos lllms. Srs. Rabello & Filhos. j cozmliar e eiigomm
Aluga-se um sitio no principio da estrada no Primeiro andar d sobrada r R
dos Afilelos perlencente a viuva de Jos Joa-' A## #
m do Mosquita, com muilos arvoredos produc- ; Atll'J lIHl
do Ci
NORTOiN.BABCOCK -WOOD, 139 Mai- "a "ova fabrica, na esquina das ras Fronte
don Lone.
PENFOLD, CLAY& Co, 4 Fletcher Street.
I OLCOTT, 11 KFSSON & CO, 127 Msiden
Lae.
A. B. & D. SANDS. 100 Fulion Street.
SCHIEFFELIN, BROTHER & Co, 104 &
106 Joba St.
[LEWIS ei PRICE. 55 Pearl Street.
HAVILAND, KEESE &CO, 80 Maiden La-
e.
RUSHTON, CLARK & CO, 110 Broadway,!
10 Aslor.
House, and 273 Broadway, cor. of Chambers
Street.
PHILIP SCHIEFFELIN & CO, 107 Water
Streat.
POU & PALANCA. 96 John Street.
SHKRWOOD & COFFIN, 64 Pearl Streat.
RST & HOUGHTON, 83 John Street.
Washington, Brooklyn, sob a inspecgaodirecia
do muito conhecido chimico e medico Dr. James
R. Chilln, da Cidade de New-York, cuja cer-
tidao e assignatura se acha na capa exterior da
cada {rarrrfa de
ORIGINAL E GENUINO
EXTRACTO composto DESALSAPARIULHA
DO DR. T0W^SE\D.
O grande jiurifcarfor to sangue
CURANDO
COMIUMIIA DA VIA FRREA
no
jflecie a Sao Francisco.
filIHMM
no
Recife ao rio Sao Francisco.
Attentiou.
wich i,:ho,lV. '' -iri".
Alte

medicamento que nao obra directamente sobreel- {vr^uTrnOTM R ?2
le para purificar e renova-lo.possue algum direi- ES5S^l5?^!5^
10 ao cuidado do publico. rnSi vl?f '
OsamgdeI Osance! o ponto no qual! l''l, LLLAt a
se ha myster fixar a attenco.
Maiden Lae.
KINSLEY, 45 Corllandl
O ORIGINAL E O GINUINO!
AO 1>UI5LIC0.
Nos, os Assignantes, Droguista ba cidade de
HAYDOCK, C0BLIES& CLAY, 218 Pear
Slreet.
O Herpes
A Hf.rysipkla,
A Ar>STRICCAODO VEN-
TRE,
As Alporcas
Os EFFE1TOS DO A7.0D-
GE,
Dispepsia,
As Doencas.defiga-
do,
A IlVDROPESlA.
AI.MP1NGB
As Ulceras,
O Rheumatismo,
As Cuacas
A Dedilidade ceral-
As DoENfASDE PEI.I.F.
AS BORBDLHAS iNA CA-
RA,
As Tossesi,
Avisa-fe ao respeilavel publico quo se emit-
iera na inso Ponas, billieles de perodo de 1 A
a G meyes pora ludas asesinroes.com grande I ,s,a ronspanli3 a rurapriren. com os termos do vico dcutl'ca^'o Z, ,"t0in '
abai.me.lo nos preeos e que se fizeram diversas j? por ordcm da racs,,ia >"0 ficara pu- da I niao, passsDdo a
iHKnCrrr,r,0.,,lacornpnhia17 de dezembrode
oou.i., ii. liramah, ihesourero.
Os Catarriios, As Tsicas, etc.
OExIracto acha-seconlidoemgarrafas quadra-
das e garante-se ser mais forie e melhor em to-!tem ^e executar- se a 9vde fevereiro, a
do o respeito a algum outro purificador do san-! lua' S(;ra' mostrada aos Srs. assignantes
reducroes nos prcros de transporte entre Cinco
Ponas,Escada e as oulras est.icOes nos seguintes
artigosa saber Cdvallos. assuciir, madeira, pe-
ora, lenha, carvaode pedra, esirurae, capim, li-
jlos, clhas e ladrilhos, para mais infurmares
dirijam-soaoSr. James Kiikhara na villa do'Ca-
bo ou 'm qualquer das eslare?.
AssignadoE. R. Bramah,
Supcriiiiendente.
Nova pauta ou tarifa da
alfandega
Nr livraria da prara da Independen-
cia n. 6 e 8. existe a nova tarifa que
CUMMING & VANDUSER, 178 Greenwch gue., conserva-se em todos os climas por cer-'do Diario, que a quizerem consultar em
S'reet. | lo sspaco de lempo. | qunto nao chegara alguns para vender.
Cada garrafa do original e genuino exractu do Dr. Townsend tem a assignatura e a cerlidao do Dr. J. R. Chlilton, na capa
exterior de papel verde
No esariptorio do propietario, 212 Broadway, New York, e em Pernambuco na ra da Cruz n. 21 escriploiic 1. andar, tam-
em na blica da ra Direta n 88 do Sr. Paranhos.
Assignatura do banhos fros, momos,de choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos. ,.........
30 csrtes para os ditos banhos tomados em qualquer lempo.
15 Ditos dito dito dito ....
7 M ;
Banhos ivulsos, aromticos, salgados esiilphurososaospregos annunciados
EstaraducQo de preeos facilitar aorespeitavel publico ogozo dasvantagens queresultam*
da frequenciadeum estabelecimenlo de urna utilidadei ncontestavel,masque infelizmente nao
estando em nosso- hbitos, ainda pouco conhecida e apreciada;
105000
159000
000
4 #000
ARMAZEM DE ROUPA FEITI
W> A EIIIUV C4K'
Defr^ftte do becco da Coogrega^ioletreiro verde.
12000
9000
5000
Casacasde panno preio a 309, 359 e 4O&000
Sobrecasacas 'j^JilQ^dito a 359000
Paletots de panno pretos e de cores a
209, 25T, 309 e 359000
Ditos de casemira de cores a 159 e 2 29000
Ditos de casemiras de cores a 79 a
Ditos de alpaca pruta gola de velludo a
J)losde. merino solioa preto e de cor
\ T89 e .,. ..* *'
Ditos dejaJpaca de cores a ^39500 e
Ditos de alpaca preta *395X)0f 59,-*
79e;' ,' ^99000
Ditos'd brioi de cores a 39500,
49500 e
Ditos de bramante de linho brancos a
49500 e
Calcas do casemira preta e de cores a
99, 109 e
Ditas de princeza e alpaca de cordo
pretos a
Ditas de brim branco a de cores a
29500 49500 e
Ditas de ganga de cores a 39&Q0
Ditas de casemira a 59500
Golletes de velludo decores muitofno a
Ditos de casemira bordados/e lisos
pretos e de cores a 59, 59w0e
Ditos de setim preto a / i
Ditos de casemira a
\
1^9000
/
129000. Jilos de seda branca a 59 e
59000
G9000
129000
59000
39000
Ditos de gurgurao de seda a 5"9 e
Ditos defuslao brancose decores a
39e
Ditos de brim branco e decores a29e
Selouras de linho a
Dilas de algodo a 19600 e
Camisas de peitode fuslao branco e
de cores a 29300 e
Dilas de pe lo e punhosde linho mui-
to finas inglezas a duzia
Dilasde raadapelobrancas e de cores
a 19800, 29e
Ditas de meia a 19 e
Relogiosdeouro patente eorisonlaes
Ditos de prata galvanizados a 259 e
Obras de ouro, .aderemos, pulseiras e
rosetas
%t9000
59000
39500
9000
5000
5
V
G
Aos consumidores de gaz,
A empre/a da illuminacao
gaz, roga a lodos os Srs cod-
Ensiioiip i^pa fumidoiesofvoi
Liioiiiu uc iiUMLrl. tregarem aos seas machiois-
OfTerece-separa leccionar soUejo.comotam-! tas Ol SCrVOIltPS (llialnilPP li-
>raa tocar variosinsl^umentos; dando asl- i 7 v^ULCs quaiquei Ul-
AVISO.
COMPAMIIA tU VIA FRREA
RECIFE A SAO FRANCISCO.
LIMITADO.)
Aviso,
l.uiz de Pinho Tavares.
Uucm annuncion <
Pelo presante faZ-se publico que por resoluto i 5tTJ S %V
da directora dcata companhia. tomada nesta da-' qe "rhar 2om
la lera-se feto urna ouira chamada de duas B-l'- PvStaS!
O abaixo assignado a ,, .
Codorniz n. 4. Itecifo 2
' n dn
: 1860.
|unm i
alugar
bras sterlinas por cada accio. a qu,i chamada ou Matriz da D01 XiSX
preslacao devora ser paga at o dia 31 de Janeiro i 1Q?-- VUl* pa"'
prximo futuro no Rio de Janeiro em casa dosUWXK
i
di

tal chamada ou prestado a contar deste dia al
que seja realisado o pagamento. No caso de n5o
effeelaar o pagamento desta chamada ou piesla-
cao dentro de 3 mezes a contar do dito dia lixado
ga-se bem agradando o
Pescadores n. 1 e 3.
Urna senhoia
,(cos lillios, e i maio
para o embolso da mesma ficaro as accoes que te pm Hamk.
de nao en- ,0Srrerem !m ,aL?,to ieUa8 a sere conos- L ? "amburgo,
, tadi)s segundo as disposicoes dos estatuios a
respeito.
Por ordem dos directores.
Assignado\V. H. Bellamy,
, Secretario.
199 Gresham House.
Od Brouad Slreet.
r. c.
22 de novembro de 1860.
Todm nn ntrnmon ~~ AUigam-aeoa dous andares doto-
aos os pagamen- brado da rua da Cruz n ^ recente_
oT. j mente pintados e commodos suflicientes
;
""*- ** I Mliva |UOf CHIBUIVOl UilUUU BOU"]
coesdas7horass9 l|2danoile:alratarna rua! IineirO (lUOT de rODarOS 011
di Roda n. 50. I L *ii
O Sr. alferes Thom G. Vielra de0ulro QUalquer pretexto, Sob \
Lima, queira dirigr-e a esta typogra- pena de lhes ser novamente!
pina, que se llie precisa fallar. 'exrido
Jos Mara da Silva Ferreira avisa a seus! i ,
freguezes e'iroigos que mudou o seu eslabeleci-; IOS tleVClll Ser ICllOS aO
ment de tinturara de todas escores, do largoda Tlir\ir,T f n.ii ..:_ i "
Soledade para a rua do Hospicio n. 42, conii-' 2 a0,nlz "ai relt UniCO CODra- Para lamilla : a tratar no arrnazem do
nuando a rebeber nos mesmosdeposilos, lano no dorailtnns/lln All na aanrn mesmo
largo do arsenal de marinhan. 8, do Sr Anselmo "."lUI lbdU UU eSCI *P"
Jos Duart Sedriro, assim como no largo da ma- tOriO dOS fferentCS.
. (ni BOU-
aen-
que erteve no
esle Brasil, acce.ta dous mei
meninas para educa- ..;, todo o esa
ro e por cond.coes ;l fcjj^,
I na livraria n. 6 e 8 dapraqada Inde-
pendencia, onde se dar5o todaj a o-
triz de Santo Antonio n. 2. do Sr. Antonio Joa-
| T "A administracao do correio da
Porahiba do Norte contrata homens ca-
minheiros para a conduccao das malas
%$?*% Oial mpsal de* 2ii'.O ad-
ministrador, Francajco de ssis Car-
neiro.
Arniazem para alagar.
Alugam>se os dous grandes armazens da rua
da (lo.ncordfa- onde est o Sr. Paulo Jos Gomes,
do l.-vde,jan7icp do anno vindouro t-m dianle :
a tratar com o Dr. Lobo Moscoso, na rua da Glo-
ra n. 3.
. ^ Dr. I.obo Moscoso scientica nos seus an-
ligos Weguezos, que pelos commodos que oll'erece
Aluga-se o armazem da casa n. 41 sita na
rua do Imperador ; a tratar na cusa do fallecido
commendador Luiz Gomes Ferreira, no Mondego.
Precisa-so de urna ama para o servico in-
terno de urna casa de pouca familia : na "
do Corpo Santo n. 1".
praga
m
Precisa-so de urna ama pora casa de pouca fa-
milia : na rua Nova n. 5. loja.
for
"inaooes.
Compras.
Comprare
Henry Adour, subdito francez, segu para a i um i0g. de.baSal<-'l3s. no*< u eiiado .
Europa. Quem t.ver|e quizer vend .. |a ruado
Verdadeirn ojkt Im l\fnL a ba 8busa D' -onde acha?
Verdadeiro caf de Moka, s
dnoR0osartion.l4.,"'rUalarga *r*** V0S, .
A qualquer hora do dia ou da noite encontrar- ??nHdo de ambosuos sos. d^
3^500
27500
* 23S500
25OOO
25500
35*000
2500
19600
309000
TABAC CAPORAL
Heposito das mannVacluvas m^cTiaes' i\eFranca.
Etteexcelente fumo acha-se depositado, diretamente na rua Nova n. 2.T*ES0UINA DA
GAMBOA DO CARMO, o qual se vende por masaos de 2 bectogramos a 19000 e em poreode
10 mseos para cima com descont de 25 porcento ; do mesmo estabelecimenlo acha-se tambera
o verdadeiro papel de linho para cigarros. m*
enMMRWiH-a-BffiBalBiS M
EAU MINERALE
8NATRALLEDE VICHY.
Deposito na_boticaifranceza rua da Cruz n.22
a rua nova c^ii dj rua da Cnj^aV'- 3, denomi-
nada Fundao^corfUnuar a receber escravos ou
para tratar do suas molestias ou, fazer-se-lbes
qualquer operacao : alem da boa siluaciio ha a
grande vanlagem dos banhos salgados, mulo ef-
licazes para certas molestias enronics,
Os Srs. abaixo assignados sao rogados a vi-
rema rua da Imperatrz, loja n. 82, a negocio
que mulo lhes inleressa o diz respeito :
Jos fiaetano Pinto de Queiroz.
ManoTl Flix Nasario, de Santo Antao.
Domingos Jos Dantas.
Sabino Joaquim\da Purificaco.
Joao Augusto de Hollanda Silva.
Lucas Antonio Evngolisla.
Jos Joaquim de Aginar.
ManoelH2dro do Nascimenlo Aranjo.
ManoenBc/aphini.
Joaquim Juvencio de Almrda.
TheodoroJos Pereira Tavares.
Jos Pedro Ralis Barbosa.
Antonio Homem Ledo.
Miguel Carneiro de Moraes.
Manoel Flix.
Conrado JoS da Silva.
Domingoa^rancisco Kcgs.
Jos Antonio da Silva^
Joao Iiarbalho de Mello.
Jos Leocadio do Res, morador no engenho Jar-
dim, freguezia do Cabo.
se-ha nesle estabelecimenlo goslo dos fregue-
zeso verdadeiro caf de Moka, bem assim sor-
veles das melhores fruclas que existem no mer-
cado, das 6 horas da larde era dianle, Replese
o annuocio para maior ciencia do publico e ha-
ver oeste mesmo estabelecimenlo comida feila a
Precisa-se de 30,S a uiros por 6!Jua,(luer nora 1UC se procure, e bem assim o
mudando* por garantif urna ^\^^^^%&'^'.
J6
I ra-
ilia de acaranda a qual podera ir se'vico interno e externo.
para o poder da pessoa que der di- ~ Al" -se o armazem
nheiro ou como mellioi se convenci*
nar : quem qui/.er annuncie para ser
procurado.

Urgencia.
Contrata-se um rapaz para servir de Ccl na
companhia de aprendizes marnheiros, advertin-
do-se que ficar este isento do servico da guarda
nacional : a tratar com o comraissario da mes-
ma, na rua das >rincheiras n. 16, segundo andar
ou no respectivo quartel.
Para urna casa eslrangeira com pouca fami-
lia precisa-se de urna escrava q> '5 seja Oel e de
boa conducta, que saiba cozinh.- o diario de urna
casa eensaboar roupa : quer tiver, dirija-se
rua do Cotovello n 8 (Bo ,sta) anles das 8
horas da manha, ou depoV r.s 5 horas da tarde
da rua da Madre de
Dos O. 2 ; a tratar com Marlins g Irmao.
Urna mullier sadia e forte, tendo-
Hie morrido o lilho recentemente nas-
Icido, propue-se a tomar algum menino
para ser araamentadoem sua casa d'on-
I de a proponente nao pode sahir por ter
Na rua da Cadeia do Recio n. 25, precisa-se < e, $ua companhia sobrinhas solteiras
S faSilla?' qUC CllBhe COm Perfe'- P"a PU'!e ,,one*ta: clnem a pretender dirija-se
Prec'isa-seuma sala indepcndenle, em so- | a esta typographia que sera' informado
brado, na fregueza de Sanio Antonio ou S. Jos, i de sua residencia.
para um pequeo escriplorio quem a tiver para I Aluga-se o sobrado de dous andares e so-
arrendar, dir.ja-se rua do Quemado n. 41 a | to da rua Imperial n. 109 : a fallar na ruada
indicar sua morada para ser procurado.
Movimenlo dia-
nhas dosom-
Aurora n. 3C
idade, sadios e boas figuras ;
trizn. 12, loja.
Compram-se moedas d< -
rua Nova n. 36, loja. Du
Cumpra-se urna casa |BMa
familia, sondo na fregueza 'l.^
S Jos : quera tiver, queira m st
folha para ser procurado.
7. ^0mpra-"ieumj0g0 oglezj
nova ou servida
iella
ua rua c |
rio das li-
nibus de
Claudio Dubeux, horas da partida
volta dos respectivos lugares.
e
OBSERVACES.
ugar um r
nos de idade^pouco mais
pras c recados : na rua d
QuergAi
is de idade*p
dos :
Atteii *o.
Os Srs. assignan-
tes que deixarem de
o ser devem fazer a
sua despedida por
escriplo ou bocal-
menie no respectivo
escriptorio, para ser
o seu nomo elimina-
do do livro respecti-
vo, sem o que sero
! considerados
,-----------_ como
eque de 8 a 10 an- taes al que se dis-
menos, para com-
.respon. 13.
INJECTION BRO
Remedio infallivel contra as agnorrhas antigs e rcenles.
nico deposito na botica franceza, rua da Cruz n. 22.
Preco do frasco 2JOO0.
oa que t ,t-r achado um peque-
papel cor de rosa, contendo um
o o urna roseta de ouro com co-
avor de entregar na rua do Quei-
erragens n. 13, que ser bem re-
R oga-
o embr'ul
trancelim d
ral, de'fazer'
mado, loja d
compeptsa'do.<
Precisa-se de 300J por tempo de seis me-
zes, dando-ie era pagamento da mesma quanlia
jog mensaes, dando-se para isso seguranca al o
um do pagamento.
Precisa-sede um caxeiro que lenha bas-
tante pratica de taberna, o d Dador a sua con-
l : na rua do Rosario da Boa-Vista n. 54.
Precisa-sede urna ama de leite,
emperador n. 07, segundo
pecan.
Ouiro sim, se ad-
verle que, os Srs.
assiguanles s tem
dircilo a sua ascig-
naturs nos das uteis
cujas mensalidades
sero pagas adianla-
das.
Adverle-se mais
que nos dias festivos
se augmentar o mo-
vimenlo dos mni-
bus conforme a ne-
cessdade o exigir.
DE APIPCOS PARA
O RECIFE.
to
#.
*.
91
a
Do Cachang para o
Recife. .
De Jaboato
Recife, .
para o
Do Recife para Olinda.
DeOlinda. .
para o Recife.
Do Recife para a Pas-
sagem. .
Da Passagem para o
Recife.....
Da Varzea para o Re-
cife......
Nos domingos e dias santos tambera hav
<

c
6
6ti2]
7
71|2
8
81|4
81|2
00 RF.CIFE PARA
APIPCOS.
a
a
61|6
8J(2
81[2
Do Recife para o Ca-
ch.ing. .
Do Recife
boa lao.
para Ja-
Do Recife para Olinda.
De Olinda para o Re-
cife. .
Do Recife para a Pas-
sagem. .
Da Passagem para o
Recife. .
Do Recifo para a Var-
zea
<
ca
o
B
31|2
4
41i2
51,2
6
61,2
OBSRVALES.
l[2
31i2
Nos domingos e dias santos tambera haveji mnibus para a Varzia e Ci
6 e 1|2 da raanhaa e regresraro para o Recife as 5 o i\2 da tarde ; pira '
maohaa, e rogressarl as 3 horas da tarde e vollar do Recito as 7 hor-
Nos domingos e
dias santos lem do
Recife para Apipu-
cos mnibus as 6, 6}{
e 7 horas da manha
e para Olinda tem
um mnibus as 7 e
volta as 8.
De tarde parte do
Recife para Apipu-
cos as 3 horas e vol-
ta aa 5, 6 e 7.
Para Olinda parte
as 4 horas o rolla
Mi,
Prero das mensa-
lidades
Apipucos. 26&000
Cachang.; 26000
Jaboato. 70SOOO
Olinda. 260.'
Passagem. 20a'1
Varzea. ... 26
As mensa!'
annuaes leer
cenlo de al
no flm d
contar d
1861 e
nos -
e "
Vendrs.
Machinas de cosiera
DE
Slvat & Companhia.
Estas machinas sao as mais perfeifas
no ramo de mecanismo, unindo a una
simplicidade a maior ligeireza e perJ-
eao para toda e qualquer qualidade de
costura, do ponto mais ino ao mais
grosso. O vendedor se obriga a entinar
o roethodo aos compradores' ot o ta-
berem bem, assim como a ter as macl
cbinas em ordem durante um a>
Estas machinas cosem rom 2 '
quebram o lio como muilas r
zem e sao as melhores e
at hoje conhecidas no
acham expostas na p
BORN, RETRaTIS'
RUA DO 1MPEF
urna senbora c
tada as ara'
mente se aci-
de MACHI-
CRUZ N.
Ver--
qualqu'
de ca
tura
da <
de '
to Ai.
Cruz .
te de
frr
2
r
MUTILADO t MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
""''''ii *" ......


(o)
DIARIO DK PEhNAMBLCO SEGUNDA FE1RA 31 OK DEZEMBRo DE 1860
Palitos do gaz 9
de cera
desla superior quaiidads s so ve*do no arma-
zem de Barros & Sik.
E* o u/timo goslo.
Superiores gurgires delseda de quadrinhos,
de lindos padrees, polo baralissimo preco de 1
o covado, groslenuples liso de lindas cores a 28
o covado. cortes de laa muito fina com 15 cova-
dos, padres uiuito bonitos a 8j, ditas de quadros
padres tambem rnuito bonitos a 480 rs. o cova-
do, chales de cores, padres inteiraniente novos
a 1J rs. o covado ; aproveitem em quanlo se nfio
acaba :
boa-.
na ra do Oueiinado n. 22. leja de
ia a o
1500
Vndese farinha de mandioca a .s'500
a sacca: ua ra da Madre de Dos nu-
luero 55.
Eui casa de N. O. Biebcr & Successores, ra
da Cruz ii. vende-se :
Champanha marca Pur & C, una das mais
AcriMlitaJasmarcas.aiuicouliecidas no RiodeJa-
neiro,
Vinio xere/. am barra, cognac cm barris e
caixas.
Vinagre branco elinto cm bartis.
Jirilhantes de varias dimeuses.
Kthersulfurico.
omma lacro clara.
Lonas, brinziios e brins.
Ac de Milo
Ferro da Suecia,
Algodio da Baha.
Farelo de Lisboa,
muilo superior e novo, por prego roiunioJ ; na
raa do Vigario n. ID, primeiro indar.
Burros andaluzes
Na rna do Vigario n. 10, primeiro andar, anda
lem por vender 2 burros t pura raen hespanho-
la, dosquaes se dispem a preco commodo.
'.xs& a^a^s^aigA?^>&a v>*
_ wude-se urna morada Je casa
terrea na ra da matri da Boa-Vista :
a fallar na mesma sobrado que vol
ta para a ra < Glorian. 53.
g tiurgel & Perdigo.
^Raa da Cadeia loja n. 23. ||
Iteceberara novos corles do cambraia m
branca bordada de uas saias e babadi- jj~
nhos. j&
{K Ueceberam cmplelos sorlinioutos de X
m vestidos de blonde com mana, capella e at
mais prtences. ?j
fib Ueceberam modernos chpus de pa-
y/ lha para seuhora enfullados de plumas c
& llores.

vinho do Poilo engarrafado a 1# e S0U rs. a gar-
rofa ; na travesa do ateo do l'araizo n. 1G, ca-
sa pintada de amarello.
240.
ReceUeram novos enfeiles
p pcitus para senhora, pulceiras
98 de sndalo.
de cores e
e estratos
Receberam chapeos para hornera, de
casior prelo, branco e do seda forma
raedorna
Farinha a 3#500.
Vende se no armazem da ra da Madre de Dos
n. 35, saceos com boa larinha de mandioca, de-
sembarcada honlem, pelo barato proco de 3$500
cada sacco.
Milho novo a 4$000.
Vendem-se milho novo em saceos grandes, pe-
lo preco cima ; no aimazem da ra da Madre
de Dos n. 33.
l\ua do O uci utado n. 31)
Loja de quatro portas
DE
J0AQUIM RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Ha cortes de vestidos de seda de cores, fazenda
muito superior com pequeo toque de mofo a
603OOO, ditos sem defeito a 1009000, lem nm
reslo de chales de toquim que estc-se acabando
a 308000, ditos de mirin bordados com po-.ila
redonda a 89000, ditos sem ser de pona redonda
a 8J000, ditos estanpsdos com listras de seda
era roda da barra a 99000, dilosde ricos estarn-1 !as para .1?om.nm hora : quero, precisar, diri-
ja Vendem ricos cotes de vestidos
sj seda, ditos de barege e gaze do seda
babadinhos.
do X
do M
35
Vendem as commodas saias balo de
' musselinas e cutim de algodao para se-
: nliora e criancas
.91
o Vendem sedas e giosdenaplcs de qua-
\g drinhos padres modernos e cores es-
*S curas, ililns lisos.
8--------------------- -------
Vendem manteletes prelos de grosde-
pas a 7&000, ditos de ganga franceza com fran-
ja branca a 29000, dilos sem franja e rn encorpado a 29000, ricos manteletes do gtojli-
naples preto e de cores ricamente' enfiadisa
2oJ>000, dilos muilo superioies a 303O0O, en-
feiles de vidrho prelo a 39000, ditos de reiroz
a 39500, organdisda mais lina que ha no aer-
eado a 19000 o covado, cambraias de Ores
do padres muito delicados a 800 rs. a vara, ditas
Bom e barato, Espirito de vinho.
Vendem-se manleiga ingleza a 960 rs. a libra,' Vende-sc a 2ffifi0 o 23800 a caada ; na Ira-
dita franceza a fiil) e8 rs., loucinho a 320, es- \ ressa do paleo do l'araizo n. 10, casa pintada de
permacelo a 680, azeite de carrapaiu a 440 a gar- amarello.
rafa, milho e farelo a 200 rs. a cois, cha a'2#,
Palelots de seda a 10$ : na loja de Julio &
Conrado.
Cera de carnauba
Vende-so da primeira qualidade especial a 9J
a arroba : na ra da Cadeia n. 57, armazem de
Prenlo Vianna & C.
Boncls para meninos.
O lempo 6 proprio para se comprar os bonitos
bonets de panno lino enfeilados com fita do cha-
malote o borlla, uniros enfeilados cora fita de
velludo e pluma, e outrus com galozinho dou-
rado, lodos pelos baralssimos precos de 39500,
1-5 o 59, dilos de palha escura, mui bonitos e
folios a 39, gorras do palha branca enfoiladas a
1>500, o uniros mu dSerenes bonets do panno
Cassas de lindos padres c cores fixas que se
pode garantir aos comprados, a 210 rs. o covado'
na ra do Queimado, loja de 4 portas n. 39.
As verdadeiras luvas de
Jouviu,
A loja da aguia brancas acaba do reeeber de
sua oncommenda as verdadeiras luvas de Jou-
viu, primeira qualidade, tanlo brancas como pre-
,. ---- *y>vfV| v. wmi \i3 mu un
ja-se a dita Ioji da agina brama, rna do Quel- enfeilados a 1 1*280
S oaples, dilos de seda "bordados e duna SS de oulras qualidades a 600 rs. a vara, ricas chitas
farncezas de muito boas quadades a 280, 300,
ina do Crespo,
mado n. 1G.
a
pe- *

I Ao publico.
S Paria & C. proprielario da loja de mar-
5t more, avisara aosseus un morosos [regu-
is tes e ao publico em geral que acabara de
i| recoher um completo soriimento de f.i-
*}b zondas de modas e todas seo vendidas
S porpreoos mdicos.
Na na do imperador n. 23, vendem-se
boioes enra boa manteiga inglesa de 89 a 9J.
Vende-so urna escrava de 26 anoos, Bozi-
nha, engomma e lava, e nao lem vicios mos, por
prego commodo : na ra da Prata, armazem de
carne secca n. 0.
"" rna.
Vende-se una taberna, cora poucos fundos e
bom afregaezada, sila cm um dos molhores lu-
gares dos arrabaldes desta cidade: os preteo-
dentes podem-sedirigir praca da Independen-
cia n. 5, onde recehero as devidas informar-oes.
K bicos, capnlias de croxe brancos e de
ores, polonesas degorgurao, taimas de ^S 320, e 400 rs. ao covado, a melhor que se pode
U^mt^^&Kmm^ f&a*isa*M ima8inar Peilos Para camisa a 24rs-caila ".
al cortes de casemira de cores a 65000, ditas em
pes^a de quadrinliosa 45000 o covado, gollinhas
, de muito bom goslo a 19000, ditos de outros & Silfa.
bordados ricos a 3"?000, manguitos Je cambra ia
t&1SgE!^\ BSTS!*-**- 3*0- -sbordadoseentrimeios
cambraa lisa fina a 3-^, organdys muito iinase l"e se vendem por prego commodo, bombazil
modernas a 500 rs. o covado, cassas abortas de cores proprio para roupa de criancas, e capinhas
bonitas coros a 240 rs.. chitas largas a 200 e 240, para senhoras a 19400 rs. o covado, corles de
cortes de cassa de coies a 29- ntremelos borda-
dos a 19500 a pena, babados bordados a
S Vende-se on pormula-se por casas
, quenas una grande casa sili em um
ag gar prximo desla piara, pudeui diigir-
xv separa informacSo e" ajuste ao ageuio K
:/5 Antunes na rna do Collegio. S
Mgaaaftaft^lBftPBa^mi^Mft rai^lHirinrinilT Rodas dentadas.
BumnH^WW tm*,*U*JBmvWm& | Bronzes 0 ,|uUn6es<
$?5 Alambiquen de ferro.
na ra do (.Meneado,
luja da aguia branca o.16.
Vendem-se saceos cora feijao por 3j o sac-
co, proprio para animaes. no paleo de S. Pedro
numero G.
3 Machinas de vapor.
J;p Itol.is d'agua.
i- Moendas de canoa.
5l Taixas.
< :.',.::; S
e

9
Bolsas de tapete para
viigens.
Vendem-se mu bonilas bolsas de tapete pro-
prias para viagens, ele., etc., pelos baralssimos
preces de 59, 69 e7-9 : n3 loja da aguia branca,
ra do Queimado n. 10:
Bonitos cintos para senlio-
ras e meninas.
Na loja da aguia branca vondem^se mui boni-
tas filas com relas para cintos de senhoras e
meninas, e polo baralissimo prero de 2! : em
dita loja da guia branca, ra do Queimado nu-
mero 10,
Objectos de gosto
senhoras e meninas.
A loja da aguia branca recebeu um bello sorii-
mento de objectos de rnuito goslo e ultima mo-
da, proptios para senhoras < meninas, sendo de-
licadas gollinhas o voltos do vidrillio, folies de
coral o cornalina com alai-ador do mola, doura-
do,nbia inleirameiile nova e do nmiio posto, e
pelos baralssimos procos de 2c cada objrcto :
na run do Oueimado, loja da aguia branca nu-
mero 10.
i "iJtlO lllll lailllHOa Na fibdicode te'rro de l). w. Bowman, g
Vendem-se saceos com feijao mulatinho, ehe- "*' Bn,m Pasando o chafariz. ;-
gado da llha de Pernmdu ; uo armazem de Bar- 3*S 9lf g@g@g$g
baratas.
320' ~a cambraias de salpicos a 5?(*00, cortes de cam-
braia enfeiladas com liras bordadas a 69OOO,
e ouiras militas mais fazendas que ser difcil
aqu pode-las mencionar todas
Ao bello sexo.
vira, sediohas de quadros finas a 800 rs., casa-
veques de cambraia e lil a 5}, penteadores de
cambraa bordados a 5-9. gollinhas bordadas a
OiO, ditas com ponas a 29500, manguitos borda-
dos de cambraia c lil a 29, damasco de laa cora
9 palmos do largara a 1)600, bramante de lindo
com 5 palmos do largura a 900 rs. a vara, luvas
para sonhora a 100 rs. o par, capas de fuslao en-
folladas a 59, pecas de madapolao lino a 4, laa-
zinha de quadros para vestidos a 320, camisusde
cambraia bordados a 'a, sobiecasacas de panno "
fino a 20$ e 2.">g, palelots de panno e casemira de 5
10 a 20$, dilos de alpaca de 39500 a 89, dilos de
lirui de crese bruncos do 3}5U0 a 53, calcas de
casemira prctas e de cores para lodos ps procos,
dilos de brim decores e brancos de 29 a .59, ca-
misas brancas e decores para lodos na preces,
colletes de casemira de cores finos a 59 ; assim
como nutras muilas fazendaa por menos do sen 'J, ^f^l^T, "Ca^ d .,, r,i,,.n,,t bonitos e dolinados eueiles de vellido, o *ra de
valor para fechar coilas. ^ tuJa perfe,c&0 e |l|lillia m(|da Teodein'.M m
Llbl'aS StBI'lnaS e ':-*: 1"cm os virnSo hesitar de os comprar;
I vendem-se tambem outros de velludo o froco a
Vendem-se no esciiptono de Manoel Ignacio 3g, -g e 5g: na ra do Queimado. luja da aguia
M
/p Faria ; C. proprielarios da loja do V
gjf marmore, avisara ao bollo sexo om getal >i
I que acabara de reeeber um completo str- |g
lmenlo de fazendas de modas proprias
da presente estacan. K
Enfeiles de velludo, ultimo
gosto.
n. 19, propriaraente para forro de salas n camas
por ser di melhor qualidade, e todas brancas
Chales
Ricos chales de merino estampados, de cores
muilo bonitas a 79, ditos muilo finos a 89500,
dilos lisos a 59, dilos bordados a mal/, a Sjj50|),
oa ra do Queimado n. 22, loja da bua-l.
da 01iveira& Filho, praca do Curpo Sanio.
branca 11. li
Cambraia lisa fina cora 8 l|2 varas cada peca a
{->500, dita milito fina com salpicos a 5-, dita de
cores de padres muiiu bonitos a 320 o covado,
corles do cassa pintada com 7 varas a 29240, lil
de lidio Uso muito finoa S00 rs. a vara, tarlata-
na muito fina Inania e de cores com 1 112 fara
de largura a 8()0 rs a vara, guarnicOes do cam-
braia (manguitos e gol I a] bordadas muilo linas a
5".-, gollinhas bordadas de cambraia muilo fina a
19. espartilbosmuilo superiores pelo baralissimo
preon de j, pentes de tartaruga a imperatriz
muilo superiores a 99, bonets do velludo pata
meninos a 5t, dilos do panno preto a 3g, sapati-
nhos de merino muilo enfeilados a 2J o par, ciii-
(as francesas linas escuras e claras a 280 o cova-
do, corles do cambraia de cores com 3 babados
com 11 e 12 varas cada corte a 49500, superiores
lencos de caniuraii de luho muilu lina e rica-
mente bordados a 9, dilos de cambraia de algo-
dao cora bi o de liniio a 19280. ditos de cam-
Braga Silva & C., tem sempre no seu depo- braia de linho oroprios para aigibeira a 69, 7 e
silo da na da Mooda n. 3 A, um grande soni- 8-' a du/.ia, ditos do cambraia de algodao a 2*400
memo de tachas c miendas para engenho, do ''^iJu/ia tiras bordadas largas e tinas Com 3
,.,,,. n 1 1|2 varas cada peca a 2>)00, e assim oulras mui-
muito acreditado fabricante Edwin fWaw a ira- tas fazendas quo vendem-se por procos muito
lar no inasino deposito ou na ra do Trapi- baratos : na ra do Queimado 11. 22, na bom cu-
che nt 4 nhociJaloia da boa f.
Minlerimde laa fazenda
v limo goslo, era casa de Julio & Conrado
5j 111 ra do Queimado 11. 4S.
!-'?
'.vii
B^3S^fSfS^
Tachas e mocadas
Seda grandes jiarahoiueni
a 5^000.
Na ra Novs n. 36, defronte da igreja da Con-
ceieo dos Militares.
lefoffios
o
Capillas c llores.
Mui bonitas capillas para noiv.is a 5?, OJ e 79,
dilas para meninas a 2$, bonitos e delicados cai-1
xos de flores finas a lgSOO, SE} e 3* : na ra do |
Queimado, loja da aguia branca n. 10.
Suissos.
Os proprielarios deste estabele-
Era casade Scliaflelllln t\ C., ra da Cruz n.
38, vende-se um grande e veriado soriimento
dorelogios de algibeira liorisonlaes, patentes,
rmenlo convidan] ao respeitavel publico, principalmenle aoe amigos do bom e barato, que se c'irnomctros, meioschronnmelros de ouro, pra-
acham em seu armazem de molhados de novamente sonido de gneros, os melhores que tem da e foleados a ouro, sondo estes
viudo a este -aereado, por seren escollados por un dos socios na capital de Lisboa e por serem
a niaior parle delles viudos por conta dos proprielarios
Gigos com cUampanlia
das melltores marcas que lia no mercado a 203000 e em garrafa a 2000.
Vigos de comatVve
novamente sonido de gneros, os melhores que tem ,
1 giosdns pnmeiros fabricantes da Suissa, que se
vonderaopor precos razoaveis.
um caixas proprias para mimo a 18000.
Uarris com axcVtouas
is mais novos que lia no mercado a 1*2000.
Scrveja Virauca
das mais acreditadas marcas a 59000 a duzia e em garrafa a 500.
Quei jos Wameugos
recebidos pelo ultimo vapor de Europa a 39000
Qucijos uailo
das melhores qualtdades que tem vindo a esie mercado a 9G0 reis a libra, e em poreae se fa-
1.1 algttm abatemenlo.
QueVjos suisso
recenieraenle clisgado e de suqerior qualedade a 9G0 reis a libra.
Chocolate
.tos melhores autores de Europa a 900 rs. a libra em porcao a 8".0 n,.
Mavmeiada imueriai
lo afamado Abreu.e de loutros mais fabricantes de Lisboa em latas de 1 a 2 libras a 800
em porejio de se far algum abatimento.
Maa de tomate
~ 1 libra por 900 rs., em porcao vende-se a 850 rs.
Conservas fraucezas e iuglezas
' no mercado a 700 ps. ojfrasco.
atas de boVacuiuua de soda
' 19G00 a lata
.VmeVxas traucezas
a este mercado em compoteiras, contando 3 libras por 33S000 rs.
1500 reis
com 8 Viim\s de passas
1 :-,''
H&

a;--.- --
S*8> S
G1UN S08TI5IE\T
Vende-se frco do lodas as cores e grossuras, 1
com rame e sem elle a 400, 500, GO o 19 rs. a |
peca ; na ra do Queimado, loja da aguia bian- 1
ca n. 10.
DE
Grammatica in-
gleza de Ollendorff.
Fazendas e roupa feita
NA LOJA E ARMAZfl
DE
do ColIe,:
Joaquim Rodrigues lavares il Mello
UA 1)0 QUEIMADO N. 3'J
EMSUA LOJ DR OCVTR 0 POniAS. f
Novo methodopara aprender a lr, Tem um complctesortimento da roupa feita,
a escrever e a fallaringlezem 6 mezes, |convida a tolos os seus freguezes e a todos
obrainteiramente nova, para uso Je !qiiedesejnre'n ter um uniforme feito com tojo o
todos os estabelecimentOS de instruc-^os,'li.riJam":e a,es,e estabelic!mcntoi|ue em- 9
cao, pblicos e prt.culares. Vende-: ~n.,rarrif0. ?m ha^ a chegado uliimamen-; %
se naprara de Pedro II fanliro larpo!^ P3ra desemPen,,ar as obras a von" 8
l _- vdUU.u '"((ladedos freguezes, ja lera um completo sorli-
io) n. 57, segundo andar. | ment0 do p8,Uolg ,,e casemira moM[o m. |
glez, e muilo bem acabados a 16000, ditos -
de merino selim a 12^000, ditos de alpaca W
prelos a 53OOO, ditos de alpaca sobre casacas }
a 89000, dilos com golla de velu a 9J0Q0,'
ditos de fusilo, ditos do ganga, dilos de*trim, I 9
vendem-se em casa de Braga, Silva A C, re- ludo a .550 10 Hiti<; ila Virim \* i:.l,i_ !s\
logiosdeouro de diversos fabricantes inglezes, I ," Jnn nal 1 i a fe J,nl,,Vra"?a ^
por preco commodo. l |
Iperior a 5000, ditas de casemira de cor ais
Chega para todos. i 99000 ea O.IOO, ditas de casemira pre-IJ
Cassas francezas muito bonitas e decores Oxas'la superior fazenda a 129000, palitots fran-
a doze viutenso covado, mais barato do qne (Cezes de panno fino fazenda muilo fina a 259
oM'SSirdoT Ji'Sb.Sco'IhSdT K! !b?=r ^ .Trira
pec.-
Bales de mnssulina, dilos arrendado?, ditos
de madapolao.
Fahrioa Seliaslo|iol. 1
No largo dos Coolhos n. 13.
O proprielario desta fabrica previne a C'
lodas as pessoas que precisarem comprar @
S telbas, que nao comprem sem irem a dila (S
S fabrica, poisba de ludo muiln e flo me- S
Ihor, le has para canoa dobrados, ditas $3
fH para coberlis de cumieiras, lijlos de la- $!j
(irllio quadradoa, ditos quadrn-longo, di- fi
'' los para forno de paitara e fogo, sendo m
g pelos preces fguintes : telhas d o 1 r>-^ pa- 0t
'.> ra mais o ailbeiro, lijlos de IOS para @
fi* mais, aproveitem. .-..
S5-'-:kS999 9999 S@ffi@@i
Vende-se um prelo bom cozinheiro : na
ra Direlta n. 123.
Ve^de-se
11M CASA DE
kmmi Howie k G.
Vinho doPorlo de superior qualidade.
Tinta de lodas as cures.
Lona e flele.
Fio de vela.
Sellins, sillines, arreios e chicotes.
Rolhas.
Ra do Trapiche n. A2.
Machinas ameri-
canas
E OITRS RTICOS.
N. O. BIEBER & C. SUCCESSOBES,
lem exposto nos seus armazens da 1 ua
Aciia-so t.idas as quarlis e sabbados, das 11 j r.-..-, ., '. o ___ c 1 j
horas do da em diante: em Santo Amaro, pa- da Lz n' e llma '"'"iidade de
dara sllemaa, e na roa da Imperatriz n. 2, ta- machinas etc., como stjam :
ARADOS de diliercntes modelos, tralia-
lhando de 2 lados.
CULTIVADORES para (impar e abrir a
trra.
MOIMIOS para cana em ponto peque-
o, podendosergovernadas por urna
pessoa. proprias para labradores.
Ditas de DESGARITAR MILHO, mn
processo pelo qual se poupa muito
tempoe emprega-se somenfe 2 pes-
soas,
i: Ditos de MOER NIMIO, CAFE ele,
I etc. ate o gio mais fino que houvtr.
L, J. Asliey compaunia.g i)lospaia FAZEH fariniia de mi.
Ilioelc.
Rologios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitos para camisas,
Bisco uto 8
Emcasade Arkwighl & C, ra da T*^T"
Cruz 11. 61. T.-
PodeSenteio novo.
brna.
b9 LS.iui-J> .) iS>ii!J>CJaJ GBCiOt-i''
J
.1
5effuro costra I oa
i
I
chita, approveitem em quanto nao se acabam
na ra do Que
ja da Boa V.
Cal de Lisboa,
nova, e muito bem acondicionada : na ra da
Cadeia do Recite n. 38, primeiro andar.
Cheguem ao barato
O P reguica esl queimando, em sua loja na
abatimento, vende-se tambem a retalhoa libra a 500 rs. ra do Queimado n. 2.
eroado a 1000 rs. a libra, em barril se far al-
perola
ora dito hyson a 29000 rs.
a franceza
oto.
vo de lAsboa
1 libra.
iara sopa
'espor 45OOO rs.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas a
2$, casemira escura infestada propria para cal-
ca, collete e palilots a 960 rs. o covado. cam-
braia organdy de muilo bom gosto a 480, rs.
a vara, dita liza transparente muito Gna a 39, i de bezerro a t
4$, 59, e 63P a peca, dita tapada, com 10 varas
a 59 e 6?J a pega, chitas largas de modernos e
escollados padres a 240, 260e280 rs. o cova-
do, riquissimos chales de merino estanpado a
7# e 8, ditos bordados com duas palmas, fa-
zenda muito delicada a 99 cada um, ditos com
urna s palma, muito finos a 8&50U, ditos lisos!
com franjas de seda a 53P, lencos de cassas com j
barra a 100, 120 e 160 cada um, meias muito!
ea 40S000, um completo sortimenlo^de cami-
sas fracezas, tanto de linio como de algodao
efusiao vende-se muilo em conta, afira de que-
rer-seqiudar com as camisas.
pechincha.
Na loja do Preguica, na ra do Queimado n 2
tem cobertores de algodao de cores bastan^
grandes, proprios para escraos, pelo baratissi-
mo prego de 18-
Vende-sena ra do Livrameuto
n. 19, borzeguins francezes a 6#, dito
dito de vaqueta a7|.
/ Vende-se
Formas de ferro para
purgar assucar.
Euchatlasde ferro.
Ferro sueco.
Fcringardas.
Ac de Trieste.
Pregos de cobre de com-
posicao.
Barrilha e cabos.
Brim de vela.
Couro de lustre.
Palhiuhapara marcinei- ;MAms geographicoi do mundo
Z t suas partes.
ro : no armazem de C. machinas de
v "dros.
Vendem-se caixas j vdro de drt%entes ta-
re ti
%
e J. Astley & C.
v.C"3rJ 9 O --,- SB 1 *04CBC1llf
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: emeasa de S. P. Jo-
hnston & C. ra daSenzala 11.42.
6@es#@ &$@ -^ @@-
Bec^eu-sc e continua a receber-se por @
9 lodos os vapores artigos de modas para
9 liomens, iucluindo calcado de Mels na 9
I Loja de mrmore.
MACHINAS para (azer ROI-ACHNIIA.
BOMBAS para cacimbas e
navios, muito mam ras e
de orca superior por
mdicos precos. #
Ditas com correntcs para
tirar asna de lugares
mui undos.
VERNIZ de superior qualidade para
carros.
f CARROS de roao muito leves e baratos
IBALANCAS de 1,000 libras para baixo
I proprias para armazens, depsitos,
A I tabernas, boticas etc., etc.
manhos o grossuras, o
nesta praca, pelo oree
melhores qu'tem vindo
mais commodo do que
Ra da Senzala Nova n .42
Vende-se em casa de S. P. Jonhsion & C
vaquetas de lustre para carros, sellins e silhs
'o recentemenle chegado e de superiores qua-JGnas psra senhora a 4$ a duzia, ditas de boa
"iva, inarmelada do mais afamado fabricante
em calda, amendoas, nozes, frascos com
'ades, vinagre branco Bordeaux, proprio
n Flix, macas de todas &s qualidades,'
crediladas marcas, cervejas de ditas,
'e zara, azeite doce purificado, azei-
qualidade a 3 e 35500 a duzia, chitas fran-
cezas do ricos desenhos, paracoberla a 280 rs.
o covado, chitas escuras inglezas a 5#900 a
peca, e a 160 rs. o covado, brim branco de puro
linho a 1?, 15200 e 19000 a vara, dito preto
muito encorpado a 1550O a vara, brilhanlina
eros queenconlraro tendentesa azul a 400 rs. o covado, alpacas de differentes
menos doqueoutro qualquer, | cores a 360 rs. o covado, casemiras pretas
- outras pouco praticas como 1 finas a 29500, 39 e 39500 o covado, cambraia
ho e senhores lavrsdores preta e de salpicos a 500 rs. a vara, e outras
'~*>ca a boa qualidade e muitas fazendas que se far paterte aocorapra-
dor, e de todas se darao amostras com penhor.
em oulra parte ; na nn-ma casa vendom-se os' "g'azes, candeeiros casticaes bronzeados lonas
^u^T^T^%tJ^"i\^^a, f,ode vela' chicvaracarros- mn-
g ia> ua viuo. (jo. ana, arraws para carro de um e dous cvalos
Por metade ^eu
valor.
Ra do Queimado n. 19.
Vestidos de gaze e phaniasia, muitoslindos.de
pelo baralissimo preco da 109 cada
duas-nias,
um corte.
M pechincha, antes que
se acabe.
Na loja do Preguica, na ra do Qu
tem saias balo abertas, do ultimo"
diminuto proco de 5jf.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
Telogios de ouro paienlo inglez.
9 Recobou-se e continua areceber-se por 9
9 todos os vapores, vestimentas, calgado e
chapeos para meninos na
\ Loja de marmore.
8EL0GI0S.
^y Vende-se emiasade Saunders Bro hers 4
Tu'C*a j\^r,,rp0 s,lnt0> relogiosdo afama
T- 3tic jLe ll,,s,cel1 Por pregos commodos
'%tann>earrTttor.!Uns e cadeia rara os mesmos
ceellnle gosto.
costura de Sivat & C. as
melhores (|ue ate lioje tem appare-
cido.
Entremeios e tiras
bordadas.
Vende-se mui bonitos entremeios e tiras bor-
dadas em lina cambraia, obras mui bem acaba-
das, os entremeios pelos baralssimos preros de
l6f)0, 2 e29400 a peca e as liras bordadas por
23. -2S00, 3, 4, 5S e 6*. Avista da superio-
ridade da fazenda ninguem deixar de comprar e
paraisso drjam-se a ra do Queimado loja da
aguia branca n. 16.
Loja das 6 portas
em frente do Lvramento
Lazinlias a oOO rs.
Camisinhas muilo bonitas com duas larguras
para vestidos de senhora a 500 rs. o covado, cor-
tesde riscado francez para vestido a 2, sa'as
balao parr menina a 39500, ditas para senhora a
4g500e 59 ; da-se amostra com penhor. A loja
est alierta al as 9 horas da noile.
Attcncio.
Doce de peluche em calda a 700 rS. a libra :
vende-sena ra das Cinco Ponas n. 69.
Gomma superior do Aracaty.
Vende-se a preco commodo : na ra da Cadeia
numero 57.
'MUTILADO


~ifl '
<-
>
DIARIO DE PERNAMBUCO. SECUNDA PEIRA 31 DE DEZEMBRO DE 186<>-
fl)

93500
9JOO0
8S50O
8$90Q
69OOO
5^000
4800
48500
4SO0O
'ij>W)0
55OOK)
6$000
Calcado.
alidades esc.hidas.
45r-Itua Bfeita-45
{tal E nccessarij renovar o calcado e
0 esta belecimen toda na Direita, que o
Quito fresco o em prfeito estado por es-
;os :
ins de hornera (beprro e lustre)
)s de dito (iciem)
)s dedito (idem)
>s dedito (idem)
s dedito (idem)
ins do senhora
t de dita
de dita
de dita
1 de bozerro (3 lidbateria)
de, dito e de tfstre
Tz'eguins do horm-m
ns do menina 4J)00 e
Jo bezerro para menino 4# e
>@@@ $ 'eoe.u-se rocentemonte e continu?> a (&
er-se directamente de Pars e Ln-a>
>orlodososvapores,de encnmnorn 9
sectil, arligos de modas par-a se- m
la na
Loja de marmore. i
S3S> @S @ @
is caixiifias de cos-
to. -
di agota de ouro, ra do Cabug n. 1
m-se as lindas caixas de costura pro-
a mimo, assim como pianinhos cora a
'dente msica, quadros dourados, ta-
los como de reimos, proprios para en-
ala, jarros cora flores muito lindos, es-
tillo do guetrasjapnvi 'lo decid-
is de msica coas lindas pegas,-ro-ioj
cora 30 pegas compostas de valsas as
dems, ludo .sto se vende por pregos
)S.
ucare canna.
se assucar miscavado a 100 rs. a li-
rdente de canni engarrafada a 240 a
na travessa do pateo do l'araizo n. 16,
ada de araarello.
Clulas.
Na padaria de Antonio Fernandos da Silva Bei-
riz, ra dos Pires n. 42, d-se pao de vendagem,
e na mesma yende-se pao commom, dito de Pro-
venga, balacha de boa quahdade e nova, bols-
chinhas, biscoutos doces e aguados, fatias, ros-
cas, araruta, franceza, bolachinhas de dita, fari-
nha do reino muito nova proprla para sequilho,
ludo c das melhorcs farinhas e o mais bem tra-
balhado.
iYGI&NCW
DA
gaieaim9M Vende-se cera de carnauba fe velha
1
1
v
[ROIPA FEITA ANDA MAIS BARATAS.!
SORTIMENTO COMPLETO |
DB
iFazendase obras eilasj
se a 640 e 800 ib. o rento ; na travessa
10 l'araizo n. 16, casa piniada de ama-
i do Queimado
n. 39.
oja de quatro portas
DE
)UIii Kcir\iouD> XA YARES
DE MELLO.
11 ltimamente aesie eslabeleciment um
surtimento dechapeos pretos francezes,
)r fabricante da Pars, os quaes se ven-
3000, ditos a 8000, ditos a 99000
ito superior a 109000, ditos de castor
1 braucosa 16*000, o melhorquese
sejar, chapeos de feltro a Garibaldi de
uperior massi a 79000, ditos de copa
ra diversos preces, dilos de palha escura
is qualidades'^ue se vendera por prego
Wnets de vel'ido para meninos a 5900",
palha escu'as e claras a ivOOO, ditos
no muito barn rranjadoa a 3*500
dsela para senhoia3 a25000 muito,
3s, ditos do palha escuras proprios para
129000, ditos para meninass 10*000,
de sol de soda -inglezes a 10* e a 12*
uperiores, ditos francezes a 8*000,
FUNDIDO LOW-MOW,
Ra da Sen zalla Nova n. 42.
Neste estabelecmento contina a haver um
completo sortimento de moendas e meias moen-
das para engenho, machinas de vapor e taixas
tejerro batido e coado, de todos ostamanhos
para dito,
Potassa da Rusta e cal de
Lisboa.
No- bem conhecido eacreditado deposito da
ra da Cadeia do Recife n. 12, ha para vendera
verdadeira potassa dallussia nova e de superior
qualidade, assim como tambera cal virgem em
pedra, tudo por precos mais baratos do que em
Ira. qualquer potw.
Vinlio de Bordeaux.
Em casa de Kalkmann lrmaos&C, ra da
Cruz n. 10 encontra-se o deposito das bem co-
nhecidas marca dos Srs. Brandenburg Frret
e dos Srs. Olrfekn^.imiifc--/-;---
umirx Tm as seguintes qualidades .
De Brandenburg frres.
St. Estph.
St. Julien.
Margnux.
Larose.
Chateau Loville.
Chateau Margaux.
De Oldekop & Mareilhac.
St, Julien
St. Julien Hedor.
Chateau Loville.
Na mesma
vender:
Sherry em barris.
Madeira em barr*.
Cognac em barris qualidade fina
Cognac em caixasqualidade inferior.
Cerveja branca.
As melhores machinas de coser dos mai
afamados autores de New-V'** I.
M. Singer &C. e Vhe^ & Wilion.
Neste estabelec-
mento vendem-se as
machinas deste dous
autores, mostram-se a
qualquer hora do dia ou
da noiie, e responsabili-
samo-nos por sua boa
qualidade e seguranza:
no armazem de fazendas
do Raymundo Carlos
Leile & Irmos *rua da
Imperatriz n. 10 amigamente aterro da Boa-
Vista.
ni
e nova safra a prego <3e 9# : no antigo
deposito do largo da Assemble'a n. 9.
f>
Vendem-se 5carros novos com todos os
arreios : naytia Nova n. 11.
casa ha para
LOJA E ARMAZEM
DE
\$o'e(k
a/>\
NA
Loja das seis portas em
frente do Livramenlo
Covado a 200 rs.
Chitas largas de bonitos goslos a 200 rs. o co-
vado, ditas estreitas de cores escuras a 160 rs.
peras de bretanha de rolo com 10 varas a 2*,
ditas de esguio de algodao muito fino a 3, ris-
dl valud) a aJOOo". ditos'de" t7anc7a cadinhho de.linh. a \ .co^dol lenC0SDrancs
... com barra de cur a 120 rs., ditos broncos rom bi-
sinlos d grugurao para senhoras o rae- co 200 rs., algodao monstro cora duas larguras
2*00i>, coeiros de casemira ricamente a 610 a vara, laazinhasde duas larguras, fazenda
a 12*100, e outras rauita fazondas nova para vestidos a 500 rs. o covado, onfeites de
trunca cm laco de fita para cabera de senhoras
a 2*500, cortes da riscado para vestidos a 2J. pe-
panno ronto grandes e bons a 43IOOO.
la dos fnguezes nao deixarao de cora-
.ia a
os
qas de msdapolo com 4 1(2 palmos de 1~ '
4*400, chales de merino estampad-- ^""o ""
a 63. A loia est aberta aftr, "g" { noile.
^.-^LAS HOLLWOYA-
p.o inestimavel especifico, composto inteira,
mente de hervas meilicinaes, nao romero mercu-
MEDIO INCOMPARAVEL.
ONGKNTO HOLL WAT.
ires de Individuos de todas as nayGes
iosiemunlar as virtudes deste remedio
iravel e fiovar em caso necessario, que.
o uo elle fizeram f> eu ""P ei
s intetme-, .aosdepoisde havor em- r,. nera al8,,ma oulra substancia delecter.a. Be-
nigno mais tenra infancia, e a compleicao mais
delicada igualmente prompto e seguro para
desarreigar o mal na compleicao mais robusta ;
enleiramente innocente em suas operaces eef-
feitos ; pois busca e remove as doenjas de qual-
quer especie e grao por mais antigs e lenazes
que sejam.
Entre miibares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam as portas da
raorte, preservando em seu uso : conseguirn!
recobrar a saude e forjas, depois de haver tenta-
do inullimente todos os oulros remedios.
As mais afflictas nao deveHrentregar-se a des-
esperado ; faram um competente ensaiodos
efficazes effeitos desta assombrosa medicina, e
pre.Mes recuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca lempo era tomar este remedio
para'qtialqtier da segttintes enfermidades:
inutiente outros tratamentos. Cada
)oder-s(-ha convencer dessas curas ma-
is pelaleitura dos peridicos, que lli'as
lodosos das ha muilos annos; e a
arte lellas sao tao sor prndenles que
i os mdicos mais celebres. Quantas
recobraram com este soberano remedio
3 seu; bracos e pernas, depois de ter
"i.lo cnao tempo nos hospitaes, onde
soffrr a amputado I Ddllas ha mui-
iiiv.j-. .o deixado esses, asylos de pade-
i, parase nao subraeterem a essa ope-
oloros foram curadas completamente,
a o ojo desse precilo remedio. Al-
as taef pessoa na enfuso de seu reco-
ito dsclarararn estes resultados benafi-
:n do lord corregedor e outros magis-
ifimde mais autentiearem sua afirma-
$
ir;ni desesperara do estado de saude se
iiastinte confianza para encinar este re-
onstin tedien le seguindo algum tempo o
to que necesslasse a naturaza do mal,
iliid* seria provar inconteslavelmente.
iilofura.
in uto he til, mais partlcn-
teate nos] seguintes canos.
lnflauimarao da betiga.
s da matriz
| Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
deolhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos
Pulraes.
Queimadelas.
Sarna
Supuraces ptridas
Tinba, em qualquer
parte que seja.
Tremor de ervos
Ulceras na bocea.
do ligado.
das articularles.
Veias torcidas ou no-
das as pernas.
e-ffl este ungento no estabelecmento
Iiondres n. 244, Slrand, e ua loja
' boticarios droguistas e outras pes-
-''regadas de sua venda em toda a
w sul, Havana e Hespanha.
9 se a 800 rs., cada bocetinha conim
s"uccao em portufjuez para explicar o
a razar uso deste ungento.
JJpsito gra| em casa do Sr. Soum,
mico, na ra da Crnz n. 23. em
ibdco.
calera.
m.
le.ibros.
dails da cutis
al/
a mis.
i escorbticas.
no abdomen.
i falta de
' af extremida-
^caldadass.
!i4 do figado.
Wna do Queimado
|n. 46,rciite amavfcM^*
Constantemente temos uro e'andee va-
riado sortimento do sAWecasacas prf tas
de panno e de cor"' muito fino a 28J>,
30# e 358, parola dos meamos pannos
a SOjjl, 22'e 24?, ditos saceos pretos dos
me*'o* pannos a 14$, 16$ e 18g, casa- 2
'cas prelas muito bem feilas e de superior al
panno a 28jf, 30J e 35#, sobrecasaras de ^
casemira de cores muito finos a 153, 16? j
e 18$, ditos aaccos das mesmas casemi- u
rus a \G$; 12 e 14$, colro.-, >rri,.. de J&
casekiia lina para homem a 8$, 9#, 1()| m>
c 12, dilas de casemira decores a 7$, >5, ^
99 e 109, ditas de biim brancos muito cu
fina a 58 e 63, ditas de ditos de cores a ^
3$, 3$500, 49 e 49500, ditas de meia ra- ^
semira de ricas cores a 4jJ e 4g50O, col- #f)
> ij>ies preto- de aiAiS'de rores a 4{500 e 5J5, ditos m%
brancos de seda para casamento a 59, 91
ditoa de C, oolleles de brim brsnco e p
fus la o a 39,39500 e 49. ditos de cores a M
295OO 39, paletots pretos de merino de g
cordo sacco e snbrecasaco a 7?, 89 o9>, om
rlleles pretos para lulo a 4550(1 e 59, S
calcas prctas de merino a 49500 e 59, pa- a|
letpts de alpaca preta a 39500 e 4?, ditos
sobrecasaco a 69, 79 e 8g, muito tino rol- 5f
leles de gorgurao de seda de cores minio n>
boa fazenda a 39800 e 4$. rolletes de vel- ||
ludo de cores e pretos a 79 e *9, roupa gu
para menino sobre casaca de panno pre- ^
tos e de cores a 149, 159 e I69, ditos de ty
casemira sarco para os mesmos a f .-51(1 e it
79, dilos de alpaca pretos sarros a 39 e ^j
39500, ditos obrecasacos a 5 e 5900. *>
calcas de casemira pretas e de cores t*. S
6fi500 e 79, camisas ,...ra meni-<- a 2(>9 g
m a duzia ir-isas ingleza ^""PRas largas g|
muito superior a 323* i"" P8" acabar, g
a r^o como temos urna offirina de al |
laiale onde mandamos executar todas as 5^
obras com brevidade. H
! Wm wrtfrm D*W VBW miiim V9V WDt vx WW IW*
Coke (carvo),
ou combustivel para cozinhas, caldeiras, etc.,
muito econmico para as casas particulares: ven-
de-se na fabrica do gaz, em porqoes de um quin-
tal para cima a 19 o quintal.
Vinho do Porto, genuino,
Rico de 1820.
Stomacal de 1830.
Precioso de 1847.
As duzias,e em caixinhas, a dinheiro, por ba-
rato prero : vende-se na ra do Trapiche n. 40,
escriptorio.
Meias muito bara-
tas.
A loja da aguia branca esli provida de urna
grande quanlidade de meias, e melhor soriimeti-
to que se pode dar, e por isso est vendendo-as
mais barato do que em cutra qualquer 'pj"'v
sendo meias cruas encorpadas, rio a''"ilr,0 ,-U
bocal elstico para hoir.em a?**"7- ,1S. gMIO, AS.
48300e 59 a duzia, dJ'- ^,""8,. n,p'h,I I1!0
sepodeencon.r- te 6*500 ditaa de fio de
Escocia ",a Pnrarnada milandoscda a 800 rs.
" ..., e de cores a 640 e 800 rs.. ditas brancas
mui finas e tapadas a 2}i()0, 3*>00 c 59, e fins-
simas a 89 a duzia, ditas brancas finas e fio unido
para senhoras a 49. 4g800. 59500 e 69500, e de
fio de Escocia primeira qualidade a 89500 a du-
zia, ditas de seda brancas e pretas a 2g500, 3$,
3S500 e 4fr, ditas cruas ruui encorpadas para me-
ninos a 200 e 240 rs. o par, ditas brancas e de
cores a 240 e 280 o par, dilas para meninas a 39
a duzia. ditas de seda para baptisado a 29 o par,
dilas de laia e de seda para padres a 29, 3$ e 49
o par. I'.n.liin i vista de tantas e diversas quali-
dades, o melhor 6 approreilar-se a orrasio, e
dirigir-se a roa do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16, que seta servido com agrado e sinre-
ridade.
CAND1E1KOS
ECONMICOS
NA
Ra Nova n. 20.
Chegou um riquissimo sortimento de candieiros
econmicos de muito bonitos modelos, desde o
mais superior at o mais ordinario, por prero
muito commodo, com a experiencia propria de-
ver agradar ao comprador, e vista da pouca
despesa que faz, animar a ser Iluminado s com
os ditos candieiros a gaz ; os mais baratos sao a
imitarao de una lamparina, produzindo a luz a
tres velas de espermacele com a importancia de
40 rs. por noile ; gradualmente ir sobindo to-
das as mais qualidades al o roaior, que servir
para ornar e Uluruinor um." rica sala, equivalente
a 16 velas de espermaccie, tudo isio se garante
sob a condigno voltar e restituir-te o seu
imporle, na Ha de nao agradar a experiencia;
fco.- na ra Nova n. 20, loja do Vianna.
Cofres e ierro para dinheiro,
joias. etc., etc.
Na loja d aguia branca vendem-sebonilos co-
fres de ferro Diui fortes e seguros, com feehadura
e chave, r dediflerenles tamaitos, proprios para
se guardar dinheiro, joias e papis de importan-
cia, pelos baratsimos precos de 4JJ500, 500,
5950O e 6g : em dita loja da aguia branca, ra
do Queimado n. 16.
JOAQUN! DE OLIVEIRA MAIA
24-30-Praca da Independcncia-24-30
Grande, \ariado e'e&colhido sortimento de chapeos de
todas as formas e qualidades, a saber:
De seda finos, de castor, brancos e pretos, compello e
sem pello, de 10 a 14$, de feltro de todas as qualidades e
varias formas, Magenta, Solferino, Touristas, Jerome, etc.,
etc.: de palha escura (phantazia), de palha e casemira
jdem), de palha do Chille, ditos muito finos, avelludados,
al\* e baixos, de gorgurao de seda, de oleado para criado.
I)e Hanilha,
IOS
t/i T3
DO
s
-
ra = -
O O)
tn q a
en
i. t- ra

o
ra O.

_ m "i
C o O
ra 5 O-O- 5
2 ~ -S o-
j: = o m s a.; i
i_cra-o N ;_o
os mais rerommendaveis para a estaco por serem leves, muito frescos, escuros, eleganks e de
longa durarao.
De baleia, forma cavour,
elegantes, muito frescos, leves e de durarao.
M IPMM Ml SSlIdiS
escuros e claros, cora enfeiles c sem enfeiles.
Ci niiledi sorlimento para meninos e crianzas,
dem de lionels para liomens e meninos
o finalmente oimu mitin, que sena enfadonho mencionar.
OLEADO PINTADO
do excellenle qualidade proprio para mesas, consolos, bancas etc., etc., a 39000 o rovado, baralis-
simo por sua excessiva largura: na parga da Independencia ns. 21 e 30.
Vinh
o genuino.
ra co ra
=o:^;Eoc'-ra
5 = -o
(O 2
o-S .-
' i: "o
c
o
e -20oa .s-c-fS-a-e-:
P5oo0.c,= 're2'-T''> = "5 j=
llIi-IliS
te o o -r-
S ~S" o
5 J'.c =
& a
Algodao monstro.
Vende-se algodao monstro com duas larguras,
muito proprio para toalhas e lences por dispen-
sar loda c qualquer costura, pelo baratissimo
prego de 600 rs. a vara ; na ra do Queim?do D.
2, Da loja da boa f.
Relogios.
Vende-se em casa deJohnston Pater & C,
ra do Vigario n. 3, umbello sorlimenlo de
relogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabrkantes de Liverpool ; tambem
urna variedad* de bonitos trancelir.s para os
mesmos
Na loja do Dubarry, na rua da Imperatriz,
existe anda um resto de chicotes ameiicanos, a
melhor cousa que lem vindo a esle mercado pela
rua muila durarlo : a elles. a caiao no resto.
Batts tie SO arcos.
Vendem-se superiores baloes com 30 arros,
sendo muito rertimmrrdaveis por pedeirm ficar
do inmuilio que se precisar, pelo baratissimo
na rua do Queimado n. 22, na loja
Anda ha urna pequea quanlidade de aurre-
las deste vinho sem confeiro, e proprio de doen-
tes na rua do Vigario n. 19, priraeiro andar-
Rua do Crespo
Perfumaras
novas.
preco O0C9
da bos f.
de graca.
Cortes de calcas de meia casemira de cores es-
curas a IJfiOO, dilos de brim de linho de cores a
2g,riscadinhos de linho proprios para obras de
meninos n 200 rs o covado, grvalas de seda de
cores a 640, ditas pretas estreitinhas
19. ealem disto outras (nzendas que
muito em conta ; Da loja da loa (,
Queimado n. 52.
e largas a
e vendrm
na rua do
americanos,
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
A m polas.
Areias (mal de).
Astlima.
Clicas.
Convulses.
Debilidadeou extenua-
dlo.
Debilidade ou falta de
forca para qualquer
cousa.
Desin loria.
Dor de garganta.
de barriga..
nos rins.
Dureza no venlre.
Enfermidadesno ventre.
Ditas no figado.
Dilas venreas.
Enehaqueca
Herysipela,
Febre biliosa.
Febreto da especie.
Gotta.
Heraorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestes.
InflammaQoes.
Irregularidades
menstruacao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
AbstrucQao de ventre.
Phtysica u consump-
pulmonar.
Retenco de ourina.
Rheumatismo.
Symptoraas secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venereo(mal).
Febret* intermitente,
Vende-se estas pilulas no estabeleeimento ge-
ral d Londres n. 224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguista e outras pessoas en-
carregadas de sua venda em toda a America do
Sul, Havana e Hspanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs. cada
urna deltas, contera urna instruc^o em portu-
guez para explicar o modo de se usar destas pi-
lulas.
O deposito g>al em casa do Sr. Soum
dharmaceatico. na rua da Cruz n. 22, era Per-
nambuco.
Doeebom
Vendc-se doce de guiaba a 800 e 1J o caixao
na travessa do paleo do Paraizo n. 16, casa pin-
tada de amarello.
Todas as casas de familia, senhores de enge-
nho, fazendeiros, etc., devem estar prevenidos
com estes remedios. Sao tres medicamentos
com os quacs se cura eficazmente as principaes
I molestias.
Promptoalivio de Radway.
Instantneamente alivia as mais acerbas dores
e cura os peiores casos de reumatismo, dor de
cabera, nevralgia, diarrha cmaras, clica,
bilis, indigestao, curp, dq/es nos ossos, conlu-
ses, queimadura, erupces cutneas, angina,
retenco de ourina, etc., etc.
Solutivo renovador.
Cura todas as enfermidades escrophulosas,
crnicas esyphiliticas : resolve os depsitos de
maos humores, purifica o sangue, renova o
systema : prompto e radicalmente cura, escro-
phulas, venreo, tumores grandulares, ictericia,
dores de ossos, tumores brancos, afeegoes do fi-
gado o rins, erysipelas, abeessos e ulceras de
todas as clases, molestias d'olhos, difficuldade
d8s regras das mulheres hipoaondria, venreo,
etc.
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regularizar o systema, equilibrar a circu-
ladlo do sangue, inteiramente vegetaes favora-
veis em todos os casos nunca ocasiona nau-
zeas nem dorres de ventre, dses de I a 3 re-
gularisam, de 4 a 8 purgam. Estas pilulas
sao efficazes as aflecces do figado, bilis, dor
de cabeca, ictericia, indigestao, e em todas as
enfermidades das mulheres, a saber.- irregula-
ridades, fluxo, retences, flores brancas, obs-
Iriiccdes, histerismo, etc., sao do mais prompto
effeilo na escarlatina, febre biliosa, febre ama-
relia, e em todas as febres malignas.
Estes tres importantes medicamentos vem a-
companhados de instruecesimpressas que mos-
tram com a maior minuciosidade a maneira de
applica-los em qualquer enermidade. Esli ga-
rantidos de falcificacao por s haver venda no
armazem de fazendas de Raimundo Carlos Le-
te & Irmao, na rua da Imperatriz n. 10, ni-
cos agentes em Pernambuco.
Bramante
bretanlias e atoalhado
Na loja da boa f, na rua do Queimaoo n. 22,
vende-se bramante de linho muito fino com duas
varas de largura, pelo baratissimo preijo de 29400 '
a vara, bretanha do linho muito fina e muito
larga a 209, 22J o 249 a peqa com 30 jardas,
atoalhado de algodao com duas larguras a 194(10
a vara, dito de linho muito superior, tambem
com duas larguras a 3g a vara, ; na rua do Quei-
mado n. 22. na loja da boa f.
loja n. 25 de Joaquim Ferreira de S, vende-
e por pierios baratsimos para acatar : ves-
tidos de tarlatana bordados de seda a 8*000,
organd de cores muito finas a 320 rs. o co-
vado ,cassas de corts a 2-Ors., chita larga a
200, e 240 rs., capas de fustao enfeitadas .1
59000, casaveques i!e canibraia e fil a 59000,
perneadores de Cmbraia Lordados a 05000,
babados a 3v0 rs. a vara, tiras bordadas mui-
to finas a 1??5( 0 a jec.3, TiJcado francez fino
a 160 rs. o covado, golnbas de ponas bor-
dadas a 2$500, manguitos de cambraia e fil
a 29000, camisinlias bordadas mnilo finas a
2900O, chita larga com lustro e milite fina
propiia para coberta e roupoes a 3S0 rs., es-
guio de linho a 1^200 a vara, roupe.s de
seda feilos a 12?00C, vestido? de seda mofados
a 89000, luvss arrendadas a ICO rs. o par,
vestidos de grosdenaple preics cem barra de
cor a 20^000, palitos de pao prelo e de cores
de 16C0a 205000, scbrccasacas de panno'
muito fino a 259^00, calcas de casemira prelo
e de cores de 690D0 a KOOO, dilas de brim
branco e de cores de 2&0CO 3 f>"C0O palitos
de brim branco e de rores de C.'.OO a 59000,
ditos de alpaca de SCGO a 89000, brim
trancado de algedao com 9 palmos de largura
proprio para toalhas a 900 rs. a vara, damas-
co de laacom 9 palmos de largura a I9OOO0
covado, velbulina preta a 400 rS-> brim de
linho de cores a 19500 o corle, meas cruas
para homem a 19200 a duzia, cambas de
linho ingle7as a 325000 a duzia, pe?as de
madapolao fino a 45*500, corles de lanzinha
muito fina rom 15ro\adosa 8^000 rs., ca-
misas de cores e brancas de l(0 a 3900O,
e outras muitas fazendas ror menos do sen
valor para fechar contas.
A loja da aguia branca araba de reeeber de sua
propria enrommenda um lindo e completo snrti-
mento de perfumaras lli-ae, as quaes est ven-
dendo por menos do que rm oulra qualquer par-
le : sendo o bem conhecido oleo philocmee ha-
nhn (Societ llygieniquf) a 1 o frasco, Dnos ex-
trae lis em bonitos frascos de cores e forados a
29, 2J500, 39 e 49, a afumada banha ir.-nsparen-
te, e outres igualmente finas e novsimas remo
ajaponaisecm bonitos fraseos, cuja ampa devi-
dru lamben cheia ta mesma, hule concrete
odonnell, principe imperial, crcn.r, em boniloH
ropinlios ctm tnmpa de metal, e muitas outras
di\orsos qualidadrs, todas estas a 19 o frasco,
bonitos vasos de porcellana dou^da propiios pa-
ra offerta a 9 e 2)560, bonitcs '.-.huzinhos rom
9 frasquinhos de cheiro a S9, indas restinhas
com 3 e i frasquinhos, e caiiinas redondas com
4 ditos a IgiOO e IjCOO, finos os para denles e
agua balsmica para dilos a Ije 19500 o frasqui-
nbo ; e assim urna infiuidadelc objei tos que sao
patentes im lita loja ta agu1 btanra, na tua do
Queimado n. 14.
IM
taos
coberlos e descobertosr pequeos e grandes, de
ouro patente inglez, para bomem e senhora de
um dos melhores fabrieanles de Liverpool, in-
dos pelo ultimo paquete inglez : em casa de
Sonlhall Mellor C.
Rival sera segundo.
Far^Io
No armszcm n. 47 daoa da Moeda, no Recife,
vende-se farelo bom e brato.
Escrav^s fgidos.
Fugio do ergfho Moreno, da freguezia de
Caireiros, no dia 1"de novembro dororrente an-
no o ?stravo Jos crioulo, com os signara se-
guinte: "?", barbado, rosto redondo.
pea seet. da frenle peifolios, costas
dieias e ciralrlzes antigs e de idade 25 a ?.0
annos. ujp escravo pettence ao abaixo assigna-
do, que (compensar generosamente a quem o
trouxer ; engenho cima.
Anlnio Pedro Cavalcanti de Albuquetque
No di 18 do correle desappareceu d3 casa
do abaixo .signado um seu esnavo de neme
Moyss, d>18 annos de idai'e. pardo, de estatura
regular, cepo secco e espigado, sem barba ne-
nhuma, olhs pardos, nariz ..rilado, torca peque-
a, labio inerior grosso eps grandes, levou ca-
misa branc urra calca parda esrura e oulra
azul : a pes/m que o apprrhender, pode leva-la
ou a rua do-'igario, solnado n. 21, sepundo an-
dar, ou a rodas Cruzes, em S?nlo Antonio, so-
brado 11. 3.5, limeiro andar, ou ao sitio na tra-
vrssa da Casal-orle para o Poro da Panella, que
ser rerompesado.
A. J. de Moraes e Silva.
w
Na loja de miudezas da rua di Queimado n.
55, defronle do sobrado novo ha para vender
Saunders Brothers & C. tem para vender em
eu armazem, na prara do Corpo Santo n. 11,
alguns pianos do ultimo gosto recentimente ,
chegadoc.dos bem conhecidos e acreditados fa- ^^f^LD!S!!I?!?l?!fs?!g.,fIB.!f; %& :
bricanles J. Broadwood & Sons de Londres
muito propriospara este clima
Campos (L Lima
receberam urna factura de chapeos de sold se-
da para homem, terido entre estes alguns peque-
nos que servem para as senhoras que vao para o
campo lomar banhos se cobrirem do sol, e como
a porco seja grande se resolvern vender pelo
prego de 69 e 6500, e alguns com pequeo de-
eito a 59 : na rua do Crespo n. 16.
Extracto
DE
sndalo e outras essencias
para lencos.
Na loja da aguia branca so rha o verdadeiro
extracto de sndalo, bem conhecido por sua su-
perioridade, em frascos menores e maiores a 2$
e 2900, assim como finas essencias de rosa, Mag-
nolia, Palcholy, Loica & Maria, e muitos oulros
cheiros novos e agradaveis, e conforme o tama-
nho do frasco vende-so a 29. 3, 4 e 59. A bon-
dade de taes essencias o extracto j bom co-
nhecida pelas muitas pessoas que tem comprado,
e ainda ser por quem do novo comprar : na rua
do Queimado, loja da aguia branca n 16.
No armazem de E. A. Burl
le C, rua da Cruz nu-
mero 48,
vende-se champanha das melhores marcas que
vem ao mercado, mais barato que em qualquer
oulra parle ; cofres de ferro (burras) das que cos-
tuma reeeber, do melhor fabricante que ha neste
geuero.sortimentos de todos os tamanhose to-
dos os precos ; novo sortimento de pianos, de
um excellenle labricante, que se venderlo por
conla do mesmo, deduzindo-se a cornmiS9ao eo
descont nue os tornasse bartissimos.
Duzia de sabonetes muito linos a 600 rs.
Carloes de clcheles com duas ordens a 20 rs.
Caixas de clcheles batidos a 60 rs.
Duzia de meias cruas pars homem a 39.
Dita de dilas para senhora a 39500.
Pares de meias para senhora a 300 rs.
Latas com banha muito fina a 500 rs.
Iscas para acender charutos, caixa a 60 rs.
Phosphoros em caixa de folha a 120 rs.
Carlas de alfinetes muito finos a 100 rs.
Caixas de agulhas francezes a 120 r?.
Pares de sapatos de tranca de algodao a 19.
Frascos de macass peroia a 200 ra.
Dilos de dito oleo a 120rs.
Duzia de facas e garfos, cabo preto, a 3ft.
Pares de sapatos de laa para meninos a 200 rs.
Ditos de luvas de cor fio de Escocia a 320.
MaaMM de grampas muito finas a 40 rs
Caivetes de aparar penna a 80 rs.
Tesouras muito finas para costura a 500 rs.
Ditas dilas para unhas a 500 rs
Pecas de franja de laa com 10 varas a 800 rs.
Ditas de Iranra com 10 varas a 320.
I.inha Pedro V, carlao com 200 jardas a 60 rs.
Dita com 100 jardas a 20 rs.
Escovas para denles muito finas a 200 rs.
Cordao imperial fino e grosso a 40 rs.
Oleo de babosa muilo fino (fraseo) 400 rs.
Fitinhas estreilas para enfeitar vestidos a 800
rs. a pega.
Labyrinthos de muito bonitos gostos por lodo
o prero.
CorJoes para enfiar esparlilho muilo grandes
a 100 rs.
Dito para dilo pequeos a 80 rs.
Pecas de tranca de linho com 10 varas a 200 rs.
Ditas de Irania de seda preta com 10 varas a
1J400.
Vara de dita a 160 rs.
Pares de meias de cores para meninos a 160.
Caixas para rap muilo finas a 19.
I.inha cara marcar (caixa de 16 nvelos) a 320.
gratifica cao.
I'ugio no dia 2 do correnle mez, da abaixo as-
signada, a escrav, de nomo Antonia, teodo os
signaes seguinles eslalura regular, raa larga o
picada das bexiga.-, nariz chato, olhos pequeos,
sem denles na freite, leudo nicamente as duas
prezas, peitos cahilos, andar ligeiro, muilo sa-
cudido, bracos gros.os e rheios de veias, ps lar-
I gos c apapagaiados, < heia do rorpo. levou cami-
sa branca, saia de rtil,-f*escura e chales de algo-
dao de 3 peritas, ro- \ uadros encamados, eos-
loma duer que c for,' I dar o nome Irorado,
consta ter ido para o/srlburbios da ridade lavar
i roupa : quem a caprtrar e levar sua casa na
j rua do Rangel n. 67, ,-egundo andar, ser bem
gratificado.
Isabel alaria Nunesde Oliveira.
I Do engenho Cutigi, freguezia da Fscada,
fugio no dia 3 de novembro do rorrele anuo o
escravo de nome Antonio, com os signaes se-
guinles : eslalura regular, cor mulato, cebeliode
negro, pouca barba, denles limados, idade 25 ou
28 annos, pescoco e ps grossos, tem pelo rosto
pescoco c peitos olgumas maros de pannes e
algumas cicalrizes pelas costas que paiecem l'er
i
Lttos
para o commercio.
Na rua do Imperador n. 15esto venda livros
em branco de papel pautado de 200, 250, 300,
350 e 400 folhas, proprios para borradores, cfr.
etc., por DTero muito romrando. Continua a es-
tar venda os livros religiosos que j foram an-
nunciados.
sido de chicote ; nao levou romsigo roupa algu-
ma, e consta haver fgido para o lado do serlo
d'onde viera : quem o apprehender, podei el-
va-Io ao referido engenho, ou no Recife, tua es-
trella do Rosario n. 29, ao Illm. Sr- Florismun-
do Marques I.ins, que ser bem recompensado.
Escravo fugido.
Um mulato claro, magro, rom pannos prelos
na maraa do roslo, representando ter 25 annos
le idade, natural do Rio do Peixe, chan ad,,
t.uiz, desapparereu no din 30 de outubro da rasa
do Dr. Cosme de S Prreira, de quem escravo
suppoe-se ler levado um ravallo preto do Sr'
Rostron que se havia sollado, e que elle fora'
em busca do mesmo ; suppor-se mais que ua
mnlher de nome Maria tambem o arompanha
levando um pequeo bah de flandres : roga-s
as autoridades policiae e a outras quaequer
pessoas que o prendam, e remetlam ao seu se-
nhor, que pagar qualquer despeza.
Puo da cidade do Aracaty, no mez de se-
tembro prximo passado, um escravo do com-
mandante superior Manoel Jos Penna Pacheco,
que ha pouco o havia comprado ao Sr. Rento
Lourenco Collares, de nome Joaquim, de idade
de cincoenta e tantos annos, fulo, alto, magro,
denles grandes, e com falla do alguns na frente'
queixo fino, ps grandes, e com os dedos grandes
dos ps bem eberlos, muito palavriadrr, incul-
ca-se forro, e lem signaes de ter s-do surrado.
Consta que este escravo apparecer* no dia 6 do
correnle. vindo do lado das Cinco Ponas, e sen-
do enterrogado por um parceirr seu conhecido,
disse que tinha sido vendido ">r seu senhor para
Goianninha : qoalquer pesse ,Ufl o pegar o po-
der levar em Pernamtujceaos Srs. Basto & Le-
mos, que gratificarlo ge-etsrnelue.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO i MUTILADO ILEGVEL

\


Variedades.
Pdehavcrna Italia um hornera To honrad* Do j*o,lhos. sanio padre,
como \ iclor Emmanael, mas mais nao. fundo insneitr. tr,n ..... n
ANTIGUIDADE.
A coberta da cami em que cl-rei durmi, na
villa do JLkilo, em 31 de oulubro passado, diz o
Transtagono, junlava sua riqueza o boro goslo
de ler servido cama de cl-rei D. Joao 111, que
se hospedou na mesma casa, sendo por aquella
occasiao que ;i rainha D. Leonor deu luz o infan-
te D. Manool.
A casa em que el-rei foi hospedado perlence
o Exid. Sr. D. Jos Lobo da Silveira Qua-
resma.
A ILHA DE CAPRERA.
A pequea ilha de Caprera, para onde se reli-
rou Garibaldi, situada na costa septentrional da
ilha da Sardenha, na entrada oriental das boceas
de Bonifacio, ao lado da ilha da Magdalena, e
quasi em frente da ponta meridional da ilha da
Corsega.
Tem oito ou nove kilmetros de extenso, de
norte sul, o dous ou tres de largura.
E' frtil em trigo. .
>em-lheo nome da grande quantidde de ca-
ira* que ha naquella pequea ilha.
RE VCTOR EMMANUEL.
O Independenle, de aples, pinta o seguinle
retrato de Vctor Emmsnuel, e conta delle urna
curiosa anedocta, sendo esta e aquelle da penna
de Alexandre Dumas :
Vctor Emmanuel um homem de 40 42 an-
nos, franco, leal, vigoroso, sobrio, madrugador e
grande cagador, p.
Faz correras as montanhas, era que excede o
mais gil Hontanhez. E' raro ^ue o sol ai, loan-
te primeiro que cite.
Come apenas ao alraogo um pedaco de pao,
com urna talhada de presunto ou de queijo sobre
o pao, ao modo dos aldeies ; porm ao jantar
come bem, mas sem etiqueta, nem corle, nem
camaristas.
No domingo quo da do recepgo gcral, as
portas do palacio abrem-se de par em par s 11
dorase meia hora depois do meio da toda a
gente pode entrar.
E' o elogio mais que se pode fazer de um rei,
o que nos os Portuguezes podemos tambera fazer
so nosso, que, u'uma carruagem da mala-posta,
sem guardas, nem soldados, viaja forte da sua
cooscientia e lealdadc, e conliado as affeicoos e
sympaihias a quem tem direito.
Se algucm deseja urna audiencia particular,
escreve ao rei, e no dia seguinte recebido, por
que o re Vctor Emmanuel abre por sua mo to-
das as cartas que lhe sao dirigidas.
Um dia, n'uma de snas cacadas, encontrou um
aldeo, que, vendo-o malar duas perdizes, se
apromoue lhe disse :
Atiraos bem.
Minos mal I respondeu o rei.
Pto que vejo, nao vos seria difflcl livrar-
me do >ma raposa quo me como as galli-
nhas ?
Estol prompto.
Se a tataes, dou-vos um mulle [dous mulle
valem I89r.n1.)
Est dib, respondeu o rei.
Est dit, disso o aldeio.
Tocae.
\
O rei tocou ti mo do aldeio, e, vollando,
na manha segure, com os seus caes, matou a
raposa.
Deveis-me dus mulle.
Ei-los, disse \ aldeio.
O rei pogou nelle
Por Deus 1 disst elle, primeiro dinheiro
que ganho I
E, fazendo sallar o linheiro na mo, acres-
centou :
Di gosto receber o inhero bem ganho.
No dia seguinte, em troa dos dous mulle, pre-
enteou mulher do aldeo com un vestido,
um collar e brincos para
E' impossivcl sur mais accessivci qu o rei Vc-
tor Emmanuel.
Elle sahe 5 p e entra no Iheafb pela porta
commum. /
Um dia, a porteira do thealro daAngennes'vio
um individuo que lancava o fumlo charuto, ao
nariz do seu gato, que estava acolhido n'um
canto.
A porteira correu, agarrou o fijador pelo bra-
co e reconheccu o rei.
DISCURSO CURIOSO.
O Morning Posl conla que najreunio dos volun-
tarios em Haddlngton lord Echo disse :
As (limas, e eu vejo aqui um certo numero
dellas, querera interessar-se no raovimento dos
voluntarios o anima-los com donativos patrio-
ticos.
Ha mesmo algumas que leem pronunciado
muito bons discursos, muito appludidos L?"'9 e
applausos.)
Porm ha, segundo a rainha^r"0ao, oulrs
servaos que as damas nos n---em Pesiar.
S dellas depende 'rera os melhores sar-
gentos recrutador** para os corpos de volun-
tarios.
Se a? damas casadas vollarem as costas
oaa maridos, que recusaren! ser voluntarios, po-
dero muito (riso).
So as donzellas, quando ura mancebo lhes pe-
disse a sua mo, lhe perguolassem :
Sois voluntario ? Se b nao sois, re-
cuso !
Oh I ento veramos as Oleras dos nossos vo-
luntarios singularmente augmentadas I (Hilarida-
degeral )
Madamas o mademoiselles (voltando-se para
as galeras das damas), ouso pedir-vos todas as
vossassympathias para os nossos voluntarios e
rogar-vos o favor de rao*to. para as nossas filei-
pm 1 (itiipiausos c risos.)
AMOR COM AMOR SE PAGA.
O general Garibaldi desembarcou felizmente
em Caprera.
Quando chegou, flcou agradavelmente sor-
prendido do achar, em vez de ura terreno n e
aspecto selvagem que a ilhaapresentava quando
a deixra, ludo florescente, com signaos dif re-
cente cultura, plantarios em l>v> ordem, alame-
da, etc., etc.
Ello pergunlou se aquella ilha era a sua ilha
de Caprera, pois pareca quo urna vara mgica a
tinlia transformado.
Porm a sua admirado crescuu aioda mais,
quando, em lugar da sua modesta habitarlo, en-
controu urna elegante casa.
Qual era a mo que lnha feilo tudo a-
quillo ?
Entrando na casa, achou logo a expli-
car o.
No meio do urna bella e grande sala estava
um grande retrato. Era o de Viclor Emmanuel,
desse amigo que se lembra do amigo, e quo pre-
parara a mais agradavel sorpreza ao coraeo de
Jos Garibaldi.
ESTRADA DA CHINA.
Entro os numerosos pormenores comidos as
correspondencias que recebemos da China ha al-
guns quo julgamos de inleresse.
Quando os alliados chegaram Ten-Tsing,
viram que esta cidade est ligada com Pekn por
urna magnifica estrada macadamisada, que tem,
sobro as do mesmo genero estabelecidas na Eu-
ropa, a vanlagera do nao conservar na superficie
as aguas pluviaes, e do seccar alguns minutos
logo depois quo a chuva cessa.
Os habitantes da cidade declararan) que as
priocipaes da China sao construidas da mesma
maneira, o que aquelle systema usado no paiz
ha muitos seculos.
Analysados es fados, fcil demonstrar quo
o mac-adam foi importado directamente da China
na Inglalerra.
E' notoria a celebro embaixada de lord Ma-
cartney, que em 1792, pdechegar at Pekn.
Lord Macartney, Sir Georgc Slauntoo, cujo
pae, rico proprietario.de Bristol, lnha por archi-
tectoe por engeuheiro o celebro Macadam.
Sir George Slaunlon, depois de passa rmui-
tos annos na Asa, voltou Inglaterra, em flnsde
1779, e fez diversas communicagoes Sociodade
o com o mala pro-I Io O posto de general fcspeito, trago estas linhas, que ouso diri- elevado da gerarchia militar do Piemonle.
gir a ossu sanlidade.Quem pju eu para assim
erguer-n"e at aos ps do *osso throno terrestre?
Urna mulher humilde, urna catholica fervorosa,
urna Italiana, rorlalecida por este ultimo titu-
lo, alentada r*la minha f e confiando na vossa
sabedoria, 6 sailo padre, affouto-me, sera deixar
a minha aliitudosupplcanle, levar ante vossa
santidade o bradode tantas gerar6es que foram,
e que hoje o brada de toda > (erra : Vigario
deChristo, calcae'com os vossoss.yjrdos peg eg_
se throno manchado *" 9a"6e,conln,nad0 pe-
las paixes iew*s : esse throno quo \os legn
a politir- o a ambigo raseravel dos vossoy pre-
uV-oSores Representante do Homem b^s
abandonae esse poder temporal, que faz vacill*
a vossa santa egreja. Tende um reino sem limi-
tes, o nico digno de vossa santidade, o unic
reconhecido por todas as potencias da Ierra, o uni.
co que de algum modo pnssa assemelhar-vos ao
Oeus.do qual sois nesle mundo o nico repre-
sentante. O vosso grande corac*nao compre-
hende ainda que s o reino do amor o da paz po-
de durar tanto como o mundo? O que valom
para o vigario de Nosso Senhor algumas provin-
cias? Nao lero para elle mor valia o ouro, o
incens e a mirrha oTerecidos por todo o chris-
lianismo ? Todos os povos, aecudindo pressuro-i
sos para o augmento dis honras e da gloria do
sagrado chefe do su divino culto, nSo sero mais
devolados aos interesses da egreja do que hoje
sao? E nestoerapenho, nao ss0 lodos solida-
riamente responsaveis ?
A preponderancia poltica da santa s abate-a,
asna auloridade moral, ao contrario, eleva-a ci-
ma das nuvens e d-lhe o seu lugar aos ps do
Salvador. O Papa, no conclave, nao jura defen-
der o patrimonio de S. Pedro, mas a heranca da
arubigo humana. S. Pedro legou egreja a sua
humilda.de, as suas virtudes, a sua coragem, a
sua f, o seu glorioso marlyrio. Depois deste
apostlo bem amado de Christo, os sous succes-
sores, obsfeados pelos bens terrestres, pesaram
com lodo o seu peso temporal sobre os povos e
perderam melade do seu rebanho.
Fez-se urna reforma, reforma terrivel. que di-
vidi em dous campos o mundo chrislo. Hoje,
santo padre, se vossa santidade quizer, pod
reparar em parle esse grande desastre :-pode ser
o agente poderoso que pouco pouco, rena todo
o cnri5.nismo era ura s corpo. Os filhos da
Su.ssa, da Confederarao o^uicn. da dp
Inglalerra, da poderosa America coraran a..
curvar a cabeca i um principe desptico, govor-
nando, por inlervcngo de um clero clieio de cu-
bica, um pequeo estado, o mais atrasado de to-
dos os estados cultos do globo. Todos ellos ao
contrario, correro unir-se sob o pendao livre
do chefe supremo da egreja de Christo, quando
as suas mos s liver a Cruz Sublime, parante a
qual lodo o christianismo se prostra.
E' chegada a hora de entrar em nova era. Os
2o A gra-cruz da Annunciada.
3* A propriedadede um dosjeus palacios reaes
escolher.
4o Urna dolago para seu filho mais velho.
5o O posto de ajudante de ordens do rei para
seu filho mais novo.
6o Um dote de prlnceza para sna fllha.
GUSTO DA GUERRA.
Segundo o calculo que faz um jornal ingle/,
cada pega de artilhara, pelo systema Armslrong!
fabricada at agora, tem custado 2,000 libras,
sem contar oque cuslaram as fabricas em que se
fazera.
VA-se por isto que, medida que se v adian-
lando este ramo, o custo da guerra ser tal que
ninguem a poder fazer.
O REI LUIZ DA BAVIERA E OS VUS.
* de Ion** ig.se 0 segunle .
O rei est aa^o que fallar com algumas no-
vas estravagancias. **,, gosla que sen|l0rM
uaom rus pla9 rnaae muitu frequentemento as
faz parar para Ih'o levantar do rostro urn modo
conveniente.
Outro da fallou tres senhoras na ra que
tem o seu nome, o na qual diariamente passeia.
leTO"t' o .us, lauranUOHfi os soDre os
chapus, na forma mais accommodada s ideas
arlisliscas dignas do Mecenas de Schwanthaler e
do amigo de Thorwaldsen. Em seguida, pormit-
lio-lhes que continuassem o seucaminho ; e na-
luralmente, todas ellas, quaqdft o perderam' de
vista, tornaram deixar eaHnis .-
Paroco que urna vez o re Luiz sofTreu um
grande desapontamento.
I.evantou o vu a urna senhora velha, e, von-
do-Iie a cara, o deixou logo cahir, dizendo :
Tem razo, senhora !
UM ADVOCADOFEMEA.
N'um dos tribunaes de Londres corre um pleito
complicadsimo, relativo nina testamentaria,
que dura ha anuos.
ltimamente ao abrir-se a sesso do tribunal,
P^'a priraeira vez depois das ferias, os advogados |
a* -'ora podiram p adimuento da causa, com o '
pn lexio de .,,. nrl0-inham lio. lempo para es.
tudar os autos. v
minando pode fazer 40 linhas de 56 letras por
hora, ou 2,240 letras. Paga-so o milhar de le-
tras 22 sidos, podendo por conseguinle ga-
nhar o compositor algumas ves de 25 30
francos por dia.
O numero dos composilores eleva-sc I24
50 dos quaes se dedicara especialmente com-
posico d'annuncios ; 12 nao fazcm mais que
desfazer pastis, n'uma habitaco destinada ad
*oc;e46corapem o extracto das sessesdas c-
maras. Cinco ou seis tachigraphos rio lomar
notas, vmdo de quarto em quarto de hora im-
prensa para corrigirem os suas copias, que re-
metiera immediatamente para a composigo.
A sala dos redactores extensa e bem Ilumi-
nada ; ha no centro urna grande mesa, ~ '
do o necessaiio para escrever. Ao lado .
pacho est a ala de comer d'aquelles sen
e o archivo em que se acha o repertorio d*
dos os artigos que sahiram luz no Tymes o.
de a sua creago.
Cada nra dos redactores que habitara em
Londres leva sempre um certo numero de subs-
criptos com a d.recgo do Tymes, de sorte que
em qualquer logar em que se encontr, no thea-
lro, as carreiras de cavallos, as revistas, pode
onviar pelo correio o artigo qu se refere func-
cao ou ceremonia, com a certeza de que chegar
rpidamente e alravs do todos os obstculos
direccao.
Gasta-se no Tymes 4,000 libras de tinta por
semana.
o popel pesado no mesma imprensa,o col-
lado por meio do urna engen liosa machino.
O peridico imprime-se todas as manhase
todas as lardes ; faz-se s rozes durante o dia
outra edico especial, quando o reclama a im-
portancia dos accootecimentos. A tiragem faz-se
emanas iiui3 "
A adrainistrago do Tymes oo recebo assig-
naluras; a casa Smilli delSIrad a encarregada
de enviar o jornal para os diversos pontos de In-
glalerra. para a Europa, para o mundo inloiro :
para esse lira recebe 30,000 exeraplares, ed'elle*
s 5 da manha sahem 16,000 nos crrelos das
seis.
A casa Smith paga ao Tymes 75,000 francos
adiantados por semana.
meros.
nlia si
Franr'
f
-----"^
O tribunal nao annuio e
ram-se.
os dvogados rei-..,_
Ento a autora, quo urna senhora joven e de
maoeiras disiinctas, para nao deixar ir a sua cau-
sa revelia, tomuu a palavri e pronunciou ura
discurso, q.io durou cinco hmas, revestido de
seculos nao rctrocedem, e tudo o que se oppGo | todas as formas forenses, e em qu
sua marcha inexgolavel derrnbado. Gompa-[luesto com tantj lucidez, habi
decei-vos da Europa, santo padre, corapadecei-! cia como o poderia fazer
irsos
idade e cloquen-
0 mais distinelo advo-
vosda Italia, bergo do christianismo. a qual, de- gaJo. nao lho esquecendo empregar os recu
pois de o haver acalenlado ao nascer, hoje es-
magada polo colosso, que a sua piedosa ternura
levantou. Para os grandes e elevados pensamen
tos nao ha limites. Passa toda a grandeza mate-
rial. A aras dos desertos amontoaram-se em
redor das pyramides o das sphinges ; Sparla e
Babilonia dormem o somno da morte ha seculos;
Roma, denominada a cidade eterna, lera a mes-
ma sorle, se a sua cabeca, a propria infallibilida-
dc, nao a desprender com sigo de lodos os lacos
terrenos, mostrando por esto modo que o reino
para onde nc= c,lia na0 desle
cierno.
mundo, mas
oratorios proprios da sua posicio e do seu sexo.
Esto incidente inspirou o maor inleresse em
favor de miss Sheddon, que a autora e pro-
vavel quoganhasse, em vez de perder.com a do-
sergaode sous advogados.
MONUMENTO NOTAVEL,
Urna correspondencia de Pars conta que o mo-
numento que Mr. Indavolonis consagra memo-
ria de sua esposa, Angeolina Bossio, urna obra
d'arte sorprendente.
Ao lado do busto famoso da artista, e colloca-
do sobre urna columna de bronze, chora o genio,
-vmboUsado n'uma mulher que lem na mo urna
roa it, ..ro_ Sobre Q pe(|estal de granito l-
se urna coraposic.v ; ...
H "> inspirado poeta Mry.
Esle magnifico mausoleo suv..-, .
. ''tuira o proviso-
rio, que ha no cemiteno de S. Pellavl
a aristocracia russa e diversas corporares sup^
riores d'aquella capital acompanharam o cadver
da sua urea favorita.
Angeolina Bossio comegou a sua brilhante car-
reir era Miloe a continuon depois as princi-
; paos capitaes da Europa, quo lhe nao
Cuando j cnede liorna, depos da lei Siccar- Real de Londres.
Macadam execulou em Bristol, em 1801, se-
di, proteslou contra a agualdad, perante o ira-'
posto do clero e povo, o rei ccnservou-se firme
o nada o fez dobrar.
E para notar que nessa ocasio, tinha con-
tra si nao s a corte de Roma mas todas as po-
tencias calholicas, a nobreza (,'clero do seu paiz,
o at a sua familia.-
Atravessei toda al talia desie os Alpes ao Adri-
tico : em Genova, Turin, lilao, Verona, Ve-
neza, todas as pessoas comqnera fallei rae di-
ziara :
gundo as indicacoes de Sir George Staunton. urna
estrada empedrada e deu o seu nome este sys-
tema, cuja origem chneza parece incontestavel.
Este systema hoje usado em todo o mundo."

CARTA AO PONTFICE.
Em segda publicamos a carta, que a Exma.
ISra. D. Mara Soares de Albergara, condessa de
Monlemerli, dirigi sua santidade Pi IX:
1 OiLIIITIH
ORIGINAL DO D1ARIC DE PERNAMBUCO-
RESENHA ARITIIA.
'>"
XLVIII
Si.MMAMO.Scenas contemporneas da vida ma-
rtima. Um homaro ao mar I Lady Fran-
klin.O augmento das maiotias dos ofliciaes
combatentes da armada.A promogo do dia
2 de dezembro deste armo.
Entre os melhoramentos uteis feitos na cidade,
um d'aquelles de que com razo mais se orgu-
Ihavam os inglezes, era o cncanamento das sguas,
realisado em 1813 por meio de canos do ferro
fundidos na Metropole, com os quaes condusiram
para todas as ras excellente agua, que com
abundancia corre de varias verlentes da monta-
nha da Mesa.
Mas a
obt-la na qua
este onus pesado como soffrem os nossos compa-
triotas desta capital e da Babia, estara, portanto,
ras mesmas condiges favoraveis que a popula-
rn da capital do imperio, onde este tributo dia-
rio desconhecido. O beneficio era, pois, com-
pleto, e assim que o comprehendemos.
Em nossa opioio as duas provincias sedeviam
santo padre, oxal os olhos de vossa santi-
dade percorram estas palavras sabidas de um co-
meta italiano devotado aos interesses da santa
egreja. A palavra do simples j foi mais pode-
rosa que a des grandes da Ierra. Nosso Senhor
Jess Christo comprazia-se de praticar cora os
humildes e com os meninos. Os coragoes sen-
t de astucia sao fortes : illumina-os a verdado
Assontado beira da estrada, cercado de pobres
e de enfermos, o nosso Divino Salvador chamava
si os povos, bradando-lhes :0 meu reino nao
j.,,. a 1 u e're"lonaoi fars capuaus ua r.uropa, quo me nao pouparam
< deste mundo.O santo padre, abengoao a in- 0vac5es.
lengo que me anima.
Perdo, vossa santidade, o atrevmento chris-
tan daquella quede bem longe dirige esta fervo-
rosa prece :0' santo padre, salvae o ehristia-
vismo, salvae o mundo cltristo.
Condessa Varia Monlemerli,
Paris, 5 de Janeiro de 1860.
ABNEGACAO.
O correspondente em Turin da Independencia
Belga, diz que Vctor Manoel offereceu Garibal-
di, e quo este recusou formalmente, as seguinles
recompensas :
A TYPOGRAPHIA DO TYMES.
D'um artigo que publica um jornal francez,
I com referencia urna carta d'um viajante, tra-
| duzimos os seguinles dados relativos imprensa
do jornal de Londres-Tj/mts :
E' imraensa e d'uma magnificencia notavel,
sera que haja era Franga urna nica de peridi-
cos, al entre as maiores, que possa servir de
termo de comparago, com a inglezade que fal-
lamos.
< Para ser compositor do Tymes, preciso
passar por um exame do qual resulte quo o exa-
versos chafarizes, leem urna magnificencia que
admira, sao verdadeiros monumentos d broa/e e
marmore que aformoseam suas praga, o pode-
riam elevar-se cora deslincco na mais rica cap-
tal da Europa. Alm disso", com varias localida-
des collocou ella lorneiras quedespejam agua
jorros em occaso de incendio, o possue bombas
e um pessoal appropriado para este servico, em
que mais de urna vez j se tem desiinguid.
Possa este parallelo que estabelecemos de
proposito, em urna occasiao que nos parece ap-
propriada, despertar a companhia do Beberibe,
indicar h sua direcgo que nao lhe cumpre se-
ment arredondar dividendos para seus accionis-
tas ; mas im rivalisar de erapenhos para dar-lhes
um lucro rasoavel, ao par e passoque multiplica
os beneficios pblicos que della dependera : o
que a tornar digna dos elogios e respeilo que
merece a do Queimado, na Baha ; por estes
melhoramentos que aponamos, e que sao vi-
siveis.
Seguindo este proceder judicioso, baquearara
logo censuras, lalvez infundadas, que exislem ;
que refervem no meio do povo, o qual, na sua
CARICATURA.
O Punch,ornal salyrico de Londres, publica,
no seu uliimo numero, urna caricatura represen-
lando Viclor Emmanuel fazendo esforro para
calcar ana ba, na qual se le a palavra Italia.
E, como nao pode conseguir, Garibaldi o ajud.i,
dizendo-lhe :
Ainda precisa mais pos I [poudre a pala-
vra j-^jj,,!, e que tamben, sgnifiea poi_
SOBERANOS DA Entto*
Publicou-se o Almanak de Gotha para .. ,nno
de 1861, 90" da sua publcaco. Traz as seguin-
les noticias relativas aos soberanos da Europa :
A Europa conla actualmente, comprehen-
dendo os principes (alanos deslhronados. 47 so-
beranos, dos quaes o mais velho o rei de Wur-
teraberg, que lem perlo de 79 annos, o o mais
novo o prncipe de Rcuss (ireiz, Henriquc XXII,
que tem 14 annos.
Pela ordem das edades, o re dos Belgas o C
soberano, o Papa o 7.,o rei da Prussia o 10., o
rei da Saxonia o 13., o imperador dos France-
ses o 18.". o imperador da Russia o 24., a rainha
Victoria o 28., o rei da Sardenha o 31. e o im-
perador da Austria o 40..
Tres soberanos leera de 53 57 annos de rei-
nado.
O rei do Wurlemberg reina ha 4i annos.
Nove soberanos, entre estes o rei dos Belgas e
o sullo, contam de 20 30 anuos de reinado.
Qualorze, entre estes os reis da Prussia, da
Biviora, da Dinamarca, Hollanda, Sardenha e
'"idor da Austria, contam de 11 a 19 annos
de reinado.
Desoito soberanos, r..-..nA ,
' ndo nesle numero os
imperadoras dos Francezes e a ..^ a ranha
de Hespanha, e os res da Saxonia, do .!
oda Suecia, contara menos de 10 annos de rei-
nado.
O soberano que reina ha menos lempo o
gro-duquo de Bade, Garlos Luiz Frederieo, que
succedeu seu pae 6 de selembro de 1800.
ARTISTA NATO.
O Courrier de Lyon, conta a seguinte anc-
dota, cuja exactido garante :
, Ha algumas semanas, un negociante de Ta-
ris, obrigado ir fazer urna excurso pelo meo-
dia.deixra no grando hotel de Lyon um joven
negro da Jara aica, que, em consequencia de nu-
populaco nada pagava oas fontes par. Toglca posWa nao pode" peVcenWVr o por
na quantidade necessar.a: nao soffna localidades to habitadas o importares comS
Santo Amaro, e outras dos arrebaldes por onde
passa o encanamenlo, esto al agora privadas
de fontes e chafarizes I
Mas que tem a Resenha com estas cousas sin-
gulares da nossa trra ? Vamos para o Cabo
antes que nos cala o aguaceiro que estas linhas
- innocentes vo germinar. Continuemos, pois.
libertar delle quantos antes, amda que era com- n0ssa revista retrospectiva, sem nos recordar de
pensao pagassem de suas rendas anualmente que 80mos Brasileiro. Ao menos ali as ras esto
alguma cousa s companhias propnetanas dos irrigadas e nao ha p.
Sendo a bahia da Mesa urna escala forgada de
encanamentos
empenho de suas assemblas locaes, e nenhuma
outra deveria seguir o systema que ellas adopta-
ran!, sendo preferivel contrahir um emprestimo,
que em pouco? annos pode ser amortisado,
gravar os habitantes pelo esparo de um soculo
ou indefllnidamenio com semelhnte imposto.
Pernambuco j perdeu a melhor occasiao para
isso, quando possuia grande numero de aeces,
que, irreflectidamente foram dadas por conta da
acquisigo do Iheatro de Santa Isabel, mas nao
deve desanimar, empregando todos os egforgos
pra collocar suas rendas em p favoravel para
fazer esta operacao vantajosamente.
ToiVivia, dovemos declarar, em abono da vor-
dade, q>o a companhia da Bahia tem at hoje
procedido com mais desinteresse, e grandeza do
que a do bberibe ; porqu ali. nao obstante ter
o encanamehy, vencido difcu'dades de terreno
quo nao apfestqtam urna cidade plana como esta,
e haver attravado carnadas de pedra dura,
rota mina, com\udo, a coixa d'agua e 09 di-
todns os navios que se dirigem da Europa para a
India e vice-versa, nao de admirar que noste
importante enirepoato se encontrem os mais
bellos productos da industria asitica, por um
prego que parece inrrivel deste lado do Atln-
tico.
Sorprenden-nos, pois, ver sedas e porcelanas
de grande valor coladas por to pouco, e (vemos
bastante sentlraento de nao possuir dinheiro suf-
ficiente para fazer urna pacotilha, na qual traria-
mus os mais lindos presentes.
O commercio do Cabo limitado por sua natu-
reza, e consiste na troca dos gneros do interior,
marfim etc. e no approvisionaraenlo dos navios
quo vo refrescar.
A vida nao pode ser mais econmica; porque
a subsistencia abundante e barata. A cine de
le um oulro quarto, o pesa regularmente doz
dose libras. Assemelha-se cauda da ra-
posa.
Fructas e verduras encontram-se em grande
quanlidade em varias lojas proprias, ondo por
quatrn vintens pode um hornera farlar-se por lodo
o dia de uvas, peras, pecegos ele.
Quando enlravamos nestas casas nao linhamos
mais vontade de sahir, e alm do que comamos,
sempre levavamos para bordo una proviso de
fructas. Parece-nos que nunca appareceram to
bons freguezes I
Tambera era urna felicidade que nunca mais
gosariamos, e por tanto deviamos approvei-
ta-la.
(Conlinra-se-ha.)
Na penltima semana passou bem prximo de
nossas praias para o sul, sem demandar o porto,
um vapor americano, em quo seguia Lady
Franklin.
Sentimos muito qum esta Ilustre senhora, a
herona mais admiravel deste secuto, pela cons-
tancia que ha manifestado para conhecer o des-
tino de seu infeliz marido, celebro capito Sir
John-Franklin, que ficou sepultado nos gelos do
mar Polar, como pouco lempo se verilicou, nao
livesse nos honrado com sua visita, porque o
nossos ofliciaes de maiinha eslavam dispostos
apresenlar-lhe as expressoes de seu respeito e
admirago pelo seu nobre proceder, qu tem
commovdo todo o inundo.
Com effeito, depois que a expedigo do capito
Franklin, fazendo urna nova tentativa para des-
cubrir a passagera NO, cuja gloria coube em
grande parle aos comraand.mles Mr. Clore e In
glefield em 1853, deixou as costas da Gra-Bre-
tanha no mez de malo de 1745, para nunca mais
voltar ellas, numerosas expedices foram man-
dadas pelos governos inglezes e americano para
averiguar a sorte delle, empregando-se para isso
mais de quarenta navios, e urna somroa superior
um milho de libras esterlinas I
Tres deslasexpedlges foram preparadas pelas
ordens e casia de lady FranWin, urna em 1850,
outra em 1851, e a ultima, que obteve o resultado
desejado, no anno lindo. A nobre senhora nao
duvidou empregar toda a sua fortuna nesta ge-
nerosa e to tocante empresa, e agora, que soube
com toda a certeza que, sir John Frankin foi
victima dos Esquimos, transporta-so talvezaos
lugares era que se desenvolveu e terrainou esie
horrivel drama 1
Tanta perseveranga e grandeza d'alroa emuma
Fazemos votos para que na sua perigrinago
actual, realise as suas piadosas intengoes, e que
depois v gosar em sua patria da tranquillidade
que lho devida.
vacca mu saborosa. porque o gado de excel- senhora, frgil por a tu reza, arranca o enthusi-
lente qualidadefc e os carneirns sao especiaes, e asmo e respeito do corago mais endurecido, e
condecidas sob a denomioaco docarneiros de nao admira, por tanto que ella seja venerada ero
cinco quartos; porque n cauda verdadeiramen-j todos os paizes cirlisados.
\
Por decreto de 24 de novemhro ultimo foi re-
formada a tabella das maiorias dos ofliciaes com-
batentes da armada, em virl.ide de autorisago
conferida para isso pola asseuibla geral leg'is-
lativa.
Importando esta reforma um augmento de
Ivencimentos parecera natural que a Resenha
Martima a louvasse.
Assim procederamos se ello livesse salisfeito
i a corporago, de quem temos sido sempre um
echo fiel.
Mas a reforma nao pdc atlingir esle resul-
tado ; deixou ficar cm p quasi todas as anoma-
las que aponamos, que foram corn toda a evi-
dencia provadas a cmara dos Srs. depulados, e
no senado, e at reconhecidas e manifestadas
pelo Exra. Sr. visconde de Abaet quando minis-
tro da marinha, em seu rclatorio.
Nos o dissemos em 1859 : augmentar at cem
cont de ris as maiorias dos oflieiaes comba-
lentes, sem altender A tabella dos ojficiaes de
saude, empregar um pallialivo, que pouco
effeilo produtir; porque os disparates que
censuramos, que nesle caso sao verdadeiras in-
justir.as, ficaram em p.
Com effeilo, ainda com o augmento ora conce-
dido note-se que ura capito tenentc embarcado
como olficial vence 248J, isto tanto como um
2." cirurgio 2. lente, o menos 23# do que
um 1." cirurgio 1. lente.
Um Io lente commandandn flcou com 192JL
isto menos 56ft do que um 2o cirurgio 2o t-
tenle, e menos 79$ do que 11ra medico do sua
patente, e se embarcar como official, muito maior
a dilTerenga; porque elle lera 156$ emquanto
que o 2 cirurgotem248&, isto mais 92& rs. I
Um capito de fragata embarcado como ofO-
cial tem menos vencimenlos do que um cirur-
gio do diviso que capito lente, o quando
este tem commisso de chefe do saue, a diffo-
renga ainda mais notavel.
Outras muitos desigualdades desta nalureza,
que soria longo e fastdiossimo mencionar, en-
centra-se na analyse da nova reforma.
Sabemos quo S. Exc. o Sr. ministro da mari-
nha nao poda agora dar mais extenso ao aug-
mento ora questio, porque teria ento de exce-
der os limites da autorisago que lhe foi conce-
dida; mas tambem nio podemos esquecer que
se S. Exc. aproveitasse as favoraveis disposices
em que se achava a cmara neste importante as-
sumplo, teria fcilmente obtido mais ampia fa-
3=
reparagao que
culdade para fazer marinha
ella desejava.
Sea marinha imperial procedesse somentepor
inleresse, receberia esle augmento com prazer,
mas na equiparaco dos seus vencimenlos aos
dos ofliciaes do corpo de saude da armada ha
mais do que isso, ha urna questo de dignidade,
que apenas est adiada, e quo deve ser conside-
rada em lempos mais felizes, que ainda espera-
mos ver o paiz Rosar, livre d9s crsies e embara-
gos que iilliniainente ho diminuido as suas
rendas.
Nessa poca apellaremos para a juslica dos al-
tos poderes do estado, plenamente confiados nel-
la, limitando-nos hoje escrever estas linhas
para que nao se diga todo lempo que nao te-
mos razo em reclamar, visto que fomos altendi-
dos, com esta providencia, que consideramos an-
tes como nm mal para a marinha do que como
umbem; porque adiar indeluoidarnente a repa-
ragao que ella tem lodo Js
Nossa posigo como escriptor da marinha
sempre desagradavel: porque devendo fallar a
verdade, c s a verdade assemelha-se ella cen-
sura, entretanto que mui longo do pensamento
nos paira a idea de exercer este direito.
Por isso talvez incorramos em desagrado, e
soflramos as consequencias delle. Nao importa
urna vez que cumpramos o nosso dever.
No dia 2 do correte, anniversario do feliz
nascimento de.S. M. o Imperador, houve urna
pequea promogo na armada para prcenchi-
mento das vagas existentes no quadro.
Nava ha mais diflicil do que fazer orna boa
promogo, e raro o ministro quo lem occasiao
de exercer esta grando faculdade, que se sahe
cora ventura de to embaragosa situaco.
Nestas circumstancias so achou S. Exc. o Sr.
ministro da nn.nnha actual, e nao portanlo
para admirar que lho succedesse o mesmo que
lem occorrido i muitos de seus predecessores.
Na classe dos capitaes lenles capitaes de
fragata o as superiores, S. Exc. usou do arbitrio
deescolha concedido ao governo, nos limites
irapostos pela lei.
Este arbitrio, ainda quo completo, est lodavia
sujeito considerages que devo influir nelle.
E' urna prerogaliva mui importante que nao
poderia deixar do ser subordinada cortos e de-
terminados principios.
Em regra geral, os que meroccram a honrosa
preferencia de S#. Exc sao dignos della; mas
preterirn! oulros ofliciaes as mesmas circums-
tancias. o, o que mais reparavel, com a esco-
lha delles S. Exc. marchou em opposico aos
*
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
por mar por
anduzido pel
..para ahi t
o ou de groo
1 Jxpalriado, al
amento quat
t- : a sua absolai
rancia dos nossoo 1 cxpunham
myslificages da numeosa criadagem d
dara.
O quo mais exritava os zombadores o
memo terror que inspiova este desgra
gro, habituado no cabr quasi invari
iropicc. o rigor dos prmeiros frios de
no, A' a algnma. Tir
to o exageraem ex(raordna
is esla hcnvel calamidad
eslravjgflites : todas as|
"ornaes (noticia de cinc
'as durante a noite, de
'lo fric, com os seua
vinli ni pela manh
eiros de fiacres g
da da sua carru
de tal modo <
que foi encer
ahi chorar a
o infallivel
quo nest;
adeceu
'ou-o '
y.ia
os.
iv.
1
m
G
com
seu qu
xima id
Ura \o\
habilava n
feliz filho di
nu quarto, y
acerca dos rigt
pente veio-lhe .
carcter e iatellik
Modelou ;i vist.
prelo) una cabeca ue numera .,n b
barro e disse-lhe que tealasse fazer o mi
" "5Z loS mos 'obra com a pro
de um selvagem que nao Juvida de coi
ma. Mas, Com grande sorpreza do mes
segu.o imitar o seu modelo Infinitan!
Inordo que o faria a maior parte d-,s d
europeus.
Ento o esculplor, desejoso de ver
poderia ir esle talento natural de imitar
du/io Williams dianto do espelho : (
se elle, para essa cara o faz-me <
trato.
H'esla vez o negro IraUlhon com dol
lengo, o por fim aprosc lou ao escul
cabera de preto de tal sorte semelhnte,
das as pessoas da hospedara exclamav:
do-a : F.' o retralo de Villiams.
r ..^ 1 ...... 1 __r_,..
ont
id
r
ad
pai
.13 ri
don
os
do
o
Ih.
lo.
m;
pe ........_______
4'esle joaen negro e a Wiz iniciativa d.
tor lyoncz, provavel qied'aqni algu
a escola francez 1 conlarnas suas fileir
meiro artista negro de qle fazem mengi
naes da aite.>
DOCUMENTOS CURIOSOS.
Os peridicos luteranos de Londn
d'um descobrimenlo mr^rtante, recei"
feito nos archivos da corita. Consisto o
rie de carias, commuiitages diplomad,
tros documentos curiosos relativos ?rj
artsticas do grande pintor Rubens.
urna grande parte desta collecgio os sei
chos ofliciaes dirigidos de Londres 5 i.
Isabel, como seu embaixidr n'aquol
para negociar a paz entre a espanha <
vinrias sublevadas nos Paize-Baixos.
escrevia com egual facilidada em latir
no, francez e flamougo. Nao existe 1
carta sua em hespanhol, mas cotsta que
saba esle idioma, e que tovt relagoe;
com o conde-duque de Olivare?. Nest;
gao acham-se muitos dados nativos
da arle n'aquelles tempos. rubens n
mais modesto dos homens. Teido-se s
entro elle e o thesoureiro de placi er
Ierra urna dispula sobre o preo do re
fez uc er,,. ?.;;,, de Galles.escrevii
Cada um dove ser jnB,,:,segun
vale. As minhas faculdades si taes.
atrevo emprehender qualquer ibra,'
que seja a sua dimenso. e por gande
a diliculdade do assumpto.
Nao parece, todava, que lhe altara
compensas. Pagarura-se-lhe quazo n
(pouco mais ou menos 14:000) or le
o tocto da sala dos banquetes do placi
te-Hall em Londres, em cujo trallho
Jordam.
[CommereXdo P
principios justos que estabeleceu m se
no para combater a tendencia qu mo
ofliciaes de marinha para deixar oiervii
uo mar por empregos em trra, qu. cons
emprego de aoeios poderosos qutfalk
bres asoragoes, que sao por sera divid
mogoes. e ao interessejlegitimo do iom.
Com effeito todos os promovido, po
estao ha muitos annos empregadr* en
ale o chefe de diviso mais aT.tig,, en
no servigo activo do mar commmUndc
tagao navnl, foi preterido por um diviso mais moderno, que emboa ni
deslindo e Ilustrado do que o priroiro
com tudo em emprego de trra.
Assim, pois, se em these S. F.xo. irec
e declarou a verdade e juslica do citad,
po, na pralica affaslou-se co'raplelanen
e deu, talvez sem querer, como c'jver
avista de suas asserges contidas 10 1
urna grande animago esta tendmci
raizada, apregoada por todos os mnisti
riores, sentida por S. Exc, para cua di
nao tem sido sufficiente ainda o em,enl
governo tem empregado em contraria-la.
Nao linhamos inleressos envolvid nt
gao de quo tratamos, o poitanto f4lan
sem paixo, cora toda a imparciaiilac
sempre procedemos.
Estimamos muito a promogo de lodo
ciaes nella contemplados; desejarios
occasiao em brovo de felicita-los oulvez
lo nao obsta que salvemos os pritpip'
esto muito cima das consideracoespes
/
Ao terminar nossos trabalhos nestlar
vemos manifestar s nossas leitoras >e
grande rceonhecimento que lhes co*"gra
la altenco e assiduidade com (?ue honra
tas linhas.
Alem disso cumpra-nos tambem cese.
mui boas festas, e um anno noro risonhc
uroso, em que haja muito dinheiri,
lau,de.
i. i


PSRN. TYP. DEM. P. DE PARU.
ILEGVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8QJR7S1T_5JBTWE INGEST_TIME 2013-04-30T23:14:20Z PACKAGE AA00011611_09202
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES