Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09188


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Mil XXXVI. HUMERO 288
Por tres mezes adanlados 5(000.
Por tres mezes vencidos 6J000.
QUISTA FEIRA 13 DE DEZEIBRO DE 1861
Por anno adiantado 9J000
Porte franco para o subscritor.
ENC.VFlRGiIA.D03 DA. SDBSCRIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaly,
Sr. A de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de Ol
reir; Maranhn, oSr. Manoel Jos MartnsRibei-
ro Guimares; Piauhy, o Sr. Joao Fernandos de
Moraes Jnior ; Para, o Sr. Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
l'.WU IDAs 1)03 LiOltttKlO.
Olinda todos os das as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goianna e Parahiba as segundas
e sextas reiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinho e
Garanhuns as lerdas felras.
Pao d' Alho, Nazareth, Liraoeiro, Brejo, Pes-
queira, Iogazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex oas quartas-feras.
Cabo, Sirinhem, Rio Formoso, Un, Barreirus,
Agua prela, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios parlem as 10 horas da manha
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
5 Quarto minguante as 3
da tarde.
12 La nova as 10 horas e 28 minotus da manha
20 Quarto crescente as 3 horas e 50 minutos
da manha.
28 La cheia aos 58 minutos da manha.
PREAMAR DE BOJE.
Primeiro as 5 horas e 18 minutos da manha.
Segundo as 5 horas e 42 minutos da tarde.
AUDINECIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relaco tercas, feiras e sabbados.
Fazenda : tercas, quintas e sabbados as 10 horas
Juizo do commercio: quartas ao meio dia.
Dito de orphos: tergas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civel: lerdas e sextas ao meio dia
Segunda vara do civel ; quarlase sabbados a urna
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
10 Segunda. S. Melquades p. m.; S. Gemelo b.
11 Terga. S,Damnzop.;S.Trazonm ; S.Francoc.
12 Quarta. S. Justino m.; S. Merencia m.
13 Quinta. S. Lnzia v. m.; S. Othilia m.
14 Sexta. S. Agnello ab. ; S. Matroniano m.
15 Sabbado. S. Euzebio Verselense b. m.
16 Domingo. Ss. Anenias, Azarias e Mizael Mm.
ENCARREGADOS DA Sb'BSCRIPCO NO SIL
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Bahia,
Sr, Jos Martina Alves ; Rio de Janeiro, o Sr.
Joao Pereira Martins.
EM PERNAMBTCO.
O proprietario do diario Manoel Pigueiroa d*
Faria, na sua livraria prac,a da Independencia n?.
6 e 8.
Aviso.
Dito ao juiz de paz mais votado do 1 districto da .
Laga de Baixo.Inteirado do que co mmunicou-1
me Vmc. em officio de 2 do corrento, rccommen-
Os" Srs. asalariantes deste DIARIO, de.do-lhe que requisite do delegado de polica no- j
Inra ra o\t\a<\* nmnnni ma aeei loraaaciuade e ptovtncia, cuja assig- para onde j seguio com as instruccocs conve->
natura termina no lim do corrento nientes, as providencias que entender necessarias
mez, queiram mandar renova-las antes Para 1"e as prximas eleicoes se facara em paz o j
i_ j !_ com toda a regularidado possivcl.
do 1 de Janeiro, no etcriptono da re-, Nesie sentido me dirijo ao referido delegado.
daCQao os desta provincia, e em rasa prevenindo-o da recommeodac,o, que agora Ihe
dos respectivos agentes os das demais, fsco-Officiou-se ao delegado.
no rece- chial de Cabrob Inteirado da materia de seu
adra de nao soirerem demora
bimentodo DI.UUO.
PARTE OFFICIAL
i olicio de 20 de novembro ultimo, congratulo-me
! com Vmc. pelo feliz resullado d.i cleir.au para
| juizes de paz e vcreadores, quo ltimamente se
proceden n'essa parochia, a qual, como Vmc. os-
| severa, realisou-se com rcgularidade e sem allo-
j raco da ordem publica.
Dito ao commissario vaccinador provincial.
.Mande Vmc. fornecer com urgencia ao delegado
de polica do termo de Olinda algumas laminas
; de pus vaccinieo.Communicou-se ao chefe de
polica.
Dito ao juz municipal da 1.a vara.D Vmc.
as precisas providencias no sentido de ser re-
medido para o presidio de Fernando, na primei-
ra opportunidade que se offerecer, o sentenciado
Guilherme Ribeiro da Costa, que pedio cumprir
all a pena, a que foi condemnado.
Dilo ao juiz de paz 2 votado da freguezia do
Pogn da Panella. Em resposla ao seu officio
de 7 deste mez. apresso-me em declarar-lhe,
qua achando-se mudado o juiz de paz mais vo-
Guverno da provincia.
Expediente do dia 10 de dezembro de 1860.
Otlicio ao coronel commandanle das aimas.
A' vista do ofcio que V. S. me dirigi em 5 do
corrente sob n. 1301, recommeudei aos gerentes
da companhia de illuminaco a gaz a expedico
das convenientes ordens para que no dia l.'de
cada mez m j ira abortos os respectivos registros
e conferido o consumo de gaz do mez anteceden-
te nos quatteis o repaniees militares em pre-
senge de pessoas competentemente autorisadas
pelos commandantes dos corpos de primeira linha
e chefes das mesmas repartices para assistirem
a cssa conferencia, cumprindo que V. S. expera
nesle sentido as convenientes ordens.OTicio- lado d 10 districto dessa freguezia. cumpre que
se aos referidos gerentes. Vmt.j como immediato em votos, e seu legitimo
Dito ao chefe de polica.Remello a V. S. para substituto em virtude do que prescreve o art.
seu conhecimenlo, com a copia do aviso expe-! da ,el 38~- de 19 de aSosto de 1846- "suroin-
dido pelo ministerio da juslica em 25 de outubro ao ejercicio das respectivas funches relativa-
ultimo, um exemplar do decreto n. 1096 de 10 de "^"'e o processo da elcijao de eleitores, que
setembro deste anno, regulando i s direitos civis deva lcr '"Sar no dia 30 do correle, de promp-
e polticos dos Gihos de estrangeros nascidos no ta execucao ao disposlo nos arls. 4t da citada
Brasil, cojos pais nao estiverem em servido de '*/ 3&< c l5 (las instruccocs de 22 de agosto
sua narao, das estrangeiras que casarem com bra- "D'mo, convocando por editaes os eleitores e
sileiros", e das brisileiras que casarem com es- "Plenles para a organisaco da mesa parochial,
Irangeiros. e bem assim oscidodns qualificados afim de da-
Dito ao mesmo.Remollo incluso por copia o rem sclls volos, nao obstante nao ler recebido as
ofcio que me dirigi o Lxm. presidente do oea- ordens do eslylo por inlermedio da cmara mu-
ra em 17 de novembro ultimo, para que V S. f- nicipal, cuja falla a esse respeito devida sem du-
cando inteirado da impossibilidade que ha em i T'da ao molivo a\ que Vmc. a atlribue, nao deve
serem recebidos na cadeia da cidade do Cralo os
presos existentes na do termo do Ourirury, pro-
ponha cora urgencia oulro meio de soccorrer
promptamente os referidos presos.
Dito ao iuspector do arsenal de marinha.
Mande V. S. presentar ao curador dos africanos,
afim de so Ihe passar a competente carta de
emanciparlo, o africano livro de nome Antonio,
que foi recolhido a esse arsenal, de ordem desla
presidencia, por Antonio Egidio da Silva, que ti-
prpjudicar o cun\primenlo das citadas disposi-
ces, e estorvar q\ue se rcalisc a elei^ao no dia
designado.
Portara. O presidente da provincia, alten-
dendo ao que Ihe requeieu o promotor publico
da comarca do Liraoeiro, bacharel Cesar Octavia-
no de Oliveira, resolve prorogar por quinze dias
com vencimenlos a licenga que Ihe foi concedida
por poit-jria de 10 de oulubro ultimo.
Dita. O presidente da provincia, allendcndo
nha arrematado seus s-rvicos. Deu-se sciencia ao .1"e reqnereu Manoel Alves Guerra, consigna-
so curador dos africanos li'vres. ;lar0 da barca nacional ila'hilde, resolve conce-
Diio ao mesmo. Reqnisitando-me o provedor: df permisso para, independente de carta de
da Sania Casa da Mi-ercordia doas africanas li- i pilnl". poder Jos Ferreira Pinlo servir como ca-
sma parca so
vres para o servico da casa dos exposlos por ler' P,,ao da. ")e
monto na viagem que
sido entregue a Jos Severo do Nascimenlo, que ora es'a destinada para o iio-Grande do Sul,
provou ser de sua propriedade a de nome Caeta- [ devendo, porm o referido capilao assignar ter-
na, que all eslava, mande V. S aoresentar ao
sobredito provedor para aquelle fim, duas das
que se acham nesse arsenal.Communicou-se ao
provedor.
Dilo ao comraandante do corpo de polica.
\ sto o que allega V. S. em seu officio de 6 do
correnle, sob n. ll, auloriso-o para di mil tir do
servigo do corpo sob seu commando, e fazer re-
Dieller auluridade competente o furriel do mes-
mo corpo Joaquim Olindinn Rodrigues Franca,
que searha pronunciado pelo fdro commurc.
Dilo ao inspector da Ihesouraria de fazenda.
Inteirado do couleudo de sua informaco de 6 do
corrente, sob n. 1284, dada acerca do requer-
ment em que os emprezarios da illominaco a
mo na capitana do porlo pelo qual se obngue a
apresent3r caria de pillo para oatra qualquer
viagem que pretenda fazer.
Expediente do secrearto do governo.
Officio ao juiz de direito da segunda vara.
S. Exc o Sr.
declarar a V.
aflluencia de
aos respectivos
lisia dos jurad
rass, confua)
correle.
Dilo aojuiz de direito do Garanhuns.S. Exc.
0 Sr. presidenta da provincia, manda aecusar re-
cebido o officio que V. S. Ihe dirigi em 20 de
presidente da provincia manda
que fica inteirado de que por
tiabalhos, encarregra V. S.
juizes munleipaes a re'iso da
tis dos termos de Olinda e Igua-
parlicipou por cilicio de 6 do
material e consumo de gaz
dencia, auloriso a V. S a m
p.igament, urna vez que apresentem os suppli-
canies as suas coritas em forma.
Dito ae mesmo.Remello qor copia a V. S.
para seu conhecimenlo, e afim de que o faca
constar, por intermedio do inspector da alfande- :
ga, ao alferes aggregado ao estado maior de se-
gunda classe, Lu/. Gomes Ferreira, o aviso de 16
de novembro ultimo, em que o Exm. Sr. minis- !
*.ro da guerra declara que o mesmo alfeies deve ,
esrollier enlre o seu posto no exerrilo e o era- i
prego que exerec na mencionada alfandega, de- i
vendo a sua resposla ser-me transmitlida para
ler o conveniente destino.
Dito ao mesmo,Devolvendo a V. S. as con-
tas que acompanharan a sua informaco de 7 do
correule, sob n. 1285, relativamente os annun-
gaz nesla cidade pedem o pagamento da quantia
de 7:ll!J-:560 rs. dispendida com a collocacao do ; "T"!,Tu Pl'P'o ano por aflluencia
no palacio da preei- \ lral):llhos PTPgra ate o da 17 do corrente a
nandar cffectuar esse c"rreic.ao 1"C devia findar a 29 do citado
mez.
Dito ao bacharel Francisco Eliis do Reg
Dantas.De ordem d eS. Exc. o Sr. presidente
da provincia, acenso a recep^o do officio que
V. S. Ihe dirigi em 6 do corrente, communi-
cando ter assumido o exercicio do seu cirgo de
juiz de direito da comarca do Cabo.Fizeram-
se as communicaces necessarias.
DESPACHOS DO DI* 10 DE DEZEMBIIO DE 1S60.
Requerimentos.
3288.Erneslino Cnvalcanle de Albuquerque.
Apresenle-se Ihesouraria de fazenda para
uir os esclarecimenlos necessarios, e poder ob-
ter a cerlidao que requer.
3289.Fielden Brothers.Drija-se a thesou-
raria de fazenda.
s mandados publicar pela uispeccao do arse-1 a-90G,'ilherme Ribeiro da CostaO sup-
nal de marinha no Liberal Pcrnambucano du- '''ofni S'.'ra remeU,do opportunsmente.
rante os mezes de Janeiro a setembro deste anno, ^--Augusto de Araujo.Loncorra o sup-
o auloriso a mandar pagar a Joao do Freilas Bar- \ P'a"le a nova arrcmatacao a que mandei pro-
bosa na qualidade de administrador -aquella ly-
pographia somenle a quanlia de 853280 is., em
que importara laes annuncios, segundo consla
da citada informaco.
Dito ao inspector da Ihesouraria p.ovincial.
Ao thesoureiro pagador da reparlico das obras
ceder.
3292.Jos Joaquim da Silva Guimares.
Informe o Sr. inspector da Ihesouraria provin-
cial.
3293. Pedro Cocino da Costa e Silva.
Passe.
publicas mande V.~S. entregar'a quantia de 200 i 3294.Rosa Bezerra Cavalcanfe. Provea sup-
ris. afim do que se possa dar principio aos re- Pl'cante que suas lilhas sao orphss e menores
que se possa dar principio
paros de que precisa urna parle do enennamento
d'agua para as prisos do raio do sul da casa de!
detengao e dtsembaraqar-se o respectivo cano
de esgolo, que se ocha obstruido, segundo me
declarou o director daquella reparlico em officio
de 5 do corrente, sob n. 320.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. a inclusa
conta na importancia de' 64s8O0 despendida cora
o sustento dos presos pobres da cadeia do Cabo
no mez de novembro ultimo, afim de que seja
ella paga a Estevau dos Arijos da Porciuncula,
conformo requisitou o chefe de polica em olicio
de 7 do correule, sob n. 1567.Coramuuicou-se
a este.
Dilo ao director do arsenal de guerra.Mande
Vmc. recolher a esse arsenal, onde devem ser
conservados at segunda ordem, quatro cunhetes
du carloxame e um caixole conlendo uro vidro
de acido sulfrico, perlencenles ao corpo de guar-
nico desta provincia, os quaes Ihe sero man-
dados apresentar por parte do coronel comman-
danle das armas.Communicou-se a este.
Dilo aojuiz de paz da freguezia de Itamarac.
Em solucao ao que consulta Vmc. era seu of-
ficio de 4 deste mez tenho a dizer-lho :
1. Que as eleices que tero lugar prxima-
mente nessa freguezia, devem ser feilas pela
qualilicacao deste anno, se esliver esta concluida
na f.rma da lei, depois de terminados os traba-
lhos do consellio municipal que deve conhecer
dos recursos interposlos da junta revisora da
mesma qualificaeo.
2. Que a eleico de Juizes de paz dessa fre-
guezia, a que te vai proceder por ter sido an-
nultada a que se fez em setembro ultimo, deve
realisar-se em acto successivo, e depois de ter-
minada a de cleitores, que comecar a 30 do
correnle, como foi determinado por esta presi-
dencia em portara de 24 de outubro uliimo.
3. Que sendo a eleicao de juizes de paz raui
dislincla da de cleitores, nao pode em cago al-
gum funccionar em aeu processo a mesa paro-
chial organisada para es la ultima, o deve cods-
tituir-se urna nova mesa, como preceilua o art.
95 da lei de 19 de agesto de 1846.
de 8 annos.
EXTERIOR.
A'gumas pessas ainda pergunlom a si mes-
mas o que ha do real na dissidencia que parece
haver-se manifestado entre o conde de Cavour e
Garibaldi. E' provavel que as discussoes do par-
lamento que se abre hoje, acabaro de tornar
evidente o que ainda esi as trevas; porm
desde j acabam de ser feilas ao publico piemon-
tez revelagoes curiosas e pouco exemplares, as
quaes nao interessaro menos em Franca do que
alm montes; sabero mais desta vez e melhor
ainda que nunca, que estima tem uns para com
os oulros os homens que fazem em comraum a
guerra contra a igreja. Eis as informages que
nos d uro cxcellente jornal que nao podemos
mais receber habitualmenle, a Jrmonia, mas do
qual chegou-nos um numero por excep;o :
Procede o duello enlre o conde de Cavour e
Garibaldi sem que perca sua animosidade, nem
pelas cartas que se escrevem, nem pelos monsa-
goiros que se enviam, nem pelos cumprimentos
de diversas especies que se dirigem de parte
paite. Registremos os [actos cora a maior im-
parcialidtde ; nada o impede, visto que somos
verdadeiramente neutros ; Garibaldi e Cavour po
dem andar um ao lado do outro; salvo ter sido
Garibaldi sempre nosso inimigo ; nunca fez pro-
testos de seus senlimenlos religiosos, se at ago-
ra roubou um reino, o ron bou ao re de aples
e nao ao papa.
Em ludo o caso eis a historia. Quando Ga-
ribaldi parlio de Genova para conquistar a Sici-
lia, estabeleceram-se na capital da Liguria jun-
tas Commissoes de soccorros para Garibaldi;
essas juntas receberam dinheiro, arrans e solda-
dos ; tudo isso foi mandado ao cidado de Nice.
Mas desde que o conde de Cavour, invadin-
do as Marcas e a Umbra, veio disputar a Gari-
baldi a honra de suas conquistas, essas commis-
soes nao souberam mais o que deviam fazer.
Reuniraro-se a 9 de setembro em casa do mar-
quez de Carrega para deliberar e lomar urna re-
solugo SeDtimos nao poder designar melhor
essa nobre personagpra, porque ha algumas com
o mesmo nome era Genova, o porque nao quiz-
ramos privar ninguem do mrito que lheperten-
ce. Acharam-se n'essa reuniao represenlantes
das Commissoes Garibaldi fundadas em Placen-
ca, Faenta, Reggio, Bolonha, Parma, Modena,
Ferrara. Milo, Coni, Sazzani, Leorne e Genova ;
havia alm disso oulros representantes de socie-
dades revolucionarias, taes como a L'niao liberal,
de Genova, a Commisso da Emigrac.ao, e mul-
las oulras que infelzmenle formigam* hoje nesla
Ierra da Dalia.
O presidente da assembla em ura deputado,
o marquez Vicenti Ricci. e enlre os que havam
lomado assento achava se oulro deputado o Sr.
Guerrozzi, em nome da commisso de Leorne.
Fui rasolvido unnimemente que se mandasse
aples urna deputaco, afim de perguular Ga-
ribaldi se deviam continuar a obra que lhcs
fra confiada e de que modo O Sr. Guerrazzi
foi encarregado de completar as inslrucijes que
se haviam de dar deputaco, e elle termina-
va-as ao modo antigo, pelo lene vlete datum
Janiue 16 de setembro de 1860. Temo-las vis-
ta e vamos fallar a este respeito.
Os depuladcs dirigiram-se pois aples, o
fiis s suas instrucc.es, expozeram Garibaldi
o fim de sua viagem. A 21 de setembro elle
mandou-lhesa resposla seguinte :
Agradeco a actividade das Commissoes de
soccorros a Garibaldi, creadas pelo amigo Ber-
tani, e apresso-me em reanimar-lhes zelo,
afim de continuarem urna obra que comegram
com felicidade. Tenho nellas plena e inleira
confianca. Eslou cerlo que correspondero
minha expectativa, tanto no futuro como no
passado.
Convido aos patriotas das diversas provin-
cias que facam por ellas o que poderem afim
de sustenta-las e ajuda-las. As commissoes
continuaro a obrar segundo o meu program-
ma de 5 de raaio, que estabelece que a Italia
deve fazer-se pelos Italianos, que em Roma,
ras ruinas do poder temporal dos papas, que a
Italia dever ser proclamada urna e livre, cora
Vctor Emraanuel para re.
Essas commissoes tero de sustentar novas
lulas, e de lutar com difficnldades novas quo
lhes ho de oppor os estadistas que soffrem o
programma do3 Srs. estrangeros. S- lenho
urna cousa para lhes dizer: Resist e haveis de
vencer.
Assignado G. Garibaldi
tre Cavour e Garibaldi, e que de hojo em diante
estes dous homens disputara, esta infeliz lia ia,
subtrahida a seus legtimos principes. Imporia,
porm, conhecer as causas dessa desintelligen-
cia, saber por que Garibaldi e seus partidarios
nao querem pr-se s ordens de Cavour, nem
marchar com elle, e querem antes elimina-lo.
Adiamos essas cousas consignadas em dous
documentos preciosos : as iostruccoes escripias
por Guerrazzi, e uro artigo por elle publicado
relativamente a esse negocio. Esses dous docu-
mentos appareceram na Unidade italiana, de
Genova, de 2 de setembro, e provocaran) a'bilis
da Opinione, que tres dias depois, a 27, e3cre-
va :
a O autor do Asino (Guerrazzi) excita do hoje
em diante mais compaixo do que colera. Guer-
razzi havia dito antes da Opinione. E' um jor-
nal que dexou o oflicio de cercear as moedas
pelo officio de abocanhara reputaco das pessoas
de bem.
Dexemos, porm, de parlo essas insolencias,
e vejamos por que razo Garibaldi, Guerrazzi e
todas as commissoes nao querem mais hoje ou-
vir fallar em Cavour e no seu ministerio.
As instroeces dadas aos diputados que se
drigiram a aples dizem que nao se quer fazer
allanca com um ministerio, que mercadeja tro-
ce ca e vence povos e provincias como um algi-
bebe esfarrapido na feira ; gente abjecta que
se faz escrava para dominar, e que dominara
para servir a outros inleresses que nao os da
patria.
Dizem aquellas nslrucces que Garibaldi e
os seus nao querem ser instrumentos servs de
homens corruptos que empregam a corrupeo
como um excellente meio de governo; torca
de dinheiro teem urna muliido de escnpiors
que porfiara era abocanhar com suas calum-
nias os cilados honrados que nao se Ihesas-
sociam.. .; de homens que no meio da mise-
vt ra publica nao se pejam, a despeito do suas
immensas riquezas ( as linhas que se seguem
eslo era caracteres particulares no texto das
iostruccoes ), nao se pejam de tirar lucros das
dividas do estado, as quaes mulliplicam -se a
cusa do povo para fater face s despezas da
guerra ; de homens que por meio de fardas,
compozeram um representac.no nacional de
sorte que lhes servisse para encurralar a li-
berdade com um animal bravio nos bosques,
em vez de consiilui-la no meio dos povos co-
mo urna norma de sua vida.
Acrescentsra as institoiges que Garibaldi e
sea ministerio, porque elles nao querem que se
considere o governo como um partido, como urna
sexta ; mas como a rcpresetaco legitima da
opinio publica.
a Ellos querem que o governo oborreca como
um crme, e que seja ura crme empalmar votos
por meio do dinheiro do publico e empregar pa-
ra isso a autoridade dos magistrados, que, exer-
citando-se em semelhanie obra de corrupcao,
corromper-se-ho a si mesmos. Segundo el'les,
nao se deve considerar o povo como urna ma-
china donde se faz sahir soldados quando se
quer, nem crer quo o povo s lera um direito,
o de pedir esmola Tal a doutrina do arist-
crata Cavour. acrescentara as inslrucoes
Finalmente conclue-so que o ministerio
de Tunra, cgo pelo orgulho, semeia maos
cheias a guerra civil, compronietle sem pudor a
salvaco da patria e at a reputaco do rei;
que a expedico das Marcase da Ombra, exe-
cutada com a rapidez do raio e e irrisoriamente
liada aos soldados e aos officiaes do general Ga-
ribaldi, demonslra evidentemente que o governo
chegou a exlremidnde de romper com elie, de
roubar-lhc sua repulaco, de amesquinha-la, de
obscurece-la ; ama" resoluco odiosa querer
que elle, o leo, se curve s mos d raposa.
Assim, pedir-se-ha ao re Vctor Emraanuel
que como homem leal confie o governo ho-
mens que nao podem embaciar com mos consc-
Ihos o resplandenle brilho de sua lealdade.
Eis oque dizem as instituirles, o nellas Guer-
razzi acrescenta era se unom que com aquellos
La Faria e Farini, o governo tornou-se asque-
roso e iramundo como um leproso ; ve no go-
verno falla de lealdade, abjecto servilismo, ar-
bitrarielades revoltantes, embustes e dissiroula-
980 continua, falsa habilidade que flca presa nos
proprios lagos, orgulho intoleravel, desp'.eso
representado nacional, avareza c prodr.alidade
ao mesmo lempo, ataques liberdado insultos
aos mottos que derramaran) seu sanpu pela pa-
tria, a propna patria compromellid'j pela dupli-
cidade, menlira, pusillanimidaao raais miseravel
o povo tido em pouco caso, a representaco fal-
seada, a detracto assalariad a, guerra mpiaca-
vel e ignobil s pessoas. antipathias ridiculas,
egosmo que tudo sacp'rica e destroe em seu
proTcite.
O conde de Cavour e os seus, vendo-se as-, bro de 1848, linha convidado a Franca, a Aus-
sim tratados, decidiram convocar o parlamento 'ra, a Baviera, a Sardenha, Portugal, a Toscana
afim de que julgou elle e declare a 2 de outu- e aples, para lomar em coinmum as medidas
bro, quem tem razo ou nao. se Garibaldi. se o. necessarias afim de prera o chefe da igreja
ministerio. O Sr. Guerrazzi, porm, que de-! n'um estado de independencia e dignidade que
putado, e que'por consequencia conhece os de-I Ihe permitlisse desempenhar suas sagradas
putados nao aceita tal escapatoria, e cemega por fincgoes.
declinar da competencia do parlamento a esle
respeilo.
Entre Garibaldi e Cavour, diz elle, queris
ler por juiz o parlamento. Que parlamento?
(juando se trata do interesse de toda a Italia, o
parlamento de urna parle da Italia ser o com-
petente? E quem que falla perante esse par-
neza- nessa cidade. O negocio parece deverpro--
duzir maior escndalo do que de ordinario fazem
os disperdicios deste genero nos Estados-buidos^
Nao Iraia-se mais somonte de um gnarda-roupa
completo e de innumeraveis pares de luvas que
cada um dos membros da commisso de recepeo
tena comprado a cusa da caixa da cidade. '
L-se no Correio dos Estados-Unidos da 27 de
Julho :
F.' grande felicidade que os kamis japnnezes
estejam em pleno Ocano ; elles de nada sabe-
ro, ao menos da especulaco escandalosa, nem
das Listes discussoes,cujo pretexto foi sua recep-
eo era New-Yoik. Que mnrtificnco para elles
o saberem que os fonecionarios encarregades de
lhes fazerem as honras da cidade, sao acensados
de lerem-seaproveilado desta erreumstanria para
roubar o Ihesouro em lao grande escala Tal ,
com effeiio, a aecusago feita hontem pela manh
Fazendo alluses a declaraco do general Ca-
vaignac, o governo hespanhol dizia : Nao Ira-
la-se mais de proteger a liberdado do Papa ;
mas de restabelecei sua autoridade de um mo-
do eslavel e firme, e de assegura-la contra lo-
da violencia.
A soberana do Papa, aecrescentava a nota
lamenio? bina s das partes, Civour. Longe hespanhola, de una tal importancia para os
de Garibaldi, excitara contra elle a malilha dos estados chtslos. que nao pode do nenhuma
jornalistas niinisteriaes. Senhores, quera s ou-. sorte estar exposta ao arbitrio de urna to pe-
ve um tino, s ouve um soro ; ninguem traga quena parle do mundo cathoco tal como os
um soleo em linha recta com um boi. /tttdiaiir estados romanos. E'preciso eslarde aecr-
et altera pars.
contina a
verno.
Aqui ac
como con el
re de Babel e a c< nfus'o daq'uelles que a levan- tigo do go'verno hespanhol. Prelendeu que os Nesle documento oSr Chatfield declara a
avara n> momento em que pensavam chegar ao negocios de Roma erara e deviam Bear paramen- tem toda a raz"o era crer a o,^conseTheilo,
fim. Ser por ventura somenle a confuso c a le italianos. Se qutvem que o Papa torne a en- municipaes renderam por oreos vLhvH, d, ll
d apera* espera boje os chefes da revol- Ir.r ero seus estados, preciso, dizia elle, renun- a 100 dollares bilheTs do grande ba le d'dnio,
cao ilaluna ? Quando se v que elles se dilace- ciar a toda inlervenco armada e haver-sc de ou- nobres orien.aes. Depois de lerem embolado o
tramaneira. Esta maneira consiste era obrar produelo dessa venda, nao justo, diz oaecusa-
H eenlifrJ"v ,',a0SbernnO Ponllllce- fara dor 1"e c *") aos contribuales para pagar
l liJV ?ir vu" P"a Roma e para con- as despezas de urna festa da qual excluiram-sc
J rt. ."i 7r ell,cazmenle as leis 'odos aquelles que nao poderam obter bilhetes de
da constituicao que deu a seu povo. Este favor e que nao quizoram compra-Ios
conselno era ao mesmo lempo um ludibrio e um Isso nao tudo : o Sr. Chatfield julga que a
ultrage. conta dos Japonezes no Metropolitan [fjtel nao
".r:m?U.a" ..?= P'cmonte_insullava o Papa, a chega, na reali.tade, a mais de10.000 dollares, e
ram reciprocamente al antes de vencer o ulti-
mo inimigo que os impedo de ir a Roma, pde-
se crer que nao tardaro em ser os instrumentos
da jusina divina uns a respeito dos outros.
L. Rl'PERT.
eraV^r Tn SiS T 1860 V" fPra I itXJ^SSS^S^J^ se-
Z 112?; p? 6P;(,lmPD,e MqJ-cido os fac- man<1s o stau quo E^nji^n.se wbre o pan-
os Fa ln''he AnP- riM.'rt003 PPortuno rerorda- cipto e queri.m obrar, mas o difficil era deter-
os. ra-lo-hemos citando algumas paginas da
- minar as condices da aeco commum propo?ta
ull.m, obra do Sr. Eugenio Veuiilot: Questao da pCla Hespanha. O Papa nao devia inlervir nos
vida de publicar, apenas chegar a Jeddo. a
ta, digam-nos l por favor o que pensara des-
se mixordia democrtica ?
l.6-se ainda no Correio dos Estados-Luidos :
A questao do direito da predica as roas, que
suscilou por diWentes vezes to grandes deba-
pnmoiros invocan) a hbenlade
MS^^JrS^jni^ r'^^^^!-^^-^^?^ S^TW"- Consmu^o garan^ ao^ ci
do Soberano Pontfice e o restabelecimento da re-
a ,'v ?lr\\vf i fa.?,,q^',dosesoVbc1ue Pblica. Recommendamos as concluses desse
Pmnnm7.rla^U'Ser SeU ""per' acmenlo a aUenco de cerlos catholicos dis-
em Roma assass.nar.do Ross. : descreve o carac- postos lraniir 8-obro ae COIldl.6o0 0 oinJ<1 so_
.. n._ j. j- .' ." .----- --------, I>U10S a iransigir sobro ae condi-ooo o omJa s
rSin?i h* "ped,ao Preciada pelo general bro 0 principio da soberana temporal do Papa :
A ;S VCCreaCJla : r O Santo Padre leudo agora esgotado todos
A attilude mdecisa do general Cavaisnac 11- moin1 CQ ,, i-..j. .... j.
nua recebido a approvacao da assembla, a prin-
cipio por que ella a nada se obrigava, depois I
por que a maioria, perlencenle ao pariido repu-
blicano moderado, va no general Cavaignac a
esperanza e a salvaco.
Assim linha ella como regra ralificar tudo o
quo elle Eazia. A eleigo de 10 de dezerobro uio-
dlficou completamente a situacao. Houve anta-
gonismo desde o dia seguinte entre a assembla
e o chefe do poder execulivo. Se o presidente
nao provocou a lula, quiz ao menos definir cla-
ramente a siiua(o.
Seu primeiro acto foi escolher os ministros na
maioria conservadora da cmara, islo segundo
o termo do da, na reaccao. O Sr. OJilon Bar-
ro! leve o ministerio d'a Justina o a presidencia
doconselho ; o Sr. Drouin de Lhuys foi encar-
regado dos negocios esirangeiros, o Sr de Fal-
loux da instrucc,o publica e dos cultos. O mi-
nisterio do interior, confiado incontinente ao Sr.
de Malleville, passou dentro em pouco ao Sr.
Faucher.
bro nico republicano da cidade, o Sr. Bixio,
achou lugar nesse gabinete ; ahi nao li.ou.
O novo governo nao dava por concluida a
questo romana, porque o Papa achava-se pes-
soalmenle fora de pengo. Occupou-se em reu-
nir tropas em Toulon, alim de obrar prompta-
mente, pois o mal aggravava-se. Os demagogos '
francezes, allomes, italianos, polouezes, iam era
muliido para Roma, c organisava-se a resisten-
cia que era iropossivel ao principio. Por outro
lado, a hoslilidajo da maioria parlamentar e a
necessidade de um aecrdo com as oulras poten- (
cias impunham inevitaveis demoras.
Diversos actos do Soberano Pontfice lnham ;
impossibilitado os governos das naces calholicas
de fazer o seu dever.
A 27 de novembro de 18i8, Po IX expoz os
daos ; os segundos responden) com milita razo
que esla liberJade deve acabar para uns, quando
ella coroecar a por erabaracos a liberdado dos
atitM. com eil.ito, e Je toda a evidencia que o
direilo do progador em agglomerar a multido
os em redor de si, nao poderia ir al invadir o di-
meios a seu alcance, obrigado por seu dever reilo de cirnulaeao dos transentes qiw nao teem
para com o mundo calhotico a conservar e;n lempo de ouvir o Evangelho explicado em pleno
sua integridade o patrimonio da igreja e a so- ar.
berania que Ihe annexa, lao indispensavel Afinal de Cuntas, a peteao fui enviada ao
para manter sua liberdade e sua independencia exame de urna commisso especial, o qae seus
como chcfo supremo da mesma igreja ; com- partidarios olham como equivalente a urna re-
movido pelos gemidos de seus fiis subditos, jeico.
que implorara em altas vozes soccorros para
sublrahi-los ao jugo de ferro e a lyrannia que
nao podem mais supporlar, volla-se de novo
para as potencias eslrangeiras, e especialmente
para as potencias calholicas, que, cont tanta
generosidade a'alraa e de urna maneira to bri-
Oante, manifestarara a firme voutade de de-
A dscussao que se travou a esle respeilo deu
lugar ao Sr. alderman Tuomey de fazer urna sor-
(ida mui viva e justissima ronlra o incrivel cos-
tante que faz fechar durante o vero a maior
parte das rejas de New-York. Esta maneira do
fazer da religio um negocio de estaco abso-
lutamente como os Ihcatros sem' contradic-
fendersua causa. Tora a certeza de que ellas can, urna das cousas mais ofiensivas que letnos
querero com sollicilude concorrer por sua in- tido occasio de reparar. Mas nem os discursos
tervenco moral para reslabelece-lo em sua s, do Sr. Tuomey nevi as nossas refiexdes faro cou-
na capital desses dominios que forara piedosa- sa alguma.
mente constituidos para manter sua plena li- Traa-se, bem entendido, dos templos proles-
berdadu e independencia, e que [oram garan- lanles.e nossos leilores nao tora necessidade que
lidos pelos tratados que formara a base do di- Ibe digamos quo asigrejas calholicas ficam iber-
reilo publico europeo. lasem New-York lamo pelo mais forle calor do
E visto o que a Austria, a Franca, a Ilespa- vero. como pelo maior fri do invern. Nossos
nha e o reino das Duas-Siiilias so'acham, por misionarios que vao morrer nos gelos do circulo
sua posicSo geographica, em situacao, de poder P'ar, ou sob o sol dos trpicos, nao calculara os
eflicazmenlo concorrer com suas armas para res- 6rs de sua dedicaco pela escala do tliermo-
labeleeer 110 dominio da Sania S a ordem des- metro. Mas os ministros protestantes sao m3is
truida por urna horda de sectarios, o Sanio Pa- cuidadosos de sua consrvsco ; de mais, nao ve-
dre, confiando no interesse religioso dessas po riam ninguem em seus templos no vero. Seus
tencias, lilhas da igreja, reclama com plena freguezes passam de boa voctade sem coito pu-
blico nessa estaeao, e fecha-se a igreja, como o
thealro, al que a voga torne a voliar.
No momento em que os nossos zuavos vio Te-
var soa gloria i Asia, sabero com prazer quo
confianca sua inlervenco armada para Uvrar
principalmente os estados da Santa S dessa
fjrc.o de miseraveis que, com toda a sorte de
crimes, ahi ex-rce o ruis atroz despotismo .
A nota pontifical expunha depois que os in- acham imitadores ni America. E' sabido que ca-
teresses da igreja universal, a causa da ordem o
do catholicismo exigiam imperiosamente urna
prorapta intervenc.o.
0 governo francez, desla vez de accordocom
motivos da separayo temporaria de seus subdi- i o voto nacional, quera intervir, e um corpo ex- sTo'bjecto^moda.'e^drcTdde Mnabi
tos, declarou nultos e xllegaes lodos os actos \ pedicionar.o forma^a-se era Toulon. Mas as dif- menos urna companhia que se cobre como
emanados do ministerio nascido da violencia, e acuidades da situacao intimidavam a alguna dos de cora o turbante brauco ou com o bonet
nomeou urna commisso governamental para que
lomasse a direceo dos negocios pblicos duran-
te sua ausencia.*
da companhia de milicia, nos Estados-Luidos,
adopta o uniforme que Ihe apraz, de sorte q 10
todos os uniformes da Europa sao poslos em con-
tribuicio para uniformisar os soldados cidalos
do Novo Mundo. Aalgum lempo que os zuavos
a ao
p-
ver-
chefes do partido conservador ou reaccionario
procuravam demorar A repblica franceza, fa-
zendo oQicialmenle volos pelo Piemontc o a na-
A 4 de dezembro, urna ola dirigida a lodos cionalidade italiana, nao ousava declararse allia-
os soberanos com os quaes a Santa S eslava era ; da da Austria contra a faeco quo opprimia os
rela;o, lhes expunha por que o chefe da igreja estados pontificaes. E' at muito provavel que
tinha deixado Roma ; esta mesma nota convi- esta allianca repngnava de um modo particular quizeram dar urna amostra de' sua hVbili'da'le'em
dava-os a defender os dominios do Papado. ao presidente, pois poderla incommoda-lo paflr o todos os Estados-Unidos e ha dous mezes \ ia-
A 17 de dezembro, novo protesto do Santo ful""0. jara de cidade era cidade para serem admirados
Condemnava a junta de estado proviso- | tra sublerfugio ; em lugar da accao pela popnlacao. Sua recepc3o era New-York foi
melho.
A cidade de Chicago, no Illinois, foi a primeira
era disciplinar urna companhia que conseguio fa-
miliarisnr-se, nao s com o uniformo completo
dos zuavos, mais ainda com as manobras mais
difllceis. Os 80 mancebos que a compunham.
Padre.
rio e suprema estabelecida pelos revolucionarios. commum proposta pela Hespanha, ordenada p'elo triumphal, e suas manobrasforara muilo anulan-
A Io de Janeiro de 1819, molu proprio con- bom senso o conforme aos verdadeiros inleresses didas.
- ________ -----4-____:_ .* .(i itrt*t*i nno aIU au.i>:. -.^_f\.:__-- ,
Mas. nao comprometieran) elles seu carcter
militar consentindo em apparecer no scenano do
um thealro, e ah fazer evolucoes e exercicios.
diante de urna multido de espectadores aos quaes
pediam tfUOO de entrada? Seja corno Mr, o
Ira aconvoca^o de urna assemola nacional do da '8reJ*i Pois ella mostrara o perfeito accordo
estado romano. Po IX denuncava esle acto ; das "a{6es-catho_licas na casa do pai, pronuncia-
como um altentado odioso e sacrilego commet- rara-se pela acro simultanea. A Austria, Napo-
tido em prejnzo da sua independencia o de sua '''s e a Hespanha accederam a esle pedido, e foi
soberana, digno dos castigos comminados pelas <"cterminado_ que as tropas de cada urna das a-
po ar essa senlen?a de excommunhao ; mas; oir Potencias para restituir ao Papa todos os Os milicianos de Londres tomnm o officio ac
urna correspondencia dirigida de Roma ao/orno/ eus estados, mas alfectando fazer um papel par- serio lano quinto os zuavos de Chicago ? O
do'Debates, epubUcada em 2* de Janeiro de tt'' *se.8urnr ?s votos da maioria. e Punch pareceidu^id.r disso, a julgarmos p"o.- um
1849 por esla folha, mostrava as cousas sob seu ,errn'na corn observado : do suas ultimas caricaturas, lia reprsenla unx
verdadero aspecto : Fmal mente, quanlo ao publico, esses peque- national guard mandando limpar a lama por ura
Desta vez, a voz severa e paternal do Papa "* clculos da poltica dessappareciam 00 Saboiardo. Dando-me Vmc. dous vintens. diz
achou echo. Nao houve as massas nem des-' WV" 'a u da ,ntervenQao. Iamos a Roma e o menino, consentrei em ser seu alvo. u,r



gora o Papa
nado a entrar no Quirinal.
Urna nota do cardeal Antonelli, pro-secre-
riam outra cousa, e a declaravam bem alio .
Esta exposico dos factos dispensa-nos de todo
tao de estado, datada de Gaeta/de' 18 defevel i UvTdTsr'E0u"^TS?T ?T? ^
reiro de 18J9, indica em termos qual foi o resul- L^r?= !:.Ejgemo Ve.ul"ot. do qual daremos ,
UOO O.pp.,,0 de Sua Santid.de aos soberanos ^r^T^Tts^^^^
prximamente urna analyse desenvolvida, con-
masso-
lhas humanas de sua milicia
C. DE LAROCHE-HHON.
[Monde. II. uperron.)
O Monitor publicou um documento de
affeico.
A Hespanha iuslcou plenamente o seu ti-
tulo de na;ao catholica. Foi ella quem tomou a
iniciativa das negociares. Desde SI de. dezera-
), porm aeve successtvamenie cora-
. prehonder as irapoitacoes dos outros paizes. Sao
rdltamos ha alguns das as prevaricacoes com- mu diversos os artigos de que se irata nessa
meiudas pelo conselho municipal de New-York, i primeira parte ; notar-se-ha entrelanlo que ella
por oceasiao da assisteaci da em/oauada iapo-' se compe principalmente dos melaes e de suas


w
MARIO DE PERHAMBCO. QUINTA FEIRA 13 DE DEZEMBRO DE 1860.
numerosas divisos, lacs sao como as machinas,
as erramentas, os instrumentos utensilios de
qualqucr especie.
O tratado de 23 de Janeiro entre a Franga e a
Inglaterra era um acto completo por parte desta
ultima potencia. Elle entrara na indivdUgao
das obrigacocs que ella contrahia tm relago ao
commercio francez. Apenas reser*ava, de con-
formidad* com a constituido ingleza, a saocgo
de partimento. Essa sanegao fui dentro em pou-
co oLtida, nao s para lodos os favores que o
tratado (rumetlia sabida dos productos france-
zes, as anda principalmente, mais que isso. A
nova tarifa das alfandegas, tal o/aal o parlamento
santcionou, pelo qua diz respeito a cerlos ar-
ligos, mais liberal que o mesmo tratado, por isso
que ella consagra a entrada em franqua do cer-
cos objectos sobre os quaes o datado deixava re-
taliir alguns direitos.
Quanto a Franja, o tratado cotinha ura prin-
cipio em vez das disposicoes de urna tarifa. Or-
denava elle quo se aboissem as prohibigoes e
que fossem substituidas por direitos cojo mxi-
mo apenas lixava, o qual era primeiro de 30 %,
rednztndo-se a 250a partir do Io de oulubro de
le61. Podia-se alm disso applicar esse mxi-
mo a todas as mercadotias, ainda que nao pro-
hibidas. Dizia que otilro tratado havia de esla-
belecer o valor real dos direitos abaixo desdes
limites. O quadrede direitos quetraz o Monitor,
o resultado da primeira conveugo que breve-
mente ser completada por oulra.
O publico ha de examinar com urna curiosida-
de mais que ordinaria o quadro desses direitos
no vos. pressar-se-ha em corupara-los com a
amiga tirito, Ainda que. as mercaduras da maior
fabricado, islo, os tecidos, iiosejam ah men-
cionadas, essa primeira pane nem por isso deixa
de revelar o quedevu ser a tarifa em seu todo, e
da a conliecer o alcance do proprio tratado. Com
eToilo, a medida que os direitos sob os quaes
entraren em Franca objectos lo neeessarios a
industria como machinas, ferrameiilas eappare-
Ihos de qtMlqaer especie, porm mais ou menos
moderados, a tarifa peder e dever ser mais
ou imtios liberal, nesle sentido que nao seria
justo nem fcil reduzir n'umi grande proporcao
gresso estos ltimos annos. O consumidor ter
mais onde escolher, e os fabricantes fraocezes
raais estimulados, aperfeigoaro seus productos
com mais rapidez. A baiia no direito sobre o
ac tornar a larefa mais fcil.
Temos pressa de chegar s machinas, ferra-
menlas o utensilios. Aqu a redueco anda
sensivel ; quanto s machinas e mechanicas, ella
varia desde j de metade a dous lergos, salvo ser
mais pronunciada daqui ha quatro anuos. Os
arligos que pagavam 193200(48 fr.) por 210 Ib.
tOOkilog.), s pagarao ftfOOO (15 fr.) para des-
ceren) a 49000 (10 fr.) no Io do oulubro do 1864.
As pegas separadas, as quaes a tarifa mitiga da-
va golpes morlnes, serao objectos de ura trata-
meoto mais brando. Comtudo, deve se crer que
poderam gravar menos aiuda algumas dellas no
interesse do Irabalho nacional; mas o que nao se
fez hoje, far-se-ha amanha. Afim de nao dei-
xar o teitor sob urna impresso injusta, devenios
acrescenlar que quanto s pecas separadas de
machinas c mechanicas, os direitos que lomamos
a liberdade de adiar exagerados, ainda nao sao
era alguns casos seno o dcimo dos direitos an-
teriores.
Quanto s ferramenlas propriamenlo ditas, co-
mo limas, sepos e sepilhos, sorras, a reduegao
pelo menos de tres quintos, as mais das vezes de
quatro quintse s vezes de ciuco sextos. A niu-
danga ha de ser summamento vanlajosa para os
artistas, para os cultivadores, assim como para
as grandes oficinas.
Por hoje limitaremos ahi essas informages nu-
mricas acerca do total da nova tarifa. Apenas
acrescontaremos que o mesmo liberalismo intel-
ligente que acabamds de assignalar por urna se-
rie de artigos importantes, encontra-se na Oxa-
gao dos direitos sobre as o&ras de couro, que sao
tao multiplicados e corresponden) as priiueiras
necessidades, e que erara prohibidos at hoje ; so-
bre os arligos lo variados da marcineria que a
prohibigo tambera alcangava; sobro as obras do
seges, carros ele. ele, que erara prohibidas, e
quede hoje era diante, assira como a marcineria,
c as obras de couro, nao seio mais sujeilas se-
no a um direito no valor de 10 o|0. Menciona-
mos anda as obras de madeir>, coja maior parle
lrancezas, por mais onerosa que essa protecgo
poesse sur para o publico, se ellas dewssem
continuar a ser vexadas todas as vezes que qm-
zessem obter o material aperfoigoudu que csii-
vesse era posse de seus rivaes do exterior.
O quadro inserta no Monitor obier, segundo
eremos, a opprovago das pessoa*. em numero
sempre crescunlo, quo desejam que seja seria a
reforma das alfandegas e que ella nos encami-
ulia para a liberdade commercial, dando a in-
dustria manufactura lo la a facilidade para obter
ferramenlas e para abasle.cer-se de materias pri-
mas, ao mesmo lempo que no interesse geral
da sociedad, para um tira bera justo, deixam-
Iha sentir o aguilno da concurrencia esirangei-
ra, do qual o partido prohibicionista poifavaem
querer i/cnta-Ia.
Para terem urna justa idea da superioridade da
nova tarifa sobre a anliga, poil-la-liiain encarar
d.iaixo de tres pontos de vista em primeiro
lug^r de preferencia a ludo, seria mister cam-
parar o total dos direitos que veem n'uma c
n'outra : ao depois, cunveni saber em que pro-
iiorgo diminuirn a complicago da tarifa an-
liga, formando dos artigos niaiores grupos. As
disluicgOes subtia deque eslava erngada a tarifa
SUtiga, a niullijo de classes quo apresentava,
causa va m ao commercio perdas te lempo e da-
vam lugar > conteslagoes lamentareis, e sem-
pre onerosas para os commerciautes. Ellas pre-
cisaran da preseng no quadro das alfandegas
de um verdadeiro exercilo que uiuilo cuslava a
maular. Ja o nutaram : o numero dos empre-
gadosdas nossas alfandegas, genio alias honrada
oque prestara grandes senigos agricultura e
s fabricas, eju-lanienle igual ao effeclivo do
.-xercilo que commandava o primeiro cnsul na
balalha decisiva de Mirengo. Ao menos mais
de metade. Em lerceiro lugar, o -rgimen das
alfandegas pode ser examinado cora lelaco toa
regulameiiios que accompanham a tarifa, e que
regulam sua applicago. Foi ahi que o genio das
prohiDignes deseuvolveu a fecuudidade de seus
recursos ; e nesses regulamentos quo se v cla-
ramente que, segundo o pcusaoienio dos prohi-
bicionistas, a alfandega apenas urna machina
destinada a impedir o commergio, cm vez de
ser principalmente o que ha de so tornar para o
futuro, ura instrumento proprio de agenciar ren-
das para o estajo.
Debaixo desso lerceiro ponto de visla, ha rnui-
to que fazer, quando deuitivameute concluido o
traalo, lia de se laucar ao mar tres quarlos des-
ses regulamentos malfazejos que pareccm inven-
lados para crear demoras, difficuldades, impos-
sibildades 3s transaccoes. O actual director ge-
ral das alfandegis, o" Sr. Forcade, deu ltima-
mente prova drt suas excelleutes disposiges a
este respeito por urna circular relativa aos ga-
lios da zona fronteira, a qual o Jornal dos Deba-
tes reproduzio. O tratado de commercio de 23
de janeir, ou a convengao actual quo a con-
sequencia Jt lie nao podiam estatuir sobro os
regulamentos de urna maneira muito efficaz o
profunda ; mas poden ao menos trazer o cunlio
de sua vontudo boa e firme.
Se se estudar a nova tarifa em cada um des-
ses tres pontos de vista, ver-se-ha quo ella cor-
responde a especta'iva publica Nao queremos
dizer que ella seja perfeita. que nada deixe a
desejar ; mas o carcter disliocto das reformas
deste genero serem sueeessivas, e o essencial
era entrar na verdadeira senda. Ora, certamen-
te que li entraran com inlelligencia c resolugo.
sem se desviaren entretanto daquelle espirito de
moderagoque a salvaguarda do progresso.
Acea de cada um desses tres pontos, nao te-
mos a inlenro de dar hoje, ou mu prximo,
todas as informarnos qne exige o assumplo. Li-
rciiar-nos-heraos a um rpido bosquejo. Em
primeiro lugar, quanlo ao total dos direitos,
impossivel contestar que foram reduzidos n'uma
grande proporgo. Restan ainda direitos eleva-
dos, poim nao ha mais daquelles direitos que a
elevagio lornava prohibitiva, e com os quaes,
quando prevaleca a influencia prohibicionista,
pareca desafiar e insultar o commercio. Os di-
reitos reduziam-ee pouco mais ou menos a me-
tade quanto no metal fundido que materia de
um grande emprego. Quanto s barras de ferro
de diversas grossuras tam bem de quasi meta-
de com algumas dill'eiencas, ora para mais, era
para menos. Quanto s fui has de ferro, a reduc-
cao maior as qualidades mais cornmuns ;
'.liega a dous tercos; quanto aos fios de ferro,
nao menos de quatro quintos. Estes dous l-
timos arligos erara tarifados do modo mais des-
.rrasoado. |
O ago urna substancia que merece ser toma-
da em grande considerarao ; em tolos os lempos
f 'z-se de ac a parle mais activa das ferramen-
ts. Hoje em dia generalisa-se o uso do ago ;
este subslilue o ferro em um numero de empro-
gos sempre rrescentcs. Um dos absurdos com-
cicttidos a respeito do alfandegas, po terapo da
leslauragao, consista em que o direito sobre o
a:o em barra que era de 3,960 rs, (9 fr. 90 c.) no
primeiro imperio, foi elevado enlo a
,132 fr.)
J em 1853, esses direitos verdaderamente
monstruosos, que tinham sido eslabelecidos so-
bre o ago desde 1814, eram diminuidos de tres
quartos. Comtudo ainda ficavam mui allos
erara 14.400 ris (36 fr.) por cada 210 Ib. (100 ki-
lo^rammos) ; incluera-se as duas dcimas le
double decime) era lodos os direitos aqui men-
cionados. Foi reduzido a raeiosde metade, isto
, a 8JO00 (15 fr). Fallamos do ago em barra.
Os direitos sobre os outros metaes- taes como o
cobre, o chumbo, o eslanho, o zinco, o nichel,
eram mui diminuios, estando esses metaes no
estado bruto : comludo foram ainda diminuidos.
A reducgSo consideravel para os metaes lami-
nados ou passados fieira, queenam muito mais
sobrecarregadoa que os metaes brutos.
.As obras em metaes lambem nao pagara gran-
des direitos : os aijeclos era ferro fundido, por
exemplo, cujo emprego lo geral na industria,
ossira eomo no trafico domestico, mas que eram
prohibidos, enlraram como direitos mdicos. A
agricultura e a industria de edincaeao que em-
pregam lanos canos de ferro fundido, obte-los-
nao de hoje em diante por prego mais coramodo.
porque a concurrencia exterior existir realmen-
te a este respeito. Assira lambem a louga quo
lo necessaria s familias pobres ; as pegas para
vigarnento, a serralheri, os pregos, as aneoras,
as rorreles e cabos para os navios, e os tubos
de ferro batido lo uleis hoje para acirculagodo
gaz de llluminago,
A culelaria era prohibida ; ser admittida com
um direito moderado. E' verosmil que ha^de
entrar um grande quaalitativo em Fraoga, ainda
que a culelaria de fhiers e a culelaria fina cha-
mada de Pars tenham reaisado um grande pro-
ama espada saltou por urna janella, ainrestio coto
ajforca, quo o recebeu com urna descarga, da qual
pereceu instantneamente.
Apezar de se terreconhecido, qua o criminoso
fi morlo em acto de desesperada resistencia, o
delegado do 3o dislricto vai instaurar o processo
na forma da lei.
No dia 11 do corronle toi recolhido casa
de detencao sraente 1 hornera escravo, ordem
do sublelegado da Baa-vista.
Passageiros da barca ingleza Imogene, vin-
dade Liverpool.Joao Hartery, Nicolao Hartery
Jnior, Johnston Charles.
Matadouro publico :
Mataram-so no dia 11 do correle para o con-
samo desta cidade 75 rezes.
MORTALIO.VDK DO DA 12 DO CRREME
Mara, branca, 7 mezes, diarrhea.
Seraphina, parda, escrava, solteira, 45 aonos,
tosso convulsa.
Emiliano, pardo, escravo, 11 annos, enterite.
Manoella, prela, escrava, solteira, 2t annos, fa-
bezculo pulmonar.
Domingas, prela, escrava, 4 mezes, convulsoes.
Joanna Maria do Sacraraenlo. prea, solteira, 29
annos. cerebrele.
Eduardo Eugenio Montciro do Andrade, branco,
solteiro, 28 annos, gaslro enterite.
Emiliana, preta.a annos, ttano espontaneo.
Perciliano JosEerrtira da Silva, branco, 24 an-
nos, hepatile.
Joo, branco, 7 dias, convulsoes.
a protecgo de que gozavam al aqui as fabricas ; entrar em franqua, os movis, as armas bran-
cas e mais alguns outros arligos.
A nova tarifa offerecer, com relago a srapli-
cidade, urna vaut3gem sensivel sobre' a anliga que
era de urna complicago extrema ? Sob este se-
gundo ponto de visla, sua superioridade uo
menos evidente do que a respeito do total dos di-
reitos. Foi summauciile simplificada a classii-
caco dos ferros em barra e era verga. Nao po-
demos dizer o mesmo acerca da classificago das
folhasde ferro, que vo ser divididas era quatro
classes, ao passo que a tarifa anliga s roconhe-
cia uma. Nao era impossivel conservar essa uni-
dade ; ninguem sabe a que enfados para o com-
mercio d lugar urna classificago quo nao mui
simples.
A industria das ralbas de ferro nao ficaria com
a existencia comprometida so a livessem poslo
sob o mesmo direito geral que as barras, vergas,
e los do ferro. Por uma excepeo consignada
expressamente no tratado de 25"de Janeiro, as
barras mais ordinarias assira como os trilhos,
nao sero admillidos em Franca seno com um
direito superior a 30 /0, isto ": 7 fr. hoje o 6 em
lou4.
Equiparando as folhas de ferro s barras, as-
sim como lizeram para as barras de uma peque-
a dimenso e para os fios, dava-se ao publico
uma corapensago do que ha de alto uestes direi-
tos de 7 e 6 fr. sobre as barras e trilhos. A adop-
gao de um direilo uuiforme de 7 e 6 fr. mais tar-
de em todas as folhasde ferro sera excepeo sus-
citara menos dificuldades do que a applicago de
ura direito uniforme e moderado em todas as
ferramenlas do ago, e comludo nao recuaro
diante dessa ultima medida, parque reconhece-
ro sua grande ulilidade.
A tarifa dos direitos sobre as ferraioentas no-
tavel por sua simplicidade. Nao merece justa-
mente o mesmo elogio o direito sobre as machi-
nes e sobre as diversas obras de ferro. Resta
ainda uns resquicios de complicago. Mas a slm-
plifkago dessa parte da tarifa ser um dos pri-
meiros melhoramentos que se realisaro por tor-
ca das cousas.
E perfeitamente simples a tarifa da serralhe-
ria. Diremos o mesmo a respeito da tarifa das
casquinhas (plnqus), da entilara, da marcena-
ra, dos movis. As tres ultimas especies de ar-
tigos sao laxados ad calorem.
nestar noo liio follar do que foi oossivel fazer
no tralado cere* dos regulamentos da alfandega
para liminr-lhes a acgo restrictiva, lo fatal s
trausaeges. A nova coovengo nao conlem a
esse respeito seuo uma cousa. porcm ella ser
de grande obVilo. A entrada das machinas e me-
cnicas era suieila a muilas formalidades, em
virlude de um regulamento dalado de 15 de iu-
nho de 1845.
Eram precisos inventarios descilptivos, des-
anos por escala, e exame de comraissarios peri-
tos. A agricultura e a industria tiveram com
razo de que queixar-se, e uo deixaram de fa-
zer ouvir suas queixas, oque nao s ura direi-
to, mas Ura dever para os cidados as sociedades
modernas. Tudo isso, gracas a Dos, fica aboli-
do de boje em diante. ma importante appli-
cago que fazem da condemnago pronunciada
p.-la carta imperial de 5 de Janeiro conlra o abu-
so dos regulamentos. evidente que nao ser a
ultima.
Ainda nao est determinada a tarifa concer-
nenlo s mitras mercadorias. O conselho supe-
rior delibera ; deve ficar concordada antes do l.
de novembro.
E assim que o paiz vai gradualmente carainhan-
do para um novo rgimen industrial que ser ca-
racterisado nao s pela liberdade do commercio,
mas por uma liberdade mais ampia e mais fecun
da, a liberdade do traballio que dizia Furgol, no
prembulo de um celebre edicto, era o primeiro
dos direitos do homeni civtlisado. Ao desappa-
recerem, as infinitas restriccoes introduzidas as
alfandegas pelo espirito prohibicionista Iraro
em sua queda militas outras restriccoes e obsta-
culos que impediam o Irabalho de rliegarao ple-
no desenvolvimenlo do seu poder, e que por is-
so mesmo prvavo os particulares do bem estar,
o estado de um dos principaes elementos d
52,800
forca e de grandeza.
11. BAl'DRlLLARTE.
( Le Journal des Debats.H. Duperron
PERNAMBUCO.
vaga de substituto da
acham-se inscriptos os
23 votos.
21
4
2
2
2
2
1
REVISTA DIARIA-
Honlem concluio-se o acto da defeza das
theses apresentndas pelo Sr. bacharel Francisco
de Paula Salles ; e tendo sido approvado plena-
mente deve amanha ser-lhe conferido o grao
de doutor.
Para o concurso
Faculdade de Direito j
Srs. Drs. :
Joo Alfredo Correa do Oliveira.
Maonel Moreira Guerra.
A nova tarifa das alfandegas a que se refe-
re o decreto de 3 de novembro prximo passado
de n. 2684, tem da ser posta em execugao do dia
9 de fevereiro do anuo vindouro por dianle, con-
forme o delerminou a ordem do thesouro nacio-
nal de 9 de novembro ultimo.
A eleigao procedida para os dous deputados
do tribunal do commercio, que devem servir no
quatriennio de 1851 o 1864, deu o resultado se-
guinte :
Joo Ignacio de Medeiros Reg .
Joo Pinlo de Lomos.....
Joo Baptista Fragozo.....
Antonio Valentim da Silva Barroca
Antonio Joaqniro Seve.....
Candido C. Gundea Alcofarado .
Aotonio Jos de Castro......2
Jos Francisco Lavra .
Manoel Gongalves da Silva .... 1
Avista desle resultado, foram reeloitos os mea-
mos senbores da eleigao anterior.
Comparecerarn aocollegio eleitoral vinle e no-
ve commerciantcs.
Honlem, anniversario de S. M. el-rei da
Saxonia, o vice-consul deste Estado tev6 a ban-
deira igada.
Hontem pelas 5 horas da manha, tendo
uma patrulha de guardas nacionaes, commanda-
da pelo inspector Podro Camillo Ferraz, do Io
distnclo da subdelegacia de S. I.ourengo, cerca-
do por ordem do subdelegado, uma casa no en-
genho Macique, por suspeitas de nella estaro
criminoso de morte em Santo Anto, Francisco
Rodrigues, suocedoo que este, que com effeito
ah se achava, disparasse repentinamente dous
tires sobre a forga, feriodo gravemente ao guar-
da nacional Manoel ds Silva, e armando-se de
CHR0NICAJ1DURIA.
TRIBUNAL DA RELACO.
SESSAOM 11 DE DEZEUBRQDE 1860.
PRESIDENCIA DO EXM. Sn. C0NSELHEIR0 ERMEL1S0
DE LEAO.
As 10 horas da manha, acluindo-se presen-
tes os Srs. desembargadores Caelano Santiago,
Silveira, Gitirana, Lourengo Santiago, Guerra,
Silva Gomes e Villares, procurador da corda, e
o Dr.. juiz de direilo Domingues da Silva, foi
aberla a sesso.
Passados os feitos e entregues os distribui-
dos, procedeu-se aos seguintes
JULG AMENTOS.
RECURSOS CR1MES.
Recrrante, o juizo ; recorrido, Alexandre Fer-
reira Camiuha.
Relator o Sr. desemhargador Caetana San-
tiago.
Sorteados os Srs. desembargadores Silveira,
Gitirana e Silva Gomes.
Improcedente.
Recorrenle, o juizo ; recorrido, Joo Pereira
Dulra Oliveira.
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os Srs. desembargadores Silveira,
Silva Gomes o Lourenco Santiago.
Improcedente.
Recorrenle, o juiza ; recorrido, Anna Jaaqui-
na de Jess.
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os Srs. desembargadores Silva Go-
mes, Lourengo Santiago e Silveira. a
Improcedente
Recorrenle, o juizo ; recorrido, Joaquim Pedro
Brrelo de Mello Reg.
Relator o Sr desembargador Silveira.
Sorteados os Srs. desembargadores Louren-
go Santiago, Silva Gomes e Gilirana.
Improcedente o recurso.
Recrreme, o juizo; recorrido, JeaqumOri-
nandro da Fonseca.
Relator o Sr. desembargador Lourengo San-
tiago.
Sorteados os Srs. desembarg-idorcs Gitinna,
Silveira e Silva Gomes.
Improcedente.
Recorrenle, o juizo ; recorrido, Fausto Beija-
min da Cruz Gouveia.
Relator o Sr. desembargador Silveira.
Sorteados os Srs. desembargadores Lourereo
Santiago, Gitirana e Silva Gomes.
Improcedente.
Recrranle, o juizo ; recorrido, Manoel .vi-
lano de Oliveira.
Relator o Sr. desembargador Silveira.
Sorteados os Srs. desembargadores Louren-.o
Santiago, Gitirana e Silva Gomes.
Improcedente.
Recorrenle, o juizo ; recorrido, Francisco I)t-
glant.
Relator o Sr. desembargador Caetano San-
liago.
Sorteados os Srs. desembargadores Gitirana,
Silva Gomes e Silveira.
Improcedente.
Recorrenle, o juizo ; recorrido, Joo dos San-
tos Feitosa.
Relator o Sr. desembargador Silva Gomes.
Sorteados os Srs. desembargadores Silveira,
Gitirana e Lourengo Santiago.
Improcedente.
Recrranle, ojuizo; recorrido, Brasilino Jos
de Araujo e outros.
Relator o Sr. desembargador Silva Gomes.
Sorteados os Srs. desembargadoros Lourenco
Santiago, Silveira e Gitiram.
Improcedente.
CARTA TESTEMIXHVVEL.
Aggravanle, Isabel Ferreira Bailar ; aggra-
vado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Silveira.
Sorteados os Srs. desembargadores Silva Go-
mes e Lourenco Santiago.
Deram provimento.
APPELLVCOES CIVEIS.
Appellante, Luiz Gomes Ferreira ; appellados,
os herdeiros de Luiz Gomes Ferreira.
Dcsprezaram-se os embargos.
REVISTA CFVm.
Recrranle, Jos Marques de Carvalho ; recor-
rido, o desembargador Caelano Vicente do Al-
meida.
Julgou-se a favor do recorrido.
Negaram a soltura pedida em habeas-corpus,
por Juvino Carneiro Machado Ros e outros.
Concedeu-se a ordem pedida era habeas-cor-
pus por Alexandiina Hara da Luz, para o dia 15
' do corrente, s 11 horas do dia, ouvida a autori-
dade competente.
dem a Manoel Antonio de Moraes.
dem a Manoel Pedro de Alcntara.
ACCnAV DE PF.T1CA0.
Agravante, Francisco de Paula Queiroz Fon-
seca ; aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Gilirana.
Sorteados os Srs. desembargadoros Caetano
Santiago o Silveira.
Negaram provimento.
DILIGENCIAS CRIMES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
jusliea, as appellacoes crimes :
Appellante, o juizo ; appellado, Joo Ferrei-
ra Ferro.
Appellante, o juizo ; appellado, Ignacio Fer-
reira Lima.
Appellante, Eleulerio, escravo : appellado, o
juizo.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Cardoso
da Silva.
Assignou-se dia para julgamcnto da seguinte
appellages crimes :
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Ber-
nardo Guerra.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Gomes
Tolentino.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Joaquim
Ferreira de Mello.
Appellanto, o juizo ; appellado, Joo Francis-
co da Silva.
Appellanto, o juizo; appellado, Vicente Fer-
reira Gomes da Silva.
Appellanto, Zeferino, escravo; appellado, o
juizo.
Appellante, ojuizo ; appellado, Leandro Gon-
galves.
Appellante, ojuizo ; appellado, Francisco Jos
Bezerra.
Appellante, o juizo ; appellado, Saturnino da
Silva Peixolo.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel An-
tonio de Andrado.
Appellanle, o juizo ; appellado, Manoel Ale-
xandre da Silva,
Appellante, ojuizo; appellado, Joaquim Jos
de Santa Anna.
As appellages civeis :
Appellanle, Luiz Antonio Gongalves Ferreira ;
appellado Joo Francisco de Arroda Falco.
Appellante, Jos Ponciano Gomes de Mello ;
appellado, Francisco Bruno Jacome Bezerra.
Appellanle, Manoel Tavares de Aquino ; ap-
pellado, Jos Jacinlho Favo.
Appellante, D. Thereza da Silva Vianna ; ap-
pellado, Joo Piras Soares.
Appellante, Jos Joaquim Feroaodes Firmo :
appellado, Manoel Dias Goozaga.
DISTRlBUigBS.
Ao Sr. desembargador Caetano Santiago, os
recursos enme:
Recorrenle, ojuizo ; recorrido, Bernardo Be-
zerra dos Santos.
Recorrenle, t> juizo ; recorrido, Firmino Car-
doso Siqueira.
As appellacoes crimes :
Appellanle, o juizo ; appellado, Joao da Cruz
Sizudo.
Appellanle, Jos Lourengo de Lucem ; ap-
pellado, ojuizo.
Appellante, Salviano Jos de Oliveira; appela-
do, o juizo.
Ao Sr. desembargador Silveira, o recurso
crimes :
Recorrente, [alaquias Finio do ouza ; recor-
rido, o juizo.
Recorrenle, o juizo ; recorrido.A nlonio Jacin-
tho Pacheco.
As appellacoes crimes :
Appellanle, Quiteria Maria do Espirito Santo ;
appellado, ojuizo
Appellante, ojuizo ; appellado, Manoel Go-
mes da Silva.
Appellanle, o juizo : appellado, Filippe Vi-
rissimo da Costa.
Ao Sr. desembargador Cilrana, os recursos
crimes:
Recrrante, o juizo ; recorrido, Francisco Al-
ves de Barros.
As appellages crimes :
Appellanle, o juizo ; appelldo, Severino Jos
de Souza.
Appellanle, Manoel Muniz Falcio ; appellado,
o juizo.
Ao Sr. desembargador Lourengo Santiago, os
recursos crimes :
Recorrente, ojuizo; recorrido, Francisco do
Abreu Barros.
Recorrenle, o juizo ; recorrido, Firmino Car-
doso de Siqueira.
As appellages crimes :
Appellante, o juizo ; appellado, Jacintho Ma-
no I da Hora Mendes.
Appellante, Luiz Gonzaga Capoeira ; appella-
do, o juizo.
Ao Sr. desembargador Silva Gomes, os re-
cursos crimes :
Recrrante, o juizo; recorrido, SeriolauGuillon.
Recrranle, o juizo ; recorrido, Manoel Gilira-
na lavares e Vasconcellos.
As appellages crimes :
Appellanle, Joo Francisco da Silva ; appella-
do, o juizo.
^ Appellante, Joaquim Jos de Mello ; appella-
do, Benedicto e Paula, escravo?.
As 3,'j horas da lardo encerrou-se a sesso.
COLLECTORIA PROVINCIAL DE
OLINDA.
Alterarles feitas no lancamento da
dcima urbaua, que pagam as ca-
sas pertencentes collcctoria de
Olinda, para o anno de 1860
1861, pe collector Manoel Jos
de Azevcdo Amorira.
[Continuando.)
Estrada de Luiz do Reg.
N. 1.Viuva e herdeiros de Euge-
nio Noiberto Alves Ferreira, pro-
prietario de uma casa terrea ar-
rendada annualmente por........ 96#000
dem 11. Joo Simo doAlmei-
da, proprictario de uma casa ter-
rea arreodada annualmente por.. 480J000
dem 12. O mesmo, proprielario
de urna casa terrea arrendada an-
nualmente por .................. iSOjjOOO
dem 17. Miguel Archanjo Fer-
nandos Vianna, proprietario do
una casaterrea arrendada annual-
menle por........................ 300-JOOO
dem 27. Francisco Martina Ra-
poso, proprietario de urna casa
terrea arrendada animalmente
Por............................... 963000
dem 29.O mesmo, proprietario
de uma casa terrea arrendada an-
nualmente por .................. 96J00O
dem 30. O mesmo, proprietario
de urna casa terrea arrendada an-
nualmenle por .................. 96^000
dem 31.O mesmo, proprietario
de uma casa terrea arrendada
annualmente por ................ 96SS000
dem 32.O mesmo, proprietario
do uma casaterrea arrendada an-
nualmente por................... 96#000
dem 33. O mesmo, proprieta-
rio de uma casa lerrea arrendada
annualmente por................ 965000
dem 31.O mesm, proprietario
de uma casa terrea arrendada an-
nualmente por.................... 960000
dem 35.O mesmo, propri-tario
de urna casa terrea arrendada
annualmenlo por................ 96$000
dem 36. O mesmo, proprieta-
rio de urna casa terrea arrendada
annualmente por................ 96j>000
dem 37. O mesmo, proprietario do
uma casa terrea arrendada an-
nualmente por .................. 96*000
dem 38O mesmo, proprietario
de uma casa terrea arrendada
anniialmento por................ 96g000
dem 41. Carlos Luiz Cambron-
ne, proprietario de uma casa ter-
rea oceupada pelo proprietario,
avaliada annualmente por........ l:4O0JJO00
dem 48. Joao Francisco de Oli-
veira, proprietario de urna casa
terrea arrendada annualmente
Por .............................. 72:000
Estrada-Nova.
N. 1. Jos Gongalves Ferreira
Cosa, proprietario do uma casa
terrea arrendada annualmente por 120000
dem 2 O mesmo, proprietario
de uma casa lerrea arrendada
annualmente por................ 120$000
dem 9. D. Francisca Maria de
Jess, proprietaria do uma casa
lerrea oceupada pela propriela-
ria, avaliada annualmente por.. 3003060
dem 14. Jos Pereira Vianna,
. proprietario de uma casa lerrea
arrendada annualmenlo por...... 4OO3OOO
dem 30. Antonio Eustaquio Go-
mes, proprielario de uma casa
terrea arrendada annualmente
Por .............................. 400g000
dem 31. D. Olympia Gomes,
proprietaria de uma casa terrea
arrendada annualmente por...... 4C0JO00
dem 32. A mesma, proprietaria
de uma casa lerrea arrendada an-
nualmente por................... 4005000
Travess.i de Santo Amaro.
N. 3.Joaquim Antonio Carneiro,
proprielario de uma casa terrea
arrendada annualmenlo por...... I8O9OOO
dem 4.O mesmo, proprielario de
uma casa lerrea arrendada an-
nualmente por .................. 2OO5OOO
dem 5. O mesmo, proprielario
de urna casa lerrea arrendada an-
nualmente por .................. 180$000
dem 7. Guilhertne Pemil, pro-
prietario de urna casa lerrea ar-
rendada annualmente por..___ 150$0O0
dem 8.O mesmo, proprietario do
urna casa terrea arrendada an-
nualmente por .................: lGOfOM
dem 9. O mesmo, proprietario
de uma casa lerrea arrendada
annualmente por................ 120j*000
dem 10.O mesmo, proprietario
de uma casa lerrea arrendada
annnalmenle por............... 150000
dem 11. O mesmo, proprietario
de uma casa terrea arrendada
annualmenlo por................ 120S00O
dem 12. O mesmo, proprietario
de uma casa terrea arrendada
aooualmenle por ................ 144$000
dem 13O mesmo, proprietario
de uma casa terrea arrendada
annualmente por ................ I5O9OOO
dem 14. O mesmo, proprielario
de uma cas de sobrado de 1 an-
dar arrendado annualmente por 4009000
dem 18.Francisco Elias, proprie-
lario de uma casa terrea arren-
dada annualmente por............ I2O3OOO
dem 19.Miguel da Cunha, pro-
prielario de uma casaterrea ar-
rendada annualmonle por...... 120*000

Travessa da Estrada-Nova.
N. 24. Antonio Alves da Costa,
proprielario de uma casa terrea
oceupada pelo proprielario, ava-
liada annualmente por.......... JOJOOO
dem 28. Custodio Alves Rodri-
gues da Costa, proprietario de
urna casa terrea arrendada annu-
alraeote por...................... 240$000
dem 29.O mesmo, proprietario
de uma casa terrea arrendada
annualmente por ................ 24O#O0O
dem 30. O mesmo, casa terrea
arrendada annualmente por...... 400&000
dem 34.Jos da Costa Barros,
proprielario de uma casa terrea
arrendada annualmente por...... 72J000
dem 35.O mesmo, proprietario
de uma jasa lerrea arrendada
annualmente por ................ 72#000
dem 36. O mesmo, proprietario
do uma casa terrea arrendada
annualmente por ................ 72J000
dem 37. O mesmo, proprielario
de uma casa terrea arrendada an-
nualmente por .................. 723OOO
dem 38.Jos Gongalves Ferreira
Costa, proprielario de uma casa
lerrea arrendada annualmente
tlPr ...................... 168^000
dem 39. O mesmo, proprictario
de uma casa terrea arrendada
annualmenlo por ................ I683OOO
dem 40.O mesmo, proprietario
do uma casa terrea arrendada
annualmente por ................ 2163000
dem 41.O mesmo, proprietario
de uma casa terrea arrendada
annualmente por................ 216000
dem 42. O mesmo, proprielario
de uma casa lerrec arrendada por 216j000
dem 43. O mesmo, proprielario
de uma casa lerrea arrendada an-
nualmente por .................. 216J000
Ilem 44 O mesmo, proprielario
de uma casa terrea arrendada an-
nualmente por.................... 84$O0O
Ra da Fundigo.
N. 6 Candido Casemiro. Guedes
Alcanforado, proprietario de uma
casa lerrea arrendada annualraen-
.'o por............................ 360JOOO
dem 7. O mesmo, proprielario
do uma casa terrea arrendada
annualmente por ................ 192JO00
dem 8. O mesmo, proprielario
de uma casa terrea arrendada an-
nualmente ...................... 132J00
dem 9.o mesmo, proprietario de
uma casa lerrea arrendada an-
nualmente por .................. 1323000
Travessa do Costa.
N. 9. O mesmo, proprietario do
uma casa lerrea arrendada an-
nualmente por .................. 48$000
dem 10. O mesmo, casa terrea
arrendada annualmente por...... 483000
Estrada do rombal.
N. 1. Jos Ignacio do Couto,
proprietario de uma casa terrea
arrendada annualmente por ___ OOgOOO
Estrada do Cafund.
N. 2.Brigadeiro Joaquim Bernar-
do de Figueiredo, proprietario de
uma casa terrea arrendada an-
nualmente por.................. 200$000
dem 4. Jos Moreira da Silva,
proprietario do uma casa lerrea
arrendada annualmente por...... 96SOO0
Estrada do Manguinho.
N. 3.Bernardo da Cunha Teixei-
ra, proprictario de uma casa ler-
rea arrendada annualmente por 360>O0O
Ra do Agougue.
N. i.Paulo Jos Gomes, proprie-
lario de uma casa terrea arrenda-
da annualmenlo por.............. 203000
dem 7. Jo? Dionizio Alves
Ferreira, proprietario de uma ca-
sa de sobrado de 1 andar, arren-
dad0 Por.......................... 6003900
Ra da Ventura.
N. 1.Ignacio Nunes de Oliveira,
proprieUro do uma casa terrea
arrendada annualmente por...... SOJOOO
dem 3. Sebaslio Jos Gomes
Penna, proprielario de uma casa
terrea arrendada annualmente
, Pr ............................. 1:000*000
dem 5.Joaquim Jos da Cosa
Faijoza, propriedade le'rea ar-
rendada annualmenlo por........ OOOjOOO
dem 7.Luiz Puech, proprietario
de uma casaterrea arrendada an-
nualmente por .................. 6OO3OOO
dem 8.Manoel Antonio Torres,
proprielario de uma casa terrea
arrendadada por.................. 8OO3OOO
dem 10.Antonio Jos de Castro,
proprietario de uma casa terrea
arrendada por.................... 8OO3OOO
dem 12.Orphos. lillios de Joo
Climaco Pereira Torres, proprie-
tarios de uma casa terrea arren-
dada annualmente por............ 200$000
dem 14. Viuva de Caetano da Sil-
va Azevedo, proprietaria de um
casa lerrea arrendada annualmen-
r 'c por............................ 600:000
dem 15.Joo Leite de Azevedo,
proprietario de urna casa terrea
arrendada annualmente por...... OOOjOOO
dem 29. Viuva e herdeiros de
Bernardo Lasserre, proprietarios
de uma casa terrea arrendada an -
nualraente por ................... O03O00
dem 30.D. Maria Francisca Ca-
valcanti, proprietaria do uma ca-
sa terrea avaliada por............ 2003000
dem 31. Claudina Marlioha do
Sacramento, proprietaria de urna
casa terrea avaliada annualmen-
10 por............................ 1203000
dem 32. A mesma, proprietaria
de uma casa terrea arrendada
animalmente por................ 4000090
dem 36.Viuva e herdeiros de Ber-
nardo Lasserre, proprietarios de
uma casa terrea arrendada an-
nualmente por.................... 2OO5OOO
dem 37.Dr. Joo Ferreira da Sil-
va, proprielario de uma casa ler-
rea arrendada annualmente por 1443000
(Centinuar-se-ha).
Correspondencias.
Srs. redactores : No dia 9 do corrente leve
lugar a festa de N. S. das Dores erecta na igreja
matriz desta cidade, que dorma silenciosa sua
bandeira em o poder do thesoureiro cerca de
oilo annos, porcm o negociante Joaquim Aure-
liano de Carvalho vendo o abandono em que se
achava a feslividade da Virgem Santissima das
Dores, de commura accordo cora alguns dos seus
amigos tomaram seu cargo esta lo grande e
importante misso, o quo levaram a vante, apre-
sentando-se no povo grande enlhusiasrao e rigo-
sijo pela feliz lembranca de lo benvolos cora-
goes ; tendo orado na missa da fesla o grande
pregador o Rvm; padre Fortunato Jos de Souza,
e^a noite o Rvm. padre vigario Joaquim de Ara-
gao Ebla, do que llcamos lodos satisfeitos com
os seus discursos, e pedimos mesma Virgem
Santissima das Dores que Ibes conceda longos
dias de vida para termos outro dia de igual sa-
tisfago ; a msica de orcheslra, com quanto fos-
se nova, desempenharara suas partes como era
de esperar, sendo esta administrida pelo grande
e hbil professor de msica Antonio Aquilino Flo-
ro de Lima, a quem devenios tributar toda con-
siderago de sincera eslima, pelo adianlamenlo
que lem desenvolvido 1 seus discpulos ; assistio
tambera em todos os actos da festa a msica mar-
cial denominada commercial, sendo esta dirigida
pelo mesmo professor cima, apresentando esla
todo desempenho as pegas era que tocaram, sen-
do todo este desempenho devidoao digno mestre
Floro de Lima, e ao capricho de seus alumnos ;
o Sr. thesoureiro da fesla em que se trata ha oito
annos que dorma cora a consciencia pesada pelo
abandono que fez feslividade da Virgem San-
tissima das Dores, de esperar que agora esteja
tranquillo por ter desencantado a bandeira de
soas roaos. Victoria 10 de dezembro de 1860.
Os espectadores do p do cruzeiro.
Pttblicacoes a pedido.
Eleico dos empregados que tem de fes-
tejar a Santissima Mi de Deus das
Dores ne anno de 1861.
Juizes por eleigao.
Os I Uma. Srs. :
Capito Antonio Pereira da Cmara Lima.
Negociante Joaquim Jos da Rocha.
Juizas por eleico.
As Exmas. Sras.:
Consorte do Illro. Sr. capito Caetano Jos Ca-
bral.
Consorte do Illm. Sr. capito Joaquim Manoel da
Silva.
Juizes por devoce.
Os Illras. Srs. :
Tenente Jos Carneiro de Albuquerque Lacerda.
Joaquim Monteiro de Albuquerque Barros.
Juizas pordevogo.
As Exmas. Sras. :
Consorte do Illm. Sr. Dr. Jos Maria Ribeiro Pa-
raguass.
Consorte do Illm. Sr. negocianle Manoel da Cost3
Ventura.
Escrivos por eleigao.
Os Illras. Srs. :
Rufino Jos da Cmara Pimentel.
Antonio Lourengo Rodrigues Luna.
Escrivaas por eleico.
As Exmas. Sras. :
Consorte do Illm. Sr. Jos Francisco de Salles.
Consorte do Illm. Sr. Antonio Alves de Jess.
Escrivos por devoco.
Os Illms. Srs. :
Norberto Jos d* Silva.
Manoel Carneiro de Freitas.
Escrivaas por devogo.
As Exmas. Sras.:
Consorte do Illm. Sr. Leandro Bezerra Caval-
canti.
Consorte do Illm. Sr. Manoel Francisco de Salles.
Procuradores.
Os Illms. Srs negociantes :
Landelino Lopes de Senna.
Manoel Joaquim das Trevas.
Anto Borges Alves
Ernesto Soares de Meirelles.
Thesoureiro.
O Illm. Sr. lenle Francisco Xavier Cavsicanti
de Almeida.
ELEICO
dos juizes, juizas, escrives e inordo-
raos, que nao de festejar iVossa Sc-
nhora da Conceioo na igreja da
Santa Cruz, no anuo de 1860 a 61.
Juiz por eleico.
O Illm. Sr. Luiz Moreira da Silva.
Juizes por devoco.
Os Illms. Srs.
Dr. Joaquim Borges Carneiro.
Zeferino de Lima Cavalcanti.
Claudino Jos de Siqueira.
Juiza por eleigao.
A Illm.a Exm.* Sr.a D. Alexandrina Rita do Am-
paro Costa.
Juizas por devoco.
As Illm."s Exm.ai Sr.s
D. Maria Cuarque Lins de Gusmo.
D. Antonia Maria da Conceigo Saldanha.
. Auna, lilha do Illm. Sr. Antonio da Costa Ri-
beiro e Mello.
Escrivo por eleico.
O Illm. Sr. Joo Francisca dos Santos.
Escrives por devoco.
Os Illms. Srs.
Thomaz Times.
Beuto dos Santos Ramos.
Escrivaas por devoco.
A Illm.3 Exm." Sr."
D.Joaquina Vres Lima Cavalcanti.
O. Margarida, niulher do Illm. Sr. Manoel Maria
do Nascimenlo.
Thesoureiro.
O Illm. Sr. Manoel da Silva Basto?.
Procuradores.
Os Illms. Srs.
Benjamim Vires Dulra.
Atidr Xavier Vianna.
Bordnos.
Os Illms. Srs.
Fr. Felisda Nalividade Pimentel.
Padre Agoslinho Lima Cavalcanti Lacerda.
Padre Franciseo Alves d'Abrantes.
Francisco Alves de Carvalho.
Antonio Alves Vilella.
Antonio Nunes de Oliveira.
Manoel Zeferino Dias Brrelo.
Jos Gabriel Carneiro da Cunha.
Manoel Tavares d'Aquino.
Antonio Joaquim Ferreira Porto.
Joaquim de Paula Lopes.
Armio Pessoa de Albuquerque.
Domingos Jos da Costa.
Joaquim Pereira dos Sanios.
Manoel Lins Ribeiro.
Francisco Ferreira da Silva.
Alexandre dos Sanios Barros.
Joo Manoel dos Santos Vital.
Domingos Jos Oas.
Antonio Candido Guimares da Silva.
Mordomas.
As Illm." Exm." Sr."
D. Josepha Peretti.
D. Maria Bernardina da Conceigo Lima.
I) Tranquilina Leopoldina Vires Dulra.
D. Candida Martina da Cruz Almeida.
I). Joaquina Correa da Silva Bastos.
I). Dignamerica Alves Vilella.
D. Joaquina Pereira Lopes da Silva.
D. Maria Carolina de Carvalho.
D. Margarida, mulher do Illm. Sr. capito Jos
Maria Gameiro.
D. Thereza Guilhermina de Carvalho.
I). Francisca das Chagas Ribeiro.
D. Francisca Januaria.
D. Uuibelina Luiza Vires Dulra.
O padre Manoel Cyrillo de Oliceira,
Coadjuclor pro-paroclio.
COMMEMCIO.
Alfan degra
Rendimento do dia 1 a 11. .
dem do dia 12.....
. 120.4923250
. 11:5195957
132:0123207
Moviniento da alfantlega.
V'olumes entrados com fazendas.. 238
com gneros.. 385
------626
Volnmes sabidos cora fazendas.. 147
com gneros.. 452
------599
Descarregam hoje 13 de dezembro.
Brigne americano Uniao mercadorias.
Barca americana Margareth farinha e breu.
Patacho americano Henry Dedier farinha c
papel.
Barca ingleza Belem fazendas e gigos.
Barc3 inglezaSararcarvo.
Brigue inglez=:Cluny idem.
Barca nacionalNorvalbacalho
Barca nacionalTrinculoidem.
Brigue inglezEvertoncarvo.
Barca francezaAdelecemento.
Rccebedoria de rendas internas
geraes de Pernambuco.
Rendimento do dial a 1!. 8:5953659
dem do dia 12.......1:3713049
9^663708
Consalado provincial.
Rendimento do dia 1 a 11. 22-095J665
dem do dia 12.......3:267$937
25:3633602
Pauta dos precos correntes dos princi-
paes gneros c produccoes
nacionaes que st despacharan pela alfandega
na semana de 3 a 8 de dezembro
do corrente anno.
Agurdenle de cana. caada 1JJC0O
dem restilada e do reino 15000
dem caiaca...... 5500
dem genebra...... IjOOO
dem alcool ou espirito de
agurdente...... l$80O
Algodo em em carolo, arroba 2J10O
dem em rama ou em la. 8$20O

*

i


DIARIO DE PERIUMBOO. QUINTA FEIRA 18 DE DEZEMBRO DE 1860.
W
Arroi; com casca.....
dem descascado ou pilado.
dem mascarado.....
Assucar branco.....
dem refioado...... Na
Azeite de amendoim ou mon-
dobim........ caada
dem de coco......
dem de mamona.....
Batata? alimenticias .... arroba
Bolacha ordinaria propria para
embarque.......
dem E na........
Caf bom......' .'
dem escolha ou restolho
dem terrado...... libra
Caibros........
Cal.......... arroba
dem branca......
Carne secca charque. ...
Carvo vegetal...... >
Cera de carnauba em bruto. libra
dem em velas (carnauba).
Charutos........ cento
Cocos seceos.......
Couros de boi salgados libra
dem seceos.......
dem verdes......
dem de cabra cordos um
dem de onca......
Doces seceos...... libra
dem em calda......
dem em raassa ou geleia
Espanadores grandes. um
dem pequeos .....
Esteiras propris para forro de
navio........ cento
Estoupa nacional .... arroba
Farinha de mandioca. alqueire
dem de araruta..... arroba
Feijo de qualquer qualidade.
Frechaes. ....... um
Fumo em folha bom. ...
dem ordinario ou restolho.
dem em rolo bom
dem ordinaro restolho.
Gomma........ arroba
Ipecacuanha (raz).....
Lenha em achas..... cento
dem em toros. ...
Lenhas e esteios..... um
Mol de canna...... caada
Milho........ arroba.
Pao brasil ...... quintal
Podras de amolar urna
dem de filtrar.....
dem rebolo......
Piassava........ molhos
Punta3 de vaccas e de novilhos cento
Pranches de amarello de
dous custados...... urna
dem louro....... *
Sabio......... libra
. arroba
$900
JJ500
2&800
4JJ500
63400
29000
1*600
15120
l#00O
*JO00
7$000
7S500
5JO0U
$300
400
?300
gO
4J500
1J600
$280
$400
MOO
4$000
$2-25
$ 00
150
S-ioo
mesmo Dr. Braz ; pelo que todos os pretendentes
o dito lugar se podero apresentar desde j ces-
ta secretaria para inscrever seus nomes no ltvro
competente, o que Ibes permiltido fazer por
procurador, se esliverem a mais de 20 legoas
desta cidade, ou tiverero justo impedimento- Sao,
porm, obrigados a apresentar documentos que
mostrera sua qualidade de cidado brasileiro, e
de que esto no gozo de seus direilos civis e po-
lticos, cerlidSo de baptismo, folha corrida do
lugar de seus domicilios, e diploma de doutor
por urna das Faculdades de Direito do imperio,
ou publica forma, justificando a impossibilidade
da apresentacio do original, e na mesma occa-
sio podero entregar qoaesquer documentos que
julgarem convenientes, ou como titulo de habi-
litacao, ou como provas de servidos prestados ao
estado, a humaninade ou a scieucla, dos quaes
se Ihes passar recibo, ludo de conformidade
com os artigos 36 e 37 do decreto 1386 de 28 de
abril de 1854, e 111 e seguintcs de numero 1568
de 24 de fevereiro de 1855.
E para que chegoe ao conhecimento do todos
mandou o mesmo Exm. Sr. director interino affi-
xar o presente, que ser publicado pelas folhas
desta cidade e da corte.
Secretaria da Faculdade de Direito do Reeife
16 de junho de 1860.O secretorio,
Jos Honorio Bezerra de Menezes.
Secretaria da Faculdade de Direito do Reeife
6 de dezembro de 1861. O ofiicial servindo de
secretario, Manuel Antonio dos l'ass 13 e Silva
Jnior.
O ILltu. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia, manda fazer publico que
00 da 13 do corrente vai novamente prac para
10j[000 ser arrematado a quem por menos Qzer o costeio
<"*nnn' de ^ lampees da cidade de Goianna, pelo pre-
' co de 300 rs. diarios por cada um.
*500^
*O0 j
3jJ200
\% 600'
spoo
8g000
1S250
55000
150000
7g000
16g000
6JJ000
3200
25$000
2g000
123000
50$000
240
1SOO0
lOftOCO
800
93000
13120
$200
53000
16SCO0
8$0C0
5120
253000
53000
2g800
9630OO
40|000
3J500
12&0O0
fSOO
280
Alfandega de Pernarabuco 7 de dezembro de
1860.
O 1." conferente,
Francisco de Paula Gonralres da Silva.
O 2." conferente,
, Domingos da Silva Guimares
A arrematarloser feila por terapo de 1 anno,
a contar do dia 20 do mesmo moz.
E para constar se mundou afxar o presente e
publicar pelo aDiario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, Io dezembro de 1860O secretario,
245000 A. F. da Annunciac-ao.
1S600 De or(lera do llm. Sr. Dr. ptocurador fiscal
i da fazenda provincial se faz publico, que as re-
lacdes de decimas o outros impostos, relativos
ao anno fiuanceiro de 1859 a 60, se acham em
juizo : os iulercssados podero solicitar as res-
pectivas guias, no escriptorio da ra do Impera-
dor n. 41, das 9 ', da manha $ 3 da larde,
para o que se lhes o o prazo de 30 dias, conta-
dos de hoje. Recite 28 de novembro de 1860.
O solicitador, Joo Firmino Correia de Araujo.
O Sr. inspector da alfandega faz constar
que, era virtude da circular do thesouro de 9 de
novembro prximo passado, e de ordem da the-
souraria, tem de ser posto em execucoo decre-
ton. 2684 de 3 d'aquel c.mez, c a nova tarifa das
alfandegas, a que elle se refere a datar do dia
9 de fevereiro de 1861.
Altandega de Pernambuco, 11 de dezembro
de 1860. O 1." escripturario da 4.a seceo.
Firmino Jos de Oliveira.
O Sr. inspector da alfandega faz constar que
em virtude da circular do thesouro de 9 de no-
vembro prximo passado, e de ordem do thesou-
raria, tem de ser posto em execuco o decreto n.
2,684 de 3 daquelle mez, e a nova tarifa das al-
fandegas, a que elle se refere a datar do dia 9
de fevereiro de 1861.
Alfandega de Pernambuco li de dezembro de
1860.O 1." escripturario da 4." seceo,
Firmino Jos de Oliveira.
Pela secretaria da cmara municipal do Re-
eife se avisa segunda vez aos senhores arrema-
tantes de talhos de acougue, que comparecam na
mesma secretaria com seus fiadores, afim de as-
signarem os4ermos de arremataces, ao contra-
rio tomar a cmara a providencia que for de
lei.O secretario,
Manoel Ferreira Accloli.
Pela collectoria das rendas geraes do mini-
cipio de Olinda se faz publico que no ultimo do
corrente mez, lermioi o praso do recebimonto
dos impostos sobro lojas e tabernas, laxa sobr6
escravos, 2a decima das corporacoes de mo-
morta, barcos do interior, foros dos terrenos de
marinha ele, pertencentes ao exercicio (indo de
18!>9 a 1860, (Indo o qual sero ditos impostos
cobrados judicialmente. Assim como o do pa-
gamento na collectoria do primeiro semestre do
exercicio corrente de 1860 a 1861, livre da mul-
ta de 3 por cento dos impostos cima menciona-
dos, pois que do Io de Janeiro em diante ficam
sujeitos a referida multa.
Cellectoria da cidsde de Olioda Io de dezembro
da 1860.
O coUeclor
Braz Ferreira Maciel Pinhciro.
A junta administrativa da irmandade da
Santa Casa da Misericordia do Reeife, manda fa-
zer publico, que no dia 13 do corrente, pelas 4
horas da tarde, na sala de suas sesses no largo
do Paraso n. 49 iro praca as rendas das ca-
sas abaixo declaradas, pelo lempo que decorrer
do dia da arremalamaco al 30 do junho de
1863.
Os pretendentes devero comparecer acoropa-
nhados de seus fiadores, ou movidosde cartas
destes.
Bairro do Rciefe.
Ra do Pilar n. 74.
Becco do Abreu n. 2!
Bairro de Santo Antonio.
Ra Nova n. 55
Dita do Padre Floriano ns. 45,47 e 49.
Dita do Fagundes n. 32.
Dita de Santa Thereza n. 4.
Dita da Calcada n. 36.
Dita dos Pescadores n. 11.
Bairro da Boa-Vista.
Becco doQuiabo n. 8.
Secretrria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cito 3 de dezembro de 1860.
O escrivo.
Francisco Antonio Cavalcanti Cousseiro.
Recebedoria de rendas inter-
Porto por Lisboa no
dia i 5.
Impreterivelmente vai sahlr no dia 15 para o
Porto com escala por Lisboa o brigoe portujcuez
Promplido II. forrado eencavilhado de cobre,
de primeira classe e marcha.com a carga que ti-
rar : e para carga e passageiros, aos quaes effe-
rece excellentes commodos e bom tratamento,
traia-so com Elias Jos dos Santos Andrader. C,
na ra da Madre de Dos n. 32, ou com o capi-
tn. Roga-se aos senhores passageiros que pre-
tenderen! ir no mesmo navio, de virem realisor
suas passagens.
Porto e Lisboa
A bem conheclda barca portugueza Sympa-
thia, capito Nogueira dos Santos, vai sahir bre-
vemente para os portos cima indicados ; quem
na mesma quizer carregar ou ir de passagem,
pnder ontender-se com os consignatarios Rallar
& Oliveira. ra da Cadeia do bairro do Recite nu-
mero n. 12.
Cear.
Palhabote Santa Cruz, recebe carga a frele e
passageiros ; a tratar com Caetano Cyrioco da C.
M. & Irmo, no lado do Corpo Santo n. 25.
Para Lisboa,
pretende sahir com brevidade a bem conhecida
e acreditada barca Flor de S. Simo ; para
carga e passageiros, trata-se com Carvalho No-
gueira C, ra do Vigario n.9, primeiro andar,
ou com o capito.
Aracaty.
Segu nasles dias o hiate Vedeta ; para o
resto da carga e passageiros, trata-se com Oeta-
no Cyriaco da C. M., no lado do Corpo Santo nu-
mero 25.
^nw^
Leiles.
LEILO
DE
M
Quarta-feira 13 do corrente.
Costa Carvalho far leilo em seu armazem
na ra Nova n. 65, de varios escravos os quaes
sero entregues sem reserva de preco, as 11 ho-
ras em ponto.
Para o dia 14 do corrente.
Evaristo em consecuencia de um oulro leilfio
tem transferido para o dia 14 do corrente as 11
horas em ponto, o leilo da casi terrea da ra
dos Ouarteisn. 21. assim como as obras do mar-
cineiria annunciada para hoje.
Avisos diversos.
Aviso.
Declaracoes.
Salsa parrilha......
Sebo em rama.....
Sola ou vaqu eta .
Tabois de amarello .
dera dirersas.....
Tapiocc.......
Travs........
Unhas de boi...... cento
Vinagre........caada
urna
duzias

arroba
urna
Mo vimento do porto.
Navios entrados no dia 12.
Rotherdan50 dias, brigue holandez Felicitas,
de 137 toneladas, capilo M. Wilderboer, cqui-
pa.zcm 8, carga queijos, genebra e mais gne-
ros : i Brandes a Brander.
Baha4 dias, brigue inglez Glauceis, de 226
toneladas, equipagem 14, em lastro ; a James
Crablree & C.
Navios sahidos no masmo dia.
Liverpoolbarca ingleza Imogene, capito Wil-
liara \Villiaai93, carga assucar, algoJo c cou-
ros.
Rio Grande do Sulbarca brasileira Mathilde,
capito Jo3 Ferreira Tinto, carga assucar e
mai* gneros.
Conselho de compras navaes.
Contrata este conselho em sessao de 18 do
corrente, os seguintes forneciraentos por lempo
de tres niezes QnJos em marro do anno pr-
ximo,
De viveres e outros objeclos, pira consumo
dos navios d'armada o cstabelerimenlos de ma-
rinha, sendo arroz do maranho, agurdente,
ossucar branco grosso, azeite doce do Lisboa,
bacalhao, bolacha, carne secca, caf em grao,
cangica ou milho pilado, carne verde, farinha
de mandioca, feijo, manteiga, mallo, pao, tou-
cinlio de Lisboa, velas de carnauba, ditas stea-
rina, e vinagre de Lisboa.
De dietas para os doenles dos ditos navios, e
da enfermara de marinha, compostas de ara-
ruta, letria, assucar branco refinado, bolachi
nha, cevadinha. cha, galinhas, manteiga, tapio-
ca e vinho de Lisboa.
De pedra do alvenaria grossa, dita de canta-
ria, cal, e lijlo d'alvenaria grossa, para as obras
a cargo do arsenal de marinha.
De pessas de fardamenio para as pravas do
batalho defuzileiros navaes, sendo frdela de
panno, dita e brim, calca de panno, dita de
brim, carniza de brim com o colarinho do mes-
mo panno, sapalos e grvalas de ennro.
De pegas de fardamento pora as pragas do
corpo de imperiaes mariuheiros, e da enmpanhia
de apreodizes ditos desta provincia, compondo-
se essas pessas de farda, camisa de brim, dita
de algodo azul, calca de brim, dita de algodo
azul, sapalos, manta, c sacco.
COMPAMIIA
DAS
Mossagcries imperiales.
At o dia 14 do corrente espera-se da Europa
vapor francez F.Hramadure, commandante Trol-
lier, o qual depois da demora do costume se-
guir para o Rio do Janeiro, tocando na Bahia,
para passegeiros etc., a tratar na agencia ra do
Trapiche n. 9.
Aracaty.
Para este porto segu brevemente o hiate na-
cional Sanl'Anna ; para o restante da caga e
passageiros, trata-se com Gurgel Irmos, ra da
Cadeia do Recite, primeiro andar D. 28.
Para o Assu' e Aracaty
segu com a carga que houver o hiate Camara-
a tratar na ra do Vigario n. 5.
Sexla-feira 14 do corrente.
_ Costa Carvalho far leilo no dia cima men-
cionado as 11 horas da manha de dirersos mo-
vis no seu armazem na ra Nova n 65.
gibe
AMA.
Para a Bahia segu cm poucos dias o palha-
bote nacional Dous Amigos, tem parte de sua
seu
ra
as geraes.
Pela recebedoria de rendas internas geraes sa
faz publico, que no corrente mez termina o prazo
do recebimento dos impostos do exercicio de 1859
a 1860, no domicilio dos contribuintes o cargo
dos recebedores, assim como o do pagamento na j cara engajada; para o resto, trata-se com
recebedoria do primeiro semestre do exercicio del consignatario Francisco L. O. Azevedo, na
1860 a 1861, livre da multa do 3 % dos impos- da Madre de Deus n. 12.
1 tos seguintes : decima addicional de mo mora-,'
i imposto de 20 / sobre lojas e casas de descon,
I lo ; dito especial sobre casas de movis, roupas;
calcado, mobilias fabricadas em paiz estrangeiro;
I dilo sobre barcos do interior ; lindo o qual sa-
' guir-so-ha a cobranca executiva quanto ao de-
! bito daquee exercicio, e a pcrcepQo da multa
' quanto ao deste.
Recebedoria de Pernambuco, Io de dezembro
de 1860.O administrador, Manoel Carneiro de
Souza Lacerda.
Pela mesa do consulado provincial se faz
; publico aos proprielarios dos predios urbanos das i
freguezias desta cidade e da dos Afogados, que os
' 30diasuieis para o pagamento bocea do cofre,
'do 1." semestre do anno linanceiro da 1860 a 61
do imposto da decima, se principiam a contir do
, dia 1." de dezembro vindouro. Mesa do consu-
lado provincial de Pernambuco 24 de novembro
de 1860.
Tasso Irmos fazem leilo de cerca de 150 bar-
ricos com cerveja viuda de Liverpool por Ca- i
berfeigh e Elizabelh Baster por intervenco \
do agente Evaristo e por conta de quem perten-
ec, e que ser entregue por qualquer preco pa- !
ra fechar contas : quinla-feira 13 do corrente, as I
11 horas, defronle da alfandega-
LEILO
Quinta-feira 13 do corrente.
Tasso Irmos fazem leilo de 200 caixas com !
340 duzias de conservasPecklesvindas de
Liverpool por Elizabelh Baster e vTriiest
Merck, por intervenco do agente Evaristo e
por conta de quera pertencer: quinta-feira 13
do corrente as 11 horas, defronle da alfandega.
LEILO
Quinta-feira 13 do corrente
PELO GEME
COftiP/NHlA BRASILEIRA
DE
NOVO BANCO
DE
Pernambuco.
O novo banco continua a substituir
E da pessas tamben de fardamento, e outros ou a resbalar O resto das notas de 10$ e
PAQUETES A VAPOR.
Espera-se dos portos do norte al o dia 18 do
corrente o vapor Tocantins, commandante o
primeiro-tenpnte Pedro Hypolito Duarle, o qual
depois da demora do costume seguir para os
portos do sul
Recebem-se desde j passageiros e engaja-sa
a carga que o vapor poder conduzir a qual de-
vora ser embarcada no dia de sua chegada : agen-
cia ra da Cruz n. 1, escriptorio de Azevedo &
Mendes
o. os p. m S 1 Horas 1
* * * rs I B CO H tmosphcra.
< w > Direcgo. < m H O
58 C OS o a Cs D 1 InCensidade 1
>3 35 s 00 -4 1 Fahrenheit 1 -i Pl se o P! o
te OS -4 p t C.T Centgrado.
-4 O! ti O lygrometro
O o O o o Cisterna hydro-metrica.
-I cu _GC en W o Cl> en 00 te i Francez. 1 > s o w H 5S ? .
CO _o "o 1 CO o co o A g s o Ingles.
O
05
C/5
en
5=
<
si
o
y.
20,i'que havia etnittido e anda existe
'em circulaQo, declarando que, en
cumpriuiento do decreto n. 2,66 \ de
10 de outubro do corrente anno, esta
substituico ou resgate devera' eFec-
tuar-se dentro de i mezes, e ijue findo
ido- [dsconto progressivo de 10 por cento ao tes pagando
mez, icando as'.im na orma do art 5 'frele
da lei n. 55 de 6 de outubrcg { ap o5
sem valor algum no im de lt) mezes.
Reeife 9 de novembro de 1860. Os
directores, Joo Ignacio de Medeiros
Reg, Lulz Antonio Vieira.
A noite esleve nublada, vento ESE regular
at 83 4 horas e 30' que rondou para o N e as-
sim amanheceu.
OSCILLACAO DA Mn.
Trearaar as 4 h. 30' da tarde, altura 7,5 p.
Baixamar as 10 h. 18' da manha, altura 0,6 p.
Observatorio do arsenal de marinha, 12 de de-
zembro de 1860.
ROMANO STEPPLK.
Io tenento.
objectos, para a companhia do aprendizes art-
fices, sendo bonct do uniforme, lonco de seda
prela, frdela de panno, calca de dito, dita de
brim, dila de algodo, belusa do brim,dita de al-
godo, sapatos, camisas do algodo, saco, col-
to de riscado de linho cheio de palha, Iraves-
seiro na mesma conformidad-.', coberla de 135,
lencol de algodo, fronha, e colcha de diio.
O contrato effoctua-se por via de propostas .
recebidasVaqoelle dia at as 11 horas da ma- este prazo so podera ter 1
nh, e so'o condicoes do garanti-lo fiador
neo, e pagar o contratante a multa de 50 por
cento do valor dos objectos, como sejam en-
tregues em lempo conveniente, e na porQo, e
de qualidade contratadas ; sendo que o mesmo
contratante tem a favor haver o importo do for-
necimenlode um mez l<>go no subsequente : as
propostas convindo que sejam apresenladas de
forma distincta, isto reforindo-se a cada um
dos citados fomecimentos.
Sala do conselho de compras navaes era 11
de dezembro de 1860.
O secretario
Alejandre Rodrigues dos Aojos.
O Illm- Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provlucia manda fazer publico que
no dia 10 de Janeiro prximo seguinto haver
concurso nesta thesouraria para preenchimento
do 10 vagas do praticante da alfandega desta ca-
pital, coraeQando os exames as 10 horas da ma-
nha sobre as seguintes materias : leitura, e ana-
lyse gramma'.ical da lingua verncula, orlhogra-
phia, o arithmelica at a theoria das proporces
inclusive.
Aquelles, que prelenderem ser admitliJos ao
concurso, devero previamente provar que teem
18 annos completos de idade, que esto livres de
culpa e pena, e que teem bom procedimenlo.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 12 de dezembro de 186J.O oflicial-
maior interino, Luis Francisco de Sampaio e
Silva m
RE\L COUP.VMII.V
DE
Paquetes ioglezes a vapor.
At o dia 16 deste mz espera-se do sul o va-
por Magdalena, o qual depois da demora do
costume seguir p3ra Soulhampton, tocando nos
portos de S. Vicente o Lisboa, para passageiros
etc., trata-se cora os agentes Adamson, Ilowie
& C, ra do Trapiche Novo n. 42.
N. B. O- rtiilinilhos s so rec-bem at 2 horas
antes de se fecharem smalas ou urna hora an-
ura palacio alera do respectivo
A requerimento de Rabe
& C. e por despacbo do Illm. Sr. ins-
pector d alfandega, o reerido agente
tara' leilo no dia cima indicado pelas
10liorada manliaa, na porta da mes-
ma alfandega, de urna porcao de caixas
com couros de lustre em lotes a vonta-
de dos compradores e sem limite de
preeo.
Jeronima Thereza de Jess, parte!ra
examinada, mu 'ou a sua residencia da
ra do Aragao para a ra Velha n. 75,
onde pode ser procurada.
Quem quizer dar urna crianra
para se criar (sera ser deleite), dirija-
a' ra Velha n. 75, que achara'com
quem tratar.
Huita attencaopara nao se^
|| dar ao engao. ^
mi Rogamos aos abaixo assignados quo <>
^ tenham a bondade de virem a ra da Ca- f
deia do Reeife n. 55, loja fallida doCIau- ig
^ diano Oliveira, liquidaren certo negocio ?*>
que teem cora a massa o qual nao igno- Joo Bapiista Horeira.
Antonio de Souza Percira de Rrilo. ol<
32 Jos do Souza IVreira de Grito. ?J
0 Domingos AfTonso Ferreira.
^ Francisco Alfonso Ferreira. 2?
9 Manoel Jos de Aloieida Soares.
|r Jo Isidoro Pereira dos Reis. B
2S Cielo da Costa Campello. V*
a| Antonio Jo-aquim de Figueiredo. |
" Joaquim Co^lho Cintro. jj
Guillierme Coelho Cintra. S
^ Joaquim Cordr.irn Cintra. J
itfi Luiz Dernardinn da Costa. ;*[
^ Joo Xavier e Silva. ^
* Joo Leopoldo Lopes.
g, Trajano Carneiro Leal. &
* Joo Ferreira Chaves.
SE Napoleao Olimpio Pratis.
jj| Joo Paes de Oliveira. ^
c$i? Benjamim do Carmo Lopes. v
^ los Luiz de Macedo Cavalcanti. 1f
Voto de graiitlao.
A mesa regedora da irmandade de S. Crspim
e Crispiniano erecta no convonlo do3 religiosos
carmelitas, cnr.lealmenle penhorada polos obse-
quios e proteceo, que por occasio da f'.-ta do
mesmo padroeiro recebeu nao s do Rvd. provin-
cial, toda a (oinmunidado que nao cessaram de
coadjuvar o mesmo facilitar os meios, afim de
que a mesma mesa podesse solemnisaro sea acto
bern como a distincta irmandade de S. Jos
d'Agonia que acompanhando-a em todos os
actos, fez com que se lornassem ainJa mais bri -
lhantes, nao teui expresses com que possa mos-
trar ao Rvd. provincial, communidade e referida
irmandade ao publico os senlimentos de gralido
de que se ocha possuida, e s siiu oproveii o
ensi'jo para reiterar-lhe os protestos de suiiii
' e-tima e alta consideracn. Secretaria da ir-
man-iado de S. Crispa Crispiniano 11 de de-
' zembro de 1860.O secretario, Joo Jos do Bs-
1 piril) Santo.
: -.'?.^:sa*ga.'aa5fli MBtfS ^'A*!S4i9ll
IwBIvmBmn *Bw*sWBW8f3 .
H Gurgel & Perdigao. ^
MRua da Cadeia loja n 23.^
ca?. Receberam novos corles de combraia
B branca bordada de duas saias e babadi-
y nhos.
LO
Editaes.
Collectoria provincial de
Olinda.
O collector interino faz constar pelo presente
aos contribuintes da decima urbana da collecto-
ria de Olinda, que do 1 de dezembro prximo
fut-iro principia-se a contar o prazo de 30 dias
uteis marcados para a cobranca do primeiro se-
mestre do anno de 1860 a 1861, e lindo este pra-
zo pagaro 3 por cento de mulla os que nao com-
parecerem no referido prazo.
Collectoria provincial de Olinda, 28 de novem-
bro de 1860.O escrivo servindo de collector,
Joo Goncalves Rodrigues Franja.
Foi apprehendida e acha-serecolhida ca-
sa de delenro desde o dia 29 do mez prximo
Ando a pret Anna, que diz ser escrava de Joo
Lucio da Silva.
Subdelegada do Recite, 5 de dezembro de
1860.
Antonio Gomes de Miranda Lela.
Brigue nacional Olinda.
Segu impreterivelmente no dia 17 do corren-
te para o Rio de Janeiro ; reeebendo anda, para
olli escravos a frele : consignatarios Bailar &
Oliveiio, ra da Cadeia do Recite n. 12.
Rio Grande do Sul
O patacho Rom Jess, pretende seguir com
brevidade, recebe carga a frete : a tratar com Cae-
tano Cyriaco da Costa Moreira & Irmo, no largo
do Corpo Santo n. 25.
Porto por Lisboa.
A barca portugueza ('Silencio, capito Fran-
cisco Martins de Carvalho, pretende sahir com
toda a brevidade para os portos cima indicados :
quem na mesma quizer carregar ou ir de passa-
gem, dirlja-se ao consignatario Manoel Ferreira
da Silva Tarroso, na ra de Apollo n. 28, ou ao
referido capilo.
jLE
Quina-feira 13 do corrente.
Evaristo far leilo em seu armazem da rna
do Vigario n. 22, de urna casa terrea n. 21 sita
na ra dos Quarteis, os pretendentes lero as
informaces oelo mesmo agente, .assim como
lombem fai leilo de diversos objectos de mar-
Recetieram completos soriimentos de
vestidos de blonde com manta, copella e
mais pertences.
R-ceherain molernos chapeos de pa-
lha para sonhora enfeitalos de plumas e
flores.
Receoeram novos enfeites de cores e
peilos para senhoro, pulceiras e estratos
de sndalo.
iWeberam chapeos para hornera, de
castor preto, branco e de seda forma
moderna
5
i
JE
1
m
C -a
!
-.-'
i
Vendem ricos corles de
seda, ditos de barege e gaze
babadinhos.
cineina no mesmo armazem,
ponto do dia cima.
as 11 horas em
vestidos de
de seda d
a
m
Quinta-feira 13 do corrente.
O agente Ca margo fara' Ieilao no
becco do Joao Caetano, as 11 horas em
ponto, por mandado do Exm. Sr. Dr.
Vendem as couiuiodas saias balo de
musselitias c cutim de algodo para se-
nhora e rriancas.
;rosdeuaples do qua-
e cores es-
i.
juiz especial do commercio a
rimento de Jos Francisco de
dos bens e dividas pertencentes
Domingues dos Santos.
reque-
Souza,
a Jos'
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em-cumprimento da resoluco da junta
da fazenda, monda fazer publico, que a arrema-
tarlo da illuminaco publica da cidade de Olinda
foi transferida, para o dia 13 do corrente.
E para constar se mandou aflixar o presente
e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 6 de dezembro 1860.O secretario,
A. F. da Annuociaco.
De ordera do Exm. Sr. Visconde de Caraa-
ragibe, director desta Faculdade, se faz publico
que no dia 15 do corrente se fiada o prazo para
a inscripeo doconeurso a urna subslituico vaga
nesta Faculdade de Direito, segundo foi annun-
ciado por edilal de 16 de junho do corrente anno,
cujo theor o seguinte :
EDITAL.
De ordem do Exm. Sr. director interino o
conselhciro Pedro Autran da Malta e Albuquer-
que se faz publico, quo fica marcado o prazo de
seis mezes, contado da dala deste, para a inscrip-
c.o dos que prelenderem concorrer so lugar de
lente substituto desla Faculdade, vago pela no-
meacio do Dr. Braz Florentino Henriques de
5>ouza para a cadeira do fallecido Dr. uo Ar-
que do Avellos Annes de Brilo Inglez, e accesso
do substituto Dr. Joo Silveira do Souza, a pri-
meira cadeira do segundo anno, deixada pelo
TBEATRO DE S. ISABEL.
COMPANHH LVIIICS DE G. HUMMiELl
Quinta feira 13 de dezembro
Represenlar-se-ha a grande opera em tres actos de Donizeui:
LUCRECIA BORGIA.
Vendem-se os bilheles no theatro.
Principiar s 8 horas era ponto.
Avisos martimos.
Maranho ePar.
Segu com brevidade, por j ler parte do seo
carregamento para este ultimo porto, o bem co-
nhecido brigue escuna Graciosa, capito e pra-
tico Joo Jos de Souza, e podendo completar
o carregamento todo s para o mesmo porto do
Para, seguir em direitura sem tocar no Ma-
ranho.
O hiate Garibaldi, segu para o Cear em pou-
cos dias : a tratar com Tasso Irmos ou com o
capito Custodio Jos Vianna.
CdMPAWI4 PERMMBICAIU
DE
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
virr,j
>ltfDH18 ifilNHL
C0a70caixasconf
ameixas-
Venden seitas
drin'ios padrdes modernos
curas, ditos lisos. r"^
Vemlem manteletes prelos de grosde- sh
naples, ditos de seda bordados e dous ,^
bico*. capinhas de croxe broncos o de g
cores, polonezas degorguro, taimas do .,
fil, lilas para cintos. ^~5
tmmm im?$m eteseBssgai
Pede-se aos Sis. Alfredo de At-
: buquerque Martins Pereira e Joaquim
i de Carvalho Cabreira, o fivor de vi-
lema ra da Cruz n. 21, a negocio que
os niesm s senhores nao ignorara,
Aluga-se pelo tempo da festi ou
ou por anno u:ua casa na Passagem da
Magdalena junto a ponte grande eom
duas s^'las, sei* quartos, sotao, cosinlia
fora e baulio no tundo :
pretenderem dirij .m-se
as pessoas que
a ra Direita
k- Monderim de la fazenda nova do ul- s
"V,.
Navegado costeira a vaDtr
O vapor Versinunga, commandante onra,
segu viagem para 03 portosdo sul de sta escala
no dia 20 do corrente mez as 5 1,2 Jioras da
Urde.
Recebe carga para Macei e portos intermedios
at o dia 19 ao meio dia.
O expediente na gerencia ser a 3 horas e
depois de fechado nada mais se dmitlira : es-
criptorio ao Forte do Mallos n. 1. ,
Para o Rio de Janeiro vai seguir com muila
brevidade o brigue nacional aEncantador, de
muilo boa marcha, anda recebo algurr.a cargo a
frote : trata-se na ra da Cruz n. 45 ou cora o
capito a bordo.
Sexla-feira Ado corrente.
Antones far leilo na porta da alfandega de
60 a 70 caixas com 3meixas do excellente qua-
lidade que sero vi nudas sem reserva de preco,
as 11 horas da manha do referido dia.
LEILO
DE
Um terreno na Capiinga
ul-
timo gosto, em casa do Julio & Conrado
48.
n.
* na ra do (Jueimodo
Precisa se alugar um sobrado de
um andar que seja no bairro da U0.1-
Vista : quem tiverqueiraannunciar por
esta foi lia para ser procurado.
Iloga-se a pessoa que levou por
emprestimo, do escriptorio deste DIA-
RIO, a collecco doanno de 1855,quei-
ra manda-la restituir, visto ser ella
multo precisa.
Precisa se tomar sobre bvpothe-
SabbadO 15 (lo COrreilte. |ca de 12 escravos todos de boitas G
Anlunesaulorisado pela viuva de Joo Germa- : guras ealgUQI de habilidades a quantia
nodo Espirito Sonto, far leilo em seu orma-'de .1:000$ : quem quizer dar dinja-se
zem na ra do Imperador n. 73, de um terreno aQ atepr0 ja Boa.ylsta
no Capungo que tem 40 palmos
de fundo, as 11 horas do referido dia.
de um torren
de frente e 200
i dir' quem toma.
4G, que so
Espera-se dos portos do sul al o dia 14 do
crreme o vapor Oyapock, commandante o ca-
pito tenente Sonta Barbara, o qual depois da
demora do costume seguir para os portos do
norte.
Desde j recebem-se passageiros e engoja-se
a carga que o vapor poder conduzir, a qual de-
ver ser embarcada no dia de sua chegada :
agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de Azeve-
do Si Mendes.
Para a Bahia
pretende seguir cora muila brevidade a sumaca
nacional Ilortencia, a qual tem prompta parte
de seu carregamento : para o resto que Ihe fal-
to, trola-sc com o seu consignatario Azevedo &
Mendes, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio Grande do Sul
segu cam brevidade a barca Mathilde por ter
a maior porte da cargo prompta : para o restan-
te, trata-se com Manoel Alves Guerra, no seu
escriptorio na ra do Trapiche n. 14.
JOAQUIM DE OLIVEIRA MAIA
24-30-Praoa da Indepeudeucia--24-3
Grande, variado e escollado sortimento de chapeos de
todas as formas e quslidades, a saber:
De seda finos, de castor, braucos e pretos, compeli e
sem pello, de 10 a 14$, de feltro de todas as qualidades e
parias formas, Magenta, Solferino, Touristas, Jerome, etc.,
prate.: de palha escura (phautazia), de palha e casemiri
pane ao carregamento promplo ; para res-,,. .}* ... ''.. -*_ ni,
e passasreiros, tratase com os consignatarios ^IClftm), de palha do Chille, UltOS IUU110 IllOS, aV&llUdaUOS,
primeo0 ?ud!o?om o capillo Bo'SeTpetai! altos e baixos, de gorguro de seda, de oleado para criado.
Lisboa.
Vai sahir brevemente a barca Gratido
ler parte io carregamento prorapto
to


()
DIARIO DE PERMABMUCO. QUISTA FEIRA 13 DB DEZEMBRO DE 18M.
o s
SO J ?
< $
0} 3 ^r
-o fc- *-
o
L.
-Q a X o
o 9 V
> O a 5 -i
o
n w o
s ira
V en
o o o
3
O 3
.*< *
*4H
a g
*-* o t~
%>
13 3 3
O i
c
a 1- s
1 ""
-o n t--
a O es
0) =s 9 o-.
b jj O t^
O -J .
o < ..
c a o. ce < - o m g s
s te
S
&
3
-
s
a
i-
I
=
-o
B
Olrece so um mogo Brasileiro para ser cai-
xeiro Je escriplorro, o qual sabe bera ler, escrc-
ver e cutiiar, assim como lambcoi para [azet al-
gumas cantas de lojas: quem precisar, dirija-se
ao pateo do S. Pedro n. 3.
Precisa-se de um caixeiro de idade de 12 a
10 annos, que tonha pralica de taberna : a tratar
na ra iIj Pcnha n. 33, taberna da esquina.
Ilanoel Jos do Nascimento e Silva vai ao
Maranhao e deixa por seus procuradores em pri-
raeirc logar os Srs. Silva & Santos, em segundo o
Sr. Joaqun Francisco da Silva Jnior, em ter-
ceiro o Sr. Antonio Ramos : lica tambera o Sr.
Joo Antonio do Reg cora procurar para re-
ceber deseos devedores o que lite devem, lano
amigivi'l como judicialmente.
Attencao.
a
Oiiem quizer arrendar algum sitio que lenha
boa b.iix.i de capim ero qualquer dos arrabaldes,
annuncie para ser procurado.
O senhor esludante do 3." auno da Facul-
dade de Direilo desta cidade, que sahio reprova-
d>, quoira vir ou mandar bus
! -r Offereco-se um homem pobre para um cha-
i fariz, o d flador a sua conduca : quem quizer,
i dirija-se ra do Paraizo n. 27.
Eu abao assignado conlratei e ajustei com
o o Sr. Alejandrino Maximino Leal de Barros, a
i 'compra de sua taberna sita na ra das Cinco
Ponas n. 82, quo gyrava sob a firma de Leal &
Carneiro : quem tiver alguma reclamagao a fazer
queira apparecer por estes tres dias, (Indo os
quaes oenhuraa reclaraagao ser altendida. Re-
cite 12 de dezombro 1860.Joao de Axevedo Pe-
reira.
O senhor a quera tinilherme Gomes Pinto
dever, dirija-se a ra do Apollo n. 43.
Precisa-se de urna ama para lodo o servico
de casa de pouca familia : na ruada Roda n. 5*,
Desappareceu do no dia 29 do mez prximo passado de noverabro,
tres animaes, sendo um cavallo caslanho com
cabelles do rusilho, duas bestas, sendo urna
russa pedrez e outra prela caxita, com urna mar-
ca quo representa a melada de um quadrado e
e um forquilha a ireita, cujos annimaes chega-
dos na pouco do sertao, todos Ires mansos de
sela e carga, os quaes pertencem ao abano as-
asjpiado, que o propr.elario do mesmo engenho
Utinga de Baixo, 12 de dezembro de 1860 Joa-
qun) da Silva Costa.
Fuio no dia 10 as 8 horas da noite, no
Campo Verde, da ra do Socego n. 4, um mula-
tinho de nomo Procopio, de 17 a 18 annos de
idade, pnuco mais ou monos, tendo os signaos
seguintes: cabello baixo, olhos regulares, labios
semi-grossos, nariz pequeo, bocea regular, tem
urna cicatriz em um dos bracos, Irabalha de al-
faiate. Sahio vestido de caiga prela e camisa
branca; levou um chapeo do Chili, e pode ser
encontrado tambera do calca de fusto azul e ca-
misa de riscadinho e quasi sempre anda calcado,
mas sahio descaigo. Pedimos a allencao dos Srs.
pedestres e de outros quarsquer o apprehenden-
do, queiram-se dirigir ra Nova dos Pires n
hW
Na ra da Cadeia n. 25, precisa-se de urna ama
que saiba cozinhar.
Pergunta-se direegao da sociedade Jockey
Club a razo por que nao marca corridas eslo ve-
rlo., pois o prado est secco e os socios andam na
espectativa.
A alma do padre Tenorio.
Os Srs. Luiz Gonzaga do Nascimento, Joa-
quim dos Reis Gomes, Joo da Costa Reg Lima
e Francisco dos Reis Gomes, queiram vir a ra
do Crespn 23, que selhe deseja fallar a nego-
cio que nao ignoram.
jtt Roga-so ao Srs. abaixos mencionados o
% favor de virem ou maodarem saldar suas
eonlas, provimentes de compra de azen-
das que fitero a extinta Orma de Marti-
linho d'Oliveira, hje perlencenle, J?tr-
tiuho d'Oliveira Borges, loja de fazendas
da ra da Cadeia do Recito n. 40.
Os senhores.
Alfredo de Albuquerque Marlins Percira.
Antonio da Costa Reg Monleiro.
Manoel Candido Pereira de Lyra.
Simoes dos Santos [empregado no cami-
nho de ferro.)
Bilizario do Reg Barros.
Trajano Carneiro Lial.
Luiz Jos da Rocha Pinheiro tem contratado
vender a sua taberna da ra da tonceigao da
Boa-Vista denominada armazero do sal__aos
Srs. Joaquim Alvos Estima o Paulino Ferreira da
Costa : se alguem se julgar com direito de em-
pediresle negocio, compareca na mesma taberna
no prazo de 3 dias, do contrario perdero o direilo
Attencao.
Contrata-so por venda a casa fle negocio da ra
da Cruz n. 15, livre e desembaragada : a tratar
na mesma com os proprietaries Pinto & Carvalho
Aluga so urna casa que tem commodos para
grande familia, com arvoredos de algumas fruc-
las, com baixa de capim, no Pogo da Panella, pa-
ra se passar a festa, em frente a cafa do Sr. Gib-
son : quem a pretender, dirija-se a Fra de Por-
tas a fallar com Manoel da Silva Neves.
Na ra da Cadeia n. 25, trocam-se as se-
guinles imagens : N. S. da Agonia de 2 Ii2 pal-
mos. S. Jos de 9 pollegadas, S. Francisco de 1
palmo, Santo Onofre de 5 pollegadas : sao todas
vindas de Lisboa.
j Al^ga-se nm sitio no principio da estrada
dos Afilelos, perlencente a viuva de Jos Joa-
quim de Mesquila, com muilos arvoredos pro-
ductivos e urna excellente casa assobradada que
se loma recommendavel pelos seus commodos e
dependencias : a Iralar na ra do Queimado n.
18, segunda loja rindo do Rosario.
Acham-se venda na livraria da praca da Independen-
cia ns 6 e 8, as bem conhecidas folhinhas impressas nesta
typographia
defron.e do hospital illUr "qe"c"ro rlcoof- oTbTxn aS. !? ^l"?" i*
pensados. O mulatinho c llJ ^n^^^^^T^OS^lil^l
Folhinha de porta ou KALENDARIO eeclesiastico e civil para o
bispado de Pernambuco.. .... '. ---;-
Dita de algibeira contando alm do kalendario eeclesiastico e civil,
explicajao das festas mudaveis, noticia dos planetas,
tabellas das mares e nascimcnio e occafo do sol;
ditas dos emolumentos do tribunal do commercio ;
diludo sello; ditas do portadas cartas; dilas
dos imposlos geraes, protinciaes e municipaes, ao
que se junlou urna collecgo de bellos e divertidos
jogos deprendas, para enirelenimenlo da mocidade.
160 rs
quizer,
primeiro an-
320 rs.
Esto no prelo o almanak e outra folhinha contendo
u-ma^dfotcT^it,""3 para 5S* SSIMS! ttSXofltTr8?8 0ra6ef Para ****** emana santa, etc. Com-
ZUV.^^^o'S, ana 7urapd cifc 5 de de"mbro de 186" ^- ^p >*.! prando-se em por^es se darao por preco mais commodo.
n. 7, Boa-Vista.
Attencao.
O lente Francisco Xavier de Salles Cavalcan-
ti de Almeida, negociante, avisa ao respeitavel
corpo do commercio di cidade do Recite e igual-
mente da cidade da Victoria e lados os mais ha-
bitantes, que por haver muilos nomos de Salles
nesla cidade, de hoje em diante se as3igna
Francisco Xavier Cavalcanli de Almeida.
Jos Maria da Silva Ferreira avisa'a seus
freguezes e amigos que mudou o seu estabeleci-
por
do. qitrtira vir ou mandar buscar um artigu que : ,",,: ,: ,,.l" ; \' Z. 1.1
deixoun. typographia da Orden., relativo a iua yllfD'"'.'"j'"" ^,}o cores, do largo da
r,.rov,,o. pois nesla typographia nao se fazem .nd ,,/' d ,Iu^,l,;, ; Ai< con"-
publicates semelh.ntes n,\l?< .eb rJnos mes\nos P?81". lanl no
FUi\DIC
DO
Deseja-se tillar com o Sr. Ulisses Juslinia-
iio de Oliveira, na ra Velha n. 33.
Boga-so ao Sr. Joaquim Aurelio Wander-
ley, ha pouco chegado de Sergipe, a bondade de
declarar on le se acha hospedado nesta cidade,
;:fi:n de ser procurado.
No hotel da F.uropa haver sorvele lodos os
das das ti horas em diante. DA
Joo Pereira de Carvalho, como procurador
de Joaquim Gongalves de Azevedo Maia, declara
quo leudo de ir m praga publica os bens penho-
rado?, e avallados por execucao quo so moveu
contra Alexandre Jos de Sant'Anna para seren
arrematados por venda, a quem mais der ; por
isso roga a todas as pessoas que queiram langar
em algum dos mesmos, comparegam porta do j at ulterior deliberagao a exlracgo da segunda
juiz de paz da freguezia de S. Jos, tendo lugar '
dita arremalago no dia 1 i Jo correle, pelas 9
I. ras do dia.
largo do arsenal do marinha n. 8, do Sr Anselmo
Jos Duart Sedrim, assim como no largo da ma-
triz de Santo Antonio n. 2, do Sr. Antonio Joa-
quim Panasco.
Quera tiver urna ami do leite sera filho,
podo dirigir-so ra dos Prazcres, nos Coellios,
cisa de poriao com 2 leoes.
wr
ASSQCIAQO
DE
Soceorros Mutuos
Lenta Emancipacao dos Captivos.
D orden do Sr. rice-presidente, de novo sao
convidados lodos os entrares socios effeetivos
para reuniao da assembla geral domingo 16 do
correle, as 10 horas da maohi, visto haver ne-
PROVINCIA.
Tendo-me autonsadoo Exm. Sr. presidento da
provincia pelo officio abaixo transcripto a addiar
at ulterior deliberagao a exlracgo da segunda
parle da primeira lotera concedida a irmandade
de Nossa Senhora do Bom Parto de S. Sebastiao
de Olinrl, era consequencia da duvida que se
suscitou na thesourana de fazenda sobre o pa-
gamento do imposto de 12 por cont sobre o ca-
pital da mesma lotera, pelo prsenle declaro
que amanha nao pode ser extrahida a referida
lotera pela causa cima mencionada.
Thesourana das loteras 11 de dezembro de
1860.Manoel Cantillo Pires Falco, ihcsou-
reiro.
OFFICIO.
4.a seccao.Palacio do governo de Pernam-
buco II de dezembro de 186').Respondo ao seu
oflkio desta dala dizendo-lhe que o autoriso a
ENGENHEIRO D. W. BOWMAN.
Ra do Brum, passando o chafariz.
Precisa-se alugar um moleque de 14 a 18
annos. para o servico externo de urna casa de
pequea familia : quem quizer. dirija-se ra
do Queimado n. 28. primeiro andar.
Precisa-se alugar um prelo para o servico
de urna casa de pequea fmi|ia : qPm
dirija-se a ra do Queimado n. 28
dar.
Preciaa-se de urna ama forra ou captiva
para o servico interno e muilo leve n'urra casa
de pequea familia ; na ra Nova de Sarita Rita
n. oo.
Joo de Brilo Marques, subdito porlusuez
relira-ae para a provincia do Para a interesse de
seus negocios.
Precisare de 400g a premio por espago
oe anuos, dando-se por garanlia bom predio
quem quizer, dirija-se a Passagcm, taberna n!
I, ou annuncie.
03 langadores dos imposlos provinciaes
abaixo assignados fazem publico aos possuidores
de carros tanto do servigo particular, como 03
de aluguel, e bem assira os de mnibus e de car-
rogas, para que mandem repaitirio do consula-
do provincial notas do numero de carros que
possuem e suas qualidades, afim de que os mis-
mos langadoies possam conferir com a re
que exislem.
Primeira sereno da mesa do consulado piu.
c.al. 10 de dezembro de 1860O langador. Joao
Pedro de Jess da Malla.O lerceiro escriptura-
rio servindo de langador, Vicente Machado Freir
Pereira da Silva.
A Sra. C. Spencer e um filho menor reli-
ram-se para Inglaterra.
Alogam-se duas casas terreas na Boa-Vista,
ra do Utstino ns. 10 e 12 : a tratar na ra do
Cotovello n. 47.
Empresta-se lOOOfiOOO a premio com hy-
pclheca em ums escrava que nao lenha vicios e
com as habilidades necessarias para todo o ser-
vico de chsa. (cando o aluguel da mesma plo
premio : quem quizer dirijn-se a ra da Cruz n.
33, segundo andar.
Para acabar.
Chapeos do Cbyle finos, pelo baixo preco de 4*
o, t, 7 e 8ji cada um na ra da Cadeia n. 17.
agocs
provin-
porlu-
julgar seu
eonlas no es-
praca do Cor-
sabet
gocios de summa importancia.nao s relativos ao addiar al ulterior deliberar-So desla presidencia a
regimem da sociedad*, como resolver-se sobro o1 exlraccao da segunda parte" da primeira lotera
acuntecimenlo na pessna do presidente Modesto concedida a irmandade de Nossa Senhora do
Francisco das Chagas Canabarro, ao que chama-
reos allencao dos socio*.
Secretaria das Associago de Soccorros Mutuos
e Lenta Emancipadlo dos Captivos 12 de dezem-
bro de 1860.
Albino de Jess Bandeira,
1." secretario
Sexta-feira 14 do correnu, finda a audien-
cia do Sr. l)r. juiz do orphaos, ir praga por
venda urna escravinha perlencente aos herdeiros
do finado Hcnrique Amante Chaves, alim de ser
o seu producto dividido entre os mesmos her-
deiros : os preiendetites dirijam-se no dia cima
indicado, na sala das audiencias, casa cm que
io ouirora cadeia.
llodolph Lauryen, subdito dinamsrquez, vai
ao Rio de Janeiro.
Hontem 12 do correle o Sr. Joaquim Jos
Je Souza Rabello eulregou um garrafao com vi-
nho na rus Direila, e corno nao achasse a casa em
que tinha entregado, pele a pessoa que recebeu,
d>> levar villa da Escada, casa do Sr. Rabello,
OU na ra do Livramento, casa do Sr. Vilella.
Na ra da Florentina ns. 10 e 12 alugam-se
dous quartinhos : quem os pretender, dirija-se
.o mesmo lugar, ou a ra de Apollo, sobrado nu-
mero 9.
__ n ,:iaixo assignalo faz sciedte que desde o
dia U O crrenle foi admiltido seu filho Germano
Pinto da M.i.ilhes gerencia dos negocios ten-
den'es ao esiabelecimenlo de carros fnebres do
pateo do Paraiio n. 10.
__ O Sr. Joo Luiz Machado, estodanle de pre-
paratorius, tem urna carta vinda do Rio de Ja-
neiro, na ra do Livramenlo n. 20, primeiro
andar.
Attencao.
Muito 85de*ej fallar com os Srs. Simplicio
Fortunato Ferreira, Agapilo Antonio de Barros,
Guilherme Quinlinode Avellar, Antonio de Oli-
v.iu Lopes, Joaquim Pereira da Silva Crespo e
Francisco Ignacio Ferreira, na
ras n. I.
__ O^reco-se urna ama de leile : na Passa-
gem da Magdalena n. tO, passando a ponte pe-
quena.
Arrenda-se
um ?,.brido de um andar e solae com a compo-
leote loja, silo na ra do Rangel, o qual predio
se alegar a quem se obrigar fuer os concerlos
que o raesmo precisa, mediante as condiges que
se .issenlar: trata se na loja n. 20 da ra do Quei-
Qialo.
Bom Parto da igreja de S. Sebastiao de Olinda,
que eslava designada para amanha.
Dos guarde a Vmc. Ambrozio Leito da
Cunha.Sr. thesourciro das loteras.
Precisa-se de um selim em meio uso com
todos os arreios : quem o tiver e quizer vender
dirija-se ra da Praia n. 31.
-- Aluga-se urna casa terrea com 4 quarlos,
corredor iirdepeodcnte, quintal e cacimba, sita
na Soledade : a tratar n-i ra do Nogueira n. 21.
O abaixo assignado vem pelo presente
scienliicar ao respeilavel publico, e em particu-
lar ao commercio, que d'ora em dianle. oenhu-
ma iransaego, por mais pequea que soja,
ser operada se nao com a sua propria assigna-
lura, visto que hoje j pode assignar, e lodo e
qualquer papel, titulo, letras, ou instrumentos
pblicos, nao podem ser mais firmados por seu
sobrinho Joao Sania Anua da Silveira ; declaro
mais que o seu caixeiro Francisco Marlins de
Amorira he o competente para receber toda e
qmlquer quanli.i que se Iheestiver a dever. Re-
cife, II de dezembro do 1860.
Bartholomeu Lourengo.
Publicico jurdica.
ConsituM-fto poltica do imperio.
- Nova edigo, anotada pelo Sr. Dr Braz Floren-
lino Henriques de Souza, sahio luz e est
venda na livraria universal dos editores Guima-
res & Oliveira, ra do Imperador n. 54, onde
tambera se vende o cdigo criminal e o do pro-
cesso criminal, anotados pelo mesmo Sr. doulor,
ludo cncadernado em um s volume ou separa-
damente.
HOTEL
Pernambucano.
Na villa da Escada, ra do Compra-fiado, se
acha eslabelecido um hotel em que se enconlram
No deposito deste estabelec.mento sempre ha grande sortimento de mechanismo para en^nhos de t
Machinas de vapor modernas, de golpe cumprido, econmicas de combustivel e de facilmo assento-
Kodas d agua de ferro com cubos de madeira, largas, leves, fortes, e bem bataneadas '
Canos de ferro e por s d'agua para ditas, e serrilhas para rodas de madeira ;
Moendas inteiras com virgens muito fortes e convenientes '
Meias moendas com rodelas motoras para agua, cavallos, ou bois, acunhadas e maguilhoes de azas ;
laixas de ferro fundido e batido e de cobre;
Parte e bicas para o caldo, crivos e portas de ferro para as fornalhas ;
Alambiques de ferro, moinhos de mandioca, fornos para cozer farinlia';
Kodetas, dentadas de todos os tamanhos para vapor, agua, cavallos ou Bois
Aguilhoes.bronzes, e parafusos arados, ekos e rodas para carrocas. formad galvanisadas para purgar etc., etc
t D. W. Bovvman ach ,ndo se na d.reccao da ,ua fabrica, confia que os s freguezes acharao tudodigno da pie- be m Sacam para PortllgaL
desta pro- Alug-se o sobrado de dous andares na ra
glaterra, da Matriz do bairro da Boa-Vista n. 28 : os pre-
comnra- i lendenles podera enlender-se com Antonio Con-
calves Ferreira Casco, na ra de Apollo n. 32.
Antonio Moreira da Silva, subdito
guez, retira-se para o Rio de Janeiro.
No palco da Sania Cruz n. 26. sobrado la-
va-se e engomma-se ioda a qualidade de ro'ura
por prego commodo. '
Thomaz uiton, subdito brilannico, relira-
so para o Rio de Janeiro ; quem se
credor, queira apresentar as suas
cripicrio de Rostron Rocker & C.
po Santo n.48.
Os abaixo assignados fazem sciente que tem
dado procuraco asanle ao Sr. Frederico Char-
les Lox para dirigir a sua casa commercial nesla
praca. Recite 10 de dezembro de 1660.
Iloslrun Kooker & C.
Quem precisar de um homem para nitor de
sitio ou de outro qualquer empiego, arparcea na
ra de Hurlas n. 39. *
Attencao.
De hoje por dianle haver todas as noiles sor-
vele e caf, na travessa do Abreu n. 4, primeiro
andar.
O Sr. alferes Thome G. Vieira de
Lima, queira dirigir-se a esta typogra-
phia, que se lhe precisa fallar.
Joo da Costa Ribeiro, retira-se para Por-
tugal. v
Jas Barroso Bastos, subdito norluguez vai
para o Para.
Gustav Julius Cunlher, relira-se para Eu-
ropa no vapor Magdalena.
Vandenbruel (Fnngois), subdilo belga, re-
tira se para o Rio de Janeiro.
Manoel Carneiro da Silva Roque, subdilo
poilugutz, relira-se para o Para.
Barroca* Medeiros tam-
de excellente qu
simo por sua exc
EADO PINTADO
de propria para mesas, consolos, bancas etc., etc., a 3#000 o covado baratis-
a largur*: Da pirra da Independencia ns. 24 e 30. '
Ensino de msica.
UOlllinOS. | Oflerece-separa leccionar solfejo.comotam-
I reparam-se bandejas enfeitadas com di- beraa locar vanos inslrumenlos; dando as li-
modelos de bolinhos dos mais pereitos ?oesdas7horass 9 Ii2 da noitera tratar na
que ha em nosso mercado, para bailes, casamen-
tos, testas de igrejas e solemnisar as formaturas
dos senhores acadmicos;-ludo da forma que
forero as encommcudos: dirijam-se a ra da Pe-
nha n. 25.
O EXTRACTO
GOMPOSTO DE
UELIORADO E FABRICADO SOB ADIRECgAO' DO DR
EX-
rua das Trmchei- as melhores acommodaces para cima de 40 pes- circular esla CORRBNTE
i soas O bom agasalho, bons petiscos. etc., ele,
tudo se encontrar alli, e para rujo firtrse roga a
concurrencia, qur dos eslrangeiros, qurdosna-
cionaes que por alli transilarera.
O escrivoda irmanlade do N. S. da Sole-
dade, freguezia da Boa-Vista, participa a lodos
0 Sr. Arrtsnio Moreira da Silva nao ac pode re-
tir r para a Rio de Janeiro como annuocia, sem
que pague ;> quantia de 12# aos abaixo assigua-
OOS, ni ra laiaa do Bosario n. 31.
Jos Joaquim dos Sanios & C.
LARGO
sorvele das 6 as 10 horas da noite
subdilo por-
SOCIEDADE
Ortodoxa Litteraria Amor a
Caridade.
De ordee) do Sr. provedor, convido oa eenho-
res socios a comparecercm sesso h3je (13) no
lugar e horas do costme.
Sala das sessoes da sociedade Orthndoxa e
Lilteraria Araor Caridade, 13 de dezembro
*le 1860.
Uxnoel Francisio de Barros Reg Junfor,
Escrivo.
da Ribeira ha
todos os dias.
Jos Antonio Pinto Gouveia,
4uei vai a Eumpj.
os 04 irmaos para coraparecerera no dorainizo 16
do corrente, no consistorio da mesma igreja pelas "} VBLOClDADE ELCTRICA
9 horas do dia, aflrn de se proceder a nova mesa
que lem de reger a referida irmandade no anno
de 1861.O escrivo.
Luiz de Azevedo Souza,
Precisa-se de urna ama de leite : no pateo
da Ribeira n. 13.
Precisa-se de urna ama para casa de urna
pessoa para o servigo diario : quem precisar, di-
rija-se a ra do Vigario n. 25.
C- F. Behrends vai para o Para.
Attencao.
A pessoa que achou urna pulseira esmaltada de
verde, da ra Imperial al o arco da Conceigo,
na noile de sabbado, querendo reslitui-la, dirja-
se a ra do Imperador n. 16, hotI.
Perdeu-se da pnvoago do Cachang Ven-
da Grande, pela estrada dos Remedios, umacar-
teira contendo diferentes papis importantes,
dentre elles urna letra aceita por Antonio Rodri-
gues Pinheiro e endossada pelo Sr. tenenle-coro-
ncl Joaquim Lucio Monleiro da Franca, em favor
de Andrade & Campello, da quantia de I:345gl52
j vencida e accionada no juizo de paz desta ci-
dade : pede-se, porlanlo, a quem dita carleira
achar ou lenha achado, por ler sido perdida na
manha de sabbado, o favor de trazla ao abai-
xo assignado, que gratificar generosamente ; bem
como poresleaviaa que dita letra nn seja paga
senao a Francisco Botelho de Andrade. Recife
11 de dezembro da 1860:
Jos Bento Ferreira do Magalhes e
mulber Albina Dias de Magalhes, subditos por-
tuguezs, retiram-se para o Rio Grande 4o Norte.
A GRANDE SUPERIORIDADE DO
TRACTO FLUIDO COMPOSTO
DE
SALSA PARRILHA
Explica se pIo seo extraordinario
e quasi miraculoso effeito no
sangue.
Cada um sabe que a saude ou a nferroilade
depende directamente do esiado desle floido vi-
tal. Islo ha de ser, visto o partido importante
que tem na economa animal.
A quautidade do sangue n'um homem d'es-
talura mediana esl avallada pelas as primeiras
autoridades em vinte e oito arralis. Era cada
pulsadlo duas oncas sahem do corago nos bofes
e dalli todo o sangue passa alem no corpo huma-
no em menos de qu.vtro minutos. Urna dis-
posigao extensiva lera sido formada e desuada
cora admiravel sabedoria a destribuir e fazer
db vida por todas as
parles da organisagao. Desle modo corre sem-
pre pelo corpo em torrente, o qual a gran
fonle de infermidade ou de saude.
Se o sangue por causa alguma se emprenha
de materias ftidas ou corrompidas, difiunde
a corrupgao as
mais remotas e mais pequeas parles do corpo.
O veneno lanca-?e para tras e para dianle pelas
arterias, pelas veias, e pelos vasos capillarios,
at cada orgo e cada leagem se faz completa-
mente saturado e desordenado. Desta maneira
a circulagao evidentemente se faz um engenho
poderoso de Joenga. Nao obstante pode tara-
bem obrar com igual poder na erugo de saude.
Eslivsseo corpo infecionado da doenga maligna,
ou local ou geral, e situada no systema nervoso
oa glanduloso, ou muscular, se sdmente o san-
gue pode fazer-se puro e saudavel ficar4 superior
a doenca e inevitavelmente a expellir da cons-
tituido.
O grande raanancial de doenca entao como
d' aqui consta no fluido circulante^ nenhum
medicamento que nao obra directamente sobreel-
le para purificar e renova-lo,possue algum direi-
to ao cuidado do publico.
O sangue I O sangub 1 o ponto no qua]
se ha mysler fixar a attengao.
O ORIGINAL E O GINUINO !
AO PUBLICO.
JAMES R. CHILTON,
Oiiuico e mdico celebre de 3ew York
New-York, baveraos vendido durante muilos an-
nos o extracto de salsa parrilha do Dr. Town-
send, considerarao-lo ser o exlracto original e ge-
nuino de salsa parrilha do Dr. Townsend.o
qual primeramente sob este nome foi apresen-
lado ao publico.
Nos, os ssignanies, Droguista na cidade de
Hermenegildo Eduardo Reg MonleirW.- Cada garrafa d ori8inal e
BOYD A PAUL. 40 Conlandi Street.
WALTER. B TOWNSEND d Co, 218 Pearl
Slreet.
LEEDS& HAZARD, 121 Maiden Lae.
JOHN CARLEA Co, 153 Water Street.
M VVARD Co, 53 Maiden Lae.
J. & J. F. TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GRAHAM Co, 10 Od Llip.
OSGOOD& JENNINGS, 188 Pearl Slreet.
R. B. HAV1LAND & Co, Office 177 Broad-
way.
JACKSON, R0BINS& Co, 134 Water Street.
THOMAS & MAXWELL, 86 Williara Slreet.
WM. UXDERHILL, Junr, 183 Water Street.
DAVIDT. LANMaN, 69 Water Slreet.
MARSH & NORTHROP, 60 Pearl Street.
NORTON, BABCOCK & WOOO, 139 Mai-
den Lone.
PENFOLD, CLAY & Co, 4 Fletcher Street.
OLCOTT, M KFSSON & CO, 127 Msiden
Lae. '
A. B. & D. SANDS. 100 Fullon Street.
SCHIEFFELLN, BROTHER & Co, 104 !06JobnSu
LEWIS & PRICE. 55 Pearl Streel.
HAVILAND, KEESE & CO, 80 Maiden La-
e.
RUSHTON, CLARK & CO, 110 Broadway,
lOAslor.
House, and 273 Broadway, cor. of Chambers
Street.
PHILIP SCHIEFFELLN & CO, 107 Water
Streal.
POU & PALANCA, 96 John Streel.
SHERWOOD & COFFIN, 64 Pearl Slreet.
RUST & HOUGHTON, 83 John Street.
I. MINOR & CO. 214 Futon Street.
INGERSOLL & BROTHER, 230 Pearl Street.
JOSEPH E TRIPPI, 128 Maiden Lae.
GREENLEAF & KINSLEY, 45 Corllandl
.... Street.
AYDOCK, C0RLIES& CLAY, 218 Pear
ir'eet.
NG & VANDUSER, 178 Greenwch
irT
HASKELL & MERRICK, 10 Gold Slreet.
B. A.FAHNESTOCK & Co. 49 John Street.
CONHECEMOS AARYORE E SUASFRU-
TAS ,
E IGUALMENTE
Conhecemos um Medicamento nos seus Effeilos.
O extracto composlo de Salsa parrrlha do
Dr. Townsend esl
OMEDICiMENTODO POYO
Adata-so to maravilhosamenle a conslituicao
que pode ser ulilisado em quasi todas as enfermi-
ONDE E DEBILIDADE,
fortalece;
ONDE E' CURRUPgAO,
purifica;
ONDE HE PODR D A O,
AL1MPA.
Este medicamento celebrado que tao grandes
servicos presta a humanidade, prepara-se agor
na nova fabrica, na esquina das ras Fronte
Washington, Brooklyn, sob a inspeegao directa
do muito conhecido chimico e medico Dr. James
R. Chilln, da Cidade de New-York, cuja cer-
tidao e assignalura se acha na capa exterior da
cada garrrfa de
ORIGINAL E GENUINO
EXTRACTO COMPOSTO DE SALSA PARRILHA
DO DR. TOWNSEND.
O grande purifteattor to sangm
CURANDO
O Herpes
A Hertsipela,
A Adstricqao do ven-
tre,
As Alporcas
Os Effeitos do azou-
GUE,
Dispepsia,
As Doenc&s,defiga-
do,
AHydropesia.
AImpingb
As Ulceras,
O Rheumatismo,
As Chagas
A Dedilidade geral-
As Doencasde pelle
AS BORBULHAS > A CA-
RA,
As Tossesi,
Os Catarruos, As Tsicas, etc.
OExtracto acha-secontidoemgarrafas quadra-
das e garante-se ser mais forie emelhor em to-
do o respeito a algum outro purificador do san-
gue., conserva-se em todos os climas por cer-
d Roda n. 50.
ra
Saea-se
para Lisboa, Porto e liba de S. Miguel,
no escriptorio de Carvalho, Nogueira &
C, ra do Vigario n. 9, piimeiro andar.
Roga-se ao senhor que. por en-
gao, levou do cartorio do escrivo Al-
meida, na ra do Imperador, Iiontem,
um chapeo prelo, de cabeca, o favor de
ir trocar pelo seu a' ra das Cruzes n.
4, segundo andar.
Ainda esl por alugar o sitio Da Torre, per-
lencente a Jos Marianno de Albuquerque : a tra-
tar com o mesmo ou com o Sr. Jos Azevedo
Andrade, na ra do Crespo.
Aluga-se o armazem da ra da Madre de
Dos n. 2 ; a Iralar com Marlins \- Irmao.
Esteiras da India de 4, 5
e 6 pamos de largo.
No armazem ae tazendas da ra do Queimado
. 19, propriameute para forro de salas e camft
por ser di melhor qualidade, e todas brancas
Ama.
exfrfeuftdo
to sspaco de lempo.
genuino exrttjfdo Dr; Townsend tem a assignatura e a certidao do Dr. J. R. Chlitton, na capa
terior de papel verde V '
No esarptorio do proprieurio, 212 BroadwajsNew York, e em Pernambuco na ra da Cruz n. 21 escriptoric 1. andar, tam-
bera na blica da ra Direita n, 88 do Sr. Paranhos. >
Precisase de urna ama dosa para casa de pou-
ca familia, para tratar de dous meninos : na loja
de livros ao p do ano de Santo Antonio.
Preciza-se alugar urna escrava que saiba
cozer e engomniar pereitamente para casa de fa-
milia : alratar na ra da cadeia do Recife. loia
n. 41. J
Jos Francisco Maia, subdito porluguez re-
tira-se para o Rio Grando do Sul, com escalla
pelo Rio de Janeiro.
Precisa-se di um mestre oleiro para se en-
carregar de urna olaria em Sanio Amaro de Ja-
boalao ; tambera se far negocio com urna casa
de moradia, e juntamente com a olaria que esl
montada com todos os utensilios: quem a pre-
tender dirija-se ra da Praia n. 31, onde lodo
o negocio se fai.
Precisa-se alugar um moleque para servir
em urna casa estrangeira : na ra da Cruz n. 5.
ATTFNClO.
O abaixo assignado empregado da companhia
da estrada do forro gratifica com a quantia de
cincoenla mil ris j0'J00) a quem lhe der noti-
cia de urna bolea nova de couro de vaqueta de
luslro com fexadura no centro e correia dos
lados com fivella de Iatao conlendo roupa e al-
guns papis de circunstancia a qual desapare-
ceu de um vagn de 2 clnsse na imite de sexta-
feira 7 do corrente por occasiao da sahida do
trem especial da rslagao da Escada para a villa
do Cabo. Recife 11 de dezembro de 1S60.
Manoel Jos de Carvalho.
Precisa-se de um a dous amacador de pao e
bolaxa, que entendara perfeilnme'nte do trafieo
de padaria, massar, certar, tender, belhar, etc.,
o de um forneiro com os mesmos quizilos,
aquello que esliver Das circunstancias de de-
sempenhar os presentes quesitos dirija-se a ra
do Larga Rosario n. 18 padaria que acharao
com quem Iralar.
AVISO.
Justino Francisco de Assis & C. fazem scienlo
que venderam seu eslabelecimento de carros de
passeio sito no largo do arsenal de marinha, ao
Sr. Custodio Ferreira Moulinho, obrigando-se o
mesmo senhor a pagar todas as dividas passivas
do mesmo esiabelecimenlo, contrahidas al o dia
3 do correte oiez. Recife 11 de dezembro de
1860. .
jL



WikiO D PERNAMBUCO. QUINTA FE1RA 13 DE DEIEMBRO DE 1860.
f)
CASA DE BANHOS
_____ HO ____ _____
Assignatura da baobos fros, mornos, do choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados era 30 das consecutivos. ,......; 10?0
30 canias paraos ditosbaohos tomadosem qualquer lempo ....*'; 155000
15 Ditos dito dito dito .;.... *
7 ...;.. uu0
Banhosivulsos, aromticos, salgados esulphurososaosprec,os annunciados.
EstareJucijo de presos facilitar ao respeitavel publico ogozo das vantagens queresullam
da frequenciadeum estabelecimento de urna utilidadeinconlestavel.mas que infelizmente nao
estando em nosso* hbitos, ainda pouco conhecida eapreciada:
WBImmmm-m~mmmmmmmm
EAUMINERALE S
NATURALLE DE VICHY
Deposito na botica franceza ra da Cruz n. 22
Remedio infallivel contra as agnorrlias antigs e recentes.
nico deposito na botica franceza, ra da Cruz n. 22.
Preco do frasco 3#000.
TABAC CAPORAL
Deposito das manufacturas \mpcriacs deran?a.
Este excelente fumo acha-se depositado, direlamente na rna Nova n. 23, ESQUINA DA
CAMBO A DO GARMO, o qual se vende por mseos de 2 hectogramos a lfOOO e em porQao de
10 mseos para cima com descont de 25 porcenlo ; no mesmo cstabelecimento acha-se tainbem
everdadeiro papel de linho para cigarros.
CASA DE SAUDE
DOS
Sita em Santo Amaro.
m
ftv
Esteestabeiecimentocontinua debaixoda admiaistraco dos pro-
prtetariosa receber doentes de qualquer natureza ou cathegoria que
seja.
O zelo e cuidado alli empregados para o prompto restabetecimen-.
to dos doeutese'geral mente conhecido.
Quem sequizerutilisar podedirigir-se as casas dos propietarios
arabos more .resna ra Nova, ou entender-secom o regente no esta-
tabelecimento.
Reforma de precos.
^
Escravos.
Marujos ecriados,
Trimeira classe 3$ e.
".>/|f Asvoperac/ies sero previamenteejustadas.
& \................
2$G00
2gb00
3#500

CONSULTORIO
DO
11, IP* A,
Aluga-se
o sobrado n. 29 da ra dos Burgos, com arma-
zem proprio para recoiher gneros de estiva : a
tratar na ra da Cadeia do Recite n. 35.
Quem liver una prela que lenha leite para
criar urna menina de 2 mez">s ((flaneando a sua
conducta] annuccie, ou dirija-se a ra do Capo
nll.
Desappareceu da casa do Dr. Paula Baplis-
ta, do dia 3 do corrente, a preta Vicencia, de 60
annos de idade, levou vestido preto, panno azul,
lem os ps e as niaos foveiras: roga-se, pois, a
todas as autoridades policiaes que a apprehende-
ruii, o favor de a conduzirem ra do Colovello
n. 56, que sero recompensados.
Aluga-se na ra da Seozila Nova o. 37, uro
escravo opliono cozinheiro, acostumado a servir
em hotel.
Joio Francisco Maia administrador das
malas de Apipucos. avisa a quera convier, que
nos das 15, 16 e 17 do correle mez se arrendar
as referidas malas pessoa que maior preco offe-
recer, devendo os prelendentes apresentar os
comptenles Uadores.
Verdadeiro caf de Moka, s
no hotel trovador, ra larga
do Rosario n. 44.
A qualquer hora do dia ou da noilo enconlrar-
se-ha nesle estabeleciniento gosto dos fregue-
zeso verdadeiro caf de Moka, bera assim sor-
vetes das melhores fructas quo existem no mer-
cado, das 6 lioras da tarde era diaole, Itepele se
o annuncio para maior sciencia do publico e ha-
ver nesle mesmo estabeleciraenlo comida feila a
qualquer hora que se procure, e bem assim o
fornecer-st para rasas particulares. No mesmo
hotel precisa-se de um moleque captivo para o
se^vico interno e externo.
AOPIBLIGO
O arrematante da luja de miudezas da *
Ib ra do Livramenton. 2, que foi de Igna- |g
B ci Nery Ferreira da Silva Lopes, avisa ^
aos devedores do mesniu que smente de- ral
fvem ir pagar sjus dbitos na loja de miu- |j
dezas da ra da Imierotriz n. 82, sob r
. penado pagarem segunda vez no caso de jj
H que paguem a oulrem. y
Era Santo Amaro de Jaboato aluga-se urna
excelVente casa porseus commodos c posic.ao : a
tratar na ra Nova n 56.
- Kalkmann lrmaos& C avisam ao
respeitavel corpo do commercio que
forana nomeados agen tes nesta pracadas
companhias de seguros maiitimos de
Hamburgo-
COHPllfHli
CONSULTORIO
ESPECIAL HOMEOPATHICO
Rua de Santo Amaro (Mundo-npvo) n. 6.
Pinlio d cousultas
as 10 horas at meio
em seus domicilios
e em caso do ne-
O Dr. Sabino O L.
todos os dias uteis desde
dia. Visita aos doentes
de meio dia em diante,
cessidade qualquer hora. As senhoras de
parto e os doentes de molestia aguda, que
nao tiverem ainda lomado remedio algum al-
lopalhico ou homeopalhico, sero atendidos de
preferencia.
As molestias mais fren,tientes debaixo dos
climas do Irazil, principalmente as que sao
mais dificeis de curar, lhe tem merecido um
esludo especial; sao ellas :
1. Molestias proprias das mulheres.
2. Molestias das cranlas.
3. Molestias da pe le.
4. Molestas dos olhos.
5. Syphilis, ou gallieo.
6." Febressymplhoinalicas Jjs lesoes do cere-
bro e de suas membranas, dos orgaos do pe to,
e do apparelho digestivo ; febres intermitien-
tes e suas cousequencias.
Pharmacia especial hornee op alinea.
venientes na pralica, principalmente para os m-
dicos que comegam fazer ensaios, e para as
pessoa curiosas que nao sabem conhecer essas
differencas, e por isso poder* atlribuir inefica-
cia da bomoeopalhia, o que realmente depende da
m preparsco dos medicamentos.
Para obviar estes graves inconvenientes ojmcro6.
agitador dynamico do Dr. Sabino munido
de um contador em que se acham as unidades,
decenas, centenas, Buhares, dezenas demilhares
collocadas convenieniemente, de maneira que
cada vaseolejacao apparece um numero novo,
desde 1 al 10 mil; nao sendo desta sorte
possivel engao algum.
Os medicamentos homreopathicos preparados
por meio desla maquina sao os nicos que de
Bolsas de tapete para
viagens.
Vendem-se mui bonitas bolsas de pete r ro-
prias para viagens, etc., ele, pelos baralissimos
precos de 59, 6jt e7# : na loja da aguia branca,
ra doQueimado n. 16:
Booitos cintos para senho-
ras e meninas.
Na loja da aguia branca vendera-se mu boni-
tas filas cora flvelas para cintos de senhoras e
meninas, c pelo baralissirr.o preco de 2$ : em
dita loja da iguia branca, ra do Queimado nu-
mero 16.
Objectos de gosto
senhoras e meninos.
A loja da aguia branca recebeu um bollo sm t-
menlo de objectos de rauito gosto c ultima mo-
da, proprios para senhoras e meninas, sendo de-
licadas gollinhas e voltas de vidrilho, voltas do
coral e cornalina com atacador do mua, doura-
na ra do Queimado, loja
mero 16.
da aguia branca nu-
ra
baratas.
ALA
i
MEDICO FARTEIRQ E OPERADOR.
3 RA Di GLOBIA, CASA IIO FUUDO 3
CAVnca por amitos s sysiemas.
O Dr. Lobo Moscoso d consullas todos os dias pela manhaa, e de tarde dspoisde 4
horas. Contrata partidos para curar annualmente, nao so para a cidade, como para or engeuhos
ou oulras propriedades ruraes.
O i chamados devem ser dirigidos sua casa al s 10 horas da manhaa e em caso
de urgencia outra qualquer hora do dia ou da noile, sendo por escriptoem que se declare
c nome da pessoa, o da ra e o numero da casa.
Nos casos que nao forem de urgencia, as pessoas residentes no bairro do Recife po-
dero remellar seus bilheles botica do Sr. J. Sounn & na ra da Cruz, ou loja de
livros do Sr. Jos Nogueira de Souza na ra do Crespo ao p da ponte velha.
Nessa loja e na casado annuncianteachar-se-ha constantemente os melhcres med:a-
jrenios liomeopalhicos ji bera conhecidos e pelos prec.os seguintes:
Botica de 12 tubos grandes. *.........10*000
Dita de 24 ditos.................15000
Dita de 36 ditos. .-...............203POOO
Dita de 48 ditos................. 25?000
Dita de 60 ditos...............- 305OOO
Tubos avulsoscada um............. 1|(>00
Frasees de tinturas. .............. 29000
Manual de medicina horneopalhica pelo Dr. Jahr, tra-
duzido em porluguez, com o diccionario dos lermos
de medicina, cirurgia etc.. ele........20^000
Medicina domestica do Dr. Hering, com diccionario. 10S000
Repertorio do Dr. Mello Moraes. ,...... 69000
stabeecida m Londres
CAPITAL
Cuco mllioes de UVias
sterlinas.
Saunders Brothers & C. tem a houra de nfor-
mar aos senhores negociaotes, proprietarios de
casas, e a quera mais convier, -que eetao p'.ena-
menleautorisados pela dita companhia para ef-
fecluar seguros sobreediicios de lijlo e pedra,
cobertos de telha, e igualmente sobre os objectos
que contiverem os mesmos edificios, quer con-
sista em mobilia ou em fazendas de uualquei
qualidade.
KrrrrrrTTTTTTTrrTTTTTTTTT^>
I DENTISTA FRANCEZ. 3
^ Paulo Gaignoux, dentista, ra das La- .,<
k rangeiras 15. Na mesma casa tem agua e M
*l p denlico. 2
agencia dos fabricantes america-
nos Grouver & Baker
Machinas de coser: em casado Samuel!".
Jonhston & ra da Senzala Nova n. 52
Dentista de Paris. I
15Rua Nova15 S
FredericoGautier, cirurgia o dentista,^
faz todas aso perace da sua arte e col-
locadentes artificiaes, ludo com upe-^
rioridade e perfei^ao que as pessoasen-^
tendidas lhe reconhecero.
Teraazua e pos dentifricios etc
m
AGITADOR DYNAMICO.
A puarmacia hommopalhica est longo de
preencfier todas as vistas dos mdicos homce-
palhas em quanio forem os medicamentos pre-
parados mo. A forja do homem nao po-
de ler a precisa uniformidade para bera de-
sinvolver as propriedades medicamentosas das
substancias ; ella vae naltiralmente enfraque-
cendo med la que se vac fazendo o traba-
lho da dynamisaijo; e por essa rzao que
numerosas vezes acconlece que duas preparacoes
de acnito, por exemplo, da mesaa dynami-
sagao, feilas pelo mesmo homem, no mesmo
dia, ou em dias diversos, ou feilas por dous
homens diferentes, nao produzem o mesmo re-
sultado em casos anlogos e molestias; urna
desinvolve urna accao mais prompta, a oulra
urna fcrao mais lenta.
Alm di-so, sendo essencial para a regu-
laridade das dynamisafes que cada cltfutcao
tenha um numero certo de abales ou v&scole-
jajoes, para que nao acconieja que pelo excesso
sinvolvem propriedades uniformes capazes de do, obra inleiramente nova e de milito gosto, e
curar es molestias com a maior certeza pos-. pelos baratsimos grecos de 2J cada objecto
siteJ.
Alem disso, desejando tirar de sua viagem j
a Eurcpa todas as vantagens para o progresso
da homoeopathia no Brasil, o Dr. Sabino nao
poupou esforcos para obier as substancias me-
dicamentosas dos proprios lugares, onde ellas na-j
turalmente nascem, e para isso enlendeu-se com
um dos melhores hetboiistas d'Aemanha, para
lhe mandar vir as |,lantas frescas, afina de pre- | parar ello mesmo as tiniuras. i Coes de cambraia I)ranca mul0 fina c:m ,.
E assim que o acnito fot mandado vir dos picos miudinhos a 4jCO.
Alpes, a rnica das montanhs da Suissa, a, Cambraiuta para vestido, muilo fina, pelo ba-
belladona, bryonnia, chamomilla, pulsatilla.rhus, ratisslmo preco de 2yG00, 25S00, 3 e 3-:500 cada
hyociamus, foram colindas n'Alleroanba, na pCg,5es e musauUna, ditos arrendados,
Franja e na Blgica, o veratrura no monte Ju- de raadapolo.
ra, etc. etc.
Dcsta sotle provida a pharmacia do Dr.
Sabino das substancias que serviram para as ex-
dito;
Demanilb,
rem leves, muito frescos, cscuros, elegamese i<
onga durac.ao.
penenctas puras de Hahnemann, descriptas na
patliogensia, acharo os mdicos e os amigos da j
homoeopathia os meios seguros e verdadeirosde os mais recommendaveis para a estaco por se-
turarom as eufermidades.
OS PRECOS SAO OS SEGUINTES:
Botica de 24 tubos grandes 12* a 16
Dita de 36 .....; 18? a 229
Dila de 48 ......24 a 29
Dila de 60 ......30 a 355
N. B. Existem carteiras ricas de vellido para
forma Cavour, elegantes, muito frescos, leves o
de dura''o.
5
com
De baleia,
ir, elegantes, muito
m pmi
is, escuros e claros
Cmipleto sorlimeno
linos e crian vas.
dem de lioncts
enieiles c
para senhoras, escuros e claros,
maior prefio. sem eifeiles.
Cada vidro de linlura avulso. i 2M
Cada tubo avulso...........I**'
Caixas cora medicamentos em glbulos e un-
turas de diversas dynamisacoes ( mais usadas ) : par meninos e enancas.
De 24 vidros com tintura e 48 tu-
bos grandes...........4S5000
De 36 ditos diu. 56 tubo, grandes. G400O para bomeM g raenill05 0 lnalnentc 0U(fC5
De 36 ditos dita e GS lobas grandes. 7<>000 n)uj,0Si quesera enfadonho mencionar.
De 48 ditos dita e 88 tubos grandes. 92000
ou pela insufciencia d' estas percara os medica- I Oe 60 ditos dita e 110 tubos grandes 1155000 ;
memos as propriedades que Ihes sao assignala-1 Esias caixas sao uteis aos mdicos, aos Srs,!
das. ou que convem cada dynamisaSo, rao je engenho, fazendeiros, ebefea de familias,
se podo isso obier as preparares feilas mao capilaes de na\io, e em geral lodos que se |\ll (ll IlHpCrdlriZ 11. /4.
porque o numero de abales seropre maior ou quizerem dedicar pratica da hon.ceopatliia,', Vende-se peca de franja para cortinados r0m
menor, d onde evidentemente resulta um effeito
lambem maior ou menor, e por conseg
duvidoso na applcc,So do medicamento ;
abalos sao insuffcienles nao se desir
todas as propiedades convenientes dynamisa- | iani0 pia comroodidude de poderem ser Irasi- i tes a 8, enfeitescde fita de velludo com laco a
^ao quesequer faz.r, e se sao de mais, desin-'(jas na algibeira, como porque trubalham com 2500. c muitas mais fazendas que se Tendeo
volvem-M algumas das propriedades da dyna-': preparacoes que nao s5o nocivas:
V0| 'iu\, ooiu 'iiihu'iiii ; .m ir.i"iin:,
Loja da boa i
NA
misac,o superior, com parda certa de muitas
das que convera dynamisaQao que se quer
preparar, o que sem duvida tem graves incon-
^Sa^3t^ lil^l@6 -^>&&ks,^(!m-&&&& <*s mm

DE
Fazendas e de miudezas.
Em casa de Augusto C. de Abreu, ba para vender um completo
sortimento de perfumarlas, constando de teos, banbas, pos para
dentes, sabo, extractos, aguas de cheiro e mutof outros artigo dos
melhores perfumistas de Londres e Pars.
m
'Si-'*'
(yes
Ama.
Precisa se alugar urna escrava para casa de fa-
milia, que saiba fazer todo servido de casa : na
rua do Queimado n. 39, loja, se dir quem pre-
cisa.
A praca do juizo Jos feitos da fazenda pro-
vincial, aiiDunciada para o dia 6 do corrente mez,
foi transferida para o dia 13 do mesmo mez.
Pracisa-se de um teilor para silio e perto
da praca ; r;a rua da Concordia, loja do sobrado
u. 35.
Padaria.
Na padaria de Antonio Fernandos da Silva
Beirz rua dos Pires n. 42, da se pao de venda-
cen e na mesma vende-se pao commum, dito de
provenga, bolaiua de boa qualidaJe e nova, dita
fina, bolachinhas, luscoulos, doces e agoados,
! filias, roscas, aramia franceza, balachinhas de
dila franceza, familia do reioo niuilo nova pro-
pria para sequilhos. ludo das melhores Cario has
e o mais bem Irabalho possivel.
Muito se deseja fallar com ossennores abai-
xodeclarados, na rua do Queimado a, 39, loja.
Antonio Jos de Araorim.
Antonio Francisco da Silva.
Manuel Jos Milete Meiriz.
Joaquim Jos Botelho.
Para administrar engenho
se offerere um homem que j foi rendeiro de
um que sendo victima da iofelicidade se su-
geita por qualquer ordenado tanto nesla provin-
cia co,o u'outra : na rua do Crespo loja n. 10,
se dir.
Curso particular derhetorica.
Manoel de Honorato tem aberto o seu curso
de elocuencia e potica nacional : na rua Direi-
ta d. 88, primeiro andar.
Aluga-se o sobrado de dous andares e so-
loda rua Imperial o. 1C9 : a fallar na rua da
Aurora n. 36,
O IUra. Sr. B. A. M. C. B
senhor de engenho na provin-
cia das Alagoas, queira fazer
o favor mandar pagar na loja
de ferragens da rua do Quei-
mado (que nao ignora) a sua
letra vencida ha muito tem-
po, producto de negocio rea-
lisado a 28 raezes, visto que
nao tem-se dignado dar a mais
insignificante resposta a mais
de umaduzia de cartas que se
ihe tem esenpto.
O artista americano
O artista americano
O artista americ?no
O artista americano
O artista ami i icano
Tira retratos por jjf
Tira ra tratos por 3^
Tira retratos por 3$
Tira retratos por $
Tira retratos por 3|
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhbs novas
Tendo recebido um or ti ment de cai-
xinlias novas
Tondo recebido um soa-timent de cai
xinbas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
xinhas novas
Tendo recebido um sortimento de cai-
tintias novas
PO grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do imperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande salao da rua do Imperador
No grande salo da rua do Imperador
A. W. sborn, o retratista ameriea
no tem recentemente recebido um gran-
de e variado sortimento de caixas, qua-
aparatos chimi'X, c um grande
CaJa urna.
O Dr. Sabino ensina a maneira
desta maquina.
. 50*000.
de se servir
C ompras.
Rostron Rooker & C. compram saques so-
bre a Bihia ; quem tiver, dirija-se praca do
Corpo Santo n 48.
Na rua Direitsn.Si precisa-se compiar um
cavallo que seja grande, manso e gordo.
-* Compram-se 12 cadeiras, 1 mesa de meio
de sala, 1 sof e 2 conotos ou bancas, ludo em
meio uso, sendo de amarello ou Jacaranda, per
cnnimodo preco. annuncio ou dirija-se rua do
Livramenlo n^ 19, loji.
Compra-se ura armario para louca de cozi-
nha e urna mesa Je qualquer lamanho, usados :
quem tiver annuncie.
Compra-se moedas de ouro de 20$ rs. no
armazem da rua da Cruz n. 19.
Vendas.
- No Porto de Gallinhas, freguezia de Ipoju-
ca, vende-se um trapiche e duas casas de pedra,
sendo urna dellas muito propria para eslabeleci-
menlo de seceos e molhados e de muito consu-
mo, cujos edificios sao muito bem construidos.
Na mesma freguezia vende-se a propriedade Boa
Vista, com boa casa de lijlo, bom cercado para
animaos, terreno para planlaco, com olaria lar-1
ro e matas, pode-se, com poco trabalho, fazer- LfTf ....
se um viveiro natural, alera deste, q.ialro ou cin- i t.ULIlIVAOlUiS para limpar e abrir a
co, com 105 ps de coqueiros quasi lodos de frac- I trra.
to : a entender se com Viceute Alves Machado, ; Mntviifie
na rua nova de Sania Rita u. 31, e com Jos de: alu,->,I<-'2> para cana em ponto peque-
no, podtndosergovernaJuspoi- i .....
Algodao nionslro.
Vende-se algodao monstro com duas largaras,
muito proprio para toallias c lences por dispen-
sar toda e qualquer costura, pelo baratsimo
preco de 600 rs a vara ; na rua do Queimado n.
22, na loja da boa f.
Chales.
Ricos chales de merino estampados, de cores
muilo bonitas a "5, ditos muito finos a 8500,
ditos lisos a >, ditos bordados a matiza Sf50o,
na rua do Queimado n. 22, loja da boa-f.
Vende-se nim leberna bem afreguozada :
a tratar na rua das Cruzes n. 1.
Vende-se urna casa terre sita no pateo do
Terco n. 22, chao proprio, e propria para nego-
cio ou morada ; a tratar na mesma.
Machinas ameri-
canas
E OUTROS ARTIGOS.
N. O. BIEBEK di C. SUCCESSORES,
tem exposto nos seus armazens da rua
da Cruz n. i e 9, urna inliuidade de
machinas etc., como sejam :
ARADOS de diligentes modelos, traba-
lliando de 2 lados.
nos,
numero de objectos relativos f>. arte.
Como tambem um grande ornecimen-
to de caixas para retratos de 3#000 rs.
cada um, as pessoas que dtgejarem ad-
quirir conhecimentos pratiecs na arte
de retratar acliarSo o abaixo assignado
empre prompto sob condicoes muito
razoaveis.
Os cavalheirose senhoras sao convida-
dos a visitar estes estabelecimentos, pa-
ra examinarem os specimens do que
cima ica anunciado.
Caxang.
Nesle bello arralal ha para alugar urna casa
com instantes commodos para grande familia
muito fresca ejMronte do rio : na rua Nova
n. 63.
Barros Wanderley, no Porlo de Gallinhas.
Canoa.
Vende-se urna canoa de amarello que carreja
1.100 lijlos de alvenaria grossa : na rua da Con-
cordia, armazem n. 36.
Vende-se urna pequea armario na rua Di-
reila, propria para um principiante, cujo local
tem tomiLOdos para familia, por ser urna boa casa
terrea com quintal e cacimba ; e tambem se tro-
ca por oulra casa convindo o negocio : a enten-
der-se no pateo de S. Pedro n. 1, taberna.
Ven1c-se a muilo acreditada loja de calca-
do da rua do Livramenlo n. 33, a dinhelro o a
prazo, por seu dono ler de relirar-se para o ma-
to ; e6la loja alem de ser muito afreguezada
no melhor local da dita rua, e toda envidraca-
da e propria para qualquer estabeleciraenlo que
utn
pessoa. proprias para lavradores.
Ditas de DESCAROC.VR MILIIO,
proceso pelo qual se poupa multo
tempoeempregd-se souiente 2 pes-
soas,
Ditos de MOER MILIIO, CAFE etc.,
etc. at o grao mais fino que houve.'
Ditos para FAZER FAKIN1IA de
lho etc.
mi'
se pretende bjlar.
r

|Vrl
m-se dous andares do labiado da rua
n. 24, tendo commodos para grande
da Cadeia
familia : a tratar na loja do mesmo.
Lchegado o desejado rap Paulo Cordeiro, na
rua larga do Rosario, passaudo a botica a segun-
da loja de miudezas n. 38 ; na mesma leja lem
rapgrosso e meio grosso, e fino, Meuron, rolao
francez, dito Rocha, dito Borba, dito Lisboa ; to-
do este rap muito fresco, chegado agora de
fra : na mesma loja lem grande sorlimeno de
miudezas, e visla dos compradores se dir o
preco de ludo.
Vende-se urna mucamba, rica pe?a, capaz
dse dar a urna noiva por ter todas as habilida-
des, com 16 annos de idade, sendo crioula ; a
pessoa que quizer comprar, dirija-se a rua do
Padre Floriano n. 56.
Luvas de Jouvio.
Vendem-se as verdadeiras luvas de jfovin
para homem e senhora a 1}500 o par : na rus da
fmporatriz, loja da boa f n. 74.
As verdadeiras luvas de
Jouviii.
A loja da aguia brancas acaba de receber de
sua oncommenda as verdadeiras luvas de Jou-
vin, primeira qualidade, tanto brancas como pre-
tas para homem e enhora : quem precisar;diri-
ja-se a dita loja da aguia branca, roa do Quei-
mado n. 16,
MACHINAS para fazer BOLACI11NHA.
BOMBAS para cacimbas o
navios, muito man iras e
de torca superior
mdicos precos.
per
com correles para
tirar ag,ia de Jugares
Ditas
tir
mui fundos.
superior qualidade para
VERMZ de
carros.
CABROS de mao muito leves e batatos
BALANZAS de 1,000 libras para baixo
proprias para armazens, depsitos,
tabernas, boticas etc., etc.
MAPPAS geographicos do mundo 0
suas partes.
MACHINAS de costura de Sivat & C. as
melhores que ate lioje tem apparc-
cido.
Vende-se urna tipoia nova com
todos os seus pertence: na rua da
Cruz n 21.
Charutos de Ilavana superiores,
chegados ltimamente: em casa de
Kalkman Irmaos & C, rua da Cruz nu-
mero 10.
--
MUTILADO


()
Ceblas a 700 rs.ocento.
Vende-se cebla 700 rs. o cento, loucinho de
Lisboa a J20 rs. : na rm das Cruzes n. 24. esqui-
na da Iravessa do Ouvidor.
\ endem-se dous silhoes inglezes para mon-
tana do senhora, osquaes tem pouco uso, e da-
se por preco commodo com lodosos arreios : na
ra do Ligamento n. 33, loja.
Vende-se um boi de todo o servico, proprio
para carrosa ou carro : quem o pretender dirja-
se ra dt< Domingos Pires n. 3, que achara
com quem tratar
pumo db tnmnoBQ. ^mA raRA m hmmo DE
Manual
( DE
Conlas feitas
mnipra e venda de assucar e mais ol
nuito til pira os negociantes ese
--pulios, pois com um lance de vista poi
saber o importe de quaesquer quantidade de ar-
robas e hbras; um volumo bem encadernado por
5900. Vende-se na livraria econmica, junto ao
arco do Santo Antonio.
Pecbincha
FBRICA
DE
mmmw i mmtm m mtm.
Sita na ra Imperial n. 118 e HO junto a fabrica de sabao.
?2 J'da Si!va dir'8daporoFranciscBelmiro da Costa.
oes de 300? a 3o^TJlta T^J'*"* S^ *A"*n d dIeren,es diraen
continuos un I i T e d?brados. Para i*** agurdeme, aparelhos desiilalerio
CarZ II it desalar esp.nlos com graduado at 40 graos (pela gr.duaco de Sellen
pira compra e venda de assucar e mais objectos ^ -' d.S melhors ystemas hoje approvados e conhecidos nesta eoutra< nmvinrU, 1
obra muito ulil para os negociantes e senhores bo">bas de todas v^ZSLm^JE^ZZSVl^???* Pf lf-
de engen ios. pois com um lance de vista podem i torneiras de bronze de STSmSST. r repUCh' t1anl? de cobra corao d bronze e ferro
sabor o importe de q-.aesquer quantidade de ar- bronze e ferro nararnl!^ as d.mencoes e fe.t.os para alambiques, tanques etc., parafusos de
chumbo de odas atoLT**' *"" P8" frnalbaS 6 CrV0S da ferro> *** *re.
fuoes da Vrr n, d'.men5e8 Pa.ra ncanamentos. camas de ferro com armario sem elle,
Je'ras 1 !i -*"" econoraicos' ***** ** *> cobre fundos de alambique 1, a
em^oTrSXS eTroeZlVf8 ,* ^T^^ m T" ESo
de odas as dimenco sSJ a"e" sd!Jobr8'lenCoe.de ferro e lalo. ferro suecia inglez
menos preco do aTam o,, !!' f,,M, para ffl"e,ros elc-'9 oulf08 muitos W* P<>i
*ME^Y^J*e*F+ -*?* -H-er encoraraen-
honrarflm nn em pene,?aoJa conhecida a para comnodidade dos freguezes que se dinarera
45-RBaDireila--45
ESC0LHID0 S0RTMENTO
seda a
na rua
Lindissimos riscados de cambraia de
400 rs. o covado, a elles, que se acabara :
do Q'Jfimado n. 41.
Vendem-se os afamados cigarros da-Bahia
en macinhos de 25 cada um : na praca da Boa-
Yisla, taberna n. 14.
Barato.
*en.lera-se barato duas taboletas de amarello
em bom estado, algumas taboas de louro, e ai-
giiQS caxilhos: na rua do CabugS, loja n. 9
Sao pecas.
Duas lindas negrinhas de 9 a lOannos, 1 dita
de 20 annos. 1 negra cozinheira por 7808 : na rua
de Aguas Verdes u. 46
AURORA.
i^SutwVluS90 "*? ? ""do n-
oplenla e Doelir m' d3S e amaveis fllhas da
nocessarin n.r. Mauncea previnam do que
KK0 "guardo des seus mimosos
umacrinoHn. Po: aUen(Jendo tambera a que
acertada ?*.!, Uma bella ; considerarles tao
S os" SnLlfr "! "P^sen a?s se s
P?e;gons.9bakogUeZM lmed8 em punh) Pe'"
Senhoras
Borzegiilni 32 a 59. 4A800
g!J dltCM.......4J500
Meninas
Bozeguin8 29 a 31. 5x800
D|t05 25a28. ..... 3GOo
D.t03l8a2i. ..... 3|20o
Homem
3r o^mTnalfanr;L0ffereCera "^ n.'jraeros"1 *** ao Pubbico-em geral, toda equal-
2s .m,?rJS r a> m SU reconhe,c,do estabelicimento a saber: machina, de vapor de todos I PI]
mw^^^^^- -
Bonets para meninos.
ma ote e borlla, outros enfeilados com fila de
r.dn "1? "'"T l0Utf09 Cm Kala0Dh0 do"
\* pe bar?LllS,ni08 pregos de 3^500,
4a5#ditoa da palba escura, mui bonos e
orles a 3* gorras de palha branca enfei.adas a
19500, e outros mu differentes bonels de panno
enfeilados al e 1280 : na ru do Qieiiado
loja da aguia branca n.16. '
Sebo e graixa.
Se', coadoe graixa em kexigas: no armazem
u*" Tasso Irmaos, no caes de Apollo
>* @@13
5P Machinas de vapor. WWWWJ
Rodas d'agua.
@ Moendas de canoa
Taitas.
M Rodas dentadas.
@ Bronzes e aguilhoes. m
Alambiques de ferro. Z
Crivos, padroes etc., ele.
Na fundico de ferro de D. W. Bowman, I
rua do Brum passando o chafariz.
t@@ @@ @1
IVa loja da boa t, na rua
doQueimado n. 22,
vende-se muito barato.
iJ&fW" ,s?.nacom 8 1[2 varas cada peca a
49500. dita BMito fina com salpicos a 5, dila de
cores de padroes muito bonitos a 320 o covado
cortes de cassa piulada cora 7 varas a 2240 fil
de hr.ho liso muito fino a 800 rs. a vara, larata-
na muito fina braoca e de cores com 1 1|2 rara
de largura a 800 rs a vara, guarnicOes de cam-
braia manguitos e golla] bordadas muito finas a
a>, gollinhas bordadas de cambraia muito fina a
Toalhas.
Vendem-se toalhas de linho para naos pelo
baratissimo preco de 9 a duzia, ditas 4e pello
muito superiores a 12 aduzia : na rua do Quei-
mado n. 22, ua loja da boa f.
Bramante
bretanhas e atoa! -
Na loja da boa f, na rua do Queimaoo n 2f
vende-se bramante de linho multo fin"com das
varas de largura, pelo baratissimo preco de*UU
? *"" nelanJ'a de IDh0 "">ito nnC. e SJS
3h'art% 2?S -24 a Pea com 30 jarda,
atoalhado de algodao com duas lar2uras 1*400
atara dita de linho muito superior, Umba
Bonecas ehiiezas.
Mui bonilas bonecas de choro vestidas a rhi
neza aljOOcada urna, assim como outra tam"
ItOO egnan.temeHnle Ve?ldaS e de AmI?;
SJk ,ia da agula branca' rua O Q"eima!
E' o ultimo goslo.
o covado, grosdenaples liso de lindas cores a
o covado, cortes de lio muilo fina com 15 cova-
^aradr,?m\mU" b-0nii' a 8' di,as -eqVadros
S! .i. "i'"", muito bonitos a 480 rs. o cova-
do chales de core.., padroes inteiramenle novos
Mh.rs- C0Tad; aproveitem em quonlo se nao
boa-f". rUa d yueinjad0 22. leja de
Coke (carvo),
"ly ernes u. *o ^17^ a,6u Na loja do successor do fi-L1SVn;SLeuhS5 ponle,s'cadeiras e,anques' ^*'ttl2Z
nado Antonio Ffancis-t
CO Perera. abe.eCiraenro JuJ Joaaeuinma rrt^i^0^?^. n'.65 d" ? d" es-
^enlcm-se as melhores fazondas de goslo
manleletes de diversas qualidades, ntremelos e
tira, bordadas, esparlilhos da ultima moda de
Pars, robe-de-chambro bordado a velludo e de
oulras qualidades. vestidos de seda brsnca para
C8Sameiitos bordados a velludo, ditos de blonde
ditos le cambraia fazenda do muito goslo ditos
de noir-anlique, sahidas de baile, capolio'hos de
velludo prelo, saias bordadas pan senhora, ca-
misas bordadas, casaveques, penleadores, da-
masco co la de 2 larguras, Jeques de sndalo
madreperola e chao, chales de muilo goslo'
orgviiys de differenles padroes, cassas, chitas
encarrujas escuras e oulras muitissima3 fazen-
das de goslo que serao patentes aos compradores.
Attenco.
Vende-se uma fabrica de charutos muilo bem
afreguezada, assim corao se negjcia a armacao,
so muito propria para taberna ou chypchandl
pi'lo local em que se acha, por seu dono se rcti-
r.ir; a fallar na Lingoeta n. 2.
Preco admiravel.j
M-nof I Alvares dos Prazeres faz sciente ao res-1
prnt.ivol i'UDlico que se acha eslabelecido na Ala-
g'a do Barro, cidade da Victoria, loja encarnada,
frente chineza, com fazendas e obras de
tabelecimento Jos TMi.m j.r i "UJ aux.uperaaor n.t.5 moradiadocaxeiro do es-
qaVlqrobw. q 6re,ra' Cra qUem S Pre,endn^ se podem entender para
AM&
PROGRESSO
de
Ditos prova de fogo'e d'aua!
Ditos. .
Mm "SJ-WW* b* velluda para tal para cirJZ"fi Z*L ^r^5 de Um 1'
5$600
5^000
Os proprietarios deste estabele-
lTi.mnI^mLTP|laVelI.PUIblC0J' PrinciPaImen,e aM agos do bom e baralo, que se
sario os freguezes da visitar esteTeatabelecimen- "f" era seu arjraazem de molhados de novaraente sonido degenerlos melhores que tem
to o qnal estar aberto das 6 da manha at as' mdo a esIe aereado, por serem escolliidos por um dos socios na capital de Lisboa e or serem
7 horas da noito. garante-se a qualidade de qual- a maior parte dalles viudos por conla dos mMrUtar.. F P
7 horas da noito. garante-se a qualidade de qual- a maior parte dalles vindos por conla dos rnroDrietarins
quer objeclo comprado c>m sua casa. l pwmiw,
CViocolale
Vende-se urna preta crioula com 36 annos
de id'de, sabe engommar. cozinhar, lavar per-
feilameole : quem pretender, dirija-se a ruada
Ji adro de Dos n.20, das 9 horas do dia at as 3
de urde, que ah achara com quera tratar.
Coiifdtiftim
Neste novo eslabelecimento preparara-se ban-
d'jijas pelo goslo do pai?, frascos com melhores
doces o leliciososenfeites. Vende-se o delicado
ilo abobara proprio para a e=la;ao calmo-
8 superiores doces para a Ierra e exporlacao.
bom co.ro inicias cm calda, ludo do melhorgos-
lopossivel: na ruaSanzella-nova n. 30.
Adinheiro.
Loja amarolla da rua do Cres-
de
po n. 8.
panno fiuissirao
de SSgOOO a
recasacas
i -. 'no.
Casacas de panno iino a 30^000.
P I Hs do pinno prcto p rio cores a 1 G000.
- do i.onno -ac) a 18?O00.
Ditos de dilo a 15JOO0.
Ditos de paopolina mesclado a 10000.
Ditos de diversas qualidades de seda e bomba-
si n a 63000.
tes i ir 1 eabeca do Sra. de 3 a 5tf000.
l'arlatanas de cores, vara de 400 a 600.
le coleles de velludo a 6O00.
Ditos de dito d,> merino a 3(00.
I lo lo s:!a Je diversos gostos de 405000
a .! 102000-
ijn.aple de cores de muito boa qualidaie
I.K).
Dito de quadrtnhos (gosto do Pars) a 15^000.
a.s le quadrinhos de muitos gosto a ljj-200.
Vc.-ii). de barege, e gaze, do bom goslo a
.
is de palha para homem (a Garibaldi' a
58 KK).
a i'- molla a 3f000.
p ira Sn [de seda fazenda de goslo' de 15
a 250O0.
Cobertores de la encarnados a 7S000.
V : ires de cambraia rica a 8j000.
B 1 teles para padres a 15^000.
ntremelos e liras
bordadas,
I I", o mui bonilos enlrcraeios e tiras bor-
iadas era Tina cambraia, obras mui bem acaha-
1 < ontremeos pelos baralisimos preros de
19603, 2a n2|400 a peci c as tiras bordadas por
.\ 22:).I, 3, 43, 53 e"6*. A vista da superio-
rid 1 !" da fazenda ninguem deivar de comprar e
para Uso lirijom-sea rua do Queimado loja da
agoia branca n. 1G.
Rices vestidos de cambraia
brancobordados denosto de 5 e a
1 7 b.ib.iJos, cortes de vestidos de
fil de cores, preco commodo, de
o0,s* a 250$, e umitas variedades
de fazendas de pliantliasia, organ-
dys do '.ilti.no goslo, tarlatana **
bordadas, gorgurao escocezes e @
outros muitos object-s necessarios @
pira uma senhora de gosto e do 9
m grande mundo : na rua da Ca- S
'- Ida doRecife n. iO.loja do Mar-
tinho- i
1 a 2 libras a 900 !
9
0
m
m

1
Pedimos toda attenco.
dos melhores autores de Europa a 900 rs. a libra em porcao a 850 t.
MLiinaelaa imperial
o afamado Abreu, e de outros mais fabricantes de Lisboa malas de
rs., em porcao de se far algum abatimenlo. "
Ma em latas de 1 libra por 900 rs., em porejio vende-se a 850 rs.
latas com erviUias
vende-se nicamente no armazem progresso a 640 rs. cada huma.
Conservas traueezas c iuglezas
as mais novas que ha no mercado a 70o rs. o frasco.
"Latas Ae bolacniiha de soda
eora diferenles qualidades a 18600 a lata
A.meixas traueezas
as uns novas que tem vindo a este mercado em compoteiras, contando 3 libras por 35SOOO rs.
e em atas de 1 1 [2 libra por 11*500 reis
"Verdadeiros gos de comadre
era caixa com 16 libras por 39000 rs. a relalho a 240 reis a libra.
Caixvituas com 8 libras de passas
a 3$000 rs. era porcao se far algum abatimenlo, vende-se tambem a relalho a libra a 500 rs.
Manteiga ingieza
perfei la mente flor a mais nova que ha no mercado a 18000 rs. a libra, em barril se far al-
gum abatimenlo.
Cha perola
o mellior que ha neste genero a 2$500 rs. a libra dito hyson a 2$000 rs.
Palitos de de lites licuados
a 200 rs. cem 20 macinhos.
pcixc sarel em posta
o mellior peixe que exzisle era Portugal em latas grandes por 1$600 rs. cada uma e de
outras muitas qualidades que se vendem pelo mesmo prec,o
Mauteiga trauceza
a 720 rs. a libra era barril se far abatimento.
. T oucmuo de Lisboa
o mais novo que ha no mercado a 320 reis a libra.
Mae as para sopa
era caxinhas de 8 libras com deferentes qualidades por 49000 rs.
Meios borzeguins de lustre. .
Sapatescom elstico e lustre.
Ditos arranca pelle, bszerro. .
Ditos de becerro. .
Meninos
Mafat0-8........5*600
clos'i., ?, m nii *nado SOr"mento de todas as
2SSET!t, ,n^i^n0^ Sfin*10 os annunciados
ouraente de primeira classe.
p TmVen^e'Se u? f*5'"0 Pardo. bonita figura
e sem vicos era defeitos, com 22 annos de ida-
r. star.rapirtasta i
Tachas e moendas i
_ Braga Silva & C., lera sempre no seu depo-
sito da rm da Moeda n. 3 1, um grande sorti-!
nenio de tachas e moendas para engenho, do ]
muito acreditado fabricante Edwin Maw a tra-l
tar no mesmo deposito ou na ruado Trapi-'
cnen.4, i
Cajiellas e llores.
Mui bonitas capillas para noivas a S, 6S e 7a
ditas para meninas a 2J. bonitos e delicados cai-
"sdenoresflnjsalS500.2oe3S: na ruado
yueimado, loja de aguia branca n. 16.
de tartaruga a imperatriz
RrV """." """"'r a 9. bonets de velludo para
S K? a 5S\d,l09.de Pan"o Preo a 33, sapati-
6^000 nhus de merm muito enfeilados a2J o par chi-
6<000 h S fran,cez Bou escuras e claras a 280 o ova-
mn ^Ci,eS,d',eCambr8ade corcs com Sbabados
O^O com 11 e 12 raras cada corte a 4jj500. superiores
lengos de cambraii de linho muito Una e rica-
| nenie bordados a M, ditos de cambraia de algo-
dao cora bico de linho a mA ditos de eam-
oraia de linho proprios para algibeira a 6, 7 e
o-5 a duza, ditos detcambraia de algodao a '400
o J> a duza liras bordadas largas e linas com 3
l|2 varas cada peca a 28500. e assim oulras mui-
las fazendas quo rendem-se por procos muito
baratos na rua do Queimado n. 22, n'j bem co-
nhecida loja da boa f.
se
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Caraisasinglezas.
Peitosparacamisas,
Biscoutos
Emcasade Arkwight i C, ruada
Cruz n. 61,
?aVSparnaac^a'a8;og;Zu^rr5PS "* ^~
l\o armazem de E. A. Burl
le C, rua da Cruz nu-
mero 48,
vende-se chanpsnha das melhores marcas que
n ao mercado mats barato que em qt.alq.uer
outra parte ; cofres de ferro (burras) das oue co"
luma receber, do melhor fabricante que ha nese
genero, sortimenlos de todos os lananhos e lo-
dosos presos ; novo sortimenlo de pianos, de
unexccllenle fabricante, que se venderlo por
conla do mesmo, deduzindo-se a connissao e o
descont que os tornasse baratissimos.
Vende-se um cabriolet de dnas rodas, com
arreios e em muito bom estado : quera o preten-
der dirija-se a rua Imperial n. 40.
Botica.
G3.MDE S0RTUE.U0
DE
hzeiilas e roupa feila
NA LOJA E ARMAZEM
B3rtholomeu Fracciscodo Souza, rua larga do
Rosario n. 36, vende-se os segointes medica-
mentos :
Robl'Aff.>cteur.
Pilulas contra sezoes.
Ditas vegetaes.
Salsaparrilha Brlsol.
Dita Sands.
Vermfugo inglez.
Xsrope do Bosjue.
Pilulas americanas (contra febres).
Ungento Holloway
Pilulas do dito.
Ellixir anli-asmathico
e lbrVs6 b0CM larg" COm r0lhaS> de 2ons
ae'l mm fn,.T ^ um grande sorlimento de pa-
pel para forro de sala, oqual vende a mdico
PaodeSenteionovo.
hoari^;1011,15 3,5 q,Iarta* e abados, das 11
darhalemaerad,'1nte: cm Santo Amaro. Pa-
daruaiiemaa.e na rua da Imperatriz n. 2, la-
Encyclopedica
Guimar4es Villar
iua do Crespo 17.
Receberara sedas, chapeos para senhoras, mar.
teleles, saias balocs, laas de quadros ricos de-
scnbos, manteletes, capas, casaveques, rico*
cortes de carabraias brancas para 18ff, 25S e 40c
organdizes de padrOes lindissimos. cassas d
coresa 260rs. o covado, cassas bordadas da Chi-
na a0;.500 com 9 varas, ditas a 4 e 5$ com 9
varas, manleletes para meninas a &J, meias para
senhoras de todas as qualidades, grande sorli-
ffiento de roupas para homens e meninos
qualquer objecto para senhoras noi precos com-
modos. ~
DB
Tambera vendm-seosseguintes gneros, tudorecenlemenle chegado e de superiores qua-
lidades, presuntos a 48^rs. a libra, chourica muila nova, marraelada do mais afamado fabricante
de Liswa, maca de tomate, perssecca, passas, fructasem calda, araendoas, nozes, frascos cora
v amendoas cobertas, confeites, pastilhas devanas qualidades, vinagre branco Bordeaut, proprio
1 KhTgor^^^ df08 e'hores fabricantes de San Flix, macas de todas as qua.idades,
as mais ricas que possivel. filas largas e eslrei-! *0Tam* rauil fina, ervilhss francezas, champagne das mais acreditadas marcas, cervejas de ditas,
tas o mois lindo que se pode encontrar para cin-1 spermaceie barato, licores francezesrauito finos, marrasquino de zara, azeite doce purificado, azei-
teiro de senhora ou para enfeilar chapeos, que tonas muilo novas, banha de porco refinada e outros muitos gneros queencontrarao tendentes a
so vende mais barato do que em outra qualquer molhados, por isso prometiera os proprietarios venderem por muilo menos do que outro uakjuer,
_ Vende-se por preco commodo 10 quarlo- Promellem mais tambem servirem aquellas pessoas que mandaren por outras pouco praiicas corao
rnpriaspar.1 rael ou azeite, assim como uma se viessem pessoalmente rogam tambem alojos ossenhores de engenho e seahores lavradores
grande poreio de saceos mos: na rua do No- queirara mandar suas encomraendas no armazem Progresso, que se lhes affianca a boa qualidadee
ajeiraD.il. o acondicioaameolo,
Joaqaim Rodrigaes Tarares de Mello
RUA DOQUEIMADO N. 39
EM SLA LOJ.. DE QUATRO P0R1AS
lem uro completoortimento de roupa feila,
convida a todos os seus freguezes e a todos
quedesejarem ter um uniforme feito cora todo o
gosto dinjam-se a este estabelicimento que era-
conirarao um habel artista chegado ultimamea-
te de Lisboa para desempenhar as obras a von-
tade dos freguezes, j lera um completo sorti-
menlo do p'ilnots de fina casemira raodello ira-
g'ez, e muito bem acabijos a 169300, ditos
de merino setira a 125000, ditos de alpaca
pre.os a 55000. ditos de alpaca sobre casacas
a W00O, ditos com golla de veludo a 9000
ditos de fusilo, ditos de ganga. Jilos de brira'.
ludo a 590 !0, ditos de br^ni de linho iranca-
do a 6000, calca de brira de linho muito su-
perior a 59000, ditas de caseraira de cor a
95OOO ea 109)00, dilude caseraira pre-
la superior fazenda a 129000, palitots fran-
cezes Je panno fino fazenda muito fina a 255
sobre casacas de panno muito superiores a 3539
ea 409000, um completo sorlimento de cami-
sas fracezas, tanto de linho como de algodao
efusiao vende-se muito era eonta, afira de que-
rer-seliqiudar com as camisas.
E pechincha.
Na loja do Preguiga. na rua do Queimado n 2
tem cobertores de algodo de cores bastanfe
grandes, proprios para escravos
mo prego de lg.
seguro coaira Fogo
COMPAMHIA
'ir
a
pelo baratissi-
LONDRES
AGENTES
|G J. Astley & Companbia.l
Vende-se
t Formas de ferro para
purgar assucar.
I Enchadas de ferro
Ferro sueco.
F^ingardas. I
I Ac de Trieste. i
I Pregos de cobre de com- !
posicao.
I Barrilha e cabos.
I Brim de vela. |
Couro de lustre.
, Palhinha para marcinei- I
ro : no armazem de C. !
J. Astley & G.
I
1
i
*4 3'1-J>35^3a OCT3 >'.
Vende-se na rua do Lvrm,>fn ^ arados americano! e machinas
n. iO.borzeguinsfrancezes fiT U 5 P*!f lavuI-^m casadeS. P. Jo-
de beierro a%. dito TeT^Ltf^Tl *"* daSeniaU n"i2-
i^^?e^tlrfc?b1r-s?f|
lodos os vapores arligos do modas para I
homens, incluindo calcado de Helias na @
Lojade marmore. f
No engenho Guararapes vendem-se anl-
maes de roda.
2 j ecc e conlinua areceber-se por fe
todos os vapores, vestimentas, calcado e fi
chapeos para meninos na @
Lojade marmore. .
Aos seuhores armadores e
proprietarios de carros f-
nebres.
Vendem-se velbutina preta superior a 400 rs
o covado ; na rua do Crespo n, 25.
Por metade do seu
valor.
Rua do Queimado n. 19.
Vestidos de gaza e phantasia. muitoslindos.de
uassaias, pelo baratissimo preco da 10 cada
um corte.
M pechincha, antes que
se acabe.
Na loja do Pregues, na rua do Queimado n. 3
tem saias balao abertas, do ultimo gosto, pel
diminuto prejo de 59,
Para arate
Guimares<$ Villar
Rua do Crespo n. 17.
A 4#000,
Cortes de cambraia com Ares babados de 20 a
22covadoscada um a 49 ,'
A 260 rs.
simorpSadSdZeS 26; C0T8d de ,Ddis-
A 25.000,
Riquissioios chapeos do seda brancos e de co-
res a J>j?, e de palha de. Italia ricamente enfei-
lados. .
A 360 rs.
Las miudinhasde lindissimos padroes a 360
rs. a dinhelro.
Rival sera segundo.
p,*,0Ja de miudezas da rua doQueimado n.
55, defronte do sobrado novo ha para vender
pelos diminutos precos os seguintes arligos :
Duzia de saboneles muilo finos a 6CO rs.
Cartes de clcheles com duas ordens a 20 rs
Caixas de clcheles batidos a 60 rs.
Duzia de meias cruas pan homem a 3a.
Dila de ditas para senhora a 3500.
Pares de molas p.ira senhora a 300 rs.
Lalas com banha muito fina a 500 rs.
Iscas para acender charutos, caixa a 60 rs.
Phosphoros em caixa de folha a 120 rs.
Carlas de olfinetes muilo finos a 100 rs.
Caixas de agulhas francezas a 120 rs.
Pares de sapalos de tranca de algodao a t-*.
Frascos de macass perola a 200 rs.
Ditos de dilo oleo a 120 .
Duzia de facas e garfos, cabo prelo, a 34
Pares de sapalos de 15a para meninos a 200 r
Ditos de luvas de cor lio de Escocia a 320.
Massos de grampas muito finas a 40 rs
Caivetes de aparar ponna a 80 rs.
Tesouras muilo linas para costura a 500 rs.
Ditas dilas para unlias a 500 rs.
Pecas de franja de laa "oa 10 varas a 800 rs.
Ditas de tranca coro 10 varas a ?i0.
l.inha Pedro V, carlao com SCO jardas a 60 rs
Dita com 100 jardas a 20 rs.
Escovas para denles multo finas a 200 rs.
Cordio imperial lino e grosso a 40 rs.
Oleo de babosa muilo Boa (frasco) 4C0 rs.
Filinhss eslreitas para efeilar vestidos a 80
rs. a pega.
Labyrhithos de muito bonitos gostos por lodo
o preco.
Cordes para enfiar esparlilho muito grandes
a 100 rs.
Dilo para dito pequeos a 80 rs.
Pecas de tranga de linho com 10 varas a 200 r.
Vnf* lrana d cda preta com 10 varas a
Vara de dita a 160 rs.
Pares de meias de cores para meninos a 160.
Uixas para rap muito finas a 1.
Linhai-ara marcar (caixa de 16 nvelos) a 320
RELOGIOS.
Vende-se om:asade SaundersBrothers*
C. praca do Corp o Santo, relogios do afama
ao abricante Roskell, por presos commodos
tambem -ancMlins e cadeiasoaxaos mesmos
deexceellole losto.
Saunders Brothers z C. tem para Tender em
eu armazem, na praca do Corpo Santo n.ll
alguns pianos do ultimo gosto recentiment
chegadoe.dos bem conhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood & Sons de Londres.
muito propriosp ara este clima
MUTILADO


DIARIO DE PERUMBUCO. ~ QUIMA FEIRA 13 DE DEZEMBRO BE 1860.
(?)
Licoes
Vende-se um negro bom carreiro : na rui
In>peril a. 33 padaria.
Sobre a infal libilidade e o
poder temporal dos Papas.
PELO DR.
Aprigio Justiniauo da Silva Guiua raes.
A venda na livraria dos Srs. Miranda
& Vasconcellos, ra do Imperador n.
79 a 2$ cada exemplai.
Negocio conveniente.
Veude-se urna armaco de urna loja de caiga-
do, enidragada e em bom estado, na ra do Li-
vramento n. 29, bem afreguezada, ecom bastan-
tes commodos para familia, e isto por ter o dono
dse retirar brevo para o mato a tratar de sua
saude, pelo que se faz todo negocio : a tratar na
mesma loja n. 29, a qualquer hora do dia.
DA
FUNDIDO IM-MOW,
Ra da Scnzalla Nova n. 42.
Neste estabeleciment contina a haver um
completo sortimento de moendas e metas moen-
das para engenho, machinas de vapor e laixas
je jerro balido e coa Jo, de todos os tamanhos
para dito.
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
No bara conhicido eacreditado deposito da
ra da Caala do Recite n. 12, ha para vender
verJaleira potassa da Russia nova e de superior
qualidade, assim como tambera cal virgem em
pedra, lado por pregos ma'ts baratos do que era
outra qualquer parle.
Vinho de Bordeaox.
Em casa de Kalimann lrmos&C, ra da
Cruz a. 10 onsontra-se o deposito das bemco-
nhecidas marca los Srs. Brandenburg Frres
a dos rs. Oldekop Mareilhac & C, em Bor-
liaix Tem as soguintes qualidades :
De BiMQjleaburg frres.
*t. Estph.
St. Julien.
Margaux.
Larose.
Ciatoau Loville.
Ghiteau Margaux.
De Oldekop & Mareilhac
st, J'ilien
St. Julien Mdoc.
Cbateau Loviile.
Na uestna casa ha
para
mestna casa
vender:
Sherry em barris.
Maioira em barris.
Cognac em barris qualidade flnt
lo^aac em caixas fjalidade inferior.
"arveia branca.
As :ailliores machinas de coser dos mais
afamados autores de New-York, I.
l. Singer & C. e Wbeeler &Wilson.
Neste eslabeleci-
mento vendem-se as
machinas destes dous
autores, mostram-se a
qualquer hora do dia ou
da noiie, ercsponsnbili-
samo-nos por sua boa
qualidade eseguranea:
no armazem de fazendas
do Rayraundo Carlos
Lcite & Irmaos ra da
Imperatriz n. 10 amigamente aterro da Boa-
VUta.
TVua do Queimado n. 39
Loja de quatro portas
DE
JOAQUIM RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Ha corles da vestidos de seda de cores, lazenda
muito superior com pequeo toque de mofo a
6O30OO, ditos sera defeilo a 100*000, tem um
resto do chales de toquim que esiao-se acabando
a 30*000, ditos de mirin bordados com poma
redonda a 8*000, ditos sem ser de pona redonda
a 35000, ditos estanpados com listras de seda
em roda da barra a 9*000, ditos de ricas estam-
pas a 7-5000, ditos de ganga franceza com fran-
ja branca a 2*000, ditos sem franja e muito
encorpado a 2*000, ricos manteletes de grosdi-
naples preto e de cores ricamente en fui lados a
2J000, ditos muito superiores a 303000, en-
dites de vidrilho preto a 3*000, ditos de retroz
a 3*500, organsda mais fina que ha no mer-
cado a 1*000 o cvalo, carabraias de cores
de padres muito delicados a 800 rs. a vara, ditas
de outras qualidades a 600 rs. a vara, ricas chitas
farncezas de muito boas qualidades a 280, 300,
320, e 400 rs. ao covado, a raelhor que se pode
imaginar, peitos para camisa a 240 rs. cada urna,
corles de casemira decores a 69000, ditas em
pesca de quadrinhos a 4#000 o covado, golnhas
Je muUo bom goslo a 1*000, ditos de outros
bordados ricos a 3>000, manguitos de cambraia
bordados a 3*000, liras bordados e entrimeios
quesevendera por prego commodo, bombazil de
cores proprio para roupa de mangas, e capinhas
para sanhoras a 1*400 rs. o covado, corles de
carabraias de salpicosa 53J0O0, cortes de cam-
braia enfeitadas com tiras bordadas a 6*000,
e ouiras militas mais fazendas que ser difcil
aqu pode-las mencionar todas.
[ROUPA FE1TA ARDA MAIS BARATAS.)
SORTIMENTO COMPLETO
DE
Fazendas e obras feitas.1
KA
LOJA E ARMAZEM
DE
ad/c
IVua do Queimado
n 4G, frente amareUa.
Constantemente temos um grande e va-
i riado sortimento de sobrecasacas prelas
! de panno e de cores muito fino a 28*,
' 30$ e 35*, paletoU dos mesmos pannos
i a 20g, 22g e 24$, ditos saceos prelos dos
mesmos pannos a 14*, 16* e 183, casa-
cas prelas muito bem fritas e de superior
panno a 28*. 30$ e 35*. sobrecasacas de
casemira de cores muito finos a 15*. 16$
, e 18$, ditos saceos das mesmas caserai-
ras a 10$, 12* e 14$, caigas pretas de
i casemira fina para homem a 8*, 9*. 10J
\ e 12, ditas de casemira de cores a 7$, 8*.
9* e 10*. ditas de brim brancos muito
l Cna a 5$ e6*. ditas de ditos de cores a g;
3*, 3*500, 4* e 4*500, ditas de meia ca- |
S semira de ricas cores a 4$ e 4$500, col- ff,
| letes prelos de casemira a 5* e *, ditos %t
5 de ditos de ceres a 4J500 c 5*, ditos m
I brancos de seda para casamento a 5*, 9|
| ditos de 6*. colletes de brim branco e de
i fustao a 3*, 3*500 e 4*. ditos de cores a M
25500 o 3*, paletols prelos de merino de J>
cordo sacco e sobrecasaco a 79, 8* e 9*, 1
colletes prelos para lulo a 48500 e 5?, ?
caigas pretas de merino a 4JJ500 e 5*, pa- me
Iclots de alpaca preta a 3*500 e 4$, ditos 5,
sobrecasaco a 6*, 7*e 8$, muito fino col- ||
letes de gorgurao de seda de cores muito u
m boa fazenda a 3$}800 e 4$. colletes de vel- g
7S ludo de cores e prelos a 7* e 8*. roupa |
Jf para menino sobre casaca de panno pre- Jg
| los e de cores a 14*. 15* e 16*, ditos tle |
t casemira sacco para os mesmos a 6;5t)0 e cE
87*, ditos de alpaca prelos saceos a 3* e |S
35500, ditos sobrocasacos a 5$ e 5*500, P
St calcas de casemira prelas e de cores a 65, 3|
9 6500 e 7*, camisas para menino a 20* jg
|E a duzia, camisas inglezas pregas largas gE
jP muito superior a 32* a duzia par acabar. 9
1| Assim como temos urna oicina de al 3e
3j faiate oude mandamos execular todas as JK
* obras com brevidade.
vr VW WW vbwsw m mni um voivafi
Veude-se
EM CASA DE
Aiiamsoii Uowie k G.
Vinho do Porto de superior qualidade.
Tinta de todas as cores.
Lona e flele.
Fio de vela.
Sellins, silhes, arreios e chicotes.
Ralbas.
Ra do Trapiche n. 42.
Loja das seis portas em
frente do Livramenlo
Covado a 200 rs.
Chitas largas de bonitos goslos a 200 rs. o co-
vado, ditas estrellas de cores escuras a ICO rs ,
pecas de bretanha de rolo com 10 varas a 2*,
ditas de esguiao de algodao muito fino a 3$, ris-
cadinho de linho a 160 o covado, lengos brancos
com barra de cor s 120 rs., ditos brancos com bi-
co a 200 rs., algodao monslro com duas larguras
a 640 a vara, laazinhasde duas larguras, fazenda
nova pata vestidos a 500 rs. o covado, enfeiles de
tranca com lago de fita para cabera de senhoras
a 2*500, cortes de riscado para vestidos a 2$, pe-
cas de madapolo com 4 1 \' palmos de largura a
4*100, chales de merino estampados muito linos
a 6*. A loia est aberta at as 9 horas da noite.
Relogios.
Vende-se em casa deJohnslon Pater & C.
ra do Viga rio n. 3, umbello sortimento de
relogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool ; tambem
urna variedade de bonitos trancelins para os
mesmos.
Saceos de 115 libras.
O mais superior farelo que tem vindo ao mer-
cado, no armazem de Barros & Silva ; assim co-
mo se vende saceos de feijao mulatinho, vindo da
ilha de Fernando.
Vende-se farelo ltimamente desembarcado
milho, arroz do Marsnhao, gomma muito fina e
farinha de mandioca da raelhor que ha no mer-
cado : na ra da Moeda n. 41.
Baloes de 30 arcos.
Vendem-se superiores baloes com 30 arcos,
sendo muito recommendaveis por poderem ficar
do tamanlio que se precisar, pelo baratissimo
prego e 6* ; na ra do Queimado n. 22, na loja
da boi f.
Chapeos de sol de seda para homem
a 5,)' cada um e em porco de urna du-
zia para cima far-se-ha 10 por cento
de abate : na ra Nova n. 23, esquina 1
da Camboa do Carino.
Ra do Queimado
n. 39.
NA
Loja de quatro portas
DE
JOAQUIM RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Chegou ltimamente a esle eslabelecimeolo um
completo surtimenio de chapeos prelosfrancezs-
do melhor fabricante de Pars, os quaes se vene
dem a 7*000, ditos a 8*000, ditos a 9?000,
ditos muito superior a 10*0C0, ditos de castor
dretos e brancos a 1C5000, o melhor que se
pode desejar, chapeos de feltro a Garibaldi de
muito superior raassa a 7*000, ditos de copa
baixa para diversos pregos, ditos de palha escura
de varias qualidades que se vendem por prego
barato, bonels de veludo para meninos a 5*000,
ditos de palha escuras e claras a 49000, ditos
de panno muito bem arranjados a 3*500
chapeos de seda para senhoras a25*000 muito,
superiores, ditos de palha escuras proprios para
campo a 129000, ditos para meninas 10*000,
chapeos de sol de seda inglezesa 10* e a 12*
muito superiores, ditos francezes a 8*000,
ditos de panno muito grandes e bons a 49000.
sapalos de veludo a 29000. ditos de tranca a
1*600, sintos de gruguro para senhoras e me-
ninas a 2*000, coeiros de casemira ricamente
bordados a 129000, e oulras muita fazendas
que a vista dos freguezes nao deixaro de com-
prar.
Campos (L Lima
receberam urna factura de chapeos de sold se-
da para homem, tendo entre estes alguns peque-
nos que servem para as senhoras que vo para o
campo lomar banhos se cobrirem do sol, e como
a porgao seja grande se resolverao vender pelo
prego'de 6* e 6$500, e alguns com pequeo de-
eito a 5* : na ra do Crespo n. 16.
Ra da Senzala Noya n .42
Vende-se em casa de S. P. Jonhston & C
vaquetas de lustre para carros, sellins e silhes
inglezes, candeeirose castigaesbronzeados,lonas
inglezes, fio de vela, chicote para carros, e mon-
tara, arreios para carro de um e douscavalos
e relogios de ouro paiente inglez.
@ Recebeu-se recentemente e continua a
@ receber-se directamente de Paris e Lon- &
dresporlodososvaporcs.de cncommen $3
@ da especial, arligos de modas para se- ($
5^ nhoras na t
Lojade marniore. |
@@@@@@ @ @@ @@
Machinas de costura
A 9,000 a arroba.
Vende-se cera de carnauba da velha
e nova safra a preco de 9# : no antigo
deposito do largo da Assembla n. 9.
Hef

Vendem-se 5carros novos com todos os
arreios : na ra Nova n. 21.
W
C&NDIEIAOS
ECONMICOS
NA
Ra Nova n. 20.
Chegou um riquissimo sortimento de candieiros
econmicos de muito bonitos modeles, desde o
mais superior at o mais ordinario, por prego
muito commodo, com a experiencia propria de-
ver agradar ao comprador, o vista da pouca
despesa que faz, animar a ser Iluminado s cora
os ditos candieiros a gaz ; os mais baratos sao a
imitac^o de urna lamparina, produzindo a luz a
tres velas de espermacete com a importancia de
40 rs. por noite j gradualmente ir sobindo to-
das as mais qualidades al o maior, que servir
pars ornare Iluminar urna rica sala, equivalente
a 16 velas de espermacete, ludo isto se garante
sob a condigo de vollar e restituir-se o seu
importe, na falta de nao agradar a experiencia
feila: na ra Nova n. 20, loja do Vianna.
Cofres de ferro para dinheiro,
joias. etc., etc.
Na loja da aguia branca vendem-se bonitos co-
fres de ferro tnui fortes e seguros, com fechadura
e chave, e de differentes tamanhos, proprios para
se guardar dinheiro, joias e papis de importan-
cia, pelos baratissimos pregos de 4JJ500, 5$000,
550O e 6jJ : em dita loja da aguia branca, ra
do Queimado n. 16.
Vendem-se doces seceos de cj muilo bom e
commodo prego, como sej : bom doce secco de
mangaba, cidrao, latas com boa jalea de arag c
pitonga, tambtm so fazem bandejas de bolinbos
de armages de lindos modelos, e rasas do me-
lhor goslo apetecidas, tambem se fazem pastis
de carne, fettio de nariz, pastis de nata, doces
d'ovos, papos de anjos, alQnins, arroz de leile,
jaleas de substancia.
Admiraeo!
Vendem-se na ra Direita n. 99, saceos com
farelo muito novo, ditos com arroz de casca, ditos
com farinha da trra, queijos ltimamente che-
gados a lg800 e 2g5(J0, linguigas a 560 rs., assim
como passas e ameixas, chapeos de palha do A-
racaly o cento a 18$, a retalho 200 rs. cada um,
manteiga ingleza a lfllOO, dita franceza a 840 rs.
240.
Vcnde-se
?.g E
c o
!QO
- efi
O 4J
r C 5 Oi
i
-
s s
m O.
i 9 e i o 9 i
S"">0e stigSHta8
P S |i!'ik-s;i!?!i
"lili! 4T111= .
=
PQ Ci .2 IB a
a. i.ua ^o^ S
1-2.1 S S| o
l73 o g
o m 'S i
a-
-me)
"Z. c *
= '^^5^5 = ^
Cassas de lindos padres o cores fixas que se
pode garantir aos comprados, a 240 rs. o covado'
na ra do Queimado, loja de 4 portas n. 39.
Genebra medicinal.
Rudolphie Schiedam.
De urna cfcacia incontestavel as seguintes
molestias: podra na bexiga, gola, rheuraatismo,
tanto chronico como agudo, hydropesia em prin-
cipio, clicas no estomago e nos intestinos, assim
nos adultos como as rreangas. Em todos os ca-
sos ordinarios de obslrucgoes assim do ligado
como dos rins e dosorgaos ourinaria?. Na diges-
tao difficil tanto aguda como ebronica. Na de-
bidade geral, na difcil circulac.o do sangue,
em perfeita asscmelhago da nutrigo e falla de
energa vital. Vende-se nicamente no basar
pernarobucano da ra do Imperador a 1$500 rs.
o frasco, fazendo-se algum abatiraento a quem
comprar em duzias.
Potassa da Russia.
Potassa da Russia muito superior e
novissima, por ter sido desembarcada
hontem: vende-se ua ra do Trapiche
n. 7, armazem deFonseca.
\ende-se urna boa escrava com todas as
qualidades, cozinha, engomma, e boa quilan-
deira, lem 3 filhos, os mais lindos possiveis, 1
com 5 annos, oulro com 4, c 1 cora 5 mezes, o
motivo da venda por nao querer ir para o ma-
lo : aver na ra do Queimado n. 69.
Vinho genuino.
Ainda ha urna pequea quantidade de ancore-
tas desle vinho semeonfeigo, e proprio de doen-
tes : na ra do Vigario n. "19, primeiro andar-
uma cometa de chave com bomba, em bom es-
tado : na ra do Alecrim, em casa de Barboza,
muzico.
Meias muito bara-
tas.
A loja da aguia branca est provida de urna
grande quantidade de meias, e melhor sortimen-
to que se pode dar. e por isso est vendendo-as
mais barato do que era oulra qualquer pnrte ;
sendoraeias cruas encorpadas, de abanhado ou
bocal elstico para homem a 2$500, 3jJ, 3g50, 4fl,
4g500 e 5J> a duzia, ditas inglezas o melhor que
se pode encontrar a 6 o 650O, ditas de fio de
Escocia ponta encarnada imitandoseda a 800 rs.
o par, e de cores a 640 e 800 rs.. ditas brancas
mui linas e tapadas a 2J40, 3g500 e 5, e finis-
simas a 8j> a duzia, ditas brancas linas e fo unido
para senhoras a 4j), 4$80O, 5J500 e 6J-500, e de
fio de Escocia primeira qualidade a 8$5 zia, ditas de seda brancas e pretas a 2500, 3#,
3g500e40, ditas cruas mui encorpadas para me-
ninos a 200 e 240 rs. o par, ditas brancas e de
cores a 240 o 280 o par, ditas para meninas a 3J>
a duzia, ditas de seda para baptisado a 2j o par,
ditas de laia e de seda para padres a 2$J, 3g 4#
o par. Eram vista de tantas e diversas quali-
dades, o melhor approveitar-se a occasiao, e
dirigir-se a ra do Queimsdo, loja da aguia bran-
ca n. 16, que seta servido com agrado e sinec-
ridade.
Recebeu-se de Franca grosde- 5$
5 naples de quadros e lisos cores i
escuras, fazenda a covado : na
m
t
ra da Cadeia do Recite n. 40,
> loja do Martin lio.
Vinho do Porto, genuino,
Rico de 1820.
Stomacal de 1830.
Precioso de 1847.
As duzias, e em caixinhas, a dinheiro, por ba-
rato prego : tende-se na ra do Trapiche n. 40,
escriptorio.
Escravos fgidos.
o*cr o ai-3
C "Cha;
= S-c 2 E--3 S
Ct C IB t *"
.18 =
c -o
,saSBg.S
tO NS 5 -
c t c
i: ^* a. H
ii m r "* 3
B > i- ,-----------
DE
Slvat & Companhia.
Chapeos deso
DE
Seda grandes para homem
A 5$000,
Relogios
Suissos.
Em casade Schafleitlln i C, ra da Cruz n.
38, vende-se ura grande e vtriado sortimento
de relogios de algibeira horisonlaes, patentes,
chronometros, mcioschronometros de ouro, pra-
la dourada e foleados a ouro, sendo esles relo-
gios dos primeiros fabricantes da Suissa, que se
vanderopor precos razoaveis.
FROCO.
Vende-se frco de todas as cures e grossuras,
com rame e sem elle a 40, 500, 640 e 1 rs. a
peca ; na ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16.
ua do Crespo
Acha-se fgido o escravo Miguel, crioulo,
de estatura regulare alguma cousa grosso do car-
po, lem urna falta de denles na fronte e ora tan-
to por cima do olhodireito, e Irajava calca e ca-
misa de algodao : recommenda-se, port'ai.to, as
autoridades competentes a captura desse escra-
vo, pelo que se recompensar generosamente, no
armazem de Pinto & Carvalho, ra da Cruz n. 15.
Gratiicaco de
cem mil rs.
Ao amanhecer do dia 8 do crrente fugio do
aba.IX0 asignado ura escravo de nome Florencio,
ueidade de 30 annos, pouco maison menos, com
os signaos seguintes : entre-cabra, mulato, ca-
bellos crespos, bem barbado, rosto regular, falla
mansa e mal, tem todos os denles da fente, cor-
po sem defeito, andar ligeiro, e condu?o maca
de couro de ovclba em cabello com 3 pares de
calcas de brim de cor, 3 caraisas de algodaoz-
nho e 1 dita franceza, e estas novas, e outr,- mais usadas, 1 rede branca sem varanda, c jul-
ga-se ter ido para, o serlao do Ico, d'onde veio
ha pouco tempo ; quem o prender, peder enn-
duz-lo ra Nova n. 32 a seu senhor Thom Lo-
pes Je Sena.
_ Fugio no dia 4 de dezembro a preta Iton.fi-
na, crioula, de idade 40 annos, pouco mais ou
menos, comprada ao Sr. Antunes da ra Direita,
com os signaos seguintes : baixa, magra, ainda
nao tem cabello branco, levando um bahuziuho
com lg de bico, vestido de riscado encarnado e
chales encarnado, e tambem outro vestido de
DiosseliDS, lem sido vista pelos Remedies, estra-
da fra, nos Arrabaldes: roga-e as autorida-
des polieiaese cspilaes de campo se dignen) ap-
prehende-la e levar a seu senhor na roa lo: i -
rialn.55, que sero recompensados.
Atso.
No dia 4 do corrente ausentou-se da padaria
do Sr. Manoel Leo de Castro, em Santo Amaro
ava alugado, o escravo Flix, pardo
anda
RORN, RETRATISTA AMERICANO NA barra a 100, 120e 160 cada um, meias muito! dadas a 250O, manguitos de cambraia e fil
RA DO IMPERADOR N. 38, onde finas para senhora a 435 a duzia,' ditas de boa a 200, camisinhas bordadas muito finas a
urna senhora competentemente habili-1 qualidade a 3 e 3550O a duzia, chitas fran- | 2000, chita larga com lustro e muito fina
tada as ara' ver e trabaJhar. Igual- cezas de ricos desenhos, para cobcrla a 280 rs., propria para coberta e roupoes a 320 rs., es-
mente se acham expostas no armazem covado, chitas escuras ingieras a 5J900 a
de MACHINAS J
CRUZ N. 4 E 9.
ARMAZEM DEUOliPAFEITA
tomimwm
Defronte do beeco da Congregaco letreiro verde.
Casacasde panno preto a 3025, 35#e 40*000
Sobrecasacas de dito dito a 359000
Paletots de panno pretos e de cores a
20, 253>, 309 e 35000
Ditos d$ casemira de cores a 15 e 229000
Ditos de casemiras de cores a ~i e 12000
Ditos de alpaca preta gola de velludo a 123000
Dilosde merino setim preto e de cor
a 89 e 99000
Ditos de alpaca de cores a 3500 e 5*000
Dilosde alpaca preta a 39500, 59,
79e 99000
Ditos de brim de cores a 3*500,
49500 e 50f
Ditos de bramante de linho brancos a
49500 e 6*000
r,alc,as de casemira prela e de cores a
9, 109 e 12*000
Ditas de princeza e alpaca de corda
pretos a 5*000
Ditas de brim branco e de cores a
2*500 49500 e 59000
Ditas de ganga de cores a 3*000
Diui de casemira a 59500
Colletes de velludo decores muitofino a
Ditos de casemira bordados e lisos
prelos e de cores a 5*, 59500 e
Ditos de setim preto a
Ditos de casemira a
Ditos de seda branca s 59 e
Ditos de gurgurao de seda a 59 e
Ditos defusto brancose decores a
39 e
Ditos de brim branco e decores a 29 e
Selouras de linho a
Ditas -de algodio a 19600 e
Camisas de peitode fustao branco e
de cores a 230 e
Ditas de peilo e punhosde linho mui-
lo finas inglezas a duzia
Ditas de madapolo brancas e de cores
a 1*800, 29 e
Ditas de meia a 1 e
Relogios de ouro patente e orisonlaes
Ditos de prata galvanisados a 25* e
Obras de ouro, aderemos, pulseiras e
rosetas
guio de linho a 1-200 a vara, roupes de
de MACHINAS AMERICANAS RA DA i P^3 e a l6 rs- covado, brim branco de puro seda eilos a 129000, vestidos de seda mofado?
linho a 19, 19200 e 1*600 avara, dito preto a 8*000, luvas arrendadas a 100 rs. o par,
muito encorpado a 19500 avara, brilhanlina vestidos de grosdenaple pretos com barra de
azul a 400 rs. o covado, alpacas de differentes c* a 20i000, palitos de pao preto e de cores
, cores a 360 rs. o covado, casemiras pretas de 16#000 a 209000, sobrecasacas de panno
finas a 2*500, 39 e 3*500 o covado, cambraia muito fino a 25*000, calcas do casemira preta
e de cores de 6J00 a 1C9000, ditas de brim
4diniraveis remedios
americanos.
Todas as casas de familia, senhores de enge-
nho, fazendeiros, etc., devem estar prevenidos
com estes remedios. Sao tres medicamentos
com os quaes se cura eficazmente as principaes
molestias.
preta e de salpicos a 500 rs. a vara, e oulras
mullas fazendas que se far patenie ao compra-
dor, e de todas se darao amostras com penhor.
Loja das 6 portas
em frente do Livramento
Promptoalivio de Radway.
Lazinhas a 500 rs.
Camisinhas muito bonitas com duas larguras
Instantneamente alivia as mais acerbas dores' para vestidos de senhora a 500 rs. o covado, cor-
e cura os peiores casos de reumatismo, dor de tes de riscado francez para vestido a 2, sa'as
cabeca, nevralgia, diarrha cmaras, clicas, Da'o parr menina a 3*500, das para senhora a
bilis, indigesto, mn,m^wmmtm^M\^^t^iJ^mV^^lXS*m A loja
. i est aberta ale as 9 horas da noite.
soes, queimadura, erupcoes cutneas, angina,
retencao de ourina, etc., etc.
Solutivo renovador.
Cura todas as enfermidades escrophulosas,' ,
crnicas esyphiticas : resolve os depsitos de coberlos e ^cobertosr pequeos e grandes, de
mos humores, purifica o sangue, renovaoouro Palenle ,nglez' Para homem e senhora de
systema : promplo e radicalmente cura, escro-j um dos melhores fabricantes de Liverpool, Tin-
paulas, venreo, tumores grandulares, ictericia, I os Pel ullimo P,(Iue,e inSlez : em casa de
dores de ossos, tumores brancos, afecces do G- = Mellor C"
109000
69000
5*000
39500
69000
69000
39500
29500
29500
29000
29500
35*000
2*500
19600
9
30*000
gado o rins, erysipelas, abeessos e ulceras de
todas as clases, molestias d'olhas, difficuldade
das regras das mulheres hipocondra, venreo,
etc.
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regularisar o systema, equilibrar a circu-
lado do sangue, inteiramente vegetaes favora-
veis em todos os casos nunca ocasiona nau-
zeas nem dorres de venlre, dses de l a 3 re-
gularisam, de 4 a 8 purgam. Estas pilulas
sao efficazes as alecQoes do figado, bilis, dor
de cabeca, ictericia, indigesto, e em todas as
enfermidades das mulheres, a saber: irregula-
ridades, fluxo, reteiiQes, flores brancas, obs-
truyes, histerismo, etc., sao do mais prompto
efieilo na escarlatina, febre biliosa, febre ama-
relia, e em todas as febres malignas.
Estes tres importantes medicamentos vem a-
companhados de instruc^oes impressas que rnos-
tram com a maior miouciosidade a maneira de
applica-los em qualquer enfermidade. Esto ga-
rantidos de falcificacio por s haver venda no
armazem de fazendas de Raimundo Carlos Le-
te & Irmao, na ra da Imperatriz n. 10, ni-
cos agentes em Pernambuco.
Em casa de N. O. Bieber & Successores, ra
da Cruz n. 4, vende-se :
Champanha marca Farre & C, urna das mais
acreditadasmarcas, muiconhecidas no Rio de Ja-
neiro.
Vinho xerez em barris, cognac em barris e
caixas.
Vinagre branco e tinto em barris.
Brilhantes de varias dimenses.
Elher sulfrico.
Gomma lacre clara.
Lonas, brinzaos e brins.
Ac de Milao.
Per: j da Suecia.
Algodio da Bahia.
Na ra da Imperatriz n. 80, vende-se vinho
do Porto, Feiloria, engarrafado a 1*440, dito a
1*280. dito a 1$, dito Madeira a 1$, dito musca-
tel do Setubal a lg600, queijo prato a 1, nozes a
200 rs. a libra, azeitona a 1 a ancoreta, a garra-
fa a 200 rs., chouricas a 480 a libra, paios de 1i2
libra a 200 rs., latas de massa de tomates de 2
libras a 2*. talharim e macarro a 400 rs. a libra
de graca.
Cortes de calcas de meia casemira de cores es-
curas a lg600, dilosde brim de linho de cores a
2g, riscadinhos de linho proprios para obras de
meninos a 200 rs. o covado, grvalas de seda de
cores a 640, ditas pretas estreitinhas e largas a
1, ealem disto outras fazendas que se vendem
muito em conta ; na loja da boa f. na ra do
Queimado n. 22.
branco e de cores de 2$000 a 59000 palitos
de brim branco e de cores de 29500 a 5$000,
ditos de alpaca de 3*000 a 8*000, brim
trancado de algodao com 9 palmos de largura
proprio para toalhas a 900 rs. a \ara, damas-
co de laa cora 9 palmos de largura a 1*000 o
covado, velbulina preta a 400 rs., brim de
linho de cores a 1*500 o corte, meias cruas
para homem a 1*200 a duzia, camisas de
linho inglezas a 329000 a duzia, pecas de
madapelao Cno a 49500, cortes de lanzinha
muito fina com 15 covados a 8000 rs., ca-
misas de cores e brancas de 19500 a 3*000,
e outras muitas fazendas por menos do sen
valor para fechar contas.
Grammatica in-
gleza de Ollendorff.
Novo methodopara aprender a lr,
a cscrever e afallaringlezem 6 mezes,
obra i nteir ament nova, parauso de
todos os estabelecimentos de instruc-
cao, pblicos e prticulares. Vende-
se napraca de Pedro II (antigo largo
doCollegio) n. 57, segundo andar.
Relogios.
Vendem-se em casa de
logios de ouro de diversos
por preco commodo.
Charutos suspiros e oulras marcas da Ba-
hia e do Rio de Janeiro : vende-se na ra da
Moeda n. 41, armazem de Augusto Ferreira & C.
Farinha da mandioca.
Vende-se por meuos do que em outra qualquer
parte, ns ra da Cruz, armazem n. 26. 4
Chega para todos.
Cassas f rancezas muito bonitas e de cores Qxas
a doze vileos o covado, mais barato do qne
chita, approveitem em quanto nao se acabara ;
na ra do Queimado n. 22, na bem conhecida lo-
ja da Boa F.
Cal de Lisboa,
nova, e muito bem acondicionada : na ra da
Cadeia do Recita n. 38, primeiro andar,
na ra Nova n. 36,defroute da igreja da Concei-
co dos Militares.
Cheeuem ao barato
LstbS machinas sao as mais perieitas ,-. n V ,. ..
___, ,r U rreguica esta queimando, em sua loja na
no ramo de mecanismo, un.ndo a urna I rua do QueiroaJo n-42.
simplic.dade a maior l.geireza e perfet- 1 pe5JS de lrelanha de |lo c0m 10 w ,
cao para toda e qualquer qualidade de 2g, casemira escura infestada propria para cal-
costura, do ponto mais lino ao mais a, collete e palitots a 9f>0 rs. o covado. cam- 'ja n. 25 de Joaquim Ferreira de S, vende-
grosso. 0 vendedor se obriga a ensinar braia orgsndy de muito bem gosto a 480, rs. 1 e_ Por pregos baratissimos para acabar : ves-.
o metbodo aos compradores ?t osa-'a vara, dita liza transparente muito fina a 39, i,idos de arlatana bordados de seda a 89000,
berem bem, assim como a ter as macbi- 4, 59, e 69 a pega, dita tapada, com 10 varas organd de cores muito finas a 320 rs. o co-
chinas em ordem durante um anno. a 59 e 69 a pega, chitas largas de modernos e vado .cassas de cores a 240 rs., chita larga a :
Estas machinas cosem com 2 fios nao escolhidos padroesa 240, 260e280 rs. o cova-| 200, e 240 rs., capas de fustao enfe.tadas a
quebrara o o como muitas outras o fa- & riquissimos chales de merino eslanpado a JOCO casaveques de cambraia e filo a 5*000,; clar0i ao e ^ d zemeaoas melhores e raiis baritas 7* e 8*' dltos bordados com duas palmas, fa-; Pen'eadores de cambraia lordados a 69000, lVe8tido con. caiga aIul c caiisa j sujaMK.net,
",.c ldU as, mfIlore5 e m^18 "-"diaa Znda n ulo delicada a 98 cada dilos com babados a 320 rs. a vara, tiras bordadas mu- ja lem sido visto no Recife no Forte do Hattos e
ate oje conhecidas no mundo, ellas se un)a c muito finos a 8*500 ditos lisos ,0 finas > 1*^0 a pega, riscado francez Cno! escadinha e dizque anda gonhando na rua, tam-
neiro ^liamos na rua do Vigario e cor isso o
bastante conhecido : roga-se a todas as autori-
dades policiaes, capitcs de campo e pedrsiros o
aprehendan) e conduzam ao seu senhor Ar ionio
Leal de Marros no seu silio na rua de joio Fer-
nandes Vicira junto ao Manguinho, que recom-
pensar.
Fugio do lugar do Manguinho do sitio do
Sr. Carneiro, no dia 9 do correte, o escravo
crioulo de nome Jeronymo, de idade de 18 a 20
anuos, estatura regular, bastante magro, com
falla de cabello nos cantos da testa, olhos encar-
nados, foi vestido de branco. o que de snppor
tenha mudado visto ter levado porgao de roupa,
assim como diversos objectos sendo um relo^i
de ouro com crrenle na qual linha una chave,
urna medalha c urna cassolela oval ludo de ouro,
botoes de camisa e algum dinheiro em cdulas;
quem o pegar pode leva-lo ao mesmo sitio cu
no Recife na rua do Trapiche n. 9, que ser bom
recompensado.
50,000 rs.
A quem apprehender o escravo Manoel, cabra
cabellos carapinhos afogueados, estatura regular
suissado, com urna das percas e ps ochados de
erysipella, pretende passar por forro, e 6 muito
tallador, levou vestido urna calca de algodo azul
e camisa branca da mesma fazenda : quern o ap-
prehender traga-o rua do Soccgo n. 24, en-
tregar ao alteres Manoel Joaquina de Olireia Cur-
chatuz.
Do engenho Cutigi, freguezia da Estada,
fugio no dia 3 de novembro do corrente anco o
escravo de nome Antonio, com os signa es se-
guintes : estatura regular, cor mulato, cebello de
negro, pouca barba, denles limados, idade i cu
28 annos, pescogo e ps grossos, lem pelo rosto,
pescogo e peitos algumas marcas de panno, e
algunias cicalrizes pelas costas que parecem ter
sido de chicote ; nao levou comsigo roupa algu-
ma, e consta haver fgido para o lado de serlao
d'onde viera : quem o apprehender, poder el-
va-lo ao referido engenho, ou no Recife, rua es-
trella do Rosario n. 29, ao Illm. Sr- Florisrr.un-
do Marques Lins, que ser bem recompensado.
Escravo fgido.
Um mu]atoclaro, magro, com pannos prelos
'Ia .aSaa do rosto, representando ter 25 annos
oe idade, natural do Rio do Teixe, chamado
luiz, desappareceu no dia 30 de outubro da casa
oo ur. Cosme de S Percir, de quem escravo ;
suppoe-se ter levado um cavallo prelo do Sr.
Kostron que se havia soltado, e que elle fdra
ero busca do mesmo ; suppe-se mais que sua
mulher de nome Maria lambem o acompanha,
levando um pequeo bah de flandres : roga-se
as autoridades policiaes e a outras quaesqurr
pessoas que o prendara, e remetlam ao seu se-
nhor, que pagar qualquer despeza.
Pugio da cidade do Aracaly, no mez de se-
lembro prximo passado, um escravo do com-
mandanle superior Manoel Jos Penna Pacheco,
que ha pouco o havia comprado ao Sr. Rf nlo
Lourengo Collares, de nome Joaquim, de idade
de cincoenta e tantos annos, fulo, alto, magro,
denles grandes, e com falta de alguns na frente,
queixo fino, ps grandes, e com os dedos grandes
dos ps bem ebertos, muito palavriador, incul-
ca-se forro, e tem signaes de ter sido surrado.
Consta que este escravo apparecera no dia 6 do
corrente, vindo do lado das Cinco Ponas, e sen-
do enterrogado por um parceiro seu conhecido,
disse que tinha sido vendido por seu senhor para
Goianninha : qualquer pessoa que o pegar o po-
der levar em Pernambuco aos Srs. Basto & Le-
aos, que gratificuo generosametae,
Silva & C, re-
fabricantes inglezes,


f*8)
DIARIO DE PEBHAMBUCO. QIRTA IRA 13 DE 0EZEMBRO DE 1860.
Variedades.
Festejos da inanguraco da estatua co-
lossal de Nossa Senhora de Franca.
Em lodo o comprimento da rus das Tablea des
r-orges haviam arcos do Iriuropho. grlnaldss de
verdura, aunflammas, ricos cortinados, emble-
mas engenhosos, expraindo debaixo de mil for-
mas diversas os senlimentosde alegra e de pie-
dado, que trasbordavam de lodos os corages.
i poda pensar nos enfranquecidos se-
plendores, e cuja recordado perpetuar-se-ha de
< da le m edade no scio de nossos valles.
ste arilgo nao ser nem podo ser mais do que
a sombra de um quadro radiante, que o ocho
bem fraco dessa voz immensa que levantou-se
entre mus, e que paira agora sobre o mundo ca-
lliunuo. .
Soria neoessano que dispozessemos do tlenlo
que nos ralla, uu quaulo menos do algunas des-
sjs nsinracoes, que vem s vezes brular do es-
pirito da luetles, cuja mao escreve o que dicta o
corago, para nao ficamos abaixo de um as-
sumplo bem pengoso para nos. difflcit para todos.
ialvc* houvessem recuado ante a larefa que
nos impoe a narrago do festejo de 12 de selem-
bro, os chronislas da autiga cidade d'Anis, Jac-
Dion e Mediis.
Nunca, nos mais bellos dias de sua historia, o
y se enibellecra espontneamente com tanta
magnificencia ; nunca em poca alguma de sen
passado legendario, o carcter religioso de sua
populacio revelra-se mais ardento e mais vivaz.
Com a mdecisao da lemperatura.que fa/.ia temer,
se nao a interrupcoo dos Irobalhos dn decorago
ao menos um cerio resfiamento do piedoso afn
com
que liiiham sido comecados, pareciam ter
decuplado a energa e aclivijade geraes.
llontiin alarde a circulago comeg.ava 5 lor-
nar-se diffieil ; um consi.ierae! numero do car-
ros piulicos desembarcava cada instante os
--tas quo chegavam do todos os pontos da
tranca, e innumeraveis caravanas de peregrinos
unlavam-se as barreirasda cidade. Nada mais
oriinaiuiento piilorcsco do que o aspecto das
estradas durante as vinte e quatro horas, que
precedern) a abertura das ceremonias publicas.
lodos os generos de vehculos conheciduse des-
counecidos so succedlam sem interrupeo ; os
fogosos carallos das seges brazonadas excitavam
o ardor dos magros rocins que conduziam os pa-
ta, us ressuscitados; oscaleches de posta pansa-
vara as pesadas carretas ; o os palanquilla con-
fuadiam-se com os carros de urna simplicidade
pr.niiliva, conduzidos por grandes bois melanc-
licos.
A engenhasa piedade dos fiis linha inventado
meios de transporto impossiveis, o dos quaes
somenle o pincel poderia dar urna idea satisfac-
luna.
Os que chegavam recilavam alias vozes a la-
dainha da sania virgem, :iu en(o esntavara cn-
ticos improvisados por poetas desconhecidos, e
mullas rezespor verdadeiros poetas.
Esta ludiihaa, aos primeirosalbores da aurora
oquaJro auimado lornava-se grandioso, ficand
pillorcsco.
(irn les procisses sahidas noile das cabegas
de parochia do departan) mto, eutravam na cida-
de com bandeiras despregadas, cora a cruz era
frente.
Todas cssas doputages, o lerrao laivez im-
proprio porque certas al leias haviam de fic.r
pouco mais ou menos desertas, dirigiam-sc com
a maior ordem ao lugar de reunio, ixado pelo
prog'-amma, slo 6, aos arredores da egreja de S.
>-.ureiigo.
Pode fcilmente figurar-se qual foi desde esse
momento a ariirnago da nossa cidade. Urna
mullidlo compacta percorria com um vagar for-
ra Jo, as pracas, bulevards e ras, cuio orna-
mento mgico excilava a admirago universal.
As seie horas a arlilharia municipal fazia u-
virsuas primeiras. detonarnos; e pelas nove e
mcia tudos os sinos da cidade soavam grandes
repiques, dando assim o srgnal da procissao
geral.
No churo da baslica de Nossa Senhora, rica-
mente ornado, vieram lomar lugar os senhores
prelados, que tnhara correspondido ao convite
de nosso dignu hispo. As autoridades chis c
miniares nao se fizeram esperar, e o sanimenlo
comecou immedialamenlp.
A pro issao devia sabir no boulevard de S.
Lourenco, depois de haver percorrido era loda
sua extensao as ras das Tables e das Forges:
Di.mieda fachada do Hotel-Dieu, e eucostados
aos degr is da grande esrada da calhudrul, os
militaros, cuja delicago nesla solemne occasiao
- i poderla ser assaz louvada, tinham levantado
ges dos fiis do depariamenlo.
Eslss deputaces abriram o sahimento, pro-
cedidas por um destacamento de 12 gendarmes
cavallu, commandados por um capilao de ca-
vall.ana. Do conformidad com o prngramma
publicado, cada parochia segua sua bandeira e
conservava o lugar designado pelo breve dioce-
sano.
Notara-se nesle imponente" cortejo feilo aos
prelados peito de quatro mil religiosos ou reli-
giosas ; nos conlamos mais de oitocentog padres
de sobrepeliz, cenlo e vinlo e trs seminaristas,
cincoenia e dous conegos estrangeiros, vinte co-
negos honorarios ou titulares da diocese, qui
nhentos penitentes vestidos de branco, quatro-
is o vinlo irmaas do Santissimo Corago,
gios que ser-nos-hia preciso dirigir i todos aquel-
les, que se oecuparam com os trabalhos de deco-
rado ; a cidade inteira tem direito nossas vivas
elicitacfles; e se alguma cousa sentimos, eer-
taraenle o nao podermos felicita-la mais do que
com a restricta auloridade de nossa humilde pa-
N2 pr.V" doBrcuil.no ngulo formado pelo edifl-
Vil* ? '^T1 e Pel? Iu"el *> Profeilura, linha ,
sido construido segundo os planos do nosso padre Nao foi
rogos, orando Mara sob
honra reverle pan nossa
succedidos em seus
esle vocabuto, cuja
patria.
Ha com eTeito entre a Santa Virgem e a Fran-
ca urna relaco, que poderiamos chamar nacio-
nal ; porque a Franga por excellencia a naco
de ana. Anda nossos paes estavam mergu-
mados as trevas do paganismo, e j dinram
homenagens Virgem, que devia ler u
SS.C?Sva1l^geluSeaSc^ ZSSESEEZS* ^^^
que ia ser benzida.
oas quairo grandes cidades, que possuem pere-
gnnagocs da Santa Virgem, finalmente as de to-
das as cabecas da diocese, formavam a copula
dos (res pavilhdes. Sob o pavilhao central es-
tavam suspensos os brazes do Saturno Pontfi-
ce, e os de todos os prelados, que assistiam a so-
lemnidade, por cima dosthronos que lhes tinham
metros de i
de. Este eslr
uma.magniceucta re.anva a mageslade da cere- I grandes ..mcimento; e que'ffiio bCifai
No c'en.ro e debaixo de um sumptuoso pavilhao \ Mess'i.f mL, !J55Sto tfJVS i
Pode-se afllrmar que leraos sido habituados a
vencer e civihsar com o evangellio em urna
mao e na oulra com a imagem de Mara. Consa-
grada em seu primeiro concilio e porum artigo
distmcto de seu symbolo o dogma da divina ma-
mau franciscanas, cnlo e vinte irmaas de S.
Pedro, etc.
As diversas corporaces e congregarnos da ci-
dade acompanhavam na segunle ordei s dopu-
tagoes parochiaes.
O hospital general, os orphaos de S. Joao
Francisco Regs, a Casa de Lavor do Saulissimo
Loracao de Naris, as orphas da Misericordia, os
orphaos de S. Vicente de Paula, os Surdos-Mu-
dos, a Congregarlo das Servas, a Congregarlo
das Costurelris, a Congregagao das Anglicas, as
irmaas de S. Pedro, de S. Francisco, de S. Car-
los, de S. Domingos, de Sania Clara, a Congre-
gagao da Santa Virgem, as irmaas da Misericor-
dia, as religiosas da Instrucgao e de S. Jos, e as
irmaas da Trlndade.
Os pensionatosde meninas, estando em ferias,
no poderam ser representados seno imuerfei-
lameute na ceremonia.
Depois seguiram-se os pensinalos do meni-
nos, os quaes tambera tinham lastimar os nu-
niprosissimos vacuos da grande feria animal.
Todas as irmandades da ciladeseguiam a pro-
cissao, ordenadas sob su as bandeiras respectivas.
Ellas precedam as congregarles religiosas, cuja
classiQcai;io c a seguinto :
Da Assumpcfio, de S. Francisco Regis, do Pa-
raso, das escolas chrisas.
O doro regular era representado pelos frades
Scholaslicos e pelos reverendos padres da Cora-
panhia de Jess.
O secular polos meninos do coro, os alumnos
do grande seminario, padres das froguezias, vi-
garios, esmoleres e curas, o capitulo do Puy, os
conegos estrangeiros e os senhores :
Sua eminencia o cardoal arcebispo de Bor-
deaux.
O arcebispo de Alby.
O arcebisuo de Tours.
O bispo do Puy.
O do Clermont.
O de Autun.
O de Tulle.
O de Mende.
O de Valonea.
O de Toioj.
O de Saint-Flour.
Uva gran le destacamento de tropas de linha e
do sapadores-bombniros formavam o acompanha-
monto. Oitenla gendarmes cavado estavam pos-
tados para manutengan da ordem publica. Sua la-
refa foi fcil, di-lo-hcuios mais adianie.
_Notamos no cortejo: os membros da commis-
sao da obra residente no Puy; Mrs. Amadeu
Thayer, senador (genro do Keneral Berlrand), the-
Boureiro da obra; o visconde Seruner, amigo
prefeilo do Alio Loire, secretario da obra ; o mar-
quez de Bethisy e o barao do Q.irelt, todos qua-
tro delegados pela comm issu de Pars: osenhor
prefeilo do Alto Loire, seguido dos membros do
conselho de prefeiiura ; o senho- general coii-
msndante da sub-divis&o; o seuhor maire da ci-
dade do Puy ; Mr. Bonnassieux, autor da estatua
de Nossa Suoho.-a de Franca; Mr. Prenal, fundi-
dor dessa eslatua
o Cimillo de P
I Cidade do Puy ; 03 magistrados o todos os'chefes
i o empregadiis dos servaos administralivos. Urna
j muliidao de notabilidades, cujos nomes nososca-
pam, realgaram aiudj o biillio desta magnifica
' solemnidade.
lernidade, e todas as prerogaivas que delle deri-
vara, os apostlos scerapenharam a f.izer conho-
cer a virgem Immaculada por seus discursos e
l'has espiraes;o o immenso numero de pessoas | abrazavI* -- !"-> C"J* chamm"
fortuna que ella impde, quem os teria eaJudado,
gozado e cobigado, se seus encantos nao se tives-
sem refleciido no espelho sem manchas, que
Mana nos aprsenla ? Estimando to alto a vir-
gindade, publicando seus beneficios, nos nao pa-
ramos anle as coplas senSo em virlude de nossa
admiragao pelo modelo feilo : ha enlre nos le-
gioes de virgens; mas rainha das virgens t ha
urna, supergreita s universas.
Alaria, senhora da Frange Encontrar-se-hiam
coro effeito mullas outras raonlanhas, planicies
ou valles cobertos como os nosso de seus sane-
tuarios? Quantas egrejas ou capolUs consliluem
em nossas provinciis ceiros de peregrinaces
cuja reputagao tem passado nossas fronlei'ras?
guantas teem urna celebridade secular? Quanlis
leem tima origem, que so approxima e al so
contunde com a do chrislianisrao nos lugares em
que sao ellas levantadas?!
Maria, Nossa Senhora da Fringa I Todo manto
esl inscripto nos registros da posteridade catho-
iica, o teem sido sob sua tutolla, e com o fim
de dilatar seu imperio. Nossos mais celebres rao-
narchas. allivos por serem os ilhos raais velhos
da egreja. queriam ser lambem os filhos privile-
giados da humilde serva do Senhor;
que a corapunha reunio-se em um grande qua-
drado, que occtipava perto do dous terco- da su-
perficie da praga.
Os prelados, o clero, as autoridades e as nota-
tulidades, tomaram lugar no estrado. Um silen-
cio, quo nessa occasiao bem podia ser classifica-
do de religioso, reinou nessa muliidao. que em
potraseircumstanciaa s poderia mostrar-so raui-
to sofiroga.
Eolio os prelados e o clero entoaram um hym-
no a \irgem, e depois o veo, que cobria a es-
tatua colossal do rochedo Corneille foi abaixado,
e appareceu a obra immortal de Bonnassieux em
loda su i potica grandeza, e moslrou-se aos
olhos de cem mil espectadores commovidos.
As salvas de arlilharia, os rufos dos tambores,
o som dos clarins e da bauda de msica saudaram
esle instante solemne.
Alguns momentos depou os prelados procede-
ram a bengio da eslalua.
A lembranca desto espectculo grandioso deve
nrar pira sempre gravado no espirito d'aquelles
que delle forara loslemunhas.
Terminada a bencio, cantou-se solemnemente
a celebre amiga Salve Regina, coraposta, segun-
do dizem. por Adhemar de Monteil, bispo do Puy
e logado das cruzadas.
O monsonhor de Morthon revestio-se depois
dtsto;com suas paramentas poulificaes, e comecou
a celebragao da missa.
Depois do evanselho, sua eminencia o cardeal
Donoet ptonunciou um discurso, que somos feii-
zos em poder reproduzir.
SSfitst P"IM0!de'"c"co"- ,c:r;.!.,?;::-5>--*s-
Ma
gnificos Irophos d'armas enquadravam u
pensamento, e em urna das elegantes bindeiro-
-, que oominai m a immensidado de pavilhoes
tricolores, lia-seesla inscripeo significativa :
Coragem, chrislos, A/aria governa o le mi. As
dalas das grandes victorias do segundo imperio
principalmente as de Sebastopol e de Solferino
eram recordadas por elegantes escudos.
Cromos que nos tornamos aqui o interprete do
publico, felicitando calorosamente M. Cadilhat
en soldado artista do 81 de linha, quo dirigiu T'c Unlo se distinguiam pela variedade como po-
jov
estes trabalhos e exeeulou as pinturas desta na-
ravilliosa decoragao.
A' alguns pssoS dos ltimos degros da gran-
de escada duas pyramides monumentaes estavam
Clicns de uiscripgos coramemoradoras das pe-
rogrinagoes, que os Papas, os reis e os santos fi-
leram cuir ora ao sancluario anglico de Nosa
Senhora do Puy. Os grandes nomes de Carlos
H .gno e de S. Luiz resplandeciam no mcio des-
tes nomes Ilustres.
FOIJUETIH
Quce est isla, quai ascendil de
aeserlo, deliciiaa/fluens, innixa
super dilectum suum ?
Quem aquella, que surge do
deserto, innundada de delicias,
apoiada em seu ben.-amado?
(casiic, VIH, 5.)
Senhores 1
Tal o canto de Iriumpho, que s ode expri-
mir os scntimontos. de que se acha penetrada a
piedosa assislencia que nos cerca. Collocando a
eslalua da Rainha dos cos era um pedestal, que
a mao dos Domea serla irapoienle para prepa-
rar-lho, podemos nos nao exclamar nos Iranspor-
tes da sorpreza o da admiracao : Quem aquel-
la que desso cume parece despender seu vu para
os cos, e rao3trar-se nos como o symbolo da
esperanga ?
Bata grande manifoslaeao cora, excedendo-as,
todis as homenagens prestadas at hoja a Nossa
Senhora do Puy ; ella como um prolongndo-
lo das demonslragoos calholicas, que tiveram lu-
gar em Gap, Chartros, Autun, Verdelais. Mau-
riac, Guingamp, Marseille. Avignoo, Agen. Saint
Rerai. Blois. Lavas e Arras. Ella urna tregua
ua ; ns senhores principes Alfonso preoecupago dos espirilos, o para os fiis urna
olignac ; o conselho municipal da fonte de altos pensaraenlos.
Vscoraprehendeis desde logo, charissiraos ir-
maos, a presteza do tamos pontfices corres-
ponder ao convite de nosso voneravel bispo.
tiles vpcra era seu nome e era noue da patria
inleira pagar um tributo de veneragao e do amor
aquella, que hojo saudamos com o titulo de Nos-
sa Senhora de Franca.
Caberia aqui narrar os innmeros beneficios
obtidos pola mediagao da Mae de Deus om um
dos mais venerados e frequenlados sancluarios
do universo ; nada mais fazia, enumerando-os.
do que repetir o que de tolos e conhecido. Li
felizmente a noticia to interessante sobro a nova
eslatua, publicada por um dos mais distinctos
membros da commissao da obra. A' essa loitura
envi nossos muito amados ouvintes. Ahi verito
quo, duranto seis seculos, os Papas, os impera-
dores e os reis franquearan) peridicamente
porfa os obstculos quasi insuperaveis, formados
em tomo de Velay por um duplo cinto de raonla-
nhas nao pisadas; e admirar-se-ho vista dos
presentes com quo clles enriqueceram a sania
baslica. Desojamos simplesmenie, exemplodo
um dos mais intelligentes e maiszelosos membros
da coramiss.io da obra, recoramendar-vos e jus-
tificar o titulo irrovogavelmenle dado eslalua
que hoje inauguramos : Nossa Senhora de Fran-
ca. As boceas, que a acclamam cora transoorle
nesta meraoravel circunstancia nada raais fazem
do que repetir um nome coohecido das numero-
sas caravanas de peregrinos, -loe durante seto ou
oilo seculos, vinham dos reinos visinhos sollict-
tar a proteegao da Mae de Deus. Elles estavam
j habituados ollisr a Franga como lhes sendo
especialmente cli3ra, o esperavara ser raelhor
Os olhares dos espectadores dirigiam-se
ni ais
po
-ma
i caplivava todos os coraces ; para monsenhor de
i Moithon, nosso Ilustre e venerado pontifico, que
"o
nel, bi severo habito de capuchinho e bculo de pao to-
eavam lio vivamente a muliidao; sobre Mr. Bon-
nassieux e Prenal; finalmente obre o abbade
Combalut eoRvm. pairo Nampon. que lauto
fizeram pela realisagao da grande eslatua de Nossa
Senhora de Franca.
O boulevard S.'Lourenro e o de S. Luiz apre-
sonlavara urna riqueza inaudita de decoraces,
lo bom goslo.
ra magestoso arco de Iriumpho, de eslylo go-
thico linha sido levantado no fim dos dous bou-
lovards.devidointelligenle direegao de Mr. Lan-
glois, nosso jovem concidado, que to depressa
tem criado um lugar na estima de lodos.
A proeisso foi reinir-so na praga do Breuil,
depois de haver passado debaixo de'dous oulros
grandes arcos de Iriumpho. Nao poderiamos, sem
cahr era interminaves repelieoes, renovar elo-
fillY LEYI^GSTOISE
A'TODO TRANSE
POR
Jor^e Alfredo Lawrence
XXV
[Conlinuarao.)
i, ""., r<,,s er comnosco larde, coronel Mo-
liuu r fcspero por esses senhores, que devem vir
tomar-me qualquer momento. Vamos Cruz
do Berny ver o campo de corrida para a prxima
semana. Mr. Levingslone devia ahi almogar :
xcas eu nunca conlei com elle para ar-rae em
suas promessas.
Ralph linha em si alguma cousa, que a encom-
modava. Ella tomou o chicote, e poz-se tore-
la con urna certa agitago ; inguem jamis,
creria que seus delicados dedos livessem tanla
torca.
Tendesrazao, respondeu framente Mohun,
de nao ler milita f na exactido de Guy. Elle
com elleito muito indeciso em seus movimentos.
Temo que elle nao vos possa acoropanhar esta
larde. So ello nao tivesae sido lo apressado,
ter-me-hia encarregado de desculp-lo paracom-
vosro.
Flora levanlou vivamente os olhos.
Devia ter-lhe succedido slguma cousa inex-
perada. Sabis em que lugar est elle neste mo-
mento ?
Ralph consullou seu relogio.
Nao longe de Montes, presumo eu, por-
quanlo elle parti para o Havre no ultimo trem.
Amuibaa estar em Soulhamplon, epde cheear
no mesmo dia ....
E parou nesta palavra, laxando sobre sua oter-
locuiora um olharcheio de fria e cruel salisfac-
cao. Elle vio o sangue fugir-lhe das faces, nao de
sbito, mas pouco pouco, como as rozeas Untas
do sol poenle apagam-se do cimo da Jungfrau,
para deixarem aps si apenas urna brancura opa-
ca e ameagadora.
Duranle o silencio que seguio-se, pde-se ou-
vir um pequeo barulho ; era a cabega do chi-
() Vide Diario n. 27.
eote, ornada de pedraras que Flora acabava de
quebrar em um movimeulo nervoso, e que cahia
seus ps.
Foi urna fraqueza do sua parle moslrar-se loo
pouco senhora de si; mas (levemos confessar que
oslo golpe a feria d'improviso. Ella va em pe-
dagos, e arruinado desde o ciume aos alicerces
esso edificio, que construir poder de lanas
mingas, de lanos peigo3 e do tantas penas.
Quantas confidencias, quantos sorrsos c eloquen-
les olhares linha ella prodigalisado para chogar s-
menlo um resultado semelhanle ao do Pava, e
no qual a propria honra eslava longo de ser sal-
va n'esse completo naufragio !
Nao vio-se a mscara tao perfeitameule ira-
passivel do Imperador Napoleao quebrar-se era
pedacos n'essa noito horrivel da abJicaro de
Fontainebleau ?
Onde eslava a dignidade real de Clepatra
quando soube que Amonio linha ido juntar-se
uctavio?
Por que razao parti elle ? O que que o
chama ? exclaraou Flora.
Sua voz linha perdido o timbre argentino, e
resooTl suidamente como um metal vulgar
Constauria Brandao escreveu-lhe para d-
zer-lhe que esl morte. Admincs-vos de quo
elle tenha ido ter com ella ?
Urna nuvem fugitiva, symploma de um horrivel
remorso. atravessou o paludo rosto de Flora ;
mas pouco depeis ella deixou brilhar um bizarro
e feroz irradiamento de contentamenlo, coja vista
sulfocou a piedade, que coraegava nascer no
coracao de Ralph, e brevemente mudoo-aem
desprezo.
Nao vos creio, exclaraou ella com trans-
porte. E' um trama-.Ella estava perfeilamenio
boa ha dous niezes, ou ao menos nada disse
na....
E parou, mas muito tarde.
O cousummado duellista ria-se cruelmente
franzndo os labios, como faria descobrindo na
defeza de um adversario ura lado fraco, que dsse
passagem sua espada.
Tornaes fcil a mnha larefa, diz elle ; vim
para informar-me de urna caria que se desviou
no caminho na poca em que fallaos. Quero sa-
ber que fim levou essa carta, Miss Bellassys,
qualquer que soja o desojo que lenho de evllar-
vos um escndalo e urna vergonha inuleis.
Elle obliverauraa vanlagem momeolanea, mas
na#a aproveitou.
Flora levaniou-se allivamente, sem que se Ihe
podsse ver nos sceos olhos um signal de fra-
queza ou de humiliaco. Ralph pensou involun-
tariamente na semelhanga enorme que ella offe-
recia com seu pae.
Quero responder, anda que vos nao reco-
nhega o direito de queslionar-me. Nada abso-
lutamente sei do que me dizels ; era vi carta
alguma, nao terera aquellas, que me eram di-
rigidas ; e difflcilmenie crereis que Miss Bran^
daotenha-me escolliido por sua coufidenteou cor-
respondente.
Mohun comprehendeu que ella teimaria at o
fim e se cooservaria indominavel como Saphyra.
Levantou-se poilauto sem dizer urna s palavra
para despodir-se.
DuvJais de mnha palavra l accrescen-
tou Flora, vendo-o retirar-so depois de a ler
saudado.
Bem considerado ludo, a quostao era auda-
cosa e pouco digna deste orador cousummado
A diplomacia nao tem mxima uias prudente do
que esta .Quieta non mover.
Ralph olhou-a de frente.
Miss Bellassys, quando urna senhora rae diz
urna cousa que eu nao posso crer, nao sua
palavra que eu me dirijo, masa seu cmplice.
Ellej estava no meio da escada, antos que ella
podesse responder-lhe ou rete-lo
Mohun achou a morada de Willis em casa de
Guy, mas foi mister muito lempo para oblo-la;
alm disto foi demorado no caminho por alguma
cousa, de sorlo quo foi somonte no fim de duas
horas que elle chegou ao modesto edificio, onde
no quarto andar o criado desfavorecido oceultava
sua grandeza decahida.
Willis linha relages muito espalhadas ; e gra-
gas esta eircuinstancia o seus mritos bem
conhecidos, linha pouco mais ou menos urna
certeza de achar um emprego quando dese-
jasse.
Dotado de gostos voluptuosos e amanle de
passar boa vida, elle resolver consagrar algu-
mas semanas e urna parte de seus anhos ao re-
pousoe ao praztr,antes de raelter-se de novo ua
vida de servir.
N'essa tarde parlicularmenlo linha elle projec-
tado um pequeo Janlar era casa de Felippe ;__
janlar, alegrado pelos sorrsos de urna belleza
venal ;e linha de comprar ura falo dos mais
escolhidos. Elle eslava cima dos pequeos rou-
bos de seus semelhantes, e alm disto o desojo
que poderia ler do roubar o guarda-roupa de seu
ultimo amo seria ura absurdo, e a differenga
completa de soa estatura dovia salv-lo desta
lenlago vulgar.
Elle era muito impertinente na escolha de seus
alfaistes, e por essa razao liana casacas que lhe
assenlayam bem e licavam s maravilhas.
Elle ia mirar no espelho sua pessoa, com seus
pequeos olhos, nos quaes brilhava urna expres-
so de contentamenlo e ligeira viveza, quanda de
repente erguendo-so, entre elle e o prazer que
esparava ter, a appango ao coronel, seme-
lhanle da figura do commandante diante de
um recrula mais atrevido.
Elle sabia que esta entrevista devia ler lugar o
nao tencionava evit-la ; mas em um til mo-
mento era ella muito intempestiva. Que cou-
traste entre o olhar fixo e severo, que pareca
pregarlo em sen lugar e os olhares provocantes
da. encantadora Heloisa Elle experimentara a
a qualquer novo ministro do evange-
ino ; o a miso bem como o voto deste era ac-
cende-lo entre os povos, pata os quaes era elle
enviado. Nao um discpulo do apostlo mui-
to amado, S. Ireneu, que a egreja de Lyon de-
ve sua devogao secular e lerna para com
Mana ? r
O culto da Santa Virgem fui a forma, que affec-
lou mais particularmente a introdugo do chris-
tiimsmo em nossos paizes. Delle recebeu o ca-
rcter franco* urna impressao, que dura anda ;
o foi, dizemos cora um autor, que citamos com
urna satistaco loda affeituosa, ura dos elemontos
maislccundos desse apostolado cavalleiresco e'
religioso, que nunca doixou de illuslrar nossas
conquistas e emprezas, tinham o cunho do sine-
le da Senhora Santa Maria, como da suzerania,
cuja glora erara consagradas...
Nossa Senhora da Franca que sentido pro-
fundo se liga esle titulo I que locantes lembran-
gas elle perpetua I que glorias patriticas nos
recorda I que resumo honroso dos sentimenlos,
que a augusta Mae d
Clovs, desde
de povo fez delle presente Rainba dos cus, e
oi nobremente trabalhado pelas raaos de nossos
operarios: do throno imperial, centro de urna
candade, que trasborda do lado em que a reli-
giao e o infortunio o atrahero, partiram largue-
zas que estimularan) a generosidade nacional.
Oa bispos ajudaram esta empreza ; os pregadores
provocaram abundantes esmolas, e enlre elles
que ha dez annos tomou a inicia'iva deste appel'
lo aos sentimentos do paiz, bem como o tllho de
Nossa Senhora da Franga, esse digno tllho do
.Sanio Ignacio, cujo zelo ha muitos aunos sosten-
tou de diocese em diocese urna propaganda pa-
ciente, laboriosa e fecunda ? I As esmolas aitlui-
r.am successivamente de lodos os departamentos:
Nossa Senhora de Franga teve tributarios em to-
das as parles do imperio. Sua eslalua, portanto
um presente nacional, um acto de f popurar'
urna resposta de grafido patritica lodos o
favores de Maria, ura memorial sublime e dura-
vel dos sentimentos e crengas, quo no seculo
AIX animara o povo frarrtez para com a Mae de
Deus.
Quantas cidades invejariam as pompas, que o
maiores Dispos. nossas primeiras illustraces do ' aprsenla nesle granrte da Gloriosa
to, Bernardo. S. Thoraaz. S. Anselmo. ,ca *"' de le civitas Dex. Mara- que encheu-
Iho as gloriosas paginas da historia. Mas o que
nossos olhos veem, o que ouvem nossos ouvidos.
nossos
^oavenlura. nossos principes da caaeira sa-
grada,homens, cujo genio projectou o mais
lucido reflexo sobre seu pai, fizeram Maria um
pedestal, sobre o qual nocollocam oulra santa:
enes a oiivaram, canlaram e imiiaram conforme
a medida de seus talentos c a natureza de suas
funegoes.
Nossas universidades antigs marehavam sob a
bandeira de Maria, collocando frente de seus
compromissos o do defender seus privilegios.
Quantas associaces formadas sob seu nome
inspiradas por algum mysterio de sua vida I
Nossa Senhora de Franca | Som escureccr a
pane aa Italia o da Hesp.anha, nao davam essas mosaico arrebatador, onde todas as variedades de
ierras classicss da devogao Nossa Senhora do l eJaJe fi de condicao se harmonisam ; onde as
niy o mulo glorioso, que faz renascor esta esta-1 aurifiammas, as bandeira, as erases, as estatuas,
n .. I os emblemas se mostrara como trophos disse-
i."_. ce'ebndade quo se ligou ao sancluario minados sobro una campo de victoria ; onde mil
excede o que oulros teem antes de nos visto e
ouvido. Quo ondas de cabegas sobre o declive
de no-sas colinas, no concavo de nossos valles e
em todos os nossos caminhos I Nem a cidade
assaz vasta, nem as casas assaz numerosas para
bastaren) invaso das mullidnos Quantas gri-
ualdas sao desprendidas, Maria, era torno de
vossa imagem I Cortejo, cujo corago estremece
diante desta exploso de piedade, cortejo ds pon-
tfices, de sacerdoies, vindos como embaixadoies
e teslemunhas, alas numerosas do virgera,
inspirador de lautas maravilhas, nao ha urna s
baslica, urna s egreja de aldea em Franga, que
nao lhe tenha reservado pelo monos um altar
onoe suas feslas n3o sojam anda solemnisadas,
cujas paredes nao sojam ornadas com suasima-
ns, cujas abobadas nao soem froquontomente
nonroso oos senumenios, com seus crnicos e os pulpitos com seus elogios"
que, cor
Nossa Senhora de Franca esta com offeilo
a qualificago consagrada pelos seculos, por que
remontando origem do chrislianismo era nossos
bellos paizes, isto ao nascimento do grande
reino, cuja f reuni a3 parles helerogenoas nes-
sa unidade.queseus inunigos tantas vezes amoca-
ram sera nuaca dissolver, encontra-se o nomo e
o culto de Maria popuUrisados corao hoje o sao.
Ella reuni em sua cabega lodosos ttulos, aos
quaes o de filha da egreja deu tantos merilos e
esplendores tanto na familia corao na sociedade,
de maneira compor com elles um diadema io-
comparavel.
Temos lido monarchas, rainhas, cujos (eilos e
virtudes viveriam para sempre om nossos annaes :
os Carlos Magnos, os Pnilippe- Augusto, os S.
I.urz.de um lado ; deoulro, as Santa Clotilde, as
Radegondos, as Blanche deCaslella, formara urna
linha de cabegas cordadas, taos, que lodos os
oulros paizes do mundo devem invojar-nos. Ma-
na, porm, era sua .soberana, e elles linham-a
escolhido por modelo ; elles tinham confiado o
sceplro e o povo sua guarda ; e por maior que
fosse seu poder, por mar admirareis que fossem
suas qualidades, diziam-lho como hoje : a pri-
Nao entra Nossa Senhora da Franga em todas
| as phases da nossa vida? as calamidades im-
ploramos sua intercesso ; nobres exercitos leva-
jam seu estandarte ao combate ; onde os flagel-
aos assolam, onde os rios trasbordara, as familias
depositara seus ps suas supplicas. O culto
oessa Mana est (ao aprofundado em nossa edu-
cacao. que nem mesmo as paixes, com lodos os
seus arra.-tamentos, o podem desarraigar.
Nossa Senhora do Franga 1 Sobre quantas t-
las e estatuas nao tem ella dirigido o pincel e o
ouril de nossos artistas ? E que superiondade de
esplritualismo, de formas e altitudes anglicas
nao nos tem ella valido sobre os productos licen
cosos da antiguidade pagaa ? |
Nossa Senhora de Franga Sim, olla o tem si-
do desde que houveram mies, que se esforgara
por marchar sobre seus tragos ; ella o anda era
urna general.dade, que a lepidez das almas nao
tem aniquilado !
Tanto o homem dos campos, como o operarlo
oas cidades ; o menino das escolas como o velho
o rico e o pobre ; era urna palavra todos, que
adorara a Deus crucificado, fazem ouvir esle gri-
o. repercutido pelos ecos, variado por mil accen-
nieira ramha da Franga aquelle quo excede to- toa. de conlianga, de ternura e de respeito -
das as oulras. sois vo,, Mana : Tu tupergressa ', chela do graga A ve Maria, gralia i
Ah quando o Espirito-Santo predizia que o
amor do Maria cresceria as almas como o cy-
preste nos declives das raonlanhas, stetri ciprcs-
SUS m monte Sion ; que sua proteceo produzi-
ria urna sombra salular como a do pltano sobre
uperg
n iimversas.
A benco nupcial sanlificou em todas asclasses
ospozasoxemplares, do um herosmo noinforlu-
neo, que s Jess Chrisio pode econoraisar: as
Bathilde, as Joanna de Valois, as Francisca de
Chantal, a bemavenlurada dama Accacia. e tan-
tas outras; ellas, porm. haviam conlrahido. ,
seus lagos, implorando a casta esposa de S. Jos ,
e linham-a msiiluido senhora e direciora d ca- j n-a0 ""'
to da oliveira.
vozes eiiclii.m o ar de iiyraoos e invocaces : taes
espectculos nao se produzem frequenlmenle na
vida c elles espargem n'alma doces alegras, que
a palavra impotente para traduzir.
Gozae agora, prelado voneravel. digno pastor
destes lugares, da satisfaro de haverdes posto
termo a esta grande obra : Deus *' conhece as
sollRiludes que ella vos causou E' urna linda
recompensa que hoje recebis; /ossos votos esto
plenamente salisfeitos.
O magnifico effeilo da eslalua realisa tudo que
linha direito esperar a eommissao, que respon-
deu cora ura to vivo euthusiasmo, e urna pacien-
cia tao tocante vosso appello. A obra de Bon-
nassieux, nosso muito amado compatriota, o ar-
lisla chnsto por excellencia, conserva era sua
Iransliguracjo colossal o encanto, a magostado o
a porfeico, que valeram ao joven mestre o s-r
esc/olhido entre os seus cincoenta e t'es concur-
rentes.
Aqui receba Mr. Prenal, deGivors, fundidor de
estatua, a parte que lhe cabe, c sua modestia
permita-nos dizer qu6 seu trabalho de um
ment inconlesl.ado.
_E agora, o quo resta-nos farer, charissimos ir-
maos, seno eruer as mos e 03 coraces para
Nossa Senhora de Franca? Poderia eu "esquecer
que meu berro, bem como o do maior numero
d'entre vos, foi posto sob a salva-guarda de Nossa
Senhora do Puy? E' pois com satisfaro que vim
de urna das extremidades da Franra unir minha
voz e meu corago voz e ao corao dos pont-
fices e dos liis que nos cercara. Maria, dei-
xae-me neste lugar, onde brilham os prodigios
I de vossa poderosa intercesso, pagar-vos meu
M, grata plena (rit)ulo de reconhecimento e de amor.
Nossa Senhora de Franca, prolezei este impe-
rio, que se apraz de chimar-vos mae. Vos o
tendes collocado frenlc das nagoes, vos lhe teo-
conser-
vae-lhe os esplendores e os beneficios da paz !
S.a.
faziam reverter Maria a gloria do sus virtudes
e das bengos. que o Senhor fazia caliir sobre
ellas e seus esposos.
E' bem sabido que se a raulher enlre nos tora
conquistado essa iiol.re e doce soberana da sabe-
a borda dos rios. sicirt plalanus juxia aguas: des dado todos os trumphos da guerra
que a dogura de seu imperio excedera do fruc-
sicut olivia speciosa in campis :
tcava por ventura nossas diversas provin- C Sa do v's,lrl0 de Jesus chsto posta cm
Imita-la era sua habitual re.-:oluco. Ellas CIBS'1"e de nurle a su' adoptaran! e preconisa -! vossas mos nao pode ser perdida ; a causa do
reMme!n.C.U|1i0,-?M-in COmo ornarara- e "nrique- Papa a causa da egreja, a causa da sociedade,
a ofivifr?? err't0n M ocypresic. o pltano, efe a causa do Deus. Tudo isto parece hoje era
perigo, amanhaa vae ludo renascor. Poderia-
Quanto mira, eu nao sei o que mais r
ternece, se a; granas sem numero, que Maria o!.-
dona, de graga, de modestia e do dedicago. Ha- para a "? se a confianra sem limite
na lem sido o lypo perfeito, que ella lera tido os q!le np.ssas Populagoes nao cessara de leslemu-
ollios ; e nao importa o valor das outras espo- : "lar-"'e- A vista desta troca de soccorro e gra-
sas ; nos s as louvaraos exaltando .-ima deltas Ah se e vordade que o filho, era qu.anto nao
aoditou as affeigoes maternas, nao se transvla
ou possuc a forra moral, que larde ou cedo o con-
duz de seus desvos, egreja de Jesus-Christo.
e^angelho, cujas verdades forara cimentadas com
o sangue dos marlyres, tradieges perpetuadas
ate nossos das de tantas doulrinas santas, de
tantos apostlos infalig.aveis ; nao, vos nunca
desapparecereis era a heresia, nem o schisma
podenam aitingir-nos, porque nada destruir en
tre nos o reinado de nossa Rainha e do nossa
ae. sena ale permittido, ao que parece, pre-
dizer que esta unanimidade to perseverante de
crtica e de sentimentos. que sao a parlilha de
nossa patria, receber desde esle dia urna nova c
bnlhanle consagrarlo. O 'grandioso monumento
que inaugurarnos ser o Icstemunho disso at
mais remota posleridade.
Como pois. glorioso para Maria o monumento
que lhe ergue a Franga I O monte Cornelio evi-
dentemente a santa montanha, que serve do es-
cabello aos ps da Rainha dos cus : fundamenta
ejus m montibus sanis; mas anda quo collu-
cana em um pomo particular do imperio, esta
elliie pertence tola a Franga. A coragem de
nossos soldados conquislou o metal della sobre
as tnncheiras inimigas ; o soberano de um gran-
a incomparavel Virgem de Nazarelh : Tu super-
gressa es universas.
A maiernidade appareco em nossas familias
com urna aureola de virlude, que a iuipiedade
forgada admirar.
Abnogago no dever, paciencia na dor, ternu-
ra que conslitue o thesouro distincto do seu co-
rago. edificago perseverante no exemplo. quem
de nos sem sabir de sua casa nao desiguaria a
raulher christa alomada dessas bellezas sobre-
naturaes ? Mas a Mae de Deus quera ella se
exforga por copiar; por sua seraelhanga mais
ou menos grande que seu valor apparecdo.
Iorra se ninguem paetantocomoDeus.no
governo da familia, ninguem lambem nella
me lano corao a Mae de Deus : Tu supergressa
s universas.
Entre nos, mais do que era algum outro paiz,
a filha. a irraa, teem cultivado o lyrio da pureza
evanglica.
A virgem. debaixo de mil vestes, em mil esta-
dos dilferenles, no claustro, no hospital e na es-
cola, a maravilha, com a qual a graca divina
dolou nossas mais modestas aldeas: ella foran-
ga em nossascidades ; mas a idea de virgnida-
de, sua rocacao, os sacrificios de prazeres e de
sensagao de um homom, que por descuido ti-
vessera raergulhado n'um balde de gelo em lugar
do Champagne; entreunto acceitou tranquil La-
mente sua m sorte, e apresontando urna cadeira
visita que Ihechogava perguntou aocuronel o
que podia elle fazer em seu servico.
Podereis sem duvida dizer-me o quo feilo
da carta de Miss Brandao, quo vosso amo dovia
receber ha dous raezes. e que desencamiahou-se.
Willis estava preparado para esta pergunia ;
mas, com esla vanlagem du seu lado, llzeram-
Ihe grande honra seu olhar nao menos espantado
quo innocente, e seu sobresali de sorpreza.
Urna caria, senhor ?.... diz elle vagamente,
como que consultando sua reminiscencia.De
Miss Brandao ?... Nunca vi. nem ouvi fallar dis-
so. Se eu tivesse tido, naturalmente tc-la-hia
entregado Mr. Levingslone. Alias, que poderia
eu fazer a'ell.i ?
Darei mil francos, conlinuou Mohun, sem
parar com estas deneg.aces,d-los-hei pela
carta, ou por urna declararle escripia do que
d'ella Cuestes, e por ordem de quem aexira-
viasles.
Ao mesmo lempo depositou sobre a mesa urna
nota de banco.
Houve urna mudanga de scena. O ar espantado
de Willis deu lugar ao olhar da innocencia offen-
dida que ppella de urna injustira manifes-
ta. Desempenhou realmeute como "artista.
Sinio muito, senhor, que pensis quo seja
necessario corromper-me para sorvir-vos vos
ou Mr. Levingslone. Esl fra inleiraraente de
meu poder, nem sei o que queris dizer.
Nao lenho lempo para regatear, conlinuou
o coronel resmuogando, e seus olhos comegavam
langar chammas ameagadorasEstabelecei o
prego, e acabemos com isso.
Grande quadro Final I virtuosa indignagol
rasgo de domestico fiel, reivindicando sua digni-
dade de hornera 1 Mas havia um pequeo obsta-
culo:o ador comprehendia difflcilmenie a im-
portancia de seu papel, do sorte quo houve com
effeilo quasi um enterro.
J vos disse duas vezes, senhor, que nao
sel nada disso. Pego-vos que nao me agravis
questionando mais. Nao tendes o direito d
dar-mo ordens, nem de interrogar-me, agora
que nao eslou mais nem vosso servioo nem ao
de Mr. Levingslone.
Foi com urna certa perplexidade que Mohun
abaixou os olhos sombreados por espessas so-
branceras. Em ultimo resultado, elle nao linha
se quer urna sombra ao menos de proras, bem
que se senlisse raoralracnie certo do facto. Sua
ancora de salvago era a aa.bigo do patito, com
o qual estava s garras, e este recurso pareca
falhar.
Evidentemente linha obrado antes delle urna
poderosa influencia contraria.
O diabo a confunda, murmurou elle entre
gentes:ella reio aqui anles do minj.
mos dizer com S. Hylario que a causa da egreja
esl menos abandonada quando mais o parece:
; Hoe euim ecclesue proprium est, ul tune vincat,
I chm lieditur, cm arguitnr, cin deserilur.
Espargi, Virgem sanla.vossas heneaos sobra as
dioceses dos-veneraveis pontfices, que vieram
consagra-vos suas pessoas e as de seus filhos.
Abengoae o principe augusto que nao recuson a
honra de subscreve em primeiro lugar para a es-
tatua de Nossa Senhora do Franca. Foi um pen-
samento todo chrislao ter convertido o bronze
irovejante das balalhas em um symbolo do mi-
sericordia e de amor : nos vos invocamos tam-
bera pelos dignos representantes de sua aulori-
dade nao s neste departamento, senao tambera
nesta feliz cidade : por esses dous senadores,
esses dopulados, e todos esses nobres guerreiros
quo nos cercara. Vs, Sr. prefeilo, Sr. general,
e todos vos, senhores, nao s tendes com vossa
presonca rc.algado o brilho desU solemnidade,
senao lambem vestes procurar aos ps desta
imagem abenroada o recolhimento c a piedade,
ess.as duas cousas to raras no meio das agita-
roes do mundo.
( Contir.uar-sc-ha 1.
Ergueu ento os olhos. e o que vio foi trasbor-
dar incontinente o clice pouco profundo de sua
paciencia.
Willis linha nos olhos ura pestaear de Iri-
urrpho e do prazer maligno mal reprimido, e
sobre sous pequeos labios via-se despumar um
nsoznho desdeuhoso.
Ora era muito raro que esse satellile to bem
dirigido deixasse trahir era seu rosto urna im-
pressao natural. E na verdade, bem mal esco-
lneu elle o momento para urna tal exliibigao.
Antes que livesse lempo para reconhecer-se
o dar um grilo, achava-se por torra, de cosas
sobre o soalno, e com um p pesado calcado
sobre o peito.
O coronel olhava-o da altura de sua alta esta-
tura, com olhos ferozes, que respiravara a morte,
e que gelaram o sangue as veas de sua
victima.
Por Deus! murmurou Mohun cora urna voz
ensurdecida pela raiva, concentrada,se zom-
baes de mira raais cinco minutos, sa abrs a boc-
ea nao sor para responder o que vos pergunlo.
esmago-vos.
Wulis conhecia o carcter determinado do ho-
mem, que o linha em seu poder ; nao era urna
vaa ameaga qoe ello ouvra, era j urna presso
mortal, que lhe esraagava o peilo.
Em nomo do cu, nao me matisgrilou
elle penivelmente ;eu..........eu a dei Miss
Bellassys.
im. nao basta dizer; eu sabia isso ha
muilo lempo. Agora, levautao-vos, e escrevei
isso mesmo.
A' estas palavras, impurrou com o p o raise-
ravel, que fez muilas rollas rolando polo
Nao ha nada que desaponte mais urna r.alu-
reza, muito lempo habituada obedecer, corao
um socco brutal e sbito. Lembrae-?os dos
seylnas e seus oscravos.
Os rebeldes aliroularam bstanlo seus senhores
no campo ,do batalha cora a espada e a lanca
mas toda sua coragem abandunou-os quando
ouviram o estalar dos grandes chicotes.
hI' fTS Vr!r ur'lida pela 'Plumaca do
desventurado Willis totalmente destruida ; d'ah
era diante lodas as torgas de seu pensamento o
vontade concentraram-so em um s poni:-
desembaragar-so de semelhante vista o mais
depres3a possivel.
Elle levantou-se lentamente o com bastante
dilliculdade, por quanlo o abalo physico fra
grande; e depo3, senlando-se diante da mesa
lentou escrever algumas p.alavras, que Mohun
lhe dictava; mas trema-lhe tanto a mao, quo
apenas elle podia tragar as leltras.
E como ergua os olhos com um ar lamentavel
e supphcante, tem6ndo evidentemente que a
diflkuldade que encontrara em escrever nao
fosse tomada por m vontade e resistencia elle
.uffereciftum tal espectculo de degradacao, eo
,a!
aspecto de sou aviltamenin liaba alguma cousa
de l.'io rcvoltantp, que Mohun coni todo o seu
cynismo vollou a ciboga desgosloso.
Emfim, estava acabado.
Quando Willis vio sua confisso tragada na
carteira do coronel, a ambiguo deu-lho cor.'igom
para tentar um derradeiro* esforco por ganhar
alguma cousa pelo trabalho,umbiis.amo para
suas contuses,urna compensac) sua ver-
gonha.
Espero, senhor, que tomareis cm conside-
raco que eu z o que perde, diz elle laucando
um olhar a ola de bauco que estava se"mprc
sobre a mesa ;se se riel saber..........ser
minha ruina.
O rude sorriso que lhe era particular er.Jurc-
ecu anda mais o semblante do coronel.
Deveis dirigir-vos Miss Bellassys para
haverdes urna corapens?co. Ella paga bem n'o
lenho duvida alguma. Mas de mira no recose-
ris raais nem um soit, anda mesmo que fosse
para nao morrerdes forae. O partido que to-
mei em segundo lugar era em ultimo resillado c
melhor;poupou-me lempo e___dinheiro.
E meiteu a uol.a na bolea..
Entretanto dar-vos-tiei um conselho: quo
nao deixois Mr. Levingslone encontrar-vos. Se
elle vos vir. depois de saber o que Tuestes, es-
magar -vos-ha os rins, cstou disso intimamente
convencido.
E doixou Willis.
Pela segunda vez nesta noilt. este mirouse
no espelho.e o que vio o satisfez soffrivelmen-
le. Esse trapo injuriosamente amarrotado seria
acaso essa grvala branca, de n sublime, de
pregas sabiamente dispostas, sobre as quaes o
triste Willis lngara um olhade orgulho pater-
no bem perdoavel? Nao nos.admiremos que elle
balesse com os ps de raira, tanto mais ijuando
nada podia fazer, sacodindo o p que cobria-lhc
os lindos vestidos,- po que bradava vinga&ra
contra Ralph Mohun.
Entretanto, reparou o melhor que pode as
araas do sou facto, e sahio para ir sua
reunio mas os pastis Bechamello pare-
cern) a seu paladar.resequidos e alterado, como
rmzas, o gelado de marrasquino como n.v de
Galles. E assim mostrou-se to perfeitamento
dosagradavel, que desde esse dia a pobre Heloisa
jurou aos compatriotas de seu conviva urna ini-
misado, quo durou at o fim do sua existencia
to curta quo mil empregado,.
I Pati[e de xnglez, vae '. coslumava ella dizer
, fazendo ranger melodramticamente seus denles
! pequeos, todas as vezes que se lembrava desa
! noito raassanle, e a inulilidade de seus pequioos
| estratagemas para alegrar seu taciturno am-
; phitryo.
(Conlinuar-ae-ha.)
PEUN. -TYP. DE M. F. DS FARU.-1860,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEBK1VG1C_YVT99Y INGEST_TIME 2013-04-30T23:27:12Z PACKAGE AA00011611_09188
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES