Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09184


This item is only available as the following downloads:


Full Text
L
un un. hiero m
Por tres mezes adianlados 5$000.
Por tres mezes vencidos 6$tJ00.
SEXTA FEIRA 7 DE DEZEMBRO DE 1861.
Por anuo adiantado 19$0O0
Porte fra-aco para o subscritor.
ENCARREGAD03 DA SBSCRIPCAO DO NORTE
Panhb.i, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima !
N ital, o Sr. Antonio Merques da Silva ; Aracaly, o
Sr. A de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de Oli-
veira; Maranho, oSr. Manoel Jos Martina Ribei-
ro Guimares; Piauhy, o Sr. Joao Fernandos de
Horaes Jnior ; Para, o Sr. Justino J. Ramos ;
Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
FAtU'lUAS UUS CUltKKlUS.
' Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do da.
Iguarass, Goianna e Parahiba as segundas
e sextas feiras.
I S. Anto, Rezerros, Ronito, Caruar, Altinho e
. Garanhuns as tergas feiras.
Pao d' Al no, Nazareth, Limoeiro, Rrejo, Pes-
'queira, Ingazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
| Oricury o Ex as quartas-feras.
Cabo, Sirinhem, Rio Formoso, Uns, Barreiros,
Agua preta, l'menteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios partem as 10 horas da manha
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
5 Quarto minguante as 3 horas e 40 minutos
Ja tarde.
12 La nova as 10 horas e 2S minutus da manhia
20 Quarto cresceute as 3 horas e 50 minutos
da manha.
98 La cheia aos 58 minutos da manha.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 0 horas e 30 minutos da manha.
Segundo as G horas e 54 minutos da tarde.
AUDINECIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
Tiibunal do commercio : segundas e quintas.
Relaco lergas, feiras e sabbados.
Faaenda : tergas, quintas e sabbados as 10 horas-
Juizo do commercio: quartas ao meio dia.
Dito de orphaos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio dia
Segunda vara do civel ; quartas e sabbados a urna
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
3 Segunda. S. Francisco Xavier apostlo.
4 Terca. S. Barbara v. m.; S. Pedro Chrisologo.
5 Quarta. S. Cernido are. ; S. Sabas m.
6 Quinta. S. Nicolao B. de Mira ; S. Leonisa.
7 Scxia. S. Atnbrozio b doutor da igreja.
8 Sabbado. ejp Conceigo de Nossa Senhora.
9 Domingo. S. Leocadia v, m. ; S. Restituto b.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO SUL
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias ; Bahia,
Sr, Jos Martins Alves ; Rio de Janeiro, o Sr.
Joao Pereira Marlins.
EM PERNAMBTCO.
Ka
6 e
O proprietario do diario Manoel Figueiroa da
iria, na sua livraria praga da Independencia na.
e 8.
AVISO.
Achando-se aberta a conmiunicacao
Rio Formoso e Ginlahy em lugar das que se
acham podres, e arruinadas, despendendo-se com
esse Irabalha al a quantia do 300Jt em qui foi
avallado, segundo consta de seu officio de hon-
item, sob n. 316. que fien sssim respondido.
eiltl'e esta Cldade C a Villa da EsCada,'Communicou-se a thesouraria provincial.
pela Va frrea, rOgaiROS aOS nOSSO*! Pj.10 ao director geni interino da instruegao
n.:....i.,i .-. ,ti' *j : publica. Cerlo do contedo no officio quo V. S.
Bssignantes que all residem, e rece- me dirigi no i. do crreme mez, sob n. 232,
bem suas assiinaturas em outras loca- ten.ho & d7Cr eni ?- i"* approro a deibo-
____- [ ragas gue toraou a congregacao do gymnasio
lldiideS, qe enMCm SeUS nomeS aO es-; provincial de crear tnaisum grao de approvagSo,
, criptorio da redaeco. para que liies!al1mdosdo"sJps,'11beleddus n? rPSPecl7u.r-
,,. 1 '. gulamenlo, para os alumnos que forera examina-
Sejam remedidos diariamente OS nU- dos n'.quolle eslabelocimento. devendo esses
meros desle DIARIO; assim como
aquellas pessoas que se quizerem ins-
crever como assitimtes.
jrios ser classificados da maneira se^uinteap-
gundo uro jornal dt? Genova, espera que a ques-
lo da Sabova seja de novo examinada, e con la
que a sua fronteira meridional ha de aer ga-
rantida.
O partido monarchico Da Europa confia que
um progran.ro a para um congresso futuro a res-
deravclmenle os interosses commercUes dos ne-
gociantes inglezes all residentes :
4o Que a presenc de Walker naquellas praias,
fizera adiar a execugao do tratado existente entre
a Inglaterra e Honduras.
Em consequencia disto, o capitao Salmn de-
pe todos negocios da Italia seta examinado e I clarava que, para proteger os inieresses da Graa-
sujeilo depois approvago da Inglaterra e da Brelanha, entenda dever restabelecer os autori-
F/a nga. Todos aquelles que preveem os acoDte Mea legitimas de Trujillo, e intimar a Walker e
cimenlos que esto a ponto de occorrer. veem seus cornpanheiros que se preparassem paro do-
na conferencia urna reunio que hade fallar cora j por as arma, e tornar a embarcar-se. depois de
a voz da authoridado, e ordenar revoluco lerern restituido s autoridades de Honduras o
italiana que pare, e que deixe livre os paiz'es, | dinheiroe os papis desviados.
Com estas condige?, ser-lhes-Iiia dada a se-
em que acabara de entrar os seus exercilos
Todos estes accordos sero desvanecidos.
J passou o lempo em que aquellas trez poter-
I provado approvado plenamentee approvado cas podiam diciar a lei Europa. J passou o
com distinego. j lempo em que ella teria ousado tenla-lo. J
Dito ao mesmo.Remelta-me Vrac. at o ul- nao ha essa unidade de projectos que existia
limo de Janeiro prximo vindouro o relalorio da quando as vastas planices da Polonia se estn-
PARTE OFFICIAL
^________________0____________________________
Govenio da provincia.
expediente do dia 4 de dezembr.o de 18G0.
guranc, para as suas pessoas e haverts, pela
bandeira brilannica.
Do memo dia datada a resposta de Walker, o
qnal principian por declarar que ignorava intei-
ramente a existencia da hypolheca, pois que se
tivesse noticia de tal, nao teria modificado os re-
ram negociar um primeiro ajusle complementar
para determinar os direitos especifico, e o valor
ramadas orei de um q"P de*er"a p,gar a Sua iPorl.5a m Franca
minados, por meio de um as mercadorias de origera ou de manufactura
uS&J.* uma Pr0Ta nao brilannica. enumeradas" no dito tratado, e que
foram indicadas pelos seus plenipotenciarios, a
saber:
Por parte de S. M. o Imperador dos Francezes.
Mr.Thouvenel, senador do imperio, grao-cruz da
orden imperial da Legio de Honra, etc., etc..
reparligo a seu cargo.Officiou-se no mesmo diam em frente d'esSM potencias como urna pre-i gulamenlos d acuelle porto, visto que a sua in-
sentido ao conselho administrativo do patrimo- sa fcil de fazer.
nio de orphaos e ao provedor da sania casa da Se a Russia est descontente de nao ter vis-
raisericordin. j lo realisar as promessas com que sejulgava com
Dito ao juiz municipal da 1.a vara.Atienden- i'ireito a contar, era consequencia de alguraa
do ao que me rpquereu o sentenciado Jos Joa- cousa que houvesse sido escripia, a Austria e
quim de Sant'Anna, Cajo requerimeolo defer a Prussia ponera muto bcra nao ler confianga
nesla data, recommendo a Vine. qe o faga re- n'uma combinagao em que a reconclliago nao
I metter na primeira opportonidade para o presi- c absolutamente impossvel. Se a Austria lera
OTicio ao Exm. presidente das Alagoas. Se- d'& de FernanJo, afim de curaprir slli a pena, a esperanga de vingar Solferino, deve recejar os
guindo para essa capital no vapor Persinunga o 1UP' foi condemnado. ; acontecraenros que poderiam fazer parte da
major Herculauo Sancho da Silva Pedra, e os of-1 Portara.O presidente da provincia atienden- successao do enfermo ; e se a Prussia teme cr-
lciaes e prac's mencinalas na relagq junta,' dl> a0 que Ihe requereu o soldado do 4." balalhao tos supposlos projectos contra as provincias
os quaes vo" para o lermo de Tacarai, roso i] de arlilharia a p Bernardo Rebello da Silva Pe-
,V. Exc. que se sirv de mandar dar transporte a] re'ro. e lendo em vista o parecer da junta militar
lodos, bem como familia do dito rnajor, para a
cidido do Penedo em vapor da companhii Bh-:
liijna, por conta do ministerio da guerra.
Dito ao Exm. presidente do Rio Grande do;
Norte. | Responden Jo ao officio que V. F.ic. em
dirigi em 31 de outobro, lenho a dizer-lhe que !
da inform^eo junta por copia do director do ar-
seal de guerra nao consta existir n'aquelle ar- '
seal medicamentos viudos da ciirte com destino
a essa provincia ; c osseguro a V. Exc, que logo
1 que ellas cheguem ser satisfeila a sua requi-
sigSo.
Dito ao coronel coramanlanle das armas.
Convni que V. S ouvindo o delegado do cirur-
giao-mr do exen.ito, informe com urgencia por
quanto se poder contratar o praticante que se
pretende mandar para a villa do Ouricury, nfim
de coadjuvar na preparagjo de remediosao fa-
cultativo que ra dirigir a enfermara da mesma
villa.
D.to ao mesmo. Sirva-se de expedir as suas
ordens, para que no dia 8 do correnle v urna
brigada de primeira linha assslir a festa de N.
S. da Conceigo, padroeira do imperio, que de-
vera ter lugar na sua igrejs na na Nova.
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda.
A' Albino da Silva Leal mande V. S. pagar os
vencimenios nao s dos guardas nacionaes des-
tacados em Barreiros durante o mez de outobro
ultimo, mas lamLi-m do alferes commandantedo
de saude, resolve conceder-llie dous mezes de
licenca com vencimentos para tratar-se dentro
da proviucia.
Dita.O presdeme da provincia, atlendendo
ao que lhe requereu obacharel Agosiinho Erme-
lino de Leao Jnior, e a informacao do Dr. chefe
de polica datada do 1. do correnle, sob n.
1515, resolve conceder no mesmo barharel a
dimisso que pedio do cargo de delegado de
polica do tormo de Olinda.Communicou-se ao
chefe de polica.
Dita.Os senhores agentes da companhia bra-
sileira de paquetes a vapor mandem darpassagom
para a corte, por conta do ministerio da guerra,
no vapor que se espera do norte, aosoldalo Jos
Estevao dos Anjos que lhe ser mandado
sentir pelo coinmandaute das armas.Coramu-
nicou-se a este.
DilS.O Sr agente da compnnhia Pernambu-
caua, mande dar transporte para Macei, no va-
por Persinunga, por conta da thesouraria pro-
vincial, ao 2." cadete 2." sargento do 9." balalhao
rhenanns, deve temer tambera os ciumes da Aus-
tria. J nao ha confianga reciproca para que se
forme urna confederago, e j se declara que o
principe regente se compromelleu a nao con-
tralor compromisso algum que ligue a Prussia.
Os senhores de railhao e meio de bayonetas
teem o mesmo direilo de fallar e podem faze-lo
com alguma efficacia ; mas nao tom o poder de
ordenar, o da sua parte seria commetler urna
grave injuria contra a ordem racional na Europa,
fazer urna similhante tentativa. Formular pro-
grammas que se apresenlassem depois acceita-
gao da Europa, seria urna impertinencii que
naodeixaria de ferir osentimento geral da Euro-
pa, e nao podemos imaginar que se pense era
similhante cousa.
<< Os soberanos reunidos quererao sem duvi-
apre- da combinar-so para adoptar urna marcha com-
mura no caso de certos acontecimentos affecta-
rera os seus inieresses commuos. O conheci-
raento de ura til accordo rasoavelmente limita-
do tender a assegurar a paz e a tranqulllidade
do mundo. Mas nao devera ir alm, ou a orlem
nao reinar por muito lempo, mesmo em Var-
de infamara Jo.iquira Jos Neves de Seixas, que sovia.
lima correspondencia de Nova-York, d os
seguintes pormenores sobre a execcao do flibus-
vai responder ao jury no termo do Ouricury.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao bnclnrel Jos Silvano Hermogmes
de Vasconsellos, promotor publico do Cabo.Do
ordera de S. Exc, o Sr. presidente da provincia,
acenso recebido o orTicio que V. 5. lhe dirigi em
I." Jj correte, communicando que, tendo-se
mesmo desi.u .->.-nt.> nos de setembro e uuiubro
deste anno, urna vez que cstej.m nos termos le- finda.,0 lice ', f ullim\mtn{e con.
gaes os documentos juntos, que me foram re-, coiilii deixon de enlrar no exercicio do seu
mettidos pelo respectivo com-uandante superior
com officio de -2 do novembro prximo 4ndo. I
Communicou-se ao coramandante superior do
Rio Formoso.
Dito ao mesmo. Conslando-mo de aviso da '
repar-igoda guem de 13 de novembro ultimo, :
que nessa data fo. nomeado secretario do com-
mando das armas desta provincia o lente do
corpo de esta Jo moior de segunda classe Joao
Marlins de Amorim Rangel em substiluigo do
uiajor do mesmo corpo Francisco Camello Pes-
soa de Lacerda, que exercia aquelle emprego, e
foi nomeado ajudante de ordens da presidencia da
provincia do HaranM*); assim o comraunico a
Y. S. para seu conhecimento. Transmittio-se
copia do supradilo aviso ao commandante das
armas para sen co-iherimenlo.
Dito ao mesmo. Transmuto por copia a V.
S., para seu conhecimento, o officio que em 15
de novembro ultimo me foi dirigido pelo direc-
tor geral da reparligo da marinha, communi-
cando as providencias que se deram acerca do
alieno dos vencimentos do almoxarife aposenta-
do do arsenal de rr.arinha, Manoel Francisco de
Honra.
DId ao mesmo. Em vista do quo expe o
inspector da thesouraria provincial no officio
unto por copia, nao pode por ora ser transferida
aquella reparligo, conforme Y. S. exigi em of-
ficio de 12 de novembro ultimo, sob n. 1,171, do
edificio onde se acha para a casa em que func-
cionava a cxtincla mesa do consulado.
Dito ao mesmo.Para cumprimento do dispos-
lo no aviso da reparligo de maiinha de 31 de
oolubro ultimo, cooslante da copia junta, con-
vm que V. S. d a.s necessarias providencias
fim de que sejam avahad js, com assistencia do
procurador fiscal e do inspector do arsenal de
marinha, os predios indicados por este no officio
c planta que se refero o mesmo aviso, como
indispensaveis ao mesmo arsenal.Officiou-se
dando ciencia ao inspector do arsenal de ma-
iinha.
Dito ao mesmo. Devolvo V. S. a sua in-
formago de hontem, sob n, 1260, o raais papis
que a acompanharam fim de que emita o seu
parecer acerca do pagamento da quantu de 2249
despendida, segundo declara o commandante das
armas no finat do seu officio com o transporte
do trem do 4. balalhao de arlilharia a p do
quarlelda Soledade para o de Olinda.
Dilo ao inspector da thesouraria provincial.
Eiu additamenlo ao meu officio de 28 de novem-
bro ullimo recommendo V. S. que mando pagar
em apolices a quantia de 120# que lera Jireito
a Companhia Pemambucana como se v do certi-
ficado junio, por haver mantido em bom estado a
conservago do canil de Ariquid no trimestre
decorrido de 15 do novembro deste anno, visto
assim me haver requisita lo o gerente da raesra
companhia em officio de hontem.Communicou-
se ao director das obras publicas.
Dito ao mesmo.Em vista da conln junta, que
me foi remettila pelo chefe de polica com o offi-
cio de hontem, sob n. 1553, mande V. S. pagar
ao negociante Joaquloi Anlunes da Silva, a quan-
tia de 229} que se dispendeu no mez de ontubro
ultimo, com o sustento dos presos pobres da ca-
deia de Garanhuns.Commuuicou-se ao chefe de
polica.
Dito ao director do arsenal de guerra.Forne-
ca Vmc. ao hospilol militar 150 lengoes novos de
brim. Comraunicou-ae ao commandante das
arraas.
Dito cmara municipal do Recife,Convra
que a cmara municipal do Recife remeta esta
presidencia, al o ullimo de jineiro prximo vin-
douro o batango do orcamento e cotilas que de-
vem serannualmento apresentadas assembla
lagislaliva provincial, e bem 83sira urna exposi-
gao das necessidades do seu municipio, afim da
serem levados ao conhecimento da mearas as-
sembia. Officiou-se no mesmo sentido
todas as demais cameras
Diio ao director das obras publicas.Respondo
o seu officio, sob n. 317, declarando que quindo
fdr possirel, mande Vmc. fizer a guarita de que
trata o meu officio de 28.de novembro ultimo e
que se destina a guarda da cadeia da cidade de
Nazareth.
Ditoao mesmo.Pode Vmc. aulorisar a collo-
cago de algumas estiras novas oas pooles do
cargo por conlinuarera oajsous encoramodos de
saude. Fizeram-se as communicaces pre-
cizas.
DESPACHOS DO DA 4 DE DEZEMBRO DE 1660.
Requerimentos.
teiro Walker.
Appresso-ine a comraunicar-sos os porme-
nores que chegaram ao nosso conlieciraenlo so-
bre a execugao do Walker
U llibusi-rio eniregou-se no da 3 ao com-
mandante Salmn, do navio ingiez icarus. i.on-
duzido a bordo d'aquelle navio de guerra at
Trojel'.es, foi entregue s autoridades do Hon-
duras, sen lo julgado quasi inmediatamente o
condemnado a pena de morte, emquanto que c
seu primeiro lugar-tenente, o coronel Rudltr,
foi nicamente condemnado a qualro anno3 de
priso.
tencao nao era Mentar contra os direilos da Gra-
Brelanha ; e mquanto ao metal e papis de cr-
dito perle ncen les ao thesouro brilannuo, de bom
grados restituira, se os tivesse tirado, mas af-
firmava que era os vira, nem delles ouvira
fallar .
Tentava-depcis Walker justificar a sua inva-
so em Honduias. apor compronussos de boa f
contrahidos con um povo desejoso de vver, na
America ce ntril, debaixo das antigs leis e cos-
lumes do reine britannico ; e tenninava decla-
rando que nen. resistira por meio da forca ao
capitao Salmn, era se julgaria deshonrado por
entregar as armas a ura official de marinha in-
gleza, mrmenle porque muilos dos seus adhe-
rentes se podiam dizer subditos britannicos. De-
seja, porm, saber em que navio teria lugar o
embarque, e a custa de quem seria esle effoc-
tuado.
O commandante Salmn responda immediata-
mente, que esma muito saber que Walker nao
se considera deshonrado por depOr as armas, in-
timado por um official britannico ; e traa de
restabelecimento da ordem na pennsula, o espi-
rito de transaego. A Europa eslj interessada
em ver a Italia organisada e poderosa ;
nando os fados consu
acto da sua alta jursdicg
equvoca de previso e ju
O Constitucionel consagra o seguinle artigo a
explicar o carcter da extenso que a Franca
acaba de dar sua oceupaco nos Estados-Ro-
manos I
A Franca imperial, fiel s suas promessas,
cobre hojo com a sua efficaz proteega
monio de S. Pedro. Nao somen
mas em Viterbo, Crvelo, Civila
nossos regimentos sustentara a auloridade pon-
tificia.
O carcter dessa oceupago, por mais exten-
so que seja nao urna intervencao. Nao pode-
ra convir-nos desconheccr, em caso algum, os
sabios principios de poltica externa que Irum-
pharara em Villa-Franca. Nao ; Iih muito tem-
po que temos definido a nntureza oxcepcioual
da siluago que nos levou a Roma* Nao defen-
demos all 03 inieresses polticos particulares
Franga, defendemos inieresses religiosos com-
muns a lodosos estados do catholicismo.
Durante alguns annos, alguns mil homens
foram sufficientes para a defeza do Vaiicano :
mas nestes ltimos tempes, e era
cretario de estado na reparligo de agricultura
commercio e obras publicas.
E por parte de S. M. a rainha do Reino-Unido
da Gra-llrelanha e Irlanda, o honrado Henrique
Ricardo Carlos, conde Cowley, Ricardo de Dau-
gan, baro Cowley, par do Reino-Unid.), mera-
bro do conselho privado de S M. brilannica, ca-
tralleiro gro-cruz da mui honrosa ordem do Ba-
nho, embaixador exlraordinario e plenipotencia-
rio de S. M. junio do imperador dos Francezes, e
Mr. Ricirdo Cobdeu, escudeiro, mombro do par-
lamento brilaunico.
Os quaes depois de lercm apresentado os seus
mutuos poderes
respectivos, que foram cncon-
to" "" irados em deviJa forma, convieram nos artizo*
ca da gravidode das circunstancias, seria ih- seKuntes: m a'"*U5
prudente nao augmentar o numero das nossas
tropas, c raais imprudente anda uo ocupar as
pragas circuravisinhas, o lodosos pontos estra-
tgicos que se julgavam necessarios para a defesa
eventual da cidade de Roma. A bandeira da Fran-
ga nao se expoe a urna sorpreza ; por toda a par-
le onde ella apparece, exige a nossa honra que
flucluocom segurango.
Alm disso, devemos reconhecer, quo o ej-
ercito satdo parece ler atintalo perfeitameole
os serios motivos que nos levaram a proc
desla maneira Tinha j entrado em Viterbo e
em Corvetto ; aquellas cidades que, no momen-
to da crise, nunca testemunharam ura grande
justificar a sua inlervenco, nao j nicamente amor pelo governo da prelatura, essas cidades
I Havana, refere u'estes termos os ullimos mo-
3242Amorim*& Irmo.Informe o Sr. cap- mentos do flibustero.
lo do porlo
323Azevedo& Mendes.Declaremos snp-
plicanles o nomo da pessoa que vai servir de
mestre do navio-
3214Cesar Octaviano de Oliveira.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
3245Ernesiino Cavalcanti de Albuquerque.
Remellido ao Sr. inspector da thesouraria de
fazenda para mandar certificar.
3246Henrique Augusto Milet. Aguarde o
supplicante a deciso do governo imperial.
327Jos Joaquim de Sania Anna. O sup-
plicante ser remettido na primeira opporluni-
dade.
328Jos Joaquim da Silva Gumares.In-
forme o Sr. inspector da thesouraria provincial.
3249Manoel Alves Guerra.Informo o Sr.
capto do porto.
32.il)Samuel Power Johnslon & C.Informo
o Sr.inspector da thesouraria do fazenda.
3251rsula Alexandrina de Barros.Remel-
lido ao Sr. director geral da instruegao publica
para otlenler a supplicante nos termos de sua
informacao do Io do correnle.
3252Vicente Ferreira da Costa Miranda.
Informe o Sr. inspector da thesouraria provin-
cial.
COIMiNDO DAS ARMAS.
Quartel do coimnando das armas
em Cernambuco, na cidade do
Recife, V de dezembro de I86O.
ORDEM DO DIA N.' 52.
O coronel coramandante das armas em virtude
da ordera oa presidencia communicada em offi-
de 4 do correnle, determina que urna brigada sob ouca expedigao.
Logo que Walker entrou na priso, foi langa-
do em ferros, perguntando-se-lhe se desejava
alguma cousa. Pediu um copo d'agua, e man-
dou chamar o capello do porto, protestando a f
que professava pelos preceilos da egreja catho-
lica romana. Depois era quasi constantemente
visto ajoelhado diante de um pequeo altar, uo
qual a claridade duviJosa da priso apenas lei-
xava ver a imagera de Christo.
Estou resignado morte, dsse elle, entre
outras palavras ao seu guarda ; a minha car-
reir poltica est terminada.
Em 11 de setembro, foi annunciada ao preso a
sentenga capital. Em resposta a esfa triste men-
sagem, lmilou-se a perguntar a que horas seria
executado, e se tiuha empopara escrever.
As 8 horas da manha do dia 12. sahio o
condemnado da priso e foi conduzido ao lugar
do supplicio.
Caminhava levando na mo um crucifixo,
para que olhava constantemente, ouvindo cora
piedosa derocio os psalmos do ecclesiaslico que
o acompanhava.
Depois de entrar no quadrado da tropa desz
tinada para assistir execugao, proferio com vo-
resigoada o seguinte discurso :
i Sou catholico romano. A guerra que lenho
feito a Honduras, instigado por outretn, era in-
justa. Os meus cornpanheiros do armas nao sao
I dignos de censura, porque s6 cu sou clpalo.
Pego perdo ao povo, e possa a minha morte ser
um bem para a sociedade.
1 A estas palavras seguio-se urna denotago.
Era o flibusleiro que cahia. Os seus restos fo-
ram enterrados pelo cuidado de dous cidados
americanos residentes era Troiellcs.
O vapor ingiez Gladiador que levou para
Nova-Orleans a noticia da execugao de Walker,
conduzindo ao mesmo lempo os restos da sua
pelos interessej do commercio iuglez, mas pelas
numerosas recUmacoes de auxilio, que lhe fo-
ram dirigidas de Trujillo e Omoa, e urna das
qdaes era al assigoada pelo cnsul dos Estados-
Unidos na ultima das ditas cidades. Ora, o ca-
pilo Salmn declarava-se authorisado para ac-
cudir com soccorro a qualquer naco amiga que
Ih'o requisitasse, e isto em conformid >de cora o
tralado do Whealoa emiuantj aos deveres inter-
uacionaes.
Diga-se aqui de passagom, quo foi urna felici-
dade para Garibaldi que un homem lo forte no
tratado de Wheston como aquelle capitao do Ica-
rus, so acbasse l para os lados de Trujillo, e nao
em frente de Palermo....
Vollando, porm, a Walker, declarava-lho o
capilo Salmn, que < algum o direito de fazer guerra a um governo
esiabelccidos ; e accrcsceutava que, embora o
itinhaur., rr.p;c a0 Bstavam ai alfandega, ti-
vessera sido lirados por qualquer uos uoiueu
de Walker e nao por este, era por isso ficava
ello a salvo da responsabilidad ; que tratasse,
pois, de os restituir, e que se dispozesse tambera
para pagar o seu embarque e o dos cornpanhei-
ros, porque uo iriam de graga.
Estou cerlo [conclua o capitao) que vos con-
formareis cora as rainhas exigencias, por isso que
nao ignoraes qual seria o resultado de urna re-
cusa.
Walker teve a imprudencia de acreditar que
poderia sublrahir-so a esta araeaca ; e, pouco re-
solvido a indemnisar a alfaodega de Trujillo, as-
sim como a pagar as despesas de urna retirada,
que lhe nao era menos custosa para o amor pro-
prio do que para a bolsa, Iratou de evadtr-se ao
longo da costa. O capilo mandou apoz delle
alguns barcos carregados de tropa de Honduras,
que alennearam Walker no Rio-Negro, quatro
milhas da cosa : Walker declarou queso rendia
ao representante de S. M. B., e a elle foi que
enlregou a espada, so formos a dar crdito a um
protesto que o mesmo Walker dictou e assignou
quando soube que o iam passar para as mos do
governo de Honduras.
O protesto concebido nestes termos :
f Protesto cu, pela presente, perante o mun-
do civlisado, que quando me rendi ao capitao
do vapor Icarus, de S M. B., este official rece-
beu expressamente [erpressly] a minha espada e
pistolas, assim como as armas do coronel Rudler,
declarando eu ento expressamente que s me
rendia ao representante de S. 51. B.
A bordo do vapor Icarus, 5 de setembro de
1860. William Vfalker.
tomariam as vingancas da reaco, c protestavam
contra a sua partida."
Se o exerclo sardo tivesse cedido a esle im-
pulso popular, se elle all permanaeesse, prehen.
chia os votos secretos, e correspondera talvet os
clculos de certos homens ; mas comprometa
seriamente a causa da Italia. Disseraos o que
pensamos da entrada de Vctor Emmanuel, nao
s no reino de aples, mas as Marcas e na Om-
bra, e o que ento disseraos, estamos promptos
a repel-lo agora ; mas seria injusto para nos I
dexarde mostrar que, no exercito sardo, se nao!
encontr um nico homem, que ento nao re-1
pellisse, como um crinie, qualquer pensamento
de lula impia enlre os cornpanheiros d'armas de i
Magenta e de Solferino.
Permaneceremos, pois, em Roma, Viterbo,
e Civila Vecchia; a nossa misso lem engrande-
cido com os acontecimentos, e nao seremos infe- ;
riores a essa misso sejam quaes forem os deve-
ico <^io noo^mponlia.
Mas nao se deve esperar da Franca o que
impropriamente se pedio aos antigos partidos;
ura zelo lao ruidoso quanlo menos siucero.
_ Os discpulos do padre Loriquet estendem 3
mo aos discpulos do Voltaire, os apostlos do
passivismo aos apostlos do eclectismo os des-
classilicados de 1830, aos desclassifica, dos de
1848, e lodos, reunindo os seus impotentes ran-
cores, enprehenderara era cominqni a mais
monstruosa cruzada.
Sabe-se qual tem sido o resultado desses
pueris esforgos.
Os actos de aniraaco que procedern, a
lucia, asconsolaces que'seguiram a derrota nao
poderiam Iludir quanto ao egosmo e esterilidade I
de semelhantes tentativas.
A coragera natural, e at se se quizer o pro-
prio herosmo, dos combatentes nunca foram
suficientes para o triumpho de certas causas.
A3 pequeas ou grandes coalisoes teem cahi-
do por trra, nunca se poderain sustentar.
Quanto ao governo imperial, tranquillo 110
meio de lanas intrigas, prosegue lmperlurbavel-
menle o caminho que encelou.
Para restabelecer o papa no Vaticano venceu
ha pouco aqueilesque actualmente mostram um
zelo to ardente, esobre ludo to novo; cobrin-
do hoje com a sua prolego o potnmonio de S.
Pedro, e fazendo restabelecer a autoridade do
soberano pontfice, do espera o menor recouhe-
cimento.
Cumpre sem pensamento reservado, e cora
urna nobre simplicidade, o que julga ser do seu
dever.
o comraando do Sr. coronel "Hygino Jos Co-,
Iho, compnsta do 4o balalhao do arlilharia a p,
guarrtecendo 8 boceas de fogo, e do 9o batalho '
de infantoria, esleja postada era linha na frente
da igreja de Nossa Senhora da Conceigo dos'
Militares, as 11 horas do dia 8 desle mez, para]
fazer as honras da festividade que na dita igreja'
lera a respectiva irmandade de celebrara Vrgera '
Iramaculada da Conceigo, padroeira do imperio.'
A infantaria ir municiada para dar tres sal-1
vas, e a arlilharia urna de 21 Uro?.
Assignado Jos Antonio da Fonceca Galcao, I
Conforme.Antonio Eneas Gustavo Galvao. I
alferes ajudante de ordens interino do com-
mando.
EXTERIOR.
L-se no Times : \
Que querera fazer esScs tres soberanos solem-
nemente encerrados ei) conclave ? A opinio
publica parece dizer qu vao reparar os dai-
nos que todos os lyrannos da Europa teem cau-
sado. O papa, tmidamente, espera sem me-
nor dunda, que o patnareba da egreja grega e o
regente de um reino protestante e constitucional
queram foigar os calholicos rebeldes a soffrer
um principe temporal frente da egreja. Tam-
ben se nao duvida que o rei de aples, espera
que se forme urna santa allianga, cujo Ora ha de
ser a sua restaurago.
O imperador da Austria conta evidentemente
com urna liga offeosiva e deffensiva, para o tra-
zer ao estado de voltar ao antigo rgimen, de
manter a concordata, de opprimir a Hungra, e
lhe dar occasio para supprimir essa especie de
parlamento que boje d prova de to grande es-
pirito de independencia. Quantos outros inte-
quarto no hotel de S. Carlos. Descendo urna ma-
nha ao caf daquelle hotel, foi all encontrado
por ires amigos flibusleiro, que o injuriaran, por
todos os modos.
O amanuense do cnsul ingiez, que acompa-
nhava o capitao, quiz inlervir, mas tambem foi
maltratado, e obrigado a fugir a toda a pressa,
levando consigo o seu companheiro. Estes fados,
que necessariamento ho de dar lugar a ura pe-
dido de explicagoes da parle do governo brilanni
co, nao carece decoramenlaros.
Os jornaes de New-York do a este respeto al-
guns pormenores, que nao deixaro de ser lidos
com interesse.
Quando Walker foi levado como prisioneiro
para bordo do vapnr ingiez Icarus, o antes que
fosse entreguo s autoridades de Trujillo, ura
americano, residente naquella cidade, obteve l-
cenga para visitar o prisioneiro.
Por essa occasio entregou-lhe Wulker, para
serem publicados os originaes da corresponden-
cia que linha mediado enlre elleo capto ingiez,
assim como um protesto contra a sua extradiego
s autoridades de Honduras.
O primeiro destes documentos urna carta do
commandante Norwell Salmn, do Icarus. datada
de 21 de agosto de 1860, e dirigida ao Sr. William
Walker, em Trujillo para lhe notificar, sem mais
prembulos :
t Quo as receitas da alfandega do porto "de
Trujillo, hypothecadas ao governo ingiez para pa-
gamento de urna divida publica, linham sido des-
viadas da applicajao normal pela oceupago do
dilo porto ;
2 Que urna somma de 2,025 dollars era metal
e oulra de 1,390 dollars em papis de crdito,
que linham ficado na alfandega, quando Walker
se apoderou da cidade, pertenciaro ao governo
Art. 1. Os objectos de origem ou manufactu-
rados em Inglaterra, mencionados na tarifa an-
nexa presento convengo e importados directa-
meuto do Reino-Unido, com bandeira franceza,
ou brilannica, sero admitlidos em Frauca con
os direitos Puados na dita tarifa.
Arl. 2." Para se poder esUbclecer que os pro-
ducios sao de origora ou manufactura brilannica.
^ o importador dever apresentar na alfandega
lente { franceza, assim urna declarago official feita pe-
i?-' iran!e uin mgistrado britannico do ponto d'onde
livor sido feila a expedico, como um certificado
expedido pelo chefe do serrgo do alfandegas do
porlo de embarque, mesmo por um certificado
dos cnsules ou agentes consulares de Franca
nos pontos de que se fizer a expeJico, ou nos
porlos de embarque.
Os cnsules ou agentes consulares de Franca
aqu designados, legalisaro as assigualuias das
autoridades brilannicas.
Arl. 3. O importador de machinas inleiras ou
pegas, de origem ou manufactura brilannica. Pi-
ca dispensado di obrgagao de apresentar na al-
I [aniega franceza o modela ou dobuxo do objectu
i importado.
Art. 4." O importador de urna mercadura de
origem ou manufactura brilannica, dever juuUc
declarago do seu valor, e ao certificado da sua
i origera urna factura em que se indique o prego
I legal, procedente do vendedor ou fabricante, a
I qual ser visada por um coasul ou agente cou-
| sular no Reino-Unido.
Art. 5." Se estes arligos tiverem sido anterior-
mente postos era deposito, os direilos sero per-
1 cbidos sezundo n valor d'csses artigos no mo-
| morolo da sua admisso effectiva era rranga.
j Arl. 6. O importador respeito do qual a al-
i fandega franceza quizer exercer o direilo de ap-
| preftensao estabelecido no tratado de 23 de janei-
I ro de 1860. poder requorer o examc da sua mer-
| cadoria por peritos.
A mesma faculdade ter a alfandega franceza,
quando nao julgue conveniente recorrer inme-
diatamente apprehenso.
Art. 7." Se o perito declarar que a mercado-
ra nao lem seno um valor superior de 5 por
cento ao que declarou o importador, ser cobra-
do o direito da mxima declarago.
Se o valor apresentado superior ao de 5 por
cento declarado, a alfandega poder, sua esco-
Iha, exercer a apprehenso, ou perceber o direi-
to sobre o valor determinado pelos perlos.
Eslo direito augmentar 50 por cenlo. a titulo
de multa, se a avaliago dos peritos fr de 10
por centj superior ao valor declarado.
Se o valor determinado pela deciso dos arbi-
tros exceder o valor declarado de uns 5 por cen-
to, as despezas sero pagas pelo declarante ; no
caso contrario ticaro a cargo da alfandega fran-
ceza.
Arl. 8." No caso previsto no artigo 6o, os dous
arbitros peritos sero nomeados, ura pelo decla-
rante, e outro pelo chefe local do servico de al-
fandegas francezas ; no caso de empale, ou se
por ventura sechegar a arbitragem, urna vez que
o declarante o doseje, os peritos podero no-
mear um lercciro ; so houver desintelligencia es-
te ser nomeado pelo presidente do tribunal do
commercio do porto em que se flzer a Introduc-
e na sua falla, pelo presidente do tribunal
resses chocados contara, igualmente com a con-1 ingiez, em virtude da mencionada hypolheca ;
ferenciade Yarsovia. A prnpria Sulssa est vol-1 3o Que acessago completa do commercio, exu-
ltada para aq.ue.Us potencias absolutas, e, se-lsadapela oceupaco da cidade, afleclava lieasi-Uunipreheaderao quanlo isi de'couU.buvr pata o
A publicago deste conciso e expressivo docu-
mento produzio viva impresso nos Estados-Uni-
dos, onde o revez de Walker, recebido a prin-
cipio com cerla indifferenga, mudou logo do as-
pecto, desde o momento em que constou que o
aventureiro americano tinha sido entregue
morte, nao pelas povoacoes que invadir, mas
por um eslrangeiro por um ingiez I
O artigo do Constitucionel, a que se d grande
importancia por se suppor que sao aquellas as
ideas do governo francez, depois de desculpar o
imperador das censuras que lhe dirigem, tanlo os
unitarios como os conservadores, por causa do
estado da Italia, conclue indicando nos termos
seguintes oque se deve fazer :
O que ha a fazer e qual o caminho que se
deve seguir ?... Militas objeeges se teem feito
contra a reunio de ura congresso.* Um congres-
so s seria impossvel quando as potencias que
devera tomar parte nelle nao pnssim chegar a um
accordo. Seria isto assim?... Neste ultimo anno,
tem-se verificado na Europa 11ra grande movi-
raento, sera todava so lhe prestara devida atten-
co.
Quando o imperador, no principio do anno
de 1859, advogou a causa da Italia, esta apenas
linha em seu favor a opinio geral do paiz. Des-
de ento mudarara as cousas : a Inglaterra, que
reclamava a in-iol.abilida le dos tratados do 1815,
pede agora que seja mantida a unidade italiana ;
3 Prussia n'um documento recente, redigido pelo
distnclo diplmala que est a tesia dos nezocios
estrangeiros, reconhece na nacionalidade italiana
um feliz presagio para a sua propra naconalida-
do ; a Russia, sob a influencia de um monarcha
liberal, esl disoosta a apreciar quanto vale um
elemento novo na vida das nagdes ; a propra
Austria tem o maior interesse em se libertar das
incertezas que pesam sobre ella : e as reformas
que acaba de adoptar sao urna prova nao equivo-
ca de que esl resolvida a seguir urna poltica h
beral. Pelo que diz respeito Franga, fiel aos
inieresses que tem defendido, e nao tendo con-
trahido compromissos, ella ulilisar n'um con-
gresso a reserva de que accusala, o a modera-
go com que lem procedido. Por isto, melhor
do que qualquer oulra potencia, a Fianga pode
indicar os pontos de transaeco entre todas as di-
vergencias. Depois de teremancipado a llalla,
sustentado o Papa em Roma, e condemnado a
invaso dos Estados Romanos e das Duns Sicilias,
ella faz respeitar o principio da nao Intervengan,
sendo a primeira a respeila-lo. Procedondo as-
sim, a Franga nao pode tornar-se suspeita 4 Ita-
lia, nem ao pontificado, nem Europa. Deposi-
tamos inleira conlianga na inteligencia dos sobe-
ranas que devem ser representados no conoces-
so, e por isso lemos a convkgao de qu& cites
cao,
Basta a sua dedcago, como basta para a do commercio mais prximo,
sua gloria, conservar esse poder temporal da 1 A deciso arbitral dever dar-s no prazo de
Santa S, que teria sido muito mais compromet- I quinze dias que se seguirem reunio da arbi-
ldo pelos seus amigos do que pelos seus adver-
sarios, so o imperador dos francezes nao fosse
protege-lo.
Proclamaeo do general Benedeek
No momento em que termino a minha misso
e deixo a dircego provisoria deste paiz, consi-
dero-me ditoso em poder, antes de abandonara
minha patria,aannunciar os meus compatriotas as
inlcnces patriticas de S M. apostlica.
Os desejos do paiz foram salisfeitos. S. M.
dignou-se determinar o restabelecimento das
inslituigoes consliluclonaes e legaes.
Nulro a (irme convcgo de que esto acto pa-
ternal e magnnimo do nosso bondoso soberano,
ha do ser apreciado por todos enm o devido reco-
nheciraeulo, e de que a fideldade e adheso
dynaslia e ao throno sero mantidas inalteravcl-
inenle e recebero urna plena conlirmago.
Nao conlinuarei frente da administrago se-
no at ao momento em que as autoridades le-
gaes entraren) no exercicio das suas funecoes.
Estou cerlo de que os meus compatriotas rae
teem auxiliado na conservago da ordem, e de-
sejo levar a agradavel convcgo de me nao ter
engaado, quando affirmei que este nobro paiz
quer e ama a ordem. lleconhego esl.a qualidade
nos meus compatriotas, e neila fundo a minha
confianga. Esle paiz ha de provarao mundo que,
(ornando a entrar no seu estado constitucional,
sabe conservar a ordem.
Tere urna prova bem grata ao meu corago
vendo que se faz justiga s minias intengoes, e
que posso dzcr em voz alta : os meus compa-
triotas comprehenderara os sentraentos pater-
naes do uoss > magnnimo soberano, e ou viram o
seu chefe militar; evitaran, a necessidade de
manter a ordem empregando a forca, e teem sa-
bido limitar os seus desejos a ser testemunhasda
tranquillidade e satisfago da patria Viva o rei!
Viva a patria !
Ofeu, 21 de outubro de 1860.
Benedtck.
Convenco commercial entre a In-
glaterra e a Franca.
S. M. o imperador dos Franceze3, e S. M. a
rainha da Gra-Bretanhae Irlanda, desejando as-
sogurar a execcao do tratado do commercio
concluido entre si a 23 de Janeiro de 1860. don-
tro dos limtese da maneira piovista pelo segun-
do artigo addicional d'aqaolle tratado, resolve-
tragem.
Art. 9." Independentemente dos direilos de al-
fandega, os arligos prateados ou dourados, os ob-
jectos de prata, platina ou outros metaes de ma-
nufactura bnt.innica, importados em Franca, es-
taro sujeitos ao regimeu de registo estabelecido
neste paiz para os artigos semelhantes de fabri-
caces nacionaes, e pagaro, se houver lugar, o
mesmo prego que aquelle, segundo os direitos
de morc o garanta.
Art. 10. A larifa annexa presente convengo
flcar inmediatamente em execugao, indepen-
dentemente dos arligos j admitlidos em rutada
do tratado de 23 de Janeiro ultimo, como assucar
refinado, metaes manufacturados, machinas, pe-
gas de machinas, ferramentas e instrumentos
inicameos de todas as qualidades.
Art. 11. A presente convengo ter a mesma
durago do tratado concluido entre as altas par-
tes contratantes era 23 de Janeiro ultimo, do qual
faz parte integrante
Art. 12. A presonle convengo ser ratificada,
e estas ratiGcagdes sero trocadas em Pars no
prazo de quinzo dias, ou antes, se for possivel.
Em f do que os plenipotenciarios respectivos
o assignaram e sellaran, com o sello das suas ar-
mas.
Feito em duplicado, em Paris, no da 12
mez de setembro de 1860.
Assignados
Thpuvenel, Roucher, Con:ley, Ric, Cobden.
do
Participacao do general Cia'dini
Esta manha, 20 de outubro, entre as T e 8
horas, foi atacado meu posto avancado as altu-
ras do Maceroni, por tres columnas inmigas.
compostas de uns cinco a seis mil homens, a sa-
ber ; tres mil gendarmes de infantera, mil e qui-
nhentos homens de primeira liuha, mil e duzen-
tos ou rail e quinhentos urbanos e duas pegas
d'artilheria.
O general Griffini permaneceu durante hora e
rais as alturas de Maceroni, s com dous bata-
ihes de bersaglieri, e urna secgo de artlheria.
Daquelle ponto, olhando para o campo, observa-
va os movimenlos das tres columnas iuimigas.
Urna dellas vinha directamente com o fim de ata-
car o centro, e as outras duas subiam pelos con-
trafortes laleraes de Macerooi para verem se con-
seguan, envolver a posigo. Marche! contra
aquello ponto com a maior celeridade que pude,
por um caminho largo e monlanhoso, cora a bri-
gada Regina, desenvolvendo rpidamente alguns
batalhoes para a diteita e esquerda, e avanzando
'ILEGVEL


w
IARIO DE PEMLAMWJCO. SEXTA fEllA 7 DE DEZEMBRO DE 1860.
ao mesmo lempo para o centro. Era menos de
meia hora envolvemos compUtamenr* o ioimi
que eslava para isso ulhorisado por Garlbaldi.
Desde bmIm nao insisliu mals r. Palavicino,
go, cujo valor era muito loferior ao dos nessos formulou a sua demissao, e dirigiu-se para Ci-
soldados. | serla, onde dentro era pouco poude aprese'nlar a
Um esquadrSo de lanceiros de Novara, com- I Garibaldi a questo de fazer diliuilivamente es-
mandados pelo capitao Montiglio, guiad pelo colha eolre elle e Crisp. O dictador proc
combaler a resoluto do raarquez ; mas em
proprio general GrifHni, e seguido ao galope pelo
stimo de berssglieri, persegua os fugitivos, e
i hegon primeiro do que elles i Isernia.
Nao podemos indicar o numere de prisionei-
ros que fizemos. Direi nicamente que o gene-
ral Douglas Scotli, commandaMu daquellas tro-
procurou
pr*
senes de sua insistencia, dissea Mr. Pallaviciuo
que apreciava os semeosdo ministro dos nego-
cios eslrangeiros ; qe os seus conselhus Ihe ti-
nham sempre sido de ura grande auxilio ; Qnal-
. mente que lioha o senlimenlo de nao poder, des-
pas, varios otBciaos superioresalguns inferiores,, la vez, dar completa satisacjio aos desdas do seu
e centenares de soldados, eslao em nosso poder, velho amigo.
Todo o corpo do gcoeral Griffiui, o esquadrao j Mr. Pallavicino profundamento ferido na sua
Monliglio, o sexto e stimo de bersaglieri. e o proflsso de f, que o colloca7a superior a um
primeiro batalhao do nono de iufanteria, condu- rival detestado, e justamente castigado do seu
ziram-se admin.vdmente : faram elles que Gze- recente enlhusiasmo polo grande homem, alirou-
ram tudo. Ihe com a sua deraissao esquecendo, talvez, as
Mando para Sulmons, acompanhado pelo con- \ formulas parlamentares adoptadas em semlhan-
de de Borromeo, meu ajudanie, o general Scotti, tes oceasiocs. Garibaldi acceitou-a (oreado, e
que consenle ii'isso. Esla Urde, quaudo tlver deu-segpiessa a dirigir-se para aples fim'de
infonnaces mais delalhadas. darei urna iuforma-. leular reslabclecer o equilibrio entre o ministerio
cao circumstanciada desta singular batalha, que i e a sua afleijo por Crisp,
nos deu um bello resultado, e na qual livemos
um kisiguilicanle numero de feridos.
O general cumraandanto
do quarto corpo,
Cialdini.
. ,, ,v, a > r i;. jio, jjrc;as a supunori J
O boato da demissao do pro-dictador, j es-, nosso fogo e bravura das nonas tropa!
painado na capital, tinha produzido urna emojao victoria importante nao custon muilas vid
geni. (Js napolitanos, cedendo sua justa in-
. O gabinete de Turin communicou aos agentes
diplomticos e consulares das differentes cortes,
o bloqueio de Messina e de Garla ; esla commu-
nici-co provocou urna circular do governo de
Fiaticisco II aos scus representantes no eslran- |
geiro, a qual reproduzinios em seguida :
Circular.
O ministro dos negocios eslrangeiros do gover-
no revolucionario que se estabelcceu em ap-
les dirigi, com data de 6 desle mez, ao corpo
consular o diplomaiico que reprsenla as poten-
cias amigas de el-rei, meu augusto soberano,
uina nota eni que se declara o bloqueio do Mes-
s-ina e de Cela, e em que se annuncia lambem
a expedico dos navios de guerra que se julgam
necessanos pan efleciuar esse bloqueio
O governo de S. M. nao sabe se una disposi-
ro Uo i-onlraria ao direito das gentes tenha si-
Co reconhecida por neohum dos repreaeotantes
tas corles estrangeiras ; todava, julga do eeu
lever protestar da maneira mais enrgica e ex-
plcita a respeito desse novo attentado contra os
principios que formara a base da existencia das
naces.
O sjberano legitimo do reino das Duas-Sici-
lias, reduzido, pela mais escandalosa invasn, a
deendor-se na linha militar do Cipua e de Gae-
ta, v-se atacado nao s por Ierra pelas forjas
di revolucao, mas mandam-se para combat-lo
es navios da sua propria marinha, e para blo-
queado.
As potencias europeas nao podiam reconhecer
um bloqueio decrelado por um poder Ilegitimo,
aim de inipor is demais naces o sacrificio da
liberdade martima e da inlerrupco do seu com-
mcicio.
Garibaldi nao representa um governo ; ap-
les revolucionada nao urna naco. A nica a-
fio reconhecida pelos iralados o reino das
)uas-Sicilias. e o soberano desse reino reeonbe-
cido por todos os monarchas est actaalmente
am Cela.
O bloquera de Garibaldi portante Ilegal, e
nenhuma noci deve acceilar assuas consequen*
cas, porque os actos illegitimos de hostilidade
maritima, a inlerrupcao arbiiraiia do comraercio '
das n.n.c s neulraes sao. segundo o direilo das :
gentes, arlos manifeslos de pirataria.
Nao c possivel que a Europa civ'Hisada do se- |
culu XIX tolere a pirataria no Mediterrneo, e
nao poderia admittii-sc nem por um momelo
que as potencias martimas vissem impassivcl-
menlo actos que Iranstornaram os principios de
direilo publico e internacional, adquiridos i eus-
dignaco, proferiram ameacas contra Garibaldi.
que era iccusado de querer espalhar a desordera
e a discordia no paz A guarda nacional" dis-i
tinguia-se as suas manifesiacoes publicas, gri-
taudo : Viva Vctor Emmauuel 1 Viva a monar-
chia conslilucional.
Cliegando neste meio terapo o dictador, rcu-
niu desde logo a guarda nacional. Que que-
ris v,s pois ? disse elle a esses soldados ciJa-
dos.lque leudes dado tantas provas de amor,
pela drdem .'0 rci Vctor Enimanuel, e uina
constiluiyo, exc'.aniarim elles, emquanlo algunias vozes soladas pediam. O pro-dicta-
dor Pallavicino, e a annexa^o immedinla 1
Garibaldi responden que o pro-dictador li-
nha dado a sua deraissao em termos taes que Ihe
nao eral possivel voltar ao excrcioio d'aquellas
funccdeiL cora quanto o senlissesinceramente as-
sim pelo\paiz como por si proprio.Viclor Em-
mauuel, nccrescenlou elle, estar dentro em pen-
co no meta de vos. Eu depositarei aos ps de S.
M. lodos o* poderes que julgueis dever assumir
no inleress da causa nacional, e me reurarei.
Os vossos destinos vo estar ligados aos do rei
here, que siempre ha de fazer a felicidade dos
seus subdiiosX Tenho pensado que a raonarchia
constitucional Vob o governo de Viclor Emma-
uuel, o unico\meio de chegar i unidade italia-
na ; mas eu sou\republicano de inslinclos e de
coraVao, ejmail^ renegarei os mous principios.
Gariballi, arates de partir par Casera, reu-
ni os ministros ijue lodos otlercceram sua de-
raissao, menos o eterno Crisp.
Eis a maneira porque se expressa a correspon-
dencia, a respeito de urna oceurrencia que por
algunsdas agilou os espirilos em aples ; af-
nalas cousas compuzeram se, cando Mr. Pal-
lavicino, investido no seu cargo.
de deesa, continuando em perseguijao do ioimi-
go que fugia em grande desordem.
Nesta mesma oocasiao, urna columna ingiera
tinha penetrado era oulro ponto ; o aumpamen-
to entrinchoirado era, pois, nosso, Urna pona
quo fui lanzada no fosso permillio que o resto
das nossas tropas complolasse a oceupaco ; e
perseguico, pesar de ser demorad, em consa-
quencia do grande numero de canaes que cortara
.em lodo o sentido o interior do acampamento
eninncheirado, continuou al alm do lado op-
poslo, Noslo momento, e depois de urna confe-
rencia que Uve com o general Grant, resolvemos
operar.
Grande numero de cadveres abandonados no
sitio onde haviam sido feridos, perlo de cem en-
contrados as casas da aldeia, os corpos do al-
guna mndanos deolevada calhegoria que s
suicidaram quaudo viram que as suas Iropas fu-
giam, atiestan, que as perdas do inimgo foram
sensiveis, o sao prova evidente de que a nossa
arlilheria raiadi faz estragos prodigiosos.
Quanto aos nossos, urna outra participacao
far ver a V. Fxc. que, gracas superioridade do
as, esla
.idas.
ricaram em nosso poder 15 pecas de brome,
nao coutando com muilas boceas de fogo de
pequeo calibre.
O inimigo na sua fgida abandonou lambem
um numero tao avultado de bandeiras, que eu
man Jei-as destruir enlendendo nao as dever tra-
zer para o meu acampamento
Tenho a honra de vos dirigir por este correio
urna copia da ordem geral n. 85. V. Exc. alli
ver o uoine dos ollkiaes o soldados que se dis-
tinguirs) minha vista, nesta ac$5o brilhanle, o
que eu entendi dever citar na ordom do exer-
cilo.
O coronel de Bcntzman, commandanlo da ar-
lilheria, auxiliado pelo coronel Foullon Gran-
champs, dirigi as suas bateras cora um vigor
e precisao que eslao cima de todo o elogio.
Acceilai, eleC. Montauban, general com-
maudaiite em chefe da expedQo da China.
De urna correspondencia de Londres extraa-
mos a seguidle parte, respeito da conferencia
do \arsovia, de que lano se lem fallado e es-
cupi :
O facto que hoje mais chama a atlencau, e
escuso dizer que os nglezes julgara-o como
mu satisfactorio, o completo fiaico do que se
chama a conferencia do Varsovis, e digo que se
chima, porque na roalidade nao hiuve tal con-
ferencia.
-- Informam-nos que no dia Io do correte,
pelas 7 horas-da noit-, fra assassinado, pouco
alera da ponte de Molocolomb, um preto de
nomo Pedro, escravo do Sr. Antonio Pinto de
Azevedo, morador e estabelecido na ra da
rraia desta cidade.
O infeliz venda fructas, e o producto desse dia
occasionou-lhe a raotte, que Ihe foi dada por
urna cacetadajia fonto!
Ignoramos as providencias dadas pela polica
lo local, e inesmo nao sabemos se o facto foi
levado aoconhecimento da autoridade superior;
mas o que oerto que elle nao Ihe foi desco-
nocido, porque por sua parte foi avisado o se-
ntior do referido escravo, afim de tratar do en-
terramento do mesmo, segundo no-lo in-
formam.
Consta-nos que apparecera o cadver de
urna preta, que empregava-se em vender fazen-
das, para parles da Ibura, nchando-se elle j
em pulreaccao, quandofui descoberto.
Dizeni que o crime dera-se no lugar denomi-
au~Au que lea prximo Ibura.
Anda ignoramos as providencias da polica
dos Amgados acerca desta emergencia ; mas co-
mo quer que seja, nao podemos deixac do aler-
ta-la na prevengo do crime, que sem duvida
alguraa o seu principal caracterstico, mormenle
quando esse crime se liga vida, para a qual
nao lia reparacao possivel, quande roubada.
..,"" -i?0 dia 10 dcve *er lugar o processo de ha-
bilitado para o concurso das cadeiras de ins-
truccao elementar, que acham-se vagas ou fo-
ram novamenle creadas.
Inscreveram-se para as respectivas provas os
seguinles candidatos:
Torquato Laurentino Ferreira de Mello.
Manoel Marinho Cavalcanli de Albuquerque.
Justino Eugenio Lavenere.
Vicente Umbelino Cavalcanli da Albuquerque.
Joaquim Gomes de Souz.
Francisco da Silva Miranda.
Joaquim Verissimo de Lacerda Jnior.
Ricardo de Souza Ramos.
Virgilio Vieira da Costa Pinto.
Passageiro do palacho americano Henry
A. edier, vindo de New-York Angelo D.
Marci.
- Passageiros do hiate brasileiro Xicolo I,
sabido para o Aracaty: Dr. Francisco Jacinlho
j de Sampaio, Pergentino da Costa Lobo, Francis-
co Jos Carneiro e 2 criados.
I Passgeiros do vapor brasileiro Paran, sa-
h:do para os porlos do sul: Francisco Telles
( de Carvalho Vasconcello3, Eugenia e 1 criado.
Augusto da Silva Ribeiro e sua senhora, Joa-
quim Constantino de Moura
400#000
400*000
200K000
19231-09
24OSO0O
200S000
144S000
144$000
2W000
2I6000
200*000
192500O
2 0JJ0OO
3600O0
216S9O0
240-5000'
192ft000!
1990001
2iagooo
lOgOOO
- Costa, Lucas Mi-
Desde logo era cousa que revollava o senso* l^eus Monteiro de Castro e I criado, Manoel Jo-
iniuni. que para fazer alarde de urna virtuosa sf Monteiro da Silva e 1 criado, Manoel Euphro-
1:4005000
O commanJante daexpedico franceza na Chi-
na, dirigi ao governo do imperador a seguiule
communicacao acerca das ultimas operagoes.
Quailel general de Sin-Kho 18 de agosto de
18b0.
O general commandante em chefe das tropas
fiancezas na China ao ministro da guerra.
Sr. marechal.Tenho a honra de vos dirigir
o seguiule relalorio das operacoes de 14 do
agosto.
O exercito alliado que sahio de Peh-Tang, no
12, depois de repellira cavallaria do inimigo,
dia
e desalojar a sua infantaria das posicoes enlrin-
cheiradas que oesupava em volla d Sin Kho,
insia!lou-se na noile deste mesmo dia, em volt.i
oesta aldeia, Situada na parle superior de todas
as defezas da margera esquerda do Pei-Ho. No
mesmo dia, em consequeucia de um reconheci-
. monto feito na estrada que parte de Sin-
la de lanos esforens. Confiado plenamente nes- Kho, rouslou-mo que a 5 kilmetros de distan-
tes principios, o ministro dos negocios eslran- ca, existia um grandt
indignado contra o despojador e violador de ter-
rens oalheios, se reunissem os Ires desmembra-
dores da Polonia na capital dessa mesma Polo-
nia, despedazada, dividida e aniquilada contra
loda a razao e lodo o dirci'o pelas naces que
Ihe eram verdaderamente cstranhas, que nao
fallavam o seu idioma nem professavam a sua
rehgiao, e das quaes nao tinha solicitido a absorp- f'*ta Imperial, major Herculano Sancho da Silva
cao que Ihe impozeram pela forca das armas. | edr, sua senh
L'm protesto laucado de Varsoiia contra as
zino C 1 criado, Zelirino Jos da Rocha, Cusiodio
Jos Leite Salles, Antonio Miguel Costa Braga,
Jos Joiquim Ribeiro Campos. Francisco Xa-
vier de Mallos Telles, Jos Pereira dos Santos,
Antonio Moreira, Joaquim Cajneiro de Campos,
Hennque da Silva, Manoel de Gouveia, Dr. Luiz
Francisco da Fontoura Lima, Francisco Maria da
Reros, abaixo assigoado, dirige-se a V. E\c.
por ordem de seu soberano, encarregande o de
expor aos ministros dos negocios eslrangeiros
de... as razes conlidas oesto despacho.
e acampamento entrinehei-
ou, e
Uun
rado as proximidades da aldeia de Tang K ...
deirendido de urna maneira rauili seria, tanto uor.pMe-
annexacoes da Italia era eminenteme-ile ridiculo,
era oppusto ao llicalro em que a farra se repre-
sentava, e daria ao mundo a irresistirel tentacao
do responder ; m-dico, cura-lc a li proprio.
I Como quer que seja. a conferencia mallog-ou-
se completamente. Desde o primeiro instante
todos reconheceiam a sua impotencia e a absoluta
uocessidade de estarem de aecrdo. A Russia
na Ja polia offerecer, porque nao tem nada ;
nem um real no thesouro. nem raeioi de adqui-
ri-lo ; nem ura soldado que lirar do seu territo-
rio, sem grave risco de produzir n'ellc geral con-
flagraco. A guerra do Oriente redu/.io-a
mais absoluta inapetencia, e hoje o seu peso
millo na balanea do equilibrio europeu.
A Austria Unibcm nada podia ollerecer pelas
raesmas polerosas razes. A sua impotencia an-
da mais apparente que a da Russia. Treme
e a Hungra, e faz Urdas concjsses que a
ria acceila comdesprcso. Na Italia quer e nao
Discurso proferido por lord
inerstu em Londres.
Temos sido bastante felizes para favorecer e
'"'''" d^oonvM.imrnlu Ud IIOeMdUe pUllUCtt i
nos outros paizes. leno-lo feito, nio dando
ordena, nem intervindo com mo armada, nem i
mesmo impondo aos povoa que nao queriam ou ;
Dio eslavan preparados para ella, innovecesl
proprias para o seu bem ; mas temol-o feito au-
xiliandoos que se sustentara a si proprios, e aiu-;
Jando nos outros paizes o desemvolviraeolo dos I
priucinos de liberdado poltica de que temos a
ventura do gosareutre nos.
b'esla maneira contribualos na Blgica para
o esUbelecimenlo de um syslema de governo
i;ue tem tornado esse paiz to feliz e prospero
i uno qualquer oulro paiz no mando.
Desta maneira ajudamos os hospanhoes o os
portuguezes a obler conslitui^es moldadas nos
principios geraes da nossa, e essas constituices
leem augmentado muito a felicidade desses pai-
zes. Actualmente vemos que em outra parle da
luropa meridional, se effecti
espero poderio coudo?.ir ao eatabeleciraento de
um syslema na Italia lao fivoravel felicidade
e prosperidade dos italianos, uuanio Ihes tem si-
do contrario o de cerlos goveroos anteriores.
Mas, sonhores, a nossa allaoca nao mais do
quo a accao da opinao : deixamos os italianos
regular os seos proprios negocios, e tu Jo quanlo
esperamos c desejamds que ouiros paizes si-
gan) o nosso exemplo, c que os pvos da Italia
dotados de tantos dons da naturesa, se deize o
brar livremenle nos seus proprios assumpios da
mam ira que Ibes pareca mais adequada a seu
b'm-eslar e ventura.
obstculos naturaes como
ria o de arlilharia.
liste acampamento, que se apoiava no Pei-Ho,
so era accessivel por dous pontos; um delles era
Pal can,'nno lIJe seguimos no dia ti, e que aclian-
do-se cercado de pantanos nao permitlia o desen
| voli imenlo de arlilharia e infantaria ; e o oulro
poni, que foi adoptado pelo general em chefe
ingle/ e por mira
e commum ue
esquerda do rio Pei-Ho. Este terreno esla-
va cunado por numerosos canses, que apro-
scnlaram nossa marcha difiiculdades que
foram vencidas, gra:as ao auxilio zehso inlelli-
gente da engenharia, da arlilharia e dos sapa-
dores.
Desta maneira podamos aproximar-nos dos
lOtrincbeiramentos a poni do desenvolvermos
as baleras do.sdous exejjcitos, rompendo um fo-
go io, deslruindo em grande parle ai defezas
do inimigo, o fazeudo sahir immediatameate as
columnas desuadas ao ass lio, asqu'acs susten-
tadas pela maior parto das nossas torcas, doviam
lomar as posiges inimigas.
! Tal foi o plano adoptado, e na manhaa do dia
, 14, os dous exordios puzeram se em movimen-
I lo na ordem seguiule
le. Accurnula grandes forcas no Vneto, sem so
jver fazer cousa proveitosacom ellas, porque
c
os
un mudancas que I o v "erSUo nglw. apoiando a sua dreila no
le-lo. descia parallelaiuenln ao rio, emquanlo
que as duas brigadas Jamln o Collineau, em co-
lumna cerraja, marchavam sua esquerda e na
m-sma altura. Tola a Linha de infantaria era
preced Ja pela arlilharia, que foi a primeira a
entrar era accao, esla era tambera cobeita e apoia-
ua, sobretudo a esquerda, por una vanguarda
de infantaria composia da segrate maneira : urna
corapaiihia de engenharia, 20 homens dos ma-
rinhoirosde desembarque, e duas companhias de
eacadores a p.
O terreno que t'mhamos a percorrer era menos
lirme do que aquello que seguiram os nossos
Senhores. na vossa felicitacao leudes reconhe- ?l"',Jos' todava a marcha do exercito nao sof-
-do (jue. gracas sollicUnde do governo, todos i I*" Kr lsso dcmora alguma. As oito horas, ss
nossos compatriotas nos paizes est'rangei- >aS, balc/'as de,'. e a seceo de fugeles come-
envolver jamis era maquinaQcs ou era conspi-
rares. Sirailhante paiz, digo eu, deve ser res-
peitado na pessoa dos seus subditos.
Emquanlo ordem interna, que nos agrade-
ceis haver mantido, esse um dos priineiros
deveres do poder execuvo. Mas felezmente em
Ing'aterra usse dever do governo fcil, e a sua
taiefa est muito alliviada pelo bom senliruento
do povo.
O rasgo caraclerislico da nacao ingleza, (e a-
to oque mais|admiram os eslrangeiros que ve-
em ao nosso paiz) a maneira por que o povo
ingln se dirige e so regula a si proprio Esla
manutenco da ordern pelo proprio povo, e esta
obediencia lei sao a melhor garanlia da Iran-
qmlidr.de publica. Ambas constituem o princi-
pio elementar em que assenta a prosperidade
progrcssiva do paiz, debaixo do poni do visla
commercial e industrial : e o que em tudo islo
ha de mais feliz, nao deixemos senhores, de o
piopagar, que cada da se vao aportando mais
intimamente os vnculos de afleic.ao que unci,
e que espero nunca deixarao de unir a sobera-
no e os subditos do reino.
por forcas de infanta- ulre
est entre a espada ea pared*, recetando aama-
ca da retaguarda com o descoutenlamento da
Hungra, e recejando anda mais a arheaca da
frente cora os francezes o italianos. O faci de
haver augmentado Napoleao um quarto batalhao
aos seus legimentos bstanla significativo, e a
Austria cutenJa-osera neeessidode de commeu-
paja -r nessa lnha^irincipul tario*.
operacoes era a margom t En qnarm a rrussia, que faz sempre jogo
de dous paos cora a Russia e cura a Inglaterra,
julganJo possivel conciliar eslreila amisa.le corri
as duas, conveuceu-se de q-ie, pelo norte nada
tem que ganhar, que alli s ha urna impotencia
irremediavel, e volta os olhos para i allianga in-
gleza, que para ella a raais conveniente e a
mais segura.
Nao houve, pois, conferencia, porque se nao
Conferenciou. E longe de luver amisade e har-
mona, fui tal o desconcert, que se toruou abso-
lutamente indispensavei dissolver a reuniao
quanto aules, renunciar a festejos e cagadas, e
apressar-se cada qual regressar ao seu paiz,
antes de que a Europa visse a cousa cora maior
clareza.
a Para isso l.mcou-se raao do pretexto trans-
parente do euferuiidadc da imperatriz viuva da
Russia ; pretexto e s pretexto, porque essa il-
lusiro senhora eslava lo doento como ha seis
raezes ; alera disso, as doencas d'uma imperatriz
yiuva nunca servirarn de fnsuperavel obstculo
as eooverendss polticas dos principes.
que eloquentemente provou a reuniao de
Varsovia foi que so dissolvou para scrapre o
grande phautasraa do norte, que cada um dos
elementos quo o coinpunha lera que resinar-sc
viver em sua casa e deixar em paz o meio-
dia, para quo searranje como Ihe pareca melhor
e sera a ntervencao de tutores. A cansa do libe-
ralismo em geral ganha rauilo. A nossa consoien-
cia porm, obriga-nos sermos singularmente
escrupulosos era respeilaros direlos dos outros.
Aqui, com respeito Italia, tirara-so destes
lactjs os seguinles prognosticos : a Italia arnu-
jar-se-ba como se accommeda melhor com a
poltica de Luiz Napoleiio, o qual, como natu-
ral, depois do nuiaoel desaire de Varsovia, nao
estar muito inclinado fazer com que esse ar-
ranjo seja particularmenle grato s potencias do
norte.
Na primavera prxima veremos para que se
augmenlou o quarto batalhao dos regiraonlos
francezes. Provavehnente ser paga p,,ra com-
pletar a negra dniso geographlca que separa
Veneza da Auslria e a rene Italia. A guerra
parece inevitayel. O Constilucionel, de Paris
destes ltimos das tem elogiado muito a Austria!
e proclamado a necessidade absoluta da paz. Islo
comdera-se corno ioJubilavel annuncio de qUe
a guerra nao esl distante.
De urna correspondencia de aples publicada
pelo Consiitulionnel, extrahimos os seguinles de-
talhes acerca dos incidentes que ali se ofTerece-
nm relativamente demissao do pro-dictador Pa-
lavicino, e do ministerio napolitano Ainda quo
essa demissao se nao tenha vericado, nem por
isso deixam de merecer interesse as circumslan-
cias aponladas pelo correspondente. Ei-las:
O honsonle cobriu-se repentinamente de nu-
vens. e os aconleciraentos succedem se mais as-
sustadores do qua nunca. Na sesso do conse-
lho propoz o ministro Crispi como medida de urna
absoluta necessidade, a derrogacao do decreto do
plebiscito. O prodictador de aples aooiadn --- -------------------,
pelo asseniimcnto unnime dos demais memhm I a uas companhlas do dezembarque, coraman-
do gabinete, regeilou a in.empcsliva propoTt! d : S&dSa'SEftll7'l K Cmpa-
ministro dos negocios eslrangeiros. A discusso I ml^J t b1?l?ln?0 ?e eacadores, sob o com-
""^.S SxVdVumtg'vfd^imr brda d f3S'
O teneote coronel Schmitz lanQou-se no fosso
que eslava cheio de agua, seguido pelos capies
Chame e Guerrier do eslado-malor general e
os eapues Paillot o Etienae do 2." batalhao de
eacadores a p.
Foi elle o primeiro que chegou ao alto do
parapeilo, e alli collocou a bandea
em prsenos de todo o exerdto
immediato peimillir que o ccronel Benizman
aproximasse a sua linha, por raoviuiento de fo-
go, por raeias bateras. A balera do obuzes de
monlauha enlrou em linha, apenas a distancia
diminuida lornou o seu fogo de alguma ulili-
dade.
Durante este tempo. as nossas massas de in-
lanlana conservaram-se a distancia, e eu fazia
executor nossa extrema esquaira, no camioho
que j ndiquei, nma diverso por duas pecas de-
4, susteuladas pelo segundo batalhao de infama-
ra de marraba. Estas duas pecis deviam con-
servar-se altura da esquerda d exercilo, e des-
truirem as defezas situadas na extreraidde do
caniinho que seguia ; sendo esle o ponto por on-
de devia dirigir-se a columna de os3alio.
A artilharia aproximou-se at 400 metro.s sob
um fogo que ia dirainuindo gradualmente. A
maior parte dos projectis inimigos passavam por
; cima dos nossos arli.heiros, e lam cahir em ter-
reno onde nao eslavam tropas, muito adiante da
nossa infantaria, quo enlao so achava formada
por batallioes.
As nove horis ja o fogo dos chinezes tinha
cessado quasi completamente, excepc.ao de al-
gumas bateras da sua extrema direila que ainda
faziam fogo sobre a nossa esquerda.
0 momento do grande ataque linha chegado,
e depois de mo entender com o general Grant'
tralei de fazer avancar raais a toda a minha in-
fanlaria ; dei ordem ao lenle coronel S;hmitz
mru chfc de oslado maior general, que formas-
se as tropas da vanguar&a era columnas de assal-
lo. e que fosse lomar, frente dellas, os inlrin-
cheiraraentos inimigo9.
Esle ofTicial superior, aposar de so adiar enlao
graveraenle doeule, cumprio a sua misso com
rara energa.
A companhia de engenharia seguida dos colo-
nr chinezes [coolies), que levavara as escadas,
hora e t filho, alferes njudante Luiz
Antonio Ferraz Jnior, cirurgiao Dr. Alcibiades
Jos d Azevedo Pedra. 1 cabo e 5 soldados, Can-
dido Jos Rodrigues Torres, Pompilio Cavalcanli
de Mello, Decio Cielo Guedes Ico e 1 criado, Io
maclunisla do vapor Thetis Francisco Rodri-
gues Branco, Manoel Luiz Rezende de Brito, D.
Joanna Paulina de Siqueira, Mauoel Vicente d:
Araujo Barros, Americo Jos dos Santos, Elpidio
d Aranjo Rodrijues, Lourenco Bezerra C. u'Al-
buquerque, D. Eliza Galvo Carapeba, Francis- i
co Leopoldo da Silva Lisboa, Gerallo Augusto ;
de Mello e 1 criado, Alipio Autran da Malla Al-
bu(juerqae, Paulo Aulran, Dr. Manoel Pereira !
Guimares. Pedro Camello Pessa, Manoel de!
Mallos Teixeira Lima, Jos Jernimo da Costa,
Prosper Vanderkand, Vicente Candido Ferreira
Tounnho, Manoel d'Audrade Martins Vallasques,
Jernimo Siraes, 8 escravos a entregar a
Araujo Gomos tV C, 1 escravo de nome Luiz a
entregar a BerniMo Jos Pinto, os seguinles
escravos: Elias, Raymundo, Cosme, Honorato.
Jos, Ocilio, Joo, Francisco, Antonio, Thora, !
Cassiana, Severino, Luiza, Manoel, Anaslacio,
Ado, Jos, Mximo, Felicia e Bernardo ; Flo-
rencio Ferreira de Faria, Luiz Caelano M. Bar- i
relo, Francisco Antonio de Araujo, Eustaquio'
Gurn, Francisco Joaquim Al ves Rodrigues, Sal-I
vador Pires de Carvalho Albuquerque Jnior, i
Manoel Teixeira Aristides Jos de Azeve-
do, Georgcs Br-mer, Frederico Kioig, Fran-
cisco Ferreira Pacheco de Mello. Antonio Silve-
rio Uaroosaaa suva. 10 apreudlzes marinherros,
por conta do ministro da marinha. Matheos Jos
da Costa, por conta do ministro da guerra, alte-
res Joaquim Jos Luiz de Souza, sua senhora e 2 '
ilhos, D. Candida Leopoldina e 1 menor, Felip- !
pe Daltro de Castro, Joo Gnim, 2 escravos per-
lencento a Joao Pereira Babello Braga.
M.VTADOL'RO PI.'BLICO !
Malaram-so no dia 6 do corrcnle para
sumo desta cidade 47 rezes.
UOBTALID&DE DO DIA 6
Vicente Ferreira
annoi.; hopalile chronica.
Jacinlho Jos dos Santos, branco, solteiro, 35
annos ; pstulas malignas.
Davina, branca, tres mezes; interite.
Rachel, preta, escrava, 2 annos; sarampo.
Jos Bernardo dos Reis Lima, branco, casado,
23 annos ; Ihysica pulmonar.
Sebasliao, pardo, 14 mezes; congeslo cere-
bral.
Luisa, preta, cscrava, 5 mezes; convulses.
Gellrudes Maria da Conceicao, parda, solleira,
35 annos ; tubrculo pulmonar.
Virginia, preta, solleira, esi
anemia.
Andr, preto, escravo, tres dias; espasmo.
Daraazio, preto, 7 annos ; gaslro-enterite.
o con-
DO COMIENTE.
Coimbra, branco, casado, 51
escrava, 35 annos ;
por ............................
dem 4. O raesrao, casa leTrea
arrendada por....................
dem 6. O mesmo, casa terrea
ai rendada por....................
dem 8. O mesmo, casa terrea
arrendajo por....................
dem 10. O mesmo, casa torrea
arrenda Ja por....................
dem 12. O mesmo, casa teirea
arrendada por....................
Uou 14. O mesmo, casa terrea
arrendada por....................
dem 16.U inesmo, casa terrea
arrendada por....................
dem 18. O ruesrao, casa terrea
dpt*,m;i (in> nioiMi is" iicic m." oecopada pelo mesmo, por......
uiuuid que pdaam as Casas per- Idcm o0. _& memo, casa terrea
iCDcentes a Ircgiiczia da Boa-Vis-1 arrendada por....................
ta lelo limulm' In'iA PoiIpa HaiIJe, -2- Mll">el Goncalves da
ia, puo MlltdUOl JOaO rCIO (Je Silva, casa terrea arrendada por
Jess da Malla.
CONSULADO PROVINCIAL.
4Ucpacoes feitas do lancameato da
vares da Gama, casa terrea ar-
rendada por......................
dem 36.O mesmo, casa terrea ar-
rendada por......................
dem 3. Afilouio Fernandes Li-
ma, casa terrea arrendada por ..
dem 5.Padre Marcellino Anlonio
Dornellas, casa terrea arrendada
por ..............................
dem 9. Francisco Garca Chaves,
casa terrea arrendada por......
dem 17.Domingos Pereira, casa
terrea arrendada por............
dem 21. Jos Antonio Bitten-
court, casa terrea arrendada por
dem 23. O mesmo, casa terrea
arrendada por....................
dem 29. Irmandade do Senhor
Bom-Jesus da Via-Sacra, casa
terrea arrendada por............
dem 35. Jos Antonio Bastos,
casa terrea arrendada por........
dem 37. Dr. Jos Rodrigues dos
Passos, casa terrea arrendada
por .............................
IJcm 39 Alexandre dos Santos
Barros, casa terrea arrendada por
dem 41.Herdeiros de Maria Joa-
quina da Aununciac.ao, casa ter-
rea arrendada por...............
dem SI,Herdeiros de Jos Flix
da Cruz, casa lerrea arrendada
por ..............................
dem 67. Custodio ntcnio Soa-
res, casa lerrea arrendada por ..
dem 69.Jos Antonio Bastos, ca-
sa terrea arrendada por.........
dem 73.O mesmo, casa terrea ar-
rendada por......................"
dem 75. mesmo, casa terrea ar-
ren la la por......................
dem 85.Francisco Jos Leite, ca-
sa terrea arrendada por........
dem 91. Francisco Garcia Cha-
ves, casa lerrea arrendada por..
dem 97.Francisco Rodrigues da
Cruz, casa terrea arrendada por.
Ra da Passagem.
N. 2.Josephina Sebastiana Caval-
canti de Albuquerque, sobrado
do l andar e loja e mais 4 mcia-
aguas, a loja dividila em 8 quar-
tos, arrendado tudo por.......... l:06i$000
dem 4.Jos Joaquim de Olivei-
ra, sobrado de 1 andar e loja, ar-
rendado tudo por................
dem 10. Mana Candida de Oli-
veira, casa terrea cora I quarto ao
la Jo dividido em 2, arrendado
tudo por..........................
dem 12. Thereza Gongalves do
Jess Azevedo, casa terrea arren-
dada por.........................
dem 11. A me^ma, casa em meia-
agua arrendada por..............
dem 16.A mesois, casa terrea ar-
rendada por......................
dem 24. A mesma, sobrado de
1 sndar e loja, arrendado tudo
por .............................
dem 26.A mesma, casa lerrea ar-
rendida por......................
dem 28. A mesma, casa terrea
o'cupa !a pela mesma,e mais urna
dita dita na entrada do purlao,
arrendado per....................
dem 7. Manoel Antonio da Sil-
va Rios, casa terrea arrendada
por ..............................
dem 9. O mesmo, casa terrea
arrendada por....................
dem II. O mesmo, casa terrea
arrendada por....................
dem 13. mesmo, casa terrea
arrendada por..................
dem 15.) mesmo, casa lerrea
arrendada por ...................
dem 17. Herdeiros de Januario
Alcxandrino Rabello da Silva Ca-
neca, casa terrea arrendada por
dem 27.Jos da Fonseca e Sil-
va, casa lerrea arrendada por...
em 9. Thereza Goncalves de
UJesus Azevedo, casa terrea ar-
rendada por .....................
Travessa da ra da Passagem.
t. 2.Jos Paulino de Almdda, t
lAlheiro que serve de olaria, ar-
reudsdo por .....................
llera -4 Anlonio Joaquim Fer-
reira de Souza, casa terrea com
1 meia agua no oilao, arrendado
tudo por........................
dem 1. Antonio Joaquim do
Mello, casa terrea arrendada por
Becco da ra da Passagem.
N. 1.Manoel Teixeira, 1 meia-
agua arrendada por..............
dem 3. O mesmo, urna meia-
aiSua arrendada por.............r
Ra do Cojoeiro.
N. 3. Hospital Portuguez, casa
lerrea com sotao pago pelo mes-
mo, e mais 4 casas, tudo por___
Ra de Henriques Dias.
N. 2. Jos Baplista Ribeiro de
Faiias, casa torrea arrendada
s de Sales, casa terrea arrenda-
da por............................
dem 75.Joo Antonio Csrpinleiro
da Silva, casa terrea arrendada
por...............................
Ra da Esperanca.
N. 4. Isidoro dos Anjos da Por-
ciuncula, casa terrea arrendada
por...............................
dem 2.Antonio Procopio de Sou-
z Saicellos, casa terrea arrenda-
da por...........................
dem 12. Dr. Jos' de Alme'ida
Soares de Lima Bastos, casa ter-
rea arrendada por................
dem 14.O mesmo, casa terrea ar-
rendada aor......................
dem 16.O mesmo, casa terrea ar-
rendada por......................
dem 18.Herdeiros de Joao Jos
do Reg, casa terrea arrendada
por......................
dem 32.Ludovina Maria da'c'on-
ceigao, casa torrea arrendada por
dem 34.Luiz Gomes de Azevedo,
casa lerrea arrendada por........
Idera 38.Candido de Albuquerque
Marauho, casa lerrea arrendada
por......................
dem i.O mesmo, casa terrea ar-
rendada por......................
dem 46.Pedro Gomes, um por-
tao com quatro meia-aguas, ar-
rendado lulo por.................
dem 48. Paschoal Alves de
Aguiar, casa lerrea arrendada
por...............................
dem 60.Antonio Joaquim Pache-
co Bastos, ca3a terrea arrendada
por...............................
dem 62-----Joao Miguel Teixeira,
iMMani.^caM lmea arrendada por........
2,00000,Ucm 66. Antonio Jos Soares,
casa terrea com soto arrendada
por .............................
dem 74.Antonia Francisca Car-
daval, casa terrea cora 30lo ar-
rendada por.....................
dem 1. Amonio Caldoso do
Oliveira, casa lerrea arrendada
por. .............................
dem 5.Francisco da Costa Ama-
ral, casa terrea arrendada por ...
dem 3.Manoel Machado Vieira,
casa terrea arrendada por........
dem 27.Antonio Joaquim Ferrei-
ra Porto, casa terrea arrendada
por...............................
dem 33. Joo Pires de Moura".
1925000
96g00
96S000
96;000
800f000
400000
bOOSOOU
-280J000
250;000
280SO0O
3005)00
300JOOO
casa lerrea arrendada por...'.___
dem 35.Francisco da Costa Ama-
ral, casa terrea arrendada por___
Idera 43.Anlonio Joaquim da Cos-
ta e Silva, casa terrea dividida
era duas arrendada por...........
dem 55.Henriqueta Mara da Con-
ceicao, casa terrea anendada por
dem 49.Luiza Uaaia do Patroci-
nio, casa terrea arrenJaJa por...
(Conlinuar-se-ha)
24O&0OO
200&OOQ
20OJJ00O
3604000
2050GO
. 240J00O
240OOO
2005000
1445000
96$00O
96*000
96*000
3S4SO0O
1683000
90OO
120J000
600*000-
600*000
l$00
Il4f000
1 ftJOOO
ijcooo
96$C00
216JO0O
IC-jOOO
72*0C0
I6S;000
30.)00
600.-JOO
120*000
OigOOO
osouo
OOgOOO
96;00
l:200g000
CHRONICA JUlCURIft.
TRIBUNAL DO COMMERCIO.
SESSO ADMINISTRATIVA EM 6 DE DEZEM-
BRO DE 1860.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DF.SEMBARCADOB
K. .i. DE SOUZA.
As 10 horas da manhaa, reunidos osSrs. depu-
o Sr. pre-
[Jornal do Commercio,te Lisbi]
ou
dendo com o auxilio de argumentos plausiveis
conseguir vencer a obstinaco de Mr. Crispi, ofle-
receu-se para dirigir-se a Casera, attra de sub-
meller o negocio a Garibaldi, devendo os minis-
tros sujeitar-se deciso do dictador.
A estas palavras levanlou-se Crispi trium-
phante, e declarou ao pro-dictador e aos scus
collegas, que tinha pedido a derrogacao do de-
creto que convocara os poros para o dia 21, por-
alto
nacional
tropa, wrtmm^Umwliikiton^Sllff* """entes
REVISTA DIARIA.
Anle-hontem abriram-se as propostas olTere-
cidas para o transporto de gneros da estacao
das C;nco-Pontas para o Recite; e 'entre ellas
avultam duas como mais importantes pelas van-
tagens olTerecidas, apesar de proprem ponlos de
chegada diUerentes.
Urna assigna para esla o Forte do Mallos
larso da Assembla e* ra do Trapiche.
Por este lado, esla ullima preferivel como
mais conveniente ao comraercio e ao agricultor
cujos gneros lenham do ser transportados |
porquauto, sendo o ponto da chegada proposlo
no centro da vida commercial, mais prompla ser
a eulrega e a venda do producto agrcola condu-
zido.
A outra, alm de nao ollerecer oslas condic-
coes do localidade, e que sao capitaes para o ca-
so tem o inconveniente das areias, que all sao
abundantes, de maneira a atolarem os vehculos
de conducho.
Com as palavras quo ah consignamos, nao
procuramos advogar os interesses desta propos-
ta sobre os d'aquella ; procuramos apenas os in-
teresses do agricultor, que nesta materia devem
ser os primeiros, pois que pagando o transporte,
leem o direilo de exigir o melhor ponto de che-
gada para os seus productos ; e sendo este ponto
aquella em que o commercio mais vida manifes-
la, acha-se por certo nesta condc,ao a praca do
Corpo Sanio, como o centro e o lugar de reuniao
do nosso commercio.
Nao den-se hontem a arremataco da illu-
minago publica da cidade de linda, por nao
respectiva lici-
Ruj do Colovello.
N. 9.Simplicio Xavier da Fonseca,
casa terrea arrendada por........
dem 26.Manoel dos Santos Nu-
nes de Olivcira, casa lerrea ar-
rendada por...................._
dem 38.Dr. Christovao dos San-
ios Cavalcanli, casa terrea ar-
rendada por......................
dem 36.Jos Ignacio Xavier, ca-
sa terrea arrendada por ........
dem 38. Viuva e herdeiros de
Jos dos Sanios Nones de Olivci-
ra, casa terrea arrendada por..
dem 40.Simio Jos deAzeveo
Santos, casa terrea arrendada
por ...........,..................
dem 1.Francisco Manoel da Sil-
va Tavares. 1 sobrado de 2 anda-
res e 1 loja, arrendado" ludo por
dem 9.Jos Teixeira Bas.os, ca-
sa terrea arrendada por........
Idera 15.Mariauna Dorolha Joa-
quina, casa terrea arrendada por
dem |l9.Fructuoso Martins Go-
mes, casalerrea arrendada por..
dem 21. Lucianna Claudina de
Mallos, casa terrea arrendada por
dem 39. Luiz rereira Raposo,
casa terrea arrendada por........
dem 39.Anna Joaquina da Con-
ceicao, casa lerrea arrendada por
dem 49 Joo Jos de Carvalho
Moraes, casa terrea arrendada
por ..............................
Ra do Mondego.
N. 10. Flix Venancio de Conta-
licio, casa terrea arrendada por..
dem 12. Miguel Archaujo Fer-
nandos Vianna, casa terrea ar-
rendada por......................
dem 14. Manoel Caroliao Fer-
reira de Carvalho, casa terrea ar-
rendada por......................
dem 26. Irmandade de Nossa
Senhora da Conceicao de Bebe-
ribe, casa lerrea arrrendada por
dem 28.Joo Jos Fernandes de
Carvalho, casa terrea arrendada
por..............................
dem 30. Gabriel Anlonio, casa
terrea arrendada por............
Idea 34.Padre Francisco Jos Ta-
210*000
96*000
96*000
145*000
2!i>000
2i0[000
900*000
144*000
144*000
3003000
192g000
216*000
150*000
200S000
240*000
200*000
dem 26. O mesmo, casa lerrea
arrendada por....................
dem 3. O mesmo, casa terrea
arrendada por....................
Wem 5. O mosmo, casa terrea ar-
rendada por......................
dem 7. O mesmo, 1 sobrado de
1 andar e loja, occupaJj pelo
mesmo, e mais duas casas ter-
reas, arrendado tudo por........
Becco de Henrique Dias.
Numero 1. O mesmo, casa lerrea
arrendada por.................,..
Becco da ra Real.
N. 2. Anlonio Furtado, 1 meia-
agua terrea arrendada por......
Idera 4.O mesmo, 1 nida-agua
arrendada por....................
Ra Real.
N. 1.Anna Barbosa Correa de Mel-
lo, casa terrea arrendada por.....
dem 7.Dr. Jos dos Santos Nunes
e Oliveira, casi terrea arrendada
por...............................
Idera 23.Manoel Pereira Teixeira,
casa lerrea arrendada por........
dem 27.O mesmo, casa terea ar-
rendada por......................
dem 29. O mesmo, casa lerrea
arrendada por....................
Idprn 31Herdeiros de padre Jos
Goncalves. casa terrea arrendada
por .............................
dem 37. Maria da Luz Teixeira
Costa, casa lerrea dividida em
duas arrendada por...............
dem 39.Albino Jos Ferreira da
Cunha, casa lerrea arrendada por
dem 53.O mesmo, casa terrea com
ura quarto ao lado arrendada por
dem 55. O mesmo, casa lerrea
arrendada por....................
dem 59.Joo Anlonio Carpinteiro
da Silva, casa lerrea arrendada
por ..............................
192^000. dem 63. O mesmo, casa terrea
I arrendada por....................
i dem 65. A menor Ignacia, casa
144##00l terrea arrendada por.............
, dem 67.Thereza de Jess Maria,
I casa terrea arrendada por........
1 UjOOO dem 0. Adelo Jos de Mo-
raes, casa lerrea de madeira ar-
laOfOOOi rendada por......................
< ideas 71.Herdeiros de Candido Jo-
la Jos Reg, Leraos, Bastos e Silveira
sidente ueclarou aborta a ses*ao.
Foram lidas c approvaao as actas das duas an-
tecedentes.
EXPEDIENTE.
L'm oTicio do ageretario Jo ineritissimo tribu-
nal do comraercio do Haranho, de 12 de novem-
aUUfUUU j bro ultimo, comraunicando a nomeagao de urc
agente_ de leiloes naquella praea.Accuse-se a
reccp;o e archive-se.
DESPACHOS.
L'm requerraento de Joo de AlmeJa Montei-
ro, pedindo o registro da escriptara de hypolheci
que aprsenla.Hegislre-se.
Oulro de Roatroo Ruoker iSi Companhia, pe
dindo o registro da procuraciu que oulorgam a
Prederico Charles Cox.Como requer.
Oulro de Frederico Lopes Guimaraes, inter-
prete nomcaJo, pedindo que seja lotaJo o seu
emprego, aura de poJer pagar os direilos do seu.
titulo.A' vista das Iraducces que lera appare-
cido ueste tribunal julgam' que os rendimentos
do officio de interprete- nao possa exceder de 150
! 200 mil reis.
Outro de James Crabtree i Companhia, pedin-
do o registro da nomcago de seu caixeiro Ma-
noel Vctor de Jess da Malta. Como reque-
rem.
Oujro de Francisco Ferreira Borses, gerenle da
companhia Pernambucana de navegaco coslei-
ra, pedindo caita de registro do vapor Jajuaril
perlencenle a mesma companhia. Vista ao Srl
desembargador fiscal.
Outro de Antonio Bernardo Quinteiro, Miguel
Bernardo Qoinleiro e Luiz Goncalves Agr, pe-
dindo o registro do seu contrato social. Vista
ao Sr. desembargador fiscal.
Outro de diversos commerciantes da pra^.i, re-
clamando contra a resolucoda Associac,o Com-
mercial Beneficentc. lem ttido Assoeiarjao
Commercial com a sua petico, afim de apreciar
novaracnle o objecto resolvendo-o por maioria
de seus socios, permanecen lo os usos cujas alte-
rares pretende, em quanto nao forem compe-
tentemente derrogades.
Outro de Jos da Cunha, Brasileiro, de 75 an-
nos de idade, estabelecido com commercio de
gneros do paiz e eslrangeiros, pedindo matn-
cular-se.Vista ao senhor desembargador Gscal,
Outro de Lourenco Pereira da Silva Pimentel.
Jos M. Sanios Aguiar e Joo da Silva Ramos,
120*000 salisfazendo o despacho deste tribunal para re-
gistrar o seu contrato.Regislrc-sc.
Nada mais houve.
20SOOO;
180*000:
180*0001
180*000 i
180*000
120*000
180*000
180*000
120*000
500*000
1*45000
14000
600*000
1:100*000
300*000
96*000
72*000
2 U*000
600*000
216*000
200gOOO
150*000
360*000
188*000
180*000
156*000
8ig000
SESSAOJL'DICIARIA EM 6 DE DEZEMBRO.
PRESIDENCIA DO EXM. SK. DESEMBARGADOR
SOLZA.
Secretario, Julio Guimaraes.
A meia hora depois do meio-dia, o Exm. Sr.
presidente declarou aberta a sesso, adiando-se
presentes os Srs. desembargadores Villares, o
Silva Guimaraes, e ossenhores deputados Reg,
Lomos, e Bastos.
A acta da sesso de 29 do mez lindo, foi lida o
approvada. .
JILO AMEMOS.
Appellantes, Braga & Antuncs; appellado,
Henrique Gibson.
Foi confirmada a senteu^a e assignado o ac-
cordo.
Appellante, Manoel Jos Ferreira de Gusmao;
appdlados, os administradores da massa fallida
de Nov-aes C.
Foi confirmada a senlenca, o assignado o ac-
corflo.
Pela falla de comparccimenlo do Sr. deputado
supplenle Velloso Soares, jais certo. nao pode
entrar era julgaraenlos os embargos que pendem
da appellago entre partes J
Appellantes, o presidente e directores da caixo
filial do banco do Brasil nesta provincia ; appd-
lados, N. O. Biebcr & C. c J. Keller 4 C.
Nao havendo nada mais a tratar, o Sr. presi-
dente encerrou a sesso.
Communicados.
Que epitheto merece um ente que sempre tem
vivido a cusa alheia, e a perlo de ura auno que
fortiori hospedou-se em casa de um amigo, co-
mendo, bebendo fazendo charaJas, apnnhando
passaros, diz elle para os amigos da corle (que ve-
Ihaco) alardeando sua sciencia engarrafada, cen-
surando e reprovando a sabedoria das leis, que-
MfMX)| rendo prescrever mximas de boa administraco
nrnnnJa moral'- Este uluro preceptor (que horror) que
o bem e sustentar o que diz por ser esla a quali-
dade esseocial do homem falsario, que s Ihe
convm viver a gagosa illudindo osiocauos, in-
trigando de casa em casa, filando o jantar de uus-
0 cha de outros, e por fim retirando-se todo cheio-
de seu orgulho para a casa onde hospedou-se a
fortiori, toca a fallar e criticar do B... tal do C...
tal, etc., pessoas estas de quera filou o jantar ou
120*000
144*000
72|000
ILEGVEI


^W<^%BH>,
JLsil
DIARIO DE WSR5AIIWXX). -^ SET* FHRA 7. B DEZEMBRO M fWO.
{>
o cha. Oh I quo bello carcter! I Que encllente
director para a mocilade Que modelo de virtu-
des! Tondo dito peraale diversas pessoas que -
certu mogo dilatava-lhe ludoque se dizia em cer- esses?
ta casa, hoje nega cora a fradesca, sem ceremo-
nia que Ihe natural. E para desencargo de cons-
ciencia (que nunca tere) ou para melhor sacrifi-
car esle honrado mogo, o nomeou vice-direclor
do futuro collegio (que logro). As gentilezas do
nosso hroe sao por de mais contiendas, j como
falsificador de papis p... como pelo modo dis-
lincto com que bateu-se em certa villa, onde co-
Iheu os louros do triuuipho como esperava, e de
que era dignissiraoll.. etc. Se quiz lugar a casa
para o futuro collegio, foi preciso dar um Dador!
E quem foi o dador ? aquelle a quem o dosso
hroe tem chamado venal, subornador.. etc. etc.,
al logo.
O inimigo dos falsarios.
Pablicacoes a pedido.
NEMA
A morte do ineu amija o cadete
Antonio Hara de Souza Lobo, al-
teres em contmissao.
A' familia do finado.
Louvem ao tmulo aquel-
le que parece um cadver:
tu nao pesaste sobre a tr-
ra, a trra teseja leve.
Tocaste emGm os trminos da vida I
Na tendado sepulcro hmida, escura,
Repousas da jomada.
QuantH vida perdeu-so ahicomtigo !
i>ue son los, que esperancas seductoras
No s a fronte gelad !
Bcra rpida passou-lhe a primavera,
Bera codo o sol de sua mocidade
No occaso s'escoiideu.
E' umi aurora que expira sem poente,
Una estrella que luz da madrugada
Desmaia-se no cu 1
For que morreu ?Atroz fatalidade
Persegue a nossa pobre caravana
Nos deserlos da vida ;
E o phantasma da morte escarnecendo
Dos prantos que choramos, insensivel,
Nao para, niio trpida !
Camirha e sempre, e sempre ambiciosa
Vai seus golpes descendo sobre as ftontes
Que brilham de mais luz.
Olhsi por esse alera de sepulturas,
Quanlas esp'ranras esfolhadas, murchas
Da morlo sob a cruz !
Elle ora muito moco, na bainha
inda vjrgem a espada lhe dorma ;
Que nunca batalhou.
Valenle.se sou peilo nao cercava
De fulgidas medalhas, o combate
Tambera nunca o chamou.
Tivera niuitos louros para a fronle,
Wuitos brazes de honra e de bravura
P'ra o peito guarnecer.
Se a ino de Deus baixando imperiosa
Nao lhe viesse, suffocando a vida,
O corpo entorpecer.
E' trsle se morrerassim 15o moco !
Quando, o sangue maisqueolo nos borbulha
A flor do coragao ;
E vidos de gloria e de Iriuraphos
Sentimos a alma cheia de esperancas
E seivae animarn !
Foi triste e muito triste o leu deslino.
Quem presentir que to cedo havias
Recolher-te no cu ?
Ilontemvivo sorrias para o mundo,
Hojemudo cadver le reclinas
Em fro mausoleo !
Nao choremos, irmos ; quando estacarmos
No marro d -rradeiro da existencia,
Torobando sepultura ;
F.' que temos o exilio completado,
E as azas da morte nos erguemos
A' nossa patria pura !
Dorme, cadver, o leu somno eterno,
Tu Fostea roupa que vestio urna alma'
Que Deus chamou si.
Agora eu te orvallando de meus prantos
Atiesto ao mundo que nao fui ingrato,
Quo amei e choro ti.
2 do dezerobro de 1860.
Victoriano Palhares.
Outros ministros nao reformaram a institu-
gao, rospeitando < honradez do veterano da in-
dependencia. Has que outros ministros sao
Se nenhum, i exeepeo do Sr. Reg
Barros, leve a autorisacao que passou na lei de
14 de de selembro do anno passado, como pode-
riara ellos reformar a reparlico do ajudante-ge-
neral.
Ese a lei assim o determinou, como poderia o
Sr. Reg Barros deixar de cumprir oseu precei-
to ? O Mercantil quizera que se nao locasse na
repartigo do ajudante-general, imitando-ae a
delicadeza que o Sr. Sergio leve para com os Srs.
Maooel Felizardo e Euzebio deixando de reformar
reparligoes em que servom estes senhores. E
assim escreve a folhaque nao cessa de fallar em
cardeaes e consistorios, imputando-lhcs a posso
exclusiva dos empregos e posicSes importantes 1
O Mercantil, pelo que vemos e deduzimos das
suas palavras, quando falla em cardeaes nao faz
mais do que attribuir aos seus adversarios polti-
cos osysteraa que o seu partido seguio e preten-
de seguirse subir ao poder, systema quo o Sr.
Santos Brrelo condemnou chamando o inferno
de Dante.
As leis nao se fazem para individuos, e minis-
tro nenhum pode suspender a sua execugo por
deferencias.
Servigostem o Sr. baro de Suruhy que gran-
geam o respeilo e considerago era todo o impe-
rio, mas igual respeilo e considerago merece o-
ministro quo se nao affasla das disposiges da lei,
embora assaz prezes o dislncto general. O que
diria a maioria que se pronunciou e votou em lei
a reforma da reparlico do ajudante-general, se
um ministro lhe dissesse a nao cumpri a lei por
deferencias? o que diria o Mercantil J canlaria
a pallinodia, desdizendo-se de quanto lera escrip-
lo em condemnago dos suppostos cardeaes, para
quem, do seu dizer, sao millas as nossas leis ?
E que peso poder-se-ha dar ao interesse pha-
risaico com que se quer inculcar que pela refor-
ma da secretaria o repartigo do ajudaote-geoe-
ral ficou o nobre baro rehajxado na sua posigu?
Se assim fora, rebaixado estava o Sr. Souza e Mel-
lo, que do ministerio passou a commaudar a es-
cola central, recebando e cumprindo orjensjda
repartic.no onde mezesou semanas antes referen-
dava decretos; rcbaixados estariam os Srs. Mu-
ritiia, Paranhos e Z3charias, servindo hoje no
conselho naval, a que, nao ha muito, expediam
avisos ; rebaixado estara o proprio Sr baro de
Suruhy, que, depois de tersido mais de urna vez
ministro da guerra, oceupava os cargos do cora-
maud.inte de armas e de ajudante-general, su-
bordinados ao ministerio que exercera.
A reforma na reparlico do ajudante-general
era to arJeotemente reclamada no corpo legis-
lativo que o Sr. Saraiva em julho do anno pas-
sado hypolhecou era plena sesso oseu voto ao
ministerio, a quem fazia viva opposigo, se qui-
zesse realisar a mesma reforma. Nao houve urna
voz que mostrasse a conveniencia de continuar
como eslava a reparlico, e a lei passou em am-
bas as cmaras.
J ve, pois, o Icitor que ao ministro actual cou-
be execular a lei pela qual votaram os mesmos
que hoje o censuram por nao preterir a sua ob-
servancia, citando exemplos de delicadeza que
nem existem uem poderia m servir de aresto se
com eTcito fossem exactos. E a passar o princi-
pio, quo se invoca, de rebaixamento de prestigio
e considerago quando nm funecionario passa de
emprego maior para outro que se nao considera
de igual categora, seguir-se-hia que todo o que
fosse urna vez ministro de estado nunca mais
aceitara urna presidencia, nem qualquer outro
lugar, porque todos dependem e recebom ordens
do ministerio. Seguir-se-hia que um ex-minis-
Iro nao poderia advogar porque passava a traba-
Ihar perante um juiz ou tribunal a quem j li-
vesss dado ordens.
Nao nos faremos cargo de responder hoje a
quanto escreve o Mercantil em opposigo ao mi-
nisterio; para oseguinte artigo reservamos apre-
sentar urna demonslroco da despeza que se fazia
e da que se far agora com a secretaria de esta-
do e mais reparligoes reformadas.
Ver o leilor que, longo de sobrecarregarem-
se os cofres pblicos com augmento de despezas,
houve pelo contrario urna economa superior a
que a lei recommendou, e avaliar-se-ha ento
que poni chegou o exaltamento opposictonista
do Mercantil.
[Jornal do Commercio do Rio"!
RIO DE .1 A\I 1RO.
O Mercantil c suas noticias.
O Mercantil de sexta-foira 9 do corrente prin-
-cipia as suas noticias cora a de que o Sr. baro
do Suruhy nao aceitara a nomeaco de 2o direc-
tor da secretaria da guerra, e occpando-se. deste
objecto leca elogios ao nobre baro, censurando
ao mesmo tempo ao Sr. Reg Barros por nao ter
para cora aquelle distinelo general a delicadeza
que o Sr. Sergio leve com o Sr. Maooel Felizardo
nao reformando, em attengo a este funecionario,
a repartigo das ierras em que servia.
Se o Mercantil tratassa nicamente dos servi-
dos relevantes do Sr. baro de Suruhy, nos nao o
contestaramos : antes sua uniramos a nossa
dbil voz, porque ninguem mais do que nos res-
peita o nobre general : mas o Mercantil nao te-
ve em vista tributar homeuagem verdade
curou, apezar da sua p"
da, prevenir os nimos .
dos serviros daquclle general passar"meo7pa'ra
as censuras quo reserva contra o Sr. ministro da
guerra. Seremos lalvez injusto riesla nossa sup-
posK.ao, mas o proprio Mercantil a ella nos au-
lorisa. e pormiliir-nos-ha que refutemos as suas
assergoes.
O m. baro de Suruhy nao foi noraeado 2o d-
S /Veer rU *' uerra i fi sira noraeado
director da S directora. 0 que em verdade e cou-
Mimulto differeote. Segundo director pde-se
co = dorar nicamente o chefe de secgo que
substitue o director, e anda assim o regulamen-
ton io emprega semelhanle titulo. Os directo-
res da V, 2-, 3 e 4 directorio sao entre si c2-
FrS- .e,'dependeille8' exerce,D carg3 e al-
tribu roes d.llerentes porque diversos sao os ob-
lectos. quecorrem pelas suas directoras. O pe=-
soa do exorcito nada lera com o seu material, a
coniabilidade nada tem com a expedigo de di-
plomas e ordens sujeitas a despacho imperial. Se
se Pretende, olhando-se pira a ordem numrica,
que a 2 directora infe.ior em cathegoria 1"
a 1 3 e a esta a 4". cahir-se-ha no absurdo
de sustentar que o ministro da raarinha inferior
ao da guerra, que perante o imperador e em des-
pacho lhe toma a direita; eossim os ministros re-
pular-se-hao inferiores ou superiores uns aos
outros, segundo a ordem que observara nas suas
reunioes officiaes. O Mercantil porm tal nao sus-
tentar, nem pessoa alguma que se acho em bora
siso.
Recorda-se o Mercantil, bom ter memoria,
de q ie no corpo legislativo grande maioria pro-
nutiou-se pela necessidade reformar a institui-
rlo do ajudinle-general, cuja creago, diz elle,
nao appn.var por parecor-ihe quo o Sr. mar-
quez de Caxias satriQcra attribuicoes do minis-
tro para fazer avultor a posigo d ajudante-ge-
neral. Mas o Mercantil, ao lembrar a opinio
do gran le numero do legisladores, omilte cir-
cunstancias importantes qu3 deveremos nolarao
leilor para melhor ajuizar da queslo.
A grande maioria do corpo legislativo pronun-
c;ou-se com effeito pela necessidade de reformar
a insltluicSo do ajuimie-general. mas esse seu
pronunciamcnto nao llcou nicamente em pala-
vras, foi convertido em lei, que tem a data de 14
de seiembro do anno passado: nem o Sr. Reao
Barros era miu.slro quaiio foi apresentado o
projecto dessa le, assignado pela commssao de
que fazia parle um sobrioho do Sr. baro de Su-
ruhy ; e na sua discusso, quando se mostrou
que males da repartigo do ajudante-general,
couform? se achava insiit^j,,, se nao sentiam
freque.iteraenle porque, prudencia do Sr. baro
de Suruhy os evitava. uo fui do certo banco que
o Mercantil bcra conhece que prtiram palavras
honrosas e Usonjeiras t0 veterano da indepen-
dencia.
Para o Sr. ministro do im-
perio ver.
Nenhum empregado gral pode
aceitar emprego algum provincial sem
que previamente solicite, e obtenha a
sua demtssao. Avisos de 10 de po-
vembro de 1837 e 7 de outubro de
1843.
Oa, nao tendo sido derrogados os ci-
tados avisos, cuja tao sabia, quao ter-
minante disposicao se acaba de 1er :
tora de duvida que nao dve continuar
a ser inspector da thesouraria provin-
cial o proessor de geometra do colle-
gio das artes (ou a ser proessor de geo-
metra do collegio das artes u inspec-
tor da thesouraria provincial.)
sse funecionario, a despeito dos avi-
sos citados, foi nomeado inspector da
thesouraria provincial de Pernambuco ;
e, em prejuizo do seu substituto, da
instruecoe dos cofres pblicos, se acha
pro- fora da sua cadeira, ha 15 annos!! !
Hirase ura pouco encapota-!/ / ,_ .- "
i para da commemorago (aZtm bole lo de setembro de 1800.)
Praca do Recife 6 de de-
zembro de 18G0.
\s tres Viovas Aa Uvde.
Cotin/oes officiaes*
Cambio sobre Londres-26 1|2 d. 90 d[v.
Cambio sobre Taris365 rs. 90 div.
Cambio sobre Hamburgo 684 por ra. b. 90 d[v.
George PatchellPresidente.
DubourcqSecretario.
Alfandegn,
Rendimento do dia 1 a 5 45.1043488
dem do dia 6.......17:7295801
62:8345289
Movimento da alfandega.
Voluraes entrados com fazendas..
com gneros..
Volnmes
sabidos cora fazendas..
cora gneros...
230
380
------610
24
284
------308
Movimento do porto.
fatuos entrados no dia 6.
Philadelphia 30 das, barca americana Cun-
ead, de 347 toneladas, capilo \V. H. Sals-
bwry, equipagem 13, carga 2400 barricas com
farinha de trigo ; a Rostron llooker & C. Se-
guio para o Rio de Janeiro.
Liverpool33 das, barca ingleza Sarn, de
373 toneladas, capilo W. H. Taw, equipa-
gem 1$. carga carvo de pedra ; a Johnstoo
Pater & C.
New-York32 dias, patacho americano Henry
A. Dedier. de 238 toneladas, equipagem 9,
carga difTerentos gneros; a Saunders Brothers'
& C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Aracatyhiale brasileiro Nicolao I, capilo
Trajano Antuncs da Costa, carga varios g-
neros*
Rio de Janeirobarca americana almperador,
cpito \V. Hubbard; em lastro.
Portos do sulvapor brasileiro Paran, com-
mandantc o capilo tenente Jos Leopoldo de
Noronha Torreso,
O H

* --
I
3
Boras
3
g. 5
3
c
imotp.'iera.
2
P9
Direccao.
| Intensidade
-i
ce
06 00 00
-4
9
I Fahrenheit
-i

-4
K9
I
Centgrado.
2

CD
i.
| Hygrnmetro
te

Cisterna hydro-
metrica.
-i -j -j
ty en o>
00 00 o
M 00 o
-I
OS
o

o en
o

o
o
o
ce
Francer.
fnglez.
O
w
C/l
rs
50
<
>
i
> r
- v.
s^
m r
03 O
i
c
>
V
A imite comeQou com rauita chuva que durou
at as II h 45' e depoistornou se nublada, vento
E bstente fresco at as 2 h e depois NE regular.
0SC1LLAC\0 da mark.
Preamar as 11 h. 6' da manha, altura 5,4 p.
Baixamar as 5 h. 18' da tarde, altura 2, p.
Observatorio do arsenal de marinha, 6 de de-
zembro de 1860.
ROMANO STRPPLH.
Io tenente.
Editaes.
Descarregam hoje 7 de dezembro
Barca americanaDacolahcarvao.
Barca americanaMargareth faiinhs de trigo.
Barca inglezaIrisbacalho.
Barca ingleza Belemgigos com lou^a.
Brigue inglezGracianbacalho.
Brigue portiiguezActivo[arelo e sebo.
Brigue brasileiroCastro III farelo e breu.
Palhabote brasileiroDous Amigoscharutos e
fumo.
Patacho hamburguez Thekla Schmidt fa-
zendas.
Galera francezaAdelefazendas.
Rcceberloria de roadas internas
geraes de Pernambuco.
Hendiment do dia 1 a 5 3:2233348
dem do dia 6 ..... 846#855
4:070*203 i
Consulado provincial.
Randimento do dia 1 a 5 12:4i5*213
dem do dia 6.......2:460$077
14'9O5290
0 Dr. Anselmo Francisco Peretti, commendador
da imperial ordem da Rosa e da de Christo e
juiz de direito especial do commercio desta ci-
dade do Recife de Pernambuco e San termo
por S. M. I. e C. que Deus guardo, etc.
Fago S3ber aos que o presente edital virem,
que nesta cdade do Recife e juizo especial do
commercio, perante mim se autoaram e proecs-
saram e pendem uns autos de execuc.o de sen-
tenc,a entre partes a saber de urna como exequen-
te o commendador Maooel Goncalves da Silva e
de oulra como eiequenles a viuva e herdeiros de
Manuel Pereira Jardim. e dos mesmos autos
consta, que em audiencia que fazia rio dia 28 d6
novembro rae fora feito o requerimento constante
do seguinle termo :
Aos 20 de novembro de 1860, nesta cidade do
Recife, em publica audiencia, que aos fetos e
partes dava o Dr.jniz especial do commercio An-
selmo Francisco Peretli, nella pelo solicitador
Manoel Luiz da Veiga, procurador do exequente
fora dito, que ac.cusava a panhora contra os exe-
cutados a viuva e herdeiros ao Manoel Pereira
Jardim, e requera, que ficassem assignados os
6 dia a dila penhora, e 10 aos credores incertos
passando-soos respectivos editaes, visto ter sido
a mencionada penhora frita em dinheiro : o que
ouvido pelo juiz a houve por frita c aecusada, os
dias da lei por assignados e o ma3 por deferido
do que fez o presente extrahdo do protocolo das
audiencias: Eu Manuel Mara Rodrigues do Nas-
ciraento, escrivo o cscrevi.
E mais se nao continha em dito termo aqu
transcripto, e em vrlude do meu despacho o res-
pectivo escrivo fez passar o presente edital com
o referido prazo de 10 dias, pelo theor do qual
chamo aos credores incertos dos ditos executados
para que comparecen) Deste juizo e facam a op-
posirao que tiverem, sob pena de revelia.
E para que cheguo ao conhecimento de todos,
ser o presente publicado pela iraprensa e adia-
do na forma do esiylo.
Cidade do Recile 5 de dezembro de 1860 Eu
Manoel Maria Rodrigues do Nascimenlo o subs-
crev,
Anselmo Francisco Peretli.
0 Illra. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exra. Sr.
presidente da provincia, manda fazer publico que
no dia 13 do corrente vai novamente praQ para
ser arrematado a quem por menos fuer o costeio
de 30 lampees da cidade de Goianna, pelo pre-
go de 300 rs. diarios por cada um.
A arrematagoser fela por tempo de 1 anno,
a contar do dia 20 do mesmo mez.
E para constar se man Jou aflixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, Io dezembro de 1800 0 secretario,
A. F. da Anuunciaro.
0 Dr. Francisco Dsmingues da Silva, juiz de
dirito da 2a vara criminal da comarca do Re-
cife, por S. M. o Imperador, que Deus guar-
de ele.
Faco saber que as audiencias deste juizo tero
lugar nas quintas-feras de cada semana pelas
11 horas da manila, na respectiva casa.
E para que clicgue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente que ser publicado pola
imprensa.
Recife 3 de dezembro de 1860.
Eu Joaquim Francisco de Panla Esleves Cle-
mente, escrivo do jury a subscrevi.
Francisco Domingues da Silva.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da resolugo da junta da
fazenda, manda fazer publcj, que a arremataco
do contrato do costeio da illuminaco publica da
cidade de Olmda, foi transferida para o da 6 de
dezembro prximo vindouro.
E para constar se mandou aflixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 29 de novembro de 1860. O secrelaiio,
A. F. d'Annunciaco.
De ordem do Illm. Sr. Dr. procurador fiscal
da fazenda provincial se faz publico, que as re-
Iaces de decimas e outros impostos, relativos
ao anno Onanceiro de 1859 a 60, se acham em
juizo : os interessados podero solicitar as res-
pectivas guias, no escriptorio da ra do Impera-
dor n. 41, das 9 ,'i da manha s 3 da larde,
para o que se Ihos d o prazo de 30 dias, conta-
dos de hoje. Recife 28 de novembro de 1860.
O solicitador, Joo Firmino Correia de Araujo.
O Dr. Anselmo Francisco Peretti, commendador
da imperial ordem da Rosa e da de Christo, c
juiz de direito especial do commercio desta ci-
dade do Recife de Pernambuco e seu termo,
por S. M. I. e C.o Sr. D. Pedro II, que Deus
guarde, etc
Fago saber aos que o prsenle edilal vrem e
delle noticia tiverem, que no dia 19 de dezem-
bro prximo futuro, se ba de arrematar em prnga
publica deste juizo, na sala dos audilorios Anda
a audiencia, a casa terrea sita no largo do Parai-
10 n.4, a qual tem 3 portas na frente, 2 salas, 4
quarlos, cozinha na sala de delraz, quintal mu-
rado, cacimba meeira o com sabida no fundo para
a ra de S. Francisco, avahada em 3'000r> e vai
praga por cxecugfio de Manoel Buarque de Mu-
cedo Lima, contra seus devedores Joaquim Flix
Machado e sua mulher de quem a mesma per-
tenecnte ; e caso nao naja langador que cobra o
prego da avaliago, ser a arremalago feita pelo
prego da adjudicago cora o abate da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todo*
mandei passar editaes, que serio publicados pela
imprensa e aluzados na forma dn lei
Cidade rto Recite 6 do novembro de 1860.
; Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
j crivlo 0 subscrevi.
| Anselmo Francisco Peretti.
O Dr. Anselmo Francisco Peretti, commendador
da imperial ordem da Rosa,da de Christo,e juiz
de direito especial do commercio, desta cidade
do Recife e seu termo, capital du provincia de
Pernambuco, porS. M. Imperial e Constitucio-
nal, o Sr. D. Pedro 11, quo Deus guarde, etc.
Fago saber aos quo o presente edital virem, e
dell* noticia tiverem, que no dia 12 de dezembro
do corrente anno se hade arrematar em praga pu-
blica deste juizo, na sala dos audilorios a parte
ou metade do sobrado de um andar com tres^por-
tas na frente da loja e tres janellas no primeiro
andar, duas salas e quatro quarlos e quintal em
aberlo, sem cacimba e casa por acabar, o qual
situado na ra da Concordia desta cidade o. 34,
e tendo sido o mesmo sobrado peohorado a Jos
Muniz Teixeira Guimares, por execugo que con-
tra este eneaminha Manoel Francisco de Mello,
fra avaliado no lodo em cinco conlos de res, e
nao havendo langador que cubra o prego da ava-
liago, ser a a'rrematago feita pelo prego da
adjudigo com o abalmenlo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar editaes, quesero publicados pela
imprensa e aflixados nos lugares do coslume.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 19 de oulubro de 1860, 39 da in-
dependencia e do imperio do Brasil.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, es-
crivo do juizo especial do commercio o fiz es-
crever.
Anselmo Francisco P-irelti.
O Dr. Anselmo Francisco Peretti, commendador
da imperial ordem da Rosa, da de Christo, e
juiz de direito especial do commercio desta ci-
dade do Recife e seu termo capital da provin-
cia de Pernambuco, por S. M. imperial e cons-
titucional o Sr. D. Podro II, qua Deus guar-
de etc.
Fago saber pelo presente que no dia 12 do de-
zembro do correle anno se ha de arrematar em
praga publica Oeste juizo, a quem mais der, na
sah das audiencias os bens siguintes ;
Urna carroga em bem estado sem arrcios, ava-
Iiada em 80j.
Um cabriolet avaliado em 60}.
Tresqiiartos em muito mo estado, tendo um
delfrs umgeriinun na sarneia e um grande en-
chapo nas raaos, avaliadas em 30j (lodos tres),
os quaes bens'vilo praga por execugo de An-
tonio de Almeida Gomes como liquidalario da
exlincta (rma de Almeida Gomes & C. contra
Antonio Pinto Soares, e sero arrematados na
falla de licitantes pelo prego da adjudicacao com
o batimento da lei.
E para que chegoe ao conhecimento de lolos,
mandei passar editaes, que sero publicados pela
imprensa e aflixados nos lugares do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 26 de novembro de 1860, 39.? da
independencia e do imperio do Brasil. Eu Ma-
noel de Carvalho Paes de Andrade, escrivo do
juizo especial do commercio o fiz escrever.
Anselmo Francisco Peretli.
0 Dr. Anselmo Francisco Peretti, commendador
da imperial orden da Rosa e da de Christo c
juiz de direito especial do commercio desta ci-
dade do Recife de Pernambuco e seu termo
, Dor S. M. I. etc.
Fago saber aos que o presente edital virem em
como no dia 20 de dezembro do correte anno,
se ha de arrematar em praga publica deste juizo
na sala dos auditorios a rasa terrea sita na ra
da Koda n. 25, de 2 portas e una janella, 2 sa-
las, 4 quarlos, cosinha fora e cacimba do servi-
go, avaliada em 3:000$, pcrlencente a Joaquim
Flix Machado o vai a praga por execugo que
lhe move Manoel Jos Lrite c caso nao h^ja lan-
gador que cubra o prego da avaliago ser a ar-
remalago frita pelo prego da adjudieco com o
o abate da, lei
E para que chesue ao conhecimento de todos
mandei passar edilaes que sero publicados pela
imprensa e aflixados nos lugares do costme.
Cidade do Recife 19 de outubro de 1860.Eu
Manoel Mr.ri.1 Rodrigues do Nascimento, escri-
vo o subscrevi.
Anselmo Francisco Peretti.
0 Dr. Antonio Epaminondas de Mello, official da
imperial ordem da Rosa e juiz de paz do pri-
meiro anno do primeiro districto da fregoezia
do Sanlissimo Sacramento do bairro de Santo
Antonio da cidade do Recife, etc.
Fago saber que lendo de procederse nesta tre-
guezia, no dia 30 do mez de dezembro prximo
futuro a eleigo dos eleitores que hao do elcer
nao s os depnlados assembia geral para a
prxima legislatura dos annos de 1861 a 186i,
como os membros da assembia legislativa pro-
vincial dos annos de 1862 a 1803 e de 1861 a
1865, devem os eleitores esupplentes desta fre-
guezia em numero de 53 nella residentes, com-
parecer s 9 horas do supraditu da, era o corpo
da igreja matriz do Sanlissimo Sacramento do
b3irro de Sinlo Antonio da cidade do Recife,
afim de se organisar a mesa parochial, licando
os que nao fizercm, sem motivo legitimo, sujei-
los multa comminoda no arl. 120 5-* n. 2.
da lei de 29 de agosto de 1846.
Eleitores.
Os senhores :
Coronel Domingos Affonso Nery Ferreira.
Dr. Angelo Ilenriqucs da Silva!
Tenente-coronel Sebastio Lopes Guimares.
Dr. Antonio Rango! do Torres Bandeira.
Dr. Antonio Epaminondas de Mello.
Empregado publico Caetano Pinto de Veras.
Escrivo Joaquim da Silva Rogo.
Alfere3 Caetano Jos Meodes.
Vigario Venancio llenriqun de Rezendc.
C.apitAo Firmino Jos deOliveira.
Major Claudino Benicio Machado.
Capilo Silvino Guilherme de Barros.
Proprietario Manoel Antonio de Jess Jnior.
dem Jesuino Ferreira da Silva,
Capilo Joo Athanazio Botelho.
Empregado publico Juo Manoel de Castro.
Tenento-coronel Rodolpho Joo Barata de Al-
meida.
Alfrres Joaquim Francisco de Torres Gallindo.
Tenente Francisco de Paula Machado.
Empregado publico Joo Pereira da Silveira.
Artista Guilherme Pinheiro Rosa.
dem Antonio Francisco Goncalves.
dem Jos Luciano Cabral.
Alferes Bartholomeu Guedes de Mllo.
Empregado publico Marcolioo dos Sanios Pi-
nheiro.
Alferes Francisco Lucas Ferreira.
Supplentes,
Os seDhores :
Capilo Antonio Augusto da Fonseca.
Dr. Joaquim do Aquino Fonseca.
Dr. Antonio Jos da Costa Ribeiro.
Tenente-coronel Justino Pereira de Faria.
Empregado publico Joo Francisco Bastos.
Capito Jos Luiz Pereira Jnior.
Dr. Joo Francisco Teixeira.
Dr. Joo da Silva Ramos.
Brigadeiro Joaquim Bernardo de Figueiredo
Dr. Deodoro Ulpiano Coelho Calanho.
Dr. Francisco Ferreira Martina Ribeiro.
Escrivo Floriano Correa de Brilo.
Dr. Jos Flix de Brito Macedo.
Dr. Antonio Jos Alves Ferreira.
Empregado publico Manoel da Silva Ferreira.
Capilo Flix Francisco de Souza Magalhes.
Dr. Carolino Francisco de Lima Santos.
Commerciaiite Francisco Antonio de Brilo.
Proprietario Jos Francisco Carneiro.
dem Jos da Fonseca e Silva.
Comroemante Severiano Jos de Moura.
Proprietario Domingos Nunes Ferreira.
Capito Francisco de Souza Reg Monteiro.
Arlista Francisco Jos Correa deQueiroga.
Commercianlo Caetano Silverio da Silva.
Artista Rufino da Costa Pinto.
Commerciante Silverio Joaquim Marlins dos San-
ios.
Artista Joo Paulo de Souza.
dem Joaquim Milito Alves Lima.
Outro sim, convoco a todos os cidados quali-
cados,.votantes nesta freguea, cujos nomes fo-
ram inscriptos na lista affixada na referida ma-
triz, para pcssoalmen'e coraparecerem a dar
seus votos ; observando-lhes que a freguezia da-
r 38 eleitores, vista do numero dos cidados
qualifteados, e segundo a portara do Exm. Sr.
presidate da proviartia. datada. a*e 27 de setem-
bro do corrente anno, e por isso derem suas ce-
dulas conter os nomes de 38 cidados nella do-
miciliarios, e especlflcando-se suas respectivas
oceupages, nao vindo com os' nomes jiscados,
-alterados ou substituidos por outros, conforme
ludo cima se acha determinado nas respectivas
leis eleiloraes, que sao as de \9 de agosto de
1846. 19 de setembro de 1855, 18 de agosto des-
te anno, a suas respectivas instrueges de dffe-
rentes datas.
. E para constar mandei fazer o presente, que
ser afflxado nos lugares mais pblicos da fre-
guezia e publicado pela impronsa.
Recife, 29 de novembro de 1860.
Eu Joaauira da Silva Reg, escrivo que'o es-
crevi.
Antonio Epaminondas de Mello.
Declaracoes.
Hoje 7 pelas 2 1[2 horas da tarde fechar-
se-hoas malas que deve condu?ir o vapor cos-
teiro Jaguaribe, cora destino Granja e portos
intermedios. '
Directora geral da instrueco
publica.
Fago saber aos interessados que o Illm. Sr. di-
rector geral interino, de conformidada com as
instrueges de 11 de junho de 1859, tem designa-
do o dia 10 do corrente, pelas 10 horas da ma-
uha, para o exame de verificago de capacidade
para o magisterio, dos opposilores s cadeiras
vagas de instruego clemen'ar do 1 grao, que
se acham a concurso. Os senhores que para esse '
lim se insireveram no prazo marcado no edital1
de 3 de novemhro ultimo, sao convidados a com-!
parecerem nesta repartigo no referido dia e hora
Secretaria da instrueco publica de Pernambu-1,
co 8 de dezembro de 1860.O secretario interino '
Salvador Ilenrique de Albuquerque.
De ordem do Exra. Sr. director interino o
consclheiro Pedro Aulran da Malta e Albuquer-
que se faz publico, que fica marcado o prazo de
seis mozes, contado da dala deste, para a inserp-
jo dos que pretenderen concorrer ao lugar de
lente substituto desta Faculdade, vago pela no-
meaco do Dr. Braz Florentino Henriques de
souza para a cadeira do fallecido Dr. Nuno Ay-
que de A vellos Annes de Brilo Inglez, e accesso
do substituto Dr. Joo Silveira de Souza, a pri-
meira cadeira do segundo anno. deixada pelo
mesmo Dr. Braz ; pelo quo todos os prelendentes
ao dito lugar se podero apresenlar desde j nes-
ta secretaria para inscrever seus nomes no livro
competente, o que lhes permiltido fazer por
procurador, se esverem a mais de 20 Irgoas
desta cidade, ou tiverem justo impedimento Su,
porm, obrigados a apresenlar documentos que
mostrem sua qualidade de cidado brasileiro, o
dn que esto no gozo de seus direitos civis e po-
lticos, cerlido de baptismo, folha corrida do
lugar de seus do#micilios, e diploma de doulor
por urna das Facilidades de Direito do imperio,
ou publica forma, justificando a impossibilidade
ila apresentagao do original, e na mesma occa-
sio podero entregar qnaesquer documentos que
julgarem convenientes, ou como titulo de habi-
litago, ou como provas de servigos prestados ao
estado, a humaninade ou a sciencia, dos quaes
se lhes passar recibo, ludo de conformidade
com os artigos 36 e 37 do decreto 1386 de 28 de
abril de 1834, e 111 e seguimos de numero 1568
de 24 de fevereiro de 1855.
E para que chegue ao conhecimento do todos
mandou o raesmn Exm. Sr. director interino afli-
xar o presente, que ser publicado pelas folhas
desta cidade e da corte.
Secretaria da Faculdade de Direito do Rceife
16 de junho de 1860.O secretario,
Jos Honorio Bezerra de Menezes.
IU cebe doria de rendas inter-
nas geraes.
Pela recebedoria de rendas internas geraes sa
faz publico, que no correntejnez termina o prazo
do recebimenlo dos impostos do exercicio de 1859
a 1860, no domicilio dos contribuinles a cargo
dos recebedores, assim como o do pagamento na
recebedoria do primeiro semestre do exercicio de
1860 a 1861, lim da mulla de 3 / dos impos-
tes seguintes : decima addicional de mo niorta-
iniposto de 20 /0 sobre lojas e casas de descon,
to ; dito especial sobre casas de movis, roupas;
calcado, mobilias fabricadas era paiz estrangeiro ;
dito sobre barcos do interior ; indo o qual se-
guir-so-ha a cobranca execuliva quanto ao de-
bito daquel'e exercicio, e a percepro da multa
quanto ao deste.
Recebedoria de Pernambuco, Io de dezembro
de 1860. O administrador, Manoet Carneiro de
Souza Lacerda.
Conselho administrativo!
O conselho administrativo, para fornecimento
Jo arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguintes :
Para o 2" batalho de infan%ria.
507 covados de panno azul.
140 1/4 covados de panno prelo.
209 1/4 varas de brim da Russia.
133 botos de metal ama relio lisos.
400 esleirs.
Pesos de bronze de 1/8 al meia arroba.
Para a corapanhia Cxa de cassadores do Rio
Grande do Norte.
150 bonets.
150 grvalas.
150 mantas de lia.
Para o hospital militar.
60 pares de chinellas rasas.
..Quem quizer vender laesobjectos aprsente as
suas propostas em carta fechada, na secretaria
do conselho, s 10 horas da manha do dia 12
do corrente mez.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, 4 de
dezembro de 1860.
Bento Jos Lamenka Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Capitana do porto de Per-
nambuco.
Pela capitana do porto se faz publico para co-
uhecracnto dos interessados, que lica em effecti-
vidade a multa de 1003 estipulada no edital de
5 de outubro ultimo, para cada um dos propie-
tarios de rrovios velhos que existem na Cora dos
Passarinhos, visto que nao forana desmanchados
dentro do prazo de 30 das, ento fixado, nao
tendo os mesmos proprielarios apresentado nesta
capitana reclamago alguma, que prove impos-
siblidade desse trabalho, dentro do mesmo prazo.
Oulro s.-d, faz-se anda publico, que a mulla de-
ver ser paga dentro do prazo de 8 dias, durante
os quaes podero comparecer nesta capitana os
supracilados proprietario?, para convencionar-se
sobre osraeios de demoligo e remogodos despo-
jos dos referidos navios; lindo que soja este prazo,
far-se-ha judicialmente a cobranca das multas, e
o servigo de desraanchamento e remogoo dos des-
pojos dos navios por conta dos respectivos pro-
prielarios, cujos nomes sero ento publicados
por edital.
Capitana do porto de Pernambuco 27 de no-
vembro de 1860.O secretario,
J. P. B. de Mello Reg.
Pela mesa do consulado provincial se faz
publico aos proprielarios dos predios urbanos das
freguezias desta cidade o da dos Afogados, que os
30 dias uteis para o pagamento bocea do cofre,
do !. semestre do anno Onanceiro da 1860 a 61
do imposto da decima, so principian) a corftar do
dia I.-de dezembro vindouro. Msa do consu-
lado provincial de Pernambuco 24. de novembro
de 1860.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para forneciraentc
do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguintes:
Para o corpo da guarnic?,o desta provincia.
11 bandas de la ; 154 bonets ; 2 bonets para
sargentos ajudanle o quartel-mestre ; 5 bonets
para cornetas e cornetar-mr ; 2 pares do charla-
teiras para os sargentos ajudanle o quartel-raes-
tre ; 2 tellias de lus'ire paraos mesmos; 2 cana-
na* de lustre para, os meemos; 2 espadas para
os mesmos; 16 esleirs; 161 grvalas; 16!
mantas d la ; 10 cordes de la para canudos
de inferiores; I bandeira imperial; 1 porte para
a dila ; litaste para a dita ; 1 capa de brim para
a dita ; 1 capa de oleado ; 1 chapa de ferro para
fogao cora 4 ferros; 6 resmas de papel almago ;
400 peonas de gango; 2 caivetes ; 72 lapis '; 6
garrafas de tinta prel para escrever; 6 libras do
areia preta ; 20 taboadas ; 20 collecgoes de car-
tas para principiantes; 6 graramalicas portugue-
sas por Monte verde ; 6 arithraeticas por Avila ;
6 paulas; 20 traslados ; 6 pedras para escrever;
24 lapis de pedra ; 3 cmelas com vollas, pontas
e bocaes; 5 cordes de la para as mesmas; 4
caldeiras de ferro balido para 25 piacas ; 1 cal-
deira para 50 pragas ; 2 castigaes d'e laio ; 1
copo de vidro ; 4 colheres grandes de ferro ; 4
espumaderas de ferro ; 4 enchades de ferro ; 4
garfos grandes de ferro ; 1 prato de louga ; 4 ps
de ferro ; 1 snete de arma3 ; 1 talha de barro.
Para a secretaria do corpo.
1 livro "de registro geral das pragas e officiaes
aggregados addidos ; 1 livro das ordens do dia da
commando do corpo ; 1 livro do registro dos of-
ficiaes ; 1 livro do ndice dos documentos archi-
vados ; 1 livro de carga e descarga geral do cor-
po ; 1 livro de termo do juramento dos officiaes ;
I livro de registro das notas semestraes ; I livro
de termo de deliberages tomadas pelo conse-
lho peremptorio para castigos corporaes ; 1 livro
de registro dos termos dos soldados engajados
que assenlara praga ; 1 livro das notas diarias
dos mdicos.
Para o conselho ecominoco.
1 livro de receita e desoeza do rancho das
pragas do corpo ; 1 livro de receilas e despeza*
das economas licitas ; 1 livro de acta dassessocs
do conselho econmico.
Para o fiscal do corpo.
1 livro do delalhe do servigo exigido ao corpo
por estas companhias.
Para o quartel mestre.
1 livro de registro das folhas dos officiaes pret3
c mais vencimentos; 1 livro de entradas e salu-
das dos respectivos armazens.
Para o subalterno agente.
1 livro da receita e despeza das somrr.as rece-
bidas da caixa do conselho economice.
Para as companhias.
2 livros de registro das pragas e officiaes ag-
gregados e addidos; 2 livros de cargados gneros
e fardamenlos semestraes distribuidos s pragas
das companhias.
Os livros cima mencionados sao de conformi-
dade com os modellos e dimenges marcadas na
ordem do dia do quartel general do exercito o.
12 de 24 de abril de 1857.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
sua- propostas em carta frichada na secretaria
do conselho, as 10 horas do dia 7 de dezembro
prximo vindouro.
Sala das sessoes
[iara fornecimento
novembro de 1860.
Bento Jus Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
do conselho administrativo,
do arsenal de guerra, 28 ue
NOVO BANCO
DE
ernamhco.
O novo banco continua a substituir
ou a fesgalar o resto das notas de 10# e
20S que liavia emittido e ainda existe
era circulacao, declarando que, eti
cumprimento do decreto n. 2,66i de
10 de outubro do corrente anno, esta
substituirlo ou resgate devera' e/Fec-
tuar-se dentro de 4 mezes, e que lindo
este prazo s podera' ter lugar romo
disconto progressivo de 10 por cento ao
mez, icando as<:im na orma do art 5
da lei n. 53 de 6 de outubrogj ap o5
sem valor algum no fim de 1" mezes.
Recife 9 de novembro de 1860. Os
directores, Joao Ignacio de Medeiros
llego, Luiz Antonio Vieira.
C'jllectoria provincial de
Olinda.
O collcclor interino faz constar pelo presente
aos contribuinles da decima urbana dacollect)-
r>a de Olinda, que do 1o de dezembro prximo
futuro principia-se a contar o prazo do 30 dias
uteis marcados para a cobranca do primeiro se-
mestre do anno de 1860 a 1861'. e lindo este pra>
zo pagarao 3 por cento de mulla os que nao coir,-
parecerem no referido prazo.
Collertorij provincial de Olinda, 28 de novem-
bro de 1860.0 escrivo servindo de collector,
Joo Googalves Rodrigues Franca.
A junta administrativa da irmandade da
Santa Casa da Misericordia do Recife, manda fa-
zer publico, que no dia 13 do corrente, pelas i
horas da tarde, na sala de suas sessoes no largo
do Paraso n. 49. iro praca as rendas das ca-
sas abaixo declaradas, pelo lempo que decorrec
dn dia da arrematamago at 30 de iunlio de
1863. J
Os prelendentes devero comparecer acompa-
nhados do seus fiadores, ou movidosde cartas
destes.
Bairro do Rciefe.
Ra do Pilar n. 74.
Becco do Abren n. 2:
Bairro de Santo Antonio.
Ra Nova n. 55
Dila do Padre Floriano ns. 45, 47 e 49.
Dita do Fagundes n. 32.
Dila de Santa Thereza n. 4.
Dila da Calcada n. 36.
Dita dos Pescadores n. II.
Bairro da Boa-Vista.
Becco do Quiabfl n. 8.
Secrelrria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cite 3 de dezembro de 1860.
O escrivo.
Francisco Antonio Cavalcanti Coosseiro.
_ Pela secretaria do tribunal do commercio
sao chamados para que venham pagar a impor-
tancia dos livros o papis abaixo mencionados,
aquelles a quera os mesmos perlencerem.
LIVROS.
Diario de Lourenco Luiz das Neves.
Copiador do mesmo.
Diario de Fernandes & Feliciano.
Protocolo do Corretor Jorge Palchelt.
Copiador de Domingos Francisco Ramalho.
Entradas e sabidas do trapiche Novo.
Copiador de Antonio Jos de Castro.
FAPEIS.
Escriplura de hypotheca de Passo Irmo.
dem dem de a
Id^ra dem de Victorino Doniingues Alvos Maia.
Contrato de sociedado de Francisco Ferreira de
Novaes o JosC Luiz Prreira Lima Jnior
Distraclo de Jos Luiz Pereira Lima Jnior, Fran-
cisco Ferreira de.Novaes e Jos Luiz Pereira
Lima Jnior.
Carla de registro da barca Recife.
Dislr. to de Joo Teixeira de Souza Lima e Fran-
cisco Tliama/ das Neves.
Contrato de Antonio Lopes Rodrigues, Mariano
Lopes Rodrigues e Jos Dias Rraudo.
Reforma de contrato de Eduardo Alexandre Bur-
le, Filippe Francisco Truchon ;e Narciso Ma-
na Carneiro.
Certido apedido de Antonio Pedro das Nevos.
Distracto de Eduardo Peilcu Wilsou Jnior, e
Carlos Moireau.
Nomeago de Jos Joaquim Ramos e Silva, cai-
xeirode Manoel Joaquim Ramos e Silva.
Distrtlo de Amonio Valentina da Silva Barroca,
Joaquim da Cruz Lima e Jos Goncalves Mar-
tins.
Distrato de Francisco Marques Guimares, e
Francisco Jos Correia Marques
Certido apedido do Manoel Joaquim Ramos e
Silva Jnior.
Copia a pedido de J. Patchell
Dfslrato de Francisco Antonio do Reg3 Mello e
Jacinlho Jos de Mello.
Procurago de loaquim de Oliveira Maia.
Certido* apedido de Luiz Borges de Cerqueira
Secrlaiia 4 de dezembro de 1860.
Julio Guimare?',
Offidal maior.


w
DIARIO M HSNABMUGO. SEXTA tH*kU E DEZEMBRO DE 18.
Foi apprehendida e scha-se recolhida ca-
si de delongao desde o dia S9 da me* prximo
Ando a preta Anna, que diz ser eaerwa de Joao
Lacio da Silva.
Subdelegada do Recife, 5 do deaembro de
1860.
Antonio Gomes de Miranda Leal.
Avisos martimos
Para o Amu' e Aracaty
SPj;iie cota a carga que houver o hiate Cmara-
gibe : a tratar na ra do Vigario n. 5.
Lisboa.
Vai sahir brevemente a barca Gratidio por
ter parte io carregamento prompto ; para o res-
to e passageiros, trala-se cora os consignatarios
Carvalho Nosueira & C, ra do Vigario n. 9,
primeiro audar, ou com o capilo Borges Pestaa
Para Lisboa,
pretende sahir com brevidade a bem conhecida
e acreditada barca Flor de S. Simao ; para
carga e passageiros, .trata-se com Carvalho No-
gueira & C., ra du Vigario n. 9, primeiro andar,
ou com o capitao.
Para o Rio de Ja-
mandado do Exm. Sr. Dr. juiz especial
do commercio c a requer ment de Jo5o
Francisco de Souza, dosbens e dividas
pertencentes a Jos Doraiogues dos San-
tos no beccodo Jote Caetano, as 11 em
ponto.
LEILAO
Sitio para a lugar. Atten^o.
Terca-feira 11 do corrente
as 11 horas em ponto.
NA
neiro
M da Gloria n. 27.
(Scm limite)
Costa Carvalho far leilao na casa e no dia e
hora cima designado de todos os movis exis-
tentes na mesma casa e por lodo prego por ser
de pessoa que se retira para o serto.
LE1L.40
^>
Hoje, 7 do corrente.
O agente Camargo fara' leilo no seu
arraazern, de uma pessoa que retirou-ss
resto da carga e passageiros, trata se com Oea-' Para fra ^t uma excellente mobilia de
no Cynaco da C. M., no lado do Corpo Santo bu- amartillo, CO^nmoda, cj bids, mesa
_ ,_._, ~ \ elstica, sof?, marquezas, guarda rou-
r
sae em piucos dias o brigue nacional Leo ;
quom no mesmo quizer carregar, dirija-se aos
consignatarios Balthar & Oliveira nu rua\da Ca-
deia do Recife u. 12.
Cear.
Pa'habole Sania Cruz, recebe carga a Trele e
passig-iros ; a tratar com Caetano Cyriarolda C.
M. & Irmo, no lado do Corpo Santo n. 25.
Aracaty.
Segu nastes dias o hiate Vedeta ; par
1}
M
pas, bancas, alinetes,
louro de lei, papagaios,
Tara a Babia segu em poneos dias o palhi- cacos e outros objectos qae
bote nacional l)ous Amigos, lem parte de sua : desnecessu o mncinmr
carga engajada; para o resto, trala-se com seu
consignatario Francisco L. O. Azevedo, na ru
da Madre de Dfus n. 12
correntoes de
piriquitos, ma-
Na Capunga Nora, ra das Peroaraucanas,
tem para alugar uta sitio com bastantes arvore-
dosde fructo, parto4o rio Capibaribe. tanque pa-
ra banho, tendo deas cacimbas ce-m ezeellente
aguapara beber, cestas com bomba, baixa para
capim, que tratada d capim para 2 cavallos,
e alem disso tem bastante terreno para plantar,
a casa tem coramo.los para uma familia numero-
sa pois tem 4 salas, 6 quartos, despensa, cozi-
nha frs, cochera c estribara : a tratar na ra
do Queimado, loja n. 19, de Jos Antonio dos
Santos Coelho, das 9 horas da maoha s 5 da
tarde, ou no mesmo sitio onde aiuda se acha
com asuu familia-
COMPANHIA
DE
Seguros UliliJade Publica
Nao tendo comparecido numero sufficiento de
senhores accionistas para a reunio do dia 30 do
passado, novamenteconvidamos aos mesmos se-
nhores para compareeerem no dia II do corrente
ao meiodia, no escriplorio da ra da Cadeia do
Recife, de conformidade com a parte segunda do
art. 41 e art. 42 dos estatutos. Recife 5 de de-
zembro de 1860. Os directores, Manoel Alvcs
Guerra.Jos Antonio de Carvalho.
Ama.
Precisase alugar uma escrava para casa de fa-
milia, quesaiba fazer lodo servijo de casa : na
ra do Queimado n. 39, loja, se dir quera pre-
cisa. '
O abaixo assignado, morador na villa de
Iguarass, avisa aos senhores deengenhe do dito
t.-rmo que quizerero mandar seus assucares para
0 Recite a entregir aos seus correspondentes man-
darem i casa do abaixo assignado, que serao fiel-
mente entregues ; e igualmente receberao os sac-
eos e gneros que do Recife vierem, que para slo
tem urna bareaca de 30 caixas, bem construida,
propna para dito tiro.
Ignacio Gomes Porto.
Uuem annunciou querer comprar uma ti-
poia dinja-se a ra Direila no sobrado n. 74 que
la se dir quem tem uma par3 vender.
Aluga-se um espagoso armazem deitando o
tundo para o no, muilo proprio para qualquer es-
tabe cemento, pelas proporces que tero, e pela
Contratase por venda a casa de negocio da ra
da Cruz n. 15. livre e desembarazada : a tratar
na mefma com os proprietarios Pinto & Carvalho
Precisa-se de um moleque ou preto para o
Dotequim do caf dos arcos, na travessa da ra
do Imperader, para o servido do mesmo : a pes-
soa que tier, annuncie ou dirija-se ao mesmo
botequim tratar. *
Na ra di Praia
precisa-se de uma Na ra do Am
orim n. 58,
ama que costaba para ouas essoas,"pre'fere".8 existe um7ca^/?Orn'0^ 8eundo. ">*".
que nao tenha familia ; na mesma casi tem um Costa que esteva na Baha J nT! Sf' LuZ
menino ebegado do Porto proprio para taberna,! residencia faz le o prSe P 'gnrar SUa
sabe 1er. escrever de 12 a 14 anuos de id.de. j O escrivo pWdo jury e execucoes
~im? ? Sll'. no Pnnc'P10 da estrada crim.oaes desla cidade enlrou e exercicio da
A,cos- Perlencente a viuva de Jos Joa- cu roagigtenu desde o dia 3 do corrente endo
qutm de Mesquita, com muilos arvoredos pro- o seu eseriptorio na ra da Ponto Velhan
ductivos e uma excellente casa assobraaada que Desappareceu na sexta-feira 30 do prximo
se torna recommendavel pelos seus commodos e i P^ado mez uma vacca marella com cauda
tratar na ra do Queimado n.i.loradaao mcio, com uma bezerra
dependencias
18, segunda loja vindodo Rosario.
Porto por Lisboa.
A barca portuguesa Silencio, cajiitio Fran-
cisco Martina de Carvalho, prelende sahir rom
toda a brevidade para os portos cima indicados :
quem na mesma quizer carregar ou ir de passa-
gem, dirija-se ao consignatario Manoel Ferreira
da Silva Tarroso, na ra de Apollo n. 28, ou ao
referido capilao.
Para o Porto e Lisboa,
o brigue Esreranca sahir com toda a brevida-
de : para carga e passageiro?, trata-se com os
consignatarios Barroca &Medeiroa, na ra da Ca-
deia do IWife n. 4.
orto por Lisboa no
(lia 15.
Imprelerivelmenta vai sahir no dia 15 para o
Porto com escala por Lisboa o brigue porlusuez
Promptidao II. forrado eencavilhado de cobre,
de primeira classe e marcha.com a carga que ti-
ver: e para carga e passageiros, aos quaes effe-
rece excellentes commodos e bom tralamento,
trata-se com Elias Jos dos Santos Andrade & C.
na ra da Madre de Dos n. 32, ou com o capi-
lao. Roga-se aos senhores passageiros que pre-
tonderem ir no mesmo navio, de virem realisar
suas passagens.
Pa
em ponto no seu
Vigario n, 19.
as
arinazem oa
e tornam (sua localidade, ej estar bastante conhecido pela
11 lloras ^aa^'oroinacao de arniazem do sol : quem
ra do
Terca
corrente.
lima taberna.
pretender poler dtrigir-so ra da Concordia
n. ot>, casa delronte ao mesmo armazem.
Caxang.
Neste bello arrala! ha para alu
com bstanles commodos para
muilo fresca e.defronle do rio
n. 3.
_ar uma casa
grande familia,
na ra Nova
lina da Praia n 35.
Anlunes aulortsado pelo Exm. Sr Dr. juiz es-
pecial do commercio far leilo & requerimento
doscredores do Costa & Silva, da armaco, per-
tences e todos os gneros existentes na* taberna
sita na ra da Praia n. 35. o qual ser em dita
taberna as 11 horas da msnhaa.
Sexta-feira 7 do corrente.
Evaristo aulorisado pelo despacho do Illm.
Sr. Dr. juiz de direito especial do commercio fa-
r leilaoda taberna da na Direita n. 93, as 10
horas era nonio do dia cima.
Rio de Janeiro,
segu nesles dias a barca Castro III> por j ter
parle do carregamento prompto; para o resto da
carga e passageiros, trata-se com os consignata-
rios Pinto de Souza & Bairo, ru ra da Penha
n. C, ou com o capitao Antonio Goncalves Torres
na praca.
Avisos diversos.
Pira o Rio do Janeiro vai seguir com brevi-
dade o brigue nacional Mentor, recebe aind^
carga a frete, trala-se na ra da Cruz n. 45, com
viuva Aniorim & Filho.
Maranho e Para.
Attenco.
Apparecen no dia 28 do mez prximo passado,
na estrada dos Afflictos. om o sitio da viuva do
Segu com brevidade, por j ter parte do seu j Quinlella, um cavallo .- a pessoa que se julsr
carregamento para este ultimo, porto, o bem co- com direito a elle, dando os signies certos, fhe
ASSOCIACO POPULAR
DE
Soccorros Mutuos.
Tendo de celebrar-se domingo 9 do corrente
a sesso magna era commemoraco do quarto
anniversario da AssociacJio Popular de Soccorros
Mutuos, cujoacto lera lugar no palacete da ra
da Praia, e deve comecar as 11 horas da manhaa
era ponto, de ordem do conselho administrativo
convido a lodos os senhores socios, tanto houo-
nanos como efieclivos, e ao publico em geral
para que se digne de abrilhantar com a sua pre-
senta essa festa social.
Secretaria da Associacao Popular de Soccorros
Mutuos 4 de dezembro de 1860.
Joo FrajiciscoJHarques.
1. secretario.
Ensino de msica.
Offerece-separa leccionar soUejo.comotam-
bem a tocar varios instrumentos; dando as li-
coesdas7horass9 1(3 da noiteratratar a rus
di Roda n. 50.
Esteiras da India de 4, 5
e 6 pan,os de largo.
No armazem de lazendas da ra do Queimado
n. 19, propriamente para forro de salas e camas
e todas brancas,
s do sobrado da ra
modos para grande
a tratar na loja do mesmo.
Acham-se venda na livraria da praca da Independen-
cia ns 6 e 8, as bem conhecidas folhinhas impressas nesta
typogrsphia
Folhinha de porta ou KALENDARIO eeclesiastico e civil para o
_ i bispado de Per.nambuco........... 160 rs
Vita de algibeira rateada alem do kalendario eeclesiastico c civil,
explicagao dasfesias mudaveis, noticia dos planetas,
tabellas das mares e nascimento e occaso do sol;
ditas dos emolumentos do tribunal do comnercio ;
ditas do sello; ditas do porte das cartas; ditas
dos imposlos geraes, pronnciaes e municipaes, ao
que se juntoii uma collec^ao de bellos e divertidos
_ Jogos de prendas, para entretenimento da mocidade. 320 rs.
Lstao no prelo oalmanak e outra folhinha contendo
todas as oraces para assistir semana santa, etc. Com-
prando-se em porces se darao por prego mais commodo.
u malhada de
I E a e Pfel0- i bastante crescida : quera sou-
, ber, dando parte ou lersndo-a povoaco do
I Monteiro, no largo de S. Pantalio, sitio do an-
udo m0rg ser ^"smenle recompen-
O abaixo assignado, comprador da loja do'
nado Antonio Francisco Pereira, pede aos devo-
dores da mesma o favor de virem realisar seus
dbitos am de evitar duvidas para o futuro Re-
cito o de dezembro de 1860. Leandro Lopes Dias
Aluga-se o armazem da ra da Madro de
Dos n..-2 ; a tratar com Martins V Irmo.
. N O Bieber & C. successores e
Domingos Alves Matheus, administra-'
dores da casa do fallecido Marcelino de
Borja Geraldes, parlicipam aos deve-
dores do mesmo fallecido que incum-
biram o Sr. Bernardino de Sena Dias'
para promover cobranca.
Aluga-se uma casa para o tempo de Natal
ou por atino, no piloresco sitio dos Arrombados
com banho perto no saudavel Beberibe a casa
est concertada e pintada : quem a pretender *
dinja-seao largo do Ter;o. segundo audar, a*
tratar com o coronel Salgueiro.
Gravuras.
Gravam-seeimprimem-secom perfeicao bilhe-
les de visita, registros, -
'
, msicas, letras, etc. ;
abrera-se siteles e chancellas, tanto em relev
como em qualquer oulro genero ; na ra do
Agoas-Verdes o. 62.
familia
Saca-se
para Lisboa, Porto e liba de S. Mipuel I por ^'"'*or qu'aiidade,
ao eseriptorio de Carvalho. Nogueira uluFtttSUX
C ra do Vigario n. 9, primeiro andar. '
Hoga-se ao senhor que. por en-
gao, levoif do cartorio do escrivo AI-
meida, na ra do Imperador, hontem,
um chapeo preto, de cabera, o favor de
ir trocar pelo seu a' ra das Cruzes n.
ii, segundo andar.
FUI\
ENGENHEIR
Ra do Brum, passando o afariz.
No deposito deste estabelecimento sempre ha grande sortimento de mechanismo para enK< hos de assucar a saber
Machinas de vapor modernas de golpe cumprido, econmicas de combustivel e de acillimo asiento- '
Rodasd agua deerro com cubos de madeira, largas, leves, fortes, e bem balancadas
Canos de ferro e portas d'agua para ditas, e serrilhas para rodas de madeira ;
Moendas inleirai com virgtns muito fortes e convenientes;
Vleias moendas com rodelas motoras para agua, cavallos, ou bois, acunhadas e maguilhoes de azas :
laixas de ierro fundido e batido e de cobre;
Pares e bcas.para o caldo, crivos e portes de ferro para as fornalhas ;
Alambiques de ferro, moinhos de mandioca, fornos para cozer farinlia ;
Bodetas, dentadas de todos os tamanhos para vapor, agua, cavallos ou Bois
Aguilhoes.bronzes, e parafusos arados, eixos e rodas para canoras, formas galvanisadas para purgar etc. (te
to a o- T ac,iand1"e "a direccao da sua fabrica, confia que os seus f.eguezes acharao tudodigno'da nre-
fererc.a,comque o honram, pela longa experiencia que elle tem do mechanismo proprio para os agricultorefdestaSrJ-
v.nca.e pelo facto de ter mandado construir pessoalmente as suas obras as ma.s acreditadas fabricas dTlnRSe
ass.m como pela conlmucao da sua fabrica em Pernambuco, para modificar o mechanismo a vontade de cada compra-
dor, ede fazer os concertos de que poderao necessitar. w^
OLEADO PINTADO
?iemXn,e.nle qua,,18d^ Proprio para mesas, consolos, bancas etc., etc., a 3$000 o corado baratis-
stmo por sua excessiva largura: na parca da Independencia ns. 24 e 30.
O EXTRACTO
GOMPOSTO DE
[d)@ R. T@WiIi
MELIORADO E FABRICADO SOB ADIRECCAO" DO DR JAMES R. CHILTON,
________ chimico e medico celebre de New York
nhecido brigue escuna Graciosa, capilao e or-
tico Jo.ii> Jos de Souza, e podendo completar
o carregamento lodo s para o mesmo porto do
Tara, seguir era dircilura sera tocar no Ma-
ranho.
Porto e Lisboa
A bem mohecida barra portuguesa Sympa-
thia, capitao Nogue.ira dos Santos, vai sahir bre-
vemente para os portos cima indicados ; quem
na mesma quizer carregar ou ir de passagem,
poder eirender-se com os consignatarios Bailar
& Oliveira. ra da Cadeia do biirro do Becife nu-
mero n. 12.
.'ser entregue, pagando o annuncio e recompen-l A GRANDE SUPERIORIDADE DO EX-
TRACTO FLUIDO GOMPOSTO
DE
SALSA PARRILHA
Explica se p?Io seo extraordinario
e quasi miraculoso effeito no
sangue.
Cada um sabe qua a saude ou a inferrnidade
depende directamente do estado deste FLOIDO vi-
britannico, re-
C01VPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
lpera-se al o dia 5 do corrente o vapor Po-
ran, cnnimandante o primeiro lenle Torre-
z"c>, o qual depois da demora do coslume se-
guir para os portos do sul.
Rpcebum-sc desde j passageiros e engaja-se
a carga que o vapor poder conduzir a qual de-
ver ser embarcada no dia de sua chegada : agen-
cia ra da Cruz n. 1, escriplorio de Azevedo &
Neo des.
sando o Iratamenlo que a elle se tem dado.
Roga-scaoSr. Jos Fernandes da i.osta Tor-
res o favor apparecer na ra dos Marlyrioe n.
36, para se Ihe entregar urna carta de sua fa-
milia.
John Bowan Smith, subdito
lira-se para Inglaterra.
Albino de Jess Bandeira,
1. secretario
O abaixo assignado, tendo Picado como proo
curador do Sr Sabino Bruno do Rosario, duranl-
a sua viagem, e o mesmo senhor tendo chegade
no dia 27 de noverubro, leve o abaixo assignaJo
de entregar ludo quanlo Ihe era perlencente, as-
sim como Ihe apresentar ns suas contis durante
a sua viagem, M quaes estavam exactas. Pede o
abaixo assignado se assim nao foi queira declarar
por este mesmo jornal.
Leocadio J. da Conceico.
Aluga-se o sobrado de dous andares na ra
da Matriz do bairro da Boa-Vista n. 28 : os pre-
tenderes podem enlender-se com Antonio Gon-
calves Ferreira Cascao, na ra de Apollo n. 32.
Samuel Stewart e sua senhora retiram-se
para a Europa.
Manoel de Azevedo do Andrade comprou
por ordem de J laquim Azevedo de Andrade de
Portugal, meio bilhete da 75 lotera da Santa'Ca-
sa da Misericordia do Rio de Janeiro de n. 128.
ASSOCIACAO
DE
Soccorros Mutuos
ra em pou-
ou com o
O hiate Garibaldi, segu para o Ce
os dias : a tratar com Tasso Irmaos
capilo Custodio Jos Vinnna.
Para Lisboa.
O brigue portuguez Constante prelende se-
guir viagem com a mainr brevidade,para o que j
tem parte daearga engajada : quem no mesmo
quizer carregar ou ir do passagem, para o que
tem aoeiados commodos. dirija-so ao consignata-
rio Thomaz de Aquinn Fonseca, na ra do Viga-
no n. 19, primeiro andar, ou ao capilo o Sr.
Augusto Carlos dos Res, na praca.
Leiles.
Leilao
Sexta-feira 7 do corrente.
O "agente Camargo fara' leilao por
Lenla Eoiaucipaco dos Captivos.
Sabhado 8 do corrent, as 10 horas da manhaa
haver reuniRo da asseralila g-tral, para o qu
sao convidados lodos os senhores socios para que
se dignem de comparecer, adra de so tratar de
diversos negocios, com espcialidade sobro a ag-
gresso de que foi victima no dia Io o Sr. Mo-
desto Francisco das Chagas Canabarro, presidente
da mesma.
Secretaria das Associaijo de Soccorros Mutuos
e Lenta Emancipacjio dos Captivos 6 de dezem-
bro de 1860.
Aluga-se uma sala ealcova, espacossa, p-
tima para um eseriptorio de advocada ou para
estudantes, na ra das Larangeiras n 21 : a tra-
tar no soio da mesma, das 2 horas s 6 da tarde.
Appareceu no Io do corrente em um sitio
na Soledade n.13, uma vacca com um bezerro :
a pessoa a quem perlencer pode ir procura-la
no dito sitio, dando os signaes competentes,
4 Precisa-se de uma ama para casa de pouca
familia, que saiba coziohar e engommar; na ra
da Concordia n 65:
I Fraasirco Alves de Pinho faz sclenle ao pu-
blic e cora especialidade ao commercio, que An-
tonio Machado Pereira Viauna deixou de ser seu
caixeiro.
_! Precisa ae de uma ama que seja forra ou
captiva : na ra do Hoapicio n. 62.
iManoel Ignacio de Oliveira & Filho eacca
sobre Lisboa : ao largo da Corpo Santo, escrip-
lorio,1
New-York, bavemos vendido durante muitos an-
nos o extracto de salsa parrilha do Dr. Town-
send, considera rao-lo ser o extracto original e e-
ntiino de salsa parrilha do Dr. Townsend." o
qual primeramente sob este norae foi apresen-
lado ao publico.
BOYD A- PAUL. 40 Cortlandt Street.
WALTER. B TOWMSEND Co, 218 Pearl
Street.
l*t. Isto ha de ser, visto o partido importante ^S & HazarD ,2' Maiden Lae,
que tem na economa animal. *??._* RIlE ^ Co, 153 1
A quaulidade do sangue n'urn homem d'es-
talura mediana est avaliada pelas as primeiras
autoridades em vinte e oito arralis. Em cada
Water Street.
M WARD & Co, 53 Maiden Lae.
J. & J. F. TRIPPE, 92 Maiden Lae.
GRAHAM & Co, 10 Od Llip.
pulsagao duas on;as sahem do corago nos bofes] nSG00D JEiVNINGS, 188 Pearl Street,
e dalli lodo o sangue passa alem no corpo huma- R< B- HAVILAND & Co, Office 177 Broad-
no em menos de qoatro minutos. Uma dis-
posigao extensiva tem sido formada e desuada
com admirave! sabedoria a deslribuir e fazer
circular esia corrkntb db vida por tojas as
parles da organisac/io. Desie modo corre sem-
pre pelo corpo em torrente, o qual a gran
foniedeinferraidade ou de saude.
Se o sangue por causa alguma se emprenha
de materias ftidas ou orrompulas, diffunde
com vrlocidaue elctrica a corrupcao as
mais remotas e mais pequeas parles do corpo.
O veneno lanca-so para tras e para diante pelas
arterias, pelas veas, e pelos vasoMapllanos,
al cada orgo e cada teagem se faz completa-
mente saturado e desordenado. DeiSs maneira
a circularlo evidentemente se faz um engenho
poderoso de Joenca. Nao obstante ple tam-
bem obrar com igual poder na critcao de saude.
Estivesse o corpo infecionado da doenc,a maligna,
ou local ou geral, e situada no sysiema nervoso
ou glanluloso, ou muscular, sa smente o san-
gue ple fazer-se puro e saudavel ficar superior
a doenrja e inevitavelraente a expedir da cons-
tituico.
O grande raanancial de doenc,a enlo como
d' aqu consta no fluido circulante^ nenhum
medicamento que nao obra directamente sobre el-
le para purificar e renova-lo,possue slgura direi-
to ao cuidado do publico.
O sangue O sangue o poni no qual
se ha mysler fixar a altencao.
O ORIGINAL E O GININO !
AO PUBLICO.
Nos, os Assignantes, Droguista na cidade de
way.
JACK.S0N, R0BINS& Co, 134 Water StreeL
THOMAS & MAXWELL, 86 William Street.
WM. UNDERHILL, Junr, 183 Water Street.
DAVIDT. LANMAN, 69 Water Street.
MARSH & NORTHROP, 60 Pearl Street.
NORTON, BABCOCK & WOOD, 139 Mai-
den Lone.
PENFOLD, CLAY & Co, 4 Fletcher Street.
OLCOTT, M KFSSON & CO, 127 Msiden
Lae.
A. B. & D. SANDS. 100 Fullon Street.
SCHIEFFELIN, BROTHER & Co, 104 &
lOGJobn St.
LEWIS & PRICE. 55 Pearl Street.
HAVILAND, KEESE & CO, 80 Maidew La-
e.
RUSHTON, CLARK &CO, 110 Broadwav,
lOAstor.
House, and 273 Broadway, cor. of Chambers
Street.
PHILIP SCHIEFFELIN & CO, 107 Water
Street.
POU & PALANCA, 96 John Street.
SHERWOOD & COFFIN, 64 Pearl Streat.
RUST & HOUGHTON, 83 John Street.
I. MINORA CO. 214 Futon Street.
INGERSOLL & BROTHER, 230 Pearl Street.
JOSEPH E TRIPPI. 128 Maiden Lae.
GREENLEAF & KINSLEY, <5 Corllandi
Street.
HAYDOCK, C0RLIES& CLAY, 218 Pear
Sireet.
CUMMING & VANDSER, 178 Greenwch
Street.
HASKELL & MERRICK, 10 Gold Street.
B. A.FAHNESTOCK & Co. 49 John Street.
CONHECEMOS A ARVORE E SUAS FRU-
TAS ,
E IGUALMENTE
Conhecemos um Medicamento nos seus Effeitos.
O extracto composlo de Salsa parrrlha do
Dr Townseni est
0MEDC4MEM0DO POYO!!
A'lata-so iao maravilhosamente a constituido
que pode ser utilisado em quasi todas as enfermi-
dades.
ONDE E" DEBILIDADE,
fortalece;
ONDE E'CURRUPCO,
purifica;
ONDE HE PODR D A 0,
ALIMPA.
Este medicamento celebrado que to grandes
servicos presta a humanidade, prepara-se agor
na nova fabrica, na esquina das ras Fronte
Washington, Brooklyn, sob a inspecjac directa
do muito conhecido chimico e medico Dr. James
R. Chilln, da Cidade de New-York, cuja cer-
tido e assignalura se acha na capa exterior da
cada garrrfa de
ORIGINAL E GENUINO
EXTRACTO COMPOSTO DE SALSAPARRILBA
DO DR. TOWNSEKD.
O grande pnrifcartor to sangue
CURANDO
O Herpes
garantin-
rontina a
A Hertsipela,
A AriSTRICQAODOVEN-
TRE,
As Alporcas
Os Effeitos do AZO-
GUE,
Dispepsia,
As DoENCAS.DEFIGA-
DO,
A Hydropesia.
A Impingk
As Ulceras,
O Rheumatismo,
As Chagas
A Dedilidade geral-
As Doencasde pellk
AS BORBULHAS NA CA-
RA,
AS ToSSBSt,
Os Catarrhos, As Tsicas, btc.
OExtracto acha-seconlidoem garra fas quadra-
das e garante-se ser mais forie e melhor em to-
do o respeito a algum outro purificador do san-
gue., conserva-se em lodos os climas por cor-
lo sspaco de tempo.
Dr. Townsend tem a assignatura e a cerlidao do Dr. J. R. Chlitton, na capa
Cada garrafa do original e genuino t/ractu do
exterior de papel verde
No esaripiorio do proprietario, 212 Broadway, New York, e em Pernambuco na ra da Crux n. 21 esenptone 1. andar, tam-
bera na bonica da ra Direita n. 88 do Sr. Prannos.
Slahl pholographos de S. II. o Imperador, ne ra da
Iroperalriz n. 13, avisam ao respeitavel publico
especialmente a seus amigos e freguezes, qu
acaba de vollar de sua viagem cachoeira de
Paulo Aflonso, e passa a dirigir o estabelecimento
photograchico seu socio o Sr. Augusto Slahl.
Igualmente participam a seus freguezes que con-
tinuam a preparar toda a qualidade de irabalhos
da arte combinado com a pholographia, e que
fara o todos os ex ferros por servir bem a aquellos
que os honrarem com suas confianzas,
do esmero e perfeicao no trabalho.'
O Dr. Manoel Moreira Guerra
preslar-se aossenhores estudanles di. Faculdade
de Direitocomo explicadorpara a occasiao do
seu estudo dos pontos para os actos : pode ser
encontrado na ra da Matriz da Roa-Vista n. 24
pela manhaa al as 10 horas, o a tarde das 4 em
diante.
Mudanca.
Carros fnebres.
O Agr, administrador deste estabelecimento,
faz ver ao publico e aos seus amigos, que no dia
30 do corrente faz a sun'mudanea para a ra No-
va, casa n. 63, onde tem o seu eseriptorio de
enlerros ; e a entrada dos carros fnebres pela
ra das Flores, onde os tem patentes a todas as
pessoas que os queiram ver, pois espera ter este
estabelecimento ainda em rnaiores proporces de
que j tem, e cont que o publico e os ges ami-
gos o roadjuTaro neste empenho, certos de que
para ludo quanto estiver ao seu alcance para bem
d.isempenhar as suas obrigacoes ; o encontrarSo
sempre no estabelecimento "a qualquer horado
dia e da noile. Approveila o ensejo para agrade-
cer a confianza que o publico e os seus amigos
Ibes tem prestado, pelo que eternamente graio.
Muilisedeseja fallar com ossennores abai-
xodeclarados, na ra do Queimado n. 39, loja.
Antonio Jos deAmorim.
Antonio Francisco da Silva.
Manoel Jos Hlete Meiriz.
Joaquim Jos Botelho.
Bollabas.
Preparam-se bandejas enfeiladas rom di-
versos modelos de bolinhos dos mais perfeiios
que ha em nosso mercado, para bailes, casamen-
los.feslas de igrejas e solmnisar as formalur3s
dos senhores acadmicos; ludo da forma que
forero as encoramcudos: dirijim-se a ra da Pe-
nha n. 25.
Photographia, ambrotypo
e daguerreotypo.
Eduardo Gadaull vende nao s machinas com
todos os objectos conreroentes esses diflerentes
modos de retratar, incumbindo-se alem disto de
mandar vir qualquer enrommenda : os preten-
deres podem procnra-lo em seu estabelecimen-
to de retratos oleo e daguerreotypo, na ra
Nova n. 23. primeiro andar, sobre a loja de cha-
peos de sol de Mr. Manoel Aiu.
Precisa-se alugar uma [ama para cozinhar
em uma casa de pouca familia : na ra do Tra-
piche n. 26.
Aluga-se uma ptima rasa terrea com com-
modos para uma grande familia bastantemente
fresca e em estado de nao precisar o menor re-
paro, situada na ra da Palma n. 94 : quem prc-
Icnder alugar e a queira examinar pode procurar
a chave na ra da Concordia n 34. armazem do
sol ou defronte do referido armazem, e para tra-
tar de seu alugucl na ra do Livramento, loja
Pede-se ao Sr. Augusto Rufino de Almeida
de vir tua da Moeda fallar com o Sr. Joao Bap-
lista Vieira Flalho, j que est para retirar-se
para o mallo.
A viuva de Miguel Luiz Songey pede as
pessoas que livercm objectos na ofBcina de seu
finado marido, que os venham buscar dentro de
8 dias, sob pena deserem arrematados por conta
e tuco de quem perlencer,
Aluga-se um excellente quarto ou corredor
loja do sobrado da ra das Crujes o. 39 : quem
o pretender, dirija-se a mesma.
y


DIARIO DE PERNAMBUCO. SEXTA FE1RA 7 DE DE2EMBRO DE 1860.
f)

casa de BANHOS
Assignatura de banhos fros, momos, de choque ou ehuviscoB (para urna pessoa)
tmalos era 30 lias consecutivos. ......
30 candas para os Jilos banhos tomados era qualquer lempo
15 Ditos dito dito dito
7 i
Banhos ivulsos, aromticos, salgados esulphurososaoFprec.os annunciados
Esta red iioijo de presos facilitar ao respeitavel publico ogozo das vantagens que resultara
da frequenciadeura estabelecimenlo de urna utiHdadeincontestavel.mas que infelizmente nao
estando era nosso* hbitos, i anda pouco conhecida eapreciada:
109000
155000
8000
4*000
S
EAU MINERLE
NATURALLE DE VlCHY.
Deposito na bo tica franceza ra da Cruz n. 22
INJEGTIO
Remedio infallivel contra as agnorrlias antigs e recentes.
nico deposito na botica franceza, ra do Cruz n. 22.
Preco do frasco 3*000.
TABAC CA
Deposito das manufacturas impertis de ranea*
Esteexcelenle fumo acha-se depositado, diretamente na ra Nova n. 23, ESQUINA DA
CAMBOA DOCARMO, o qual se vende por masaos de 2 hectogramos a l$000e em porc,aode
10 masaos para cima cora descont de 25 porceoto ; no mesmo estabeleciment acha-se tarabem
verdadeiro papel de linho para cigarros.
Fredetico Kuinoi, allemo, vai para Ma-
cei.
Se ha do arrematar a casa sita na rua das
Aguas-Verdes n. 52, no da 7 do corrente *z,
pelas 11 horas da manha, na casa das audien-
cias, pelojuizo dos orphaos, e pela quantia de
1:2809, a ultima praga, pertencentc ao fallecido
Jorge Burgos Alves.
Aluga-se um primeiro andar, aceiado, com
coramou"os para familia, na ra Direita : a tratar
na dita ra n. 51.
Ainda esta por alugnr o sitio na Torre, per-
tencente a Jos Marianno de Albuquerque : a tra-
tar com o mesmo ou com o Sr. Jos Azevedo
Andrade, na ra do Crespo.
Desappariceu no dia 25 do mez passado do
becco do Pocinbo, urna escrava de nome Delflna,
de -15 anuos de idade, com os signaes seguintes :
falla de denles, cor fula, peitos pequeos e mnr-
chos, gaga e julga-se ler ido com urna mana :
roga-se as autoridades policiaes o capites da
campo a prendam e levem-na ra Imperial n.
9 que ser recompensado.
Precisa-se de urna ama que saiba cosinhar
e engommar para duas pessoas quem estiver
neste caso dirija-so a ra de Apollo u. 43, en-
trada pelo oilao.
Precisa-se de um cont de reis a premio
com hypolheca em casa de maior valor: na ra
do Queimado n. 21, primeiro andar, se dir quem
precisa.
Desappareccu da casa de S. P. Johnston
um rapaz ingloz por nome Roberl Rubers, de ida-
de de 14 a 15 annos, que se tiuha engajado co-
mo criado : quem delle souber pude dirigir-se a
casa do mesmo na Arraial ou na ra da Senzala
Nova n. 42, que se graliGcar ; assim como se
previne que se proceder na forma da lei cou-
tra quem o oceultar.
K-iikmann Irmacs& C avisam ao
respeitavel corpo do commercio que
foram nomeados agentes nesta piaradas
-ompalinas de seguros maitimos de
Ilamburgo.
LOTERA
Extracto dos
dentes.
Jos Anacleto sangra, tira bem denles e raizes
com rapidez, cura as dores de denles, applicando
os melhores especficos, ou lira-os bem sendo
preciso, caiga os dentes turados e separa bem os
da frente, applica ventosas sarjadas, prepara con-
forme a arle, os melhores licores, aguas e pos
dentifriecs,muito medicinaos e tnico para o Ira-
tameiilo e aceio da bocea, e conservarlo dos
dentes, por 1$ a ciixa, e Vi o frasco, especficos
para applacare distruir as dores de dentes, quan-
lidade por 15 e 2 ; sendo chamado com cscripto
a qualquer hora : na ra da Camboa do Carmo
n. 19.
~ O Sr. Joao Americano, subdito da America
Ingleza, nao se pode retirar desta cidade, sem
que primeiro salde conlas com o abaixo assign.3 -
do. Recife 6 de dezembro de 1860.
Luiz Antonio dos Santos Pereica.
- Apprthenderam-se 16 voluntes de diversas
obras de. direito e lilteralura aura preta que as
andava offerecendo por diminuto prego, o algo-
mas truncadas ; porisso a quem ellas fallaren),
queira dirigir-se livraria universal Je Guina-
raes Oliveira, que dando os sigues cortos se
lhe eutregaro.
Em Santo Amaro de Jaboalao aluga-se urna
Compras,
Compram-se 4 burros que sejam mansos ;
nacocheira n. 5 da ra da Florentina.
Comprase urna mesa elstica para jai.tar,
que nao lenha menos de 24 palmos : na ra do
Cabug n. 2.
Af!
Compra-se na ra da Cruz do Recife, armazem
n. 63, 10 arrobas de tamaiindos em bage ; quem
tiver annuncie ou dirija-se ao dito armazem para
tratar.
Compra-so um ecrava crjoula de
idade de 20 a 30 annos, que seja bonita
e de boa figura e que saibi engommar
e cosinhar perfeitauente : no largo da
Assembltia n. 11, primeiro andar.
'7
8
sidas.
Vendem-se tres pretas boas engommaJeiras
e cozinheiras, sem vicios e molestias, tendo urna
dellas um illio de tres annos, c sendo urna oulra
excellente casa por seus commodos e posicao : a Per,ta cm.lud. e tambera um moleque de 15 an-
tratar na ra Nova n. 56. i nos ProP Para Saceos de 115 libras.
O mais superior farelo que tem vindo ao mer-
Quem quizer possuir um grande e linio gal- ,'
lo da Conrhinchina, chegado ha pouco da Euro-1
pa, dirija se a ra da Sania Cruz n. 14, defrontc
do oilo da ign-ja, aonde encontrarao o seu pos-
suidur, que o vender por prego commodo. i cado, no armazem de Barros & Silva ; assim co- i
A casa lerrea na ra dos Guararapes sob n. m se vende saceos de feijao mulalinho, vindo da i
51, com 18 ptlmos de frente c 60 de fundo, co- ha de Feruando.
zinha externa, quintal murado, cacimba meeira, Vndese farelo ltimamente desembarcado
em solo foreiro, avallada por 2.000, casa que foi milho, arroz do Mannhao, gomma muito fina e
parlilhada com 03 orphaos lilhos dos tinados Fer- tarinha de mandioca da melhor que ha no mer-
riandes Jos da Silva Manta e Jos Fernando da cado : na ra da Moeda n. 41.
Silva Manta Jnior, cuja parte de que os raen- | Vende-se urna linda mulatinha :
SS'm. T&JS^SSSfiL i?- n rua da Camblo tormo casa n. 22. | pes^r*^"wm^ast^r,,
lores da^uelles orphaos, sendo a ultima praga as
Rua Direita 11,10!
1 grande realejo com tambor e pratos.
3 ditos com macacos mgicos.
1 menores com um s macaco.
Caixas com msica para costura.
Ditas com caiteiras e estojo., para viagem.
Caigas e paletots de cnserairas.
Ditase diles de brim bfanco, riscada e g*nga
amarella.
Cortes decolletes de velludo c sarja.
Mangas com nichos e flore?.
Jarros sonidos de porcelana. "
Pomadas e cheiros.
Armnicas sortida?.
Dicos e rendas.
Caixas com perfumaras.
Calgado de tranga, bezerro e lustro, e oulras
muitas miudezas, que ludo se vende para liqui-
dar contas at o flm de dezembro do corrate
anno.
Vende-se a barcaga CoragSo de Jess,
nova, fabricada com excellentes madeiras, e car-
rega 90 caixas, f'indeadi no caes do Ramos : a
tratar na rua do Crespo n. 14.
REf/IEDIQ INCOMPARAYEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Mhares de individuos de todas as naeoes
'podem toslemunhar as virtudes desle remedio
;ncomparavelc provar em caso neces-ario, que,
j pelo uso que delle fizeram lem seu ">rpo e
lOiembros inteiramente saos depois de ha-.;: em-
bregado intilmente cutros tralamenios. Cada
pessoa poder-se-ha convencer dessas curas .-ra-
ravilhosas pela leilura dos peridicos, que Ih'as
rclaiam todos os dias ha mullos annos; e a
maior parte dellas sao to sorprendentes qi:o
admiram os mdicos mais celebres. Quantas
CASA DE SALDE
DOS
1
Sita em Santo Amaro.
Eeteestabelecimentocontinua debaixo da administracao dos pro-
prietarios a receber doenles de qualquer natureza ou cathegoria que
seja.
O zelo e cuidado all empregadospara op~ompto restabeleciuoen-
to dos doentese'geralmente conhecido.
Quem se quizer utilisai pode dirigir-se as casas dos proprietarios
ambos moral res na rua Nova, ou cntender-secom o regente no esta-
tabeleciraento. 1
Reforma de precos.
Escravos. ....... 2000
Marujos ec riados..... ,2^500
Primeiraclasse o e. ^'500
A$ cpera<-oes serao previamente ajustadas.
O Sr. thesoureiro das loteras manda declarar
qtKj se acham expostos venda os bilhetes da
segunda paite da primeira lotera da irmandade
do Nossa Senhon do Bom Parlo da igreja de S.
Sebasliao de Olinda, cujas rodrs devero andar
imprelerivclmenie no dia 12 do prsenle.
Thesourana das loteras Io de ezembro de
1860.Jos Mora di Cruz, escrvao.
Precisa se alugaruma ama forra ou captiva
para urna casa de pouca familia, que saiba cozi-
nhar e engommar-; a tratar na rua do Seve ou
Ilha dos Ratos, casa terrea do Sr. Tiburcio aonde
lem o lampiao do gaz.
Precisa-sc de urna ama de leile : a trata
no sobrado de um andar ao lado do norte da f a
lrica do gaz e a Ltira do rio.
COMFAUHU
stabeecida m Londres
iiftp m mu.
CAPITAL
Cinco iu\iV\ioes de UIy&s
sterWuas.
Saunders Brothers& C. tem a honra de infor-
mar aos senhores negociantes, proprietarios de
casas, e a quera mais convier, que esto plena-
menteautorisados pela dita companhia para ef-
fecluar seguros sobre edificios de lijlo e pedra,
cobertos de telha, e igualmente sobre osobjectos
que contiverem os mesmos edificios, quer con-
sista em mobilio ou em f&zendas de qualquer
qualidade. *
fffmrrTTTTrTTTTTTTT?-?7TTT<>
| DENTISTA FRANCEZ. 5
> Piulo Gaignoux) dentista, rua das La-
> rang 'iras 15. Na mesm* casa tem agua e <
^ p dentifico. *
agencia dos fabricantes america-
nos Grouver& Baker*
Machinas de co&er: em casade SamuelP.
onhston & r ua da Senzala Nova n. 52
m.

CONSULTORIO
DO
A

MEDICO P&BTEIRO E OPERADOR.
3 RUA DA GLORIA, CASA ESO FUYDAO 3
Clnica pov ambos os systemas.
O Dr. Lobo llanoso d consullas todos os dias pela manha, e de tarde depois de 4
horas. Contraa partidos para curar annualmente, nao s para acidade, como para os engeuhos
ou outras proprUfdades ruraes.
O; chamados devem ser dirigidos sua casa at s 10 horas da manha c em caso
de urgencia oulra qualquer hora do dia ou da noile, sendo por escriptoem que se declare
o nome da pessoa, o da rua e o numero da casa.
Nos casos que nao orem de urgencia, as pessoas residentes no bairro do Recife po-
dero remelter seus bilhetes botica do Sr. J. Sounn & C. na rua da Cruz, ou loja de
vros do Sr. Jos Nogueira de Soasa na rua do Crespo ao p da ponte velha.
Nessa loja e na casa do annuncianle achar-se-ha constantemente os melhores medica-
xenloshoraeofalhicos j bem conhecidos e pelos procos seguintes:
Botica de 12 tubos grandes...........10;000
Dita de 24 ditos.................155000
Dita de 36 ditos.................20$0G0
D'ua de 48 ditos................. 25^000
Dita de 60 ditos...............- 305OOO
Tubos avulsos cada um.........; IfOOO
Frascos de Unturas................2#000
Manual de medicina homeopalhica pelo Dr. Jahr, Ira-
duzido em porluguez, com o diccionario dos termos
de medicina, cirurgia etc.. ele........205J0OO
Medicina domestica do Dr. He-ring, com diccionario, li&OCO
Repertorio do Dr. Mello Moraes. ,....... 6900O
15Rua
de Pars.
Nova15
Fazendas e de miudezas.
Em casa de Augusto C. de Abreu, ha para vender um completo
sortimento de perfumariai, constando de leos, banlias, pos para
dentes, sabao, extractos, aguas de clieiro e muitos outros artigos dos
melhores perfumistas de Londres e Pars.
i| FreericoGautier, cirurgio dentista,
5^f.iz todas as operace dasuaartee col-
|B locadeRtes artificiaos, ludo com a upe-!
U rioridade e perfeico queas pessoasen-
3| tendidas lhe recohecem.
^p Te-nagua e pos dentifricios ote 'i
wms&tmsem & weeieeiseeg
O abaixo assignado, juiz de paz do terceiro
anno desta fropuf zi de S. Jos, acha-se e m exer-
cicio no impedimento dos de mais juizes, e as
audiencias sao nos mesmos dias c horas marca-
das. Recife 3 de dezembro de 1860.
Eduardo Fredeiico B.ik-n.
Attenco.
Roga-se ao Sr. ReginaldoAhes de Mello, que
antes de retrar-se para a capital da Hahia vi sol-
ver o seu debito em Santo Amaro, liberna de
Jos Jacinlho de Carvalho.
Precisa-se de um caixeirocom idade de 16
a 18 annos, len'o prulica de venda de molhados,
c querendo ir para urna villa fra desla capital,
dirija-se a rua da Cadeia do Reciie, luja n. 26,
esijuina do boceo Largo.
Sorvele.
De hoje em diante liaver sorvele ao meio dia
c a noile, em casa de Sodr & C, ua rua eslreila
do Rosario n. 11.
Para administrar enger lio
se offerece um hornero que j foi rendeiro do
ume que sendo victima da infelicidade se su-
geila por qualquer ordenado tanto nesta provin-
cia como n'outra : na rua do Crespo loja n. 10,
se dir.
Curso particular de rhetorica.
Manoel de Honorato lem aberto o seu curso
de eloquencia e potica nacional : na rua Direi-
ta n. 88, primeiro andar.
-- Aluga-se o sobrado de dous andares e so-
lao da rua Imperial n. 169 : a fallar na rua da
Aurora n. 36,
- Sexta-feira 7 do corrente, depois da audi-
encia do Sr. Dr. iuiz de orphaos, vaa praga por
venda a escrava Lourenca, de idade^de 21 annos,
avaliada em 800$000 : 'a ultima prags.
O Illm. Sr. B. A. M. C. B
senhor de engenho na provin-
cia das Alagoas, queira fazer
o favor mandar pagar na loja
de ferragens da rua do Quei-
mado (que nao ignora) a sua
letra vencida ha muito tein-
po, producto de negocio rea-
lisado a 28 mezes, vslo que
nao tem-se dignado dar a mais
insignificante resposta amis
de umaduzia departas que se
ihetemescri, to.
11 horas da manha, na casa da audiencia,
dia 11 do corrente ; ultima praQa.
waemmm-mm-mmmmn
AO PUBLICO
P O arrematante da loja de miudezas da II
sal rua do Livramenton. 2, que foi de Igna- Si
B ci Nery Fcrreira da Silva Lopes, avisa g
aos devedores do mesmo que smente de- ^
, vem ir pagar s*us dbitos na loja de miu- j
g dezaa da rua da Im,er..triz n. 82, sob j|
m. penado pagarem segunda vez no caso de $>
jg; quepaguem a outrem, H
O Sr. alferes Thom G. Vieira de
Lima, queira dirigir-se a esta typogra-
pliia, que se lhe precisa fallar.
Precisa-se de oriadores para a fabrica do
Monteiro : a tratar no deposito da rua deA-
pollo n. 6.
Aluga-se o segundo andar da casa n. 6 da
rua da Lapa com muitos ccmmolospara familia;
a tratar na rua da Moda n. 41.
Irmandade de N. Senhora
da Conceicao dos Mi-

litares.
A respectiva mes regedora, tendo de fazer a
festa de sua excelsa padroeia no dia 8 do cor-
rente, com a pompa e explendor do costume, |
pedo aos senhores moradores da rua Nova.de.
llluminarem as frentes de suas casas as noites I
de 7 e 8,como Boa outros aunos,pelo que desdej
Ihesconfcssa sua gralido.
Verdadeiro caf de Moka, s
no hotel trovador, rua larga
do Rosario n. 44.
A qualquer hora do dia ou da norte encontrar-
se-ha neste estabelecimento goslo dng fregue-
zeso verdadeiro cat de Moka, bem assim sor-
. vetes das melhores fruclas quo cxislem no mer-
cado, das 6 horas da tarde em diaele, Repele se
o annuncio para maior sciencia do publico e ha-
ver nesle mesmo estabelecimento comida feita a j
qualquer hora que se procure, e bem assim o l
fornecer-st para casas particulares. No mesmo
hotel precisa-se de um moleque captivo para o
se'vico interno e exierno.
Fugio no dia 5 do corrente da casa do Sr.
Joaquim Francisco de Alem o escravo crioulo de
nome Solero, de idade de 16 a 18 annos, levou
vestido caiga de algodao azul e camisa branca da
mesma fazenda j enxovalhadas, tem olhos gran-
des e bastante vivos, e em urna das faces um
signal de cabellos; quem o apprehender, leve-o
rua do Codorniz n. 2, que ser recompensado.
Charutos.
Gustavo Bousset & C. receberam pelo ullimo
navio um esplendido sortimento de charutos de
Havana dos melhores viudo a este mercado, os
quaes cstao a disposico dos freguezos, na rua
da Cruz n. 5.
Queijos
suissos no vos.
J. Prager& C. avisam aos seus freguezes que
receberam pelo navio Adele queijos suissos no-
vos o muilo frescos, e pedem aquello que j eu-
commendaram, de mandar recebe-los no arma-
zem da rua da Cruz n. 17.
Coke (carvo),
ou combuslivel para corintias, caldeiras, ele,
muilo econmico para as casas particulares: ven-
de-se na fabrica do gaz, em porces de um quin-
tal para cima a 1$ o quintal.
Macas e peras
de todas asqualidades que existem em Portugal,
tanto em porcao como a rclalho, sem lemile de
prego : vende-se nicamente no armazem Pro-
gresso de Duarte & Irmao, no largo da Penha
numero 8.
Doce de caj.
Na rua Direiti n 33, primeiro an-
dar, vende se excellente doce de caj'
secco e de calda, assim como faz-te Ida
2i0
,o uso de seus bracos e pernas, depois de ler
permanecido longo lempo nos hospit es, onde
deviam solrer a amputagao 1 Ddlas ha mui-
cas quehavonlo deixado esses, asylos de par-
timentos, para se nao submeierem a essa rpe-
racao .lulorosa foram coradas coropletmeDle,
mediante o uso desse precioso remedio. Al-
gurnas das laes pessoa na enfusao de sen reco-
(nhecimento declararam estes resultados Lencfi-
Vende-se urna carroga para cavallo, nova : na eos diante do lord corregedor e outros masa
ua da Concordia, tenda de ferreiro, confronte ao irados, aflra de mais autenticaren! sua a Qrnia-
tiva.
Cassas de lindos padres e cores flxas que se
pJe garantir aos comprad.i?, s 210 rs. o covado'
na rua do Queimido, loja de 4 portas n. .'19.
Vendem-se tres porcos muito gordo, sendo
um grande e dous menores: na rua dos Pires,
o 50.
CAHROCA.
ude ce
armazem do sol.
Vendora-se duas balancas p.ira cima Je j ^inguern dtsesperaria do estado de a
balcao. pejuenas proprias para botica ou dero- tVesse bastante confianca para encii ares -"'
silo, novas e bonitas, e apparelhos ou os ferros ma.in ., ^ v !'" encinar este re-
necessarios para cortar carne no arougue. espi- ; medl constantemente Seguindo algum lcmr.o o
nto de vinho ou alcool de 36 graos, por preco ira lamento que necesstasse a naturez-a -do rrtl
commodo ; na rua do Imperador n. 28. cu i o resultado seria provar DCOn testa veln -r /
m*mmmimm&z,iz?m mmm -Qaeiujocura. "' '' "-
as .-\i
ti, O uusuento lio
^i lamiente nos
til, mais particu-
se;-iinies easoSi
R01P4 FEITA AI\DA MUS BARATAS.
SORTIMENTO COMPLETO
DB
i
e obras feilas.
SA
ad/c
Cv
I Alporcas
, Ca i rubras
Callos.
-. Anceres.
CorladurS.
Dores de cabera.
las costas.
- dos meabros.
Emfermidades da culis
era geral.
, Dilas do anus. "
i Erupr6es escorbticas.
! Fstulas no abdomen.
IPialdada ou falla de
calor as exiremida-
des.
, Frieiras.
Gengiva escaldadass.
. IncliaQoes.
LOJA E ARMAZEM
DE
NA
Hua Ao Quemado
;n^46,vcnlc amarla, j
i Constantemente temos ora grande c va- Q
riado sortimento do so'urecasacas prei.is w
de panno e de cores muito fino a 28J, M
] 30g e 35S, paletoU dos mesmos pannos **
i o 20& 22g e 24?, ditos saceos pretos dos 4=
| mesmos pannos a 1 3, 16jS e 185. c.isa-
i cas pretas muito bem fritas e de superior 3e
panno a 289, 30g e 35^. sobrecasacas de S
casemira de cores muilo finos a 1">S, 16$ 3
e 18g, ditos saceos das mesmas casemi- ^
ras a 10g. 12 e 14f, calcas prelas de m
casemira lina para hornera a 65, 9-3, t0,jf $
c 12, dilas de casemira decores a Tg, S-J, |f
9 e 10jS, ditas de brim brancos muito a
fina a 5j e 6.5, ditas de ditos de cores a gf
3, 350O, 4 e 4?00, dilas de meia ca- &
semira de ricas cores a 4 e 4$500, col- |g
leles pretos de casemira a 5J) e C-5, ditos ?M
de ditos de cores a 4^500 o 5, ditos 5
brancos de seda para casamento a 5j,
ditos de 63. colletes de brim brauco e de S
fuslao a 3, 3JS500 e ty, ditos do cores a 31
23500 e 33, paletots pretos de merino de **
cordio sacco e sobrecasaco a 7?, 83 e 93, M n]ao
Indammagao da bexig.,.
da matriz
Lepra.
Moles das perna.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de rri lis.
Picadura de mosquitos
Pulmes.
Queimadelas.
Sarna
Soprseles ptridas
Tinha, em quafqutt
parte que seja.
Tremor de ervos
ulceras na Lorca.
do igado.
das arlicula^oes.
Veas torcidos ou dc>
das as pernas.
i Vende-se este ungento no estabelecimer.lo
'gerdlde Londres n. 244, .Slrand. e lia
. de todos os boticarios droguistas e
mis encarregadas de sua venda ,
America do siil,* Havana e Hespar.ha
Rndese a 300 rs., cala bocelinha conlcm
urna mslrucsao em portuguez para explicar o
modo de fa
o)a
outras pes-
em toda a
azer uso desto ungento.
O deposito geral e em casa do Sr. Son
pharraaceutico, na rua da Cruz n. 22
Pernambuco.
m,
en;
SISTEMA MEDICO DHOLLOWAY.
PILUI.AS IIOLLWOV.V
Este inoslimavel especifico, composto inteira
mente de hervas medicinaes, nao contm mercu-
rio nem alguma oulra substancia deleeleria B-
collctes prelos para lulo a 4*500 Y 3.' f I,"'.?".?.miaif.len,ra infancia' e a "*Wio mais
calcas pretas de merino a 1^500 e 53, pa-
letots de alpaca prela a 3j500 e 4;3, ditos
sobrecasaco a 6, 7jje 8$, muito tino col-
letes de gorgurao de seda de cores muilo
boa fazenda a 3^800 e 4g. colletes de rel-
indo 4e corea pretos a 73 e 8-3, roupa
para menino sobre casaca de panno pre-
tos e de cores a 14, lo* e 16-3, ditos de
casemira sacco para os mesmos a 6-3500 e 'M
7JJ, ditos de alpaca pretos saceos a 3} e W
33500, ditos sobrecasacos a 5$ e I301K), ^
calcas de casemira prelas e de cores a 63, !g
6g500 e 7, camisas para menino a 2 s
a duzia, camisas inglesas pregas largas 3?
muito superior a 329 a duzia pan acabar.
Assim como temos urna offleins de a 1 3j?
faiale oude mandamos executr todas as *
obras com brevidade. k&

de?, milho e farinha de mandioca, arroz pilado e
de casca, ludo por preco muito cm cunta ; no
pateo deS. redro n. 6.
MKL'
DE
Differentes qualidades
Na loja da aguia branca se acha um grande
sortimento de papel de differentes qualidades, al-
majo liso e pautado, de peso tambem liso e pau-
tado proprio para se mandar marcar a 3J>, 3*500,
4ge '(500 a resma ; dito fantasa de bonitas co-
res e boos gostos a 1 e 1*200 a caixinha, dilo de
beira dourada a 2*500 a caixinha, envelopes de
cores, brancos. bordados a l*e 3 rs. a caixinha :
na dita loja da aguia branca, rua do Queima-
do o. 16.
Attenco
Vende-se urna barcaga por nome Santa Cruz:
Alagona, de 80 caixas e muito bem construida ,
quero a quizer comprar, poder dirigir-se i casa ,._
dos Sr, Ferro $ Maia, na rua do Crespo n. }5, loja de marcineiro n. 44.
Vendem-se doces seceos de caj muilo bom e
commodo prejo, como sej : bom doce secco de
rflangaba, cidroo, latas com boa jalea de araci e
pitanga. tambtm so fazem bandejas de bolinhos
de armaces de lindos modelos, e rasas do me-
lhor gosto apetecidas, tambem se fazem pastis
de carne, feilio de nariz, pastis do nata, doces;
d'ovos, papos de anjos, alfinins, arroz de leile,
jaleas de substancia.
Admiragol
Vendem-se na rua Direita n. 99, saceos com
rroz do casca, ditos
ltimameiile clie-
a 560 rs., assim
de palha do A-
racaty o cenlo a I8g, a retallio 200 rs. cada um,
manteiga ngleza a 1J280, dita franceza a 840 rs.
Queijos a 2#240, virilio de Lis-
boa a 560 rs,
do melhor que tem o mercado, manteiga ingleza
fina a 960, franceza a 760, cha a 1*920, caf a
210, arroz a lOOrs., toucinlio a 320, chouricasa
560, figos de comadre a 160, vinho a 400 rs., vi-
nagre a 210, azeile doce a 640,
delicada igualmente prompto e 1
I desarraigar o mal na compleicao mais robusta ;
, e en'.eiraraenle innocenie em suas operaces e ef-
| fenos ; pos busca e remove as doeocas de qual-
.querespecit e grao por mais antigs e tenszcs
que seiarn.
Entre mimares de pessoa curadas com este
remello, muitas que j estarm as ponas da
imorle, preservando em seu uso : conseguirn]
I recobrar a saude e forgas, depois de ha ver tenta-
do nultimente todos os outros remedios.
As mais afllictas nao devem entregar-se a c'es-
esperacao ; acam um compleme enssio di-<
elicazes effeitos desla assombrosa medicina, c
prestes recuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca lempo em tornar este remedio
para qualquer das seguintes enfermidades:
Accidenies epilpticos.
Alporca.
Ampolas.
Areias (mal de).
Asthma.
Clicas.
Ccnvulsoes.
Debilidadeou exlenua-
Qao.
Debildade ou falta de
forjas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga..
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidades no ventre.
Ditas no igado.
Ditas venreas.
Enchaqueca
Herysipela,
Febreto da especie.
Gotta.
Hemorrlioidas.
Bydropesia.
Ictericia.
Indir'estoes.
fn^ammsQoes.
Irregularidades
menstiuaco.
Lombrgas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cuts.
Abstrucfao de ventre.
Phtysira ou consurop-
p (limonar.
Re!enr;o de ournn.
Rheumatismo.
Symptomfs secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venereo(mal).
espermacele a i
720, alpista a 160, azeile de carrapato a 400 rs. : rebre biliosa,
na taberna da estrella, largo do Panizo n. 14. j Febreto intermitente.
Chega para todos. v .
Cassas francezas muito bonitas e de cores fixas .en ,6 esl8S ,,luI" n estabelecimento ge-
a doze vinlenso covado, 6 mais barato doqnera "e Londres n. 224, Strand, e na loja de
chita, approveitem^em quanlo nao so acabam ; todos os balicarios droguista e oulraspessoas en-
na rua do Queimado n. 22, ua bem conhecida lo-
ja da Boa F.
carregadas de sua venda em toda a America do
bul, Havana e Hspanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs. cada
urna dallas, coniera urna instruccao em portu-
Vendem-se 3 guardas-roupas. 1 caxa de ca-jguez para explicar o modo de se usar deslas pi-
briolet a moderna, S pares ae aparadores, 1 com- lulas.
Altenco.
moda, 1 par de bancas, 1 realejo com 30 pocas,
ludo obra de muito bom gosto, tanto cm madei-
ras como em mao d'obras : na rua da Aurora,
O deposito geral em casa do Sr. Soum
dharmaceutico, na rua da Cruz n. 22, em Per-
nambuco.


()
E' baratissimo.
P.-lits de britn branco muito be n feitos e pro-
prios para a presente estaco, pelo baratissimo
prec.o de 5} cada um : na ra do Queimado n.
22. loja da boa-f.
de graca.
Corles de calcas de raeia casemira de cores cs-
curas a 1600, ditosde brira denho de cores a
2g, tiscadinhos de linho proprios para obras de
meninos a 200 rs o covado, grvalas de seda de
cores a 610. ditas pretas estreitinhas e largas a
1$, alem disto outras fazendas que se venden]
mui.oem conta ; na loja da boa t, na ra do
Que.mado n. 22.
Baloes de 30 arcos.
Yendem-se superiores baloes com 30 arcos,
sendo muito recommendaveis por poderem flear
do Urmnho que se precisar, pelo baratissimo
prec,o de Gj ; na ra do Queimado n. 22, na loja
da boi f.
Entremeios e liras
bordadas.
Van.le se mu bonitos entremeios e tiras bor-
dadas em lina cambraia, obras mui bem acaba-
das, )S entrmelos pelos baralissimos precos de
13600. 29 e2J100 a peca o as tiras bordadas por
25. 29500, 'i, 4, 58 e 6*. A vista da superio-
ridade da fazenda ninguem deixar de comprar e
para isso dirijam-se a ra do Queimado loja da
aguia branca n. 16.
DIARIO DE mHAMBHCO. SEXTA FEIRA 7 DE DEZEMBRO CHE lBO.
______
toto iinsBisif
DE
Chales.
Ricos chales de merino estampados, de cores
multo bonitas a 7#, ditos muito finos a 8500,
ditos lisos a 5J. ditos bordados a matiz a 8j50o,
aa ra do Queimado n. 22, loja da boa-f.
Algodao monslro.
Vende-se algodao monstro com duas larguras,
muito proprio para toalhas e leces por dispen-
sar toda o qualquer costura, polo baratissimo
prc,o do 600 rs. a vara ; na ra do Queimado n.
21, "na loja da boa f.
Labyrintos e biccos das
Uhas.
A loja d'aguia branca acaba de receber urna no-
vo e bonito sorlimeuto do labyrintos e biccos das
lirias, obras j bem conhecidis por suas boas
qualidades e duracao. 03 labyrintos por suas
mui diversas larguras regulam de 240 a 11*200 a
vira, o os biccos de 200 a lJOOO. Uris e oulros
sao Je sumisa utilidad*, c por isso se tornara
necessarios para as familias. Vendetn-se em dita
o;i d'aguia braca, ra do Queimado n. 16.
BE
Joaquim Francisco dos Santos.
40 RA DO QUEMADO 40
Defronte do beoco da Congregando letreiro verde.
SLOfilOS.
V:ale-se em:asade Saunders Brothers A
'.. praca lo Corpo Santo, relogios do afama
ii lu inte Roskell, por precos commodos
e uratera -aacollin* e cadeiasoaraos mesmos
do > tce 'Unte costo.
>" '311 ..3O1 I O3O OC3C2CS
J .. J7 'wJV'.kJ' hjV J -lu. Vt_jr m.^ ^mr vi-t*
I agaro contra Fog
OMPAHeA
I
tg
LONDRES
AGENTES
J. As t le y & Goinpanhia.|
Seda de qi.adrinhos muito fina covado
Enfeiles de velludo com froco pretos e
de coresl para cabera de senhora da
ultima moda
Fazendas para vestidos, sendo seda la
e seda, caynbraias e seda lapada e
transparente, covedo
Luvas de sed\bordadas e lisas para
senhoras, horoens e meninos
Lencos de seda raxos para senbora a
29000 e
Mantas para grvalas e gravatas de
seda de todas as\ qualidades
Chapeo francez forma modrrna
Lencos de gurgurao\ prelos
lucas capellas brancas para noivados
Saias balo para sennora e meninas
Tafeta rxo o covado \
Chitas franceza a 260, !80, 300, e
Cassas francezas, a vara
29500
8>50O
2$000
9500
03-2O
500
Setim prelo azul e encarnado proprio
para forros com 4 palmos delargnra
o covado
Casemira lisa decores 2 larguras, o co-
vado
Chales de miron bordados, lisos ees*
lampados de todas as qualidades
Seda lisa preta e de cores proprio para
forros com 4 palmos de largura, o
covado
Ricos cortes da seda pretos e de coros
com 2 saias e de babados
Ditos de gaza e de seda phantasia
Chales de loquim muito finos
Grosdenaple preto e de cores de todas
as qualidades
Seda lavrada preta e branca
Capas de fil e visitas deseda preta
cora froco
4SRa Direita 4S
ESCOLHIDO SORTIENTO
DE
Pianos
1*600
2*000
1&500
Aproiimando-se o lempo festivo, e sendo in-
dispensavel que as lindas e amaveis filhas da
opulenta e potica Mauricea se previnatn do que
oecessano para o resguardo dos seus mimosos
e pequentnos ps; attendendo tambem a que
urna crinolina empavesada nao pode estar de
acord com urna bolina acalcanhada ou desco-
sida, assim como um cavalheiro de calca balao
com um borzegnim estragado, far urna triste
figura vis-a-vis de urna bella; considerares tao
acertadas actuaram no espirito do propietario do
estabelecimento, j tao conhecido pela modici-
de dos precos do seu calcado, para reduzi-los
aioda mais, munindo-se de um abundante sor-
limento e sera defeito, que aprsenla aos seus
benignos freguezes [raoeda em punho pelos
presos abaixo :
Senhoras
Borzeguins 52 a 59. 4J800
Dito ditos.......4#500
Ditos ditos.......4#000
PROGRESSO
de
S
|
-
Vende-se
Formas de ferro para
purgar assuear.
Enchilas de ferro
Ferro sueco.
F*ngarclas.
Ac le Trieste. .
| Prego= de cobFe de com-
posicio.
Barril ha e cabos.
Brim de vela.
Couro de lustre.
Os proprietarios deste estabele-
cimento convidam ao respeitavel publico, principalmente aoe amigos do bom abarato, que se
achara em seu arraazem de molhados de novamenle sonido de gneros, os melhores que tem
vindo a esteuercado, por serem escolhidos por um dos socios na capital de Lisboa e por serem
a maior parte delles vindos por conta dos proprietarios.
Chocolate
dos melhores autores de Europa a 900 rs. a libra em por^o a 8o0 rs,.
Mavmelaaa imperial
em latas de i a 2 libras a 800
a
s
6
e

p
i
3
P.ilhiuha para marcinei-
ro : ao armazeui
J. Astley & C.
deC.
do afamado Abreu, e de outros mais fabricantes de Lisboa
rs., era porc,ao dse far algura abatimento.
5i^3 -9 ~9 "2 ~B 3'3 Q "B S E 3
N \ ra da CaJeii n. 24, vendera-se as se-
i >,a U'-nlis, par metade de seu valor, para
Bicosl'seda brancos e prelos, de todas as
, in a 160. 240. 400, 800 e ltOOO.
11 i >aipleto sorlimento de franjas de sedae
-' I 1 "l .
Chales letuaqiiim i 10, 15, 20 e 35j
>3 lesela, velludo, de lou?a e de fustau
;>> n -.lid i les Unas, duzia s 200, 400 o 600 rs.
Collarihos bordados de 500 rs., 2$, 3 e 43
ios Unos, pegas com 13 varas a lg.
Ponos bordados tiras a 5'K), U, 2, 35500.
Cimiselaseoin man?uilosa 3$, 4, 5 e 65.
ites de flores a Cj.
Chapeos de seda para senbora a 10g.
Cisjvojues de velludo a 40 e 60$.
Hitos df sIi a 25.
is le rusti a 8 e 123
Filas de seda e de todas as qualidades de 160
'.,-. 1 1*500.
Uas lo velludo de 210 rs. a 1$.
Maca de tomate
em latas de 1 libra por 900 rs., em porc.ao vende-se a 850 rs.
"Lalas com ervillias
vende-se nicamente no armazem progresso a 640 rs. cada huma.
Conservas francezas e inglezas
as mais novas que ha no mercado a 700 rs. o frasco.
lalas de bolacninlia de soda
com diferentes qualidades a 10600 a lata
\meixas francezas
s mais novas que tem vindo a este mercado em compoteiras, conlendo 3 libras por 3#000 rs.
eem latas de 1 1(2 libra por 18500 res
Verdadeiros figos de comadre
em caixa com 10 libras por 330O0 rs. a retalho a 240 teis a libra.
Caixinlias com 8 libras de passas
a 35S000 rs. era por^ao se far algum abatimento, vende-se tambem a retalho a libra a 500 rs.
Mantciga ingleza
perfeitamente flor a mais nova que ha no mercado a 1*000 rs. a libra, era barril se far al-
gum abatimento.
Cn perola
94(500
8800
8^300'
6'000J
6^0001
54(000
54(600
5000
Saunders Brothers di C. tem m vender em
e-i armazem, na praca do Corpo Santo n. 11
alguns pianos do ultimo gosto .recen ti ment
chegados.dosbem conhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood 4Sons de Londres,
muito oroorios o ara este clima
Bonets para meninos.
O tempo proprio para se comprar os bonitos
bonets de panno fino enfeitados cora fita de c ha-
malote e borlota, outros enfeitados com Ota de
velludo e pluma, e outros cora galaozinho dou-
rado. todos pelos baralissimos precos de 3$500,
4* e 5*, ditos de palha escura, mui bonitos e
fortes a 3, gorras de palha branca enfeitadas a
LS500, e outros mu ditferentes bonets de panno
enfeitados a 1* e 1*280 : na ra do Queimado,
loja da aguia branca n.16.
Sebo e graixa.
Se'-o coadoe graixa em bexigas: no armazem
i Tasso Irmaos, no caes de Apollo
# Machinas de vapor. j.
i Rodas d'agua.
3 Moendas de canna. ^j
^ Taixas. m
9 Rodas dentadas. V-
Bronzes e aguilhdes. ^
41 Alambiques de ferro. o*
^ Crivos, padres etc., ele;
j) Na fundijao de ferro de D W. Bowman, @
3J ra do Brum passando o chafariz. Z
@ 9@9@
Carro.
Vende-se um excellenle carro todo envidraca-
do, com urna boa parelha de cavallos, por prego
com modo, prazo ou vista : na ra larga do
Rosario n. 21. loja de ouro, se dir quem tem.
Meninas
Bozeguins29 a 51. 5^800
Drtos 25 a 28. 5$G00
Ditos 18 a2-......5200
Homem
Borzeguins. ......
Ditos.........
Ditos prova de fogo e d'agua.
Ditos.........
Meaos birzeguins de lustre. .
Sapatoes com elstico e lustre.
Ditos arranca pelle, bezerro. .
Ditos de bezerro. ....
Meninos
Sapat(>s........3^600
Wtos.........3^000
Ha tambem na variado sortimento de todasas
classes e?re$os nfimos, sendo os annunciados
somente de primeira classe.
Atteii^o.
Vende-se urna preta de meia idade, bastante
robusta, com urna linda filha de 6 annos, a preta
lava, engorama. cozinha, e muito fiel, e sem
vicios, o que se afianca : a tratar na ra do Quei-
mado, loja n. 28.
Vendem-se saceos com feija rajado por 5$
cida sacco por ter algum turado, sendo muito
proprio para animaes : no pateo de S. Pedro nu-
mero 6.
Tachas e moendas
Braga Silva & C, tem serapre no seu depo-
sito da ra da MoeJa n. 3 A, um grande sorti-
menlo de tachas e moendas para engenho, do
muito acreditado fabricante Edwin Maw a tra-
tar no mesmo deposito ou na ra do Trapi-
che n. 4.
Capellas e llores.
Mui bonitas capellas para noivas a 5-5, 6# e 7jJ
ditas para meninas a 2$, bonitos e delicados cai nara lav^mn.,
xos de flores finas a 1J500. 2S> e 3 : na ruado P f 0UPa: em c3Sa de S. P Jo
Queimado, loja da aguia branca n. 16 nnston & C. ra da Sn7ala n 19
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitosparacamisas,
Biscoutos
Emcasade Arkwight 4 C.,
Cruz n. 61.
Botica.
Bartholomeu Franciscode Souza, ra larga do
Rosario n. 36, vende-se os segnintes medica-
mentos :
Robl'Affecteur.
Pilulas contra sezoes.
Ditas vegetaes. ^
Salsaparrilha Brlstol.
Bita Sands.
Vermfugo inglez.
Xarupe do Bosque.
Pilulas americanas (contra febres).
Ungiiento Holloway.
Pilulas do dito.
Ellixir anti-asmathico
e ihS bCCa IarSa '0m r"ias' de 2 onC
oeoa SUS f "? grande sorlimen'o de pa-
pej para forro de sala, oqual yende a mdico
Pao de Senteio novo.
hOrflC-h^S^t0'3,13 ^S q"artas e -bbados, das 11
horas do da em diante : em Santo Amaro na-
{Jaltomi., e na ra da Irapcralriz n 2, "a-
Arados americanos e machinas
GRANDE SORTIMENTO
DE
Fazemlas e roupa feila
NA LOJA E ARMAZEM
DF.
Recebeu-se e continua a r"icber-se por
9 horaens, mcluindo calcado de Melis na
I Loja de marmore.
toblas e velas.
Vendem-se ceblas novas a 800 rs. o cont
SaPiCete a,8 3 Ubra : na trssa do pateo
do Paraize n. 16. casa pinlada de amarello.
1 .Reccbou-se c continua a receber-se por I
i Ph,nV"Pre8' .vestimentas. calcadi e S
cha.neos para meninos na
Loja de marmore.


Vinho genuino.
t,aAHacd.a h? ma )e1uena q'ianlidade de ancore-
as deste vinho sem confeieo, e proprio de doen-
tes na ra do Vigario n. 19, priraeiro andar-
Vinho do Porto, genuino.
Rico de 1820. "
Stomacal de 1830.
Precioso de 1847.
As duzia?, e em caixinhas, a dinheiro, por ba-
rato proco : vende-se na ra do Trapiche n. 40,
esrriptono. '
neos e elegantes corles de seda de 3>>
* S clnco e sptc Jabados pretos, brancos e de 8
os 9 C"re, ull">ao-enle chegados de Franca : B
,S a rua,1a Cadeia do Recife n. 40, loja do *B
3 Marlinho.. SJ
Recebeu-se ltimamente de Franca ri-
cas sahidas de baile e theatro : na ra da
,a_4?_l??ie n- *0, loja do Marlinho.
-.. i .- j-. i / ir. a \.
'WSaWHMIBamB,eW W88I89BM mel,10r qe ha neste genero a 2500 rs. a libra dilo hyson a 2#000 rs.
Ueceberam pelo vapor francez, superio- |X *
Palitos de denles Vi diados
u ros vestidos de blonde do duas saias.baba-
| dtnh s o arregaco com manta, capclla o
^P m iis p^rtences : na ra da Cadeia loja n.
*! 2! de Hurga! & Pojtdigo.
Roceberam superiores vestidos de seda
do cores, ditos de phinlisia, ambos de
9 don-; jijas ou babadinhos, grosdenaples
t($ d" quadriiihos para covado, seda de qua-
Irinhos, moreanliquo e grosdenaples es-
^ euros desoperior qualidade : na ra da
3| Cadeia toja n. %\ de Gurgol & Perdigo.
Uce0eram chapeos de palha para se-
nhora rmalos a moderna e enfeitados c
pl imu ou flores, completo sortimento de
a P'ilsoiras, eslra!o3 c essoncia de sndalo,
^ Illas ali na;cadas c a cbamaloladas pa-
f ra cintos, luvas de pellica branca e do
if coros: na na da Cadeia loja n. 23 de
35 Grgol 4 PerdiRio.
5^ Raceberaia as a.'rodiladas siias' balao
rtj do muselina e selim de algodao muito
^g commolaspara as senhoras e criancas j
te*, polo proco de 4> e 5J), bolinas modernas
3g para siiliora gaspeado alto, capas bran- !
i ras o de cores de croxc de seda, tslmas, '
p p i! wiozas de g irgiirao, manteletes e ca- ]
^ pinhas de grosdenaples bardadas e com (
s$j bco : na loja da ra da Cadeia o. 23 de
^ Gurgol .k Perdino. J
200 rs. cera 20 macinhos.
peVxe sarel em posta
)|o melhor peixe que exzisle em Portugal em latas grandes por 1*500 rs. tada urna e de
' outras muitas qualidades que se vendem pelo mesmo preco
M.anteiga fvauceza
a 7-20 rs. a libra em barril se far abatimento.
Touem\\o de "Lisboa
o mais novo que ha no mercado a 320 res a libra.
Maas para sopa
em caxinhas de 8 libras com deferentes qualidades por 49000 rs.
Tambem vendm-seosseguinles gneros, tudo recentemenle chegado e de superiores qua-
lidades, presuntos a 48fc rs. a libra, chourica muila nova.marmelada do mais afamado fabricante
de Lisboa, maca de tomate, pera secca, passas, fructas em calda, amendoas, nozes, frascos com
amendoas cobertas, confeites, pastilhas devanas qualidades, vinagre branco Bordeaux, proprio
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de San Flix, majas de todas as qualidades,
gomma muito fina, ervilhas francezas, champagne das mais acreditadas marcas, cervejas de ditas,
spermacete barato, licores francezesmoito finos, marrasquino de zara, azeite doce purificado, azei-
tonas muito novas, banha de porco refinada e outros muitos gneros que encontrarlo tendentes a
Luvas de peliea raeas,~cor""de ca"-"t
i| na, prelas e de cores despachadas ulti- !
mmente : na ra da Cadeia do Recife n.
40, loja do Marlinho. S
mmsmm mmsm mmm
|| Manteletes de renda, branca c preta =
ultimo gosto : na ra da Cadeia do Re- i
cife n. 40, loja do Marlinho I
ummmwi sneHsn w$mm
Perfumaras francezes de Lubin, ob- |
H jetona de ouro e brilhanle : na ra da
Cadeia do Recife n. 40, loja do Marlinho
Calcado de Melis paraliomernTJoy'
para senhora e crianzas recebido ltima-
mente de Franca : na ra da Cadeia do
Recife n 40, loja do Marlinho.
Joaquim Rodrigues Tarares de Mello
RA DO QUEIMADO N. 39
E>ISL'A*0J DE QUATRO PORTAS.
Tem um corapletosortimento da roupa feila,
convida a todos os seus freguezes e a todos
que Jesajarera ter um uniforme feito com todo o
gosto dirijam-se a este estabelicimenlo que era-
conirarao um habel artista chegado ltimamen-
te de Lisboa para desempenhar as obras a von-
tade dos freguezes, j lera um completo sorti-
mento do palitots de fina casemira modello ira-
glez, e muito bem acabados a 16D00, ditos
de merm setim a 129000, ditos de alpaca
prelos a 59000. ditos de alpaca sobre casacas
a 85000, ditos com golla de veludo a 9&000
ditosde fustao, ditos de ganga, ditos de trira,
ludo a 590 0, ditos de brira de linho tranca-
do a 6000, calca de brim de linho muito su-
perior a 5000, ditas de casemira de cor a
99000 e a 109000, ditas de casemira pre-
ta superior fazenda a 12000, palitots fran-
cezes de panno fino fazenda muito fina a 259
sobre casacas de panno muito superiores a 359
ea 409000, um completo sortimenlo de cami-
sas fracezas, tanto de linho como do algodao
efuslao vende-se rauilo em coma, afim de que-
rer-se qiudar com as camisas.
E pechincha.
Na loja do Preguiga, na ra do Queimado n.2
tem cobertores de algodao de cores bstanlo p, <
cores de padroes muito bonitos a 320 o'covado
cortes de cassa pintada com 7 varas a 2#240 01
de hcho liso muito fino a 800 rs. a vara, tarata-
na rauilo fina branca e de cores com 1 1|2 vara
de largura a 800 rs a vara, guarnicoes de cam-
braia manguitos egollal bordadas muito finas a
5, gollmhas bordadas de cambraia muito fina a
1. esparlilhos muito superiores pelo baratissimo
prOpnetariOS de CarrOS fn- pre?(ode 6- Penlens de tartaruga aimperatriz
i.u_._ muito superiores a 9S. bonets de velludo para
meninos a 5J. ditos de panno preto a 3$, sapati-
nnos de merm muito enfeitados a 2fi o par chi-
tas francezas finas escuras e claras a 280 o cova-
do. cortes do cambraia de- corea com 8 babados
I com lie 12 varas cada corle a 4500, superiores
i len?os de cambran de linho muito fina e rica-
menle bordados a 9$, ditos de cambraia de algo-
dao com bico de linho a t230, ditos de cam-
braia de linho proprios para algibeira a6,7e
89 a duzia, ditos de cambraia de algodao a240O
?* d,,. tiras bordadas largas e finas com 3
1|2 raras cada poga a 2J500. e assim outras mu-
tas fazendas que vendem-se por precoa muito
baratos : na ra do Queimado n. 22, dj bem co-
nheclda loja da boa f*
Toalhas.
h.i?.dm"8e t0alh,a8de nho para maos pelo
baratissimo preco de 9 a duzia. ditas de pello
SK?^7iii,S!,Sr:Mn''d0*--
Brreles de seda
para padres
Finos barretes pretos de seda para padres a 2S
madoT. 16Da Ja d<1 88Ud branC8 rua d0 Que^"
Bramante
bretanhas e atoalhado
Na loja da boa f, na rua do Queimado n 22
vende-se bramante de linho muito fino com duas
varas de largura, pelo baratissimo preco de 28400
a vara, bretanha de linho muito fina o muito
atoalhado de algodao com duas larguras a 140(5
a vara, dito de linho muito superior, tambem
Franjas de seda
de la algodao.
Mui bonitas franjas de seda de diversas largu-
e /es a M0. 640 e 800 rs. a vara, ditas de
3h 94SW^?itM de a,8dao brancas e pin-
tadas a 160 e 200 rs. a vara, todas proprias Jara
enfeitesde vestidos e casaveques, ditas com bor-
llas e lisas, com mui bonitos lavrores, pronria*
para cortinados, toalhas. cobertas, etc. tanto
Bonecas inezas.
Mui bonitas bonecas de choro vestidas a chi-
neza algoOOcada urna, assim como outras tam-
bem elegantemente vestidas e de saias balao a
do n le"3 'Ja 8gUa branca> rua do Queima-
E' o ultimo goslo.
Superiores gurguroes de'seda de quadrioho*
de lindos padroes, pelo baratissimo preco de la
o covado, grosdenaples liso de lindas cores a 2^
o eovado, cortes de la muito Tina com 15 cova-
dos, padroes muito bonitos a 8, ditas dequadro=
padroes tambera muito bonitos a 480 rs o cova-
do chales de cores, padroes inteiramente novo*
a 19 rs. o covado ; aproveitem em quanto se nao
acaba : na rua do Queimado n. 22. leja de
boa-fu. '
Phosphoros do gaz.
Existe venda no armazem de Luiz Jos da
Costa Amonen, rua da Madre de Dos n. 24.
Vende-se carne de vacca salgada era bar-
t^isinssT*Fra,icisco Ahes
No armazem de E. A. Burl
le (tC, rua da Cruz nu-
mero 48,
vende-se champsnha das melhores marcas que
vem ao mercado, mais barato que em qualauer
outra parle ; cofres de ferro (burras) das que cos-
tuma receber, do melhor fabricante que ha neste
genero, sortimentos de todos os tomanhos e lo-
dosos precos ; novo sortimento de pianos de
um excellenle fabricante, que se vendero'por
conta do mesmo, deduzindo-se a commisso e o
descont que os tornasse baralissimos.
Rival sem segundo.
Na loja de miudezas da rua do Queimado n.
55, deronte do sobrado novo ha para vender
pelos diminuios precos os seguintes artigos :
Duzia de saboneles muito finos a 600 rs.
Carles de clcheles com duas ordens a 20 rs
Caixas de clcheles balidos a CO rs.
Duzia de meias cruas para homem a 3?
Dita de dilas para senhora a 3^500.
Pares de meias para senhora a 300 rs
Latas com banha muito fin a 500 rs.
Iscas para aconder charutos, caixa a 00 rs.
1 hosphwros em caixa de folha a 120 rs.
Cartas de alfinetes muito finos a 100 rs.
Causa de agulhas francezas a 120 rs.
Pares de sapatos de tranca de algodao a 1.
irascos de macass perofa a 200 rs.
Ditos de dilo oleo a 120 rs.
Duzia de facas e garfos, cabo prelo, a 3j[.
I ares de sapatos de la para meninos a 200 rs.
Ditos de luvas de cor lio de Escocia a 320.
Hassos de grampas muito finas a 40 rs
Caivetes de aparar penna a 80 rs.
Tesouras muito linas para costura a 500 rs.
Ditas ditas para unhas a 500 rs.
Pecas de franja de laa com 10 varas a 800 rs.
Ditas de tranca rom 10 varas a 320.
Linha Pedro V, carlao com 200 jardas a 60 rs.
Dita com 100 jardas a 20 rs.
Escoyas para denles muito finas a 200 rs.
Cordao imperial lino c grosso a 40 rs.
Oleo de babosa muito fino (frasco) 4C0 rs.
l'iliuhas estreitas para enfeitar vestidos a 800
rs. a pega.
Labyrinlhos de muito bonitos costos por todo
o preco.
Cordoes para enGar esparlilho muito grandes
a 100 rs.
Dito para dilo pequeos a 80 rs.
Pecas de tranca de linho com 10 varas a 200 rs.
"lias de Irania de seda preta com 10 varas a
Vara de dila a 160 rs.
Pares de meias de cores para meninos a 160.
Caixas para rap muilo finas a 1JJ.
Linha cara marcar (caixa de 16 nvelos) a 320.
loja de marmore
recebeu vestidos de blonde bordado para
casamento.
*%&
A loja de marmore
S recebeu vestidos de seda de cores do ul-
i timo gosto. <
A loja de marr.ore |
e recebeu vestidos de phantasia do ullimo !
gosto. i
a loja da boa fe, na rua
do Queimado n. 22,
vende-se muito barato.
mo prejo de j$.
Vende-se na rua do Livrmeuto
n. 19, borzeguins francezes a 6$, dito
de bezerro a G Aos senhores armadores e
400
rs.
nibres.
Vendem-se velbutina preta superior a
o covado : na rua do Crespo n. 25.
Por metade do seu
valor.
Rua do Queimado n. 19.
Vestidos de gaze e phanusia, muitos lindos, de
duas saias, pelo baratissimo preco do 10$ cada
um corte.
A loja de marmore
recebeu vestidos brancos de cambraia
bordada do ultiu.o goslo.
A loja de marmsre
recebeu manteletes, ronds, lalmas,
regrinas e mantas do ultimo gosto.
pe-
Aloja de marmore
recebeu novo sortimento de bouriius be-
douine para sahida de baile.
Bs
A loja de marmore
recebeu novo sortimento de enfeites pa-
ra vestidos, ineluindo bicos de blond.
A loja de marmore
recebeu novo sortimento de chapeos
enfi'ites para senhoras.
Vende-se urna mobilia pequen, mo-
derna em meio uso, ppr prer.0 muito
comrnodo, bem como alguns traites
avulsos: na rua da Gloria n. 2T.



DIAIIO SE PERUMBUCO. SEXTA FEIRA 7 DE DEZEMBRO DB 1860.
O
Pennas.
ias de ema
18, primciro
Boi.
Vendem-se pennas de ema muito boas
ruado Vigario n. 18, primciro andar.
na
Ha preciso.
Vende-se um boi manso ji acostumado em
carroga, e proprio para o mesmo fim ; a tratar
no armazem n. 39, caes de Apollo.
Farelo e milho a 3$ 500,
e em cuia a 200 rs. : na taberna da estrella, lar-
go do Paraizo n. 14.
Negocio conveniente.
Veude-se urna armado de uma loja de calca-
vramento n. 29, bem afreguezada, ecom bastan-
tes commods para familia, e isto por ler o dono
e se retirar breve para o mato a tratar de sua
saude, pelo que se faz todo negocio : a tratar na
mesma loja u. 29, a qualquer hora do dia.
DA
FINDIC10 LOW-MOW,
Ra da Scnzalla Nova n. 42.
Neste eslabelecimento contina a haver um
completo sortimento de moendas e metas moen-
das pira engenho, machinas de vapor e laixas
pejerro batido e coado, de todos os lmannos
dar dito.
Potassi da Russia e cal de
Lisboa.
No bam conhjcido eacreditado deposito da
r da Gaieia do Recite n. 12, ha para vender
vrJaieira potassa da Russia nova e de superior
uili 1jJi, assim como tambem cal virgem em
paira, ludo por prejos raais baratos do que em
outra qualquer parle.
Vinlio de Bordeaux.
Encasa de Kalkmann lrmaos&C, ra da
C i n. l .Micoatra-se o deposito das bem co-
nh acidas mirca dos Srs. Brnndenburg Frres
e dos Srs. Oldekop Mareilhac 4 C, em Bor-
l;aix fem as seguintes qualidades :
De Urau euburg frres.
St. Eslph.
St. Julien.
Margaux.
Larose.
Chateau Loville.
Chiiteau Margaux.
De Ohlekop A Mareilhac*
St, Jalien
St. Julien Mcdoc.
Chateiu Loville.
Nawnesioa casa ha
2 escravas de 30 annos de idade, de boa con-
ducta, cozinham e engommam por 8000 cada urna
1 bonita mulatinha recolhida de 18 annos de
idade, com cicellenjcs habilidades.
1 boa escrava da Costa, ptima quitandeira,
au viciosa, por 1:200c.
1 elegante negrinha de 9 annos por 800$.
I 1 excedente moleque de idade 20 annos, pti-
mo criado, pois melhor copeiro.
| 1 ptimo mulatinho de idad 11 annos
l;00UO00 ; na ra de Aguas-Verdea n. 46.
\ Vende-se macella muito nova em barricas
d. 30 a 36 libras, por prego razoavel : no arma-
zem de Francisco Alves de Pinho, ra do Viga-
rio n. 8.
ttr.w w. 1AW Vi^c/ahrE^Ww Htiw9f
por

para
vender:
Sherry em barris.
Maduira em barris.
Cogaac oca barris quadade Cna
Cognac em caixasiualidade inferior.
Cerveia branca.
\5 ti jlhores machinas decoser dos mas
aUrnaJos autores de New-York, I.
\1. Singer & C. e Wheeler &\Vilson
Neste eslabeleci-
mento vcnTem-se as
machinas destes dous
autores, mostram-se a
qualquer hora do dia ou
da noiie, ercsponsabili-
samo-nos por sua boa
qualidade eseguranca:
no armazem de fazendas
do Rayraundo Carlos
Lcite & Irmaos ra da
amigamente aterro da Boa-
i^Para acabar.!
Guiinaraes Ra do Crespo numero 17 j
A 20#000.
| Cbapelinas de seda para senhora com j
veo.
A 28#000. .
Cbapelinas de palha de Italia ricaroen-
a le entallados.
I A 35#000.
t Chapelinas de palha de Italia ricamen-
% te entalladas recebidas ltimamente de
Paris. g*
A 10$000. |
Riquissimos cortes de la a Garibaldi jf|
com 21 covados, fazenda inteiramente a*
nova e delicados desenhos a 10$. gf
A 5#000.
j Cofres de ferro para dinheiro,
joias. etc., etc.
I Na loja da aguia branca vendem-se bonitos co-
l fres de ferro mu fortes e seguros, com [echadura
Chaen* di ni d pda nana l.nm<>m e cnave- e trapeos de sol e seda para bomem se guardar dinheir0i joiag e papci ve fmporian-
a 08 cada um e em poi cao de uma du, ca, pelos baralissimos preces de 4S500, 5J000,
zia para cima far-se-ha 10 por cento i *5^ e6S em dita loja da aguia branca, ra
. K -- r *" d OllPim.-i/ln n ttt
de abate : na ra Nova n. 23, esquina
da Gamboa do Carmo.
Ra do Queimado
n. 39.
Vende-se
EM CASA DE
Adamson llowic & C.
Vinho doTorto de superior qualidade.
Tinta de todas as coics.
Lona e flele.
Fio devela.
Sellins, silhOes, arreios e chicotes.
Ilolhas.
Ra do Trapiche n. 42.
Vestidos broncos bor-
dados.
NA
Loja de quatro portas
DE
JOAQUIM RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Chegou ltimamente a este eslabelecimento um
completo surtimcnlo de chapeos preos francezs-
do melhor fabricante de Paris, os quacs se vene
dem a 7000, ditos a 89000, ditos a 9&000,
ditos muilo superior a lOjjOlO, ditos de castor
drelos e breos a 1 C$000, o melhor que se
pode desejar, chapeos de fellro a Garibaldi de
muito superior massa a 7^000, ditos de copa
baixa para diversos precos, ditos de palha escura
de varias qualidades que se vendempor preco
barato, bonets de veludo para meninos a 5&00O,
ditos de palha escuras e claras a 49000, ditos
de panno muito bem arranjados a 39500
chapeos de seda para senhoras a25$000 muito,
superiores, ditos de palha escuras proprios para
campo a 123OOO, ditos para meninasa 109000,
chapeos de sol de seda inglezesa 109 e a 129
muito superiores, ditos francezes a 89000,
ditos de panno muito grandes e bons a 49000.
sapstos de veludo a 29000. ditos de tranca a
19600, sintos de grugurao para senhoras e me-
ninas a 2f0Q0, coeiros de casemira ricamente
bordados a 129000, e oulras muita fazendas
que a vista dos freguezes nao detxaro de com-
prar.
I o
"
en oTsa _ o a o <
60 g
I = r i ai i
O o K X
{"Sj ^ Wl "C rf,
= a,"5
en *
8s
o m sa
o <= si -V
o e i i
2? 9 *
* 'o fll
c c
o a. o
s 2
O m a.
S^1
a* w = r: o
re
j .8 o 5 5.S 3
ae> o a
m 9 & .
o o o2 2
sI^ilTallssssl
s
laSH
. t*3
f^
i s
"i
o
S S5
S = ~8
o 8 _-
s-s.-sss; 2.2
*> 2 M cr'o" 9
> 2 *= 2 "S ~z .2
S* fc8S S *S o
s --S o =^ &s s
to8
fSe
10 w
2 o
iq c O C CE >
8^2o=
Ss
Campos ( Lima
receberam uma factura de chapeos de sold se-
da para hornera, leudo entre estes alguns peque-
nos que servem para as senhoras que vio para o
campo lomar banhos se cobrirem do sol, e como
a porcao seja grande se resolverao vender pelo
preco de 69 e C$500, e alguns com pequeo de-
feito a 59 : na ra do Crespo n. 16.
Chapeos deso
DE
Seda grandes para hornera
A 5000,
na ra Novan. 36,defronte da groja da Concci-
i.'ao doa Militares.
Vendem-se saceos com farelo de Lisboa,
rhegado ltimamente : na travessa da Madre de
Dos n. 15.
Baratos calcados de tranca-de
Lisboa al8#000aduzia.
Veude-se na loja da ra nova u. 1.
Baratos calcados de Mil-
lies a 13?
Vende-se na loja da ra nova n. 1*
@
@ Vendem-se 5 carros novos com todos os 55
arreios : na ra Nova u. 21. @
A 9,000 a arroba.
Vende-se cera de carnauba da vellia
e nova safra a preco de 9$ : no antigo
deposito do largo da Asstmblea n. 9.
Relogios
Suissos.
Cheguem ao barato
O Pregula esl queimando, em sua loja na
ra do Queimado n. 2.
Pec,as de bretanha de rolo com 10 varas a
2$, casemira escura infestada propria para cal-
. 15a, collete e palilots a 960 rs. o covado. cam-
braia organdy de muito bom gosto a 480, rs.
a vara, dita liza transparente muito fina a 39,
4}, 59, e 69 a pega, dita tapada, com 10 varas
a 59 e 69 a pe$a, chitas largas de modernos e
Rll ala ^3>n-70la Mavq r h 9 escoIlldos padroesa 240, 260e280 rs. o cova-
nuduaaenzaiai>ovan.4i d0f riqUiSSmos chaIesde merin esIa d0 a
\ende-se era casa de S. P. Jonhston AC 79 e 89, ditos bordados com duas palmas, fa-
vaquetas de lustre para carros, sellins e silhes' zenda muito delicada a 99 cada um, ditos com
vestidos brancos de cara- mglezes, cndeeiros e casiigaes bronzeados, lonas uma s palma, muito finos a 89500. ditos lisos
Sreco'dTW- n/da" n8-leZeS* G de Vtla' Chic0,e I'"3 carros' eraon-! com franJas de
na ra
Imperatriz n. 10
Vista.
Uua i\o Queimado n. S9
Loja de quatro portas
DE
JOAQUIM RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Ha cortes de vestidos de seda de cores, fazenda
muito superior com pequeo toque de mofo a
609000, ditos sem defu'uo a 1009000, tem um
resto de chales de toquira que estc-se acabando
a 303000, dlos de mirin bordados com pona
redonda a 89000. r os sem ser de pona redonda
a 89000, ditos estanpados com listras de seda
em roda da barra a 99000, ditos de ricas eslam-
pas a 79000, ditos de ganga franceza com fran-
ja branca a 29000, dilos sem franja e muito
encorpado a 29000, ricos manteletes de grosdi-
naples preto e de cores ricamente enleilados a
259000, dilos muito superiores a 309000, en-
feitesde vidrilho preto a 39000, ditos de relroz
a 3S500, organJis da raais fina que ha no mer-
cado a 19000 o covado, carabraias de cores
do padtoes muito delicados a 800 rs. a vara, ditas
de oulras qualidades a 600 rs. a vara, ricas chitas
farncezas de muito boas qualidades a 280, 300,
320, e 400 rs. ao covado, a melhor que se pode
imaginar, paitos para camisa a 240 rs. cada uma,
cortes de casemira de cores a 69000, ditas em
pesca de quadrinhosa 49000 o covado, gollinhas
da muilo bom gosto a 19000, ditos de outros
bordados ricos-a 3:>000, manguitos de cambraia
bordados a 39000, tiras bordados e entrimeios
quesevendem por prego commodo, borabazil de
cores proprio para roupa de crianzas, e capinhas
para senhoras a 19400 rs. o covado, cortes de
carabraias de salpicos a 59000, cortes de cam-
braia enfeitadas com tiras bordadas a 69OOO,
e outras muilas mais fazendas que ser difcil
aqui pode -las mencionar todas.
Vendem-se cortes de
braia com dous e tres
dados, pelo baratissimo preco de 55500
do Queimado n. 22, na loja da boa f.
Para vesdos.
Superiores grosdenaples de seda do quadri-
uhos, fazenda de muilo goslo e de lindos padres,
pelo mdico preco de 15500 rs. o covado : na ra
do Queimado n.22, na loja da boa f.
Loja das seis portas em
frente do Livramenlo
Covado a 200 rs.
Chitas largas de bonitos gostos a 200 rs. o co-
vado, ditas estrellas de cores escuras a ICO rs ,
pecas de bretanha de rolo com 10 varas a S,
dilas de osguiS j de algodao muilo fino a 3f, ris-
cadinho de linho a 160 o covado, lencos brancos
com barra de cor 9 120 rs ditos brancos com bi-
co a 200 rs., algodao monstro cora duas larguras
a 610 a vara, lauziuhasde duas larguras, fazenda
nova pata vestidos a 500 rs. o covado, cufeiles de
Iranfa com lago de fila para cabeca de senhoras
a 2-5500, cortes de riscado para vestidos a 2g, pe-
gas de madapolo com 4 1[2 palmos de largura a
49100, chales de merin estampados muito linos
a 65. A loia est aberta al as 9 horas da noite
Relogios.
Vende-se em casa de Johnslon Pater & C,
ra do Vigario n. 3, um bello sorlimenlo de
relogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes de Liverpool ; tambem
urna variedade de bonitos Irancelins para os
mesraos
Para acabar.
Na ra da Cadeia do ftecife n. 45, esquina da
Madre de Dos, veiidc-se para acabar, a dinheiro,
um resto de miudezas, como sejam : caixas de
obreias de cola a 80 rs pegas de fila n. 1 1|2 a
300 rs pegas de bico a lj com 20 varas, colhe-
res de melal principe para sopa a 4J0OO, facas e
garfos a 33 a duzia, lapis muilo bons a 2# a gro-
za, grampas a 400 rs. a libra, cordao para vesti-
do a 1J280 r?. o mago de 12 pegas, cailes de
clcheles a 610 rs. a duzia, papel de peso bnm
a 2$500 a resma, torcidas para candieiro a 600
rs. a groza, e outros arligos que por se deseja-
rcm acabar nao se olha a lucro. Na mesma casa
tem um oplimo sorlimenlo de calgado Mellis e
de outros fabricantes.
A loja de niarmore
jft recebeu leques de madreperola para noi- 2
* vas.
Em casa de Schafleitlln & C, ra da Cruz n.
38, vende-se um grande e vi rindo sorlimenlo
de relogios de algibeira horisontaes,
chronometros, meioschronometros de
la dourada e foleados a ouro, sendo c
giosdos primeiros fabricantes da Suissa, que se
v jiiderao cor rreros razoaveis.
FROCO.
Vende-se frco de todas as cores o grossuras,
com rame e sem elle a 400, 500, 60 e 1 rs. a
pega ; na ra do Queimado, loja da aguia bran-
ca n. 16.
Ra do Crespo
loja n. 25 de Joaquim Ferreira de S, vende-
e por presos baralissimos para acalar: ves-
tidos de larlatana bordados de seda a 89000,
urgandi de cores muito finas a 320 rs. o co-
vado .cassas de cores a 240 rs., chita larga a
200, e 240 rs., capas de fuslao enfeitadas a
5000, easaveques de cambraia e fil a 59000,
perneadores de cambraia bordados a 69000, Rape caco.
seda a 59, lencos de cassas com
lana, arreios para carro de um e dous cvalos j barra a 100, 120 e 160 cad um, meias muilo
e relogios de ouro paientc inglez. : finas para senhora a 49 a duzia, ditas de boa
@@@@(g e continua a ft j cezas de ricos desenhos, para coberla a 2S0 rs.
o covado, chitas escuras inglezas a 59900 a
pega, e a 160 rs. o covado, brim branco de puro
Recebcu-se recenlemente
@ receber-se directamente de Paris e Lon-
d dresporludososvapores.de encoromen
@ da especial, arligos do modas para se-
@ nhoras na
CAMHEI/fOS
ECONMICOS
NA
Ra Nova n, 20.
Chegou um riquissimo sorlimenlo de randieiro
econmicos de muito bonitos modelos, desde o
mais superior al o mais ordinario, por prero
muilo commodo, com a experiencia propria d-
ver agradar ao comprador, e vista da pou-r-a
despesa que faz, animar a ser Iluminado s com
os dilos candieiros a gaz ; os mais baratos sao s
imitagao de urna lamparina, produzindo a luz a
tres velas de espermacete com a importancia de
40 rs. por noite ; gradualmente ir sobindo to-
das as mais qualidades at o maior, que servir
para ornar e Iluminar uma rica sala, equivalente
a 16 velas de espermacete, ludo isto se garante
sob a condigao de vollar e resliluir-se o sen
importe, na falta de nao agradar a penen- ia
feta: na ra Nova n. 20, loja do Vianna.
Machinas ameri-
canas.
N. O. Bieber & C. succcssorcs, tem
exposto nos armazens da ra da Cruz
n. 4 e 9, urna iifinidade de machinas e
es, patentes, outros artifjos como St-iam :
de ouro, pra- i V }
o estes relo- Machinas de moer cafe e millio.
Ditas de descarocar millio.
Bombas de todas s dimensoes
cimbas, navios etc.etc.
Ditas Dar levar a agua a maneira
bombas para incendio.
.Machinas de azer assucar de um modo
muito simples.
Ditas de fazer bolachinha.
Baiancas de 1,000 arrobas para baixo
proprias para armazens de assucar,
depsitos, vendas etc etc.
Carros demao mais baratos do que em
outra qualquer rarte.
Mappasgeograpiucos do mundo e sucr
partes.
Ferramenta de toda a qualidade.
Cadeiras americanas domadas e outras,
Obras de metal principe plateado.
Ferros de en geminar econmicos.
Vernizpara carros de ptima qualidade
para ca-
ti
Loja de marmore.
@ g@ @ @
Machinas de costura
babados a 3'0 rs. a vara, liras bordadas mui-
to finas a 195(0 a pega, ri3cado francez fino
a 166 rs. o covado, golinhas de ponas bor-
dadas a 29500, manguitos de cambraia e fil
a 29000, camisinhas bordadas muilo finas a
290OO, chita larga com lustro e muito fina
propria para cebarla e roupoes a 320 rs., es
guio de linho a 1?>200 a vara, roupes de
'seda feilosa 129000, vestidos de seda mofados
a 89000, luvas arrendados a 100 rs. o par
Fumo para cigarretos e cachimbos.
Instrumentos para agricultura.
1 %:."&? 7^!rsT
finas a 2950O, 39 e 39500 o covado, cambraia
preta e de salpiccs a 500 rs. a vara, e outras
muilas fazendas que se far palenle ao compra-
dor, e de todas se darao amostras com penhor.
DE
Slvat & Couipauhia.
Estas machinas sao as mais perfeitas
no ramo de mecanismo, unindo a uma
nnno a IV, 15>200 e l(i00 a vara, dito prelo ,^,'a'a j ------. H i v,>
muito encorpado a 19500 a vaTa, VoUS^^UT!SA P T." de
cor a 20f>000, palitos de pao preto e de core? i
de 16#000 a 209000, sobrecasacas de panno
muilo fino a 259000, caigas de casemira preta
e decores de 6J000 a 119000, dilas de brim
branco e de cores de 2000 a 59000 palitos
de brim branco e de cores de 29500 a 590OO,
ditos de alpaca de 39000 a 89000, brin
trangado de algodao com 9 palmos de largura
proprio para toalhas a 900 rs. a vara, damas-
-..de-se um cavallo cor-
lo e grande, andador de ludo, per preco cura-
Loja das 6 portas
7"."|. / ico de laacom 9 palmos de largura a 96OO0
simphcdade a maior hgeireza e perfei- em frente (10 LlVrameiitO covado,
cao para toda e qualquer qualidade de
costura, do ponto mais fino ao mais
Laazinlias a oOO
Camisinhas muito bonitas
linho
velbulina preta a
de cores a 19500 o
400 rs., brim de
corte, meias cruas
Na ra Direila n 76. ven
i egi
modo.
Attenco.
:.VeJ?dc"se umo escrava u 16 a 1
ma figura, com
Direila n. 76.
- aDnos, lo-
olgumas habilidades : na rit
Escrayos fgidos.
nT- n i2dt> nov""-bro fugio um escrav
neme Domingos, cujos sigr.aes sao os se"
pardo, idade 14 annos, baix,. e
penhor
esta aberta ate as 9 horas da noite.
cbinas em orden durante um anno.
Estas machinas cosem com 2 fios nao
quebram o lio como muitas outras o fa-
zem e ao as melhores e mais baratas
ate boje conhecidas no mundo, ellas se
achm expostas na galera do SR. OS-
BORX, RETRATISTA AMERICANO NA
RA DO IMPERADOR N. 58, onde TOUpaS fet8S COHIBO DOF
uma senhora comoetentemente habili- j i *
Liquidacflo
vo oe
panno no rosto, pernas linas, e levou JTem H
hornera a 19200 a duri., camisas ^;Cl5~h.0 el da Silva. -ennor Antonio
~:mDh?nr'PBreCeU no,dia ,C d0 crreme me: de
Ptfi%SeSCrarode n0D:e Luiz. edr paroV
,r el60fJVD"0S- scm barb. "lalura r'KU-
ar, cheio do coij-o, cafcel"
misas de cores e brancas de 19500 a 38000,
e outras muitas fazendas por menos do sen
valor para fechar con tas.
tda as fara'
competentemente
ver e trabalhar. Igual-
mente se acham expostas no armazem
de MACHINAS AMERICANAS, RA DA
CRUZ t. 4 E 9.
americanos.
Todas as casas de familia, senhores de enge-
nho, fazendeiros, etc., devem estar prevenidos
com estes remedios. Sao tres medicamentos
com os quaes se cura eficazmente as principaes
molestias.
Promptoalivio de Radway.
Instantneamente alivia as raais acerbas dores
e cura os peiores casos de reumatismo, dordej
cabera, nevralgia', diarrha cmaras, clicas,
mito de abate, na ra
Nova numero 47, junto
a Conceeao dos Mili-
tares:
Casacas de panno fino de 20* a 30g.
Dilas para menino de 16 a 209.
Caigas de casemira de cor de 6 a 89.
Ditas do dila preta fina de 8 a IO9.
Dilas de bri de linho de 19500 a 5000.
Ditas de dito para meninos de 1#500 a 3.
Palelots de biim para hornera de 3$ a 58:
Dilos de casemira de cor de 10 a 18g.
Dilos de dita prelosde 10 a 20.
Collites de ve'lludo de 7 a 89.
Ditos de gorguro do 4 a 6g
Ditos de fuslao do 19300 a 29.
Camisas francezas a duzia 20g.
Corles de velludo de 5 a 6$.
Fardas para guardas de 8 a 10.
Casemira fina enfeslada a 3#.
Brins em varas e covados. de diversos
;illm. Sr.
assignado e ltimamente (
desembargador Firmino, d'onde a-
n0c ShC: r0ga-sc as "'oridadei poiiciaes e
pessoas do povo que o apreheudam e Icvem-no
3 ra da Cadeia do Recite n. 64, que ser T
compensado. 4 a re
Anlonio Eulelho Pinto
de Mesquita.
30,000 rs.
@@@@@@@ @geS
Vende-seo diccionario da con ver-
sacao em francez 52 volumes :
do Pilar n. 14-1.
na ra
EUffiMB
ARMAZEM DE ROUPA FEITA
Defronte do becco da Congregacao letreiro verde.
. precos,
hilic ;,i;,,.;:"., .... o oulras mais fazendas, ludo por barato oreco.
bilis, indigeslao, curp, dores nos ossos, conlu-
soes, queimadura, erup^es cutneas, angina,
retengo de ourina, etc., ele.
Solutivo renovador.
Cura todas as enfermidades escrophulosas, coberlos e descoberlosr pequeos e grandes,
crnicas esyphil.t.ras s resolve os depsitos do'ouro patente inglez, para hornera e senhora de
umores, purifica o sangue, renova o um jos melhores fabricantes de Liverpool, vin-
prompto e radicalmente cura, escro-dos pelo ultimo paquete inglez : em casa de
Dhulas, venreo, tumores grandulares, ictericia, Sonlhall Mellor d-C.
j dores de ossos, tumores brancos, afectes do fi-
gado e rins, erysipelas, abressos e ulceras de
I todas as clases, molestias d'olhas, difliculdade
das regras das mulheres hipocondra, venreo,
niaos
systema
ra
Casacas de panno preto a 30$, 35?5 e 409000
Sobrecasacas de dito dito a 359000
Paletots de panno pretos e de cores a I
209, 259, 3035 e 3$000
Ditos de casemira de cores a 159 e 39000
Ditos de caserniras de cores a 79 e 129000
Ditos, de alpaca preta gola de velludo a 139000
Ditos de merino selim preto e de cor
a 89 e 99000
Ditos de alpaca de cores a 39500 e 59OOO
Ditos de alpaca preta a 39500, 59,
79 e 99000
Ditos de brim de cores a 39500,
49500 e 59000
Dilos de bramante de linho brancos a
49500 e 69000
Caigas de casemira preta e de cores a
99, 109e 121000
Dilas de princeza e alpaca de cordo
prelos a 59000
Ditas de brim branco e de cores a
29500 49500 e 59000
Ditas de ganga de cores 1 39000
Dius de casemira a 59500
ColletesVle velludo decores muitofino a 109000
Ditos J casemira bordados e lisos
pretos\e de cores a 59, 59500 e 69000
Ditos de setim preto a 59000
Ditos detsemira a 39500
Olios de spda branca s 59 e 69000
Ditos de gurgurao de seda a 59 e 69000
Ditos de fustao brancose decores a
39e 39500
Ditos de brm branco e decores a 29 e 29500
Selouras de linho a 29500
Dilas de algodSo a 19600 e 29000
Camisas de pei'tode fustao branco e
decorosa 29300 e 29500
Ditas de peito e punhosde linho mui-
lo finas inglezas a duzia 359000
Dilas de madapolo brancas e de cores
a 19800, 29e 29500
Dilas de meia a 19 e 19600
Relogios de ouro patente eorisontaes 9
Ditos de prata galvanisados a 259 e 309000
Obras de o uro, aderemos, palseiras 0
rosetas 9
etc.
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regularizar o systema, equilibrar a circu-
lado do sangue, inteiramente vegetaes favora-
veis em lodos os casos nunca ocasiona nau-
zeas nem dorres de ventre, dses de 1 a 3 re-
gularisam, de 4 a 8 pugam. Estas pilulas
sao efficazes as aflecces do ligado, bilis, dbr
de cabeca, ictericia, ndigestao, e em todas as
enfermidades das mulheres, a saber; irregula-
ridades, lluxo, releiicdes, flores brancas, obs-
trucc.es, histerismo, etc., sao do mais prompto
effeilo na escarlatina, febre biliosa, febre ama-
relia, e em todas as febres malignas.
Estes tres importantes medicamentos vem a-
companhados de instrueces impressas que mos-
trara com a maior minuciosidade a maneira de
applica-los em qualquer enfermidade. Eslo ga-
rantidos de falcfica$ao por s haver venda no
armaxem de fazendas de Raimundo Carlos Lei-
le A Irmao, na ra da Imperatriz n. 10, ni-
cos agentes em Pernambuco.
Vende-se uma prensa para fabrica de cha-
rutos : quera a pretender, dirija-se a ra estrel-
la do Rosario n. 27.
Em casa de N. O. Bieber & Successores
da Cruz n. 4, vende-se :
Champanha marca Farre & C uma das mais
acredilabsmarcas, mui conhecidas no Rio de Ja-
neiro.
Vinho xerez em barris, cognac em barris e
caixas.
Vinagre branco e tinto em barris.
Brilhantes de varias dimensoes.
Eiher sulfrico.
Gomma lacre clara.
Lonas, brinzos e brins.
Aro de Milao
Ferro da Suecia.
Algodao da Babia.
Vende-so urna escrava moga, perfeita en-
gommadeira e cozinheira, e uma mulatinha mui-
to bonita, com algumas habilidades, duas escra-
vas mocas para servido do malo, tres negros para
eoxada, e um mulatinho de 15 annos proprio pa-
ra pagem por ser bonito, uma negra com duas
crias : na tua larga do Rosario n. 20, segundo
andar.
Charutos finos da Babia e do Rio de Janei-
ro : vendem-se no armazem de Augusto Ferrei-
ra e C, ra da Moeda n. 41.
Vendem-se dous cabriolis descobertos, e
em muilo bom eslado, por barato preco ; a tra-
tar na ra da Imperatriz o. 55.
Attenco.
Na ra dos Prazeres nos Coolhos n. 26. ha para
vender dous carros usados, em bom estado, e uma
carrosa de alfandega, nova, flor precos muito ra-
zoaveis.
vel pechincha I
Para acabar.
NA LOJA DE :*R
Guimares VillarM
A 4$500 rs. o corte. 1
Cortes de cambraia de cores com 2saias II
e 20 a 22 covados de fazenda pelo preco X
de 4500 rs. o corle. l
A 2#500 rs.
Cortes do cambraia com 14 covados S2
aquille a 2g500 rs. 31
A 240 rs.
o covado de cambraia superior de lindos ?f
padres. m
Grammalica in-
giera de Ollendorff.
Novo methodr para aprender a lr,
a escrever e a fallaringlezem 0 mezes,
obra inteiramente nova, parauso de
todo3 os estabelecimentos de instruc-
qao, pblicos e prticulares. Vende-
se napraca de Pedro II (antigo largo
doCollegio)n. 57, segundo andar.
Relogios.
Vendem-se em casa de Braga, Silva & C, re-
logios de ouro de diversos fabricanles inglezes,
por prego commodo.
Vende-se um escravo mogo, bonila figura,
cora offlcio decaripina : na ra larga do Rosario
n. 20, segundo andar.
Travs e inchameis.
Vendem-se travs de 30 a 50 palmos
e inchameis de 22 a 26 ditos, tudo de
madeira de qualidade: a tratar na ra
da Pria n. 53, no estabelecimento.
Vende-se farinha de milho em
barricas, chegada ltimamente: no ar-
mazem de Matheus, Austin & C. ra da
Senzala Velha n. 106.
Vende-se uma taberna com poucos fundos,
propria para principiante, em um melhor lugar
desta freguezia de S. Jos ; na mesma se vende
um relogio de prata dourado de patente inglez, e
um bicudo bom cantador : no antigo becco do
Lobato n. 12.
Vende-se um*preto ofilcial de laooeiro :
quem pretendor. dirija-se a ra do Rosario da
Boa-Vistan. 38.
: a quem apprehender o escravo Manoel cabra
' ervs pella ^P.?MaS pCrD3S C ps Dcllados d^
Jt ii J i' f,rcleni'o passarpor furro e nnin
?fallador, levou vestido uma caira de a|od5o azu^
e cauisa branca da mesma fjzenda : Xm o ap-
prehender Icaga-o ra do Socego n?2f eu-
jiregar ao alferes Manoel Joaquim de livei'ra Cur-
fid0Mdf/|nf Cu,isi fresuezia da aseada,
iuio no du J de novembro do correnle annn o
escravo de nome Anlonio, coa, i ,
guinles : eslalura regular, cor mulato, cebelio de
lXnP,UC.a barba' d!0les llffiadS. >-1e25 ou
28 annos, pescoco e ps grossos, tem pelo ros'o
ao,n?epe,,,Sel8umas -s dejnos
!a P1."***" Pl,s e*to que parecem i
s'dode cnle ; nao levou comsigo 1
'nLCOnS'a haver fuSd Para lado do serlao
va-lo ao reefer:iflqnUem l?****'. POder el-
tr 5! i end- CD8e"ht. ou no Recite, ra es-
trella do Rosario n. 29. ao Illm. Sr- F'orismun-
do Marques Lins, que ser bem recompensad
Bnn Escravo fugido.
ero busca d,a S0"ad-0' e 5ue clle
mulher L ^ T su^oe'^ mais que sua
levando .onie M"a ,affibem coropanhe
asautnrir/PqUe,n.bahu de fls"" ^oga-se
pessoas mf" POl,'aes e a eolr"" qqufr
pessoas que o prendara, e remetiera ao seu se-
nhor, que pagar qualquer despeza.
nrr^mnSaPP8r?Ceu dcsde did 23 de Miembro
prximo passado um escravo de nome Luiz, offi-
t I de chapelleiro, idade de 23 annos. pouco
?r -Uime508' estaura alla- rosl re8ular. cor
preta. Desde que largou a fabrica da ra da
l-iorent.na (em fevereiro prximo passado), as-
sisiio como ganhador na ra da Praia. Sunpoe-
H3R1 if ''I'6' REa-se as Uridadcs
policiaes e capilaes de campo de caplura-lo onde
querque o encontr e Iraze-lo ra da Cruz n.
". botica franceza, onde ser generosamente re-
compensado
Pugio da cidade do Aracaly, no mez de se-
lembro prximo passado, um escravo do com-
mandante superior Manoel Jos Penna Pacheco
que ha pouco o havia comprado ao Sr. Bcnlo"
Lourcnco Collares, de nome Joaquim, de idade
decincoentae tantos annos. fulo, alto, magro,
denles grandes, e com falta de alguns na frente
queixo Ano, ps grandes, e com os dedos grandes
dos ps bem ebertos, muito palavriador, iocul-
ca-se forro, e tem signaes de ter sido surrado.
Lonsta que este escravo apparecera no dia 6 do
correnle, vindo do lado das Cinco Ponas, e sen-
do enterrogado por um parceiro seu conhecido,
disse que tinha sido vendido por seu senhor para
Goianninha qualquer pessoa que o pegar o po-
der levar em Pernambuco aos Srs. Basto & Le-
raos, que graticaro generosamente.
Fugio da ra da Cruz n. 62, segundo an-
dar, a escrava Benedicta que foi escrava do Sr.
Salustiano, cautelisla : fula e levou veslido de
cassa desbatado de dous babados e ropinbo da
chita escura ; tambem levou uma coberta, que
de suppor nao ande com ella : recommenda-se
as autoridades policiaes e capitaes de campo que
a pegar, leve-a casa cima, ou ra da Senzala
Velha n. 94.


(*)
Variedades.
DIARIO DE PERNAMBUCO. 8EXTA FEIRA 7 DE DEZEMBRO DE 1860.
Lcnda anliga que tcm appHcaco a um
casa moderno.
lheiU de alma*, coreo nao sao cbpazes do dar
nenhum do leus melhorcs ministros.
Olhe, senlior diobo. que niuda nenhum del-
Irs foi capaz de dar em trra com aquella Roma
do pescador nem de Ihe metter a barca ao fundo.
Aqu ezia urna pausa o velho, e prosegua!
Pescador! Sim meus filhos I porque Nosso Se-
,. ,. nll0r cm quanlo- por c aiidou. scmpre honrou
,onta certo jornal que os habitantes da Isln- n.'uilo os pescadores. Do um pescador fez o seu
aii roslumanj, nos ion rminaveia nones brumaes,! vigario, pois os pescadores aprendrm despre-
pass.ir gramle parte da noiie trilretidos cm con-Izare afrontaros perigos quande sopram os ven-
tar un.s nos muro?, o que dizem antigs lendas' loado polo na eslacao das avalanchas.
doaeupaia. -~ AU no purgatorio, prosegua fallando Is-
''.'"..I"J'" cidade de Nauta que se per- cariles, ali lomos muo espa-o para urdir ca-
lumnias contri Roma ; chamaremos tyranno ao
bispo daqurlla cidade, e tanto havemos do gritar,
ei i ^ntre es gelus, |. \ado sobre urna mola in-
mensa que se despregia da cpula do n ar coa-
Ih do, (Va, saho por una pescadores.
Chatnava-se esle viajante Abvejillle O modo
e ninravilliosas circumslancias com que fui salvo,
uo em ogora para o caso.
A 24 de Jezembro do rail e___entrara Abve-
nllo ua rabana do llanowrland, anciao de se-
tenta anuos, pae de doze filhos, e av de cincoen-
ta lirios.
<; Tomos hoje mais um compnnhciro para a
nossa consoada, diste, entrando, o filho mais ve-
lho de Haniwrland. Boto vindo sej, reponde-
rn.n tolos, lerantando-se para abracar o animoso
pescador,que levava pela mo Abvnille Depois
o cstrangeiro que a anda fraco e abatido pe-
las fatigas e pela longa Inedia, foi rodeado por
todos, e lodos a porfa se esmeravam em lhe fa-
zer o bem que podiam.
Este lhe dar una caurask de ppllos de marli,
especie de longa j-leca para abrigo contra o fri;
est'otttro esfiegava as maos com gelo, e as enxu-
gava rom rarinho.
Destinara m-the assento mesa frugal; e como
hospede foi posto dircila do patria re ha da fi-
iinlii, Lindo por cadeira um lamborete forrado
com p lies de urso.
A ceia constava de poixe salgado, e algumai
raizes cosidas, e um pou.o de schalolt especie de
conserva que os tinturaos usam muito nos lempos
maU trios.
Dizem que bom ser soldado do Papa; lloras da manha ; cada um lera a marmita bem
mas o que fas o soldado do Papa ? Q que elie I cheia de un, caldo excellen.e Te caTn batatal
qual a sua vida, seu rancho, seu exercicio r efuves. fav.,. etc. Tudo isso. mstur.'di e
ZZ TTh ^"^ UlC"rera? Nao sido junto, frm. urna alimentacao succulenl. e
possivel pedir todos que venhart. Roma en- sia. urna limenlacSo que at nao desagrada!
regar-se de corpo e alma a causa do Papa, que ve. ao paladar; pen'somente que cor he -
I,,n reUS' "1rHS,mp **>c-S.o; licito .1- ro esque?a-se s veze, do sal ; porm precso
n-on,^ ossc / l c
"Vr TTJele ,"' lBrM dSP"lada a I,P" lfim Cuidadu du obrada dos" no
,pe^soberano pelos revolucionarios de todos os dia seguinte. de sorte que nao se perde nada!
ao difficeis de contentar acuelles qu3 achnm que
O soldado do Papa um soldado como qual-
qur outro, como o Calador d'Africa ou como o
Zuavo; a comparacao exacle sob o ponto de :
anda
a conllssao da impotencia do papado.
Se algura nosso irmo de MorUra,
quando deva muitas granas ao Pontfice, quizer
lirar-lhe o filho para o ensinar judaziar, .ou o
Pontifico ha de enlregnr-lo. ou nos Jaremos taes
cousasque at havemos de ndispr com elle um
forte imperador da segunda parte do mundo.
<< E por esle theor continuou Iscariotes, e con-
linuaram lodos os seus amigos circuncisos fal-
lar tanto ao sabor de Sat.inaz que elle eslava re-
galado de seolhar ali no meio da sua gente. Re-
volvido fazer-lhes a vontadu nao quiz todava
ceder do prumpto, pois como dabo, gosla de
vender c;:ro os seus favores.
E assim lhe disse :
Pois vos queris ir para o purgatorio, e nao
vedes que para ali devem de ser imudadas,
as almas de calholicos que morrerjra ni amisade
do que impera lj em cima ? Sois circuncisos,
como ha veis estar de mitura com os baptisados?
l'ois eis-ahi poique preferimos o purgatorio
respondern! elles, o adianto de todos os Isca-
riotes. Quando se acreditar que somos calh ju-
cos, serio mais acreditadas nossas historiis e ti-
A cabaua de Il'inowrland es'ava situada no 'las por muilo verdicas ; entao que os inimi-
Iiinraro de um monte, fronteiro ao Hecla. Era .'gs dos papistas acharao cm nos urna grande e
Ma de podra macissa por baixn e por cima. I prestante ajuda.
i", lormes rochas do granilo, cavalgando urnas so-' Pois bem Est dito Irs para o pur'ato-
bre outras consi'Uuiam esta longa e mageslosa : rio : couitigo iro os leus companlieiros.
cabana mais gnndiosa que muitos palacios de' E desdo entao os phariseos t >maram pojse do
principes. Urna larga e extensa lagem corda hu- purgatorio, e baniram de l a benco e a oracao
risonUimente do occidente da monianha para! Tem lceoca para sahirem c por esl mun-
oricnte, e derois debrucava-sc firmando um ta-|do com figura degenle ; mas olhae meus filhos
lo lo iiiimeiiso sobre o ocano. Oeste lugir po-| que sao todos da judiara pura. '
diam os dorios do palacio cabana o!h*r prumo O Iscariotes cou-se chimando sempre o
ji ira o nbysroo, tendo esquerda o gigante das Secuto em tolas as linguas. Corre os prostibu-
neves. o Hecl.i a vomitar lavas ardenles que se : los, os antros soturnos, onde se proiectara rcubos
despenham no mar. Quem poderia descrever fraudes a tuda r casta de crimes qe a ocedade
aquelle scnlimenlo iodelinivel de admiraciio e estlga ; e depois vem para a praca fazer apo-
Bllives que se poderava (Taima ao contemplar Use daquelles crimes, clamando que
dali ns furias do ocano encapellado, leao da im- '
riiensidade, sacudir a crina de espuma c rugir
Da vastidao dos espacos !
Aos lados duasoutras enormes rochas, cahindo
quasi verticalmente sobre a lagem horisontal
que alguna vez seremos escutados.
Se o bispo de Ro.ua, quando lhe exigirem al-
guma fraqueza ou infraeco pas leis calholicas,
respondernon possumus nos clamaremos logo
que este non possumin urna hypocrisia, que l belBa ou francez nos regirnenlos mais activos ou
melhor organisados Traz de cara alegre o era-
dizordesta probidade cuhna.
Todos nao teom o mesmo
vista do servico militar, das'fadgas e da disci-
plina; nao mais poupado do que o soldado
estomago, e nin-
bornal com os mais accessorios, maneja urna es-
pingarda raiada de primeira qualidade, mas que
nao to leve como a bengala de um casquilho.
Ao prirneiro sijnal do comm.indanle, fiz m ir-
chas de leguas, canegado de viveros e de todos
os objectos de acampamento. Tera presente-
mente o uniformo dos eicadorea francezes, mas
tero dentro em pouco, como assegurara, o pra-
zer de se reren netamorphoseados em Zuavo.
E" soldado, recebe sol lo, como o exige a
ethymologia do ame. Abramos aqui um grande
parenthesis e digamos quanlo recebe. Ser isto
guemdeve discutir respeilo de goslo ou do
sal que conven deilar *na sopa ou n'ura ovo.
Seriara delicados de mais aquellos que nao qui-
zessem saborear a sopa que eu vi comer, e co-
mer com o melhor appetile desla vida, duques,
marquezes, condes, viscoodes. o que mais? Al-
guna mancebos pertencentes s familias mais
nobres da Franca e da Blgica. Sem ser do mo-
do algum obrigido come
T^TllhunTl Tasla: verba :ovint' i Deiiea,os m nos89 br"s ** >" o io-
exempla trahunt. pens que os nossos homens mingo pela raanhaa. Kesle dia a ordem muda
nao leen grande vontade de fazerem corveas ;' um p,UCo. H,veis de ver muitos q, de m.
auaperto ,,,, ye ^ horas preferem dragad, vo a egreja para ton.re.'o S Ia"a-
comraovo o ver cora que profunda un-
passear i preparar-se commodaraente para a re- ment
fe icio das cinco horas. .x. <
v .. ?* 'oman elles lugar mesa da comraunho. e
recebem no coracao o Deus dos excrcitos. I.e-
r o rancho do soldado, Desculpem este pensamento
esvasiei mais de urna vez a
marmita, o isso de-
pois de ataques de febre apanhada as cerrajes
penetrantes do valle de Teroi, e do mais mais
par ordem do medico que pensava que aquelle
caldo era melhor e mais substancial que o das
hospedaras e casas de pasto.
A's dez horas, revista da guarda montante,
urna resposti dada de passagem aos jornaes que ls, ; e,n Iiguageni vulgar, revista daquelles
pretendem que o* soldados do Papa sao mal pa- q"c iah} a Pouco leem de montar guarda. Como
gos, mal sustentados, mal dirigidos, vial trata- Prlvil^8a dos. Apezar de comecarmos pela paga, nao nos
calaremos acerca do mais.
Notemos prirneiro que quem parte pan a
defeza do santo padre, recebe o dinheiro preciso
para a vagem. Alera disso, gaaha um premio
de 30 escudos (60S000 cis) se se engaja para ser-
vir quatro annos. Fca na caixa um terco desse
como bons camaradas, dvidirao o servigo e ro-
vezar-se-hao por esquadras.
A's onze horas, chamada da guarda. Ide,
I meu bravo, um dia de repouso para vos. Te-
i reis lempo de cuidar na patria, na familia, nos
i garbaldinos, de fazer vossa mediLieo e at de
saldar as que esli atrazadas. Ide" postar-vos
Ciisiiiuiam as paredes externas desta habilacao
grand osa e simples, como sao todas as obras da
natureza. Outra rocha, cahindo a suslaio sobre
estas, constitua o terto, que envergonheru, pela
gran loza e solidez, as gigantesca^ abobadas de
Rolh-beck.
Ao som das vagas, que l em baixo, quatro
n il p-':s de distancia investiam contra os elernos
diquesobra das maos de Oeus, conversavim
po
. sao o
verdadeuo clinsli.inismo e verdadeira moral.
Na fente lhe pz Deus um signal por onde
o conhecem os sacerdotes, como Olho da raca
dainada de Caim ; mas nos nao o poderems
cbiiheccr com tanta facilidade, se nao o ouvirmos
fallar.
Fallindo, porm, elle, haveis de conhece-lo.
Trutestar que muito calholio, mais catbo-
lido do que o padre sanio ; dir que so elle cn-
teride o evangolho, que os padres sao uns fana-
tices, que os Pontfices adulteraran] a religio
do Cruxilcado. A quem quer que ouvirdea isto,
ou soja no templo, ou as pracas. olhae que po-
-............. depbis duer; eis ali o Iscariotes lugar-tenente
alegrrracme estas gr-otes simples, e conversaran] de fleelzebut no Purgatorio.
as colisas de Deus, pois a imagem do Eterno Esta milicia pharisaiea quem hoje governa
'iam-a elle3 constantemente diante de seus olhos, o Purgatorio.
i pelas proprias raaos do Creador. fc como o archanjo S. Miguel souhesse disto,
98 calho-1 de papel era tola a parte. Aim de termos'per-
ipplicam : > -J Sata"aZ feil collhfi"mento da vida do voluntario, lea-
com humildadc e respeilo, pedia ao patrarcha;
d.i familia, que continuarse a lenda, com q
eslava ontielenlo, qumdo chegra o peregrino, a quent urna vez appareceu o Iscariotes" leiitan-
0 velho nao deixou que lhe rog^ssem muilo, do-o pira se f.izer principe dos sacerdotes na Di-
c continuou nos seguinies termos: ; namarria e Ncrwega : mas o s.it.lo arrenegou-o
eniao mesmottnham sido condemnados ao fogo esta historia, ou len la que corre entre os pivo
em castigo de seus crimes. Deus linha entrega-1 da Isladdia, e depeis um dos netos de Hdtiovvsaod
do a Sataoaz tolo o imperio do fogo, e permit-' lhe dissi^ estas palavras.
tira-lhc que tambera governasse no purgatorio.! Muilo oslamos da vossa historia avO e con-
bsies phariseus tinlum porcapitaes um cha- tae que ie nos apparecer o tal Sr. Iscariotes ou
ni i l Iscariotes e outro Abimelech. Ambos per- algum do,s seus ajudantes, oxal. seia no raar'que
f.iinm a familia daquelles vclhos torpes que ha-, o iiavemps n;etl"r l para o funlo. Mas onde
v. n aecusado a casta Suzana, urna rainha muito ser o Purgatorio que serve de morada essa
santa c virtuosa de anligos lempos. O prirneiro, ger.te pharisaiea ?
chamado Iscariotes levara urnas armas que con- Nao ei onde meus filhos ; roas dizia meu
ira
jue
cidade
Um dos notos levanUndo-se, e pondo a mao' roullogo do anligo Purgatorio as almoc
sobrr a f.icepor debaixo das palpebras interiores, licas.lmudando-as para outro sillo onde
como costuroe deatea povos, quando supplicam no ttlm dominio.
archa ; Tbdas estas cousas foram contadas por um mS a ordem do rfl'> e corapanhemos a execu-
iue os : aniigolperegiino ao nosso santo principe Olaus, I c-'ao em SU3S numerosas particularidades.
premio. Farda-so e equipase cusa" do go- nesU ou aTu'Ilj portada cidade: lereis muita
verno pontifical. Quaoto ao sold quotidiano. Probab1Jjde do seres interrogado por algum
o soldado raso recebe pelo menos 4 baiocos ou CimP"i O" por alguma camp.ineza que pedi-
80 ris por dia : digo pelo menos, pois ordina- rao em ilaliano alguma informac.io. Em res-
riamente tetn elle 5 baiocos ou 100 rs.,toufonno posla ,L'va,llare>9 os hombros, sacodireis a ca-
o custo dos vveres. bea- e desprendereis a lingua, afim de expr-
O soldado de primeira classe. que aquelle mir,,es por ssl03 Palav"s o amavel : non ca-
que raereceu um galo por sua pontualidade no 'pisco "5o e"tenJo! Entretanto cootae-nos o
servido e regularidade do conduela, recebe mais q"e fa'' vosso companheiro d'arraas durante o
um baioco (20 rs.) por dia. O cabo de esquadra, I tesl do dia- E*lamos ouvlndo :
que traz dous gales, ombolsa evidentemente Ao m^o dia, segundo o bemaventurado eos-
mais dous baiocos. Esso sold muito mais ele- (t^mo de Roma e em geral dos p.zes quelites,
vado do que o dos exeroitos belga ou francez.' elles dormem ssta ; ao menos devera guardar
Quem quizer pode cerlificar-se. Os offieiaes su-1 Profundo silencio no quartel afim de nao pertur-
periores c inferiores sao pagos com a mesrna li- b^em o doce repouso daquelles que soguera os
beralidade. A cousa tal que pedem euxergar1 habilos hygienicos do paiz. Alm disso, nao
um excesso de gen"rosidide ; porm lembrem-se fazum mal em se acclimatarcm com ludo : nao
que o chefe de 200 milhoes de calholicos quem lhes f,,acs a mi"ima censura, pois vos respoo-
paga com os donativos de seu3 filhos, e que um dcr5 como Sen'e que sabe latim :
soberano, como elle liberal e magnnimo em Si fWti Romee, llomano vivilo more ;
tudo o que faz. 9 Si fueris alibi, vivilo sicul ibi (I;.
a Temos dito baslanle respeilo do systema O offieiaes inferiores feem urna lico de
baoico, que entrclanto representa hoje um gran-! Uieoria de urna hora s duas. Teem menos
descanco ; ser lalvez por que teem mais espi-
rito ?
(.Yocdo'
naUgueira. O a, esle Iscariotes era da descn- F .1
de:i'.-ia daquelle outro, e por isso appareceu dian- i *"-ra e55 a lenJa. As incxactides de nomes,
te de Salanaz com taes iusignias. i crru? .lire.coiiteiiha, nao nos caneamos em os
< Argumentava elle com o diabo, para que es- | cA0Trislr' pr3 todus co'"P''e''enderao que da ru-
te o mandasse para o purgatorio em lugar de o i os Wvos T'e provieram.
atirar de vez pora o inferno.
i Pois nao vs tu, senhor diabo, lhe dizia el-
!'.... Quando o velho proferio a palavra senhor
diabo, em um lora de irona, filhos e netos se
ergueram da mesa com terror, fazendo o signal
da cruz.
i E como fossem de novo sentados, conti-
nuava o velho: Pois nio ves tu, que no purga-
torio te posso se: til e muito til, e preslar-le
in mensos semeos !
O Jornal de Bruxellas recebeu de Roma inte-
ressantes pornenores acerca do batalho de ati-
radores franco-belgas. Foram miustradas ao seu
correspondente por una pcssua digna de toda a
confianca, qde passou algumas semanas no meio
c Se altras comigo para o inferno, oode est ha daquelles intrpidos voluntarios, e que tracan 1o
adro fiel e minucioso tem pot fim nao
der homenagem verdade, mas aimla res-
ponder s pergunlas que lhe sao feitas por um
Belga que desejava informar-se bem antes de
alistar-se as bandeiras pontilicaes. Reprodu-
zmos a carta :
mil anuos e tanto o alma do ir mao de meu vigesi-! este qu
rr.o quinto av, o Sr. Judas Iscariotes, l leo eu I s0 renj
abalado com elle naquelle mar de fogo, e nio
pod re mais lugir era mugir: mas se me deixas
entrar no purgatorio, e se tens a condescendencia
de consentir que vio comigo estes meus mil com-
pauheiros, conla que te havemos de dar boa co-
a A's tres huras tocam os clarins despertar :
ligio de theora para os soldados. Elles apren-
I.evanta-sef soldado s quatro e meia, at dem especulativamente a matar gente, emquanlo
mesmo s quatro horas, quando 1.a exerciclo no esperara enva-los praticamente. Em i.ossos
campo das manobras, como escola de atira- > das, a arle de mandar para o outro mundo lor-
forei. Teem grande afeico a esse exercicio e; nou-se quasi urna siencia que tem na theoria
dar pela madru-j completa, devidaraente escripia c impressa.
Quatro horas. Terque, qitalerque beati !
gada um passeio de mu* legua comprida, de se
dividir era pequeos grupos nos campos, de per-
correr o terreno em lodos os sentidos, de sallar
os fossos que se encontrara cada passo, de pa-
tinhar na lama, de se por com a espingarda em
rosto em toda a sorte de posicao, urnas ruis n-
commodas que outras, cratim de voltar para o
quartel depois de tres ou quit'o horas de movi-
raentos gymnasticos, bem fitigado, bem molhado
de suor.'bem eulameado, desejoso de receber a
racao de sopa. Certa genle deve achar exquisito
que o larimbeiro falle nisso como n'um passa-
lempo; mas nao esquecara que ella tem tempo
para resmungar emquanto se veste e limpa as
armas. Bom recreo depois do trabalho !
Feliz, mais que feliz quem uo lera correa fa-
zer 1 A corvea, seja dito de passagem, o duen-
de do soldado. Elle a detesta cordialmenle. E'
preciso ser duque e chamar-sa Sr de Sabrn
para sujeilar-se-lhe de coracao alegre. Ola,
Vmc. faz urna alluso. bem o entendo ; queira
explica-la. Oh mais que simples. Ha duas
ou tres semanas, os nossos atiradotes muda-
vam-se. Tralava-se de transportar os movis
para o novo quartel. Era isso urna corvea, prin-
cipalmente para quem devia carregar os enor-
mes e pesados enxergdes. Ora pois O Sr. du-
que de Sabrn carregou cabeca seu enxergao
ig-zags produzidos pelo
Isso era tanto mais divertido
| e o de outros soldadof: Imaginao v-lo corren-
TNao tem lugar todos os das o divertinento do pela cidade, lodo curvado sob o peso, des-
da escola dos atiradores. E' substituido pelo envendo urna serie de zg-
exercicio ordinario, das cioco s sele horas ;! balaneo do fardo.
tambijm bom para provocar o appelite; porlquant'o elle proceda de to bom humor ope-
sso ten lugar s oito horas a destrbuijao do rago quo, de certo, eslava pouco habituado
pao. Este de laraanho tal que a raaior parle; Era o prirneiro rir-se de seu andar cambaban-
dos soldados apenas comem a metade, guardan- te, e dizia que em qualquer outra circumMancia.
do a outra pan o da seguinte, o que faz que teria parecido suspelo.- Sie, pois duque de
possara vender pao de dous em dous das. Dun- \ Franca, embora carregueis enxerKoes !'
SFOI.IIETIM
fiWY LEV1\GST0NE
01"
A' TODO TRANSE
POR
Jorge Alfredo Lawrenee
XXIV
v Deixae-mo ve-la anda. Que
Ah como em qualquer parte ella prosegua sem
remorsos, sem namoro favorito. Fallowfield cha-
mava isto expedires de corsario.
Ella linha o habito de aguardar o momento era
que urna mae e sua filha acabavam de fazer pe-
nivelmente urna pesca matrimonial ; e entao pu-
nha ora movimento todas as suas seduccoes con-
tra aquelle, que ellas pretendiam, de mtneira que
consegmsso roubar-lhes a presa ; no que mui
poucas vezes era mal succedida.
Lembrae-vos do cont do xafrango de Walter-
lon ? E-te pobre animal trnlnlhador, torca de
perseveranga agarrou um bom peixe. No'mo-
menlo, porm, cm que chega tuna d'agua, ou-
ve-se um forte baler de azas, que acoila estron-
dosamente os ores, e do alio du rochedo que lhe
serve de i.bservatorio a aguia nbate-se sobre as
ondas. O pobre xofrango grita cam todas as for-
cas ; preciso abandonar a presa ; o o lerrivel
rapiador, senhor aella, retira-se com ura roo
ella venha com suas vivas re- lento echeio de d.gnidade, e some-se na floresta
plicas e seus profundos olhares ; vizinha.
que ella deixe sua frgil mao
fazer gestos de autoridade, e
seus negros cabellos fluctuaren)
so vento cora um ar de desrem
imperial. Deixae-a ser o que
era, a mais linda prnceza da
trra, Iscult, rainha da Irlan-
da i>
Mohun e Levingstone cm breve tornaran) seus
hbitos antigos, e tudo que se pode notar que o
prirneiro mostrava-se mais indifferenle e de um
accesso mais repulsivo, e o segundo mais indo-
lente do que nunca.
Mistress Bcllassys e sua illia chegaram Paris
justamenle nesse interim. Era a eslra de Flora
nesta cidade, onde leve um successo immenso.
Vio-se a brilhante mocidade da Chausse-d'Antin
e os luzidos cavalleiros do faubourg Saint-Ger-
mnin reunirem-se em torno della com urna emu-
laco cheia de enthusiasmo ; e suas replicas e
rr-postas eram citadas como as palavras de Tal-
leyrand.
Nao deixavam de ser admiradas suas perfei-
Coes, e fizeram um catalogo dellas desde os mag-
nittcoa olhos e bastos cabellos, cujos bandos lisos
e brilhantes reflecliara os raos do sol como o aro
ao meio dia, at os pequeos borzegins de setim
branco, que trazia em lugar dos sapatos de baile
das iracas mortaes.
As astucias necessarias para conseguir della
umi walsi ou urna mazurka davam occasao
desenvolver talentos diplomticos, sufficienles
para revolucionar meia duzia de principados e po-
tencias allemas.
Os admiradores succediam-se sem interrupcao
ao redor della, e apenas um cahia victima de sua
fren ou capricho, ji um outro tomava seu lu-
gar ; o que fazia pensar nos VelhosGrognards
de w-terloo, que incessantemenlo enchiam os
vacuo de seos quadrados, destruidos e dizima-
dos pela metralha.
Vide Diario a. 283.
A comparaoao pecca nicamente neste ponto :
que Flora, desde que linha a victima segura, a
dmxava sempre cahir com a mais completa in-
aillerenca. E assim, como a deteslavam os ca-
samentes I Quantos votos para sua desventura
deveram ser suspirados em ramalheles, postos
altura do rosto para occultar o rubor do dcsapon-
tamento ou a pallidez do desespero I
Confesso que este manejo de Flora nao a hab-
litava era meu espirito. Asmis jovens e mili-
tantes pessoas dessa corporacao, enlregando-se
todas essas manobras, nao me parecem descul-
paveis, bem que estes modos do obrar estejam
muito em moda. Esle offlcio cerlaraentc nao
generoso, nem muito honroso ; e at parece to
desagradavcl, que ninguem deve obra^a-lo de seu
motu-propro. Em todo o caso, a falta primaria
principalmente daquellas, quem compete a
educaco dessa gente.
Essas raparigas, pobres pequeas asse-
melham-se jockeys, que s cortera otraz de al-
guem ; observarei de passagem que geralmente
elles se transviam por nao saberem poupar suas
forcas, c por partirem n'uma carreira to rpida,
que nao podem sustentar a lula at o fim.
Quando encontr de anno era anno urna dessns
jovens, s quaes os bailes de Lcndres e as aguas
da Allemanha anda nao conseguirn! mais do
que essa enfadonha coroa de vestaes, olho-acora
curiosidade por saber como ella Ira-la, e pens na
replica desse corlezo, que respondeu Luiz XIV,
o qual lhe perguntava se o achava velho:
Sire, vejo algumas victorias de mais, escripias
em vossa fronte. Mas sao deteitos estes, que
claramente podem-se 1er na fronte da pobre Fan
ny Singlelon.
Quantos naufragios vista deporto 1 Quanlas
partidas perdidas por falta de um ponto 1 Quan-
tos cheques nao deve ter ella solTrido antes que
seu riso argentino se tornasse lio spero, e seu
acolhimento, outr'ora tao agradavel, se tornasse
theatral ou tao constrangido, .antes que aquillo
to que em oulro lempo era um lado vanlajoso
que ella lenlaTa, se loruasse o ultimo recurso,
que, raiis dous baiocos para osacco.
O pao. como todos sabem, apenas um acces-
sorio para o militar. Seu alimento c a sopa
Come-a duas vezes por da : a primeira s nove
Apezar do proverbio : as palavras com
mo-
[\] Aonde foros, assim como vires assim fars.
fiV. do Traductor.)
J vejo que me olhara com ar espantado ao
me ouvrem fallar de refeiro, e de refeigao pa-
ra a qual preparam-se pelo passeio ; pedem-me
que descreva essa refeico que ojanlar. Qic
sopa essa que ahi servem? Q.ianto* pralos ?
Que pratos de meio ? Que sobre mesa ? Nao ri-
de, o soldado recebe tudo isso ; apenas recebe
ludo de urna vez, sera que seja preciso mudaros
pralos. Tudo esl em ludo, diz o philosopho :
tudo e3t em minha marmita, diz o larimbeiro
com tanta e talvez cora mais verdade... Maravi-
llosa marmita E's bem digna de fornecer o
alimento esse nobre saugue que corre as veias
do soldado, e quo talvez correr dentro em pou-
co no campo de honra pela mais bella causa !
serio quo acaba de
seeacaixar ahi no meio da minha zumbara
a A.' proposito da sopa e da marmita, esquec-
me fallar-vos dos das de proceila. Desejeas
saber com que qualidade de peixe fazera entao o
caldo ? No exer:iio du Santo Padre raporli que
se obserrem os proceitos la egreja, nao assim ?
Quero dzer que quan lo ha pernissao de comer
carne, preceilo nao existe mais no cxer.ilo do
papa, du que em qualquer outra parte. A ver-
dade que os soldados c os offieiaes estao dis-
pensados por lodo o anno, excepto poucos das.
Succedeu que o proprio capellao, sem olTender
de manein alguma sua consciencia de christu e
padre, pode arranjar-se com os offieiaes, cujas
rereicoes parlilhava.
A's seis horas, passeio de digeslo para quem
nao est de piquete aqui, ou planto acola, ou
sujoiio ao servico de um ou outro official como
ordenanra. A's vezes ha urna, hora de ex-rccio.
So nao ha, os nossos atiradores apressam se em
sahir da cidade cujos arredares sao mui piltores-
eos. Cumlud j nao poder ir at a catarada, que
est em certa distancia da cidade. Essa calsrac-
ta, a mais bella da Italia, merecer urna excur-
sa o em regra; e cont faz-la qi indo houver
oblido urna licenca ueste ou naquelle domingo
tarde
A's oilo horas da hoite toca recolher
quatro ciarles com o cabo frente percorrem as
ras fazendo ouvir urna aria mui linda e perfe-
tamenle execulada. Sao orgulhosos 03 nossos
clarins e com razio Sabei que ho desahir-se"
bem quando chrgar a occasio de tocar inves-
tir,., momento solemne que o Fraoro-Belga pe-
de de lodo o coracao. Quanlo mim que nao
sou soldado, pens que ninguem deve ter se-
melhanles desejos : recelo que o momelo da
cr.se nao chegue muilo cedo de mais, o que nao
seja o signal de grandos iesistras, apesar do va-
lor e dadedicacao dos voluntarios pontilicaes.
Apenas so ouvem os ltimos scenlos dos
clarins, veera-se os atiradores que em tolas as
direccoes catataban de vagar para o quartel.
A's oito e meia, o susurra quo vae sempre cres-
cendo medid j que os soldidos entrara, cessa de
repente, c tem lugar a revista : revista severa
que cusa caro ao reraisso. Logo depois da ro-
vista, faz-se em cora ni um a orajao da noite.
A' proposio dcste ultimo exercicio de dia,
comeco aqui a trabar urna phasc nova da vida do
voluntario franco-belga. O soldado du papa ,
de certo, um so'daiu com > qualquer outro re-
vem-me ao combale urna tropa de heror chrs-
tos quo tiram sua forcj e coragem de urna tal
origem Ho de baler-se como lees. Logo de-
pois, s uito horas, celebra-se a mssa militar.
Ha nessa mssa um muaiento que sublime e
que commove at o centro do coracao. Apenas
acaba o padre as palavras mysteriosas da consa-
grar-o.percorre as fileiras dos soldados um movi-
mento rpido, seraelhante ura choque elctrico;
Otioido das armas annuncia que a f tem falla-
do ; sua palavra infallivel, apresentam-se as
arnus um chefe invisvel que acaba de entrar
no temple : fazem-se as honras militares ao Rei
do co e da ierra ; tocam os clarins sauiaodo
a presenta augusta do Deus das batalhas !
Em todas a3 semanas ha urna pratica frau-
ceza e outra flamenga, cora urna saudajo can-
tada pelos soldados e exposicao do SS. Sacramen-
to. No da da primeira pratica em flamengo,
notava um soldado que era aquella a primeira
vez que as abobadas da egreja reteniam com ac-
centos eslrangeiros; at pensava que depois quo
o mundo existo, era aquella a primeira vez que
se havia pregado em flamengo em tal logar. Seu
companhe-ro, homem erudito que completou to-
do o estudo de humanidades, pretenda que no
lempo da invaso dos barbaros, algn* dos nos-
sos antepassados flamengos poderam ter passa-
do por ahi, por que a cidade de Teroi est situada
na grande via flaminia, e justamenle es3a es-
trada que conduz do norte da Italia Roma ; ac-
crescentavs elle que em sua volta poderiam elles
ter corasgo um ou outro apostlo de sua naci,
de cuja bocea ouvrism pregar o cvangelho'em
Qanengo. Nao este ura objecto de discussao
'uteiranente novo? Nao me dsseram qual linha
sido o resultado da dscusso ; rasoavel pensar
que, como succede quasi sempre, nao houve
concluso.
Conlinuernos, porm, a historia dos nossos
atiradores. O espirito que os anima excelkate
seu comportamiento admiravel pela abne^aro
e disciplina; inspirara popularlo, ao menos
parte mais sa, um verd3deiro respeito, urna
sincera estima. Estes sentimentos que raras ve-
zes tiveram por objecto neste paiz ura soldado
raso traduzem-se nos habitantes por umi pala-
vra bem simples : Signare soldalo Senhor sol-
dado, dizem elles, quanlo interpcllam algum.
Outras vezes ouve-se dzer: Win son soldad,
son cavalieri, sao antes cavalheiros que solda-
dos. Quanlo son boni! como sao bono) ex-
claman) elles maravilhados.
Para dar urna i la da disciplina que reina
no corpo dos atiradores, referirei o que eu mes-
mo li nos relatorios ou ordens do dia Tal sol-
dado dizian ellas, foi castigado por ter usado
de palivras obscenas Outnvezlio aviso so-
punte. O commanlante est contente com a
alegra que anima o batalho, mal elle prohibe
severamente as canooes contrarias moral ou 4
religio.
Adevinha-se facilmenle o que devem ser 33
disposiedes de um corpo que dirigido por taes
ordens. Nao quero dizer que aqui nao haja fal-
las e intraecfes disciplina. E' por essa razo
que ha. como em todos os quarteis, um xadrez e
um calabouco; mas apezar disso, e talvez com
o comportamento dos Fnncos-Bilgas em
nao diiei bom, excellente, porm verda-
iramonte edificante. Era o tormo que empre-
ativamenlo ao servico militar e ao officio das' gava o Sr. bispo de Tem, quando lhe porgun-
armas. Accrescenlo agora que debaixo de ou- tei se C3tava salisfeito com o nosso batalho. Es-
tro ponto de vista, como christo ao servico de s".venoravel Pelado
Deus, um soldado melhor que qualquer outro ;
tem seus exercicios de devoco
isso,
gera
d
nao
sabia
toda a sua satisfaco.
Um joven voldnlario, atacado
como exprimir
pela febre,
que ama tanto I esleve ha pouco bem mal. Sua resigiiaco e sua
que digo eu, que ama muito mais do que s aeroS* excilaram a admiragao de seus camara-
suas manobras. E-itre esses exercicios reliziosos '< 'aS- que roJ',avam commovidos o leito de dor, e
. --.m. P3t, m ..^ d, jl |jssryg z fSSi UTJTSU
de capellao, o reverendo Vau-^teenkiste, prodi-
pateo granie do quartel os homens eslo era pe
formados em quadrado, com a cabeca nua, n'uma
posico ao mesuu lempo recolhida e marcial.
O capellao, conduzido por ura official superior,
dirige-se para o quadrado, e no meio de um si-
lencio religioso, anda mais solemne pela "escur-
doque reina ento, recita e m voz alta algumas
oracoes breves consagradas pela egreja s quaes
os sida los respon lera cora ura enthusiasmo en-
ternecedor. Depois desle acto, bem digno de
coroar um dia passado ao servido do papa e pe-
la gloria de Deus, cada um vae para seu quarto
A's dez horas, o somno, se est de bom humor,
pode e deve reinar era toda a parte como senhor
absoluto. Supponho qu; depois de um dia co-
mo o de nossos atiradores, encontra elle pouca
diffieuldade em sujeitar lodos ao seu jugo apra-
zivel o saudavel.
antes finalmente que ella cahsse as fileiras
desesperadas das enfents perdus 1
O acaso reunio-nos. Ella comelva ento sua
vida de aventureira [condt/tliere),'e exercia um
poderoso altractivo sobre aquelles mesmos, os
propria para fornece-los, isto verdade. Ser
muilo agradavel.
Lastimo-a, mas condemno-a. Era nome de
Maluta e du senso comraum, ha por ventura urna
imperiosa necessi Jade de que tudas as mademoi-
quaes nao alacava ; e cria nos bailes, e possuia selles sejam mes de familia ?
um talento msico de encantar, e compunha de' Se tal necessidade existe, peQo-vos e supplico-
uma maneira original. Nio creio quo esse gene-
ro de diverlimenlo possa agora excitar-lhe a ima-
ginaco de um modo perigoso ; mas os cos nos
defendam de a ver escrever um poema I Treme-
se ao pensar no que elle poda ser!
Ella vollava sua casa depois de urna linda
conversa ao claro da lua.se que podemos cha-
mar conversa um entretenimenlo, onde falta so-
mente um interlocutor.
Ella procurara fascinar durante o serio um
cerlo Orson da agencia commercal, estupido e
preguigoso, nao formoso, mas fino matreiro,
vos, vrgens, encantadoras,
mas sem real
vadade. Por exeraplo, inl-ressava-se sempre
por suas soites no jogo, olhava-o e muitas vezes
apostava parte por elle.
L'mdia, que ura adorador infeliz, amargorado
por se ver duas vezes ropellido no mesmo sero,
alludia algunas intrigas, que linhan roleado o
nome de Cuy de urna notoiiedade pouco inveja-
vel, por quanlo o jogo nao era a mais inno-
n.ainio 1 J'lg,>'"~ 'i11"1' "as nuneosas even-, rente dslracco pensamenlos, que incessante-
lon Ir m fQ aVda0-,,UeSe vos ,ode,n P"-, m'o voltavan, miss Bellassvs s responden
sentar, sem que vades offerecer o pesclo col- por um altivo sorriso, e nera*se quer dignou-
L-!.'/......._.,. se .tcstemunhar a menor curiosidade esle res-
Est acaso extincta essa raga do ardentes sus-
pirosos.a raca dos empregdos da companhia
das Indias occidentacs ?...
Sao muito prudentes ou muito fros os filhos
d trio para nao seren tentados por urna mulher,
mesmo que nao tenha dinheiro ?
Nao ha mais desses bravos soldados, muito n-
que contava com seu dinheiro para ter todos os Harona veis para que os deixem approx'imar-se de
gneros de prazeres, como outros contam com "ma carreta de muniges de guerra?___
seu lindo rosto ou com os encantos de sua con- i Nao hs, visto como necessario reservar alu-
versneao.
Elle acabava de deixa-la, e eu eslava ponto
de dar-lhe boa note porta do hotel; ella es-
queceu seu pape!, e naturalmente disse :
Que enfado! Oh! eslou muito caneada,
muito fatigada !
Lembro-meque tristeza deu ella estas pala-
ma cousa para as boas boceas, nao ha mais pa-
dres, nem diconos ?___
Desde o raomeuto em quo ura homem se orde-
na, o celibato lorna-sc-lhe insupportavel, e creo
firmemente que metade dos pedidos em casa-
mento, fetos no anno. de um extremo ao oulro
da vasta Inglaterra, emana desses membros ener-
vras e quanlas lagrimas brilhavam-lhe nos olhos; gicos do clero___
abatidos Lcmbro-mo tambera que dez minutos Assim. que typos de maridos ruios, vsencon-
raa)s larde ouvi esse amavel mancebo gibar-se Irares algumas vezes em vosso empenho 1 Se
do que se tioha passado. ponto que coraecei
encolersar-me, o com grande cofuso sua,
porquanto elle era naturalmente pacifico,__to-
roci a palavra e reprehendi-o de um modo as-
pero.
Ah reporlo-me ao tempo era que esses senho-
vosso destino acompanharum dia macacos, nao
melhor differir e3se dia fatal quanto fr possi-
vel, em vez de fazer ostentar vosso lado esses
tristes animaes, aqui, em nossa trra ?___
Meu sermo muito exleoso para a circums-
lancia, o muito curto para o texto desenvolver.
seja mais sabio que o do pobre Wamba com o seu
Pax vobiscum.
res costumavam armar no gabinete de vestir urna Limito aqu meu discurso, o qual talvez que nao
emboscada Fanny Singlelon, e espera-la ao su-
bir a escada, anciosos como estavam de terem-a
por par; e agora el!a o emplasto para as almas
que solTrem, menos que por acaso um cavalleiro
em sua qualidade de conhecimento antigo, nao
se decida rodar o salo com urna das melhores
walsadeiras da Europa.
Goslo dessa pobre Fanny por urna cousa ape-
nas : at aqu nunca lentou ademanes de crean-
ca ; nunca ouviram-a dizer: Mamae chama-me
sempre louquinha.
E' melhor ser spera e sardnica, como succe-
de-lhe muitas vezes, do que dzer deslas menini-
ces. A propria mademoiselle Mars tinba grande
diffieuldade cm representar ingenuidades na eda-
de madura. Hoje 0 melhor papel da Grisi nao
0 'Anima.
Segundo as ultimas noticias que recebi de Fan-
ny, eslava ella prestes i ser unida, ou antes i
unir-se, o activo parece-rae mais cabivet aqui,
com um clrigo da egreja. membro destnelo
da AMianca Evanglica, todo metiido 6 santo,
verdadeiro ramalhele de Baptista de trplice es-
tencia.
Ouso dizer que este par prosperar. So o san-
to homem precisa reunirexeraplos do experien-
Flora e Cuy encontraram-se com um ar perfei-
tamento tranquillo. E'la fingi nao ter sobre elle
algum direilo ; mas era evidente que Cuy linha
sempre a preferencia, o que os oulros s figura-
vara-lhe no espirito, na qualidade de verdadeiros
accessorios. Nenhum apostdor teria arriscado
um schilling de seu lado.
Ella walsava com Levingstone todas as vezes
que esle lhe pedia, e3quecendo e calcando aos
ps qualquer compromelimeoto anterior ; como
que os Francczes davam o cavaco com urna raiva
indizivel, maldizendo e raogendo os denles, quao-,
do, acabado o baile, elles se achavam taboquea-
dos as trevas da ra.
Foi bastante a reputaco extraordinaria, que
Guy adquirir nos exercicios de tiros, acreseen-
tada i urna certa lemeridade deraaueiras.com
quo em pouco lempo se habituara pan poupa-lo
mais de urna contenda seria.
Tudo isto elle tomava como cousa nuito na-
tural,
Flora certamente o natnorava : sympathisava
cas mundanas, sua mulher ser perfeilamente com seus goslos, e talveztambem Vonseava sua
peilo.
Essas paxSes ophemeras nao eram as rivaes
que ella tema.
Durante esse lempo sua me nao eslava muito
seu coraroodo. Anda que inteiraraenle inno-
cente de toda a connivencia nos planos de Flora,
ella ceda sem cessar ao peso de urna especie de
remorso mal definido.
Duas ou tres vezes, segundo creio, ella arriscou
urna queixa ; mas foi repellida tao resolutamente,
que nao ouson mais fazer novas tentativas.
Urna noite, Guy tinha passado algum lempo
no camarote das senhoras Belbssys. na opera ; e
ao sahir o'ahi vio um couhecdo ant go, que se
diriga elle.
Era lord Killoven.
Lord Killoven passra dos sessenta ; quasi lo-
go depois de suas eslras na vida, speramente
tratado pelo mundo, elle se havia arruinado ;
mas soffria contenteos annos e os contralempos.
Quem lhe visse a fronte sem rugas, o caminhar
seguro e firme ; quem o ou visse rir lo fcilmen-
te e com tanta satisfaco, nunca adevinharia quan-
lo lempo linha elle vivido essa existencia de guer-
rilha, conservando durante quarenta annos os
credores era distancia.
E+le era anda to vigoroso e to firme nosel-
lira, como na tarde em quo rejnio-se ao regi-
ment de Russards, e que fez saltar sua jnenla
Kicking-Kate por cima das estacas de ferro, rol-
locadas em torno na frente do quartel de lio-
unsloNV.
Lord Killowen tinha sido intimamente ligado
cora o coronel Levingstone, e conhecia seu filho
Guy desde a infancia ; porm linha ainda relaces
de, amizade mais estrellas com a familia Brandao,
qual era ligado por lacos do parentesco aff-as-
tado.
Nunca mais elle tornara ver Guy desde o rom-
pimento de seus projeclos de casamento al essa
noite, em que por acaso vio sua soberba cabeca
inclinada sobre a cadeira de Flora Bellassys.
O sangue do Lord Killoven era to quenle, e
seus movimentos lio vivos, como se s conlasso
viole annos.
Tudo que elle tinha de cavalleiresco excitou-
se ao que elle olbava como urna insolencia de
deslealdade. Elle adevinhra grande parte do que
se linha passado, ainda que nao soubesse toda a
verdade.
Foi assim que, vollando a cabeca para o oulro
lado com urna certa affectafio, elle agio cHo ver
Guy, que lhe esleudia a mi.
, prodi-
galisou-llie seus cuidados com o ardor do zelo
apostlico e mostrou-se profundamente tocado
polos bons sentimentos do nobre soldado brelo
o marquez de Guez.
O corpo de atiradores franco-belgos real-
mente um dos primeiros corpos, o como tal
considerado por tolos. O Santo Padre consa-
grou-lhe una affeico interamente especial. O
general Lamoriciere e Mgr. Merode, o ministro
das armas, tambem teem por elle urna predi-
lecto notavel.
Como para sentir que esse batalho nao
cont mais algumas centenas de homens. Espe-
ramos que os filhos da calholica Blgica respon-
dero em grande numero ao appello de seu pae
veneravel, ao appello da religio que ameacada
na independencia de seu chefe, ao appello" da
honra, que para o christo est na dedicaco
causa da egreja, ao appello da gloria, que segu
sempre a verdadeira honra
[Le Monde.H. Di'pebron.
Este ultimo ficou pur um momento muito ad-
mirado, mas nao pode crer em urna alTronta pre-
meditada ; alm disso sabia que seu velho amigo
tinha a vista um tanto curta, portanto alcancou-o
em duas ou tres passadas, e disse, tocando-lho
no hombro :
E' necessario que eu tenha mudado mui-
to, por quanto Lord Killoven nao me co-
nhece.
O velho Irlandez parou logo, e vollando-se
olhou para o mancebo de frente, dafdejando so-
bre elle todo o fogo do seus olhos dn um azul
brilhante; e depois endireitou-se em lodo 6 com-
prmeme de sua estatura, que egualava quasi
de Guy, e rcspondeu-lhe lentamente com ura tom
glacial:
Perdoae-rae, nao raudastes cousa alguma ;
reconheco-vos perfeilamente.
O insulto era flagrante.
Guy cambaleou romo se livesse recebido urna
cutlada ; a colera fez-lhe subir o sangue s fon-
tes, ifirhando-lhe cada vea como se foram mus-
culos ; e elle disse com urna voz rouca o entre-
cortada por urna furiosa emoQo :
Dar-me^heis um satisfaco.
Est visto que o adversario do Guy linha edade
de mais para ser seu pae ; mas no "jogo, ncara
ou na contenda, lord Killowen (embrava to pou-
co do numero de seus annos, que poda descul-
par-se aquelle que podesse alguma vez esque-
ce lo.
O velho esleve quasi responder com fogo ;
mas fez um csorgo por conler-se e pareceu re-
sistir urna violenta lentago ; mas quando dous
ou tres segundos depois elle replicou, houve no
tom com que fallou mais tristeza e advertencia do
que colera.
Nao, nao rae balerei com o filho do coronel
Levingstone, nem mesmo em um caso desta na-
tureza ; alm de que, eu nao poda concorrer
com um hornera, que tem mais direilo do que cu.
Cyrillo Brandao voltou da India, e ha quatro das
que desembarcou.
Creio que seria muito difficil encontrar em to-
do o mundo um homem to pouco accessivel'ao
terror physico por constiluico e temperamento
como Levingstone ; entretanto ao ouvir de sbi-
to esse nome de Cyrillo, um fro glacial passou-
Ihe por todos os ervos, o qual parecia-se do um
modo lo desagradavcl ao medo material, que
depois nunca pensou nisso sem que a vergonha
lhe subisse ao rosto.
Desde esse dia elle nao poderia contradizer a
mxima do marelhal Lannes, o bravo dos bravos :
4 S m cobarde que diz que nunca tace
medo.
Guy guardou silencio, e deixou lord Killowen
affastar-se saudando-o cortezraente anda
com frieza.
Este ultime jamis soube que mal Dzera.
Con(inuar-5e-na
PSHN. TYP. El. F. DE FARU186?.
que
ILEGiVELl


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDDQBF26X_JJASLQ INGEST_TIME 2013-04-30T23:33:24Z PACKAGE AA00011611_09184
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES