Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09156


This item is only available as the following downloads:


Full Text
4N1I XXXVI. HUMERO 256
Por tres mezes adianUdos 5$000.
Por tres mezes vencidos 6$000.
SEGNDDl FEIRA 5 DE NOVEMBRG DE 186.
Por aono adiaolado 19$000
Porte franco para o subscritor.
DIARIO
ENCARREGAD03 DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrno de Lima !
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aiacaly, o
Sr. A de Lemos Braga; Cear, o Sr J. JosedeOli-
veira; Maranho, oSr. Manoel Jos MaitinsRibei-
ro Guimares ; Piauhy, o Sr. Joo Fernandes de
Moraes Jnior ; Para, o Sr. Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Jernimo da Costa.
i' AUlluAa US CUrttttlu.
Olinda todos os das as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goianna e Paralaba as segundas
3 sextas feiras.
S. Aiito, Bezerros, Bonito, Caruar, Allinho e
Garanhuns as toreas feiras.
Pao d' Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Ingazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury o F.x as quartas-eiras.
Cabo, Sirinhaem, Rio Formoso. Uns, Barreiros,
Agua preta, Piraenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os c^rreios parten) as 10 horas da manha
EPHEMERIDES 1)0 MEZ DE NOVF.MBRO.
6Quarlo minguante as 6 horas e 57 minutos
da manha.
12 Lua nova as 10 horas e 16 minutus da tarde
20 Quarto cresceule as 6 horas e 33 minutos
da manha.
[ 28 Lua cheia as 9 horas e 18 minutos da manha
PREAMAR DE IIOJE.
Primeiro ss 10 horas e 6 minutos da manha.
Segundo as 10 horas e 30 minutos da tarde.
AUDINECIAS DOS THIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relagao torgas, feiras o sabbados.
Fazcnda : tercas, quintas e sabbadusas 10 horas.
Juizo do commercio: quartis ao meio dia.
Dito de orphaos: tercas e sextas 8s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio dia
Segunda vara do civel; quartas e sabbados a urna
hora di tarde.
DAS DA SEMANA.
5 Segunda. S. Zacaras e S. Isabel.
6 Terrea. S. Severo b.; S. Athico b.; S. Leonardo
7 Quarla. S. Florencio b.; S. Tessalcnica m.
8 Quinta. S. Severiano e seus companheiros.
9 Sexta. S. Theodoro m.; S. Orstes ra.
10 Sabbado. S. Andr Avelino advogado.
11 Domingo. O patrocinio de Nossa Senhora.
ENCRREGADOS DA SUBSCRIPCAO No SUL
Alagoas, o Sr. Claudino Fulcao Dias; Baha,
Sr, Jos Marlins Abes ; Rio de Janeiro, o Sr.
Joo Pereira Marlins.
EM PERN'AMBUCO.
O proprietaro do diaiuo Manoel Figueiroa de
Paria, na sua livraria praca da Independencia ns.
6 e 8.
PARTE OFFICIAL.
ordens afim de se achar essa thesouraria hahiln-
da a effectuaro pagamento da quantiado 541:869
rs. que se est a dever ao engenheiro Wiliam
Martineau.
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. as contas
documentadas que acompnnharam o aviso do mi-
nisterio do imperio de 18 do crreme, junto por
copia, relativas s despezas feitas por*Mr. Luiz
Jacques Brunel, para desempenho da commissao
de que fui enrarregado, de colligir amostras de
Ierras nesta provincia, am de que nessa thesou-
raria sejam liquidadas as mencionadas contas de
conforniidade com o citado aviso.
Dito ao. mesmo. yfJe.vcndo a guarda nacional
dpste municipio ser dispensada doservicodo des-
tacamento no dia Io de novembro vindouro, hija
V. S. de dar suas ordeus para que se passe revis-
ta de mostra ao Io batalho aquartellado.
Dito ao mesmo. Pura que eu possa resolver
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 31 DE OUTUBRO DE 1860.
Offieio 10 Exm. commandante superior do Re-
cife.Lm resposta ao oilicio que V. Exc. me di-
rigi com data de 27 do correte, sob numero
184, pedindo licenga para fazer destacar o se-
gundo batalho de infantaria da guarda nacional
deste municipio em subslituico ao primeiro,
que est aquarlelado, lenho dizer-lhe, que de-
sejando eu alliviar, quanto tur pussivel, a guarda
nacional da provincia do servido de destacamen-
tos sempre oneroso industria, lavoura, e
outras oceupages uteis do cidadiio, resolv de-
terminar que o servigo da guarnigo desta capi-
tal seja Cello pela torga de primeira liana, a qual
ser apenas auxiliada pela guarda nacional, dan-
do esta nos domingos a forca necessaria para \ acerca do pagamento que pede Miguel dos Arjos
aquelle servico, nos termos do art. 86 da ledo I Monteiro no requerimento documentado, quedo-
19 de siembro de 1850 por escala, e com a volvo. e que acompanhou a informogo de V. S.
maior igualdade, afim do que esse mesmo ser- de 14 de setembro, sob n. 9f6, faz-se preciso
vico seja de pouca importancia, concorrendo pa- que por esta thesouraria seja explicada a conlra-
ra elle os 4 corpos da capital: o que hei por ruui- I dieco que se ola as inforraaces da respectiva
to recommendado V, Exc. coi.iadoria, dizendo a 4a seceo que nao pode
Dito ao commandante das armas.Tendo re-'. essa despeza ser paga por falla de crdito na
soWido dispensar a guarda nacional deste mu-' verba competente e o contador que por estar
nicipo do servico do destacamento no 1. de encerrado o exercicio a que ella so refere.
novembro vindouro, sendo o da guarnicao feilo Dito acamara municipal de S. Anlo.__De-
por torga de primeira linha, que ser, porra,' claro a cmara municipal de S. Anlo. em res-
auxiliada pela mesina guarda nacional nos ter- posta ao seu offieio de 25 de setembro ultimo,
mus do art. 86 da lei de 19 do setembro de 1850, que spprovo as orremalages dos impostos cons-
ando esta toda a torga necessaria aos domingos lantes da tabella que acompanhou o citado of-
para a guarnigo, sirva-so V. S. de dar suas or- ficio.
dens neslo sentido, entendendo-se esteres- Dito ao juiz de paz do Limoeiro.Respor.den-
peito com o respectivo comniandanle supe- do ao que consulla Vmc. cm offieio de 22 do ca-
"*: dente mez devo duer-lhe quo o proeedimenlo
Dito ao mesmo.Haja V. S. do mandara- prescripto pelo art. 1. da disposico promisoria,
promplar a liopa e os sentenciados militares que a cerca da administradlo da justica civil relaliva-
ftler para o presidio de Fernando, mente ao pagamenlo'de contas judiciaras sem
alim de seguirom no vapor Viamo, que deve
largar do porto oesta cidade no dia 8 de novem-
bro prximo vindouro.
Dito ao commandante da diviso naval.Na
conformidade do que resolv de aecurdo com V.
S., sirva-so mandar aprompiar o vapor Viamo,
ti de partir para o presidio do Fernando no
duvda extensivo > pequeas demandas inten-
tadas peranto os juizes de paz dentro da aleada,
e em que decahirem os autores.
Dito ao director do arsenal de guerra.De con-
formidade com o disposto no aviso da reparligao
'- guerra de 15 do crrenle recommendo a Vmc
que mande fazer nesse arsenal as 60 espheras,
uia 8 de novembro vindouro, e providenciar pa- que requisitou o director da faculdado de dreilo
raque nelle sejam' recebidas as pragas sen- no offieio constante da copia junta, enviando-mc
tenciados 51 vis e militares, que furem aprsenla- a respertira coma Communlcou-sc ao director
dos pelo chefe de polica e commandante das ar- faculdade.
m"- Dito ao mesmo.Mande Vmc. alistar na com-
uito ao inspector do arsenal de marinha. panhia de aprendues desso arsenal, depois de
Transmiti por copia V. S., para ter exeeugo salisfeilas as exigenacis do artigo 3 do decreto oe
olficiosda secretaria do ministerio da fazend3 de
4 e 19 deste mez.
DESPACHOS DO DA 31 DE OUTUBRO.
Requerunentos.
3010. Alexandrina Candida Gonzags da Ro-
cha. Como requer, sendo este despacho apre-
sentado ao Sr. Director gera] da iostruego pu-
blica para o fin) conveniente.
3011. Francisco Bolello de Andmdo. In-
forme o Sr. inspector da thesouraria provincial.
3012 Froneiseo Saller de Mendonga. O
supplicante nao tem a idade marcada jmr i.
3013. Fielden Biothers. Dirijam-se a the-
souraria de fazeuda.
3014. Joaquina Umbelina dos Pas3os. In-
formeo Sr. director do arsenal de guerra.
3015.Jos Francisco de Paula. Ioforme
O Sr. Dr. chefo do polica.
3016. Jos Antonio de Araujo. Informe
o Sr. capilao do porto.
3017. Pedro Rodrigues de Souza. Informe
o Sr. inspector do arsenal de marinha.
3018. Rufino Jos Gongalves. Deferido.
3019. Vicencia Mara do Carmo Cezar.
Era vista da informaco nao tem lugar.
DESPACHOS DO DIA 2 DE XOVEMBBO.
Requerimenlos.
Agostinho de Godoy Waseoncelloa, vigario da
freguezia de Allinho. Informe o Sr. inspector
da Ihosourona provincial.
Anselmo Jos Fer.eira. Informe o Sr. ins-
pector do arsenal de marinha.
Francisco de Souza .uerra. Selle o suppli-
cante os documentos que junta aprsente petico
alim de poder esta ser tomada em considoraco.
Francisco Joaquim de Oliveira Biduem. In-
formo o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Fielden Brothers. Dirija -se a thesouraria de
fazcnda.
Jos Januario Alvos Ferreira.Sellados os do-
cumentos depois de reformados de conformidade
cora a informago da thesoraria provincial de 29
do mez findo sob n. 1130 volte.
Jos Francisco lavares. Selle o supplicante
a potigo inicial e volte.
Luiza Maria Anglica. Informe o Sr. Dr. che-
fo de polica.
Luiz de Franca
na parte que lho loca, o aviso oe 20 do crreme,
em que o Exm. Sr. ministro da marinha deter-
mina que se constriiu nesse arsenal urna lancha
para substituir a do brigue barca Itamarac,
que se acha em mo estado.Communicou-se
ao commandante da eslaco naval.
Dito ao co'rainandante "do corpo de polica
Mande V. S. entregar, logo que pelo provedor
la Santa Casa da Misericordia Ihe for requisita-
3. de de fevorero de 1842, o menor Julio Go-
mes, filho da um soldado de 1.a linha a qnem
fallam os meios para Ihe dar a necessaria edu
cago.
Dito ao mesmo.Em aditamento ao meu offi-
eio desta dala transmillo-lhe por copia a 1.a via
do conhecimerilo dos ubjeclos viudos da corte no
vapor Oyapock com destino a esse arsenal.
Dito ao mesmo.Mande Vmc. receber com ur-
d, a cana de ferros rirurgicos que. segundo in- gencia os objeetos mencionados na relagao junta
.?rIfl~ J3' e,m*eu offieio de 30 do correle, es- por copia, os quaes vieram da corte no vapor
Oyapock com destino a esse arsenal ficando Vmc.
ta em poder do Dr. cirurgiao do corpo sob seu
couimaodo.Coramunicou-se ao provedor da
Sania Casa.
Dito ao raesrao.Expega V. S. as suas ordens
para que no dia 3 prximo futuro sejam apo-
sentados ao Dr. chefo de polica quatro pragas
do corpo sob seu comraando, afim de escolla-
ren! para o termo de Giranhuns o criminoso de
inorle Joao de Dos Severno.Commuuicou-se
ao chefe de polica.
Dito ao mesmo. Visto que, segundo V. S.
declara era seu offleio desta data, sob n. 468,
Francisco Salles de Mendonga, que se offereceu
para servir no corpo de seu commando, se bem
que tivesso sido julgado apto para o servico,
nao tem a idade legal, nao pode elle ser alistado
no referido corpo.
Dito ao mesmo. Communico a V. S. para
seu conhecimerilo, e afim de que o faca constar
a quem competir, que com viso do ministerio
da fazendi de 20 do corrente me foram retnelli-
cerlo de que o inspector do arsenal de marinha
tem ordem para prestar as lanchas, que forem
precisas, para condugo dos ditos objeetos.
Expediram-se as ordens cenvenientes.
Dito aos agentes da companhia brasilejra de
paquetes a vapor.Informem Vmcs. a cerca do
pagamento que pede Framisco de Souza no in-
cluso requerimenlo, que me ser devolvido, ten-
do era vist3 o meu oilicio de 20 do correte.
Dito ao eonselho administrativo.Recommen-
do ao eonselho administrativo do patrimonio
das orphdas qno mande recolher ao collegio
dos orphaos a menor Leopoldina Maria da Pai-
xo, filha de um soldado de Ia linha viuvo, a
qu'-m fallam os meios para dar-lhe a necessaria
educaco.
_ Dito ao director das obras publicas.PJe
Vmc. mandar pagar, conforme ndica em sau
informaco de 29 do'corrente, sob n. 281, a
dos os decretos e ttulos de nomeaces dos em- iu,a,,.a de 410;>2O rs., que se esta a dever a
pregados da alfandsga desta capital, constantes
da relagao junta por copia.
Dito ao mesmo. Transmiti por copia a V.
S para seu conhecimerilo e devida execuego,
O decreto de 12 do carrenle, que me foi renicl-
ido com aviso do ministerio da fazenda de 20
deste mez, e pelo qual aposentado Joo Xavier
Cirneiro da Cimba no lugar de administrador da
Deesa do consulado desta provincia com os venci-
mentos. que lho compelirem na forma da le.
Dito ao mesmo. Remello a V. S. para a de-
vida execugo a inclusa copia do decrelo de 22
de agosto ultimo, que me foi reoetuda cora
aviso do ministerio da fazenda, de 18 do corren-
te, e pelo qual se conceden a demisso pedida
pelo bacharel Pedro Guadiano de Ralis e Suva
do lugir de Teitor conforenle da alfandega desia
provincia.
Dito ao mesmo. Declarando-me o Exm. Sr.
ministro da guerra em aviso de 15 deste mez
que nossa data se expedo ordem pagadura
novembro prximo vindouro era dame, se pa-
gue a Ferroucho Baillion a quanlia de 15 mil
ris mensaes, que do respectivo sold Ihe con-
signou o alteres ajudinte do 8" batalho de in-
fantaria Luiz I'irmino de Souzi Caldas; assim o
communico
Francisco Anlijuiu Correia Cardoso proveniente
de diverses olmedos de ferro e bronze por elle
fornecidos para os reparos do raio do norte da
casa de dedeneo. Communicou-se ao inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Portara. O presidente da provincia, alten-
dendo ao que requereu, o promotor publico da
comarca do Cabo, hacharel Jos Silvano Hermo-
genesde Vasconcellos, resolve prorogar por mais
um a licenca de dous mezps, que Ihe foi conce-
dida por poriana de 31 de agoslo ultime.
Expedinle do secretario.
Offieio ao conselheiro Josino do Nascmento
Silva, director geral da secretaria de estado dos
negocios da justica.Em cumprimento de ordem
do Exm. Sr. presidente da provincia aecuso a
recepgo da tommnnicago, que V. Exc Ihe di-
dirigio em 9 do correle, de ler sido aceita, por
decrelo do 5, a desistencia que fez Manoel Vicen-
te Gongalves Ayres da serventa vitalicia dos of-
ficius de tabelltu do publico, judicial e notas, e
escrivo do civel e orphaos do termo de Villa-
Bella desta provincia.. Fizerara-se as conveni-
eutes commumeagoes.
Dito ao mesmo. S. Exc., o Sr. presidente da
provincia, manda acensar a receoco da com-
Lu.z de Franga Soulo. Informe o Sr dfrec- r < J"' a0 Conae ac
tor das obras publicas, o motivo por que nao foi Cav"ur. t"uu^da l"l pmssiano, pa-
pago o supplicante pela consignaco mensal. rGCe "Mlr-T0i a acreditar era mudanca do go-
LuizJos de Santa Anna?-Nao tem lugar o verno ,nS' n polmca_italiana. Cre.o ine vos
jgar
que requer.
Manoel do Nascmento Pacheco de Medeiros.
Passe portara coueedendo dous mezes de licen-
ca com vencimentos.
Miguel Vieira de BarrosMarrec.a.Volte ao Sr.
oirecior da inslrucgo publica para informar so-
bre as habilitagoes literarias e proeedimenlo do
supplicante pelo que deve conslir da directora.
Manuel Pereira da Costa. Nao tem lugar.
Manoel Geraldo Pereira. Nao tem tugar
quo requer.
lugar o
Circular.Ministerio dos negocios da justica.
Bio de Janeiro 17 de outubro de 1860 Ilm. o
Exm.Sr.Determinando o att. 3i do decreto
n. 2,548de 10de margo ultimo que se marque
nedade de seu throno, dao a confianga certa de ou de priso as fortalezas, sero embarcados em I Msistre e Hefner com 20 sapadores commanda
que elles porao um dique esle espirito de osar- Beyroulh e conduzidos para Constanlinopla. dos pelo lente Brunner, do segundo reimenl
pacao que calcando aos ps todas as les, espa- O rauchir c os ollicines aecusados forara cstrangeiro, para a povoaeo de Pienro onde
Iham a desordera no meto de tropas armadas nos i egualmenle apresenlados peranto o eonselho de elles restabelecnra a "autondade "punlificii
outros estados para consummar espoliagoes em guerra instituido para o julgamenlo. Nao ha- beixaram a bandeira tricolor tornaram a col
detrimento da soberana hgiiiraa. O que alm I vendo a recejar obstculo algum para a priso locar o escudo pontificio 'e reunirim ludo
disso d ao santo padre, urna coifianga nao i das pessoas notaves do paiz, que se achara in- quanto era necessaiio, assim como madeiras
menor, o pensamento de que ser ouvido o digitadas nesle negocio, sero tambera presas homens e meios de transporte oara ran*r>
brado de tantos milhares de cathocos espalha- amauh. p0nie H reparara
dos em todos os reinos, e que peden, com ins- I -7" ^ ^P0*3 do dl,as "'" de trabalho toreado
Ordem do dia 17 de setembro. ( a ponte estava aberta tropa, que a atrves-
Devo urna expresso de elogio aos nossos son, cnegando sem oulro inconveniente Cilla
postos avangados do Santa Maria, e de S. Lucio | della Picva ao mcio-dia. Toda acidado eslava
pela regularidade do seu servico, eespecialmen- abandonada pelos voluntarios, que i primeira
le pe,, valor que mostraram nosJMju|trus dos noticia da chegada da tropa, se linhara refugiado
ltimos das. ''""W em""pvie no lerritorio toscano, levando as ar-
Na manhaa de la desle mez, rmia fraegao
da seceo hngara que faz parlo da brigada Eber,
nos posios avangados de Santa Mara, foi atacada
pelo inmigo. Mantendo-so no posto cora san-
Ura novo triumpho acaba de augmentar o DO-1fftJ2/V?fa ,rivame,,le Pmeira e segun-
mee o brilho do nosso exercito. Jesord cavallar,a. 1 obngou a retirar cm
Ancn, capitulo-; o general L^moricire e a Aqucles Dravos sol(jados mostraram mas
urna vez a fraqueza da cavallaria, c que os que
devem suster-lheos choques se nodeixem lou-
camentc assuslar pelo estrepito e pelas apparen-
cias.
Sendo repellida a cavalliria, avancou o ini-
migo cora ura grosso corpo de infantaria. Os
borsaglleri da brigada Eber, e os cagadores do
batalho Carrano correram ao seu encontr. Tro- lude da populacho do paii, quo nao lome
cadosos primeiros tiros de fuzil, os nossos bor- alguma nestes allenlados, e que depois de ler vi-
saglieri se reuniram no ataque com os seus com- vido muitos dias na anciedade, acolheram pec-
panheiros, e repellirara os iniraigos at debixo feilamenle as nossas tropas,
dos muros do Capua, nos quaes se furam abrigar i Os voluntarios, alm da ponte de Piegaro
era fuga cera derrota, protegidos pela arlilharia tinhara quebrado o telegrapho e matado um gen-
dos lories. darme ; feriram gravemente oulro as immedia-
Na* manhaa du da 16, os pnslos avangados coe? de Tavcrnelle.
ele S. Lucio, da brigada Puppi, tiveram de'sus- Um cerlo marquez Rjnaldi foi nomeado
tentar ura combate de reconhecimento, no qual maire. cm subsiituigo do Sr. Mazzuoti que li-
Tunn, Palacio da Municipalidade, 29 de se- KT La!?H.l?hu"l|ha (^J^ ^rra-, nha dado n sua demisso. E' um antigo conspi-
lerabro de 1860 -Pela municipalidade, o secre- i T0 %?**'? "ir t 'T, i9wZ ^ n qU *****, dID,n5". se ause"lou Pa ir
'- C. Faca-0 alcaide A de Cossilo d |ao lesscra) s ordens do coronel Wuukler. O Horen-.a, segundo parece, afim de pedir urna in-
u aicaiue. a. ae lossuo. o inmigo. que em grande curnero oceupava a mar- tervengao armada.
gem direiia do Vollurno, relirou-se, cedenda ao E-:"pero noticias de pessoas de confianca
1 enihusiasmo com que os nossos se lanniram so- le raandei para Ometo, alim de saber se
, bro a margera esquerda, com quanto nao ti ves- devo continuar u raiulia marchs naquella di-
sem pontesnem nenhura outro meio de atiaves- receo.
sar o rio.
Este3 tactos en;herara-rae de urna alegra
sincera, mostrando-me 3t que ponto pisso con-
tar coravosco para as mais importantes operages.
Espeaoios que a cegueira dos nossos nimigos
nao ser tal que nos torne a abrigar a derramar
o sangue dos nossos irmos, mas vos ten les de
com ins-
tancia o termo das agonas e das calamidades em
que se acha seu pai comraura.
O abaixo assignado aprovcita esta occasio
para assegurar a vosss senhorias a certeza de
urna alta eslima.
(Assignado) Cardeal Anlonelli.
Proclamaco da municipalidade de
Turin,
Cidados:
guarnigo ficarara prisoneiros.
Esto faci completa a emancipago da Ombra
e das Marcas. Os povos pdem "inanifeslar os '
seus votos e reonir-se s demais provincias da
pennsula, libertarlos do jugo eslrangero.
A municipalidade desejara festejar esle ditoso
acontecimeutocom alguma deraonsirago publi-
ca ; mas lembrando-se que nao seria convenien-
te semelhunte demonslraco no meio das pre-
oceupagoes do da e na poca do auno em que
a maior parto da povoago est ausente, resol-
veu consagrar ao alivio dos feridos da guerra
actual o dinheiro que tem de gastar cm testas,
c vos convida a coatribuir para este patritico
pensamento com donativos particulares, depo-
sitados na caita da commissao enearregada de
aliviar os soffriraenlos dos nossos valeutes com-
panheiros.
lario.
mas e munigoes o resto tinha-se dirigido para
Ovieto.
Eram em numero de 300 a 350 individuos,
complexo de paisanos toscanos, vagabundos,
emigrados romanos e malf.-ilores, recebendo to-
dos um sold diario de 37 baioques Eram com-
mandados pelo (iraoso Masi, que tem o titulo de
coronel pinmontz, e dava as suas ordens em
nome do governo do Picmontc. Cesar Or-
landi, de Cilt della Pieva, ligurava como ma-
jor ; a maior parte dos ezylados de Purusa iarn
com elles, Danzetta, Brus hi e Guardabass. Se-
gundo so diz estes ltimos foram com Masi para
Olvieto.
Nao pode dexar de se fazer elogio atii-
De Londres, cscrevem Prtse :
A nota de lord John Russell
ao conde de
expresso do meu profundo res-
das suas vistas mais enraizadas.
Lord Palmerston e lord John gussell dese-
jam vivamente que Veneza seja libertada da
Austria ; ambo; elles se mostraram mediadores
voluntarios para chegar a esse fim, se a Aus-
tria quiver almiltir psla idp.n Fslimariam final-
mente ver a Austria expulsa da Italia por todos
os meios. e muilo mais decente por aquelles
que proviessem da propra Italia ; mas lemem
que Garlbaldi, dando-se muita pressa era um
um prazo dentro do qual os responMve'i's'p'efos Hlaq"P fS3e i"'6"0 infeliz- Sabem, que reuni-
l.vros e doeumemos das contas dos dinheiros e I d, m?smoa0 1fle,nPn'e,- "T" nai'ano seria
valores do estado devero aprsenla oSdL; ^TV^ 5 do lomar o quadri-
livros e documentos ao tribunal do thesoun la'er0' c,so d" uraa se"nda "i"venCo
engaaos a esle respeiio. O objeclo d'aquella
nota (datada de 31 de agosto) era prevenir tanto
quanto fosse possivel um ataque contra Veneza.
la muilos mezes que era a idea Gxi de lord
Palmerston e de lord John Russell, e j ha dous f'.ui'irn
_____ ,. -,...* luiuro a concentrar contra o e^tran^eiro todas as
mezes, em julho, vos fallei nisso, como urna forcas ri0 vosso va
Aceitai
pclo, etc.
O general governador militar
A. Schmid.
[Jornal do Commercio, de Lisboa.)
O general
gados,
or c da vossa vulude.
comraandanle dos postos avan-
um novo acto da tragi-comedia
a Vctor
o Eslevo Ttirr.
aos mais importantes re-
Conclue-so
pemonteza.
Deniro em pouoo a revolugo dar
Emmanuel a cori da Italia.
Para Ihe obedecer, elle acaba a obra de espo-
liacoanli-real por um golpe ao throno no qual
lodos os th-ronosapoiara-se ; a propra mo do
re que procura tirar a cor i do Soberano Pon-
tfice.
Ao depois a Italia se inclinar dinnte do mo-
thesourarias de fazenda ; convera expedir V. Exc.
suas ordens afim de que nessa provincia sejam
apresenlados at 31 de margo de cada um auno,
OS livros c documentos relativos aexercicio que
lindar em 30 de junho do anno anterior, con-
cernenles despeza deste ministerio.
Dos guarde a V. ExcJoo Lustosa da Cu-
nta Paranagu.Sr. presidente da provincia de
PernarabucoCumpra-sc.Palacio do governo
de Pernambuco 2 de novembro de 1860.__A.
Leilo da Cunha.
EXTERIOR.
municago, qun V. Exc. he dirigi em 19 do
1 V, S. para sen conheciraento. corrente mez, de que S. M. o Imperador, por
Comniunieou-se ao commandante das armas.
Dito ao mesmo. Tendo sido approvada, se-
gundo me constou de aviso do ministerio do
imperio de 11 do corrente, a nnroeaco do sar-
gento Francisco Eduardo Benjamira para o lugar
de escrivo da colonia militar de Pimentiras,
decreto de 16, houve por bem reconduzir o des-
embargador Agostinho Ermelino do Leo no lu-
gar de presidente da relarjo desta provincia-
Ftzeram-se as convenientes comraunicagoes.
Dito ao director geral da reparligao da mari-
nha. O Exm. Sr. presidente da provincia man-
franceza, que comtudo nao parece milito prova-
vel, receiam complicages europeas com a Prus-
sia ecom a Russia.
O jornal de lord Palmerston continua a fal-
lar, como sempre, nos termos mais fortes, da
imperiosa necessidade em que a Italia csl de
expulsar a Austria de Veneza.
Ha nouco publicou um artigo em que estabe-
Passaremos agora
coutros do dia 19.
Conheceis a posgo de Caoua. Esta praga
3S3enta na margera esquerda do Vollurno, que'a
circurada pela melade. Entra-se alti pelo lado
de aples por urna ponte levadiga que abraga narc.na- e os Italianos julgar-se-ho talvez no
um fosso ; do hdode Gaela s se sahe por outra caminho da unidade, da liberdade o da gran-
ponte brigada sobre o rio. Garibaldi queria se- liei:>-
parar Capua de Gaela. Era, pois, obrigado a pas- Pobre principo c desgragado povo, victimas de
sar o Vulturno era ura poni qualquer para occu- i um dos engodos da revolucao, sacrificadas ao
par as alturas que dominam j mar^fiu diioia u "'f!""0 marmali*la '
rio, e as estradas reaes da Terra de Labor. Qual ser prximamente sua sorto?
Mas o Vollurno era defendido o vigiado oor Nao mais difficil de o prever do que era de
torgas considerareis. Era, pois, necessaro dis-I adivinhar que Garibaldi, apenas Ihe deram um
trahir asilencio do ioimigo. O general Turr papel na guerra da Italia, havia de ser o gene-
mandou urna forte columna contra Capua, como I ralissimo da revolugo italiana, o destruilor da
para darassalto cidade. Feito isto langaram-j ordem estabelecida.'o flagello de seu paiz.
se 10.000 realistas contra aquella columna. Em-' A Italia, que julga-se unificada, vai tornar-se
quanto isto aconteca, oulros corpos iarn eslabe- o thealro dr
lece estef estillado como sendo umn\iuestao de ,u*',,,,' ,sl" "". '.'* eurpos iarn esiaoe- o umairo oe divi-5es sanguinolentas, o campo de
mVo eTie oScia e ali^da nonuca s- 1CCer."Se nas,all"ras de Cajazzo. depois de have- balalha de povos rnais opposlos que nunca
g'Z pelo JiSSosf Se Ja orTm que "? '""1"'l|a"'ente passado o Vollurno. He urna arena que abre-se para .odas as lulas
os tres' membroTm is po k^.sos d^g"o "n,o! ...E.,s.a h,8lona era Uuas PaU'"s eis osd^- !"a8navo.a. Republicanos e monarch.stas. lia-
com os vencimentos marcados em meu offieio de da aecusar receido o offieio, que V. Exc Ihe di-
19 de maio ultimo, assim o communico a V. S. rigi em 19 do corrente. communicando haver-se
para seu conheciraento. solicitado do ministerio da fazenda a expedigo
Dito ao mesmo. Communico a V. S. que por de ordens. afim de que, na conformidade do avi-
aviso da reparligao da guerra de 15 do crreme, so do referido ministerio de 26 de julho ultimo, se
me foi declarado haver-se expedido ordem nessa restitua o que pngaram de emolumentos e sello
data para que a thesouraria de fazenda di pro- os empregndos do arsenal de marinha, que foram
vincia de S. Paulo, suspendendo o pagamento da conservados com os mesmos vencimentos, nos
preslagao de 50j>00 mensaes, que naquella pro- lugares que j exere.ain antes da publicago do
vine.ia consignoii do respectivo sold o cirurgio- decreto n. 2583 de 30 de abril deste auno, bem
mor de brigada, Jos Sergio Ferreira, n seu filho como os empregados que
Alfredo Sergio Ferreira, a contar do mez de se- *
tem bro passado era diante a essa thesouraria a
compleme guia.
Dito ao raesrao. De conformidade com o dis-!
pesio no aviso do ministerio da fazenda de 20 do '
correte, mande V. 3. abonar ao guarda-mr da I
alfandega das Alagoas, Julio da Silveira Lobo,'
nomeado para o lugar de 2o cscripturario da des- j do corrente o prazo marcado para o concurso di
ta provincia, a quanlia a que liver direito na for- serventa do offieio de 2 esrrivo de appella-
ma das inslrucges de 16 de Janeiro ultimo, como | goes e aggravos desse tribunal, conforme V. S.
passaram para novos
lugares no dito arsenal com os mesmos venci-
menlos. Coininunirou-se ao inspector da the-
souraria de fazenda e ao inspector do arsenal de
marinha.
Dilo ao presidente da relagao. S. Exc o Sr.
presidente da provincia, manda declarar a V. S.
que tica inleirado de ter-se lindado no dia 26
ajuda do cusi para as despezas de primeiro cs-
tibelecimento.
Dilo ao mesmo.Constando-de aviso do minis-
terio da fazenda de 20 do correte que o amanu-
ense da alfandega desta provincia, Francisco Af-
fonso Ferreira fra nomeado para o lugar de pri-
meiro conferenle da da Parnahiba, no Piauhy ;
assim o communico a V.S. para seu conheciraen-
to e afim de que o faga onstnr a quem compe-
tir, marcando ao Horneado, d* conformidade com
o di-posto no citado aviso, um prazo nio maior
do 30 dias pra seguir a seu deslino, onde acha-
ra o decreto de sua noraeago.
Do ao raesrao. Coramuoico a V. S. para seu
conheciraento, que cm aviso do ministerio da
marinha de 19 do corrente foi-rae declarado ha-
ver-se solicitado do da fazenda a expedieco de
comnjunicot em seu offieio datado de hontem.
Dito ao inspector da theseuraria de fazenda.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda com-
municar a V. S. quo, segundo constou do aviso
do ministerio da fazenda de 10 do corrente, Sua
Magostado o Imperador, conformando-se com o
parecer da seceo de fazenda do eonselho de
estado houve por bem indeferir o requerimento
n que Anlonio Jos Ribeiro de Moraes pedia
que osse considerada como reinlegrago a no-
meago que obleve para porteiro dess thesou-
rarh.
Dilo ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda transmiltir a V. S as treze in-
clusas orden, sendo doze do Ihesouro nacional,
sob ns. 157 a 166,168 e 169, o urna da reparli-
gao da guerra de 9 do cadente, bem como tres
O Jornal de loma publica a seguinte nota do
cardeal Anlonelli, dirigida aos representantes das
potencias eslrangeiras:
Vaticano, 18 de setembro de 1860.
O abaixo assignado, cardeal secretario de
estado, lamenta muito ter de oecupar os repre-
sentantes das potencias eslrangeiras junto da
Santa S, com acontecimentos cada vez mais
tristes ; mas a forga das crcumstancias lo gra-
ve, e a impetuosa violencia, de que se usa para
com o mais pacifico dos soberanos, para com o
chefe augusto da igreja. lo inaudita, que o
abaixo assignado nao podo dexar de Ihes fazer a
presente comraunicago, tanto mais, quanto ao
dever do seu ministerio se junta a ordem ex-
pressa que lho foi dada por Sua Santidade.
Desde o da era que Uve a honra de reraetler
a vossas senhorias a nota de 12, o governo pie-
monle7, continan 1o sempre a marchar no ca-
minho das hostilidades contra o governo da San-
ta S, sem a menor provocaco da parle deste
ultimo, juntando allomado a'allentado, arrojen,
com mo armada, a revolta contra a autoridad
legitima da Santa S, afim do se fazer senhor de
provincias, que, depois da usurpago das Roma-
nias, Ihctinham permanecido fiis.
O governo pontificio, forte no seu dreilo,
tem feito. e faz anda, todos 0.4 estreos possi-
veis, no meio do valor do limitado nmero das
suas tropas, para suspender a impeluosidade
dessa invaso ; mas a preponderancia das forcas
inraigas de tal maneira fra de proporgo, que
impossivel prolongara defeza. Depois da ceu-
pacao de Pesaro, os piemoniezes flzerara prisin-
neiro o delegado pontificio, que chegou a soffrer
alguns ullrages, e o commandanlo que leve de
sustentar o altaquc e fez face defeza da cidade.
Por outro lado, um corpo numeroso atacnu
Perusa, que, depois de ter repellido um vigoroso
assalto, foi conslnngido a render-se, e o gene-
ral commandante em chefe foi feilo prisioneiro
com lodo o resto da guarnigo. Aquelle corpo
dirigi d'alli a sua marcha p'ara Foligoo, e che-
gou al Spoleto.
Orvieto foi invadida pelos voluntarios que
obram por ordem do Piemonte o que ameacam
atacar Viterbo.
E' desta maneira que o Santo Padre se v
privado, pouco a pouco, pela forga, de todos os
seus dominios que sao o patrimonio da igreja e
dos cathocos, ainda que S. M. o imperador
dos francezes tenha decUrado ao Piemonte que
se opporia como adversario aquella recente aggres-
sao.; que rompera com o governo todas as rela-
gesse este Ihe nao dsse a certeza de quo a in-
limagoo feita ao governo da Santa S nao terii
seguiraenlo, e de que o exercito sardo nao ala-
caria as tropas pontificias.
Nesle estado de cousns, o cardeal abaixo
assignado reclama e protesta era nome do S. S.
contra actos lo destituidos de todo o ilireilo hu
manoe sagrado, e como lesivos da independen-
cia do soberano pontificio e da integriade do
dorainio_temporal deque est investido, por urna
disposico da Providencia, para bem da religiao,
e da igreja, e que iegilimamente possue ha tan-
tos seclos.
Pede pois a vossas senhorias queirara levar
ao conhecimento de seus augustos soberanos es-
la reetamago e protesto. Os principios de jus-
tica, de ordem e de moral, que a lodos os prin-
cipes importa sustentar e defender para a solda-
te ti lia I
as circumstincias acluaes, sera urna loo-'
cura atacar Veneza, quind" isto mesmo nao '
fosse contrario aos compromis.--os do Piernn-;
' le. Seo meio dia da Italia pule estar bem
unido ao norte, lempo vir c breve era que a
difltculdade de Veneza estar applanada, e as
oecasi-'S entao se apreseutaro sera que Vc-
tor Emmanuel commetla urna infraego da sua
paiavra, quando mesmo se nao uncontrem
meios pacficos.
Set que sao estas as expressoes dos mem-
bros do nosso governo, e se na nota de lord
John Russell. e a causa da Austria considerada
lord l'almersto.i lord John lussell e Mr ( dllM, lanos do norie.do centro e do Meio dia. partidos
tone Uami^mk^^miXu^Mi^ ] F<" "m Prussiano. coronel R"5tow, 1 encarnicados e ragas hostis se cnlre-dilaceraram
A S dizeraXs nao Pode ^'e""rregado do falso ataque, ou como se diz. no interior, se todo o paiz nao for conquislado
ser resoTioa se S|tA%US trSSSSSSa^.-^!!^ S*" "ST^ PP';' "^ ^'T^ r ,
mas nao a^nra a occasio de fallar de nm -lias ? 1 arlio na minliaa de 19. urna hora antes : E se a Austria conquistar a lia ta, a Inglaterra
1 Jus-, do romper da aira, cora 2,000 homens adoas pe- e a Franca deixaroo difficilmenle os Alientes
gas de arlilharia. Chegado esplanada que esl possuir esse bello paiz, cujo senhor pode domi-
em frente da cidade, Rustow oceupou o centro nar o Mediterrneo.
tendo La Massa na reserva, o coronel de Giorge | Assim, a Italia arrisca -se a ser esraagada pelo
na direila, e Pupina esquerda Drame a noiie choque dos grandes exercitos europeus.
tinha-se o coronel Spangaro encaminhado para De qualquer lado que se examine, o horisonle
Tammaro, e Casa Real, por Foresta, que devia do novo reino nao pesagia seno tempestades.
oecupar, para se reunir columna Rustow. O povo ceg que em seu orgolho quer destruir
Os realistas reuniram logo os seus batalhoesj a principal base de sua paz, de sua gloria e de
o esquadres no campo intrinclieirado que tinham sua liberdade, o poder temporal do Soberano
construido em frente da cidade. Tinham srtuha- Pontfice, ser necessariameme punido por seu
i ra de campo.de forle. e tU.000 homens contra | criminoso erro.
os 2,000 voluntarios de Rustow E como se
aquellas torgas nao fossem sufficientes, chama-
! ram tambem os baialbes que guardivam a pas-
como boa nao seno no sentido de admillir sagem do alto Vulturno Observaran], pois, admi-
que ella teria a deffender-so contra um inmigo \ ravelmente o plano do general Turr.
que havia de tillar sua paiavra para a atacar.! Todava a gente de Rustow leve de soffrer
Se Garibaldi e as suas iropas revolucionarias es- i ufn f!<0 lerrivel Os bivaros, dos muros da ci-
livesse as crcumstancias de a atacar sem o ^ dade e do campo nlrincheira lo, atirando sobre
concurso de Pieraonle, o caso seria ento muilo | batalhoes a descoberto. olhavam tudocomsan-
differenle ; mas nao ha eventualidades que os 8" fr. e conduzirsm-e bem. Cumpriram o
ministros temam mais; sabem que esta lentali- seu dever como carabineros aguerridos. Ura sa-
va nao poda concluir-se seno por urna mise-1 "' 1ue 0' garibaldtnos sao mos aliradores. Fi-
ravel derrota, arrastando talvez com ella a per- I caram, pois, no campo uns 100, feridos e morios
da de todo o terreno j adquirido. entre os quaes o coronel Puppi e um major.
Nao lenho o menor motivo, nem desejo de Rustow leve ura cavado moito, e correu por es-
deffender os nossos ministros da aecusaco de P;' de seis horas as llleiras, debaixo do fogo
de metrdlha.
O general Turr dirigi as operages ; Gari-
baldi commandava em pessoa, o porlou-se em
todos os pontos com o seu habitual valor.
Eis os detalhes confirmados do que succedeti
sympathis por Garibaldi tem mudado muito, do- nesle dia. A passagem do Vollurno ea tomada
pois que julgou descubrir que elle eslava amar- : de Caja/zo custaram aos patriotas 154 horaens, I capital, confinando cora Vienna e Berlira. por
gamente opposto poltica piemonleza do mo- sendo 17 morios. E'esle o total indicado ao ge-! seus Vendes, seus Croatas, seus Slavacos," seus
ment. O rompimento de Garibaldi com o conde neral Turr. Os realistas podem ler perdido uns
de Cavour, e as infurmaedes que teem chegado 300 homens.
ao conhecimento oos nossos ministros a respei- ".....*
10 das nomeaces que elle fez, inquietam-nos | Le-se no Jornal de Roma o seguinte relalorio
inconstancia ; mas quero eslabele er como sim-
ples Tacto, que lenho as malbores rases para
saber que a allilude do nosso governo na ques-
lo italiana, nao mu loo de maneira alguma.
-' Niii.'ciem duvida que o seu seniimento de
E a historia registrar mais esta vez o exemplo
dessas caiastroohes que castigara todo o poder
que ataca a Corda do vigario de Jess Chrisio.
Esle orgulho quo tende a unidade italiana,
ameaca gravemente o equilibrio europeu.
S ha urna raga no mundo que tem muilo que
ganliar com a unili -aguo dos povos da niesraa
origera : a riga slava.
Todos os esforgos nacionalistas que a Ingla-
terra anima ilm dos Alpes e do Rheno, favore-
cen! a orgamsago do panslavisn.o.
Os Inglezes eos Italianos estariam justamente
exposlos aos roaiores perigos, se as aggregagocs
das nacionalidades se realisassem era (oda a
Europa.
Que papel representaran! vinte e cinco milhes
de Italianos, ao lado de 45 milhes do Francezes,
de 46 milhes de Allemes e de cera milhes de
Slavos ?
E como a Inglaterra fiearia ento bem recom-
pensada por seu trabalho Figuremos o immen-
so imperio slavo-russo, tendo Constanlinopla por
muito, como j vos di.-se uliimimente. Emquan- ; do general Schmid ao ministro da guerra, acerca
to a Sardenha nao oecupar aples definitiva- da invaso do exercito sardo :
mente, temos senos motivos a recelar tinto da
reaego como da revolucao, e o que anda
peiora intervengo acha uraa desculpa no pe-1
ngo em quo est" a Europa em face d'aquella [
propaganda revolucionaria.
S, Exc Fuad>Pa*li a S. A. o cay-
macan Aali-Pach.
Damasco, 3 de Sefer (20 de agosto) do 1277.
Dos 167 individuos condemnados morte.
entre os revoltosos que foram presos por terem
lomado darle activa nos acontecimentos de Da-
masco, 56 foram publicamente ^oforcados hon-
tem, segnnda-feira, as ras da cidade, e os 011-
iros 111 fusilados na praca publica de Damas-
co -
O governador geral da cidade e provincia
de Perusa
a Cilla della Pieva, 11 de setembro.
Tendo partido de Perusa hontem noile
com urna columna composla do segundo bata-
lho do secundo regiment cstrangeiro, comraan-
dado pelo lenente-coronel de Courtien : do pri-
meiro batalho do segundo regiment indgena,
commandado pelo major Alboni ; de trnta gen-
darmes, s ordens do lente Lucidi, eduas pe-
gas de arlilharia, commanda las pelo capitn
Raymond, prosegu na minha marcha sem inci-
dente algum al. Tavernelle. All soube quo os
voluntarios tinham feilo saltar os arcos da
ponte de. Piegaro, lugar situado em urna al-
; as penas em que incorrerara forara publica- lura em qllPi no dia prPCedei.t, os voluntarios
lenle applicadas, sem que, gracM k presenga j p das forjas militares, a tranquillidade ttvesse si-
do alterada era ponto 3lgum durante as execu-
goes.
Entre os criminosos que mereceram a pena
capital, achavam-se pessoas que perienciam s
familias notaves do paiz ; estas tambem forara
executadas sem distinegu.
A medida que o processo dos oulros aecusa-
dos esliver concluido, e os seus crimes prova-
dos, sero as penas successivn e publicamente
applicadas. Da raesma maneira aquelles que li-
verem merecido as penas de trabalhos forgados,
bandeira 1 ri olor, proclamado Vctor Emmanuel
e destituido as autoridades.
Por meio de um reconhecimento feito em
pessoa, adquir a conviego de que os voluntarios
se linham retirado lodos para Citt della Pueva, e
que a ponte quebrada poda ser posta em es-
tado de servir passagora da tropa^ roas com
muito trabalho, o que devia retardar muilo a
marcha.
Has era impossivel .seguir outro cami-
oho.
Maodei, pois^a^ dous lenlos, conde de
Ruthenos, seus Polonezes e seus Bohemio?, e
apoderando-se infallivelmente de toda a Azia
mediterrnea.
O que seria ento feito do poder bntannico,
que se funda principalmente no commercio me-
diterrneo e szhtico ?
E que possibilidado de resistencia apreseniaria
a Italia ao formidavel imperio que Ihe llcasse
visinho por Ierra e que a cercasse por mar ?
Sem duvida urna firmo constiluigu da monar-
chia paslavista nao pode ser urna obra prorapla e
fcil, mas possivel; a corrente do seclo tende
a formal-a, ao passo que a solida organisago de
um reino da Italia impossivel.
Com effeiio. entre os Slavos, a Russia repre-
senta um centro poderoso quo augmenta rpida-
mente, urna grande monarchia militar habituada
s conquistas.
A muilo lempo que todos os annos Ihe do,
termo medio, um augmento de cerca de ura
milho de homens.
Em redor della, o terreno esl singularmente
preparado para os augmentos.
Os Scandinavos eslo divididos em dous esta-
dos zeloos um o outro e em desinliligencia com
a Altemanha.
A Prussia e a Austria quasi que nunca tem
vivido sera antagonismo; arabas sao atacadas
pela revolugo e possuem alguns dominios.
slavos.
A Turqua acha-se de tal sorte enfrequecida e
deslocada, que bater-se-hia por si roesma se a
rivalidade das potencias europeas nao a susten-
tase.
A Persia pertencer aos Russos logo que Ihes
convier estabelecerem-se ah. E o vapor com-
ILEGVEL


w
DIARIO DE PERNAMBUCO. SEGUNDA FEIRA 5 DE NOVEMBRO DE 1860.
pletado pela eledricidade, IriuiBpha do principal
obstculo que impeda a organisaco do pansla-
vismo; quasi que annulla a distancia.
O panslavismo .- lea que vencer a uro serio
adversario, o calholicismo dos Polonezcs.
J os czares enfraqueceram esse iniuiigo com
airozes perseguirles que converleram a maioria
dos Runenos
He verdade que a naci Poloneza oppem ainda
a seus convertidores urna heroica resistencia.
Mas j o niovimenlo slavo conla ahi numerosos
adhereutes.
A correle revolucionaria, sob suas diversas
formas, ataca por loda a parte a resistencia
catholica.
Que um czar hbil e audacioso cesse por alguna
annos de maltratar os Polonezes, que lhcs con-
ceda a liberdade religiosa ainda que os leve
sempre a fructferas conquistas, o antogonismo
das duas ragas enraquecera, o ultimo obstculo
2.En',<>l" derrla, ; Pr que, a fal,ar-lhe 3 1 em suas proprias entranhas a Europa e Asia,
verdade. na ausencia de fados s a mentira do- e iBMM-]im .. ir.i.ii..im.i...r.J. -s-'
verdade. na ausencia de fados s a mentira po-
deria servir de base.
Se o grande calor nao derreler d pensamen-
lo administrativo de S. Exc, a cousa vai bero,
embora haja um on oulro descontente.
No da 7 leve lugar a feslividade de Nossa
Senhora do Amparo, nossa padroeira; esteve
bera concorrida na vespera e dia, em cujas oc-
l casioes pregou o padre Antonio de Albuquerque
i Mello, capellao do meio balalhao desta provin-
cia, mostrando em ambas ellas a belleza de sua
douta iinguagem e a sublimioade do objeclo.
Na noite do dia 9 um sogeito cu jo nome ig-
noro, pretendeu passar a nado o Parnahyba, le-
vando comsigo urna escravinhsoc onze annos de
idade, que tinha em scu poder por aluguel;
quando menos pensou, foi arrebatado pela cor-
rele das agoas e vendo se em perigo de vida,
bradou porsoccorro, o qual Iho sendo ministra-
e ameaca em sua irresistivel iropetuosidade, e in-
calculavel dilatarn revolver todas as maia par-
les do mundo conhecido; essa convnlso, que
offerece ao universo assombrado o mais engenho-
so, e intrincado problema, que jamis a historia
das sociedades haja submettido ao esludo e me-
ditado dos philosophos, e estadistas para deci-
fraiem a sua soluco futura; que empoucosdias
defej a obra do muios annos, reunindo para
formar oulra vea urna s nac.io, as parles sepa-
radas do um povo, que j deu leis ao mundo ;
que val alterar a caria gogtaphica poliiica da
Europa ; que j denoz do throno urna antiga dy-
nasiia, e talvez tenha de deir algumas oulras;
Jo.r.se^n^^ provincia d0 EPl Sanl ""io-se
fubaUern.sdeSuia comai!J" "ul.d,d.M j das Pala" do mesmo missivista para provar a
de responsabilisarem aquellas, que por seus de-
udos a devessem ser, e eslivessem sob sua al-
eada, e de darem parte circumstanciada do que
Ozessem as oulras, que se acham fra della.
O conhecimenio pratico, que j tinha a pro-
vincia da probidade e rectidao do Exm. Sr. Or.
Jos Bento ; a certeza, que ella tinha. de que
estas ordenanzas nao eram, como muitas vezes
em acontecido, um pantomimo ou urna phan-
lasmigona, por delraz dos quaes existe urna ou-
ira realldade, seno a traduccao fiel e genuina
dos sentimentos de justiga, que predominara no
espirito de S. E** fu-, .., .. rn. .. ___
"" ".........y .7 "-'"' n"""' uuuob, m scuiiiiienioi ae lusiica, que Dredorainam no
que marcha para aniquilar urna monarchia. cujo espirito de S. Etc., fez com que PeTla "a Jomi-
berco repuusa na d.ulurnirta.le de mais de quinze vesse dentro da peripecia de seus deveres cura -
seculos. e cuja sanecao est escripia nos peitoa priado cada urna auloridade as ordena que Se
de ma.s de cenlo e c.ncoenla milhocs de subdi- foram dadas, e limitando-se os corypheus e os
rLl? I"8 Pel rbe nle'r0; que i f^der- energmeno, da eleico pleitea-l7S A uni!
ramar nos desaneue em Damasco, em Rnvrnu. cas armas M ...;. L_: ,m un
unificaco italiana ? Sao quasi'niillas.
Aqui, nao ha mais poder militar e conquista-
dor. O centro compoe-se do quatro milhes
do Piemontezes quasi sempre balidos pelos Aus-
tracos, que os derrotaram ainda ha pouco em
San-Martino, em quanto nos lomavamos as
alturas de Solferino.
O que um Piernontez para um Veneziano,
para um Florentino, para um Napolitano? Urna
especie de estrangeiro, um semi-barbaro, do
qual nao coroprehende a lingua.
e cinco
Chegando esse facto ao conhecimento da po-
lica, e depois de syndicado, veio-se ao alcaucc
que esse mellante acompanludo da referida ne-
grinha. prelendeo passar para o> lado opposla,
oo quo nao conveio o passador por suspeitir
delle ; emllin, descubri se que o cujo quera
roubar a infeliz escravinha, e lalvez reduz-la a
metal simante, e para maior cumulo de infeliei-
, dade o ladro virou alma as barbas da poiicja.
Honlem liveram curaeco as misses de frei
! Dorollieu nesta capital.
E pretendem que esses viole e cinco milhes I Contini e em grande escala, a falla de di-
de Italianos que nunca constituirn) um s povo, j nheiro, pelo que sou informado que S E\c pe-
nem mesmo sob o imperio ramano, vao de re- dir ao goveruo geral um empresiimo de 20 d0 penle Iranslorniar-se. esauecer-se de todo o sen Ueos fadn a niai&n ,<., u i?... ........' "'
" ww w l'blIU lUllIbllb, 1*%J U I. 1C-
pente transformar-se, esquecer-se de lodo o seu
passado de muoicipes. de existencias separadas,
de lulas continuas, para unirem-se com lacos de
um inalteravel amor I
E esperam sabedoria c unio em todas essas
caberas meridionaes que se gruparam n'um
parl.imenio dominante I
E imaginara que todos esses povos, que des-
lnguerase no mais alto grao pelo horror vida
militar, tejara capazes de fazer perfeitamenle
respeitar sua independencia para com os Germa-
nos, l'rancczes e Inglezes, que possuem contra
elles posces formidaveis !
Na verdade, este sonho nao pode entrar senao
nos cspiriios cgos pelo orgulho revoluciona-
rio. se nenhuma potencia estrangeira no soc-
eorrer os Iislianos, so nenhum grande principe
estrangeira nao os dirigir com desinlesease, elles
nao sahiro das desordens seno para cahir sob
o juao de algum de seus vieinhos.
Muilo culpada pois a >ardenha que desco-
iihereu os seus proprios inleresses e os dos povos
iUliauos. compromeltendo por urna poltica des-
leal e usurpacoes criminosas, o repouso de loda
a Europa.
O soccorro das armas francezas augmentara
mais de um lerco ao terriiorio sardo, pelo trata-
do de Villa-Franca, e lho garantir a prepon-
derancia na confederado italiana projeclada. Era
preciso parar ahi.
J a assimilac,o do Milanez nao era cousa
fcil; era provavelmenlo necessario um quarlo
desenlo para realisal-o.
Porm o appetite do Sr. de Cavour nao eslava
salisfeito; lein-se s mais elemeulares do direito das genles e da
probidade.
Na esperanca de engrandecer um reino j
muilo extenso para ser homogneo, abalou todos
os thronos.
Folizes sero os Sailos se algum dia urna inler-
vencao exterior Ihes fizer garautir esses mesmos
limites de Villa-Franca que elles querem
transpr !
Nos nos persuadimos que a Franca nao ir
nunca por elles alm desses limites, "c sentimos
vivamente que as extipulaces de Villa-Frunc
nao tossem sus-tenladas pelo enrgico acord das
duas grandes potencias contractanles.
Ter-se hia evitado assini as de-ordens que.
abalama Europa, os perigos queameacam-na.
Talvez que esse acord nos izesse" perder a
allianca wgleza, assyrapaihiasdaSardenha; po-
rem assegurar-nos-lua a benevolencia da Alie-]
manfla, e ahi smente que podemos adiar |
alliancaa solidas.
Que a Franya se colloquo n'um momento I
opportuno, no terreno de Villa-Franca, islo sei
para ella o melhor meio de. dar a Italia algum !
repouso e Je approximar-se dos estados germaui-
cos, nossos alliados naluraes contra as tres po-
tencias mais temiveis da ooea. a Inglaterra, a i
HUSSia e a F>evolucao.
. DE LA TOrit.
[Monde.-=U. Duperro-n
DIARIO DE PEBNAIY1BUC0
Recebemos pelo vapor braaileiro Toeanlins,
enlrado s^ibbado dos porlos do none, cartas ejor'
naes com as segulotes datas: Amazonas G. Para
23, Maranbo 27, Piauhy 15 e Cear 30 do pas-
sado. Rio Grande do Norte i e Parahvba 2 do
correle.
Amazonas.Nenhum facto occorreu digno de
me rica o.
Para. Le-sc no Diario do Gram Para:
IVmos noticias dessa cidade al o dia 4 do
frrente. Um amigo nosso. morador desla ci-
dade, escreveu-nos a seguinte carta, para i qual
chamamos a atlencao do Exm. Sr. presidente da
provincia e do Sr. Dr. chele de polica.
Meu charo amigo.
E' deb.iixo da impresis do mais vivo pozar,
que llie dirijo estas poucas linhas. Estou aasus-
tado e receloso pela surte futura desla infeliz
torra, digua da melhor sorle. A cidade est qua-
si deserta, e os habitantes do interior s chegnn
denaiiceira de horas com medo de seren
agarrados e presos pelo tmpo que quizer o com-
mandante superior. A prisao dos guardas na-
conaea esi repleta, e as ordens de prisao sao
quasi todas dadas por crime. de desobediencia !
Sena melhor dizer :por que os guardas naci-
naes nao qulceram volar na chapa liberal !
A cidade esi sendo victima da perseguicao
da fumo e da pesie; nao se encontra um bui n..
curral, e nein ha quem venda nina gallmha
consislindu o sustento era piraruc, bacalho
carne aecca : e ludo islo por que ninguem se
anima a vira cidade vender os seus gneros
cora medo de ser victima do capricho o m von-
tade do commandanio superior e da polica.
Se o Exm Sr. presidente da provincia nao
der providencias, para que este estado anormal
em que vivemos desappareca. muilo recejo pela
paz e iranquilldade desta Ierra, porquanto pa-
rece quo o povo j vai perdendo a paciencia.
Amo muito este bello Camela, o por isso la-
mento o estado desgranado em que elle se acha
i>ou com aincendade seu amigo e alTecli.oso.
Sr. presidente da provincia prorogou a
Dos fade a inlengo do s! Exc. c veuham o
cobres de que tanto carecemos.
Nao foi sem fundamento que lhe disso que o
partido liberal havia querer justificar sua derro-
ta, apuellando para violencias e tronchas allri-
buidas a partido conservado, e de feilo nao me
enganei.
O presidente da provincia acaba de fazer o
augmento doscleilores em virtude da nova le
de eleiedes, e est assim prepralo o terreno
para os futuros Licurgos, pelo l'iauhy Essa Ici
um dos trabalhos que tanto honra ao actual mi-
nisterio, lem feto a muita gente boa perder o
somno, ao passo que a oulras ttrou-as do gran-
de ombaraco : no fcaso esl aqu o Dr. Candido
Gil Caslello Bramo, que lendo sua eleicao segu-
ra pelo (nudo circulo do centro, onde seu sogro
d as cartas, agora ve-se em betas pela possibi-
lid.ido do levar a taboca ; o Dr. Gil por sera-
duvida merecedor do um assento no parlamento
lo, nao sopor ser filho da provincia, como por
sua indiligencia e probidade, um liberal que
faz honra ao seu partido e magistrado sem pre-
cedentes desfavoraveis; sou conservador mas
nao riego esta verdade, lauto mais quando esti-
mo particularmente ao Dr. Gil.
Na noite do dia 3, deu-se aqui um assassi-
nato Je nova especie. Um desnaturado marido
desiiilellig.-nciou-sc com sua Eva, e sem mais
Ceremonia foi-llie chegando muslarda ao %aru ;
era presente a mi da infeliz que movida pelos
senliroenios de mi toraou parto na luta a favor
da Unto; o bora do genro consiiluindo-se um
Napoleao, perspegou-lhe um lernvel sueco na
bocea do estomago da pobre velha quo a matou
irislanianeamerite, e assim a surrelfa pretenda
por-se ao fresco; felizmente o subdelega Jo do
Z dislricto da capital, Hygino Jos de Leinos,
armou-lhe urna embosca Ja e o filou na mesma
noile, e est sendo processado.
Cear.Nada enroniraiuos nos jornaes que
desla provincia recebemos.
Rio Grande do Norte.Encelamos hoje a pu-
blicaco do nosso correspondente que nos diz
No seu jornal, ou fallando melhor, no mais
proemim nie collosso da imprensa oraslei'raexiste
urna lacuna, que alm de ferir o amor proprio
desla provincia pela prelerigo, que solTre de nao
oceupar n'ello um lugar no meio de suas irmas
do norte, e lirar por isso privada de ser condeci-
da, e apreciada em seu inovnneiilu moral, e ma-
lerial, pela mullidao de seus leilores, nao deixa
de alguma sorte Je revelar da parte de Vine, se-
nao um seiilimenlo d6 desprezo para ella, pelo
menos urna tal, ou qual injusiiga, que em meu
Conceito absolutamente se nao compadece Com
as puulicis, e Inequvocas demonstracd-'S', que
lem Vino, dado de sua inflexivel imparcalidade,
nem to pouco com o zelo ardeule, e reconbecido
patriotismo, que ha desenvolvido pelo bem geral
de lodos, o particular e cada um de n.
Na i gustando eu rio arriaoar juizoa desfavo-
raveis contra pessoa alguma, muilo menos incli-
nado me snlo commelter urna tal imprudencia,
seguramenie iajuslillcavel para com o Diario de
lernambuco, ao inal .ilis como que me tenlio
nabituado de looga dala fazer sem reserva o
sacrificio de minha crenga em tuao. o quo liz, havondu igualmente, desde que o conheco,
Ino tributado a mais perfeita estima, e esponta-
nea adimracao pela heroica lirmeza d'alma, com
que lera sacrificado trinia e seis annos de sua
mais rigorosa existencia no sgralo empenho de
promover, como sera dunda nem urna ha promo-
vido pda manetra mais til e gloriosa o progres-
30 da eivilisaco, e prosperidade do Brasil; pela
eoragem indoinavel com que lern afrontado todo
os enfados, e ha vencido tocios os impedimentos,
que soeni aotepr-se as natio.e acompauhar o de-
senvoivimenlo de emprezjs gigantescas, como a
ao mano, nos paiz-s hilos de recursos proprios
para ellas; emlim pelaobstinfldaconstaacid.com
que lem proseguido na eiocucao do seu plano
aie presentar, como do fado esl apresenlando
um jornal digno dounpenu, que com loda razo
deve uanar-se de o ler vsio nascer, crescer e
prosperar era sou seiu, e digno de hombrear sera
o menor sossobro com os de maior nome, que u
mundo exislem ; dando desl'aite mais urna lico
este, de que o irabalho esclarecido, perseveran-
ie, e bem dirigido nunca deixa de aluugir o al/o
que se pro>e vencer.
publico desla provincia ; e se alguem por acaso
talla nella, repele os nomes, de Garibaldi, Fran-
cisco II. Po IX, Napoleao III. I.amoriciere e
fosse violada em algum
para tanto se conseguir,
homens nao fssem homens nao fossem ho-
ns, o que as eleices nao livessem o engodo
tiaupoul menos pelo interesse de examinar a j e attralivos de quese acham revestidas
orea e influencia, que possa vir ter essa espan- lento sim, e propugno que o Exm Sr Dr Jos
losa revolucao nos futuros destinos do Brasil; ho-! Berilo coseguio manier toda ordeni toda na,
& hU&STS ft Europa pel, laos',od0 soceso tds SSJS. Si 52J5
vinfZ iP rtla1COPS- cornmerc.es c pelos ; monto possivel esperar-se da confuso e conflic-
rcreioVe satura?!r^l ,,1-nUCa d? q"e pe, "i.*,? ?leme"lu! heterogneos postoaem fervenle
irH"^d!:"l,'"r?.cuov.ers;,*aoeorualgumal'0- ebolicao pelo fogo incendiador de paixes em
vidade curiosa trazida pelo vapor do su
Debalendo-so na penosa transicao entre a
reminiscencia amarga da eleicao prxima passa-
da, e as sombras previses da futura ; oscillan-
do entre os a*gravos recebidos 7 de selcrabro,
o a disforra, que se jura tirar 30 de dezombro,
o Rio Grande do Norte aprsenla no aspecto de
sna physionomia a expressao viva, e por demas
pronunciada de una apprehensao sinislra, e
aterradora sobre o desenlace final do drama, que
vai se por em accao na ultima duminga do ulti-
mo me/, do annu que corre.
A eleicao, a eleicao, o echo monolono. t-
trico e omiuoso, que retumba de urna outra
exlrenndade da provincia a senha de guerra,
que se transmitte de bocea em bocci, de ouvido
em ouvido ; o pensamento dominante de to-
dos os cerebros ; o assumpto forgado de ludas
as cunversaces publicas e particulares ; a elei-
cao emlim a alma, a vida, o o corado de toda
populaco riograndense do norie.
l1^1or'u'izlaLeM,eJelfn0 npsl0.li:rr.a- niH loma- | f Pe>0 que a provincia inlera, fazendo-a dc-
e JL i a nfe".Cao condemnar- vida juslica este bello carcter, tributa-lho lo-
es- ,ta o Tr3a,S"PP "C'2 d r seraUfi";1,J- ?. sua gra.ido. e consagra-lhe um respei.o e-
por alguem, votar-so ao silencio, a ligiosamente sinocro.
Paro aqui por hoje espera de sua appro-
varao: se a merecer contiuuarei na tarefa ence-
lada. ,:
.* r- --n" ...--W..W1M.JWI o 1IJI4VT9
delirio cora urna administrado falta de todos os
recursos materiaes. al daquelles proprios. que
sobrara as vezes aos subdelegados da corle do
imperio, tendo nicamente por si os meios mo-
raes da prudencia, do lino administrativo, da
boa-f e inlransigivp) rectidao.
Mas se por um lado ceno que as eleices
nao correrSo liquidas por toda parte, e que aqui,
ou acola" se procurou introduzir o abuso, para
as vencer, por oulro incontroverso, que to-
das as partes acodio S. Exc, e ludo rapida-
mentcflrovidenciou, j dando decisoes funda-
das na melhor intelligencia das leis e nos res-
criplos do gorerno, j enviando a pouca forca
de quedispunha para os lugares onde a sua pre-
senta era indispensavel para conter os excessos
e refrear a turbulencia, j emlim demiltindo
urnas autoridades e mandando responsabilisar
oulras ; e ninguem ha ahi assim, qno ouse ne-
gar que taes medidas produzissem o melhor
elleilo
tesSilva Nunes e Alves de Souza ; um far
deputado a outro.
Ninguem est livre de ver mal apreciado o
seu procedimento, a honestidade ; a imparcali-
dade de nossos actos nem sempro nos acoberta
estamos constantemente sojeitus a vermos e ob-
servamos o modo injusto como procedem os ho-
mens, uns para com outros.
Ve-se muita vez que para ferrmos a um ini-
migo, mesmo poltico, nao de principios mas de
affeicoes oessoaes, se fere, se deturpa a reputa-
cao de oulro como urna necessidade, para che-
gar-se ao fim desejado.
Nunca procederemos assim. lemos f em
Dos e em nossas convieces ; a fraqueza e a ver-
dado nunca soro prejudicadosnas linhas que be-
nigno publica o Diario de Pernambuco, nao nos
envolveremos nos factos das oulras provincias,
lirnitar-nos-hemus ao que interessa a esta nossa"
ierra, da qual sou noticiador para esse orgao im-
portante dojornalismo
A finun e a perspicacia com que costuma o
ponto da provincia ; missivista do ./orna do Commercio expor os fac-
preciso que os tos sao sempro as mesmas, inda na carta com
que nos oceupamosse raanifestam a toda luz.
Nao tenho mais lempo e mesmo sou pouco
poltico, nao desejo enlromeller-mc em seara
alheia, meu lim noticiar, sendo que se alyuma
vez me lonho oceupado com os negoaios polti-
cos, porque a missao de nalicador a isso me
obriga, sou forcado reparar inexaclides que
nao devera passar sem o correctivo do cortes-
lacao.
PERNAMBUCO.
RECIFE, 3 DE NOVEMBROJDE 1860.
S SEIS HORAS DA TARDE.
Betrospecto semanal.
mudez ; nao tomar parle acliva as eleices
suicidar-se civilmente, proferir a sua mais com-
pleta nulliJade social.
' Por esta curta explicaco j ve Vmc, Sr.
redactor, qual o imn poderoso, que contra
gosto mea me ailrahe, e arrasla lralarespe-
cialmente c em primeiro lugar, de um objeclo.
que nem entra em um dos clculos de meu in-
leresse particular, nem me merece grande sym-
palhia, nn por juu dcsconbeea a bondade do sua
natureza, o a necessidade de sua existencia, mas
Mra pela maneira repugnante, por quo se acha
elle falseado em sua base, e soplusmado em
seu respectivo processo, e devida applicaeao .
para mim o eleicu tal qual a vejo fazer nao ex-
prime, senao raras vezes o pensamento dos vo-
lantes. Eutrelantu como indispensavel, segun-
do a forma do governo, que felizmente nos rege,
proceder ellas, indispensavel tambem que
com ella nos oceupemos.
Parahyba.- Eis a caria do nosso correspon-
dente, que rontm o que de importadle ha :
Deixei de referir na anterior um ferimento
que lura cario escravo era oulro na noite de 24
do passado ; sendo que al hoje ainda nao foi
preso o criminoso, quo o do homicidio, por ter
falecido o olTendido.
O criminoso em corlo lempo, um pouco
atraz esbordoou a um portuguez o nada solTreu,
leudo ouvido que o fizra a mandado de quem
poda e devia condu/.il-o melhor caminho.
Nao admiro por (aillo que esse escravo,
vivendo como livre e independenle, negociando
sob sua lirn, ollendido em seu melindre de
amanto prejudicado, se servisse de urna faca que
isa va para arrancar a vida d'aquelle com quem
_ -"-""" ~v-i.bu.uo. udid para arrancar a vida d aquelle com quem
Dividida a provincia em dous campos, pde-rc a sua dulcina reparta carinhos e ternura... Oh
zer, arillimeltcaiiieiue iuae*. inri nue li.-i.i n una nm mn,la .l n i..n, .,,- .._
dizer,arilbmeticamente iguaes. um que bastea o
estandarte conservador, e aqu conhecido pela
anthonoraasia deNurtista,e outro que arvra
O pavilho liberal, e so apellidaSolista.ella
lem sido ha muitos anuos o thealro de obstina-
das, ereohdas balalhas, que se do estes ine-
concliaveis adversarios ; reciprocamente vence-
dores, e vencidos, nem um arreia as suas ban-
deiras, depe as suas armas, c se sujeita s
leis do vencedor : cada um se mant-im em sua
ailittrte bellica.e susienla a sua opinio ; o am-
bos se julgan^garanlidos, os sulislas cura o seu
defeusur no senado, os norlistas cora os seus re-
nresenlanles na cmara dos deputados.
Derrotados na ultima campanha de 1856 os
Ulislas nem por isso se inlaram perdais por
uma vez; masantes despenados pelo revea que
Suffreraro, e esperando, como lodos os vencidos,
grande mal
a licenca para os es-
qua um
era vos !
Feto esle reparo, passare reparar uma
noticia que d'aqu' foi transraitlida para o Diario
do Rectfe; e que o presidente da provincia do
Espirito Sanio, o Dr. Antonio Alves de Souza
Carv
Durante a semana foi o nosso porto vizitado
pelo vapor inglez, da companhia de Southamp-
ton, vmdo da Europa, pelo francez. da compa-
nhia de Bordeaux, e o paquete nacional Oya-
pock vindos do sul, e pelo Toeanlins, proceden-
te dos poitos do norte.
As noticias mais importantes da Europa sao
anda as da Italia, que continua a ser o poni
para onde convergem todas as vistas.
Segundo as noticias anteriormente recebidas
Sabamos que o general I.amoriciere, frente do
pequeo o mal organisado exercilo pontificio
depois de se ler balido heroicamente com as
tropas do rei Vctor Emmanuel. rumpera por en-
tre ellas c fura refugiar se na cidade de Ancona,
que, lis se acha va siada pelo general Panti
por trra epor mar pela esuuadra napolitana e
piemonleza.
Recilhido- Ancona, impossivel lhe foi resistir
por muto lempo superioridade das forcas ini-
migas.
Logo que as fortificacoes da cidade foram des-
truidas pela ar'.iliieria 'inimiga principiaran] as
negociaces e logo aps seguiose uma honrosi
capitulagao, cuja clausula mais vexatoria era
obngar os capitulantes a conservarnm-se
mo pnsioneiros do guerra por espaco de
anuo. r
Mas, poucos dias depois da capitulaco, o
Vctor Emmanuel. que se achava em Forli, mo-
dicou o rigor dota clausula, permillindo que
os soldados do Papa so relirassem para os do-
minios que ainda conserva a Sania S.
O general Lamorcire, logo depois da rapilu-
lacao, rclirou-se para bordo da nu 4imiro/i/e
da esuuadra napolitana, cujo commandanlo o re-
cebeu com as honras devidas, e o instalou na
sua propria cmara.
O Sanio Padre, atacado em seus dominios
temperies pelas Iropas piemonlezas, e nao leudo
forca quo oppr-lhe, reuni o consistorio, ao
citados a comparecer peraate Fuad-Pach dei-
xaram de o fazer.
Nao na noticias do resto da Europa que me-
recam especial mengo neste artigo relrospec-
As nolicias do norte e do sul do imperio tam-
bera nao olTerecem assumpto de grande interes-
se para que dellas nos oceupemos detallada-
mente.
Ha lodavia uma nevidade, que nao de lodo
sem importancia, entre as de que foi portador o
paquete francez do Rio de Janeijo. E' a refor-
ma das alfandegas e mesas das reodas.
Com uma rpida leitura do extenso regula-
mento novamenie publicado nao poderiamos fa-
zer um juizo seguro sobre a utilidade da re
forma.
Mas, nao nos licito duvidar de algumas van-
lagens que da dila reforma podem resultar, sen-
tindo somente que o nosso governo,. sempre que
trata de alterar o mechanismo administrativo,
manifesta-se um prurido de mudar nomes e do
aler-so a exterioridades sera importancia.
J nao temos inspectores, mas directores de
alfandegas: lodos os ompregados lera uniformes,
e os guardas constituem urna especie de milicia
com fardamento, corrame, equipamenlo, sold
e elape a modo de iropa de linha.
Para o maior parte dos guardas, esta raudan-
ca e una verdadeira demisso; porque enve-
lliecidos no servigo do estado sem deixarem os
seus hbitos e as suas vestes ordinarias, difficil-
menle se subjeitarao a alterar to profundamen-
te esses hbitos, o a trocar a casaca pele frdala
militar.
Se ha nessas alleraces alguma vanlagem, que
nao podemos descubrir, ellas leem tambera seus
inconvenientes.
resse nlerior da Provinc'a nada ha de inle-
Demandanm o nosso porlo, durante a se-
mana, id evibarcacoes mercantes, com a lola-
ao de 6.15-J toneladas. Sahiram. durante os
mesmos das 4 embarcarles mercanles. com a
lolacaode 3,484 toneladas.
Renderaro. desde o dia 28 at o dia 2 do cor-
reule:-a alfanJega. 68:4193832 ris.:-o consula-
do geral 6:ib2:10.l res;a recebedoria das rendas
geraes internas, 5:893j561 ris ; o consulado
provincial, 3:860j;576 ris.
.)- movimento geral da alfandega, foi do
,br viiiumes. a saber:vnlumes entrados com
razendas. 1200com gneros, 1019 ; total dos
volumes entrados, 2219. Volumes sahidos com
fazendas, 519 ;com gneros, 934 : total dos
volumes sabidos 1,451.
Fallecerara durante a semana 49 pessoasr
sendo, livres: 12 homens, 11 mulheres e 17 par-
j vu os, escravus; 3 homens, 3 mulheres e 3 pr-
vulos. '
co-
um
re
REVISTA DIARIA.
Um acto administrativo acaba de.cahir no do-
minio da spreciacfto publra, o qual por sua im-
porlainia nao devo c nem podo passar desapet-
cebido.
Pelos actos se aquilalam os homens, e por el-
les carac'.erisarn-se as adraiuistracoes, pois que
estas sao o roflezo d'aquelles, que assim gyram
n uma rbita mais ampia de apreciaco.
Com elleilo, o acto que nos referimos por si
so lem uma significarn caracterstica, e por isso
constitue para osen autor um motivo de justo
elogio.
Do oQji'jo que hoje acha-sa inscripto na parlo
ofncial, v-seque, attendendo S. Exc. o Sr. Or.
Ambrozio Leilo da Cunhe quo o servico do
destacamento da guarda nacional summameule
oneroso lavoora, industria e oulras muiias
occupac.oes licitas do cidadao, resolveu mandar
dissolver o desla capital, quo existe desde Ja-
neiro de 18j6. determinando que seja elle feilo
pela tropa de linha smenle, quem fica in-
cumbida a guarni-o da prara de ora a-
vante.
vinci... no arg
Noticia sem nenhum fundamento essa de o rei do Piemonte se ia a pouco e p
appresenlar.ao do Dr. Alves do Souza. pelo 2. raudo do patrimonio do chele da reja protesta
desmel desta provincia, tendo sido mudada a enonricimunin n...... n ..- '
candidatura do 2." destricto desse. onde S."Ex>\
lem amigos dedicados, para aquelle.
Admiro a facilidade com que se procura fazer
acreditar um canard de tal quilate ; pois em
loda esta provincia a ninguem se dirigi o Sr.
Alves de Sousa ; seu cimbado e prenles que' i
nal desse lempu
as suas forcas debilitadas, fortificarem as suas
pracas, moralisarem o seu exercilo, e assim pro-
parados entraren na nova lula. Os noilistas por
sua paite fizerara o mesmo, e nada despresaram
do que julgarara necessario para conservaren! a
superioridade adquirida.
Foi portanlo sob a animacao resultante des-
tes preparativos, que as duas parcialidades poli
ticas travaram o combale de 7 do solembro ulti-
mo, em que se ia decidir, qual dellas daria os
vereadoros ejuiz.es de paz. que bao de servir no
prximo quatnenniu de 61 6.
Felizmente para a provincia esse combate
erabora rude, e renhido, nao foi, como se pre-
supunna,sanguinolento: exceprao dos ferimen-
B por corlo osla medida de S. Exc. de una
'alho, se aprsenla randtdalo por esla pro- qual dirigi uma cloquete o extensa allucuco I "- ea eo'"" *Jue n,"ll*ou-,he a adop-
:ia. no segundo destricto. onde, depois de expr o modo insidioso por qu ; <;a I,0',e d"iXlir de ser a"8do.
sem nenhum ndamenlo essa de o rei do l'iemnnie s,. i ....,. ~ ^....... Slra' a nossa pequea l.ivuura que se desen-
volve pelos arrabaldes desta cidade, a industria
e oulras appluacoes do nosso povo nesta capital
licarain assim alliviadas de um onus, que as
delinbava irazendo aps si o atropello das clas-
ses laboriosas, e as pnvaces do muifos que nao
pudiam occorrer s despezas da subsistencia pro-
pria e de sua familia cora o resultado ingufficien-
to do servico militar, que cna coagidos pelo
dever de bous cidadaos.
Alteudidas m respectiva apreciaco lodas es-
tas consideraroes, que nao podem escapar ana-
Ivse do acto, duplica de forca a sua importan-
cia ; e apresenta-.se como um pensamento bene-
' aquelle que da coucepcao parsou realidado
raitte sua
ou iiite
pansao das forcas vitaes da provincia
que lhe foi confiada.
De faci, ainda ha pouco tempo, logo que ap-
,_ | pareceram queixas com mais ou menps funda-
mento de "
encrgicament peranle Dos eos homens' contra
to flagrando violacSo dos mais sagrados direilos
divinos e humanos.
Este precioso documentos que vera transcrip-
to era quasi lodos os jornaes do orbe catholico,
ser publicado em sua integra ifesle Diario.
Entretanto, se faltara ao Chefe visivel da gre-
,.v.u..uv> wiuu iuuos os >eui;iuos, "r" possue o mesmo sr. iiru^uram de sent de la calhnliei inmn c..ir,ni ,.. c
urna d.sforra. aproveitaram a Iregoa co.,siuc,o- : Goiana. com que eolre.eem rel.c6e.,%,ue con-! {he" o seus dom?niol ^Sles^TcoZ'
A d fii. CT-af* reta,erwn I k"UT a t***r;}to lodo apoto e dedicacao era as Mar, has e na Omb ia^Tel,a-s sulnZ e^
debiliUdas. fortificarem as suas bem de sua candidatura. | mente caramida m .,' 1'IL ..?'.'f"'?
bem de sua candidatura. | mente garantido e
no do Souza Carvalho. cimbado. fra;.cez de oceupaco,
sua pessoa pelo exercito
le so acha em Ruma, e
-------...... ..v. vucu uaivunu. curinaoo, irai.cez ae oceuparao. une se acha em Itom i > I r'"iiw" tomo um pen=araen
pnmo o amigo do Sr. Alves de Souza acompa- cuja for,:a monta em cerca de viuio e Llro mil ? ",ue,,e 'i'": ,la fowc,,lJco par sou r
nhou ao centro da provincia ao Sr. Silva Nunes, homens de tojas as armas l,Jecllva. revelando que S Exc. nao on
comooflicial de gabinete, sendo como chefe E', pois, de presumir que o Sanio Padre nio Sullclluile Pflra com lodo quanto importa
ue i. secoao de secretaria do governo. tenba necessidade de abandonar a caoital dn ressa.. P08* das forcas vitaes da p
o.'ra o lT>i'TrS,THCTa'?- '*-" ler':!n"alerla mund0 C1ih0,ic. i* P-r 1 ao entra nos ph-
de LV-^r' d'1lrlu",u nl.cacao a ida do chefe nos do rei Vctor Emmanuel e de seu governo
de seccao Carvalho, ao centro e procuraran! a lomar posso de Roma e do territorio mais pr0-
surelfa espalhar era este candidato do governo ; priamente designado com o Ululo de -patrimo-
eSsa noticia pareca ler luudamentn na amw^.ta n o do P...... ;/.________ iu.ii
.- 6'i, !:=> uoamiwuo cora o uiuiu de palnmo- que a populaco Soffria com i) recruta-
*rW "'aen: "a a,ms'',de n, de,S" P*dro-e j por que a sua pessoa acha- m''"=>. apressou-se o xm. Sr. presidente a ur-
que vola oSr ,iUa Nunes ao sr. Dr. Antonio de se actualmente bem garantida com o exercilo deni,r a '>" -------*- ~ ..- -.-
Souza Carvalho, sem procuraren os laes nter- francez de oceupaco
pretes para a coramissao deque foi o mesmo I governo piernontez til
aTu dTr'''J? ?Ulr, m0Vel "a e,sco,h" des,c Car/ S Dl l'',dre ese^todVmuroq^l^^sP^'do desle comeco'dVsVg^stao 'gover-
os luves. que houveram na matriz de Pao dos 5 stai f&L.? l.o*.-.f ^gad' **" MB,,a conserva, ruruaria ame a alternativa de "' cuidad,, infante, serapre aelivo. e
Ferros, em todas as mais igrejas, batalhou-se es- cmra /,,' ,.m I -,' ^. que an,b* "'"? gUorra Cra a Pr5a. Garibaldi, pela sua 'I'"',5" demonstra j na creado da irmandade
forg .demente, verdade, mas batalhou-se com I a1" ZJ?"t.^'0!".1!.00.8 ?0.cu.rsoJur!- ?/. cha em melhores condiedea para !anla,^^ da Miscricoraia desta cidade. J
saiaiuiua com o exercilo denar a respectiva snspenso em sua totaliJade.
o. Ainda suppondo que o "em-cstar da classe desvalida da nossa socic-
livesse a inlencao de arran- ',n'u' Dan ,,u' l(,"> sido indifferente, ten do lhe an-
rtSCA raAln ,.. I.hIi..!........ leS illSllrado llMila Mmu. A.. *.. ~.f., .. ..___

Pelo que, longo de fazer Vmc, Sr. redac-
aTrmTd^zVoTd'fiusr j .S^mVcT ?" "" ^ ?*>* H- *
cele, o puuhal a faca u ,., i. C'no1en' pproitmacao estreitaram as relaces que j
us suUst'as suienie c, 7umera SSS;' tof^ ?*" S im<>r,arem las tauSpwi
lan.es, os nortistascom estes e Ts 8Uai mesa '1.v;'-"U,f'" e conveniencia que ha em que
o uimaiS tnaarrf m W^ ttxBssr. ssxsr co,"iaaas
m-ndoupraceSe, t"Sfei *fto dJSST! n?0'"*" t"^1* ** ^,e nada
adociso que inda n-nde sobre aivali H I u : lransP'rou ue "sse nascer a mais leve sus-
desta capil 1 para uue lado st nclino-i fi ? i Pe'1" ^ VISlM elei,oraes "O actual presidente
balancalia viejona Wdauracl'amaco^o^ da provincia, eis se
diz. a brasa para a sua sardinha os conserva l I g provincia a noticia
dures entendrm, que foram elles os uue ve,d ^l^V0**8 d* c0,te da PpresentiQao do
joria* Is libera" p?rm \ do plril! S.nV Candtal0 Pe'a PrV'nC'a
Ol, auxilio feliz, descoberla importan-
esta presump;o 1 Fosse quera fosse o vencedor
em todo, ouera parte, o que real. que vis-
la uus precouceitos exisleules, e das appreheu-
soes terriveis, que havjam, o negocio enren, e
tur, a injusiica de crr. que de sua parle' vem IVv^V^'*' que ha"'am: negocio eorreii, e
f[ro, pelo contrario eu me decido pensar, que *e podia malS paal,ca' e legalmeule, que
Chegando
oasee elle de nos mesmos os rUograndenses, nem
dos quaes se decide lomar sua cunta o
esto
po que penosa, e eufaduuba, dillicil, e arriscada
pelu iueviuvol comproinellimenlo, que acarrela
aos emprezarios desie generu a publicacu de ver-
dades, que convira oceultar, e bem assim pelo
naufragio quasi infalkvel, que se xodo todo o
aventureiro, que sem bus>ola segura, e sem os
instrumentos proprios, so arroja navegar, era
um mar, comu esle, cheio de syrtes e lempesta-
Esteja porm, onde estiver a causa do to
exiranl.jve falla, em Vmc. oo em nos mesmos,
sr. redactor, cu sem entrar n'essa averiguaco c
iK?d1nllM f0r5M' ac"ru1,ad" somen-
presente sessao da assombla legislativa orovin- I Li da ierra, era que nasc, c animado
cial al o dia 21 do crrenle mez. P pJAo f*lo'> 1'"-' hPra a prqpria fraau.za na in-
.Warunfco.--Os negocios pblicos corriam em ,C7 ,.!.t ^ lom"r-e uma resolucSo de-
perfeita harmona e boa ordera. I I)r"Pl",h-'1"'' preemhe-la, cerio de
Piauhy.O nosso correspondente diz-nos o clu,^ lT ""' la'1(> devo lnmer a mordaddade da
....." "ll,ca oesarrasoada. e apaixonada, pelo outro
-.. <, Hu,ra 3C ueciue a tomar a sua cunta u ""rD"'"'u a esie ponto, nao posso seguir
desempenliu de uma tarefa, qual seja a de escre- r*nl s,'"> deixar consignado aqui o leslemunho
vprparaofl/anouW'ernaMiiuto, au raesmu lera- ,e min,la admiraco um diciiucto merecimen-
P0 UUO Penosa i> i-ii i !,,:ii, i itilli,.,I ...:..-j. tO. 0 a exnresen iio mn.i ,.,i,,.;,...i.
seguidle :
Se bem que neste momento ainda nao tenha
cert-za de ter V. S. aceitado ou nao a ofierla
coustame de miuha primeira missiva de 16 do
passado, todava resolv diriair-lhe esta, e v
como la dizem, na f dus padrinhos. A tranquil-
hdade publica iica na paz do Senhor, a nxrepcao
da desardem motivada pelo vigario Macedo'do
Iriricipe Imperial, de que j lhe dei nolicia, nao
lia felizmente successus a lamentar.
Outro tanto nao acontece saudo publica
na quasi tres mezes se lem desenvolvido aqui
mu febre caiharr.l, ou pleuriz, que lem feilo
nao pequeo numero de victimas, ha das que
cinco e seis vao desta para melhor vida: coisa
de que eu nao Ihes tenho inveja
hA/; .0-'1 "V" ,3 d0 conenl' o Dr- Bolelho
de Magalha-s, de volta de Pedro II. onde de fri-
to nao exista febre amorella, e sim'o rnesma me
reina aqu, e alguma outra molestia paasagrira.
-- k d'? ? "P-e -m boato que a fae.
cao liberal ia dar luz um novo peridico imi-
tulado o Povo, cujo fim era aggredir com lodas
s forcas adminislracao do Exm. Sr Dr Duar-
le de Azevedo, al o ponto de publico'e geral
desconceito, devendo funecionar nessa misso de
honra os redactores do Propagador.
Nao nos soipreheodeu o boato, e ancioso*
speramos esse parlo monslro, porm os-Cai-
pirasforam tao sabido que fizeraro abortar o
piano do aojo exierminador, como conscios de
posso coniar rom a indulgencia dos espirilos jos-
ZJ, "npT'1"s;, e se v- -e honrar com a
arceilacau da m.nl.a offeria, o me encorajar con.
asuaappruvacao. neste caso sem olhar para
perigo, j que me arrisco, e sera dar ouvidos
quaesquer considerarles, quo pos-am tolher o
meu impulso, e reirahtr a minha lemeridade
conlinuare na cmprezi aqui encelada, e f.izando
da debihdade forcas, exlorcar-me-hei f9r desem-
penba-la o melhor, que me fr possivel ; tanto
mais, quanlo os seus judiciosos leilores ho do
recouhecer commigo, que nos escriptos desta or-
dem oescriplor nao lem necessidade dos atavos
da rhetorica. o das flores da eloquencia para os
enfeitar, e aromolisar, allm de que bem agraden)
senao de um esiyllu correnle, o escrupulosa se-
veridade para expr com clareza, e exaclido a
verdade dos facios o circumstancias, que os a-
companhiram, como tambera a aunlyse imparcial
e rasoavel de sua verdadeira moralidade. Neste
ponto prometi eu, sob ramba palavra de honra,
que hei de ser o mais llel, que se possa Ima-
ginar e quando peque, ser sempre pelo defeito
de informacoes inexactas, u malignas, que, na
fjlla de leslemunho oceular, serei forcado re-
correr; e nunca, (uuso dize-lo nunca I) por inte-
resse proprio., embora jusliflcavel, ou de algum
terceiro, embora rasoavel.
Dado esle cavaco entro j na materia, con-
tando com a sua pnrmissao.
A convulso poltica, que presenloraenle aba-
o, o a expressao de meu agradecimento ios re-
levantes serviros que lem prestado, e est incan-
savelmenre prestando osla minha provincia o
fcxm. Si. Dr. Jos Bento da Cunha Figucirio
Jnior.
Dolado de un corarao lao puro como o or-
val.io da rnanhaa, lealmente inspirado por uma
consciencia lao candida como a da infancia, ina-
balavelm-nte convencido, que a tran inillidade
deseU espinto, a prospeiidade de seu futuru
brilbanle, e a sua gloria lhe han ac vir dus bene-
ticins rpi m,a n.. ..- ?' =o- merco ua corle que o missivista d'aht refero em
le! Chegasteem occasiopropicia.
Apenas umAlvesJe per meio, c o cargo
de presdeme anleposto 3o nome, deu vida a
essa noticia que havia caducado, eos interpretes
explicam perfeitamenle uma troca de servicos,
eleico por eleico, do ut des, foco-te deputado
para que me fagas deputado, oh tnrencione
felix !
A facilidade na ofl'ensa indica que- se lem
em pouco a reulacao do funeciunanu e esla
tanto mais injusta quando nenhum facto, por
mais insignificante autorisa juizo dessa ordem e
calurosa.
Dou Iralos a minha imaginacao, procuro
descubrir o raulivo que acluaria no espirito do
missivista deste jornal, e fico perplexo sem
cnconiral-o.
Entretanto, porm, Icio no Jornal do Com-
mercio da corle que o missivista d'aht refere em
admenlo administra, e nao do apoio parcial
injusto, que der este ou aquelle parildu pol-
tico com prejuizo dos direiius do outro ; nao
leudo o mnimo interesse no triumpho de ne-
nhuma individualidad*, desejando somente, co-
mo o leve fazer lodo o bom cidadao, que a inep-
cia peluemprego de meios illicilos, vergonhosos
e ruprnvados, nao supplante, ou afogue o mrito'
verdadeuo e reconhecido, o Exm. Sr. Dr. Jos
Bento Jnior tem adquirido js iodispulavel ao
reconhecimeulo rio granlense do norte pela or-
dem, pazo socego que coseguio fazer reinar
nesta provincia durante a quadra diicil e peri-
gosa da eleico do mez passado.
Deixandu os partidos entregues s suas pro-
prias inspiracoes, o com faculdado ampia de fa-
zerem o uso que bem Ihes aprouvesse dus recur-
so?, quo as leis permittem lodoso oda um
driles, S. Exc sem hostilisar esle, nem sus-
tentar aquelle, collocou-se na posico superior,
que lhe designavam a natureza e a festrieco de
seus doveres, o della domando o impelo 'e cor-
lando os excessos dos partidos belligeranles fez
com que r.enhutlTdelles irradiasse alm da o'rbi-
la, que lho tracava a lei.
Sob a firmeza deste proposito expedio S Exc
as mais lerrainanies e repetidas ordens todas as
autoridades policiaes, civis e militares, incumbin-
do-as de vigiarem a regularidade do processo
da eleicao, de manterem a tranquilizado pu-
blica, e de garantirera em sua maior pleiiilude
a liberdade do vol.
Os delegados, pois, e subdelegados, recebe-
ram mslrucces, que Ihes explicavam, quando
o como deveriam elles intervir na eleico e om-
pregar a fdrea para reprimirem a violencia, faze-
rem respeitar as mesas e conservaren] o socego
aos commandanles militares foram aponiados os
casos nicos era que deviam obedecer e prestar
de uma candidatura, que ning,im sabe quem
seja, o que, diz o mesmo missivista, referido
em cartas e correspondencias desla provincia ;
sendo que at se insina que a viagera do Sr.
Silva Nunes ao centro da provincia levo por
objeclo essa candidatura oceulta.
E'oovo, para mira, repito, que hajam can-
didaturas oceultas que nao sejaua sabidas das
influencias oleitoraes que lem mais ou menos
Drobabilidade do vencimeuto ; todos os prelen-
denles sao cuiihecidos.
No primeiro distrelo aprosentam-se 03 Drs.
Antonio Jos Henriques, haro de Mamanguape,
iogo Velho Cavalcanli de Albuquerque, l.indul-
pho Juse Curreia das Neves, Felinlo Henriques
de Almeida, Antonio Carlos de Almeida e Albu-
querque. AnisioSalaiielCarneiro da Cunha e ou-
tros que sao annunciados ; e no segnndo os Drs.
Aragu. paire Leonardo Antunes Meira Henri-
ques. Victorino Toscano do Reg, Joo Lcilc c
Acaun.
Todos os candidatos sao filhos desla pro-
vincia que, felizmente, j nao precisa mendigar
habilitacoes eslranhas, lem-nas sufficieutes para
representa rem-na.
Quizera quo me explicasse qual a conve-
niencia na Iransnusso do noticias sem razao,
sem motivo conhecido principalmente quando as
mesmas nada tem com os inleresses que defen-
demos, com aquillo qu6 inleressa a nossa incum-
bencia.
Ser porquo se deseja enflaquecer dedica-
Ces, rarefazer as fileir.is dos que protegem a
uma candidatura no segundo dislriclo dessa pro-
vincia ? O tempo o raoitrar.
Qualquer que seja u motivo que teve em vista
O missivista do Jornal do Commercio, o que
certt- que o Correio Mercantil que guerrea in-
convenientemente a candidatura do Sf. Silva Nu-
emprehender essa conquista, que poderla ser o
prenuncio de uma sene de perdas considera veis.
Assim, pois, eremos que nada ha pur ora que
recelar pela surte do chefe da igreja ralholica,
<) qual pude continuar a residir em Roma com
loda a segiiranca.
A dar a importancia que mcrecem as nolicias
Oiuciaes do Jfontteatr, parece que se prepara em
lira a reunio de um congresso para decidir da
surto da Italia. Depois de ter daJo noticia do
reforco que por ordem do governo imperial ha-
via partido de Marselha para Roma para se Col-
locar sob as ordens do general Govoii, o Moni-
leur accrescenta :
S s grandes potencias reunidas era con-
gresso cabe decidir loso sobre as quesl-s que
"s "coniecimentos suscilam cerca da Italia ;
mas at enlo o governo do imperador continua-
r a preencher, le conforraida le com a misso
que so impoz, os seus deveres de sympalhia
para com o Santo Padre e os que resultara da
presenca do estandarte nacional na capital do
mutilo catholico
O celebre aventureiro Garibaldi, elevado pela
torca dis circumstancias ao alio grao de dicta-
dor, islo de primeira autoridado do reino de
aples lemcommellido os maores despropsi-
tos como homem de estado. Guiado por um lar
lertam, hornero de i leas perigosas e partidario
exaltado de Mazzini, Garibaldi acha-se era com-
pleto desaccordo com us seus ministros. Deci-
didameote o actual dictador de aples nao pas-
sa de um aguador atrevido, animozo e feliz. O
seu espirito incapaz de romprehender a impor-
tancia e a conveniencia das medidas de governo
e de adminislracao.
Ornarnos que o bom senso aconselha Garibal-
di de se abster do atacar Ruma, mas Garibaldi a
quera parece que falla esse bom sensu. procla-
ma que vai atacar Ruma, oque dalli partir so-
ora Veoeza, sem pensar em que a Franca nao
tolerara uma aggresso contra Roma e nem a
Ausirn contra us seus dominios da Venecia
Fernando II continua a permanecer n seu
acampamento entre Capua e Gaela, o parece
disposto a nao abandonar de todo o territorio na-
politano sem disputar o terreno quo oceupa ,0
famozo aguador Garibaldi : Da frito no dia 20
de Miembro deu-se uma batalha as margen* do
Vulturno o a victoria coube s armas do re.
us garibaldi nos soffreram perdas cunsideraveis.
bm Turim encontra Garibaldi um antagonismo
de ideas, contra o qual elle nao cessa de raain
oslar o seu despeilo ; chegando em sua inso-
lencia e exigir do rei Vctor Emmanuel a demis-
so do conde de Cavour, e dos ministros Faria
o l'anti. O re rcpellio, como era de suppnr,
asta insolente exigencia, eo conde de Cavour.
no intuito de obler uma solemne adheso sua
poltica coqvocoii ts cmaras para o ota 3 de
ouiubro, e apresenlando a ellas um proj^cto de
le que autorisa t aonexaco dos estados quo se
lom pronunciado em favor da unio italiana, pe
de-lhesao mesmo lampo um voto de coufianca
ou de reprovago.
Foi nomeada uma comraisso para dar o seu
parecer e conslava que o parecer seria ao mes-
rao lempo um vol de conanca no Sr. de Ca-
vour, e um rasgado elogio a Garibaldi.
Os negocios da Syria conliuuain sem impor-
tancia.
Consta que partir uma eipedico do tropas
tures e francezas para o paiz dos'Druzzos, afn,
de prender aquelies dos cheles, que, tendo sido
na expedicao de ordens para concluir-sc cua
loda a urgencia o grande hospital Pedro II, e
reparar-se o de Oliuda. adra de receber os alie-
nados, que ora habitara antes um carcere do que
uma rasa de lenitivo e cura, instituida pela com-
munhao social para um lira to pi, e que por
eonseguinie cumpre ler nao s as commodida-
des correspondentes ao fim da instiluico, co-
mo tambem altura moral do instituidor.
Na presenca de lies actos, pois, que se deve
pruceder a apreciaco imparcial da administra-
cao, quo ora dirige a provincia ; e nao obscure-
cer-so a estes para dar-se vultos a outios, que
sao desvirt ,adus no Intuito de deprimir o mrito
por circumstancias particulares, quo nao deve-
rao sabir jamis do circulu pequeo em que nas-
ceram e se alimentaran] infelizmente para a pro-
ducan depheuomeuos lo pouco dignos da vida
social.
A' esta aberraco, porm, oppoe-so o hora
sensu da populaco, que em sua perspicacia o
cum a lico dos lempos j sabe discernir o falso
i do verdadeira, p nao abraca mais a nuvem por
jJuno, quando se lhe aprsenla essa phaniasraa-
goria aos seus olhos ; os quaes por habituados i
ella tornara -se inJiliereutes o nenhuma impres-
sau experimentan! a nao ser a do repulso por
um meio lao hediondo.
Nu dia 2, pur obra das 3 horas da tare,
indo lavar-se no no dos AfugaJos um rapaz Por-
tugus, caixeiro de uma padaria d'aqueila luca-
lidade, acuiiieceu cahir n'um pero. do qual
quan iu f,.i retirado, linha j cessado de viver.
Por ponaria de 30 do passado foi conside-
rado habilitado para percepgo dos vencimemos
do art. 26 da lei regularneutar n. 369 o professor
de uisiruccao elementar de Tejucupapo ou Pon-
ti de Podras, Jos Francisco de Sousa.
A sociedade recreativa Bella Harmonio da
no dia 17 do correte o seu soire
Espera-se que seja condigno s pessoas esco-
Ihidi.s, que Otmpoem essa sociedade, cijos pro-
cedentes sao realmente mui humosos.
Nos das 31 de oulubro e 3 de novembro,
fizeraui aelos vlnie e qu.iiro esludanles, e o re-
sultado da volaco fui o segii'iite :
Primeiro auno, 4 approvados plenamente.
Segundo anno, 4 approvados plenamente.
Terceiro anno, 5 approvados plenamente e 1
simplesmenle.
Quarto annu, 8 approvados plenamente.
Quiiiiu auno, i approvados plenamente
Honlem embarcou para a Baha, no vapor
roconi/i, a ala esquorda do 8o balalhao. quo
all vae estacionar, em subsiiluigo ao 2o de in-
lantaria. que apui chegou pelo vapor passado.
Por ocasiu da roinmemoracao dos defun-
los, no da 2 do correnle, foi o nosso cemiterio
visitado por grande parle da populaco da cida-
de e seus arreb3ldes. nutaudo-se ahi mui boa
urdem, aceio e gosto- tanto no ornato das cata-
cumbas, como na disposico interior dese esta-
belecimenlo, devido ao zelo do seu digno admi-
nistrador.
Lista dos baplisados e casamentos havidos
uesia freguezia da Bda-Vista de 14 do oulubro
ao ultimo do mesniM.
Baptlsados.
Joo. branco, nascido em 3 de maio desle anno
lilho legitimo de Francisco Alves de Camalh
o Ignez Amelia de Caroalho.
Antonio, branco, nascidu era 12 de junho do an-
no passado, lilho legitimo de Francisco Rodri-
gues dos Santos e Leonor Francisca dos San-
tos.


DIARIO DE PERNAMBUCO: SEGUNDA PEIRA 5 DE NOVEMBRO DE 1860.

Olimpio, crioulo.com 2 mezes de nascido, filho
natural, escravo.
Antonia, branca, com 16 mezes de nascida, filha
legitima de Silverio Manoel da Silva e Anna
Maria do Carmo.
Candida, branca, nascida em 3 de agosto do an-
no passado, filha legitima do Dr. Joaquim da
Costa Dourado e Iza bel da Costa Diniz.
Antonio, pardo, com 8 annos de nascido, filho
natural de Antonia Joaquina Maria da Con-
cedan.
Eulropio, braceo, nascido em 30 de abril deste
anno, filho legitimo de Tristo Francisco Tor-
res o Claudina Hara dos Anjos Torres.
Adelaide, branca, nascida em 4 de abril de 1852,
filha natural de Marta l/.abol da Conceigao
Manoel, brinco, nascido em 16 de julho deste an-
no, filho legitimo do Antonio Jos Texeira e
Ueoliuda Maria dos Santos Teixeira.
Deodata. branca, nascida em 30 de agosto de
1857, filhl legitima de Antonio Francisco da
Silva e Maria Joaquina da Silva.
Ermira, branca, nascida em 21 de d^zembro do
anno passado, filha natural de Lino Antonio
Saraiva e Maria Florinda de Mello.
Januario, pardo, com 1 raez de nascido, filho na-
tural, escravo.
Elista, branca, nascida em 3 de junho deste anuo,
filha legitima de Gustavo Adolfo ama e Fran-
cisca das Chagas Pereira.
Jos, branco, nascido em 7 de setembro do cor-
rente auno, filho legitimo do Dr. Abilio Jos
Tu va res da Silva e Maria Carolina Tavares da
Silva.
Celestina, parda, nascida cm 3 do maio deste an-
no, til ha legitima do lente Nicacio Alvares
de Souza e Quileria Filadelphia Alvares de
Souza.
Agostinha. branca, nascida era 19 de julho deste
anno, filha legitima de Antonio Luiz do Ama-
ral e Silva e Luiza Armina do Couto e Silva,
Maria, branca, com 15 mezes de nascida, filha
natural de Manuel Pereira de Figueiredo eMar-
cionilli Francisca Soares.
Clara, branca, nascida em -i de dezembro do an-
no passalo, filha lenlima de Antonio Seralino
de^ Araujo Ges e Catharina Serafina de Araujo
Ges.
Amabtlia, branca, nascida em 31 de maio de 1818
[tomn o santo oleo) filha legitima do major
Joo do Reg e D Francisca Mena Brrelo de
Barros Falcao.
Adclaide. branca, nascida em 10 de setembro de
1819 (tomn o NOto oleo) filha legitima do ma-
jor Joo do Reg e I). Francisca Mena Brrelo
de Barros Falcao.
Rodolpho, branco, nascido em 30 de setembro do
crreme anno, filho legitimo do Jos Barando
da Rocha e Laurtana Roza Rigueira Ramos.
Corbiniana. branca, nascida em 8 de setembro do
crrenle anno, Bina legitima do Sinfronio
Olimpio de Queiroga e Roza Amalia de Quei-
roga,
Paulina, branca, nascida em 29 do julho deste
anno, filha legitima de Antonio Carlos de Le-
mos Duarle o Auna Luduvina Morcira de
Lentos.
Cazamentns.
Alfredo de Albuquerque Matlins Pereira com
Virginia Pexto de Souza, brancos.
Francisco Jos Vieira Machado com
Francisca ia Silvoira. crinlos.
Joo Uomiugues Ferreira Rebollo com
Euloxia de Moraes e Silva, brancos.
Cezario Aureliano Ventura com l'rancelina Maria
da Conceicao Chaves, brancos.
Joao Gregorio dos Santos com Rila Francisca
dos Sautos, brancos.
Lourenco Antonio de Oliveira com Antonia Fir-
mina dos Sanios, pardos.
Viclor I.aurianoJosij de Mello com Maria Caval-
canli da Albiiqoer jue, pardos.
Candido da Costa Dourado com Francisca Maria
Cavalranii, brancos.
Demeterio Ermiio da Costa com B'rtitia Obdulia
Molina da Costa, brincos.
Passageiros viudos no vapor francez Beam.
B. Peres Albuquerqoe Harinhao, F. A. de Oli-
veira, John Rostron J. B da Fonceca, C. de Arau-
jo, JosCardozo da Silva, Pinto, J. B. Gil Dor-
menes, Antonio Barboza de Araujo.
Pasagei:os viudos no vapor francez Beam.
Pedro Soitoria, Joao Alvic Graf, Cduard Tur-
pin, Sol.imon Sariga, Carolina de Lima Sanios,
Tlioma* W. Kearsoii, w- Q. Harria, Beagi An-
tonio Fiorito e 1 filho, Marcol'ti I.engi.
Foram recolhidos casi de detencn, no
da 2 do corrente, 7 homens e 1 mulher, sendo :
livroa 6, escravos 2 ; ordam do Dr. rhefe de
polica I, ordem do Dr. delgalo do l. distrie-
lo 1, ordem do subdelega lo de Sanio Antonio
1, ordem do de S. Jos 4.
Passageiros do vapor brasileiro Tocanlins,
entrado dos cortos donarle :Augusto Eduar-
do da Costa, Luiza Amelts. Jos Mana Ferreira, 2
filhos e 6 criados, Jos Pedro da Silva Sanloc,
Joaquim Rodrigues Piolo Pereira da Cmara,
Joa> Barroso de Carvalho, Antonio Raposo de
Mello, Manoel Pereira Marque* Vianna, Vicente
Correa da Silva, Francisco Al ves de Moraes Cas-
tro, Manoel Soares da Cunara, Manoel Pinto de
Castro, Jos Pedro da Costa. Rozemuuda Roali-
na da Paz, Antonio Correa da Silva, Jos Goncal-
vot dos Res, Manoel Barbosa da Silva o um
criado, Tliomaz Lourenco da Silva Pinto.
Seguem para o sul :Domingos Soares Ferrei-
ra Pasma. Antonio Martius Pimentel, Amonio
Samuel Wall ice Mac Dower, Joo Mano-I Go-
mes, Joao Leo, Pedro Nolasco dos Sanios Go-
mes. Ramiro Long.ar, Paulo da Silva Alvos, Mi-
guel Benevides Sentir de Mello, Joaquina Antoj
nia das Dores, rinlo eseie pravas, e vinte e dous
escravos a entregar.
Passageiros do brigue porluguez Relmpa-
go, vindo de Libi : Anlnn'o Rodrigues de
Macedo, Auna Maria da Conceicao, Jnon Maria
Paes, Antonio Correa. Manoel Ribeiro da Fonse-
ca, Hermenegildo Mariano Ferreira da Suva, Jos
Rodrigues Beirao, Mauoel de Souza Brasil e Joo
Soares Pereira.
Matadouro publico :
Mataram-se no dia 3 do correle para o con-
sumo desla cidade 110 rezes.
MoRTALIDAnG DO OA 3 1
Angela, parda, 18 mezes, convulsc?.
Theo lista, parda, 2 mezes, convutsoes.
Antonio da Cunha, prcto, solieiro, 66 annos
A appellacao civel :
Appellaue, Joao Flix Ncpomuceno Jnior ;
appellado, Jos do Reg Lima.
O recurso crimo :
Recorrenle, o juizo ; recorrido, Manoel Ca-
valcanli de Albuquerque Neeo.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago, as
ppellacooa crimes '
Appellante, o juizo; appellado, Francisco An-
tonio das Chagas.
Appellante, Manoel Trigueiro de Carvalho ;
appellado, o juizo
Appellante, o juizo ; appellado, Domingos Ra-
mos Das
Asappellacdos civeis :
Appellante, Jos Rodrigues de Senna Sanios ;
appellada, a viuva de Antonio Jos Vicente
Manta.
0 recurso crime :
Recorrenle, o juizo ; recorrido, Jeremas Bar-
bosa Rodrigues.
Ao Sr. desembargador Silva Gomes, as appel-
laces crimes :
Appellante, Jos Mauricio da Silva ; appellado,
o juizo.
Appellante, Jos Pereira Lima ; appellado, o
juizo.
As 2 horas de tarde encerrou-se a sessao.
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO.
Balancete do Novo Banco de Per-
nambuco
em ai de outubro de 18GO-
DEBITO.
Garanta d'emisso..... 792:201 039
Depsitos......... 811:0009000
Acces depositadas..... 3:5709000
Jolas" depositadas...... 5:7353280
Letras caucionadas...... 6:800g0o0
Letras descontadas...... 2,778:097*805
Letras protestadas..... 20:974*500
Banco da Bahia S/C..... 5:583g0l2
Aluguel de casa...... 1:137*500
Fornecimetit....... 7766*85
Juros.......... 2:008}7.>i
Rcmessas........ 11:4703*08
Premios de saques e remessas 21*790
Despezas geraes ...... 3:159*632
Caixa...... 561:1783431
Antonia
Leonilha
Reis.
CRDITO.
Capital..........
Emissao.........
Depsitos da direceo ....._
Letras por dinheifo recebido
juros .........
Contas correntes com juros .
Ttulos em caueao.....
Fundo de reserva......
Jos Antonio de Figueiredo Jnior
Knowles & Foster.....
Banco da Bahia N/C ....
Dividendos........
Saques .........
Letras a pagar......
Juros da garanta d'emisso. .
Descontos........
Lucros e perdas......
4,280:001 g-139
2,000:000g000
1,490:00I8000
80:0008000
74:599$714
340:835*4.15
9:3t5g>80
33:179*759
12:785*734
5:759*989
9:216*027
3 433*0' O
17:6138612
1.00H80 I
1:709399
170:151*362
79*108
Ris. 4,280:001*139
Demonstra;fio do estado da caixa.
O ti r o ( garanta de
emissao) .... 12:764*
Notas do Ihesouro
dito......375:140*
dem 9.Dr. Jos Roberto de Mo-
raes e Silva, casa terrea arrenda-
da por.................7.......... 1448000
Travessa do Forte.
dem 2. Antonio Jos de Parias
Lima, casa terrea arrendada por.. 72*000
Ra da Assumpco. "
dem 14.Irmandade das Almas do
Recife, casa terrea arrendada por 138*000
dem 16.Manoel Antonio de Al-
cantara, casa terrea arrendada
. Por.............................. 210S000
dem 18.Luiz de Franca da Cruz
Ferreira, casa terrea arrendada
Por .............................. 240JO00
dem 20. Joao Francisco de Arau-
jo Lima, casa terrea arrendada
Por .............................. 300*000
dem 24.Herdeiros de Rita Rosa
de Macedo, casa terrea arrendada
Por .............................. 192J0C0
dem 30 Mariana da Cunha Tei-
xeira, casa terrea arrendada por. 144*000
dem 32.Antonio Jos Rodrigues
da Silva, casa terrea arrendada
Por ........... 2168000
dem 34.Jos Maria Ferreira da
Cunha e oulro, casa terrea arren-
dada por......... 192*000
dem 36. Francisca Ignaeia de
Paula, casa tarrea arrendada por. 168*000
dem 44.Orpho Joao Rodrigues
Lima, sobrado de dous andares e .
uma_ loja arrendado ludo por. ; 474*000
dem 52.Manoel Joaquim da Sil-
va Brasileiro, casa terrea arren-
dada por......... 24O8O0O
liem 62.Dr. Pedro Bezcrra Bel-
tro de Souza Araujo Pereira, ca-
sa Perrea arrendada por. 240g000
dem 68.Francisco Pedro Ferrei-
ra, casa terrea arrendada por. 144$000
dem 7.Jordo Jos Fragoso, so-
brado de um andar e loja arren-
dado ludo por ....... 450*000
dem 72. Antonio Francisco de
Sant'Anna, casa terrea arrendada
por.......... 240*000
dem 74.Joo Muniz Vi.anna, um
portao com oito casinhas arren-
dadas todas por................ 1:152*000
liem 76.Irmandade do Sr. dos
Martyrios, casa terrea arrendada
por.......... 120*000
dem 80.Amaro Antonio de Pa-
rias, casa terrea arrendada por. 1688000
dem 82.Joaquim da Silva Lopes,
cara terrea dividida em duas ar-
rendada por......., 144*000
dem 1.Filhos de Jos Pedro da
Silva, casa terrea arrendada por. 182*000
Mera 2.Jos Francisco de Azevedo
um porlo com duas meia-agoas
.'.rrendado por....... 192*000
dem 4. Herdeiros de Joaquim
Francisco de Almeida, urna treia-
agoa arrendada por..... 60*000
dem 1.Viuva de Antonio Alfon-
so Ferreira, casa terrea arrenda-
dada por.........
dem 3.AlexanJre Jos da Silva,
casa terrea arrendada por
Stearinas----------
Descontos
em Pernambuco no fim de setembro ultimo, e
dentro d'uin mez, nao era mais do que um ca-
dver I I... Parece que foi dizer o ultimo adeus
a sua infeliz familia, que a estas horas nao ade -
vinha o golpe que Ihe estava preparado !
Atacado d'uma lerrivel enfermidade, que re-
sisti a todos os esforcos da arte, elle deu a al-
ma ao Creador no dia 26 do crreme, s 3 horsa
da larde. Na qualidade de amigo do finado, e
em nome de sua familia cumpre-nos agradecer
00 Sr. George Palehelt e a sua esposa, os cari-
nhosos desvelos coro que o trataram durante a
sua doenca e Ihe procuraran! fazer esquecer que
morria em Ierra cstranha e longo dos seus.
Que seu afilelo pae aceite estas mal tracadas
linhas como um testemunbo da estima que tribu-
tramos a seu tllho, e da parte que turnamos na
suadrl! Avaliar as qualidades luteranas de
Siewart Loekyer, para peonas mais habis do j Acces Sem IransacQoes.?'
que a nossa ; mas jolgamos um dever dar este
publico testemonho da saudade que nos acom-
panha o qual lalvez faca saber ao publico que o
mancebo ruja morte lamentamos, nao era um
homem vulgar.
Recife, 30 de outubro do 1860.
A. M. S.
entre todas as primicias poticas de que nos re-
cordamos. Os versos sao artsticos, de cores bri-
lhanlcs e bem caraclerisados, e sobretodo cheios
de imagens onginaes c novas observaces sobre a
Datare.
Em um dos nmeros do Examiner d'aquelle
anno lia-se o segtiinte :
No St. Bartholomew's day de Mr. Loekyer
achamos um novo poeta que devenios recommen-
dar. O autor lem imaginario eintelligencia.es-
creve linhas bem limadas, nes quaes soube encer-
rar pensamientos.
O Morning Post dizia o seguinte :
Parece-nos que os poemas de Mr. Lockeyr
lem grande mrito. Elles abundam em descrip-
cosgraphicas. senlimenU profundo, episodios
palhelicos e reflexoes enrgicas.
No Morning Chronicle, oulro orgo importan-
te da opinio publica em Inglaterra, liam-se es-
tao linhas.
F.ste pequeo volume est cima de todo o
elogio. Aquelles que o abrirom, em pouco fica-
rao absortos as suas paginas.
Iguaes elogios appareccram no Excelsior, no
Guardian e na Lillerary Gatelle, os quaes nao
transcreveremos para abreviar esle artigo.
A maior parte do volume de que tratamos
oceupada pelo poema que tem por asMimpte um
dos episodios da horrivel carnificina dos Hugue-
notes em 1572.
Mas na nossa opinio a peca mais bella a in-
titulada Tintoret and ki$ daughter : Tintorelio o
sua filha.
Jacques Robusti, denominado o Tiutorotto, 1 1
um dos pintores mais nolaveis da escola renez a-
na. no seculo XVI. A historia de sua vida resme-
se era duas alTeices profundas que enchiam a-
quelle coraciio enthusiasta, aquella alma ardenle
o amor da arle, e o amor de sua filha Mariella
e quando esta mesma veio a ser urna grande artis-
ta, essas duas vivas paixoes que at ento tinham
partilhado o coracao do Tintorelto. como que se
confundiram em urna s c uniram eslreita-
mente.
Mariett 1 Tintoretla tinha annunciado desde a
infancia um gusto pronunciado para a pintura, e
seu pae nao quiz confiar a sua eduearo a ou-
trem. Debaixo da diree<;o de laodistinclo mcslrc
a gentil donzella fez gran les p'Ogresso, adquiri
um estylo elevado, e pareca ler herdado a habi-
lidade paterna.
O retrato do Marco dei Vescovi, pintado pDr
Mariella, que^causn mais alegra ao velho pin-
tor do que todas as obras primas com que elle
tinha immorlalisado o sen nome, deu joven
artista urna repulaco universal, e todos os ho-
mens nolaveis de Veneza queriam ler a honra de
seren retratados pela Tintorella.
O imperador Maximiliano, Philippe II d'Iles- Cambio sobre Londres- 26 1(2 e 26 3(1 d. 90 C5es pelas suas excellentes qualidades naturaes. | Oleo de linhaca- Vendeu-se a 1*400 a 1*600 rs-
Aqu residi at -maio deste anno, e enio fez j
urna viagem a Inglaterra. Achava-se de volta
O homem que trabalha nao so avilta, nao se
degrada, quando esse Irabalho honesto c delle
lira com que manter a mesquinha subsistencia.
Pelo contrario aquelles que versados no curso
de experiencias repentinas, inlroduzem-se na
ca-a alheia, comando, bebendo. bajolando, in-
trigando, basoliao SS?" de rico?! I ^a O.' de onde veio esta ri-
queza? Otean I paduani. Estes sao a verda-
deira peste e lome, pois desgranado do amigo
ondn elle se abolet, que chuna para all seu
estado maior e coufrades, ludo devorara comer
e h.... etc.
Olho vivo com o tal bacuro, que muilo breve
ser analisado.
O inimigo dos falsarios.
por galao.
Quejos----------Venderam-se 3 28600 a 2*800
rs. os flamengos
Toucinho----------Veodeu-se de 8*000 rs. a 8J20O
rs. por arroba.
Sabo-------------Vendeu-se de 140 rs. por
libra.
Vinagre----------Vendeu-se de 100* a 110* rs.
a pipa.
Vinhos- Os tintos de 230*000 a 240*000
rs. a pipa.
Vendeu-se de 620 a 610 rs.
por libra.
0 rcime de loltrjs regularan!
delO a 18 por cento ao anno,
disronlando a caixa cerca de
300 contos, a dez por cento
leitras de quatro mezes.
Fretes-------------Do lastro a 10/ e do algodo a.
3/8.
Praca do Recife 31 de ou-
' labro de 4 860.
A.s tves \\oras da tarde.
Cotuei's offlcineSi
panha e o archiduque Fernando quizeram fazer.i
fortuna de Mariella, procurando chama-la h suas
respectivas curtes mas o Tintocllo, recusou
todasas belUs olleras que Ihe [aziam e que pro-j
vivara que sua lilha era digna delle O peso dos I
annos Ihe obscureca a luz dos ollios ; sua mo
trema mas restava-lho sua lilha, que traba-
lhava seo lado e em cojas obras elle se julga-
va reviver.
A telictdade do Tintoretto era pois completa....
(Coniiar-se-/io.
Zii, alas\
F'Ue lets men rear Iheir palacea o( hipe
96*000 Tlteir Babel struclure* of too daring joy,
/lili lo a certain heighl ; and when U secnu
Ttere tcanls bu tone more siep froinwltich logras
The seweets of /tenue iltelf, ihete comes a blast
From misery's frerce ichirhcind..................
ISOfOOO
Ditas desle ban-
co. .
Ditas da caixa filial
Brasil. ....
Piala e cobre .
----------------387:90 S
,dc 20o* 32:200*
i de 100* 13:800*
ido 20$ 2:820*
vde 10 3 5.160*
------------ 57:2303
do Banco do
114430*
1:611*134
Ris. 561:178*531
Demonsti':i;!li> da emisso.
Notas de 200*1
2'1
seno 83
3,793
16-6008
758:60.)$
entradas parasu-
bsliluico nesle mez
3,876 775:200*
------------817:200$
2* serie .... 231 46:80i$
1,110 822:000$
retiradas por su-
istiluieao neste mez
i" se"rie .... 24 4:800$
4,086 ____
N'otasde 100* l1 serie 212 2:200$
2a 3,877 387:700}
4,119 411:900*
entradas por su-
lisiitiiiciio nesle mez
Ia serio .... 52 5:200$
4,067
Nulas de 50* 3,220
20* 1,900 38:000$
retiradas por su-
bslituco nesle mez 500 10:000*
1.400
olas de 10$ 10.72J 107.200*
retiradas por su-
bstiluieao neste mez 3,010 3t):lO0*
406700*
161:000$
------------------------- 28:000$
ENFERMARA de MARINIIA.
RELACA.0 dos doentes tratados na enfermara
de marinha desla provincia, no mez do outu-
bro deste anuo.
Existiam.........58
Enlraram.........57
Sahiram.........70
Fallecen.........f
Existem.........41
Obsenares:
O fallecido foi de phlhysica pulmonar.
Enfermara de marinha de Pernambuco, 31 de
outubro de 1860.
Joaquim Jos Alees di Albuquerque.
Cirurgioo da enfermara.
Correspondencias.
en-
tente chronica.
Virginia, prelu, 9
mezes, sarampo.
7,710
---------------------1:490:000*
Res. =====
O guarda lvros,
Francisco Joaolih Pereira Pinto.
CHRONICAJUUICIftRU.
TRIBUNAL OA RELAQKO.
SESSAO EM 3 DE NOVEMBRO DE 1860.
PRESIDENCIA DO EXM. SU. CONSELIIEIRO ERMELIN0
DE LEVO.
s 10 horas da manhaa, achando-se presen-
tes os genitores deserabargadores Villares. Gi-
tirana, Guerra. Lourenco Santiago, Silva Go-
mes e Caolano Santiago, procurador da co-
rfta, foi aherta a sessao.
Passidos os feilos e entregues os distribui-
dos, procedeu-se aos seguinles
OLG AMENTOS.
Recorrenle, ViUliano de Oliveira Guiraaraes :
recorrido, o conselho
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os Srs. deserabargadores Silva Co-
ins e Guerra.
Dcram provimento.
RF.CIRSO COMMERCIAL.
Recorrenle, o juizo ; recorrido, Ignacio Nery
Ferreira da Silva Lopes.
Relator o Sr. desembargador Lourenco San-
tiago.
Sorteados os Srs. deserabargadores Silva Go-
mes, Guerra, e Villares.
Reformada a sen tenca.
Negon-sB a soltura pedida em habeas-corpus
por Raphael Archanjo.
D1STRIBCIQES.
Ao Sr. de>embargador Caetano Santiago, as
appellar.os crimes :
Appol'l.inie. Manoel dos Sanios Marlins Roma-
no ; appellado, Laurenlino Correia dos Santos
Mesqoila.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Cos-
me.
A appellacao civel:
Appellaue. Jos Feliciano Porlella ; appella-
do, Antonio Franriso Paz.
O recurso crirae :
Recorrpnr*, o juizo ; recorrido, Antonio Htn-
rque de Barros Wandetley.
Ao Sr.desembargador Gitirana, as appellacoes
crimes :
Appellante, o jnizo ; appellado, Antonio Car-
los Pessoa
Appellaue, Manoel Ferreira Yianna ; appella-
do. o juizo.
Appellante, o juizo ; appellado, Francelino Ma-
riaono de Oliretra.
CONSULADO PROVINCIAL.
lltoraQies l'cilas oo lancameato das
dcimas que pagam as casas da fre-
giiezia de S. Jos, pelo cscripturai'io
V.M. F. P.da Silva.
Ra do Marisco.
N. 40.Francisco Maciel de Souza,
casa terrea arrendada por........
dem 1.Luiz Gomes Silveira, casa
Ierra arrendada por..............
dem 5.Jos Vicente Ferreira Bar-
ros, casa terrea arrendada por....
dem 7.Luiz Gomes Silverio, casa
terrea arrendada por.............
dem 11.Miguel Teixeira da Costa
e oulro, casa terrea arrendada por
Travessa do Marisco.
dem 18.Filhos de Jos Maria da
Cosa Paiva, casa terrea arrenda-
da por............................
dem 3. Francisca Thomasia da
Cunceic&o Cunha, casa terrea ar-
rendada por......................
dem 7.Antonio Joaqiim de Sou-
za Ribeiro, sobrado de dous anda-
res e quatro lojas arrendado por.
dem 6 Recolhimento da Concei-
cao de Oiinda, casa terrea arren-
dada por..........................
dem 12.Joaquim Pereira Arantes,
casa terrea arrendada por........
Ruado Dique.
dem 2.Joaquim Francisco da Sil-
va Cnfilho, casa terrea arrendada
por...............................
dem 4.Bernardo Jos da Rocha,
casa terrea arrendada por........
dem 6.O mes no, casa terrea ar-
rendada por......................
dem 8.Anlonio Pereira de Oli-
veira Barros, casa terrea arrenda-
da por............................
dem 10. Joaquim Francisco da
Silva Colho, casa terrea arrenda-
da por............................
dem 16. Amonto Francisco de
Carvalho, casa terrea arrenda la
por ..............................
dem 22. Antonio Nobre de Al-
meida, ca*a terrea arrendada por.
dem 30.Dcltina Maria da Coucei-
c,ao, casa terrea arrendada por...
iox*ooo
81*000
120*000
120*000
120*000
168*000
120$000
1:068 }000
204*000
200*000
Srs. redactores.O homem por si diz qurm
. Nao necessano vver milito tt-napo com
qnalquer para se conhecer o pendrar o seu ca-
rcter, coralillo alguns ha que com formas ap-
parenles e agradavi-is esconden! tmeoeira e cau-
telosamente o mortfero veneno que mais tarde
dar.o a beber anda a aquelle de quem se dizem
leal amigo.
Fallo, Srs. redaclores, do escrivao de orphaos
de Caruar, Gregorio Praoeiseo de Torres Vas-
concellos. Quera lenao os escriplos desse se-
nhor, nao conhecer fcilmente todo o peso da
ndole, dos costumes e da moral do seu autor?
Deixo perianto ao juuo do publico sensato pen-
sar e commentar as proposicoes, que aquelle se-
nhor cora urna audacia iuqualificavel se attreve
a publicar.
Quem nunca vio o Sr Gregorio, quera nao o
conh-ce, quera leve a felicidade de nunca o com-
montcar, basta ler o que delle corre Impiesso.
N.o admira porlanto que no seu furor, para se
inculcar de innocente e para encubrir seus ne-
fandos crimes o Sr. Gregorio dirija aos (Ilustra-
dos Srs. lorente-coronel Joao Vieira de Mello c
Silva e Dr. uiz municipal Jos Maria Freir Ga-
meiro Jnior, improperios que s cabe em seu
autor.
J era outra vez em idnticas cirt-umslancias o
Sr. Gregorio, nao poz dimda para defeza de um
de seus crimes, tancar o ridiculo e aeobertir de
deshonra n infamia a pessoa que Ihe mais rara;
para a rusta de sua propria honra se seelamar
de innocente. E como respeitar agora a illiba-
da conducta dos dignos e respeit veis Srs. te-
nentt-coronel Vieira e Dr. Garaeiro ?
Continu o Sr. Gregorio na sua missao de dar
aos outros aqoillo que s seu. Prosiga na sua
carreira o costumes, certo de que os Caruaru-
senses e o publico ja est salisfeilo, nao precisa
de mais para o conhecer.
Sou, Srs. redaclores, seu constante lelor.
O Allinhense.
7 de outubro de 1860.
Publicacoes a pedido.
memoria de Ste wari Loekyer,
FALLECIDO EM 26 DE OITIBRO DE 1860.
-Veai/t the yew-lree's shade Ihere are viany laid,
In ihe roltini churchyard clay,
Whose birlh-day note from my lips did floal
As t seems, bul yesler day I
S. LoekyerThe Church-Dell.
sombra do teixo, enlre os vermes do ce-
miterio, muitos repousam, cojo nascimento pare-
c que os meus sons alegres murmuraran! ainda
honlem !
S. LoekyerO Sino do templo.
And, bowing, from its batis al Ihe strom
The lofuj aspiralion falls lo earlh
A desoluled ruin.
Mas, ai 1 o destino consonte Ss vezesqne os
homens eleven) os seus palacios d'esperancas, as
suas torres de Babel d'alegria insana, mas s at
certa altura ; e quando parece que apena falta
mn passo para alcancar as docoras do co, vem
um sopro do lerrivel furaco da desgrana.....e o
alio edificio, abalado pela lempestide, cahe por
Ierra em ruinas.
Por muitos das os frequenladores da praca de
S. Marcos uolaram que o velho pintor au tinha
apparecido, como de costme, encostado ao bra-
co de sua tiltia. correrm boatos contradictorios ;
mas bem de pressa a verdado se soube a Tin-
torella eslava deiUda era ura leito deddr lal-
vez h'um leito le morte.
Urna cruel enfermidade tinha atacado Ma-
rielta
And, gloomy usher of an axtful King.
Wat leading her, resislless, day by day
Tu thal dread presence chaaiber,whose dark doors
Once passed, are shui'gainsl allrelurn
e triste mensageira de um feroz monarcha,
ia conduzindo da a da o sera resistencia para
aquello lerrivel tribunal, cujas negras portas.de-
pois de aberlas, se fecham a lo lo oregresso.
A despeito de todos os desvelos daquelle atllic
lo paeelle morrea...
lie saw Ihe Ufe,
Thelasl fainl lingering [uolsleps of Ihe soul
t'ade from her /ei/iire*. as on some tall cli/f
Wilhers the lat ftush of Ihe evening sun,
Andall iras chill and gray .' >>
CotacOos ofllciaes no dia 30 depois de Iros
horas da tarde.
Cambio sobre Londres 26 l|2 d. 00 dtv.
Cambio sobre Pars362 rs. 90 djv.
Dia 3 de novembro
Cambio sobre o Rio de Janeiro lf2 0(0 premio
8 d|v.
Descorito de letras10 0(0 ao auno.
tieorge l'nlchellPresidente.
ubourcqSecretario.
Alfumlesn,
Rendimento do dia 2.....22:448*185
liem do dia 3.......13:962*301
36:410*786
Movimento da alfandesa.
Voluracs entrados com fazendas..
com gneros..
Volumes sabidos com fazendas..
com gneros..
Mov ment do porto.
A'au'o ervrrado no ata 31.
Portos do sul6 diss, vapor francez Beam, com-
mandanle A. de la No.
Navios entrados no dia 1.
Richmomt48 das, barca americana Floresta,
de 380 toneladas, rapitio S. M. Welsh, equi-
pagera 12, carga 3300 barricas cora farinha de
trigo ; a Roslron Rooker & C.*, seguio para
Babia.
Terra Nova39 dias, brizne inglez Fairy, de
174 toneladas, capitao Thomaz Ferris, equi-
pagem 10, caiga 2175 barricas com bacalho
Jonhslon Pater & C.a
Assu'15 dias, brigue nacional Felicidade, de
228 toneladas, capillo Joaquim Francisco da
Costa, equipagem 11, carga sal ; a Azevedo &
Mendos.
Arauo sahido no mesmo da.
Bordeaux e portos intermediosvapor francez
Beam, commaudante A. do la No.
Xavios entrados no dia 2.
Lisboa32 dias. brigue porluguez Relmpago,
de 235 toneladas, c.apilao Joao Xavier dt Fon-
saca, oquipagem 15, carga vinho e mais gene-
ro., a Thornaz (j'Aquirio Fotiseca.
Carditf36 dias. brigue americano -r Amos W. Ro-
ben, de 218 toneladas, cauitSo S. Colson,
equipa^em 9, carga rarvao de podra, a N. O-
Dieberc\ C
Navio sabido no mesmo dia.
Rio de Janeiro Brigue brasileiro (Felicidade,
capitau Joaquim Francisco da Cosa, carga a
mesma que trouxe do Assu. Suspendeu do la-
inaro.
Navios enlradis no dia 3.
Cardiff! das, barca inglezi Sea NVave, de
316 toneladas, capitao I. S. Wallis, equipagern
14, carga trilitos para a estrada de ferro, a Ro-
ihe Bidoulac.
Liverpool I) dias, brigue Oldrrnburguez Anna,
de 216 tonelada*, rapilo D. Dehard. equipe-
sern 10, Carga carvo de pedra, a Rostrou Roo-
ker & C.
Portos do norte7 dias, vapor brasileiro Tocan-
lins. com mandante o 1.- tenante Jos Caudi-
do Duarte.
Maco 9 dias, cter br.isiletro Emraa de 52
toneladas, capujo Manoel Vclasco dos Santos,
cqoipag.m 6, carga lenha ao mesmo capi-
tao.
Nao houveram entradas.
ala
239
------ 61
61
483
------51
O
a.
I
I S
Boros
Descarresam boje 5 de noverabro
Barca inglezaImogenefazendas.
B^rca ingleza!I-t i liacar vito.
Brigue inglezLumbyfazendas.
Brigue inglez Vivididem.
Brigue inglez Bedouin trilitos de ferro.
Brigue inglezBy ronidem
Brigue inglezSpyidem.
Brigue inglezSilvaraidem.
Barca inglezaProsperobacalho.
Brigue inglez Fairyidem.
Brigue porlogoezR-lamuagobagagem.
Brigue. ha no vera noA nn>itfazendas.
ll i rea francezaSpherecarvo.
Barca [rancezaRaoulcemento.
Barca americanaJulia Cobbtrilitos de ferro.
Brigue oldemburguezAnuararvao.
Consulado geral<
Rendimento do dia 2 .
dem do dia 3......

7!
a
W
Atmosphera.
ireceo.
| Intensidade
IS


Centgrado.
00

00
ex
ce
-t
00
I Fahrenheit
| Hygromelro
g
5
ce
o o o
p
o
C5
Ingle:.
1:202;379' i\
59,835 -
^t c; ^1 ce -i -
c as *
Eranccz.
O
=3
C/5
*1
to
<
>
> O
wS
m =
j. yj
C -i
o
_ =3
S O
o r"
O
o
-.
>
B
1-2624714
Diversas
Rendimento do dia 2
dem do dia 3 .
provincias.
1173158
33:211
150S369
Elle vio a vida, os ltimos passos fracos e vas-
cillanles da alma que desappareciam do ro.-io
d'ella, como dos pillearos d'uma alta serranil se
esvae o ultimo claro do sol da larde e ludo
Dcou enregelado e sombro
Naquella mesma noite Tintorelto foi buscar os Rondimento do dia 2
pinceis e a palhela, que ha muilo ja/.iam aban- dem do dia 3
donados, e scnlou-su junto do cadver do sua |
lilha, deitado no seu leito de morte :antes que
o tiimun sepultasso aquelles reslos queridos elle
quiz possuir
Rceebetloria le rendas interna
geraes de Pernuinbueo.
Rendimento do da 2..... 577;904
dem do dia 3....... 933f606
A noite esteva nublada t as II horas e depois
clara, eahindo un pequeo aguaceiro 8S 16 horas
i que logo passou ; o vento conservou-se no nies-
niij rumo e cotu a mesma intensidade.
OSCILLAgiO DA MAR.
Preamar a 20 h 23'. altura 6. p.
Baixamar as2 h 38', altura 1.6 p
Observatorio doarsenal de marinha 3 de no-
vembro do 1860 noaUMO steppj.e.
^7
dita es.
1:5119610
Consulado provincial.
A lasling memory of whal liad been
A humble reflex of ihe treasure gone
To filllhe weary blank icilhxn Ins eye.
As her thoughl-image mus su/fice to fdl
The blank within his heurt...
Quiz possuirurna memoria doradoura do que
tinha existido, um humilde relela do ihesouro
perdido para encht-r o vacuo do sous olhos, pois
a lerabranca della era bastante para encher o va-
cua do seu corceo.
Tintoretto trabalhoii toda a noite, e quando o
retrato eslava acabado e vieram buscar o cada-
ver de sua lilha, elle collocou os pinceis c a pa-
lhela no alaude
llis love for art
liad groicn into her Ufe, and died uilh her.
984*483
33 ;>638
1:3195120
No da 27 do corrente algumaspessoas seacha-
vam reunidas no cernilerio britanuico ao p de
una sepultura enlreaberta.
Depois de cumpridos os ltimos deveres reli-
giosos, os circumstaules se afastarara silenciosa-
mente, emquanto os muros da raiacumba occul-
lavara a seus olhos o fretro que enrerrava o ca-
dver de um mancebo de 23 annos, a quem as
musas tinham promellido um lugar dislincto na
litleralura ingleza.
Stewarl Loekyer, que ha dous annos resida em
Pernambuco, na qualidade de empregado da es-
trada de ferro do S. Francisco, era dotado de uro
talento nao vulgar. As colleccilo de suas poe-
141*000 sias, publicadas em Londres em 1856 e 1857 Ihn
mereceram os elogios dos principaes jomaos in-
1323000 glezes, cuja critica em geral severa. Era, pois
um poeta nao desseg poetas como alguns dos
965000 que nos alordoam com suas longas producemos
era prosa rimada mas polla na belleza das
imagens poia na harmona da linguagem.
132*000 Foi era 1856. que Lockyr deu luz sua pri-
mr-ira obra, a qual dedicou Vstia mai. SI Bar-
tholomew's day aud other poew.s (O dia de S.
144&000 Bariholomeu e outros poemas) ura Itvro cuj
leitura alirahe mesmo a quem pouco aprecia 1
poesa lynca. A imprensa peridica" de Ingla-
120*000 tierra saudou o joven poeta com enlhusiasmo.
O jornal literario mais importante de Londres, a
845OOO Athenaeum, tratando do St Bartholomew's day,
disse o seguinte :
19200001 a Este um dos volara es que mais prometi m,
O seu amor pela arto tinha crescido cem sua
filha c morreo rom ella.
Pooco tempo depois o velho pintor repoosava
junto de Mariella debaixo do inarmore do templo
de Santa Maria del lorio, em Veneza.
Esta tocante historia que forneceu o assumplo !
d'um belln quadro ao pintor traocez Cogni"l.
peoduzio mu quadro nao menos bello as nios i
do poeta, cuja morle hoje deploramos. Loekyer
soube piular com cores vivas e t^rrivels essa im-
jnensa dOr de pae pela perda de sua filha que-
rida, essas dolorosas emores do pintor peraute
o cadver do seu discpulo predilecto. Conhe-
ce-se que o autor desle pequeo poema se ins-
pirou com a leitura do aulnor de Chil de llarold
e do Corsair.
Byron, Alfred Tennyson, e o author de Men
aud Vfomeu eram os autores favoritos desle jo-
ven poeta, que talvez viesso a ocoupsi un lugar
nio mui distante de alguns deltas, so urna
morle prematura nao Ihe cortasse os fios da
existencia.
Nos o repelimos, a Filha
dos mais bellos pnemetos
qnalquer lingua. Sao igua
pela origioalidade dos p-nsamentos e harmona
do estylo as seguinles pecas que se achara no
mesmo volume O Sino do Templo, os tlonges
de Bumsxde e Stradella. A primeira especial-
mente, d'onde tiramos a epigraphe deste artigo,
d'um ni 1 it iiiconlestavel.
Em 1857 publicou Loekyer a segunda collec-
ftSo das suas obras qual deu o Ululo de Earl
Godwin's Feasl and olher poems. ( a festa do
conde Godwiu e outros poemas. Esle volunte,
assim coniooariierior,oblevedaBiprensa ingleza
elogios bem merecidos.
O Conde Godwin e quasi todos os outros poe-
mas que o acompanham sao inspirados pelas
lendas da idade media, poca que tinha para o
joven escriptor um ailractivo irresislivel.
Loekyer era tambera ura artista hbil disc-
pulo da academia real de Londres, desenhava
pintava com perfeir^ao.
Era fios de 1857 seguio de Londres para o Rio
de Janeiro d'onde poucos mezes depois veio pa-
ra esta provincia, onde captivou todas as affei-
Aguardente
Couros-------
do Tintoretto um
que temos lido em
Imenle mui nolaveis
PRACA DO RECIFE
3 DE NfVEiI 11UO DE 18GO-
A 3 HORAS DA TARDE.
Hcvista Semanal.
Cambios----------Saccou-se a 26 3/i d. por 000
sobre Londres, subindo a <
70,000 para o vapor francez,
nao lendo havidosaques sobre
os outros.
Algodo O superior vendeu-se a 7$S00,
e o regular a 7*600 por arroba.
Assucar Vendeu-se alguna bruto pare
exportarlo a 25100 rs. por ar-
roba, e pagou-se aos conduc-
tores do St00 a ?S0D r*. ror
arroba do branco, ae 3;200 a
3&500 rs do smenos, e de
2;6 i0 a 2$8ili> rs. pelo masca-
vado purgado.
Os presos saa nominaes por
falla de genero.
Os seceos salgados venderam-
se de 220 a 25 rs. por libra.
Arroz-------------Vendeu-se de 23200 a 2jj|80 rs.
por arroba.
Azeilc doce------Vendeu-se por 2^600 rs. por
galao.
Bacalho--------Em atacado vendeu-se a 8*700
a 9*000 rs* pela barrica, e a
reulho de 10^ a1z\\\W0a rs., n-
cando em deposito 14,000 bar-
ricas,
Raalas-----------Venderam-se a 1$200 rs. por
arroba.
Caf-----------------Veudeu-sede 6000a7jt)00 por
arroba.
Carvo de pedra- A ultima venda negociou-se a
22j000 rs. a tonelada.
dem 13700 a 1*800 rs. por
libra.
A do Rio Grande venden-sede
3JUJ00 a 43090 rs. por arroba,
ficando e n ser 61,000 arrobas;
nao havendo da do Rio da
Prata.
Cerveja------------Venden-se de 4$000a 6,0>0 rs.
por duzia de garrofas.
Farinha de trigo A de Philadelphia vendeu-se
de Irto a 20rs. por barrica, a
de Trieste de 20* a 21* rs. por
di ia, a de lliehmond do 18* a
2)$ rs., e a de Raliimoro de
17* a 19* rs., ficando em ser
l,6u0barricasda primeira,4,000
da segunda, 5,000 da lerceira,
e 400 da ultima.
Far. do mandioca Vendeu-se d 5*000 onr sacca
Genebra-----------Vendeu-se a 3il0 a 320 rs. por
botija, e 6*000 rs. por fras-
quera.
Manteiga----------A ingleza venden-se de 700 a
720 rs. por libra, e a franceza de
520 540 rs., ficando era ser
2500 DPrris.
O lllm. Sr. inspector da thesoiiraria pro-
vincial, em cumprimento das ordena do Exm.
Sr. presidente da provincia, manda fazer publi-
co, que com a dala de Io de setembro prximo
findo, paga-se em apolices toda a divida liquida-
da de obras publicas ; porlanto sao convidados os
respectivos credores para viren declarar nesta
thesouraria se querem ser assim pagos.
E para constarse mandn alixar o presente o
publicar pelo Diario. Secretada da thesouraria
provincial de Pernambuco 31 de outubro de 1860.
O secretario, A. F da Annunciac&o.
ic4araco
Cha------------
Cauje secca- -
CORREIO.
Pela administrac.o do crrelo desta provincia
se faz publico, que boje 5 do (Trrenle, pelas :j
horas em ponto da tarde fechar-seho as malas
quedeveconduzir o vapor costeiro tPersinungs,
com destino Tamandar e provincia de Macelo.
Directora geral da instrueyo
publica.
F.aco saber a quem convier, de ordem do lllm.
Sr. director geral iuteuno, que. coniinuam a estar
vagas por falla de concurrentes, as cadeiras de
instruco elementar do primeira grao para o sexo
masculillo, do Pilar de Itatnarac, Buique, fre-
goivia de Una, Abren de Uii, Taquarilinga,
Timbaba, Vicencia e S. Vicente ; pp|o q>ie sao
de novo postas Concurso, mareando-se o prazo
de 30 dias a contar da data d>'ste. pata a inscrip-
cao e processo de habilitaco dos oppositores. na
forma das nslMPQes de II de junho de 1S*>9.
Secretaria da instruerjo publica da Pernambu-
co, 3 de novembro de 1860.U secretario inte-
rino, Salvador Htnriqoe de Albiiquerque.
De ordem do lllm Sr. inspector da thesou-
raria de fa/.euda desla provincia se faz publico,
para conhecimenlo dos interessados, que 110 da
10 do prsenle mez comecar a ter exerucao fies-
ta provincia o novo regufirneuto das alfandegas
e mezas de renda-- mandado vigorar pelo decreto
2,6" de 19 de setembro ultimo.
Secretaria da thesouraria de laxen da de Per-
nambuco, 3 d; novembro de 1860.O official-
maior merino, Luiz Francisco de S. Paio e
Silva.
Conselho de compras navaes.
Promove esle conselhu era sessao de 5 de no~
vembro prximo a compra dos seguinles objectos
do material da armada.
Para os navios.
Lencos de seda preta 60, linteiros de f stanho
10 jogos, tinta preta 20 lalas, dila verde 10 ditas,
e plvora grossa 33 arrobas e 12 libras.
Para os navios e arsenal.
Oleo de liuhara 50 arrobas, fio de vela 4 arro-
bas, papel baea para forro de navio 8 arrobas,
vorgonieas de pinho de 4 a 6 pollegadas 50.
Para o arsenal
Bigornas de chfre o peona 3, escrivnias de
metal 2. folhas de Flandres dobradas 3 caixas,
linhas croas 6 libras, l 200 folhas, pires e chicaras de metal 24 casaos,
pregos riparps de cobre, soitidos, 80 libras, tor-
nos do mo de 4 a 6 pollegadas 10, e lomo para
buxa 1.
Para os aprenlizes artfices.
Fronhas 30, o lences 60.
Para a enfermara de marinha.
Ourincs de louca 21.


1.1.
()
DIARIO DE PERNABMUCO. SEGUNDA PEIRA 5 DE UOVEMBRO DE 1860.

Alem disso contrata o roesmo conselho em di-
ta sessao o fornecimenlo at dezembro pioximo
de caifas de hnm, ditas de panno azul, e (ardas
do mesmo panno para os fuzileiros navaes ; sen-
Oo que a cerca deste contrato, bem como da com-
pra, devem os prelendentes apresentar naquolle
dis ateas II horas da manha as suas propostas
ero cartas fechadas, acompanhadas das amostras
dos objectos.
Sao as condicoes para a compra e o conlrato,
serem os objectos pagos, logo no mez seguinle
da venda ser o fornecimenlo, bem como sujeila-
rem-se o vendedor e o contratante multa de 50
por cento do valor dos mismos ohjeetos.'se nao
lorem entregues na porco e da qualidade contra-
tadas, isto, alem de Ccar-Ihes cargo o exce-
dente do prego delles no mercado, caso o haja,
por motivarem essas fallas que ahi soiam ob-
tidos.
Sala do conselho de compras navaes em 26 de
outubro de 1860.
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Secretario.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal do guerra, cumprindo a ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia de 29 de outu-
bro prximo passado, tcm do contratar a publi-
caco dos annuncios para as comprase recolhi-
mentos dos gneros durante o prximo trimestre
de 15 do novembro a 15 de fevereiro de 1861.
Os concurrentes devero offerocer as suas pro-
postas em carta fechada, na secretaria do conse-
lho, s 10 horas da manha do da 12 do andan-
te mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimenlo do aiseoal de guerra, 2 de no-
vembro de 1860.
Benlo Jos Lamenha I.ins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Conselli administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimenlo
do arsenal de guerra, lem de comprar os objec-
tos seguintes:
10.o baUlhio de infanlaria.
438 1,2 covados do panno verde.
50 varas de aniagom.
400 varas de cordo prelo de 15a.
1100 botoes grandes de metal bronzeado com
o n. 10.
900 ditos pequeos de metal bronzeado com
o n. 10.
25 1/2 varas de tranca de la (conforme o figu-
rino
100 bonets.
100 esleirs.
100 grvalas do sola de lustre.
100 mantas de la.
so que fez para serem re-
colhidas desde j as notas
de 1 o,ooo e 2o,ooo da
emisso do banco.
-rar.* Avisos martimos.
PARA.
qual e edificado ha pouco lempo, os
Srs. pretenden tes podem dirigir-se ao
mesmo agente para inforraacoas.
Segu em poucos dyis o em direitura parao
Para o brigue escuna nacional Graciosa, capilo
e pratico Joao Jos de Souza
ga que Ihe (alta tra(a-se com
Alraeida Gomes. Alves & C
ruada Cruz n. 17.
para a ponen car-
os consignatarios
no seu escriplorio
c Para,
3128
o n. 4.
2082
o n. 4.
4. balalho
boles grandes
ditos pequeos
de artilharia.
de melal araarcllo com
de melal amarello com
Companhia de artfices.
grandes do metal amarello com
de melal amarello com
92 botoes
o n. 3.
588 botoes pequeos
O n. 3.
Quem quizer vender tacs objectos, aprsente
as suas propostas em caria fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manha do dia 9 do
crrenle mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimenlo du arsenal de guerra, 2 de
novembro de 1860.
Denlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim l'ereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
i arsenal de guerra, lem de comprar os objectos
seguintes :
Para completar o fardamento dos corpos de pri-
meira linha.
Panno mselo alvadio, covados 9 3;4
Tranca de retroz, varas 71.
Fita de la conforme o figurino, varas 37 1/2
Para a cavallaria de primeira linha.
Luvas de algodo branco pares 66.
Para a companhia de artfices.
Caldeira de ferro fundido para 50 pracas 1.
Talha de barro com pe de madeiral.
Copo do vidro 1.
Prato de louca para o dito 1.
Para a casa de detenco.
Camas de ferro com coldioes c'travesseiros 15.
Para o laboratorio.
Papel cartuchinho resmas 8.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
suas proposias em carta fechada, na secrelaris
de novembro prximo vindouro.
Sala das sessoes do conselho adminitrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, 29 de
ciulubro de 1860.
Benlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Directora geral da instrueco publica
de Pernambuco
31 de outubro de 1860.
O director geral interino da inslrucco publica,
cumJo o conselho direelor em sessao de 18 do
corr-ntp, e de conformidade com o disposto na
le regulamenlar n- 369 de 14 de majo de 1855,
considera neurso no ait. 99 da citada lei, o pro-
fessor particular de inslrucco primajia da citade
do P.io Formoso, Jos Mara de Figueiredo, e
como tal sijjciio i pagar a mulla de rincocuta
mil res [OJOOO) por se nao haver habilitada com
o exame de verifleacao de capacidado proissio-
nal, e era requerido a competente I ir enea ; de-
vendo o mencionado professor recolher "thsou-
raria da fazenda provincial a dita qoantia decin-
Cocnla mil ris dentro do prazo de trinia di-is
contado da data deste ; rindo o qual ser a mes-
ma mulla cobrada executivamenle, como se pra-
ticacom a divida activa provincial, provpnienle
d)S ituftoslos.jDs Soars de Azevedo, director
g;ral interino.
Segu com brevidade o bem conhecido hiale
Lindo Paquete, capilo Jacinlho Nunes da Costa
por ler parlo do seu carregamento prompto ; para
o resto e passageiros, trala-se com os consigna-
tarios Almeida Gomes, Alves & C, no seu es-
criplorio. ra da Cruz n. 27.
Porto por Lisboa.
Vai sahir para o Porto com escala por Lisboa
al o da 25 do crtente mez o brigue portuguez
l romptidao 11, forrado e encavilhado de cobre,
de primeira marcha, e d-se por j ler parte do
seu carregamento ; para o resto e passageiros,
para os auaes lem excelentes commodos, traa-
se com Elias Jos dos Santos Andralo & C na
ra da Madre de Dcos n. 32, ou com o capilo.
Para em direitura
O liLile Pora Amigo lem metade do carrega-
mento, e segu em poneos dias ; trata-se com
Marques Barros & C., no Corpo Sauto n. 6, ou
com o capilo Pereira Marinho.
Para o Rio de Janeiro
segu em poneos dias o veleiro patacho nacional
Julio ; para o resto da carga que lhe falla
trata-S com os seus consignatarios Azevedo &
Mendes, no seu escriplorio ra da Cruz D. I.
Porto por Lisboa.
Vai sahir com brevidade para o Porto com es-
cala por Lisboa, o briaue portuguez Promplido
II, forrado e encavilhado de cobre, de PRIMEI-
RA MARCHA BCLASSE: para carga e passagei-
ros, para os quaes tem excellenles commodos,
trata-se com Elias Jos dos Santos Andrade &
C., na ra da Madre de Dos n. 32, ou com o ca-
pilo.
Quarta-ftjira 7 do corrente.
O aSente Evaristo, far leilo da taberna n.
00 da ra Nova, cm um so lote a dinheiro u
mesmo a prazo parle, sendo idneos os dadores,
a casa ser garantida a pessoa, quo ficar com a
taberna : no referido dia cima as 10 horas em
ponto.
LILAO
DE
Champanha e phosphoros.
PELO AGENTE
PESTAA.
O referido agente far leilo por conta e risco
de quem pertencer. terca-f.-ira 6 do corrente s
10 horas da machia, no arniazem do Sr. Annes
defronle da alfandega
DE
10 caixas de phosphoros em caixinhas pequeas.
40 ditas com garrafas com champanha a melhor
que vem a esle mercado.
Importante
COHPAMIIA PERNAIBUCANA
DE
Navegacao costeira a vapor.
O vapor tguarass, commandante Moreira se-
gu> viagem para os portes do norte at o Am-
racu no dia 7 de novembro s 5 horas da tarde.
Recebe carga para o Acarac, Cear e Ara-
caty nos dias 30 al 2 para o Macau do
Assu Ro Grande do orle o Parahiba, nos dias
5 e 6 ate ao meio dia.
O expediente na gerencia ser al ao meio dia
e depois de fechado nada mais se admiltir. Es-
criplorio no Forte do Mallo n. 1.
Seguntla-feira 5 do corrente
Costa Carvalho aulorisado por urna pessoa que
se retira para lora da provincia, far leilo de
lodos os pcrlences de urna casa de familia : se-
gunda-feira 5 do crreme as 11 horas cm ponto.
Tambem
vender urna escrava de meia idade e um mole-
que bonita figura.
Avisos diversos.
Vaccina publica.
Trarismissao do fluido de braco braco as
quintase domingos, no torrcao da alfandega, e
nos ssbbados aleas 11 horas da manha, na re-
sidencia do commissario vaccinador segundo
andar do sobrado da ra eslreita do Rosario nu-
mero 30. i
Em praca publica do juizo dos feitos da fa-
zenda, se ha de arrematar no dia 8 do corrente
os bens seguintes, pela fa/endi nacional :
r.rtT HSn,lBrea 8,la no larg d0 AraParo ^
eiaade de Olind, com as proporcoes seguintes :
63 palmos de fundo e -24 de frente com 2 quarlos,
2 salas, toda em bom estado, arali ada em 100
per.encente a irmandade do Senhor Bom Jess
aa braca do Amparo da cidade de linda
l^fi ,lerrea sila no largo de S. Pedro
>ovo ora Olinda. com as proporcoes seguintes :
30 palmos de frento e 48 de fundo, sala adiante
e atraz, sotan e 5 quarlos, cozinha fora, quintal
murado com duas larguras da casa, leudo igual
comprimento de fundo com 2 pondos sendo um
na frente e outro no oilio, quarlos para pretos e
estribara, a cacimba e algumas arvores de fruc-
lo avallado por 1:500. pertenceule aos herdeiros
de I) Iguana Mara da Conceico.
Oulra dita ierren sila na ra da Roa Hora em
Olinda, com 32 palmos de frente e 57 de fundo,
salas, quintal aberto, avallada per 4003, per-
tencenlG a irmandade de S. Benedicto.
Uro cavnllo caslanho bom carregador baixo,
avahado por 100S, perlencente a Augusto Ficher.
Um relogio de ouro patente onsoulal suisso,
fabrica coBorla, avahado por 30.
Um Irancelim de ouro avaliado por 20, per-
lencente a Francisco Maria Dupral.Caelano Pe-
reira de Brilo, solicillador interino.
A Sra. Angela F. Noter Cafarena lum urna
carta no escriplorio da estrada de ferro, na ra
do Crespo n. 2, primeiro andar.
O engenho Bonito da freguezia de Naza-
relh, piecisa-se de um feitor, prefermdo-se por-
iuguez e que lenha conhecimento desso servico :
a tratar com Leal & Irmo, na ra da Cadeia Ve-
Iha do Recife, escriplorio n 56.
O Sr. Trajano Carneiro Leal queira appare-
cer ra Nova n. 8, a negocio de seu interesse.
Um moco SoUeiro, estrangeiro, precisa alu-
gar urna sala fresca e decente, com alcova ou
quarto : quem liver, dirija-se casa da Cadeia
do Recife n. 37.
; Margarida Rodrigues Pereira avisa ao res-
peitavel publico e especialmente ao corpo do
commercio que admillio como socio e gerente de
seu eslabelecimenlo de calcado, na ra da Impe-
ratriz n. 16, ao Sr. Francisco Jos Guimares.
CASA DE SALDE
DOS

Sila em Sanio Amaro.
Este estabelecimentj continua dcbaixoda administracao dos
prietarioi a receber doenles de qualquer uatureza ou catliegoria
seja.
pro-
que
m
iuien-
tn A Zf S cuidad0,alli empregados para o prompto restabelecii
to dos doentesegeralmrnte conhecido.
Quem se quizer utilisai pode dirigir-se as casas dos promietarios
ambos moradores na ra Nova, ou entender-secom o reP?,Tno es a
tabelecimento. ^g-iiic no esta-
Reforma deprecos.
Escravos. -
Marujos e criados, ....
Primeira classe 3$ e. ,
As operaQes serao previamente ajustadas.
2JJ0OO
2.S00
5,j500
Ao publico.
Acaba de desembarcar nesle porto um perleito
coznneiro de fornoe fugo, massas e doces, fa-
brica o seu Irabalho com tolo esmero, aceio c
promplido : quem de seu preslimo precisar di-
nja-se ra da Cadeia de Santo Antonio nume-
ro 14.
Precisa-so do um caixeiro para taberna que
lendo pratica ou mesmo sem ella, preferindo-se
destps chegados ha pouco de Porlugal
pretender dirija-se a Praca do Roa-Vista
ro 16 A.
TABAC CAPORAL
deposito das manufacturas imueviass deFranca.
ftSSSSLfi?0 achaS8 deposita-lo, diretamente na ra Nova n. 23, ESQUINA
fArrp^^^;.r!;r2fP:;,rTLd^T^-
o verdadeiro pape! de linho para cigarros.
estabeleciment acha-se tambera

'[uem
nume-
pixio pontfice e re
PELO SEMIOK
Antonio de Macedo Costa,
Bispoeleilo do Para.
Elociuente d.-irmnfi-^ar, .1^ ~~A a comparecido nesle consulado, ape-
SdO do poder zar do annuncioj feiio. seno dous credores do
linado subdito portuguez Domingos
Consulado de Portugal.
i recisa-se de urna ama para comprar
. nharern casa de rapaz sott-uro :
da Madre de Dcos confronte ao
vincial n. 6.
'<* A loja de marmore acaba de receber no-
** vas e liodissimas
e cozl-
* tratar na ra
consulado pro-
Gravador e dou-
rador.
Grava-se e doura-se em marmore |p(i
e no
Jos
COMPAMU PlKlinOCU
DE
Navegaco costeira a vapor
O vapor Persinunga, commandante Lobato,
segu viagem para os porlos do sol de sua es-
5 de novembro s 6 horas da larde.
a para llacci e oulros portos ate o
cala no dia
Recebe car
dia 3 ao meio dia.
Oexpedientp na gerencia ser at s 2 horas
e depois de fechado nada mais se admiltir.
Baha.
A escuna nacional Carlota, segu em pouco
das para a Babia, tem parto de sua
g.'jada ; para o resto trala-se com
natario Francisco L. O. Azevedo,
dro de Deus n. 12.
carga en-
o seu consig-
na ra da Ma-
mo annumiou ; niuniri-
) carta de abono, compareca cuanto
do Vigario, casa n. 29.
pa-
ara
Rio de Janeiro.
O veleiro e bem conhecido palacho cBeberi-
be, pretende seguir cora muita brevidade, tem
parle de seu carregamento prompto : para o res-
to, trata-se com os spus consignatarios Azevedo
& Mendes, no seu cscriotorio ra da Cruzn. 1.
temporal do Papa.
Vende seno bairro de Santo Antonio
as livianas dos Srs. Guiraaraes & Oh-
veira e Xogueira de Souza & C. ;
bairro do Heciena livraria do Sr
de Mello : prfiro 2^.
Attenco.
A pessoa que no Diario de 3 do corrente olTe-
rece-se para trabalhar em velas, querendo to-
mar roma de urna pequea f brica de velas de
carnauba e de compos.co. assim como f zer a
venda a seus Ireguezes co
do-sede urna
antes na ra
Roga-se aos lllms. Srs. Jos Maria da Silva
Araujo e Alfredo de Albu.iucrque Mailms Pereira
0 favor de appirecerem em Fra de Portas
teo do Pilar n. 14, a negocio do interesse.
Antonio Aiilunes Lobo, summauenle pe-
nhorado pelas mais signilicalivas provas de ami-
zaje, estima e consideraco, que incessantemen-
te recebeu de seus numuiosos amigos desde o da
11 a JO do crreme; j visilando-o na casa da
etcncao, ja pondo em accao todos os desvelo e
mfai.vfis esforcos para com a possivel presteza
rerem, pelo muito Ilustrado e recto tribunal da
relacao, lirada de sobro a honra, a nodoa com
que a sevendado da juslica pouco esclarecida
pretendeu marea-la ; mas uo lhe sendo possi-
vel patentear individualmente a cada um de tan-
tos coracoes amigos o generosos, o reconheci-
mento da divida sagrada que para elles conlrahio.
vale-se deste meio como o amplexo de abraco,
aue a lodos eslreile. '
Meu dever, porm, ficaria ainda incompleto se
ollerecendo-se-me esla occasio, deixasse do
aproveiia |a par, especialmente manifestar ao
III. Sr. lenle-coronel Florencio Jos Carneiro
Monteiro, incus mais sinceros votos de alia es-
tima o agradecimemo. pelas maneiras sempre
delicadas e alienciosas com que se dignuu de3-
linguirme, mitigando assim o soffrinieiito moral
que me punga : e com q.ianlo proverbiaea na pes-
soa do iiim Sr. tenente-coronol Florencio os
semimenlos huraaoiUnos que muilo o ennobre-
cem, com lodo peco-lhe descolpa, se com esta
ellusao de meu reronhecimento, de algtiuia sorle
Oliendo sua modestia.
Recife 31 do outubro de 18C0.
Aluga-so um escravo, indo as 8
meia da manha e voliando a noilinha
lemos
uDdilo portuguez Domingos Jos Barrei-
ros, afim de se concertar acerca da solucodos
seus crditos, de novo sao convidados todos os
credores para na quinta-leira S do corrente mez
do novembro comparecer nesle consulado, pelas
2 c meia horas da tarde, afim de se tomar o ac-
cordo mais conveniente, na certeza de quo aos
que nao comparecerem nesso dia e hora nao se-
rao mais attendidas quaesquer reclamaces.
Pernambuco British Clerks
Provident Association.
The quaterly meeting of tlies society
will be held on Friday nov. 2 nd, at 40
p. m.
agencia dos fabricantes america-
nos Grouver & Baker.
Machinas de coser: em casade SamuelP.
oboston & ra da Senzala Nova n. 52
Quem quizer encarregar-se de lavar o en-
goramar roupa para urna casa de familia, com
asseio e brevidade, afiancando, pode annunciar
para ser procurado.
Aluga-se um sobrado de um andar o sotao
na ra Direita n 81 : a fallar na mesma n. 93.
Os abaixo assignados parlicipam ao publico
que dissolveram amigavelmeute a soc.iedade que
linham em urna loja de ourives no paleo do Ter-
co n. 10, que gyrava de baixo da firma social de
Baplisla & Ferreira, (cando a cargo do ex-socio
Manoel Ferreira dos Santos Jnior todo
e passivo da mesma loja. Recife 31 de
de 1860.Joo Bnptisla Raymundo dos
Manoel Ferreira dos Santos Jnior.
prias paracMacumbaou tmulo a" 100 rs" cadi
urna o annunciante aprsenla seus tra'balhos
colleccoes de quadros @ '!os lomillos dos lllms. Srs. Vires, Dr Aeuiar
para decoracao de salas do visita, janlar, @ I (",(>rra, Tasso e cm oulros mais ra da Cai-
espera e quarto de dormida.
Muit.sedeseja fallar rom os sennores abai-
xo declarados, na ruado Queimadu n. 39, loja
Antonio Jos de Amurim.
Antonio Francisco da Silva.
Manoel Jos Milele Meiriz.
Joaquim Jos Botelho.
d'Agua n. 5.
Ama de leite.
Piecisa-so de una ama de
ferindo-se capiia : na ra
38, segundo andar.
leite sem filho, pr3
larga do Rosario n.
- Lf?-**? ."* d0 *- O' ra SanlafeabSTop 5o ri"dro *"tei d
da Cadeia n. 24, tendo commodos para
familia : a tratar na loja do mesnio.
grande da obra Isabel
Empreza da illu-
minaco a gaz.
Constando
o aclivo
outubro
Santos,
- 2." volume
de Baviera : quem o achou. que-
rendo resltloi-lo, leve-o ra da Guia, taberna
Precisa-so de urna senhora com as habilita- qUe SC recomPn-cado.
coes necessarias, quo se queira encarrpgar da
educacao de meninas no engpnho Teologal da
freguezia de Barreiros : a tratar na ra da Moeda
n. segundo andar.
Alugam-se com toda mobilia, por seus pro-
prielanos e moradores icrem de so demorar por
algn, lempo nos seusengonhos do sul da pro-
vincia, o sobrado n. 27 na ra Nova, de um s
andar e sotao com 3 salas, 9 quarlos, cozinha e
aesppjisf., terraco. e por baixo desle, cocheira e
estribara, e cacimba com bomba que toda agua
para luda casa, e canno de despejo ; e o sitio na
I assagem da Magdalena, penltimo antps de vi-
rar para a estrada do Remedio
lao e gradeamonio de ferro, casa assobradada o
SOtao, com 6 salas, 9 quarlos, 2 despensas o co-
zinha, grande senzala com muilos quarlos gali-
nheiro, estribara, cocheira, diversas u-ucleiras
cacimbas com banho o cannos que levam a"ua
dousjardins, 2 vivpiros, baixas de capim e um
cercadinho para animaos : quem pretender diii-
ja-se a ra do Cabug, loja n. 1 I). Na mesma
loja despja-se fallar com o Sr. Innocencio da
tunha Goianna Jnior, cuja morada
a negocio de seu interesse.
empreza da illuminacao a gaz quo-
algumas pessoastem mandado augmentar ou col-
lucar novos lucos e encanamenlos em sua casas
por machmislas (alias avenlureirosl que nao sao
empregados seus. e com apparelhos nao forneci-
dos por ella, tem resolvido, para acabar com es-
te abuso, por em rig..rosa pratica oaiti^o?1
minado, com por- l>u regulamento, o qual do theor seguate
o No oscriplurin da empreza conccrfa-ce e
ponde-se pela c (Reacia dos nppnrelhos al"
didos; porm de maneira alguma
de col'
'do
res-
i ven-
s enrarrega
so ignora,
horas e
na ra
; ltam-
Feitor para sitio.
Precisa-se de um feitor para sitio que saiba
tratar de gado e hurla : na ra de Apollo, arma-
zcmn.38.
O abaixo assianado, secretario da irmanda-
de de S. Chnspim e S. Chrispiniano, erecta no
convento de N. S. do Carmo desla cidade, pelo
presente declara a lodos os seus charissimos ir-
maos que a fesla de nosso padroeiro no dia 11
do mez de novembro prximo futuro : porianlo
couvida a lodos os irmos daquella irmandade
para que naquelle dia comparecam na respecti-
va reja afim de assislircm a mencionada fesla.
Joo Jos do Espirito Sanio.
Secretario.
Constando ao ab
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo, para fornecimenk
do arsenal de guerra, tcm de comprar os objec-
tos seguintes :
Para supprimeoto dos armazens do arsenal
de guerra.
5 arrobas de oleo de linhaca.
5 duzias de taboas de amarello de assoalho.
lOduzias folhasde papel de lixa sortidos.
4 duzias de ferro de plaica com capa de 1 1|2
pullegada.
5 duzias de limas mugas triangulares de 6 pol-
legads.
5 duzias de limas mucas triangulares do 5 pol-
legadas. r
2 arrobas do estanho em verguinhas.
400 meios de 3ola.
1 duzia pellos de lustre.
50 resmas do papel almico.
50 garrafas do tinta preta para escrever.
83 covados llanella para forro de sellins.
1 bacia de folha de Flandres dobrada.
Quem quizer vender taes objectos aprsente
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, ai 10 horas da manha no dia 5 de
nevembro prximo futuro.
Sala das sessoes do conselho adminislralivo,
para fornecimento do arsenal de f?uerra.26de
outubro de 1860.
Benlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
t i u Cornnfil vogal secretario interino.
lela subdelegara da freguezia dos Afoga-
dos se faz publico que se acha guardado um ta-
bcleiro com urna porQao de milho. arroz com
casca, urabalaiocom um pouco de feijo mula-
tmho. eum pralo com banha de porco aue se
ju.ga pertencer ao cadver de urna preta'que pe- ,
recera afogada : quem se julgar com direito '
comparpca. '
Subdelegada da freguezia dos Afogados 2 do
novembro de 1860.O subdelegado,
Autonio Goncalves de Moraes.
O novo banco de
Pernambuco repeteo avi-
Hio de Janeiro.
A fretes baratos.
O patacho Anna, segu parao Rio de Janei-
ro por estes das, recebe carga por barato frele
a trstar com Tassu limaos.
Para o Aracaty e Assu',
o hiale Dous Irmos j lem a maior parte da
carga ; para o resto trala-se cora Marlinsc Ir-
mo. ra da Madre dp IWs n. 2.
LEILO
Terga-feira 5 do corrente.
portuguez,
j, casadotenenle-coronel Vilella-Ttam- constando ao abaixo assignado
bem mora urna pessoa que engomma mu'ito bem (lue O Sr. Aurjusto MuQIZ Machado tem
para lora roupa do iiuniem eunluin i.___ j i
i procurado assenhorear-se de contas,
que diz serem de despezas feitas com a
escuna Duas LiliziS, da qual e proprie-
J|ta-|lar' ineSQi0 al>a',xt> assignado, que
nenhuma desoeza autorisou e a nin-
Emrn Aurelianj Cid, subdito
relira-se para o Rio do Janeiro.
m estrangeiro que Talla e escrove correc-
tamenlo as linguas allema, inglca
hpspanhola e portugueza, com
coes de commercio
franc
muitas habi
pela grande prilica que tem
a e.cnpturacao mercantil, por ter oceupado o
lugar deguarda-hvros por muilos
erece para exercer o mesmo I
casa de commercio, ou
qualquer livro
re
do Trapi-
annos : se of-
ar em qul para smenle esenpturar
tambem se incumbe de fazer
raduccoesde manifestse outros documentos
lativos a mercanca: a tratar na ra
che n. 6.
Olferece-se nm moco para qualquer cstabe-
lecimcnlo; escreve bem e conta, muitu activo
assim como d pessoa de capacidade que infor-
roa'velhan0rUC,a : qUem prccisar dir,Ja-se a
OfTerece-se urna ama para servico de casa
e compras, a qual cosinha. mas nao egomma
na praia do Caldereiro n. 33.
- Aulonio Francisco Areias, vai 9 Macei.
A vis.
Antuiips far leilo mseu armazem na rus
do Imperador n. 73. de ricos movis paia urna i
casa de familia consistido em guarda-loucas,
aparadores, candelabros, lanlornas, obras de
prala e muitos arligos de luxo e precisao.
Principiar as II horas em ponto.
LEILO
Quarta-feira 7 do corrente s
11 horas em ponto.
DE
m predio edificado ha
pouco sito na ra de
Hortas.
O agente Camargo fara' leilo do
mencionado piediodla ra de Hortas, o
Os abaixo assignados fazem
mercio desla praca e a quem mais imeressar pos-
sa, que lendo-se terminado o praso de seu con-
trato social. d. mutuo acedrdo dissolveram a so-
nedade ale agora' representada sob a firma de
Braga & Anlunes, ficando a cargo do primeiro
abaixo assignado a liquidado do activo o passivo
da dita firma exlincla, e por sua conta smenle
as transaccoes commorciaes. movi.ias depois do
di de agosto prximo passado. data do bataneo
que servio de base ao dividenlo dos interesses
sociaes.
Recife, 31 de outubro de 1860.
Joao Pereira Rebollo Praga.
Thomaz de Almcida Antunes.
com pe-
pagos os ser-
guem incumbi dos negocios tendentes
a dita escuna Duas Luizas, como ja urna
vez fez sciente, e os quaes se acbavam
todos a cargo do s gnatario do presen-
te, vem o abaixo assignado declarar
que, nada tendo ajustado ou encom-
rnendadoa dito Sr. Augusto MunizMa-
chado ou a outro qualquer. por ne-
nhuma conta se respunsabilisa, protes-
tando mostrar pelos meios
ten tes que somente sao
maos encommendados e por quem os
eneommenda. O abaixo assignado de-
clarando igualmente que por mandado
do Dr. jtiiz de orphaos oi sequestrada
3 ao com- dita escuna Duas Luizas como bem per-
' tencente ao espolio do finado Manoel
Jos Soares, e pelo que da maneira le-
glo abaixo assignado buscara' garan-
tas para ?eus direitos, lamenta que
pessoas. que por nenhum titulo a elle
se achato ligadas se intromettam sem
autorisacao alguma em seus negocios.
Recife, 2 de novembro de 1860,
Andr de Abreu Porto.
^TrrrYTTTTTTTrrTTT-rrr-sTTTTT*
DENTISTA FRANCEZ. 2
Paulo Gaignoux, dentista, ra das La- ^
rangeiras 15. Na mesma casa tem agua e M
^ p den tilico. <
Ensillo de msica.
Offerece-separa leccionar o solfejo,como tam-
bem a tocar varios instrumentos ; dando as li-
coesdas7horass91t2danoile: a tratar na ra
da Roda n. 50.
Domingos da Silva Campos contina a pe-
dir aos seus devedores que lhe vc-nham pagar,
porque tem de concluir o inventario que sC ei
ta/endo pelo Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos. e
Ulvez alguna dos senhores que lhe devem na
queiram que seu nome appare^a.
K ilkmann Irmaos C.
respeitavel corpo do
foram noraeados agentes nesta praea das
companluas de seguros mai timos de
Ilain burgo.
Aluga-so urna casa margem do Capibari-
be, com proporcoes para grande familia
do Queimado n. -i4.
avisam ao
commercio que
de enllocar, concertar, responsabilisar-se ou un
prir gaz pelos apparelhos alheios. '
E visto que svndo a omprea. tanto pelo seu
contrato como pelo regulamento do govetno rea.
ponsavel pelos damnos esinislros occprridosoo
servico e fornecimenlo do gaz aos paflicularea
essa responsabilidade nao poderia existir desd
que o material nao fosse fornecido por ella e a
collocacao nao fosse Teila por operarios d sua
amlianca
Assim a mesma empreza previne aoslenfaores
coosummidores que d'ora avante um minucioso
exame sera Inmensalmenle feilo por um de seus
machinlas, e adiando esle apparelhos ou qual-
quer objectos que nao lenbam sido fornecidos
pela empreza, mandar esla immediatarueiilo
corlar o gaz. i '"c,"
Prtenlo para evitar duvidas e rpclomicoes pe-
de-se aquelles senhores que quizerem qualquer
alteracaona ihuminaco de suas casas, qupiram
por eacriplo dar as suas ordens, em um livro r.a-
ra ease lim guardado no armazem da rua du Im-
perador n. onde podero dirigir-se, sem o aue
nao serao atlendidos. 4
Recife, 30 de outubro de 1SfiO.
Bostron, Bockcr & C.
Precisa-se alugar urna pela que
sirva para vender na ra : nesta
grapbia se dir'.
typo-
na ra
Aluga-se
o primeiro andar da casa n. 69 da ra Nova, com
excedentes commodos para familia e muilo aceia-
do : os prelendentes podem tratar na ra da Cruz
n. 45, escriplorio.
Precisa-se alugar urna escrava para o ser-
vico de casa de familia ; na ra da Cruz n. 33 se-
gundo andar.
Us credores do fallido Pedro Jos de Mello
Costa devem apresentar os seus ttulos aos ad-
ministradores di mass no praio de 8 dias para
serem examinados, e poderse proceder o rateio,
na ra da Imperalriz n. 19.
Precisa-sede um menino dos uliimos che-
gados para caixeiro de taberna ; na ra do Co-
dorniz n. 6, Forte do Mallos.
O abaixo assignado previne, que tendo per-
dido urna letra da quantia de rs. 425S50O, sacada
per Francisco Jos Pinto de Oliveira, o aceita por
Jos Joaquim Ferreira de Souza, caso alguma
ptssoa lenha achado e querendo restituir ao
mesmo sacador, dirija-so a ra da travessa do
Arsenal do Guerra n. 13, que o meamo recom-
pinsar com aquillo que for justo a letra foi
sacada em 31 de outubro do corrente anno. o
qtalquer pessoa que por examplo lenha fito
nrgociocom elli, ficar de nenhum effeito dita
irmsacco. Recife 2 do novembro de 1860.
Francisco Jos Piulo de Oliveira.
para
a hypolhe-
3Ra estreila do Rosario-3 1
|| Francisco Pinto Ozono continua a col- fl
* locar denles artliciaes tanto por meio 3
* de molas como pela presso do ar, nao ||
-j, recebe paga alguma sem que as obras "f
m nao fiquem a vonlade de seus donos, S
? lem pozeseoulras preparacoes as mais 9;
jjg acreditadas para conservaran da bocea ^
Quem precisar de urna ama de
leite dirija se aos AfogaJos ra de S.
Miguel n. 15, que achara' com quem
tratar, todo n< gocio se faz.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n
13 da ra da Lapa : a fallar na loja do mesmo!
Na na do Queimado n. 2, terceiro audai-
preparam-se bandf jas de bolos de lodo preco e
Rosto, assim como pudins, bolos do todas as quai-
lidades e tambem se d bolos de vendagem
Quem livor alguma prela para os receber dir-
ja-se a mesma casa. '
Emilio Kohler retira-se da provincia
Carlos Eduardo Borel vai Europa."
Ainda esl por alugar a casa da Ilha do Re-
tiro que sn lem ai.nunciadp, e que fica s margem
do Caoibaribe, junto a ponte da Passagem da
Hagaalena, Cum 5 quarlos, cozinha fura, eo alu-
suel e barato : a fallar coro I.uiz Manoel Rodri-
gues Valenca, ao norle da fabrica do gaz.
Curso de comcliia.
O abaixo assignado, piof.-ssor de mathemalics ne-
gvmnasio provincial, pretende abrir, no dia 15
00 corrente, um curso de geometra para os exa-
mes sra marco do anno vindouro : os Srs. salu-
dantes, que quizerem frequenta-lo, dinjam-e
casa de sua residencia na ra Direita n. f
serem matriculados.
Recife 2 de novembro do 1860.
Anonio Hgidio da Silva.
- Precisa-se de 35050(10 rs. sobre
ca de urn escravo mogo : quem quizer du
ra da Imperalriz n. 88 taberna, que se dir
quem precisa. H
Pede se ao Sr. tenente-coronel
!. Joao Paulo Ferreira, que, se os seus ne-
gocios particulares o ob. igam a estar
per mnitos dias e por muitas vezes fora
da freguezia do Poco da Panclla, onde
actualmente exerce o cargo de juiz de
paz, por ter sido juramentado como pri-
meiro supplente dos quatro eleitos e
mais votados, proceda como a lei deter-
mina, visto como as partes nao podem
ser prejupicadas em seus direitos pelas
respectivas ausencias do juiz. que des-
t arte as impossibilita de tentar qual
quer queslao civel e algumas vezes com
prejuizos incalculaveis.
Um dos prejudicados.
O abaixo assignado faz publico que nao so
responsabilisa por debito algum contrahido por
outrem em seu nome. Recife 31 de outubro de
1860-Javme Eneas Gomes da Silva,
O abaixo assignado faz ver quo o Sr Ihiago
da Costa Ferreira Estrell* nao pode sahir desla
praca sem aue primeiro lhe sejsm enlregups os
livros e ttulos do dividas que por aresto feito ao
mesmo Sr. Thiago se acham em deposito geral
a mandado do Exm Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio, Recife 2 de novembro de 1860.
Aulonio Jos Vidal.



DIARIO DE PERNAkBDCO. SEGUNDA FEIRA 5 DE NOVEMBRO DE 1860.
r)
hlk DE BNHO
NO
rr
*io-
Assignatura de banhos fros, momos, de choqueou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 das consecutivos. ,...........
30 candes paraos ditos banhos tomados em qualquer teropo......
15 Ditos dito dito dito .;...
7 > ...;
Banhos avulsos, aromticos, salgados esulphurososaospreijos annunci.ados.
Esta redcelo de presos facilitar ao respeitavel publico ogozo das vanlagens que resultara
da frequenciadeum eslabeleci ment de urna utilidadeincontestavel.mas que infelizmente nao
estando em nosso hbitos, ainda pouco conhecida apreciada.
105000
155000
89000
ijOOO
EAU miNERALE S
NATURALLEDE VICHY.
Deposito na botica franceza ra da Cruz n. 22
APPROVACaO E AlTORISACiO
DA
E JUNTA CENTRAL DE HYG1ENE PUBLICA
tiAfft
A pessoa que annunciou por este Diario,
querer vender una mulatinha propria para ama
de meninos, etc., annuncie a sua morada para
ser procurado ou dirija-se ao largo do Corpo San-
to, sobrado n. 13.
Precisa-se de um criado forro ou captivo :
na ra do Haspicio n. 9.
Quem annunciou querer dar |pupa lavar
e engommar dirija-se ra da Traa, terceiro an-
dar do sobrado do Sr. Jos Hygino de Miranda.
Precisa-se de um bora amassador para pou-
co servico na ra do Colrelo, padaria do leo
do norte.
Desencaminhou-so de meu poder urna le-
tra sacrada pelo abaixo assignado em dala de 11
do correnlc, a.6 mez* s a vencer, da quantia dt
3:6046700, e a'eila pelo Sr. Bento Jos das Ne-
vos Wanderley. Recife. 31 de outubro de 1860.
Francisco Tiburcio de Souza Noves.
Desappareceu uo dia 31 de outubro prxi-
mo passado, s 4 horas da larde, da porta do
Sr. vigario Camillo, na ra Formosa, um cavallo
mellado foveiro, sellado e enfrciado, leudo am-
bos os lados feridos de espora por ser bastante
pesado : quem o levar a ra do Livramento n.
38, ou delle der noticia certa ser gratificado.
Aluga-sc pelo lempo da fesla urna casa sita
na povoacao de Beberibc, ao lado do norlo da
igreja : a tralar em I'ra de Portas, ra do Pilar,
sobrado n. 63.
Depois da audiencia do lllm. Sr. Dr. juiz
de orphos, findo os das da le, tem de ser arre-
matida a escrava llosa, perlencenlc aos bens do
fallecido Bernardino Jos Ilibeiro a requerimenlo
do invtnlarianle Domingos Jos Ribeiro.
Attenco.
Perdeu-se ante honiem do Recife al a ra do
Imperador um embmlhozinho lacrado rom a
subscripta Messieurs S. Blum Lehmann & C, 26
ru Meslay l'aris : quem o livor achado e quizer
enlregar, pode levar a ra do Ciespo n. 16, pri-
meiro andar, qne sera generosamente gratificado.
Aluga-se o sobrado com frente para o caes
do Capibaribe n. 16, e tem saluda para a ra da
Emperatriz n. 29, e vende-se a serrara que exis-
to na niesma casa : quem picteuder, dirija-se a
mesma casa.
Na ra Nova n. 7, deseja-se fallar com os
Srs. Jos dos Santos Moreda c Francisco de Oli-
veira Jnior.
O solicitador Manocl I.uiz da Veiga mudou-
se para a ra da Gloria n. 94, onde pode ser pro-
curado das G horas as 9 da nianh ja, todos os dias.
MW
DE
NiY LtOJ\ "E jV^MAlZEM
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
40 RA DO QUEMADO 40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Seda de quadrinhos muilo fina covado
Enfeites de velludo cora froco prelos e
de cores para cabera desenhora da
ullima moda
Fazendas para vestidos, sendo seda la
e seda, cambraias e seda lapada e
transparenre, covedo
Luvas Je seda bordadas e lisas para
senhoras, homens e meninos
Lencos de seda rxos para seniora a
2;&fTOOe
Mantas para grvalas e grvalas de
seda de todas as qualidades
Chapeo francez forma modrrna
Lencos de purgurao prelos
lucas capellas brancas para noivados
Saias balao para senhora e meninas
Tafea rxo o covado
Chitas franceza a 260, 280, 300, e
Cassas francezas, a vara
Iiislrurfiio.
ISOOOlSelim prelo azul e encarnado proprio
para forros com 4 palmos de largnra
o covado
Casemira lisa de cores 2 larguras, o co-
vado
Chales de mi ron bordados, lisos ees-
lampados de todas as qualidades
Seda lisa preta e de cores propria para
forros com 4 palmos de largura, o
covado
Ricos corles de seda prelos e de coros
com 2 saias e de halados
Dilos de gaze e de seda phanUsia
Chales de toquini muilo Pinos
Crosdenaple prelo e de cores de lodas
as qualidades
Seda lavrada preta e branca
Capas de fil e visitas dosedaprela
com froco
25500
8500
2t>0C
1600
2&000
No dia 6 do correte, finja a andi-nri) do
Sr. Dr, Juiz de Orphoes, se hade arrmala i a
renda um sitio na Capunga, casa de pedra e cal
com 40 palmos de frente, e 25 de fundo, rom Ifc'J
palitos e frente, o '43 de. fundo, com 18 laran-
geiras, urna mangeira, pilombeira, alem de en-
tras arvores de fruto, como foi aminciapo noa
diarios n. 251 e 252 do mez de outubro, pelo al-
gel de 200JO por auno, por tres MtRoa pagos
mensalmenle, fasendo o rendeiro lguns concci-
los, sendo o retirido sitio pcitencciiic a orphos.
Constando ao abaixo assignado que o Sr.
Jos Joaquim da Costa Maciel anda dispndo que o
abaixo assignado quando dcxou de sor sen ca-
xeiro (con com cuntas suas em seu poder para
cobrar de seus devedores. e sendo iuleiramente
fale.0, por quinto o abaixo assignado apeonas re-
cebeu do mesmo Sr. Maciel urnas rcdicul.is con-
linhas encluidas no seu ordenado, cu]o importe
das mesmas contas era dedoze mil o tantos reis,
mesmo assirn ainda veio o abaixo assignado nper-
der cinco mil e tantos res por nao Iho qnererem
pagar, o oulros por nlo corihecer : e|para que nao
toque o abaixo assignado com a sua repulac.ao
manchada, u-m peante o pubco fiser esta de-
clararan, o que prova so for mister de menlioJo
ao calunisdor.
Recite 4 de Novcmbro do 1860.
Domingos Francisco da Silva Draga.
Aviso.
Mai-colino de Souza Travafscs avisa
aspissoas que tem objectos na gencia
do linado Wilitao Borges l.'choa, quel-
ram ir buscar no prazo de o di; s e pas-
taren! o compi Unte recibo, visto ter
de fe entregar o armazem.
19500
ffoOO
$3-0
600
mmm
Urna senhora Brasileira, do boa conduela, e
competentemente habilitada, se ofl'erece para en-
slnar as primeiras letras, grammaticas nacional c
franceza, as quaes falla e escreve regularmente,
olTerocn seu limitado prestjmo aos senhores pas
de familia-que lhe quizerem dar a honra de lhe
confiar suas neninas, aliaiicando-lhc que empe-
nliar lodos os esforcos em qualquer dcstas ma-
terias, para que suas alumnas oblcuhain o dese-
jado aperfeiyoamenlo: na ra da Imperalriz n.
84, se dir quem .
Aluga-se urna sala com urna camarlnlia,
propria para um moco solleiro ou escriplorio : na
rua do (.'uciniado n. 36. .
l'ierisa-se de um criado que saiba cozinhar
ELECTRO-MAGNTICAS EriSPATICAS
""atrito Kirk
Para serem applicadas s partes affeetadas
sem resguardo nena incommodo.
AS CHAPAS MEDICINAES sao muilo cenhecidas no llio de Janeiro e em lodas as provincias
deste imperio ha mis de 22 annos, e sao afamadas, pelas boas curas que se lem obtido nas enfer-
maras abaixo escripias, o que se prova com innmeros alteslados que cxislem de pessoas capa-
zesc de distinecoes. ,. ,
Com estas Ciiapas-electro-magneticas-epispasticas oblem-se urna cura radical e infallivel
om todos os casos do inflammacao [cansaco o falla de respiraco), sejam internas ou externas,
como do ligado, bofes, estomago, bago, rins, ulero, peito, palpilacao de coraeo, garganta, olhos,
ervsipelas, rheumatismo, paralysia e todas as aleccoes, nervosas, etc., etc. Igualmente para as
diferentes especies do tumores; como lobinhos, escrfulas etc.. seja qual Mr o seu tan.anho epro- Pra O servico de uaa casa de pequea familia :
fundeza, por moio da suppuracao serao radicalmente extirpados, sendo o seu uso aconselhado por gJJ",J5^DJJ; JJ aanCoPs^,ao ferr de"
provincias deven, ser dirigidas por escrii.lo. tendo todo o. cuidado de ^ ^* gf 2?C
arrnarho envprnisada, muilo propria para fazen-
dfs ou calcado, e tem mais dous candieiros de
gaz e bom armazam com quintal ; a quem con-
vier, proture tratar na ra do ueimado n. 29.
Despachos thelegaaphicos por
via de Lisboa.
Ricardo Knorles, negociante da praca de Lis-
boa, previne aos seus correspondentes e mais
senhores de Pcrnambuco que liverem de mandar
despachos thelegrophicos por sua intervencao,
que necefsario para assegurar prompta Irans-
misno dirig-lo nos subsbriptos proprios. Esscs
subscriptos com as inslrucgoes e modelos; para os
despachos se podem procurar no escriplorio dos
Srs. Rostron, Rooker & C, ra do Trapiche nu-
mero 48.
Telegramas via Lisboa.
Joo Daniel I'rick, tendo que retirar-so de Lis-
boa, anouncia que descontina a agencia ihele-
graphica, referida na sua circular do 1. de abril
passado, e pede que se lhe niio mandem mais
despachos. Lisboa 12 de outubro de 1860.
fazer as necessarias ezplicacoes, se as chapas sao para homem, senhora ou crianza, declarando a
molestia em que parte do corpo existe, se na rabera, pescoeo, braco, coxa. perna, p, ou tronco
do efirpo, declarando a circumferencia e sendo inchaces, feridas ou ulceras, o mol le do seu ta-
manho em um pedagode papel e a declaragao oude exisleni. afim de que as chapas possam ser
Lem applicadas no seu lugar.
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil-
As chapas seo acompanhadas das competentes explicacese tambera de lodos os accesso-
rios para a lollocagao dellas. .
Consultas lodas as pessoas que a dignarem honrar com a sua confinca, em s escriplorio,
que se achara aberlo lodos os dias, sem excepeo, das 9 horas da mauha as 2 da la
119 Ru
iRTO ||9
PERTO DO LARGO DA CARIOCA


CONSULTORIO
-. "
(Mundo Novo) n. 0.
:> Oflr. Sabino O. L. Tinho, de volta de sua viagem a Europa, d consultas todos S V.
(^^ os dias uteis desde as 10 horas al meio dia. Visita aos doentes em seus domicilios de \JM
;?.:* meio dia em dianlc, e em caso d
Aluga-se urna excellenle casa sita na po-
voacao do Monleiro, com bastantes commodos
. para grande familia, na qoal tem cocheira e es-
;*Especial homeopalhico, ra de Santo AinarogiSKriSTi'Si:;
andar.
Um moco chesadoha pouco de fra, fallan-
do 4 differenles linguas, ail'erece-se para encar-
regar-se de qualquer servico martimo : quem
precisar da seus servicos, pude deixar carta fe-
chada com as iniciaes A. E., na lvrarla ns. 6 e
8 da prac da Independencia.
I)-se dinheiro a juros sobre penhores de
ouro e prata, tanto era pequeo- como em gran-
des quanlias: na ra larga do Rosario n. 5, de-
fronte do quarlel de polica se dir quem d;i.
os doentes de molestia aguda, q
de necessidade a qualquer hora, A senhoras de parlo e (Slg!
ue nao liverem ainda lomado remedio algum aliona- (ji?
~a^s
m

^v':
thico ou hcmeopathico.sero allcudidos de preferencia.
Pharmacia especial homeopathica.
Os medicamentoshomeopalhicos que se vendem nesla phannacia so preparados
per meio de tima machina que o Dr. Sabino invenlou c fez construir em Taris, e a
que deu o noaae de AGITADOR UYNAMICO.
Esles medicamentos sao os nicos que desenvoUem propriedades uniformes, e
capazes de curaras molestias cora a maior certeza possivel.
Alem disso, desejando tirar de sua viage-m a Europa lodas as vanlagens para o ^v;::
progresso da homeapathia no Brasil, o Dr. Sabino nao poupou esforcos para obier as ;* *
subsiaacias medicamentosas dos proprios lugares, onde ellas naturalmente nascem ; e V|?>":
para isso entendeu-se com um dos melhores herboristas d'Allemanha, para lhe man- ?".?;
dar vir as plantis frescas alim de preparar elle mesmo as linduras. E' assim que o W^t?,
aconilti foi mandado vir dos Alpes, a rnica das monloiihas da Suissa, a belladona,
bryonia, chamomilla, pulsatila, rhus, hyosciamus, foram colhidos na Allemanha, na f*^^
para s
*,7a|J) Franca e na Blgica, o veratrum no Monto Jura ele, etc.
Desta sorle provida a pharmacia do Dr. Sabino das substai
ancias que scrvirao
as experieucias puras de IJahnemann, descriplas nas palhogenesias, acharo o medico
e os amigos da homeopalhia os meios seguros e verdadeiros de curarem as enfer-
midades.
Os procos sao os seguintes :
Bolica de'24 tubos grandes................. 125 a 1G$00
Dita de 36 .................. 18 a 2280
Dita do 48 .................. 2 a 95000
Dita do 60 .................. 303 a 3}000
N. B. Exislem carteiras ricas de velludo, para maior pre<;o.
Cadi vidro avulso de lindura.................... 25000 SSgS
Cada tubo avulso.................................. 1ti00 f^g
Caixas com medicamentos em glbulos e lincturasde diversas dynamisages (mais r^j
usadasJ :
para cozinhar era
na ra do Cabu-
Precisa-sede una ama
urna casa de pequea familia ;
g, loja n. 11.
A'uga-se urna casa em Beberibe S a tratar
com J. I. de Medciros llego, na ra do Trapiche
n. 34.

i
de
Os proprietarios deste estabele-
Roga-se a tola e qualquer pessoa a quem f< l
olTerecido um trancelini com 9 oitavas c mcia,
sendo ouro de lei, rom passador rio meio, e o
maior signa I que tem no corier no pa''ador c ni
perrar em um dos lados do iranrchm ; este ob-
jeclo foi roubaJu da gavela de ama taberna na
Capunga, quina que volta para a Baixa-Verde,
na rioile do da l.do corrate : por isso roga-
se aos senhores ourives e mais pessoas a qurm
forofferecido, a apprehensao deste objerlo, e se
por acaso for ja comprado, pode declarar por es-
te jornal ou vir a dita taberna, que recebera. o
seu importe.
l)-se a quantia de 500> a juros sob penda-
res de ouroe prali : na praca da Boa-Visia n. 0,
loja, se dir quem d
Aluga-se um primeiro anJar na ra da
Praia n.29 : quem pielender, dirija-se a na es-
trella do llosario n. 7, loja de ourives.
Preris.i-se de G 001)3 a premio, dando-so
por garanta urna propriedade nesta -jila le : a
j quem convier, pode deixar aviso nesla ivpogra-
phia com direccao a A. S., qu" ser procurado!
O bacharel Manoel Fiiwiino de Mello, leudo
de ir ao Ceai no dia 6 do correle, e uno poden-
do pela rapidez de sua viagem despedir-se do
Indos os seus amigos, fa-lo por este meio, offe-
recendo-lhes na cidade do Sobral, onde pretende
deniorar-scpor dous mezes, o seu diminuto pres-
timo.
Fugio do engenho do abaixo assignado, no
dia 24de S''l"mbro de 1860, o es;ravo de nomo
Vicente. idsdeSS mn, pouco mais ou menos,
altara regular, quando anda alira as perna* om
pouco par* as bandas, olhos um pou.-u quebra-
dos, sem barba, cara chela, com falla de um den-
le, tem marc de calor de figado em u a p, es-
padado, estomago alio, secco para baixo, per-
nas linas, tem calombos nas costas; este escravo
fui de l>. Theodoria Mana de Barros, moradora
na Embinbeira, 0 campia, e costiima andar no
n.aiadouro das Cinco l'ontas ; este niesnio esrra-
vo ja foi |>reso por um capitao de can po no Re-
cife, e na Fmbiribeira pelo capilo de campo
Andr Avelino : roga-se aos capilaes de campo
e mais autoridades, a apprehensao do dito escla-
vo, e podero er tregar na ra Nova, tab rna do
i Sr. Jos F. Lima, e ueste engenho, que serio ge-
De 24 ditos de dito e 48 tubos grandes............ 485000
De 36 ditos de dito e 56 tubos grandes.......... 645000
De 36 ditos de dito e 68 tubos grandes.......... 70000
De 48diiosde dito e S8 tubds grandes............ 92g000
Do 60 ditos de dito c 110 tubos grandes... ...... 115)000
m

Estas caixas sao uieis aos mdicos, aos Srs. de engenho, fazendeiros, chefes de (*^.'
familia, capilaes de navio e em geral a lodos que se quizerem dedicar a pratica da ho- A^
meopathia. Sjlg
----------- G>y
Veodem-se tambem machinas elctricas portateis para tralamenlo das molestias ^
norvozas. Eslas machinas sao as mais modernas e as mais usadas actualmente em
loda a Europa, tanto pela commodidade de poderem ser irazidas na algibeira, como
porque trabalham com preparacesquo nao sao nocivas.
Cada urna......................................... 505O0O
0 EMRE-ACTO, "
Jornal LUterario Illustrado.
Acha-se publicando no Rio de Janeiro um jornal, sb a direcejio de jovens imporlanles
no mundo das leiiras, que se oceupa especialmente de criticas e revistas mensaes acerca do
movimento thealral do Brasil e Europa.
Junto cada numero vera sempre um figurino, urna caricatura, urna msica ou um re-
trata, representando personagens importantes dos ihealros, o das operas, dramas, comedias ele,
que sobem scena no Rio de Janeiro, ludo indito, e do melhor gosto possivel.
0< figurnos, mandados vir de Pars, s podero ser destnbuidos no principio de Janeiro
prximo vindouro.
Publica-se tres vezes por mez, em formato n folio, com oilo paginas cada numero, aos
procos seguintes:
Um trimestre......69000
Um semestre.....lOtOOO
Um anno........209000
Assigna-se na livraria da praca da Independencia ni. 6 e 8.
O Sr. tbesoureiro das loteras manda declarar
que se achsm exposlos a venda os bilheles da
segunda parte da quinta lotera da irmandade
de Nossa Senhora do Guadalupe da cidade de
Olinda, cujas rodas deero andar impreterivel-
mente n> dia 10 de novembro prximo futuro de abaiimento.
confurmidade com o plano abaixo Iranscriplo.
Thesouraria das loteras 30de oulubro de 1860.
O escrivao, /. 31. da Cruz.
PLANO.
2400 bilheles a 5J0O0.......12.000g000
20 por cento. ........ 2:4u05OO
cimenlo convidara ao respeitavel publico, principalmente aoe amigos do bom e barato, que e
achara em seu armazem de moldados de novamenle sonido de gneros, os melhores que tem S'fSe'lKf "^ ED8CDho Ha,Us^
viudo a esle mercado, por serem escolhidos por um dos socios na capital de Lisboa e por serem
a maior parle delles viudos por conta dos proprietarios.
Chocolate
dos melhores autores de Europa a 900 rs. a libra em por$o a 8o0 rs.
Marmelada imperial
do afamado Abreu, e de oulros mais fabricantes de Lisboa em latas de 1 a 2 libras a 800
rs., em por?o de se far algum abatimenlo.
Maca de tomate
em latas de 1 libra por 900 rs., em porcao veude-se a 850 rs.
l^atas ecm ervUYias
vende-se nicamente no armazem progresso a 640 rs. cada huma.
Conservas i'raueezas e inglezas
as mais novas que ha no mercado a 70u rs. o frasco.
talas de bolaeuiuua de soda
com diferentes qualidades a 18600 a lata
-Ymcixas fraueezas
s miis novas que tem vindo a este mercado em compoteiras, contendo 3 libras por 35000 rs.
eem atas de 1 1|2 libra por 1^500 res
Verdaderos gos de comadre
era caixa com 16 libras por 3#000 rs. a relalho a 240 reis a libra.
Cavx\i\\\as com 8 libras de passas
a 33*000 rs. em porijao se far algum abalimento, vende-se tambem a relalho a libra a 500 rs.
Mantega Ingleza
perfeitamenle flor a mais nova que ha no mercado a 1*000 rs. a libra, em barril se far al-
1 Premio de
1 Dilode .
1 Dito de .
3 Ditos de 200g
5 Ditos de 100$
7 Ditos de 50g
8 Dilos de 20g
24 Dilos de 10&
2350 Ditos de
1$
S:O0Og000
900000
500()OO
6i;0*000
50HS000
SSOjfOOO
1600(I0
24OJJ000
2:350000
9:6C0000
2400 Bilheles.
9.6fJO;000
Thesouraria das loteras 23 de oulubro de 1860.
O Ihesoureiro, Manoel Camillo Pires Falco.
Approvo. Palacio do governo de Pernambu-
co 29 de outubro de 1860 =Leitao da Cunha.
Conforme,--Antonio Lfito de Pnho.
Henrique Jos Alves Ferreira e Galdino An-
tonio Alvos Ferreira pailicipam pelo,presente 30
commercio, que desde o dia 30 de setembro pr-
ximo passado deixou de fazer parte da sociedade
que. gyrava nesta praca sobre a razo de Ferreira
Irmos & C, eslabelecidos com armazem deos-
sucar, o socio Jos Frincisco do Reg Medeiros e
Mello, por ter lindado o prazo da durac.no da mes-
ma, icando eslo livre e desembaracado da liqui-
dado da exlincta firma, que ficams encarrega-
dos, sujeitos despezas e prejuzos que hajam.
Thago da Cosa Ferreira Estrella retira-se
para fra da provincia.
Joaquina Lourenga da Conceico Lima, pro-
fessora pariicurar, autorisada pela presidencia, e
pela directora geral da inslrucco publica desta
cidade, lem a honra de participar ao respeitavel
publico, que mudou a sua residencia para o lar-
go da Penha, sobrado d'um s andar n. 6, onde
a acharo prompla a receber alumnas.
Antonio de Paula Sonza Leao.
Na ra da Praia n. 41, ha urna cocheira de
aluguel, cora carro*, arreios e fardaraenlos no-
vos, muito bous cavados, e tambem se tratara de
cavados por procos muito razoaveis.
_ Alu,'a-e urna excellenle casa sih na povoa-
cao do Monleiro, com bstanles commodos para
grande familia, na qual lem cocheira o estribara
para cavados ; a tratar com Manoel .Vives Guer-
ra, na ra do Trapiche n. 14, primeiro andar.
Da-fe dinheiro n juros sobre penhores de
ouro o prata, lanti em pequeas como em gran-
des qnantias : n.i ra larga do Rosario n. 5, de-
fronte doquaitol de policia.se dir quem d.
Um moco chegido ha pouco de fra, fil-
iando 4 difl'erentes linguas, offerece-SS para en-
carregar-se de qualquer servico martimo ; quem
precisar do seus servicos, poje deixar carta fe-
chada com as iniciaes A. E., na livraria ns. 6 o
8 da praca da Independencia.
Precisa-sede orna ama para casa de pouca
familia, e timbera urna escrava para alugar : na
ra do Hospicio n. 34.
Precisa-sede urna ama que saiba cozinhar
c fazer lodo o servico de casa : na ra do Cal-
deireiro, tiberna n. 60.
Precisa-se de eostureiras para obrs de car-
regaco ; na ra Direita n. 55.
ATTENCJO.
Faeo sentir ao Sr. Joo Antonio Carpintero da
Silva, que eu abaixo assignado, aulon amigo o Sr. Manoel .Vives Ferreira, para pagar.)
coma que Vmc lhe rapuzar que julga eu sei-
Ihe devedor ; que desejarei nao ver Vine, e nem
pessoa do seu man lo cruzar os raeus hlenles
tendente a semelhanic negocio.
Joaqun) Amaro da Silva Passos.
Aluga-se o segando andar do sbralo da
ra Imperial defronte do viveiro do Moni/ com
duas excedentes sala*, com espacosas alenvas o
quartos. sotao cora cozinha e 6 quarlos, quintal
murado, com giliuheiro, estribara e sahjda para
a mar, u margem da estrala de ferro ; a tratar
na ra da Cadea do Recife n. 36, loja.
Moleque fgido.
Desappareceu quinta-feira um moleque de no-
mo Floriann, crioulo, de 12 a 13 annos de idade,
secco do corpo, levou camisa de riscadinho do
algodao (nova) com um papel amarello nas cos-
tas por ser resto de peca, e calca de algodao azul
[velho), desconfa se que anda pelo Poco ou Mon-
leiro ; quem o pegar, leve ra da Trincheiras
n 8, que ser recompensado.
Attenco

Perdeu-se no dia 1. deste mez, do Recife
ra do Imperador, um embrulhoznho lacrado
com a subscripta Messleurs S. Blum I.ehrunnn i
C, 26 ru Meslay Pars : quem o liver achado e
quizer restituir, pode levar a ra do Crespo n.
16. primeiro andar, que ser generosamente gra-
tiiicado.
Muila attenco.
Precisa-se de 3(J0 a juros com hypolheca en;
urna escrava, e pelo lempo que se convencional:
quem quizer fazer este negocio, annuncie
este Diario nesles poucos dias.
por
C oinpras.
Cha petla
o melhor que ha neste genero a 23P500 rs. a libra dito hyson a 2000 rs.
Palitos de dentes lidiados
a 200 rs. cera 20 raacinhos.
\exe sarel em posta
o melhor peixe que exzisle em Portugal era latas grandes por 1S00 rs. cada urna e de
ouiras mudas qualidades que se vendera pelo mesmo prec,o
Mautega franceza
a 560 rs. a libra em barril se far abalimento.
Toacinuo de Lisboa
o mais novo qua ha no mercado a 320 reis a libra.
flacas para sopa
em caxinhas de 8 libras com deferentes qualidades por 45P0O0 rs.
Tambem vendm-se os seguintes gneros, ludo recentemenle chegado e de superiores qua-
lidades, presuntos a 48* rs. a libra, chour'^a muita nova, marmelada do mais afamado fabrcame
de Lisboa, maca de tomate, pera secca, passas, fructas em calda, araendoas, nozes, frascos com
amendoas cobertas, confeiles, pastilhas de varias qualidades, vinagre branco Bordeaux, proprio
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de San Flix, macas de todas t.s qualidades
gorama muito fina,, ervilhas francezas, champagne das mais acreditadas marcas, cervejas de ditas'
spermacete barato, licores francezos muito finos, marrasquino de zara, azeite doce purificado, azei-
lonas muito novas, banha de porco refinada e outros raudos gneros que encontrarao tendentes a
molhados, por isso prometiera os proprieUrios venderem por muito menos do que outro qualquer
prometiera mais tambera servirem aquellas pessoas que mandaren) por outras pouco praticas eom
seviessera pessoalmente; rogara tambera a todos os senhores de engenho e senhores lavradotes q-- prensar lomar uannos sa.gaoos por ser
queiram mandar suas encommendas no armazem Progresso. que se lhes affianca a boa aualidade A mui, pprl0, 'mbas por pr^ "''"""do a ira-
0 acondicionaraenlo, ^ H ,uauooltar na ra do Amparo, casa contigua a oseada
I que sobe para a igrefa do N. S. do Amparo.
Comprase un guindaste em segunda n o
estando em bom estado ; no caes do Ramos nu-
mero 6.
Compra-se ou aluga-se urna escrava reco-
Ihida. de bons costumes, e que saiba coser e en-
gommar. para urna casa que trata bem na rua
da Imperalriz n. 9, primeiro andar, se dir quem
precisa. ^
Vendas.
Vendem se duas moradas de casas lerraso
em Olinda. SPndo urna na rua do Amparo com
bstanles commodos, quintal murado, e estriba-
ra para 2 cavados ; e a oulrs na rua de S. Fran-
cisco com bom quintal e racimba propria para
qupra precisar lomar banhos salgados



()
DIARIO DE PERHAMBUCO. SEGUNDA FElfcA 5 DE NO^EMBRO DE 1860.
DE
mmmmk i roiBo^is) be ii?ais.
Sita na ra Imperial n. 118 e lio junto a fabrica de sbito.
DE
Sebastio J. da Silva dirigida por Francisco Bel ni ico da Costa.
Nesto estabelecimento ha sempre promptos alambiques de cobre da dilerentes diraen-
cs de 3003 a 3:<>00$) simples e dobra dos, para distila! agurdenle, aparelhos destilatorios
continuos para restilar e destilar espiritos cora graduado at 40 graos (pela graduarlo de Sellen
Cartier dos raelhores systemas hoja approvados e conhecidos nesla e outras provincias do imperio,
bambas da lo las as dimoncdes, aspirantes e de repudio, tanto de cobre como de hronze e ferro,
lorneiras da bronza de todas as diiuencoes e feitos para alambiques, taniues etc., parafuso9 de
brou/.ia forro para rodas d'agua, pirtaspara fornalhas e crivos da forro, tubos de cobre e
chumbo la tolas aj di naneos para oncammmtos camas de ferro com armacao e sem ella,
fu oh da farro potaveis e econmicas, tachas o tachos de cobre, fundos da alambique, passa-
Jairas, e-pumadeiras, coccos para engenho, folha de flandes, chumbo em lencol e barra, zinco
m lenco! a barra, lences e arroallas da cobre, linces do ferro e lato, ferro suecia inglez
da todas as dimangoas, safras, tornos e folies para ferreiros etc., e outros muitos artigos por
manos preBO do que em oulra qualquer parte, desempenhandose toda e qualquer encommen-
da euro presta e porfoicio ja conhecila e para cimroodidade dos freguezes que se dignarem
honraram-nos com a sua confianga. achao na ra Nova n. 37, loja de forragens, pessoa habi-
lita Ja para tomar nota das encommendas.
Seas proprietarios oTarecem aseus numerosos freguozes e ao pubbico emgeral, toda e qualquer
obra manufalurada em seu reconhacido estabelicimonlo a saber: machinas de vapor de lodos os ta-
manhos, rolas d'agna paraengenlios, todas de farro ou para cubas de madeira, moendas e meias
moendas, lachas do ferro batido o fundido da tolos os tamaitos, guindastes, guinchos e bombas,
i) las, rodelas agutlbas o boceas para fornalha, machinas para amassar mandioca e para descarogar
algo lio. prencas para man liocae oleo de riemi, portaos gradara, columnas e moinhos de vento,
arados, cultivadores, pontea, cadeiras etanques, boias, alvorengas, botes e tolas as obras de ma-
cbinkiao. Executa-se qualquer obra seja qual for sua natureza pelos desenhos ou moldes que para
til fin forero apresontados. Ilecibem-se eocommendas nesteislabelec'noento na ra do Brum n.
Joaquirn di Cosa Pereira, com quoraos pratendenles se podara entender para qualquer obra.
Remedio infallivel contra as agnorrlias antigs e recentes.
nico deposito na botica franceza, ra da Cruz n. 22.
Preco do frasco ljOOO.
a 2,000.
gaz
Ferretea & Martins nicos deposita-
rios !-" palitos ci gaz, fazem publico
q i; tcalo recebido instrucQoes do f-
bric mte estabelecero de hojeera dian
tj o p ;i de 2$ por groza. Achando-
kc o ; > >^ito supprido e esperando-se
rr's.n por todos os navio o desejan-
d > '' bricinte elevar o consarao a al-
tura liie coai^ete r-isolveu fazer es-
ta p :-c3 > i iini'ii'.i (fje o con-
fino for augnaenUndo, ira' declinan-
do |>r.*oo, portanto sao convidados os
co i vi i >res a virem a travessa da Ma-
dre I Dos armasen, ns. 9 e 1G.
Vndese urna negra de nacao por pouco
dinh'in., .i rjnal d diariamente ljj ,' na rua do
Itir.'l '. U, ou troca-se por un moleque ou
Dobci.
Vende-se um escravo com 18 annos dn
idade, bonita figura, robusto o. sitio, assegura-
i.i 1 lora vicio do qualidade algurao, e an-
tes muilo lu conducta, e inuito esperto para
qual itei servico ; para ver e tratar, na loja da
1111 1 i. J leimado n. 41.
Vende-se carvao para ferreiro ; na rui do
Brun. n. 61.
Vende-se um sitio na ladoira da ?, em O- I
Jinda, com casa para numerosa familia, sendo1
todo murado, haixa para capim e alguns arvo-
redos frin-tiferos: quem pretender, dirija-se
I de I'.irlas, rua dos Guararapes. em casa do
Sr. 1 M-ndonga da Silva Vjanna, que achara
con quem tratar.
Bous escravos venda.
Um 1 mucamba recolliida do idade. 20 annos.
COm b tas habilidades, 2 escravas de idade 25 a
30aoa ^atiendo facer toito o servico de una
cas i, mbaa iwr 1:G003, 1 bonito copeiro do ida-
fl 20 minos 1 mulatinho pega de idade 18 an-
n 1 travo po:8008; na roa das A^uas Ver-
des n. i-..
Pendo-se um bote com 24 palmos de com-
primenlo, 7 de bocea, bem construido; sendo
rodas 'lo si upira e vistas do amarello. bonita
forma, proprio para navio, por sor linda forma :
TUMO pretender dirija-so rua do Nogueira n.
7, ou ao estaleiro de Machado Freir.
Vende-se urna preta do boa conducta, de
;i I a ii os de idade, r.oznha engomma e ensaboa
peifeitamente : na rua esir>>iia do Rosario, tra-
vessa ora o Queiinado, loja de calcado 11. 37 A.
Vende-se ama caza em bom logar na La-
deira da mesericordia [na Cidade de Olinda] len-
do tambera um bom quintal com sote ps de pi-
nlieiras, e todo est em bom estado pelo demi-
nulo prego de 1;6OJi00 reis. Tambora se ven-
de s- 16 tiooras para fascr urna rasa sendo 7 su-
leiras e '.) pan verandas, pelo prego de I50j0i)0,
O a iata do Sr. roraprulor sn firS algum abali-
ni 'lito : 8 quem isto precisar derija-se a rua dos
< lairo cilos n. 1 venda que achara com quem
tratar na cidada de Olinda.
Vende-se urna taberna com poneos fundos
bou ifreguesade, milito prnpna para quem quer
principiar, na rua do Amparo em Olinda, quem a
pn-i-Mi lor 'derija-se aos qnatru cantos da mesma
O inda botica do Sr. Rapuzo que dir quem
vende ao comprador se dir arazo por que se
vende.
E casa de J. Prae^er &
Cruada Cruz u. 17,
ha para vender-se :
Agua minrale de Seltero em meias botijas.
Salame de Hamburgo.
Cl ocolnte francez chegado pelo ultimo navio.
Ven.le-se um terreno com 103 palmos de
frente e300 de fundo, ludo aterrado e com 50
palmos de caesj feilos, muito prupro para nelle
se estabelecer roflnacSes, padirias ou fabrica de
qualquer natureza, a rua do Brum, bairro do
Recito, junto a fabrica di fundicao de ferro, lugar
designado para taes eslabelecimontos, cujo ter-
reno se vende por junto ou em lotes de 30 pal-
mos cada um : na rua de Apollo, armazera nu-
mero 38.
Aos senhores armadores e
proprietarios de carros
fnebres.
Vende-se verbulin.i preta superior a 400 rs.
o covado : na rua do Crespo n. 25.
LOJA DO VAPOR-
Grande e variado sorlimento de calcado fran-
cez, roupa feita, miudezas finas e perfumaras,
ludo por menos do que em outras partes: na lo-
a do vapor na rua Nova n. 7.
Tachas para engenho
Fundicao de ferro e bronze
DE
Francisco Antonio Gorreia Cardozo,
tem um grande sortimento de
tachas de ferro fundido, assim
como se faz econcerta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
Cheguem ao barato
O P rejjui.ja est queiroando, em sua loja na
rua do Queimado n. 2.
Pe^as de bretanha de rolo cora 10 varas a
2$, casemira escura infestada propria paracal-
c,a, collete e palitots a 9G0 rs. o covado, carabraia
organdy de omito bom gostt a 480 rs. a vara,
dita liza transparente raulo fina a 39, 49, 59,
e 69 a pega, dita tapada, com 10 varas a 59 e
69 a peca, chitas largas da mo lernos e escolhidos
padresa 20. -JG3 e 280 rs. o covado, riqu-
simos chales de uiorin estampado a ?# e 89,
ditos borda los com duas palmas, fazenda muito
delicada a 99 cati um. ditos com urna s pal-
ma, muito finos a 89500, ditos lizos conffran-
jasdeseda a 5J, lengua de cassa com barra a
100, 120 e 100 c ida um, meias muito finas pa-
ra senhora a 49 a luzia, litas de boa qualidade:
a 39 e 35OD a luzia. chitas francezas de ricos
lesenhos, paracoberU a 280 rs. o covado, chi-
tas escuras inglezas a 5900 a poga, e a ItiO rs. j
o covado, brim branco do puro linho a 1$,
19200 e 19600 a vara, dito proto muito encor-
padoa I9j00 a vara, brilhantina azula 400, rs.
o covado, alpacas de lifferentes cores a 360 rs. o
covado, cesemiras prelas Tinas a 2500, 39 e
39500 o covado, carabria preta e desalpicos a
500 rs. a vara, e oulras nu'uas fazondas que se
far patente ao comprador, e da todas se daro
amostras com penhr.
Cambraia organ-
dysa360o covado.
Vende-se na rua do Crespo, loja n. 8, de qna-
tru portas, cembraia franceza organdys a 3G0 o
covado, para acabar urna factura ; assim como
boas chitas francezas a '240 e 300 rs.fazcnda de
lindos nadres e cores futas: dio- so maoslra.
A pechincha, antes c[iie se
acabe.
Pianos
Saunders Brothers & C. tem para vender em
eu armazem, na praga do Corpo Santo n. 11
slguns piano* do ultimo gosto, recentiment
chegados, dos bem conhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood 4Sons de Londres.
muito uropriosoara este clima.
Rua do Queimado 11. 1.
Tem para vender cassas francezas de cores a
260 rs. o covado, corles de cassa de barra defei-
tuosus a lacada um, la de quadros a 400 rs. o
covado, e oulraa rnuilas fazendas por oreos com-
mod08. r
Vinho genuino.
Ainda ha uma pequea quanlidade de ancore-
tas desle vinho sem confeico, e proprio de doen-
tes : na rua do Vigano n. 19, Drimeiro audar-
Capel!
GRANDE S0RTME!\T0
DE
jFazendase obras feitas.
NA.
e ar mazem
DE
Na loja do Preguica, na ni3 do Queimado n.
2, tem sajas baloes .iberias, do ultimo gosto, pe-
lu diroinuto preco do 5ft.
Alien uo.
Vende-se urna taberna com poucos fundos, pro-
pria para qnolqner principiante por ser situada
no mellior local que so pode desojar por Picar era
esquina, e a amoninidade do lugar convida nos
fregueses a fazerera ponala na casa, pois lern
grandesconmolos para esse (tro, como seja, um
grande solio corrido, eralim basta dizer que o
lugar 6 as Cinco Ponas junto as casas cabidas
para licar n'uma posicao de abranger todas as
vistas; portanto quem quizer ganhar diuheiro<
dingir-se ao rnesrno lugar as Cinco Puntas ns.
80 e 82 que todo negocio se far^,
Venle-se um casi! de escravos, sendo um
mulalinho do idade 13 annos cuma ne^ra com
S anuos ; no horro di Poinbal confronto o sitio
doviscondodc Suassuna, casa pintada de encar-
nado.
CAL DE LISBOA,
nova e muito bem acondicionada : na rua da Ca-
leia do Reciten. 38, primeiro andar.
Pormetade do seu
valor.
Rua do Queimado n. 19.
Vestidos de gaze e pliamasia, muitos lindos, de
duas satas, pelo baralissimo preco do 10J cada
um corle.
Loja esperanca.
Vende-so borracha de seda preta 'para borze-
guins a 2-521);) o corado, graixa em barris muito
boa a 60 rs., est arab.indo se, (lanas de bano
de Cautrot a 18 e 205, braceletes de mozaico a
65, laa para bordar a 6o a libra, trancas de li-
nho brancas para as roupas da fesia a*800, 1-5,
I400 O 19600 a peca, sote padrSeS differentes!
Colheres finas, facas, trinchantes, ele. : na rua
du Queimado n. 33 A, Guimares & Rocha.
Vna 1Y0 Qucimadn \\. U9
Loja de quatro portas
DE
Na rua do Queimad) n.
46, frente amarella.
I Sortimento completo dn sobrecasaca de
panno preto e de cor a 255, 285, 305 e
I 358, casacas a 28. 30 c35. palitots dos
g mesmos pannos 20. 22 e 253, ditos de
E casemira de cr a 163 18, ditos sac-
| cus das mesmas casemiras modelo inglez
i casemira fina a 10, 1-2/H o 153, dilos
\ saceos de alpaca prelo a a*S, dilos sobre
fino de alpaca a 7, 83e!)5, dilos^de me-
! ri sotim a 103, ditos de merin'cordao
I a lOSe 125, dilos do sarja preta trancada
\ saceos a 6J. dilos sobrecasacos da mes-
| raa fazenda a 85, ditos de fustn de cor e
! branco a 1. 4S50O o 53. colleles de ca-
semira de cor e preto a 5 o 6, ditos de
merino preto para luto a 4 e 5, ditos
de velludo preto de cor a 95 e 10, ditos
1 de gorgurao de seda a 55 e 05, dilos de
I brim branco e de cor a 25l>i e 35. calcas
1 de casemira do cor e preto a 7g. 83, *9
1 e 10, ditas para menino a 65 e "5. ditas
1 de merino de cordo para nomem a 53 o
, 6$, ditas de brim branco a 5 e 6, ditas
ditd de cor a 3, 3500, 4 p 5, e de
todas estas obras temos um grande sor-
| lmenlo para menino de todos os taraa-
1 olios ; camisas inglezas a 365 a doxl. Na
mesma loja ha paletols de panno prelo
para menino a I43, 15J o 16. ditos do
casemira para os raesmos pelo mesmo
preco, ditos do alpaca saceos a 3 e
335OO, ditos sobrecasacos a 55 e 63 para
osmesraos. calcas de, brim a 2*500, 3 e
39500, paletots saceos de casemira de cor
a 6 o 7, loalhas deltnho a 800 e 1 ca-
da uma.
No raesrao estabelecimento manda-se
apnimptar todas as qualidades de ohras
tendentes a roupas feilas,era poneos dias,
que para esse fim temos numero suf-
(ciente de peritos officiaes do alfaiates
rgidos por ura hbil moslro de serae-
Ihanle arto, fleando os donos do estabe-
lecimento responsaveis pelas mesmas
obras al a sua entrega.
IB
para tmulos e catacumbas tanto de
aljfar e imottaile com inscripcoes : na
j rua do Emperatriz n. 7, loja do Le-
cont.
H Vende-se na loja de
NabucoA G. na rua Nova M
8 n. 2, fitas para cartas 8
8 de bochareis a 5^ rs. a S
Altenco.
6
Na rua do Imperador n. 67, vendera-se chapeos
de palha de carnauba a 12 o cento.
33*@1i&3@^ *$
$ Rocebu-se e continua a roceber-se por
@ todos os vapores artigos do modas para @
@ liomens, incluindo calcado do Molis na S
% Loja de m^rmore.
4dmiravcis remedios
americanos.
Todas as casas de familia, senhores de enge-
nho, fazendeiros, etc., devem estar prevenidos
com esles remedios. Sao tres medicamentos coa
os quaes se cura eficazmente as principaes mo-
lestias
Prompto alivio de Radway.
Instantneamente alivia as maU acerbas dores
e cura us peiores casos de rheumatismo, dor de
cabera, nevralgia,diarrha, cmaras, clicas, bi-
lis, indigesto, crup, dures nos ossos, contusdes,
queimadura, erupcoes cutneas, angina, relen-
i.oo de ourina, etc.. etc
Solutivo renovador.
Cura lodasas eofermidadesescrophulosas.cbro-
nicas esyp hliticas; resolve os depsitos de mos
humores, purifica o sannue, renova o systema;
prompto e radicalmente cura, escrophulas,vene-
reo, tumores glandulares, ictericia, dores de os-
sos, tumores brancos, aferces do figado e rins.
erysipelas.abcessoso ulceras de todas as classes!
molestias d'olhos, difficuldade das regras das
raulheres hipocondra, venreo, etc
Pilulas reguladoras de Rad-
45-Rua Direita-4S
ESCOLIIIDO SORTIMEKT
Aproximando-se o lempo festivo, e sendo in-
dispensavet que as lindas e amaveis filhas da
opulenta e potica Mauricea se previnam do que
e necessano para o resguardo dos seus mimosos
e pequenlnos ps; attendendo tambera a que
uma crinolina empavesada nao pode estar de
acord com uma bolina acalcanhada ou desco-
sida, assim como um cavalheiro de calca balao
com um burzegtiim estragado, far urna triste
figura vis-a-vis de uma bella; considerarles lo
acertada artuaram no espirito do propietario do
estabelecimento, ja to conhecido pela modici-
de dos precos do seu calcado, para reduzi-los
anda mais, munindo-se de um abundante sor-
limenloe sem defeito, que aprsenla nos seus
benignos frguezes [moeda em punbo) pelos
precos abaixo:
Senhora s
Borzeguins 52 a 59. .
Ditos ditos. .....
Ditos ditos......
Meninas
Borzeguins 29 a 31. .
Ditos 25 a 28.....
Ditos 18 a2i. .
Iomem
Borzeguins. .
Ditos........
Ditos prova de fogo e d'agua.
Ditos.........
Muios borzeguins de lustre.
Sapatoes com elstico e lustre.
Ditos arranca pelle, bezerro.
Ditos de Lezprro.
Meninos
4.S800
4{500
4$0C'O
.s-800
55600
5<200
9'5C0
8.S8C0
8500
C.S000
6000
5^000
5-G00
5t'0
way
I pararegularisar o systema, equilibrar a circula-
cao do sangue, inteiramenle vegelaes favoraveis
w.mmmm $&# v&m'mwsm e.,nio,11,,soscaso?.nun?a?cc,siona"""^
dores do ventre. doses de 1 a 3 re^ulansam.'de 4
I a 8 purgara. Estas pilulas .o efficazes as allec-
es do ligado, bilis, lor de cabeca, ictericia, in-
Seboe graixa.
Se' o coadoe graixa em bexigns: no armazem
a Tasso Irraaos, no caes de Apollo,
a 3$ a sacca.
Arroz com casca tendo a maior parte pilado
proprio para galinhas e cavallos ; no Caes do Ra-
mos n. 6.
Exposico de metaes.
GIANBE SORTIMENTO
DE
Faz3!i!;is e roupa feita
NA LOJA F. ARMAZEM
Cerveja.
Em easa de J. Praeger & C, rua da Cruz n. 17
tem para vender as seguintes marcas :
Diamante X (Tennent}.
rt.iss
Civallinha.
Cobrinha.
soitiu.enio prelo e branco, garrafas inleiras e
meias. '
Verdn-se uma "33a terrea de pouco valor
na roa de Santa Rita v. 30 ; a tratar na mesma
rua n. 90.
JOAQUIM RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Ha cortes do vestidos de seda de cores, fazenda '
muilo superior com pequeo toque de mofo a !
GoJOOO, dilos sem defeito a 1009000, tem um !
resto de chales de toquim que ostc-se acabando
a 309000, dilos de mirin bordados com pona j
redonda a 89000, ditos sem ser de pona redonda \
a 85000, ditos estanpad>s com listras de seda !
em roda da barra a 99000, dilos do ricas estam-
pas a 7J000, ditos de ganga franceza com fran-
ja branca a 29000, ditos sem franja e muito
encorpado a 29000, ricos manioletes de grosdi-
naples preto e de cores ricamente enleitados a
259000, ditos muito superiores a 305000, en-
feitesde v'nlrilho preto a 39000, dilos de relroz
a 35>no, organdisda mais fina que ha no mer-
cado a 19000 o covado, cambraias decores
le padrees muilo delicados a 800 rs. a vara, ditas
de outras qualidades a 600 rs. a vara, ricas caitas
farnce/as de muilo boas qualidades a 280, 300,
320, e 400 rs. ao covado, a melhor que se pode
imaginar, peitos para camisa a 240 rs. cada urna,
cortes de casemira de cores a 65000, ditas em
pesca de quadrinhos a 45000 o covado, golliuhas
de muito bom gosto a 19000, ditos de outros
bordados ricos a 3#000, manguitos de cambraia
bordados a 39000, liras bordados e entrimeios
que se vendem por preco commodo, bombazil de
cores proprio para roupa de enancas, e ca pinnas
para senhoras a 19400 rs. o covado, corles de
cambra8s de salpicns a 55000. cortas de cam-
braia enfeitadas com tiras bordadas a 69OOO,
e oulras rnuilas mais fazends que ser dificil
aqui pode-las mencionar todas.
DE
jJoaqaim Rodrigues Tavarcs de Mello
RUA 00 QUEIMADO N. 39
EM SUA LOJ DE QUATRO PORTAS.
Tem um completosortimento de roupa feila,
convida a todos os seus freguezes e a lodos
1 quedesejarem ter um uniforme feito com todo o
I gosto di rija m-re a'este e'-tabalicimento que em-
conlraro um babel arii?ta chegado uliimamen-
jte de Lisboa para desempenhar as obras a von-
1 tade dos freguezes, j tem um completo sorti-
mento do palitots de fina ca-emira inodello im-
glez, e muito bem acabados a 109300, ditos
de merino setim a 125000, dilos de alpaca
pretos a 55000, ditos de alpaca sobre casacas
a 83000. ditos com grlia de vellido a 99H)0,
ditos de fu>tao, dilos de ganga, dilos de brim,
ludo a 550 0, ditos de brim de linho tranca-
do a 690'O, caiga do brim de linho muilo su-
perior a 09OOO, ditas de casemira de cor a
95000 o a 105 00, ditu de casemira pre-
ta superior fazenda a 129000, palitots fran
cezes de panno fino fazenda minio fina a 255
sobre casacas de panno muilo superiores a 352
ea -1113000, um completo sorlimento de cami-
sas fracezas, tanto de linho como le algodao
e fusi.io vende-se muito em conta, afim do que-
rer-se liqiudar com as camisas.
digestao, e em todas as enfermidades das mu-
Iheres, a saber : irregularidades. Auto, ret^n-
coes, llores brancas, obslruccoes, histerismo, etc..
*.iodo maisprompto elfeito"na escarlatina, febre
biliosa, febro amarella. e em todas as febres ma-
ignas.
Estes tres importantes medicamentos vem a-
companhados de instruccoes impressas que mos-
trara com a maior minuciosidade a maneira de
applica los em qualquer enfermidade. Eatao ga-
rantidos de falsificacao por s haver venda no
E' chegado a esta loja do Vianna. um riunisi- ,!^m;"i",, (le l'azniida's de Raymundo Carlos Leite
e lodos os gneros do &lrraa. n roada Imperatriz n. 10.
agentes em Pernambuco-
mo snriiinento de metaes d.
mais bonito que se pide encontrar, todo a emita-
cao de prala ; na rua Nova n. 20, lujado Vianna.
Cafe a vapor.
Riquissimo sorlimento de machinas de fazer ca-
f a vapor, approvados na ultima exposijo de
Paris ; na rua Nova n. 20 loja do Vianna.
Bombas de Japy.
Riquissimo sortimento de bombas de japy' de
lodos ostaiuiiilios, as melbores que se lemappro-
vadocni todo o mundo, pela fcil id ni a que d a
lirar-se agua ; na rua Nova n. 20, loja do Vian-
na.
Camas le ferro.
Ri [uUssirao sortimento de camas de ferro com
unas, e para colxao por preco commodo ; na rua
Nova n. 20, loja du Vianna.
Na fabrica de caldeireiro.la rua Imperial
junto a fabrica de sabio, e na rua Nova, luja de
frraseos n. 37, ha urna grande poreflo le tullas
de zinco, j preparada para lelhados, e pelo di-
minuto areco de 14is. a libra-

nicos
i ea
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitos oar a camisas,
Biscoutos
Em casa-le Arkwigh k C,
Cruz n. 61.
Botica
JOALHEIRO.S
Tem estabelecdo
ment de
NA
FRANCEZES
urn rico sorti-
joias
SHA N0V4 N, 18
primeiro andar.
No qual se enc.ontrarao obras de brilhanles e
011ro garantidas pelos annnncianles com 18 qui-
lates, sem betume ou qual juer outro vicio. Ven-
dem adereces e pulreiras de todos os Rostos exe-
cutadas pelos melhores artistas, contendo algn-
mas b.italhas da actual guerra da Italia, pintaras
de Vaiellu e lavas do Vesuvio. e uma infloidade
de objpctos Mosaico, do Boma. Florenfa ele,
etc. Os annnncianles encarregam-se de mandar
vir do Paris qualquer encommenda, o que con-
servam naqaella capital uma pessoa de sua casa,
podendo garantir a promptidao o boa oxecuc.ao.
Curada Gono Chegou pelo Oyapock uma por^o de frascos
da preciosa iniecQao Brou, que se continua aven
der a 59 : na praga da Independencia n. 22.
E pechincha.
Na loja do Preguica, na roa do Queimado n. 2,
tem cobertores de algodo de cores bastante
grandes, proprios para escraos, pelo baralissi-
mo preco do lg.
Bartholomeu Francisco do Souza, rua larga do
Rosario n. 36, vende-se os segoiules medica-
mentos :
Robl'Affecteur.
Pilulas contra sezoes.
Ollas vegetnes.
Salsaparrilha Brlstol.
Dila Sands. *
Vermfuga in^lez.
Xirope do Bosque.
Pilulas imericanas (contra febres).
Uuguenlo llulloway.
Pilulas do dilo.
Ellinir anti-asmathico.
Vidrosde bocea larga com rolhas, de 2 oncas
e 14 libras.
Assim como tem um grande sortimento de pa-
pel para forro de sala, o qual vende a mdico
preco.
Venlem-se libras sterlinas, em
casa de N. O. Bieber & C. : rua da Cru?
n. 4.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P Jo-
hnstnn & C rua da Senzaia n.t2.
Rival sem segundo.
Na rua do Quaimado n. 55, defronle do sobra-
dono vo. loja de miudezas de Jos do Azcvedo
M.aia e Silva, ha para vender os seguiu|t-s artigos
abaixo declarados :
Caixas do agulhas francezas a 120 rs.
Sapntos de tranca de algodo a 19.
Carias de alflnetea finos a 100 rs.
Espelhos de columnas madeira branca, a
lSi ID.
Phosphoroscom eaixa de folha a 120 rs.
Frascos de macassa perilla a 00 rs.
Duzia do tacas e garios muilo linos a 39500.
Colchles em cartao de boa qualidade a AO rs.
Caixas de clcheles batidos a 60 rs.
Caixas de obrejas muito novas a 50 rs.
Frasco .le oleo de babosa a 500 rs.
Dilo dilo para fazer cabello corndio a 800 rs.
Sapatosdelia par.i enancas e 200 rs.
Pares de meias para meninas a 240.
Pares de lavas de fio de Escocia a 320,
Hassos do grampas muito boas a 40 rs.
Agulheiros de niarfim a 160rs.
Caniveli'sde aparar penas a 100 rs.
Grvalas de seda muito fin.-'S a 600 rs.
Tesouras para costura muito finas a 500 rs.
Ditas para unhas a 5(10 rs.
Pegas de franja de laa com 10 varas a 1$.
Pegas de tranca de 15a com 10 varas a 500 rs.
Pelilho para enfeitar vestido (peca 13.
Liabas Pedro V, cartao curo 200 jardas, a 60 rs.
Dilas lito com 100 jardas a 20 rs.
Escovas para denles muilo finas a 200 rs.
Pares ne meias decores para hornera muilo fi-
nas a 1 JO.
Cordo iraaerial [pecas] 40 rs.
Grammaticaiogle-
za de OliendoriT.
Novo metliodopara aprender a lr,
a escrever e a fallannjjlez em 6 mezes.
obrainteiramente nova, para uso do
todos os estabelccimentos de instruccao,
pblicos e particulares. Vende-se na
praca de Pedro II (antigolargo do Col-
legio) n. 57, segundo andar.
SapatOs.....
Ditos......
Ha tambera nn variado sorlimento
classes e precos nfimos, sendo os a
somonte de primeira classe.
3.V600
34OOO
de todasag
nnunciados
RELOfilOS.
Vende-se emeass de Saunders Brotherr a
C. praca do Corpo Santo, relogios do afcma
Jotabncante Roskell, por precos coam. dos
etambi-n.rancfillinse cadeias paraos n..snrS
deexceellntc gosto.
I Seguro contra Fogo I
I COHPANR1A
1
|C. J. Astley & Companbia. C

LONDRES
AGENTES

5
1 Vende-se
3 Formas de ferro para
purgar assucar,
I Enchadas de ferro.
Ferro sueco.
I Espingardas.
Ac de Trieste.
S Pregos de cobre de com-
I posico.
9 Barrilha e cabos.
Brim de vela.
Courode lustre.
I Palhinba para marciriei-
ro : no armazem de C.
I J. Astlev C.
goawwi men CBma>
Na rua da Cadeia n. 24, venderr-se os se-
guales fazendas, pormetade de seu valor Vara
liquidando. '
Bicos de seda broncos e pre'os, de todas a =
arguras, vara a 160, 240,400, 8(0 o IJtO.
Um completo sortimento de franjas de seda e
de nlpodao.
Chales de tooquim a 10, 15, 20 e 35}.
Bnloes de seda, velludo, de lonco c de fus!jo
de qualidades finas, clima a 2C0, 400 o f(0 rs.
Collarinhos bordados de 5dO rs.. 2f, 3 e 4j>!
Entren eios finos, pecas rom 12 varas s 1!
Follios bordados tiras o 5' 0, 1?. 2*, 3(54 [^
Camisetas com mancuitoi a 3," 4, 5 e* 6i.'
Enleites de Dores a Of.
Chapees de seda para senhora a JOS.
Casaveques de velludo a 40 e 60?.
Dilos de seda a 25?.
Pilos de fnstfio a 8 e 12jf.
Filas de seda e de lodos as qualidaJes de ICO
rs. a 135(10.
Ditas de velludo de 250 rs. a lg.
Rua da Cadeia do Recifc
1
c
s
numero II,
eobertos e descobertos, pequeos e grandes .d?
ourouatente- inglez, para homem 9 senhora,
de ura ios raelhores fabricante? le Liverpool!
ivndnspelo 11timo paquete inglez :em casa di
oSuthall Mellor & C.
Loja das seis porlas em
frente do Livramcnlo.
Covado a 200 rs.
Chitas largas de bonitos rosIos a 200 rs. o co-
vado. ditas estrellas a imitcin de laazinhasa
1160 rs., cassas de salpicos brancas e fle cores a
Vende-se um lerreno em uma das novas 200 rs. o covado, pecas de esguiao de algodao
mas da fregneria de Santo \ntonio, com 53 pal- muito fino a 33 a pega, ditas de bretanha de rol0
mes de frente, aterrado devidamente, e com ns|com 10 vaias a 2. ri'scadiwho de linho a 160 rs
aliceres de todo elle feito, e enm um oiaosoli-'o covado. chales de merino estampados a 2
do. proprio para se concluir a edidc.ag.iu com lencos brancas com barra de cor a 120 rs ditos
mnita siiavidade ; na rua de Santa Thereza n. 48, co a bico a 200 rs.. algodao mnnstro de d's lar-
se dir quem vende. K,ufia 0 mPihor que pnssivel a 640 rs. a vara
Vende-p ama escrnva parda, moca, erom mussulina encarnada a 240 o-ovado fil de li-
habilidades ; na rua do rilar n. 116. logo' pas- nho preto bastante largo.'.A loja'esl aberta at as
sando o arsenal de mannha, lado esquerdo. 9 horas da noite.
loja de miudezas, coniina a vender-so pelo ba-
rato preco, entre ludas as fazeodas, os seguintes
objectoa:
Capachos para entrada de porla com pequeo
deeitua 12o rs.
Franjas pora cortinados e loalhas, peca a
Diras Je talheres a 2$900.
Dilos de ditos finos, cabo de baleia. a 5?500.
Boralhos de carias de apreciacao a 2J{.
Goiliniias de viorilho, gostos modernos, a
2*500.
Carlas de alfinetes a 100 rs,
Massos de grampas a 40 rs.
Molduras dourouos de lodos as larguras a g
Franjas de sedo, la, algodao e linho, gostos
modernos.
Et.feites para robeco, de troco, modernos $
Mani'Spara gravla a Bellran.ini g
Charutos de economa, caixa com 100, a 23500.
E muitos outros objectos que s Tista dos com-
pradores.
== Vendem-se saceos rom farello de Lisboa,
farinha de mandioca e milho, por preco muito
em conta : no pateo de S. Pedro n. 6.
Em casa de N. O. Bieber & Successorcs, rua
jda Cruz n. 4. vende-se :
Champanha marca Farre & C, uma das mais
acreditadas marcas, mu conheeidas no Rio de Ja-
neiro.
Vinho xerez em barris, cognac em barris e
caixas
Vinagre branco e tinto em barrip.
Rrilhantes de varios dimensoes.
Eiher sulfrico.
Gamma lacre clara.
Lonas, brinzoos e brins.
Ac de Milao
Ferro da Suecia.
Algodo da Bahia.


\.
\GE>NCI\
BA
FUNDldiO LOW-MOW,
Roa da Sczaa Nota n. 42.
Nesle estabeleeiment contina a baver um
completo soriment de moendas e meias moen-
das para engenho, machinas de vapor e taixas
de ierro batido e coado, de todos os taannos
para dito.
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
No bem conh3cido e acreditado deposito da
ra da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender
verdadeira potassa da Russia nova e de superior
qualidade, assim como tambem cal virgem em
pedra, ludo por precos mais baratos do que em
outra qualquer parle.
Visillo de Bordeaox.
Em casa de Kalkmann Irmos&C, ra da
Cruz n. lO.encontra-se o deposito das bem co-
uhecnlas marca dos Srs. Brandenburg Frres
e dos Srs. Oldekop Mareilhac 4 C, em Bor-
deaux Tem as seguintes qualidades :
De Braudeuburg frres.
St. Estph.
St. Juea.
Margaux.
Larose.
Chleau Loville.
Chiteau Margaux.
De Oldekop & Mareilhac.
st. Julien
St. Julion Mdoc.
Cnateau Loville.
Na mesiua casa ha para
vender:
shcrry em barris.
ladcira em barris.
tognac em barris qualidade fina
Cognac em caixasqualidade inferior.
Cerveia branca.
As mclliores machinas de coser dos mais
afamados autores de New York, I.
M. Singer & C e Wlieeler & Wilson.
Neste estabeleci-
menlo vendem-se as
machinas desles dous
luiores, mosiram-se a
qualquer hora do dia ou
da noiie, e responsabili-
samo-nos por sua boa
qualidade eseguranra:
no armazem defazendas
do Raymundo Carlos
Leite & Irraaos ra de
Imperalriz n. 10, amigamente aterro da Boa-
Vista.
& Recebcu-se recntenteme e continua a (${,
@ receber-se directamente de Paris e Lon- @
@ dres por lodosos vapores, de cncommen @
da especi.il, arligos de modas para se- r$
nhoras na @
Lojade marmore. g
Vendem-se
fazendas e roupa feita por
menos do scu valor, na
rua Direita n. 08, loja
de Braga Lima.
Riqusimo cortes de vestidos de pupu-
lina da china 209000
Dito dito de dito de phantasia imperial 1 OO^O
Dilo dito de dilo de chaly de seda IG9OOO
Vestidos de grosdinaples preto a moja
franreza 449000
Patotsde | anno muilo fino c Je gaze-
mira de 16*000 a 225000
Diiod'alpaca preta e de cores 29500 e 49000
E'panilhos f'ancez 35500
Cortes de colletes do fustao $400
Alparca de seda para vestidos de seahor as
covado $500
Bonets para meninos $500
Chales de de mirin pona redonda bor-
dado a frouo todo em roda, e oulras mu-
as fazenlas qua se torna enfadonho mencio-
na-las afianzndose que nao se enjeila dinheiro
at@a @ @@
Uocebou-se utn completo sortimento de $J
lindos vestidos de phantasia, coro 10 ba- *
badinhos ou sajte : na rua da Cadeia loja @
d D.23, de Gurgel & Terdlgao. @.
&&-& @^ @@@@
Vinagre branco,
superior.
Vende-se vinagre branco superior em barris de
quinto, por prego comraodo ; na rua da Cadeia
do Recife n. 12, escriplorio de Bailar & Oli-
veira.
SYSTEMA MEDICO DE HOLLWAY.
PILULAS HOLLWOYA-
Este inestimavel especifico, corcprslo inleira-
menle de hervas medicinaes, nao contm mercu-
rio nem alguma outra substancia delteieria. Be-
nigno mais tenra infancia, e a compleig-o mais
delicada igualmente promplo e seguro para
desarreigar o mal na compltelo mais robusta ;
enteitamenle innocente em suas operaces eef-
feilos ; pois busca e remove as doengas de qual-
quer especia e grao por mais antigs e tenazes
que sejam.
Entre militares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam as portas da
morte, preservando em seu uso : conseguirn)
recobrar a saude e forjas, depois dehaver tema-
do inuliimenle lodos osoulros remedios.
As mais afllictas nao devem entregar-se a des-
esperarlo ; fagam um competente ensaio dos
efficazes effeilos desla assombrosa medicina, e
prestes recuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca lempo em tomar este remedio
para qualquer das seguintes enfermidades:
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
A m polas.
Areias (mal de).
Asih ni a.
Clicas.
Convulses.
Debilidadeou exlenua-
gao.
DbilijaJe ou falta de
forgas para qualquer
cousa.
Desinleria.
Dor de garganta.
de barriga..
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidades no ventre.
Ditas no ligado.
Ditas venreas.
Enchaqueta
Herysipela,
Pebre biliosa.
DIAkUO DE MfRUMBUCO. SEOUKIWL FEIEA 5 DE NOVEMBRO DE 1860.

(V
Febreto da especie.
Gotia.
Hemorrhoidas.
llydropesia.
Ictericia.
Indigesles.
Inlanimagoes.
Irregularidades
menstruagao.
Lorobrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na culis.
Abstrucgao de ventre.
Phlysica ou consump-
pulmonar.
Retencao de ourina.
Rbeunialismo.
Sympiom.'.s secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venereo(mal).
Febrcio intermiiente,
Vende-se estas pilulas no osiabelecimento ge-
ral de Londres n. 22-4, Strand e na loja de
todos os boticarios droguista e oulras pessoas en-
Venaem-se saceos coyn farelo de Lisboa
com 4 arrobas o alguna tem aais, por prego com-
modo, em grandes e peque As porgos: na rua
da Praia n. 53
A 2$500 a sacca.
Familia de mandioca com iofte de moro em
saceos grandes, no largo d Assembla n. 19,
rinazeui de Anlunos Guimares & C.
Rua do Queimado
n. 39.
NA
Loja de quatro portas
DE
JOAQ1M RODRIGUES TAVARES
DE MELLO.
Chegou ltimamente a este estabeleei ment um
completo suniuicnto de chapeos pfttos francezs-
do melhor fabricante de l'aris, os quaes se vene
dem a 79000, Hitos a 89000, dilos a 95000,
ditos muilo superior a 109000, ditos de castor
drelos e brancosa 169000, o melhor que se
pode desejar, chapeos de Miro a Garibaldi de
muilo superior massa a 79000, dilos de copa
baixa para diversos precos, ditos de palha escura
do varias qualidades que se vendem por prego
baralo, bonets de veludo para meninos a 50o",
ditos de palha escuras e claras t 49000, ditos
de panno milito bem arranjados a 39500
chapeos de seda para seuhoras a259000 muilo,
supeii< res, ditos de palha escutas proprios para
campo a 125000, ditos para meninas 109000,
chapeos de sol de seda inglezes a 109 e a 129
muito superiores, ditos francezes a 89000,
ditos de panno muilo grandes e bous a 49000.
REMEDIO INCOMPARAVEL.
UNGENTO HOLL WAT.
Milhares de individuos de todas as nar6es
podem teslemunhar as virtudes deste remedio
incomparavele provar em caso necessario, que,
pelo uso que delle fizeram tem seu corpo e
rcembros intuir mente saos depois de haver em-
preado intilmente outros tratamentos. Cada
pessoa poder-se-ha convencer dessas curas ma-
ravillosas pela leilura dos peridicos, que Ih'as
relatara todos os das ba muilos annos ; e a
maior parte deltas sao to sor prndenles que
admiran os mdicos mais celebres. Quantas
pessoas recobraram com esle soberano remedio
o uso de seus bracos e pernas, depois de ter
permanecido longo lempo nos hospitaes, onde
dev8m solTrer a ampulacao I Dellas ha mui-
cas que havendo deixado esses. asylos de pade-
limentos, para se nao submeterem a essa ope-
rario dolorosa foram curadas completamente,
mediante o uso desse precioso remedio. Al-
gumas das taes pessoa na enfusao de seu reco-
nhecimento declararam estes resultados benfi-
cos diante do lord corregedor e outros magis-
trados, afim de mais aulenticarem sua a firma-
liva.
JNinguem desesperara do estado de saude se
live8se bastante confianga para encinar esle re-
medio constan temen le seguindo algum lempo o
trata ment que necesslasse a naturoza do mal,
cujo resultado seria provar inconlestaveliuente.
Que tudo cura.
til, mais particu
seguintes casos.
Inflammaco da bexiga.
O ungento lie
lamiente nos
Alporcas
Caimbras
Callos.
sapa4os de veludo a 29000. ditos de Iranca a | Anceres.
19600, sintos de grugurao para seuhoras e rae-|CriadurS.
ninas a 2900", Cutiros de casemira ricamente Dores de cabera.
bordados a 129000, e oulras muita fazendas
que a vista dos freguezes nao deixarao de com-
piar.
Ceneja branca 8n*|S?,
perior.
das costas.
dos me/ibros.
Emfermidades da culis
em geral.
s do antis,
pcoes escorbulicas.
Vende-se ccrvpja branca superior, em barris de
terco, por prego mdico : na rua da Cadeia do
carregadas de sua venda em toda a America do Rctife n l2i escriplorio de Bailar & Oliveira.
Mil, Havana e Hspanha.
Vendem-se as bocelinhas a 800 rs. cada
urna dsllas, conlero una instruegao em poriu-
guez para explicar o modo de se usar deslas pi-
lulas.
O deposito geral em casa do Sr Soum
Campos (L Lima
, Fstulas no abdomen.
Fialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
: Frieiras.
Gengiva escaldadass.
I Inchaccs.
i Inflamaijao do figado.
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos pcitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos
Pu lines. ,
Queimadelas.
Sarna
Supuracoes ptridas
Tinl.a, em qualquer
parle que seja.
Tremor de ervos
Ulceras na bocea.
do figado.
das arliculaces.
\ eias torcidas ou no-
das as pernas.
Terrenos pertoda
pra$a.
Caminho dos mnibus.
Cera de carnauba
da DOva safra, qualidade cspe-cial : no largo da
Assembla n. 19, armazem de Anlunes Guinia-
taes & C.
Resumo de potica.
Indispen8aycl para os pronimos uames de rhe-
lorica ; est a venda na livr.^ria classica, na pra-
cade Pedro 11 n. 2, a 5U0 rs. cada exrmplar.
Potassa nacional,
Os herdclros do commendador Antonio da Sil-
va vendem sua propriedade, no lugar da Casa
Forte, em sorles de ierra a voniade dos compra-
dores com a nica reslric;o de nao tercm menos
de 30 palmos de frente, e fundo designado | respectiva plaa approrada pelas autoridades
competentes, o engenheiro Antonio Feliino
Rodrigues Selle 6 o encarregnao das medigoes
preclua, e pode ser procurado no mesmo sitio,. cr,,,gada estes das do Rio de Janeiro, vende-se
ou naruaestreita doRocrio n. 30, lercoiro an-1|*r Preco muilo cummodo: no escriplorio de
dar, ou na praja da Boa-Vista, botica de Joaquim rralho, Nogueira & C, rua do Vigario n. 9,
Ignacio Ribciro Jnior : os prelenoYnles podem ] Primeiro andar,
dirigir-se igualmenlo para qualquer proposta ou
esclarecimento ao herdeiro L. A. Dubourcq, no
seu sitio na Capunga.
Rap nacional D.
Pedro II da imperial fabri-
ca de Joo Candido de Mi-
randa, Rio de Janeiro.
Esle rap sem duvida o de melhor qualidade
fabricado neste imperio, araba de chrgar e ven-
de-so no deposito, rua do Yigario n. 23, escrip-
lorio.
Vndese "por necessidade
Loja da seis portas en
frente do Livrameiilo*
Roupa feita barata.
Paliloisde casimira escuras a -45000, ditas de
alpaca preta 48000 e 55" 00, camisas brancas
ede cores a 2000, dilas de fustao a 2C500
serolas muilas finas a 1JC00 e 29000, palitots
urna
n,lat. 'debi-im pardo a 300() calcas de casemira pre-
nha propria para ama de meninos ou para en- e dcres-Pl'iois de ranno pnto sobre casa-
1 casemira preta ede cores, diles
cas, colletes de
carregar-se da adminislraco de urna casa por
ser muilo fiel e cuidadosa, engomma com toda ve,"d'Preto e de cores ; um compiti sor-
perfeiSao, cosinha e coze, roupa de senhora :!menlode rouP8S tillas
quem a pretender annuncie por esle Diario
que sei procurado.
Relogios
Suissos.
Em casa de SrhafleitKn & C, rua da Cruz n.
38, vende-se um grande e v-riado sortimenlo
de relogios de algibeira horiaontaes, patentes,
Burros baratos
de 70$ para cima per todo pntjo a vis-
ta para acabar, a tratar com Ann: de
Abreu l'oito na rua do Trapiche 1 vo
n. 14 ou defronte do arsenal de maii
na ca?a unan-lia.
Carros.
Vrndcm-se dous ricos carros mui bem appa-
rrlhados e elegantemente pintados : no Lugo do
chronometros, meioschronometros de ouro. pra- L,?,p^ ,"1.?- iplono de Manocl Ignacio de
Vende-se esle ungento no eslabelccimento
rereberam urna factura de chapeos de sol de se-
da para homem, lendo entre esles alguns peque-
nos que crrvcm para as senhoras que t8o para o 8eral de Londres n- 244 -Mrand, e na loja
pharmaceutico na rua ( a Cruz n ^2 em Per I camf"' ,omar hanhos se cobrirem do sol, e como de todos os boticarios droguistas e oulras pes-
namhuco. r~ j a porcoo srja erj_nrte se resolvero vender pelo soas encarregadas de sua venda em toda a
amr.uco. pre?o de 63 e 6500, e alguns com pequeo de- America do ni Havana e. Hesi,inha
Dournus de seda otomana de cores proprios feilo a 5 : na rua do Crespo n. 16. *Jncf ao '' i"vana e espanna
ira passeio, c sabida de baile, ultimo gosto na { Vende-se a 800 rs., cada bocelinh
lemarmorc RuadaSenzaIaNoyan.42
A 2S400 o corte.
la dourada e foleados a ouro, sendo esles relo-
gios dos primeiros fabricantes da Suissa, que se
J vanderao por preros razoaveis.
Rua do Crespo n. 4, loja
de quatro portas.
PccliicXva,
Pecas de madapolao fino avadada ae 1J200 al
45000.
Cimento inglez.
Oliveira Tilho.
NO
Armazem de fazendas da rua
do Queimado n. 19.
Cortes de chita franre/.i pelo baratissimo preco
de 2jj 00, antes que se acabem.
Vendem-se 2 carrn.5, caia um com arreios
para 2 cavallos, e ambos para 6 pessoas ; um
mais pequeo e mais usado, oulro maior. de vi-
dracs e com muilo pouco oso : na rua das Flo-
res n. 6.
Vende-se urna cabra rriadeira com dous
cabrilinhos, muilo mansa o boa leiteira ; no pa-
teo da igreja do filar n. 12.
Venilo-se um cabriole! em lium rajado c
arreiado, or preco muito commodo : na encruzi-
Ihada de Bellcm, taberna do Andr.
_Venjle-se urna casa tarrea na rua do Pilar
n. 37, chaos proprios, com um grande sotao, tnn-
do em baixo 3 quarlos, cozinha fon, quin'al e
cacimba, e no solao urna grande sala, 2 quartos
e cozinba, ou permuta-sc por outra de menos
valor em qualquer rua que ronvenha ao nnnun-
eiante : quem pretender, dirija-so a mesma rua
n. 143, piimeiro audur.
em casa de S. P. Jonhston & C.
lustre para carros, sellins e silhoes
Vende-se
vaquetas de
inglezes, ondeeiros e castices bronzeados, lonas
inglezes, fio de vela, chicle para carros, e mon-
tara, arreios para carro de um e dous cvalos
e relogios de ouro paienlc inglez.
Cavallo para carro.
Vende-se um cavallo muito bom para carro ou
Cabriole) por ser ensinado para ambas as cousas;
em Santo Amaro" ao p da fundiQo, taberna de
Jos Jacintho de Carvalho.
Vende-se o bem conhecido hiale nacional
denominado N. S da Paz, o qua! est no caes do
Collegio : quem o pretender, dirija-se a linvessa
do nrspnnl do guerra, armazem de carne eecco
n. 5. de Francisco Campello Pires Ferrcira.
Loja de calcado.
Vendc-sc urna loja de calcado, muilo propria
para qualquer principiante, e por ter poucos fun-
dos, e mesmo para qualquer outro negocio por
sr em bom local : qj praca da Independencia n.
39, se dir qualo.
M m
con tem
urna inslruccao em portupuez para explicar o
modo de fazer uso deslo ungento.
O deposito geral e em casa do Sr. Soum,
oaquim Bernardo dos Res estabelecido com loja de calcado francez na ru larga do
Rosario n. 32, lendo em \>ta acabar com esle estabellecimenlo o mais breve possivel, resolveu-
se a vender lodo o calcado que lera pelos presos abaixo mencionados, a saber:
Recebeu-seum completo suiliruenio de
pulceiras de sndalo, bolao para colele,
exlratos. essencia e banha fina : na rua
da Cadeia loja n. 23, de Gurgel & l'er-
digao.
Pechincha.
Rua do Crespo n. 8, loja de
quaro portas.
Chilas france.zas matisadas muito finas com pe-
jueno toque do avaria a 200 e 220 rs. o covado,
mussolina azul perfeilamente limpa, a 200 rs. o
covadu.
llecebeu-se os rnais modernos cha- 3S
pos de palha enfWUdos com plumas ou >rjb
g flores ; na rua da Cadeia loja n. 23, de e>
3) Gurgel & Perdigao. ST-
^Para marinha.
O verdadeiro panno francez azul escuro (de
que usa a marinha fa^ireza) recebeu-so lti-
mamente do Havre pela barca Bertha e vende-se
em conta na rua da Cadeia loja n. 23, de Gurgel
& Pcrdigo.
3| Recebeu-se ricas taimas de seda fei-
^ las de croxe, capiohas, capas de grosde-
U naples e ^nanteMes, fitaa para sinto e
W grosdenaples de quadrinhos em poca pa-
c|> ra covados na ruada Cadeia loja n. 23,
fe de Gurgel & Perdgao.
Borzeguins de hezerro com duraque. Gt 00
Dilos dilos com pellica. 7000
Ditos de ditos com panno. 7000
Ditos de vaqueta sola patente. 75500
Dilos de carcurca. 79000
Ditos de Nuiles sola paienle. 90o0
Ditos de dito sola fina- 89000
Ditos Piadelle. 8*000
Ditos todo de duraque, 790o
Dilos de dilos dilo. 7000
Ditos de JN'antes. 990"0
Ditos lodo de pellica. 109000
Ditos de cordavao. llJOOO
Dilos de lustre de Meli. 125000
Bolas de bezerro. 89000
Sanatoesde lustre decantes. 6000
Ditos Fanien. 4951 >0
Ditos de ditos. 35500
Ditos de bezerro. 35500
Dilos de ditos com panno. 35000
Ditos de dilo para menino. 25500
Spalos de iranga francez. 1280
Ditos de la pete. t "00 ti
Ditos de maroquim para Snra. I9t>00
Ditos de hezerros duas selas. 45500
Dilos dilo de urna sola com sMto 39500
Ditos dilo de urna sola sem dito 2800
Dilos de lustre com duas solas 59000
Ditos dito com urna sola esalto 45000
Dilos dito com urna sola sem dito 35200
pharmaceutico,
Pernambuco.
rua da Cruz n. 22.
em
Relogios.
Vende-se em casa de Johnston Paier & C.,
rua do Vigario n. 3, um bello soriimenlo de
relogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabricantes do Liverpool ; tambem
urna variedade de bonitos trancelins
mesmos.
N. 19.
Armazem de fazendas lia-
ra las, na rua do Quei-
Vende-se o muito conhecido c acredi-
tado cimento para colar loura, vidros,
tartaruga, maifim ele. : na loja de fazen-
das da rua do Gabtig n. 2, a 25 cada um
vidro & dinheiro a vista.
SMseKag 8K3 mmmmm
o
nado.
Escrava.
Vende-se urna mulata, moca, que enfton
cose e coziiiha : na rua do Oueimodo n. C, 1. ja,
Vendse na rua do Liv rime uto
n. 19, borzeguins francezes a 0$, dito
de bezerro a 0$, dito de vaquett a 7$.
g Machinas de vapor.
^ Rodas d'agua. ^>,
J;C Moendas decanna. '.
@ Taixas.
M Bodas dentadas.
$? Itronzrs c aguilhrs.
Alambiques de ferro. *
I Crivi s, padroes etc., ele. ^
|a Na fundieode ferro de D W. Bowman, &)
@ rua do Prum passando o chafariz.
Loja das seis porlas m
frente do Livramenio
Covtido a 200 rs.
Chitas larg.is de bonitos gotos a 20i rs. o co-
vado, dilas eslreilas de reres escuras a 160 rs
peras de bretanha Ce mo rom 10 varas aSf]
ditas de espuia i de algodoo muito fino o 3g. ris-
yaa us 0rgandi de cores minio tinas a 320 rs. o co- cadinho de linho a ICO o covado. lencos brai s
! vado .cassas de cores a 240 rs., chita larga a rnrn narra de rr i 120 is ditos branros ci m bi-
200, e 240 rs., capas de fustSo enfeiladas a ( rs., algodao monstro eom Ouas
590r0, casaveques de cambraia e fil a 59000,
perneadores de cambraia bordados a 6*000,
I abados a 3v0 rs a vara, litas bordadas mui-
finas a 155< 0 a peca, riscado francez fino ,
e. j i' i i i , nn P<, T Pi ^ n' a A l0ja Mt ber,a 8, ho da ,
dadas a 2^500, manguitos de cambraia e filo
a 2#000, camisinhas bordadas muilo finos a c~ Nn'rua dn jasmim, por delraz da igreja de
2000, chita larga com lustro e muito fina flS^Sk Ji3.!eJi*?~** BB,S m2billa de.8B,a-
, .,. relio, da-se bar-ilo vislo que seu doro re ra-sc
propria para coberla e roupoes a 320 rs., es- p*ra tora da provincia ; a Iratar na mesma rasa,
das 7 boras as 9 da manhaa, e das 3 da larde i m
diante.
Vendem-se duas rasas
loja n. 25 de Joaquim Ferreira de S, vende-
se por presos baiatissimos para acabar : ves-
tidos de larlalana bordados de seda a 85000,
lo
a
a 0(0 a vara, laazinhas de duas larguras, 0>z< nda
no pata *eii tranca ron. laco de fila rara rabeca de senheras
a 2tF.0O. corles de risrado para vestidos a 2J, \ e-
riscado francez fino : i,sri. rr;',ri,al",;>1 to41| palmos de iMpirra a
Ricos cortes de gazc de seda e phantazia com
duas saias, (pela terca parte do seu valor) a 10JS
cada corte.
guiao de linho a 1-S20O a vara, roupoes de
seda feilos a 125000, vestidos de seda mofados
a 89000, luvas arrendadas a 100 rs. o par,
vestidos de grosdenaple pretos com barra de
cor a 20^000, palitos de pao pelo e de cores
de 16;$000a 205000, sobrecasacas de panno
LcilCtS 6 CObcrflS. j muito Ono a 259(l00, caigas de casemira prcla
Lenroes de bramante, dilo de panno "de linho, e (le COrei de G*" a '.'^OO, dilas de brim
coberlas a chineza pelo baralo preco de lg800. i branco e de cores de 2000 a 55000, palitos
V6Stlll)S (le Sedil de brim branco ede cores de z5500 o 55000,
Ricos vestidos de seda para meninos e meni- dil0s de a,Paca '!e 3 a 8000, brim
as. fazenda superior, feilos no Rio de Janeiro trancado de algodao com 0 palmos de largura
oor urna das melhores modistas, o pelo baralo : proprio para loalhas a 900 rs. a vara, damas-
em Olinda, a pri-
meira na rua deMalbiaa Ferreira, na esquina do
beeeo que ve I la para o Bomm ; a segunda do
lado opposio, na esquina do berro, a esqoerda
de quem vem de s. Pedro Velho. por precos
commodos ; a Iratar na rua Nova de Olinda, m
casa do Pr. padre Assiimpco.
; Vfndem-se 1(1 libras de prala em obras o
70 oilavas de ouro em obras r na rua to Rangel
numero 31.
Escravos fugido.
O annuncianteroga as pessoas que lhe devem o favor de virem saldar seus dbitos, visto
ter de salisfazer a quem Heve.
ARMAZEM DE ROUPA FEITA
Defronte do becco da Congregacao letreiro verde.
prego de 6-j.
Chitas francezas.
Chitas francezas proprias para casa por screm
escuras, e ditas rlarasa 2i0 rs. o covado.
Colchas de fustao.
i Grandes colchas de fustao com ricos lavores a
5J500.
Chales de merino.
Chales de merino bordados, franja de seda, a
5$O, ditos eslampados a 3j)500.
Paletots escuros
Paletots escuros a 2J600 cada um, cambraia
organdys a 500 rs. a vara, dilas muilo finas a
610 rs., balos de malha a 5g, dilos tapados a A$
i lencos brancos a 1g8O0 c 2S, algodao com 8 pal-
mos de largo a 60 rs. a vara.
liicos manteletes.
i Os mais modernos manteletes pelo preco de
30-5000
Laja das 6 portas
em frente do Livramento
Lazinhas a 300 rs.
Camisinhas muilo bonitas com duas larguras
para vestidos de senhora a 500 rs. o covado, cor-
les de riscado francs para vestido a 2$, sa!as
balao psrr menina a 3500. das para senhora a
4g500e 5J> ; d-se amoslra com penhor A loja
est aberta al as 9 horas da noite.
co de la com 9 palmos de largura a lfOOO o
covado, velbulina ptela a dOO rs., brim de
linho de cores a 19500 o corle, meias croas
para homem a 1$'200 a duzia, camisas do
linho inglezas a 323000 a duzia, pegas de
madapolao fino a 45500, corles de lanzinha
muilo fina com 15 covados a 8->000 rs., ca-
misas de cores e brancas de 15500 a 3000,
e oulras muilas fazendas por menos do sen
valor para fechar conlas-
Na Lingoeta n. 5, vende-se :
Oueijos novos a 3g.
Manteiga ingleza flor a 1 $280 a libra.
Vinho engarrafado duque a 1^500.
Presuntos novos a 500 rs. a libra.
Cha hysson fino a 25400.
MMiUMOtl i
@ Hecebeu-se e conlinua a receber-se por 5
Iodos os vapores, veslimenlas, calcado c tt
@ chapeos para meninos na
Loja de marmore.
Fugio no dia 29 do corrente, do enpenho
Gongacari, oescravo Andr. mulato claro, cabel-
lo estirado, sem barba, altura regular, ebrio do
cerpo, representa ter 22 anuos de id.ide, denles
ahos, andardrscancado; pernas pnuro arquea-
das, levou camisa e ralea azul ; osle eser>.. 6
natural do Rio do Peiie: roga-se as autoridades
poliriaes e capiles decanto a apprehenso do
dilo escravo, e leva-lo ao dito rogenho ou .-> rua
da Imperatriz n. 30, segundo andar, que sero
gratificados.
Escravo fgido.
Um niu|al0C|ar0) magr0i oom pannos pretos
na raacaa (j0 rosto, representando ter 25 annos
de idade, na[lira| do Rio do Peixe, chamado
Lua, des,lppar,,P0U nn i* 3o do oulubro da casa
do l)r. Cosme de S Perrira, de quem.e escravo
suppoe-se ter levado um cavallo preto do Sr!
Roslron que se havja soltado, e que elle fra
em busca do mesmo ; suppe-se mais que sua
niullier de nome Maria tambem o acompanha,
levando iim pequeo bah de flandres : roga-se
as autoridades polleiaea e a nutras quae.quer
pessoas que o prendan, e remeitam ao seu se-
nbor, que pagar qualquer despeas.
N. 9.
Casacas de panno preto a 305, 355 e 40000
Sobrecasacas de dito dilo a 355000
Paleiots de panno pretos e de cores a
20. 255, 305 e 35000
Ditos de casemira de cores a 159 e 225000
Ditos de casemiras de cores a 7 e 12000
Dilos de alpaca prea gola de velludo a 12900(1
Dilos de merino setioi prelo e de cor
a 85 e 95000
Ditos de alpaca de cores a 3*300 e 500
Dilos de alpaca preta a 35500, 55,
75 e 95000
Dilos de brim de cores a 35500,
45500 e 5*000
Ditos de bramante de linho brancos a
4550O e 69000
Ca^as de casemira preta e de cores a
99, 105e 129000
Dilas de princeza e alpaca de cordo
pretos a 59000
Ditas de brim branco e de cores a
29500 45500 e 55000
Dilas de ganga de cores a 39000
Ditas de casemira a 55500
Colletes de velludo decores muitofino a 10500
Dilos de casemira bordados e lisos
pretos e de cores a 59, 55500 e 65000
Ditos de selim prelo a 5000
Diios de casemira a 35500
I'los de seda branca s 55 e 65000
Ditos de gurgurao de seda a 55 e 65000
Ditos de fustao brancos e de cores a
35e 35500
Diios de brim branco e decores a 25 e 25500
Selouras du linho a 25500
Dilas de algodao a 15000 e 25000
Camisas de peilode fustao branco e
de cores a tf 300 e 25500
Dilas de peito e punhosde linho mui-
lo finas inglezas a duzia 359000
Ditas de madapolao brancas e de cores
a 1980", 25e 29500
Ditas de meia a 19 e 15600
Relogios de curo patente e orisonlaes 5
Dilos de prata galvanisados a 259 e 309000
Obras de ouro, aderemos, pulseiras o
rosetas %
Rua do Rangel
numero 28.
Delicadas resfriadeiras para a praca o senhores
de engenho. obras que podem estar" patentes em
qualquer sala ornada, do melhor goslo pela sua
delicadez, como sejam : as bonitas buhas ham-
burguezas, tanlo em porcao como a retalho, e as
expelientes jarras finas e entrefinas, proprias
para os lugares mencionados, de lodos os lma-
nnos que o fregu/, queira, e depsitos para com-
modidade, jarras e potes, tudo marcas reforjadas,
e outros muilos objectos.
Com loque de avaria,
Pecas de madapolao de 29 a 4000, vendem-se
na rua do Crespo, loja de qualro portas n. 8.
~ Vende-se por todo o prego a armago da
loja da rua da Praia n. 27, propria para qualquer
negocio que se queira bolar e pag apenas 159
de aluguel por mez : a Iratar na prega da Inde-
penda ns. 19 e 21.
Rua do Queimado n. 9, loja de Francisco Pc-
reira da Silva, vendem-se lenges de biim de
linho a I98OO cada um.
Pechincha.
Na rua da Cad-ia n. 24, vendem-se pegas de
algodao com 17 varas, lendo 4 palmos de largu-
ra, pelo baralo preco de 49.
Bom e baralo.
Manteiga ingleza a lg, dita franceza a 600 rs.,
espermacete a 680. doce de goiaba a 1 o raixao,
cha hysson a 1920, dilo perola a 2:560, vinho
do Porto fino a 19 e 800 rs. a garrafa, figos de
conimadVe. a 240 a libra, painco a 160, toucinho
a 360 : na Iravessa do paleo do Faraizo n. 16,
casa pintada de amarcllo.
Azeite de carra-
pato.
Vende-se a 440 rs. ; na travessa do paleo do
Paraizo n. 16, casa pintada de amarello.
Escrava.
Vende-se urna escrava de idade de 30 annos,
pouco mais ou menos, boa quitandoira ; na loja
de livros ao p do arco de Sanio Antonio.
Vende-se urna linda mulalinha com 12 an-
nos, cose muilo bem, faz renda, muilo aueito-
sa para todo o serrigo de casa t na rua do Hos-
picio n. 15.
Contina fgido desde 29 de julho deste an-
, no o escravo pardo araboclado de non e Joo
I com os signaes seguintes : corpo e estatura re-
guiares, cor plida por ter sofTrido de sesoes, de
idade 25 a 30 anuos, falla descancada, nansa e
biim de semnre ronlrafeita, mostrando fingirm-ntn, na-
tural de Inhamum. foi propriedade de um velho
por nome Joao Secundo do mesmo sertao, e por
morle desle vendido pelos herdeiros, sendo um
dos ltimos possuidores Ignacio Ferreira Timu-
do, senhor oe ngenho do Sui, que tambem o
vendeu ; julga-seler seguido para o Inhamum
ou outro qualquer sertao : roga-se aos capiles
de campo ou qualquer pessoa que delle souber,
o apprehendam e levem Apipucos a seu actual
senhor, o majar Joo Francisco do Rege Maia,
ou no Recife a Symphronio Olympio de Quciroga,
que se recompensar generosamente.
Cem mil ris.
Gralifica-se com 100$ a quem capturar o escra-
vo Augusto, fgido do engenho Serra, freguezia
de .Nanto Anlao, no dia 20 do corrente, cojos sig-
naes sao os seguintes: pardo claro, de idade 26
annos. com principio de b3rba, secco do corpo,
rosto descarnado, nariz chalo, olhos amarello.*,
cabellos ruisados, denles limados, beigns finse
fisionoma agrsdavel, batanle ladino, sibe 1er e
escrever ; levou comsigo um qnarto grande,
rujo ranino, com urna eicalriz nova de sella no
espinhago. inteiro, de ultima muda, paaMro o
bstanle ardigo : quem o capturar poder entre-
gar Beata praga ao tenente-eoronel Francisco de
Miranda Leal Seve, ou no engenho a seu senhor
o tonente-coronel Francisco de Barros Correia de
Queiroz.
%


-rr

(V)
/
DIARIO DE PERNAMBUCO. SEGUNDA FEIRA, 5 DE NQVEMBRO DE 1860.
Litteratura.
S. I.uiz e o papado.
o sabio Griben, dito Silvestre II: em meados do
mesmo secuto subi so Ihrono apostlico o pie-
doso Bromon, bispo de Toul, sob a denominucao
de l.eo IX, c a grande regenerado europea ia
comefar pelos estoicos desse PoDtiflce francez.
Cluny, a grande abbtdia franceza, era o poni
de apoio do papado as corajinas reformas que
devia elle emprehenJer, o que too felizmente le-
vou xito, nesses lempos em que eta preciso
luliir curpo a corpo com os abusos.
Se nessa poca, o carcter dos nossos princi-
pes, era fraco e incompleto, em compensaco
Roma poia contar com a naco, e quando final-
mente sooo ahora da cruzada, Urbano II aira-
vessou os Alpes e veio propor aos nossos paes a
guerra santa. A sua vista e as suas palanas
electrisaram a naco ; e a Europa inleira preci-
pitou-se no movimeno determinado pela sympa-
Ihi mutua da Franca do papado.
Em consequencia de tantas provas reciprocas,
como pois dcixaiia de ser a nossa trra a segun-
da patria dos pontfices perseguidos pelos impe-
radores? A ella chegaram successivamenle Pas-
cual II, que veio solltcilar o auxilio de Filippo
Augusto contra Henrique V ; Golasio II persegui-
do pelo mesmo imperador; Calixto II eleito em
( Concluso.)
Mais de urna vez a situado tem sido idntica,
0 que bem se rninpirhi nde ao ver-se al que
11 lito a Franca conlavn rom a cne de Boma
para saliir-se das crises diflircis por que ha pas-
sado. Aquellos que (allam do papado com tamo
despreso lingom ignorar que s ao favor de Cle-
mente VIH deveu Henrique IV a possessao do
reina da Franca; e todava o Bearnez nunca se
cansou em confessar isso mesmo as sua cartas
.-i nini intimas e reservados. Queris tartos do
lioso lempo? Quem nao sabe que Napoleo
liara a courmaco da sua dynaslia deposilou
mais esperanca ra sagraco de Pi VIII do que
no proprio suffragio universal?
Mais de urna vez a situacao lem sido idntica,
o que bem se coroprehende ao ver-se at que
pouto s Franca contava com a corte de Roma
para sahir-se das crises elidiris por que ha pas-
Bado. Aquelles que fallum do papado com tanto
desprezo tingem ignorar que s ao favor de C e-
mente \lll deveu Henrique IV a possessao do
reino da Franca ; e todava o Bearnez nunca se
cancn em confessar isso mesmo as suas cartas
as mais intimas e reservadas. Quere3 factos do
nosso tempo? Quem nao sabe que Napoleo, pa-
ra a confirmarn da sua dynaslia, deposilou mais
esperanca na sagraco de Po VIH do que no
proprin suflYagiu un ersal?
Anda urna vez a allianca exisle, eella levo
principio, quando a nacho franceza appareceu
sobre a scena do mundo. Se ella leve os seus'subre o nosso solo hospialeiio. Seria muilo Ion-! os recunhecemos e confesamos, disse o
rado Pedro, e sob a nossa proteceo, vos,
vosso Olho, o seu reino, a vossa familia, e todos
os vossos bens. Agradecemos os presentes que
nos izesles. (1)
III
Nao entra no nosso plono o narrar circumslan-
ciadamente do que maneira a situacao do novo
reinado, principio lo amescadora, modiflcou-
se pouco i pouro, grabas firmeza e habili-
dade de Branca, quem Deus ajudou visivel-
menle : o nosso fim mostrar a conducta de
S. Luiz quanlo Ss suas relaces cora o pa-
pado.
Luiz VIII por sua morte legara seu fllho a
necessidade de continuar a guerra corara os Al-
bigenses, e assegurar os direitos da coro da
Franca sobre o condado de Languedoc. A re-
gencia aceitou esta successao ; e o joven rei,
antes de sua maioridade, vio abatida a heresia, o
pode receber a horaeuagem do Rayraundo VII,
conseguindo assim concluir felizmente cssa crise
lerrivel que pouco faltou para roubar Franca,
com a f dosseus antepasados, os gloriosos des-
linos que lhe eslavam reservados.
Gregorio IX nao lardou muilo em mostrar a
predilecco que tinha ao seu pupillo. Em tero-
Cluny, onde o sacro-eollegio acocado pelas sce-. pos de Luiz VIII o concilio de Beziers decretara
nas tempestuosas achara um porto tranquillo e que fosse cobrado no reino um dizimo sobro as
de salvaco ; Innoccncio II, victima de um schis- j rendas do clero para prover s despezas da guer-
ma odioso, do qual ronseguio Iriurophar pela ini-j ra. O clero reclaraou ao Papa contra cssa med-
cativa di Franca, ento dirigida por S. Brrnar- da pedindo Ser alliviado desse tributo, e Gregorio
do ; Eugenio III, caneado das sedices dos Ro- IIX ordenou seu nuncio que sobr'estasse na c-
manos esquecidos de que, sem o Papa como so- | bianca aos dinheiros provenientes lo dizimo ins-
berano temporal, a sua cidade nao seria mais do liiuido pelo concilio. Na carta que respeilo o
que urna sombra do que fui; AWxaudre III, o Poulifice dirigi ao clero encontra-se ainda urna
P3e da verdadeira liberdade italiana, perseguida outra prova do vinculo que intimamente ligava a
: pelo Gibclinu, e viudo por alguna lempo respirar Frauda santa s :
di as lgubres, lo lavia nunca foi aniquilada ; o
ora quanlo a Franca fr urna naco, essa allianca
so lera semprc inscripta no frontispicio do seu
direilo. Aquelles que islo ignoram, mosiram
que uo conhecem era o passado, nem o pr-
senle.
Pepino soube preencher o seu deve filial para
com a corle de Roma. O amigo dominio da son-
la s foi reconhecido e confirmado por elle, e no-
vas concessoes devidas munificencia do princi-
pe concorreraro para assegurar ao pae commum
urna existencia mais livre e mais pacifica. An-
tes, porm, a Franca vira Estovar. 11, opprimido
pelos Lombardos, alravessar os Alpes, e com a
sua presenca ir honrar o nosso paiz, ento des-
tinado i ser o asylo dos Papas, momentneamen-
te victimas das tormentas da peninsnla itlica.
Que magnifica expressu da grande allianca, que
espectculo sublime, ver-se Pepino c seu glo-
rioso fillio Carlos aos ps do pae da patria, nas
planicies da Champagne, e depois o santo oleo
despejado pela mo do velho apostlico sobre o
primeiro rei da nova dynaslia, cojo ihrono Zaca-
ras consolidara I Depois de Estevn II veio Pau-
lo I, cojos planos Pepino apressou-se em favo-
go se quizessemos descrover as recepces ao mes- Ponlifice, que a egreja da Franca para a chris-
ino lempo cavalleirosas e tilines que nossos res | landode, depois da s apostlica, o prolotypo da
faziam era taes occasies ao Chnsto exilado na f, e o sen iinmulavel apoio ; porque ella nao
pessoa do seu vigaiio, e os transportes da naci
que mais quo nunca resentia-sedo seu estimulo
marcha aps das oulras no fervor da f christa,
o na dedicaco s apostlica, mas, fozendo-lhe
segunda Boma
Nem a ignorancia,nem a m f poderam apagar
das paginas da historia lodos esses fados loo ex-
pressivos. Percorrei os annaes dos oulros povos
europeos, e dizeionde vistes em alguma outra
francez, quando o ponlifice a procurava como sua justica, rumpre confessar que marcha adiante de
todas ellas. (2)
E'islo urna prova evidente de que al enlo
nao se tinha elevado a rnais pequea nuvera que
podesse obscurecer a amiga tidelidade.
Todava a condescendencia de Gregorio IX em
parte cousa egual, ende encontrasles una naran, prestar-se s reclamacoes do clero punha o rei-
que tenha professado e mantido, como a nossa. a ''
fideldade nobre allianca que a liga (orle de
liorna desde o lempo de Clovis?
Bem sabemos que durante muitos seculos se
empregou lodos os esforcos para dissolver es-
so pacto, que lem sido por lo longo lempo o
fundamento do nosso direito nacional; que nada
se ha poupado para lornar-se a Franca menos pa-
pista : doulrinas novas, que se dizem antigs,
clculos mundanos concebidos pelos proprios
membros da egreja, astucias e violencias di parte
do
no em perigo, e a corto de Franca vio-se obri-
gada inlervir para reclamar a conservado dos
subsidios. Vio-se enlao o Pontifico retroceder os
seus passos, e n'uma caria dirigida S. Luiz,
em nome Oo qual as reclamacoes Iheeram ei-
tas, reslabelecer o dizimo, que julgra poder
abolir. (3)
Esse acto do Pontfice que nao duvdou retra-
lar-se,para leslemunhar o seu nteresse ao joven
principe, asss demonstra os senlimerilos de que
se achava elle possuido para com este ul-
timo : nos o encontraremos sempre fiel esses
poder, que leudo mollificado as con lices
de sua duraco, se senta bastante opprimido pelo sentimentos em todo o decurso do seu ponlifi-
recer, firmando um vinculo mais eslreito anda : elemento ressteme do popado porm, sabemos Codo.
entre a egr>ja dos Francos e a egreja-me, pela j tambera que, passada essa cruel e longa crise, a Vemos que no mesmo anno (1227) S. Luiz
adopcao da lithurgia romana. | Franca calholica se achou loo papista, como o ti- contratara allianca com o imperador Francisco
Carlos Magno, afina!, appareceu como chete j nha sido em outras pocas. II; razes poderosas levarara a regente dar
da nacio, e durante o seu reinado, a mais no- j Mas, o que procuramos demonstrar neslc Ira-j esse passo. Ella tinha graves motivos para temer
bre intimidado exislio entre os pontfices e elle. I balho o seguinlo :qual dos dous, S. Luiz ou que esse monarcha, pouco escrupuloso, que pre-
Iiiiilolava-se nos seus actos legislativos o hu- i Filippe o Bello, lancou a Frane.a no systeaa de senta do anlemo o bnlhante papel reservado
n>ilde campeo da sania eyeja ; e esse titulo nao
era um titulo vo. A liberdade do pouiilicado,
garantida pela resMtuico do dominio apustulico,
mais cresceu com oulras novas munificencias :
tal foi a obra do grande Carlos. E anda ha quem
OU.se dizer que {'entaples ea Emilia, concedidas
aos pontfices por diplpmas de Pepino e de Car-
los Minti, s de hontem entraram no dominio
da egreja I Roma lem a memoria mais feliz;
pois que, no prtico da baslica do principe dos
apostlos, elevou ella a estatu de Carlos Magno,
em frente de Constautiuo, primeiro uemfeitor
da s apostlica.
No seu reconhecimento para cora a Franca,
ella fez ainda mais. S L-ao III comprehen-
opposico santa s. Muitos dos nossos histo-
riadores atli ibuem esse tacto S. Luiz ; entende-
mos quesera mais exacto a (tribu lo ao sen neto
Luiz IX, lhe tomasse a dionieiro promoveudo uuio
iga cora o Inglaterra.
Cumpre aqui observar, com os Bollandistas,
^
Basta observar qugt a iniervencao da santa s era
sempre recebidis de bom grado nessa corte de
Franca, onde/Branca reprima com a sua firme-
za i esses bardes leigos que eram tantas vezes
arrastrados nas suas lulas de rivalidade com os
curros baroes ecciesiasticos, nao menos altivos,
porm, no geral, mais reservados.
Km 1233 a guerra recomecou entre a corte e o
arcebispo Mauricio que tinha passado de bispo
de Mans para a sede de Bouen. Dando-se aelei-
c.io de urna abbadessa em Montvilliers, a corte,
emendendo que o arcebispo nao tinha obrado
segundo as regras cannicas, quiz inlervir conlra
a sua senlenca. O prelado excommnngou as re-
giosas que neste negocio adheriram influen-
cia real: a corlo, desconlcnle, o citou pan com-
parecer peranto ella Mauricio, como j linha
feilo o seu predcessor, recusou responder
guma cousa mais pa^a afllrmar um fado
j por si tao inverosimilhante. E' evidente, pois,
2ue o Papa fallava segundo o boato que chegra
seu conhecimento, ou pelos bspos de Franca,
a quem as inlencoes da assembla muilo ha-
viam inquietado.
Finalmente vamos apresenlar o desmentido o
mais formal dado pretendida ordeoanca de S.
Luiz, na famosa conferencia que houve lugar sob
Filippo do Valois em 1329 por motivo de juris-
diccao ecclesiastica. O meu conhecido Pedro de
Cugneres, advogado real, lomou a defeza pelas
jurisdces leigis, e Pedro Berlrandi. bispo de
Aulun, pelas do clero. O uome de S. Luiz foi
trazido aos debales por Pedro de Cugneres; esli
advogado suslentou que o rei confirmara as pre-
lences dos bares, mas nao pode citar um s
inlimacao, allegando a incompetencia do um tri- documento cm abono da sua asserr.ao. 0 bispo
bunal leigopara julga-lo. Seguio-se oceupacoo i de Aulu" replicou o negou formalraenle a exis-
do terreno por parle do rei, e por parte do arce- ] lenc'a da pretendida ordenanca. Todos sabem o
bispo interdicto promulgado sobre lodos os do- resultado dessa celebre conferencia havida em
minios do rei situados na diocese. O prelado se Piescnca do rei, do seu conselho, e dos baroes.
achava fundado na sua resistencia, e pois encon- ^s "dversarios do clero nao lendo podido justifi-
trou em Gregorio IX um apoio leal. O Pontfice caro 1ue allegavam, e que diriam ser verdadei-
dirgio ao re muilas cartas cheias de dignidade,' ro> abandonaran! a accao, e Filippe de Valois,
e ao mesmo lempo dessa terna solicitude qu. *ue ass'slira al^ a ullim scsso em Vicennes,
elle professou sempre ao seu real pupillo (7), e | ,ec'"rou a assembla por bocea do arcebispo de
a paz nao tardn restabelecer-se com a resti-
tuic.o dos dominios do arcebispo do Ruuen or-
denada pelo rei, e cora a suspensao do interdic-
to determinada pelo arcebispo.
O mesmo i.nno du 1233 foi mais assignalado ,
por oulro conflicto havdo entre a corte e Milon 1ue
de Chalillon, bispo de Beauvais. Tralava-se de fr'^
Bourges que os bspos nada deviara temer con-
lra as suas jurlsdcr;6es, que em cousa alguma
seriara prejudicados durante o seu reinado, por-
quanlo nao quera elle dar o exemplo de opposi-
5*0 egreja (10). De ludo isto se deve concluir
se a autoridade do Papa tinha muilo sof-
na Franca desse Filippe o Bello, o poder
direitos puramente civis que esse prelado, mais I dos msP08 Ble 1339 nao linha ainda passado por
cavalheiro quo ecclesiaslico, pretenda ter sobre serias commoQes e abalos.
i cidade de Beauvais. .
Ora, uo sendo deliluida de fundamento a pre-! E P01S> evldenle a Vlslfl dos factos que S. Luiz
lencao do bispo, era do seu dever sustentar os
direitos por elle reclamados. A quesio comecou
assim : tinha-se do eleger um maire para a "ci-
dade ; os cidados achavam-se divididos nas suas
opinies, e eslava prestes rebenlar urna sedico :
durante o seu reinado nunca fra inmigo da e-
greja. Podamos ter deixado de entrar nos de-
talhes que ficam ditos, nao s porque os succes-
sos. que se elles referem, occorreram sob a
minoridadedaquelle principe, como tambem nes-
as relaces de S. Luiz
a corte nomeou o maire por si. O povo nao quiz I ">S "rligos f' domonslrar
reconhecer o nomeado, e vingou-se exercendo | cora PaPad0-
sobre elle muilas violencias ; e sendo esse func-
cionario defendido pela classe mais elevada, se-
guio-se um conflicto, era que se deram algumas
mortes. O bispo, ainda que irrilodo contra o
procedimento real, todava offereceu-se para pu-
nir os culpados. A tile nao lhe prestou ouvi-
dos, e a regente transporlou-se esses lugares !
com o rei. Obispo queixou-se que linhain sido
uffeudidos 03 seus direitos reconhecidos porF-l
cim ^SESSfu 3 C,,t"-l 'y*?* q"u a!"ida/'n justo corao elle era. nao poda deizar de respeilar
ir! I:6., "."1: '.'..'.S ?'. S ,lireilus Mqirid08; e como bom christao. nao
[radia consentir que a liberdade da egreja soffres-
sn a menor quebra. Principe bastante sabio,
mente ao clero dos seus estados, no momento
era que o seu reinado ia Andar, e quando re-
suma para o uso de seu Olho as regras de go-
verno, de que usara elle proprio. E1 irapossi-
vel mostrar-se mais benevolencia, digamos fran-
camente mais tolerancia para com os prela-
dos do rei, cujas pretencoes tinham sido por di-
versas vezes offensivas. O exemplo, que elle
allega, do rei Filippe, sen antepasssdo, muilo
expressivo E esse principe, tao paciente em
face das empresas relativamente negocios tem-
poraes de certos prelados, seus subditos, que
nos apresentarn como o criminoso e arrogante
para com o papado, de quem foi elle pupillo ; o
papado, objeelo da mais terna veneraco paro o
povo francez ; o papado que o assistia com a sua
influencii naslutas tao melindrosas que elle leve
sustentar 1
Por ludo o que tica exposto pode-se fazer urna
idea do papel que representou Gregorio IX, lodo
cheio de solicitude, e generosa parcialidade pa-
ra com o joven principe. Entretanto falta urna
cousa que ainda nao mencionamos, e que de-
monstra urna attenco mus positiva da parte de
Ponlifice, como vamos ver :
Sem duvida o Papa nao podia approvar de an-
te-rao, e com os olhos fechados, todas as re-
sistencias que o piedoso rei se va toreado op-
pr s pretencoes desle ou daquelle' prelado ;
porque podia mu! > bem accontecer por diversas
vezes, que os bspos se achassem bem fundados
na sua opposicao e que S Luiz se enganasse,
ou se deixasse levar pelos conselho9 inieressados
dos seus baroes. Nessa conjunctura o que fez o
papado? Recorreu urna medida que garanta
a honra da realeza, sem comprometiera liberda-
de da egreja. Foi esse medida restringir o
poder dos bspos era relaco ao re, quanlo s
censuras, tornando-as dependentes da s aposto-
liza. Em 1231 Gregorio IX baixou urna bulla
prohibindo aos hispos de lancarem o interdicto
sobre as capellasdo rei, sem aulorisa<;o expres-
sa de Roma. Oulro diploma da raesma data per-
millo egual previlego s capellas da regente.
Ninguem ignora que na edaJe media, antes que
a realeza tivesse Iriumphando do poder feudal,
os baroes leigos o ecclesiuslicos, continuando
sempre nas suas lulas reciprocas, nao poupavam
occ.asio do contrariar o governo monarchico por
mais de urna forma. S. Luiz depois de sua raaio-
ridade procedeu cora bastante tino para cora os
prelados n'aqnillo que dira respeilo s jurisdic-
coes por ellos exercidas naquela poca. Tao
Filippe o Bello. S. Luiz foi o mais piedoso dos que essa allianca com um imperador, contra o
qual a egreja vio-se logo depois na necessidade
de comhater todo o transe, nao fui conlrahida
com Frederico quando excommungado : foi no
mz de junho de 1227 que ella se concluio, e fui
29 de selembro do mesmo anno que a curte de
Roma lancou o primeiro analhema contra esse
imperador. (4)
Passaremos por cima do periodo que consigna
nossos reis: estendijo sobre o seu leilo de morte
elle recomraendava anda seu filho o religido e
O respeilo ao soberano pontfice ; crivel, pois,
que lol principe fosse o primeiro romper a al-
liinca de lanos seclos entre a Franca e a sania
s? -Nao, nao crivel. Quanto Filippe o Bel-
lo, tioo lio quem conteste que tai tile unidos
peiores reis, que leve o nosso paiz ; alcm disto
locou elle com sua mo no vigario de Jess Chris-1 a paz entre S. Luiz e llaymundo Vil, a qual ter-
lo Bootacio VIH ; o eapltveiro deste Papa em minou lo felizmente para a Franca e para a
cm Avignou foi obra da sua poltica desleal; vio- egreja a lerrivel agilacao que ttnha'dado lugar
deu, pur um instmeto divino, a predeslinacao da se que elle substituto o direilo christao que regia a longa guerra dos Albigenses, o que se retere
n.ssa raca para cumprir os designios de Deus so-j a Franca ha tanto lempo por um direito hostil, pa- ao anno de 1228. Ainda nessa grave circums-
bre a ierra No seu pensar nao devia um rei do- i gao, em viriude do qual o elemento religioso nao lamia a corlo de Franca e a santa s se conser-
minar sobre os Francos, mas sim um imperador,' era mais que um instrumento em servico do paiz. vavam de porfeila harmona. O armo de 1229
e com a sua mo, guiada pela mao de Chnsto, Tendo em nosso abono tactos lo positivos, a'ssis-i foi celebre pela sedieco dos estudanles da
deposilou sobro o fronte de Carlos o diadema das te-nos o direito de dizer: foi de Filippe o Bello, i uuiversidade de Paris, que produzio a dtssoluco
o nao de oulro, que datou a reacQao, a qual este-; temporaria desse corpo, em consequencia das
ve ponto de fazer da naco cm oulro lempo a medidas severas que a regente se vio abrigada
mais fiel allomauina nai;o rebelde influencia lomar. Dous anuos depois, pela iniervencao de
do papado. Gregorio IX, Paris,recobrou a sua celebre escola.
Luiz IX assumio as redeas do throno rom Du Boulay nos conservou as cartas em que o
edade de doze anuos. A fraqueza propra dessa "
edade, que irripuuha ao paiz a necessidade de
passar pelas vicissitudes do urna regencia, ins-
pirava grandes espci.mcas ausbaies do reino,
impacientes por sacudnera o jugo da raonar-
chia.
Branca, porm, apressou-se era fazer coroar
seu filho, e sagrago do joven rei deixou de
comparecer a maior porte dos seus feudata-
rios.
Felizmente para a Franca, que deve S. Luiz
Obrigacio de hospedar o rei durante a sua assis-
lencia ali. O prelado recusou-so isto, e em
consequencia da sua recus apoderaram-se do
seu terreno ; elle tambem de sua parle lancou
logo o interdicto sobre a diocese, e excommn-
gou os guardas do re, o maire, e us camaristas
da cidade. A pendencia foi levada ao conheci-
mento do Papa, para quem se appellou tanto por
parte do bispo, como por parte do rei. Grega-
rio IX mostrou-se como semprc fiel ao seu papel
de pacificador; nomeou um arbitro encarregado
de conciliar as partes contendoras em nome da
sania s ; esse arbitro foi Pedro de Collemeu,
prevoste da egn*ja de Santo Omero (8) O nego-
cio custou muilo terminar-se ; alinal quatro
anuos depois Roberto de Cressensac, segundo
successor de Milon, suspendeu o interdicto, e o
rei consentio n'uma liansacco sobre o direito de
bastante instruido no seu governo, tao forte na
sua brandura quo brando na sua forca, elle pos-
suia em alto grao a experiencia, para que dei-
xasse de prever que os ecclesiasticos poderiam
abusar dos seus direitos, e usurpar aquelles que
elle pcrlenciara. Em tal caso tinha dous par-
tidos seguir : ou um rigor implacavel, ou urna
indulgencia beneficenle. Foi ao ultimo que S.
Luiz se apegou, pelo respeilo que professava
egreja, sua me. Esta verdade se acha consig-
nada, nao em um documento descoberto du-
zentos annos depois da morlo de S. Luiz, como
moslrar-se muilo rigoroso por seus direitos nos
domicilio, e oulras attribuicoes reaes. era que | conflictos cora os prelados.'
ello havla proseguido com bstanlo rigor. v
Cesares, que nenhuma fronte humana ousra
cingir haviam j quatro seculos 1 O' Carlos, ami-
go e protector de Adriano, cojo sublime e locan-
te epitiphio lavrou a vossa prupria mo, filho de
Lea o 111, o sen escolhido pora u imperio, reco-
nhecerieisacaso a vossa querida Franca, que vos
deven a civilisacao e a gloria, se ella deixasse a
in.lill'e.encj substituir a ua amiga fideldade
S. Pedro ? Na verdade nao sabem o que fazem
esses que prelendem negir ou alterar nossas re-
lacoea de quatorze seculos com a corle de Ro-
ma ; nao sabem o quo dizem, quando emiliem as
suas ideas extravagantes !
Seria materia para urna narracio sem fim a
exposico de todos os tactos consignados nos
nossos annaes, relativamente essa anngavel e
perpetua relaco, que ahi transi/. p.jr lodos os
lados, entre Roma e a Franca. Ve-se que essas
duas finca contom sem cessar urna com a ou-
tra, e que urna estrea sulnlariedade as conser-
va intimamente ligadas. Carlos Magno, quando
fez o seu testamento, no qual deixava o iropeiio
dividid culie seus lilhos, o submeltcu appro-
vaco rio Papa. Nesse mesmo lempo recommen-
dou solemnemente seus tres filhos a defeza da
egreja romana, nao como um simples aclo de
conveniencia, mas como um dever sagrado e su-
po 11 o r todos os outros Super oninia autem
jubemus alque pracipimmt, Ul ipsi tres fralres
curam el defensxonem tcclasicc sancli l'elri si-
*nul suscipianl.
Depois veio Eslevo IV dar a consagrarlo im
perial Luiz o Benigno, quem elle ha viaja co-
ra 11 em vida de seu pae, e Luiz de sua parle
conflrmou os dominios apostlicos. Essa suc-
cesso e retribuico de sericos continuou assim
durante a dynaslia carlovingiana. Suicedendo-
lhe o raga dos Capelos, se conservou esla fi--l s
Ira Qes da precedente. Hugo Capelo se fez re-
conhecer era Roma ; seu lilho Roberto o po,
desvairado um momento por urna unio Ilcita,
sendo severamente advertido pelas censuras de
Rom), foi para logo consolidar a paz com o Pon-
tfice sobre os degro do conlissionario de S.
Pedro.
O sceulo XI comecou com um Papa francez
Pontfice recomraendava ao joven re que nao
privasse por ruis lempo o seu reino das vanli-
gens e lirilhanlisir.o de um eusirio lo precioso :
e lhe Mgxerta paternalmente oa meios de conci-
liar a clemencia real com as conveniencias que
um principe deve sua propra autoridades (5).
Havia-se suscitado urna quesio desde 1227
entre a corto e Thibaull, arcebispo de Rouen,
por jnlgar-se esse prelado cora o direilo de cor-
tar madeiras para o seu uso na floresta de Lou-
viers, entretanto que segundo as ordens reaes
o nao ter sido desmembrada e entregue s gar- isemelhanie direito uo exista seno em prove-
ras de urna interminavel anarchia, Deus per- |to d_e urna casa que o arcebispo possuia mesmo
minio que
iirn ponlifice
Resta ainda um tacto anterior maioridade de
S. Luiz, c com elle oceuporemos mais alguns
minutos. Urna assembla de baroes do reino se
reuni era S. Diniz em 1235, e spresentou-se
animada dos sentimentos os mais hostis contra a
jurtsdicco ecclesiastica. Prelende-se que S.
Lu/, em viriude dessa assembla, promulgara
urna ordenanza em que dava a faculdade aos vas-
salos desses senhores de nao responder perante
os tribunaes episcopaes em materia temporal, e
permitlia, no caso em que osjuics ecclesiaslicos
usassem das censuras contra os contumazes. o
direito de obnga-los pela toraadia do territorio
suspenderen! essas censuras. Para complemento
dessa medida, a ordenanca, dizem, consignava
mais esta clausula : que, quanlo aos eclesisti-
cos, elles seriara sempre obrigados comparece-
rem perante os juizes seculares por todas as cou-
sis civs que tivessern relaco com os seus feu-
dos, mas nao com as suas pessoas.
A critica sa lera direitos serios fazer preva-
lecer contra essa pretendida ordenanca deS. Luiz.
tao celebrisada por nossos historiadores, por
l letiry especialmente. Km primeiro lagar n.mco
nenhum dellescilou esse texto. Em segundo lu-
gar peguntaremos: que interesse tinha a cne
do Franca em sacrificar a jurisdieco ecclesiastica
ao pruvcito dos baroes, cuja independencia ao
contrario procurava ella restringir o mais possi-
vel. Quando elles tinham sido lo inc immodos
no lempo da regencia de Branca, possivel que
S. Luiz. em vespera da sua maioridade, procu-
ra subase ao mesmo lempo santa sede emLonviers.Proseguiu-se neste negocio de parte rwe torna-Ios mais independentes, ainda anni-
ice. quem tinha sido confiada a mis- a parle com egual vigor. Depois de intimado o quilando em proveilo delles o freio que sem ees-
velar sobre a viuva e sobre o or- prelado para comparecer perante o rei e a regen- sar enconlravam na jurisdieco ecclesiastica ? Em
FOL.nETIHl
ORIGINAL 00 DIARIO DE PERNAMBUCO.
sao de
pho, e quo soubo desempenhar essa paternal
misso.
Gregorio IX lozo sua elevaco recebeu as
cartas de Branca que lhe recommendavam seu
lilho, e logo nos primen os dias do sen pontifi-
cado dirigi ao filho e me a certeza da sua
proleccao.
O principio da carta do Gregorio IX confirma
o que mais cima dissernos : a os nao podemos,
nem devemos jamis perder de vista a f sincera
e a dedicaco Deus e sania egreja, quo era
todo o I rn>o professaram os res o o reino da
Franca, n que lem levado a sania s favorce-
los e honra-los por lodosas formas.
V-se, pois, que no j ti izo de Gregorio IX as
dissensoes havidas por diversas vezas enire Ro-
ma e alguns "los nossos reis, as quaes alm dis-
to sempre terminavam com a reparaco dasque-
xas manifestadas pelos puntillees, "em nada al-
tcravain a conlanca absoluta que o papado
em 1277 depunha ta Franca e no seu go-
verno.
Gregurio IX terminou a sua caria com estas
solemnes palmas : Salislazendo o vosso pe-
dido, tomamos sob a protecQo
le, e depois da recusa da sua parte em prestar-
se inlimacao, vio elle o seu terreno oceupado
pelo ofliciaes reaes, o por sua vez tambem oe-
clarou interdictos os dominios do re situados no
sua diocese. O prelado appellou logo para o Pa-
pa, e o negocio se concluio inmediatamente por
urna senlenca do nuncio romano, cardeal de
Sainl'Ange, cujos bons officos para com a regen-
te e seu lilho o tornavam particularmente esti-
mado. A restituico dos bens do arcebispado
foi de prompto operada, e o corte de madeiras
auloiisado no sentido das reclamacoes do prela-
do. (6 To distante como estamos dos succes-
sos dessa poca seria dilficil sabermos quaes
eram os direitos reaes sobre o ponto era litigio.
(1) D. Marlene. Amplias. Collect. tom. 1., col
1210.
(2) Raynaldi, ad annura 1227, n. 60
3) Ibidem, n. 61.
(i) lcln Sanctorum. XXV junii, pag. 299.
(5) Ilislor, uiviuersi parisin., tomo 111, pag.
1-iO e segiiinles.
(6) Ckronicon Rotomagense. Sabb. bibliolh.
do bemaventu- Tom. 1., pog. 374.
MARTIMA
XLI
Sumario. Scenos contemporneas da vida
martima.Um homem ao mu!Necessidade
da nomeaco de dou3 officiaes gencraes da ar-
mada para ojudanles do campo de S. M. o Im-
perador.
111
Os das que chamamos de esta foram passando
bordo sem differenca dos oulros, al que che-
gnu o da de Reis, e enm elle o desejo de nao
deiza-lo passar desapercebido.
A t geni se prolongavt, a monotona nos ia
ganhando, e nao queramos de forma alguma ser
victimas do spleen. Resolvemo-nos, pois, hon-
ra-lo : mas como ? Sobraram avisos, cada qual
mais extravagante, porm a maioria decidio-se
por um baile, para o qual se convidara o coin-
ni andante.
No vigsimo sexto da de viagero, senuter to-
cado em porto algum depois que sahimoirdo Rio
de Janeiro, nao deixava de ser aitrevido esle
plano, e nem isento de difficnlddes serias. Mas
a mocidade ludo vence quanlo pretende.
Em falla de confeilanas e de conventos, poze-
mos fin contribuirlo a dispensa geral. e os mimos
particulares das mames, que alguns guardavalla
Como o avaro o seu thesonro, ec.om espanto de
todos se prepararam duas decentes bandejas de
doces e bolinhos linos para o improvisado cha ;
por que ninnuem se persuada haver ainda bor-
do tanta municu, depois de lo porfiosos comba
tes de misados e valenies de queixo.
Viva Deus I linhamos o principal.
Porm a msica? Como dar-se um baile sem
ella ? Como dansar-se ? Desaninnmas logo, por-
que esle era o n. gordio da funcij.io, e nao va-
mos nenhum Alexandre capaz de desala-lo.
Nao conheciamos bem os nossos hroes, que
resolveram o problema perfeitamente, organisan-
do-acom urna certa originalidade, que 1 to dava
chiste paiticular.
O guarda mariiiha Travassos locava bem flauta;
at ahi ia ludo ptimamente ; havia tambem
quem o acompanhasse ao violo, instrumento que
nao falla anude ha mais de um Bahianno ; j nao
estafamos to mal como isso: porm queria-se
urna orchesia forte, estroudosa, marcial, enlhu-
siasttea, e pois us dous Ribeiros Guiraares e o
Peiit deseiiterrai .un um irombone, um bombo e I
uoi triangulo, que eslavam anda bordo da an-
tiga banda e se incumbirn! de tang-los com
todo o barulho possivel. Esla bella lunibranca
perlenceu ao mais mitrado daquellcs qualro guar-
das marinhas, que era por sem duvida o Ribeiro
mais moco.
Ficou assim complel a orchestra, o por tan-
to removido este ameacador embaraco.
Passarnos logo aos ensaios para nao haver mili-
ta desharmonia, e se nu ouviarnos os concertos
dos orpheonislas "le Paris, tambem nao seclia-
mus os lympanos ftidos desagradavel e estriden-
temente.
Dispoz-se enlo lodo convenientemente para a
fesla na anle praca d'armas, fazeudo desappare-
cer os bahs ; a msica iiislallou-sc no aloja-
menio dos guardas marinhas, livemos illumina-
^o A giarno em candelabros e arandelas sui ge-
itarw, formados de pistolas e bayonetas, que do
um ar militar s nossas funeces ; o esenvo en -
feitou o seu camarote com bambiuelas escarales
de ganga, e incumbio-se dos refrescos, proraei-
tendo-lni' os officiaes de quarlo que esperariam
os nguaceiros com pouco panno.
Por lal!i rmus em refrescos, cabe aqui decla-
rarmos que e te ; purque ludo bordo mnriia sede, lima
garrafa d'agua por da I Irra I s a lembrauca
disto nos faz boje estremecer do horror\
O esenvo era, portanlo, a Providencia dos s-
denlos, naquela oceasiao representados pelo
maior numero; porque, uestes casos, como em
todos, sempre ha alguns privilegiados, que se
riem das desgrscas alheias, favorecidos pelos ob-
sequios do fi'l d" puro, marinheiro que neslas
crises tern seu prestigio e seu3 aduladores, por-
que a cousa nao para menos, e nunca ha mais
sede do que quarnlo a aguo est raco.
Methor experimenla-lo que jura-lo.
Mas julgue-a quem nao pode experimen-
ta lo.
Um enorme pote de barro que encaixra no
camarote, cheio de bella agua da Carioca, fazia o
seu inextimavel thesonro, pelo qual constante-
mente velava e se .esvelav.
Recebida a garralinha all a despejava, e ape-
zar dos favores que fazia, dos roubos quo sofliia,
nossos dias em qu>) essas quesloes apenas leem
um interesse histrico, nao seria fcil fazer acre-
ditar semelhaute cousa qualquer pessoa, por
rauito pouco que essa pessoa conheca a poltica
da corte da Franca no seculo XIII.
Em terceiro lugar temos sobre esse fado urna
carta de Gregorio IX, a S Luiz ; e at mesmo
o nico documento que nos reste. E' verdade
que nessa carta o Papa lesleniunha viva inquie-
taran pelo alternado dos baroes contra os direi-
tos de que gosava a egreja ; mas elle se dirige
e appella pora a piedade do re. afim de obter o
(7) Raynaldi, ad oiiuuin 1233, n. 62.
(8) Raynaldi, ad annum 1234, n. 12.
(9) Raynaldi. ad annum 1236, n. 31.
Em 1237 Gregorio IX foi mais adiante garon-
lio do interdicto nao s. as copellas como tambem
as trras do rei e da regente, com a mesma con-
dic^o, isto salvo o caso em que o bispo se
achasse munido de autorisaco da s apostli-
ca. Em 1235 a concesso nao foi sement appli-
cada s capellas e s ierras, Alexandre IV a am-
pliou al s pessoas do rei e da rainha: e come
podiam ainda as censuras transmittir-se ao santo
rei, dido o caso de que este communicasse cora
pessoas cxcocnmuugadas pelos bspos,Roma
provea este inconvenienteoutorgando em
favor do mesmo rei um nova excepeo, em vir-
iude da qual podia elle coramunicar* com essas
pessoas, sem incorrer nas mesraas censuras quo
ellas.
Tal foi o objecto de militas bullas de Gregorio
IX, Innoceiicio IV, c Alexandre IV. Essas bul-
las existem ainda nos proprios originaos nos
archivos do imperio, e foram publicadas era
185), nos documentos reservados sobre a historia,
de liorna. A' este respeilo apenas citamos um
numero mui limitado de diplomas para nao
cancarmos a paciencia do leilor: todava nao
essa famosa pragmtica, mas no proprio testa- Pedemos deixar de citar o bulla de Gregorio IX,
ment do sanio re, onde n'ura artigo especial se d'ri^'Ja aos arcebispos o bispos da Franca, e
v que elle recommendra seu lilho de nao escripto deViterho em outubro de 1237,undcimo
anuo do pontificado desse grande Papa:
Gregorio IX comeca por lastimar a muila
facilidade com que procediam os prelados, usan-
do do direito de censuras, especialmente do in-
terdicto; faz sentir os efeitos desagradareis que
toes medidas podiam produzir quando nao era-
pregadas proposito ; e conclue assim :
Nos vos ordenimos que, na publicarlo dessa
sorle de setneos, procedaes com madureza e
gravidade, de sorte que ellas possam apruveitar
bom das olmos, que a justica nao seja offen-
dida, e que nao no3 vejamos na necessidade de
pessoalmente intervnoos na defeza dos in-
teresses do rei. Manda mus qualenus in prola-
lione sentenliarum hujusmodi proceder enm en
matnrilale el gravitte cttrelis, quod sentenlia
veslra medicinalis adprofecluma nimarum adpa-
reat,et affectus juslititic in aliqucr- non loidatur,
nosque ipsi regi providere aliter non co-
gamur.
Agora que nos respondam os homens de ba
f, e de conscieucia sia. S. Luiz tratado pelos
pontfices romanos com lauta solicitude e to
paternal durante todo o lempo do seu reinado,
sustentado pela santa s de urna maneira to
efficaz contra as emprezas que podiam ferir a sua
autoridade, e de que Roma s podia liberla-lo ;
S. Luiz disposto, como vimos, usar de tanta
condescendencia para com os prelados do seu
reino, ainda mesmo pora com aquelles que pro-
curavam tolher os seus direitos e a sua jutliea ;
S. Luiz, dizeraos nos, podia ter usado de violen-
cia e arrogancia conlra a egreja representada
pela santa s, quem mui estreitamento o liga-
vam os lacos do reconhecimento juntos aos vn-
culos da f? Nao, mil vezes nao : S. Luiz nunc
foi culpado de semelhinte ingratido, de seme-
lhanle deslealdade; lempo j de proclamo-lo
bem alto em nome da justica, em nomo da ver-
dadeira scienca histrica, pela honra da Franca
e da egreja catholica. Depois de S. Luiz a so-
ciedade lem mudado muilas vezes de face ; mas
a justica e a verdade sao sempre as mesmas, a
critica histrica e a liberdade dosseus juizos nao
foram ainda abolidas, a Franca contina firme no
seu posto, e a egreja catholica presa semprc a
gloria dos seus santos.
D. P. GCEKAKGBR.
[Le Movde=Silveira.}
Daremos cm primeiro lugar olexto primitivo
dessa importante possagem, e em seguida dare-
mos a sua redurco assim se puder conhecer
a aulhenlicidade das palavras du santo rei. Eis
aqui o lexlo completo : citamos o francez para
reproduzir as proprias palavras de S. Luiz : os
diversos textos latinos, quer completos, quer
abreviados, sa acham em ludo conformes este :
Soies bien diligent de fe re garder toules
manieres de gens par ton roiaumeet esp^iou-
raenl les personnes de sainie eglise, et les aefei''.
iiui injurene violencc ne soil tete en eurs per-
sonnes no en leurs choses. Et te voil ( e je te
veux ) ici recorder une parole que rois Pheli-
pes mon aieul dist une foiz, si comme un qui
esiait je son couseil me record-i, me disoit qui
l'avoit oie. Se rois estoit un juur avec son pri-
v couseil, et e-toil ilecques [la ] { cil, ce lui )
qui ma record cesle parole, lot present ; el li
disoient cil ( ceitx 1 de son conseil que clers
lui fesoent roouli de injures { d'injuslices,) el
se merveilloient nioult do gens comment il pooit
( pouvail ) telo ohuse soulrir. Et adonquesli
iiz rofz Phelipes respond en cesle maniere : Je
croi bien, disl il, que mo font assz d'injures;
mes quant je pense as enneurs ( honneurs) que
Nostre Seigneur ma fles, jo voil ( veux ) miex
soull'rir raon dammage, que tere ce pourquoi
discorde uenist entre moi et sainle eglise. El
teste chose je te record pour ce que tu ne soies
pos legier a croire aucuns conlre les personnes
de sainle eglise ; aincois leur porte enneur, et
les garde ains que il puissent tere le service de
Nostre Seigneur en ps ( Doumon e Naudet,
historiadores da Franca lomo XI, pag. 85 ).
Eis agora o texto rcduzldo e abreviado, como
se le era Juinville :
Ama e honra a todas as pessoas da santa
egreja, e tem todo n cuidado em que ninguem
ambicione ou Ihes tire um s dos seus bens ou da
divas quetenham recebido de leus antepassadus.
Conla-sedo reiFilippe.um dos meus avs.que em
cerlo da dizendo-lhe um dos seus conselliciros
que muilo se admira va de quo elle rei suppor-
tasse tantas injurias feitrs pelos ecclesiasticos,
reslahelecirnento da jurisdieco ecclesiastica. [ ponto de lhe lolherera os seus direitos e jusli-
Qusnto urna ordenanca expressa do re que au- ca, Filippe responden que bem via ludo isto ;
torisasse ou sanconasse essas nnovaces, v-se mas em attenco s bondades e beneficios de
dos termos em que concebida a caria do Pon-1 Deu, elle quera antes soffrer quebra no seu di-
lifice, que este nao linha certeza alguma de qnej reilo, do que mover coniendas com as pessoas
tal cousa existase. Dizem [ul dicitur) que vos da santa egreja [ Ibid. pag. 301 1.
leudes confirmado essas medidas opposlas li-
berdade da egreja (9). Eis aqui ludo o que
exprime a caria pontifical. Ora, era preciso al-
Taes forara as disposices de S. Luiz, relativa-
de lodos os logros, e-nfim. postes em pratica pe-
los seus freguezes, o deposito cliegou anda com
agua ao porto do destino 1
Parece incrivel, mas real ; dir-se-hia que ali
exista um manaucial perenne, quo nunca sec-
cava !
Era vista destts circumslancas, fagam idea,
nossos leitores da aviitez com que recebiamos es
les refrescos lo appelecidos nesla festa improvi-
sada. Nem os sorveles do Bourgard, nem do
Buessard lhe sao comparaveis 1
A generosidade do escrivao foi cninmcnlada,
opploudida com furor, endeosoda at I
Nunca o seu camarote esleve lo frequentado,
nem tanta expanso encunlrou cm seus cmara-
dos oiiterormente 1
Foi o hroe do noile I
Hoje nada mais resta delle seno estas e outras
recordaQes : o homem tornou-se cadver, e de-
sappareceu da scena deste mundo.
A caridade publica do Rio de Janeiro deu urna
sepultura seus restos moraos, ella expostos.
Triste contingencia que se via reduzida esta
classe de servidores do estado no fin da existen-
cia, por ser al ento moito mal paga, e nao pos-
suir garanti alguma no futuro 1
Deus aconselnou ao ministro aulorisado re-
forma-la, a adopcao de medidas tendentes evi-
tarem a reproducan desta vergonha para o paiz,.
deste escndalo revoltante e assaz significativo
que tanto nos degradava e aviltava, e so os offi-
ciaes de fazenda nflo teem ainda em perspectiva
no futuro a commodidade, esto hoje ao menos
ao abrigo da miseria.
Quando o commandante appareceu, ocompa-
nhado pela commisso que foi receber na tolda,
I a orch-slra executou o hymno imperial, corao
i qual abrio-se o baile.
A noite eslava arrebatadora, cheia de perfumes
!e emanacoes aeriasque perturbavam os sentidos:
lo reo recamado de myriadas de brilhantes estre-
las, que sciulillavam no mais puro azul ; urna
brisa impregnada de suaves vapores enchia lodas
as velas da bella e arrogante crvela, que gra-
ciosamente segua um largo com cutellos de
gaias e de juanetes ; o mar n'uma immobilida-
ilii quasi completa era apenas perturbado pela
marcha do navio, que fazia proa um ruido sem-
pre agrauavel ao navegante. ludo predispunha
favoravelmenle, e convidavn ao praz"r e a saiis-
fajo, que se raonifeslava em todos os semblan-
tes dos jovens officiaes, que tornaran) ao serio a
(10) Apud Margara de la Rigue. Biblioth.
P. P. lomo V. pag. 881 c seguintes, edil de
1575.
festa e se electrisaram completamente, porque a
natureza com todas as suas galas a veio abri-
Ihantor.
Em quanto os que eslavam de quarlo aprecia-
varn na tolda esle magnifico espectculo, esta
abobada celeste to celestemente Iluminada, na
praca d'armas as valsas, contradanzas e polkas
locavam ao apogeo do enthusiasmo : as pomas
longos dios socegodas, liveram desforra da inac-
co toreada que estiveram condemnadas.
Para o baile ser completo fallava a alma delle,
o sen mais aprcciavel encanto, a presenca do se-
xo amavel, qoeo animara extraordinariamente.
Era urna desgracia por todos reconhecida e senti-
da, mas que fazer ?
O exercilo tem sempre suas vivandeiras que o
ocompanliam nas mais arriscadas commisses,
bemdito e feliz : porque vive sempre entre as
mulheres, que por mais calumniadas que sejan,
havernos de considerar toda a vida como o me-
Ihor presente quo Deus nos fez, como a mais su-
blime parte da creaco.
Masa marinha I Qual vivandeiras, nem cousa
que o valha : a saia esl proscripta de bordo, e
quasi que a desterrara legtimamente de nosso
lado.
Tambem nao ficava no quadro mais nenhum
official de marinho ; porque elles foro voto de
ludo, menos de nao casar.
J Nelson padeca do.-ta doenca do coracao, e
muitos outros hroes do mar, antes e depois del-
les soffreram do mesmo mal.
E tu bello ver Antonio aos ps de Clepatra
antes de urna batalha de Acrium I
A resgnaco apresentou-se como o nico re-
medio, e foi gcralmente abracada, olvdando-se
afinal esta blicidade que se desejava gozar, ou
pela impossibilidade de alcanga-la ou pelo deli-
rio que se linha apoderado de lodos na febre ver-
tiginosa da dausa.
Em compensaco, porm, veri ficava-se ainda
urna vez o rifo francezMalherir sert quelque
chose O amor nao leve oceasiao de (azer suas
ira essuras, e nossas bellas perderarn um mag-
nifico campo de batalha, onde pur cerlo alcanca-
riam mais de urna victoria, colhendo com extre-
ma facilidade os lomos du Iriumpho.
Nostos jovens, pois, escaparatn assim de per-
der a liberdade n'uma crise em que nao a dispu-
taran! aos grilhes de Venus e s seltas de Cu-
pido.
Eslavam to embriagados de alegra I to lor-
eos de contemes de s meamos To ternes e
romnticos!
Tudo os arrastaria por tanto sedurco, e per- !
deriam inleiramenle a razio, se lixassem dous j
meigos e feticeiros olhos de um destes anjos que
provocam a trra, destas sylphiJes ligeiras que
n'um momento nos sabem ah avassalar, quanlo
mais no meio do ocano, depois de lautos dios de
viagem I
A musici retumbante continuava fazer o seu
effeito
Accioli pisava os callos do lente Albuquer-
que, de artilharia, em una valsa desesperada, e
desculpava-se cora o balance imprcciavel ; as
risadas eram estrondosas 'vsta da serieiade
que elle sustentava, ciziuu coro orchestra
infernal.
Por fim o ruido foi cessando : o commandante
despedi-se, moslrando-se agradavelraente pe-
uhurado pelas aileiiQes que rnereceu de todos
os seus subordinados ; estes foram procurar des-
canco s fadigas dessa agilacao elctrica por que
11iih,ini de passar.
A noite fci cheia; o baile deixou indeleveis re-
cordarles, e estamos cerlos que ao locarnios es-
ta corda, vamos fazer vibrar muilas saudades,
vamos (azor nascer votos para que se reproduza
umi viagem semelhaiile. (I)
Tinhamos passado para leste do meridiano de
Grrenwich, e approximavamos do terrao que de-
mandavamos. '
(Connuar-se-/ia.)
. *
Deixamos por instantes o eslylo que ltimamen-
te empregamos, para fundamentar a necessidade
da nomeaco do dous officiaes generaos da ar-
mada para ajudanles do campo de S. M. o Impe-
rado. urna proposta sena qne fazemos, urna
medida nova que iembramos, que nos parece
digna de toda a consideracao.
'A soberana da naco, o chefo supremo do paiz
deve estar rodeado de todo o prestigio, de lodo
o esplendor, de lodo o respeilo. E' isto um dog-
ma para nos, que bebemos na educaco que re-
cebemos com o primeiro leite, cm que por con-
seguinie nao admitlimos discusso.
Nao concebemos realeza sera esses atlributos
exteriores, que tamo faHom imaginario huma-
na, e que tem tima grande influencia lias massas.
Para quo ella fuuccioiie perfeitamente lhe sao
jl) Principiamos publicar esle escripto em
junho re 1855 : no fim do mesmo anno linhamos
satisfago de vero Exm. Sr. minislru da mari-
nha marrdar urna outra de nossas curvetas ao
Cabo em viagem de iuslruccao.
lo necessarios, como o amor e dedicaco dos
povos.
Tambem inconlostavel quo nas monarebias
constitucionaes, o mellior e mais sabio systema
do governo quo conhecemus, e cuja sombra
protectora vamos prosperando, sao as honras
mais importantes o efficazes estmulos dos virtu-
des cvicas, das grandes arcos quo recommen-
dra estima do paiz os lilhos que revcllam es-
tas bellas qualidades.
Sendo isto assim, evidente que devemos fa-
zer rodear o nosso monarcha daquelles altos fnne-
cionaros que acpmpanham os soberanos da Eu-
ropa era suas visitas officiaes, para que nao le-
nha elle menos represenlaco, sendo em ludo e
por ludo egual em cathegoria.
Nenhum delles deixa de ter um ou dous almi-
rantes como seus ojudanles de campo, para os
acompanhar bordo dos navios estrangeires e
nacionaes quo visitam, como se pode verificar no
Almanak de Gotha.
Entre nos nao assim.
Anda ha pouco S. M.o Imperador foi bordo
da fragata ingleza Euryalus visitar S. A. o prin-
cipe Alfredo, da Inglaterra, e nao tinha ajudante
de campo do mar.
E' esla sensivel falla que desojamos ver pre-
en chida ; por que ao par e passo que se satisfaz
aquella necessidade. crea-se urna nova posico
honrosa para os nossos officiaes generaos da ar-
mada, que chegados, como o Exm. Sr. baro de
Tamandar mais alta patente que podemos
aspirar, veem-se com tudo reduzidos ao simples
sold de Ierra, que sao 240$ por mez, insuflkien-
le paro sustentar sua alta dignidade, ainda quo
algum delles lenham mais alguns vencimenios
corno conselheiros de guerra,
Lernbraraus, pois, S. Exc. o Sr. ministro da
marinha, que tantos desejos tem de servir nobre-
mento sua patria,a creago de dous ajudanles de
Campo para S. M. o Imperador, lirados da arma-
da nacional, com os mesr%s venetmentos e hon-
ras que tem os officiaes do exercilo que oceupam
to elevada posico.
O servido muilo lucrar cora esta medida ; por
que ella dispertar nos nossos dislinclos officiaes
generaos da armada uina nobre eraulaco para
merecerem to honrosa escollu, que tera tanto
direito, como os seus collegas do exercilo.
E. A.
PERN. TYP.DEM. F. DE FARIA. 1860.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL77E4KHZ_15U4EU INGEST_TIME 2013-04-30T22:28:50Z PACKAGE AA00011611_09156
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES