Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09146


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I10 IIXYI. NOMEBO M,
Por tres mezes adiantados 5$000.
Por tres mezes vencidos C$000.
QUINTA FEIRA 2J BE AGOSTO BE 186.
Por anno adiantado 19$000
Porte franco para o subscritor.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO' DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sv. A. de Lemos Braga; Cera, o Sr. J.Jos de Oli-
veira; Maranho, o Sr. Manoel Jos Martins Rbei-
ro Guimaraes; Piauhy, o Sr. Joao Fernandes do
Moraes Jnior; Para, o Sr. Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Joronymo da Costa.
PARTIDA DOS LUUUblUs.
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goiaana e Parahiba as segundas
e sextas feiras.
S. Anlo, Bezerros,Bonito, Caruar, Allinhoe
j Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pes-
1 queira, lngazeira. Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
I Oricury e Ex as quartas-feiras.
I Cabo.Serinhem, Rio Formoso.Una. Barrciros.
; Agua Preta, Piraenteiras e Natal quintas feiras.
' (Todos oscorreios partem as 10 horas da manha.
EPHEMERIDES DO MEZ DE ACOST.
1 Luacheia as 3 horas e 14 minutos da tarde.
9 Quarto minguante as 7 horas e 4 minutos da
tarde.
16 La nova as 8 horas da tarde.
23 Quarto crescente as 8 horas e 16 minutos da
manha.
31 La cheia as 6 horas e 38 minutos c a manha.
PREAMAR DE HOJE.
Pnroeiro as 10 horas o 6 minutos da manha.
Segundo as 10 horas e 30 minutos da tarde
PARTE OFFICIftL
Ministerio do imperio.
Circular.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio em 31 de junho de 18GU.
Illm. e Exm. Sr.Communico a V. Exc., para
seu conhocimenlo, que no dia 29 do torrente
mez, reunidas as cmaras legislativas no paco
do senado, S. A Imperial a Sr. D. Isabel pres-
in juramento as mos do presidente do mes-
mo senado, na forma do art. 106 da conslitui-
c,;io do imperio'.
Dos guarde V. ExcJoao de Almeida Pe-
reir Filho.Sr. presidente du provincia de
Tcrnarobuco.
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 21 DE ACOST DE 1860.
Officio ao Exm. hispo diocesano.Tomando
em considerado a materia do officio que V.
Exc. Rvm." se servio dirgr-ma em 10 do cor-
rente, com referencia ao do vigario da freguezia
do Bonito, cabe-me dizer em resposla que nesla
data officio ao chefe de polica para providenciar
no sentido que V. Exc. Rvm." solicitaOfficiou-
se ao chefe de polica.
Dito no commandante das armas.Sirva-so V.
S. de expedir suas ordens para quo se aprsenle
quotdianaracntc no tribunal do jury, emquanto
durarem os trabalhos da presente sesso, prin-
cipiando de hoje, urna guarda composta de 12
granas e um inferior, alim de raatiter a ordem
naquelle tribunal.Communicou-so ao juiz de
direilo presidente do jury.
Dito ao mesrao.Pode V. S. mandar abrir as-
sentamenlo de praca ao paisano Manoel Jes de
Olireira que, offerecendo-se voluntariamente pa-
ra o servico do exercito, foi considerado apto pa-
ra isso, como consta do termo de inspec-
eao annexo ao seu officio de hontem, sob u
"Jilo.
Dito ao chefe de polica.Conslando-mo que
na freguezia do Bonito se tem sepultado no cam-
po cadveres humanos," recommendo a V. S qan
expeca as naia terminantes ordens as autorida-
des polieiaes daquello lugar, delerminaiido-lhes
que nao consintam que os enterramentos se fi-
cam seno nos cemiterios pblicos ou em ou-
tro qualqurr lugar sagrado, em quo for permil-
ttdo pelo respectivo parocho.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional do municipio da Boa-Vista.Em solucao
ao que consulla V. S. era seu ollieio de 26*de
julho ultimo Ihe declaro : 1. que, em cada um
dos municipios comprehendi*os na circurascrip-
Cao desso commando superior deve haver um
conselho de revista, que conhecer das delibera-
res dos respectivos conselhos de qualicac.io
dos guardas nacionaes ; 2., que o conselho'de
revista ser presidido pelo mais graduado offi-
tial effcclivo do municipio, seguind-s a or-
dem da substituirlo designada nos J? 1. a 760 \
art. 43 das instrueces de 25 de outubro de 1850 ;
3. finalmente, que terminada a qualilicaro na
paroenia ou parochias de cada un dos niuniti- '
pos, cumpre a V. S. ordenar ao official mais
graduado, a quem competir a presidencia do
conselho de revista, que convoque a sua reu-1
nio pela forma prescripla no art. 41 das citadas!
instrueces, visto do ter tido ella lugar no dia '
marcado pelo arl. 23 do decreto o. 1,130 do 12
de marro de 1853. Curapro ainda que V. S.
mande proceder qualificaoo no municipio do
Ex, nomcando ofliciaes inferiores ou guirdas
que lenham a idoneidade exigida no art. 4." das
referidas instrueces, para completar o respec-
tivo conselho, visto que nao ha alli official algum
eJTectiro da guarda nacional, como assevera V. S.
em seo citado officio.
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda.
Ao olhcio de V. s. de 6 do corrente. sob n. 807,
respondo declarando, que em vista da informa-
cao do commandante superior da guarda nacio-
iial deste municipio, nao podo ser dispensado
de fazer parle do aquarlelameuto em que se
ada o quarto balalho de infantaria, o segundo
escriturario dessa thesauraria Christovao San-
tiago de Oliveira.
Dito ao mesmo.Ao sargento Martiniano de
Barros Branco mande V. S. pagar, em vista das
contas. relaces e prels juntos nao s os venci-
mentos relativos aos mezes de junho e julho pr-
ximos lindos, dos destacamentos de guardas na-
cionaes da villa da Escada. mas tambera a ira-
partanma dasdespezas fetas nos citados mezes
com ofornecimento do luzes para o quartel do
mesmo destacamento, conforme requisitou o
commandante superior em officio de 11 do cor-
rente, sob n. 10.Coraraunicou-ss ao respectivo
commandante superior.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Mande V. S. pagar Guimaraes & Oliveira a
quantia de 1338720 rs. em que. segundo a conta
junta, importara difieren tes objectos que fornc-
cerara para o expediente na secretaria do go-
verno no corrente mez.
Dito ao mesmo.Em vista da conta junta,
mande V. S. pagar a Guilhermc l'ereira das No-
ves, conforme requisitou o chefe de polica em
officio de hontem, sob n. 1,136, a quantia de
lii 8000 rs. despendida competentemente pelo de-
legado de Olinda com a caiadura e limpeza da
respectiva cada.Communicou-se ao chefe de
polica,
Dilo ao juiz de orphos di Victoria.Confor-
mando-me cora o parecer do conselheiro presi-
dente da relacao, declaro Vmc. que nao pode
ser objectode duvida o que expe Vmc. era seu
officio de 25 do jullio lindo, em vista dos actos
explicativos do governo a csse respeito. Os offi-
cios de curadores geraes de orphos s podem
sor considerados legalmenle existentes e vitali-
cios, nos termos em que elles teem sido creados
por lei expres3a ; naquelle, porra, em que es-
ses officios nao forem creados vitalicios em vir-
tudc de lei, sero elles prvidos temporariamen-
te pelos juizes de orphos, como depralica,
(aviso n. 115 de 27 de abril de 1855) devendo
gercm preferidos para taes lugares os promoto-
res pblicos, como recommenda o aviso n. 13
de 15 de Janeiro de 1858. Nao cxtstindo, pois, lei
que croasse o referido officio no termo do cidade
da Victoria e residindo ahi o promotor publico,
o qual so acha presentemente no gozo.de licenca
o ausente da comarca, e nao lendo elle allegado
impedimento legitimo, deve Vmc, em obser-
vancia aos supracilados avisos, nomear interi-
namente um curador geral de orphos, fazendo
recahir a nomeacao no promotor interino, o na
sua falla, se elle residir em outro termo, em
pessoa que lenha a precisa idoneidade.
Dilo ao conselho administrativo.Auloriso o
conselho administrativo a comprar para forne-
cimcnlo do arsenal de guerra os objectos men-
cionados no podido junto,Communicou-se a
thesouraria de fazenda.
Dito ao vigario interino de Iguarass, Telesfo-
ro de Paula Augusto. Ao seu officio 3 do cor-
rente, respondo, dizenio-lhe que nao possivel
o que n'elle. Vmc. solicita, curaprindo quo espe-
cifique quaes as necessidades da matriz, para a
qual alias mandei dar em 9 do corrente, SUOgOOO
rs. por intermedio do Exm. e Rvm.0 bispo da
diocese.
Portara.O presidente da provincia, attenden-
do ao que expoz o chefe de polica em officio de
20 do corrente, sob n. 1,141, resolve conceder
ao coronel Jos Carlos Tuixeira a exoneraco,
que pedio do cargo de sobdelegado de polica
da freguezia de Muribeca.Communicou-se ao
chefe de polica.
DitaO presidente da prortncia, atleniendo
ao quo requereu o secretario da repartico da
polica, Dr. Rufino Augusto d'Almeida, resolvo
AUDINECIAS DOS TBIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal docomraercio : segundas e quintas.
Rclaro : tersas feiras e sabbados.
Fazenda: tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quartas ao meio dia.
Dilo de orphos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civi: tercas o sextas ao meio di4
Segunda varado civel; quartas e sabbados a ama
hora da larde.
couceder-lhe 40 das de licenca com venciineu-
tos para Iralar de sua saude fra da provincia.
DitaO Sr. gerente da companhia Pernam-
bucanade paquetes a vapor mnnie dar transpor-
te para a provincia da Parahiba, na primeira
opporlundade, ao criminoso de morle Joao Tei-
xeira Pacheco Honorato, e a duas pracas do cor-
po de polica quo o vo escoltando", sendo as
passagens pagas n'aquella provincia.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao-commandante do corpo de polica.
S. Exc. o Sr presidente da provincia, expedin-
do ordem nesta data ao commandante do corpo
de polica para fazer escoltar por 2 pracas o cri-
minoso de morle Joao Teixcira Pacheco Hono-
rato, o ao gerente da companhia Pernarabuca-
na para Ihe dar transporte para a provincia da
Parahiba na primeira opporlundade; assim man-
da communicar a V. S em resposla ao seu of-
ficio de 20 do corrente, sob n. 1,039.Fez-se
todo o expediente preciso
Dilo ao inspector do arsenal de marinha.S.
Exc, o Sr. presidente da provincia, ficando in-
leirado pelo officio do V. S de hontem, sob n.
355, de se ter ellectuado a remessa dos objectos
mandados fornecer por aviso do ministerio da
marinha, de 6 de dezembro prximo findo com
destino ao pharol da provincia das Alagoas, as-
sim o manda comuiucicar em resposla ao citado
officio.
DESPACHOS DO DA 21 DE ACOST.
fequerimenlos.
1305Antonio Gongalvcs de Moraes.Nesla
dala se declara a cmara municipal do Recifo
que subsiste o aforamenlo que fez o supplicanle
do terreno, a que allude.
1306 e 1307Antonia de Barros Luna e Fran-
cisco de Paula Cabrsl.Informe o Sr. director do
arsenal de guerra.
1308Anionio dos Sanio Vital.Os documen-
tos que pede o supplicante s podem ser enlre-
g du por conidio
1309 e 1310 Francisco Beringuer Cesar de
Menczes e Joaquim Thcodoro de Vasconcellos
Aragao Intorme o director gcrel da inslrucco
publica.
1311 Felicidado Peres da Luz.Nao tem
lugar.
1312Felicia Froes Estevos.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
1313Gabriel Germano de Aguiar Montar-
rovos.Informe com urgencia o Sr. comman-
dante superior da guarda nacional do municipio
do llecife.
1314Guimaraes & Oliveira. Dirijam-se a
thesouraria de fazenda.
13i5Innocencio Garca Chaves. Como re-
quer, pagos os direitos nacionaes devidos a fa-
zenda.
1316 a 1818Jos Corroa de Lima, Manoel
Jos do Espirito Santo e Pedro Velloso da Sil-
veira.
1319 Mara Isibel Lins.Informo o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
C0I1AJSD0 DAS ARIAS.
Quartel do commando das armas
em Pernambuco, na cidade do
Recite, SI de agosto de 1860.
ORDEM DO DIA N. 5.
O coronel commandante das armas, faz publico
para corihecimenlo da guarnicao e devido effei-
to, que nesta data conirlou para servir por Iros
annos na msica do 9* balalho de infantaria,
nos termos da imperial resoluco de 27 do no-
vembro de 1852. o msico paisano Emydio Fran-
cisco de Souza Magalhes, que lendo j servido
no exercito, percebero premio de 200g, que Ihe
ser pago na conformidade do rcgulamcnto do
1" do maio de 1858.
Assignado.Jos Xnlonio da Fonseca Galvo,
Conforme.Antonio Eneas Gustavo Galco, at-
ieres aldante de ordens interino do commando.
Saxoma.
DAS DA SEMANA.
20 Segunda. S. Bernardo ab. doutor da igreja.
21 Terca. S. Joanna Francisca v.; S. Umbelioa
22 Ouarta. S. Timotheo en.; S. Fabriciano m.
23 Quinta. S. Felippe Benieio; S. Liberato m.
2 Sexta. S. Bartholomeu ap. ; S. urea r.
25 Sabbado. S. Luiz Re de Franja f.; S.Jeroncio
26 Domingo. O Sagrado Coracao de Marii.
pouco tempodepoisde conclutio aquel-, para serum consumidos no imperio
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SUL*
Alagoas, o Sr. Claudino FalcJo Das; Bahia,
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Si*
Joao Pereira Martins.
EM PEBNAMBUCO.
O proprielaro do MUDO Manoel Tigueiror do
Faria.nasua livraria pw^a da Independencia ns.
o e 8.
e para ra-
1 e 'lilil*' -----***""***"* **** ."f"-.." o pata nu-
,J s Por direitos do transito sobre os mpninti senppos
A propna Suissa nao o fez valer em 1601. quan- destinados para o estran eir0 fiando oeste caso
do a Franca a cancou a cesso do paiz de Gex.! revogado o arl, 25 dafe dot di.Miembro de
um dos territorios expressamente nomoados nos '
annaes dos onze canles ; nom eml702, quando
tomamos posse da Saboya ; nem em 17S>6, quan- .
do a Saboya nos transmittio os seus direitos, nem de 31
1845.
*-.'' substituir o imposto de 2 0iO de
chancellara, ostabelecido pelo art. 9o 2o da lei
14 o,o ^.TXVp^^%^4!S
ou crimes, civelmenle intentadas, e realisavel so-
aquella provincia foi assnmplo om duas occa-
sies dislinclas, da mesma mancira que o paiz de
Gex.
Quando Genebra, convertida em cantan da con-
federacSo Helvtica, sollicilou a concesso, primo,
de um caminha e depois de um territorio suffi-
ciente para assegurar a3suaseommunicaces cora
o resto da Suissa, pela margem occidcn.al do Le-
man, nao loriara invocado o beneficio do tratado
de 1561 para alcanzar o paiz de Gex, se 'ffecliva-
menle as estpulacoes terriloriaes do dilo tratado
nao tivessem decahido
desdo muito lempo ?
E verdade que se podo dizer que os delegados at urna legua de distancia. Esta disposfeSo
5p fsf' / ^"0" meltida em feverc ro extensiva a quaesquer outros terrenos devolt
de 181d a deputacao Suissa era Vienna, enuncia- I as raesmas condices.
EXTERIOR.
A questao da Saboya oceupa agora do novo e
activamente, a impresa e os gabinetes. Novas
olas lem sido expedidas pela confederaco s po-
tencias ; o as potencias responderam.'annuindo
idea opposta de urna conferencia para resolver
a questao pendente.
Antes porra de publicronos as ultimas com-
municaces, vamos dar conhecmento aos leilores
mente nos casos do recurso de appellaco ; guar-
dadas porm as isencoes estatuidas no art. Io S8
Io e 2o do decreto n 150 de 9 de abril de 1812
e art. 8o do de n. 413 de 10 de junho de 1845.
6. Para rcalisara venda dos proprios na-
cionaes que foram desnecessarios ao servico pu-
blico, e que nao derem um rendimento pelo me-
nos equivalente s despezas de seu costeio, ou
ao juro_correspondente ao seu valor.
7. Para aforar os terrenos alagadicos iun-
tnleiramente em desuso e tos ao dominio do e3lado, ou devolutos que esli-
verem encravados as povoacese seus arredores
fica
devolutos
vu" ouissa cu mima, enuncia- i as raesmas condices.
EL HCSej< ?U 7 (< rei da S"1,en>a B- 8o Para afo'rar ou vender, na conformi-
casse obngado a nao ceder nem mudar nenhuraa dado da ,ei n 601 de 18 de setembro de 1850 os
parte das provincias de Carouge, Faucigny e Cha- terrenos pertencenles s antigs misses e aldOas
blais aqualquer outro estado que ni fosse a dos indios que estvorera .ba8naonadM. cedendo
ir. io i todava a parte que julgar suflkente para cullu-
""e, rj'- rticalado sem referencia ao ra dos que nollos ainda perraanecerom. q
tratado de 1564 nao parece ter sido aceite pela quererem.
deputacao helvtica, e nada ha. que nSs saiba-
LLSj.'!. Pr.Var q-' S fiiC3SC ,,'en?I"- rcnIe ano civil a aulorisaco concedida ao go-
sumpto de.urna reclamacao ao congresso. Nada verno pelo art. 15 2 da lei n. 80 de 15 de se-
f'.Pr"'lp,-lraente ^Ue, P">*e que lal protenco tembro de 1855. para alterar o lysloma de arre-
SSf nl'l'T. congresso, o em todo o cadaco do imposto do sello decretado nao s as
nrndu^da f ,n?m!m rl ZfiF*" ^ ** f' t*5 de 21 de 0ulubr0 de 18i3- 18 dc selembrO ^
PHIh m regeitada 1845, 15 de junho e 6 de setembro de 1850, o 17
rSimn.PK!rf.n. h- HC-?,U-nt0 U VtV^' P^5" selembr0 1831, como no decreto d 6 de
riamos abslernos de destruir o argnmeoto tirado setembro de 1852 ; dovendo na sua reforma ob-
para servidos nao conletnplados al agora as
proposlas do lei dc orcaraento, e annullados os
respectivos crditos, ou sejam definidos ou in-
definidos, na parlo qui nao ti ver sido ou nao for
despendida al ao Dra do exercicio de 1858 a
1859. o aue nao cstiver sujeita a contratos cele-
brados com quaesquer individuos ou compa-
nhias; devendo o governo incluir especificada-
mente as futuras propostas de lei de orcaraento,
tanto as seminas que forera precisas para occor-
rer aos mesraos servicos, como para pagar
nullidade em juizo das que o forem pelas sobr-9
ditas cartas da publicacao desta lei em dianle.
L. A. de Sampaio Viaona.A. J. Henriques-.
Torres-Homem, com restriegoes.
No art. 1 g 3o, em vez do-artigo 23 do re-
guramenlo de 11 de abril de 182diga-sc-art
]'*0 "gulaueoto n. 151 de 11 de abril
de
No art. 2o Io, em vez de-da lei de 21 de
juros garantidos s companhias das estradas di I fubrode $$*-**'-'** ** 21 de ou-
ferro e de outras emprezas industriaes, equaes-
os
quer subvenges com que se lenha obrigado a
auxilia-las.
fue o re-
Art. 2. Fica prorogada al ao fim do cor-
do artigo 23 do tratado de 1816 entro a Sarde- servarem-se as seguintes disposices
"n.iJL 222L Conu1rma1ndo ""POiCoes dos 1. As laxas do sel|o pHropordc
"-rticularmente do de iioi, as ser elevadas at o dobro das aue fora...
es nao poderlo c-vjdciUo- ; cidas pelas leis anteriores, e comprehendero em
atenea arbitral de 1 jfM entre geral todos os contratos, ttulos e papis que con-
ocantao de Berna, massim liverem promessa ou obrgaco para satisfazer
roSda'r'contalKs0'- uSS \SSSi
mente ter a vista asen
o duque de Saboya e
os actos relrtivos s relaces do visnhaiica entre
a Ginebra e a Sardenha.
O tratado do 1815. lnha effectivamente por
fim especial e immediato regular essas lelaces ;
nao se lnha feito menco da posijo c a Suissa
pelo que respeila Saboya, mais do qua em ra-
zo dos la^os ostabelecidos, como depois prova-
remos, onlre as cesses terriloriaes feiasa Ge-
nebra, e a neutralidado da parte septentrional da
Saboya.
obrigacao pa
prestar ou fazer alguma cous'a, ou distrato o
exonerago de obrigago, alm dos mencionados
no art. 12 1." da lei de 21 de setembro de 1813
e regulamento de 10 de julho de 1850.
2. As laxas do sello fixo ficara elevadas
de luO al 200 rs. por cada meia folha de papel,
conforme o seu formato, igualadas s de todos
os papis forenses de que Irala o art. 3i do re-
glamelo do 10 de julho do 1850; llcando a ellos
.sujeitoscm geral nao s os papis e documentos
sam thre m,P.,W PHUlaCS da'"elJa T'la ?*- actualmente s Pgan. mas tambera todos
i de commercio, de transito e I os que fizerem parte, forem juntos ou appensos a
1 processos administrativos ou judiciarios, e todos
os contratos, ttulos e papis de que traa o pa-
ragrapho antecedente, que nao esliverem sujei-
los ao sello proporcional. O pagamento das no-
vis tnxas ser obrigatorio do i. de Janeiro de
1861 em diante.
. "J 3.o Fica revogado o arl. 13 da lei n. 939
de 26 de setombro de 1857, e a revalidac.au dos
papis obrigados ao sello ser regulada pela
mancira seguinte :
de propriedade, que dizem exclusivamente res-
peito a Genebra, assim como ao tratado de 1754.
Alm disso como se pode pretender tazer va-
ler urna acta lo anormal c lo estranlia a lo-
ds ideas que o tratado do 1815 pozera (m vigor
depois da tantos annos, por via indirecta, e de
Cirto modo por surpreza, no mesrao momento
em que as actas de 1815 croavam para Sardenha
urna siluacao sem nenhuma analoga com as
circumstancias era que fora pronunciada aqnella
arbitragem ?
Desta maneira pois, a discusso acha-so cir-
cumscripin aus limites das acla3 de 1815. Foi a
neutralidado de cortos dislrictos reclamada pela
Suissa? Foi estipulada pela3 potencias, como
urna das garantas da sua neutralidado? E' aqui 'abelecidos no3 regulamentos do governo, deve-
que existe toda a queslo, e vfii ver-se que os ; rao VZ" 5 / do respectivo valor at vespera
factos esto neslo ponto, igualmente em desac-; ao venciraenlo, e 10 "/ depois de vencidos. Se
cordo manifest com as conelusesdo governo. p0l"m houverem pago dentro dos prazos estabe-
1. Os documentos ou papis de qualquer
especie, apresenlados em juizo s autoridades ou
as reparlices publicas, sujeitos ao sello pro-
porcional.que o nao liverem, pago nos prazos es-
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO
9 de agosto de 1860
Hontem no senado continuando a 2" discusso
do art. Io do projecto de reforma eleiloral, orou
o Sr. Vasconcellos, ficando a discusso adiada.
A cmara dos deputados approvou honlem, de-
pois do orar o Sr. Barros Pimenlcl, as emjndas
do senado relativas reforma bancaria. A vota-
rlo foi nominal, a pedido do Sr. Franco d3 Almei-
da, e como segu :
Volarara a favor 65 senhores, a saber: Joo
Paulo, Dias Vieira, Gomes de Souza, Candido
Mendes, Viriato. Salles, Paranagu, Machado,
, Domingues Silva, Goncalves da Silva, Jaguaribe,
de despachos do gabinete francez sobre o assump- ] Manoel Fernandes, Ara'ujo Lima, Duarte Brando,
lo. cuja publicacao lem sido retardada por falta Henriques. Henriques de Almeida. baro de Ma-
e 08PB?0- manguape, Augusto de Oliveira, visconde de Ca-
r-niendemos nao dever por de parte estes dous ; maragibe, Silvino Cavalcanti, Ferreira de Aguiar.
documentos, visto havermos publicado todos os Paes Brrelo, Cunha Figuciredo, Reg Barros
outros que tom relacao com este negocio. S e Albuquerque, Villela Tavares, Souza Leo,
lyircular ao ministro dos negocios estrangeiros Pinto de Campos, Castello-Branco, Costa Moreira,
ae tranca as potencias signatarias do tratado '
Vienna.
Paris 7 de abril de 1860.
O governo suisso nos diversos documentos de
elle dimanados em consequencia da annexaco da
Saboya Franca, ?poa-se em documentos pou-
co numerosos, e que fcilmente se podem resu-
mir. Allega um tratado do secuto XVI, em vir-
tude do qual o direilo de separacao da Sardenha
ficava limitado, quando menos,"para certas par-
les do territorio saboyauo.
Acrescento que o systema de neutralisae.o ap-
plicadoa Chablais. Fancigny e lago de Genebra
em 1815. foi concebido e estabelecido em inleres-
se e beneficio da neutralidado helvtica, de que
hoje urna das garantas essenciaes.
Examinaremos lo succintaraenle quanto for
possivel cada urna destas apprcciacoes.
O tratado de 1564 aponlado na memoria do go-
verno federal do mez de novembro ultimo, como
um fado do qual nao intenta anda saccar ne-
nhuma concluso positiva, chegou a ser um dos
elementos essenciaes da sua argumenlacao.
Cita-so em primeiro lugar a nota do Sr. minis-
tro da Suissa em Paris, de 15 de marco, assim
como a mensagem de 28 apresenlada'pelo Sr.
presidente da confederado aos conselhos legis-
tivos.
S a Instancia do conselho federal poda deci-
dir-nos a segui-lo neste campo. Effeclivamente
na nossa opino, o acto que invocou esl com-
pletamente fra da dispusso.
Esto acto consiste em urna sentenQa arbitral da-
da entre as autoridades de Berna e o duque de
Saboya pelos 11 cant&es mediadores. As duas
panes renunciaram o direilo de separar, em pro-
veilo de um lercelro, certos territorios adjudica-
dos aum e a outro pelos arbitrios, a saber : por
Berna, o paiz de Vaud ; pelo duque da Saboya, o
paiz de Gex, e certos pontos de Chablais, e de
Genebra.
Deste modo o duque do Saboya nao poda ce-
der alguma daquellas pravincias seno ao canlo
de Berna.
Nao indagaremos se semclhanle ajuste apresen-
lava algumas prohalidades de duraco, e se es ar-
bitros que haviara seguido, depois dc muitos e
infructferos esforcos, se llnham proposto a outra
cousa mais de que apresentar um expediente pro-
prio para satisfazer a susceptibilidade do senho-
res de Berna e de Saboya sem Ihesimpor obriga-
coes mais graves.
Q certo que, a sentenc.a de 1564 foi observa-
da por poucus annos.
As clausulas destinadas a proteger o canlao de
Vaud, contra os excessos do poder do canto de
Berna introduzidosno dito tratado, poderam sub-
sistir at ao momento om que este paiz foi com-
pletamente dominado pelos Bernezes : mas as
clausulas terriloriaes foram violadas e quebradas
Araujo Jorge, Tobas Leile, Barros Pimentel, Pe-
dro Moniz, Sampaio Vianna, Casimiro Madureira,
baro do Bora-Jardim, Pereira Franco, Pereira
Pinto, Sergio de Macedo Paranhos, Almeida Pe-
reira, Teixeira Jnior, Torres-Homem, Cruz Ma-
chado. Paula Fonceca, Luiz Carlos. Belisario,
Tavares de Mello, Brlas. Cyrillo, Monleiro de
Barros, Athayde, Cunha Mallos, Santa Cruz, Pe-
xoto de Azevedo, Delphino de Almeida, Nebias,
Pereira da Cunha, Costa Pinto, Lamego Costa,
Bello, Jacintho de Mendonca, Belfort, e Calhei-
ros.
Votaram contra 22 senhores, a saber: Serrs
Carneiro, Franco de Almeida, Silva Miranda,
Toscano Brrelo, Fernandes da Cunha, Augusto
Chaves, Dantas, Saraiva. Mendes da Cosls, Tei-
xeira Soares, Alexandre de Sequeira, F. Octavia-
no, Paula Santos, Francisco Campos, Rocha
Franco, Alcntara Machado, Cerqueira Leite,
Moura Costa, Aguiar Barros, Xavier di Rocha,
Abelardo de Brito. e Landulpho.
Depois dc concluida a votacSo, compnreceram
os Srs. Podreira, Paulino de Souza, Lima e Silva,
e Bezcrra Cavalcanti, que leriam votado a favor
das emendas, e o Sr. baro de Porto-Alegre, que
loria votado contra.
Em seguida conlinuou a discusso do projecto
que autorisa o governo a pagar a Maroel Jos
Teixeira Barbosa a quantia de 150:7321*450, im-
portancia da sentenca quo obteve contra a fa-
zenda publica. Oraram os Srs. Toscano Brrelo,
Saraiva, Araujo Jorge e Henriques, ficando a dis-
cusso adiada.
Approvou por fim o orcamento de receita,
conjunclamente cora as emendas da commisso,
Foram apoiados os seguintes artigos auditivos :
Art. 1." O goveraofica desde j au.orisaio :
I.0. Para cobrar ift alfandegas do imperio
um imposto addicional pe 2 at 5 0(0 sobre o va-
lor das raercadorias despachadas para consumo,
conforme a qualidade destas e os direitos a que
j esliverem sujeilas.
2. Para cobrar at ao fim do exercicio
desta lei o imposlo addicional de 2 0(0 sobre a
exportado para portos estrangeiros dos produc-
tos nacionaes actualmente sujeitos a direitos do
5 0|0 de eSportaco, enmecando a sua cob'anca
" de Janeiro de 1861.
No art. 8o Io, em vez da-lei de 30 do se-
tembro.de 1841 diga-seloi n. 243 de 30 de
Art. 10. Fica o governo autorisado para novebfo de 1841.A. J. Henriques.Sampaio
fazer desde j as operaces de crdito que forem l >lanna-
necessariss para cumprir os contratos dos em- i ( Arl-7" Ficam approvados os decretos expe-
presltraos externos de 1824 e 1813. lu08 Pel governo sob n. 746 de 20 de novem-
Art. 11. O pessoal da secretaria de oslado d0e8f0LB- 8" ae 22 de novembro de 1851,
dos negocios da fazenda fica augmentado com I J5 7d4j oe29 de Janeiro de 1859, e n. 2,548 de
mais um 1. official e dous segundos, os quaes I e marco do corrente anno, que reformaram
lerao iguaes vencimentos aos dos existentes da,' .,nesouro e thesourarias d fazenda as provin-
cias, e ostabeleceram regras para a tomada de
contas dos responsaveis para com a. fazenda pu-
blica ; c assim tambom a tabella n. 2,532 de 25
de fevereiro de 1860, finando os vencimentos-
dosempregadosda officna de estampara e im-
pressao do thesouro publico, e os vencimentos
dosempregadosda typographia nacional, ostabe-
lecidos no decreto n. 2.492 de 30 de setembro
de 1359. Os empregados das recebedorias da
corte e provincias da Bahia e Pernambuco per-
cebero desde j os vencimentos fixados na la-
bella annexa, os quaes nao sero calculados den-
tro do periodo de tres annos, contados da pro-
mulgarlo da presente lei, para aqueHes que nes-
se lempo houverem de ser aposentados. Antes
se abonar somenle o ordenado da tabella annexa
ao decreto n. 2,551 de 17 de margo d) corrente
anno. A. J, Henriques. Sampaio Vianna.
Torres Hornera.
njesma contadoria.
Art. 12. A disposico do arl. 11 da lei n.
850 de 15 de setembro' de 1855 fica extensiva
compra e venda dos escravos; devendo ser
transcripto no titulo o conhecimento do paga-
mento do imposlo da meia-sza, o qual fica des-
de j substituido pela laxa fixa de 403 por venda
de cada escravo.
a Arl. 13. A demarcaran para pagamento do
imposto da decima urbana na corte, estabelecida
pelo ,S I.0 do art. da resoluco de 23 ,de no-
vembro de 1823. a que existia naquelle anno,
feta pela cmara municipal, em virlude do art.
I.0 da lei de 27 de agosto de 1830.
Arl. 14. Ficam prohibidas as cartas de or-
dens para as vendas de escravos ontre pessoas
ausentes, devendo taes vendas ser realsadas
por mojo de proeuraroes psoeciaes, sob pena dp-
TABELLA dos cmpiegaos das rccpietloiias do Rio de Janeiro, Bahia e
Pernambuco, c seos municipios.
EMPREGOS.
Administrador........... ........
Escrivo...........................
Primeiros escripturarios...........
Segundos ditos....................
Amanuenses.......................
Praticnntcs ... ....................
Thesoureiro.......................
Fiel do thesoureiro...............
Recebedor do sello.................
Fiel do dito dito...................
Lanc. adores.........................
Porteiro..........................
Continuo...........................
Correios...........................
Cobradores........................
RIO DE JANEIRO
0,8 0 0 DA RENDA EM
r.vnTES,
171
Vencimento annual de cada
emprego.
1
1
2
6
10
20
1
1
1
1
/
1
1
4
15
20009000
16008(100
101X180(10
8008000
OOO-'OOO
3608000
160050(10
60080001
laooOiMi1
4008000
80O8O00
6008000
4008000
SOOfOOO
8009000
eoojooo
.003000
3008000
200JOOO
IIOjOOO
eoogooo
9009000
4noC(M)
200*000
4008000
2008C0O
2008000
2008000
o
a
9
14
12
6
5
3
BAHA E PERNAMBDCO
4,4 0 0 DA RENDA EM 67
PARTES.
Yencimeato annual de
emprego.
cada
o
n
a
O)
o
12003000
9008000
7008000
500000
4008000
3008000
900C000
3008000
SOOfOOO
003000
300800o
2409000
6008O00
4008000
3OOJ0O0
2>0.;000
2OOS0O0
1008000
4008000
30O3OOO
300jooo
200;000
1008000
1008000
10
i
5
4
3
71/2
3
do Io
a 5 3. Para substituir a pena establecida pe-
lo alvar de 9 de junho de 1809, e arl. 23 do re-
glamento de 11 de-abril de 1842, per urna mul-
ta de 10 a 30 OtO do valor do escravo, repartida-
mente entre o vendedor e comprador, a qual ser
imposta pelo, chefe da eslago fiscal en:arregada
da nrrecadaco do imposlo.
4. Para sujeitar, quando julgar conve-
niente, ao pagamento dos direitos de consumo
os couros, xarque o mais productos do gado. \ra!
portados pelo interior da provincia do S. Vedro
do Rio-Grande do Sul, de qualquer po-'lo do es-
pelo canijo de Bern, assim. como pelo duiue ae tado orloatal ou dos o'ulros estados, milrophe
ecidcs, mas inferiora laxa que deveram lersa-
lisfeito, a revalidarlo ser igual ao triplo da
quantia que faltar, se fr paga at vespera do
vencimento, e ao sxtuplo se depois de vencido.
2." Os litulos e actos sujeitos ao sello fixo,
que-nao forem sellados no prazo competente,
serao revalidados pagando um sello dez vezes
raaior do que o marcado oas tabellas, e o qua-
drupulo da differexea, quando houverem pago
laxa menor do queadividu.
4. As transferencias das apoliecs da divi-
da publica e quaesquer leltras de cambio ou da
Ierra sacadas pelo governo e seus agentes a favor
de particulares ficam sujeilas ao sello propor-
cional.
Art. 3. O governo fica autorisado para substi-
tuir o imposto estabelecido pelo 2. do alvar
de 20 de outubro de 1812, c alterado pelo art.
8. 4.o da leiade 22 de outubro de 1836 e art 10
da de 21 de outubro de 1843, por urna laxa que
devera comprehender todas as industrias e pro-
(isses que forem exercdas as differentes croa-
dea e villas do Imperio, com excepno smenle
das que pela nalureza privilegiada das respecti-
vas funeces, ou pela reconhecida insufficiencia
e penuria de seus recursos nao a deverem ou
puderem supportar.
A referida laxa ser em parte fixa eem parte
varavel, assentando a fixa sobre a natureza,
classe e condices das industrias e profisses, e
importancia commercial das cidade! e villas em
que forem ejercidas ; e a varavel sobre o valor
locativo do predio ou local em que funeciona-
rem. Urna e outra sero estabelecidas pelo go-
verno, nao devendo porm exceder a laxa varia-
vel a 10 "/, quando se der ao mesmo tempo o
pagameulo da fixa. e a 30 / no caso contrario.
Arl. 4.o Os bilhetes premiados das loteras
nao leclamados prescrevem no fim de cinco an-
nos, contados do dia em que forem recolhidos os
valores correspondentes aos cofres pblicos.
Art. 5. Todos os proprios nacionaes que
esliverem disposico dos differentes ministerios
deverao ser mencionados annualmento nos res-
pectivos relalorios, com declararlo do servico
em que se acham, se publico ou particular, "e
ueste caso se por locado ou concesso gratuita,
e por que titulo.
A despeza com os proprios nacionaes que
esliverem ao servido dos diterenles ministerios
correr por conta dsquelle que os utilisar, e ser
paga pela verbaObrasdo mesmo ministerio.
Art. 6.o Os contratos de qualquer natureza
que sejam, celebrados pelos differentes ministe-
rios directamente, ou por seus delegados com-
petentemente autorisados, e que excederem do
valor de 10:0009, devero ser mencionados nos
respectivos relatnos, e annexadas copias dos
mesmos contratos.
Art. 7.o Ficam approvados os decretos expe-
didos pelo governo sob n.736 de 20 de novembro
de 1850, n. 870 de 22 de novembro de 1851.
2,343 de 29 de Janeiro de 1859. e 2,548de 10 de
margo do corrente anno, que reformaram o the-
souro nacional e thesourarias de fazenda as
provincias, e estabeleceram regras para a tomada
dc coritas dos responsaveis para com a fazenda
publica; e assim tambem as tabellas annexas aos
decretos n. 2,532 de 25 de fevereiro. e 2,551 de
17 margo do crrente anno, que flxaram os ven-
cimentos dos empregados da officna da estam-
para eimpessao do thesouro e das recebedorias
da corte o provincias, e os vencimentos dos era-
pregados da typographia nacional, estabelecidos
no decreto n. 2.492 de 30 de setembro de 1859.
Art. 8. Os parochos collados e os vigartos
geraes esto compreheodidos para o pagamento
dos respectivos direitos no 3. da tabella annexa
lei do 30 de setembro de 1841.
1. O art. 37 da lei de 30 de selembro de
1841 comprehende a ordem de Pedro I, creada
por decreto de 16 de abril de 1826.
2.o Os agraciados com dislincces de
rjuaesquer ordens honorficas do Imperio sero
obrigados a satisfazer os direitos relativos a to-
dos os graos anteriores comprehendidos na ulti-
ma graca, que nao a lenham feito.
Art. 9 Ficam revogadas todas as leis que
teem concedido ao governo crditos especiaes
(*1 Estes empregados percebero a commissao de 3 0/0 pela arrecadago dos impostos so-
bre que nao ha mnltas, c a gratificacao diaria-de 48000 para cavalgadura, quando forem
incumbidos da cobranca as freguezias de fra da cidade.
(") Abonar-se-ha a estes a mesma cummisso de 3 0/0, sondo a gratificacao dia-
ria para cavalgaduras arbitrada pelos inspectores das thesourarias, na forma do decreto n.
2j^4i 16 de fevereiro de 1859. A. J. Henriques. Sampaio Vianna. Torres Ilomem.
cessiouarios mportarem de paizes estrangeiros
psra as obras especificadas no seu contrato.
6.a A disposico do art. 8 da lei n. 806 de
23 de selembro d 1854 extensiva s desapro-
priages a que se refere o presente artigo.J. M.
da Silva Paranhos Francisco de Salles Torres-
Homem.Jeronyrno Jos Teixeira Jnior.Ser-
gio T. de Macedo.J. J. de Lima e Silva Sobri-
nho.A. J. de Sequeira.Paulino Jos Soares
de Souza.Martinho A Silva Campos.F. Oc-
tavano.L. Pedreira de Couto Ferraz.-*A. Pe-
reira Pinto.
O governo fica autorisado a conceder or-
dem terceirade Nossa Senhora do Carmo da im-
perial cidade do Ouro Preto, o. uso perpetuo da
banqueta decasticaes de prata, que perlenceu
extincta contraria do Senhor Bom Fim, outro'ora
erecta na capella da mesma ordem.Francisco
dc Assis Athayde.
O governo fica autorisado a despender at a
quantia de 50:0008000 cora o melhoramento das
estradas da provincia de S. Paulo.A. L. Perei-
ra da Cunha
Ficam dispenssdas dos impostos a que esto
O governo fica autorisado para manda sa-
tisfazer em apolices da divida publica interna,
na forma do art. 38 da lei de 15 de novembro de
1827, os conhecimontos di mesma divida, reco-
nhecida as thesourarias de fazenda das provin-
cias, sempre que por circumstancias extraordi-
narias nao seja possivel o exame e flscalisacc
dos respectivos litulos no thesouro nacional".
A. J. Henriques.Torres-Homem.
Ficam isentas das laxas respectivas ascarro-
cinhas da santa casa da Misericordia da corlo,
destinadas condcelo para os cemiterios dos
cadveres dos pobres, enterrados gratuitamente ;
assim como os empregados no transporte dos en-
fermos pobres dos seus domicilios para o hos-
pital geral, e deste para ss enfermaras externas.
Sampaio Vianna.A. J. Henriques.
Na autorisago conferida ao governo pelo
art_. 11, 2o da lei n. 719 de 28 de selembro do
1851 para alienar os terrenos desnecessarios do
Jardim Botnico da laga de Rodrigo de Freitas,
se comprehende a da desapropriar.o do dominio
directo delles cmara municipal da corte. O
producto dessa desapropriago far parle do pa-
trimonio da mesma cmara, e ser empregado
em applices da divida publica na forma do art.
49 da le n. 628 dc 17 de setembro do 1851 A.
J. Henriques.Sampaio Vianna. b
O governo Dea autorisado para pagar ao ban-
co do Brasil os 2,000:0008 de pfpel moeda que
resgalar durante o exercicio desta lei, emiltindo
apolices da divida publica de 6 0/0, ou fazendo
qualquer outra operaco de crdito que entender
mais vantajosa, se com o producto da renda pu-
blica nao poder realisar o dilo pagamento L.
A. Sampaio Vianna. Torres-Homem. A. J.
Henriques. i
O governo fica desdo j autorisado a contra- I
tar com o engenheiro Henry Lew, ou com quem j
mais vantagens offerecer, a construeco de um !
segundo dique na ilha das Cobras, para o servico
da marinha do guerra e mercante, noexcedendo
o seu cusi a 855:0009.Paranhos.Poixolo de
Azevedo.Cunha Mallos.
" A disposico do art. 31 da lei n. 939 de 26
dc selembro de 1857, que mandou isentar de di- i
reitos de imporlago as machinas para os serv- \
tos de quaesquer fabricas, comprehende as ma-
chinas e suas pertengas que forem importadas
para a fabrica nacional dc Santo Aleixo, de fiar
e tecer algodo.J. J. Teixeira Jnior.Sam-
paio ViannaF. de Salles Torres-Homem.
Art. Fica o governo autorisado desde j a
contratar a demolido do morro do Caslelio com
a companhia ou emprezario que melhores con-
dices offerecer, debaixo das seguintes. clau-
sulas :
1" Dous lercos, pelo menos, do capital era
que fr oreada aerapreza, devero ser levanta-
dos fora do imperio, som compromisso algum
do governo imperial relativamente aos juros-e
amortizago do mesmo capital.
2.' O governo ceder aos eoipreiarios, a ti-
tulo gratuito, os proprios nacionaes situados no
dito morro, assim como os, terrenos resultantes
da demolico e desaterros sobre o mar, excep-
tuando destes os necessariosa estabelecimenlos e
'.ogradouros pblicos.
3 a O estado podera concorrer com algum
auxilio, quo nao exceda a 1,000 0008000, prestado
pela forma que o. governo julguo mais convenien-
te, para as despezas de desapropriaca das pro-
piedades particulares comprehendidos no per-
metro do plano approvado pelo mesmo go-
verno.
4.a Sero isentos do pagamento da siza e da
decima urbana, durante o praso de 20 annos, os
terrenos e predios que ficarem dentro da rea
da concesso, bem como as desapropriacoes de
que trata a clausula antecedente.
5.a Gozaro de despicho livre de direitos os
instrumentos, achinas e materiaes qUe 0s coa
sujeilas as 40 loteras concedidas pela asscmbla
provincial da Bahia, para o fim do ser erigide-
um monumento, que elernise a memoria do din
2 de julho de 1823 Pereira Franco.M. Dan-
tas.J. J Fernandes da Cunha.
Fica o governo autorisado a despender at a
quantia de 100:0008000 com a desapropriago dos-
predios contiguos nos arsenaes da Bahia e Per-
nambuco. J. A. Saraiva.
Art. I.0. O decreto do 14 de outubro de-
1843, que extingui o vinculo de Juguara, em Mi-
nas-Geraes, ser observado com as seguintes al-
leracea:
I.0 O preco das arremataces dos benspo--
der ser pago a prazos, medanlo llanca idnea,
conforme tor estabelecido em rogulamento do
governo. O prazo das letras, nao exceder ao-
tempo lixado no arl. 4 da lei n. 586 de 6 de se-
lembro de 1850. e pela venda ficac a fazenda.
publica-exonerada de qualquer responsabilidade,.
sal. a a.disposico do art. 10 do decreto de 22 de
agosto de 1847!
. %%" O governo fica autorisado a manda? ar-
rendar os bens que Bao forem arrematados por
falla de licitantes, podendo dividir as fazendast
em sesmarias, e estas, em lotes, como for mais
conveniente s arremataces e arrendamientos ;
poder a todo lempo fazer arrematar os bees
arrendados, prcieundo tanto por tanto os. arren-
datarios.
3.o Fiea- outro sim autorisado o. governo a
separar as arremataces as differentes especies
de bens, urna das outras, e a distribuidlos pelas
diversas bzendas e sesmarias, como for mais
conveniente s mes-raas arremataces. Rocha
Franco.-^Tavares de Mello.-rCyrillo.Brlas.
Paulo Fonseca.Cerqueira Leite.Paula Santos.
P. Alcntara Machado.B B. Soares de Sou-.
za.F. Campos.f. Asssis Athayde.Azevedo-
Paiva.L. Carlos.-^Mouteira de Barros.Cruft
Machado.
Fica o governo desdo j autorisado a f;w.er
extrahir 24 loteras, para com o seu producto sub-
vencionar actual empreza do iheatro lyrico desta
corte no periodo marcado no decreto de 12 de
marco de 1858, que prorogou o seu contrato,
caso nao passe a lei especial a respeito do mes-
mo iheatroJ. J. Pacheco.F. A Athayde.
Domingues Silva.S e Benevides.^D. de Al-
meida.Moura Costa.Cunha Mallos.Augusto-
de Oliveira.Caslello-Braoco.P. Muniz.Ba-
ro do Bom Jardim.
Fica o governo autorisado a despender at a
quantia de 25Q:000$000 com a conslrucco de
urna nova ponte que ligue o bairro de Santo An-
tonio no da Boa-Vista.S.. R.Pinto de Cam-
pos.
Ficam elevados a 6:0009000 os ordenados
uos presidentes das provincias de Sergipe, Espi-
PH"^"W^.......1
'.'' -. ''' 't l i '.' .i '-- mumm
/M 75 <

,dK?
^A^r^r*^


(*)
Di ARIO DE reRMMBUOO. QUISTA FEfflA 23 CE AGOSTO DE 1860.
rito Santo e Sania Calhariua.S. R.Tobas
Le te.
Fica o governo autorisado a emprestar
provincia de Sergipe a quanlin de 180:0009 para
a conclusao do canal de Japaraluba. Tobas
Leile.
Os crditos concedidos pelo 7 do art. 16 da
le r. 939 de 26 de setembro de 1857, para cons-
iruceo de edificios proprios pora as faculdades
de direito do Recife, e de medicina do Rio de
Janeiro, ficam restabelecidos, o o governo desde
j autorisado a dar principio construeco des-
ses edificios.S. R.Vilella Tavares.
Fica o governo autorisado a elevar as grati-
ficares dos directores e vioe-directores des ar-
senacs de guerra, aquellas a 300*000, e estas a
100*000 mensaes, e 50 \ s doa ma dos nos mesmos arsenacs.S. R.Baro de Por-
4o Alegre.
Fica o governo autorisado a fazer a despeza
ecessoria com a acquisico ou construeco de !
um edificio para palacio episcopal na capital da
provincia do Rio Graude do hu.S. R.Baro
de Torio Alegre.
a vapor dus nos da provincia de S. redro do llio
Grande do Sul, fica alliviada do pagamenlo do im-
posto de i por cento, ou meia siza, pela compra
f (Tefluada dos vapores Cackoeira, Guarany, Ric
frdense e Correto.
2. A mesma companhia gozar, por espaco
de 10 anuos, da isenco do dito imposto de 6 por
eenlo, pelas compras que realisar de barcos de
[vapor destinados, e effeclivamente empregelos
*ia navegacao fluvial da provincia.O i v eir el-
lo. Jaciulho de Mendooca. a
OITerecemos como artigo additivo o sejuinte
projeclo da commissao de fazenda :
Artigo. O governo fica autorisado pan orga-
nisar urna tarifa especial dedireitos de minorta-
?o, consummo e transito destinada s alfande-
gas da provincia de S. Pedro do Rio Grande do
Sul, e paro mandar p-la em execuco quando
entender conveniente. Na organisacao da tarifa
os direitos de consummo 3ero regulados entre o
necessoria com a acquisico ou construeco de mnimo de 2 e o mximo de 20 poroenlo, segn-
1 do a qualidade das mercaderas ; flcando todava
sujeilas aos direitos especificados na tarifa geral
aquellas mcrcadorias que nofocem comprehen-
Fica o governo autorisado a fazer as despe- d'das na especial, de que trata este artigo.
zas oecessarias para a exploraco e primeiros
lrabalhos, aCm de canalisar-s as logos que se
esteudem da Laguna, provincia de Santa Calha-
riua ao municipio da Conceicao do Arroio, pro-
vincia deS. Tedro do Rio Grande do Sul.S. R.
Baro de Porto Alegre.Baro de Mau.
O governo fica autorisado a dispender a
quanlia de 10-000$ para o comeco da fundaco
da colonia de nacionaes e eslrangeiros, creada
por le provincial da provincia de S. Pedro do
Sul, e que se tem de eslabelecer no disliicto de
S. Joo de Camacu. nos terrenos dovolutos que
parara as margens do Rio DuroS. R.Barao
de Porto Alegre.Baro de Mau.
O governo, fica autorisado a despender a
quanlia de 10:000*000 reifl para a fundaco
de urna colonia de nacionaes e eslrangeiros. no
distrlctodas Dores, provincia do Rio Grande do
Sul.aproveilando para esle fira os terrenos de-
nico. Posla em execuco a tarifa especial
cima mencionada, as mcrcadorias nella compre-
hendidas e j despachadas para consummo as
alfandegas da referida provincia, que tiverem por
qualqucr motivo de seguir para oulra provincia,
por mar ou por Ierra, salisfaro previamente a
differenca entre os direitos de consummo eslabe-
lecidos na tarifa especial e os da tarifa geral.
Jacinlho de Mendonca Oliveira Bello.
OITerecemos como additivo o seguinte pro-
jecto das commissoes de fazenda e agricultura.
Art. 1." O governo fica autorisado para con-
ceder ra da zona das fronteiras na provincia das
Amazonas, e as que se achara uas mesmas cir-
cunstancias excepcionaes, trras e campos devol
lutos para a creaco de gados, soba condico de
pagaren os concessionarios o respectivo prego,
logo que taes trras o campos forcm medidos e
demarcados na forma da le numero 601 de 18
volutas que param entre os Arrotos, V'elhaco e de setembro de 1850, revertendo para o dominio
Sblil.S. R.Baro de Porto Alegre.Baro nacional, com a perda das bemfeitorias existentes
de Mau. j os terrenos concedidos, se os concessionarios ou
O governo fica autorisado para dotar os ins-1 seus successores nao quizerem ou nao poderem
titutos agrcolas creados as provincias da Bahia, P*B*r* importancia dos mesmos terrenos, calca-
Pernambuco, Sergipe c Rio de Janeiro, com a laJa segundo as bases da cilada lei numero 601.
luantia de 400:000$ igualmente repartidos. Arl- 2- concesco de quo Irata o artigo
T
Barros Pimetilel.
_ O governo fica autorisado a despender o que
lc necessario para tragar o plano c fazer o orea- I
sent de urna estrada, que partindo da capital
do Guar passe pelas cidaJes de Balurit, leo e ;
Grato, e eslenda-se at as margen3 do Rio de
S. Francisco na provincia de Peruambuco, no'
ponto que parecer mais conveniente para ligar o
commercio das duas provincias referidas com a
da Babia.Jaguaribe.DoraingucsSilva. Duar-
la Brando.
Todos os vigarios geraes sero pagos pelos
cofres geraes, quer sejaio das capilaes, quer do
interior das provincias.
Aquelles vigarios geraes que, por nao serem i
das capilaes, tcem deixado da receber os honora- j
rios que lhes sao devidos, sero pagos de todos
is seus atrazados pelos cofres geraes.S. R.
Pinto de Campos.Franco de Almeida.
Aos magistrados duve-se levar eiu conla
lodo o exercicio sempre que apresenlarcm a cer-
tido competente antes que tenham de ser pro-
postas desembargadores. sem embargo de lerem
excedido o prazo eslabelecido uo art. 3. do de-
creto de O de dezembro de 1830.S. R.C.
Hadureira.s
O governo ica%autarisaJo para despender
desde ja a quanlia necessaria para a conlinuaco
do exime da navegabidade a vapor do Rio'de
S. Francisco da Caxocira do Pirapora para cima.
Bretas.Rocha Franco.Tavarea de Mello.
Cerqueira Leile.F. Campos.Fernandes da Cu-
nha.Delphrao de Almeida. Landulpho Me-
diado. F. de Paula Santos. Paula Fonseca.
L. Carlos.Monteiro de Barros.Fernandes da
Costa.A. r. de Salles.Cruz Machado.-Cha-
gas e Andrade.M, Dantas.Marlinbo Campos.
Alcntara Machado
Arligo. O consta tor naval de que falla o
irt. 1" da le n. 874 de 23 de agosto de 186 pode
antecedente nao poder exceder em trras de
cultura a meia legua quadrada, e era campos de
criar a tres leguas para cada concessionario.
Serra Carneiro.Oliveira Bello. Dias Vieira.
Jacinlho do Mendonca. Franco de Almeida.
Abelardo de Brito.fercira Pinto.
10
O senado honlcm approvou em lerceira discus-
so duas pensos, a primeira concedida vis-
coudcssa de Goianna, e a segunda ao guarda na-
cional Ubaldo da Silva Brando.
A cmara dos depulados oceupou-se honlera
com a discusso dos arligos addilivos ao orca-
menlo.
Oraiam os Srs. presidente do cou'selho e Luix
Carlos, Picando addiada a discusso.
Foram apoiados os segrales addilivos :
Ao 5 5" do Io artigo additivo, depois das pa-
la v ras finaos Picando neste caso revogado o ar-
tigo 25 da lei de 18 de setembro de 1815 acres-
cente-se na parte relativa s fronteiras qua
julgar convesiente. Sampaio Vianna. A. J.
Ilenriques.Torres Ilomem.
Ao Io do artigo additivo Io, depois das pa-
tarras para cobrar as alfandegas do imperio,
occrescenle-se durante o exercicio desla lei.
Sampaio Vianna.A. J. ilenriques. Torres Ho-
rnera.
Fica o governo autorisado a elevar a tres
mensalmente) as viagens dos paquetes de vapor
que navegam para a provincia do Espirito Santo ;
podendo nesse caso gupprir-se o correio de Ierra
para a cidade da Victoria, e contratando-se esse
servico com a companhia que melhores vaula-
gens offerecer. S. R.A. Pereira Pinto.
Fica o governo autorisado a mandar realisar
desde j a conslrucco da pinte do Recite, em
Pernambuco, abrindo para esle Pira o crdito ne-
cessario.Francisco Carlos Brando.
Fica o governo autorisado a elevar os orde-
lainbom autorisado o governo a uiaudaV
fazer os melhoramenies precisos i naxegacao do
rio Cuyab. da provincia de Mota-Gresso. desde
a sua confidencia com o S. Lourence at a fre-
gaezia da capella do Rosario,
Fica o governo igualmente aulorisado a em-
prestar at quanlia de 100.008* provincia de
Mato-Grosso, para a conclusao do eocanamento
das aguae da Mutuca, e a canataccao de chafa-
rizes na capital.
Fica o governo autorisade a equiparar os or-
donados dos empreados do correio na provincia
de Mato-Grosso aos que vencer idnticos func-
cionarios na provincia de S. Panto.
E' tambero autorisado o governo a despen-
der at a quanlia de 100:0909 cora o estabeleci-
raenlo de colonias militares na provincia de Ma-
to-Grosso, e com a colonisaco das differentcs'
tribus de indios mansos, existentes na mesma
provincia, e que eslao abandonados A. Pereira
Pinto.J. Rufino de Almeida.Tiriato:
A laxa do sello que em cada semestre devem
os bancos pagar, era vlrtude do disposto uo de-
creto de 6 de setembro de 1852, e na razo do
total da emisso autorisada pelos respectivos es-
tatuios, e nao na do quantitalivo representado
por cada buhle ou vale, como indevidamcnle
eslabeleceu o decreto n. 2,490 de 30 de setem-
bro de 1859. o qual Oca revogado.S. R.Tei-
xeira Soares.
Por decreto do Io do correnle mez leve mcrc
de titulo de baro do Turvo o Sr. Jos Gomes de
Souza Portugal.
Foram condecorados :
Por decreto de 2 do correnle, o lenente-coro-
nel Casimiro Carlos da Cunha Andrade, da cida-
de de Ilabira, em Minas-Geraes, com a commen-
da da Ordem de Christo.
O capito de cavollaria do exercito, Hermene-
gildo Servulo Juuqueira, cora o habito do Aviz.
Por decreto de 7 foi jubilado o Sr. conse-
Ineiro Dr. Vicente Pires da Molta, lente da facul-
dado dedireilo da cidade de S. Paulo.
Por decreto da mesme dala foi concedida ao
Sr. conego Manoel Roberto da Silva Diniz, vigario
collado da freguezia de Betim, na provincia de
Minas-Geraes, a penso annual de 600$ equiva-
lente congrua que percebe, em atlenco a im-
possibilidade de continuar no exercicio desle mi-
nisterio, pelo seu estado valetudinario.
11
Honlcm no senado, continuando a 2a discusso
do art. Io do projecto do reforma eleitoral, orou
o Sr. Souza Franco, flcando a discusso adiada.
Procedeu-se hontem na cmara dos depulados
depois de orarem os Srs. Teixeira Jnior e Sa- 1 horas da larde, junio ilha das Enxadas" o bri-
raiva, volacSo dos artigos addilivos, sendo ap- gue-escuna dinaniarquez Ernestine, despachado
provados, alm de oulros, todos os da commis- hontem para Antuerpia com 2.2S0 saccas de
sao, e rejeilados alguns, entre elles o que couce- cafe-
de loteras ao theatro lyrico. Daremos a relaco I hrigue-escuna vjnha pora o ancoradouro de
integral dos approvados no corpo disesso. franquia, onde tinha de receber a visita da poli-
0 art. 8o do orcamento foi tambera approvado' c'a para poder sabir boje. Suppe-sc que, tendo
com a emenda da respectiva commissao. | o navio feito
Lnlraram por Um em discusso, a qual flcou
encerrada por nao haver casa, as emendas do se-
provmcia do K10 de Jaueiro, uo mismo posto cem
06 honras daquelle lugar.
Concodeu-se a Manoel Julio da Fonseca Pi-
nho, niajor da onliga guarda nacional da pro-
vincia de Pernambuco, as honras do mesmo posto.
Tiveram merc da serventa vitalicia :
A"V>nto dos Santos Menezes, dos ofiBcios de 2o
taoelliao do publico, judicial e notas, e escrivo
de orphios do termo do Lagarto, da provincia de
Sergipe ;
Reinaldo Ribeko de Brito, dos oficios do ta-
belliao do publico, judicial e notas, e escrivo
das execucet do lerrao do Brea da provincia do
Maranno.
14
Hontem no senado approvou-sa em segunda
discusso o projecto eleitoral. depois de orarem
a Srs. presidente do conselho, Souza Franco
vasconcellos e D. Manoel.
Encerrou-se a primeira discusso do projecto
que eleva a 24 o numero de loteras concedidas
ao tneitro lyrico, depois de algunas considera-
coes dos Srs. D. Manuel, presidente.do conselho
Souea Ramos, visconde de Jequitinhonha e Fer-
reira Penna.
A cmara dos depulados procedeu hontem
eleicao da mesa, quo ficou codstiluida sem alle-
raco.
Rejeitou depois o requeriroenlo de adiamento
oiTerecido pelo Sr Villela Tavares proposta do
governo sobre casamenlos en're pessoas que nao
professem a religio catholica apostlica romana
continuou portanto a discusso de mesma pro-
posta, e oraram os Srs. Pinto de Campos, Pinto
de Mendonga, F. Octaviano, ministro da justica
Candido Mendes, flcando a discusso encerrada!
A ordem do dia para hoje :
As materias anteriormente desiguadas, proce-
dendo a votaco ao art. 1. da proposla do gover-
no sobre casamenlos entre pessois que nao pro-
fessem a religio catholica apostlica romana,
com as emendas
S. Exc.
nado ao art. Io da proposico da cmara dos de-
pulados que autorisa o governo a mandar matri-
cular no 1- anuo da (aculdade de direilo de S.
Paulo a Pedro Luiz Rodrigues llova.
-12
Hontem o senado approvou um requerimenlo
para so discutir com urgencia as malcras da or-
dem do dia, com pruterico da discusso c mes- .
mo justificado de requerimontos, quaesquer que p7amm.es e oW
s-jam, e para prorogar por mais duas horas as P o navio ,fun.
sessoes do senado. Oraram sabr elle os Srs.
Souza Franco, D. Manoel, Forraz, Vasconcellos
visconde de Abaet, Dias de Carvalho, Souza Ra-
mos e Ferreira Penna.
nessa excurso era acompunhanliado
peles senhores Dr. che fe de polica, engenheiros
Jos Mamede Alves Ferreira, Manoel Buirquc de
acedo, Jos Mara de Carvalho, coronel Anto-
nio Gomes Leal, doulores Jos Bernardo Galvao
Alcoforado e Manoel de Figueiroa Faria, assim
como pelos engenheiros da companhia.
As 8 horas da matiha daquelle dia parliram os
visitantes pelo trem ordinario at a villa do Ca-
bo, onde deixando elle os demais passageiros
tomou a direccao do tnel. Neste ponto, S. Exc.
e os 00Iros senhores liveram de atravessa-lo a
pe era virtude de estar-se preparando a abobada
ao centro ; a qual devora Acor concluida e con-
secuentemente ser entregue ao transito dos veh-
culos o referido tnel, por esles 15 a 20 dias.
Ulegidos ao lado opposto e montando em carros
pequeos, na eslacaodo Pavao. seguiram com di
minuicao de forca da machina, para que podes-
se >. Lxc. apreciar as modifica^es realisadas e
assim coultnuou a marcha at o p da mootanha
em que acha-se edificada a actual villa da Baca-
da ; onde deixando os waggons, passou S. Exc
a examinar a ponte que se conslrue sobre o ri
Ipojuca, cuja correnle neste ponto assaz forte.
A este exame, seguio-se um pequeo, mas
conforlavel almogo, em urna das casas que a
companhia tem levantado por all, ofierecido
pelo Sr. Penniston, engenheiro em chefe da via
frrea ; e conctuiudo elle, passou S. Exc, segui-
do pelos referidos engenheiros, a observar o terre-
no destinado para a novo villa ; espaco que se
conprehende da eslaco at a sua juneco com a
actual villa.isto mais de um quarto de legua.
fta villa S. Exc. visitou a cadea, o paco da c-
mara e a escola de primeiras letlras, sendo ainda
desla vez bem sensivel a ausencia do respectivo
protessor do seu magisterio, porquanto a isto
deu ensanchas a faculdade concedida pelo reg-
lamelo da instrueco publica dos delegados lu-
teranos darem licengas aos professores do seu
dislricto.
As 4 horas da tarde deixaram todos os visitan-
tes a villa da Escada, e as 5 estavam no Cabo
onde anida a cortezania do Sr. Penniston linlia
preparado, na casa de sua residencia, um appeti-
toso jantar para ao Exm. Sr. presidente e seus
companheiros.
Depois do jantar, polas 7 1[4 horas da noile,
saniram dahi, echegaram a ^stacao das Cinco
Puntas as 8 em ponto, gastando nesse Irajec-
10145 minutos completos tendo ficado alli os se-
nhores Drs- Alcoforado, Buarqne, Jos Mamede
e Coelho Cintra, arbitros em que se louvarara o
Sr.JosuLeo Pereira de Castro e a companhia
para a dccisao do pleito quo trazcm relativamen-
te cesso de um terreno perlenccnle auelle
senhor.
Sendo para sentir que se opponham bices
urna onra de utilidade geral, de esperar toda-
va que os arbitros consigam um accordo satis-
tactono, que termine a siluoco actual da ques-
tao pendente.
Concluindo esta exposicao succinta, consigamos
, ..-.. ,6,,u agua e nao podedo o servico dos 1 ura cloK'o devido ao nosso engenheiro fiscal, pelo
bombas acudir em lempo ao naufragio, lentou-se zel. e aciividadu que tem desenvolvido, de ma-
encalha-lo. 1 "eir a communica-los at aos seus collegas de
DIARIO DE PERNAMBUCO-
As noticias fie que foi portador o vapor Brasil,
da companhia luso-brasileira, apenas chegam
ate 14 as do Rio, e at 18 as da Bahia.
Alm do que em outra parte vai transcripto,
eis o quo demais encontramos:
Por decredo de 3 do correnle foi nomeado ofQ-
cial da Rosa, o Sr. Jos Mir de Freilas, nego-
ciante c agricultor do Paran.
L-se no Correio Mercantil do Rio :
Foi a pique bontera, 8 do agosto, s 5 1/2
Xesla manobra foi elle de encontr a urna 1 "des e lrabalhos ; e por esta occasio far-lhe-he-
galera que est descarregando gundo na ilha, e
fez-lhe algumas avarias aa borda falsa, perden-
do o Ernestine o gurupas
mos igualmente um apello para quo noarrefeca
em seu patritico zelo em dar o niaior impulso
possirel a ese raeio de comraunicacao de que
Ue bordo dos paquetes Tyne e Brasil acud- i e.ve resu"ar o raaior inleresso aos n'ossos agri-
ram escaleres cora os respectivos coramandantosi cull(,rcs' e consequenteroenle a riqueza publica
eollicialidade. Mo grado os esforcos que fize- "
ram estes e alguns escaleres particulares, s se
pode salvar a tripolac.ao do brigue, alguma rou- "ho
celos que estavam no convz
-------------1-v...i(twvlnt ., n{uca puuuea
Manoel Bernardo de Mendonca, que j no-
ticiamos Desla lecista haver sido iio mez de iu-
ser lirado d'enlre os cidadaos brasileiros que pos- i -JLvS! -
soam csae titulo ou as habililacoes proflsaionaes y"* 0S Prolessores do collegio de Pedro II.
que Ihe corresponden), embora" nao estejim ein-
pregados em algum dos arsenaes de marinha do
imperio.
O governo fica autorisado desde j para mar-
car os casos em que deve ter lugar o disposta
no arl. 10 da subredita lei, na parle relativa ao
Fica o governo autorisado 3 despender at a
quanlia de 100:000$000 com o molhorameuto da
da navegacio ntreos provincias do Para, Mara-
nhao e Goyaz, pelos rios Tocan ti ns e Araguaya.
UCaldoso de Santa Cruz.Cunha Mallos
rica o governo autorinado a ile.-ponJor a quanlia necessaria com
S.
Na cmara dos depulados hontem cm primei-
ro lugar o Sr. Baptista Monteiro comecou a fun-
damentar ura requerimenlo, que deixou de apre-
sentar e de concluir por j ter dado a hora para
laso destinada, reservando para sabbado prximo
0 resto das suas observacoes.
Em seguida a cmara approvou as emendas do
senado aulonsando o governo a matricular e ad-
mlltir a exame das faculdudes de direilo e medi-
cina a Pedro Luiz Rodrigues Horla, Fabio Si-
zino Bastos da Silva, Ezequiel Alfredo dos San-
tos Ribouo, Marcos Antonio Monteiro da Silva e
1 lio2iaz Lourenc.0 da Silva Pinto.
Adoplou tambera o projecto que anioriaa o go-
verno a mandar admitlira exame das malerias^do
anno, e depois de approvado a ser matricla-
lo as aulas do j da faculdade de
gio Joaquim Jos Alves, encarrilado da enfer-
mara de marinha da provincia de Pernambuco,
com o ordenado correspondente aos vcncimeiilos
que actualmente percebe o ao lempo de servico
que livor.Ferreira de Aguiar.Villela Tavars
S. Gavalcanti de AlbuqucrqucBezcrra Ca-
valcami. S e Albuquerque.
O governo autorisado a augmentar os ven-
umenios dos emprogados da administracu dus
crrelos de Sergipe, com 2003 ao administrador
100} ao contador-ajudanle, e 100 ao amanuen-
se.Bapala Monteiro.
Ficam igualmente dispensadas do imposto
eral as oleras provincias, concedidas a benc-
ttcio da sociedade Moote-Pio dos Caixeiros Nacio-
naes da cidade da Bahia.S. P..J. J. Fernan-
des da Conha.
A indemnisaco dassommas que o governo
liver adiantado ou adianlar para o serrieo
do crapreslimo de 1,200 contos concedidOs
como capital addicional Companhia de Na-
vegado u Commercio do Mucury pela lei n 1011
le 8 de jiinho ). 1850, ser feita com a metade
do rcnJimt'iito liquido da companhia, excdeme
a 7 por 0|0 do capital primitivo, e quando o ren-
diraeulo liquido exceder a 10 por 0^ ser lodo u
excesso applmado referida indemnisaco at fi-
nal solueao. Amonio Caudido da Cruz Machado.
F. Campos.Maninho Campos. Cerqueira
Leite.Alcntara Machado.Paula Santos.Ta-
jares de Mello.- Brutas.Rocha Franco Paula
Fonseca.A. L. Pereira da Cunha.-B. B. Soa-
res de SouzaMonteiro de Barros.Francisco
de AssisAlhoyde.-Cyrillo.-Azevedo e Paiva.-
L. Carlos.
O governo Pica autorisado a despender a
quanlia de 50:000g com a abertura e canatiaacao
o no do Cear-mirim, na provincia do Rio
Orando do Norte.S. R.Beserra Cavalcanti.
Rea o governo autorisado a despender a
quanlia de 30:0003 cora a desobstrueco da barra
do rio Cunha, na provincia do Rio Grande do
ftorle S. R.Beserra Cavalcanti.
. O governo fica autorisado a despender desde
ja a quanba do 40.00(1$ com a abertura de urna
estrada de rodagem, que parta da villa do Rio
lardo na provincia de Minas-Geraes, al o porto
uo Cachimbo na provincia da Calila. S. R.-Dr
1 aula Fonseca.L.Carlos.
Artigo. Fica o governo autorisado a fazer as
Ufspczas necesarias com estudos technicos reu-
lares. para o fin de reconhecer qual seja a di-
reccao mais convenienle e econmica, pela nual
*?P0S8ancam">harpara o inierior da provin-
ftAn"il!CrnS Um r'iraal da '"adade
Ierro de D Pedro II, com vistas de demandar a
margen, do R,0 de S. Francisco, em ponto ac-
ccssivel navegacao, ou outro qualquer ponto da
mesraa provincia, que mellior convier.
fcstes estudos podero ser feitos ou direcla-
mente pelo governo. ou por meio de ajuste com
a companhia da eslrada de ferro de D Pedro II
cujos contratos poder o governo modificar s
o entender necessario, o prefeiir este meio A
construeco, porem, quando exceder ao capital
actual da companhia, depender de medida le-
gislativa -Mait.nho Campos.^Lima e Silva So-
br.nho.-S. de Macedo.-F Odaviano.-Paulino
de;,ouza.-Toires-IIomem.-Coelho de Castro.
J.J.TeixeiraJnior.Delfino de Almeida.
Barao de Mau.-Baro de Porlo-Alegre.-J M
da bilva Paronhos.Pedreira.Pcixlo de Aze-
veJo.-Araujo Costa.Jos Paulo.-F. do Paula
Mallos.-Francisco Cyrillo Ribeiro Souza.-Joo
das Ghagas Andrado.-Antonio Jos Monteiro de
Barros,_F. Campos.-L. Carlos.-P. A. Macha-
do.Tavres de Mello.Paula Fonseca.-Azeve-
sLtain"iw0SLnh0 J- l Brlas.-Modestino
Machd pCh8 F'anco.-Cerqueira Leile.-Cruz
Matliado.-Franciaco de Assis Athaydc -Beserra
Cavalcant,._A. F. de Salles.-A. Pereira Pino
m.^, riBcl, O. Nebua.-Mendes de Al-
meida.-Gonoalves na Silva.-Pederneiras-Tn
cano Barrete -Barroa Plmcnlell-j! A. Corwa
-Tobas LeileSampaio Vianna.-Gom-s de
iSESZ 'plra-P;nt0 e ^Pos.-Cost
tfSl7 c FernBD(08.-J. A. Saraiva.-F.
Meudes da Cosla-Jos Augusto Chaves M
JJun as-Agu.ar Barros.-Fraoco de Almeida.'-
Abelardo de Br.lo.-J. J Fernandes da Cunha.
Almeida UmtM^"tmmlm soa'es-Henrique de
<( OfTereccmos como addiliva o seguinte pro-
jecto da commissao de fazenda :
Ait. J. a companhia Jocuhy, da navega^o
a exploraco I corle, a Jos Maciao da^SilTa' PootMuICForadm
Rio dos tullas, a novos exames sobre a sua olTerccidas ao projeclo varias emendas, uoiam
cidade do sabara at bem foram approvadas. estendendo o mesmo fa-
lseo. M. C. da I vor a diversos estudantea.
Enlrou per lim em discusso a proposla do
governo sobre casamenlos entre pessoas que nao
profossam a religio calboli:a-apostolica-roma-
Orouo Sr. Vilella Tavares, finalisando por
mesa um requerimenlo de adiamento,
ho ficou encerrada depois de algumas
observacoes dos Srs. ministro da justica, Pinto de
Campos e Pinto de Mendonca.
_abilidade desde a
sua barra no Rio de S.
; Rocha Franco. F. r>e P. Sanios. F. Cam-
pos.Brotas.Joao das Chagas Azevedo.Paula
Fonseca Cerqueira Leile.A. Pereira Pinto
Alcntara Machado.
O prazo de tres anuos marcado pela segun-
da parte do arligo 32 da lei numero 628 de 17 de
setembro de 1851 para complemento da prescrip-
<:ao dos dinheirosde ausentes recolhidos aos co-
, tres do thcsotiro, nao se entender de occorrido
--nao depois que o governo prcencher a condi-
jcuo de dai loda publicico referida disposiro
por meio de annuncios repelidos dentro e fora'do
; paz, acompauhados dos seguidles
'os ; primeiro, relacao nominal dos ausentes,
com deelarocio das sas nacionalidades e dos lu-
gares da sua residencia e fallecimento ; e segun-
do, relaco nominal dos herdeiros e legatarios de
i cada um dos fallecidos, cora dcclarrao das suas
nacionalidades e residencias, se forera conheci-
das.S. R.Baplisla Monteiro.
' -,?. oyrno Pica aulorisado a despender......
;jO:OOOjO0O em auxilio das obras provinciacs do
Amazonas. S. R.Sena Carneiro.
mandar a
Por decreto de 3 do correnle foi nomeado ofii-
cial da imperial ordem da Rosa o Sr. Jos Mir
, de -reitas, negociante e fazondeiro da provincia
esclarecimcn-:do ,ra".
S. M. o Imperador dignou-se conceder So-'
ciedado Beneficencia Protectora dos Guarda Na- '
conaes da corle e provincia do Rio de Janeiro o
titulo de imperial. '
R'^iniram-se hontem os Srs. depulados da Ba-
na ahm de tratarem do estado desfavoravel era
queso acham algumas localidades no centro da- '
quella provincia, em consequencia da
nellaa tem havido ; c resolveram
nio, que lera lugar amanha.
fundou-se rpidamente, deixando
cima da agua as gaveas; o lugar em que jaz
tem pouco mais ou menos 10 bracas de fundo.
Gonseguio-so ante-hontem, *13, levantar e
encalhar na ilha das Encoadas o patacho dena-
marguez Ernestine que, como noticiamos ha dias,
foi a pique na nossa bahia
Sao dignos dos maiores elogios os Srs. ca-
pito do porto e empregaeos da capitana pela
intelligencia e zelo de dorara proras nesses lra-
balhos.
Hontem vondeu-se em leilo por conta do
seguro urna parle do carregamento do patacho
razode 800 rs. a arroba.
Entrou honlera nesle porto a bordo de urna
lancha o capito e 11 pessoas da iripolaco do
patacho porluguez Soberbo que foi a pique, por
ter aborto agua, no dia 11 do corrente, s 8 ho-
ras da inanha, ao S. E. da Cabo-Fro, 50 milhas
ao mar. O patacho segua viagecn do Buenos-
Ayres para llavana, com carregamento do carne
e graxa.
Temos noticias do Espirito-Santo at 8do cor-
renle.
Tinha fallecido o baro Pfuhl, director da
colonia Santa Leopoldina. Foi victima da febre
IRMfWI,
O presidente da provincia preparava-so
ir visitar as colonias.
Escrevem-nos que=S, Ex. tem-se conservado
( eslranho s Iotas polticas.
L-se no Diario da Bahia :
O capito da barca bremense Brema, proce-
j denle de Calho de Lima, parlicipou a capitana
I do porto desla cidade que no dia 8 do crreme
I na distancia 16, longitude 32 avistou um navio
; ardendo : era a galera ingleza Cincinalus de que
era capito G. Sellars, que segua de Sunderland
I a Calcula : parlicipou lambom que salvara toda
jaequipagem d'aquelle navio constante de 23
pessoas, que procuravara ir ao seu encontr
para
nos
prximo passado, victima de urna facada no
uairro do Kecife, acaba de ver-se iivre do peri-
go que sua vida correr, Picando no entretanto
iiupossibilitado de dar-se lrabalhos mais pesa-
dos, em consequencia de urna rotura que lhe so-
brevuio cima do umbigo.
E' urna victoria da sciencia a consecuco desse
rcstabelecimento, que divida pericia do Sr.
ur. Souza ; que assislio a esse individuo desde
os soirnmenios al a eonvaleacencs.
Informain-nos quo no dia* 18 do correnle
amanheceu ntransilavel a ra do Lima, em San-
to Amaro, pelas agoas que cresccrara alera do
ordinario.
Esto inconveniente originado, segundo essa
mesma uiformaco, pela bomba mandada cons-
truir na eslrada do cemiterio ; bomba que sendo
de um espaco mui limitado, o este achando-se
obstruido por ter-sc abatido a referida bomba,
occasionou aquella inundaco, como fica dito
por uao acharem as agoas, a sua saluda natura'l
desempedida.
Alm daquella intransibilidade, deu-se a en-
trada das ao.-.s pelas casas, assim como alguns
estragos de plantaces.
Do exposto, poftaulo, decorre a necessidade
ue lima providencia, que previna a conlinuaco
ou taes inconvenientes, pareceudo que melior
sena demuhr-se a referida bomba, o conslruir-se
antes lima ponto nai|ucllo local.
Pela diructoria geral da instrueco publica
acha-se marcado o dia 29 do correnle mez para'
o processo de habilitaco dos opposilores s ca-
deiras vagas de instrueco elementar do Io grao
que esto concurso para o respectivo orovi-
raenlo. r
Nos dias 20 e 21 do corrente foram recolhi-
dos a casa do delenco lObomeus e i mulheres,
sendo 8 livres e 4 oscravos. a saner : 1 a ordem
do Dr. chefe de pocia, 1 a ordam do Dr. juiz do
commercio, 1 a ordem de Dr. juiz municipal di
i- vara, 3 a ordem do Dr. delegado do Io dislric-
lo, d a ordem do subdelegado do Recife. 1 a or-
casa de sobra-
arrendado an-
botes no mesmo navio ; recebeu-se todos, e Ira- dura do de S. Jos."l a ordem do de Sanio Anto-
secca que
em oulra reu-
concordar sobre
.erra tarneiro. ........ _.,.
O governo despender a quanlia de 10WKK providencias que a esle respeito devero pedir
com o alrgamelo e reparo do proprio nacional ao Soverno-
13
denominado S. Vicente, que na capital da provin-
cia do Amazonas serve de enfermara militar.
do imi
res-
S. R.Serra Carneiro. ..
Os vencimenlos dos praticantes da secretaria
jHSno sero considerados como os dos da
justica, dous tercos ordenado, e um terco gralill-
cacao.-5. R._Tobas Leile.
Os vencimenlos dos empregados da adminis-
tracao do correio do Minas-G-
rados aos dos emprcaados das administraeoes I
provincias da Bahia e Pernambuco, em suas
pectivas categoras.L. Carlos.
O governo despender a quanlia de 20000S
com a conlinuaco dos obras do seminario epis-
copal de Olinda.-Pinto de Mendonca.Francis-
co C. BrandoVillela Tavares.Jaguaribe
Goncalves d? Silva.
O governo fica aulorisado a despender, alm
das quanlias j votadas, as que forem precisas
para continuar os melhoramentos da eslrada en-
tre S. Joao de El-Rei e a provincia de Goyaz.
Chagas Andrade.-Cyrillo.Paula Fonseca.BrO- i
tas.Tavares de Helio.Paula Sanios.
Artigo. Fica o governo autorisado para :
I 1." Desapropriar as nascenles d
Por decretos de 8 do correnle :
Foi apreseiitado o padre Francisco Jos de Oli-
veira Fonseca na freguezia de Nossa Senhora da
Conceicao do Villa-Vicosa, da diocese c provincia
da Bahia.
Foram nomeados : o amanuense da secretaria
da pohcia da provincia do Rio Grande do Sul
era.es.ri':a.nle.',"P.a-:Jao'1'e'xeira de Magalhea, official externo da
3 mesma secretaria ;
O capito Pedro Paulo uarle Soulo, lenente-
coroncl commandanto do batalho n. J4 da guar-
da nacional da provincia do Para ;
O tenente-coronel Romualdo Antonio da Costa
commandsnlc do batalho n 16 da mesma guar-
da nacional ;
O capito Joo Antonio Meirelles, tenenle-ro-
ronel commandanle do batalho n. 17 da dila
guarda nacional;
O tenente-coronel Joo Jos da Cruz, comman-
danle do batalho n. 31 da dita guarda ;
O major Hilario de Moraes Bittencourl, tenen-
te-coronel commandanle do batalho n. 32 da
mesma guarda nacional;
O capito Francisco de Carvalho Passos, major
ie prala no valor de
cisas para abas'lecimento da cidade"do Rio de Ja- I commandanle do esquadro de cavallaria'n. 8 d.
neiro. 1 guarda nacional da provincia da Bahia ;
2. Comprar terrenos as proximidades das I Jos. ,oa'I,J''n de Almeida Jnior o Joaquim
estradas de ferro para o estabclccimenlo de col-: ""culanode Almeida Jnior, raajores-ajudantes
nas, continuando em vigor para esse fira o ere- 1 ordons !"l) borlo pelo decreto n. 885 do 4 do outubro rior da Suarda, nacional do municipio de Campo-
de 1856.
3.o Conceder aos nacionaes que se eslabe-
ecerem nessas colonias, as j creadas ou em ou-
iras que venha a crear, os mesmos favores que
se concedem aos colonos eslrangeiros.S. do Ma-
cedo.A. da Costa Pinto Silva.
I'icam elevados a 800* os ordenados dos aju-
mantes dos escrivaes dos almoxarifados da inten-
dencia e^rsenal do marinha da Babia e Pcruam-
tiuco. subsistindoa mesma gralificaco que ac-
tualmente percebem P. C. Brando.
n*nrnfVerno.nca aulo"Sdo a auxiliar com....
tu_000j> a provincia do Rio-Grande do Sul na de-
sobstruegao do rio Vacacahy, al S. Gabriel lim-
peza e melhoramenlo da navegaCo do rio Jacu-
ni, aic a barra daquelle primeiro rio.S fi.
Barao de Porlo-Alegre.-Barao de Mau.
O soverno mandar pagar ao vigario-geral
ao llaixo Amazonas, quo foi creado ao mesmo
lempo que o do Alto Amazonas, que recebe or-
denado dos cofres geraes, o que se lhe deve por
lodo o lempo que tem servido, e continuar a ser-
vir.S. R. Pinto de Campos__Franco do Al-
meida.
Ficam isentos dos direitos do imporlaco o
sal, ferro, e todos 03 instrumentos agrarios* im-
portados para a provincia de Malto-Grosso.
O governo Pica autorisado a conceder, pelo
"sp'" "Of-'o pola lei n. 885 de 4 de outubro do
Ho u,?Sr radores e 'azendoiros da provincia
;.!. 1 esso ('ue se mostrarem habilitados a
',,'ecer colonias por qualquer dos syslemos
mo f.nt Snno paiz' 8S Prec'sos subvenedes que,
?" P!" dll nm. flcando extensivas aos ditos
l^vradores e aos colonos por elles imporlodos os
mesmos favores concedidos i AssociocSo Central
d Colonisaco pelo art. 8o drcontrato celebrado
entre ella e a directora das lena* publicas.
Largo, da dila provincia
Zacharias Jos Carneiro, capito secretario-ge-
ral do mesmo commando superior;
Joaquim Manoel do Almeida, capo quartel-
mestre do mesmo commando superior
Joaquim Gomos de Carvalho e Jos Pinheiro
uo uihOa Cintra, majores ajudantes de ordens do
estado-maior do commando superior da guarda
nocional dos municipios da Caxoeira e Cacapava,
da provincia do Rio Grande de Sul;
Antonio Euzebio da Fontoura, capito secreta-
rio geral do dito commando superior
Miguel Candido da Trindade, capito quarlel-
mestro do dito commando superior;
Dr. Agoslinho Jos da Cosa Figueiredo, capi-
tocirurgiao-mr do mesmo commando superior ;
Francisco Antonio Carneiro Vianno, copilo se-
crelano-geral do estado maior do commando su-
perior da guarda nacional dos municipios de
Cantagallo e Nova Friburgo, da provincia do Rio
de Janeiro;
O Dr. Guido de Souza Carvalho, capito cirur-
giao-raor do mesmo commando superior;
O Dr. Cassiano Augusto do Mello Mallos capi-
to cirurgio-mr do commando superior da
guarda nacional dos municipios de Alagdas, S.
Miguel e Alalaia, da provincia das Alagoas ;
O lente Fortunato Jos Chaves, capito se-
cretario-geral do commando superior da guarda
nacional dos municipios de Campo Maior e Unio,
da provincia do Piauhy.
Foi mandado ^aggregar ao esquadro de ca-
vollaria n. 7 da guarda nacional da provincia da
Baha, o major commandanle do esquadro n 8
da referida guarda, Joo Mendes Dantas Ilapi-
curu.
Foi reformado Poliearpo Jos Alvares de Aze-
vedo, coronel commandanle superior da guardo
nacional dos municipios de Mg e Estrella da
assignanles cora
ton de arribar a este porto, afim de desembar-
ca-las.
Ti vera m hontem lugar, como eslava annun-
ciado, as corridas era Peripiri.
Os trens parliram da Jequitaia s horas mar-
cadas anteriormente.
Meia hora depois de meio dia, logo ao dra-
gar S. Ex. o Sr. presidente da provincia, come-
cou o pareo.
Era um circulo de urna milha de circunfe-
rencia, marcado por urna cerca de bambs, des-
hlaram os cavados.
Na 1" corrida vencen o cavallo denominado
Dnndy. Moniava-o um jockey, que traja va aque-
ta verde e booet bronco.
Foi o premio urna taca d
2003(100 rs.
Na 2* corrida vencou o Piroja, que era
montado por ura jockey IrajanJo jaquela encar-
nada c prela, u bonct preto.
Foi o premio a bolsa da estrada de ferro
com 300g000 rs.
O cavallo immedialo ao vencedor foi o Yel-
low jack montado por um jockey, que trajava
jaquela branca e cor de rosa, com bonct branco
Teve 5030J0 rs. de premio.
Na 3" corrida ganhou o Black jack, montado
do por umjockey vestido de jaquela branca bo-
nel o cinta encarnada.
Foi o premio a bolsa dos
2003 rs.
Na 4 corrida foi vencedor o cavallo Canooa
montado por um ockey vestido de jaquela azul
claro, e bonet da mesma cor.
Foi o premio a bolsa Sleward.
2003 rs.
Foram observadas slrir.lamente todas as dis-
posicoes do regulamento do corso.
Na occasio em que os cavallos veuciam a
meta, os espectadores rompara era applausos
estrondosos.
Muilos dos espectadores tomavam parte na
fcsla, fazendo particularmente suas apostas.
Todos linham parle u'aquellc pareo; pois
alm das corridas dos cavallos, houve mais os
seguinles divertimenlos em que o nosso povo
enlrou com prazer : 1. Apanhar um porco
pela cauda correndo. 2. Corrida em saco 3.
Pao ensaboado. 4. Aposta eiii carrinho de mo.
5." Jogo do balde. 6. Jogo do pote. 7. Bola-
chas em corda. 8; Corridas de homeos a p.
9. Corridas de mulheres a p. 10. Corrida jo-
cosa, em que devia ganhar o premio o que che-
gasse por ultimo. 11. O rompe-collo, que con-
sista em um rylindro movidi?o, de sobre o qual
o vencedor devia lirar o premio, que se achava
em um pao no alto. Foram nesses cerlames os
premios dinheiro e oulros objectos.
Houve muila oceurrencia era Peripiri, rei-
nando cm lodo o povo a maior ordem, o o'rego-
sijo o mais expansivo. E' ura dos mais uleis
meras de distrahir a populaco; pois alm de
obrigar nossos honiens aos exercicios da gym-
nastica, lhes d o estimulo nascido do desejo da
victoria em qualquer pareo ; vendo premiado o
ptals
com
esforgo
dade.
de vencedor com
premiado o
justica e imparciali-
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
iv~" .... 2l deste fm s Exc. visitar os lraba-
lhos da linha frrea do Recife Escada, que de-
ve ser aberta nessa sua segunda seceo ao transi-
to publico no da 2 de dezembro prximo futuro,
aiim de apreciar os modificocoes propostas pelo
sfnhor engenheiro fiscal de accordo com os da
compannia, e ver o terreno destinado para assen-
to da ora villa da Escada.
nio c 1 a ordem do da Boa-Vista.
O hiate nacional Exhalaco, sahido pora o
Aracaly, conduzio a seu bordo"os passageiros se-
guinles:
Manoel Zeforino Goncalves Torres
Cassiano Pamplona, A. Pontos de A '
fonsode Araujo Chaves, Pcrgciitino
roiina Candida Ayres.
M.iTAimrri PUBLICO. Malaram-se para o
consumo da cidade no dia 22 do corrente 101
rezes,
MORTALIOADE 00 DI V 22 DO C01UIESTB :
Thercza de Jess Barbosa
onnos, diarrhea.
Candido Jos do Carmo, branco, viuvo,
erisipella.
Jo.inna, branca, 13 mezas, espasmo.
Mara Francisca Virissima, preta, solleira, 34 an-
uos, angina do peilo.
Luiza, parda, escrava, 18 mezes, bexigos.
Candido Ferreira da Silva, preto, solteiro, 27 on-
nos, tubrculo pulmonar.
Francisca, branca, 1 auno, convulces.
Genuino, pardo, 7 mezes, convulcus.
Alexandre, branco, 11 mezes, convul^ues.
Hospital de caiudade. Exisiem 60 ho-
mens e o5 mulheres nacionaes; 7 homeos es-
lrangeiros, e 1 raulher escrava, total 123.
Na totalidadedos docotes existem 37 aliena-
dos, sendo 30 mulheres e 7 horaens.
Foram visitadas as enfermaras pelocirurgio
Pinto s 6 horas e l|i da manha ; pelo Dr.
pornellas. s 7 horas e 55' da manha, e pu-
lo Dr. Firmo as 6 horas da larde de hon-
tem.
Ilypolilo
tguiar, Ilde-
E. Ayres, Ca-
parda, solleira, 70
"0 annos,
COLLECTORIADE OLIINDA.
Alleraeao feila no lancaiuciilo da dci-
ma urbana da collccioria de Olinda
para o anno de 1800 a 1861, pelo
c"Hedor Manoel Jos de Azevedo
Amorim.
mente por........................
dem 18. Franiisco das Chagas
Salgueiro, casa terrea arrendada
annualmente por................
Ideml9._Eugenia Mario Margiri'da
cosa terrea arrendada annual-
mente por. .
dem 80.-B. M,'' dat" Videos
Merim de Mello, casa ierre* ar-
rendada annualmente por ..
dem 22.Nossa Senhora das Mer-
cez, casa lerrea arrendada annu-
almente por.....................
J do Couxo."
N. 3.Joao Esteves da Suva, casa
terrea arrendada annualmente
por...............................
dem 4.Viuva de Antonio Jos
Ferreira de Carvalho, casa terrea
arrendada annualmente por......
dem 5.Herdeiro do raousenhor
Dr. Antonio Jos Coelho. casa
lerrea arrendada annualmente
por...............................
dem 9.Evaristo Machado Lima,
e oulros casa terrea arrendada
annualmente por.................
dem 14.Antouio da Silveira Li-
ma, casa terrea arrendada annu-
almente por......................
dem 17.Domingos Jos Alves da
Silva, casa terrea arrendada an-
nualmente por..........
dem 18Josefa Mara do'Carmo
Ferreira, casa lerrea arrendada
annualmente por................
dem 23Senhor Bom Jess d
Bom-Om, casa tcnea arrendada
annualmento por...................
Ra dos Qualro Cantos.
Numero 2.Jos Roberto do Espi-
rito Sanio, casa terrea arrendada
annualmente por..................
dem 3.Luiz Correia de Gusmo,
casa terrea arrendada annualmen-
te por.............................
dem 6.Conego Marcellino Antonio
Dornellas, casa lerrea arrendada
annualmente por..................
dem 7Amonio Marcelino'de'Sou-
za, casa terrea arrendada annual-
mente por............
dem II.Francisco Antonio Bas-
tos, casa lerrea arrendada annual-
mente por........................
dem 14.Jos Neves, casai" dei "um
andar arrendada annnalmenle por
dem 16.Luiz Manoel Bodrigues
valenca e oulros,
do de um andar
nualmenle por.....
W2S 17-~ Sem,"""'o Episcopal do
Olindo, coso de sobrado de um an-
dar arrendado annualmente por
dem 18.O mesmo, casa de so-
brado de ura andar arrendado an-
nualmente por....................
dem 22.Jos Jacinto Pa'vo, casa
de sobrado de ura andar arrenda-
do annualmente por..............
dem 23Herdeiros de Jos Gomes
Leal, cosa de sobrado de dous an-
dares arrendado annualmento por
fna do Amparo.
Numero 4.Ordem 3'1 d S. Fran-
cisco do Olinda, casa terrea arren-
dada annualmento por............
dem 6.Balbina Virgens do Es-
pirito Santo, casa terrea arrenda-
da annualmente por...............
dem 10.Francisca Luiza dos An-
jos, casi terrea arrondada annual-
mente por....................
dem 11. K. Anna Candida de
Athaide Albuquerque Mello, casa
lerrea arrendada annualmente por
dem 3 A musma. casa lerrea ar-
rendada annualmente por........
dem 16.Candido Jos Lisboa, ca-
sa lerrea arrendada annualmen-
te por.............................
Ra do Amparo.
" 21.Conego Dr. Joaquim Francisco
ras, casa de sobrado de 1 andar,
arrendada annnalmenle por .
dem 27.Irmandode de N. S. do
Rosario, casi terrea arrendada
annualmente por .
dem 28.A mesma, essa terrea,
arrendada annualmente por .
dem 29.Herdeiros de Antonio
Jos do Espirito Sanio Baralo,
casa terrea, arrrendada annu-
almente por......
dem 31.Deo Dr Francisco Joa-
quim das Chagas, casa terrea, ar-
rendada annualmente por .
dem 2Herdeiros de Joo Car-
los Marinho Palhores, casa de
sobrado de 1 andar, oirendoda
por..........
dem 43.Antonio Jos dos Santos,
casa terrea, arrendada annual-
mente por......
dem 27. Irmandade do Sanlis-
simo Sacramenlo da malriz de S.
Pedro Marly, casa terrea, arren-
dada annualmente por .
dem 55 Exm. hispo capelao mor
conde de Iraj, casa terrea, ar-
rendada por.......
dem 57.Isabel da Cunha Perei-
ra, cosa terreo, arrendada annu-
almente por.......
dem 58.Manoel Jos dos Santos,
casa do sobrado de 1 audar, ar-
rendada animalmente por .
dem 69.Exm hispo espolio mor
conde de Iraj, caso Ierra arren-
dado annnalmenle por .
dem 72. Convento do Carmo de
Olinda cosa terrea arrendada
aiinualmonie por.....
dem 73 O mesmo, casa terrea,
arreudada annualmente por .
O escrivo
foo Gonralces Rodrigues Franca
48JJ00
48000
48S00O
84*000
60*000
72*000
845000
60$O0O
965000
96S000
6OSO00
72;O0O
48^000
1089000
144*000
663000
96j000
72J00O
14*44000
120j}000
1204000
120^000
24090C0
2165000
MfOOO
60SO0O
845O0O
120*000
60*000
96*000
de Fa-
14i000
36*000
48/000
96*000
96;000
16S<000
96$O0O
48$000
8SO0O
72*0:0
96J00O
72*000
36*000
36*000
I

:
i
Ra da bica dos qualro cantos.
N. 6.Antonio omingues do Al-
meida Passos, e oulros coso terrea
arrendada annualmente por......
dem 7.Joo da Silva de Mondon-
ga Vianna, casa terrea arrendada
annualmente por................
dem 12. Bernardo Ilenriques,
casa terrea arrendada annualmen-
te por............................
dem 16.Antonio Baptista Picarde
e Luiz Bsplisla Picarde, casa
terrea arrendada onnualmenlo
por...............................
dem 17.Paulino Manoel Thom
Caboatan, casa Irrea arrendada
annualmente por...............
%a do aljube.
N. 1.Joaquim Francisco d'Allem,
casa lerrea arrendada annual-
mente por........................
dem 2.Mereniana Maria da Con-
ceicao, casa terreaarrondada an-
nualmente por...................
dem 3.Joo de Barros Pimentel.
casa terrea arrendada annualmen-
te por............................
dem 5 Joanna Regs, caso lerrea
arrendada annualmente por......
dem 8.Manoel Torres da Silva,
casa terrea arrendada annualmeo-
te por............................
dem 16.Leonardo Jos d'Almei-
da, casa terrea arrendada annual-
48S000
C0*o00
48*000
46*000
48*000
120*000
48*000
60*000
96*000
48*000
^
(
CHRONICAjllUUICIARIA. _
JURY DO RECIFE.
4.a SESSAO JUDICIABIA.
PRESIDENCIA DO -Sil. Dft. JlIZ DE DIREITO INTERINO
DA 2 VARA CRIMINAL,
ACOSTINIIO ERJIELINO DE LEO.
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopol-
no de Gusmo Lobo.
Escrivo, o Sr. Joaquim Francisco de Paula Es~
tenes Clemente.
As 10 horas da manha, o escrivo procede a
chamado, e verificase estarcm presentes 13 ju-
rados.
Foram multados cm 20$, por cada sesso cm
que nao comparecercra, os seguintcs Srs. ju-
rados :
Francisco Antonio Cavalcanti Cousseiro.
Antonio Jacome de Araujo.
Manoel Lopes Rodrigues.
Antonio Pereira da Cunha.
Jos Joaquim de Oliveira.
Jos Guilherme Guimares,
Jesc Alexandre Ribeiro.
Joo Manoel Pinto Chaves.
Francisco Antonio de A*sis Goes.
Joaquim Barboza de Moura.
Joaquim Hygino de Moraes.
Severiano Jos de Souza.
Jos Antonio Lopes Gui.nares.
Hermenegildo Coelho da Silva.
Joo Francisco de Oliveira.
Dr. Joo Alvos Dias Villela.
Amaro Soares Maris.
Jos Pereira d'Alcanlara.
Joo Valentiin da Silva.
Foi relevado da multa em que tem incorrido.
e dispensado de servir na presento sesso, o Sr.
Antonio Leile de Pinho, official maior da secre-
taria do governo, e lambem o Sr. Jos Maria
Seve.
Nao se reunindo numero legal, procedou-se a
novo sortcio, e sahiram sorteados os seguinles
senhores :
Joaquim Bernardo do Mendonga.
Manoei Pereira Lima.
Eslevo Jorge Baplisla.
Antonio Francisco Collares.
Jooqnim Viegas.
Domingos Francisco Tavares.
Joaqum Jos Alves de Albuquerque.
Antonio Alexandre Martini Correa Bastos.
Flix Joaquim Domingues.
Domingos Jos Soares.
Antonio Augusto do Costa Guimares.
Jos Alenquer Simcs do Amaral.
Dr. Antonio Epaminondas de Mello.
.1
ir -


MARIO DE mNBMCOv QUINTA FEIHA 23 DE AGOSTO BE IMft.
Ignacio Ferreira Gomes.
JoaquimJos de Santa Anna.
Ignacio Pinto Soares.
Alejandre Manoel dos Passos.
Jos Jotfquim Lopes de Alraeida.
Vicente I'erreira da Porciuocula.
Joao Xavier Caaneiro da Cunha.
Joo Augusto de Vasconcellos Leilao.
Antonio Fernandos de Araujo.
Joaquim Jos da Costa Soares.
Jos Rufino Maciel Moulciro.
Manoel Jos Teixeira Bastos.
Dr. Luii Salasar Hoscoso da Veiga Pessoa.
Miguel da Fonseca Soares e Silva.
Manoel Luiz Viraes.
Antonio Raimundo Paes de Lima.
Manoel Pereira do Couto.
Antonio Jos Dias dailva Mendanha.
Themaz de Aqnino Fonseca Jnior.
Francisco Xavier da Silv Mandonca.
Joaquim Francisco de Mullo Santos.
Antonio Jos de Castro.
Levanlou-se a sesso 1 hora da larde.
Communieados.
As loteras da provincia.
A adminislrago provincial, confiad* intelli-
gencia do Exm.Sr. Dr. Arobrozio Leito da Cu-
nlia, tcm-se destioguido no curto periodo de sua
duracao por urna ferie do medidas de alia conve-
niencia para os interesaos pblicos. Quera hnu-
ver acompanhado alllentamcnle a iT.archa admi-
nistrativa, comprehonder para loga queannun-
cia-so provincia urna pitase nova, verdadera-
mente fiicunda em benficos fructos.
L'nia das medidas, que altamente recommen-
dam a actual administraco. a que respeita s
loteras, reslabelecendo em sen vigor as leis n.
339 de. 4 de abril do 1857 e n. 391 de 30 de ju-
nho de 1856, til. 3, 15, que a forga descreen
violadas em scus salutares proceilos, iam quasi
cahindo em desuso.
Sabe-se que uin dos poderosos recursos, de
que dispoc a provincia para o afonnoseamento
dos templos, edificios, monumentos pblicos,
siislenlaeo de asytos, bospiUes e assoeiacuos de
religiio e candado, 6 o produca dos beneficios
das loteras. E' coin este pensamento que ellas
sao voladas, e ninguem por corlo desconhecer o
grande proveilo que d'ahi autere a provincia.
Prcjndicando a exlracgao regular das loteras
provinciaes, a venda dos bilheles da corle (ni-
cos em voga] entorpece a marcha d'aquelhs, e
fi pode dar em resultado o monopolio de urna
garanta exoessiva, que toda reverte para alguns
ginhadores que d'isto azem vida. Qual d'ahi o
proveito para os iuteresses provinciaes '?
Por ouiro lado, nao verdade que as
resida desde o auno 'le 1859 (!!!] dos uuaes
seus filhos o Manoel Luiz honiem do meio dia
para a tarde subi novamente para o Btejo do
Fagundes. e Joaquim Henriques quo lem estado
acostado Trajano Olyrapio da Cunha Gouvcia,
suppe elle respndeme que lambem so retirara,
em razio de ler por all apparecido esta noile
urna tropa que o fdra prender, e que nao o pren-
den porque elle Joaquim Henriques, dormiodo
em um mucarabo no malo por Iraz do casa delle
respndeme, naturalmente fdra advertido por la-
udos de caxorros da visinhanca approximago
da forca.
iiiiui. Ueixo a Oscriycao do respeilavel publico
a juizar a respeito de meus eoatumes a decidir
se tendo eusempre triumphado de met opposi-
tordeverei desojar assassina-lo.
Elle mesmo, Srs. redactores, est bem con-
vencido dessa verdade, porm julgando-ne por
m
Movin-ieuio o porto.
# entrado no dia 22.
Porto do-Sul7 das, vapor portuguez Brasil.
commandanle 1>. P. Campos.
si quer capacitar ao publico que pens- eo'mo Liverpool 40 dias, bfigue imUz Mercar y, car-
elle ; isso pan ler com antecedencia desculpa o! Ka fazendas e raais gneros ; a Johnstou Pater
atlentado que contra minha existencia promedi-
la. Este hornera desmoralisado lem por vezes
dito quo lem raeios de acabar comigo e toda a
minha familia, c bem ha pouco quando na as-
sembla provincial passou o projecto que marca
Perguntado, se Manoel Luiz, coslumava tam- os limites de Serinhom com Escada, dissse elle
bem dormir no mocambo com seu irmo Joaquim que com minha morle eslava toda a questo
Henriques?
Respondeu quo tira.
Perguntado, porque deixavam elles a casa del-
le respndeme, para irem dormir no mallo em
um mocambo?
Respondeu quo assim o faziam, por 6e have-
rem feito criminosos em um barulho na Serra do
Caluama em dias de fevereiro do 1859, em cujo
decidida; tal Srs. redactores, seu modo do
pensar, vista do que e do exaclo conhocimento
que delle tenho bem serios receios me devem
agitar. O Sr. Salvador capaz de mandar que
Ihe deem um tiro, e inculcar que fui eu quem
Ih'o mandei dar para se vingar de mim, o por
isso julgo de accerlo prevenir ao publico que
nao tendo eu por inimigos seno ao Sr. Salvador
&C.
Navio sabidos no mesmo dia.
LisboaBrizue porloguez Farujo & Filhos-, ca-
pilao A. J. do Carmo, carga-varias gneros,
AracalyHiate brasileiro F.talaro, capilao An-
lonio Manoel A Hongo, carga varios gneros.
barulho houveram duas mortes o ferimenlos no a seus filhos, a elles allribuirei qualquer mal que
inspector Joaquim de Mello. | haja ou de soflrer, porque esses senhnres em mi-
Perguntado.se Manoel Paulino e Dr. VLrialo j nha propria presenca me tem protestado fazerera
sabiam qne os filhos delle respndeme eram cri- I todo o mal que puderem.
ruinosos de morle? Dignera-se, Srs. redactores, dar publicado a
Respondeu que sabiam (lilil), sendo qoo fdra estas linhas com o que muito obrigar ao su at-
olle proprio respndeme, que fizera tal relaco, lento venerador e assignaote.
da corte offuregam molhorcs e mais seguras ga-
rantas aos particulares, de que as loteras da
provincia p-'lu plano actual, que com pouco pe-
der ser melhorado. Entre estas e aquellas, ni
e o Dr. Viriato tem razo de estimar seus filhos
que sao bons rapazes.
Perguntado, de que viviam os seus filhos em
Pao A ni a re lo ":
Respondeu que viviam descu trabalho, per
mutandu dias de servico com o Dr. Viriato c Ma- i
noel Paulino, e as vezes com o leneoie-coronel j
Trajano.
Pergunlado, se o Dr. Viriato, Manoel Paulino |
e Trajano estimara a elle rcsponJenlc?
Respondeu que sim, tanto que
no, j boje lhe veio fallar pela
deja.
Perguntado, se elle respondente lera visto no
engenho Pao Amarello, a Miguel Joaquim de Pa-
ria Braga ?
Respondeu que por vezes o tem visto passar
pela estrada, e ouiras vezes o vira em casa do
Dr. Viriato, ignorando se de feilo all mora, po-
rm, que coslumava malar gado para consumo,
e que nao fez nos uliunos dous sabbados
Perguntado, se conhece a Galdiuo Pereira de
Queiroz, desde quando e d'onde elle morador
a o que eslava fazetido em casa delle interro-
gado ?
Responden que o conhece desde a mais lenra
idade, que morador no Brejo do Fagundes, e
que so achava em sua casa com o seu sobrinho
Laurenlino da Palva Leite, que lhe dra 50?, pelo
que Un ha vindo justo da Serrinha, afim de que
Laurcntino vendesse um quarlo para seu paga-
' monto.
Joao Florentino Caoalcanlide Albuquerque.
California 20 de agosto de 1860.
Srs. reda clores.Nao me admirou, nao me es-
pantou, nao me assombrou a protervia, com que
mu cunhado, o Sr. T/iom Joaquim de Oli-
veira, conluiado com seu irmao e a protexto de
acaulelar o futuro de seus sobrinhos, ousa afron-
lar-me. apregoando por una folha publica que
II a noel Pauli- mc ?cl10 em eslc,do dealienaro mental, e pre-
srade d* ca- i veninao so respeitavel publica para que nao faca
comigo nogocio algum. Se o Sr. Thomi Joa-
quim de Oliveira, a forca de impudencia, julga :
arraslarme ao estado infeliz de alienado, para
poresso modo salvar a reputarlo e adormecer a
agitada e remordida consciencia de seu digno
socio, devo desde j assegurar-lhe que perde a
vasa :a substituirse do nomo de I). Francisca
Collccta Romana pelo de D. Francisca Collecta
Vianna, nao tem o poder mgico que lhe presta
mou digno cunhado ; porque o nico efleito
que pode causar marcar a fronte do infame,
que a taes manejos se presta, com o ferrete da
ignominia.Pode, pois o Sr Tliom Joaquim de
Oliveira continuar a prestir seus iguobeis servi-
gos. que a minha nica resposla ser o mais
profundo despreso.
R ecife 22 de agosto de 1S60.
Joaquim Coelho de Lima.
o. Q. f' 0 o. S 1 floras 1
V s cu w a? 3 c c te VI Atmosphera. 1 a cr pe < gl c S > m m
^ Direccao. < Vi se O
w V ce o 1 Intensidade. 1
5* en p 8 - Centgrado. i Reaumur. H 9 S O n H V o A o O 55 O
p o p o ~ -j" o m <- P <3> ' r-c c-
00 -i oo ^ Fahrenheit > pe
. ~4 00 en p b 8. .->3 en Hygrometro.
b w Barmetro l
Chardon, que aiuaa o nao eii.i, o que o,ui e te-
preser.tado por seu curador, requf r a.V. S. que o
admita a justificar 85 mai* ausencias, em lugar
nao sabido, am de que julgada se propnnha a
compelen** arco, na qual se expor a pedido,
sendo as eita^oes para todos os termos da causa
inclusiva a exerucao.
Pede a V. S. IJIm. Sr. Dr. juiz municipal da
primeira vara, assim lhe delira.E R. M.Mi-
guel Jos de Almcida Pprnambuco, procurador.
Nada mais se cnntinha em dila petico aqui
copiada, na qual dei o despacho seguinte :
de 1 o,ooo e 2o,ooo da
emisso do banco.
Cvnfielho de compras navaes.
Em addliaroento ao annuncio de hnje. acerca
dos contratos pelo fornecimento de diversos ob-
jeclos para as obras cargo do arsenal do mari-
nhi, manda-mais o conselho fazer publico, que
em sesso de 2&do crreme, lambem contratar
o fornecimento at o f>m de selembro prximo.
Distribuida. Justifique. Recite 20 de julho de sob a formula constante do mesrao annuncio. c
1860.Seraphico. condicqes sob a multa, e pagamento nelle men-
Distribuico.A. Saraiva.Oliveira. cionadas, dos objectos nbaixo declarados fazendo
Mais se nao conlinha em dita peticao, despa- I parte das ditas para os navios da fazeuda e en-
cho e distribuiro, depois do que o autor jusli- fermaria de marinba.
ficante provou a incerteza do lugar e residencia Objectos.
dos supplieados. avista da prova teslemunhal, Aletria, araruta, assucar branco refinado, bo-
que produzio, e felo-me os autos conclusos, pro- | lachinha, cevadinha, cha, manlciga, tapioca,' vi-
feri a minha senlenca do theor, verba e maneira nho de Lisboa,
seguinte : I Secretara do conselho de compras navaes, en
A' vista das testemunhas de folhas6 a folbas7, 18 de sgosio de 1860.O secretario, Alexa'ndre
julgo prov/ida era lugar incerto a ausencia de Rodrigues dos Anjos.
Emilio Chardon e Joao Chardon, e mando por
isso que se passe cartas de edites, com o prazn
de 30 dias para seren elles citados, segundo fui
requerido a folhas 2, e pague o justificante as
cusas.
Recife 8 de agoslo de 1860.Innocencia Sera-
phico de Assis Carvalho.
Atlendcndo ao que cima fica exposlo, mandei
passar a prsenle carta de edites com o requeri-
do prazo de 30 dias, por meio da qual chamo,
cito e hei por citados aos ditos supplieados, para
ludo o conlheudo na pelicao aqui transcripta :
porlanlo lodas as pesso3s, prenles, amigos eco-
, nhecidos dos referidos supplieados lhes farara
A noile clara com grandes novoiros, vento SE, ] certo de quo por esle juizo flcam cilados, p'ara
todos os termos da acro competente, afim de
veio para o terral e assim amanheceu.
0SCILI.AC.A0 DA HAR.
Preamar as 8 h 51' da manh.ia, altura 6.20 p.
Baixamar as 3 h 54' da tarde,altura 1.70 p.
Observatorio do arsenal de marinha 22 de agos-
to de 1860 Virgas Jnior.
Editaes.
E como nada mais lhe fosse perguntado, assig-
1 na o presente aulo, depois de lhe ser lido e
! o adiar conforme, o qual vai tnmbem assignado
para as da provincia a grande vanlagem de se- i ^ uiz C "ldo pelo mesmo, do que ludo
rern realizados os premios sem longa demora, e
Publicares a pedido.
sem os riscos do transporte ou os juros do re-
bate.
Foi sera duvida
vigor oneraram a
n'este designio que os leis em
venda dos bilheles do oulras
provincias com um pesado grvame.
lL'je que o Exm. Sr. presidente da provincia
acaba de restabelecfr essas disposices legaes,
recommendando ao diligente Dr. A.Araripo que
tomasse as necessarias providencias em ordom
nao continuar a infraeco de que tratamos, nao
eos resta seno agradecer ao digno presidente
este beneficio em proveito dos interesses p-
blicos.
i
Timn e o Liberal Pornambucano.
III.
i) communicante do Liberal Pernambvcanonao
pode supporlar em seu orgulho que o levem de
vencida na disc.usso, que rai sendo continuado.
Desapeiado dos mais importantes pontos de ali-
que, e vendo perdidas as stias mais bellas posi-
> -, ei-lo que atlonilo se alira pessoalidades,
dcixando margem a apreciarn dos fados.
Eu Joaquim de Mallos Acantilado Rochedo, es-
crivo que o escrevi Joao llircano Alves Ma-
ciel.Jos Luiz Lourenco.
Nada mais se conlinha em dito aulo do per-
Kuntas, do qual fiz extrahir bem e fieluienle esta
certido, a que me reporto.
Subscrevi e assignei nesla cidade de Goianna,
aos 11 de de agoslo de 1860.
Em f de venale.
O escrivao 'do juizo,
Joaquim de Mallos Acantilado Rochedo.
I.ibcrdade ios Sicilianos.
la.
Aos lllmos. o F. vinos, Srs. ministro
da guerra, ajudante ;;eneriil,pie
sidente da provincia e vomman-
dante das anuas.
Quartel do 8o balalkao de infatuara em llacei,
20 de abril de 1855.
Ordem do balalho n. 149.
0 coronel commandanle, em visla do offico
que o Sr. capito Jos Moniz Tavares, comman- O Dr. Anselmo Francisco Perelti,
danle do destacamento da villa de S. Miguel, en-
derecou ao Sr. major fiscal com data de lo' do
corrente nao pode passar desapercebida a manei-
ra desatenciosa, com que um subdito se dirige
O honiem que crer na libertada como direilo aos seus inferiores, o que bem se conhece, que o
immutavel que crer na inviolabilidade c soli- Sr. capilao continua com evasivas do ignorante
dariedade do sr humano, nao pode deixar de dos seus deveros, a apresentar em scus aclos mi-
renderseria o rerdadeira homenagem ao genio, lilares a insobordinaco, o abuso de auloridade,
qner scienlilico, artstico, revolucionario, em i a falla de civilidade, finalmente a soltura do lin-
prcl da libertada Garibaldi o genio libertador : gua, o isto ferindo a seu chefe com o que tem dado
dos Sicilianos, que viviam sob a pressao lyranni- i pessimo excmplo aos seus subordinados e aos
ca de Francisco II rei de aples! Nao posso, seus superiores, e m idea de seu coinportamenlo
pois, deixar de prestar respeiloso culto a um | militar,
nomo taa precioso como o de Garibaldi. O coronel commandanle faz tambem constar ao
O honiem de progresso o que er as sabias balalho que a m vonladc com que o dito Sr. capi-1 escravos sao pertenecntes
doulrinas do evangelho, que as da liberdade, | lo serve dobaixo do seu commando, depois que | Souza, c vo praca por
li communicado ultimo do Liberal Pernambu- nao pode deixar de demonstrar um votado apreso foi rendido do destacamento
jiio una prova authentira do que ah rai dito e a'1" considerado ao herosmo de Garibaldi. | substituido pelo Sr. capilao Gi
Pelo prsenle sao convidados comparecer
na casa das sesses da cmara municipal s 10
horas da manha do da 25 do correule, os cida-
| daos guarda nacionaes abaixo declarados, que
nterposeram recurso para este conselho, das
I decises do conselho de qualificaco, afim de
; serem inspeccionados por junta medica.
Sala das sessoes do conselho de revi-la 20 de
' agosto de 1860 0 secretario do conselho, Fir-
mino Jos d'Oliveira.
Pedro Alexandrino Ferreira Flores.
Felisberlo Ignacio d'Oliveira.
Eslevao Jos da Molla.
Francisco Solano da Cru.-. Ribeiro-
Joao Francisco de Pontos.
i Miguel da Ifotta da Silva Pan
i Joan .(ovino d'Almeida.
I Antonio Joaquim do Nascmento Barros.
I Antonio Jos dos Santos Alves.
. Hermelindo d'Oliveira Passos.
Jos Angelo Pereira.
Manoel de Carvalho Coulo.
Antonio Alanasio de Araujo.
Clemenlino 6nca1res de Faria.
Joo Jos de Carvalho Jnior.
Antonio Piulo de Azevedo Bezerra.
commendador;
da imperial ordem da Rosa e da de Christo, e |
juiz de direilo especial do commercio desla ci-
dade do Recife, capital da provincia de Per-
nambuco e seu termo, por S. M. I. c C. o Sr.
I). Pedro II, que Dos guarde, etc.
Fajo saber aos que o presente edilal virem e
delle noticia liverem, que no da 5 de selembro
desle anno se ho de arrematar em praca publi-
ca deste juizo, na sala das audiencias, os escra-
vos seguintes:
Rosa, de nacn, idade de 35 annos, pouco
mais eumenos, pelo quanta de 40O5<>00 Julia,
erioula, idade de 35 annos, por 5D0S00 ; Cy-
priano, idade de 10 annos, porSOOSOOO, os qua'es
a Joo Paulo de
1 la-
que dentro do referido prazo de 30 dias compa- |
recam neste juizo para ullegarcm o que fr a
bem de seus direitos, sob pena de revela, e para
que todos lenham noticia, c ao conhecimento
delles possa chegar, mandei passar a presente car-
la de edites, que ser affixada nc lugar do cos-
tume e publicada pela imprensa.
Dada e passada nesta cidade do Recife de Per-
nambuco. aos 10 de agosto de 1860.Eu Joao
Saraiva de Araujo Calvan, escrivao o subscrevi.
Francisco Seraphico de Assis Carvalho.
Directora gera
ta instrucrAo
publica.
Face saber aosinleressados que o Illm. Sr. di-
rector ge ral interino, de conformidado com as
instruccoes de 11 do junho de 1859, tem desig-
cado o dia 29 do corrente, pelas 10 horas da ma-
Arseoai de guetra.
Nao se tendo realisado n arremalaco das cos-
turas j annunciadas, o lllm. Sr. coronel director
manda de novo publicar, a quem pretender cus-
tura-las, aprsente suas propostas em caria te-
chada na directora do mesmo arsenal no dia SO
do corrente, pelas 10 horas do dia, devendo ditas
propostas precisar do menor felio de cada pega
de fardamenio, aprsenle fiador idneo e rec-
lhe-las no prazo de 35 dias.
Pegas.
Caigas de biim branco.... 1069
Camisas de algodozinho. 140
Arsenal de guerra, 17 de agoslo de 1860. (i
amanuense,
Joao Ricardo da Silva.
Conselho administratiov.
0 conselho admlnislialivo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar o objectu>
seguinte :
Para a provincia do Ro Grande do Norte.
20 arrobas de estopa de embira para tacos de
peca.
Ouem quizer vender tal objecto aprsente as
suas propostas em carta fechada na secretaria do
conselho s 10 horas da manhaa do dia 29 do
corrente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 21 de
agosto de 1860.
Rento Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronol vogal secretario interino.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, lem de contratar para o
nnaa, para o exame de habiluacao dos oppoito- rancho da companhia dos menores do arsenal de
res as radeiras vagas de instruccio elemontar do
primetro grao, que se acham a" concurso. Sao,
pois, convidados a comparecer nesta repartiera
em o referido dia e hora, os senhores que para
csse fim j se acham inscriptos.
Secretaria da instruccio publica de Pemam-
buco 21 de agoslo de 1860. O-secretaria inte-
rino, Salvador Heurique da Albuquer exocucao, que
da Imperatriz, e encaminha Antonio Bezerra de Menezes Lyra ; e
fino urna prova autbcniica do que ah vai dilo I e alia eonsideraelo ao herosmo de Garibaldi. | substituido pelo Sr. capito Gregorio Antonio da nao havendo lannador, que cubra o proco da ava-
Atlribuindo ao Sr. acadmico J. Campos OS tumi- Ftlho do Brasil, onde a liberdade reflecte em Silveira, que por este fado se toi nauseo ligadalini- ; liaro. ser e arremalaco feila pelo preco da
nosos escriptos de Timn, que tanto se distn-! todos os coracoes e o pharol que guia lodos migo, e de ou'tros otliciaes que nao leera approvado '. adjudicaco com abale da lei.
n pela energa do pensamento como pelo' os brasileros, nao possivel oceultar o logo ele- seus aclos, devido a ter sido o dilo Sr. capilao E para quo chegue ao conhecimenio de todos
acabado da forma, abocanha o communicante ao 'rico do extremo prazer que reflecte em meu co- i chamado ao cumprimenio dos seus deveros pulas' mamlei passar editaes que sero publicados pela
Sr. J. Campos com a aiva hydrophobica de que' raco pela causa que pleitea Garibaldi. Onde ordens do balalho de 9 de julho, 5 de ontuhro imprensa e alTUados nos lugares do costume.
se Calle em liberdade, o que della seje ollicio de i deste mez. ludo do anno prximo Cidade do Ilecife de Pernambuca, aos 17 de
Companhia ixa de ('aval-
lara.
0 capito commandanle, faz publico quo no
da 25 do corrente, pelas 9 horas da manha, se
ha de vender em hasta publica, no porlao deste
quartel, 10 cavallos que foram julgados incapa-
zes do servico da mesma companhia.
Quartel eni Sanio Amaro, 20 de agosto de 1SG'\
Manoel Porfirio de Castro Araujo,
Capitn commandanle.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguimos :
Para o forncimento do hospital militar.
Lcnces de briin 200 ; camisolas de brim com
8 palmos de roda 150 ; cobertas de chita 30; ca-
misas de meia 48 ; fronhas de brim com pal-
guerra, durante os dous mezes de selembro e ou-
tuliro prximos vindouros, o seguinte :
Pao de 4 oncas, bolacha, cha hyssoo, caf em
grao, mantelga [ranceza, assirar refinado, carne
verde, dita secca, farinha de mandioca, feijo mu-
I iiinlio ou prelo, loucinho de Lisboa, azeite doce
de Lisboa, vinagre de Lisboa, airoz do Maranho
bacaltio.
Quem quizer contratar os gneros cima de-
clarados aprsente as suas pioposlas em carta fe-
chada na secretaria do conselho, as 10 horas da
manha do dia 29 do corrente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 22 de
agoslo de 1800.
Rento Jote Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Scilao do Apollo.
Snhhail, 21) to agosto de 180.
s H horas da noile.
F.m consequencia de nao se poder marcar os
mos de comprmeme 100 ; gnardanapoa de brim ntervaHos, quando houver de se dancar, o mes-
vara e
la 00 ;
v capaz o seu genio.
Estamos aulorisados declarar por bem da
verdade:O Sr. acadmico J. Campos, cuja vida
eremos irreprehensivel em actos, custumoa e
nioralidade, nao somanto nao o Timn, como
nao tem parle nos escriptos que respeito de
Goianna versam no Otario de Peraambucano. E'
justo que carregue cada um com a responsabili-
dade de seus fetos, o Timan tem bastante cora-
ge m [iara afrontar asirs do Liberal Pernambu-
cano.
Seja, porm, quem for o Timn. Para que em
campo a individualidade ? Para que a discusso
sobre a vida privada, quando ha ah fados pbli-
cos que precisara ser elucidados? E'que, por
ventura, pretende o communicante intimidar-nos
com a ameaca ?
N io de hojenem de honiem que Timn com-
bate pela verdade Procure o communicante
descorlina-Io, e debaixo deste pseudonyrao en-
contrar um nonio que de anuos lhe conhecdo.
Na imprensa, no furo e na tributo, tem o com-
municante urna vida looga esmerilhar.
A' parte, a pessoalidade. Venham anda os
fados robustecer a prova.
Timn affirmara que o criminosa do morle,
Jos Goces, preso na c.adeia de Goianna, eslivera |
acoitado no engenho Po-Amardlo. Depois del
algumas reflexoes que j temos respondido, re-
plieou o communicante :E' falsa a confisso de
Jos Gomes. Ella nao foi livre, mas exlorquida
pela auloridade processanto. Carece, por tanto,
do merecimento a prova que so alTecia jurdica.
Damos que assim seja. Entretanto, ah Irans-
creve.mos um ouiro aulo de perguntas que res-
pondeu o preso Jos Luiz no dia 6 de agoslo cor-
rente. J nao c somcnie Jos Gomes quo con-
fessa liayer-se abrigado no engenho Po-Ama-
rcllo. Es-ahi ouiro criminoso, pai dos crimino-
sos de morle Manoel Luiz e Joaquim Henriques
da Silva, que o mesrao atiesta.
Em quanlo o communicante nao averbar de
falsa esl'oulra confisso, valha como jurdica a
prova com a presumpeo de direilo.
E (.or estes antecedentes, e baseados em razes
correnles, que denunciamos Po-Amarello como
guarida dos criminosos da comarca. Pondere o
Sr. Dr. chelo do polica sobre as informaces que
temos expendido, e segundo ellas forme o seu
juizo.
(loando a polica redobra lodos os dias de acti-
vidade, levando todos os pontos do territorio
da provincia a represso cxemplar do crime,
triste e deploravel que os proprielarios de um
engenho ousem embaracar esla acgo benfica,
guardando em sen seio criminosos.
Era, por tanto, com ra/.o que nos affirmava-
quer qu>> se
precise, ah est o meu coraco, porque sendo
inemoro da grande familia humana, nao posso
dispensar de alegrar-me quando oulros se liber-
ta ni.
O que se acha fazendo presenlemenle Garibal-
di ? Coiiquist inilo a lilit>rlailo ri* seus roiu-id:i-
dos Oppiimidos, procurando dar direilo a quem
nao lem. A que familia ou communhao perten-
cem esses que Garibaldi quer libertar ? Perlen-
cem como eu, a familia universal.
(Juera se nao associar aquella sacrosanta e gi-
gantesca empreza da liberlaco de um parte da
familia a que todospertencemos ? Ninguem por
certo.
So coracoes olnluradose envelhecidos nos hor-
rores da escravidio, dcixaro de applaudir e bem
dizer, de qualquer canto do mundo onde estejam,
a obra da regeneracao c confraternisacjo dos
Italianos.
Brasileiro americano, onde a lyrannia nao tem
apoio, apostlo fiel da liberdade. nao posso ver
mudo e quedo o inovimenlo assencional que se
opera na Italia sem significar meu conienla-
menlo.
Garibaldi o mais importante promotor desse
movimento, nao posso dispensar de contemplar e
proxn
passndo, e mais ainda pelas ordens do balalho.
de27 e 28 de fevereiro e officio de 26 de margo,
dirigido ao Exm. Sr. presidente da provincia,!
ludo do corrente 'nno, o que devla tercm lerp-
branga para affastar-se da maicha errada quo al i
slito icm seguido e nao com hypocresla illudindo
assim as ?uloridades a quem convcm bem servir,
para de quando em quando, ferir a seu chefe, e ,
com particularidade na disciplina e subordina-:
cao, que tanlo convra sustentar, e que o dito
Sr. capito reconhece.
Adverte ao dito Sr. capito Moniz quo o nao
prende nesse destacamento sua ordem e por
lempo determinado, e o nao responsabilisa pe-
ranle um conselho de investgaco em vista do
citado officio, por muilo respeitar as nonicaces
do Exm. Sr. presidente da provincia, porm que
o reprehende severamente.
Regressaru para csse destacamento os soldados
que os remello, porque como o commandanle do
mesmo tem allribuicoes resnelas as leis militares
quo nao as devem ignorar, e nem se affbstar para
punir semelhantes faltas, que nao sao crimes que
meregam entrar em conselho de guerra ; pelo
que lhe ordena que a lei os cartigue com 8 dias
de priso dobraudo no servico de estalla ; pois
admira-lo corno um genio eminentemente grande. nao s com o castigo de chbala que. com des-
i illlaud.ide S
Todo quanlo se vola ao genio pouco, por
isso nao posso conter os ntimos euthnsiasmos e
contemplares que se manifeslam em meu cora-
co de livre:nao posso alenua-los, porque
meu coraco palpita arrebalado de extremo pra-
zer pela causa da liberdade. Um,livre nao pode
ver ouiro pelejar pela liberdade, sem que nao
sinta puras c verdaJeiras emoces, -'o que me
acontece.
O verdadeiro liberral, aqnelle que nao ospe-
cula com o nomo de liberdade, nao pode comer-
se em frenle doquadro que se acha na Italia :
A liberdade penetra al as ultimas dobras do
meu coracosou lilho do povo e nao tenho ti
lulos de nobreza, por isso devo cooperar como
poder para a liberdade-
E' desle abengoado solo da Sania Cruz, onde
se respira urna athinasphera livre, daqui, pnis,
oh Garibaldi,que envi me.us respelos e minha
admirago : aceita a nica e sincera ollerenda
que le pode dar um brasileiro livre, um cosmo-
polita emlini.
Deus abengoo tua causa, forlaleca lu obra,
porque obra da liberdade, era prol da qual tra-
balliou Jess Chrislo, e pela qual morrou no
Golgotha !
Sicilianos I a liberdade quem precisa de roa-
sos bragos a me patria quem vos manda pe-
lejar por ella. Um livre para cem escravos.
mos, que o fado de ndicar-se'/'erejHi/io como feos abencoe c vivifique a causa da verdadeira
o lugar da residencia do criminoso Luiz Maricola, liberdade da Italia,
revelava o plano de ariedar do oulras localida-
des as vistas policiacs. Desmascarado este plano
e corrige as pracas em destaca-
mentos, abafando taes castigos ao conhecimento
dos seus superiores, e fazendo da rigosa disci-
plina, que odeiam e nao reconhece de si para
esle o pedestal de urna falsa gloria militar.
Assignado.Luiz Jos Ferreira, coronel com-
mandanle.
(Coniiiu(ir-se-/ta).
i .p1 "r: .u^5s-\
Alfandegra.
Hendimento do dia 1 a 21. .
dem do dia 22.....
224.-618S963
ll.890.j869
Movimento da alfandega
Voiumes eutrados com fazendas
com gneros .
Voiumes saludos com fazendas
com gneros
cs-
abomnavel. resta polica obrar cora prudencia,
disceroimento c energa
Taes sao os nossos votos e as nossas esperan-
cas.
*
lllm. Sr. Dr. juiz municipal.Jacob da Silva
Tereira precisa que o escrivao Rochedo lhe d
por certido, o de modo que faca f, visto nao
ser segrodo policial, o auto de perguntas eilo
Jos Luiz, preso no dia 6 do corrente agosto no
engenho Po-Amarello. Para o que P. V. S.
defer ment.E. R. M.Certifique. Goianna 10
de agosto de 1860.llircano.Eu, escrivao abai-
xo assignado, certifico que o interrogatorio, de
que trata a petico sopra, do Iheor c forma se-
guinte :Auto de perguntas ao preso Jos Luiz.
Aos seis dias do mez de agoslo do auno do
nascmento de Nosso Senhor Jess Chrislo de
18C0. nesla cidade do Goianna, em a casa das
audiencias do juiz municipal desle termo, o Dr.
Joo llircano Alves Maciel, ahi presente Jos
Luiz Lourenco comigo escrivao abaixo nomeado,
pelo dilo juiz foram feitas ao preso Jos Luiz as
seguinles perguntas :
Perguntado qual seu nome, idade, estado,
lliacao, naturalidadeo profisso ?
Respondeu chamar-se Jos Luiz Lourenco, ler
de idade 63 annos, casado, lilho do fallecido Joao
I.uiz Lourenco, natural do Brejo do Fagundes da
Parahiha do Norte, vivo de agricultura.
Perguntado qual o lugar de sua residencia 1
Respondeu que reside no engenho Po-Ama-
rello (I! I) de Manoel Paulino e Dr. Viriato (1! I)
desdo maio desle anno de 1860.
Perguntado so mora s ou cora algum lilho?
Respondeu que mora va em Po-Amarello com
seos filhos Manoel Luiz e Joaquim Henriques da
Silva (sao criminosos de morle 111) sendo que
osle viera cora elle respondente, e aquclle j all
Recite de Pernambuco, 20 do agosto de 1860.
Romualdo Alves de Oliveira.
Correspondencias.
Srs. redactores. Infelizmente soffro aquelle
lagello com que o proprio Job se nao pode con-
formar (o mo visinho) elle, Srs. rodadores, o
Sr. Salvador dos Santos Monteiro e seus filhos,
que incansaveis em caluniar-rae; assim como
aos meus, nao so peijam de ver sempre seus tra-
mas desmascarado*. Esse miseravel homem, a
quem ludo perdou-o; porquo em idade lo avan-
cada impossivel ser sua comvergo, no furor de
sua colera tem por infinitas vezes ameagado-me
com balas e assassinios pralicados era pessaas de
minha familia, sem para isso ler ouiro motivo
que o desejo de usurpar minha propriedade.
o mesmo que era qualidade de delegado de po-
lica conserTava acoutado junio a si o celebre
assassno Domingos Gomes, para*voncer quesles,
prelendendo alerrar-me cora um procediraento
lo reprehensivel ; felizmente nao tenho al ago-
ra sido victima de seus caprichos, grogas ao Al-
tissimo e as enrgicas providencias do Sr Dr.
chefe de policia, antes tenho conseguido que as
autoridades imparciacs e o publico me faro jus-
tiga, com o que mais se exasperara meus ."oes-
quinhos adversarios, os quaes vociferando cons-
tantemente contra mim, nao poupam de arguir-
me quaulas calumnias lhes sugerc sua maledi-
cencia ; mas consla-me que mesmo assim sem-
pre lem dito que nao sou ladronem assassno ;
agora porm sei por pessoas fidedignas que mu-
dando do linguagem protestara que se raorrer o
Sr. Salvador, anda que seja de angina ou dor de
barrica serei eu o responsaval; sel igualmente
que me arguera de ter influido a um seu prente
para o matare que lera dito que desejava soffrer
um uro que o uo molasse so para se vingar de
Descarregam hoje 23 de agoslo.
Barca ingleza Bonitafazendas.
i Barca inglezaJouh King objectos para a
irada de ferro.
Baroa ingleza Mary Warroll idem.
Brigue inglezIsabellacarvo.
Brigue inglezI.ondoncarvo.
Importa^ao.
O vapor porluguez Brasil, vindo dos porlos do
sol, manitesiou o seguinte :
100 saceos arros; a Southall Mellors & C.
Consulado freral
Hendimento lo dia 1 a 21. .
dem do dia 22.......
Diversas provincias.
Rendimento do dia 1 a 21. .
dem do dia 22......
Despachos de exportaco pela me-
sa do consulado desta cidade n -
dia de agosta de 1S60
GenovaEscuna sarda Araission, Basto & Le-
mos, 500 couros salgados.
PortoBrigue pertuguez Amalia I, Jos A. da
Cunha lamaos, 141 saccas algodo ; M. J. Ra-
mos cSilva, 25 saccas algodo.
Becebedoria de rendas internas
geraes de Pernamfeueo
Rendimento dodia 1 a 21. .
dem do dia 22......
agosto de 1860, 39. da independencia e do impe-
rio do Brasil.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascmento,
escrivao o subscrevi.
Anselmo Francisco Peretti.
O lllm. Sr. Inspector da Lhesooraria pro-
vincial, em cumprimento da ordem do Exm Sr.
presidente da provincia, manda fazer publico,
que vai novamente praca para ser arr*emalado
a quem por menos fizera obra a fa/.er-se no hos-
pital Pedro II. avahada em 50:1685800, sob as
condicoesj annunciadas, lendo lugar a arrema-
laco no dia 25 do corrente.
E para constar se mandou affixar o prsenle e
publicar pelo Diario
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 17 de agoslo de 1860.O secretario,
A. F. d'Annunciaco.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desla provincia, em cumprimento de or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
manda fazer publico que estar em hasta publica,
peranle a mesma thesouraria, no dia 25 do cor-
rete mez, as 2 horas da larde, o aforamentode
dous terrenos de marinha, oulr'ora alagados, sob
ns. 376 e 377 entre a ra do Brum e a do caes de
Apollo, contiguos as casas do commendador Jos j
Pereira Vianna e Mosquita Dutra. Os prelen-l
denles podero comparecer no dia e hora de-
signados thesouraria onde se tar a arremata-
gao. Secretaria da Ihesouraria defazendade Per-
nambuco 13 de agoslo de 1860.O officiol maior
interino, Luiz Francisco de Sampaio e Silva.
O Dr. Anselmo Francisco Peretti, commendador
da imperial ordem da llosa e da de Christo, e
joiz de direilo especial do commercio nesta ci-
dade do Kecife e seu termo, provincia de Per-
nambuco, por S. M. o Imperador, a quem Dos
guarde, etc.
Faro saber aos que o presente edilal virem,
que requerimeuto de Jos Luiz Pereira Jnior,
acha-se aborta a sua fallencia, pela senlenca do
Iheor seguinte :
A' vista da pelico de folhas 2, em que Jos
236 509*832 '"'z Pereira Jnior, commercianie estabeletido
-!L--I j com foja de fazendas o roupas feitas na ra Nova
desta cidade n. 46, expe ter cessado os seus pa-
gamenlos, declara o mesmo commercianie em
estado deqnebra, e xoolermo legal da existen-
cia desta, a conlar do dia 28 de junho prximo
passado Nomo curadores fiscaes os credores
Tirnni Mnnsen & Vinassa, c depositarios inte-
rinos Flix Sauvage & Companhia. E prestado
, pelos primeiros o juramento do estylo, e pelos
! segundos assignado termo de deposito, o escri-
vao remetiera copia desta sentenga ao juiz de
paz competente para a apposico de sellos, que
ordeno se ponham em lodos" os bens. livros e
papis do fallido
Depois do que publicada a presente nos ter-
mos dos arligos 812 do cdigo commercial o 129
do regulamenlo n. 738 se daro as mais provi-
dencias que os mencionados cdigo c regulamenlo
prescrevern.
Recife 4 de agoslo de 1S60.Anselmo Francis-
co Perelli.
E mais se nao conlinha em dila sentenga aqui
transcripta : e para cumprimento da mesma
convoco a todos os credores presentes dos falli-
dos para compareccrem na sala dos auditorios
15.985$945 ] no dia 22 do correle mez s 10 horas da raa-
--------------| nha. afim dse proceder a noiiieaco de depo-
sitario ou depositarios, que ho de receber e
1:1755543 administrar provisoriamente i casa fallida.
20y257 E Pa,a que chegue ao conhecimento de todos,
_________mandei passar editaes, que sero publicados pela
l:3Siff800 imprensa e affixados nos lugares designados nos
i sobredilos artigos icimo declarados.
Cidade do Recife, 17 de agoslo de 1860.
Eu Adolpho Liberato Pereira de Oliveira, es-
crevenle juramentado, o escrevi.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascmento, es-
crivao o subscrevi.
Anselmo Francisco Peretti.
O Dr. Innoccncio Seraphico de Assis Carvalho,
juiz municipal supplente do civel e crime da
primeira vara nesta cida.de do Recife, provincia
de Pernambuco, em viitude da lei, etc.
Fago saber aos que a presente caria virem, em
como Paulo Gaignaux me fez a peligo do theor
de meia vara 200 ; loalhas de brim de
meia 120; colchos de panno cheios de
travesseiros do mesmo panno e la 60.
Objectos de metal.
Chaleiras de ferro estanhadas 2 : bulos grandes
de folha 4 ; colheres do metal do principe, para
spa 2 ; colheres de dilo pequeas pira cha 2 ;
bules de dilo para offieiaes 2 ; assucareiios de"
dilo 2.
Objectos de lougo.
Copos devdrol2; pratos azues 24; chicaras
o pires, cazaes 24; bacas du rosto 12; ouri-
nes18.
Quem quizer vender laes objectos aprsente as
suas proposias em carta fechada, na secretaria
do conselho, slO horas da manhi do dia 2i de
correle mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 17 de
agoslo de 1860.
Rento Jos Lamenha Lins,
Coronel presdeme.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino. !
Conselho de compras navaes.
Tendo de elfecluar-se os contratos pelo forne-!
cimento, at o fim de selembro prximo, dos ob- i
cetas abaixo declarados ; manda o conselho fazer i
publico, que isso ter lugar na sesso prxima, em
23 do correle mez, visla do f repostas recel- j
das nesse dia al s 11 horas da manha ; cortos
os pretendemos que os contratos electuam-se com
as clausulas de serem sempre esses objectos for-
101
------ 101
181
277
------458
nocidos de prompto, de qualidade boa, e na por- ; Irada nesse da 2$.
gao que for sendo precisa, sob pena, na falla,
de haver a fazenda a mulla de 50 Ojq do valor de
cada um ; bem como ter lugar a entrega de lij-
lo e cal, no caes do arsenal ao marinha, c dos
oulros objectos, as obras do porto ; e mais, de
serem os contratantes pagos do fornecimento de
um mez, logo no seguinte.
Objectos.
Para as obras do arsenal de marinha.
Tijolo de alveniria grossa.
Cal prela.
Para as obras do porto.
Pedra de alvenaria.
Dila de cantara brota.
Sala do conselho de compras navaes era 18 de
agosto de 1860.O secretario, Alexandre Rodri-
gues dos Anjos.
Pela adminislracao do correio desla cidade
se faz publico para fins convenienles, que em vir-
Irc sala o annunciar por campanilla.
O especlaculo ser dividido pela forma se-
guinte :
Primeira parte.
1. quadro.O equilibrio mortal sobro 4 bagro
netas e a grande lula indianna por toda a com-
panhia.
2." quadro A chula, bailado jocoso a carcter.
Segunda parle.
QL'.VDUOS VIVOS FINGIN'DO PEDRA.
1..Tlmaque, conduii par Minerva sous la
figure de Mentor, obord, aprs un naufrago, dans
Pile de la Desse Calypso.Adieux de Tima-
que el Narbal. Victime du fils d'L'lysse.
2..Precipit de Tlmaque.Venus alia trou-
ver Neplune.Tlmaque auprs de Neslor.
Philocles lu arracha le poignard.
3.Hercules sur le bucher.Tlmaque court
hora du camp.
4 c Arcsius pre de Lacrle. Tlmaque
ayanl ru la lele de Metredore.
5.TeUmaque sejeiie entre le cheval abatlu
et le sanglicr.
6."Scenas de costumes.
Prego sem dislincco alguma ljj.
N. B. Nos dias 7 (aniriversario da independen-
cia) e 8 de selembro havero espectculos cora
quadios anlogos: as pessoas que desejarem bi-
lheles para esses dias. podem dar os seus nomes
ao bilheleiro, adverlindo-se que oprecodaen-
Se o espectculo, por causa do lempo, nao li-
vor lugar no sibbado, ser impreterivelmente no
domingo.
avisos martimo-
O brigue brasileiro Imperador, recebe a"
goma carga a frele para o Rio Grande do Sul: a
lar com Amorim lrmos, ra da Cruz n. 3.
Para Lisboa
o patacho porloguez Jareo dever sabir at o
dia 31 do corrente mez, recebe carga a frote e
igualmente passageiros : quem quizer carregar
ou embarrar neslo navio, cntenda-se com Jos
dos Santos Pereira Jardim. ou com o capito
lude do dtsposlo no art. 138 do regulamenlo ge- jos Marques Coelho Sobrinho.
ral doscorreios de 21 de dezerabro de 184,e arl. n.,- ,, Or rnnn 9 dodecreto n. 7S5 de 15 de maio de 1851, se rara () ttlOlrldlHl
15:3683500
6173415
9
proceder a consum as cartas existentes nesta
adminislrago, pertencenles ao mez de agoslo de
1859, no dia 3 de selembro prximo, as 1 horas
da manha, na porta do mesmo correio, e a res-
pectiva lista se acha desde j exposta aos inle-
ressados. Adminislrago do correio dr Pernam-
buco 17 de agoslo de 1860.O official papelisia,
Ismael Amavel Gomes da Silva.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimentc
io arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguinles :
Para provimenlo do armazem do arsenal de
guerra.
Ferro sueco quadrado de 7/8, quintaeslO ; dilo
de dilo de 6/8, quintaos 10: 5 cadinhos de u. 2;
limas meia canna* de 1 pollegadas, duzias 4 ; di-
do Norte e
Ass ,
segne o hiale -Boberibe : para carga e passa-
geiros, dirijam-se a ra do Vigario n. 5.
Aracaty.
Segu com mnila brevidade, por ler parte da
carga o blata Vedla, pira o resto trata-se com
Caetano l'.yriaco da C. M. no lado do Corpo Santo
n. 25-
Para Lisboa sabe imprelerivelmente at o
dia 15 o brigue Tarnjo & Filhos por ter parte
descu carregcimenio prompto : quem quizer car-
regar ou ir de passagem, dirija-se ao consignata-
rio na ra da Cadeia do Recife, escriptorio de
Manoel Joaquim Ramos e Silva.
Para o Porlo tem a sahir al o fim do mez
o brigue Amalia I : quem quizer carregar ou
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 o 21. 21:5895366
dem do dia 22....... 1:393*605
23:963g091
9419411-1 seguinte :
---------------i Diz Paulo Gaignaux, que lendo de propr ac-
24.904*502 gao ordinaria aos berdeiros de J. Chardon, para
haver a importancia da letra de 1:400*, quo sen-
do aceia por Amalia de Figueiredo Brilo, lhe foi
endossada por dito Chardon, e cuja quantia foi
depositada por dila Amalia, e estando ausentes,
e em lugar nao sabido, os filhos do dilo Chardon,
22:963*117 que sao Emilio Chardon, j emancipado e Jlo
tas chatas de 12 pollegadas, duzias 4 ; ditas mur- | ir de passagem. para o que tem excellenles com-
gas meias cannas de 6 pollegadas, duzia 1 ; dilas modos, dirija-se ao consignatario, na ra da Ca-
murgas meias cannas de 8 pollegadas meia du zia deia do Recife, escriptorio de Manoel Joaquim
larrachas para bancadas 10: parafusos de n. 13 Ramos e Silva.
grosas 10 ; barril com 20 caadas c azeite.
doce 1.
Para os armazens do arsenal de guerra, fortale-
zas, compsnhias de cavallana e menores do
mesmo arsenal.
Vassouras de palha 400 ; vassouras de jun-
co 100.
Quem quizer vender taes objectos aprsente
as suas propostas em caria fechada nasecre do conselho, s 10 horas da manha do dia 27
do corrente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 17 de
agoslo de 1860.
Rento Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogsil secretario interino.
Riode Janeiro,
O novo banco de
Pernambuco repele o avi-
so que fez para serem re-
colhidas desde j as notas
a barca nacional Clemenlina sahe com brevi-
dade : para o reslo da carga e passageiros, tra-
ta-se cem Gnilhermc Carvalho & C na ra do
Torres.
para Macei e Sao
Miguel dos Cam-
pos.
A barcaga Douradinha segu at o fim da pr-
senle semana, por ler ja grande parte de seu
carregamento prompto : est atracada no trapi-
che do algodo.
^


f*)
ttlAlMOftB PEfWAMWCO. *- (UNTA FEIR 43 BE 'AGO'ro BE 'W60.
Pai a o Cear, Maranho e
Para.
Segu cora muita brevidade o veleiro o bem co-
iihecido patacho nacional Alfredo por ter par- xedcs "da Silva Gsnao."
ie do seu carregamento prompto: para o reslo '
da carga e passageiros. irata-se com o consigna-
tario Caelano Cyriaco da Costa Moreira, no aeu
escrptoiio, largo do Corpo Santo, ou com o ca-
pitao Travasso no trapiche de algorio
Attenco.

Aluga-se o primciro andar da casa n. 15 4m
ra do Vigario : a tratar no caes de Ramos n. 2
andar terreo, ou ra Augusta a. 94 com Pra-.
Leiles.
Queijos.
LEILAO
DE
"/SIS
Quinta-feira 23 de agosto.
O agente Costa Carvaihp far leilao no dia ci-
ma de urna porco de trastes existentesem sen
armazem na rua da Gniz n. 9, s 11 horas-em
ponto.
PELO AGENTE
PESTNNA.
O referido agente aulorisado pelo Sr. Diego
Jos da Costa Fontes, cora o consentimento de dilHculdades..
seos credoras, far leilao sexta-feira 24 do ccr-
rcnle, s 10 horas da raanha, no seu estabeie-
cimento nn ra das Cruzes n. 21, constando
DA
Armaco, gneros e niais utcncilies perlencen-
tes a taberna, raobilia, apparelhos e mais ob-
jectos de sua casa de pasto, 1 escravo de meia
idade proprio para lodo servio* de urna cera,
e mais perleiice.. que ludo se" achara patente
na occasio do leilao. _
Vende-te superior queije de Minas : p,a roa 'da
Cadeia do Hecife travessa doCapim por ciraa do
arniaeem do Sr. Hcnrique Gibson^ segualo
andar.
Prevenco!
Estando a findar os frescaes queij'js de herido,
as expelientes macaas c a bella m&ntciga rotula-
da em frascos, previnese aos amantes das ditos
gneros que venham a elles com presteza .para
depois nao h.iver queixa : no atsaacem da ra
eslreila do Rosario n. 11.
O Manoel Pereira Lopes Ribeiro estnbeleci-
do com loja de barbeiro defronte da matriz da
Boa-Vista n. 86, fsz scienle a todas os seus tre-
hguezes e amigos que se mudou para a mesma
rus hoja Imperalriz n. 11 A, aondo se acha
sempre prompto a exercera prefisso do seu of-
! lcio. assim como lem para vender o alugar
grande p orea o de bisas de Hamburgo por prego
coramodo, com prcoiplidao e se manda opplicar.
Romualdo Alves de Qliveira, ad
vogado provisionado pela relaeao, en-
carrega-se de qualquer defeza crime no
jury, ou pera-ate qualquer autoridade
Bem conhectdo no pait Lia 10 annos CO'
mo escriptor publico, epera merecer
coolianca, victo que, quando preciso
defender qualquer pessoa, nunca tre-
pidou e jamis trepidara'em frente de
Fara' todo quanto esti-
: ver ao alcance de sua acanhada intelli-
|f;encia para defender seu cliente.
| Achando-seo jury funecionande, ofle-
rece-se pata encarregar-se de quelquer
defeza: todae qualquer pessoa pobre
que nao poder pagar e nao quizer su-
geitar se ao advogado dos pobres, elle o
defender'gratuitamente como de seu
costume. Em quanto nao faz a viagem
que pretende pode ser procurado no
lugar de sua residencia ra
ATTENCJUL
O Sr. J. A.' C. tetina a hondado de "vir tirar os
ipenhores que existem na ruado Ranga 1 n. 45, no
prazo de oitodias, Qndo os quaes erio vendidos
para neu principal e juros. Recifo 42 de agosto
de 1SJ60.
Treeisa-se de um menino de 12 a 14 annos
de idada, para caixeiro de taberna : no becco
largo .7. armazem de farinha.
~co "Si10 assll5"do. vndo em os Diarios do
ns 168, t-8f e 190 de terca, quinta e-sexta-feira
deslo raM-amquco'Sr. Jos Goncalves Malveira
diz em seus annuncios ser eu administrador de
suacoefceira da ra do Imperador,-e que aquel-
las pessoas que-se julgassem credoras da referi-
da cecheira se aprese.otem no prazo de 8 das
para reatisarem -seus dbitos e-serena pagas, as-
sim como que es alaguis que me ao devedores
c nao sojam >agos, sob pena de pagarem se- .
?Zet^l"S?'_responde aos an- guel, d-se ; assi
rainho ua vai para o poWda madeira um gran JSSSS'JSSS itiSJFS* HSfr
Sexta -foira24 do corrente s l"sar 1e 8U? res,de.nc'a rua Direta "
... '7 escada pela rua da Penha, ou no es-
11 OraS em pontO. 'criptoriodo Dr. Drummond ou tabel-
O agente Uclioa fara' leilao por or-; liao AlnHda, rua do Imperador,
dem do Illrr. Sr. cnsul de S. M. JBri- No dia 25 do corrente se ha de arrematar
tannira. de varios obiectos do que se ser-! depo,is da au(,enfia l)r- J"'* municipal da se-
m i n- gunJa vara, a posse directa de um terreno na fce-
aos emigrados, [gea do Poco da Panella, de que est de posse
de silio-com baixa para capitn e bastante terreno
para plaotacao, cora rio no fundo, grande casa de
vivenda, com estribara e cocheira para um car-
ro : para o ajuste dirj8-sc rua da Soledade n.
29, defronte do Jar Jim, cu na rua de S. Fraucis-
co n. 21.
to dia 21 do corrente desappareceu da ri-
beira da Boa-Vista um cavallo melado raposo,
grande, inteiro, caniz prclos, costas limpas, fer-
rado nos dous quarlos, levou cangalha forrada
cora apparelhos : quem 9 pegar ou delle souber
dirija-so ao Sr. major N(ves, as Barreiras, que
ser recompensado.
i reconhecidos sellados ; isto para
- -..... .=.v i>ai.i que o respei-
iavei publico faca o juizo que merecem os annun-
tJtos do 9r. Malveira.
Recebi de Sr. Antonio Jos Pereira Lagos a
iade liOOM. por conla da cocheira que Ihe
Atten^ao.
D. Maa tesar de Mello faz scienle ao respei-
lavel publico, que Joaquim Cavalcanti do Reg
Barros nao mora em sua casa na rua de Hurtas
n. 124.
Attenco.
Precisa-se alugar um escravo, o sendo que o
i PAeaae de a'gum di"heiro Por conta do alu-
guet, d-se ; assim como precisa-se de urna ama
para casa de hornera solleiro, que lenna boa
conducta : na rua de Hortas n. 82.
Holl Eugenio o William Witis, o primei-
ro subdito Belga, e o segundo subdito francez.
retiram-se para o Rio do Janeiro.
O abaixo assignadojulga de seu dever de-
clarar, que o Sr. Theodoro Jos Tavares nada
Cozinheiro.
A pessoa que annimciou um cozinheiro para o
hospital portuguez, pode procurar as Cinco fon-
tas n. 98.
Santa Casa da Misericordia do
Recife.
A junta administrativa da irmandade da Santa
.Casa da Misericordia do Recife, era cumprimenlo
do artigo 146 do compromisso de 27 do jauto
ibr. Jacintho de Almeida e Silva, pelo contrario
sempre foi prompto em seu* pagamentos Rece
julho de 22 de agosto de 1860.- Vctor Antonio doSa-
ra. era ment Pessoa
Lagos a | Na rua da Cadeia do Recife n.
Rs. 1:800.Jos G-onoalves Malveira"
en,lfcel*i na mesma cooormidade a quanlia de
oU.I per conta. Pernarabuco 6 de
18o9. tts. 500.Jos ongalves Malveira
Reccbi do Sr. Antonio Jos Pereira
quanlia de 50C3 por conta da cocheira.
46.
rativo, que se projecta.csto feilos, examinados
o approvados'.
E tudo obra de artista nacional, como devia,
como quasi nao poda deixar de ser. .Falta s
levar estes trabalhos execusSo.
0 "P^18 lrgo donativo, o bolo mnimo, sao
recebidos com igual reconhecimento. Cada qual
contnbue com o que pode; nao ha parcella in-
significante. Com o real do pevo se fazem as
grandes cousas ; cora o real do povo so faia es-
la, que para o povo.
Se nao ha alma verdadeiramenle portugueza
que se nao estremega de ufana com a nobleza
decharaar-se compatriota de Luiz de Camoes,
qual recusar agradecer sua memoria o brazo
que nella achou ?
Sommem-se as quotas, embora parcas, de to-
dos estes, o nao haver Aingoa. Nenhuma ri-
queza iguala o cabedal de urna naci.
Na3 pocas mais angustiadas lem a caridodo
enlhesourado quantias que sobrariam para le-
vantar, nao um, seno muitos monumentos,
lito prova que nunca nesta trra se recorreu
baldadamente ao coracao. Do coraco tam-
bera este culto s cinz'as deum homem, applau-
irOSS! d7l859.-Rsa STos ttf uraiT,853 'd ^^VVle"pr'.^ Xg ^ <*^ C S '
calves Malveira. *' Jos Gon- uma sala m alcova multo propria para cs-
Alem deste dinheiro j recebido pelo Sr Mal-
veira, lem recebido mais para seu pasamento
desde 7 de julho de 1839 at 20 de julho deM860
em aluguois de carros e tralos de cavallos pelos
pregas os mais baixos quo foi possivel fazer-se-
the, sendo que os tratos de cavallos Ihe Iancei
aY.0*.0"13 ponri5.dia e noiU!- na importancia
I? qtoA 0ra 2:000 *ue recebeu em dinheiro
|iaz9:7Ulf que recebeu por conta da cocheira
?erame.vend!u- Pernarabuco 16 de agosto do
1800.Antonio Jos Pereira do Lago.
Na livraria n. 6 e 8 da
mesmo morada
ao artigo lio do compromisso de 27 do junto livraria n, b e 8 da praca da
ultimo manda fazer publico, que no dia 30 do Independencia precisa fallar ao Sr Ma.
corrente. pelas 4 horas da larde, na sala de suas nnp|. ,nn- d;H, ". r *
sessoes. ir praca para ser arrematado quera noel Antonio Pinto da Silva.
viram na Ilha do Pina
camas de vento, panellas, colcltes, ca- Pr aforamcnlo Joao Ignacio do Reg, oulro ter-
1 reno de que. esto de posse os herdeiros ** "-*'
ecos e oirtros objectos, no armazem MaTgnlei Clljl(s lcrrcnos v5o a
contionte o arsenal de mannba, tudo''.ao de D. Maranna Dorotha
sera' vendido sem reserva de preoo. Francisco do Paula Lopes
praea.
Sexta-feira 24 do corrente.
O agente Uclioa fara' leilao por or-
dem do Sr. Andre de A. Porto, no ar-
mazem do mesmo no largo do arsenal
de marnala de 15 fardos de feno o
maiores que tem viudo a este mercado,
ao meio dia era ponto.
LEILAO
por menos fizer o fornecimonto dos vveres abaixo
declarados, pelo terapo ru decorrer do dia da
da arrematago a 31 de dezembro do corrente
auno, a saber :
Carne verde, pao e belacha. pesando o pao 4
on^as, Jarinha de mandioca, manleiga francesa,
assucar refinado, cha, caf, arroz pilado, touci-
cinho, azeite doce e da carrapato, vinho linio e
branco, vinagre, sag, aletria, macarrao e la-
lharim.
A arrematacao ser feita por propostas dirigi-
das junta, era carta fechada e sob as seguinles
clausulas especiaes :
1.a Que o arrematante prestar flanea idnea.
2.a Que os vveres sero da melhor qualidade
que houver no mercado.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife. 22 de agosto de 1860.O escrivo, Fran-
cisco Antonio Cavalcanti Couseiro.
D-se 1:000 a juro sobre hypolheca em
urna morada de casa, que seja livre e desemba-
razada : a pessoa que quizer podo procurar : na
rua Direila n. 20.
Aluga-se por 30 mensaes o segundo andar
do sobrado silo na rua Imperial n. 169, com 6
quarlos, 2 salas, soto corrido, muito fresco e
tem excellente vista tanto para Ierra como para o
mar, bem como para a estrada do ferro, quo
a ultima i passa no fundo do quintal: a tratar no priraeiro
I a ndar do mesmo.
de Frei
praca por execu-
Joaquina contra
Reis, o
SUSPIROS.
O agontc Costa Carvalho far leilao de urna
CAceUnnte negrlnha de bonita figura, com prin-
cipio do cosinlia e engorama, vendo-sc por pre-
cisao, s 11 horas em ponto, em seu armazem
Da rua da Cruz n. 9.
Avisos diversos.
Chegou nova remessado superiores charutos suspiros das fabricas do Cardoso e
se vendem era porees c a relalho : na rua da Cadeia do Recife n. 15, loja do
Lima, que
DE
Attenco.
K chamado por esle Diario o calumniador de
um annuncio que apparcceu hontem noste Dia-
rio-, dizendo ter no becco das Boias n. 6 urna
mulher que lava e engomma. e aluga quarlos a
rapazes solleiros, pede ao mesmo, que baja por
bem desmentir o seu annuncio : e se o nao fizer,
ser tido pelo mais infame tallador da vida
alheia. *?
SOCIEDADE PROMOTORA
DA
Remissao dos captivos.
De ordem do Sr. presidente haver sesso hoje !
pelas 10 horas da manhaa, na rua Nova n. 63, '
priraeiio andar.O 1. secretario,
F. I. R. de Mcnezes.
SOCIEDADE
nSTITETO PI ELITT ERARIO
Hoje as 4 horas da tarde haver sesso ordi-
naria do conselho director, no lugar do costume.
Assim como domingo (26) as 9 horas da manhaa,
depois do ter funccion3do extraordinariamente o
mesmo conselho, passar a funecionar a assem-
bla geral. afira de se tratar de negocios urgen-
tes da sociedade.
Secretaria do Instituto IMo e Litlerario 23 de
agosto de 1860.
Altinho Rodrigues Pimenla,
1. secretario.
ASSOCIAQAO
DE
Soceorros Ilutaos e Lenta Emancipadlo
dos Captivos.
Tendo-se de tratar de negocios importantes, e
entre elles a subscripcao ea recadado das cotas
para as despezas do aiiniversario da mesma as-
soc.iar.ao, de ordem pe presidencia, pelo presente
aviso convido a todos os senhores socios para se
reunirein em assemhla geral domingo 26 do
corrente, as 10 horas da manhaa, na sala ne suas
sessoes, visto que na priraeira domioga do mez
le selembro a casa vai ser oceupada pela inau-
gurado de uraa nova sociedade. a mesma presi-
dencia manda declarar, que em virtude da falla
de coraparecimanto constante de alguns senhores
socios, as reuniOes da assembla gerai, tem de
por em discusso o 5. do art. 53 do capitu-
Secretaria da Associacao de Soceorros Mutuos
e Lenta Emancipaco dos Captivos cm 22 de
agosto de 1860.
Albino de Jess Bandeira,
1. secretario.
Por se ignorar a moradi dos senhores
ajsaixo mencionados roga-se aos raesmos dirigi-
rem-se loja da rua da Cadeia do Recife n. 64
a negocio que Ihe diz respeilo :
Jos Joaquim Dias de Oliveira.
f.ujz ds Azevodo Msia.
Joo Duarle de Oliveira.,
Joaquim Fernandes de zeredo.
Francisco Pereira de Carvalho.
Jos Augusto Teixeira.
Manoel Pereira da Silva.
Joo Herminio Lins.
Antonio Joaquim do Oliveira.
Jos Luiz de Azevedo Main0
Jos Antonio de Azevedo Mattos.
Manoel da Silva Maia.
Jos Ildefonso de Souza Reis
Jos Joaquim da Rocha.
Vicente Aguido da Costa e Silva.
Antonio Ignacio Brsndo.
Antonio Pereira da Rocha.
qcT '^V?-l0j!l na rua '>* do Rosario n
6, estabelecimento do funileiro recebeco-se
qualquer encoraraenda e se aprompta com maior
brevidade ese vende ludo por preco coramodo.
Oconselheiro Jos Francisco de Paula Ca-
valcanti do Albuquerque ra a Europa tratar de
sua saude.leoandoemsua companhia sua mu-
llier e seu filho menor, deixando os Srs. Henry
J'osler* C, encarregado de seus negocios.
NA LOJA E ARMAZEM
DE
Joaquim Francisco dos Santos.
il
Amonio Jos Piulieiro, Jos eiinques
Cordeiro de Castro Jnior e Raymundo
Clemeiitino Valenle, agradeccra cordial-
raente a todos os seus amigos que tiveram
a boodado de assistir aos ltimos suffragios
e acompanhar o fretro de seu muito
presado amigo e comprovinciano Manoel
Ramos de Oliveira seu ultimo jazigo e
aproveitam a occasio para podirem aos
mesmos o comparecerem s 7 horas da
raanha de sexta-feira (24 do corrente) na
igreja de N. S. da Penha para assislirem
missa do stimo dia, que ahi se deve ce-
lehrarpeto eterno repouso de sua alma.
Nao tendo a casa comraercial que
gyrou nesta pra^a sob a razao Amaral
AJves i C, transaccao alguma feita por
meio de v les ou letras acceitas con a
mencionada firma ; assim o faz publico,
Gabriel Soarcs Raposo da Cmara, D.
Carlota Joaqnina de Albuquerque Cmara e
D. Anna Bella de Albuquerque Barbosa
agradecem cordialmenie a todas as pes-
soas que se dignaram acompanhar ao ul-
timo jazigo os restos raorlaes de sua pre-
sada enliada, filhae irma D. Carlota Ely-
dia Barbosa da Cmara, e proleslaudo
eterno reconhecimento por esse acto de
candade e religio. convidara as mesmas
pessoas assistir a missa do stimo dia
que lera lugar na matriz da Boa-Vista sab-
bado 83 s 8 horas da raanhaa.
Recife 21 de agosto de 1860.
Attenco.
Quem precisar de um criado brasileiro, ainda
que seja para fura da provincia, o qual entende
,de bolceiro e da fiador a sua conducta: quem
precisar dinja-se rua da Gloria n. 6f.
Guilherme Elle, artista de Bcrlim. chegado
recentemente nesta praca. e establecido na rua
da Cruz do Recife n. 2{. priraeiro andar, ofiere- !
. ce-se para concertar pianos, e tambera linar, pe-'
| lo diminuto prejo de5j.
Julio Conrado,
fazem sciente aos seus freguezes. que se encarro-
ara de mandar fazer toda e qualquer obra ten-
dente a alfaiale, paia o quo tem contratado em
os devera' apresentar no prazo de 8
dias para serem verificados. Recife 21
de agosto de 1860. ]
Para facilitar e realisar o intuito da commissao,
convir que, enlendeudo-se cora ella, oulras c
multas se organisem nos deslrictos, nos conse-
i lhos as parochias, em loda a exlenso da mo-
uarchia, e fra della, onde quer que o espirito
da patria inspire os seus filhos. Vive esse es-
pirito em toda a parle. Nao faltara era cada lo-
calidade heneas esclarecidos, quo lomem espon-
laneamente a si a iniciativa de to meritorio
! acto. Com a mulliplicidade das diligencias me-
I or sera o sacrificio e maior o resultado.
Lsta commissao servir como de centro pora
unificar aquellas diligencias, que, despersas, se-
, riam menos eflicazes.
O convite geral, feito ao paiz. A com-
, misso lem a firme esperanza de ser altendida e
i correspondida por tudo quanto falla e sent a
1 lingua do egregio poeta.
A commissao roga e espera tambera a coope-
rado da imprensa portugueza. Aqu Ihe pede
ja a mxima publicidade para os desejos que e\-
| prime e para os seus actos futuros. A imprensa
sera deste modo a medianeira e a fiscal do era-
prehendimenlo.
Pode a imprensa abrir subscripcoes era cada
jornal, e em cada um dar a lista dos respectivos
subscriptores. Nao so negar ella seguramente
a noticiar tambem os trabalhos, e fazer patente
as contas. '
A imprensa, finalmente, com a sua grande
voz e a sua grande luz, ir na frente, annunci-
anuo e allumiando a cruzada, que tem por fim
o resgate da honra nacional ha tanto lempo em-
pentada.
Duvidar do concurso eboa vonlade da impren-
sa era tal objeclo, fra por cm duvida o poder
que Ihe d o sceptroa intelligeucia. Se ainda
nao nouve idea patritica de que se nao fizesse
evangelisadora fervorosa, o que far esta, que
lano Ihe loca e lo sua 1
A commissao expe succintamenlc o seu pen-
samenlo e as suasesperancas, appellando para o
coracao e para a intelligeucia do paiz. Nestes
entretamo se alguem se jdjgar credor Srffa SStttffiSB
da telenda casa por algum destes ttulos Je lo em lod.as para execuco de se. profisso..
Rua do Queimado *.tt.\tfflZSUS^mU'%tmmu*
^ Julio & Conrado participara aos seus freguezes I A commissao, accorde nos principios cima
lento de ""'"ios, adoptou dous modos de colligir ossub-
casacas,: SI(1|0S4 necessanos para erigir o monumento pro-
ira, tan- jectadodonativos e subscripcao. A donativos
mandam :> !'a, se Jesignam limites. A' subscripcao esta-
que tora sempre promr-lo grande sorlimenlo de
___ p,,.._ c ___ ro,"Pa Ie,tat como sejam, casacas, sobrecas
T. .i. t0,?ar a JlITO? a (luan': fa'?s e colleles. e paletolsde panno c bri
i) abaixo assignado estando a fazer in-
a venlariopor morte de sua mulher pede a
quem se julgsrcredor de seu casal, que
? aprsenlo suasconlas c aos que sao seus
devedores que ventora saldar as suas.
Fnncisco Gomes de Mallos Jnior.
pcohores em sua mo de os tirarera, quado nao
passa a vendo-Ios para seu pagamento, isto no
subdito portuguez,
vincia.
retira-se para fora da
1 Madama Appolinc
Roussel, priraeira costureira da casa
Madama Millocheau, tem a honra de par- s
| ticipar ao rcspeitavel publico, que se acha
prompta para saiisfazer a qualquer en-
@ comraeiidaconcernente a sua arle, assim
como ricos vestidos para casamento, bai
le c soirec, feitos a ultima moda, e ptima
perfeicio; as pessoas que de seu prestimo
se quizercra utilisar, podeln di-igir-se
rua da Irapcratriz n. 11, priraeiro andar.
prazo de 8 dias.
Precisa-se de urna pessoa que sirva para
; anJar com urna carroca de boi. e empregar-se
I igualmeute era algum servico no sitio : quera
I quizer, falle com Antonio Leal de Barros no seu
; sitio na estrada de Joo Fernandes Vieira, pcrlo
Ido Manguind,
pro- I ~~ Bernardino Antonio Pereira Bastos com de-
j psito na rua Direita n. 30, roga aos seus deve- I
, dores que lenliara a boodado de vir saldar suas
contas at o dia 30 de setembro. do contrario'
passarao pelo desgosto de verem
$4 I extenso neste jornal.
de ^ Engomma-se
Pflr- t feicao
seusnomes por
e lava-se com per-
na rua das Agoas Verdes n. 96.
1 Fornce-se almoeo c jantar por mez, o mais
barato do que em outra qualquer parle, com aceio
----- .. ..v..pca
elece-se como mximo a quantia de 500 ris.
Na subscripcao aceila-se loda a quantia abai-
xo desla, nenhuma cima.
Lisboa 14 de junho de 1860.
Duque de SardenhaPresidente.
Francisco de Paula Santiago Vice-presidente.
Carlos Krus Thesoureiro.
Conde de Farrobo.
Visconde de Porto Covo.
Viscondc de Juromenha.
Visconde de Menezes.
Afcbade de Csstro.
Jos Mara Eugenio d'Almeida.
Antonio Feliciano de Caslilho.
Jos da Silva Hiendes Leal Jnior.
Eslevo Jos Pereira Palha.
Antonio Estevesde Carvalho.
Luiz d'Almeida e Albuquerque.
Francisco Augusto Melrass.
Jos Pedro Collares Jnior.
Joaquim Pedro de SouzaSecretario.
Luiz Tiburcio Ferreira Vice-Secretario.
O cnsul de Portugal, dando publicidade cir-
;cular cima transcripta, que pela commissao
Aluga-se um sobrado na rua Imperial com ~T l,ot'Isa:BO ^'ugar urna osorova -

commodos
dous meninos : na
rua do
ro]
qm m
Ucrontc Ao becco da Congrcga^ao letreiro \cruc.
Seda de quadrinhos muito fina covado
nfeiles de velludo com froco pretos e
de cores para cabera de seuhora da
ultima moda
Fazendas para vestidos, sendo sedas, la
e seda, cambraia e seda lapada c
transparente, covado
Luvas de seda bordadas e lisas para se-
nhoras, homens e meninos
LenQos de seda rxos para senhora o
23000 o
; Mantas para grvalas e grvalas de seda
de todas as qualidades
Chapeos francezes forma moderna
Lencos de gorguro pretos
Ricas capellas brancas para noivados
Saias balao de todas as qualidades
Tafel rxo o covado
Chitas francezas a 260, 280, 300 e
Cassa francezas, a v3ra
IgOOO
s
2$500
i
8500
2000

*500
5320
S500.
Selim preto azul e enea-nado proprio
para forros com 4 palmos de largura,
o covado
Casemira lisa de cores 2 larguras, o co-
vado
Chales de merino bordados, lisos c es-
tampados de todas as qualidades
Seda lisa preta e de core;i propria pa-
ra forros com 4 palmos de largura, o
covado
Ricos corles de seda pretos e de cores
com 2 saias e de babadas
Ditos de gaze e de seda phantasia
Chales de louq.im muito finos
Grosdenaple preto c de cores de todas
as qualidades
Seda lavrada preta e branca
Capas de fil e visitas de seda preta com
froco
1$600
2S0OO
9
1500
5
9
EAU MINERALE
NATURALLE DE VICHY.
Deposito na botica franceza rua da Cruz n.22.
para grande familia, com terraco, T" '"'"T "" rua
quintal grande, cacimba, pono o qual bota pira lPar Cd:,a eslrange.
Lmpada de camarao e
para tratar Para mais cornmoidade dos senhores aue
Trapiche-Novo n.
a estacao da va frrea : quem pretender dirja-
se rua do Imperador n. 10. priraeiro andar;
tambem troca-se por um sitio muito perlo desla
praca.
nrA,U?!l'?e Prmeir0 andar do sobrado n.
112 da rua imperial: a fallar na rua Direila n. 6.
Precisa-se alugar urna casa terrea ou mes-
mo sobrado no bairro de S. Jos ou Santo Anto-
nio : quem liver appareca na rua do Rangel n.
10, on annuncie.
quizerem subscrever se faz publico, que a
cripcao se acha aberta as seguidles
dades.
bom-bocado.
para alugar.
Rua Nova, em Bruxellas
m
(Blgica),
Ri K n SOB A DIRECTO DE E- KLRYA1ND
lotelcollocado no centro de uraa das espitaos importantes da Europa, torna-
Aluga-se um armazem e soto na rua do Brum
n. J4, proprio para qualquer eslabelecimenlo a
tratar no escriplorio de Barroca & Medeiros rua
da CadCa n. 4.
No dia 29 de julho prximo lindo fugfo do
poder do abaixo issignado um escravo pardo aca-
bccolado, de neme Joo, cujo escravo tem os so-
guintes signaes : altura e corpo regulares, est
alguma cousa discorado, lem p
de, representa ter a idade d
olhosgrandes, cabellos bem
levou vestido caiga e camisa de riscado azul,
escravo foi do sertao, depois foi vendido para o
sul e ltimamente ao abaixo assignado : quem o
prender, dirija-se a povoaco de Apipucos, em
casa de seu senhor, que ser bem recompensado
de seu trabalho.
Joo Francisco do Reg Maia.
Furlaram no dia 20 do corrente, do lugar
da Chunga, sitio do Sr. Joao Lira, um cavallo
cora os signaes seguinles: cor russa, bastante
grande, com marca decolcira nos peilos por ler
sido de carro, cascos grandes, e nao tem andares
esse cavallo foi do Sr. Augusto Ficher.foi furtad
as 6 horas da tarde por um preto, o qual Iraiava
camis, calca azul e chapeo de palha grande, ti-
rn do oulro cavallo o cabrestoe levou 2 no dito
que furlou julga-se ter lomado a direceo dos
Remedios ou Cachang : roga-so as autoridades
policiaes a apprehenso do dito cavallo, e aos
capiles de campo a do ladrao, pols fngido, e a
entregar o dito cavallo na padaria da Capunga,
que se recompensar generosamente.
= Preciza-sa de um caixeiro para taberna na
rua da Soledade n. 12, defronledo quartel.
O abaixo assignado faz ver o comraercio em
geral que julga nada dever. porra so alguem se
julgar credor aprsenle as suas conlas
pagas. Recife 22 de agosto de 1860
Joaquim Rafael de Lima.
Haver as quartas-feiras. sextas e sabba-
dos, das 11 doras da manhaa em dianle, empa-
lias de camarao e bom-bocado muito bem feitos
e com o maior aceio, a 500 rs. cada empada : na
rua do Encantamento n. 12, Io andar.
O abaixo assignido participa aos seus fre-
guezes que mudou o seu armazem de gneros
seceos e molhados que linha na rua do Ran<-el
para o pateo de S. Pedro n. 6.
Jos Affonso de Azevedo Campos.
Alluga -se urna casa terrea e solao, no pa-
leo do Terco n. 30, propria para qualquer esla-
belecimenlo, visto ser relificada de novo tra-
tar no escritorio de Barroca t Medeiros na rua
da Cadeia n. 4.
cnciui
poucabarba ebigo- OA commissao central promo-
ie 22 a 23 annos, |^ j i _
nietoseanudados,! tora a subscripcao para
um monumento ao pota
nacional
LUZ DE CiilOES.
as paginas do poema I.usiadas est o monu-
mento da nacionalidade portugueza ; est nlli
inteiro, desde a has?, a conquista do solo, at
cpula, a conquista dos mares!
A obra immortal den a immorlalidade s ac-
coes e aos homens. que os seculos linham enter-
rado. Pela tuba pica soou grande o nomo des-
te paiz, e grandes se conservan! na veneraeo
as suas memorias. Assim nos consolara ain'da
as grandezas passadas do abatimento presente,
e acaso preprame regeneracao futura I
Fizeram muito os guerreiros, fizersm muito
os legisladores, Azorara rauto os letrados, fize-
ram muito os navegantes. Fez mais o poeta;
porque rasgando com o raio do seu genio um
sulco de luz entre as nardos, todos esses levan-
lou s claridades deste fulgore deu-lhes a
pularidade do mundo '
subs-
ocali-
Porto
po-
Por-
aqui
E, para Ihe
que vieren! e
um signa! da
Por isso naturalmente o mundo chama a
para ser, tugal a patria de Camoes \
Mas teve o poeta realmente urna palria ?
- Ach.ndo.se vago" oLgar d"e"."ndado"rda ve- |j5iZV&T ^ZtTroT ****"
neravel orden, 3 de S. Francisco desta cidade do I pergn.arera : onde ha
Recife os nossos irmaos que perlenderem dito existencia de Camoes ?
lugar, queiram apresentarem ao abaixo asstgna- i Ha a ii.gralido. E nai
o.rt \ZSeJ"enmeD,SrV faCe,d0 1Ue dsP5e I medida Ja eslalu a fizerara-"a o grand
o art. 146 dos nossos estatutos, afim de que a | elle mesmo
Su/ST?* P-SSa lomar devidas conside- Chamamos anciosos todos os
r,a^a Prime' sesso. Recife 22 de agosto
de 1860.
Bernardino Jos da Costa Valenle, secretario.
Eduardo Raymundo Ferreira, relira-so para
a Europa.
acertarem a
e como
valor paraos brastletros e portuguezes, por seus bons commodos e confortavel. Sus
urna das melbores da cidade, por se achar nao s prximo s estacos de caranhos de
se de grande
pos cao
Allemanoa e Franca, como po'r ter a dous minutos" de"s"; todos"o7 uuZ7tiwal!Zto>
alm disso, os mdicos procos convidara. ""imenies, e,
nenJ"^016' hasemlT* Pess pecises, fallando o francez, allemao, fliroengo, nglez e nor-
uguez, paraacompanharastounsias.qurem suas excurses na cidade, qur no reino ur
por aMa!"" 0pa' Pr preS8 qU6 DUDCa eXCedem de 8 10 afleos (3200 4000 )
rao D'fil^W X? J6Z m6Z.eV ahJ re8idiram 08 Exm8' SfS' HfHUn Silva Fer-
^ME^K:^a!Ag,,^g?wF6rrl0JLMePrmgi!).* Dra. Fel.ppe Lopes
?;S 5guara,r; FarHa' edesemb^gador P""- Visgueiro ( do Brasil, ) iuitas L
iras pessoas lano de um, como de oulro psiz.
Os precos de todo o servico, por dia, regtfUm de 10 a 1 francos (-49000 i 4S560 \
JSo hoteleDcontr.m-,iD/orn,.c6fll eIMas.-4rcsdetudonuepode Pr^sSSiU.
T ^re?lsase comprar urna escrava moca, sen-
do de bonita figura que saiba engommarou raesmo
cora algum principio: a pessoa quo a tiver e a
quizer vender leve-a rua dos Pires era casa de
Vicente de Paula Oliveira Villas Boas ou rua
do Cabug loja de jolas n. 7 A.
Precisa-se de um homem portuguez para
felorde um sitio, e de ura rapaz tambem portu-
tugunz para criado : tratar na Passagora da
Magdalena defronle do sobrado grande do Sr. co-
ronel Joao Joaquim.
Os abaixo assignados ofcaes da secretara
do governo declarara que nada devem ao casal
do tinado Caelano Goncalves Pereira da Cunha, e
pedem ao autor do annnacio inserto em diversos
ThT^I".6 J0r?al em 1U08e Pde OR-
cial da secretaria do goveruo o que devo aquelle
A*"i,B.,l,?,ra d2c,ar,r se dit0 "nuncio se enten-
de com algum dos raesmos abaixo assignados -
Ji?,iy7aLe.T"n ^"^-Francio Lucio deCas.ro
-Luiz Salazar Moscoso da .Veiga Pessoa.-An-
Paul. sK! Be CS ,BBr"8co de
Augusta Carolina da Silva subdita oortu-
gueza retira-se para o Rio de Janeiro.
. melhoramenlos,
e estamos anda a dever um agradecimento, ura
padreeo juro do nosso mximo capital I
Que lde deu a patria, a esse hornera, que a
Tez tao sua como se fazer tanto della ? O esque-
ciraenlo. Uraa vergonha de tres seculos I
E se fra s vergonha E so fra s ingrali-
dao E se fra s esquecimento mais ; um
suicidio moral. Fazemos peior do que desaca-
tar o cantor ; desadoramos os cantados. Era j
muito descurar laes louros; muito mais des-
estimar a propria gloria.
Nao somos smenle culpados do lesa-poesia
somos reos de lesa-dignidade.
Semelhanto desdouro nao pode continuar :
incompaiivel com as ideas, com os progressos
com o decoro deste seculo ; contrario aos brios
e contrario aos interesses do ura povo civiH-
sado.
O profundo convencimento deslas verdades
reuni os abaixos assignados, julgando tambem
interpretar os sentimenlos de seus concidadaos
e levou-os a congregarem-se em commissao
ra o fim sacralissimo de remir laraanho
longo opprobriol
Com tal proposito, e para levar a efteito. a
commissao eonvoca a todos ; exora o patriotis-
mo de lodos ; de todos aceita a raadjuvacao- do
todos solicita auxilio ; conta, erafim, cora
Largo da Aseembla.
Consulado de Portugal.
Rua da Cadeia.
Em casa dos Srs. Monlciro Lopes & C. c
Iriuo.
Rua da Madre de Dos.
Joo da C. Bravo & C.
Vigario.
Carvalho Nogueira & C.
, L,""SO do Corpo Santo.
Joao Francisco de Carvalho.
Rua da Cruz.
Antonio Lopes Braga.
Apollo.
Manoel Ferreira da Silva Tarrozo.
Brum.
Joaquim Correa de Rezende Reg.
Crespo.
Miguel Jos Barboza Guimares.
Imperador.
Gabinete Portuguez de Leitura e Oliveira &Gu-
maies. ,
Queimado.
Domingos Jos Ferreira Guimares c Gaspar An-
tonio Vieira Guimaies.
Praia.
Pedro Jos da Cosa Caslello-Branco.
Livramenlo.
Antonio Jos da Cunha.
Direita.
Jos Jeronymo da Silva e Joaquim Anlunes da
Silva.
Terco.
Guilherme Luiz de Almeida e Domingos Jos
vieira Braga.
Imperial.
Joaquim Luiz dos Santos Villa-Verde.
Pateo do Carmo.
Jos Joaquim da Silva.
Estreila do Rosario.
Francisco Pinto Osorio.
Praca da Independencia.
Antonio dos Santos Vieira.
Larga do Rosario.
Antonio Jos Morena Pootes e Jos Joaquim da
Costa Maciel.
Cabug.
Custodio Jos Aives Guimares
tiiis Moreira.
Rua Nova.
Loja de marmore de Faria & C. e Jos Baptisla
Braga.
Rua da Imperalriz.
Raymundo Carlos Leile & Irmo c Manoel Jos
GueJes de Magalhos.
Praca da Boa-Vista.
Jos Ignacio Ribeiro Jnior e Jos Alves Lima.
Paleo da Sania Cruz.
Joao Luiz Ferreira Ribeiro e Manoel Jos de Bri-
to Barreiros.
O nomo s de Camoes diz mais do que quan-
los elogios Ihe quizessemos fazer.
Recife 16 de agosto de 1860.
e Joaquim Mar-
Calafate
pa-
e j (o
na rua
para calafetar casas ou outras quaesquer obras
correspondentes a sua arte, por menos preco do
ES!Zfft: para inforraa550' na'tua
Precisa-se alugar urna cozinheira :
Nova n. 21, loja.
Mara Joaquina da Silva Manta, previne que
mnguem faca negocio com seu filho Zeferino Fer-
nandes da Silva Manta com a casa terrea da rua
uo niar n. 21, visto a mesma ter parle na dita
Precisa-se alugar urna preta escrava que
saiba coznhar e azer o servico de casa de pe-
quea familia : na rua das Cruzes, em Santo An-
tonio n. 41. segundo andar.
Amonio Sallesse, subdito francez
para fra do imperio.
7nhP.reCS8*sede uma ama 1ue saiba comprar,
cosinhar e engommar, para casa de duas airea
pessoas : na rua Augusta sobrado n. 7 cem gaz a
Kna. n eSCad\ l0g0 dePois da ,r"e nsco ; paga-se bem.
Offercce-se uma
relira-se
forcocommum. .....-------------- M" 1 f.^iu' TV Un5a ama Para casa de pouca
O plae e e odela 4 monumen'o eonsH* Jlita o! 97. homm 80,lciro ; DS rua de ^"^
<
l
mm.
"&


Attenco.
OTerece-se ura moco para caixeiro de escripia
por partidas dobradas para qualquer casa do ne-
gocio, ou mesmo para caixeiro de qualquer ar-
mazem ou de ra. lem boa letra, boa conduela
pelo que d fiador: quem do seu preslimo s
quizer utihsar, annuncie por esle jornal para ser
procurado.
Desappareceu no da 16 do correnle a i
crava Marcelina, de nacjlo Rebolo, cor fula, esta-
tura regular, e que representa ter 40 annos, tero
Allencao.
Madama Freir, modista
brasileira
DIARIO DE PERNAMItUCO. QU1HTA FEIRa 23 DE AGOSTO nE 1P.60.
Vv ,
avisa s suas reguezas que recebeu pelo ultimo
vapor bellos figurinos para Ihealros, bailes e ca-
samenlos, assim como lambem cobre chapeos,
faz capas e manteletes do ultimo gosto, assim
una^lidofflum"doYhMrbr^ ro,",5cs de ?a"\ modellos. c
proprios de sua nacao. o as costas com marcas' -a--b-! sc.engomma roupa de seuhora com todo
cangica-eTeVo', o SboleTl^%*Ao S,,St faz cora loda P"P^
n como Mi. nwLH ,tnJ,T Por mcnos Prcd0 I" *<" outra qualque: par-
Iuilaiiimavuu do estomago.
Sendo a gralidao um deverssgrado, eu faltara
a elle se nao reconhecesse o beneficio que rece-
bi das chapas medicinaes do Sr. Ricardo Kiik,
morador na ra do Parto n. 119, e com a ppli-
cacao deltas quci inleiramente bom, sem dor,
nem resguardo, cm 33 dias, de urna inflammaco
de estomago que sofTria ha dous anuos. Livre.
porlanto, dos ineoramodos que padeca, prove-
niente da dita molesija, s me resta dar grojas a
Dos, e sincero agradecimento ao autor de lo
til remedio.Joao Anluues da Costa.Ra do
Mercado n. 57, Rio de Janeiro.
Prcrisa-se de tomar a premio 4 a 5 contos
cs\
ne em outra qualquer par- ~'Z^. V
is A-oas VprdM n 7 H de reis lando-se um predi
de chiclo, venda
panno"; Cosi^^mTo^ 'iJ" u'.!V,pacV ,e : lrat" *' Ago'as" Verden'Vs' *""'" elS dand-3e um I'redio dc dob"d valor
lionas n segun^ ^dParfaq e^errecompe6 -"7 Vai se*unda a 5? STSA. 24 e q0moPSr'S VEVfi pari "? pr,a,rad-
sado. slBu"u*a u. quesera recompen-.sg do correnle, depois de linda a audiencia do T ?r Behzario Adulpho Pi reir dos Sanios
- Sexla-feira 17 do crrente, fugio da casa do'1 rivL Sr> ?r- ju'ide ^P150*. MCtn* Aquilina
abaixo assignado o seu escravo Francisco de ida- p.crlence,Lle as bens da finada D. Mara Rosa de
de, pouco mais ou menos, do 20 annos, mualo,
fle estatura mediana, icsta c olhos pequeos, na-
riz e bocea regulares, beicos grossos, falta de
denles na frente, falla descancada, levou vestido
caira dc riscade e camisa dc chita : auem o pe-
gar e conduz-ir casa do mesmo abaixo assigna-
do, na ra da Imperalriz n. 48, segundo andar
sera bem recompensado.
Fenelon Cesar Burliraaque.
Hospital Portuguez de
Beneficencia em Per-
nambuco.
Trecisa-se de um cozinheiro livre ou suieito :
quera estiver as circumstancias de conlratar-se
dirija-se ao mesmo hospital, ou nnnuncie
ser procurado.Manoel Ribeiro Bastos, 1.
crtario.
para
se-
JOIAS.
Seraphim & Irmo, com lojas e ourives na
ra do Cabula ns. 9 e 11. sortidas das mais
Jtllas e delicadas obran de ouro, p'ata. epedias'.
preciosas : vendem barato, trocam e receban na- ,
rafazer-se quaesquer joias com presteza, a von-
ladedosprclendcnles, ese responsabihsem pelas
vitalidades.
Preasa-se alugar uma otaria que
tenha barro proprio para tijoo de la-
driilso e lvenaria : annuncie Ou man-
de sua inorada nesta tvpogvaphia.
COlUPAimiA
Assumpfio.
Aluga-se um prelo para ledo o servico,
, sendo aqui na praga : quem o pretender dirija-se
a ra do Queimado, loja n. 65, que achai com
quem tratar.
Aluga-se um mulato mogo para servico de
, criado : na ra do Queimado, loja da boa fe 22.
Os abaixo assignados, socios da casa com-
i mercial nesta ciaadesob a razao Amaral Aivcsi
i C, tendo nesta dala por mutuo accordo convin-
| do na retirada da mesma sociedade dos Srs. Jos
;doAlenquer Simoes do Amara!, declarara ao pu-
blicoecom especalidade ao corpo do commer-
. ci, que contina a referida casa coramercial lias
. suas transaccocs c todo o seu activo e pessivo
sob a respon'sabilidade dos socios Alves Guima-
raes & Salomn, e sob a razao social de Alves
St C. Recite 11 de agosto de 1860.
Jos de Alenqt:>r Simes do Amaral.
Jos Alves da Silva Gormarles.
i MaxHomburger como procurador do Sr. Charles
Sa lomon m Pars.
@
| ^-OSr. Joaquim Ah
9 "
cm casa de Ar-
O Sr.
tenha a bondade de appar'cccr ra ra do Queima-
do n. 46.
i Sacra-se sobre a Bihia
kwripbti C., ra da Cruz n O.
1 Attenco. 1
jj* Amelia Elodia Lavenre competente- P
|i mente licenciada lem abert) na ra do SS
g Livramento n. 19, segundo andar, urna |>
yg nula para o sexo feminino, onde etisina fe
priraeiras leltras.francez e certas prendas, 9
bem como coser, bordar etc.e para com- Sf:
modo das pessoas que mo'am fora ou ?g
mesmo dentro da cidade, recebe alum- *j
as internas, pendonista 3 meio-ptn- ^
cionislas pelo proco que se convencional M
DE
Illiiiiiiuaea o a
A empreza da llummacao a gaz desta cidade, faz sciente a todas as
pessoas que collocaram candieiroi de gaz em seus casas, e aos que preten-
dem anda collocar, que tein resolvido baixar os precos dos plbos de v-
dro pjra 1$500, 2^ e 2^500 os mais finos
-...... nue se pode ubricar, os pr ten-
dentes acharSo no armazem da ra do Imperador n. 31, ura comple-
to sorticnento a sua escolha, assim como candieiro, arandelas e lustres
cliegados ltimamente, de gotos variados e do mellior que se
seJar- Rost onRooker j C.,
/gente.
pede de-
APPKOVACiO E AUTOUSAClO
DA
1N0 da 17 do correte mei fugio a escrava
Catbarioa, com os signaes seguinles ; alia, sec-
ca, j meia vellia, com falta de denles na frente,
levou vestido prcto com roupinho de chita e cha-
, les, a mesmo postuma andar com panno enrolado
8 pares de brincos e medalha de ouro, talvez va
Conti acadmico do primelro 1.110, queira 2 ?""",^"t'.-0^'* f de 1' coslumava a
r tsarssrnt,,or n* m i saTaassvss: r?-r:
S 11M.I- ; L l'J var na d;I Pa'ma. casa da qu na. do Sr. Igna-
>@@@@@@@@@@@@ ci do Rogo Barros, que pagar bem o seu tra-
l.dwin Balngcr e Hcnry Noakes, subditos balho,
ingle-es, retiram-se para fia do imperio. 1 t)oicial da secretaria do governo, que c
devedor ao casal do finado Caelano Pereira Gon-
AGlDEftlI llPERAL fj
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
Estabelecida cm Londres
>s> ni mu,
CAPITAL
iiieo milkoes de Ulms
esterlinas.
Saunders Brothers & C tem a honra deln-
rrcer aes Srs. negcciar.tes, propriearios de
casas, e guen mais convier, que estao plena-
mente autorisados pele dita companhia par?.
Jircctuar seguros sobre editicios de lijlo epe-
Ira, cobertos de lelha e igualmente sobre os
ujectos que c-ontivercm os mesmos edificiose
!'"r consista em mebilia ou em fecendas de
lualdul 'ia.Jidt>de.
|Consullorio central lionieopaIliico| ?ew
" BIDCQD. t
^ Continua sob a mesma direccao do lia- ($
noel de Mallos Teixeira Lima) professor $
em homeopalhia. As consultas como d'an- a
tes. S
ELECTRO MAGNTICAS EPISPTICAS
Para

i
Botica central homeopalliica
Do
#
I )R. SABINO 0, L PIMO
.:-,
Novos medrcamerttoshome.opalhicos en- fe
viadosda Europa pelo Dr. Sabino. ^
Estes medicamanlos preparados espe-^
cialmcntesegiindoas necessidades da lio-
meopalhia no Brasil, vende-sc pelos pre- S
gos conhecidos na botica ceutial horneo-
palluca, ra de Santo Amaro [Mundo Nc- S
vo)n 6. f
calves da Cunha, queira dirigir-se a ra DireiU
n. 68, nliin dc solver seu debito, do contrario
seu nomc por extenso pois i basta de es-
pera.
Aluga-se uma sala e dous quaios proprios
para um rapaz solleiro : qu
se a ra da Cruz n. 1S, a fa
'9 horas da marihiia as 4 da 1
Antonio Pagis, subdito
para a Europa.
PILULS PAULISTANAS
Ob PRIMEIROS DtPUKATIVOS.
Todas as molestias tem uma tendencia de im-
pur.'za dosangire, soja machucidura mais insig-
nificante, c que cause urna dr de que pouco
caso se faz, Quanlas enfermidades mortaes re-
sultado de contuses, tiros, faca das, quedas, etc.
etc. Para livrar de qualquer rrao resultado de-
vc-sc lomar logo que se pode-3 a 6 pilulas n.
2: passadas-3 horas a mesina dse dasden.l,
repetir cada 12 horas da mesma manelra, pel
lempo de 36 horas. Vejam te cxemplo que
seren applicadas s partes afifectadas
sem resguardo nem incommodo.
:_S-"!-A?^>'EDJ1C^'AESsao m.''o.conhecidas no Rio de Janeiro e em todas as provincias
btido n3s enfer-
dc pessoas capa-
---.,.... .......u..,^0omv mullo 1 'oimt'ciuas 11 o Hio 1
deste imperio ha mais de 22 annos, o sao afamadas, pelas boas curas que se lem oblido
!n.,.d?dJcs ^.xo5scr'Plas' 1ue se Pro" com innmeros allcstados que cxislem
zes e do distinecoes.
Com estas Cu.
fr S encomrae"d!,s1.das provincias devem sor dirigidas por escripto, leudo lodo o cuidado .lo
SL Deccssar,as plicaroes. se as chapas sao para hornera, senhora u crianra declaran^ ^
molestia era que parle d? corpo exisle, se na cabeca, pescoco, braco, coxa. peina p SaJ
corpo declaraudo a c.rcumferencia: e sendo ..charo, feridas ou ceras S uo seu lam
Pode-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil
rios paa fSBSg 5SS?*''" "" COm,,Cle"lC9 PS5es e tambera de lodos '
Consullas a todas as pessoas que a dignarem honrar com a
em !er-
e i>6 de
os accesso-
HlllJUllfpjittl 99 flij I abaixo segoc"
Aluga-se um sitio grande com i ---------
excellentecasa de vtvenda, com todas ir Na Doitc de s*"la Cruz deste anno fui alirado
commodidadcs para familia, no :!-- -- -"'-ro dlpislb' a-balla *troa-me no poi-
as-
as
no Jugar lo osquerdo atravesrando-o ; a
da La^a'Forte : a tratar com ospro- Pllu,as paulistanas, deilei sai gue por cima e
por bailo, e gr-acas a estas milagrosas pilulas sal-
vei-iie da moile que deveria levar-mo
Estas penaas de dlTercnles aualidades.-so fa-
bricadas de are de prata refinada de p'rimeira
empera, e sao epplicavcis a lodo o tamanho de
ettra. Prc-.o loo cada caixa e pennas de ouro
pelo mesmo autor com pona de diamante que
'.eem a grande vantagem de nao estar sujeas a
crear ferrugem e conservando-se bem limpassao
de duracao iofitiita, deposito era caa dos Srs.
edes Je Gonc alves rta da Cadeia n 7
tmmmm msmsmsiss^mm I
1
prietanos, N.O. Bieber & C.
agencia-dos fabricantes america-
nos Grouver & Itaker.
Machinas de coser: em casa de SamuelP.
Johnston A' rua da Senzala Nova n. 52
gg O l)r. Casanova pode ser procurado a ^
^ qualquer hora em seu consultorio horneo- a>
g5 pathico em Pernambuco /
50-nUA DASCflLZES30 B
00 No mes.rp CQii.sullorio arha-se seropre a
^ grande soriimento dc medica'mentos era ig
a* Unturas e glbulos, os mais novos e bem a
.-- ------ a se-
pultura. Frrguezio da Culia 11 de agosto de 1859
Joaquim Iiodrigues.
Depositario c correspondente, na rua do Parto
11. 119, no Rio de laneiro.
O abaixo assignado tem justo e contratado
; a compra de uma casa na rua de Santa Cruz n.
. 23. perlencenle ao Sr. Francolino Bernardo Quin- rua di
i tetro, cuja casa esta livre e desembarazada, mas das n
se aignem se julgar com direilo a mesra, annun- l fn
JlO, aue se achara aberlo lodosos dias, sem excepro, das 9 horas da manhaa > da tarde P
1(9 Rua do Parto ||9
PERTO DO LARGO DA CARIOCA.
Compras.
de Paris.
15Rua JVova15
FredcriccGauler. cirurgiao donlista,
faz lodas as operares da sua arte e col-
loca denles ertificiaes, ludo com a supe-
rioridade e perfeieao que as pessoas en-
tendidas th-e reconhecem.
Tem agua e pos der.lifiicios etc.
em uma
= OSr Francisco Aran ha de Souza
carta no escripterio de Mar.ocl Joaquim Ramos e
Silva, na rua da Cadeia dc Recife
O l)r. Joao Ferreira ca Silva mixiou-seda
rtii dc Hangelpara a do Li-rraraento n.26, so-
-:.:io do Sr. Manoel Barq.ua do Macedo, defron- !
e de saa aotiga habitaco. A grande pralica de
a-UCulUfiio reconhecida por quasi todos os seus
eg*s desta cidade lorna-o recommendado ne
diagnostico das molestias dos pulmoes e do cora-
do ; asnal comopsra veriioer o estado de sau-
de dos escravos que se desejara comprar. Telo
v.sidc numero />. variedades de operaces que
ln ftvto com bom resollado em o exercioio de
mus de 0 annos. se julga habilitado paraprali-
car toda e qualquer aperacio cirurgica por caais
delicaa e diFicultosa nue sej a.
*rrf-Tr-T-TTrTrTTTrTTTTTTTT>i
: 0ENTISTA FRCEZ. -
Paula Cai^gnoux, dentista, rua das La- Z
'T rangtiras 15. Na mshii cass lem agua e *
i. p dccliOco. *
65 preparadoc, os elcmcnlosde homeooalhia
atis mz-m -zmm-sm
mi LIISO-NASLEIRA^
2, Goldeo Square, Loudres.
J. G. OLlViiKAtendo augmentado, com to-
mar a casa contigua, ampias c excellenles ac-
commodaco-es para rouito maior numero da hos-
pedesde novo se recommer.da ao favor e lem-
branra dos seus amigos e dosSrs. viajantes que
visitera esta capital; continua a prestar-Ihesseus
arrieose bons ofQcins guiando-os em todas as
cousas que precisen) conhecimento pratico do
paiz, etc. :al6m do portuguez c do nglez alla-se
na casa ohespanhole francez.
PITADA ESPECIAL.
Fabrica jiaraense de ra|M
Sorba.
ce no prazo de-8 dias.
Jos rrar.ciscc Fernandos.
i
Constan!,
alfaiale de Paris, lendo transferido a sua
residencia para a rua do Imi orador n. 49,
rogo a tudirs os seus amigos Ireguezcs e a
todas as pessoas em geral, que o quizercm
honrar com a sua freuezia que hajam de
o procurar d'ora em dianle na dita casa. O
mesmo annuncia que prepara vestidos a
amazonas para senhoras montarem
vallo.
i
8
Compra-te ouro de 20# e 16$ : na
da Cadeia do Recife Lia de azen-
51.
Compra-se um escravo qne saiba cosinhar
jo quc aeia de bonia figura : em foras de portas
i rua do Pilar fl. 143.
Compram-se 2 libras de banha de cebra
j cascavel, paga-se bem : na rua Direil n. 66.
I Compram-se moedas de ouro de 5$, 10 e
'20^ : na rua Nova n. 2.'l, esqnina da ctmboa do
Carmo.
Machinas dc costura.
N. O. Bieber & C. Successores avsam ao pu-
blico, que no seu armazem na rua da Cruz n -i
eslio expostos venda as melhores machinas d
costura que al hoje tcem vindo a este mercado
asquaespossuem lodosos melhoramenlos inven-
lados at esta poca sem ter os defeilos que em
ouiras se nota, assim sao de construc-ao simples
e facilitan: o uso. A cos Ajiw pui c(js ma-
chinns nao toui igual em obra de roao, um pon-
to bonito e forle, alera de que alinhan e co.em
: de todos os modos, cada caixa de costuja repr-
senla um lindo loilete para gabinete de senhora
j Igualmente na machinas para selleiros, etc. oa
lnios PLCS .mo,iicos. c o Sr. Birmingham, enae-
Compra-se um eratojio de iacarand
derno, de tres i.fc ov.ir3,ai|0 'c 4 Daim" "'^os nioaicos, co
pouco maisou menos de allura*. sendo obra mu '.ne'ro!.eD.s,oa "sodas machinas c todas as par-
perfeila. Taiubem se compra un selira nara se- llcular,a?d" conservacao dc sua construcro
no acto da compra.
a ca-
...r.. um selira para se-
, nliora, de boa qualidade, que esteja em bom uso
9 quem pretcader dirija-se a rua Nova, loja de
, raarraore. '
KSS
m
dares. em bem estado, com quintal, nos bairros
da Boa-Vista e Santo Antonio: (juem o liver
diriiase a ru do Crespo n. 25.
O Dr. Azevedo Pcdra, ha pouce che- @
Si gado tiesta capital, faz scieoli! ao respei-
lavel publico que acha-se promplo aqual- 2
@ quer hora.om sua residencia rua da Im- dft
peratriz, sobrado n. 88, seguido andar, A
@ prestar os recursos de sua orofissao ; na
@ mesma casa d consultas ralis aos
bies.
Compram-se tws casas terreas, nao muito
grandes, que sejam em bom lugar: quem liver
dirija-se rua do Amorim n. 25.
Quera quizer comprar furao muito bom, de
Onranhuns, dirija-se rua das Cinco Ponas
mero 142.
domesii-
america-
nu-
Vendas.
Vende-se
l'O-
E-sta fabric aecba de eslalit4e-.>r nea cidade
fiSESta a ca'rncia VSJS3S ** @@ W
uheo. em casa de Domingos Teixeira Baslo, m
rua da Cadeia n. 17 ; o fabricante desejando tor-
nar populrnosla capital e provincia a industria
de que lancou mo, resolve-se a estabelecer-lhc
o preco de 1#200 por libra ; o proprieUrio desde
ja conla que os apreciadores deste genero nao
deixarao dc concorrer para que saiam coroada
as esperarlas que nutre de ter preferencia o seu
outro qualquer. afancando
rape a outro qualquer. afancando desde ja que
^cadi vez mais o aperfeicoar, c a experiencia
^--AAlAiAtAAAAllii.i.AAjHlilAAy, provar aos-senhores lomantes a isenr-ao dequal-
, quer elogio a este rap j conhecido' em -entras
! provincias. *
Quera tiver um sitio perto ou
Ensino de msica.
Offerece-se para leccionar o solfejo. como lam-
oera a locar varios inslrumenlos ; dando as li-
ces das 7 horas s 1[2 da ncite : a tratar na rua
da Roda n. 50.
Oil'erece-se umajma para engommir e fa-
zer mais algum servido : quena quizer, dirija-se
:. rua do Caldeireiro n. K. J
Era casa de N. 0. Bieber 4 C. Successores,
rua da Cruz n. 4. acha-se venda um grande e
vanado sorlimento de ferragens finas, obras do
lanoeiro e pertences sem lim por usos
eos, producios todos da iuduslria norte
na, assim como :
Arados dc diversos lamanlios.
Moinhos de inilho.
Machinas para cortar capim.
Grades.
Machinas para descarocar miiho
Cultivadores o ferros d engommar economicos
iH^'IP"^."'" 0!Cellcnleboi de "rrocano
sitio do fallecido Xisto Vieira Coclho ou na rua
do Crespo loja da esquina que volla para a rua
uo imperador, assim como uma carrea com to-
dos os arreios para cavallos.
Attenco.
Vende-sc uma cama de armacio, uma mar-
queza, dous consolos, uma mesa redonda, meia
Ditas de la rauito-linds-p-ropria-s para enfei- : i^^SX^rSA ^2 ore"
; lar roupoeznihos de meninos a 300 rs. a peca de ; tender dirija-se travessa do Carapelo u 3o"
para enfeite a | que achara com quem tratar, adverte-se mais
uma casa terrea em chaos pro-
pnos, bem construida e em bom local: quem
i quizer annuncie.
Vende-se a taberna da rua Imperial n. 1(9.
Pede-se toda allcnco,
Na loja da aguia de ouro, rua da f.abug n. 1
H, vondese ludo por baratissimos precos para li-
quidar, assim como sejam :
Franjas de seda dc lindos padroes a 160,200
320, ,0, 300 e 600 rs. a vara.
pitas de liulio a 120, 160, -200, 20 e 320 rs.
,<.UllsJ,ara cortinado d bolota e sem ella a
160, 200 e 2i0 rs.
Ditas para loalha a 100, 120 e 160 rs.
O Sr. ihesoureiro das lolerias Banda fazer pu- 4 *l2 Tara, galaozinhos tambem
blico que se achara venda todos os dias no es-. *- 60- ^ e l0 fs- vara,
criplario das mesmas lolerias na rua do Impera-! ..Fl,as mutt0 'odas para cinteiro de meninos
se
que
tem
Ioc-tp A i dur 3G- e na casa commissionr da pelo mesmo ou Para lacos a C0O, 800, 1$ e l.;200.
looge desta cidade, com tanto que tenha Sr. thaaonreiro na praca da Indepencia
casa de viveeda, arvores de fructo .e i- ,0- U-1S horas da manhaa s 6 da tarde, os bi-
Ihelese meios da ultima parte dr
que prximo ao bauho calcado, tempe-
rado-Gu doce, e o queira alugar di 1 i -
ja-se ao largo do Terco casa terrea nu-
mero 53.
pnmeira e pri-
meira dasegunda lotera do thcatro .de Sania
Isabel cujas rodas decenio and ir impreterivel-
menle no dia 25 de agosto do cerrente anno.
Thesou-raria das loteras li de igosto de 1860__
O escrivo, J. li. da Cruz.
Dilasde Cscanilhas para enfeito de vestido a
m o fiaron .. .1- m varis
a 80,
as
Rua do Brum (passando ochafariz.) -
Wo depozito deste estabeleeimeixto sempve \ia grande sonimenlo de
eiumsBio para os engenYios de assucav a sabev:
wE&iF%? modernas'(depPe cumpndo.iconomicasde comburtivel. e defacillimoassentc ;
Rodas d agua de ierro cora cubos le madeira largai, leves, fortes, e bem balacadat; '
Unnos de ferro, e portas d aguamara ditas, e serrilhaspararodas de madeira'-
me
Moendas inteiras com virgens muito fortes, e convenientes ;
Meia moendas com rodetasmotoras,)ara agua, cavallos, oubois,
Tai xas de ferro fundido e batido, e de cobre
acunbadas em aguillioes deaz ;
Pares ebicas para o caldo, crivo's e portas~de ferro para s fornalhas :
Alambiques de ferro, moinhos de mandioca, fornos para cozer farinha ;
Rodetes dentadas de todo, os tamanhoipara vapor, agua, cavallos oubois
AgU,lhoe, bronze, e parafusos, arado,, eixo, e odas para carrocas, frraas galvan.zadas para purgar etc.etc
D.W.BowmancoQfiaqueosseusfreguezes acharo tudo digno da preferencia com
que o honram, pela longa experiencia que elle tern do mechan ismo.proprio mrtoa^^.
tore. desta oro vincia epelofacto de mandar construir pessoalmentj as PSuas XnL
mais acreditadas fabricas da Inglaterra, para onde elle faz viagem annual para o dito fim
^V/t C0Qtinua50 d* fabrica em Pernambuco, para modificar o mechad
mo a votade de cada comprador, e de fazer os concertos de que pod*rp necLsilTr
18100, 2^300 c 3500a"peca de 10 varas.
Ditas lavradas e lisas de lindos padroes
120 100, 320, 400, 500, 000 e 800 rs.
Bicos do seda trancos e pretos de todas
larguras a 120, 160. 20. 320, 400 e 500 rs
Ditos de linhoa 40, 00, 80, 120 o 160 r
di Un o^ud0 aberlas e de lilld0 ssla 0.
oW, 000 e 800 rs.
Ditas lisas de todas as larguras a 120, 160, 200,
300, 400, 500, 600 c 800 rs.
Ditas de linho cora clcheles a 00 rs. a vara
buliadores de seda a 280, ditos de linho a 60 rs.
uolocs de todas as qualidades a 120, 160. 240.
e IOO rs. a duzia.
I'entes de tartaruga 3 imperaliiz a 8, 9 e iOj.
ditos lisos a 3*500. ditos travessa a 3a. ditos de
massa virados imitando tartaruga a i500, ditos
lisos a 200, 400 e 500 rs. ditos Iravessa pira me-
nina a 800 rs., ditos de borracha a Itf e Ii00.
Tram;as de linho e de laa de caracol a 60,80 e
120 a peca.
2fi50Or'OS brancos e de cores de cornalina a 2-5
3S0O0maS mU1 UndaS Para chaPeog a 1*600 c
Capcllas brancas para noiva a 6 e 8S.
los de coral verdadeiro a IjJ
Rosetas e brincos pretos a 13230 a duzia.
llurrazinhas bronzeadas proprias para'guardar
objeclos de circumslaDcias a 3, 4 e 5.
Thesourase caivetes muilo finos de lodos os
precos.
Boneclas de cera e dc looca muito lindas, ca-
lungas de choro e tamborzinhos para criancas e
outros mullos mais objecles que se torna enfa-
donho a mencionar, qqo vista do freguezse far
lodo o negocio.
Fareloa4|a sacca.
Iouca?dC"Se Da rUa da IirPcralriz 38, loja dc
Attenco.
Vendem-so queijos londrinos muito frescos de
superior qualidade, e cousa nunca vista na'rua
estrena do Rosario, armazem n. 11 ; qUaQto a)
prego segredo. '
Cerveja indiana
Vende-so a verdadeira e superior qualidade de
cerveja indiana, cousa nunca vinda a Pernambu-
co : no armazem da ra eslreitfl do Rosario nu-
mero 11.
vende estes objectos porque a pessoa
de se retirar para fora da provincia.
Vende-se uma Uberna sita na freguezia da
varzea no lugar denominado Cruz dc Baixo
quem a pretender dirija-se a mesma taberna, que
achara com quem fazer o negocio.
Vendem-se
8,0(0 lijlos iiiglezes de alvenaria, servem para
qualquer obra e sao superiores a quaesquer ou-
tros. e uma porcao de caibros de boa qualidade :
a tratar na rua da Cruz do Recife n. 21, primeiro
andar. 'r
Espanadores
Vende-sc uma porcao de mui bonitos e bem
renos espanadores proprios para exportar; as
amostras atham se na rua do Queimado. loia de
miudezas n. 16.
Vende-se um boi manso e gordo, proprio
para traballiarem carroca : no corredor do Bispo
sitio ao vollar para o Caraiio Vorde.
Em casa de Mills
rua da Cadeia .
de-se
Loja do Ramalho
RuaDireitan. 83.
' J8",1!1" francezas o 200 rr. a caixa. grampa* a
-'00 e 400 rs. o mago, colxetes a 60 rs. o carlao
, pentes para alizar Anos a 2(0 rs. Tita para cor a
40 is. a peca, dita de linho verdadeiro a 1.00 :s.
apega, Ihesouras finas para un has a 400 rs., ditas
P<"a costura com aro envernizado a 400 rs., ba-
ralhos de cartas francezas ferro com a beira doa-
rada a oOO rs., penles para alar cabello a 160 rs.,
penles de macas virados tambera paia atar ;a-
bellosa 1S1CO rs.. oculos de aro de baleia muitc
ontre a 1 rs., ricas redomas de vidro com ny-
ramide e com o Cruxiticado a 640 rs., linha :io -
gaz com 48novellos a caixa a 900 rs., escoras
para denles a 160 rs., babado do Porto pera com
30 varas a 2^400 rs e vara a f 0 e 2(0 rs.,' iran-
icinha de seda propiia para enfeitar vestimenta
de menino com viole e lanas varas a 3g rs. a
peca, e vara a 120 rs, ditas de linho com 25 varas
a 1 rs, a peca, galao de linho a 100 e 120 rs.
a vara, franjas de linho a 140 rs. a vara, pentcs
linos p3ra tirar piol!iosa320 rs., Irancinha de li-
nho de cor a 100 rs. a peca, meias muito linas
Pa"senhoras a ij rs. a duzia, ditas jarahoraens
a 2bQQ rs. tambera a duzia, papel de difleren-
tes cores para os naraorados a lj rs. a resma,
meias linas para meninas a 240 rs o par. di.-s
?a" m,cninos 200 rs. o par. gollinhas linas a
oOOe 640 rs., dilas de Iraspasso a 1J rs., man-
quitos muito fines a 2 rs., e fiadores de linho
para esparlilho a 100 rs., collieres de metal para
tirar assucar 280 rs., blcos pretos de seda a
UO, 200,320 e 500 rs. a vara de largura de aa
palmo, penles de travessa para meninas -i 6-O
rs., butoes para punhos a 200 rs. o par, meias
prelas para senhoras a 280 rs. o par, bieoa Ja
Ilha de dous de-'os at 1 1|2 palmos de largun
akm dcsle sorliraento tem mais objeclos que s
vendem muito baratos ; no se engaita dinheiro.
Carnizas francezas brancas
e de cores.
A 16:ooo ris duzia.
Na rua da Madre de Deus n. 36 A. rende-so
um resto dc camisas francezas brancas o de cdre
pelo diminuto preco de 16^000 a duzia, dilasde'
meia a 5(J0 rs cada uma.
Em conta.
Vende-se no lugar de Lorclo um sitio
ras proprias com 131 bracas dc fundo
frente, cujo sitio se acha'cercado, e com duas
frentes, uma para a estrada publica c outra para
a igreja, lendo mnltos pes de coqueiroso de nu-
tras fruclas, e fica muito perto da estrada de fer-
ro : quem quizer fazer negocio pode dirigir-se a
rua do Amorim u. 33, segundo andar: para \ : o
fallar com Maximiano Barboza da Silva, morador
no mesmo lugar do Loreto.
Vendem-sc coqtieiros pequeos para plan-
tar : na rua das Trincheiras n 29.
Vende-se ou permula-sc por casas iu k!a
cidade, um sitio na Estancia que lem de frente
1,600 palmos, e fundo na maior largura 1,400; a
casa de vivenda de fente tem 12 palmos, 12
salas, sendo uma de 50 palmos e as mais de .5,
17 quarlos grandes e pequeos, tem mais tres'
casas pequeas, sendo uma ao pe do viveiro Je
peixe, 2 curraos de gado e porcos, senzala rara
pretos, quarto para feilor, armazem para guar-
dar, estribara, 6 cacimbas, sendo 2 de 30 pal-
moa de bocea, de agoa de beber, 2 grandes bai-
las para capim, 1 est plantada e pode dar ca,.>
para 2 cavallos, tem alicoree de frente prom| 10
para 9 casas, e 1 lem oilao promplo tom 160 pal-
mos dc frente para a rua de Henrique Dias ; a
fallar no mesmo sitio, ou na botica da rua larga
do Rftsario n. 34.
Camas de foiru porluguezas de 15Jk 20j e
25$ : em casa de Julio & Conrado.
Vendem-se calis do casemira por "a in-
clusive fazenda ; na rua Nova n. 67.
Vendem-sepaletots dc casemira do ioV i'*rt
cima ; na rua Nova n. 67.
Attenco
Vende-se na rua do Trapiche Novo n. l ar-
masen! de Andrade dc Alera Porlo, carne de'por-
co americana, dita de vacca, por diminutos nre-
ros, cm barris 00 libras a 303 o barril c
uma granden cobre velho composiOo' o
cavilhasd una porcao de bronze 1ra-
i c Sra" ,oreao de tabeado de pinho c de
carvalho, tnuosc vende por lodo preco para aca-
bar, por estar liquidando o seu negocio, e igual-
mente vinhos de diversas qualidades c oiii-o*
muilos gneros.
Vende-se uma excellente barraca de Iota r'o
de 60 toneladas, construida de amarello e sicu-
pira, nova e muilo veleira ; quem a pretender
dirija-se ao armazem da rua da Cadeia do Recife
n. 36, que achara cora quem traan
Pecliiliclia sera igual.
Rua do Queimado n. 51, loja
da liquidacao.
Vendem-se corles de vesiido's com 2 e 3 halla-
dos, de cambria branca, que j se veuderarc a
5ffu00, vende-se hoje a 4S, ditos chegados lti-
mamente bordados a matiz muilo finos a .";, di-
tos de duas saias que se venderam a 10 e 9 ho-
jo vende-se a 7#, corles de colleles degorguro
muito finos a 3, ditos a IjOOO, dilos de velludo
muilo bom a 5 e 6$ : cheguem, antes
acabem.
Vende-se
&
que se
Lttliam
itecife r. 52,
& C
i
ven-
de
VinhoXerez e Porto encarrafados
superior qualidade.
Meias finas dt algodo pora senhoras e
homens.
Tinta preparada o'o (em latas.)
Sulfato de ferro.
Lona ingleza.
Pedra uuie.
Azarcao.
Alvaiade,
Sal amago.
Vende-se uma escrava de nacao,
quitandeira, para fora da provincia :
para ve-la na casa de detencao e para
trat?r na rua na rua de Hortas sobrado
de um andar quasi junto aos Martyrios.
Era casa de Rorott & C, rua da Cruz do
Recife n. 5, vende-se :
Cabriolis americanos muilo lindos.
Charutos de Havana verdadeiros.
Fumo americano de superior qualidade.
Champagne da pnmeira qualidade.
Carne de vacca e de porco em barris mullo
frescas.
Licores de diversas qualidades. como sejam,
Chfiry, Cordial. Muit Julap, Bilters Whisky,
sal a pamlhaei irascos grandes.
uma excellente balanri romana
de duas conchas, propria para balcao" por pr"0
comraodo : na rua Direita n. 30, deposito. '
Liguidacao p.or todo preco
Na rua do Queimado n. 51,
loja de fazendas, para
liquider.
Cambraia dc cor a 200 rs o covado, dila mais
fina a 210 o covado, alpaca de cores dc lodas 33
qualidades a 280 o covado, casemira a 3*600 o
corle, longos de lodas as qualidades, chitas do
lodas as qualidades, chaly de todas as co"
manguitos e gollinhas, enfeitespara senhora, se-
palinhos para meninos, colleles de velludo case-
nuras finas, chitas francezas de todas as qualida-
des para tcabar, corls-de vestidos brancos com
f!2r?' d'l0S, de 2 sai8s 1ue J se vendern,
a 10a, hoje vende-se por todo preco, brira bra-, o
e de cores por todo preco para acabar, corles do
bnm de linho, colleles de fustao, meias para -
nhoras o homens, tudo muito barato, por lodo
preco para acabar.
Vende-se um escravo d meia idade, -0-
busto, de boa conducta, bom para qualquer ser-
neo de casa ou campo ; na praca da Boa-Vi&la *
botica n. 22.
Na rua da L'nio, ultima casa do lado es-
querdo (vindo da rua Formse) ha uma porcSo de
obras de labynntho viudas do Cear, perfeila-
mente Irabalhadas, as quaes se vendem por ata-
cado com o abate de 10 0(0 sobre os precos je
bstanlo mdicos, porque se vendem tambera
retalho.
Vende-se uma taberna na rua Direita dos
Afosados, casa n. 32 : a fallar na mesma. ou ra
rua Direita 11. 6.
Vende-se uma canoa aberla propria para
carga e discarga de quaesquer objeclos, sendi a
dita Je boa construccao, e igualmente madeira
propria para olaria por pegar 3,500 lijlos de al-
venaria grossa, pois j foi experimentada : a tra-
tar cm Fora de Portas com Joaquim Jos Jos
banlas era seu estaleiro.
Batatas baratas.
Vendem-se btalas a 2}J a arroba e 80 rs. a li-
bra : dcfronle da matriz di Boa-Vista n. 88.
Vende-se uma casa terrea no bairro de S.
Jos, travessa do Alecrim : a fallar no mesmo
lugar, na taberna da esquina.
Vende-se um piano de Herard, novo e raeio
uso : no Corredor da Bispo, sitie da Sra D.
Anna.
ILEGVEL



(0
Fazendas finas e
roupa feita.
o & Perdigue
August
Com lojs na ra da Cadoia do Recite n. 23
vcndeni dao amoslras as seguidles fazeadas:
Corles de vestidos de seda pretos e de cores
Corles de dilos do barego, de larlatana e de gaze
de seda.
Cambraius de cores, brancas c organdys.
Anquinhas para saias, saias balao, de clina, nu-
dapolo e bordadas.
Loncos de labyrinlho do Aracatv e francezes.
Chapeos amazonas de palha e de seda para se-
nioras e meninas.
Eofeilesde froco, de vidrilho e de llores.
Peules de tartaruga, imoeratriz e oulros goslos.
Manguitos e gollas, ponto inglez, francez e mis-
sanga.
Vestuarios de fuslao, de la e de seda para
crianza,
li>;.t(!leies, lalraas e pelerinas de dillerenles qua-
lidades.
Chales do touqira, de merino e de la de pona
redonda.
Luvas de pellici brancas, prelas e de cores.
Vestidos de blond, manas de dito, capellas e
lloros solas.
Sinturdea, camisas de linho e espartilhos para
senhora.
Perfumaras lioas, saboneles e agua de colonia.
Casacas, sobrecasacas e paletols de panno preto
o de cor.
Paletots de alpaca, de seda e de linho.
<- ilc, 19 de casernira de cor, prelas e de brim
Camisas de madapolo, de linho inglez ede 15a.
Seroulaa de linho e de meia.
Halas, suecos, apelreixos para viagem.
Cianeas para invern, bolinas de Mell e oulros
fabricantes.
Chapeos do Chyli, de massa e de fellro para ho-
I. i' m.
durillos manilha, havana, Rio de Janeiro e
Baha.
Mu i lo baratas.
Chitas francezas padrees escuros e das covado
i !0 e 280 rs.
Golliuhas do linho para menina c senliora a
CO c 15.
P ules lo tartaruga a impcralriz do 109 a 15j.
Z::.isas do fuslao, ditas de madapolo para lio-
ii e meninos a 2J.
res le casernira inglezas superior com qua-
ihos a 4J5O0 e 5>.
s lo madapolo o mussclina para seuhoras
i meninas a 4*500 e 5$.
Do tolas estas fazendas existen) pequeas por-
jocs e se rende por estes baixo preco para aea-
>ar-se.
Lola k iDiudczas na na
7~ Vende-se nma boa o.. 3S~oBTioo em
01id"= a bu ..... t.~. m, io, lem excellentes
com modos e boro quintal; o com os concertos
ltimamente feitos se acha quasi que novo o
predio : quera precisar, dirija-se a Manoel Gon-
calves da Silva, ra da Cadeia do Recite.
Cheguem
as fazendas baratas na ra
doQueiraado n. 51, que se
vende por todo preco para
acabar.
Como sejam : chitas francezas escuras a 240
rs.. dilas inglezas muito finas a 200, 180. 160,
120 e iOOrs., cassas de cures fixas a 20 rs.,
dilas a 200 rs., colletes de fuslo a 160 rs., gr-
valas de seda a lJJ o 500 rs., pecas de madapo-
lo finos a 23500 rs. dito 23, dzias de colari-
tihos muilo lino a 640 rs., cortes de briol de li-
nho a 1 j500 rs., finalmente ha mnila pechincha
sendo a dinheiro para liquidar e nao se pode
mostrar as fazendas por nao se poder ser muito
extenso, cheguem a loja que est cora a tabo-
Icladc liquiddcao
Cheguem ao barato
O Preguic,a est queimanJo, em sua Ipja na
ruado Queimado n. 2.
Pecas de bretanha dorlo com 10 varas a
25?, casernira escura infestada propria para cai-
ga, collete e palilots a 960 rs. o covado, eambraia
organdy de muilo bom gosto a 480 rs. a vara,
dita liza transparente muito fina a 39, 4$, 59,
e 69 a pega, dita lapada, com 10 varas a 59 e
69 a pega, cintas largas Ja molernos e escomidos
padroes a 240, 260 e 280 rs. o covado, riqu-
simos chales de merino estampado a ? e 89,
dilos bordados com duas palmas, fazenda muito
delicada a 99 cada um, ditos com urna s pal-
ma, muilo finos a 89500, ditos lizos com fran-
jas de seda a 5J, lencos de cassa com barra a
100, 120 e 160 Bada um, meias muito finas pa-
ra sonhora a 49 a duzia, ditas de boa qualidade
a 39 o 39500 a duzia, chitas francezas de ricos
desenhos, para coberlt a 280 rs. o covado, chi-
tas escuras inglezas a 53900 a poja, e a 160 rs.
o covado, brim branco de puro linho a 18
19200 e 19600 a vara, dito preto muito encor-
pado a 19500 a vara, biilhaniina azul a 400, rs.
o covado, alpacas de diferentes cores a 360 rs. o
covado, cesemiras pretas finas a 23500 39 e
39500 o covado, cambria prels e desalieos a : ""11 |
500rs..vara, e ou.rasmui.as fazendas que se | C ru d di n 7 ^
farpalenleao comprador, e de todas se darlo i i* n o7, vendem-se.
amostras com penhr. i ^gantei Panos doafamado abrican- i
| te Traumann dellamburgo.
JMARIO DE PERBAljBCQ. QUINTA rEIRA 23 DE AGOSTO DE 1860.
A 8$ o corte
de bareje de lia e seda com tullios e de lindos
gostos para acabar : na loja de Antonio Luiz dos
Sanios i flolim, na ruado Cre.'po n. 13.
Seineas de Lisboa
a 4j o sacco : no caes da alfandega n. 7.
Milho novo.
Vende-se milho a 638OO o saceo : na ra da
Cadoia do Recite n. 3.
Tachas para eogenho
Fundico de ferro e bronze
DB
Francisco Antonio Correia Cardozo,
tem un grande sortimento de
tachas de ferro fundido, assim
como se faz e concerta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
Vende-se um arreio pura cabriolcl, em
meio uso : no caes do Ramos 11. 10.
Vende-se bolachinha e biscoito de soda a
1* a lata, presuntos para fiambre a 500 rs. a li-
bra : na ra da Imperatriz n. 54.
Arcos para pipa a5ja roda, gra-!
xa em bexigas, sebo em pajes e rama'
proprio para sabo e para composicOi
de velas de carnauba : na ra do Rrm'
n. 16.
Pianos
Saunders Brothers & C. tem para Tender em
seu armazem, na praga do Corpo Santo n. 11,
alguns pianos do ultimo gosto, recentimente
chegados, dos bem conhecidos e acreditados fa-
bricantes i. Broadwood 4Sons de Londres.
muito nropriosoara este clima.
Arados americanos e machinas
pata lavar roupa: em casa de S. P. Jo-
hnston & C. ra da Senzalan. 42.
Potassa da Russi
E GAL DE LISBOA.
No bem conhecldo e acreditado deposito da
ra da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender
potassa da Russia e da do Rio de Janeiro, nova
ede uperiorqualidade, assim como tambem
cal virgem em pedra : ludo sor irecos muito
razoaveis
Aos Srs. ourivesf
Na ra larga do Rosario n. 24 acha-se S>
a venda um sortimenlo completo ultima-
mente chegado de Pars, de ferramentas M
para olrabalho de ourives, as melhores c
que teera apparecido no mercado.
Grande peina, a'Na
Para acabar.
G1U.\DE S0RT1S1EKT0
DB
Fazendas e obras feitasj
KA
Loja earmazeta
DE
Ges&BastoJ
REMEDIO iNCOnPARAVEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Milharesde individuos de todas as nacoes po-
dem testemunharas virtudesdeste remedio in-
comparavel e provar em caso necessario, que,
pelo uso que delle flzeram tem seu corpo e mem-
bros inteiramente saos depois de haveremprega-
do intilmente outros tratamentos. Cada pesoa
poder-se-ha convencer dessascura maravilhosas
pela leitura dos peridicos, que lh'as relatara
todos os dias ha muHos annos; e a maior parte
della sao to sor prendentes que admirara os
medico mais celebres. Quanlas pessoas reco
braram com este soberano remedio o uso deseu
bragos e pernas, depois de ter permanecido lon-
go lempo nos hospitaes, onde de viam sofTrer 1
amputacaol Dellas ha muitasque havend dei-
iado esses asylos de padecimentos, para seno
submetterem essa operacao dolorosa foram
curadas completamente, mediante ousodesse
preciosoremedio. Algumas das taes pessoa na
enfuso de seu recouhecimento declararam es
te resultados benficos diante do lord correge-
dor e outros magistrados, afirn de maisautenti-
carem suafirmativa.
Ninguem desesperara do estsdo de saude sa
ivesse bastante confianca para ensaiar este re-
medio constantemente seguindoalgum lempo o
mentratatoquenecessilassea natureza doma,,
cujo resultado seria prova rincontestavelmente :
Quetudocura.
O ungento e til, mais particu-
larmente nos sesuintes casos
ven-
Covado a 20o, e 200 ri
No armazem da ra do Queimado n. 19, ,
de-se clnti. franceza fiua, cores fixas, a 200 rs. o
covado, eambraia miudinha a 200 rs. o covado-
por a fazenda ser muito barata nao se dao amos-
tras ; venham antes que se acabem.
85, onde tem
Direia N.
o lampeo do yaz,
m-sc ban lejas finas a 15, |$!0, 1*500, 2.3,
S ', 2J600, 2S00, W K>, : o 5$, bengalas de
c i linas o o 1*500, grvalas pretas de se-
1^200, dilas de cores a 1;, alfineles em
nhas (Quito linos a200 e-280 t., filas pro-
p para enfeiles de vestido du seda a 00, 500
l I rs, .1 van, franjas de seda de cores a 320,
5 600 eS00 rs. a vara, luvas do fio de cores
> hornero, brancas,aCiO, ditasde coresaGiO,
Je se-la enfeitadas para senh>ra a S#, en-
- de ir.iii.as Jo rulluila .i,.j mais modernos
; hi para senhora 1 5-^500, diioa Jo filas de
3.: i a lj}500, litos para meninas de tranca de
ido a I -11), dilas de fila de seda i ij, luvas
1 d ira Uoinom a lOO, lesouras para unhas
' 8J rs., dilas pata coslura a lj, clcheles
' ladiu ios a 120, escovas para cabello a 15
) para roupa a l|200, trangas de caracol de
"'". Pega rande, a 2H0. m.-ias cruas para ho-
ra .1 1 2)i00. dilas a 4S-0i) o 39, unas brancas
1 I 3920), dil is :ias de cures a 2*800, d-
.1= para meninos, de cores 3 2-jOOO, dilas linas
brancas de meninos 1 3$S0O, ditas para meninas
a .:) .1 duzia, bot sdo seda pira casaveijue
a 320 a duzia, tinta d- carmizin fina a MM) rs.,
c in :ha .e metal pnm ipe paraassucar a 400 rs.,
dilas para cha a 8J0 rs. a duzia, linteiros e ariei-
linosa lj', caixinhas de papel sortidas em
coi is a l), ditos de quadnnhos d silo rs.. laa pa-
ra bordar a mais lini q-ic ha a 7*500 a libra, ata-
' itos de algodao a 60 rs., ditos roligos a
- paes de borncha par bichos a 440,
d Iravessos para meninas a 610, ditos do bu-
inco [i ra biejos j -SI, ditos para alisar a
503 rs Iil 1- ie tn*rracha para alisar aCOOrs.,
l> ''-I" s';'1 a -i-1, ditos, de louga brancos a
11), dilos de c ires ,i 160, botes de madreperola
Ba 1 803 rs. a groza, tirelas pin caigas a 100
rs lizinhas de papel de cor aJiJ rs., caius de
obroia de cola a 100 rs. lionas de peso a 120,
ditas de cabega encarnada a 120, filos larradaa
d.i largura de 5dedos com pintas de mofo a 320
a vara, galio de linho a 1S0 a vara, bico prelo
de seda a 120, 200, 320, 400 e 600 rs. a vara.
brin [uedos pira meninos, do diversas qualida-
des, mais biralo que e;n oulra qualquer parle,
bonecas de camurca a 500 rs., dilas de chouro a
410. 500, S00, 1*500 e 2J
Vende-se um terreno proprio com 313 pal-
le frente, na ra Imperial, com mais d
' Irnos de fundo, e existe mais anda 150
- i as proporcoes para urna grande olaria ou
m sitio, para qualquer edificago, lem j
> caroboa para entrada dos niteriaes ; os
D el ndentes dfrljam-se a na da Concordia, so-
ido n. 37, que ah acharo com qnem tralar,
das 6 horas ,1s 0 da manhaa.
Veude-se ou aluga-so uraa canoa de ama-
quasi nova, propria para conduccao de ca-
p.m ou barro : na ra da Concordia, a'mazem de
raateriaesdo Manoel Firmino Ferreira.
Sabo do Rio de
DE
Ba vista do gasto
Janeiro,
um.
Vende-se no armazem de Francisco L. O. A-
leveio. na ra da Madre de Dos n. 12.
Charutos do Rio
de Janeiro.
Superiores charutos do Rio de Janeiro : ven-
derh-se em grosso e a relalho : no armazem de
Francisco L. O. Azevedo na ra da Madre de
.'os n. 12,
Para colclies.
Aloalhado de linho pardo proprio para col-
3 : venle-se na ruada Cadeia do Recito n,
48, loja de I.eilo & Irmo.
Borzeguins para senhora
a tres mil rs.
\inda exisle um reslo dos borzeguins para se-
nhora sem deleito ou avaria alguma 3g o par :
m ra da Cadeia do ltecife n. 43, loja de Leile
i Irmo.
Brim preto.
O nnis suporior brim trangado de linho lodo
preto. que tem vindo a este mercado, lano em
qualidade como pela snguranen da cor : vend-
se unicamr-nte na ra da Cadeia do Recife n. 48
loia de Leite& Irmo. '
Cortes de chita.
Na loja de Leile & Irmo, na ra da Cadeia do
R.'ciie n. 43, vendem-se qobertas de chita de
lindos desenhos a 2* cada urna.
Meias de seda para me-
ninos .
Superiores meias do seda de peso para meni-
nos de todos os tamanhos : vendem Leile & Ir-
mo, na ra d\ Cadeia do Recife n. 4fl, a 28500
par.
Neste armazem de molhados con-
Sm.'oom lCder 0S,S(,Suinles ""O* abaixo mencianados de superiores qaalidades e mais barato {
dosVropdol,HrV,U,,'I'ler Parte' Pr Serem a mai0r Parte delles recebidos'em direju^jor couta
Mantciga ngleza c frauccia
!!rSZ^^0yi*Uelem'ad< amercad0 de60a 800 .s. abra e em barril
Queijos amengos
.."o o KSJerCeDlCin?nl? clu:SaJos o u""> vapor da Europa do 1^700 o 3
que o freguez fizer se tari mais algum abalimeulo.
Quci^o pralo
os mais novos que exislem no morcado a 1 a libra, em porco se far abatimento.
iVmeixas francezas
P^r'Sif 1 1l21ibra Pr 1S50 rs., e em carapoteiras do vidro contendo cada urna 3 libra
Mustar&a inglcza c franceza
em frascos a 6(0 rs. e em potes franceza a 800 rs cada um.
Verdadciros gos de comadre
u caixinhas d 8 titiras >le^'antemente enfeitadas proprias para mimo a 1^600 rs.
Bolac\\in\\a ingleza
a mais nova que ha no mercado a 240 rs. a libra e em barrica com 1 arroba por 4J.
Potes vidrados
de la 8 libras proprias para raanteiga ou outro qualquer liquido de 400 a I5OOO rs cada
Ymendoas confeitadas proprias para sorles
de S Joao
a lj! a libra e em frasquinhos, contendo 1 1[2 libra por 23.
Cha preto, \iyson e perola
os melhores que ha ncsle mercado de 1^600,2 e 2>500 a libra.
Ma$as em caixinnas de 8 libras
contendo cada urna ditferenles qualidades a 4^500.
Palitos de denles cnados
ara molhos com 20 raaciuhos cada um por 200 rs.
Ti jlo francez
proprios para limpar faca a 200 rs.
Conservas inglezas e francezas
em latas e cm frascos de differentes qualidades.
Presnntos, cnonri^as e palos
o mais novo que ha neste genero a 480. 60 e 720 rs. a libra.
1.atas de iiolacliinlia de soda
de difrerentes qualidades a 1^600 em porcao se far algum abalimento
Tambem vendem-se os sr-guinles gneros ludo recenlempio p!,^^ j
res qualidades, presuntos a 430 rs.a libra, chourica muito nova marmel uWm.l. ? UPie"r"
bncantede Lisboa, maca de tmale, pera secca, pasos, frueta emMld^ .J maiS afamafdo fa"
com amendoascobertas, coneiles, astilhas de variadqaaUdSdeaTrS!anS^nrT"'' fraS?S
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de S. Flix^ manas'fe?5ES*.\Brd,?!uf'ProPri
m. muilo fina, ervilhas francezas,,hampagne das mita "^XAV^toWE
spermacetebaralo, licores francezes muito finos, marrasquino de zara azeitennrp m,r fl!^!> ?'
tonas muuo novas, banha de porco refinada e oulros muito gneros que e^
molhados,por isso prometiera os propietarios venderem por muito menos de?au nniSm,ml
promelem mais tambem servirem aquellas pessoas que mandaren.^POronrat^MoIfiSf1*^''
a v.essem pessoalmenle ; rogara tambera a todos os sanhores, e en4nho e mK. u!!
queiram mandarinas encommendas no arraazem Progresso aue se liulatni^h^J^T'
'> acondiciouamenlo araanQa a Doa ijualidadee
ra do Queimad) a.
46, frente amarella.
Grande e variado sortimenlo de sobre- I
casacase casacas de pannos finos pretos t
o de cores a 283.30J e 35 raesmos pannos pretos e de cores a 28j, g
20J 223 e 25j, ditos de casernira msela- \
dos do superior gosto a 16j e 18$, dilos j
das mesmas caserairas saceos modelo j
inglez 10>, 12j, 14e 15. dilos de al- o
paca preta fina saceos a 43, dilos sobre- a
casa tambem de alpaca a 7t, 8$ e 93, di- S
tos de merino selim a I0J, ditos de me- 3
ri de cordao a 9J, calcas pretas das 5
mesmas fazendas a 53 e 6"j!, colletes pa- 3
ra luto da mesma fazt-nds, pafelots de S
brim trancado a 5g, ditos pardos e de J
fuslo a 43 e 5$, caigas de casernira de s
, cor e pretas a 73, 83, 03 e 10, ditos das 3
|B raesmas caserairas para menino a 63, 73 |
^e 83, ditos de brim para homem a 33,
M 33500. 43 e 53, ditos brancos finos a 53, \
5* 63 e 73, ditos de meia casernira a 43 e
ai 53, colletes de casemiras preta e de co- S
S res a 53, e 63, ditos de gorgurao de seda \
$& brancos e de cores a 53 e 6J, ditos de t
velludo preto e de cores a 93 e 103, ditos '
^ Je brim branco e de cor a33, 3g500 e43, !
ag palilots de panno fino para menino a i
5 153, I63 e I83, ditos de casernira do cor 1
g a 73,83 e 93, ditos de alpaca a 33e33500, g*
j|g sobrecasacas de alpaca tambem pa.-a rae- ^
Og nio a 53 e 63, camisas para os mesmos 3
K de cores c brancas a duzia 153. lu5 e 203,
| raeiascrues c pintadas para menino de tg
12 os mesmos aigStlO e 33," colarinho de li- g
nho a 63000 a duzia, toalhas de linho pa- t
ra mos a 900 rs. caja urna, casaveques M
de eambraia muitu flna e modernos pelo *5>
diminuto preco de 123, chapeos com abas M
de lustre a 53, camisas para homem de *
todas as qualidades, seroulas para ho- fm
, mera a 16*. 20-3 e 253 duzia, vesliraen- SJ
^ tas para menino de 3 a 8 annos, sendo ^
a calca, jaquela e coletes ludo por IO3, co-
8 bertas do fustn a fi. loalhas de linho m
ga para mesa grande a 7-3 e 83, camisas in- 3
fg glezas novimentechegada a 363 a duzia fg
wsKmmm vs&m mzwa'mm
Na fabrica de caldeireiro da, ra Imperial,
junto a fabrica de sabo, e na ra Nova, loja de
ferragens n. 37, ha uraa grande porcao defolhas
de zinco, j preparada para telhados, e pelo di-
minuto jireco de 140 rs. a libra
Vendem-se essencias para tirar nodoas Je
gordura,cera, ele, ele, era panos de lia, sedas,
sem alterar a cor era o tecido : na loja de ca-
bos, no largo do Corpo Sauto n. 21, esquina da
ra do Encantamento.
Alporcas
Cannbras
Callos.
anceres.
Cortaduras.
Dres de cabega.
das costas.
dos membros.
Lnfermidades da cutis
.euigeral.
Ditas do anus.
Erupces e escorbti-
cas.
Fistulasno abdomen.
Fnaldade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva escaldadas.
Inchacoes
Inflammacao doflgado.
Inflammago dabexiga.
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peilos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmes.
Queiraadelas.
Sarna
Supuracoes ptridas
Tiuha, em qualquer par-
te que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.
dasarticulages.
Veias torcidas ou noda-
das as pernas.
Vende-se este ungento no estabecimento
geralde Londres n. 224, Strand. e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do snl, Havana e Hespanha.
Vende-se a800 rs., cada bocetinha contm
urna instrueco era prtuguez para o modo de
fazer uso deste unguento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum.
pharmaceutico, na ra da Crun. 22. em Per-
nambuao.
Relo
gios.
i Vende-se em casa do Johnston Pater i C, ra
' do Vigario n. 3, um bcllosorlimenlo de relogios
ideouro, patente inglez, de um dos mais afa-
mados fabricantes de Liverpool ; tambem urna
, variedade de bonitos trancelins para os mesmos.
; Espirito de vinho com M
graos.
Vande-se espirito de vinho verdadeirocom 44
graos, chegado da Europa, as garrafas ou as ca-
andas na ra larga do Rosario n. 36.
Ra daSenzala Novan. 42
Vende-se em casa de S. P. Jonhston 4 C. va-
quetas de lustre para carros, sellins esilhes in-
glezes, candeeiros e caslicaes bronzeados, lo-
nas inglezas, lio de vela, chicote para carros, e
montana, arreios pera carro de um edous^aval-
".''. c rclogioa i'o.iro patrute in^clcr.rs
lObrasde euroe pralaj
Acha-se a venda por precos commodos ^
um completo sortimenlo chegado de Pa- M
^tjd ns o Porto, de obras de ouro do lei e J
^j pralade todas as qualidades de goslos os jf
p mais modernos e hbilmente fabricadas : ^
g, no estabelocimento de Francisco Gomes M
^y de Mallos Jnior, ra larga do Rosario jg
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitosparacamisas.
Biscoutos.
Eracasa de Arkwight i C, ruada
Cruz n. 61.
Camisas inglezas.
Vinho genuino.
Acaba de chegar deste superior vinho em an-
corelas de 10., que serve at para doentes por
nao ter mistura alguma, e proprio para casas
particulares : na ra do Vigario n. 19, primeiro
andar.
CASA
DE
COMMISSO DE ESCRAVOS
KA
4S Ra Direita45
Este estabelecimento offerecc ao pu-
blico um bello e rico sortimento por
precos convenientes, a saber :
Homem.
Borzeguins- imperins..... lOjjfOOO
Ditos aristocrticos. ...... 9#000
Ditos burguezes........ 7|000
Ditos democrticos...... 6000
Meio borzeguins patente. 6#50O
Sapa toes nobreza....... C$000
Ditos infantes......., 5#000
Ditos de knlia (3 1|2 bateras). C$000
Ditos fragata (sola dupla). 5#000
Sapatos de salto (do tom). C$000
Ditos de petimetre...... 5$000
Ditos bailadnos........ 5jj500
Ditos impermsaveis...... 2$500
Senhora.
Borzeguins primeir classe(sal-
to de quebrar)........sOOO
Ditos de segunda classe (quebra
cambada). ..,...,. 4$800
Ditos todos de merino (salto
dengoso).........4$500
Meninos e meninas.
SapatOes de forca. ...... 4$000
Ditos de arranca........ 5$500
Boizeguins resistencia 4$ e 5$800
LOJA DO Y4P0R.
Grande e variado sorlimento de calcado fran-
cez, roupa feila, miudezas finas e perfumaras,
ludo por menos do que em outras parles : na lo-
ja do vapor na ra Nova n. 7.
SYSTEMA MEDICO DEII0LL0WAY.
PILULAS HOLLWOYA.
1
Estenestimavelespecifico, composto Inteira-
mente de hervas medicinaes, nao contm mercu-
rio, era alguma outra substancia delecteria Be
nigno mais tenra infancia, e a compleicao mais
delicada igualmente prompto o seguro para
dcsarreigar o mal na compleicao mais robusta ;
inteiramente innocente em suas operarles e ef-
feitos; pois busca e remove as doenja3 de qual-
quer especie egro por mais antigs e ienazes
queseam.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, militas que ji estavam as portas da
morte, preservando em seu uso : conseguiram
recobrar a saude e torcas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais auictas nao devem entregar-se a de-
sesperarlo ; facam um competente ensaio dos
eflicazes elleitos desta assombrosa medicina, e
prestes recuperarlo o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
para qnaiquer das seguintes enfermidades :
Accidentes epilpticos. Febreto da especie.
Alporcas.
Ampolas.
Areiasmalde).
Asi lima.
Clicas
Convulses.
Debilidade ou extenua-
c5o.
Debilidade ou falta de
_ torcas para qualquer
cousa.
Dysinteria.
Dor de garganta,
de barriga,
nos rins.
Dureza no vontre.
tnfeimidadesnovcntre.
l>!nsnofigado.
Dtas venreas.
jaqueca
""ysipela.
Jebre biliosas
Kebret internitente.
Gotta.
Ilemorrhoidas.
Hydro pesia.
Ictericia.
Indigestes.
Inflammacoes.
Irr eg u la ridades
menstruaejo.
Lombrigasd'e toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na culis.
Obslruccao de verlre
Pbtysica ou conuu.p
pulmonar.
Retoncao de ouriu
Rheumalismo.
Symptornas secunda-
rios
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo (mal),
geral da?:SA es,8 Pj'ula no estabelecimento
Beral de Londres n. 224, Strand, e na loia o
todos os boticarios droguistas e outras Z
encarregadas de sua venda em toda a Amedca da
Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se asbocetidhas a 800 rs. cada ana
ueiias, coutem urna instrueco em portuguez pa-
ra explicar o modo de se usar deslaspilulas
O doposito geral em casa do Sr. Sou-i
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
namb o- *
Botica.
de
ARMMMDEi^JrWrA
HA M MUlSUIMIlilii Mi
Defronte do becco da Gongregacao letreiro verde.
Casacas de panno prelo a 30g, 35S e
Sobrecasacas de dito dito a
Paletols de panno de cores a 20#, 25,
30j e
Ditos de casernira de cores a 153 e
Ditos de casernira de cores a 7g e
Dilos de alpaca preta golla de velludo a
Ditos do meriD selim preto e de cor
a 8$ e
Ditos de alpaca de cores a 3JJ500 e
Ditos de alpaca preta a 38500, 5. 78 e
Ditos de brim de cores a 3*500,4500 e
i bram!,Dlo de linho brancos a
49500 e
Caigas de casernira preta ede cores a
&o, 10$ e
Dilas de princeza e alpaca de cordao
pretos a
D4500 bdm braaC 6 dG COrM fl 2*500,
Ditas de anga de coros a
1 Ditas de casernira a.
0J000
35S000
35000
228000
1280O
12JOO0
9JJ000
5?009
9-3000
5J000
69000
129000
5S000
59000
39000
54500
Colletes do velludo decores muilo fino a
Dilos de casernira bordados e lisos pre-
tos e de cores a 59, 5*500 e
Ditos de selim preto a
Ditos de casernira a
Ditos de seda branca a 5fle
Ditos de gorgurao de seda a 58 e
Ditos do fuslo brancos e de cores a 38 e
Dilos de brim branco e de cores a 2j> e
Seroulas de linho a
Ditas de algodao a 1*600 e
Camisas de peito de fuslao brancas e de
cores a 2*300 e
Ditas de peito e punhos de linho muilo
finas a
Ditas de madapolo brancas e de cores
a 1*800, 2* o
Dilas de meia a 1* e
Relo os de ouro patente e orlsonlaes
Ditos de prata galvanisados a 25* e
Obras de ouro, aderecos, pulceiras e ro-
s'elas
As verdadeiras camisas inglezas, peito de
nho e pregas lugas a 38 a duzia : na loja
Goes & Bastos na ra do Queimado n. 46.
No armazem de Henry l'orslcr & C, ruado
Trapiche n. 8, vende-se :
Cadeiras americanas.
Pregos americanos.
Agoa florida.
Velas de espermacele de primeira qualidade.
Barato sem igual a 240
o covado.
Uazinhas de cores proprias para vestidos a
doze vileos o covado : em casa de Julio & Con-
rado, ra do Queimado n. 48.
Attenco.

Vendem-se paletols de alpaca prela e de co-
res a 3*. challvs ondiados. fazenda muilo fina a
640 rs. o covado, carabraias do cores a 320 e a
500 rs. a vara, sapatos de borracha a 2*300 o par;
na ra da Cadeia do Recife n. 50 A, loja de Lo-
oes & Miranda.
Palha de carnauba
ullimamenle chegada do Ass,
prego : no largo da Assembla
de Anlunes Guimares &C.
por baratissirao
n. 19, armazem
Milho
10000
6*000
5S000
38500
69000
6*000
3o500
28500
2j500
2*000
2*500
58000
2*500
1S600
*
30*000
novo do Cear, saceos grandes : no largo da As-
sembla n. 19, armazem do Anlunes Guimares
& Companhia.
Farinha de man-
dioc
o
ce
de diversas qualidades, enlre ellas uraa superior
para mesa; no largo da Assembla n. 19 ar-
mazem de Anlunes Guimares &C.
S inleressa s seuhoras.
Chegaram de novo as bellas e despjadas pul-
seirasde coral, finsindo urna cobrioha, encasta-
das em ouro : as lojas de ourives de Seraphim
&. Umuo na ra do Cebug ns. 9 e lt.
Vende-se um cabriolet americano de 4 ro-
das, pintado de novo, sem arreios, e um cavallo
oplimo para sella ; para ver, na cocheira do Can-
dido na ra do Hospicio, e tralar na ra do Quei-
mado n. 65.
Ra larga do Rosario n. 20
segunde andar.
Ncsla casa recebem-se escravos para serem
vendidos por commisso por conta de seus sc-
uhores. Afianca-seo bom tralamento. assim como
as diligencias possiveis para que os'mesmos se-
jam vendidos com promplidao afirn de seus se-
nhores nao soffrerem empate na venda delles.
Nesta casa ha sempre para vender escravos do
differentes idades de ambos os sexos, com habili-
djdes e sem ellas.
Milho superior.
No arraazem de Manoel Joaqun) de Oliveira &
_., em frente a travessa da Madre de Dos, ra
do Codorniz n, 18.
Pechincha em roupa feila por um dos me-
lhores artistas nacionaes, na ra da Imperatriz
n. 60, loja de Gama & Silva : calcas de ganga
franceza muito bera taitas a 28500;" ditas de brim
de linho a 2*500, ditasde dito a 2g, colletes de
varias qualidades, paletols de panno fino sobre-
casacos, dilos saceos, ditos de alpaca preta e so-
brecasacos, assim como roupas grossas para es-
cravos, as ijuaes se vendem muilo era conta.
Grammaticaingle-
za de Ollendorff.
Novo methodopara aprender a lr,
a escrever e a fallar inglez em 6 mezes,
obra inteiramente nova, para uso de
todos os estabelecimentos de instrueco,
pblicos e particulares. Vende-se na
praca de Pedro II (antigo largo do Col-
legio) n. 57, segundo andar.
cobertos e descobertos, pequeos e grandes, de
ouro patente inglez, para homem o senhora,
de um dos melhores fabricantes de Liverpool,
ivndoa pelo ultimo paquete inglez : em casa de
oSuthall Melior & C*
Sebo e graixa.
Sebo coaita e graixa em bexigas : no armazem
de lassn Irmaos, no caes de Apollo.
Vende se a melhor taberna do pateo do Ter-
reo n. 21, por ter muitos commodos para familia
e ser urna taberna boa para a Ierra e malo ; tam-
Bartholomeu Francisco de Souza, ra larga
do Rosario n. 36, vende os seguinte medica-
mentos :
Rob L'Affecteur.
Pilulas contrasez5es.
Ditas vegelaes.
Salsaparrilha Bristol.
Dita Sands.
Vermfugo inglez.
Xarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febreal.
Ungento Hollowav.
Pilulas do dito.
Elliiiranli-asmathico.
121ibrasde bCa I,rga Cm roIhas do s 0D5" c
Assim como tem um grande sortimenfo de pi
pe para forro de sala, o qual vende a modicc
pre. o
Vendem-se libras sterlinas, em
casa de If. O. Bieber & C. : ra da Ciu'
4-.
|flCBd 40ir.l9i55C3UfO)iOiOS3iCSi^
3
Seguro contra Fogo '
COMFAUHIA
LONCHES
AGENTES
J. Astley & Companhia.
Yeode-sev |
i
Formas de ferro
purgar assucar.
Enchadas de ferro.
Ferro sueco.
Ac de Trieste.
Estanho em barra.
I Pregos de composico.
Brim de vela.
Agurdente de Franca,
para
J
I
I
I
Palhinha para marcineiro:f
no armazem de C. J. As-S
|Ugr_3C. ._______j
Vende-se urna preta escescrava com urna
cria, esla de idade oilo annos e aquelle de rinte
picio n. z, aas 3 horas da larde sm diaale.
^7

JLEGVEL


DIAUIO DE PERMAMBUCQ. QUINTA FEIRA 23 DE AGOSTO DI SO.i
DE
Sita na ra Imperial n 118 e 120 justo a fabrica de salo.
DE
DELICIOSAS ElJNfALLIVElS.
A
00
GRANDE ARMAZEM
SWiV
W4
Pastilhas vegetaes de Kemp s5s
coutra aslombrigas 'SU
approvadas pela Exm.' inspeccao de esludo de =^?
Habana e por muilas outras juncias de hygiene Jyf
Sebastiao J. da Sitoa dirigida por Francisco Beluiiro da Costa.
Neste estabelecimento ha sempre promptos alambiques de cobre de dilTerentcs dimencoes
(de 300 a 3:000j>) simples e dobrados.para destilar agurdenle, aparelhos destilatorios continog
para restilar e destilar espiritos com graduaco at 40 graos (pela graduaco de Sellon Cartier) dos ..
melhores syslemas hoje approvados e conhecidos nesta e outras provincias do imparto, bombas publica dos Esladus Unidos e raais naizes da V-'Sf
de todas as dimencoes, asperanles e de repucho tanto de cobre como de bronze e ferro, torneiras I ,M -" umwm e mais paizes da A- | 3j3jg|
de brome deiodas as diniencese feitios para alambiques, tanques etc., parafusos de bronze e
ferro para rodas d'agua,portas para fornalhas ecrivos de ferro, tubos de cobre e chumbo de todas
as dimencoes para encmenlos, camas de ferro comarmaco e sem ella, fugues de ferro potaveis e
econmicos, lachas e tachos de cobre, fundos de alambiques, passadeicas, espuraadeiras, cocos
para engenho, folha de Flandres, chumbo em lencole barra, zinco em lencol e barra, lsn^es e
arroellas de cobre, lences de ferro o latao,ferro suecia inglezde todas as diranses, safras, tornos
e folies para ferreiros etc., e oulros muitosartigos por menos preco do que em oulra qualquer
parle, desempenhando se toda e qualquer encommenda com presteza e perfeico j conhecida
c para coramodidade dos freguezes que se dignarem honrarem-nos com a sua confianea, acha-
o na ra Nova n. 37 loja de ferrageus pessoa habilitada para tomar nota das encommendas.
SNSSS
ff>SXS

Seus proprietarios offerecem a seus numerosos freguezes e ao publico em geral, toda e
qualquer obra manufacturada era scu reconhecido estabelecimento a saber: machinas de vapor de
todos ostamanhos, rodas d'agua para engenhos todas de ferro ou para cubos de madeira, moen-
das c meias moeudas, tachaste ferro batido e fundido de todos os lmannos, guindastes, guin-
chos e bombas, rodas, rodetes, aguilhes e boceas para fornalha, machinas para amassar man-
dioca e para doscarocac algodao, prencas para mandioca e oleo de ricini, portos gradara, co-
lumnas e moinlios de vento, arados, cultivaJoJes, pontes, -aldeiras e tanques, boias, alvarengas.
Lotes e lodas as obras de machinismo. Executa-se qualquer obra seja qual fdr sua natureza pelos
.; i belecimento ua ra do Brum n. 28 A e na ra do Collegio hoje do Imperador n. 05moradia do cai-
x.e:ro do estabelecimento Jos Joaquim da Costa l'ereira, com quem os nretendentes se podem
c -tender para qualquer obra.
Fazendasporbaixos procos
Ra do Queimado, loja
de 4 portas n. 10.
Ainda reslam juinas fazendas para concluir
a liquidac.o da firma de Leile se vendem por diminuto preco, sendo entre ou-
tras as seguintes:
ChiUS de cores escuras e claras, o covado
al60rs.
Ditas largas, francezas, linas, a 240 e 260.
Riseados franeczesde cores xas a 200 rs.
Cassasde cores, bons padrees, a 240.
Drim de linho de quadros, covado, a 160 rs.
Brirc trancado branco de linho muitobom, va-
a 15000.
G irles de calca de raeia casemlra a 2<.
Ditos de dita de casemira de cores a 5J.
Panno prelo fino a 3 e 4#.
Meias de cores, finas, para homem, duzia.
600.
Gravatas de seda de cores e prctas a l;).
Meias brancas finas para senhora a 3J.
Ditas ditas muito finas a 4$.
Ditas cruas finas para homo- *$
Cortes de colletesde -ourao de seda a 2?.
Cambraialisa fin- 'ransparente, pega, a 4.
-oda pre- '<""ra 0>-cS de vestido de seda preta lavrada a 16?
Lencos de chita a 100 rs.
La Ju quadros para vestido, covado, a 560.
Feitospara camisa, um, 320.
Chitafraaceza moderna, ngindo seda, covada
ie 400 rs.
ntremelos bordados a 200 rs.
Camisetas para senhora a 640 rs.
Ditas bordadas finas a 2j500.
Toalhas de linho para mesa a 2j; e 4jJ.
Camisas de meia, urna 640 rs.
Lenepg de seda para pescoco de senhera
Vestidos braceos bordados para baplisar crian i
r-s a 5c000.
Coitos decalca do casemira prela a 6JS.
Chales de merino com franja de seda a 5$.
Cortes de calca de riscado do quadros a 600 rs. i
Merino verde para vestido de montara, cova-
do. 1*280.
Lencos brancos de cambraia, a duzia, 2JJ.
CAL DE LISBOA,
"n c muito beni acondicionada : na ra d3 Ca-
deia do Reciten. 38, primeiro andar.
Ferros de en-
gommar
econmicos
a 5#000.
Esles magnficos fer-
ros acham-se a venda
no armazem de fazen-
das de Raymundo Car-
los Lcite & Irmo, ra
da Imperalriz n. 10.
As melhores machinas de coser dos raais
ajamados autores de New-York, I.
M. Singer & G. e Wbeeler & Wtlson.
Neste estabeleci-
mento vendem-se as
machinas destes dous
r&aulores, mostram-se a
" qualquer hora do dia ou
di noe, e responsabili-
samo-nos por sua boa
qualidade e soguranoa :
no armazem de fazendas
do Raymundo Carlos
Loite & Irm.os ra da
" lu> anligamente ale-'- J- *>oa-
Ra Nova n. 47, junto a igreja da Con-
ceicao dos Militares.
Acha-sena dheceao da officinadeste acreditado armazem o hbil
o puramente vegetaes, agrada-! ^ aJtlsta ^ancco de Assis Avellar, antigo contra-mestre do fallecido Ifg
es ao paladar, sao o remedio *""* Jse Ferreira. O respeitavel publico continuara' a encon- Hs
causara gs r?r em d,to armazem um grande e vanado sortimento de roupas W?
SaW \?lta*> como sejam: casacas, sobrecasacas, fraques, paletots de panno w/
Admirareis remedios
americanos,
Todas as casa3 de fam'lia, senhores de enge-
nho, fazendeiros, etc., devem estar prevenios
com estes remedios. Sao tres medicamentos com
os quaes se cura eficazmente as principies mo-
lestias.
Prompto alivio de Radway.
Instantneamente alivia as inais acerbas dores
e cura os peiores casos de rheumatismo, dor de
cacQ*, nevralgia.diarrha, cmaras, clicas, bi-
lis, indigesto, crup, dores nos ossos, contusoes,
queimadura, crupres cutneas, angina, reteb-
ao de ourina, etc., etc.
SoJutivo renovador.
Cura lodas as enfermidades escrophulosas.cl.ro-
nicas esyp hllicas; resolve os depsitos de maos
aa;
s.vene-
s-
JS,
ees,
as
mnlheies, hiporondria, venreo, etc.
Pilulas reguladoras d TU.l
sinho meu disse que as pastilhas de Kemp ti-1 S a 8uarda nacionaI da capital e do interior. g^g way
nharn curado suafilba. Logo que soube disso 3^ Apromptam-se becas para desembargadores, lentes, juizes de di- f|ps para rcsularisar esterna, equilibrar a crcuia-
comprei 2 vid ros depastillias e com ellas salvei a 1 S^ re,to municipaes e promotores, e vestidos para montana. Naoapra- f^ 5* do sa"2IU^ inteiramenle vegetaes favoraveis
vida de meu lilho. ^ dando ao comprador algumas das roupas eitas se apromptai ao ou- ^ Cm 'dos os casos nunca occasion8 nauzeas ne
" ?<^ dreS dc VCDlre- dses do 1 a 3 regularisac;, de 4
m. listas pilulas .-ao efficazes as aflec-
merica.
Garantidas com
daveis vista, duces
infallivel contra as lombrigas. Nao
nauseas, nem sensacoes debilitantes.
Sou de Vmcs. seu amo agradecido.
W. T. Floyr.
Preparadas no seu laboratorio n. H6 Gold
Streel pelos unicosproprietarios D. Lanman e, i&!
Kemp, droguistas por 8lacado em New York.
Acham-se venda em todas as boticas das'
urincipaes ciJadesdo imperio.
DEPSITOS
Rio de Janeiro na ra da Alfcndega n. 89.
Baha, Germano* C, ra Juliao n. 2.
Pernambuco, no armazem dedrogas de J. Suum!
& Companhia ra do Cruz n. 22.
Yinho de Bordeaux. !
Em casa de Kalkmann Irmaos&C, ra da
Cruz n. 10. encontra-se o deposito das be ni co-
cheadas marca dos Srs. Brandenburg Frres.
e dos Srs. Oldekop Marcilhac SC, em Bor
deaux. Tem as seguinles qualidades :
De Braudeiiburg frres.
St. Estph.
St. Julien.
Margaux.
Larose.
Chateau Loville.
Cluiteau Margaux.
De Oldekop & Mareilhac.
SI, Julien.
g^g tras a scu gosto, qur com fazenda sua ou do armazem para o que
s^g tem escollados e babeis officiaes, dando-setoda e qualquer roupa no ^ '!-, l
^f dia convencionado. M H P gg. | \ocs? GSedo< bll.,s. dr de cabeca, ictericia, in-
mmmwm mmmmmmmmmwmmmmmwwMm&mm
Progresso na cidade da Victoria
DE
Francisco Xaxier de Salles Cavalcanle de Almeida
NO
H|g-j digeslao, e era lodas a3 enfermidades das aiu-
" saber: irregularidades, fluxo, n: q-
brancas, obstruci;6es, histerismo, etc.,
sao do mais prompto effeilo na escarlatina, febre
biliosa, febre amarella. c em todas as febles as-
ignas.
Esles tres importantes medicanientos .
H companhados de instrucroes impressas que mos-
^ I tram com a naioi miuuciosidade a maneira de
applica los em qualquer enfermidade. Eslio ga-
rantidos dc falsificaoo por s haver venda no
armazem de fazendas de Raymundo Carlos l.iie
& lrmo, na ra da Inperalriz n. 10. nicos
agentes em Pernambuco.
vem a-
Pateo Aa Feira.
Escravos fgidos.
Imn-"
1 1!
LOW-MOW
Ra da Scnzala Nova n. 42.
Neste estabelecimento continua a haver um
comapletosortimento de moendas e meias moen
das para ea^enho, bmcIhbm. de vapore taixa
de ferro balido e coado. de todos ostamanhos
para dt
St. Julien Mdoc
Chat'" i.4vriife.
Na mesma
vender :
Sherry em barris.
Madeira em barris.
rSSJs Cm--^I[S quadade fina.
Cerveia branca.
casa ha para
lutLHof-
0 propietario deste estabelecimento, como se acha com um grande o completo sorii-
mento, tendente a molhados, erragens e miudezas convida portento a todos os moradores
desta cidade da Victoria, senhores de engenho e lavradores queiram mandar suas
encommendas no Progresso do pateo da Feira, pois s ahi enconlraro o hom e barsio,
visto o propietario estar resolvidoa vender, tanto em grosso, como a retalho, por menos
do que era outra qualquer parle como sejam :
Latas de marmelada de 1 2 libras a 1400, frascos com differenles qualidades de doce i
i por 2#000, latas de soda contendo nove qualidades o 2000, azeilonas rauilo novas. 1
5g paisas de ditas, vinho de lodas as qualidades de 500 a 2;>000 rs. a garrafa, licores |
H francezes de lodas as qualidades, champanhe, conhaque de dilas, lou^a fina, azul,pinlaJa, |
H e branca de lodos os padroes, ameixas era compateiras e em latas a ltfOOO "'. a libra, gi I "" ^^ ,em os sgrraes seguinles : cabra, alio.
g latasdepeixede post por 2000rs., banha de porco refinada, araruia, atias, bolachi- P:i I f?"? icoJrpo,.ca.bcllos "rapir.hos, peroas um
g nha inglesa, biscoitinho, e outras mais qualidades de massas finos, massa de tomate era
I latas e a retalho, letria, maenrrao, lalharim a 800 a libra, verdadeira gomma de ararula,
insenso de todas as qualidades, espiritov de cravo, canella, e alazema, verdadeiros peines
a imperalrs, e de tartaruga de 9;>000 a otfCOO cada um, tranca e franjade seda, fe-
chadoras de broca, pregos em quantidade de todos os taraanhos e qualidades e oulros
muitos objeclos que por se tornar enfadonho deixa de os mencionar,
o0,000 rs. de gra-
icaco.
Na noile de 6 do correnlc fugo um estravo do
fr. Joao da Silva rtamos, de sua casa d roa Nc-

Potassa nacional ..'Taohoa ciuoeiidas
Naruado Vigarion. 9, primeiro andar, vende I ^*"^p Ult#17UltltS
Na ra do \ igano n. 9, primeiro andar, vende
se minio superior potassa, chegada ha poucos
das do Rio de Janeiro, em barris dc 4 arrobas e
a preco mu-.ocommodo.
Parahyba.
Vende-se o engenho Torrinba distan-
' tedtsta cidade duas leguas por tena,
Relogies
nissos
tem terreno para dous mil paes oor au-
no e baa casa de vivenda assobradada
loas obras, tem embarque no porto dis-
tante do engenho 1|2 quaito de legua
do rio Parahyba eem menos de 5 horas
se vem a cidade; quem o pretender di-
I rija se a Joao, Jos de Aledeiros Correia
& C que dir' (juera o vende.
Em casa de N. O. ftieer C,
successores, ra da Cruz n. -i-, vende-se
Vinho Xerez em barris.
Cfiampanba em canas de 1 duzia da
acreditada marca Barre & C-, vinho
de superior qualidade.
Conhac em caixas de i duzia.
J..,.. Rodrigues hN *e MCE! ?:nmoda"suCcmca:,a5de Ac de Miao
GRASBE SORTIMENTO
DE
Fazendas e roupa eia
NA LOJA E ARMAEM
PE
Braga Silva & C.tem sempre no seu deposito
da ra da Moeda n. 3 A,um grande ortimento
de tachase moendas para engenho, do muito
acreditado fabricante Edwin Maw a tratar no
ruesmo de osito ou na ra do Trapiche n 4.
NICA VERDADEIRA E LEGI
TIMA.
#?K^
SALSA BARR1LIIA
Tiemedio sem igual, sendo reconhecidos pelos
PILULAS VEGETAES
ASSLCARADAS
NEW-YORK
O MELIIOH REMEDIO COMIECIDO
lano selladas, e alguma cousa abortas, ps gran-
; des egrossos, dedos dos pes um pouco 8bellos,
1 com lodos os denles da frente, sem cicahues de
1 chicle, roslo comprido, cabeca secca, ulhos r<
guiare, a barba comeca a despontar, ii.
25 annos, ponco mais ou menos, ladino, aiffo
de baiano e fumador ; este cabra foi csrravo do
Sr. Simplicio Caval.anli de AIbii(|iif<[iie, do
Buique, donde fugira para esta cidade, sonda
serilou prrano corpo de polica com o non
Jos Francisco de Aasia, leudo denois daJo baila
cm morco do emente atino por se haver prvi-
do sua escravidao, foi vendido ao Dr Ramos
quem eslava strvindo de boleeiro : qU(
achnr, pode enlrega-lo na ra Nova, no i.rimeiro
andar por cima ua corhera do Adulpho, e eolio
recebera a promcitida gralilkaro.
Fugio no dia 19 de junho'proximo passado,
do engenho Bom Surcesso do termo do Sf-i-
nliaem, o cscravo Daniel, prelo fula, crioulo, n
idade 0 annos, pouco mais ou menos. aHo, sec-
co, bera espigado, cabeea pequea, feQes n g 1-
larcs, hem foilo de corpo. p c maos sccc e
Dom tenas, tslc cscravo procurou ao Sr. I> \.
Buletrou, rendeiro do engeiibo S. Joao do' Cabo'
para o comprar, c nao querendo o dono ven le-
lo, rr.andou busca lo, e na chocada dos portado-
res, o escravo desappareceu ; jnlga-se que an-
dar o dilo escravo as vsinhancas da villa do
Cabo, ou do mesmo engenho S. Joao. ou do ec-
genho Barbalho, onde leni muitos conhecidos
pois que frecuentara esses lugares qnando oi do
6r. Jos Xavier da Rocha Wauderlcy hoje mo-
rador no engenho Serrara : Pede-so as autori-
dades do poli.'iado toimo lo Cali a captura 1 1 -
lo escravo, e aoscapitaes de campo ou qual
pessoa que oconheca, de pega-lo e levar oi 1 .
gdnho Serrinha deSeiinhaenia seu senhor Fran-
cisco Manoel Wanderley Lias, .> nc-sla cidade
?o Sr. Manoel Alvea Feneira, na rea
febres biliosa?, clicas, xndigestes Ainda conlinu
RA DO QUEIMADO N. 39
E.M SHA LOJA LE QC1TR0 TOiriAS.
Tem um completo sortimento de roupa feila,
Em casa de Schaeillin & C, ruada Cruz n.
o?, vende-se um grande e variado sortimento de
relogtos de algiheira horisonlae*. patentes, chro-!
iiomctros, meios clironometros, d ouro, prala conviaa a loJos os scus freguezes e lodas as
dourada efolhoadosa ouro, sendo estes relogios' perseas que desejarem ler um sobrecasaco bem
a ispnmeiros fabricantes da Suissa, que se vea- feito, ou urna calra ou collele, de dir"irem-se a
Brilhantec de todos os taanhos.
HELOGIOS.
enxaq ecas.
Hemorrhoidas, diarrhta, dotnens da
mdicos, os mais mnenles como remedio infal-' Pe"e> ""uproes.e todas as enfcrmid'adcs,
livel para curar escroplu as, cancros, rheumalis- I ^o'-EMENrics do estado impero do sangce.
mo, enfermidades do figado, dyspepsia, debilida- 7'0u0 cafxa de='e remedio consommera-se Sobral (Cear) para onde"suppoc-se"Ver se-'u'j j i
i dade geral, febre biliosa e intermitiente, enfer- annualmenlel j porianio, roga-se aos capiaes de campo, "s su-
midades resultantes do emprego de mercurio, i a_ Remedio _da natureza [ JJ'ufffPj'*? 1n,M"sr Peawa que o possi
a a oslar fgido o escravo Je
nomo Lesario, idade dc 20 e lanos annos pou-o
mais ou menos, eslalura mediana e reforcado.
bons denles e hr. ads. PftDra escuro, qoasi -
gro, barba na pon'a do queixo, ollios averme-
tjiados, pernas um ponen arqueadas, Gibo da
deraonor precos razoaveis.
Allenco
Vende-se emeass de Saunders Brothers &
este estabelecimento que enconlraro"ura hbil, c-.P"ca do Corpo Santo, relogios do afama
ulceras e enir-jes que resuliam da impureza do
sangue.
CAUTELA.
D. T. Lanman & Kemp, droguistas por a
cado New York, aegam-se obrigados a prevenir
o resdeilavel publico para desconfiar de algumas
Approvado pela faleudade de medici
apprehcndcr, levem-o sua senhora, no caos do
auisia, cliegado uliimamenle de Lisboa, para do fabricante Roskell> Por precos commodos, jtenues imitaoes da Salsa Pairilha de Bristol,
desempenhar as obras a vonlade dos freguezes. ^ t9mbem'.rancRllins e cadeias paraos mesmos, que boje se vende neste imperio, declarando a'
ra/;estao bem acondicionadas emTafxas'deoii -^ r-U?-.defronl da ma,riz '
Vende se na ra da Cruz n. 48, urna IJ .tem um grande sonimento de paliiots de ca-1 deeicellenle gosto.
divida julgada por sentenQa, o devedor ^emira cor de raI) e outros escuros, que se ven-
dizem que tem lojacmnome de outro' a '^ oulros de casemira de quadrinhos
na ra da Lnperatriz, cujo devedor f mai.8 Cna *)ue ba raerca,io a Ifi ditos
chama-se Antonio Jos de Azevedo, l.1"^ ".">. di.os de alpaka mui.o
sera seguido.
Na ra do Queimado n. 55 de
fronte do sobrado novo,
ja de miudezas de Jos
Azevedo Maia e
fina a 63>, ditos francezes sobrecasacados a t2S>y
ditos de panno fino a 20, 255, e 30, sobre-
casacas francezas muito bem feilas a 35*, cal-
eas feilas da mais fina casemira a 10, ditas de
todos que sao ellesos unicosproprietarios da re-
| i t |ce''ta do Dr.Brisiol,tendo-lhe comprado no an-
Loja das seis portas m\m^z^ml.mmm^mm
, direilo de fabricar a salsa parrilhadeDrisiol, por-
jque o segredo de sua preparado acba-se somen-
j te em poder dos referidos Lanman & Kemp.
Roupa feila barata, ?ara evilar engaos com desaprecia veis combi-
Paletols saceos de casemira escura a 4tf, ditos naoes de drogas pernicio-as.as pessoas que qui-
zerera comprar o verdadeiro devem bem observar
lenle do Livrameiio.
os seguintes signaes, sem os quaes qualquer ou-
tra preparacao falsa;
QnvT"*^ sorlim,enl0 de saPal0B de laPe'e de goslo"muito I cores, colfeieV'de VeUud o^e'sedVuinMmple- J* nvollorio de fora esl gravado de um la-
SUVd, ICIDj apurado a 239, ditos de borradla a 2500, cha- I J ortimento de roupa feila, qne vende-se por do sob urna chapa de a;o, trazendo ao p as se-
para Vender OS Seguintes !Posdecas'rroiilosuperiores a 16, ditos de se-1 ?"
para resguardar-se da bumidade.
Sao agradaveis ao paladar, seguras e efficazes
I odro, de uaoao, que reprsenla lor 40 s
eslalura regular, magro, no queixo com lguni
baib?, com fa'.las de dous denlos, de um lado da
irle dc cima ; levou chapeo de fellro usado
era sua operacao, ura remedio poderoso para a S-., S-. n,
Juvemude, puberdade e velhice. P i ft &Ptf J {RES^. {KT
Lea-se ofolhelo que acompanba cada caixa, 'falla muilo explicado.
artigOS lblXO declarados : -'dS m?lh.ore.Slue.vjndoaoraerc.doalOf
Caixas de agulhas francezas a 120 rs.
Snalos de tranca de algodao a 1*200.
Ditts de 15a a 1600.
CarlOesdealfineles 1103 a 100 rs.
Lspelhos de columnas, madeira branca, a 1S400.
Ditos dte de Jacaranda a K600-
Phosphoros em caixas de folha a'120 rs. V preco commodo, camisas bordadas que
Frascos de macass perola, a 200 rs.
Facas e garfos muito liaos, duzia 3*500.
Carioes dc clcheles do superior qualidade.
0 rs. '
Caixas colchles batidos, a 60 rs.
C.iixa de obreias muilo novas, a 40 rs. 3*500, ditas muito finas _
Frascos de oleo de babosa mj'ilo fino, a 600 rs reslinho de chales de toqui
Soo"OS P"a faZCr Cabel' COrtedio> a i^1^5,^^ ^ cores muito lindaVesupeio-
serve
a
Loja das seis portas em
freiile do Livramenlo.
ditos de sol. inglezes a 105>, ditos muitos bons a
1255, ditos francezes a 85, ditos grandes de pan-
no a 43?, um completo sonimento de gollinhas e
^manguilos, liras bordadas, e entre meios muito
proprio para collerinhos de meninos e Iravessei-
Covado a 200 rs.
rvem para baiisado de enancas e para pass'eio Chilas francezas largas de bonitos gostos a 200
85. 10 e 125, ricos lencos de cambraia de u2hS:** ^" !itbea a imila^
a linho bordados para senhoras! ditos lisos \tSttt:^?&.X^&
hornera por prero commodo, saias bordad
guintes palavras :
i). T. LANMAM & KEMP
SOL AGEKTS
N. 69 WATER STREET.
Ne\v-\ork.
2' O mesmo do outro lado tm um rotulo em
papel azul claro cem a firma e rubrica dos pro-
prietarios.
3o Sobre a rolha acha-se o retralo e firma
pelo qual se ficar conbecendo as
milagrosas que lem effect
& Kemp, droguistas po
sao os nicos fabricantes e proprietarios.
Acham-se venda em todas as boticas das
priucipaes cidades do imperio,
DEPSITOS.
Rio de Janeiro, na ra Alfandega n. 89,
Baha, Germano & C. ra Juliao n. 2.
Pernambuco, no armazem de drogas dc J. Soum
& C. ra da Cruz n. 22.
r.4*
cscravo
arrr> a-
om Apipucos nos arrabaldes do silio do lllm. Sr.
lenle coronol Carnoiro Monleiro ; nijor Mal,
e deposilario Ferreira, onde o mesmo eenhor pas-
sou a festa, e consla ullimamenlo que mudou-se
para o dislriclo do engenhe Paulisla adianto da
cidade de Oiinda o anda no luger chamado Quar-
j leis, que en culro lempo fui aquarlellammlo Ce
i Iropas, e consla que e froguez da laberna da Ma-
| rqiiiiihas, que vem*e muiloDoa agurdenlo acu-
de ello faz venda de guitarra para fazer balaios
Sapatos de 15a para crianzas, a 200 rs.
Pares de meias cruas para meniuos, a 160 rs.
Pares de luvas de cores fio de Escossia, a
j20 rs.
Pares de meias para meninos, a 240.
Magos de grampos muito bons a 40 rs.
Agulhoiros de marflm a 160 rs.
Caivetes dc aparar pennas a 100 rs.
Grvalas de seda muilo finas, a 600 rs.
riiesouras de costura mullo finas, a 500 rs.
Ditos para unhas dem, a 500 rs.
Franja de laa para vestidos, peca a IJJOOO.
Macos de tranca de laa muito fina, a 500 rs.
a laooo a par*enfeit0 de ?eslidos> pesa
Vende-se nma carlera de louro, nova e in-
SS?.'d Sitos.0 d TerS0 D' 23 defr00,e da
res qualidades a 1005, que ja se venderra a
150Jf, capotinhos pretos e manteletes prelosde
noile.
Velas perfeitasa
ricos goslos a 20 255 e 305, os mais superio- Vendem-se caixas'com espermacele a 620 a
res chales de casemira estampados, muilo finos, a libra, e a re.alho a 640: niTavTssa do k&do
89 e a 10J, toalhas de linho de vara e tres quar- i Para>*o 16, casa pintada de amarello.
las, adamascadas, muito superiores a 55, ditas ~c.Vendese a C8sa terrea com sotao na ra
ffiarTr ,nh0 3 Ch,,aS fr8nCeZ8S H^Sm i"-? excer.en"eenpredmle
K1^ lanl e6CUra8 COra C,8f88 a P8,a qua,quer el.belecmento qne S queira ; a
W, 80, 320, 400 e 440 rs. o covado, ricas i fa"'?,r com Lima (genio da Parahiba) no Forte
caserarasparacal$a,colleles e paliiots a 45 o co- !"}tot' que lem os competentes poderes de
s&s r sor,imM'de """ "iM-' i ssaasfa- *> ..,...
?!"'.*. vende.Pr preco barato, e que nao;'"dade Joo Fernandes Vieira, perlo do Man-
possivel aquise poder mencionar nem aquarta
pane dellas, no entanto os freguezes chegando e
querendo comprar nao rao sem fazenda.
guinho, lera muito bom capim para se vender, e
manda-se levara quem quizer : no mesmo sitio
lera um capado muito gordo e grande para se
, tender. r
presente annuncio.
DEPSITOS.
Rio de Janeiro ra da Alfandega n. 89.
Bahia Germano* C. ra Juliao n. 2.
Pernambuco no armazem de drogas de J. Soum,
C, ra da Cruz n 22.
Luvas de Jouvin.
Na fabrica dn chapeos de sol da ru3 Nova, es-
quina da r.amboa do Carmo, receneu-se pelo ul-
timo vapor francez um sortimento de luvas de
pellica da bem conhecida fabrica de Jouvin &
companhia.
Vendem-se carneiros gordos e baratos: na
ra do Coloveo, padaria do Ico do norle.
Vendem-se 42 accoes da Caixa Filial: na
ra Direita n. 66. escriplorio de Francisco Ma-
linas Pereira da Costa.
endem-se duas grandes carrocas de duas I para seu sustento pede-se s autoridades poli-
rodas, muilo fortes toda de sicupira, sao novas f'acs, corpo de pedestres c capilaes de campo a
propnasde engenho e para o que forara feilas e captura do mencionado cscravo, levando men-
quaesquer oulros servicos por pesados que se- cionada padaria ou ao seu senhor Joaqun, d i
jam, Irabalham com urna ou mais juntas de bois, Silva Lopes, no Recife, Iravessa da Madre c
carregam muilo bem 25 a 30 saceos com assu- Dos n. 18, que ser generosamcnle gratificado
car, ptimas al para a estacao das Cinco Ponas Ala
conduzrem para o Itecifo nS assucares de ah : A I I PtlOlO
quem as pretender dirija-se ao paleo do Terco' iavivu^UVc
n. 27 segundo andar, qUe se fara negocio. | Fugio desde o dia 13 do correnle mez o escravo
i 7~a o i'se uma ca'deira de ferro balido com Luiz com os signaos seguinles : ciioulo, cor fu-
< i|- a palmos de bocea com canno e torneira, la, alio o bem feito de corpo, gago bastante c
juntamente 2 resfnadores proprios para alguma.' lem o dedo rainimodo p cortado, nalural do.
pessoa que queira bolar fra desta provincia al- I sertiio do Cear : quem o pegar, leve-o a sou so-
guma fabrica de sabao era ponto pequeo ; ad-.' nhor na ra Direita n. 112, ou na ra de Apollo
verte-se que ludo ainda est em perfeto estado : n. 43, armazem de assucur, que ser: recompen-
sado.
No dia 12 do correnlc fugio da padaria da
ra das Cinco Ponas defronle da matriz nova da
freguezia de S. Jos, o prelo Pedro, de naeao,
que representa ler 40 annos, eslalura repula/,
magro, barba no queixo com alguns cabelles
brancos, com falla de dous denles de um lado
da parte de cima ; levou chapeo de feltro usado
copa baixa, palelot de brim escuro, calca dr ca-
semira branca usada, falla muilo explicado. Esle
escravo foi arremalado em 21 de jullio, oni prr
ca publica pelo lllm. Sr. juiz dos feiics da fazen-
da interino, por execu^o contra o senhor do en-
genho Paulista, a quem pertencia o dito cscravo ;
consta que lem andado em Apipucos nos arra-
baldes dos sitios do lllm. Sr. tenente coronol
Carneiro Monleiro, ou major Maia, ou no sitio do
lllm. Sr. deposilario Ferreira, aonde passou a
fesla. Pedc-sc s autoridades policiaes corpo de
pedestres e capilaes de campo a caplura do men-
cionado escravo, levando-o mencionada pada-
ria ou a seu seu senhor Joaquim da Silva Lopes
na Iravessa da Madre de Dos n. 18.
quem pretender, dirija-se a ra do Brum n. 44,
a tralar com Francisco Jos de Alcncar.
A4#000rs.
Prelo de Lisboa novo ; na ra do Vigario n.
19, primeiro andar.
45
Borzeguins
- Ra Direita -
6,000.
45
de
mo-
Nova remessa de borzeguins
cratas puros, pequea.
Na serrara de Jos Ignacio Arilla, na ra
nova de Santa Rita, ha 100 eixos de sicupira para
vender, proprios para embarcar para fra do im-
perio ; tambom ha uma porco grande de enxa-
raeis de qualidade de 22 a 26 palmos, proprios
para travejar ou cobeita de caso.
MUTILADO


ra
Litteratura.
DIARIO DE FERNAMBCO. = QUINTA PElftA 23 DE AGOSTO DE 1860.
A insurreico siciliana de 1848.
O signal da insurrelgo foi dado rm Palermo a
... a"!'r?.(lc i8*8 relocapino siciliano La-
lugar-tenenles de
masa, hojo
.-..quoaa po
lualro baluartes. No dia seguiuto cIiprou aos
i urgentes um reforc do 6,000 campouezes dos
lores No quarto da, porm, vio se desem-
rcar .i.OjO liomcns expedidos do aples a to-
apressa sob as ordens do general Saugel.
lies vioha o conde 'Aqwila, irmo do rei.
ndo quatro decrelos que reformaran! a ad-l
rocao da Sicilia. O principe e os decrelos
i poderam acalmar os espihtos. e a insurre-i
Co coiilinupu a eslender-se. Entretanto a cida-!
a< era lulmmada por um bombardeamenlo con-I
i.nuo, apezar das instantes reelamaces dos con- '
sutes de lodas as potencias. A
so por alguns das
| lar a consliluigt fundada sob seus auspicios. A
constituicao fra simplesmente para elja u
medida passageiro, urna arma do momen'J para
separar a Sicilia de aples e subir*'-!" a do-
miDaco franceza, com a segund lengo, talvez,
de se apropriar da ilha sob lrma de protecto-
rado, o que era enlio mu provavel.
Tal era a constiluigo de 1812, restabelerida
pela insurreico italiana de 1818, no reinado de
Fernando II, principe desptico, por principio e
profundamente persuadido de que todo o direito
do deliberarlo concedido aos subditos, e toda a
instituirao liberal a ruina dos thronos e da so-
riedade. Ello s promellia concessoes Sicilia
na esperanza de revoga-!as, quando a insurrei-
co fosse vencida mais larde. O parlamento foi,
pois, convocado. Todo o eleilor era elegivel, o
censo descera OOjjOOO rs. ( 225 frs.), e dava-se
aos eleilores censuarios o que cm linguagem
parlamentar chamamos capacidade. Constando
a cmara dos pares de nobres, o espirito aristo-
crtico achou- se dentro era pouco em luta com o
solutos recUmiram em alias vozes reformas, us-
tiluices livres. Urna circunstancia veio exaliar
mais os espiritos.
O governo austraco, que sempre tere por prin-
cio oppor-so qualqucr reforma poltica na Ita-
lia, mandou oceupar repentinamente a cidade de
Ferrara pelo general Anesperg, para vigiar ou
conter em caso de necessidade -os poros da Ro-
magne, exaltados pelas concessoes liberaos de
Pi IX.
O caldeal Fcrreli, um dos ministros de Po IX
e seu prente, publicou logo, a 17 de julho de
1847 um protesto enrgico contra essa oceupacao,
quaficada de acto brutal e contraria aos tra-
tados.
O protesto pontifical causou na Italia urna sen-
saclo immensa. Era a primeira palavra que se
ouvi lia tantos annos, contra a dominacao aus-
traca, o essa palavra vinha de um cardeal, de
um ministro do Papa. Tde-se dizer que de Hu-
ma parti enlo o signal da guerra contra o es-
trangero. A Italia vio desde esse dia um duplo
tropas Moqueadas, quas sera
Chetos de duenles e feridos, i
luta proloogou-
Fuialmente achando-se as
vveres, em fortes
. os generaes perde-
s cuidaran! em retirar-so
da cmara das municipalidades e cora o espirito | alvo demandar, a lberdadepoitica"eVidcpen"-
naluralmenlo democrtico da msurreigo. Essas delicia nacional.
Organisou-se em todas as cidades
duas opinioes diiTerent.es dvidiram tambem a
guarda nacional das cidades, medida que se de-
senvolveu a revolur.io.
O almirante Selliuio I
Regogiero), relho inte-
m tramontana, e
para aples. Ogovernador geral Majo passo- 8crTnio, patriota sincero, respeilado por todos
bordo de ura navio enrolado n'um col- os Partidos, linln sido noraeado presidente do
governo cora os poderes conferidos ao re pela
constituicao, o diroilo de nomear os ministros,
de sanecionar os decretos do parlamento, de dis-
solver ou prorogar as cmaras, e o direito de
graca. Essas disposices erara de cerlo pruden-
tes e o presidente podera salvar o novo estado ;
mais per-
ersonagera nao
chao, depon de liaver entregue os seus poderes
ai general Sauget, e o general Vale, governador
u provincia, fugio disfargndo em mulher.
Assim abindonado por um principe e pelos ge-
j) raes, Sauget vu-se era pouco ourigado a mi-
i -los. Ale elle nao pJc embarcar-so no porto
a i alermo foi-lhe preciso ganhar o do Solanlo, p?rcni s mais honrosas qualidades,
a ires legoas do primeiro, por urna estrada que feila lealdade, essa respeitavcl per...
: esieodia pela praia ao p das monianhas, e reunia infelizmente o rigor de aeco, o a energa
ti-ve de suirrer grandes perdis uessa retirada i dc carcter indispensavel para conter os desvos
desastrosa. A guerra eo bombardeamenlo du- de um Povo inexperiente, domina-lo e conduzi-lo
raram vintee tres das. assim com firmeza & independencia pela auloii-
Soa populago do Palermo moslrou muito ar- dado 1ue se impe.
dor e obslinago nessa longa batalha das ras, a Apenas achava-se constituido o parlamento, a
inepcia e a covardia dos generaes napolitanos, "roa das municipalidades propoz a destituido
pode-se dizer, conlribulram muito para o triura- d?s Bourbones de aples como soberanos da S-
!.o tius habitantes. cilia. Essa proposigo foi votada unnimemente.
O mesmo succedeu* na cmara dos pares, ainda
urna liga
sania cujos voluntarios tomaramo titulo de cru-
sadas, e pensava-se que essa Irg' fornnra-sesob
deira tricolor italiana ; a guarda nacional; ue-
nhuma tropa na ilha que nao fosse siciliana;
um yce rei com um ministerio composto para a
Sicilia, sera exceptuar as pastas dos negocios es-
trangeiros e da marinha ; o direito de cunhar
moeda; a quarta parle da frota e do material de
guerra; o reconhecimento de todos os actos do
governo siciliano, e finalmente que lodos os
estragos commeltidos por occasio da insurrei-
cao Dcassem a cargo do governo napolitano.
Erara condicoes leoninas laesquaes s ura ven-
cedor poderoso podera irapor. A opinio era
unnime em aples contra os Sicilianos ; a in-
dependencia da Sicilia era regeitada por lodos ;
realistas e liberaos eram egualmenle contrarios
esse desraembramenlo do reino. Nao baria mais
accommodaraopossivel com a insurreico.
Fot entao que o parlamento siciliano decretou
a desliluicao de Fernando II. Cuidanm cm subs-
tilui-lo por ura de seus lilhos, mas lord Minio in-
formou que esse olTerecmento nao seria aceito, e
foi a 21 de julho que o duque de Gcjiova foi eleito,
como o dssemos aciraa. Carlos Alberto nao te.n-
do aceilo, a insurreigao permaneceu entregue
si mesma, sem poder azer-se reroohecer pels
Franca e pela Inglaterra,como haviam esperado ao
principio, era por nenhura dos estados da Italia.
constitucionaes loram condemnados s gales e
presos na mesma correte que os criminosos.
Tal foi a sorle de Poerio, de Dragonea e de tan-
tos oulros que soffriam ha pouco os ferros ou o
desterro.
O rei deu-se pressa em abandonar francamente
a causa italiana, da qual havia sido o inimigo
secreto, e de retirar as suas tropas do P, sob
pretexto de precisar dellas para vencer a insur-
reigao siciliana.
como- elle das grandes questeO de defeza na-
cional e de armamento, por discussoes parla-
mentares era que os partidos oslenaram patrio-
tismo, sem concordarem respeilo da nica
questo que linha enlao orna importancia vital
paia a sorle do' paiz, a guerra que se dovfa sus-
tentar prximamente.
Entreunto o armisticio expirara 6 19 de mar-
co de 1849. O general Filangieri
os auspicios do Papa em pesswr. Pi IX. porm, I Occuparam-se, pois, em crear ura exercio. e de-
stmpre vanarel e indeciso em sua marcha, des- cretaram que lodo Siciliano de idade do desoilo
. y u- imj. v/ general rnnngieri COm um COrpO
Anda que tivessem apreciado a sua dnnlirida- de 16,00(i nomens q'iartellado em Biessioa e
de, no da 15 deZTo. P0 prclex'o 5'r?eHe d n'kV6^"' "laTauPromP"> Pa "^ em
agora, ajudava a desjpula isan ffifa causa' pl^T' K""*0 "1nhaPresia uc ^conqstar
da Sicilia. Mais tarde, no mez de a-os de I L r C,I,CUI!! ancia8 dL lenor eraw a
1848. Carlos Alberto, batido as mar ens do f CU favor> Ca.rl? *"'? "nha-se rclirado para
Mincio, era obrigado rvZr !iif."g! a... I a.s .suas fronteiras do P.emonle ; os Austriaecs
Poucos das depois da evacuacao de Palermo, m
: as as cidades seguirm o exemplo da capital ; 1u.e
la a Sicilia eslava livre excepeo doMessi-Ain
approvou a liga, dizendo que como pontfice nao
quera participar de nenhuma guerra, o que as
suas tropas lnham passado o P' contra a sua
vonlade.
Assim, o Papa como principe italiano, possuia
ura reino temporal e um cxercilo, mas como his-
po nao tinha o menor poder para com a Italia.
Essa conlradigo, diziam ento, nao tisna existi-
do na edade media, em que os Papas obravara em
caso de necessidade, como todos os principes se-
culares.
Eis urna grave questao, objecto de urna con-
troversia que nao podeiiamos discutir aqui. Seja
como for, esse divorcio de Po IX di causa italia-
na alicnou-lhe os espiritos, tornou-os desconfia-
dos, e os levou mais larde a fazer contra ello a9
exigencias mais excessivas.
Desde eirto a paixao de expulsar es Austracos
nia idas constituicoes. A primeira consli-
idepcndencia
. cuja ci ladella e fortes coiilinuavam a ser oc- I vo, de lodo
cupados pelas tropas napolitanas, ao passo que a corrimeler uina
I ipulagio (cava senhora da cidade. O re man- "ecido : aingu
duu entao propor novas concessoes, offerecendo
^^^aJ!?^^.^^.9^^: I i"!* f concedidVp-e^i de NapoiesV 20 de t^'Xl^^^^^itlS
a trinla annos era soldado. Nao linham, porm.
material ; suppriram isso como poderam. Nao
turbara omciaes; suppriram com a chamada de
esirangeiros e, entre outrps, do general Miero- .
lav.ski que ha pouco tinha insurrecionado o du- os Napolitanos ertavm
cado de Posen contra a Prussia.
Vamos chegando catasfrophe.
evacuar Milao, e a Aus-
tria recuperara o sen ascendente sobre a Italia.
Fernando pode entao felicitar-se do que havia
feto e Je aferrar-se cada vez mais ao seu syste-
raa. Nao lhe restava mais senao tornar a collo-
car a Sicilia sob o jugo, sera lhe fazer a menor
concessao.
Nos primeiros das de setembro de 1848, o ge-
neral Flangiori desembarcara nos arredores de
Messina, e marchava com 20.000 homens contra
a cidade para se apoderar della c desbloquear a
guarnigao dos fortes. Dissemos que os habitan-
tes tmham Gcado senhores da cidade desde o co-
meco da insurreico.
Os Messiuezes linham-se limitado levantar
trincheiras e bateras nis ras diate das mura-
lhas. Messina o topo de urna ponte que liga a
Sicilia ao continente ; senhores das fortalezas,
senhores da passagem.
Se os Sicilianos tivessem conecime'nlos mili-
Resta-nos re- lares, e offieiaes instruidos, deviam fazer o cerco
r*-;- i- "------ -------.wj-mw* ...... ..v ,- laica, c uiuiidca ii:siruiOS aovi^m l,T7t>r o r*rrr\
Ja conslUieTo^?,.8 *' !Cla '* de.strui?ao da Cidade"a pel eMerior- **! rincheiraw
O consliluicao napolitana pelo proprio re, o que campo, ao lu, depois approximando-se do ba-
Ihe permitlio empregar lodas as suas torcas em luartn ui.m Rl'. V hrii..i. -i,: ..!Lw-1
pregar lodas as suas forcas em
restabeleeer o despotismo em Palermo assim como
em Napiles.
Acontecrmentos semalhantes, quanlo ao fundo,
aos de 18*8 lem hoje lugar na Sicilia qtrasi as
mesnus formas, com as mesmas paixdes e sobre
o mesmo terreno, mas com um (ira ainda inde-
terminado. E'para mostrar com e exemplo do
passado que alcance pode lera insurreico acta
da ilha era inconteslavelmeule Janeiro de 1848 ; a segunda pelo rei doPemon-
a fortes continuavam a ser oc-, vol Je lodos os Sicilianos ; mas acabavara de te a 7 de fevereiro, e a lerceira pelo grao duque
falta, preciptavam-se no deseo-; da Toscana, a 17 do mesmo roez. Einfim, Po IX
a promulgar urna constituicao a
amnista c prometiendo urna constituicao
Sicilia, quando se rcslabelecessc a paz. sscs
o ferecimentos eram Urdios. O governo insur-
:nl declarou que ninguem consentira em
il i <>i- as armas seno depois da reeleico do par-
lamento siciliano, o qual conformara a* constitui-
do Je 1812 aos costumes do paiz e s ideas dos
lempos modernos.
Convm dizer aqu o que era a constituicao si-
ciliana, chamada enlo conslituico de" 1812.
Essa constiluico datara primitivamente do deci-
rimeiro seculo, na poca da dominago nor-
manda [1]. Ella fura estabelecida pelo conde Ro-
rio, que acabava de conquistar aos Sarracenos
guem cuidava em estabelecer urna
repblica, mas separaram-sc da Italia no mo-
mento da luta heroica de Carlos Alberto con-
Ira a Austria.
A Italia desapprovava a dviso do povo sicilia-
no, tanto mais quanto para a guerra da indepen- j impulso liberal lora dada'a ilai"por Po IX
tienen italiana, a ilha tinha apenas montado I846e 1817, muito antes da rcv->luco da Fr
Lombardia ura contingente irrisorio de 100 ho-' ca em 2i de fevereiro de 1848. Mas se essa-ol-
m1"s- ..,.., revolucao nao foi para a Italia um signal, o
_ U governo siciliano julgou necessano proceder; foi de um modo bem temvel p,tra a Austria, a
i rei. esperando que a Franya e a Hungra, a Prussia e loda a A'llemanha, que se
no-se obrigado
14 de margo.
Essas constituigoes, chamadas na Italia estatu-
tos conslitucionaes, imitavara a antiga carta fran-
za- Nolar-se-ha, segundo essas datas, que a
em
>luco da Fran-
Inglaterra o reconhecossem, o que asseguraria
enlao a independencia da ilha, objecto principal
da insurreico.
Dous candidatos pareciam dividir entre si os
sufiragios. O duque de Genova, enlo de 26 an-
a Sicilia c a Calabria, e cujo irmao, Roberto Guis- "os> segundo filho de Carlos Alberto, e o archi-
c rd, era duque da Apulia. Ambos eram lilhos UT10 Carlos Salvador, de 0 annos de edade.
Tancredo de ilauloville, lidalgo normando. ; sc8"ndo filho de Leopoldo II, grao duque da Tos-
Lrasobrioho desses dous irraos, chamado tam- ca"a-, ,
i em Tancredo. foi o primeiro soldado que subi u dulje de Genova tinha as sympalluas da lr.-
s.ollo de Jerusalera era 1099, eo mesmo que Slal.erra ; osegundo filho de Leopoldo loria sido
precipitaram ento, como a Franca, as mais ter-
rveis incertezas durante o mesroo anno de
1818.
llouvc razo para so admirar de que o rei de
aples, Fernando II, o prncipe mais opposto s-
polticos do reino- de aples; que esbocamos a
historia das Dua3-Sicilas em 1848. Os l'eilores,
postos todos os das par do movmento pelos
jnrnaes, podero, pela comparago cora o de
1848, tirar conseqaencias applr-aveis aos futuros
eventos de 1860. Est aberto o eampo das con-
jecturas. Garibaldi foi fazer 3 Sicilia indepen-
der, ou ha de da-la ao rei da Sardenha, ou
ento seu fim seria excitar ura morrraento liberal
no reino de aples para abrigar a corte a sagur
a poltica do Picmonte e a causa da independen-
cia italiana? Resolver essas hypotheses se-
ria querer prophetisar. Voltemos ao nosso as-|nome da humanidad*-
sumi'," ,. A. concluido a 19 de ouk
Antes-, porem, de entrama Sicilia, indispen-
savel Iraeaf de novo os Cactos que Irouxeram a
queda da liberdado em aples e dizer como a
constituicao vio-se repentinamente destruida an-
i les de tersido posta era exccuo.o, a 15 de maio
. r------,.--------rt-- -----...-.- Ko. era execuoao, a
mi i conslllulco, fosse o primeiro a ceder. de 1848, no proprio da da primeira reuno do
Mas I alermo acabava de libertar-se ; obom exi- parlamento. Censuraran aos liberaes napolila-
lo da nsurreigo italiana intimidava-o ; a revol- | nos, poucc habituados s pralicas da liberdade,
da estender-se aos seus estados da Ierra i lerem mostrado pretenrCes excessivas e e-xigen-
]a tinha havido levantamentoj parciaes cas que excedam muil os dreilos constitucio-
firmt
U/i celebrido por Tasso.
A constituicao do conde Rogerio era ..
. ate feudal : os bares linham assenlo no par- lllul?ao dos Bourbones.e com a eleicao de um re..
I,ment assim como os bispos, osabbados.os dig- a J"3u!r.c:lSa0sl,(ll!a?a al""lavl1_(:nl? 5* J*
catados ecclesiaslcos c os possuidores de pe-
aos gritos de : viva l'io IXI vivam as reformas naes reconhecidos. O
preferido pela Franca, cujo governo eslava ento' na Capianata e na Calabria ; em aples come-
rei lhes era suspeilo e
aos embaracos da Eu-
Quando fui eleito, a revolucao de Franca do 29 de
julho de 1830, que acabava de lanmr nr inrr* -.
1i-0'iii-ii: Lu ... w .__ .,_. jinUiJsliueiaes
W irRoerioroUded" 52fflfS8B: e^irsTopulages" l^iara ft
l,So.dquo leve Sa'rem \^l \ -A a' des.iluicao da foberania temporal do
Gregorio XVI conlcrc-" Por '""'" .',ne A ""tria-
eos e sanfedistas, bandos da sania fe, rccrulados
as fezes do povo paracombater os liberaes. Elle
raostrou-se, durante osquinze annos do seu rei-
is feudos. A memoria do conde Rogerio,
ppellidado o glande condo, tornou-so mu po-
, cular na Sicilia, c conservou-se as legendas o
radigoes transniitiidas atravs dos seculos ge-
rago actual. Seu tmulo subsiste cm Palermo
i-r iima ca pella que objecto de devogao e pe-
rogrioagem. Lile havia expulsado os Sarracenos,
libertado os chrislos de urna longa opprcsso e
Bioralisado esse povo dando-lhcleis sabias. Seus
restos sao venerados como os do um hroe de-
fensor da f. A'dominacao dos principes nor-
ciaudos succedeu mais "larde a dos duques de
Anin, coudes do Provence, res de aples e
Sicili.i, os quaes opprimiram os seu n-
dilOS. Nao 6, poi, no lempo .loe c.onJoo npr^.
mandos, mus no reinado de Carlos de Anjou, du
zentos annos depois
mo lerceiro seculo.
carniQi ina das vesperas sicilianas, em que foram
curtos 8.000 provcncies dessimiuados pela ilha.
Os res de Aapolcs'dexavam cahir cm desuso,
sem abolir formalmente, a velha constituicao do
conde Rogerio. Ella foi restabelecida pelos In-
9 em 1812. Em 1806, Napolco 1 tinha ex-
I ellido de aples Fernando IV c sua corle, pa-
ra subslitut-lo prlmeiio por seu irmo Jos, e
mais tarde, em 1808. por seu .-..k.d Mnrai a
Sicilia, nao leudo sido conquistada, icou separa-
iplos al a restauraco de 1816. Lord
I nlink, leudo s suas ordens 18,000 homens de
tropas inglezas, ou anglo-siiilianas, exercia a
auloridade suprema cm presenca do rei, apesar
da surja opposieao desse principe, e sobre ludo,
ir da resistencia mais declarada de sua mu-
. :, a rainha Carolina d'Austria, irma de Mara
Anlonlelta. Para neulralisar a Influencia que
ossuia ainda a corte, lord Benlink imaginou por
de novo om activdade a antiga constiluigo cora
certas reformas imitadas dos costumes inglezcs,
c nesse intuito estabeleceu urna cmara de pares
para a pobreza e para os bispos, e una cmara
das rtunicipalidades para o lerceiro estado Esse
rarlamenlo fuoccionou, como pode, no meio da
opposiyao reciproca do general inglez e da corte.
A oppo'sico da rainha s novas insttuiges foi
tao \iolela que lord Benlink obrigou-a dcixar
a ilha e & refugiar-se n'Auslna, onde morreo an-
tes da restaurago.
Depois da queaa ae Mural, em 1816, Firnan-
co lv, que lomou enlao, nao se sabe por que, o
titulo de Fernando I, nao tinha intengo de man-
ter na Sicilia um rgimen que lhe haviam im-
posto, e a Inglaterra nao tomou peilo susten-
(T) Veja-si l'histoirede la Sicile sous la domina-
tion des Mormaiids, parle barn de Bazancourt,
autor de Fhistoirt de la guerre de Crime e de la
guerre d'Ilalie.
Veja-se para os aconlccimenios de 18 i8,a historia
dessa poca pelo general Ulloa ; as memorias do
general Pp. Deux ans de revolulion en Ilalie,
por U. Trreos, assim como as relaoes italianas
dos Srs. Lafaiina, Aniari e Lamasa, lodos tres Si-
cilianos.
ntcra- ??,^'d.,*cc*0 do,general Cavaignac. Cpm a des- cava-se proferir os mesmos- gritos-"; finalmen-
te tinha sido prevenido-de que os outros princi-
pes italianos lam promulgar constituicoes. To-
mou, pois, a dianleira convencido de que o mo-
Wmenlo dos espiritos tinha-se lomado irresis-
tirel, o que ceder espontneamente era para
ello o nico meio de conservar o throno. O tri-
e do rei seu plico exemplo das resuumcoos do poder abso-
luto em 1799, em 1816 e em 1821 o animavam
a nao desesperar do fuluro. Couuva tambem
urna nova compcago
ropa.
O duque do Genova foi eleito com o assenso
quas uuanimo da populago. Mas era preciso
obler a acceilago desse principe
pai.
Sendo os acontecimcnlos daelicia desenvolvi-
dos paralelamente com os do resio .ta Italia, laogar mo da primeira occasio para annular
til lembrar que lodos ellos tiveram por princi-1 instituicoes importunas.
pi as primeiras reformas de Po IX (o conde ou Entre'tanlo ofiereceram-sc concossSes Sicilia
Mastai), elevado ft) ponlificado supremo a16 de sob oc auspicios do ministro da tngUterra em
julho de 1846. Seu predecessor, Gregorio XVI | aples, epelo intermedioofficiosode lord Minto,
(Capelln), havia governado com muito rigor, que exercia na Italia urna rasso secreta, cujo
lira era contrabalancar a influencia que a Franga
nclilurinn.nl nnria n.ilivralmnn.1 YArror
onl2P i C'-'l
na peiiinsoia. urna esquaara ingiz; as ordens
do almirante Parker, o um ni|iiiir.T r.uiuut,.
commanaaua peto almirante Bandn, estaciona-
da guerra, sera tomar nenhum JJfcriido na lula.
Pareca nuc as
cora razo sera duvida, mas elle mantinha-se nos
limites da legalidade. Queriara domina-lo im-
pondo-lhe programmas que lhe pareciam substi-
tuir intitulis republicanas aquellas que elle
havia decretado. A desenvoltura da imprensa
nao tinha freio; o rei julgava-se ameagado de
destituigo. Taes eram as quexas allegadas con-
tra o partido liberal.
O rei tinha sido constrangido pelo clamor pu-
blico e por ministros liueoca & mandar tiopas
para o P, aim de auxiliar o}libertamento aa *..
lia. Era n Lombardia, diziam-lhe, que ello de-
via reconquistar a cora da Sicilia. Mas elle nao
podia resolver-se a fazer guerra a Auslria. F6ra
bem a seu pesar que havia decretado a rcraessa
de 40,000 homens para o norte da Italia, sob as
ordens do general Pepe, e nao fez partir seno
15,000. O sentinwntp Uliana lh .< 'ZlAuSiSi i. Jll Trfoso, como
uarle Dom Blasco, abrigados pelas trincheiras-,
alravessando a planice da Terra Nova, chegariaro
coroar a esplanada ; 38labelecidos nesse ponto,
suas bateras de brecha os leriam tornado senho-
res das obras exteriores- e finalmente do corpo
da prara. E' o que far provavelmente GariDal-
di, se obom xito continuar faroreeer a sua
empreza.
Urna batalha de trinta horas lomou os Napo-
litanos senhores da cidade, depois de corajosos
esforgos de parte a parte, em urna lula aansui-
nolenta e encarnicada. Os vencedores sao aecu-
sados de barman coramet'.ido ento grandes
atrocidades A cidade ficou meio destruida ; suas
ruinas ainda nao foram reparadas
Os dous almirantes francez e inglez procura-
ran! debalde interpor a sua mediaco, para deter
o bombardeamento e a raorlanda'de, o dar urna
eapitulago 'cidade. Filangieri nao cedeu de
maneira alguma.
Ouanto acs almirantes M. de Rayneval e lord
?pier allegaram a crueldades commettidas em
Vlessina para intervirem em favor da Sicilia em
e sob seus-auspicios foi
tubro um armisticio ntre-
os dous partidos. Esse armistisio durou cinco
mezes. O lempo era ura graude auxilio para os-
Sicihanos.
Vamos ver se o governo Je Pulenno e o par-
lamenln souboram aproveiiar-se delle para se
prepararem s istenlur a luta suprema que a lo-
mada de Messina lhes presagiava.
A Sicilia cora urna populago de dous milhes
e trezentas mi! almas, podia faeilmenle armar
para cima de 50,1)00 homens ; apenas pode apre-1
sentar 15,000. O parlamento entregue a discus-l
sees como era plena paz e a diviae de part-'
do>sobre a escolha de ministros, pareca esque-
enr-se de que o inimigo eslava s^ portas o nu-!
tria a-esperanca cl.imerica de ser reconhecido pe- i
las potencias estrangeiras. Era d'ahi e nao dos;
esforoos do proprio paiz que ello esperava a li- j
rferindo-se ao principio da liberdade. O proprio
Mcicuo italiano encarava com pouca salisfago,
orgoso dize-1, a perspectiva de ir bater-so
contra os Austracos. Esse exorcito, alias bom
berdnde da Sicilia. Convinha
misticio para organsar as
e nao ter outra questo ordem do dia. Em
vez disso, discutiam as troorias n tmvwno re-
>--"entatiro. H*vii na assembla urna -iireiti,
"f*i o*---- nm centro e urna opposieao. ^.
muiis'.ros eram rauus .^,os mudados, em con-
sequencia das lluctuaces da
no, absorvido peas lulas parla
dia imprimir era torca era
berages. Essas oooosicoes dos partido* ^..loJracos para os govensos mais'seguros, tor-
navain-se um elemefl-to de deslruico para
una revelugo entregue- s suas paixes inte-
riores.
O parlamento agitara, pois, as quesloes cons-
litucionaes, e rofermava em sentido democrtico-
I tinham recuperado todo o territorio perdido ,
elles resiauraram o gro-duque de Toscana com
o anligo rgimen absoluto ; o Pepa tinha-se re-
fugiado em Gacta, e os Francezes punhara cerco
Roma onde Mazzini tinha eslabelecido um go-
verno republicano.
Ao ruido da marcha offensira dos Napolitanos,
rebentou em Palermo urna extrema agitago,
misturada de enthusiasmo guerreiro. O parlas-
ment eslava entregue incertezas e perplexi-
dades de loda a especie. Uns reclamaran a dic-
tadura com todas as suas consequencias, soppres-
sao da liberdade de imprensa, do parlamento e
do direito de reuno. Era talvez o que cocriria
Tazar desde o principio; foi o que fez o Pie-
raonte por occasio da guerra de 1859 ; o
que parece fazer hoje Garibaldi na Sicilia.
Oulros queriam pelo contrario dar s inslilu:
ges do paiz o mais completo desenvolvimento
democrtico. D'ahi urna dupla opposigo, da
qual a mais forte era a da faegao aristocrtica.
Ella centava com urna parte da guarda nacional
censurara aos ministros nao reprimir as pertur-
ban-Oes, nao entrar om accommodago com o
reino de aples ; exiga a represso" das desor-
dens da rerorugo, das prises preventivas1 e das
commisses militares. O sexto ministerio, col-
locado pelas circumstancias entre a annrhi o a
dictadura, provocoo um voto de confianca ; foi
batido por 76 votos contra 33, e retirou-se". Por
fim nao houve mais ministros, porem um go-
verno provisorio composto de tres pessess-, sob
a presidencia do velho almirante Ruggiero St-
timo.
Os Napolitanos marcharam primeiro sobra Ga-
lana, que a segunda cidado da Sicilia. O-
general^Merolawski, comroandanle ero chefo das.
forras sicilianas, apenas tioha 6,000 homens pa-
ra lhes oppor ; foi esmagado, depois de ler sido
gravemenle ferido. Senhor de Catara, Filan-
gieri atravessou toda a ilhs- para chegar Pa-
lermo. O general L'lloa o censura por so lov
assim dirigidopelas montanhas.onde pod.a encoc
trar por loda a parte a insurreico, e onde po-
dia ler forcas a lerrivel posic' de Castro Gio-
vani, j celebre as guerras dos Normandos con-
tra os Sarracenos ( 3 O general Ulloa tcm ra-
zio em Ihese ; mas Filangieri, sabendo qua nao
havia exercio siciliano seramete organizado,
julgou que poda avangar onsadamente sobre Pa-
lermo e o bom xito juslifieou a sua resohiTao.
Era Palermo ludo achara-se na muior confucao.
O governo dissolveu-se antes que os Napolitanos
apparecessem dbaixo des muros. Duzentos ci-
dados dos mais comprometidos embarcram-ce
para diversos paizes, e o almirante Setlirao foi
refugiar-se era Malta.
A' 26 de abril, Filangiere eslava s portas e
oiue navios deguerra at.-avessavam enseada cora
Iropas de desembarque. Reinou imraodiatamente
a desordena na cidade. Unsgritavnm : paz ou-
tros, guerra 1 outros morle aos trahidores 1 _A
guarda nacional linha enlabolado conferencias
de accommodaco com o general mas o povo
indignado obrigou-o a dissolver-se, cerr s ba-
fcL'SSTLlS: terias- fei com tiros de peca os naVios-tomaren.
\ Zt~K" l"v* o largo, e travou o combate debaixo do* muros,
a 5 de maio> contra as tropas de tetra. Avista
da energa imprevista dos patriotas, Filangieri,
que exiga, ao principio urna inteira submisso,
V^isenlio em urna eapitulago, segunde-a qual
ren-
mes ;
rseos desertores ap-
le de cmtarcar-se cm
iuuuiiuw, <= ...,-, pnri-V i- ...... '.-------* --------
ni u.ia. o gover-i tl rr(,=-*e uma amnista, excepto para qua
raen-lares, u&o po-l. i'._i..;'Jbos deEicoados por souf or
unidado as del.- i?. v0'" n ari.* -Meiros e os desertores n
, ,,...io..,.. .i.!''taos linham a facw...., ^__u____.
nado, iiimigo declarado de qualquer reforma ou | potencias exercesse um ascendente superior so-
bre os destinos da Sicilia. Apezar da secreta
progresso.
As condemnacoes foram severas c frequenies,
os exilados numerosos, e as prises do csladoes-
iavam chelas. U jugo era lo pesado que no mo-
mento em que morreu esse Papa, receiava-se ura
rootiui, ou mesmo uma revoluco em Roma. Re-
unidos em conclave, os cardeaes o sentiam.
Cuidaram, pois, em eleger um homem de um
carcter moderado, que governasse com mais
brandura.qiie fosse capaz de acalmar os espiritos
esperanga que nulnara talvez os Sicilianos, era
comtudo pouco provavel que a In0li* fi gasse a apoderar-se de melade do reino de a-
ples vista da Europa
A revolucao de 24 de fevereiro de 1848, e a
repblica proclamada em Taris, eram de nature-
za de intimidar aos soberanos. Fernando reco-
nlieceu que deria apressar fazer-so reconhe-
cer como rei constitucional da Sicilia, e de-
que as duas esquadras nao se acha-
rara ali seno para se observareis mutua e se-
riamente, e impedirem que alguma das duas
uns regimcnlos suissos
ludo era favor do rei e coaita um povo, objecto
de seu desprezo.
No uionhSa de 15 de maio, os deputadosacha-
vam-se reunidos; disc.utio-se uma torraula de
juramento que os devia ligar a constituicao tal
qual era, m> passo que i.maioria propuba-se
pelo contrario a modifica-rla n'um sentido mais
democrtico. Os mais exaltados, ajudados pela
imprensa demaggica o pelos clubs, t'.nkamse-
meado a agilago pela cidade ; tinhara-se cons-
truido barricadas que uma parte da populago
conservava em armas; as tropas e os Suissos
nal, era noraeado lugar-tencntc geral do rei; permanecan) em seus quarleis, mases dous par-
instiluia-se um ministerio da Sicilia ; conceda- tidos estavam promptose o conflicto pareca emi-
sempre esperado uma iiulhora na poltica do go- se uma ndminisiraco separada, conscrrardD-se nenie,
verno e reformas da adminislragio civil. O regi- I era aples o ministro da guena e o dos aogo- O signal foi dado por um tiro que nao so sabe
mondo compresso e de mmobilidade do reina-! cios estrangeiros; a contribuigo annual da ilha d'onde parlio, e desde ento empenhou-se urna
do precdeme nao poda prolongar-sc. Todos de- t era fixada era 12 milhes e meio de francos ; I lula lerrivel entre o povo o os Suissos, suslenta-
sejavara o progresso com avidez, queriara ler ins-' emfim, concedia-se uma amnista, da qual se- dos pela tropa de linha. A insurreico foi ven-
liluiges. al aquellas que pareciam incompati-' riam apenas exceptuados quarenta individuos cda depois de oito horas de combata as ras,
veis "com a essencia do papado. entre os mais conipromcltdos, os quaes deviam
Po IX, vexado por uma roda de ecclcsiisticos permanecer exilados al o reslabelecimonto com-
relrogados, exposto por seu carcter irresoluto a pelo da tranqullidade. Mas nao se fazia menco
da conslituico de 1812, que nao tinha sido men-
cionada lo pouco no eslat"lo, devondo os S-
npn linlf.i a menor cymp.-iihia | a coBStitucfto de 1812'. Conservava as d'is C-
hlluTrn HJ'Sa0 : i era dadlcad0 ao rei,1ue s0! maras, pora-dv-a"^oTs'ea7s membVos o nomo
^'1 n populanssimo entro os soldados, de senadores elegiris em vez de paros, medida
por meio do familiaridades murtas veles indrgbas intempestiva qac deseonlentava a classc pode-
aLl !iPS'-ai)' disso, tinha s suas or- rosa dos bares e dos dignatarios ecclesiaslcos,
s regimcnlos suissos proraptos para
sera cessar de os conter, e que lizcsse algumas cretou diversas medidas nesse intuito. O almi-
concesses sera atacar vivamente os abusos do rante Sellimo, presidente do governo insurrecio-
antigo rgimen.
A' cada novo pontifico, o povo
de Roma lem
perpetuas flucluaces, linha cora ludo intenges
exccllenles e verdaderamente liberaes. Assim,
abriram-se as prises publicas ; a 8 de agosto do cilianos senlar-se no parlamente de aples
1848 decretava-sc uma amnista ; a 10 de marco com os deputados das outras provincias. O-s dc-
de 1817 libeilava-sc a imprensa, e insliluia-se a j erlos eram trazidos por lord Minto com cartas
guarda nacional de julho,sob o nomo de guar- fechadas conlendo as uomeaces dos boros funs-
da cvica. I cionarios instituidos pelo rei. O lord e os duus
Alm disso, tnha-se permltido os gabinetes almirantes aconsolhavam que accitassem.
de leitura, as sociedades scienlifleas, as associa-| A mesa, porm, do parlaraanto regetou todas
ges industriaos, os eslabclecin.entos de benefi- as concessoes, e al recusou abrir as cartas fe-
cenca, com escola para as crencas pobres, novi- chadas. Os Sicilianos queriam uma se}^iaco
dades consideradas como revolucionarias pelo absoluta, prctenco cotidemnada por lodos os
.FOiL|IETIil
Z3BE21
roa
PAULO DE KOCK.
XXX
O lempo muda.
(Conlinuago.)
Diz um proverbio anligoUrna felicidade nun-
ca vem s. E os proverbios, assira como as car-
tas, dizem algumas vezes a verdade. O dinheiro
trazido por Patarata dra coragem e conlianga
Sabretachc. Pouco lempo depois, os aconleci-
nienlos realisaram sua esperanga ; achou erafira
Irabalho pelo seu ofilcio, e appareccram-lhe en-
comraendase freguezias por todos os lados ; de-
pois declarou-se uma mclhora sensi'el no estado
de Cerisette, que pode ergucr-se da cama e Ira- """P"' mm VTP '
tar da casa. Ento a alegra o a felicidade volla- | nao :lde_:Uraies!ade.!..101
ponlilice precodeule.
As concessoes de Pi IX causavam um enthu-
siasmo extraordinario. Reinava a embriaguez e
o delirio cm Roma e em loda a Italia. Os po-
vos submellidos por toda a parte governos ab-
tos novos. Tinha um lado delicado para julgar o
que lia ; sua linguagem ia-se tornando mais pu-
ra e adquirndo mais elegancia; conservando
com facilidade admiravel os peasaraentos verda-
deiros, os ditos espirituosos, goslava de lembra-
los Sabretachc, que muito.admirado da memo-
ria de Cerisette, sacuda a cabega murmurando:
Minha filha, voc linha nascido para saber
muila cousa... da estofa de que se fazera as
grandes fidalgas. E' admiravel como essas leilu-
ras lem mudado a sua linguagem. Contina a ser
natural, porm mais (orneada
se me comprehende...
Ah! meu bom Sabretache, so cu podosse
estar lo mudado no physico, que ninguem me
podosse reconhecer, isso asseguraria muito o meu
repouzo I
No physico ? Fra pena, na realidade, o lo-'
davia... ha alguma differenga ; essa longa enfer-
midade atinnu-lhe as feiges, depois voc eres- i
ceu, j pisa com mais garbo, e nao saltitando co-
historiadores couiemporcjieos o pcios melhorcs
patriotas da Italia. Lord, Minio insisti para que
ao menos a mesa mandasse pales contra-
propostas. Ei3 o que pediam o Sicilianos : to-
dos os empregos confiadas aos 1 idigerjas ; a ban-
fogo. Ficava-lhe ao lado uma mesa coberla de
livros e papis. A physionomU de Dumarselle era
habilualmento seria", melanclica mesmo; po-
rm nlegrou-se ao ver o soldado, quera rece-
beu com ura sorriso, c quera estenden a mo
dizendo:.
Ora viva, meu bravo, eslino muito v-lo ;
mas eu esperava que nao levara lano tempo a
lembrar-se que eu lhe linha ollerecido os meus
servicos.
Senhor, meu offioal... biilbuciou Sabrela-
Emlim, nao sei che, tocaudo com respeito na mo que lheesVen-
diam.
Sente-so...
Oh meu oCDcial, converso bem era p, e
na presenga de um superior...
Aqui nao hi maissupeno-; a.nbos nos dei-
xamos o servigo ; sente-se, en lhe peco.
Ento para obcdecer-lh>.
Sabretache senlou-se, depois metiendo a mo
na algibeira sacou os quarenta francos embrulha-
Desmarselle
Os soldados se entregaran! enlao carnificina,
pilhagem c toda a especie dc-excessos e cru&l-
dades.
Duvidou-se que Fernando houvesse tramado
essa fatal sedico. Sempre elle que so acha
antecipadamenle certo da victoria, e da qual se
aproveitou para annular as insttuiges notas]
O partido constitucional era pouco numeroso,
os Napolitanos mostravam-se indifferentes, e o
povo baixo era a favor do poder absoluto. 0 re-
gimen constitucional nao se poder estabelecer
nesse paiz seno pela auloridade de sea governo
leal, mais esclarecido do que a naci, e quequi-
zer francamente iniciar os Napolitanos as prs.-
licas.da liberdade razoa.vel. Fernando pelo con-
trario era inimigo diessa liberdade; retosaou,
pois, o seu systema de monarebia repressiva,
onde lodas as leis, lodas as magistraturas, fica -
vam sujeitas auloridade activa.de uma polica
inquisitorial e arbitraria. Seus anligos ministros
Oh! nao, ella como eu. quer licar sol-
teira.
E v melhor?
Sim, meu offical. Parece que a seu dinhei-
ro nos trouxe felicidade... Achei Irabalho, ella
restabelecou-se ; agora somos felizes.
Tanto melhor, meu bravo r E' um prazer o
ver-sc a felicidade entrar na casa da gente do
bem Ella frequenta s vezes lo m compa-
nhia I
E' uma verdade, meu offical. Mas eu me
recommeuilo ao senhor e aos seus amigos. Aqui
rosa dos bares e dos
todos propietarios abastados. Proclam ava a so-
berana do povo, declarara que o rei nao leria a
faculdade de dissolver nem de prorogar as c-
maras, bem como de licenciar a guarda nacio-
nal, lueUlilas ;.,!; i !. ./..un a \.-.,\,''.j u II1 Ululo
vo. Quebravam assira as antigs tradices de
um povo que nao eompreheadia as liberdades
modernas, e cuja revolta nao Uvera por movel
seno o odio aos Napolitanos e o desojo de se ex-
pellir.
Tinham pronunciado a destiluigo de Fernan-
do e de sua familia ; vieran) ao depois as dis-
cussoes sobre a theoria dos poderes, fioalmenic
procederam eloigo de um rei, o que s leve
luaar 10 de julho" de 1848-. O duque de Geno-
va fra eleito. Alguns deputados foram ler com
f. a ros Alborto para obler a acetago. Esse prin-
cipe, porm, acabava de soffrer revezas que o
obrigaram a evacuar a Lomharda nos primeiros
das de agosto. Portanlo nao se achava mais om
situagono aceitar a coroa, precaria oflcrecda
seu filho.
ltanos tinham
navios neutros.
Causa admiraco d que a.., de ,ualorze
mezes de livre existenoia, com UR>. ^nuiaro
de dous milies de almas, tenliam sido?^niCi-
entos quinze rite mil homens, para tomar a
collocar serri condiges- os Sicilianos sob o jugo,
apezar de $ua coragem, patriotismo.e p>ixoo de
independencia. Elles perderam-se em 1848 por
lerem s contado com o apoio das r.aces eslran-
goiras e especialmente a Inglaterra,'Que julga-
vam erapenhada em sustentar a conslituico da
1812, estabelecida pelos lnglezes no tempo de
lord Benlink.
A Sicilia opprimida, e pmdcri sempre a rc-
vollar-se. O governo nao faz nada em favor da
ilha ; esta
da. Para remediar seus
independencia absoluta. Mas se os
do governo mudassem em aples, se"a aulori-
dade se tornasse liberal e bem fazeja, poder-sc-
hia approvar nos Sicilianos a vontade de se dej-
membrarera de um reino bem governado ? Ser
mais rasoavel pedir um parlamento para a Sici-
lia do que para a Irlanda ou para ilha da Sar-
denhya "?
Couvem dizer 3s causas que fazem erar aos-
Sicilianos que sua rcunio aples um obst-
culo para a prosporidade da ilha, fazendo absirac-
co dos vicios do governo. Kssas causas foram
descobertas com muila sagacidad por um autor
que preciso citar agora, anda que nao se dnva
classica-lo entre, os historiadores liberaes. ( 4v).
Durante dez. annos de saparago, de 1808-
e rossuida em vez do sor administra-
males, olla 30 v uma
principios
O parlamento siciliano tinha-se persuadido de 1816, gozou a Sicilia, sob a proteccao da ln-ls-
le a nomeaco de um rei traria a reconheci- trra, de uma prosperidade extraordinaria e*in-
qiie
ment da Franga e da Inglaterra. Era isso um
grave erro. A eieigo, de ura rei nao poda mu-
dar em nada a situaco. O que a tena mudado
sera a posse lomada" pelo principe elelo. ("2
Nesse caso as potencias achar-se-hiam rm pre-
senca do. ura fado,; e ainda ellaspoderiam he-
sitar dianle das vicisitudes da Italia, naquella
poca em que o destino de um estado nao es-
lava seguro.
Nao leudo tido bom xito as negociaces para
o reconhecimento do rei eleito, fi/erarao minis-
terio responsavel, o qual vio-se obrigado re-
tirar-so. Suba outro ministerio : ora o sexto.
Nao fez mais que seus predecessores, dislrahido
rain a habitar o sexto andar da ra Ponlhieu ;
quando nao se lem ambico, cora pouco se fe- I
liz.
J Cerisette pedir ao seu protector que lhe
procurisse Irabalho, porque tambera queria ser
til c contribuir para o bem estar da casa; mas |
Sabretache fez lhe comprehender que ainda nao
rao outr'ora. Acredito na minha esperanga, mi-
nha filha, os mos dial passaram ; cumpre es- dos n'um papel, c apresentou-as
quec-los. J recobrou a sade, tenho Irabalho | um tanto vexado. murmurando :
bem v que o lempo j Queira desculpar-rce, meu official, rnas per-
os necessario que a | milla-me que lhe resltua o que leve a bondade
sua imaginago nao seja sombra quando o co de empreslar-me, sem ao menos saber nem meu
formoso.
Uma manha, Sabretache depois dse ter pre-
parado com mais apuro, pozo chapeo cm vez do
casquete, deitou na algibeira quarenta francos,
dizendo comsigo :
Agora j posso ir ver aquello homem lao
(2) Perrent, Deux ans de rivolultou en Ilalie
(1848el89).
mora, e hei de escrevec-lhe. Al k vista, meu
bravo Sabretache.
(,'m sen criado,, o ainda mil. vezes agradeci-
do, meu official
E Sabretache sahio do casa de Dumarselle, as-
soviando uma marcha, e dizendo com os seus
boles:
- Decididamente o tempo mudou.
XXXI
Uma casa de campo em Stuilty.
Passara o invern, tristemente para uns, ale-
gremente para outros. Em casa de Sabretache
tetramente excepcional, a qual nao pd reeas-
cer hoje. Esta potencia conservava ahi uma forra
do 18,000 liomcns ella pagara o sold s tropas
sicilianas, e alm disso, um subsidio eoosideravcl
corte refugiada em Palermo. A froUque blo-
queara Tontn tirara da Sicilia uma grande par-
le de suas provises. X. altttude sempre amea-
gadora do exercio francaz no. continente napoli-
tano tornava necessaria a reparaco das fortale-
zas.
(Continua )
(3) Le gnnal Ulloa, guerse de l'indep?nden--
ce italienne en 1848.
(4 ) La Revolulion dans s Deux Siciles I-
puis 1763, par le barn d'ltervey.
est o numero da minha casa, podom escrever- fra suave c benfico. Nao fallaba Irabalho; Ce-
rae, porque ea sei ler c minha sobrinha lam-- risette mesmo o oblivera por intermedio dos vi-
bom... Toda a noite olla l para eu o Patarata
ouvirmos.
Voc pintor... decorador?
Sim, meu official; dizem mesmo que- lenho
gosto para a minha profisso. Se o senhor lives-
se alguma casa para piular, eu lhe arranjaria lu-
do muito bem.
Pois eu vou dar-lhe uma obra que far
zinhos o dos freguezes do pintor. A moga que
timbrava ora fazer bem ludo quinto emprehen-
dla, conseguir* cozer, bordar com tanta perfego,
que era quera Iho offere-esse irabalho. Com a
oceupago, Cerisette readquorira a tranqullidade,
e mesmo uma parte das gracaa de outr'ora: por
que o Irabalho a melhor das distraccoes.
Consenlio em sabir acompanhada pea: Stbrela-
eslava forte bastante para trabalhari que era ne- servi?al:la0 obsequioso para ura pobre diabo a
cessario que se poupasse para nao recahlr. No I quem nao conhec.a. Posso tomar-lhe a charu-
cuiauto. para divertir os longos sernos de inrer- ',el do lencnle Bernard- dcsla mane,ra alre"
do, como a moga goslava muilo de ler, Sabreta-
che, que eslava'pintando cm casa de um lvrei-
ro, pedio e lcvou-lhc livros que ella dovorou, c
que lia para os dous soldados ouvirem.
Patarata era todo ouvidos c al suslinha a res-
piraco, quando a moga lia algum romance, cujo
liere se va erabaragado em aventuras romanes-
cas, bem extraordinarios. Sabretachc interessa-
va-se mais pelas descripgcs de balalhas, pelos
retratos militares. Quanto leilia, o que mais a
iuteressava era alguma scena de amor... Trahit
sua quem que voluptas!...
O gosto pola leitura ia cada dia adquerndo
mais torgas cm Cerisette ; estremeca de prazer
todas s vezes que Sabretache lho levsva livros
novos; e osle, que conhecia o prazer que lhe
causava, trazia-os sempre Pareca lambem que
a leitura desenvolva na moga ideas e pensamen-
*) Yide o z7arionvl94.
ver-me-hei a pedir-lhe a sua freguezia e a dos
seus amigos. Tenho o blhele na minha algibei-
ra ; sao nove horas da manha o o Sr. Dumar-
selle deve oslar em casa.
Sabretache achou com facilidade a casa indica-
da no blhele; o porleiro disse-lhe que o Sr. Du-
marselle eslava em casa. Subi ao segundo an-
dar, onde um criado lhe abri a porta.
Desejava ter a honra de fallar ao Sr. Du-
marselle.
Como se chama?
_ Meu nome nao adanla idea, por que ello
nao o conheco. Tenha a bondado de dizcr-lhe
que o homem da charuleira, que seu amo sebe-
ra o que quer dizer.
O criado moslrou-se um pouco admirado dessa
manoira de annunciar-se, mas foi dar o recado o
voltou dizer Sabretache que podia entrar.
Dumarselle eslava no seu gabinete, embrulha-
do n'um robe de chambre, e sentado dofronte co
nome, nem minha morada.
Dumarselle sorrio, recebeu o dinheiro que lhe
apresonlava o veterano, abri uma gaveta da se-
cretara, della tirou a charuleira e rosli(uio-a
Sabretache, dizendo:
Aqui lem o seu penhor; mas sinlo quo pa-
ra vir ver-me julgasse dever esperar para quan-
do me podosse pagar esti pequea somma.
Perdo, meu offical, foi talvez una suscep-
libilidadc da minha parte, mas cada qual tom as
suas ideas. Se eu o livesse coiihecido ha mais lem-
po, lalvez viesse mais cedo.
Est bom, est terminado este negocio. Nao
tratemos mais delle.
Mas eu conservare! um reconhecimento
eterno. Agora, permilta-me dizer-lho que me
chamo Sabretache, nascido era Bagnolel, que ser-
vi vinle e oito annos, e doixci a carreira militar
o anno passado.
Sabretacho? Nao esquo:erei o nome. E' ca-
sado? lem lilhos?
Nao, meu official, mormroi solleiro, a mi-
nha vocago.
E a moga docnle por quem estava lo in-
quieto?
Ah aquella moga .. minha sobrinha Aga-
quando lver tempo. l'osso uma casinhs de j che e algumas vezes por Patarata ; nws no in-
campo era Neuilly, que precisa se; inloiramenle j verno as sahidas erara curias e lim.itaram-sc j
reparada. Vou dar-lhe o numero, mandaiei pre- | passeios hygienieos.
vinir o meu jardineiro, ira v-la, e comecar Voltando o bom tempo, os passeios lornaram-
quando. liver lempo. Basta que ludo esleja se mais extensos ; em primeiro lugar flcavam vi-
prompto no mez de maio. ; zinhos dos Campos Elysios ; depois passavam al-
Muito bem. E' necessario ver cada an- guraas vezes a barreira, iara visitar o bosque de
dar ? ; Boulogne, e todos os lindos sitios que Acara des-
Tudo, quero que ludo esteja elegante e se lado do Sena.
aceiado ; voc disse-mo que tinha gosto, fio-me I De ha muilo que Sabretache saldara as suas
nelle. Quanto despeza. nao lhe d cuidado ; contas cora Patarata ; os trabalhos do pintor de
posso satisfazer as minhas phantasas, por que i casas lomaram importancia, que o obrigavara a
lenho fortuna, e nem soqur possuo uma sobrinha ter algumas vezes operarios s suas ordens. Nes-
quem ella possa vir caber algum da.
Entendo, meu olficial, nao lem lilhos; mas
se quizesse.. parece-me que ainda.est em eda-
dc do casar e de t-Ios.
Dumarselle sacudi tristemente a cabega, mur-
murando :
Nao, meu bravo. Como voc, quero ficar
solleiro... porm por outros motivos.,.. Mas os
acontecimcnlos dominara a nossa vontade, c ra-.
ras vezes o futuro c lal qual o haviabios so-
liliado I
Dumarselle ficou por um momento pensativo,
e Sabretache mudo e immovel, recelando per-
turbar-lho as reflexes. Emfim, aquello approxi-
mou-se da secretara, esrrevou um numero e al-
gumas palavras em um papel e deu-o ao vele-
rano.
qui esl o numero da minha casa de Neuil-
tha, quem quero como se fosse seu pai, e qu;.iiy c algumas palavras para o jardineiro ; l ir
nurji-a me deixar. I quando liver lempo. Se apresentarem-se oulros
Excepto quande se casar, l trabalhos, crea que nao o esquecerei; sei ondo
ses trabalhos, nao foram desprozados os da casa
decampo de Huraarselle; deve-se jJelisar ao
contrario que Sabretache so empenhou para que
o proprio'.ario ficasso conlente.
Todas s rezes que voltava do Neuilly, Sabre-
tachB esfregava as mos, dizendo :
Fica bonito 1 Eslou certo que o Sr. Dumar-
selle ha do ficar contente!
Quem e esse Sr. Dumarsello? pergunlou
nm dia Patarata ao seu carnerada.
E' um hornera de bem que mo fez um gran-
de servigo, como tu. Patarata, quando eu andava
cm apuros.
Ora vejam que grande cousa 1 De que ser-
vira ser-so amigo, se nao se fizessem desses ob-
sequios?
E' verdado, mas eu nao linha a honra de
ser amigo desse senhor, quaudo ello me servio ;
nem ao menos o conhecia.
Ah 1 isso cousa diverga 1 Foi uma bonita
accQl
Que lal esse senhor? pergunlou lambona
Cerisette ; amavel. alegre ?
Minha filha, isso nao muito fcil de dizer.
E' homem de sous cincoenta annos, pelo qua
supponho ; alto, magro, mas bem feilo; devia.-
lhe ssenlar rauito bera o uniforme. O rosto
bonito, porm severo... Quem nao o conhece,
julga-o altivo ; mas quando falla ha alguma cou-
sa nos seus olhos que inspira confianca. Nao 1S
muito conversador, e nao me parece.dos mais
alegres. Creio que lem lido graves desgosios.
Voc o v6 muilas vezes em Neuilly ?
S o enconlrei uma vez no principio quan-
do l ia. Quiz absolutamente dar-rae um blhele
de quinhenlos francos adianlado, porque dsse
que eu me vera obriRado a adiaatar diobeiro.
Como era verdade, aceilei.
Quinhenlos francosl bradou Patarata, esse
sujeto ento algum millionario?
Bobo I Nao carece sor-so millionario para
se gastar uma centena do- francos na piniura da
casa. Mas parece que o. Sr: Dumarselle rico,
julgar pela sua casa de campo. Oh 1 meus filhos.
bonita que faz gosto Tem salos cora soberbos
quadros, estatuas, bellos movis, um jardiro lin-
do, com flores raras, uma estufa, um lago.- um
paraizozinho 1
Oh 1 eu desejaria bem ver isso 1 exclamo
Cerisette.
E' fcil, minha filha. Eslou s na casa, o
jardineiro vai nao sei para onde; o depois, ainda
quando ello l esleja, tenho licenga para levar
comigo quem quizer. Agora que dove ir, poc
que os lyrios csto em flor, e l existe uma por-
go delles. Alm disso, acabo nesles doze das, e
bom aproveitar emquanto l eslou.. Amanha
se quizer, levo-a Neuilly, passaremos o dia e
jantaremos l n'uma hospedara da estrada qua
trata a genio, bera e barato., o Coelho branca.
Mas so o Sr. Dumarselle fr l justamente
amanha?
O que lem Isso ? Em primeiro lugar nao
vai, o depois quando va, eslou persuadido que
nao ha do zangar-so por cu a ter levado. E onde
esl o crime em se passeiar n'um jardn) em que
nao ha ninguem? Vaco" ir amanha Neuilly
comigo, o passeo far-lhe-ha bem.
E eu, dsse o Palarala, se do licenga irci
jantar com voces no Coelho branco.
Vai, 4s sete horas.
tConfinuar-se-fia.)
PKRN. TYP. DE M. F. DE FARIA. 1860.
' -.V
iMUTILADOI
LILEGVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIQ7WO83Z_9UMZB3 INGEST_TIME 2013-04-30T21:48:46Z PACKAGE AA00011611_09146
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES