Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09126


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANUO XXXVI. NUMERO 175.
Por tres mezes adiantados 5$000.
Por tres mezes vencidos C$000.
SEGUNDA FEIBA 30 DE JDLHO DE 186.
Pop anno adiantado 19$000
Porte franco para o subscritor.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO' DO NORTE"
Paralaba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cera, o Sr. J.Jos de Oli-
veira; Maranho, o Sr. Manoel Jos Martins Ribei-
ro Cuimaracs; Piauhy, o Sr. Joao Fernandos de
Muraos Jnior; Para, o Sr. Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
PAR IDA ovx UtltllblU.-).
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goiaana e Parahiba as segundas
e sextas feiras.
S. Anto, Bezerros,Bonito, Caruar, Altinhoe
Garanhuns as trras feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira.lngazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex as quarlas-feiras.
Cabo, Serinhaem, Rio Formoso.Una. Barreiros,
AguaPrela, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios partem aslOhorasda manha.
EPHEMERIDES DO HEZ DE JULIIO.
3 Luacheia a 1 hera e 47 minutos da manha.
11 Quarto minguante as 3 horas e 8 minutos
da manha.
18 La nova as 12 horas da manha.
25 Quarto crescente as 3 horas e 20 minutos da
manha.
PREAMAR DE HOJE. 1
Primeiro as 3 horas e 18 minutos da manha.
Segundo as 2 horas o 51 minutos da tarde.
AUDINECIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relaco : tercas feiras e sabbados.
Fazenda: trras, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quintas ao meio dia.
Dito de orphos: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civil: tercas e sextas ao meio dia
Segunda vara do civil; quartas e sabbados ao
meio dia.
Sabbado 28 do cbrente izemos dis-
tribuir com nossos assignantes um sup-
plemcnto contendo as noticias trazidas
da Europa pelo correio inglez chegado
no racimo dia.
PARTE 0FFIC1AL-
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 27 DE JDLHO DE 1860.
Offlcio ao commandantc das armas.Fago apre-
r a V. S. para ser inspeccionado o "recruta
Francisco Luiz do Siqueira, e asscnlar-lho logo
praga no caso do sor considerado apto para isso.
Cummunicou-sc ao chefe de polica.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar
postar em frente do anligo hospital do Paraso,
no dia 2!) do corrente, as 11 horas da manha,
lima guarda do honra afim di? assislir ao acto do
inanguracio da irmandade da misericordia desta
cidade.
Dito ao mesmo.Mande V. S. postar urna guar-
da de honra em frente do theairo de. Santa Isa-
bel no dia 2{J do corrente as 7 e raeia horas da
noile.
Dito ao commandantc superior da guarda na-
cional do Recifo.Mande V. S. postar em frente
da igreja de Nossa Seuhora do Carino, boje as
4 lioras da tardo um dos corpos da guarda nacio-
nal sob seu commando superior para fazer as
honras fnebres do estylo ao finado tenenle-co-
rono! reformado Bernardo Antonio de Miranda,
le (upsitando V. S. ao director do arsenal de guer-
ra o carluxarae sem balas que fr preciso para as
salvas. Olllciou-se ao director do arsenal de
guarra para fornneer o carluxame preciso.
Dito ao consellieiro presidente da re'acio.
Sirva-se V. S. de informar sobre a materia dos
'Tirios inclusos ao juiz de dircito do Bonito de
15 do corrento, e do juiz municipal daquolle ter-
mo de 1 do mesmo mez, com referencia ao re-
querimento de Thomaz Antonio de Gouveia.
Dito ao juiz de dircito especial do commercio.
informo V. S. se lhe consta liaver mais alguns
pretndanles ao officio vago de escrivo desse
Juizo, alm dos mencionados n3 relaco junta,
cojos reqoerimeulos V. S. informou em 23 do
correnti1, deelaraudo so foram satiifeitas as dis-
posices do decreto 817 de 31) de agosto de 1851,
o em que data se aflixaram es respectivos editaes,
afim de se poder cumprir o que determina o art.
13 do citado decreto.
Ilelaco a que se refere o offlcio supra.
Tilo Fiork Romano.
Manoel Joaquitn de Souza Ribeiro.
Manoel de Carvalho Pues de Andrade.
Bellarroino dos Sanios Bolcao.
Horario do i Insinu Cotho.
Manoel l'olycarpo Moreira de Azevedo.
.Joao Forreira Vilolla.
Herculano Doarto do Miranda.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Em vista di corita junta em duplcala, que voio
annexa sua int'ormaco de honteui, sob n. 758,
Ukande V. S. pagar a quanlia de 10J, quo se est
a dever a Manuel Figueirda de Parla pola impor-
tancia dos annuncios mandados publicar pelo
conselho adrainistraliro do arsenal de guerra no
Diario de Vernambnco durante o Irimestro de
abril a junlio deste anuo.Communicou-se ao
conselho administrativo.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar a quanlia
de 350}, em que importa um regulador compra-
do para a faculdade de dircito da cidade do Re-
cife o ,i que so reforo a sua informarn de hon-
tom, sob n. 159.Communicou-se ao director da
faculdade.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar sob minha
rosponsabilidade o que se esliver a dever ao pro-
motor publico da comarca de Nazareth, bacharel
Joaqun) Eduardo Pina, proveniente de seus ven-
cimentos. visto nao haver erudito para esse pa-
gamento, que assim me fo requerido por parle
do mesmo bacharel.
Dito ao inspector do arsenal de marinlia.Man-
de V. S. calafetar o convez do vapor do guerra
nacional Piroja, e fazer os concerlos de que pre-
cisa a caldeira do E B do referido vapor.C.oni-
municou-se ao commandantc da diviso naval.
Dito ao juiz de dreito de Santo Anto.Para
#cumprimento dasordens imperiaes informe Vmc.
se j fui cumprido o accordo do tribunal da re-
laco do districto de 3 de marco ultimo, que
mandn submetler a novo julgamento o reo
Amaro Jos, e qual o estado do respectivo pro-1
-so Igual ao juiz de direilo de Nazareth.
Dito ao juiz de direito do Bonito.Devolvo a
Vmc. os mappas eslatislicos da Ia sesso ordina- |
riadojury do termo de Caruar, quo acompa-
:!. iran o seu officio de 5 do correle, para que
llies addicione as observarles exigidas pelo aviso
circular do ministerio da justiea de 8 de Janeiro
de lb55 junto por copia.
Dito ao capilo do porto Faco apresenlar a
Vine, para sor inspeccionado, o rcrula Francis-
co Belchior de Oliveira.Communicou-se ao che-
e de polica.
Dito cmara municipal de Cimbres.Inleira-
do do conteudo do oflicioqne me dirigi a cma-
ra municipal do Cimbres em 27 de junho ultimo,
t< i ho a dizer-lhe em resposta, que lomarei na
devida consideraco o que expc e sollicita a
inesma cmara em seu citado officio.
Dilo ao conselho de compras navaes. Pode o
conselho de compras navaes effocluar nos termos
do olficio de 24 do corrente a acquisico dos ob-
jeclos constantes da relaco, que veio" annexa ao
citido olficio, os quaes s'o precisos para o forne-
Clment do almoxarifado do arsenal do marnha.
Dito ao director das obras publicas. Tendo
nesta data approvado o orcamento que Vmc. me
remetteu com o seu oflVi* de 30 de junho ulti-
mo sob n. 20l,o autoriso a mandar fazer por ad-
ministrarlo os reparos mais urgentes, de que pre-
cisa a ponte da ra d Aurora, com os quaes so
poder gastar a quanlia de 1:518$ rs., como se v
d mesmo orcamento. Communicou-se thesou-
taria de fazenda.
Dito ao curador dos Africanos livres.Recora-
mondo a Vmc. a observancia da ultima parte do
aviso expedido pelo ministerio dn jusiica em 19
de abril, que por copia lhe foi transmitlido com
cilicio do 15 de maio ultimo, afim de queopportu-
namentese possa satisfazer o mesmo aviso.
Dilo ao thesoureiro das loteras. Faca Vmc.
cxlrahir em lugar da 2a parle da 2a lotera do
theatro de Sania Isabel, que se acha em 9o na
respectiva tabella, urna parte da lotera de Nossa
Seiiliorade Guadalupe da cidade de Olinda ; de-
pois do que scro extrahidas aquella lotera, c as
otitrasna mesma ordem, em que se acham clas-
eifl cadas.
Portara.O presidente da provincia, tendo em
vista o que requereu Luiz Gonzaga do Senna,
guarda do consulado geral, e bem assim as infor-
niaooes das reparlces competentes, resolve con-
celler-lhe tres me'zcs de licencia com ordenado
para iratar de sua saude.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande dar transporte para o porto do Gran-
ja, no vapor que segu para o norte, e em lugar
destinado para passageiro de estado, a Josephina
Mafia da Conceicao.
Dita.O Sr. genrente da companhia Pernam-
bucana do vapores^ mando transportar na primei-
ra opporlunidade para a provincia do Cearl5
caixes contendo objeclospertencentesaoraeioba-
tallio daquella provincia, onde deve ser pago o
respectivo frete.Communicou-se ao director do
arsenal de guerra.
Dita.O Sr. agente da companhia Brasileira
de Paquetes a vapor, mande dar passagem de
convs para a Baha do vapor Paran ao grume-
te Manoel Eslacio |du-NdSciracnlo, que deserubar-
cou do hiato Parahibano por incapaz do servico.
Communicou-se ao commandante da eslac'o
naval.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao commandante das armas.De ordem
de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, doctoro
a V. S., em resposta ao seu officio de 23 do cor-
rente, sob n. 778, quo para poder-se autorisar o
colleclor de Tacaral a pagar a despoza mensal do
luzes para o quartcl da companhia de pedestres
alli exislenles, faz-se preciso saber o prego por-
que foi contralado esse fornecimento, e desde
quando coraccou elle a ler lugar, segundo in-
dica o inspector da ihesoui-aria no officio cons-
tante da copia junta.
Dito ao juiz dos feitos da Tfazenda nacional Dr.
Alvaro Barbalho Ueha Cavalcanti.De ordem de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, aecuso ro-
cebido o officio de 26 do corrente, em que V. S.
participa lor reassumido naquella data o exorci-
cio do seu cargo. Fizcraru-se as communica-
ces convenientes-
Dito a administraco dos estabelccimcntos de
candade.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda commuuicar administraco geral dos
cstabolecmeiilos de caridade, que' concedeu ao
vogal da mesma adroinislracu, Antonio Jos Go-
mes do Correio, licenca para ir provincia do
Maranho tratar de sua saude.
Dito ao cominaiitc superior de Garanhuns.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia, communico a V. S. que o requerimanto em
que o lenente-coronel do batalho n. 29 de infan-
taria desse municipio, Manoel de Albuquerquc
Caralcante Neceo, pedia o que de mais entende
ler pago pelo accesso que obievo, levo nesta da-
ta o seguintc despacho : Requcira ao Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Despachos do da 27 de ji liio.
fequerimentos.
979Candido Autran da Malta o Albuquerquc,
amanuense de secretaria da polica'Passe-se.
980.Francisco Pacifico do Amaral, amanuen-
se da reparlicao especial das trras publicas.
Informe o Sr. inspector di thesouraria de fa-
zonda.
981Josephina Mara da Conceicao.Dirija-so
agencia da companhia Pcrnarabucana.
982Jos Antonio de Albuqucrque. Informo
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda, oovin-
do o administrador da recebedoria de rendas in-
ternas.
9S3.Dr. Lourengo Trigo de I.oureiro. Re-
medido ao Sr. juiz de direito da 1" vara para to-
mar ronhecimenlo e proceder como for de lei.
9S4.Manoel do Albuquerquc Cavalcanti Nec-
eo.Rcquetra ao Sr. inspector da thesouraria de
fazenda.
DAS DA SEMANA.
30 Segunda. S. Rufino; Ss. Abdon e Seen mm.
31 Terga. S. Ignacio de Loyolla fundador.
1 Quarta. As cadeiras de S. Pedro apostlo,
2 Quinta. N. S. dos Anjos; S. Estevo p. m.
3 Sexta. Invengan do corpo deS. Estevo.
4 Sabbado. S. Domingos de Gusmo fundador.
5 Domingo. Nossa Senhora das Nevos.
EXTERIOR.
Os proUtbicianislas affirmao quo o seu sys-
tema restrictivo protege o trabalho nacional.
A esse re3peilo tem sido muhas vezes de-
monstrado que se enganao. Se voltsmos a
esse assumpto, porque os factos e'peciaes que
aprsenla hoja a industria do ntgodo, renovam
essa demonstrado de ura modo que nos parece
bem nolavel.
Urna das pretencoiis do systema, como todos
sabem, proteger especialmente a industria
do algodao. Nisso o systema proceda ma-
gnnimamente, como de costume: prohibirao
absoluta sobre os los de algodao abaixo do
numaro 143. islo sobre os nove decimos
pelo menos.dos fios empregados, e cima des-
se numero, direito de 8 fr. 40 c e 9 fr. 60
c. por kilograma, ao passo que no Zollverin
o direito de 16 c. ; prohibirlo absoluta de
todas as especies Je panos de algodao, bran-
oos ou crs, algodozinho madapoloes, mo-
rins, mussulinas ; probibico absoluta dos pi-
nos de cores bem como dos que valern 2 fr.
o metro comodaquelles cojo preco fosse 50 c. ;
prohibidla absoluta de filos, finos ou ordina-
rios; probibicao absolutas de barretes, meias, ele;
prohibirlo absoluta de qualquer tecido em
que eitre a menor parcella de algodao, qur
o principal soja de linho, de canhamo, de
seda, de la, de cnica, de palha, de crina,
de cadulchonc ou de qualquer onlra substan-
cia ; probibicao absoluta de bordidos, enfeitos,
etc. ; em urna palavra, prohibigao absoluta por
toda a parte e semprc. Si a prohibirao que
constilue a foDSl a importancia e a prosperi-
dade de urna industria, eis urna que devia
ser a mais forte do mundo e que deveria ter
adquirido porpoQes colossaes, pois em fim,
impossivel ser mais protegido que isso. Ago-
ra, qual a realidade?
A industria do algoJao em Franca certa-
menle urna industria grande e hbil; mais os
dados offciaes mais dignos de crdito demons-
tra, que suas exporiacoes sao limitadas. Em
materia de artigos de algodao, a Franca expor-
ta effectivamente o vigsimo Ja Inglaterra. Se-
us desenvolvimentos determinados pelos accres-
cimos das importnces de algodao em rama,
sao os menos rpidos da Europa. Ora, onde
esi a causa dessa exportarlo limitada e des-
sa marcha lo lenta '.' Pura e simplesraente,
no systema restrictivo. Temos manufactura-
ros capazes, obreiros peritos, bons fiandeiros,
bons mecnicos, bons chimistas, os melhores
desenhistas do mundo, os lintureiros mais n-
(elligentes e os homens mais entendidos para
bem dispr as cores. Possuiraos, para fazer
mover os nossos eslabelecimentos, em urna
mullido de casos, quedas d'agua que fallo
aos Inglezes. Nao ha razao alguma para que
nao facamos algodozinbos e qualquer outra
especie de pinos brancos ou crs tao baratos
como ellos, por que se entre nos o carvao, o
ferro e por consequencia as machinas sao mais
caras, a nio d'obra cu-ta menos, o que faz
mais que a compensarlo. Quanto aos filos e
panos de cores ou impressos e aos bordados,
enfeites, ele a nossa superioridade floran-
te ; ella reconhecida por todos por causa da
excedencia dos nossos desenlio;. Si as nossas
industrias de filos, de bordados e de panos de
cores ou impressos livessem plena latitude para
obter o algodao fiado que a sua materia pri-
ma, haviamos de inundar a Europa com es-
ses productos, e, reparem, sao estes os mais
importantes sob o ponto de vista do trabalho
nacional, por isso que sao os que oceupam
mais bracos. Eis, porem, o que acontece :
os fiandeiros, instituidos senhores do mercado
pela prohibirlo que peza sobre os fios,
nao deixara, quando a industria prospera, de
aproveilar as vantagens de sua posicao privile-
giada, e vender a sua mercadoria por presos
exhorbilantes. Os teceloes que empregam os i
fios para fazer panos de toda a especie, sao
obrigados a vender os seus productos por mui- '
to mais do que valen) no exterior. A conse-
quencia fcil de tirar ; os impressores acham-
se estorvados, ou, para melhor dizer, impos-
sibilitados em suas operarles, com o estrangei-1
ro. Pela snperioridade de seu gosto, pela j
excellencia de seus Jesenbos, pela prcieigio de
suas tintas, poderao ainda sustentar a concor-
rencia ingleza, belga ou allemaa, no mercado
geral, com urna differenca de 5 ou 6 por |
cento. Com a diOerenca dupla cu tripla
que Ihes impoem por tabella a oaestia dos!
fios, serao obrigados & se retirarem de jma lula,
onde sentem, entretanto que com armas guaes
alcancariam a victoria.
O que acabamos de dizer dos pao; de co-
res ou impressos nao menos verdado sob os'
filos, bordados o at mussulinas Ess;s indos-!
trias tambem so acham sacrificadas ais inters- !
ses da fiarao. Parece-nos todava qi e peranle!
a lei os impressores e os fabricantes de filos ou '
bordados sao iguaes aos fiandeiros far-nos- j
hiam um.grande favor se nos explicassem por
que es=a igualdade nao subsiste na tarifa da
alfandega, que nao seno urna dis formas
da lei.
Esta derrogaejio ao direito commum estaa
no interesse do trabalho nacional, isto porque \
a industria da fiaQo oceuparia mais bracos que
as de pannos de cores, bordados, ele filos,;
mussulinas ? Nao, de certo. A ver.lade que
afiagio ocenpa tira obreiro, talvez, contra dez'
ou doze aos quaes as industrias assim subordina-
das fiacao ministran) trabalho e pao.
Presentemente, para se dar industria de
pannos de cores a vista da exportarlas nao ha
mais Jo quo um meio : ter um ;slbeleci-
ment completo que rena todas as operac,5es : j
a fiaco. tecedura, e impressao ; mas essacon-!
centrago nao possivel seno com im capital
muito avultado. Ueste modo, homens indus-
triosos qu possuem mais intelligene a, aclivi-
dade e amor ao trabalho do que milhots sao des-
bordados do commercio de exportarlo, quando,
enlretanlo, ogenio nacional o sua prepria apti-
do os couvilam para isso* Um semelhanle
estado de cousas ser conforme ao espirito da ci-
vilisacao moderna ? Poderiam respondir, segun-
do nos parece, que diametralmente cpposto.
Ha muito que fazem reclamaQes :io governo
os fabricantes de pannos de cores, de fil;, de
bordados e mussulinas, ofim de dar remedio a '
essas consequencias to lamentaveis do systema
restrictivo. Os fabricantes de pannos de cores,
particularmente insistiram com umt perseve-
rancia digna de ebgio sobre o abuso ru soffrem
e que os impede de augmentar o eu fabrico. |
Demonstran) com urna convieco profunda, o
que verJade, que poderiam dispuiai aos fabri-
cantes de Manchester a immensa sahida que o ;
mercado geral aprsenla a essa espec e de pro-
ducios. Pedem que se use a seu respeito de urna
faculdade de que o governo acha-se revertido do
modo mais expresan pelas leis existimes, o de
autorisar a importagoem franqua de tecido
de algodao estrangeiro, como a ob'igaco Je
reexportar depois de impressos. Representan)
que a exporlscoes da Franca, ness.-i especie de
mercadorias. seriam tal vez duplicadas, com im-
mensa vantagem des populacoes obreii as, se essa
liberJade Ibes (fosse permiltida. Fazem notar
que o consumidor do interior resiraria mm cer-
to lucro visto que o augmento de prodcelo
lende a diminuir de um modo notavel as des-
pezas geraes dos eslabelecimentos. Do, em
urna palavra, as melhores razoes. Umseme-i
Ihanteexame est to bem em harmmia com os
principios e com o interesse publico,que nos pa-
rece impossivel que um governo cioso dos verda-
deros interesses do trabalho nacionaluo lhe de
bam acolhiinento.
Accrescentaremos que presntemele exisle a
esse respeito razes de urgencia. Os fios e os
lecidos de algodao elso com effeito por preros ex-
cessivos, e radicalmente impratica fabricante de pannos tintos trabalh ir visia da
exporlacao. E', pois, em nome dos enteresses
urgentes do trabalho nacional que os fabricantes
de pannos, tintas, firmando-se no bom direito
que sempre digno de respeito, pelen ser ou-
viJos.
Baudrillart.
Journal des Debis. S. Filho.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAHBUCO.
Paris, G de julhr de tS60.
Sr. redactor. O 'eoulecimonto mais nolavel
desta quinzena, pelo que respeta I ranea, foi a
morte do principe Jeronymo Bonaparlc, irmo do
imperador Napoleo 1. Depois do don* mezes ile
molestia, em quo a sciencia medica lulou debal-
de contra os progressos da euferniid de, expirou
o principo no dia 2 do junho ultimo no seu pa-
lacio de Villegoiiis, nos arrabaldes i< Pars. Es-
lava quasi a complotar 76 annos de idado, pois
nascra 15 do novembro de 1781. 3om a cons-
tilui^o vigorosa, que tinba. ser-lhe-liia fcil pro-
longar a vida, so livosso sabido coater-se, e se
nao tivesse continuado obstinadame'.He a levar,
em urna idadej muito avancada, a vida desre-
grada de um moco. Era elle b ultimo dos (ilhos
de Carlos c de Leelicia Bonaparte, .i mais moco
dos (ilhos de Napoleo, que o ama va com ternu-
ra, e que, quinze anuos mais velho, Iho havia
servido de pai.
Napoleo linha-o primeiramente feilo admillir
na marnha, ondo assignalou-se po- importantes
servicos. Em urna de suas excurse aos Estados-
Unidos, esposara sendo ainda menor, a filha de
um rico negorianto de Boston, de nome Pater-
son ; mas este casamento foi annullado, por ler
sido feitosem o consenlimenlo dos prenles, e o
fillio desse consorcio apenas leve a autorisacio
de tomar o nome de Bonaparte.
Alguns annos depois, em 1807, querendo o
grande Napoleo consolidara sua nova dynastia
por meio de casamentos, ligando-a lia antigs fa-
milias soberanas da Europa, fe-Io canar com a fi-
lha do re de Wurlemberg e o fez rei do novo rei-
no de Westphalia, que desmembrou da Allema-
nha.
as longas guerras do imperio, c principe Je-
ronymo foi encarregado de importar tes comman-
dos, especialmente em Waterloo, o do elle linha
debaixo de suas ordens urna diviso e se distin-
gui por sua intrepidez.
A queda de NapoleSo I trouxe tan bem a do ex-
roi Jeronymo, que passou no exilie trinta annos
de sua vida.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCO NO SOL*
Alagoas, o Sr. Elaudino Falco Dias; Bahia,
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr^
Joao Percira Uartins.
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do diario Manoel Figueiroa dw
Faria.nasua livraria praca da Independencians.
6 e 8.
Ponco3miy.es antes da revuluco de 13, ti-
nha elle oblido do governo do rei Luiz Fhilppe a
aulorisaco de voltar para a Franca, e logo de-
pois, pelo faci d'essa rcvolucao, elle foi chama-
do a cempartilhar da prodigiosa fortuna de seu
sobrinho Luiz Napoleo, que tinha conseguido
restablecer a dynastia imperial.
Sua notavel parecenga com seu glorioso irmo.
e seus continuos actos de beneficencia, linham-no
tornado muito popular. As exequias foram mag-
nificas. O corpo foi embalsamado em Villegens
e transferido d'alli para o palacio real em Paris,
onde esteve exposto em unta capella ardenle.
Foi visitado por urna prodigiosa multtdo de cu-
riosos, que se avalia em cerca de 300 mil pessoas
durante os quatro dias que estove exposico.
A ceremonia do enterro realisou-se no dia 3
do corrente com sorprendente apparalo e no
meio de una affluencia enorme. Traja vara de
luto o principo Napoleo e o marechal duque de
Malakoff, designado pelo imperador. (1)
Os restos mortaes do anligo rei de Westphalia
foram depositados em urna cava do hospital dos
invlidos, julio ao jazlgo em que se acham de-
positadas usinzas de Napoleo I. Diz-se que o
imperador teaciona transferir os restos de seus
douslios pan S. Deniz, jazigo dos antigos res
de Franca ; has que desoja tambera depositar
ahi o corpo do filho de Napoleo I, que fiara rei
do Roma em seu nascimento e que morrera du-
que de lleichlladt. Diz-se mais, que, para isso,
obtivera lie a Austria a perraissao de transfe-
rir esse &r|opas cavas do caslello do Schoem-
brun, emqneee acha sepultado. Diz-se, final-
mente, que lacultou-se s duas familias dos
Bourbons, quo reinaram successivameute em
Franca, o depositar na nccroDoles real do S. De-
niz os restos do ro Carlos X, ultimo do tronco
mais velho, e as do rei Luz Philippo, nico do
tronco mais maco d'nquelU familia. Todos estos
projoctoseslo do confornrldnde com o carcter e
com as vistas de Napoleo III, que esforca-se por
ligar o presente com o passado, e a sua nova dy-
nastia com as dynaslas que durante quatorze se-
culos reinaram em Franja.
O principo Nipoleo, pela morte de seu pai, 6
hoje o prmero principo do sangue. Roceia-se
que, nesta all< sluaco, elle nao conserve o
mesmo espirito te moderaco que sou pai, nom a j
alToctuosa subniBso que" o principe Jeronymo
manifestara em suas relaces com o imperador c
a impciatriz. Enlretanlo de esperar que a ida-
de liar alguma calma alma ardenle do princi-
pe Napoleo, c que pora, com sangue fro, ao
servico do imperidor o da Franca, as raras quali-
dides que o disliguem.
O principe Jeronymo deixi, alm desse filho,
o principe Napoko, urna filha, que a princeza
Mathilde, esposo divorciada do principe russo
Demidotr.
Entro agora na exposico dessas complicacoes
italianas, que prcoecupam a Europa o que pare-
ce embrulhar-se cada voz mais. Na Sicilia, du-
rante esla quinzena, uo se deu nenhum feilo de
armas, nenhum tiro de peca ou de granadeira a
nao ser era signal de regos'ijo.
Garibaldi, desde que se acha senhor de Paler-
mo, tem se limitado a espaldar nuvens de papel
escripto. Nao ha da, em que nos nao chegue
daquella ilha alguma proclamaco, algum decre
lo, alguma carta do dictador." O hornera orga-
nisa e desorganisn, cnche de elogios os seus vo-
luntarios, que sao muito patriotas, mas que sao
tambem uns refinados vadlos, quo preferem pas-
ear 0 dia a gritar viva Garibaldi o comer des-
cansadamente o sold sem se oceupar de outra
cousa mais que de passear. E' islo um dos pri-
meiros embaracos pira o dictador, quo lodavia
poder faze-lo desapparecer suprimindo o sold
Mas elle tem oulro embaraco, que a falta de
diriheiro. Garibaldi pede-o "por quanlos santos
ha, eserevea seu amigo Bertain cartas singula-
rsimas, paraderaov-lo a lhe obter dinheiro por
meio de um emprestimo. Bertain publica essas
cartas, ajuntando-lhe as lloros de sua propria elo-
quenca em compassivos commentarios. Conse-
guido alguma cousa por este modo"? Aquelles
que recusara dar estaro dispostos a emprestar?
lgnoro-o; mas pelo pouco interesse quo nos ins-
pira esse patriotismo italiano que ludo perturba,
nos os francezes recejamos por este lado um no-
vo incidente desagradavel a Garibaldi. No Pie-
monte nao foi bem recebida a noticia da escolha
por elle feila das pessoas que compdcm o seu mi-
nisterio, e alli se diz abertamente que elle, sem
o querer, est a trabalhar para Mazzini.
Em consequencia disso enviafam-lhe um Sr.
da Faria, revolucionario exaltado ; mas que tom
tendencias monarrhicas. O enviado desembarca
era Pdlermo, mas fo-lhe impossivel cnlender-so
com Garibaldi, e se vio forQido a voltar. que
fez cnloo dictador? Para "dar a seu modo urna
satisfaca ao Piemonie, escolhe um personagem
entre os mbrr.s sicilianos, o principe Torrearsa,
e o nomea dictador substituto, mas dentro de
poueos dias poz-so elle em desaccordocom o seu
substitu, o qual se retira do governo.
Alm disso, amelles, que secretamente leem
protegido a erapreza, insistem em que se lhe d
immedia^mente um cerlo carcter de regulari-
dade, fa;endo que o povo siciliano d quanto an-
tes o seu vol sobre a annexaco do Piemonie,
sobro o sceptro de Vctor Emrrlanuel ; mas Gari-
baldi recisa-se a isso em urna carta escripia em
estylo de orculo coran seu costume escrever
sempre. c o que resulla de mais claro de suas
phrases, que, se annexaejio fossn immedamen-
to proclamada pelo povo, elle Garibaldi nao seria
rnais senhor de dirigir os negocios a seu geito c
de continuar a guerra contra o rei de aples.
Suppoe-se, pelo que elle diz, ser esla a sua fir-
me o inabalavel resoluco; mas qual I ei-lo que
toma novo accordo, e convoca o povo siciliano
pira em comicios, no dia 18 de julho, declarar
se quer a onnexago.
Anda contando com a cabeca leviana de Gari-
baldi, nngicra comprehenderia todas estas suas
lergiversacoea, se nao fosse conhecido urrr- facto
que bem a's explica. Mazzini acha-se em Paler-
mo desde o da 23 de junho com os seus mais
inlimos adepios, especialmente a celebre Miss
Wliile. Ora Mazzini, aquem Garibaldi diz detes-
tar cordealmente, o verdadeiro chefe dos revo-
lucionarios italianos, o ello o que faz o empha-
lico dictador obrar como um manoquim.
Mazzini quer to pouco a Victor Emmanuel co-
mo ao rei de aples, oque elle quer para a Ita-
lia a repblica urna e indivisivel, e pode-se ter
como cerlo que do accordo com os chefes da de-
magogia francezes, alleme*. hngaros elle nao
dar a Italia nem paz e nem treguas. E' elle
quera transtorna a cabera a Garibaldi, e quem do-
minador da gente que cerca o dictador, lhe faz
desmanchar no dia seguinte o quo na vespera li-
nha feilo.
Por outro lado, o Sr. de Cavour, tem ura gran-
de ascendente aobre o dictador, que uo sabe o
que fazer entre estas duas influencias contrarias.
O pronunciamento immediato da annexaco te-
ria a vantagem de collocar a questo no terreno
diplomtico ; por quanto o re do Piemonie nao
se arriscara o acceitar este novo territorio sem
obter o consenlimenlo da Europa.
Garibaldi, dominado por seus inslinclos revo-
lucionarios, nao quera abrir esta porta. O Sr.
de Cavour decidio-sc a isso ; mas quem sabe se
a influencia de Mazzini o nao far mudar de re-
soluco ? Seja como-for, as cousas, na Sicilia
conservam-so no sfafu-oaio. Os napolitanosfor-
lilicam-se era Messina, e era alguns pontos mais
que ainda oceupam na ilha. Garibaldi prepara-
se para ataca-los brevemente.
(1) Em Franca costume ir um ou mais pren-
les do morto acompanhando o fretro vestido de
luto.
O qae se passa era aples, nestas graves cir-
cumstanciass ? Oocorrem ah fados de grande !
consideraco. Depois do longas deliboracoes com
os principes de sua familia e com os seus mins- I
tros, o rei toniou a resoluco de lancar-se nos!
bracos dos liberaos, e no dia 26 de junho fez alli- !
xar um aclo soberano prometleudo uaco :
1 amnista geral ; 2" forraaco de um novo"mi-
nislerio, o qual, no mais breve prazo possivel, I
redigir um estatuto sobre as bases dascouslilui-
ces representativas italianas e nacionaes ; a for-
macao desse ministerio confiada ao commen-
dador Spinellt; 3 estabelecer-se-ha um accordo
com o rei da Sardenha sobre os l.ileresscs das
duas coras da Italia ; 4o o estandarte do reino
ser o estandarte tricolor itiliano com as armas ;
do aples ; 5o a Secilia recebor inslruccoes ana-
logas, capazes de satisfazer s necessidades das
populacoes : lera por vicc-rei um principe da
casa real.
_0 que se seguio a esta proclamaco, ainda se
nao sabe, seno por noticias contra'dilorias, que
poem tudo na maiorobscuridade. Ocomraenda-
dor Spnelli leve um trabalho insano para orga-
nisar o seu ministerio ; e a dar-se crdito s ul-
timas noticias telegraphicas esse gabinete disso!-
veu-seiramedatamente, em consequencia do ha-
verem alguns ministros pedido ao rei certas ga-
raaliase imposto, entre outras condiooes, a cha-
mada da rainha viuva, sua madrasta." Diz-se que
a base do programma proposlo pelo commenda-
dor Spnelli ura projeclo do confederac.o ila- '
liana como o de Villa-franca.
Mas, emquauto o governo loraavaesta nova al-
litude, a cidade de aples conservava-se na i
maior agtaco. Os despachos fallara de corarais-i
sariosde polica roubados o agentes assassinados.
Mas, um facto incoiilestavcl e do mais alta gra- !
vidade o da aggrosso violenta de que foi victi- I
na o Sr. Brenier. ministro de Franca em apo-
les. No dia 29 de junho este diplmala alravcs- '
sava, era um carro descoberlo, a ra de Toledo,'
quando foi assaltado por malfeitores que lhe ap- I
pilcaran) algumas bastonadas na cabeca. Trans- j
portarara-no, lodo lavado om sangue para a sua ;
residencia, onde 4 forja de promptos cuidados !
conseguirn) torna-lo a si. Hoje acha-so elle li-
vre de pergo.
Comprehendo-se a profunda sensaco que um !
facto desla or lo ni devia ler produzido em apo- !
les. Nao se tratava somente de ura altentado
contra a lei geral que garante a segujunca pes-
soal ; era a raais flagrante volato das garantas
excepcionaes que o direito das gentes confere aos
representantes estrangeiros. A crte do ap-
les mostrou-se extroruaraenlo impressionada. O
rei manJou incontinente o seu primeiro ajudan-
le de campo apresenlar seus sentimentos ao fe-
rido. Os tos do re, o conde de Syracusa, o con-
do de Aqnilla, o conde de Trapani foram possoal-
mente visila-lo. Os ministros fizeram o mesmo, |
e todas as pessoas consideraveis de aples foram
inscrever seus comes na porta do Sr. Bre-
nier.
Fcram-seas raais activas pesquisas para des-
cobrir os culpados, quesodous. Os despachos
atribuom o aHenlaiio aos san fedistas [ ibsolulis-
las], que se achavam provavolraente irritados \
pela influencia que exorcera o Sr Brenier no es-
pirito do rei, animando-o a proclamar a consti- I
tuico.
Por mim, nao estou bem convencido de queo3 '
criminosos sejam desse partido, e acreditara i
mais deprossa quo neste negocio anda o trar;ode '
Ma/.zini, e quo elle quz simplesmcnte desviar o
governo francez de qualquer pensamento que
lendesse a auxiliar o rei de aples. Ha. em j
aplos urna commisso central revolucionaria. I
que faz imprimir secretamente proclamacoes in-
cendiarias, e que est ainda mais furiosa" do que !
os lazzaroni pela nova poliiica do rei. Desta
gente quo se deve desconfiar.
Na Inglaterra, o acontecimento mais nolavel
da quinzena, foi a revista que a rainha passou i
no dia 2 de junho aos corpos de voluntarios, '
creados em Londres e as provincias para a rte-
feza do territorio. E' o complemento das medi-
das tomadas para o augmento da marnha e for-
lificaoo das costas, no caso de um phantasiado
desembarque de francezes na ilha.
O conflicto entic a careara dos lords e a dos
communs por caus i do imposto sobre o papel res-
labelecido pelo3 lords, acha-se quasi a terminar
por urna esperie do accommodaco proposta por
lord Palracrston, pela qual se declara em ultima
analyse, que o direito de estabelccer c de abo-
lir os impostes perlencc cmara dos communs,
e que com quanto esse direito linha sido exercido
algumas vezes pela cmara dos lords, a cmara
electiva o mantem e o proclama. E' urna especie
de protesto, que todav nao exelue o vol dos
lords.
Da Hespanha, tenho apeuas aue noticiar urna
nova manifestarlo do conde de Monlemolin, que
retracta a renuncia por elle foita dos seus preten-
didos direilos ao llirono de Hespanha.
Post scriptnm. Pela3 noticias ltimamente
chegadas de aples, consta que foi levantado o
estado de silio. e proclamada a constluico de
1818. Essa constluico foi redgida pela consli-
luico francesa de 1830: ella crea urna cmara
de depulados, um senado vitalicio nomeado pelo
ro e a liberdade da imprensa. As elci;cs tero
lugar no dia 19 de agosto. A rainha rai devora
residir am Gaela.
Bolsa :3 por cento a 68 li,5.
4 e 1(3 por cento a 97, c 5.
Consolidados ingl. 93 1(2.
ser esse um dos priniciros assumplos, que o go-
verno tome, em consideraco.
Sobre o contrato do tabaco, o governo apre-
sentaria o respectivo projeclo, reservando-se pa-
ra ento emiltir sua opinio sobre este objeclo.
Quanto reforma das pautas, dcclarou que se
ha de necupsr deste assumpto, de modo que na
seguinte sesso legislativa, sejam apresentadas as
suas proposlas, renovando desde j a iniciativa
da que apresernra, quando anteriormente es-
leve no ministerio, e em que propunha a refor-
ma de 270 e lautos artigos da paula.
O Sr. Hurta (ministro das obras publicas) disse
que a cmara sabeque so nao pode deixar de lomar
algumas providencias sobre viaco, e que da>
maior conveniencia que se aprsenle quanto an-
tes o parecer cerca do negocio Langlois, para
tomar sobre elle urna resoluco definitiva
O Sr Moraes Carvalho (ministro da justioa)
disse, que tendo declarado que concorda com' o
projeclo de crdito predial, e uo recusando lou-
vor commisso pelos seus t rabal nos, o tendo a-
ponas desojado que se lhe lizessem leves modili-
caces, nao podia agora paraa quando s falla vo-
tar-sea ultima parte de ura artigo transitorio, a pre-
sentado pelo seu antecessor, entendendo por isso
que deve ser volada essa parlo, vollando o pro-
jecto novaraenlc cmara.
A' noile (5 de julho) reuiiram-sa os ministros
com os raembros da cmara, n'uma sala do mi-
nisterio do reino, onde reeilerou as suas decla-
raoes e respondeu satisfactoriamente a diversos
pontos de administraco, sobre que foi ques-
lionado.
A certos espirtos que enlendem que a mudan-
ca do urna administraco deve irazer comsigo
um completo revirameuto na poltica e nos prin-
cipios econmicos, pareeeu mal que o novo ga-
binete nao desfizesse quanto os seus antecessores
linham iniciado, e obstinam-se a dizer que as
hostilidades que a opposieo Ihes movia, era ape-
nas urna expresso pessoal, urna guerra do no-
raes proprios, um desabafo de ambices mal sof-
fridas. A Rtcoluro de Setembro, lem escripto
lodos os dias urna catilinaria, cora o titulo de
forcas caadinas, querendo mostrar quanto sao
conlraditorios alguns dos membros do actual mi-
nisterio quo combateram os projoctos tributarios
como odposco, c hoje os abracan) como poder.
A verdade que as doutrinas que o gabinete de-
missioinrio propozera e sustentara para tornar
realisaveis os melliorainenlos pblicos e a devida
satisfaco dos encargos resultantes desses. mc-
Ihoranientos, nao tinham urna feQo original;
parle dessas ideas recebera-as o ministerio tran-
sado dos seus antecessores a titulo de heranca ;
parle erara principios, quo Iraduzidos n'out'ros
paizes para o campo dos lacios, haviara justifi-
cado, por urna experiencia, raais ou menos lon-
ga a sua elficacia, c at certo ponto a compalibi-
lidade da sua applcaco nossa trra.
Quem desautonsura' o governo e lhe Osera per-
der a conanca publica, foram as suas jovialida-
des c desperdicios.
Por isso, nao sao contradictorios os que votara
aos novo* agentes do poder o que recusavain
aquelles. Se pelos seus actos perderem o direi-
to essa confianca, justo nesse caso, que se
Ihes rnovam as raais severas hostilidades.
O ministro da fazenda declarou antes de hon-
tom, que se a experiencia mostrar que na saa
execuco essas medidas sao violentas aos povos,
trar s cortes as propostas necessarias para que
sejam modificadas ou alteradas, no sentido da
melhor conveniencia dos povos
O Sr. Casal Ribeiro tinha proposlo a regie para
o tabaco ; nslo se alfaslou j o Sr. Avila, pro-
pondo que o contralodo labaco soja arrematado
por mais tres aunos, sendo todava o goveruo au-
torisado a administrar por sua cunta esse mono-
polio, no caso de nao apparecerem concorreutes
que ofTerecam o rendmento que ao estado pro-
vra actualmente d'dquclle contrato.
Diz-se que depois de fechadas as corles se vio
fazer mudancas no pessoal administrativo. Os
governadores" civs de Coimbra, Braga, Porto e
Villa Real pediram j as suas demissoes.
Lisboa, 13 de julho.
Est constituido o novo ministerio, de cuja or-
ganisaco se tratava quando sahia d'aqui o ulti-
mo paquete.
Presidente do conselho de ministros, e minis-
tro do reino,marque/ de Loul ;
Justina e negocios ecclesiasticos,Alberto An-
tonio de Moraes Carvalho ;
Fazenda e negocios estrangeiros,Antonio Jos
d'Avila ;
Guerra, (interinamente),Belchior Jos (Jar-
ees ;
Marnha e aatramr,Carlos Benlo da Silva ;
Obras publicas, commercio, industria e agri-
cultura,Thago Augusto Velloso e Horta.
Inslra-se com o|nobre visconde deS da Ban-
dera para fazer parte do novo gabinete, mas
nao annuio.
A sluaco pois toda histrica : a sua polti-
ca assar conhecda e syrapathica para inspirar
confianga ao paiz.
Apresentando-se o ministerio ao parlamento,
ahi declarou o presidente do conselho que a ad-
rainistraco, compondo-se na sua totalidade de
raembros do corpo legislativo, cujas opinies sao
bem reconhecidas, se cha dispensada de apre-
sentar programma. O gabinete,disseS. Kxc, pro-
curar entretanto, por.todos os modos memorar a
nossa sluaco financeira e o crdito do paiz. O
governo tanto na sua marcha poltica, como no
provimento de empregos, seguir os principios da
mxima tolerancia, nao se affaslando da recti-
do e imparcialidade mais efficaz aos interesses
geraes da naco.
O Sr. Avila (ministro da fazenda) disse em ad-
doumento s decl.arac.oe3 do marque/, de Ltale,
que o governo deseja que se vote o orcamento,
cujo parecer est concluido na respectiva com-
misso. Que, alem d'estc, exislem alli muitos
Irabalhos que foram apresentados pelo seu ante-
cessor, e que o governodeseja tambem que se d
o devido andamento ao parecer sobre as emendas
offerecidas ao projecto de contribuico industrial,
o que continu a discussio do projecto sobre con-
I tribuirlo pessoal. Quanto s propostas relali-
\ vas liberdade do commercio dos vinhos, que
ll-.SIW.MIA.
No curto inlervallo decorrido entre a minha ul-
tima correspondencia e a de hoje as noticias a ju.
obiidas do reino vizinho nao sao de grande inte-
resse; comprehendera o periodo comido entre 1
e 9 de julho.
No da 6 cncerraram-se as cortes al outubro
prximo, se algum acontecimento extraordinario
nao tornar antes necessario o seu coocurso.
A imprensa liberal hcspanhola v-se persegui-
da polo governo, que quasi todos os das manda
recolher os nmeros desle ou daqnelle jornal,
que lhe seja desafecto. Espera lodos os dias
urna le que reprima toda a liberdade de impren-
sa. Diz-se que o ministerio discute entre si com
grande actividadeo modo de acabar de facto com
os jomaos da opposieo liberal ; alguns ministros
querem que se ponha era obra o syslema napo-
lenico de matar os peridicos adversarios no fim
de tres advertencias; outros querem que se sus-
penda por meio de um decreto, a publicaco da-
quelles que por sua popularidade sao mais temi-
veis ; oulros finalmente sao de opinio que se
continu com o systema seguido de os recolher
continuamente.
A este systema de perseguico manifestarlo
livre do pensamento, accresce ainda a raaneira
declarada cora que se protege o emprestimo ao
rei do Roma, e como se guerrea e prohibe a
subscripeo intentada era favor da causa italiana ;
a attilude da imprensa ministerial a favor da cau-
sa de Francisco II, e contra o salvador da Sicilia,
o hroe da liberdade e unidade italiana, o sym-
pathico Garibaldi.
Por todos osles prcccdenles se pode j dizer
som ser propheta qual a posico que a Hespanha
oceupra na actual lula italiana, se como se re-
cea se generalisar, lula entre os principios ha
tanto lempo em presenta do oulro : a autorida-
de c a liberdade ; o direilo da razo e o absolu-
tismo e obscurantismo. A Hespanha preferir cor-
tamente, as inquisigoes, deporlaces e execu-
coes da curia romana, as torturas e assassiualos
da polica napolitana, o bombardeamento de Pa-
lermo, finalmente os horrores com que parece
sympalisur o seu governo.
as minhas ultimas tenho-lhe dado conla dos
protestos e contra-protestos dos infantes de Hes-
panha, ainda nesta tenho a accrescentar o ter
ceiro protesto do infante D. Joo, que se publi-
cou em Londres no Morning Posl de 5 do cor-
rente. No primeiro, em consequencia das re-
nuncias de seus irmos D. Carlos e D. Fernando,
apprcsentava as cortes os seus direilos corda,
que nao podia, nem devia renunciar; no segun-
do, propunha s cortes a convocaco de urnas
constituinles para disculirem se cnnvinha expul-
sar do throno a D. Isabel de Bourbon, entre-
gar a elle as redeas do governo, que havia de.
empunhar com um systema constitucional ver-
dadeiro, visto que o que elle observa em Hespa-
nha presidido por urna senhora, uraa simples
fieco, que nao tem deixado o seu paiz dar um
passo no caminho do progresso. Estes primeiros
protestos veem em phrases mui violentas; este
ultimo (por agora) vem em phrase mais modera-
da, e declara que. persiste em ser rei, para fazer
a felicidade da Hespanha, em sentido liberal, o
affirma quo pcjr torga ou por vontade, ha de s-lo;
diz mais, qi.e o governo da raioha nada tem fei-
lo, e que '(te ha de satisfazer todaa as reclama-
goes dos, estrangeiros, inclusivamente as dos fa-
mosos, certificados de coupons. Os jornaes hes-
Pn>.ies, franceies-e inglezes teem recebido este
Protesto com summa iodiflerenga e como um pa*


(*V
DIARIO DE PERKAIBUCO. SEGUNDA. FEItU 30 DE JULHO DE 1860.
pei ridiculo mta iuipoilancia, uem sigKificaco { Fallecern)durante a semana 74 pessoas; sen-
alguma potitica. I do "vras : 1 nova*ns, 15 mulheres e 2i parvu-
Ufarlido absolutista puro, ou antea o partido los;escravos : 5 horneas, 5 mulheres e 7 par-
carlista, acha-se desmembrado, n-e se enten- vulos.
Jctido con) os protestos e conlra-^voteslos de um
dos seus chefes, nem cura ideas conslitucionaes
o liberaes, da ultima hora do tro.
A rainha de Hcspauha vai fazer urna vizila a
Catalunha. Die-se que a familia real sahiri pa-
ra Barcellona em meto de selembro, ir depois
s Baleares e regressara a Madrid pesiando por
Saragoca. Diz-se que o governo j lem expedi-
do algumas ordens para que os povos se regosi-
jem com a vizita das reaes viajantes. Agora a
respeilo da terminada guerra de Marrocos. pou-
co ha a dizor, seno, que no dia 2" dirigi o mi-
nistro dos negocios eslrangeiros do sulto de
Mrmeos ao encarregado de negocios em Tnger
a seguinte parlicipacao:
: Saliei: que'nos escreve o nosso soberano
(que Dos favorera) que a quantia estipulada nos
tratados, cujo pagamento so vence hoje, se acha
disposto para ser entregue ao governo de Hes-
pauha. Paite da dita quantia ser entri uc cm
Taimcr ; a outra parte foi remellida de Maza-
gao para Gibrallar com um homem de confianca
chamado Hache Mahomed Ben Schachrun, que !
da sua niao far entrega das sommas que ahi ha. I
As quautias entregues cm Tnger e era Gibral- TTiesotireiro,
lar compoem quasi o total da pnmeira presta- | Joo Fernandes Vianna.
<_ao da indcmnsac.o O resto ha de ser entre-
gue em um ponto designado pelo sutlo. Sau-
de. Dado em Tnger, 1 do julho de 1860.As-
signado : Mahomed-el-Jctib, quem Dos seja
propicio.
No dia 3 noile (undeava em Gibrallar o va- .
por EarJ of .ndale, procedente de Mazago, ; Benjamn Ernesto 'ereira da Silva.
com 1594 caixas de dinheiro era ouro e prata ; Joo Paulo d'Almeida.
oram depositadas no consulado de Marrocos, e j Custodio Floro da Silva,
iam ao cuidado de Hache Mahamed Ben Scha-
tliroun.
l'arliram j de Madrid os empregados que de-
ven) receber e contar os cem milhoes do pri-
meiro pagamento das indemnisaroes. Ignora-
se se se entregar Teluo aos niirroquinos, em
vista du primeiro pagamento.
L.
REVISTA DIARIA-
HuDlem teve lugar a eleico da direceo da
Aasociaco Typographica Peruambucana para o
anno de 1860 a 1861, e sahiram eleitos os se-
guintcs, senhores:
Presidente Honorario,
Exm. Barao do Livramento.
Presidente Bffectivo,
Francisco de Paula e Silva.Lins.
Vice-presidente,
Jos Mendes Salgado Guimares.
Primeiro secretario,
Juvencio Aureliano da Cunha Cezar.
Segundo secretario,
Jos Luiz de Franca Torres.
Procurador,
Joao Yiclor de Souza Jnior.
Vogaes,
Carlos Eduardo Muhlert.
Bernardino de Senna Ribeiro.
Florencio Baptisla de Oliveira.
Temos noticias da cidade de Souza, provincia
da Paralaba, cora data de 7 do correte.
Al essa data gosava aquella coraaica de tran-
Theophilo, preto, escravo, 4 anuos, grangrena. precedente,
Josepha Mana da Conceico, parda, viuva, 34 an- a raaneira porque
nos, rachroicite-.
Joanna Thereza Padilha, parda, solteira, 20 an-
nos, pneumona.
Mara, parda, 7 dias, convulses.
Manoel, pardo, 2 annos, interite.
Ignora-so quera o auiuor c esse enme, mis
de esperar que a polica colr a algum resultado
das diligencias que cmnrega pira doscobri-lo.
Foram rccolhidos casa de deiencAo, no
dia 27 do rorrenle 3 homens e2 mulheres, sen-
do livres 3 e escravos 2 : a saber: 1 a ontom d
l)r. delegado do Io districto ileste termo, 2 a or-
dem do subdelegado do Recife, 1 a ordem dd de
S. Jos, e 1 a ordem do do 1050 da Panella.
L-s* na Gaxttte de Cologne :
O Montenegro oi, ha pouc), o theatro de urna
espantosa atrocidade, a qual pareceria inveros-
mil, se (osse lida n'um romanee.
Sete individuos da familia Lukich, que li-
nham sido empregados no desembarque de um
transporto de chumbo, ltimamente rcmettido ao
Danilo, tiraran) urna pequea porco dcste me-
tal, dizem que vinte libras, para fazer bailas.
Arrependidos depois da falti que linham com-
mettido, a confessaram a um inspector chamado
Botan, que, attendendo pouca importancia do
furto, lhes prometleu segredo. Parece, porm,
que mudaodo de opiuio, informou Danilo do
facto.
Os culpados foram iramedulamente presos na
villa de Bikowich ; e liveram por castigo um
certo numero de pauladas, dei os das quaes foram
obligados a apparecer nos basares com aventaes
de mulheres, pena a mais iuamantc entre Mon-
tenegrinos. Em seguida forum desterrados do
paiz.
Irritados com o castigo os criminosos resolve- f'*G.omesJ f Caetano Santiago,
. .. ua coroa, 101 abena a sessan
rara vingar-se, e dous d'entre elles assassina-
do requerente ; indicaco, que, posto fosse com-
batida em parte pelo Sr. Oliveira, foi todava ap-
provada com pequeas alleracoes.
Na occasio em que se discuta a indicaco,
. leu-se um ofcio do cirurgio de partido da ca-
Moura de tal, branca, solteira, 70 annos, ense- mar, em respotla ao que ella Ihe dirigir, com-
"" municando ter-se prestado ao exama das rezes
Amisio, branco, 18 mezes, marasmo.
Pedro, pardo, 1 anno, eclampria.
Jos, branco, escarlatina.
Mara Adelaide de Carvalho Avilla, branca, casa-
da, S7 annos, tubrculo pulmonar.
Pedro, pardo, 15 dias, convulses.
Hospital de garidadb.Existem 62 ho-
mens e 58 mulheres, nacionaes; 7 homens es-
lrangeiros, e 1 escravo, total 128.
Na totalidade dos doeotes existem 37 alienados,
sendo 30 mulheres e 7 homens.
Foram visitadas as enfermaras pelo cirurgio
Pinto s 7 horas e 15 minutos da manho. pelo
Dr. Dornellas. s 8 horas da manha, pelo Dr.
Firmo as 6 horas da tarde de honiem.
ram Bokan com seu sobrio .10, quaudo ambos
sedirigiam feira de Calligne. lira dos assassi-
nos foi morlo, outro, porm, pode salvat-se.
Logo que Danilo soube do assassinato, inan-
dou prender trinta individuos da familia de Ln-
quillidade, e as cousas io mais ou menos re- kich, e ordenou que dous dos mais velhos fosse
PERNAWBUCO.
RECIFE, 28 DE JL'LIIO DE 1860.
S SEIS HORAS DA TARDE.
Retrespecto semanal.
Da Europa livemos, durante a semana dous
paquetes, o Brasil, da companhia anglo-luso-
brssileira; e o Tyne, da real companhia de pa-
quetes inglezes do Soulhamplon.
As noticias recebidas, quer pulo Braiil, que
aqu chegou no dia 23 com urna longa viageui,
quer pelo Tyne, que entrn hoje ao romper do
dia. sao de mui pequeo alcance poltico.
lia nada obstante tres aconlecimeritos, que
coiistitueiii a malcra mais importante das noti-
cias recebidas.
O primeiro, e que teria era oulras cirenmstan-
cias miito maior significaco, o do ler o rei de
aples proclamado a coBSliluico de 1848. que
modelada pela coiistiluico fr'anceza de 1830, e
designado o dia 19 de agosto para a eleico dos
depulados assembla legislativa. Francisco
II, vendo quasi perdida a Sicilia e notando o
curso dos aconlecimenlos, julgou cmtim chegado
gularraenle, com exeepeo porm da alguma
cousa que se prende ao foro judiciario.
O tribunal do jury ha cerca do trezc mezes,
que sj nao rene com detrimento do direito d'a-
quelles, que leem de ser julgados
A' proposito copiaremos aqu trechos d'uma
carta, que temos d'aquella cidade ; trechos que
se referem ao resultado dessa lula da familia
Mouro de Caralis, e que tem passado portan-
tas vicissitudes, e ltimamente por um novo
processo, era que foram incluidos cincuenta e
tantos individuos:
t.lieganJo ao couhecimento do Albertim se-
, mclhanle pronuncia, veio entregar-se priso,
1 sera ser procurado da auloridade, que se con-
i servara coacte, pelo conlieciiuenio prximo, que
liaba da innocencia delles, e assira conservou-se
: por dous mezes na casa da cmara, sera guarda.
j Sendo porm remedidos com elle o lencule-
( coronel Moretea, capilo Manoel Aulouio e Fran- seu Uro nao foi baldado,
i cisco de Mello Falco, chegaram lodos a 16 de '
marco 11'esla cidade, lugar do delicio.
Quando esperavam una inteira justiea, pas- i n,ar ioi0 os ""ilv' em
condemnados a fuzilar, pela :ua mo, dous dos
seus mais prximos prenles.
Conducidos os presos ao lujar onde havia si-
do morlo Bokan, deu-se a cireumstiiicia que um
pai devia fuzilar seu filho, c um irino outro
irmo.
Foi necessario obrigar por raco da rc;a bru-
ta aquelles desgracados a curaprir esta sentenca
lao deshumana. Por duas vezes falhou a espin-
garda as raaos do pai, e eslt arremessou para
longe a sua arma, declarando que nc faria fogo
lerceira vez; um homem da escolla apanhou a
arma, e matou o filho na piesenija do pai. O
infeliz condemnado ao fralr cidia tirou sobre
sen irmo cora a maior rep ignancia, coratudo
Para se salvar da vin-
anca da familia Lukich, Danilo raaidou desar-
aioia no grao
sarain ueste foro por as mais atrozes sem-ra- mais afastado, c os desterrou do pal;, mas, apo-
zos. .... i sar disso, muito provavcl que entre lodos ap-
Uequerendo a re.nquir.co das testemunhas oareca vin,,ador.
no lugar da residencia d ellas, ao fiu de 9 das
foi-lhes indeferido o requerimento ; e sendo in- \ < ,. .,.,, ni ir ir..-
timada a sellenca a 11 de abril, interpoz Alber- 1 rLAG0 MAI0"-- la3 Won dos Ilal.a-
tim o recurso facultado por lei ,-uias ao fun de nos' o momento de acceder voolado dos povos o aos lj llul-s fo dl'neSad| bre pretexto de ser illegal us dos Romanos, o lago raaior li.wlmente co-
cooselhos da Franca e da Inglaterra, dolando os
seus Estados com insliluices livres. Mas a sua
deliberaco anda foi tomada a lempo, ou j
larde de mais para impedir o curso da revolti-
jo? 1.' questo de que o lempo se encarregar
de dar-nos, lalvez em breve, a soluco. Tres ou
quatro mezes antes, as medidas agora lomadas
pelo r xito. Hoje, depois dos successos da Sicilia, a
-cousa tornou-su em exli^mo duvidosa.
a priso da casa da cmara ; de cujo despacho
aggravando para ojulz de direito. foi nao obstan-
te despresado o aggravo, julgando legitima a
repugnancia do juiz municipal !
Nao pode o espirito mais calmo accon)ino-
dar-se silencioso ueste estado de injusligas ; e
recorrendo lodos ao Dr. juiz de direito pedindo
a convocaco do jury, foi respondido que seria
convocado logo que l'jsse possivel, ao PSSSO que
j conla 13 mezes quo este nao funeciona, sera
que islo mova dar-se aquella convocaco, j
nao fallando na offcosa lei e ao direito dos d-
tenlos.
E nao chegar ao couhecimento do Exin.
Acceitar a Sicilia a nova ordem de cousas
creada ltimamente por Francisco ? Prestar
obediencia ao ro, querer o vice-rcinado queso
Ihe oAerece E se recusar, lera o rei da apo- i Sr. presidende da provincia seraelhante proce-
lei a forea necessario para reduzir de novo a Si- dimeuie ".'
cilla sua su bmisso ? Seanoliver, pode es- Estamos que tendo elle sciencia disto, hade
perar auxilio das potencias estrangeiras, depois por c^rto dar um remedio taes infraccoes de
! io solemnemente proclamado o direito de lei positiva ; e por slo esperamos.
uo inlercenco ? Honiem, no convento do Carino, teve lugar
Por outro lado : estar o rei de aples con- a bencao solemne do padroeiro da sociedade or-
vencido da necessidade pe manler as instituices thodoka e literaria Amor Caridade.
Inris, ou a promulgaco da consliluico de 1848
apenas um estratagema deque se* elle serve
para suObcar a revoluroe trazer os povos a sua
obediencia .' Os exem'plus da historia d'aquelles
.-'..idos, os precedentes da familia reinante de
aples '.' os instuictos manifestados por Frali-
li, [oante o curto lempo qu se acha
no tlirono, fazioii suspeilar inulto da sinceridade
de suas intences.
Essa (uneco religiosa foi devidamenle so-
lemnisada pela referida sociedade, e convida-
dos pela mesma.
Qoiuta-feira passada pelas 9 horas e 3/4
da manha, parti da eslacao da va terrea da
villa do Cabo em direceo da F.scada, urna lo-
nhecido por lodos, est silu do nes confus da
Suissa, da Lombardia e dos Estadoi sardos pro-
priamente ditos.
Antes da ultima guerra, servia tile de limite
entre o Piemoute e o reino lombardo-veneziano.
Este lago tem 8i kiloraelros io conprimenlo, e
9 kilmetros na sua maior larguia ; seu peri-
melro lera un desenvolviraeulo da 150 kilme-
tros. Quanto sua profuiilidade em algans
pontos chega a ter 80 metros, mas n'alguns
pontos apenas lem 60 metros. Dos 150 kilorao-
tros do seu perimelro cabera somente Suissa
16 kiloraelros, que perlencem ao Cantao do Tes-
. sino.
As cidades situadas as margeos do lago maior
| sao :
Na Suissa, Cantao de Tessino, Latan o.
Na margera piemonteza, Gmobiof Intre, Are-
na, Ferriolo, Palanca.
Na margera lombarda, Lain:o, Laverno, Scslo
Calende.
Das numerosas correntes, d; que se alimenta
CHRONICAJUICIARIA.
TRIBUNAL OSRELCAfJ.
SESSAO EM 24 DE JULHO DE 1860.
PRESIDENCIA DO EXM. SU. COSSELHE1RO E11MEL1S0
DE LEAO.
As 10 horas da manha, achando-se presen-
tes os Srs. desembargadores Figueira de Mello,
Silveira, Gilirana, Guerra, Lourenco Santiago,
"procurador
Passados os feitos e entregues os distribui-
dos, procedeu-se aos seguintes
JULGAMENTOS
RECURSOS DE ELEICES.
Recorrento, Jos Antonio da"Silva Grillo ; re-
corrido, o conselho.
Relator o Sr. desembargador Figueira de Mello.
Sorteados os Srs. desembargadores Gilirana,
e Lourenco Santiago.
Negou-se proviraento.
Recrreme. Fenelon Bomilcar da Cunha ; re-
ndo, o conselho.
Relator o Sr. desembargador Lourenco San-
tiago.
Sorteados os Srs. desembargadores Gilirana,
c Silva (lomes.
Negarain pruviniento.
Recorrcnle, Antonio Monteiro da Silva ; recor-
rido, o conselho.
Relator o Sr. desembargador SiWa Gomes.
Sorteados os Srs. desembargadores Lourenco
Santiago, e Gilirana.
Negaram provimeoto.
Recorrente, Andr Avelino da Cosa Neves ;
recorrido, o conselho.
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados os Srs. desembargadores Silveira,
Lourenco Santiago.
Deram provimenlo.
AUGRAV DE PETIOO.
Aggravanle, Francisco Jos do Araaral ; ag-
gravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Gitirana.
Sorteados ns Srs. desembargadores Silveira,
e Lourenco Santiago.
Deram provimenlo.
APPELLAC.OES CniMES.
Appellante, ojuizo ; appellado, Manoel Mar-
ques do Nascimenlo.
A novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, ('ypriano Jo-
s da Silva.
Improcedente a ar.pcllaro.
Appellante, o juizo ; appellado, Targino Pe-
reira Evangelista.
Improcedente a opprllaco.
Appellante', o juizo ; appellado, Francisco Be-
nieio Cavalcante Pessoa.
Improcedente.
Appellante, o juizo ; appellado, Vicente Fer-
reira da Silva.
A novo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Leonardo Jos
da Fonseca.
A novo jury.
Appellante, Ignacio Gomes da Silva ; appella-
do, o juizo.
Rcformou-se a sentenca.
Appellante. Antonio Jos Alves de Brito ; ap-
pellado, o juizo.
Absolvido o appellante.
UILICENCl.tS C1VE1S.
se devia' hifoSZ%3o ****? -^aes foram mandada, passar,
por despacho do Lm. Sr presidente Ja provincia,
por me as ter negade o Sr. inspector, neste en-
tretanto, dirigi-me para a salla onde funeciona
os Srs. thesoureiro e escrivo da receiu para dar-
Ihes urna ex plica cao, mas a inda nao tinha cru-
zado os bateles da porta quando fui intimado
por aquelles Srs. nao dar mais um passo,
porque linham receido ordem do Sr. inspector
para probibirem a entrada na thesouraria !!
Confesso-lhe Srs. redactores, que fiquei estu-
pefacto ao receber dita ordem, mas o que fazer?
retirei-me com iotences Je queixar-me ao Exm
presidente da provincia contra esta inaudita
violencia; e neste intento, dirigi-me para pa-
lacio; no caminho porm, lerabrei-rae que era
melhor que tomassa todas asexplicajes com o
empregado da porta, para melhormente poder
queixar-me, e dmgindo-rae com euYilo a esso
destinadas ao consumo nesta cidade, desde o
dia 13 do corrente, como a cmara Ihe havia in-
cumbido, e que o Dr. Santos conlinuava no
raosmo servico. E logo o Sr, Reg requeren, o
foi approvado, que se mencionasse esta circuns-
tancia na nformacao para a presidencia, pedin-
do-lhe providencias contra este procedimento do
Dr. Santos, que pareca accinloso cmara, que
por seus despachos nao o lem considerado me-
dico do maladouro, para qae depois nao appa-
recesse o dito medico com novas reclamaces,
pedindo pagamenlo de ordenados que Ihe* nao'
competem.
Continuando o expedienta) leu-se mais :
Um utlieio do Dr. chefe de polica, dizendo que
o subdelegado da freguezia de S. Jos Ihe renre- c. i i i %
senlra sobre a neclssidade de ser ladrilhada a |^'' pe'gunle.-llie e tinha reeeb.do alguma or-
casinha da ribeira da mesma freguezia, que ser- u* em sentido de prohibir-me entrada na-
ve de quarlel a respectiva guarda, e pedindo: quella repari'njo; ao que responJeo-me aquelle
providenciasse a camars convenientemente so- Sr. que nao tinha recebido ordem alguma a tal
Dre essa obra.Mandou-se exoedir ordem sn I .-, ... ,. ,. ,
respeiio. A vista disso disse eu com rneus bo-
essa obra. Mandou-se expedir ordem ao
procurador, para mandar ladrilhar nao s a ca-
sinha como os acougucs da mesma freguezia,
inclusive o seu retelhameulo.
Outro do inspector da saude publica, pedindo
dsse a cmara ordem aos lscacs a aeompanha-
rem-no nos exarces a que lem de proceder as
boticas.Mandou-se oliciar aos fiscaes c respon-
der ao inspector.
Outro do procurador, enviando o balancete da
receita e despeza mumeipaes do raez de junho
ultimo.A' commisso de polica.
Outro do procurador fiscal da Ihesouraria pro-
vincial, pedindo bem dos niteresses da fazenda
da, urna inforraaco sobre o prejo do azeite que
lem a cmara comprado para as prises, nos an-
nos do 1858 e 59. e no Io semestre desle auno.
Que o procurador- apresentasse a nota dos
precos.
Outro do administrador do ccraiterio, enviando
o mappa que so Ihe exigi-das pessoas pobres
fallecidas de escarlatina c de angina, e que fo-
rara sepultados no raesnio cemitorio. Ao ins-
pector da saude, que a requisite.
Outro do fiscal de S. Jos, informando que o
lugar, na campia da Cabanga, em que Antonio
Jos de Oliveira pretende levantar telheiro para
fabrico de fogos artificiaos, tem o espaco sulli- sua fuiiosa
cenle para que possa ser abservado o disposto V S
no Io arl. Io das posturas de 11 de agosto de
1859, mas que a conslrucgo do telheiro devia
ser de madeira, como determinara as mesmas
posturas.Concedeu-se a licenca.
Outro do raesrao, participando que, cntenden-
do-se com o capataz da estacan da sua freguezia
respeilo das providencias'lomadas para evitar
que se lancera lixos e se (acara despejos sobre
os caes, e nos lugares nao designados pela ulti-
ma vez que Ihe fallara, declarou elle que a sua
gente nao se quera prestar esse servico.
Mandou-sc responder ao fiscal que se dirigisse
pcssoalmente ao capilo do porto, e Ihe dsse
parle disso.
Oulro do mesmo, informando que a casa na
ra imperial, em que Claudio Dubeox quer ter
venda at oito libras de plvora, e onde j hou-
vo deposito do mesmo genero, conserva a dis-
toesaqu exisle desaponlamenlo, e na vardada
seinelhante ordem assim o prova.
(*) Fra da salla d'aquelles Srs. que rae in-
limaro a superior ordem lhes disse que a tn-
timaco que rae fizeram, s so devia entender
prohibicao na salla da pagadoria em vista da de-
claracao do empregado da porta, ao que respon-
dern) os mesmos pela affirnativa, retirei-me.
Era vista disto, est claro Srs. redactores,
que alrn da perseguico h rancor, e que esle
rancore amigo da parte do Sr. Jos Pedro da
Silva para rommigo. Mas como elle bem saba
quem cabivel aquella desaponlada ordem,
faz-se desentendido, s com o lira de molestar-
me porque anda nao se aclia satisfeito com o
rauilo que rae tem feitopaciencia.Vede-me
o Sr. inspeclor a entrada na ihesouraria.negue-
me os mais simples despachos de cerlidoes, mas
lembre-se tambera, que cima de si ainia ha jui-
zes recios e imparciaes, que o farao esbarrar na
perseguido, disto deve ter certeza
Peco-lhe mais, que por sna bondade nao faca
extensiva semelhante ordem com Correia Lima,
visto que o Sr. inspector, hoje nada delle des-
desconia, e at pelo contrario, Ihe consagra
grande respeito e veneracao, mas sim, nica-
mente aquem Ihe Jen parte da procurarlo falsa,
apresentada na ihesouraria pelo dito Correia
Lima.
Espero da bonJade do Sr. irspector, que nao
me le' por insubordinado, ao ler estas lionas,
filias do des3bafo de meu coraco, causada pela
desaponlada ordem de S. S.
Paro aqu Sr. inspeclor, e aguardo-rae para
juando acabar de defender-me de sua embruiha-
tancia de 256 palmos para o lado do norte da ida, prova evidente docarinhoso coraco de S. S.
edilicarao mais prxima, e para o lado do suj, I
segundo acontecimentn de alguma impor- lose Bernardo Galvu Alcoforado. Cypriano Fe-
lancia .; o da unirle do principe Jeronymo Ru- lielon Alcolaudo, Jos Mamede Ahes Ferreira,
aparle, ex-rei de Weslphalia,irmo de Napoleo o engenheiro Peniston, negociante Manoel Ruar-
Buonaparte e lio do actual dominador da Franca, que de Macedo, e oulras pessoas gradas.
Moneo com porto de 76 anuos de idade, cercado Era um passeio que pela primeira vez fazia-se
das honras inherentes a alta posicao que oceupava sobre aquella seceo (a segunda) da a frrea,
em Franca. je para o qual haviam sido convidados 0 Laiii.
O lerceiro o ultimo aconlecimenlo o da re- ; presidente da provincia e as pessoa.s acuna de-
traa, ao, que acaba de fazer o principe Callos signadas, [altando porm S. Etc. por ter
Luiz de ilouibuii, conde de Monleinolin, da re-
nuncia que ti/era em Torlosa, dos seus preten-
didos di rei los corda de Hoapanha. Esta retrala-
cio, que nao altera em nada a situaco poltica
da Uespaiiha, pode comiudo concorrer para o
reapparecimenlii das perturbacoes intestinas que
por mullos anuos lem naquclle paiz embaraza-
do o progresso.
comoliva puxando um wagn, em que io os o lago raaior, figura em primeiro lugar o Tessi-
Srs. Dr. chele de polica, o engenheiro liscal do
;overno, o secretario da polica, os doulores
por ler ama-
udecido incoinraodado em sua saJo.
Chegados ao tnel, que j se acha abobadado
em mais de metade de sua extenso, liveram os
rizitantes de passa-lo a p, entrando em outro
wagn, que os esperava do lado opposto, e as I,
II li'il'as P niOIA lo,':ir*ur a rtiu.ln .l.i^i in.>,l.\ J1
no, que sabe desle lago cm Sesto-Caleode, e ser-
via n'oulro lempo de limite cutre o Piemoute e
a Lombardia, banhando os dous celebres lugares
do Turbigo e BmTalora. O Toccia : engrossado
cora as aguas do Devcria, descendo dos golos de
Appellante, Antonio do Reg Pacheco
lado, Joaqun) Rodrigues Vieira.
508 palmos. Indiferiu-so.
Oulro do fiscal da Boa-Vista, informando a
petico de Manoel Antonio de Azevedo, que re
queren licenca para descarregar materiaes na
rampa junto a ponto da Roa-Vista, dan lo o liscal
as razoes da inconveniencia de tal descarga alli.
Concedeu-se, nao obstante a licenca cora a
condico de o peticionario nao empachar a ram-
pa, era demorar nella os materiaes e deixar
lixo.
Outro do fiscal dos Alegados informando so-
bre a petico de Manoel Antonio Samico, que
requeren providencias respeilo de porcos c ou-
tros animaes, que andam sollos causando es-
tragos nos sitios Ja fuella freguezia, dizendo quo
consultando ao advogado acerca da disposico
do arl. Io titulo 6" das posturas de 30 de junho
de 1849. e arl. 9 das de 20 de novembro de
lS, elle Ihe declarara que taes disposicdes nao
se estn i o in aquella freguezia, pareeendo a
j elle liscal que quando os porcos enliasseni
j no sitio do supplicanle, este devia aprehende-
Jos com testemunhas. e dar-lhe parte para se
Com vista ao Dr. promotor de capellas.
Appellante, Arma Francisca da Conceico ; ap-
pellados, os herdeiros de Arcelino Francisco No-
bre.
Julgoii-gc os artigos de hahilitacio.
Appellante, Joaquira Francisco Franco; appel-
lado, loaquina de Palias Tcixeira.
Mandou-se averbar a dizima.
DITAS CHIMES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiea, as appellacoes criines :
appcl- proceder contra o infractor, dono do anima
i Despachou-se a peligo, reniellendo-a ao lisca
para proceder nos tormos do arl. 16 til. 9.' das
posturas citadas de 18 9, e mandou-se advertir
ao mesmo liscal que podia elle fazer consultar
80 adyogado, mas nao communica-bs cmara,
Seno quando esta Ih'ordenasse.
Foi approvado um parecer da commisso de
petiedes, a favor da de Luiz Jos Marques, lida
na sesso anterior, pedilo revogae.u do art. 9"
tit. II. das posturas de 30 de junho de 1849,
apresentando a commissso logo a baixa do pa-
recer, o projeelo de postura, revogando aquelle
Gries pelo valle Formoso, termina na ensoada do Appellante, Seralim Pereira Baplista ; appella- artigo.
lago, onde se achara as ilhas Borromeus, ensea- i0"3- jnstja. Foram .lamben) approvados dous arligos de
da, na qual entra tambera o Mirona o Venases APP'ltof O juizo ; appellado, Sergio Olim- posturas, marcando dimem oes para a coostruc-
o Peecia, o Malezza, que desee do picco Forr,;; : ^Se, Marcono Jos Ferreira ; appella-1 dos^^X^^^r^XZ^Zi
e acaba junto de Locaino, e I nalraciito o Tresa. do. o juizo. I ribeca o Varzea.
Pondo de paite todas as clades e villas pe-i Appellante, Uanoel Gomes Ribeirp Jnior; ap-l Dcsparharam-se as pellcoes de Antonio Joa-
pellodo, Luiz Jos Dantas. Iquirade Moraes Antonia Delphina dos Santos,
Assignou-se da para julgainento das seguintes Antonio Soaresde Carvalho, Antonio Jos Fer-
ap|iellacoes crimes
(uenas, que se mirara as ag as do lago
zas pilorescas obrigariam a
maior,
tongas
Alein distes lados, poderemos mencionar o da
grave questo de direilo constitucional, agitada
ltimamente enlre as duas cmaras do parlamen-
to ingle/, sobre a iniciativa dos imposlOS. A c-
mara dos lords pretenda ter o direilo de estabe-
lecer e abolir ns impostes, fundando-so em al- ;tio Jllr>'. cra louvael reularidade, e linalmen
guns precedentes daquella cmara. A dos com- le ;1 'Slt'Ja matriz.
iiiuns, porem, susteotava que esse direito Ihe v l,ma nora mt'a f servido um esplendi-
periencia, e que o pretenda manler, nao poden- ao ''""''e em casa do agente dos empreleiros
do a cmara dos lords prevalecer-so do prece- I (',1S obras em construceo da dita segunda sec-
denle de alguns imposlos por ella eslabelecido e ''!' e "essa occasio entro varios toasts, foram
tolerados pela cjmara dos communs. A questo f*'to8 os seguintes :
leve i soluco que devia ler, e >iue est de ac- A" ^r- Peniston, pelo Sr. Dr. Buarque de
cordo com os principios cardeaes do governo re- M'iredo.
preseotativo. A' cmara dos communs foi reco- Ao Kxnl- presidente da provincia pelo Sr.
iihecido o direito e estabelecer e abolir os impos- Peniston.
loras e meia locaran; o ponto destinado para
a seceo da villa da Escada, da qual dista menos ; discriproes, como por exemplo, a luida aldeia de Appellante, o juizo
de um dcimo de legua. Luino, Arena, patria deS. Ca los Dorromeu, on- nandes de Carvalho.
Nesse ponto eslavam disposico dos convi- do a *totuacolossal deste salto so eleva soare allanto, o uizo
dados alguns cavallos, nos quaes montaram e um pedestal de 15 metros de altura, e a i
foram atea villa onde se d-moraram por esparo da Madrisa del Paito, a pouca distancia de
de nina Hura, vizitando no entretanto 3 eadeit '
a casa da cmara, onde tunecionava o tribu
appellado, Pascoal Fer-
appellado, Joao Valerio.
Appellante, Joao Alves l'imentcl ; appellado,
reJa o juizo.
Lo- j Appellante, Vicente Ferreira Aza-branca ; ap-
i'a: I carno, onde anntialinento so ;z urna piedesa pe-: pcllado, o juizo.
en_ rigriuagem, basta mencionar somonte as tillasi- Ap2S""Dl.e' j'jiz0 ; nPPPaa. Manocl Faus-
Ao Sr. Dr. chefe do polica, pelo Sr. Dr. Ma-
mede Alves Ferreira.
Aos empreileiros das obras da va forrea, pelo
Sr. Dr. Buarque de Macedo, e agradecida pelo
Sr. Plaicher agente dos ditos.
A prxima e feliz abertura do tranzito da se-
gundo seceo pelo Sr. Plaicher, agente dos iin-
preiteiros.
As 2 horas parti o trem da estaco da Esca-
los, conservando todava a cmara dos lords de
volar sebre elles. O essencial, que > a iniciati-
va, lieou decidido pertencer exclusivamente
cmara dos representantes.
Da corto do imperio poslo que tivessera
chegado a crvela de guerra 6'iiiao e o vapor de
guerra Piruja, nenhuinas nolicias livemos que
adiantassem s que nos Irouxora o Portugal.
nuT'nA1S,'0r1.Cuaf d ,",CrOr ddc.prov1i"ria C,,1- a em demanda do do G.bo.'add^c'hMo""^
conlto.ii \2 P',u,re"e-?ma,u3Pl;'?:3horas o 5 minutos, segundo os convidados
SZlh t ,n,'Tr,raal'll'edalr',ara esta cidade no Irem ordinario das 3 horas
e ca e ia7w ^^ de,.0,u,n crca,.'a0 ">, Te chegou a estaco das Cinco Ponas
e a careca dos gneros alimenticios.Mais tarde ,-w J .!Km...i?.
so larao sentir maiores
aecudir cm lem
Ass
la
de
produzam.
. A troiiquillidade publica nao sofTrcu alton-
rao em pule alguma ; o grar.as actividade e
bom pessoa I da polica os allentados contra a
males.se o governo nao; Reinou mu ta alegra e salisfaco eutre.
As obras da segunda seceo esto muilo adi-
antadas, e feitas com mais seguranr.a, porfei^ao,
e economa quo as da primeira.
iedade soguera aeV^^^r^^X^^^
ca
O esudo sanitario desta capital vai sendo rente anuo
?ada vez mais satisfactorio. As epidemias que O enenli
lassavam e=io quasi extklas Ja sao raros os vero no ,t
casos de angina e de escarlatina, e a febre araa-
rella az anda irais raras victimas.
Devem condesar que este mclhoramenio do
estado
heiro fiscal do governo tem sido se-
vero no desempenho de sua commisso, sem
com ludo faltar aos deveres de civilidades, e
delicadeza que o deslinguem.
Pelas 7 horas da noile do dia 21 do corrente
, \j biiuiinoso se poz em fuga.
t? na salubndade publica, para adrai- No dia 23 do correle, pelas 11 horas da
!il,,|CU>"SSe "a en,Utm^ Pcroeluadp. manha. falleceu na freguezia dos Affogados de
maTa li?rmi;,r,.T.?0M0 P dllraol,e a s?" "" ataquo de apoplexia fulminanie, ura homem
e 6 Ci loSid!^vV a*' *m a lotaa Je cdrprfla, que viudo pela eslrada do sul,
p^XA^^A/rtss Kado"'umcaaUo' seditiia para esiaca:
lVl\'l!ae.3rao csPa" de 'erapo. 11 embar- A morte sucreden na nn..t<, d MoUWnlnmhV.
nhas de Farriolo, donde o viajante avista as
DI9TRIBCICOBS.
ilhas Borromeus, e pnncipalaeiile a que se cha-1 Ao Sr. desembargador Gilirana, o aggravo de
ma isola Madre. instrumento :
a irraandade do Sacramento do
As ilhas Borromeus, ou isola dei Conigli por
causa da grande quautidade d>) coelhos, qiu ahi
se encontrara, sao a curiosida le por excelencia
do lago maior. Ellas sao cii co, e chamadas :
Isola Bella, isola dei Piscalori, isola di San
Giovani, isola San Michele, e finalmente isola
Madre. Todas eslas ilhas situadas ao sol da
emboccadura do Toccia, oirerccem vista o as-
pecto de urna serie de coilinas cobertas de 'inhas,
jardins, castanheiros e semeadas de numerosas
aldeias bem edificadas, assim como de deliciosas
quintas. Eslas ilhas devera o sen norae fami-
lia Borromeu, que por muilos seculos estuve em
possesso dos mais ricos territorios, que lodeiam
o lago maior. Antes desta familia, as illias nao
erara mais do que um grupo di ridos rochados ;
mas um dos Borromeus. por norce Vitaliano, era
1691 fez construir sobre estes rochedos urna es-
pecie de terrassos, c assim crecu esses alegres
Bdens.
Cabo ; aggravado, o vigario Jos Luiz de (Jneiroz.
Ao Sr desembargador Figueira de Mello, o
recurso de qualificaco :
Recorrcnle, Joo Paes de S Brrelo ; rocorri-
do, o conselho.
Ao Sr. desembargador Silveira, o recusro
Recrreme, Jos Francisco Carneiro ; recorri-
do, o juizo.
Ao Sr. desembargador Gitirana, o recurso de
crime :
Becorrente, ojuizo ; recorrido, Manoel Fran-
cisco da Silva Albano.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago, o
recurso crime :
Becorrente, o juizo ; recorrido, Francisco Fer-
reira de Veras.
As 2,'i horas da tarde encerrou-se asessao.
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 16 DE JULHO
DE 1860.
Presidencia do Sr. Barrosfego.
Presentes os Srs. Rogo, Barata, Oliveira, Mel-
Isola Madre, onde abundara os faises nao '' Ptoto e Gameiro, fallando com causa os Srs.
lem menos de sete torrassos, sola Bella, a' m6 *',* ihuquerque e Franca abrio-so a sesso,
uu n.u..i. .__ .. le foi lida e opprovoda ft acta da antecedente
bella realmente, lera oulros tantos, e nella so
v a estatua de um licorno alado. Ahi a raurta,
a larangeira, o limoeiro, a roneira e o loureiro,
entrelacara seus verdes ramos em todos os sen-
tidos, e erapregam seu nomo as brisas,
descem das montanhas.
que
cactos mercaales. com a lolago de 6,465 tone-
ladas, e os vasos de guor/a nacionaes crvela
///nao vapor Viamao e brjgue-barca tamarac.
- Uendoiaro. durante a mesma semana- __a
al ,Sd,,;sJ,0??:,,?7*"0 <<- consulado ge-
ral 2:772;8)7 ris ; a recebedoria das rendas
geraes internas, 20:3IO949ria ; 0 consulado
provincial, 5:!M2;292 ris.
O movimenlo geral da alfandega, durante
o ruesrao espaco dejerapo, foi de 3.310 volumeg
a saber : volumes entrados com fazendas, 328:
-- com generes, 1,166: tola) dos volumes en-
ados, 1,491. Volumes sahidos com fazendaa,
Ja ; cora gneros, 1,191 : total dos rolu-
ates sabidos, 1,816.
A morte succedeo na ponte de Molcolomb.
Foi preso pelo delegado de polica no ter-
mo de Limoeiro, o criminoso de morte do termo
de Ignarass, Francisco Jos Tenorio.
Ao amanhecer do dia 26 do corrente mez foi
encontrado na porteira do engenho Ibura da fre-
guesia dos Afogados, o cadver de um hornera ;
e procedendo-se as necessarias &verguacoes re-
conheceo-se ser do pardo Francolino, idade de 55
unos, e que a morte Ihe tora dada por um tiro
de bala, o qual passou-lhe o crneo de ura lado
oulro. Esse infeliz dava-se a profieso de fur-
lar cavallos (hoje muilo uzado nesta e em oulras
provincias, grabas ao nosso cdigo criminal) e na
occasio de ser assassinado irazia unta besla, que
havja furlado na povosco do Barro., *
Passageiros vindos de Siuthampton e por-
tos intermedios no vapor inglez Tyne :__Jos
Smith de Vasconcellos Cavaliauti de Sonza Leo
o sua senhora, Amelia Suzan Jacober, George
Sraith Chrislopher Maribay, Charles Sempricre,
Henry Piason. B. Williamson, Albcrl Smith.Gus-
tavo Carrn, Luiz S. Paulain, Manoel dos San-
tos Ferreira, Jarintho de Sou/a Neves. Francisco
Manoel de Siqueira Cavalcanli.
Passagciro vindo de Montevideo na sumaca
hespanhola Esmeralda : Miguel S Fronlroona.
Passageiros que seguiram para os portos
do sul no vapor inglez 7yn,: Jos Profiri
de S. 1 menor, E. II. Bramha e sua senhora,
Ricardo Austiu, 1 criado el escrava. .
Matadolro puancp.Malaram-se para o
consumo da cidade no dia 26 do corrento 110
rezes.
MOHTALIDAUE DO DA 28 '.
Antonio Pereir de Souza, blanco, solleiro, 35
aniips. erysipella gangrenosa.
Joanna Rosa de Macedo, branca, casada, 67 a ir-
nos, antraz
Manoel Camilo,.branco, solleiio. 16annos, lace-
rago causada pela roda.de um wago.
Manoel, pardo, 3 mezes, espasmo.
reir, baro do Livramento, Francisca Eugenio
Casado Lima, Francisco Mirlins Raposo, Jos
Antonio Ferreira Vinhas, Jos AlTjnso d Azeve-
do Campos, Joo Jos de Miranda, Jo-6 Paulina
da Silva, Jos Francisco liento, Jos Flix d Silva Lobato, Jos Pinto de Magalhes, Manoel
Pereira Lemoa, Manoel Antonio d'Azavedo, Mar-
Colino Jos Morera, Manoel Antonio Rodrigues
Samico. Manoel Rodrigues Valonea, Pedro Au-
gusto Pradine. e levautou-sea sesso.
Eu Mauoel Ferreira Accloli, secretarlo a escre-
crevi,Reg, P. P. Barata d'Almeida.Oli-
veira.Millo.Gameiro.
Correspondencias.
Sr. redactores.Se 6 verdade que a imprensa
um poderoso elemento de civilisacao e de or-
dem, a quem muito devem as sciencias c as ar-
tes : nao menos certo, que, mullas vezes serve
ella para denunciar aos poderes do estado fados,
qoe alias nao serian) tolerados, se por ventura
estivessem sob o dominio da publicidade. E'
convencido desla verdade, Srs. redactores, que
lamentamos e denunciamos haje por interme-
dio de sua Ilustrada folha, o que passamos a
expr, afim de que nao continu por mais lempo
desapercebido um facto illegal e sobre o qual es-
peramos, que se lome a necessaria providencia.
Nenhuin empregado geral pode aceitar em-
prego algum provincial ; sera que previamente
solicite, e obtenha a sua demisso : Av. de 10 de
novembro de 1837 e 7 de oulubro de 18i3
Entretanto, Srs. redactores, o lente Jos P.
da Silva, que professorde geometra do collegio
das artes da faculdade de direilo, e tambera ins-
pector da Ihesouraria provincial.
Ouinze annos lera deccorrido. que o Sr. Jos
P. da Silva abandonou a sua cadeira e 12 que
exerce o emprego de inspector da Ihesouraria
provincial ; faci uuco lalvez sera exemplo na
provincia (e cremes que cm todo o imperio I j
Que medida pois de utilidade publica poderia
aulorisar a nomea;o do Sr. Jos P. da Silva pe-
ra inspector da thesouraria e justificar a conli-
nuaco desseacto illegal, desde 1843 at hoje,
despeilo da expres9a prohibicao dos citados avi-
sos e em prejuizo da instruega publica !"?, Dl-
cand paduani.
O amigo da justiea.
e extremoso zelo pelo servico publico.
Rogo-Ibes Srs. redactores a publicado da
presente come que muilo agradecido llie ser.
De Yiucs. ltenlo seuerador e leilor.
Francisco Antonio da Silra Cavalcante.
Foi lido o seguinte :
EXPEDIENTE.
Um ofcio do Exm. presidente da provincia,
concedendo a aulorisaeo que a cmara Ihe pe-
dir para despender al a quanlia de 572$ ris
com a reconstrucQo da ponlesinha da eslrada do
Luca. Inteirada, e raandou-so lavrar o termo
de arrematarlo de ssa obra, fcita (a arrematar")
p or Jos Gonsalves do Porciuncub, e coramuni-
car ao procurador e contador.
Oulro do mesmo, commuoicando ter mandado
limpar o espaco comprehendido entre a ponte c npdaelare'i Nao imlanilla dar nal
Velha do Recife e a provisoria, no caes do 22 de 'vs* lieaiioies.mo pretenda dar pala-
novembro, o recommendando a cmara man- vra acerca do hv Jos Pedro da bilva inspector
dasse vigiar pelos guardas municipaes o referido da thesouraria provincial, senao depois que se
es. afim de impedircm que ali se continu a ultimasseo proeesso de responsabilidade, em que
infelizmente me acho envolvido por traicao deste
mesmo Sr ; mas como nada ihe satisfaz no que
diz respeilo em perseguir-me e injuriar, forceso
me sahir desse proposito em que eslava, e
vir perante o retpeilavel publico, panlentear o
deitar lixo. Mandou-se expedir ordem ao fiscal
de S. Antonio neste sentido, e responder a pre-
sidencia.
Urna peiieo vindo da presidencia, para a c-
mara informar, do Dr. Augusto Carnero Monteiro
da Silva Santos, requerendo ordenosse S. Ex. a
cmara Ihe man dasse pagar o seu honorario
vencido no mez de junho ultimo, no lugar de
medico do maladouro, visto Ihe ter a mesma
cmara negado o pagamento. Posto era discus-
so, o Sr. Barata disse que como eslava decidida
a questo sobre quem competa nomear medico
para o, exaraa das rezes, e o peticionario Dr.
Santos heuvesse exercido, por ordem da peesi-
dencia, essa commisso, durante o tempo que
allega, entenda que Ihe ero devido o honorario
pedido, e a cmara lh'o devia pagar.O Sr. Re-
g fallou quasi no mesmo sentido do vereador
desaponlamenlo era que est esto Sr., apezar
do fingido algrete, com que se a presenta face
desse mesmo publico, que muito o condece
sabe Dos como anda o seu coraco I O facto
que passo narrar, provar o que acabo de
dizer. Eil-o.
Hindo eu ihasouraria no da 15 do corre-
le, versej estaan) promptas urnas cerlidoes
que tinha requerido, e que, dizera respailo a mi-
PublicaQes a pedido.
ruv saldad*:
Acrecida ao Illm. Sr. Manoel Voa-
"i ii i ni Lobato, por occasio da
unirle de seu querido tilliuMa-
noclzinlio.
Saudade perennal gemme e avalia
Tbesourode que cofre a sepultura.
[Bocagc).
T foste na Ierra um arijo,
Todo candura e amor ;
E's hoje no co um astro
Une das aos astros fulgor !
Como a bonina formosa,
Que murena logo ao nascer.
T nao podias meu anjo.
Era mundo estranho viver.
Unido assim aos mais anjos,
Buscaste asylo nos cos ;
Trocaste a cora d'espinhos,
Pelos mysterios, de Dos 1
Dormiste o simno da vida,
Foste na ierra um fanal ;
Depois, anjo acordaste.
Na la patria immortal!
Patria d'amor e ventnra.
Patria d'elerna alegra
Aonde as harpas celestes
Entoam sempre harmona.
Eras ura anjo na Ierra,
Quiz-to o Senhor junto a si ;
Mas leu pai que le adorava
Ainda chora por li.
Vive pois, mimoso anjinho.
Entre os gozos perennais ;
Pede ao Senhor, o socego,
O descanso de leus pas.
J. J Hay mundo de Mcndonra.
A' UN ?
Nos labios me dste a vida
(.le gera amores? Nao creio I
lis sonhos menlem-nos sempre,
Nos sonhos amor nao leio 1
Nunca eu beb um sorriso
Dos leus labios virgnaes ;
Tema manchar o brilho
Dado em azas malcrnaes.
Nunca, era leu leito de moca,
A rainha fronle bataneas,
Contemplas nos leus sonhares
Meiga tlor das esperanras.
Perdi-me nos leus olhares.
No fogo delles perdi-mc;
as crein;as da mneidade
Eumoro e loucovendi-me I
Mas nunca a mao do poeta
Tocou gelada na la ;
Eu nunca rairei-le a face
De rosados peijos na.
E tenho esgolado a tara
De animago, de ventura ;
Em breve reslea de fogo,
A vida passa obscura.
N'um feixe tenho tecido
Milhares das iilusoes ;
Perd-as todas I T pizas
No slo de coraroes I
Dormitei aos sons saudosos
Dos leus cantares de f ;
as iilusoes dos leus cantos
T mesma robaste o p !
E dste a mim dos leus labios
Ardor que queiraa em trrenles t
Me deste crencas de amores
Mas harmonas dtenles?
Nao creio I A flor orvalhada
Nao cede aromas briza ;
Cede-os ao sol do meio da,
Sol que a trra fertiliza I
Assim t deste ventura
A' oulrem que nao fui eu ;
Fui a rasleira avezinha.
Que, desprezada, geraeu.
E dste mim dos leus ollios *
A morbidez do menina ?
Nao ereio 1 T foste louca,
De fiel menlio-le a sina I
.1
i

(') No corredor ja s sabe.)


DIARIO DE PERWABMUI. SEGUNDA FEIRA 30 DE JTJLH0 DE 1860.
1860.
Nao queiras menlir-me nunca,
Mocas de sonhos dcscridn....
Se a crenea impera em leo peilo,
Apaga contraigo a vida I
J/unis Tarares
COMMERCIO.
Alfandega.
Rendimento do da 1 a 27. .
dem do dia 28. .
254.6689466
4.6039175
259:271(641
272
MovImputo da alfandega
Volumes entrados com fazendas 184
> > com gneros 88
Volumes sahidos cora fazendas 108
> com gneros 84
------192
Descarregara Tioje 30dejulho.
Barca francezaVille ae Boulognefazendas.
Brguo inglez Isalipllaidem.
Brigue portuguezTarujo Ji Filhodiversos g-
neros.
Hiate americanoJoseph Creceo resto.
Consulado geral.
Rendimento do dia 1 a 27. 17:1229817 i
dem do dia 28....... 381590
17.161*377
Diversas provincias.
Rendimento do dio 1 a 27. 2:4063940
idem do dia 28.......
2:4065940
Exportaco. *
Liverpool, escuna ingleza Belle, de 3J2 to-
neladas, conduziu o seguate:1,400 saceos
assucar mascavado.
Cear, hiate nscional Santa Cruz, de 101 to-
neladas, cooduzio o seguinlo : 564 volumes
seeros eslran?eiros, 5 caixes charutos, 106
barriquinhas assucar.
Rio d Janeiro, hiate nacional Piedade, de
211 toneladas, conduzio o seguinte : 156 vo-
lumes gneros estrangeiros, 71 saccas algodao,
1,636 sacros, 200 barricas e 2 cunhetes assucar,
200 barriquinhas dito refinado, 1,000 cocos com
casca, 1 barril vinho de caj, I caixo queijos,
3,989 raeios de sola.
Rio Grande do Sul, escuna nacional Emilia,
de 16 toneladas, conduzo o seguinte : 1,150
barricas assucar.
lli'i-i'bnliiria ili rendlns internas
geraes de Pernambaen
Rendimento do dia 1 a 27. 51:1578131
dem do dia 28....... 8908074
52.0475505
Consulado provincial-
Rendimento do dia 1 a 27. 58:5305-976
IJem do dia 29....... 2215864
58.7525850
PIUCA DO RECIFE
28 DE .111.IIO DE 18GO-
AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista Semanal.
Cambios--------Saccou-se sobre Londres cerca
de dez mil libras sterlinas a 25
1/4 d. por I5OOO, sobre Pars a
390 rs. por fr., sobro Hambur
go a 730 rs. por M. B. e sobre
Lisboa de 112 a 115 % de pre,-
mio, e sobre o Rio de Janeiro I
ES a um de descont.
Algodao-----------0_superior vendeu-se de 7;00
a 75600, e tlguns lotes espe-
ciaos a 7c80 e 8;000 por arro-
ba : c o regular de 75200 a ris
7J300 por arroba.
Assucar----------t) branco vendeu-se de55000 a
6;O00 por arroba, o somenos de
4;400 a 40600, mascavado pur-
gado de 3200 a 3$300, Ameri-
ca a 2s900 e Canal de 2>450 a
25500 por arroba, estando a sa-
fra linda, e lendo as chovas tor-
nado-se regulares, mui pouco
entra, por qoanto o que resta
nos engenhos nao pode ser con-
ducido pelas humidades.
irdentc-------Vendeu-se a 1058000 por pipa.
Couros Os seceos salgados venderam-se
a 220 rs. por libra.
Arroz------------- O ultimo vendido regulou a j
33IOO i'or arroba, Inven Jo fal- I
la do de boa qnalidade.
Azeitcdce- Vendeu-se a 2*500 por galo. I
Bacalho--------Km atacado obleve IO5OOO a :
barrica, e a retalho de IC3OOO a
139000, conforme .1 qualidade ;!
fleando em deposito 9,000 bar-
ricas.
Carne secca- A do Rio-Grande retalhou-sc
de 35200 a 4g200 por arroba,'
e do Rio da Prata, de 2$600 a
35000 ; fleando em ser 30,000
arrobas da primeira e 50,000
da segunda.
Batatas Vendeu-se a 23 rs. por arroba.
Caf----------------dem de 63500 a 7000 por ar-
roba.
Cha----------------dem a 13600 por libra.
Carvo dopedra- A ultima venda cITectuou-se
de 205 a 215000 .1 tonelada.
Cerreja-----------Vendersm-se 1,000 barricas, a
cero de 43800 por duzia de j
garrafas.
Farinha de trigo- Vendeu-se de 19J0OO a 20g000
a do Richmond, de 20gu00 a i
23-3000. a de Trieste. 17g a 195 I
a de Philadelphia. 1650(10 a de
Baltimore. e do 18?) a 193000 a
de New-Vork, licando em ser'
15,9">0 barricas.
Dita de mandioca Vendeu-se a 59000 a s-icca.
Feijo-------------dem de 13200 a I58OO por ar-
roba.
dem a 270 rs. a botija, e ris
536OO a frasqueira.
Lina partida de 100 barris vin-
da pelo vapor inglez vendeu-se
a 1lOO por libra ; nao tendo
liavido venda da franceza, da
qual existem 1,800 barris.
Venderam-se a 55500.
Osflamengos venderam-se de
2000 a 25600.
Vinagre----------dem a 1103 a pipa.
Desconlos Reguloo de 10 a 18 % ao anno,
lendo a caixa filial dscoi>tado
cerca de qualio centos coiftos
de ris.
Frels-------------Foram nominaes.
Paula dos prceos dos princinacs gene-
pos c proilucces nacioiiaes,
que se despacham pela mesa do consu-
lado na semana de
de 30 de julho a A de agosto de 1860.
Agurdente alcool ou espirito
de agurdente.....caada 960
dem eaxara....... 500
dem de cana...... 640
dem genebia...... 800
dem idem.......botija 280
dem licor.......caada 960
dem idem.......garrafa 320
dem restilada e do reino caada 800
Algodao empluma 1." sorle arroba 73600
dem idem 2.a dila .... 63600
dem idem 3.* dita .... 53500
dem em caroco 13900
Arroz pilado......arrba 385O0
dem com casca.....alqueire 33600
Assucar branco novo arroba 43800
dem mascavado idem ... 25600
Azeite de mamona .... caada I96OO
dem de mendoim e de coco. 23000
Borracha fina......arroba 78000
dem grossa....... 43000
Caf em grao bom.....arroba 73500
dem idem restolho .... 4$500
dem idem com casca ... 53000
dem moide....... > 9S600
Carne secta. ... 4S00O
CarvSo de madeira .... I36OO
Cera de carnauba em pao > 9JO00
dem idem em velas. ... 13S000
Charutos bons...... cento tfSDV
dem ordinarios..... 13000
Idojn regalia....... 33000
Chires........ 53000
Cocos seceos....... 43000
Couros de boi salgados libra 240
dem idem seceos espichados. 400
dem idem verdes..... 150
dem de cabra corlidos um 300
dem de onca...... j 103000
Doce de calda...... libra 500
dem de Goiaba .,...( 400
dem seceos...... 13000
Espanadores grandes. um 33200
dem pequeos...... lJWOt
Esleirs de preperi .... urna 300
Esloupa nacional..... arroba I36OO
Farinha de araruta .... 33000
dem de mandioca .... alqueire 23500
Feijo......... alqueire 73OOO
Fumo em folha bom .... arroba 153000
dem idem ordinario.... 93000
dem idem restolho .... 7S000
dem em rolo bom ... 16S000
dem idem ordinario. ... 63OOO
Gomma polvilho..... 33200
[pecacanhua....... arroba 253000
Lenha era achas grandes cento 23500
dem idem pequeas. ... I36OO
dem era toros..... 12S000
Madeiras cedro taboas de forro, urna 33000
Louro pranchoes de 2 custados um 93000
Costadinho. ...*... urna 83OOO
Costado........ 65OOO
Forro......... 23500
Soalho........ 43000
Varas aguilhadus..... 23240
dem quiriz....... a 1S600
Virnhtico pranchoes de dous
custados....... um 243000
dem idem custadinho de dito 14JOO0
dem taboas de costado de 35
a 40 p. de c. e 21/2 a 3 de
largura ....... > 453000
dem idem dilo de dito uzuaes 168OO0
dem idem de forro .... 1 53OOO
dem idem soalho de dito lOgOOO
dem era obras eixos de secupi-
ra para carros..... par 103000
dem idem rodas de dita para
ditas........ > 30SOOO
Mel......... caada 300
MiMio......... alqueire 23500
Podras de amolar. .... urna 800
dem de filtrar...... 93OOO
dem rebolos...... 18120
Piassava em inolhos .... um 200
Sabao......... libra 120
Salsa parrilha-..... arroba 253000
Sebo em rama...... 10SOOO
Sola ou vaqueta (meio) urna 38000
TaI''<>ca........ arrba 39200
Un has de boi...... cento J300
vinagre........ pipe 505000
Pao brasil ....... quintal 103000
til
>l
50,
dalOd
Oroiuaria .
Uruc por do Para bom. {> 1,2
Futido/ e Cambio.t.
Fondos inglezes.
Banco de Inglaterra (acedes) Par C|0229 231
Coofolidadot..... 39.1 3,8 a 95 1,8
Redolidos...... 93 3,8931|2
Estrangeiro
Belgas.......4 1|2--95a97
Brasileros..... 598 100
c ... 4 l|2~88l,2a89
Dinamarquezes .... 382 t 84
Hespanhoes...... .'! 48 a 48 t ,2
o Differidos 339 l|2 a 40
a Paisivoi. 317 1|2a 18 li2
Hollandezes.....21|265 67
Mexicanos.
Porluguezes
18561857 (
4 100 a 102
3207[8 1 21118
3-42 112 a 43 f |2
342 1|2a 44 1i2
5107 109
4 1(295 a 97
fr. 2820
Fondos' franceze. 4 1|2 ~96*90
i) 3 68,50
Metues precioso;..
... 1833
Rsso........
......
Banco de Franja (acedes)
Ouro em barra.....P
o Portugoez em moeda.
o Brasil.....
Oncas hespanholas. .
americanas.
Prata em barra ....
Patacas brasileiras .
Pesos colomnarios lieapan.
Carolot. .
Ferdinand .
Pesos das repblicas hasp.
maxicaoos.....
Moeddf de 5 fr.....
Cruzado* nuvoi ....
Pesos mexicanos.....
onjs 77|9
7715
77|7
76,6 a
o 74| 74 j3"
61 1|2
59 5)8
60| a 74(
77|
59 5|8
59 5|8
. d 60 4.8 a 60 114
, 62 1|8
Cambio*.
90d.d.52 5,8 a 52 3(4
52 7 8 a 53
60 d. v.2iu oniaal
3 m. d.11.16 1|2
13,5 1|4
25,83 a 25.40
3 d.v.|25.12 1|2 a 25.17 t|2
o llrasil.
Lisboa. .
Porto. .
K10 de Janeiro. ,
Balii e Perosmb.
Amslerdam. ,
llamburgo .
Pars. ...
.
tactos a carga para
Julho 11 Par.Shark.
dem 15.dem.Isabella Scotl
dem 12.Pernambuco.Merc'iant.
dem 11.dem.Miuslrel.
dem 10.dem.Palmada,
dem 20.dem.Lunley.
dem 15.dem John Martin.
dem 20.dem.Cynlhia.
Algodao.Os depsitos sao avlitados, e ainda
Vinagre ,). Lisbuii linio |\ 4^UW U9U0
Dilo dito branco......B 4&SO00 50000
. ComMot.
Undre 90 d|d......54 a 54 1/g
P 100 d,d.......532 '
Genova 3 m|d.......530 nom.
Hamburgo 3 mpj.....47 a 47 5(8
Amslerdm 3 mid.
Madrid 8 rfiv.
Porlo8d|v. .
42 1,4
. 945
. par.
Metiei.
, 85OOO
150OO
Pe?" de 8#000 .
Ouca hetpjnholat. .
Ditas mexicanas. .
Agues da ooro dosEtta-
doi-Lnidoi ....
Soberanos (t prata). .
Ouro'cerceado ( ooro) .
Patacas hespanholas .
Ditas brasileiras
Dita* mexicanas ," .*
Cinco francos ....
Prala (marco). .
Fundos e accOts.
I49OOO
185250
45490
15980
950
930
910
880
8-50 50
3 por cento de assentam.
Coopons ......
Divida diflerida .
Banco de Portugal. .
Dito mercantil, idem .
Dito commercial do Porlo
46 l(2 a 47
45 1,2 a 46
33 34
553000 a
2501000
2563000 a
IEVISTA COMMERCIAL
89030
155200
14200
1850O
45-500
25OOO
970
950
960
890
85100
1(2
5553000
25I8O00
2.585000
m
Movimeiito do porto.
De 12 de junho a 11 de julho
Uuranle o periodo d'esla revista o mercado te-
ve pouca animacao, e as transaeces efectuados
qnasi que foram limitadas ao consumo.
Os fundos do 3 p. c. al Ons do mez passado
esliveram em completa apalhia, mas n'estes l-
timos na das lera subido progressivamenle 1
\[t o. c,e llcam na actualidade com animacao.
Assucar. Enlraram do Rio de Janeiro 29cai-
xas e 78 barricas ; da Baha 418 caixas. 2 barri-
cas, 4 fexos e 719 saceos ; de Pernambuco 5274
Saccas e od barricas ; de Ga 267 accas ; de Ca-
M-'crde 481 barricas ; da Madeira 214 ; de Lon-
dres 120 saccas ; e de Liverpool 350 ditas.
A grande porcao de mascavados que lem con-
corndo ao mercado fez ceder os possuidores a
precos baixos : a eolacao de 23100 rs. e sement
para as quahdades superiores, porque todas as
mais llcam completamente despresadas. Os bran-
cos conservaram os projos. e n'estes ltimos dias
os smenos liveram una alta de 100 a 150 rs.
Continuara os supprimentos de Inglaterra, e ain-
da se esperam roais.
A existencia d'este genero boje de
Caitas F.'ixos Barricas Saccas
.. UP 29 2629 40681
Algoao. As vendas durante esta revista fo-
ram de muilo pouca importancia, e o mercado
uca envapathia.
As ealradas foram de 26 saccas do Para : 23
JVam'os entrados no dia 28.
Soulhampton o portos intermedios19 dias, va-
por inglez Tyne, commandanle Jellicoe.
Melbourne67 dias, galera americana Leaping
Water, de 1183 toneladas, capilao Gatdiner,
equipagem 19, carga laa e mais gneros ; ao
capilao. Veio refrescar e seguio para Londres.
Montevideo38 dias, sumaca bespanhola iisme-
ralda.de 124 toneladas, capilao I). Jos Millet,
equipagem 8, carga 2938 qulntaea de carne ; a
Amoriro & Irmo.
Navios sahidos no dia 28
Rio de JaneiroVapor inglez de guerra Ardenl,
commandanl Parcsh.
LisbiPalhabole nacional Santa Cr:, capitao
Jos Victorino das Neves, carga differentes g-
neros. 1
Portos do SulVapor inglez Tyne, commandan-
le Jellicoe.
01 ce a. O" *-* O. 5" o C7> o. ( a 1 1 Horas 1
V V V 0 c 5 c cT co co v> rn Atmosphera
w Direcco. < m 2 H O
* *tf 0 (O co 0 c 1 Intensidade.
s K9 O MI CS MI en O * Centgrado. B O SC H 9 O
0 co CO 0 ce 8 b 1 Reaumur.
ce cf CC ^1 ^ . Fahrenheit
ce V -4 CC -q en ;- en 2. Hygrometro.
-4 w ~1 en 0 S3 903 0 Barmetro

-
I
O 53
O

c
i
A noite nublada echuvosa, veulo SSE, eassini
amanheceu.
OSCILLAfjXO DA AR.
Baixaraar as 6 h 30' da manha, altura 1.50 p.
Preamar 0 h 42' da tarde, altura 6.50 p
Observatorio do arsenal de marinha 28 de julh i
de 186Q Viscas Jjkiob.
Editaes.
quo as vendas sao importantes, os precos vao ^e Angola ; 99 fardos de Coa, e 318 de Liverpool,
baixando Aguldenle do Brasil. Pequeas transaeces
total das entradas este anno ule 6 do corren- Para os Acores, mesmo porque d'este genero' ha
te, montara era 2,394,429saccas incluindo 59,557 fjll;l 'l"isi total.
BOLETIM.
LIVERPOOL. 8 DE JUCHO DE 1S60.
/mportacao.
Livres de direilos para o vendedor.
Gneros. Preron.
Algod a 2|3
a 701
a 5-2(6
alil
a5S[
a(iii|
a58|
a56|
a60(
a6ii
Gencbra----------
Manteisa -
Massas-
Queijos
Bom.
Mediano. .
Ordin.irio.
dem da Babia, bom. .
Mediano .
Ordinario .
Idem do Maranhite, fibra longa
Alcntara .
Ilapieur .
Caxias .
dem de machina bom .
Mediano .
Ordinario. .
Assucar por 112 1* do Rio, b. .
Louro .
Mascavado .
dem de Pernambuco branco.
Louro : .
Mascavado .
dem da Babia e Macei b. .
Louro. .
Mascavado
Balsamo de cupaiba por ;.;, claro
Turvo .
Borracha por 8, fina. .
Mediana. .
Ordinaria .
Cabeca de Negro
Sernamby .
dem do Cear, pelles. .
Sernamby. .
Cacao, por 112 libras:
Para bom.....
Babia, .....
Caf, por 112 S Rio 1.a sorle.
Segunda .
Escolbido .
dem da Babia primeira sorle.
Segunda )
Escolbido .
Mem do Cear ordinario .
Castanha por 112 t do Par n.
Cebo por 112 l do Rio Grande
Bom e duro.. .
Mediano. .
Escuro. .
Cera de carnauba, por 112 ft. .
Chifres, por 123 de vacca .
De boi. .
Cinzas de ossos por tonelada:
Branca. .
Preta .
Clina por de vacca. .
Couros por Seceos de 30 a 35 %.
de 20 a 24
de louro-, 35 1 40
dem do Rio Grande, por $ :
Salgados,de 65 a 70%.
de 45 a 50 S
de vacca 40 a 48%
Cavallo, ecco 10 a 13
t. om ....
dem salgidoi, 23 a
30 .....
dem idem, 16 a 20 %.
dem de Pernambuco, Bahia,
Maranhao e Para por %
Seceos salg., 26 a 30 $
11 espichados 16 a 20 %
Curtidos 7 a 9 % .
Molhados 40 a 46%
dem do Cear, Parabyba e
Macei por %. .
Seceos solg. 30 a 32 %.
Moldados :> a 50 ..
Cumar por libra bom. .
Ordinario ....
Farinha de mandioca boa por
112*......
Gomma ou bochn de peixe por %
Gurujuba, 1 qmlid. 4|a4|3
2a dita. .
3' dlla. .
Pescada. Ia qoalldade
2 dita. .
3 dita. .
Piriiba, Ia rflt. .
2 dlla .
3a dita. .
B 2a dita .
Jacaranda por tonelada do Rio.
dem da Babia. .
Gerzeliin, por qoarleirSo. .
Piisiava por 2240 Ib. do Para*. 34
da Bahia.....11
Pxnrim, por 1(2 libras, bom.
Salsa parrilha por libra boa. 1(6
Inferior .... 1*9
Tapioca por 112% Rio superior. 67[ 172(6
8 314 d
7 5|8d
7 1|4d
7 1,2 d
7 d
6 3|4 d
8 3|4 d a 8 7i81
8 3,4 d
8d
7 7|8 d a 8 d
7 l|4d
7 d
26| a 30(
2|< a 25,
2116 a 29,6
26| a 30|
2i|6 a 25|6
2I|6 a 24(
26| a 30,
24,6 a 25
21,6 a 2i(
2,0
1,10
3|
2|9
2|6
2,2
!i
2(3
68|
51(
60j
56,
64,
57(
54(
58|
56|
18,
*54i6
53,9
51,
6O1
22,
351
3 17|6a 4 5|
2 10|
12 d
10 d
9 d a 12
9 d a 12 d.
8 d a 9d
7d a8 d
7 d a 3|4 d
7 d a 7 3,4 d
8( a 10
10, a 14|
til a 9|
8d a 9 1|2d
9 d a 10 d
9d a 10 d
5 1|2da6 d
8 da9 l|2d
5 d a G d
1,2
1,0
do Brasi
As vendas no mesmo periodo, montara em
1,698,560 saccas incluindo 67,230 do Brasil.
Era ser, llcam 1,297,100 saccas incluindo
10,900 de Pernambuco, etc.; 5,600 da Bahia, etc.;
e 9,950 do Maranhao.
Entraram em junho de 1860, 251,859 saccas.
dem em junho de 1859, 231,275 ditas.
Venderam-se em junho de 1860,223.930 ditas
dem em junho de 1859, 360,033 dilas.
Arroz em casca,As ultimas tendas sao de
4,500 saceos de Moulmein a 10/ por 112 ,
5,000 saceos de Madras a 10/3 ; 9,000 saceos Ne-
cransie a 9/10 1/2 por 112 i e una carga do 800
toneladas de Rangoon ainda em viagem a 11/.
Assucar.O mercado est firme, e as vendas
rnontam em 17O00 saceos do Bra.l ao preco de
23/ e 23/9 pelo de Pernambuco, c 23/9 pelo do
Cear e Macei.
Borracha. Tem subido rapidamenlo no preco,
que colamos hoje firme a 3/ por pela fina.
As vendas desde a nossa ultima publicaeo an-
da m cerca de 50 toneladas aos precos de"2/8 2/8
1/2 e2/10c 3/ pela fina ; 2;6 e 2?9 pela mediana
p 2/ pela cabeca de negro.
A porcao em ser pequea, e os possidores
lenlam tirar lodo o partido possivel no preco.
Caf.i procurado, mas a pequea porcao no
mercado lem limitado as operacoes.
As vendas de caf do Brasil monlam em 1,000
saceos, aos precos de 56/, 59 59/b a 00/6 a 65/ as vendas sao muilo limiladas.-Entraram
pelo do Rio, e 58/ e 59/ pelo da Bahia
Couros.O mercado est completamente de-
sorganisado em consequencia da quebra de di-
versas casas de curtidoures em grande escala, e
tudo quanlo diz respeilo a couros est paraly-
sodo.
De Glisgow entraram 4* pipas, de Gibraltar
100 harrs, de Cabo Verde 54garrafes, e da Ma-
deira 1 tipa.
Azeilc O mercado frouxo, os embarques
sao de vendas anteriormente roalisadas.
Arroz. Vendas tao somenie para o consu-
mo. O leposito assaz consideravel, e no pe-
riodo d'eUa revista entraram do Para 408 alquei-
res. de Ga 1985 saecas, de Risso 11, de Vlaar-
dingem 1628, de Londres 2701, de Liverpool
28lo, e do Genova 60.
Alpista Piucas vendas. Nao houve entra-
da alguma.
Caf. Cerca de 1000 a 1200 saccas vendidas
pira reexportar com alguma reduccao as nossas
catacoes inimaram alguma cousa'c mercado, e
por isso os precos liveram um pequeo aug-
mento.
Presentemente cessaram as ordens, e este ge-
nero fica *m apalhia. Para o das possesses nao
ha alteracao ; continuamos com falta absoluta,
porque s o ha era poder dos consumidores.
Os supprimentos que livemos foram de 996
saccas do Rio de Janeiro, 46 da Bahia, 461 de
Luanda, 0 de Cabo Verde, e 167 de S. Thome.
Cera. Desde a nossa ultima revista fizeram-
se algumas vendas para o Brasil, mas de pouca
importancia, assim como pequeos embarques
de cunta propria para o mesmo destino. Para o
Mediterrneo nao procurada, e para consumo
neste
periodo de Loada 808 gamellas, de Benguella 18
de Inhambaiie 132. de Mozambique 3, e de Gi-
braltar 76 caixas.
Carao. Os precos que se fizeram nos suppri-
mentos mencionados na revista passada, excede-
O Dr. Francisco de Araujo Barros, cavalleiro da
imperial ordem da Rosa e juiz municipal da
segunda vara do termo do Recife, por S. M. o
Imperador, que Dos guarde, ele.
Fago saber que pelo Dr. Agostinho F.rmelino
de Leo Jnior, juiz de direito interino da se-
gunda vara criminal, me fui communicado haver
designado o da 2 de agosto prximo vindouro,
pelas 10 horas da manha, para abrir a quarla
sesso do jury, que trab ilhara era dias consecu-
tivos, tendo precedido ao sorteio dos 48 jurados,
que teem de servir na mesma sesso e de con-
formidade com o art 326 do regulamento n. 12
do 31 de Janeiro de 182, foram sorteados e de-
signados oscidados seguintes :
Freguezia de S. Fr. Pedro Conealves.
Antonio Alexandre MartinsCorreia Bastos.
Antonio Joaquim Seve.
Antonio Raimundo Pnes Lima.
Francisco de Paula Pereira de Andrade.
Innocencio Garcia Xavier.
Joo Francisco Pontes.
Jos Lourenco de Sanl'Anna Barros.
Manoel Jos da Silva.
Jos de Carvalho da Costa.
Santo Antonio.
Antonio Bezerra de Menezcs.
Dr. Filippe Nery Collaco.
Joao do Reg Pacheco.
Jos Lopes de Parias.
Jos Jnaquim da Cunha.
Manoel Joaquim da Silva Bibeiro.
Sevcriano Jos de Souza.
San-Jos,
llenriquc Augusto Milet.
Joo Jos Lins.
Francisco Antonio de Brilo.
Angelo Custodio Rodrigues Franca.
Antonio de Souza Molla.
Francisco Jos Duarte Camarso.
Boa-Vista.
Antonio Carneiro Machado Rios.
Fsancisco Antonio Cavalcanli Cosseiro.
Luiz Jos Nones de Castro.
Joaquim Tavares Rodovalho.
Cioaajlc -do Recife de Priiamemco, aos 2f> do
julho de 4860, 39. da independaacia e do impe-
rio do Brasil. *
Eu Manoel Mara Rodrigues do Naseimento.ea-
crivao o subserevj.
Anselmo Francisco Pertlti.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia de 12 do correnle. e de
conformidado com o g 15 do art. 26 da lei do or-
camento vigente, manda fazer publico que no dia
14 de agosto prximo futuro, perante a junta da
mesma Ihcsooraria, se ha de arrematar a quem
por menos fizer. a obra a fazer-e na parte do
hospital Pedro II. que lem de ser concluida, ava-
llada em 50:1689800.
A arremaUco ser feita na forma da lei pro-
vincial n 343 de 4 de maio de 1854. e sob as clau-
sulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta asrema-
tscao, comparecam na sala das sessesda mesma
junti. no da cima declarado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E Para constar ae mandou affixar o preente o
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 23 de julho de 1860. O secretario,
Autonio Ferreira d'Annunciare.
Clausulas especiaes para a arreraatacao.
1.a A obra ser principiada um mez depois da
arremataao. e concluida no prazo d 18 raezes.
2 O arrematante ser obrigado a attender as
observacoes tendentes a boa execucao da obra
feita pelo engenheiro encarregado d'a obra.
3.a Ser obrigado a receber para empregar da
obra todos os materiaes, portas e grades, etc.
que existirem feilas, pertencenle ao edifico, pa-
ra o que indagara quando tenha de construir urna
porta, caixilhos, grade de ferro, etc se taes ob-
jeclos f xistirera feitos.
4.a O pagamento ser* dividido em cinco pres-
tares iguaes, correspondentes cada una a cada
quinto da obra que seja terminado.
5.a Desconiar-se-ha em cada prestaco que te-
nha de receber a importancia dos objeclos que
por ventura tenha empregado pertenrente ao
edificio, tirados os precos de cada um delles. do
orcamenlo junio, para o que preceder ao paga-
mento um atteslado que scienlique ao governo
quaes os ditos objeclos que foram empreeados
na parte a pagar.
6.a Observar-se-ha para tudo o mais disposto
na le provincial, n. 286Conforme r= O secre-
tario, Antonio Ferreira d'Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia manda fazer publico, de
| conformidade com as ordens do ihesouro nacio-
| nal ns. 98 e 99 de 26 de junho ultimo, que no
dia 10 de setembro vindouro se far concurso
nesta thesouraria para preenchimenlo de mais
urna vaga que ha de pralicante na mesma, e ou-
tra na recebedoria de rendas internas desta ca-
pital. Os que pretenderen! ser admillidosao con-
curso, devero apresentar nesta secretaria seus
requcrisientos instruidos dos dorumentos quo
provem : 1. terem 18 annos completos de idade :
2." estarem livres de culpa o peno : e 3." um
bom procedimenlo
Os exames neste concurso versarao sobre le
tura, analysc graramatical, orthographia, e ari-
thmetica, al a theorla das proporc,es inclusiva-
mente.
Secretaria da thesouraria
b.
Dito
Dilo
Oito
Dito
145
25350
19650
15HU0
23IOO
lOliOO
iaC5o
2-5600
Rio de Janeiro 8o7. da Bahia 1200, de Pernam-' Luiz Joaquim de Albuquerque Carneiro.
155 I baco 51 e 600 vaquetas, do Para 1496, de Loan- J"'""!""'" Ceelho Cintra.
Verde 660 das i"'0''0 Antonio de Figueiredo.
155 da 968. de Banguella 76, de Cabo
2s900 ; llh-*s 770, e de Gibraltar 329.
P
A 750
jq 4200
6g000
5|4O0
39600
35900
397OO
355'K)
5g500

>>

i


d

b
11
(1
ar.

B
ar.
ar.
B




D

Gomma copal. Sera olteraro. Faltara as
qualidades boas, nicas procuradas. Entraram
de Loanda 60 rol., e de Benguella 19 ditos.
Gomma do Brasil. Do Rio de Janeiro vierarn
40 barricas Como o deposito lera diiniuuidu
os procos lem moldurado alguma cousa.
Melaco. Difficilmente se sustentan) os pre-
cos, qualquer partida do importancia que che-
gasse faria bailar este genero 29000 a 490OO rs
em pipa. No decurso desfa revista entraram do
) 1 Pernambuco 371 cascus, do Para 40. de Londres
r..-.j,ui "0 e 52 barris. e de Liverpool 10 cascos.
Marfim. Scm alleraco do que dissemos na
anterior revista. De Loi'nda vieram 1856 ponas,
o da India 800 dilas.
Ourucu. Empalado. Do Para entraram 333
9100
2#O00
29400
13900!
19:>0
29700
503000
81)0
43'itlO
5S800
43OOO
49OOO
39800
39600
ram as colaces que entao marcamos ; o que
Esperamos ver urna baixa de lu, i 20J dos pre- chegou o mez passado ( isto 733 saccas ) j nao
eos actuaes. ] obleve o mesmo resoltado, eso com a reduccao,
[que se nota, obleve lodo prornpU sahida. |Jos Joaquim de Miranda.
I Couros. Poucas transaeces, e as que ulli- i Francisco Rufino Correia de Mello.
LISBOA. 12 DE JULHO DE 1860. mmente liveram lugar form nos salgados do i Jos Nemesio de Olinda.
Preros correntes dos gneros de importarlo do -Maranhao. Os supprimentos chegados sao do I.......Afogados.
frasil.
Algodo de Pernambuco. .
Dilo do Maranhao e P*ia'
Assucar de Pernambuco
Dito mascavado .....
Dito do Kio de Janeiro m.
da Babia b.....
dilo mascavado ...
do Para bruto ...
de Cabo Verde.....
Agurdenle de canna do Bra-
sil.........
Alpista............
Arroz da India (Goa). .
Dito do Maranhao e Para sup.
Dito .1 1,1 b.m .......
Oito dito mi'-dn. ......
Caf lo Rio primeira sorle .
Dilo dilo segunda dita. .
Dito dilo lerceira dita .
Dilo de Cabo Verde .....
Dilo de S. I. e Principe. .
Dito de Angola........ 49300
Cacao do Para.......b 4:000
Dito da Bahia........ 2800
Dito de San Tliom.....d 3-5600
Cera amarella de Angola ar.
Dita dita de Benguela. .
Cravo do Maranhao..... 600
Cravo de Girofe ....*... ar. 110
Couros seceos do Rio.....ar. 157
Dilo verdes do Para ... 112
Ditos espichado* das Minas. 187
los ditos da Bahis 167
Ditos ditos de Angola...... 185
Dilos s Ditos salg. de Pernambuco... o 157
Ditos ditis da Bahia...... 152
Ditos ditos de Angola..... 145
Dilos ditos de Cabo Verde.. 134
Ditos dilos das libas...... 200
Dilo ditos mouros....... 180
CominliM......... 2S100
Denles de marfim lei...... 1#200
Dilos dito meiao........ 19100
Ditos dito escr.ivelho..... 700
Erva doce...........@ 33'00
Farinha de pao.....A. 900
Gomma copal superior..... 43500
Dita dita regular.......o 3$K0
Dita dita ordinaria....... 19400
idades superiores.
Sal. O mercado tem pouca animacao, espe-
ra se a nova colbeita que promette ser regular.
Urzella, Nao procurada, asrdeos sao to
limitadas, que se pode dizer que este genero fica
cesattendido. Entrarais no periodo desta revis-
ta 2612 saccas de Loanda, 458 de Cabo-Verde,
103 da Bahia do Lourenco Marques, e 65 da
II ha Terceira.
Vinhos. Mercado frouxo. Ainda que a mo-
lestia lenha apparecido, coratudo nao e to in-
59600 PaDl'lros-
5S700 Salsa parrilha.Entraram do Para 65 rollos, i
4*4001 re1ue"cs transaeces se lem realisado pela pon- Agostinho Rodrigos
4-1IOO c? animacao nos compradores, o falta das qua- A lodosos quaes 1
35OOO
3980U
325
327
700
13U
217
122
257
197
220
217
217
162
155
160
210
220
39200
1$300
19250
19100
39600
19OOO
49800
43200
25000
Jos Florencio de Oliveira e Silva.
Poco da Panella.
I)r. Luiz Francisco Belem.
Sebaslio Correia de Albuquerque.
Eugenio Marques de Amorim.
Vanea.
Jos Jacques da Costa Guimares.
loo Raptila da Silva.
Manoel Soares tiendes.
S. Lourenco.
Francisco de Paula Cavalcanli da Silveira.
Chrislovo Vieira e Mello.
Manoel Julioda Fonseca Tinho.
Jaboato.
Francisco Antonio Borges.
Pedro Goncalves da Rocha.
Muribeca.
Manoel dos Santos Oliveira Goncalves.
Bernardino Ferreira da Cruz.
Campello.
c a cada um de per si. beru
como a lodos os inleressodos em goral se convi-
da para compareccrem no primeiro andar da
casa que foi cadeia, na sala das.sesses do jury,
tinto no referido dia c hora, como nos mais dias
seguintes cmquanlo durar a sesso, sob as penas
da le se fallaren).
V. para que chegue ao conhecimenio de todos
mandei nao s passar o presente que ser lido e
afiliado nos lugares mais pblicos deste termo e
publicado pela imprensa, como remelter iguaes
aos subdelegados do termo para publicarem e
de fazenda de Per-
nambuco 20 de julho de 1860. O oiTicial maior
interino Luiz Francisco de Sampaio e Silva.
O Dr. Ernesto de Aquino Fonseca, cavalleiro da
ordem de Christo, juiz de orphos do termo do
Recife, por S. M. o Imperador, que Dos guar-
de, etc.
Faro saber aos que o presente edita! virem,
queporesle juizo tem de ser arremalado por
venda a quem mais der. na porta da sala das au-
diencias, e lindos os dias da lei, os seguintes pro-
priedades :
Um sitio de trras denominado Allemao, cora
algumas fructeiras. extremando pela frente com
o sitio Riacho da Estiva, pertencenle a viuva e
herdeiros de Jos do Monte Limo, pela parte do
nascente na linha de sul a norte do marro da es-
Irada al o riacho Passo da Ibura e dito sitio Es-
tiva, e pela parte do norte, ao poenle, com Ier-
ras do engnnho L'cha, tendo 2,380 palmos de
trente e 4,000 de fundo, com duas casas do laipa
cuberas de tellias, vallado por 5:0009000.
Im terreno de maltas capoeiras, denominado
Cacimbas, no mesmo logar da lbura, extremando
com trras de Jos Rodrigues de Oliveira Lima,
avahado por 1:5009.
Outro terreno de maltas capoeiras, denomina-
do Descanso, em dito lugir da Ibura, que extre-
ma com trra do mesmo Jos Rodrigues, avalla-
do por 1 -.5009.
Outro terreno de maltas capoeiras. junto a la-
goa denominada Zumbi, no solo-edito lugar da
Ibura, o qual extrema com o sitio Estiva, ecom
torras de Alfonso de Albuquerque, avallado por
2 OOOjJOOO sendo o total do valor do sitio e terre-
nos annexos a quantia de 10 OOOjOOO ; todas es-
tas propiedades situadas na freguezia dos Afo-
gados ; sendo o dilo sitio e mais terrenos per-
tencentes a viuva e berdeiros do finado Antonio
Abes Ferreira, e vai praca por delerniinacio
deste juizo, a requerimento' de Antonio Pereira
de Oliveira Maia. credor hypolhecario do referido
casal
A primeira praca em 31 do corrente, a segun-
da|dita em 3 de agosto, a lerceira dila em 7 do
mesmo pelas 11 horas da manha depois de On-
da a audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz de orphos.
E para que chegue ao conheeimenlo de quem
inleressar possa mandei lavrar o presente que
ser offixado no lugar do costunie, e publicado
pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife. capital
da provincia de Pernambuco, sob meu signal e
sello deste juizo, que ante mim serve, ou valha
sem sello cx-causa, aos 6 dias do mez de julho do
anno do nascimento de Nosso Senhor Jess Chris-
lo do 1860, 39" da independencia e do imperio
do Brasil.
Eu Joao Facundo da Silva Guimares, escrivao
o escrevi.
Ernesto de Aquino Fonseca.
tensa como nos annos 'anteriores, e a nao haver f"-er as notiflcacSea necessarias, aos jurados, aos
culpados e as lestemunhas que se acharetn nos
seusdislriclos.
Cidadcdo Recife 27 de julho de 1860.Eu Joa-
quim Francisco de Paula Esleves Clemente, es-
crivao do jury o subscrevi.
Fransisco de Araujo Barros.
olgum incidente imprevisto, a colhelta sersof-
frivul.
Pernambuco.Brasil ( vap. port. ] com 600
de batatas e 160 molhos de ceblas.
Jareo ( pal. port. ) com 15 pipas, 140 barris
e 20 ancorlas de vinho, 6 pipas, 10 meias dilas
Deelaraees.
e25 barris do vinagre, 45 barris de azeile, 25 de Io Dr. Anselmo Francisco Perellt, commendador
Melaco............ P 383000 395000
Ouruc............ Arr. 100 140
Pimenta da India........ 130 140
Salsa parrilha superior..... @ 169000 17-5000
Dila dila regular....... 129000 143000
Dita dila oriinaria...... 8*000 103000
Tiigo estrangeiro rijo..... A 580 670
Tapioca boa..........@ 1200 2-3100
carnes, 290 de loucinlio, 47 de linguissas, 19 de
peixe em moira, 50 do cal, 5 barricas de erva
do^-e, 30 de cevoda, 8 de cera era grumo, 110
saccas de farellos, 4 caixa de doce, 100 pedras
de lagedo, 250 caixas de batatas, 20 barricas e
30 snrres de alpista, 10 caixss de niassas, 3i0
de cebollas e 8 vol. diversos.
Para.B^rca porlugueza Flor do Vez, com 2
caixas, 6 pipas, 265 barris e 30 ancorlas de
vinho, 20 caixas de dilo Moscatel, 3caixntesde
dilo da Madeira, 100 barris de vinagre, 172 barris
e 4 caixotes de azeile, 250 barris de loucinha, 25
de presuntos, 91 de chouricas, 129 moios do sal,
50 frasqueiras de genebra, 50 caixas de alvaiade,
3 de peixe, 7 de poliame, 225 de batatas, 16 de
sebo em velas. 20 de dito de Hollanda, 40 de
massas, 10 de massinhas. 110 de cera em velas,
Urzella de Angola......hi 129000 iijooo, f 1^acas d fe.jao. o de grao, 5 de ameodoas, 17
3|6 a "3(10
3| a 3,4
*14|2
3,6 a 3|10
2,9 a 3,3
3.9 a 3i10
3|
1.10 i2[
((110 a 2i
i 16a20
12 a 18
Dila de Rengela....... 12*000 13900O
Dita de Cabo Verde...... 119000 129"00
Vaquetas do Maranhao.....orna 1000 23400
Dila da Pernambuco .... a I96OO 29100
Bxportacao.
Agurdenle ........Alm.
Azeile doce........ 23700
Amendoa doce em milo 33006
Banha de porca......
Batatas........... ar.
c^ooo
3S260
soleiras de cantara, 100 ancorelas de azeiloaas,
28 volumes de drogas e ervas medicinacs e 81
diversos.
BARRA DE LISBOA.
Entradas.
Junho 14.Constante, Reis.Pernambuco.
24.Constanza, Silva.dem,
dem Feliz Ventura, Silva.Para.
260
380
400
150
2X0
320
oZnnfl *"r"" cus ni....... ... .. u.a.
QaX 29.-Tyne (vapor). JeliccBrasil.
Cera branca em grume...
Dita dila em velas.....
Cebles........., M
Cevada........... A
Cenleio........... A
Carne de vacca....... 6 @
d de porco D B
Chouric,os......... (5)
Farinha de trigo..... B
Milbo............ A
Mtnteiga de porco..... (a
Paios............ Duz.
Presuntos......... (ai
Sal......... Moio
Trigo rijo do Reino..... A
Dito molla......... a
Toucinho.......... (3
Vinho de Lisboa tinto P 869OOO 1009000
Dilo dito branco...... x> 1209000 1309000
300
580
620
280
400
420
160
300
400
I29OOO
188000
39600
99OOO
340
3*800
9900
392OO
13*00
640
640
29600
Julho 5. Milford-IIaven (vapor), Oliveira.
Sahidas.
Jonho 14. Magdalena (vapor), Woolwerd.
Brasil.
21.Fiordo Vez, Neves.Para.
26.Soberano, Almeida Pernambuco.
29.Navarre (vapor), Wedel.Brasil.
Julho 5.Brasil (vapor). Campos.dem,
dem.Jareo. Saboinho.Pernambuco.
EmbarciQes carga.
Rio de Janeiro Gateras Lusitania c Amazo-
nas : brigues Indianos, Florinda, Saudade, Mara
Emilia, e Assorabro ; patachos Camella, Mara
Camilla e Mara : barca Hermitsge ; e lugre
Abreu I.
Bahia.Barca Figueirensc e brigue Conde.
Pernambuco.Brigue Constante, e barcas Gra-
tido e Flor do S. Sirao.
Maranhao.Barca/Feliz Unio.
Para.Barca Nereide, e brigue Feliz Ventura.
da imperial ordem da Rosa e da de Christo, e
juiz de direito especial do commercio nesta ci-
dade do Recife e seu termo, provincia de Per-
nambuco, por S M. o Imperador, a quem Dos
guarde, etc.
Far;o saber aos que o presente edital virem, e
delle noticia tiverem que no dia 18 de agosto
do correnle anno se ha de arrematar era praca
publica deste juizo esala das audiencias os bens
seguintes : diversas pegas de obras de prala com
o peso de 2352 oilavas a 300 rs. a oilava, ris
750j00 ; 33 trancelins chatos com 200 oilavas a
59 a oilava, 1:0008; 2 rosarios cora 8 oilavas
ambos pr409 ; 110 anneis com pedras e sem el-
las pesando7i oilavas a 58 a oilava, 3703; 15 pares
de argas cortadas com 16 oilavas a 49 a oilava,
6(9; 11 ditas de lllagran <:om 8 oilavas o !>' a
oilava. 329; 85 pares de argolas lisas com 18 oi-
tavis a 49 a oilava, 72$ ; 4 coroas de filagran
com 22 oilavas a 59 a oilava, 1109; 5 medalhas
com o peso de 7 oilavas a 49 a oilava, 289 ; 1
cruz para rosario com 2 oilavas por 89; 3 cesso-
lctas com 6 oilavas a 69 a oilava, 368 -1 varas
e meia de cordo com 32 oilavas a 48 a oilava,
12*5 ; 5 varas e meia de tranceln) com23oitavas
a 49 a oitava, 929; 2 varas de collar corn 7 oilavas
a 48 a oilava. 289 ; 10 resplandores de ouro cora
21 oilavas aja oilava, 1059; 6 cadeias de col-
lele com 39 oilavas a 59 a oilava, 1959 ; 8 adere-
eos de ouro completos com 60 oilavas a 59 a oi-
lava, 3409; 100 pares de rosetas com 118 oitavns
a 59 a oilava. 59U9 ; 35 meios aderecos com o
peso de 139 oilavas a 59 a oitava, 6959 ; 30 pul-
cciras sendo urna de coral com 160 oitavas a 59
a oitava, 8OO9; 15 pares de brincos com 26 oilavas
a 48 a oitava, 140$. imporlaolo osraesaios objec-
los na quantia da 5:5429600 ; 1 casa terrea sita
na ra das Lsrangeiras n. 19 da freguezia de San-
to Antonio do Recife avahada em 2:5009. os
quaes bens sao pertencentes a Joo Paulo de
Souza, e vao 9 praca por execucao qoe llie enca-
minha Miguel Archanjode Figueiredo e nao ha-
vendo lancador que cubra o preco d avaliaco,
sar a arremalaco feita pelo preco da adjudica-
rn com o abate da lei.
E para quo ohegue ao conheeimenlo de todos
mandei passar eailaes que sero publicados pela
raprensa e afiliados nos logares do coslurre.
Cunselho administrativo.
O conselho administrativo, para foruecimerito
do arsenal de guerra, em cumprimento do art.
22 de regulnmento de 14 de dezembro de 1852,
faz publico que foram aceitas as propostas dos
senhores abaixo declarados.
Para fornccimonlo da companha de cavallaria
desta provincia.
Augusto Paulo Colomber 70 par?s de luvas
de algodao branco a 480 rs.
Para a primeira companha de pedestres da co-
marca da Uoa-Visia.
Santiago de Moragas.1 sinelo corn as armas
imperiaes com o distico respectivo da menciona-
da companhia por 5090O, sob 3 condicao de en-
trega-lo prompto no da 15 de agosto prximo fu-
turo.
Para a escola regimental do oitavo batalho do
infamara.
oimares para principiaule a 60 rs., 20 labadas a 60 rs.,
6 grammaticas poiluguezas de Monie-Verde ulti-
ma edico a I3OUO, 6 compendios de ariihuxeli-
ca por Avila, conforme o aviso de 12 de julho de
1852 a I940O, 20 traslados de escripia a 60 rs., 6
pautas a 40 rs.
Joo Jos da Silva.6 resmas de papel alma-
co a 38600, 400 peonas de ganco a 800 rs., 2 ca-
ivetes a 800 rs., 72 lapes linos a 320 rs., 6 gar-
rafas de tinta preta a 400 rs., 6 libras de areia
preta a 400 rs., 6 pedras de lousa para escripia >
400 rs., 24 lapes para os ditos 20 rs.
Para o nono batalho.
O mesmo vendedor.101 corados de hollanda
de forro a 180 rs.
Para os sentenciados do dcimo batalho.
O sobredito vendedor.1 chapeo de bata por
29500,1 manta grande de. laa por 2S300, 3 eslei-
rs de palha carnauba a 400 rs., 7 varas e meia
de algodo-zinho largo a 320 rs., 7 varas e meia
de brim branco fino a 480 rs.
Para forneclmenlo do arsenal de guerra.
O mesmo vendedor.2arrobas de Uto n. 11 a
libra 1820O.
O consel'no avisa aos mesmos vendedores que
devem retolhcr os objeclos comprados na secre-
^ \


(4)
Una do conselho as 10 horas da manhaa do da
1* de agosto prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornerimenlo do arsenal de guerra, 27 de ju-
lho de lc6v.Francisco Joaquim Pereira Lobo,
coronel vogal secretario interino.
Relacao dos oflicios de interesse parti-
cular, existentes na administrarlo do
correio, que tem de pagar o porte
para seguirem os seus destinos.
Anna Francisca l.eal do Castro.
Alfonso Ahes do Reg Villela.
Adalides Balthasar da Silvcirs.
Antonio da Costa Mello Luna.
Antonio Jos DiasNuncs.
Antonio Mara de Castro Delgado.
Antonio .Manoel Esto.
Antonio Silveira S Brrelo.
Antonio Teixeira Peixoto.
Antonio Victur de S Brrelo.
T.ento Jos de Albuqucrque.
Bernardo Jos Martina Pereira.
Bento Jos Lamcnha Lins.
Bellarmino dos Santos Dulci.
Clemente Francilino Tavares.
Carloa Estoves Freitas Guimares.
Frederico Jos Veckenhagem
Francisco Alvos de Oliveira.
Francisco Kduardo Benjamn.
Francisco Maunel de Paria.
Ildefonso Cavalcanti Biltancourt de Lacerda.
Ignacio Fortunato do Espirito-Santo.
Justina Francisca de Jess.
Juvo Arniinio de Barros Corroa.
Joaquim da Cruz Lima.
Joaquim Jos dos Santos Araujo (2).
Joaquim Jos Tavares de Souza.
Joao Eduardo Chauvin.
Jo5o Francisco Collio Bitlancourt.
loao Finio de Lomos. .
Elias Baptista da Silva e Angelo Fraocisco Car-
neiro.
Jojo Bezerrs de Salles c Xilderico Cicero de
Alencar Araripe.
Joao Paulo de Miranda,
.lo.io do Reg Barros.
Jos Anacilo do Nascimenlo.
Jos Cyriaco Ferreira.
Jo.- Faustino de Barros.
Jos Joaquim de Almeida.
Jos Baymundo deCarvalho.
Jos Rodiigues Araujo Porto.
Jos Rufinu de Barros.
Jos Tlicudoro Azevedo.
Lino Augusto de Carvalho.
Leoncio Jos Joaquim.
Maria Joaquina da Penha.
MiguelAlfonso Ferreira Capobre.
Marcolino Evangelista da Paixao.
Mareolino da Silva.
Manuel Joao Gomes.
Manuel Jos Goncalves 2).
Hanoel Lopes de Barros.
Manoel do Nisrimento Segundo.
Manoel Paula Ferreira
Manoel Rodrigues da Costa.
Manoel Saturnino da Cunha.
I)r. Pedro dn Attahyde Lobo Moscoso.
Roberto Pereira Duarle.
Tiburcio Hilario da Silva Tavares.
Victoria Maria do l.ivramento.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguinles :
Para a colonia militar de Pimenleiras.
Lences 24; camisolas 12; barretes 12 ; fro-
nbas 2; colches asios 12 ; travesseiros vasios
12; toalhas 24 ; cobertores de papa 12 ; cami-
sas de laa 6; ceroulas de laa 7 ; lijellas de fo-
Iha 12; pratos de folha 2t ; bules de folha ou
de loma 2; chicaras de folha ou c"e louca, ca-
zaes 2; colheres para cha 12 ; lalheres ; ouri-
ds delinco G ; copos de folha 12 ; livro de 100
folhas em hranco 3 ; pe plelas iropressas 200.
Quem quizer vender taes objectos aprsente
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manha do dia 30
do correle mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de "uerra, 23 de
julho de lsO.
enlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Vaccina publica.
fransmissao do fluido de braco a brago, as
quintas e domingos, no torreao'da alfandega, e
iiossabbadosat as ti horas da manhaa, na re-
sidencia do commissario vaccinador, no segundo
andar do sobrado da ra estrella do Rosario nu-
mero 30.
Caixa filial do banco do
Brasil.
MARIO DE PERBAMBUCO. SECUNDA fElBt 80 DE IILHO DE 1860.
THEATRO
SANTA
DE
ISABEL.
GOHPANDIi LYBIGA DE G. H&MNANfiRLI
Terca feira 31 de julho
recila de assignatura e sexta para os camarolcs da primeira serie
Representar-se-ha a o opera em 2 actos de Rossini :
10.
Vendem-se os biihetes como de costume.
Principiar as 8 horas em ponto.
Avisos martimos.
(CffiPJfflIEM
DAS
Messageries imperiales.
Engomma-se e lava-se com per-
feicao : na ra das Agoas Verdes n. ftt.
H. Maria Isabel Aulunes
viuv a e filhos do finado Jos
Nuues de Oliveira agradecen! sincera
s pessoas que se dignaram assislir
quias e acompanhar al ao cemi
restos inorlaes do seu presado filh
mi l.uiz dos Sanios Nunes de Oliv
Precisa-se alugar urna rela de met dade
que Silba vender na ra, agradando o preco nao
, so duvida pagar 1 ou 2 mezes adiaulado ; a ra
da Senzala Nova n. 31.
Deseja-se fallar com o Sr. eapilaodo oitsvo
COMPAMIIA PERXAMBUCANA
DE
Vavegaco costeira a vapor
O vapor Persinunga, commandantc Lobato
segu para os porlos do sul de sua escala no dia
5 de agosto s 3 horas da tarde e recebe carga
aleo dia 3ao mcio dia ; passagens, encomruen-
das eduiheircat odia da sahida ao mcio dia
cscripiorio no Forte do Maltos n. 1.
At i
francez
i depois
! sa^rote'n^mmendaV'-eic.: "a fSS^STSZ. tmmSst l?*** <* *
cia ra do Trapiche n 9 ~~ Prec,sa se de una ama de leite (sem filho]
para criar urna menina recenlemente nascida, e
se d bom pagamento ; a tratarnos Coelbos, casa
do porlo com 2 lcoes.
Aluga-se um armazem no caes do Baraos
muilo proprio para qualquer eslabelecioenlo, por
sergrande ; quom o pretender, dirija-ec a ra
da I raa n. 40, que ahi achara com quem tratar
O abaixo assignado declara ao rcspeitavel
publico que a casa terrea n. 27 da ra Ja Palma,
que oulr ora era n. 1 A, nao perlence ao fiador
do ex-collector Antonio Geraldo de Carvalho
como avisa o Diario n. 172 para ir i praca por
execugao promovida pela fazenda ; mas s'im ao
abaixo assignado que por isso previne
Sebaslio Jos Gomes Fenna.
Joanna Maria da Conceicao Arito avisa ao
publico que o Sr. Joaquim Uias de Jrito nao
mais seu caixeiro desde 27 do correnli.
Annuncio,
Sr. Paulo Francisco de Itczende nio pode se
retirar para fra sem se cniender con todos os
seus credores.
Precisa-se de iiin hornera solteiro
que techa pratica do fabrico devinagre,
para dirigir uina fabrica fora da pro-
vincia : quem se achar tiestas condiccocs
e quizer dirjase a ra do Pites junto e
caixa d'agua n. 46 A.
Aluga-se urna excellente casa le um an-
dar, propria para passar a testa, na ra de S. Ben-
to, em Olinda, confronte a academia : a lralar na
ra da Cruz n. 23. seguudo andar
i ~a ''e*eJa-se falla<" com o Sr. Mamel de Al-
Recebe carga para a Granja e Acarac nosdias; eidaSllv8> na rua do Crespo n. 16, primeiro
27 e 2?, Cearu 30 e 31, Aracaly no dia Io fos ar-
no da 2. Natal no dia 3 e 4, Parahiba n dia 61, abaix0 signado, encarregado da desm-
at ao mcio dia. Passagens, encommendas e I a, como deve constar aos senheres inspeclo-
dinheiro ate o oa da sahida ao meio dia : escrin- : r?s ,de 1l,arleirao, pela circular do lm. Sr. Dr
tono no Forte do.Mattosn. 1. i che fe de polica aos senhores subdelegados a
n qual e datada de 10 do maio crreme, faz scin-
1 ara O Aracaty Ile aos senhorcs inspectores, que logo que se de-
a desiufeccao como por ordem superior foi deter-
minado.Jos da Rocha Prannos.
Gabinete particular, aonde se enanam in-
icrpoladaraente as sciencias e bellas-artes se-
ratacho naci- guinles para o aooroveilamenind rrnridido a;
nal Venus : para o resto da carga que Ihe fal- Hgido por I. Fachinett M rua IMreit nSi"
ta, trata-sena rua do Brum n. 16. armazem rfo Dniir .." :"5.?a.5a*Lrei?. wj
Manoel Jos de S Araujo.
COMPAMIIA PERYWBICANA
DE
Navegaco costeira a vapor.
O vapor Iguarass, commandante o segundo-
lenle J. Alves Moreira, segu viagem paia os
porlos do norte de sua escla al a Granja no
da 7 de agosto s 5 horas da tarde.
Potassa nacional.
a preco muito commodo arrobas, e
^M^-^^-SHmS
a 16 annos para Irabalhar em urna fabrica de ve-
pretender, dirija-so
las de carnauba : quem
rua Direila. casa n. 59.
surd^MsigDad0 dcclar8- 1uc na foi por
sua designacao era assentimento, que a Dardi
1" "8' Perlencen,e sa henqca materna
ten, de ser arrematada peranle o juizo de :
Kafff-iSHjiSaBS
.
pessoa que sou-
do Queimado n.
osfll'e.lnecouberam, passaram pa-
ra o novo eescolhldo inreniarian e; faz-seesia
ai,, Ojos Rodrigues do Passo.
Atugam-se 2 escravos para qualquer sorvi-
fo. duraute o dia somenie Sa rua do SL"c casa
terrea junto an sobrado de duas varandas, e vi""
Sis&surse est fazendo para
maram-se ambos em direito : a
ber far favor dirigir-se rua
18, loja de M. R. deCarvalho.
Ma7.inhT!|ni*l,nl0 da? barrei"S da Capunga e
nanguinho tem reso vido robrar iln 1 o Xa :"H in "9(\ Qfi.-." n------r-- "'"""ii uasnu Luuiu uta iciiaius peius aiminu
E!*2* ""PC5" los assignan.es
que devem
a assignatura
que
de laxa
dos se-
de velas feitas
os tamanhos e
iloAdcNL?fSDnVml?J'laJmerCan0 vi" ao respeiUivel publico que tem um completo sor-
I, H.L ^lh?LSamf'! orA^3S.*ue se Pde encontrar, assira como lira relratos pelos diminutos
a
cr
uestes dous dias pagarem o
do mez lindo, e ajustarem
guales.
n7^^a,VarSe oongomma-se por preco mdico :
SoceoP u'iSarri,-d,rija-Se,a-0 CamP<> Verde, rua do
aocego, ludo direuo n. 17.
r17oJ,(>a,nna,Mara da Conce'Qao Brito com fabri-
59 aviZ Mrna -ba Da rua Diwit. Ciisa n
fre'-ue e- n,r.bl'C e.PrincipalmeDte aos seus
regueze,, que tem muita porcao
com moila perfeicao, de lodos
?ohranfS :,porisso como o Publico j seja re-
i Sr? C SUas veIas- asseQta I" ha de ler
a prefe enea a outras que ahi apparecam, e ven-
de mais barato do que em outra qualquer parte.
miriairV a;an,ba. a barcaca Dous de Julho,
che dr, ,. H-edr0da Sva' a "rreSar no trapil
dor JS,- I os "cegadores podem enten-
;SC? Joao J^ da Cunha Lopes, na rua da
<-ruz n. la, secundo audar.
No da 27 do correte, pelas 6 horas da tar-
o>. desappareccu da rua da Cadeia do Recife um
nnm PT- carreSad0 f0m asaceos de farinha ;
quera o dver pegado, far favor lcva-lo ao en-
e iho Camassary do Sr. Miguel Augusto de Oli-
ln -a5ue,m- Perlence. ou nesta praca a Manoel
sK. de701lve!ra & Filho, no largo do Corpo
Santo n. 17, escriplorio.
Terca-feira 31 do corrente. a ullima pra-
ca da casa da rua do Aragao n. 31, ao meio dia,
na audiencia do lllm Sr. Dr. juiz municipal d
primeira vara civel, cuja casa tem 37 palmos de
frente e 80 de fundos, cozinha fra, quintal mu-
vendeTara niPTo!;hHs 0Tci!0^ a 1ual sc "TT""* "" cculru UBun,a aas caP1,aes "aportantes da Europa, toma-sede "ran
**^iXTS&?ttS Va'orPara\brasl'e'ros,ePrlugu^.PO^'eusbons commodos e confortavef. Sua poste
comparecer n'a praca, poE e um excellei.Te pre- I IT dasLme'70res da Cljade. Por "har nao s prximo s estafes de caminhos
dio, e boa rua de morada, etc.
Vende-se urna casa terrea
Rua Nova, em Bruxellas (Blgica),
SOB A DIREfiCAO DE E- KERVA1VD
Este hotel collocado no centro de urna das capitaes importantes da Europa, torr.
na rua do Ale-
quem pretendo-la, achara com quem tra-
tar na rua dos Martyrios n. 12.
enm
Chitas
Rio Grande do Sul
e Porto-AIegre.
Segu com toda a brevidade o patacho
n. 16, armazem de
Resolveu a directora da caixa filial
que desetembro prximo em diante no
sero adraittidos a descont titulos, cuj'os
vencimentos se realisarem emumames-
uiu data, qtiando o numero delles fr
incompativel com a respectiva cobran-
za em um s dia, o que manda azer
publico para que os signatarios do con-
venio de 6 de fevereiro prximo passado
satisfazendo ao art. 5 do mesmo conve-
nio, tomem as providencias necessarias
em ordem a conciliar os prazos dos di-
tos titulos com o servico da mesma cai-
a
Aracaty
Hiate Sergipano ja tem parte da carga, para o
resto irata-se com Martius & Irmos : rua do
Madre de Dos n. 2.
pnraeiro andar, em todos os dias iteis, das 6
horas da tardo al as 10 da noite. Sciencias :
lingjas italiana, grega o fraiceza, grammslical-
; mente, ler, escrever, tradu/ir c fallar. Bellas-
i artes: piano e cantona italiana pelos melhores
; methodos, rabeca com sua compleme escola de
arco, violao, executado imilacao do piano, con-
trapunto severo com fugas e caones, ensinar-se-
na o modo de afinar a rabeca em diflerenles ma-
neirasparaos harmnicas, a uso Paganini. Re-
cebem-se quaesquer composiees
Ihealraes. qur ecclesiasticas," e
luslrumento.
largas, francezas, riquis-
simos padrees, a 240
rs. o covado,
tendo entre ellas miudinhas, e de quadros de
mui lindo gosto; na rua do Queimado, loan
18 A, esquina que volla para a rua estreita do
uosano.
A 13#000
a fazer, qur
para qualquer
Rezende vai ao Rio de
Leiles.
Ter$a-fera 31 do corren te.
AO MEIO DIA EM PONTO.
O agente Ucba fara' leilao na rua
xa Recite lo de julho de 1860. O |^o Trapiche armazemn. 1 i
chele da contabilidade, Ignacio Nunes I DE
15 barns de toucinho americano da
pial
elido ao correr do martello.
Cortea.
O novo banco de
Pernambuco epeteo avi-
so que fez para seren re-
colhidas desde j as nots
de 1 o,ooo e 2o,ooo da
emissao do banco.
taixa filial do ban-
co do Brasil.
A' directora da caixa filial, desejan-
do conciliar quaoto seja possivel os in-
teresses do commetcio com os da mes-
ma caixa, roga novamente aos Srs.
commerciantes que figurara como soeios
de firmas sociaes estabelecidas nesta e
n'outras praca rsinha, que com esta
estao em immediatas relaces, sesirvam
mandar a referida caixa urna copia de
seu contrato social, extrahido do regis-
tro do tribunal do commercio, e na fal-
ta suas circulares, contendo nao as-
signatura individual de cada socio e o
modo porque cada um assigna a razao
social, como a declaracao dosnomes dos
socios que podem fazer uso da mesma
firma ; assim de facilitar a apreciacao
dos titulos que lhes forem offerecidos a
descont, ficando certos os mesmos se-
nhores de que nao serao admittidos ti-
tulos com firmas collectivas, que n5o
constarem pelo modo indicado. Recife
13 de iunho de 1860,Q chefe da con-
tabilidade, Ignacio Nuaes Corra;
Paulo Francisco de
Janeiro a negocio.
Precisa-sc alugar urna negra para todo o
servico de casa : na praca da Independencia n.
,0o. se dir quem a preterrV.
Quem livor um sitio perlo da praca com
' cas3 regular, arvoredo de fructo e paslo para sus-
(tentar 3 ou 4 vaccas annual, e o lueia alugai
dirjase a rua de Apollo, casa n. 30, segunde!
j andar.
Aluga-se urna boa casa terrea era S. Jos
doManguinho, quasi defronte da igrpja : trata*
se na ruado Brum n. 16, armazem de Manoel
Jos de Sa Araujo.
Vende-se um piano de hoas votos, propri
para quem quei aprender, e umagrande comino-
da de angico : na rua do Queimado, loja n. 31
se dir quem vende.
/~ .Tc"d-se annunciado que os dias de praca
primeira quadade o anal .j. ual era ven- para ser arrematada a escrava Aquilina perlen
LEILAO
cenlo ao casal da finada D. Maiia Rosa d'Assump-
cao, sao os das 27 e 31 do corrente, e 3-de agos-
to prximo vindouro ; convera e de direiloque
dita escrava esteja presente nos mencionados
i Gias, allm de que os pretendentes possam aiuizar
do preco a q.ie podero chegar. visto ser o sej
valor de 1:600S,preco pelo qual foi parlilhada.
Acha-se depositado 1 burro e 3 saceos co.n
farinha que foi encontrado sem dono ni noite de
do corrente. Subdelegaba do Re-ife 28 de
julho de 1860Ignacio A Burgos.
O agente Costa Carvalho,
farleilao era seu armazem na rua da Cruz n 9
terca-feira 31 do correnle, de 3 escravos sendo
urna negra de nacao, bonita figura, um preto de
mf.lV i deProPrlo,Pa servico de sitio e urna
mulaiinha de excellentc figura.
Principiar 3ll horas.
Thomaz de Aquino Fonseca & rlho
faro leilao por intervengo do agente
Hyppolito e por conta e risco de quem
pertencer de 17 pipas e 85 barris de
quinto eom vinho tinto : segunda-feira
30 do corrente as 11 horas em ponto,
na porta do armazem do Sr. Annes con-
fronte a alfandega.
o par do bolinas para horaem, sendo de pellica
Mi?.0.;"0"0' dt/Cl,Ca 8asPiad0 dC0HJ
numero 8 "* d Cre?P' loja amarc!la
Grande pechincha.
Para acabar.
Covado a 200, e 200 rs.
No armazem da rua do Queimado n. 19 ven-
de-se chiU franceza fiua, cores fixas, a 200 rs o
covado, cambraia miudiuha a 200 rs. o covado-
por a fazenda ser muito barata nao se dao amos-
iras ; venhara antes que se acabem.
Offerece-se urna ama que cozinha e engomma
perfeitamente, para casa de moco solteiro a tra-
tar na rua Direitu, taberna n. 27.
Aos diletantes.
Na rua da Santa Cruz casa n. 28, fa-
zem-se ricos boquets de era vos para of-
ferfas.
Precisa-se de urna ama nacional ou estran-
geira para lodo o servico de urna casa de peque-
a familia, exige-se que saina particularmente
cngonimar : a fallar na loja de chapeos de sol do
Sr. Joao Falque na rua do Crespo n. 4.
Naruadalmperalrizn. 2.
Vende-se superior manteiga ingleza a
I#280 rs., dita franceza a 610 rs., cha'
superior a 2100 rs., bolachinhas finas
de todas as qualidades proprias para
cha' a I #600 rs. a lata, latas com pe-
ras, ditas com imeixas, ditas com pece-
gos, ditas com ginja a 900 rs., gigos
com charapanhe das melhores marcas
aliancando se a qualidade a 20$, vinho
xerez a 1$600 rs. dito Madeira a 2$, di-
to do Porto a 1 #280 rs., dito a 1|600
em
Allemanhae Franca, como po"r lera dous minutos" de si, todVoV theatrs a divermenWs:
alem disso, os mdicos presos convidam '
No hotel hasempre pessoas especiaes, fallando o francez, allemao, flamengo, inglez e por-
uguez, para acompanhar as touristas, qur em suas excursoes na cidade, qur no reino qur
emfim para toda a Europa, por presos que nunca excedem de 8 a 10 francos (3200 43OOO )
Durante o aspaco de oito a dez mezes, ahi residiram os Exms. Srs. conselheiro Silva Fer-
rao, e seu filho o Dr. Pedro Augusto da Silva Ferrao, ( de Portugal) e os Drs. Felippe Lopes
Netto, Manoel deFigueiroa Far.a, edesembargador Pontes Visgueiro ( do Brasil, ) e muitas ou-
tras pessoas tanto do um, como de oulro paiz.
Os precos de todo o servigo, por dia, regulara de 10 a 12 francos (4&000 -1500.)
JNo hotel enconiram-se inforraacoes exactas acerca de ludo que pode precisar um eslrangeiro.
CONSULTORIO
DO
l^ivros.
76 Roa Direila -76.,
Vendem-so livros era branco com lodosos ris- \n' 'lt0 ^no a ^8 ^'t0 Bordeaux
dobA!iMram^fan!.scrJpt,,r"-s8? por Partidas i garrafas ecaixas de 1 duza de supenoi
uoorauas e simples, encardenacao franceza ham ,...t; ( ,,i i .1 ,__ 1 -
burguoza e nacional. ,ra"ceza-tina>- \ qualidade a 120, conservas mglezas mu-
! to novas a 800 rs. o frasco, toucinho de
Lisboa novo a 520 rs. a libro, vinagre
!branco a 400 rs., se garante a qualida-
de dos gneros aos freguezes.
Para o Santa Isabel.
Chegou loja da nova fama
oseoso,
fsamm tmmm s ipujUsmi.
1 MUA DAGJLORIA9GA^ADOFLTXDlO 3
Clnica or ambos os systemas.
Contra?aa'rtidnc MfS0dS cons!lllas todos os dias pela manhaa e de tardedepois de 4 Ihoras
SopridaK ruraes '"^ anualmele nao so Pa a cidade como para os engenhos ou |oS
genciaouuTq^^t^rhra'd'o'd'a'oda'n "t?" 2f 10 h-or" da manhSa e em CaS0 de ur"
pessoa, o darua e o numero da casa SeUd Pr MCnpl em 1ue Se dec,are nome *
etterNseusC"?Wdn boca dn^"^0?" W*a residentes no bairrodo Recife poderao re-
Nogueira de ttJttt&Wff'g&Zi?* Cr"Z U ^ """ d Sr' ,M
-JSSto&^BBWiBS^^ eos mc,hores
te^15ir,.grMfe8: ......388
Ditos de 36 ditos. ....;:;..... anfnon
Dito de 48 ditos..... ....... |M
Ditos de 60 ditos.....\........ 2HX5
Tubosavulsos cada um......'....... HxS
Frascos de linduras...... ..... ES2
Manoal de medicina homeoptica pelo Pr.' Jab 'trduzid'o
em porluguezcom o diccionario dos termos de medi-
.. ,.cina-c,rurg'a etc.. etc. ....... 20snnn
"edl.,:1.na,doinetica.d.0. D.r." He ring, com diccionario'. '. '. OJOOO
6g000
Repertorio do Dr. Mello Moraes.
DEPOSITO DE PIAVOS
FORTES
Diario e razio.
Borrador.
Caixa.
Registro de letras.
Abecedario.
Copiador de cartas.
E um grande sorlimento de livros avulso om
flnVle.TS,tamanh0S cadernelas Pa lembran'cas.
ta de todas as cores, lapis, pennas '
DOS
um rico e com-
Avisos diversos.
Agencia de passaporte e folha
corrida.
ir0C?fA h9 RC* Lima Ura pas,ad0 P"a den-
ro e fra do imperio por commodo preco e pres-
teza ; na rua da Praia, primeiro andar n. 47
Coznha-se, lava-se o engomma-se 'por
cemtDodo prego; na rua Velha n. 106.
pes de todas .8Pu!Wade?'c S"^!^"' 11 *"*"" ded.9 Um C0Ul0' e Por bar"
jectos. o que ludo se vende uJr nreco,^lrsn0^- ',ss.mo Pre- ''.a de suas qnalidadesF: na rua
modos. presos cm-1 do Crespo, loja de miudezas de tres portas nu-
mero 7.
f
200,000
sawfeF" c%8"'s ta***! ss nar a
Centro comniercial.
o cenlo e 35#
o mi-
do Recife nu-
Mais afamados fabricantes da Europa
ESTABELECIIYIENTO
DE
.P.V0EI:
Rua Nova n. 25, esquina da Camba do Carmo.
Neste estabeleciraento acha-se um completo sortimento dos melhores, mais elegantes e mais
bem construidos pianos de que ha -
noticia.
No mesmo estabeleciraento existen, chegados hipouco da Europa, alguns pianos de machi-
nrJ?Sr 88,0Kede raa,or,Perfei5ao d01e quaesquer outros.'os qaaeSPnao somonte se
?sm mu te ,8m l0daas pessoas que sabem rausica' maisaindn aquellos que igno-
Alera destes pianos existem lambsm no mesmo estbelecimento, harmnicos ou Seraphina, os
quaes fazem urna bella hgaSao sendo tocado em sala com acompanhamento de piano, e tambera
produzem excellentes effeitos harmoniozos em igreja ou capella, tambera ha melhodo e musica-
adquadas ao dito instrumento. Espera-se que o respeitavel publico e os amantes de msica nao se
demorera era raumrera-se de to excellentM instruraentos, cujo preco aliase razoavel, e de cuia pers
fejao incontestavel. v
Na mMma casa afinam-se e concertam-se pianos com a maior perfeicao possivel Va mes-
ma casa ex.stem chegados ha poueo da Europa lindas msicas do melhor gosto possivel edo melhor
compositor da EuropaJ r


DIARIO DE PERNAMBUCO. SEGUNDA FEIRA 30 DE JULHO D 1860.
Ensino demusicaJ ...,r^:t*"ie"i^
Offerece-se para leccionar o solfojo, como tam-
;que saiba lavar e engouimar,
bem a tocar varios instrumentos ;" dando as Ti-- Pra tratar de (IOUS llieuiaOS
res das 7 horas s 9 1 \' da noite : a tratar na rus
arga do Rosario n. 9.
COM* ANUA
ALLIANC
Estabclecida em Londres
wmm m mt.
CAPITAL
Cinc fiiliiocs de libras
esterlinas.
Saundcrs Brothers & C." tem a honra deln-
rmar aes Srs. negociantes, proprietarios de
:asas, e a giicm mais convier, que esto plena-
mente autorisados pela dita .companhia para
effectuar s-'guros sobre edificios de lijlo epe-
dra, cobertos de telha e igualmente sobre os
ubjcclos que conliverem os mesmos edificios1
luer consista em mobilia ouemfazendas de
Ittalqu alidade.
urna casa terrea na ra da Guia n. 16, com um
bom quintal que deila para a ra de Apollo, pro-
pna para qualquer estabelecimenlo do qualquer
um dos lados, por ter a vantagem de licar em
lugar de esquina; a pessoa que lheconvier. pode
dirigir-M ao armazem Progresso, no largo da
Tenlia n. 8.
No sitio do Arraial, de Marcelino Jos Lo-
pes, ou era sua olaria ua ra do Cotovello, alu-
a-se urna escrava para o servido de casa.
JOIVS.
Estas pennas de differentes aualidades, sao fa-
bricadas de ac de prala refinada de primeira
tempera, e sao applicaveis a todo o tamanho de
ledra. Prero ljOO cada caixa e pennas de ouro
pelo mesmo autor cora pona de diamante, que
teum a grande vantagem de nao estar sujeitas a
crear crrugem e conservando-se bom limpassiio
de dura^ao infinita, deposito em casa dos Srs.
Uuedcs Gonralves ra da Cadea n. 7.
S5 Dr. Carneiro Monleiro aproveitando da $?
$ proporrao que tem para mais facilmeule @
Otecutar ostrabalhos departo, e acorise- @
@ lhado pelo feliz resultado que tem oblido
i$ em multiplicados partos laboriosos, tem tg
;; Coito sua especialidade sobre ette ramo @
@ para o que poder ser procurado a qual- @
A iuer hora, na ra do Rangel n 16. *
Desappareccu boje (25) di ra larga do Ro-
sario defronlu da taberna n. 50, um cavallo cas-
tanho, da frente aberla, topete pequeo, cauda
curta, novo e pequeo, sem signa! nenhum de
iorida, com cangalha c cabrcslo : porlauto ro-
ga-se a polica e aos Srs cocheiros que delle
souberem leva-lo casa cima ou a seu dono
Joaquim Coellio I.eite, no cngenl.o Bella liosa
'ueser gratificado.
Ac!
ta-se em negocio a casa terrea
que andam na escola : na ra
da Madre de Dos n. 36, pri-
meiro andar.
O arrematante da taberna que
i fot do Sr. Paulo Francisco Rozendo, si-
ta na ra da Emperatrizn. o-, outr'ora
aterro da Boa-Vista, roga a todos os de-
! vedoies da dita taberna que tenliam a
bondade de virem a mesma satis-
! fazerem os seus dbitos at o da 50
do cotrente, e aquelles que assim nao
fizerem sero publicados os seus nomes
e usara' dos meios judiciaes.
Funileiro.
Precisa-se de um homem capaz e<|ue
d fiador a sua conducta, para admi-
nistrar urna loja de funileiro, perfecta-
mente sortida, sendo necessario que en-
tenda alguma cousa do cilicio, du se
interesse vantnjoso urna vez que sejarol-
teiro : na ra ireila n. 45.
f ?$ @@@ @@@@S
i9 O Dr. Joao Pedro Maduro da Fonseca de
volla de sua viagem a Europa, acha-se @
@ morando na ra do Brum n.18, promptoa
B exercer a medicina e tirurgia operatoria. @
a qualquer hora que o procrem, e das 9 2
s 10 horas da manhaa o encontraro sera- @
@ pre em casa. t
@@S@@@@ @ @@
Aviso aos thesoureiros e
chefes de irmandade
Achando-se prximo o lempo de algumas
igrejas festejaren) os seus padroeros, Jos Pau-
lino da Silva com fabrica de fogos cm um terreno
da na Imperial, avisa a todas as irniandades e
contrarias religiosas, e a quem possa mais inte
ressar, que tem iflcclvanienle proroplo um gran-
de sortimento de fogos do ar, lauto cum bombas
miuas como de bombas reaes, fogucloes para
salvas com bumbas extraordinarias, os quaes
vendem-se em gyrandoias ou sollos, conforme o
gosto do comprador, mandando-os eonduzirc
queimar como costuma, por preco mais barato
do que o que se costun.a comprar. Este esta-
belecimenlo olTerece ao comprador muito maior
vaulagem, nem s pela superioridade do fogo
que lioje geralmentc conbecido, tanto na capi-
tal como no centro, completa commodidade do
preco e promplidao, obrigando-se o annunciante
por qualquer avaria que possa haver, fazrndoum
abate no preco, quando por acaso nao saia como
o afianza, declarando aquelles que os quizer
comprar em gyrandolas ou em broqueis, dove-
rao avisar trea di^s antes, se for em quanlidade,
para se preparar c armar, e sendo em pequea
porcao, avisar do vespera ; e para mais facili-
tar ao comprador, no caso de nao quererir casa
de sua residencia, poder entenderse no largo
do Paraizo com o Sr. Jos Pinto de Magulncs, e
na ra Direita, loja de cera confronte a sachris-
lia do Terco do Sr. Dionizio llylaiio Lopes.
CASA LllSO-BRASLEl,
% Golden Square, Londres.
J. G. OLIYEIRAtendo augmentado, com to-
mar a casa contigua, ampias e excellentes ac-
commodacocs para muito maior numero de hos-
pedesde novo se recommenda ao favor e lem-
Seraphim & Irmo, com hjav de ouri-
ves na rua do Cabuya ns. 9 e II, sorti-
das das mais bellas e delicadas obras de
ouro, prata e pedras preciosas; tendem
barato, irocam e recebem para fazer-se
quaesquer joias com presteza, i vonlade
dos pretendentes, c se responsabtlisam pe-
las qnalidades.
Nos dias 27 e 31, e 3 de agosto, depois da
audiencia do Illm. Sr Dr. juiz de orpiaos, ir
praca a cscrava Aqnclina, pertencenlj ao casal
da finada D. Mara Rosa d'Assumpc,o.
Antonio Joaquim Vidal deseja fa.lar com os
Illms. Srs. Jos Antonio Peroira, Joac Francisco
da Costa Barradas, Francisco das Chagas Caval-
canii Pessoa, ou alguem que lhe nertencer, a
negodo de nossos inteiessrs, queinm fazer o
favor proeurar-me na loja de ferragens n. 56 A
da ra da Cadeia do Recife, de Vidal & Bastos,
ou annunciem aoude se Ibes poder fallar.
Prccisa-se contratar um portngucz para fei-
lor de um engenho na freguezia de Serinhcm ;
na ra da Penha n. 6, loja.
O Sr. acadmico Joao Jos de
Moura Magalhes, tem urna carta, na
ra das Cruzes n 42, sefcun Jo andar, lituir, poh de naJa lhes Pde aproveitar,
0.1. i-i gue na praca de Pedro II, ou Collexlo,
consulado SUISSO incumbido pe- uarle, na loja de livros.
Aluga-e um 'sitio grande com
excellente casa de vivenda, comtodasas
commodidadcs para familia, no lugar
da Cara Forte : a tratar com 0$ pro-
prietarios, N.O. Bieber & C.
Prccisa-se de 800$, dando-se hypotheca em
urna casa ; quem tiver, annuncie pan ser pro-
curado.
Precisase alugarum sitio : a tratar na ra
do Crespo n. 23.
Wannel Johnson e Peter Cable reliram-sc
para Europa.
Os aba 1x0 assignados comprado-
res da raassa fallida de Claudiano Oli-
veira fazem sciente aos devedoies de
contas de livro e lettras vencidas da
mesma massa, de virem satisfazer seus
dbitos na mesma loja, no prazo de 15
dias, c esperam que ditos devedoies lhes
poupcm o dissabor de recorrerem a
meios judiciaes. Recile25 dejulho de
1860.Figueiredo Perdcu-se um maco de receitas de botica'
dos soguintes senhores": Antonio Henriques de
Miranda Ribeiro, Manoel L. Gonralves Jos
Duarte e oulras: quem tiver achado'e quizer res-
entre-
ao Sr.
(,)
Josepn Lebacq cora sua senbora relira-se
para a Europa.
Precisa-se de um moco Qlclligento e com
pralica de escriptorio, que possa encarregar-se
de algumas escripias e sobre ludo de parte da
correspondencia de urna casa commerciat : quem
cstiver nesle caso, queira delxar no escriptorio
deslc Diario seu non.o e morada tm carta fe-
chada dirigida a A. B. C,
Jos Porfirio do S, Brasileko, relira se pa-
ra o Rio de Janeiro no paquete iuglez.
No priraeiro andar do sobrado da ra das O Sr. thosouriiro das lolcrias manda fazer p 1-
Cruzes n. 39, das 6 s 8 horas da manhaa, achar- I blico que se acham venda todos os dias no es-
se-ha o bom prato de cuscus de milho para cora- criptorio das mesmas loteras na ra do Inipcra-
prar, assim camo tambera das 11 horas at o dor n. 36, c na casa eommissionada pelo n.esmo
meio dia o bom prato de aletria ; vende-se tam- Sr. thesoureiro na pra?a da Indepenria ns. I; e
bem banha muio fina para o cabello. 16 os bilhetese meios da quinta parle da quaria
I.Woddel.cidado americano.va pira fra do lolcria do Gymnasio Pcrnaiubucau, cujas rodas
PROVINCIA.
n. 8 sita na ra de S. JuQo da ciJade de "ranea dos seus jmigos e dos Srs. viajantes que
Olinda, se alguem se julgar com direito visitera esta capital; continua a prestar-lhesseus
a raesma appareca na ra estreita do
Rosario n. 15, cartorio do tabelliao Cos-
a Monleiro.
tu
Itaymundo Joaquim Rodrigues, subdito por-
uei, relira-sc para o Maranhao.
servirose bons officios guiando-os cm todas as
cousas que precisem conhecimento pralico do
paiz, etc.: alm do portuguez e do n^lez falla-se
na casa o'hespanhole francez.
O juiz de direito aposentado!.....c abaixo
assignado, prope-se (como ultimo recurso I....
dentro da espbera de suas habitacoes) exercer
a nobre e sublime profisso de "advogado ; ou
seja especialmente no foro e Iribunaes dcsla ca-
pital, ou soja no de qualquer dos termos c co-
marcas da provincia. As pessoas que se quizc-
icra utilisar do seus traeos prestimos, u poderao
procurar em lodos os dias que nao forern santos
mi feriados, desde as 9 horas da manhaa at as
3 di larde, na casa de sua actual residencia, na
r u outr'ori do Colleaio o boje denominada do
imperador n.42,e,extraordinariamente, em outro
(ualquer da c hora : assegurando a todos quan-
los se di^narcm assim honra-lo e favorecer, nao
s toda diligencia c desvelo no desempenho de
lio irnporlanles deveres, senao tambem una il-
limitada gralidao. Outro sira, (permitla-sc-lhc
declarar raui explcitamente) que palrocinar
gratis a quera quer que nao esteja as circums-
laucias de remunerar seus serviros.
Jos Francisco Arruda da Cmara.
O Dr. Joao l'erreira da Silva mudou-seda
ra do Rangel para a do Livraraento n. 26, so-
arado do Sr. Manoel Buarque de Macedo, defron-
e de sua antiga habilarao. A grande pralica de
auscullaro reconhecida por quasi lodos os seus
collegas desta cidade loma-o recommendado no
diagnostico das molestias dos pulmoes e do cora-
i;au ; assim como p3ra verificar o estado de sau-
de dos escravos que se desojara comprar. Telo
crescido numero e variedades de opcrar.es que
ha feito com bom resultado em o exercicio de
mais de 20 annos, se julga habilitado para prali-
car lo la e qualquer operarao cirurgica por mais
delicada e diQlcullosa nue seja.
2 DENTISTA FRANCEZ. 3
Paul Gaignoux, dentista, ra das La- %
> rangiiras 15. Na mesma casa tem agua e <*
JJ p den tilico. *
^.4.AAAAAAAAlX XXXXXXXi.l-i.XXi.Xy
floga-se aos Srs devedoresdo estabele-
cirnento 4o fallecido JosdaSilva Pinto, o ob-
'iuio de saldaren seusdebilos na ra do Col-
eg venia n. 23 ou na ra do Queimado loja
o. 10.
Precisa-se de urna
j ama para cozinbar e com-
prar para urna pessoa*
na ra estreita do Rosario
ir 21, primeiro andar.
Na ra da Cadeia do Reaifc n. 38, primeiro
andar, precisa-se fallar ao Sr solicitador Manoel
Perein de Magalhaes.
O Sr. Antonio Aniceto da Silva, que csteve
no engenho l'inienteiras na freguezia da Escada,
queira mandar pagr urna letra da quanlia de
79fc9G6, vencida em 10 do junho prximo pas-
sado, na ra do Oueimado n. 18, loja de M. R.
de Cjrvalho. Tor se ignorar sua morada, faz-se
o presente annuncio.
Na ra larga do Rosario, taberna n. 31,
aluga-se urna sala de um primeiro andar com 2
quartos, propria para esciiplorio, em una das
ras principaes do bairro de Santo Antonio.
/El
A
H
n
ui de Pars.
15Ra Nova15
lo enviado extraordinario da confedera-
cao Suissa, no Rio de Janeiro, com a
missao de tirar uin contrato exacto de
todos 03 cidados suissos residentes as
provincis deste districto consular, sen-
do as de Pernambuco, Paral yba, Rio
Grande do Norte e Ceara', pede por is-
to a todos os suissos existente as ditas
provincias de advertirem este consulado
dos seus nomes respectivos, iJade, lu-
gar onde nasceram, dia di. ebegada
neste imperio, profisso e residencia
actual, acompanbados dos sotis ttulos
respectivos se tiveram, para screm de-
vidamente registrados us livros do con-
sulado.
Pernambuco 25 de jullio d2 1 8G0___
O gerente do consulado, F. Linden.
Furto.
Erna noite de 18 do correnle furtai 5o do Engc-
Selubal, no Cabo, ume avallo russo, descarnado c
inteiro : tem a cara, beigos e os 4 i s brancos, e
na anca direita o seguinle ferro G F II. Este ca-
vallo perlence ao empreileiroda Via-ferrca. Re-
can monda-se a actividaie da policii ; assim co-
mo d-se urna gratificar.ao quem i pegar e le-
va-lo ao supradilo engenho.
Ni ra da Saudade, casa de sotao
de duas janellas, lia para c.lugar um
moleque cosinbeiro.
Roga-se aos Srs. devedores i firma social
de Leile & Correia em liquidaban, o obsequio
de mandar salda seusdebilos na l<>ja da ruado
Queimado n. 10.
imperio, levando em sita companhia sua senho-
ra e 2 filhos.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia, que saiba coziuhar e engoramar : a tra-
tar na prac.a do Corpo Santo n. 17, loja de cabos.
Precisa-se de um criado ; na ra do Col-
legio n. 75. primeiro andar.
Precisi-sede uuia ama secca : no paleo do
Trro n. 26.
O empreiteiro da via-ferrea precisa, no en-
genho Selubal, de dous horacns para vigiaren) os
animaes durante a noite ; sendo porm respon-
saveis os mesmos vigas por qualquer furto ou
extravio que haver possj com os mesmos ani-
maes oercce a paga de 1280 por noite a cada
viga.
APP0\AC3l0E Al]TOfUS\fj\0
DA
IMPERIAL DE
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
deverao andar mprelerivelmenle no dia sabbao
11 de agosto prximo futuro
Thesouraria das lolerias 25 de julho de lb60.
O escrivao, J. 11. da Cruz.
DA
ELECTRO MAGNTICAS EPISPATICAS
PHTID4S D0BK4DAS
Para serem applicadas s partes affectadas
sem resguardo nem incommodo.
ASCHArAS MEDICINAESsao muito conhecidas no Rio de Janeiro e em todas as provincias
deste imperio ha mais de 22 annos, o sao afamadas, pelas boas curas que se tem oblido njs enfer-
rnidades abaixo escripias, o que se prova com innmeros altcstados que cxiitem de pessoas capa-
zos c de distncQoes.
Com estas ChapaS-ELECTRO-hacnf.tica-epispaticas oblem so urna cura radical c infallivel em
todos oseases deinllammacao {cansaroou falta de respira rao), sejam internas ou externas, como
do fijado, bufes, estomago, baco, rins, ulero, peito, palptacao de coracao, garganta, olhos, ery-
sipelas, rheumalismo, paralysia e todas as affecces, nervosa's, ele, etc." Igualmente para as dif-
fercnles especies de tumores, como lobinho-, escrfulas ele, seja qual Mr o seu tamanho e pro-
funde/a, por meio da suppuraco serio radicalmente extirpados, sendo o seu uso aconselhado por
habis e dislinctos facultativos
As eneommendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, leudo lodo o cuidado de
fazor as necessarias explicaroes, se as chapas sao para hornera, senhora ou crianra, declarando a
moleslia cm que parle di corpo exislc, se na cabrea, pescoco, braco, coxa, perna.'p, ou tronco do
corpo, declarando a circunferencia : e sendo inchacois, eri'das ou'uceras, o molde do seu tama-
nho em um pedaro de papel e a declararo onde "existem, afim de que as chapas possam ser
hem applicadas no seu lugar.
Pde-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas serio acompanhadas das competentes explicaroes c t3mbem de todos os accesso-
rios para a collocacao dellas.
Consultas a todas as pessoas que a dignarcm honrar com a sua coufianra, em seu escriplo-
Jio, que se achara aberto lodosos dias, sem exceprio, das 9 horas da manhaa's -2 da tarde.
LICES PRATICAS
Dnas vezes por semina
Qunrtas c sabbados s 7 horas da noite
RA NOVA SOBRADO N. 15.
M. Fonseca de Hcdciros. continua a dar
lices da referida materia era sua csanos dias
e lloras cima indicados. Tambem ir ensina
nos cstubelccimenlos e escritorios daquellcs se-
nhores que desejarem assim aprender, nos dias
que convencionar.
COXSL'CTORIO MEDICO-CIRIIRGICO
DO
(19 Ra do Parto ||9
PERTO DO LARGO DA CARIOCA.
MU
PROVINCIA.
Terceira parte da quinta
do hospital Pedro II.
Nos bilheles rubricados pelo abaixo assignado
venderarase os seguidles premios
N. 262G 10:000$ 2 quartos
e ou tros de 2002 e 1003- A garanta dos 8 por
centoc paga na prara da Independencia n. 22,
aondo se acliam venda os bilheles, meius e
quarlos da quinta parte da quarla do Gymnasio
Pernambucano.
Santos Vieira.
Precisa-se de urna ama para coziuhar so-
mente, rm casa de pouca familia : no Recite, na
ra da da Cruz n. 3.
Na rua da lmperatri/. n. 37, pede-so enca-
recidamente s pessoas que devem aluguns de
carros, quevtnharn ou mandem quanto antes pa-
gar ; se nao querem ver os seus nomes rics'.c
Diario,
Ha para alugar na rua Direita, no subraya
n. 32, um andar: a tratar com a proprietaria, lo
segundo andar do mesmo.
Precisa-se de urna ama para cozinhar em
nma casa de pequea familia : a tratar na rua Jo
Cabug loja n. 11.
Precsa-se de urna escrava para o servido
externo de urna casa de pouca familia e que saiLa
cozinhar : na Praqa da Boa-visla n. 7.
A viuva Celestino Covin, subdita franceza,
retira-se para o Ro de Janeiro.
Precisase de 4 a 5 coritos de res a premio
com hypotheca em um sobrado de dourado valor.
quem pretender dirija-se esta typographia para
saber quem (az esle negocio.
Precisa-se de 1:C008 a juro por lempo de
um anno, com hypotheca em propriedaJe : an-
nuniie, ou irata-se com o Sr. Dionizio, loja de
cera, na rua Direita, que dir o negocio.
Na rua Direita n. 22. precisa-se de um ho-
mem para oserviro de refinarao, prefere-se quem
entenda da profisso.
nmimsmmmmm mmsmm
3 Antonio da Cosa e Silva Maduro, in-
vcnlariante e testamcnleiro do tinado sen
3 pai o Sr. Miguel Antonio da Cosa c Silva
"*$ convid novamenle a todas as pessoas
'ine se julgarem rrcdoris a appresenla-
^ rem os seus ttulos na Iravessa do Corpo
is Sauto n. 23 loja de cabos, para concluso
Jg do inventaro, no prazo do 3 dias da p-
as blicario do presente, alm do que elle in-
S ventaiianle nao se responsabilisa. Reci-
m (e 23 de julho de 1860.
m m M
N.lfi-PaleoiloParaizo-N. 16.
Ignacio irmo Xa\Vcr
Consultas lodos os das, das 6 11* horas s 11
horas da nianliaa, e das 31 \2 s 5 1,2 da tarde.
As pessoas pobres que se dignare ai recorrer a
seus olliclos serio atlendidos gralui.menle ; as-
sim como gratuitamente se lhes dar muitos dos
remedios precisos para o seu estabdecimento.
agencia dos fabricantes america-
nos Grouver & Hal.cr.
Machinas de coser: em casa de SamuelP.
Johnslon & rua da Senzala No'a n. 52.
Grande e novo sortimento de fazendas de todas as qua-
lidades por baratissimos precos.
Do-se amostras com penhor.
FredericoCaulicr, cirurgiao dentista,
faz todas as operares da sua ai le e col- ^
p loca denles artificies, tudo com a supe- j
Jg rioridade e perfeic.ao que as pessoas en- |g
tendidas lhe reconhecem. ^
Tem agua e pos denlifrcios ele. fp
= OSr Francisco Aranlia de Souza tem urna
caria no escriptorio de Manoel Joaquim Ramos c
Silva, na rua da Cadeia do Recife
Lindos cortes de vestidos de seda pretos
de 2 saias
Ditos ditos de ditos de seda de cores
com babados
I Ditos ditos de ditos de gaze phantazia
de cores
Romeiras de fil de seda preta bordadas
| Visitas de grosdeuaples prclo bordadas
*f| Grosdcnaples decores com quadrinhos
Na escada do sobrado da rua do Imperador
n. 81 haver leile puro a 320 a garrafa, de 7 1/2
horas da manhaa em daele.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado n 47
da rua da Imperalriz e as lojas do nirsmo ; ::o
segundo andar, das 9 horas do dia s 3 da tarde,
|Coiisullorio central lionicopallikof|
IPIIIBHMIIBTO. e
Continua sob a mesma direccao do Ma-
noel de Mallos Teixeira I.irea," professer
em homcopathia. As consullas como d'an-
tes.

@
Aj? O Dr. Casanovn pode ser procurado a
a qualquer hora cm seu consultorio horneo- a
palhico cm Pernambuco ^
30-RL'A DAS CRUZES- 30
No mesmo consultorio acha-so serapre jg>
grande sorlimcnto de medcam mos em ja
tinturas e glbulos, os mais no-os e bem S
preparados, os elementos de homcopathia (Jv
-^ Na livraria n 6e 8 tlu piara da
Independencia precisa-se fallar ao Sr.
Manoel Antonio Ksteves, que fo almo-
xatife de Fernando.

Sirop du
DrPORGT
JARABE DO FOKGET.
Este xarope est approvado pelos mais emintntes medicot de Pars,
Icomo sendo o melhor para curar constipacoes, tosse convulsa e outras,
affecces dos bronebios, ataques de pelo, rritacftes nervosas e insomnolencias: urna colberada
pela raanb, e outra noite sao sufcienies. O tUVito deste excelente xarope satisfaz ao mesmo
lempo o doente e o medico.
O dsposito na rua larga do Rosario, bolka de fertholomeo Francisco de Souza, i. 36.
FUN
covado
Dito liso preto e decores, covado
Seda lavrada preta e branca, covado 18 e
Dita lisa preta e de cores, com 4 palmos
de largura, propria para forros
Corles de vestido de seda de gaze trans-
parentes
Ditos de ditos de cambraia e seda, corle
Cambrsiasorlacdys de cores, lidos pa-
droes, vara
j Manguitos de cambraia lisos e bordados
i Tiras e cntremeios bordados
j Mantas de Monde brancas e pretas
1 Ditas de fil de linho pretas
1 Chales de seda de todas as cores
Lencos de cambraia de linho bordados
i Ditos de dita de algodao bordados
Panno prelo e de cores de todas as qua-
lidades, covado
: Casemiras idem idem idem
S Gollinhas de cambraia a
Chales de touquim brancos
' Ditos de merino bordados, lisos e es-
tampados de todas as qnalidades
Enfeites de vidrilho fraucezes pretos e
de cores
I Aberturas para camisa de litiho e algo-
dao, brancas e de cores
Saias balo de varias qualidades
Tafel rxo, covado
Chitas francezas claras e escuras, co-
vado
Cassas francezas de cores, vera
Collarinhos de esguio de linbo mo-
dernos
Um completo sortimento de ronpa feita
I
9

U200
f
35000
1$500
10>000
16j000
lfOOO
9
I
9
I

i
900
I
g6!0
9
i
3&500
I
esooo
S500
280
&500
800
sendo casacas, sobrecasacas, paletots,
colletes, cairas de muitas qualidades
de fazendas" 8 ..
Chapeos fraceczes finos, forma moderna oc&UU
Um sorlimcnto completo de grvalas de
seda de todas as qualidades 9
Camisas francezas, peilos de linho e de $
algodao brancase de cores 9
Ditas de fuslao brancas e de cores S
Ceroulas de linho e de algodao 9
Capellas brancas para noivasmuilo finas g
Um completo sortimento de fazendas
para vestido, sedas, la e seda, cam-
braia e seda lapadas e transparentes,
covado
Meias cruas brancas e de cores para
meninos
Ditas de seda para menina, par 1J600
Luvas de lio de Escocia, pardas, para
menino twjj
Velludilho de cores, covado 15200
Velbutina de cores, covado Jp700
Pulseiras de velludo pretas e de co-
res, o par 2S0O0
Ditas de seda idem idem l0
Um sortimento completo de lu^as de
seda bordadas, lisas, para tenhoras,
homens e meninos, de todas as qua-
lidades 9
Corles de collele de gorgurao de seda
de cores 9
Ditos de velludo muito Cnos 9
Lcnros de seda rxos para senhora zfoO
Marquezitas ou sonibrinhas de seda com
molas para senhora 9
Sapatinhosde merino bordados proprios
para baptisados, o par SS^OO
Casinetas de coresde duas largurasmui-
to superiores, covado lfOOO
Sclim preto, encarnado e azul, proprio
para forros, com 4 palmos de largura,
fazenda nova covado lJoOO
Setim liso de todas as cores covado 9
Lencos de gorgurao de seda pretos >
Relo'gios e obras de ouro 8
Cortes de casemira de cores a ojOOO
S Botica central ioneopalhiea
Do
1 DR. SAB1K0 0, L PliMIO-
^ Notos mcdicamCnloshomeopalhicos en-
c& viadosda Europa pelo Dr. Sabino.
^ Esles medicamanlos preparados espe-
^ chmente segundo as necessidades da ho-
@ meopalhia no Brasil, vende-se pelos pre- j
@ ros conheciiios na botica central horneo- *
^ palhtea, rua de Sanio Amaro [Mundo No- *
v)n 6- S
i
i
o
I II U II 111 11III
Rua do Brum (passando o chafariz.)
No AcpoxVto deste estabelecimento sembr lia grande sovlimenlo Ae me-
enaus ai o ata os engen\ios Ae assucar a saber:
Mac'inisde vapor modernas, de golpe cumprido, econmicas de combustivel, e defacillimoassento ;
Rodas d'agua de ferro com cubos de madeira largas, leves, fortes, e bem balancadas;
Cinnos de ferro, e portas d'agua;jara ditas, e serrilbas para rodas de madeira ;
\I03ndas inteirascom virgen muito fortes, e convenientes ;
.Mjtas moendas com rodetasmotorasiara agua, cafallos, oubois, acunhadas em aguilhoes dcazs ;
Taitas de ferro fundido e batido, e de cobre ;
Pares ebicas para o caldo, crivose portas de ferro para sfornalhas;
Alambiques de ferro, moinhos de mandioca, fornos para cozer farinha ;
loietas dentadas de todos os tamanhos para vapor, agua, cavallos oubois ;
Aguilhoes, bronzes e parafusos, arados, eixos e rodas para carrosas, formas galvanizadas para purgar etc., etc.
D. W. Bowman confia que'os seus freguezes acharao tudo digno da preferencia com
que o honram, pela longa experiencia que elle tem do mechanismo proprio para os agricul-
tores desta provincia, epelofacto de mandar construir pessoalmente as suas obras as
mais acreditadas fabricas da Inglaterra, para onde elle faz viagem annual para o dito fim,
assim como pela coutinuaco da sua fabrica em Pernambuco, para modificar o mechanis-
mo a vontade de cada comprador, e de fazer os concertos de que poderP necessiiar.
NO
FunUcao de typos cm
Lisboa.
A administrarao gcral da imprensa nacional Je
Liiboa, proseguindo perscveanlemenle no em-
penho de dar o maior desenvolvroenlo s:a
fundir.io de lypos, vem aprcsenlar lioje ao exa-
me consciencioso dos senhores lypoRraphos lo
imperio do Brasil um copioso snpplemento .''O
Specimen publicado cm principios de lSolt.
Execulado com aquella pcrfei^So e esmero jjo
acreditaram a primeira publicacao, a administra-
?ao lisonjea-se de que este supplemcnlo se:
apreciado nao s como um documento honroso
para a typographia portugueza, mas tambem co-
mo um Icslemunho insuspeto dos esforros i.ie
ha leito cim solirilude e boa vonlade para ele-
var a imprensa nacional de Lisboa cailic^oria
de um estabelecimenlo lypograonico de primei-
ra ordem.
Conlm o suppkmenlo que ora sahe 5 luz. em
13 paginas de folio, -8 dulcientes caracteres or-
dinarios e de phantasia desde corpo 6 at 508,
urna collectao mui bella de filetes de diverso dp-
senho (corpos2, {, 6, 8, 10,12 e 16), e urna pri-
morosa serie de clcheles (MO), gravodos pelo
famoso Marcclln l.egrand, e fundidos em pon-
tos, variando na largura entre 16 c 581 pontos.
Quasi ledos aquelles caracteres sao fundidos
com esmero em malrizcs provenientes das acre-
ditadas oflkinas de Laurenl & Deberny e Rallen-
berg, de Pars, Ilaennel, de Berliro, e oulras, e
alguns gravados expressamente para esle esta-
belecimenlo, como por excmplo, os corpos 1 i e
16, caracteres ordinarios, devidos ao buril ce
Anbert, e os grandes typos para carlaze, corpos
3f8, 416 e 592, abertos por artistas porluguezes.
Na sua escolha, a que presidio um gofio severo,
leve-se principalmente cm vista salisfa7cr s ne-
cessidades da lypographia. Os clcheles r filens
syslmaticos, alem da elegancia do seu desenho,
sao de um emprego ulilssimo, como se procu-
ran demonstrar em urna pequea exposic&o
que vai ser distribuida por todas as officinas ly-
pographicas.
A adminislraco geral da imprensa nacional Je
Lisboa, esperando que o supplemenlo ao seu
Specimen mereja o elogio das pessoas eoiendi-
das, nffianca que r.jo descansar, procurando in-
cessantemcnlc attender a lodas as exigencias que
tenham por alvo o progresso da arle.
As condkoes da venda sao as que repetidas
vezes se lecm annunciado, garantindo-se luda a
promplidao e regularidadc na satisfago das en-
commendas, por mais avuiladas que sejim.
Agentes da imprensa nacional de Lisboa noin;-
perio do Brasil, no Rio de Janeiro, Francisco
Teixeira Bastos ; em Pernambuco, Amorim 2r-
mos ; na Baha, Espinheira & Companhia ; no
Maranhao, viuva Rocha Santos & Filhos; lo
Para. Marlins & Irmos.
Assignatura de banhos fros, momos, de choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos. ,...........
30 carios para os ditos banhos tomados em qualquer terapo ;......
15 Ditos dito dito dito .;....
7 ...;..
Banhos avulsos, aromticos, salgados esulphurosos aos precos annunciados.
Esta redcelo de precos facilitar ao respeilavel publico o gozo das vantagens que resullam
da frequencia de um estabelecimenlo de urna ulilidade incontestavel, mas que infelizmente nao
estando em nosso* hbitos, anda pouco conhecida e apreciada:
10$000
158000
8000
41000
# Dr. Augusto Carneiro Monleiro da Silva
9 Sanios, medico operador e parteiro pode 9)
ser procurado na casa Je sua residencia^
na rua do Rangel n. 16. 0$
Precisa-se alugar urna preta que engomme
e faga o mais servico de'casa de duas pessoas:
na rua do Amorim n. 33, segundo andar.
Precisa-se de um cont de ris, a uros,
dando-se hypotheca em bens de raz : quem ii-
ver annuncie para ser procurado.
"""--v.'^' J'' ":r-r^~-'= '~ "
"Vr


(6)
Alerta!!!
"'ugiodo quartel de cavallaria no dia
21 do corrente mez, um cavallo alazao,
pequeo, declinas grand s e marcado
no quarto esquerdo com on, 23: quem
o ti ver retido em seu poder e quizer ter
a on Jade de remette-lo aqueHe lugar,
era' gratificado conscienciosamente.
0 ahaixo assignado declara ao
publico que desde o dia 15 do corrente
deixou de ser protssor de latina do col-
tegto do Sr. Jeronymo Pereira Villar.
Recife, 17 deJulho 1860.
Manoel Francisco Coellio.
PRAC4.
Nao londo havido audiencia do Illm. Sr. Dr.
joiz dos f.-itos da fazenda, no dia 26 do corrente.
lie.? transferida para a do 2 do prximo mez de
agoslo, a venda da casa terrea com soto sita na
ra da Palma n. 27, avahad* por 2:800$. penho-
Mda pela fazenda a Jos Hygino de Miranda,
como fiador do ex-collector da Boa-Vista Antonio
tieraldn de Carvalho. Recite 27 de julho de 1850
0 solicitador, F. X. P. de Brilo.
Na livraria ns. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia precisi-se fallar ao Sr.alferes Thom Go-
mes Yicira Lima.
Precisa-se de um caixeiro para taberna,
que tenha pr.itica da raesraa, pois nosoduvida
Or bom ordena io, lendo as habililaces neces-
snrias : a quem convier, dirija-se a ra da Ca-
nia do Recife n. -G. Aluga-se um armazera em boa localidade,
pnpno para urna grande taberna ou loja de mar-
ra por ter bastantes cornmodos : a tratar no
pi Leo de S Pedro n. 6, armjzcru.
Antonio Joiquim da Cesta e Silva fazscien-
le ao respeitavel corpo do comraercio que tem
justa .'contratado com o Sr. Antonio Jos Gon-
( res rlexeoseu estabelecimento de molh.idos
sito n i travassa das Cruzes n. 4, livre e desem-
baracado do activo e passivn, e convida a scus
ios a apresenlar suas contas crrenles no
prazode 8 das da dala deste. Ilecie27 de julho
.1 1860. '
Joachim Joseph I.eboig e sua mullier, Bel-
gas, seguem para a Franca.
Altenco.
i
As audiencias dojuizo especial do commercio
lero lugar nos das de quarta-feira de todas as
ti n mas, e ao meio dia.
Na ra do Rango!, estabelecimento n. 20,
existe uroa carta vinda de Goianna para o Illm.
I rancelino Americo do Albuquerque Mello.
Vende-seum piano de boas vozes, proprio
para quem quer aprender, e urna grande coranio-
angico ; -na ra do (Juuiraado, loja n. 34
s- dir quem rende.
O capilao John Swintou, subdito de S. M.
B innea, segu para a Europa.
Os abaixo assignados avisam ao Sr. Paulo
Francisco de Rezcndc que nao pode seguir para
o l! io de Janeiro sem que se entenda com os
mesmos.Silva & Molla.
A pessoa que nntiunciou encar-
regar-se le roupa para lavar em umsi-
t.o da Capunpa defronte do Sr. Aran-
tes, queira dirigir se a ra das Cruzes
n. 20, segn lo andar.
Ouerece-se um homem para feitor de si-
tio, para oque tem as necessarias habililares :
a tratar na ra da Senzala Nova, taberna n. 26.
Miguel Jos Aires ra s provincias do sul
do imperio.
c
para
a
linho bordados para senhoras, ditos lisos
hornero por preco commodo, saias bordadas
33500, ditas muito finas a 5. Anda tem um
reslinho de chales de toquim a 30, corles de
vestido de seda de cores muilo lindas e superio-
res qualidades a OW?, que j se venderam a
1501, capot'mhos pretos e manteletes pretosde
ricos gostos a 20, 259 e 309, os mais superio-
res chales de c^semira estampados, muito finos, a
8 e a 10, toalhas de linho de vara e tres quar-
tas, adamascadas, muito superiores a 55J, ditas
para rosto de linho a U>, chitas francezas de su-
perior qualidade, tanto escuras como claras a
200, 280, 320, 400 e 440 rs. o covado, ricas
casemiras para calca, colleles e palitots a 49 o co-
vado, e um completo sonimenlo de outras fajea-
das, eludo se vende por prego barato, e que nao
possivel aqu se poder mencionar nem a quarta
parte dellas, no entanto 03 freguezes chegando o
querendo comprar nao irao sem fazenda.
Coral.
DIARIO DE PERWAMBCO. SEGUNDA FEIRA 30 DE JULHO DE 1860.
. IVA NOVA
Loja de miudezas na rna
verrn^S?"s.e 15" p8ra bordar da ra,is fina que ha
a7*900a libra, luras de sedaenfeitadas parase-
nhora a 2, ditas de algodao para homem a 320,
nonecas de choro a 440, 500 640 e 800 rs., bo-1
toes de osso a 240 a groza, d los brancos de louca '
a 140, ditos de cores a 160. Jolsas pira meninas
SiSf*]' a S*600 e 6*- tsouras finas a 1$ e
2*800, facas oitavadas a 2$80, ditas cravadas a
3J. ditas de cabo de balanco. dous boloes.a 65o0,
a duza, caivetes Anos a 1J600, ditos a 2#800,
grozas de penna de ac de linca a 1#200 ditas
de roaozmha a IftOO, tinteins proprios para via-
gem a 320, obreas de cola a 100 rs., resmas de
papel de quadrinbos a 40300 caixinhas de Dapel
sortidas em cores a \$, ditas de quadrinlios a
800 rs., fo'lias de papel arrer dado e anvelopes a
240, ditas com flores a 160, penles de alisar de
balea a 240 e 260, dilos de >orracha para bichos '
a 440, ditos Iravessos para meninas a 640, ditos'
de masso para atar cabello a 900 rs., dilos vira-
dos a imilaco de tartaruga ilg600. dilos doura-
dos a 1J800, dilos de alisar du borracha a 600 rs.,
miudezas muito em conts '; e's vista do'com- S d,e bufa' hranco para bichos a 280, ditos
prador se dir o preco de ludo. para alisar a 500 rs., linha do gaz branca a 800 e
18, dita prela a 900 rs., miada de linha de peso
Vende-se verdadeiro coral de raiz, na ra lar-
ga do Rosario, passando a botica, a secunda loja
de miudezas n 38, rap de Lisboa, e muitas
mais qualidades de rap ; assim como muitas
Pianos
Saunders Brothers 4 c. tem para vender em
leu armazem, na praca do Corpo Santo n. 11,
alguns pianos do ultimo gosto. recentimente'
chegados, dos bem conhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood ASons de Londres.
muito DroDrios Dar este clima.
Liompras,
Coinpram-se quaesquer nmeros
do Diario de Pernamhqco de 1825 a
1 155, estejam ou nao certas as c llec-
ou faltem nmeros : na livraria n.
1 8 da praca da Independencia.
i-seouro em moedas de 20$ brasi-
. fi I69 portuguezas : no escriptorio de Ha-
Ignacio deOliveira & Filho no largo do Cor-
| mo.
Compra-se osera vos de ambos ossexos de 12
11, para fra da provincia, se tiverem boa
1 I irem sadios, paga-se bem : na ra Di
no escriptorio do Francisco Matbias Pcieira
da Costa n. G.
Gompram-se es-
Cheguem ao barato
O Preguica est queimando, em sua loja na
ra do Queimado n. 2.
Tecas de bretanha de rolo com 10 varas a
29, casemira escura infestada propria para cai-
ga, collete e palitots a 960 rs. o covado, cambraia
organdy de muilo bom gosto a 480 rs. a vara,
dita liza transparente muilo fina a 39, 49, 59,
e 69 a pega, dita tapada, com 10 varas a 59
69 a pega, chitas largas de molernos e escomidos
padrn a 240, 260 e 280 rs. o covado, riqu-
simos chales de merino estampado a 7 89,
dilos bordados com duas palmas, fazenda mihr>
delicada a 99 cada um, dilos cora urna s pal-
ma, muilo finos a 89500, ditos lizos com fran-
jas de seda a 5, Ienc.es de cassa com barra a
100, 120 e 160 c.da um, meias muilo Qnas pa-
ra senhora a 49 a duzia, Hitas de boa qualidade
a 39 e 35O0 a duzia, chitas francezas de ricos
desenhos, para coberu a 280 rs. o covado, chi-
tas escuras inglezas a 5900 a poca, e a 160 rs.
o covado, b'im branco de puro linho a 1&
19200 e 19600 a vara, dito prolo muito encor-
pado a 19500 a vara, brilhaniina azul a 400, rs.
o covado, alpacas de dilTerenles cores a 360 r's. o
covado, cesemiras prelas finas a 2#500, 3? e
39500 o covado, cambiia prela e desalieos a
500 rs. a vara, e ouiras muitas fazendas que se
far patente ao comprador, e de todas se daro
amostras com penhr.
Urna casa terrea com
soto.
Vendc-se urna casa terrea em chaos proprios
sita cm lora de Portas, lado da mar grande'
na do Pilar 1. 53 : a tratar na ra do Brum u
Ib, armazem do Manoel Jos de Si Arajo.
- \ende-sejuma negra fula, bonita figura
moca coznha, engomma sofirivclmeute e costu-
ra, o avadeira, e quem a comprar se dir o mo-
tivo por qu* se vende : na ra do Brum n 16 ar-
mazera de Manoel Jos de S Araujo. '
Taclias para engento
Fundigo de ferro e brouze
DI
jPecliiflcha sem igual.
S2?* Vendem-sc superiores camisas de
, fustao editas de madapolao muito fino a
V, cortes de casemira ingleza dequadri-
1 nhos de superior qualidade a 4ft5D0 e 5#,
colleles fetos de gorgurao de seda e ditos
1 de fustao a 3500e 4j>, caigas de brim de
cor a 4J. cortes de superior barege de se-
da a 205 e as modernas victorias de al-
; paca de seda para vestidos de senhora a
\ 00 rs. o covado, tambero se vende saias
1 balao muito boas de raueseline e ditas do
\ madapolao a 48500 e 53, gollinhas de li-
1 ano a 640 rs., de todas estas fazendas
1 existe urna pequea poreo que se vende
1 por este prego para acabar : na loja de !
Augusto & Perdigao ra da Ctdeiado Re- '
cife n.23
a 120, linha para marca a20 rs., fitas com cl-
cheles a 500 rs. a vara, pega de galao de linho
cora 10 varas a 150O. dita dj bico com 10 varas
fW.WU e 1S400. d.ias de renda a 600, 800.
900 e I93OO, babados do Porio a 120, 140 e 180
a vara, pegas de (ranea de laa de caroc a 60 rs.,
fitas de seda lavrada de largura de 5 dedos com .,
Pinta de mofo a 320, ditas fin is a 640 a vara, TlfHrTflB ^ HRIP1 flTm~ll*llM
x.nha com grampas a 60 rs., loucadores de joca- -- V1****
randa a 2?>t}u, ditos a3200 a 43. vlsporas a 900
rs., cartas finas portuguezas a 2700, ditas finas
francezas a 2800 e 3S800 a c uzia, anvelope sor- i
tido em cores a 128(), lamparinas para tres rae-!
es a 60 rs., ditas para seis raezes a 100 rs., sa-
palinhos de merino proprios para baptisados a
I3200. borzeguins de lia a 8(0 e 900 rs., ataca- !
dores chatos de algodao a 60 rs., ditos rolicos a
100 rs gravalinhas a Pinaul a 18400.
Arados americanos e machinas
par a lavar roupa : em casa de S. P. Jo-
hnston & C. ra da Senzala n. 42.
Alcatifa.
Campos & uma, na ra do Crespo n.
Ib. tem para vender alcatifa com 4 pal-
mos de largura de rauito boa qualidado
e propria para alcatifar, salas e igreias a
olio rs. o covado. dinheiro a vista.
REMEDIO INCOMPARAVEL.
UNGENTO HOLLOWAT.
Milharesde individuos de todas as nagoes po-
dem testemunharas virtudes deste remedio in-
comparavel e provar em caso necessario, que,
pelo uso que delle fizeram tem seu corpo e mem-
brosinteiramentesosdepois de haverentrega-
do intilmente outros tratamentos. Cada pesoa
poder-se-haconvencerdessascura maravilhosas
pela leilura dos peridicos, que lh'as relatara
todos os das ha muitos annos ; e a maior parte
della sao to sor prndenles que admirara os
medico mais celebres. Quantas pessoas reco
braram com esle soberano remedio o uso de seul
bracos e pernas, depoisde ter permanecido lon-
go lempo nos hospitaes, onde de viam soffrer ,
amputacao! Dellas ha muitas que havendo dei-
xadoessesasylos de padecimentos, para senao
submetterem essa operagao dolorosa foram
curadas completamente, mediante o uso desse
preciosoremedio. Algumas das taes pessoa na
enfusao de seu recouhecimento declararam es
es resultados benficos diante do lord correge-
dor e oulros magistrados, aim de maisauleuti-
caremsuaflrmativa.
Niuguem desesperara do eslsdo de saude s3
ivesse bastante confianga para ensaiar este re-
medio constantemente seguindo algum lempo o
meniratatoquenecessitassea natureza doma,
cujo resultado seria prova rincontestavelmente
Que tudocura.
O uagnento e til, mais particu-
Ain*rmente nos seSintescasos.
rif"rhc.as Inflammacao dabexi
1M(
45--Raa
Dii'oiia-45
ARN4ZEM
DE
Fazendas baratas.
Ra do Queimado n. ly.
Chilas francezas miudinha- a 221) rs. o covado.
II iberia.
Corles de hiberla com 14 covados a 2S500 o
corle.
Coberta,
loberas de chita chineza :i 2jS.
Laa a 32i).
L5a para vestido, pelo baraiissimo preo de 320
rs. o covado.
Chales.
Chales de merino estampados a 2$500.
Cassa musselinn.
Cassa musselina para baba Jos, com 10 varas
muito finas (que se vendia a -JCO) por 4S a peca,
selim de lodas as cores. *
Chita miudinlia.
Chitas miudinhas, cores fisas, a 160 rs. o co-
rado.
Ricos cortes de seda.
Corles de seda superiores, pretas e de cores, a
OgUOO, cambraias pretas fins a 500 rs a vara.
Lencos brancos.
Lengos para algibeira a 2g i duzia.
Em casa de Rabe Sclmettan &
C, ra da Cadeia n. 37, vendem-se I
elegantes pianos doafanado fabrican-
PotassadaRiissia
E CAL DE LISBOA.
No bem conhecldo e acreditado deposito da
ra da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender
polassa da Russia e da do Rio de Janeiro, nova
e de superior qualidade, assim como tambem
cal virgem em pedra : tudo or Breos muito
razoaveis
3a s^s-igasa&s
Caimbras
Callos,
anee res.
Cortaduras.
Dores de cabeca.
das costas,
dos merabros.
tufermidades da culis
emgeral.
Ditas do anus.
Erupcoes e escorbti-
cas.
Pistulasno abdomen.
Fnaldade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva escaldadas.
Inchacoes
Inflammagao do flgado.
-------------iga.
ua matriz
'-epra.
Males das pernas.
dos peitos.
de ('bus.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmes.
Queimadclas.
Sarna
Supuraces ptridas
Tinha, era qualquer par-
te que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
das articulacoes.
Veas torcidas ou noda-
das as pernas.
GIMDE SORTWEVrO
DE
Fazendas c obras fei las
Ges&Basto.
NA
e armaicm
DE
Vende-se este ungento no estabecimento
geralde Londres n. 224, Strand. e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do snl.Uavana e Hespanha.
Vende-se a800 rs., cada bocetinha contera
I urna instrucgao em prtuguez para o modo de
1 fazer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
' pharmaceutico, na ra da Crun. 22. em Per-
namboM.
Charapanha.
Campos 4 Lima, na ra do Crespo n.
8 lem para vender uraa porcao de gi-
^ gos cem champanha de superior quali-
dado a 20 o gigo.
Francisco Antonio Correia Cardozo IteTraumann deHambirgo.
tem um grande sortimeiito de Pivhill>if..
tachas de ferro fundido, assim A OAA
como se faz e concerta-se qual- A ^UU rS* covado.
: quer obra tanto de ferro fun- A,'mazem de faz.en(las>." d Qei-
dido como batido.
era vos.
m-se, vendem-se e trocam-se escra-
tos, na roa do Imperador n.jTH. primeiro andar.
Vend
as.
IVovas sementes de bor-
la l ce,
9 no vapor Portugal chegado osle mez:
le-sa na loja de ferragens na ra da Cadeia do
B o. ">< A, de Vidal & Bastos
^
mailo n. 19.
Cambraia d cr miudiuha nuilo fina, fazenda
pechincha a 200 rs. o covado, para acabar.
Nesle armazem de molhados con-
0 queem ^^ff!SP7Pj^SS^S T^ST ^W e rUais ba"'"
dos proprielarios. P Serem a malor Parle delles cbidos em diieilura por conta I
tinua-se a
GIIAXDE SOUTISEMO
DE
e roupa feila
Manlciga in\cza c francc7a
SlS!lSSAmn^m,m^' "- 800 rs. a.ibra e em barril
Qucijos tlamcnsos
slo aasfra setsssssseda Europa de 1S7o >3*<\ ^ ^'
os raais ovo, que existera no mercado a 1, ,l)ra. Jm por?5o se f,rf aba[mento.
,, *<*,, A.meixas rawcezas
9m! ll2 Ubfa Pr 1S5 "- e em mpoteiras
de
cada urna 3 libra
m caixinhas di
NA LOJA E ARMAZEM
DE
Joaqun Rodrigues Tarares de Mello
ULA DO QUEIMADO N. 3
I M SI A I.oj.v DE QfATRO PORTAS.
Tem uro completo soniment t\ roupa feila,
i convida a lodos os scus freguezes e todas as
;^seas que desejarera ter um sobrecasaco bem
feto, ou um caiga ou collete, de dirigirem se a
esle estabelecimento que encontrara) um hbil
artista, chegado ltimamente de Lisboa, para
desempenhar as obras a vontade dos freguezes.
Ja tem um grande sortimento de palitots de ca-
semira cor de rap e outros escuros, que se ven-
dara a 12, outros de casemira de quadrinlios
dn mais fina que ha no mercado a 163, dilos
de merino stima 12$, ditos de alpaka muilo
fin 1 69, ditos francezes sobrecasacados a 12,
dilos do panno fino a 20, 2555, e 30. sobre-
easacas francezas muito bem feitas a 35, cal-
ja? feitas da mais fina casemira a 10, dilas de
brim ede fusilo por preco commodo, um grande!
sortimento de colleles de casemira a 5$, ditos de|
outras fazendas por preco commodo, um grande mais novo lne ha
sortirrento de sapatos de tapeto de gosto muilo
apurado a 25, ditos de borracha a 2500, cha-
peos de castor muito superiores a 16, dilos de se-
da, dos melhoresquetem vindoao mercado a 10
ditos de sol. inglezes a 10, ditos muilosbons a
12$, ditos francezes a 8$, ditos grandes de pan-
no a 4$, um completo sortimento de gollinhas e
manguitos, tiras bordadas, e entre meios muito
proprio para collerinhos de meninos e travessei-
ros por preco commodo, camisas bordadas que
SeQm P*ra Lati8ad0 de criancas e para passeio
a 8, 10 e 12$, ricos lengos de cambraia de
vidro conlendo
^lusla^a ingleza c tranceza
em frascos a 650 rs. e cm potes franceza a 800 rs cada um.
Vepdadeiros figos de comadre
& libras elegantemente enfeitadas proprias para mimo a lg600 n.
olacUia ingleza
a mais nova que ha no mercado a 240 rs. a libra e em bardea com 1 arroba por Ag.
, Q,, Potes vidvailos
de la 8 libras propnas para ma.leigaououtroqualquer liquido de 400 a lO0O rs cad
Xmendoas eonfeitadas proprias parasoles
. ,k de s ^ao
a lg a libra e em frasquinhos, contendo 1 lt2 libra por 2J.
Cha pveto, hyson e perola
os melhores que ha nesle mercado de 1600.2 e 2500 a libra.
Macas en\ caixinhas de 8 libras
contendo cada urna diflerentes qualidades a 450O *WH
on Palitos de dentes lichados
em molhos cam 20 maetnhos cada um por 200 rs.
Tijolo francez
proprios para limpar faca a 200 rs.
em ia,as ^^^^^ inglezas e francezas
em latas e em frascos de differentes qualidades. *
Presuntos, elionvicas epaios
neste genero a 480. 640 e 720 rs. a libra.
L'atas ae TaemtbeSn?,'sa]dadeS m em fS se far a,Sm "batimento,
res Jfifc p^oToV. 48S0 3^^^~!!~~+ '**>* e
Na ra do Queiinad) a.
46, frente amarella.
Grande e variado sortimento de sobre-
casacas e casacas de pannos finos pretos
e de coros a 285. 30$ e 35g, palctots dos
mesmos pannos pretos e de cores a 283,
20j 22 e 253, ditos de casemira mescla-
dos de superior gosto a 163 e 18, ditos
das mesmas casemiras saceos modelo
inglez 10,12S, 14 elS. ditos de al-
paca prela fina saceos a 48, dilos sobre-
casa tambem de alpaca a 73,83e 9, di-
tos de merino selim a 10;}, ditos de me-
rino de cordo a 93, cairas pretas das
mesmas fazendas a 5 e 63, colleles pa-
ra luto da mesraa fazenda, paletots de
r brim trancado a 5$, ditos pardos e de
I fustao a 4 e 53, calcis de casemira de
cor e prelas a 7. 85, 9J e 103, dilos das
i mesmas casemiras para menino a 63, 7
4 e 89, ditos de brim para homem a 3jS,
3500. 4 e 53, dilos brancos finos a 5,
63 e 7, ditos de meia casemira a 45 e'
5, colleles de casemiras preta e de co-
res a 53, e 6. dilos de gorgurao de seda
brancos e de cores a 5 e 6g. dilos de
velludo prelo e do cores a 93 e Id, ditos
de brim braitco e de cor a3jj, 3o0 e4j.
palitots de panno fino para menino a
loS. I63 e 18, ditos, de casemira de cor
a 73, 83 e 93, ditos de alpaca a 3e33500,
sobrecasacas de alpaca tambem pa.-a me-
nino a 5 e 6, camisas para os mesmos
de cores e brancas a duzia 15g, 16j e 20,
meiascrues e pintadas para menino de
lodos os tamanhos, calcas de brim para
os mesmos a IgoO e 3,* colarinho de li-
nho a 6000aduzia, toalhas de linho pa-
ra mos a 900 rs. cada urna, casaveques
de cambraia muito fina e modernos pelo
diminuto preco de 12, chapeos com abas
de lustre a 5, camisas para hornera de
lodas as qualidades, seroulas para ho-
mem a 16, 20 e 25 a duzia, vestimen-
tas para menino de 3 a 8 annos, sendo
caira, jaqueta e coletes tudo por 10, co-
bertas de fustao a 6. toalhas de linho
pira mesa grande a 7 e 8, camisas in-
glezas novam.'nle chegada a 363 a duzia.
23
Fazendas finas
roupa feita.
Augusto & Perdigao.
Com loja na ra da Cadeia do Recife n.
vendem edo amostras as seguintes fazendas
Cortes de vestidos de seda pretos e decores
Cortes de ditos de barege, de tarlatana e de ga-
ze de seda.
Cambraias decores, brancas e organdys.
Anquinhas para saias, saias balao, de clina, ma-
dapolao e bordadas.
Lencos de labyrinlho do Aracaty e francezes.
Chapeos amazonas de palha e de seda para se-
nhoras e meninas.
Enfeites de froco, de vidrilho e de flores.
rentes de tartaruga, imperalriz e outros gostos.
Manguitos e golas, poni inglez, francez e mis-
sar.ga.
Vestuarios de fustao, de la e de seda para
enanca. K
Manteletes, taimas e pelerinas de dilTerentes qua-
hilara?
ponta
s.
capellas e
e espartilhos para
idades
Chales de touquim, de merino e de la de
redonda.
Lurasde ppliic, brancas, pretas e de cores.
Vestidos do bload, manas de dito
flores solas.
Sinlures, camisas de linho
senhora.
Perfumadas finas, sabonetese agua de colonia.
Casacas, sobrecasacas e paletots de panno preto
Paleoisde alpaca, de seda e de linho.
Calcas de casemira de cor, pretas e do brim
Camisas de madapolao, de linho ioglez e de la.
Seroulas de linho e de meia.
Malas, saceos,apclreix.is para viagem.
Chancas para invenios, bolinas de Meli e oulros
fabricantes.
Chapeos do Chyli. de massa e de feltro para ho-
rnera. K
de Janeiro e
Eite estabelecimento offerece ao pu-
blico um bello e rico sortimento por
precos convenientes, a saber :
Homem.
Borzeguins imperiaes..... IO3OOO
Ditos aristocrticos....... 9$000
Ditos burgueses........ 7J000
Ditos democrticos...... 6,$000
Meio borzeguins patente. 6f500
Sapa toes nobreza....... G$000
Uitos infantes.....", 5$000
Ditos de Iinlia (3 1|2 bateras). 61000
Ditos fragata (sola dupla). 5$000
Sapatos de salto (do tom). C$000
Ditos de petimetre...... 5000
Ditos bailadnos........ o.s'500
Ditos impermeaveis...... 2'500
Senhora.
Borzeguins primeir classe (sal-
to de quebrar).......5$000
Ditos de segunda classe (quebra
cambada). ..,...,. 4800
Ditos todos de merino (salto
dengoso)^........4^300
Meninos e meninas.
Sapatoes de lorca. ...... JJOOO
Ditos de arranca........5i*500
Boizeguins resistencia e 5,^800
L0J4 DO VAPOR.
Grande e vanado sortimento de calcado fran-
cez, roupa feila, miudezas finas e perfumaras
ludo por menos do que em outras partes : na lo-
ja do vapor na ra Nova n. 7
SISTEMA MEDICO DEHOLLOWAY.
PILULAS HOLLWOYA.
Este lncstimavel especifico, composto tnteira-
mente de hervas medicinaos, nao contm mercu-
rio, nem alguma outra substancia delecteria.Bo
nigno mais tenra infancia, e a compleieo mais
delicada igualmente prompto c seguro para
desarreigar o mal na compleieo mais robusta ;
inteiramente innocente em suas operacoes e ef-
feitos; pois buscae remove asdoencas de qual-
quer especie egro por mais antigs e ienazes
queseam.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam as porlas da
morle, preservando em seu uso : conseguiram
recobrar a saude e torcas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais afllictas nao devem enlregar-se ade-
sesperaco ; facam um competente ensaio dos
efficazes effeitos desta assombrosa medicina, e
prestes recuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
para qnaiquer das seguintes enfermidades :
Accidentes epilpticos. Febreto da especie.
Alporcas.
Ampolas.
Areias(malde).
Asllima.
Clicas
Convulses.
Debilidade ou extenua-
cao. ,
Debilidade ou falta de
forcas para qualquer
toase.
Oyeinterie.
Dor de garganta,
de barriga.
-ns rins.
Durc/a noventre.
Lnfeimidades no ventre.
Kitasnofigndo.
"Has venreas.
tnMqueca
Herysippia.
^ebre biliosas
PebretointernitentR.
ewMM^ase>Hanha-,,arana r
Araendoas confeitadas para sor-
tes de S. Antonio, S. Joao e S. Pedro e
tambem pora presentes a2|o frasco,
vende-se na loja de Leite & Irmao, -ua
da Cadeia do Recife n. 48.
Vendem-secarneiros gordos e baratos- na
ra do Colovello, padaria do leo do norte. '
a um.
de
loo niolMI,.- J _J__ _. *
Superiores charutos de Simas ; vende Jos
Luis de Ohveira Azevedo, no seu armazera na
travessa da Madre de Dos n. 5.
para coZSS,C3^ de varias qualidades. vinagre fiaSeVsW
ma muilo n^^ti*^^^ 'o^asas qualidade,.gom-
3 charutos de Simas
eir Azevedo, no seu
Madre de Dos n. 5.
- Na fabrica decaldeireiro da ra Imperial
junio a fabrica de sab.io, e na ra Nova, loja de
ferragens n. 37, ha urna grande porcao defolhas
de zinco, ja preparada para lelhados, e pelo di-
minuto prego de 140 rs. a libra.
Sabao do deposito do Rio
de Janeiro.
Vendem por preco mdico, Almeida Gomes
Alvos i C, na ra da Cruz n. 27.
Grande pechincha
Cassas muilo finas francezas, covado a 240 rs
assim como chilas francezas a 200, 240 e260 rs';
na ra do Queimado n. 44 ; a ellas, que se
acabam. H
Vendem-se essencias para tirar nodoas do
gordura, cera, etc., ele., em panos de laa, sedas
sera alterar a cor nem o tecido : na loja de ca-
bos no largo do Corpo Santo n. 21, esquina da
ra do Kncantamento.
Fumo de rolos.
Ra do Cordoniz n. 8.
Vende-se fumo em rolos a 83 a arroba, sondo
sua qualidade rauito boa. quer em grandes ou
pequeuas porcoes para fechar coulas ; a elle, que
esta se acabando. "
Oueijos do serlo.
ma muno una, erv Ihas frinrpyas Ph,mn.~~..a----- -----* "."*" UD ouasas qual ida
lonas muilo o*R SSTT2SSTtSE^aX *,.Sl"aTa0 de "" aze'edo pur fie
mnlhn.iAo nn. .::.'. "Da.?B P0^00 re"nada e outros muilo gneros atie onennir.t.%. .
amendor.s, nozes. frascos _
proprio ua estreita do Rosario n. 18
Vendem-se queijos do sertao muito
_. ce-'
licado.azei-
. "i'" -" > iijuiiu novos. re-
de ditas, cernemente chegados. os raolhores que se pode
encontrar no mercado, aiiniins rtn ,Jnn _.:.
eros os mais novos que ha no mercado, e com
a vista dos fregueies se far todo negocio.
Relogios.
Vende-se em casa de Johnston Pater & C, ra
do Vigano n. 3, ura bellosortimento de relogic
deouro patente inglez, de um dos mais afa-
mados fabricantes de Liverpool ; tambera urna
vanedade de bonitos trancelins para os mesmos.
Espirito de vinhocom U
graos.
Vonde-se espirito de vinho verdadeiro com 44
graos, chegado da Europa, as garrafas ou as ca-
andaa na ra larga do Rosario n 36
Ra da Senzala Nova n. 42
Vende-se em casa de S. P. Jonhston 4 c. va-
quetas de lustre para carros, sellins esilhoes in-
glezes, candeeiros e caslicaes bronzeados. lo-
nas inglezas, fio de vela, chicote para carros, e
montana arreos para carro de um e dous cval-
os, e relogios d'ouro patent inalezes
Vasos, figuras, pinnas e
globos de louca para
jardim e portes.'
Vendem-se por preco commodo, na ra do A-
moum n. 41.
Vende-se um prelo de 22 annos, crioulo
official de carapina e boleeiro ; na ra do Hospi-
cio, casa de Thomaz de A quino Fonseca, das 7 s
9damanhaa, edas3s6da tarde.
Para liquidar.
Na loja que foi de Claudiano Oliveira
na ra da Cadeia do Recife n. 55, ven-
de-se fazendas de muito bom gosto e por
menos de seu custo para liquidar-se, os
freguezes encontrarlo um bello sorti-
mento do que bom e barato.
Gotta.
Hemorrhoidas.
Hydro pesia.
Ictericia.
Indigestes.
Inflammacoes.
Ir reg u laridades
menstruaco.
Lombrigasd'e toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Obstruccao deverlre
Phlysica ou coasi^p -
pulmonar.
Retencao de ouhl
Rheuraatismo.
Symptomas secunda-
rios
Tumores.
Tico doleroso.
Ulceras.
Venreo (mal).
Vendem-se estas pilulas no estabelecimento
geral de Londres n.224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America do
Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se asbocetidhas a 800 rs. cada urna
dellas, conten urna inslrucco em portuguez pa-
ra explicar o modo de se usar destas pilulas.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22. em Per-
namb o- r
Botica.
Bartholomeu Francisco de Souza, ra larga
do Rosario n. 36, vende os seguinle medica-
mentos :
Rob L'Affecteur.
Pilulas contra sezoes.
Ditas vegetaes.
Salsaparrilha Bristol.
DilaSands.
Vermfugo inglez.
Jarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra (ebres).
ungento Holloway.
Pilulas do dilo.
Ellixiranti-asmalhico.
Vidrosde boca larga com rolhas, de i oness i
12Iibras.
Assim como tem um grande sortimenfo de pa-
pel para forro de sala, o qual vende a mdico
Pre o
Vendem-se libras Sterlinas, em
casa de N. O. Bieber 4 C. : ra da Cruz
n. 4.
Seguro conlra Fogo j
COMPAHIA
JJ
LONDRES
AGENTES
G^ J. Astley 4 Companhia. [
3
I
i
para
Vende-se
| Formas de ferro
I purgar assucar.
Enchadasde ferro.
Ferro sueco.
Ac de Trieste.
I Estauho em barra.
Pregos de composicao.
Brim de vela.
j Agurdente de Franca,
Palhinha para mareineiro:!
9 no armazem de C. J. As-I
9 tley A C.
S
i
5
3
a
Pelles de guar,
Sfi L"' flores a'flcies e outros enfeiies
vendem-se na ra da Cruz n. 87.


DIABIO DE PERNAMBUCO. SEGt NDA FEIRA 30 BE JLHO DE 1860.
FABRICA
DE
ummkmk i mmm ee tinu.
Sita aa roa Imperial a 118 e 120 jirnto a fabrica de sabo.
DE
Scbastio.). da Silva dirigida por Francisco Crimno da Costa.
Ncste estabelecimento ha sempre promptos alambiques de cobre de diHerentcs dimencoes
(de 300 a 3:000j>) simples e dobrados.para destilar agurdenle, aparelhos destilatorios cominos
para rcstilar edeslilar espalos com graduado at 40 graos (pela graduacao deSellon Cartier) dos
melhores systemas hoje approvados e conhecidos nesta e outras provincias do imporio, bombas
de todas as dimencoes, asperantes e de repucho tanto de cobre como de bronze e ferro, lorneiras
de bronze de iodas as dimencoes e feitios para alambiques, tanques etc., parafusos de bronze e
ferro para rodas d'agua.portas para fornalhas ecrivos de ferro, tubos de cobre e chumbo de todas
as diniencoes para encamcntos. camas de ferro com armaco e sem ella, fugoes de ferro potaveis e
econmicos, lachas e tachos de cobre, fundos de alambiques, passadcicas, espuraadeiras, cocos
para engenho, folha de Flandres, chumbo em lencol e barra, zinco em lencol e barra, lsnces e
armellas de cobre, lences de ferroa lato,ferro suecia inglez de lodas as dimnsoes, safras, tornos
e folies para fcrreiros etc., e outros muitosartigos por menos preco do que em oulra qualquer
parte, desempenhando se toda e qualquer encommenda com presteza e perfcirao j conhecida
e para cumiuodidade dosfreguezes que se dignaren) honrarem-nos com a sua conianca, acha-
ro na ra Nova n. 37 loja de ferraguns pessoa habilitada para tomar nota das encommendas
Seus proprietarios offerecem a seus numerosos froguezes e ao publico era geral, toda e
qualquer obra manufacturada era seu reconhecido estabelecimento a saber: machinas de vapor de
.(idus os lmannos, rodas d'agua para engenhos todas de ferro ou para cubos de madeira, moen-
das c meias moendas, tachas de ferro batido e fundido de lodos os Unannos, guindastes, guin-
chos e bombas, rodas, rodetes, aguilhes e boceas para fornalha, machinas para amassr man-
dioca e para descarocar algudo, preneas para mandioca e oleo de ncini, portes gradara, co-
lumnas e moinhos de vento, arados, cuUiva.loies, pdntes, -aldeiras e tanuues, boias, alvarengas.
botes e lodas as obras de machinisrao. lixecuta-se qualquer obra seja qual fr sua nalureza pelos
des'nhosou moldes que para tal lim forera apresentados. Recebcra-se encommendas neste esta-
iieleciraento na ruado lrura n. 28 A e na ra do Collegiohoje do Imperador n. 6
xeiro do estabelecimento Jos Joaquim da Costa Pereira, com quem os oretende
entender para qualquer obra.
Ferros de en-
gommar
econmicos
a 5/jlQOO.
Estes magnficos fer-
ros achare-se a venda
no armazem de fazen-
das de Ka; mundo Car-
los Leile da Imperalriz n. 10.
Trapiche de depsitos, al-
fandegadon. 19.
Liargo da assemWfca.
Ha conlinuaineole para vender nesle trapiche
saceos de feijio mulatinlio muito novo com 6 al-
queires, farinha de mandioca de diversas quali-
dades, milho, faielo superior em saceos muito
grandes, arroz do Maranhao, cera de carnauba,
'M
O)
^K6
5WSJS
SVft)
NW")
-cvw.l
VJJ-i
GRANDE ARMAZEM
DE
raf

fc\VMi
>'Sfr
-SWi*)
JSSS
Ra Nova n. 47, junto a igreja da Con-
ceicao dos Militares.
Grammacaingle-
za de Ollendorff.
Novo metliodo ptra aprender a lr
a cscrever e a fallar inglez em G mezc,
obra inteiramente nova, para uso ||||! todos os estabelecimentos de inslmcro.
^^ pblicos e particulares. Vende-e na
1: praca de Pedro 11 (antigo largo do Col-
tm
Acha-se na direccao da oflicina deste acreditado armazem obabil W
^S artista Francisco de Assis Ave-llar, antigo contra-mestre do fallecido ifg:
sg Manoel Jos Ferretra. O respeitavel publico continuara' a encon-
g|<| trar em dito armazem um grande e variado sortimento de ruupas %&& !dt
^ fetas, como sejam: casacas, sobrecasacas, fraques, paletotsde panno SlS
legio) n. 37, segundo andar.
lili:
CAL DE LISBOA,
nova e muito bem acondicionada : na ra da Ca-
deia do Recife n. 38, primeiro andar.
Vendem-se
Relogios de uro.)p ,
Scllinsiiglczcs.. .jIalc,Ue-
Noescriptorio do agente Oliveira.
omoradia do cai-
tcudenles se podem
|||| pardo, brancoe de cores, colletes de velludo preto e decores, ditosde flP
j gorgurao, ditos de setim preto e branco, ditosde merino para luto |j
cobertos e descobertos, pequeos e grandes, d*
ouro patente inglez, para hornear d senhora.,
|^g i de um dos melhores fabricantes de Liverpool,
vindos pelo ultimo paquete inglez : em casa di
Southall Meliors& C."
Admirarais remedios
americanos.
sgp ditos de fusto branco e de cores, paletots, casacas, jaquetas, calcaste
f$2% e colhetes para meninos de a 12 annos, camisas, seroulas, chapeos ^<- Todas as casas dc fam,'lia senhores de enge-
^ e gravatas pretas e de cores, libres para criados, fardamentos para lP nh' fazendeir0?- 1*-. devera estar prevenidos
3S3S a guarda nacional da capital e do interior p|c com esles ri'medlQS- So tres medicamenios com
S Apromptam-se becas para desembargado.es, lentes, juizes de di- g ^ST Se CUia cficazmele P""'Pes mo-
=, re't municipaes e promotores, e vestidos para montana. Naoapra- ?^ I
e-se
Fazeodasporbaixos precosGraixa em bechigas esebo
Ra do (jueimado, loja
de 4 portas n. 10.
Anda reslam algumas fazendas para concluir
a liquidaco da firma de Leile & Correia, asqu3es
se vender por diminuto preco, sendo cutre ou-
tras as Si'guintes:
Chitas de cores escuras e claras, e covado
al60rs.
Ditas largas, franeezas, linas, a2ie2C0.
Riscados francezesde cores Gxas a 200 rs.
Cassasde cores, bons padroos, a 20.
Drim de iiuho de quadros, covado, a 160 rs.
Brim trancado branco de linho muilobom, va-
a, a t$GC0-
0 irles do calca de meia cascmlra a 2g.
Hilos de dita de casemira de cores a 5j).
Panno prelo lino a 3j e 4J.
Meias de cures, finas, para humera, duziaa
1*800.
Grvalas de seda de cores e preas a 1JJ.
M ias brancas linas para seuhora a 3g.
Ditas ditas mulo finas a 4$.
Ditas crqas finas para humera a -ig.
Curtes de colletes de gorgurao de seda a 2{*.
C imbraialisa fina transparente, peca, a -19-
: \ preta lavrada para vestido a JGOO c 2g
C irles de vestido de seda preta lavrada a I63'
150S de chita a 100 rs.
Lia de (na Iros para vestido, covado, a 500.
Peitospara camisa, um, 320.
C titafranceza moderna, lingmdo seda, covada
.1 rs.
ntremelos bordados a 200 r.
nisetas 1 ira senhora 1 640 rs.
Ditas bordadas finas a 2g500.
ru ilhas de Iiuho para mesa a 2 e 4S.
Camisas de meia, urna CO rs.
Le ios de seda para pescoco de senhora o.
560 rs. '
\ sudos brancos bordados para baptisar crian.
gas a 5*000.
Corles Je calo de casemira preta a G#.
1.hales de merino com franja de seda a 55.
C irles Je caiga Je riscado de quadros a 800 rs-
Merino verde para vestido de montana, cova-
.. 1-
Lencos brancos de corr.braia, a duzia, 2}.
Cabri let
novo c moderno : vende-se na ra do Hospicio
numero 21.
MALICIOSAS E IAFALUYEIS.
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitos paracamisas,
Biscoutos.
Emcasa de Arkwiglit & C, ruada
Cruz n. 61.
^ dando ao comprador algumas das roupas eitas se apromptarao ou- & 3SS tras a 8eu lost0' luer com fazenda sua ou do armazem para o que K
=9g tem escollados e habis ofTiciaes, dando-setoda e cjuclquer roupa no S^s
^^ dia convencionado. ^;
era paes e em rama, em porces e a retalho : na
ra do Urum n. 16, armazem.
gasa m^ $m$ mmmmm
%. As melhores machinas de coser dos mais'
C^"
Loja de marmorej
I Ra Nova.
9* freguezes e ao publico em geral, que re-
E cebendo por todos os paquetes fazendas
?,.; de moda*, acabam de receber entre mui-
<> los artigos o seguinle :
Hj Vestidos ricos ue blond para casamento.
^ Dilos de gorgurao de cores, lecidos com
;a velludo em allorelevo=a duqueza de
;t ComberlanJ.
p| Ditos brancos bordados para soire.
yi Hilos dilos dc cambraia.
H Ditosde cores de phanlasia.
% Manteletes, chales runds e peregrinas
^ de velludo egrosdenaple prelos.
n Bournus do cachemira de cores e de se-
3?j I da de cores.
!;) i-h;
lapelinasde palha de Italia e seda.
i Calcado para seuhora do afumado fabri-
> cante Jolly.
' Dito para meninos.
I Casavequo de la para meninos de ambos
os sexos
9$
JW-MO
1
afamados autores de New-York, 1.1
M. Singer & C. e Wheeler SiYVilson
Nesle eslabeleci- i
menlo vendem-se asi
machinas destes dous
autores, moslram-se a !
qualquer hora do dia ou
da noiie, e responsabili-1
samo-nos por sua boa
quelidade e seguranca ;
no armazem de fazendas !
do Raymundo Carlos
Leile & Irrnos ra da
Imperalriz n. 10, amigamente aterro da Boa-
Vista.
Calcado francez !
barato.
Bolinas de setim branco e prelos para senhora. i
Dilas de lustre para homem a 7$000.
Ditas Je dito para senhora a 39. *
diiis de Jilo para menina a 250OO.
Ditas lodo de duraqne para senhora a 2g.
Dilas de setim branco a j*.
Sapaloes inglezcs de vaqueta para homem a 53.
Dilos de lastre rom borracha para homem a 5$.
Dilus de Jilo para menino a :|^J
Dilos Je Nantos de bezerru para hornera a
3X500 ; na ra do Cabug 11. 16
Progresso na cidade da Victoria
DE
Francisco Xaxicr de Salles Cavalcantc de Almeida
NO &
Pateo Aa eira.
0 proprelatio deste estabelecimento, como se a cha com um grande o completo soni- I
ment, ledenla a manados, ferrage.is e miudezas convida porlanto a lodos os moradores
desia cidade da Victoria, senhores de engenho e lavradores queiram mandar suas f|
encommendas 110 Progresso do pateo da Feia, pois s ah enconlraro o bom e barato, g
visto o proprietario estar resolvidoa vender, tanto em grosso, como a retalho, por menos |
do que em oulra qualquer parle como sejam :
Latas de marmelada de 1 2 libras a 1400, frascos com differentcs qualidades de doce
por 25000, latas de soda con leudo nove qualidades a 2000, azeilonas muito novas. I
passas de dilas, vinho de todas as qualidades de 500 a 2;>00 rs. a garrafa, licores |
francezes de loiasas qualidades, champatilie, confisque de ditas, louc,a lina, azul,pintada, f
e branca de todos os padroes, ameixas em compateiras e em latas a 15000 rs. a lil
paleiras e em latas a 1C00O rs. a libra,
latas de peixe de poslo por 2000 rs banha de porco refinada, ararula, fatias, bolachi-
l nha ingleza, biscoilinho, eoulras mais qualidades de massas finas, massa de tmale em
[^ ltase a retalho, letria, macarrao, lalharim a 800 a libra, verdadeira gomma de aramia,
9 insenso de ludas as qualidades, espiritov de cravo, canella, ealfazema, verdadeiros pentes
^ a imperalris, e de tartaruga de 9->000 a lCO cada um, Irania e franja de seda, fe-
p? chadoras de broca, pregos em quanlidade de lodos os lmannos e qualidades e outros
j3 muitos objeclos que por se lomar enfadonho deixa de os mencionar,
luiTda Seiizala Hora n.42.
Nesle estabelecimento cutinua a haverum
comapletosorlimentodi! moendas e meias moen-
das para euScnho, machinas de vapor etaixaa
de ferro batido e eaado. de lodos es l.imanhos I bonitos, fortes e baratos para compras, para eos-
para di
PS3S 8&SI6i66ie
Approveitem aoc- Tachas e moendas
casio.

aitfc^rT :.-= -v v
Paslilhas vegelaes de Keuip
contra as lombrigas
approvadas pela Exm.' inspeceo de csludc de
Habana e por muilas ouiras juncias de hvgiene
publica dos Estados Unidos e mais paizes da A-
meiica.
Garantidas como puramente vegetces, agrada-
daveis vista, doces ao paladar, sao o remedio
infallivel conloa as lombrigas. Nao causam
n, neni sensaQoes debilitantes.
Testemunho exponlaneo em abono das pasti-
lla s de Kemp.
ron 12 de abril de 1859. Senhores. As pas-
tillas que Vmcs. fazem, curaram meu filho ; o
pobre rapaz padeca de lombrigas, exhalava um
cheiro fedito, linha o estomago inchado e con-
tinua comtcho 110 nariz, tao magro se poz, que
tu leinia perde-lo. Nesias circumslancias um vi-
sinho meu disse que as paslilhas de Kemp ti-
nliam curado snafilha. Logo que soube dsso
comprei 2 vidros depasttlhas e com ellas salvei a
vida de meu filho.
Sou de Vmcs. seu amo agradecido.
W. T. Floyr.
Preparadas no seu laboratorio n. :iG Gold
Streel pelos nicos proprietarios D. Lanman a
Kemp, droguistas por a lacado em New York.
Achara-se venda em lodas as boticas das
principaes ciJadesdo imperio.
DEPSITOS
Rio de Janeiro na ra da Alfandega n. 80.
Babia, Germano & C., ra Julio n 2.
Pernambuco, no armazem de drogas de J. Suum
& Companhia ra do Cruz n. 22.
Marmelada
Na ra Direita n. 6, vende-se para liquidar a
l$a lata com 2 libras.
Parahyba.
Vende-se o engenho Torrinha distan-
te d sta cidade duas leguas por trra,
tem terreno para dous mil pSes or an-
uo e boa casa de vivencia assobradada
boas obras, tem embarque no porto dis-
tante do engenfio 112 quarto de legua
do rio Parahyba eem menos de 3 horas
sevem a cidade: quem o pretender di-
rija-se a Joo Jos de Medeiro Correia
i C que dir' quem o vende.
I Gulla-perclia.
y Rocebeu-se novo sorlimenlo decapas,
^ perneras e sapalos de guila-percha (vul-
<& garmenle borracha.
Lojaderaarmore.
Vende-se t nfinacao da ra dos Cuarara-
pes n. 10 a tratar na mesma.
C;IEKEMP "UEYffORK)
PILULAS VEGETAES
ASSLCARADAS
YJ
Braga Silva & C.lem sempre no seu deposito
da ra da Mceda n. 3 A,um grande sortirnenlo
I. chegado loja da diligencia, na roa doQuei-i de tachase moendas para engenho, domuilo
'acreditado fabricante Edwin Maw a tratar no
mesrao de osito ou na ra do Trapiche n 4.
Em casa de N. O. Biccr & C,
succcssoies, ra da Cruz n. i, vende-se
Vinho Xerez em barris.
da
Farinha de mandioca.
superior quali-
hialo -Ilusa e
Prompto alivio deRadwav.
Inslanlaneamenle alivia as mais acerbas dores
; e cura os peiores casos de rheumatismo, dor de
cabeca, nevralgia, diarrha, cmaras, coliras, bi-
lis, indigestao, crup, dores us ossos, conlus 1
I quemadura, eruproes cutneas, angina, releo
cao de ourina, etc., etc.
Solutivo renovador.
Cura ledas as enermidadesescrophlosas.chro-
nicas csyp hlilicas; resolve os depsitos de raaos
; humores, purifica 9 aaaftne., renova o svtl,Bia
, prompto e radicalmente cura, escrophnU.vene-
, reo, tumores glandulares, ictericia, dores de os-
! sos, tumores brancos, afecroes do ligado c rins,
! erysipelaa, abeessos e ulceras de todas as classes*
molestias d'olhos, difficuldade das regras dar
mulheies, hipocondra, venreo, ele.
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regularisar o systema, equilibrar a circula-
caodosangue, inteiramente vegelaes favoravei
i em todos os casos nunca occasiona nauzeas ne
i dores de venlre, dses de 1 a 3 regularisam, do 4
la 8purgara. Estaspilulas sab cfTicazcs as affec-
|coea do Bgado, bilis, dor de cabera, ictericia, in-
digestao, e em todas as enfermidades das mu-
; Hieres, a saber : irregularidades, fluxo, rct.-n-
i roes, flons brancas, obsiruccoes, histerismo, etc.,
sao do mais prompto efleito na escarlatina, febre
, biliosa, febre amarella, e em lodas as febres raa-
| ignas.
Esles tres importantes medicamentos vena a-
; companhados de instrucres impressas que mi
, Iram com a maier oiinucosidade a maneira dc
' applica los em qualquer enferniidade. Es la o ga-
rantidos de falsifiea.jao por s ha ver renda no
armazem de fazendas de Raymundo Carlos Lriic
\ lrmao, na ruada Imperalriz n. 10, nicos
agentes em Pernambuco.
Sitos colares dc krilkanles
tura e para guardar roupa, assim como muito
lindas Ceslillhaa para meninas Irazerem no bra-
co, dilas para se mandar presentes, dilas para
se lerem com fructas em mesa, dilas para lalhe-
res, e outras muilas obras que com a visir os
compradores veao : na ra do Queirnado, loja Champanha em caixa de 1 duzia
Forle do Maltes, laro da Assembla
da diligencia n. 65.
II i"
acreditada marca Farre : C-, vinho
de superior qualidade.
Conhac em caixas de 1 duzia.
Vende-se em casa de Saunders Brothers & Vermouth em ditas de ditas.
C, praca do Corpo Santo, relogios do afama Ferro da Suecia.
do fabricante iloskell, por precos commodos,
e tambemlrance.llins e c&deias par* os mesmos,
deeicellente xosto.
UI.ICA VEDADIRA E LEGI
TIMA.
Ac de Milao
Brilhantes de todos os tamanhes
Liquidar

Vende-se farinha de mindorH.
dade, vinda do Maranhao, pelo
brigue escuna Graciosa : nos armaxensdeHa-inr-avfiic A CUmnlirks [nn|l,
chado & Dantas e Antones OuimarSes 4 C, no 1,,LMU'S JOUClOlS, Joalllr:-
ros de Pars.
19Ru do ImperadorII).
Primeiro andar.
Teem a honra de participar ao respeit.rvel pu-
Wico jlesla cidade, quechegaram com um ri
vanado sorlimento de joias modernas. Ci ;:
do brilhantes, aderecos, pulseiras, alOnetes, ar-
golas, eruzes com Dos dn peroles, aunis etc.
etc., brilhantes, coraes, pcrolas, rubis. esmeral-
das, etc., ele.
Correntes sultanas, modernas, para
senlioras.
Relogios
Suissos. I
Em casado Schafleillin4C, ra da Cruz n.;
38, vende-se um grande e variado sorlimenlodei
relogios ue algilieira horisontaes, patentes, chro-1
nometros, meios chronometros, de miro, prala
dourada efolheadosa ouro,sendo estes relogios!
dos primeiros fabricantes da Suissa, que se ven-
ueao por preros razoaveis.
>s5i .:-.-
Na loja ao pe do arco de
Santo Antonio.
de laa e seda com 3 baba-
Cortes
y
Recebiu-se novo soilimenio de boni-
tos leques e braceletes desndalo '
LOJA HE MAllMdliK.
Sndalo.
NEW-YORK
O MELHOR REMEDIO COMIECIDO
Contra conuipafoes, ictericia, affeerdes do /gado,
febres biliosas, clicas, %nd'igesloes
enxoqvecas.
flemorrhoidas, diarrha, doencas da
pelle, irupooes.e todas as enfermidades,
-ROVEMKNTKS 1)0 ESTADO ISTCRO DO SANGIE.
SALSA RARlilLIIA
DE
' fi i
Remedio sem ifjual, sendo reconhecidos pelos
mdicos, os mais mnenles como remedio infal-
livel para curar escrophulas, cancros, rheumatis-
mo, enfermidades do ligado, dyspepsia, debida-
claJe geral, febre biliosa e inlcrmillente, enfer-
midades resultantes do emprego de mercurio,
de chita franceza para vestido
a 28500.
Vendem-se na ra do Qncimido, loia n. 18 A,
esquina li: Almanak deCasli-
lho para 1861./
...abara de chegar Je Lisboa estes nwossan-
Chaly de duas larguras com hstras de seda, co-j tes almanaks, e vendfm-se na livraria ojsimmi-

. .
Cortes de vestidos
dos a 2"0U0.
Ditos de cambraia e seda a \H.
Chales de merino com palma a Cj.
Dilos de chnly muilo linos a 6.
Chales de cambraia Je seda estampados a
Vestidos do seda para menina a 14$.
Dilos brancos para baplisado a 1-ly.
Orgaodys niuilo linos, a vara 6<)0 rs.
Cambraias Je cores, a vara 5(0 rs.
vados a lg.
Manguitos com golas, o par 5S.
Chapelnas mulo novas para senhora a IS;.
Brilhanlina de vara de largura, covado 600 rs.
I.aa e seda para veslido, covado 640 rs.
Crosdenaple de lodas as cores, covado l;?S0O.
Sedas de quadros, covado 1;200.
Ditas a 1$.
Acabara de chegar
s almanaks, e vene
ca ao p do arco de Santo Antonio ; lambe'm se
endem collecres completas dos
os commodos, na u.esma livraria.
r.
Vende-se um terreno na ra Imperial com
110 palmos de fenle, proprio e prompio ^i i dili-
car-sa, com loJos os fundos ou parte como con-
venha ao comprador, proprio para qualquer es-
labelecimenle ou fabrica, com porto atraz, n
boa vista : a fallar com Victorino Francisco dos
Santos, na mesma, casa envidracada rom
azul ao p do porlo de ferro.
EseraTQS fgidos.
Fugo oescravo de nome Cesaiio, idade de
vinlee lautos anuos, pouco mais ou menos, es-
tatura mediana e reorcado, bons deules e lima-
! -rs^^f^tei! <*&>** i ts^s^JiasS'SM POD,a Q
Relogios
de lodas as qualidades, curo e dourados
para
un) pouco
i arqueadas, lilho do .Sobral Cear) ; porlanto
roga-se aos capilaes de campo, s autoridades
' policiaes, e qualquer pessoa que o possa encon-
| Irar, o apprehcudam e o levcm a sua senhora, i,o
caes do fiamos, sobrado encarnado, que sero
quem o liver
ulceras e ernicoes que resultara da impureza do Corles de vestidos de seda, fazenda dc costo' homens e senhora?, ludo por precos muilo ra- ; gralihVados ; e se protesta contra
sanue> r 70SO0O. zoaveis. | acontado _em sua casa. ^
CMTFI \ Veras dc esguiio de algodao 3^800 ; e outras
t% tt t V- ". muilas fazendas que se dcixam de aununciar por
l). 1. Lanman Kemp, droguistas por ala- nao haver lempo.
cado New York, aegam-se obrigados a prevenir, ni a
Vinlio de Bordeaux.
Sao agradiveis ao paladar, seguras e eficazes
fm sua operagao, um remedio poderoso para a
Juventude, puberdade e velhice.
Lea-se o folheto que acompanha cada caixa.
pelo qual se ficar conhecendo as mutas curas
milagrosas que lem effetluado. D. T. Lanman
& Kemp, droguistas por atacado emiN'ew York,
sao os nicos fabricantes e proprietarios.
Acham-se venda em lodas as bolicas das
principaes cidades do imperio,
DEPSITOS.
Rio de Janeiro, na ra Alfandega n. 89.
Balda, Germano & C. ra Julio n. 2.
Pernambuco, no armazem dc drogas dc J. Soum
& C, ra da Cruz n. 22,
Pechincha sem
igual.
Superiores corles ee chita larga franceza com
muilo lindos padroes, havendoentre ellas miu-
dinhds e outras de quadros muito modernas de
11 eovados cada corte pelo baralissimo preco de
2>500 : na loja do sobrado amarello nos qualro
cantos da ra do Queirnado n. 29 de Jos Morei-
ra Lopes.
deaux. Tem as seguintes qualidades :
De Brandeiiburg frres.
Vende-se urna grammatca latina, urna se- l'"u6io honicm 15 do correle, pelas 8 hora?
leda, um saluslio c Virgilio, ludo usado na ra ua n01lp- do sobrado defronle do viveiro Jo Mu-
Dlreila o. il). ,nz> a escrava parda de nome Ilnimunda, perten-
^ cente a Sr.a D. Isabel Rnimunda dos Santos Ti-
Veudemse saceos com farinha de nheiro, com idade de 20 anuos, estatura regular,
75 000 ca.xasdeste remedio conson,mem-se ^ '- gSs^ ^ a ^ ^t tT *,Bffl flC BOrflCaUX. mandioca, d,tos com fardo de Lisboa e I--"-'" vestido novo deriscado encarnado! rol
annualmentel lenucs inniacoi.s ua Salsa ramina de uristol, | ... selas as orelhas, sapalos de marroquira verde
Remedio la natureza ; que hoje se vende nesle imperio, declarando a1 Em casa de Kalkmann Irmaos&C, ra da mano, por menos preco que se-vende e urna ironxa com a sua roupa do uso Esla es-
Approvado pela falcuJade* de medicina e ro-1l0,los 'lue sa ellcs os u,,il'os proprietarios da re- Cruz n- 10- encontra-se o deposito das bem co- em outra paite : na ra do Ilangcl n. crava viera do sertao e fdra comprada pela m< -
commendado como o mais valioso catrtico ve- 'ceila do Dr" Bristo1 .'endo-lhe comprado no an- nhecidas marca dos Srs. Drandenburg Frres. G2, armazem.
gclal de lodos os conhecidos. Sendo eslas pilu-! no ,,e 1856- e dos Srs- Oldekop Mareilhac & C, em Bor-
las puramente vegelaes, nao conlem ellas ne- (-asa Renliuma mais ou pessoa alguma lem
nhum veneno mercurial nem alguin outromine- dxTe0 de fabricar a salsa parrilhadeBrsiol, por-
ra/; estao bem acondicionadas era caixas de follia 1ue se8r-'J Je sua preparado acha-se soraen-
para resguardar-se da humidade. te em poder dos referidos Lanman cv Kemp. s," ,.
Para evitar engaos comdcapreciavescombi- J--_ "
n3Qoes de drogas perDicio:as,as pessoas que qui-
zerem comprar o verdadeiro devem bem observar (-(.-[pa i l -n
os seguintes signaos, sem os quacs qualquer ou- chLcau l\nl'
ira preparaca falsa; | Lhdlcau Margaux.
De Oldekop & Mareilhac.
SI, Julien.
1* O envoltorio de fora est gravado de um la-
do sub urna chapa de ac, trazendo ao p as se-
guintes palavras :
D. T. LANMAM & KEMP
SOL AGKNTS
N. 69 WATER STREET.
Tiew-YoTl.
s O mesmo do oulro lado lem um rotulo em
St. Julien Mdoc.
Chateau Loville.
Na mesma
vender:
Shcrry em barris.
Madeira em barris.
casa ha para
Bichas de Hamkrgoa
Sodr &C.
R va estreita do IVosario
numero W.
namlia : pede-se, pois, i polica ou a qualquer
oulra pessoa que della liver noticia, bajara de a
apprcndere leva-la ao sobrado da ra do Impe-
rador (aiiiiga do Collegio; n. 81, no primeiro an-
dar, que ser recompensado o aprcliensor.
Fugo no dia 19 de junho prximo passado,
do engenho Bom Successo do termo do Seri-
nhaem, o escravo Daniel, preto fula, crioulo, Ct
idade 20 annos, pouco mais ou menos, alio, .'ec-
co, bem espigado, cabeca pequea, feicdes regu-
lares, bem feito de corpo,
Aavisi-se aos senhoros barbeiroz desta pro- i are,V -f1" '",0 e C0^p0 pCS e IflaS-S(',,,,'i'9e
vinciae das provincias visinhas, como sejam Pa-':.ni,r.e1.tas- 's,e cscravo Pr?cuou. ao Sr. P. V.
raiba, Rio Grande do Norte, Cear e Alagos,
que no sen eslabelecimenlo existo sempre um
papel azul claro cem a firma e rubrica do3 pro- Cognac em barris qualidade Dna.
prielarios.
3 Sobre a rolha acha-se o retrato e firma
do inventor C. C. Brisiol em papel cor de rosa.
4o Que as direecoes juntas cada garrafa
tem urna phenix semelhanle a que vai cima do
prsenle annuncio.
DEPSITOS.
Rio de Janeiro ra da Alfandega n. 89.
Babia Germano & C. ra Julio n. 9.
Pernambuco no armazem de drogas dt J. Soum,
C ra da Cruz n 22.
Cognac em caixas qualidade inferior.
Cerveia branca.
Venda de predio.
AnJa em praca pelo juzo da primera vara ci-
vel, para ser vendida, urna excellcnte casa terrea
na ra do AragSo (freguezia da Boa-Visla) dc n.
31, a qual lem 32 palmos de freole e 80 de fundo,
cozioha fra, quintal murado, cacimba proprii,
fnrpirna cuja casa Ta praca para pa-
grande deposito de bichas de llamburgo, e que
vendem-se por preco muilo mdico niio s a re-
talho como por atacado.
Vende-se urna canoa abcrla, propria para
carga e descarga dequoesquer objeclos, sendo a
dita de boa construccao, e juntamente madeiras.
Bulelrou, rendelro do engenho S. Joao do Calu,
pare o comprar, e nao querenJo o dono vnde-
lo, mandeu bscalo, e na chegada dos portado-
res, c escravo desappareceu ; julga-se que an-
dar o dilo escravo as visinnancas da villa Jo
Cabo, ou do mesrao engenho S. Joo, ou do en-
genho Barbalho, onde tem muilos contiendo?,
pois que frequenlava e.ses lugares quando foi do
Sr. Jos Xavier da tto. ha Vanderley, hoje n:o-
estando mui propria para olara por pegar 3,500, redor no engenho Serrari3 : Pede-so as aulori-
tijolos do alvenaria grossa, pois j foi experi- j dades de polica do termo do Cabo a captura des-
mentada : a tratar com Joaquim Jos dos Santos,; te escravo, o aos capilaes de campo ou qualquec
pessoa que oconheca, de pega-lo c levar ao en-
genho Serrnha de Serinhaeni a seu senhor* Fran-
cisco Manoel Wanderley Lins, ou nesta cidade
po Sr. Manoel Abes Ferreira, na ra da Moeda
n. 3, segundo andar.
Ausentou-se no dia 16 do corrente a escra-
va crioula por nome Ilypolila, moca, magra, e
chaos foreiros
gamenlo de credores, e se acha livre desemba- Formosa, segunda casa trrea se dir quera ven-
racada : quem a pretender, pode ir ver, e logo de : na mesma casa se vende urna urna dejaca-
sei annunciado o dia da ultima praca.
em seu estaleiro em Fra de Porlas.
Botinas de Mili.
Na loja de Burle Jnior & Martins, na ruaMo
Cabug n. 16, existe um completo sorlimento
deste coleado, recebidos pelos ltimos navios do
Havre, assim como sapalos Dnos para dansa, do de estatura bdixa, tem" falla d denles a frente'
xiesmo fabricante, e outros calcados grossos para levou vestido branco com 2 babados c panno da
o invern, e muito bonscharulns da Babia. Cosa azul ; provavel que esteja acoulada para
Vende-se urna parro muilo boa cozinheira e i as bandas da Ponte de Ucho3 ou Parnameirim,
urna negrinha de II annjs, linda figura : na ra porque foi escrava do fallecido padre Alexandre,
e lem muitas relacoes nesses arrabaldes : quem
randa para ossos.
a pegar, leve-a ruada Concordia, segunda casa
terrea alem do armazem do sol.


(*)
DIARIO DE PERNAMBCO. SEGUNDA FE1RA 30 DE JULHO DE 1860.
Litteratura.
TenJo o nosso collaborador o amigo, Mr. Er-
nest Renn, publicado no anno passado urna no-
va traduco do livro de Job, vai agora expdr ao
rublico em casa dos livreiros Miguel Levy e Ir-
mos um novo trabalho que nao menos allrahir
asilencio do mundo sabio o leltrado ; a Iradu-
duqo, que elle leve a bondade dccomuiumcar-
nos.
S de Sacv.
PREFACIO.
Israel deixava-se algumas vezcs desviar de
seu alio desuno, e durante seculos vio-se esque-
cer esle povo a misso religiosa, que liuha sido
chamado a cumprir. A juda, tornada a- Terra
:o .lo Cntico dos Cnticos, con um prefacio e Z^Z^Z^a ""iS '""T
uma iolroduqo critica. I Ti g? 2 Pa, de "cfrdolM e P50phe"
us, c lodos os uionumenlos da litteratura hebrai-
De lodos os livros, que conipoe a Biblia sagra-; ca sao a primeira vista livros santos; mis esla
da, nao ha um que mais leuha-se prestado a in- uraa Hlusio, que resulta do prejuizo, que nao
terpretaces e dispulas do que o Cntico dos Can- permitte-nos ver as grandes cousas mais do que
M, crondo muitos piedosos e sabios persona- mesmo principio que hes tez a grandeza. Ura
gens achar nello a mais sublime expressio des- l>sludo alten' porm desses esenptos, publicados
sea transportes myslicos. que chamam a alma 3o
seio do Creador, e oulros, principalmente nestes
ltimos lempos, nao vendo nelle mais do que um
canto profano, uraa pintura mais ou menos de-
licada do amor sensual. Em nome da philoso-
phia (que philosophia, grando Deus'.), em nome
de grosseiros o tolos gracejos vieram manchar o
rnonumeuto, sobre o qual tinham tantas piedosas
e castas lagrimas corrido 1
Adoptando a inlcrprclaqo Hilera!, que reduz
todos por sacerdotes, revela-nos numerosos tra-
eos de urna roda profana; que, nao tendo sido o
lado ma3 brilhanlo do povo judeu, foi natural-
mente laucado na sombra.
Por um milagro singular, e grecas um er-
ro, para o qual nao poderia a critica mostrar-se
asss severa, visto como ello conservou-nos o
mais curioso lalvcz dos monumentos da anli-
guidade, chegou intero at ks um livro obra
desses momentos de esquecimenlo, em que o po-
i vo de Deus deixava suas iniioitas esperancas re-
ico lf' m 'TS, n* tm?ln Cml Pe- Pusarem- d nticos nao nica
P nan e nTn, H T' *'. ^^ Profana< Kenan evita insultar a nlernrelacao ivtiri S>i> i .
,,_, ...,, .- "-nn^aomjatica. ba quella. pela qual os escribas, que decidirara da
T^ trV=ha,dLmUrCh"eSS0S -' os escriptos hebraicos, a.argaram mais
puros sonlimenlose locantes lagrimas, que essaSUas regras de admisso.
SSft- n'1SCer" *1\EmeSl ReDan Cm E-pois jnlgnei fazer .,
M rale^L 7a ""i ,,0,08!M DUn- dando dePis d Uro de Job este outro.
TJ, 'ITh. r?" ""' H" malS Se.POd0 ~ portante pe.o lado philosophico
pedir um critico e a um philosopho. O christo
e o calholtco porm rao mais longe. A E
nm trabalho til, estu-
muito
philosophico e reli-
gioso, porm essencial lambem quelle que quer
dar ao leitor um texto, que por si mesmo se ex-
pliqnc; ese livesse dido smente asegunda
forma, ler-se-me-hia cora razio censurado o im-
por minha hypolhese com a miiha traduco; se-
ria dificil abstrahir das mudabas e indicares
scenicas, o texto n nao serin fcilmente coui-
prehendido.
No partido que adoptei, pelo contrario, a ber-
dade do leitor plenamente ie3peitada ; elle se
quizer pode, lendo somente a primeira versao,
procurar estabelecer una hypolhese melhor do
que a por mim apresenlada. Vdvirto entretanto
aquelles, que quizerem tentar esta prova, que o
plano por mim adoptado 6 o que resulla do tra-
balho de muitas geraces de laboriosos inter-
pretes.
Fcil ser encontrar nelle ao primeiro olhar
partes iracas, mas se se qnizer pesar ludo e nao
ter urna exclusiva considerarlo a certos trechos,
chegar-se-ha, cu o creio, a recenhecer que ini-
possivel appresenlar uraa outra construcqao. Pi-
ca bem intendido que islo s so applica ao todo
do poema. Urna ruuildo de nuancas, na in-
terpretarlo de um livro desla natureza, deixa-
da apreciaco de cada um, e provavel al
que o autor nao tenha sobre os ponlo3, firme re-
roluqao lao eslriclamente delerninada como nos-
sos hbitos de espirito o exigem. Dous trechos
principalmente (VI, 11 e seg., VIH, 8, e seg.)
sao de urna diCQculdade exlremj.
Tenho dado a explicaco, que me pareceu
mais verosmil; mas seria presumpcio fallar de
certeza quando se trata de pedacos to obs-
curos.
Nao dissimularei um syslena. que a prin-
cipio preoecupou-se,
o lugar de Isaas, onde ella julgou v-lo anunn-
ciado ; melhor que ella tenha crido na resurrei-
cao do que lido ecomprehendido bem tal trecho
obscuro do livro de Job, na f do qual ella affir-
mou seu livramenlo futuro. Onde estaramos
nos se os contemporneos do Chjisto e os fun-
dadores do christansmo tivessem sido to bons
philologos como Gesenio? A f na resurreicao
c no Messias fez produzir maiores cousas do que
o sciencia exacta do grammalico.
A grandeza do espirito moderno, porm,
nao sacrificar uraa outra as necessidades legi-
timas da natureza humana ; nossas esperancas
nao dependem mais de um texto bem ou mal
entendido ; alm de que cada ura presta f aos
textos muilo mais do que a bebe uelles. Os que
necessilam da auloridade de Job para esperar no
Francisco Manoel do Nasciuieiilo. T
Fr. Francisco de S. Agoslnho Macedo
Jos Monleiro da Rocha.. .
P. Antonio Vioira...... ,
"8T
85
85
89
TESTAMENTO CURIOSO.
A Presse conta o seguinte facto que talvez nao
tenha precedenlo:
N'uma elegante e pequea casa situada na
estrada de Taris a Versaille, habitava havia 10
annos a Sr." C.
Vivia muito retirada, e raras vezessahia de ca-
sa, nao tendo ao seu serviqo mais do que urna
criada velha.
Passava a rtaioi parle do' terapo a let ou a cs-
crever, o quando algumas vezes vnha a Pars,
futuro, nao crcram o hebruizante, quo lhes ex- i 0ra s^ para comPrar Hvros, apesar de possuir
pozer suas duvidas e objeeqoes, o sem inquieta-! um rande numero delles na sua biblotheca.
lime KAc^nA----------------___-i______* i* a
l desenvolv-1 zend'o'pa"s7a77"
visao.
meu trabalho pela ultima re-
a tradicao collocaram o Cntico do* Canlimtpn- '__
, u i/aiuicoaen- ment do espirito hebreu.
ir os livros sagrados:e bastante para elles. I
Deizatn fallar a pliilologia, bem sabendo nao ser! A Parlicular natureza das difficuldades do (< Por mu''o lempo julguei que o nico meio
ella mais infallivel que as outras sccncias huma- Canlico d$ Cnticos obrgou-me ueste ensaio a | do remediar as perlurbaces, qae parece offere-
nas, e que a interprelaco de hoje, altiva de sua seSu>rum plano um pouco diflercnlc do que adop-i cero Pjano do canlico, era transpor algumas sce-
tei para o Livro de Job. Era nenhum delles pro- nas- E cer'o que no estado actual do poema a
pax-me fazer um commenlario perpetuo onde se- ; ordem chronologica inteirameite transtornada,
jja discutido o sentido de.lodcs os trechos dfTl- Assi|n no capitulo I vemos a doozella fazer sua
ceis; fui raramente obrigado a appresenlar no ; entrada no serralho; no capitulo III, entra ella
j delalhc interprelaroes novas ; e por tanto encon- Pela primeira vez em Jerusalem ; no VI sopre-
j tra-se a juslificacao de minha tiadugao nas nu- hendida em Sulem pela gente de Salomao ; no
inleiramente | merosas obras, nas quaes cada linha desses es- I VI seusirmaos parecem form;r urna consp'ira-
lFamDCllasinteresaZ o hMln ? V ^ i Cr''PlS anl8s 0 examinada com aesenvolvi-, Qao. cujo desfeixo constituira o do poema.
pardo^ ilicoedonti ^ ^ montos a que pouco teria eu de augmentar. No "estes dous ltimos pedacos principalmenlc que
nelle ZlfuS^w ~ SmPr q"e p0rm respeita a0 Canlico aos Canlicos cram tCl!":'a0 era orte- e confesso 1ue fu umas
nJ eV^ed^d^ : neCCS3ara3 maS a,gUmaS CXI'Uca^eS- ^S.IeVad.a "er ^ P0 -*" graves
nha ello ludo o que Ihe cusa -"- <( pIan0 da obra 'I"e no Liro de Job evi-
nividade, ser amanha talvez substituida pela
velha interpretara* tornada nova. Someule a al-
nn esclarecida pela f, nao se engaa ; e conve-
ngo perfeilamente em nao ser mais sabio nestas |
materias do que BossueteS. Jeronymo.
Nunca felizmente urna causa fica
a secura do sabio.
cupa as mais serias difficnldades ; cortamente
o grande problema da exeg-se do Canlico. Ap-
escriptor sustenta e disperta) o erudilo No' "erece no poema que desta vez nos oc-
melo mesmo dos mais ridos desertos da critica, '
conserva M. Itcnau a viva inlelligencia, o gost
puro das verdades moraes c das verdades Hilera- p,rese"tel pols ao lellor- sem rccuar nunca diante
rias; duplica facho, com o qual evita muitos ca- da.necessidad0 das mais complicadas deducoes,
chopos ; camiuha pela mais escarpada borda dos
abysmos sera aellas cahir interamente ; ou quan-
do cahe. levanta-se; ou deixa ver ao menos que
so levantar.
desordens. No momento, potu, de reaisar a
atrevida empreza de tocar em um texto lao ami-
gamente estabelecido, a mao tremeu-me. Evitei
o emprego de um meio extremo, quedeveser
usado unicamento nos casos de urna necessidade
absoluta, podendo ser o poem reduzido, nao
' toda a serie dos raciocinios,, que conduzirara-m cerlamcnlc for". que nossas ideas ixigiriara
minha hypolhese sobre a natureza do poema. f a arl dramatica mas 4 um systcma se-
0 extorco que ello faz para ser outra cousa, pa-
ra ser melhor do que um philologo e um critico ferccido uraa apparencia de snblileza.
talvez o traro dislinctivo de seu talento o si"na i mnm ,
*. nm*. do... .,. Be r ;;!; *" "ldc":: ,"!5"-"'i
E' este o objeclo do primeiro paragrapho do fit-, guldo'
oirTZ ,!? CS,aS, Parlicu,aridades a i que alguns trechos da traduco pa-
ordem. que de. ao poema, tena parecido uraa rcCerara ura tanto chocantes duas classes de
S^^J" I"!!"68 ,Cdam f- ? i P"-eiro lugar fa que admram 2a
antiguidade somente oque isemelha-se mais
a adoptar U mcn?s s formas do 8osto fr;|ncez; e em se-
o- j para a traduco um partido, que a principio sor- gund1 as que s6 lcem conhecido o canlico atra-
, u c^; ,cao nS sJi J Zl v T'P" '* Prehendera Wi as cuja utilid.de. espero re- \Cl do m^llco '** C01 1^ o lera envolvi-
S2 L^ZaTLl^ ,TSS Sa"' conl'<*er-se-ha. A traduco acha-se impressa d. a ascienda religiosa dos sollos. Estas ul-
^r S 0Z ;"1(a,arri 'iUaS "^"^ "l-' a primoira serado "'.-sao naturalmente aquella,, cojos hbitos
,, ^:ZV^IZ^T 2Kexplicaliva c dbaixo de uma forma-q,,e iuut mo vencer-
sabio, nao possamos deixar de amar e tomar em i jTm""-.""1.^ IH^.'^ -.?."!* _f!". lemo.r quo sc ,cca nesses &*
o ou sustentado as os-
ifica em
'risos sc-
soccorre-
ludo preliminar sobre o plano do poema. Se eu zeram-a conquistar rdaVes'" nuitrinpe'rmrM
s da phillologia. Melhor que a humanidade
Dito isto apprescntemos aos nossos leilores o
prefacio de M Renn e um pedazo de sua nlro-
lOLlIETIH
ORIGINAL DO DIARIO DE PERNAMBUCO-
NHA MARITIBU.
XXVII
me livesse limitado primeira forma, leria fal-
tado lomislessencial dever do tradulor, que
tenha esperado o Messias, do quo entendido bem
jimaiuo. O relalorio do Sr. ministro da ma-
rinha.Proposta do Sr. depulado S e Albu-
ipierquc.Duas palavras ainda sobre a com-
pilacaodas or.lensgcraes, publicadas recente-
:ncnte pelo quartel-general.
oes ; porque assim convm aos seus particulares ria, e que a cabala
intcresses.
Mas devem porventura estes prevalecerem so-
bre os do estado deve o paiz contemplar com
ndiliercnca um quadro rheio de nomes proprios
que, nao representa o forca, a somma de servi-
ros que o paiz presume possuir ?
Deixareos a resposta aos homens imparciaes e
sensatos: elles rellectirao que, para fallarmos
tao livremciilc acerca dcste importante assump-
to, e para aponlarmos o que nelle se enconlra
de mo, o que ha nelle de defeilos, nao podere-
mos nos eximir de tocar nos homens que eslo
envolvidos, sem que tenhamos a iotencao de
hostilisa-los, sem que llics oueiramos fazr um
mal.
rem-se cora uma variante, diro afoitamente
com a humanidade De terrd surrectus sum.
Da mesma maneira o Cntico, charo tantas
almas pias, subsistir nao obstante nossas de-
monstrares. Como uma antiga estatua, que a
piedade da idade meda livesse vestido de mado-
na, elle conservar seus respetos, ainda quando
tiver o archeologo provado sua origera profana.
Eu nao lenho por fim subtrahir venerago a
imagera feita santa, mas sira despoja-la por um
momento de seus veos para mostra-la aos aman-
tes da arte antiga era sua casta nudez......
[Continuar-se-ha.)
Variedades.
LONGEVIDADE DOS HOMENS DE
Uraa heransa assaz cnsideravel liona a tornado
rica, mas sabia fazer bom uso daquella riqueza,
porque era muito caritativa, e reparta com os
pobres grande parle da sua fortuna.
Antes de hontem (ti de junho) encontraram
esta seahora enforcada no seu quarto. Explicava
a causa do suicidio na 3eguinle carta :
Eslou desgostosa da vida e decidi-me a
Por lhe termo : e como diz o preverbio, aussi-
161 pris aussitt pendu (dito e feito) vou imme-
diatamente executar a resoluco que acabo de to-
mar.
Nao farei mentir o proverbio que uma allu-
so e que deve a sua orgem ao trgico dos tres
membros do parlamento ; Brusson, Larcher c
Tardif, que no tempo da liga foram presos s 9
horas por ordem do Seize, confessados s 10 ho-
ras, e enforcados s 11 de 16 do novembro de
1591.
E' tarabem preciso que eu confesse que lenho
uma grande predilecco pelos enforcados.
Encontrar-se-ha na minha biblotheca um
manuscripto meu, qne tracta de lodos os enforca
que dos celebres, e em se acham reunidas muitas
phrases boas e ms que lhes dizem respeito.
Devo contudo confessar|quo nunca tire a me-
nor edea de me enforcar, s agora que ludo mo
aborrece, al mesmo a leilura, mou passatempo
LETTRAS.
No ultimo meeling ou assembla que leve a
socedado ingleza de eslatislca, presidida pelo
Dr. Farr, leu o Dr. Cuy uma interessante memo-
ria sobre a duraco da vida dos homens dedica-
dos cultura das scicncias c das lellras.
Resulta do sou trabalho que estas profisses
nao obstam a que se viva muitos annos ; deduz-se
efTectivamente delle que no seculo 16." a vida : favorito, resolv por termor existencia o qu
media dos escriptores foi de 6i annos : no secu- farc apenas acabar de cscrever esta carta,
lo 17. de 03 annos e no seculo 18." de 65 anuos j Desejo que a corda de que mo servir, s'eja re-
Tomando ao acaso, 21 nomes de escriptores Parlida eQtre os visinhos que ocupam as duas
porluguezes, de dillerenles pocas, apuramos os ;casas conliS"as minha, que ludo o que eu pos-
annos que viveu oada um, e sumando-os todos, suo seJa realisado, que da somma que sc rcali-
achamos 1636 annos, divi timo-Ios depois pelos sarse estabeleca uma penso vitalicia de mil
francos minha velha croada, o que o resto da
minha heranca seja dividido pelas dez familias
2 e acharaos 70no quocicnte.
Esto resultado mais favoravel lonjrevidade
: mais pobres das circumvisinhancas, das quaes
que o do Dr. Cuy mas menos concludente, por |um dos niembr0S( pac> me. filho ou filha ir-
se bascar em ura l.mitad.ss.mo numero de factos ; mj0 ou irm5a> se enforcar depois do dia do
apresentamo-lo, anda assim como simples cu- meu fallecimento.
riosidade.
Fr. Bernardo de Brito morreu aos 48
P. Jo5o de Lucena....... 50
I.uiz de Caines........ 55
JoaoBaptista de Almeida Garrel. 55
D. Francisco Manoel de Mello. ... 55
J*cintho Freir de Andrade. ... 60
Duarte Ribeiro de Macedo..... 62
Franciscf de S de Miranda. ... 63
P. Manoel Bernardes...... 66
D. Frei Fortunato de S. Boavenlura. 66
P. Jos Agostino de Macedo. ... 70
Ferno Mendes Pinto...... 71
P. Antonio Perera do Figueiredo. 72
Antonio Ribeiro dos Santos. ... 73
Joo de Barros...... 74
Andr de Rezendc........ 78
D. Fre. Francisco de S. Luiz. ... 79
Alfonso de Albuauerque...... 80
D. Francisco Alcxandre Lobo. ... 81
Flix d'Avellar Brolero...... 84
annos

















O commlssario de polica, ou outro qualquer
agente superior da auloridade, que tomar co-
nhecimenlo do meu suicidio, encarregado da
execur-ao do que deixo declarado, ficando assim
nomeado meu nico o verdadeiro lestaraontei.
ro.
Parece que a fortuna de mad. C. sc compu-
nha em grande parte de rendas vitalicias, de
sorte que feilasas contas, pouco iicara para cum-
prir a sua ultima volitado.
Bem e extravagante era o modo depensarda tal
mad. C. Nao lhe bastava a mana de se sui-
cidar e ainda por ultima vontade quera que mais
dez suicidios se succedessem ao seu !
Cada doido sua mana.
CURIOSIDADES DE ESTATISTICA.
DifTusao das linguas.Conlara-se na Asja 143
dialectos diflerentes : na Europa 53, na frica
115, na Oceana c na America 422.
Lma materia
como a lei
se nao lao difficil de resolver
Desejamos sra, e com lodo o empenho, ver a
nossa marinha de guerra superiormente orgaoi-
sada, bascada era alicorees solitos, que possam
resistir ao embale dos lempos, e aos desatinos
t pronunciar-so sobre o assurapto. S. Exc.
,- I3,!: Uma 0U ulra.cou,sa deve ser feita j, de- menos explcito que seus antecessores, mas com
veoecupar a atlencao do corpo legislativo este '
auno
iis suas ex-
te se pratica em varios estados martimos
Deixariamos livre ao oITlcial continuar em se-
melnante coramisso,depois daquelle prazo
porm reformando-se.
O mesmo pensamos acerca
de oulros servicos
1a
dos homens.
Ambicionamos
ardenlcmcnlc concorrer
-... ---.... ...vAih\.t*t\.ti\is cutiL-uiici para
i nLP^i,D050es, na- ?'en0S delicada ef,la S0lld3 organisacao ; e perianto, fechando os
tiaua do que ella, e a que vai fazer o assump- olhos a todas as consideracoes pessoaes para
toda presente Resenha. abri-los somente. e rnm tmia ,fn,n, .K1,
somente, c com toda a forca, sobre o
cao, mas da qual, um esforco heroico pode lam-
bem levanla-la triumphante", se sa tomarera pro-
videncias acertadas, ainda que eiergicas, que a
faeam renascer mais brilhante, como a Phenix
das cinzas.
Ora, o que dissemos cima, anda affirmaraos
nojc : o quadro da marinha nao est bem cons-
tituido ; elle necessita da reforma que propoze-
mos. '
Deve constar del almirante, 2 vica-alrairanles
4_chotes de esquadra. 8 chefes de divisao, 16 ca-
. ludo raostra-se alfeclado dasituac
porque questao de momento, remedio pressoes :
que a actualidade reclama, se que so pretende I A experiencia tem mostrado que as classes
di.3 luLV Lla -? qUal arrera5Jo de marinha! mais elevadas, ainda quesejam preenchidas, nao! estranhos VepVr't'i'cio."como po'r,'"e"emp'lo,,V
de guerra quo existe, e que passa por uma crise | satisfazem s necessidades do servico. Por este diplomacia, adminislraco etc "emP10' u
sa, que pode prodi zir sua dissolu- motivo acham-se alguns commandos confiados I Concebemos que o estado po'ssa ter necossida-
officaes, cujas patentes sao inferiores s que a i de de tancar mo de um olcial de marinha pa-
forea dos respectivos navios exige, resultando dis- ra encarrrga-lo de urna misso diplomtica 111-
lo ficarem mais desfalcadas as classes subalternas, 1 vestindo-o ao mesmo lempo do commando de
donde ge tiram estes officiaes. uma forca naval; muitas vezes se tem platicado
Chegamos vez do actual Sr. ministro da ma- islo com excellento exilo, o a historia de todos os
rinha, que mais do que todos aquellos senhores
se alooga na materia, c deixa ver que ella tem
sido objecto de seu particular estudo.
Diz S. Exc. :
As patentes superiores, que em seu estado
completo nao seriam de sobra para dellas sahirem
.. --~ w-.M^..,v, ^ lv, urna a
wSG. es'es'enraiz^sTraSos3 St tSSSSi aSSSSST ^f^ n6'0 & m?r 'e 8-erra. 30 cap-eV de fra^ I o--c-ommanaa^rT^immX\or'd^hidos
^a^^Z=:H~
tos por causa destamosmaclassc. O que sc passa actualmente entre'1
a sorte a que se acha condemnado o I novo :' a Franca, a Inglaterra," i'mam'ente os
r.-rnptor publico, e nao seremos nos, o mais obs- Estados-Unidos nos oll'erocem exemplos seme-
curo de todos osque ennobrecem o illuslram o Ihantes.
j'irnalismo naciona'
cala, sob pena de ficarem as embarcaces entre-
gues^ rom quebra de disciplina, a officiaes de pa-
. quem possa evitar estas Syl- A idade, as moleslhs e especialmente, os acon-
i le uaryoides dos mares agitados da imprensa tecirientos ordinarios da vida, transformara raui-
o eslL lce o pessoaj S PUre -" aco".leco a raa")r Pfe delles posse de dreilos que s aos que trabalham de-
este numero nao se acha completo, e incluindo
60 pilotos, temos actualmente 70 olficiaes de
marinha de todas as graduacoes.
Para 53 navios armados q'ue possuimas, e que,
termo medio, podem andar cada jm com traalro
officiaes, evidentemente aquelle numero, assim
mesmo reduzido mais que sulficiedte para as entretanto se conservara na escala, embargando
paizes encerra numerosos factos destas ucocia-
ces perfeilamente desempenhadas.
Mas estas coramisses sao por sua natureza
tranzitorias: nao leem um elfito permanente; e
o official de marinha, dellas incumbido, ainda
assim oceupa-se no servico de sua profissao.
Pode lambem sueceder que o commandante de
um navio, ou de uma forca naval estacionada
nas aguas de uma potencia estrangeira, tenha
collocado as rclaces dos dous paizes em tal p
de amzade, que soja conveniente ambos que
lente inferior, as que tem direito pelas classes elle seja acreditado junto ao governo, d'aqu
que perlcuccm ; lambem nao chegara para o ser potencia, depois de substituido, na q'ualidadc
viro ordinario os officiaes subalternos ; e este
mal aggravado pelos officiaes inuleis, que no
dios poderosos que cicatrisem lo?
fondas, exigidas pelo inleresse commum, pelas
conveniencias do estado, que erguemos rauito
cima das conveniencias particulares.
E atlendendo-se bem para esta circunstancia
nao lera mais quo. dous, quando muilo tres, e I vem perteucer ; o que ludo pede uma medida
Os pedinos sidos, as exigencias de familia com immensa difficuldade s consegue qartel I lcgislat"va7
endomaaqdUe^HrTm 8. a,C!'.am rcduzidos a esle 8e",,ral P"\ *lmbarcar- >'o eslou longe de pensar, de accordo com o
ore iirlivn. ? l^'j0- cusl os ?m" I E por,ue ?JAhl s-e revela claramente um vicio, conselho naval, que a oceupago do empregos es-
bastante significaliva."e- pdTtad57 trnc^ct^MTKiV^-S^ I SSS^'^SS^ VeJamos 5e "os W I lra"hos e^ da "<*'""- aportar
grandeza do movel que obedecemos.Comba- os que sc afadiga
ides do occeano.
asE^tsssua!t=>*5 *S:a.^5^a-*ss
uma occasiao, c agora as reproduziremos, como i mos ; ha um meio fcil de alliar-sc ludo.
eram pela primeira vez luz, seguidas das rao- Teuham os officiaes docntes, ou para melhor
onicacoes que a experiencia tem adquirido e o explicar nosso pensamento, os que nao pdem
udo propoo como de utilidade. | embarcar, preferencia nos empregos dos arsenaes,
mas regalas que relatnos da reparticao enconlranos resposta. 'sabida do olficial do quadro elTectvo. e at em
eraos primeiro o do Sr. Paranhos em certos casos, a sua reforma ou demisso.
amos o seguinte : a primoin classo deve ser privativa dos offi-
il c(lectivo apenas satisfaz s neces- j ciaes de embarque principalmente, c para os que
servido em seus diversos ramos. J era ierra servirem por comrasses durante pra-
tem senlido falta de officiaes subal-1 zos determinados, empregos de marinha, visto
occorrer ao servico naval, hoje mais como os ha que nao podem ser prcenchidos se-
nao por officiaes da armada.
A segunda classe indispensavel ; nella de-
fico.
A riolada defficiencia se faz sentir, nao so no
edertivo total da primeira classo, senao tambera
vem os officiaes doentes, ou por justos motivos
ausentes do servido da reparticao, esperar passa-
gem para a primeira classe ou reforma com sol-
do proporcional ; mas essa ospera nao pode ser
indefinida, carece ser razoavelmente limitada, do
contrario despender o estado com officiaes en-
tregues occiosidade ou trabalhos estranhos
profissao, contra o que quer a verdadeira inlelli-
gencia do decreto do Io de dezembro de 1841,
combinado com o de 31 dejulho de 1852.
A diminuirn do numero de officiaes subalter-
nos do quadro nas respectivas classes e o corres-
pondente augmento nas superires,seriam medidas,
que, abrindo espaco proraoQo, alentariam os
jovens officiaes da armada, que boje recuam di-
ante de uma vida sem futuro asss lisongeiro.
Resulla, pois, destas proprias pecas officiaes a
conlirmaco de que avancamos ; assim como a
necessidade de promptas providencias legisla-
tivas.
Ainda hoje notamos no almanack 140 officiaes
.! 11 i euzes conuicoes, uma somma de servicos, que vico naval assim o reclamasse forcoamento entercados nestes diversos nrriroi n nuo rp-
0 primeiro problema, pois, que deve oceupar a lhe pagar de sobra qualquer sacrificio ntoraen- ----------------" '-'--
publica sao necessarios muitos annos de traba- de officiaes que nao embarcara vinle annos e nao daria.se" nao fossem as commiss~es'xYranha$
inn. sao precisas muitas vigilias bem combina- mais. e que, todava, vao tendo accesso, granas a ao ministerio da mar nha T
das leis, cum complexo de medidas, que nao se '
podem empregar de ura momento para outro,
nem devem subsistir sem inlcira e mutua har-
';1rnJa;Cm?0.aH,pC5aS "e Um raachDsni" co- ca. t"?pcria,r-se-na a emulaco. enraizar-se-ha a menlos de marinha, poderia'ceder parle dosTffi-
plicado, que todas,concorrem para a un.dade da vocacao, c o paiz obter da offleialidade, nestas ciaes que nelle sc achamlemprc'gados, ,! o ser. \
A' este distinclo ministro, suc:edeu em 1856 o
Sr. Wanderley, em cujo relatoiio sc v esle to-
altoncio de qualquer governo, que pretenda man-1 taneo.
ter uma marinha regular o da organisacao do Pode haver, e deve a> existir, entre aquelles1 pico:
pessoal, principalmenlc do quadro dos officiaes ; omciaos, alguns que leoham j prestado servi- A falla de officiaes, especialmente nos nostos
porque a elles lera o mesmo governo forcosa- eos importantes, e que contra sua vontade, e so- -....."------- '-
mente de entregar o commando dos navios e das mente por padecimentos physicos nao possam
esquadras. embarcar. Reforma-Ios e abandona-los seria uma
o quadro da nossa marinha, forja confessa- ingratido imperdoavel; porque ficariam reduzi-
lo, nao est constituido como devena se-lo. Bom dos, apenas, ao sold de Ierra, que o mais in-
quo contenha um numero de officiaes siifflcienles
para os navios que possuimos, comludo achamo-
nos em difficuldades sempre que queremos ar-
mar algum ; porque muitos daquelles officiaes,
por seu estado valetudinario, e hbitos de Ierra
quo ho conlrahido, nao querem de forma al-
guma embarcar ; procurara cora todo o afn os
empregos dos corpos e dos arsenaes ; o nelles
passam o tempo, esperando que lhes toque o ac-
cesso por anliguidade, estorvando, assim, o pssso
aquellos que, promplos para todo o servico, vi-
vem continuamente no mar, sem nenhuma folga,
e tambem sem nenhuma esperanca. Nole-se
que sao elles os mais ardenles sectarios do res-
reito cbsoluto lei de anliguidade nas prorao-
signllicante possivel.
Compre que na le especial que para isto se
volar se previna logo esta hypolhese, e se mpo-
nha ao governo a obrigaco de dar sempre a este
official um emprego em ierra dos que j aponki-
-mos, nao devendo jamis ser excluido delles, se-
nao por prevaricarlo, desmazelo, ou outra causa
idntica, verificada em conselho de guerra.
Ficam assim respeitados os dreilos do servidor
do estado, c esle desembarazado para escolher
um pessoal idneo para embarque.
Parece-nos lao simples e lao vantajoso este
plano, que ojulgamos inteiramenle aceitavel.
Supponhamos, potm, que nao h8ja animo para
emprehender-se esta reforma urgenie e necessa-, e se por outro lado casas comptmhias manlives-
suballernos, tem felo com qu? o governo baja
negado licenca alguns que a em pedido para
servir nas companhias de navegado vapor, e
tenham sido empregados na armada pilotos, que,
nem sempre eslao habilitados j ara o servico em
navios de guerra.
Sc lia officiaes que fogem ajs embarques, ha
oulros, e em maior numero, quovivem continua-
damente no mar, com grande damno emsuasau-
de, sem que por isstf adquiram maior direito 5
serom contemplados nas promo;cs.>:
Em 1858 declara o Sr. Saraiva ao corpo legis-
lativo :
Tenho. ha mezes, negado licengas a lodosos
officiaes que se tem querido en pregar nas com-
panhias de vapores mercantes. Sc uma boa lei
do proraojes nullificasse o lempo de servico pas-
sado em vapores das companhitssubvencionadas
ella
.. de
agente diplomtico de sua naco.
E' da mesma sorlo ura caso" accidental, de cur-
ta duraco por sua natureza.
Mas nao podemos admittir do forma alguma
que este official estej i no quadro do corpo di-
plomtico, subindo nello em calhegoria, e que
soja conservado no quadro do marinha, onde
lambem promovido, como temos visto.
Ainda ahi deve-sc applicar o principio da li-
mitacao que desojamos ver eslabelecido.
Conceda-se ao official preferir aquella classe ;
mas no fim do 3 annos de servico nella, seja re-
formado, o eliminado do quadro* do servico acti-
vo da marinha de guerra.
Os ompregos nos arsenaes, capitanas, compa-
nhias do aprendizes artfices, e corpos de mari-
nha, nao devero ser exercidos por mais lempo,
e aos officiaes reformados convm dar preferen-
cia para elles.
_ Dcste modo estamos convencidos que a sita-
Cao mudara completamente, que o paiz lucrara
extraordinariamente; nao passariamos pelos em-
barazos em que nos achamos : nao teriamos ne-
cessidade de admittir pilotos, ele, o islo com
vanlagem para todos, cora insignificante trans-
torno para alguns.
Nao se importe o governo com reclamacesque
ho de surgir; porque ellas cedero logo, por se-
rem maiiifestamento injustas, e filhas de inleres-
ses iudividuaes.
Proceda quanto antes ao trabalho que lhe acon-
sejamos, com o qual prestar mu importante
servico.
Para isso basta que o conselho naval ampli o
projecto apresentado pelo Sr, visconde de Abac-
io, ha dous annos, para rcpularsacao do tempo
em que os officiaes da armada devam permanecer
nas estaques para que forera nomeados, bem co-
mo da forma de sua substiluiqo, e dos casos em
que ella possa ser ordenada, ludo no intuito de
evitar-so o grave inconveniente quo hoje se d
de servirem alguns sempre nas provincias onde
nasceram, emquanlo que sobre oulros racahe o
serviqo das eslaces menos desojadas, ou cujos
prc se achara alguns doentes, oulros licenciados; trabalhos sao mis pesados.de sorte que com-
ete., sao por sem duvida insufficientes para as! prehenda egualraenle os casos que indicamos,
exigencias do serviqo. como muito covm.
Nao se pense que somos adversos concessao S. Exc. o Sr. ministro da marinha actual mos-
de licenca aos officiaes para se empregarem nas trou assembla goral que, osla covencido desta
companhias de vapores ; pelo contrario, julga-1 necessidade. E' de crer que seus actos correspon-
dan! s suas palavras, e nesta esperanca aguar-
demos tranquillo este grinde ruelhorara'eiito.
duz muito o quadro dos que embarcam, e expli-
cam as difficuldades apuntadas; porque realmen-
te 230 olficiaes que restam, entre os quaes sea-
mos esta concessao util, porque elles vio conti-
nuar exercilar-se em sua profissao ; mas que-
roriamos faz-la dependente de certas condicoes
exigidos pela equidade.
Est bem visto que esta tendencia para tal ser-
viqo porque elle offerece mais vantagens que o
da marinha deguerra.
Permittir ao official que as goza, a accuraula-
qode algumas que offerece o serviqo puramente
da marinha de guerra no mar, coHoca-lo em
tao superior posiqao, que realmento nao ha in-
justiqa maior, nem meio mais poderoso para afas-
lar deste serviqo a officialidade.
Assim, para equilibrar as posiqcs de todos,
seria conveniente : primeiro, que taes licencas li-
Devcmos registrar nestas columnas um facto
que, em nosso (raco pensar, merece ser elogia-
do; por que concorrer para elevar o paiz na es-
tima de seus naturaes, e dos estrangeiros.
E inacreditavel que os invlidos da marinha
tenham a existencia raesquinha que todos sabem
na ilha das Cobras, guardando senlenciados. e
[azendo oulros servicos incompativeis com a sua
condicao, e que nao so trate, quanto antes, de
erguer um edificio em que elles sejam recolhidos,
c onde eocontrem uma vida socegada.
Quo ro somos exagerados naquellas e*pres-
Jornaes.Em 1848 um Inglez contou o nume-
ro de jornas que so publicavam nos diversos pai-
zes do globo.
Erara 6 na frica, 34 na Australia, 36 na Aus-
tria, 75 na Blgica, 51 no Canad, 54 na Dina-
marca, 77 na Hespanha, 375 em Inglaterra, 988
era Franqa, 9 na Grecia, 4 no Hanover, 40 na Ir-
landa, 70 na Suecia e Noruega, 49 na Polonia,
20 em Portugal, 168 na Prussia, 151 na Russia,
77 na Escocia, 51 na Suissa, 800 nos Estados-
Unidos.
Polylheisrao.A mylologia dos indianos reco-
nhece nao menos de 360,000:000 de divndadas.
Sobre o homem.O cerebro de um hornera pe-
za, termo medio, 3 Hbras e dois tercos.
Na infancia, o pulso bate 180 vezes por minu-
to, na adolescencia 80, no fim da edade madura
60.
No hornera, o calor medio de sangue de 92
graos, nas ovelhas 102, no palo 107.
O sangue de 42 homens poda fornecer fero
bastante para se forjar uma reina de arado de 2
libras.
Illuminacao.A despesa da illuminaqo ele-
va-se animalmente em Londres somma de lib.
546,000, nas outras cidades e villas de Inglaterra
a 5,400,000 lib.
Do solo de Inglaterra extraera-so annualmenle
31,.500,000 toneladas de carvo de pedra ;
Do da Blgica, 4,960.000 ;
Do da Franqa, 5,000,000 ;
Do dos Estados-Unidos, 4,800,000 ;
Do da Prussia, 3,500,000 ;
Do da Austria, 800,000.
Alimenlaqo.O quadro seguinte, redigid'o em
vista das recentes observaqes dos chimicos d a
conta das parles nutritivas coudas em os nossos
alimentos habituaos.
Cem libras de feijes brancos contera de partes
nutritivas 93 libras.
Cem libras de pao 80.
Cem de carne da vacca, 35.
Cem de uvas 27.
Cem de damascos 26.
Cem de batatas 25.
Cera de pecegos 25.
Cem de peras 17.
Cem de cenouras 14.
Cem de morangos 13.
Cem de couves 8.
Cem de melles 3.
Sobre os animaos.A duraqao da vida do de-
pilante de 200,300 c algumas vezes de 400
annos.
Suppe-so que o pato bravo alravessa o espa-
co de 30 leguas n'uma hora.
0 vo da andorinha mais rpido ainda : o da?
moscas representa uma vclocidade de 60 leguas
por hora.
Fecunddade dos insectos o peixes.Urna abe-
Iha mestra pode produzir cada dia, por espaco do
2 meses, 200 ovos.
Uma mosca s, d'aquellas que frequenlim 35
nossas casas, produz n'uma estaco 20 railhes
de ovos.
Ura ninho de vespas contera ordinariamente de
15 a 16,000 clulas.
Cada libra de cochonilia contera 70,000 insec-
tos, e todos os annos a Europa importa de 600
700,000 lib. de cochonila.
O arenque poo 20 a 30,000 ovos.
A cavalla 400 a 500.
O bacalho 2 a 3 milhes.
O salrao prodoz em um anno 8 a 10 milhes.
ses, prova-o o seguinte trecho do relatorio de
marinha de 1854, apresentado pelo Sr. Paranhos:
O pesado servico quo deserapenham estes
poucos de homens (51 invlidos) de guardar pre-
sos e a roponsabilidade que eslao por isso su-
jeitos, torna-lhes muito amargoso o soccorro que
recebem da naco em cujo servico se invalida-
ran!. O melhoramonto de sua sorte depende prin-
cipalmente da realisacio do benfico pensamen-
to de um asylode invlidos.
Os desconlos que mensalmenle se fazem nos
sidos da mariohagem desde 182 para seme-
Iharjte obra sobem buje 130:000, segundo de-
clarou na cmara dos Srs. depulados o Sr. mi-
nistro da marinha ; mas esta somma insufficien-
te para fazer face s despezas da conslrucco do
asylo, quo nao podem ser inferiores 800.00S.
Se forraos esperar que somonte por aquelle
meio se realiso to avullada quaniia, ainda neste
seculo nao possuir a capital do imperio um mo-
numento desla ordem, que alleste a gratido do
Brasil aos seus dedicados servidores, como era
Franca o palacio dos Invlidos, e em Inglaterra
o asylo e hospital de Greenwirh, maravillas que
fazem pasmar aos estrangeiros, e que tocm uma
influencia na vocacao dos povos daquelles pai-
zes para o servico militar.
Era oulubro de 1854, em um artigo que escre-
vemos com o titulo deO presente e o futuro da
mariuheiro da armada brasileirafizemos largas
consideraqos respeito e entre ouiros raeios
que suggerimos para elevar aquella somma, e
realsar-se o asylo, lembramos a concessao de
algumas loteras, visto em lao grande escala se-
rem dadas fins incontestavelmenle menos uteis.
Tivemos o prazer de ver agora esta nossa pro-
posta reproduzida pelo Sr. depulado Antonio
Codito de S e Albuquerque, distiucto adminis-
trador, e homem de illustraqo superior.
Em nome de nossos marinheiros agradecemos
S. Exc. a brilhante iniciativa que tomou, e de-
sojamos cordealmenie que seus esforcos sejam
coroados dos mais felizes resultados. Todos os que
concorrem para esta obra grandiosa se associam
uo direito gratido dos povos, e tornaram seus
nomes immorredouros.
Nao ha quem em Franca nao se leinbre do
grande rei, ao ver o palacio dos Invlidos, nem
quem em Inglaterra se esqueca deGuilgerme e
Mara, e tarabem de Pili, creadores do asylo de
Grenwich.
Quantos nao zombarara do fallecido Jos Cle-
mente Perera ao v-lo comecar o hospicio' Pe-
dro II I *
Mas, entretanto, sua vontade enrgica, que na-
da contrariava, foi salisfeila, e aquelle monu-
mento levanta-se altivo, apregoando a virtude
e caridade do homem Ilustre que o concebeu o
executou, e prestando-se um grande fim huma-
nitario.
Melia-se tambem mos obra do asylode In-
vlidos de marinha, tenha-se perseveranqa e de-
dicacao, qualidades essenclaes, o mu brevemen-
te, no reinado do aclual monarcha, modelo d
sabedoria e de virtude, elle ser concluido, para
gloria nossa e proveito de nossos homens do mar?
dignos de toda a sollicitudc do estado, cm cujo
servico adquirirn! estas honrosas cicatrizes que
os desfiguram e impossbilitam de ainda traba-
lhar.
Caprichamos sempre por ser justo e icuparcal
em nossos escriptos.
Reclama a verdade que consignemos aqu um
voto de agradecimento aos Srs. capitaes tenenlcs
Antonio AfTonso Lima e Marcos Jos Evangelistas,
que tiveram grande parle no trabalha da compli-
raqodas ordens geraes, por cuja puUlicaco elo-
giamos devidamente o illustrado chefe ao' quai-
tel general.
Aquelles dous officiaes sao homens de honra,
de inlelligencia, de trabalho, dezelo e do deplica-
cao, e por estes predicados tornam-se realmen-
te merecedores do apreqo e estima que gozam
entre seus superiores e subordinados.
Nessa importante obra, para cuja realisaqao
houvo vencer grandes difficuldades, elles fo-
ram auxiliares muito valiosos ao citado chefe,
segundo informaqes que tivemos de pessoas ih-
suspeitas, e bom quo toda a armada, a quem
ella veio prestar um grande serviqo, conheqa
aquelles a quem o deve.
E. A.
PERN. TYP. DE M. F. DE PARA. lb60
.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5KG7S2N8_QZPEBG INGEST_TIME 2013-04-30T22:55:20Z PACKAGE AA00011611_09126
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES