Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09123


This item is only available as the following downloads:


Full Text
iNP XXX7I. HOMERO 172,
Por tres mezes adiantodos 5$000.
Por tres mezes vencidos 6$000.
MISTA FIH 26 DE JOLBO DE 1860.
Por anuo adiantado i)$0OO
Porte fraDCo para o subscritor.
ENCAaREGADOS DA SUBSCRIPCAO' DO NORTE*
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Anlonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. do Lomos Droga; Cera, o Sr. J.Jos de Ol
veira; Haranho, o Sr. Manoel Jos Martins Ribei-
ro Guimaros; Piauliy, o Sr. Joao Fernandes de
lloraos Jnior; Para, o Sr. Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Joronvmo da Costa.
PAKllUA. UU-. UUUUblU.
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do dia.
Iguarassi'i, Goiaaoa e Parahiba as segundas
e sextas feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caruar, Allinhoe
Garanliuns as tercas feiras.
Pao d'Allio, Nazareth, Limoeiro, P-rejo, Pes-
queira.lngazeira. Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex uas quarias-feiras.
Cabo.Serinhem, Rio Pormoso.Una. Barreiros.
AguaPrela, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios parlem as 10 horas da manha.
EPHEMERIDES DO MEZ DEJULHO.
La cheia a 1 hora e 47 minutos da manha.
as 3 horas e 38 minutos
11 Cuarto minguante
da manha.
18 La nova as 12 horas da manha.
25 Quario crescente as 3 horas e 20 minutos da
manba.
PREAMAR DE IIOJE.
Prmeiraasll horas e 42 minutos da manha.
Segundo as 12 horas e 6 minutos da tarde.
PARTE OFFIClftL
AUDINECIAS DOS TR1BUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relelo : terjas feiras e sabbados.
Pazenda: tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do comroercio : quintas ao meio dia.
Dito de orphaos: ternas e sextas as 10 horas.
Primeir vara 4o civil: trras e sextas ao meio dia
Segunda vara do civil; qnartas e sabbados ao
meio dia.
Goveruo da provincia
EXPEDIENTE DO DIA 24 UE JIMIO DE 1860.
Officio no commandante das traas.Tendo-se
por inadvertencia dito no tiilicio, que lhe dirini
quatro mezes conforme se poder convencionar, e ment se a lem, wove dentro de 2 me/es jue lhe
DAS DA SEMANA.
2? Segunda. 9. Apollinario b. m. ; S. laboro.
24 Terca. S. Christina v. m.; s. Francisco Solano.
25 Quarta. S. Tiagoap.; S. Cliristovo m.
26 Quinta. Ss. Symphronio e Olimpio mm.
27 Sexta. S. Pantaleao medico ; S. Sergio m.
28 Sabbado. S. Innocencio p.; S. Nazario m.
2!) Domingo. S. Anna Mii da Mi de Dos.
ENCARflEGADOS DA SUBSCRIPCAO NO SL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Bahia
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr.
Joao Pereira Martins.
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do diario Manoel Figueiroa-d*
Faria.nasua livraria praca da Independencia ns.
mais ronvier sob cauco de letra dessa Ihesou-
raria ; Picando V. S., outro sim, autorisado a as-
signar a letra Mecada por esse imprestimo.
Dito ao mesmo. Quando for possivel mande
V. S., em vita do competente certificado, pagar 3
qnantia de 15 8I0SO0O, em que importa a presta-
rn, a que tem direilo o arrematante das obras do
hontem rerca do recruta Urobelino Jos Jocques ~'. ,anS da estrada de Pao d.Alho a Nazareth,
de Oliveira, que fosse elle posto em liberdade, v'st0. arhar-sc aquellas obras em estado de seren
embora livesse asscntadq praca, declaro a V. s! provisoriamente recebidas, segundo declarou-mc
que se o referido reeru taj s adiar alistado no director das obras publicas em officio de hon-
serrico do exercito, nao pode ser delle excuso se
nao (trovando isencao legal, o que poJer fazer
tientro do prazo marcado no rcgulair.cntu de Io
de maio de 1858.
Dito ao mesmo.Pude V. S. mandar abrir as-
sentament de praca nos recrulas Lou renco Gou-
calves d'Oliveira, e Eldegislo Fortunato do Car-
ril
c
tem, sob n.223Commuuicou-se ao director das
obras publicas.
Dito ao mesmo. Devolvo a V. S. a conta que i
veio annexa ao seu officio de hontem, sob n.308.
relativamente 10 sustento dos presos pobres da
cadeia de Tacarsl, afim de que mande pagar a
importancia da mencionada conta, independenle
faculta o regulamento do Io de maio de 1858.
C0HAND0 DAS ARMAS.
Qaartel do cominando das armas
oni l'ernambuco, na cidade do
Recite, 85 de julho de 1HGO.
ORDEM DO DIA N. 421.
O coronel commandante das armas interino,
determina que a cornpanliia de artfices guarne-
| cendo 4 bocas de fogo esleja amanhaa pelas qua-
'. tro horas da tarde formada em linha no campo
! das Prineezaa, aiim de passar revista.
Assignado.Antonio Gomts Leal
Conforme. Pedro Gomes d'Oliveira, alferes
ajudanle de ordens do comrnando.
nio, que forara considerados aplus para o servi- do 'lodo promotor publico daquella comarca,
no do exercito, como consta do termo de inspec- (l"r "'"! co,ls,nr 1"c soja elle ajudanle do procu-
rador fiscal dessa thesouraria na mesma comarca
Communicou-se uo chefe de polica.
gao annexo ao seu officio de hontcni, sob n. 782.
Dito ao mesmo.Paco apiesentnr a V. S. paia
seren inspeccionados os rccrulas Marcolino Fran-
cisco da Silva, Antonio Pedro Paulo da Silva, Jo-
s Cupertino Guimares o assenUr-lhes logo pia-
ra no caso de seren considerados aptos para sso.
Dito ao mesmo. Pode V. S. mandar abrir as-
seniamcnto de praca ao paisano Joao P.aymundo
Mouteiro que, oll'ereccndo-se voluntariamente
para u servico do exercito, fui considerado apto
para isso como consta do termo de inspeceoan-
nexo ao seu officio de hontem, sob n. 78i"; pro-
videnciando V. S. para que elle soja vaccuiado.
l);io ao mesmo.Mando V. S. presentar ao .
Dr. chefe de polica, para dar-llie o deslino con- | Jul
veniente, o recruta Joao da Molla da Cruz, visto
lar sido considerado incapaz do servico do exer-
cito, como V. S. declarou em seu officio de hon-
tem, sob n. 781, a que veio aunexo o termo de
inspeceo.Deu-se scicncia ao chefo de Polica.
Dito ao mesmo.Visto ter sido considerado in-
111 ; 1101 so aito da vossa vuntade e nos aeremos
urna nacao do 25 milhoes de homens, urna naci
grarde, livre, possanie c gloriosa, com 500 mil
soldados em armas, e duas poderosas esquadras
no Adritico e 110 Mediterrneo.
Os vossos cobardes patroes conservam-vos
esclavos, para que lambem conservis vossos ir-
maos na escravido, irritando-vos contra nos ;
masno fim de ludo isto, estes meios iniquos nao
pdem tnumphar. Seris balidos e despersos
nao porque vos fallem a ciragem e a inslrucco,
mas porque a Italia livre nao lem mais do "qu
esteider a mo para derribar os turnos mal ha-
mente oe Paferino e un adeos ; nao se reina
n'uma capital incendiada. Vemos agora quo to-
dos perguntam geralmenle : O que vo fazer
da-Sicilia ?. Parece-nos que nao era assiroque
se devena fazer a pergunta. O que se deveria
dzerera. Oque que a Sicilia vai fazer de si
mesma ? Ella o sabe lalvrz lambem como a-
quelles que seoecupam disso, c parece-nos que
ella deve votar no capitulo. Porque nao ho de
seguir para com a Sicilia a mesma marcha que se-
guirn! para com a Toscana e para com as Iloma-
nhas ? Bit) quanto procuravam trahalhosamente
que lingoa quera fallar a Italia, a Italia poz-se
EXTERIOR.
mlnM a i" C d T' PTq"1 "S com- a fa ",.. e Cl Sra.-de sorpresa dos mais
lr\P hP lqu am-Tmos, e vos por um profundos politices, ella falln Italiano. Porque
amo q^e aborrecis o desprezais ; porque, j nao deixariam a Sicilia arraniar cor si mesma
-opaneao, muitos dos vossos viro seus negocios ? Depois (.ha'ereii procurado
- or reAarqne ahi co-
tralernisar comnosco ; porque seris commanda- bulante, acabaram lalvo.'
Publicamos em seguida o discurso proferido
uJSw- v 0,"mi'"ll;'nl0 d0 corpo de polica (,eio imperador da Austria peranle o conselho
Mande V. S. alistar no corpo de seu comrnando,! do imperio. Francisco Jos insiste, como se ve- I
inspeccionado e julgado apto para o r, na necessidado de manter e ------
do
dos pelo lilho de Fernando I!, pelo neto dcFran-
nsco I, pelo joven bfsnelo de Femando I, lypos
Ja tyraunia, habis gmenle na fuga, e na trai-
fo, ens por Viclor Emmanuel, digno herdeiro
de tantos hroes o mais corajoso, o mais intrpi-
do dos monarchas modernos.
A lud ha-de ser curta ; mas os damnos o
estrellar os la- a vergonha sero eternos para vos, e recahrao
solucao, o a mclhor
sobre-vossos tilhos, o sobre os filhos dos vossos
i Ihos, como a maldicao do fratercida Caim.
Deug salve a Italia desta lerrivcl desventu-
ra Nao permita Deus que para tornar a Dacao
independenle, urna e lvre, as bayonetas victo-
riosas dos nossos soldados sejam tintas de oulro
depois
i-'-o /"n-rrude"ci0 TessoadaVeiga, que para eos que unem as difierentes partes da n lar-
rei.- t.-. v o a ; cha, e aununcia favoraveis reformas a favor dos
Dito ao mesmo.Pode \ S. mandar engajar no povos.
corpo de seu comrnando o paisano Antonio Flix Eis O documento
de Menczes, visto ter sido julgado para isso ap- i
lo, como consta de seu officio desta d.ila, sob Discurso do imperador d'Austria.
"iJloao mesmo Mande V S insneccinmr o', SfS" c?.nselheiros do imperio.Dou-vos n'es-! sangue qu naoseja
alistar no c^po de eu comrnando: e for nara is'o 0CCaS,i", ma,s r,rd"i'1 l"" vmda I Cha- Soldados napoltanos.Vovac que sois dignos
adraplo Vlhemoleo P?andsc^ de Sitara T*"03 FT* CS,'fr0 COm c.onlian encon-.hIhos dessa Ilustre reunio de piedosos que os
e de ler nPo^quarlel O mlml wSo at sXda l1r'1ir,-',"|v;- h?m,!ns 'I" mo apo.em con, snceri- Bourbons lecm feilo morrer n.s suas masmorras.
urde,,, 1 Jn -os Lopes d^Silv^ 11 l 1C;,ld',d0 ns .esur08 1e, fJ5 Pa U- r.o cadafalso o., no exilio I Soldados romanos,
Dito ao direcfor d0P arsenal de'guerra.-Faca os povosT AuTril^ prS|,er,daae dC lodos K? ^ ** ^ ndg"S d VSS ,n,g ^
^VSKSS^SS fornectcom"des-;n \SSTT V**" V^T S^ t U'iUa Vr', *mn"e] 6 l"
tino companhia'fix do Rio Grnde do No..e'l | wbKdiao "-"-P" && *- *" S """ ^^ ^ gr'' C I,aU Set*
mo algures essa a mclhor
poltica.
John Lbotkxe.
(Le Journal des Dibats)
II. 1).
INTERIOR.
cipa/, do servico do exercito em inspeceo de i Communicou-se aoExm. presidente daquella pro-! a v
vinca, que os requisitara novamenic.
Dito ao mesmo. Mande Vmc- fornecer tima
pistola de cavallaria e cinco espadas de pona di-
roila para o servico do corpo policial da Parahi-
ba, devendo laes objectos serem entregues ao
11.1
ac,
con-seao Exm. presidente da Parahiba.
I Pis'u'l VIZ o'serTcor Wo^aE 11 S V",ar aS "iais gradas obrigacoes que tenho
' polica do Rio Grande do Norte, conforme5 sol I ff**W ""W "8 mC"S ',0T0S- ^"^^'
saude, como consta do termo annexo ao seu difi-
ri do hontem, sob 11. 783, o recruta Antonio
Luiz da Cunlia, mande V. S. apiescnlal-o ao Dr.
chefe de polica para dar-lhc o destino conve-
niente. Deo-se sciencia ao chefe de polica.
Mo ao commandante supeiiof da guarda nacio-
nal do Recife.Mande V. S. prosirar em frente
da Igreja do Espirito Santo, boje s 3 horas da
1 ir le, iima guarda para fazer as honras fnebres
slylo ao finado lenle reformado da guarda
nacional, Jos Carlos do Souza Lobo, flcando V.
S. i rio de que ao director do arsenal de guerra
ex peco ordem para fornecer o carluxame, que
para esse flm lhe foi requesilado por parte desse
comrnando superior.OOlciou-se ao director do
arsenal de guerra para fornecer o carluxame que I
101 preciso.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cioi al de Olinda c Iguarass.Ao officio de V.
S. de 16 00 crrante tenho a responder que, a
Vista do disposlo no ^ 26 do artigo Io do decreto
n. 1354 de 6 de abril de 1S55, a Vmc. compete
dar ludas as providencias, c marcar novo dia pa-
ra reunio dos conselhos do revista da guarda
nal soh seu comrnando superior, devendo
1 ar restrictamente o disposlo no capitulo 2
do molo 1" do decreto n 722 de 25 de oulubro
de 1850, com as alteracoes constantes do captulo
2odo titulo I" do decreto n. 1130 de 12 de mar-
ro de 1853.
1 ao commandante superior de S Anlo.
indo ao officio de V. s. de n. II o dala" de
> junho ultimo, declarando que pode man-
dar comprahender em um s pret, com as convc- 9ue '"'"lem me dirigi o Dr. procurador fiscal da 1'^.
s declaracdes os venc montos das pracasdos '"eiMla nacional; afim de que Vmc. tome confie- lnr,
cimento dos lacios, a que se refere o mesmo Dr. :
vosso exame, e daris sobreludo
ossa opinio. as deliberaces que lomardes,
lereis sempre emvis'.a o principio deque os des-
tinos das difiranles partes do impeli eslo en-
tro si Uvadas : que a communidade e reciproci-
dadn do interesaos dos diversos paizeso laeo
agente fiscal Jos Jo'aquim de Lima, conforme ?,deroSO q"C '!" as diversas l,i,rtes da m"""-
solicila o Exm. presdante daquella provincia em
officio de 19 do correte, sob n. 120-Communi- | senvolvimenlo da prosperidade mate
ral, e nao poderia por
se
licita o Exm. presidente daquella provincia em
ollcio de 30 do junho ultimo.Officiou-se nesle
sentido ao Exmc presidente do Rio Grande do
Norte.
Dito ao vice-consul das Duas Sicilias.Pican-
do inteirado de que o Sr. vice-consul das Duas
Secilias, Luiz de Uoraes Gomes Ferreira, tendo
de fazer urna riagem i Europa, segundo mneom-
municou hontem, lomara a deliboracao de en-
carregar da gerencia do respectivo consulado ao
cidndao Francisco Joo de Barros, tenho a dizer
em resposla ao mesmo Sr. vico cnsul que ap-
provo provisoriamente semelhante deliberaeao,
devendo o proposlo apresentar o imperial exe-
qutur no praso de 3 mezes.
Renov ao Sr. vice-consul os protestos de mi-
nha estima econsiderado Commnnicou so ao
Dr. chefe de polica, thesouraria de fazenda e
ao capitao do porto.
Dito ao Dr. atada feilos interino da fazenda
nacional.Remello por copia a Vmc o officio
iial protecQao a todos
I paizes do meu imperio ;
mos direitos, e sugeilos
Italia.
Tnrin 22 de maio de 1860.O presidente
G. La Faria?.
(Jornal doCommercio de Lisboa.)
Qiialquer desenlace que queram procurar para
osaconiecimenlus de que a Sicilia e hoje, de que
aples ser talvez amanhaa o theatro, uo con-
vm esquecer que ha na Italia urna queslo que
domina todas as nutras ; a da indepen lencia.
conseguinlo lolerer-s Somos obrigados a repetir sempre : a obr. do
liberta ment nao est terminada, o tola a polti-
ca do partido nacional italiana deve tender, nao
que qualquer tentativa pira destruir esse
seria em detrimento geral. o deleria o d-
os
povos c a lodos .oe g0 para consolidare que foi feilo, mas ain
gozem todos dos mes- preparar e que resta a fazer, A Italia deve ru-
aos mesmos devores, vi- bordinar qualquer outro objeeto necessidado de
i noder o concordia formando um corpo conslituir em si ...na unidade moral e urna com-
1 v ... ... munidado de aeco que facam com que ella s le-
in,ntrf" Cd ^"O. al endei PO**0 do ,,ha ...na alma e um estandarte quando volla a
imperio como potencia europea, e procurae ao hora da lucia
se feilo coiiiideraveis economas, em quanto que seno um
ao mesmo lempo lecm oug'iieulado as recoilas
RIO DI 1 .1AM1IRO.
ASSEMBLA GERAL LEGISLATIVA
ClflftRfl DOS SRS. DEPUTADOS.
SESSAO EM 9 DE JUNHO DE 1860.
PreMencia do Sr. conde de liaependy.
Abre-se a sesso.
Lida a acta da antecedente, approvada.
O Sr. |. Secretario d cotila do seguinte
EXPEDIENTE.
Um officio do ministerio do imperio, enviando
o aulographo da resoluco da assenibleq geral le-
gislativa app'ovando a pensao de 600$ animaos
ao conego Joao Baplisla de Figueiredo A ar-
clnvar-se, fazendo-se a devida communicaco ao
senado. *
Tres officios do secretario do senado, partci-
ando que aquella cmara, adoptando-a, vai
s os venc montos das p
bnlalboes n. 2 i e ^5 de infantara destacadas no
municipio da Escada.Coramunicou-se a the-
souraria de fazenda.
Dito o commandante superior de Garanliuns.
E01 resposla ao seu cilicio de 11 do crranle,
sob n 39, tenho a declarar-lhe que, para ler lu-
gar o pagamento dos vencimenlos da guarda na-
cional destacada, devem ser remedidas em du-
plcala a esta presidencia, por intermedio dos
commandanles superiores, a folha dos vencimen-
los dos olliciaes destacados, se os ha, c os prets e
relacoes de moslras das placas do destacamento,
orgainsados e autenticados de conformidade com
v ilisposlo nos arts. 36 o 40 do decreto n. 1,333
ci" is d,. fevereiro de 1854, designando-se a pes-
soa que deve receber a respectiva importancia
na esiacao competente.
Dio ao commandante da eslaco naval.D
v S. as providencia necessarias para que sejam
transportados para o Naranhao no vapor Viamo
Antonio Jos Gomes do Corrcio e sua familia.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
. irva-so V. S. de dar novamenle o seu parecer
.-1 eraa do pagamento que no requerimenio junio
pednJoao Ignacio ltibeiro liorna, proveniente de
medicamentos que vendeu ao conselho adminis-
iraivo do arsenal i guerra, tendo V. S. para
este lim em consideraco a informacao, lambem
i unta, ministrada pelo presidente do'mes.no cou-
seino, e a que vai annexa urna ola
secretara do goveruo.
Dito ao mesmoNao tendo ainda chegado a
ostnbuicao do credilo para esta provincia no
crranle exercicio, segundo consta de sua infor-
macSo de honlein, sob n. 742, auloriso a V. S
a mandar pagar sob miiiha raspensabilidado as
101 has relativos a pnmeira quinzena deste mez
dos vencimenlos dos empregados da direrloria
das obras militares, na importancia de 57^600 rs
dada pela
ao director das obras mili
Communicou-se
tares.
Uno ao mesmo.Mande V. S. pagar sob mi-
nha responsabildade os vencimenlos relativos aos
mezes de maio e junho desle anuo, ao bacharel
Marros Tullio dos Reis Lima, juiz municipal do
termo do Limoeiro, e actualmente no exercicio juiz dos"feitos'"d s^da"
&RS; ufsixsszzz liada? S3*!"
existir crdito para esse pagamento.
ere o
procurador fiscal, e commuiiiqne-me o resul-
tado.
Portara.O presidente da provincia, attenden-
doao que requeren o professor publico de ins-
truccao elementar da freguezia de Jaboato F-
lix Manoel do Nascimento Valois, e a informaro
ministrada pelo director geral da inslrucco pu-
blica, envido o conselho director, resolvo consi-
dera-lo habilitado para perceberas vanlagens do
art. 26 da le n. 360 de 14 de maio de 1855
Nesle sentido olliciou-se ao director geral da ins-
lrucco publica.
Dita.O presidente da provincia attendendoao
que requereu a professora publica de inslrucco
elementar da freguczhde Afogados, Mara Coelho
da Silva, e a informacao ministrada pelo director
geral da nistriic.ao publica, ouvido o conselho
director, resolve considera-la habilitada para per-
ceber as vanlagens do art. 26 da Ici n. 369 de 14
de mato de 1855.Conimunieou-so ao director
geral da inslrucco publica.
Dita.O Sr. agente da companhia hrasileira
de paquetes a vapor, minde dar passageni de
con vez para a provincia da Bahia, no vapor que
se espera do norte, a Zeferino Jos da Rocha, que
desembarco.! com guia de bordo do briguc barca
ltamaracti por molestia que sofire.
Espediente do secretario do governo.
Ollcio a thesouraria de fazenda.S. Exc. O
v pres!.dc,,,c da provincia, manda remeitr a
* s- a inclusa ordem do thesouro nacional, da-
tada de 25 de junho prximo lindo, sob 11. 97.
Despachos do dia 83 de julho.
Itequerimenlos.
Jli e 918.Antonia Mara da Conceco o An-
tonia Mana do Espirito Santo. Informe'o Sr. Dr.
chefe de polica.
?19 Anlonio Rodrigues de Albuqucrque 1er-
ceiro escriturario do consulado provincial.
Informe o Sr. inspector da ihesouraria provin-
cial. r
920.Francisco Xavier Pereira de Brito, soli-
citador dos feilos da fazenda.Informe o Sr. Dr
geraes. Se actualmente perseveramos com acti-
vidade nocaniinho emprehendido, o levamos ao
cabo as reformas da adininistraco interna que
ordenei, espero com conanca, 'salvo acontec'
menlos extraordinarios, que'procuraremos esta-
belccer o equilibrio entre a receita e a des-
peza.
A ventura dos meus povos o que finalmente
desojo ; o deseuvolvimento da prosperidade in-
ta e da importancia no cstrangeiro, a
efa a que, sem cessar, consagro a minha sol-
liciiude.
Nesics projeclos acompanham-me lodos os
meus subditos fiis. Une a benco do Todo-Po-
deroso conceda um lermo diloso" aos nossos es-
forcos unidos !
Sobre a organsaco militar do exercito in-
surgente i'a Sicilia, 'recebemos noves delalhes.
Este exercito ha de compor-se de tropas regula-
res, e de corpos irregulares. Os soldados
alistados as cidades sero incorporados nos
corpos regulares, e os que veem dos campos, e
que sao considerados como maia,particularmen-
I le proprios para a guerra de guerrilhas, sero
J reunidos aos corpos irregulares.
O exercito regular ha de fojmar vinte regi-
I menlos. Assegura-se que sero commandaios
: por olliciaes suporiores do exercito italiano, que
deram a sua demisso para virem servir s or-
, dens de Garibaldi. O exercito irregular ser or-
I ganisado em batalhes, cujo nmero, nao estan-
do Usado, ser augmentado segundo as neoessi-
dades.
I Julga-so que nao baver caso algum. que
! faca com que as tropas irregulares sai ara da Si-
cilia. Serviio com o auxilio da guirda naci- ,
nal, para manter a ordem na ilha, logo que a
nsurreico se torne geral, resollado que se es-
pera lera lugar d'aqui pouco lempo.
O exercito regular, segundo os planos com- |
binados em Palermo, ser ullcriorme. le
a s alma, nao ser necessario que ella
s lenha um corpo.
centro a do norte
I
mandar sanecao imperial a resolucat ipro-
va a aposenladoria concedida a Ho'norio Pereira
de Azcredo Coutinho, secretario da
do Pernambuco ; e
ros da fazenda c d
M. houve por bem sanecionar .
piovando as aposentadorias do
culano Ferreira Peona,
da amortisacao, c do juiz de dircito
Pereira Ibapina ; prorogando por mais um anuo
a hcenca concedida ao conselheiro Thomaz Gar-
ca de Almeida, que se acha na Europa, econce-
dendo um anuo de licenca, com os respectivos
vencimenlos, a Salustiano Joaquim de Andrade
l essoa e ao padre Manoel da Vera-Cruz.
Oulro ollcio do mesmo secretario, remetiendo
a propostcao da mesma cmara dividiudo em
qualro o l dslriclo e"
veis. IstO remediar a omisso seosivel que a
tal respeilo se nota no relatorio da fazenda.
Nao lenha modo o ministerio de qoe interesses
sinistros achem echo na cmara dos Srs. depue-
dos ; isto cousa mallo mais commum de dar-
se nos bancos minisleriaes. Ahi est ainda re-
cente o exemplo que se deu na Austria, em que
um ministro, nao um representante, fez sallaros
proprios milos por motivos desta ordem.
O modo porque o ministerio est procedendo
rom a reforma bancaria vai de accordo com o co-
nhecimento que elle lem de sua falsa posico 110
parlamento, e que o obriga a nao querer contra-
riar de face opinio alguma. O publico j vai se
convencendo de que o governo quer primeiro fa-
zer as accommodacoes precisas para sua trela o
apresentar a reformase depois quesejulgar se-
guro. Com n reforma bancaria, porm tutea o
orador que nao ha necessidade alguma de sepro-
ceder da mesma maneira.
Eis o requerimenlo :
Requeiro que pelo minislerio da fazenda se
pecao ao governo imperial os iuqucrilos feilos l-
timamente por ordem do mesmo governo sobro
os bancos e meio circulante ; e bem assim infor-
macao do estado e natureza dos fundos disponi-
veis, 011 recursos e garantas sobre os quaes as-
sentam actualmente ns emissoes dos bancos exis-
tentes, conforme constar dos ltimos lancamen-
los. que devem existir no ministerio da fazenda.
O Sr. Presidente responde ao Sr. Mariinho ;de
Lampos que na escolha que fizera dos membros
da comnnssao especial usara da aitribuicao que
llie confere o regiment, sem procurar saber co-
mo pensavam a respeilo os membros nomeados.
Tomar em consideraco o pedido que fez o Sr
depulado quanlo a dstribuicao do projeclo elei-
toral : elle ser impresso, c," depois de distribui-
do pelos Srs. deputados, entrar em discusso
segundo ordem das materias.
Quanto observaco que fez o Sr. Mariinho
Campos sobre a discusso do voto de graess, lem-
bra a S. Exc. que o projeclo fra lido e "impres-
so nos orates, e que so depois disto Uvera lo-
gar o debate.
apoiado o roquermento e posto em discus-
so, procedendo-sc, porm, volaro. resel-
lado.
eiloral de Minas.A im-
A annexacao da Italia do prinilr para entrar na ordem dos trabalhos.
. que realisou-se em virlude 1 Outro olficio do"Sr. Sergio Teixeira de Macedo
de um movimento muito mais contrariado que participando que por incommodos de salido nao
auxiliado pelas influencias exteriores, j deixou l>ode comparecer sesso de 8, como lambem
dar um grande passo para essa solucao ; a revo- i no o pode fazer na de 9.Inleirada.
luco da Sicilia a segunda phase. Todos os [ Requerimentos de Jos
t apoiado, posto em discusso c appiorado o
seguinte requerimenlo do Sr. Brando :
presidencia I Requeiro que, nos termos da segunda con-
que por oflieios dos ministe- j clusiio do parecer da comnnssao especial de 11
a juslica lhe constara que S de setembro de 1657, se nomem os membros de
s resoluces ap- que trata o mesmo parecer, para proseguir na
conselheiro Her- investioaco das causas da careslia dos gneros
ilor geral da caixa alimenticios o indicar com urgencia as medidas
Joo Carlos que forem convenientes para altenuar os gran-
des soffrimeotos da populacao.
O Sr. Mariinho Campos entende que enlra
mullo pouco as nllribiiicoes nao s do corpo le-
1 gislativo, mas mesmo do governo, a materia do
requerimenlo do Sr. Brando. A caresta dos
gneros alimenticios tem causas que infehsmen-
Ic nao estn ao alcance do poder humano remo-
ver. Convelo nao illudir a populacao a seme-
Ihanle respeilo. persuadiiido-n de que por meio
de medidas legislativas ou
certas do apoio, mas se pdem reccar a hostilida-
ie do meio dia. Al agora, as guerras da in-
lependencia, os Italianos correram sempre o
pengo de se acharcm entre dous ioimigos. o do
interior e o do exterior. A Austria conlava quer
cono concurso, quer com a neulraltdade do rei-
no de aples ; ella achava ahi um ponto de
apiio, um auxilio ora secreto, ora publico,e una
di versan que paralysava 1 aeco do partido na-
cional no resto da Pennsula. Foi assim que em
18 8 O re de aples, obrigado por um lisiante
a eder ao movimenlo, mandou ao exercito na-
cional algumas tropas que chamou no momento
mas critico, e que pelo eTeito do urna solida-
rielade necessaria, viram-no apagar as ultimas
scentelhas de liberdade no meio da a metida
quia Austria esmagava os uliimos restos da in-
deendencia no uorte. Foi assim aluda que em
18i7, na OCcasio daquella solemne separacao
do: prncipes e dos povos, quando, obedeceiido
a bissomelbantes s que regem o mundo phy-
sio, os soberanos se precipilaro no campo aus-
Iri.co e os povos no campo francez, o re de Na-
polisconservou-se neutro, e o paz mais flores-
ceno e o oxcrcilo mais consideravel da Pennsula
foran seiiaradoso destrahidos do esforeo com-
muii. Ora, em laes conjecluras. a simples neu-
Iraldde se parece muito com urna Iraico ; se
a Insiilidade um cri.ne, a inaeco nina de-
sereno. Durante todo o lempo que o tnimigo
lemum peno solo, neuhuma parle da Italia tem
o dreilo do isolar-se, do recusar o imposto do
z do na I ,11, r : Seri,' Ue^o:^,e, lc e'^r'!- : concao e o imposto do sangue, e qualquer sobe-
fraudes o, i":!,'' tndr S' PMPari'.m ram Ilalia" ue conserva? cap.ivas as forcas de
1 nS?; ?'Pla" de,5aba,d/ cdcl'l".dlspem. pode por isso mesmo ser coside-
seus lompanhoiros d armas, est boje franca- ; ra,io como immigo.
Dito ao mesmo.Para os fins convenienles
passo s maos de V. S. copia do officio ao coro-
nol commandante das armas interino datado de
23 ilo corrente, sob n. 785, com nscontas docu-
mentadas por duplcala da despeza do hospital
militar relativas ao mez de junho ultimo, bem
como o parecer da junta militar de saude.
Dloao mesmo.Eslando nos termos lgaos as
folhas o prets juntos, mande V. S. pagar a Ma-
noel Jos Moreira os vencimenlos corresponden-
es aos mezes de fevereiro, marco e junho deste
mino, do destacamento de guardas nacionaes da
villa Bella, conforme requisitou o respectivo
commandante superior em officio de 14 do cor-
reiM .Communicuu-se ao commandante supe-
rior respectivo.
Dito ao inspeclor do arsenal de raarinha.
Mande V. S. receber a bordo da crvela Unio,
e conservar nesse arsenal, al que lenham o cou-
venicnle deslino, seis boias de ferro com mani-
lhas e nlguiis outros objectos, que se deslinam a
provincia do Rio Grande do Norte.Communicou-
se ao commandante da eslaco naral.
Ditoao inspector da thesouraria provincial.
Convindo providenciar acerca do pagamento, nao
s da leltra da quauliade77.9O6600,que segun-
do o seu officio n. 154 de 28 da abril ultimo, se
est a dever de reslo do emprcsiimo conlrahido
por essa thesouraria com a caixa filial do banco
co Brasil, em virlude da aulorisacao constante do
officio desta presidencia dalado de 24 de outubro
do auno prximo passado, mas lambem dos sal-
dos que so esi restando a alguna credores dessa
thesouraria, e cujo pagamento nao pode ser adia-
do por mais lempo, salvo o que for relativo a
obras publicas, que ser realisado em apolices,
auloriso a V. S. a conirahir com a mesma caixa
para aquello fim um emprestimo de 140:000 rs,
o juros de 10 por cento o por lempo de dous ou
egando nao fessor publico de Jaboato.Passc-se portara
considerando o supplicanle habilitado na forma
da le.
922.Fernando Jos dos Santos, soldado do 8o
balalhao de infamara.Indeferido.
923,Jos Ferreira Coelho.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
924,Jos de Brito Correa.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda
925.Joaquim Francisco de Paula Esteves d-
menle, esenvo do jury Informe o Sr. Dr. juiz
de di re lo da primeira vara crme desla cidade.
J20.Joao Carlos Augusto da Silva.Infor-
me o Sr. inspeclor da Ihcsouraria de fazenda.
927 Manuel Joaquim d'Oliveira Maciel, pro-
fessor publico jubilado.Informe o Sr. director
geral da inslrucco publica.
928.Dr. Ignacio Ncry da Fonseca.Informe
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
929.Joaquim Manoel de Oliveira c Silva.
Informe o Sr. juiz municipal do lermo de S. An-
lo.
930.Joo Ramos da Luz, soldado do corpo de
polica.Passc-se portara concedendo a licenca
requerida
931.Maria Magdalena Nepomuceno da Silva
Pedroza.Ao Sr. Dr. chefe de polica para pro-
videnciar de modo que seja recebida a queixa do
supplicanle o lhe seja feila juslica inleira no ler-
mo de Limoeiro.
932.Manoel do Souza Tavares.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
933.Bacharel Marco Tullio dos Reis Luna,
juiz municipal do termo do Limoeiro.Dirija-se
a thesouraria de fazenda.
934.Maria Coelho da Silva, professora publi-
ca da freguezia dos Afogados.Passe-se portara
considerando a supplicanle habilitada na forma
requerida.
935.Thomaz Ferreira d'Aquino.O que alle-
ga o supplicanle nao isepcao legal do recrular
ni en le espalhado. Tem por lira proseguir na
ooiAcacio da pennsula interior, e nao deixar
fra desta aeco qualquer parte do territorio ita-
liano. O general sustentado por todas as cora-
misses e pela opinio publica da Italia, n'uma
empreza, cujas dilliculdades, exlenco e perigos
ninguera ignora.
a A Sicilia o ponto onde vao o'gansar-se
os elementos activos desta vasta lucia, que se-
gundo os planos de que acabamos de fallar, nao
suspender no reino de aples.
Mr. La Faria, presidente da Sociedado Nacio-
nal Italiana, e merabroda cmara dos depulados
da Sardenha, dirigi, antes da sua pa-lida para a
Sicilia, a seguinte proclamaco aosso'dados ita-
lianos ao s: rvir.o de Uourbon e do Pana.
O grande reino italiano j est constituido,
viclor Emmanuel lera de futuro era armas 200
rail soldados aguerridos e desejosos de tomar
parle em novas batalhas, 100 mil em reserva, o
12 milhoes de italianos que adoram aquello pao,
e o saudara como o primeiro soldado da inde-
pendencia italiana I O estandarte ssgrado das
tres cores esl aorado desde Suze al Rimini.
desde Sondrio al Cagliari e de Ravena al
Leorne
A Emilia e a Toscana quizeraro, juas un-
nimemente lornar-se italianos, ter-se-hia cer-
tamenle chegado ao mesmo resultado
Marcas, Ombrio, aples, e na Sicilia se o'
nao houvesseis opposlo.
Nao necessario que eu vos dijo qual a
marcha que lendes a seguir na inlertsse da vos-
sa honra. Veneza eiisle debaixo do jugo dos
exercilos eslrangeiros. e anda d'all .e nao afas-
taram nem os prejuizos nem as desg.aeas.
Mas quera conserva escrava alalia meri-
dional;quera a exclue da vida racional
quem a torna a trra mais miseravel da Euro-
pa ? Sois vos, soldados italianos do Bourbon e
do Papa, que fraternisais com os meicenarios da
Suissa e da Austria, para essa obra nefasta.
Sabemos que d'entre vos muitos sao ita-
lianos do coraco, conhecemos os seus nonies
a sua boa vontade esl paralysada ; mas a opi-
nio publica nao pode distinguir os bons dos
maos em um exercito, c o mundo diz que de-
pois de Paleslro, Magenta e S Mariinho j nao
da Austria, mas de vos, que depende elevar-
se a Italia ao grao das primelras noe6.es da Eu-
ropa, *
Ura s acto da vossa vonlarje basta, e a lta^.
lia ser Uvro e urna, desde os Alpes al Trpa-
nas
i vos
igo.
Eis o que fez a fatalidade da situaco do Pa-
pa, e o que obrigou urna parle de sefi's Estados a
separar-so delle. O Papa nao podia nem quera
fazc a guerra e prenda os bracos de seus subdi-
tos. Porm ao menos os motivos que o obriga-
varaa obrar, ou antes que o impediam de obrar,
era. motivos sagrados e dignos de todo o res-
peit. Um ral de aples nao lem semelhanles
ntoliros ; nin rei de aples pode usar de espa-
da, econvm que use d'ella em favor da Italia e
nao m favor d'Austna.
Hara, pois, um profundo instinclo no movi-
mento irresistivel que lanco. Garibaldi na Sicilia.
Era previso de todo o esforeo fulurou, aples
eslava em pergo ; ora o inimigo, era a Auslria
pela retaguarda. Era necessario obler a segu-
ranza por esse lado, ter a corteza de que era
quanlo se fizesse frente ao norte, nao se teria ou-
lro inimigo pelas cosas. Em urna palavra,
preciso que aples seja Italiano.
Tal a queslo que segundo o nosso pensar,
domina lodas as outras, celia nao nos parece to
fcil de decidir-se hoje como poderia s-lo ha
um anuo apenas.
Nao somos cortamente partidarios systcmaticos
de urna unidade absoluta, e pensamos que urna
organisaco federal lalvez aatislizesse melhor
que qualquer oulra as necessidades, os inslinctos
e as Iradices da Italia. O projeclo, porem, de
confederado era viciado desde a origuera por
algumas causas, e a prmoira era a inlroducro
de um elemento eslrangeiro. A presenca forgda
d'Austria em um federaco italiana "nao poda
ser seno a perpetuidade do oslado de guerra.
O que dizernos >de Auslria pde-se dizer dos
governos que sao na Italia seus alliados e seus
representantes. Se o re de aples houvesse
tomado parle na guerra, se se houvesse mostra-
do principe italiano, leria adquirido direitos para
permanecer rai do meio dia, como o re da Sar-
denha tornou-se rei do norte. Mas elle conser-
vou urna neutralidade que todos suspeitavam que
em caso de desastre deveria converler-seem ini-
raizade. Eis o que lorna a sua presenca anormal
na unio federativa. A Italia nao pede contar
com elle ; a Italia diz a si mesma que no dia em
que fosse chamada a combaler em Verona e em
Veneza, ainda haveria Austracos em aples.
Prev qu achar-se-hia entre dous fogos, e quer
comecar por apagar um delles.
Para nos limitar arj ca90 aclual e ao que diz
respeilo a Sicilia, pensamos que se pode consi-
derar essa par'.e do reino de aples como de-
finitivamente perdida por elle. O bombardea-.
Oulro requerimenlo de Jos Goncalves da Sil-
va, pediudo concesso para se naturalisar brasi-
?'7i com"liS'' Ue eonsliluco e poderes.
E liJo, posto em discusso e pprovado um
parecer das commissoes de fazenda e de agricul-
tura, minas o bosques, resolvendo que sobre a
prelencao da assembla provincial do Para seja
ouvido o governo.
E' julgado objeclo de deliberaeao e vai a im-
primir para entrar na ordem do's trabalhos um
parecer da commisso de pensos e ordenados
approvando o decreto n. 2.410 de 27 de abril do
anuo passado, que estabelece definitivamente os
vencimenlos e regula as accumulacoes e substi-
tuirles dos empregados do imperial instituto dos
meninos cegos.
Sao lidas, postas era discusso o approvadas
diversas redac.es mandando admillir matricu-
la das (acuidades de dimito e de medicina do im-
perio varios esludantes.
Segue-se a apresentaco de indicaco o reuue-
rimcnios.
O Sr. Mariinho Campos, anles de entrar na
materia sobre a qual pedio propriamenle a pala-
vra, pede licenca para fazer urna queixa contra o
Sr. presidente da cmara. O que na casa se or-
tica sem exemplo nos oulros parlamentos.
Quando se confere ao Sr. presidente a aulorisa-
cao para nomear commissoes especiacs, que se
teera de oceupar de certos assumptos importan-
tes, nao isso um aclo de mera ditl'erencia ;
um appello que se faz sua imparcialidade, que
deve ser sobranceira s paixes que possam di-
vidir a assembla. Seraelhanle imparcialidade
nao foi sem duvida observada na escolha dos
membros que formaram a commisso especial en-
carregada de dar parecer sobre o projeclo de re-
forma eleiloral. S. Exc. nao chamou para essa
commisso seno membros da casi notoriamente
favoraveis ao projeclo. Esle fado collocou os
membros que pensam em sentido contrario na
posico desventajosa de nao poderera esludar a
queslo como cumpria, E' sabido que em lodos
os parlamentos o esludo das questes graves
feito principalmente as comraissees.
Entretanto essa queixa nao altera a eoofianea
que lodos leem na imparcialidade do Sr. presi-
dente da cmara. O orador a altribue a solici-
lacoes importunas do governo, nao lendxi o Sr.
presidente percebido o lago em que o lizeram
cahir.
O orador espera qiie esle inconveniente ser
obviado se S. Exc. antes de marcar para ordem
do dia esso prejecto, com que se pretende salvar
o paz do pergo de eleger representantes sua
vontade, der a cmara o lempo necessario para
esluda-lo. Islo est lias conveniencias de todos,
e principalmente dos que advogam a reforma ;
esses seuhores nao querero sem duvida, privan-
do a opposicao do estudo necessario, fazer urna
confisso do fraqueza o dar aos adversarios una
anticiparo do Iriumpho.
E' de esperar, pois, que com a reforma eleilo-
ral nao succede o mesmo que com o voto de gra-
cas, que foi dado para ordem do dia na mesma
sessao em que foi distribuido.
Referindo-se em seguida ao objeclo para que
tomara a palavra, que foi a apresentaco do ro-
quermento que abaixo segu, observa que o Sr.
presidente do conselho nio lenha al aquella da-
ta cumprido a promessa que fizera de apresentar
a cmara os inqueritos (nadados fazer sobre a
queslo bancaria. Duero que esses documentos
sao de urna alta importancia, o se o Sr. presiden-
te do conselho, com os allos recursos de que dis-
pe, com os profundos conhecimentos que lera
da materia, lovou 10 mezes para deliberar-se so-
bre a queslo, n3o adiar de certo muito que a
cmara dos deputados, peca algumas semanas
para esluda-la.
O orador, pois, quera que a cmara, guarda-
das lodas as conveniencias, supplicasse a S. Exc
a graca de consentir que ella eslude desde j os
seus inqueritos, remeltendo-os para esse fim cora
toda a brevidade.
Alera disso mister tambem que a cmara co-
nbeca as informarles da ultima dala colhidas por
S. Exc. a respeilo do estado das caixas dos difi-
ranles bancos, a respeilo do quanlo das espe-
cies, dos fundos de reserva a dos fundos dspopi-
governainentaes, se
possam obviar os males que por esse motivo pe-
sara sobre o povo. Faz a juslica de coofessar
que a esse respcio os governos "lecm feilo o que
leem podido.
Se ha meios para remediar laes males, elles
nao podem ser seno meios indirectos, como o
allivio de impostes, quer de importaco, quer de
exportaco. e oulros desla ordem. Desses que
cumpriria laucar mo.
O Sr. Brando : Sr presidente, nao me
sorprende, e antes me parece mu natural que
n'uma cmara onde se do os fados, que nesta
se passam, baja quem qualifique como patriota-
da qualquer medida que lenha por fim atlender
aos interesses reaes da sociedade, e altenuar os
sofTrimenlos do povo. Assim deve ser!
O Sr. Mariinho Campos : Declaro que nao
me refer a V. Exc, e sim falla do throno.
Desdo j pcco-lhe dcsculpa, se assim uo en-
teiiileu.
O Sr. Brando: Desdo o primeiro anno da
presente legislatura que o imperador nos seus
discursos de abertura da assembla geral chama
a altencao do parlamento para o estado de exces-
sva careslia dos gneros alimenlicios, e recom-
menda-lhe que adopte medidas que tacam desap-
parecer esse mal que especialmente aflige as
classes pobres do paiz.....
O Sr. Mariinho Campos: E o governo lem
feilo o que podia fazer; 6 urna juslica que lhe
rendo.
U Sr. Brando :......e poslo que esses discur-
sos sejam reputados pecas minisleriaes. ainda
assim nao me parece acertado dizer-se que elles
coulem palriotadas, como o nobre deputado
acabou de aflirmar.
O Sr. Mariinho Campos : Sao pecas minis-
leriaes
O Sr. Brando : Sao prcas minisleriaes. c
verdade, mas leem a assignatura do chefe da na-
ci, e cu nao quizera ouvir dizer-se que em ac-
tos to serios se cncontram palriotagens.
O Sr. Mariinho Campos : as fallas do thro-
no nao enxergo seno os ministros. Nao me col-
loque, o nobre depulado em outro terreno.
Sr. Brando : Oque porm me causa ad-
niiraco que o nobre depulado paraca duvidar
da competencia do corpo legislativo e do gover-
no para adoptar medidas que, se nao directa, ao
menos indirectamente, possam de algum modo
allviar o povo dos males que solTre
O Sr. Mariinho Campos : Eu nao disse
isso, pelo contrario, alcenfessei quaes as medi-
das que se deviim tomar,, como estradas, ele.
O Sr. Brando : ..... c ainda mais, que ve-
ja grandes perigos na discusso desta materia.
Assim por certo nao pensava o nobre deputado
em 1857, porque na sesso desse anno foi no-
meada, a requerimenlo meu, urna commisso pa-
ra esludar as causas da caresta dos gneros ali-
menticios, e indicar os meios de remover este
flagello; c o nobre depulado se oppoz a isto.
Ora, essa commisso apresentou um parecer
que coarluia, entre oulras cousas, que se aug-
mentasse o numero de seus membros, para poder
olTereeer casa um trabalbo ampio o satisfac-
torio ; como esse parecer nao foi votado, entend
que.devia chamar a atlenco da cmara sobre
esle objeclo por meio do requerimenlo que est
em discusso.
V pois o nobre deputado que nao se traa de
um assumpto novo, e que se ha alguma cousa
de extraordinario est cortamente da parte d'a-
quelle quo impugna o estudo de urna malcra
lo importante como esla.
O nobre deputado sabe que o flagello da ca-
resta da alimentago publica enlre nos tem che-
gado a tal ponto que j explorado em outjos
paizes, e annunciado como a causa prxima ou
remola de grandes commoces e dissoluco so-
cial ; e em vista dista disto, como pode reputar
perignso que os poderes competentes procurara
esludar a origem do mal, para extirpa-lo, ou pe-
lo menos alliviar as afflieces do povo? Perigo-
vejo eu em nao se tralardisto, em gastar-se o
lempo com discussoes inuleis, e que era nada
concorrera para o bem do paiz. Sorprende-roe,
entreunto, que o nobre deputado, que se diz
perlencer ao partido liberal, nutra taes ideas a
respeilo de um assumpto em que o povo parti-
cularmente inleressado.....
O Sr. Madureira: Nao quer engaar o
povo.
O Sr. Braudo : Nao quer engaar o povo,
diz o nobre deputado pela Bahia ; e quem que
quer engaar o povo? Por ventura o imperador
que firmou a falla do throno, e que nella recom-
mendou que se trataise desta materia, quer en^


(2)
MIMO DE PEfcMKWOO. QUINTA F1R X 26 DE TULBO DE 1860.
ganar o povo?.... ( A'o, nao.) Os ministros que- i
rom engauar o povo ?
O Sr. Marlinho Campos: Os ministros,
ta senhor; convem isso aos seus planos fu-1
turos.
O Sr. Erandao : Nao lhes faca esta inios-
tica.
Os ministros pelo menos teem lauto patriotis-
mo, quanto o nobre deputado pode ter. ( Apoia-
ot.) E sem lhes fazer favor, aQaneo que nao so
prevaleceran! de meios menos decentes, de urna
palriotagem.como diz o nobre deputado, parase
tonservarera no poder. ( Apoiados.)
Senhores, digamos a verdade com franqueza ;
ueste negocio o governo se lem portado com
maior sulicitudo do que o parlamento 4-ogo que
zes _ a.'jociaco, acrescentandr, conforme a partecipa-
rjio, quQ Pinto Madeira declarara formalmente,
que ia e'ngrossar e organsar seu partido no Cari-
ri, o dispor tudo para em seu lempo pronunciar-
se contra a liberdade e independencia do Brasil:
recriminaces triviaes dos partidos daquelles
lempos, mas que foram laucadas adrede para nao
deixar um momento de folga victima, que unta
mao secreta persegua a todo o transe, c sem to-
dava dar a menor dercouslraco ; o que se dc-
duz fcilmente de tintas e de la o amiudadas ac-
cusaces contra Pinlo Madeira, de quo sempre
foi elle absolvido por seus inimgos, nao os di-
lectos, masesses suscitados, que nao linhara a ha-
bilidade de comprehender a Id rea secreta que os
xilio ao coronel Agoslinho, aslu'o especlauor
desle drama c causa secreta de tantos desatinos;
obrigaram o juiz ordinario Cardes a instaurar
processo, como ouvidor, individes de um ter-
mo eslranho, pelo crime do serem columnistas e
conspiradores ; aos quacs Qzcram condemnar
priso ; c por ultimo decretaram que se reunisso
gente armada e quo so requisilasse a tropa de
linha do destacamento para ir inimediatamcnte
atacar a villa do Jardim.
i a desenvolver-so a caresta das 8ub- lmPellla-. Adsla, portanlo, de urna seraolhante
tisleticias. maudou proceder a um inquerito so- I communicacao, Iratuu o conselho do deliberar so-
bre suas causas, tonsullou os homens os mais bre as medidas que convinha lomar em taescon-
compelenles. ouvio a todos os presidentes de; lunlunls : houve grande indecisao, appareceram
provincias, derramou circulares por lodo o impe- d,versos moJos de apreciacao da situacao, aven-
pedindo infermaces a respeilo dos precos ".am-se vanas ideas sobre ella ; nias.alinal pre-
o,
lia-
dos gneros alimenticios nts differenles locali- valcceu sobre ludo o parecer de que Pinto
dados ( apoiadoe ); collego emfim todos os da- jdor e foa Andri Teixeira Mondes fossem sus-
tos que podiam esclarecer a questo. Assm i P^eos de seus commandos, e revocados quanto
procederam os diversos roinstm....UfO*to.) Para,a caP,al- assiin mo lambem o nga-
O Sr. Ministro da Marinha : Inclusivo o do Jardlm- \ P01S- a 6 de abril foram am-
mlnifllerio que mereceu a conliauca do nobre de-, bos suspensos, o logo substituidos por
jratado, que tratou isto de patriotagem.
O Sr. Ilrando : ..... mas o corpo legislali- .
vo o que lem feito 1 Nada, o agora que eu nrn- ,
:uro lembrar a cmara as recoramendac^o
Uirono, e chamar a sua attenco para o estado | escolliido para substituir a Maycr, quo ra re-
de miseria das classes pobres, apresenta-sc o
nobre deputado qualifieando como patriologenn
viam na dura necessidade de lhes deixar dar ex-
leasa franca seus inslinclos brutaes.
Pialo Madeira e Antonio Manoel, no entretan-
to, aguardavam anda o resultado dos oflicios,
que do Jardim haviam expedido ao governo, na
esperanca de quo este interviesse na lula, e se
oollocasso de per meio aos dous partidos que se
debaliam. Ms laes esperancas mallograram-se
e com pouco foram informados de quetinha o
I presidente Jos Marianno approvado sem reser-
>'o entretanto Pinlo Madeira, informado do i va ludo quanlo se havra praticado contra el-
que so passava no Crato, cansado de tantos e tu es ; assim como que dispunha-se oppor-lhes
ronhidas persegucoes, s quaes conheceu que (forras consideraveis. Com effeito, com a noticia
havia de suecumbir tarde ou cedo, dispunha-se da derrota do Burity, c da entrada dos rebeldes
a relirar-se para fra da comarc do Cariri. O
vigario Antonio.Manoel porm, satendo do desig-
no Crato, o presidente convocou o conselho do
governo, no dia!6 de Janeiro de 1832; o dando-
nio do seu amigo e correligionario ; e conho- fie parte dos acontecimentos, declorou ter resol-
com man-
dantes da conanca do governo ; o qual solicitou
ao mesmo passo ao imperador a aubstiluie.ao du
se
Aracaly, foi
necessidado urgente! Nao posso porm admillir
ue elle desconheca o pessirno estado em que
nos adiamos, e antes inclino-aie a crer que usa
desse expediente como arma de opposicao
i Apoiados).
movido.
Por esta occasiao, na cile do Rio de Janeiro,
occurrcucias se deram que nao farci seno apon-
lar de leve, para alar o fio dos aconlei'menlos
que ellas promoveram tiesta provincia por urna
cendo que se por ventura elle se retirasse. todo
o peso da tempestado viria a recalar sobre s s-
meiita; entendeu que cumpria-lh) conservar ao
seu lado este campeao to dcslemido, cojo nome
s inspirava lanos receios a seus inimiaos ; foi
ter com elle.pois.a seu engenho Ccil, demoveu-o
do proposito em que eslava, e ainal resolveu-o
a aceitar antes o desafio quo lie oftereciara os
antagonistas, e a tentar a sorte das armas, do
quo tornar-se pela fgida o ludibrio dos seus
iuimigos comtnuns Aps sto, trouxe-o com-
sigo para a villa do Jardim, onde chegados, con-
vocou a cmara c as autoridasdos do termo, e pa-
teiiteandolhes o estado das cousas no Crato, Ic-
vou-as a protestar ao governo a sua adhesao s
ideas de 7 de abril, pedindo-he simultnea-
mente soceorro e assistencia em circunstancias
to apuradas, c declarando-lhe que no enlre'.an-
lo iam tomar providencias para resistir s ag-
gressoes dos sediciosos do Crato, em quanlo o
overno nao lhes dava o solicitado auxilio. E
froa de repercussao. Aggredidoo imperador D. para este fim foi convidada a populacao do Jar-
Pedro com incrivcl tenacidade pela opposicao, dim e de seu termo a por-se debnixo das armas,
que a sempre crescento em numero o em vigor; c de promplido ao mando de Pillo Madeira.
, e nao leudo sabido ou fallecendo-lho os meios Dado este passo. a luta estava de fado tnva-
lialro da Marinha : Apoiado ; e de coier.||,c a audacia, os embarazos da stua;ao da. A nggressao linha partido do Crato indubi-
dobraram de foreja, c'foram tomando novas pro-
porces de momento para momento.
A' 3 de malo de 1830 abri elle em pessoa a Ia
sesso da segunda legislatura, pronunciando cu-
ino um discurso d'abertura mui notavel; mas no
correr dos Irab.ilhos della chegou ao Brasil a no-
clle mesmo indicou algumas medidas que con-
vi ni lomar.
0 Sr. Marlinho Campos : Eu rae expli-
ca re.
O Sr. Brando : Senhores, em todas as so-
ciedades bem organisadas sempre foi considera-
do como objeelo de primeiro cuidado prover a
alimeiitaco publica.
O Sr. Marlinho Campos : Isto 0 cui-
dado dos particulares; nisto que divetgimos.
O Sr. Brandan :So se consulta a historia,
v-so quo desde o lempo dos Romanos, e mes-
mo antes dessa poca, foi lido como assumpto
la maiurimportancia evitaras crises que nascem
da caresta ou falla das subsistencias. Neste
sentido aquello povo creou urna magistrado es-
pecial (I'tefeclus annoiur), pora velar o abasle-
1-imento publico e reprimir a lyrannia dos mo- I seus deveres, e ao mesmo lempo
nopolistas.
Entre as nacoes modernas que mais edianta-
das se achara em civilisaco tcm predominado
o mesmo pensamento. Em Franca, por exem-
plo, os poderes pblicos interveerii uesla mate-
ria, e suas leis c regulamentos sobre as colhei-
tas, sobre o pao esobre as carnes verdes, provam
que alli a mizera publica nao objedoqueseja
tratado com iudlTetenQa.
Um cscriptor Ilustre, M. Ampere, diz que a
. fome tem sido a causa da mor parte das revolu-
;ocs ; e por isso enlendo que esludar as suas
causas e procurar rcmov-las, ou pelo menos
alteaos-las, era vez de merecer o titulo de pa-
triotagem, que o nobre deputado lhe d, deve
ser considerado como um acto de prudencia co-
mo o cumprimcnlo de um dever da parle do
corpo legislativo.
O nobre deputado argumenlou com a liberda-
tavclmeulc, sendo verdade lam'iem que do lado
do Jardim commetteram-sc imprudencias irnpa-
raveis ; mas quo partido.lomar em semelhantes
conjuncturas "? I...
O governo prevenido do qie se passan no
Cariri, mas sendo de loriga data intenso finio
vido mandar o commandanle das armas interino
Francisco Xavier Torres com todas as tropas do
linha e de milicia, que se podessem reunir, afim
de bater a Joaquim Pinto Madeira. O conselho
approvou esta resolucao do presidente, e imme-
dialamente expedirn-le ordens para marchar
as tropas de lodos os ponlos sobre o Cariri ; o
22 do mesmo mez parti o raajor Torres da capi-
tal, 25 estava no Aracaly, e 6 de feverero
chegou ao Ico, no dia da batalha da Varzc-
Alegre.
Joaquim Pinlo Madeira o Antouio Manoel, es-
lando no Crato demorados com o lira de vera
face que as cousas tomariara na capital, e reco-
uhecendo afinal que nada tinham que esperar de
uni governo que so lhes raoslrava tao infenso,
sera mais possibilidade de recuarera ou de dopo-
rem as armas, resolveam-se marchar em di-
reitura capital, afrontndoos rigores de um in-
vern extremamente chuvoso, afim de irem im-
por a lei ao presidente, j que nao recebiara
delle o remedio que tinham implorado. Isto
posto, e assentado em fins do m> z do Janeiro,
pozeram-se de marcha do Crato para o Ico, cora
toda a sua gente, em duas columnas, urna pela
ribeira do Ro-Salgado, e outra pela estrada
da sorra de S. Pedro.
Conlinuar-se-ha.)
sentei fundados na lellra e redaeco das acias ue
qualiiicacao, cojos trechos at espiei na dita mi-
nks carta ; mas como tirou elle illaooes, desco-
rri incoherencias e mil outros defeitos, forzoso
rae repetir-lhe a verdade, para que nao cale a
mentira que nao cessara de repetir.
E bello ver o Genuino tirar illacoes do
modo que lhe pareceu, e dar-lhes agora respos-
tas muito satisfactorias ; vejamos assuasilbcoes,
dcpois suas respostas, e depois deslas enlao a
minha raclificaco. As illaqoes sao as seguinles :
1.a Que o Salgueiro s dando 8 elcilores a
junta de qualificacao nao poda qualificar 1,512
votantes.
2.a Que no Salgueiro s ha ura lado quo d
as cartas.
3.
i
ticia da revoljeoi dc.iulho, que fra consumma- j Madeira, e estando nao s muito prevenidocon-
da em Franca wMicit .'|ue produzio viva sensa- ira a gente do Jardim, assim como sempre pro-
cao nos espritos, enchendo de esperanca aos li- } pens a favor do Crato e da gente que ali resi-
beraes e do terrores aos conservadores, ao passo
que commuulcou imprensa anda mais desen-
voltura do quo dantos. O imperador, portanlo, en-
tendendo pelos fados que scuslrabalhos nao tra-
ziam os melhoramentos desejados, encerrou a
sesso no dia 30 de novembro, na occ.so da
fuso das duas cmaras, agradecendo aos mem-
bros do una e de outra o fiel cumprimento de
manfeslaudo-
liies o pesar que senta por nao liaverera elles
decretado as medidas de urgente necessidade ; o
que esperava que fizessem na prxima sesso.
Com a adopQao c prallca desla medida, o vulto
poltico do monarcha amesquinhou-se ; o a op-
posicao chegou ao ultimo grao de exaltado, nao
respeitou mais era a vida privada dq^fundador
do imperio ; ao qual por estes meios indignos,
tornaram impopular e at aborrecido das popula-
cues Unto da corle como das provincias.
A de Minas, ura das mais populosas do impe-
rio, lendo manifestado maior desconleulamento
do que asoulras, a ponto de levar esso descon-
tentaraento jo extremo de proclamar ideas de fe-
deraco, o imperador era taes conjuncturas resol-
veu ir Tlzita-lo cora o lito de acalmar os espri-
tos ; e pois, a 30 ae dezembro parti da corte com
a imperatriz em dirceco de Ouro-Preto, onde
da, resolvcu mandar para o thealro dos distur-
bios o commandanle das armas rhomaz Antonil
da Silveira, que linha vindo por riomeaco espe-
cial substituir ao major Francisco Xavier Torres.
A' vista desla resol
com (ropas a 28 do
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA-
O recrutamento c una dolorosa necessidade,
que nos imposta pelo estado do nossa organi-
saco social; mas com o ser elle um vexarac no
seu lano, nao deixa com tudo de dever-se pra-
lica-lo, pois que um preceilo de ordera superior,
u^-o, parti ello da capital juma obrigarao do ordom publica, o determina
jullio, e chegou ao Jardim | E cerlamcnle um do
os conlra do nosso estado
sem nuvidade. Mas a 28 de agosto de 1831 ten-|social; a conscripeo seria um meio
i publicou a 22 de fevereiro de 1831 a famosa pro-
co dcconimercio, para provar que o monopolio clamaeao. que deu motivo a to sinislras inter-
nao tem influencia na caresta dos gneros ali- pretacocs. Exprobrava os excessos da
menucios, e nao fez mais do que repetir o que
outrosj disseram : nao me oceuparei por ora
<:m discutir este ponto, porque s peco que so
stude a queslao em vista dos esclar'ecimenlos
que exislem na casa ; quando porm a commis-
so offerecer o seu novo Irabalho ilirei o que
pens; entretanto perniilla-me o nobro deputa-
do que anlec.ipadamcnie Iho declare que dou
mais pelo que diz o discurso da cora, pelo que
consta da noloriedade publica, do quo por toda
sua argumcnlaco. O monopolio existe, e a el-
le sao devidos em grande parte os lormontos por
que vai yassando a populadlo
Um Sr. Deputado :Monopolio sera lei que
lhe de peivilegio.
Outro Sr. Deputado :O governo nao pode :
inclter a mo nestas cousas.
Ouiro Sr. Deputado :A liberdade da indus- I
tria e do commercio ncsla materia c o nico re-
medio. I
O Sr. Brandal :Tenho concorrido.
O requcrimcri|0 approvado.
Nao havendo mais requeriincutos de qno se i
ti.iie. entra-so na ordeno do dia.
'I Sr. Gomes de Soma diz que nao pode a- !
companhar o Sr. Peixoto de Azevcdo as ar-
guirjoes que fez ao go\crno, relativas reform
da academia militar.
O orador demora-se cm demonstrar que essa
reforma satisfez as maisindispensavois condices
do ensino, em vista de nossas necessidades. El-
la alliou as necessidades do esludo pralico com
as do ensino theonco, realisando anda econo-
ma de lempo e despezas.
Em abono desla opinio o orador cita diversas
medidas do novo rogulainento.
Entre ellas distingue, como capital, a creacao
do intrnalo e a liberdade na admisso de pro-
fessores eslrangeiros.
Entretanto nao deixa do concordar que, na
parte relativa no ngor da disciplina militar, ha
.Igum fundamento de objecedes, nao tanto pelo
que respeita disciplina propriamente, mas por-
que ella otl'erece embaracos aosesludanles que,
nao se dedicando carrera das armas, quize-
rem aproveitar-sc do ensino acadmico.
ti orador termina, depois de algumas outras
GOnslderacdes, declarando ultima parle as disposiQes do novo rcgulamento
iio seiam senao temporarias.
O Sr. Paranhos antes do entrar no objeelo
em disenssao, responde a algumas observaces
qu! Ilie foram feitas quer pelo Sr. presidente do
conselho, quer pelo Sr. Franco do Almeida.
O Sr prcsidcnlc do conselho dedarou que
d3o aceitara apoios condicinnacs. O orador ob-
serva que nao fizera a S. Exc. ollera alguma,
nein lambem imposco de qualquer genero. No
que disse a respeito de sua posie.o para com o
do sido assassinado um dos sius soldados pela
gente do Pinlo Madeira, apoderou-se elle do um1
terror pnico, e vollou com toda a pressa para
a capital, onde chegou a 17 de outubro. U'ahi
uasceu anda na capital maior ndisposco con-
tra Pinto Madeira, cujo nome e fama eram capa-
zes de fazer correr um official superior.
A 5 ile outubro o padre AUxandro Francisco
Ser bolln V'erdcixa, hornera eminentemente im-
raoral e turbulento, tendo sido preso por crimes
pelos quacs liuha de responder no foro do Ico,
foi para este fim para alli enviado sob a guarda
d'uma escolta ; mas tendo conseguido fugir cm
caminho, dirgo-se S. Ber lardo das Russas,
onde inlnntou amotinar a popu aco contra o go-
verno, proferindo injurias e gritos sediciosos con-
lra este vociferando pela ra o dando gritos.de
fora o vice-presidente
demonslraces
mais ra-
cional para o preenchimento das Olena do ex-
ercito ; mas onde existo ella?
Como anda seria cxeqnivel, quando tenlan-
do-se a organisago de um censo estalislico da
populacao do imperio, foi essa medida tilsima
proveitada pela intriga para insinuar as mas-
as populares principios subversivos da ordem
publica ?
O recrutamento porlanto 6 ura onus que de-
corre da nossa siluaco e nao de individualidades
a 3." Que o subdelegado processou adrede 14
pessoas do lado opposto ao seu, somente cora o
lira de arreda-las das urnas.
4.a Finalmente, que no processo da quali-
caQo houveram muitas insularidades pelas
quaes considera nulla a qualilicago daquella fre-
guezia.
Vejamos as respostas que deu o Genuino
taes illacoes.
Quanto a Ia. diz elle, que o fado de dar o
Salgueiro somente 8 elcilores nao obsta so pos-
sa qualificar alli 1,512 votantes.
Quem ler a minha carta inserta na Revista do
Diario de 28 de abril ultimo ver o modo mise-
ravel porque o Genuino >> torce as patarras, os
sentidos e as phrases, para adiar geito de refu-
ta-las Eu nao ctei o numero de 8 elelores
para provar em como a junta da qialificacao nao
poda qualificar 1.512 votantes, como aprscutou
o Genuino e sim para mostrar que era a mais
pequea das cinco freguezias da comarca, tanto
que entro parentoses foi que ctei os nmeros
de eleitores que cada urna dava do modo se-
guinte :
A frogueza de Salgueiro que a mais peque-
a da comarca (como prova o numero da 8 elci-
lores que actualmente d, ao passo que asoutras
do 18, 1!), 26e-30) apresentou una qualiica-
Qo de 1,512 Votantes, qnando nao lem lalvez a
melado. Portanlo, v Vmc, meu amigo, que
tanto a illaco como a resposla arranjadas pelo
Genuino foram l da sua lavra.
Quanta a 2a diz elle, dirci que S. S. com ella
distruio toda a aecusarao que lzera a junta de
qualilicaeao e ao subdelgala. Porquanto se
S. S_ o primeiro a reconhecer que no Salguei-
ro s um lado que d as cartas, nao pode dei-
xar de concordar comigo, quo esso lado nao
tem necessidade de fazer resuscilar morios para
vencer a cleiro, como affirma S. S. sera se lem-
brar da grande incoherencia em que cabio.
Avalio, meu amigo, que o Genuino nada
entendo dos preceilos grammaticaes da nossa
lingua, ou enlo convem-lhe entender as cousas
jovern.mintaos, que d'ello lance mo para lins i
EESS^jnssid pV0-como em "cre;'car.^n?u; o'bK'";
n,sK 'Cr"S; votantes cima diados. Ora, fallando
iiestalcado o nosso cxercito do pracas, cxis-
indo s suas filciras vareadas com r'elaco ao
essoal, forja que a substituirlo venha por
I im termo aislo, tanto mais quanlo dos bata-
residente Em lirlude disto, e de hoes de linha, que ora exislem na nossa
s idnticas apparecidas no Aracaly, |ci0, temos cxemplo frisante desse estado.
prelacocs. Exprobrava os excessos da opposicao
c da imprensa ; mas era tarde para applicar-llies
o remedio, tanto irais quanlo a frieza e a falta
de respeito que encontrn alli, deram-lhe a co-
nhecer toda a impopulardade a que linha tocado,
de modo que voltando para o Rio de Janeiro, fal- ,
lava sempre de abdicar.
No seu regresso chegou a San-Christovo all
de marco, e na noite de 13 para li leve lugar,
sem a menor intervenco delle, o fatal e san-'
guinolento conflicto, denominado a Afoliadas]
por ineilaces do juiz de paz Ayrcs, c lambem ibstanlo. censura-so o recrutamento c insliliuo-
n'oulros lugares da provincia, e egualuienle por ,e na populacao, que para elle olha com ins-
quo j a incutindo serios, e muitos receios o re- inctivo horror, ideas desconvenientes, o quo
sullado dos dsluibios do Cariri, o vice-presiden-1 etcedem sua maldade ordinaria, tanto mais
te Jos de Castro e Silva deposilou as redeas do ; maulo as inlences do Exm. Sr. presidente a-
governo durante a noite as ruaos de seu irmo '
Joo Facundo, que no dia segu nle,8 de outubro,
chamou o ricc-presidcnlo inmediato, Migue
w_ww v. ..-_...... ......^...., .-,._,.-. ,,iMi.-.iMu.iruij aupenu ua guurua naciuiM
Antonio da Rocha Lima, para tomar conta do I o municipio acerca da emergencia, como
governo. listo j honlera demo-lo a conhecer aos
Assuslado este tambem do oslado das censas
no Cariri, d'onde procediam i arles aterradoras
lodos os das, por ord-m do governo central, se
garrafadas, cm que o partido portuguez rom- expodio avisos paia ser l'inlo Madeira processado
peu em excesso com o partido exaltado. Desle | por crime de rebellio contra o governo exsten-
facto originou-sea szania de que elle favoreca os. t
do
do
i Porluguezes, que por isso queran) dominar os
Brasilciroa ; e que portanlo era necessario repri-
mir a audacia desses iusolerites eslrangeiros.
Nestas circumstancias, sob um co tao carrega-
do, pois, que fez sua entrada na CltC, onde foi
framente acolhd. Mas icconhecendo o mo
caminho que toinavara as cousas, a de abril do-
minio o ministerio, c o subsliluio por titulares
queja haviam oceupado pastas do ministros; o
que occasionoo um alorante na plebe, quo reu-
iiindo-sc no campo de Santa Anna, d'ahi cnrlou
urna commissao do tres juizes de paz, pedindo a
reintegraco do ministerio destituido ; isto, po-
rm, respondeu nobremente S. II., qne ludo fa-
ria para o povo, mas nada pelo povo. Com a
imiida desla resposla, o povo c as tropas allra-
hidas por ello foram-se concentrando no campo ,
de Sania Anua; o batalho do imperador adherio ; 'lueilJ o cotnparecimonto do ox-presidente Jos
tambera a rcvulla, e D. Pedro sabendo desla de-i dc Cislro o Silva peraute o iribuual do jury de
senonjo se allerou, e para que nao bouresse Aracaly, por actos praticados durante a sua d-
cluso dosangue.ordenou que para aquelle cara- i minlstraco.rechewhdo o reqienmonto feio pa-
po fesse o regiment de arllhara moiuada, que
se achara no pateo do paco imperial.
Nesta situajo, fatigado de tantas lulas, a 7 de
abril escrereu, sem consultar pessoa alguma, o
acto da nbdicaco favor de seu lilho D. Pedro
II, nomeaudo, por tutor c curador dos filhos ; S^r da plebe araralyense,
que deixava no Brasil, a Jos Bonifacio de An-
drada. Em seguida, tendo arranjado seus nego-
cios domsticos, embarcou-se, por sua livre e ex-
ponlanea vontade, n'uma nao inglesa, levando
i em corapanhia sua lilha I). Mara ra Gloria, de-
I pois ranlia de Portugal; e a 13 fez-se de vela
[ para a Europa, u'onde nao vollou mais ao Brasil,
licando D. Pedro II de menor idado acclamado
imperador.
diam-se notavelraentc caraderisados nos seus
dlicios dirigidos aos Srs. I)r. chefe de poliqa e
uinmandanlc superior da guarda nacional des-
alra
nossos
eilores.
A guarda nacional nao acha-se por lei al-
guma zenta do recrutamento, pois para essa se-
neralidade nao cabe o que foi dispesto acerca
J'aquella das provincias,
o de sedueco da popula;iio para nao usar
laco nacional. O lente Chaves foi manda-
com um furte destacamen.o para auxiliaras
aulondades, c no Io de dezen.bro 0 ovidor Car
doso principiou a devassa conlra Pinlo Madeira.
No dia 8 desle mesmo mez dosembarcoii o novo jrigum excesso ha sido commettido,
presidente Jos Marianno de Albuquerque Caval- 'ecebido a conveniente roparai;o, como deu-se
canli, que foi empossailo per Miguel Antonio m om esses que se improvisaran! do recrulado-
adminisiraro da provincia; c a ll deram os Ara-! "es para haverem diuheiro das pessoas a quera
calyenses urna queixa conlra o seu juiz de paz pegavam.
Joaquim Emilio Ayres, cm consequencia de ex- .
cessos dc poder um e arbitrariedadesporellcpra-', Af ^is!iao d?.zcr recrutamenlo nesta cida-
ticadas para com os cidadiiosqueixas que se basca- do fl "l.nraellld? p,or ? E,xc- offlc,;'1 de
ramem ter elle condomn..do a um mez de pri- ful, C0"'lanCa; s sao a Joo Chysoslhomod'Olivdra por nao hiver' fan,- .H verdade que appareccram aquellos
comparecido aiim de prestar c juramento o en- "nprorisadOS recruladores ; verdado que al-
p
mens. fui ad hoc involvido 14 em um processo
monslro que sabio das forjas dosubdelegado.o lado
reinante de corabinaco com o chefo desse mesmo
lado morador em Cabrob, que so ada aqni era
minora, querendo a lodo transo ganliar a elei-
eo de rereadores, resuscilou lodos os morios
; na matriz daquella freguezia, enterrados desde
mero de
eu da
eleieo dc rereadores do termo, quo comprehen-
de as suas freguezias, de modo nenhum fallci da
de rereadores, que lem lugar na frogueza. Para
ganhar esta nao neccssilava, que a junta resus-
uar- Cj(988e 03 niortos, visto como s um lado d car-
' las no Salgueiro ; para ganhar porm a do re-
readores, ile que cu fallci, sim, foi preciso que a
junta resuscitasse os mortos para na occasiao da
votadio aprcscular arullado numero dc votos,
( que reunidos com os do mesmo credo em Cabro-
, b sobrepujen! ao numero dos contrarios. O ad
hoc de minha carta, longo de significar, que o
.subdelegado inrolreu li no processo para arre-
da-loa das urnas (onde o Genuino descobrio
a incoherencia] significa, que sendo elles um pu-
nhado de homens, o subdelegado do urna s ca-
jadada livrou-se ila presenca de todos, para que
nao observem, que compareceudo 100 rotantes,
elle aprsenle na acia o numero de 1500 votos,
como sao por certo as suas inlences. Eiso que
eu disse. o que repito, para quo nao vogue a
que flcara as frontei-
ras; mas a equidade exiga que fossem attendi-1 doulVnV,o rGeiimo ,
do.s os bons serv.cos o a promplido dos guar- yuonlo 3. dz ,, djre fals sobc.
Idas para cons iluir-lhes em quasi d.reilo a en- ranaraente falso o que affirma S. S ca. etc
,. i'.ao, que nao lhes assignou comtudo a respecti- Toda
,va legislacao A isto pois acaba S. Exc. de pro-
cer com a medida, que Iludimos cima ; ese
um excesso ha sido commettido, lem logo
que
foi commeltido por 2 ou 3 individuos,
muito, entretanto foram processados li, a saber,
lodos quanlo podiam influir de algum modo no
pequeo partido contrario ao do subdelegado, e
smenlecom o lira de perseguir.
Quanto a quarla, nao se atreven Jo a torcer os
trechos da acta quecopiei, disse muito cheio de
s o Genuino : < sendo pela maior parte um
calalago de banuaes insinuares, permitta-mo o
Sr. corresponde que eu duvide anda de sua ul-
tima proposico ; nao s porque so lancou com
trar' n"ui Verdeo" "como '"uarda" mu'i'icipai" "eV- "."ns pedestres, dous soldados do 9." batalho de I furia sobre o subdelegado, como porque jamis
A noticia da abdicaco c retirada do imperador
proliuziu nos Cearenses sensacocs mu diversas :
encheu de alegra os liberaos, e consternou os
conservadores, cujo rancor concentrou se n'uma
eslerilidade de aeco ; e aquelles pelo contrario
dando expauso aos seus reseiilimentos, resol-
vern] tomar vinganca dos aggravos que tinham
do poder decahido. No Cariri particularmente os
dous partidos guardavam entre si urna posicio
overno exprimiu o seu voto individual, deca-I dc aeaSa.; e a lermentac.ao era gem naquellas
rando que, assim como estava de accordo com o l
rnesmo governo as vistas geraes, esperavo a
apresentaco das medidas tendentes o re-alisar
estas vistas para ver se nos detalhes praticos
permaneca o mesmo accordo.
Fazendo indicaco das medidas que julgou
mais urgentes, exerceu apenas o direito inoffen-
siro de manifestar a sua opinio.
O Sr. Franco de Almeida deu s
orador ura sentido que ellas nao tinham ; elle
nao acoiiselliou ao governo que se acautelasse
conlra a popu'aiidade que todos desejam tor no
zelo qus mostrara pelos inloresses pblicos.
que fez foi lourar a S. Exc. por nao ler corrido
atraz da popularidade ficticia c ephemera, dessa
popularidade que condemna Socroies mortc c
que applaude os seus juizes.
Feitas estas observares, o orador, entrando
na materia em discusso, declara votar pela
frca pedida pelo governo fazendo entretanto
algumas considerarles quer relativas ao pro-
jecio, quer relativas a alguns actos da admins-
IracSo da guerra.
A discusso fica adiada pela hora.
OSr. Presidente d para ordem do dia da
sesso seguinto as materias designadas no dia 8,
c leraniou a sesso s i horas da tarde.
ra isso com eviJenie incorapatencia de lernos
indecorosos e de expresses rt pnssadas de inje-
ras aliradas tanto ao juiz com 1 s parles.
O conselho do governo tem.mdo agrande n-
Quencia que este turbulento linha sabido grat-
ulo quiz respoma-
bilisa-lo por taes abuses do autoridade ; lini-
lou-se pois a manda-lo chaar para a cap al,
alim de eslranhar-lhe o pro:edimeulo c os ter-
mos indecorosos de seu reqcerimenlo, e comi-
da-lo ao mesmo lempo a ni o exorbitar, as.im
dos limites das suas attribuiccs. O juiz de iaz
nao fez porm corita do chamado, e lindo na fa-
queza do governo, tornoti-se cada vez mais ;u-
daz e lurbuleulo. Poz-se a publicar urna toba
eminentemente revolucionarii e insultante, fue
nao linha outro rnerecimento seno o de lisin-
gear os inslinclos da plebe, na qual por tal neio
formn para si ura forte e numeroso partido ;
; este pamphlelo deu elle o nome de Ciara da
t liberdade.
No Cariri, por esse mesmo Umpo.iam os rr
Icios tomando cada dia ura esperto mais asnis-
; lador. Pinlo Madeira linha a seu favor tola a
I populacao do termo do Jardirr, que era immeisa,
mas fallavamlho armas para mais de seisceiias
pessoas,assim como lodosos cernis recursos ne-
inha e um cadete do mesmo, andaram por ah a
recrular para aquello fim cima notado ; mas
esse fado abusivo e eminentemente criminoso,
apenas lonhecido, foi verificado cm sua exac-
lido, syndicado cm si; e d'ahi resullou nao po-
der-se reconhecer quaes haviam sido os pedes-
tres, mas o contrario deu-so com os outros, sen-
do o cadete preso o submeltido conselho, c os
dous soldados chibalados.
Desle abuso porera nao podem ser responsa-
veis as autoridades, nem mesmo pelo lado pre-
ventivo qno ellas devein desenvolver na p/alica
de suas alirbuKes ; por que um scmelhanle
crime, que encofra cm si a ultima expresso de
cynismo, nao pode entrar nos clculos de urna
autoridade zeladora dos seus deveres c prc-
videnle.
llonlcm reunram-se 03 examinadores do
concurso havido para o provmento da cadera
do Gymnasio, afim do apreciarem as provas da-
das pelos opposilores.
Nao nos consta anda o resultado da volaejo.
Apesar de j haverem sido publicado por
esle Diario ha dios 05 artigos de posturas sobre
a edflcaeao de casas de taipa as povoaces desle vida duvidar. visto como elle nao
municipio, daremos para scicncias de lodos aqu Da acia da qualilicaeao do Salgu
go- a respecliva integra. foram quallkados alli 1,512 votan
Quando Pinto Madeira foi sabedor dos aconte-
cimentos do Rio dc Janeiro, tomou essa rerolu-
eo to decisiva por urna violencia praticada
pela opposicao contra o imperador, e persuadiu-
sc de que esse triumpho dos liberaos seria curto
e passageiro, idea em que o confirraou ainda mais
larras do!0 Doal de um desembarque de tropas de D. Pe-
dro I na Baha ou em qualquer ouiro ponto do
norte. Nao tinha elle cora elTeito designio for-
mal de resistencia, bern que estou quo desejasse
urna occasiao e meios de apparecer cm campo ;
mas lambem cerlo que nao estava prevenido
ou preparado para urna revolucao, pois faltavara-1
lhe todos os meios para isso. E' verdade que
vollou dc Pernambuco, onde se achava, cerlo de
quo ella teria lugar; mas teve enlo ordem de
esperar a occasiao, e de aguardar as inslrurccs,
quo se lhe cnvaram, quando tudo eslivesse
proropto e preparado para cITcciuar-se o rompi-
mento era todos os ponlos. A situadlo do Ca-
riri porra de dia em dia tornava-se mais grave,
nao obstante esperava elle que as oceurrencas
As casas que so conslruirem ou roedificarcm-
se em S. I.ouretico, Santo Amaro de Jaboa-
to, Muribeca o Varzea, devein ter dozc palmos
vivos dc proccridade, contados da soleira ao alio
do (recbal ; s porlas nove de altura e quatro e
cessanos para organisar essa fente.Os liberaes do ; raci0 de largura ; e as janellas guardaro mes-
Grato, pelo contrario, dispu ihara da admits- mn largura
Iracao e das posices olficiars ; o governo era- I Os infraclorcs incorreao na multa de ">g000,
lhes favoravel, ao passo que execrava e tenia e no duplo pela reincidencia,
a Pinto Madeira. O commandanle do desista- Igualmente acham-se vedadas as foguci-
nto, o jenente Chaves, m ostra va-se nimia- j ras pelas ras desla cidade por occasiao das fes-
tividades de Sanio Antonio e S. Joo, e mesmo
hovera quera rae indusa a crer, quo as pessoas
que coniposeram a junta ignoram 03 principios
mais comesinhos da lei regulamentar das elei-
ees a
Assim que argumentar Eu aprsenlo
trechos da acta da qualiigo, donde se vcein as
irregularidades nella pralicada, a vista das quaes
est completamente nulla a dita qnaliflcaco, e
o Genuino > sem disten ir a existencia dessas
irregularidades, nem mostrar em como a acia
nao est redigida assim pelo modo transcripto, e
sim de. ouiro, considera muito bem respondido, i :"-,
d. ... nejo/. 10
izendo queduvida, nao spela furia, com que
me laneei sobre o subdelegado, como porque
nao ha quem o induza a crer que os homens, que
compozeram a junta sao to ignorantes Essa
boa Vamos ao mais que o Genuino aqu
nao merece resposla, porqne daixou em p 3
existencia do fado.
Dever Vmc. estar lembrado, meu amigo, que
eu lhe disse, que ainda linha o que dizer acerca
da qnalilicaco doSalgueiro, l vai pois um bom
pedacinho, do qual deve o .< Genuino semdu-
tem resposla.
ueiro se v que
otantes, lodos com
a idade dc 25 annos cima, nem um s se en-
conira era dila quililicaco cora idade menor dos
25 anuos.
com elle o seu presidente, nao sei fundado em
que lei, nem para que fim, lalrcz, para se nao
tirar alguma cerlido. Proreo o recurso de tre-
zentos e tantos individuos, em que s flgurou um
requerrnta sem procurado do ninguem. Nao me
dou ao Irabalho de explicar-lhe as nullidades do
lal recurso porque nao o quero raassar com-
cousa de to pouca monta ; julgo bstanle di-
zer-lho que loda essa sumada de recurso foi for-
mulada cm contrario das regras estabelecidas no
decreto n. 511 de 18 de margo do 1847 ; por con-
seguinte, sao absolutamente nullos ; alera de que
o eram em todo caso, por tcrem.sido prvidos
por um conselho incompetente. de presumir
que tanto a orgauisacao do conselho, como o
fruelo dos seus Irabalhos merecam tambem a at-
tenco de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
para o fim de mandar proceder a novo, e ber
assim responsabilisar a quem faz do sua \ otilado
lei.
Ja sabido que quem deu o tiro oro Vidal do
tal no lugar dos Brandes, de que ja o nolicei, foi
um Francisco Amando, que j esl processado,
e esadio-se.
A grande novldade desta Ierra continua aind
ser a entrega do Alvaro e seu sobrinho Jovino
priso. Este facto nao esperado por ninguem,
veio qualificar de errneo o meu juizo, quando
lhe assevcrei, que o crime, de que elle acen-
sado, luana impune, pois nunca consegniriaui
prende-lo. Cortamente, a julgarmos pela natu-
ralidade das cousas, asseveramos quo esse ho-
rnero indiciado em um crime horrivel, sobre o
qual pesa urna pena tambem horrivel nao seria
preso, e por conseguinte licaria impune o cri-
me ; porque nunca me passou pda mente que-
elle se enlregasse, e sabia cu que de ouiro mo-
do nunca o prenderiara ; mas a realidade de-
monstren o contrario. Assim acham-se na la-
dea, construida por um membro da familia, ma-
rido e pai de tres desses presos as seguinles pes-
soas da familia Granja. Alvaro E. do C. Granja,
coronel Jos Severo Granja seu genro e sobrinho,
Joo B. L Granja, Zeferino G. L. Granja, Jos
T. Granja, Jovino de A. Granja, D. Isabel A. do
S. Grariji, Francisco!., de Siqueira Granja, CI10-
mnes L. de Siqueira Granja, Brasilina senho-
ra do Alvaro, o Manoel Francisco de Souza Pei-
xo por causa do mesara morte. Estos factos tm
prendido as atlences por tal modo, que a nao
ser o lalego da seeca devastadora, que absorvo
todos os cuidados, dariam materia para todo o
resto do anno at as eleigcs ; mas as uecessido-
des e as agonas geradas pela secca nao deixini
que outra circumstancia, ou facto lhe tome a
dianleira na quadra actual.
Foi dimitlido do lugar de primeiro supplenlo
do delegado desle termo o Sr. Honorato Honorio
Rlbeiro Granja, que comquanlo seja um moco
digno, havia ltimamente zombado desso cargo,
forliori o mancoremunado com o juiz
rte do Ilegitimo conselho muni-
bcra mereceu essa dcmisso ;
alem dc que morava muito distante da villa. Foi
norneado o digno o prestante cidado capito Jo-
s Francisco dos Santos, que morando perlo da
villa, vive quasi sempre nella. Achara-se con-
vocado o jury no termo do Ouricury para dias
deste mez, ignoro ainda so se ter reunido, te-
nho porem boas razos para crer, que se nao reu-
ni, ltenla a sece* lerrivel.
Al o dia da entrega do Alvaro, que se me nao
engao, foi a 19, ainda nao havia o delegado ins-
taurado o processo, por isso de crer, que ain-
da que se reunisso o jury, elle nao responder
agora.
A esperanca, esse desejo com que esperamos
sempre pelo bem futuro, este anno, mas que em
tempo nenhum, calou nos nimos dos habitantes
destes sertes una con flanea do que sempre cho-
veria ainda que pouco, ao" menos quanto cht-
gasse para a alimentaco dos bichos; o termo
d esle mez, que sempre marca o principio da sec-
ca, trouxe-lhes o terrivd desengao, o qual ain-
da assim adocado por nova esperanca do quo
leremos Irovoa'das cedo. Valha-nos o menos
essas consolaces.
A excepdio das noviJades ouricurienses, tudo
o mais vai em paz.
as sorras pertencenlcs a esta comarca, quo
nao sao poucas, nao segurou qualidade alguma
de legurae, perderara-se por todos os railhos,
feijes, e arroz ; pelo que lero todos os seus
habitantes dc recorrer aos cariris para so prove-
rem desses gneros A extraordinaria procura
del les por alli tem os elevado precos conside-
raveis ; e nao s por esta razo, seno era conse-
que de lodo
,^s era quo hou-
> ve abundancia, lem esta de exlinguir-se, o dar
entrada miseria.
A carne por toda parle apparece, posto quo
ruim, s porem ha falla de diuheiro com que a
comprem.
A farinha em Boa Vista logra o prero de 20tf
rs. a quarta, lo'SOO em Cabrob, e SgOOO era
Ouricury.
A rapadura est a 205000 a carga em urnas
partes, em outras a 2i000.
Emlim, meu amigo, negro e bera negro o
quodro da vida dos habitantes desle centro ueste
anno climatrico. Seja feila a vontade de Dous !
la estou com a mao pura de escrever miserias.
Al outra vez.
interne ai_o o que aiiirma s. ca. ele ,> raveis ; e nao s por esla razo, sen
a a populacao desle termo, meu amigo, sabe m,er,ea da alluvio dc retirantes,
o assassiuio quo deu lugar a esse processo sul lem concorrido para os lugares
Communicados.
mente condescendenle para com os Craierses,
de maneiraque em lugar de p-ocurarreslabe'ecer
a ordem to profundamente abalada, lornou-se
instrumento servil dos inimgos de Pinto Ma-
deira c de Antonio Manoel, e icceitou at a ;om-
misso de marchar conlra o Jardim a tcslr dos
Cretenses, que aspiraram a limar urna desforra
dessa villa.
Pinlo Madeira, informado Jcsla lenco, com-
prehendeu que derla tomar;. dianleira, e levar
o thealro da conlenda antes para o Crato do que
fixa-lo err. sua villa, afim dc fazer rccaliir todo o
peso da guerra sobre a populadlo inimiga. E,
pais, reno logo todas as forcas de que poda f"
dispor, e pe-se caminho para o Crato ; duas
leguas distante do qual, n'um lugar chamado o
Buril, enrontrou-se 27 de dezembro com as
Necessitanda eu provar geomtricamente ao
Genuino que a junta fez resuscilar os morios,
recorr ao raappa da populaqo da sobredta fro-
gueza deste anno, c delle vi, que existiara na
freguezia 3563 individuos de lodos os sexos e ida-
dades, c que homens dc 2") annos cima apenas
exisliam 571. Ora cxislindo s 571 individuos
dc 25 annos cimo, c a junla apreseulando na
Nao ora nossa tengo vollarmos do alio da im-
prensa para conlrariarmos o comrauniconte do
papelejo denominado Moca Era ; porm a appa-
rico do feroz coinmunicado do numero 20, nos
a anda apresenlarraos ao publico algu-
mas linhas.
E' neonlcslavel que a posi<;o mais degradanlo
que apparece no estado social, a daquelle quo
(ende fazer mariar repulaces illibadas com argu-
mentos errneos e pueris; os quacs ao serem -
dos por homens sensatos, jamis po lera escapar
de receber um sorrso de escarneo ; lano mais
quando se observa persistencia em to indecoro-
sa empreza.
Nao pense o publico que era nosso proposito o-
travarraos queslao pela imprensa, cora o autor de
tantos communicados nogenlos, por entendermos
nao ser digno de nos, o oceuparmo-nos com o ho-
mem refalsado, que tomando o traje de vil in-
cgnito pretende vulnerar o Ilustre Sr. tenenlc-
carouel commandanle do dcimo batalho de in-
l'antaria, Joaquim Rodrigues Coelho Kelly.
Foi incural o senhor conimunicaDle, em cha-
mar o defensor, ou defensores do Ilustre Sr. le-
nente-coronel Kelly, de salelltes e serrilistaa ;
porque nao temos por lim se nao fazermos co-
nhecer ao publico a inexaclido dc lo rancoro-
sas aecusaces ; e podemos allianQir quo inlei-
ramenle ignorado pelo mesmo Ilustre senhor,
uaes os que se ddiberaram a tomar sua defeza.
em quaesquer oulros das.
Foram recolhdos, no dia 21 do correte,
casa do deleneo 2 homens c 1 mulher, sendo
1 livro 2 escravos, a saber: 2 a ordem do Dr.
chefo do polica, ola ordem do subdelegado do
dislrclo de S. Jos.
MORTALtnXDE DO DIA 25 DO CORnF.NTB :
Mara, parda, 9 mezes; fobre cerebral.
Manoel, prelo, escravo, solleiro, 60 annos ;
gaslro enterite.
Mara, preta, escrava, solteira, -15 annos ; t-
sica.
Joo, branco, 17 mezes; entero colite.
Bernardina Augusto Cezar, branco solleiro, 32
i annos; fobre typhoide.
Anodino Bonifacio da Fonsoca, branco, casa-
o cnamassem a campo ; mas urna ultima perse- torcas nimigas, que vinhom (ppor-se sua mar-' do 32 annos' dezenteria.
huirn muilu mala >laHu. n ..-..- n-i...- i I -. <, I nk^ \ Ki I i- .i...-, r.n n .. ... I.. ~ _-_!-._ j_
qualiicaco 1,512, sto quasi 2(3 de mais do c que estamos firfees cm nao nos descobrir, cai-
que existe, nao resta duvida que operou o milagro bora seja honroso defender a innocencia oppr-
da resurreicoo. i mida.
E nao pode esse raappa ser lachado dc irregu- O servilismo s proprio aquelles enlcs quo
lar, nao s porque foi feito pelo subelegado,, acobertando-se de urna mascara infernal, prelen-
pessoa do peito do Genuino, corno porque elle; dem ennevoar o merilo de homens dislinctos.
nao se disproporciona do dos outros annos; pois I Dessa vez o senhor communicanle, a quo nos
do anno passado foi de 3225 individuos ; portanlo | referimos, oceupou-sc em analysar ocommuni-
destes mappas se v que ha annos a junta do Sal- cado incerto no Diario de 28 do mez pretrito, e
guig.o, rauilo mais vigorosa e encarnieada que cha. Ahi trarouse o coraba c em completa de-
as precedentes, veio prccipitar-lhc a res'olueo e sordem, e os liberaos, nao podendo organi-
I-IsTkm'o Iiistorieo sobre a provincia
do Ccar pelo Dr, Theberge.
(Coninuocao do n. 168.)
Entrou o auno de l530sem maoreseslremeci-
nientos no Cariri, porque Pinto Madeira nesse in-
letim achava-so cntrelido com o seu processo, e
os Craienscs aguardavam desse mesmo proces-
so, que preoecupava a todos os espritos, tudo
quanlo lhes soggeria a nu. vonlade contra elle ;
tudo quaiilo urna imaginasao intensa
trear em seu mal.
inopinadamente chama-lo s armos.
A testa dos exaltados do Crato achava-se enlo
um individuo mui turbulento, que temendo Pin-
to Madeira, intentou por isso perde-lo ; e outras
pessoas havia que, sem apparecerem, igualmen-
te desejavam destruir essa potencia, para sobre
os seus destroces erguerem a propria. Alm
disto, a familia Alencar consagrava-lhe um odio
mortal, que Do era estril, accrescendo que
ella dispunha de influencia sua na corte peranle
os ministros.
Os espirites j tinham chegado a este ponto
podero de exallacio, quando na noite dc 6 de julho de
1831 locou-se rebate as ras do Crato, o rcu-
MaTADOL'iiO publico
Malaram-se no dia 25 do corrente para o con-
sar-so, pozeram-se afinal em completa debanda- sumo desta cidade 106 rezes.
V
Alt de julho o presidente relira-se da provin- nio-so precipitadamente gente sem saber do que
ca, leudo passado a administracao ao vice-pre- se tratava. as autoridades, em lugar dc interv-
biaenie Antonio Jos Machado ; o qual, depois de' rem para sustentaco da lei, prestarara a islo a
alguns das, leve de passa-la igualmente ao pri-sua cooperaco, e mesmo dexaram a tropa mis-
meirorice-presidenleJowae Castro o Slra. lurar-se cora o povo ; que. guiado por Maia,
l\ ', Th fPuii Made,ra [oi Para molor dessa serpreza, foi conduzido para o largo
Pernambuco traiar de defender-se peranle a re- | da cmara, cujos membros avisados com anted-
alo, do processo enrac, que lhe haviara instau- dencia. e comparles do trama, reunirara-se
raao no trato. para logo na sala da audiencias, e deferirain a
A i ce id a o de 1831 o vice-presidente deca- : petico, quo lhes foi dirigida em nome do povo,
rou em conselho do governo, que do Pernera- depondo o ouvidor Dr! Marliniano da Rocha
iiuco se lhe partecipra a absolvicao de Pin- Bastos, o juiz ordinario Andrade, o outras diver-
to Madeira na relacao; e que se lhe transmitir sas autoridades, empossando um juiz de paz
o aviso dc ler-se ello afiliado aos columnistas do pronunciado pelo ouvidor, e suspenso por crime
eciie, entrado no conhecimeoto dos seus se- de resistencia, e declarando suspeitos a Joaquim
retos denigraos, e promottido seus servijos e Pinlo Madeira e ao rigario do Jardim Antonio
sua cooperaco uo Cralo, no caso de que se po- Manoel de Souza. Alm disto rcquisilaram au-
da, dispersaram-se e dexaram o campo livre a
Pinto Madeira, que no da seguate sigui para o
Crato, e nclle entrou sem resistencia alguma,
pois que achou-o quasi completamente abando-
nado pelos habitantes, que alcmorisados so li-
nham refugiado para o Ir, onde se conserva-
ran^ cuidando mais de consirvar as proprias vi-
das do que de resistir tompeslade, quo com
lana imprevidencia haviam conjurado sobre suas
caberas. Mas algumas prssas estianhas aos
excessos"que haviam sido comractlidos preceden-
teraente, dspozeram-se nsislenca : deste nu-
mero foi o corond Manoel Barros Cavalcanli, do
Brejo-Grande, e um dos expedicionarios do Cai-
xias, que, com a gente que pode reunir pressa,
Hospital de caridade.Exislem 60 ho-
mens e 58 mulheres, nacionaes ; 7 homens es-
lrangeiros, e 1 escravo, total 126.
Na totalidado dos doentes exislem 37 alienados,
sendo 30 mulheres e 7 homens.
Foram visitadas as enfermaras pelo cirurgio
Pininas 7 horas c 31 minutos da manha. pelo
Dr. Dornellas. s 8 horas da manha, pelo Dr.
Firmo as 5 nana da tarde de hontem.
guciro faz figurar na qualificaco ura considera-
vel numero de pessoas nao existentes; roas nun-
ca com lamanho excesso como nesle anno, pois
em o anno passado haviam sido qualificados
1080, e este anno subi a 1512, sendo que no
mappa dos existentes somente augmenlou 3J8
existencias. Porlanto, raeu amigo, dando se na
existencia desses factos muito escndalo, muila
incoherencia e muito desrespeilo s leis, chamo
a ailcnco de S. Exc. O Sr, presidente da pro-
vincia sobre elles, para que mando aos membros
espraiou-so de modo a ver se poda convencer
aos ncaulos de suas aleivosias ; e com quanto
muito disseaso para elle,nada disse para nos ; por
que entendemos que quando se pretende demons-
trar os erros desse, ou daquelle funecionario,
parte-se de principios verosimeis c incouleslaveis
e dahi se prosegue era um raciocinio que nao s
sirva para contei o funecionario na rbita quo
lhe esl tracada, como para convencer ao pnbli-
das verdades que se lem por fim demonstrar.
F.is como entendemos quo se possam fazer sen-
COMARCA DA ROA-VISTA.
Cabrob, 30 de junho de 18CSO.
Necessidades muito absolutas tem-me impe-
dido de dar-lhe noticias desta Ierra desde 30 dc
protogeu a retirada dos Craleuses, e foi rcunir-se; abril ultimo, o comquanlo ache-me anda muito
s tropas estacionadas do Ico. j enfadado, o cheio de encoramodos nao peque-
Os vencedores corametter;m uo Crato asmaio-nos. nao posso deixar correr mais lempo sem a
res barbaridades : deram-se roubos, violeucias, devida ractificago as cousas que lhe hei dito
assassinios e usilamentos o toda asorlo de airo-! em a minha de 13 do margo sobre a nullidade
cidades ; e alm disto queimaram-se os papis i da qualificaco do Salgueiro, e que foram pos-
dos archivos e todos os cartorios. O que nao sa- las cm duvida por um Sr. .< Boavislano Gcnu-
hiria de urna plebe ignoran o, desenfreada e ufa-, no em urna correspondencia insera no Diario
na de sua victoria ? ... >em Pinlo Madeira, ] da Io de raaio, em quo tirou illacoes a seu geito,
nem Antonio Manoel poderam conler o desen-, e conlrariou-as do melhor modo. Devo, pois,
rcamento dos seus seus soldados, desde muito | antes de entrar nessa raclificaco, dizcr-llie.que
amostrados as revolucoes i dissencOes polticas, considero o Boavislano Genuino muito pou-
da junla de qualificaco que resttuara asples- suns, e nao erapregando urna fraseologa sobre-
tades do ullra-lumulum os morios, quo evoca-' maneira offensiva, como so v dos diversos com-
ram era numero de 938, o sejam mais cohercu- mullicados ; todava disculpamos a seu autor por
les nos seus escndalos. 'que na deficiencia desses principios, o nico
Quanlo s mais irregularidades que apontei, recurso dc que dispc para vociferar contra al-
constam ellas das acias da qualificaco o junla guem.
revisora, onde podem ser muito bem conhecidas Enlende o senhor communicanle, que o illus-
por S. Exc o Sr. presidente, taes sao por ex. : o Ir Sr. lencnte-coronel Kelly, deve mostrar as n-
ter sido composla a junla com eleitores somente, formaces semcsiraes aos officiaes, porque em
e nao com supplonles ; o tercia lido escriptos! caso contrario lornam-se secretas e conseguinte-
lodos os trabalhos e actas por ura dos membros mente falsas. Mas nsdizemos, que se as infor
da junla, intitulado secretario, e nao pelo cscri-! macos scmeslraes fossem presentes aos olliciaes,
vo de paz ; o nao se ter lavrado acta da reunio quic grande descontentamente se raanifeslassc
da junla revisora, c somente urna do ultimo dia enire elles ; porque nao lendo todos os homens
com o titulo de Quinquinos ct. ele. Tudo a felicidade de se conhecerem, um ou ouiro op-
isso se v das actas, e qualquer dessas cousas parecera que insuflado pela vaidade, quizesse ser
constilue a transgresso da lei ; por lanto digo t classificado como o de melhor comportamerito, e
ainda urna vez, deve S. Exc. o Sr. presidente da ; al como grande cousa na ordem das intelligcn-
provincia lancar suas benignas vistas sobre se- cas, e mesmo quando se desse urna tal felicida-
raethante quaicaco, e reduzi-la a p. de, rer-se-hia o Ilustre Sr. tenenle-coroncl corn-
Meu amigo, conheco que ha mullos homens si-, mandante do dcimo batalho de infantaria, coac-
sudos no partido liberal ; mas, como quo urna j lo em dar a bem merecida informaco, porqiic,
ualdade inseparavel de grande parte dessa gente, i com quanto fosse ella dictada pela justico, rom
o nao iridiar a verdade ? I E para dizer melhor, ludo nao era proprio de um cavalleiro, como o
e repassados de rancores e desejos de vinganca
e de mais elles conheciam que seus chefes preci-
savam de seus bracos, e ooic por essa razo se
co habilitado par contrariar-me, visto como a
racione, sem prova nem documento algum,quer
responder sophismando os argumentos que apre-
a inconstancia, a vemliliJade, a lergvcrsoco e
arbtraredadeso allribulosdos liberaos do nosso
termo.
0 conselho municipal que Ilegtimamente foi
orgauisi-do aqui, como lhe iz ver era outra, cou-
cluio os seus irabalhos no da 9 do maio e era
vez dc remellar o livro para a cmara, ficou-se
Ilustre Sr. teaenie-coronel Kelly, o apresenlar
urna informaco que nao fosse de accordo com a
vontade de cada um de seus commandantes. Ho-
je era nada podem ellas deslumhrar o futuro dos
officiaes do exercilo, porque se o commandanle
de um corpo disser as informacOes que der, ser
este ou aquello official de mo comportamento, o
i ,
->
MUTILADO


governo imperial manda que se proceda contra
elle, porm issoem conselho que nenhuma inge-
rencia [era o coniruaiidante do corpo, c persnlc
He, pode o acensado eropregor todos os meiosde
defea que as leis vigentes lho facullam ; e una
vez contrariad^ a actusacao, e demonstrada a in-
nocencia do paciente, tornase o commandante
responsavel para com o governo
Pretendeu osenhor communicante, fazer reca-
rur a odiosidado dos liomens de cores, sobre o il-
luslre Sr. teneuie-coronel Kelly, quando sabe-
mos que costuma elle distinguir os honiens por
accoes e nao por cores !
O cabo Marques, com quem se oceupou um
dos nmeros da Sova Era, nao ha muilo que
pertence ao dcimo balalho.e nao obstante cons-
tar dos assentamenios que o acompanharam, no-
las otfensivas disciplina, com lulo tei
insulto ; eu Ihe apontatiu qual a laboa de salva-
cao a que agarra, que nao ootra seno esse
mesmo ridiculo que lanca sobre ou que pugnam
pelo Dr. Calasans, o que alm de nao poder ja-
mis marear a reputacao deslo, nenhum mal po-
dem fazer candidatura daquellc que apezar de
nao ser malhtmatica, como da sua diz o Dr.
Fiel, tem todava o seu fundamento no bora
senso e criterio dos Eslancianos, os quaes nao
podem hesitar entre a probabilidade de um tai-
ve: muilo duvidoso com o Dr. Fiel e a infallibi-
lidade Te urna certeza com o Dr. Calasans. Islo
talvez seja um pouco obscuro para o meu Ilus-
tro adversario; mas, infelizmente, nao tenlio
lempo para Ih'o explicar.
Todava vou lira-lo do doce engaito em que
parece eslar suppondo que o cscripto assignado
iido aprc- l'or. "m do Pov parti da mesma penna que o
sentado regular comportamiento, durante cerlo! assignado pelo seraipano. Esta variedade de
lempo, foi pelo mesmo illuslie Sr. lenente-coro- | assignalura nao foi escolhida para mostrar que
mais de urna pessoa se interesas pela canddatu-
nei Kelly, promovido a caba ; mas havendo de-
pois eommelilo algumas faltas. f, prudente o
mu conveniente disciplina militar o nao ser
promovido a inferior.
O cadete Mello, de quem trato aquella follia,
loi o illuslre Sr. lente-coronel Kelly quemo
promoveu a sirgenlo-ajudanle, e assaz Ihe pen-
escreveram, o que o Sr. onrro do poro to alila-
Iialisou o ter do o mandar rebaixar do posto, do cnn, c. devera ter perfeitamente conhecido.
vez
Termino aqui e agora definitivamente pela ul-
tima vez, apezar dos desafios do meu Ilustre ad-
versario.
Nao goslo de entreter polmicas, em que tal
se recree o genio do meu adversario, que
nisso, quem sabe ? procura um meio do ceiebri-
dado ; mas que sao solemnemente anthipaticas
ao meu. E, ronfesso-o com toda a franqueza,
nesse terreno terei cu semprc urna desrantagem
real, perqu apenas balbuci urna linguogcm quo
perfeitamente bem fallada pelo meu adversario,
Qnanto ao tal conselho a respeito da vaidnde'
com que o mea adversario termina o seu artigo
como nao sei que o significa nao pnsso responder!
Talvez S. S. que me falln cm Othello c Desde-
mona, nao repita tambem aquello,trecho latini de
J. J. Rousseau Barbarus sum qnia non intelli-
gorilli. O que dizendo fallar urna verdade
mais verdadeira do qiift no celebre restabeleci-
mcnlo des fictos por mim adulterados.
O Sergipano.
Vista do parecer do conselho que responder".
Finalmente, o alferes Biaz Alvelino, a quem
tambem se referi a mesma folha, mutas vezes o
tem, o llustro Sr. tenente-coronel Kelly, convi-
dado para o ajudar nos trabalhos de sua secre-
taria.
Brgo, claro o oppreco que esse benemrito
Chele da as gentes de cores.
Enlendeu em sua sabedoria o senhor comrnu-
nlcanto que poda denegrir os feilos heroicos do
bravo militar, que tanta honra faz ao nosso exer-
Cito apnntando a rcvolla de Pernambuco de
18-18 al o combate de 2 de fevereiro de 1819,
quando pelo deuodo com que semprc -se portou
nessa lula, oblcve o onicialato da imperial ordnm
da llosa, apontando mais a campanha de Uru-
guay, onda expondo-se elle os revozes da guer-
ra, colheu lourosde victoria, comprovando anda
una vez sua bravura, po: cujos relevantes ser-
vidos lora agraciado com a commenda da mesma
orJem da Hosa |J
Toraou-se irrisorio e revollante o ter osenhor
communicante avancado a por em duvida a re-
conliccida e inabalnv'l dignidade do Ilustre Sr.
tenente-coronel Kelly, e anda mais quando se
conoluo quo tomou por base o haver conhecido ao
mesmo Ilustre senhor, como encarregado de mui-
tas o variadas eommisses importantes, oque
s^inreT.^3 ~I- 'a ? co"fii,n?a e'" .'l"R 22,du m Pasado, deparei com a'minha' missiva;
cerial continua a ler o governo im- pelo que aceilem Vmcs. meus agraJecimentos.
I '.mnmn. nnr i '' Todil.a ordem reina noste lermo. seno em lo-
iiioramo porque taes communicados apparc-
cem, e quem esse implacavel desalelo gratui-
to, una vez que todos os dignos oftkiaes do d-
cimo batalho do iofantaria, sob o commsndo do
illustre Sr. tenente-coronel Kelly, muilo salisfei-
los se mostram com o mesmo Ilustre senhor, i
com mu pequeas excepcoes; c inesmo esses
reprovam altamente um tal procedimento ; por
que, como nos, todos entcniem que se se coarelar
a preponderancia de umofficial superior, o que
resultar aosque Ihe frem inferiores ?
Nao nos importamos, senhor aecusador, que V.
S. prosiga a vituperar ; poique assim como em
A espada da juanea e que Uevc sembr entrar
n esses negocios, aparecidos no seculo pre-
sente.
Ficamos ler'a.
Os irmos do Rosario aindn nao propc-seram
soa ocgo ; por que primeiramente quer&m
ouvir advogados respeito. Consultaran)
materia distinclos advogados d'essa capital :
ainda nao liveram solueo, segundo nos com-
municaram ,
B. Verde.
\ Este lugar vai hindo regular, dofiinitivamente
deu-so um conflicto entre irmiios mais houve
quem os acommodasse; de sortt que nada houve,
e nem apparcccu cousa algumn que possa men-
cionar.
As churas mais ou menos ho continuado, de
sorle que temos algons feijoes se derem mais
urnas chuvinhas.
Os gneros alimenticios fichom-se por precos
mdicos, mais os conductores sao lanos quo
ra do Dr. Calasans, que tem. em scus talentos, d'aqui a peucos mezes nada mais existir te-
reconhocidos ole pelo meu proprio adversario, a ] mos pois de chorar na cama, que segundo um
primeira o mais valiosa de todas as recommen- adagio lu"ar quenle
daees ; essa variedade de assignalura deu-se Termo de lngazeira.
porque, realmente foram duas as pessoas quo os Esto termo marcha s mil maravilhas : temos
encarado-o de todos os modo<: pela frente nao
Ihe ochamos geilo : dos lado peior; o assim
nao o comprehendemos pela situarlo tristis-
sima que se ha colocado.
O delegado nomeado para estn villa, o Sr. al-
feres Maiaguela, acha-se em exercieio.
As pracas qiffe trouxe o delegado mnilo in-
sufficiente seu numero.
Algumas chuvas ho dado
ras.
Os gneros alimenticios aclis m-se por precos
nao muilo excessivos.
Adeos, at outra vez.
O Mosqxiilo.
DIARIO m MRMABittJtiO. QtWTA FE1KA 2tT DE SltKf DE 1860
por essas cabcei-
COJIMMiCIO.
Correspondencias.
PAJEL" DE FLORES> DE JI.HO DE 18.
Termo de Villa-Helia.
Srs. redactores.No seu respeitavel Diario de
dos os lugares ao menos em outros.
_A cleieao : eis a questao principal. A opposi-
cao apr. senta-se, mas nao pode fazer cousa al-
guma, pelo que estamos informados : ioforma-
ces que nos levam a declarar ao publico, que o
numero de votantes da opposicao, 6 mutssimo
inferior ao do partido dominante, vista da lisia
que. tiremos a honra de ver.
Noste foro agita-se urna questao do Illin. Sr.
capilaoJoao Baptisla de Alhayde Siquoira, sobre
o compra feila por este, de cinco esetavos a Joao
Pedro : a mulher de Joao Pedro trata da nullida-
., de da venda, mas smente em pelirdes. c n.ioem
todo, o, pa.zes do mundo, os sabios jur.sconsul- libcllo civil c em recriminacoes conira o Sr. ca-
r r> teo !c r" S ora1,17cs' 5 escriptores, e pilo. Convencidos, pois, do fado, enclinamo-nos
unalmente os diversos chef.s de corporacoes, se para o comprador, por ora. Dores
nao poaem furlar slinguas ferinas e venenosas questao daremos corita ; isto
assim tambem nao de admirar o.ue o mui no-'seu vencedor somonte.
u !"" lonpn,,e-(-'oronel Joaquim Rodrigues Coe-
Iha Kelly, v sendo victima de suas acres aecu-
Gaixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
EM 21 DE JULIIO DE 18G0.
A caixa dcsconta letras a 10 0/q, toma saques
sobre a praca do Rio de Janeiro c recebe dinhei-
ro ao premio de 8 O/o ao auno.
A direcloria resolveu, em con; eqnencia do ex-
traordinario numero de letras a icceber, que nao
houvesse descont no da 30 do jrrente mez de
julho.
Arl. 2." l-ica initioroeule .prohibid o coslu-
me de se fazerem fogue/as nesta cidade por oc-
casiao das festividades de S. Antonio.9 Joao e S.
i edro, e em outros quaesquer das : o eontra-
ventor pagar a multa de 20, eo duplo na rein-
cidencia. r
Art. 3. Fica revogado o arl. 9 do titulo 11 das
K"Sdr3.de junk0 de 1849,-Ambrozio
l.eilao da Cunha.
C"[iformeAnlonio Leile de Pinho.
ConformeO secretario, Manocl Ferreira Ac-
cin.
O Illm. Sr. irwpeclor da Ihesouraria pro-
vinciol, cm cumprimenlo da ordera doExm. Sr
presidente da provncra de 12 do corrente, e de
coiiiormidade com o 15 do art. 26 da lei do or-
camento vigente, mando fazer publico que no dia
14 de agosto prximo futuro, peranle a junta da
mesma thesouraria, se lia de arrematar a quem
por menos izer. a obra a fazer-se na parle do
hospital Pedroi II. que tem de ser concluida, ava-
had! cm 50:16Sj8O0.
A arremalacao ser feila na forma da lei pro-
vincial n 313 de 4 de maio de 185t.e sob as clau-
sulas especiaesabaixo copiadas.
As pessoas que so propozerem a esta asrema-
larao, comparecam na sala das sessesda mesma
jiinl3, no da cima declarado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou offixar o presento e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria frovincial de Per-
nambuco 23 de julho de 1860. O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciao.
Clausulas especiaos para a arremataco.
A obra ser principiada um mez dpois da
provincia ae fernambueo ee taz publico, que na
data infra foi competentemente matriculado o
Sr. Anlonio Bolelho Pirrto- de Mesquita Jnior
na qualidatte- de correlor gcTal desta praca.
Secretara do l-ibnnal do eommercio de Per-
nambuco 25 de julho de 7860.
Dinamerico Augusto do Reso Rangel.
No impedimento do oflitial-maior.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para lornecimente
do arsenal de guerra, tem de comprar os obiec-
tos seguintcs :
Para o colonia millar de Pimenteiras.
I.ences 24 ; camisolas 12 ; brreles 12 ; fro-
nhas 24 ; colchos vnsios 12 ; travesseiros vasios
12 ; toalhas 24 ; cobertores 4e papa 12 ; cami-
sas del8a6; ceroulas de Lia 7 ; tijellas de fo-
Ihi 12; pratos de folha 24 : bules de folha ou
de louca 2; chicaras de folha ou c leuca, ca-
nea 24 ; colheres para cha 12 ; lalheres ; ouri-
ns de tinco 6 ; copos de folha 12 ; livro de 10O
folhas em branco 3 ; papeletas impressos 200.
Quem quizer vender taes objectos aprsente
as suaspiopostas cm carta fechada na secretara
do conselho, s 10 horas da mauha do dia 30
do corrente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 23 de
julho de 1860.
Benlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
ISa delegacia do 1. districto desla cidade
existe depositado um sacco com farinha, que foi
Aliando;
Rendimcnto do dia 1 a 24.
dem do dia 25. .
;.
220:3 im
543950 c
225.78 l98:J
Movlraento da alfandcga
Volumesentrados com fazendas 78
com gneros 137
pro-
sua-
sacoca, as quaes bem longo de o infamarem pelo
Contrario concoiroin para que o juizo esclarecido
da sonedade e o parecer dos homens eminentes,
Confirmen) a boa opiniio publica.
Duas palavras a um amigo do professor pu-
blico do Limoeiro Theodoro de Vasconcellos Ara-
gao. ^iano de Pernambuco n. 170.)
Louvamos muilo o interesse do amigo do
fu-sor Aragio em querer, pelo menos
visar a ni impresso, que no amino publico
dever ter causado a representado que conira o
seu amigo acaba de levar ao conhecimeiito do
Sr. directorgeral da instrueco publica o Exm.
Sr. presidente da provincia ;' o que porm nao
podemos tolerar cque esse amigo lio iiteressa-
<: na falla i!e meios para que a sua defeca pro-
duzsse o desejado effeito, viesse pelo Diario
formar um parallelo cnlre o procedimento do
professor do Limoeiro e os desla cidade, que,
como diz, se oceupam em outros mijsteres as
ragas! !..
D i ropresentaco dada contra o professor do
LimoeiroAragBo se \e palpavelmente que elle
rala mais de adcocacia, em que alli se empre-
00, o*o que da escola de que professor, segundo
Vina rrure*enlaro
lado dessa
noticiamos qual
r smeme.
O Dr. juiz municipal sahe a urna demarcacao
i em S. Miguel e Remedios, com o cscrivao que "foi
: distribuido o feito.
Existe nesta
villa, e nella mora ha muitos an-
V'olumes saludos com fazendas
com gneros
11
225
------23
nos. um excellcnlc hornera, pela sua conducta, e
chele de numerosa familia : esse homom acaba,
ha doiis dias, de passar, o ver em sua casa una .
terrirel catastrophe, fallamos do Sr. Faustino de dem do dia 25.
Sou/a Fcrraz. Urna pessoa da sua familia ar- ''
mou urna rede para urna crianza de 3 annos mais :
ou menos, deitou-se ; acontece que tura essa ar-
mada em um pao da casa, que j se achava de-
mollido : em continuacao porm, armaram-se en-
tras no mesmo, este com o peso desabou sobro a
cabeca da crianea, que em poneos minutos logo
succumbio.
Lamentamos, pois, semelhante fado.
As mullas da cmara nao se tem cobrado, e os
multados por ah zombam desso negocio.
preciso que haja um providencia, sob pena de
continuarraos.
O correspondente de Paje Mosquito nao deixa
desapercebido o mais insignificante tacto, pois
suamissao ludo noticiar como promelleu, pois
tem azis, o muilo pequeo para agarraren)-no.
Lembramos a S. Exc. o lllm. Sr. presidente
desla provincia, que digne-se providenciar para
Dcscarrcgam hoje 26de julho.
rigue americanoBohogelo
Date americanoJoseph Crecefarinha de trig
Itrigue inglezS. Vicentecarvao.
Brigue portuguezTarujo & Filhadiversos g-
neros.
Iinpnrtt'aao.
Brigun inglez S. Vicente, viudo de Liverpool
consignado Roslron Rooker & C, manifestou
segu nle :
398 toneladas carvao de pedra ; aos mesmos
Consulado geral<
Rendimento dndia 1 a 2i. .
15.885*738
-l 020
14:2993752
Diversas provincias,
Rendimcnto do dio 1 a 24. .
dem do dia 25.......
2:300701
56fl469
2:356^170
. em que se especifican fados, qe os presos pobres, que so acham na ca'deia
s ao dito professor, em detrimento de desla villa nao morram a fomo
Despachos de exportaco pela me-
sa do consulado desta cidade n >
dia 25 de julho de 1SGO
LiverpoolBrigue inglez Bello. James Ryder
& C, 518 saceos assucar mascavido.
Becebedoria de rendas internas
geraes de Pernamhuco
Rendimcnto do dia 1 a 25. 43:076>270
dem do dia 25.......3:79$091
sao, e a
nas obrigaces Sao estas as propnas palavras
do ofueio, a que alinde o amigo de Ara
que agora nos referimos tambem.
Ve-se, pois, que nao se trata de acensar ao
professor A raga o por oceupar-se as horas va-
gas do seu magisterio; do officlo da presiden ia
incluo tacilmonte que elle tambem emprega
i;-> niv-in- de advogar as horas do expediente de
seus trabalhos escolares em pura perda dos seus
alumnos ; o que a presidencia julga provado com
documentos authenticos, os quaes offerece
apreciago do Sr. director coral, segundo se v
d i mesmo ollicio. E na verdade. quereudo-se
poique urna pe-
Consulado
a 25.
quena diaria que se lliesdava, essa o Sr. Inspec-
tor da thesouraria olTiciou ao collecior desla villa
o Illm. Sr major Ma.ioel Domingues de Andradei Rendimenl do dia 1 a 25.
para nao tornecer mais dinheiios. sem ao menos dem do di
acompanhar essa ordem, una outra providencia.
\. Exc, porm, sabe o estado misero do serta, |
no lempo presente; por isso, em nomo desses i
miserareis pedimos (ornecimcolos de dinheiros, I
ou ordens, alim de que esses individuos sejam
soccorrdos.
A' semana passada nao tivemos correio, e al
hoje nao ainda chegado. Nao se, pois, a que
atlribua. O Illm. Sr. administrador do correio
46:868$361
provincial
. 55.9223930
. l:0Slj>185
57:00i$115
Moyimento do porto.
iscat, que lance suas vistas so-
bro o lugar, onde os presos fazein lirnpeza ; assim
como onde lavara as vasilhas. Essa providencia
'entendemos que asss extraordinaria, c pro-
| yeilossima salubridade publica, pois quo se nos
informan que ha militas immundicies por essas
ser imparcial, deve-se dizerque o myster de ad- dessa capital assim o tenln em considcraeao o pe-
vogado c incompativel com o bom desempenho dimos. '
das funecaes do professorado
Nelle haquasi sempre necessdade de alten- !- ims aoSr. ucai, que lance
der-sc a cortos reclamos, que a todas as horas
exigom os devores do um advogado ; a nao ser
que queira elle perder interesses, que correm a
um advogado manle-los em beneficio proprio e
mesmo do seu constituinte.
Alm do que a profisso do advogado c intei-
ramente extranho ao professorado.
Qual porm. o incompalibilidadc que se d
na dedicaco de alguns professores desta cidade
no ensioo das proprias materias do seu magiste-
rio, e somonte uas horas Vagas, sem a mnima
quebra dos seus deveres?!..
Por ventura nao sao as suas escolas fiscalisa-
das; constantemente pelo proprio director geral-
Ej sedeu qualquor imposicao de pena a corri
gir faltas dos professores desta cidade, e mesm-
qualqucr reclamafo de particulares?! Res-
ponda o amigo do professor do Limoeiro!
Este professor nao c aecusado por oceupar-sc
no oproveilamento das horas vagas para aecres-
ceotar os diminuios recursos, com que se man-
tem'; o que, longe de ser censurado, seria muilo
louvavel, c contra o que razoavelmente se nao
pedera proceder urna vez, digamos ainda que
sa in'r, empregasse em mysteres estranhos ao seu
magisterio : a propria expresso da lei. Porm
este amigo do professor aecusado, altendendo
Lera para a redaeco do oflcio da presidencia,
cuj trecho principal e mais significativo j cita-
mos, deprehender fcilmente que o seu amigo
nao est as crcuraslancias dos professores des-
ta cidade, e assim nao merece a pena o parallelo
que faz, por absurdo.
Pensara talvez o amigo ter por esle meio dado
um apndice reproseniacao da presidencia, ca-
paz de estender a sua aecusacao aos professores
desia cidade, dos quaes nenhum s omisso no
cumprimenlo dos seus deveres, o aue jamis se
po/: em duvida ? !
C amiga procure oulro meio de defeza.
Elciccs era Scrgipc.
Apeza da firme lonca que lnha feito e mani-
festado de nao responder mais a qualquer cscrip-
to do meu illuslre adversario quo se assigna ou-
tro do poro, nao luiiho lemcdio seno tornar de
novo aos lypos. Ha propsitos quo aefazcm c que
por maiores desojes que se lenna de cumprir, as
circumstancias impedem de fazc-lo. Estamos nes-
te caso.
Navio entrados no dia 25.
Macei17 horas, vapor nacional de guerra Pi-
rnj, commandante o primeiro lente Fran-
cisco Gomes da Silva.
Ass13 dias, hale brasileiro Santa Rila, de
55 toneladas, capito Jos Antonio Fernandes,
cquipagem 6, carga sal; a Hartimi Irmos.
Havre45 dias. barca franceza Vi\U ae Bologne.
de 233 toneladas, capitn Ejnidazu, cquipa-
gem 15, carga differentcs mercadorias ; a Tis-
set Freres.
Navio sahido no mesmo c'ia.
Portos do sulVapor porluguez L'rasil, com-
mandante D. P. de Campos
ra o jue indagara quando tenha de construir o
porta, caixilhos, grade de ferro, ele se taes ob- i
jeclos existirem feilos.
4.a O pagamento ser dividido em
lacdes iguaes. correspondentes cada
quinto da obra quo seja terminado.
5.a Desconiar-se-ha em coda prestaco que te-
nha de receber a importancia dos objectos que
por ventura tenha empregado pertencente ao
edificio, lirados os precos de cada um deiles, do
orcamenlo junto, para o que preceder ao paga-
mento um attestodo que scientifique oo governo
quaes os ditos objectos que foram empregados
na parte a pagar. '
6.a Observar-se-ha para ludo o mais disposlo
no le provincial, n. 286 Conforme = O secre-
tarlo, Anlonio Ferreira d'Annunciaco.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia manda fazer publico, de
conformidade com as ordens, do thesouro nacio-
nal ns. 98 e 99 de 26 de junho ultimo, que no
da 10 de setembro vinduuro se far concurso
nesta thesouraria para preenchimento de mais
urna vaga que ha de praticante na mesma, e ou-
tra na recebedoria de rendas internas desta ca-
pital. Os que prelenderem ser admitldos ao con-
curso, deverao apresentar ncsla secretaria seus
reqoorirnontos instruidos dos documentos que
provena : 1." tt.rem 18 annos completos de dado : !
2." eslarem livres de culpa e pena : e 3." um '
bom procedimenlo
s exames ueste concurso versaroo sobro lei-
tora, analyse grammatical, orthographia, e ari-
ihmlica, al a theorla das proporces inclusiva-
mente.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 20 de julho de 1860. O official maior
interino. Luiz Francisco de Sompoio e Silva.
Directora geral da iuslruccao
publica.
Foco saber a quem convier, que lendo o Exm.
Sr. presidente da provincia, por portara de 11
di corrente, de conlormidade com or. 3. 10/
n. 4 da lei n. 369 do 14 de mao de 1855. creado
4 cadeiras de instrueco primaria para o sexo
masculino, una em Grvala, oulra cm Tmbabo,
outra em Vicencia e finalmente outra em S. Vi-
cente, o Illm. Sr. -irector geral manda fajer. pu-
blico, marcando o prazo de 30 das a contar da
dala deste, para a inscripto e processo de habi-
llaco dos oppositorcs na forma das inslrucces
de 11 dejuiiho de 1S59, nao s para eslas nova-
mente creadas, como para as codeiras do mesmo
sexo vagas do Pilar de Itamarac, Salgueiro,
Ruique, freguezia de Una, Taqaarilinga, Itapis-
suma e Rio-Formoso, que tambem so acham o
concurso.
Secretor
18 de
Vaccina publica
Transmssao do Ruido de braco a brago, nos
cinco pres- quinlas don,'gos, no torreo da alfondega, c
una a coda ".l's sa!,badl,s ot as 11 horas da manha, na re-
sidencia do commissaro vaccinador, no segundo
andar do sobrado da ra estrella do Rosario nu-
mero 30.
A administraeao geral dos estabelecimentos
de c.aridade manda fazer publico que nao tecdo
vido licitantes para as rendas das ca?as obaixn ; julho de 1S60.
declaradas, vao de novo praea es mesmas ren- I
das com o abale da quinta parle, rio dia 26 do I
corrente, na sala de suas sessoes, pelas 10 horas
da manha.
f n a -. Bsir0 d0 Bccife.
Ba do Pilar n. T4.
Bairro de Santo Antonio.
Ra o Padre Floriauo n. 45, ra larga do Ro-
sario loja ns. 26 e 86 A, roa do Cabue loias n
n. 59, ra do Fagundes n 32, ra de SanUThe-
reza n. 4.
Administraeao geral dos estabelecimentos da
candade 19 de julho de 1860.O escrivo inte-
rino. Justino Pereira de Faria.
Cfmsellw administrativo.
O conselho administrativo, par fornecimento
do arsenal de guerra, lem de comprar os objec-
tos seguintes :
Paro a osela do 8." batalho de iofantaria
de lnha
6 resmas de papel almoco ; 400 (,ennas de gan-
?o ; 2 caivetes ; 72 lapis ; 6 garrafas de linla
preta paro escrever ; 6 libras de areia preta 20
colleccoesde cartas paro principiantes ; 20 taboa-
das ; ogrammsticas portuguezas de Monte-Ver-
da, ultima edico ; 6 compendios de arilhmetica
fo--iAvila' eonfrme aviso de 12 de junho de
18a2 ; 20 traslados de escripia ; 6 paulas ; 6 pe-
dias para escripia ; 24 lapis para as mesmos.
Para o 9." batalho de infantaria de linha.
101 eovados de hollando de forro.
Para os sentenciados do 10." batalho de linha.
Brirn branco. varas 7 1/2 ; algodaozinho, va-
ras 7 1/2 ; esleirs 3 ; manta 1 ; chopeo 1.
Tara o meio batalho de coeadores da pro-
vincia da Farahiba.
5 cornetas de loque ; 1 cordo para as ditas :
1 boccal para as ditas.
_ Paro o companbia de cavallara de lnha.
70 pares de luvas de algodu.
Paia a 1" componhia de pedestres da comarcada
Boa-Vista.
1 nele com as armas imperiaes e dislico da
companhia.
Para o armazem do arsenal do guerra.
3 caixas com vdros de 1S o 20 pollegadas; 2,
rame de lati de n. II.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
suas proposias em carta fechada, na secretaria
do conselho, s 10 horas da manha do dia 27 do
corrente mez.
Sala das sessoes do conselho edministralivo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 20 de"
Denlo Jone Lamenha Lins,
Coronel presidente.
J-rancisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vojsal secretorio interino.
THE

DE
GOMPANDU LRICA DE G. MARINANGELI
Quinta feira %% de julho
Dcima recita de assignalura equinla da segunda serie para os enmarles
Representar-se-ha a o opera cm 3 actos de Verdi :
Vcndem-se os bheles como de coslumc.
Princiraiar s 8 horos em ponto.
Avisos martimos.

'tX&BtXZZPJrZ
KEAL fiOSlPVNHIA
DE
s Paquetes inglczes a vapor.
sendo despachado com Antecedencia ot a ves-
pera de sua chegada : agencia ra do Trapiche
n. 40, cscriplorio de Thamaz de Furia.
Ale o dia 29 deste mez
da demora do cosame seguir para o Itiode Ja-
neiro, locando na Baha : para passagens ele.,
traase com os agentes Adamson, Ilowie \. C.
ra do Trapiche Novo n. 42.
.
9>

Pi
5
I
Horas
S I
Atmospktra.
irecco
Intensidad!.
cacimbas, e ate algumas com vermes. Continua-
remos se nao houver providencias.
Segundo os clculos da sciencia (diz II Pirata)
os eclipses do sol na segunda melade do seculo
XIX sao os seguiles :
185128 do julho (j succedido.)
185213 de maio (dem.)
1860-18 de julho.
186131 de dezerabro.
1S63-17 de maio.
186519 de outubro.
78676 de marco.
1869-23 do fevreiro.
1870-22 do dezembro.
187326 de maio.
187410 de oulubro.
187529 de dezembro.
187919 de julho.
188030 de dezembro.
1882-17 do maio.
188719 de agoslo.
1890-17 de junho.
18916 de junho.
1890-9 de agosto.
1899-8 de junho.
1900-28 de maio.
Ve por tanto que n'esie mez haver eclipses,
no dia 18.
A poucos dias deu por aqui urna boa chuvo ;
mais a opioio Reral. 6 que nao lemos invern.
A secca pois contina ; poique um verdetinho Preamar as 10^ h'uTaa" mnhi""itcra 6 0 d
nao val apenas mencionar : quando esse j vai Baixamar as 4 h 30' da larde, olura 2 0 p.

-a
3
o
_QC_
Jl
en
en

-a
v
V
i
.!
ce
I
Centgrado.
Reaumur
Fahrenhei,
2 I ygrome'.ro.
m
Barmetro.
c
ec
v.
p:
Se
> c
en v.
mmmmi
DAS
Messageries imperiales.
i1
Ateo fim do mez espera-se do sul o vapor
francez Navarre, commandante F. Vedel, o qual
depois da demora do coslume seguir para Bor-
deaos tocando em S. Vicente e Lisboa, para pas-
sageiros, cncommendas etc., a tratar na agen-
Para Lisboa.
Vai sabir dentro de poucos dias o brigue por-
tugus Tarujo & Filhos: quem nelle quizer carre-
garou ir do passogem dirja-se aoescriptorio de
Manoel Joaquim Ramos c Silva, ra da Codea do
Recie n. 38, Io andar.
Porlo.
A noite nublada c chuvosa, vento SSl'.veio pa-
ra o terral e assim amanhoecu.
OSCULAC.AO DA HAR.
declinando.
Os gneros allimenticios aparecer cm alffuma
abundancia, mas os conductores sao muitos : o
preco acha-sc sofrivelmente.
Termo de Flores.
Marcha, bom e muilo bem.
A cadeia acha-se apinhada de ladros de ca-
vallos, e os processos conlinuam.
Foi a poucos dias processado o Sr. Manoel Joa-
quim, da carnauba,
com faeno em um seu prente : a autoridade
policial procedeu logo corpo de dilicto, e suppo-
nho achar-so j pronunciado.
Peranle delegacia, foi apresentada urna quei-
xa por um tal Constantino da Luz, contra um
Branco, irnio o cimbado, pelo crim
Observatorio do arsenal de marinha 25 d'e iulhi
Je 1860 Virgas J.jsior.
Editaes.
....ie de uso de
lia cerlos fados que, praticados por nos, ser- armas, e tentativa de niorle: esse processo cor-
vm somenle para fazer-nos perder o bom con-1 rou scus termos, que com vista mandou o dele-
ceit" que merecemos. Peco llcenca ao meu illus- gado oo ex-promotor d esto comarca Jansen
O Illm. Sr. inspector da thesouiaria provin-
cial manda fazer publico, que a arrenalajao do
imposto de 2$>00 sobro o gado vaceum consumi-
por haver oado uns panos. do no municipio do Cabo, foi transferida para o
dia 27 do corrente.
E para constar se mandou afixar
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provine al de Per-
nambuco, 25 de julho do 1860.O secretario.
A, F. da Annunciacoo.
A comoro municipal deslo cicode mando
publicar pora conhecim
0 prsenle e
_ lento dos seus municipes
-promotor desta comarca Jansen; e devida execuco a notura obaixn Iranscrinin
tro adversario paro me apropriar das su.,, pala- agora porm nao aparece esse processo : o Sr approvada pelo"Exm Residente da irovTncU
aras, pelas quaes todava tambem nao merece o ; delegado, com seu escrivo diz quo nao recebe-1 Paco da cmara^muSicfna1 def RociCem 2s-
! o pensamento que|ram dito processo remettido ao Dr; cx-promo- sao de 23 de julho de 1860.Gustavo Jos do
Reg, pro-presidente.Manoel Ferreira Accioli,
brevet d'inventi>n,
ellas Iradnzem j era por mim muito conhecido,: lor : o Sr. Dr. Joaquim do Reg Barro?, pro-
e fui sonicntc por te-lo esquecido que enlrei nesta motor desto cemorca, diz que nao lhes entrega-
d -ao com S. S esquecimento de que mear- ram semilhanle processo : os escrives de YiTlo-
reprndo amargamente. I Bella diz, que nos seus carlnrios nao existe dito
No goslo de recriminaocs, principalmente en-1 processo; o assim quem ser effecliva rospon-
tre homens. Se ossim nao foro, perguntoiia eu sabilidado pelodesrncomiiihamento, occultaco
do mou adversario quem foi que tomou a iniciativa Ido processo? a resposta c obvio; e olgunm tomnva
do ridiculp c do insulto, para o qual com toda a umo parte sclivissima nesse nogocio !!!... Ver-
raza me julgou S. S. inhabilitado. dade 6 que nesse trama se nao lem andado tra-
I).'spo:iho(;() a corageni de dirigir um insulto (concia, ao menos parece, pelo que nos iufoi-
pela imprensa, ou por qualqncrjiutro meio, por-: mam
que od impede n niinha cdiicnco. quo me nao
tolhi- todava a represalia forte e no medida da
agresso.
Se nao fora a aversao que lenho no di:e tu,
irci eu, cu ainda mos'rorla ao meu adversario
quem c que desespera da situara do s^-ii candi-
dato para lancar mo da arma "de ridiculo c do
Meus senhores, tenliam paciencia; o missao
di> correspondente espinhoso; per isso o
Mosquito nao sac do seu posto do honra que
pouco cstreou.
Consta-nos nltimamenle que o dignissimo de-
legado vai queixar-se ao lllm. Sr. Dr. juiz de
direilo da comarca.
serretario.
Uuarla seccao.Palacio do governo de Pcr-
nombuco, em 20 do julho de 1860,
O presidente da provincia, tendo visla o que
representou a cmaro municipol do Ri>cife era
oflicio de 18 do corrente sob n. 69, resol ve ap-
provor provisoriamente os seguintcs orligos do
posturos:
Arl. 1." As casas de laipa que se conslruirem
ou rcconslruirom as povoaces das freguezias
de S. Lourenco da Malta, S. Amaro di JaDoatao,
Muribeca e Varzca, tero 12 palmos v vos de al-
tura, na frente, da soleira oo alio do frechol, os
portas 9 palmos de allura e4 e 1(2 de largura,
e os janellss a mesma orgura ; os infractores
sero multados em 5Jj, e no duplo na reinciden-
cia.
i;, da instrueco publica de Pernambu-
co, is de julho de 1860 O secretario interino,
Salrador Henrique de Albuquerque.
O Dr. Ernesto de Aquino Fonscca, cavalleiro d
erdem de Christo, juiz de orphaos do termo d
Rcrife, por S. M. o Imperador, que Dos gua
de. etc.
Foco saber aosque o presente edial vircm,
que por esle juizo lem de ser arrematado por
venda a quem mais der, na porta da sola das au-
diencias, e lindos os dios do lei, os seguintcs pro-
priedades :
Lu sitio de Ierras denominado Allemo, com
algumas frucleiras, extremando pela frente com
o Sitio Riacho da Estiva, pertencente o viuvo e
herJeiros de Jos do Monte Lima, pela parte do
nas;enle na linha de sul a norte do maree da es
Irada al o riacho Passo da lbura e dito sitio Es-
tiva e pela parte do norte, oo poente, com tr-
ras do engenho Ucha, tendo 2,380 palmos de
Irente e 4,000 de fundo, com duas casas de taipa
colarlas de lelhas, avallado por 5:0005000.
Um terrino do mallas capoeiras, denominado
Cacimbas, no meamo lugar da lbura, extremando
com trras de Jos Rodrigues de Olivcira Lima,
avalado por 1:500#.
Otlro lerreno de maltas capoeiros, denomino-
do Descanso, em dito lugar da lbura, que extre-
ma rom Ierra do mesmo Jos Rodrigues, avalla-
do por 1:500.
Oitro terreno de mallas capoeiras. junto a la- j cia ra do Trapiche n. 9.
soa denominada Zumb, no sobredilo lugar da
Ibun, o qual extrema com o sitio Estiva, c com
lema de Affonso de Albuquerque, avaliodo por
OtJtgOOO sendo o total do valor do sitio e terre-
nosonnexos o quanta de 10.OOOJ0O0 ; todos es-
tas propriedodes situadas na freguezia dos Afo-
sados; sendo o dito sitio n mais terrenos per-
tencontes a viuvo c herdeiros do finado Anlonio
Alvos Ferreira, e voi praca por determinarlo
deste juizo, a requerimenlo' de Anlonio Pereira
deOl.vcira Maia. credor hvpothecario do referido
casal.
A primeiro praca em 31 do corrente, a segun-
do|ditn em 3 de agosto, o lerceiro dita em 7 do
mesmo pelas 11 horas da manha depois de fin-
da o audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz deorphos.
E para que chegue ao conhecimcnlo de quem
nlercssar possa mandei lavrar o prsenle que
ser aflxado no lugar do coslume, e publicado
pela iinprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recite, capital
da provincia de Pernambuco, sob meu signal e
i sello deste juizo, que onte mim serve, ou volho
sem sello ex-causa, aos 6 dias do mez de julho do
anno do nascimenlo de Nosso Senhor Jess Chris-
to de 1860, 39 da independencia e do imperio
do Brasil.
Eu Joo Facundo da Silva Cuimares, escrivo
o escrevi.
Ernesto de Aquino Fonseca.
Pela inspecgo da olfonde-go se contracta
por um anno o fornecimento de races para a
guarnicao da escuna Linoia, a saber":
Pao.
Bolaiza.
Assucarbranco.
Cof em grao.
Arroz do Maranho.
Bacalhco.
Carne-verde.
Dita secca.
Toucinho.
Farinha de mandioco.
Feijo.
Agurdente.
Azeitc doce para comida.
Dito para luz.
Dito de coco.
Vinagre.
Vellas de spermacete.
Ditas stearinas.
Dilas de carnauba.
Sal. *
Lenha em ochas.
As pessoos que se quizerem controlar o dito
fornecimento opresenlem as suos proposlos era
carta fechada al c dio 25 do corrente.
Alfandega de Pernambuco, 14 de julho de 1860.
O inspector
Bento Jos Fernandes Barros.
CeimilM BRASILEIR4
DE
ADIETES IflNI.
Para os portos do norte.
esperase da Europa o! O vapor Tocantins, commandante o primeiro
vapor Tyne, commandante Jelicoc, o qual depois tfenente P. Ilyppolilo Duarte,espera-se dos portos
f&
do sul em seguimcnlo aos do norte at o da 29
| do corrente.
Iieccbe-se desde j passageiros e engaja-se a
carga e cncommendas que o vapor poder condu-
zir, sendo despachada com antecedencia at a
espero de sua chegada : agencia ra do Trapi-
che o. 40, escriptono de Thomaz de Faria
Espera-so por estes das o bem conhecido bri-
gue portuguez Amalia I, o qual logo dopois de
sua descarga regressar para o Porto, em Lastro,
quem no mesmo quizer rorregor ou ir de passo-
gem dirija-se ao consignatario, ra da Cada do
Recite n. 38, Io andar cscriptoafo de Manoel Joa-
quim Ramos e Silva.
Rio Grande do Sul
e Porto-Alcgre.
Segu com loda a brevidade o patacho nacio-
nal Venus : para o resto da carga que Ihe fal-
ta, (rata-sc na ruado Brum n. 16, armazem de
Manocl Jos de S Arauio.
Para o Aracalv.
Pretende sabir nestes dias ot o dia 22 do cor-
rele, o hiato Nicolao I, mostr Trajano An-
luncs da Costa ; paro corga o passogeiros, traa-
se com Prenle Vionna i C, ra da Cadeia do
Rccife n. 57.
Para o Aracaty
sahe o voleiro hiate Dous Irmos ; para carga,
trata-se no ru da Madre de Dos n 2.
Cear.
O palhabole Santa Cruz segu nestes dias ;
para o rosto da carga, trata-se com Caetano Cy-
riaco da C. II. ao lado do Corpo Sanio n. 25, pri-
meiro andar.
.i*. Aracaty
Hiale Scrgipano jo tem parte da cargo, para a
resto trata-se com Martus & Irmos : ra do
Madre de Dos n. 2.
Leiles.
LO
Se\ta-eira 27 Je julho.
O agente Costa Carvalho,
far leilo no dia cima, do resto das mobilias
que fien ram por arrematar na ra Nova n. 65.
sem excepeo de prego, o mesmo agente espera
que o referido leilo seja concorrido pois que o
preco porque tem de ser entregue nao deixara
de ser arrematados.
Leilo
Declarares.
COMPANHIA BRASILE1RA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Para os portos do sul.
O vapor PAn\x, commandante o capito l-
enle Torrczo, espera-se dos portos do norte
em seguimentooos do sulat o dia 26 do Hr-
rente.
Recebe-se desdeja passogeiros, cncommendas
Tribunal do commercio.
Tela secretaria do tribunal do commercio da e engaja-se a corga que o vapor poder condtirc'farinha de trigo.
Quinla-feira 20 do corrente.
AS 11 HORAS EM PONTO
Sem reserva de preco.
Nao so leudo cffectuado o leilo onnunciado
poro torca-feira ultima, o agente Uchoa declara
que fui transferido para o dia cima designado
sendo
DE
Marco diomante R 100 borricos com cerveja
vinda de Liverpool no brigue Catreifzth, a
qual ser vendida por ordem dos Srs. Tasto &
limaos na porta do armazem do Sr. Aunes
confronto a alfandega.
ILAO
DE
Mobilia, ferragens. viniio
c cognac.
Henry Forster & C. faro leilo por
ntervenqo do agente Hjppolito da Sil-
va e por conta e risco de quem perten-
ec* de gtgos com champagne, grande
qanttdade de movis, cutilerias, ferra-
gens, cognac e wisky em barris eou-
tras mu tas miir.iezas que ser5o paten-
tes aos senliores arrematantes : sexta-
feira 27 do corrente ao meio dia em
ponto no caes, do Ramos ovmazem de

IILEGVEL
i '
-


(*)
WAMO DB.WmijABOTOO. QUINTA Ff3ftW 86 DE JULHO DE 1860. |
LEILAO
DE
Mgica. |
A requerimiento dos administradores!
da massa fallida de Antonio da Silva i
Rocha e despacho do Exm. Dr. juiz es-1
pecial do comuiercio o agente Hyppo-
to da Silva, fara' leilo das dividas acti-
vas pertencentes a mesma massa : quin-
ta-feira 26 do corrente as 11 horas em j
ponto no seuaimazem n. 55 da ra do'
Imperador.
LEILAO
E chegado a esta eidado o arliata Correias Car-
valho Teixeira, em companhia do joven pernam-
'ucino, o qual (em de dar algiimasrepresenlacoes
de mgica ginaslica nesla provincia, e dansa de
corda.
tj Antonio da Costa e Silva Maduro, in- 9l!
ventarianle o testainenlciro do tinado sen Sj
pai o Sr. Miguel Antonio da Costa e Silva |
convid novamenle a todas as pessoas que se julgarcm rrcdoris a oppresenla- ag
rem os seos ttulos na Iravessa do Corpo **]
Santo n. 23 luja de cabos, para concluso M
do inventario, no prazo de 3 dias da pu- *?
blicacao do presente, slm do que elle in- *
ventariaute nao so responsabilisa. Reci- ^|
fel> de julho de 1860,
PCBFME PAIA SENHOKAS.
MIIJMM1M11A
DE
3
DE
Praca.
Um sitio.
A requenmento Coelho por si e como cessionario de Jo-
s Joaquim Pinto e por despacho doln. 8t baTer'leite p7reV3VgarraV^e 7 1/2
Exm. juiz de orphaos, o agente Hyp- i ,l0ras da manha em diaete.
pohto da S.lva fara' leilao de um
na estrada nova da Capunrja,
No dia 26 do corrente ns 10 horas
depois da aaoiencia do Jllm. Sr. Dr. juiz dos lei- j
tos da laceada, no lugar do coslume, se vender !
urna casa terrea com soto n. 27, sita na ra da I
rnlrna, avallada por 2:81105000 ; por execurao i
promovida pela fazenda contra o liador do ex-
coHector alcancado Antonio Geraldo de Carvalho. j
Ileclfe25de'juIho de 1860.
O solicitador.
F. X. P. de Brito.
Na escada do sobrado da ra do Imperador!
Murray e Lanman
A que lem adiado maisacolhimenlo no
publico! Vende-se 20,OU duzias
de frascos por anuo.
Esta agua encantadora exlrahe-se das diversas
. flores que se encontrain no paiz onde Ponce de
' Len e Souto iain procurar a (oule da juvenlude
eterna.
Da aos lencos um cheiro ruuito agrdavcl | ?la t,lla Par'e do mencionado
refri
a para cozinhar so-
mente, em casa do pouca familia : no Recite, na
fazendo | ra da da Cruz n. 31.
sitio
esquina com a estrada da Torre, com
al'umas fructeiras, cacimba com tan-
que, trras proprias para plantacoes,
tres casas torreas de taipa cober>a de
telhas: sabbado28 do crtense as 11
horas eon ponto no seu armazem na ra
do Imperador n. 35.
Avisos diversos.
Riymundo Joaquim Rodrigues, subdito por-
tuguez, retira-so para o Maranhao.
Vendo-se umsellim inglez, usado, em mui-
to bom estado : na rna do Queimado, loja de
ferragens n. 13.
Vende-so a casa de 2 andares, sila na Ira-
vessa da matriz de Santo Antonio n. l : quem
a pretender, dirija-so a casa n. 15, defronlo da
igreja do Corpo Santo.
MilKo e fardo a 4f 500
Na taberna da estrella, no largo do l'araizo nu-
mero l.
Vende-se urna negrota de 16 a 18 annos,
com principios de varias habilidades por ter che-
gado ha pouco do mato e por preco milito com-
rnodo e se for para o eagenho 011 fora da trra se
dar por menos : na ra da Roda n. 54.
Oil'eiece-so um portuguez para lirapar ar-
voredos de qualqner sitio : quem o preteuder di-
l'ja-se roa da Roda n. -(8.
Vende-se a obra completa em 11 volumen
da historia ecclesiastica : na ra do Cabug n.
1C, loja.
Precisa-se .Mugar um sitio : a tratar' na ra
do Crespo n. 23.
Wannel Johnson e l'eter Cable reliram-se
para Europa.
Precisa-sede 4a 5 coritos do rcis a premio
com hypolheca em um sobrado de dourado valor .
quem pretender dirija-se esta typographia para
saber quem taz este negocio.
Escravos pecas.
Na ra da Impentriz n. 37, pede-se enca-
recidamenle s pessoas que devem alaguis de
carros, que venharn ou maridem quanto antes pa-
gar ; se nao quorum ver os seus nomes ueste
Diario.
attencao.
Roga-se com muilo encarecimenlo ao Senhor
que achou no dia 23, no largo do Hospicio, um
libretloTravialacm francez e italiano, queira
lera bondade de restitui-lo seu dono, cujo li-
me se l na prtmeira pagina impressa do mesmo
libretto, ou enlo entregarlo na ra da Unio,
penltima casa direila.
erante, augmenta a belleza da cutis, des-
truindo as sardas e mais manchas que de coslu-
me a taca o o rosto. Aconselhainos as pessoas
debilitadas pelo calor do vero d> usarem desla
agua em banhos, pois lem ella n virlude de fa-
zcr recuperar as torcas perdidas pela transpi-
rado.
'ara evitar ser engaado por falsificaces de-
ve-se procurar aAgua Florida de Murriy e
i Lanman, e averiguar-se se o envoltorio e rotulo
trazem o pretixo de Murray e Lanman.
E' fabricada esta agua nicamente pelos pro-
pietarios D. T. Lanman oKeuip droguistas por
atacado, 69 Water Street, e 36 Gold Street. "No-
va-York.
Aelu-se venda em todas as boticas e lojas
I de perfumaras do imperio, em Pernambuco loja
I de Luiz Antonio de Siqueira, ra da Cadeia.
{fetrtiAmhucana.
De ordem do Sr. presidente, sao polo presente
convidados os senhores socios efleclivos, para que
se dignpm de comparecer domingo 29 do corren-
te. s 10 horas da manha em ponto, aflm de
reunidos em assembla gcral procederem a elei-
cao dos novos membros que lera de funecionar
no anno social de 1860 a 1861.
Secretaria da Associaoo Typographica Per-
nambucana, 25 de julho'de 1860.
J. L. Dornellas Cmara,
Io secretario.
Jasin W. Stone, subdito dos Estados-Uni-
dos do Norte, se retira paia o Para.
Petras de Fogo, 40'de jullio de 1800.
Tem por aqui corrido o boalo de que Virginio
Horacio de Freitas morador nesia povoacao tem
dito que ha de fazer todo mal que puder a abaixo
assignado, at lirar-lhe a propicia existencia, o
que nao ero o abaixo assignado apezar dos mos
precedentes do dito Virginio, mas como nao le-
uh este oulro inimigo alera do referido Virgi-
nio, vem por cautela prevenir ao publico de que
se alguma tentativa houver contra a su* existen-
Virginio, a quera
faz responsavel por qualqner nial que Iho acon-
tega 4'icando cerlo de que continuar o abaixo as-
signado a andar como costuma sempre, inerme
as repetidas viagens, que faz par lugares er-
raos era consoqiiencia do negocio de que usa.
Tenham, Srs. redactores, a bondade do dar
publicidade a oslas linhas o que muilo lhes agra-
decer o seu constante leilor.
Jos Pedro de Mello.
Aluga-se um soio com bons commodos,
na freguezia de Sanio Antonio, e por preco ra-
zoavel: quem pretender, dirija-se s Cinco" Pon-
las n. 124, at as 9 horas da manha, e as 4 da
tarde era diante, que se dir quem aluga.

C^>
A. W. Osborns retratista americano avisa ao respeilavel publico que tem um completo sor-
imento do cspelhos os mais ricos que se pode encontrar, assim como lira retratos pelos diminutos
- Precisa-se alosar urna araa forra para o ser- procos de 2, 5, 10, 20$ e 3. com as competentes caixas ; na roa do Imperador onde lei a
viroinlerno c externo de urna casa de pequea bandeira americana, o mesmo tambera cnsina a lirar retratos pod
familia : na ra larga do Rosario n. 32, loja de i hora,
charutos.
retratos pdenlo ser procurado a qualquor
Fugio liouiem 15 docorrenle, pelas 8 horas .
da noile, do sobrado defronle do viveiro do Mu-
niz, a escrava parda de nome Kaimunda, perten-
cenlc a Sr.a I). Isabel Raimunda dos Santos Pi- !
nlieiro, com idade de 20 annos, estatura regular,
levando vestido novo de riscado encarnado, ro-
Setas nas orelhas, sapatos de marroquim verde
e urna Irouxa com a sua roupado uso. Esta es- '
era va viera do serlo e fora comprada pela mes- ;
ma senhora nocorrrenle anuo ao corrector Tupi-i
namb : pede-se, puis, a polica ou a qualquer
outra pessoa que dola tiver noticia, najara de a
apprender c leva-la ao sobrado da ra do Impe-
rador [anliga do Collegioi n. 81, no primeiro an-
dar, que ser recompensado o aprehensor.
Contina a oslar ausente desde o Io do cor- \
rente o pardo Ruliano, ofcial decarapina, idade
23 anuos, anda calcado, traja paleto pardo, sem
barba, com principio de bigode, 6. alto e grosso,
inculca-sc forro : quem o pegar, leve-o ra da
Aujora n. 44, quesera recompensado.
Continua sob a mesraa direceo da Ma-
noel de Mallos Teixeira Lima," professor
em homeopalhia. As consultas como d'an-
tcs.
m
Ni ra da Saudade, casa de soto
:C..S.l(.ri. ceir! l..P.rtl| ^^^ ^ ^ "m
U arrematante da taberna que
foi do Sr. Paulo Francisco Kozendo, si-
ta na ra da Imperatrizn. 5V, outr'ora
aterro da Boa-Vista, roga a todos os de-
vedores dadita taberna que tenham a
bondade de virem a mesma satis-
fazerem os seus dbitos at o dia o
do corrente, e'aquelles que assim
i

i


i
nao
Botica central Iiomeopalliica
Do
DR* SABINO O L PIMO- ^Gzeremserao publicados os seus nomes
Novos mcdicamcnloshomeopalhicos en-
viadosda Europa pelo Dr. Sabino.
Estes medicamonlos preparados espe-
cialmente segundo as necessidades da ho-
meopalhia no Brasil, vende-se pelos pro-
cos conliecidos na botica central honioo-
pathica, ra de Santo Amaro (MundoNo-
vo) n 6.
e usara dos meios judiciaes.
Funileiro.
Ra da Impcralriz n. 37.
Previne-80 aos amigos freguozes que ha na co-
cheira da ra cima bous carros e cavailos. Tam-
bera se tratara cavailos e curara, empregando-se
para osle fim todos os preceilos veterinarios, lu-
do mediante paga conscienciosa.
Deseja-se fallar com o Sr. Christovao de
SMiliago do Nascimculo: na ruados
n 36.
Vende-se una escrava que sabe engommar
Vende-se 1 oseravo marnheiro de governo, 1 nl.u'l l>om< Isva e cozinha : quem a quizer di-
moleque do 13 annos, 3 ditos para lodo servico, i "J'r*8 a rua < Pra" 12, ou a ra do Rangel
1 escravacosinheira poi 9009, 1 dita por J00#1 21 2J-..'I"e tara negocio.
dilas habilidosas
mero 10.
na rua das Aguas Verdes nu-
Pechincha sem
igual.
Superiores cortes ee chita larga franceza rom
milito lindos padroes, havendo entre ellas miu-
diohas e oulras de quadros muilo modernas de
1 l^covados cada corle pelo baralissimo proco do
2c500 : na loja do sobrado amarello nos qualro
cantos da rua do Queimado n. 29 de Jos Morei-
ra Lopes.
O abaixo assignado como liquidalario da
fuma social de Joo Adriano de Mello Dutra &
C, declara ao respeitivel publico que nesta d^la I
conslituio por seu bastante procurador na pro i
vincii das Alagoaa a Manool Jos Leonardo, para
cobrar lodas as dividas pertencentes a mesma
tirina, araigavelmenle ou judicialmente. Recite '
25 de juMio de 1860.Fulgencio Jos deOliveira ;
Desappareceu boje (25) d\ rua larga do Ro- :
sario defronle da taberna n. 50, um cavado cas-
lanho, da frente aborta, topete pequeo, cauda
curia, novo e pequeo, sem signal nenhum de
fonda, cora rangalha e cabreslo : portanto ro-
ga-se a polica e aos Srs cocheiros que dclle
souberem lcva-lo casa cima ou a seu dono
Joaquim Coelho Leile, no engenho Bella Rosa
quesera gralilicado.
SOCIEDADE
Instituto Pi e Littcrario.
De ordem do Sr. presidente .cientfico aos Srs.
socios quo hoje (quinta-feira) haveri sessao do
couselho director s 3 horas da tarde, depois da
qual (s 4 horas) haver assembla geral, sendo
ambas as sessoes presididas pelo dignissimo pre-
sidente honorario o Illra. Sr. Dr. Aprigio Justia-
no da Silva Guimares.
Secretaria da seciedade Instituto Pi e Lute-
rano sos26 de julhode 1860.A. R. Piuienla,
primeiro secretario.
Compram-se travs de qualidade
e de i5 palmos, quem tiver dirija se a
ordem terceira de S. francisco
tratar.
para
Ha para alagar na rua Direila, no sobrado
n. 32, um andar: a tratar com a proprielaria, no l
segundo andar do mesmo.
Precisa-se do urna ama para cozinhar em
nina casa de pequea familia : a tratar na rua do
Cabug loja n. U. '
Precisa-so de urna escrava para o servico
externo de una casa de pouca familia e que saina
cozinhar : na Praca da Boa-vista n. 7.
A viuva Celestino Covn, subdita franceza,
retira-se para o Rio de Janeiro.
Vende-se urna meia agua, no principio do
aterro dos Afogados, passando o viveiro do Mu-
niz : a tratar no Passeio Publico n. 7.
No dia 27 do corrente, pelas 9 horas do dia,
tem de seren novamenle arrematadas na porta
do Sr. juiz de paz da freguezia do S.Jos, 20
caixas com sabao, posando liquido 610 libras,
avahado em 120 rs. a libra, sendo bom sabao,
penhorado a Francisco Avilla Mcndonca, por exe-
curao de Ignacio de Sou/.a l.eo.
No da 18 do corrente inez de jnlho fugio a
escrava Hara, crioula, de eslalura baisa, c secca
do corpo, cabello rente, levando vestido de chita
prela com piulas brancas c baeta preta : quem a
pegar, leve rua da Palma n. 25, que ser re-
compensado.
Fugio no da 19 de juriho prximo passado,
do engenho Bom Sur.cesso do tormo de Seri-
nhaem, o escravo Daniel, preto fula, crioulo, de
idade 20 annos, pouco mais ou menos, alto, sec-
co, bem espigado, cabera pequea, feicoes regu-
lare, bem feito de corpo, ps e mo's seccas e
bom feitas. Este escravo procurou ao Sr. P. V.
Buletrou, rendeirodo engenho S. Joao do Cabo,
para o comprar, e naoquerondo o dono vnde-
lo, mandn busca-lo, e nachegada dos portado-
res, c escravo desappareceu : julga-se que an-
dar o dito escravo nas visinnancaa da villa do
Cabo, ou do mesmo engenho S. Joao, ou do en-
genho Barbalho, onde tem muilos conliecidos,
pois que frequentava esses lugares quando foi d.
Sr. Jos Xavier da Ro ha Wanderley, hoje mo-
rador no engenho Serrara : Pedo-so as autori-
dades de poliv-.ia do termo do Cabo a captura dos-
lc escravo, o aos capilaes do campo ou qualquer
pessoa que oeonheca, de poga-lo c levar ao en-
genho Serrinha de Serinhaenia seu senhor Fran-
cisco Manoel Wanderley l.ins, ou nesta cdade
o Sr. Manoel Alves Ferreira, na rua da Moeda
n. 3, segundo andar.
Fu ni cao de lypos em
Lisboa.
A administraran geral da imprensa nacional de
Li'boa, prosoguindo pcrseveranlenioiile no era-
penho de dar o maior desenvolvimento sua
fundiciio de lypos, vem apresentar hoje ao exa-
me consciencioso dos senhores typograplms do
imperio do Brasil um copioso siipplemonto ao
Speeimen publicado em principios de 1859.
Executado com aquella perfeirio e esmero que
acreditaran) a prmeira publicacao, a administra-
cao lisonjea-se de que este supplomenlo ser
Maiiynos apreciado nao s como um documento honroso
para a typographia portugueza, mas tambera co-
mo um leslemunho insspeito dos esforcos que
ha feito com solirtue e boa vonlade para ele-
var a imprensa nacional de Lisboa caihegoria
de um oslabelecimenlo lypograonico de primei-
ra ordera.
Contm o supplemonlo que ora sabe luz, em
13 paginas de folio, 48 diirerentcs caracteres or-
dinarios e de phantasia desde corpo 6 al 592
urna colleccao mu bella de filles de diverso de-
senlio (corpOSS, 4, 6, 8, 10,12 e 16), e urna pri-
morosa serie de clcheles (140), gravodos polo
famoso Marcellin Logrand, e fundidos em 4 pon-
tos, variando na largura entre 16 e 5S pontos.
Quasi lodos aquellos caracteres sao fundidos
com esmoro em malrizes provenientes das acre-
ditadas offirinas de Laurent & Deberny e Batlen-
berg, de Pars, Haennol, de Berlim, e oulras, e
alguns gravados expressameute para este osla-
belecimento, como por excmplo, os corpos 14 e
16, caracteres ordinarios, devidos ao buril de
Anbcrt, e os grandes lypos para cartazos, corpos
368, 16 e 592, aberlos por artislas porluguozns.
Na sua escolha, a que presidio um gosto severo,
teve-se principalmente em vista satisfazer s ne-
cessidades da typographia. Os clchelos e (leles
Ryslmalicos, alem da elegancia do seu desenho,
sao de um emprego ulilissinio, como se procu-
rou demonstrar em urna pequea exposicao
que vai ser distribuida por todas as ofcinas ;y-
pograDhcas.
A admiiiislrarao geni da imprensa nacional de
Lisboa, esperando que o supplcmeiito ao seu
Speci'Heii merer.!i 0 elogio das pessoas entendi-
das, alfianra que nao descansar, procurando in-
cessantemenle allondcr a lodas as exigencias jue
lenham por alvo o progrosso da arle.
As condicoes da venda sao as que ropcUd .s
vezes so toem aanunciado, garantindo-se lola a
promplidao e regularidade na salsfaco das on-
comnicndas, por mais avuiladas que so;am.
Agentes da imprensa nacional de Lisboa no'im-
perio do Brasil, no Rio de Janeiro, Francisco
Teixeira Bastos ; em Pernambuco, Amorim Ir-
mos ; na Baha, Espinheira & Companhia ; no
Maranhao, viuva Rocha Santos Si Filhos'; no
Para. Martins & lrmos.
Precisa-se de um bomem capaz eque
de liador a sua conducta, para admi-
nistrar urna loja de funileiro, perleita-
Agencia de lei loes.
Arphelira Jos da Cosa Caivalho, tendo obido
do mcrelissimo tribunal do comniorcio, noraea-
cao de agente de lciloes, avisa ao respeilavel
corpo do commercio desla cdade e a todos a
quem possa interessar, quo lem aborto seu ar-
mazem na rua da Cruz n. 9, onde o acharao sem-
pre promplo para o desenipenho de auas func-
cos, esperando do mesmo corpo do commercio
camigosdo annuncianto toda a protecrao, asse-
gurando-lhes ser solicito no desempeulio de seus
deveres.
O abaixo assignado declara ao
publico que desde o dia 15 do corrente
deixou de ser professor de latim do col-
legio do Sr. Jeronymo Pereira Villar.
Recite, 17 de Julbo 1860.
Manoel Francisco Coelho.
O abaixo assignado, encarregado da dosin-
feccao como deve constar aos senhores inspecto-
res de quarleirao, pela circular do Illm. Sr. Dr.
chefe de polica aos senhores subdelegados, a
*SJ5
W$ZcAf$At&
PILULAS VEGETAES
ASSLCARADAS
siente sortida, sendo necessano que en-; qual datada de 10 de raaio corrente, faz scien-
ienda alguma
da
cousa do olicio, da se
ioteresse vantajosouma vez que seja sol-
te i ro : na rua Direila n. 45.
Precisa-se de urna ama
que saiba lavar e engommar,
para tratar de dous meninos
que andam na escola : na rua
da Madre de Dos n. 3G, pri-
meiro andar.
Dcclara-se ora addilamento um annuncio
acerca da arromatarao de urna escrava perante o
luiz do orphaos, perlencente a heranca de D. Ma-
ra llosa d'Assumpcao, que a dita escrava parda
liara, exceonte coslurera, est avallada ero
l.600. e j foi parlilhada.
Precisa-se de um homem solleiro que le-
nha pralica do fabrico de vinagre, para dirigir
urna fabrica fra da provincia ; quera se adiar
neslas condicoes o quizer, dirija-se a esla typo-
graphia.
Na livrara ns. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia precisa-so fallar ao Sr. alferes Thom (jo-
mes Vieira Lima.
James E. 11. Spoars. engenheiro machinis-
ta, vai ao Rio Grande do Norte sentar um vapor,
e deixa encarregado dos negocios do sua casa o
seu caixero o Sr. Joaquim Jos da Paixao
Sanios.
Teixeira Basto, S & C. participara a esla
praca, que durante a ausencia do socio Joao
Francisco da Silva Novaos, fica com procuracao
da sua casa o Sr. Francisco Joao de Barros.
= Quem no domingo 22, achou ou pogou um
cachorrinho que suppc-se Icr salido pela porta
pelo discuido de quem, sahndo, o deixou aberla,
pode entrega-lo na rua do Bangol n. 21, pois o
caozinho o folgnedo de urna menina doenle de
molestia incuravol, mas sem embargo disso se
lhe dar o adiado e se Ihe ficar muilo obriga-
do ; cujos signaos do caozinho sao : cor do le-
Iha, todo baca, grande, orelhas cabanas, cauda
fina ecorae muilo : faz-se esto onnuncio para nao
pegar alguma molestia que ter attrahido, sem
fazercm caso, lica livre mnha conciencia.
te aos senhores inspectores, que logo que se de-
re ra casos de angina, escarlatina e oulras moles-
lias que grassam epidmicamente, avisera ao
mesmo abaixo assignado para mandar proceder
desiufeccao como por ordem superior foi deter-
minado.Jos da Rocha Paranhos.
Ganinete particular, annde se ensnam in-
lerpoladaraonte as sciencias e bcllas-arlos se-
guintea para o approveilameiilo di rrocid3de, di-
rigido por I. Fichinelii, na rua Direila n. 69,
primeiro andar, em lodos os dias uleis, das 6
horas da larde al as 10 da noile. Sciencias :
lingoas italiana, grega e franceza, grammalieal-
mentc, 1er, escrever, tradu?ir c fallar. Bellas-
arles : piano e cantona italiana pelos1 melhores
melliodos, rabeca com sua competente escola de
arco, volao, executado imitario do piano, con-
traponte severo com fugas e caones, ensinar-se-
ha o modo de aliar a rabeca era dilleronles ma-
ueiras paraos harmnicas, a uso Paganini. Re-
cebem-sc quaesquer composiroes a fazer, qur
thealraes, qur ecclesiaslicas," o para qualquer
iustrunienlo.
Sexla-feira 27 do corrente, depois da au-
diencia do Sr. l)r. juiz municipal da prmeira va-
ra ser arrematada una casa e sitio no camiuho
novo da Soledade, j com abatimento do valor
dado, por execucao de Francisco Alves Monteiro
Jnior contra Antonio Joaqun) Pacheco Basto :
atuliuna praca.
Prccsi-se de urna ama secca : no pateo do
Terco n. 26.
= A pessoa na rua da moeda, que annunciou
no Diario de sogunda-feira n. 109 precisar de
20(l a premio sobre peuhoros de ouro, procure
na rua Direila n. 106, que se dir quera faz este
negocio.
Quem precisar de urna ama para casa de
homem solteiro ou mesmo com pouca familia,
dirija-se a rua do Rangel.na loja junto ao arma-
zem de arinha n 62.
Acba-se em negocio a casa terrea
n. 8 sita na rua de S. Joao da ciladede
Olinda, se alguem se julgar com direito
a mesma appareca na rua estrella do
Rosario n. 15, ca torio do tabelliao Cos-
ta Monteiro.
NEW-YORK
O MELHOR REMEDIO COMIECIDO
Contra constipaede, ictericia, affeerdes do figado,
febres biliosas, clicas, tnd'ijesles
enxaguecas.
Ilemoirhoidas, diarrhea, doencas da
pelle, irupeoes.e todas as eiifermidadts,
PROVENIENTES UO ESTADO 1MIHI10 1)0 SANUfE.
75,000 caixas desle remedio consoniraem-sa
annualmentel'
Remedio da naturezn.
Approvado pela [aleudada de medicina, e re-
commendado como o mais valioso catrtico ve-
getal de todos os conliecidos. Sendo eslas pitil-
las puramente vegelaes, nao conten ellas ne-
nhum veneno mercurial nem algum oulro mine-
ra/; estilo bem acondicionadas em caixas de follia
para resguardar-se da litimidade.
So agradiveis ao paladar, seguras e eflicazos
era sua operacao, um remedio poderoso para a
juventude, puberdade e velhice.
Lea-se o follielo que acompanlia caila caiva.
pelo qoal so fiear conhecendo as muilas curas
milagrosas que lem dTeLlusdo. D. T. Lanman
& kemp, droguistas por atacado em New York,
sao os nicos fabricantes e proprietarios.
Ar.ham-se venda em lodas as boticas das
priucipaes cidades do imperio.
DEPSITOS.
Rio de Janeiro, na rua Alfandega n. 89,
Babia, Germano & C. rua Julio n. 2.
i'ernambuco, no armazem de drogas de J. Soum
& C. rua Ja Cruz n. 22.
UttICA VERDADEIRA. E LEGI-
TIMA.
wmmmm-mmmmmm
1 Sndalo.
*$ Recebeu-se novo sortimenio de boni- '<
gg tos leques e br-iceloles de sndalo
LOJA DE MARMORE.
ASSOCIACO POPULAR
DE
Soccorros Mutuos.
96
mmm
O Sr. thosoureiro das loteras manda fazer pu-
blico que se achara a venda lodos os dias no es-
criptorio das mesmas loteras na rua do Impera-
dor n. 36, c na casa eommissionada pelo mesmo
Sr. Ihesoureiro na praca da Independa ns. 14 e
10 os bilhetese meios da quinta parle da quarta
lotera do Gymnasio Pemaiubucano, cujas rodas
devero andar imprelerivelraeiile no dia sabbado
11 de agosto prximo futuro
Thesouraria das loteras 25 do julho de 1860.
* escrivo, J. M. da Cruz.
PROVINCIA.
Terceira parte da quinta
do hospital Pedro II.
Nos bilheles rubricados pelo abaixo assignado
venderam se os seguinles premios
N. 2026 10:000$ 2 quartos
e outrosde 200 e 1009- A garanta dos 8 por
centp pagina praca da Independencia n. 22,
aondo se acham venda os bilhetes, meios e
quarto3daquinla parte da quarta do Gymnasio
Pernambucano.
Santos Vitira.
Sexla-feira a noile tora lugar urna sessao ex-
traordinaria da assembla geral, pira tratar da
approvarao das contas do trimestre lindo.
Secretaria da Associaro Popular d Soccorros u.""araenclc nl applicar.ao dos chapa m
Mutuos 5 de julho de 1860. '?maesdoSl Rica,do K,rk- mord
Bernardino de Sena Ribeiro.
1." secretario.
Fugio no dia 20 do corrento o prelo escra-
vo crioulo, de nome Pedro, idade do 2D a 22 an-
uos, cor fula, alto, secco. beicas grossos, est
aponlando a barba, quando anda atira com as
pernas para o lado, foi vestido de caira amarella.
desmatada, camisa branca, chapeo de massa pre-
ta de copa alta, lera officio de marcineiro ; ro-
ga-se as autoridades policiaes ou capilaes de
campo a apprehensao do dito escravo. e levaram
ao seu senhor na na cstreita do Rosario n. 31,
loja de marcineiro do Sr. Jos Moreira da Silva,
que serao recompensados com 50#.
Gabinete Portuguez de
Leitura.
Por ordera da directora do Gabinete Portuguez .
de Leitura convido a todos os senhores aecio- j
aislas a reunirera-se domingo, 29 do corrente, na
saladas sessoes do mesmo Gabinete, pelas 10
horas da manha, afim do que constituida a as- '
sembles geral em sessao ordinaria, tratar do que
dispoe o arl. 3 dos eslslulos e seus paragraphos. |
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leitura
em Pernambuco aos 25 de julho de 1860.
Manoel Jos de Paria.
1. secretario.
Para o Santa Isabel.
Chegou loja da nova fama um rico e com-
pleto sortimenio do filas de chamelote, o que
tem vindo de melhor a este mercado, tanto em
gosto como em qualidade, proprias para bou-
quels, cinto e laQos de vealido, de todas as cores
e da largura de 2 dedos n um couto, e por bara-
lissimo prego visla de suas qaalidade3 : na rua
do Crespo, loja de raiudezas de Ues jiorlas nu-
mero 7,
i Dr. Augusto Carneiro Monteiro da Silva $;
Santos, medico operador e parteiro pod? @ i
;J ser procurailo na casa Je sui residencia^
Jg na rua do Ilangol n. 16. m
Precisa-se alegar uma preta que engorme
e fara o mais servico de casa de duas pessoas :
na rua do Amorim n. 33, segundo andar.
Cura completa.
SEM RESGUARDO NEM INCOMMODO.
Irysipela n'uma perna.
Eu abaixo assignado declaro que tendo meu
Cilio padecido de erysipela n'uma perna ha
muilos annos, por cuja causa eslava bstanle
indiada, depois de ter feito varios remedios,
medi-
a do
Parlo ii 119, Uve o gosto de o re inteiramcnle
bom : o que faro publico em signal do meu re-
corihecimenlo. Campo do Machado, Jos Pe-
aro Simes.
Cura completa.
SEM RESGUARDO NEM INCOMMODOs
Inflammacao do bar.o c dores do peilo.
Eu abaixo assignado faco publico, em bene-
ficio da huinanidade, em coino cu leudo sofTrido
por espiro de um anuo e meio urna forte in-
flammacao no boco, muilas dotes no peito, eo
mesmo luchado, procedido da mesma inflamma-
cao com i cansaco exiraordinaro, o tendo to-
mado e applicado varios remedios, sem nenhum
resultado fivoravel, e me achando quasi deses-
perado recorr final monte as chapas medeinaes
do Sr. Ricardo Kirk, morador na rua do Parlo
n 119, as quaes Irazondo cm supuraco os hu-
mores, em 29 dias me achei inleiranienle livre
desla torrivcl molestia, do que dou ao dito se-
nhor os meus puros e sinceros agradecimenlos.
Rua do Espirito Santo n 45, Lio de Janeiro
Antonio Lopes dos Sanios Porto.
Modista.
g D. AnnaErmelnda de Arruda Machado
3| faz scen'e ao publico em geral e com
$ especalidade a suas freguezas, que rau-
S dou o seu estabelecmenlo de modista
** da rua Nova para a rua do Queimado n.
10, onde trabalha com a maior presteza
possivel, assim como recebo por todos os
Jg vapores figurines os mais modernos de *j
Pars, lauto para bailes como passeios e 5/
thoalros, o bem assim declara quo aceita f
escravas de 12 annos para c.ma para en- a
|Jg 'ainar sua proCsso. 9
mmmmim mw$ mmmwsx
Precis^-se de um cont da ris, a juros,
dando-se feypothcca em bens da raz : quem 1-
ver anouQciepara ser procurado.
SOCIEDADE
ARTES JIECIIIMCAS E LlltERAES
DE
PERNAMBUCO.
Nao se tendo podido realisar a eleicSo da nova
direclona nas duas reunios para isso convoca-
das, convido anda esta vez a lodos os socios a
comparecerora pira o mesrno fim, no domingo
29 do corrente, as 12 horas em ponto da manha,
na casa das sessoes ; advertindo que, a conti-
nuar a mesma omissao da parle dos socios, se-
rei conslrangido por todos os rospeilos a usar dos
meios postos ao meu alcance, para corrigi-la.
Oulro sim, declaro, que leudo terminado no da
20 do conenie o anno do eiercicio da actual di-
receo, nao haverao sessoes ordinarias da socie-
dade em quanto nao se elegerem os novos func-
cionarios.
Directora da socedade das Artes Mechanicas e
Liberaes de Pernambuco 21 de julho de 1860.
J. Borges Carneiro,
Director.
Piecisa-se de um cozioheiro; na rua do
Imperador n. 75, primeiro andar
Aluga-se urna cxcellente sala o dous quar-
tos: na rua do Imperador n. 75, primeiro andar.
Precisa-so do ama ama que ongomme e co-
zinhe : na la do Hospicio n. 34.
Desappareceu ou furtaram no dia 20 do cor-
rente, dos fundos da serrara de Vicente Alves
Machado, um pranchao de amarello com 60 pal-
mos de comprido : quem delle der noticia, diri-
ja-se a rua nova de Santa Rita, na mesma ser-
rara, que ser recompensado.
Pede-se ao Sr. Jezuino da Costa de Albu-
querque Mello o favor de ir a rua do Sebo n. 24,
a negocio de seu inleresse.
O Sr. Anlonio Aniceto da Silva, que esleve
no engenho Pimenteiras na freguezia da Escada,
queira mandar pagar urna letra da quanlia de
792;966, vencida em 10 de junho prximo pas-
sado, na rua do Queimado n. 18, loja de M. R.
de Carvalho. Por se ignorar sua morada, l'az-se
o prsenle annuncio.
Na rua larga do Rosario, taberna n. 31,
aluga-se urna S3la de um primeiro andar com 2
quarlos, propria para osciiplorio, em una das
ras princpacs do barro de Santo Antonio.
Alugi-se um mulalinho de 16 anuos para
compras e recados, o proprio para pagein ; na
rua da Penha n. 17, segundo andar.
Aluga-se um sitio no fundo da fabrica de
sabo, na rua Imperial, com casa dentro, e seus
arvoredos, e proprio para plantar: a tratar na
rua Imperial n. 5.
Alerta!!!
Fugio do quartel de cavallara no dia
21 do corrente raez, um cava lio alazao,
pequeo, de crinas grandes e marcado
no quarto esquerdo comon, 23: quem
o tiver retido em seu poder e quizer ter
a bondade de remette-lo aquel le lugar,
sera' gratificado conscienciosamente.
Wlliara Gay, subdito brilaanlco, retira-se
para o Rio de Janeiro.
Aluga-se urna prela de lodo o servico ; na
rua da Praia n. 82.
Preris.i-se de um eaixciro de 12 a 14 annos,
chegado ltimamente; na rua daPraia n. 82
Furto.
Em a noile de 18 do corrente furtarao do Engc-
Setubel, no Cabo, ume avallo russo, descamado o
inleiro : lem a cara, beros e os 4 ps brancos, e
na anca direila o seguinle ferro G F 11. Este ca-
vallo pertence ao empreileiroda Via-ferrea. Re-
commonda-se a actividade da polica ; assim co-
mo d-se una gratificarlo a quem o pegar e le-
va-lo ao supradilo engenho.
MALICIOSAS EINFALUVEIS.
SALSA BARHILHA
PE
1$
Pastillias vegetaes de Kemp
contra as lombrigas
approvadas pela Exm.* inspeccao de esludo de
Remedio sem iaaal, sendo reconhecidos pelos
mdicos, os mais iminentes como remedio infal-
livel para curar escrophulas, cancros, rheumatis-
mo, enfermiilades do fijado, dyspepsia, debilida-
| dade geral, febre biliosa e intermitiente, enfer-
mdades resulianles do emprego do mercurio,
ulceras e eriipccs que resultara da impureza do
CAUTELA.
D. T. Lanman & Kemp, droguistas por ata-
cado Ne\v Yoik, ac^am-se obrigados a prevenir
Habana e por minias oulras lunetas de hvaiene j i n- s r i .
o resdeitavcl publico para desconfiar de a
gumas
tenues imiaces da Salsa Pairilha de Brstol,
que boje se vende neste imperio, declarando a
tocios que sai) elles os nicos proprietarios da re-
ceita do Dr. Brisiol ,lendo-lbe comprado no an-
no de 1856.
Casa nenhuma mais ou pessoa alguma lem
leslemunho expontaneo em abono dos pasli- I i f u n-
, ,, l direito de fabricar a salsa parrilbadeBrisio. nor-
is de ivemp. r v
publica dos Estados Unidos e mais paizes da A-
merica.
Garantidas como puramente vegelaes, agrada-
daveis visla. doces ao paladar, sao o remeJio
infallivel contra as lombrigas. Nao causam
nauseas, nem sensagoes debilitantes.
lll3S
Srs. D. T. Lanman e Kemp. Port By-
ron 12 du abril de 1859.Senhores. As pas-
i i Mas que Vmcs. fazem, curaran! meu filho ; o
pobre rapaz padeca de lombrigas, exhalava um
cheiro fedito. tinha o estomago incitado e con-
tinua comichao no nariz, tao magro se poz, que
eu lema perde-lo. Nestas circumsiancias um vi-
si n lio meu disse que as pastilhas de Kemp ti-1,. "
, ', '. do sob urna chana de ac,
nbam curado sualilha. Logo que soube disso '
comprei 2 vidros de pastilhas e com ellas sal vei a
vida da mea filho.
Sou de Vmcs. seu amo agradecido.
W. T. Floyr.
Preparadas no seu laboratorio n. :iG Gold
Street pelos nicos proprietarios D Lanman a
Kemp, droguistas por atacado era New York.
Acharn-se venda em lodas as boticas das
principaes ciJadesdo imperio.
DEPSITOS
Rio de Janeiro na rua da Alfandega n. SO.
Baha, Germano & C, rua Juliao n 2.
Pernambuco, no armazem dedrogas de J. Suuru
& Companhia rua do Cruz n. 22.
Amelia Augusta da Silva Cosa faz sciente
ao respeilavel corpo do commercio e a quem
mais inleressar possa que vai proceder a inven-
tario nos bens que fieararn por fallecimenlo de
seu marido Jos Domingues da Costa, o por isso
devem apresentar suas conlas correntes no prazo
de 8 dias, lindos os quaes se nao responsabilisa
por qualquer conla que possa apparecer. Recife
24.de julho de 1860.
que o segredo de sua preparaca acha-se soraen-
le em poder dos referidos Lanman & Kemp.
Para evitar engaos comdesapreciaveiscombi-
nncoes de drogas pernieio as,as pessoas que qul-
; zerem comprar o verdadeiro devem bem observar
os seguinles signaos, sem os quaes qualquer ou-
tra preparaca falsa;
' O envoltorio de fora est gravado de um la-
trazendo ao p as se-
guinles palavras :
D. T. LANMAM & KEMP
SOL AGFNTS
N. 69 WATER STREET.
i\ew-Yek.
2S O mesmo do oulro lado tm um rolulo etn
papel azul claro cem a firma e rubrica dos pro-
prietarios.
3" Sobre a rolha acha-se o retrat e firma
do inventor C. C Brisiol em papel cor de resa.
4 Que as direccoes juntas cada garra (a
tem urna phenix semelhanie a que vai cima do
prsenle annuncio.
DEPSITOS.
Rio de Janeiro rita da Alfandega n. 89.
Bahia Germano & C. rua Juliao n. 2.
Pernambuco no armazem de drogas de J. Soum,
& C-, rua da Cruz n 22.
Vende-se um negro robusto e sadio, srm
vicios, com muita pralica de Irabalho de padaria:
na praca da Boa Vista, casa n. 5, primeiro andar.
*
-u<
T*""
TT1


D1AM0DE 'RNaMBUCO. -- QUINTA FEIRA 26 DE JULHO DE 1860
Ensino de msica.
OlTerece-se para leccionar o solfejo, como tam-
bera a (orar varios instrumentos ; dando as li-
i oes das7 horas s !l 1 [2 da noile : a tratar na ra
jrga do Rosario n. !).
CMi*AiYHIA
ALLIANC
Estabelecida em Londres
usm& m mu.
CAPITAL
Cinco mlVhoes de fibras
esterlinas.
S&unders Brothers & C." tem ahonradeln-
rmar acs Srs. negociantes, proprietarios de
casas, e a gera mais convier, que estao plena-
rnentn autorisados pola dita companhia para
effectuar seguros sobre edificios de lijlo epe-
ura, cobertoa de telia e igualmente sobre os
ubjectos que contiverera os mesmos edificiosi
quer consista em mobilia ou em fazendas de
qualqu "adade.
Attencao.
Constando no abaixo assignado que um tal Mi-
guel ailiardeiro de ponas, que nao achaudo quem
Ihas compre porscrem pcioresque as de caraur-
sa, puis que o mesmo nunca soube o que fazer
ponas, as manda vender por meninos e pessoas
grandes, dizendo que sao feilas pe 3 Domingos ;
porlanto o abaixo assignado faz sciente aos se-
nhores donos de carros de aluguel o particulares,
que o abaixo assignado nao manda vender suas
i ponas por pessoa alguma, c s as vende em sua
! casa na praca do capim defronto do Sr. Dr. Sa-
| bino.Domingos Jos Machado.
i l'recisa-se de urna ama secca : na ra de
Agoas-Verdes u. 45, casa terrea.
Aluga-so un negro bom cozinheiro ; na
ra da Praia n. 10.
Prccisa-se de urna criada branca, que saiba
i engomniar e fazer todo servico de urna casa do
familia : quem se achar nesla'circunistanci, po-
derdirigir-sc i ra da Cadeia do Ilecife n. 51,
lerceiro andar.
Na ra Direila n. 120 aluga-se um moleque
de idade de 14 anuos, proprio para qualquer ser-
vico de urna casa.
l)-se 800S0OO a premio sobre hypotheca
de urna casa ; quem quizer annuncie, ou dirija-
so a esta lypograpllia, que se dii quem faz este
negocio.
<$ r. Joao Pedio Maduro da Funseca de *>
volla de sua viagern ,i Europa, acha-se @
'-;> morando09 ra do Brum n.18, promptoa
55 exercer a medicina e cirurgia operatoria, @
* a qualquer hora que o procurem, e das 9 $
5 s 10 horas da munhaa o encontrarlo tem-
@ pre em casa. $*
JOIAS.
fr,)
@@@^@

&m
urna casa terrea na ra da Guia n. 10, com um
bom quintal que deila para a ra de Apollo, pro-
pria para qualquer oslaelecimenio do qualquer
um dos lados, por ler a vanlagem de licar em
lugar de esquina; a pessoa que llieconvier, pode
ungirse ao acmazum Progresso, no largo da
l'enha d. 8.
- !a/&&&&&?B VS* vi <*>< ^> ;>*r- xj -o- <-
Attenco.
i fe
Curso pralico e theorico de lingua fran-
ce/.a por una senhora ranceza, para dez {g
mocas, segunda e quinta-feira do cada se-
mana, das 10 horas al meloda: quem
quizer aproveilar pode dirigir-se a ra da *,
Criz n. !), segund andar. Pagamentos
rdiantados. *
i
m
No sitio do Arraial, de Marcelino Jos I.o-
ou em sua olaria na ra do Cotovello, alu-
ga-se urna cscrava para o servico de casa.
pemna deco
oe w.sbulLy
Estas pennas de differenles dualidades, sao fa-
bricadas de neo de prala refinada de primeira
tempera, e sao npplicaveis a todo o lamanho de
lettra. Preco 19500 cada caiza e pennas de ouro
pelo mesmo autor com ponta de diamante, que
teem a grande vantagem de nao estar sujeilas a
crear ferrogem e conservaudo-se bem limpassfio
de duracao nfluila, deposito em casa dos Srs.
Guedes 4 (encalves ra da Cadeia n. 7, e por
atacado com o inventor Guilhcnue Scully, pro-
fessor 7 5, sofcrado.
Aviso aos Ihesourciros e
chefes de rmandade
Achando-se prximo o lempo de algumas
igrejas festeiarem osseus padtoeiros, Jos Pau-
lino da Silva com fabrica de fogos em um terreno
da ra Imperial, avisa a todas as rtnandades e
contrarias religiosas, c a quem possa mais hile
ressar,que lem effecllvamenle prompto um gran-
de sortimcnlo le fogos do ar, lauto com bombas
miuoas como de bombas renes, foguetoes para
salvas com bombas extraordinarias, os quaes
vondem-se em gyrandolas ou sollos, conforme o
gesto do comprador, mandaudo-os conduzirc
queimar como cosluma, por preco mais barato
do que o que se cosiurta comprar. Este esta-
beleiirin.iito oll'erecc ao comprador muilo maior
vantagem, nem s pela superioridade do fogo
que boje geralmeote conhecido, tanto na capi-
tal como no centro, completa conimodidad* do
preco e prumptidao, obri^ando-se o aununciante
por qualquer avaria que possa haver, fazendoum
abate no preco, quando por acaso nao saia como
o afianca, declarando aquellos quo os quizer
comprar em gyrandolas ou em broqueta, dove-
rao avisar tres das antes, se for em quantidade,
para se preparar e armar, e sendo em pequea
porcSo, avisar do vespera ; e para mais facili-
tar ao comprador, no caso de nao querer ir casa
de sua residencia, podera enlcnrtor-se no largo
do Paraizo com o Sr. Jos Piulo de Hagalhes, e
na ra llireita. lo ja de cera confronta a sacliris-
tia do Terco do Sr. Dionizio liviano Lopes.
CVSV LlSO-BlUSLEItU,
2, Golden Square, Londres.
J. G. OLIVEIRA leudo augmentado, com to-
mar a casa contigua, ampias e exccllenles ac-
commodaces para muito maior numero de hos-
pedesJe novo se recommenda ao favor e lem-
::: &S@ i @$$$$$@ branca dos seus amigos e dos Srs. viajantes que
| or iCarneiro ooleiro aproveilando da i visitmosla capital; continua a preslar-lhcsseus
,:J proporr.m que lem pira mais fcilmente Al '
..; exc itir ostrabalhos departo, o aconse- serviros o bous olfictos guiando-os em todas as
lado pelo feliz resultado que tem obtido @ cousas que precisem conhecimento pralico do
;m multiplicados pirlos laboriosos, tem paiz, etc.: alm do portuguez e do nslez falla-se
I feto sua especialidade sobre este ramo S! na cas, 0 hespanhole francez.
Serapfim & Irmo, com hjas de otth-
ves na ra do Cabugd ns. 9 e II, sorti-
das das mais bellas e delicadas obras de
ouro, prala epeiras preciosas; tendem
barato, trocam e recabem para fazer-se
quaesguer joias com presteza, a vontade
dos pretendente*, e se responsabU:sam pe-
las qualidades.
Nos dias 27 e 31, e 3 do agosto, clepois da
audiencia do Illm. Sr r. jtiiz de orphaos, ir
praca a cscrava Aquelina, pertencenle ao casal
da finada D. Maria Rosa d'Assumpc.ao.
Precisa-se nlugarurn bom sitio na Capunga
Velha ; a iratar na ra do Cabug n. 8, luja.
Aluga-se urna casa em Apiparos cum com-
modos pjra grande familia, eslritiaria, casa para
pretos, etc. ; assim como oulras mais pequeas
beira do rio com agoa de beber dentro do sitio,
c mais outras vanlagens : quem pretender, diri-
ja -se ao mesmo lugar, a fallar coni a viuva
Villar.
Precisa-se de um cozinheiro.: na ra do
Imperador n. 75.
l'recisa-se contratar um porlugne:: para fei-
lor de um eiigcnho na freguezia de Stnnhem ;
na la da Penha n. 6. loja.
O Sp. acadmico Joao Jos de
Uoura Magallies, tetn uma caita, na
ra das Cru/.es ii 42, segundo andar.
O consulado suisso incumbido pe-
lo enviado extraordinario da confedera-
cuo Suissa, no Uto de Janeiro, com a
missao de tirar um contrato exacto de
todos os ctdadaos suissos residentes as
provine i s deste distticto consular, sen-
do as de Pernambuco, Parahyba, Rio
Grande do Norte e Ceura', pede por is-
to a toJos os suissos existentes as ditas
provincias de advertirem este consulado
dos seus nomes respectivos, idade, lu-
gar onde nascerm, di a da chfgada
ueste imperio, prolissao e n;sidencia
actual, acompanhaoos dos seus ttulos
respectivos se ti vera ni, para serem de-
vidamente registrados noslivros docon-
sulado.
i ernambuco 23 de julho de tSGO.
O gerente do consulado, F. Linden.
I DENTES ti
Aluga-se utn sitio grande com
excellente casa de viveada, com todas as
commodidades para familia, no lugar
da Caa Forte : a tratar com os pro-
prietarios, N.O. Bieber & C.
Precisa-se do 800$, dando-se bypolheca em
uma casa ; quem liver, annuncie para ser pro-
curado.
Uesappnreceu na dia 5 do correte mez um
menino de nome Pergentino, pardo, de idado 11
anuos, o qual lera uma pequea ferida em uma
perna, proveniente de um carbnculo, levou ves-
tido calca branca, e chapeo de fcltro pardo ; quem
o pegar, leve ma de Agoas-Verdes n. 50, ou a
seu pai Cactano Jos Ferrcira, em Santo Anio,
que ser bem recompensado.
Os abaixo assignados comprado-
res da raassa fallida de Claudiino 0l-
veira fazem sciente aos devedores de
contas de bvro e lettras vencidas da
mesmamassa, de virem satisfazer seus
dbitos na mesrna loja, no prazo de 15
dias, e esper&m que ditos devedores Ibes
poupem o dissabor de recorrerem a
meios judiciaes. Recite25 de julho de
18(30.Figueiredo S Irmo.
Alugam-se o segundo c lerceiro andares da
casa n. 48 da ra da Cadeia do Recito a Iratar
na loja da mesma.
Aos diletantes.
Na ra da Santa Cruz casa n. 28, fa-
zem-se ricos boquets de cravos para o-
lerfai.
Antonio Anaya, subdito peruano, relira-se
para Europa.
Aluga-se urna das melliores casa3 do Ca-
chang : n tratar na ra da Paz ti. 42.
Precisa-se de uma ama nacional ou eslran-
geira para lodo o servico de uma casa de peque-
a familia, exige-se 'que saiba particularmente
engomniar: a fallar na loja de chapeos de sol do
Sr. Joao Falque na ra do Crespo n. 4.
Prccisa-se de uma prela para vender fazen-
da na ra ; a Iratar na travessa de Bom Jess,
no Recife, n. 20.
No dia 27 do corren te, tem de
ser arrematado, linda a audiencia do
Sr. juizde paz doprimeiro districto da
treguezia de Sao Fre Pedio Goncalves
do Recife, que tera'lugar as 10 horas
do dia, uma marquesa, uma mesa de
jantar, tres consolas, dozecadeiras e um
lavatorio, tudo de amarello, avaliado
tudo em 94$, penhoradosa Manoel Joa-
qtnm Gomes de Souzae Castro por exe
cu cao de Fortunato Caldoso deGouveia.
Aviso.
APPfiOVA(iO E AUTORISACllO
DA
ACADSI fit'PERAL DE MEQSCIM
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
Urna dasherdeirat das trras denominadas Pi-
rangae Begaladas, situadas otr'ora no termo de
Iguarass e hoje do Recife, que foram de Jos
Carneiro de Carvalho da Cunha e que por roerte
de llenrique Poppe Girao lio dessa herdeira.rons-
liluisse tambem nerdeira dessas Ierras, protesta
proceder judicialmente contra quaesquer obras
que por ventura se lenham feito nessas Ierras o
mesmo de madeiras que dellas se lenham lirado,
pois consta que para esta cidade ji veio una
barcada com travos, nao penscm que essa her-
deira esli desapercebida, e bem assim dos lucros
que dessas Ierras lenha lirado quem dellas esta
entregue, visto que nao esliio divididas porquo
ainda nao se fizerara as compclculcs parlilhas.
Recife 18 de julho de 1560.
Aluga-se uma boa casa terrea em S. Jos
do Manzuinho, quasi defroute da igreja : trata-
se na ra do Brum n. 16, armpzcm de Manoel Jo-
s de S Araujo.
Aluga-se o lerceiro nadar do sobrado n 47
da ra da Imperatriz e as lujas do mesmo ; no
segundo andar, das 9 horas do dia s 3 da tarde,
Corap
* ta.
ELECTRO MAGNTICAS EPISPTICAS
Constantemente
compra-se, vende-se e troca-se escravos : na ra
Direila n. 66, cscriplorio de Francisco Mathias
Per eir da Costa.
Compra-sc ouro ei moedas de 20 brasi-
leiras, e 165 porloguezas : no cscriplorio de Ma-
noel Ignacio de Oliveira & Filho no largo do Cor-
po Santo.
Compra-se escravos de ambos os sexos de 12
a25 anooa, para fra da provincia, se tiverein boa
figura o otem sadios, paga-se bem : na ra Di-
reita, no cscriplorio de Francisco Mathias Pe eir
da Costa n. 66.
Compram-se es-
cravos.
Compram-sp, vendem-se c trocam-se escra-
vo, na ra do Imperador n.|79, primeiro andar.
Compram-se moedas de ouro de 20C : na
ra Nova n. 36, loja.
Para serem applicadas s parles affectadas
semresguardo nem mcommodo.
Iluaestrcita do Rosario n.3s
@ Francisco Pinto Ozorio colloca denles ar- C-.'J
$$ tificiaes pelos doussyslemasVI.CAMTK, ft
AS CHAPAS Ml'DICINAES sao muito conhocidas no Kio de Janeiro e em todas as provincias
deslc imperio ha mais de 22 annos, e sao afamadas, pelas boas curas que se lem obtido as enfer-
midades abaixo escripias, o que se prova com innmeros altcstados que cxislem de pessoas capa-
zos o de dislinices.
Com eslas CH&PAS-ELBCTRO-UAGNETiCA-EPisrATiCAS obtem se urna cura radical c infallivcl em
lodos oseases deinlammacao [eansagoou falla de rapirafo), sejam internas ou externas, como
do Dgado, bofes, estomago, naco, ritis, ulero, peito, palpitagao de coracao, garganta, olhos, ery-
ffl chapas de ouro ou platina, podeudo ser isipelas. rheumatismo, paralysia e lodas as affeccoes, nervosas, ole, etc." Igualmente para as dif-
A procurado na sobredita ra a qualquer I furentes especies de tumores, como lobinho--, escrfulas etc., seja qual fr o seu tamaulio e pro-
hora. je funde/a. i>or meio da snppuraco serio radicalmente extirpados, sendo o seu uso aconselhado por
@Sd>@>@& @@8 0#d##tt habis edislinctos facultativos
Roga-se aos Srs. devedores a lirma social As enconimendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, leudo todo o cuidado de
de Le te & Correia em liquidacao, o obsequio < U/0T *? ",>r,'?'i''liis explicaries. seas chapas sao para hornera, senhora ou enanca, declarando a
molestia em que parte d> corpo existe, se na cabeca, pescoco, braco, coxa, perna, p, ou tronco do
corpo, declarando a cirrumferencia o sendo inchac6;s, feri'das ou ulceras, o molde do seu tama-
Vendas.
Na ra Nova n. ls, ha semprc para vender
grande porra de lijlos de alvenaria grossa e
tapamenlos de differontes larguras; manda-sc
botar em qualquer porto ou qualquer mat por
ser a olaria a margem do rio ; quanto a qualida-
de do barro e lamanho da (orina estar ji conhe-
ciJo nesta cidade.
le mandar salda seus dbitos na loj.i da ruado
Queimado n. 10.

j para o que poder ser procurado a qual-
. O nuet hora, na ruado Rangel n 16.
- { a > :.' ;' > --. f -:. -J. < 'Z\ d.,1
^y.:,-:,.:-.,.. ..,.., -. .; i .-i .;, ,:r_ ..^ ,.;, ,-jg
Declaro a lodas as pessoas que comigo tem
transaccoes, que durante a minha ausencia desia
cidade, as nicas pessoas encarregadas das in-
cumbencias de minha casa sao : minha uiulher
li. Francisca de Lagos Pcrreira Costa e os IUms.
% Srs. Prancisco Casado da Fonseca c Francisco Cor-
nelio da Fonseca Lima, ineus sogro e cunhado.
Malaquias de Lagos Ferrcira Cosa.
O iuu de direito aposentado!..... e abaixo
assignado, propoe-se como ultimo recurso!....
dentro da esphera de suas habilacoes) exercer
a nobre o sublime prolissao de "advocado ; ou
seja especialmente no foro elribunaes desta
pital, ou seja no do qualquei dos termos e
marcas i!a provincia. As pessoas que se qui/.e-
rem utilisar do seus traeos prestimos, o podero
procurar em todos os dias que nao forera santos
ou feriados, desde as 'J horas da uiauhaa al as
3 di larde, na casa de sua actual residencia, na
ra outr'on do Collegio e hoje denominad,! do
Impercdor n.42,e, < xtraerdinanamente, em oulro
qualquer da c hora : assegurando a lodos quan-
tos so dignaron] aeeim honra-lo e favorecer, nao
s toda diligencia e desvelo no desempenha de
i.'io i raparan tes deveres, seno tambem uma il-
( limitada gralido. Uutro sim, (permitla-se-lhe
declarar raui expticllaraenlej que patrocinar
gralii a quem quer que nao eeteja as circums-
tanciaa < remunerar seus servicos.
Jos Francisco Arruda da Cmara.
O Dr. Joao Fcrreira da Silva mudou-6eda
ra do Rangetpara a do Livramenlo n. 26, so-
brado do Sr. Manoel Buarque de Macedo, deon-
lo de sua antiga baitaco. A grande pralira de
auscullaco reconheeida por quasi todos na seus
collegas desta cidade torna-o recammendado no
diagnostico das moleatias dos putmdea c do cora-
cao ; assim como p3ra verificar o estado de sau-
de dos escravos que se desejam comprar. P-clo
crescido numero e variedades de eperaces que
ha feito com bom resultado em o cxercieio de
mais de id anuos, se julga habilitado para prali-
car toja c qualquer operaco cirurgica por mais
delicada e dilFicullosa que seja.
V. i rTTT ? TTYT WTTYrrTTTTTTTTT>;
'icdss de francez e^
i
piano.
- Hademoiselle Clemence de Hannetot ^
de Uannevitlecontinua a dar licoes de M
francez e piano na cidade e nos arrabal- ^
des : na ru da Cruzu. 9, segundo andar. ^
mm w&&& ^^ sc^i 2 5^^ m
Precisa-se de una
ama para cozinbar c com-
prar para uma pessoa*
na ra estreita do Rosario
iv 21, primeiro andar.
Na ra da Cadeia do Ileatfe n. 38, primeiro
, andar, precisa-se fallar ao Sr solicitador Manoel
Pereira de Magslhars.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier, medico, tem
ixado -sua residencia nesta cidade, no pateo do
Paraizo n. 16, que faz quina com a travessa de
S. Francisco, o ahi offerece os seus servicos lue-
| d'cos : as pessoas que se dignarem honrar cora
sua confiaiica, tanto no interior como para fra
da cidud?, e a qualquer hora.
ata waa
nho em um pedaco de papel c a deelaracao onde cxislem, afim de que as chapas possam ser
bem applicadas no seu lugar.
Pde-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas erio acompanhadas das competentes explicacoes e lambem do todos os accesso-
rios para a coHoracio deltas.
Consultas a lodas as pessoas que a dignarem honrar com a sua coniianca, em seu escriplo-
jo, que se ochar aborto lodosos dias, sem excepeo, das 9 horas da manliaa as 2 da larde.
*5 wo <.v?W v** 9Se wb
K
Dentista de Paris.
15 Ra Nova15
i
1
i
.ff
DENTISTA FRANCEZ.
Z Paulo Caignoux, dentista, ra das La- ^
? rangeiras 15. Na mesma casa tem agua e <<
i dentilico.
Frederico Gaulier, cirurgiao dentista.
faz todas as operares da sua arte e col- ^
loca denles artificiaos, ludo com a supe- \i)
^ rioridade e perfeicao que as pessoas en- $fa
tfe tendidas llie reconliccem. jeti
^ Tem agua e pos denlifricios ele. 7$
= OSr Francisco Aranha dv Souza lem urna
ajearla no cscriplorio de Manoel Joaquim Ramos e
Silva, na ra da Cadeia do Itecifa
PARTIDAS DOBRADAS
LICES PRATICAS
Duas vezes por semana
Qoartas e sabliados s 7 horas da noile
RA NOVA sOlillAO N. 15.
M. Fotiacca de Mcdcii'oe. con.inua a dar
licoes da referida materia em sua casa nos dias
e horas cima indicados. Tambem ir ensillar
nos estabelecimenlos e escritorios daquelles se-
nhores que descjarciu assim aprender, nos dias
que ronvencionar.
CONSUCTORIO MEDICO-CIRLIIOICO
DO
r. Ignacio Firmo Xa\icv
N. 16-Pateo do Paiaizo-->. 16.
Consullas todos os dias, das C 1|2 horas s 11
horas da nianhaa, e das 3 li2 s 5 l\- da larde.
As pessoas pobres que se dignarem recorrer a
seus odelos serao allendidos gratuitamente ; as-
sim como gratuitamente se Ibes dar muitos dos
remedios precisos para_ o seu estabelecimento.
abnela dos falirieantes unierlca-
uos Grouver & laker.
Machinas de coser: era casa de SamuelP.
Johnslon i ra da Scnzala Nova n. 52.
de chila fraoceza para vestido
a 2^500.
Vendem-se na ra do Queimado, loia n. 18 A,
esquina que volla para a ra estreita do Rosario.
Almanak de Casti-
lho para 1861.
Acabam de chrgar de Lisboa estes intereSiiti-
les almanaks, e vendem-so na linaria econmi-
ca ao p do arco de Santo Antonio ; lambem se
venden coUeccdes completas dos mesmos, a pro-
cos comrr.odos, na mcsir.a livraria.
Venda d predio.
Anda cm praca pelo jui/o da primeira vara ci-
vel, para ser vendida, uma excellente C3sa terrea
na ra do Arago (freguezia da Boa-VM.i) de n.
31, a qual lem32palmos de frentee80de fundo,
cozinba fra, quintal murado, cacimba propria,
chaos foreiros : cuja casa vai praca para pa-
gamento de credores, c se acha livre c desemba-
rarada : quern a pretender, pode ir ver, e logo
sei annunciadoo diada ulnii.a praca.
Grande e novo sorlimento de fazendas de todas as qua-
lidades por baratissimos preces.
Do-se amostras com penlior.
%%-tsM
& O Dr. Casauova pode ser proci. rado o *
qualquer hora cm seu consultorio horneo- 5b
i palhico em Pernambuco K
30RA DAS CRUZES3(1 <&
^ No mesmo consultorio acha-se sempre j
j-S grande sorlimento de medicamentos em 5S
ejg Unturas e glbulos, os mais novo; e bem cp
C preparados, os elementos de homropalhia C*
Na livraria n Ge 8 da praca da
Independencia precisase fallar ao Sr.
Manoel Antonio lvtteves, jue fot almo-
xrife de Fernando.
><-4-.Ai.AAl.ALL 2.XXJLXXJLXS...J..*.*
Ilo^a-se aos Srs devedores do estabele-
cimento Jo fallecido Jos-Ja Silva Pinto, o ob-
sequia de saldaren seus dbitos na ra do Cgl-
e0'i venia n. 23 ou na ra -lo Queimado loja
Q. 10.
Sirop du
rcTORGET
JARABE DO FOKGET.
Este xaiope est approvado pelos mais eniimntes mdicos de Paris,
Icomo sendo o mrlhor para curar < aeci,oes dos bronebios, ataq-ies de peito, iriila>;ies nervosas e iasomnolencias: uma eolherada
pela maiili, e outra noile sao sullicieiites. O clTeito desle excelente xaropc satisfaz a) mesmo
lempo o doente e o medico.
U dtposito na ra larga do (osario, botica de HarLholomco Francia o de Souza, n. 36.
Lindos cortes de vestidos de seda pretos
de 2 saias
Ditos ditos de ditos de seda de cores
cora babados
Ditos ditos de ditos de gaze phantazia
de cores
Itomeiras de fil de seda prela bordadas
Visitas de grosdcnaples prelo bordadas
com froco .
Grosdcnaples de cores com quadnunos
cevado
Dito liso prelo e decores, covado
Seda lavrada prela e branca, covado 13 e
Dita lisa prela e de cores, com 4 palmos
de largura, propria para forros
Corles de vestido de seda de gaze trans-
parentes
! Ditos de ditos de cambr3ia e seda, corte
Cambraiasorlacdys de cores, lidos pa-
drees, vara
Manguitos de cambraia lisos e bordados
| Tiras e ntremelos bordados
Mantas de Monde brancas e pretas
D.tas de fil de iinho prelas
Chalos de seda de todas as cores
, Ceios de cambraia de nho bordados
, Ditos de dita de algodo bordados
i Panno preto e de cores de lodas as qua-
lidades, covado
Casemiras idem idem idem
jGollinhasde cambraia a
Chales de touquim brancos
Ditos de merino bordados, lisos e es-
tampados de todas as qualidades
Enfeites de vidrilho rancezes pretos e
de coros
j Aberturas para camisa do linho e algo-
dao, brancas e de cores
[ Saias balo de varias qualidades
Tafet rxo, covado
Chitas francezas claras e escuras, co-
vado
Cseas francezas de cores, van
Collarinhos de esguio de linho mo-
dernos
Um completo sorlimento de roupa feita
sendo casacas, sobrecasacas, palctots,
S colleles, calcas do mullas qualidades
de fazendas
Chapeos frar.cezes finos, forma moderna
L'm sortimcnlo completo de grvalas de
9 seda de todas as qualidades
5 Camisas francezas, pcilos de linho e de
algodo brancas e de cores
8 Ditas de fusto brancas e de cores
Ceroulas de linho e de algodo
liJ-O Capellas brancas para noivas muito finas
8 Um completo sorlimento de. fazendas
35OOG para vestido, sedas, la e seda, cam-
braia e seda lapadas e transparentes,
1550U covado
Mcias cruas brancas e de coics para
lOjOOO meLinus
ICiOOO Ditas de seda para menina, par
Luvas de fio de Escocia, pardas, para
18000 menino
8 Velludilho de cores, covado
9 Vclbutina decores, covado
9 Pulseiras de velludo prelas e de co-
9 res, o par
8 ] Ditas de seda idem idem
g L'm sortimcnlo completo de lu--as de
900 seda bordadas, lisas, para seohoras,
homens e meninos, de todas a6 qua-
8 lidades
8 Corles de collete de gorgurao de seda
S60 decores
8 Ditos de velludo muilo finos
Lencos de seda rxos para senhora
8 Marquezitas ousombrinhas de seda com
molas para senhora
38500 i Sapatinhosde merino bordados proprios
para baplisados, o par
8 Casinetas de cores de duas largurasmui-
63000 to superiores, covado
S500 Sctim preto,encarnado e azul, proprio
para forros, com 4 palmos de largura,
8280 fazenda nova covado
8500 Selim liso de lodas ascores- covado
Lencos de gorgurao de seda pretos
800 Itelogios cobras de ouro
Corles de casemira de cores a
M.
co-
Ra do Brum (passando ochafariz.)
^io (le|^o'Uo deste estabelecimento sempve \\a grande sortimeito de me-
ca vilsiao 9Ara os eagenUos de asswcar a salaer:
Machinas Je rapor rno Jemas, de golpe cumprido, jconoraicas de combustivel, e defacillimoassento ;
Rjlas J'agaa de ierro cora cubos le inideira largas, leves, lories, e bem balancadas;
Caos de ferro, e portas d'agua ura litas, e serrilhas para rodas de madeira';
Mo;alas iateiras cora virgens muito (ortos, e convenientes ;
Itfdias raoenclas cora rodetas motoras >ara agua, ca/allos, ou bois, acunbadas em aguill.Ces dtazs ;
TaKas de ferro fundido e batido, e de cobre ;
Pares e bicas para o caldo, crivos e portas de ferro para as fornallias ;
Alarabiques de ferro, moinhos de mandioca, frnos para cozer fariuha ;
Roietas dentadas de todos os tamaitos para Agiiilbjes, bronzes e parafusos, arados, eixos e rodas para carrosas, formas galvanizadas para purgar etc..etc.
D. W. Bowman coalla que'os seus freguezes acharo tudo digno da preferencia com
que o honrara, pela longa experiencia que elle tem do mechanismo proprio pa^a os agricul-
tores desta provincia, e pelo facto de mandar construir pessoalmente as suas obras as
mais acreditadas fabricas da Inglaterra, para onde elle faz viagern annual para o Jto fim,
assim como pela coutinuaco da sua fabrica em Pernambuco, para modificar o mechanis-
mo a vontade de cada comprador, e de fazer os concertos de que poderP neoessiiar.
NO
Assignaiura de banhos fros, momos, de choque ou chuviscos (para uma pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos. ,........... 10*000
30 canoas para os ditos banhos tomados em qualquer terapo......, 16J000
15 D',os dito dilo dito .;.... 8000
R7 ." ...:.. 4#000
Dantios avulsos, aromticos, salgados esulphurosos aos procos annunciados.
Esta reducto de presos facilitar ao respeitavel publico o gozo das vanlagens que resultara
da frequenciade um esiabeleciment de uma utilidade inconlestavel, mas que infelizmente nao
estando em nosso hbitos, ainda pouco conhecida e apreciada;
Na loja ao p do arco de
Sanio Antonio.
Cortes de vestidos de lia c seda com baba-
dos a :nOCO.
Ditos de cambraia e seda a 12#.
Chales de meiincum palma 1 6{J.
Hilos de. chaly muilo linos a 6>.
Chales de cambraia i!e seda estampados a
Vestidos de seda para menina a II?.
Ditos brancos para baptizado a 14?.
Organdys muito linos, a vara 600 rs.
Cambraias de cores, a vara 510 rs.
Chaly de duas laiguros com listrasde sedo,
vados a 1?.
UaDguitos com golas, o par 5?.
Chape-linas muito novas ara senhora a ':
Brilhantios de vara de largura, covado (0U rs
Lia c seda para vestido, covado 640 rs.
Crosdenaplc de todas as cores, corado Ic&OO
Sedas de quadros, covado lr-00.
Ditas a l.
Corles do vestidos de seda, fazenda de goslo,
70SO0O.
Pecas de esguiio de algodo 358OO ; c outras
muiliis fazendas que se deixara de aonunciar poi
nao haver lempo.
Vinho de Bordeaux.
Em casa de Kalkmann IrmosA C, ra &
Cruz n. 10. enconlra-se o deposito das bem co-
nhecidas marca dos Srs. Brandcnburg Freces
e dos Srs. Oldekop Mareilhac & C, em ot-
deaux. Tem as seguintes qualidades :
De Brandeiiburg 'rres.
St. Estph.
St. Julien.
Mrgaos.
Larose.
Chtcau Loville.
Chteau Margaux.
De Oldekop & Mareilhac.
St, Julien.
i SI. Julien Mdoc.
} Cliateau Loville.
Na mesma casa ha para
vender r
Sherry em barris.
Madeira em barris.
Cognac cm barris quadade lina
Cognac em caixasqualidade inferior.
Cerveja branca.
\>\ ra da Iiuperalrizo. 2.
Vende-se superior manteiga ingleza a
1,$280 rs.,dita franceza a 640 rs., cha'
superior a 2^400 rs., bolachinhas !i:i?s
de todas as qualidades proprias pava
lia' a 1^(600 rs. a lata, latas com pe-
' ras, ditas com ameixas, ditas com pece-
os, ditas com ginja a 900 rs gigos
com champanhe das melliores marcas
afliancando se a qualidade a 20#, vinlio
xerez a 1$600 rs. dito Madeira 2jJ, di-
to do Porto a 1 ,$280 rs., dito a l''600
rs., dito fino a 2$, dito Bordeaux em
garrafas e caixasde 1 duzta de supcriot
qualidade a 12, conservas inglezas mui-
to novas a 800 rs. o frasco, toucinho de
Lisboa novo a 320 rs. a Iibr, vinagre
branco a 400 rs., se garante a qualida-
de dos gneros aos freguezes.
8?500
9
8
9
8
y
8
9
1|600
1J200
J>7
agooo
19000
9

2550
2$O00
15000
15600
9
I
9
1% '


re)
Botinas de Mili.
Na loja do Burle Jnior & Marlins, na rua do
Obug n. 16, existe un completo sortimento
teste calcado, recebidos pelos ltimos navios do
Havre, assim como sapalos linos para dansa, do
roesmo fabricante, o oulros calcados gros-os para
o invern, o muito bous charutos da Baha.
F
GMKDE SOBTIMEMO
E
Pl ICIIC
NA I.OJA E ARMAZEM
M
Jtaqoia Rodrigues lavares de Mello
RUA DO QUF.IMADO N. 39
KM SLA LOJA HE QI'ATKO PORTAS.
Tem um completo sortimento ds roupa feila,
u con\Ma a todos os seus freguezes e todas as
Tascas que ilesejarem ter um sobreeasseo bem
feilo, ou umt caiga ou collete, de dirigirem-se a
este eslabelecimento que encontrarao um hbil
artista, cliegado ullimamenlo de Lisboa, para
desernpeahar es obras a vontade dos freguezes.
Ja tem um grande sortimento de palitots de ca-
semira cor de rap e outros escuros, que se ven-
den: a 1255, outros de casemira de quadrinhos
da innis fina que ha no mercado a 169, ditos
de merino stima 129, ditos de alpaka muilo
Sn ali?, dito.-: francezes sobrecasacados a 12$,
ditos de panno fino a 20, 25<5, e 305, sobre-
casacas francezas muito bem feitas a 359, cal-
c/ feitas da ruis fina casemira a IOS, ditas de
bro ede fuslao por prego commodo, um grande
anmenlo de colletes do casemira a 53>, ditos de
outras fazendas por preco commodo, um grande
sorlimento de sapatos de tapeto de gosto muito
aparado a 2$, ditas de borracha a 23500, cha-
p s decaslor muito superiores a 1G, Jilos de se-
da, dos melhores que tora vindo ao mercado a 108,
ditos de sol. nglezes a 10$, ditos muilosbons a
125, ditos francezas a 8$, ditos grandes de pan-
J 19, um completo sortimento de gollinhas e
manguitos, tiras bordadas, e entre meios muito
proprio para collerinhos de meninos e travessei-
JO; por prego commodo, camisas bordadas que
sorveon para batisado de crianzas e para passeo
89, IOS e 12$, ricos lencos de cambraia dz
J'.nl.o bordados para senhorss, ditos lisos para
hornera por prego commodo, saias bordadas a
'ir'.01, ditas muito Goas a 59. Anda tem um
rosiinho de chales de toquim a 303, cortes de
te ido de seda de cores muilo lindas e superio-
WS qualidades a 1009, que j se venderam a
1509, eapotnhos prelos e manteletes pretosde
neos goslos a 20, 259 e 309, os raais superio-
r-; diales de cjsemira estampados, muito finos, a
8s e a 10, toalhas de linho do vara e tres quar-
adaratscadas, muito superiores a 59, ditas
f, rosto de linho a 19, chitas francezas de su-
periorqualidade, lano escuras como claras a
' ,280,320, 400 e 440 rs. o covado, ricas
miras pora calco, colletes e palitots a 49 o co-
vado, e um completo sortimento de outrasfazeo-
ds?, e lulo se vende por prego barato, eque nao
possivel aqui se poder mencionar nem a quarla
parledellas, no enlamo 03 freguezes chegando e
querendo comprar nao rosem fazenda.
'4
oja ie miudezas na rua
DireitaN, < 5,
:n-sl;ias para bordar da raais fina que ha
i 7)500 a libra, luvas de seda enfeiladas para se-
i a 25, ditas de algodQ para homem a 320,
boni cas de choro a HO, 500. Bit) e 800 rs., bo-
lo de osso a 210 a groza, ditos brancos de louca
a ] 10, ditos de cores a 1GO, bolsas pira meninas
di < 'ola a 59500 e Cj, tesouras finas a 1S e
2fl >, facas oitavadas a 2;800, ditas craradas a
3[. dlas de cabo de balanco, dous botocs.a 6{j50,
a duzia, caivetes finos a"l$600, ditos a 2?800,
: is de penna de aro de langa a ljiOO, ditas-
de mao/.nha a lJjOO, lioleiros proprios para via-
gera a 320, obreias de cola a 100 rs., resmas de
papel de quadrinbos a 4*300, caixinhas de papel
sorlidas em cores a tg, ditas de quadrinhos a
Si):) rs., fo'has de papel arrendado e anvelopes a
240, ditas cora llores a 160, pontos de alisar de
balis a 210 e 280, ditos de borracha para bichos
a 410, ditos Iravessos para meninas a 640, ditos
de massa para atar cabello a 900 rs., ditos vira-
do.; a imilago de tartaruga alg600,dilos doura-
dos a lgSOO, ditos de alisar de borracha a 600 rs.,
ditos de bfalo branco para bichos a 280, ditos
ara alisar a 500 rs., linha do gaz branca a 800 c
8. dita prela a 900 rs., miada de linha de peso
a 120, linha para marca a 20 rs., files com cl-
cheles a 500 rs. a vara, pera de galo de linho
cera tO varas a lj>500, dita de bico com 10 varas
a 6)0, 8 10, 15 c tgOO, ditas de renda a 600, 800,
900 e 1300, babados do Porlo a 120, 140 e 180
a vara, pecas de tranca de laa do caroc a 60 rs.,
li is de sedii lavrada de largura de 5 dedos com
i. la de mofo a 320, dlas finas a 610 a vara, cai-
xinha com grampas a 60 rs., toucadores de jaca-
randa a tytuO. ditos a 3?200 e 4$, vlsporas a 900
rs., carias finas portuguezas a SjjTOO, dlas finas
francezas a 2$80e 3$800 a duzia, anvelope sor-
tido era cores a 19289, lamparillas para tres me-
zes a 60 rs., ditas para seis mezes n 100 rs., sa-
pat.nhos de merino proprios para baptsados a
IgzOO, borzeguins de laa a 800 e 900 rs., ataca-
dores chatos de algoJao a 60 rs., ditos rolicos a
100 rs gravaliiihns a Pinaud a lijtO.
COmL Grande pechincha
Cassas muito Gnas francesas, covado a 240 rs.,
Vende-se verdadetro coral.de raz, na rua lar- assim como chitas franceza! a 200, 240 e260 rs.:
DIARIO DE PERHAMBUCO. QUINTA FE1RA 28 DE JULHO DE 1860.
---------------- **- -..^ *.uiut wt. iuu.| iiii iuw mi"
ga do Rosario, passando a botica, a seaunda loja
de miudezas n 38, rap de Lisboa, e muitas
mais qualidades de rap ; assim como muitas
miudezas muilo em conta ; o s & vista do com-
prador se dir o prego de ludo.
econo
na rua do Queimado n. 44 ; a ellas, que se
acabam.
Veodem-se cssencias para tirar nodoas de
gordura, ctra, etc., etc., em panos de 15a, sedas,
sem alterar a cor nem o tecido : na loja do ca-
bos, no largo do Corpo Saato n. 21, esquina da
rua do Encantamento.
Vende-se urna crioula de bonita figura com
idade de 18 annos : na rua io Hospicio n. 15.
NOVA GUIA TIIE0R1CA E PRAT1CA
DOS
micos.
Vendcm-se fogoes econmicos de ferro batido
de diflercnles tamaitos, teodo cada um o seu
competente forno para assado, c caldeira para
agua quenle, 03 melhorrs qnc 6 possivel encon-
trar, chapas para fogoes, portase grellias para
ditos, bolineles de balango para navios, urna
moenda para engenho de assucar, ludo por ba-
rato prego : na rua do Brum n. 66, armazem de
assucar.
Cheguem ao barato
O P reguica est queimando, em sua loja na
rua do Queimado n. 2.
Pegas de brelanba de rolo cora 10 varas a
29, casemira escura infestada ^tropria para cai-
ga, collete e palitots a 960 rs. o covado, cambraia
organdy de muito bom gosto a 480 rs. a vara,
dila liza transparente muito fina a 39, 49, 59,
e 69 a pega, dila lapada, com 10 varas a 59 e
69 a pega, chitas largas de molernos e escomidos
padrees a 240, 260 e 280 rs. o covado, riqu-
simos chales de merino estampado a 79eS9,
I diios bordados com duas palmas, fazenda muito
delicada a 99 cadi um, ditos com urna s pal-
ma, muilo finos a 82500, dilos lizos com fran-
jas de sed3 a 59, lengos de cassa com barra a
100, 120 o ICO cada um, meias muilo finas pa-
ra senhora a 49 a duzia, dilas de boa qualidade
a 39 e 39500 a duzia, chitas francezas de ricos
desenlies, para coberW a 280 rs, o covado, chi-
tas escuras inglezas a 5&900 a poga, e a 160 rs.
o covado, brira branco de puro linho a 19,
19200 e 19600 a vara, dito prclo muito encor-
pado a 19500 a vara, brilhantina azul a 400, rs.
o covado, alpacas de diflerentes cores a 360 rs. o
covado, cesemiras pretas finas a 29500, 39 e
39500 o covado, carabria prela e de salpicos a
500 rs. a vara, e outras muias fazendas que se
farpatenle ao comprador, ede todas se daro
amostras com penhr.
Urna casa terrea com
soto.
\ende-se urna casa terrea em chaos proprios,
sita em Pora de Portas, lado da mar grande,
rua do Pilar n 53 : a tratar na rua do Brum n.
lo, armazem de Manoel Jos de S Araujo.
Milho e fardo.
Vende Jos Luiz de Oliveira Azevcdo, no seu
armazem na travessa da Madre de Dos n. 5.
Vcndc-sejuma negra fula, bonita figura,
moca, co/inlia, engomma snllrivclnieule e costu-
ra, e lavadelra, e quem a comprar se dir o mo-
tivo por que se vende : na rua do Brum n. 16, ar-
mazem de Manoel Jos de S Araujo.
Tachas para engenho
Fundicuo de ferro e broiize
DS
Francisco Antonio Correia Cardozo,
tem um grande sortimento de
lachas de ferro fundido, assim
como se faz e concerta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
Juizes
edeor-
inunicipaes
nhos.
Acaba de chegar do Ro tle Janeiro esta inle-
ressanle obra, e vende-se na livraria econmica
ao p do arco de Santo Anlmio.
Fumo de rolos.
Rua do Cordoniz o. 8.
Vende-se fumo em rolos 1 8g a arroba, sendo
sua qualidade muito boa, quer em grandes ou
pequeuas porgos para fechar coulas; a elle, que
est se acabando.
Pianos
Saunders Brothers & C. tem para Tender em
seu armazem, na praga do Corpo Santo d. 11,
alguna pianos do ultimo gosto, recentimente
chegados, dos bem conhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood &Sons de Londre3. e
muito oroprios oara este clima.
Btalas e ceblas.
Vendem-se batatas a 2g600 a arroba, ceblas a
9 o cenlo ; na travessa do Pateo do Paraizo ca-
sajuntada de amarell.i n. 16.
iguail
fC?" Vendem-se superiores camisas de mj>
fuslao editas de madapolao muito fino a ff
j 2.', cortes de casemira ingleza dequadri- j)
> "bes de superior qualidade a 4g50 e 59, ^
colletes fetos de gnrguro de seda e ditos 30;
de fuslao a 33500 e 4j, caigas de brm de f|
Mj cor a 43, cortes de superior barege de se- Slg
flo da a 2J e as modernas viclorias de al- ?$>
3| paca de seda para vestidos de senhora a U
*jj 700 rs. o covado, tambera se vende saias tp
;6 balao muilo boas de mueselina e dilas de 8
^ madapolao a 4S500 e 5S. gollinhas de li- 9
jg nho a 610 rs., de lodas eslas fazendas 8
pg, existe urna pequea porco que se vendo j
^ por este preco para acabar : na loja de M
M Augusto & Perdgao rua da C ideia do Re- 5;
cife n. 23 ?
das por todo prego.
Rua do Queimado numero 51.1
Corles de vestido de duas saias bordados a 8J,''
dito de tres babados de cambraia bordidos a
a 5i500, dilos de dous babados c de tres a 59,
corles de cassa chita 18800, roupas felas de Io-
tas as qualidades, cheguem antes que se acabe.
ARMAZEM
DE
Fazendas baratas.
Rua do Queimado n. 1.
Chitas francezas roiudinha; a 220 rs. o covado.
Iliberia.
Corles de tubera com 14 covados a 23500 o
corte.
Cobertas,
Cobertas de chita chineza a 23.
Laa a 520.
Laa para vestido, pelo baratssmo prego de 320
rs. o covado. n0 bem conhecdo e acreditado deposito da
n. i a x rua da Cadeia do Reciten. 12, ha para vender
Chales de ^-JlJg ^00. > po,assa da Russia e da do Rio'de Janeiro, novl
taJiTfn'lSS1; 10 varas. ^;:r?emre^Ua,;dad<,1- ""- **T
ca virgem em pedra : ludo cor creeos muito
Arados americanos e machinas
para lavar roupa : em casa de S. P. Jo-
hnston & C. rua da Senzala n. 42.
1 Alcatifa. |
**> Campos & Lima, na rua do Crespo n. >
^ 16, lem para vender alcatifa com 4 pal- (^
M mos de largura do muito boa qualidade lf
^B 8 propria para alcatifar, salas e igrejas a o*
Wb 800 rs. o covado, diuhoro a vista
d
REMEDIO INCOMPARAVEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Milharesde individuos de todas as nagoes pj-
dem testemunhar as virtudes desle remedio in-
comparavel e provar em caso necessario, que,
pelo uso que delle fizeram tem seu corpo e mem-
bros inteiraraente saos depois de haver emprega-
do intilmente outros tratamentos. Cada pesoa
poder-sc-haconvencer dessascura maravilhosas
pela leitura dos peridicos, que lh'as relatam
lodos os das ha muitosannos; ea maior parte
della sao tao sor prendentes que admiran; os
medico mais celebres. Quanlas pessoas reco.
braram cora este soberano remedio o uso de seus
bragos e pernas, depois de ter permanecido lon-
go lempo nos hospitaes, onde de viam soffrer i
amputagaol Dellas ha muitas que havendo dei-
xado esses asylos de padecimentos, para seno
submettercm essa operagao dolorosa oram
curadas completamente, mediante o uso desse
preciosoremedio. Alguraas das taes pessoa na
enfusao de seu recouhecimento declararam es
les resultados benficos diante do lord correge-
dor e outros magistrados, afim de mais autenti-
caren! suafirmativa.
Ninguem desesperara do estsdo de saude sa
tivesse bastante confianra para ensaiar este re-
medio constantemente seguindo algum lempo o
mentratatoquenecessitassea natureza doma.,
cujo resultado seria prova rincontestavelmenle
Que tudocura.
O ungento e ntil, mais particu-
larmente nos scsuinies casos.
PotassadaRssi
E CAL DE LISBOA.
muilo finas (que se venda a 135C0) por 43 a pega)
selm de todas as cores.
Cbita miudinha.
Chitas miudinhas, cores fi tas, a 160 rs. o co-
vado.
Ricos cortes de seda.
Cortes de seda superiores, pretas e de cores, a
60$O0O, cambraias pretas fins a 500 rs a vara.
Lencos brancos.
Lencos para algbeira a 23 a duzia.
Novas sementcs de hor-
talice,
s&^ss ei&m
Alporcas
Caimbras
Callos,
anee res.
Cortaduras.
Dores de cabega.
das costas,
dos membros.
Lnfermidades da cutis
emgeral.
Ditas do antis.
Erupcoes e escorbti-
cas.
Fistulasno abdomen.
Fnahlade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras,
Gengtva escaldadas.
Inchagoes
Inflammacao doflgado.
Inflammacao dabexiga.
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos pellos.
de ollios.
Mordeduras de replis.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Queimadelas.
Sarna
Supuraeocs ptridas
Tinha, em qualquer par-
te que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
dasarticulaces.
Veas torcidas ou noda-
das as pernas
vindas no vapor Portugal chegado este mez:
vende-sa na loja de ferragens na rua daCadeia do
Recile n. 56 A, de Vidal & Bastos.
Em casa de Rabe Scbmettan &
C, rua da Cadeia n. 37, vendem-se
elegantes pianos doafamado fabrican-
te Traumann de Hamburgo.
GRANDE SORTIHEiVrO
DE
Fazendas eokasfeitasj
Pcdiinclia.
A 200 rs. o covado.
Armazem de fazendas, rua do Quei-
mado n. 19.
Cambraia d cor miudinha muilo fina, fazenda
pechincha a 200 rs. o covado, para acabar.
Vende-se este ungento no estabecmento
geralde Londres n. 224, Strand. e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do sol, Sarasa o Hespanha.
Vende-se a800 rs., cada bocetinha r.ontm
urna Instrucgo em prtuguez para o modo de
fazer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na rua da Crun. 22. em Per-
nambuao.
Champanha. 1
Campos & Lima, na rua do Crespo n. |g
16, lem para vender urna porcao de gi- Ib
gos cen champanha de superior quali- K
at dade a 20 o gigo. *
KA.
lioja eairmazem
DE
Maroielada
Na rua Direitan. 6, vende-se para liquidara
S' a lata com 2 libras.
Cobertas
Francisco Pereira da Silva vende cobertas de
chita para cama a 2$ cada urna ; na rua do Quei-
mado n. 9, loja em frente ao Preguica.
Vende-so urna parda muilo boa cozinhcra e
una negrinha dol annos, linda figura : na rua
Formosa, segunda casa terrea se dir -juera ven-
de : na mcsrua casa se vende urna urna dejaca-
randd para ossos
: @@ ##
f : bonita figura, que lava e engomma bem : fi
na rua da Cruz n. 27, segundo andar. Sii
Parahyba,
Vende-se o engenho Torrinha distan-
te d sta cidade duas leguas por trra
t ;i terreno p3ra dous mil paes or au-
no e boa casa Je vivenJa assobradada e
boas obras, t::n embarque no porto dis
tante do engenho |2 tfuarto.de legua
do rio Parahyba eem menos de 5 horas
:in acidado: quem o pretender di-
rija-saJoao Jos de Medeiros Correia
& C que dir' quem o rende.
Neste armazem de molhados con-
dom^nm ^,nrd"ns,scSuintcs generos abaiso mencianados de superiores qualicades e mais barato
dosTrorieUriosq qUCr Pa Pr Serem 3 maOr parle Jelles reCcbdos em ,,ireil"ra Por co"'
Mautega ingleza c ranceza
de 6I0 a 800 rs. a libra e em barril
perfeitamente flora mais nova que tem vindo ao mercado
se tara algum abatimento.
Quejos flamen gos
qTo0 asas ser sarss sssssrda Europa de ,S70a 3*e a vis,a do gasi
Queijo pvalo
os mais novos que exislem no mercado a 1 a libra, em porgao se far abatimento.
A.n\eixas francezas
Jo1r1gjj})S.elll2UbraPorl300-.eeincainpotciras de vidro contendo cada urna 3 libra
Mnstarda Ingleza e franceza
em frascos a 640 rs. e era potes franceza a 800 rs cada um.
Ver&a&eiros figos de coman ve
ra caixinhas de 8 libras elegantemente enfeitadas proprias para mimo a lg600 rs.
Bolacninna ingleza
a mais nova que ha no mercado a 240 rs. a libra e em barrica com 1 arroba poi 4J.
Potes vi tirados
de 1 a 8 libras proprias para manleiga ou oulro qualquer liquido de 400 a 1*000 rs. cada um
JVmendoas confeiladas nvopvias nara sovles
de S Joao
a lg a libra e em frasquinhos, contendo 1 1[2 libra por 2^.
CU nvcio, nyson e nevla
os melhores que ha neste mercado de I36OO, 2 e 2500 a libra.
Ma^as em caixinnas de 8 lili vas
contendo cada urna dfferentes qualidades a 4Si500.
Palitos de dentes llenados
era molhos cam 20 macinhos cada um por 200 rs.
Ti jlo fvancez
proprios para lmpar faca a 200 rs.
Conservas inglezas c francezas
em latas e em frascos de diflerentes qualidades.
Presnntos, clionricas c naios
o mais novo que ha neste genero a 480, 640 e 720 rs. a libra.
L.atas de lolachinl\a de soda
de dilTerenies qualidades a 1600 em porcao se far algum abatimento.
ro. ,iam vendom-se os seguntes gneros ludo recentemcnle cheg do e de nnorin
brfein dlul Presun,os/ f80 rs- a "*ra, chouriga muilo nova, marmclada d mais afamado t'
rm ^ l' ma5a de rnate, pera secca, pascas, fructas em calda, amendoas noze" f=;
com amendoascobertas, confeites, pastilhas de varias qualidades, vinagre branco Bordeaux'nrnnHn !
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de S. Flix, magas de, todas is-oualiddKm
!,?a,rhaS francezas.champagne das mais acreditadas raarca^ cCq vebs de dX"
spermacelebarato, licores francezes muilo finos, marrasquino de zara, azeited ice Durir-ido lf'
mfhX"0 nTS' ba"ha dePrco reQnada e olros muilo gneros que enco raKo cudetc. a
Zml,,POr-S,S VamM** os proprietarios venderem por muilo menos de^ uc out oaua^urr
promelera mais tambera servrem aquellas poseas que mandarera por outras iuo rli?i "S
i SmePnT0alraenle-: r3am J'an,bera ludos os "nhores de engenho e Venbos avndoes
nKoft'n" enCOmraCQdaS Q0 ^mazemProgresso que solhes *ha"X?Sl
Na rua do Queiraad) n.
4G, frente amarella.
Grande e variado sortimento de sobre-
casacas e casacas de pannos linos prelos
o de cores a 283.30J e 35J. paletols dos
mesmos pannos prelos e de cores a 28g,
203 22} e 25, ditos de casemira mescla-
dos de superior gosto a 16J e I83, dilos
das mesmas casemiras saceos modelo
inglez 103.123, 149 e 15, dilos de al-
paca preta fina saceos a 43, dilos sobre-
casa tambem de alpaca a 7},8;>e 93, di-
tos de merino selm a 10i, dilos de me-
rino de cordao a 9}, calcas pretas das
mesmas fazendas a 53 e 6$, colletes pa-
ra luto da mesraa fazenda, paletots de
brm trangadoa 5j, dilos pardos e de
fuslao a 4 e 53, calis de casemira de
cor e prelas a 73, 83. 0$ e 10, ditos das
mesraas casemiras para menino a 63, 7#
e 83, ditos de brm para hornera a 33,
fe 3*500. 43 e 53, ditos brancos finos a 53,
6( e 73, ditos de meia casemira a 43 e
53, colletes de casemiras preta e de co-
res a 53, e 63, ditos de gorgurao do seda
brancos e de cores a 53 e 63, ditos de
velludo prelo e de cores a 91 e 10, ditos
do brm branco e de cor a 33, 33500 e43,
palitots de panno fino para menino a
153,163 e I83, dilos do casemira de cor
a 73, 83 e 93, ditos de alpaca a 33e3S500,
sobreeasacas de alpaca tambem pa<-a me-
nino a 53 e 6j>, camisas para os mesmos
de cores e brancas a duzia 153, 163 e 203,
meias crues c pintadas para menino de
todos os tamanhos, calcas de brm para
os mesmos a JS500 e33," colarinho de li-
nho a 63000 a duzia, toalhas de linho pa-
ra mos a 900 rs. cala urna, casaveques
de cambraia muito fina e moderaos pelo
diminuto proco de 123, chapeos com abas
de lustre a 59, camisas para homem de
todas as qualidades, seroulas para ho-
mem a 163, 203 e 253 a duzia, vestimen-
tas para menino de 3 a 8 annos, sendo Ig
caiga, jaqueta e coletes ludo por 109, co- S
bertas de fuslao a 69, toalhas de linho jf
para mesa grande a 73 e 83, camisas in- 5
glezas novamente chegada a 363 a duzia
Vendem-secarneros gordos c baratos; na
rua do Colovello, padaria do lefio do norte.
Milhoa5500.
Vende-se milho novo de Mamanguape a 5*300
o sacco : no armazem de Francisco L. O. Azeve-
do, na rua da Madre de Dos n 12.
Farelo.
Vende-se superior farelo de Lisboa vindo no
Tarujo II a 43500 o sacco de 96 libras : 110
armazem de Francisco L. O. Azevedo, no seu
armazem na rua da Madre de Dos n. 12,
IEMTO8.
Superiores charutos de Simas ; vende Jos
Luiz de Oliveira Azevedo, no seu armazem na
travessa da Madre de Dos n. 5.
Na fabrica de caldeireiro da rua Imperial,
junio a fabrica de sabo, e na rua Nova, loja de
ferragens n. 37, ha urna grande porcto defolhas
do zinco, j preparada para lelhados, e pelo di-
minuto prego de 140 rs. a libra.
Sabo do deposito do Rio
de Janeiro.
Vendem por prego mdico, Almeda Gomes,
Alvos & C., na rua da Cruz n. 27.
Vende-so ou permuta-sc por urna escrava
1 bonito moleque proprio para lodo e qualquer
servico : na rua da Praia, serrara n. 55.
Bichas hambu cuezas.
Sodr &C.
R ua estreita -io Itoeario n. 11.
Avisa aos senhores barbeiros desla provincia e
das provincias vsinhas, como sejam, Parahiba,
Rio Grande do Norle, Cear e Alagoas, que no'
seu estabelccimelo existo sempre um grande
, deposito de biruos de Hamburgo, e que vendem
por prego muito mdico, nao s a retalho como
Ipor atacado.
Fazendas finas e
roupa feita.
Augusto & Perdigo.
Com loja na rua da Cadeia do Itecfe n. 23
vendem edao amostras as seguntes fazendas :
Cortes de vestidos de seda prelos e decores.
Corles de dilos de barege, de tarlalaua e dega-
ze de seda.
Cambraias decores, brancas e organdys.
Anquinhas pira saias, saias balao, de clna, ma-
dapolao e bordadas.
Lencos de labyrintho do Aracaly e francezes
Chapeos amaz"onas de palha e de seda para se-
nhoras e meninas.
Enfeites de froco, de vidrilho e de flores.
Penles do tartaruga, imperatrz e outros gostos.
Manguitos e golas, ponto inglez, fraocez e mis-
sanga.
Vestuarios de fuslao, de la e de seda para
crianga.
Manteletes, taimas e pelerinas de diTerentes qua-
lidades.
Chales de touquim, de merino c de l de pona
redonda.
Luvas de pellica brancas, pretas e de cores.
\eslidos de blood, maulas de dito, capellas e
flores solas.
Sinturoes, camisas de linho e esparlilhos para
senhora.
Perfumaras finas, sabonetos o agua de colonia.
Casacas, sobreeasacas e paletots df panno prelo
e de cor.
Paletols de alpaca, de seda e do linhn.
Caigas de casemira de cor, prelas e do brm.
Camisas de madapolao, de linho inglez e de la.
Seroulas de linho e de meia.
Malas, saceos, apetreixos para vagem.
Chancas para invenios, bolinas de Meli e outros
fabricantes.
Chapeos do Chyli. de massa e de feltro para ho-
mem.
Charutos manilha. havana. Rio de Janeiro e
Baha.
Amendoas confeitadas para sor-
tes de S. Antonio, S. Joao e S. Pedro e
tambera pora presentes a 2$ o frasco,
vende-se na loja de Leite & Iimao, rua
daCadeia do Recife n. 48.
Relogios.
Vende-se em casa de Johnston Pater & C, rua
do Vigario n. 3, um bellosortimento de relogios
deouro, patente inglez, de um dos mais afa-
mados fabricantes de Liverpool; tambem urna
variedade de bonitos trancelins para os mesmos.
Espirito de violto com M
graos.
Vande-se espirito de vinho verdadeirocom 44
graos, chegado da Europa, as garrafas ou as ca-
andas na rua larga do Rosario n. 36.
Rua da Senzala Nova n. 42
Vende-se em casa de S. P. Jonhston & C. va-
quetas de lustre para carros, scllins esilhoes in-
glezes, candeciros e castigaos bronzeados, lo-
nas inglezas, fio de vela, ch'icole para carros, e
montara, arreios para carro de um e dous cval-
os, e relogios d'ouro patente inalezes
Vasos, figuras, pitillas e
globos de louca para
jardimeportoes.
Vendem-se por prego commodo, na rua do A-
morim n. 41.
Vende-se un prelo de 22 annos, criouln,
oOicial de carapina e boleeiro ; na rua do Hospi-
cio, casa de Thomnz de Aquino Fonsera, das 7 s
9 da manhaa, c das 3 s 6 da tarde.
Para liquidar.
Na loja que foi de Claudiano Oliveira
na rua da Cadeia do Recife n. 55, ven-
de-se fazendas de muito bomp.osto epoi-
menos de seu custo para liqui'dar-se, os
freguezes encontrarao um bello sorti-
mento do que bom e barato.
45in Direita-45
Este estabelecimento olerece ao pu-
blico um bello e rico sortimento por
precos convenientes, a saber :
Homem.
Borzeguins imperiaes..... 10 Ditos aristocrticos...... OtfOOO
Ditos burguezes........ 7000
Ditos democrticos...... 6$00O
Rfeio borzeguins patente. C$500
Sapatoes nobreza....... ftfOOO
Ditos infantes...... 5 Ditos de linha (3 1|2 bateras). OjiOOO
Ditos fragata (sola dupla). 5000
Sapatos de salto (do tom). C$000
Ditos de petimetre...... 5.S000
Ditos bailadnos. ....... 5|500
Ditos impermeaveis...... 2.S500
Senhora.
Borzeguins primeira elasse(sal-
to de quebrar).......5$000
Ditos de segunda elasse (quebra
cambada)......., 4800
Ditos todos de merino (salto
dengoso).........4|500
Meninos c meninas.
Sapatoes de forra. ...... 4|000
Ditos de arranca........o500
Boizeguins resistencia 4| e 5800
LOJA DO VAPOR.
Grande e vanado sortimento de calgado fran-
cs, roopa feita, miudezas finas c perfumaras,
ludo por menos do que em outras parles : na lo-
ja do vapor na rua Nova n. 7.
SISTEMA MEDICO DE HOLLOWAY.
PILUI.AS HOLLWOYA.
Este inestimavel especifico, composto inteira-
mente de berras medicinaos, nao conlm mercu-
rio, nem alguma outra substancia delectcria.Be
nigno mais tenra infancia, e a compleigao mais
delicada igualmente prompto c seguro para
desarreigar o mal na compleigao mais robusta ;
6 iiteiramentc innocente em suas operages e ef-
feitos; pois busca e remore as doenga3 de qual-
quer especie egro por mais antigs e ienazes
queseam.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estaram as portas da
morte, preserrando em seu uso : conseguiram
recobrar a saude c forras, depois de harer tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais afilictas nao derem cntregar-se a de-
sesperagao ; fagam um competente ensaio dos
eflicazes eleitos desta assomb'rosa medicina, e
prestes recuperarlo o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
para qnaiquer das seguntes enfermidades :
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areiasfmalde).
Asthma.
Clicas
Convulsoes.
Debilidade oaextenua-
gao.
DebihJade ou falta de
toreas para qualquer
cousa.
Dysinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
-nos rins.
Dureza no rentre.
c-nfeituidades uo twulre.
Ditas no figado.
Dilas venreas.
Enxaqueca
Herysipefa.
rebre biliosas
Febrelointermtente.
Febreto da especie.
Gotta.
Hemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Inflammagoes.
Ir r eg u laridades
menstruagao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Obstrucgao de verlre
Phtysica ou construp
pulmonar.
Retengao de ouriu
nhvuiatismo.
Symptomas secunda-
rios
Tumores.
Tiro doloroso.
Ulceras.
Venreo (mal).
Vendem-se estas pilulas no estabelecimento
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua renda em toda a America do
Sul, Havana c Hespanha.
Vendem-se asbocelidhas a 800 rs. cada urna
dellas, coHtem urna instrucgo em portuguez pa-
ra explicar o modo de se usar destas pilulas.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
pharmaceutico. na rua da Cruz n. 22, em Per-
namb o-
Botica.
Bartholomeu Francisco de Souza, rua larga
do Rosario n. 36, vende os seguinte medica-
mentos :
Rob L'Affecteur.
Pilulas contrasezes.
Ditas regetaes.
Salsaparrilha Bristol.
DilaSands.
Vermfugo inglez.
Xarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febres).
Ungento Holloway.
Pilulas do dito.
Elliiirauli-asmathico.
Vidrosde boca larga com rolhas, de i oncas i
121ibras.
Assim como tem um grande sortimenfo de pa-
pel para forro de sala, o qual vende a mdico
Pro o
Vendem-se libras sterlinas, em
casa de N. O. Biebert C. : rua da Cruz
n. 4.
ate VVfsBVtsMsMMMMftfaTOi
! Seguro contra Fogo J
1 cojupahhia I
LONDRES I
AGENTES g
C J. Astley & Companhia. !

Vende-
para
se
| Formas de ferro
I purgar assucar.
| Buchadas de ferro.
| Ferro sueco.
I Aro de Trieste.
I Eslanho em barra.
Pregn de composi^Ao. i
| Brim de vela.
i Agurdente de Franca,
j Palbinhaparamarcineiro:9
no armazem de C. J, As-I
tler df C.
Pellos deguarA,
proprias para flores a-lificiaes e ostros enfeites :
vendem-se na rua da Cruz n, 27.
/



DIARIO DE PBRHAMBUCQ. QUINTA FEIRA 46 DE JTJLHO DE 1M0.
-x
DE
mmmL i mmim ei iiiii.
Sita na ra Imperial o 118 e 120 justo a fabrica de sabao. >
DE
Scbastio J. da Siha dirigida por Francisco Belmiro da Costa.
Neste estabelecimento ha sempre promptos alambique de cobre de differentcs dimencoes
(de 300 a 3:000) simples e dobrados, para destilar agurdente, aparelhos destilatorios contnos
para reslilar e destilar espiritos com graduarlo at 40 graos (pela graduacao de Sellon Cartier) dos
melhores sysleinas hoje approvados e conhecidos nesta e oulras provincias do impario, bombas
e todas as dimencoes, asperanle3 c de repucho tanto de cobre como de bronze e ferio, torneiras
de bronze de iodas as dirneiicocse feilios para alambiques, tanques etc., parafusos de bronze e
ferro para rodasd'agua,portas parafornalhas ecrivos de ferro, tubos de cobre e chumbo de todas
as dimencoes para encmenlos, camas de forro com armaco e sem ella, fugoes de ferro potaveis e
econmicos, tachas e lachos de cobre, fundos de alambiques, passadeicas, espumadeiras, cocos
para engenho, folha de Flandres, chumbo cm lencole barra, zinco em lencol e barra, lsnces e
arroellasde cobre, lences de ferro o ltao,ferro succia inglezde todas as diracnsoes, safras, tornos
e folies para forreiros etc., e oulros muitosarligos por menos prero do que em outra qualquer
parte, desrmpenhando se toda e qualquer encommenda com presteza e perfeirao j conhecida
f, para commodidade dos freguezes que se dignarem honrarem-nos com a sua conGanca, acha-
tio na ra Nova n. 37 loja de ferrageus pessoa habilitada para tomar nota das encommendas.
Seus propietarios offerecera a seus numerosos freguezes e ao publico em geral, toda e
fualquer obra manufacturada era seu reconhecido esta"belecimcuto a saber: machinas de vapor de
lodos os tamanhos, rodas d'agua para engeuhos todas de ferro ou para cubos de madeira, moen-
das e meias moendas, tachas de Ierro batido e fundido de lodos os tamanhos, guindastes, guin-
chos e bombas, rodas, rodetes, aguilhes e boceas para fornalha, machinas para amassar man-
dioca e para descarocar lgodao, prencas para mandioca e oleo de ricini, porles gradara, co-
lumnas e moinhos de vento, arados, cultivaJojes, poules, -aldeiras e tanoues, boias, alvarengas.
botes e todas as obras de machinisrao. Eiecuta-se qualquer obra seja qual fr sua natureza pelos
des'iihos ou juoldcs que para tal lim forcm apresentados. Recebem-se encommendas neste esta-
jelecimento na ra do Brum n. 28 A e na ra do Collegio hoje do Imperador n. Ooinoradia do cai-
-.eiro do estabelecimento los Joaquim da Costa Pereira, com quem os crelendentes se podem
entender para qualquer obra.
Fazendas por baixos precos Graixa em hechizas esebo
Ra do yueimado, loja
de 4 portas n. 10.
Xinda reslam algumas fazendas para concluir
a liquidara.> da firma de Leile & Correia, asquaes
se vendem por diminuto preco, sendo entre ou-
lras as seguintes:
Chitas de cores escuras e claras, o covado
a 160 rs.
Ditaslargas, francezas, linas, a 240 e 260.
Riscados franeczesde cores fixas a 200 rs.
Cassasde cores, bons padrees, a 240.
Rria delinho de quadros, covado, a 160 rs.
Brim trancado branco de linho muito bom, va-
. a, c IJjOOO."
Curtes de calca de mcia casemlra a 2g.
Diles de dita de casemira de ceres a 5$.
Panno prcto fino a 3 c 4.
Uoias de cores, finas, para hornera, duziac
1S800.
ravatasde seda de cores e pretas a 1.
Meias brancas linas para senhora a 3g.
Ditas ditas mui'.o Cuas a 4g.
Ditas cruas finas para linmi m s A$.
Cortes de colletesde gorgurao de seda a 2$.
Cambraia Usa fina transparente, peca, a 4$.
Seda prela lavrada para vestido a 1600 e 2g
Corles de vestido de seda preta lavrada a 16'
Lencos de chita a 100 rs.
Laa de quadros para vestido, covado, a 560.
Peitcs para camisa, um, 320.
Chita francesa rauderna, lingindc seda, covada
ra 400 rs. 1
i-jilrcmeios iKnlados a 200 rs.
Camisetas (ni*"ser.hora a CO ra.
i>as borJadas finas a 2ga00.
"o libas dj linho para mesa a 2 e 4$.
Camisas da mcia, uraa 640 rs.
Lencos de seda para pescoco de senhora o
560 rs.
Vestidos breacos bordados para bap-iisar crian-
zas a C{000.
Corles de caira do casemira preta a #.
'.hales de merino com franja de seda a 5.
Cortes de calcado riscado de quadros a 800 rs-
Merino verde para vestido de montara, cova_
do. 15286.
Lencos tancos de cambraia, a duzia, 2#.
paes e cm rama, ere porcoes e a retalho : na
do Brum n. 1, avmazer.
C3sT
Loja de maraore,
Ra Nova,
Faria& C. avisara aos seus numerosos 2>
freguezes eao publico em geral, que re- g
cebendo por todos os paquetes fazendas f
de modas, acabnm de receber entre mui- V
tos arligos o soguinte : B
Vestidos ricos de blond para casamento. $",
Ditos de gorgurao de cores, tecidos com 9
velludo em alio relevla duqueza de m
Comberland.
Ditos brancos bordados para soire. as
Dilos ditos de cambraia.
Ditos de cores de phanlasia.
Ditos do cores de moiranlique.
Manteletes, chales rends o peregrinas
de velludo egrosdenaple pretos.
Bournus de cachemira de cores c de se-
da de cores.
Chapclinas de palha de Italia e seda.
Calcado para scuhora do afamado fabri-
cante Jolly.
Dito para meninos.
Casaveq-ie de la para meninos de ambos
os sexos
AAkENCAA.
Ferros de en-
gommar
econmicos
a 5^000.
Estes magnficos fer-
ros achm-se a venda
no armazem de fazen-
das do Faymundo Car-
los Leile & Irinao, ra
da Imperatriz n. 10.
Trapiche de depsitos, al-
fandegadon. 19.
luargo Aa assem.bla.
Ha continuamente para .vender neste trapiche
saceos de feijao mulalinho muito novo com 6 al-
queires, farinha de mandioca de diversas quali-
dades, miltio, trelo superior era saceos muito
graudes, arroz do Slaranho, cera de carnauba,
courinhos curtidos, sola c palhade carnauba, lu-
do por precos commodos e em grundes porcoes
ou a retalho, conforme a vontade dos compra-
dores.
CAL DE LISBOA,
nova e milito bem acondicionada : na ra da Ca-
dejo do Reciten. 38, primciro andar.
Vendem- se
Relogios de ouro.) ,
Setliisingieres.. .JldtCHlc-
.\o escriplorio do agente Olivtira.
Reoslos patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitos paraeauisas,
Biscoutos.
Em casa do Arkwight & C.,
Cruz n. 61.
As melhores machinas de coser dos mais
alamados autores de Nev-York, I.
M. Singer & C. e Wheeler &\Vilson.
Neste estabcleci-
raenlo vendem-se as
machinas lestes dous
autores, moslram-se a
qualquer hura do dia ou
da noiie, c icsponsabili-
samo-nos por sua boa
qualidade seguranza :
no arraazeir de fazeudas
do Raymundo Carlos
Lcite & Inoos ra da
I Imperalriz n. 10, amigamente aUrro da Boa-
Vista.
Calcado francez
*
barato.
Bolinas de setim branco e pretos para senhora.
Ditas de lustre para homem a 7g000.
Ditas de dito para senhora a 38.
diltse dilo para menina a 2p500.
Ditas lodo de dura que para senhora a 2$.
Dilas de setim branco a 4JJ.
Sapales inglezes de vaqueta para lioroem a 5.
Dilos de lustre comijorracha para iioraemaj!.
Ditos de dilo para menino a 3-5J
Dilos de Nanles de bezerro paru homem a
JjDiit) ; r.a ra do Cabog n. 16
C)
SnSSS
wzzrt
GRANDE ARMAZEM
IAVJ.M
- '.Vi:
DE

Ra Nova n. 47, junto a igreja da Con-
ceicao dos Militares.
Acha-sena direceao da oflicina deste acreditado armazem o hbil
Hl artista Francisco de Assis Avellar, antigo contra-mestre do fallecido !fg
g^S Manoel Jos Ferreira. O respeitavel publico continuara' a encon- <
^p trar era dito armazem um grande e variado soi timento de roupas !^s
gg feitas, como sejarn: casacas, sobrecasaoas, fraques, paletots de panno T
^| i
no, ditos de casemira de cores, de merino, bombazina( alpaca preta W
decores, ditos de brim de linho branco, pardo e de cores, calcas ||
^^ de casemira preta e de cores, ditas de merino, de princeza, de brins 28
^^ pardo, branco e de cores, colletes de velludo preto e decores, ditos de MBS
^g e gravatas pretas e de cores, libres para criados, fardamentos para |^
^^3 a guarda nacional da capital e do interior. P&i
fg| Aproraptamse becas para desembargadores, lentes, juizes de di- ^&
eggj reito, municipaese promotores, e vestidos para montana. Naoagra- i^
^p dando ao comprador algumas das roupas leitas se apromptarao ou- Ka
WlSli t,asa 8eu osl0' que'r com fazenda sua ou do armazem para o que [?^
^H tem escolhidos c habis oflictaes, dandc-seloda e qualquer roupa no W$B
^f dia convencionado. $&&
mmrnmm
Progresso na cidade da Victoria
DE
Francisco Xaxier de Salles Cavalcante de Almeida
NO
Pateo i\a cita.
O propietario deste estabelecimento, como se acha com um grande o completo sorti-
menlo, tendente a molhados, ferragens e miudezas convida portanto a lodos os moradores
desla cidade da Victoria, senhores de engenho e lavradores queiram mandar suas
encommendas no Progresso do paleo da Feia, pois s ah encontraro o hom e barato,
visto o propietario eslar resolvidoa vender, tanto em grosso, como a retalho, por menos
do que em outra qualquer parle como sejarn :
Latas de mar melada de 1 2 libras a 1400, frascos com differentcs qualidades de doce
por 2v000, latas de soda conlendo nove qualidades a 28000, azeitonas muito novas,
passas de ditas, vinho de todas as qualidades de 500 a 2#000 rs. a garrafa, licores
francezes de todas as qualidades, champanbe, conhaque de dilas, loura Tina, azul,pintada,
e branca de todos os padres, ameixasem compateiras e era latas a 1?000 rs. a libra,
latas de peixe de posto por 2$000 rs., banha de porco refinada, aramia, fatias, bolachi-
nha inglesa, biscoitinho, eoutras mais qualidades de massas finas, massa de tomate em
ltase a retalho, lelria, raaenrrao, talharim a 800 a libra, verdadeira gomma do aramia,
insenso de todas as qualidades, espiritov de cravo, canella, ealfazema, verdadeiros penles
a imporatris, e de tartaruga de 9-S000 a 109G00 cada um, tranca e franja de seda, fe-
chadoras de broca, pregos em quantidade de lodos os tamanhos e qualidades e oulros
muitos objectos que por se tornar enfadonho deixa de os mencionar,
PllNBICiO LOW-MOWJ Approveitem a oe-
Ra da Senzala Nova o. 42.
NesTB^estebelecimento continua a haverum
ocmapletosorlimento de moendas e meias moen-
da para euSenho, machinas de vapor e taixas
de ferro balido e coado. de todos os tamanhos
i para ai
Gulla-pcrdia.
qit Kecebeu-6e novo sorlimenlo de capis,
ff perneiras e sapatos de guita-percha (viil-
garriente borracha,
Loja de marniorc.
casiao.
Cabriolet
Tachas e moendas
Braga Silva &C,tera sempre no seu deposito
da ra da Moeda n. 3 A.um grande sortimento
do tachase moendas para engenho, do muito
acreditado fabricante Edwin Maw a tratar no
mesmo de osito ou na ra do Trapiche n 4..
Em casado N. O. Bieer & C.,
chegedo .': lojs (la diligencia, na roa doQuei-
tnado n. 65, um grande sortimeulo de balaios
bonitos, fortese baratos para coinpns, para cos-
i tura e para guardar roupa, assim :omo muito
i lindas cestinhas para meninas trazerem no bra-
co, ditas para se mandar presentes, dilas para
. se terom com fructas em mesa, dilas para talhe- I successores, ra da Cruz n. 4, vndese
re., e oulras muilas obras que com visir os vl x l
compradores vero : na roa do Queiraado, loja IS'
de diligencia q. 65.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha demindioca, superior qua-
dade, vinda do Maranhao, pelo hiale Rosa o
briguo escuna Graciosa : nos armaxens de Ma-
chado & Dantas e Anlunes GuimarSes & C., no
Forte do Mallos, largo da Assembla.
Grammaticaingle-
za de Ollendorff.
Novo methodopsra aprender a lr,
a cscrever e a fallar inglez em 6 mezes,
obra inteiramente nova, para uso de
todos os estabelecimentos de imtruccfio,
pblicos e particulares. Vende-se na
praca de Pedro II (antigo largo do Col-
legio) n. 37, segundo andir.
I
cobertos e descobertos, pequeos e grandes, de
ouro patente inglez, para homem o scnhoia,
de um os melhores fabricantes de Liverpool,
vindos pelo ultimo paquete inglez : em cas-a de
Soulhail Mellor.-, & C.
Adiniraveis remedios
americanos.
Todas as casas de familia, senhores de ei.g*-
nho, fazendeiros, ele, devera eslar provenidos
com estes remedios. Siio trr-s medicamentos com
os quacs se cura eficazmente as principaes mo-
lestias.
Prompto alivio de Radway.
Instantneamente alivia as mais acerbas ouriF
e cura os peiores casos de riicumniismo, dor de
cabeca, nevralgia, diarrha, cmaras, clicas, bi-
lis, indigeslo, crup, dores nos ossos, corilusts,
queimadura, erupcocs cutneas, angina, reten-
Qao de ourina, etc., etc.
Solutivo renovador.
Cura todas as enfermidades cscrophulosas|1-hio-
nicas esyp hliticas; resolve os depsitos de raaos
humores, purifica o sangue, rer.ova o systema;
promplo e radicalmente cura, escrophulas,vene-
reo, tumores glandulares, ictericia, dores de os-
sos, tumores brancos, aferces do figado e rins,
erysipelas, abeessos e ulceras de todas as classes,
molestias d'olhos, difficuldade das regras das
mulheies, hipocondra, venreo, etc.
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regularisar o syslema, equilibrar a circula-
cao do sangue, inteiramente vegelaes favoraveis
em todos os casos nunca occasiona nauzeas ne
dores de ventre, dses de I a 3 regularisaro, de 4
a 8purgam. Estas pilulas >ao cfTicazcs as alTec-
Soes do Cgedo, bilis, dor de cabeca, ictericia, in-
digeslo, e em todas 83 enfermidades das mu-
Iheres, a saber : irregularidades, fluxo, reten-
coes, flores brancas, obslruccoes, histerismo, ele,
siio do mais prompto cffeito na escarldlina, febre
biliosa, febre amarella, e cm todas as febres ma-
ignas.
Estes tres importantes medicamentos vera -
companliados de inslruncs impressas que mos-
tram cora a maior minuciosidade a maneira de
applica los em qualquer enfermidade. Estao ga-
rantidos de falsificarao por s haver a venda no
armazem de fazendas de Raymundo Carlos Leile.
& Irrao, na ra da Imperalriz n. 10, nicos
agentes em Fernambuco.
novo c moderno
numero 21.
vende-se na ra do Hospicio
Vende-so umescravo perito cozinheiro, bG-
nita figura e moco, de excellenle conduela : na
ra larga do Rosario n. 26, segundo andar.
Vende-se emeass de Saunders Brothers &
C, praQa do Corpo Santo, rologios do afama
| do fabricante Roekell, por precos commodos,
e tambera Iraocollins e cadeias para os mesmos,
deezcellenU costo.
Cliampanha em caixas de 1 duzi da
acreditada marca Farre & C-, vinho
de superior qualidade.
! Conhac em caixas de 1 duzia.
Verraoutli em ditas de ditas.
Ferro da Suecia.
Ac de Mi 15o
Un I ha ntes de todos os tamanhos.
Relogios
Suissos.
Em casa de Schafleillin &C, ra da Cruz n.
38. vende-se um grande e variado sortimento de
relogios de algibeira horisontaes, patentes, chro-
nomelros, meios clironometros, de ouro, prata
dourada efolheadosa ouro, sendo osles relogios
fiscrayos fgidos.
Contina andar fgido o escravo Ruiiano.
pardo, de idade 23 annos, oflicial de carapina.
bonita ligun, inlilula-se forro; esto mualo fui
escravo de Jos JacinUio da Silveira, e hoje de
Benlo Jos Hamos de Oliveira : a pessoa jjc o
pegar ou der noticia delle, levo & ra da Impe-
ralriz, subrado n. 15, onde ser bem recompen-
sado.
Fugio o escravo de nomo Cesado, idadede
vinte e lanos anuos, pouco mais uu menos, es-
tatura mediana c reforjado, bons dentes e '.iu-
dos, cabra escuro quasi negro, barba na pona oo
qucixo, olhos avermelhados, pernas um poir.-o
arqueadas, filho do .Sobral (Cear) ; portanto
roga-se aos capilaes de campo, as autoridades
policiaes, e qualquer pessoa que o possa encon-
trar, o apprehendam eolevem a sua senhora, no
caes do Ramos, sobrado encarnado, que ser
dos primeirs fabricantes da Suissa, .ue se ven-1 gratificados ; e se protesta contra quem o live
deio por precos razoaveis. I acoutado em sua rasa,
Dos premios da lerceira parle da quinta lotera, concedida a beneficio da matriz da Boa Vista, extrahida
__________________________________em2S dejulhodel860,____________________________
NS. PHEMS.NS. PREMS. NS. PREMS. NS.PEMS. NS. PIIEMS. RS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS..NS. PREMS. NS. PBEHS. NS. PREMS.lNS. PREMS. NS. PREMS. NS. PRE1IS. 8. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. RS. PREM?. RS. PREMS. NS. PREMS RS. PBBM .
i
6
7
10
11
12
17
18
23
f,
39
36
37
38
10
i I
u
13
46
V7
18
LO
:,->
H
:>1
.18
;i
63
70
72
73
79
!)0
91
93
95
101
6
10
13
II
23
29
30
32
3
37
38
10;
20;
105
50*
10
1 i I
18
30
53
3i
55
36
37
39
61
69
71
83
83
88
90
91
92
93
93
201
3
12
13
13
22
2t
26
32
37
16
47
49
53
58
39
60
63
67
72
78
79
8t
83
8S
89
91.
10;
20?
105
5005
10
293
96
97
98
302
I
6
7
9
11
13
16
18
19
20
24
21
29
34
36
37
40
43
45
51
53
57
61
67
70
73
74
77
81
85
89
91
92
93
94
95
97
99
401
2
7
: i*
105
505
iOj
205
105
50
105
20J
120
21
22
23
33
41
18
49
50
54
55
57
59
60
66
67
69
72
73
77
79
80
91
95
99
501
2
5
10
11
13
19
22
27
30
31
38
39
44
47
48
53
63
66
69
71
72
79
10
-
580
81
83
84
89
90
94
99
600
3
4
12
13
13
16
18
19
21
23
24
25
28
29
35
37
38
11
47
49
67
69
76
77
79
81
86
87
92
95
97
704
6
7
8
12
13
14
18
10
719 105 839
23 61
26 69
28 71
31 73
36 79
39 83
42 86
43 90
45 99
49 903
52 10
53 12
54 22
57 ?i
59 25
61 26
62 63 ^. 27 34
70 41
71 43
72 8
73 59
75 50
76 57
77 20 61
84 10 62
89 63
95 i 69
801 75 78
4 80
8 10 _ 84 86
U 12 17 19 24 26 87 89
91 92 99
27 1003
36 13
37 17
39 18
46 22
50 25
51 -l 28
55 29
56 _
105
100
105
200
10
1036 10c 1232
38 33
39 35
41 37
43 42
16 43
48 46
49 52
51 53
53 59
5 61
56 toa; 73
64 105 74
65 75
67 76
71 77
85 79
92 82
% 84
99 87
1107 _ 90
11 .__ 92
14 f 31 f
16 12
18 13
2t 16
27 17
43 19
48 22
57 27
61 30
63 31
73 32
75 ^_ 35
79 -~ 39
84 __ 40
87 51
90 51
97 55
98 62
1201 __ 63
3 _ 64
16 67
26 74
28 75
29 77
31 89
1>5
;o
10
50
105
1391
97
98
99
1405
7
10
II
12
14
16
18
20
24
29
36
45
47
48
54
60
62
64
66
72
76
78
81
89
91
96
1501
2
4
8
9
10
11
13
14
20
21
22
23
24
25
26
10
1533
41
47
49
50
51
35
62
63
65
69
71
77
78
79
85
89
91
92
93
94
1601
4
11
17
19
35
38
41
49
52
53
56
58
59
62
63
67
68
70
72
78
79
80
82
85
90
10
204
1694
1700
5
6
9
10
11
19
20
24
28
36
37
38
41
50
51
60
62
69
72
73
76
79
80
83
85
86
99
1800
3
5
8
10
11
12
15
19
24
30
31
32
33
35
36
45
47
10
50
10
50
105
1848
50
53
54
67
70
72
73
76
77
78
79
86
87
96
97
98
99
1900
4
6
8
15
16
17
21
23
24
27
28
34
38
42
44
48
49
53
54
58
63
66
68
69
71
74
78
89
10
1992
95
96
97
98
2000
1
2
9
10
13
14
16
17
19
25
28
34
36
37
39
40
46
49
52
55
56
60
62
64
78
79
80
83
87
92
94
4:000
10
01 200
4 10
6
10
17
19
30
34
37
41
105 2142
44
45
54
60
64
67
71
76
77
79
81
85
86
87
89
94
96
2200
3
6
11
15
18
20
23
28
34
37
41
43
44
54
55
57
59
60
62
64
67
72
76
80
91
96
2301
4
10
203
10
2309
15
18
19
20
22
2
31
35
11
42
43
50
51
54
58
59
60
62
64
65
67
68
69
70
74
77
78
80
86
89
90
91
93
96
97
2105
6
10
14
16
21
26
29
36
41
46
10;
r.
20
10
50
2158
49
50
52
53
56
59
64
65
67
70
73
76
82
85
88
90
92
99
2500
1
2
3
9
18
19
20
22
24
27
29
39
40
43
50
52
53
57
59
64
70
72
73
82
86
91
92
10
20
10
20
10
2595
97
2601
2
8
15
17
21
26
28
30
31
34
36
47
48
50
52
53
54
57
59
60
66
70
75
77
78
83
88
91
92
95
97
2703
10
II
13
20
22
32
34
35
39
46
47
50

10 2754
.16
69
70
71
72

73
. j
79
10:000$ 81
10 84
86
88
89
91
94
801
2
3
j
10
100
10
6
8
12
14
16
26
28
33
38
40
42
47
49
56
60
64
65
67
74
79
80
81
87
89
90
92
2900
20
10
2903
6
9
11
19
21
22
23
25
26
27
30
33
36
39
41
43
44
46
50
51
54
58
59
65
69
71
73
80
81
84
85
91
94
98
3000
16
17
19
22
24
29
32
34
39
44
46
10
10
3054 ol
65
67
71
79
80 1005
84 K'tf
90
91
92
97 20*
20f30O 10
2
o
6
9
11
16
18
19
27
28
39
42
43
46
47
49
50
52
54
61
66
71
72
73
76
79
84
85
87
88
89
93
99
3200
0 escrivo Jos Marta da Cruz.
Pernambuco.Typ. de M. F. de Faria.18C0.
1ILGVEL i


()
DIARIO DE PERSAMBUCO. (JUINIA FK1RA 26 DE JULHO DE 1880.
Litteratura.
0 que Gcocbra protestante fez do chris-
tianisroo.
A poderosa imaginacio do Dante representa-
nos u inferno como ura abysmo immenso, que
vai som cessar eslreilnndo-se por urna medonha
ral, cujasoirciimvoluces indican) os diversos
-".' s de seus suppJicios continenteme creseen-
Pde f.izcr-so appliracio desta i m age ni
ic.rivcl s doulrinas do protestantismo, que
Jo nina continuarlo de negirts progres-
re 8de da religiao de Jess Clirsto,
'ii pnr una especie de ilalidado, e de ne-
cm negarlo, al ao niais horrendo rvrro-
i inventor c os rrimeiros defensores desta fu-
horesia pareciam t-Io previsto ; poiquan-
lo divididos entre si desde o principio, nao s
respelto do dogma, senio tambem da moral, tra-
taran! principalmente desuster, quanlo caba em
suag torcas, o movimento, que tinham inipres-
i aos espiritos, procurando crcumscreve-los
pe.', auloridade, e quando era necessaro pela
violencia, no circulo de seus erros, taes como
cada un delles os linlia feto. Se nao poderam
conscgui-lo, chegaram ao menos a eslabelecer
ajinados pelo braco secular em cada pau proles-
lanle urna religiao dominante, que embaracara o
desenvolvimenlo das outras por meio da intole-
rrncia e vexaeos.
Assim izeram durante trez seculos todas as
seilaa em todos os paizes, nos quaes tinhani-se
utl.ronisado. Nao podendo porm eonserva-
rem-se as cousas noste p, a profunda palavra
do apostlo Opurlel essehwreses induz-nos
fl acreditar que eslava na ordem da Providencia,
| se erguesse finalmente urna naci proles-
mte, cuja lei polilica, mais consequente, au-
torisasse a licenca religiosa em seus maiorescx-
S, e Ozessc finalmente conheccr ao mundo o
que era o protestantismo.
Se oa fundadores da liberdade genebrense re-
ceto rom uma grande misso, evidentemente
e ninguem pode negar que a Icnham cuni-
nri lo fielmente respeilo das seitas. Granas ao
ihsmoem materia de religiao, que distingue
iiblicade Genebra, foi perraillido fiesta pe-
dai de paiz offerecer nos cultos pblicos aotori-
sa los, protegidos pela lei, e exaltados polos sec-
arios, o dosenvolvimcnlo completo e synoptico
las as negacoes ate o alheismo inclusiva-
mente, e nao s na pequea exlenso de seu ter-
rili o, seuao anda no recintho de todas as suas
aldi as.
.' gora, se considerarmos nesla progrcsso de
i: o numero dos que erram, nao mais pos-
sivel applicar a compareci do Danto, a menos
qu nao soja tomada em sentido inverso, isio ,
que os circuios, em vez de eslreilarcm-se, alar-
gui m-se crescendo.
Com effeilo, c por esse instinclo lgico, que
i abandona ao liomem at mesno na mais
extrema degradacio de suas aculdades inlellec-
-. acontece que tem maior numero de secla-
[uella douirina, que menos conlradieo of-
i :e com o principio do protostalismo a ra-
irticulsr. Assim os irwingstas, que sao
' ; ni ais absurdos, porque mais se aproximan] da
egreja catholica, porquanlo prcteudem eslabele-
cer alguns pontos de t e proceder por va de au-
nii ,'jde, sao monos numerosos do que os calvi-
-, cujo aymbolo menos imperioso e mais
desligado das verdades eatholicas. Os calvinis-
mos, comparados com os metbodislas, que,
conservando urna parte da douirina de Calvioo,
luziram a forma democrtica no governode
tas egrejas, eompocra apenas um pequeo re-
bariho.
Finalmente ha os Mormoes, os Espiritualistas,
os Momiers, os renles as mesas gyrantes. os
i ; islas e os Darbystas, que na marcha de suas
d pi trinas o" na licenca mexprimirel das praticas
us cultos formara uma vasta rede de seitas,
\ parlem milhares de renovos mais ou me-
nos impuros, mais ou menos selvagens.
Todas oslas fraccoes do um corpo despedacado
disputas, conrordam nicamente sobre,
o principio da independencia espiritual, base!
imcutal do protestantismo, pelo quai priu- i
cipio lodo o protestante tem como regra de f
i propria interpretarlo da Escriptura Sania,
permillido lo'io o enrislio humilde de
enrielo cntende-la, com o soccorro do espirito de
't-, para servir-rae da expressao de um mi-
ro presbiteriano. (I) i
A reformo genebrense mu bem conliecc suas
-. e chora sua impotencia sem poder sana-la
IC83 armas, que anda lema seu serviro,'
calumnia e a injuria ; tristes armas, na
ida Poz em rnoJa o desprezo ao catholi-
i : e nao contente de renegar seus dogmas.
ultrajar sua moral, quebrar os tacos de sua dis-
i, protestar contra sua pretendida lyrannia,
lillar todas as suas insliluicoes na dicese de
S. raocisco de Salles, (racen um novo plano de
Blaque, c disse :
Opprimamos a religiao calholica com destre-j
zaj : subslituamos uma perseguido aborta,im-'
possivcl em presenca de nossas leis polticas,!
uma guerra mais calculada e mais prudente, cu-;
jos meios serio tanto mais seguros, quanlo me-
iolentos forem : sapienter opprimemus eam ,
na.....isando mais alaca-la por meio da forca,
i -'amo-la por meio de livros e pamphleos ;
domos vence-la, fazendo-lhe martyres, fa-
s-lhe deseitores por escriptos os mais enga-
ad res, e urna vez que carecemos de bastante
espirito para produzirmos novos, reproduzamos
igos ; sirvarao-nos de seu nomo para me-
lhor deslrui-la ; subslituamos as blasphemias
ii sophismas e os ulirages pela ironia.
1 il a linguagem dos afilelas do protestantis-
mo contemporneo ; o islo o que explica a ap-
paricio dessa myriada de livros, jornaes, brochu-
: 'vistas de todos os procos c formatos, que
iniiundam nossos paizes, fzendo sorrirem de
ido os catholicos, c al. mesmo aquellos de
nossos irmos separados, que aprenderam
nhecer nossa f polas obras que ella produz.
Mu bem comprehendemos a razio, porque sao
desterrados das bibliothecas, onda apodrecem,
- empoeirados volumes, amarcllecidos pelo
po, nos quaes os reformadores insultavam
n -j f. Nesles ltimos anuos viram-5 apparc-
cr em ntidas edices: a instituico christaa de
Calvino, livro, que Erasmo chamava urna peste
na egroja ; seus coi/nenanos sobre a Escriptu-
vi)ia, sua correspondencia, os sermes de
' tro, os tratados de controversias dos minis-
l'he rule oi f \itli of the reformation is sciip-
lure, as the liumblc of beart, as desled, wilh the
spirit of the lord, undersland it.
iros Dumouliu, Claudio, reliucourt, os actos de
Genebra do predicante I'roment. Anda hontem
punha-se venda em Genebra um livro de Beze,
tendo por titulo comedia do Papa doente e quasi
i morte, e urn pamphleto de Badioo, intitulado :
j As salyras christas da cosinha papal.
Nao fallamos das obras de Mrs. Malan, Bost,
Merle d'Aubign, Bungener, Ollramarrc, ele. as
quaes a raiva da destruirao oceulta-sc debaixoda
pompa de brlhantes mentiras, quandu nao sao
escripias nesse eslylo trivial, que distingue as
produccoes desses pretendidos reverendos minis-
tros de Jess Chrislo. Meio duzia de jornaes vo
tambem levar seus assignantes esse monto de
injurias de quesles fastidiosas, de amigos erros
colhidos no lodo do secuto XVI, onde toma-sea
duvida pela instruccao, a incredulidade pelo sa-
ber, o odio egroja pola f. A imprensa gene-
brense lem febre e delirio, e moslra-nos era toda
a sua rcalidade a verdade desle axioma do volho
Montaigne. L'escrivaillerie semble estre le symp-
tme d'un sicle desprav. (2)
Quando cntraes em Genebra, era vao procuraos
sobre nossas antigs egrejas, transformadas em
templos calvinistas, a cruz, essa brilhante pro- I
fiss.io da religiao christaa, que lodos prega o I
perdo das ofTensas, a resgnacao as provas da
rida, o amor dos inimigos, a iraitacao das mais
sublimes virtudes. Por ventura estas virtudes
nao sero mais necessarias na reforma? Acaso
no meio das desordens, nao bom pregar a uniao I
fraternal c o esquecimento das injurias? Convcm '
deixar de mostrar, quando o peso do pecado aea-
brunha uma alma penitente, quando n desgosio
das miserias humanas satura um corarao fatiga-
do, convcm deixar de mostrar, repito* primei-
ra o signal da redempcao, o ao segundo a ima-
gen), que lio vivamente the diz: Espera em
urna exislcncia melhor? Incrivel cegueira!
Descoroar nossos monumentos da mais santa e
mais sublime aureola, para lorna-looque? um
monto de podras sem vida, um grande cadver, '
o tronco de uma idea de (al modo inconcebivel,
; que, ha Irezentos annos cuidando-se nisso, Din-
guem pode anda exprimi-la por uma idea pouco
mais ou menos rasoavel sobre o cu me despojado
dos edificios.
O protestantismo genebrense porm 6 conse-
quente comsigo A cruz, disse Chateaubriand,
o mais directo signal da f ; mas tambem o
mais ridiculo objecto aos olhos dos incrdulos.:
Para os Calvinistas de Genebra a divindade de !
Jess Chrislo urna chimera. Depois de dezoilo
soclos de chrislianisiiio a veneravel companhia
dos pastores de Genebra nesto. socolo XIX, quan-
do todas as almas pas sao impcllidas a unir-se
ao Deus liomem, o corpo, digo eu, desses respri- ;
lavis ministros ousa apreseniar a egreja admi-
rada a Encarnaco, o milagroso nascimenio de Je-
ss Chrislo, o mysterio da ltedempeo, os meri-
tos da cruz, como mylhos, figuras "hierogliphy-
cas, boas para as pocas' supersticiosas da anti-
guidado. Aquellos, que chamara pelo nome ado-
ravel de Jess Chrislo com affeico c piedade. e
fallara de seu sangue e sua morte coma convic-
co da f, sao, para esses pastores arianos, cabe-
1 ras exaltadas debaixo do pezo dos encantos de um
systema.
Esta grave aecusacao contra o clero protestan-
todo Genebra nao gratuita ; ella bsense no'
! exame dos livros symbolicos o dos tratados de
iheologa, publicados era Genebra pelos minis-
tros, e no teslemunho dos proprios protestantes.
Esses racionalistas nao admitiera propriaraenle
revelaco divina sobrenatural; e se conservara a '
biblia, ella, segundo a expressao de Lessing,:
urna revelaco, que nada revela. Este fcil chris-
tianismo nao reconhecc nom a realidade, riera a
possibilidade dos milagros, fundando-se em que
sao contradictorios ja com a razio humana, ja cora
a ordem da natureza.
Mullos ministros, entre oulros Mrs. Chenevie-'
re o Archinard, recorreram uma pretendida ex-
pliaco natural, que roduzia os milagros bibli-
cos i proporcao do fados puramonle naliiraes ;
cxplicaro, por si mesma prodigiosa, o que seria
propria por seus incrves exforros para fazer quo
acreditassem nos milagros aqueles, que estives-
sora disposlos a nega-los.
O maior milagro revelado na escriptura a en- i
carnaeo de um ser divino, ou a divindade de Je-I
sus Chrislo. Segundo o principio delles, nao po-
dan) os socinianos dar-lhe crdito. Por conse- ;
guinle a mor parle considera a Jess Chrislo co-
mo um hornera distinclo por suas virtudes c lu-i
zcs, mas entretanto como um simples liomem ; e
lendo deslc modo rebaixado a pessoa de Jess [
Chrislo, convinha necessariamonle elevar por ou-
(ro lado a dignidade da natureza humana, para !
concebe-lo como podendo deixar de ser um divi-
no redemptor. Assim, esses eslranhos ministros
do Chrislo exforcaram-se por atlcnuar a profunda
corrupeo do h.imom, negando o peccado origi-
nal ou a transmisso hereditaria da inclinaran ao
peccado, e apresentando este anles como* uma!
simples fraqueza, ou um grao inferior no desen-
volvimiento inlellectual, do que como uma de-
pravado moral. Annulada a corrupeo moral
do liomem e a divindade do Jess Chrislo, nao
podia ser conservado o fado da ltedempeo. O
racionalismo genebrense nao recuou dianlc deste
extremo, o fez consistir a Itedenipc.o, quer em
um progresso inlellectual. quer era ura simples
melhorainento moral, deixando o liomem abando-
nado si para esta obra.
E' contrario i dignidade do homem, dizem
ellos, recorrer um soccorro extranho para o seu
desenvolvinienlo inleUedual e moral. Elle deve
ser snfficlcnte para si mesmo.
(.Hiarito moral, na qual o proleslanlismo offi-
cial de Genebra faz consistir todo o christianismo,
poder-se-hia exigir, ao que parece, um systema.
que por sua elevaeo compensasse a nullidade,
que fra reduzda'a douirina christaa. Mas que
bem, basoado em moral, pode conceber-se tendo
sido dosprezadas as doutrinas vtaes do peccado
original, da queda da divindade de Jess Chrislo
o da Redempcao? Exforcaram-se pois era mino-
rar, quanlo era possivel a moral do Evangelho,
f afirn de porem-a ao alcance do homem privado
do soccorro da graca divina. Tiraram-lhe toda a
grandeza, toda a piofunleza. toda a [orea e toda
a belleza divina, para subsliluirera-lhe uma mo-
' ral vulgar, magra, secca, sem vida e principal-
mente sem motivos superiores, como eslo : Fos-
tes resgatados grande prero ; glorificai Dexis
em vossos corpos e em vossas almas, que Ihe per-
tencem. Egualmentc por este systema bastardo
devia a egreja perder seu verdadoiro carcter c,
sua alta misso como inslituico divina, bascan- '
do-se na promessa de Deus o" unio com Jess'
Chrislo pela f a qual ella est cncarregada de '
; commumear no interior e exterior. Ella nao
aos olhos desses veneraveis socinianos mais do

[2) Montaigne, liv. III cap. 9.
-t -,-j-r .-:*.. -r zlt?. ..'
FOILUETU1
znFzw^^.ssamsym^'-mr'MSZm.
ron
PAULO DE KOCK.
XVII
Monicreau.Uma fina.
Continuaco.)
Angely virn a sua roupa s avessas para ap-
pareccr de Frontn no Novo Senhor ; quando le-
ve de apresentar-sc como fidalgo. veslia-o direi-
lo e oblevc um Iriumpbo extraordinario. Os ca-
li..-.radas aluiram para os bastidores a lira de ad-
niira-lo, ou antes para admirarem o seu traje do
marques. Bavia muito lempo que nao se via era
Monterean un ador to bom veslido. Mas para
representar de Joconde, Angely, que nao podra
arranjar uma vestimenta de Turco, pretorio
apresentar-se com o vestuario de marquez, tanto
mais quanlo reparara que n'um camarote de pri-
meira ordem havia una mulhcr que nao lirava o
binculo de cima de si. Com efleilo, anles do
uliirao acto, um rapazinho inlroduzio-se no thea-
tro e cnlregou a Angely um bilhetinho escripto
lapis, c que continua eslas palavras :
Alguem o espora para ceiar. O mocinho de
recados o esperar na porta dollieatro para gua-
lo ; responda-lhe s sim ou nao.
O galn nao eostumava responder nao con-
viles dessa qualidade ; depois de ter respondido
um sim muilo accentuado, s tratou de ver-se
livre de Cerisette. Nao era difficil; dissc-lhe que
niuilos apreciadores da cidade tinhani-lhe oflero-
cido uma ceia, mas que ello nao quera leva-la
comsigo casa de gente que nao conhecia ; pe-
dio-lho que vollasse para a hospedara, mesrao
antes de acabar o espectculo, e dormase sera
sustos ainda quando elle se demorasse muilo.
Cersetie mostrou-se muilo dcil; nao achava
o que admirar no convite feto a Angely somen-
(*) Vide o ouviq n. 171.
te ; este, fo to providente que acompanhou-a
eslalagem. Cerisette, ainda muilo prcoecupada '
com os expedientes empregados pelos adores de
Moutereau parase restiren), cada vez ia perdendo
mais as illuses da carreira dramtica, e deitou-
se dizendo comsigo :
Eu de certo nao era capaz de piular as faces
Com ginja.
Eram nove horas dadas, quando Cerisette acor*
dou ; as viagens coniecavam a canQa-la, espera-
va emfim descancar alguns das em Monterenu ;
mas olhando em torno do s, ficou assusiada
a-hando-sesozinha. Angely nao linha vollado ;
e todava o da raira ha muito; vestio-sc pres
sa c chamou uma criada.
Quo horas sao? porguntou-lhe.
Nove horas dadas, minha senhora.
Cerisette tinha sempre vonlade de dizorolho,
que se engaa pessoa que a tratara por mi-
nha senhora. Todava conleve-sc e conlinuou :
E meu Angely nao vollou?
Nao, senhora ; veio apenas um moco de re-
cados trazendo toda a roupa do senhor se'u mari-
do, que pagou toda a despeza, e tambera um al-
moco que eu servirci senhora apenas tver to-
me, e urna carta para Ihe entregar.
Ceriselle nao comprehendeii muito bem o que
Ihe dizia a criada, quo d'ahi a pouco vollou com
um erabrulho e urna carta. O embrulho continha
o brilhante vestuario de marquez. A carta escrip-
ia por Angely continha estas palavras :
Minha querida Cerisolte.
Sou obrigado a deixar-te por alguns das,
porque tenho terminar certo negocio as cerca-
nas da cidade, e nao posso levar-lo comigo. Mas
paguei lodas as nossas despezas na estaagera ;
deixo-le de mais o meu vestuario completo de
marquez, com a espada; custou-me tinte oapo-
Ices. Podcrs achar por elle cera francos. Cora
osse dinheiro, drige-lc Svres ou Saint-Cloud,
muito porto del'aris; depois quer habites Saini
Cloud ou Svres, vai passeiar lodos os das no
parque que separa esses dous lugares ; apparece
junto do lago do meio-dia s duas horas ; irei
ver-lo ahi muitas vezes. At vista.
Teu sincero amigo
Angely.
A lcitura dessa caria nao parereu fazer muila
mpresso sobro Cerisette. Teria j cessado de
amar Angely? Esperara por esse abandono, ou
cnto acredilaria que sua ausencia nao seria lon-
. que ura cstabelecimento humano, uma simples
t escola popular para o cnsino da moral.
Fcil comprehender que com taes doulrinas
a predica s consiste em Ideas vagas o abstractas
] sobre a existencia de Deus c a immorlalidade
i da alma ; e como estes ossumplos logo esgota-
ram-see era impossivel repeti-los conlinuamen-
j te, sobpena de fatigar e desgosfar os ouvintes,
I aos quaes a rida moral acabou por enfadar, vi-
rnm-se os progadores obrigados a tratar em seus
serrados de objeclos os mais eslranhos cadeira
christaa, e pregaram sobre a natureza e vulgares
particularidades da vida, sem relaco com a re-
ligiao; como a agricultura, a industria, asdocuras
da primavera, o cuidado das covallaricas, o bom ou
mo uso do tabaco, ele. A deserro dos tem-
plos c o desprezo aos pastores, qu lornaram-se
para todos um objecto de enfado e desgosto foram
a consequencia deste cnsino.
este o systema que em Genebra prevalece ha
mais de um secuto, nao todava sem alguma op-
posiQo da pirle de alguns defensores fracos c
pouco numerosos da antga f calvinista, e que
sao mais ou menos embebidos do mesmo espiri-
to ; e com quanlo ainda haja um grande numero
de partidarios da veneravel companhia, comeca
coratudo a ser elle exced'do pelas novas tenden-
cias, uma das quaes aprsenla um carcter ainda
mais assustador, saber, o pantheismo, e a nu-
tra lancou-se pelo contrario no myslicismo dos
Wesleyanos c dos Moniers. Entretanto perpetua-
se o racionalismo puro, e seus representantes to-
maram uma forca nova e mais negativa ainda do
que a do racionalismo antigo.
assim que o pastor Archinard lancou mo da
penna para tentar tambem livrar o christianismo
da douirina principal, que Ihe serve de base: a
divindade e a morte expiatoria de Jess Chrislo,
douirina que elle tem de chamar oioso(3). Nes-
le intuito exforea-se elle para provar duas cousas:
1* Que a expiaco de Jess Chrislo intil a
humanidade, que muilo bem pode salvar-se sem
ella.
2o Que se a biblia falla delta de principio fin,
Deus o permiltio soraente para que se accomodasse
cora oprejuizodoshomenssobrea necessidadedos
sacrificios sanguinolentos, e para melhor ganhar
poresla aceommodaco os filhos de Israel para o
cutio mosaico, e mais larde os Judeos e os Gen-
tos para o christianismo.
A primelra parlo da triste tarefa, que se pro-
poz Mr. Archinard exiga desde logo que elle ob-
servasse e allerasse a noco bblica do peccado ;
pois assim que elle comeca, poupando-se de
deflnl-lo de um modo claro" e preciso. Mas em
breve, proseguindo ni leitora do livro, se reco-
nhecc que o peccado seus olhos um simples
accidente, o nao um estado, uma depravaco ;
assim, hesita elle em avanrar se ha no homem
mais bem do que mal, ou ao contraro mais mal
do que bem (p. 9); e chama alToilamenle aecu-
sadoressyslomalicosda humanidade quelles, que
dizem, com o lestemunho do Espirito Santo, que
0 homem nasce com o peccado original, que
mo c corrompido. Desde eolio, nao poderia
ha ver para Mr. Archinard difficuldade em fado
do expiaco; o remedio, cm seu systema, deve
ser proporcionado ao mal, tal como elle o conce-
be : elle pois declara que a nica expiaco a do
arrependimento, por que. diz elle, o arrependi-
menlo urna pena, c uma pena sufficienle I (p.
130). {V
Pergunla-sc se fo seriamente que o pastor ge-
nebrense fez imprimir uma to louca heresia ?
Que I o arrependimenlo una pena sufficienle
para o peccado I Por que pois nao se apressa
ern comniniiicar esta dcscoberta aos nossos juizes,
visto como ella consideravelmente simplificara
cdigo penal c os Irabalhos dos tribunaes ?! Seria
por ventura a justica humana mais exigente que
a de Deus ?
E vede ainda uma vez o que respeilo desta
pensa o theologo racionalista : O peccador em
seu leito de morlc pode expirar por profundos
pezares uma vida inteira de desordens ; por que, i
reclamar urna pena infligida Jess Chrislo pa-'
ra as fallas commcttidas por elle, reclamar urna
pena dupla II (p. 130.) Assim, o homem que
se arrependo nao necessita da exposico do;
Chrislo.
Por aqui se concebe que a expiaco pelo san- i
gue do Deus-IIomem nao pode sor admitiida na
religiao de Mr. Archinard, e apenis aseusolhos
um louco erro, que convcm fi lalmente proscre-
ver da iheologia e da egreja. O processo que
emproga a accomodacao ; precesso muito sim-
pies, verdade, ao alcance de lodo o mundo, e i
muilo proprio para salisfazor as repugnancias
de cada incrdulo por tal ou tal verdade ; por que
nao ha uma s douirina, que nao soja possivel
reduzir nada por meio da accomraodaeao.
Eis aqui alera disso como Mr. Archinard trata
de accomodar a expiaco de Jess Chrislo. Co-
meca por minorar. Unto quanlo possivel, o
grande fado que domina a historia de toda a hu-
manidade,a pratica universal e constante dos
sacrificios sanguinolentos c expiatorios ;depois
do que, sera a menor prova crenc.a, que faz re-
montar Deus a origcni desses sacrificios, Men-
ga que se funda nos dados da revelaco o da
consciencia, oppe urna hypotliese, pela qual os
altribue em lodos os lempos e lugares uma
sorte de paroxismo fantico que chegaram
imsginaces enfermas (p. 79).
Tal pois aos olhos de Mr. Archinard a verda-
deira soluco deste difficil problema : como o
homem, cuja razo c consciencia repeliera inven-
civelincntc como injusta a subsliluicao do inno-
cente ao culpado, admitlio-a entretanto sempre
c por toda a parte como possivel, c pralicada co-
mo eflicaz ? o fructo de un paroxismo fan-
tico, responde ainda Mr. Archinard, que nao se
deixa parar pelo que ha de impossivel e ridiculo
em um paroxismo, que dura liaseis mi! annos. e
que procede com toda a calma o vagar da relle-
xo.
Tendo tratado como uma loucura a douirina
dassubstitiiico das victimas entre os pagaos, Mr.
Archinard declara que Moiss nccomnindoti-sc
com o prejuizo que sua nago recebra dos idola-
tras ; e que os apostlos, pregando a expiaco,
aecommodarara-se tambem uns com os prjimos
dos oulros. No que diz respeilo aos sacrificios
debaixo da loi antga, aflirma Mr. Archinard, sem-
pre sem provas, que Moyses, como hbil legisla-
dor, condescendeu com eslo coturae pago, charo
aos Judeus. (p. 38.) Como porrn poder-liios-
hia ser charo um costme vindudo culto detesta-
do do seusinexorareis opprcssores? Nao ma-
nifest, segundo o xodo (cap. VIII, v. 26), que
seus ritos, longo de sorom urna imitaco dos dos
Egypcios, eram ao contrario odiados' dosles, e
que por conseguinle tenhara illes levado para o
(3) A douirina dos sacrificios, considerada
relativamente a Jess Chrislo. p. 104.
ga? Nao podemos ainda lr nc coraro dessa rao-
ca ; esperemos Dar julga-la.
Cerisette tomou o seu partido ; aceitn o almo-
co que j eslava pago. Emquanlo almocava, pe-
dio criada que the procurasse alguem que qui-
zesse comprar roupa de thcatro; esta fo-lhe
buscar um aJelo da cidade, que depois ter exa-
minado por todos os lados o vestuario offereceu
por elle 50 francos. A criada gritou logo que ia
procurar os actores que dariam muilo mais: 0
adolo oferoren enlo sesscnln francos, e Cerisel-
le que sabia bem que os comios de Montereau
nao eslavam era posicjta de Ihe comprar a roupa
de marquez, cedeu-o por se.'.senla francos, com
a condico de que o adelo lh; ensinaria o cami-
nho para Svres ou Saint-Cloud.
Minha senhora, disse o adelo, o melhor ir
logo Paris; de 15 a levarlo Svres ou a Saint-
Cloud por dez ou doze sidos.
Mas para ir d'aqui a Pars?
Oh nao fallara carros, disso a criada. s
onze horas parte ura, e se a senhora quizer vou
toroar-lhe um lugar que cusa___ nove francos.
Eolio leve-me comsigo. porque a minha
mala j esl prompta, e no tenho necessidade de
ficar aqui mais lempo.
Cora lodo o gosto, minha senhora.
E Cerisette metiendo o dinheiro na algibera,
! cora o seu embrulho na mo acompanhou a cria-
da que a levou ao escriplorio das seges publicas,
1 onde a que a partir para Paris j eslava appare-
i litada.
I A moca hesilou um momento ; nao sabia se se-
! ra melhor ir para uma cidade que nao conhecia,
i ou voltarpara a eslalagem rio Tendo sem chifres.
\ Mas lembrou-sede Chatouill, de sua conduela
para com ella, e disse comsigo:
Indo Pars, nao estarc longo de Bagno-
let; podere ir ver o Sr. Sabrctache, que me
mostrou lo vivo inleresse, o que rae dir o que
devo fazer so Angely nao fr ao parque como
promcltcu. Alera disso conservo o meu raeda-
Iho e tenho na algibeira a dama da ouros. Va-
mos, viajemos : taires, que esta sege rae approxi-
me de meus pas.
E Ceriselle subi ligeiram;nle para a sege que
devia leva-la fl Parts.
Egypio esses ritos que seus pas haviam pratica-
do na trra de Chanaan ? Por que razio alcm
dislo Moyses, que na hypothese deMr. Archinard,
devena como hbil legislador empregar todos os
raeios para reduzir o numero de seus sanguino-
lentos sacriOcios, multiplicou-os com uma sor-
ic de profusio, e nao tomou em sua lei ceremo-
nial, alguma medida para encaminhar insensvel-
mente seus compatriotas a purificaren) seu cul-
to desses pretendidos restos do paganismo ? Em-
fim, por que razao Deus, que de edade cm edade
inspirou p.-ophetas no meio de seu povo, nao
deu a alguus delles a misso de operar uma to
necessana reforma, anles pelo contrario dirigiu
por Malachias, o ultimo de todos, severas cen-
suras aos Judeos por desprezarem e nao cuida-
ren) dos sacrificios?
Se pois impossivel ver uma aceommodaco
nos sacrificios anligos, o Ihese de Mr. Archinard,
sobre a raerle de Jess Chrislo, esl necessa-
namente destruida : fui pregando que Elle le-
vou sobre o madero da cruz os peccados dos
horaens, e os apostlos nao poderam accomrao-
dar-se com prejuizos, que nao existan).
A justica de Deus fornecc Mr. Archinard uma
outra difficuldade contra a expiaco ; elle a aecu-
sa de allacar a esta justica. Feita aos unitarios
inconsequentes, que admitiera a morte expiato-
ria do Chrislo sem erar em sua eterna divin la-
do, ou antes seus irmos socinianos da compa-
nhia, esta objecgo do ministro poderia ser fun-
dada ; porqu seria injuslo punir uma crealura
innocente em lugar de outras crealuras culpa-
das ; mas esla objeceo nao deve sor feita aos
catholicos, por que para ellos Jess Chrislo nao
e urai crealura, mas sim o Creador, o Flho cier-
no do Padre, Deus manifestado cm carne, o juiz
dos homens, que em seu inefiavel amor veio
ierra soffrer pela humanidade perdida a pena
que Ihe merecern) as iniquidades dos homen'
A par de todos estes erros Mr. Archinard deix
escapar em termos formaes esta culpada e teme-
raria aecusaco contra a Escriptura Santa
Deus deixou em sua palma urna mistura do
erros e ideias falsas. Um systema, que ne>a a
inspiraco e a divindade dos santos livros, e^uc
s pode esteiar-se sobre as ruinas da revelaco
e julgado por isso mesmo. M. Archinard. *di-
zerido-nossua ultima palavra, na qual trahe-se e
resume-se todo o seu pensamento, pronuncion
sua propria condemnaco. Cumpre-nos nica-
mente lembrar a de Deus ao pastor infiel : Se
alguem vos annunciar um oulro Evangelho, que
no o que vosannuneiamos, analhema sil.
Existe na egreja de Genebra urna outra seila
racionalista, cuja precursor foi o proessor Mr. Che-
neviere, e cujo chefe actual Mr. Schrer ; esco-
la esta, que tomou sobre si arruinar o christia-
nismo por uma outra via. Ella tem pensamen-
los extravagantes respeilo da inspirado das Es-
crituras e .da authenlieidade dos livros sanios.
E' una escola poderosa era negar, mas fraca um
affirraar, hbil em suscitar duvidas, mas impo-
tente para resolvel-as ; dcxlra em abalar e de-
senraizar a fe, mas incapaz de offerecer aos ho-
mens uma base firme, sobre a qual possara col-
locar ura p seguro. O manto do mais exage-
rado desmo, porem tambem o mais hvpocrita,
cahiu sobre as espaduas desses sectarios.
Os velhos socinianos apertaram-se as raaos
de prazor com a apparico desta nova forma de
incredulidade, que espa'lha as heresias, creadas
pelos Iheologos sceptcos da Allernanha,
Strauss c seus companheiros. O fermento obra
surdamenle e sem l/arulho ; e breve vira o dia
em que a Suissa protestante inteia admirar-se-
ha de ver-se sceplica, o nao tendo mais nem
mesmo sombras de christianismo. As deplora-
veis_ doulrinas, implantadas pelos incrdulos Al-
ternaos, leem j feilo bastante progresso, sem
que mesrao os orlliodoxos do protestantismo o
saibam. Dizemos sem que o saibam, por que es-
ss falsas doulrinas nie se appresentam aos cr-
dulos face face, nem proclamara sua falsidade ;
nao emboceam a Irombela, nem procurara do-
minar sobre a heranca dos reformadores ; appro-
ximum-se (enlmenle e de um modo insidioso e
plausiycl, e proprios para desarmar a suspeita
impedir aos mais previdentes a dc-feza.
Os cheles desta escola pnrccem ter lomado por
divisa a mxima de Vollaire : Apprendei a d-
vidar; comecara porensinuar duvidas quanlo
posicio, que se deve lomar a respeito da reli-
giao ; perguntam se deveis ser lao positivos af-
lamando que a mentira esl aqui e a verdade
acola, se tendes odireito de pensar mal das pos
sas, cujas opinides differem das vossas, por
quanlo podem ellas sor to boas como vos
Debaixo da formula dequestes, cnlicam com
destreza as epstolas de S. Paulo, aflirmando
principio que tal e tal texto nao inspirado; que
lal livro apocrypho ; e chegant finalmente a
negar s claras a inspiaco de quasi lodos os
livros do Novo Testamento', chamando aos dog-
mas, fundados sobre a revelaco dos amigos que
viram, uma Iheologia, estrella, uma bealice.
Urna outra seila, formidavelmente crescida,
a dos Myslicos c dos Momiers. Estes sectarios
tecra ideas estravagantes respeilo da egreja.
Segundo clles a verdadeira egreja coraposta
somente dos regenerados, que creem no Senhor
Jess, isto dos eleitosde Deus,dos nuivertidos,
entre os quaes pode-se discernir a eseolJia do
Deus Padre, a eluso do sangue de Deus llho, a
obra sanlificadora de Deus Espirito Santo. Fica
enlendido que estas qualidades s se encontrara
nos individuos que pertencem ao protestantis-
mo : d'onde se segu evidenlemcule que lodo o
protestantes pode ser niembro da egreja de Je-
ss Chnsto, quer seja calvinista, quaker, mo-
ravio, irwingista, sociniano, darbysla ou luthe-
rono, visto como todas eslas scitasfazera prolis-
so de crer em Jess Chrislo, cada urna de sua
raaneira. Trata-se uuicamente de desUnguir en-
tre lanos individuos diversamente diil'erentes a
escolha do Padre.
Porgunta-se aos momiers de Genebra como po-
dero ellos fazer esla dislioccio ? Cada protes-
tante dir-lhes-ha que um eleilo, piovsr-lhes-
ha quo foi convertido em lal auno,tal mez.tat dia,
lal hora, e que o Espirito Santo habita nelle.
Aos olhos estes senhores pouco importa crer
nos dogmas fundamentaos do christianismo, por
quanlo O christianismu para ellos nao tem dog-
mas ; crer ou negar a presenca real, uma ba-
ga tel la ; admillir ou nao os sacramentos, nada ;
servir-so de uma lilhurgia ou nao te-la,6 exacta-
mente o mesmo. -Nao obstaolo tantas divises,
cada protestante pode ser membro da verdadeira
egreja ; sao todos conduzidos pelo mesmo espi-
rito ; todos edilicarm sobre o mesmo fundamen-
to ; todos bebem no mesmo livro : verdada
que bebem doulrinas oppostas urnas s outras ;
mas nio isto que serve de obstculo ; hasta
que o livro seja o mesmo, e que possara todos
dizer cora um mesrao coraco. em suas respacli-
-*- *
vas capeilas Alleluia, e com a mesma voz res-
ponder : Amen I Amen I
Nio comprehendemos como o quaker pode res-
ponder Amen oracao do irwingista, nem o rae-
thodsla do episcopal ; mas que importa ? is-
to nao diz respeito nos oulros idolatras.
O Sr. Dr. Malan, cujos tristes Irabalhos nossos
irmos catholicos conheccm, um dos chefes
desla eslravagante egreja. Eis-aqui, como se-
gundo este reverendo senhor, entra-se nella ;
Desde o instante, em que qualquer arrepende-
se e er que Jess Chrislo o resgslou, lorna-se
niembro da egreja, mesmo sem receber o baptis-
mo, ou sem approximar-se nunca dos sacramen-
tos, anda (piando tivesse sido excoramungado
por minisirosregularmeiile ordenados,e posto fu-
ra das regraa da egreja eslabelecida. Esla
phaiitastica egreja, composta de elementos lo
heterogneos, enlrelanto aos olhos do Dr. Ma-
lan a unir verdadeira egreja catholica, a egre-
ja do symbolo dos apostlos, a egreja catholica
e apostlica do concilio de Nica, a egreja,
qual Jess Chrislo prometteu que nunca as por-
tas do inferno prevaleccro contra ella. a
nica egreja, que possue a unidade, a santidade
e a antiguidade. Urna vez cumpridos os precei-
los desla egreja, ninguem pode raorrer, est sal-
vo para a eternidade. A escolha do padre e o
poder ordinario do Espirito Santo cercam e en-
cercam como cm um jardim fechado os felizes
membros desla egreja. Nenhum osso deste re-
banho do Chrislo ser quebrado, nenhum desles
cordeiros do aprisco do Salvador Ihe ser ti-
rado.
Mas onde esl esla linda greeja ? Eis o que
S. Paulo o outros apostlos? Se elle quiz mor-
rer foi tambem para mostrar que era o enviado
de Deus. Alm disto, nio manifest que se o
Filho de Deus um simples enviado, elle s tem
sobre os anjos e mesmo sobre os apostlos uma
superioridade de mrito e nao de naturezal El-
les lodos eslao na mesma escala quo o Filho de
Deus, que nicamente por um certo numero do
graos delles separado. Cora effeito, os anjos e
os oposlolos sao lambem enviados, como o pro-
prio calhecismo tem o cuidado de dizer-nos.
Lemos no Evangelho que os Magos, tendo-se
sjnclliade, adoraran) Jess Chrislo. E como a
adoraoo s se rende Deus. e como este texto
prova a divindade de Jess Chruto, a veneravel
companhia o traduz assim : Tendo os Magos en-
trado, acharan o Menino com Maria e teste.mi -
MiAitAii-mi ierro nEsi'Eiro.
Depois dislo faz o calhecismo a pergunta :
O respeilo que os ilagos teslemunharam
Jess Chrislo nao deve servir-nos de exem-
plol
Sim, devemos respeilar muilo Jescs, vis-
to como sabemos que elle veio da parte de
Deus.
A mesma porgunla poder-sc-hia fazer aos Is-
raelitas respeilo de Moyses, por que elle era
tambera enviado da parte de Deas.
O que observaes na conducta de Jess pare,
com Jos e Maria?
Resposla. Ainda que Jess tivesse de
cumprir ura da, um divino ministerio, que de-
L!f? os "ossos n-.ethodislas : Sao pouco via elcva-lo muito cima de seus pae*. elle mos-
T'rIS^: Um T'* d,,u*acol. dous ou Iros irou-se sempre respeilosc e submisso mora com
algures, alfiuns nesta parochia, outros naquella.! ellos
nhtndirli'.VTm f'"Pl*.V?a cssas iias 0 Se" D'onde se segu que o que elevo* Jsiis cima
nhoi, escolh.das para bnlhar na gloria cierna, de Maria e de Jos, nao foi sua natureza, e sim
quando liver lugar a manifestarlo do Filho de
Deus, nao se far mais questo" de episcpaes,
nem do presbiterianos, nem de mcthodislas.
Urna s egreja ser chamada a egreja dos esco-
llados, a egreja creada por Jess Chrislo, ou an-
tes... pelo cerebro de Mr. Malan.
pena que todas estas bellas theorias sejam
simplesnienle sonhos cos, porque bem pouco
preciso para ser membro desla egreja, e nao se
pode adquirir a salvaco com menos trahalho.
Enlrelanto Mr. Malan declara-nus que ninguem
pode salvar-se sem pertencer esta egreja.
Emqoanto nao livermos entrado nos atrios desse
templo, seremos apenas almas perdidas ; bem
pederemos ter a forma exterior, o involucro, a
libr da religiao, mas nao possuiraos deila a
substancia e a vida.
O Rvd. Dr. Malan vollou os olhos para osqua-
tro ponlos cardeaes do mundo, c viu um grande
numero de egrejas : a de Inglaterra, da Irlanda,
da Escossia ; a Humana, a Grega. a Armenia, a
de Genebra, etc. Feilo este exime, sentenciosa-
mente declara-nos do alio da cadeira de seu tem-
plo, que rienhunia egreja da ierra tora o direilo
de dizor : Nos sos leaos a verdadeira forma
do culto, o verdadeiro governo ecclesiaslico, os
verdadeiros sacramentos e a verdadeira maneira
seu ministerio, isto o ministerio que e^o exor-
ecu da parle de Deus. O mesmo pde-se dizer
ainda de Moyses e S. Jlo Baptisla, cujos minis-
terios elovaram-os cima de seus pais.
Nao devenios orar em nome de Jess
Chrislo?
Resposla.Sim; uma homenagem que
Ihe devenios.
Ora, esl provado que o Evangelho nao ap-
presenta como uma homenagem o recurso Je-
ss Chrislo; mas sim como um dever, corno urna
necessidade. Os chrislns assim o invocan) (Act.
IX, 14, 21) ; s por elle somos nos altendidos, o
elle proprio o disse Tudo oque em meu nome
pedirdes, fa-lo-hei. (Jlo XIV, 13.)
Para quo subi Jess ao co?
Resposta.Para receber
suas virtudes.
Assim, o Filho do Dous, o Creador, frDrus,
que est cima de lodas as cousas, subi ao co
nicamente, para receber a recompensa e suas
virtudes. Eoqtse tambem diz de llense de
Elias o mesmo calhecismo. A cor>sequencia apia-
na patcnlea-se por si mesma : Jess uma na-
de celebrar o officio divino.Nio v nenhuma ,,,reza> co'"0 ses prophetas, que devia recete-
palavra bblica, que ordene s egrejas visiveis i os,a recompensa per suas iirwrfe?
que tenhara tal t>u lar forma de governo, e que o mesmo
Ihes prohiba outra, ou que obrigue os cliris-tlos a iaPa0 e R
fazerem uso da lilhurgia. Nenhuma egreja, diz I sem duviaa
o nfallivel Malan, lera na trra o direilo de di- mpn, cahir h-,. r.-j.
m:,,:tena0no'.H'rn^R-rr3 ^Z^ll aT"" ^'^ ^^^J^^SSUSS
!.' ^. Prnu'ssa.:,1Su*"a 1e Ella torna-Ibes inintelligivel a queda,, a rdeme
garanta a duraeao de alguma egreja vis.vel, e ,ao, a obn c Jcsus c||"!ist eo^bi,,^^^
O mesmo cathecismo passa em silenrio a lei-
a e Ado. Esta grave omisso lem
por fim fizer crer aos fiis que o bo-
da de Ruma menos que de qualquer outra ; por-
que aos olhos do Dr. Malan, corre aos christos
o dever de separarern-se dola, com modo de
lornarern-se parlicipanies d seus peccados e do
castigo que os aguarda. Entretanto Mr. Malan
digna-se admillir 411 e alguns poucos merabros-
da egreja romana possam sor salvos ; mas tem o
cuidado de dizer-nos que ella uo digna nem
o> enanismo prepara-os a seren simples destas.
Eis aqui, por exemplo, como exprime-sc o dilo
calhecismo respeilo do peccado de nossos- pri-
meiros pais, reduzmdo-o s proporces de um
fado ordinario :
a Y.vujulgou que seria mais feliz se enmesse
do fructo da arvore da vida... Deus castigou
mesmo de servir de concha ao precioso ncleo Ado e Eva, expellin de regenerados, dos qu&es compoc sua ptianlas- | e trocando era penioilissirans Irabalhos o traba-
tica egreja. Sena necessario ura volurae para iho fcil e moderado, quo anlos ostavam sub-
assignalarmos lodas as cstravagancias do palra-
dor da egreja do testemunlio
Mais cima fallamos das estravagantes doutr-
meltidos
E' islo que se reuzem segundo e6le formu-
nas, professadas pelos Iheologos da egreja offi- ''"io ns fcslas consequencias do peccado. Nao
cial de Genebra. Poder-sc-hia crer que os cor- |falls la*penas espinuaes, que seguram-o, mas
consultar o cathecismo, que ella ensina, o livro
de sua lilgurgia, os tratados de professores de
Iheologia, a verso das cscripluras, adoptada por
ella, as predicas de seus pastores, e thesc-;-
publicas, que suslenlam os aspiranles ao minis-
terio das almas sob a direcelo do seus professo-
res. Ora, quem interrogasso estes dilerenles-
monuraentos da crenca religiosa.Jadquiriria a aca-
brunhanle certeza do que arompaiihia inteira
dos pastores de Genetira professa unicamenleo
deismo e o ariariismo. Ahi untamos ou silencio
absoluto sobre esla verdade, ou opiuies que Ihe
sao formalmente oppostas.
Abro, o calhecismo oflicial da egreja de Gene-
bra. A esla porgunla:
Que signicam eslas palavras: creio em Jess
Chrislo filho de l)eus?->
O calhecismo respondo : Significan) que Je-
ss Chrislo. o nico enviado de Deus, que uie-
recra ser chamado seu Filho.
D'onde resulta nao s que o titulo de Filho de
Deus significa enviado, mas ainda que anles de
ter merecido este titulo, islo anles de ter vindo
trra, Jess Chrislo ainda nao o possuia. Com
efieito, ocathecismo ou instrui-o sobre a religiao
(Genebra 1813), adoptado pela companhia, ensi-i mais de 6,000 annos.
na que o Salvador deve esle Ululo seu mila-
groso naseimento. Entretanto, o mesmo Senhor
disse : Meu Pai, glorilicai-me em vos mesmo
com aquella gloria, que em vos eu live antes de
ser croado o mundo (Joo XVII, v. 5.)
Em segundo lugar resulta desta resposla que
aquelle cuja origen da antiguidade, desde os
dias eternos liliqueas W1I, 5), e que no princi-
pio era Deus (Joo I) anda nao exista anles de
nascer nesle inundo.
Nao deve pois admirar que esse formulario ra-
pio diga pagina 87 que a Ascencao de Jesw
Chrislo, abrio-lhe o< evos, porqua segundo a
opinio da comp-mbia, elle ainda ahi nao tinha
estado, ou melhor. so exista anles, viva ara
uma condico inferior que mereceu nese
mundo.
Na pagina 77 o mesrao cathecismo declara
que Jess Chrislo bem mos'rava por seus mi-
lagros que era enviudo de Deus.; e mais adiante
em o poder, que moslrou resusrilando a Lzaro
provava lambem que elle era o enviado do Se-
nhor.
Nao se-pode dizer o nesmo.de Elias,. S. Pedro,
neviiavel das tcis geraes c necessarias, quo
Deus manlem para o maior bem do universo.
Nao sao mais as desordens a consequencia do
peccado toi por tanto Deus, quem desde o
principio fez o mundo '.al como est !
A companhia declara alm disso que ha dous-
meios do adquirir o lonhcciment da religi :
a razo e a revelado. A superioridade da
1 razo humana sobre a revelarlo um tacto
i constante neste calhecismo, e esta a razo por
I que elle s ensilla o que a razo comprchendn o
approva. D'ahi nascein as lacenas-e erros deste
livro miseravel ; d'ahi nasce anda eraeienelis-
mo inconseqiienle, quo o caracterisa, e qua tem
sido algumas vezes chamado racionalismo gene-
brense. Esta superioridade da razo lo pouco
disfarsada, que a revelaco, era mesrao r.os as-
sumples, onde s ell 1 pode instruir-nos, esca-
lada ; como por exemplo nesta questo :
< Quando foi creado o mundo ?'
O calhecismo responde :
Parece, por tedas as histerias, qua podera
merecer f. que a origera do mundo nao monta,
('s protestantes de Genebra cliamam calumnia,
quando os catholicos francezos- aecusam-os de
falsificaren) as Esoripturas para appoiarem seus
erros. Muitas vezes leem-nos elles desaQado
para que mostremos uma s alleraclo em suas
reines, convidando-nos a enirarmos om ciinfe-
rerveia com elles este respeilo. E' agora a oc-
casiio de mosirarmos quo justo motive teem
elles de se indignaren), e se merecemos o nome
de calumniadores, quando dizemos e :>' elles
leem falsificado e mutilado as Santas-Ksc-ripturas.
Para isso vamos comparar a antga biblia ge-
nebrense de Calvino cora a de nossos socinianos,
iraduzida cm 1805, e na qual muitos Irechus re-
lativos Jess Chrislo foram alterados, e apren-
sentara um sentido ditferento d'aquolle, que offe-
recem as amigas versees genebrcses, e mais.
ainda as versos eatholicas. Citaremos apenas,
alguns cxemplos, quo- collocaremos parallcla-
mente para facilitar a ronfrontacoo, destinguindo
por caracteres itlicos as palavras, que fecam
falsificadas
ICoMiinuar-se-ha)..
XVIII
O parque de Sant-Cloud.
Cerisette fez a viagera de Montereau Paris
sem accidento algum ; na sege s i.ini pessoas
muito oceupadas com os seus negocios; ninguem
roparou na linda mofa que viajava ainda to no-
va, sem companhia esem protector.
As oito lloras da noile, Ceriselle apenu-sc cm
um palco, cheio de seges de todas as iimensos ;
ninas descansando, outras promptas para parlir.
Muitas pessoas andtvam de um lado para oulro
do paleo, muito otarefadas ; os mocos de recados
agarravam as malas e caixas ; osjostlhdcs pra-
guejavam, os conductores gntavam, os viajantes
pediam as suas bagagens No meio dessa genio,
desse tumulto que a alordoava, Ceriselle que nao
precisava de moco de recados pora Ihe carregar o
embrulho, p-lo debaixo do braco e piocuron
romper por entre esses carros, cavallos o indivi-
duos que andavam de ura para oulro lado nosse
immenso pateo ; foi obligada a pisar na lama, o
que a fez dizer coinsigo :
Pciise que Paris era mais accado ; mas es-
te paleo paicce-se muito cora o do Veado sen
chifres. Ceriselle apenas sabio do pateo das se-
ges I.afilie c Cailhrd, deu comsigo em uma ra
por onde passava ainda mais gente, e onde as se-
ges ostavam todas om acllvidade. Anoleeera. Ce-
risette enlrou cm uma luja ; era ura padeiro
vender bolliuhos, ou ura paslcleiro vender pao.
Pouco Ihe imporlou isso ; comprou um enorme
bollo aovado, e emquanlo o comia pergunlou on-
de poda achar uma sege que a levasse Svres,
ou Siinl-Cloud.
Nao ha nada mais fcil, disseram-lhe, siga
esla ra adianic c pergunte pela ra de Rivoli...
Ahi ver o escriplorio das seges que vo Svres
o Saint-Cloud.
Mas noile I Os carros andam de noile?
Para Svres ha al raeia noite.
Cliegarei de noite a um lugar que nao co-
nhorto, disse Cerisolte comsigo, mas em toda a
parle devem haver eslalagens.... I. devo ser
mais barato que aqui, onde lambem nao conheco
ninguem, c amanilla logo podere ir passeiar no
parquo onde Angely prometteu encontrar-se co-
migo ; se que nao escreveu isso para zorabar
de mira.
A joven viajante chegou no lugar que the in-
dicaran); era noile quando enliou no escriplorio
das seges.
Havia ali algumas mulheres que olharam para
a moca cora cara de pouco caso ; depois um su-
jeito, j de edade, muilo bem trajado, de rosto
grave C deslindo, que nao levantar os Olhos pa-
ra ella ; e ura mogo elegante que. fuma va ura ci-
garro passeiando do ura lado para oulro.
Cerisette dirigio-se ao escriplorio a- pedio ura
lugar.
Onde vai, mademciselle ? disse o emprega-
do do esc.iiptoro.
A Svres ou Sajnl-Cloud, senhor.
Mas a qual desses dous lugares quer ir?
E' rae indiffereiil., senhor.
E tambora a mira, maderaoiselle : tenha a
bondade de decidir-se.
A resposla da joven viajante fez com que as
outras mulheres sr.rrissora, eoni que o sujeito ve-
l.ho erguesse os olhos, c cora que o mancebo v-
rasse a cabe;a e so pozesse a olhar para Ceriselle
com mais alloi^o. Esla anda pareca indecisa.
O sujeito velbo aoproximou-sc deila o disse-lhe
com ar benvolo :
Enlo, nao sabe-, mndemoiselle, sa o seu
negocio em Svres ouem Saini-Cloud ? Prbva-
velnienle conhece gente ern um e oulro lugar, e
enlo Ihe- indilTeicnle ir casa de uri3 ou de
oulros.
Ceriselle olhou tmidamente para c-.-tse homem,
cujas feicoes erara bellas, cuja physionomia era
severa, mas que tinha nos olhos uma expressao
animadora. Respondeu-lhe :
O que eu lenho que fazer, senhor, nao
nem em Svres nem em Sain'.-Cloud, no par-
que.
As viajantes abafaram as risadas com o lonco:
o mancebo poz-sc a escular ainda com mais al-
inelo. O interlocutor de Cerisette replicn :
No parque ? Mas nao pode l ir esla noite
porque ha de oslar fechado quando chegar.
Oh I nao senhor, s re amanhaa qual-
quer hora do dia. E' por isso que me indiffe-
rcnlc ir i Svres ou Saint Cloud. Desojara
apenas ficar onde fosso mais barato.
Ento. v Svres, mademoiselle.
Ceriselle segnio-lhe o conselho e tomou um
lugar para Svres. As pessoas que ali estavam
iam todas para Saint-Cloud ; deixaram o escriplo-
rio onde (icou a joven viajante. As mulheres co-
chicavam entre si; o mancebo deilava-lhe o tu-
ndo, sorrindo, e o homem idoso cumprimentou-8
pulidamente dizondo-lhe :
Boa viagero, mademois.elle.
E parou como se tivesse volitado de dizer-lhe
mais alguma cousa ; porm chamaram-o para o
seu lugar, o que o impeda do fallar con) grande
pezar de Cerisette, que senlia nao P t? por cora-
/
panheiro de viagera, nem Ihe haver perguntado
para quo eslalagem devia ir quando chegassu
Svres; mas j nio era lempo; o heracro -
nho-so retirado.
Quantas cousas ha na vida em que so pensa
muilo tarde, eque mudanza na nossa existencia
se 3ompre dissessemos o que nos vera ao pensa- '
n-.cnlo em cortos momentos 1
Ceriselle foi distrahida dessas idas pela voz
do conductor. Puni a sege para Svres; a moca
olhou cwn curiosidade par a rotunda em que
tomou lugar, mrs eslava s, inteiramente s du-
rante a viagera; nio tinha vizinhos incommodos
ou indiscretos; podia deitar-so, estar volitado-,
o que lez sem duvida, por que d'ahi, a pouco es-
lava dormiudo.
Chegamos, mam'zella, loca a apeiar! gri-
lou-lheuma voz abrindo a porlinhola.
Ceriselle acordando em sobresala estregn os
olhos, e sou be com admiraco que eslava era
Svres.
Apeiou-se, poz o sen embrulho debaixo do
braco, olhou era torso de si e s vio uma ra. sem
luzos, sem lujas abortas, de modo quo pareca
ser mcia noile.
Parece qu a gente desta torra dota-se ce-
do, disso comsigo Ceriselle; deve scc quando
muilo dez horas. Quera mo ensinar. uma esla-
lagem ?
Pode dormir na nossa casa, minha senho-
ra, disso uma criada que sabia de uma casa, dc-
fronle da qual Cerisetlo parata. Nos podemos
dar-lhe um quarto.
Eslou longe do parque '?
Fica ali defronte.
Enlio ficarei em sua casa, mademoiselle.
Veio s ?
Vim.
Nao trouxe comsigo um moco?
Nao, mas venho espera-lo aqui.
Ah I cu bem dizia___ Uma moca como a
senhora. Espera i seu marido, nao?
Cerisette disse comsigo que quando era criada
de eslalagem era menos curiosa e menos laga-
rella.

(Confinuar-se-Aa.)
PERN. TYP, DE M., F. DE FAiUA. 1860


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4OM6B0LX_JM9V9U INGEST_TIME 2013-04-30T22:50:43Z PACKAGE AA00011611_09123
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES