Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09122


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AVIO XXXVI. NUMERO 17!.
Por tres raezes adiantados 5$000.
Por tres mezes vencidos 6$000.
QDARTA FEIEA 25 DE JLHO DE 1860.
Por anno adi.-tn.ado 19$000
Porte franco para o subscritor.
E.VCARREGADOS DA SUBSCRIPTO' DO NORTE*
Parahiba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lomos Fraga; Cera, o Sr. J.Jos de Oli-
veira; Maraoho, o Sr. Manoel Jos Marlins Rbei-
ro Guimares; Piauhy, o Sr. Joao Fernandos de
?.Ioraos Jnior; Para, o Sr. Justino J. Hamos;
Amazonas, o Sr. Joronvmo da Costa.
'AIWIDA UO.-> LUUKhlU.-i.
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do dia.
Iguarjss. Goianna e Parahiba nas segundas
e sextas feiras.
S. Anto, Bezcrros,Bonito, Caruar, Altinhoe
Garanhuns nas Ierras feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira.lngazeira. Flores. Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex nas quarlas-feiras.
Cabo, Serinhem, Rio Formoso.Una. Barreiros.
Agua Preta, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
I o los os correios parlorn as II) horas da manhaa.
EPHEMERIDLS DO MEZ DE JULHO.
3 La choia a 1 hora e 47 minutos da manhaa.
11 Quarto minguante as 3 horas e 38 minutos
da manhaa.
18 La nova as 12 horas da manhaa.
25 Quarto crescente as 3 horas e 5:0 minutos da
manhaa.
PREAMAR DE HOJE.
Primcin as 10 horas e54 minutos da manhaa.
Segundo as 11 horas o 18 minutos 'la tarde.
AUDINECIAS DOS TRIBUNAESDA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relaeo : lerdas feiras e sabbados.
Fazenda: ierras, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quintas ao meio dia.
Dito de orphos: trras e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civil: tercas o sextas ao meio dia
Segunda vara do civil; quartas e sabbados
meio dia.
ao
PARTE 0FF1CIAL
- Govcrno da provincia.
EXPEDIENTO DO DIA 23 1>E JU.II0 DE 18G0.
Officio ao l)r. chefe de polica.Se hem que o
relo de ser guarda nacional uno constitua por si
s isencSo legal do recruiamento para o exordio,
reconhecida por lei, como por diftVronlcs vezes
lom declarado o governo imperial, convm toda-
va que se dispense toda a equidade a semelhante
respailo para corn os guardas nacionaes que, far-
da los c promptos para o servico, se tnruam in-
contestavelmente dignos daque'lla equidade.
Por isso recommendo a V. S. que providencie
em ordem i que os encarrogados do reerutanient'>
nao recrutem guarda nacional algum que soja por
ellos reconhecilo como tal no acto da prisao,
corto de que a recommendaoao que ora faco de
novo ao comman lano superior da guarda nacio-
nal desla capital produzir o effeilo desojado de
screm-me apresentados, ou apuntados ao ollicial
cncarregado do recru la ment polos respectivos
_ commandantes aquellos guardas que, por seren
roniisos ao servieo, ou por oulras qualidades,
nao podoni rasoavelmenle ser considerados como
teem direilo de serem os que se porttil por mo-
do dillVrenlo.
ltocommendo a V. S., oulrosim, aos cncirre-
gados do recrutamento, alias indisponsavel para
jireencher-so as filoiras do exercit), que prore-
I un a ella com lodo o criterio e moderacao, de-
vendo V. S. fa/.or cossar o recrulainenio logo que
esleja prcenchido o numero de recrulas que, na
forma da ultima destribuico, deverdar cada fro-
guezia.
Dito ao commandanle superior da guarda na-
cional do ltecife.Para que se possa dispensar a
equidade a que teem direilo de nao serem recrula-
d.is para o exercito os guardas nacionaes fardados
o promptos para o servico, convern que V. S.
providencie de modo terminante para que pelos
commandantes dos respectivos corpos me sejam
apresentados, ou apontadosao official cncarrega-
do do recrutamento nesta capital aquelles guar-
das do seus corpos que por seu mo comporla-
mento, uu porque sejam remssos ao servico, nao
estejam no caso de morecercra a equidade que
compre dispensar para com os que se porlam na
guarda nacional de maneira digna e louvavel.
Dito ao mesmo. Ao officio de V. S. de 21 do
crreme, sou n. 114, respondo dizendo-lhe que,
nao constitaindo isenoo legal do recrutamento
simples faci de ser guatas nacional, nao pode
ter lugar a pretendi de Marcelino Francisco da
Luz por ler j.i assentado praoa, c nao poder ser
delta dispensado nos termos do regulamenlo do
1." de niaio do 1858, se nao provando isenco le-
gal no praso all marcado.
Dito ao commandanle das armas De conformi-
dad. com o qoe requisitou o commandanle su-
perior da guarda nacional deste municipio em
-Hicio de 21 do correnlo, sob n. 171, mande V.
S. por em liberdade, embora estoja com praca,
o ri-cruta mbclino Jos Jacques de Oveira,
visto que msico contralado do 6." balalhao de
mi miara da mosma guara nacional, e praca que
vindouios.Corarnunicou-se ao director a co-
lonia.
Dito ao inspector do arsenal da marinha.In-
sistindo a administracao geral dos estabeleci-
tos de caridad na troca das duas Africanas ac-
lualmenre empregadas no casa dos exposlos, re-
commendo aV.S. que.niio obstante as razoes pon-
deradas em sua informaco do 16 do correnlo,
sob n. 293, mando roalisar a troca de que se
trata.Communicou-se a administracao geral
dos eslabelecimentos de cariladc.
Diio as mosmo.Para cumprmenlo dodispos-
lo no aviso da reparlico de marinha de 11 do
corrente, conslante da" copia junta, ordene V. S.
ao operario de l.classe da olficina de polieiros
desse arsenal, Manoel Mxico do Carmo, que se
aprsente no quartel do coramando das armus
alan de ser inspeccionado.
Dito ao commandanle do corpo de polica.
Paca V. S. apresenlar amanhaa ao Dr. chefe do
polica oito iracas comnianndadas porum infe-
rior afim de escoltarcm dous crimfuosos do tor-
mo do Cabo para o da Escoda.Communlcou-so
ao chefe de polica.
Dito ao mesrao.Exijo de V. S. que me re-
meta urna relaeo nominal de todos os volunta-
rios, que foram alistados no corpo sob seu com-
mando do Io do crrenle mez at osla dala, de-
clarando so todos ou alguns delles existera no
corpo, ou furam destacados para o interior da
provincia.
Dito aomesmo. V'vista de sia informaciio de
21 do correnle, sob n. 387, mande V. S. dar
baixa ao soldado de seu commaudo. Jos Joaqnim
do Espirito Sanio
Diio ao mesmo..V'vista do attestado junto
informaciio de V. S., dista dala, sob n. 290, au-
loriso a engajar ao servido do corpo sob seu
rommando os paisanos Joo Deoclecio da Silva
Paulo, e Manoel Soares da Silva, apresentados
com o seu citado officio.
Dito ao mesmo.Mande V. S. dar baixa no
caso do j ler asscnlado praoa a Theophilo Alves
da Silva.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Devolvendo V. S. o requerimento do professor
do instrueco primaria da povoaciio do Peres
Julio Luiz da Silva l.eria, a que s'e reforo asna
informaciio de 20 do correnlo, sob n. 306, o au-
lorso a mandar pagar o que se Ihe estiver a de-
ver do augmento do aluguel da casa, em que lem
a sua aula, a contar da dala da lei provincia
n.429. que autorisa esse augmento, ateo dia em
que principiou o supplicautc a recebe-lo.
Dito ao mesmo.Mando V. S. pagar a Manoel
DIA* DA SEMANA.
23 Segunda. S. Apollinario b. m. ; S. Liborio.
2i Terra. S. Christina v. m.; S. Francisco Solano.
25 Quarta. S. Tiagoap.; S. Christovao m.
26 Quinta. Ss. Symphronio e Olimpio mm.
27 Sexta. S. Pantaleo medico ; S. Sergio m.
28 Sabbado. S. Innocencio p.; S. Nazario m.
29 Domingo. S. Anna Mi da M.ii de Dos.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCAO NO SUL,
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Bahia,
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, o Sr.
Joo Pereira Marlins.
EM PERNAMBL'CO.
O proprietario do pumo Manoel Figueirsa-
Faria.nasua linaria praca da Independencia as.
o e o.
continoo da thesouraria provincia Informe
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
896. Francisco V'erissimo Bandeira, profes-
sor publico da povoaco de Beberibe.__Pas-
sc-se, nao havendo inconveniente.
897. Jenuino Jos da Rosa, informe o Sr.
inspector do arsenal de marinha.
898. Mesa regedora da irmandade da Nossa
Sonhora do Rosario do Rio-Formoso. Infoi-
me o Sr. Ihesoureiro das loteras.
899. Jos Antonio dos Santos Collio Es-
pere por crdito.
900. Joo Pedro de Jess da Molla, lanca-
dor do consulado provincial. emeltido'ao
Sr. inspector da thesouraria provincial para man-
dar pagar na forma da lei.
Com esta medida, licavam lesadosos adminis-
tradores de conselhos, que deveriam ser indemni-
sados pelas cmaras raunicipaes. O projecto sof-
freu grande opposico. o no artigo principal del-
le, o governo leve apenas seis votos de maioria,
o que representa um cheque parlamentar. Em
seguida a este desar, poz.-se a votaoao um artigo ; pro lo fr'aca, que o astroi desapparecTa ioVe
adJicional o Merecido ultima hora pelo ministro los lios do retculo so illuminaram com a luz in-
da ustiea. A cmara dividio-se, sendo o re- dispensavel para a observacao; e como a intensr-
S ntL i S T." C 59 afaVOr* dade da lu* d0 M,ro f"' Pro'gressivamenlc dimi-
Desdelogo se declarou a crise. Sem :!- --*-
do una lilil recta pelas estrellas d o c da nossa donnio n mi .------------------
grande, e prolongando-se para a conslellacao de e comblp. **'*>
Gerainis, e enconlrava-se fcilmente o cometa.
Nao tendo ainla chegado o refractor parallati-
co, tenlou-se fazor as observadles eom o univer-
sal de Repsol ; porm a luz do cometa foi seui-
eslado a exoneiarao do gabinete. Esta foi-lhe
aui. Jos ihomaz de rreitas. Ao suppli-| aceita por el-rei com toda a friesa o sem a menor
ame nao se pode pagar ordenado seno cm vir- hesilaco.
maioria jnuindo, o que indicara ler ja passado oelo oeri- "-"'."'
nao se governa constitucionalmente, e essa desap- helio, por isso nao se pode observar de modo que "ril'Lj^Tf.
O '.. Joaquim Antonio de Aguiar, foi no do-
mingo (Io dejulho) ao paco pedir ao chefe do
L.
carceroiro
o Sr. toa-
Peros Campellode Almeida urna das preslaoOes. o Sr. inspector da thesouraria de fazenda
' ?!!! v' S.T.w!' i"'1"5 JC,!?rS f?Oa "a eS,ra- 916* ~ 7"M*> Ferreira do Nas.imeulo.
lude da ordem do thesouro. o ministerio tinha tambora perdido a confian-
. au-,' Arceliago Joao Jos Pcnira. Dri- ca do soberano, e se a demisso nao fosse pedida
ja-se fhesouraila de fazenda. el-rei contava dar-lhe na primeira occasio. Nao
903. Joaquim Jos de Almeid.\
da cadoia de Serinhom. Inform!
pcrior da thesouraria de fazenda.
904. Joo das Srntos Porto. -- Remotlido
ao Sr. inspector da thesouraria prcvincial para
mandar pagar na forma da lei.
905. Jos Polycarpo de Freitas. Informe
o Sr. Dr. juiz dos feitos da fazenda nacional.
906. Jos Domingues Codiceira. Informe
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
907 Joaquim Amonio de Castro Nunes.
O supplicante ser atlendido pela nova tabella,
que se tem de organisar.
908. Jos Joaquim do Espirito Santo, sol-
dado do corpo de polica.Dirija-sc jo comman-
danle do corqo.
909. LuizGonzaga de Sena guarda da mesa
do consulado. Passe-se portara concedendo
tros mezes de lcenra com ordenado
910. Manoel Antonio de Morae:. Nao se
ach vago o lugar que requero supplicanle.
911. Padre Manoel Paulino de Souza, vi-
gario da fiegiiesia de N. S. do O' de Goiana.
Dinja-se a thesouraria de fazenda.
912. Bacbarel Marcos Corrcia da Cmara
lamarindo, juiz municipal do termo de Villa-
Bella. Dirija-se a thesouraria de Fas-onda.
913. Padre Pedro Manoel da Silva Burgos,
vigario da fieguesia de Flores. Dirija-se a the-
souraria de fezenda.
914. Pedre Nemesio do Joo Gnalberlo. vi-
gano da froguozia de Garanhuns. Diija-se a
Ihcsouraria do fazenda.
915. Pedro d'Alcantara Porrier. Informo
.-,-. ------------. que
tosse vanlajoso para a sciencia.
Observatorio astronmico de marinha, em 2 de
julho de 1860.
HI.SPAMIA.
Temos noticias at 30 de junho.
Tenho-lhe dito nas minhas ultimas que se es-
. perava a ralificaeo dos actos de renuncias as-
se despreza impunemente a opin.ao publica pelo signados livremenle da prso de Toscana pelo
espago de 15 mezes. co..de de Montemolm e seu irmo I). Fernando
Na segunda-fe.ra, o presidente do ministerio a 23 de abril, em consequencia dos quaes form ,
' ao corpo legislativo postoi em liberdade, e conduzidos a pata eslran- h o* lST l X'2- e ^ nlni
comtudo declarar geiro. > uisso, nao in-ohe perigo algum para o futuro.
se presta com zelo e deligencia ao servico, segun-
do informara seus superiores.Communicou-se
ao commandanle superior do Recife e ao chefe
de polica.
Dito ao mp.smo.-rodc V. s. maml-r nl.rir as-
eenlamenlo de praca, visto que foi considerado
apio ora iuspeccSo de sade, como consta do icr-
mo annexo ao seu officio, n. 770, de 20 do cor-
renle, ao voluntario Francisco Eduardo Benjamim,
que ja servio no exercito.
Dito ao mesmo.Mande V. S. por em liberda-
de o recruta Canlidiano Francisco ie Oveira. que
Ihe foi apresenlado com o nomo de Quinliliano
Francisco de Oveira em 20 do crrenle.Com-
municou-sc ao comman lanle superior do Recife.
Dito ao commandanle superior do Recife.Ao
sen officio de 21 do corrente, sob n. 115, respon-
do dizendo-lhe que, cooslituindo isenc.ao legal o
laclo de ler o guarda do ." balalhao deste mu-
nicipio Theodoro Rodrigues da Gunha a seu car-
go sua rai viuvae tres iruios menores, convm
que ello provo para ler lugar a SU3 soltura.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Sob minha rcsponsabilidade, por assim m'o ha-
ver sido requerido, mande V. S pagar os venci-
incntos do juiz municipal da Villa-Bella, hacha-
re! Marcos Corroa da Cmara Tamarindo, relati-
vos aos nuv.es de raaio e junho desle anuo, visto
nao existir crdito para esse
da Oe Pao d'Alho, devendo dar preferencia a ess-
pagamonto quando o pormillirem os cofres de
thesouraria, leudo, poriu, em altenco s or-
dena anteriores a rcspeito.
Dlo ao mesmo. Mande V. S. pagar a Jos
Antonio de Brito Bastos, conforme requisitou o
chefe de polica era officio de 21 do corrento,
sob n" 1001, a quantia do 120ftOOO ris despen-
dida dos raezes de junho ullinio com o sustento
dos presos pobres da cadeia do Ouricury. Com-
mnnicou-se ao chefe do polica.
Diio ao mosmo. De conformidade com o que
requisitou o eludo de polica em officio de 21 do
corrente, sob d 1004. recommendo a V. S. que
mando pagar a Manoel Rioeiro do Carvalho a
quanlta iie 005300 luis despendida com o cura-
tivo dos presos pobres da cadeia de Garanhuns
e cora a compra de diversos objectos para a
mosma cadeia. como se vi" das contas juntas.
Communicou-se ao chefe do polica.
Dlo ao mesmo. Romelta V, S. ao Exra. pte-
sidente da Bahia a quantia de rom rail ris, para
pagamento de 20 exomplares da obra Manual
Pratico do Lavrador de canas de assucar que
um dos mcus predocessores requisitou aquella
presidencia para terera exlracco nesta provin-
cia, (cando V. S. na intelligecia ,de que essa
reparlico ser indemnisada de semelhante
quantia, logo que sejam vendidos os referidos
exempiares.Deu-se sciencia ao Exm presidente
da Bahia.
Dlo ao mesmo. Remetiendo a V. S. por co-
pia o prct na importancia de 143JJSOU das praoas
do balalhao n 28 de infamara da guarda na-
cional do municipio de Garanhuns, que escolla-
ran! 3 sentenciados de juslica, um desertor e 5
rcerutas at esta capital o auloriso a mandar pa-
gar ao procurador do delegado do termo de Ga-
ranhuns a importancia do 3 nonas parles da re-
Apresente-se no quartel do
mas para ser iaspeccionado.
commaudo das ai-
EXTERIOR.
-a--'......Siwxsf',,,c i ffissrtrfisr ""scr 3""""
^nssrsiTSs.B'i: "i'0 eM- i","e s-
commendado da froguozia de Nossa Senhora do O'
na comarca de Goianna, Manoel Paulino de Sou-
za, desdo junho do anuo prximo passado at
imo, auloriso a V. S. a mandar offectuarl iiistraoo geral dbs eslabeleci-
le. Tendo em consideraro o
istraco geral dos eslabeleci-
de em sua informaco de 21
desle mez, dada cora referencia preenco de
se os empre-
gados encarregados do exame de documentos de
divida, e a quem se abona urna gratcaco pelo
excosso de trabalhn, csto dispensados "de com-
parecer diariamente a essa reparlico.
do corrente, sob n. 737, o auloriso a mandar pa-
gar sob minha responsahilidade os vencimenlos,
relativos ao mez de junho ultimo, do lente da
cadeira de lingua franceza du seminario de Olin-
da, Fr. Antonio de S. Camillo de I.ellis. visto nao
haver crdito para esse pagamento, de cuja im-
portancia necossila o supplicanle.
Dlo ao mesrao.Para a classicaco, a que se
lom de proceder nesa thesouraria "do conformi-
dade com o aviso de 12 de novenibro do auno
passado, transmiti V. S. a remosta das contas
1 a illuminaco a gaz at 30 de junho do anuo
correnle.
Dito ao mesmo.Attondonjo ao quo me re-
quereram os vigarios collados das freguezias de
S. Pedro Marfyr do Olinda, Joo Jos Pereira, de
Fajen de Flores. Pedro Manoel da Silva Burgos, e
do Garanhuns, Nemezio de S. Joao Gualberlo. re-
cora mondo 4 V. S. que mande pagar sob minha
responsahilidade as suas congruas vencidas nos
mozos de maioc junho desle anno, visto nao ha-
ver crdito para taes pagamentos, quo sao con-
trnenles alimonlaco dos raesmos vigarios.
Diio ao mosmo.Expooa V. S. as suasordens
Tara que a Manoel Ribeir de Carvalho soja paga
a quantia de 51g:(60 rs. despendida pelo delega-
do de Giranhuns com o desertor Antonio Fer-
nandos de Souza, c os recrufft; do exercito Fran-
cisco Xavier, Jos Francisco dos Sanios, Jos de
Santiago, Jos Mondes da Costa, e Jos Ignacio
do Barros, constantes das contas jumas, que me
foram remetlidas pelo chefe de polica, com offi-
cio do 21 do correnlo, sob n. 1002.Communi-
cou-se ao chefu de polica
Dito ao mesrao.Romoltcnde 3 V. S. os prets
na importancia de de 143} das pracas do bala-
lhao n. 28 de irif.inl.iria da guarda nacional do
municipio de Garanhuns, que escoltaram at esta
capital 3 sentenciados, 1 desertor e 5 recrulas
destacados para o servico do exercito. o auloriso
a mandar pagar ao procurador do delegado do
termo de Garanhuns a importancia de seis nonas
partes da referida quola, licando o restante para
ser salisfeito pela thesouraria provincial.
Dito ao mesmo.Para os fins convenientes
pr.ssos mos de V. S. as contas documentadas
das dcspezasfeilas no hospital militar desta euar-
nicao durante o mez de marco do armo prximo
passado.
Diio ao mesmo.Em vista do que V. S. expoz
em sua informaco de 21 do corrente, sob n. 739,
o auloriso a mandar adianlar ao director da co-
lonia militar de Pimenteiras, sob minha respon-
sahilidade, tres contos de ris, em vez de dous
conlos, como ordenei em officio d'aquella data,
afim de estar elle habilitado para occorrerao pa-
gamento das despezasda mesma colonia no pre-
sente mez e nos de agosto e selembro prximos
Jos Miguel de Lyra, Ihe determino quo ponha
notamente em praca o arrendaraenlo da casa de
seu patrimonio, n" 57, sita na ra Nova desla
cidade, devendo preceder os annuncios o forma
lidades do eslylo, alim de que fique por essa
vez definitivamente concluida essa arremataco
Dito ao director geral da instrueco publica.
Em vista do que Vmc. pondera era sua infor-
19 do correnle, sob n 131,
da casa do professor de S.
rccomniendo-lhe que, tendo
art. 26 da lei do orcamento
c me aprsente para scr ap-
maco datada do
acerca do aluguel
Jim: desta cidade,
em vista o S, Io do
vigente, organise.
provado, urna nova tabella que regulanse os
alugueres das casas dos professores pblicos de
loda a provincia.
Portara. O Sr. agente da companhia brasi-
loira dos paquelfs a vapor mande dar passagem
parr a provincia do Rio Grande do Norte, por
conlfl do ministerio da guerra, no vapor que se
espera do sul ao corneta Lula Francisco da Cu-
nda, c para o Para ao desertor Antonio Alves
Rarbosa. Communicou-se ao commandanle das
armas.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao juiz municipal da Villa-Bella e In-
gazeira. S. Ex., o presidente da provincia,
manda acensar recebiJo o officio de 29 de maio
ultimo, era que V S. parlicipou ler assumido
em 10 d'aquelle o exorccio interino do cargo
de juiz de direilo da respectiva comarca por iai-
pedimento do elTectvo, e reassumido as do seu
cargo era 18 do referido mez. Fizeram-se as
cominunicacoes do coslume.
Dlo ao juiz municipal de Caruar. S. Ex.,
o Sr. presidente da provincia, inleirado do con-
tedo do officio de V. S. de 6 do corrente. man-
da communicar-lhc que nesta data officia ao
chefe de polica para providenciar, como convier
Remmeltcu-se copia do officio do juiz muni-
cipal ao Dr. chefe de polica.
Dito ao director do arsenal deguerra.S. Ex.,
o Sr, prosidenle da provincia, manda declarar
a V. S., em resposta ao seu seu officio de 21 do
correnle, sob 11o 217, que n'aquella data se ex-
pedio ordem para o pagamento, a que allude
V. S. em o citado officio.
Despachos do da *3 de julho.
fequerimentos.
893. Companhia da illuminaco gaz.
Reracttdo ao Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda para attender na formacao da conta geral
com as descriminaces que se Ihe exigir.
894- Francisco Alves de Miranda Varejio.
Iniorme o Sr. inspector da thesouraria provin-
cial.
885. FranWin CUmaco Pereira fe Souza,
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE
PERNAMBL'CO.
Lisboa
4 de Julho de 1860.
O ministerio cahio A noticia de sua queda
espalhou-se pelo paiz C6m urna rapidez incrivel,
levando o contentamonto a toda j parle. Anda
antes de se ler sabido que o marqurz de Loul
fOraencarirgado por cl-rcl ilc 'jrgan 3or a novo
administracao a alegria divisara-as em lodos os
rostos, a mais completa salisfaco popular servia
de necrologio cloquete a esse governo, que li-
nha durado 15 mozos a semear escndalos, a dos-
moralisar a administracao, a dissipar a substan-
cia publica cm contratos ruinosos como o contra-
to Salamanca, em operaooes desgacadas, como o
empreslmo--Erlanger, em alicantinas irritantes
como a grande einprcitaria Langlois.
Cahio o ministerio, cujo Cader, o Sr. Pontos
appellava para o celebre barril de plvora. Ca-
hio sem ser preciso que a revoluco banisse esses
homens das caderas do poder ; mas ha mozes
que a manntenco da tranquilizado publica era
um verdadeiro milagro.
O descontentamente chegSra a todas as elasses.
Em 15 mezes de governo, os encargos do thesou-
ro foram por tal modo ampliados com os prodiga
lidades do ministerio, que s una redo tributaria
lo vasta e odiosa como o gabinete a propoz e
urdir, poderia fazer face a tamanho acresciraode
despezas.
E com ludo, o servico publico nao melhorou.
O pessoal das reparticoes publicas foi ugmenta-
do excessivamenle, segundo as indicarocs do pa-
tronato. Do parlamento haviam sido'lirados al-
guns de seus niembros para lugares estipendia-
dos, com grave escndalo da moralidade polti-
ca. A nossa colonia de Solr na Oeiania, ia ser
vendida vergonhosamenle aus Hollandezes, par-
tindo a iniciativa dessa mercanca aviliante do
mesrao hornera, quo ha slguns anuos iizera pro-
cessar o negociador porluguez que, exorbilando
das suas allribuices, avancra propostas indig-
nas o inaceilfvois.
O contrato dos camnhos de ferro do norte e
fronleira cora a empreza Salamanca, foi um ne-
gocio monstruoso, era que, illudindo-se o concur-
so, foram aceitas, depois da praoa fechada, modi-
(caces altamente lesivas para o paiz No con-
trato das estradas ordinarias, desprezarr.m-se pro-
postas vantajosas do licitantes nacionaes, para
se conceder a empreza a um estrauhe por mais
conloe cinceenla conlos.
Salamanca, tinha auferido, de mao boijada um
onus de dous mil contos. No emprestimo Erlan-
ger, de 600 mil libras esterlinas, a operaban foi
de tal modo negociada, que o banqueiro, sobre o
titulo de bario, se Ihe deu urna gorgta de 300
conlos. Nao liara charlatn que nos nao batos-
so porta c levasso um relalhodo thesouro. Lira
celebre Gawel appareceu ah a otferecer uns pos
insecticidas, o levou nao me lembra quanlos con-
tos do res pela droga.
O deposito geral de recrulas em Mafra, cstabe-
lecido em condicoes insalubres, ceifou muias vi-
das, c gaslou ao estado algumas desenas de
conlos.
Aleu amigo, a provocaco chegra ao seu au-
ge. As provincias andavam inquietas. O exerci-
to descontente ; o povo indignado, sobietudo de-
pois que foi proposia a inopia c reaccionaria re-
surroico das milicias de odiosa memoria. A'som-
bra dessa fanfarronada, pedia anda o minis-
terio autorisaco para levantar um emprestimo
de 1,500 conlos rcaes. omitludo ttulos de divi-
da externa fundada no valor de 5,750 conlos da
ris.
Esle projecto imbcil foi recebidocom urna pa-
teada geral pela irnprensa de Lisboa. Nas pro-
vincias, o caso foi lomado a serio, e j se alia-
vam as totees que a Maria da Fonle dcixou de re-
serra em 1847.
Os ministros faziara correr que o plano da se-
gunda linha fora elaborado pelo soberano, afira
de mais fcilmente illudirem os deputads da
maioria. Esta asserco era absurda, porque D.
Pedro V um moco intelligenle e profundamente
liberal.
O paiz carece do urna reforma no exercito per-
manente, e esta deveria ser a primeira. Se as
vicissitudes da poltica externa determinaren! a
necessidade de chamar a populaco s armas,
esse diamntenlo nodevc, por modo algum ser
moldado I segundo urna initiluico que servio de
esteio ao absolutismo, reaego, ao abaliraento
de toda a idea de liberdade e tolerancia.
No dia 30 do passado, debatia-se na cmara
popular o projeclo de crdito predial, com que o
ministro da juslica pretenda crear com o Ululo
de conservadores um bando deduzentoa o tantos
emprogados, isto mais outras tantas sanguesugas.
para ex,hauriretn os recursos (jo. prcjamen.10.
demissionario comraunicou
que eslava deniillido, sem
quera se achava incumbido pela coroa de formar
a nova administracao.
O marquc de Loul foi chamado essa manhaa
ao paco para conferenciar com el-rei, voltando
das Necossidades as 9 e meia em companhia do
viscondo de S da Bandeira, que parece ter sido
de opnio que. em prosenca dasgravissimas dif-
iculdades creadas pelo mimstrio-Fonles-Aguiar,
esle que as resolvesse e lhc corresse com as
consequencias.
Effectivamenle oprocedmento do gabinete fora
inqualificavel ; os encargos estarn volados ; as
leis de receilas nao linhara recebido ainda a sanc-
?o da cmara alta ; Salamanca bata-nos por-
ta e pedia j os primeirosCOO contos ; a cobran-
oa dos imposlos apresentava-so n'uraa perspecti-
va de recusas e irritaco popular. Neslas al-
turas, all ja a carga 'com que nao podia deixa
compromctiidos muilos dos Cyreneus que o aju-
daram, e sdme-.se para Iraz dos bastidores.
El-rei impressionado com as palavras donobre
veterano, mandou chamar anua o Sr. Joaquim
Antonio de Aguiar. Enio ja os ministros ha-
viam combinado que Ihes nao era possivel cr-
guer-se novamenie sobrerarregado com os odios
de todo o pafz Em Lisboa espalhra-se que se
tralava de una ressurreico, licando alguns mi-
nistros e sendo excluidos os Srs. Serpa, e Marlins
Ferro. Nao era assim. O marquez de Loul
foi definitivamente encarregado de organisar o
novo ministerio. Esta noticia foi muito bem re-
cebida.
A inconcussa honestidade desle carador poli-
tico reconhecida por todos Depois de varias
alternativas de boalos e rumores, que serapre nes-
las occasies fervora e se espalham para salisla-
zer a anciedade publica, corria hontem noile
como combina^ao definitiva a seguinte :
Presidencia, reino, estrangeiios marquez de
Loul.
Marinha, Carlos Brito da Silva.
Juslica, Alberto Antonio de Albuquerque Car-
valho.
Guerra, Belchior Jos Gazo.cz.
Obras publicas, Thago Horta.
Fazenda, Anselmo Jos Braancamp.
M.ii lardo, afiirmava-se que esto ministerio
nao era cousa definitivamente assentada ; por-
quanlo o Sr. Braancamp, duvidava acceilar a pas-
ta das finanoas ; o Sr. Antonio Jos d'Avila, fu-
ra convidado para entrar na administracao
. deve sor forte ;
mas no momento em que triumphou deve saber
esquecer (apoiados).
O ministerio fez nestas circumstanrias rcenles
o queja tinha feito cm 1856. Pozemos ento
em liberdade no espaco do vinte e quatro horas
prisionoiros, cujos beieos ostavara ainda ne-
gros de plvora. Desla vez, dous principes
insensatos e um general, quo eu nao quero
licar, arrastararn algumas tropas (nao
no momento em que ellas
conheceram a Iraieo c abandonaran! o chefe) :
nas esses ex-principes, no seio do paiz que o
beroo do carlismo, nom ahi podoram encontrar
urna mao amiga, que os guiasse & fronleira.
um abrigo onde podessem esconder-se.
Ahando-se conjurado o perigo, terminada a
guerra d'Africa, c as tropas do regresso para a
llespanha, que inconveniente havia era aconse-
Ihar i ratnha quo se n ostrasse, como sempre
grande, generosa e nobre?
Nao houve precipilaoo, nom imprudencia
era aconselhara Sua Magslade esse acto magna-
ncru
Apparecera agora nos jornaes hespanhes pro-' SSttFASSF***** ^^^
mantenaosse^ SS. VSS SW I D^ZSS^ S ^^
oXuraen^SnadS ^ ""*" dC ^ ES : ^ ^^^SW^jrtSSSl
- Eu. D. Carlos Luiz de Bourbon e Braganc, ff e dT^ ^ ^^ ^ lhrn- da ^
conde de Montemolm, considerando que a acta
da Tortoza de 23 de abril do corrente
resultado de
oleresscs dymnaslicos, e devo at ac-
crescentar, que nem agora, nom nunca, pelo me-
anno, I01 nos em quanto viver a eeraco presente noder.
para o estado, para a rainha, e para a sua dym-
s de importante naquello
L.
INTERIOR.
assignada em completa communicabilidade, ca- nastia (Appl'ausos
rece de todas as condicoes legaes para ser valida, i Nao ha nada o
que por isso nulla, Ilegal c irratilicavel, que os reino
direitos a que se refere s podem recahir sobre
aquelles que os teem pela lei fundamental d'onde
emanam, c que pela mesma sao chamados a
exercc-los no seu lugar c dia, allendendo opi-
nio de jurisconsultos altamente idneos que
consultei, e a reprovaco reiterada qne rae ma-
nifestarais os meus melhores servidores, venho
retratara dita acta assignada na priso do Torto-
za a 23 de abril de 1560, a qual declaro nulla cm
lodo o seu contheudo.
Dada em Colonia, a 15 de junho de 1860.Car-
los Luiz de Bourbon e Braganca, conde de Mon-
temolm. Lugar do sello ern lacro das armas de
llespanha, com coroa real.
Eu, Fernando Maria de Bourbon, infante
deHespanha, achando-me em plena lberdado,
e cora a independencia legal que se requisita, re-
trato-rae pelas mesmas razos que levo, para o
fazer, meu muito querido e amado irmo, o con- zjt nao so das necessdades do servico publico,
de de Montemolm. da acta que asignei em Tor- como do meu procedimonto em relaeo a meus
toza no dia 23 de abril do anno corrente de 1860, deveres no curto periodo, em que tnho tido a
e declaro-a nulla e de nerihum efieiio. honra de oceupar o cargo de ministro da cora.
Colonia, 15 de junho de 1860.Fernando Ha- SECRETARIA DE ESTADO,
na de Bourbon e Braganca. infante de llespanha. Autorisado pelo g 1" do art. 7o da lei n. 1042
Lugar do sello em lacre das armas de llespanha de 14 de selembro do anno prximo passado a
Itll. V untio,
apresentario ti assembla greral le-
K'isl:ttiv:t na quarta seso da d-
cima legislatura, pelo ministro e
secretario de Estado dos nego-
cios da guerra Sebastiao do Reg
tarros.
Augustos e Diatnsstxos sf.nuorf.s represes-
iaktes da N.vcxo.Em observancia da lei, venho
hoje submelter ao vosso exame o relatorio da
reparlico a meu cargo, e por elle podereis ajui-
zjt nao so das necessidade
cora a coroa real.
Eis o resultado da triste tentativa de Orteza,
nica victima desla forca absolutista c dvmnas-
tica. ft- ------:-- -
alterar os regulamenlos da secretaria de estado
dos negocios da guerra e das reparticoes do ajo
danle general o de quartel mostr" general, cu
Os principes desterrados ainda sacrifica-1 conta va poder hoje annunciar-vos cstarera feitas
ram mais algumas victimas, sua ambioo de- as reformas. A importancia porm do assumplo,
senfreada ? | a considerarlo de que essas tres reparticoes sao a
Na minha ultima tinha-lhe eu j transcripto o chave de loda a administracao militar, "e conse-
prolesto do infante D. Joo pedindo as cmaras quentemente que todo o criterio na sua reorga-
que diseulam consonancia de ileathrommar o llisacao nao demasiado, lem 1UO demorado no
ranina u, Isabel II, chamando algum dos mem-i esludo da mais conveniente organisaco a dar-
uros da casa Bourbon Braganca, pedindo 3 con-; Ihes era ordem a oblerem-se os melhores resul-
ocarao de urnas constituintes, c offerecendo-se lados possiveis. Espero todava communicar-vos
de nomes.
Parece que a llespanha trata de fortificar-so
contra qualquer evenlualidade. O general Prim,
diz-se que vai passar urna inspocoo s pracas
fortes do reino, e entre ellas a Mahn.
Alguns jornaes hespanhes dizera que grandes
re" militares se vo acantonar nas Vasconza-
forcas
,, ^jsrssrS. \ ysssjfs^^TjsJ \ as ~"-i^=-^
BEl'ARTIC.iO DE QUARTEL MESTRE GE-
NKRAL.
Nao obstante lodos os esforcos da reparlico
para tornar completa a Qscalisaco do material
do exercilo, aiuda nos acharaos,'forca confes-
sa-lo, longo de pdennos alfirmarque se lom ex-
tirpado todos os abusos. O regulamenlo da re-
parlico nao dando autoridade imraediala ao seu
chefe sobre os eslabelecimentos secundarios que
deviam ser-lhe dependentes, loma pelo menos a
sua aeco lo morosa jue a applicaco do reme-
dio a qualquer falla de ordinario" tarda. Se,
como pretendo, converter a reparlico de qoar-
tel mostr general em una directora geral da
secretaria de estado, independentecompletamen-
te das oulras directorias, mas trabalhando sob as
immedialas vistas do ministro, deve-se ler con-
dido a assumir o encargo, que nesta conjunctura
difficillirao.
Se al a ultima horajsouber mais alguma cousa
de positivo lh'o communicarei.
Depois da queda do ministerio, os fundos su-
birn! 1/2 %, o que, n'uraa crise ministerial,
assaz signlicativo.
Todos entendem que a demisso do ministerio
leve motivos mais graves que o empate da vola-
co de sabbado. '
Receberam-se aqu noticias de Angola poste-
riores s Irazidas polo Eslephania, nos briguos
l-'ortima e N. S. da Conceicao, que sahio de
Loanda a 2 de malo. Nao lia mais desastres a
lamentar dos que ja Ihe narrei circunstanciada-
mente, mas deve-se observar que o inlervallo
entre a sabida do Eslephania e a do N. S. da
Conceicao s 11 das, e uestes s havia noti-
cias mus recentes do Ambriz.
Nesle ponto os prelos nao tinham voltado"a
atacar a fortaleza ; deve-se isto, evidentemente
accumulaco de forca que all se achava, e ao
nouic muito temido entre os pretos do capilo
Theolonio Burges, official reconhecido com ra-
zo como valente. e que se aclis governando o
d'slricto. Tambem allise acha o lenenle-coronel
Tavares, official distinrto da provincia, comman-
danto do balho de infantaria.
Loanda achavo-se sem for^a de linha e a sua
seguranca eslava confiada a empacaceiros, e a
urna milicia denominada da graixa. tropa que
pode garantir a seguranca da provincia, porque
eommandada pelo decano dos militares de An-
gola, o rnajor Lourenr.o Marques, qoe pelos seus
servinos relevantes, e persistencia naquelia co-
lonia, denominado o veterano d'Africa.
O districlo do Benguella acha-se em siluaco
deplojavel. Esta cidade, cujas alfandegas rn-
dem annualmenle oilenta conlos de ris, e que
sustenta Mossamedes, e que faz parte das despe-
zas da junta de Loanda, acha-se guardada por
urna forja de vime soldados de linha e dez empa-
caceiros ; e quando quizeram fazer marchar os
vinte soldados de linha, foi necessario que asar-
mas fossera fornecidas|peios negociantes do Ben-
guella.
O estado commercal de Angola estava annul-
lado complelamenie ; 03 prelos carregadores nao
queriam prestar-se a esse servido.
O capilo Theolonio Borges, de quem ja Ihe
fallei, tinha conseguido desembarazar o rio Lnge,
do poder dos gentos, que nao deixavam os bran-
cos tomar alli agua, tendo de so ulilisar da das
cacimbas (pogos) que mulo doentia. O servico
deste militar imporlanlissimo.
De Bombe (districlo das minas) linhara parti-
cipado a 27 de marco para Loanda. que s havia
alli alimeutos para 15 dias, e que lindos elles nao
sabala oque resolveriaut. A 2 de raaio. (36 dias
depois) ainda se nao linhara mandado soccorros
do parte alguma. O que ter succedido aquella
miseraxel gente 1
O governador linha mandado sahir o capilo
Xavier para o serto levantar a guerra preta
contra os negros sublevados. Era o quese deveria
ter feito desde o comeco em lugar de comproraettor
tanta gente na desgranada retirada sobre o rioLo-
go. Ninguem all acreilava no hora resultado da-
quella expedidlo pela pouca conQaiiqa que todos
depositavam no capilo Xavier, ex-governador
do Ambriz, e que na passagem do Loge diz-se
ser elle quem a comproraettera to desastrosa-
mente.
O director do nosso observatorio astronmico,
o Sr. Filippe Falque, publcou o resultado das
suas observacoes sobre o cometa que ha pou-
cos dias se tem observado era Lisboa. Ei-los :
Nos nltimos nove dias do mez passado appare-
ceu pelas oito horas e quarenta e cinco minutos
da noile para o lado de N. O., em 6 graos do al-
tura prximamente ura cometa pouco visivel a
simples vista, mas quo, observado com oculo do
mediana torga apresentava um ncleo distincto,
rodeado da nebulosidade do coslume, e termi-
nando com urna cauda, de um grao de compri-
mento ; nos primeiros dias da sua apparico li-
nha a cauda 45 graos de iuclinaco sobre o hori-
goate, tornando-se depois perpendicular. : tiran-
das e era Navarra. Falla-so por all muilo em
que o imperador dos francezes tem desejos de se
arredondar por aquelles lados, mas que ao mes-
mo lempo concorreria para que a llespanha se
arrendondasse pelo lado de Portugal. La diz o
ditado, que mais vale ura toma que dous teda-
rei; ea llespanha cedendo aquellas provincias
Franca s a muito custo adquirir um palmo de
terreno porluguez; por que este ser defendido
enio a lodo o transe.
Chegou a leluao, Sidi-Mahoraed-el-Ketil, mi- I llanca em que muilo melhorar esle ramo de ser-
nislro dos negocios eslrangeiros do imperador de vico, nao s pela rapidez da sua marcha, peada
Marrocos; diz-se que ja esto dispostos uns do- al agora por urna correspondencia fastidiosa,
ze railhes do piastras, para primeiro pagamento como pela forca moral que Ihe dar a autoridade
da indemnisaco da guerra, e que partira urna do ministro.
coramisso para Madrid, afim de pedir a evacua-
co immediaU de Tetuo, e um prazo de quatro
annos para o pagamento do resto do indemiiisa-
Qes.
Parece que acommiso marroquina embarca-
r n'uma fragata franceza, e levar a Madrid,
alera dos doze mhes de piastras, cera cavalios
ricamente ajaezados com arreios guarnecidos de
prata, varias leras, um vestido de grande valor,
e outros presentes, cora que era brindado o go-
verno hcspanhol. Alguns, entre os jornaes hes-
panhes, peui em duvida a veracidade desla
noticia.
O rainisterialismo hesDanhol promette que na
adual legislatura devero ficar votadas as segra-
les medidas : urna lei de liberdade de imprensa;
urna reformadas leis administrativas, que resti-
lua a vida ao municipio o as provincias ; una
lei orgnica dos empregos civis, de modo que se
raelhore e assegure a posioo dos funaciouarios
pblicos; o una lei de reforma eleitoral. J
trabalhar, se o conseguirem, do que todos duvi-
dam.
Dizia-seque o ministro da marinha Mac-Cro-
hon, seria; nomeado governador dos Philppinos,
passondo a pasta daquelle ministerio para L'rloa,
director do Ultramar.
No projeclo de orcamento apresenlado s cr-
BEPABTICAO DO AJLDANTE GENERAL.
A reforma desta reparlico, autonsada pela lei
11. 1042 de 14 de selembro do anno prximo pas-
sado, esl dependente da secretaria de estado,
da qual deve fazer parle, segundo o pensamenti>
que manifeslei ora relaeo reparlico de quar-
tel inestre general. Posso aliancar-vos que, reu-
nida a repartico do ajudanle general a secreta-
ria de estado formando urna directora geral do
pessoal, se conseguir no servico mais rapidez,
inelhor execuco de ordens, e ficalisaco sem
duvida mais proveilosa, do que se lem al agora
obiido com o regulamenlo, que intualo essa re-
partico, subordinada si hi ao ministro da guerra,
mas "longe de sua inmediata inspecru, e com
autoridade propria, multas vezes iucompalivel
coma unidade de vistas, que deve existir na ad-
ministracao do exercito.
ARCHIVO MILITAR E OFFICINAS LITHOGRA-
rilICAS.
Urna nica consideraco importante tenho a fa-
zer sobre o archivo militar. Entend conveniente
commelter ao archivo militar o conhecimento e
exame de todos os projeclos de obras julgadas ne-
cessarias, quer sejam ellas perlencentes classe
de forlilicaoes, quer de quarleis, hospilaes, ou
enfermaras. Esta medida nao sendo mais do que
a execuco do regulamenlo de 7 de abril de 1808,
les pede-se ura bil de indemnidado pelo paga- justificada pelas vanlagcns que passo a expen-
ment da divida que a Inglaterra reclamou do ga-
binete hospanhol, durante a lula com o impera-
dor do Marrocos No relatorio do mesmo orca-
mento, se annuncia a apresentacao de um novo
projocto de reforma de pautas, "elaborado luz
dos bons principios e do respeito devido aos di-
reitos adquiridos.
O governo hespanhol entende poder equilibrar
o orcamento do anno actual sem dficit algum.
Tambem se aprescnlon ura projeclo para a alie-
nacao e converso dos productos dos bons eccle-
siaslico, era virtude do convenio celebrado com
a Sania S.
Nao fra de proposito transcrever-lhe um
trecho do discurso do presidente do conselho de
ministros, o general O'Donnell, era resposta a in-
lerprll.ico si bre o modo porque o governo se li-
nha portado na tentativa raonlemolinista, quan-
do no senado se discuta o projecto de resposta ao
discurso da coroa :
Insinuaram alguns oradores que, na queslo
de S. Carlos de la Rpita, se poderiam ter feito
grandes descobertas, se o governo quizesse. Nao
essa a minha opinio. Os individuos compro-
metidos poderiam ter feito aecusaces, e dizer
lalvez cousas inexactas ; mas o que certo que
na instrueco do processo, nada se revelou. E
conlinuando-se no procedimento judiciario, che-
gar-se-hia porvenlura a descobrir a verdade I
Quem o havia de dizer? Ortega quo levou comsi-
go o segredo para a cova ? Elle, que guardou si-
lencio era ludo oque podessecomprometler osou-
tros ? Os ex principes que nada disseram tam-
bem ? Onde e como se haviam de fazer essas
descobertas ? Mas, diz-se a amnvstij f0j pre-
matura. Porqqe ? O meu principio (e j por
duas veze? tenho postq em -jiecycSo) que,
der. At agora as obras, a que se proceda na;.
provincias, eram nellas planejadas e oreadas al-
gumas vezes at por honteiis nao profissionaes, e
mandadas por em pratica depois de exame mullo
superficial. Os planos primitivos eram alterados,
modificados e executados a capricho dos encarre-
gados das obras, e o governo apenas linha conhe-
cimento dessas alicraces, ordinariamente noci-
vas ao thesouro, quando o mal j era irreraedia-
vel; o que nao succederia se houvesse quem,
encarregado de examinar o progresso das obras,
comparando os planos approvados cora os rela-
lorios peridicos dos trabalhos, fizosse conhecer
ao governo que as suas ordens nao eram execula-.
das, que se modicavam as disposices resolv-
das, e finalmente que o edificio deveria vir a ser
outro que nao aquelle, cuja construecu fra au-
torisada, consuniiudo-se assim mais lempo e mais
dinhciro. Examinados os projeclos no archivo
militar, onde exislem nao s documentos quo
possara esclarecer os assuoiplos, como pessoal
habilitado pelos seus conhecimeatos profissio .
oaes e de quasi todas as localidades do Brasil, o
governo poder com conlianca deliberar sobr a
execuco de qualquer obra, cetlo do zelo com que
no archivo militar se acompaohar o andamento
dos trahal'qos, lano mais que desse estabeleci-
mento se pudeio destacar os ofiiciaes queforem
necessaiios para os inspeccionaren! Afim de quo
esta medida se torne vautajosa faz-sc preciso dar
ao archivo militar um rogulamento complemen-
tar do de 7 de abril de 1808, e se necessidade
houverde fazer alguma despeza mais.com o pes-
soal da reparlico, ser bem compensada pela
mair fiscalisacao nas obras militares. Esse re-
gulamenlo est sendo confeccionado, e espero
p-lo era pratica tontra de pouco tempo, Nu
TTT*-


(*>
DIARIO DE TOlfflAMOQO. QUARTA FEIRA ib DE JtTLHO DE S860.
levo omittir que mullos dos trabalhos tiesta na- ,u fulanieill urcza remedidos das provincias eram examina- geiramente alterado pelos decretos n. 778 de 15 coraprcliendidas as 1,680 pracas das 21 compe-
dos pelo director das obras militares da ^orte ; j de abril ^ del851, na^ parlo relativa a escriptura- ninas de pedestres, est determinado pela necea-
mas, por grande que fosse o seu zelo, o lempo
que lhe restava do desempeiiho de seus deveres,
seguramente ltie nao permittia descer a detalhes
dignos de attenc.o.
Existia no archivo militar una commissao de
ongonheiros engarregados do levantamento da
plaa da tidade do Rio de Janeire, creada por
oviso de 27 de novembro de 1851. A conclusao
Jos liabalhos desla commissao esta demorada,
segundo ella propria informou, pela abertura de
novas ras no morro de Santa Tkeresa, a que de
rao, contabilidade o iscalisac,ao da receita c des- sidade de termos urna torca nao menor de
peza do arsenal de guerra da corte, e n. 1913 de 112,000 homens, que se possa"mobilisar sempre
28 de marco do 1857, que extingui o lugar de que fr preciso, e pela do conservar em servico
vice-director do mesmo arsenal, j nao pode cor-! de guarnicao 6,000 pracas, com as quaes difH-
responder s necessidades, fllhas do incremento cil conla'r, quando se tem do pnticar qualquer
o absurdo de urna tai inlelligencia, que me pa- incumb de verificar a compra nos mercados des-
rece ocioso faecr considerares para allraliir a | se paiz. Esto persuadido do que essa operaco
vossa allencao sobre a gravidade deslc mal. foi ventajosa, ossim como o ha de ser sempre a
O decreto n. 1879 .te 31 de Janeiro do 1857,que | acquisieao dos gneros, que se gastam em gran-
estabeleceu as inspeccoes militares por armas, e de escala, antes nos mercados europeos, do que
o numero dos respectivos dislrictos, tornava mu; a retalho as pracas commerciaes do Brasil, sem-
que teemelido taes estabekcimenlos.
O goveroo esteve autoTisado para reorganisar
os arsenaes de guerra, mas tireumstancias emer-
gentes obstaram a que se aproveitasse a autori-
sacao. Parece-mo indcclnavel que renovis a
mesma medida, pois a permanencia do actual es-
via altenJcr na resoeetva carta. Ora. sendo de ^*do de cousas causa^ grave damno ao bom regi-
presumir que, vista do incremento progressivo
da cidade, iguaes embaracos se reproduziro, rc-
solvi disselvcr urna commissao que linha loma-
do o carcter permanente, quando parecer mul-
lo transitos, na poca de sua creacao.
Na lithograp'.iia nada tem occorrilo de quede-.
va fazer menso especial.
CONTADORIA GERAl. E PAGADORIA DAS
TROPAS.
meo administrativo dos arsenaes.
Enlendo que os almoxarifados dcwm ser intei-
ramente separados das otficinas, porque nao
dado a um s chefe altcnder ao mesmo tempo
arrecadaeso e distiibuicao da facenda, e ad-
ministra oa das fabricas: julgo mais que se po-
deram supprimr algumas das oilicinas de que
se encentran iguaes foca dos arsenaes Essa me-
dida altamente econmica, porque os objeelos
fabricados no arsenat ficam sempre por muilo
difcil a vcriftcacSo das inspeccoes, sempre que
ellas tivcssem do ser feilas com escrpulo, pois
movinrento de tropas, pois a isso se oppocm a quo um s inspector nao podia cora regularida-
naturoza de sua organisacao e aespecialidade do '
servico a que se applicam.
Atlalidade da torca pedida est quem do
que exigem asguarnicocs parciaes de cada urna
provincia, e, se altcndermos a que de pru-
dencia conservarmos urna reserva suTicicnle
para qualbquer emergencia, reconhoceremosque
nao s nao ella bastante, come nao se dar
exagerado na preposta.
Das provincias se me informa qnc, alm da
forra de linha, so carece de polica cin numero
nao menor de7,000 homens; e, se em algumas
pre mal providas, como tenho tido occasio de
veri6car, e assim, pouco habilitadas a bera cor-
responder s necessidades do estado,
do inspeccionar annualmenlc todos os corpos da Usando ainda da autorisaclo que foi concedida
mesma arma, existentes no seu districto ; odahi ao governo pela j citada lei de 14 de setembro
seguia-se terem ficado alguus corpos sem seren de 1859, o governo resolveu levar a etTeito a
inspeccionados, em opposicao ao preceilo do art. creacao das fabricas de ferro e de plvora na
J4 do regolamenlo de 31 de marco de 1851. Se provincia de Malto-Grosso.
sto succedia em relacao s armas de cavallaria e Dessa commissao incumbi, sob a inspeccaodo
iriiantaria, pelo que respeila de arlilharia era presidente da provincia, o engenheiro civil Ro-
bsolutanienle inexequivel o qae dispunha oci- dolpho Wachncldt, que ha mullos annos, se acha
A contadoria tem continuado na sua marcha
regular, pesio que morosa. A affluencia dos > proco do que aquclles que cusan no uier-
ifaialhos e a iusuliciencia do pesssiml iuteira-, codo.
cjilu justificara lal raorosidade. fura de du- Anda a reforma se deve eslender aos conse-
vida que a reforma dessa repartico deve ser le- 'ncs administrativos para fornecimenlo dosarse-
vda a etTeito qunto anlcs. riaes, muilo principalmente se vingar o pensa-
se assim poder ella desempenhar os fins de ajenio de se contratar o fardamento para o exer
sua-creacao. | cito. As funcedes dos conselhos nessa hypo-
Para que reconhecais a exactido do que acabo these lornar-se-liiio nuiles, porque a compra de
de expender, bastar que atiendan a que a con- m u mitro anigo para provimenlo dos arma-
lattorfa gersl da marioha lem de/, empregados de
jiluma mais do que a da guerra, eque pela ru-
parlicio da guerra su despender sommas muitc
superiores aos orcamcuius da marinha, sendo,
porianlo, milito mais penosa contadoria da
guerra a fiscalisacao dos dinheiros pblicos.
Alm disso, cao so deve perder de vista que o
pessoal interesssado nos diversos ramos de sorvi-
<;o da repartico da guerra excessivamente su-
perior ao que depende da marinha, o porlanlo,
muilo maior a niassa de prelencocs, exaraes e
t.cns, poder ser fela pela directora do arsenal,
urna vez que haja loda a persistencia em compu-
tar as necessidades com a precisa antecedencia,
e mandar fazer a acquisicao as fouies da pro-
dueco.
Nao propendo para a composirao dos conse-
lhos administrativos com elemento puramente
militar. Se indspensavel a existencia desses
conselhos, oulra deve ser a escolha do seu pes-
soal. Qualquer que seja a probidade e zelo dos
membros dos conselhos, repelidas vezes scrao
lomadas de conlas que sobrecarrga a primeira clles victimas da sua falta de pralica em negocios,
deslas duas reparlices 'luo cstao bem longe de sua profissao, reduziu-
As mutuos relaces da contadoria gcval e da do-so a sauccionar o que outrns resolvem.
pagadoria das iropas aconselliam a alleracao do As ideas que acabo de enunciar nao eslao fixas
regulamenlo desta ultima repartico, para que "0 mcu espirito ; sao apenas materia para eslu-
possa haver a conveniente harmona, e por con- < do, lauto mais quando ellas podem ser modilka-
scguinle, rapidez e perfeigao nos trabalhus. das pelo resultado de operares que emprehen-
Na presenca destas cousiderares, conhecereis di. o" por observares razoaveis quo se rae pos-
que o governo pretende ser auiorisado a refor- sa,n fazcr no parlamento, ou fra delle.
ruar is duas estaees de que trato, quando cuten- Algumas queixas tcem apparecido de parle das
dais que ellas nao possam ser modicadus por autoridades militares contra a ni qualidade das
lado decreto de 3f de Janeiro do 1857, quando
eslabeleceu um s inspector para essa arma era
todo o imperio.
O governo, altendendo ao que acabo de expr,
dellas esla especio do forga no existe, ou nao eslalujo pelo decreto n. 2,507 de 8 de dezembro
esl completa por causas, que vos nao sao dos- de 1859 que as inspeccoes fossem praticadas por
conhecidas, mais imperiosa se torna a precisao i comraisses especiaos incumbidas a ofliciacs, que
do conservarmos o exercilocra lal p. que pos^a o mesmo governo designasse.
ao servico
foram dad
nada ae resolveu cerca do que deve ser construi-
do com o producto da alienaro da fortaleza das
Cinco Ponas.
A provincia das Aligas reclama a conslruccao
de um quarlel.
O de Sergipe consiste em um barracao coberta
de pal lia.
Ua Baha se insta por concerlos mais ou mo-
nos importantes era lodos os quaiteis, principal-
mente no da Pilma.
No Espirito-Sanlo foi de raisler que o provin-
cial do convento do Carino da capital da provin-
cia cedesse parte do seu convento para accom-
raodaco da forca de linha.
Na corte apenas se tem continuado nos repa-
ros dos antigos e insufficientes quarteis que exis-
tem. Mandei levantar a planta e organisar o or-
garanlir a seguranca iuteura do paiz, e repdlir
qualquer nggresso* cstranha. Infelizmente a
forca, que tem sido decretada, nao se tem com-
pletado ; e, se comparantes os mappas, que vos
aprsenlo, com o que foi submetlido ao vosso
cuiihecirnento no auno prximo passado, reco-
nhecereis que as muitas causas, que para isso
inlluiam anteriormente, anda hoje actan com
igual, se nao maior inlensidade.
As ba i xas por diversos motivos subir m no an-
no passado ao algarismo de 3,121, sendo s por
desercoes em numero de 1,178. claro (jue em
urna forca de menos de 15,000 homens, que per-
de annualmenlc mais da quinta parte, ao passo
que s recebe muile menor numero de retretas,
o decrescimenlo rpido, e dentro de pouco tem-1 cer o deseiivohimuuto da inslruccao do exerci.
po nos veremos obrgados a erapregar no recru- ( Na intcneao de remover
do imperio As instruccoes que lhe camento de un quarlel para o Io regiment do.
as impoem-Ihe o dever da maior eco- cavallaria, aprovellando o terreno da na--o ende
i .'i PL ?P-8 e.r'ue, &n,CS um en' esleve a fabrica de ecidos do Joo Diogo Ilar-
ull\ S.S t iT5 i TSe esUbelec'">entos em ,|PV. Esta conslruccao de ha muilo foi decrcta-
rSr,nTQ l ,^< ^T W"** da pelo corpo legislativo.
hri/, aM ,q mr r e P?SS.al P.af? ? a" N" provincias do Paran, Minns-Geraes, Govaz
brica do ferro de Malto-Grosso c tirada da fabrica e ~
Dessa medida seguo-se a rcalisaco do pensa-
mento originario daquclla dispos<;ao do regula-
menlo do 31 do margo, que tem por lira fazer
conhecer administracao, peridica ;c icgular-
nienlc, o estado de cada um dos corpos do exer-
c"0-. pois que nao produziria menos dispendio i
Sfasrai: ss.?t &ssg^xh SSaSSSSr aiS
sejar. A falta de urna ordenanca geral de ma- plicacao. N5o obstante isso lia necessidade do' i ,.-V, j f f ?' a .
torcas, a sua nsuOlciencia para o servico o/dina- \ sufficicnle. de que lancar mao par" os misieres J orUlka' rio das guafnices, tudo concorro para enlorpe-
dos nossos diil'erentes estabelecimentos.
naes, armazens de arligos bellicos, e paies para
plvora.
FJSZSSZStiZZ sidrtofei;af.Por ?" Relatr-vos o que respeitj a cada urna ospe-
a meus aiiliH'Cssaii'R arorpa rtn rmnlimitar,.., .i,.-' r.
uieio de projec'oa discutidos no corpo legislati-
vo, sempre oceupado por objeelos de mor impor-
tancia.
fazendas compradas para o exeicito. Infeliz-
mente na maior parle das vezes essas queixas
sao fundadas, o se tem reconhecido haver dcs-
Qualqucr, porm, que fr a vossa deliberacao, cuido e abuso dos conselhos administrativos,
senhores, pego-vos que atlendais eiiguidade Tenho applicado ao mal o remedio que me pa-
dos rencimentos, dos em [negados das duas rc-
pariii.cs, e que a justica reclama sejsm clles
igualados nos seus honorarios aos empregados de
iguaescalnegoriaa na repariicao da mariuha.
CONSELUO SUPREMO MILITAR E DE JUSTICA.
Tantas e lio ponderosas considrac,es se tem
rece mais appropriado, j admocslando os cou-
sellius, j niaudando proceder contra os respon-
saveis pelos prejuizos causados fazenda publi-
ca. O governo porein v-se constrangido quan-
do tem de ser severo, pois acredita que os mem-
bros dos conselhos administrativos sao induzidos
falta de conhecimentos appro-
as atliibiii'-oes que lhe foram dadas imeompa-
livel com us oossas instiluigocs poliiicas, esl do
lia muilo lempo demonstrado, e enlao parece ser
da mxima urgencia proceder a sua reforma,
concillando a sua organisacao com os preceitos
constltucionaes. Has como o governo acaba de!
Hornear una commissao composta dos consclbei-
ros de estado visconde du Uruguay, Joo Paulo i
dos Sanios Brrelo e Han Del Ptlizardo de Souza ;
e Mello, para examinarem n projecto de cdigo
militar redigido pelo auditor de guerra da cite ,
o Dr. Jos Antonio de Hagalhes Castro, julgo
conveniente aguardar o resustado de seos traba- i
llios para se deliberar acerca de tao grave ma-
leiia.
ESCOLAS MILITARES.
u governo, apruveilando-se da autorisaco
que lhe fui outorgada pelo corpo legislativo, aca-
ba de reformar as escolas militares do imperio.
Nao emprehenderei a tarefa de justificar as alle-
raroes que praliquei no ultimo regulamenlo:
perteuce isso ao lempo: entretanto, por vos mea-
mos julgaceis se mclhor distribuido de materias
SC '', e se de esperar que a disciplina e eco-
noma das escolas ganhern com a reforma pela
qual se nao augmentou o numero de annos de
esludos e fez-so na despeza a reduccao de ris
6:7l5g700.
ARSENAES E ARMAZENS DE RTICOS
BELLICOS.
Ainda na prsenle scsso neuliuina oceurren-
cia notavel lem de ser trnzida ao vosso conheci-
nienlo acerca dos arsenaes de guerra. Enlre-
laulo, nao posso deixar de rcproduzir algumas
(-.iiisid a._.".. quo j.i Icein sido feilas sabr
i gte ramo do servico, e mesmo de aventurar al-
gunas idea nova sobre a economa de taes esia-
belecimentos.
Tem-se procorado o abastecimcnlo dosarse-
por forma a eslarmos preparados para sa-
lisfazer os necessidedes do exerclo. e para nos
libi ii','.'.. i- da imposico dos fornecedoresquan-
do se apresenlam conhocendo a urgencia Jo cer-
tas compras.
Isso porm, ainda se nao obteve complea-
II.i uto.
Por maior que seja o sigillo impossivel vedar pelo
o guer-
pois o
nao permiti a osireileza das localidades em
que se acham. O mais imporlanle delles, que
sem duvida o da corln, vai com tudo rrcebendo o
possivel desenvolvimento, c o governo procura
eleva-lo aquello p exigido peles necessidades do
exerclo. Conlo que a fabrica d'armas da Con-
ceicao, estabelecimeuio filial do arsenal de guer-
ra, dentro do pouco lempo oslar montada por
forma a produzir grande economa no concert
do armamento, que at agora se inutilisava pela
impossibilidade de se reparar, nao possuindo nos
as machinas e apparelhos indispensaveis para
un Irabalho perfeilo.
A muito ulil instiluic&o dosaprendizes meno-
res, contina a ser regida pelo regulamenlo de
seu posto.
Assim, enlendo que a reorganisaeo
le toda a
forca (ixa indispensavcl, e vai de accordo cora
a aulorisaco, que foi concedida pela lei n. 10-12
de 14 de setembro do anuo prximo passado, em '
relacao aos corpos lixos da provincia de .Malto-
Grosso ; iiutorisaco do que o governo nao tem
feto uso, na espectativa de obter do corpo logis-
livo oulra mais lata.
A deficiencia do recrulamcnto para preenchi-
menlo dos corpos do exerclo, cada vez mais ra-
refeito, suggerio a idea de pro por a admissao de
estrangeiros, com as vantagers pecuniarias, que
percebem os nacionaes, alm da de se podorem
ualuralisar cidados brasileos depois de dous
annos de bom serviro.
Pela connexo de materia, -ejo-mc obrigado a
chamar a vossa allencao para cada da mais pal-
pilante necossidade de se rever o actual syslcroa
de reerutamcnio. Como elle pralicado na actua-
'idade.
vtMlamenlo toda a especie de exercicio. Esl
prompio o regulamenlo, porque se deve dirigir
essa ulil instituico, a qual ja tem dado instruc-
tores para os corpos armados Mini ; mas eu
nao quiz po-Io era execucio antes de Irazer ao
vosso conhecimento o que' acabo de expor.
Na adminislracao ccoiiomica dos corpos ape-
nas so lem dado um ou oulro abuso, iinmcdiala
e severamente reprimido por raeio da accao dos
nossos tribunaes militires. E'-me grolo"
obras, que deverem ser einprehendidas ou con-
tinuadas ; que quantias se lem despendido em
cada urna dellas; quanlo ser preciso para con-
clui-las; c a quota que cumpre consignar-lhcs
na lei, cuja proposta lr apresenUda. Esta dis-
posicao nao pode ser satisfeila completamente
na proposia aprescnlada c.ile anuo, porque i fal-
ta de lempo nao pcrmillio colher os datos pre-
cisos, e mesmo. indepen lentemente dessa cir-
anl- cums,a, Essa
mais
v. -me graio mam- --"-;"" ""Y""' "*" """ssivel, serafa-,
testar-vos que a raridade de lacios dessa ordem '"'" ""Talinenlo, como ella parece querer, se regia, eulcndeu o governo a
muilo depe era prol da moralidade da briosa of- | LP5?.Pf!? j! -S'.0-C0"fccc.lol.'adas 1aasi ,lous aviso de s d fevereiro do cor
3dejaneiio de 182, cojas importantes disposi- j "UUe' e.nlr,,8uc s autoridades noticiaos nem
ces eareeem todava de complemenio. Algu- feinl,r? JlsP"slas a sacrificaren interesses de ou-
nias medidas sao precisas para o desenvolvi-
menloda inslrucgo das arles mecnicas desses
meninos, que veera procurar a subsistencia, a
educaco, e um futuro na philantropica creacao
de 21 de l'evcreiro do 1832.
Ira ordem ao deserapenho de deveres irnposlos
pela lei, pouca esperanca se deve nutrir de que
consigamos elevar a forca do exercito ao seu os-
lado completo ; e ento urna coosequencia infal-
livul desse estado de cousas ser ver-so o gover-
Gciajdade do nosso exercito.
Alites de lindar este aiio invocarei a vossa i
allencao para a inlelligencia que so lem dado ao i
arl. 26 do regulamentp n. 772 do 31 de marco i
de 851, que manda transferir para o estado-:
maior de 2" classe aquellos olliciaes que se inl5-\
bililam para continuar as oulras armas ou cor- i
pos do exeicito. Estou persuadido do que essa '
inhabilidade nao pode proceder do estado phisico
do individuo, ou antes da incapacidade de prestar
servico activo.
O corpo de eslado majr de 2* clisse lem ser-
vicos apropriados, que exigcm robustez, como
reconhecido por todos quando compreheiidein
. | no compclldo a conservar as Qleiras individuos S~iL*!! a'^"l'c,Cr f"'=t;ionarios pa-
noJ1' w-1 ..o u -. a...:a. jo servico corpora' |r*.raenaea, lapricas,. depsitos, colonias, hos-
milias; cidados uteis ao paiz, que foram edu-
cados nos nos arsenaes do guerra ; c a prova das
vanlagcns, que as familias pobres hao encontra-
do na instituigo, se manifesla pelo estado com-
pleto do numero estabelecido de menores, sue-
cedi.'iido repelidas vezes, ou conservarem-sc al-
a
que j pagaram a divida
que eram obligados.
A iniciativa sobre o recrut>nienlo privativa
da cmara dos Srs. dopulados ; mas nao julgo
exorbitante que eu aqu aponte qual me paree..'
sor o sysloma prefervl para contccQao de lao
imporlanle lei, como soja a que dova regular a
governo obrigado a desatteuder s pretences de; '1,slr.iu"ii:o do .mais pesado oius, a que so acha
admissao sujeito o cidadao braslleiro. Enlendo que a ma-
No lugar competente encontrareis o mappa PJ ,de'e *is,ribai.r "" encargo eom a maior
dos menores existentes nos diTercntes arsenaes J"s.1 }S c,a do ?orlC10 s"1"'6 ,,sll,,s dos cldadlos
do imnscio. segundo as ultimas infotniocesre- 'il';ill!lcadS aPu'3 P oserv,;o das armas e em
Cebidas da secretaria de eslado. *5* i- n".",ero ,le.-le,to1rcs V der cada fre-
guczia, lixando o mximo do.; rccrulas em cada
LABORATORIO PYROTF.CHNICO DO CAM- ; urna dellas em relacao ao numero daquclles. Se
P1NI10. j esse soiteio fr pralicado peles cmaras munici-
A necossidade de nos prepararmos para resis- paos, na presenta dos arrolara ?ntos fornecidos pe-
irmos guerra injusta que nos moveu o dic- i las autoridades do municipio,eouvidas tanto essas
pitaes, ele- Ninguem cortamente dir que ah
so dispensem certas condicoes do actividade, e
que o servico possa ser bem desempenlndo por
invlidos. A especialidade do Irabalho uo im-
porta ueste caso indillerenca para as forras do
quem o lem de pralicar. Da inlelligencia cori-
Iraria segue-so o absurdo de se restaurar no cor-
; po do estado maior de 2a classe a extincta 3'' cas-
1 se do exercito, para onde iara coiumumenle os
olliciaes, que pretendan esperar corlas vanla-
gcns de reforma. Alm disso; tenniuoii as regias, porquerdeveriam sor promo-
; vidos os olliciaes do referido eslado-maior, segu-
ramente nao pretenden que esse corpo fosse con-
velido no amigo de veteranos. A promocao com
: o syslema de transferencias para o estad-maior
de -' classe do lodos os oficiaes, quo nao que-
rem sujeilar-se disciplina mais rigorosa dos
annos antes de seren executadas, e cerlamonte
nao se exigir que, salva urna ou oulra obra no-
va, o governo possa com lauta antecipacao co-
nhecer quaes as necessi lades determinativas da
edifleaco de um quarlel, levantamento de urna
fortiQcacao, ou reparo dos edificios j existentes ;
obras estas que muitas vezes sao resolvidas em
presenca de circunstancias imperiosas di actua-
lidad o.
A deelaragao Jo que rom cada una das obras
se ha despendido do tanta latitude, que colloca
so que eram a origen de nao pequeos dispen-
dios com o seu pessoal ecom os continuados re-
paros que ah se pralicavam, ordenci o seu com-
pleto desarraamenlo, a arrecadaco do material
o a entrega dos edificios adminislracao pro-
vincial.
provavel que igual deliberacao seja adopta-
da a respeito de muitas oulras forliOcscdes das
provincias ijue, posto sejam quasi nominaes, con-
servara estados-maiores e guaraiedes, com prc-
juzo de oulros servicos mais proficuos,
medida, porm, depeuJe de informacocs
ampias, que Irato de obler.
C0MMSSOES DIVERSAS.
Commiisao de melhoramentos.A commissao
do melhoramentos do material do exercito foi
! efeada pelo decreto n*. 003 do i de dezembro do
l J |J.
Para complemento das inslrueces, porque ella
coinmetlcr-Ihc por
rreute anno as ins-
peccao de todos os estabelecimenlos do eslado,
era que so prepararen materiaes de guerra, o
assim o exame daquclles arligos bellicos.
bem
que sahirem de taes estab'elecimenlos" Para quo
semellunto providencia seja urna realidade, l-
tenlo o pequeo iiumero de membros da mesma
commissao, foi resollido que os directores do ar-
senal de guerra, fabrica da plvora, e laboratorio
pyrolechnico do Campinho, a ella pertencao como
membros adjunclos c assislindo s sessos o de-
liberindo, quando se houver de tratar das esne-
o governo na necessidade de nao lhe poder dar cialidades relativas a cada um dos eslabelecmen-
execucao. Na fortaleza de Sania Cruz, no edifi- | tos. que dirigem.
ci da escola central, por exemplo.se fazcm con-1
linuaraente reparos, ou se progride para con-1
clusao do edificio; corno hoje saber quaes as
sommas despendidas nessas duas construeces, i
que dalam, urna domis de scalo e oulra de!
cerca de 50 anuos ? No mesmo caso se acha
grande numero de edificios, nao s da corte, co-!
mo das provincias; assim, pois, persuado-me de
que esla disposico legislativa apenas servir pa-
ra proximativamente ser executada.
Por diversas vezes leem meus antecessores in-
sistido >ni chamar a allencao do corpo legislati-
vo para a insuffleienda d dotado concedida ',
verbaObras militaros; no presente exercicio'
eolia de G2.):00(b. mas attendendo-se a que'
dessasorara mais de urna terca parte tem ap-
plicaco especial, resta mcnos'do 4(10:001)3 iara
acudir todas as mais obras militares do im-l
perio.
Se se altender ainda a oreen!
que
Esla modiiieacao nao produz augmento de des-
peza. A commissao contina nos seus Irabalhos
ordinarios.
CommiU&o de limites.Os Irabalhos scienlili-
cos da commissao encarregada da demarcacode
limites do imperio cora a repblica oriental
acliam-se concluidos, restando aoenas a colloca-
co de algnns marcos divisorios. Asearlas e mais
papis pe teiicenles commissao focara recolhidos
ao archivo militar.
Deven lo em oulra parlo obterdes mais dela-
Ihadas iuf"nnai;es sobre este assumpto, limit-
me ao que acabis de ler, para ano conhecaia ler
cessado a maior parto da despeza, que se fazia
con este servico.
Commiu&o astronmica.O mu antecessor,
o conselheiro Jeronymo Francisco Coelho, aulo-
lisou -
Rodulplui Woehne
que celtas fallas deixem do ser conhecidas pelos I ram-separa all alguna operarios do paiz o oulros1
individuos habituados a vender aos "
. que doixar de ser receptr
Manda-1 de vadios e criminosos, urna -ez quo as disposi-
s rogulamentaies sejam concebidas de forma
tomaren as vagas, que so vio verificando.
Espero que na presento sesso manifestareis
qual a genuina inlelligencia da disposico, a que
o engajamento para o servico do imperio
; do astrnomo do observatorio de Pars, o Dr. Era-
urgente necessidade, manuel Liis. Chegado esto capital do impo-
ne U>n>08 de quarteis, nao so as prineipaes ci- no. resolveu o governo encarrega-lo da imoor-
dades do litoral, mas niuito principalmente as lante commissao de fazer o reconhecmeuto eeo-
provtncias fronteiras, hca claramente pateulead dosico o hydrograuhico da costa do Brasil Essa
que, comiao escassos recursos, apenas iremos commissao, porm, para que j se achavam con-
consegu.ndo conservar oque existe. Seccionadas as respectivas inslrucces, leve da
J.nnn?!, '"' 11V0-'S'r'J a quanta de ser adiada para mais tardo. A importancia do
00.000-5 para conslruceao de quarteis e enfer-: objeclo inipunha a necessidade de um "ramio
ao mesmo lempo devein ser construidos
ma a repellir qualquer insulto pralicado
repetidos exames pratica-
sicao de ludo, quanto era preciso para fardar o
i lo em um anuo, dando para isso as neces-
sarias providenciasnaquellas duas capilaes.
Se esta tentativa r:o se rasllograr, isio se a
qualidado da fazenda que vicr corresponder
minlia espectativa, se o proco nao exceder Aquel-
te que me foi communicado, ainda addcciona-
das as despozas de frotes, seguros, commissos,
servico. O meu antecessor vos fez sentir que o
pessoal estabelecido pelo decreto n. 1900 do 7
de marco de 1S57 insufflciente para acudir au
tratamcnlo dos soldados divididos pelo nOSSo
extenso territorio, muitas vezes em fraeces que,
se bera compostas do limitado numero" de ho-
mens, nem por isso dispensan facultativos que
velera sobre ellos as suas enfermidades. A
a fronteira, e para dispensa;- no interior muitos A base, en que est fundado este Irabalho
destacamentos de linhi, ;para que os corpos; melhoramenlo de fabrico, dirainuir-o de pessoal
desta, reunidos na sua mxima torca, se ap- e economa para a fazenda publica". O lempo s
pilquen a nsirncao de que t.mlo carecem, e nao poder mostrar se com eiTeilo se conseno me-
podem receber fraccionados, .-orno se achavam. 1 Ihorar o fabrico do genero pela nova disposico
Nestesentido j o governo proudenciou, man- das olficinas, no quo se adoptnnra os melho'ra-
dando recolher s capilaes das provincias todos mentos j inlroduzidos em paizes mais adianta-
os pequeos destacamentos d sseminados pelo seu dos do que o nosso.
mV'nlr ;,n :L y^"'10 dc""Hivamentc o sysle- ex.guidade do quadro do corpo de sanie irapoz I territorio ; c para que a tranquilado e seguran- -V diminuidlo do pessoal c dora. sin. i
' n^-./'M T-V os,nossos "sonaos, ; a necessidade de se contrataren mdicos civis ca publica nao pengnem, u.torisou as admmis- simples coraparaco STS&^tS^SS.
r, n,nar os:ra1!,.1Sg!llficl0,1-,e a va',lasem de; que en, Iguns estabelecimentos sunsuniara os lraS6es provinc.aesa destacaramos guardas n- lo o^rogulaineniu .ovissimo eoMtoiff '
r das reparlices publicas ossas | militares destinados a servico mais arduo. Assim | cionaes. quanios sejam, precinos para lubs.iluico | ,. A economa se manifesla a quemlaltnd'er a essa
de que trato, pois nao s
ro dos empregados de todas
escravos e africanos lvres,
ecimento, devein ser dalli
que nos futuros forneci- e muito menos para os exlrordinarios, cuja I destacados, esl", como "Veieis" pelo"rsp7cVi'v'o ic'to,""vest"uVo "e tatameS^tJs'e^fcnn^ad's'
nH nPrf0 K'JS'fSS"' f rCaCa clrcu,usl:jIlclas frtui,a^ venhara a de- I mappa. dentro da autorisacio do arl. 5. da le nao se querendo anda con idear a grande '".ni
vinH?s o i h P '1 C?He, pro" Iler,u,nar- i Je 1 de selembro do anno passado. j lagem da subsliluico dos bracos osera os nelos
.. pontos
por foi -. da costa do Brasil, desde a sua extremidaJc mais
mao septentrional at os limites meridionaes. J se
v, pois, que o algarismo da despoza a fazer-sa
devia elevar-se mu alto, e entao as circnmslan-
cas do lliesouro aconselharam aquelle retarda-
monto.
O governo, porm, resolvido a aproveitar-so
dos conhecimentos especiaos do Dr. Liis, enlen-
deu conveniente encarrega-lo de determinar a
jiosieao geographica da cidade do Recife ; e, alm
disso, de esludar aecuradamente as condicoes hy-
iraulicas dosportos do Recile eTamandar, e do
outros pontos e objeelos, suggerndo os meios
conducentes ao seu rnelhoraraeiiio real e perma-
nente.
Nos annexos encontrareis o primeiro relaloiio
(presentado pelo Dr Emmanuel Liis, c assim
melhor apreciareis os resultados, que se vio ob-
lendo da commissao, que lhe foi incumbida.
Commissao de codifreuco.Tcndo reconheci-
do que esla commissao," primitivamente creada
por aviso de 8 de agosto do 18, para rever, ad-
ditarc continuar o repertorio da legislacao militar
organisado pelo finado general Raym'undo Jos
da Cimba Maltos, depois de mais de 15 anuos do
existencia, nenhura resultado aprescnlava de seus
es-
avras.
Juigam-sc iiccessarios 12 quarteis, dos quaes
4 grandes e 8 pequeos. Cada um dos grandes
quarteis. atiento o syslema de sua conslruccao,
esl oreado era 000:0005, o cada um dos peque-
os em G5:O0OjJ.
Tornos, pois, que s para conslruccao dos 12
quarteis se fazein precisos 2,020:000-3." So a isso
addicionarmoa a soinma do 230:000$, em que
oreada a compra dos terrenos para aquellas cons- ,
Irucces, e ainda mais a de 11O.OOO5 para a con- Irabalhos, julguei convenicnlerdar por lindo
clusao das fortificaces deCacapava, e cidade do' lcs, dissolvenlo-a.
fab
cad
para desojar por esse syslema de fraccionara
tropa em pequeos destacamentos, subordinados
frequentemente a autoridades policiaes, que, dcs-
conhecedoras das disciplinan militares, nao sabem
11 reprimir a tempo os soldados que oordendo os ha-
rico do faldamento seja d'ora era diante pra.i- j v.ve.ro d'ondo sahissem para o corpo de sade \ bilos da profissao. pouco a pouco se So entra-
lo por mera e contrato, cujas eslipulacoes individuos com algurn tirdeinio do servico, do | nhando no caminho do crine
8S e7SiammmM^ZV^- 21 ,i,ir-C--ad.J'--D-S-.aS -fa-C!Ji,a,.iv',s d?s '..Por oulro .,ad0 ***** a'Sns casos des-
ren

lias
quo
co
era
ne
deixem de receber o trabalho, consistindo nica-
mente a diTerene.a de hav-Io do cootratador e
nao do arsenal. Grande parte do fardamento a
fabricar era distribuido, se nao por pessoas ricas
por muitas que nao carecan desse recurso para'
sua manutenca, e que distribuan] o trabalho
por oulras pessoas realmento necesstadas, fazen-
do-Ihes o pngimeuto com grande rbale nos pro-
cos por que o arsenal pa&a.
Nao sao estes os nicos pontos em que a ad-
Jinistracao dos arsenaes carece de modificaco.
EXERCITO.
Na proposta que tivo a honra de apresentar-
vos para lxacao da forca de Ierra, aparlei-me
das dieposjeoes emitidas" na le, que se acha em
vigor. All nao s se altera o numero de pra-
cas, que devem estar em servico, como se en-
contrara modificadas oulras disposices cuntidas
na mesma lei. Corre-me portaolo* justificar as
prineipaes deesas alicracdes,
O governo pede 18,000 pracas de pret de linha
para circumsaociag ordinarias, e 25,000 para es
se possa admitir na penalidade do exercito.
E' de urgencia urna prov donca qualquer que
embarace a reprodcelo de discussoes pela ira-
prensa entre militares sobre materia de servi-
co, principalmente com offensas de superiores.
As disposicoesda legislarlo ordinaria saosum-
mamenle otTensivas da disciplina do exercito : o
so os arligos de guerra impem castigos rigoro-
sos contra a maledicencia do militar, lem-so en-
tendido que, quando pralicada na mprensa,
ella sujeito apenas ao foro communi. lao obvio
sultado das pesquizas, a que so mandn proceder
sobre a existencia e qualidado das utreiras na-
luraes, que se suppoo encontrar era abundancia
em provincias nao distantes da corte. Se a ten-
tativa nao licar mallograda, se o salitre fr de boa
qualidade c o seu transporte nao elevar o prego
do genero alm daquelle, porque aqu tica o im-
portado do eslrangeiro, cortamente anda lere-
raos em nosso favor a vantagem, a quo allud.
Infelizmente as informacoes que at-agura tenho
obtido, nao sao animadoras, mas ainJaVConlo que
na conlinuaQo das exploracoes se oblenha cer-
teza da existencia daquellas nilreiras, [pois que
al agora apenas tenho recebido rosposta de al-
gumas municipalidades das provincias da Baha
e Minas-Geraes.
Tendo de prover a fabrica de plvora do sali-
tre e enxofre necessario para o consumo do cor-
rente anno, mandei proceder compra pelos
meios ordinarios ; mas reconhecendo que seria a
fabrica prejudicada na qualidde o proco do ge-
nero, por issa que nao era possivol liberlar-nos
dos erabaracos. em que collocavam a administra-
cao os individuos, que pretendiam arrematar o
seu fornecimenlo, resolv n3ndar vr da Europa
o salitre e enxofre preciso, e, danJo as necessa-
rias jndicaccg nossa legado em Inglaterra, a
Rio-Grande, complemento do syslema de defi
da nossa fronteira do sul, teremos o dispendio
total de 3,3 0:000g.
Sei perfectamente que essi somma nao ha de
ser despendida em um s auno ; mas tambem
CRDITOS E ORNAMENTO.
Junto acharis, senhores, os decretos quo au-
lorisaram a creacao de varios crditos para os
oxercicios de 1858 a 1859 e 1850 a 1860. Pelas
exposicocs annexas a esses decretos veris minu-
se ha do reconhecer que mesmo para a compra ciosameiitc desenvolvidas as razes que me lova-
ram a semclhante procedimento. A' primeira
vista parece sempre que os crditos supplemen-
tares elevara o algarismo dos orcamenlos muilo
alm do decretado pelo corpo legislativo. A m
organisacao dos orcamenlos, devida falta do
dados exactos fornecidos pelas provincias, occa-
siona dotarem-se certas verbas com sommas in-
do i feriores s necessidades do servico, entretanto quo
tomar aquellas previdencias que mo leem pare- cin oulias se verificara sobras ;' mis como o go-
cido urgentes,, para construir edificios proviso- I verno nao pode transferir as sobras de urnas ru-
nos, que resguarden] os nossos soldados da accao 1 hricas para outras, em que se dao as fallas, ap-
j parece a necessidafc de docrelaco dos crditos,
o repe- quando_ ha plena certeza de que no total da oes-
dos terrenos nao bstanlo a consignadlo mr-
cala na lei do orcamenlo. Enlao julguei mais
conveniente Irazer o que fixa exposlo ao vosso
conliecimento, para que possais resolver como
melhor emndenles ; puis o governo nao so jul-
Sou auiorisado a impor lao enorme sacrificio aos
cofres publieos, sem que o corpo legislativo rc-
solvesse. Entretanto eu nao tenho deixado
peza nao hnuve
tailes.
excesso sobre as sommas vo-
No oicamento que foi aprcscnlado para as dog-
Poo?s d;i reParlia0 tia guerra para o exercicio do
alhmospherica.
De todas as provincias sao constantes
tidas as reclamacSes para o reparo dos anligos
quarteis, ou conslruccao de novos.
Na provincia do Amazonas so ordenou a cons-
lruccao de um quarlel era frente serrado Cu-
cuhy, obra indispensavel para abrigo da guarn- i 1861 a 1862 se p'edem 12.828i-928$b68"Es'ai sora-
co desse ponto. as outras fronteiras da mes- ', ma s'iperior sem duvida s concedidas para os
ma provincia do igual medida ha urgencia O exereicios de 1857 a 1860. Se porm a eslas reu-
quartel da capital representado sem a necessa-; nirraos as dos crditos autorizados pelo poder
ra capaeidide. | cxeculivo, se reconhecer que as ultimas vao alm.
No Para ha instante necessidade de construir- daquella.
se um quarlel para o 11" batalhao de infamara, I'rocurei fazer com que o orcamenlo se appro-
que lem estado arriscado a ser victima do desa- ximasse o mais possivel da verdade, mas nao
bamenlo do edificio por elle oceupado, impondo posso assegurar hav-Io conseguido, ltenla a in-
assim a obrigaco do aulorisar o governo o alu- certeza das bases. Essa mesma incerteza inlluo
guel de casas para accommodaco desse corpo. I poderosamente para que eu julgue que do novo
No Maranho continuam-se as obras do quarlel', orearcento sobrera quanlias de bastante vullo.
do campo de Ourique, o qual ao mesmo tempo
servia de deposito do arligos bellicos, o ainda
mais do laboratorio pyrolechnico, cora grave pc-
rigo dos soldados que o habitam.
O quarlel da capital da provincia do Piauhy nao
esl ainda concluido, porque, exhausta a peque-
a quota.que se lhe pode deslinar, foi preciso
suspender os Irabalhos.
O quarlel do Cear, alm de nao ter as preci-
sas comraodidades para o meio batalhao, quan-
do completo, carece de alguns edificios acces-
sorios.
Na provincia de Pernambuco 03 quarteis tem
recebido maiores ou menores reparos. Ainda
salvas quaesquer circurastancias, que com ande-
cedencia nao sejam previstas.
NJo pretendo, augustos e dignissimos senhores
representantes da nacao, haver fornecido ao cor-
po legislativo informacoes completas sobre todos
os ramos do servico publico a meu cargo. Seo
zelc sobra, fallcccm-me os meios de com lucidez
expr as necessidades do ministerio, & cuja testa
fui posto pela confianca de Sua Magestado o Im-
perador : se altenderdes, porm, aos bons dese-
jos que nutro, relevareis as repelidas lacunas des-
te trabalho, at porque eu do melhor grado vos
prestarei.no decurso da sesso, quaesquer oulros
esclareciraentos, de que possaes carecer.
"T~T""

ILEGfVEL


PIAftl DE PEKNABMUCQ. gtJABTA fElfU *6 DE JULHO D 8"6r),
(3T
T.ilaci do Rio de Jaaeiro, era de maio de
1*00.
_________________Sebastio do Bego Barrot.
DIARIO DE PERNAMBUCO-
Itocebcmos pelo vapor da companhia Anglo-
luso brasiteira, jornaes c carias da Euiopa que
alcanran a 4 de julho.
Era grave anda a situaoao da Europa, e os
crislitos polticos nao pronietliaw desanuvoar-se
to depressa.
O ro do aples proclamou a conslituico fi-
nalmente.: se oais cedo o livesse feito, talvez
nao tivosse lao arriscada como hoje teru o seo
th roo.
Em lodo caso, no dia 20' era dado esl ale-
grao do povo, eoscollegios oleitoraes convoca-
dos para o dia 7 de junho
A nomearo feiu era aples de Sprinell,
para presidente do conselho c de Martina para
ministro dos estados estrageros foi bemacolbida.
Nio obstante estas medidas liber.iosdio-se as ur-
das mais enrgicas para conliauar a guerre, e
o general governador de Mcssna para que oceu-
pe os desliladeirosde Mancouzan : a cinco leguas
da ccdadella, coin o lim de impedir o bloqueio da
x-raoa.
Soja como fr, Garibaldi e Francisco II, prc-
param-se para a hita, c a Sicilia nao ha de ser
annexionada Sardenha coin lana r.iclidade
oinii [orara os ducados, apezar mesmo dos de-
satinos e atrocidades que os Bourbous leern cora
neilido, de longa data nesla malfadada illioa.
F.m Messinaoslava.il concentrados 10,000 ho-
niens de tropas reaes c havia tambera muitas
muniedes de guerra e bocea ; porma inaior : enriados professores para fazerem
parle das suas tercas cstao accumuladas do ou- | vacos,
to lado do estrello, era Salomo e as costas da
Ctlabria.
_ Para fortiQcar a parle septentrional do reino,
FrinciscoII esperava segundo di/, o Times, gran-
c soccorros que havia de mandar a Austria ;
porra anda que exislem jdez balalhes com-
| slos principalmente de havaros, e se espera em
breve rounirem-se ootros doz ; estas tropas ins-
pirara lio pouca conlianea, que om capito hn-
garo que serve no exorcito italiano do Garibaldi,
'u j,', a formar una legioconi os que deser-
ta rain.
Coutinuavam achegar a l'alermo navios carro-
g idos do armas de fogo, compradas nos Estados-
luidos.
No dia 27 bou ve na ra de Toledo era aplos
tima niauifeslaco popular, havemio gritos de
viva Garibaldi, e sendo n'osse acto accooimetli-
do o ministro de Franca que passava na sua
ca ruagera.
(i representante da Franca ficou ferido na ea-
'licia, c sendo conduzido sem sentido ao palacio
da embalsada aohava-se livre de perigoao fechar
das ultimas noticias.
Ao saber-se da destituicao do governador de
Aleppo, o povo eheo de rgosijo gritara: Viva
o Sullao, morra Satanaz Os christos esto mu
satisfeilos com a esperaren de que podero me-
lliorar a sua sorle, porra anda por em- quanto
nao se julgam na obrga do novas violencias.
Em Conslnnlinopla lera havido muilos incen-
dios.
Falleceu em Pars no dia 2 i do junho o
principe Jcronymo Bonaparte com 76 annos de
iJnde, (pois naseera em 1781) o nico irmo que
restava de Napoleo I, que o fez rei da Werlcla-
lia, em 1808 e sondo obrigado em 1813 a depr a
cora relirou-so para a Wurtemberg onde casou
cora a (ilha do rei, e lomando o titulo de princi-
pe de Manlfort.
Restabelecido ltimamente o imperio na Fran-
ca, regressou sua patria, e era conselhero in-
timo de seu sobrinho l.iz Napoleo.
Un despacho de Londres de 23 diz confir-
mar se o assassinalo do imperador do Japo. Os
assassinos soffreram a pena capital, porm tor-
na-se a insurrecao geral.
Por noticias viudas por New-York, o gover-
no do celeste imperio tinha accedido as exigen- excrcito.
cas de Franca e Inglaterra, prometiendo pagara | S. Exc. reconhecendo que o
indemnisaQo reclamada, e abriudo a ambas as
cadeira de (rauco/ do yuiusio, sol u presiuii-
ca do 8r. director geral da insiruc;o e com as-
sistencia dos raembros do conselhi direclor.
Ni arguicao reciproca, revezaram-ae os concur-
rentes pelo modo seguinte: o Sr. acadmico
Hermilio Ouperon arguio ao Sr. acadmico Ame-
rico Netto de Mendonca, C3lo ao Sr. Hyppolyto
Gadault, este no Sr. Dr. Jorge l'es oa Dornellus,
este ao Sr. Antonio Americo de Moraos Satmenio,
e esle flnalmenlo ao referido Sr. Dupcron.
lloje deve ter lugar a apreciaco doaclo, ten-lo-
se em vista a prova escripia dad; no priraei-
ro dia.
A professora de primeiras lellras da povoa-
co dos Afogados foi habilitada, por porlaria de
ionlem, para entrar na perceper da mclhoria
de 7encimentos, conforme a lei n. 367.
Aeha-se nomeado corrector geral desla pra-
ca o Sr. Francisco Jos Silveira, assm romo o
Sr. Antonio Bolelho Pinto de Mosquita Jnior.
Exra. presidente acaba de expedir or-
dens no sentido de garantir, nos termos lgaos,
os guardas nacionaes do rocrutamoilo ; a que ora
se procede para complemento das iileiras do
luuer.u Pereira do l>iilo, pardo, uusaUu, u an-
nos, aneurisma.
e abrindo a
riaedes os porlos o os ros do imperio.
A rainha de Inglaterra passou no dia 23 em
Londres, revista a 30,000 voluntarios chegados
de varios pontos do reino.
Preparavam-sc qoasi todos os homens de
scencia dos observatorios astronmicos da Euro-
pe, a partircm para Uespanha, afini de observa-1
rem o eclypso total do sol, que deve ter lugar no
da 18 de julho, pela urna hora da tarde. Dos
observatorios de Coimbra e Lisboa lambem eram
as suas obser-
A crenca geral nos oitos crculos polticos
da Europa era que a entrevista que houvera in-
timamente em Badn entre o imperador o os
principes allomaos tora uin completo /lasco para
: aquello porque nada conseguto "aquella que se
i propunha.
.1 Allemanha mostra-sc mui desconfiada das
! vistas de Napoleo, depois do acontecido com
Niza e Saboia teme que a Franca quoira ir pro-
' curar fronteiras naturaet no rhono c que a Alio-
; manha seja desmembrada, para
I fazer a cubica insaciavel da raca napolenica.
| Ha porm a notar que aquillo que lam fcil fui a
a Napoleo l, maisdiflicil se tornar agora ao so-
brinho, pois a Europa nao seacha to despreve-
nida como enlao.
No entretanto o resultado das conferencias do
Badn cometa a fazer-se sentir. A primeira con-
secuencia desla alliinoa ser a reorgaoisaco fe-
deral segundo as bases propostas pela Prussia:
O que tanto tinha obstado a este accordo era a
insistencia da Austria em alcancar da Prussia a
garanta de todas as suas possessoes territoriaes
fado puro e sim-
ples do ser guarda nacional no isenta do recrula-
menlo,-aconselht todava quo para este se dcs-
ponse toda a cquidade, urna vez que nao soja
remisso para cora as exigencias do servico. E
assira ordena que, sendo reconhecldo o guarda I
nacional no acto da pristo pelo reorutador, seja
solt para logo : e para que nao cejan confun-
didos os merecedores dos effeitOS desla medida :
com os que o nao sao, ordenou simultneamente-'
que fossem pelo commando superiDr apresenta-
dos os que nao teem direilo a cssa cquidade pe-
lo respectivo proceder.
Esta medida era reclamada pela situaro, e S.
Exc. pondo-aera pratica, bera obrou.
Temos noticias do Brejo, que chegara a 18
desle corr
Jos Carlos de Sauza Lobo, branco, casado, 52
annos, araolecimorno'eerrbral espenal.
Firmino, preto, escraro, sdteiro,3 anuos, abees-
so deproslala
Antonia, preta, 5 annos, tubrculo pulmonar.
CHRONICA JUUiCIARIA.
TRIBUNAL DI RELICTO.
SESSO EM 21 DE JULHO DE 18G0.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. C0NSEL1IEIH0 BKKEIBIO
DE LEAO.
As 10 horas da manha, achandn-se prsen-
les os Srs. desembargadores Figueira de Mello,
Villares, Silveira, Gitirana, I.onrcnco Santiago,
Silva Gomes, e Uaelano Santiago, procurador
da cora, foi aborta a sesso.
Passidos os fetos e entregues os distribui-
dos, procedeu-se aos seguinlcs
JLLGAMENTOS
RKCURSOS DE ELEICES.
Recorrente, Jorge Vctor Ferrcira Lopes ; re-
corrido, l.uiz Carlos de Magalhes Breve.
Relator o Sr. desenibargndor Silveira.
Sorteados os Srs. desembargadores Figueira
de Mello, c Silva Gomes.
eram provimento.
RECURSOS CRIIES.
Recorrente, Joo Xavier do Reg Barros : re-
corrido, o ju'uo.
Relator o Sr. desembargador Silveira.
Sorteados os Srs. desembargadores Lonrenco
Santiago, Figueira de Mello eGitirana.
Deram provimento e absolveram o reo.
APPEr.r..\coES CITIS.
Appcllante, Reginahlo da Silveira Cardozo :
| isfawt irrleiessu que loir.-irnin mous
r.*ns resultados dos meus Irabalhws.
Afogados i de julho de 1860.
Sou Srs. redactores, seu constante ;eifor,
Jus Thenorio de Mello e Albuqutrqu.
~COMMMCoT
Alfaii Rendiniento do da 1 a 23. .
dem do dia 21......
inacessivoi o ga-
, na Saboia ; mas moslrando-se
Na manhaa do da 28 foram incendiados alguna btnele dl! Berlim, a Austria devirlia das aas seguida resliluio-a ao preso,
portos da polica da capital de aples. portencoes, por isso que nao via a possibilidade didas de seguranza.
correspondencias particulares de Turioij,[de iumpliar nos seus cxforQOS
Maravilha 1er as correspondencias do Londres
acerca deslas celebres conferencias. Nao so eu-
contra nellas mais do que urna longa datribe
contra LuizNapoleo, a ponto de dizerem que o
regiesso do imperador a Pars, foi a do cao, de
rabo entre pcrnns; o que nao admira, ajunlam
os correspondentes, porque na familia ha un
canina. O certo que Napoleo quera uuo o
prncipe regente da Prussia lizcsse a seguud.i
parte de VctorEmmanoel, ceJendoa Saboya; po-
rm sahiram-lhe baldados os seus planos, e frus-
tradas as suas ideas, nicas porque combate....
Agora que se apresenlam to melindrosas as re-
lardes das grandes potencias, npparece uin pla-
no gigantesco de M. Gustavo Iloberl para unir a
Franca 5 Inglaterra, ou para no melhor accor.lo
do mundo as por era contacto.
Varios projeclos so leein proposlo noslcs nl-
.ao deste minuteno o commeudador Spi- ,in)03 aillIIISJ|l]ra por cm ronmunicaco n Fran-
ca com a Inglaterra por inoio de urna estrada de
(erro ; mas a ponte enorme que seria niistcr cons-
truir por cima do mar doscorocoou os mais ar-
: roiados planisadores. Propor-se depois a aber-
dvmtast S an"US l',ra d "'" lHnnel- mDS os ,on8s nnnns q"e st'-
ra necessario gastar em o pert'urar, Ozeram re-
nunciar a este projecto.
M. Iloberl propoe agora a conslrucco de um
molhe ou iimnjeli de Douvres a Calais ; e trata
do demonstrar us immensas vaulagens commer-
ciaes e polticas deste novo projecto. Sob o pon-
to do vista de cmlisaco, diz que, com a reunio
Jas duas capilaes do occidente, diminuem consi-
deravolmenlc as probabilidades da guerra entro
a franca e a Inglaterra ; que sendo chamadas
por idnticos inleresses a prestar-sc um motue
apoio para a colouisacio da frica, da Asia c da
A comarcS^Iva de tranquillidade, e a sau- I ^^^^^'^^
de publica era vantajosa. ,. .. "o'-'-
A segunda reunio do jury di.quelle termo I rnm .. "'''.>cus cnnuis.
deve realUar-se no prximo ce agosto. |.,?.''" "9}**r- .-esemborgador promotor da
Suicidara-se all o velho Portuguoz Uanoel -Uffi,uJp!"^<^.cr,,me: c -
Cordeiro de Bonevides, primo do coaujuclor da \ ffiL"1?' i|6 A,""ni0 '.lnS ?3", 0S Pal'1Ca0
freguezia. Este laclo causo-i all nolavel sonsa- PPC!"-. Jase Barbos, de Araujo Perca.
satis-I cao, porque o suicida sempre desenvolver um Ass'gnou-se da para julgamento das seuintcs
'catholicismoirreprehensi.el na s la longa vida PP<--ao-cs crimes :
de 78 annos. Attribue-se o s^u Ira Leslimavel
desgostos procedentes de um ilho, a quem
muito estimara. O seu corpo leve apenas se-
pultura profana, depois de ser vestoriado pela
polica.
Havia seguido para esta cap tal, por ordem i
do Dr. chefe de polica, os crimini sos Joo Ve-
Iho, Clomenlino Lins e Joo Menees. Esse Co j
mentirlo tenlou antes pr-se ao fresco, sobor-
nando a um guarda, medanle n quanlia de.../I
1309000; mas esse guarda rovelou isto, e entre-'
gou-aao commandante do dostacanenlo ; queem
e toiuou suas me-
Movimentu da alfandeg-a
Volumessaludos cora fazendas
com gneros
Voiumesenlrados com fazendas
com geueros
appcllado, Manoel Car-
Bppellado, Antonio Mon-
As
dizem que o conde de Cavour resolveu adoptar
Um i altitude rraneamenle hostil ao reino de Na-
pelos.
O embaixador deste paiz acredita de na capital
da Sardenha recober us seus passaportes, c as-
segura-so que duas divisOes sardas recebero or-
dem de marchar para a Sicilia.
Varios officiacs de estado rnaor teem abando-
nado o exercilo piemonlez para irera reforcar as
Iileiras da insurrecao.
ti decreto do 27 que conrcJcu insliluiedes l-
bcroes a aples e concebido nos torraos so-
guinles :
1." Concesso de urna anistil geral.
2." Formaco de um novo ministerio que no
mais cuito espaco de tempo redija os arligos do
um estatuto sobre a base de instituices reprc-
s mtalivas e nacionaes. Encarregar-se-ha da or-
co deste minisleri
iclli.
o." Negociar-se-ha cora o rei da Sardenha era
interesso das duas corase da Italia.
A lundcra do reino ser igual da Sar-
o." Conceder-se-ho Sicilia instilucoes ro-
| : sentativas iiuc salisfagam as exigencias dos
3 sor vice-rci um principe da casa real.
S na organisaco militar da Sicilia, Garibaldi
oi feliz, nao parece comtudo ter obtido lao bora
oxi'.o u respeilo da organisaco administrativa da
ilha.
Segundo correspondencias que vemos era va-
rios jomaos italianos, o ministerio nomeado pelo
dictador foi muito mal rerebido pelos sicilianos,
b ; mo de que as sympalhias de que gosa aquel-
lo hroe popular, liveram significativas de-
monslracos de desgoslo contra os ministros si-
cilianos do Garibaldi.
(i corlo e (e alera dosse desgoslo, ainaa na
outro motivado pelas gran tes dillicnldades qne
en:ontra o dictador na furmaco e organisaco
militar. Os Sicilianos nao teem tradicres m-m
hbitos militares o nao muito fcil fazer dolles
- soldados :
Corren o boato do que Mazzini tinha ido a
Parlermo, mas parece sor galga osla noticia por-
que as correspondencias de Turm dizem ler elle
renunciado ao projecto de ir Sicilia com receio
do all sor mal rerebido.
De Pars asseguram a um jornal de Lisboa que
o imperador dos Francezes obtivera do Garibaldi
;i promessa de que nao levara os seus projeclos
aliii do reino de aples, c que se dolera,
sem penetrar nos Estados Pontificios : Na ver-
il a le nao vemos fundamento para oslo rumor,
porque d'nm despicho oflicial anterior enviado
pelo ministro dos negocios estrangoiros da Fran-
ca ao Cardeal Antonelti se diz que posto que S.
JI. reprove todas as insinuares do Piemonte, o
lhc pese da expedieco de Garibaldi, e tentativa
contra aples, tentativa que talvez continu no
estado da groja, nem por isso o imperador es-
tara resolvido a inlervir cora a torca armada
n'esta questo ; c que s garantira corte de
liorna, a p.isse da mesnia cidade e nada mais*;
que era pois mui conveniente que S. Sanldade
cnirasseno campo das reformas para evitir mais
serios.disturbios e complicaces na poltica geral
da Europa.
As notici.13 mais recentes que nos da o lele-
grapho sao de aples e Turim de 28 do passa-
d >, isto ao fechar em Lisboa da mala da Euro-
pa ; por ellas se doprehende que os commissanos
dos 12 quarteis de aples linbam sido saquea-
dos e roubadas ; os archivos queimados, e osera-
pregados assassioados, Proclaraou-se o estado de
Sillo e foram proiiibidos os grupos pelas ras.
A situaco de aples inspirava anda mais
serios temores de anarclua e de conflictos entro
os Lazzaroa e o resto da povoac,ao.
O governo napolitano manJou restituir os na-
Australia; tambem a Uespanha c a Italia, apoia
das na Franca o na Inglaterra, participaro das
Vanlagens daquclles doirn nnvns. a o MMMuno '
Austria, lorlificando-senospiizes do HWBregro,
deve dar s povoacoos danubianas a unidade que \
Ibes falla, que a Russia, ronlidade uro lado pela :
Suecia e Dinamarca, c do outro pela Prussia e'
Austria applicar cultura dos seus immnnsos
dosertos os raeios de que dispoe, prosogin lo as-
sim na grande obra da civilisaco ; finalmente,
que, toda a Europa, em vez de pertencer Rus-
sia, Inglaterra, ou Franca, nao perlencer.ise-
no a si mesma, podendo ento as nar.es des-
envolver o genero de industria, agrcola ou ma-
nufaclra, que mais convenha ao solo c ao clima
de cada urna, sem que por issodoixo do licar Pa-
rs em tildo o caso a verdadeira capital do mun-
do civilisado.
Porum lado a abertura dos sthmos de Suez c
Panam, facilitando as navegaces do longo cur-
so, e por outro a unio da Inglaterra Europa,
por una jetee, tunnel, ou ponte, lero ura dia
de regenerar o mundo-
A eomecar do 1. de junho os voluntarios
de Garibaldi usa rao do uniforme dos infantes do
exercilo piemonlez.
A princeza Alico, ilha da rainha de Ingla-
terra parece que despozar o principe allemo
l.uiz de Hesse.
No dia 10 de junho deve sabir para sua
projectada viagem ao Canad o principe de Galles,
herdoiro da cora da Bra-Brelanha. Leva um
nomcroso seqnito c vai bordo de urna nao de
00 pecas.
Diz-se que a pretexto da inauguraco da via-
gem do principe lera lugar una grande revista
naval no Splheard, que, seguindo to de porto a
dos 30,000 voluntarios, ser urna nova domons-
trago contra o imperador dos Francezes, como
para I he dizer que se a Inglaterra est preparada
para o receber em Ierra, nao menos o est pelo
mar e tornar inipossivel iodo e qualquer desem-
barque.
No-las alturas eneontra-so a .allanca e o ho-
rnera contra quera boje so fazera estas bellcosas
demonstraces o mesmo que se recebia em
tos sardos que linbam sido capturados, e deixar Londres cm frentico enthusiasmo durante a
en:iliberdade 03 passageiros. guerra do Oriente; o mesmo a quera a rainha
J marque/. Antonini oi enenrregado de ir a^v'icloria foi visitar a V
a Taris, o mesmo em cojo
braco se apoiava essa rainha para ir derramar la-
grimas sobre o sepulcro de Napoleo, cujas cin-
zas, de regresso do Sania Helena, descancam bo-
je nos carneiros dos Invlidos ; o mesmo que
inaugurou o sou reinado sob a epigraphe tenta-
dora O imperio a paz, e que s combale
Pars cora misso especial de mostrar o scnli-
mento do gabinete napolitano, pelo attentado
contra o ministro da Franca Mr. Breraer ; prom-
mettendo-se ao mesmo lempo urna completa sa-
lisfaco publica. Os culpados desle attentado
ainda nao se descubrirn, e attribue-se aos re-
volucionarios ardentes, que julgam prestara Fran- \por~ida
ca appoio ao piulido da resistencia. Vordadeiramoute, laes contrastes sao capazes
Os jornaes inglezes publicara um despacho de] do fazerem desnortear o mais pralico navegante,
aples que dizem contera noticias officiaes sobre i os mares da poltica europea.
o resultado da nussao que levou o Sr. Martina \ Terminamos a nossa revista noticiando que o
para Franca. Esle, segundo as ditas noticias, navio Malabar, que levava para a China os om-
recebeu do imperador dos Irancezes a soguranca baixadores francos e inglez, naufragara no cabo
formal de qne o imperador nao recoohecena a je Galles, perdendo-se ludo, excepto as vidas,
allanca da Sicilia ao Pieraonle. Assegura-se como cousa positiva que em Avi-
Assegura-se lambem que o imperador e Mr. de | nho se esl restaurando a toda a pressa o pala-
0 invern'que ti vera all bons comeos, en-
fraqueccu, do maneira que as locuras achara-
se deliiihadas ; e em alguns lugares nem as ha,
nem paslo e nem aguas. Os criadores j roliram
os seus gados, leudo havido grande prejuuo no
vaceum.
Os gneros ainda continuara per altos prreos,
monnenle a carne. Mas esle etTuto nao deriva-
so da falla de gado, que alm disto lera sido
vendido barato, porra procede do monopolio
dos marchantes, que querendo ganhar multo,
matara pouco.
Convin queso nao consinta scem amarra-
dos s errores do caes de 22 de novonibro os
animaos de malulos, como hoje se pralica.
Esse coslumo inconveniente nao s para a
belleza dessas arvores, como igualmente para a
respectiva vegetaco. A ourina daquclles ani-
maes lera produzdo a raorlo de algumas dellas,
o a continuar, pode muilo bem ser, que era bre-
ve as do mais tambem perecam.
Pelo delegado de polica do termo de So
rinhem foi preso o cscravo Theolo/.io, do se-
nhor do engenho Carnoro, pronuiciado no art.
200 do cdigo criminal desde, o anno de 1856.
Pelo mesmo delegado foram capturados cm
flagrante delicio, Pedro Antonio de Mello, Jos
Lopes Tararea Jatob, Manoel Antonio Machado,
Simo Jos da Fonseca e Jos Francisco de Pau-
la, que compunham urna quadrilh; de ladres de
cavados. Cada um (folies tinha ilido o seu papa
capim quando a polica tambemos film.
Foram recolhidos noc dias 21, 22 c 23
rasa de detenco 25 pessoas, sendo 2i homens e
1 miilher; 20 livres c 5 oscravos, a saber : or-
dem do chefe de polica 3, do delegado do pri-
raei ro destrelo 1, do subdelegado do Hccfe 10,
do de San-Jos 1, o do da Boa-Villa 9.
O ro uro de SWA5SEA. Este porlo da Gra-
Bretanha. do que tantas vozes se traa, per-
loucc ao Otauwrgauanira ( Uiiiiis do s
t a 206 milhas de Londres e a 28 niilhas O.
S. O.de Merthyr Tydwel. Swasea est situada
na margem occidental do Taway, que mistura
suas aguas com as do canal de Bristol na baha
de Swansea. A cidade do Swaniea tambera
situada na margem occidental da baha, offere-
ce iiid lindo aspecto, vista do ni.'r. Suas casas
sao bera construidas, suas ras sao largas, seus
arrabaldos composlos de bellas quintas quo sao
residencias verdadeiramento encantadoras. O
porto nao s um dos mais bello* do reino, mas
ainda um dos mais seguros, e por sso de gran-
de utilidade navegico cosleira ca Gra-Brola-
nba. Dous bollos caes bordara o canal a sle e
oeste, onde o loilo asss profundo, para que os
navios de 300 toneladas possam el egar carrega-
dos ao ponto do desembarque, e all recebera
carga completa para exportar. Nc caes occiden-
tal ha um relogio e ura pliarol com um lerraco,
d'onde se avista a baha, a cidade e o paiz am-
biente.
A principal industria de Swansea consiste em
fundir cobro, que recebe de Corr.ouniller na Ir-
landa, do Chile e de Cuba As officinas de tundi-
coesto lodas as margena do Taway, onde
lambem exislem oulras fundiedes de ferro, vastas
manufacturas do louen, cordoariis, fabticas do
corlume, e oulras officinas de gra ide importan-
cia ; conseguinlemenle o commeroio desla praca
consideravol, e sao enormes as quanlidados de
carvo, de ferro, cobre e madeira que se trans-
porlam para Swansea. As grandes vantagens que
esta cidade rene concorrera para i tornir o ino-
Ihor local (aquella cosa pan a industria do co-
bre. Priraero que ludo tora muito carvo do po-
dra ; depois goza de. ura canal seguro e fcil para
os navios; finalmente a sua prox raidade a Gar-
nouailles poupa-lhe gnndes despezas do trans-
porte. O concurso de todas estas circunstancias
favoraveis asseguram a essa lonalidado urna no-
tsvel preponderancia sobro as out -as cidades vi-
zinhas, principalmente ne que res.ieila ao traba-
Iho do cobre.
Nao ha muito lempo ainda, que Swansea nao
passava do urna insignificante cidat o, situada en-
tre duas monlaulias cuberas do verdura na em-
bocendura do Taway, adornada de una grande
igreja c do un velho castello normando ; seu
commerco constava de carvo, que exportava em
sumacas o chalupas; agora, ludo e;l mudado.
Com magnficos diques, o um uorto espacoso
recebe os navios de todas as dimenses, e tem
um commercii) de importa^o o e:;portaco, que
causa inveja a todos os vizinhns.
A cidade tem prosenlemento noros o magnifi-
\ppellanlo, ojui/o; appcllado, Argemiro Men
do* da Cruz Guini-tres.
Appellaute, ojuizo; appcllado, Jos Joaqun)
de Siqueiri,
Appollanle, ojuizo ;
neiro do A'buquerque.
Appellaute, o juizo ;
leiro dos Ssntos.
Appellaute, o jui/.o ; appcllado, Laurindo Jo-
s Cardozo.
Mandou-se averbar a dizima na appellaco c-
vcl :
Appollanle, Sanios & Rolim ; appellado, Ro-
zcudo de Sauza da Silva Cunda.
DISTRIBUICOES.
Ao Sr. Icsembargador Figueira de Mello, o
recurso doqualilicacao :
Recrreme, Jos Antonio da Silva Grillo ; re-
corrido, oconsolno.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago, o
recurso dequalilicaco :
Recorrerte. Fenclon Bomlcar da Cunha ; rc-
rido, o eoiselho.
Ao Sr. desembargador Silva Gomes, o re-
curso :
Recorrente, Antonio Monteiro da Silva ; recor-
rido, o consetho.
Ao Sr. desembargador Gitirana, o aggraro de
pelico:
Aggnvante, Francisco Jos do Amara) ; ag-
gravade, o jui/.o.
A ,'.' lora da tarde cncorrou-se a sesso.
Descarregam hoje 25 de julho.
Rrigne americanoBohogelo
Brgue inglezS. Vicentecarvo.
Bngue portuguezTarujo & Filhodiversos g-
neros.
Hiato americanoJoseph Grecodem.
Importa ea.
Vapor nacional Iguarass, procedentes dos
porlos do norte, consignado a agencia, manifes-
tou o seguinte :
26 saccas algoJo era pluma; Manoel de
l'aiva Cavalcanto.
12 dilas dito dito; Vianna & GuioiarSes.
1S ditas
d
> p0t menos fuer, a obra a fazer-se na parte do
hospn'sl redro II. que tora do ser concluida, ava-
had eiu" 50:1688O0.
A arreivalaco ser feila na forma da le pro-
j vincial n 3s'3 de 4 de maio de 1854, c sob as clau-
sulas espetiae.s abaixo copiadas.
. As pessrras que se propozerem a esta asrema-
|a.~o, comparecaro na sala das sessoes da mes mi
junl, no da cima declarado, pelo meo dia, e
com pelen tomento habii'.'tadas.
E para constar se manu'ou affixar o presente e
publicar pelo < Diario.
Secretaria da thesouraria arovincial de Per-
nambuco 23 de julh-o de 1860. O secretario,
Antonio Kerreira d'Annunciafo.
Clausulas especiaos para a arrematacio.
1." A obra ser principiada um mez depois da
matacn, e concluida no prazo "
2 O arrematante ser obngado a attender a*
observar-oes tendentes a boa execuco da obra,
! feila pelo engenheiro encarregado di obra.
3.a Ser obligado a receber para empregar a
. obra todos os materiaes, portas e grados, etc.,
que exislirem feitas, pertencenle ao edifico, pa-
i ra o que indagara quando lenba de construir una
porta, caixlhos, grade de ferro, ote se laes ob-
Ijectos exislirem felos.
4.a O pagaraeulo ser dividido era cinco pres-
taces iguaes, correspondentes cada urna a cada
quinto da obra que soja teiminado.
5." Desconiar-se-ha em cada preslacao que le-
nba de receber a importancia dos objjeclOS que
por ventora tenha empregado pertencenle ao
edificio, lirados os procos de cada um delira, d.
orcamenlo junto, para"o que preceder o paga-
mento um atlestado que scientifique ao governo
quaes os ditos objoclos quo foram emprogados
na parle a pagar.
6." Observar-se-ha para ludo o mais disposto
na le provincial, n. 2S6 Conforme = O secre-
tario, Amonio Ferrera d'Ariiiuneiaeo.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desla provincia manda fazer publico, do
confurniidade com as ordens do ihesouro nacio-
nal ns. 98 e 99 do 20 de junho ultimo, que no
dia 10 de setombrn vindouro se tora concurso
nesla thesouraria para preenchimenlo de mais
urna vaga que ha do pratirante na mesraa, c ou-
Ira na recobedoria de rondas internas desta ca-
j pitat. Os que pretenderen! ser admiitidos ao con-
curso, devero aprosentar nesla secretaria seos
reqiierimenlos instruidos dos documentos que
1 provem : 1." terem 18 annos completos de idade :
2." estarem livres de culpa e pena : c 3.u um
, bora procedimento
Os exaraes neste concurso versaro sobre Ie-
tura, analyse grammalical, orthographia, e ari-
thmotica, al a theoria das proporces inclusiva-
mente.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 20 de julho de 1SG0. O oflicial maior
interino, Luz Francisco do Sampaio e Silva.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernarabuco.
. EM 24 DE JLITO DE 1860.
A caixa descorita letras a 10 O/o. loma saques
sobre a praea du Rio de Janeiro c recebe dinhei-
ro ao premio de 8 O/o ao anno.
A directora resolveu, em conseqtiencia do ex- arrematado, e concluida no prazo de 18'mezcs.
Iranrdinario numero de lelras a receber, que nao
houvesse descont no dia 30 do corrente mez de
julho.
N0V0JSANC0
PERWM1BLCO.
EM 21 DE JULHO DE ISCo.
O Banco desconta na presente semana a 10 por
cento ao anno at o prazo de 4 mozos, e a 12 0 o
at o de 6 raezes, e" toma dinheiro em cuntas
correnles simples ou cora juros pelo premio e
prazo que se convencionar.
214.0213379
6.320:650
220:3155035
8
128
------136
101
101
------202
18 ditas cera de carnauba, 8 couros salga- ". """. "'-_. -"-.m:o u, gupalo e miu.
jos, 3 ditos espichados, 26 moihos com 259 ou- Directora gem da iistruccao
rinhos m.udos, 1 caixote cora 2 libras de pon- i
publica.
as de enia; a l.uiz Burgos de Cerqueira.
46 saccas l de algodo; Tasso & Irrao.
3 caixas relogios, 58 couros salgados, .I) mo-
ihos sola, 433 couros miodos e 2 moihos ditos,
8 saccas e 1 barrica cora de carnauba, 25 libras
dita do abelha, 3 banicas e 1 voturae queijos ;
a ordem de diversos.
Consulado geral.
Rendimento do dia I a 23. l!)22>772
dem do dia 2!....... 9625960
l.835--;".t2
Diversas provincias.
Rendimento do dia 1 a 23. .
dem do dia 24......
Communicados.
2:279930
2ll;77l
2:300*701
Se o Sr. Orates j esl enfastiado de ouvir a
Travista, a ponto de chamar massada, nos ainda
nao estamos, o coranosco o respeilavcl publico
queenche o thcalro de Santa Isabel sempre que
vai scena essa opera.
Nao sabemos quaes as operas que o Sr. Mari-
nangoli lera de levar sccoa. mas quando seja ni
as que menciona o Sr. Oreles, nao sero ollas
operas de torga '? O que entender o Sr. Orales
por operas de torca '? Ser pelo apparato do sce-
oario ?
F. porque suppoo o Sr. Urcstes que a excopeo
Ja Sra. Boltramini nao lora acompanhia pessoal
para as operas de forra 1 J nao czecutou ella
com geral npplauso a Traviala ? E ser osla
i/pora de torca ?
Na Norma nao fallemos, porque segundo o Sr.
a>.P';r" Ocese, foi ella profundamente enterrada '.'.
Ora'*r. Oreslos, nao diga asneiras, nao enver-
gonhc ao seu amigo
Pylade.
#"
Despachos le exportacao pelame-
sa lo consulatlo desta cidade u >
dia Si de julho de 1SUO
Havre Brigue fraocez Bollera, Tisset Freres,
800 couros salgados e 71 ditos espichados
Rio da PrstaPolaca bespanhola Santo Anto-
nio, A. Irmos, 52 cascos cachaca.
LiverpoolBrigue inglez Bello, James Ryder
& C, 700 saceos assucar mascavado.
Recobedoria le rendas internas
geraes le Pernamhuco
Rendimento do dia 1 a 23. 39:758^953
dem do dia 21.......3:317|317
Faro sabor a quera convier, que leudo o Exm.
Sr. presidrnle da provincia, por poriatia de 11
do crreme, de ronlormidadc com art. 3." 10."
n. 4 da lei n. 369 do 1 de maio do 1855, creado
4 cadeiras de instrueco primaria para o sexo
masculino, urna ora Grvala, onlra cm Timbaba,
outra era Vicencia e finalmente ontra em S. Vi-
cente, o Illm. Sr. -irector geral manda fazer, pu-
blico, marcando o prazo de 30 dias a contar da
dala deste, para a inscripeo e processo de babi-
lilaco dos opposiloros na ornia das inslruccoe
de 11 de junho do 1859, nao s para estas nva-
monte creadas, como para as cadeiras do mesmo
sexo vagas do Pilar de Ilamarac, Salgueiro.
J Ruique, freguezia de L"na, Taquariiinga, liapis-
suma e Rio-Formoso, que tambera so achara a
concurso.
Secretan;, da instrueco publica do Pernambo-
co, 18 de julho do 1860 O secretario interino,
I Salvador Henrique de Albuquerque.
430765270
Consnlado provincial.
Rendimento do dia 1 a 23. 51:5965363
dem do dia 24....... 1:326:567
65.!>22ffU30 ;
Correspondencias.
'MoTimeiito (lo porto.
rapito Jeronymo Jos Telies, carga assucar e
mais gneros.
Obserccco.
Fundeou no lamaro urna barca inglcza, nao
leve communcaro com a Ierra.
Thouveuel chamaran) especialmente a atlenijo
para o fulo de que a corlo dasTulherias nao ro-
Conheceu a aunexacao da Toscaua a da Romana
ao Pieraonle.
Um jornal de Cracovia diz ter havido cm Wa-
sorvia urna manifestaco, no dia 11, por occasio
de se celobraretn as exequias de madama de Sow-
nilhe, viuva do general que foi morlo em 1831
lias fileins dos insurgentes da Polonia. Seguiam
a carro fnebre mais de 20,000 pessoas. Parece
que a noticia desta demonstrado causara em S.
Petersburgo muila sensaco.
Em aples a commisso encarregada de cla-
horar o projecto de constituicao sob a presiden-
cia do conde de Aquila terminou os seus traba-
lhns no da 21 do corrente, (crido influido lam-
bem a jevem rainha, para que o governo adopte
urna poltica liberal.
A'.'.ciuiia-sc no meio de todo isto defensa do
reino. O exercilo foi dividido era tres corposj;
um destinado a proteger a Calabria, outro os A-
bruzzos o o terceiro a cidade d aples. O rei
devia lomar era pessoa o commando deste ultimo
corpo.
A 23 tnliam apresenUdo asna demisso lodos
os ministros, sendo encarregado,como cima dis-
somOSde formar o novo gabinete, ocommenda-
dor Sprlnelli.
Lim telegramma de 27 do Damasco na Syria,
diz. que a guarnico d'aquella cidade tinha com-
inetldo novas violencias e saqueara muitas casas,
pelo quo (ora demitlido o governador assm como
es de Alepo e Smirua,
Srt redactoresCumpre-mehoje,jo" pie tenho
terminado os trabalhos, aquesujelou meu mano, :
o hom.m, com quera os habitantes dos Afogados j Rio.Crilnd*c' do !
contarr rm seus vex.ames, o Sr. tenenlo-coronei
Manoel Joaquini do Re20 o Albuquerque, o que,
por espirito deagradardisse ousadameuto um qui-
dam, n'uma correspondencia exarada no Difiri de
l'crnanbuco de 21 de abril de 1860, mas que
por se- dito por um reo de polica nada influio
nos adraos dos Afogadcnsos, tanto quo ficou
sem nsposla, fazer inlcirar ao publico do que so
passo
Eu sempre ouvi dizer que era muila cousa o
scr-sccommandante de balalhau da guarda na-
cional, porm suppunha que esse dito se referis-
se ao mrito de quem quer que o fosse ; entre-
tanto agora conhoQoque se refere a poiseguieo,
e destspero a que um commandante de batalho
que ajusa, pode snjetar ura guara, que sendo
semclhinle a ura reproba jamis encontrara
justici se Deus nao collocasse cima d'elles ho-
mens que tem em mente o juramento que pres-
lam, piando rcceDem o onus publico, homens
que anda no verdor de seus annnos conhecem
que mislcr acabar os abusos, abalcr o podero,
c mostrar que sraentc o talento, e as virtudes
distinguen] os homens, sendo cerlo que do con-
trario a juslica sera impralicavel, existir libcr-
dadepara 03 potentados, c o resto da huraani-
dade, alm da miseria a que condemuado, per-
raanetrr na escravido. Esta doulrina, por in-
constitucional que lera funostissimos resulta-
dos. Eis a historia :
OSr. Reg o Albuquerque, esforcando-se por
sujeitar-mc ao seu dominio, j qualilicando-rae ;
guarda, apezar de ter a mao direita inipossibili-
tada, j qualilicando oulro meu irrao. tambem!
por molestia irapossibiliado da guarda activa,
por intrigas particulares, agora colricamente i
atira-se sobre meu pobro irmo Antonio de Mello
e Albuquerque, hornera de mais de cncoenta an-'
nos, como justifiquen, e aecusa-o ao Exra. com- |
mandante superior da guarda nacional do guar-
da remisso, e que por isso o havia desuado para
0 servico do Ia linha.
vapor
P. de
Navio entrado no dia 34.
Liverpool c portos intermedios23 das,
portuguez Brasil, coiuniandanle I).
Campos.
A'nria sahido no mesmo dia.
nacional Jorge,
os * a. m te ex o 2 B Horas
n c B c_ c -i C o 2 B c en Atmosphera.
-: w Direcr.o. < a o
V a ^ "J n (-> en t"> O 1 | Intensidade. \
l C O ts S" o ts OS O i. * ! Centgrado. H O rfl 5
o o 1 ^ p c o i Reaumur.
--i -1 -4 5! | Fahrenheit
I 55 -~1 o -I OS -1 os i c- 03 O ce o | Ilygrometro.
1 -4 B ; -4 " o Barmetro 1
c
t
V.
<
> c
IT
V.
A noile clara com grandes nevoeiros, vento SE,
vcio para o terral e assm amanheceu.
OSCILLACAO DA MAR.
Preamar as 8 h 6' da manha, altura 6.25 p.
Baixamar as 2 h 18' da tarde, altura 1.75 p.
Observatorio do arsenal de marinha 2i de juina
de 1860 Vikgas Jnior.
Editaes.
cumenladamenle sor inspector de quarleiro no-
meado em rtezembro de 1857, lendo de Jaboato
eos templos, ura espacoso mercado, um instituto viodoem novembro do mesmo anno, quando o
philosophico, e numerosos ediliebs construidos! Sr. Reg e Albuquerque assevera ser guarda
ci que oceuparara os papas n'aqueila pouvoai-o.
Oque isto quer dizer podera bera calcular os
leitores sem que baja niistcr de nos aqu lh'o
indicarraos.
O px-infunte D. Carlos de Bourbon e seu irmo
D. Fernando declararan! milla e de nenhum ef-
feito a renuncia que assignaram uas prisocs de
Toslosa cm 23 de abril do corrente anno.
Tralava-se do. fazer realisar o pagamento da
primeira preslacao das indemnisaces da guerra
pagas pelo imperador de Marrocos ao governo
hespanhol.
Os marroquinos insislera pela evacuaco im-
mediata de Tetuao e pedem ura praso de 4 an-
nos para o pagamento das indemnis3(;oes.
Em Portugal cabio o mraisterioAguiar-Fonles.
Foi chamado o marquez de Loul para organisar
a nova adminislrago. Os nomes proposlos
cora sao os seguinlcs:
Marquz de Loul, presidente do reino e es-
trangeiro.Carlos Bruto, marinha: Moraes Car-
valho, jiistica; Broancamp insuda ; Garcoz ,
guerra; Thiago llorta, obras publicas. Sobre a
dcstribuirao das pastas, nao so linha chegado a
un resultado definitivo.
com riqueza e gosto. A sua populac.o lera sex-
tuplicado, e conta acualmente pirio de 50 mil
almas, quando n'oulro tempo nao linha 7 mil.
Igual prozresso lem tda a sua navegaco. Era
1768 o porto de Swansea contava 694 navios en-
trados, por anno; hoje conla 5 mil embarcacoes
de lodos os lotes. Ainda em 1814 seu commerco
com o estrangeiro nao careca de mais da quatro
A cmara municipal desta cidade manda
Quem rase esse velho e doente provando do- publicar para conhecimento dos seus municipes
e devida execuco a postura abaixo transcripta,
approvada pelo Exm. presidente da provincia.
Paco da cmara municipal do Recite em ses-
so de H3 de julho de 1860.Gustavo Jos do
Reg, pro-presidente.Manoel Ferrera Accioli,
secretario.
Quarla seceo.Palacio do governo de Per-
.i.i
quatro annos, e como tal auxiliando a guarda
nacional era cumpriraento d'olli -ios desse, ser
sua casa cercada pelo subdelegado supplente da
Magdalena, Jos Ribeiro Pessoa de l.acerda Ju- nambuco, em*20dc julho de 1860.
mor, seria sem exilar quu injusto c cruel o | O presidente da provincia, leudo vista o que
Sr. Reg e Albuquerque I I representou a cmara municipal do Recife era
Porm contra a njustica ha a justca. e contra olFicio de 18 do corrente sob n. 69, resolve ap-
a crucldade a brandura, e" essa esperanza que un-, provar provisoriamente os seguintes artigos de
navios, actualmente a sua forca tem 160 navios tria minha alma, se tornou certeza, quando in-', posturas :
de al lo bordo, lodos pertcncontes aos armadores i leirado do que se passara o Exm. Sr. presidente i Art. 1. As casas de taipa que se conslruirera
daquclla cidade. desla provincia, que hoje preside aos suus des- ou reconslruirem as povoacoes das freguezias
Passageiros entrados de Liverpiol e portos in- tinos, restiluio paz a urna familia inter, que de S. Lourenco da Malla, S. Amaro de Jaboato,
lermedios no vapor portuguez Brasil, trouxc a jazia na desolaco, entoando-lhe cnticos pola Muribeca e Varzea, lero 12 palmos vivos de al-
seu bordo Henry llookey, John Brown. pralica d'uraa aVco to meritoria. tura, na frenle, da soleira ao alto do frechal, as
Hospital de cardadk.Exislem 60 ho- Ha equi mullas viuvas, muilos orphaos, rcui- portas 9 palmos de altura e 4 c li-2 de largura,
ta pobreza, e esse senhor nao poder provar o e as janellas a raesma largura : os infractores
;0 Dr. Ernesto de Aquino Fonseca, cavallriro da
ordom Recife, por S. II. o imperador, que Dos guar-
de, etc.
Faeo saber aos que o prsenlo edita! virem,
; quo por esto jabeo lem de ser arrematado por
i venda a quem mais der. na porta da sala das au-
: diencias, e lindos os dias da lei, as seguinlcs pro-
piedades :
Ura sitio de torras denominado Allemo, cora
algumas fiuctciras, extremando pola frente com
0 sitio Riacho da Estiva, pertencenle a viuva e
herdeiros de Jos do Monto Lima, pela parle do
nascenle na linha do sul a norte do maree da es-
trada at o riacho Passoda Ibura e dito sitio Es-
tiva, r pola parle do norle, ao poente.com tr-
ras do engenho Uchoa, lendo 2,380 palmos de
1 fronte e 4,000 de fundo, com duas casas de taipa
coberlas do tolhas, avallado por 5:0005:000.
(Jih orrrno
Cacimbas, no mrsiuo lugar da Ibura, extremando
coin ierras do Jos Rodrigues do Otveir Lima,
avaliado por 1:500;.
Outro terreno do mallas rapoeiras, denomina-
do Descanso, em dito lugar da Ibura, que extre-
ma com torra do mesmo Jos Rodrigues, avalla-
do por 1:5005.
Oulro lerreno do maltas rapoeiras, junio a la-
goa denominada Zumb, no SObTedito lugar da
Ibura, oqnal extrema com o sitio Estiva, e com
Ierras de Alfonso do Albuquerque, avahado por
2-OOOjJOOO sondo o total do valor do sitio e terre-
nos annexns a quanlia de 10 ottOjOOO ; todas es-
tas propriodados situadas na freguezia dos Afo-
gados ; sendo o dito sitio e mais terrenos per-
lencentes a viuva e herdeiros do finado Antonio
Al>es Ferreira, e vai praca por delerminacao
deste jui/.o, a requerimento de Antonio Poreira
deOlivcira llaia, credor hypolhccario do referido
casal.
A primeira praca em 31 do corrente, a segun-
dajdita em 3 de agosto, a lorcoira dita em 7 do
mesmo pelas 11 horas da manha depois do lin-
da a audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz de orphos.
E para que chegne ao conhocimonto de quera
inleressar possa mandei lavrar o prsenlo qne
ser affixado no lugar do coslume, e publicado
m = pela imprensa.
S _\ Dado e passado nesta cidade do Recito, capital
o da provincia de Pernarabuco, sob meu signal e
? i sello deste juizo, que ante mim serve, ou valha
sem sollo ex-causa, aos 6 dias do mez de julho do
anno do naseimonto de Nosso Srnhor Jr-sus Chris-
to de 1860, 39" da independencia e do imperio,
do Brasil.
Eu Joo Facundo da Silva Guimaraos, escrivo
o escrevi.
Ernesto de Aquino Fonseca.
Pela inspeccao da alindola se contracta
por um anno o fornecimento de racoes para a
guarnico da escuna i'iidoin, a saber :
Pi.
"Bolaxa.
Assucar branco.
Caf em grao.
Arroz do Maranho.
Bacalho.
Carne-verde.
Dita secca.
Toucinho.
Farnha de mandioca.
Feijo.
Agurdenle.
Azeite doce para comida.
Dito para luz.
Dito de coco.
Vinagre.
Vollas de spermacele.
Dilas stearinas.
Dilas de carnauba.
Sal.
Lenha cm achas.
As pessoas que se quizerem contratar o dito
fornecimento apresentera as suas propostas era
carta fechada at c dia 25 do corrente.
Alfandega de Pernarabuco-, 14 de julho de 1860.
O inspector
Bento Jos Fernandes Barros.
c
c
e.
>
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA-
Honlem continuou o processo do concurso
mens e 58 mulheres, nacionaes; 7 homens cs-
trangeiros, e 1 cscravo, total 126.
Na totalidadodosdoentcsexisletn 37 alienados,
sendo 30 mulheres e 7 homens.
Foram visitadas as enfermaras pelocirurgiao
Pinteas 7 horas c 40 minutos da manha. pelo
Dr. Dornellas, As 7 horas e 40 minutos da ma-
nha, pelo Dr. Firmo as 6 horas da larde de
honlem.
Matadouro publico :
Mataram-se no dia 21 do corrente para o con-
sumo desta cidade 97 rezes.
MORTALlnADB DO DIA 2} 00 CORRENTE:
Marcolino Jos Ferreira, branco, rasado, 35 an-
nos, iim tumor no osso dorsal.
Francolina, branca, 6 annos, angina.
Joanna, parda, escrava, 65 annos, solteira, col-
lico.
Luir, dos Santos Nunes d"01iveira, branco, soltei-
ru, 41 annos, gaslro entente.
Declaraces.
CORRER).
O vapor Viamao recebe a mala par?.
e esse senhor nao pooera provar o c as janeltas a raesma largura : os
soccorro que lhes presta, sendo muilo sabido e sero multados em 5$, e no duplo na reinciden-
publico, que hi pouco lempo fallecer nesla fre-'cia.
guezia Sebastio Lins de Hollanda Cavalcanl, : Art. 2 o Fica inleiramenle prohibido o costu-
seu primo e alunado, nao lendo outro leilo que, me de so fazerem fogueiras nesta cidade por oc- ,
urna esleir, posta ao chao, e outro cobertor que ': casio das festividades de S. Antonio,S Joo e S. o MiU'anhaO hoje O as l horas da tarde,
o mesma esleir. i Pedro, e em outros quaesquer dias : o contra-
Appello para os Afogadenses, aquelles que se ventor pagar a multa de 203, co duplo na rein-:
dignaran) d'osoccorrer com urna esmola, e o vi- cidencia.
ram neste estado, e para a miseravel viuva que Art. 3." Fica revogado o art. 9 do titulo 11 das.
mendiga o pao com quatro filhinhos to bellos e ; posturas de 30 de junho de 1849, Ambrozio
to dignos de comiserocjio, que ao ve-Ios bastar Leilo da Cunha.
para excitara caridade, menos a de tal senhor, ConformeAntonio Leite de Pinho.
que com quanto sejam suas prenlas, todava, ao ConformeO secretario, Manoel Fcrroita
pedirera urna mgalha que reparto com quera cioli.
nao precisa, para depois tazer lembrar, Ibes disso i O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro
voces me pedem c eu a quem pedirei ?!! I vincial, cm comprmeme da ordem do Exm.
Eis o hornera cora quera o povo conla nesta presidente da provincia de 12 do corrente, e de i ^^^ n 9i AOI li
freguezia, onde ha tanta gente superior, em vir- ; conformidad* com o 15 do art. 26 da lei do or- U" IIKUvU C AU.UOw x
'eudes, rm dinheiro, e em sciencia S6 urna | ^amento vigente, manda fazer publico que no dia |
O novo banco de
Per nambuco repele o avi-
so que fez para seren re-
colhidas desde j as notas
Ae-
ro, -II unos, gasiru eiiicnic. i muw, un uiuut-iru, c um swruuo "i i yomcm ..e...,.>., ..._..uu mu , Jaanna Maria da Degolaco, parda, viuva, 33 nn- I penna corrompida, e aviltada poder tal dizer. 114 de agosto prximo futuro, per&nte n junta da omiccon iQ 1)31100
nn> .inaTiirr.i i Peen nuhlir.arn rtpsia tuecas Hnhas. para a- mesma thesouraria. se lia Je arrematar a nuca i vnn j^v
nos, anazarca.
i Pec,o publicado deslas toscas liabas, para ea- mesma thesouraria, se ha de arrematar a quem
(MUTILADO


Ci)
THEAT
Representar-se-ha a o opera cm 3 aclos de Verdi:
Vendem-se os biihetes como de costume.
CONCERT MUSICAL.
yo
PALACETE DA RA DA PRAIA.
EJI DENKFK'.IO DE
Consellio administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, ern cumprimenlo ao art.
22 do regulamento de 14 de dezcmbto de 1852,
laz publico que foram aceitas as propostas dos
senhores abaixo declarados.
Para fornecimento do arsenal de guerra.
Jos Baptista Braga :
5 arrobas de rame grosso do ferro a 240 rs. a
libra.
JoaoJos da Silva :
5grosas de parafusos de ferro de n. 3 a3$500
a grosa, 5 grosas de parafusos de ferro de n. 5 a
3j500 a grosa.
Para o arnuzeni do arsenal de guerra.
Almeida & Andrade :
20 duzias de loboas de pinho americano a 67
Tis o p. 10 duzias da mesma madeira de tres
quartos de largura a duzia a 9$500.
O conselho avisa aos mesnios vendedores que
devem recolher os objeclos comprados no dia 27
do corrente mez pelas 10 horas da manhaa, ua
secretaria do conselho.
Sala las sesses do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 23 de
julho de 1860.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario uterino.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimentt
do arsenal de guerra, tcm de comprar os objec-
tos seguiules :
Para a colonia militar de Pimenteiras.
Leuces 24 ; camisolas 12; barretes 12 ; fro-
tihas 24 ; colchoes vasius 12 ; travesseiros vasios
12; toalhas24 ; cobertores de papa 12 ; cami-
sas de laa 6; coroulas de laa 7 ; lijellas de fo-
llri 12; pratos de fulha 2i ; bules de fulha ou
de louca 2 ; chicaras de folha ou de louca, ta-
zaos 24 ; colheres para cha 12 ; talheres ; ouri-
ns dezinco 6 ; copos de folha 12 ; livro de 100
folhas em branco 3 ; papeletas irapressas 200.
Quem quizer vender taes objeclos apresentt
as suas proposlas em carta fechada na secretan*
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 30
do correle mez.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para fornerimenlo do arsenal de guerra, 23 de
julho de 1600.
Denlo Jone Lamen Ta Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Per eir Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Pela delegara do Cabo se faz publico que
existe na cadria daquella villa urna prela de a-
fio Costa, que andava fugida, a qual diz ser es-
crava do engenho S. Joao da fregiiezia da Var-
zea : quem se jutgar seu douo, dirija-se a mes-
ma delegada, a fin do se justificar ser o proprio
dono. Cabo 23 de julho de 1800.O capitao de-
legado, Julo Pereira Teixeira.
Caixa filial do lianco do
Brasil.
Resol ve u a directora da cauta filial
que de setembro prximo em diante nao
serao admittidos a descont ttulos, cujos
vencimentos se realisarem em urna mes-
ma data, quando o numero dclles r
incotnpativel com a respectiva cobran-
ca em um s dia, o que manda fazer
publico para que os signatarios do con-
venio de 6 de fevereiro prximo nassado (,U1; 9oslumaildo Prestar aos artistas, espera o be-
. ir noticiado tambeni nao lbe faltar.
Os biihetes podem ser procurados ou na casa
de residencia do beneficiado, ra dos Pires, ou
noite no palacete da ra da Piaia.
Prego dos biihetes 5fOQ0.
Principiar s 8 horas em ponto
MARIO DE PERS&HBUCO. QUARTA FEIRA 2S DK JULHO DE 1880.
DE
SANTA ISABEL
COMPANHIA LRICA DE G. !H4R|iNlNGELI
Quinta feiia 26 de julho
Decima recita de assignatura e quinta da segunda serie pura os camarotes
TRAVIATA.
Principiar s 8 horas ero pinto.
Giuseppe Bacigaluppi,
Profcssor de rabeca.
(JARTA-FEIRA, 25 DE JULHO.
Dcpois da escolhida ouverlura por urna exrcl-
lenle banda militar executari o beneficiado acom-
panhado pelo Sr. Santini ao pianoI IlANTASIA
BRILHANTE, sobre o Trovador, porArdeli.
Segunda parte.
PJ1ANTASIA UE Al.LARu, sobre a Norma, a
rabeca e piano, sendo lodo o recitativo e a Casta
Diva, executado pelo beneficiado, s na quarta
corda.
Terceira parte.
Far o Sr. Santini ouvir no piano urna excel-
lenle composicao sobreA SOMNMBULA.
Quarta parte.
Ter lugar pelo beneficiado acompanhado pelo
Sr. Santini um difilcilCAPRICHO, sobre a Tra-
viata, por Sessa.
Quinta pa?te.
Duelo concertante a rabeca e piano sobre m o
livos de GUILI1ERME TELI., de Rossiiii, por Be-
riot e Osborne.
Sexta parte.
A rabeca com acompanhamenlo de pianoO
CARNAVAL DE VENEZA.
Os intervallos serao preenchidos por bellos pe-
dacos inusicaes pela banda marcial.
O beneficiado confessa-se desde j grato ao
respeilavel publico desta capital pela proieccao.
'aira
Aracaty
Hiale Sergipano ja lem parte da carga, para o
resto trata-se cora Martius & Irmaos : raa do
Madre de Dos o. 2.
Baha.
No fia 2i do mez corrente sahe o hiale San-
io Amaro : para o resto da carga, trata-se cora
Caetano Cyriaco da C. M. ao lado do Corpo Santo
n. 25, primeiro andar.
Leudes.
LEILAO
Sevla-feira 21 de julho.
O agente Costa Carvalho,
far leilao no dia cima, di resto dis mobilias
que ficaram por arrematar ,ia ra Nova n. 65.
sem excepgo de preco, onesmo agmtc espera
que o referido leilao seja concoirido jois que c
preco porque lem de ser en.regu nao deixaro
de ser arrematados.
Rs&ocxiico Cgpogvaplt tea
{Jcviiamlutcatta.
mnv,?9rHeai d S\l Presidenle. sao pelo presente
convidados oasenhores socios effeclivos. para que
fe \\ m Q comParccer domingo 29 do corren-
te. as iu horas da manhaa cm poni, afim de
reunidos em assembla geral procederem a elei-
5ao dos novos membros que lera de funeciouar
no anno social de 1860 a 1861.
Secretaria da Associacao Tvpographica Per-
nambucana, 25 de julho de 1860.
J. L. Dornellas Cmara,
, Io secrelaiio.
Jasra W. Stone, subdito dos Estados-Uni-
dos do Norte, se relira para o Para.
Pedias de Fogo, 16 de julho de 1860.
Tcm por aqui corrido o boato de que Virginio
Horacio de Frcitas morador nesta povoacao teni
dito que ha de fazer lodo mal que puder a abaixo
assiguado, al lirar-lhe a propria existencia, o
que nao ere" o abaixo assignado apezar dos raaos
precedentes do dito Virginio, mas como nao le-
ona este oulro inimigo alera do referido Virgi-
nio, vem por cautela prevenir ao publico de que
se alguma tentativa houver contra a su* existen-
cia ella parle do mencionado Virginio, a quera
az responsavel por qualquer mal que lhe acon-
leca ucando certo de que coiiliuiiar o abaixo as-
signado a andar comu costuma sempre, inerme
as repelidas viagens, que faz por lugares er-
raos emeonsoqueucia do negocio deque usa.
Tenham, Srs. redactores, a bondade de dar
publicidade a estas linhas o que muilo lhes agra-
decer o seu constante leitor.
Jos Pedro de Mello.
- Aluga-se um solao com bous commodos,
na freguezia de Santo Antonio, e por preco ra-
zoavel : quera pretender, dirija-se s Cinco Pon-
as n. 124 al as 9 horas da manhaa, e das 4 da
larde em diante, que so dir quera aluga.
. Precisa-se alugar urna ama forra para o ser-
neo interno e externo de urna casa de pequea
familia : na ra larga do Rosario n. 32, loia de
charutos. J
Ni ra da Saudade, casa de soto
ha para alugar um
Quarta-feira 25 do corrente.
satisfazendo ao art. o do roesmo conve-
nio, tomcm as providencias neeessarias
cm ordem a conciliar os prazos dos di-
tos titulos com o servico da mesma cai-
xa. Recite 13 de julho de 1860. O
chele da contabilidade, Ignacio Nunes
Correa.
Vacciua publica.
Transroissao do fluido de braco a braco, as
quintas e domingos, no torreo'da alfar/doga, c
nos sahbadns al as 11 horas da manhaa, na re-
sidencia do commissario vaccinador, no segundo
andar do sobrado da ra estrella do Rosario nu-
mero 30.
A administrado geral dos cstabelecimenlos
do raridade manda fazer publico que nao tendo
bvido licitantes para as rendas das casas abaixo
declaradas, vo de novo praca es mesmas ren-
das com o abale da quinta parte, no dia 6 do
corrente. na sala de suas sesses, pelas 10 horas
da manhaa.
Bairro do Rccife.
Ra do Pilar n. 74.
Bairro de Santo Antonio.
Ra do Padre Floriano o. 45, ra larga do Ro-
sario lojas ns. 26 e 26 A. ra do Cabug lojas ns.
1 B. 1 C, e 1 I), ra da Roda ns. 3 e 5, roa Nova
n. .j9, ra do Fagundes n 32, ra de Santa The-
reza n. 4.
Admiriislrac.no geral dos cstabelecimentos de
candade 19 do julho de 1860.O escrivo inte-
rino. Justino Pereira de Faria.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, lem de comprar os objec-
los seguinlea :
Para a escola do 8 balalhao
de liiiha
Avisos martimos.
c
iK
O agente Uchoa, fara' leilao em seu
armazem na ra do Vicario n. 15, de 4
fardos de algodao da Iialiia proprio pa-
ra saceos, assim como tambem 9 ba-
taneas com peso de 500 a 630 l.bras,
e mea raobilia de Jacaranda' em meio
uso porem em muito bom estado. Tudo
sera' vendido ao correr do martello as
11 lloras em ponto.
de duas janellas,
molecjue cosinheiro.
O arrematante da taberna que
foi do Sr. Paulo Francisco Rozendo, si-
ta na ra da Impetatrizn. 5i, outr'ora
aterro da Boa-Vista, roga a todos os de-
vedoies da dita taberna que tenham a
bondade de virem a mesma satis-
fazerem os seus dbitos at o dia 50
do corrente, e aquelles que assim nao
fizerem serao publicados os seus nomes
e usara' dos meios judiciaes.
Funileiro,
Precisa-se de um homem capaz eque
de- liador a sua conducta, para admi-
nistrar urna toja de funileiro, pereita-
mente sortida, sendo necessario que en-
tenda alguma cousa do olicio, dase
tnteresse vantajoso urna vez que seja sol-
leiro : na ra Direita n. 43.
Precisa-se de urna ama
que saiba lavar e engonimar,
para tratar de dous meninos
que aiidam na escola : na ra
da Madre de Dos n. 3G, pri-
meiro andar.
AMA DE LEITE.
I Na rtia da Gloria n. 18, ha urna pessoa que se
encarrega de ir ao mato busca-las. pagando o
| nleressado urna mdica gratificaban.
Precisa-se de um hornera solleiro que le-
nha pratica do fabrico de vinagre, para dirigir
urna fabrica fra da provincia ; quem se arfar
;s c quuer, dirija-so a esta lypo-
W8Er#*
comprar
de infantina
imperiaes e dstico da
guerra.
C resmas do papel almaeo ; 400 pennas de gan-
co ; 2 caivetes ; 72 lapis ; 6 garrafas de tinta
prela para escrever ; 6 libras de areia prela ; 20
colleccoesde carias para principiantes ; 20 taboa-
das; 6 grammalicas portuguezas de Monle-Vcr-
da, ultima edicao ; 6 compendios de arilhmelica
I'Of Avila, conforme o aviso de 12 de junho de
18>2 ; 20 traslados de escripia ; 6 paulas ; 6 pe-
dras para escripia ; 24 lapis para as mesmas.
Para o 9." batalh.o de inantaria de linha.
101 covados de hollanda de forro.
Para os sentenciados do 10." hatalhao de linha.
Brim branco. varas 7 1/2 ; algodaozinho, va-
ras / 1/2 ; esleirs 3 ; manta 1 ; chapeo 1.
lara o meio balalhao do caradores da pro-
vincia da Tarabita.
0 cornetas de toque ; 1 cordao para as ditas
1 boccal para as dilas.
Para a companhia de cavallaria de linha.
/0 pares de luvas de algodao.
Taia a Ia companhia de pedestres da comarcada
Boa-Vista.
1 sincte cora as armas
companhia.
Tara o armazem do arsenal de
J caixas com vidros de 18 a 20 polegadas : *
aramedclataoden.il.
Quem quizer vender taes objeclos aprsente as
suas propostas em carta fechada, na secretaria
o conselho, s 10 horas da manhaa do dia 27 do
crreme mez.
Sala das sesses do conselho administrativo
Pulho dni860eDl0 d arSeDal de SUOrra' 20 de
Denlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Caixa filial do ban-
co do Brasil.
A directora da caixa filial, desejan-
do conciliar quanto seja possivel os in-
teresas do comneercio com os da mes-
ma caixa, roga novamente aos Srs.
commerciantes que iguram como socios
de firmas sociaes estabelecidas nesta e
n'outras pracas visinhas, que com esta
esteo cm immediatas relacoes, sesirvam
mandar a referida caixa urna copia de
seu contrato social, extrahido do regis-
tro do tribunal do comraercio, e na tai-
ta suas circulares, contendo n5o $ as-
Signatura individual de cada socio e o
modo porque cada um assigna a razao
social, como a declaracao dos nomes dos
ocios que podem fazer uso da mesma
firma ; assim de facilitar a apreciacao
dos titulos que lhes forem offerecidos a
descont, tcarido certos os i?iesmos se-
nhores de que nao serSo admitidos ti-
tulos com firmas collectivas, qu'e nao
constarem pelo modo indicado. Rccife
13 de iunho de 1860.O chefe da co
tabilidade, Ignacio Nunei Correa.
Quinta-feira 2G do corrente
AS 11 HORAS EM PONTO
Sena reserva de preco
segu impreterivelmrnte no dia 2r>_n l\rifr0 na-
cional Eugenia; os senbores passageiros que
no raesmo vao, queiram ir pagar suas passagens
at odia 23; o raesmo recommendamos aquellas
pessoas que fallaram para embarcar escravos,
queiram lera bondade mandaros conheciroenlos
dos mesmos no escriplurio de Azevedu & .Mon-
des, na ra da Cruz n. 1.
Para o Aracaty.
Pretende sabir nestes dias al o dia 22 do cor-
rente, o hiale Nicolao 1, mestre Ti ajano Au-
tunes da Cosa ; para carga e passageiros, trata-
se com Prente Vianua 4 C, ra da Cadeia do
Recife n. 57.
Para o Aracaty
sahe o veleiro hiale Dous Irmaos ; para carga
trala-se na ra da Madre de Dos n 2.
Cer.
O palhabote Santa Cruz segu nesles dias ;
para o resto da carga, trala-se com Caetano Cy-
riaco da C. M. aolado do Corpo Sanio n. 23, pri-
meiro andar.
Aracaty.
O hiate Vdela recebe carga e passageiros:
a tratar com Caetano Cyriaco da C. M. no lado
do Corpo Santo n. 25, primeiro andar.
Rio Grande do Sul
e Porto-Alegre.
Segu cora loda a brevidade o patacho nacio-
nal Venus : para o resto da carga que lhe fal-
ta, tratase na ruado Brum n. 1C, armazem de
Manoel Jos de S Araujo.
Nao so lendo efTectoado o leilao annunciado
paralorca-fejra ultima, o a para o dii cima designado
que fui transferido
sendo
DE
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
P40UETES A VAPOR.
Paraos partos do sul.
O vapor Pabar, commandanle o capitao l-
ente Torrezo, espera-se dos portos do norte
em seguimentoaos do sul at o dia 6 do uor-
rente.
ecebe-se desde ja passageiros, encommendas
e engaja-se a carga que o vapor poder condzirc
sendo despachada com antecedencia at a ves-
pera de sua chegada : agencia ra do Trapiche
n. 40, esenptorio de Thamaz de Faria.
Marca diamante B 100 barricas cora terveja
vinda de Liverpool no brigue Catreittih, a
qual ser vendida por ordem dos Srs. Tasso 4
limaos na porta do armazem do Sr. Aunes
confronte a alfandega.
LEILAO
DE
. wm&
A equenmento dos i ministradores
da massa fallida de Antonia da Silva
llocha e despacho do Exm. Dr.jue es-
pecial do coramercio o agente ljppo-
to da Silva, fara' leilao das dividasacti-
vas pertencentes a mcsmi massa : quin-
ta-eira 2G do corrente as l horas em
ponto no seu armazem n. 35 da ra do
imperador.
(HCMP~m'oit$
PILULAS VEGETAES
ASSCARADAS
NEW-YORK
0 HELHOR REMEDIO CONflECIDO
Contra conslipacoes, ictericia, affeccesdo finado,
febres biliosas, clicas, tndigestes
enxaquecas.
Hemorrhoidas, diarrhea, doencas da
pelle, irupces.e todas as enfermiJadct,
PROVENIENTES DO ESTADO IMPURO DO SANGOS.
75,000 caixas Jaste remedio consoniraem-se
annualmente!'
Remedio da natureza.
Approvado pela McuJade de medicina, e re-
commendado como o mais valioso calarlico ve-
getal de todos os conliecidos. Sendo estas pla-
las puramente \egelaes, nao contem ellas ne-
Precisa-se de200000 a juros a prazo do
\ quatro raozes sobre penhores de ouro quom
quizer dirija-se ra da Moeda n. 23, se dir
quem quer. ocu,ia
n~ fS ?."/' subdit0 b"laonco, rclira-so
para o llio de Janeiro.
L'm moco que lem vontade de seguir o
coramercio, offerece-se para caixeiro de qualquer
i casa, o qual da conhecimenlo da sua conduela
, quem de seu preslimo se quizer utilisar. dirja-
se ao pateo do Paraizo, taberna n. 14, que acha-
ra com quem tratar. H
Acha-se em negocio a casa terrea
n 8 sita na ra de S. Joao da cidadede
linda, se alguem se julgar cora direito
a mesma appareca na ra estreita do
Rosario n. 15, cartorio do tahelliao Cos~
ta Montetro.
Furto.
Em a noite de 18 do corrente furtarao do Engc-
hfi2! 1 Ub0' umcavall 0, descarnado o
mleiro : tem a cara, beicos e os 4 ps brancos, e
na anca direita o seguinte ferro G F 11. Este c-
vallo perlence ao empreiteiro da Via-frrea R-
conirnenda-se a aclividade da polica ; assim co-
mo da-sc urna gratificacao quem o pegar o lc-
va-loao upradito engenho.
Gabinete particular, aonde se ensnam in-
(M ^e -~-" sci.encias e bellas-artes se-
graphia.
nhum veneno mercurial nem algara outrom;nc-
ral; esto bem acondicionadas era caixas de folha
para resguarjar-se da liumidade.
Sao agradiveis ao paladar, seguras e eficazes
EnsaiO PllOSOIlllicO PcriiaiIlbucailO *m SUa Pera50' remedio poderoso para a
Por ordem do Sr. presidente aviso aos socio JUV.entude' Pberdade e velhce.
o Ensaio Philosophuo Pernambucano, qneoinl! Lea-se o folheto que acomnanha cada caixa.
-sse desta sociedade exige o com-------:--------
do lodos os seus membros na sessao
4 horas da tarde.
Arminio C. Tavares dos Santos.
Kl hvrana ns. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia precisa-se fallar ao Sr.alferes Thora Go-
mes \ieira Lima.
se dcs}a sociedade exige o compa'recimento Pelo qual Se ficar conliecendo as i
de hoje, s | milagrosas que lem effectusdo. D. T. Lanman
& Kemp, droguistas por alacaJo em A'ew York,
Cfto-oo nwns fnbrioaijtcs c uiuprioiarioe.
Acham- se venda em todas as boticas das
principaes cidades do imperio,
DEPSITOS.
Mobilia, ferrageos. viilio
e cognac
Henry Forster & C. faro leilao por
intervengo do agente Hyppolito da Sil-
va e por conta e risco de quem perten-
cer de gigos com champagne, grande
quantidade de movris, ct tilerias, ferra-
gens, cognac e wisky em barris e ou
tras mu tas miudezas que serao paten-
tes aos senhores arrematantes : sexta-
feira 27 do corrente ao meio dia em
ponto no caes do Ramo armazem de
tarinha de trigo.
James E. B. Spears, engenhero machinis- ^' de Janeiro, na ra Alfandega n. 89.
V.11 9A llin r.-q^iln J. v..!. .. 1 r a t <- .* -w
la vai ao Rio Grande do Norte sentar um
o deixa cncarregado dos negocios de sua casa
seu caixeiro o Sr. Joaquim Jos da Paixao
Sanios.
Teixeira Basto, S & C. participara a esta
praca, que durante a ausencia do socio Juo
i-rancisco da Silva Novaes, fica com procuracao
da sua casa o Sr. Francisco Joao do Barros
= Quera no domingo 22, achou ou pegou um
cachorrinho que suppc-se ter sabido pela porla
pelo discuidode quem, sahindo, deixou aberla
pode enlrega-lo na ra do Bangel n. 21. pois o"
caozuiho e o folguedo de urna menina doenle de
molestia ncuravel, mas sem embargo disso se
lhe daia o adiado e so lhe ficar muito obr->a-
do ; cujos signaes do caoznho sao : cor de le-
Iha, todo baca, grande, orelhas cabanas, cauda
lina ecome muito : faz-so este annuntio para nao
pegar alguma molestia que ter atlrahido, sem
tazercm caso, lica livrc ininha conciencia.
SOCIEDADE
Bahia, Germano & C. ru Julio n. 2.
l'ernambuco, no armazem de drogas de J. Soum
S C, ra da Cruz n. 22.
RICA VERDADEIRA. E LEGI-
TIMA.
SALSA BARBUDA
ARTES MECII1MCAS E LIRERAES
DE
PERNA3IBUCO.
Nao so lendo podido realisar a eleicao da nova
directora naa duas reunioes para isso convoca-
das, convido aiuda esta ve/, a lodos os socios a
comparecerem psra o mesmo im. no domingo i. c
29 do corrente, as 12 horas em ponto da manhaa i V' enferm,dades do flao. dyspepsia, debilida-
na casa das sesses ; advertindo que, a conti- da,,e Seral febre biliosa e intermitiente, enfor-
nuar a mesma omissao da parle dos socios, se-! midades resultantes do empreo de
zass^n^sssrs: assr re er,,f'0es **resu,iara ,ja
Ouiro sim, declaro, que lendo terminado no dia
0 do crreme o anno do exerricio da actual di-
reecao, nao havero sesses ordinarias da socie-
dade em quanto nao se elegerem os novos func-
ionarios.
Directora da sociedade das Artes Mechanicas e
Liberaes de Perna.nbuco 24 de julho de 18.
J. Borges Carneiro,
Director.
Piecisa-se de um cozinhoiro
Imperador n. 75, primeiro andar.
1P-Tr CS CH] -^ f
Remedio sem ijjual, sendo reconbecidos pelos
mdicos, os mais iminentes como remedio nfal-
livel para curar escrophulas, cancros, rheumalis-
mercuno,
impureza do
hngjas italiana, grega e fraiceza, graramnlical-
raenle, 1er, escrever, tradu/r c fallar. Bellas-
2jM.ec,1"loriailaliOM Pelus nielhorcs
nicthodos, rabeca com sua competenlo escola de
arco, violao, executado imitaco do piano, con-
rapunto severo cem fugas c caones, cnsinar-se-
ha o modo de afinar a rabeca em differenles ma-
neiras paraos harmnicas, a uso Paganini. Re-
ceoem-se quaesquer coraposices a fazer, qur
thealraes, quer ecclesiaslicas, o para qualquer
luslrumenlo. *
Sexta-feira 27 do corrente, depois da au-
diencia do Sr. Dr.juiz municipal da primera va-
ra sera arrematada urna casa e sitio no caminho
novo da Solcdade, j com abatimenlo do
dado, por execucao do Francisco
Jnior contra Antonio Joaquim
a ultima praca.
Vende-se um negro robusto e sadio, sera
vicios, com muita pratica de trabalho de paJaria-
na praCa da Boa-Vista, casa n. 5, primeiro anda:
i reciss-se de urna arna secca :
Terco n. O.
valor
Alves Moniciro
Pacheco Basto :
no pateo do
na ra do
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PiMRH ATM!.
Para os portos do norte.
O vapor Tocanlins, commandanle o primeiro
lenle P. Hyppolito uarte,espera-se dos portos
do sul cm seguimento aos do norte al o dia 29
do corrente.
Becebe-se desde j passageiros e engaja-se a
carga e encommendas que o vapor poder condu-
zir, sendo despachada com antecedencia al a
-espera de sua chegada : agencia ra do Trapi-
che c. 40, escriptono de Thomaz de Faria
Rio de Jauero.
Palhabote Piedades segu com muila brevi-
dade : para o resto da carga, trala-se com Cae-
tano Cyriaco da C. M. a> lado do Corpo S,o(o n.
25, primeiro andar.
OJ
O agente Gamargo far lei-
lao de urna porcao de barricas
com sardinhas no armazem
do Sr. Anues, na escadinha,
jas 11 horas em ponto.
I i i-L:^-_
Avisos diversos.
Amelia Augusta da Silva Costa faz sciente
ao respeilavel corpo do coramercio e a quero
mais inleressar possa que vai proceder a inven-
tario nos bens que ficaram por fallecimenlo de
seu mando Jos Domingues da :osta, e por isso
devem apresentar suas conlas crrenles no prazo
de 8 dias, lindos os quaes se nao respoosabilisa
por qualquer conta que possa apparecer. Rccife
24 de julho de 1860.
Precisa-se alugar urna prela que engorme
e fa?a o mais servico de casa d< duas pessoas :
na ra do Araorim n. 33, segunda andar.
Aluga-se urna excellente sala e dous quar-
tos : na ra do Imperador n. 75, primeiro andar.
I recisa-sa de orna ama que engomme e co-
zinhe : na tua do Hospicio n. 34.
Desappareceu ou furlaram no dia 20 do cor-
rente, dos fundos da serrara de Vicente Alve3
Machado, um pranchio de amarello com 60 pal-
mos de coraprido : quem delle der noticia, diri-
ja-se a ra nova de Santa Rita, na mesma ser-
rana, que ser recompensado.
Pede-se ao Sr. Jezuino da Costa de Albu-
querque Mello o favor de ir ra do Sebo n. 24
a negocio de seu inleresse.
O Sr. Antonio Aniceto da Silva, que esleve
no engenho Pimenteiras na freguezia da Escada.
2nSlIa, J;aot>, vencida era 10 de junho prximo pas-
sado, na ra do Queimado n. 18, loja de M. R.
do Carvalho. Por se ignorar sua morada, faz-se
o presente annuncio.
Na ra larga do Rosario, liberna n. 31,
aluga-se urna sala de um primeiro andar com 2
quartos, propria para esciiptorio, em urna das
ras principaes do bairro de Santo Antonio.
Alugi-se um mulatinho de 16 annos para
compras e recados, o proprio para pagem na
ra da Penha n. 17, segundo andar.
Aluga-se um sitio no fundo da fabrica de
sabao, na ra Imperial, com casa dentro, e seus
arvoredos, e proprio para plantar: a tratar na
ra Imperial n. 5.
Compra-se ouro em moedas de 20g brasi-
leras, e 16 portuguezas : no escriptorio de Ma-
noel Ignacio de Oliveira & Filho no Urgo do Cor-
po Santo.
Declara-se em additamento um annuncio
acerca da arreraataco de urna escrava perante o
juizde orphos, pertencenle a heranca de D. Ma-
-, -- --w------- ..# j~ w vi miuuo, ucirauwuifl o ucrania up ii Ma.
n!Tflf, *US Tr"V0 P.enl,> cozinheir<>. >o- r'a Rosa d'Assurapcao, que a dita escr'ava parda
"' ."*"". ""S0.. d< cellenio conduela : na I ciar, excellente coslureira, est avahada era
i ra larga do Rosario o. 26, segundo andar. 1:600, e j oi parlilhada.
CATF.LA.
D. T. Lanman & Kemp, droguistas por ata-
cado New York, aegam-se obrigados a prevenirtrOSOlT.
o resdeitavcl publico para desconfiar de algumas
lenues imitacoes da Salsa Pairilha de Brisiul,
que boje se vende neste imperio, declarando a'
todos que sao elles os nicos propietarios da re-
ceia do Dr. Brisiol ,iendo-lhe comprado no an-
no de 1856.
Casa nenhuma mais ou pes?oa alguma lem
direito de fabricar a salsa parrilhadeBristol, por-
que o segredo de sua preparaca acha-se soraen-
te em poder dos referidos Lanman & Kemp.
Para evitar engaos com desaprecia veis combi-
narles de drogas perniciosas,as pessoas que qui-
zerem comprar o verdadeiro devem bem observar
os seguinles signaes, sem os quacs qualquer ou-
tra preparaca falsa;
l* O envoltorio de fora est gravado de um la-
do gofa urna cimpa de ac, trazendo ao p as se-
guinles palavras :
). T. LANMAVI & KEMP
SOL AGENTS
n. 69 "Water street.
^evv-\ovk#
25 O mesmo do oulro lado tem um rotulo em
papel azul claro cem a firma e rubrica dos pro-
pietarios.
3 Sobre a rolha acha-se o retrato e firma
do inventor C. C. Brislol em papel cor de rosa.
4o Que as direcces juntas cada garrafa
tem urna phenix semelhanle a que vai cima do
presente annuncio.
DEPSITOS.
Rio de Janeiro ra da Alfandega n. 89.
Bahia Germano & C. ra Julio n. 2.
Pernambuoo no rniazem de drogas de J. Soum,
& C, ra da Cruz n 22.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de taberna, c de fiador a sua conduela : na ra
do Rosario da Boa-Vista n. 59.
Ouem precisar do urna ama para casa da
hornera solte.ro ou mesmo com pouca familia!
Sffi&tS?*" *J-I arroaz
n > PCiSua lla na da moeda, que snnunciou
no Diario de segunda-feira n. 169 precisar da
S a premio sobre penhores de ouro, procure
negocio rC"U "'106> qUe se dir faz esl
H-.'snn^ lP8raPhi! deste Diario se dir quem
da 800-3 a premio sobre hypolheca de urna casa.
.r,i nga~sc uma Prcla de lodo o servico : na
ra da Praia n. 82. '
..hTI,^60'^'"^ d0 umca'"eiro de 12 a 14 annos,
tngalo ltimamente, na ra da Praia n. 82
Liquidaco.
Na loja ao pe do arco de
Santo Antonio.
d*osar 2og0e0ueS,dOS d ll" Seda cora 3 baba-
Ditos de cambraia e seda a 12?.
Chales de merino com palma i 6#.
Ditos de chaly muito linos a 6j."
Cha es de cambraia de seda estampados
vestidos de seda para menina a 14$.
Ditos brancos para baptisado a 14}.
Organdys muilo finos, a vara 600 rs.
Cambraias decores, a vara 500 rs.
Chaly de duas larguras com listras de seda
vados h IjJ.
Manguitos com golas, o par 5*.
Chapelinas muilo novas para Sdnhora a 183.
trilhanlins de vara de largura, covado 000 rs.
i.aa eseda para vestido, covado 610 rs
Crosdenaple de todas as cores, covido 1S800
.sedas de quadros, covado 1200.
Di las a lj.
Corles de vestidos
a 14*.
co-
de seda, fazenda de gosto,
3>800 ; e o otras
de annunciar por
l ceas de esguiio de 3lgodo
muitas fazendas que se deixam
nao haver lempo.
Cabrinlet
vende-se na ra do ospicio
novo c moderno :
numero 21.
ama Novan. 18. ha sempre para vender
grande porcSo de lijlos de alvenaria grossa o
apamentos de dilTorenles largaras; m,nda-sc
botar era qualquer porto ou qualquer mar por
sera otaria a margem dorio; quanio a qualida-
crdo;?s,rarocrd;de.a,ihodafor,nacs,arjconhe-
Cortes
de chita francesa para vestido
a 2^500.
Vendem-se na ra do Queimido, loia n 18 |
esquina que volta para a ra estreita do Rosario!
Almanak de Casti-
lho para 1860.
Acabam de chegar de Lisboa estes ioteressan-
les almanaks, e vendem-se na vraria econmi-
ca ao p do arco de Santo Antonio ; tambem so
vendem collecQoes completas dos mesmos, a pre-
eos commodos, na mesma livraria.
Venda de predio.
Anda em praca pelo juizo da primeira vara c-
vel, para ser vendida, uma excellente casa terrea
na ra do Aragao (freguezia da Boa-Vista) de n.
di, a qual-lem 32 palmos de frente e 80 de fundo
coznha fra, quintal murado, cacimba proprii,
chaos foreiros ; cuja casa vai praca para pa-
gamento de crodores, e se acha livre desemba-
razada : quem a pretender, pode ir ver, e logo
sei annunciado o dia da ultima praja.
ILEGVEL
- T-T--


DIARIO DE PERNAMBUCO. QUAttTA FEIRA 23 DE JULHO DE 1860.
Gompanhia de seguros
martimos
SEGUMDADE
NO
Rio t\e Janeiro,
Agencia de Pernambuco
RUADO TORRES.
Guilheniie Carvilho & C.,'
acluaes agentes dcsta companhia, avisara ao res-
peilavel corpo comraercial ea quem convier,
que se acham competentemente aulorisados a
effectuar qualquer seguro.
Aluga-se urna boa casa terrea em S. Jos
do Manguind, qua;i defronto da igreja : traa-
se na ra do Druru n. 16, arraezcra de Manuel Jo-
s de S Araujo.
@ Dr. Augusto Carneiro Monteiro da Silva
Santos, medico operador e parteiro pode
ser procurado na casa Je sua residencia
@ na ra do llangel n. 16.
Alugase
nma casa terrpa na ra da Guia n. 16, cora um
bom quintal que deila para a ra de Apollo, pro-
pria para qualquer cstabelecimenio de qualquer
um dos lados, por ter a vantagem de licar em
lugar de esquina; a pessoa que lheconvier, pode
dirigir-se ao armozem Progresso, no largo da
Penha n. 8.
ft .* '.:.' > Vi <:* '-> v> '.\ o* o. *rx *-. -rv *7> />
< v^o)>v>.:.^ V <- fe. vi 'J
;-3
t
i
C:5
Altenco.
Curso pratico e Iheorico de liiigua fran-
ela por urna senhora franceza, para dez $
cg) inoras, segunda e quinta-feira de cada se-
,'iC mana, das 10 horas at nieio dia : quera
9 quizer aproveilar pode dirigir-se a ra da t,
@ Cruz n. 9, segund andar. Pagamentos
Ci adiantados. -4
@@s@3> @@@@ @@ @@^1
No sitio do Arraial, de Marcelino Jos Lo-
pes, oh era sua otara na na do Cotovello, alu-
ga-se umaescrava para o servico de casa. '
FEUN DEC
de W.SGULLY
Estas peanas de differenles aualidades, sao fa-
bricadas de ac de prata refinada de primeira
tempero, e sao applicaveis a todo o tamanho de
lettra. Preeo lJJJOO cada eaixa e pennas de ouru'
pelo mesmo autor com pona de diamante, que
leera a grande vantagem de nao estar sujeitaa a
crear forrugem e conservndose bem limpassiio
de duraco infinita, deposito cm casa dos Srs.
Guedes i Gonculves ra da Cadeia n. 7, e por
atacado com o inventor Guilhcrme Scully, pro-
fessor de cnlligrai>hia na ra do Imperador n.
7 5, sobrado.
8#$9# f ~@@@#@
v-5 l)r. arneiro Monteiro aprovcilando da ?
proporco que lera pira mais fcilmente
exoeular os traballios de parto, e aconse- @
Ihado pelo feliz resultado que lem obtido @
em multiplicados partos laboriosos, lem
feito sua espec.ialidade sobre cale ramo
para o que podor ser procurado a qual-
Q quer hora, na ruado Rangel n l(i.
Attenco.
Constando ao abaixo assignado que um lal Mi-
guel albardeiro de ponas, que nao adiando quem
Ihas compro por seren peiores que as d camur-
sa, pois que o mesrao nunca soube o que fazer
ponas, as manda vender por meninos e pessoas
grandes, dizendo que sao feitas peh Domingos ;
porlanlo o abaixo assignado faz scienle aos se-
nhores douos de carros de aluguel o particulares,
que o abaixo assignado nao manda vender suas
; ponas por pessoa alguma, e s as vende em sua
casa na praca do capim defronte do Sr. Or. Sa-
: bino.Domingos Jos Machado.
Precisa-se de urna ama secca : na ra de
I Agoas-Verdes u. 15, casa terrea.
Aluga-se um negro bom cozinheiro ; na
ra da Praia n. 10.
Precisa-se de urna criada branca, que saiba
ongommnr e fazer lodo servico de urna casa do
familia : quem se achar nesta* circumslanch, po-
der dirigir-se a ra da Cadeia do Itecife n. 51,
lercciro andar.
- Na ra Direila n. 120 aluga-se um moleque
de idade de Marinos, proprio para qualquer ser-
vico de urna casa.
Da-se 8O08OOO a premio sobre hypotheca
de urna casa ; quem quier annuncie, ou dirja-
se a esla typographia, que se dir quem faz este
negocio.
Precisa-se de um sitio : a tralar na ra da
mperatriz n. 18.
{?$;* @fll$$ ;
O I)r. Joao Pedro Maduro da Fonseca de
rolla de sua viagem a Europa, acha-se
ruoraudo na ra do lirum n.18, promploa Q*
exercer a medicina c cirurgia operatoria.
a qualquer hora que o procurom, e das 9
s 10 horas da manhaa uencontraro sera-
pre em casa. Z
8&&s@5@3>@ ^?v
Aviso aos thesoureiros e
chefes de irmandade
Acbando-se prximo o lempo de algumas
grojas festejarem os seus padroeiros, Jos Pau-
lino Ja Silva com fabricado fogoscm um terreno
.:' 'l.i na Imperial, avisa a todas as irmandades c
x|* i confraiias religiosas, e a quem possa mais inte
1 ressar, que tem eHoclivamente prompto um gran-
de sortiruenlo de fngos do ar, tanto com bombas
miuas como de bombas reaes, fogueloes para
salvas com bombas extraordinarias, os quaes
vendem-se em gyrarido'as ou sollos, conforme o
goslo do comprador, mandando-os condozire
queimar como cosluma, por proco mais barato
do que o que se costuma comprar. Este esta-
belecimento ofTerece ao comprador inuito maior
vantagem, nem s pela superioridade do fogo
que boje geralmente conhecido, tanto na capi-
tal como no centro, completa corumodidad' do
preo e promptidao, obrigondo-se o aiinunriante
por qualquer avaria que possa haver, fazendoum
abate no preco, quaiuo por acaso nao saia como
o alionen, declarando aquellos que os quizer
comprar em gyrandolas ou ora broques. dove-
rao avisar tres drs antes, se for em quantidade,
para se preparar c armar, e sendo em pequea
porc.io, avisar do vespera ; c para mais facili-
tar ao comprador, no caso de nao querer ir casa
de sua residencia, podero entenderse no largo
do Paraizo com o Sr. Jos Pinto de Magulhes, e
na ra Direita, loja de cero confronte a sachris-
tia do Trro do Sr. ionizio llylario Lopes.
3
JOIAS.
Seraphim A Irmo, com lajas de ouri-
ves na ra do Cabug ns. 9cll, sorti-
das das mais bellas e delicadas obras de
ouro, prata e pedras preciosas ; vendem
barato, trocam e recebem para fazer-se
quaesquer joias com presteza, a vontade
dos pretendentes, e se responsabilisam pe-
las (jualidades.
Purlaram do engenho Araripe de Cima, na
nuile de 11 do corrente moz, dous cavallos, um
castanho com alguns cabellos de rusilho, novo,
bom tamanho, estradeiro baixo al mcio, obri-
gadtf, inleiro e muito carnudo ; oulro cardao
milito escuro, pequeo, novo, sem estrada ne-
nhuuia o muilo carnudo ; este ultimo lem o ferro
seguinte E : quem os pegar ou delles der no-
liria corla naquelle engonho ou nesta praga a An-
tonio Jorge Guerra, ra do Apollo n 32, ser ge-
nerosamente rerom pensado.
.Nos dias 27 e 31, p 3 Jo agosto, depois da
audiencia do Illra. Sr. Dr. juiz de orphaos, ir
praca a escrava Aquelina, pextencente ao casal
da tinada D. Mora Rosa d'Assumpco.
Precisa-se alugar urna casa tenca com so-
l.lo, que lenha bons commodos para familia, no
bairro da Boa-Vista, ou na ra Augusta ; quem
livor, dirija-se a ra da Concordia n. 26, arraa-
zem do sol.
Precisa-se alugar um bom sitio na Capunga
Velha ; a tralar na ra do Cabug n. 8, loja.
Aluga-se urna casa em Apipucos com com-
modos pira grande familia, cstrinaria, casa pora
prelus, ele. ; ossim como oulras mais pequeas
beira do rio com agoa de beber dentro do sitio,
e mais oulras vanlagens : quem pretender, diri-
ja -se ao mesmo lugar, a fallar cora a viuva
Villar.
Precisa-se de um cozinheiro]: na ra do
Imperador n. 75.
Aluga-se urna canoa para conducrao d'agoa,
robera ou descoberla, p*or alguns mezes ; quem
livor e quizer alugar. dirija-se Iravessa do Po-
cinho, a fallar com Itonrique Jorge.
Precisa-se contratar um portuguez para fei-
lor de um engenho na freguezia de Scrinhaem ;
na ra da Penha n. 6, loja.
Aluga-se o tereeiro andar do sobrado n. 47
da ra da Impcralriz e as lujas do mesmo ; no
segundo andar, das 9 horas do dia s 3 da tarde,
O Sr. acadmico Joao Jos de
-Moura Mngalliacs, tem urna carta, na
ra das Crux.es n. 42, segundo andar.
Rogase ao Sr. Andr Alvos da Fonseca J-
nior queira ir concluir o negocio que nao ignora,
na ra Nova, loja n. 7.
@@@ C3@8
M
Aeiioao.
Os credores da loja de trastes do Manoel An-
tonio dos Passos Olireira & C.^sao convidados a
aprasentarem seus ttulos no escriptorio do J. P.
Adour & C, na ra da Cruz n. 40, at o fim do
correte mez, uara se proceder ao balanco.
Desapporeceu na dia 5 do corrate mez um
menino de nome Prgenlino, pardo, de idade 11
anuos, o qual lem urna pequea ferida em urna
perno, proveniente de um carbnculo, levou ves-
tido calca branca, e chapeo de fcllro pardo ; quem
o pegar, leve la de Agoas-Verdes n. 50, ou o
seu pai Cactano Jos Perrcira, cm Santo Aulo,
que sera bem recompensarlo.
Os abuixo assignados comprado-
res da raassa fallida de Cfaudhno Oli-
veira fazem scient aos devedores de
contas de livro e lettras vencidas da
mesma massa, de virem satitazer seus
dbitos na mesma loja, no prozo de 15
dias, e espiT&m que ditos devedores lhes
poupem o dissabor de recorrerem u
meios judiciaes. Recie25 dejulbode
1860.Figueiredo & Irmao.
Alugam-se o segundo c tereeiro andaros da
casa n. 48 da ra da Cadeia do Recifc a tratar
na loja da mesma.
1*)
O confutado suso incumbido pe-
lo enviado extraordinario da confedera-
cao Suissa, no Rio de Janeiro, com a
missao de tirar um contrato exacto de
todos os cidados suissos residentes
Aos Srs. logislas e \en-
delhes.
Constando ao abaixo assigoido, que um Africa-
no, que tem era scu poder, de nomo Monoel, tem
cm seu nome lomado em algumas lejas fazendos,
eera algumas tabernas gneros, doctora oos do- : provincis deste districto consular, sen-
nos, o caixeirosdessesestabelecimentos que nada do as de Pernambuco, Paralaba, Rio
lem mandado comprar nessas cosas por esse! p i i v n J .
Africano, e quando manda busear ou comprara!- raD(le O Norte e Le-ira pede por is-
guma cousa per elle, com bilheie seu ; porisso to a to ios os suissos existentes as ditas
nao se responsabisa pela menor rousa que elle nrovincias de adveitirem *.tp niMnliitn
lenha tomado em seu nome. Rocife 18 de julho | F e daveii<--m t-Ste consulado
1860.Antonio Egidio da silva. dosseus uomes respectivo?, idade,
as
de
Precise-sede urna prela para vender fazen-!gar onde nascernm, dia
da na na ; a tralar na Iravessa de Bom Jess,
no Uccife, n. 20.
Itl-
No dia 27
ser arrematado.
do corrente, tem
(inda a audiencia
de
da ebegada
neste imperio, profisao e residencia
actual, acompaubados dos seus ttulos
respectivos se ti ve rain, pata serem de-
Sr. uizde paz doprimeiro districto da
trguezia de Sao Fre Ped.o Goncalves
do Recife, que tera' lugar as 10 horas
do dia, urna raarqueza, urna mesa de
jantar, tres consolos, dozecadeiras e um
lavatorio, tudo de amarello, avallado
tudo em 94|, penhoradosa Manoel Joa-
quim Gomes de Souzae Castro por exe
cucao de Fortunato Caldoso deGouveia.
ao vidamente registrados nos livros do con-
APPH0VAC\0 E AlTORISA(ftO
T)\
:Sli Bt'RliL DE MEDICINA
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
sula do.
Pernambuco 25 de julho de 1860____
O gerente do consulado, F. Linden.
Precisa-se do 800, dando-se hypotheca cm
urna casa ; quem liver, annuncie para ser pro-
curado.
*r

CASI LlSO-BSLEliLl,
2, Golden Square, Londres.
i. G. OLIVEIRAtendo augmentado, com to-
mar a casa contigua, ampias e excellenles ac-
commodares para muito maior numero de hos-
pedesdo. novo se recomraenda ao favor e lem-
branca dos seus amigos e dos Srs. viajantes que
visitera esta capital; continua a prestar-lhesseus
serviros e bons of.kios guiando-os em todas as
cousos que precisem conheciniento pratico do
fJcoes de francez e|
piano.
5* Mademoiselle Clemence de llannetot
9e de Mannevitlecontinua a dar liroes de p
i ?y, francez e piano na cidado e nos arrabal- c
jg des : na ra da Cruz n. 9, segundo andar, gjc
1 'm$i#m *fe sssss si
&mWm $& 5*#-#> paiz,etc.:almdoportogaezedo nalez alla-se
Declaro a todas as pessoas que eomigu tem Qa casa o hesnanhole francez.
tronsarroos, que durante a minha ausencia desla
cidado, as nicas pessoas encarregadas das in-
cumbencias de minha rasa sao : minha mulhor
D. Francisca de Lagos Forreira Cosa e os Illms.
Srs. Francisco Casado da Fonseca e Francisco Cor-
nulio da Fonseca Lima, meas sogro e cunhado.
Malaquias de Lagos Ferreira Costa.
O juiz de direilo aposentado.'...., c abaixo
assignado, propoe-se como ultimo recurso I...
dentro da esphera de snas habitaroes) exercer
a nobre o sublime proflssao de advosado ; ou
soja especialmente no f)ro e tribunaes desla ca-
pital, ou soja no de qualquer dos termou e co-
marcas da provincia. As pessoas que se quize-
rem utilisor do seus traeos presamos, o podcio
procurar era todos os dias que nao forem santos
ou feriados, desde as 9 horas da mauhaa al as
3 di larde, na casa de sua actual residencia, na
na outi'on do Collegio o boje denominada do
Imperador n.42,e, extraordinariamente, em oulro
qualquer da c hora : assegurando a lodos quan-
tos se dignarem assim honra-lo e favorecer, nao
s toda diligencia e destelo no desempenho de
tao importantes deveres, sen.io lombem urna il-
limitada gratid.o. Oulro sim, (pormilla-se-llie
declarar mui oxplicilamenle) que patrocinar
gratis a quem quer que nao estoja as circums-
tanciaa de remunerar seus serviros.
Jos Francisco Arruda da Cmara.
ELECTRO- MAGNTICAS EPISPTICAS

1 DENTES
Ruaestreila do Rosario n.
@ Francisco Pinto Ozorio colloca dentes ar- @
Ji$ liliciaes pelos doussyslemas VOLCAN1TE,
chapas de ouro ou platina, podendo ser @
Para serem applicadas s partes aiTectadas
sem resguardo nem incommodo.
AS CHAPAS MEDICINAES sao muilo conhecidas no Rio de Janeiro e em todas as provincias
desle imperio ha mais de 22 annos, o sao afanadas, pelas boas.curas que so tem obtido as enfer-
midades.abaixo escripias, o que se prova com innmeros altostados que existen! de pessoas capa-
zos e de distinecoos.
Com estas Cii\rAS-ELEcri\o-MAONi:Tir..v-r.iMSPATicAS oblem se una cura radical o infallivel em
todos escasos de intlammarao [cansacoou falla de repirao), sejam internas ou externas, como
do ligado, bofes, estomago, ba;o, rins, ulero, peito, palpicio de cora;o, garganta, olhos, ery-
sipolas, rheumalismo, paralysia c todas as alecroes, nervosas, ele, ele. Igualmente para as dif-
Estabclecida em Londres
CAPITAL
Gmee miWi&es de lilivaa
esterlinas.
Saltadera Brothers & C.11 tem a honra deln-
rmar aes Srs. negociantes, proprktar. e de
:asas, e a gera mais convier, que esto plena-
mente aulorisados pela dita companhia para
effectuar seguros sobre edificios de lijlo o po-
dra, cobertos de telha e igualmente sobre os
orijectos que coutiverem osmesmos edil tos
quer consista era mobiiia ou enifazcndo de
qualqu "alidade.
@ procurado na sobredita ra a qualquer @ forenles especies de tumores, como lobinhos escrfulas etc., seja qual fr o seu tamanho e pro-
2JAA1auWJM*, AaAa%AAAAAAA8 funJea. por mcio djsuppuraoao serio radicalmente extirpados, sendo o seu uso aconselhado por
ni' Roga-se aos Srs. devedores a firma social As enconimendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, leudo lodo o cuidado de
de Leite i Correia em liquidadlo, o obsequio fazer as necessariaa explicacoes, so as chapas sao para homim, seahora on crianrs, declarando a
de mandar salda seus dbitos na loja da ruado moleslia em 'iUC, parl" d') c?rpo cxislc' c Pa.cab.eSa. pescoco, braco, coxa, perno, p, ou tronco do
corpo, declarando a circumfercncia : e sendo inchoris, feridas ou ulceras, o molde do scu tama-
nho em um pedaro de papel c a declararo onde existen), aflm de que as chapas possara ser
bom applicadas no seu lugar.
Pde-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chaposserao acompanhadas das competentes explicacoes e tambera de todos os accesso-
rios para a collocaeoo dellas.
Consultas a todas as pessoas que a dignarem honrar com a sua confianco, em seu escripto-
jo, que se achar aberto lodosos dias, sem excepcao, das 9 horas da manlioos 2 da larde.
Quemado n. lt).
O I)r. Joao Ferreira da Silva mudou-sedo
ra d'> llangel para a do Livraraento n. 6, so-
brado do Sr. Manoel Buarque de Macodo, defron-
to de sua anliga habitaco. A grande praiica de
auscultacao reconhecida por quasi todos os seus
collegas desla cidade torna-o recommendado no
di.ignoslieo das molestias dos pulmoes e do cora-
gao ; assim como para verificar o estado de sau-
de dos escravos que se desejam comprar. Pelo
erescido numero e variedades de operaces que
ha feito com bom resultado em o exercicio de
mais de 20 anuos, se julga habilitado para prali-
car toda e qualquer operario cirurgica por mais
delicada e diicultosa que soja.

DENTISTA FRANCEZ.
Paulo Gaignoux, dentista, ra das La- ^
rangeiras 15. Na mesma casa tem agua e <
i dentifleo.
Roga-se aos Srs devedores do estabele-
cimento do fallecido Josda Silva Pinto, o ob-
sequio de saUarenj seus dbitos na ra do Col-
egi vala a. 23 ou na ra do Queiraado loja
D. 10.
Precisa-se de urna
ama para cozinhar e com-
prar para urna pessoa*
na ra estreila do Rosario
iv 21, primeiro andar.
Na ra da Cadeia do Reaifc n. 38, primeiro
andar, prerisa-se fallar ao Sr solicitador Manoel
Pereira de Magalliaos.
Quem precisar de urna ama captiva para o
servico interno e externo de urna cosa de pouca
familia, dirija-se a ra Direita n, 51, segundo
Sbarewee mmmmmmm
% Densla de Pars. 1
k 15 Ra Nova15 fe
vj) Frcdorico Gautier, cirurgio dentista, -5
^ faz todas as operaroes do sua arte e col- ^
j) loca denles artificios, tudo com a supe- x
^ rioridade e perfeiro que as pessoas en- ^
tendidas lhe reconherom. A
Tem agua e pos dentifricios ole. g$
*eiespge3s tmm&emn
Sr Francisco Aranlia de Souza lera urna
caria no escriptorio de Manoel Jooquim Ramos e
Silva, na ra da Cadeia do Recife
PARTIDAS BORRADAS
L1COES PRATICAS
Duas vezes por semana
Quartas c sabbados s 7 horas da noilc
RA NOVA SOBRADO N. 15.
M. loiisrca ligos da referida materia cm sua raso nos dios
e horas cima indicados. Tamben) ir ensinar
nos estubelecimenlos e escritorios daquelles se-
nhores que desojarem assim aprender, nos dias
que convenrionar.
CONSUCTOIUO ME1UCO-CIRURG1CO
DO
l>r. Ignacio Yirmo Xa\Vcr
N. lt-Patco do Paraizo--N. IG.
Consultas lodos os dias, das C 1|2 horas s II
boros do manhaa, e das 3 li2 s 5ir2 da larde.
As pessoas pobres que se dignarem recorrer a
seus olficlos serao altcndidos gratuitamente; as-
sim como grotuilomente se lhes dar muilos dos
remedios precisos pora o seu estabelecimento.
agencia dos fabricantes america-
nos Grouver & Baker.
Machinas de coser: em cosa de SamuelP.
Jobnslon & ra da Senzala Nova n. 52.
Isisfipsi^ee-sieais^iHKeiseiS w
$i O Dr. Casanova pode ser procurado a g
> qualquer hora em seu consultorio horneo- i-;
^~ pathico em Pernambuco M
i> 30RA DAS CRLZF.S30 &
h> No mesmo consultorio acha-se sernpre $$
^ grande sorlimento de medicamentos em 3)
QF tinturas e glbulos, os mais novos e bem g
^| preparados, os elementos de homoorjathia
- Na livraria n. 6 e 8 da piara da
Independencia precisase fallar ao Sr.
Manoel Antonio Esteves, f|ue foi almo-
xarife de Fernando.
RTO
O Sr. Ihesourciro das lolerias manda fazrr pu-
blico que cm consequencia dos grandes proj izos
que lem soffrido com a exlracr.ao das lol pelo plano actual obteve do Exm. Sr. presidente
da provincia permissao para as ditas loteras se-
ren d'ora em dianle extrahidas pelo que abaixo
vai transcripto; e nesta conforniidade se acbam
oxposlos venda, todos os dias no escriptorio
dasmesmas loteras na ra do Imperador n. 26,
e na praca da Independencia ns. 14 e 1C das 'J
horas da manhaa as 6da larde os bilhetes e meios
da lorceira parte da quinta lotoria do hospital
Pedro II, cujas rodas devero andar impreteri-
r! mente no dia 23 do corrente mez.
Thesouraria dos lotcrias 1C de junho de 1SC0
/, i. da Cruz osrriviio.
PLANO.
PERTO DO LARGO DA CARIOCA.
Grande e novo sortimento de fazendas de todas as qua-
lidades por baratissiuios precos.
Do-se amostras com penhor.
32C0 bilhetes a lOjOOO. ......32.00HSC0O
20 por cenlo. . fc40030CO
25:6009000
1 Tremi de . 10:000$000
1 Dito de . . 4:()00t000
1 Dito de . 500,'000
2 Ditos de 200$ . 4" ('50(10
i Ditos de 1(10 . 40050(;0
8 Ditos de 50 . 4005(100
11 Ditos de 20$ . 28(11000
%i Ditos de 10 . . 9:C2('5CC0
------ ---------------32.CCO'0CO
993 Premiados.
2207 lirancos
(V
Sipop du
DrFORGEf
Jx\RABE DO F0RGET.
Este xarope esl approvado pelos mais eminrntes mdicos de Paris,
icomo sendo o melhor para curar conatipacoes, losse convulsa e outras,
aO'eci;es dos bronebios, ataques de peito, irritaedes nervosas e iusomiiolencius: urna colhorada
pela manlia, e outra noile *io sullicientes. O tile i lo deste excelente xarope satisfaz ao mesmo
lempo o doente e o medico.
O dsposilo na rita larga do Ilosaro, botica de farlholomeo Franeitco de Souza, n. 36.
Lindos cortes de vestidos de seda pretos
de 2 salas
Ditos ditos de ditos de seda de cores
com bbados
Ditos dil#s de ditos de gaze phantazia
de cores
Roraeiras de fil de seda preta bordadas
Visitas de grosdeuaples preto bordadas
com troco .
Grosdeniples de cores com quadriDhos
covad)
Dito Uso preto e de cores, covado
Seda lavrada preta e branca, covado ljf e
Dita lisaprelo e de cores, cora 4 palmos
de lorgura, propria para forros
Corles de vestido de seda de gaze trans-
parentes
Ditos dedilos de cambraia e seda, corte
; Combr.iiasorlondys de cores, lindos pa-
droos, vara
| Manguitas de cambraia lisos e bordados
1 Tiras e entremeios bordados
; Mantas le blonde brancas e pretas
i Ditas de fil de linho pretas
Chales de seda de todas as cores
' Lencos de cambraia de linho bordados
Ditos da dita de algodao bordados
Panno preto e de cores de todas as qua-
lidades, covado
' Casemiras idem idem idem
i Gollinhas de cambraia a
Chales de touquim brancos
Ditos de merino bordados, lisos e es-
tampados de todas asqualidades
: Enfeiles de vidrilho francezes pr
de cores
Aberturas para camisa de linho e algo-
dao, brancas e de cores
Saias balo de varias qualidades
Tafel rxo, covado
Chitas fraucezas cloras e escuras, co-
vado
Cassas francezas de cores, van
Collarinhos de esguio de linho mo-
dernos
Um completo sorlimento de ronoa feita
pretos e
Ra do Brum (passando o chafar.)
I^o Ae^oMio i\csic cstabelcciiaeuto sembr lia grande sortimeito de rae-
e laaismo jaca os eageulios de assuear a saber:
Machinas le vapor modernas, de golpe cumprido, econmicas de combustivel, e defacillimoassento ;
Rodas d'agna de ferro com cubos le mideira largas, leves, fortes, e bem bataneadas;
Ginnos de ferro, e portas d'agiuoara ditas, e serrillias para rodas de madeira';
Moeadas inteiras com virgens multo fortes, e convenientes ;
Helas moendas com rodetasmotoras cara agua, civallos, ou bois, acunbadas em aguilhoes (tazas ;
Tai vas de ferro fundido e batido, e de cobre ;
Pures ebicas para o callo, cri vos e portas de ferro para asfornalbas ;
Alambiques de ferro, moinhos de mandioca, fornos para cozer farinha ;
RoJetas dentadas de todos os tamaitos para vapor, agua, cavallos ou bois ;
AguithSes, bronzes e parafusos, arados, eixos e rodas para carrocas, formas galvanizadas para purgar etc.. etc.
D.W. Bowman confia que'osseus freguezes acharo tudo digno da preferencia com
que o honrara, pela longa experiencia que elle tem do mechanismo proprio para os agricul-
tores desta provincia, e pelo facto de mandar construir pessoalmente as suas obras as
mais acreditadas fabricas da Inglaterra, para onde elle az viagem annual para o dito fim,
assim como pela coutinuaco da sua fabrica em Pernambuco, para modificar o mechanis-
^moa vontade de cada comprador, e de fazer os concertos de que poderp neoessilar.
15200
8
3$00
19500
lOjOOO
16j000
1&000
I
9
9
I
8
S900
9

$640
9
9
3500
9
6*000
S500
5*280
500
SS00
sendo casacas, sobrecasacos, paletots,
colletes, caigas de muitas qualidades
de fazendas
Chapeos francezes finos, forma moderna
Um sorlimento completo de grvalas de
seda de todas as qualidades
Camisas francezas, peilos de linho e de
algodao brancas e de cores
Dilas de fustao brancas e de cores
Ctroulas de linho c de algodao
Capellas brancas para noivasmuilo finas
Um completo sorlimento de fazendas
pora vestido, sedas, la e seda, cam-
braia e seda lapadas e transparentes,
covado
Meias cruas brancas e de cores para
meninos
Diiasde seda para menina, par
Luvos de fio de liscocia, pardas, para
menino
Vclludilho de cores, covado
Velbutina decores, covado
Pulseiras de velludo pretas e de co-
res, o par
] Dilas de seda idem idem
Um sortimento completo de lu--as de
seda bordadas, lisas, para senhoras,
homens e meninos, de todas as qua-
lidades
Cortes de colJele de gorgurao de seda
de cores
Ditos de velludo muito finos
Lencos de seda rxos para senhora
Marquezitos ou sombrinhas de seda com
molas pora senhora
Sapatinhosde merino bordados proprios
para baplisados, o par
Casinetas de cores de duas largurasmui-
to superiores, covado
Selim preto, encarnado e azul, proprio
poro forros, com 4 palmos de largura,
fazenda nova covado
Selim liso de todas as cores, covado
Lencos de gorgurao de seda pretos
Relogios c obras de ouro
Corles de casemira de cores a
a-
O-
9
8#500
9
S
9
8
9
8
9
1*600
9320
19200
700
2$000
I9OOO
9
9
2550
3200
Thesouraria das lolerias 30 de junho de 1860.
O Ihesourciro, Manoel Cnrcillo Pires Falcan.
Approvo. Palacio do goveino de PernantbttCO
2 de julho de 1860.Leilao daCunhe.
Conforme.Antonio Leite e l'inbo,
Aos diletantes.
Na ra da Santa Cruz casa n. 2S,
zem-se ricos boquets de era vos para
ferias.
Antonio Anoyo, subdito peruano, retira-so
paro Europa.
Aluga-se una dos molhorrs casas do C cbangfl : a tratar na ru da Paz n. 42.
Precisa-se de una ama nacional ou estrsn-
geira pura todo o servico de urr.a casa de peque-
a familia, exige-se que saiba particularmente
engommar- a fallar na loja de chapeos de sol do
Sr. Joao Falque na ra do Crespo n. -I.
Domingo 22 do corrente, no mnibus Mon-
teiro, um passagoiro ao saltar no Caldeieiro, del-
xou dentro do referido mnibus urna porcao de
formos, goivas, ludo cncarobado, e grande quan-
tidade de pregos francezes, sortidos ; a pessoa
que athou taes objeclos, querendo restitui-los,
pode levar ao largo de redro II, loja de livros do
Sr. padre Ignacio, que ser recompensada.
Aluga-se um sitio grande com
excel lente casa de vi venda, com todas as
corrmodKiades para familia, no lugr
da Ca^a Forte : a tratar com es pro-
prieta nos, N.O- Bieber & C.
>> t. ^- ^T> O. .. *7K Of *~ G" >*\ n* '** ^ ?> 6?l ? ~* "* ffV
^Consultorio central honrcopailncog
,,e s
ss^oo
15000
19600
1

9
52000
@ Continua sob a mesma direceo da Ma- @
@ noe! do Maltes Teixeira Lima, prufessor @
f$ em homecpalhia. As consultos como d'an-
j les.

Botica central homeopalliica
DR. SABINO "0, L PllMlO-
@ Novos medicamentoshomcopathicos en- @
^ viadosda Europa pelo Dr. Sabino. fj-
Esles medicamontos preparados espe- ^

; a cialmente segundo as necessidades da o-
1. raeopathia no Brasil, vende se pelos pre-
::
ai eos conhecidos na botica central hon 1
pathica, ra de Santo Amaro (Mundo No- Z
vo) n 6. g
? ^ 1? 5} st O g ti 2 @
9t
7\ *x T TV *7y T>
i-i >U3 .' iS, <-i a. i < ^-,
i-SSf. V.tij
PRECISA-SE ALUGAR
so
Assignatura de banhos frios, momos, de choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos. ,........... 109000
30 carines paraos ditos banhos tomados era qualquer lempo ;...... 152&00O
15 Di,os d'to dito dito .;...'. 8000
J 49000
uannos avulsos, aromticos, salgados esulphurosos aos precos annunciados. *
Esta redcelo de precos facilitar ao respeitavel publico o gozo das vanlagens que resultan)
da frequencia de um estabelecimento de urna utilidade inconteslavel, mas que infelizmente nao
estando era nosso hbitos, ainda pouco conhecida e apreciada:
urna escrava,
Quem tiver e quizer alugor urna escrava para
casa de familia que s lem duas pessoas, e ten-
do os qualidades seguales, que saiba cozinhar
bem, que compre, que engomme alguma cousa.
que seja muito fiel e muito humilde, e que nao
seja radia, dirija-so ra do Quemado, loja 11.
ib" para tralar. tirando o senhor da mesma rtc-
ponsavel por estas condicoes, e apparerendo nao
se olha a prego, s se desoja que o senhor afian-
ce est3s qualidades.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier, medico, tem
Pisado sua residencia nesta cidade, no paleo do
Paraizo n. 16, qoe faz quina com a travesa de
S. Francisco, e ahi offerece os seus servicos me-
d'cos: as pessoas que se dignarem honrar rom
sua conGanca, tanto no interior como para ra
da cidade, e a qualquer hora.
Ensino de msica.
Offerece-se para leccionar o solfejo, como tam-
bera a tocar varios instrumentos; dando as li-
C5es das7horass91i2da noile : a tratar na ra
larga do Rosario n. 9.


(fi)
DIARIO DE PEKNAMBUCO. QARTA FE1RA 5 DE JULHQ.DE 1860.
Alerta!!!
l'ugio do quartel de cavallaria no dia
21 do correte mez, nm cavallo alazo,
pequeo, de crinas grand.g e marcado
no quarto esquerdo com on, 25: quem
o ti ver retido em seu poder e quizer ter
a bondade de remette-lo aquelle lugar,
jera' gratificado conscienciosainente.
Agencia deleiloes.
Arpholjm Jos da Costa Catvalho, lendo obtido
d) r.ierolissimo Iribuual do cornmereio. Hornea-
rn de agente de leilocs, avisa ao respcitavel
urpo do commercio desla cidade c a todos a
q'iem possa inlcressar, que lem aberlo seu or-
niazern na ra da Cruz n. 9, onde o acharo seni-
pre prompto para o desempenho de suas funr-
coes, esperando do mosmo corpo do commercio
e amigos do (anunciante toda a proleccao, asse-
guratido-lhes ser solicito uo desempenho de scus
deveres.
Quem precisar de urna ama para casa de
liomem solleiro, ou para botar sentido a algum
sitio, dirija-se a ra do Padre Floriano.n. 63.
Escripluracio mercantil.
Urna pessoa competentemente habilitada pela
langa pratica de escripluraco mercantil por par-
t j .-; obradas, c que tcm a sou cargo as de al-
..., casas commerciacs importantes desia
pr ou tres casas para preencher melhor o seu lem-
po, visto ter feilo acquisico do um ptimo aju-
daute para informaces, Irala-sc em casa dos
Srs. Duarte Rorgrs da Silva & C na loja da ra
i liuperatriz n. 18.
Pergunta-sr. n quem interessar, qual o mo-
tivo do vapor cPersinunga sabir e entrar sein
dar parle por escriplo capitana do porto, co-
m i mandara os arls. 43. 44 e 45 do regulamcnto
d'.' 28 de feverciro de 185.O vigilante.
O abaixo assignado declara ao
publico que desde o dia 15 do corrente
d-\ou de ser prolcssor de latina do eol-
legio do Sr. Jernimo PereiraVillar.
Recife, 17 dcjulho 18G0.
Manoel Francisco Cocido.
O abaixo assignado, cncarregado da desn-
f>cco como deve constar aos senhores inspecto-
res ele quarteiro, pela circular do Illm. Sr. l)r.
che fe de polica aos senhores subdelegados, a
qual datada de 10 de maio corrente, faz cien-
to aos senhores inspectores, que logo que se de-
r mi casos de angina, escarlatina e oulras moles-
i i- que grassam epidmicamente, avisera ao
mesmo abaixo .assignado para mandar proceder
.'i lesiufecco como por ordem superior foi deter-
minado.Jos da ltucha Prannos.
COFUL Grande pechincha
Vende-se verdadeiro coral de raz, na ra lar-
ga do Rosario, passando a botica, a segunda loja
de miudezas n 38, rap de Lisboa, e muitas
m)is qualidades de rap assim como muitas
miudezas muilo em conla ; o s vista do com-
prador se dir o prec,o de ludo.
Fogoes econ-
micos.
Compras.
Coaslanlenieole
cimpra-se, vende-se e lroca-se escravos : ama
Birei:a u. CG, escriptorio de Francisco Hathias
Pereira da Costa.
Compra-se urna prela de 1C a 20 anuos,
q :e saiba cugommar, co/.iuhar o cozor, que se
afiance sua conduele : na ra da Cruz, arma-
zem n. 33.
Compra-se escravos de ambos os sexos de 12
a25 anuos, para fura da provincia, se livercm boa
figura o forcm sadios, paga-so bem : na ra Di-
: a, un escriptorio de Francisco Mathias Pereira
di Costa n. 66.
Comprani-se es-
cravos.
Comprara-se, vendem-se e Irocam-se cscra-
, na roa do Imperador n.|79, primeiro andar.
Compram-se moedas de o uro de 20j: na
Suva n. 36, loja.
Vendas.
Loja de miudezas na ra
Direta N.S5,
Icra-selas para bordar da mais fina que ha
i 73500 a libra, luvas de seda enfeiladas para se-
i ra a 2>, ditas de algoda para hornera a 320,
bon icas de choro a 440, 500. 640 e 800 re., bo-
loes de osso a 240 a groza, dilos brancos de louca
a 140, dilos de cores a 100, bolsas pira meninas
d escola a 5-500 e 6-j, losouras finas a l e
~. 500, facas ruinadas a 2jS)0, ditas cravadas a
3, ditas de rabo de bataneo, dous bulos,a 68500.
a .duzia, caivetes finos a 1fi60l>, dilos a 29800,
- izas de penna de aro de lauca a IftOO, ditas
a mozinha a l-jiOO, tinteiros proprios para via-
g a 320, obreias de cola a 100 rs., resmas de
papel de quadrinbos a 4j3t)0, caixinhas de napel
sorlidas em cores a tj?, ditas de quadrinhos a
800 rs., fo has de papel arrendado e auvelopes a
2.0, dilas com flores a 160, penles de alisar de
baleia a 20 e 280, dilos de borracha para bichos
a i'l, ditos trsvessos para meninas a 640, dilos
d massa para alar cabello a 900 rs., dilos vira-
dos a imitaco de tartaruga algGOO, dilos doma-
dos a 1S00, dilos de alisar de borracha a 600 rs.,
ditos de bfalo branco para bichos a 280, ditos
pira alisar a 500 rs., linha do gaz branca a 800 e
1?, dua prela a 900 rs., miada de linha de peso
a UO, linha para marca a 20 rs., fitas com col-
cuetes a 500 rs. a vara, peca de galio de linho
com 10 varas a 13500. dila de bico com 10 varas
a 600, 8'H. 1 e 18400, dilasde renda a 600, 800
900 e 19300, babados do Porto a 120, 140 e 180
a vara, pecas de tranca do la de caroc a 60 rs.,
fitas de seda lavrada de largura de 5 dedos com
pinta de mofl a 320, ditas tinas a 610 a vara, cai-
inha com grampas a 60 rs.. toucadores de jaca-
rauda a 2}0U0, dilos a 3*200 e 4g. vsperas a 900
Vendem-se fogoes econmicos de ferro batido
de differenles lmannos, tendo cada um o seu
compeleate forno para assado, e caldeira para
agua quente, os melhores qno c possivel encon-
trar, chapas para fogoes, portase grelhas para
ditos, bolineles de balando para navios, urna
moenda para engenho de assucar, tudo por ba-
rato preco : ua ra do Brum n. 66, armozem de
assucar.
Cheguem ao barato
O P regula est queimando, em sua loja na
ra do Queimado n. 2.
Pepas Je brelanha de rolo com 10 varas a
25?, casemira escura infestada propria para cal-
a, collote e palilots a 960 rs. o covado, cambraia
organdy de muilo bom goslo a 480 rs. a vara,
dila liza transparente muilo fina a 35?, 43?, 65?,
e 65? a pec,a, dila lapada, com 10 varas a 55? e
65 a peca, cilas largas da modernos e escomidos
padrees a 210, 200 e 2S0 rs. o covado, riquis-
simos chales de merino estampado a *}e 8?,
dilos bordados com duas palmas, fazenda muilo
delicada a 95 cadj um, dilos com urna s pal-
ma, muilo finos a 85500, dilos lizos com fran-
jas de seda a 5, lencos de cassa com barra a
100, 120 e ItO cida um, meias muilo finas pa-
ra senhora a 45 a duzia, ditas de boa qualidade
a 35 c 3i>500 a duzia, chitas francezas de ricos
desenhos, para coberu a 280 rs. o covado, chi-
tas escuras inglezas a 5&900 a poca, e a ltiO rs.
o covado, b'im branco do puro linho a 1$,
15200 e 15600 a vara, dito prcto muilo encor-
pado a 15500 a vara, brilhantina azul a 400, rs.
o covado, alpacas da diTerenies cores a 300 rs. o
covado, cesemiras pretas finas a 28500, 35 e
35500 o covado, cambtia prela e de sal picos a
500 rs. a vara, e oulras nimias fazendas que se
far patente ao comprador, e de todas se daro
i amostras com penlir.
Camisas inglezas
Na loja de Goes & Bastos, ra
do Queimado n. 46.
Acaba-se de receber um grande sorliraenlo
das verdadeiras camisas inglezas muito finas,
com pregas largas, pelos de linho, sendo oslas
ultiman camisas de um goslo apurado, tanto em
pregas como em collennhos, pois decente tanlo
aos rapazescomo aos senhores de niaior. porisso
sendo muita a porcao que recebemos, delibcrou-
so a vende-las por 385 a duzia, nesla bem conhe-
cida lo a de Goes & Basto.
Tachas para engenho
Fundico de ferro e bronze
DB
Francisco Antonio Corrcia Cardozo,
iern um grande sortimento de
tacllas de ferro fundido, assim
como se faz e concerta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
Cassas muito finas francezas, covado a 240 rs.,
assim como chitas francezas a 200, 240 e260 rs.:
na ra do Quejado n. 44 ; a ellas, que se
acabam.
Vendem-se cssencias para tirar nodoas do
gordura, cera, etc., etc., em panos de lia, sedas,
sem alterar a cor nem o tecido : na loja de ca-
bos, no largo do Corpo Santo n. 21, esquina da
rud do Encantamento.
Vendem-se duas casas nt camboa do Car-
mo ; a tratar na ra Nova n. 37, primeiro andar.
WA GUIA TUE0R1CA E PRATICA
DOS
Juizes municipaes edeor-
phos.
Acaba do chegar do Rio de Janeiro esta inte-
ressante obra, c vende-se na livraria econmica
ao p do arco de Santo Antonio.
Pianos
Fumo de rolos.
Ra do Cordoni; n. 8.
Vende-se fumo em rolos a 8.J a arroba, sendo
sua qualidade muito boa, quer em grandes ou
pequeuas porcoes para fechar coritas ; a elle, que
est se acabando.
sci
das por todo preco.
Hitado Queimado numero 51.
Cortes de vestido de duas saias bordados a 83,
dito de tres babados do cambraia bordados a
a 5500, ditos de dous babados e de tres a 55,
cortes de cassa chita 18800, roupas feitas de to-
las as qualidades, cheguem antes que se acabe.
Saunders Brothers & C. tem para Tender em
seu armazem, na praca do Corpo Santo n. 11,
alguns pianos do ultimo gosto, recentimente
chegados, dos bem conhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood ASons de Londres,
muito proprios para este clima.
Batatas e ceblas.
Vendem-se batatas a 2g600 arroba, ceblas a
2-3 o cenlo ; na iravessa do Paleo do Paraizo, ca-
sa pintada do amarello n. 16.
Pechincha sem igual.
Rg t^y Vendem-se superiores camisas de
| fuslao editas de madapolao muilo fino a
f2\ cortes de casemira inglesa de quadri-
nhos de superior qualidade a 4g500 e 5$,
colleles felos de gorgurao de seda e dilos
de fuslao a 3500 e 4{>, calcas de brim de
cor a 48, cortes de superior barege de se-
da a 20$ e as modernas victorias de al-
I 3Sj paca de seda para vestidos de senhora a
: W 700 rs. o covado, tambero se vende saias
3s baldo muilo boas de raueselina e dilas de
: madapolao a 4S50e 5g, gollinhas do li-
#j nho a 6S0 rs., de todas estas fazendas
existe urna pequea porcio que so vende
por esle preco para acab'ar : na loja de M
Augusto & Perdigue ra da Cideia do Re- 51
cife n. 23 M
sanaras m ^mtmmmz
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa deS. P. Jo-
jhnston & C. ra da Seuzala n. 42.
Fazendas baratas.
Ra do Queimado n. l'.i.
Chitas francezas miudinhas a 220 rs. o covado.
il iberia.
Cortes de hitarla com 14 covados a 2-^500 o
corle.
Cobertas,
Coberlas de chita chineza a 2$.
Laa a 520.
Laa para vestido, pelo baratissimo preco de 320
rs. o covado.
Ctales.
Chales de merino eslampados a 2J500.
Gussa mussena.
Cassa musselina para babade s, com 10 varas,
muilo Unas (que se venda a 5?300) por 4$ a peca,
selim de todas as cores.
Chita miudinlia.
Chitas miudinhas, cores ixas, a 160 rs. o co-
vado.
Ricos cortes de seda.
Corles do seda superiores, pretas e de cores, a
60S000, cambraias pretas finas a 500 rs a vara.
Lencos brancos.
Lencos para algibeira a 2# a duzia.
Novas sementes de hor-
Alcatifa. I
9 Campos & Lima, na ra do Crespo n. >
o 10, lem para vender alcatifa com 4 pal- p
M mos de largura de muito boa qualidade j|
Jg e propria para alcatifar, salas e grojas a
Jti 800 rs. o covado. dinheiro a vista 4
iiaiSBiegwaiaMB mm-msmmS
Potassa da Russia
E CAL DE LISBOA.
No bem conhecido e acreditado deposito da
ra da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender
potassa da Russia e da do Rio de Janeiro, nova
e desuperior qualidade, assim como tambem
cal virgem em pedra : tudo por creeos muito
razoaveia
REMEDIO INCOMPARAVEL.
UNGENTO HOLLOWAT.
Milhares de individuos de todas as nacoes p9-
dem testemunhar as virtudes deste remedio in-
comparavel e provar em caso necessario, quo,
pelo uso que delle izeram tem seu corpo e mem-
brosinteiramenle saos depois de haveremprega-
do intilmente outros tratamentos. Cada pesoa
poder-sc-haconvencer dessascura maravilhosas
pela leilura dos peridicos, que lh'as relatara
todos os das ha muitos anuos ; e a maior parte
della sao tao sor prndenles que admiram os
medico mais celebres. Quantas pessoas reco_
braram com esle soberano remedio o uso de seu
bracos e pernas, depois de ter permanecido lon-
go tempo nos hospitacs, onde de viam softrer s
amputajaol Dellas ha muitas que haveudo dei-
xado esses asylos de padecimentos, para senao
submetterem essa operario dolorosa foram
curadas completamente, mediante o uso desse
preciosoremedio. Algumas das taes pessoa na
enfusao de seu recouhecimento declararam es
tes resultados benficos diante do lord correge-
dor e outros magistrados, afim de maisaulenti-
carem suaOrniativa.
Ninguem desisperarin do estsdo de saude sa
tivesse bastante confianca para ensaiar este re-
medio constantemente seguindo algum tempo o
meutratatoquenecessitassea natureza do ra&..
cujo resultado seria prova rinconlcstavelmente
Que tudocura.
O ungento e til, mais particu-
larmente nos sesuintes casos.
45-Rna Direila-45
por
Alporcas
Cann bras
Callos.
anee res.
Cortaduras.
ores de cabeca.
das costas.
dos membros.
tnfermidades da cutis
emgeral.
Hitas doanus.
Erupcocs e escorbti-
cas.
Fistulasno abdomen.
Fnaldade ou falla de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva escaldadas.
Inchaces
Inflammacao doflgado.
Inflammacao dabexiga.
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
l'ulmes.
Queimadelas.
Sarna
Supuracoes ptridas
Tinha.cm qualquer par-
te que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
dasarliculacdes.
Veias torcidas ou noda-
das as pernas
>ende-se este ungento no estabecimento
gnralde Londres n. 224, Strand. e na loja de
l0dos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do snl.llavana e Hespanha.
Vende-se a800 rs., cada bocetinha contm
urna Instrucco em prtuguez para o modo de
fazer uso desle ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceulico. na ra da Crun. 22, em Per-
nambuoo.
Champanha,

Tn
talice,
6RANDE S0RT111ENT0
DE
vindas no vapor Portugal chegado eslemez:
vende-sa na loja de ferragens na ra da Cadeia do
Itecife n. 56 A, de Vidal & Bastos.
Em casa de Rabe Scbmettan &
C, ra da Cadeia n. 57, vendem-se
elegantes pianos doafamado fabrican-
te Traumann de Hamburgo.
lazeodasc obras filasJ
Campos & Lima, na ra do Crespo n.
3tg 16, lem para vender urna porcao de gi-
gos cem champauha de superior quali-
dade a 205 o gigo.
1
Na
"Loja e armazem
DE
A 200 rs. o covado.
Armazem de fazendas, ra do Quei-
mado n. 40.
Cambraia d cor miudinha ramio fina, fazenda
pechincha a 200 rs. o covado, para acabar.
Neste armazem de molhados con-
doUnueSem mu'! 0S,scS"intes8neros abaixo mencianados de superiores qualicades e mais barato
dosVroIicUrios.'1 qUCr Parle" Pr S6rem maOr partC delles rc"bidos\m "rcitura p,r conta
Manlciga inglcza e franceza
sPet?aTgutaMi3D0VaqUetCraTI'd a mCrCad de 60 3 80 rs' libra em "arril
Queijos tlamengos
,r'. &isn?ffl[ snsraaar *Europi Jo ,S70a 3s e a ** < ea"
t;do em cores a 19280, lamp.irinas para tres me-
zas a CO rs., dilas para seis mezes a 100 rs., sa-
catn bos de merino proprios para baptisados a
1&200, bor/.eguins de laa a 8U0 e 900 rs., ataca-
d'lres chatos de algodiio a 60 rs., ditos rolicos a
l|u rs gravalinhas a Pinaud a lj>400.
Arroz muito bom.
Vende-se arroz a 3jJ700 a arroba, e 120 rs. a
hura : na taberna do pateo do Paraizo n. 16, casa
pintada de amarello com oilao para a ra da Flo-
rentina.
Marmclada
Na ruj Direitan.6, vende-se para liquidara
13 a lata cora 2 libras.
a urna 3 libra
Queijo \H*ato
os mais novos que existem no mercado a 19 a libra, em porcao se far abalimento.
.rV.mcixas vano07*1*1
rs., cartas linas portuguezas a 2700, dilas linas | em latas de 1 1.2 libra nnr 1nn .. v,^*.
francezas a 2j800c 3^800 a duzia, anvelope sor- por S5)00 M """ p0r 1S00 rs-e em camPOleiras de vidro contendo cad
t;do em cores a l3>28l), lamparinas para tres me- I m
Musanla inglcza c ranceza
em frascos a 60 rs. e era potes franceza a 800 rs cada um.
Vert\adeiros figos Ac comadre
ra caizinhas de 8 libras elegantemente enfeiladas proprias para mimo a 1$60( rs.
Bolaclilnna inglcza
a mais nova que ha no mercado a 240 rs. a libra e em barrica com 1 arroba por 4J.
Potes vulvaos
de 1 a 8 libras proprias para raauteiga ou outro qualquer liquido de 400 a 1J000 rs. cada um
JVmcudoas concitadas nvonvias nava sovtes
de S Joao
a 1$ a libra e em frasquinhos, contendo 1 1|2 libra por 2j.
CVi pveto, hyson e novla
os melhores que ha neste mercado de I96OO, 2 e 2500 a libra.
Macas em caixinhas de&lihvas
contendo cada urna differentes qualidades a 4JJ500.
Palitos de denles lidiados
em molhos cam 20 macinhos cada um por 200 rs.
lijlo vancez
proprios para limpar faca a 200 rs.
Consevvas inglezas c vancezas
era latas e em frascos de differentes quilidades.
Pvesnntos, chouvicas e paios
: o mais novo que ha neste genero a 480, 60 c 720 rs. a libra.
Latas de holachinha de soda
Vende-se o engenho Torrinba distan- de'differenles qualidades a 1J?600 em porcao se far algum abalimento.
te d-sta cidade duas leguas por trra.! res un alidada n?;86 /jk eui,n.{ e."* ludo recenieraente chegado e de unerio-
. .no pr du, l PL or : BasawsK ^uaaawffiactta^ja^
) e baa casa de viv^nra nnUrfo^n A com amendoascobertas. confeites. oaslilhasde variasnnalirtaitos dn,., h.., > j. ':.' _7
Cobertas
Francisco Pereira da Silva vende cobertas de
ahita para cama a 2$ cada una ; na ra do Quei-
mado n. 9, loja em frente ao Preguica.
Vende-se urna parda muilo boa cozinheira e
urna negrinha dell annos, linda figura : na ra
I rmosa, segunda casa terrea se dir quera ven-
de ; na mesma casa se vende urna urna de Jaca-
randa para ossos
;;', : ??. g@ @@@
Cj \ende-se umi prela moca, sadia c de '#
v^ bomia figura, que lava e cgomma bem : S
fe na ra da Cruz n. 27, segundo andar. J
Parahyba.
110 e baa casa de vivencia assobradada e
)joas obras, tem embarque no porto dis
tante do engenho 1|2 quarto de legua
do rio Parahyba eera menos de 5 horas
se vem a cidade; quem o pretender di-
com.mendo.,eober7;con^
m7mlTfinaSVCrhva.rh'l3fd0S aAhoiV fabricanl" de S Flix, mVas lo tod'sas quahd 'des go'ra-
U^ik ',lh"8 fr3ncezl|s.charapagne das mais acreditadas marers, cerveias de ditas
permacele barato, licores francezes muito finos, marrasquino de zara, azeitedoce purificado azcf-
mol al's' nn"rW blinh^e PrC0 refi"ada e oulros muUo 8eneros ^ encontrado dn'te
ometem mai 1" L^ S V0?* 'enderem por mu.lo menos d> que outro quMquer!
promeltra mais tambem servirem aquellas pessoas que mandarem por oulras nouro ortica* 'cnrrA
n viessrn pessoa mente rn*m imhom tn*___} ..i____j J02.zX.T7* poui.o prai cas como
_V P L .K. --0-"*-* JI" *"-"-" ""> i-muera servirem aquellas pessoas que mandarem por outras nuro nr
1 ija-se a Joao Jos de Medeiros Correia n, ".BSBm pessoalmente ; rogam tambera a lodos os sanhores do engenho e seniorea'iavradiPS
t C que dir' quem o vende. TtSSiSSii'S enC0^'neadas no "" ***** V-- >- les affianca a boa alidad' e
Na ra do Queimado u.
AQ, frente amarella.
Grande e variado sortimento de sobre- 1
1 casacas e casacas de pannos linos pelos )
o de cores a 28$. 30J o 353, paletots dos |
mesmos pannos prelos e de cores a 28$,
I 203 225 e 25, dilos de casemira msela- |
I dos de superior gosto a 16g e 18, dilos i
1 das mesmas caserniras saceos modelo i
! inglez 10, 12, 14 e 15. ditos de al- t
paca preta fina saceos a 4, dilos sobre-
: casa tambem de alpaca a 73,83e 9, di- S
tos de merino selim a 10,}. ditos do me-
ri de cordao a 9}, cairas pretas das
mesmas fazendas a 5 c 0$, colleles pa-
< ra luto da mesma fazenda, paletots de i
1 brim trancado a 5?, ditos pardos e de '
i fustao a 4 e 5$, calcas de casemira de %
t cor e pretas a7#, 8! 93 c 103, dilos das "
1 mesmas caserniras para menino a 6$, 7 3
1 e 8, dilos de brim para homem a 3, *
3500. 4 e 53, dilos brancos finos a 5, 3
I 63 e 7, ditos de meia casemira a 4 e *
5, colleles de caserniras preta e de co- i
; res a 53, e 6, dilos de gorgurao do seda
I brancos e de cores a 5 e 6$, dilos de |
velludo preto e de cores a 9| e 10, ditos *
da brim branco e de cor a 3, 33500 e4,
palilots de panno fino para menino a i
153, 16 e 18, dilos de casemira do cor 1
a 7$, 8 e 9$, ditos de alpaca a 3 e 3$500,
sobrecasacas de alpaca tambem pa.-a me-
nio a 5 e 6, camisas para os raesmos a
de cores e brancas a duzia 15$, 16 e 20, |
meias crues e pintadas para menino dea
lodos ostamanhos, calcas de brim p3ra jj
os mesmos a JS500 e3," colarinho de li- 5
nho a 6000 a duzia, toalhas de linho pa- 3
ra maos a 900 rs. cala urna, casaveques S
de cambraia muito fina e moderos pelo *
diminuto preco de 12, chapeos com abas i
2 de lustre a 5, camisas para homem do
todas as qualidades, seroulas para ho-
S mera a 16, 20 e 25 a duzia, vesliraen-
m (aspara menino de 3 a 8 annos, sendo
cu calca, jaqueta e coleles tudo por 10, co-
| borlas de fuslao a 6, toalhas de linho
para mesa grande a 7 e 8, camisas in-
8 glezas novamnntechegada a 36$ a duzia. Jg
Vendem-se carnciros gordos e baratos; na
ra do Cotovello, padaria do leiio do norle.
Milho a 5500.
Vendo-se milho novo do Mamanguape a 5500
0 sacco : no armazem de Francisco L. O. Azevc-
do, na ra da Madre de Dcos n 12.
F arelo.
Vende-so superior farelo de Lisboa viudo no
Tarujo II a 4500 o sacco de 96 libras: 110
armazem de Francisco L. O. Azevedo, no seu
armazem na ra da Madre de Dos n. 12,
Pechincha.
Vende-so no armazem de Silva & Molla, na
ra da Madro de Dos n. 4, fumo em rolos a 6$.
saceos grandes de milho muito novo a 5, farelo
a 43, feijao amarello a 10, assim como outros
muilos gneros por monos prego do que era ou-
tra qualquer parte.
Na fabrica de caldeireiro da ra Imperial,
junio a fabrica de sabao, e na ra Nova, loja d
ferragens n. 37, ha urna grande porcao defolhas
de zinco, j preparada para telhados, e pelo di-
minuto preco de 140 is. a libra.
Sabao do deposito do Rio
de Janeiro.
Vendem por preco mdico, Almeida Gomes,
Alvos & C., na ra da Cruz n. 27.
Vende-so ou permula-sc por urna escrava
1 bonito moleque proprio para todo e qualquer
servieo : na ra da Praia, serrara n. 55.
Bichas hambuf cuezas.
Sodr & C.
Ba estreita do Roeario n. 11.
Avisa aos senhores barbeiros desta provincia c
das provincias visinhas, como sej.im, Parahiba,
Rio Grande do Norte, Cear e Alagoas, que no
seu cstabolecimento existe sempre um grande
deposito de bichas de Hamburgo, e que vendem
por preco muito mdico, nao s a retalho como
por atacado.
Fazendas finas e
roupa feita.
slo & Perdigo.
Angu
Com loja na ra da Cadeia do Recite n. 23
venacm e dao amostras as seguiuies fazendas :
Corles de vestidos do seda prelos e decores.
Corles de ditos de barege, de larlalana e dega-
ze de seda.
Cambraias de cores, brancas e organdys.
Anquinhas para saias, saias balao, de clina, ma-
dapolao e bordadas.
Lencos de labyrinlho do Aracaly e francezes
Chapeos amazonas de palha o de seda para se-
nhoras e meninas.
Enfeites de froco, de/ridrilho e de flores.
Penles de tartaruga, iraperatriz e outros gostos.
Manguitos e golas, ptonto inglez, fraucez e mis-
sar.ga.
Vestuarios de fuslao, de la e de seda para
crianca.
Manteletes, taimas e pelerinas de dTerenles qua-
lidades.
Chales de touquim, de merino c de l de pona
redonda.
Luvas de pellica brancas, pretas e de cores.
Vestidos de blond, maulas de dilo, capellas e
flores solas.
Sinluroes, camisas de linho e esparlilhos para
senhora.
Perfumaras finas, sabonetcs e agua de colonia.
Casacas, sobrecasacas e paletots de panno preto
e de cor.
Paletolsde alpaca, de seda e de linho.
Calcas de casemira do cor, pretas e do brim.
Camisas de madapolao, de linho ioglez e de la.
Seroulas de liuho o de meia.
Malas, saceos, apelrexos para viagem.
Chancas para invernos, bolinas de Moli e outros
fabricantes.
Chapeos do Cbyli, de massa e de feltro para ho-
mem.
Charutos, manlha. havana. Rio de Janeiro e
Baha.
Amendoas confeitadas para sor-
tes de S. Antonio, S. Joao e S. Pedro e
tambem pora presentes a 2$ o irasco,
vende-se na loja de Leite 4 Irmao, ra
da Cadeia do Recife n. 48.
Relogios.
Vende-se em casa de Johnslon Pater & C, ra
do Vigario n. 3, um bellosortimenlo de relogios
de ouro, patente inglez, de um dos mais afa-
mados fabricantes de Liverpool; tambem urna
variedade de bonitos trancclins para os mesmos.
Espirito de viiiho com M
graos.
Vende-se espirito de vinho verdadeiro com 44
irros, chegado da Europa, as garrafas ou as ca-
andas na ra larga do Rosario n. 36.
Ra da Senzala Nova n. 42
Vende-se em casa de S. P. Jonhston & C. va-
quetas de lustre para carros, sellins e silhoes in-
glezes, candeeiros e casticaes bronzeados, lo-
nas inglezas, fio de vela, chicote para carros, e
montara, arreios para carro de um e dous cval-
os, e relogios d'ouro patente inalezes
Vasos, figuras, pinnas e
globos de louca para
jardimeportes.
Vendem-se por preco commodo, na ra do A-
morim n. 41.
Vende-se umprelo de 22 annos, croulo,
ofcial do carapina e boleero ; na ra do Hospi-
cio, casa de Tliomaz de Aquino Fonseca, das 7 s
9 da manlia, e das 3 s 6 da tarde.
Para liquidar.
Na loja que foi de Claudiano Oliveira
na rus da Cadeia do Recife n. 55, ven-
de-se fazendas de muito bom gosto epor
menos de seucusto para liquidar-sej os
lreguezes encontraro um bello sorti-
mento do que bom e barato.
Este estabelecimento offerece ao pu-
blico um bello e rico sortimento
precos convenientes, a saber :
Homem.
Rprzeguins imperiaes..... 10/JOOO
Ditos aristocrticos-...... 9jju00
Ditos burguezes........ 7/J000
Ditos democrticos...... 6000
Meio borzeguins patente. C$500
Sapates nobreza....... C*000
Ditos infantes......., 5.S00O
Ditos de lmlia (5 lj2 bateras). C.sOOO
Ditos fragata (sola dupla). 5$000
Sapatos de salto (do tom). C$000
Ditos de petimetre...... 5,s000
Ditos bailadnos. ....... 5,s500
Ditos mpermeaveis...... 2>'500
Senhora.
Borzeguins primeir classe(sal-
to de quebrar).......5|600
Ditos de segunda classe (quebra
cambada)......., 800
Ditos todos de merino (salto
dengoso).........4'500
Meninos e meninas.
Sapatoes de orca. ...... 4$000
Ditos de arranca........3$500
Boizeguins resistencia 4$ e 5'800
LOJA DO VAPOR.
Grande e vanado sortimento de calcado fran-
cez, roupa feila, miudezas finas c perfumaras ,
ludo por menos do que em outras parles : na lo-
ja do vapor na ra Nova n. 7.
SYSTEMA MEDICO DE HOLLOWAT.
PILUI.AS HOLLWOYA.
Este inestimavcl especifico, composto inteira-
mente de hervas medicinaes, nao contm mercu-
rio, nem alguma outra substancia delecteria.B
nigno mais tenra infancia, eacompleicao mais
delicada igualmente prompto c seguro para
desarreigar o mal na compleicao mais robusta ;
e inteiraniente innocente em suas operaces e ef-
feitos; pois busca e rcraove as doenca3 de qual-
quer especie egro por mais antigs e ienazes
que seam.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam as portas da
morte, preservando cm seu uso : conseguirn
recobrar a saude c forcas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais afflictas nao devem cntregar-se a de-
sesperaco ; facam um competente ensaio dos
efficazes effeilos desta assombrosa medicina, e
prestes recuperarao o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
para qnaiqucr das seguinles enfermidades :
Accidentes epilpticos. Febrcto da especie.
Alporcas.
Ampolas.
Areias(nialde).
Asllima.
Clicas
Convulses.
D^bilidade ou extenua-
cao.
Debilidade ou falta de
forcas para qualquer
cousa.
Dvsinterla.
Dor de garganta,
de barriga,
-nos rins.
Dureza no venlro.
Enfermidades no venlre.
Ditas no lgndo.
Ditas venreas,
-nxaqueca
'''rysipela.
Fbre biliosas
Febretointernitente.
Gotia.
Hcmorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Inflammaces.
Ir r eg u la ridades
menstruaco.
Lombrigas d'e toda es-
pecie.
Mal de podra.
Manchas na cutis.
Obslruccao deverlre
Phtysica ou consimp
pulmonar.
Retencao dcourii.
Rheumalsmo.
Symptomas secunda-
rios
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo (mal).
Vendem-se estas pilulas no estabelecimento
geral de Londres n. 224, Slrand, e na loja de
lodos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America do
Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se asbocelidhas a 800 rs. cada urna
dellas, coHtem uniainslrucco em portuguez pa-
ra explicar o modo de se usar destas pilulas.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
pharmaceulico. na ra da Cruz n. 25, em Per-
namb o-
Botica.
Bartholomeu Francisco de Souza, ra larga
do Rosario n. 36, vende os seguinte medica-
mentos :
Rob L'Affccteur.
Pilulas contra sezoes.
Dilas vegetaes.
Salsaparrilha Bristol.
DitaSands.
Vermfugo inglez.
Jarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febre).
Ungento Hollway.
Pilulas do dito.
Ellixir aali-asmathico.
Vidrosde boca larga com rolhas, de i oncas >
121ibras.
Assim como tem um grande sortimenfo de pa-
pel para forro de sala, o qual vende a mdico
pre o
Vcndem-se libras sterlinas, em
casa de N. O. Rieber& C. : ra da Cruz
n. 4.
Seguro coatra Foga
COMPANHIA
li
e
LONDRES
AGENTES
|C J. Astley & Companhia.S
Yende-se
de ferro para
S
Formas
, purgar assucar.
I Enchadas de ferro.
Ferro sueco.
Ac de Trieste.
i Estanho em barra.
| Pregosde composi^iio.
j Brim de vela.
\ Agurdente de Franca,
| Palhinhaparamarcineirori
no armazem de C. J, As-S
11 ey A C. I
Peiles de guar,
proprias para flores a-tificiaes e oulros enfeiies
vendem-se na ra da Cruz n. 27,


DIARIO DE PERNAMBUCO. QUARTA FE1RA -25 DB JULHO DE 1880.
DE
mum GE II?iI.
Sita na ra Imperial n ilSe!20 juatoa fabrica desabo
OE
Scbaslio J. da Silva dirigida por Francisco Bclmiro da Costa.
melhores
d
do bonzc deiodasasdimenrese feilios'paro alambiqueS;"t7nqc's nlr., parafusos do bronze e
forro para rodas d agua.por as parafornalhas e crivos de ferro, tubos de cobre e chumbo d toda"
as dimencoes para encmenlos camas de ferro com armario e-sem ella, fugdes de erTo polaveis e
S^SSft**?*,?! e >': ^ cobre, fundos de alambiques, passadeicas? espumadlas cocos
, '.ra engenho.ful ha de Handres, chumbo era lenrol c barra, zinco em lenrol barra lsccs I
rollas do obre, lentes do ferro a latao.ferro suecia inglezde todas as dimensdeSfe^SSo!
e folies para ferraros ele e outros muitos arligos por menos precedo que em ut a quaZer
parto, desempenhondo se toda e qualquer encommenda cora presteza e perfeico iconhecida
epara commodidade dos tregeles que se dignare hoiirarem-nos com sua coianr acha-
rao na ra ISova n. 37 loja de ferrageus pessoa habilitada par. tomar nota das encomiendas'
Ferros de en-
gommar
econmicos
a 5#000.
Estes magnficos fer-
ros ach m-se a venda
no arm; zem de fazen-
d-is de Kaymundo Car-
los Leili! & Irmo, ra
da Imperalriz o. 10.
V)
%z%mn

GRANDE ARMAZEM
2>.'
DE

Trapiche de depsitos, al-
fa ndegadon. 19.
Lt&Kgo da asscmV>\a
Ha continuanicnte para vender nesle trapiche|^|
393*3
eobertos e descobertos, pequeos e grande?, do
S^Sg i ouro patente inglez, para homem o senhora,
XS i de um dos melhores fabricantes de Liverpool,
|so^haClSnUCleDgleZ:emCaSae
Adniiraveis remedios
americanos,
Rua Nova n. 47, junto a igreja da Con-
ccicao dos MUiares.
:?>4 Jodas as casas de familia, senhores de enge-
Aclia-senadtreccaodaohcmadeste acreditado armazn O hbil S!e : azendeiro!!. ., devem estar prevenidos
jg com estes remedios. Sao tres medicamentos com
$ os quaes se cuta dicazmente as principaes n-o-
leslias.
SSSS
dores.
Seus proprietarios offerecem a seus numerosos freguezes e ao publico era geral, toda
qualquer obra manufacturada em seu reeonheeido estabelecimento a sabor: macanas de vapor
a e
de
Fazendas
baratas por todo preco.
Rua.do Qucimado n. 1.
Prompto alivio deRadway.
Instantneamente alivia as mais acerbas don i
m *-*. preta e de cotes ditas de ^le We^7e brE. I"A^lESZ^S.
P;^o,brancoe decores, colletei de velludo pretoe decores, ditosde M ,lis. '^s.ao. crup, dores nos i^lr
338 o-gurao, ditos de setim preto e branco, ditosde merino para luto |Sff qi,eimadura' erupces cutneos, angma, rei/r.'-
W dltolsLde fu8tao franco e de cores, paletots, casacas, jaquetas, calcas 8 C dfi ourina- elc- e,c-
ggj e colhetes para meninos de G a 12 annos, camisas, seroulas. chapeos '

Corto do cnsemira a 3jS0O rs., el aly de qua-
dros a 600 rs.. cassas pintadas a 5(0 rs., cotes
^ e grvalas pretase ele cores libres para criados, ardamentos para g
=W a guarda nacional da capital e do interior. ><<=
5^1
de velludo a 5. cambraia de cores a 240 rs. o I ^ | 5SS VtS^S^S "2 "A ""T *** B
covado. verbutina a 800 rs. o cova lo, cortes de &g \Vn escollnt?08 e habis ofhciaes, dando-setoda e qualquer roupa no 1
brim de cores a 1-5800, mcias casemiras infestada > 32 d,a convencionado. '
r:^=
Vinho de Bordeaux..
Um casa de Kulkmann lrmos&C, ra da
Cruz n. 10. encontra-se o deposito das bem co-
nhccidas marca dos Srs. Brandenburg Frres.
e dos Srs. Oldekop Marcilhac & C, em Bor-
deaux. Tem as seguales quaiidades :
DeBratidcnburg frres.
s. Estph.
St. Julicn.
Ifargaux.
I.arose.
Cha tea u Loville.
Chuleau Mrgaos.
De Oldekop & Mareilhac.
St, Julien.
St. Julien MJoc.
Cii.ito.iu Loville.
Xa mesraa casa ha
vender:
Sherry era barra.
Madeira em barris.
Cognac em barris qoadade fina.
Cognac em caixasqualidade inferior.
Cerreia branca.
Vcndem-se 8escravas rom habilidades c sem
lias de 15 a 40 annos, de 800.- a 1:500, um es-
cravo de 30 annos, bom cozinheire, por 1 aous
um mulato de 22 annos por 1:300?, c mais al-
gunsesaravos baratos que se venden, tanto a
prazo como a dinheiro, oa roa Direila, no escrip-
toiio de Francisco Uathias Pereira da Costa.
PERFUME PASA SENHORAS.
%m -
a ^() rs. o covaao, gollinhas e manKuitos a 2?,
calcas de brim de linho branca nimio lina a 5
o 4?, cairas de cascmira a -i?, lencos pintados
com bicu a ICO rs., colannhos de aljodo a 1$ a
doila, paletots de sansa a 49600, c apeos de se-
da amazona a i;500, lencos do Porto para rep
a 200 rs., chales estampados a 3#, tamisas finas
de la a 2.*200, ditas a i, meia de l para ho-
mem e senhora. alpaca de cores para paletots a
W0 rs., cheguem a pechincha antes que se
acabe.
Progresso na cidade da Victoria I
para
jd azcDdasporbaixos precos
Ra do Qucimado, loja
de A portas n. 10.
UMKMU11 |
Murray e Lanman 1
Conidios.
Vende-so confeitos de Lisboa, na
Loja de marmore.
&
A que tem adiado mais acolliimcnto no
publico! Vcntlc-sc 20,000 duzias
de fiascos por anno.
Esta agua encantadora extrahe-se das diversas
flores qim se enronlratn no paiz onde Ponce de
Len e Sonto ara procurar a Tonto da juventud
eterna. '
D aos lencos um cheiro muilo agrjdavpl e'
refrigerante, augmenta a belleza da culis, des-
truindo as sardas e mais manchas que de costu-
me atacara o resto. Aconchamos as pessoas
debililadas pelo calor do vprao de usareni de agua em bachos, pois tem ella a virtude do fa-
zet recuperar as forcas perdidas pela* Iranspi-
racao. r
CAL DE LISBOA,
nova e muilo bem acondicionada : ru ra da Ca-
dcia do Recife n. 38, primeiro andar.
Na ra da Cadeia do Recife, pr meiro andar
n. 28, vende-se :
Pilles de cabracoalidas.
Vaquetas de boa qualidade.
Couros do bezerro corlidos.
Sola franceza muilo grossa.
Farinha de mandioca.
No mesmo escriptorio vendem-:c loalhas o
lencos de labyrinlhos, e charuteins finissimas
de palha do Chile.
Vendem- se
Solutivo renovador.
Cura todas as enfermidades escrophulosas.chro-
Apromv.tam.se becas para de sem babadores, lentes, juizes de d- M K? S St" '^'iT
.to mun.cpaese promotores e vestidos pnra montara. Naonjjra ^1 P"P 'calmen cCa" SSIfiS?
sos, tumores brancos, aferros do ligado e re?
erysipelas, abeessos e ulceras de todas as classes"
molestias d'ulhos. didlculdade das regras cas
mulheies, hipocondra, venreo, etc.
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regularisar o systcma, equilibrar a circula-
'Caodosangue, inteiramente vegetaes favorav-3
em lodos os casos nunca occasiona nauzeas ; e
dores de venlre. dses de t a 3 regularisam, de *
a purgara. Estas pilulas sao etTirazes nos alTec-
| (oes do Ogado, bilis, dor de cabera, ictericia B-
digeslao, o em todas as enfermidades das mu-
. Hieres, a saber : irregularidades, fluso, rcten-
coes, flores brancas, obstruccoes, histerismo, etc.,
sao do mais prompto efTeito na escarlatina, febie
biliosa, febre amarella, e em todas as febres ma-
ignas.
Estes tres importantes medicamentos vem 8-
companhados de instrucroes impressas que mos-
tram com a maior minuciosidade a maneira de
applica los em qualquer enfermidade. Esli ga-
rantidos de falsiicacao por s haver venda zo
armazem de fazendas de Raymundo Carlos Lee
& Irraao, na ra da Irnpcratriz n. 10, nicos
agentes em Pernambuco.
/"'-llf** eD8_DdOor falsificares de- Rclogios (le OUi'0.)
Sellins iii|,lezcs.. .)
DE |g
Francisco Xaxier de Salles Cavalcaute de Almeida
Palco i\a Fciv.
O proprietario deste estabelecimento, como se acha com um grande o completo soni- S
ment, tendente a molhados, ferragens e miudezas convida portanto a todos os moradores KK
desta cidade da Victoria, senhores de engenho e lavradores queiram mandar soas fi
encommendas no Progresso do pateo da Foia, pois s alii enconlraro o liom e barato, ^
visto o proprietario estar resolvido a vender, tanto em grosso, como a retallio, por menos S
do que em outra qualquer parle como sejam : g
Latas de marmelada de 1 2 libras a 1400, frascos com differentcs quaiidades de doce B
por 2^000, latas de soda contendo nove quaiidades a 2JJ0OO, azeilonas muilo novas. ?
passas de ditas, vinho de lodas as quaiidades de 500 a 200 rs. a garrafa, licores ^
francezes de lodas as quaiidades, champante, conhaque dedits>>ca fina, azul.pinlaJa, p
e branca de todos os padroes, ameixas em compateiras e m latas a~-C000 rs. a libra, sg[
ye-se procurar aAgua Florida de Murray e
Lanman, c averiguar-se se o enrollorio e rotulo
tiazem o prcflxo de Murray o Lanman.
E'fabricada esta agua nicamente pelos pro-
pmUnos I). 1. Lanman e Kemp droguistas por
atacado, oJ Water Street, e 6 tiold sreet. No-
va-York.
AcJi-se renda em lodas as boticas o loias
de perlumaas do imperio, era Pernambuco loia
Luiz Antonio de Siqueira, ra da Cadeia.
Patente.
No escriptorio do arjentc Oliveira.
B latas de peixe de posto por 2$000 rs banha de porco refinada, arariHn, Jaitas, bolachi-
g nha ingleza, biscoitinho, eoutras mais quaiidades de massas ii3vinassa de tomate em
g ltase a relalho, lelria, macarrao, lalharim a 800 a libra, verdadeir^gomma de aramia,
OS insenso de todas as quaiidades, espiritov de cravo, canella, ealfazema, veidadeiros penles
^ a imperalris, e de tartaruga de 9;>000 a 10t!00 cada um, tranca e franja de seda, fe-
B chadoras de broca, pregos em quantiJade de lodos os taraanhos e quaiidades e outros
|| muitos objeclos que por se tornar enfadonho deixa de os mencionar,
m
IB
4$ Recebeu-sc novo sorlimcnto de bonitos
ffi loques e braceletes de sndalo.
Loja de marmore.
p5
m
__ emfcectgaseseboi
i
Anda restara algumas fazendas para concluir! Am n ,.
lajo da lirma de Leite4 Crrela, asquaes ru"a KSZt'SZSS" a rC(a"10 : "
e lendem por diminuto preco, sendo cutre ou-
iras as seguintes:
Chitas do cures escuras e claras, o covaao
a ICO rs.
Di islargas, francezas, linas, a20e2C0.
Riscados francezes de cores fixas a 200 rs.
Cassas de cores, bons padroes, a 240.
Brim de linho de quadros, covado, a 160 rs.
Brim trancado branco de linho rauito bom, va-
a, a 15000.
C irtes do caira de meia cascmira a 2<.
Ditos de dila do cassmira de cores a 5?.
Panno prelo lino a 3{j e 4.
Ueias do cores, finas, para 1/omera, duziaa
1#800.
Gravatas de seda de cores e preas a 15.
Ueias brancas linas para senhora a 3g.
Ditas ditas muilo finas a 4jj.
Hilas crgas finas para homem a 4$.
Cortos de colletesde gorgurao de seda a 25.
Cambraia lisa fina transparente, peca, a 49.
Seda preta lavrada para vestido a 1JG00 e 2g.
Cortes de vestido do seda preta lavrada a 1G#
Lencos de chita a 100 rs.
La le quadros para vestido, covado, a 5C0.
Peitos para camisa, um, 320.
Chita francesa moderna, fingindn seda, covada
ra 400 rs.
ntremelos bordados a 200 rs.
Camisetas para senhor.a a 640 rs.
Ditas bordadas finas a 2500.
Toalhas de linho para rnesa a 2S e 45.
Camisas de meia, urna 640 rs.
Loncos de seda para pescoco de senhora
560 rs. *
Vestidos brancos bordados para baptisar crian-
cas a SOOO.
Cortes de caira do casemira preta a 6?*.
Chales de merino com franja de seda a 5#.
Cortes de calca de riscado de quadros a 800 rs-
Merino verde para vestido de montaria, cova-
do. 19280.
Lencos brancos de cambraia, a duzia, 2#.
i
v-^-
cae
m

Loja de marmore,
Rua Nova.
Paria c C. avisara aos seus numerosos a
SE freguezes eao publico em geral, que re- 3
^ cebeudo por lodos os paquetes fazendas 3
^ de modas, acabam do receber entre raui- 7
s l?s a.rl'8os o scguinlc :
afe Vestidos lieos de blond para casamento.
^, Dilos de gorgurao de cores, lecidos com
j& velludo em alto relevla duque/a de
,A Comberland.
^ Ditos braucos bordados para soire.
g Ditos ditos de cambraia.
^ Dilos de cores de phantasia.
3Jg Ditos de cores de moirantique.
it Manteletes, chales ronds c peregrinas
A de velludo egrosdenaple pretos.
fc Bournus de cachemira de cores e de se- jfi
?yg da de cores. ^
iD Chapelinasde palba de Italia e seda. f
H Calcado para seuhora do afamado fabri- 1
>Tb cante Jolly.
lj Dilo para meninos.
Casaveque de la para meninos de ambos
os sexos.
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitos para camisas.
Biscoutos.
Em casa de Arkwight & C,
Cruz n. 61.
ag As meliiores machinas de coser dos mais
^ 1 afamados autores de Nev -York, I.
M. Singer & C e Wheeler & Wilson.
-1
";
I
i
DELICIOSAS EIXFALLIVEIS.
ULOfilOS.
Neste estabeleci-
mento vendem-se as
machinas destes dous
autores, moslram-se a
qualquer hora do dia ou
d3 noiie, e responsabili-
samo-nos por sua boa
qualidade ) seguranra :
no armazem de fazendas
do Raymundo Carlos
Leile i Irioaos rua da
imperutiiz n. 10, antigamenle aterro da Boa-
Visla.
Vende-se urna negra fula, bon'la figura,
mora, cozmha, engomma soffrivelmeute e costu-
ra, o lavadeira, e quem a comprar se dir o mo-
tivo por que se vende : na rua do Brum n. 1G, ar
mazera de Manoel Jos de S Araujj.
asemoendas
Braga Silva i C.tem sempre no seu deposito
da rua da Moeda n. 3 A.um grande sortiracnto
de tachase moeedas para engenho, do rauito
acreditado fabricante Edwin Maw a tratar no
mesmo de osito ou na rua do Trapiche n 4.
Grammailcalngle-
za de Ollendorff.
Novo melliodo pera aprender a lr,
a cscrever e a fallar inglez em G mezes,
obra inteiramente nova, para uso de
todos os estabelecimento* de instruccao,
pblicos e particulares. Vende-se na
praoa de Pedro II (antigo largo do Col-1
legio) n. 37, segundo andar.
Farinha de mandioca.
Vende-so farinha de nnndiora, superior quali-
dade, viuda do Maranhao, pelo hiale llosa e
brigue escuna Graciosa : nos armaxens de Ma-
chado & Dantas e Antones Guimares ^. C, no
Foile do Maltes, lar^o daAssembla.
Relogios
Suissos
Animaes de roda.
Vende-se a dinheiro ou a prazo, o por ore-o
comraodo.uma porcao do bons animaes de roda
proprios para a prxima safra: na rea Bella 1'
10, esquina.
Milhoefyrelo.
Vende Jos Luis de Oliveira Azerodo no armazem na travessa da Madre de Dos n.5.
Qncijos e doce.
Qucijosnovos a|240. doce de goiaba a 'CQ
rs. o caixao : no largo do Taraizo, taberna .
csticlla n. 14.
umnb
Superiores charutos de
Luiz de Oliveira Azevedo,
travessa da Madre de Dos n. 5.
Urna casa te

Simas ;
no sen
vende Jos
armazi n
wrea com
so (do.
uenlinAC., rua da Cruz --, Joaqaim Rodri-UCS T.lVarCS (le HdlO
*b* c-,V('"('V'e unia r',sn lorrp;l "" ch5S procrioe
W sanc:"n1'!'" ^P^las, lado da mar grande
I rua do P.lar 53 : a tratar na roa do Brum il
^ 10, arnnzem do Manoel .los de S \raujo
mmi mmim
DE
Fazendas c roupa feila
NA LOJA E ARMA/.LM
DE
mr^JthJf'"' ?rm"a Vum" deposito na
rua de Hurlas ; a tratar no mesmo n. 39
,;77 ^,"]enif Des moradas de casas lerress
conlronle a casa de deteroao ns. 9 lie!
vende-se mais um terreno coin 8
calcado.
Vende-se em casa de Saunders Brothers &
C, prarado Corpo Santo, relogios do afama
do fabricante Roskell, por pregos commodos,
e tambemtrancollins e cadeias para os meamos,
deexcellente icosto.
i\7a rua da Imperatri/ n. 2,
Vende-se superior manteiga ingleza a
J#280 rs., dita franceza a GiO rs., cha'
superior a 2,s*00 rs., bolachinhas linas
de todas as quaiidades proprias para
cha' a 1^000 rs. a lata, latas com pe-
ras, ditas com ameixas, ditas com pece-
gos, ditas com ginja a 900 rs., gigos
com champanhe das melhores marcas
afliancando se a qualidade a 20^, vinho
xerez a 1$600 rs. dito Madeira a 2^, di-
to do Porto a 1^280 rs., dito a 1$600
rs., dito lno a 2#, dito Bordeaux em
garrafas e caixas de 1 duzia de supenoi
qualidade a I2#, conservas inglezas raui-
to novas a 800 rs. o frasco, toucinho de
Lisboa novo a 520 rs. a Iibn, vinagre
branco a 400 rs., se garante a qualida-
de dos gneros aos freguezes.
T Ye"de-se ura> crioula de bonita Dgura com
wade de 18 aDnos: na rua do Hospicio n. 15.
Pastilhas vegetaes deKenip
contra as lombrigas
apnrovadas pela Exm.- inspeccao de esludo Ue
Habana e por muilas outras juncias de hygiene
publica dos Estados Unidos e mais paizes da A-
merica.
Garantidas como puramente vegetaes, agrada-
da veis vista, doces oo paladar, sao o remedio
iiifallivt! conlra as lombrigas. Nao causara
nauseaa, nem sensaces debilitantes.
Tesiemuiiho expontanco em abono das pasti-
lhas de Kemp.
I Vende-se a bem afreguezada loja de calcado
; da rua do Livramenlo n. 27, propn i para q'ual-
quer principiante ; a tralar na mesr.ia loja.
Vende-se um sof, mesa redor.da, 1 banca
; para jogo e 1 marquaza, ludo de anarcllo e bem
conservado, 1 par de bancas de jacaiand, 1 rre-
; sa de pidho o 3 cadenas americanas ; na rua lar-
jgado Rosario n. 50, segundo andar.
Vende-so urna loja com pouco.i fundos, de
calcado da trra, com boa armaco, e toda envi-
idraradj, propria para qualquer' um estabeleci-
mento que se pretenda botar, por ser no melhor
local da rua do Livramenlo, esl mu to afregue-
zada ; o motivo por que se vende f or seu dono
esludo de pretender relirar-se da prora ; a trilar na rua
do Livramenlo n. 33, loja.
_ --------------- .uw uu ^, ^^ .
d. vende-se um grande eTariado sortimentode
relogios ae algibeira horisonlaes, patentes, chro-
nomelros, meios chronomelros, de ouro, prala
dourada efolheadosa ouro, sendo estes relogios
dospnmeiros fabricantes da Suissa, que se ven-
ueao por preros razoaveis.
Em casa de N. O. Bieer & C. ,
succossores, rua da Cruz n. i, vende-se
Vinho Xerez em barris.
Champanha em caixas de 1 duzia da
acreditada marca Farre & C-, vinho
de superior qualidade.
Conhac em caixas de 1 duzia.
Vermouth em ditas de ditas.
Ferro da Suecia.
Aro de Milao
Brilhantes de todos os tamanhes.
AGENCIA.
i..,. A ","-u" >uu o mri-agcas : a
iratarcom Francisco Pereira ffa Silva Santos, ne
mesmo lugar, na liberna n. 17.
enda de pre-

RUA DO QLEIMADO N. 39
UM SIA LOJA DE QfATKO PORTAS.
Tem um completo sortiment da roupa feila,
e convida a todos os seus freguezes e lodas as
pesseas que desojaren ter um sobrecascco bem dJ222oL" feito, ou urna calca ou co.letc, de dirigirera-se a ^^^^^^^ZS^
) que enconlraro um hbil 'ar-se segundo andar por j estar travpjado para
dio e terreno.
Srs. D. T. Lanman eKemp.Port By-
ron 12 do abril de I89. Senhores. As pas-
tilhas que Vmcs. fazem, curaram meu filho o
pobre rapaz padeca de lombrigas, exhalava m
cheiro fedito, tinha o estomago inchado e con-
tinua comichao no nariz, lao magro se poz, que
eu tema perde-lo. Nesias circumstancias um vi-
nabo meu disse que as pastilhas de Kemp ti-
nliam curado sua ftlha. Logo que soube disso
cornpre 2 vidros depaslilhas e com ellas salvei a
vida de meu filho.
Sou de Vmcs. seu amo agradecido.
t, W- T. Floyr.
l reparadas no seu laboratorio n. 36 Gold
Street pelos nicos proprietarios D. Lanman o
Kemp, droguistas por atacado em New York.
Achara-se venda em lodas as bolicas das
principaes cidadesdo imperio.
DEPSITOS
Rio de Janeiro na rua da Alfandega n. 89.
Bahia, Germano & C, rua Juliao n 2.
Pernambuco, no armazem dedrogas de J. Suuri:
di Companhia rua do Cruz n. 22.
~ Vendem-ae 600 esleirs de palha de car-
nauba por barato preco: na rua do Vigario n. 5.
Botinas de Mili.
Na loja de Burle Jnior & Martins, na rua do
Cabug n. 16, existe um completo sortiracnto
de6te calcado, recebidos pelos ltimos navios do
Havre, assim como sapatos linos para dansa, do
mesmo fabricante, e outros calcados grossos para
o invern, c muilo bous charutos da Bahia.
Calcado francez
barato.
Bolinas de setim bronco o pretos para senhora.
Ditas de lustre para homem a 7g0(0.
Ditas de dito para senhora a 3j.
dilisde dilo para menina a SgSOQ
Ditas lodo de duraqne para seuhora a 2#.
Ditas de setim branco a #.
Sapatoes nglezcs de vaqueta para homem a 5$.
Ditos de lustre com borracha para hornera a 5g.
Ditos de dito para menino a 3j)J
OiP''0S de Xantes de bezerro para homem a
SfOOU ; na rua do Cabug n. 16
Approveitem a oc-
casio,
chegado aloja da diligencia, na rua doQuei-
inaap n. bo, ura grande sorlimento de balaios
bonitos, fortes e baratos para compras, para cos-
tura e para guardar roupa, assim como muilo
lindas ceslinhs para meninas trazeiera no bra-
co, ditas para se mandar presentes, ditas par
se terem com fructas em mesa, ditas para talhe-
res, e outras muitas obras que com vistr os
compradores vero : na rua do Queimado, loja
da diligencia n. 65.
FlNDICiO LOW MOW,
Rua da Scnzala Hora n.c 42.
dema 125*, oulros de casemira de quadrinhos
da mais fina que ha no mercado a 169, ditos
de merino stima 125, dilos de alpaka muilo
fina a Gt?, ditos francezes fobrecasacados a 12$,
ditos de panno fino a 20, 23>, e 30, sobre-
casacas francezas muilo bem feitas a 35, cai-
gas feitas da mais fina ossemira a 10, ditas de
Vende-se um cofre ingle/, de patente, pro-
va de fogo, e urna secrelaria de amarello,' ludo
novo ; na rua larga do Bosario n. 50, segundo
andar.
Escravos fgidos.
brim ede fusiao por prego commodo, um grande ~~ l'ugio no dia 19 do rorrete, das 8 para 9
sorlimento de colleles de casemira a bv>, dilos de 50rm doJiia' cscravodp nome Andr, de idade
SELSrf1 prrrommod?'um 8ran.de ^"Ss^^t.ss^.'is
sorlimento de sapatos de tapete de goslo muilo dedo mnimo amo frida, c tem o p"qucrdo
Neste estabelecimento continua a haver um apufado a 29, ditos de borracha a 2500, cha- chelo de bichos, levoo calca de algodaoziuho do
comapletosorlimento de moendase mcias moen-' Pos decaslor muilo superiores a 1G, dilos dse- '"1,ho- camis;\ .de briin de lislras ; roga-se as
das para engenho, machinas de vapor e laas de ferro batido e coado. de todos os tamanhos i(l,los d^ sol- mglezes a 109, ditos muitos bons a Amonio do Amaral, no engenho Ilha da Ponto
Dar di 129, dilos francezes a 89, dilos grandes de pan- dos Carvalhos, quesero generosamente recom-
; no a 49, um completo sorlimento de gollinhas e Pnsad03-
' mangutos> liras bo ,ad e en(re meos |M||0 _
propno para coller.nhos de meninos e Iravessei- pardo, de idade 23 annos. oDcfa: do carapina!
. ros por prego commodo, camisas bordadas que'bonita figura, intitula-se Torro; esto mulato fui
serven para batisado de criancas e para passdo ; e,stravo de.Jos6 Jacimho da Silveira, e boje do
a R5 ia mi .- i j l i nenio Jos Bamos de Oliveira : a oesoa une o
Z'hitY en?Vde T^313 ^iP^ou der no.icia delle, leve a roa da Impe-
l nho bordados para senhoras, ditos lisos para rairiz, sobrado n. 15, onde ser bem recompr.-
homera por prego commodo, saias bordadas a sado-
35500, ditas muito finas a 59. Anda tem um ,~ F"gi h,"tem ,8 do ""enie (a noile) um
restinho decha.es de toquim a 30, eores de nos?Jm1.rb^^
vestido de seda de cores muilo lindas e superio- .'res, e tem gancho no pescoco, levou camisa e
Gulla-pera.
Becebeu-se novo sorlimento decapas,
perneiras e sapatos de gutta-percha (vul-
garmente borracha.
Loja de marmore.
Cevada nova,
Vende-se cevada muito nova cheg
I res quaiidades a 1009, que j se vendern a ca,a dc o'godao azul, c um s'acco de bordo com
.j 150, capotinhos pretos e manteletes pretos de | ^"f* .f!.1."b/1:.li"la_fuSido ha lf'npos, e foi
da agora de Lisboa, por commodo pe-1 ricos nsu,. a 20, 259 e 309. os mais superio- j S"m ato^ass oridsae. poTicL's e'caVi.^
f^O : no armazem de Manoel Joaquim rescl,a|e8decjsemira estampados, muito finos, a de campo a sua apprehensao, e leva-lo rua da
de Oliveira & C na rua do Codorniz *ea 10*' loalhas delinho de vara e Desquar- Cruz 8. ou na Capunga, que ser bem recom-
n. 18, em frente a travesa da Madre! ^.^S."!!? ^periores a W^dito.^'^
de Dos.
para rosto delinho a 19, chitas francezas desu-
iigio oescravo de nome Cesaiio, idade de
Qncijos do
do serto.
Vendem-se na rua do Caldereiro n. 9-f.
vinte e tantos annos. pouco mais ou n cnos. es-
perior qualidade, tanto escuras como claras a lalura mediana e reforcado, bons denles e ima-
2G0, 280, 320, 400 e 440 rs. o covado, ricas dos>. cabra escuro quas! negro, barba na pona o
casemiras para caiga, colleles e palilois a 49 o co- queixo* olhos avermelhados, pernas um pouco
I vado e un completo sortimenlo de outias fazen- ^J.^X^^pW ffiSS
, aas, e ludo se vende por prego barato, e que nao | policiaes, e qualquer pessoa que o possa encon-
possivel aqui se poder mencionar nem a quarla ilrar' aPprehcodam eolevem a sua senhora, no
parte della, no entsnto os freguezes cheeandoe -*?:? 5amos' sobrado, encarnado, que sero
! prendo comprar nao rao sera fazenda. | EgZ sltc&T eoa,r" qUem ^


M.
DIARIO DE PERNaMBUCO. QUARTA FEIRA 25 DE JL'LHO DE 1860.
Litieratura.
gao, commandados por i). Drago ae Corcova,
desembarcaran! cm setembro de 1505 nos costas
da Andaluzia, e sitiaram Mers-el-Kebir. Os Mou-
ros conservaram-so um mez na praca, depois re-
ti rara ni-so para Oran.
A Hespanha inleira, diz Alvares Gomes, l-
A Hespanha u'Africa.
No seculo Vil Sid-Okbah-bcn-Ouwamir, o
Bon-Naf das legendas do Oricnlc, partindo de
Meca frenle de um exercito do cera mil Arabos, j cou transportada de prazer com a noticia desla
leudo conquistado a frica c obrigado-a a aceitar i victoria. Durante oito das festas publicas echoa-
c mahometismo, impellio scu cavallo ao mar ex- ram as egrejas om agradccimenlo ao Todo Po-
i i,iurind que senta nao poder levar oais longo deroso por ter concedido aos Hespanhes um
slaodarle do prophela. i triumpho, quo nao s ia restituir a seguranza s
Este furor de conquista, de proselytismo ar- suas costas, seno tambem abra lambem a Afri-
, que o Corao inspira aos crentei desde o ca aos seus excrcilos.
metro versculo at o ultimo com urna co- A Hespanha tinha sido muilo apressada em
ucucia rrssislirel, animou lodos os succossores regozijar-so o congratular-so ; por quanto leudo
primeiro conquistador rabe, os quacs inais, o general dora Diogo emprehend'do um ataque
felizes do que elle alravessarara os mares, passa- considcravel sob os muros de Oran, fui seu pe-
v.itu como urna lempeslade pelas differenles par- j queno exercito feito em pedamos em urna impe-
les da Europa, e levaram o estandarte do pro- j tuosa sorlida dos cavnlleiros mourns. Dom Diogo
ptela al as margens do Ganges. Durante oito embarcou-se para a Hespanha, e foi expr seu
sculos os impetuosos Musulmanes, que pareciam governo a perigosa situoco era que achavam-sc
ter prendido a suas armas a victoria, dominaram ; as tropas. Ento Francisco Xiraenes de Cisneros,
o offuscaram a Hespanha, convertendo os inflis confessor da rainha Izabcl, primaz das Hespa-
golpe de alphatige, elevando como por encanto nhas, fez com que fosso mandada urna nova ex-
inaravilhosas alhanibras, semeando sobre seus pedico, da qual tomou o commando.
paseos as lindas poesas do seus narradores, es-! Era a mais forte armada, que a Hespanha at
tibolecendo biblioiheeas, abrindo vas novas s'enlao enviara frica : contara muitos navios, c
scien.ias, e dotando a humanidade com preciosas
arencos. Foi como um fogo de artificio, quede
reponte brilhava na noitc da odade media.
o dominio musulraano, porm, lo ephemero
como brilhante, nao podia por muilo lempo ta-
pora Hespanha seu cdigo religioso, seu fatalis-
ta polygamia, seu Corno destinado ragas
passira?, ragas africanas e asiticas.
A ehristandade muilo alcmorisada pelas victo-
rias dos Mahometanos, e apressadissima em des-
picar-so, commclteu o erro nos seclos XI, XII,
XIII e XIV do ir com suas tracas armadas baler
Tunis c as costas d'Arica. O Tapa Vctor III ;
Rogelio, rol da Sicilia; D. Sanchos, re de Na-
varra ; S. Luiz ; Pedro III, rei do Aragao ; Ph-
numerosas caravcllas carregadas de soldados,
que, apenas desembarcados era Mers-el-Kebir,
receberam do cardeal ordem para marcharen!
sobre Oran, em quanlo a frota fundeada defronte
desta cidade,bombardeara seus muros. O assalto
foi feito este amigo grito de guerra, usado con-
tra os Mouros : Santiago y cerrar Espaa I
(S. Thiago e ataca, Hespanha I )
Os Musulmanos, atlacados em suas mesquilas,
[oran feitosem pedaros ; qualro mil foram mor-
ios o oito mil foram feitos prisioneiros. Foram
capuaueaaos por francisco le Vera, a quem Da-
leu defronte de Argel.
Vendo Barbarussa que tudo era favoravel, jul-
gou opportuna a bccasiSo para fazer-se procla-
mar Barba-russa 1 solieran) de Argel. Afogou
sera mais escrpulo cm um banho um chefe de
piratas, seu rival, era Al-Djezair; suffocou urna
rcvolta de alguns partidarios de sua victima Se-
litn-Entemy, fez-se de sultn, cunhou dinheiro,
levo um serralho, um budet, corlezaos, mais
subditos dedicados e mais admiradores do que
quiz,tantos, quanto leve o cuidado de fazer
lanrar a seus contradilores no fundo das mas-
morras e do mediterrneo. Porm 6 proprio les
tyrannos nao saberem con::ervar-se, quererem
sempre batalhar c subir.
Por desgraca do Barba-russa Io, elle lanr.ou os,
olhos para o pequeo reino do Tlemcen, pertur-
bado por causa da successo de Abou-Zian e
Bou-Hamrou amigo dos Henpanhoes. Esle ulti-
mo triumphou, e Abou-Zian foi feito prisionero.
Baba-Aroudj linha-se apoderado do Tenez,
quando rieran) partidarios de Abou-Zian suppli-
car-lhe que libertasse o rei captivo.
Tendo o corsario aceitado a proposla, marchou
ao encontr de Bou-Hamrou, bateu-o completa-
gente em Arbal, enlrou triumphalmenle em
Tlemcen, e, segundo a proniessa jurada sobre o
Corao, tirou com efteito da masmorra a Abou-
Zian ; mas foi para manda-lo enforcar iraraedia-
lamcnlc o a seus sele filhos. Os ootros raerabros
da familia do infeliz Abou-.'.ian foram affogados
em um tanque; o quanto ao setenta nolaveis de
Tlemcen, que atemorisados tinliam passao para
o campo de Barba-russa, fe-Ios degolar sob o pre-
texto de que tendo j trahide a dous seus sobe-
ranos legtimos, mui bjm poderiam nao mostrar-
se fiis fortuna de um simples corsario. V-se
lomados cinco mil escudos de ouro e numerosos' quo se Barba-russa obrava precipitadamente, nao
despojos, que Ximones enviou Granada ao rei
Fernando, reservando nicamente para si al-
guns livros arabos. O governador mouro da for-
lippc Doria; c o carJoal do Bourbon foram suc- ,r,'fiza interior da cidade, nao quz entregaras
cossivamenle derrotados em suas cruzadas Con- chaves a nao ser ao cardeal em pessoa.
ira Hehedia do Tunisia, Trpoli e as cosas do
Biir.
deixava do ter espirito, era penetracao. Depois
destes brilhantes feitos o coisario collocou sobre
sua fronte a corda do reino le Tlemcen.
Entretanto o governador d'Oran, inquieto pela
perigosa vsinhanga de Barta-russa, eslabelecido
U Musulmanos erara lio fortes na frica, quo
rracos na Europa : nao ora em scu territorio que
doviarn ser balidos, e sin nos paizes, onde ti-
nha.-n mostrado a impossibilidado de
organisar
copal brilhava na proa, e n'uma larga bandeirola
estavam escripias estas palavras : In hoc signo
urna sjciedade lirre sobro os preceilos do Corao,; p'W6e. Quando o Ilustro septuagenario viu os
e a iiicompatibilide radical do seus costumes e
id -as com as dos curopeus. Provado isio, foram
ellos empellidos da Hespanha com a mesma rapi-
dez, com a qual invadiram-a. Tu pouco solidos
era.ii seus eslabelecimenlos, que pareceu arreba-
ta-los um furacao contrario, como urna tromba
os lngara as margens da Andaluzia.
No principio do XV seculo, um ro de Grana-
da, Muley-Mahommedocanhoto, cscapon ao
furor do seus subditos revoliados, distarcando-se
c mo pescador, o foi implorar o soccorro do rei
Oo Funis. Elle porm nao doria mais tornar a ver
a bella Granada, que capilulou em 1492, bem co-
mo lodas as ciJades da Hespanha dominadas po-
Mouros.
Foi riolents na Hespanha a reaeco contra os
O cardeal parliu para Oran em urna embar-! vintc leguas de seu territorio, resolveu-so soc-
caco magnifica, diz Mr. Henry-I.eon Fey, autor i correr a Bou-Hamrou, que Ihe supplicava ; c
de urna cxcclleutc Historia d'Oran. As cores ordens suas tres mil Hespanhes. commandados
nacionaes flucluavam ao vento, a cruz achiepis- pelo coronel Martnez de Arcte, sahiram d'Oran.
O coronel hespanhol tendo levado de assalto
a fortaleza de Cala, marchou para Tlemcen,
c sorprendeu Barba-russa encerrado no Mechouar.
O atrevido corsario em rao procurou passar os
muros da fortaleza para junlar-se com o rei de
Fez, que lho trazia vinte mil nomens,os Hespa-
nhes nao o dcixaram.
Um pirata nao podia deixar-se cahir na ratoei-
ra; con3Cguio evadir-se por urna galera subter-
rnea, que communicava com a cidadella, e se-
guido do alguns dos seus ganhou a fronleira de
Marrocos, tendo a precauco de semoar por onde
muros d'Oran empavesados do estandartes victo-
riosos, dirgiu ao cu accoes de gracos para agr-
dece-lo por urna conquista lo brilhante.
Atravcssando as ras d'Oran, juncadas de ca-
dveres, Dcou commovido ponto de derramar
lagrimas ; o que vendo o commanianle de suas
guardas, lho diz :
Scnlior, eram iufieis ; tal gente nao me-
rece compaixao.
Eram inflis, verdade, respondeu o car- passara, ouro, prala, pedrarias, ricos vestidos,
deal, mas sua morte roubou-me a principal van- i afim de encantar os que perseguiam-o ; mas o
tagem da victoria ; eu queria ganha-los para o ralate coronel Martnez nao cahio ueste artificio
imperio bemfeilor do chrislianismo. i de pirata ; sua carallaria accommetteu a Barba-
Ximenos tratou com grande humanidado ao russa as margens do rio Ou:hda, onde elle, von-
governador mouro e aos vencidos, c cnvou-os do-se assalladoe rodeado, fez a mais heroica re-
para Tlemcen ; depois disto poz em liberdade ] slstencia.
Musulmanos. Pela capilulacio do Granada ga- mais de trezentos escraros christaos, os quaes Deixamos fallar os autores hespanhes ; e apre-
rantira-so-Ihes a tolerancia de sua religio, a
seguranea de suas pessoas o bous ; mas em op-
posir&o estes formaos corapromissos Fernando
de Aragaoe Isabel de Castolla obrigarara tolos
linham sido hincados carregados do pesadas ca- ] sentamos a versao de Sambval, hispo de Fam-
eas no fundo de prisoes subterrneas. Estes piona :
infelizes eram habitualmenle cnipregados nos ; Acabrunhado pela fadiga o pela sede, refu- .
mais repugnantes trabalhos, moendo de manhaa giou-sc Aroudj cm um corral de cabras, cercado "lfantaria "espaola, carregada pela exceliente
cravos christaos, e destruio o exercito de Barba-
russa.
Esta expediccao de Carlos V porm (1535) foi
mais gloriosa do que fructfera. De balde tenlou
elle apoderar-se de Argel ; Assan-Aga, intrpido
lugartenente de Barba-russa,rechacou-o, causan-
do-lhe perdas consideraveis ; Barbarussa entre-
sou-so de novo ao corso ; venceu a Doria, c,
lendo a honra de ser chamado por Francisco I,
reuni sua armada da Franca no porto de'fou-
lon. Tendo Andr Doria evitado o combate, Bar-
ba-russa saqueiou seoslas di Italia.
Entre os numerosos prisioneiros que fez, acha-
va-se um inimigo mais perigoso que Andr Do-
ria, que foi a filha do podesl de Reggio, cuja
resplandecentc belleza infiammou-o. Um cor-
sario vclho, amanto louco do urna christaa, nao
podia mais correr aps os navios christaos. Como
um leao velho, effeminado pelo amor, Barba-
rossa II foi acabar seus dias em um palacio, que
possuia junto de Constantinopla. Succedeu-lhe
scu Qlho Assan, Barba-russa III.
Em quanto os Hespanhes travavam no mar
numerosos combales, cujo desfecho era-lhcs qua-
si sempre fatal, lutavam com egual encarnica-
mento e difficuldade no lerritorio de Oran. Ex-
pellidos do reino de Tlemcen, deveram a morte
de Barba-russa a conclusao de um tratado de paz
com os Turcos, que a evacuaram. Sua expedi-
55o em 1517 para apoderarem-se des cidadas do
littoral de oeste leste nao lhcs foi mais feliz, e
depois do terem assallado Mazago.que tressecu-
los mais larde devia Ilustrar as armas franeczas,
foram derrotados em Mostaganem, commandada
por Hassan-Pach Qlho de Barba-russa!
Desde cnlo os Hespanhes, em vez de estende-
rem as suas operarnos alera de Mers-el-Kebir e
Oran, a -haram-se quasi constantemente cerca-
dos, bloqueados pulas torcas combinadas dos
Mouros de Tlemcen e de Mascara, pelas dos pa-
chas de Argel, e pelas dos Turcos :resistirn]
at 1792, data de sua definitiva retirada. Narra-
remos summariamenle aos nossos leilores as di-
versas phases desla lula encarnizada enlre os
Africanos o os Hespanhes.
Eml556 o pacha Salali-Rcis preparou una
lemivel expcdicfio, destinada a expellir da fri-
ca todos os christaos. Era elle um homem para
por cm execu.ao um tal projeclo, por quanto j
tinha conquistado Touggourt, Ourgla e Souf, e
alera disto tinha lomado os cidades de Bougta,
Tlemcen e Fez o reino do Marrocos. seu po-
dido osultao Selira II enviou-lhe seis mil Tur-
cos e quarenta galeras.
A morte, furindo sbitamente a Salah-Rels, foi
a salva cao dos Hespanhes. Um renegado cor-
sario, porm, Hassan-Kaid, proclamado govern?-
dorde Argel, proseguio esle projeclo ; dirigindo-
se por trra Oran, & frenle de 3,000 Turcos e
45,000 Mouros ; e j linha-se apoderado do cas-
l-ello dos Santos, quando- foi preciso vollar im-
medialamenle Argel para apasigoar serias per-
lurbiQes quo sobrevieram em sua ausencia.
O-conde de Alcaudele, livre dos Argelinos,
cuidou em viugar-se dos Mouros de Moslaganom.
Infelizmente, porm, o cerco desta cidade foi
muilo prolongado de sorle quo deu lempo-ao pa-
cha de Argel para trazer soccorros Mostaganem.
As tropas do escalada, commandadas pelo conde
de Alcaudele, foram precipitadas das muralhas,
comecando entao-urna retirada desastrosa para a
Os christaos, accrescenta o commenlador,
expozeram sua cabera em cima da porta de Oran,
ede noite accendiam um lampio para illumi-
na-la.
Os Hespanhes tiveram de sustentar os horro-
res de um longo cerco :estavam constantemen-
te bloqueados. Bou-Cliclagran, bey de Mascara,
succedeu Chaban, e veio atacar Oran, mas sem
successo. Por desgrana cm 1708 um thaleb (poe-
ta) de Argel pz-se a pregar a guerra sania, c o
dey inflammou-se com os escriptos enrgicos c
fanticas predicas desse thaleb, chamado Sdi-
Mohanimed-Beu-Mohammed-BenAly-Yessead-
Ben-Said-Ben-Abd-cl-Ouahed-Eben-Yehia-Ebcn-
el-A^as.
O dey Mahommed-Baklache confiou o com-
mando da cxprdico seu kalifa Sid-Hassan.
Assim ameagada, a pobre cidade de Oran, pedio
soccorro Hespanha ; mas o momento era des-
favoravel. A guerra da successo eslava entao
na Europa no sou auge, e as Iraices e descreoes
se succediam. Era 1706 dora Luiz Mon, chefe
de diviso das galeras de Hespanha, comandando
vinte e dous navios, foi incumbido do levantar o
bloqueio de Oran ; mais preferio reunir-se es-
qnadra ingleza e poz-sc disposicao do archidu-
que Carlos. Ficou portanlo a cidade de Oran
abandonada em 1708 sua coragera c recursos ;
c foi levada de assalto depois de Mers-el-Kebir
pelos janisaros de Sid-Hassan, os quaes, aos ha-
bituaos gritos de morte contra os christaos : Al-
lah akbar I (Deus grande) ao martyrio! ao mar-
tyrio I escalaram os muros com o sabr nos
denles, massacraram as tropas hespanholas, fize-
ramsucceder o estupro e o incendio mortanda-
de, forrando os christaos a desmoronarm as tor-
res de suas egrejas c reduzindo-os S escravido.
O contenlamento radiara cm todos os Musul-
manos, c o dey do Alger-Mahomed-Baktache,
quasi enlouqueceu de prazer, quando escreve-
ram-lhe depois da tomada de Oran : O' sobe-
rano suas portas abriram-se O que nao im-
pedio quo o feliz dey de Argel fosse assassinado
por Dely-Ibrahim, o qual trez mezes depois egual-
mente o foi, tendo entretanto tido lempo de ma-
lar a Sidi-Hassan, cuja gloria orejara, csse do-
lo dos Argelinos, o le&o conquistador, o nnbre
personagem, sublime Baba-Hassan, aquellccm-
fira que expelliu os christaos de Oran .
Tendo a Franca, a Inglaterra, a Hullanda e a
Hespanha, terminado a desastrosa guerra da suc-
cesso pelo tratado de Uirecht, cuidou Pliilippe
V em reconquistar aos Musulmanos a cidade de
Oran ; e este respeilo publicou um manifest,
onde so l ; A posgao da praca e do porto de
Oran d regencia de Argel temiveis vantagens
sobre as provincias meridionacs de meo reino d.
Urna expedico composla de 28,000 homens,
embarcados em 51 navios do guerra e 500 de
transporte saltou lesle do cabo Falcao 30 de
junho do 1732. O Hespanhes derrotaram com-
pleta-mente os 40,000 Mouros, que se opposeram
ao desembarque e entraram sera combate na pra-
ca de Oran. Nao obstante os reiterados attaqoos-
dos beys do oeste, a-Hespanha c?nscrvou Oran
al 1792 : ella porm recuou antes em frente dos
terremotos do que diante dos Mouros ; ella foi
vencida por urna cataslropho horrivel, que so- MnJ"
breveio na noile de 8- 9 de outubro de 1790. gulad
A' urna hora da madrugada, quando toda a
os Mouros a receber o baptismo sob pena de por- tKdo' "Cbaixo do lategodos chaouchs, mpan- por um fraco muro de pedras amontoadas sera ei- caT,,,ana lurca- exercito hespanhol, tolalmen-
' do os canos, descarregando os navios no porto, I ment. Ah poz-se em defe:'.a com os que nao o !,e derrolauo. morrea quasi todo no dia 26- de
construindo calcadas, eztrahindo mannore ou linham abandonado, combateu valorosamente e i ogos!o deljoS ; cu"de 01 morl0' e Srao,Je Du"
corlando pedra. Por nico sustento tnham dous; com singular audacia at que Garca do Tineo*"1 soldados, ou foram degollados ou
paes negros de meia libra cada um, e dez aze- porta-estandarte de Diogo de Andrada, que podia
lonas quando trabalhavam Transportados de passar por um bravo soldado hespanhol, deu-lhe
coiileulamento.os eseraros libertados d'Oran,lan- j urna chuchada que o derrlbou ; e arremessando-
carara-se aos ps de Xiraenes, de quem recebe- so sobre ello, coriou-lho a cabeca, a qual levou
ram viveros e vestidos; o o cardeal poz termo ; Oran, onde permaneceu. Tineo tomou lembem
sua obra pela purifleaco e transformacao das os seus vestidos : ficou ferido era um dedo da
peluo banimento e conliscaco de seus bens. Car-
los V praraulgou um decreto semolhanle ; e es-
tes christaos foram chamados ilouriscos por'or-
dera do imperador para nao se confundirem com
os Hespanhes.
Ai inleressadas conversos dos Mouriscos nao
ilraram. Urna pragmtica de Philippo IIra-
li'ilio-os ao cumulo do desespero, prohibinaV-
Uics quo usassera do scu idioma, de seus vesti-
dos, de seus banhos o do lodas as suas ceremo-
. A resposta que deram esta nqualificarel
pragmtica foi una lerrirel rebelliao, que D.
Jou d'Auslria sull'ocou em sangue ; c sendo um
emb iiaco ain.la os vencidos, dispersados por to-
dos os ngulos da Hespanha, Philippo III por
longo lempo hosilou entre urna expulso e um
', ;.irlholomeu : adoptou cmlim o primeiro par-
tido, e seu impoltico edito fez voltar para a
frica quindenios rail Mouriscos, quo foram para
a pirataria um supplemcnlo lerrirel.
A pirataria pareceu aos Musulmanos um acto
legitimo de represalias contra a ehristandade, e
principalmente contra a Hespanha, quo os expel-
lira de seu solo e os despojara. Os primeros pi-
ratas, que infeslaram o mediterrneo, eslabele-
ceram-se defronlc da Hespanha, as costas de
Marrocos e de Oran, f.ancavam-so do admirare!
porto de Mers-el-Kebir (o mar grande) sobre a
preza christaa, perseguiam-a em toda a parte
oeste do mediterrneo, sorprendiam muilas vezes
par atrevidas arribadas as costas da Andaluzia e
depois roltaram a abrigar-se em sou naccessirel
retira.
Desdo 1497 o rei Fernando ordonou ao duque
de Modina-Sidonia quooccupassc muitos pontos
feitos prisioneiros, o-que era o mesnio. Assan-
Pach voltou Argel para em breve ir continuar
o cerco de Oran.
mesquilas cm egrejas catholicas.
Crer-se lua que depois Ue ler tomado em scie
mo direita ; a unhs estiva tendida, e a cicatriz
iluiuu luUit a IU com a qu,il uijuUiura-Se, o
dias urna cidade fortificada o lemivel, ante a qual com razio, dizendo que Barba-russa, laucado por
os melhores genuraes hespanhes tinliam sido'torra o lo mal ferido, linha-llio dado aquelle
derrotados, leve o cardeal do ir Hespanha para
manter sua repulacao abalada, e combaler os nu-
merosos inimigos de sua gloria ? A' estas funes-
tas noticias da Hespanha, sentiu Xmenes urna
tristeza tanto mais profunda, quanto a tomada
d'Oran era a priraeira podra de seu edificio, e
ella tinha pensado nao somente na conquista
d'Arica, seno anda na da Terra-Sanla. Mor-
rn inveja Jo e contestado sem ter podido reali-
sar nenhura do3 seus grandes designios.
Al 1512 a pirataria das costas d'Arica tinha
ido por assim dizer ao acaso ; nao tinha tido
chefe algum capaz de guiar seus atrevidos ata-
ques e suas temerarias eraprezas. Nesla poca,
porm. o genio do banditismo martimo incar-
golpe.
Foi assim que morreu Aroudj Barba-russa,em
1515.
A cabeca do corsario e seus vestidos, que eram
de velludo encarnado, bordado de ouro, diz Mar-
mol, foram enviados oo governo d.'ran, o qual
fez prsenle da lunica ao mosleiro de S. Jernimo
de Cordova, onde servio para fazer-se urna capa,
que tem o norae de Barba-russa.
Tal foi o iragico fira do fundador da dynaslia
dos corsarios de Argel, quo Irouxerara em temor
a ehristandade por espaco d-j trezentos annos.
Morto Barba-russa I, viva Barba-russa 11! excla-
maran! os piratas algerianos.
Kair-Eddiu vingou a morte de scu irmao
peludo pelo bravo de Torcy e pelos Hespanhes.
A corte de Hespanha, menos constante que
seu pequeo exercito africano desesperou da sal-
va$o de Oran. O triste rei Carlos IV, reserran-
do lodos os seus recursos para a coairao, na
qual tinha entrado contra a Franca republicana
entregou sua mais importante possesso da cos-
ta d'frica ao dey do Argel Hassan, mediante
urna feitoria hospanhola scmelhante antiga fei-
loria franco za de La Calle, a autorisaro de pes-
car coral ao longo das cosas do oeste c algumas
oulras eslipulaces nsignificanlissimas. A'5
do marro do 1792 os derradelros soldados hes-
panhes sahiram de Oran, e embarcaram-se pa-
ra a Hespanha. a qual apenas ficou em Afica
com as possessocs de Marrocos, Melilla, Ceula e
Penon de Velez.
No seguiole dia 6 de margo os Musulma-
nos fizeram urna entrada triuraphal em Mcrs-el-
Kebir e Oran, que elles conservaran! al Janei-
ro de 1831, poca cm que o conde de Damre-
mont veio em nome da Franca, extinguir o avil-
laole despotismo dos beys do Oran.
Bastar um exemplo para que nossos leilore3
se convenram das aberrares e crueldades dos
beys do oesle, que ultrapassaram cm criminosas
loucuras os eros e Caligulas. O bey do Oran
passava os dias a cortar a cabeca aos desgranados
a quera condemnra : quasi sempre bebado, este
bey estpido e feroz, deshonrava em seu pala-
cio jovens, a quem publicamente mandara rou-
bar por seus chaouch3. Tantas infamias susci-
(aram uraa rcvolta de tribus, frente das quaes
marchou a dos Bem-Ahraer : Mekalech venceu.
as em Torarouza. A poderosa tribu dos Beni-
Ahmer, sempre soccorrera aos Hespanhes, foi
marcado com o omhoum, isto cora un signal
no corpo, provando seu estado de vassalagem ;
signal este, que os Koraanos e Godos rauilas ve-
zes pozeram os povos vencidos.
Como a natureza humana liga muitas rezes
urna certa grandeza ao crme, Mekalech perdoou
um rabe das Bordjia3, que tinha querido-vin-
gar o ronbo de sua irmaa, disparando um tiro do
pistola no bey ; mas este rabe. lornc-Jo cnthu-
siasta de um tyranno to generoso, veio alguns
mezes depois revelar-llic um trama de seus ini-
gos. O bey era recompensa raandou maia-lo.

O roubo de urna Htderia rabe, quo so cazara
havia poneos dias com o agha dos Zcelas-, per-
dura a Mekalech. Seus odiosos chaouchi rouba-
ram com a mjis odiosa brutalidade a linda espo-
za do agha e lizeram-a seguir nua dianle delles
al o castcllu de Oran, dando pauladas nos Ara-
bes amotinados e indignados deste espelaculo.
Elles entretanto coiiformavam-se com as instruc-
ces de seu senhor, o qual ordenra-lhes quo
contassera os pasaos da linda rabe de sua casa
ao palacio de bey, para que se lhe coulasse ou-
iros tantos solthanis d'ouro. Finalmente, can-
eados do sanguinolento governo de Mekalech, os
rabes de Oran dirigiram suas queixas Argel.
O agha Ornar foi mandado a Oran para dar cabo
do terrvel boy. Applicaram-lhe um ferro
em braza na cabera, e quando confe9soo ter es-
banjado todas as riquezas do Ihesouro foi cstran-
o por seus proprio chaouchs.


Um outro bey de Oran morreu tambem do um
cidade e-rtava engolphada no somno, comecoii o I modo trgico. Bou-Kabout, o tomen da pistola,
lerromoto, to profundo, tao lerrirel, diz o assim chamado por ter feito cahir-llie aos ps,
conde de Cumbre Hermosa, em seu relalorio com um liro de pistola, a um cheik, que lhe li-
ao rei Carlos IV, que om menos do trez mi- nha desagradado, foi entregue aos chaouchs do
nulos arruinou a mor parle dos edificios, c aba- dey de Alger, os quaes esfolaram-o, abriram-lhe
lou os restantes das bases aos cuines .
nou-sc nos dous Barbas-russas, Illhos de um ca- Aroudj, forgou os Hespanhes leraniarem o cer-
pilo mercante de Melelin (antiga Lesbos), o qual
endo lioo cxcellentes rantagens do offleio de
pirata, aconselhou paternalmente seus filhos
que conlinuasscm seu commercio, e deu-lhes a
educaro ad hoc.
Baba-Aroudj,o primeiro dos Barbas-russas (pois
da costa africana ; mas sendo o duque der-' fizeram dynaslia de piratas), comecou como mu-
rolado cm Oran, limilaram-se os poucos succes- j 'os grandes homens de Ierra e mar soffrendo ro-
sas da expedico lomadai de Melilla as costas i vezes. Feito prisioneiro em um combale contra
as galeras dos cavalleiros do Bhodes, conseguid
fugir e conlinuou a perseguir os navios christaos
de Marrocos. Em sua volta os Poituguezes entra-
ram cm combate. J se linham apoderado de
Ceuta entrada do estreilo de Gibraltar ; mas
infelizmente nao poderam manler-se nem em
Mers-el-Kebir, nem em Oran, que tnham loma-
do com grand'i bravura. Foi entao quo os Iles-
pai.hocs comecaram contra os Mouros do pa de
Oran urna lula sanguinolenta, quo nao durou
mi nos de tres seculos.
Cinco mil soldados do rei Fernando de Ara-
co de Argel, c dispersou a frota de Carlos V. O
gro-senhor de Conslantinopla, Selim I, quem
Barba-russa fizera una poltica homonagem, en-
viou-lhe um corpo de janisaros, um estandarte,
e um firman, pelo qual nomenva-ocapitao-pach
do mar c conferia-lhe o titulo de rice-rei de Ar-
gel.
O nomo de Barba-russa tornou-se o terror do
Informado da destruico de seu exercito, Phi-
lippe II mandou urna esquadra de trinta e cinco
velas para Uran ; mas una lempeslade arremes-
sou a formosa esquadra do rei sobre a ilha da
HcridOura, onde perecen completamente. Apezar
do urna tal fatalidade os Hespanhes do Oran re-
pelliram as columnas de escalada do valenle As-
san, o qual cncolcrisado vista de sua sanguino-
lenta derrota jogou seu turbante na lama, excla-
mando : Oh Musulmanos I possivel-que qua-
lro infames christaos-vos resistam em scmelhan-
te covil 1
Intilmente renovou Assan seusassaltos ; trin-
ta e cinco galeras chrislas, comraandadas por
Mendoza e Doria, forraram-o a levantar o asse-
dio mortfero. '
enhuma cidade tevo lanos assallos a susten-
tar, como a praca de Oran ; ella deveu esla peri-
gosa honra ao scu admira re porto de Mers-el-
Kebir, o mais vasto o mais seguro das costas du
frica :os Hespanhes izeram-a o arsenal de
lodas as suas expediroes maritinias.
l.'ni encarnicado inimigo dos christaos da fri-
ca foi o bey Chaban, que governava o beylick do
ocsto om 1686. A. frente do suas hordas ae Ara-
bes, marchou elle aontra Oran, e travou um com-
bate homrico um liro de arcabuz da cidade, no
qual o co mmenlador da Halfaouia pinta-o as-
sim :
Elle deu ptovas no ultimo combale qua te-
ve, de um valor capaz de fazer- obscurecer as fa-
ranJias de Anlra, til lio do Chnddud. Urna les-
ai^^^'ars.Mi
pon
PAULO DE KOCK.
crusando as costas da Italia e d'Africa.
Os Hespanhes lnham-sc om pouco apodera-
do de Bougia. Com o concurso de seu irmao
Kair-Eddin, Aroudj leve a audacia de atacar es-
ta cidade fortificada ; foi repelldo e gravemente
ferido ; apenas porm curado da amputado de
um braro desforrou-se dos Genove2es, que foram
recharados de Gigelli ; o depois dos Hespanhes,
Enlre artistas se fa/em ceremonias. Em vez de
trazer dous raraaradas, Angely voltou cora qualro
homens e dus mulheres, que compunham urna
parle da companhia que representara em Auxer-
re. Fizerara todos um acolhimento muilo cordial
a Cerisetle ; gabaram bocea cheia o talento de
Angely que nenhum dlles ainda vira represen-
tar, mas ofTinn^aram que sua fama chegra at
elles,o que o joven galn acredilou de muilo bom
grado.
O almoco foi formidavel ; hebeu-se champagne
com vontdc futura estra do novo companhei-
ro. e da companheira, ape/ar desla afiirmar que
littoral mediterrneo ; mas felizmente os chris- | lemunha desla mcmoravel campanha narra quo
los encontraram um digno adversario para oppo- \ chaban quebrou no conflicto- dous sabres; seu ar-
rem ao lemivel corsario dos Musulmanos. O Ge- aor na aCcM foi incomparavul ; estava adornado
XVII
Montereau.Uma fuza.
(Conlinuaco.)
Cerisolte Rcou toda admirada sabendo que ara
pr-se a camioho nessa mesma larde.
Auxerre, minha querida, disse-lhe Angely,
urna grande cidade onde ha, segundo me di-
icm, um bello tiieatro. E'verdade que indo para
l.cada vez vamos cando mais longe de Bag-
iiolet, sinlo isso. Mas o que fazer ? O seu official
hade 1er paciencia.
Ceriselle nao respondeu irona do amante ;
mas em urna amante o que mais se deve receiar
6 o silencio, porque o pcnsamenlo grava-se mais
profndamele do que a palavra.
Os jovens viajantes depois de harcrem janlado
cm Seas, pozeram-sca caminho larde em urna
especie de carrinho, que ia- directamente para
Auxerre, caminiando quando muilo legua e roca
por hora. No da seguiulc pela raauha tinliam
chegado cidade.
Dando balanco 4 algibdra, ficou Angely admi-
rado da rapidez com que o dinheiro so gasta em
riagem. Mas havia theatro em Auxerre e afian-
caram-lhe que all os cmicos faziam bous nego-
cios ; e por isso Angely enrommcndou um excel-
iente alraoco, para o qual queria convidar dous
dos seus novos caraaradas.
novez Andr Doria suslevc os seus successos ; e
alm disto leve em breve Barba-russa de hilar
contra Carlos V, o qual, abracando a causa de
Muley-Assan, rei de Tunis, expelhdo de seus es-
lados, pelo pirata, chegou s costas de Tuniscom
urna armada magnifica o um exercito de trinta
rail homens, tomou o forte da Gouletle, apode-
rou-se de Tunis, poz em liberdade vinte mil os-
cila ; cxperimcntou a roupa, mirando-se em um
espelho, e como lhe assenlava limito bem, pedio
perdo a moga pelos rallios ; despio-so e come- |
ron a vocalisar, ensainndo os pedamos que tinha i
decantar noile. Dispunha-se a partir para o
ensaio quando lhe vieram annunciar da parte do
contra-regra que o espectculo para essa noile li-
nha sido mudado. Nao podiam representar Fra
iavolo porque o Sr. I.ulu, que fazia o papel de
Lorenzo nao podia cantar.
Angely ficou desesperado, arrancara os cabel-
los, se osas-e de rabelleira.
Quem este Sr. Lulu? perguntou Cerisette ;
nao pretenda mais arriscar-se aos acasos do parere-mc que nao veio honlem ao nosso almo-
palco. Depois de terem comido bem c bebido ^o ; nao ouvi pronunciar o nome delle.
melhor, os cmicos lembraram-se de que era Oh! nao, nao veio, c eis a razo porque
lempo de rom ter com .os companheiros ; mas nao quer representar hoje a noile. Sou capaz
nada arranjaram com Angely, porque nenhuma de apostar que a unir razan da sua fingida in-
das pecas que elle representava eslava preparada j disposirao 1 S convidoi agento melhor da com-
para a companhia de Auxerro, que era muilo in- I panhia.
completa c cujo repertorio era excessivamente E elle, nao ?
Nao, e por isso offendeu-se.
Entao devias convidar todos.
O que cu devia ter feito era nao convidar
ninguem I Ah I minha pobre Cerisette, leus ra-
zo... No thealro nem ludo prazer, mas ve-
remos I
E o que vais fazer?
com os seus mais sumpluosos vestidos c cavalga-
va o mais generoso de seus. coreis. Era quanlo
o inimigo lardava em apparecer, ellle pz em or-
dem seus combatenls, quem nao cessou de
exrilar, exclamando : Ao martyrio 1 ao martyrio
da f 1
Tendo feito prodigios de valor, o-fantico Cha-
ban foi morto no meio. do conflicto.
Vinte eouscslrcmecimentosdcrribarnm quasi
lodas as casas do Oran, c sepultaran vivas as
ruinas mais de trez mil pessoas, enlre as quaes
secontavam selccenlos e sessenla e-cinco sol-
dados do regimonlo das Asturias o governador
geral o sua familia.
Nunca o sol illuminou um quadro mais espan-
toso un <* <">ran no dia 9 de anluhr. o.- jav
sobreviveram ao terremoto esparavara ser a to-
do o momento engolidos, e pediam com gritos,
padres para confessa-Ios ; porm nao havia mais
padres ; os feridos e os moribundos imploravam
soccorro; mas os mdicos, os medicamentos e os
hospitaes estavam debaixo das ruinas. Os de-
portados, que por forc,a das circurastancias, per-
corriam livros a cidade, pediam pao, mas nao
havia peneira, nem amassadores, nem forno pa-
ra cosinha-lo : para cumulo do males, pozeram-
se a roubor as casas ; o os rostos ferozes dos
Mouros, atlrahidos pela- noticia da ruina da ci-
dade, seappresenlaram aos habitantes aterrados.
Os Hespanhes deram entao um exemplo de
sua heroica lenacidade : tantos desastres nao us
acabriinharam. A' vista-do inimigo rcconslrui-
ram os muros, organisaram a defeza c repel-
liram os Mouros, que j. contavam ter urna presa
certa.
Mahomed-ben-Osman, dey do Argel, oombi-
nou suas forras com as df> bey do Mascara afim
de tirar do poder dos chrisiiw esta infclie cida-
de, cuje ultimo cerco- durou um anno, no decur-
so do qual foi misler fazer cada dia predigios de
valor para repellir o inimigo, furioso desta de-
sesperada defeza sobre ruinas e cadveres. No
dia 2Sde julho de 1791 o forto S. Philippe cs-
teve quasi a ser lomado, quando o cr.salleiro de
Torcy, frente de-trezentos guardas walloes, fez
urna impetuosa sorlida, lan^ou novfossos os as-
sallantes e voltou com trinta e ojutro homens,
tendo recebido nove Heridas. Finalmente o ul-
timo assalto, dado 18 de setembro por todas
as tropas do bey de Mascara foi egnalmente re-
por torea vingar-se. Sahio e largou-se para casa
do Sr. Lulu. Este uiandou-lhe- dizer que como
eslava muilo eneommodado nao podia receber vi-
sitas ; Angely (ez-se sordo, alirou para urna ban-
da a criada que nao o queria deixar ctlrar, e foi
o venlre e pendurarara-o pelas costas um bra-
co de ferro, e assim riren dous dias inleiros cx-
posto aos ullrages da populara. Lancemos po-
rm o vu sobre estas alrocidades, e rollemos s
conquistas dos Hespanhes no paiz do oeste.
Estas importantes possesses do costa da fri-
ca, que linham custado Jlcspanho trez se-r"1
de lulas to sanguinolentas e to ruinosas, foram
adquiridas pola Franja depois de algumas horas
do fusiilada. Verdade -que Argellinha sido to-
mada no anuo precedente; Entretanto a Franca
leve de combaler seriamente na bellicos pro-
vincia do oeste, ondo sargia o ultimo defen-
sor da uacionalidade rabe, Abdsl-Kader. Po-
rm ella nao commclteu a -falla do H.-spanha ;
nao conlcntou-so com oceupar um porto impor-
tante do mediterrneo, ou por urna gaarniro
em Oran : comprehendou que se-nao absorves-
se os rabes pela colonisaco, por urna transfor-
marlo feliz, seria por elles envolvida e devorada,
como foram os Romanos e os Hespanhes ; e as-
sim, depois de trifila annos apenas de occjpa-
ro, aeha-se mais slidamente estabelccida na
provincia de Oran, do|quo os Hespanhes a-Jia-
ram-se depois de trezentos annos.
Convem dizer, era bem da verdade, que
exlsle enlre o Mouro e o Hespanhol um odio,
nascido do anligo- dominio dos Musulmanes na
Hespanha, da violenta expulso dos Mcuriscos
de um palz, onde haviara-se estabelecido por
lo longo lempo, das lulas seculares sobro as
cosas d'Africa, cujo quadro dramtico ccabaraos
de desenvolver, e, quem sabe ? talvez mesnio
do singue crusado das duas rarjas ; por quinto
nada mais tecrivel do que irmos- ninsgos.
Tenho vivido na provincia de Oran, poroda anda
mais por Hespanhes do que por Fraacezes-.e nun-
ca vi estaholecer-so nma amizade real ou sim-
plosmenle de boas retardes enlre um Araba a
um Andalus, como os chamara os-Lndigs-nas ..

das artistas a quem na respera tinha dado almo-
ro c que esperava adiar com boas disposicoes a
seu respeilo e em casa delles ineios de substi-
tuir o Sr l.ul. Mas um queixou-se da enxa-
queca; outro eslava tomando cha; este tinha
dar com o Sr. Lulu sentado urna mesa e cm clica e aquella eslava doente dos ervos, por ter
(") Vide o Diario n. 170.
imitado.
Entretanto, de noile Angely foi ao theatro ; que-
ra absolutamente debutar ; tanto se afadigou que
afinal conseguio que se nnnunciasse para o dia
seguinle Fro Diavolo sem coros, representando
elle de Fra Diavalo. Voltou hospedara a fa-
zer os preparativos para apparecer com esplendor
na scena de Auxerre ; Ceriselle foi obrigada a
sersir cerlas partes do vestuario que j estavam
em triste estado- Angely deu suas instruccoes a
moga c deilou-se, alim de nao eslar muito can-
eado no dia seguinle, o que lhe roubara muilo
frescor & voz.
A moQa passou a noile inleira a bordar um
raanlo, a endireitar urna caiga, a fazer um cinto,
a por palhetas sobre urna veste de bandido napo-
litano ; esse trabalho pouco diverta Cerisette, o
lhe obrigava a fazer novas reflexes sobre a pro-
fisso que excrcia o seu amante ; coroparava-a
involuntariamente veste de Fra Diavolo, que
era rouilo brilhante de longe, mas que nenhum
encanto tinha vista de perto.
Angely acordou muito tarde. Cerisette tinha
pegado no -somno sobre o soberbo traje do bandi-
do italiano ; o mancebo despertou-o, ralhou cora
termos de comer costellelascom pepinos esalada
com ovos.
Meu querido camarada, disse Angely com
tora provocador, eis ahi um almoco um pouco pe-
sado para um homem to doente.
Com idi'eiii), replicn Lulu rom urna rizadi-
nha ama-relia, menos delicado do que o que o
senhor offereccu aos meus enmaradas.., Mas es-
le 6 muito bom para mira, o depois o meu esto-
mago nao esia doente.
E tambem, pelo que vejo a sua garganta,
apezar de ngir-sc rouco.
E' para curar a garganta queeslou comendo
carne de porco e salada.
Deixcmo-nos de gracejos, Sr. Lulu, ponham-
se de lado esses pequeos raeios de que usamos
com os autores quando nao queremos represen-
tar suas obras. O senhor est to bom como cu
c ha de representar esta noilo no Fra iavolo...
Mando pregar oulros cartazos e amauha olTero-
co-lhe um almoco monslro...
Meu charo, sinlo recusar, mas realmente es-
(Bknjamim GtWUBtM.]
[Presse. S. Filho.)
bebido muila champagne na respera
Angely nao pude achar quem substiluisse o Sr.
l.ul ; pelo contrario, os oulros queriam que os
subslituissem. O amante de Ceriselle deixou.-os
de muito mu humor e dirigiu-sa oo Ihcalro.
Enlrou n'um botequim que havia defronte, pe-
dio urna folha da papel e cscreveu e retiras
raaiusculas:
Nao ha espectculo hoje por- que os actores
tiveram indiggrJo.
Depois, com una duzta de obreias, Angelv pre-
gn esse papel por cima dj carlaz o voltou Je SR hourogse lempo para se fazerein cartazos;
hospedara onde para pagar o almoco da vespe- eni-onlrfil .bons "pazos, muilo maree, dispostos
ra foi obligado a vender o seu holl vestuario de a n,e ervirem .... masque, caipora l__Apenas lera
despezas da riagem, a venacrem algn,as pecas
da gu.irda-roupa do joven, galn ; e esse aiesiiio
soccorro ameai.ava [altas-mes, porque ao chega-
rem Angely nao possuia. na mala seno um Irajo
completo do marquez.
Mas em Montereau acharam o theatro. aberto ;
havia urna companhia. Angely deu um abraro
em Cerisette, o que lhe surcedia meiios vezes
depois que era obrigado a vender a sua guarda
roupa. e exclamuu :
Est tudo salvo vou representar aqui,
leremos muito dinheiro e viva a alegra !
E correu a procurar os artistas que representa-
vam nesse theatro. Cerisetle esperava com im-
paciencia o seu regresso ; Angely roltou satis-
feilo dizeudo ;
Bepresenlarei amanhaa ; representara ho-
-"
Em primeiro lugar procurar o Sr. Lulu... lou ooente d_a_a_r,?all_V',_.?."^P,"cantar-
E depois ?
Depois... dir-lhe-hei... que ou hade repre-
sentar, ou bater-se cm duelo comigo...
Duelo I oh I meu Deus 1 e se elle le ma-
lasso ?
Ento pouco se me dava ;que nao represen-
tasse no Fra Diavolo,
E o que seria de mim ?
Tu iras a Bagnolet procurar o leu mi-
litar.
Cerisette levanlou o lenjo aos olhos murmu-
rando :
Ah bem mo o que me est dizendo,
senhor. Pune-me muito cruelmente pelo ter
acorapanhado 1...
Angely nao deu ouvidos a Ceriselle, porque es-
Passe por alto alguns pedacos.
Nao tenho csse costume.
Por una vez ?
Nao represento esta noile.
E' a sua ultima deciso ?
E'.
Ento, urna maldadc que me faz para im-
pedir que eu estre.
Tome l como quizer.
E aqu est como lomo.
E Angely agarrando na saladera e no prato
de costellelas atirou-os s rentas do Sr. Lul,
esle deu gritos desesperados porque entrou-lhe
vinagre nos olhos o que o rexara horrivelmente.
Angely dexou o Sr. Lul a gritar e retirou-se
tendo o cuidado de arrancar quanto cartaz foi
fro Diavolo.
Urna hora depois eslava Angely de novo a ca-
minho com Cerisetle ; apenas a malla ia um
pouco mais leve o a bolea cm idnticas circuras-
tancias.
A moga que va o seu companheiro pensativo
e serio, nao se alreveu a pciguntarlho para on-
de iam.
Mas o carro em que viajavam dirigia-sc ape-
nas a Joigny, pequcua cidade em que havia
guurniQo, mas onde nao havia cmicos.
Tornaremos a partir amanhaa, disse Angely
com que paguem a estalagera Nao importa.
Represento amanhaa Joeonde ou o Novo Senhor.
Mas t s tens aquella roupa de roarquez.
L quanto isso elles dsseram que nnnea se
lhes dava Nao se devem prever tanto as
desgraras
No dia seguinle, Ceriselle, que acompanhra
Angely ao theatro para ajuda-lo a vestir-se ro-
parou que os novos raraaradas de seu amante
pufihan collarinhos falsos de papel, babados de
pappl; um delles obrigado a apparecer de preto,
decidio-se, por falta de meias dessa edr, a por
l"IUUM III'.- V lelil MII/lKllliri-, \dl*jfl- ..i_- i
com lora tragi-comico. No enlamo, vamos vi-! nas.pernas urna carnada de graixa ingltt. Ou-
tavn furioso} e era saber o que uzease, queria 1 encontrando pelo gaininho. Dirigiu-se casa.
vendo modestamente para economisarmos a mi-
nha guarda roupa. E' um lempo mu que te-
mos de passar, mas depois viro os triumphos,
a fortuna, o pagode, os prazeics!
Ceriselle nao so queixava, mas suspirava mui-
las vezes.
Passarara-se muitas semanas durante as quaes
os dous mancebos coTeram de cidade em cidade
atraz de uraa companhia sedentaria ; ms era o
coraqo do yero, o temno eslava magnifico, o
calor abifadico, e o thealro fechado na maior
das cidades a que foram Angely e Cerisette.
Os viajantes erara obrigado;, para pagarcm as
iro, nao tendo cora que comprar carmn regelal,
procurou ginja, cujo sumo exprima sobre a face ;
emfim, durante a primeira pega, que se passava
no lempo da regencia, s ura actor possuia rou-
pa dessa poca ; e por isso, apenas enlrou para
os bastidores, tirou a casaca que foi logo vestida '
pela personagem que entrara cm scena; dessa
mesma manelra a mesma roupa serva a lodos os
personagens, mas quando muitos deviam estar
em scena, os que estavam em mangas de camisa,
fallavsm por iraz de um biombo.
_______________________(Continuar-se-ha.)
PERN. TYP. DE M. t. DE PARIA. VW~

ILEGVEL
" ,<

Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIIQHB64U_ML4MQ7 INGEST_TIME 2013-05-01T00:56:40Z PACKAGE AA00011611_09122
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES