Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09113


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO IXXYI. NMER0 162,
Por Ires mezes adiantados 5JO00.
Por tres mezes vencidos C$000.
SABBADO 14 DE JOLHO DE 1860.
Por anno adiaiilado 10$00G
rte fiante para o subscritor.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO' DO NORTE-! Olinda todos'os das as9 l/S horas do dia.
Iguarjs.s, Goiaaua e Parahiba as sea
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lomos Braga; Cera, o Sr. J.Jos de li-
veira; Maranho, o Sr. Manoel Jos Martins Ribe-
ro Guimaraes; Piauhy, o Sr. Joao Fcrnandes de
lloraos Jnior; Para, o Sr. Justino J. Ramos ;
Amazonas, o Sr. Joronymo da Costa.
- as segundas
e sextas teiras.
S. Anto, Bezerros,Bonito, Caruar, Altinhoe
Garanhuns as tercas feiras.
rao d'Alho, Nazarelh, Liraoeiro, Brejo, Pe-
queira, lng'izeira. Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex as quarlas-feiras.
Cabo, Serinhaem, Rio Formoso.Una. Barreiros
Agua Treta, Piraenteiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correos partero as 10 horas da manhaa
PARTE OFFICIAL.
Goveruo da provincia.
BXPEDIBNTE DO DIA 12 DE JLLHO DE 1860.
Oflicio ao commandanie das armas.Pode V.
S. mandar abrir assentament de praca ao rocru-
!a Tliomaz Antonio de Faria, quo foi'considera-
do apto para o servico cm inspeccao de s-ide,
tomo consta do termo annexo ao officio de V.
S., sob n. 740. e data de 11 do corrente.
Bito ao chefe de pocia.Da informadlo, jun-
ta por copia, do commandante do l"b3lalliao
da guarda uaciooal do municipio de Iguarass,
quo fo'
superior
na su
aptas para oceuparem
eluso, visto ser do ndeciiavei ecessldade que
se transfiran pira alli, o mais breve que for pos-
sivel. os docnles, do acanliado edificio cm que
presentemente se acham, conde por falta de
acommolacoes nao podem ser convenientemen-
te tratados.
Dito ao director do arsenal de guerra.Man-
de Vmc. addir temporariamente companhia de
aprendizes desse arsenal o menor Romualdo, quo
Ino ser apresentado por parte do l)r. chefe de
polica.Communicou-se ao chefe de polica.
Dito ao mesmo.Ficando inteirado pelo seu
officio n. 204, de ter fallecido o menor da com-
panhia de aprendizes desse arsenal Luiz Frau-
sco Vianna. tenho a recommendar-lhe que cm
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
3 La cheia a 1 hora e 47 minutos da manhaa.
II Ouarto minguante as 3 horas o 38 miuutos
da manhaa.
18 La nova as 12 horas da mar>h.t.
25 Ouarto cresceute as 3 horas e 29 minutos da
manhaa.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro a 1 hora e 42 minutos da manhaa.
Segundo a 1 hora n 18 minutos da taFde.
AUDINECIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao : tarjas feiras e sabbados.
Fazenda: tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quintas ao meio dia.
Dito de erpMee: tercas e sextas as 10 horas.
Primeira rara o civil: tercas o sextas ao meio dia
Segunda rara do civil; q.iartas e sabbados
meio dia.
an
/ri!JTmeUrl0 Pd* "sportivo commandante i lugar delle faca alistar tomo eiiectivo o de no me
mor era officio do Io deste mez,vcr\.lS. que Antonio Barboza dos Santos, a que se refere o
uDdelegacia d aquella villa cxislem pessoas mesmo officio de 11 do corrente?
S n.lr.l nri'llnariim n r.ip(rn Aa i t,-.,..,.(.. An i;... :..:_ j .: .. _
o cargo do inspector de
Dito ao juiz de direito do Bonito.-Tendo per- pS de 2 mczens.lleVejd0
;i cerca do pagamento por V. S. solicitado em
olicio de 10 do crreme, sob n. 921, faz-se nc-
cessario que se descrimine do numero de sen-
tenciados o dos recrutas e deserlorcs, que foram
eonduzidos pela escolla constante do pret, que
junio devolvo.
Diloao mesmo.De conformidade com o que
roo requizilou o juiz de direito especial do com- 29 de junho prximo lin.lo me diri"iu o v
mercio em olTiciodesta data, mande V. S. por | tor publico dessa comarca e o documen
original, a que elle allude, com refer
summario instaurado contra Joaquim d
Jos Ferreira d'Amorim c oulros, aun)
em Iiberdadc a Joao Cardozo de Mcsquila, que
existe preso no quarlel do corpo sob seu com-
mando. Communicou-se ao juiz especial do
commercio.
Dito ao inspector da Ihesouraria de fazenda.
Exijo de V. S., que me remella cora a possivel
brevidade umi couta exacta de toda a despez
eila com o hospital do lazarelo do Pina, dedu-
zuido desta a que foi paga pelos cousign^arios
de navios pelo tralaiuenlo de pessoas das res-
pectivas tripolaces.
Dito ao mesmo. Em vista do requerimenlo
junio, mande V. S. pagar, sob minha responsa-
bilidade, ao encarregado do lelegrapho da turre
do Collegio Joaquim Vetolio a importancia de
seus vencimenlos no mez de junho ultimo, por
nao haver quola para csse pagamento, ser o
supplicante pobre, e viver exclusivamente dos
meslos vencimenlos.
Dito ao mesmo. Altendendo ao que me ex-
poz o capillo do porto interino no ollicio, junto
por copia, auloriso a V. S. a mandar pagar, sob
minha resposabilidade, nos tormos do 12, art.
Io do decreto de 7 de maio do 182, a impor-
tancia das folhas dos vencimenlos dos empre-
gados, serventes, e pracas d'aquella capitana no
mez do junho ultimo.
Hilo ao mesmo.Altendendo ao que me re-
quererara o promotor publico da comarca do
Brejo, hachare! Cezar Oclaviano deliveira.o ox-
T'romotur da do Bonito, bacliarel Luiz de Albu-
querque Martins Peroira, e o juiz municipal do
termo de Olinda actualmente em exercieio na
_" vara de direito desta capital, bacliarel Agosll-
iho Ermelino de Leo Jnior, recommendo a
* S. quo mande pagar, sob minha responsable i
lidade, o que se Ihes esliver a dever de seus ven-
cimenlos at o lim do exercicio de la59 a lGo,
visto nao haver crdito para essa despoza e nao"
duvercm os supplicanles ficar privados de seus
ordenados, d'onde liram o necessario para sua
. subsistencia
Diio ao mesmo.Mando V. S. pagar a Bartho-
lomeu Francisco de Souza a quanlia de 10b'j92O
rs., proveniente de medicamentos, que forneceu
para o hospital provisorio da lha do Pina, urna
Vez que esteja nos termos lgaos, a conla junta
que me foi remellida pelo inspector da sade do'
l>orto, com ollicio de 9 do corrente.Communi-
cou-se aa inspoclor da sade do porto.
ilo ao mosmo.Estando nos lermos logaes
as folhas juntas, mande V. S. pagara impor-
tancia da despeza feila de 1 a 5 do corrente com
' hospital provisorio da ilha do Pina, as quaes
para esse lim me foram romettidas pelo inspec-
tor da sade do porto, com officio de C deste
mez.Communicou-se ao inspector da sade do
porto.
ilo aoraesme.Mando V. S. pagar, em vista
diconta junta, que me foi remellida pelo ins-
pector da sade do porto, com officio de 7 do
corrente, a quanlia de 22?220 rs., em que im-
portara diflerenles ohjectos comprados para o
expediente do hospital provisorio da ilha do
Tina. Communicou-se ao inspector da sade
do porto.
ilo ao mesmo.Transmillo a V. S., para o
lim conveniente, o reslo das contas das'despe-
zar, que teem de pagar os consignatarios dos na-
vios mencionados as mesmas contas pelo 1ra-
tamento de pessoas das respectivas tripolares
do hospital provisorio da ilha do Piua.Cm-
Jiiunicou-se ao inspector da sade do porlo
Dito ao mesmoEm vista da conla junta
que mo foi remella pelo inspector da sade
do porlo, com oflicio de 9 do corrente, mande
v. s. pagar a quanlia de 29;;160 rs.. em que
impuila o louoa fornecida por Ladislao Jos Fer-
reira ao hospital provisorio da ilha do Pina
Lommunicou-se ao inspector da saude do porto-
Hito ao mesmo.Respondo ao officio de 11 do
corrente, com que V. S. ironxc ao meu conheci-
mento a peticao do 2o escripiurario Jos Luiz da
t. ;Sta declarando que visto estar o supplicante
lati de meios para occorrer s despezas de seu
transporte para a provincia da Bahia, onde vai
servir, mandarei dar-lhe, se assim o quizer, urna
passagem de estado, no vapor, que se espera do
ario
labe-
tino
... exer-
cicio ndependeutemenle de lilulo, que dever
apresenlar no preso de 2 mezes : assim Ihc com-
munico para seu conhccimenlo e afim de o fa-
zer constar a quem interessar possa.Commu-
ntcou-se ao presidente da re'ac.io.
ilo ao juiz de direito da comarca do I.imoei-
r.?."~R.om,'ll Pr C0Pia a V_,DC- officio que em
rorao-
to em
a que elle allude, com referencia ao
a Molla,
. de que
vmc., syndicaiido das aecusaces que no final do
citado ollicio se fazem ao suppleule do juiz mu-
nicipal que despronunciou alguns dos summaria-
dos, conlra elle proceda, corno de direilo fOr, so
para isso encontrar fundamentos.
ilo ao juiz de direito da comarca do Garanhuns.
Sirva-se Vmc. de informar circumslanciadamen-
lc e com brevidade acerca do estado e solidez da
, 7'^-r. Jos Luiz do Araujo Lim?. ciruraiao
de divisao do corpo de saude da armada.Infor-
me o Sr. inspector da saude do porlo.
a i~'uiz. de Muroes Gomes Pom.ira, eaptao
aoa.- baialhao de infamara daguar Ja nacional.
lasse-se portara concedendoa tranca reque-
775Luiz do Albuquerque Martins Pereira.
Uinja-se & Ihesouraria de fazenda.
776Manoel Francisco Coelho.Tr. forme o Sr
director geral da inslruccao publica
7/7Manoel Francisco de Salles. Informe o
br^ director do arsenal de guerra.
//8-Prudei.cio Jos de Araujo. Informe o
sr. director do arsenal de guerra so pode ser em-
pregado all o supplicanle.
<79Sergio Clementino de Soulo M.iior e Albo-
apresenlar o titulo no
EXTERIOR.
Regosta de lanni ao despacho do conde de
Cavour.
Bolonha, 2 de marco de 1860.
O despacho de V. xc. datado de 20 de feverei-
ro, pede-me urna resposta iramediaia. Tanto
em razao da sua importancia, como 3ra conse-
qucne.a das rcenles disposici.es adoptadas na
Italia central devo-vos urna expllicacc franca.
A ultima vez que V. Exc me fez a honra de es-
revor-me, anii unciava-mo as qualro propostas
sarao
julgou
mas apre-
appreseutadas pela Inglaterra para a o -gail
diiiniiiva usas provincias, e manifestav
mesmo lempo a esperanca de que cliegariam a
triumphar sob o generoso patronato do impera-
dor dos francezos.
Segundo aquellas propostas, os povos da Italia
sera distingo, deviam ser chamados a
um novo voto, antea que as Iropas de
a Magestade cl-ret do Sardenha podessem oc-
cenlral
emitlir
obra do acude do Buique, a que se refere o offi- I tupa-Ios.
co incluso por copia do director das obras pu- Eslabelecido isto, e de accordo com o enveran
blicas da provincia.
ilo cmara municipal do Recifc.
a autorisaco que solicitou a cama
do Recife cm ollicio de II do corre
pender at a quanlia de 572OO tomos reparos I n"-',us dus puvos.
le que necessita a pontesinha da estrada do Lu- Ko caso dt se nao poder
cm
e os destine
que poderem ser
ca, na freguezia dos Afogados.
Dito ao director das obras publicas.Havendo
en mandado demolir um lellieiro que se cons-
Iruio provisoriamente no pateo do palacio da pre-
sidencia por occasiao da oslada de S. M. o Impe-
rador nesta provincia, e exislindo no mesmo pa-
teo alguns materia lirados do lellieiro. que fu-
ra tono a custa dos cofres provinciaos, determino
a vmc. que os mande inventariar
para as obras provinciaos,
aproveitados.
Dito ao administrador do correio.Em vista do
que me declara Vmc.,,em seu ollicio de hontem
rocommcndo-lhe que de suas providencias, para
que o estfela da iinha do sul passe pela povoa-
cao de Tamandar.
Dito ao conselho administrativo.Recommen-
do ao conselho administrativo que, nos termos de
seu regulamcnto, compre para fornecimenio do
arsenal de guerra os objeclos mencionados nos
doua podidos junios sob ns. 32 e 33.
ilo a Feidel Broihers. Remeita-mc Vmc
corn brevidade urna segunda va da conla do gaz
consumido com a illuminaco do palacio do go-
verno nos mezes de agoslo" e Bctembro do auno
prximo passado.
Portara. O presidenie ou provincia, confor-
mando-sc com o que expoz o chefe de polica cm
omcio de 11 do corrente, sob n. 929, resolve con-
siderar vago o lugar de subdelegado do districlo
de Lagiia Secca (4o da freguezia de Nazarelh) o
nomea para o mesmo cargo a Feliriano Jos do
Mello.Communicou-se ao chefe de polica.
Dita.O presidenie da provincia, conforman-
do antcmao determi-
nar esla formula, enlao se escolheria a mais am-
pia e mas solemne; isto o suffragio uni-
' C i >ii 1.
Emquanto a opoca da execucao parecii me es-
tar indicada pela propria nal.'ircza das cousas, a
m,,nt: Vl'-0caJ em ,,ue S- M. convocar o parla-
mento Enlao devia effectivamenle decidir-ae so
osles povos Unhara de fazer parte delle,era en-
uo a lodos os respeilos a occasiao de sahir de um
estado precario e cheio de perigos.
a leitura dos documentos diplomticos recen-
lemente publicados, confnmou-mc eslas ideas
de*a"?-.-*-e Mr Thouven"e. datad'
e as condices da nova volacao.
occasiao recebi -o despacho de V. Exc.
encoca do gabinete
commumea as i
o modo
Nesta
que me
rancez.
Eu nao poda dexar de aocolhe-las com o res-
peiio c deferencia devidas a quem tanto tem mi-
to a lavor da nossa independencia, e certamenle
nao sera culpa minha se essas intencoes anda
nao eram conhecidas pelos povos. Mas V Exc
ao passo que comprehende que eu podia ndmiitir
a rosponsabihdade de urna delerminarao difflni-
Uva sem consultar primeiro a vonlad nacional,
vera que o decreto nao est de modo alpum en
conlradiQao com os desejos manifestados por S.
M. o Imperador.
, J lr"n1!!ir0 luSar- "o que diz respeito aos du-
cado de Parma e do Modeua, a nova volacao
cunitialer eoniraJtaribaldi. A' nao querer arrw-
car o negocio ato ullmo poni, lalvez a disso-
u?ao da maror parte doexercito Real, nada res-
lou aos generaos napolitanos se nao entrar em
negociacues coa o chefe dos insurgentes. A bor-
do d um navio de guerra inglez, surlo no porto
de Palerrao, ene ausencia do commandanie do
mesmo. as parle Iiigntcs se encontrara e
concluirn ua eonveuco, segundo a qua os
napolitanos amerara na sua retirada de Paler-
mo a bordo dos seus propros navios, obrigando-
se ao mesmo tavpo i evacuar lodo* os oulros
pontos da ilha d Sicilia, excepcao de Messina
e concedendo Uribaldi do seu lado a reinada"
com todas as.hejrfas militares. N'este momento
a evacuacao de Sicilia, em consequencia d'esa
capitulacao. ja um facto consummado, e so em
Messina trmula anda o pavilhao Real.
Por algum lempo pareceu que a diplomacia
reierira a conlinuacao do combale. Com effeilo
ei-roi de aples chamou priraeirameule a in-
lervencao da Austria, e depois a da Franca. A
Austria porra, declarou nao se achar em estado
ue acceder a essa reclama^ao e a Franca
nao dever recusar a sus mediacio
sentar um programma que Vapolcs nao qu
aceitar. Em todo o caso al este momento nao
se cnegpu a um accordo entre Paris e aples
e nos ltimos dias leve j lugar o primeiro de-
sembarque dos Garibaldinos no continente de
aplos, na Calabria. Segundo se diz um corpo
ue oooe mil houicus, sob o commando do coro-
nel Medici, que se embarcara cm Genova, ha-
vendo perdido duranlc o transito dous navios de
iransporte com alguns cem liomens, quecahiram
era poder dos crusoiros napolianos. Era breve
se esperara novas operacoes de Ganbaldi, o qual
ale agora aproveilou o lempo que lhe doixou a
capitulado de Palermo. para organisir o seu
ejercito e regular provisoriamcnlc a administra-
cao civil da ilha. Elle tomou a dictadura em
nomo do el-rei Victor Emmanoel, e instituio o
sen minisleno.
Por mais importantes que sejam esssas oceur-
roncias no sul da Italia, ellas desapparecem in-
leiramenle vista d'um acontecimenlo posto em
scena na Allemauha nos ullmos dias
Segundo nos parece, anda nao fallamos da
mlencac do principe regente da Prussia do ir
passar luatro semanas aos banhos de Baden-
Baben. Os reis da Baviera o de Wurlcniber ti-
nham exprimido ao principe regente o desojo de
ali se eiconlrarem para tratar conidencialmenle
da posiiao e dos negocios da Allemauha.
Apenis foi convencionada a entrevista d'esscs
principes do sul da Allemanha cora
DIAS DA SEMANA.
9 Segunda. S. Cyrllo b. m. ; S. Bricio b.
JO Terca. S. Januario e seas companeiros mm.
1! Ouarta. S. Sabino m. ; S. Sidronio m.
12 Qutnta. S.Joo Gualberto ab. ; S. Nabor m.
13 Sexla. S Anaclelo p. m.; S. Joel prof.
14 Sabbado. S. Boaventura dutor serfico b
15 Domingo. O Anjo Cuatodi do Imperio
ENCAllREGADOS DA SBSCRPgAO NO SUL.
Alagoas. o Sr. Claudino Falcat) Dias; Bahia
Sr Jos Martina Alves; Ro de Janeiro, o Sr.
Joao Pereira Martin.
EM PBBNAMBCO.
O proprielarTo do dumo Manoel Pigireiroa de
tana, na sua livraria praca da Independencia as.
s P"-^"'uoroa ue 5555 s.. mmi ii-c.in ..... "T
EShSu,5K,BSS2*"1 vender- os precos;fl^^7l',ros,suardadaani!ul"''dadedaconfe-
baixarao de 4 schilhngs. As ultimas vendes deW dera5* helvtica,
sucar mascavado de Pernai "
marco do banco as cem
Venderam-se em le
brasilera avarado pe
liugs de banco por libra'
Londres, *fc de jnnbo.
Remeti esta minha carta pelo paquele de
liordeaux, que espero chegar ao Recito com toda
a regularidade e brevidade.
O vapor Brasil, da linha do Milford Hevea
mas que boje melhor ser chamada de Liverpool
para o Brasil, largar este penltimo porto no dia
30 do crreme ; entretanto, confiando eu mais
no servico da nova linha de paquetes francozes,
preter mandar por esta a presente corresuou-
dencia. K
O vapor Milford-Haven nao chegou a Liver-
pool : Deus sabe mesmo quaudo isso lera lugar
atienta a irregularidade do servico da companhia
a que pertence esse paquele.
'em aqu servido de elemento
menlarios.
A maioria
urna
para muitos com-
ropa inteira suas vis'as pacificas
iS?-?S? _a*I.ue"a. entrevista leve o carcter
guerras, tanto mais que na Italia esl ardedo"
causa de graves complica.Cos. "'do a.
A Austria nao foi represen!
de Badn ;
na conferencia
nano 51 s. a 56 s. Pelo quo respeita aos nossos
oulros arligos a venda aqu lera elles conserva-
do pregos firmes desde a minha ultima coinmu-
nicacao : coco 53 s. a 67 s per cwt.sujeito a 1 d
por libra de direilo, assucar de Pernambuco e da
m conselho de ministros, em que se
\r ,"YUa BBa9l,S 'o quanio Uvera lu-
gar na conferencia de Badn.
raaIdaa,!J;,r 2L" q^ USSe a InSlaterra infor-
i do negocios d.scut.dos pelos soberano
do-se com oque expoz o chefe de polica em of-1 se"ir para confirmar as anteriora
.cio de 10 do corrente, sob n. 923, resolve con-! un,a ova prova. e um novo titulo para a anne-
xagao immediata.
Emquanto Toscana, V. Exc. comprehende
que cu nao tenho faculdade para discutir as ra-
ceder a Manoel Joaquim da Funseca Galvao a exo-
neracao que pedio do cargo de subdelegado do
1 districlo da freguezia de Iguarass. Commu-
nicou-se ao chefe de polica.
Dita.O presidente da provincia, conforman-
do-se com o que expoz o chele de polica em of-
licio de 10 do crreme, soh n. 294, resolve con-
ceder a Antonio Guedes Gondim a exoneracoauc
pedio do cargo do aopplente do delegado do
polica do termo de Goianna. Communiou-se
ao chefe de polica.
ita. presidente da provincia, leudo em vis-
la o que requereu o 3.- escripiurario da Ihesou-
raria de fazenda Ileliodoro Fernaudes da Cruz e
beni assim a informacao do respectivo inspector
de b do crreme, sob. n. 66C, resolve conceder-
me tres mezes do licenea com vencimenlos na for-
ma da le para tratar de sua saude fura da pro-
vi ncia. F
Oiia.O Sr. agenleda companhia brasileira de
paquetes a vapor mande dar passegem para a
I; arahiba, no vapor que se espera do sul a Luiz
de Albuquerque Martins Pereira, secretario do
governo daquella provincia, em lugar desuado
pnmeira villa poder parecer que hi algu-
ilTerensa a respeito da Rumania ; mas, alm
ie, segundo a consliluigao do governo da
zoes.
A'
ma d
do que
Emilia, leria sido Ilegal fazer urna" dislinccao
tmre aquellas provincias e as outrjs, par.-ce-rae
que, considerando ludo bem, nao haveria nisso
conlradicgao alguma.
Desde o momento em que o governo francez
esia disposto a opprovar a annexacio, c o go-
u-rno da Romana por sua magestade el-rei de
sardenha, salvo a alta soberana do Padre Santo
o vicariato pertence mais oo accordo cnlreo re
o o pontfice, do que oos povos.
Em segundo lugar, como propOr ao sufTragio
universal urna queslo tao abstracta e delicada
como a do despacho de que se Irala ? Os povos
nao podem ser consullados, senao sobre ideas cla-
ras e definidas, e aqu pelo contrario, teri.i sido
necessario fazer acompanhar a proposla de expli-
cacoes complicadas, dclTendcndo a nalureza e os
ilo ao inspector da Ihesouraria provincial
Ilevolvendo V. S. o requerimenlo, a quo se re-
fere a sin informacao de 3 do corrente, sob n.
. 267, o autoriso a mandar pagar ao professor de
inslruccao elemenlar da villa de Garanhuns, Mi-
guel Archaujo de Mendonra, o ordenado que
venceu des-le 7 de Janeiro a fevereiro deste anno.
Dito ao mesmo.e conformidade cora o que
me requesilou o chefe do polica cm officio de 10
do corrente, sob n. 920, recommendo V. S. que
mande pagar a Joaquim Custodio de Olivera a
quanlia de 2:665-3760 rs. despendida no n.ez de
juulio ultimo com o sustento e curativo dos pre-
sos pobres da casa de delenQo, como se v das
contas e documentos juntos.Communicou-se ao
?chefe de polica.
ilo ao mesmo.Em vista da conla junta, es-
tando ella nos lermos legaes, mande V. S. pagar
a Joao Jos Ferreira de Mello, ou ao seu procu-
ra lor, a quanlia de 326*000 rs. despendida nos
mezes de abril a junlio;deste anno.com o susten-
to dos presos pobres da cadeia do Limoeiro, se-
gundo consla do ollicio do chefe de polica de
^0 do corrente, sob n 919.Coramunicou-s ao
chele de polica.
ilo ao mesmo.Ao negociante Antonio Do-
mingues de Almeida Pocas mande V S. pagar,
estando nos termos legaes as contas juntas a
quanlia de 410*000 rs. que, segundo consta'do
ollicio do chefe de polica de 10 do correle, sob
n. 926, foi despendida nos mezes do fevereiro a
junho deste anno com o suslenlo dos presos po-
bres da cadeia de Nazarelh.Communicou-se ao
chefe de polica.
Dito ao mesmo.Pode V. S. mandar realisar,
na conformidade do regulamenlo adoptado para
execucao do art. 31 da lei do orcamenio vigen-
te, o pagamento da quanlia de 3102gOO0, que
devida a Bento Jos Pires, arrematante da obra
do 5" lango da ramiCcasao da estrada do sul pa-
ra a villa do Cabo.
Dito ao mesmo.Nos termos do 15 do art.
26 da lei do orsamenlo vjgenle. mande V. S. pdr
em arrematagao, com loda a urgencia, a parle do
hospital Pedro II de que trata o orcameoto in-
kxpeditnte do secretario da provincia.
Ollicio ao chefe de polica. O Exm. Sr. presi-
dente da provincia, manda communicara V S
que o commandante das armas declarou em o(l'-
co de 11 do corrente ser desertor do 9.- balalhao
de infamara Francisco do Salles, que V. S man-
dou apresenlar como recruta ao mesmo Exm. Sr
com o seu oflicio n. 912 de 9 deslc mez.
Despachos do lia is do jullio.
Iterjuerimentos.
< 60-Bjcharel Agostinho Ermelino de Leo.juiz
municipal do lermo de Olind. Dirija se the-
souriria de fazenda.
761Antonia Francisca. Nao ha ordem paca
seguir para Fernando o preso, de que trata a sup-
plicante.
762 Antonio Guedes Gondim. Passe-se por-
tara concedendo a demissao pedida.
763.Antonio Jos Henriques Nao se tendo
nomeado ainda juiz commissario para o municipio
para passageiro de estado, visto nao ler elle aju-! '"'"'les da autoridade: verdade aue'eu"o"<=a-
l'eria formar hoje urna idea precisa a esto res-
peilo.
Alm disso, lodosos actos pblicos da corle de
Roma tem destruido a possibilidade desla combi-
nacao ou de oulra semelhantc, e por isso, apre-
senlar tal proposta, leria sido suscitar pcrlur-
Dacoes, nao havendo cousa alguma que esteja
mais longe do espirito dos povos. Eralira, se o
partido do reino separado prevalecesse na Roma-
na, prestar-se-ia fcil raen le n todas as tronsac-
coes, ea todas as rombinaces que o governo do
re jiilgasse poder adoptar,' conjunclament com
a diplomacia V. Exc. rao permillir repetir que
ueve responder a grave responsabilidade que pe-
sa sobre mim. H '
As asserrblas confiarara-rae um careo ahail.
lo nao poderla separar-me delle sem faltar
minha honra, e ao meu dever. O que posso pro-
metler que ser garantida a ampia liberdade
de volacao, afim de que a vonlade nacional pos-
sa expressar-se sem a menor influencia interior
nem exterior, mas segundo a consciencia do ca-
da um.
Taes sao as consideraioes
que julgo
submet-
o
pe-
do Bonito, a quem dever requerer osupplicn- ,
le, nos lermos do art. 36 do cap. 3 do regulamen- a Cm 1"e as communicara, se assim
lo de 30 de Janeiro de 1854, paia, dspois de sa- !' "a 1convenie",. ao bar de Tallevrand, e
lisfeitas as diligencias ordenadas no predilo capi- dellas em qualquer caso o uso que lho pa-
lulo. se lhe passar o titulo, que reqner, nao lhe "b" "V0^",0-
podem ser impostas as penas do art. 58 do citado mSEST C-
regulamenlo. i distincla consider
761Bento Jos Alves do Olivera. Informe
o Sr.inspector da Ihesouraria de fazenda.
76o- Bacharel Cesar Oclaviano de Olivera
promotor publico da comarca do Brejo.Dirja-
se Ihesouraria de fazenda.
766Fortunato Cardoso de Gouveia.Sm
gos os direitos naconaes.
767 -Firmino da Cunha Reg.Espero que be-
ja cr-do. n
768.Guimaraes & Olivera. Informe o Sr.
secretario do governo.
769Joao Paulo Gomes de Paiva.Ao Sr.juiz
municipal do termo de Pao d'Alho para proceder
nr forma do art. 211 7 do regulamenlo de 31 de
Janeiro de 1842, era relaso prelencao do sup-
plicante que fica assim deferida.
770-Joo Joaquim Alves.Informe o Sr. ins-
pector da Ihesouraria provincial.
771Jos da Cruz Santos. Informe o Sr. ins-
pector da Ihesouraria de fazenda.
772Jos Luiz da Costa, 2.- cscri'pturario da
Ihesouraria de fazenda.Nao tem lugar o quo re-
quer. Dar-se-ha, porm, passagem do estado ao
primeiro vapor que vier do norte, querendo.
a expresso da minha mais
raco.
Farini.
[Jornal do Commercio de Lisboa.)
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
HAflIBUHGO
SO de junho de I860.
Sendo hoje o dia da expedso da correspon-
dencia de Hamburgo pelo vapor que partir de
Brdeos no da 25, nao deixaremos de dar o re-
sumo dos ltimos acontecimenlosda Europa.
Quando expedimos nossa ullima, a sorle de
Palermo nao eslava ainda decidida : ludo o que
se sabia era a concluso d'um armisticio en.re as
Iropas reaes de aples e os insurgentes sob o
commando de Garibaldi; corra tambera o boalo
d'uma capitulaco.
Aps ella essa capitulaco foi conGrmada. Os
generaes das tropas Reaes, segundo parece, de-
cidiam-se dar esse passo em consequencia da
cresceute desmoralisasiio em suas fileiras. Ha-
va comocado a deserco, manifestando siles ao
mesmo lempo mu clarameute pouca vonlade de
- o principe
regente da Prussia, publicou-se quo o imperador
Aapoleao desejava igualmente encontrar-se com
elle pessoalmenie em Baden-Baden.
Nao desojando chocar as susceplibilidades e os
interessa das demas najos da Allemauha e
querend arredar qualquer suspeita resultante
d esla eilrevista a corle de Berln deu parte
todas essas curtes declarando eos reis da Baviera
e de Wurlemberg o desejo de os ver prsenles
era Baden-Baden na mesraa poca que ahi cs-
livesse o imperador Napoleao. O rei do Hanover i
foi pcsoalmenle Berln da parle da sua pre-
senta em Baden-Baden, e, seguindo o seu ex-
emplo, o rfi da Saxenia lambem se decidi. Fi-
nalmente tam'uem se uniram aos Gro-duaues
de llesse-armsladt, q de Wemar, e os duques
do Coburgo_ c Nassau.
A entrevista em Badn, assim organisada, to-
mn as proporces d'um congresso de principes.
No dia 16 do corrente os soberanos allemaes
li chegaram, e na noile desse mesmo dia che-
gou o imperador Napoleao. Elle s parti na
noilo danlehonlem, Picando os principes alle-
maes anda em Badn. Dissemos que por ora todos
os oulros acontecimenlos desappareciam vista
d esse congresso de principes. Com effeilo a sen-
sacao ainda continua, o congresso de Badn o
thema de lodas as discusses e de lodos os ar-
ligos da imprensa. Esl claro que apezar disso
ludo nada se sabe do positivo acerca da3 confe-
rencias que lveram lugar, c lalvez ainda por
muilo lempo nada se saiba. Afim de dar con-
ferencia um carcter puramente pessoal, e para
lirar-lhea importancia d'um Icontecimenlo pro-
pnamente poltico, nenhum minislro dos res-
pectivos principes se achou prsenle. Ape/ar
d isso nao se poder negar conferencia a im-
portancia d'um aconlecimento politico, lajvez
que essa importancia seja julgada anda maior
quanto mais claramente se observou a intenca
de fazer desapparecer loda a idea do
tancia.
r~. ,.H.U, ^,,w. attius i u. .1 IV U, Jl
seceos salgados de 8 d. 1;2 a 9 d. 1/2.
s consolidados iuglezes licam colados a 9
C &o 1/5.
t U9 |,"d0 brfjros de 5 0;0 a 98 3,4 os de
limo & 7/1 '' S ulUmos U "ovo empres-
r r?,3 di,'am'arqueze3 de 3 / a 82 1,2 ; ditos de
J u/0 a 101 1/2.
Os mexicanos de 3 O/o a 21 1/8.
Os porluguezes de 3,o a 4 1;2.
Os russos de 5 0/o a 108 5/8.
Os turcos de 4 O/q garantidos a 102 1,4.
O estado das aeces das nossas emprezas fr-
reas anda desfavoravel, continuando
mais ou menos com o mesmo descont.
pelos soberanos reunidos; mas em lodo
I.S'I?.-, i PreCe e8Ur recc<*o de quo exista
13/8 trama algum conlra a sua poltica
relL"*r.!8 W" ,em-e oceupadocomo
za do ,CspeUo dosyslema completo de defo-
as entradas de navios, procedenles
r;me1L?o,oUCOa,,,,S-ACamaradai-
Os acontecimenlos da Sicilia tem lomado des-
tSUS!n a n,i",,, Ul"ma carla' W*S
O rei de aples, que a principio se recur.i
pouco a ratificar a capitulaco assign.d. cure o no-
anza e Ganbaldi, leve final do az-lo, ce-
ver entra ellas una comp el dofcrcu caso h...
nao
stos
'o necea
mpor-
Presenteraenle devemos-nos contentar em re-
ferir o simples faci cm poucas palavras, deixan-
do de mencionar onde e como os principes reu-
mdosjantavo e almocavao, como estavao vestidos
etc. ole. que nao d importancia Iransatlantcai.
Apenas diremos que em Vicua e Londres nao
foi apreciada a entrevista dos principes Allemaes
cora o imperador Napoleao. Na nossa prxima
trataremos mais extensamente desse negocio.
I- S. Apressamos nos a tradiizire conimuni-
car ao Diario os 2 despachos lelegraphicos que
esclarecem a conferencia dos soberanos cm Ba-
dn.
Lis o que diz o Monitor Francez :
A viageni do imperador a Badn lera um fe-
liz resultado. Era necessario a espontanedade
d um passo lao significativo para fazer cessar a
propagarlo de boatos mal intencionados e falsas
apreciaroes.
O imperador Napoleao indo explicar franca-
mente aos soberanos Allemaes, reunidos em Ba-
dn que a sua poltica uao se afastaria nunca
do direito e da juslica. convencen, aos espiritos
distinclos e sem prejuizos, da lealdade d'essas
expiicasoes. As relases reciprocas, n'essa nu-
merosa rcunio, foram mais do que de simples
pulidez. r
Todos os que desejo o restabelecimento da
confianca, aconlinuasao das boas retaces inler-
nacionaes, devem len'cuar-se u esia o esta conie-
rencia que consolida a paz na Europa.
Eis o despacho lelegraphico do Badn dando o
discurso do principe regente da Prussia, dirigido
aos soberanos da Allemauha depois da partida
do imperador Napoleao para a Franca.
Badn, 18 do junho noile, o principe re-
gente da Prussia reuni esla tarde os soberanos
Allemaes no palacio, para Ihes agradecer a sua
assistencia conferencia com o imperador dos
Francezes ; dando-lhes nessa occasiao a segu-
ranza das intencoes pacificas do mesmo. A con-
servasao da inlegridade Alleraa ser sempre o
primeiro cuidado do principe regente, e que do
cumprimenlo d'esse dever nunca se desviar por
ser esse o fim da poltica prussiana, nao obstan-
te o desaccordo d'alguns de seus alliados. A
Austria havia dada pasaos em favor de perfeilo
accordo, as que elle regente dava muilo valor, e
que comraunicaria todos os soberanos Alle-
maes, quando o negocio se achasse em bora ca-
roinho, o prDcipe regente susleularia a conducta
adoptada pela Prussia na Allemanha, e esperava
a completa uniao de lodosos governos Allemaes.
O regente concluio o seu discurso, agradecendo
por si e pelos oulros soberanos o cordeal acolhi-
raenlo que receberam do principe reinaute grao-
duque de Badn. >
Quanlo ao estado do commercio nos ltimos
das houve mais animaco, e os procos susten-
taram urna posicSo, firme, especia ni en te o caf
em que houveram consideraveis transnces, na
raaior parte para cobrir as exigencias d consu-
mo, que agora se fazem cada vez mais valer.
Honlem se vendero mais 3 cargas chegar de
Santos, cerca 8,500 sacas precos, que se igno-
ran. De 8 at 14 de junho se venderam 14 000 sa-
cosdo caf do Rio e de Saulos 6 li8 6 5i8schil-
lings.
De Macei Mary Black 4J a Lverpo.
Da Parahyba Cinncs (11) a Liverpool.
De Macei Spcculanl (8) a Queens-lown. lermos v,.,e s
De Inglaterra segu.ram para diversos porlos dojsidadede confirma ni m,^1
Brasil, os seguimos navios : I .', ;..,.i..,!. "."! caP,Hulacao que a bordo da
De Liverpool (8) Leander para o Maranho.
Do Gravesend (8) Acaso para a Bahia.
De Cardiir(8) Chaseley para o Maranho.
De Liverpool [11] o Apollo e o Oriou para
I ernambuco.
De Liverpool (16) cHarry Clcm para aPa-
rahvba. r
De Cardiff (19) Lord Dulforin para a Bahia
De Newporl (19) Clyde para Pernambuco.
A nova empreza de vapores para carga entre
Liverpool e o Brasil, e que cm 25 de abril ultimo
lez seguir o seu primeiro paquete Ernsl Merck
cessou do existir, ltenla impossibilidade de con-
correr cora os paquetes que de Milford mudaran
para Liverpool com deslino ao Brasil. mais
urna empreza que suecumbe, e esla apenas podo
fazer urna s viagera.
Amanhaa dever a rainha passar cm revista no
tfyde Parck una grande forca de voluntarios
Suppoe-se que mais de 30 mil liomens se apre-
scnlarao em parada para esso lim.
A rainha ser acompanhada do principo con-
sorte, do principe de Galles e de sua alteza real
o duque de Carabrigne, commandanie em chefe.
A forsa de voluntarios que actualmente se acha
alistada no reino-unido da Graa-Bretanha su-
perior a 150 mil horneas, achando-se quasi toda !
arrigimenlada, disciplinada e munida de arma- '
ment.
Ha pouco mais de um anno nao havia na Ingla-
terra um s voluntario ; mas o grande enlhnsias-
rao pela defeza da palna podo em lo curio es-
paco de tempo fazer surgir do meio das classes
laboriosas lao poderoso elemento de defeza.
islo sem duvida digno de ser aponlado em re-
conhccimenlo do acrisolado patriotismo dosle
poyo, embora milita genle pretenda ridicularisar
o faci, lanr.ando a dcsconfianca a respeito da
firmeza e ulilidade dessas toreas, na occasiao em
que o perigo liver de chegar.'
El-rei dos Belgas, o conde de Flandrosseu filho,
e o principe soberano de Lichsleiten, que aqu
se acham em visita familia real, assisliro
grande festa mililar da manhaa.
A Fransa olhar para este aconlecimcnlo co-
mo indicativo por parte da Inglaterra de seus
preparativos de defeza conira a receiad-i inva-
so franceza, com que sonha e sonhar a In-
glaterra emquanto Napoleao reinar ali.
O parlamento britannico continua a funecionar
com a sua habitual regularidade. Depois que
escrevi a minha ultima caria, resolveu-se a criso
em que pareca achar-se o ministerio Palmets-
lon era consequencia do Reform Bill de lord
joiiu nusseii, uevtuiiido-se esie ministro a reilrar
o seu projeclo vista das innmeras emendas que
lhe foram apresenladas.
Desle modo nao haver ainda nesla sessSo do
parlamento urna solucao respeito das reformas
eleitoraes, por que clama o paiz ha mais de sete
annos I entretanto admiravel o espirito de or-
dem que reina nesle poo ; pois que apesar da
urgencia daquella medida, por elle lanas vezes
reclamado, recebeu agora com calma e al com
urna certa convieso de conveniencia o acurnen-
lo dessa questao magna para o anno segrate !
Os Irabalhos do parlamento inglez devero pro-
vavelmenle cessar no meiado do prximo mez.
Nada se espera de nolavel no discurso do encerra-
raento, a nao ser alguns esclarecimenlos acerca
dos negocios cora a China.
A opposico nao lem cessado de interpellar o
governo respeito da annexaeoda Saboya e Niza
Fransa ; e agora que o tratado de Turim, pelo
qual leve lugar aquella sessao, foi approvado pe-
las cmaras sardas, de modo que a Fransa se
acha em plena posse do territorio cedido, a op-
posiso parlamentar ingleza exige que lord John
Russell declare cmara qual a poltica do im-
perador Napoleao a respeito da neulralklade
eventual do ('.hablis e do Faucigny.
este respeiloo ministro dos negocios estran-
geiros tem-se limitado a declarar que o gabinete
de Paris est disposto a entrar em conferencias
com os governos que assignaram o tratado de
Vienna, a lim de que se concorde nos meios de
tornar effectiva aquella neulralidade eventual.
Algumas folhas inglezas prclcndem que a Gra-
Bratanha apoiar no congresso as vistas da Suis-
sa, relativamente soluco daquella quesi.ao; isto
, que pedir urna sufucienle porcu de territo-
rio ao redor do lago de Genebra que ser garan-
tida polas potencias reunidas em congresso, para
praca,
parle para
ingleza Ilannibal fra negociad) entre os
generaes Lmlitiae Garibaldi parA entrega late
vfn ?HHVa dn CasU'"ama'c ; o j comes*u, m
virtude daquelle convenio, a evacuacao d.i
sahindo as tropas que nella cstavam
taples e parle para Messina
^oi'n mlf'l5 rCaeS Cm c"l*aniaro subiam a de-
zoito mil homens, na occasiao da capitulaco
segundo annunciam os jornaes de Londres el-
dd"?uas-Sic". furioso pelo mo successe
jiV "a.S C"lr3 a 'nsu"eCao da Sicilia,
volteu a Sua colera contra os generaes que cora-
fflh l'Ji T 'alcrmo : e assinl dPW0 pa"a
a ilha de lschia os generaes Lanza eLmlitia.
Nao
re quo
dependeu
foi por cerlo culpa desses ofliciaes o dess
ali succedeu porque quanlo delles dept-,
para salvar a honra militar das armas napolita-
nas o zeram. batendo-se conlra os rebeldes al
i'xtremidade, o s cedendo quando era urna
oucura pelejar visto que nem mesmo j con. a
lideudade das tropas podiara elles contar; o uuo
por sen, duvida produzio um tao desgrarado re-
sultado foi a impericia com que inarin'ha diri-
g o o bloqueio nos porlos da Sicilia, nao impe-
dindo o desembarque da expedieo do Ganbaldi.
da qual somenle dependa o Iriumpho da revo-
lucao, pois que esla apenas careca de um chefe
cora o prestigio e habiloade de Garibaldi para
produzr os seus naluraes effeilos.
A fermentaco linha sido geral; o povo eslava
era armas o na raaior excitacao. mas s lhe fal-
la va um hbil guia que pod'sse dirigi-lo con
vantagem conlra a superiordade de tropas regu-
A apparicao de Garibaldi enlre os rebeldes foi
pois, o tnumpho da revolucao; e incuria do-
oioqueio napolitano se pode por conseguiule at-
iribuir o desaslroso final de Caslellamare.
As tropas que desle poni tem recolhido vo
sendo immedialamenie expedidas para a Calabria
onde se espera quo dentro de poucos dias reben-
lara a revolurao: ha umasemanaannunciaram as
lolhas desla capital que o coronel Medici, agente
do Ganbaldi, linha desembarcado naqueile ponto
com Iros mil voluntarios; mas a nolicia posterior
(le haver aquelle official desembarcado cm Pa-
lermo no da 17 do corrente com as mencionadas
oreas, destruio o boato que se espalhra cora re-
laso Calabria.
Entretanto, esso ponto esl emminenlemenlo
ameasado ; e o governo, receiando que dahi par-
e o golpe que dever feri-lo na propria capital
tem feno oceupar esta provincia com toreas 'es-
poitaveis, com quanlo paraca faz-lo s por hon-
ra da lirma, sem contar todava com a decisao do
cxcrciio
Messina esl anda em poder das tropas reaes
e ah parece querer fortificar-se o general Clarv*
Mas hoje que Garibaldi est dominando por qua-
si loda a Sicilia, e que tem j organisado nume-
rosas fersas, nao provavel que seja de lona
duracao naquelle ponto a eslada do general na-
politano.
_ ^pulsas d'ali e de CatanU as tropas reaes,
Ganbaldi nada mais lera que fazer pela Sicilia ;
e pois ser provavelmenle sua tarefa fazer um
desembarque na Calabria bu outro ponto para
libertar os napolitanos : diz-se mesmo que este,
bravo patriota mandara comprar nos Esladus-U-
nidos dez vapores, e que apenas de posse desse
vasos dirigir urna expedso conlra aples, de-
que espera apoderar-se, sem grande diEficul-*
dade.
O gabinete napolitano pedio ltimamente a
interrenco da Fransa e da Austria em favor da
inlegridade do reino das Duas-Sicilias. 0 com-
mendadorde Marlino, mandado em missao Par
ns para esse fim, recebeu do imperador a mais
formal recusa, visto ser o pedido j tardo. A
Austria recusou-se igualmente, allegando que os,
seusconselhos lem sempre sido despresailos.
f"
PARS.
dejunho delSCO,
Para qualquer ponto quo se dirijam as vistas
dcscobre-se no horsonle politico urna siuaco
cheia de graves complicasoes e de symplomas
assustadores. Na cxlremidade meridional da
Italia retumba o fragor das armas, em frente da
Pennsula a Austria por sua allitude inspira serios
cuidados. A Confeeraeao Germnica deixa en-
trever urna revoluto pioxima na Allemanha, e
T~


DIAR.0 DE PERNaMBUCO. i. SaBBADO i 4 DE JULHO DE 1860.
por cansa dos vveres e carvo que fornm condu-
zidcs para seu bordo durante todo o di?. cor-
reo o boalo que se achavara clles fre governo sardo afira de conduzirera tropas para a
Toscana. Esses dous vasos eram coramandados
osla, bem como a Inglaterra, nutro a prolenco 1 ralwlrte* TGCDove, leve lugw O embarqm, per
le suspeitar as intenses do governo francez. I mei de esta .cementos, dos voluntarios do corpo
No roci de todos esses elementos perigosos, expedicionario Ce Garibaldi, no qual figuram sob
que uraa centelha seria sufRciente para inflam- uniforme vcrmelho das legendas os caladores
mar, a Russia acaba lalvez ioopinadamenle de : gcnovezej, que tao rrotaveis se flzeram na ultima
despertar de novo a questao do Oriento, e tra- guerra. Compmiha-sea pcqueDa frota de dous
zer discusso por assim dizer a inlegridade do i dos -r.elhores vaporcsda cumpanhia Riibattino
imperio ollomano. | '-ani bardo e o Piemontede torca de 400 a 500
Os governos nao confiando de todo nos planos cvallos, e marcha mui ligeira :' ambos eram
da diplomacia armam-se, ou antes, conlinuim cm pregad os^ no servigo da linha de comniTiiiica-
uos seus armamentos, e do urna outra extremi- es entre Geuova, Sicilia, Sardenha, e a Regen-
dadeda Europa os ministros encarregados das! C1 dc funis : pelo que nenhuma suspeita poda
repartios da guerra fazera sentir iitsullicien-! causar a sua estada no porto de Genova, onde,
ca dos recursos de que podem dispr, e pedem
para os scus oroaracntos maior cofisignarao de
despeza.
Assim, pois, no vclho continente se agilam tres
grandes questes, que aro o objeelo desta ai- ,
tilia correspondencia, nao tratando das questes Por Garibaldi, e pelo coronel Nio Bixio. Alera
secundarias, que alias nao deixam do teco seu deles mullos pequeos navios conduziam armas
alcance mais uu menos para as aaces, a na el- ,'e muniges. e eram levados uns velas, oulros
lis dizcm respeito. | reboque. Na occasio do embarque [orare tu-
A par da questao italiana, i. tao conhecida por i |nad" as medidas convenientes afim de se alas-
todos ha dezoito mozos, surgiran mais a ques- itar loda a responsalnlidade dos commondsnles
tao oriental, e a queslao allemaa. dos vapores para coro a cumpanhia Rubattino.
(Jueslo italiana. Uanbaldi levara comsigo o estado maior do
Julgou-se por"momoiilos quo esta questao a seu anligo corpo dc cacadores dos Alpes, os com-
afinal tocar a solucao para que se encaminhava, bjenles de Seslo-Calenda, Varosa. Bargo-Vico,
6 por alg.ira lempo a paz seria dada Europa : eA"1na. coroncl hngaro Turr, o ilho de Da-
reformas, o rei de aples adoptara urna politi- !9lovanl so. etc. eje. O seu grito de guerra
ca francamente italiana, a independencia ea li-
berdade conquistadas pela Pennsula seriara con-
solidadas, n'uraa palsvra toda a obra concluir-sc-
ia pacificamente: mas pouco durou esta illuso;
< os espritus anda menos providentes nao po-
dem envergar as circuinstancias actuaos um
ponto ora que se arruinem as suas crencas.
L'm general francez, que se fez lcgilimista de-
pois de ler passado por todas as opinies, diri-
io-se Suma acumpatihado dos votos, e das es-
peranzas do todos os legitimislas da Europa ;
porque, seja dito francamente, Roma lornou-se
um novo Coblenlz, o o que anima os principaes
campeos da nova cruzada nao tanto o zelo pela ,
causa da Igreja, quanto o zelo por urna poltica mcs no seu posto, i
: A Italia o Vctor Emmanuel No da 7 a fro-
ta arribou a Talaraona pcrlo de Ortbello para
rcl'azer-se de munices e vveres por isso que a
pressa com que parti, c sobretudo a confuso
que reiuou bordo do Piemonte o do Lombardo,
onde os voluntarios so amontoavam por assim
dizer uns sobre oulros, foi causa de quo j nos
ltimos momentos nao se podosse embarcar gran-
de porco de vveres e material. Esses navios
lizeram-se ao mar com a bandeira americana, o
o desembarque se effecluou a 11 de roaio em Mar-
sala sobre a costa occidental da Sicilia, ao sul
de Trapaui distante de Palermo para menos de
25 leguas. Os voluntarios se conservavara Pir-
cada qual se encarregava
iitiquissimo, nao tanto o desojo de ver Po".X \ de l'ma Parte das munices, e de qualro espin-
reinar em Roma, como o desojo de ver em Paris i oardas.
reinar Henrique do Courbon, conde de Cham- Ao entrar no mar da Sicilia Ganbnldi foi o
bord, que ltimamente se sentou ao lado do du- ; pnmeiro que descobrio os navios napolitanos
.que de Modcna a mesado imperador Francisco d'sp"sios em forma de cruzeiro, e para logo fez
Jos, cm Madrid D. Carlos, ronde de Monlemo- augmentar a torga dos vapores. Desdo o romper:
lin. e nasoutras capitaes tantos oulros soberanos da aunara 1ue corpo expedicionario fon reco-
sem cora, escollados de um passado, a que se ['nocido por duas trgalas napolitanas ; Ganbal-
avanco, c
dos de um
Un, e nasoutras ca pitaes tantos oulros soberanos u? aurora que o corpo expedicionario
sem con'.a, escollados do um passado, a que se 'nocido por duas trgalas napolitanas ;
eiiustica. O general Lamoricierc, a quem nao \,a,dl Porm rlial,a qualro horas de a
obslante'tero sido negada a qualquer ingerencia "pozasua frota na forma dos dous lai
"I
nos negocios extra-militares da Sania S, re-
triangulo, confiando o resto ao successo de urna
marcha fantstica indiscriptivol visto
cuucluiu culre a Sardenha e i tranca para a
aunexacoo a esta da Saboya, e condado de Nize,
o qual lora nssignado em Turin a 24 de marco de
18o9. e as reclifcaces trocadas cm 30 do mes-
mc niez.
Ratlaui deu comecoaos ataques da opposico.
O conde de Cavour respondeu is diversas objec-
coes com grande superioridad'! de lgica e de
ideas: sobro ludo apresentou estas graves con-
sideracoes:
Desde 1818 que o Piemonte tem necessidade
de urna poltica de allianca, e hoje roais que
nunca se revel essa necessidade. A Austria nao
quer eslar pela annexaco
somos ameacados. O papa rejeitou nossas ex-
plicacoes, e iem animado a cruzada contra o Ita-
lianismo: por ludo so apresent.un graves symp-
tomas de guerra, os successos bem o demons-
trara. Assim pois o tratado era urna necessi-
dade.
A' 29 de mato, depois de um i sessao de 6 llo-
ras, a cmara visivelmenlo f.tgada dessa dis-
cusso, que j durava 5 das, ouvio as ultimas
explicaces du conde da Cavour, o pedio a vota-
cao por"escrutinio secreto, a qual deu em resul-
tado 223 votos a favor, e 36 cintra, Isto a nin-
guem surprehendeu ; a approtaco do tratado de
24 de marco era urna questao de toda a jnslica,
e bom senso, a que so devia prestar a grande
raaiuria do parlamento italiaro. Agora s resta
a combinacao com a Suissa. O conde de Ca-
vour declarou que a independencia da Toscana
ja cessar. A Franca se nao oppe a isso ; e
j se. falla no regresso do piiicipe de Carignan.
As aspirarnos da Italia tendera para a unidade, e
a vista dessa tendencia geral das populares,
juslo que se vo exlinguindo os ltimos vestigios
do municipalismo. A Toscana, que to noble-
mente renuncia a sua existencia solada, nunca
lera motivos para disso arrependet-se.
Em Roma o general Lamorcire, com alguns
Francezes que compoem o seu cortejo, tCem sin- ;
gularraente perdido terreno ha um mez ; e assim j
devia acontecer. Seus modo.', arrogantes c cm- I
prehendedores desagradaram r.o cardeal Anloneli i
c ao Sacio-Collegio, que o leem conservado a
alguma distancia do Santo Padre. A purpura
romana tomn a sua vingaacarsobre o militar'
estrangeiro, lirando-lhe toda i ingerencia na ad-
minisirarau dos estadus da 'groja. Demais, as
sympalhias que llie foram croadas por este lado,
nao encontraram echo as sympatliias populares,
c som isto nunca c em pari alguma um estran-
geiro pode ser bem succedido, embora nao se
lenha que allegar coulra elle mais do que o sor
estrangeiro. Na cidade etern.i todas as classes
da sociedade, por pouco que oonliassem nos seus
flicio enire a cantara alia
qual vem mais aggravar a
o a dos iVBmHS, 0 successos ; e s e ueste estado que elles se reve-
situarao do ministe- lam aos mais incautos e imprevidentes.
rio, lem-se seriamente pensado Da dissolucao
do parlamento, esperando-se evitar a csse proco
os elleilosde um debate perigoso. No eutanto'a
Inglaterra continua nos seus armamentos. A c-
mara dos communs votou um crdito de 8 mi-
Ihoes de francos para a organisaco dos volun-
tarios, e um dos jornaes lerabrou a medida de
tornar-se Londres inexpugnavel por meio de um
P
tniao soa o momento em quo a accao se faz I
misler ; sa a hora do esforco para a realisa- '
gao mais ou menos prompta, mais ou menos len-
la no seu impulso, mais ou menos precipitada,
mala ou menos retardada, quer pela opiniao do- '
minante, quer pela resistencia passiva que lhe
oppoem os obstculos materiaes.
Infelizmente a maior parte das vezes para so
systema de defeza mais completo ou pelo menos chegar a um termo permanente preciso vem
?^r.*^0"?Se.?.a.bngo,de'}ualquer S0rPre7a. 'for.les e poderosos embaracos. 6 preciso prose-
guir-se n'um caminho lodo cheio de longos ro-
leios ; c uraa felicidade quando o movimento.
reforgando o quadrilaloro da iha com a cons-
de todas as parles truegao de 5 ou 6 grandes fortalezas ao redor da
cidade.
Que mcdo-l
:QBBSTAO ORIENTAL.
Esta questao, segundo todas as probabilidades-
val de novo encelar a sua marcha ; os dous an,
i nose meio durante os quaes elh oceupou a at-
tencao do mundo, desde o oulono de 1853 at n
primavera de 1836, mais um* phase a accres-
centar-se a outra, que olla tem j prcenchdo
caminhando para sua solucao.
O velho problema vai anda uraa vez ser pre-
sento as_grandes nacoes da Europa. Eis pois
que se bao escoado qualro longos annos depois
do da em que Abdul-Medjid promelteu tentar,
ou melhor anida, promeltcu realsar a obra da
regeueracao oltomana : qualro longos anuos em
que nao lera cumprido essa promessa, o que
bem moslra ra vonladc da sua parte, ou eniSo
Incapacdadede allingir a semelhante fim.
A Russia pretendo que a deraonstraco nao
podo ser mais completa, oque o UaUi-humayoun
urna quimera ;e por conseguir convida por
intermedio do principe GorUhaskoff s q;ialro
potencias a examinarem cun ella esta questao :
se a Turqua tem cumprido as obrigacocs a que
so sujeitou, era relacao aos chrislaas do Oriente,
obrigagoes que se achara consignadas no tratado
de 1856.
A viagem do gro-duque Nicolao a Parii nes-
tes uliimos dias tem grande ligaeo com ludo
este negocio ; e a entrevista recente ao impera-
dor Napoleo c a imperatru Eu
peralriz da Russia viuva de N
ver certa iiileliigcncia entro
esse respeiio e a inuilos oulros.
I Tove-sc poralgum lempo suspeitas de quo a
Prossia, a Austria e a Inglaterra, ciosas o des-
confiadas do czar Alexandre lo do imperador
I Napoleo III, iam formar urna liga aborta para a
cunservaco absoluta do Hala i linopla. A Prussia so"
lim modo singular.
que encerra una idea generosa e fecunda, se
suspende somente por ilgum tompo, mas nao
perde o terreno urna vez ganho. Finalmente de-
pois do ludo vem o poriudu sereno o definitivo,
no qual todos, at mesmo os mais encaminados
oppositores. aceitara o facto consumado aps tan-
tas lulas e fadigas, e reconhecidos gozara do be-
neficio irrcvogavclmenle adquirido para o futuro,
beneficio que deveu consolidar-se a custa de tan- !
los e lo longos esforcos !
Assim a tenia c la'borinsa transformago que
se v em lodos os fados da historia ; assim a
marcha da revolugao de 1789, que para gloria
mraorlal da Franca lomou o nome de Revolugao
Franceza, c que est anda muilo longe de attin-
gir absolutamente ao seu perodo sereno e den- !
nilivo ; assim a marcha dos destinos da Euro-
pa oriental que tambera ainda est longe do da '
era que elles leuhara de ser Puados : assim o '
descnvolvimento do grande faci que deve cons-
tituir a nacionaldade italiana, o qual agitado ha
mais de meio steulu, s agura chegou sua pha-
se di accao ; assim linalinente a sorte da gran-
de questao da nacionalidade allemaa, que muilo
lempo lia oceupa os espirtos elevados do mundo
germnico, e que presentemente impressiuna as
naceos de tal manera que os pensadores do se-
culo imaginara se oslar prxima a hora da sua
manifestaco.
A paz de'Villa-franca suscilou na Allcmanha
ideas que, depois do ensaiu lentado no ultimo
Eugenia com aun- outuno cm Eisenach, toom feilo rpidos progros-
Nicolo I indica ha- eos para essa immensa revolucao poltica, que
s duas potencias a bem poderemos chamar a segunda phase eu-
ropea.
Porm essa crisc da regoneraco allemaa nao
sera menos grave, o antea ser mais longa e mais
trab.ilhosa do que aquella que est a poni de
transformar toda a pennsula italiana. Depois
que u grande Fredorico fez da Prussia urna gran-
obre todas su pronuneiou de potencia europea, a Allcmanha nao tem ces-
N'uma das ultimas sesses ', sado de oscillar entre as duas influencias rivaei
do parlamento do Berln houvc na cmara dos | da Prussia c da Austria, cojo
anta'
evaeuacao da Lombardla e dos estados dalgrc-jA juucgo dos voluntarios aos insurgedtes se
ja pelos Francezes dara lugar a adoptar-se o j operou bem depressa ; e omquanto as tropas
ii segiiinlo plano : succorre enviado directamente I reaes abandonavam Trapani para so fortificarem
i aplos, o no caso do movimento da parle do
Piemonte ataque subro Boluuha executado pelo
general Lamoricierc com os seus 25,000 Aus-
tracos, ao passo que as tropas concentradas cm
V'eneza, apoiadas por Verona o Mantua, riara
vingar-se da denota do Solferino sobre o exerrito
de Vctor Emmanuel repellido at os muros i Alcxandria. Masa vista de semelhante eventua-
lidade me parece quo tambero s o partido de
neutralidade completa deveria ser adoptado pc-
! nutras nages, deixando a Italia entregue aos
Italianos, nao devendo oro iodo o caso a Franca
r a fraqueza o imprevidencia do consentir a
Austria inlrnmelter-se n'um negocio do hoje
avante puraracnlo italiano, sem que ella, queoer-
inmou o sen sangue para assegurar a indepen-
dencia da Italia inicrvcsse taicDero.
A liga da Austria com o reino do aples e os
soberanos doposius, ainda quo al o presente le
(Mineo soccorro para Francisco II, todava se acha
maiiifcslameule firmada : o pequeo oxercito do
em l'alermo, ellos avencavam sempre para Uop-
I treali, legua o meia distante da capital, depuis
! de lerem batida a 13 o general l.and perto (le
\ Salemi e 160 Lauza entro Galalafini c .\!l-
. camu ; e desta forma tornaram-se sonhores
de urna posicao formidavel sobro a linha que
: vai do Trapani a Marsala.
Desde entoo a insurreico j nao era una ten-
tativa arrojada do alguns huidos mais ou menos
disciplinados; mas passava a tero carcter de
mu grande movimento nacional regeilando proclamages do general Lanza, que promellja
amnisiia e a installagao de conde de Trani, irmi
I de Francisco 11, como vice-rei. As tropas rcaS
i: b seu i'.iniig.Miii; do mercenarios allemftes, d<
; pois de lerem abandonado nos combates los di
5e l entre Alcaino o Galalafini esse poni cu
minante que, dominando grandes desflladeiro
conslilue a vordadeira chave da parte occidcni
da iliia, nada mais fizeram durante as lisias d
una semana do quo recuar conslanlemente at
,iorot.,nn^ C?,e,XleM,0'' "aod"J'iai jul as suas spprehensoos da urna catastrophc
11, i "orma o qual tecou o prxima rauda incossantcnente de grao-visir;
ho ?i i; ,S"a 'rCCira J,fuisa,0' Per,,oJo l0' era menos do um anno Aali Pacha substituio no
' Ir, -?T emendas. Lsl. refonia tao poder a Mal.emet-Kprsli. o qual foi por sua vez
i IS 'a0 denuda durante as sessiea do substituido por Mohomed-Ruchdi, e uftimaraentc
anno PsaJo. de novo propcsla ha dous mezes e! tornou a encarregar-se da direccoo dos neg-
me,,, c adiada de debates em debales ja olio ve- cios, lareh bem espiuhosa. Quanto as exigen-
ontao par ca, com ga a preoccup.r mui cias la Itussia o da Franca, a Porta responden
enviando inslrucces aos seus embaixadores, em
que deelinava a corapotoncia das potencias o in-
vociva o iil. do tratado de 1856. Langar-se-ha
inao do meioscoactivos? Ocaso que" u trata-
do nao se presta muilo para conciliar a proleccSo
dos aislaos e osdreilos soberanos dosullao.
activamente o povo, e que nao agrada mulo aos
ropresentanles das classes privilegiadas n.-s duas
cmaras. Em quanto quo a aristocracia parece
augmentar o exagerar as diiiculdades exteriores,
a opiniao publica so pronuncia do mais a mai*
enrgicamente pelas reformas interiores. Os
meeUngs,
classe dos ooeXriudffil* ? P.r,)PU5,a!S Ja \ 0s, elementos da proposigao do principe Gorls- i apnarecer na reccliaci" geri
....:;. ..^-?!r,l.rMs.' !ud". ,sl rovcla ".P'e do chackolV foram preparados o dispolos pelo prin- gas quo ella traten do dividir pe
duque de Mantua, os cunjies da duqueza de Par-1 l'alermo, sempre perseguidos por Garibaldi, qu
roa. e algumas tropas au suido du grio-du(ue
da Toscana desembarcram em Ancona forman o
urna forca de cerca du 6,000 homens: cumtudo
ste contingente nao suspender a Italia as suas
aspirages : unidade. Ella coroprehende que
tima nova era coraecou, em que procuram domi-
nar os principios absolutos da justiea, e o direi-
to para os povos de se coiislituiiem, se organi-
aarera livremonle, seguudo seus interesaos eseus
inslinctos; e melhor coraprehende que o verda-
deiro preludio da paz europea, e do triumpho da
civilisaco a fuso natural e nurinal das ragas
o das nacionalidades.
Tiesto ponto do vista a insurreigo siciliana,
cujo lim subtrahiri poderosa influenciada
Austria urna nova parle da Pennsula, nao um
pov. o desojo ardentc da reorganisa{ao parla-
meiilar, desojo a^que n.lo ser mu fcil resistir.
Ooillpropoc um sacrificio s cUsjc* privile-
giadas : para se ser eleilor preciso pagar lo ^,
o bil propdo quo so pague somente 6; o desta
sorte o corpo elciloral adquirir um augmento de
, mais 200:0(10 homens. E.-sa medida nao ser
smenle um golpe consideav.
ser tambero um
manira.
cipo Dolgoronki, que percorreu nos tres ltimos
mezes a Servia, Uostiii, .Herzegovina e outros
pai/.i-s stavos-lurcos, recomend por loda a par-
te ua queixas e pelfgdes das populacAes, as quaes
icclamavam --i proteceo da Russia contra a
press&O niusulmona.
O memorial do principo Dolgoronki, ao qual
oran annexadas as petgoos, molivou i. proposi-
assim pois serao doceis em favorece-la. real-
menlc desejosas do ver a Prussia representar na
Allemanha o mesmo papel que o Piemonte re-
presenta na Italia. Donde virio portanlo obs-
tculos eternamente insuperaveis ?
A Austii.i soffre na actualidade um eclipse qujsi
lolal ;aroeacadanoqiillie resta de suas antigs
possessoes ilalianas.amcacada igualmente na Bun-
gna.inconcilinvel com a Franca,anlipatiiicaa Rus-
sia, abandonada da Inglaterra, odiada pelas popu-
laces quo ella despoja, corroda pela venalidade,
e concusso, sem (naneas, sein crdito, a Aus-
tria, espeiio de Turqua cbrisla, parece em ves-
poras, assim como o imperio ollomano, de des-
de todas as ra-
paro nielhor sub-
jugar
So
I'.
op-
qie pru-
lugu em cppellar para o
alim de ser pronunciada a an
Sicilia realeza itlica, onlenou a
facto solado ; pois que o
necessario e consequente do
accidente o mal
grande moviucuto
ha um anuo eomeeado.
A eropreza de Uanbaldi, marchando para auxi-
liar ossa insurreigo, creou urna posigao purdous
modos espinhosa para u gabinete de Turim : Io
porquo cumplo nao desmerecer as sympalhias
das populacdes italianas, sobre as quaes exerce
grande prestigio o patrila avcnlureiro, segundo
porque compre ao mesmo lempo nao
as potencias i >ra que o Piemonte deve contar
a 27 de maio, di de Ponteoslos pelas 4 hora
da uianba, deu principio a um ataque definitivo
, A lula foi mu renliida em lodo o da, e tard
| Palermo era u guartel general da insurreico. A
torgas icaes operaram pelo lado do mar edeter-l
ra um bombardeamentu por alguoiaa horas, que
causou muilos estragos na eidade.
Uaribaldi quo lias antes havia turnado a dicta -
; dura em nome de Viclor Emmanuel, e
ravelmente meditara
| SulTragio universa
!nexaco da
creago de uito regimentos de infanlaria. i
quaes oceupariam o tugar apos o 52 regiment
, da mesina arma pfemoutez. Apenas espalhada
a noticiada coiquista de l'alermo, as unirs ci-
dados la Sicilia se sublevaram simultneamente
| ao brado d. ...viva a Italia Viva Viclor F. nma-
| nuel la entrelauio que em aples Francisco 11
discuta j tarde as condicooa sobre a mudenca
de ministerio, e sobre o appello intervencao
das potencias europeas: estas parecem poco
dispostas a prestarem-se a esso appello; mesmo
a Austria se4nlervier, ser indirectamente.
Em iodo o caso.
so a i russia qmaease c tenlasso, poderia pr-
so a testa da ra-i germnica, que aspira a uni-
dade ; o que ?e acha j bastante caneada do sup-
porlar os seus pequonos soberanos com seus
exercitos pequeos pequeas alfandegas o mil
oulias ...usas insignificantes ; e pois do boa
vontade abandonara csse estado de feudalismo,
para o que s espera que urna potencia respei-
tavel tome a iniciativa, ese faca o instrumento
da sua Iransformaco.
O espirito publico na Prussia so acha
raeule inclinado para essas brilhantes
livas; c as ultimasdiscussoes das cmaras mui-
os oradores eminentes, dedicados ao goveroo,
tem altamente proclamado a necessidade para a
Prussia de pdr-sa fra da confederagao. Essas
ideas causaram tal emoco na Allemanha, que
um ministro do Hanover vendo j nellas n ab-
pequooos Estados nao tre-
visivel-
perspec-
, einquanio nao sabe de que
indspur maueira ser acolhidu u seu pedido, u governo
napulilano transmiilio ao general Lanza, refuzia-
para consolidagao da sua nova existencia: trata- do cura suas tropas n'um estrello lu'ar as cir-
e.porlooto.de gusrdar o meio termo entre s I eumvisiohaneas de Palermo, a ordera e pleno do-
desapprovacao e a proteccao a essa eropreza por der de assentar sobre as bases de urna
capilula-
... -*----------------r- --------------- ".fw ^\*w,o u.j uiijt.j uu lillil LdUlUlia-
meio de urna attitude que garanto a pupulanda- i cao. Garibaldi concedeu um armisticio que deve
de do re na Pennsula, e a sua seguranca peran-1 expirar hoje (7), e prupoz condiges que al u
ten Lu opa. presente uao consta lerem sido'aceitas em Na-
d
te
O conde de Cavour j deu as suas explicagoes
nos diversos gabinetes: e a gazela oEQcial decla-
rou Que o governo nao s desapprovra a
expedigao como que lamb m tentara imped-la ;
mas que ella fra avante nao obstante a vigilan-
cia das autoridades lacacs, em virtude do auxilio
prestado pela sympathi dos povos causa ita-
liana ; quo apenas sabida a noticia da partida
dos voluntarios, a armada do ro Uvera urdem
de seguir os dous vapores, c impedir o desem-
barque, o que nao podera conseguir, assim como
lamben o nao conseguir a ulariiiha napolitana
que entretanto crusava de muilos dias o mar da
Sicilia.
Demais, aecrescentava a gazeta, a Europa
sabe quo o governo do rei, apezar da sua solici-
tude pela palrii coramum, todava conhece o
respeila os principios em juc ac firma o Jircito
das gentes, e coraprehende que deve ser o pr-
meiro a fazo-Ios respeitar nos Eslados, por cuja
seguranca responsavel.
Garibaldi ao deixarGenova dirigi urna caria a
Viclor Emmanuel, ca qual se coulinham as se-
guintes expressues :
Nao aconselhei o movimento dos insurgentes
da Sicilia ; poim urna vez dado por elles o bra-
cio cm nome da uuidade italiana, nao hesite! um
smomentoem assuciar-me suasorio e pr-me
sua frente. No caso de que ejamos mal succedidos,
espero que a Italiano tuda a Europa liberal nao es-
queceru que esta empreza !oi decidida por moli-
vusalheinsa todo o egosmo,e iuleiramenle palrio-
ViCU"' ')o'>'0' de cumniunicaro meuprojecloa V.
M. porque reciei que, emeonsequencia de minha
dedicacao la real pessa, V. M. so digaasse
pcrsiudir-mea abandoaa-lo.*
A imprensa europea so tem apaixonado em
sentido diversu por essa audaciosa personugem a
que uns tem denominadohroe de Plutarco,-^
*,,lrosbandido.Em nossa opiniao eremos que
Canbaldl nao merece neai esse oxcesso de hon-
ra, nem lambem essa indiguidade ; o que a ver-
dado se acha bem louge dessas duas aprecicoes
extremas acerca da nalureza desse homem, 'que
tem uma necessidade irresisli.el de aventuras.
igualmente injusta a lodos os icspeilosa compa-
racao que se tem feito do patriota italiano com
IValker : em Nicaragua Walkor represenlava os
cus proprios interesses, e o desenvolvimentoda
nacionalidade anglu-americaua em detrimento da
iiacionalidade hespanhola : na Sicilia Garibaldi
julga servir a idea pela qual combateu em Roma
em I8-(9, em Como e V'aresa era 1859, islo a
unidade o independencia Ji Ilaiia.
Na noilo de 5 para 6 de maio em Foce, Quarto
u;uto, pequeuM lucuiidades situadas nos ar-
ples.
Atlribue-se
rainha viuva de Fernando II a
uraa
sem
Ha quero di
eusso do bil
faz-lo des i
as
settsoc^a^^
cou a nalureza. nao deixam de ler direitos sao houver eitoa suaeS ,s o-, tn so- .' as"mo Ur,CO,''ecuroron1lra lac8 i,li's
iro oga.iya. que nao Ihes pode sor negada raaram as medidas necesarias em ordem a dar riano d'^"a' parlamento p.us-
uroa satisfagan aosslavos clirislos pelas oflensas
solli idas por elles. Finalmente nao leudo sido
execulado o llalli-humaijoun, lorna-se necessa-
ria uma nova organisaco de provincias.
Alora disto ja antes desses projectos de averi-
guagoes c exames se suppnnhs baver um accor-
do estabelecido entre a Franca e a Itussia para a
creago de novo reino slavo composio da Molda-
va, Valachia e Servia era proveito de um Leu-
. ., ^Sixis&; essr.sst S~Japtftra :sf"s
Depois da Saboya na mesma dosconlianga, e na nicsma hostilidide
comraum : a Austria recea inulto que a creaco
de um reino slavo de alguma importancia as
suas fronleiras nao venha a ser para os povos
slavos subinoltidos sua cora o mesmo que o
e ser [iara as suas popu-
la que o governo, adiando a dis-
para do ji nho, tinh' cm mente
perecer. Pcido ser que ainda essa
queslao grave e vital venha ser discutida de
urna maneira mais provuiosa, piando o paiz
estiver entregue seus pnprios interesses, livre
das apprehenses da poltica exterior, que de
fado ah tem causado ullin.ament um terror p-
nico no animo de lodos. Nao se falla n'outrs coli-
sa senao na organisaco los voluntarios, e nos
rocos decr.ar para o peasoal marilimo os recur-
sos do uma poderosa reser/a.
ser o Rheno ; sempre esta a appreliens&O d
Inglaterra
Lis aqu a sitnaco da Allemanha.
Por mais queso diga, as popnlages prussia-
desejam que se faga da sua nagao um gran-
os bsiado, enriquecido com aparte' allemaa da
Austria, com portos sobre o mar do norte e so-
roco Bltico, com um exordio, um governo, um
coligo e urnafronteira, que seivissem de balance
entro s Slavos agrupados ao redor da Itussia, e
Latinos ao redor da Franca. Esses pensa-
tem apuiado sobre
(no ate o p
a Austria ; e dcslruem princi-
palmente essa combinacao que consista em fazer
de todos os Eslaiios confederados, CXC
I russia c a Austria, uma terceira
maa, destinada
deslas las, e que sob a impresso de um perigo
eminente procurava impedir a absorpcao dos pe-
usive a
potencia alle-
contraualancar a iiilluencia
nglalerra que faz todo o possivel por excitar as
esconli.ineasj bastante c escidns da Allemanha
em geral, e da Prussia cir particular. Esforcos
ufii Piemonte tero sido, ,
l a alguns annos que a estrella da Gran-Bre- ces italianas.
anha vae perdendo o seu brilho. A sua allian- I Vccrcsce auo o eshdo ,H Un l-.i-> in ir.i. l'"-I"0f,,-t'''dos por uro es.ado poderoso, obslan-
s** .................m =iT|a^ b-s ts-tea ^Wi^^WBia'i^
principe que a Prussia se ade do lo
que a dieta ullrapassava os seus poderes, e que
por isso suas decises nao deviam ser acceitas ;
a dieta respondeu, declarando que as suas re-
soluges eram obrigalorias para toda a confede-
ragao.
Esla querela se foi tomando cada vez mais ir-
ritante, e os eslados submellidos influencia da
Austria se pozeram a clamar bem alto que a
Prussia eslava disposta a inaugurar na Allema-
nha a pulitica de annexagao pralicada pela Sar-
denha na Italia.
Os qualro reinos secundarios da Allemanha
Iralaram logo de formar uma colligagao soba
bandeira da Austria contra a Prussia desejosa,
seguudo elles dizcm, de engrandecer-se com r>
apoio da Franja, qual ella teria a louca pre-
tengao de ceder uma porco de territorio ao sul
da Allemanha.
A Prussia, quaesquer que sejam suas inlen-
ges inlimas, so oceupa com luda a aclividade
de suas forras militares ; quer por o seu exercilo
em p de guerra provisoriamente, c para esse lim
0 governo tem oblido do partamenlo consigoa-
coes decredilos extraordinarios.
A 23 de maio, no discurso com quo encerrou a
sesso parlamentar o principe regente, pronun-
eiou estas palavras :
Bem que se lenham suscitado divergencias
de opnes sobre as graves questes que oceu-
parn os governos allemaes, todava estou bem
certo de que esses governos cas suas populages
acompanhiro a Prussia no seu profundo smli-
mento de Adeudado e adheso patria com-
raum, na intima conviego de que a independen-
cia da nago,.e a integridade du territorio alle-
m3o su bens de valo'r lao ineslimavel, que to-
das as questes e divergencias interiores devem
desapparecer peranle a forca dessas considora-
ces.
Tres dias depois S. A. R. por occaso da inau-
guraeao do caminho de forro prussiauo do Rheno
e de Sarrebruck, rodeado de generaes, ministros,
e altos funecionarios, entro os quaos se acha-
vara o general Marey-Monge e o prefeilo de Mu-
selle, encarregados dos cumprimenlos por parto
de Napoleo III, pronuneiou una allocuco, na
qual deixando-se levar pela exaltago "do seu
patriotismo deixou escapar esta phrase : que
passaria por cima do seu corpo aquelle que ten-
lasse tomar uma s polegada de territorio alle-
rao.
Se palavras valem alguma cousj, a Baviera,
Saxe, llanovcr e Wurtomberg devem estar muitj
salisfeilas.
Depois deste incidenle o governo francez jul-
gou que devia acalmar as descunfiancas uni\er-
saes ; e nesle sei.tido declarou por 'intermedio
do seu orgo official: que julgava opporluuo
protestar contra as supposiccs de qualquer ge-
nero, contra as aecusages 'mal Intencionadas, o
as interpeilages irrelleclidas, a que dora lugar
queslao da annexaco da Saboa Franga, ques-
lao alias muilo regular e legtima ; entretanto
que sob a influencia de paixes huslis ou de ze-
los imprudentes, uns se enlregavam insinua-
ges, outros a aprecages. ludas ellas tenden-
tes a altribur Franga o designio de provocar
ou leixar nasccr coroplicages na Europa para
nellas buscar occasio do'novos engrandecimon-
tos : que um pensaiBonlo absolutamente contra-
rio anima o governo francez, e que o seu nico
desejo viver em paz com os soberanos seus al-
ijados, e empregar lodos os seus cuidados e ac-
tividade em desenvolver os recursos da Franga.
Fallou-so muilo na Allemanha de una caa
dirigida pelo principe regento da Prussia ao prin-
cipe A Iberio da Inglaterra sobro o im pe ador
Napoleo 111, quo nella nao seria rouito pou-
pado; esla correspondencia, porm, imagi-
naria.
Ouanto Hungra, as ceremonias fnebres que
liveram lugar era Peslh, e por toda a parte, em
honra do iroinorlal palriuta Estevo Szechenye,
forneceram mais uraa occasio de grandes ma-
nifestagoes produzidas anda pelo muvimeulo na-
cional.
L'ma inullido innumcravel, em quo se nota-
va do mistara mis com outros, sociedades de sa-
bios, corporai_es de arles e ollicios, alta aristo-
cracia, jovons esludanles, senlioras de ludas as
classes, veiodar um testomunho publico de suas
tristes recordacoes, associando-se ao luto da pa-
tria, e a Austria com seu systema obstinado es-
tove nesso da entregue ao mais profundo ol-
vido.
A Hungra mostra alm disto quo se nao Ilude
com algumas concesses, que Vienna acaba do
outorgar-lhe com tanto ruido ; ella nao as tem
pedido, anles tem rejeilado essas concesses
mais apparenles que roaos, reservaudo-se para
reconquistar aquiflo que lhe fui roubado, isla .
a sua independencia completa, o a sua lbcrdado
nacional.
Em face destas disposiges, sobre que nao po-
de restar a menor duvida, a Austria persiste na
sua vontade de salvar do naufragio sua ira possi-
vel unidade. Nao pudendo semear a discordia
entre as diversas ragas, cuja intima reconciliacao
bem provam as recentes raanifeslages, tenia s'us-
cilar odios e rivalidades eulro os pobres eos ri-
cos, entre os cainponezes tolalroenie emancipa-
dos pelas pretendidas leis revolucionarias de Ib
o os grandes senuores.
Seus agentes dizcm por loda a parle que Fran-
co Jos pretende por em pltica reformas popu-
lares, restabelecer as inmunidades das commu-
nas, comicios, etc., e se j o nao tem fetu p,,r
no encontr obstculos da parle dos aristcratas
que piignam pelo restabclecimeiito dos seus exe-
crareis privilegios, etc., ele Porm felizmente
essas odiosas excitages nenhum ell'eito tero pro-
i duzido entre a classe dos camponezes.
O general lienedeck, to violento naquellcs
i primeiros dias da sua chegada, se lera modilica-
1 do a tal ponto que causa desgosto ao gabinete
i de Vienna : bem pude ser que seu cominaiido se-
|ja provisorio.
Acaba de installar-se cm Peslh um consulado
francez ; este successo (o saudado com euiliu-
siasmo pelos Hngaros, felizes por verem que
um agente da Franga vai testemuuhar com seus
proprios olhos o verdadeiro estado do paiz.
O famoso conselho de estado, coro tanta pu-
blcidade c apparato creado em Vienna, deu j
comego s suas scsses marcadas para Uns do
maio ; porm os seis conselheirus hngaros re-
cusaram delle fazer parte, resignando a esculla
leila sobre elles. Foi preciso tratar da sua subs-
liluieuo, e decidir os eleilos impelaos a repre-
sentaren! populages, que nao os querem adop-
Franciaco II par uma monarchia consiiiucional
em proveito do conde do Trani. Se com esle
lira ella usou da sua influencia para tazar com
que as cousas chegassom ao estado em qne se i
un. de nada lhe aororeitarA ni manni.n |luan
' fue
de nada lhe aproveitar csst manobra
porque se Francisco II perder a coma, nao mui-
lo provavel que seu irm.io a oblcuha.
O dia 13 de maio foi o anniversario do ocio
fundamental, pelo qual o rei Carlos Alberlo ou-
torgou ao Piemonte a caria constitucional, base
do edilicio que a dynastia da Saboia v cada vez
mais engrandecer-se em torno de si. Esse an-
niversario foi festejado no Piemonle com grande
pompa ; e a parte da Italia central que eslava ha-
biluada a vor noooo Coila nacionut oomo promessa, uma esperanca para o futuro, desta vez
torauu parle na sua celebraciio. Porm o papa-
do, animado pelas apparencias de soccorro da
parle do calholicismo legilroisla, Iransmitlio or-
dens mu positivas ao clero de Toscana e da Buri-
la, que foram fielmente oxecutadas pelos respec-
prclados. O arcebispo de Florenca, obri-
E' graudc o desconlcntamciitu em Bucharest
em paavras.com a causa dc| o partido moderado, sustentculo do
ibcrdado italiana, a guena do I8o0 a veio en- Absanda-Yeun no pod
ontrar muda "'-- !- -"-
0 para lastimar
pouco harmonio
ti vos
gado a abandonar as autoridades civis a livre dis-
posico da igreja metropolitana, prohibi aos
sacerdotes dessa igreja que lomassem parle na
ceremonia religiosa, sob pena de cahirero em
censura espiritual. Os paramemos, os casiigaes
dos altares, etc., ludo foi guardado por ordem do
prolado. Foi preciso recorrer-se oulra igreja.
O mesmo aconleceu em Facnz>i, Bolonlu e outras
Cidadea. Os sacerdotes que nao obedeceram
prohibico foram suspensos de ordens e expelli-
dos do santuario como apostatas pela auturidade
ecclesiaslica superior. De sua parle a aulorda-
de civil julgou que devia iolervir, o o governo
de Turin lomou medidas, que lizcram de todo
este negocio ura dos mais graves conflictos O
bispo do Faenza, o vigario geral de Boiouha, o
arcebispo de Ferrara e o de Fiza foram poslos
era estado de prisao por lerem prohibido ao seu
clero o oficiar por occasio das festas nacionaes.
Os trabalhos do parlomeolo de Turin foram por
algnm lempo interrumpidos em virtude das pre-
oceupaces urgentes occasionadas polos succes-
sos da Sicilia. O tratado de 2i de marco nao
suscilou essa grande opposigo que se supp'unha,
quasi todos comprehenderara a razo poltica
desse tratado, o a elle adheriram com resignacio.
A 21 de roaio, Rosa, relalor da coramisso, con-
cluio a approvaco, e o governo apresenlou o se-
guintc projecto de lei :
x Artigo nico. O governo do re fica autori-
sado a dar plena e inteira exeengo ao tralado
*3&m&sss&M&&ss&&x*
procede aos mclhoramentos
.. ---------------- ------0'nr-se sem
ta merecer o reconhecmcio da Ilaiia. r" potics" ncrar7m\m%rTi'^ da llalia- da
Separada da.Russia por interesses permanen- ffi o Z" ^^l^T'.!v I^a lao 1TOP" J '!"" P .' gloria
lp. da Austria por otfensas serias o recentes,' cao na Servia nao
eclipsada pela Franca, a qual, ero virtude da i so possa crcum
proclamncao do suHraeio universal sa -u-hi i' mr m.>.ia .;;i~^"*" -.-.-."'h-- """ "= '-i uu muuuo, segu, cora calma as pn...
frenio do" movimento Uemocra.i c na E- rop e I PoMcrormenTe 1 uUiVn'^n'o.ici'foaVta, ,1, S^ST ^ dra'"a V* Pera al,u do Rl,en.
em v rludo da assslencia etreriivi n .Ti, : rl-, i ulum.s noticias, cartas de no desenvolvimonlo do qual, ou mais cedo ou
Italia ca inrn !. eiiecuva prestada i Conslantinopla annunciara que Ab.lu-Medjid se mais larde
oppnniujT?n-iiie^ fresa de uma molestia boro assusladora
uppiiiuiuas, a in0iaierra expa noje no seu iso a- provavel que com sua morlo so nipciniien
memo ena.ua .impotencia os males que causou successos j lio imm"nZ,, W-u*:
.___._.,----- .. KV,^V1, mu ;*-.uo d iuu incapaz ue querer para si a alona
lov.menlo regenerador \ agita- dessa eropreza, e que. conliecriido pcrfeilamcnte
ao o menor, o parece diffieil que reverter era seu proveito ludo quanto do grande
prever a revolugao que delerroi- se zer no mundo, segu com calma as primeiras
povo allemo reconhecer
: 6 marcha de accordo com as vistas dola,
pitemos i l'oiavia sempre bom dizer que esst
que
para
procu-
, e para a
povo in-
e recursos,
*pja lem"ira-
Domis o suirra^o unh ersil annlt i ?"">a dS- ne^clos- e d^ mais dislo, segundo af- mi indo
r/pinli,^ 1:1 nppjicado a Fran- rmam, e anlipalhico s reformas,
ga, e introduzdo como uma solucao s dilicul-
dades polilicas, nao s um brili.o que ofTusca a
Gr-Crelanha, lambem um mo exentnlo
as suas classes de operaiios que vidos
ram jmariicipar do previlegio cleilor.i
Irlanda descontente e opj rimida Ao
glez nao falla actividad, energa
mas elle tem perdido, anda que
riameme.o primeiro luga no movimento aclu
Desde muilo lempo que appareceu na Inla-
terra um clamor contra o imposto do papel oue
conlribue para a factura .los livros e dos jornaes
O Riinisterio siibmetlcu li cmara um projecto
de le anolindo csse imposto : o partido tory fez
ao projecto uma opposic io, de que sabio vic-
torioso na cmara dos lods. O gabinete abala-
do com esta derrota pecio quo fosso noroeada
uma coramisso de averiguago, que examinasse
no ponto de vista constitucional asallribuicesda
cmara alta a respeito do vol sobre laxas e im-
poslos Composta osla ce Palmerslon, Gadston,
Russeli, eG. Urey, acamara dos communs no-
roeou tambem a sua conmsso. A questao
lano mais importante quunto nao ha exemplo
segundo riizem, de que o lord? lenham feilo al
o presente acto de iulervmcao em tal materia
que loca aos principios mais essenciaes da cons-
lilingao.
Emfacedetaes eventualidades de um con- rem hers, que precitm'o^Vrecmento^eHei I
tar.

sala
31
do
de
preexistenlc ; o preslar um desses servicosassignalados que uma
mesmo se pode dizer anda com mais razao dos naco nao pdc esquocer lo fcilmente ainda
K^S^ P^1C0S ^' VrM?m0 ona a torar-su ingrala' "um
thw ,11 ?I "PP'S00. no ,iorn""0 d0i fll""- ">" ou menos distante : se se dsse ao
nciomf.nl' el"S lcmPlranS'lado cuidado de pensar quo a Franga nao ambiciona
oJ,,: a n para si a gloria de trabalhar na unificaco italia-
lZ, dellef.esCiPa 4 sene das phases na. Porm deixemos essas perspectivas do ,.-
f r?. i'f q"? co"sllt,,em Pa'a lds o seu na- turo, e tratemos dos relos que c acharo no do-
lural desenvolvimento ; nem um s escapa i minio do presente.
necessidade de passar por esse periodo primitivo
e quasi sempre desapercebido qno Ihes serve co-
natural ; durante o qual va-
mo de existencia
gando de incertezas cm incertezas envolven
cup,rcoesd0 '.IfS' o Z Ane"?ei8 ,,refC- ^WaT. q"5 ^n^mV^'^a'
tii l inmam aJ 9m ^ sc manifes- defendidos conlra a Prussia. a quera le
tam o lomara vida; guiados por uraa influencia o acto de Ilesse Eleiloral qu,
eZ h aqUe.Pr?idCnC, "0S ab0S d0S oradores. !*>" a siluag o aclual
mua precisa Xfm do, ^ffl de;,r'n fr" &"?V Para "" ^ res"abelecfme.o da cons-
mua precisa passam dos escolados do pensa- tilu rao do 1831, e a Prussia
men.o._depo.s de os haver feito bem scismar, pa-1 maca'o ; a asserob, federa
Os qualro eslados da Baviera, Wurlcmberg.IIa-
nover e Saxe, mutuamente compenetrados da
sua mediocre importancia, e della ciosos, para
por s formarem uma liga, approximaram-se da
erem ser
quera leniem. Foi
o aclo de Ilesse Eleiloral que delerminou preci-
apoiava essa reda-
ra is lliPiraa ,,, a --"Y "V" "' pa- m.igau ; a asseruuiei lederal, porm, que como
ricEK^ fi 2? B > A",s,ria se esfora em rePc"'f lda* 'enden-
w
- ILEGVEL
O gabinete de Berlim proleslou, declarando
TT
maio Francisco Jos recebeu na.
throno do de Vienna os membros
desse conselho, cujas sesses sero secretas,
imperador annunciuu-llies importantes projectos
do reformas, asseguraudo-lhes que os diversos
eslados da monarchia scriam dolados do uma
independencia provincial.
Em Praga as feslas de S. Joao Nopomuceno o
grande sanio festejado pela Bohemia, a polica
austraca leve o desazo do descontentar as po-
pulages, era virtude das suas innocentes raani-
feslacoes: nasceram dahi corlas perturbacoes
que despertaram o espirito de nacionalidade o
deram lugar prises, cundomnages, ele.
As cortes de Madrid continuara nos seus 1ra-
balhos. A rainha no seu discurso nao locou no
nome do conde de Montemolin. I). Joo irmao
desie ultimo, data de Londres o seu manifest do
prelendente.
A guerra dos Anglo-Francezes com a China
hnjrt certa. As hostilidades deveram j ler eo-
merado logo aps a rr-jeicao pela curte de Pe-
kn do uliimatum auglo-fraiicez.
_ G. M.
Lisboa SO de junho do 18GO.
0 governo apresentou s curtes um projeelo do
le para a creagao de corpos auxiliares de primei-
ra e segunda classe, em que se alislassem lodos
os cidadaos at aos quarenta annos, e dos quaren-
la annos aus sessenta, para pegarem em armas
quando por qualquer even.lualidade periKasse a
independencia nacional prometi que esTcs nao
serao obngados a servigo ou exercicios alguns
senao quando as necessidades do paiz o pedirem*
Pede mil equinhenlos conlos para compra de ar-
mamenlos e fortificacoes do paiz.
Esta resurreico das antigs milicias, tem pro-
duzdo muilo mo effelo. apezar das promesas
de que nao sero encommodados com exercicio*
e paradas. Por oulro lado de quo servir um alis-
lamento geral, agora quando o governo declara
que nao estamos ameacados de invnso estnn
geira, se se nao armam ja, e se nao industrian,
no manejo das armas e arle da guerra ? No caco-
de ser necessario armar-se o povo conlra uma
invasao, ou um msullo de uma nagao eslran^ei
ra, achar-nos-heroos no mesmo ponto que den-
les lendo nicamente para Ihes apresenlnr um
rol de soldados desarmados o ignorando nela
maior prteos miis leves rudimentos da guerra
Depois a organisaco de uma segunda linh
quando a pnmeira linha carece de reformas im-
portantes, para que se possam utilisar as grandes
sommas que annualmenle se dispendem com o
exercito, de modo que apresentemos a maior for-
ca possivel.
O pedido dos mil e quinhentos conlos causou
lambem mo eicito pela pouca conianga que


liieTeceao paiz o actual niiuisterio. que lem dos- I tooi seguranca. E quando, aps o empreo 5s-
baratado cm nidios para anillados, os mais pin *?, nao se possa conseguir a reiviudicaco de
gues rendirocnlos do estado, i todo o patrimonio defraudado to escandalosa
Quiiihentos eonlospara a fortificaro das fron-11"5 punivelmonle, por certo se hade obter rei-
tcirase littoral, una insignificancia ; mas jul- vindicar alguma parlo delle, arrancando-a das
gando pelos antecedentes, serao provavelmente i Sorras dos abutres que nclla cevam ou cevaram
Mocados na voragem das despezas correntes. uma auriedia rcrgjuhosa, urna vez que mo de
Os armamentos modernos que se desojara, com-1 vijJor trabalhe para obter esse resultado cora o
DURIQ^CTPEBWABMUCO. S.tBBAftn U Bgnajffl bt
prar por mil contos, nao fazem com que o nosso
exercito se aprsente bom disciplinado a instrui-
do, do modo que possamos, fracos como somos,
om numero, oppormo-nos a qualquer tentativ
extranja.
lem-se espalhado que o gorcrno recebera una
nota ingleza cxigiido que o paiz se organise mi-
litarmente, de modo que possa resistir a qualquer
tentativa do reino visinho.
Por ora nao pssa isto de boatos como pateco,
tambem naopassar de boato, calculado para ar-
mar ao animo dos depulados, que o projecto
obra de el-rei D. Tedio V., falh-so al n'nma
carta dirigida pelo soberano ao marechal Salda-
ras, em que 3e quexa da m irupresso que esse
projecto produzio no paiz.
Salamanca cliegou no vapor Navarra.
afinco conveniente.
Nesto estado portanto de deficiencia so aclia a
santa casa de misericordia, a que nos temos re-
ferido : suecumbe inanieo a que a reduziu o
sangue, que llie foi tirado" impiedosamente pelos
proprios zeladores, de maneira que se nao presta
mais aos fins da stia crcacao.
Ha mais de dous annos! no-lodizcm, o respec-
tivo hospital foi encerrado : e assim conserva-so
sem embargo do donativo feito por S. M. o Im-
perador para a sua restaurarlo ; e nao contente
ainda a mo destruidora, que occasionou este es-
tado, e que se nao d com as ruinas do estabe-
lecuncnto no ser lodo, para levar o mal ao ex-
tremo, ordenou o ellecluou o desfaziraento das
acoramodacoes existentes as enfermabas, nao
estando por tanto longe talvcz o da em que de-
As fragatas liollandezas que estavam no Tejo "Pparccara os santos dos altares, assim como se
sahiram honlem. em consequencia da epidemia diz ue ha desapparecido a prata do serrir-o da
phlhalmica que se desenvolver a bordo de to- 'oreja-
das ellas.
Na mala do paquete da companhia Anglo-Lu-
so-Brasileira serei mais extenso.
L.
nao ralificou o
de Hespanha ;
novo
I.on-
HL*IWMIV.
O conde de Montemoliu ainda
scu protesto de renuncia coroa
mas espalhou-se ha das por Madridum
protesta del) Joao de Bourbon, datado de
dres, o lilhographado, que alguna julgam nao
ser authentico mas que entretanto lem produzi-
d.i seasacio. Os monlemolinistas cslao muilo
des orocoados por ser aquelle protesto dirigido
ti cortes, em lugar de o ser aos seus vassallos
A questao assentc neste p, torna-sc uma ques-
fo pessuale nao uma questao de principios ; os
absolutistas hespanhes achan-se sem cliefes ;
um renuncia a lodosos seus direilos i coroa ; o
outro pede que expulsen) a casa reinante e o ele-
vem 10 throno, mas dirige-a s corles e pede 11"'n co"sumdo nos municipios
urnas quosntuinles. i Nazarelh e (oianna, que nao fe
1-is o protesto :
\s corles :O espirito reformador e triste
ex ponencia dos males que tinha Irazido Iles-
panha, em varias occasies a successo das fe-
ineas ao tlirono proiluzio o acto de Filippe V.
I'or morln de el-rei I). Feruaudo VII o cm-
lara ludo ha um paradeiro noste mundo, e s
para essa situaco nao que se hade abrir uma
excepcao na ordem natural das cousas : uma von-
tade forte o persistente na pesquiza 6 o que con-
vmha para reslabelecer o que ha sido delapida-
do impunemente.
Seria este mais um favor, que deveria a pro-
vincia ao Exm Sr. presidente, cuja altenco soli-
citamos confiadamente para aquello estabeleci-
mento ; que bem poderia, mediante a auturisa-
cao dos poderes geraes, ser convenido o/ fun-
dido no que ora se eleva nesU cidade dollecife
cando no entretaulo all em Olinda uma casa
filial.
Foram nomeados pelo tribunal do comnier-
eio agentes do leilo desta prsca os Srs Milito
Borges Ucha e Arphclim Jos di Costa Car-
valho.
Hoje deve ter lugar a arremalaco do im-
posto provincial de 2*500 por cabeca de ga lo va-
de Santo Anlo,
foram submellidos
Jos Baplista lie Cauro cSilv;.
Joao de Castro de Oliveira Guinoraes.
Augusto Pinto de Lemos.
Antonio Jos Pacheco e Silva.
Ovidio Ferreira da Silra.
Flavo Ferreira Catao.
Antonio Jos Conrado.
Joao Ferreira da Costa.
Jo5o Jos da Cruz Huniz.
Jos Francisco Ribeiro
Alexandrino Maximino Leal de Barros.
Sao recusados pelo advogado do reo o Sr
a"oem'CO Bap"S,n' os "guinles Sr. juhes de
Sabino Bruno do Rosario.,
Francisco Vellozo da Bilveira Tilles.
Jos Hygino de Souza Galvo.
Domingos Nunes Ferreira.
Joao Manoel Ribeiro do Couto.
Luiz Antonio de Siqueira.
Dr. Rufino Augusto de Almeida
Francisco Rodrigues Lima e Sil,a.
Manoel Ignacio de Oliveira.
Agostinho Jos dos Sanios.
Manoel Coelho Cintra.
}*6.
^eruae e que i.ao pode ihuImhh ouTiuVfed.ar"
se e nenlium coraoo cmmuderer: a verdade 6
que pois se levanta om grito de todos os poros
na de un, echo loar as enlranhas de Iodos os'
nomens ; a verdade era fin
quera nao lem
w
do
gresso.
res'ime-se nisto
Im |-ila hu.ia (Tu I'1"1" Pr~
Tracai na phantasia esta a
ais out
golpho de Trenlo
ipparlcSo fr*.."' "?;
os lodos que me estis ourindo. I.ivre j f>,
livrc Iirre desde o
m espirito ocioso I Saibam os com-
ba entes que sao contemplados, amados e au-
xiliados. Ao redor desse hom
Ambos estts aruslas comprchendem, mas na
sabem ainda interpretar o sen papel.
F. no entanto leem bem vista um exempto ex-
cellente qne Ibes pode ser de grande ntilidade
Procurem imitar o jogn scenico da senhora Bet-
as re-
com-
usos.
que o
fulguarro um archanjo, o immenso archanjo dos
jovos, a hberdade, em p, com as atas despre-
0 conselho de julgamcnto
guinles Srs. juizes de fado :
compe-sc dos se-
Francisco Borges Leal.
Jos Goncalo doEspirilo-Santo.
Dr. Joao da Costa Ribeiro Machado.
Manoel Aulonio Teixeira de Albuquerque.
Jos AiTonso Ferreira.
Claudiuo da Silva Ferreira.
Genuino Jos lavares.
Rodrigo Jacome Martina Pcreira.
Joao Chrysostomo de Albuquerque.
Sebasliao Lopes Guimaraes Junar.
Manoel Fonseca de Medeiros.
Deferido ao conselho o juramento dos Stinlos
bvaiigelhos, o juiz procedo ao interrogalotio
do reo.
O ministerio publico faz o son dever.
O advogado Graciliano de Paula Baplista faz a
defeza.
Depoia de replicar a promotor a publica, tro-
Mica o advogado do reo o acadmico Miguel Jos
mao os tactos.
.' At'etialo, senhores: a historia que
vive ; bem se podera dizer a historia que sangra.
Do reino de aples fallamos agora. No
reino de aples ha uma s instiluioao- a po-
lica lem cada dislrido a sua commissao de
acoules. Reinam pelo rei dous esbirros. Ajossa
e Maniscalco. Ajossa azorraga aples ; Matiis-
n '"""K3 a Sicilia. Has o latego apenas
um llagello turco ; addiciona-lhe este govemo o
expediente da nquisko os tratos. Trastes,
cerUmenta Ouvi. m beleguin, Bcuno, amarra
os aecusados com a cabeca entre os joclhos ale
conlessarem. Outro beleguin. Pontillo. assen-
i-os em grelhas e accende-lhes por baixo um
ju-azeiro : chama-se a isto a poltrona ardenle.
""tro beleguin, Luiz Maniscalco,prente do bele-
guinmor, invcutou um novo instrumento ; in-
truduz-se nellc um braco ou perna do paciente,
aa se volla uma tarraeha, e o membro lira Iri-
tiirado ; a este chama-se
Oulro suspende
arso"
todos estes padres Conscriptos da intdl.gcn,
universal, lodos estes membros do senado dos
seclos, e a sua direila e sua esquerda os dous
temerosos grandes homensDante e Miguel An-
gcio.
Fallando a lingua que praz a poltica, ser o
pho quo advento I que maravilhoso i.henome-
no esse da uu.d.de .iraveaaaj.Ho no relance de
uma vibrarao luminosa esta pompeante varieda-
nnrl^'daue lr,,"Aas: Milao- Turi"'. Genova,
Horenca, Bolonha. Piza. Sicnna. Venina P"-
ma, Palmo, Mselos. aples, Venosa o Roma.
A Italia ergue-se; a Italia caminha. I'aluit
dea. Expande-se; d.llunde-se; communira
progresso do mundo inleiro a
febre jovial, caracterstica do
riniHUc'iL8 F"0P.' i0S raiS ** Prodigiosa
SCiDllacae: e nao lerao os povos menos subli-
Gaixa filial dobaneo do brasil
em Peroambuco.
EM 10 DE JULIfO DE 1860.
Directores da semana os Srs. :
Francisco Joao de Bmos e Joao da Silva Ro-
gadas
A caixa desconta letras a 10 O/o, toma saques
sobre a praca do Rio de Janeiro e recebe dinliei-
ro ao premio de 8 0 ij ao anno.
Alfamle^a.
Rendimento do da 1 a 12.
dem do dia 13. .
121:27^808
9.6*65821
130.'J0Cl)O
ao
ingente febre, a
reu genio. Elec-
me reverberacao as frontes, nao ha vera menos
raSao, menos alvoroco, menos deslumbra-
ua Ierra duque
machina anglica.
um homem pelos bracos a duas j ment por'esta nova
as n uma parede e pelos ps oulras duas por un novo asn, no co
na parede ronteira ; salla-lhe depois em cima, | Se
desconjunta-o. Ha anginhos que esmagam os
dedos. Ha o torniquete aperta caberas, circulo
a lidiarlo em sessao da junta
efectivamente
de 12.
Informara-nos que uma sociedade de mar-
chantes est em termos ilc levantai-se entre ni,
com o lira de elevar a mataiica desla cidade
arares proporcoes ; e quo isto tem suscitado
inte das paixoes polticas suscitou a questao dvm- paode clamor enlre os alravessadores que la-
oaslicaL
O partido liberal, invocando as reformas das-
presou uma das mais transcendentes, qual era a
d>: evitar que os deslios da patria se acliem
merc dos caprichos de uma mulher.
As corles de 1S3I arrogunlo-se os
que s poderiam reconhecer-se n'umas cortes
constilaintes emenospresando a legalidade lixa-
ram a sua altenco no que inlgaram ser a conve-
niencia poltica da poca, o declararan] a mioha
familia fosase nao s privada do direlo de suc-
eder corda, mas tambem expatriada.
preciso confessar que as asptraces das cor-
tos lem sido terrivelmente defraudados, o vinle
sote annos de experiencia, leem pulido de-
ri. rislrar que as exagerarles polticas, e os con-
trasensasno tem sido capazes de estabelecer em
Ilespaupa os bous principios de uma poltica il-
I rada, nao leem perraittido os progressos que
eraraido esperar de um paiz dolado pela Provi-
dencia de tantas riquezas e disposico de um
povo tao intellignnte, como dcil, tao" intrpido
generoso. As reformas leem-se feito em
\ QOftservaqdo-se a msior parlo dos amigos
abusos sem que se hajam feito adiantamenlos
palpareis com o espirito do seculo.
< As cortes de 1831 incompetentes para pri-
var-rao dos nieus direilos, tinham uma origem
multo im"siuinh.1 para abrir a porta s reformas
c ira [ue fallazmente allagiram o pw..
A Providencia parece ter desojado desapprovar
d: om modo inequvoco o desacertado procedi-
mento das cortes do estatuto, querendo alterar
a< l'is que regulara tao solemne como sabiamen-
sucessao ao throno.Basta refleclir no quadro
que apresentsria a najo se morresse hoje a se-
nhora que de fado oceupa o throno. IIj por ven-
lura algura Hespanhol, digno de tal nomo, na
mais humilde clisse do povo,senta-se accaso i
: is cortes a'.guin scna.lor ou dcpulado, que ac-
ecile por soberano algum lilho de Isabel do
Bourbon 1
A morte desla senhora produziria guerras e
des irdens com demasiados pontos de contado
i ni outra poca de tristes recordar-Oes para Cas-
tella.
As cort 9 iliaram legalirMo, o converiien-
. paiz, como ao docrelaVom a inhabUila-
. i o expulso de minha familia nem tiveram
motivos legaes, nem foi ouvido meu pai (que
Deus lenha em santa gloria) nem pessoa alguma
era meu nome, e que easas cortes nao represen-
ta va m o paiz, e por conseguinte nSo eram com-
ites para a questao quo to facciosamente se
tratou :
Photesto do molo ni lis solemne, fice da
i'. ni, dj de a-elo das ditas cortes, pelo qual se
S "' i ibllilar a minha familia para a suc :e ibo
ao throno, cappello para as actuaos, pedtu.do-
ponham discusso o direlo e conveniencia
sobre a impoiiaiicia o transcendental questao da
issao o oceupaco do tlirono, e se for mis-
te r, eu mesmoacudirei gosloso s cortes para sus-
tentar os nieus direilos e a conveniencia e noces-
si Ic de ser expulsa do throno D. Isabel de
Bourbon e sua familia.
I', se estas corles se nao julgam compelenles
para tratar loo importante questao para o p-nz,
peco-lhe quo manifeslem a necessidade da con-
vocado de urnas corles constiluiites para tal
Cm.
Londres, 16 do junho de 1860.
Joiio de Bourbon.
Nos jornaes e correspondencias de Hespanha,
q : tem is vista nao se achn cousa alguma dig-
na de mencionar.
L.
PERNAWBUCO.
REVISTA DIARIA.
Iham carne para o consumo della.
113 quera nisto enxergue um mal para a popu-
lacao, porque n'umasociedade em taes eoodices,
n uma sociedade de arbitrio e sem resiricci ou
taxa.-ao do rusto da carne que exponha Venda,
dretos so P''a haver receios, e jamis vautagens para
' consumidor ; mas. como quer que seja, ou ella
se erija matando essi que ora ah se emprega
em tal trafico, ou subsista o abastecimenlo pelo
modo actual, o governo deve ter uma pessoa a
quem incumba a vigilancia de tal negocio, pois
que elle necia mu directamente iuteresses vi-
laesda communho social.
Hoje sobe scina, pela 4'1 vez, a opera
Traviala, pela companhia lyrica do Sania Izabel,
em recita extraordinaria.
Amanhaa lem lugar a reuniao do consellio
de revista da guarda nacional deste municipio,se-
gundo o disposlo no art. 23 do decreto de 12 de
marro de 1853.
A sua reuniao no paco municipal.
O Exm. Sr. presidente da provincia, lendo
marcado o dia '2!l do crrente is 11 horas da ma-
iina para nelle ter lugar em uma sala doliospi-
oo Paraso, a nstituiro da irmindade da Mise-
ricordia, creada nesta cidade, nos termos da le
provincial n. 48D de 12 de junho de 18, resolveu
por portara de honlera. nomear as pessoas,que
devem compor a respectiva junta administrativa,
o sao oscidados seguintes :
l'rovedor,
Dr. Anselmo Francisco Perelti.
I'ice-l'rovedor.
Dr. Joao Gapistrano Bandeira de Mello.
Thetoureiro etmoler.
Jos Pires Ferreira.
Mor domos.
Biraodo Livramenlo.
1 Dr, Manoel Ferreira d.i Silva.
Dr. Antonio Herculano de Souza Bandeira.
Dr. Jos liayiiiundo da Costa Menczes.
Justino Poreira de Paria.
Jos Joaquim Antones.
Jos Antonio de Brito Bastos.
Antonio Jos Gomes do Crrelo.
Juao Pinto de Lemos Jnior.
Amonio de Maraes Gomes Ferreira.
Mordamos supplentes.
Dr. Cypriano l'ciicloli liuedes Alcol'orado.
Antonio Carlos de Pnho Borges.
Floriano Corroa de Brito.
Manoel Ferreira Antones Vilaca.
Francisco Accioli de Gouveia Los.
Antonia Jos de Castro,
Jos l'erera Vanna.
Joao Baplista Fragoso.
l'j-sigiiros viudos dos portosdos'jl
po.' Persinunga:
Francisco X. V. de S, Aulonio Joaquim d S.
Vile.lla, Manoel ''.. G. Sicupira, Antonio Jos d
S. e S., Antonio G. de Pioho, A. J. do Livramen-
lo, Theoplnlo G. Franca, Benlo Ferreira Guima-
raes, Valeriana C. da" Conceicio Peixoto, Pedro
de A. Buarque, Antonio F. da"Silva GaspaT, An-
tonio F. de Albuquerque, F. O. Buarque do Mace-
do, A. .1. Villar e 1 esclavo, B J. Feneira, H. de
M. Caldoso, F. da Costa Maia, Francisca M. das
Dores, Joao L. do llego, J. G. da Silva.
Passageiros vndosno vaporfrancezYavar-
re, dos porlos da Europa :
Suillon Didiere sua senhora, Rosendo Cesar de
ijuis, Dr. Joao P. Maduro da Fonseca sua senho-
ra, 2 lillios e 1 criada, Domingos Jos Ferreira
Passageiros que seguem para o sul no mes-
lo vapor :
Eugenio Tissel, Pedro C. de Souza Gonzaga, J.
l*err, M.unnier Len lino.
Matadol'uo publico :
Malaram-se no dia 13 do correle
consumo desla cidade 8> mes.
MORTALIOADE DO l)IA 13 O C0I1RENTB:
C. Langhlan, branco, solleiro, 36 annos ; dcsin-
teria.
Antonia Maris do Carme, parda, solleira, 50 an-
uos ; inflaramacao enrollice.
Julia, branca, 7 annos ; angina.
Manoel, nardo, 7 das : espasmo.
Barbara Francisca de Almeida, branca, viuva, 73
annos ; congeslo cerebral.
Jcronyraa, parda, 12 annos ; cscrophu
Francisca Mara de Jess,
nos ; maligna.
Caetana, pardi, solleira,
phoide.
Paulina, parda, 6 mezes ; apoplexia.
Fiel, obra, 4 annos; escarlatina.
Hospital dk caridade. Existem 62 ho-
mens e 57 mulheres, nacionaes; 7 homens cs-
Irangeiros, e 1 escravo, total 127.
Na totaldade dos doeotes existem 37 alienados,
sendo 30 mulheres e 7 homens.
de Almeida Pernambuco.
Resumido o dbale o Sr Dr iuiz de direlo bugaha c ('";'sl ""nenia osolhos.
formula osquesilos propoe a ,J ry de e L aS!?"'1*" ^",r^,, F" UmPm' **?*"
lenca, e em vista das repoSta, d< urv de sen- lltV^l'm^T e evad,-so- Sua mulllpr.
- absolve ao acensado e eoiidioSa a^ mS- %%'^^* F'^ 6 >*,,,,te^
sentenra '
i bem o homem de hontem; antes de ser soldado
da Uid.de, italiano, fui combteme da re:
bllCa r.>ni:ir,i A._______ ... .. "
Movlment da alfaiidegra
52
36
Volumes saludos com fazenas
com gneros
Volumes entrados com fa/endas
com gneros
-----8
(9
385
Patacho
Patacho
nicipildade as cusas,
para o superior tribunal'
e appel a da
da rela-o.
DIARIO DE PERNAMBUCO^
Recebemos pelo vapor Novar-e, da linl.n de
Bordetti, cartas e jornaes da Europa com as se-
gutntes dalas : I.imburgo 2o. Lordres 22, Pars
. Hepanha 25, e Lisboa 29 de junho R. p.
co-nosMO-C~~r-'e-Wlen,e de L,sWi CUJrau"'-
Roma
Ao ministro
de-
con-
seguintes despachos telegraphicos
557 de junho, 11 hoias d
_ da nianha :
los negocios eslrangdros de Porlu-
gai u re de aples proclanou a conslitui-
i' jo. spinetl, foi nomeado presi-Ienle do conse-
IhO de ministros. Governo, separado do da Si-
cilia O principe Trapani. cunhado do
meado vice-rei.Assignado
carregado_ de negocios.
Par 27 u ministra de franca junio cor-
te de capoles levou duas bengaladas na ra de
loledo d'aquella cidade. Julga-se
n a aggresso do
re, no-
viscinde d'Alta, cu-
que procede-
>arlulo-anli-reforimista
" Confina o cabo Zeferana com uma plaga de
serta ; occorrem a esta plaga os belleguins car-
regando uos saceos; em cada um desles ha um
homem : mergulham na agua o sacco, c sub-
merso 0 conservan! al se n.io bolir, alam-no
enlo e dzem ao ente que dentro agonisa
fessa Se rerusa, torna a mergu
vienna, do Messina, expirou assim.
Raa em Monreale um ancio e sua Dlha,
arabossuspeitoa da patriotismo: ovelbomorreu
debaixo do aroule, a lilha, uma mulher grvida,
impdicamente desnudada, morreu debaixo do
aroute.
Existe, senhores, um mancebo de vinte an-
nos que assim procede. Tem por nome esto
mancebo Francisco II. Tassam-se estas cousas
no paiz do Tiberio.
E'possivcl? E' aulhentico. Adata? 1860.
Este annoem que estamos.
Accrescenlai aislo o fado de hontem. Pa- :
lermo dilacerada das bombardas, allegada em
sangue, seme-ada de morios; accrescenlai
essa horrfica iradieco do exieio de cidades, que
parece a furia maniaca de uma familia, o une na
romana.
emisor-
as Irevas,
leca-se a in-
anuahia progredo em Palermo a organisaco
das tropas. lem sido apresados varios navios
quo levavam soccorros de gente e municoes
nio- f -i J0SSi'' (lircct0r ()a polica em a-
ples, loidemillide, sem as honras do cargo nem
penso alguma. Comeca a dar ignaes de alic-
nacao. A esquadra ingTeza, em aples, coma
com mais 4 naos de linha. u Piemonle prose-
gue nos seus armamentos com giandc activida-
ae. lormou-se ltimamente em Florenca uma
commissao central favor da unidade '
Anda se nao sabia que efiVilo
Palermo a outhorga da cousiiiuico' napolian'e i?"4
as disposiroes do re em reiaco to vce reinado IX'"
aa Sicilia. Era de presumir que no estado o que
Cliegaram as cousas, tal resolucao j fosse tarda
nan.Thi ";lP.ollla"aS &** mandadas
rfr^f rU""1? cpara aCalibrii tomaram
j.i osi.oes n aquellas provincias, governo do
aples lem perdido a torca rooial amda mais
com a enfermidade do seu joven soberano c
ro ,.r'*P e"lre*a*.os uavios e pr.sione-
Nao a (Tas-
he deltarmos
italiana,
produzira em
Era Jersey, o principe dos poe
no va-
para o
la.
parda, solleira 15 an-
17 annos ; febre ty-
Tratando-se da creaco de urna irmandade
d i misericordia nesta cidade, cojo compromisso :
i'i se acha apprnvado pelas duas autoridades su-
periores, s quaes isto incumba, uo ser fora de
proposito que, depois di que j deixamos escrip i
to em outra parle desle Diario acerca desla ma- .
loria, tacamos agora uma relroverso de Olinda :
na apreciae.au succinta do que fui ella, e do que
boje Directivamente.
Uom effeito, quera leslemunholi os das de es-
plendor da Santa Cusa de Misericordia de Olinda,
e hoje a vfi laucada no abandono em que se acha'
no estado da decadencia mais deploravel, seni'
recursos nem bens palrimoniaes; quem isto vio '
t v de presente o contrario, nao pode deixar d '
indagar justificadamente, se esse csialielecmen-
to foi por ventura invadido e saqueado por al-'
gum exercito inimigo .'
Mas nao pare-se nessa forma ordinaria da cu-
riosidadc ; leve-se o espirito da apresiacao do
Jacto mais odiante, e ver-sc-ha enlo que" a sup-
1 asta invasao se nao deu, apezar de tudo rere- '
la-la; que toda essa destruico que ahi seos-'
lenta, fillia da inercia por um lado e da, dilapi- '
d.i.io por outro, sendo uma o outra do uma pro-
dencia que nao era de presumir.
o patrimonio desse importante eslabelecimen-
to dizem-nos que montiva mais de 200.000a,' d...,j. j P ."."" .,"" '"v
grande parte dos quaes existia juros com hy- _..? Sr.' ?r-.1uJ~ de dyeito da
_l'oram^ visitadas as enfermaras pelo cirurgiao
mlos7hora^ e -55 minutos da manha, pelo Dr.
ornellas, s 7 horas o 35 da manha.
CHRONICA JUICURIA.
JURY DO RECIPE.
SESSAO EM 13 DE JLHO DE 1800.
meira vara criminal Bernardo
Cosa oria.
pri-
Madiado da
pothecas, fiadores idneos, ou mediante scu-
raness taes, que nao podiara elles desapparecer
por fortuitos que podessem sobrevir, e desappa-. Promotor publico o Sr. Dr. Francisco Leopoldi-
recer por um modo lao singular, que denuncia no de Gusmo Lobo.
um calculo longamenlc esludado, uma perversi-......
tade magistral, um crime que foi sobre ludo sem /l8cr!l'ao .,"'e.'!1"? Sr- Antonio Joaquim Pe-
liaver cousa alguma, qne llie obstasse a marcha : relra Oliveira.
punivel. Sim, para consccuco dos fins. dzem-; A's onze horas da manh?a presentes o Dr
n o uma voz, arrancaram-se folhas do livro das juiz do direito, Dr. promotor publico cescrivao
liypothecss; subir uram-se autos de execuces, interino Oliveira, esto proceded chamada Comi-
dos respectivos carinos; bens que eslavam ar-! nal dos Srs. jurados, e verifica estaremo c"eL
rendados, passaram a ser considerados fe re i roa ; 37 juizes de fado. esiarem piesentes
<: outros que linharn esta quadadc, foram lrans- c-
fbrmados cm allodiaes, em proprios desta ou da- mullados cm 20000 os Srs. juizes Je fado
quella indivividualidade, que perlencia igreja, ^"c I,ao .C0D'pareccram, e relevados das mu-
ou que a ella comprava-os. < tas anteriores os senhores que assisliram aos
E desla sorte o que hontem era imporlanle I lraDa"10S-
hoje nem sombras disto ofTerece. fj dispensado de servir na prsenle secs5o i..
2 ^ii?. P,^Pn,_f.ra.u-m mel 1e Pss;1 diciaria.'o Sr. Manoel Jos Leitpor "tai resi-
diodo forado termo em commissao do governo.
servir de remedio 5 esta situado, ao raesmo pns-
so que desfara essa meiada de Crimea edo-
frao'dacoesY
Ser inulil dize-lo, por quo seria rf petir o que
o bom senso atiesta, visto que o crime sempre
dexa rasto para ser seguido,e alinal apanhado cm
E submetlido julgamenlo o processo do reo
Joaquim Jos de Sant'Anna, pronunciado por cri-
me de oleiisas physicas, como incurso no art.
II do cdigo criminal, e preso na casa de de-
seu ultimo refugio. De vestigio em vestigio, po- leDSao desde a80S, de 1859-
der-se-ha chegar ao conhecimenlo, se nao pie-I Procedendo-se ao sorleio sao recusados celo
riissimo. ao menos cabal da verdade : os meios ministerio publico os seguintes Srs iulzes de
que convm que sejam empregados lempo e fado : J
quelie comi-
represeutar ao governo ingle: '
que erapregasse a su i olueneia, e'
accao pm otaia- toja ,-, dea de iaterrenco
as di.liberar.)es da Sicilia.
Faruii chegou Sicilia. A sua hegada nao foi
bem aceita dos insurgentes Mrtzan* era es i
lado na Sicilia, Dous mil voluntarios commanda-
dos por Medici tinham desembarcado as cos-
as da Calabria. Gar.baldi empregava rom bom
xito os mais eiheazes esforcos pira organisar e
nai desenvolvimenio a insurreicii. Em todo o
paiz se eslava procedendo ao armnmenlo e or- '
gamsarao da milicia nacional. Garibaldi nao1
wm taita de dinheiro; as subscripedes leem sido
avuiiadissmas e nos cofres pblicos exUtiam
grossas sommas com que rai fazondo face s suas !
despezas uxtraordioanas. Garibakii parece insa-
ciavel na sua tentativa ; dizia-se om Pars que
o lamoso revolucionario marchada conira N-'
poles, comquanto alguem juigasse tambera que :
o grosso do seu exercito se dirigida sbreos
Abruzzios, sendo o coronel Med d encarrega-;
do de tomar posse de Messiaa. Gaiibaldi cotila
com um exercito de 40 mil homens.
O coogresso dos soberanos em Badn conti-
nuava a servir de lliema
A
da repu-
Aos nossos olhos. aos olhos de
qusnos sapera comprehenderos gyros necessa-
,wS,d Sfgrf8!2x,erpean.d0 P" oseu filo, c as
t 0d,a "lea lr'"'sf'>rmai.do-se para reap-
parecer, 18611 eontina 1S0. V
S.io grandes os libertadores Siga-os as
suas fortunas diversas o leconhecin.ento e a
atclamarao dos povos. Hontem as lagrimas
hoje o Hossannah. John Brown suecumbe na
a-o. Giovanni! America, mas Ganbaldi triurapha na Europa A
hamanidade, consternada ante o cadafalso infa-
me de Charlestown, reconrorla-se 'visla da co-
ruscante espada de Calaialini.
Esta c a hora das alegras e dos amploxos
o meus irmaos em hlimanidade. Apartemos lo-
d^ a parc.alidade exclusiva, todo o poltico d,-
seurtraento, agora pequeo. Na bemaventurada
conjunctura em quo noa adiamos Rxemos ni-
camente os olhos n'esta obra santa, n'esle alvo
solemne, n esta vasta aurora- a emancipado
da* naroes. Confundamos lodas as nossas al-
mas ueste grito furmidavel, digno do genero
Humano e digno do eco ; viva a hberdade I
I os que a America, lgubremente
vadora das senides, se inclina para
avive-se a luz na Europa. Restan
a civiliMo do amigo continente, que abo-
orilh-rfU.P.eril,Sa0.J,0.r l>ilsc''1- a Mcravldao por
Wilberforce. o patbulo por Boceara; restare-
se no seu fulgor, d'ora avante inexlnguivel
ssa ci-ilisar.u, prmogei.ila, c exalce ella o-
SET, h0l"T ? 'el.S, Pharol.composto
desle des grandes luzeiros : a Franca, a Iu-
glaterra, a Italia.
Poucas palavras mais, senhores.
temos a altenco da Sicilia, sem II
anda os olhos. Final isa mos.
Qual a consequencia d'esles picos res-
plandecimentos ? (Jue se ha de deprehender c
concluir de ludo islo ? Uma tei mural, uma le
augusta; ei-la :
Nao existo a forca.
Nao, a forra nao prevalece. S o direito
persevera c tiiumpha !
Stoe persistem os principios: soooersis.
No mesmo ponto em que o herdeiro do di- lem juslica o verdade sao e i.
reilo divino cstende o braro para o sceptro, logo .''os ; sao* e persistem os espiritos
se llie acorcam os dous vampiros. ideal ; e porsisle a
Ajosso e Masniscalco, j condecidos da his-i Providencia no co.
toria, quo n'oulros lugares e lempos ihes chama I O que faz a forra ? o que faz o ferro 9 Dual
Narciso c Pallas, ou Villeroy e Dachelier, ap0-!dosque peusam lee'm medo di^s Nen.um ,,'
deram-se estes espectros da triste creanca coroa- i >'s homens IWres da Franca nenhum de vos lio
' S!i?J. ff? da ,n*,aierra. o conrencimento do
, direito altea as caberas. A forra e o ferro pro-
|duiem o nada. O ferro das laminas amcacado
ras 0 apenas um luido fusilar as sombras, um
rapmq o trgico desmaio : o direito a irradia-
cao eterna ; o direito a permanencia do verda-
dero as almas, o direlo Deus vm. o ho-
i procede que onde esl o direlo,
o. Um s homem ten-
ia ma-se legio ; uma
lirelo, chama -se
raio. Uuem diz direito, diz victoria. Obstcu-
los 1 Nao os ha. Nao ha, uio. Que velo se ha
de oppor volitado do futuro? Olhai para o es-
lado das resistencias na Europa ; a paralysia en-
torpece a Auslna ; a resignadlo cruza os bracos
a Russia.
Vede aples, baldada a lula. Agita-so
em rao o passado agonisante. o ferio dissi-
pa-se em fumo. L'sses vultos chamados Lanza
l.andi, Aquiile, sao phaiilastnas. Francisco II
julga a estas horas existir oinda. Engana-se.
tsso llie assevero eu, que uma sombra. Pdr
iccusar as capitulares, assassnai Messina, co-
mo assassinou Palermo, oferrar-se alrocidade
acabou-se : remou. Balcm j ao portal de seus
I paros os negros coreis do exilio.
Nao ha, senhores, seno o direito, digo-
; ro-lo eu. Queris comparar o direito forra ?
i-lulgai pelos nmeros. A" 11 de maio 800 10-
|mensdesombarcaram em Marsala. Vinte esele
das depois, 7 de junho, 18,000 homens embar-
cara em Palermo. Us 8u homens es o di-
relo ; os 18:000 homens es a forca.
Consolcm-se om toda a parte os que ge-
mem no padecmento ; alentem-se em todos"os
transes os que padecen! em grilhes. Va
densa de mesmo passaudo a loaica dos i<.nino i
Descarregam hoje 14dejulho
oglezBellefazendas.
dinamarquezMariadem.
Barca americanaBrasleiradem.
Escuna inglezaBallhorofarinha de Irigo.
Consulutlu gcral-
Rendimento do dia I a 12.
dem do dia 13. .
45
11535*886
23 082
_12:770s068
Diversas provincias.
Rendimento do dia 1 a 12. 2:17||504
2:1715501
dem do dia 13.
Receberloria do renilns internas
geraes de Pernambuco
Rendimento do dia 1 a 12. 22:r>17;0!7
...... 743J994
dem do dia 13.
83:2613911
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 12. 44.272f693
dem do dia 13....... 7449789
45:017#882
Moviment do porto.
istorla Uesbaplisar heiliondamente a dy'nastia l" a
mudada de Bourbon em Bomba.
E' assim. Um moco de vinte annos comet-
i lodos esles feitos siiiislros. Declaro, senho-
res, que me de uma commiseraro profunda
quando pens nesse msero rei juvenil.
Que trovas! E' a idade de amar, de crer, i
do esperar; e elle naquella idade marlyrisa e
assassna. Isto fez o direlo divino d'essa alma
desamparada. Subsiilue-lhe o direito divino, s
generosidades da adolescencia e do inicio as'
descrepidesas e terrores do lira: sida a Iradie-
co sanguinaria com cadea entre o principe o o !
povo; accumula sobre o novco do throno as iu- |
flucocias da familia, cousas tremendas! Aparlai
| do Nero.Agripina, eslroncai de Carlos IX, Catha- i
rna de Mediis, e acaso nao lereis j nem Carlos ''
' ~m ero.
e persistem os po-
phslanges do
conscicncia na ierra, a
Navios entrados no dia 12.
Rio Grande do Sul16 dias, brigufi nacional Im-
perador, de 149 toneladas, capilao elemento
Jos da Costa, equipagem 12, carga 7,000 ar-
robas de carne ; a ordem.
Macei e porlos intermedios44 horas, vapor
nacional Pertiaunga, commandaiile M. J. Lo-
bato.
Navios entrados no dia 13.
Bordeaux e porlos intermedios16 das, vapor
francs Navarre, de 1,271 toneladas, comman-
danie Feliz Vedel, equipagem 100, carga de-
ferentes gneros.
Liverpool50 dias, patacho nglez Atrevido, de
150 toneladas, capilao J. Pearce, equipagem 8,
carga fazendas e mais gneros ; a Henry
Gibson.
Rio de Janeiro8 dias, hrigue porlugiiez Laiit
III. de 222 toneladas. capitoJos Jauuario da
Costa, equipagem 12, em lastro, a Francisco
S. Ilabello & Filho.
ao sabidos no mesmo dia.
Porlos do SulVapor francez Navarre, comman-
d.inle Flix Vedel.
Rio da PralaPolaca nacional Marinho, capito
Antonio Jos dos Sanios Pcicira, carga assucar
e mais gneros.
mons-
da ; o polibulo declara-lhe : eu sou o governo ; a
tortura'afflrma-lhe; eu sau a autoridade; a po-
lica liz-Uie; venlio l de cTina. Apontam-llie
seu av Fernando
rerna-so com tres
sou av Fran-
para seu pai
remando II, o hornera da metraiha.
IIi de elle renegar os seos? Provam-'he
como lliecumpre ser feroz par oiedade filia!.
Obedece; estupidifica-o o embrutec ment
do poder absoluto; d novo ser a lilhos
tru usos.
Ai! assim, por este encadeamenlo fatal,
que reis moros continuara as relhas lyrannias.
o Importara libertar este povo ; cstou tenta-
do a dizer iniporlava libertar este rei. Encarre-
gou-so disso Garibaldi.
Garibaldi. Que c Garibaldi? Lm homem,
nada mais. Mas um homem no sentido coniple-
' lo e sublime da palavra, umvarao. Um homem
' da liberdade ; um homem da humanidade. Tir,
dira o seu compatriota Virgilio.
I Tem exercito f Nao. Um punhado de vo-
luntarios. Municoes? Escassas. Plvora? Uns
harris. Reserva? Ncnhumas. Artilharia? A
dos inimigos.
Qual enlSo a sua forca. O que o faz
.vencer? Quem est com elle? A alma dos
: povos. Avance, vda a sua marcha ; o seu tro-
, co (le homens assombra e fulmina os regimenlos;
suas Iracas armas sao armas encantadas ; os
m as balas
esl a certeza do Iriumphi
do eomsigo o direlo, el
s espada leudo comsig
Uuem diz direito.
empos em
! fora um
(ido uma
re-
.-uuuigu i tanipagos.
PniMiL" I8. Par" : I0"" obstinada que seja a resistencia, maravilha
SS do lanover lLmJ' ^7^ 1*"^^ df'a W* ^ ura horaein
parece que nao figurara no congrego de Badn:' Sa" Uma rea,eza' Nua-lhe em roJa s
A Inglaterra tratara activamente da defeza das
suas costas, de modo que forras niliiarcs pouco
considerareis, possara resistir torcas supe-
riores, pondo ao mesmo tempo a; tropas menos
exerciladas as circumstancas do lularem, com
bom resultado, contra exercitos, irais bem'disci-
plinados. Para a execuco deste
poe-se uma sommade 11:830:000 libras. O Mor- trar
ensarne.
Chorem-lhe flores as mulheres, ccmbalem
Cantando os homens, e o exercito real foge.
E' era ludo esas aventura uma opopa ;
ardenle, formidavel e graciosa como um ataque
de abelhas.
Admirai as radiantes jornadas que vos anon-
irojecto. pro- to. E d.go-vol-o eu. neo huma deltas se ti
istxsjsr^pouco *5q "eT- **F&2f!&i S:S
d!/ aauMU ii,, 1 "a,: dcpis de Messina- ^ai-oles: depois de Na-
"zJ"l I ). vemos O poles. Boma- dnnni il Rnm. Vano,,- UopoiS
Por
lado
Se
cardeaes
lgica dos tempos
agora
senhores; a convulsao desla
qual se ve hoje rutilar o pa-
-isposices iriolismo, a f. a liberdadc.a honra, a heroecida-'
K .1,. n i Mi ou guerra? de, e uma revoluco com chammas de eclipsar
lie il. :;,.: i nao na nada nulavcl, eiiau o o Etna
n.ZVZl\Sll^LCX'h,tVnQ P ,0S. .S Boub0"''' Esiava Para ". devia ser, e maior prtenlo
2S? Pn? i q .f dl3,cu,am a Ici d,: succ- e que o exemplo seja dado no mundo pela Ierra
sao, para que de modo algum re:aia o governo das erupces
cm maos femcn.s, e que se assim o decidirem,' Quo bello se aprsenla um povo em lhe
2Lu mit'lrnni9^01 "u^ *** documen, chegando a hora Que admiravel cousa esse ar-
circula lilhographado em Madrid, mas aimprcn-i ruido, essa dillalaco, esse esquecimento dos in-
rTp0J1ra^S.rr,CVfU i twesses vis c das" fragilidades humanas, essas
Em Portugal linha sido proposli pelo governo | mulheres impellindo os maridse combalendo
s cortes a creacao de uma 2' I.alia em raassa, com elles, essas mes bradaodo aos lilhos: ide !
5?tt rn S cl,I:daos 'Moa, essa alegra de correr as armas, de respirar, o
, s.\nf af 60 annos- Pedira-se um crdito de ser, esse grito de lodos os gritos, esse claro
de 1 ,o00 contos para compra de rmas arlilha- immenso no horisonle. Nioguem pensa no augmen
n,?niIC*8 .e.reP"ros "as Pecase fortalezas, lo de palrimonio.no ouro, no estomago, nos pra-
0 projecto 6 violentamente com .al.do pela op- zeres, ua idioiicaca,o da orgia; tom cada qual
Sane? qU minislcn0 n:0 ln3P'ra con- vergonha.eorgulho. akam-se todos ;dissipam-c
ruL...<. .. .. j j i- i as barbarias, dosmoronra-se os despotismos, as
omSdnr^ repeliera as cscravdes. as Par-
Sfti: a0S ojlandezes. As natas d'aquella Ihenons sacodem os Crescenles, e a Mioerva Ap-
n?Sio que se achavam no Tejo, tinhara saludo no lera, symbolo da victoria, surge no soalheiro
da 28.
O estado sanitario, era excellenle. Os tributos
iara passando as duas casas do parlamento.
Fallava-se em nova prorogacao Jas corles por
mais 20 dias. A siluacao esia'ra ?rofundaraenle
abalada, e dizia-se que olguns dos ministros
inslavam pela sua demisso.
Senhores, cedo ao vosso convite. Onde quer
que se erguo uma tribuna para a liberdade, e
essa tribuna me chama, a ella CDrro, o meu
inslincto : della digo a verdade, 6 o meu dever.
A verdade, ei-la: a verdade que nesta
hora a ninguem 6 perroitiido ficar indifterenle s
grandes cousas que se eslo effecli ando; a ver-
dade que obra augusta da ermneipaco uni-
versal, hoje comecada, se deve o esforco de todos,
o concurso de lodos, o adjuiorio de todos a'
a tuba da esperanza aos quatro pontos
do horisonle. Esperem lodos, o mu-
jik, o fellah, o proletario, o paria, o negro ven-
dido, o branco Oppresso. Sao uma rede as ca-
deias ; andam entrelacadas ; rota uma, solla-se
a malha. D'ahi vem.a soliJareJade dos despo-
tismos. Pela communho do despotismo, Ro-
ma, sem o saber, da a mo Conslaiiiinopla.
Repilo-o porm : esl acabado. Grande cou-
sa a forca das cousas Sobre-humana parece
esta redempeo. Ha ua liberdade a alraccao de
um abysmo divino ; na essencia das revofn;5es
acharis a irresislibilidade. Resume-se o pro-
gresso n'um phenomeno de graviaco. Quem
ha de trava-lo c obslar-lhe? Dado" o impulso,
comeca o indomavel.
D'aqui vos desafio, despolas, tende l mao
na pedra que desaba, leude mo nos gelos que
se desalara, tende mo na torrente, tende mo
na Italia, tende mao em 89, vede se podis
suster o mundo, precipitado pela mo de Dous
em ocanos de luz 1
erapunhando al anca. Descerram-se as sepultu-
ras ; rouvidam-se de tmulo em tmulo os que
jazem. Ressuscilae I E' mai3 do que a vida, 6
a apotheose E' una palpitado divina; e-os
heroicos vencidos do passado consolam-se, c os
olhos aos philosophos proscriptos inundam-se de
lagrimas jubilosas quando os degenerados se in-
dignam, quando os abatidos so levantara, quan-
do os cxploodores eclipsados refulgem amora-
veis e tremendos; quando Stambul se refaz
Byzancio, quando Setiniah so refaz Alhenas,
quando Roma se refaz Roma.
a Aplaudamos lodos, lodos sem distinecao, a
Italia. Glorifiquemo-la, essa trra das grandes
concepeoes odas grandes proles. Alma Parens.
as nacos como ella apparecem reaes e visi-
veis as celestes abstraeces do dogma venean-
Gommunicados
Thcalro Ivrico.
AJ.NDA A TItAVIATA.
Sobe hojo scena pela quarta vez a Travala.
A senli r i Beltramini lera ido do triumpho em
triiimpho no scu papel de Violeta.
E se ella deve receber com orgulho e prazer
essas ovaces que lhe presta a multdo enthu-
siasraada, nao menos salisfeto dove estar aquel-
la que, manifestando as suas impressoes particu-
lares, nunca pensou ser to verdadeuo echo da
impresso geral. Mas tambem nao hara razio
para esperar o contrario; o go3to do nosso pu-
blico j se acha muito apurado, o nosso dilec-
lantismo j muito inlelligenlc para que se nao
renda homeuagem ao mrito verdadeiro.
Vai anda hoje scona a Traviala, vai hoje
ainda a senhora Bellramini colher mais um flo-
ro para a sua cora de ariisla.
E' pena que to bello talento nao encontr nos
seus corapanheiros auxiliares do seu nivel.
Porque razo nao se anima o barytono, dando
sua voz uma inlexo mais terna, dando mais
expresso e mais vida ao seu canto, alias fcil e
agradavol ?
A mesma censura se pode talvcz azer ao te-
nor. A raulher que faz por ura homem um sa-
crificio da ordem do que pralicou por si o dolo
dos leoes do grar.d monde, a mulher
31 ce ex ce 5 o- ej> p, E 1 | Horas 1
ft o c c Vi C1 c B V. ir. ttnosphcra. a
* irecro. -i o 2 > o
* * C9 * S Intensidade.
i.' C5 OS C2 o: K . Centgrado. = o 5 = O 3
le; O S be CO co o _ I-i. O 4. c-. * ... ieaumur. c O O
-1 1 -1 es co o -1 _cc_ co" o --I CU CJi 3! co 1- Fahrenkeit ygrometn o > C/J
-1 O V e S5 | v. 3 e Barmetro !
A noiie nublada e chuvosa, rento -S, e
amanheceu,
OSCII.nr.vo DA HAR.
Preamar as 11 h 5i- da manha, altura C.o'O p.
Baixamar a 0 h 6' da tarde, altura 1.75 p.
Observatorio do arsenal de maniiha 13 de juliio
de ISfiQ VlEGAS JiJKIOR.
Editaes.
De ordem do Illni. Sr. inspector da thesou-
ranade fazenda desla provincia se faz publico,
que arremalaco de uma parle do sobrado de
dous andares no valor de Ii55;?i82, silo na ra
da Guia, pertencenle a fazenda nacional, em vir-
tude de adjudicaco, nao leve cffeilo no dia an-
r.uncado por falla de lidiantes, e por isso Cea
transferida para o da 11 do correte mez.
Secretaria da Ihesouraria de fazenda de Per-
nambuco de julho de 18C0. Scrvindo de of-
cial maior. Manoel Jos Piulo.
O lllm. Sr. inspector da Ihesouraria pro-
vincial, manda kaer publico, que em consequen-
cia do iiuommodo do Sr. Or. procurador fiscal, tica
transferida para o da l do correte as arreraa-
laces do imposto de 2J0O sobre o gado dos mu-
nicipios de Goianna, Nazrelh e Santo Anlo, de-
vendo as habillaces seren julgadas no dia 12.
E para constar se manduu alBxar o presente e
publicar pela Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 10 de julho de 1860 0 secretario, A.
F. d'Annunciaco.
Capitana do porto
Por esta capitana s faz publico o aviso abaizo
da capitana do porto do Marauho, relaiivamen-
tc a subsliluicu dos vidros brancos do pharolelo
do lorie da barra, por oulros de ebr rubra.
Capitana do porto de Pernambuco, de julho
de latiO.0 secretario, J. P. Brrelo de Mello
llego.
Capitana do Porto.
De ordem do Sr. chele de dirisao e capitn do
porlo, faz-se publico, que o pharolele existen-
te na pontado forte da barra, que marca o orear
para a mesma logo que descoberlo pela quina
do forte, passa do 1 de julho prximo vindouro.
em diante a screm substituidos os vidros bran-
cos, por oulros de cor encamada, visto ser do
utilidade navegac&o ; evitando-se assim, q;ua
conlinuem a confufldir sua luz, com as dos na-
vios ancorados, da boia collocada na ponta da
restinga de S. Francisco para o N. E. Secreta-
ria de capitana do porlo do Maranlrao, 2 de ju-
nho de 1860.Raymundo Ildelfonso de Souza
Barradas, secretario.
O Dr. Anselmo Francisco Peretli, commendador
da imperial ordem da Rosa e da de Chrslo, o
juiz do direito especial do commercio nesta ci-
dade do Kccife e seu termo, provincia de Per-
nambuco, por S U. o Imperador, a quem Dos
guarde, etc.
Faca saber que no dia 15 de novembro prxi-
mo vindouro, polas 10 horas da manha, ua sala
dos auditorios ter tugara reuniao dcscredoresda
ao fallida de Eduardo ttiberl Wyatt, na con-
formidade do art. 135do regulamento D. 7S do
. cujo carai-,
nho fflra at enlo laperadode flores, a brilhante 25 de novembro de 1830 ; afim de que reunidos
Traviala, merece que s prantoecom mais crao- i iodos os credores em minha presenca veriquem
fio a sua perda, que se sinla mais a sua sepa- os seus crditos, concedam ou aeguem a concor-
ra^o. j data ou formem o contrato de reuuio c procc-
ILEGVEL


(4)
liara o nomeacao dos administradores dos bonsda
referida mas-a fallida, adveriindo, que nenhum
credor, ser admittido por procurador, se esle
nao tiver poderes especiaes para o aclo, e que a
procuraeo nao pode ser dada a pessoa quo soja
llovedora nos fallidos nem um mcsino procura-
dor repTcsenlar por dous ou mals diversas ere-
dores.
Era cumplimento do que, todos o'a credores da
referida massa fallida compareca'.,, em o dito dia,
hora e lugar designados, sob 'en a de se proceder
as suas rcvellas.
E para que cheguo *0 conhecimcnlo de todos
mandei passar o prsenle edita) que ser afixado
ros lugares do costume e publicados pela im-
prensa.
Hada epassada nesta eidade do Recife de Per-
nambuco, aos 11 de julho de 1860.-Eu Joo Vi-
cente do Torres Bandeira, escriv.io interino do
juizo especial do commercio o fiz escrever.
Anselmo francisco Pcrelti.
MARIO VE PSRMMBUCO S4BBAD0 H DE JllRO DE 1860.
Cai\l lili... lfl hinco (lo MaranhfiocPar;
1 A(l O veleiro brizne escuna Gnciosa, c*pil5o o
pratico Juao Jos de Souza, de e seguir em pqu-
cos dias .ios porlos indicados ; recebe carga, pa-
ra o que trata-se cora os consignatarios Almeida
, ; Gomes, Alves & C., ra da Cruz n. s7.
Kesolveii a directora da caixa filial PaRaLI-irov.
que de Si-tiiinhro prximo era diante nao I vai 8ahir cora a possivel brevidade o patacho
___ j ,.: j.. i i portuguez Flor de Mana; recebe carga e pas-
serao admittidos a descont ttulos, cujos *
venc raenlos se realisarem era una mes-
ina data, quando o numero de lies fr
incompativel com a respectiva cobran-
ca em um s dia, o que manda fazer
publico para que ortigas torios do con-
Declaracoes.
O novo banco de
Perno mbuco repeteo avi-
so que fez para seren re-
colhid^desde j as notas
de 1 o,ooo e 2o,ooo da
emissao do banco-
Pola recebodoria de rendas internas geraes
E> faz publico, que no enrrente mez que os de-
vedores do segundo semestre do exercicio cor-
rente de 15591860, relativo aos seguales im-
pos: dcima addicional de mi mora ; imposto
de 20 por cento sobre lojas, c dito especial a 8U3
sobre casas de movis, roupas, perfumaras e
calcado fabricado em paiz estrangeiro leem de
paga-lo livre le mulla. Rccebedoria d l'ernam-
liuco 1 f junho de loGO.O administrador, Ma-
noc Carneiro de Souza Lacerda
Pela subdelegada de Santo Antonio do Re-
cifese faz publico que se acha recolliido no depo-
sito sera I um caballo nielado que fora pegado por
andar sollo pelas ras da eidade em a noite de
8 do coi rente : quein sejuigir com direilo ao
mesmo compareca nesle juizo munido das com-
pele ules provas. Subdelegada da freguezia de
Santo Antonio. 9 de julho de 18G0.O subdele-
gado sunplcnlc, Joaquim Antonio Carneiro.
A administraco geral dos cstabclecimentos
de candado manda fazer publico que no dia 19
do correnle mez, pelas 10 horas da manhaa, na
sila de suas sessoes, contina a arrematarlo da
renda das casas abaixo declaradas :
Bairro do Recife.
Ra do Pilar n. "i, ra da Moeda n. 31.
Bairro de Santo Antonio.
Ra larga do Rosario lujas ns. 26 e 26 A, ra
do Calinga lujas ns. A, 1 B, 1 C, e 1 D, e o sobra-
do de tres andaros n. 3 com duas lojas, ra do
Queiroado n. 15, ra do Figralos n 32, ra de
Santa Thereza 11. i. ra da Roda ns. 3 e 5, ra
Nova ns. 13, 18 o 59.
Administraco geral dos cstabelccimontos de
caridade 12 de julho de 1860.O escrivao inte-
rino. Joao Pinto de Lemos Jnior.
Caixa filial do ban-
co do Brasil.
itaO em inmediatas relacoes, sesirvam domados 378 ; botos pequeos de metal pralea-
1:111. lar a referirla niva urna rnr,',-, An dus cow mesmo 11. 9 dourados 1C-J ; lirim bran-
lanuai a muida caixa urna copia de co> v A directora da caixa filial, desojan-
do conciliar quanto soja possivel os in-
teresses do commercio cra os da mes-
ma caixa, roga novaraente aos Sis.
commerciantes que iguram como socios
de firmas sociaes estabelecidas nesta e
n'ouiras pracas visinlias, que cora esta
esta o
m
sen contrato social, extrabido do regs- esleirs 729
tro do tribunal do commercio, e na tal-, Pa me.io,
ta suas circulares, contendo nao f as-j
signatura individual de cada socio e o:
modo porque cada um assigna a razSoj
social, como a declaracao dosnomes dos'
socios que podera fazer uso da mesina
firma ; assim de facilitar a apreciacao
dos titulo que lhes forem oll'erecidos a
descont, ficando certos os mesmos se-
nhores de que nao serio admittidos t-
tulos com firmas collectivas, que nao
constarem pelo modo indicado, Recife
l.ldc iunlio de 1860.O chefe da con-
tabilidade, Ignacio Nunes Correa.
vento de 6 de f'evereiro prximo passado
satislazendo ao art. 5do raesmo conve-
nio, tomem as providencias necessarias
em ordem a conciliar os prazos dos di-
tos titulos com o servico da mesma cai-
xa. Recite 13 de julho de 18(i0 O
chefe da contablltJade, Ignacio Nunes
Correa.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, lem de comprar os objec-
los segrales :
Para fornecimento de lo/es dos cornos do
excrcilo e fortalezas.
50" caadas de azeile de carrapato.
Para provimento dos armazens do arsenal
de guerra.
Lato em lencl da grossura da amostra, arro-
bas 3 ; lalao em leneol da grassura da nutra amos-
tra, arrobas 2 ; caixas com vidros de 15 a 17 pol-
legadas 3 ; caixas com vidros do n. 18 a 20 pol-
legadas 3 ; rame de ferro de u. 18, arroba 1 ;
zincoem barra, arrobas 3
(Juera quizer vender taes objectos aprsente
as suas propostas era carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 18
do correnle mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo
pava fornecimento do arsenal de guerra, 9 de
julho de 1860.fien/o ios Lamenha Lins, co-
ronel presidente.Francisco Joaquim Pereiro
Lobo, coronel vocal secretario interino.
Conselho administrativo
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal do guerra, lera de comprar os objectos
seguintes :
Para a pharraacia do hospital da guainico de
Pernambuco.
Azcite de deudo, libras 16 ; acido ctrico, libras
32 ; agua ingleza de Lisboa, garrafas 20 ; acido
sulphurido, libras 32 ; aniz estrellado, libras 4;
brax, libras 2; banba de porco, libras 32; chlo-
rureto de zinco, oncas 8 ; extracto de Valenanno,
pocas 4; extracto miumendro, oncas 2 ; espon-
ja Uno, libras 4; llores de borragns, libras;
llores de violas, libras 8 ; glycarina, libra 1 ;
iodureto de amonio, oncas 4 ; iinpccao de Fian-
ges, vidros 20; iodoformio, oncas 4 ; madapolao
de James n. 3, pei;as 20; mol c. abclhas, libras
16; mercurio soluvcl de hariheraa, oncas 8;
oleo de amendoas, libras 32 ; papel almaco' pau-
tado moia resma ; pillas de Blonccas, libras 2;
pastas de nad, caixas 30 ; perxido do manga-
nos, libras 32 ; papel de fellro, resma 1 ; rotlos
para os vasos do botica 600 ; sulphurito de calno
secco, oncas 8 ; talo de ferro, oncas 8 ; zarape
nofp, vidros 50 ; xarope peitoral inglez, garrafas
25 ; xarope de lamaurunx, garrafas 50.
(.uera quizer vender lacs objectos, aprsente
as suas proposlas em carta fechada ia secretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 18
do correte mez.
Sala dus sessoes do conselho administrativo,
para fomeeiinento do arsenal 11 do guerra, de
julho de 1860.
lenlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim I'ereira Lobo,
Co'onel vogsl secretario interino.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguintes :
Para o 9." o 10. batalliao do infantaria, meio
balalhao do Cear, companliia lixa de artfices,
cavallaria o Rio Orando do Norte.
Botos grandes de metal prateados com o n. 9
sageiros aos quaes olTereee escellenles commo-
dos : trata-se com o seu consignatario Thornaz
de Aquino Feaseca, ou com o capito na praca
do ccramercio..
Para o Aracaty.
O hiate Santo Amaro recebe carga e passa-
geiros ; a tratar com Caetano Cyriaeo da C. M.,
uo lado do Corpo Santo n. 25, segundo andar.
REAL COntlIU
4nglo-Luso-Brasileira.
O vapor Portugal, espera-se dos portos do sul
do dia 14 em dianie c depois i demora do cos-
lume seguir para os porlos da Europa: para
passageiros Irata-pe com os agentes Tasso Irmos.
Atlengao.
Precisa-se alogar um prirneiro anar quo te-
nha commodos para urna familia, ftas seguintes
ras : no bairro do Santo Antonio, ra dasCru-
es. largado Rosario, dita estrella ; biirro de S.
Jos, ra de Santa Rita, Rangcl, Direila, ou pa-
leo do TeTCO : quem tiver, dirija-so a ra do Brum
n. 44, ou anouncio por este Diario para ser pro-
curado.
ASSOCIAQ&O
DOS
ai ates.
Oe ordem do Sr. presidente convido a todas
as pessoas que so alistaran) como socios effeclivos
desta Associaco, e mesmo os que leem dado al-
gnm dioheiro por conta, que venliam prestar ju-
ramento al o dia 18 do correnle ; Picando lodo
aquelle que nao comparecer, incurso no art. 13
dos estatutos.
Secretaria da Associaco dos Artistas Alfaiates
13 do julho de 1860.
Antonio Macario de Assis.
Io. secretario.
Guarcla-livros
i
m

i
i
PBBM1F
Leiloes.
Lourenco Pimentel, tendo d se ret
rarpara ib'a da eidade, fara' leilao por
ntervenco da sua mobitia, consistindo em mobilia
de Jacaranda', objectos a vulgos de mog-
no e Jacaranda', porcehna, crystaes
etc., etc. : quarti -feira 18 do corrente
as 11 horas em ponto, na ra Nova 11,
19, terceiro an lar.
Compra se ura buhar em bom es-
tado : na ra da Cruz 11. 5.
Queijos ftamengos
PELO AGENTE
PESTAA.
O referido agente far leilao por conta e risco
do quem Dorlencer para fecha- contas, seguoda-
feira 1G do conontc s 10 horas da manhaa na
porta do annazera do Sr. Aunes defronle da al-
fandega
DE
20 caixas com queijos llaraengjs o melhor que
ha no mercado.
-7 Fugio a oscrava Maris, conhecida por Mara
Jos, foi escrava da casa do majorMayer, e ven-
da fazendas; crioula, alta, secca, marcas do be-
Xigag no rosto, levou argolas pequeas de ouro,
vestido de mussulina branca do flores azues o
; : panno da Costa, anda pelo Campo Verde, I.uca,
ou era Olnda no lugar Peixinho ; levem a ra do
Crespo, luja 11. 1.
Altenco.

Precisa-se alugar urna preta que faca osservi-
cosdecasa como na ra, e que enlenda alguma
cousa de lavar roupa : quera a tiver, dirija-so a
ra Nova n. 50. taberna que faz quina para a ra
de Santo Amaro.
= Fica justa e coulraiada a venda da casa n.
53 da ra do Aljube que volla para a ra de S.
Bcnlo : a pessoa que se julgar cora direilo di-
ta casa, annuncie por esta olha.
A pessoa que no Diario de hontem diz pre-
cisar de um primoiro andar no bairro do Recite,
queira ler a bondade dirigir-se ra da Cadeia
do dilo bairro n. 1, segundo andar, que ahi
achara cora quem tratar.
SOCIEDlDE
MTBEJ5J1H2ME,
Faco publico que ha eleico para nova direceo
110 dia domingo 15 do correnle, para cojo lira
convido geralmento aos socios para as 11 horas
da manhaa compareccrcm no palacete do caes
de Apollo
Secretaria la sociedade Arte e Amizade 13 de
julho do 1860.
Slanoel Thomat de Souza.
1 secretario.
Fabrica de ourivesaria de pra-
Offerece-se um mococom pratica de commer- Jjj TUa DllQlieza. de Bra-
cio e com boa letra para caixeiro de escripia de
qualqocr estabelecimento ; quem do seu presti- gODiCa II. 10 A. POVIO.
mo se quizer utilisar dirija-se a ra do Passeio ; Luiz Jos Nuues, premiado com a primeira mc-
lublico n. 1!, Idja de fazendas. dalha na exposicao industrial portuense, e Ma-
'@@@'tMfMMMtMI !noel JosConcavcs rcuniram em sociedade a
^rn-n,,!!.: > 1 l .1 a suas olnctnasdo ourives de prala com o propost-
.-tODSIlllOnO CClltral UOmCOpalhlCOl to de razerem um estabelecimento com todas as
^ condieces de urna bem montada fabrica, para o
g I que lem e continuara a fazer acquisico de va-
rios c importantes ulencilios fabricados no paiz
e no estrangeiro, com o auxilio dos quaes suas
obras se tornaro bem conhecidas por seu tra-
balho, bom gosto e consideravel diminuieo no
peso os annuncianles recebem e satisfazem
qualquer encommenda e as mandara a scus des-
tinos mesmo para o estrangeiro, sem por issoti-
rarem coramisso, suas obras sero marcadas
N. & G.
O abaixo assignado, encarregado da desin-
feceo como deve constar aos senhores inspeclo-
Iar do Illm. Sr. llr.
hores subdelegados, a
qual datada de 10 de maio correnle, faz scien-
te aos senhores inspectores, que logo que se dc-
rem casos de angina, escarlatina e outr3s moles-
tias que grassam epidmicamente, avisem no
mesmo abaixo assignado para mandar proa der
5 desinfeccao como por ordem superior foi deter-
minado.Jos da Rocha Prannos.
Irmandade acadmica
Continua sob a raesraa direceo do Ma-
noel de Mallos Teixeira Lima," professor
em homeopathia. As consultas como d'an-
les.


Botica central homeonatliica
Do
1 DR. SABINO 0, L
$ Notos medicamentoshomeopathicos en- E res'de quarleirao, pea circu
q viadosda Europa pelo Dr. Sabino. Z chefe de polica aos senho
:-:


Estes raedicaraantos preparados espe- @
cialraenle segundo as necessidades da ho-
meopaihia no Brasil, vende-se pelos pro-
cos conhecidas na botica central horneo-
palluca, ra de Santo Amaro (Mundo No-
vo) n 6.
8 ofa-
Pede-se ao Sr. Jos Goncalves Tollos
vor deapparecer na ra do Viga rio n. 19.
G'avarr-se letras deliradas em marmore 3
100 rs. cada urna, c aluga-so o segundo andar'da
casa n. 32, sita na rus estreita do Rosario a
tratar na loja da mesma, ou na ra
d'Agua n. 52.
de N.
S. do Bom Conselho.
Por ordem do nosso irmo juiz sao avisados
todos os nossos irmaos para comparecerein sb-
ila Caixa bado, l do correle, s4 horas dalarde, no con-
; sistoro desta irmandade, alini de se tratar de ne-
gocios que rauito interessam.
Sodr & C. faz scienle ao respetavel pu-
blico, que o Sr. Joaquim Antonio de Araujo Sou-
za dexou do ser seu caixeiro desde o dia 6 do
correnle mez.
PARTIDAS DOBRADAS
LICES praticas
Duas vezes por semana
Quartas c sahliados s 7 horas ta noite
RA NOVA SOBRADO N. 15.
!M. FonscriKle Ylcdciros, coutnua a dar
lices da referida materia cm sua casa nos dias
e horas cima indicados. Tambera ir ensillar
nos estabelecimentoa e escritorios daquelles se-
nhores que desejarcm assim aprender, nos dias
que convencioiiar.
Estabclecida cm Londres
si mt.
Altenco
CAPITAL
Cmeo ts&iWiocs de \il?Tas
^steTAinas.
ii.ivoi.1 uons penseos a qualquer hora do da ou *-----
da noite, bem como principia boje 12 a ter o bello dra' cooerlos dc telha
Brrele a 200 rs., feilo das melhores fruclas, e objectos que coutivere
Minoel Martins
de seus credores,
ue Oliveira com antorisacao
por inlervenco do agente Ca-
margo, far loilao de sua taberna sila na ra do
Pilar 11. 131, da armaco e gneros existentes na
mesma : quarta-feira 18 do correnle pelas 10
O proprietario da casa de pasto da ra das Cru-
1 zes n. 21, primoiro andar, avisa aos seus fregue-
Na ra da Impcratriz n. 82, deseja-se fallar *es, que anda contina a fornecer comidas com
cora os senhores abaixo mencionados : ; 'odo o aceio e pelo preco de 25*
Napolen Olimpio Prates. ljaver bons peliscos qualquer hora do dia ou
Jos l.ino de Castro (chaprlleiru).
Joao Pinto do Araujo, corneta ie S. Lourenco
Manoel Jos da Molla, que lera fabrica de s'a- ns domingosedias santos mao devacca a qual-
patos.
Jacintho do Rogo Meirelles.
Miguel da Cunha Oliveira, morador no Rosa-
rinho.
Faustino Jos de Sanl'Anna, morador no Cabo.
Galdino Jos do Couto, morador na Barra de
Natuba.
Manoel Libalde Marte, do Limoeiro.
liermino Del Tino da N. Lima, do Limoeiro.
Saunders Brothers & C." tem a honra deln-
j orinar es Srs. negociantes, proprietarios do
I :asas, e a gera niais convier, que csto plena-
; mente autorisados pela dita ccunpauhia para
>: effectuar seguros sobre edificios de tijolo epe-
e igualmente sobre os
m os mesmos ediicio.ir
quer hora e feijoada da roeihor possivel.
PRECISA-SE ALIGAR
urna escrava,
ou em fazendas d
Piano.
Vende-se ura excellente piano de mesa, muito
hora de vozes, proprio para alguma senhora
aprender, e por muito mdico preco ; na ra da
Imperatriz, loja n. 82.
uvas de algodo, pares70.
balalhao do caladores da provincia
da Parabiba e os senlcuciados do 10. balalhao
de infantaria.
5 cometas do toque ; 1 cordo para as ditas;
1 bocal para corneta.
Sentenciados do 10." balalhao.
Brim branco, varus 7 1|2 ; algodaoziuho 7 1|2 ;
esleirs 3 ; manta t ; chapeo 1.
Quem quizer vender taes objectos aprsente as
suas proposlas cm carta fechada, na secretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 18 do
corrente mez.
Sala das sessoes do conselho dministrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 11 de
julho de 1860.
Denlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
TIIEAT
DE
SANTA ISABEL
COMPAMIIA LYRICA DE G. MiRINANGELI
Sableado 14 de julho
EXTRAORDINARIA.
horas da manhaa.
Avisos diversos.
fabrica de charutos, taberna nova.
Vende-se urna negrinha de idade de 13 an-
nos : na ra da Praia n. 53.
Fardo, millio, farinlia
Vende-se continuadamente saceos com fardo,
milho e farinha de mandioca por preco mais em
conta do que em outra qualquer parte ; na ra
do Rangcl n. 62, armazem.
Vende-so doce de goiaba da casca,
pode haver de melhor noste genero : na
a estrada da ra das Larange.ras forne- j,, 62 armliem.
1050 o jamar, man, ando-se levar cm ; Vpnde-se urna porcao de courinhos
^^tSTf ? "?"., por mdico pro- braeutlidos. por preco muito barato
co, de meio da da em diantc, assim como nos -
No botequim da aguia
d'ouro, ra estrella do
Rosado n.23,
confronte
ce-se alm
domingos e dias santos haver a bem preparada
mao de vacca, das 3 horas da manhaa em dianie
e lodos os dias das 7 horas da man
hayeipapa do farinha do Maianhao
assim como haver comida prom,
hora que se procure no estabelecimento.
Rangcl n. 62, armazem.
na
o que
ra do
de ca-
nil do
RECITA
Representar-se-ha a o opera era 3 actos de Verdi :
TRAMTA.
vendem-se os biihetes como de costurera.
Os Srs. assignantes sero preferidos at s 3 horas do dia 13.
Principiar s 8 horas
em ponto.
C\SSIN popular
M AGESTO SO SALA O
iS
Riode Janeiro,
DO
PALACETE DA RIJA DA PRAIA.!!
Sabbado, 14 de julho.
Indubitavelmente haver baile neste dia, ten-
to deixado de haver no dia 7, por attendiveis ra-
zOes ; ser como sempre manlida a boa ordem e
harmona e observado o regulamento approvado
pelo Illm. Sr. Dr. chefe de polica.
Entrada para damas gratis, cavalheiros 2)J.
Avisos martimos.
Para
Aracaty
brigue nacional Eugenia, tem a seu bordo dous
tercos de seu carregamento : para o resto que
ihe falta, trata-sccom os scus consignatarios A-
zevedo & Mondes, no seu escriplorio na ra da
Cruz n. 1.
BEAICOIPASOU
DE
Hiate Sergipano ja lera parte da carga, para a
resto trata-se com Martius & Irmaos : ra do
Madre de Dos n. 2.
Para o Aracaty
sahe o veleiro hiate Dous Irm3os ; para carga,
trata-se na ra da Madre de Dos a. i.
Papeles inglezes a vapor.
No dia 16 desle mez espora-se do sul o vapor
Magdalena, comraandanto Woodward, o qual ile-
pois da demora do coslume seguir para Sou-
thampta, tocando nos portos do S, Vicente c
Lisboa : para passaeens e carga trata-se com os
ageutes Adamson Howe & C.\ ra do trapiche
Novo n. 42.
N. B.03 embrulhos s se recebem al duas
horas antes de so fecharem as malas, ou urna
hora, pagando um patacao alm do respectivo
rele.
Stgunda-fera 16 do crranle haver na
capella do cemilerio publica as 7 horas da
manhaa urna raisss pela alma do finado Jo-
s Gomos f.pal.
. Auna Mana da Silva traga, agradece
cordialraente a todas as pessoas que se
dignaram acompanhar ao cemilerio pu-
blico o cadver de seu mui.o presado es-
poso Manoel Jos da Silva 3raga, e nova-
mente convida-os para que se dignem as-
sislirera a raissa do selirro dia que ter
lugar no dia 16 do corrento s 6 horas da
manhaa no convento de S. Francisco.
= Vende-se .i 11 a lata de biscoutos e bollos
de soda, 730 rs. a libra de velas de espermacete,
a lJbO a libra do manteiga ingleza flor j da
noVa safra, vinho Bordeaux engarrafado o mais
fino que pode haver a 500 rs. a garrafa, ervilhas
muito novas a 120 a libras Dresunlos a 400 rs.
a manteiga francezaa 600 rs. e oulros gneros que
lem vista do comprador e como sejam charutos
vindos em direilura da Baha para este eslabele-
ciroenl o que se vende por menos do que em
outra qualquer parle : na pra^a da Boa-Vista n.
16 A.
Ach3ndo-se em negocio de venda o caf da
ra do Imperador perlencente ao Sr Antonio da
Costa Rogo Monteiro : roga-sc aos Srs. credores,
queram apresentr.r as contas do que deve o re-
ferido estabelecimento, al o dia 16 do correnle,
sob pena de nao serem admittidos na octasiao d
traspasso.
Aluga-sc o prirneiro anear do sobrado da
Quera tiver e quizer alugar urna escrava para
casa de familia que s tem duas pessoas, e leu-
do as qualidados seguintes, que saiba cozinhar
bem, que compre, que engommo alguma cousa,
que seja muito fiel e muito humilde, e que nao
soja radia, dirija-se ra do Queimado, loja n.
16 para tratar, ficando o senlior da mesma res-
ponsavel por estas condicOes, o apparerendo nio
Na ra do A raga o n. 37, vende-se um ca- se olha a preco, s se desoja que o senlior alian-
briolot de ptenle e tambera um carro pequeo ico estas qualidados.
de 4 rodas. o Dr. Ignacio Firmo Xavier, medico, tem
Vendom-se paseas a 4(0 rs. a libra, btalas fixado sua residencia nesta eidade, no pateado
a 100 rs., bolachinha ingleza a 210, toucinbo a l'araizo n. 10, que faz quina com a Iravessa de
> rs. ; no pateo do Terco n. 28, defronte da S. Francisco, e ahi offerece os seus serviros me-
d>cos : as pessoas que so dignarem honrar com
sua conflanco, tanto no interior como para lora
da tidade, e a qualquer hora.
1:000$ de res
Precisa-se de 1;000* com hypolheca cm um
escravo moco e sem vicios : a pessoa quo quizer
fazer este negocio, annuncie para ser procurada.
Em Santo Ainarinlio, 113 casa onde fica o
ultimo lampio do gaz, ha para alugar-se um
mulalinho do 15 anuos, qoc bom copeiro.
Aviso aos senhores dones de sitios que li-
verem formigas e quizorem ficar livresdcl'as, di-
rijarase ra da Guia n. 47.
CONSUCTOR10 UEDICO-CIRURG1CO
DO
Hr. Ignacio irmo Xavier
R. lG~Patco do Pu-azo--\. 16.
Consullas todos os dias. das 6 1]2 horas As 11
horas da manhaa, e das 3 li2 s 5 1|2 da tarde.
As pessoas pobres que se dignarem recorrer a
seus oliclos serio ailendidos gratuitamente ; as-
' sim como gratuitamente se Ibes dar mijitos dos
remedios precisos para o seu estabelecimento.
A humidade nos ps tor-
na-seprejudicial a sau-
dc, e para prevenir este
mal, ha na ra Direila,
esquina da travessa de
S. Pedro n. 16, urna grande fabrica de (amneos,
que com una pequea retribuirlo achara o Ilus-
trado publico desta capital e defra, o mais bello
e riquissimo sorlimcnlo detaraancos de todas as
qualidados, quo o proprietario da mesma est re-
solvido a fazer urna ruodificacao nos procos, tan-
to era relalho como em porces ; assim como
principia desde j a fazer (amneos para homem,
a porlugueza. A casa lem sempre urna factura
de ura a dous mil pares promptos para cncom-
mendas do centro e de fra.
Na ra da Cadeia do Recife n. 38, prirneiro
andar, precisa-so fallar ao Sr. sollicilador Manoel
Pereira de Magalhes.
Offerece-se urna ama de leitc sem filho :
quem pretender dirija-se ra da Roda n 41.
Aluga-so urna boa sala e alcova, propria
para escriplorio : a tratar na ra da Moeda n 23.
Cozinha-sc para casas particulares : quem
precisar dirija-se ra do Calabouce Velho n. I.
Na ra larga do Rosario n. 32 ha um completo
sortimento de calcado francz, como sejam :
Borzegnins de couro de lustre para homem,de
6$000 a 9SO0O.
Ditos de bezerro a 8# e 11J.
Ditos de dito inglezes a lOg.
Sapatesde couro dcliistre.de 4&500 a 7-3.
Ditos de bezerro a 4f e 5$.
Ditos de dito, sola grossa, a 5jj500 e 6g.
Borzeguins sem salto para senhora a 4?500.
Sapatosde Irancinha a IgOO ; o muilos oulros
calcados, que vista do comprador so vender
por precoS commodos, sendo a dinheiro. No
mesmo estabelecimento existe um completo sor-
timenlo de chapeos de todas as qualidados, que
se venderao por menos do que fim outra qual-
quer parte, e por se (erem recebido em direitura.
Jos Manoel Alves dos Santos, subdito Por-
tuguez, retira-so para o Rio de Janeiro.
R. C. F. Annett, subdito britannico, retira-
se para a Europa.
PROVINCIA.
O Sr. thesoureiro das loteras manda facer pu-
blico quo em consequencia dos grandes prejuizos
que tem soffrido cora a extraeco das loteras
polo plano actual obteve do Kxm. Sr. presidente
da provincia permissao para asdilas loteras se-
rem d'ora em dianie oxirahidas pelo que abaixo
vai transcripto ; e nesta conforraidade se acham
- exposlos venda, todos os dias no escriplorio
sua da Cruz n, 29, cora bons commodos, tendo o : dasraesmas loteras na ra do Imperador n. 36.
mesmo fundos para a ra dos Tanoeiros : a tratar e na praca da Independencia ns. 14 e 16 das 9
na ra do Rsngel n. 6S, arma'.em. : horas da manhaa as 6da tarde os biihetes e raeios
I recisa-se alugar urna ana forra ou captiva da terreira parle da quinta lotera do hospital
para urna casa de duas pessoas somente : a ira- Pedro II, cujas rodas devero andar impreteri-
tar na ra da Cadeia do Recite n. 45, loja na es- : velmenlc no dia 25 do corrente mez.
quina da Madre de Dos. Thesouraria das
Aluga-se a melade de um lercei-o
3200 biihetes
20 por cento
andar /, m. da
para pequenajamiha honesta, por commodo pro-
co ; e tambera se d morada ce rana a urna se-
nhora honesta para fazer coropanhi a urna se-
nhora casada : para tratar, m ra do Burgos n.
31, pailaria.
O abaixo assignado roga aos senhores aca-
dmicos que contrahiram dbitos em sua taberna
e bilhar sito no lugar do Monteiro, bajan de ir
ou mandar salisfazer seus dbitos, isso no prao
de 15 dias desta publicacao, do contrario ser
forcado a usar dos meios que a lei he faculta.
Nicolao Machado Freir.
Jos Garrido Ferreira dos Santos, relira-se
para fra da provincia.
Os devedores da antiga firma de Muniz t
Amaral da loja da ra do Queimado n. 51 no
prazo de 15 dias mandem ou venhare pagar seus
debiios ; findo o dito prazo usar-se-lia dos meios
judiciaes.
oleras 16 de junho de 1860
Cruz, escrivao.
PLANO.
a 10*000.....
32.000S0O0
6:400000
25:6009000
E. H. Col, subdito br tannico, retira-se
para a Europa.
-- D-se 30$ pelo aluguel ce um prirneiro ou
seguudo andar, que lenha cozinha, e seja no
bairro do Recife : quem tiver poder
para ser procurado.
1
1
1
2
4
8
II
962
993
2207
Premio
Dito de
Dito do
Dilos de
Ditos de
Ditos de
Dilos de
Di(os de
de
SOOi
10CO
50$
20,
10;
10;000g000
4:000c00O
5001000
400*000
4001000
400000
280000
9.-620&OOO
Premiados.
Brancos.
-32.00O;OOO
3200
Thesouraria das loteras 30 de junho de 1860.
O thesoureiro, Manoel Cimillo Pires Falco.
Approvo. Palacio do governo de Pernambuco
aDnuDCnr2 de julho de 1860.LeiSoda Cunh.
i Conforme.Antonio Leile de Pinho,
quer consista era mobilia
qualqu "alidade.
Negocio vantajoso.
Quera tiver e quizer arrendar algnm engenho
ao sul da eidade do Recife, que seja de muito boa
prodcelo, preferindo se d'agua, com porto do
embarque porto ou junto da estrada de ferro, e
incluindo no arrenda monto alguna escravos, an-
nuncie que agradando se far negocio vantajoso.
_ Precisa-se alugar urna escrava para o ser-
vico interno de orna casa de pouca familia, nao
se olha a proco c proni''itc-se bom tratamento,
exigindo-sc que a escrava soja humilde e fiel, e
saiba fazT com asseio o servico de cosinha : na
ra das Cruzes n. 18, segundo andar.
Precisa-se alugar urna boa casa terrea que
seja no bairro de Santo Antonio : quem a tiver
dirija-se a ra da Cadeia do Recife n. 40, a tra-
tar cora o prcleudeute.
Aluga-se
urna casa (erren na ra da Guia n. 1C, com um
bom quintal que dola para a ra de Apollo, pro-
pria para qualquer eslabclecimenio do qualquer
ura dos lados, por ler a vantagera de licar era
lugar de esquina; a pessoa que Ihe convier, pode
dirigir-sc ao armazem Progresso, no largo da
Penha n. 8.
Aluga-se por enmmodo preco urna boa casa
sita na Passagera da Magdalena, a'o norte da es-
trada, entre a ponte grande e pequea do Chora-
meoino, com proporcoes para grande familia,
collegio, ou onlro qualquer estabelecimento quo
demande grande aposento, constando de 4 salas,
S quarlos rom vidracas para fra, despensa e co-
zinha fra, quarlo para prelos, dito para criado,
estribara para 4 cavallos e grandecocheira, orna
slela c nm quarto. Alugani-se mais 5 boas salas
iiileiramento independentes do corpo da casa,se-
paradas ou englobadamente : as pessoas que pre-
tenderen!, dinjam-se ao pateo do l'araizo n. 16,
a tratar com o Dr. gnario Firmo Xavier.
Olferece-se um rapaz pardo, com idade 23
annos, para criado, e completo cozinheiro:
quera de seu preslimo se quizer utilisar, venha
tratar na taberna de Jos Barbudo, na travessa
da ra das Cruzes n. 12.
Agencia de passaporte e folha
corrida.
Cliudino do Rogo Lima tira passaporte para
dentro e (ora do imperio por commodo preco o
presteza : na ra da Praia, prirneiro andar n. 43.
No becco do Lobato, loja do sobrado de va-
randa de ferro, ha urna ama que cozinha e en-
gorama, para servir a urna familia pequea.
Aluga-se o armazem do sobrado n. 9 da ra
da Cruz do bairro do Recife : a tratar com o seu
proprietario o tcnenle-coronel Florencio Jos
Carneiro Monteiro.
L'ma pessoa com as habllaces precisas so
olTereee cara guarda-livros de qualquer casa de
commercio : a tratar na ra Velha n. 127.
Manoel Joaquim Gomes est autorisado a
permutar urna casa nesta eidade por trras na
ilha de S. Miguel : a quem convier este negocio,
irija-se a ra do Imperador n. 26.
ASSOCIACO
DE
Soccorros Mutuos e Lenta Eiuancipaco
dos Captivos.
Por deliberado do conselho, em sesso de 8
do correnle, foram transferidas as sessoes do
mesmo conselho para os domingos, as 10 horas
da manhaa ; e para quo chegue ao conhecimen-
lu dos senhores consclliMros, se mandou fazer a.
seuuinte publioago.
Secretaria da Associaco de Soccorros Mutuos
e Lenta Emancipado d'os Captivos 12 de julho
de 1860.Albino do Jess Bandeira, 1." secretario.
100$ de gratifica9.O.
Fugio do poder dos abaixo aisignados o seu
escravo crioulo de nome Koraao, de 20 a 22 an-
uos de idade ; cabra escuro, estatura regular,
tem cabello carapinlio, um pequeo lalho cm
urna das m9cas do rosto, quando falla parece
rir-se, e lem as pernasum pouco arqueadas ; le-
vou calca de paono azul, chapeo de palha do
Chily com fila preta, jaqueta branca com pintas
rxas, capas de borracha, o lalvez ande calcado
por ser bolceiro ; provavel qno so refugie na
povoacSo do Barro, sonde j foi visto, e consta
que all tem por costume visitar urna mulher, a
quem do o nome de Totonia : roga-sc portanlo
caixeiro para lomar conta de urna taberna por a quem o apprehcnder, o faca conduzir casa
bataneo, ou tambera se d sociedade entrando i de seus senhores na ra da Cadeia do Recife nu-
com algum capital; lambem so vende 2 bracos de
balaucas, grandes.
Deseja-se fallar com a viuva ou filhos do
finado Marcolino Jos Ferreira, empregado que
foi do anligo erario, hoje thesouraria de fazenda,
a negocio de inleresse ; na ra estreita do Rosa-
rio n. 11.
Engomma-se roupa com prompdo e as-
seio ; na ra de Apollo n. 26, prirneiro andar.
Joao Pereira da Cesta Lima vai ao Cear.
O Sr. Antonio Aniceto da Silva que estero
no engenho Pimenteiras da freguezia da Escada,
queira mandar pagar urna letra da quantia de
792J966 vencida no dia 10 de junho prximo pas-
sado ; e por se ignorar sua residencia faz-se es-
te pedido : para o fim cima, dirjase a ra do
Queimado n. 18, loja de Manoel Ribeiro de Car-
valho.
Caixeiro.
Um moco de boa conducta deseja-se
arrumar em qualquer estabelecimento,
o qual da' iador de sua conducta :
quem de seu prestimo se quizer utilisar,
dirija-se a'ra Direita n. G8.
Campos & Carreiro fazeni scienle a esta pra-
ca e muito especialmente ao respetavel corpo do
commercio, que desde o dia 1. do julho corren-
le, dissolveram amgavelmenle a sociedade que
tinhara na casa de negocio da ra ras Cruzes n.
2i, ficando a cargo do socio Joo da Costa Cam-
pello, lodo o activo c passivo da mesma e o socio
Miguel Ferreira Carneiro desonerado de toda a
responsabilidade. Recife 12 de julho de 1860.
Na ma das Cruzes n. 21, precsa-se de um
mero 12.Bailar Oliveira.
Terca-feira, 17 do corrente, Cnda a audien-
cia do Sr. Dr. juiz municipal da piracir vara
ir praga a renda annnal do sobrado de tres
andares n. 88 da ra Direila, o qual tem bons
com.nodos, por tres annos, sob o preco de 1:2001%
a requerimento do consenhor.
Joaquim Pereira da Silva Santos faz constar
que dexou do ser seu caixeiro o Sr. Ballhasar
Pinto de Goureia desde o da 10 do corrente mez
de julho.
Attenco.
Quem precisar de urna pessoa para cobranza na
praca ou fra dola, pois pratica disso tem, me-
diante a porcenlagera que se convencionar, dan-
po fiador, dirija-se a ra da Praia n. 80, armazem.
/



Compauliia de seguros
niarifimos
SEGliniDADE!
NO
Uio i\e Janeiro,
Borzeguins palale.
Lustre e bezerro
DIAMO DE rEftSAMBCO. ~ SOBADO U DE 'JIILHO DE 1860.
145 Rua Direita 45
A! Sem pie solicito o propietario deste
gencia de Pernambuco estaI,e,et'lmento era poupar a boia de
RIU DO TnnRPC wreguraei, acaba de descobrir-llies
Gulhennc r- -^ I"-* ^d*********>
actuaes asentes dcsla co
LarV'llno & C, do Mtiis nem Suzer. sao todava iguaes
peitave. corpo mkJBPiSrZg; I l^^^ te,ld P0r **
que se .chara competentemente autorisados, l eiemPO"CO.
Curso de rhetorica.
O acadmico Manoel Francisco de
Iloaorato, professor particular autori-
sado pelo governo, tem abcrto o seu
curso de eloquencia e potica para lia-
btltacSo dos estudautes que quizerem
prestar exame nestas materifs no futu-
ro mez de novembro, em cusa de uas
residencia, ra Direita n. 88. primeiro
andar.
DENTES
ARTIfflCIAlES.

i
9
.-S
Compras.
Constantemente
f5ES2WP**2L? roca-seescravos: na ra
SSP1? de Francisco Mall.ias
hr^ilpUrPra,"S,e.m0edaS de 0Ur de 20 e 0
SuSW de-165 or,0 no escriptorio,
Santo 8"aC' 1Ve'r''def,0,,,e d0 CorP'
Couiprau-se onras e moedas de
ouro de 20$ e 10$ : na ra do Trapi-
chen 9.
Na ra Direita n. 78, comprara-sc Diarias
era porgao a 3j>200 a arroba.
Compra-se nm globo terrestre em ponto pe-
queo ; quera liver, dirija-so 6 nrara da Inde-
pendencia ns. 7 c 9.
(5)
Yendas.
Compram-se es-
era vos.
NOVA LOJA DE UUIPA FEITA.
N. 98. Ra Direita N 08.
Nesla loja vende-se ronpa frita cera toda prr-
_ feeao, i>alctoU, cairas e rolletes de diversas fa-
d
so
s de S Artiujo.
@ I)r. Augusto Carneiro Montoiro da Silva
m Santos, medico operador e parleiro pode
C- ser procurado na casa Je sua residencia C
tg n.- ra do Raogel u. 16.
IcvnAmhucaitA,
lielecirnenlo offerece ao comprador rauito niaior
vanlagem, nem s pela superioridade do fogo
que e l.oje geralmente conbecido, tanto na capi-
tal como no centro, completa commodidad* do
preco e promptidao, obrigando-se o annunciantc
por qualquer varia que possa baver, fazondoum
abale no proco, quanio por acaso nao saia como
o alianza, declarando aquellos que os quizer
comprar em gyraodolas ou^om broqueis. dove-
rao avisar trea di s ames, se for em qtianlidade,
parase preparar o armar, escudo em pequea objectos era cabellos, no mar
| porcao, avisara do vespera ; e para mais facili-
@ procurado na sobredi la ra a qualquer @
8 hora. te
Roga-seaos Srs. devedores a Grma social
de Leite & Correia era liquidarlo, o obsequio
de mandar salda seus dbitos na lo.;a da ruado
Queimado n. 10.
Pop ubi corle de cabello e,
frisanienlo 500 rs.
Ra da Imperatriz a. 7.
Comnram-se, vendem-se e trocam-se esc
vos. m ra do Imperador n-179, primeiro andar ""33 e de Soslo, mais barato do que em oulra
- Cn.pran.-se eticdivamenle meias garrafas" c'ha alneJ'nue se ,'cfbe"1' r iU.,0.?Sj.dCbot.mp8nh" : "'""""* *>' C" VeKonra^vo crnalo. de id.de de
io anuos, pouco mais ou menos, cozioheiro o
it^ffir SraifcSffisy
preco de 6009 qnem o
- a do Livramcnto n. 0,1
que achara cora quoni tratar.
181 Ra do Queimado numero 18 a.
Caf a vapor.
Riquissimo sorlimento de machinas pora fazer
caf a vapor rm um quarto de hora, npproTadas
na ultima exposicao uo Pars, tanto em paladar
que d ao caf como era seus bonitos medellos,
propria at para ornar mesas, assira como pre-
paro, avulso para as mesraas ; na ra Nova n.
20, loja do Vianna.
Caf muido a vapor.
Riquissimo sortimtnlo de rooinbos para moer
caf com a maior facilidade que se pode encon-
trar, tanto en. ha-alo/a Cimo era duracao : na
ra Nova n. 20, loja do Vianna.
'Bombas dejapy
Riquissimo sorlimento de bomba, dejapy de
todos os (amantaos, rom pertences e canos de
chumbo avulso, que muilo (everan agradar ao.s
Iregueies ; na ra Nova n. 20, loj.-. oo Vianna,
l Espingardas tron-
xadas,
espingardas Ironxa-
o uiiiis lino al o mais rdi-
prelo S''l'enora!^;\Vaf'XrS,s,;UUl baral ; Da rua Nova "
este eslabelecimento chegouum grande e variado sorlimento de roupa feila, a nual se <* de 1 e 2canos, de
oA V'n?re-0,0ni8,SCOmmo'!o *l,ie "gM'-se H; gondulas da panno
"je.'O, paetots de panno preto linissimos a 20, 225, 26 e 28, ditos'Je cor '2< 5? e
ftS' !5 Je 7mbazina' JM* P*> 12. e H, ditos de casemira, a 10, 12, c
c a TJ* CPreM l5\ C 4f 0, dlS dUa de cr a e 45800' dilos de bri"' d
>0. e 4, calQas de casemira prea. o do cores a 10?, ditas deb.in. bronco rt,J:i
Feijo prelo.
l receber do' Rio de Janeiro L" i dil8S.Ji, r** f*, ditas dito de cor a 500, 2, e 4, colletes de selim a 65500.
preto
grandes,
milito bom em saceos
o primeiro contra-meslre da casa Augusto Clau-
dio, c um oulro vindo de Paria. Eso estabele-
cimentoesla liojo as melhores condicoes que
possivel para salisfazer as cncom mendas do
breve lempo, co-
inarrafas a I.uiz XV, cade as de relo-
rndar^iiSL!08 de ^llJodoa I0: e rauitas cutras fazendas, que se deix.m d Familia finissima para mesa saceos
?Zt : f ene.*endcm ?or menos do que em oulra qualquer parte. Loja de Jos Moreira grandes.
Lopes,rua do Quemado n. 18 A, esq^quo^o.ta para a rua est.eila do uLrio. W,e.ie n0 rmamele Mano, I J,a-
m
Curso pratico e Iheorico de lingua fran- Q
J. G. OLIVEIRAtendo augmentado, com to-
mar a casa contigua, ampias e excellentes ac-
( moca0V"1anS1e,"!lra frac!'". Pa" d" i eommodaS5es para muilo maior numero de hos-
luizeraproveitarpode dirigir-se a rua da & """Ca dos seus amigos e dos Srs. viajantes que
Snd':I,a-do;.SeSUnd aDdar" ^agaraen.osi
i recisa-se de unta ama para casa
na so pessoa, prefere-se esc
na roa meiro andar.
PENNA DE AC
CE V/.5CULLY
(i'sna
visilemesla capital; coulinuaa preslar-lhesseus
servi.-ose bous oflicios guiando-os em todas as
cousas que precisera conhecimento pratico do
paiz, etc.: alera do portugus e do nalez ialla-se
oa casa o hesnanliol e francs.
> elha ii. I lis. pr-1 |^-S^^^^f^S^^S5i}-^M
^Lices de francez | piano. i
\x Hademoisetta Clemencc de Hannetoi v>
S| de Uannev Ule continua a dar Ikes de =fc
yp francez e piano na cidade e nos arrabal- S
| des : na rua da Cruz n. 9, segundo andar, p
"H8S
Jes, sao la-
Eslas peinas de drffcrcntes aualidad
iomn.it d '''!'0 dc,.',r;lU refliiada de primeira SSSiSS3S33S
empera, e sao apphc*vcis a iodo o tan.anhc de
le ra. Prcjo l5O0 cada caixa e pennas de ouro
pelo mesmo autor com pona de diamante, que
teem a grande vanlagem de nao estar sujeilas a
crear ferregem econservndose bem limpasso
de duracao inOnlla, deposito em tasa dos Srs.
GuedesA Ooncalvestua da Cadeia n. 7, e or
atacado com o inventor Guillierme Sculiy nru-
ressordecalligraphia na rua do Imperador n.
'O, sobrado.
Na la da Cadeia do Rccife n. 38, primeiro
andar, precisa-se fallar ao Sr solicitador Manoel
Percira de Magalhes.
urna pessoa disponivel para corlar os cabe
pentear as senhoras em casa particular.
E' ebegado a loja de Lccomte, aterro da
Boa-Vista n. 7, o cxcellcnte leite viij:inal de ro"
sas biancapara refrescar a pclle, t rar pinitos
sardase espinhas, e igualmente o afamado oleo
babosa para limpar c fazer crescer os calelloi
assim como pos imperial de lyrio ce Florencs
para bortuejas c asperidades da pelle, conser-
va a frescura e o avclludado da urimavera d3
vida
No da 17docorrenlRndaa audiencia do Sr.
l)r. juiz municipal da primeira vara ser arrema-
tada por venda 4 arrobas de carne salgada, 2 bar-
ricas cora bacilho e 1 caixa com sabio, por ar-
resto hilo a reqoerimento de Manoel AlvesFer-
reira i Lima, contra Agostinbo Jos Becerra.
F.serivao Uotla.
O hachare! A. R. de Torres Bandelro, advo-
Co-
DOS
Mais afamados fabricantes da Europa.
ESTABELECIRflENTO
DE
Rua Nova n. 25, esquina da Gamboa do Carmo.
se com o a'baixo atsijjnado na mesma
casa ou. em seu escriptorio no pateo do
Cullegio ou piara de Pedio U.
j Aluga-seo segundo e terceiro an-
idar ou soto do sobrado n. Gl da rua
jNova, qualqtierMos andares teem bas-
; tantes comicodos e acliam-se em tal es-
I^f^nSrffotfr! fPSfeSSSti ^ ^ ^ *" ^^^ & ^
% propercao que tem para mais fcilmente i> peZM co,n P,ntH1'as e oulros arranjos :
execuiar os wabalhes departo, o aconse- nido pe o fete resultado que tem obiido I se com o ab"
em multiplicado, partos laboriosos, lera A
fe reno sua especwlidade sobre este ramo |
para o que poder ser procurado a oual- 1
i\ quer hora, no rua da Raogel n 16 >\ ,i a' \t-
W&&m-M# wmS ttfeg^al! Amos Vieira de Araorim.
Sano a luz o 3 tomo Tus" tuogr. ----- PrCCS" SC C 1111*3
pinas > alfjuns poetas, e outros lio- ^^ i
mens illusl.e da provincia de P.rrW Qma PaFQ COZlllIiar-C C0I11-
ouco, polo commendador Antonio Joa iiPii nam nmo inccna
amm de Mello. Conten as feiographias\^ l Umft lM5SSOa
de Luz-Francisco le Carvall.o Couto, 11Q Na CStrCllU (lO ROSNO
Jeronym.0 de Albuquerque Mar-.bao L*. AJ i
Alvaro Te.xeira -Maccdo, c Jc^ ft *1 pmileirO aillr.
Instrucco.

Simplicio da Cruz Ribeiro, professor publico
de inslru.-cao elementar do segundo grao da fre-
guezia da Boa-Vista,-as horas vagas de seu ma-
gisterio, ensilla particularmente s maleiia.de
sua profissao. Tambera da lices por casaspai-
ticulares na rua da Gloria ns'. i e 44.
pa no crime e civel, na sua residencia, rua larg
do Rosario n. 28, segundo andar.
agenda dos fabricantes america-
nos Grouver & Itaker.
Machinas de coser: em casa de Samuel P.
iohnsion & rua da Senzala Nova a. 52.
Precisa-se alugar una escrava que faca o
Aitonio Saber de Mendonra ; versos
enireosq::_ae 50 edes anacrenticas,'
ora
s
em
urna noticia intersate do levante de
Geianna em 1S!, e noventa -don'
dcc.iineiittjs inaedites. Por
mao do autor.
G l)r. Joo Ferreira a Silva mudoi:-se da
rua oc llangel para a do Livramnnto n ->6 so-
brado do Sr. Matioel Buarque de Macedo, dwfron-
te de sua aaliga habilacao. A grande pratira de
auscul'.arao recMhecida por quasi todos os seus
collegaadestacUadelorna-o recommendado no
, diagnostico das molestias dos pulmn, e do cora-
rao ; asstm como para verificar o estado de sau-
oe dosloscravos quo se deserta comprar. Pelo
crescido numero cvariedades de operacoes que
m,i ? *?"' bm rMU Ud? 6m e^rcieio de
m.n* de 2l) anuos, e julga habilitado para prati-
r toda c qualquer operacao eirargica por mais
delicada e diicullosa aue seia
Xt ? ?JJJ,^5.I?J" TI YTTTTTv-TTTT*.
Neste estabelecimento acha-se um com, lelo sorlimento dos melhores, mais elegantes e mais
bem construidos pianos de que ha noticia.
No mesmo estabelecimento existen*, chegadoa hi pouco da Euroia, alguns pianos do machi-
nismo do melhor gosto e de maior perfeicao do que quaesquer outros, os quaes no somonte se
preftam ?elo s^u maclnnismo a toda as pessoas que sabem msica, mais anda aquellos que isno-
ram esta arlo.
Alera destes pianos c\isiem larobm no mesmo eslabelecimenio, harmnicos ou Seraphina, os
servido interno c externo de urna casa ; na 'rua 'quaes fazem ,,ma ljella 28*5*0 sen,l toca{io em ala com acompanhamenlo de piano, e tambera
Nova b' 'Ja- P;oduz;> cxcelientes eleitos barmoniozos em igreja ou capella, tambera ha meikodo e msicas
; adtiuadas ao dno insirumenio. Espera-se que o respeiuvel publico e os amantes de msica nao se
demoris em mumrem-se de lao excellentes instrumentos, cuja prego aliase raxoovol, o Jo cuja per-
sg leiQo incontestavel.
^ I Na mesma casa afinam-se e concertam-se pianos com a maior perfeicao possivel. ^a mes-
S ^ ma casa exislem chegados ha pouco da Europa lindas msicas do melhor gosto possivel e do melhor
jj compositor da Europa.
r^| O Dr. Casanova pode ser procuiado' a
> qualquer hora em seu consultorio liomco-
$ palhico era Pernambuco
<&> 30RUA DAS CRZES30
Xb No mesmo consultorio acha-se sempre
% grande sorlimento de medicamentos em
^f. unturas e glbulos, os mais novos U bem
(<>3 preparados, os elementos de homeoi.alhia
quim de Oliveir & C, na rua do
dornizn. 18,em fenle Ja travessa da
Madre de Dos.
Ka loja da Exposicao
lia ludo (juanto bom.
Metaes linos.
Riquissimo sorlimento de metaos chegados ul-
iiuiaraenlc pelo ultimo paquete da Europa, ludo
imitando prata, dos melhores fabricantes que ha
neste genero, assim comosejam, spparelhos com-
i para almoco, ditos para jantar, e o/ras
; > i- avulsas, bem como, salvas de todo* o* l-
mannos, seslas para tantas, galheleiros grandes
e pequeos, porla-concervas, colheres parasdps,
dUas de iba, ditas de terrina, ditas do assu ..:'
ditas para arroz, Jilas para peixe. casticaes Qi is-
simosrom mangas devidro, boilles d todos os
amantaos, sendo de duas dezeseis chicaras, de
nquissimos modelos e por baralissimos pn
riquissimo sorlimento de lalheres para mesa,'do
mais liiio al o mais ordinario. Balaios ara
I ras, baldes econmicos para quartos, louca
de porcelana e nutras militas cotilarias que por
gosto se podem comprar. Camas de ferro >m
ona e para cotaliao, para solleiros e casi .
avalnos de forro, preparas para os mesaros,
bolsas para viagens, chirotes para carros, arreios
completos para cavallo, lomos de bandciias mul-
to linas iraiiando diario, ditas avulsas de lodos
imanhos, raloeirss de rame para pegar -a-
tos sabios e lolos, fuges econmicos para --os
de engommar, ferros do engommar vapor a 5~
rs. : na rua Nova n. 20, lija do Vianna
Vaquetas envernisadas
Vendem-se excellentes vaquetas de lustre pro-
prias para roberas de carros ; na rua da Cruz,
armazem n. 20.
Vomfom-ec carnciros gordos c baratos; na
ruado Col vello, padaria do Icao do noilc.
!4BMa8

DENTISTA FRANCEZ.
Dentista de Faris.
15-Rua Nova15
ge Frederko Gaulier, cirurgiao dentista, Q,
3E fac lodas as operarnos da sua arte e col- M
\y loca denles artincies, ludo com a supe- Sj
f rioridade e perfeioio que as pessoas en- ^]
!*> tendidas llvj reconheccin.
m
i
Fem agua e pos denttfricios ele.
Pailo Caignoux, dentista, rua das La- 2
rangeira. 15. Na taesnn casa tem agua e 3
. p denlilico. <<
Hoga-se aos Srs. devedores do estabele-
imento do fallecido Josda Silva Pinto, o ob-
sequio la saldaren seus dbitos na rua do Col-
ag venia n. 25 ou oa rua do Queimado loja
o. 10.
carta no escriplorio de Manool Joaquim Ramos e
Silva, na rua da Cadeia do Itecife
Sacca-se para o Porto e Lisboa
no escriptorio de Carvalho, Nogueira &
C, rua do Viga rio n. 9, primeiro
andar.
O Sr. Honorato Jos de Olivoira Figuciredo
dirijo-so a rua larga do Rosario o. 32, ou annun-
cie i sua morada.
m Antonio da Cesta e Silva Maduro, inven- $
@ Uriante e leslainenleiro do finado seu pai & !
o Sr. Miguel Antonio da Cosa e Silva, a i
convida aSs credores deste.pava que apre- | LuSm^m de v"dosde seda prelos
M senlem os seus crditos na travessa do JS
*- Corpo Santo, loja de cabos, im de seren @
9 legatiudo. e incluidos no invcnlaiio no
K pra/o de 8 das. &
Precisa-se de uraa ama secca : no pateo do
Terco n. 26.
Grande e novo sorlimento de fazendas de todas as qua-
lidades por baratissiinos precos.
Do-se amostras com penlior.
de 2 saias g
Ditos ditos de ditos de seda de cores
cora babados *
Dilos dilos de dilos de gaze phaDtazia
de cores 9
Romeiras de 016 de seda preta bordadas 9
Visitas de grosdcnaples preto bordadas
----- O bilhete O. 3302 (la lll- Grosdenaples de cores com quadrinhos
tima parte da oitavae primei-
ra da nona lotera da matriz
covado
Dito liso preto e de cores, covado
Seda lavrada preta e branca, covado ljf e
Uta lisa preta e de cores, com 4 palmos
da Boa-VlSta, prCllliado CODl a L d 'S. propria para forros
Cortos de vestido de seda de gaze trans-
parentes
sor te de 10:000$ foi-meapre-,
;pnt/ldn rifln Sr Tn/ lliac Vil- P"? dedltos de cambraia e seda, corle
btllUtUO ptl r. JOSe LiaS Vil- Can.br.nasorlacdjs de cores, lindos pa-
leta, artista a fabrica de col-
xetes na rua do Jardiin.
P. J. Lavme.
Sirop du
DrFORGT
JARABE DO FOKGET.
Este sarape esl ajprovado pe!os mais eminentes mdicos de l'aris,
^como sendo o mellior para curar .constipaeoes, losse convulsa e o iras,
a"?"f,d,0i brot.clnos, ataques de pe.to, in-rtacfe* nervosas e insomnoiencias: urna colhcrad
E2J*52 e. outra a n,'"le ;,a0 """ciernes. 0 eiieiio desic excelente xsropc saifaz ao meemo
tenipo o (lenle e o medico.
O dsposito na ma larga do Rosario, bttka e Barlholtn FrantUee ic Sota*, n. 36.
dres, vara
Manguitos de cambraia lisos e bordados
Tiras e entremeios bordados
Mantas de blonde brancas e pretas
Ditas de l de linho pretas
Chales de seda de todas as cores
Lencos de cambraia de linho bordados
Oitos de dila de algodao bordados
lanno preto e de cores de todas as qua-
I.dades, covado
Casemira. den. idem idem
Gollinha. de cambraia a
Chales de touquim brancos
Uilos de merino bordados, lisos e es-
lampados de lodas asqualidades
Enfeites de vidiilho francezes prelos e
de cotes
Aberturas para camisa de linho e algo-
uao, brancas e de cores
Saias balao de varias qualidades
ltela inxo, covado
vad francezas claras e escuras, co-
Cassas francezas de ores, vari
tolla notaos de esguio de linho mo-
dernos
L'ei completo sorlimeato de rouoa feita
iaoo
s
3&000
l50
10*000
164000
1*000
*
9
S
S900
I
I
$640
*
9
3*500

esooo
500
*280
*500
S800
sendo casacas, soLrccasaras, palctols,
colletes, calcas de muitas qualidades
de fazendas
Chapeos fraccezes finos, forma moderna
Um sorlimento completo de grvalas du
seda de todas as qualidades
Camisas francezas, peilus de linho e de
algodao brancas e de co.es
Ditas de fustao brancas e de cores
Ceroulas de linho e de algodao
Capellas brancas para noivasmuilo finas
m completo sorlimento de fazeudas
para vestido, sedas, lia e seda, cam-
braia e seda lapadas e transparentes,
covado
Meias cruas brancas e de cores para
meinos
Ditas de seda para menina, par
Luvas de fio de Escocia, pardas, para
_ menino
Velludilho de cores, covado
Velbutina decores, covado
Pulseiras de velludo pretas e de co-
res, o par
Ditas de seda idem idem
Um sorlimento completo de lu-'as de
seda bordadas, lisas, para senhoras,
homens e meninos, de lodas as qua-
lidades
Corles de colJete de gorgurao de seda
de cores
Ditos de velludo muilo finos
Lencos de seda rxos para sonhora
Marquezitas ousombriuhas de seda com
molas para senhorn
Sapalinhosde merino bordados proprios
para baptisados, o par
Casinetas de cores de duas largurasmui-
to superiores, covado
Selim preto, encarnado e azul, precio
para forros, com 4 palmos de largura,
fazenda nova covado
Selim liso de todas as cores. covado
Lencos de gorgurao de seda pretos
Relogios e obras de ouro
Cortes de casemira de cores a
*
8*500
3
S
I

s
1*600
*320
1*200
*700
agooo
15000
9
*
2*50
I
25000
1C000
itciicao.
o
>endem-se uns arreios promplos para carrera,
por prego muilo commodo; na rua Nova -i 20,
leja de sclleiro 11. 41.
di:

I
pred
Vende-se a meiar.io de um magestOSO predio
de un andar, bem edificado, ha 3 para 4 -,;,-
situado em urna das mais bellas ras desla eida-
do tcncurdiaj : podendo qualquer prelend nti
examinar o mesmo predio na rua da Concordia
n. 2U : para tratar, na rua do Livramcnto 1 27
loja de raleado.
Vend-se manleiga ingleza a 15280 1 libra
dita iranceza a 600 rs., chouri.-as de Lisboa mui-
lo novas a 610 rs. a libra, velas de espermaceti a
/*0, vmhoda Figueira muilo bom a 560a garra-
fa, dilo de P'.rdeaux a 1*. quartos de sardihas
deNantes a 410, ditos lr2 lata, a 7*0. alciria
muito nova a 40 a libra, macarro a 440 caf
do P.10 rauito novo a 200, queiios viudos pelo
vapor ingles muilo novos a 2:000, azeite dore a
bit a garrafa, vinagre de Lisboa a 300 rs.. banha
de porco a 560 a libra, charutos de varias quali-
dades, e outros mullos objeclos que s a visla do
comprador : no paleo do Terco n. 28, defronte
da fabrica de charutos, na taberna nova.
lTfTl
19600
1
I
I
5*000
Rua do Brum (passando o chafariz.)
No depozito desVe csiaVielecimciilo sempre lia grande sorlimento de me-
cinismo oavaosengenliosde assnear a saber:
Ma 3 Vi ais
li
rap^r ou lernas, de golpe cumprido, econmicas de combustivel, e defacillimoassento ;
lloias d ag^ia de ferro com cubos le madeira largas, leves, fortes, e bem balancadas;
CmoKM de ferro, e portis d agua .ara ditas, e seminas para rodas de madeira';
alosa lis tnteirascom virgeasmuito fortes, e convenientes ;
Uu muidas com rodelas motoras .ara agua, cavallos, o bois, acunhadas em aguill.oes deazs ;
r.i!Kis de ferro fundido e batido, e de cobre ;
Paras e bicas para o calio, crivos e portas de ferro para as fornalhas
Alambiques de ferro, raoinhos de mandioca, fornos para cozer farinba
Roletas dentadas de todos os tamaitos para vapor, agua, cavallos oubois'*
Agudboes, bronzes e parafusos, arados, eixos e rodas para carrosas, formas galvan.zadas para purgar etc., etc.
D.W.Bowman confia que>sseus fregueses acharo tudo digno da preferencia com
que o nonrara, pela longa experiencia que elle tem do mechanismo proprio para os agricul-
tores desta provincia, epelofacto de mandar construir pessoalmente as suas obras as
mats acreditadas fabricas da Inglaterra, para onde elle faz viagem annual para o dito fim
assim como pela coutinuacao da sua fabrica em Pernambuco, para modificar o mechanis-
mo a yoatade de cada comprador, e de fazer os concertos de que poderP neoessiar
EAU MINERALE
NATURALLE DE VICHY.
Deposito na bolica franceza rua da Cruz n. 22.
ES:
&;
Vendem-se superiores fundas a 23, ditas mui-
lo finas a i ; na rua larga do Rosario, loja nu-
mero 33.
Gamas de Ierro.
Grande sortimenlo de camas do ferro batido e
fundido para una e tinas pessoas, ditas para me-
ninos, o bercos, tudo da ultima modada Europa,
queso venderiio por preco commodo, tamo em
porcao como a relalho : o deposito de catres de
ferro na rua da Imperatriz 11. 75.
Ervadoce.
Pa rua dasCruzes n. 41 A, veude-se superior
ervadoce, lanto era arrobas como em libras.
01 inda.
Vende-se urna casa terrea sita em Olind,-, nu
rua do Aljube ao voftar para a de S. Benlo, rom
2 salas, 1 gabinete, 4 quarlos. com fuios para
o neceo do Espinheiro, e chao proprio, por preco
commodo ; quem prelender, dirjase a taberna
da rua1 Augusta n. 1, ou a travessa do Dique nu-
mero 22. H
Pcchnclia
Assignatura de banhos frios, momos, de choque ou chuviscos (para urna pessoa
lomados em 30 das consecuvos. ,...... r
30 canoas para os dilos banhos lomados era qualquer lempo '. t 15 Dilos dito <:* J^ ..... 15v000
105000
8000
^0OO
dito dilo
n,7. ...
canhos avulsos. aromticos, salgados esulphurosos aos precos annunciados.
tstareduccao de precos facilitar ao respeilavel publico o gozo das vanlagens que resuliam
dafrequenciadeumeslabelecimento de urna utiliJadeincon.es.avel, mas nU9 ineSc Z nao
es.ando em nossos hbitos, anda pouco conhecida e apreciada; 'n.ei.zmen.e nao
Xo almazara da rua da Madre do Dos 11. ,s
do PorTSeMCC|0S C?m fCj5 b" pouco '****&
tSOH SS c^L^RuL?"0- '
Vndese
sal do Ass de superior qualidade, a bordo do
hiale -(Santo Amaro: a tralar con, Caelano Cv-
naco da C. M., no lado do Corpo Sanio n. 25 se-
gundo andar.
- Vendem-se duas grandes carroras de duas
rodas, muilo fortes, toda conslrucro de sicuni-
ra, sao novas e propnas para engenhos, e pira
qualquer servio por pesado que seja. Irabalhi
con. urna e n.a.s juntas de bois, ptimas para
conduccao de lenha de feues ou capim, ele 00-
dem. Lema vontade, com 20 a 25 saceos de <-
sucar, e ptima para conduccao dos assucares da
estacuo das Cinco Ponas para o Recife ; quera as
pretender, dlr.ja-se rua dos Pires, sitio de Ma-
noel Joaquim Carneiro Leal, ou ao paleo do Ter-
co, segundo andar, defronle do ti. 40, que se fara
negocio.
Vende-se vinho bom da Figueira e do Por-
to a 400 rs. a garrafa, e em caada a 33000 ; no
llecue. taberna n. 102 na rua da Seniala Vclha,
esquina do becco Largo.
Planta de couve.
Vende-se porcao de planta de couve da melhor
qualidade que ha no silio das almas, ao p da
Pontezinha de Belem, ou ao p da fundicao, ta-
berna do meio, de Jos Jacolho de Carvalho.


(fi)
DIARIO DE PERWAMBUCO. SABBADO !4 DE JLLH0 DE 1860.
Attcncao.

Vende-se um escravo mualo, bastante robus-
to, ptimo carrciro, corapralica de criado, c ha-
vcndo precisan tambem cozinha o diario de urna
casa : na rua Imperial n. 169, segundo andar.
Vende-se a casa n. 5 da rua das Flores : a
tratar na rua Ditcila, casa n. 6.
Rua Nova n. 18.
M. A. Caj & C. vendern, por ler grande pon-lio
e querer acabar, mcias para senhora a 2i), 280 e
;i2d rs., dilaspara mooioos de ambos os sexos a
240, 260 c 320, ditas para hornero, de crese
brancas a 240, 580 e 320, 15as de difidentes co-
res con) 4 palmos de largo, proprias para vest-i
dos a 500 rs., golliuhas coro camisinlias para me-1
nios a 2;500, sedinhas para \eslidos, de todas'
as cores a Id o covado, urn grande e variado sor-
timento do fazendas o roupa feila, e raleado, pe-
lo mais commodo preco do que em oura jual-
quer parte.
Marmclada
Na rua Direita n.0, vcude-se para liquidar a
i? a lata com 2 libras.
Aviso aos senhores pa-
deiros
Coral.
Vende-se verdadeiro coral de raz, na rua lar-
ga do Rosario, pausando a botica, a seaunda loja
de raiudezas n 33, rap de Lisboa, e multas
mais qualidades de rap ; assim como muitas
miudezas muito em conta ; e s a vista do com-
prador se dir o prero de ludo.
KURTINHO & OLIVEIRA
CO.H LOJA DE 1 \/i:MVS HAAS
UI A DA CAOEIA DO BECIFE N. 40.
Uimie suruiuuuiu
de fazendas de soda,
Ida, liuho, tanto pa-
ra hornero como pa-
ra senhora, chapeos
le todas as qualida-
des
Perfumaras, obras
de ouro, malas para
riagem, vestimentos
para enancas e cal-
cado de todas asqua-
idades.
Cheguem ao barato
O Pregui;a est queimando, em sua loja na
rua do Queimado n. 2.
Pesas de brelanha de rolo cora 10 varas a
casemira escura infestada propria para cal
rendem-se penciras de rame para padaria, por
preio muito commodo, por serem as melhores
que le ni viudo ao mercado.
a 2400.
Vende-se na travessa do pateo do Taraizo n.
10, casa pintada de amareJo, com oilto para a
ru. da Florentina.
Vende-se uro negro crioulo de idade de 18
a 20 anuos, do boa figura e sem vicios, c dit-se
a raziio por que se vende : quero o pretender, di-
:: i-se a rua da Roda n. 1T, primeiro andar.
Vende se una taberna na rua de S. Miguel:
quem pretender, dirija-so a rua Direita dos Afo-
gades, taberna n. 20, que se dir quero vende.
Na nova loja de fazendas
c roupa feita, de Joao
Francisco Paredes Porto ,
na rua da Emperatriz n. 48. junto a padaria fran-
ceza, vendem-sc palelots de alpaca preta c de
; Ij), ditos de brim a !;500, cairas de dito a
i;, :i-30), 4}, chitas para coberla do cores Das
a 2 rs., chales de froeo de bonitos goslos a 7,
saias a balan do diversas qualidades, corles de
calcas escuras a 1$, ditas de brim a ljCOO e 2$,
i hilas francesas do bonitos padrOes a 2t rs., laas
para vestidos de bonitos gostos a -i O rs., bra-
mante do larguras, azenda superior, a 2$500 a
vara, mcias para homem de diversas qualidades,
rpadas, a -ja duzia, c ouir^s muitas fazen-
das por preco commodo para acreditar a casa.
a rua do Queimado n.
D, loja de FranciscoPereira da
Silva [em frente do Sr. Pre-
guica] vciidem-sc cobertas do
cKila para cama a ;s; cada
una.
Lllera tura.
Na rua do Queimado, loja de ferragens n. 49, ?a> collele e palilots a 9G0 rs. o covado, cambraia
organdy de muito bom gosto a 480 rs. a vara,
dita liza transparente muito fina a 33?, 4??, B9,
e 65? a peca, dita lapada, com IO varas a 5$ e
i |n*M IOS l"Pr*^i*fm G5 a Peca> c'"las largas de molernos e escolliidos
V JT JO ttdfSes a 240, 360 o 280 rs. o covado, riqu-
simos chales de merino estampado a 7$ e 8$,
ditos bordados com duas palmas, (zonda muito
delicada a 93 cadi un, ditos com urna s pal-
ma, muilo finos a 8S500, ditos lizos com fran-
jas de seda a 5$, lencos de cassa com barra a
100, 120 e 1G0 c da um, metas muilo finas pa-
ra senhora a 4$ a duzia, ditas de boa qualidade
a 3?c 3-5300 a duzia, chitas francezas de ricos
desenhos, para coberlt a 280 rs. o covado, chi-
tas escuras inglezas a 55*900 a poja, e a IriO rs.
o covado, bnm bronco de puro linho a 1,
13200 e I50O0 a vara, dito pelo muilo cncor-
padoa 1j00 a vara, brilhaniinaazul a 400, rs.
o covado, alpacas de dilTerenles cores a 360 rs. o
covado, cesemiras pretas finas a 29500, 37 e
3?f500 o covado, canibiia preta e desalpicos a
500 rs. a vara, e oulras muitas fazendas que se
far palenle ao comprador, e de todas se daro
amosiras com peulir.
Camisas inglezas
Na loja de Goes & bustos, rua
do Queimado n. 46.
Acaba-se de receber um grande sortimenlo
das verdadeiras camisas inglezas muilo finas,
corr pregas largas, peilos de linho, sendo estas
ultimas camisas de uro gosto apurado, tanto ero
pregas como em collcriiihos, pois decente tanto
aos rapazescomo aos senhores de roaior. porisso
sendo muta a porciio que recebemos, delibcrou-
se a vende-las por 38-5 o duzia, ncsla bem conhe-
cida lo a de Goes cv Ttasto.
Vende-se um sitio muilo grande, porto da
praga, con; casa do vivenda, com'paredes dobra-
das e soio ; o mesmo sitio lem grandes baixas
Diccionario musical, obra muilo importante I de capirn, que se corlam 100 feizes diarios de ve-
rao invern, terreno para vaccas de Icile c pa-
ARMAZEM
DE
Fazendas baratas.
Roa do Quoinu.do n. \\t.
Chitas francezas miudinhas a 220 rs. o covado.
Hiberia.
Cortes do hiberia cora 1 i covados a 2$500 o
corte.
Cobertas,
Coberlas de chita chineza a 2$.
Laa a 520.
La para vestido, pelo baiatissimo prero de 320
rs. o covado.
Chalet.
Chales de merino estampados a 29500.
Cassa musselina.
Cassa musselina para babados, com 11 varas,
muito finas (que se vendia 5J5C0) por 4j a peca,
selim de todas as cores.
Cbita miuilinha.
Chitas miudinhas, cores ixas, a 160 -s. o co-
vado.
Ricos cortes ie seda.
Corles de seda superiore.;, pretas e d; cores, a
60gUOO, cambraias pretas finas a 500 r: a vara.
Lencos bnmeos.
Lencos para algibeira a 29 a duzia.
Borne harato.
5:000 ris,
cada urna snia balo, o mais bem feito e de mais
commodidade para assenhoras : na rua do Cres-
po n 20 B.
Yende-se muito era conta vaquetes de lus-
tre para carro : na rua da lmpcralriz n. 78.
Pianos
Saunders Brothers & C. tera p*ra vender em
seu armazem, na praca do Corpo Santo n. 11,
alguns pianos do ullirao gosto, recenlimente
chegados, dos bem conhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood &Sons de Londres, e
muito DroDrios para este clima.
&wemmm mmwMmwm
Pecliinclia sem igual!
r escencialmcnte para as pessoas que sao dedi-
sa linguagem das armonas, por nellc se en-
contrar coropb i.iinenle esclarecidas lodos os ler-
mos precisos o pmprios a tal arte, vende-se na
da Cruz, Rocifo, livraria n. 2.
I
so clrelo
a 4^500.
Vi ade-se na iravessa do paleo do Tamizo n.
1 casa pintada de amacello, com oilio para e
rua da Fl i atina.
Vende-se
II nlc laboado do pinho de rezina de lodas ns
mprimonlo : na rua Nora de San-
ta Hita, armazcm de Manoel Jos Dantas.
m~.......

ra planlacdcs, bom coqueiral e alguns arvoredos
de rucla ; vende-se a dioheiro ou a prazo : a
tratar na rua da Praia, serraran. 55. Declara-
se 'u" o terreno proprio.
Tacnas para eigenho
Fundicao de ferro e bronze
DE
m
i.'
O
,

Francisco Antonio Correia Cardozo,
tem um graude sortimenlo de
tachas de ferro fundido, assim
como se faz e concerla-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
Vende-se manteiga ingltza a OJO rs., e fran-
ceza a 800 rs.
Bom e barato.
Vende se manteiga inglesa a 800 o 910 rs. a
libra^dila franceza a 5G0 ; CO, espermacete a
610 c 680, loucinho a 360, uviihas a ICO, pataleo
a 160, ceblas solas a l$2O o cento, en ICfnca
a 2jt000, barris com vinho muito bom para casas
de familia a 32$, dito inferior a 250, en^irnfado
do Porto, fino, a 800 e Ij280 a garrafa, garrafoes
com vinagre muito bom a2;50 cada 1, doce de
guiaba a lg o caixo, genelra a 400 rs a botija,
banha a 560 a libra,farinha a 12$ o alqueire.fare-
lo a 5-5200 o saco, chourie;s a6i0a libra, cha a
lft920 : na travessa do Panizo n. 16, casa pinta-
da de amarello cora oitao para a rua da Floren-
tina.
Em casa de Rnbe ScLmettan &
C, rua da Cadeia n. 57, ventlem-se
elegantes pianos doa'?amado fabrican-
te Traumann de Hamburgo.
Pechinclia.
A 200 rs. o covado.
Armazcm de fazends, rua do Quei-
mado n. 19.
Cambraia d cor miudinl a muilo fina, fazenda
pechincha a 200 rs. o covado, para acabar.
Aos fabricantes do velas de carnauba, ven-
de-se cera de carnauba chegada ltimamente do :
Ass, de um sacco para cima 3 9g a arroba, di-
nheiro vista ; na travesa da Madre de Dos!
numero 18
Gneros novos.
Na rua do Codorniz n. 18 em frente
a travessa da Madre Je Dos:
Feijao preto muito novo saceos grandes.
Dito imaretto dito dito.
Uilho americano dito dito.
Dito de Mamanguape muito nova.
Farinba de mandioca muito fina para
mesa cliegada hontcm.
Farelo em saceos muito grandes,
Charutos muito bons e baratos.
Arroz de casca novo saceos grandes
reies aecama boas.
Tudo se vende barato no armasen)
de Manoel Joaquim de 01iveira& C.
Vendern-se superiores camisas de
fustao editas de roadapolao muito fino a
2*, cortes de casemira ingleza dequadri-
nhos de superior qualidade a 4f500 e 53,
> colletes fe>ios de gorguro de seda c ditos
| de fustao a 3#500 e 49, calcas de brim do
51 cor a -i$. cortes de superior barege de se-
B da a0$ e as modernas victorias de al-
|K paca de seda para vestidos de senhora a
<> 700 rs. o covado, tambem se vende saias
3 balao muito boas de mueselina" e dilas de i|
V madapolao a 4$5O0e 5$, gollinhas de li- JP
aft nbo a 610 rs., de lodas estas fazendas M
^ existe urna pequea porcao que se vende x
a| por este preco para acabar : na loja de ae
Augusto & P'erdgo rua da Cadeia do Re-
cifen.23 *
mtms&^mi se ^m^^^n
Oh! que pechin-
cha !
Na rua do Queimado n. 41, vendera-se chitas
finas francezas a 200, 20 e 260 rs. o covado ;
a ellas, que se acabara.
REMEDIO INC0MPARAVEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Milharesde individuos de todas as nacoes P9-
dem testemunhar as virtudes desle remedio in-
comparavel e provar em caso necessario, que,
pelo uso que delle fizeram tem seu corpo e mem-
bros inteiramente saos depois de haver era prega-
do intilmente outros tratamenlos. Cada pesoa
poder-se-haconvencer dessascura maravilhosas
pela leilura dos peridicos, que lh'as relatara
todos os das ha muitos annos ; c a maior parte
delia sao tao sor prndenles que admiran; os
medico mais celebres. Quantas pessoas reco_
braram com este soberano remedio o uso de seus
bracos e pernas, depois de ter permanecido lon-
go lempo nos hospitaes, onde de viam soffrer i
amputaeao I Dolas ha muitas que havendo dei-
xado esses asylos de padeeimentos, para senao
submetterem essa operacao dolorosa foram
curadas completamente, mediante o uso desse
| preciosorcmedio. Algumas das taes pessoa na
i enfusao de seu recouheciraento declararam es
tes resultados benficos diante do lord correge-
dor e outros magistrados, allni de mais aulenti-
carem suafirraativa.
Ninguem desesperara do estsdo de saude sa
tivesse bastante confianca para ensaiar este re-
medio constantemente seguiudo algum lempo o
mentratatoquenecessitasse a natureza dom&i.
cujo resultado seria prova riuconlestavelmente
Que tudo cura.
O ungneuto e til, mais particu-
larmente nos seguintes casos.
Alporcas
Caimbraa
Callos.
Seraea
de superior qualidade, e muilo propria para en-
gordar animaos, em saceos grandes ; no arma-
zcm de Antunes Cuiniaraes Assembla n. 19.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa : em casa de S. P. Jo-
linston & C. rua da Stmzalan. 42.
auceres.
Cortaduras.
Dores de cabeca.
das costas.
dos membros.
Enfermidades da cutis
em setal.
Dilas do anus.
Erupcoes e escorbti-
cas.
Pistulasno abdomen.
Frialdade ou falta de
calor uas extremida-
dos.
Frieiras.
Gengiva escaldadas.
Inchaces
Infiammaco do ligado.
Inflaroniaeao dabexiga.
da matriz
Lema.
Males das pernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Q o ei mdelas.
Sarna
Supuraces ptridas
Tinha, em qualquer par-
te que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.
das arlkulacoes.
Veas torcidas ou noda-
das as pernas.
Alcatifa.
\ i [i i-se ros-'es "conoi icos '' ."o batido
de dil.'cenlo- laroanhos, ; .uo ej^, :'i: u seu
e':, .. i. foi i0 para a?sado, ^aldeia para
agna 'i lente, ns melhorca que < possivi! encuu-
har, chapas para fujToes, portas e grelhass para
J. i boliocios !' b; inco para navios, umi
:.: ;.J.i para engeabo de assucar, tudo por ; .
ralo prego : na rua do lruin n. Cj, armazom de
AWft
ivlll
35 Campos & Lima, na rua do Crespo n. W
a 16, tem para vender alcatifa com 4 pal- jrj
H mos de largura de rouito boa qualidado w
g e propria para alcatifar, salas e igrejas a 35 i
^d 800 rs. o covado, dinheiro a vista. jft
Lazinhas para vestido a 320
rs., e toalhis de liuho a
800 rs.
Na na do Queimado n. 19, vendem-se lazi-
nhas muilo finas para vestido, e para meninos,
pelo baratissimo preco de 30 rs. o covado, toa-
lhas de linho a 800 as. cada urna, coberlas a chi-
neza, de chita muito fina a 2$.
Potassa da Russia
E GAL DE LISBOA.
No bem conhecido e acreditado deposito da
rua da Cadeia do Recite n. 12, ha para vender
potassa da Russia e da do Rio de Janeiro, nova
e de superior oual.id.-xte Vende-se este ungento no estabecimento
geralde Londres n. 224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguistas e oulras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do snl, Havana e Hespanha.
Vende-se aSOO rs., cada boectinha contm
urna instruccao era prtuguez para o modo de
fazer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na rua da Crun. 22, em Per-
nambuao.
Palha de car-
naba
ID)
i fiigem em
razoaveis
pe
ilidart
dra:
tudo nor creeos muito
>.
DE
cz*
,Wj


IWi
j .

i
..*.)
Recebeu-se novo sorli.acnto de S
bournus be loune para saluda de ,\.
tlieatro ^
Loja de m armo re.
-; ".-:-:-^^ '^%k
Vendem-sc coqueiros para se plantar: na
rua das Trincheiras n. 2'J.
\ Nova Fama
Rua do Crespo, loja de
miudezas de tres por-
tas n. 7.
Chegou a osla loja um complelo sortimenlo de
enfeites de vidrilhos comlarosde fila bordados a
vedrilho, o que ha de mais gosto, pelo diminu-
to mico de GcSjOOO rs. cada um; ditos tambera
de vidiriho sera ler lacos de fila a i^, 3;, c2;590:
na rua do Crespo, loja de miudezas de Ires por-
t..s n. 7.
Ricas litas de sarja de ura dedo a C, para
laca, sintos e enfeites de vestido e loucas; dilos
de cascarrilbas para babados, vislidos, lacos
ce. a 2g50 e 380O0 : na rua do Crespo, loja de
miudezas de (res portas n. 7
CHAPEOS DE SEDA E LAA PARA MENINOS.
Um completo sortimenlo de cbaposiohos do
seda e la para baplisados, paceios etc., pelo ba-
rilo prc$o de j, C?, e 8-3 rs. cada um : na rua
o Crespo, loja de miudezas de tres portas n. 7.
SEDA FROXA PARA RORDAR.
Seda frxa de lodas as cores para bordar a
12 i rs. cada miada; agoa de flor de laranja a
4C0 o frasco : na rua do Crespo, loja do miudezas
de ires portas o. 7.
GOI.LINHAS.
Ricas gollinhas de punhos de puro de linho c
delicado gosto, polo seu dezenho, o que ha de
mais moderno, pelo baratissimo proco de 8j rs.
cada gollinha com par de punhos; dilas tambem
muito delicadas, a croch a 2}500 2$000; dilas
dilas muito delicadas de algodo aOO rs. cada
urna: na rua do Crespo, loja de miudezas de tres
portas n. 7.
Ha um complelo de miudezas como bem :
lieos de seda branco, prclo e de cores; dilos
franeczes o mais fino que ha, lesouras muilo
linas para unhase costuras, caivetes de todas us
qualidades, um completo sortimenlo de extrac-
tos, leos para cabellos, saboncles, ditos que
se vendern por menos preco do que em oulra
qualquer parle: na rua do Crespo loja de miu-
dezas de tres portas a. 7.
i

por barato proco, ero porres ou a retalho : no
armazem do Antunes Guiro'araes & C, no largo
da Assembla n. 19.
Champanha.
|| Campos & Lima, na rua do Crespo n.
^ 16, tem para vender urna poreio de gi-
^ gos com champanha de superior quali-
sj dado a 20$ o gigo.
s
GM3DE SOlTIMEMO
DE
'azendas e obrasfeitas
Fazendas floas
roupa feita.
Augusto i Perifo.
45-- Rua Direita45
Este estabelecimento offerece ao pu-
blico um bello e rico sortimento por
precos convenientes, a saber :
Homeui.
Borzeguins imperiae..... 10,^000
Ditos aristocrticos....... 9/f000
Ditos burguezes........ 7^000
Ditos democrticos...... 6}f00O
Meio borzeguins patente. C$500
Sapatoes nobrcza....... CsOOO
Ditos infantes......., 5^000
Ditos de linba (3 1|2 bateras). G.S'000
Ditos fragata (sola dupla). 5$000
Sapa tos de salto (do tom). C$000
Ditos de petimetre...... 5$000
Ditos bailarines........5$500
Ditos impermsaveis......20500
Senhora.
Borzeguins primeir classe(saU
to de quebrar)....... 5$000
Ditos de segunda elasse (quebra
cambada). ..,...,, 40800
Ditos todos de merino (sallo
dengoso).........4$500
Meninos e meninas.
Sapatoes de torca. ...... -ijiOOO
Ditos de arranca........o$500
Boizeguins resistencia 4| e 3$800
LOJA DO VAPOR-
Grande e vanado sortimento de calcado fran-
cez, roupa feita, miudezas finas e perfumaras,
ludo por menos do que em nutras partes : na lo-
ja do vapor na rua Nova n. 7.
SYSTEMA MEDICO DE IIOLLOWAY.
PI LULAS HOLLWOYA.
Este, inesiiniavel especifico, composto inteira-
mente de berras medicinaos, nao conten mercu-
rio, noui algum a outra substancia delecleria.Be
nigno mais tenra infancia, e a compleico mais
delicada igualmente promplo c seguro para
desarreigar o mal na compleico mais robusta ;
inteiramente innocente em suas operacocs e ef-
feitos; pois busca e remore as docncaa de qual-
quer especie c grao por mais antigs e ienazes
queseam.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j eslaram as portas da
morle, preserrando em seu uso : conseguiram
recobrar a saude e torcas, depois de harer tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais aflictas nao devem entiegar-se ade-
sesperaeo ; facam um competente ensaio dos
efeazcs effeitos desta assombrosa medicina, o
prestesrecuperarao o beneficio da saude.
Nao se perca tcrnpo em tomar este remedio
para qnaiquer das seguutes enfermidades :
Accidentes epilpticos. Febreto da especie
Alporcas.
Ampolas.
Arelas (mal de).
Asthma.
Clicas
Convulsoes.
Debilidade ouextenua-
cao.
Debilidade ou falta de
torcas para qualquer
cousa.
Dysinteria.
Dor de garganta,
de barriga,
nos rins.
Dureza noventro.
Enfermidades no ventre.
Ditas no ligado.
Oias venreas.
Bazaqueca
Herysipela.
Pebre biliosas
Febreto internitcnte.
2:1
KA
e armazem
DE
Ncsie armazem de molhados con-
tinua-se a vender os se^uinles gneros abata) mencianados de. superiores qualidades e mais barato
ao queem oulra qujlqner parte, por serem a maior parte delles recebidos m droilura por conta
dos propiietanos. "^
Manteiga ingleza e franceza
perfeiamenle flora mais nova que lem viudo ao mercado de CO a 800 n. a libra e em barril
se Una algum abatimenlo.
Qneijos flamengos
muito novos recentemente chegados no ultimo vapor da Europa de 1S700 a 33 e a vista do casto
que o freguez bzer se far mais algum abalimeulo.
Qneijo prato
os ma)s novos que esistem no mercado a 1| a libra, em porgo se far abatimento.
A.meixas francezas
em ^.'^nl61 ^I2 libra por 13500 rs., e em campoteiras de vidro conlendo cada urna 3 libra
por ojOOO.
Muslara ingleza e franceza
em frascos a 6i0 rs. c em potes franceza a 800 rs cada um.
Vcnlaileiros figos de comadre
o caixinhasde & libras elegantemente cnfeiladas proprias para mimo a 1600 rs.
Holachinna ingleza
a mais ora que ha no mercado a 240 rs. a libra e em barrica com t arroba por 4g.
Potes vidrados
ce 1 a 8 libras proprias para manteiga ou oulro qualquer liquido de 400 a IfeOOO rs. cada um.
Amcndoas confeitadas proprias para sortes"
de S Joao
a lg a libra e em frasquinhos, contendo 1 1[2 libra por 2$.
Cha preto, hyson e perola
os melhores que ha neste mercado de ljOOO, 2j) e 2*300 a libra.
Macas em caixinhas de 8 libras
contendo cada urna dilTerenles qualidades a 4S500.
Palitos de dentes llenados
era molhos cam 20 macinhos cada um por 200 rs.
T ijolo f rancez
propriospara limpar faca a 200 rs.
Conservas inglezas c francezas
em latas e em frascos de differentes qualidades.
Presnntos, clionricas e paios
o mais novo que ha neste genero a 480, 640 c 720 rs. a libra.
'Latas de bolachinha de sodaL
de dilTerenles qualidades a 13600 em porcao se far algum abatimento.
Tambero vendem-se os -seguimos gneros ludo recentemente ciegado e de uperio-
res qualidades, presuntos a 480 rs. a libra, chourira muilo nova, marmclada do mais afamado fa-
bricante de Lisboa, maca de tomate, pera secca,pas3s, fructas em calda, araendoas, nozes frascos
com amendoas cobertas, contedles, paslilbas de varas qualidades, vinagre b-anco Bordeaux'pronrio
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de S. Flix, mocas de tolas as qualidades Kora-
ma muito fina, ervilhas francezas, champagne das mais acreditadas marcas, cervejas de ditas
spermacete barato, licores francezes muilo finos, marrasquino de zara, azeiedoce purificado azei-'
tonas muilo novas, banha de parce refinada e outros muilo gneros que encontrorao tendentes a
molhados, por sso prometiera os propietarios vendorem por muito menos do que outro aualquer
promelera mais tambem serrirem aquellas pessoas que mandaren) por oulras pouco orticas como
e viessera pessoalmente ; rogam tambem a todos os sjnhoresde engenho e senhores lavradores
quoram mandar suas eucomraendas no armazem Progresso que se lhes affiiDca a boa aualidadee
o acondicxonamenlo w """t1"""""!!
Na ru-i do Oueiuiad) n.
4G, frente amarella.
Grande e variado sortimento de sobre-
casacas e casacas de pannos finos pretos
c de cores a 283. 30jt e 33,-?, paletots dos
mesmos pannos pretos e de cores a 28g, tl; redonda.
20 223 e 233, ditos de casemira msela- jr?
j Com loja na rua da Cadeia do Uecife n.
pjj, vendern e dao amostras ns seguales fazendas :
SK Cortes de vestidos de seda pretos e decores.
Corles de ditos de barege, de tarlalana e de ga-
ze de seda.
Cambraias decores, brancas e organdys.
Anquinhas para saias, saias balito, de clina, ma-
dapolao e bordadas.
Lencos de labyriniho do Aracaly e francezes
Chapeos amazonas de palha e de seda para se-
nlioras e mpninas.
Enfeites de froco, de vidrilho e de flores,
l'entes de tartaruga, imperalriz c outros goslos.
Manguitos e golas, ponto inglez, francez e mis-
san ga.
Vestuarios de fustao, de la o de seda para
crianca.
1 Manteletes, taimas e pelerinas de diferentes qua-
lidades.
ft- Chales de touquira, de merino c de la de pona
Gotta.
Hcmorrhoidas.
Hidropesa.
Ictericia.
Indigestos.
Inflammaccs.
Ir r eg u laridades
menstruacao.
Lombrigasde toda es-
pecie.
Mal de podra.
Manchas na cutis.
ObslruccSo devectre
Phtysica ou consi.n,p
pulmonar.
Reteneao de ourii.
Itheumatismo.
Symptomas cecunda
ros
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo (mal).
Vendem-se estas pilulas no estabelecimento
''ral de Londres n. 224, Strandi, e na loja de
toos os be icarios droguistas e outras pessoas
encarrega Su!, Havana e Hespanha.
Vendem-se asbocetidbas a 800 rs. cada urna
del'as, contem urna instruccao em portuguez pa-
ra explicar o modo de se usar destas pilulas.
O daposito geral em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na rua da Cruz n. 25, em Per-
namb o-
' i.m-8 T>:'.rS"'js!ms3ni(r.'im>:*:
Seguro coiilra Fogo
T
8
dos desuperioi gosto a 163 e 18J, ditos
das mesmas caserairas saceos modelo
inglez 103,123, 14 elS. ditos de al-
paca preta fina saceos a 43, ditos sobre-
casa tambem de alpaca a 7$.8je 93, di-
tos de merino setira a 103, dilos do me-
rino de cordao a 9$, calcas pretas das
mesmas fazendas a 58 e 6$, colletes pa-
ra luto da mesma fazenda, paletots de
brim trancado a 5$, ditos pardos e de
fuslo a 4 e 53, calcas de casemira de
cor e pretas a 73, 83, 93 e 10, ditos das
\ mesmas casemiras para menino a 6$, 73
6 e 83, ditos de brim para homem a 3-3,
\ 33500. 43 e 5J, dilos brancos finos a 53,
* 6j e 73, dilos de meia casemira a 43 e
s 53, colletes de casemiras preta e de co-
P res a 5g, e 6-3, dilos de gorguro de seda
[ brancos e de cores a 53 e 6$, dilos de
t velludo preto e de cores a 9J e 10J, ditos
de brim branco e de cor a 3-3, 3S500 e43,
t palilols de panno fino para menino a
l 15-3, I63 e 183, ditos de casemira de cor
r a 73,83 e 93, ditosdcalpacaa3Se3$500,
I sobrecasacas de alpaca tambem pa.-a me-
5 ninoa 5-3e 63, cam)sas para os roesmos
de cores c brancas a duzia 15$, 163 e 203,
j meiascrues c pintadas para menino de
s todos os lmannos, calcas de brim para
I os mesmos alg500 e39," colarinho de li-
nho a 6*000 a duzia, toalhas de linho pa-
ra maos a 900 rs. cala urna, casareques
de cambraia muilo fina e modernos pelo
5 diminuto preco de 125, chapeos com abas
de lustre a 53, camisas para hornera de
todas as qualidades, seroulas para ho-
rnera a 163, 203 e 233 a duzia, restimen-
jj las para menino de 3 a 8 annos, sendo
m calca, jaquela e coletes ludo por IOS, co-
g bertas de fustao a 63, toalhas de linho 'M
fu para mesa grande a 73 e 83, camisas in- g>
K g'.ezas novamenle chegada a 363 a duzia. 3%
Vende-$e por commodo prec,o uro
ino apprelho de porcelana, mandado
vir de encommenda, constando de tres
ricos servicos para cha', almoro ejan-
tar : na rua da Cruz n. 61, armazem.
Farelo do Porto,
em saceos muito grandes, ltimamente chega-
dos vende-se na rua do Vigarin n. 9, primeiro
andar, escriptorio de Carvalho Nogucira & Com-
panhia.
Vendem-se lirras sterlinas era ouro : em
casa de Manoel Ignacio de Olireira 4 Filho, de-
fronle da igreja do Corpo Santo no Recife.
Luvasde pellica brancas, pretas e de cores.
Vestidos de blond, manas de dilo, capellas e
flores solas.
Sinturdes, camisas de linho. e espartilhos para
senhora.
p Perfumaras finas, sabonetcs e agua de colonia.
.'(Casacas, sobrecasacas e paletols de panno preto
e de cor.
aletolsde alpaca, de seda e de linho.
laicas do casemira do eOr, prelas e do brim.
misas de madapolao, de linho inglez e de la.
eroulas de linho e de meia.
talas, saceos, apelreix..s para viagom.
bancas para inveruos, bolinas de Meli e outros
fabricantes.
hapeos do Chyli, de massa e de fellro para ho-
mem.
harutos manilba, havana. Rio de Janeiro e
Babia.
Ameadoas conteltadas para sor-
ts de S. Antonio, S, Joao e S. Pedro e
tambero pora presentes a 2$ o frasco,
vende-se na loja de Leite & Irmao, vua
d Cadeia do Recife n. 48.
Relogios.
yende-se em casa de Johnston Pater & C, rua
do Vigario n. 3, um bellosorlimcnlo de relogios
depuro, patente inglez, de um dos mais afa-
mados fabricantes de Liverpool ; tambem urna
vaiicdade de bonitos traneclins para os mesmos.
Espirito de vinho com 44
graos.
nde-se espirito de rinho rerdadeirocom 44
griis, chegado da Europa, as garrafas ou as ca-
andas na rua larga do Rosario n. 36
Rua daSenzala Nova n. 42
Vt nde-se em casa de S. P. Jonhston 4 C. ra-
quetas de lustre para carros, sellins esilhoesin-
glezis, candeeiros e casticaes bronzeados, lo-
nas Inglezas, fio de vela, chicote para carros, e
mondaria, arreios para carro de um e dous cara!.
os. relogios d'ouro patente inslezes
V7ende-se
um sobrado de dous andares na rua de S. Fran-
cisco! n. 64 ; para examinar, e pjra tratar na rua
do rilar n. 46.
LONDRES
AGENTES

| G J. Astley & Companhia. i
para

Vende-se
Formas de ferro
purgar assucar.
Eslaoho em barra.
Verniz copal.
Vinhos fnio de Moselle.
Enchadas de ferro. '
Brim d; vela. |
Folhas de metal. |
Ferro sueco. |
Ac de Trieste.
Pregos de composicao.
| Lona ingleza : no arma-
j zem de CJ. Astley & C.i
Botica.
/ .
ILEGVEL
Bartholomeu Francisco de Souza, rua larga
do Rosario n. 36, rende os seguinte medica-
mentos :
Rob L'Afe-cteur.
Pilulas contra sezoes.
Ditas vegetaes.
Salsaparrilha Bristol.
DitaSands.
Vermfugo inglez.
.Tarop do Bosque.
Pilulas americanas (contra febresj.
Ungento Ilolloway, t
Pilulas do dito.
Elliiir anti-asmathico.
Vidrosde boca larga com rolhas, de J oncas a
lSlibras.
Assim como tem um grande sortimenfo de pa-
pel para forro de sala, o qual rende a mdico
Preco i
Vendem-e libras sterlinas, em
casa de K, O. Bieber & C. : rua da Cruz
T -.


DIARIO DE PERTUMBUCO. SABBADO U DE JULHO DE 1860.
DE
um ei Lflii i ririfi[$tt si i?iis.
Sita na ra Imperial o 118 e 120 junto a fabrica de salmo.
DE
Scbastio J. da Silva dirigida por Francisco Belmiro da Costa.
., Neste cstabelecimcnto ha sempre promptos alambiques de cobre de differentes dimencoes
(de 300 a 30005) simples e dobrados, para destilar agurdenle, aparelhos destilatorios contino
para resillar e destilar espinlos com gruduaeiio at 4 graos (pela graduaeio de Sellon Crter) dos
melhores systemas hoje approvados e conhccidos nesta e outras provincias do imporio. bombas
de todas as dimencoes, asperanles e de repucho tanto de cobre como de bronze c ferro torneiras
de bronze deodas as dimencoes e felios para alambiques, tanques etc., parafusos de bronze e
ferro para rodas d agua.purtas para fornalhas e crivos de ferro, tubos de cobre e c
Ferros de en-
gommar
econmicos
a 5#000.
Esles magnficos fer-
ros acham-se a venda
no armazem de fazen-
das de l aj mundo Car-
los Leili & lrmo, ra
da Imporatriz n. 10.
Trapiche de depsitos, al-
fandcgadon. 19.
Ij&kso da assevibla.
Ha continuamente para vender nesle trapiche
en
rCypyg
lVV.sS
533*3
GRANDE AREVIAZE
Vi *s Jli j*i jjlj jT-i-r.!^
wess
5S*S
39*'
sas
38893
g|^ trar em dito armazem um grande e variado sortimento d
Ra Nova n. 47, junto a igreja da Con-
ceicao dos Militares.
Acha-sena direccaodaolTicina deste acreditado armazem o hbil
. ;i,umbo de todas "ecos de feiju raulaliuho muilo novo com 6 al- |g artista Francisco de Assis Avcllar, antigo contra-mestre do fallecido
as dimencoes para encmenlos, camas de ferro com armaoao e sem ella, fugues de ferro potaveis e queires, farinha de mandioca de diversas quali- 33^ Alanoel Jos Ferreira. O resneitavel Dubhro mniminr' a
econmicos, lachas e lachos de cobre, fundos de alambiques, passadeicas, espumadeiras, cocos' dades, milho fardo superior em saceos muito sa$ _.
para engenho, folha de Flandres, chumbo era leneol o barra, zinco era leneol e barra, lsnces e andas arroz do Maranh&o, cera de carnauba,
armellas de cobre, lencucs de ferroo lalao,ferro suecia inglez de todas as dimenses, safras, tornos'0 ,.. o ,, '
e folies para ferreiros etc., e oulros muitosart.gos por menos preo do que em utra ualquer! eounnhos 'lldl's. sola c P8lhade carnauba, lu-
parte, desenipenhando-se loda e qualquer encommenda com presteza e perfcieao i conhecida Q0 por procos commodos e em grandes porpes
e para commodidade dosfreguezes que se dignarem honrarem-nos com a sua conianca, acha- ou a retalho. conforme a vontado dos compra-
rao na ra .Nova n. 37 loja de ferragens pessoa habilitada para tomar nota das encommendas. j dores.
Na nova loja de miudezas da ra Dlreila n.
. 85, vendem-se frascos d'agua de^Covooia_jJe Piver
; verdadeiro a 480 e 960 rs., eslra os linos a 1)},
; e 15500, oleo de babosa Piver a '540, pos para
denles a ICO, laas para bordar, de corta, da mais
, fina que ha a "5500.
Na nova loja de miudezas da ra Direita n.
Seus proprietarios offereeem a sous numerosos freguezes e ao publico em eeral toda e'8?' vendoiri"^ lu?S ?e!.e-da enfei1ladas Para,S"
qualquer obra manufacturada era scu reconhecido estabelecimenlo a saber: macanas de vapor do Eh" a ^ d/lns de W-^P^Vn"'" '
todo, os tamanhos, rodas d'agua para engenhos todas de ferro ou para cubos de madeira.moen- *2Y c,,our, "J405 o Vi0 i nrf0. ,u,
dase iiit-ias moendas, tachas de forro balido e fundido de lodos os tamanhos u,das os euu- 1** llJap!* dn,Cia *tPA*T5 W8 "*'
rhn i> linmlvis rn.W mrtpli> ac-iilhi> P horma .,,> f.-..ii uw, gHinuuwi, guio gro/flS de botoes de OSSO a "2 0, dltOS pala Cami-
". "".j-'."?:. -TZ ,"-. "?..?.._... C_?s.'!aia forri.alI'a. machinas para amassar man- as> de |011,.a> brancos, a lO s.. ditos de
ras
'.'.'-
Vinlio de Bordeaux.
lim casa de Kalkmann limaos A C, ra da
Cruz n. 10. encuntra-se o deposito das bem co-
nloadas marca dos Srs. Drandenburg l'ires.
e dos Srs. Oldekop Mareilhac & C, em Oor-
d^aux. Tein as seguinles qualidades :
De Brandeaburg frres.
St. Estph.
St. .lulien.
Uargaux.
La rose.
Chlcau Loville.
Chateau Margaux.
De Oldekop & Mareilhac.
St. Julien.
St. Julien Mcdoc.
Chateau Loville.
Na mesma casa ha para
vender:
Shcrry em barris.
Madcira em barris.
Cognac em barris qualidade fina
Cognac em caixas qualidade inferior.
Cerveia branca.
Vende-se um crioulo de idade 22 annos,
1 figura, ofllcial de carapina : na ra do
Hospicio, em casa de Thomaz de Aquina Fon-
Pedras baratas.
linos a IsOOO. ditos a 2jj800, groias do peonas de
aro a 1?, 13200 e ljO, tinleiros [ roprios para
viagom a 320, ohreias de cola a 10 rs.
Na loja de miudezas da ra Lucila n. 83,
vorulom-so resmas de papel de cuadrinhos a
Jo.io Donnelly tendo contratado com o governo t"(0, caixinhasde papel soitidas era cores a Ig,
dilasde quadrinhosa800 rs., folhas de papel ar-
rondado u anvelopes a 210. ditos cora flores a
10, estampas finas a 20 e 280.
Na nova loja de miudezas da rja Direita n
85, vendem -se pontos de alisar, de balea, a 200,
2i0, 280, 320 e 30 rs ditos para pi jlhos a 280,
pontos travessos para meninas a C 0, ditos de
M| fec?semira Pretf e de cores, ditas de merino, de princez:
^^ ----------------,-------^.w.....^..v. .au, i..unis.is, serouias. cliapecs
m e grvalas pretal e de core?, libres para criados, fardamentos para
f^^ a guarda nacional da capital e do interior.
lis Apromptam-se becas para desembargadores, lentes, iuizes de di-
$m reito, municipaes e promotores, e vestidos para montana. Naoapra-
S| dandoaocomPradoralGuraas clasroupas (eitas se aprompt.uao'oii-
5>>i tra8a scu ^osto (ll,ei* com fazenda sua ou do armazem para o que
33>3 tem escollados c habis oliciaes, dande-setoda e qualquer roupa no
*^S dia convencionado.
'-"^.'l; '"i T ?l ;lf ? 'i '& *!? *l?s)PIr?IP'l?rpP1*B sis ti Ti? ir: ht i- :t
mmmmmmmmmm i
na provincia, por intermedio do Illm. Sr. direc-
tor das obras publicas o furnecimonto de todas
as podras exlrahidas da ilha de Santo Alcixo,
propriedade do annunciante, para calcamcnto das
roas desla cidade ; c como as mosmas obras
publicas por eniquanto se atham poralysadas, e
i,, r,.m r, kv-v--"-. roagga par;i aldr cabello a 900 rs.. ditos vi
t. nha o l-.xm. picsidentc da provincia por despa- miiacao de tartaruga a 1J600, ditos dou
dio de 18 deste mez concedido licenoa ao mesmo
annuncianle para dispor das mesmas podras, c
por grande quaolidade que lom o aununciantc,
no caes do Ramos, o (Tereco a quem inlorcssar,
om grande ou pequea porcao, que as vende
muito cm corita. O mesmo annuncianle enlcn-
dendo-se com o Sr. Rampa, hbil architelo, bem
condecido nesta cidade, conhec
dades de podras e lijlos, se te
rados
ourados
a 1>80(), dilos de alisar, de borracha, a 000 rs.,
ditos de bfalo branco a 500 rs.
r Na nova luja de miudezas da roa Direita n.
s">. vtndem-se caixasde linha do <;az branca a
800 e 19, pala a 900 rs., miadas le liabas de
peso a 120 rs., linhas para marca a i'.O rs.
_ Na nova loja de miudezas da rea Direita n.
83, vendem-se pocas de biro com 10 varas a 800
i .reniww, uorrj m) ,,,_ ,$,00 ^^ j^y i&m ]rMQ c ^
odor das quah- peras com 10 varas do ronda a 800, M, Ij200, ^
m admirado de i 1J530, lfiOO e IcOO. babados do I orto a 120^ ^
c?^ cobertos edescobertos, pequeos e grandes, de
838S ouro patente inglez, para homem a senhora,
de um dos mclhores fabricantes de Liverpool,
vindos pelo ultimo paquete inglez : em casa e
Southall Mellor.-& C*
Admiravcis remedios
americanos,
Todas as casas de famUia, senhores de enge-
nho, fazendeiros, etc., devera estar prevenidos
com estos remedios. Sao tres medicamentos con
os quaes se cura eficazmente as principaes mo-
lestias.
Prouipto alivio deRadway.
Instantneamente alivia as mais acerbas dores
c cura os pcioros casos de rheuma.=mo, dor de
cabera, nevralgia, diarrha, cmaras, clicas, bi-
lis, indigesto, crup, dores nos ossos, contusoes,
;^ Cura todasas enfennidadesescrophulosas,chro-
-C^es nicas esJ'P hlicas; resolve os depsitos do mi
Sc5 "mores, purifica o sangue, renora o sysl
:;>>!: Pron,P'o p radicalmente cura, escropliulas.vene-
)ss: reo '"mores glandulares, ictericia, dores de os-
/^e sos, tumores brancos, afeccoes do (gado e rins,
-v< erysipelas, abeessos o ulceras do todasas el i
|jg&- molestias d'olhos, diCflculdade das regras das
,')>- mulheies, hipocondra, venreo, ele.
Pihuas reguladoras de Rad-
Progtesso na cidade da Victoria
DE
nao se lor ompiogado cm alicorees este material, ','" e li0, fi!a.do ?eda lavrada, largara de 5do-
qual as podras do annuncianle.
, dos e com pintas do mofo a 320, ditas finas a 640.
como so pratica Na |oja de ,niud,zas Ui1 Iua ,Hrela g5
na .uropa, para evitar a hunndade ras paredes.; vendem-se sapalinhos de merino
O mesmo Sr. Rampa tem
da laido.
as 9 horas da manliaa, e das 2 is 0
Faqufiro.
encommendado
annuncianle 00 toneladas para esse lim, dizen-
do que em obra sua jamis deilara lijollos em
alicoree ; pelo preco que tem o annuncianle
vendido ao mesmo senhor lhe sahe raui mais
barato do que lijlo. O mesmo Sr. Hampa deu-
nic licenra para usar de
p'opnos para
ao baplisados a 18200, borze"uins do lao para rae-
ninas a 800 e 900 rs.
CAL DE LISBOA,
nova e muito bom acondicionada : na ra da Ca-
deia do liocife n. 38, primeiro andar.
V'endo-se o deposito do largo do Livramen-
soii nomc no presente I lo ti. 39, bom afroguozado [iara a Ierra, vende-se
way
cao do singue, intoiamonte vegelaes favoraveis
em todos os casos nunca occasiona nanzoas ne
dores de venir", dses de t a 3 regularisam, i
a 8 purgam. lisias pilulaa sao ollicazes as a.':- -
^oes do Ogedo, bilis, dor do cabeca, ictericia, in-
:-v igesto, e cm todas as enfermidades das i.. i-
Iheres, a saber: irregularidades, Iluso, retn-
joes, llores brancas, obstrueces, histerismo, eit.,
sao do mais promplo eiTeilona escarlatina, febre
biliosa, febre amrella, c om todas as febres ma-
ignas.
Estes tros importantes medicamentos vera a-
companhados de inslrucroes impressas que mos-
tram com a maior minuciosidade a maneira lo
applica los om qualquer enfermidade. Estao ga-
rantidos de falsificado por s haver & venda no
armazem de fazeudas do Raymundo Carlos L ite
& Irmao, na ra da Imporatriz n. 10, nicos
agentes em PernaruLuco.
Na fabrica de caldeirciro da ra Imperial,
junto a fabrica de sabao, e na ra Nova, loja de
rragens n. 37, ha urna grande porcao do I
Francisco Xaxier de Salles Cavalcante de Almeida
NO
Pateo da Fewa.

x
p<
O proprietario desie estabelecimenlo, como se acha enm um granle o completo soni- -^
ment, tendente a molhados, ferragens e miudezas convida portanto a lodos os moradores M
desta cidade da Victoria, senhores re engenho c lavradores queiram mandar suas
encommendas no Progresso do paleo da Feia, pois s ahi encontrarlo o bom e barato,
visto o proprietario estar resolvidoa vender, tanto em grosso, como a retulho, por menos
do que em oulra qualquer parle como sejam :
Latas de marmelada de 1 2 libras a 1400, frascos con differenles qualidaJes de doee
| por 25OOO, latas de soda contendo nove qualidades a 2000, azeilonas muio novas.
B passas de ditas, vinho de todas as qualidades de 500 a 2->00 rs. a garrafa, licores
francezes de todasas qualidades, champanhe, conhaque Jodias, lou^a fina, 8zul,pintaJa,
m
m
e branca de todos os padroes, ameixas era compateiras e em latas a 1^000 rs. a libra, 1I ie zim o, j proparada para lelhados.- e p
s-.
anouncio. As podras escolhidas para armazens co1" os tandoi qe tem ou som elles, isto a vori-
ou calcadas, a de/mil ris por com palmos dei- ^f.e <> comprador ; vende-se por su donse
,,.,,. i reinar para fura a tratar de sua saud>.
tadas as podras em qualquer parle desta cida- v 7 .
di>H...,....i. -... .... -, \onde-seuma barcaca nova da pnmeira I
hitas de peixe de posto por 2000 rs banha de porco refinada, aramia, fatias, bolacoi-
nha ingleza, biscoilinho, eoulras mais qualidades de massas linas, massa de tmale em
ltase a retalho, lelria, macarrao, talharim a 800 a libra, verdadeira gomma de aramia,
insenso de todas as qualidades, espirilov Je cravo, canolla, ealfazema, verdajeiros pontos
a imperalris, e de tartaruga de 9->000 a 103>000 cada um, tranca e franja de seda, fe- <4
chadoras de broca, pregos em quantidade de tolos os tamanhos e qualidades e outros
mullos objectos que por se tornar enfaJonho Jeixa de os mencionar, -" -
. olo J1-
.....uto preco do 140 is. a libra.
Vende-se um moleque de II annos, multo
sadio : na ra da Cruz n. 33.
Vende-se urna morada de casa torrea na :a
do Pharol n. 23 : a tratar na ra do Pilar uj-
ni ero 1 i;!.
ade-se um faqueiro do prata com cerca de
mil oitaras, de lindo goslo, chegado ltimamen-
te do l'orlo : na na do Vigario n. 19, primeiro
lar.
Vendem-se Scscravas com habilidades c sem
ellas do 15 a 10 annos, deSUOs a 1:500?, um es-
cravo le 30 annos, bom cozinheiro, por 1.300?,
um mulato de 22 annos por 1:300$, o mais al"-'
cscravos baratos que se vendem, lano al
.i a dinheiro, na ra Direita, no escrip-)
n rio do Francisco Hathias Pereira da Cosa. |
Fazendasporbaixosprecos
Ra do Queimado, loja
dei por las n. 10.
Anda restara algumns fazendas para concluir
a liquidaQao da Qrma de Leite& Concia, as quaes
o vendem por diminuto pre<;o, sendo entro ou-
tras as seguinles:
Chitas de cores escuras e claras, o corado
a 100 rs.
Hilas largas, francezas, finas, a 240 e 260.
Riscados francezes de coros Qxas a 200 rs.
Cassasde cores, bons padres, a 240.
Brim delinho de quadros, covado, a ICO rs.
Brim trancado branco de liuho muito bom, ^^-
ra, a 1JO00.
Cortes de calca de meia case mira a 2$.
Ditos de dila de cascruira de cores a 5J.
Panno prelo fino a 3jJ e ?.
Heias de cores, finas, para homem, duziaa
lj800.
Grvalas de seda de cores e prelas a 1?.
Meias brancas finas para senhora a 3g.
Ditas ditas muilo finas a 4g.
Ditas cruas finas para homem a 4J.
Cortes de colletcsdc gorguro de seda a 2#.
Cambraiasa una transparente, peca, a lj.
Soda preta lavrada para vestido a ljO e 2$
Cortes de vestido de seda preta lavrada a lbV
Lencos de chita a 100 rs.
La de quadros para vestido, covado, a SCO.
l'oitospara camisa, um, 320.
Chitafranceza moderna, lingiudo seda, covada
ra 00 rs.
Entremeios bordados a 200 rs.
Camisetas pira senhora a GiO rs.
Ditas bordadas finas a 2500.
Toalhas de liuho para mesa a 2# e 45.
Camisas de meia, urna 640 rs.
Lencos de seda para pescoco de senhora o
560 rs.
Vestidos brancos bordados para baplisar crian-
cas a 5J000.
Cortes de calca do casemira preta a 6#-
Chales de merino com franja de seda a 5J*.
Cortes de calca de riscado de quadros a 800 rs.
Merino verde para vestido de montara, cova_
do, 15280.
Lencos brancos de cambraia, a duzia, 2J}.
Na nova loja de miudezas da ra Direita n.
85,vendem-se loucadoros do Jacaranda a 33, 3^500
i i$500, gravalinhas a Pinaud a lgiOO, atacado-
res chatos de algodao a G0 rs., e rocos a 100 rs.
Vende-se um excellente cavado para carro
o. cabriolet. muito novo, grande c bonita cor :
tra Sanio Amaro, ao p da fundioo, taberna do
meio, de Jos Jattntho de Carvalho.
Vcnde- um ou dous bois mancos, de car-
roca o carro, assira como urna carroga : em San-
io Amaro, o p' !i fundioo, taberna do meio de
Jos Jaciiiio di; Carvalbo.
de a cusa do anuunciantc, com toda acvidade
possivel, para o que tem as proporcoos necossa-
rias ; os pretendentcs dirifam-so a ra da Praie,
escriptnrio do annuncianle.
PERFUME PARA SENHORAS.
IDEBA
DE
Murray e Lanman
A que lem adiado oais acolliimenlo no
publico! Vcntlc-sc 20,000 dizias
de frascos por auno.
Estaagua encantadora exlrahc-se das diversas
lloros que se enconlram no paiz onde Ponce de
Len e Soulo lam procurar a funte da juventude
I eterna.
Da aos lencos um cheiro muilo agredavel e
refrigerante, augmenta a belleza da culis, des-
iruinJo as sardas o mais manchas que do coslu-
moalacam o rosto. Aconsclhamos as possoas
debilitadas polo calor do vero do usaren) desla
agua em banhos, pois tem olla a virtude de fa-
zer recuperar as forras perdidas pela Iranspi-
racao.
Para evitar ser engaado por falsilicaccs de-
ye-se procurar aAgua Florida de Murray e
Lanman, e averiguar-se se o envoltorio e rotulo
Irazem 0 preOxo de Murray o Lanman.
E' fabricada osla agua nicamente pelos pro-
prietarios I). I'. Lanman e Kemp droguistas por
atacado, O'J Water Sireot, e 3G Cold Street, No-
va-York.
Acha-se venda em todas as bolicas c lojns
de perfumaras do imperio, em Pernambuco loja
de Luiz Antonio de Siqueira, ra da Cadcia.
pn
viagom, muito bem construida, e prompta do lu-
do para viajar, pega em 60 caixas : pora exami-
nar, na escadinha da altandcga, e para ajustar,
na ra do Queimado, loja n. 41, ou na ra ik>
ltangtl, casa do Luiz Jos Marques ; podor ser
vencida a dinheiro ou a prazo.
E pechincha sem
igual.
Na ra dasCruzes n. 41 A recebeu-se cm d-
reilura um completo sorlimenlo de lonca da Ba-
ha, assim como quartiulias do todas as qualida-
des, copos para beber agua, moringue.; grandes,
dilos pequeos, jarros para conserva:- agua que
lovam duas canecas, iarrinbas pequeiids, ludo se
vende polo prego da factura, que no possivel
vender-so cm oulra qualquer parlo por este
preco.
Mmmmmssm : ~r^r,
Escravos fgidos.
itssh Beet.
Superior carne ingleza de porco, salgada, a
240 rs. a libra : no Bazar rernambucano da ra
do Imperador.
o fgido desde a noile do dia 7 i
correte o preto de nomc Joo, com os signaes
seguiutes: altura regular, corpulento, pos curios
o grossos, raaos do msmo modo, c bous denles;
TadiaS e mOendaS Farinba ^ mandioca.
Vende-se farinh.i dcmsndioca, sunerior quali- f. sCravo muilo ladino, habituado ao semen de
de, vinda do llaranhao, polo hiato Rosase "F" cocs donde, e de enxada ; em suas fugi.'as
guo escuna Graciosa : no* armaxens ie Mu- "c c*sluma andar pela estrada do Joo de :..r-
Braga Silva & C.tem sempre no seu deposito
da ra da Mocda n. 3 A.ura gran de sortiracnto
de tachase moendas para engenho, do muito
acreditado fabricante Edwin Maw a tratar no
mesmo deposito ou na ra do Trapiche u 4.
Grammalicaingle-
za de Ollendorff.
da,:
brig
chado A Dantas o Anlunes Guimaraos C, no r.' s'' etc J'' Pom,,a'' Santo Amaro, Campo Gran-
Forte do Mittos, largo da Assembla. !l0 mais proximidades: quem o apprehenJcr,
leve a casado Sr. Joaquim Viciaa Coclho, ia
'.sT'l '~ ^i_^ do Crespo n. 10, ou nos Afilelos, deposito do

do ; -;.mili
compensado.
quesera geuerosamcute re-
M
Novo methodopsra aprender a lr,
a cscrever e a fallar nglez em G mezes,!
obra inteiramcnle nova, para uso de
todos os e&tabeleciraentos de nstruccSo,
pblicos e particulares. Vcndc-se na
praca de Pedro 11 (antigo largo do Col-
gj^ I I .''-.. jj ,. No da 13 do fevereiro de 1860 fugio do n-
z "-'J""?'. t? s**L~ ~ ; -' 5! -- a 'o !'''> Formoso, I .-
' 3^[- '- j1 s.ravos, st-nJo um mulato do nome Beruard ,
o'ISm! *l i ''' l''""!o de !',:!"-' BBymniido : o prim iro
^ EJgp _.ji... i. ., rom os .ignacs seguinles le boa altura, ;
-ShS\-"~ barba, apenas urna suissa pequea por baixo do

!

Relogios patentes.
F.slopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitosparacamisas.
Biscoutos.
Emcasa de Arkwight & C, ruada
Cruz n. 61.
n. 37, segundo andar.
Relogios
Suissos.
Em casa de Scliafleillin & C, ra da Cruz n.
,38. vende-se ura grande e variado sorlimeutode
: relogios de algibeira horisonlaes, patentes, chro-
j nometros, meios chronometros, de ouro, prata
jdourada cfolheadosa ouro, sondo estes relogios
dos primeiros fabricantes da Suissa, ciue se ven-
deio por precos razoaveis.
m
mm SORT1SEXT0
DE
Fazendas e roupa feia
As mclhores machinas de coser dos mais
ajamado, autores de Nc^York. I. SjSTiaaTrfiflfS
M. Singer & C. e ^heeler &AVilson.
i@^
1SIL060S.
Vende-se em casa de Saunders Brothers &
C, praca do Corpo Sanio, relogios do afama
do fabricare Roskell, por pregos commodos,
e tambemtrancellins e cadeias para os mesmos,
deexcellente osto.
Vendem-se saceos com muito bom
farello de Lisboa com 96 libras, a 5<> o
laceo : na ra do Crespo casa de Si-
queira c\ Pereira.
Vendem-se na ra do Crespo n. 17, cortes de
seda de ricas cores de 2 saias e 3 babados a 50JJ
o corte.
Em frente a
matriz da Boa-Vista n. 8G.
Vendem-se e alugam-se bichas de Hamburgo
roconlemente chogadas : assim como so appli-
cara ventosas pola allraccao do ar, sem precisar
de levar fogo.
i Engenho.
Vende-se o engenho Santa Luzia,sito na
g froguezia de S. Lourenco da Malta, entre #
os engenhos Penedo de Baixoe Peuedo de
Cima : trata-se no mesmo engenho ou no
engenho Mussambique com t'elisbino de 9JU
Carvalho Rapozo. |
#*@@@@#@@G
tiraiva em hechizas esebo
em paos e em rama, ere porcoes e a retalho : na
ra do Brum o. 1C, armazem.
Com toque de avaria
Na loja de Machado Ra do Queimado n. 6, por baixo
da boneca.
Vende-se popelina de cor miudinhn, propria
para vestidos do senhora c roupa de meninos,
sendo da largura de chita franceza, pelo diminu-
to preco de 210 rs. o covado, sapaloos inglezes,
proprios para o inveruo, obra muito forte, pelo
diminuto preco de 3;800 o par, e um completo
sorlimenlo de fazendas de diversas qualidades,
por monos prego do que em oulra qualquer par-
te : do-se amostras com penhor.
Neste eslabeleci-
mento vendem-se as
machinas do-tes dous
autores, mostram-se a
qualquer hora do dia ou
da noiie, e rcsponsabili-
samo-nos por sua boa
quslidade o seguranca :
no armazem de fazendas
do Raymundo Carlos
Lcite & Irmcs ra da
Imporatriz n. 10, antigamenle aterre da Boa-
Visla.
Vende-se urna negra fula, bonita figura,
moca, cozinha, engomma soffrivelmeutj e costu-
ra, e lavadelra, e quem a comprar se dir o mo-
livo por que se vende : na ra do Brum n. 16, ar-
mazem de Manool Jos de S Araujo.
Aos Srs. proprielariios e
capitaes de navios
Na loja do Preguica, na na do Queimado n. 2,
ha para vender fazenda de la propria para ban-
dea-as c signaes, pelo baralissirno preca de 300
rs. cada covado.
A 4,000.
Farelo superior de Lisboa era saceo grandes,
vende-se a 45 a sacca na Iravessa da Madre de
Dos na. 9 e 16 ; tanibem se vende "arinha de
mandioca de superior qualidade por preco cora-
modo, tanto em porcao como a relalho.
Cemento.
No armazem de Jos Joaquim Dias Fernandes
iravessa da Madre de Dos n. 6 vende-so ce-
mente muito novo a 5 a barrica.
E' baratissimo.
Na loja do Preguica, ra do Queimado n. 2,
vende-se chaly e merino liso de todas; as cores",
proprios para vestidos de senhora e roipinhasde
meninos a 300 rs. o covado, chalys matisados de
diversos e bellos padroes, o mai3 moderno possi-
vel a 640 rs. o covado, angelina de seda, de deli-
cados padroes a 720 rs. o covado, chales de lao
estampados a 2}50O cada um, capas de panna
azul muito lino, bastante largas, proprias para
viagens a 16? cada urna.
Na nova loja de miudezas da ra Direita n.
rs caixas
20 rs.
Farinha
NA LOJA E ARMAZEM
DE
Joaquim Rodrigues lavares de Mello
IILA DO QUEIMADO N. 3J
KM Sl'A LOJA DE QtiATHO POMAS.
Tem im completo sorlimenlo da roupa Coila,
e convida a todos os seus [reguezes e todas as
perseas que dest-jarem lar um sobrecasaco bem
feito, ou urna ca!c,a ou collele, de dirigiremse a
esle estabelecimotito que cncontrarao um hbil
artista, chegado ltimamente de Lisboa, para
desempenhar as obras a voniade dos freguezes.
J lem um grande sorlimenlo de palitots de ca-
(ueixo, cabellos garapiulms, nariz atilado, o .
bastante morios, una pi qm na cicatriz do um la-
Iho em urna d s sobraueclhas, reforcado do cor-
po, espadando, pomas um pouco arqueadas, bo-
nitos p?, bem fallante, porcni urna falla mai ,
'i lo lom lixo uer i :, r, lem p
mar' s Je ch ule as cosas, i.> armado i
muito metlido a val nti ; I > Kio de S. l7ran-
- nhor que o pos:;.o chamava-sc An-
\ ionio l'erreira Luslosa ; o segando com os sig-
naes seguintcs : crioulo, alto, seceo, i .
tem es peilospara fra e o estomago um pi u:c
para dentro, lem urna grande cicatriz de queima-
jd-ura do fogo que prin ipia de I .i\'i do ;'.
. e vom at os pe los, bem fallante ; as Enlenc
de ambos seguirem para o centro dos sertes :
portanto peco a todos os capitaes de campo ,;
-as autoridades policiacs que o apptehcu-
dam e levem ao dito engenho, ou no Recite ao
Sr. Manool Buarquc Macedo Lima, que ganbar
I00j por cada um. Lembro mais que qualquer
J pessoa que pesar o dito mulato tenha alguma
cautella pois muilo esperto.
Manacl B. de Ciisniao Lima.
AVISO
de qualidade especial para mesa : no armazem
de Anlunes Guimaiacs & C, no largo da Assem-
bla n. 19.
Vende-se o verdadeiro doce de goiaba da
casca, por preco muilo em cunta : na ra do
Ilangel n. 62. No mesrao armazem vende-se
urna porcao de courinhos de cabra cortidos, por
baratissimo preco, para acabar.
Anda fgido um molato oscuro de nome Fir
mino, j idoso, barbas crescidas, om mangas l<
camisa e chapeo do polha. L' grosso do corpo,
c de estatura regular, o alguma cou.-a desdenla-
do. Est quasi sempre na Boa-Vista, por justo
da ponte e do chafariz : roga-sc aos pedestres de
leva-lo casa de seu senhor, na rui do Trapi-
cho, sobrado n. 10, onde so pagar qualquer des-
semira cor de rap e outros oscuros, que so ven- peza.
dema 12??, ouiros do casemira de quadrinhos! ~ Fugio oescravo de nomc Cesario, idade de
J m: n i i .V. i-, vale c tantos annos, pouco mais ou menos, es-
da mais fina que ha no mercado a 16*. ditos lalra mediana c t*^ bons denles e lima-
de merm setim a 12?, ditos de alpaka muito dos, cabra oscuro quasi negro, barba na pona do
fina a 6?, ditos francezes sobrecasacados a 12>, queixo, olhos avermelhados, pomas um pouco
ditos de panno lino a 20, 2o0, e 3U3, sobre- anjeadas, filho do .Sobral (Cear) ; portanto
.* rnm_co fnc fninliinc no r-.T
casacas francezas muito bem feilas a 36>, cal-
roga-se aos capitaes de campo, s autoridades
policiacs, e qualquer pessoa que o possa encon-
gas fetas da mais fina casemira a 109, ditas de trar, o apprehendam e o levem a sua senhora, no
brim ede fuslao por piejo commodo, um grande, caes do Ramos, sobrado encarnado, que setao
sorlimenlo de colleles de casemira a 52, dilos Je ; gratificados ; c se protesta contra quem o tiver
, f,_ _.. acoutado em sua casa,
outras fazendas por proco commodo, um grande, /nn''l(n 1 IT
sorlimenlo de sapa los de tapeto de gosto muito j 4UU,^UUU, tlG grallllCaCilO.
apurado a 2?, ditos de borracha a 29500, cha -! Achando-sa nosla cidade rindo do Maranho
pos decaslor muito superiores a 1G3, dilos de se-: Para se,r v,enuido. o crioulo Faustino, desappare-
:_j_-...j. mu ceu anle-honlom, 2u de abril no manhecer, do
undo ao mercado a 10,, i,)gardc ,- ,uja para onde Uohl ido a ronl(.'n!o.
. r, N','nd,e-3C Mjao rajado a 320 rs. a cuia : no da dos me|horesciuetem
armazem da ra do Kansel n. 62. .-. .,>-
ditos de sol. inglezes a 109, ditos minios bons a | Sua estatura alta, corpo regular, traz suissa
! 129, dilos francezes a S9, ditos grandes de pan- j rapada no queixo, falla bom, conserva o sem-
FINDICiOLOW-MOW,
Ra da Scnzala Jova n. 42.
ros por preco commodo, camisas bordadas que: ao- dizendo sor natural de Manon. Levnu vos-
servera para batisado de enancas e para passeio I ^o calca de algodao smenlo, camisa branca,
i o% inm ,c\* II h i cr,aPt0 de palna, e um cobertor ac laa. Descon-
Neste estabelecimenlo continua a haver um | ,pi lu,e l-> ncois leiQOS^iie caubraia d3 qa-se que seguase para o norte da provincia ; o
comapletosorlimcnto de moendas e
das para euSenho, machinas de va
de ferro balido e coado. de todos
para di
Vende-se urna casa terrea com
grandes commodos e em urna das me-
Inores ras da reguezia de S. Jos : na
ra das Cinco Pontas n. 72, se dir'
quem vende.
FARELLO.
Vende-so saceos cora farelo a 4$500 : na ra
do Rangel n. 62, armazem.
reslinho de chales de toquim a 308, corles de
vestido de seda de cores muilo lindas e superio-
res qualidades a 1G09, que j se vender ni a
1509, capuln los pieles e manteletes pelos de
ricos gestos a 20$, 259 e 309, os mais superio-
res chales de casemira estampados, muilo finos, a
83 e a IOS, toalhas de linho de vara c tres quar-
tas, adamascadas, muito superiores a 59, ditas
para rosto delinho a 19, chitas francezas de su-
perior qualidade, tanto escuras como claras a
2C0, 280, 320, 400 e 440 rs. o covado, -ricas
casemiras para caiga, colleles e palitots a 49 o co-
I vado, e ura completo sorlimenlo de outras fazen-
; das, e ludo se vende por preco baralo, e que nao
v" oTenfo ?.l?.\!2t" rP.SfS iS: p-H ^ M pder -y* "a h
n. 16, casa pintada de amarello com oitao para partedella?, no entanto os freguezes chegando e
a ra da Florentina. querendo comprar no irao sem fazenda.
Batatas e cebla
nova
cravo de nomo Jos, idade 40 a io anuos, ca-
bellos estirados, calvo, ps curtos e largos, de
altura menos que regular, um tanto cheio do
corpo, vestido de camisa e calca de algodao
azule chapeo de couro, cosluma trabalhar nos
armazn1! o trapiche no Forlo do Mallos e foi
visto no dia 6 no patio do Carmo. Com-
preio ao Sr. Thomc Gomes da Silva que veio
vonde-lo por carta de ordem da Sr.a viuva sua
mai D. Maria Gomes da Silva moradora em Mo-
chlo Este escravo tem. filhas em Buique e Jar-
dim e mulher forra e mora com urna das filhas,
muilo natural que siga para essos lugares : ro-
go as autoridades e homens bons dessas locali-
dades que o apprehendam e remettam esta
praca na Boa-Vista ra da Saudade a seu senhor
o primeiro lente reformado Joaquim .Ignacio
de Barros Lima ou ao senhor coronel Joao Jos
de Gouveia, com commereio de fazendas na ra
do Queimado,que bem recompensar as despezas
que se fizerem e o trabalho.
mm
P
OH
.
fTT^TT.


O)
DIARIO DI PgflfUMBUCO. SABBADO 14 D JTJi DE 1880.
Litteratura.
Origcns chiistaasdaGallia.
Valor histrico da legendas.
I
A; legendas dos nossos mais anligos santos,
.; dos bispos enviados do liorna, que fun-
:ai im n -sos principos egrejas, c dos mirtyrcs,
h com seu tanguo cimentaran) o> primeiras ha-
do eslahelecimcnlo calliolico, fro os mais
ios ii aumentos da littcratura nacioual.
ferio ellas un valor ii:.-i->fcco ?
- lo j confessamos quo o que Ibes deprecia
r, quo era re do lerem sido escripias por
llores contemporneos, turara pola mor parle
redigidas por cscriptores muito posteriores aos
.tconlecimenlos. Quando a paz foi dada s egre-
jas, quando estancou o diluvio dos homens do
norte, piodosos cscriptores collieram da Iradicco
oral, islo da bocea dos velhos o fiis mais ins-
truidos, os fados c nomes relativos s origons
christas ; soccorreram-so sem duvida ueste Ira-
niisso do primeiro bispo do Pars, temo cuidado
de dizer que as legendas dos santos, cuja missao
Gregorio de Tours assignala no imperio deDecio,
nao concordan! inteiramente com o que este es-
criptor refere por conjeeturo cm sua Hisloire des
Francs.
Antes de irmos mais longo, estabeleeamos co-
mo inconteslavcis estes dous fados :
Io As legendas dos sanios sao em nossas di-
versas provincias os mais anligos monumentos
da historia nacional.
2" As legendas dos nossos primeiros bispos
concordam em fazer remontar a missao i S. Pe-
dro, ou S. Clemente.
II
Agora qu.il o valor histrico deslas legendas,
relativamente s tradicocs, queconleem sobre a
missao apostlica do nossos primeiros bispos 1
Sem duvida alguma essas tradiccocs leein o
mrito da antiguidade, visto como as legendas
que as referem, montara aos primeiros seculos
do nossa historia. Alin disto, nada ha mais cor-
lo em outra parle, e, se se procura a verdadeira
balho do olguns monumentos escriptos, taes co- ***** "f888 rao"umen" "igenas, que
se devo busca-la. Em quanto nao houver prova
i em contrario, a presumpeo era favor dessas
mo os Diptycos episcopaes ; e doste modo redig-
ram, alguns seculos depois dosacontecimentos, a
historia dos santos, cuja memoria a Iradicco vi- le"cndas' e com ra*a Pde suppr-se que essas
va conservara. Grande numero destas legendas : lradwCUM. anle3 de serera escriptes, achavara-se
achava-se cornposto desde o sceulo VI, e no di na crcna PPular. c 1ue s lhs. que haviam
da restados santos cram publicamente recitadas Colli,do p'cdosa lorabra"Ca dellas da bocea de
nos onicios ecclesiasticos. I seus anloPaSiados. Unham-a transmiUido seus
As locuces, que cnconlram-sc em laes legen-; dcscendtDlcs- Qe lodos esses escriplores, po-
das, [.rovam que a mor parle foi assini redigida la raa,or parle rel'Sl0Ss. ler-se-hiara feilo fal-
Com elteilo enconlra-se frequenlemente seme-: sarios' e lonara st'unteento mentido seus
bamos modos de fallar: Quod faclum est, t/ | contemporneos ? Nao podenamos cr-lo ; e de
vnlgi fama teslalur ; ut ferlur [Amiga vida de S.! b0a vonladc rePel""0S respeilo de todas essas
Marca!] ,1] ; -sieut fideli recordatione reinetr !lpgendaso 1uo cmoulra 9** dissemos propo-
i g :, ia de S. Saturnino) ; Qua lomo fue- p0Sll dc upja das mais al'cradas.-a de S. Mar-
ran' obumbrala silenlio ;plus Hdeliumsunl re-. -a1, comPsla Pcl falso Aureliano : c Quaes-
/ Uione omperui, quamprobentur ad nos lectione quer que s,'Jam as nexactides de detalho, que
a nina, etc. (Legenda de S. Diniz do Paris.) cila encerre T'ando o autor acommoda as cou-
olre as mais antigs legendas, redigidas se- sas s n,anciras ou s locuces de seu lempo ;
fundo os dados da iradicrao oral, devo contar-so l 1"all,10r 'I"c sc>Ja o ornato legendario, com que
. S. Diniz de Paris, publicada por Cosque! em a jm,8ino5o dus povs ou a iugenuidade do es-
criptortenha cercado os fados principos, nao
deve ser ella monos verdadeira no fundo das cou-
sas ; por que a biographia de un sanio conheci-
do por un paiz inleiro, neccssariamenlo con-
formo ao quo a Iradicco local diz desse san-
io. (2)
Regeitar-se-ha a data da missao desses sanios
bispos, dala que se encontra em suas legendas.
suas Hisloire de l'Eglise gallicanc; legenda at-
nibuid por De Marca Foriunat, c que j oigamos
- : i slo menos do VI sceulo ; a de S. Ursino de
Baurgcs, publicada em nossos dias por Mr. Fail-
lon, legenda quo estesa'-io provou ser anterior
Gregorio do Tours ;a anliga legenda de S. llar-
cal la qual os Bollandistos conlioceram e publi-
i ti im a segunda parlo, relativa aos railogres do
santo, a qual reconheccm ser anterior ao seculo DaraadoPloreom 3 crticos da escola de Launoy
Vil. ;a de S. Auslremonio, composta no secu- a 0Piniao '" flxa cssa mssao ao seculo III ou
lo Vil por S. I'riost, bispo de Clermont ; a de S. a0 1V ? .Mas com que direil regoitaremos urna
data tradicional o positiva, para adoplarmos una
oulra conjoctural e despida de fundamento.
Dizemos que a conjeclura do Launoy despi-
da de fundamento, porque hoje, depois di refu-
Vicnna, Uncard e Nolkcr-le-Beg'uc ; a desTsai- l"5a0 do texl" de rc'",io do Tours, que servio
do base oslo cmnriranhado de coiijecturas.de-
poisdas descobortas da crudicao conlcmporauea
o dasdiscusses do urna critica mais imparcial e
esclarecida, nao mais permiltido lixar na segun-
da melado do seculo III a predica evanglica no
meio-dia e no centro das Gallias.
Memmio do Chlons, que o sabio Mabillon com
razo dala do sceulo VII; a de S. Jorge du Valay
c de S. l'ront de Periguex, que anterior ao IX
seculo, visio como resumida por S. Addor de
Un Jo Meaux, citada por Uincmar em um volho
manuscriplo : a finalmente as de S. Juliana du
Haus, de S. Tourinho do Evreux, que montara
cgu Imenle i urna all anliguidadc, etc.
Ore, exceprjao da legenda de S. Saturnino
lo T..losa, que, segundo urna anliga licao citada
por Gregorio do Tours, fixa a missao deslo bispo
marlyr no imperio de Decio, todas as mais, re-
Mas supponhamos que, nao obstante o exame,
houvesse duvida entre essas duas pocas : porque
../indo a Iradicco oral das respectivas ere- ra/ao rcoeitar-se-ha una dala, que foi consagra-
os onde foram composlas, concordara cm dizer da p';Ia crcna dos seculos c que tem o mrito in-
i|UC es primeiros bispos dos Gaulezes foram en- c,,llleslado da postetsao, para adoptar urna dala
viados apostlos ou polos successores dos apos- conecturaU 'iuc pelo menos 6 to incerta, e que
, por S. Podro ou por S Clemente. i "a0 lcm me|'lo do ler sido tiansmitlida econ-
A-sim, desde o comeco do seculo IX Hiliuino *S"J' pela cren$a iminemoravel dos povos?
abbide de S. Diniz, iculando Gregorio de Tours i:'n va0 a"0S1-se que a opiniao do9 crilicosdo
sobre a poca assignada por esto historiador a XV" sccuI basea-se no leslemunho deum his-
[11
II.
I] Bibllotheque impeviale, ancien fonds laliu,
2S51, V. foi. :J0.
WWLUEWMM
ORIGINAL DO DIARIO DE PERNAIYI3UC0.
RESHl
v u
xxv
mo.O rola lorio do Sr. ministro da
marinha.
finhamos feilo o firme proposito do acempa-
. par o passo S. Exc. o Sr. ministro da muri-
nl no seu rotatorio; assim o declaramos aos
ii i sosleitores, c os que somos demovidos deste
.....i por urna infinidailc do reciaraarocs ?er-
l'2j Diaertalion sur l'apsoslolat de Saint Mar-
cial, p. b2.
d'aquelles, mas como a txiguidade desses venci-
menlos i- urna vcrdaJe reconhecida por lodos,
nao me alargarei osle respeilo ; nolarei somen-
le acamara una circumstancia, o ofTicial de nia-
rinlia i um ofllcial scienlifteo ; a vida do mar
a mais enfadonha ; o entretanlo immensa a
dilTerenca quo so d cutre os vcncimeiKos de
commisso activa do nosso corpo de engonhoiros
c os reneimonios de embarque dos nossos offi-
ciaos de marinha. V. essa dilTorenca 6 tanto mais
de notar, quanto c cetto que nao preciso esti-
mlos, para ler cheia a academia militar, e ha
necessidade dc vantagens especiaes para adiar
quera se queira dar aos pesados desgostos da vi-
da do mar. A gloria ainda o seu nico e mais
eflicaz estimulo.
V, nesla occasiao declarou egualmenh; S. Exc.
que sentir ler descido do poder deixando sub-
sistir, por falla de aulorisacao legislativa, e nao
por falta de vonladc, a ioferioridade de venci-
nicnios de quo com razio se queix3vam os offi-
,-!
bai s e escripias, daqucllr-squu com mais inters- ciaes da armada, resultante da reforma que ha-
Iham para estas linhas, islo c, dos ollkiacs via foiio no corpo de saude.
ju armada. Tomamos nota deslas palavras; mas ncm
i /.'ni uus: Que! para quando quer o Sr. es- por isso absolvimos S. Exc. do enorme peccado
lor da liesenha deixar a queslo que actual- que comraetleu, oui nao tomar a peilo, quando
lite mais nos preoecupa? Nao atiendo que se
passando o lempo mais precioso para advo-
issa causa? Por ventura j esfriou no ar-
om quo al boje combateu ?
IJ 'iii oulr 's: r.nlao, Sr. rodador da Resenta,
i nJo opportuno tratar do melhoramento
is sidos? Nao vfi que estamos emju-
, que a S i;>ao vai adiantada, e que ainda no
poda e eoia, osla repaiacao de um mal de que
S. Exc. linha sido o autor, fairndo o-bem.
O quo S Exc. lace do paiz proclamou do al-
to da tribuna, muilas vezes repeli bordo do
vapor Hecife, quando velo para prtsidenlc dcsta
provincia, occasiao eu que o ex-ministrn da ma-
rinha podo bem apreciar, como confessou, a in-
mensa differeiiga dos serviros que prestam
Id nao so deu para ordem do dia a discos- bordo de um navio de guerra os oicioes dc nia-
ste assumplo, vital para a marinha? rinha e osofiiciaes de sade.differenca, cuja ex
E no meio de ludo isso mil alluses malignas, pressao real para aquellos urna grande res-
qn nao temos remedio senao recebor com um ponsabilidade, urna lula continuada, noiies per-
iso c desculpar, mis quo nao pensamos n'ou- didas debaixo da tormenta e do ebn*a, emqann-
couss ; porque estamos na posicao do medico lo estes dorroera iranquillos em seus cama.x>tcs,
que se deve sujeitar lodos os caprichos do se nao sao timoratos I
d 11, ou do advogado que tem de ouvir toda a | O Sr. viscondo do Abaet, ministro em 1859,
ria do seu cliente, apaixonado pela iojuslica diz s cmaras o seguinte em seu relatorio :
quesoffre.com urna paciencia mais que huma-i O decreto n. 1,981, do 3(1 de selembro de
na, para collier aqu c ali, algum fio que llie sir- 1S57, que, elevou os voncimeutos dos officiaes do
le conductor, que o desembarace do labyrin- corpo de saude, deu occasiao quo se estabelc-
em que so acha. ?essem comparocoos entre estes vencimentos, e
Vamos, pois, dai um salto, comprometiendo- os de alguns olliciaes do corpo da armada, que os
a laucar ainda vista para o que agora pas- lem menores. Assim que o Io lenontc com-
samos por alto, se bem q'ic era mclhor nao pro-, mandante de brigue percebondo 150J. mensaes,
melter nada, porque final nao teamos quedar na forma da tabella em vigor, vem o ter menos
cavaco, cjmo agora fa/emos. i do que os primeiros o segundos cirurgioes quan-
TambemoSr. ministro da marinha nao sei do embarcados, porque, em virtud: do referido
poique nos foi toilocar no fim do seu relatorio! decreto compelo aquelles 2599000, e esJos
c so os carneradas nao nos despertam. palavra 23G$UO0.
u.'io trataramos delles senSocom os cmaras ; Comparando o servico, que presta 5 bo-.do o
fechadas. E' btni corto o dilado que diz :Quera commandanto de um navio e o so-u medico, bem
na pede, Deus nao ouve, e por consecuencia va- como a responsabilidade de um e de oulro, e as
mos pedir o que a jiislica, a razoo, e eolive- I desposas quo sao obligados i (user, gara suslen-
nif^ncias polticas oconselham que so nos do; tar sua posicao, ver-so -ha a infcriuriaade-cni que
porque 6 manifeslamenlc injusto que um medico lica o primeiroenllocado.
\ bordo lenha vencimentos duplos dos do seu Para obviar este inconveniente, sena para
commandanto, e pan opoio disso, dtaremos es- desojar que fosse adoptado o oitigo offerecido na
tas significativas palavras proferidas prilo illus-i discusso do projcclo da le do orcamenlo, que
trsdo Sr. senador lloUanda Cavalcanli na sessao pondo do approvacao do senado, autorisando o
loriador anterior 5 massa dos escriplores fia lda-
de-Mcdia.Se a.aassercio de Gregorio de Totora, li-
vC'ssc (do alguma vcrosimilhanca, se (ivease oas-
cido das verdadeiras IradicQcs do paiz, teria si-
do reproduzida na Idade-Media pelos legendarios
dessa poca : ao contrario, contradila por
toda a parte, e no seculo VII, ni propria patria
de Gregorio do Tours, Sainl-Pieste, bispo de
Clcrmonl, protesta contra ella, assignando aos
lempos apostlicos o missao de >. Auslremonio'
de S. Margal, S. Trophino, etc. ; no IX seculo
Hilduino, abbade do S. Diniz, pro esta oppondo
conjeclura de Gregorio de Tours kstcmuiihos an-
ligos, que o contradizom ; no X secuto, Pedro, o
escholastico, era Limousin, prolesta dirigindo ao
bispo de Tours una virulenta aposlrophe. Porque
pois quizeram os crticos modernos por s claras
urna conjeclura errnea, a quo toda a Idade-Me-
dia fez justiea ? Se a Iradico est era alguma
parle, nao se acha ella as legendas de nossos
primeiros bispos ?
III
Nao pde negar-se que esta traicao lenha um
grao qualquer de certeza. Esculemos este res-
peilo o juizo de um sabio acadmico do sceulo
passado, Frcret, secretario perpetuo da Academia
das Inscripcocs :
As historias antigs, mesmo aquellas, que
eram fundadas apenas na simples tradico, teem,
ao que rae parece, um cerlo grao de certeza, me-
nos forte, verdade, que o das contemporneas;
mas tal entretanto que apezar d.i distancia dos
lempos e lugares, que nos occulta urna parte das
circunstancias, e que muilas vezts altera a ver-
dade de muilas outras, os espiritos verdadera-
mente justos nao se julgam com o direilo de re-
geila-las inteiramonle pelo grosso dos fados,
quando nao tecm de sua falsidado prora po-
sitiva.
Porlradicoes histricas enlendo eu opinioes
populares, em consequencia das quaes urna najao
inleira est persuadida da verdade de um fado
sem ler oulra prova a nao ser sua propria per-
suaso o das geracOes precedente.), e sem que
esta persuaso seja fundada em leslemunho al-
algura contemporneo, sabsislindc separadamen-
te da tradico mesma. (3] >
A nao querer rcconheccr-se Besan velhas le-
gendas um cerlo grao de ccrleza, m*o poder-
se-ha ao menos recusar-lhes a probabiKiado,
isso que chamaremos um valor tradicional. Se
nao certo como historia, ao mcios provavel
como iradico.
Ha, diremos nos. entre a historia e a legenda
tradicional a mesma dilTorenca, que ha entre a
certeza e a probabilidade, entre o ola claro e o
crepsculo.
Cucamos esto respeilo um sabio que flxou
cora ura golpe de vista judicioso as rogras da cri-
tica moderna :
Sendo apenas opinics, diz o padre lonor
dc Saint-Marie, essas respeilavcra i radicos oceu-
pam o meio termo entre os fados cortos e os
supposlos ..
Os historiaJores, q:ic com mais exactidi'o
escreveram, nao deixaram de dc:ilindar o que c
provavel do que visivelmento falso : se suppri-
miram as narraces fabulosas, nao desprezaram
os fados histricos que leem' verosirailhanle, e
julgaram que elles poderiam occapar lugar cm
suas obras, (i)
Ha porcm nessas legendas fazlos evidentemen-
te apocryphos Quando mesrae assim fosse, de-
ver-se-hia regeilar ludo ? Nao, s;ra duvida ;
preciso fazer urna eseolha, cortar ludo que visi-
volmcnle falso, mas conservar reaoeuosamente o
que verosmil.
(3) Mem. Acad. Bell. Lett., t. VI p. 153.
(4) Reflexions sur ler regles el V isa ge d l* cri-
tique, l. II, p. 58.
bem urna crvela lem fclfej mens.ies; isto 6, me-
nos 53$ do que aquelle : o Io lente comman-
dando um brigue lem r50g, isto menos-121$!
Cm 2cirurgiao, %" lente, lero por mez
2489, quando j vimos que um capiode traa-
la commandando crvela tem 23(, um cao-ilSo
lenlo as roesmas circumstancias 218$, e ura
1" lente commandando brigue somonte 155 :
quando j al esla patente a- diffe.-enea 13 no-
lavel, parece-nes escusado dizer jue um 2o l-
enlo commamlando, nicamente tem 115*, isto
c, muito menos de meiade do qui o-medico de
so patente so entrar logo para o servieo-.
Nao somenle o v,nico eorpo ssienliflso da
armada, como j se lembraram dfMiominar o
corpo de saude. quem goza deste i'elti privilegio ;
tambera os pharmaceuticos foram largamente
contemplados- na destribuic de 30 de-seiembro
de 1857, e um primeiro boiieario. que tem a pa-
tente de 2o lente, vence 167g mensaes-, ou mal
17$ do que o Io lente commandando um bri-
gue, ou mais 7g do que o 1* ten?nte, comman-
dando curvla, caso raro e pouco visto, ou mais
52$ do que um 2o teneute commandando : da
mesma sorteo-3o pharmaueulico, considerado co-
mo guarda nwrinhaj tendo 1178 raansaes, vence
mais 3jdo que um 1' lenle embarcado, o mais
1~S do que um 2" lenlo.
Em quanlo entre nos se notara esta3 singula-
res anomalas, que tanto ho desgostado a mari-
nha imperial, vamos a ve o que se passa .este
respeilo,na Franca, bigluterra, Estados-Unidos e
Hespanha, paizes' que purmuis do um motivnos
devem servir de guia.
Omi'.lireinos a Turqua, a; on'.aJa por um
senhor ofllcial do saude, porque Ihe contestamos
importancia o valor pra nos servir de&xeru-
plo. De aiais- urna excepeo <(ue confirma a
regra.
A larefa da critico, diz o sabio cardeal liro-
nlo, proposito de algumas legendas de sanios,
consiste em separar com cuidado o que precioso
do que vil, o que sagrado do que profano ;
de mister, tendo-se regetado o que inadmis-
sivel, estabelecer o quo sincero e digno de
f. (5)
Sabemos que um grande numero de legendas
dc homens apostlicos, quo pregarara-nos a f,
composlas ha muitos seculos de distancia sobre
as tradices populares, encerram par de ura
fundo histrico inconteslave!, detalhes inexactos
e traeos apocryphos, que a imaginacao dos povos
e a simplicidade dos cscriptores ellas ncrescen-
; e esta a razo porque diremos aos cri-
icos contemporneos :
Estudai com respeilo e im parcialdade nos-
sas velhas legendas ; buscai no fundo de suas
narraces poticas os fictos cerlos que encer-
rara ; separal as verdades histricas das lingua-
gens fabulosas quo as involvem, o conservai o
que ellas teera de sao em suas antigs tradiges
03 quaes recebesles de vossos pais : Tenete Ira-
ditiones quas dedicistis I II ad Thessal., e II. v.
14 ) (6).
Quando dizamos estas palavras nada mais fa-
llamos do que desenvolver o pensamento do sa-
sabio De Marca, arcehispo de Tclosa, judicioso
critico e erudito de primeira ordem :
Nao ignoro, dizia elle, que foram introduzi-
dos, nos actos desses primeiros bispos, cerlos tac-
tos, que necessitam ser cortados por mao hbil
( que? manu medica egeant, u repurgenlur )
mas islo em nada ataca a verdade da missao des-
ses bispos na poca assignada em seus acl03 :
ora a nica cousa que ueste momento prohi-
bimos
IV
Em resumo digamos : sera duvida s pela
Iradicco que se conhece a poca da missao de
nossos primeiros bispos ; mas como nao in-
verosmil esta tradrso, visto como sabemos por
Eusebio c pelos padres da egreja que os apost-
los e seus discpulos immediatos pregaram o
evangolho em lodo o mundo conhecido, nao te-
mos razo alguma dc regeita-la, e devenios fa-
ze-la entrar na historia, se nao como um fado
indubilavcl, ao menos como um fado cheio de
verosimilhaDQa e de probabilidade. Chicamos
ainda o padre Honor do Saintc Mario :
Se esses crticos severos, quo se orgulham
era nao admillir tradico alloma, sem que le-
nha sido rigorosaiaento examinada no tribunal
de sua grande ade, tivessem pesado sem prejui-
zo os fundamentos, cm que sao essas sortes de
crencas recebidas, seriam obrieados a confassar
que se ellas no- sao bastante attestadas para
serem separadas dos oros popularos e para nao
serem confundidas com as narraces fabulosas
dos impostores '8).
ABda mais; eremos que as fbulas, com as-
quaes-as legendas-acham-se algumas vezes en-
volvidas, leem um cerlo -fundamento na historia :
e era esta a opinias do celebre Bollandtsta Da-
niel Papebrock, quera don Querangsr chama
um critico temivel 3 de uma'severidade exage-
rada :
Eu, p?nso, dizia stle.-que-ha um cer'.o fun-
damento histrico era muitos deesas fbulas, que
foram temerariamente- inseridas; alguns seculos
depois dos acoiitctimenlos, as vidas dos santos
mais anligos, e que foram de boa f transmiti-
das posterdade por homens simples (9).
Assim, nao dando essas tradiccoes um valor
inlcramenle histrico, de mister no entonto
reconhecer-lhes vcrosimilhanca o probabilida-
de; de mister faze-las entrar na historia nao
s como tradices respeilaveis, que forara-nos
transmitidas cercadas do respeilo e da f imme-
morial dos povos, mas ainda como tradices pro-
vaveis, que teem em todas as conjecturas pjssi-
veis o merilo iucontestado da possesso ; Eu
possuo, podem ellas dizer com Tertuliano ; pa-
ra regeitarem-ine, seria preciso que tivessem a
evidencia do contrario : ora, depois do 200 an-
nos de possesso c islo possivcl ? A evidencia
do contrario nunca a tereis !
E se essas Iradices, como por exemplo a da
missao apostlica de S. Marcal, esto eusiuadas
desde lempo immemoriaes em paizes separados
por longas distancias, era Roma, na Etruria, e '
A' ervilha de cheiro : vosso perfume seria
muito agradavel se nao fizesse dores de cabera.
A' arucena : sois branca porem cheirais mal.
A' hortencia : vossa origem chineza s vos ha-
bilita para agradar monos.
Quando todas estas soberbas inutilidades fo-
ram derrotadas, as hortalizas avanzarlo
As siliquosas se aprasenlaram com suas gavi-
nhas, suas borbolelas. e suas vagens.Eu vos
estimo mullo, Ihcs diz, mas sois gulosas e s-
denlas ; precisis muilo estrume.um terreno gor-
do c profundo, una temperatura media, alterna-
damente quenle e chnvosa, nao possuis um ca-
rador universal para o imperio de que se Irata.
A' pequea ervilhasois destinada para lison-
gear o paladar eniDotado da gente rica, nao sois
um recurso para a alimentado do povo.
Seguio-se a aprescntatjao das corcubitacas ;
avancaram pesadamente, tendo frente ama
enorme abobora, seguida de entras e das caba-
cas e pepinos : embolde, porcm,um pequeo pe-
pino pedio a palavra para fazer sobresahir o
merecimento de toda a familia.
As cruclifras nao lardaram em por-se em mo-*
em todas as egrejas da Aquilania ; se nesses di- I ''ment, cram precedidas por um repolhoaidv
versos paizes el.a est apoiada sobro velhos mo- ^rSXSSSS. a S S^.'lS
numentos e atleslada por leslcraunhos, que nao.sada, fechando a procisso a couve de Bruxellas.
poderam ouvir-se, ento forcoso reconhecer- Sinlo prazer era fazer-vos justiea. diz Gar, nos
Ihe nao s probabilidade, mas ainda um verda-'' vos levemos excellenle oleo, bellos guipados, a
deiro grao de certeta porque como disse excel-! ,UZ' um alime,,l s3 Par,a ho.mem- Ptm fof-
, 'r h .wurauaseiiici wgcBi mt os DiDaM domsticos de que tanto
lenleraente lerluhauo, a urna Iradicco que se necessitamos, mas ludo isto nao ainda bastan-
conserva a mesma em rauilos lugares nao podo | te para merecer a cora.
ser um erro, urna fieco ou urna mentira ; urna
verdade transraillida de viva voz (10]. Ento
esse fado tradiccional apresenla-se-uos como
cercado de urna luz histrica.
ABBADE MBELLOT,
Cura do Rochcchouart.
( Monde.S. Filho.)
Variedades.
A rafalla das plantas ufis.
No lempo em que os deuses ( da fbula ) vi-
viam familiarmente com os homens, urna perso-
nagera com aspecto vcneravel apresenlou-se a
Pedro Gar e Ihe drsso :
Mea amigo, vejo que gastis immenso traba-
Iho e paciencia para impedir em vossa herta,
que as mcrcuriaes e sempre nocivas, nao usur-
pen! vossos algreles. Eu venho aqu para
Ura outro grupo se aprsenla composfo de
plantas tuberosas ; cuja frente se vid a cebla
do Egypto, e toda a numerosa familia, o albo,
cebolinhos, challas, e outros condimentos.
Vos sois a mi da gulodce, Ihe diz Gar, mis
nao o apetite que nos falla.
Urna pequea planta se aprsenla ao grandb
eleitor, c Ihe dizminha flor nao tem perfume,
c nem cor, meu fruclo venenoso-, e minha fo-
Ihagem sombra, mas eu possuo cm minhas rai-
zes urna fcula abundante.
Todos os trrenos, e todas as expusieres rae
conven), posto que lenha urna predilecto pelas
Ierras arcientas quando sao gordas e consisten-
tes : eu chego completa madureza no espaco
de scssenla a oitenta dias, e posso ser intercala-
da cm lodos os afolhamentos, e nao s nenhum
damno taco a outros vegetaes, como aind posso
nulrir muitos depois de mira.
Oque quer esla impertinente, grilram 03-ce-
reaes. Madama, sois una simplona' com o ar-
rojo de pediros orna cora que nos perterree a
muitos seculos pelo assentimenlo cniversal; e
sob a prolecco de Ceres. Sem nos O que sera
da especie humana-, faltando o pao qi:e ella n
pede lodos os dias, sem que jamis se lenVbrassc
restabelecer a ordem, c substituir pelo systema de pedir urna erva moura. Mas Pedro GarC<
monarchco a democracia que vos fatiga ; dou- nenhuma attenco prestou a semelhantesconsi-
vos o poder do nomear urna rainha d'enlre as- deraces, e disse s cenan, ja sois velhas; ma-
1 damas, outras necessidadeS pedem outros ali-
mentos, e. urna nova civiiisaro outros gozos.
(5) In his laborandum crt, est pretionem avili.
el snela a profanis dis'.Migucntcs, qua- imprba-
la alque rejeeta,lqua? sincera atque recepta repe-
rcntur, addueamus 111 mdium [Marlirol. Re-
man. 23 set>ie;*;J
[S] Dissertalion sur l'apostlat de Saint Mar-
Hcl. p. 186.
1.7] De lempore pra-diectw prim'im in Oalliis
fidei. Acta SS. T. V, junii, p. 552. 1
(8) Reftexions sur les rejies e sur l'usa ge ds la
critique, t. II, p. 63.
a repreentaco nacional, ctini deque ella adop-
te as medidasnecessarias, que se resumera nesla.
proposia :
Fie o governo- aulorisado a rover o aug-
mentar, desdo ji, os-vencimentos dos oflicies
combtanles, da armada, na mesma relaeo
que o foram os dos oficiaes de saude da mesma
armado, pelo deereto n. 1184 de 30 de selembro
dc-1857, do sorlequ, em cgualdade de patentes,
veneam aquellos sempre como estes.
Esta a providencia mais opporlnna e mais-
justo ; a reparar devida, e o dique quo poder'
contor a trrenle do desanimo qua lavra pela
eorporacao da armada.
Mais vanlajosa seria a medido iuc lerabro-
mos, se-nessa revisto de vencimentos, se aug-
mentasse lambem o sold de trra na proporro-
que propomos, de modo que nao se observassb a
grande difi'erenca que ha entre os de nossa ma-
rinha e os das naees designadas r.o quadro in-
serto abaixo, paro o qual chamamos
plantas uleis, a ao mesmo lempo concedo a lo-
dos os concurrentes o dom da palavra, de que
necessitam para fazer valer seus direitos aquel-
la dignidad.'.
E o que apraz a mim que son J upiter.
O jardineiro inclinou-se profundamente peran
le o pai dos deusss, rendeu-lhe gratas, e no
mesmo momento todas as ambiciosas se apre-
sentarara cm frente do grande eleitor, segundo
o costune ordinario das cortes.
Eu sou a rosa, Ihe diz urna d entre ellas.
Menina, diz GasO, eu convenho que sois en-
cantadora, mas ao mesmo lempo vejo que sois
bem pouco til, e aqu s traamos da utili-
dade.
A' narcisa diz : sois bella, porcm urna especia-
lidade intil.
Ao girasol: trazeis um disco Lrilhanle-,. rnas
open-as servs-para alimentar papagaios.
Digo francamente que eu vos considero mura-
mente auxiliares ora segundo 00 tereciro '.vgar.
Vos paizes onde vos reinis exclusivamente, exi-
gs cinco ou seis lavras. consurami.* todos os es-
trumes, e ludo isso em Iroco d'om pouco do
pao !
Nos planicies onde fazois ondear vossas con. is
douradas, s se v o miseravel jai, magro o
amarollo como vossas cannas : so ss mendigos"
sao hoje os nicos que vos invocam.
Kmiim 8|>parece a vinha com seus catrhos per-
fumajos, seus pmpanos, seus- sarmenfos, suas
gavinlias c suas lagrimas. Sou eu que fornego
o nctar que se otierecc aos deuses, sou eu que
presido aos Tcstins dos res ; alivio as penas dos
afililos, redobro 03 gozos dos felizes-ns- banque-
tes onde suslenlo a alegra. Celebrara mea no-
rao, e son cantada em lodos os pontos-do giobo...
Eu vos atiendo, diz Gar, sejais- bem vinda, cu
vosjdjirdico coroa. Mas Jpiter interven), e
agarrando Pedro Gar pelo braco,- Ihe diz-, beber
sempre, e nunca comer seria o resollado de vos-
sa eleicao-, e precisamente o que f*riasse eu vos
9* Censeo eamplures quidem fbulas, sane- dexnsse entregue vijs mesmo. Outras- consi-
torura vetusticrura vilis, pos! aliquot smculorum deraces devem guiar o pai dos deoses.
decursum coraposits, temer admhlas, et ab ', Dou a coroa aquella modesta erva, porque
liominibus simpltcibus bona fide tradilas pos-i ella s capaz de alimentar a especie humana, o
lerls, babero aliquod in vera historia uodaraen- todas as raeas de aoimaes. Quero que se Ihe
tura. ( Acta SS., t. V., maii, p. 137.) renda um' eulto universal, e que se continu a
(to Cieterura qnod apud multus ur.nm inve-j chamarporomo da ierra, ou Panaenlieno-
nitur non est erratura, sed traditum. ( Tertull,' me do seu propagador,
de Prsscrip., c. XXVIII. ) ( Agricultor 'auliilano. )
contratava
e no
pilotos para a marinha e
<; Especular o estado com es'.e officiaf em cas que
quanto forte eomo engodo das giolilicares, e guerra, e no vapor Titi enibarceu um italiano,
abandonal-o quando exkauslas M Torcas", in- assim recrutade-, que a primeira cousa que fez o
digno de toda a naco quo se preza entrar bordo, foi p;-se em maugas do camisa
llavera espectculo mais degradante do que e mostrar sur.syrapalhiae tendencia natural pjra
ver um almirante reformado com 300* por mez. [ a pin.
um vice-almirante com 240J, um chefe dc es-I quadra com 180g. um de divisan com t&t% ou do Danle e do Tasso, wleiramonle estrcqiiada :
as familias estes genoracs com a melado d*ssas era um pa'.c-is ncoiprehensivel.
quanlias ? A otficialidade intelligenlo e Ilustrada que
Como poderao sustentar cow dignidad esta a academia, do marinha tem produzido, desani
O corpo de saude da armada franceza lera | eminente posicao que conq.iislaram por seus j ruado e descontente, tem abandonado a prosso
um inspector geral, cuja pabonlo corresponde S
de conU'almiranle, e quo venee como este 10:000'
francos anuuaes, e mais uro le co quaudo em-
barcar, alm do respectivo trate monto de mesa :
tem mais os omeiros mdicos em chote, corres-
pondentes nos (.apilaos de- mar e guerra, cam
5,006 francos como esles: segundos mdicos em
chefe, correspondentes aos capitaes de trgala,
com 3,500 francos, como asios : ciaurgies da l.J
classe, correspondentes a. prinoiros teneules,
com 2 400 francos, quando estis leem 2:500:
ditos de 2 a classe, corraspondem.es aos segundos
tenenles.com 1:800 francos, islo o mesmo que
esles- ditos, de 3.a classe, correspondentes aos
guardas manhw, e cora o mo:;mo veacimento
do 1:200 francos.
Na Inglaterra 4.c>Wiio tem" libros,
como o 1. lenle embarcado coma oftirial; e
o 2. lera smenlo 12 libras, em quaato (pie um
2." leiK-nic lem 15 1/2 libras. '
Nos Estados-Unidos os pri-neiros cirurgioes
ganham por mo 1,333 dollars, quando um 1.
lente embarcado como oflicui ganha 1:500, e
rinh3, se aquella moco que cima aponamos, pela esperanca de um futuro mais isongeiro, c-
osse substituida por esta: cila o ze'o, e enlrelm a emulaco em todas-as
A tabella dos sidos 3 mais vencimentos, clanes.
dos oEteiaes da armada e classes annexas ser 1.................................................
revista pelo governo, que augmentar, desde j, | Sem urna boa le do promoc.es, tem o op-
os vencimentos dos primeiros al ficarem eguaes portuno neihoramen'.o dos sidos atuaes, estr-
aos do3 officiaes do corpo desnude da mesma ; mulos indispensaveis ero toda a parle, o mor-
armad.r em egualdadc de patentes, augmentando mente era um paiz como o nosso, que nao-nutro
lamben o sold de Ierra a todas as classes, ain- a vocaeo pela vida do mar, no-teromos m da que diminua as gralificaces para oonservnr nha do guerra.
o lolal morcado pelo decreto n. 1,981 de 30 de A prova do que digo est no .'acto, mcis selembro de 1857-. urna vea proclamado, da tendencia que morram
Temos algumas esperanca de no-haver os olliciaes de marinha para deixarem o servico
trabalho estrilmente, e que "conseguiremos o activo por euapregos emterra'o C3mnissespar-
nosso intento. Para isso manifestamos ossem- liculares.
bla nacional toda a gravidede da siluicoi O empenho que o g&verno tem tido em
Nao- temosofteiaes para embarcar, "os navios contrariar essa tendenoia, ao 6 suffidente para
que devem ser tripulados con tres, r.ndam com destru la ; ella exige omprego de mei*s mais po-
um e um pillo 1 derosos, e que fallera-s nobres aspiracoes a ao
O quarler gcnoral de marinha ainda assim nleresse legitimo do liomem.
luto com inmensos cnibcpocos pora obter osle | V-so que o Sr. ministso da maana comoar-
pessoal-, e lem-se visto obrigado o conlralar p- ti\h o pensamento de seits predscessoros, e qua
c, paiz,
melo recla-
mado..
Mas parece estar em. conlradicco rom este seu
pensrnoslo urna expressao que S.- Exc. empre-
sa, que lem sido para nos a cansa de serias ap-
prohensoos, que preoecupa a marinha, e que ella
ardeclemenle desaja ver explicada. R.eferimo-
uos ao op/i'ir/una.dc S Exc.
Foi em 1857 que o tiesgosto quelavrava pela
corporai-o augmenten profundamente : cite sof-
fria, mas calava-se.
A. reforma do corpo de sauda a ollocci nessa
posicao desagradavel que se conhece, e que exi-
ge prumplos remedios. Reconhecida esla neces-
sidade, a Justina da reparacao, a razo das recla-
maces, aconselham as conveniencias publicas,
a.disciplina, sobretudo, que sa aceiten) as coi.
cequencias do fado.
Eis, pois, a opporlunidado palpitanlc-, a liora
adequada de faier-se jusliea,: nao podomos ad-
miuir quo esla. opportunidade se oprcGic por
consideraces de outra ordem, quondo ella des-
lilla do preprio fado, qussto do momento, da
actualidad.) I
Adioremos a opporluEiode para lempos-em
quo nao lechamos delicils? Bello argumento.
a attenc
do corpoleeislalivo c do enverno mnerial.
O augmento das maiorias aproveita ao ofB- 'rl0f a ld""'-". <=""> =" qndo o impe-, como elles. coma as wmaras, como
cial em quanto tem torca Para embarcar, para se I f ns'V11?- ^e.r.o qe nos dotou oon,Julga iJMbspensavci o mell.oramwK
empregar no servic.o activo da marinha, que to fJL0J?"U2 bem c posado 0,0 que por isso rpidamente inuUM UTt^!^JSSSSt^!lS^ .ot-
os homens mais robustos. ^cemmanuonte da oslacao da Rahia v10-
10-Sw
no secessidade de annunciai'pelas folhas publi-
longosservicos ao paiz ? honrosa roe abra^ou cora t.-.nto gosioJ E* mais
Em.quauto isto assim na classa militar, feliz em diversos outros ramos do-servico pu-
unica quo soffre os preceitos de eeonomia de Mico ou.particular, em que goza de um pre-
no3so ihesouro, vemos um. director; geral de sent mais suave, vendo dianle de si um futuro
qualquer das secretarias, cjm o ordenado tixo de' de prosperidado. Por isso asdemisses e refor-
400:000 rs. por mez, podoBdo se aposentar no, mas lera sido numerosas, o se observa to pou-
lim de 30 annos. de serico com essa quantiajea vontade psra, embarques nos navios do es-
muito superior ao sold, "do almirante emaisjtado.
ainda 10 % SO a adopco das providencias que soiiciln-
. Observamos ura director de seccao cora 300$ roos do parlnraento poder inteir.amente trans- quando so crea um novo ministerio, com nova
ris por mez, islo com o sold "de um airai-! formar ealas desagradaveis circumstancias : te- secretaris ele, quando se projeclo augmentar-
ranio, sendo, que para esle nao- ha augmeolo mos feilo o aosso dever. fallaixlo-lhe com toda a ; vencimenjos a presidentes e secretarios, quandj
nenhum na reforma, c para aquelle ha l--*/,,; franqueza ; elle que resol va o problema comois" eslabelecem despezas novas o valiosas, para
um 1. oflicial com 50* rs., ms 10 rs. do que Ihe aprouver, certo de que a solucao cnvclve a los cuja utilidade nao lao conhecida^ como, a
um vice-olmiranle de sold, e na aposenladoria1 prosperidado ou inleira decadencia de ncssa.ma- de lazor parar
e reforma verifica-se o que cima dissemos; um rinha de guerra.
2. official cora 216$ rs. isio. Q, mais 36>rs. do! Cromos que nada mais acertado pederamos
rinha, ojie hoje urna reolidodc dolorosa.
Nao, nao possivcl. que o St tr.inisJ.30 da ma-
que um ehcfi! de esquadra.; um oflicial atehivis- I hoja escrever, c como a siluac,ao a.mesma, rinha lenha scmelhanlc idea.
do auno passado.
'ovorno a reformar a tabella das maiorias dos of-
ju pensar, a primeira necr/ssidade da liciaes corabalentes da armada nacional e impe-
e guerra nao essa lei de romoces. rial.
No rae
miiinha de 0
0 qne cumpre, primeiro do quo ludo, c fazer j Quando snalissinos cm oulro. ornal este ir-
desapparecei esse estado pouco airoso em que ti- cho, escrevemos estas linhas:
r3iam os commandantes dos navios do guerri, 1 Foi o Urasil Martimo quem eslabeleceii es-
la com mais do quo um vice-almiranta; e um j aquellas nossas palavraa. teem toda a. appli-
amaniienso com mais doque um copilio de maj cacao.
e guerra. A cmara dos,3cnhore& deputados,. movida por
Vemos um porlei.o com o ordenado fixo de estas sensatas ponderaeoes, fez passar a proposia
133$, superoa ao soUIo de um capitio de mar e do Sr. viscondo, e ella subi ao senado, esle
como commaadante 1:800; um 2-.* cirurgio lem guerra; vemos um continuo cora o ordenado de corpo venerando do Brasil, paladiura de nossas
'950 dollars. e ara 2." lenle- ou masler tem 83$, quando o capilao. leuente temsmente 82$, I instiluices.
o o 1. lente 60$ 1 Ali foi di..cutida promplamonte, e todos espe-
Em quanto os servicos sedentarios, pceslados ravam v-la convertida cm leanles do fim da
em trra, cm commodasreparlices, em algumas: sessao. Aprouve, porm, ao.Sr. senador Ferioz,
1:000.
Finalmente naHospanha^ ura 1." medico tem
por mezi:500 reaes dc velln, o mesmo que um
1." teneute embarcado como oIBcial, cuiu menor
vencimenlo como commandan: de 1:800, para
cima del:800$000 rs. de nessa. moeda; o 2."
com vencimentos inferiores ao dos/crurgies da sas compararnos que se refere o Sr. ministro cirurgio le 1:266 reaes de velln, o 2." tciien-
arraada ou diminuindo esses vopcimentos aos da marinha. e quo manfestamente provou, nao | le 1:150, ma| commaBdando 1:450.
i augmentando os dos coinman- s a inferioridade em quo ficou o oflicial de ma-
ualll?3_ ; rinha collocado cm viitude do referido decreto,
E.'permltam quo faca aqu urna observacao : como tamben) a inconveniencia desta situaco
os mdicos sao para curar? Mas, srnhores, qual, anormal, quese nao justifica com o exemplo de
a maior pesie que ha bordo de um navio? nenhuma eacao martima.
Qual pergunlo cu, a occasiao de peste que | Estimamos, pois, qua S. Exc. o Sr. visconde
an.oaca acabar com toda a sua tripolacao? (Itiso), do Abacio nos dsso esle publico testemunho dc
Qual c ? E* o naufragio, meus senhores. E os que no animo do governo lambem temos feilo
mdicos o que fazcm nestas occasies? (Riso.) E chegar aconvieco da necessidade do augmento
(iiom o medico uestes apertos? E' o comman- dos vencimentos dos officiaes combatenles da
danle do navio. urranda, como temos conseguido lomar popular
Nao ha quo resistir urna argumentaco des- esta justa causo, quo com todo o afinco ndvoga-
tas, to lgica e cerrada; mas varaos ain ja acres-1 mos.
horas do dia,cora feriados, edomingos sao assim
recompensados, e se lhes ossigna, alm de lo
generosos ordenados, avulladas gralificaces,
nota a classe militar cm geral, e em particular a
marinha, a mesquinhez dc seus tutanientos, a
ccnlar alguns outros argumontos.
Repitamos o que. tambera/ disse na cmara dos
Srs. depulados o Sr. Saraira, o ministro que ha-
Essas mesnias comparc?s que apresenla-
mos no nosso Io e2 nmeros deste anno ja nao
exprimen! a verdade ; a razo da dilTorenca que
via augmentado os vencimentos dos mdicos, notamos foi alterada pelo artigo 71 do regula-
suos palavras devora sor mui altendidas; ellas ment provisorio para o corpo de saude da ar-
rcvelam que S. Exc. se havia impressionado e
convencido da justicia e da razo do DOSM8 recia-
mai;es: /
Em verdado, ncohccbivel que um primeiro
mada, publicado com o aviso de 27 de junho do
auno findo, que aogmentou com mais 12$ men-
saes os vencimentos dos primeiros e segundos
cirurgioes embarcados ; do sorte que o primeiro
tcnente commandanle de urna crvela faca cento ; cirurgio, primeiro lenle, vence 271$, emquan
e cincoen'.a e tantos mil ris, quaudo a lei o obri- to que um capito. de fragata commandando urna
ga a nao arranchar com seus^ officiaes ; o que o i crvela tem 246$, islo meaos 25$000 do que
constrango ao duplo c ao triplo das despezas) aquello; o capitao lpenle commandando tam-1 temos Irabalhado e lubal/iainos par esclarecer
Prestando attencoa estes algaiismos.recon-' pouca vonlade com que ihe concedido algum
hece-se evidentemente que, as marrabas d'a- i melhoramento, muito discutido, e que quasi
quedas quatro polencias, que sao as mais bem sempre vem lardio, o quando as circumstancias
organisadas do mundo, segut-se esle principio I j sao outras.
em egualdade de patentes encem os olDciaes
do corpo de saude como os da armada sera
commandoprincipio justo, iosoavel, c de inlei-
ra conveniencia.
Ns.porm, seguimos o pr.ncipio conlratio. e
julgamos que um boticario a bordo de ura navio
do guerra deve ler morares vuncimcnlos do que
um 1." lenento comraandanilo, ou do que um
copilo lenle sera commamlo; que umz." me-
dico deve ler mais, ao entrar logo para a carrei-
ra, do que um capito de fr; gota commandando
com mais de 30 annos de servico, etc, etc. ele.
a Quem nao concordar qu; de toda a vanta-
gem para o servico publico, n por consequencia
para o estado, recollocar is cousas em seus
competentes cixos? /
Quem de boa t poder esperar que tenhamos
urna marinha regular, con urna otficialidade
distincta e instruida, nao/ ie remediando esla
situaco desagradavel ? /
< Nao posstvel.de cerlo' esperal-o, e por isso
hoje presidente do conselho, e dstincto minis-
tro da fnzeuda, indicar q-.;e ella fosse remellada
commisso de marinha e guerra para apresen-
lar logo organisada a tabella a que se re-
feria.
A Ilustrada comsaisso, composta dos Srs.
visconde do Albuquerque, marquez de Caxias, c
Joo Antonio de Miranda, nao demorn este tra-
! balho, o no dia 17 dc agosto apreseniou o sua
As privaces des campos, os perigos do emenda com a tabella exigida, que. se bem rio
ocano, onde, em cada dia que se passa se! reparasse inleiraraente o mal, todava agradou
sustenta urna lula, os servidos, erafim, presta-| lodos os offkiaes. de marinha, para os quaes o
dos era acanhadosespaoos, com mil incommodos raio de esperanza que os affagava )a adquirindo
o em lidar inceosanto do dia e de noule, sem I mais esplendor.
folga nem descanco, com urna responsabilidade
tremenda, com a privacao das offeices, e com
sacrificio da existencia, estes nao sao conipre-
hendidos, nao merecem, j nao dizemos as li-
berdades da naco, ao menos a sua justa rerau-
neracao.
a Que futuro reserva o Brasil, pois, aos seus
almirantes o generaos, se as cousas assim
conlinuarem ?
Poucas sao as commisses de embarque para
elles ; alguns at nao as poderao acceitar por
seus padecimenlos; como possarao com lo
mesquinho sold para viverem na posicao que
lhes compete? E* fcil de avaliar-se ailenden-
do-se s circumslancias acluaes do paiz.
Convem, perianto, attender-se tambera & islo,
e a asseroWa geral faria uro beneficio real a ma-
Esta tabella, divergindo eos ttulos, apresen-
lava um resultado quasi egual ao da nossa, c por
consequeucia a saudamos tambera com prazer,
desejaudo-a ver passar.
Succedeu a mudanca ministerial, quelevou ao
poder c Sr. senador Ferraz ; tocou a pasta da
marinha ao Sr. Paes Brrelo, e a armada espe-
rara ondosamente ouvir S Exc. manifeslar-se
sobre este assumplo, para ella o mais vital, o
mais impo'lanle.
E' no relatorio que encontramos esla manifes-
tac,o : oucamos o actual Sr. ministro da ma-
rinha :
A promoqao annua inconlostavclmenle de
um effoito saliilar. Compensando, de algum mo-
do, a exiguxdade dos vencimentos que o estado
offerece tn\ recompensa de funcres, j Nos que, ncoslumados infelicidade, recei.--
mos mais osla decepeo, que tetl as mais T-
ncsliis conseqnencias, emboca se bucem maos.de
ouiros mcios artificiaos, que nao sero seno um
pollialvo, que far reapparecer as dores de que
nos queixamos com mais intensidade, se ;pos-
sivel.
Talvez hora em que escrevemos tenlia.o Sr.
ministro dissipado todas essas apprehcnses,
que, como toda armada, nos aftlige, fazenda
discutir no senado a tabella de sua commissp,
de marinha c guerra, mostrando todo o empenho
de converle-la em lei do estado na presente b>
gislalura
E' o que mais dos interessa parj. a pros-jeri-
dade da marinha nacional, qual tomos dedi-
cado lo la a nossa vida, todas as nossas (acuida-
des ; e assim como fomos os primeiros na are-
na jornalislica a pelejar por esta bella e sania
causa, seremos os ltimos a abandona-la.
Nao desanmem tambera os honrados Srs. Hol-
landa Cavalcanli, raarquez de Caxijs, eJoo An^
Ionio de Miranda.
Acaben) a missao que to bem comecaram, o a
marinha imperial os encher de bencos, o his-
toriador imparcial lhes far justiea apreciando
cura Ionvor este grande aclo que se associn-
rain, que lera urna influencia extraordinaria nos
destinos de nossa patria, cuja grandeza, digam o
que quizerem cm contrario, em nossa opiniao
ser promovida por suas muralhaa de nia-
deiras.
J vai longo esle artigo, mais do que compor-
tara as coluranes de um folhetim. ; pranlos, pa-
ra ao depois tratar ainda do corpo dos officiaes
da armada, respcitavel por sua. illustracao, ser-
vidos e dedicaeo ao paiz.
E. 4.
PER. TYP. DE M. F. DE FARIA. 1860
.. -


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAYY1V8RH_RQ4067 INGEST_TIME 2013-05-01T00:49:08Z PACKAGE AA00011611_09113
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES