Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09104


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.
llflO XXXVI. HOMERO 153.
Por tres mezes abantados ojjOOO.
Pop tres mezes vencidos 6$000.
OUARTA niU 4 DE JDLHO DE 1860.
'lia
Por anao n (limitado I9|000
Porte franco para o subscritor.
NCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO1 DO NORTE.
Parahiba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Katal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lomo* Braga; Cera, o Sr. J.Jos de Oli-
veira; Maranho, o Sr. Manoel Jos Martina Ribei-
ro Guimaraes; Piauliy, o Sr. Joao Fernandos de
Moraes Jnior; Para, o Sr. Justino J. Ramos
Amazonaa. o Sr. Joronvmn da Gasta,
r.vKiiua u.i i."!.i.i.n >.->.
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goiaaua e Paralaba as segundas
e sextas feiras.
S. Anto, Bezorros, Bonito, Caruar, Altinhoe
Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'A
qu
ric
Cabo.Serinhem, Rio Formoso.Una. Barreiros,
Agua Prela, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
'Todos os coireiga partem as 10 horas da manha.
raunnna as ierras luirs.
Pao d'Allio, Naiaretb, Liaaoeiro, Rrejo, Veg-
eira,Ingazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
ricury e Ex ras quartaa-feiras.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
i Luacheia a 1 hora e 47 minutos da manha.
o 38 minutos
11
PARTE OFFICIAL
Qiiarlo minguante as 3 horas
da manha.
18 La nova as 12 horas da manha.
25 Quarlo crescente as 3 horas e 20 minutos da
manha.
PREAMAR DEHOJI'..
Primeira as 5 horas e 18 minuto.'; da manha.
Segundo as 5 lioras e 42 minutos da tarde
j ?e**"vtt -* Atuquorque Mereuheo, laudo
mudado do domicilio, podia fazer parto do con-
selho municipal de recurso de Pao d'Alho
Expediento lo ministerio. .KJfcilK*!* rer-id"? ci.dad/'osJ,omado P"
Ttin rto i,,,;,. 'c Hillu do na formacao da junta de qualilica-
i li'T: n',n,f e' uos '"-Socios do ; rao de Pao d'Alho nos cinco dias da reviso. po-
iny e o, en < do junho de 1860. d.a subsistir a qualilicaco preparada pela junta
nr I Im"^ ~ ''" P^^'e o governo im- de que fizera parte Antonio Bernardo Ribeiro de
penal o ollicio de >. l.xc de 14 de maio ultimo, Moura.
comidoduas represVntaces. en que o cidado Com a copia da dita reprcsentacSo e mais pa-
Aoionio Das I avao de Araujo denuncia varias ir- ; peis annexos submette V. Exc. consideradlo do
regularidades pra icadas pela junta de qualilica- governo imperial as seguintcs soiueea que deu
C*o da ireguezia de Itagoahy, e as informaees. j aquellas duvidas: "
que a respe; lo dellas deu o juizdo paz. presidente 1.a Que sendo certo que oscidados. a que al-
nTh2t l ><'da o representante, mudaram-se da freguezia
uos lacios allegados pelo representante nao' de Pao d'Alho para os eiisenhos Caraba e A-
I>arecea >. Lxc. bem elucidado o que diz rcspe-1 d.i, sitos na de Tracunhaem, do dislriclo eleilo-
to a intervengo que o l)r. Antonio Mximo do ral de Nazarelh, era fora de duvida que nao po-
couio leve, na qualtdade de supplenie de eleilor. diam ellos fum eiomr como eleiteres cm Pao d'A-
na organieacao da junta ; c sobre ello lera V.Jlho, em face dos avisos de n. 161 de 13 de de-
aigum.is duvidas, que formula nos seguinies zembro de 18. e n. 20 de 20 de fevereiro de
AUDINECIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao : tercas feiras e sabbados.
Fazenda : tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quintas ao raeio dia.
Dito de orphos : tercas e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civil: tercas e sextas ao meio dia
Segunda vara do civil; quartas e sabbados ao
meio dia.
1." Secsl provado qun-aquelle doutorera re-
sidente na freguezia de Itsgoaby, podendo por-
tanlo volar de conformidado com o arl. 5 da lei
de VJ de agosto de 1S40, decreto n. 1,812 de 23
de agosto de 1856, o avisos ae 24 de novembro
de 18iG, 13 de dezembro de 1848, e 2 de abril do
correnle anuo.
2." So decidido que o mesmo doutor perdeu o
direito de votar, por niudanca de domicilio, mas
leudo incompetentemente volado, devein ser de-
clarados nullos os trabalhos da qualilicaco.
3." Se preciso que para esse resultado con-
corra com a circunstancia da incompetencia do
eleitora de ter influido o seu voto sobre o resul-
tado da eleico.
4." Se essa citeumstancia, como quali|uer ou-
tra sendo nmittida na acta, podo ser supprida ,
por certificado de qualqucr dos membros da jun- i funecionar nos cinco dias da revls
la, oh do respectivo escrivo.
Em resposta lenho a declarar V. Exc.:
Ouanto ao 1. quesito.Ouc o governo nao
competente para decidir a qnesto do domicilio
dos eleilores e supplentes.
Ao presidente da junta pertence fazer a con-
vocaco dos individuos, que leem de organisa-la ;
e a esees decidir quaes sao os que leem mudado
o seu domicilio para oulra parochla, em vista das
provas, que se apresontarem, ou do conhVimen-
to pessoal, que lenham, como est decidido no 5
3." do aviso n.63 de 29 de marco de 1847.
Decidido este ponto de faclo.'ao governo cabe
resolver, se foi ou nao cumprida a lei, que man-
da, que lomem parte nos trabalhos das juntas de
qualiQeacio nicamente os eleilores o supplen-
tes, residentes na paroch'ia ; e sobre este ponto
t.im o mesmo governo expedido varios avisos,
que nao sejam convocados os que se liverem mu-
dado, e que, sendo-o, ou compareciendo sem
convoeacao, nao sejam admitlidos a lomar parte
na organisacao e nos trabalhos da junta.
E' sto lio somente o que est as aitribuire*
do governo.
0ianio ao2." e 3.Que o cleitor e supplenie
mudado da parochia
1847, e que embora a citada lei provincial lives-
se encorporado a Pao d'Alho os referidos enge-
nhos, deviam aquellos ci.lados, nos termos do
aviso n. 418 de 23 de novembro de 1857, volar c
Seren volados na freguezia de Tracunhaem. a que
pertencia o territorio desligado por aquella lei, e
em que se aehavam os seus domicilios, como'j
se doclerra em 5 de inaio prximo lindo.
2," Que nao sendo porlanto Luiz de Alhuquer-
que Maranho mais eleitor em Pao d'Alho, nem
perlencendo a esse municipio a freguezia de Tra-
cunhaem, era duro que nao podia elle fazer par-
te do respectivo conselho municipal de recurso
3." Que, pelas razes expendidas, os cidados,
deque se tralava, nao podiam inlervir na junta de'
qualicaeo da dita freguezia; e que, achando-
se portante ella organis3da irregularmenle, cum-
pria que fosse dissolvida e organisada oulra para
ao da qualilica-
eaos dos volantes, devendo-sc guardar na sua
reuniao todos os prazos marcados na lei.
Em resposta declaro a V. Exc. que ao governo
imperial nao compele decidir a queslo do domi-
cilio dos eleilores e supplentes como foi declara-
do ao presidente da provincia do Rio de Janeiro,
no aviso do 4 '
por
de
governo para tal lim.
Perlencc as juntas qualificadras resolver se-
melhanle queslo, e seria mesmo adentatoria da
liberdade de voto a ingerencia do governo no pro-
cesso eleitoral sob um tal fundamento.
Deus guarde a V. ExcJoao de Almeida Pe-
reira Filho.Sr. presidente da provincia de Per-
u ov premenle an provincia ao KIO de Janeiro,
io aviso do 4 do correnle, junio por copia, e que
ior conseguirte nao pode ser approvada a deciso
le V. Exc, bascada na competencia do mesmo
imposto provincial uevido pelas ro/.js all moras,
por nao ler sido esse servico aindi arrematado,
nem feilo por administradlo, como ludo consta
do oflicio, que por copia ihe remeti incluso,
determino V, S. que providencie como enten-
der conveniente acerca do assumplo com os cs-
clarecimentos tambem juntos porcjpia.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar do 1."do
correnle em dianle s pracas de pre c officiacs
de polica o cheles da companhia de pedestres os
seus venciruentos deconformidade com a lei pro-
vincial n. 478 do 30 de abril ultimo, do que se
Ihe remelle copia para seu conheciment e eXO-
CUCO.
'ol0oan mcsn, Mande V. S. pagara quanlia .
de 8/J360, cm que imporlam as diarias abonadas puklicas.
EXESi dC janeiro1'1 J""h0 de:i.,e ann. <> : 9.-Argomiro Pereira da Silveira.-Informe
Ho l-" e.mPrcS"d0S no SC,"'C> do quarlel o Sr. inspector da thesouraria de fazenda, ouvin-
do corpo de polica, como se ve do pret junto, do o da alfandega.
eUcoTno cm nCnm tlt&'T?*!!?9**' ?c""nio Daro Nobre de Almeida.-No
le corpo cora o ollicio do hoje sob u. 260.-Com- ten lugar o que rcuuer o suoolicanle or havr
municon.se ao comin.andanlede polica. maorolerta o suppucanio por haver
r!l!S. mPsmo--')'rol'endo V. S. os reqne-! ttl.-Domingos Luiz de Albuquerque -Asslu-
nmentos documentados de Joaqnim Salvador nee volle, querendo. "l^rjue. assi0
Pessoa de Siqueira Caralcanii, c Be larmino Alves i22.-Francisco de Assis Chaves Pereirj.-In-
DIAS DA SEMANA.
2 Seg. Visitaco de N. S. a Santa Isabel.
3 Terca. S. Jacilho m. ; S. Hcliodoro b.
4 Quarta. Santa Isabel Rainha de Portugal f.
5 Quinta. S. Phelomena v.; S. Tryfina m.
6 Sexta. S Domingas v. m.; S. Bomulo b.
7 Sabbado. S. Pulquera v., impcralriz.
8 Domingo S. Procopjq m.; S. Auspicio b.
Uitoaoeugeuheiro Pedro do Alean tara dos liui-
mcraes Peixolo.-O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda dcclarar-lheque ficou sciente pelo
soi officio de 30 de junho ultimo do haver V. S.
siumido naquella dala as funeces de director
interino da reparlicao das obras publicas.Cora-
minicou-se thesouraria provincial.
Despachos do du 2 de jilho.
Jtequerimenlos.
617.Abdias Bibiano da Cunha Salles.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda, ou-
viii ti j (la alfandega.
618.Antonio Lopes Netto.Informe o Sr. de-
legado interino da reparlicao especial das Ierras
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCO NO SLL.
Alagos, o Sr. Claudino FalcSo Dias; Bahi.i.
Sr. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro, o Sr.
Joo Pereira Martina.
EM PERNAMBLCO.
O proprietario do diario Manoel Figueirna da>
Faria.nasua livraria praca da Independencia ns.
de Arocha, que nao poderara em t>mpo ser ad-
mitlidos a licitar na arrematarlo de imposto
de 2>500 rs. por cabeca de gado consumido no
municipio do Rccife; no triennio dj 1860 a 1863
2nRC,I!d Pri1meiro d0 Peticionarios res
BUibiHJHKiU por cada um anno, ou a 5.a parte
mais sobie o preco que offerecer a Manoel Joa-
qnim Ferreira Esteves, produzindo essa differen-
ca no lim do triennio.40:500J000, enho resolvi-
do que so proceda A nova arroma! ico, devendo
V, S. tomar por base o prego offerecido, visto
como consta de urna nota, que tenhc eramos.que
noaonoQnanceiroultimo semataram paraconsu-
mo no municipio 35:320 rezcs.quedeveram ter pa-
go o respectivo imposto na importancia de ris-
88;300#, sendo que a demora de tlguns dias, a
que d lugar urna nova arremalaco. como V.'s
pondera em 25 de junho prximo lindo sob
844, nao pode causar prejuizos & lazenda
no
n.
va-
lor dos 40 contos que de mais olerece desde j o
referido Salvador.
Dito ao director geral dos indios Inlerado
do quanto me communica V. S em officio de 27
de junho ultimo, tenho a dizer-lhe que proponha
opportunamente o que julgsr conveniente para
supprir a falta a que allude no citado officio.
Diloaojuiz municipal do Rio rormoao.Em
cumprimenlo do aviso expedido pelo ministerio
da justica ero 21 de junho ullirno, informe Vmc
sobre o incluso requerimento do tabellio
e es-
governo de Pernambuco, 30 de junho de 1860.
Leito da Cunba.
Governo da provincia.
EXPEDIENTE Do DIA 2 DE JILHO DE 1860.
Ollicio ao Exm. presidente do Para.Requisi-
certamente incompetente tando-me o agente da companhia brasileira de
pata votar na eleicao dos membros da junta, e paquetes a vapor, o
esta Iiciiraorganisada llegalmenle. se elle lomar
parle na eleicao ; e os trabalhos
^......u.-.-r. presiuenicua provincia de Per-1 crivao dessa comarca Antonio Pinhiro h,
nambuco.-Cumpra-se.epublique-se. Palacio do Palma. tluJ[" Amonio nnneiro da
foime o Sr. inspector da thesouraria de fazenda,
ourindo o da alfandega.
(23.Galdino Eleuterio Teixeira de Barros.
Iaormo o Sr. inspector da thesouraria de fazen-
da. ouvindo oda alfandega.
S24Joo Demetrio de Moraes Chaves.In-
formo o Sr. inspector da thesouraria de fazenda
otvindo o da alfandega.
625.Joo Jos Pinto de Oliveira.Informe o
S'. Dr. chele de polica sobre a materia da peli-
io primordial.
626.Jos Benlo de Figueira.Informe o Sr.
juz municipal da primeira vara desta cidade.
627.Manoel Barbosa da Silva.O supplicante
oncorra, querendo, a nova arrematarlo que se
mii proceder do imposto de que trata.
628.Manoel Thomaz de Albuquerque Mara-
rho.Estando j efTeiluada a arrematadlo do
imposto do Limoeiro por preco superior a offerta
u) supplicante, e devendo ha/er nova arremata-
dlo do de Nazarelh, nao tom lugar o que re-
fluor.
629 Miguel Joaqnim Machado Freir.Infor-
oc o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
~ da junta sero
IIOIIOS, se o sen voto livor dcidido de eleicao, pur
jiii onda o mombro, ou nif mbros cleitos com se-
melhanle voto exercer tal influencia, que faca
com que a qualifteacao dos volantes aprsente
nm resollado diverso daquelle, que appireceria,
se esso membro ou membros n.io lizessem parle'
la junta.
Quanto ao 4." Que sem duvida qualquer
membro da junta de qualilieaco, ou o respectivo
> scriva, podem certificaros fictos, que occorre-
rem na organisaro da junta e durante os seus
trabalhos, quando na acta nao so tenha feilo
nienijao delles ; mas os seus certificados podem
ser contestados por documentos semelhantes,
pissados por outros membros, ou por juslifica-
ues c dcpoimeniosjurados; o porlanto nao po-
dem elles considerar-se como prova bastante o'e
taes fados.
Pelo que respeitasoutras irregularidades de-
nunciadas, declaro a V. Exc, cm primeiro lugar
que ellas nao esli provadas em vista doqueex-
poe o presidente da junta, e dos documentos que
elle aprsenla ; e em segundo lugar, que as par-
Jes mteressadas devem usar dos recursos estabe-
lecidoa na le contra a incluso na lista da qna-
li.icacao de individuos, que nao leem as habili-
tares exigidas. O que ludo communico a V.
txc. para seu conhecimenio e governo.
Deus guarde a V. EscJoo de Almeida Pe-
reira tillio.Sr. presidente da provincia do Ro
de Janeiro.
ConfercJos Bonifacio Sascenles de Azam-
lja.
sertordealgum dos corpos desta guarnico, Joo
remandes da Silva, que existe presocomo recru-
I, na provincia da Parahiba.
Dito ao inspector geral da caixa deamorlisa-
cao.Com o officio de V. S. de 19 de junho ul-
timo recebi duas relaces irapressas das notas
do governo assignadas durante os mezes de julho
de 1859 a fevereiro deste anno, e dellas dei scien-
pergun.do.lh.To"o?jz'de O^rse^enclonda0.?3 deS,- ^i3-
wlsidir a junta "<8m nome !ue ***& lo | Dito ao commandanle
3. seceao.Rio de Jarnero, ministerio dos
nesocios do imperio, em 13 de junho de 1S60.
,. ll'ni- c 'n'- Sr.Tenho presente o officio de
A fcxc. n. 626 de 30 de maio prximo passado,
cobnndo a copia da seguinte resposta que deu a
consulta do juiz municipal supplenie do termo
desembarque do desertor
Antonio Alves da Rosa, que adoecera a bordo do
'aran em que viera remedido do Bio de Janei-
ro para osen provincia, niaiidci-o desembarcar e
recolher ao hospital militar para ser convenien-
temente tratado, devendo seguir o sen des-
tino logo que se ache restabelecido.Ofilciou-
sc ao agente para o desembarque do referido de-
sertor, e recommendou-se ao commandanle das
armas que o fizesso recolher ao hospital mi-
litar. r
Dito ao Exm. presidente do Maranho.Accu-
so recebido o ollicio que V. Exc. me dirigi em
22 de junho ultimo com dous excmplares do re-
lalorio que V. Exc. apresentou a assembla legis-
lativa provincial poroccasio da abertura da sua
soasan ordinaria do correnle anno.
Dilo ao Exm. presidente das Alagoas.Fico
inlerado de haver V. Exc. como me communicou
no seu ollicio de 22 de junho prximo lindo, ex-
pedido ordemafim de ser enviado para esta pro-
vincia no primeiro vapor ta companhia brasilei-
ra o aprendiz marinheiro Jos Florentino, per-
tencente guarnico do brigue escuna A'ino.
Communicou-se ao commandanle da eslaco
naval. *
Dito ao coronel commandanle dasarma3 inte
rio.Srva-se V. Exc. nao havondo inconve-
niente, mandar dispensar do servico da guarnico
o artfice Cypriano Francisco Sollo, e admitt-lo
em una das ofiicinas, para que esliver habili-
tado.
Dito ao mesmo. vista do incluso officio, que
me ser devolvido, mande V. S. proceder as ne-
Dito ao promotor publico do Limoeiro.Con-
formando-me com o parecer do conselheiro pre-
sidente da relaco sobre a duvida jue Vmc. ex-
pue em seu officio de 12 de junho prximo pas-
sado, a que respondo, devo dizei-lhe que 1,-
combinago dos arla. 221 e 343 do regulamenl,
n. 120 de 31 de Janeiro de 182, sem que sej
mister recorrer-se doutrina do aviso da 28 dt
junho de 1831. manifesla-se que se ido o promo-
lor publico considerado como parte, s em virtu-
de despacho ex-officio do juiz, ou a
ment seu, poder ver e examinar cnalquer" Dro-
cesso. ----- *-'
:esso. era que julgue precisar essa diligencia
Jevendo assignarno protocollo do eicrivao o re-
cebimcnto dos aulos, sem o que nao esto obri-
gado a entregar
Dito ao director interino das obras publicas
lendo-ine convencido nao s em vista do res-
pectivo contrato, como tambem pelo exame que
pessoalmente tiz nos trabalhos di estrada de
Pu d'Alho a Nazarelh, no dia 26 He junho pr-
ximo pretrito, do direito que assiste ao em-
5. 2 mesma para que sejam recebidos os
> 4. o. e 6." laucos j concluidos, nao obs-
tante estar ainda por terminar o 2. lanco, onde
as difficuldades a vencer para sua concluso
leem sido sem duvida em maior numero de que
nos outros, determino a Vmc. que receba provi-
soriamente os referidos leos dessa estrada
licando o empreiteiro sujeito a concluir o 2
no tempo e forma do seu contrato, de que ludo
se far menco no termo de recebimento.
Dito ao director da colonia militar de Pimen-
teiras Segundo consta do aviso do ministerio
do imperio, expedido pela reparlicao geral das
ierras publicasen) 13 de junho ut.mo S. M o
Imperador, houve por bem indeferir o requeri-
mente em que Camillo do Lellia Gama pedia ser
nomeado raeslre carpina dessa colonia : o que
communico a Vmc. para seu conhecimonto, ea
lim de o fazer constar ao referido Gama.
. Dito>ao director do arsenal de guerra.3e con-
cessanas averiguarles alim de saber-so se de- i lor,n"Jad da guerra de 16 de junho prximo fndo recom-
mcudo a Vmc. que faca
Pela secretaria do governo so faz publico, para
:onhecimenIo da parte interesada, o aviso abai-
xo transcripto, expedido pelo ministerio da fa-
zenda em 13 de junho prximo passado.
Ministerio dos negocios da fazenda.Rio de Ja-
neiro, 13 de junho do 1860.
Illra. e Exm. Sr.Em resposta ao officio do V.
Exc, n. 272 de 10 de setembro ultimo, acerca da
isenco do imposto das duas loteras concedidas
irmandade do Senhor dos Passos. erecta na ma-
triz do Corpo Santo, declaro a V. Exc. que, se a
dita irraandade entender que por qualquer moti-
vo deve gozar da referida isenco, pode recorrer
para o tribunal do thesouro, na forma do artigo
27 20 do decreto de 29 de Janeiro de 1859, o
qual resolver como for de justica.
* Dos guardo a V. ExcAngelo Mnniz da Sil-
requeri- Ferraz.Sr. presidente da provincia de Per-
nambuco.
da Sicilia, levaiiiaiio-vus contra a mais entumo-
sa das lyramnias. Que a ra^a perjura e assassna
que vos tem torturado e vos roja a seus ps,
succeda finalmente o governo livre de que go-
zara onze milhes de italianos, hoje reunidos ; e
que avergonhosa bandeira borbnica seja subs-
tituida pela bandeira tricolor, symbolo feliz da
independencia nacional e da unidade, sem a qual
impossivel a liberdade duradoura e verdadera
Os vosaoa irmos do norte
vos familia italiana.
Garibaldi.
Aos sicilianos.
Sicilianos !Trouxc-vos m punliado
lentes que correra ao grito heroico da ,
Acha-se entre vos o resto dos que polejaram na
I.ombardianos s queremos a liberdade da pa-
tria. Perraanecei unidos, e a tarefa ser fcil e
curta. As armas 1 Oque nao impunhar una
arma, e um cobarde, um traidor sua patria.
A falla de armas nao cum pretexto. Ha vemos
de ter espingardas ; mas agora qualquer arma
boa as mos de um valente. As municipali-
dades encarregam-se dos filhos, das mulheres e
dos velhos. As armas lodos A Sicilia
r ao mundo como um paiz se
dos seus oppressores pela vontado de
unido.
que dous poderes a rafea e governam : afta .i
aulondade do pontifico e o poder temporal
do sutil nuibus principaliter mundus hic re'n-
tur, antonlas sacra pentificum el renal, on-
ustas .' r
J v, pois, V. Exc. c a cmara que minha
opiniao, minha convieco intima, que existen
nesle mundo dous poderes disnctos, separado*
desej m assodar STnfia W'10 Cada ^SSfSSi
sooesejam associar- 8ua. aitnbu.coes, lendo cada um seu limes.
d-
seus
de va-
Sicilia.
meios propnos para consteuco desse lim.
Mas, se cu admiti, como "todos os grande es-
critores do direito ecclesiaslico. esta doutrina -
se eu a considero verdadeira e orlhodoxa
bem entendo com esses

lam-
mesmos escripiores fac
necessario que esss poderes, to grandes ho
nagestalicos e soberanea, se abracem, se liguis
o prendan por tal modo que. marchando bar-
mi
i so
, monicamenle. possam chegar a este resultado
i possam bem precncher a sua roissao.
Houve poca em que se cntendeu que o poder
temporal era iiiimigo, e inimigo oncarnirado di
i poder espiritual; tambem urna ouin poca hou-
.!mv,er"?U See",e"^0U 1ul!0POd espiiilual
de embar ri ^u". ,0d,1S a.S a. ,r,bui^s. todos osdire.l,.* d,
* un novo ^"'^P0"1- l'-eliziuen.e esses lempos pav-
ura povo rain ; hoje o que esl no dominio da sriencia o
, que e respeiiado por lodos esle principio que
ambos os poderes marchara na esphera de su..
Amanha ouvireis dzer aos sacerdotes de La- pela w^naio?, t'nm^ T lh? to lra'd"
on. ir n.m -.i...., ___i......____ P61" sua "aiureza e lim,Tuaque irm nerc-.-se.ia
de miiluo auxilio,
>tos
Garibaldi.
romanos.
monciere que alguna mulsumanos invadram
vosso territorio. Poia bem, esses mulsumanos
sao os mesmos que pelejaram pela Italia em
Montevideo, em Roata e na Lombardia : aquelles
quehaveisde recordar a vosaoa liihos com orgu-
Iho, quando chegar o dia era que, livrando-os
da tyrannia dos cstrangeiros e dos padres, tver-
des a liberdade de trazer a memoria
passadaa.
Sao os mesmos que em um
rara aos numerosos
as glorias
momento se 1
que tern necessidade de har-
mona sem que esse mutuo auxilio e harmoni
otlendam a respectiva independencia, nem Ma-
quen a sua soberana para obiem o do uue pre-
tendem. r
A queslo que se aprsenla versa aubre doua
pontos, que eu considero importantes: primeiro
, se o governo pode licenciar os parochos aem au-
diencia do prelado diocesano ; segundo, se u g..-
verno pode prover noa benccioa erclcaiaslicoa
aparte, maa que ESSUZ&'iJtS: TJT ^ "a Ofam ,Para "-
das para o inimigo, 3SSZSS om"olSr ; 'TSSfiLriJ?!!.!* '^ "*
lula, e nao para dexar a seua filhos
------ ..... qualquer
outro legado que nao fosse o odio aoa oppres-
aorca.
Sim.ealeameus camarada3 pelejaram do outro
ado dasvossas rauralhas, a par de Manara. Me-
jana, Masina, Mameli, Daverio, Peralla, Panizzi,
Ramorini, Darel, Montaldi c de muitos outros
jlenles romanoa que agora jazem prximos das
vossas catacumbas, e aoa quaes dstes aepultura,
porque foram leridoa de frente.
Os noaaos inimigos sao to astutos como pode-
roaoa, mas passemos s Ierras dos Scevolaa, dos
Horacios e dos Ferrucios ; a nossa causa a
causa de lodos os italianos.
O nosso grito de guerra o mesmo
Senhores, eu considero o parodio, o sacerdote
a quem incumbe dentro de cerloa limllea da dio-
ceae a cura constante e perpetua djs almas, o sa-
cerdote a quem mais particularmente cabe cuidar
do povo e do clero dessa porco de lerrilorio.
as, se esse sacerdote rege essa porco de terri-
torio da diocese por um direito proprio, lodavi.i
nao posso negar, nem ninguem pode-lo-ha fazer.
que o parodio subordinado ao bispo.
O bispo o imperante esperilual da dieces-,
tambem seu legislador ; quem deve ler cuida-
do de todo o rebanho e apascenla-lo de forma
que veja e examine se com effeilo os parochos. a
quem tambera se pode dar o nome de pequeos
pastores, cumprem exactamente os seua durara
sng&&sSZ5Z* $m mBSB
administradores ordinarios dosSacramentoa.com
excepr;o dos episcopaes. nessas pequeas por-
ces de territorio da diocese a que se d o nomo
de parochias; que ellea tecm muitos diteito* a
;m votos. Em resposta declaro-lhe
que mereceu a approvaco do governo imperial
;i decisao de V. Exc, pois que segundo declarara
os avisos ns. 18, 2i e 139 de 17 e 19 de Janeiro e
21 de maio de 1849, a circumslancia do estar
aquellejuiz exercendo o cargo de subdelegado de
polica nao era razo para que elle deixisso de
assumira presidencia da junta; e ainda mesmo
que dahi proviesse impedimento legitimo, nao
poderla o referido juiz fazer parte do conselho do
recurso ; pois que o aviso cilado por V. Exc. e o
outro do mesmo anno de 1847, n. 65 de 6 de
abril no 2U muito expressamente determinara
<|ue o juiz de paz, que deixou de presidir a junta
de qinlificaco por qualquer motivo que
nao pode na qualidadede eleilor maisvoi
seal de guerra, alm do respectivo sold, a com-
petente gratificaco addicional clape.OUiciou-
se ao director do arsenal de guerra para sua
sciencia e alim do o fazer constar ao peticio-
nario.
Dito ao mesmo.Transmudo a V. S. para o
fim conveniente, a coula e recibo junto relalivos
us despezas fcilas pela comniisso astronmica e
hydrographica no mez de junho ultimo, iudo an-
nexa a esses documentos copia do officio que me
dirigi o chefe da mesma commisso, (o qual se
ve que existe um pequeo saldo a seu favor.
Dilo ao mesmo.Constando de aviso do mi-
nisterio de
fazenda do 16 de junho ultimo que
fosse,' por decreto de 13 do mesmo mez fora nomeado
ado fa- i o 2. escripturario dessa thesouraria Jos Luiz da
,, e'rn-L J,'Z v erouoic,Pal de j Costa para igual lugar na da Babia, assim o com-
1 niriTw eoLV *"**?* 'lell'Soncia munico a V. S. pan seu conhecimenlo e direc-
Deus -, Vrde ^ V Vro ""^." "fr -A i *> /ommendando em comprmanlo do dispos-
re Fiflo tr JJa ra d Almti'JaPe- ,0 no fin do citado aviso que faca seguir esse
reir 1 uno. Sr. presidente da proviucia de Per-
nambuco.
Cunpra-se.Palacio do governo de Pernam-
buco, 30 de junho de 1860.Leito da Cunha.
3* seceo.Rio de Janeiro. Ministerio dos ne-
gocios o imperio em 20 de junho de 1860.Illm.
; Exm. Sr.Tenho presente o officio de V. Exc.
n. 633 de 4 do corrento mez, remetiendo-roe co-
pia da representadlo cm que o juiz de paz, presi-
dente da junta de qualificaso da freguezia de
Pao d'Alho, consuliava a V. Exc. sobre as seguin-
tea duvidas:
l. Se lendo-se mudado os cdadiosLuizd'Al-
iuqiicrque Maranho, Manoel Thomaz d'Albu-
juerque Maranho e Antonio Bernardo Ribeiro de
Moura, da freguezia de Pao d'Alho, ondo erara
eleilores, para os engenhos Aldeia e Caraba da
freguezia de Tracunhaem, do diatricto eleitoral
de Nazarelh, antes de scrcra estes engenhos en-
cocorados aquella freguezia pela lei provincial
ii. 469 de 5 de maio do anno prximo passado,
podiam funecionar como eleilores na freguezia de
Pao d'Alho.
que laca seguir esse
empregado para aquella provincia", onde achara
o decreto da sua nomeaco.
Dito ao commandanle'dn corpo de polica.
Exprca V. S. suas ordens alim de ser conservado
preso no quarlel do corpo sob seu comraando,
disposico do ju>z de direilo especial do commer-
cio o olficiul da guarda nacional Joao Cardoso
M esquita.
Dilo ao mesmo. Mande V. S. dar baixa ao
cabo de esquadra do corpo sob seucommando
Manoel Joaqnim de Paula, visto ler concluido o
lempo de seu cngajamenio, tomo consta de sua
nformaio de 30 de junho ultimo, sob n. 257.
Dilo ao inspector da thesouraria provincial.
Tetido resolvidoservir-me da autorisaco que se
conten na lei provincial n, 488 de 16 de maio do
correnle armo, e havendo organisado o regula-
manto, que Ihe remello incluso, para "execuco
daquella disposico, recommendo V. S. que
cora urgencia emita seu parecer sobre o mesmo
regulamento, que me ser devolvido.
Dito ao mesmo.Conslando-me que nos dias
do honlera o de hoje deixou de cobrar-se no ma-
ladouro publico desta cidade, a importancia do
a vmc. que laca apromplar, para serem
enviados companhia fixa do Rio Grande du
Norte, e ao meio batalho da Parahiba, os objec-
tos mencionados as notas constan ea das co-
pias juntas.
Ditoao thesoureiro das loteras. lendo nesta
dala approvado o plano, qno Vmc me enviou
com o seu officio de 30 de junho ullimo para a
extraccao das loteras; assim Ih'o communico
para seu conhecimenlo, remetlcndc-lhe copia
do referido plano, alim de que lenhi execuco.
Igual copia foi remedida a thesouraria pro-
vincial.
PorlariaO presidente da provincia, confor-
mando-so com o que propoz o chefe de polica
em officio de 30 de junho prximo fndo, sob n.
888, resolve considerar vago o lugar de sup-
plenie do subdelegado do polica do dislriclo
de Beberibe, no termo do Olinda, < nomeado
para o referido lugar o cidado Antcnio de Al-
lemo Cisneiro, bem como para o de 3." sup-
plenie do mesmo subdelegado o cidado Mlito
Borges Ucha. Communicou-se ao chefe de
polica.
Ilxpdicntc do secretario da provincia.
Officio ao Exm. presidente da provincia.Na
forma do regulamento de 26 de janeiio de 1853
passo s mos de V. Exc. o poni don emprega-
dos da secretaria do governo. relativo ao mez de
junho prximo (indo, e rogo a V. Eic se di de expedir as suas ordens para que j.ejam eUcs
pagos dos respectivos vencimentos.
Dito ao director geral da secretaria do impe-
no.S. Exc, o Sr. presidento da provincia
manda aecusar recebido o officio por V. Exc. di-
rigido cm 11 dejunho prximo lindo com os
exemplaresdo relatorio que o Exm. ministro do
imperio apresentou na 4a sesso da '10a legisla-
tura da assembla geral legislativa.
Dito ao coronel commandanle das armas inte-
rino.S. Exc. o Sr. presidente da provincia in-
teirado pelo officio do V. S. do 30 de junho'ulti-
mo, sob numero 706, de acharem-se presos na
villa do Ouricury o lenenle-coronel Alvaro Er-
nesto de Carvalho Granja, o Jovino Si vio Granja
como indiciados no assassinato do <:apito Do-
mingos Alves Branco Munlz Barreto, manda de-
volver a V. S. oa dous officios que acompanha-
ram o que fica cima cilado.
Dilo ao mesmo. O Exm. Sr. pnaidenle da
provincia manda communicar a V. S., cm rea-
posta ao aeu officio de 28 do corrente, sob nume-
ro 704, que nesta data maudou p a asar a cerlido
que solicitou o alteres Manoel Germino fondea
Alcoforado no requermento a queso refera o in-
cluso officio assignado pelo command.inte das ar-
mas da Baha.
Dito ao inspeclor da thesouraria do fazenda.
S. Exc o Sr. presdeme da provincia nanda trans-
mitir a V. S. as cinco inclusa ordins do the-
souro nacional de nmeros 91 a 95, e bem assim
dous officios, aendo um da secrclaria lo miniate-
no da fazenda, datado de 5 de junho e o oulro
da directora geral das rendas publicas de 18 do
mesmo mez.
NoU do ministro dos negocios estrangeiroi de Na-
polts aos representantes das diferentes poten-
cia naquella capital.
aples 12 de maio de 1860.
Urr aclo da mais selvtica piratiria acaba de
ser cimmettido por um bando deforagdos publi-
cameite alistados, organisados e armados em um
estado que nao inimigo, vista do governo des-
se es'ado, e apezar da promessa feita pela sua
parte de querer irapedi-lo.
O governo d'el-rei, avisado dos preparativos
que se faziara com a mais desenfreada impruden-
cia, cm Genova, Turin, Milo, l.eornc e Sienne,
de urna expedicao destinada contra os estados
rcats, nao se demorn em chamar, sobre esle at-
tenkido feto ao direito das gentes o s obriga-
cei iuternacionaes, a adncao do governo pie-
moitez, cujas respostas, de principio evasivas, e
cujis proraessas, depois de impedir a expedieco,
deviam autorisar o governo real a nao duvdar
da lnceridido das aeguranc.as o accordos que ac-
bavjm de firmar a natureza das relaces de boa
harmona e de nao ingerencia reciproca, que ji-
ma tomos pensado de deixarde conservar.
O governo d'el-rei ora por isso deixou de con-
tinuar a vigiar as machinaces das faeces, que
se reuniam em Genova, e cm Leorne.'coru uns
fins bem conhecidos, e proseguio na sua marcha,
cuja, historiase resume na memoria annexa.
l.isongeava-se pois do ver impedida a saluda
desses piratas. Todava, depois do sen embarque
em Genova em Leorne, cm tres navios de com-
mercio, dos qifaes dous piemontezes e um inglez,
os primeiros desses navios, sahidos de Leorne,
drigiram-se para o porto de Marsala, aondo, de-
pois de haverem chegado honlera sem bandeira
alguna, comecaram a eTccluar o desembarque
dos bandos que levavam a bordo, quando os
dous navios reaes do cruzeiro mmdialo rompe-
ram contra os aggressores o fogo da sua arl-
1 ha ra.
Este fogo com tudo, teve que susponder-se
para dar lempo a que dous vapores inglezes, que
linham chegado poucas horas anles.'recebessem
a bordo os seus offlciaes, que se aehavam em Ier-
ra. Esses vapores, depois de os haver embarca-
do, fizeram-se ao mar, e s cntao pode conti-
nuar o fogo contra aquelles piratas, sem todava
conseguir-se impedir o seu desembarque cm Mar-
sala, cidade da provincias de Trapani.
Com eata simplea indicarlo do escandaloso at-
tentado, cujoa resultados na parte insular dos
estados reaes, onue a insurreicao acanava ape-
nas de ser reprimida, nao permute a brevidade
do lempo prever, o abaixo assignado, encarrega-
do da reparlicao doa negocios eatrangeiros lem a
honra de dar conhecimenlo .... da historia dos
aconlecimentos, para que se sirva informar o seu
governo, e para que. quaesquer que possamser
as consequencias de um adentado commcltido
contra toda a especie do direilo, que transgride
as leis inlernacionaes, e pelo qual pode a Italia
ver-se envolvida na mais sanguinolenta anarquia,
comprometiendo tambem a Europa inleira, nao
decahirasua responsabilidade seno nos autores,
factores o cmplices da barbara invaso que se
commetieu.
O abaixo assignado tora a honra etc.
Carafa.
Vamos dar noticia de urna serio de proclama-
dles espalhadas por Garibaldi quando emprehen-
deu a expelico i Sicilia.
Sao documenlos que se devem ler com inle-
resae porque expreasando o sentimento de nm
celebre patriota, provocam a defeza de urna gran-
de causa.
Ao e.rercilo napolitano.
A arrogancia cslrangeira domina o territorio
italiano, em consequencia daa discordias italia-
nas. Maa no dia em que os filhos dos Samnitas,
reunidos aos aeua irrros da Sicilia, derem as
mos aos italianos do norte, nesso dia o nosso
povo, do que formaes a melhor parte, recobrar,
como n'outros lempos, a sua posicao enlre as
primeiras naces da Europa.
Eu, como soldado italiano, s tenho urna am-
bico, a de ver-ros unidos aos soldados do Va-
reze de S. Marlinho, para combater juntos os
inimigos da Italia.
Garibaldi.
Aos habitantes do reino de aples.
J i tempo e imitar o exemplo magnnimo
vencedores, a honra italiana esl salva.
Garibaldi,
general dos romanos, nomeado
por um governo eleilo pelo
Ordem do dia *SMgS?S. ** \ P='esant =Le JT.K
Oflidaes, subalternos e soldados. I pS" "S?C" Condi^" d'V0C;,idade qUC
S M. acaba de conceder-me a distincio bn gSt : m 'par^e ^F&^&Wfc
o ESX% eSCV^l lSSr Cendar a Um P"choVm q6ue Sdmen.e si a
vos sendo desconhecido, | ouvido o prelado diocesano (Apoiados;.
E a este respailo, Sr. presidente, sej'a-me lici-
rneira to, fundado na autoridade do sabio mar'juez de
el-re Sania Cruz, arcebispo da Babia, asseverar com
toda a forea da minha convicyo e da minha cren-
ca catholica quo oa bispoa, como inlelizmente se
lem querido, nao .o meros informantes ; que
leem jurisdico, que leem auloiidadepropria; que
devem respeiloaamenle ser ouvidoa sobre ludo
projiJ,
governa
ngos e fadigas da vida de campanha, a primeira
expresso que devo dirigir-vos a de que
est salisfeito do vosso comportamento.
A vossaadheso e valor as ordens de S. Exc
o principe do Castelcicala, que to dignamente
vos comraandou, reprimiram no mez passado
urna insurreico ; e nao obstante, a sedico pro-
paga-se. S. M espera novas provas do vosso va-
lor para a pacificaco do paiz.
Olfidaes, subalteVnos e soldados : anime-vos
s um pcnsamenloa honra da vossa bandeira ;
observa a mais rigorosa disciplina, pois nella
que confia a salvaco dos exercilos; seja o grito
de tiiua el-rei que vos guieaemprc pelo caminho
do dever e da honra.
Palermo, 17 do maio de 1860.O general em
chefe, lugar lenle de S. M. na Sicilia.
Fernando Lanza.
Proclamacdo do general Lanza.
Sicilianos: Yodando ao meu paiz natal, sofreu
o meu coracao urna dolorosa impresso. por isso
quo vi a cidade de Palermo coberla de luto pelas
tristes eventualidadeado momento..
Ha nao obstante para raim urna consoladora
idea, qual a de ler sido mandado pelo
augusto monarcha, como seu
Iraordinario, com os poderes de um alter ego
para a completa pacificaco da ilha. Alcancado
que seja este resultado, ser coliocado vossa
frente um principo da familia real, nomeado para
o cargo de lente-general de S, M.
Cumprir a misso importante de fazer a vossa
felicidade. Vira munido de plenos poderes para
administrar e prover a execuco de vias de coni-
municaco, e oulras obraa de ulilidade publica
as mais proveitosas.
Vira dar o maior desenvolvimento s nossas
industrias, dolar o paiz com os meios que a ex-
periencia tem indicado como mais proprios para
a prosperidade e progresso da nossa civilisaco.
So o nosso bom rei tinha pouco conhecime'nlo
dos voseos males, forle com a justica da sua cau-
sa, aguardara a poca do reconhe'cimento dos
seus inviolaveis direilos; mas firme c constante
na vontade de fazer tudo quanto fosse possivel
para o rosso melhoramenlo moral o material,
nao desconhece que neslas circumstancias urgen-
tes, o seu primeiro devor o de proteger a vossa
seguranca, ameacada de tantas maneiras as
circumstancias de desordens em que nos remos.
Quando aceilei a elevada misso que me foi
confiada, cedi s suggealea da minha conacien-
cia. Mas segninrto as ordene del-rei cedi tamlum
aos senlimenlos do meu conco, que julga pou-
par a nossa patria commura desgracia cuja ex-
lenso o duraco nao possivel calcular.
Considerai bem o que o futuro vos promede.
Quaes sao os destinos que nos ofTereceni os que
se oceupam da nossa seraprc creacente prosperi-
dade ?
Qual a garanta que vos offerecera do bem
de que dizera ser portadores ?
Tomai o conselho da experiencia. Elerai-ros
a altura da situaco actual, para ros poderdes
salrar. Emquanto se deseneadeam todas as
paixes- bastardas, ignoris de qual dellas seris
victimas
Na tormentosa lula a que ros arrestan os ag-
gressores estrangeiros, s o rosso ralor civil sus-
tentado pelas milicias reaes, ros pode salrar.
No norae augusto del-rei, concedo perdo am-
pio e geral a todos aquelles que agora eslo au-
blcvados, urna rez que prestem submisso au-
toridade legitima.
Palermo, 18 de maio de 1860.
0 commissano extraordinario com faculdade de
alter ego
Fernando Lanza.
(Jorual do Commercio de Liaboa).
INTERIOR.
aquillo que importa igreja que ellea regero, e
sobre a pretenco de lodoa aquellca que eslo
aujeitoa aua jurisdico no foro externo, e que.
deixe-mc usar desta xpresao, se pode conside-
rar como seus subatilulos.
Assim, eu nao posso admiltir a doutrina d
que o poder execulivo, Independenle da audien-
cia do prelado diocesano, ou d licenca ou.o que
importa o mesmo, autorisc aos presidentes de
provincia a licenciarem os parochos, iato aoa
dealocarem de suaa respectivas parochias, dispen-
aando-oa da residencia a que por urna le cano-
nice e civil sao elles obrigados, sem que os bis-
poa o saibaii.
Se purera assim pens, tambem nao posso com-
binar com as ideas do autor do requerimento.
quando enlende que no estado actual da nos.a
nosso legislaco o governo do paiz nada tem que vtf
ex- com os parochos....
O Sr. Miguel de Araujo :A minha opinio
nao foi enunciada assim lo .impamente.
O Sr. Yilella Tavares: Senhores, cu ates a
infelicidade, explicando esta materia no antigo>
curso jurdico de Olinda, hoje transformado em
faculdade de direilo do Recife, da qual sou indig-
no lente (nao apoiados); Uve a infelicidade, digo,
de ser mal comprehendido pelo Sr. arcebispo da
llaliia, que enectou comigo urna discuaso a este
respeito, na qual, argumentando sempre com a
sabedoria e lucidez que todos Ihe reconhecemos,
mas fallando de jury consliluendo, islo da-
quillo que ae devia fazer, c nao daquillo que es-
lava feilo, do que estere legislado entre nos, di-
zia que oa parochos nao eram empregadoa p-
blicos, nem podiam i-lo.
O Sr. Miguel de Araujo :Erro com esta an-
toridade.
O Sr. Vilella Tavares :Nao quero entrar nes-
ta discussao ; julgj impropria a occasio para
mostrar so o parocbo deve ou nao ser conside-
rado empregado publico : o que porm estou aa-
torisado para dizer, cm face da constituirlo po-
ltica do imperio, do acto addicional, avisos do governo, como os de 4 de junho do
1832, 23 de agosto de 1813, e oulroa cuj*s datas
nao me occorrem agora, e que entre na, bem ou
mal, oa parochos, a quem tambem lem cabido o
desempenho de obrigaees impostas pelas lei
civis, e a quem anda hoje incumbe eaae deaem-
penho, dependendo em suas nomeaces do go-
verno, recebendo rencimentos do thesouro, etc.,
etc., tambem sao considerados empregadoa pu-
blicos.
OSr. Miguel de Araujo:Com abusos nao so
argumenta.
O Sr. Vilella Tacares : Nao justifico a lei,
nao trato disso ; digo que ella existe. Nao pos-
so tambem admitlir a doutrina, que parece par-
tilhar o nobre depulado autor do requerimenio.
assim como o Sr. ministro da justiea, de que os
bispos possam licencear, quando Ibes parec, aoa
paroches. e por um lempo indefinido sem ter a
menor informadlo, sem ser ourido o poder tem-
poral ; nem Uto pouco posso aaaenlir ao parecer
dos que entendem que os bispos c o gorerno, ca-
da qual a seu turno, e gozando de urna indepen-
dencia ueste caso nocir e perigosa, possam dar
a seu arbitrio aa Ucencas quo quizerem aos piro-
chos. Islo seria um eslado de onfusao e anar-
chia injustificarel...
O Sr. Miguel de Araujo :Nao sou desta opi-
nio : o Sr. ministro da justica.
OSr. Vilella Tavares:Parcce-me que ha um
meio de conciliar tudo isto, meio razoarel e jus-
to, meio quo nem ae pode dizer que exorbilan-
lo do poder temporal e ofTensivo do espiritual,
nem tambem abuso do poder da igreja contra a
autoridade da sociedade civil.
Este meio que, sempre que se tenha de dar
licenca, a um parocho, a um beneficiado qual-
quer, e cuja licenca como se sabe, importa urna
dispensa de sua residencia, quo forcada. ambos
os poderes marchara de aecrdo, ambos lenham
pile neate acto....
OSr. Miguelee Araujo:A inicialira dte
ASSEMBLA GERAL LEGISLATIVA
CMARA DOS SRS- DEPUTADOS.
SESSO EM 29 DE MAIO DE 1860.
Presidencia do Sr. conde de Daependy.
( Concluso. )
O Sr. Vilella Tavares :Sr. preaidente, a so-
ciedade do mundo se acha organisad.i de tal ma-
neira que eu posso dizer como o Papa S. Gelasio partir do poder espiritual,'que maU(ligo.


t!
ftiArtlO DE PERKArfBtJt30._^- QA^fA ffrVUj D JULHO DE 1860.
fJ *;. Kiieii rapare* :tu alo a auloridadu
.1 Sr. conde de Iraj nestas materias, porgue
OSr. Vilella Taya res:Nao taco queslo disto,!
mas nao sci se llavero sempre conveniencia em |'
que a iniciativa tleva partir do poder espiritual, ,Tor seus coohecinieuios, pelas suas virtudes, por
que nao vejo razo poderosa para que, da-ias iS cctlas circumslancios, a iniciativa nao possa. par-1 cile ocnipa, nao se podendo dizer que soja ullra-
tir do poder exeeutivo, urna vez que, cora, o de- i monUno, nao pode ser de forma alguma julgado
-vido respeito e altenco, seja pteviamenlo ouvi- I suspeilu. (Apoiados)
lo aquele que tem j'urrsdiceao immodiala sobre | Sr- -1 Machado : E est firmado por
os parochos. (Apoiados.) "c* F!S'*P Procea nov conc?-
Senhores, esta quesiese os parochos sao ou I "s r- '"' Tacare .-Attm disto est, co-
tio considerados entre irds empregados pblicos mo tt'uil bpm ncaba ue ller "obre deputado,
i foi debatida nao quero entrar nella nova- : miado por aiestos que o governo nao adiando
mente nao me faeo-cargo de dizer se bora ou dlo neiihum dos sccrdoles apresonlados,
Moque elles pela nussa legislaco assim sejaru ot proredera novo concurso Me parece que ha
considerados; mas dirci de pissgem unicamen- i '" poucode arbitrio, quando, haveodo um para-
le ao nobre deputado que. ou su considere pelo c." propos_to para a frcguezia A e outro para a
direilo do padroado, que, como o nobre deputa-
do abe, o deilo que tem o cleiigo ou o se-
cular que fundou, edilicou ou dotou urna igreja,
ic nomear o sacerdote que a deve reger para ser
instituida cannicamente pelo bispo, ou so con- i
sideic como urna concesso, um privilegio con-
fieguezia 6 o govenra escolhe para a frogweria
H o parodie proposto para a fregueria A.
O Sr. Miguel de Araujo : Eu digo que
milito arbitrio.
O Sr. Villela Titeares : Nem se diga que 6
indiflerentc a esculla ueste caso ; nao, senhores:
cedido pelos papas, ou como um favor aquello a niissoj do sacerdote, em geral, pode-se
que praiiea lbealidado, que (ai doaces a una
igreja, o se torne por consequencia seu protector ;
u se considere, pelo direito de soberana, que
resulta da coustituicao poltica, como ntrenos,
a do art. 102, 2o", quo diz que ao imperador,
corno chefe do poder exeeutivo, compete nomear
bispos e prover os beneficios ecclesiaslicos, a ver-
doso que nenhum parodio entre nos, podo
funeces, a -excepcao dos parocli
dizer
mas
reger
con-
loe urna e a mesma em todos os lugares
ha sacerdotes que sao aptos, idneos para
usa igreja, e nao o sao para reger oulTas,
forme certas circunstancias.
O Sr. Miguel de Araujo :Apoiado.
O Sr. Villela Tacares :E' necessario alltn-
der aos usos, aos coslumes dos povos do territo-
rio cravado na diocese, o que coirslilue a paro-
clia para que proposto o sacerdote; neces-
agoslo de IBM, em relaeao ao jjiCIo sobre que.
especialraciilj dispe, tiver em caixa parto Cj0
seu capital, equivalente ao excesso do dito lecSno
medio da emissao, representada por moeda de
ouro ou por barras do mesmo metal de 22 quila-
es, ou por barras de prala de ti dinheiros, na
relaoo morcada pelo art. 3' do decreto n. 172!
de 5 de fevweiro de 1&50, com tanto que a quirn-
tidade destas nao exceda da quarta parto da atoc-
da e barras de otiro.
" 11. Ser ptrmittido aos ancos de circula-
Qo, quo actualmente funecionam por auiorisaco
do poder exeeutivo, substituir ;eus titules de ga-
ranta pelos va'.ores mencionados no paragrapho
antecedente, c logo que suas netas fortn conver-
siveis em moeda metallica venlade do portador
podero emittir na razo dupla dos referidos me-
lles ou moeda do ouro, quo eff;clivameBte pos-
suirm dentro dos limites marcados nos seus es-
2." Ua nova moeda s poder ser recebido
cm cada pagamento o de 200 rs. ;
3:a O governo matear era seus rcgularacn-
tos nao os prazos, modo e pocas da substi-
tuicao da moeda de cobre, mas tambera a quali-
dade da liga da nova moeda, seu peso, valor,
dimetro e mutro :
4.a A moeda de cobre substituida ser inu-
tilizada e vendida corno sizalha ;
5.a A actual moeda de cobre que nao fdr
levada ao troco as pocas quo o gorerno mar-
car ficar siijeila as disposiQes do art. 10 da
le o. 53 de 6 de oulubio de t33.
Art. 3." O governo s poder perraitlir a cu-
ahagem de prala dos particulares em caso de ne-
cetsidade, dovendos a senhoria^em pertencer
fazenda publica.
? Art. 4." O governo tica igualraeate aulorisa-
do a conceder aos accionistas das estradas
exercer estas lunecoes, a -excepcao dos parodies
cncoramendados vnicamente por vontade propria s:'rl. atlender se ello alu tem parcnlella, se tem
dosbi-pos; necessario. indispensavel que o squito; preciso atlender ao genio do sacerdote,
poder temporal interven ha com a sua vontade e mesrno pata a ndole da pepulacao ; porque
tainbem (Apoiados ] i v sabis, senhores, que o estado sacerdotal nem
Nem se diga, senhores, que, admittindo-se que sempre indica essa mausidao o essa prudencia
os parodies sejam considerados empregados pu-'f'.e sena para desejar, nem sempre exclue as
Lucos, nao sao mais beneliados. porque recebera 'naspaixues, etc.. ele
orJenado ou congrua, era vez dos di-zimos que A v'8la Pofia"'o, d
llie foram arrancados, etc., etc. Nao importa
para a queslao v-crteiilo que os paroclios tives- '
seni recebido dizuuos ouli'ora, c hoje recebara,
cm substituido a estes, pensos, congruas, ordo-
nados ou prestaeoes pagas pelo governo, peio ;
estado. Eu enicndo que ainda assim os paro- I
-clios sao bem'ficiados, ainda assim as paroclnas
sao beneficios ecdcsiastico, c que os parochos
sao ubrigados residencia, ao cilicio divino, e a
todos os eutros deveres que Ihcs sao proprios.
Creio que uto implica contradieco a idea de be-
neficiado com n de empregado publico, na hypo-
liiese de que se trata; a perda dos dizimos e a
recepcae da congrua, etc., etc., nao faz extinguir
o beneficio : assim que o enlendeu o decidi a
Santa S, se a memoria nao me falla, a 19 do Ja-
neiro de 1819, e sobre este pojito pode vr-se a
Opinio do Sr. conde de Iraj, que pensa como
u nos seus Elementos de Direito Ecclesiastico,
tom. 2" 1234, e scholio, etc., etc.
J ve, porlanlo, o nobre deputado que ruesmo |
o poder espiritual considera ueste caso beneficio j
ecclesiastico a congrua, ordenado, ou como Ihe '
quizerem chamar, que em subslituieo do dizirao
se d aos parochos.
Pelo que resucita ao primeiro ponto, nao pos-
so adiantar mais as minhas ideas ; nao sabia so-
bre o que O nobre deputado vinha fallar, nao -
ve lempo do ler, de consultar a legisuco. Ve-
jamos porra se no segundo poni eu posso en-
tender as cousas do mesino modo que o nobre
deputado, ou do mesmo modo que o noble mi-
nistro da juslica.
Senhores, sobre apresenlacao dos benilicios ec-
clesislicos nos temos legislaco completa; o
concilio de Tremo, na seceo 24, cap. 18 de re-
formaione. aceito pelo decreto de 3 de uoveni-
bro de 1827 sera a menor reslritrao. Portanto,
esta scceao do concilio de Tiento legislaco
iiossa. le do estado ; e nao podemos, a respei-
to de beneficios ecclesiasticos, apartar-nos urna
s virgula della : essa ki, repito, foi recebida
sem restrieco, vigora entre nos era toda a sua
pleniliide.
Alera do concilio de Trente, temoso alvaide
14 de abril de 1781, chamado o alvar das facili-
dades, e sobreludo temos a le de 2 de setem-
bro de 1828, que no seu art. 2o 11 nao deixa
absolutamente arbitrio algura ao governo, nem
ao diocesano, a respeito da materia de beneficios
ecclesiaslicos.
Amigamente era permittido ao padroeiro lai-
cal ou ao secular apiesenlar um sacerdote para
um beneficio, "sem que esse sacerdote fosse em
suas qualidades, em sua seteacia, em suas virtu-
des, etc., examinado pelo bispo ou por pssoas
que o bispo nomeasse para esso lim
ros seculares nao erara obrigadosa aprcsenlar aos ]
bispos clrigos que passassem por exame c fos-
sem |ior estes julgados idneos; mas essa legis- \
laco, esse uso deixou de vigorar entre nos de- I
pnia .|"- i-i.iwiiiu ,ie Tiento foi rcemelo, de-
pois d" alvar das fatuidades o da fei de 22 de
eeterabro de 182, j citada.
E o que diz toda essa legislaran, o que nosen-
aina ella a respeito dos beneficios ecclesiaslicos ?
Lugo que vaga uuia parochia, por exeraplo, que
um verdadeiro beneficio ecclesiastico, o bispo
i obligado a po-la a concurso .
OSr. Miguel de Araujo :\i<:i. dias depois da
vacancia.
0 Sr. Vilella Tacares :.... com os prazos de
30 ou (JO das, conforme a distancia dos lugares.
No dia prelixo para o exame ou para o concurso
comparecen! os examinadores do syuodo. No-
te-se, nao sao examinadores chamados adhoc, e
sim os que ja se acliam investidos dessa ulori-
dade, e ah nesse acto, que presidido pelo bis-
po, e na-sua falta ou impedimento pelo provisor
ou pelo vigario-geral, pessoas competentemente
iiulorisadas pelo bispo, prcede-e ao exame, cu-
jas regr-is me parece que forara eslabelecidas pe-
lo papa Clemente XI no seu decreto de 10 de Ja-
neiro de 1721. l)ao-se casos iguaes para todos
os concurrentes, assignara-se para todas as mes-
mas quesles, e ao mesmo lempo, da mesma
maueira, a portas fechadas, a lim de {que elles
destas muilo breves e curias
redexoes que acabo de fazer, enlendo que o re-
querimiento apiesenlado nao preeuche o lim que
quer o nobre deputado, sen illusire autor, nem
tambera ao que a cmara se deve propr. Nos
devenios dar urna solucao definitiva a osle ne-
gocio, e assim cumprc que o requerimeuto soja
transformada em urna indicacao, que essa indi-
carao v s commisses reunidas de negocios
ecclesiasticos e de consti tu cao e poderes, para
apreciando a materia della, ciar o seu voto sobre
o assiuuj'in. Tenlio concluido. (Apoiados.)
O Sr) Benevides e oulros : Muilo bem.
Vai a mesa, c lido e apoiado o seguate reque-
rimeuto de ordem :
Soja considerado o requeriinento como indi-
carao, e remedido s commissoes reunidas do
negocios e de cotisliluirao e poderes, para darcm
seu parecer sobre ella.Villela Tavares.
Nao havemlo quem peca a palavra, nem nume-
ro legal para se votar, o Sr. presidente declara
encellada a discussiio, nao se procedeudo cha-
mada por ler dado a hora.
Dada a ordem do dia, levanta-sc a sessao s 3
horas e meia.
10 de junho.
Ilontcrn no senado, entrando em 2 a discussiio
o projeclu uanearto da Sr. conselheiro Torres-
llomeui, approvado o auno passado na cmara
dos Srs. deputados, apreseutou o Sr. presidente
do fonsellio, como emenda, a seguinte resolu-
cio :
A assembla geral legislativa decreta :
Art. 1. Na organisarao e rgimen das com-
panhias e sociedades anouyraas, assim civis co-
mo mercaras, se observarao as seguiotes dispo-
sicoes:
1." As companhias, sociedades anonymas,
uacioiiaes ou eslrangeias, suas caixas filiaos ou
agencias, que se incorporaren!, installarem ou
funecionarera ueste imperio sem autorisarao con-
cedida por lei ou por decieto do poder execulivo,
o approvacao dos seus estatutos ou escripturas
Je associaoo, incorrerao ou na pena do art. 1(1
do decreto n. 575 de 10 de Janeiro de 1859, ou
na multa de 5 l do seu capial realizado, ou na
de 1:000 al 5:001', pelas quaes, assim como
por todos os seus actos, licam solidariamente
responsavois os socios que is installarem ou lo-
maren! parlo em suas deliberaroes, direccao ou
gerencia, e os individuos que contrataren! ou Ii-
vtrem Iransacooes com taes sociedades.
Esta disposicio applicavel aos raonte-pios,
s sociedades de soccorros-mutuos. s cnixas
econmicas, e a toda e qual [iier sociedad^ sera
a conceder aos accionistas das estradas de
lalulos, ,ue por este faci (icario desde logo nes- ferro que gozam de garanta de juros, e que li-
te sentido alterados. verera prcenchido a lotalidade do valor do suas
12. As notas dos bancos no caso de sua ac.Oes, se o requeren!, apolices da divida pu-
fallettcia sero considerados ttulos de deposito, bea de juros de 4 al 6 % em Iroco das mes-
e cokio taes seraodassificadas e gradalas, ete-i mas accoes, as quaes serio (lvidamente transie-
ran preferencia em seu pagamento a quaesquer ridas na forma dos respectivos estatutos. Estas
ou'.i-'is, a i u Ja q cepto os da fazenda publica.
13. Ser considerado fallido o banco de
rireulaco que, vista em moeda corrente, ou,
vetificadas as liypotheses de pagamento previstas
pelos 10 e 11, em moeda metallica voniade
do portador, iio satistizer a importancia de seu
bilhcte ou nota que for apresentada ao troco; e
pelo lempo da mora lera o portador direito a ju-
ro crreme.
Provado este facto por protesto ou por qual-
quer outro tnndojque produza f, o uiz compe-
tente, a requerimento da parte ou por denuncia
do promotor publico, ou de qualquer fiscal da fa-
zenda, ou e.x-ollicio, proceder nos termos da lei
abertura e declaradlo de falUncla.
11. Era cada um banco creado em vrlude
da autorisacaq adraiuislraliva havei um fiscal da
noraearo do governo, que ter.i as seguinies al-
IriUdces :
1." PisealiSK todas as operacocs do burico e
as deliberarles do seu consdli) aduiimstraliro e
da assembla geral dos accionistas, e suspender
a execugo das i[uc forcm contrarias aos BSttlu-
tos, dando immedalamenle cunta ao goveiuo,
para que este decida se dvem ou nao ser exucu-
tadas :
2.a Assislr, quando julgar ou fr convenien-
te, s SCSgoea da assembla ger. 1 dos acrioiiidas,
s do conselho administrativo e de suas cornuis-
soes, e dar seu parecer sobre qualquer mateiia
sujeila sua deliberaoao ;
3.a Assislr ao recenseameiito das caixas do
banco, e o exigir quando julgar conveniente ;
4.'1 Examinar a escnpluraoio do banco tedas
as vezes que r a bem do servico publico ;
Ksle fiscal perceber um honoraiio animal fue
ser filado pelo ministro da ia, en Ja :
5; 15. Os gerentes o directores das coma-
nhias o sociedades anonymas do que trata o 31"
sero obrigados a publicar e re nelier ao guvu-
uo,lias pocas o pela forma e modo cstabelecnus
nos seus regulaineutos, os batneos, demousta-
roes e documentos que por est is forem niara-
dos, sob pena de multa de IOO30OO at l:O00}O)J
por cada fulla ou omisso.
S 16. E* permittido s caixis matriz e filiis
do bauco do Brasil receber em pagamento nolis
dos oulros bancos de circulara! creados nos lu-
gares em que cada urna deltas "unecionar, e en
dous ou mais das de cada semina serao dirigi-
dos a trocar mutuamente em lu;;ar cerlo suas if-
las, e a realisar em moeda coneute ou em ttu-
los da divida publica os saldos que se vciiiict-
lera. .
? 17. S podero fazer par e dos dividendts
dos bancos e sociedades anonyiias de qualquer
natuieza os lucros lquidos provenientes de opeV
races effecfameute concluida 110 respectivo se-
mestre.
' 18. Nao podero fazer parle do fundo di
garanta da emissao dos banco.-; as mocitas di;
prala ou olas do governo de valores do IfMO a
05OUO, 011 olas de qualquer ba ico.
5 19. Nenhum banco, caix. filial ou agencia
poder emittir nulas, bilhetes, rales, resalvas,
vrancas, e em geral escripias que oontenliam pro- ;iio seja mora neiiliuina tos, (mr menor que se-
messa ou obrigaco de valor recebiJo em deposi- ja o mal do que soll'ra, qualquer que seja a sua
lo ou do pagamento vista e ao portador, de! especie
menor de 40J000. A base sobre que est elevada a Cruz do
O governo marcar, na forma do art. 5 da Palroo, adiase lo solapada que para admirar
apolices sero araorlzaveis ha forma das leis
c regulamentos em vigor, e gozarao dos mesraos
privilegios que compelen) s deraais apolices da
divida publica fundada.
Art. 5. As mullas de que traa a presente
lei, salva a disposco do 30 do art. I., sero
impostas administrativamente.
Metade do seu producto ser applicado cm
beneficio do monte de soccorro do lugar mais
prximo, ou, na sua falla, de qualquer oulro
eslabelecimento po, o outra melado ser dividi-
da entre os empregados ou pessoas que promo-
verem a sua imposico ou derem noticia da exis-
tencia da respectiva infraeco.
Art. pedir para a boa execuro da prsenle lei, po-
der impor multa de lt'os at 1;000J, e de ae-
cordo tom as presentes disposicoes, marcar as
condicoes noceSMnas par a organisaco. incor-
poraeno e installaro das companhias o socie-
dades anonymas, e de estabelecimenlos de que
trata o art. 1." 1." 21, 05, 20 e 27, sua raspee-
cao o exames, os casos e a foima de suasuspen-
ou dissolucao, e o que for necessario para exer-
so cico das uncroes de corrolor e regularidade
de seus artos.
Ari. 7." Fiero revogadas as disposicoes em
contrario. Angelo Moni; da Siloa. Perras
A resoluro e o projeclo foraiu mandados
comuiisso de fazenda. .
PEBNAMBUCQ.
REVISTA DIARIA-
Apezar do que se ha publicado com toda a
individuacao acerca do gado, que se pretende
mordido pelo cao hyJrophobico, subsiste ainda
em p urna grande parle da m impresso inocu-
lada no espirito publico. .
Isto posto, em consequencia das providencias
tomadas pela polica, em consequencia de ler si-
do laucada ornar a carne comprada, em conse-
quencia nalmenlo de nao ha ver sido vendida
mais do que urna dmnuta porrao de carne te-
inada bontem para o consumo, reuniram-see re-
solverjin-se os que negocian! nesse genero a nao
maudarem malar nenhum gado para a alimenta-
cao publica de boje. Mas, chegando este faci
ao couliecimento do Exm. presidente da provin-
cia e do Sr. I)r. chefe de polica, lizeram vr a
sua presenca alguns delles, e coiiseguirara, por
tneius suasorios, que nao fosse posta cm pralica
aquella sua resolugo, e que elles abaslecesscra
hoje o mercado com oiteula a nvenla rezes.
Nao podemos dexar por raas esta occaso de
chamar populaco para a sua calma ordinaria,
para o seu estado habitual, depondo essa excita-
cao sob que existe o espirito publico.
A popularao devo ler coitfianca n.13 autorida-
des, que nao tura sido omissas na averiguaco do
laclo ; o medico a quem S. Exc. commelleu esse
servico, incansavel 110 cuiupriraento de seus
- deveres e -onserva-se de sobreaviso para que
tres ltimos termos os partidos conservam-se so-
breexcitados. O que lercmos.s Deus o sabe.
Nao foi ainda nomeado delegado para aqui.
Foram rocoihidos casa de delenco nos
dias 28, 29, 30 do mez prximo (indo (junho) e
110 Io do corrente 17 hoinens e 3 mnlhcres ; sen-
do 18 livres e 2 esrravns, a saber : 8 a ordem do
Dr. chefe de polica, 2 a ordem do Dr. juiz da di-
reito especial de comroerclo, 4 a ordem do l)r.
delegado do Io dislricto, 3-a, ordem do subdele-
gado do Recite, 1 ordem do de S. Jos, 1 a ordem
do de Santo Aulouio e 1 a ordem do da Boa-
vista.
Foram rocoihidos 5 casa de detengan, no
dia 2 do corrente : 2 homens livres e 3 escravos,
a saber : 2 a ordem do Dr. chefe de polica, 1 a
ordem do Dr. delegado Jo Io dislricto o 2 a or-
dem do subdelegado do distrelo do Recite.
MORTALlDAUE 00 DIA 3 00 C0RHESTE :
Manoel Francisco da Silva, pardo, casado, 30 an-
uos, hydropesia.
Manoel, pardo, 6 das, espasmo.
verissiuio, pardo solteiro, 22 annos, ttano.
Manoel, bronco, 3 annos, escarlatina.
Manoel, branro, 1 mez, convulces.
Adelaide, simi-braiica, 5 annos, congesto.
Manoel, pardo, 7 mezes, syphehtes.
Antonio, branco, 6 mezes, diarrhea.
Manoel, pardo, raezes. tubrculos.
Adreem Palrinal, branca, solleira, 30 annos,febre
omarella.
Hospital de caridadb. Existem 59 ho-
mens e 56 mulheres, nacionaes ; 7 homens es-
trangeiros, e 1 escravo, tota|U23.
Na lotalidade dos doeotes existem 37 alienados,
sendo 30 mulheres e 7 homens.
Foram visitadas as enfermaras pelo cirurgio
Piulo s7 horps e 3 quarlos da raanhaa, pelo
Dr. Uornellas, s 8 horasda .nianha.
Frantelino Carneiro de Laccrda.
Joo Cuelho da Silva.
Joo Filpe C-ivalcanti.
Joo Carneiro da Cimba.
Joo Rbeiro Cuimares.
Jos Francisco llibeiii.
Jos Francisco de Mello.
Joe Antonio de Olivena e Silva.
Jos Guilherme Cuimares.
JosJoaquim Lopes de Almeida.
Jos Alexandre ilibejro.
Jos Cavalcanti Filgucirs de Mcnczes.
Joaquim Silvcrio de Souza.
Joaquim Luiz Vires.
Mermes Carneiro Machado Rio.
Ludano Jos de Barros.
Manoel Jos da Silva Loile.
Manoel Lupes Rodrigues.
Manuel Gouoalves da Luz.
Manoel Jos" Bapiista
Manoel Ignacio da Silva Teiteir.
Miguel da Fouseca Soares e Silva.
Seralim Leile Pcreira
Era seguida, sao relevados das multas en
incorreraiu era sesses anteriores, os Srs. j i-
rades :
Alcxandrino Maximino Leal de Barros.
Antonio Jos Conrado.
Benedicto Jos Duartc Cedrim.
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pilang.i.
E' dispensado de servir na prsenle MMlo
judiciariao Sr. Ismael Cesar Duacla Rbeiro, po:
haver servido em urna das sessoes prienias.
Comparecendo ao tribunal o Sr. Dr. hama-
co de Araujo Barros,juiz municipal da segn!',
vara c preparador dos procossos do juiy, p-
senla na forma da lei os seguinles prniCMua d:-
vidamenle preparados.
A.A juslica.
R.Beulo erreira Reinoso.
A.A justira.
R.Aulouio de Lima.
A.A justica.
R O cabra Joo, escravo de Antonio Ren-
quea.
Recebendo os procossos apreseutados, o Sr.
Dr. presidente do jury manda reformar a bal :
afiliada porta do tribunal, induindo nella i -i
CHRONIC A JUlCI ARIA.
TRIBUNAL DARELAClO.
SESSAO EM 3 DE JUCHO DE 1860.
PllESIDENCIA IIO EXM. SR. CONSELHEIRO EHHEL130
DE LEVO.
As 10 horas da raanhaa, achando-se presen-
tes os Sis. desciubargadores Figueira de Mello,
Sijveira, Citkana, Guerra. Lourencd%anliago, I ditos procossos no lugar qu'e kMcaJM Mr in'i-
a Gomes, e Caelano Santiago, procurador da tiguidade de pronuncia.
Comparece barra de tribunal o r'o Ji -
roei-: lirma MC'"li administrada por mandalariosl ain- j lei n. 53 deli de oulubro de \Sc">. um puzo ra- luuo esta drcuraslada ja nao tenlia produiido o
da que soja beneficente, nao oslando iniluid.i i soavel, dentro do 10 10 da lei n. l|de 12'
na disposicio do art. 10 g 10 da lei n. llde 121 valoresdeveraoser rosgalados, lic-iudocsies, du-
de agual de 1831. j ranie o lempo do seu rsgate ou substituico por
5 2." Fica dependente de aulori.saoollogjs- \ oulros de mator valor, isentos do imposto dosd-
"o. abdtimenlo ou valor dos billieles ou notas
lalivu a
um qu
ilorisa-
appro-
r.riplu-
da du-
compahias ou soc edades
c approvacao
ilo que
creacao e oiganisarao ou incorpqrarao,
lo poi lei nao for regulad i esta utilera :
1.", de tuncos de circu.n;o, ou de suasjcaixas
filiaos e agencias; 2.. de companhias qle om-
preliendeiem a coustrueco de estradas Je Cerro
e capaes de navegacao, ou que prelendaiu a con-
cessao ou gozo de algum privilegio nao 3
do por lei. Esta disposicao extensiva
vac&e ou coiilirmaro dos estatutos ou es!
ras de associaeo e prorogaro do lempo
rara o das referidas
anonymas.
S 3." A autonsacao
traa o g 2." devei ser
dio do governo, que, ouvida a respeeliv;
do conselho de estado, remollera ao eorp
lativo todos os documentos c
julgar convenientes. \
." As disposicoes dos paragraplis ante-
cedentes licam extensivas s reformas e modifl-
caces ou alteraco dos estatutos ou dss escrip-
turas de associaeo.
S >" Em quanlo o governo nao declarar
constituida uma compauhia ou eociedade anony-
ma, nao se podoii emittir, sobre qualquer pre-
texto, Ululo algum, caulea, piomossa de accoes
ou dodarac.'io de qualquer nalureza que pssa
solicitada por ii lerme-
seccao
leais-
ulormacjes que
plH
nao possam aprender com qualquer individuo [certificar a qualidade de accionista, e ainda de-
que alli esteja, etc., etc. Os bispos ou os presi-
dentes desle aclo nao volara seno no caso de
empale; mas tica conscieucia do bispo, lica ao
seu direilo apreciar as qualidades moraes do in-
oiviJuo, a sua inlelligencia, a sua capacidade
para propdr aquellos que sao approvados pelo
eynodo ora primeiro, segundo ou terceiro lugar,
ote. Feila esta proposta, que remedida ao go-
verno, nao lica a este, senhores, o arbitrio de
oscolher de fra um sacerdote, e manda-lo col-
lar c manda-lo investir cannicamente em urna
igreja para que foram api escotados os tres so-
monte examinados e julgados idoueos pelo dio-
cesano.
OSr Miguel de Araujo :Apoiado.
OSr. Villela Tavares:E' de leis positivas,
da lei de 1828, do alvar de facilidades, do
concilio de Trenlo, que dos des propostos o go-
verno cscolha um.
O Sr. Miguel de Araujo :Isto desconhece o
6r. ministro da justifa.
O Sr. Villela lavares :Mas dir-me-heis :
<- e se o governo entender que nenhum dos Ires
Jiropostos digno de ser escolhido ?
O Sr. Pacheco :J ha exemplo disso.
(J Sr. Villela Tavares : Se o governo en-
tender que nao deve escolher para parodio da
freguezia a que se oppoz nenhum dos sacerdo-
tes propostos pelo r-especlivo bispo? Eu res-
pondo.
Primeramente, senhores, lenho minhas duvi-
dasse o poder temporal neste caso o mais com-
petente para avaliar da capacidade, da inlelli-
gencia, da moralidade, da conveniencia mes-
mo do .padre que deve ir para tal ou tal fre-
guezia.
O Sr* Migvl de Araujo: Nem o pode ser.
O S-. Villela Tavares.: E tanto sao justifi-
careis estas minhas duvidis, que pelo alvar de
10 de marco de 1805 se mandara que o bispo in-
formasse minuciosamente siiro as qualidades,
sobro as condicoes daquelles quo erara propos-
tos, ou que doviam oceupar lugares de nomeacao
do governo, etc., ole.
Senhores, era materia de creacode parochias,
de suas divrs&es e suppressoes," de provimento
de parochos, etc., eu creio que o poder mais in-
teressado, aquelle por cuja couta deve correr era
rnaior escala ludo este processo, -o poder espi-
ritual. (Apoiados.]
O Sr. Miguel e Araujo : Sera dunda.
O Sr. Villela Tavares : Supposio que esta
materia 6eja mixta, como sa millos, por exem-
plo, todos estes objeclos, ordena religiosas, ma-
trimonio, beneficios eccieiasUcos, esmolas, fes-
tas, peregrinar-oes, etc., a respeilo do cujos actos
devem interferir o poJer espiritual o tenporal,
todava quanlo a mira nes(e caso, o poder espi-
ritual pesa mais na balaooa. Mas supponbaaios
qw com efft-ilo o governo" chega ao resultado de
entender que nenhum dos propostos digno de
er apresentado collaco. Neste caso o que se
leve fazer nao apreseutar nenhum, mandar
proceder novo concursoo desde ento esco-
lher um definitivamente.
Nada mais ha a fazer; e assim no-lo ensina o
Sr. coude de Iraj nos seus Elemcnlos de Direito
Ecclesiastico.
O Sr. Miguel de Araujo : somente quando
o governo leconhece causas para nullidade do
concurso.
pois de iiislallada e constituida uma coinpanliia,
suas accoes nao sao negociaveis, nem podero
ser coladas sem que estoja realisado um quario
do seu valor. A infraco das disposicoes do pre-
sente paragrspho data lugar mposicao da mul-
ta de 1:000o ale :oO; S08 que oniiiii'rom, Iraus-
ferirem, negociaren ou rotarem aeros de taes
Companhias ou sociedades, ou por qualquer pre-
texto toinaieiu parle em laes actos ou transac-
roes, a qual ser igualmente applicavel aos que
promoverem ou se encarregarem da distribuican
de acetes de companhias ou sociedades anony-
mas fundadas era paiz estrangeiro, ou de-ei -
prestimos pblicos a favor do governo estran-
geiro sera auiorisaco do governo imperial, o an-
tes do registro dos respectivos estatuios ou con-
tralos, ou servireui de intermediarios em Irausac-
ces sobre laes ttulos ou arc/jes.
^< .u A caria de auiorisaco e os estatutos
das companhias e sociedades anonymas, depois
de corapelenleinonle approvados e de registrados
no prazo que o governo marcar era seus regula-
menlos, serao publicados nos peridicos de maior
circuladlo do lugar do registro, por ordem da
auloridade competente, cusa dos inleressados.
Do registro dos contratos das demais socie-
dades a auloridade competente mandar pelo
mesmo modo publicar nicamente os nomos dos
associados, quer em nome colleclivo, quer cum-
maudilarios. ou dos seus gerentes, a razo so-
cial, o seu capital, objeclo ou lim.
7." As disposicoes penaes do 1. icam
extensivas s companhias c sociedades de que
trata o mesmo paragrapho, que, .estando legal-
menle incorporadas, uitrapassarem o circulo das
suas operaces marcado pelos seus cstalutos, ou,
quando estas forera dirigidas de um modo contra-
rio s condicoes e regras por elles estabelecidas
ou pela presente lei.
i 8." As companhias e sociedades anonymas
especificadas no j$ 1.", que actualmente funecio-
narem sera auiorisaco e approvacao de seus es-
tatutos ou escripturas de associaeo, sero obri-
gadas i solicita-las dentro do prazo e pela forma
quo o governo marcar era seus regulamenlos. As
que o uo fuerera se considerarao dissolvid^se
entraran eu liquidaco sob as penas com minadas
no g 1 "
g 9 Nenhum banco, lm dos actualmente
estalnilecidos com approvacao do governo, com-
panhia ou socicdadc de qualquer nalureza, com-
merciante ou individuo de qualquer londicao,
poder emitir sera auiorisaco do poder legisla-
tivo notas, bilhetes, vales, papel ou documento
algum, a vista e ao portador, oucom o nome
desle era brauco, eob pena de multa do quadru-
plo do seu vaUr, quo recahir inlegraimente nao
sobre o emissor. como sobre o portador ou
passador.
10. Nenhum banco de circulaco, caira fi-
lial ou agencia, em quanlo nao se julgar habili-
tado para realisar seus pagamentos ern moeda
metlica, poder emtir ou conservar na circula-
cao, sob a forma de ola ou bilhele vista c ao
portador, qiuntia superior ao termo medio de sua
emissao al o primeiro trimestre do corrente au-
no, excepto se, alera do fundo disponivcl ou de
garant*, e das oulras condicoes estabelecidas nos
seus respectivos estatutos, no art, Io 7- da lei
u. 683 de 5 de julho de 1853, e art. 1,8 dos esta-
bulo* approvitdo pelo decreto a. 1223 de 31 da
nao rosgalados nos prazos lixados em couformi-
dade da presente lei reverter era beneficio dos
eslabelecimenfes pios que o gobern designar.
g 20. O governo promover o rsgate ue pa-
pel-moeda na forma da lei n. 401 de 11 deselem-
liro de 186, sera prejuizo di dposigao di art.
2" da lei u. -5J de 5 de julho d. 1853.
g 21. As caixas econmicas, como eslabele-
ciineutos do beneficencia, sero dirigidas c admi-
nistradas gratuitamente por directores nooeados
pelo governo, e os servicos por esles prtst^dus
sero reputados relevantes era qualquer occasio
e para qualquer lim.
g 22 As caixas econmicas nao podero fa-
zer outias operadles seno a de receber a premio
seinanalmenle valores que nao excedara de Ms
por cada depostame. As quaulias depositadas
na mesma ou em dilfereute caxa por um mtsuiu
individuo, e que por accumulaco ou por futro
qualquer motivo excederem docompulo de.....
1:000$, nao vencero juros.
g 23. Os dinheiros rccebidis pelas caixis e-
co no micas sero entregues no praao mxime de
8 dias estadio de fazenda que o governo uar-
car em cada provincia ou municipio, e vencern
o juro de G desde o dia de sua entrada. Osju-
ros se accumularo semestialineiile, e a retirada
d-s depsitos s poder ler lugar cora previo a-
viso do depositante, feio cora antecedencia pelo
menos de 8 dias.
g 21. As caixas econmicas que actualmen-
te funecionam com auiorisaco do governo con-
linuaro as suas operaces conforme seus esta-
tutos, pudendo seus fundos, que uo esliverem
uiiieutaveis siiuslios ; por quanlo o trilito por
onde feio o transito, lija ao alcance ou perfei-
lainente debaixo da queda da mesma.
Ouaudo se nao nucir deita-la abaixo ou por
servir ainda navegacao, ou por ser considerado
un monumento, quo lleva ser conservado, corre
a obrigaco do proinovor-se o respectivo reparo,
para evitar-so.o quo deixamos notado, e nao ha-
verein tardos o irremediaveis arrepeudimenlos.
No da 2 c que poder ler couieco os traba-
llios do jury desle termo do Rocife*,' apezar da
sessao lia ver sido marcada para o dia 25 do pas-
sado.
Os iraposlos dis comarcas da Boa-vista e
Page uo leudo sido arrematados, por falla de
licitantes, vo ser cobrados apiniiisiralvameule
no Irieniiio, que decorre do Io de julho desle au-
no ao ultimo de junho de 18G3.
Por idntico motivo, ordenou o Exm. Sr.
presidente que se co'-iasse por administiaco o
imposto de j500 por cabera de gado vaceum,
relativo s comarcas de Nazarelh, Cabo, Victoria
e Ro Formse, e cortespoiideute ao mesmo liieii-
uio.
A arrematai.-o dos irapostos provinciaes do
Limoeiro foi appxo*ada pelo Exm. Sr. presiden-
te pela quaulia aunuat de 2:a(J(ij000 ofieieddo
pelo Sr. Manoel Barbosa da Silva ; assim como a
do pedagio da ponte do Mauguinio e estrada da
Cipunga pela quaulia de 6:700c000 por auno,
oftetocida por Joaquim Jos da Costa.
Temos cartas da cdade do lo, cujas datas
chegim a 20 do passado, o de uma dallas extrac-
tamos o saguinie :
Temos tido mais ou menos legi. mes, e va-
mos cometido carne barata, pois que corla-se a
00 rs. por libra actualmente.
Falleceu o raajor Frrnuo, ccotre que a sua
coia, foi aborta a sessao.
l'assidos os feilos e entregues os distribui-
dos, procedeu-se aos seguinles
JULGAMENTOS.
IIECIRSO COUBRCIAL.
Recnrrenle, o juizo ; recorrido, Eduardo II-
berl Wialh.
Negaraiu proviineulo.
AP1'ELI.ACES CRUIES.
Appellante, ojuizo; appellados, Zeferiuo Ro-
drigues de Souza.
Improcedente a appellaoo.
.Appellante, Raymundo Cordeiro ua Silva ; ap- ;
pellado, a juslica.
A novo jury
Appellanie, Vicente Prego ; appellado, o juizo.
Improcedente.
Appellante, o juizo ; appellado, Vicente Alvcs
Feiloza e oulro.
A novo jury.
Appellanie, o juizo : appellado, Manoel Patri-
cio de Sou7.a.
Improcedente.
Appellante, Antonio Fernandos Rango! ; ap-
pellado, o juizo.
A novo jury.
Appe'.laute, Antonio Gomes da Silva Xibnga ;.
appellado, o juizo.
A novo jury.
Appellante, o juizo ;
dos Santos.
A novo jury.
Appellante, o juizo ;
ra Cima.
A novo jury.
APPELLACOES C1VF.1S.
Appellante, Flix da Concicao Brrelo
pellado, Francisco Antonio Coulinho.
Reformou-se asentenca.
Assignott-30 dia para lulgmonto das seguinles
appellacocs crimes:
Appellante, Jos Maximiano Soares de A velar;
appellado, Euzebio Piulo.
DISTMBUICES.
Ao Sr. desembargador Figueira de Mello, as
appellacocs crimes
Appellante, o juizo ; jppellado, Jos Gomes
Tolenlino.
Appellanie, o uizo ; appellada, Jos Francis-
co Lavra.
Appellanie, o juizo ; appellado, Agosiinho Jo-
s de Sanl'Anna
Appellanie, Flix Antonio da Silva ; appella- ,
do, o juizo.
Appellanie, Manoel Bezerra das Neves ; appel-
lado. o juizo.
Appellanie, Lourenco Cavalcauli de Albuquer-
Appellante,o juizo ; appellado, Francisco Isaac
Cins de Mecedo.
Ao Sr. desembargador Silveira, as appclkgfjea
crimes :
Appellanie, Maicolino Jos Ferrera ;
do, o juizo.
appellado, Gonralo Jos
appellado, Benlo Ferrei- i
ap-
| Rogo Barros, pronunciado no artigo 257 c
go criminal combiuado com o decreto Ue 15 de
, oulubro de 1S37.
Procedondo-se ao seriis do conselho, sao ie-
cusados pelo defensor do reo o Sr. Dr. AnUi..;
E[iaminondas de Mello :
Manuel Fonsoca do Modeiros.
Dr. Rufino Augusto de Almeida.
.Faustino Jos dos Sanios.
| Francisco Borges Leal.
I E' lecusado pelo ministerio publico o Sr.
Teiieole-coronol Joo Valenllm Villela.
O conselho de julgaraenlo torape-sc dos se-
guinles Srs. juizos do fado:
Dr. Jos Seigio Ferrei ra.
bebasliao Lopes Guiniares Junior.
Dr. Joo da Cosa Rbeiro Machado.
Joo Jos da Cruz Muniz.
Miguel Archanjo de Figueiredo.
Manoel Ignacio deOliuira.
Jos Goncalves do Espirito-Santo.
Jos Alfonso dos Santos Bastos.
Francisco Pacheco Soares.
Rodrigo Jacomc Martins Pcreira.
Domingos Nunes Ferrera.
Luiz Antonio de Siqueira.
O reo, sendo interrogado, nega cora resolu 3 .
e firmeza os lactos rom queso tbe taz
carga, o
protesta que a accusaeao de lodo calum-
niosa.
Lido inlegraimente o processo pelo SMfivo
liveira, u miiiislerio publico compre com eiur-
gia o dever de seu cargo, reclamando a coiideui-
nacao do reo no gio mximo.
0 defensor do reo. analysando uma a nina as
pecas comprobatorias da iccuaace, cuucluv por
pedir a absolvico do reo.
Seguein-se replica e a (replica, correado
sempre. vivo e animado o dbalo.
Um concurso por demais numeroso acorapanlu
ora silencio e com anciosidade a discusso que
versa no tribunal.
Encerrado o dbale as G l|9 horas da tarde, o
Dr. juiz de direito resume cora lucidez os dela-
tes, e prope ao jury de senteu^a os seguinles
quesiloj :
IoO reo Jos do Rogo Barros foi consocio do
uma quadrilha que, no anuo de 1845. se estabt -
leceu no Anaial. lieuozi.i lo Poro da Paiu-lb,
onde, entre oulros crimes, commelleu onumer. --
furtos de escravos "?
2Na casa do reo, no Arraial, eram cora vio-
lencia conservados os escravos roubados
.-i<'onlt'< *
por seus
3"Essa quadrilha, por intermedio de seus
agentes Jos Ignacio o Jos baria, roubou a pre-
la Joanna, escrava de Antooia Candida Mon
teiro 1
4"Essa mesma quadrilha tirou contra a von-
tade de sen dono, ura escravo du irmo do Dr.
appella- Joaquim Manoel Vieira de Mello ?
5"Existo a circumstancia agravante de ler
Appellanto, Serafim Pereira Baptisla ; appella- precedido ajuste entre o reo e Francisco do Re-
do, o juizo. go Barros, Jos Maria Paos Brrelo e oulros, pa-
Appellante. Luiz Pacheco de Medeiros ; oppel- ra o lim de couinieller os delicies niencio-
lado, o juizo. nados?
Appellante, o juizo ; appellado, Sergio Rufi- 6Existem circurnsiancias atlenuantes a-
nianoBaptisla. ror do reo?
Appellanie, o juizo ; appellado, Manoel da Sil-' Recolhendo-se sala das conferencias secre-
va Cisiro. las, voltou o jury de sentones com suas respos-
Appellanle, Joaquim Dias de Moraes ; appella-, tas aos quesilos s 8 horas da noite, as quaes
do, o juizo.
Appellante, 0juizo; appellado,
appellado, Ignacio Jos
empregados era lilulos da divida publica funda-1 raga ?er preeucliida pelo capilo Jos Pinto No-
da ou fluctu.uilc, ler o destino marcado no [pa-
ragrapho antecedente.
25. A disposico do g 23 fica extensiva aos
capitaes e ccniributcs dos montes-pios e das
sociedades de soccorros mutui-s que o requere-
rein.
g 2G, Os montes de socorro nao podero fa-
zer nutras operaces seno as de eraprestimos
de dinheiro sobre peulior, pela laxa de juro que
o governo animalmente marcar, c a prazo nunca
rnaior de 9 mezes. Os fundos C estes estabeleci-
menlos para este lim podero consistir no pro-
ducto de subscripres, doares e legados de par-
ticulares, ou podero ser foruecidos por empres-
limo pelo governo, quando este o julgar conve-
niente, pela iiwfforlancia depodlada nos cufies
pblicos, na forma dos gg 23. 24 e 25, ou por
particulares por lilulo benfico ou oneroso.
27. Os lucros realizados -pelos montes de
soccorro creados em vrlude da presente lei, de-
duzdos os juros dos fundos foruecidos por em-
prestimo ua rrua do paragrapho antecedente,
faro parte do seu capital : e logo que este seja
stilficienle para suas operaces, podero ser su-
plicados animalmente s despetas dos eslabele-
oimentos pios que o governo designar.
g 28. Os dinheiros recobidos ero virtude dos
23. 2i e 25, que nao liverem a applicaco au-
lorisada pelo g 2G. seio empregados as ope-
races da amortizaban da divida publica funda-
da, ou nas despezas ordinarias do Estado, e es-
cripturados como depsitos.
29. As canas econmicas, os raonle-pios
ou e soccorro e as sociedades Je socorros mu-
tuos, creados cm vitude di presente lei, Jicara
isentos do imposto do sello, e lero a faculdade
de-aceitar doaces e legados.
30. As sociedades de ijualquer especie,
ou individuos que eslabdeccrera casas de era-
presliuio sobre peuhores sera auiorisaco, ou
que, alendo obtido, nao tiverom escripturaco
regular, na forma quo for eslabelecida pelos
regulamenlos do governo, ficnin sujcilos, alera
das penas do art. 1. 1.", e cas era que incor-
rerera era virtude do cdigo penal, de prso
de 3 a 9 mezes, que Ihes ser imposta pela com-
pleme auloridade policial.
M $ 31. As Iransaces e (rara ferencias de ac-
coes de companhias e sociedad ;s anonymas, e
ilo ttulos de divida publica, e de quaesquer ou-
lros suscepltvois do cuta.-o, sil podero ler lu-
gar por intermedio dos respeeliv j correctores sob
pena de nullidade alera das que forera applica-
reie a laes aclos em virtude dos rcspeclivosjregu-
lamentos.
< Art. 2o O governo fica autorisado para fa-
zer as despezas necessarias para a subslituieo
da ^actual moeda de cobre era circulaco por ou-
tra de nova especie, debaixo di s seguinles con-
dicoes.
a 1 O valor nominal de cada pec.a nao pode-
r exceder de 10 da importancia das despezas
de sua liga, e fabrico ;
ueira ; o que muilo hnrala ao governo.
O uosso theatro Vai com soll'iivel andamento,
grecas aos estreos empregados pelo Dr. Tbeber-
ge ; a cadeia porm acha-se paralysadu em suas
obras, por que lora entendido quera pode, que
iionliuma preciso temos della. (Juera dera que
assim fosse, e que os deudos nos uo erapozesse
essa trile necessidado !
Hoje parle d'aqui para a capital o nosso dis-
tincto amigo Dr. Bcnjamiin Piulo Nogueira, que
vai lomar asscuto na assembla ; e d'alli deve
regressar era p-incipio de seterabro viudouro!
alim de assislir a eleico, e presenciar o uaufra- !
gio dos nossos navios.
A proposito de eleices, devo dizer que en-
ganei-me ou enganaram-me, quando era miuha ',
caria passada disse-lho, que nada havii relativa-1
mente a isto ; por que somente se apresenlava o
parlido caranguejo. sendo candidatos depntaco
o Dr. Raimundo e supplencia o Dr. Beujamira.
Sim, engauei-me; boje o Ico nao um lugar'
amortecido u'ura m&rasmo, perlo da indillorenca;
o c de hoje revolve-se n'uin labyrintlio de ca-
que
balas, faeces, novidades o desconfiancas,
se ho de realisar para muila gente.
Presentemente temos tres grupos, com quanlo
um dcslcs (o liberal) esleja na disposico aclual
do nao pleitear a eleico, nem mesmoa volar.0$
caranguejos esto quasi de accordo com alguns
liberaes, que bauindo ideas de exclusivismo, sa-
bem muilo.bem quo uo deixa de ser liberal
aquello que, por uma conveniencia publica, vola
em quera tem uma opiruo opposta. Esses, pois,
liberaos puros, e os legtimos do lugar, reconhe-
cendo nos dous referidos candidatos a capacidade
sufficienle para bem representaren! os nlercsses
da nossa Ierra, volara por elles. Outro grupo,
dos uovos liberaes, nulrndo urna esperanca que
se estimula pelo ceg inieresse de posir;o, pre-
para-se bellicamcule para o momento da lica
esto sob a chefanca do Rvm.
e Dr. Bernardo Duartc.
. Antonio Piulo
Meirelles.
Ao Sr.desembargador Gitirana, as appellacocs
crimes:
Appellante, o^uzo
da Silva e oulro.
Appellanie, llcurquc Pcreira da Costa ; ap-
pellado, o juizo.
Appellante, Manoel Rodrigues da Silva ; appel-
lado, o juizo.
Appellante, o juizo ; appellado, Silvestre Fer-
rera de Mello.
Appellante, o promotor ; appellado, Faustino
Jos dos Santos.
Appellanie, Joo Maricas de Olireira ; appella-
do, o juizo.
Appellante, o juizo ; appellado, Joaquim Fran-
cisco Cavalcanti.
Ao Sr. desembargador Silva Gomes, asappcl-
lecoea crimes :
Appellante, Antonio Cyrillo de Queiroz ; ap-
pellado, o juizo.
Appellanie, o juizo ; appellado, Luiz Teixeira.
Appellanie, o juizo ; appellado, Wenceslao Tel-
les de Oliveira.
Appellanie, o juizo ; appellado, Francisco Mo-
reira dos Sanios.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Pinto
da Cruz.
Appellanie, o juizo ; appellado, Domingos Pe-
reira da Silva.
Appellante, o juizo ; appellado, Joo Moreira
de Lomos Pindoba.
0 recurso de eleices :
Rccorrenlo, Jos Antonio da Silva Mello : re-
corrida, a junta de qualilicaco.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago, o
recurso de qualilicaco :
Hecorrenle, Fondn Bonulcar da Cunha ; re-
corrida, a junta.
As 2 horas encerrou-sc a sessao.
foram lidas pelo presidente do conselho Dr. Jo-
s Sergio Ferrera, declarando quanlo ao
questo :nao; por 8 votos,
por 8 votos.
Io
2o questo :nao
3 questo : sim ; por 9 votos.
4o questo :sim ; por 10 votos.
5" e 6U qiresitos : prejudcados.
Era vistanesls decisio, o Sr. Dr. presidente
do jury tavTou a seguinte sentones, que publicou
ao tribunal:
Allcndendo aos pontos princpaes da accu-
saeao relativo! ao aecusado Jos do Rogo Bar-
ros, absolvo esto dos crimes de que foi aecu-
sado, e pague as cusas a municipalidade.
Sala do jury do Recife aos 2 do julho de
1860. Bernardo Machado da Costa Voria.
Nada mais bavendo a Iralar-se o Sr. Dr. juiz
de direilo ada a sessao para o da segunle, s
10 horas da uianlia.
JURY DO RECIFE.
3a SESSAO EM 2 DE JULHO DE 1860.
Presidencia do Sr. Dr. juiz de direito da pri-
meira vara criminal Bernardo Machado da
Costa Doria.
Promotor publico o Sr. Dr. Francisco Leopoldi-
no de Gusin Lobo,
vigario Frota fscrivo interino o Sr. Antonio Joaquim Pe-
reira de Oliveira.
O nosso referido vigario, resentido da eliso
por que passou na orac,o eleiloral, prepara-se
desta vez para viugar-se daquelles que lhe nul-
lificavam a candidatura por aquella declarago
anliga de ser poltico de calculo, e para isto se
esorca louvavelmenle. Deus queira por a
virtude em seusinlenlos, para que o nao perca-
raos ; por que so pelo fiasco passado entendeu
dever ausentar-se d'aqui, onde fra o orculo dos
povos, o que uo far com ura segundo ? Deus
se amercie desta trra, que so nao como a sua,
dos Camaroes e llenriques, das ambaros e
dus melindrosos.
Desle partido dizem que sao os candidatos
depulaco o Dr. Soulo e supplencia o Dr. Ar-
naud ; e alguns mais autorisados rectificara por
ah esta segunda parle subslituiodo o nome do
Dr. Arnaud pelo do vigario Frota.
Como quer qne seja, a comarca acha-se era
vas do predisposieao ; esta cidade, Pereiro, La-
uas o Tela leernos Mimos eiallados, enesses
A's 10 horas da raanhaa, o escrivo procede a
chamada, e rerifica eslarem prsenles 43 ju-
rados. O Sr. Dr. presidente do jury declara
aberta a sessc.
Sao multados em 20 rem aos trabalhos os Srs. juizos de laclo :
Antonio Jos Pacheco e Silva.
Aulouio Jos Teixeira de Castro.
Antonio Jos de Vasconcellos.
Antonio Emygdio Rbeiro.
Antonio Jos Das da Silva Mendaoha.
Antonio Jos Joaquim de Oliveira.
Antonio Gomes de Miranda Leal.
Antonio Ricardo do Reg.
Donizio Solero Pereira.
Dr. Francisco do Reg Barros de Lacerda.
Dr. Jos Joaquim de Souza.
Francisco Jos Duarte Camarco.
Flix Joaquim Doraingues.
Francisco Joaquim Cardoso.
Francisco de Pinho Borges.
3.a SESSAO' EM 3 DE JULHO DE 1860.
Presidencia tio Sr. Ur. juiz de direito interino
da primeira vara criminal Francisco de Ara-
ujo Barros.
Promotor publico interino o Sr. Dr. F. L de
fusmo Lobo.
Eterico o Sr. Antonio Juaqnim Pereira de Oli-
veira.
Estando impossibllado de presidir a presente
.sessao o Sr. Dr. juiz de direito da primeira vara
Bernardo Machado da Costa Doria, assumio a
presidencia do jury o Dr. juiz municipal da se-
gunda vara Francisco de Araujo Barros.
Procedeudo o escrivo Oliveira chamada no-
minal, verifica estarera no tribunal 47 juizes de
facto.
Sao multados em 203 os jurados que nao com-
parecern! aos trabalhos e relevados das multas
os senhores :
Ludano Jos de Barros.
"Ovidio Ferrera da Silva.
Vnlonio Jos Conrado,
nlonio Gomes de Miranda Leal.
Comparece ao tribunal para ser julgido o reo
Gregorio, escravo de Demingos Jos da Cosa
Guimaraes, pronunciado no art. 1- da lei de 16*
de junho de 1835.
Procedendo-se ao sorteio do conselho de sen-
tenca, forara recusados pelo ministerio publico
os senhores :
Florencio Jos Carneiro Monleiro.
Sabino Bruno do Rosario.
Porarn recusados pelo curador do rp o Sr.
Dr. Manoel Moreira Guerra os seguinles juizes
de fado:
Dr. Rufino Augusto de Almeida.
Dr. Francisco Pinto Pessoa.
Francisco Rodrigues Lima e Silva.
Manoel Coelho Cintra.
Manoel Polcarpo Moreira de Azevedo.
Compoz-se o conselho dos seguinles- se-
nhores .
Manoel da Fonseca do Medeiros,
Joaquim Jos Baptisla Junior.
Joo Chrisoslomo de Albuquerquc.
Francisco Borges ial.
Joo Ferrcira da Costa.
Joo de Cerqueira Campello.
Jos Hygno de Souza Galvo.
Augusto Pinlo de Leraos.
Manoel Antonio Teiieira de Albuquerquc-.
Joo Manoel Rbeiro do Coulo.
Francisco Velloso da Silveira Telles.
Faustino Jos dos Santos.
7
ii r- af\i\ #-r-


Deferida o juramento dos Sanios Evaugelbos, emims-trayno da emissau.
o iuii procede so amo de qualilicaeo, e depois olas de 200 1" serie 83 166()0g
ao interrogatorio do reo. 23 >. 2,780 556:000*
i.ido o processo, soauem-se os debales.______________
2,863 572:600
DIARIO DE PERWABMUCO.- QUARTA FEIRA 4 DK U1.I0 DE 1*4*.
--jales.
Resumida a discussao o Sr. I)r. presidente do
jury propoe ao consellio os seguintes quesilos
* r. o preio eacravo Gregorio, no dia
1 de oulubro do auno de 1858. pelas 11 horas
ao da, pouco raais ou menos, no lugar do Santo
Amaro das Salinas, freguezia da Boa-vista dosla
cidade entrando cm casa do Domingos Jos da
t-osla Guimares, e sorprehendondo a D. Anna
elicia Branca Guimares desfechou sobre esla
una hacha de lenha com a qual Ihe causou as
otiensas physicas conslanles do corno de delicio
de (1. 7 r
~*Es'ns ofl'ensa? physicas eram graves?
I. Quando o reo coinmetleu eslas otiensas
era escrava do mencionado Domingos Jos da
Cosa Guimares ?
4.Quando a paciento sofTreu estas offensas
physicas era mulher do senhor do reo?
Kecolhendo-se o conselho as 4 horas da tar-
de, volta depois de 1|2 hora, respondendo ao
." quesitoSim ; por on/e votos.
ti." quesitoNao : pordoz votos.
3." quesitoSim ; por novo votos.
4." quesito Sim : por unanimidaie de votos. |
Em vista de cuja deeisao, o Sr. I)r. presidente
do jury lavrou a sonienea condemnaloria, qne
publicoo ao tribunal, impundo ao reo a pena de
solTrer 500 acoutes e Irazer um ferro ao pescoro
durante um anno.
Lovaniou-se a sessao s 5 1|2 horas da tarde,
sendo adiada para o dia 4 de julho s 10 horas
da n ui,hia.
CAIMA Ml'MciPAL DO RECITE.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 21 DEJUNHO
DE 1S6().
Presidencia do Sr. liego e Albuquerque.
Prsenles os Srs. Franca, Mello, uiiveira, e
Gameiro, faltando com causa participada os Srs.
Pinto o Reg, e sem ella os mais senliores,
abiio-sc a sessao, n fui lida c appiovada a acia
da antecedente.
Fui lido o seguinle >
EXPEDIENTE :
Um officio do Exm. presidente da provincia,
rirsic3 termos :
Estando cu convencido, com audiencia do
pessoas habilitadas, que urna das causas, quo
concorreiu pira cntreter a epidemia reinante nes-
ta cidade, a m. qualidado da carne verde, que
nelta so consom diariamente, determino i c-
mara municipal do Recite, que dove quanto an-
tes fazer sugeitar examedo mdico do matadou-
ro I)r. Augusto Carneiro Monteiro da Silva San-
tos, como anteriormente se pralicava, as rez.es
destinadas ao consumo, antes de seren moras, ou
mesmo depois, se assira Mr nocessario, conti-
nuando a pagar-se ao referido medie i o orde-
nado fixado pela lei do orcamento municipal vi-
gente.
<' Oulrosim rocommondo essa cmara muni-
cipal que faca activar os saibores liscaes para
qne percorram e examinem constaniomonte os
cstabelecimentos cm que se vendern genero.-: ali-
menticios, atirn do verificar se esto saos, trans-
mitlindo-se ao l)r. chele do polica o resultado do
suas averiguaces, no caso de inlracco dolis
municipaes, para mandar proceder conforme fr
do loi.
Tosi em discusso esto oflicio, resolveu a c-
mara adiar a sua primeira parte para a sessao
em que comparcccsscm lodos, ou o niaior nume-
ro de seus membros, e responder quanto a se-
gunda i presidencia, que ella se nao tem esque-
cido da obrigaoo, cujo cumprimenlo S. Exc. llie
r lommenda, lauto que nao lia muito expedir
ordeus aosseus liscaes para curnprirem este pre-
ceitoda lei, que ellos leem obrigaeo de obser-
var, sem ser preciso ordenar-lhes,"mas que nao
obstante, ia reiterir-lhes as mesmas ordens.
noiro do mesmo Exm. presidente, remetiendo
por copia o SCU acto de 21) do crrenle, polo qual
aulorlsava cmara a dispendcr com o cosleio
do cemiterio publico desta cidade, e evonluaes,
Diaisa quanlia de 1:70!)}697, at ao fim do exer-
cicio eorrente. Ititoirada, e que se commun-
casse ao procurador.
'Mitro do procurador, enviando o batanele da
receila e despeza desla cmara, no mez de maio
ultimo.A commissao de polica.
Oulro do vereador Rogo, communicando adiar-
se anejado pelo fallecimento do sen com-ennha-
do, o baro da Victoria.Mandou-se-llie officiar
desenojndolo.
Oulro do juiz do paz presidente da junta de
qualiQcac&o da freguezia da Boa-Vista, enviando
0 livro das acias da qu.ilificaco.Que e archi-
Oulro do engenheiro cordeador, informando
quenada achara que \>r parle desla cmara so
1 lesse oppdr preteiioao de Jos Joaquim Po-
reira do Oliveira e Andr do Abren Porto, que
requeren] por aforamenlo perpetuo os terrenos de
marinha, quo ficam entre a cambija de. Santo \n-
: .ni na freguezia dos Afogados, o as torras do
sitio do Pina, no alinhamento da muralhn nova
construida na 1 lia do Kogueira at ao arrecife.
Que ueste sentido se informasse a piesidencia.
0 Sr. presidente convocou a cmara para o dia
24 dn coi rento
Di spacharamrse aspeligoes do Antonio Fran- i
entradas por su-
bslituicao neste mez.
525
3\3t8
105:000$
21:2008
312:000
i Notas de 100 1" serie 242
2a 3,420
3.C02
50JJ. 3,220
20 5,800 116:0003
retiradas por su-
| bstituico neste mez. 1,800 36:000>
4.000
103 27,420 274:2001
reliradas por su-
bstituido neste niez. 6,900 69:0003
677:600
366:200
161:000$
80000
Lis, ars. rotiacior, tesiabetuv ua a vei.'iaoo,
prfidamente lacada por um inimigo grali-'ilo
do 111 m. Sr. Dr. JosHeririqoos Foi reir.
Sirvam-se dedar publicidadea es as linhas.que
como tributo ao verdadeiro meio eflorece
Um Pefnc.mtucano.
20,520------------205-200j[
Reis 1,490:0003
O guarda livros,
Francisco Joaucis Ferbuu Pinto.
Thesourarla provincial.
EMOXSTRAC.io 1)0 SALDO EXISTENTE HA CAIXA DE
DEPSITOS EM 30 DE JCNHO l>E 1860.
Saldo em 30 de maio
p. passado .... 71:7633625
Receila de 1 a 30 do cor.
Despeza idem
7:703;625
731000
Saldo.
r 4:0829825
Em moeda correnle
Acedes.....
Letras.....
. 4-630*375
50 0009000
10:402250
74:0323625
DEMON'STRACAO DO SM.DO EXISTENTE NA CAIXA DO
EXERCiaO DE 1859 A 1860, EM 30 DE JIMIO F
1860.
Saldo em 31 de maio
p. passado .... 27:348J627
Receila de I a 30 do cor. 85.199;462
---------------112:518090
Despeza idem.......
Gorra wral.
Re lacio das cartas seguras osrslenles ra admi-
Publicacoes a pedido,
protesto.
0 abaixo assignado. socio de incuslria da so-
riodade em commandila Amorim, l'aria. Guerra
& C.*, que liolia por objeclo o estahelecimento
nesla capital de urna fabrica de tecido3 do algo-
dao, lendo jus, pelo art. 11 do con:rato social,
percober trezentos mil reis mentada titulo do
honorarios, e mais um por cont ce commissao
sobreo producto bruto das vendas efectalas no
correnle de cada anno, como reza o citado artigo,
e aiuda mais a in lemnisaco das despezas feilas
pelo abaixo assignado com pagameitode Iraba-
Ihadores e compras de utensilios e de oulros ob-
jectos na importancia de 412J810 aulorisado pelo
art. 7 do mesmo contrato : e como se esteja pro-
cedendo liquidacao particular, sem aulorisacao,
nem presenca da autoridade competsnte, o abai-
xo assignado vem protostar pela quanlia de rs.
2:9203000
Honorarios devidos de 12 de novem -
bro de 1855 12 de julho de 1856,
e do Io de abril 22 de maio de
1858, pref3zem 9 mezes e 22 das, .
3008000.
E pelas despezas de compras de ulen
silios e mais objetos,
tancia do
201) diioa de una
Reg.
8 cutiros salgados.
< 1 ciixole velas
Jtarros.
? caixote pedras de
res.
18 erraros salgados : e ordem.
Rirca ranceza .?. I.nii, vi.,ja de Montevideo
consignada a N. O. Bieberl C uianisslou o se-
guinle-!
61 mullas e 6 caballos
Bri
do S
filan,,, .,,,,, sr^uniie .. .. .....-.-------- *"vj.tj|ui c ui-; ,* ,"--
6100 arrobas de charque. 55 ditas de sobo em : S^ .a "00"' d,s ProP>fCoes inclusive, i '|r- Ma1r)"''1 Js* fereira de Mello,
rama, 100ditas da dito om pans ; oos mesmos. I J55-*5aJ da ,l.,eS0."r,!:i? Prov'cial do Per- | !n:?c,^?.*rcs. d1 Albergara.
Cousulatto seral.
- iiiaiLUos ; a Ijuiiiitiiats \
1 pipa cera de carnauba.
le carnauba ; a Joaquim Yeira de
fugo ; a Vieira & Guima-
a ordem.
! O lllm. Sr. inspeciur da thesourb'ria de fa--1
I zenda manda fazer publico, do co.'rformidaje com !
, a ordem do tribunal do ihesourtf Nacional n. 69 :
de 9 de maio prximo lindo, qu' no dia 25 de ; nib"'nS;,o dfl corren desta cidade para os sor lio-
j julho prximo se far roncurso nesla fhesouraria rca au;,,lif> oVdarados :
para preenchimenlo das vagas que ha de prati- An,o"io. Joaquim Pires de Carvalho e Albu'Mier-
j cantes na mesma : aquellos pois que pretende-1 que-
i rem sor admillidos ao concurso devem spreen- An1oni Joaquim da Silva Rrilo.
lar nesta secretaria seus requerimenios instru- B,'^n:,,'llo Js Correia de S.
I dos om os documentos que provem : Io. terem CanJiJo Jos de Mello e Silva.
18 annos completos de idade : 2o. esiarem livres r*omi"8"s Otero de Carvnlho.
rigue nacional Algrete, vindodo Rio Grande aenpe,la e culPa c 3 bom procedimenlo. JHf1*0 > Ia AluuM''erquo Maranho,
Sul, consignado a Manuel Goncalves da Silva .n,. ""T" nc,,e conc"rso versaro sobre lei- Guilherme Amazonas de i.
aifestou o seguinte : ^ .. lors. analyiS grnmmaticol, onhographia e aii- jJ,J,ho.brn,hp-
Rendimento do dia 2
Idem do dia 3
Diversas
Rendimento do dia 2
dem do dia 3 .
697*068
l:294-886
1.992383
provincias.
oa mpor-
Cujo computo e de ris
442J8I0
3:3623810
Despachos de exportaeo pela me-
sa do consulado desta cidade n
dia :s de julho de lHliti
LisboaBarca poriugueza Vencedora, Carva-
lho Nogueiraa C. 1,019 saceos e 16 barriqui-
_nnas assucar mascavado.
LiverpoolBarca ingleza Fleeling, J. Ryder &
C. 865 sacros assucar mascavado.
Hecebedoria de rendas internas
goraes le Pernainbuco
Edefacto protesta para que a tolo o lempo
possa reclamar por seu direilo pera le os tribu-
naos do paiz contra o socio em li juidacao, ou
oulros qoaesquer socios, e lercelra pnssoa : e nao
menos protesta coaira a illegiliraa Ucnidagao que
se est procodendo, para a qual nao presta o seu
consentimenlo, e nem a reconhece como tam-
be tn contra a Jislribuico dos divide idos ; c ul-
limamenie pelos prejuizos edamnos causados ao
abaixo assignado. \
Para que chegue ao conhecimenio de lodos,
frtco publico o presente protesto por este urnal
o Ricial.
Recito 3 de julho do 18G0.
Francisco Mara Dtiprnt.
Saldo.
60.9993U25
42:5499065
Km moeda correnle
2.5193065
CAIXA ESPECIAL DO r. VI,i;.\MENT0 DAS ROAS DESTA
CIDADE, EM 30 DE JIMIO DE 1860.
Saldo cm 31 de maio
p. passado .... 531*605
Receila de 1 a 31 do cor. 432>440
Despeza idem........
Saldo. ...
Em moeda crranle 967*045
967*055
9
967*!) 5
CA1X'~ESPBCIAL DAS APOLICES.
EM 30 DE 41 Mili.
Saldo em 31 de maio
p. passado 29:200*000
Receila de 1 a 31 do cor. *
--------------- 29:200j000
Despeza idem........ $
Saldo.
29:200*000
Communicados.
Alvo-, Fr. Denlo do .Monte Carmel lo Flores
Claudina Candida Rezende, Guithermc da Silva''
Guimares, llenrique Forsler & C.J, Jos llygioo
do Miranda, Joao Halhias, Manoel Antonio Ro-
drigues Samico, Monica Maria da Cnnccicao, Ma-
noel Antonio V'iclra, Olimpio francisco de Mello,
Rufino Gomes da Fonseca, Thomaz Fernandos da I
Cunha, Dr. Vicente Pereira do Reg, e lovanlou-]
SC a sessao.
I'.u Manoel Forreira Accioli, secretario a subs-
liego e Albuquerqne, presidente.Barros
Reg i.Barata do Almeida.Mello.uli-
v. ira.Gameiro.
Experimentamos] viva satisfazlo sempre que
Ionios occasiao de fazt-r conhecido do publico
algum fado que sirva de dar nomo c considera-
cao a patricios nossos. E' assim pois que cabn-
nos o prazor de declarar que o Sr. Joaquim Pi-
res Carneiro Monteiro, ox-ajiidanle de engenhei-
ro da reparlicio das obras publicas desla pro-
vincia, acabs de dar urna prova nao equivoca
de sua applicaco a engeuharia. Desdo 6 do ju-
nbo do 185 que para a Franca parti osse
poriiainbucano,\ dedicou-se aos estudos necessa-
rios a sua proissao c tem tido o bom senso de
nao esludar s a iheoria,. mas adopiando o sys-
tema inglez, seguir com igual esmero os estudos
( praficos, iraballiando sobre a direceo de peritos
| ongenheires como o Sr. Wanlliier, e oulros, j
| em puntes, j em estradas e oulras o'oras, na
Suissa, Ailemauha, Honllanda, Blgica, Franca e
Inglaterra, onde actualmente se acha.
Qucrc-ndo elle apresentar a seu paes o amigos
o resultado de suas vigilias, c dar a sua provin-
cia urna lembranca do all'eic.io acaba de remettor
ao governo imperial um projeclo acornoanbado
dos respectivos desonhos para a consuiiccao da
nova ponte do Recife. Segundo nos a'flirma
: pessoa, que ludo vio e exarainou, o irabalho
litnpo, minucioso c importante. Avista da ponto
simples e elegante e a sua construccao parece !
fScil, e garante solidez. O novo plaiio tem so-
bro oulros que se tem aprcscnlado, a vaniagem !
de ser menos despendise. E' de crer que o
governo imperial a coja presenca j tero che-1
gado a planta e o orcamento aprecie este traba- '
llio. que recommenda a babilidade. applicacao e!
estudos do joven pemambucano, quo certa-1
mente miiile se gloriar se vir adoptado c ce-1
cucado aqu o projeclo que concluio e delinoou.
ERRATA.
Nn acia di sessao da cmara municipal desla
- : lade, publicada hontem, em lugar das palavras
-seria multiplcala essa altribuicolea-so__se-
ria nullificada essa altribuico":
o depois despi"zando-
pensado.
c em lugar de
oa-se e. depois des-
NOVO
tala neo
BANCO DE PERNA1TOOCO.
do rV'ovo Raneo de
nninhuco
cm O de junho de 18GO.
DEI1ITO.
Garanta de emisso. .
Depsitos........
Per-
Letras depositadas .
\' oes depositadas .
' depositadas. .
Letras caucionadas. .
Letras descontadas. .
Letras protestadas .
J.otras a receber .
Muguel de rasa..
Fornecimenlo. .
Raneo da Babia S/C.
luros......
Rcmessas ....
Despezas geraes .
Caixa.....
772:181*715
80:000*000
14:860*398
8:370*000
5:7.15,^280
19:93Og000
2,539:8299884
15:504*500
10:100-3000
1:5753001)
7:7665*85
33: 72g894
930,4311
78:052JBI4
4:0 0S 01
Reis. 4
CRDITO.
Capital..........
Emisso.........
Depsitos da direceo ....
Letras por dinheiro recebido a
juros .........
Ttulos em cauco.....
Contas correntes com juros .
Fundo ile reserva......
1 Antonio de l'igueircdo J-
nior .........
Knowles & Foster.....
Banco da Babia N.'C ....
Dividendos. .... .
Saques .........
duros da garanta d"emisso '.
J'rcmios de saques e rcmessas.
Descontos........
Lucros c perdas......
Correspondencias.
Srs. redactores. Mullo nos sorprendeu a lei
tura de urna publicarlo a pedido, insera em seu
Diario de 27 do correnle, por isso qne serae-
lliantc publicacao olTerece um signal expressivo
de que o calumniador arrojado nao trepida ante
os maiores obstculos para dar pasto s paixdes
que o dominan), c sem escrpulos atassalhacom
inexplicavel cynismo caracteres eminenlemenle
distinctos.
Oaulordessa publicacao pretende ferir a pes-
soa do lllm. Sr. Dr. Jos llenriques Ferreira,
; digno cnsul portuguez, dizendu que elle ten-
do sido convidado para assislir ao funeral do
| Exm. Baro da Victoria, e para aivorar a ban-
| deira no consulado, responder que nao da-
| va', laes demonstrado-es por um Poiluguez re-
| beld I...
Onem souber dos precedentes do lllm. Sr.
Dr. llenriques Ferreira, certamenle volara esse
calumniador ao mais pronunciado dosprezo ; e
como nosso liru o triumplio da verdade, dire-
mos a respeito algumas palavras. E' fado incon-
teslavel que na poca de nossa independencia o
Ilustre |consul, ento alumno da Universidade i
de Coimbra, raanifeslava mu alto suas opinidcsl
- em favor dosRrasileiros, j as proprias salas da
_____*" Universidade. j cm reuni-es particulares e em
nu-t'"-fi7 arligos que fazia publicar. Esto tacto quo por si
,ut,j,4ij;;t)87 su explica os sentimenlosde juslica, as ideas po-
q non nao-.non 'ilCM do Ilustre cnsul, o sauem' perfetamente
Mn'iwSiKC!! os ExBM- viscnue ^ Boa-Vista, conselliciro
Rft-iMinjn in IIIormelindo de ,-e^'0 nctual PresiJenle ^ rela-
BU.tPU^iiw i gao de Pernambuco, conselheiro Antonio Ignacio
.e-owwJ do A7-eTeJ. senador Vieira, actual presidente da
qQ'a-'?c-o i do fl,;iran'ia. e 'odos os Brasileiros que nesse
Qip-Q.ni ;,emP eslveram em Portugal. Dos Exms Srs.
9-.:1,{5in' vlsc0T"Jeda Boa-Visla e senador Vieira, temos
t:t\ ijU0| ouvido que nos os Brasileiros devemos ser
gratos ao Ulm.Sr. Dr. Jos llenriques Ferreira,
MA NENIA
V? memoria do capito de mar e
ffuerra F. Vieira da Bocha, of-
ferecida a sua Exm.* riiiva e
parentes.
A lousa do sepulcro acaba de cerrnr-se
sobre mais una victima Ilustre !
Mais urna existencia benemrita o louva-
da polo esplendor de todas as virtudes c-
vicas o militares acaba de fanar-te ao g-
lido sopro da morte !
Dorme o somno eterno do justo no aeio
da bemavenluranca o respeiiavel capitao
de mar e guerra Fernando Vieira da llo-
clla, que oceupava o cargo ae capilio do
porto desta provincia, no qual de-i tantas
e superabundantes provas di sua ctivida-
de infaligavel, de sua severa proiidade o
da dedicacao que seinpre fura c padrao
honroso de sua conduela militar, duranle
os anuos em que a marinha imperial lo-
grou aproveitar os seus bous e relevantes
sorvicos, que a historia registrar em ca-
racteres indeleveis o vulto venerando desse
bravo o distincto militar que nos transes
mais dillkeis soubesemprc honrar a causa
doseu paize fazei liaibre de sua dedica-
cao e do seu patriotismo E ao dcixar a
vida terrestre com a screnidade e a calma
de um espirito superior, de una alma re-
ligiosa e sempre cheia de virtudes, legou a
sua desolada familia um nome e romiis
quo um nome, que o paiz sempre mereci-
damente recordar com respeito e venera-
fio como o symbolo dos mu distinctos
predicados, e que os seus companleros de
armas sempre honraram e se apressaram
em tomar por modolo e cxemplc a sua
oonducla, pois que assira soberao sempre
lazer o mais brilhante cabedal dos brios e
da inteireza de sua carreira militar.
O Ilustre finado foi um dos extremos cru-
sados di nobre causa de nossa emancipa-
cao poltica, e na balalha naval de Buenos-
Ayres ao forear o passo de Tonelero dei-
xot ao mundo um exemplo imperecivel de
sua coragem e de bravura militar, e do rao-
do pelo qual um official brioso da armad i
imperial pode honrar as suas divisas e
bem servir a nacionalidade do seu paiz.
Ocapilo de mar e guerra F. \ ierra da
Rocha, deseen ao tmulo pranteado pelos
seus numerosos amigos e carneradas, que
o apreciavam na altura de seu meito es-
tremecido e logando a sua inconsolavel es-
posa e filhinhos, que tragam o calix afe-
lecado de tao dolorosa perda a menora de
sua vida que sempre tero de ver como um
compendio de virtudes e de herosmos, e
o seu nome que a mais preciosa e avul-
tada hertica que Ibes poderia lega-.
O paiz nao deixar corlamente em oM-
vido a lembranca de to aquilatados ser-
vicos, como os que recebeu do Ilustre fi-
nado !
A torra Ihe seja leve.
llccifo 28 de junho de 1860.
A. C.
Rendimento do dia 2
dem do dia 3 .
Consulado
Rendimento do dia 2 .
dem do dia 3 .
provincial.
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 3.
Kew-Vork11 das, barca americana Brasileira,
de 450 toneladas, capitao Baxter, equipagem
15, carga 3,000 barricas com farinha de trigo e
mais gneros ; a Kabbe Whatlev <& C.
S-inta_Calhflrina21 dias. barca ingleza Grace.
de 788 toneladas, capitio John Baan, equipa-
gem 15. em lasiro ; ao mesmo rapilo.
Rio de Janeiro7 dias.
Secrelaria
nambuco 8 de junho de 1860.
O. secretarlo,
A. F. da Annunciaro.
De ordem do lllm. Sr. Inspector da tbo-
sourana de fszenda desla provincia se faz pu-
blieo que a airemataco de una parle do sobra-
do de dous andares no valor de um cont cont
SaiMaa "CoenU cc"c" nul quatros e oitenla e dous
^ rM. s" a ra da Guia, perler.iencente a fa-
___J___I zonda necionol em virlude de adjudicaco, nao
^'!i*')' !eve elTe'' dia annunciado por f.illa'de'lici-
r___ lan,cs : e por isso Oca transferida a mesma ar-
retaco para o da 30 do correnle mez.
Secretaria da thesouraria de fazenda do Per-
nambuco 8 de junho deTsOU. O ollicial maior
interino. Luiz Francisco de Sampaio e Silva.
O Dr. Antonio Joaquim Enarque Nazareth juiz
municipal e de orplios e ausentes, noS'ta ci-
dade da Victoria e seu termo da comarca de
Sanio Anuo da provincia de Pernambuco por
S. M I. e C. o Sr. D. Pedro II. que Dos
guarde etc.
Faro saber que por este meu juizo de alsenles
peranle mira se proceden a arrecadaco dos bens
deixados pela funda Isabel Maria BeVrra, a re-
querimento do colleclor de diversas rendas fe-
raes desie municipio, e como nao se obtivesse
mformacoes exactas acerca da morada dos her-
deuos da dita finada, vistoachaiem-se em loga-
res nao sabidos, ordonci se passasse o presente
pelo qual cilo. chamo e requeiro o compareci-
meuto dos herdeiros do sobredita tinado, bem
como a lodos os que direito licorera en: sua he-
ranea aflra de vi rem habilitar-se no prazo de 30
lias a publicacao diste, o qual ser allixado ou o, r,
lugar publico do costume e publicado pelo Ala-
rio de Pernambuco em quanto durar referido
prazo, lindos os quaos ludo proeederei a reve-
lia c na forma di lei, o para constar se passou o
presente que vai por mim assignado com o sello
do juizo, que ante mim sene ou valha sem sello
ex-causa.
^ Dada e passada nesla cidade da Victoria aos
28 de abril do anno do nascimento de Nosso Se-
nhor Jess Chrsto de ls6t), trigsimo nono da in-
dependencia e do imperio do Brasil.Eu Amo-
llarla Emilia da Concedi Tita.
Raymundo d Silva Rafa.
Wenceslao Maniz Cabral de Mcnezes
1:C17J581
'J0j792
2.522373
6:S5132U
5:4!)3>418
11.7449733
. vapor inglez de guerra nio Lud-oro da Silva'Costa, escnvo de on
Ardent commandanle Paread. c ausentes o esefevi
navios saludos no mesmo dia.
S. Domingospatacho hamburgnez A manda, ca-
pitao C. F. Dummorl, cm lasiro.
Oittroafoet.
Fundeou no lamaro
liaos
Conselho administrativo.
O conselho adminislralivo, para tornecimento
Jo arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguidles :
Para a botica do presidio de Fernando
Aciialo de polassa, 2 libras; acido sulphurico.
8 libras ; acantinas, 1 oilava ; alcool grao 36, *
garrafas ; assucar retinado, 8 arrobas ; banha da
porco. 1 arroba ; cassarola de ferro forrada de
porcelana 3; cilralo de magnesia, 4 libras ; ba-
lanra de columna 1 ; batanea granataria 1 ; es-
permaccle, 16 libras; exiralo de bella-dona. 1
libra ; exiiato de rubardo, 4 oocas ; extrato de
opio gomtnoM, 4 oncas ; espanador pequeo 1 ;
formulario do Arnovis 1 ; graj de podra grande 1 ;
iodoreto de polassa, 2 libras ; odoreto de ferro^
1 oncas ; iodoreto de euxofar, 2 oncas; suputo,"
2 libras ; malvas. 1 arroba ; me! do abeihas. 12
libras ; massa caustica do Ulilao, 4 libras ; nitra-
to de prala fundido, 4 oncas ; oleo de oliveira, '2
arrobas; oleo vermofuges 21 vidros ; oleo do
amendoas doces. 16 libras ; papel de embrulho.
I resmas; pos de Rog, 12 vidros; peneiras de
soda 4 ; penetras de cabello* ; gorassia. 2 libras ;
rassiras .de sassalias, 2 libras ; resina de batata.
8 oncas ; roldas de corlica 1,0:10; sangesas
000 ; aeilla, 1 libra ; salsa parrilha. 1 arroba ;
sulphat,, de magnesia. 1 arroba ; seringas d
borracha sorlidas 50 ; seringas de vidro 4 ; sabo-
medicinal, 4 libras ; valerianalo de zinc, 2 oita-
: vinho branco generoso, 20 garrafas ; voa-
20 garrafas ; xarope de Lamouru, 1
xarepe de Naife. 12 vidros ; xarope dt*
onlas do espargo, 12 garrafas ; oleo de ricino. 2
urrobas. '
Para a enfermara do mesmo presidio.
Barras de madeira com ps de Ierro 50 ; col-
chos oO ; camisolas de brim 100; fronhasde brim
100 ; travessoiros 50 ; mantas do la 50 ;
de brim 200.
rarrafaa
lenres
no lamaro um patacho inglez nao
lleve communieaco com a trra e apparece ao
I lorie o brigue francez lielm.
O CS >-
Horas
i
i I
j Atmosphera.
ir.
I
Direceo.
1 =
05
I
Intensidade.
S3
p
co
es
CC
O
I-
C5
13
O
c
Centgrado.
"co'
Iteaumu
r.
-1
3 *
-1
di
o:
v' CC
OO 1
10 I
-asi'
w I
r3 .
Fahrenheit
Uygrometro.
Barmetro.
Antonio Joaquim Buarqnc Nazareth.
Pela inspeceo da alfandega se faz publico
: que 110 dia i do julho prximo, depois de meio i
I dia. se do de arrematar em hasta publica, por- i
lia da mesma reparlieo, 7'J arrobas e 21 libras!
Idegesso em podras, no valor de 68 rs, por ar-l
joba, tolal 19:700, perlenccotes aos salvados da
! ha rea francez a Raoul, naufragada omsetembro
I de I85li. sendo a arrematado livre de direitos
Quem quizer vender taes objectos a presenta
is suas propostas ornearla fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manha do dia !
do correnle mez.
Sala das sesses do conselho administrativo
fara fornecimenlo do arsenal de guerra, 2 de
juihodel860.-fii.nfo Jos Lamenha Lins co-
ronel presidente.Francisco Joaquim Pereirm
Lobo, coronel vogal secretario interino.
De ordem do lllm. Sr. presidenle do con-
selho de qualillcacao da guarda nacional da pa-
rochia do Santissuno Sacramento de Santo Anto-
nio do Recife.se faz publico.que 110 da 4 do cor-
rento, s 11 horas da manlia, se
Altandega de Pernambuco 30 de junho do 1860. | la das sesses junta medi
c
2
Rento Josc
Fernandes Barros.
Inspector.
reunir na sa-
que tem de ins-
peccionar aos guardas nacionaes abaixo decla-
rados :
Dr. Ernesto de Aquno Fonseca, cavalleiru da S, fer,n""d^ ,U\S S"ntos-
orden, do Christo. ui, d.....phaos do lermo do ^^X^ fE?"* ^Tr0S-
?ecifepOer S. M. o Imperador, que Dos guar-1Xio'ao S
de.

j Fago sabor aos que o presente edlal virem, que
: Ondas as tres pravas deste juizo, ser arremata-
do de renda, por lempo de 6 annos, o engenho
Dous limaos, sito em trras do Apipucos, com
ledas as suas obras, casa de vivenda, utenrilios
c logradouros, sob o preeo e condicoes que abai-
xo vao declaradas, sendo a baso para a erremata-
cao as seguintes avaliacdes devidameule feilas :
A colbeita ou safra de capim annualmente na
quanlia do 4:0009 rs., e a de caimas, por igual
espaco de 1:800.5, nao se admittindo porm la neo
algum sodio cada una das referidas rendas em
separado, mas sim sobre ambas cumulativamen-
te. O pagameplo da rendadas baixas de capia
far-se-ha por quarteis da dala em que o arrema-
tante lomar posse dolas, a do engenho, porm,
Baixamar as 10 h. 18' da maohaa, altura 0 50 p "},i0.ra|-s''-|,il d.e mod.0t2''e effecluando-se o pri-
Preamar as 4 I, 30' da tardo, altura 7.75 p P' "'" Z T"'" J" 1S'>2-. 8 S d'"1!n,S e"' ,a'
Observatorio do arsenal de marinha 3 de julhr e'" dns a""0S. 8fSuinle9 vl,,Ju ullimo a
A noile nublada e chuvosa,vent SE, velo para
o terral e assim amanheceu.
OSC.lLL.VCAO OA HAR.
Pacheco Jnior.
Sala das sesses. 2 de julho d 1860 Joao
Jos Pereira de Paria, alteres vogal. secretario.
O lllm. Sr. inspector da thosouraria pro-
vincial inania fazer publico, que do dia 3 do cor-
renle por diante se pagam os ordenados do om-
pregados provinciaes, vencidos no mez de junho
prximo lindo.
Secretaria da Ihesouraria provincial do Per-
nambuco, 2 de julho de 1800 O secretario.
Antonio Ferreira da Annuuciaco.
A cmara municipal do llocife vende por
intermedie do administrador da obra do niata-
dnuro publico, as madeiras vclhas liradas dos
curraos do mesmo cslabelecimento, as quaes alli.
se acham.
de lstiu
V'lKAS J'JSIOR.
Editaes.
Pela recebedoria do rendas internas geraes
lezes dos anuos seguintes, viudo o u o a "" pul,lico- 1ue no ^"cic mez que os de-
realisar-se em o de 1867. I vedores do segundo semestre do exercicio cor-
O arrematante sera obrigado a conservar as rente do 1559 18C0, r>-UUv0 oos aegololeafaw-
do engenho de maneira a entrega-las em pos : dcima addicional de mao morta ; imposto
COJfMilRCIO.
Praca do Rccife 3 de julho de. 1860.
AS TRES HORAS D\ TARDE.
Cotacies ofilciaes.
Cambio sobre Londres25 d. 90d|v.
George PatchettPresidente.
ubourcq Secreta ro.
novoTanco
DF.
PERNAMBtTCO.
EM 3 DE JULHO DE 1860.
Banco descorita na presente semana a 11 por
0 Dr. Anselmo Francisco Peretti,
d3 imperial ordem da Rosa e da de Christo, e
jui: de direito especial do commercio desla ci-
dade do Recite, capital da provincia de Per-
nambuco c seu termo, por S. M. Imperial, que
Deus guarde, etc.
Pago saber pola prsenle carta de edilos, em
como Manoel Antonio da Silva Moreira. corn'mer-
ciame matriculado e eslabelecido com casa de
negocio na ra Imperial desta cidade, me envin
a dizer em sua pelico, que Manoel do Nascimen-
to, estabelecido com taberna no lugar da Cabanjja,
acconteceu fallecer sem testamento,*sendo je-
vecor ao supplicanlc da quanlia de 6109280,
corslanles do urna letra quo juntava, por coni
da qual j havia recebido 227?, em diversas pres-
laaoes ; e como quer que nao consto, que o dilo
tiuido deixasse herdeiros do qualidade alguma,
quconstasseaosupplicaiile ; por isso me requera'
que fossem citados por caria de edilos como
prazo de 15 dias, os herdeiros do referido, e os
Drs. procurador liscal da fazenda provincial e cu-
rador geral, para fallarem aos termos de una
acc&o ordinaria, na qual pele o SUpplicaole o
pagamento do saldo da predita letra, juros e
cusas, sob pena de rev lia na forma da loi: cuj
pelico sendo-me apresentada, profer o meu
despacho do Iheor seguinle :
Dislribuida na forma requerida. Recife, 25 de
junho de junho de 1860.A. F. Peretti.
perfeito estado a seu successor
receber o engenho inocule e correnle, e com lo-
dos os utencilios, que douver de receber do uc- I re cos;ls do lnovcs, roupas, perfumaras e
1 lual rendeiro, e constarlo de relaco por ambos cacado fabricado em paiz eslrangeiro tecm de
commendador: sssignada, a qual se juntar aos autos depois de paga-lo livre de multa. Recebedoria de l
sellada o rubricada por eslejinzo.
O arremal.uile ser mais obrigado a construir
urna casa de caldeira em lugar que nao o em que
se acha a actual, o que verilicou-se ser o menos
pronriopara ella, lendo de entrega-la prompta a
seu successor sem indemnisacao alguma. eper-
delle dever de 20 por cento sobre lojas, e dito especial a SO*
crnani-
buco 1 de junho de 1860.O administrador, Ma-
noei Carneiro de Souza Lacerda.
Conselho administrativo*
0 conselho administrativo.
. --------..........-....,, para fornecimenlo
dera ern^beneficio da propriedade qualquer obra '< do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
qne nella lizer, sem previo couseniimenlo desio
juizo.
O arremalante tomar conta dns baixas ou ter-
reno de plantac&e de capim em o mez de julho
prximo, para comecarlogo a usufrui-las ; edas
trras proprias para plantaco de caimas inme-
diatamente depois da orremaiaco, devendo en-
tregar urnas o oulras quem succeder-lhe (ren-
deiro on proprietarios) em maio do 1^60.
Nao poder, porm, tomar conta das casas da
propriedade seno em maio de 1661, em ser for-
ondo a entrega-las seno no mesmo mez de 1867.
O arrematante na cultura de capim nao pode-
r extender-se alem das baixas que se aoham
creadas.
Nenhntti licitante ser admittido na praca nao
estando acompanhado de fiador chao e abonado,
que com elle se responsabiltse pelo cabal cum-
primenlo de lodas as condicoes da arremata-
ran. Em virlude do meu interloculorio proferi-
do nos autos de inventario do finado lenle co-
ronel Antonio Lins Caldas, o respectivo escrivno
Em cumprimenlo do meu despacho assim pro- ; fez passar o presento edita!, o qual ser allixado
i ferido, o escrivo abaixo declarado, fez passar a nos lugares do costume e publicado pela im-
I presente caria de edilos com o prazo de 15 dias, prensa.
| pela qual e seu theor, cito e hoi por rilados os
' herdeiros do sobredilo finado Manoel do Nasci-
I menio, para que dentro do referido prazo com-
i parecam neste jui/.o, afim de allogarem o seu di-
reilo, pelo que cima lica exposlo.
E para que chegue noticia a todos mandei passar
editaes, quo^ero affixados nos lugares do eos-
tumo e publicados pela impensa.
Cidade do Recito, aos 2 de julho de 1860.Eu
Joao Vicente de Torres Baudeira, escrivo interi-
no o fiz escrever.
Anselmo Francisco Peretti.
o anno at o prazo de 4 mezes, e a 12 O/o
at o de 6 mezes.
correntes simples
prazo que se couvencionar.
c toma dinheiro em contas
ou com juros pelo premio e
Al fandega.
Rendimento do da 2 .
dem doj dia 3.....
11.-7903020
19:9390574
31:72969
Movlinento da alfamle;;.-t
Volumes entrados com fazendas
com gneros
r.-=q'jiu pelns releTanl'Ssiraosservcosqueellenospres(ou Volumes sabidos com fazendas
u: 59989
22.063^277
1:101300:1
61:045,$153
1:4894344
1453126
155:1603513
27432S9
Ris. 4,093:473g687
Dcmonstrarao do estado da caixa.
O o r o j garanta de
emisso) .... 12:7423000
olas do thesouro,
dilo......373:4683000
Ditas desleban-/'
co. .,
.do 200 36:2003
(de 100 20:500
336:2103000
de
de
de
Ditas da caixa filial
Brasil.....
Trata e cobre .
50 3:80g
20$ 320
10 510
------------61:3303000
do Banco do
62:7603000
9243412
Res. 511321$412
naquella referida poca.
Sendo assim, o que jamis se poder contestar
em face de icslemunlias de to grande mrito,
como avaucar-se qne o Ilustre cnsul chamou de
rebelde ao Exm. Baro da Victoria, quando esto
advogou a mesma causa da independencia ? Sim,
com gneros
100
275
154
205
------ 359
Descarregara lije 4 de julho.
Brigue ingle/.Bellmercadorias.
Brigue brasileiraEngeuiao resto.
Barca americanaBrasileira=farinha e mlho.
O lllm. Sr. inspector da thosouraria prc-
vncial, em curaprimenlo da ordem do Exm. Sr.
presidente da proviucia de 23 do correte, manda
fazer publico, que no dia 19 de julho prximo
fuluro, vai novaluCnteTi praca para ser arrema-
tadado quem por menos izer, a obra dos repa-
ros do empedramento da estrada da Victoria, en-
tre os marcos de 6 a 8 mil bracas, avaliada cm
6 512>000.
Aarremalaco ser feta na forma da le pro-
vincial n. 343* de 4 de maio de 1851, e sob as
I clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se quizerem propor a esla arre-
matacao comparceam na sala das sesses da men-
3~ cionadajunla no dia cima indicado, pelo meio
dia, competentemente habilitadas.
E para constar se mandou alixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Per-
nambuco, 26 de junho de 1860.O secretario, An-
tonio Ferreira da Annunciaro.
Dado e passado nesla cidade do Recife, sob
meu signal e sello deste juizo, queaute mim ser-
ve ou vaina sem sello ex-causa, aos 26 de ju-
nho do anno do nascimento de Nosso Senhor
Jess Gdrlsio de lc-60, 89." da independencia e
do imperio do Brasil.Eu Joiio Facundo da Sil-
va Guimares, escrivo o subscrevi.
Ernesto de Aqui.io Fonseca.
DeciaraeotiS.
Importacao,
nacional Jorge, vindo do Acaracu',
Srs. redaclores, a resposta fcil : o calumnia-j Prtacho porluguezFlor de Maria d.versos ge-
dor um ente vil, nao combina e analysa os fac- eros.
los ; seu fim principal apunhalar a ropulaco
de lodo aquella que por seu carcter, por sas Palhabolo
virtudes Ihe superior. Quanto ao convite para consignado a
o enterro, asseguramos, nao esse calumniador, guinie :
mas ao respeilavel putco, para quem dirigimos 80 couros salgados, 90 macos ditos miudos
estas linhas. asseguramos que o Ilustre cnsul o curtidos. 9 allanados, 6,253 meios de sola. 3 sa-
recebeu dopois que chegou de seu sitio, que i eos farinha, de gomma, e 1 caixo sel o ; a Joao
distante desla capital urna meia legua, s 10 lio- i Jos de Carvalho Moraes.
ras do dia 20 do correnle ; e foi neste dia.se-; 50 couros salgados, 2,113 meios de sola, 28 bar-
guinte aodo passamento do Exm. Baro da Vic- ris sebo, 5 caixes queijos, 4 saceos romma a
tona,que elle soube de laoinfausta noticia. Appro- i Jos Rodrigues Ferreira.
Clausulas especiaes para a arrematarlo.
ximando-se do consulado, vio logo a bandeira
em funeral, o que fra feilo pelo
ahanceller, sem duvida por ter certeza de que o
Ilustre cnsul procedera deste modosoesli-
vesse presente.
A hora adianlada em que chegou capital nao
Ihe deu lempo de vollar casa, c de preparar-se
para assislir ao enterro.
I.* Os reparos dos empedramentos ta estrada
da Victoria entre os marcos de 6 a 8 mil bracas,
, sero foiios de conformidade com o orcamento
Tasso & Irmos, manifistou o se- nesla data approvado pela direcloria em' conse-
lho c submetdo approvaco do Exm. presiden-
te da provincia, na importancia de 6:512 rs.
2.a O arrematante comecar as obras no prazo
de 15 dias, e as concluir o de 4 mezes, conta-
dos segundo o art. 31 do rcgulameuto das obras
publicas
3.a O pagamento da importancia da arrcraala-
co ser feilo em 3 preslaces iguaes, sendo a
primeira quando tiver feito *um terco da obra, a
segunda quando houver feito dous tercos e a ul-
tima na entrega da obra.
4.a Em ludo o mais que nao esliver especifi-
cado no orcamento e as presentes clausulas es-
peciaes, se observar o que dispe a le n. 286.
Cooforme.O secretario, Anlonio Ferreira da
Annunciaco.
a Manoel Goncalves da
a Francisco Ferreira Gomes
2,572 meios de sois
respectivo i Silva.
718 dilos de dita
de Menozes.
700 ditos de dita ; a Luiz Antonio di Siqueira.
11 dilos de dita ; a Florancio D. da Silva.
105 ditos de dita, 10 atanados ; a 5ampaio &
Silva.
Tribunal do commercio
Pela secretaria do tribunal do commercio da
provincia do Pernambuco se faz publico, qne
nesla data fica competentemente registrada a
declaracao que em 25 de junho prximo Dndo'
fez Francisco Bolelho de Andrade, socio com-
mandilario da soriedade que. Unha com Vicente
Licinio da Costa Campello, sob a firma de Costa
Campcllo & C que a mesma sociedade est dis-
solvida desde a referida data.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 3 de julho de 1860. Julio Guima-
res, official manir.
De ordem do lllm. Sr Csetano Pinto de
Veras, juiz de paz do 4 anno do 1.- dislricto da
freguezia do S. S. do bairro de Santo Antonio
desta cidade do Recife, se faz publico a quem
convier, que os ofliciaesde Justina que trabalham
perante este juizo sao os abaixo "declarados, nao
podendo oulro qualquer fuucciouar no mesmo
juizo, sem o competente cumpra-se. Recife 20
de junho de 1860.O escrivo,
Joaquim da Silva Reg.
Miguel Moreira de Souza Maia.
Braz Lopes.
Albino do Jess Randeira.
Joaquim Das Martins.
Francisco Joo Honorato Serra Grande.
Pedro de Alcntara.
Pedro Ferreira das Chagas.
Flix Rodrigues de Miranda.
Joaquim Fernandes de Souza.
Francisco Manoel de Almeida.
Amancio Godofredo Lucas.
Francisco da Silva Neves.
Jos Filippe de Medeiros.
Manoel Joaquim do Nascimento.
Francisco de Paula Real.
Agoslinho Jos dos Prazeres.
Jos Chrispim d'Asaumpcao.
Manoel Goncalves Branco".
Joaquim Jos da Rosa.
tos seguintes
Para a escola rcgimental do 8." balalho do
infamara.
6 resmas de papel alrnaco ; 400 peonas de
ganco ; 2 caivetes ; 72 lapi's ; 6 garrafas de Un-
ta de escrever; 6 libras de areia preta ; 20 col-
loccoes de cartas para principiantes ; 2u ta-
imadas; 6 grammaticas portuguezas de Monte-
Verde, ultima edieco ; (i compendios de arith-
meiicas por Avila, conforme o aviso de 12 de
junho de 1852 ; 20 traslados de escripia ; C pau-
tas ; 6 pedras pata escripia ; 21 tupis para os
mesmas pedias.
Quem quizer vender tacs obejoctos, aprsente
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manlia do dia 6 de
julho prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo,
para fornecimenlo do arsenal de guerra. 25 de
junho de 1860 Benlo Jos Lamenha Lins, co-
ronel presidente.Francisco Joaquim Pereira,
Lobo, coronel vogal secretario interino.
CONSELHO ADMINISTRATIVO.
O concelho adminislralivo, para fornecimento do
arsenal de guerra, lera de comprar os gneros se-
guintes :
Para o presidio de Fernando :
800 alqueires da farinha de mandioca por med-.
da vtilia quem quizer vender lal genero, apr-
senle as suas proposlas em caria fechada na se-
cretaria do conselho, s 10 horas da mauhaa do
dia 4 de julho prximo findo.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecimenlo do arsenal de guerra, 25 de
junho de 1860,
'eno Jos Lemenha Lins,
coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
co'oiicl vogal secretario.
Conselho administrativo
O conselho administrativo, para forneciment}
do arsenal de guerra, tem de contratar o rancho
para a companhia dos menores do mesmo arse-
nal, duranle os mezes de julho e agosto prximo
vindouro.
Pao de 4 oncas.
Bolacha.
Assucar refinado.
Cha hysson.
Caf em grao.
Manleiga ranceza.
Carne verde.
Dita seca.
Toucinho de Lisboa.
Feijao mulatinha ou prelo.
Arroz do Maranho.
Bacalho.
Finnlia de mandioca.
Azeito doce de Lisboa.
Vinagre de dito.
Quem quizer contratar taes gneros aprsente
as suas propostas em carta feixada na secreta-
ria do mesmo conselho as 10 horas da maulla
do dia 30 do correte mez.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecimenlo do arsenal de guerra 23 de
jnnho de 1860.
Bento Jos Lamenha Lins,
Coronel presidenle.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario.
De ordem do lllm. Sr. inspector da Ihesou-
raria de fazenda desla provincia se faz publico,
para conhecimenlo dos interesssdos, a relami
abaixo transcripta dos credores de dividas de
exercicios na importancia total de 2:6373732 rs.,
cujo pagamento foi aulorisado pela ordem do
thesouro nacional n. 83 de 5 do correte mez.
Secretaria da Ihesouraria de fazenda de Per-
- ^M% #1



w
LURfO TOE T-ERNAM8DC0 QU\RTA FEIRA 4 0 JULHO DE 1860.
nambuco 18 >le junho de 1860.O official maior
interino. Luiz Francisco de San mi c Silva.
Relaco a que se refere o annuncio cima
Christovo de Holianda Cavalcauti de
Albuqucr'jue, Antonio de Padua de
Holianda Cavalcauti c Joo Nepo-
muceno Bezcrra Cavalcauti 64j]3G7
Fausto Frei'e de Carvalho 300J06Q
Francisco Carcia do Amaral 401;66
Joo Jos Rolim 188{987
Vicente Jansen de Castro e Albuquar-
que i33j}33>
Ignacio Francisco da Silva, Matia Joa-
quina de Mello e Silva 522i00
Antonio Tarares 735044
Braz Avelino Freir lOOgOOO
Dcimo batalho de infanlaria 40^000
Joao l'errt ira da Rocha 31^126
I.uiz Francisco Teixeira 108000
Miguel Ferreira dos Anjos 9!2()()
Miranda & Vasconcellos 147<)0
Reinaldo Jos dos Santos 73044
Miiuelina Geitruia de AssumpcSo. 501^966
que, provauo'se'.i ouininio, Ih'u ser eiiliegue.
Recife 80 de junbo de 1860.Penca Jnior.
A adminislraco geni dos cstabclecimenlos
de p.aridadc manda*fazer publico que no dia 5
do prximo futuro rnez, na sila de suas sessocs,
pelas 10 luirs da manliaa, continua a arrema-
lacotis renda das casas abaixo declaradas :
Bairro do Rccife.
Ra rJa Moeda n. 31, ra do Pilar n. 74, ra
da 'Lupa n. 5, becco da Lanians. 26 e 30.
Bairro da Boa-Vista.
'-Ra da Impcratriz n. 68.
Rairro de Santo Antonio.
Ra doQuoimado n. 15, ra do Padre Floria-
no ns. 49 o 13. ra do Pagundes n 32, travessa
de S.Jos n. 5. ra dos Pescadores n. 11, ra
da Calcada ns. 30 e 31, ra de Santa Thereza ns.
4 e 7, ra larga do Rosario n. 26. ra da Roda
ns. 3, 5, 7 o 39, roa a"o Callnbouco n. 18, ra do
Cabug n. 3, tua Nova ns. 29. 43, 57, 59 e 48,
ra de Hurlas n. 33, ra Direita n. 7, travessa
doCarccreiro ns. 11, 13 e 17.
Adminislracao geral dos estabelecimentos de
caridade 30 de junho de 1860.O escrivo inte-
rino, Joao Pinto de Lemos Jnior.
COMPAISH1A PERNAMBUCANA
DF.
RiodeJaneiro,
O brigue Fluminense segu para o Rio de
Janeiro em poneos dias : para o resto da carga,
tratase cora Tasso Irmaos, ou com o capilo Jos
Joaquim Bernardes.
sevia-feira o do crtente a 11 horas em
ponto na ra do Imperador n. 58, se-
gundo andar.
LEILAO
Navegado
O novo banco de
Pernambuco repeteo avi-
so que fez para seren re-
colhidas desde j as notas
de 1 o,ooo e 2o,ooo da
emissao do banco.
Directora geral da instrueco
publica.
Por esta secretaria sao convidados os senho-
res abaixo mencionados virem tirar seus ttulos
de capacidade para o magisterio, aflm de pode-
rem ser admitlidos ao concurso da cadeira de
francez do Cyinnaso Provincial, cujo dia sera
marcado.
Secretaria da instrueco pulilics de Pernambu-
co 27 de junho de 1860'. O secretario interino,
Salvador Henrique de Albuquerque.
Pessoas a que se refere a declaracao supra.
llippolylo Cadault.
Antonio Jos de Moraes Sarment.
Jorge Dornellas Ribeiro Possoa.
Americo Netlo ue Mendonca.
Hermillo Eugeuio Luiz Duperron.
De ordem do lllm. Sr. inspector da thesou-
ria de fazenda desla provincia se fiz publico, I oO agulhas de lona e uritn.
para conhecimeoto dequem interessar, que no da l g DarJa je [ireu>
20 do crreme mez, peanle a mesm thesoura-
ria, serao arrematados, a quem mais der, os ar-
rendamentos innuaes, que devem ter principio
no 1 do julho prximo scguinle ; dos proprios
iiaciouaes abaixo mencionados.
Secretaria da tbesouraria de Pernambuco. 1 {
de junho de 1860 O olUcial-maior interino, Luiz
Francisco de Sampaio e Silva.
1 ina casa terrea n. 21, na ra de Sania Thereza.
Urna dita n. 19, na mesos ra.
Lima dita n. 10 na rus das Aguas Verdes.
costeira a vapor.
Propostas de nm navio para conduzir 27 pas-
sageiros desle porto para a de Melboi.rne na Aus-
tralia, se receber no consulado britnico, at
sabbado 7 do corrente.
i Barcaca.
*P Vendo-se urna barcaca de seisenla o
3 tantas caixas, nova, bom construda e ile J|
* madeiras escoljidas : trata-se n,t ra do 9
aje Qiicimado loja n. 10. *
Pela gerencia da Companhia Pernambucana de
navegarn costeira a vapor, re faz publico que
lizeram'-se razoaveis alleraroes as tabellas de
passagens e fretes que se deverao pagar do 1" de
julho prximo em diante aos vapores da dita com-
panhia. Essas altcrares constam das respec-
tivas tabellas approvadrs provisoriamente por S.
Exc. o Sr. presidente da provincia em data de 25
do cadente mez, e que eslo patentes a quem as
quizer consultar no escriptorio da companhia.
Conselho de compras nuvaes.
Tendo-se de promover aaequisicao de diversos
objeelos do material, abaixo declarados, manda
o conselho fazer publico, que tratar disto em
sessu de 0 do prximo me/, de julho, vista de
proposlas em cutas fechadas, entregues nesse
di.i at s 11 horas da manhta, acumpanhadas
das respectivas amostras, cerlos os que contrata-
re m a renda, de entregaren) osobjectos da qua-
lidadc e na quantidade contratadas, sob pena de
pagarem a mulla de 50 0|0 do valor de cada um,
olem de carregarem com o excesso do proco del-
les no mercado, caso niotivem essas fallas rec-
correr-se ah: bem como de seren pagos pela
forms ha muilo estabelccida.
Objeelos.
Para o arsenal e navios.
4 arrobas de agua raz.
12 arrobas de almagre.
A 6 do corre nte.
Thomaz Ileywood, estando a retirar-so para
Europa far leilo por nterrencao do preposlo
do agente Oliveira, da mobilia ornis objeelos de
seu uso, consislindo em guarnico completa de
Jacaranda com lampos de marmore, para sala de
visitas, dita de amarello para sala de espera,
grande e rico espclho dourado sem defeito, para
, vestir, lindos quadros a oleo, bancas do jogo,
i alcatifas, tapetes e esleirs ao forro, venesianas,
| vasos, jarros e porta-joias de uorcelana e alabas-
I tro, lantcroas, lampeos, escrivaninha completa
de Jacaranda com banca e cadeira, caixa com-
piola para roltarete. guarda roupa, toucadores
de Jacaranda e de amarello, bancas para luz.
i camas de ferro grandes e pequeas, lavatorios
Por Gu Inerme Sch ully
professor de caH.grapI.ia.
A importancia e certeza que pode terqualquer
pessoa em adquiriraperfeicoamento na aito de
calligraphia nao podem ser por demais puhlica-
cadas nestes dias de eminencia commercial. De-
pois de urna carreira profesional de 5 annos na
America do Sul, tendo leccionado pelo menos a
5,000 pessoas de todas as idades, inclusive ban-
queiros o corretores, negociantes, advogados,
empregados pblicos de varias classes e nume-
rosas senhoras, cuja habilidade para escrever te-
nho conhecido ser mr.ito notavel quando seguera
um melhodo conveniente, tenho hoje a honra e
satisfarao de annunciar que das priraeiras auto-
ridades recebi unnimes provas de reconheci-
menio de que o meu systema o melhor e de
miis fcil acquisicao, rcunindoao mesino tempo
elegancia e perfeico. Tendo dedicado anuos
pratica e esludo desta arte, sou zeloso pela sua
geral adopeo; a maneira desnatural porque ella
COMPAMHA PERMNBliCAKA
DE
l\avegaco cosleira i Yapor
0 vapor Tguarass, commandanie Moreira,
seguir para os porlos do norte de sua escola no
dia 7 do correnle.
Recebe carga para o,Rio Grand do Norte al
o dia 4, Ass no dia 5, Aracaly e Ciar no di 6
at ao meio dia : gerencia no Forte do Mallo.
______Leiioes,______
LEILAO
DE
10 escravos.
L'm sobrado de dous andares n. 11, na ra Di-
rtita.
Cm uilo de dous andares n. 71, na ra do Padre
Floranno.
l'm armazem no Forte do Mattos.
I m dito no mesmo lugar.
I ma parle do armazem que se acha oceupado pelo
consulado geral.
Ura lelheiro em Fura de Tortas junho ao quarlel
dos engajados.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, lem de comprar os objee-
los seguinles :
Para o arsenal de guerra.
1 arroba e 20 libras de plvora grossa.
Para provimento do armazem do mesmo
arsenal.
20 garrafas de tinta prela de escrever; 6 du-
zias de lapis.
Quem quizer vender tacs objeelos aprsente as
suas propostas cm carta fechada, na secretaria
do conselho, s 10 horas da m;uiha do dia 9 de
julho prximo vindouro.
Sala das sessocs do conselho administrativo,
para fornecimeolo (lo arsenal de guerra, 30 de
junho de 1860. lenlo Jos Lamenha Litu, coro-
nel presidente.Francisco Joaquim Fereira Lo-
bo, coronel vogal secrelaiio interino.
Pela delegacia do 1. dislricto do termo do
Rccife se faz publico que foi apprehendido c se
ada recnlhido na casa de deleiicao o prelo Joao,
que diz ser escravo de Alexsndrc Correia do Cas-
tro, e ter fgido ha metes : quem se julgar com
Oireilo ao mesmo, compareca nesta delegacia,
100 arrobas de oleo de linhaci.
60 meios de sola.
Para os navios.
1 arroba de areia de escupa.
231 bonels de panno.
b dilos com chapa.
16 arrobas de cairo velho.
300 camisas de algodao azul.
300 calcas de algodao azul.
389 camisas de brim.
385 calcas de dito.
53 ditas de panno.
50 croques.
110 camisas de baeta.
63 fardas de panno para imperiaes maiinbeiros.
100 ditas de brim.
8 grvalas de couro.
10 jogos de compacos c lira-Hnhas para escrip-
(uracao.
150 liv'ros em br.mco de 25, 50 c 100 folhas.
50 ditos impressos, para soccorros, de 50, 100,
150 e 200 folhas.
134 lencos de seda prela.
6 arrobas de mcrlim.
6 arrobas de plvora fina.
30 resmas de papel almaco.
5 ditas de dito carluchiuho.
15 pares de polainas de panno.
24 raspas de fero.
445 pares de sapatos de sola e vira.
300 saceos de conduccao.
Para o arsenal.
1 fole de 12 pollegadas.
48 ps de ierro.
2 peueiras de rame.
Para a enfermara de marinha.
100 camisolas de brim.
100 pares de chinelas.
100 fronhas de brim.
200 lencos de brim.
50 loa Ibas de brim.
2 iravesstiros de palha.
Sala do conselho de compras navaes de Per-
nambuco, 30 de junho de 1860.O secretario,
Alexandre fudrigues dos Anjos.
Sil
va
O agente HyppolitO da
leilo por conta e risco de (juera
teucer de 10 escravos stndo :
fara'
per-
moleques de 11
mulatinhode 11
negro de 1G
mulato
12 nnnes.
12
de 40
de 50
de 20
de 40
de 30
todos fortes e de
negro
preta
preto
negro

com lampo de pedra, ditos lodo do madeira com | geralmete ensinada, nao s arruina a cons-
tiluico como acanha o corpo, nao se cuidando
em procurar um systema que cora poucas lices
os proprioS pas podem communicar a seus* li-
lhos, e, sendo perfeito, jamis delle se podem
esquecer. A juvenlude desle paiz lem talento
natural para escrever bem. e pelo meu melhodo
qualquer pessoa com a raaior facilidade pode vir
a escrever como eu escievo. JA eslava publica-
do nesta cidade muilas provas pelo Exm. direc-
tor de instrueco a favor do meu melhodo. Du-
rante a minha estada no paiz, faciiitarei ao pu-
blico a acquisicao do meu systema, n qualquer
hora do dia, de sorte que aquellos que das mi-
nhas lices se queiram utilisar nao se desviem
desuas oceupacoes ; alcm disso, com algui&as
breves inslrucces minhas, cada um em sua ca-
sa mesmo pode exerc:tar-se no meu systema,
capiando os meus excmplares. As pessoas que
quizerem froquentar a minha aula, ou precisa-
ren) de meus serviros, tcuham a bondude de se
dirigir ra do Imperador n. 75, at o dia 5 de-
pois acham-me mais oceupado cora licoes que
nao podem ser interrumpidas.
excellentes figuras :
quarta-feira 4 de julho as 11 horas em
ponto no seu armazem n. 35 da ra do:
Imperador.
LEILAO
DE
THEAT
k
DE
SANTA ISABEL
COMPANHIA LYRICA
DE
Hoyas.
Hyppolito da Silva autorisado pelo
lllm. Sr. Dr. Frederico Sciuly, fara'
leilo de urna magnifica mobilia con-
sistindoetn aparadores, mesas redondas,
cadeiras, sofs, guarda roupas, piano,
camas, mesa elstica, commodas, lava-
torios, toilets, guarda louca, tudo deja-
caranda' e mogno; assim como urna
ininidade de crystaes e aparelho de
porcelana ; sabbado 7 do corrente a$ 5
! horas da tarde na Soledade cam'mho
! para o Manguinho casa em ijue morou
o finado Timm.
LEILAO
Sabbado 7 do crrenle.
[Quinta-feira 5 de julho.
Qoarla recita da assiguatiira c segnnda da segunda serie para os camarotes.
Itepresentar-se-ha pela|ullima vez.
As 8 horas cm ponto se dar principio, e para maior
estar aberto meia hora antes.
Exisiem ainda bilhetes de camarotes e cadeiras para assignarem-se,
no dia do espectculo, desde 9 horas em diante juntamente aos de platea.
commodidado do publico, o theatro
ou para seren vendidos
DE
Urna taberna
louca completa, cabides, mesa de janlar, apara-
dor, guarda-louca, relogio de parede, cadeiras
para sala de janlar, ditas de bataneo americanas
c de amarello, crystaes, louca para almoco, Jan-
lar e para sobremesa, colheres,- garlos, galhe-
teiro, bules contras peas ludo de metal p-in-
cipc, baudeijas, philtrador d'agua, trem de cosi-
nha, algum vinho velho engarrafado do Porto e
Sherry, um cavallo rodado e nova para sella, o I
qual ganhou premio as ultimas corridas, e um
plegante carro inglcz novo do quatro rodas pa-
tente, feito por encomraenda, muilo maneiro
para um ou dous cavallos, com arreios para
dous : sexta-feira 6 do corrente, s 11 horas
da manha na c*sa de sua residencia no Monde-
go defronte do sitio do coinmcndador Luiz Co-
mes Ferreira.
LEILAO
Sexta-feira G do dorreute.
A prazo com garantas ou a diulieiro.
DE
lina loja de ferragens
AO MEIO DIA.
A requertmento dos depositarios da
masa fallida de Diniz i Martins, e por
despacho do Exm. Sr. Dr. juiz especial
do commercio, o agente Camargo ven-
der'em leilo a armacao e erragens
constantes da loja de ferragens n. 5 da
ra Nova, sob proposta a prazo com
garantas : sexta-feira G do corrente ao
maio dia na mesma loja.
LEILAO
DE
Cavallos de Montevideo.
O agente Hyppolito fara' leilo por
ordem dos Srs. Tisset-freres, de 12 ca-
ballos de Montevideo, chegados nltiina-
nente, os mais lindos que teem viudo
esta cidade, e desnecessano tecer do-
gos a estes animaes pois a experiencia
tera mostrado que para carros elles tem
provado mui bem : quinta-feira 5 do
corrente as 11 horas em ponto na co-
ebetra do Sr. Joaquim defronte do ar-
senal de marinha.
Avisos diversos.
Desappareceu hontem !. de julho, da ra
da Concordia, por andar solta pastando, urna ca-
bra (bicho) cor prela, com manchas araarellas, o
est prenhfi : roga-se a pessoa que a tenha em
casa, por nao saber quem seja o dono, de a man-
dar (razer ra da Concordia n. 26, que ser
gratificada.
No 1.* do corrente fugio um escravo, cabra
escuro, estatura regular, reforcado do corpo, de
idade 17 anuos, de nome Bartholomeo, muito
conhecido no bairro da Boa-Vista pelo nome de
Borlo : roga-se aos capites de campo c as au-
toridades policiaes que o apprehcndam e o levem
ra da Trerape, sitio n. 2, que se gratificar.
LOTERA
DO
Rio de Janeiro.
AUencio.
Chapeos para hotirera especiaos para
luto, recomuiendavois pela suaboaqua-
lidade: ua ra Nova n. 8.
I'recisa-se fallar ao Sr. Joao Ala-
mila, subdito hespanhol, a negocio de
seu ioteresse: na ra do Imperador n.
26. terceiro andar.
Manuel Joaquim Baptisla, sua muliier o
filhos, agradecem cordialmenlo a todas as
pessoas que se dignaram acompanhar o ca-
dver de seu muito charo filho e irmao
Manoel Joaquim Baptisla Jnior, ao seu
ultimo jazigo, e lhes protestara sua gralido
por to caridoso acto.
aHEMHBaBBt
HOSPITAL
PORTUGUEZ DE^BENEFICENCIA
Pernambuco.
Movimento do miz de junho de 1860.
Aos cuidados do Sr. Dr. Prxedes Gomes de
Souza Pilanga.
Ficaram em Iratamento cm 31 de
maio .............................. 17 docnles
Entraram no mez de junho.......... 28
Total.............. 45
Sahiram curados.................... 18
Falleceram .......................... 4
Existem em Iratamento.............. 23
Toial.............. 45
Dos fallecidos foram : 1 de cerebrite, 1 de fe-
bre lyphoide, 1 de febre amarella, e 1 de apo-
plexia.
Vendc-se um sobrado de um andar c solio
na ra do Fogo n. 35, chaos proprios, ah se dir
quem o dono para ir tratar.
Vende-se um boi manso e gordo, que j
tem andado com carracas e carrinlios da alfan-
dega : para ver e tratar, na cocheira do Sr. Ur.
Joo I.ins, de meio dia al as 2 horas.
Fariiiha de mandioca.
Vendc-se farinha demindioca, superior quali-
dade, viuda do Maranho, pelo hiato Rosa e
briguo escuna Graciosa : nos armaxens de Ma-
= Em dias do mez de abril do corrente auno
vcio casa de Correia A Irmaos nesla prac,a o
escravo Luiz, procurando quem ocontprasse, di-
zendo que pertence ao Sr. Joaquim Antonio d
Silva Barros, senhordo engenho Liberal, termo
do Bonito : e como os meamos Correia & Irmaos
j tenham cscriplo ao mesmo senhor por vezes.
aflm de o mandar buscar, c como nao tenham
lido resposta algunia, os mesmos declarara por
meio desta folha queso nao responsabilisam pela
morte ou fuga quo o mesmo escravo possa faer.
= Aluga-se um solio com 2 quarios, 1 sala,.
e cozinhn, na ra da Koda, mas para pouca fa-
milia : quem o pretender, procure na ra da Ro-
da n. 23, das 6 s 8 horas era diante do dia, e das
4 s 6 da larde.
O abaixo assignado n5o lendo cavaco algum
a dar a quem exige saber a quem pertence o de-
posito n. 6 da ra do Rangel, pede ao annuncian-
le que aprsente amanhaa, ou venha ser satis
feito, caso entenda que se lhe deve.
/ Jos Jacintho Pacheco.
Aluga-Ue melade de um sobrado na traves-
sa da ra dojVigario n. 3 : a tratar no terceiro-
andar do mesmo.
Estrada de ferro.
Na ra do Commercio, n'uma excellenle pos-
cao para urna casa de commercio, e prxima a:
eslaco da villa do Cabo, vende-sc uraa casa com
os seguimos coramodos e bcefkios: 2 sslas, 2
quartos grandes, 1 pequeo, despensa, gabinete,
cozinhs, quintal com um grande aterro arenoso-
0 estrumado, que evita as inundaces do Pirapa-
raa e muito productivo, cacimba, jardn), (na-
maior parte apenas cercado), assim como muitas
arvoresde diversos fructos no mesmo terreno, o-
no restante do quintal larangeiras clelas, apena
creadas, plantas de capim, estribara, casinha do
prctos : a tallar no armazem do Franca na mes-
ma villa.
Vendo-sea casa larrea n.71, sita as Cinco-
Ponas, urna dita na travessa do Livrameulo n. 2,
e uina parte do sobrado da ra de Hurlas n. 12 :
a tratar na ra do (jueimado, loja n. 44.
Vende-se um escravo pardo, de bonita fi-
gura c de todo o serviro, moco : ua roa do Quei-
mado, esquina da Congregaoio, loja do lenento-
corouel Manoel Florencio Alvos de Moraes.
Azeite de carrapa-
to purificado.
Vende-sc por hora por3#500 a caada a quem
tome de 12 cauadas para cima : r.a ra dos Gua-
rarapes n. 60, em Fri de Portas.
Vendc-se a posse e obras do engenho Tiriri,
levantado cm trras do engenho Alguduaes, as-
sim como a safra e animaes, recebeudo-se algu-
ma propriedade perto da praca cm conta do ne-
gocio : quem quizer fazer negocio com o mesmo-
engenho, pode appareccr.
Vende-se urna negrinha de 7 a 8 annos :
no Hospicio, primeiro porlo de ferro passando o
! quarlel, para tratar, at as 9 horas da manha, o-
de tarde das 4 em diante.
AS 11 HORAS EM PONTO.
A requertmento de Manoel Antonio
da Silva Moreira, e por despacho rio
E\m. Sr. Dr. juiz especial do commer-
cio, o agente Camargo far,' leilo da
taberna, armacao e mais gneros sito
na Cabanga freguezia de !. Jos per-
tencente ao fallecido Manoel Nascimen-
to, no mencionado dia as 11 horas.
Avisos martimos.
Lisboa*
A barca Vencedora sahe at o dia J do cor-
rente, recebe alguma carga e passageiros, para
os quaes tem excellentes commodos : a tratar
com os consignatarios Carvalho, Nogueira & C,
na ra do Vigario n. 9, primeiro aodor, ou com
o capilo na praca.
Para o Aracaly.
Segu com a maior brevidade possivel o hiate
Gralido. por j ter a maior parte da carga
prompla ; para o resto e passageiros, dirijam-s
ao Passeio Publico n. 11. ou ra do Cordoniz
n. 5, casa de Pereira <& Valentc, no Foile do
Mallos.
Para
Aracaly
Hiate Scrgipano ja lem parle da carga, para a
r^sto trata-se com Marlius & Irmaos : ra do
Madre de Dos n. 2.
Cear, Maranho e
Para.
Segu em poucosdiaso hiate nacional tRosa,
e recebe carga ; Irala-se com o consignatario J.
B. da Fonseca Jnior, na ra do Vigario n. 23.
Para a Baha.
O hiate Bora Amigo sahe no dia 8 do cor-
rente ; para carga, Irala-se com o eapilo Perei-
ra Marinho, cm casa de Palmeira & Beltio, do
largo do Corpo Sanio n. 6.
Cear.
Segu com muita brevidade o palhabote Santa
Cruz, capilo Jos Victorino das Nv ; para o
resto da carga, trala-ae com Caeta&o Cyxioco i
C. M.t do lado io Corpo Santo a. 25.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegado costeira a vapor.
O vapor Persinunga, commandante Lobalo,
sahir para os porlos do sul de sua escala no dia
5 de julho, e s receber carga al o dia 4 ao meio
dia. Previne-se aos senhnres carregadores que
nenhuma carga ser recebida a bordo sein o res-
pectivo bilhete da gerencia.
Maranho e Para.
O veleiro brigue escuna Graciosa, capilo e
pratico Joo Jos de Souza, deve seguir em pou-
cos dias para os portos indicados : recebe carga,
para o riue trata-sc com os consignatarios Almei-
da Gomes, Alves & C, ra da Cruz n. 27.
TE
iS
RiodeJaneiro.
Oveleirae bem conhecido brigue nacona
Eugenia, pretende sahir com muita brevidade,
lem melade de seu carregamento prompto ; para
o resto, trala-secom os seos consignatarios Aze-
vedo & Mendes, no seu escriptorio na ra da
Cruz n. 1.
o Rio de Janeiro
Espera-se daquella praca a barca nacional
Castro III, de que capilo Antonio Goncalves
Torres, a qual pouca demora deve ter nesle por-
to : quem na mesma quizer carregar ou ir de
passagem, para o que tem excellentes commo-
dos, trata-se com os consignatarios Pinto de Sou-
za &. Baja o, na ra da Penha n. 6.
do corrente.
LEILAO
Quinta-feira
DE
3 lindos cavallos e
58 burros.
As\\ horas em ponto.
O capitao Burn da barca franceza
Lotus, fara' lei'ao por iutarvencao do
agente Camargo, de 3 cc.vallos e 58
burros mansos e os mais lindos que
teem vindo : quinta-feira 6 do corrente
na cocheira que foi do Sr. Mctta, de-
fronte do Sr. Moura ra do Mundo
Novo.
LEILAO
MOVIS.
Explendido leilo de tnove1:; consistindo
em urna magnifica mobilia de jaca-
randa' a Luiz XIV, um piano de bel-
las vozes, camas de Jacaranda', guar-
da roupas de mogno, metas de ama-
rello e mogno, commodas de Jacaran-
da', lavatorios, toilets. cadeiras de
ceregeira, mesa elstica, apparado-
res, guarda louca, crystaes, appare-
lhosde poicelana, candelabros, ser-
pentinas, urna espingarda para caca
e um jogo de pistolas.
O agente Hyppolito da Sdva fara'
leilo por conta de urna p<:ssoa que se
retira para Europa dos objectos cima
declarados., para o que convida as pes
soas de gosto apurado a com parecerem
ASSOCIAQO
DOS
Artistas alfaiates.
De ordem do Sr. presidente convido aos seuho-
ressocios para que se dignem comparecer no dia
5, pelas 6 horas da maiiha, na igreja do Carmo,
afim de assislirem a urna niissa pelo repous
eterno d'alma do nosso irmo Francisco de Al-
meida Aroca, fallecido em o dia 22 do mez pr-
ximo lindo.
Sccrelaua da. Associaco dos Artistas Alfaiates
3 de julho de 1860. ,
Antonio Macario de Assis,
1." secretario.
Aluga-se um moloque : quem precisar, di
rija-se praca da Boa-Vista n. 30, segundo an-
dar, das ti s 6 horas da tarde.
O Sr. Luiz Honorio Carneiro Leo lem urna
caria na ra doQueimado n. 27,lojade miudezas.
Conrado Augusto de Farias e Americo Fer-
reira da Silva deixaracn de ser caixeiros da casa
de Marlinho 4 Oliveira do l.' de julho cm diante
Quem precisar de urna ama particular para-
cozinhar em sua casa,dirij3-sc a abobada da Pen-
ha, casa que iica no fundo da taberna.
= OSr. Francisco Aranha de Souza lem urna
carta no escriptorio de Manoel Joaquim Ramos e
Silva, na ra da Cadcia do Recite.
= O Sr. Custodio Jos Machado nao poder
dispr de seu eslabeleciinenlo de mulhados, na
ra Direita n. 31, ncm auseiitar-sc do lugar, se-
gundo consta, para qualquer parte, sera so en-
tender coiu o abaixo assignado.
Jos Garca da Silva.
Vende-te um carrinlio da alfandega cora
um boi por 200$: na ra da Aurora n. 40, pavi-
mento terreo, das 6 horas da manha s 9, ou
das 3 da tarde em diante.
portuguez,
Praga da Independencia n. AO.
Acham-se expostos a venda os bilhetes e meios
da 45 lotera das casas de rorreceo, que deve
ser exlrahida no dia 6 ou 7 do correnle.
P. J. Laymc.
LOTERAS
chado & Dantas c Anlunes Guimares & C, no
Forte do Mallos, largo da Asscmbla.
*svo,*7k.*.>>, <,4o, ,^>,^a.*x&.-. francisco Jos Coelbo, subdito
*&??** @ MMMMI ^rStende ir a Parahiba.
}; Deseja-se hilar ao Sr. Genuino Corio^fl
5 lao dosPrazeres na ra da Cadea do He-
cife n. 2i, loja de Augusto \ l'erdigo. $
DO
RiodeJaneiro.
SORTES GRANDES
4:000$ e l-.OOOS.
Leitc & Irmao na ra da Cadeia do
Recife n. 48 loja de fazendas de 4 por-
tas, vendem legalmente rubricados pe-
tos annunciantes bilhetes inteiros, meios
e quartos das loteras do Rio de Janeiro,
presentemente tem exposto a venda os
bilhetes da 4> lotera a beneficio das
casas de correccao da corte, recebtdos
hoje pelo vapor francez La Guienne.
Grande novidade
no mercado.
Borzeguins para sen hora sem defeito
ou avaria de qualidade alguma a 7>s o>
par dinheiro a vista, vende se esta gran-
de pechincha nicamente na loja de
Leite& Irmao, na ra da Cadeia do Re-
cife n. 48.
Machinas de Derosne pa-
ra destilacao.
Na olicina da ra larga do Rosario
n, 22 c\istem duas machinas de cobre
para destilar agurdente pelo systema
de Derosne, as quaes a lem da sua per-
feico, reunem a vantagem de serem
muito fornidas e des ti lia m urna pipa
em 16 horas. Estas machinas teitas pe-
lo nu.is hbil artista conhecido as pro-
vincias do Douro e Minho, vendem-se
por preco muito com modo por se espe-
rarem outras que .ja se encommenda-
O vendedor garante a perfeico
ram.
da obra.
ATTENCAO.
*
Ainda continan) a estar fgidos os dous ca-
vallos annunciados no Diario n. 143 de 21 de 1
1860, aonde arrombaram a estribara do sitio do
abaixo assignado, Campia do Barbalho, fregu- |
zia da Varzea, e carregaram-lhe os dous caval-
los e um selim coberto de novo, e como o abaixo I
assignado ignore alguns signaes, o motivo que i
repele que sao todos os seguinles : um nuarto !
bonito de sella, russo rudado pedrez, gordo, bar- \
rigudo era grao ; oulro quarto russo pedrez, i
bebe em branco, freule aberta, j velho, grande :
roga-se s autoridades policiaes e pessoas part- (
culares, que souberem destes cavallos, que osap-
prebendan e decm parle ao abaixo assignado no
sen sitio cima, ou na rea do Livramento n. 7,
i que serao gratificados, o primeiro 50-J e o segun-
| do 20g000.
Antonio D larle de Oliveira Rogo.
Francisco Custodio de Sampaio faz sciente
ao rcspeitavel corpo do commercio desla praca
que desta dala em diante deixa de ter gerencia
em sua casa commercial que gyra sob a lirma de
Sampaio, Silva & C, passando esta aos socios
Joo Joaquim Alves o Jo.o Jos da Silva, a
quem exclusivamente permillido fazer uso da
mesma firma social. Recife 3 do julho de 1860.
Sampaio, Silva & C, pelo presente peden,
a todas as pessoas que forem possuidoras de le-
tras ou (lulos dos mpsmos, facam o favor de
mandaren) urna nota na ra da Cadeia do Recife
n. 56, loja de ferragens.
Joaquim Jos Silveira, invcntarianle do ca-
sal do finado Marcelino de Rorja Geraldes, avisa
a quem inleressar, que o Sr. Jos Goncalves Pe-
reira se acha autorisado a reeeber os dividas do
mesmo casal. Recite 3 de julho de 18G0.
Galera de pin-
turas.
Recebeu-se grande porco de bonitos quadros,
entre elles alguns sacros, por presos mdicos:
na loja de marmore.
la lola
ao pedo arco de Santo
Antonio
contfntoa-se a vender bicos e rendas da trra,
assim como lencos de labyrintho os mais ricos
que tem vindo ao mercado, ricas caixiuhas de
marisco proprias para costura de senhora, pen- Sapatoes de torca.
les de 'arlaruga, goslo inleiramenle moderno,
ricos coeiros de casemira bordados para enancas,
ditos j debrunhados com ricas filas, bonels de
velludo para menino, chapeos para baplisados,
assim como todos os preparos para baptisado, c
toalha de labyrintho.
Vende-se muito em conta vaqueles de lus-
tre para carro : na ra da Imperatriz n. 78.
Aluga-se urna escrava que engomma, coso
bem e faz o tarrico de ama casa do familia : no-
paleo de S. l'edro n. 13.
- Jos Escunha Milho, subdito napolitano,
retira-so para Macei.
Os abaixo assignados previnem ao respei-
tavel publico, que elles teem hypotheca especial
por eseriptura publico lavrada as notas do ta-
bellio Almeida, da casa terrea n. 121, sita na
ra do Pilar en l'ra de Portas, que lhes hypo-
thecaram I). Mara Joanna dos Reis, viuva do
Balthasar Jos dos Reis- e seus lilhos, afim do
que ninguen possa fazer uegocio algum com a
referida casa, sem o previo consenlimanlo dos
abaixo assignados, que teem o direito previle-
giido sobre ella. Ciade do Recife 3 do julho da
1860.Jos Goncalves Beltro & Irmo.
Joaquim Antero de Carvalho declara quo
por haver outro do igual nome, se chamar de
hoje em diante Antero Jos de Almeida Car-
valho.
Direita45
por
5#000
0, ATTENCAO.
V'cndo-se nm par de cadeiras de balanco, ma-
deira de amarello, novas, que ainda nao servi-
rn), por preco commodo : quera precisar, diri-
ja-se a ra do Brum n. 44.
Na ra do Jardim n. 20 d-se bolos de ven-
dagem a 80 rs. a pataca, armam-se bandeijas aos
gostfis de seus donos, assim como fazem-se bo-
fos de todas as qualidades.
Esteestabelecimento offerece ao pu-
blico um bello e rico sortimento
precos convenientes, a saber :
Homem.
Borzeguins imperiaes..... 10#000
Ditos aristocrticos...... 9#000
Ditos burguezes........ 7#000
Ditos democrticos...... 6s000
Meio borzeguins patente. 6|500
Sapatoes nobreza....... 6000
Ditos infantes. ....,.,. 5,s000
Ditos de lmha (5 lj2 bateras). C$000
Ditos fragata (sola dupla). .
Sapatos de salto (do tom). .
Ditos de petimetre...... 5,000
Ditos bailarinos........ 3$500
Ditos impermsaveis...... 21500
Senhora.
Borzeguins primeir classe(sal-
to de quebrar).......
Ditos de segunda classe (quebra
cambada). .,,...,.
Ditos todos de merino (salto
dengoso).........
Meninos e meninas.
.... 4#000
Ditos de arranca........ 3^500
Boizeguins resistencia l^ o#800
Vende-se urna mulata moca sem vicios nem
achaques, cose, lava, engomma e cozinha soffri-
velmenle : os prelendenles podem dirigir-se
ra da Imperatriz n. 5, segundo andar, que acha-
ro com quera tratar.
5#000.
Grande sortimento de ferros de engoinmara
vapor dos mais ricos modellos quo se podem en-
contrar nesle mercado, com seus perlences de
nova invenco, que muito dever agradars pes-
soas que os compraren) na ra Nova n. 20, loja
do Vianna.
5$00O
4#800
*|500
Vende-se uro escravo
nos: oa ra Bella n. 14.
de idade de 15 an-


Ilha de S. Miguel.
Desoja-so fallar cooi os ilhos do fallecido Joao
Jos Soarcs de Medeiros, natural da Ilha de S. <
Miguel, falleciJo em oulubro.de 1823 em Pennm- i
buco, para que vcnham lomar conta de urnas en-
comraenaas indas da raesma Ilh : a Iratar com '
CASI LIJSO-BRMEIKA,
2, Golden Square, Londres.
J. G. OLIVEIRAtendo augmentado, com lo-
. jar a casa contigua, ampias e encllenles ac-
llauoel do Reg Soarcs na ra eslreila do Rosa-1 mm >.?. i. """CI,lts ac-
rio n. II. i commodacoes para multo raaior numero de hos-
Roga-so ao Sr. I. D. C. C. estabelecido as | Pedc8~Jfl uoyt> so recommenda ao favor e lera-
. de vir & na da Praia n. 27, a negocio branca do seus amigos e dos Srs. viajantes que
ignora, nao o fazendo nestes oilo dias'
lerdo goslinho de verseu nomo por extenso nes- c
serwcose bons ofScios guiaodo-os era todas as
DIARIO DE PBRNAMrjUCO. QUaRTA FE1RA 4 DE JULHO DE 1860.
qUe n tho d.^..V"-eVoS 5;-* "* con.iouaapreslar-.hesseus
te jornal.
= Na ra Direita n. 84 tem para alugar urna C0U8as 1ue precisen! conhecimento pratico do
preta que cntende bem do arranjo de qualquer paiz, etc.: alm do portuguez e do nale falla-se
casa de familia. I na casa o hespanhol e francs.
A Y le O i agencia dos fabricantes amerlca-
Anda fgido uro molalo escuro de nome Fir-' nos Grouv* & Baker.
Machinas de coser: em casa de SarnkielP.
i JoUnston & ra da Senzala Nova n. 52.
Na ra da Cadeia do Recife n. 38, priraeiro
andar, precisa-sc fallar ao Sr. solicitador S anocl
Pereira de Magalhaes.
I Do abaixo assignado se desencaminho i urna
che, sobrado n. 40, onde se paear uualiuer des- de 280* saccada cm 6 do andante ha dous
peza. mezes c acbita pelo Sr. Jos Luiz deOliveira
O abaixo assignado, residente em Lisboa I A*evcdo. Pgvel era 6 de agosto prximo, Nao
agradece dos seus inimigos gratuitos da praca d .b1s,an,c a dUa ,elra "* estar sellada e Ir, nsfe-
i,..::?i a p elo abaixo assignado, previne-se
mino, j idoso, barbas crescidas, em mangas do
camisa e chapeo de palha. E' grosso do corpo,
e de estatura regular, c alguma cousa desdenla-
do. Est quasi sempro na Boa-Vista, por junto
da ponle e do chafariz roga-se aos pedestres de
i-lo casa de seu senhor, na ru* do Trapi-
l'ernambucb^ o elogio com que o tem brindado
naquella praca, espalhando falsamente que o
abaixo assignado era Lisbqa__se- nchava preso ;
talvez esses seus desafeicoados. quem quer que
cl.es sejam, estejam mais ueste caso, e sejam
capazes de praticar ou lnham praticado aquillo
que dizem do abaixo assignado. Lisboa 7 de iu-
nho de 1860. '
Com muita urgencia deseja-sc fallar ao Sr.
Basiliano Francisco|l'aes Brrelo, anegocio do
seu nleresse : na ra da Praia, serrara n. 55.
Roja-se aos Sr. abaixo- mencio-
nados o favor de virem ou mandnrem
saldar seus amigos dbitos a firma de
Rocha & Lima GuinarScs, boje perten-
cenes a de Martinlio & OHveira, por
compra que estes zeram da loja de fa-
zendas da ra da Cadeia n. 40, a saber:
Theraoteo Antonio d'Araujo Reg.Engenho Ara-
npe de Baixo.
Tadre Fortunato Jos de Sousa,Vigario de Ita-
marac.
Jos do Carmo.Itamarac.
Manoel Cancio Pereira dos Santos,Para.
Christovao de Hollanda Cavalcante. Cidade do
Nazarcth.
.lo.io da Silva Monteiro Pasmado.
Antonio Por Dos da Costa Lima.Cear.
Antonio Soarcs d'Almeida. Povoacao Carne de
Vacca.
I.ourenco So3res Cordeiro de MelloPassassunga.
Jos Bodrignes Revoredo.Limoeiro.
Andr Ferreira dn Mallos.Goianna.
.los Ignacio de Mello.dem.
Amaro Gomes da Cunha Rahcllo.dem.
Galdino Xavier da Costa.-Goianna Grande.
Vicente Cavalcante d'Albuquerque.Goianna.
Alexandre Correia Bezerra do Menezes.dem.
D. Ignacia Mari* da Conceicao.Barra de Goianna
Francisco Bezerra Cavalcante.
Jos da Silva Santos.Engenho Tayp.
Manoel Jos da Silva.Goianna.
JosCarneiro da Cunha.dem.
Jlc-nrique Cavalcanle d'Albuquerque.N. Senho-
ra do 0'.
Manoel Corroa d'Oliveira.
Luiz Pedro Bezerra.Goianna
Francisco Symphronio 0. Tavares.dem.
D, Irias Maris da Conceicao.dem.
Padre Graciano Gomes de S I.eitao.dem.
Simo Jos de Azevedo Santos.dem.
Dr. Jos Maria Freir Gameiro.
Antonio de Mora es Magalhaes.dem.
Jos Diniz.
Vicente Jos da Costa.Remedios.
mf>,ti @ @@@&@
C5 Dr. Larnciro Monteiro aproveitando da t
(g propon-ao que lera para mais fcilmente @
U executar oslrabalhos departo, o aconse-
( litado pelo feliz resultado que tem oblido
m em multiplicados partos laboriosos*: tem @
@ feto sua especialidade sobre este ramo
para o que poder ser procurado a qual-
quer hora, na ra do Rangel n 16. &
Sabio a luz o 3" tomo ~as biogra-
pinas de alguns poetas, e outros b mens Ilustre da provincia de Pernam-
buco, pelo co nmendador Antonio Joa-
quim de Mello. Conte'tn as biogr^bhias
le Luiz Francisco Je Carvalho Soutoi
Jeronymo de Albuquerque Marnbao,
Alvaro Teixeira de Macedo, e Joao
Antonio Salter de MendonQa ; versos,
entre os quaes 30 odes anacrenticas,
qu est
nulla quando apparecaper haver o mesn o Sr.
Azevedo aceitado oulra de igual data e quantia
do abaixo assignado.
Recite 20 de junho de 1860.Joaqun fieira
de Barros.
Bolliiihos.
Bandejas enfeiladas com diverson gostos, dos
melhores bolinhos do nosso mercado, em porcao
de libras ou a relalho, que couserv: m-se muilo
para embarque ou viagem ; as.'im como pudins.
pastis de nata, crome, tortas, ou outra qual-
quer pastelera para desserl: tambera preparara-
se bolos finos para o lempo de. S. Juo e S. Pe-
dro, das methores qualidades da massa mhada
e secca superior, ludo com o melhor asseio, e o
mais em conla do mercado, dirija-sc a ra da
Penha n. 25. n8ra tralar-se.
g@@@*@ @
I DENTES |
ARTIFICIAOS.
Ruaestreita do Rosario n.3|
Francisco Pinto Ozorio colloca denles ar-
tificiaes pelos JoussysleroasVOLOANITE,
chapas de ouro ou platina, podendo ser
procurado na sobredita ra a qualquer
hora. m
# m
m m& ii liman
Grande e novo sortimento de fazendas de todas as qua-
lidades por baratsimos precus.
Do-se amostras com penhor.
a>\
Lindos cortes de vestidos de seda pretos
de 2 saias
Ditos ditos de ditos de seda de cores
com babados
Dilos ditos de ditos de gaze phantazia
de cores
Romeiras de Ci de seda prela bordadas
Visitas de grosdcnaples preto bordadas
com froco
Grosdenaples de cores com quadrinhos
covado
Ama.
gom-
Precsa-se de urna ama para cozinhar e en
t mar, para casa de pouca familia : a tratar n loja
' de livros ao p do arco de Santo Antonio.
Dito liso preto e de cores, covado
Seda lavrada prela e branca, covado 1J e
Roga-se aos Srs. devedores a firma social | Dilalsa prela e de cores, com 4 palmos
de Leite & Correia em liquidago, o obsequio i r df la^8ura. propria para forros
de mandar salda seus dbitos na loja da ra do! ^Xata dC 8eda de gaze"traDS-
Queimado n. 10. Ditos de ditos de cambraia e seda, corle
Cambraias orlandys de cores, lindos pa-
dics, vara
Manguitos de cambraia lisos e bordados
Por mu corte de cabello e
frisaraenlo 500 rs.
Ra da Imperatriz n. 7.
Lecomle acaba de receber do Rio de Janeiro
Tiras e entremeios bordados
Na ra Nova n. 18, primeiro andar, tiram-
se retratos photographicos, em ambroly-
po, amphilypo e daguerreotypo, systema ame-
ricano. Na mesma casa encontram-se bellas
caixinhas e quadros pretos o dourados para se
collocarera os retratos.F. Vilella, photographo.
Ligues de francez e|
piano.
Mademoiselle Clcmence de Hannetot 9
i de Manncville continua a dar licoes de 3
francez e piano na cidade e nos arrabal- ^
des : na ra da Cruzn. 9, segundo andar.
ssss^ 9m& tm%& $%& ai^e jg
PROVINCIA.
O Sr. thesoureiro das loteras manda fazer pu-
blico que se acham a venda, lodosos dias noes-
criptorio das mesmas loterias na ra do Impe-
rador n. 36, e as casas commissionadas pelo
mesmo Sr. thesoureiro na praca da Indepen-
dencia ns. 14 e lGc na rja Nova n. 56, os bi-
lhetese mcios da ultima parte da oitava e pri-
meira da nona lotera da matriz da Boa-Vista
desta cidade cujas rodas deverao andar imprele-
rivelmentc no da 7 de julho prximo futuro.
Thesouraria das loterias 16 de junho de 1860
/. Al. da Cruz, cscrivo.
Nova Mel de ferro
e brome.
Ra do lU'vuvA n. %.
James E. B. Spears.
Fundidor machinista e engenheiro encarrega-
se de qualquer obra, assim como sentar vapores
de todas ai qualidades para serrara, refinacao,
fabrica de sabio, machinas para amassar pao,
. para moer mandioca, ludo por prec.o commodo,
utna noticia interetsate do levante de e conceria alvarengvs, bombas, vapores, e toda e
Goianna em 1821. e noventa "dous lua,(luerobra-
Dentista de Paris.
S 15 Ra Nova-15 S
Mantas de blonde brancas e pretas
Dttas de Ci de lnho pretas
Chales de seda de todas as cores
Lencos de cambraia de linho bordados
Ditos de dila de algodao bordados
Panno preto e de cores de todas as qua-
o primeiro contra-mestre da casa Augusto Clau- r.Ji1.?.?"* t2l2
dio.eumoutrovindo de Paris. Esta e^M^W^lt^SiT
ciraenloest hoja as melhores conJicoes que Chales de louquim brancos
possivel para salsfazer as encoraniendas dos u'|os de merino bordados, lisos e es-
objecios em cabellos, no mais breve tempo, co-
mo sejam : marrafas a Luiz XV, cadeias de rclo-
gios, braceletes, anneis, rosetas, etc ele, ca-
belle-iras de toda a especie, para honcus e se-
nhoras, lava-se igualmente a cabera U moda dos
Estados-Unidos, sem deixar urna s pelcula na
cabeca dos clientes, para salisfazer os pretenden-
tes, os objeclosem cabello sero feitcs em sua
prcsenca.se o desejarera, e achar-sc-ha sempre
urna pessoa disponivel para cortar os cabellos, e
pentear as senhoras em casa particular.
E' chegado loja de Lrcomte, alerro da
Boa-Vista n. 7, o excellente leite virginal de ro-
sas branca para refrescar a pello, tirar pannos
sardas e espnhas, e igualmente o afamado oleo
babosa para limpar e fazer crescer os cabello,
assim como pos imperial de lyrio de Florenca
para bortuejas c asperidades da pelle, conser-
va a frescura e o avelludado da primavera da
vida
ww7-
tampados de todas as qualidades
Enfeites de vidrilho francezes pretos e
de cores
Aberturas para camisa de liaho e algo-
dao, brancas e de cores
Saias balo de varias qualidades
Trela rxo, covado
Chitas francezas claras e escuras, co-
vado
Cassas francezas de cores, vars
Collarinhos de esguio de linho mo-
dernos
m completo sortimento de roupa feita
8
*
I
I
9
19200
8
3J>000
15500
10*000
16*000
11S000
t
9
9
I
I
8
8900
9

8640
I

35500
%
6000
8500
9280
8800
sendo casacas, sobrecasacas, paletols,
colletes, caigas de muitas qualidades
de fazendas
Chapeos fraccezes finos, forma moderna
L'm sortimento completo de grvalas de
seda de todas as qualidades
Camisas francezas, peilos de linho e de
algodao brancas e de cores
Ditas de fusto brancas e de cores
Ceroulas de linho e de algodao
Capellas brancas para noivas muilo finas
Um completo sortimento de fazendas
para vestido, sedas, laa e seda, cam-
braia e seda tapadas e transparentes,
covado
Metas cruas brancas e de cores para
meninos
Dilasde seda para menina, par
Luvas de fio de Escocia, pardas, para
menino
Velludilho de cores, covado
Velbutina decores, covado
Pulseiras de velludo pretas e de co-
res, o par
Ditas le seda idem idem
Um sortimento completo de lu^as de
seda bordadas, lisas, para senhoras,
homens e meninos, de todas as qua-
lidades
Cortes de colJele de gorguro de seda
de cores
Ditos de velludo muito finos
Lencos de seda rflxos para senhora
Marquezilas ou sombrinhas de seda com
molas para senhora
Sapatinhosde merino bordados proprios
para baplisados, o par
Casinetas de cores de duas largurasmui-
to superiores, covado
Selim preto, encarnado e azul, proprio
para forros, com 4 palmos de largura,
fazenda nova covado
41500 Setim liso de todas as cores, covado
Lencos de gorguro de seda pretos
Relogios e obras de ouro
Cortes de casemira de cores a
9
8j>500
9
8
9
8
9
9
I96OO
9320
15200
9700
2J0O0
19000
9
9
9
2950
9
2$00
19000
15600
9

59000
Por ora em
documentos inneditos.
raao do autor.
O Dr. Joo Ferreira da Silva mudou-seda
ra do Rangel para a do Livramenlo n. 26, so-
brado do Sr. Manoel Buarque de Macedo, defron-
te de sua anliga habilacao. A grande pralica de
auscultacao reconhecida por quasi todos os seus
collejas desta cidade torna-o recommendado no
diagnostico das molestias dos pulmes e do cora-
cao ; assim como para verificar o estado do sau-
de dos escravos que se desojara comprar. Pelo
crescido numero e variedades de operacoes que
ha feito com bom resollado em o exercicio de
mais de 20 annos, se julga habilitado para prati-
car toda c qualquer operacao cirurgica por mais
delicada e diicultosa que seja.
Aluga-se o primeiro andar e armazens da
casa n. 15 da ra do Vigario : a tratar no caes do
Ramos n.2, cscriptorio, ou ra Augusta n. 94
com Prxedes da Silva Gusmo.
54 y rTTTT-TTTTTTYTTTTrrrrrTTTTTfc
E DENTISTA FRANCEZ. 3
Paul Gaignoux, dentista, ra das La- w
rangeiras 15. Na mesma casa-tem agua e 5
+. p deulifico. -H
*AAiAAAAALlAAA Ai.XJLLXJLJLi.i.JLJLJLy
Roga-se aos Srs. devedores do estabele-
cimeato do fallecido Josda Silva Pinto, o ob-
sequio de saldare-a seus dbitos na ra do Col-
"3i vala n. 25 ou na ra do Queiro. ado loia
n. 10. J
<*> Fredcrico Gautcr. cirurgiao dentisla, J^,
jP faz todas as opcraces da sua arte e col- jk
loca denles arlificiaes, ludo com a supe- jup
rioridade c perfeicao que as pessoas en- fg
fu tendidas Ihe recohecera. ^
I Tem agua e pos denlifricios etc. yjo
Attenco.
Um moco brasileiro, com pralica de 0 anuos de
commercio nesta praca, e ha pouco desarruma-
do, se olTerecc para lomar conta de urna casa
comniercial de fazendas por. balanco, presta Cian-
ea e garante o bom desempe\iho de sua profisso:
quem de seu presumo se quizer utilisar, drija-se
a ra das Cruzes i. 4t, loja, deixando seu nome
e residencia para ser procurado,
MHMHaii-H-KKKBKK
EAU MINERALE
NATURALLE DE VICHY.
Deposito na botica franceza ra da Cruzn. 22.
Collegio de Bemflca,
estabelecido na ra da Aurora, edificio contiguo ao do
collegio das orphaas.
O director deste d'esle eslabelecimento participa que no mesmo se ensinam as disciplinas
GRANDE S0RT1MEM0
DE
e roupa Hila
POR MEDIDA.
Na Joja c armazem de Joa :juim
Rodrigues T. de Mello.
Hua Ao Queimado u. S9,
cm' sua loja Ac 4 uov\as.
Tem um completo sorlimenlo de roupas fcilas
e por medida a vontade dos freguezes : < al;as de
casemira e de brim, colletes de diversas quali-
des, sobrecasacas de muilo bom goslo, jm sor-
timento de palctots de panno e de casemira, al-
paca, laaziiiha, riscadinhos e de brim, jue ludo
se vende por preco commodo ; um comrleto sor-
lmenlo de chapos pretos de seda para homem,
de superior qualidade a 10-3, ditos de castor mui-
lo superiores a 1G!, chapeos de sol de seda in-
glezes dos melhores que tem vindo ao merca Jo,
ditos francezes de diversas qnalidades, dilos do
panno grandes c pequeos, cortes de vestidos de
seda de variados gosllos para diversos pr;cos, un
completo sortimento pe bordados e entre-meios,
golinhase manguitos, ludo por preco commodo ;
chaly deseda e la de gosto mais apurado que
tem apparecido a 1^280 o covado, chitas france-
zas muilo superiores! de 2G0 al 440 rs. J covado
de goslos muito deliciados : um grande sortimen-
to de fazendas francezas c inglezas e allomas que
seria mpossivcl aqui se poder mencionar com
precos, assevera-sc aos freguezes que ludo se
vende mais era conta que em outra parle sendo
TROFESSORBS.
Sr. Honorato Augusto
de Miranda eo director.
Leilura e escripia. ,......
Dculrina chrislaa........
Afihmelica pralica.......
Ensino primario (Grammalica nacional...... q
Geographia elementar.....%
Elementos da historia do Brasil. .
Ditos da historia Sagrada, i.....
LATIM.
Grammalica latina.......
Lalinidade. ........
Grammalica philosophica. \ O Sr. Antn
Mytologia...........(Passos.'
Poesa classica .......
Ensino secundario
io Joaquim de
Oirerece-sc um moco com pralica e later-
as, para caixeiro de qualquer taberna : quem
precisar annuncie.
Joao AlvesdeBrito vai ao Maranhao.
Ao publico.
O abaixo assignado participa ao rcspeitavel pu-
blico que aissolveram amgaveluienle a socieda-
de que tinha cora o Sr. Joio Francisco Monteiro
sob a firma de Soares 4 Monteiro, no armazem
de matenaes e carrocas. estabelecido na travessa
ao .Monteiro, cando o mesmo senhor com o es-
labelecimento e obligado por todo o passivo, as-
sim como Ihe ficou pertencendo todo o activo.
Recife, 28 de junho de 1860.
Justiniano Antonio Alves Soares.
Quem precisar de una ama secca para ser-
vico de urna casa, dirija-sc i Abobada da Penha,
no fundo da taberna.
Elisabeih Williams c I.urrclia Tasseli com
quatro menores filhos da ultima, rctlram-se para
a Europa. r
IgnorafTdo-se quem seja o rerebedor de 3
coucieiras de cantara com a marca M S N car-
regadas em Lisboa por Rodrigo da Cosa Carva-
lho no patacho portuguez (Diligente, visto tc-
rcm vindo a ordem : roga-se a quem quer que
for, se dirija ao escriptoiio da ra da Cruz n. 27
de Almeida Gomes, Alves & C.
A pessoa que annunciou urna casa terrea
na fregueiia de S. Jos, para Tender, dinia-se a
ra do Bangel n. 36.
Aluga se urna excellente o cuidadosa ama
de leite, recentimonle parida, anda nao ha um
nes, e cojo ilho falleceu na ra do Imperador n.
42 : quem a pretender, pode dirigir-se mesma
ra para tratar do ajusle e condices com que se
pretende alugar.
Os Srs. Joao da Silva Miranda e Alfredo
Cardoso Pereira lera cartas no escrial'-io da ra
da Cruzn. 27.
Olfercce-sc um caixeiro com bastante prali-
ca de psdaria, o qual d conhecimento de sua
conduela o pessoa; qucni o pretender, acnuncie
para ser procurado.
Aluga-se una casa terrea que seja noboir-
ro de Santo Antonio ou S. Jos, e que Icnha com-
modos para familia crescida, paga-se adianlado
6 mezes, e da-se fiador : quem tiver, procure o
sobrado no palco do Carmo n. 24.
Rosa Claylon relira-se para a Europa.
l'cde-se ao Sr. Jos Jacintho Pacheco que
queira responder por este Diario se o dono
do deposito da ra do Bangel n. 6, ou quem o
verdadeiro dono : islo deseja saberUm credot.
Compra-se um carro de 4 rodas, americano
ou oulro qualquer leve, que esleja em bom esta-
do : a tratar na ra da Cruz n. 4.
Coinpra-se al 8 moradas de casas terreas,
em bom estado : quem livor, dirija-se a ra do
Mondego n. 83, al 8 horas da manhaa, a fallar
com Manoel Jos da Silva Cabral.
Compram-se moedas de ouro de 20 e 10
brasileiras, c de 16 porluguezas : no escriptorio
de Manot-I Ignacio deOliveiradefrontc do Coreo
Santo.
em
de-
Vendem-se livras slerlinas em ouro :
casa de Manoel Ignacio de Oliveiroi Filho,
fronte da igreja do Corpo Sanio no Recife.
Vendem-se duis pequeas casas terreas,
cujos alugueis rorrcspoiidem a 10 por centu do
seu valor: quem pretender, dirija-so a esta ly-
pographia que se dar infonuacoes.
Vendem-sc duas pretas da Costa, mocas, e
um moleque com 4 annos : na ra Imperial nu-
mero 5!>.
Vende-se urna porcc.o de arrobas de chum-
bo proprio para derreter: na ra do Arago n. t>.
Milho.
milho a 4j600: na ra
FRANCEZ.
! cadeira, grammalica e traduccao. .
2\ dita locugao composicao e escripia .
O Sr. Francisco Antonio
Cesario de Azevedo.
O Sr. Jos Maria Ra-
monda.
O Exm. Sr.jDr. Francisco
Baltazar da Silveira, que se
encarregou d'esta cadeira gra-
tuita mente, e por especial ob-
/ sequo ao director.
ITALIANO.
Grammalica, traduccao, composijao, escripia el
,CU50...........(O Sr. Jos Maria Ra-
allfmao. /monda,
dem, id-;m, dem, idem.......j
PHILOSOPRIA. )
Philosophia racional e moral e histeria pililo-' 5r- conselheiro
a dinheiro.
Sipop du
DfFORGiGT
JARABE DO FOUGET.
Este xarope esta aprirovado pelos mais eminentes mdicos de Paris,
Icomo sendo o mellior para curar consiipacoes, losse convulsa e outras,
aUeccoes dos bronctuos, auques de peito, irritacOes nervosas e insomnolencias: urna coiterada
pela manlia, e outra a noile sao sullicientes. O eileito deste excelente xarope satisfaz ao mesmo
lempo o doente e o medico.
O dsposito na ra larga do Rosario, botica de Bartkolomeo Francisco de Souta, n. 36.
sophica
BHETORICA.
Rhtorica, potica e historia da ltteratura
GEOGRAPniA.
Geographia, historia e chronologia .
geometra.
Ariihimetica, algebra e geometra. .
Pedro Aulran,
O Sr. Vilal Ferreira
Moraes Sarment,
O Direcior.
de
Msica
FN
O Sr, Jos Leandro Mar-
, lins Filgueiras.
Bellas arles. Uansa...........I O Sr. Manoel Baptista de
(Souza.
Desenho...........I O Sr. Jos Mara Ra-
(monda.
i>. B. Todas estas cadeiros tem substitutos; portanlo nunca deixar de haver aula em to-
das as disciplinas. Alera d'isio j tres dos professores mais necessarios habitara no collegio para
que os alumnos obtenham iodo o adiantamenlo possivel.
O director do collegio de Berafica lera empregado lodos os meios ao seu alcance, nao pou-
pando sacrificios, aura de que os alumnos que o frequeniarero, aleancem a mais solida ins-
irucc.ao, a moral a mais austera e a elucacao a mais elegante.O director, Estevao Xavier da
Lumia.
r
Vendem-se saceos com
da Cadeia do Recife n. 3.
Vende-se una negrinha de 18 annos de
idade com ludas as qualidades para urna excel-
lente ama de casa de qualquer nessoa de trala-
mento : trnla-se ca travessa da ra Bella n. 6.
Milho perfeito.
Vende-so no armazem n. 1S confronte ao tra-
piche do algodao.
Veude-se urna preta mora quecozinha. en-
saboa e engomma perfeitaraente: na ra da Praia
n. 29, segundo andar.
Avisa-te 3 quem inleressar, que vende-se
urna boa armacao com lodos os perlences de Li-
berna, e aluga-se a casa propria para algura prin-
cipiante, a dinheir ou a prazo todo o nfgoci.t
se far : na ra do Arago n 8.
Precisa-sc alugar una prela escrava para o
sorylco de urna casa de pouca familia, que saiba
cozinhar, lavar eengomraar ; quem livor, di-
ja-se a ra estrella do Itosano, loja de cera.
Aluga-se
um escravo para todo scr^co de urna casa ; c
Iratar na ra da Imperatriz, loja de fazendas uu-
raero 4.
Compra-se nina burra.
Quem tiver annuncie por esta follia para ser
procurado.
O advogado Antonio de Vasconccllos Me-
nezes de Drummond pode ser procurado para o
exercicio de sua prolissao em lodos os das uleis,
das 10 horas da manliSa ale as 4 da tarde, na ra
do Imperador n. 75, primeiro andar, e tora de
laes dias e horas, em casos urgentes, na casa do
sua residencia na ra do Hospicio n. 9.
Aluga-se a excellente
perador n. 75, lado do caes
ro andar da mesma casa.
loja na ra do Im-
a tratar no priniei-
I III
Ra do Brum (passando o chafariz.)
Jio de^oxlo deste eslabeleeimenlo sempre lia grande sormeiito de me-
ehanlsmo para os engen\\os de assucar a saber:
Machinas de vapor modernas, de golpe cumprido, econmicas de combustivel, e defacillimoassento :
id agua de ierro com cubo* de madeira largas, leves, fortes, e bem balancadas;
de ferro, e portas d'aguaoara ditas, e serrillias para rodas de madeira';
nn os
Gi
Moenda inteiras cora virgens muito ortes, e convenientes ;
Meias moendas com rodelas motoraspara agua, cavallos, o bois, acunhadas em aguilhoes deazas :
laixas de ferro fundido e batido, e de cobre ;
Pares ebicas para o caldo, crivose portas de ferro para as fornalhas ;
Alambiques de ierro, moinhos de mandioca, fornos para cozer farinha
Rodetas dentadas de todos os tamanhos para vapor, agua, cavallos oubois'-
Aguilhoes, bronzes e parafusos, arados, eixos e rodas para carrosas, formas galvanizada, para purgar etc.,etc.
p.W.Bowman confia quejos seus freguezes acharo tudo digno da preferencia com
que o honram, pela longa experiencia que elle tem do mechanismo proprio para os agricul-
tores desta provincia, e pelo facto de mandar construir pessoalmente as suas obras as
mais acreditadas fabricas da Inglaterra, para onde elle faz viagem annual para o dito fim
assim como pela coutinuacao da sua fabrica em Pernambuco, para modificar o mechanis-
mo a vontade de cada comprador, e de fazer os concertos de que poderP necessitar.
POITRINAL LORIARE
FERRADORES E VETERINARIOS RECONHECIDOS E
EXPERIMENTADOS DA
ESCOLA DE CAVALLARIA DE SAUMUR,
previnem ao publico que acabara de abrir sua officina Je ferrador, na ra de Santo Amaro n. 1,
(pra?a do capim) em o barro do Santo Antonio, aonde acham-se promptos para ncumbir-s da"
ferradura e curativo dos animaes que lhes forem confiados.
so
Assignaiura de banhos fros, momos, de choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos. ,......
30 carioes paraos dilos banhos tomados em qualquer tempo......
15 Ditos dito dito dito ....*.'.
7
109000
153*000
8000
4#000
Banhos avulsos, aromticos, salgados e sulphurosos aos prejos annunciados.
Esta reduco de precos facilitar ao respeiUvel publico o gozo das vantagens que resultara
da frequencia de um estabelecimento de urna ulilidade incontestavel, mas que infelizmente nao
estando em nossos hbitos, anda pouco conhecida e apreciada.
Tendo-se dissolvdo nc-sta dala a sociedade
comniercial que nesla praca pyrava sob a firma
de Alfredo, Guilherme ftC, assim o fazemeons-
lar os aliaixo assignados, bem cmo que a liqui-
dacaoda mesma sociedade fica acardo dos socios
Belarmino do llego Barros e I)r. Joao Alfredo
Correia de Olivei/a Andrade. Recife 30 de ju-
nho de!86). J. A. Corroa deOliveira. I!e-
larmino du Reg Barros. Cuillierme Jos Pe-
reira.
Na ra do Progrcsso, no Caminho Novo,
lia para aljgar tres casinhas acabadas de novoe
bem aceiadas, com grande quintal c cacimba com
agua boa para beber : qoem as pretender, din-
ja-se a ra da Praia, armazem de carneo farinha.
Pre>ine-se em tempo que ser nullo qual-
quer negocio que se eTectue com- o sobrado do
dous andares da ra dos Marlyrios n. 2, peilen-
cente a Manoel Trancisco da Silva Cirrico. visto
achar-se arrestado ao abaixo assignado "para seu
pagamento, em virtudc dp despacho doxm. Si.
Dr.juii especial do commercio.
Francisco Jos Leile.
Quem se julgarcredor de loto Fernandes
Lopes queira apresentar-se com seus ttulos rio
prazo de 5 das, a contar da data deste, em casa
de Bernardo Jos Monteiro & Irruao. na rna du
Queimado n. 44, do contrario nao serao masal-
lendidos. Recife 3 do julho de 1660.
D. Manoela da Conceicao dos Santos Rcis
Duarle, por si e por suas duas iroidas I). Via Ma-
na Francia de Santa Bita Doarle c D. Triflna
Felomena Alhanazia de Jess Duarte, fllhas le-
gitimas de ManoclJos Duarle cD. Simplicia Ma-
ria da Conceicao, fallec la, avisara ao resi>eiln>
vel publico e a quem convier, que ninguem faca
negocio com o sobrado de dous andares e sola'o
da ra da Cruz n. 26, perlenceule as anoun-
cianles e a seu pai, embora seja feito o negocio
com seu pai ou com seu t.-no Jos Calazans Rufo
Duarle, visto que o primeiro nao fe* anda in-
ventario ; e o segundo que tem em si ha muiti.s
annos um sitio no Jang e seus rendt.nentos ai-
rea mais do que Ihe torar nos bens deixados
por nossa fallecida mal dita D. Simplicia Maria
da Conceicao,as annunciantes declaram ser maio-
res de 25 annos.
Os abaixo assignados fazem scionle ao res-
peilayel publico que dissolveram amigavelmenle
a sociedade que tinham na taberna sita na pragn
da Boa-Vista n. 15, ficando pelo activo e passivo
da casa JosDomingues da Cunha.Manoel Joa-
quim a Cunha, Jos Domingues da Cunha.


R
DIARIO DE PF.RNAMBUCO. QUARTA FRIRA 4 DE JULHO DE 1860.
Constan tcmenlc
rompra-se, vcndo-sc c troca-se oscravos : na ra
Direita d. 66, escriplorio de Francisco Malinas
Poreira da Cosa.
Uoga-se pela segunda vez ao Sr. Antonio
llonriques de Miranda o favor apparecer na ra
dos Marlyrios n. 36, a negocio que lhe diz res-
ucito.
IiOTEBIi
DA
BARATO SO NOPROGRESSO
DE
C
O Ihcsoureiro das loteras declara ^jue o pa
gmenlo dos premios da quarta parte da quarta
olera do Gymnasio Pernambucano, cujas listas
teem do ser publicadas era odia 18 do presente
niez, principia a ser cITecluado do dia 19 do mes-
Jo mez era dianto, visto como ale o referido dia
18/tfui o mesmo ihesoureiro c os mais enipre-
gados de estarem ainda oceupados corn a eon-
cluso da extraccio dos nmeros que nao forara
premiados, para assim so verificar a exaclido da
caucionada lotera.
Thesouraria das loteras 16 de juuho de 1860.
Camilla Pires.
*! lim moro habiltalo e de hoa conducta 3fc
E offerece-se para ensenar em qualquer ca- yt s.i particulada pessoas de qualquer sexo, ?&
9 prinieiras^ellras, lingua nacional, fran- w>
tf, coz, lalim, msica, Instrumental e vocal, * e bem assim copia qualquer peca de mu- eK
a muilo bem imitando a copia lilhogra- |j|
<. liada, ornando a frente da peca de ca- E>
t* racleres gticos ou de outros quaesquer rqi
1 o islo com a presteza que se exigir: a *j|
p tratar na ra larga do Rosario n. 1, pri- cjj
: iciro andar. jf)
O Sr. Jos Alfonso do Reg Barros tenha a
i ..de de se dirigir loja da ra do Crespo n.
20, que se lhe deseja fallar.
$$#$$ W9W999
Altenco.
w
m Curso pratico e tlicorico de lingua fran- @
',' ceza por urna senbora franceza, para dez
nas, segunda e quinta-feire de cada se- @
mana, das 10 horas at nicio dia : quera
;. [uizer aproveilar pode dirgir-se a ra da ^p
lg Cruz n. segund andar. Pagamentos @
C:-' allantados, j
s abaixo asMgnMjs fazem scienle ao Sr.
I.tz Jos Marques, arrematante do imposto de
20 por cenfo so!>re o consumo de espiritos de
proJucfto brasileira, que undaudo-se no ultimo
lo corrente mez o primeiro semestre de 1859 a
' porque fon o eslabo'o.cmenlo dos annun-
ciantcs, sito no largo da Penha n. 8. colleclados,
que daquella data em diante nao Ihes convm
I 'ii'm em seu estabelecitnenlo mais some-
lliantes espiritos, por isso o previne de que nao
llcclom para osgundo semestre, e deque
nbem oo produz a justifica;o que o mesrao
Sr, Marques tem exig lo de alguna contribuirles
o nao se acharem nssascireumstancias, pois
lal juslilicacao s se llovera entender para com
aquellos que oslando collectados quorera dexir
ii vpnder o nao com aquellos que deixam de
r polo faeto do se nao collcctar romo os an-
:iante's. Recito, 23 de juuho de 1860.Duar-
te lrmao.
COMPANHIA
--Largo da Penlia--
Neste armazem de molhados con-
linua-se a vender os segnintes gneros abaixo mencianados de superiores qualidades e nais barato
do que em outra qualquer parle, por serem a maior parle delles recebidos em direilura por conta
dos proprietarios.
Manteiga ingYeza e franceza
perfeilamenle flor a mais nova que tem vindo ao mercado de 640 a 800 is. a libra e em barril
se tac algum abalimenlo.
QueVJos ftamengos
muilo novos recentcmente chegados no ultimo vapor da Europa de 1$700 a 3f e a vis'a do gasto
que o freguez fizer se ar mais algum a batimento.
Queijo pralo
os mais novos que exislcm no mercado a 1JJ a libra, em porgo se far abatimento.
\uveVxvs francezas
em latas de 1 1|2 libra por 1$500 rs., e em campoteiras de vidro contendo cada una 3 libra
por 33000.
Muslarda Ingleza c franceza
em frascos a 640 rs. e em potes franceza a 800 rs cada un.
Ver&adeivos figos de comadre
tu caixinhasde 8 libras elegantemente enfeitadas proprias para mimo a 1$600 rs.
Bolacninna ingleza
a mais nova que ha no mercado a 240 rs. a libra e em barrica com 1 arroba por 4$.
Potes vVdrados
de 1 a 8 libras proprias para manteiga ou outro qualquer liquido de 400 a 1#000 rs. cada uro.
Amendoas confetaas proprias para sortes
de S Joao
a lg a libra c cm frasqunhos, contendo 1 1|2 libra por 2J.
C\\ pvet o. nyson e perola
os melhores que ha neste mercado de 1}600,2# e 2j>500 a libra.
Macas ca caixnnas de 8 \V\>ras
conlendo cada una dilTerenles qualidades a 4#50O.
Palitos de denles lidiados
em molhos com 20 macinhos cada um por 200 rs.
Tijolo francez
proprios para lmpar faca a 200 rs.
Conservas inglezas e francezas
em lalas c em frascos de dilTorcnles qualidades.
Presuntos, cnonricas e naios
o mais novo que ha nesle genero a 480, 640 e 720 rs. a libra.
l^atas de liolaclvinlia de soda
de dinVronlcs qualidades a I96OO cm porcao se far algum abatimenlo.
Tambem vendem-sc os segnintes gneros ludo recenlemente chegado e de uperio-
res qualidades, presuntos a 480 rs. a libra, chourica muilo nova, marmelada do mais afamado fa-
bricante de Lisboa, maca de tomate, pera secca, pasas, frtelas em calda, amendoas, nizes, frascos
Barassimo.
Ra do Queinimio d. Vj.
Armazem de fazendas.
Chitas francezas finas de padies miudinhos
220 o corado, peras de chita com 38 corados por
5$800.
Coberta a 2#000.
Coberlas chinezas muilo lindas a 2J.
Riscado francez a 2$000.
Corles de riscado cora 13 1(2 covados por 2J.
Lencos brancot a 2j>'()00.
Lenjos para algbera a 2 a duzia.
Algodo monstro a 600 rs. a vara.
Chales de merino a 2#500.
Chales de merino estampados a 2$500.
Casemira preta 6#000.
Corles de casomira preta Cna a 6$, palelots de
brim a 3$, fil de linho fino a 800 rs.
^Cambraia de cores a 160 rs.
Cambraia decores muilo fina com defeito de
agua dece a preco de 160 o covado.
= Ganga de cor e brim de linho muilo fino a
500 rs. o covado.
Semea
de superior qualldade, e muito propra para en-
gordar animaos, em sacaos grandes ; no arma-
zem de Antones Guiniaraes & C, no largo da
Assembla n. 19.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa : em casa de S. P. Jo-
hnston & C. ra da Senzala n. 42.
Verdadeiras luvas de Jovin de to-
dasas cores, ra da Imperatriz n. 7,
loja do Leconte.
Barato.
Leite, lenha e ructa
No sitio do fallecido visconde de Goianna, na
estrada de Juo de Barros, ha pata vender leite
puro, lenha de malla, e fructas do differentes
qualidades, por preeo commodo, de modo que
pode se revender nesla cidade e tirar bora ganho.
REMEDIO INC0MPAHAVEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Milharesde individuos de todas as nacOes po-
dem teetemunhar as virtudesdeste remedio in-
comparavel e provar em caso necessario, que,
pelo uso que delle fizeram tem seu corpo e mem-
bros inleiramenle saos depois de haveremprega-
do intilmente outros tratamentos. Cada pesoa
poder-se-ha convencer dessascura maravilhosas
pela leilura dos peridicos, que lh'as relatara
todos os dias ha muitos annos; e a maior parte
della sao to sor prendentes que admiran; os
medico mais celebres. Quantas pessoas reco_
braram com este soberano remedio o uso de seug
bracos e pernas, depois de ter permanecido lon-
go tempo nos hospitaes, onde de viam soffrer
amputa^ao I Dellas ha muitasque ha vendo dei-
xado esses asylos de padecimentos, para senao
submetterem essa operagao dolorosa foram
curadas completamente, mediante ousodesse
preciosoremedio. Algumas das taes pessoa na
enfuso de seu recouhecimento declararam es
tes resultados benficos dianle do lord correge-
dor e outros magistrados, aflm de mais autenti-
carem suafirrnativa.
Ninguem desesperara do estsdo de saudc sa
ivesse bastante conflanca para ensaiar este re-
medio constantemente seguindo algum lempo o
raentratatoquenecessitasse x natureza do mti.
cujo resultado seria prova rincontestavelmeute
Ouetudocura.
O uasuento e til, mais particu-
lariueute nos seguintes casos.
Alcatifa.
W Campos & Lima, na ra do Crespo n.
16, lem para vender alcatifa com 4 pal-
mos de largura de muilo boa qualidade
e propria para alcatifar, salas e igrejas a
j sr
SKM
Alporcas
Caimbras
Callos.
anee res.
Cortaduras.
ores de cabega.
das costas.
dos menibros.
Ln|errnidades da cutis
em geral.
Ditas do a us.
Erupces e escorbti-
cas.
Fistulasno abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva escaldadas.
l"chacoes
Inflammaco dofigado.
LOJA DO VAPOR-
Grande e Taado soriimcnlo de calcado fran-
cez, roupa feita, miudezas finas c perfumaras,
ludo por menos do que em outras partes : na lo-
ja do vapor na ra Nova n. 7.
SYSTEMA MEDICO DEII0LL0WAY.
PILULAS HOLLW0YA.
Esteinestimavelespecifico, composlo intera-
mente de hervas medicinaes, nao contm mercu-
rio, nein alguma outra substancia delecteria.Be
nigno mais tenra infancia, e a compleiclo mais
delicada igualmente prompto c seguro para
desarreigar o mal na complei^o mais robusta ;
inteiramente innocente em suas operares e ef-
feitos; pois busca e remore as doenca3 de qual-
quer especie egro por mais antigs e ienazes
queseam. ^
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam as portas da
morte, preservando em seu uso : conseguiram
recobrar a saude e tarcas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais afilelas nao derem entregar-ye a de-
sespera^ao ; fa$am um competente ensaio dos
efllcazes effeitos desta assombrosa medicina, e
prestes recuperarao o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
para qnaiquer das seguintes enermidades :
Inflammaeao dabexiga.
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos peitos.
de oihos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmes.
Queimadelas.
Sarna
Supuraeoes ptridas
Tinha, era qualquer par-
te que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
dofigado.
das articulaces.
V'eias torcidas ou noda-
das as pernas
Eslabelecida era Londres
u:

m m mu.
:apital
Laazinhas para -vestido a 320
rs., e toalhas de liaho a
800 rs.
laazi-
com amendoas coberlas", confeltes, pastilhas de varias qualidades, vinagre branco Bordaaux.proprio nhas muilo finas para vestido, e r
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de S. Flix, magas de todas as quairdades.gom- P^]0 i,"ji)s.simocP,r1p-0 dep-
ma muito fina, ervlhas francezas, champagne das mais acreditadas marcas, cerveas de ditas,
spermacetebarato, licores france/.es muito finos, marrasquino de zara, azeiledoce purificado,azei
louas muilo novas, banha deporco refinada e outros muito gneros que encontrarlo tendentes a
molhados,por isso promeltem os proprietarios venderem por muito menos do que outro qualquer,
promeiem mais tambem servirem aquellas pessoas que mandarcm por outras pouco p -ticas como
e vessem pessoalmente ; rogam tambera a lodos os sanhoresde engenho e seiihor;s lavradotes
queirm inanJarsuas enconiraendas no armazem Progrcsso que se Ibes alliani.-a a boc qualidade e
o acondiciouamento.
Na ra do Queimado n. 19, vendem-se
e para m
rs. o covado, toa-
has de linho a 800 js. cada urna, coberlas a chi-
neza, de chita muito fina a 2#.
PotassadaRussia
E CAL DE LISBOA.
Vende-se este ungento no estabecimento
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do snl.Havana e Hespanha.
Vende-se a800 rs., cada bocetinha contm
urna lnstrucco em prtuguez para o modo de
fazer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico. na ra da Crun. 22. em Per-
nambu.io.
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas. *
Areias(malde).
Asthma.
Clicas
Conrulses.
Debilidade ou extena-
cao.
De'bilidade ou falta de
tarcas para qualquer
cousa.
Dysiuteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza norentre.
Enfemiidades no rentre.
Ditas no figado.
Oitas renereas.
Enxaqueca
Herysipela.
Febre biliosas
Febreto internitente.
Febreto da especie.
Golta.
Hemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestoes.
Inflammaces.
Ir r eg u laridades
menstruaco.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchasnacutis.
Obstrucao devenlre.
Phtysica ou consump-
pulmonar.
Betencao de ourina.
Bheuraatisrao.
Symptomas ecunda-
rios
Tumores.
Tico doloroso. .
Ulceras.
Venreo (mal).
f
iaeo salWi^es de lilivafl
steriiiias.
5 ti flers Brothers fi C." tem a honra deln-
^r aesSis. negociantes,_ proprietarios de
, ca :ivior, que estao plena-
i ote ilorisados pola dita companhia para
luai seguros sobre edificios de lijlo epe-
, cobertos de telha c igualmente sobre os
:los qui coutirerem os ir.c-smos edificios
qi r consista era mobilia ou em fazendas de
ii '>alidade.
i'.iisnllorio central lioiueopatliicoj
i IPlMSt^lDC. I
;. Continua son a mesma direccio da Ma- P?
noel de Maltos'Teixeira I.ima| professor @
C; em homeopathia. As consultas como d'an- 5
les. ^
:: -- i


Botica central homeopathica
Do E
DR. S.VB1S0 0, L PIMO g
Novos medcamentoshomeopathicos en- (
adosda Europa pelo Dr. Sabino. y Esles medicamantos preparados espe- r
a caloiente segundo as necessdades da lio- f*
meopaihia no Brasil, vende-se pelos pro- *
r,.; 50S cenhecidos na bolica central heneo- @
(' pathica, ra de Sanio Amaro (Mundo No-i
: 'o) 6- I
Roga-se ao Sr. Jos Monjos Rodrigues
ello que lenha a bondddo de apparecer na
ra do Queimado n. 46, loja, que se deseja fallar.
Lices de desenlio
o
e pintura.
I". Gonaz, ex-doserihisla da comniissao aslro-
nomica de Olinda, e antigo professor de dese-
1.1.0 cm alguns CoUegios da corte do Rio de Ja-
ro durante seis annos, ensina em casas part
' ulares ou em colleglos desenho e pintura nos
ros : flores, paisagens ou figuras. Hotel da
Europa, propriedade de Mr. Louis I.uech.
.1o.= 1.upes Davim declara ao corpo do com-
mercio c ao publico em geral, que o annuncio
publicado hoje {SO de }iinho{ neste Diario, cm
S tuza & Lopes faiom scienle harerem dis-
sulvido amigare!mente a sociedede gue linbam
na tabeAia n. 18.da ra do Rangol. falso e dcs-
1 de lodo o direilo commerciol, por quonto
a feilo sem consenso do annunciante, que
socio gerente de dila casa.
Antonio Ferreira Lima avisa ao respetavcl
publico 4110 deixou de ser seu caixeiro desde 27
de juuho prximo passado o Sr. Francisco de
Olireira.
Roga-se ao Ulm. Sr. Dr. Jos Coelho de
Olireira, que tem educado pequeos em diver-
sos lugares, queira por esta folha annuncier sua
residencia para ser procurado, que se lhe quer
fallar a negocio de seu ititetesse.
Cedo-se, mediante urna pequea luva, urna
easa terrea 110 becco do Padre ; a tratar no mes.
co becco n. 9.
Precisa-so de urna ama forra ou captiva pa-
ra o serrteo de una casa de pouca familia : quem
esti'rer nestas circunstancias, dinja-se a ra das
Cruzes, sobrado junto a ordem terceira. de S.
Francisco n. 2, no primeiro andar, que achara
com quem tratar.
Itoga-se ao Sr. Candido Augusto de Medei-
tos, da villa do Pilar, provincia da Paralaba, o
fayor du vir ou mandar ra do Queimado n. 27,
loja de miudezas.
Na estrada do Manpuinlio, sitio
da viuvaCarvaJIo, ha para se alugar
urna escrava rccolliiaa, que faz todo
servico de casa, engomma, cosinlia e
cose.
Agencia de passaporte c folha
corrida.
Claudinn do^l^ego Lima lira passaporle para
dentro e forado imperio, por commodo preco c
presteza : na ra da Praia, primeiro andar nu-
mero 43.
Aluga-se por proeo commodo o armazem n.
2S, silo no caes 22 de Novembro ; a tratar em
casado fallecido commendador Luiz Gomes Fer-
reira. no Mondego.
f':?>f* @<"^ @.g
Dr. Augusto Carneiro Monleiro da Silva
@ Santos, medico operador e parleiro pode
!5 ser procurado na casa Je sua residencia {5
* na ra do llangel n. 1C.
;;;y@s @@*^
Novena de N. S. do Garmo
Aeha-se venda a novena completa eredigida,
segundo utam os reverendos Carmclilus da cida-
de do Recite, .nssm como os versos, salve, etc.,
e tambera a exposicao do excapullario, na ra do
Imperador n 15.
Jos Escunha Millo, subdito Napolitano, re-
tira-se para Macei.
Oll'erecc-se um moco para caixeiro de taber-
na, da qual tem bastante pratica, c d fianea a
sua conduela : quem precisar do rr.csmo, pode
dirigr-sc a ra da Senzala Vclha n. 104.
Prcci-se de urna ama para criar e tratar um
menino recemnascido, que dever ter boj leite :
a cnlender-se na casa assobradada que fiea ao
norte da fabrica do gaz, a margera do.rio, com o
abaixo assignado.
Luiz Manoel Rodrigues Valenra.
Sr. Hermenegildo Fernando de Sou'za Lobo
deixou de ser caixeiro de Vicente Ferreira da
Costa desde o dia 20 do cotrcnle mez.
Souza & Lopes fozem scienle ao rcspclavel
corpo do commercio, que dissolveram amigavel-
mentc 1 sociodnde que linham na taberna sita na
ra do Rangel n. 18, ficando o activo e passivo a
Allieneu Pernainhecano.
No bem conhecido e acreditado deposito da
ra da Cadeia do Recite n. 12, ha para vender
i potassa da Russia e da do Rio de Janeiro, nova
e desuperiorqualidade, assim como tambem
cal virgem em pedra: tudo or urecos muito
Aviso aos raembros d? sociedide Aiheneu i z a^,eis,
Pernambucano que no dia 15 de ju.ho, em vir- ~7 "ende-se um carro de 4 rodas, bem cons-
tude do disposlo noart. 2 cap 4 til. 2 dos esta- 'r"'do e forte, cem assento para 4 pessoas de
lutos que a regem, se proceder a eleif;ao da me- dentro, e um assento para boleeiro e criado fra,
sa e commisses que tem de eslar em exercicio 'orrado de panno fino, e tudo bem arranjado :
at marcp futuro.
Secretara do Alheu Ternambucino 30 de ju
nho de 1860.O primeiro secrelarij, Manoel Eu- !
phrasio Corroa.
Aluga-se o terceiro andar da easa da ra da
Imperatriz n. 47, a familia honesta : no segundo
andar da mesma.
Perderm-se 4 leitras vencidas hoje 30 de
junho, sendo urna da qoailia de 6(5S260 rs., ac- :
ceila por Antonio de Bezerra do Menezes Lyra : I
outra de 667j)90C rs., aceita por Joiquim Ferrei-
ra de Sa ; outra de 3353 aceita pot Antonio Pe-
reira da Silva ; outra do 5103120 rs., aceita poi\
Francisco Jos Rodrigues Bastos, liadas estas lel-
tras sao sacadas por Henry Bruno &. C.hoje Kalk-
man & Irmaos i C. e endosadas por Antonio
Lmigdio Itibeiro, pois foram compradas no sen
cambio ; j estao prevenidas lodas as firmas alim
de s serem pagas ao abaixo assignado, deca- i
raudo o mc-smo abaixo assignado queso lhe falta
recbela de Antonio Bezerra de Menezes Lyra j
da quanlia de C5;200 rs., pois que us outros j
lhe pagaram reconhecendo ser o rbaixo assigna-
do n seu legitimo possuidor. Recife 30 de junho
do 1860.Joo da CuohaSoares Guimaraes.
Precisa-se de urna ama forro ou captiva pi-
ra casa de pouca familia : na ra de llortas Da-
mero 16.-
Pede-so ao Sr Jos Mondes rodrigues Cam- i
pello o favor de apparecer na ra dos Marlyrios!
n. 36, a negocio de sen inleresse.
Roga-se ao Sr. Antonio Tibircio da Costal
Montoiro o favor apparecer na ra dos Marlyrios,
n.36, para se lhe entregar um3 ctrta.
Terra-feira 3 de julho, depois da audiencia
para fallar, com
42 ra da Cruz.
o Sr. James Crabtree & C. n.
5*
CRAXDE SORTIJIEXTO
DE
IFazendascokasfeilis.
NA
cargo do socio Manoel Alves de Souza.
Roga-se ao Sr. Andt do F. queira Irazer
as facas que podio para mostra, ou o dinheiro,
pois j fazeml4 dias, senao se declrala seuno-
me por extenso
Joaquim da Silva Torres, lendo de fazer
urna viagem ao Aracaly, deixa durante a sua pe-
quea ausencia por seu procurador o Sr. Fran-
cisco Pinto Ribeiro Guimaraes.
O abaixo assignado, cncairegado da desin-
fncoao como dove constar aos scnliores inspecto-
res de quarleirao, pela circular do Illm. Sr. Dr.
chefe de polica aos scnliores subdelegados, a
qual datada de 10 de maio torrente, faz scien-
le aos scnliores inspectores, que logo que se do-
re ra casos do angina, escarlatina e outras moles-
lias que grassam epidmicamente, aviscm ao
mesmo abaixo assignado para mandar proceder
dosiufeccao como por ordem superior foi deter-
minado.Jos da Rocha Paranhos.
Aluga-se parle do primeiro andar de um
sobrado na roa da Cruz do Recife, consistndo
em urna sala com quarlo, propria para escriplo-
rio ou morada dchomem solleiro : quem preci-
sar drija-se ra da Cruz, armazem n. 11.
Na ra da Praia n. 45 segundo
andar, borda-se tanto a ouro como a
seda capas para magens, gorros
etc., etc.
do juiz de paz do 1." dislricto de Santo Antonio,, ? r*
as 2 horas da tarde, vao psaca para serem ar- ,
DE
IGes &Basto j
IS'a ra do Queiraad) n.
46, frente amarella.
; Grande e variado sorlimento de sobre-
casacas e casacas de pannos linos pretos
e de cores a 289. 30J e 35?. palelots dos
mesmos pannos pretos e de cores a 28$,
l 203^29e 25,ditos de casemira msela-
dade.
H Para senhoras. ^
fRocebeu-se pelo paquete francez Bour- \^
us Rdouine [capas para passelo c sahi- Jg
da de thealrr) a 30^ cada urna y/
LOJA DE MARMORE. S
Palliadecar-
naba
por barato proco, em porces ou a retalho : no
armazem de Antunes Guimaraes t C, no largo
da Assembla 11. 19.
Champanha, 1
Campos & Lima, na ra do Crespo n. ?c
16, tem para vender urna norco de gi- a
a gos cem champanha de superior quaii- *C
H dade a 203 o gigo. II
rematadas 9 cadoiras de condur com assento de
palhinha, duas banquinhas da n esma madeira
com lampos de marmore, e dous pares de Lin-
ternas, por execucao do Monleiro & Soares con-
tra o seu llovedor Joo Gonralves Ferreira.
Compras.
Precisao.
Na ra da Traa, taberna n. 39, precisa-so do
um pequeo de idade de 12 a 14 annos, sendo
Portuguez, para ser caixeiro cm una taberna na
Escada.
PF.RDA.
Perdeu-se no dia 19 de junho, da praca da Boa-
Vista, ra da Imperatriz, Nova, do Rosario, bec-
co do Sarapatel e ra da Praia, 25550OO, sendo
quatro notas de banco de 503. e o restante em
sedulas de 5$, cmbrulhdas em papel amarello :
quem as tiver aohado equizer 4er a caridade de
restitui-las a seu dono, um pai de familia pobre,
pode-o fazer na ma Nova de Olinda, sobrado de
va^anda de pao, ou no Recife, ra da Aurora, ao
Sr. Domingos Aolunes Yillaca, que ser recom-
pensado.
Compram-se es-
cravos.)
Corapram-se, vendem-se e tyecam-se escra-
ros, na ra do Imperador n. 79, primeiro andar I
Compram-se effeciivamenle meias garrafas [
que foram de champanha : na rui larga do Ro-
sario n. 36. botica.
Compra-se
o guarda livros moderno ou curso com-
oleto de instruccoes elemantares sobre
as operacoesdo commercio, por Manoel
TeixeiraCabral de Mendonqa : na pra-
r;a da Independencia livraria n. 6e8.
Vendas.
wsmnk
DO
Rio de Janeiro
Aos 20:000$, 10:000?, 4:000$
e 2:000$.
Na praca da Independencia n ti, acham-se a
venda os "bilhetes, meios c quartcs das loteras
44 da casa do co'rrecco e 33 das casas de cari-
dade timbrado por Santos Vieira.
":f Reccheii-sc pelo ultimo pa]uete Bonr- Qi
I* us, para sabida de thcatro vestidos do
JJ seda de cores e outros arligos para senho-
9 ra, ludo do ultimo goslo & duqueza de &
Comberland (g
Loja de marmore. g
s desupcrioi goslo a 163 18$, ditos
355 das mesmas casetuiras saceos modelo
Ji inglez IOS, 125, 14 e 15, ditos de al-
rt> paca preta fina saceos a 4, ditos sobre-
P casa tambem de alpaca a 7g,83c 9$, di-
5> los de merino setim a 10j, ditos de me-
M ri de cordo a 9J. calcas prelas das
* mesmas fazendas a 5 e 63, colleles pa-
^ ra luto da mesma fazendi, palelots de
"*) brim trancado a 5, dilos pardos e de
fusto a 4 e 5$, calcas de casemira do
i cor e prelas a 7, 8] 9$ c 10$, dilos das
mesmas casemiras para menino 3 6$, 7
e 8, ditos de brim para homem a 3,
| 3500, 45 e 5S, ditos brancos finos a 5,
63 e 7#, ditos de meia casemira a 4 e
59, colleles de casemiras prela e de co-
res a 5g, e 6-3, dilos de gorgurao de seda
brancos e de cores a 5 e 6g, dilos de
rclludo prelo e de cores a 9,j e IOS, dilos
"e brim branco e de cor a3j, 3$500 e4,
p\lilots de panno fino para menino a
16 e 18, ditos de casemira do cor
a g, 85 e 9$, ditos de alpaca a3e3$500,
sobrecasacas de alpaca tambera pa.-a me-
nino a 5 e 6, camisas para os mesmos
de cores e brancas a duzia 15$, 16> e 20,
meias crues o pintadas para menino de
lodos os lamanhos, calcas de brim para
os mesmos a1g500 e3. colariuho de li-
nho a 600Oa duzia, toalhas de linho pa-
ra maos a 900 rs. ca ia urna, casaveques
de cambraia muilo fina e moderaos pelo
diminuto proco de 123, chapeos com abas
de lustre a 5, camisas para homem de
| todas as qualidades, seroulas para ho-
5 moni a 16, 20 e 25 a duzia, vcslimen-
jlf tas para menino de 3 a 8 annos, sendo
B calca, jaqueta e coletos ludo por 10, co-
j| bertas de fustao a 6, toalhas de linho
Mpora mesa grande a 7 e 8, camisas in-
glezas novamenlc chegada a 36g a duzia.
u%&mmwa mam i&i-mmm
Vende-se por commodo preqo um
Gno apprelho de porcelana, mandado
vir de encoramenda, constando de tres
ricos servidos para cha', almoco ejan-
tar : na ra da Cruz n. 61, armazem.
Farelo (lo Porto,
em saceos muito grandes, ltimamente chega-
dos : vende-se na ra do Vigario n. 9, primeiro
andar, escriplorio de Carralho Nogucira & Com-
panhia.
Attenco
Vende-se a armacao da taberna do pateo do
Terco n. 28, a dinheiro ou a prazo : a tratar oa
ra das Cruzes h. 21.
Fazendas finas e
roupa feta.
Augusto & Perdigo.
Com loja na ra da Cadeia do Recife n. 23
vendem e do amostras as seguintes fazendas :
Corles de vestidos de seda pelos e decores.
Corles de ditos de barege, de tarlalana e de ga-
ze de soda.
Cambraias decores, brancas e organdys.
Anquinhas para saias, saias balao, de dina, ma-
dapolao e bordadas.
Lencos de labyrintho do Aracaly e francezes.
Chapeos amazonas de palha e de seda para se-
nhoras e meninas.
Enfeites de froco, de vidrilho e de flores.
Pentesdo tartaruga, imperatriz e outros gastos.
Manguitos e golas, ponto inglez, francez e'mis-
sanga.
Vestuarios de fustao, de l e de seda para
crianca.
Manteletes, taimas e pelerinas de djTorcnles qua-
lidades.
Chales de touquim, de merino e de l de pona
redonda.
Luvas de pellica brancas, pretas e de cores.
Vestidos do blond, mantas de dito, capellas c
fiores solas.
Sinluroes, camisas de linho e esparlilhos para
senhora.
Perfumaras finas, sabonetes e agua de colonia.
Casacas, sobrecasacas e palelots de panno preto
e de cor.
Paletoisde alpaca, de soda e do linho.
Calcas de casemira de cor, pretas e de brim.
Camisas de madapolfio, de liaho inglez e de lia.
Seroulas de linho e de meia.
Malas, saceos, apclreixos para viagem.
Chancas para invernos, bolinas de Meli e outros
fabricantes.
Chapeos do Chyli, de massa e de feltro para ho-
mem.
Charutos manilha, harana. Rio de Janeiro e
Babia.
Loja da boneca ruada Impe-
ratriz n. 7.
Vendem-se caixasde tintura para tin-
gir os cabellos em dez minutos, como
tambem lingem-se na mesma casa a
qualquer bora.
Aossenhores logistas de miudezai.
Bicos pretos de seda,
Ditos brancos e pretos de algodao.
Luras pretas de torzal.
Cintos elsticos.
Linhas de algodao em norellos ."rendem-ss
por precoa commodos, em casa de SoulhallMel-
lors St C, ra do Trapichen. 38.
Amendoas confeitadas para ?or-
tes tle S. Antonio, S. Joao e S. Pedro e
tambem pora presentes a 2$ o frasco,
vende-se na loja de Leite & Irmao, vu a
da Cadeia do Recife n. i8.
Vendem-se estas pilulas no estabelecimento
geral de Londres n. 224, tSlrand, e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua renda em toda a America do
Sul, Harana e Hespanha.
Vendem-se asbocetidhas a 800 rs. cada urna
dellas, coHtem urna instrucc.o em portuguez pa-
ra explicar o modo de se usar destas pilulas.
O doposto geral em casa do Sr. Soum
pharmaceutico. na ra da Cruz n. 22. em Per-
namb o.
Pede-se toda attenco.
Na loja d'aguia de ouro, na ruado Cabug n. 1
B, rende-se tudo por procos baratissimos para
liquidar, assim como seja :
Fitas efranjas.
Fila de velludo de todas as larguras, abortas e
lisas, do lindos padrees.
Franjas de seda de todas as larguras e de lin-
dos gostos.
Ditas de laa e seda por proco que admira.
Ditas de linha para casaveque.
Ditas de algodo para toalha e para cortinado.
Trancas de linho e de laa brancas e de cores.
Pentes.
Pontes de tartaruga virados e lisos.
Ditos de massa virados a imilacao de tartaruga.
Dilos lisos para atar cabello.
Ditos de desembarazar cabello.
Para baldes.
Molas para fazer baloes, vendem-se a 160 rs. a
vara, ou peca de 50 molhos a 6.
Bicos.
Bicos de sedado tidas as largurase lindos pa-
dres.
Ditos de algodo.
Loques muilo finos.
Capellas brancas para noi-va.
Chapeozinhos para crianca.
Riqnissimos quadros para enfeile de sala, as-
sim como redomas com flores.
Assim como perfumaras muito finas, e mais
objeclos que vista do freguez far-se-ha todo o
negocio
ffia> otc&arTLii>C3icaG>iii'.ii}"ji>:
S Seguro contra Fogo 1
i COMPANHIA
ra
I LONDRES
AGENTES
| C J. Astley & Companhia. J
V
para
se
I Formas de ferro
purgar assucar.
! Estanto em barra.
Verniz copal.
| Vinhos finos de Moselle. |
| Enchadasde ferro. |
1 Brim de vela.
I Folhas de metal.
1 Ferro sueco.
1 Ac de Trieste.
Pregosde composico.
| Lona ingleza : no arma-
| zem de C. J, Astley & C.
5,500 RS.
por sacco com farinha : vende o Brandao, na Lin-
goela n 5.
Botica.
Bartholomeu Francisco de Souza, ra larga
do Rosario n. 36, rende os seguate medica-
mentos :
Rob L'Affecteur.
Pilulas contra sezSes.
Ditas vegetaes.
Salsaparrilha Bristol.
DitaSands.
Vermfugo inglez.
Jarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febres).
Ungento Holloway.
Pilulas do dito.
Elliiir anti-asmathico.
Vidrosde boca larga com rolhas, de S on^as a
U libras.
Assim como tem um grande sortimenfo de pa-
pel para forro de sala, o qual rende a mdico
prec,o
Vende-se um diccionario latino Magnum Le-
xicn, usado : na ra Direita dos Afogades, ta-
berna do Silvano.



FUNDiQ&O OAURORA. Aviso.
DIARIO DE PERNAMBUCO. -- QUARTA FElfU 4 DE JULBO DE 1860.
.i Seus propnetanos offerecem a seus numerosos freguezes e ao publico era geral, toda e
ffln/,renUrnaHCarH.da em "" rcconhecid es^elecimento a sabor: machinasde'vapor de
todos os tamanhos rodas d agua para engenhos todas de ferro ou para cubos de madeira moen-
han.^mhe'amShTendfS laCa? de ferr{,^ltld0,e fu"do de todos os tamanhos, guindas tes, guin-
chos e bombas, rodas, rodetes, aguilhoes e boceas para fornaiha, machinas
aioca e para descarocar algodo, prendas para mandioca e oleo de nciui o
deseos ou moldes que para tal fim forera .preJnVdTT^baSciS naTnest -*
belecimenlo na rua do Brura n 28 A e na ra do Collegio hoje do Imperador n.65moradia do cat
para amassai man-
porles gradara, co-
Viiilio de Boriieaox.
Em casa de Kalkmann lrmos& C, ra da
Cruz n. 10. encontra-se o deposito das bem co-
uhecidas marca dos Srs. Brandetiburg Frres.
e dos Srs. Oldokop Marcilhac & C, era Bor-
deaux. Tem as seguinles qualidades :
De Braudenburg frres.
St. Estph.
St. Julicn.
Margaux.
Larose.
Chteau Loville.
Cli.'tteau Margaux.
De Oklekop & Maieilhac.
St. Julien.
.St. Julie Mcdoc.
Cliateau Loville.
Na mesma casa ha para
vender:
Sherry em Larris.
Madeira em barris.
Cognac cm barris qualidade fina.
Cognac em caixasq*alidade interior.
Cerveia branca.
Relogios
Suissos.
J. Falque participa aos seus fnguezes que elle
acaba de leceber pelo vapor nincez Guiene,
um pequeo sortimento de luvas de pellica Jou-
vin, botinas Mellis pora homen, dilas todas de
duraque prelo e de cor para senhoras; assim co-
mo por todos os vapores recebe um sortimento
destes e oulros objeelos, que vender sempre por
preco razoavel.
Ferros de en-
gommar
econmicos
a 5#000.
Estes magnificos fer-
ros acham-se a venda
ite
VJf9
*&=
wSS
/su
III;
fe J5. ,1. i

''4
m
i&
GRANDE ARMAZEM
DE
6*3X5=
Em cosa de Schafleillin & C, ra da Cruz n.
38. vende-seum grande e variado sortimento de
relogios de algibcira horisontaes, patentes, chro-
nometros, meios chronometros, de ouro, prala
dourada efolheadosa ouro, sendo estes relogios
dos primeiros fnb rica ules da Suissa, que se ven-
aciao por procos razoaveis.
Trapiche de depsitos, al-
fandegadon. 19.
Pedras baratas.
Relogios potentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas4aglezas.
Peitosaracamisas.
Biscomos.
Eirtjcasa de Arkwight & C, i
Cruz n. 61.
Bezerro francez
grande e grosso :
De -i* e 5*.
Na ra Direita n. 45.
Vondom-sp 8eseravas com habilidades e sem
ellas de 15 a 40 annos, de 800 a 1:500, um e-
cravo de 3 annos, bom cozinheiro, por 1.300$,
um mulato de 22 anuos por 1:300-5, e mais al-
guiis escravos baratos que se venden), tanto o
prazo como a dinheiro, na roa Direila, no escrip-
lono de Francisco Malhias l'ereira da Costa.
Farello de Lisboa
a 5,000 rs.
Na na-do Vigario n. 19, pnmeiro andar, ven-
le-se farello ltimamente cliegado, assim como
Cal virgcm.
Vende-sc um escolenle deposito com al-
guns gneros, e urna boa armario, boa casa, en-
cllenlo localidade, leudo duas entradas, urna
I" la ra do Imperador e nutra pelo Caes de 22
oe \ neml.ro para comniercio, um dos primei-
rus estabeleciinenlos na ra do Imperador n. 71:
ca mesma casa se dir com quem se trata.
Vende-se urna escrava de 9 a 10;
annos de idade, rnuito esperta e dili-
gente no ervico de casa, cose perfeita-
mente cliao e tas labyrintho : quera a
pretender dirija se ao largo do Carmo
n. 16.
Venda de predio.
Vende-se a meiacao de um magestoso predio
de um andar bem edilicado, ha 3 para annos,
situado etn urna das mais bellas ras, desla eida-
de [Concordia]: podendo qualquer pretendente
i laminar o rfrcsmo predio na ra da Concordia
n. 26*5 para tratar, na ra do Livramento n. 27,
loja de calcado.
Na travesea dos Remedros, hoje do Bemfi-
ca, anda se vendetn alguna burros -do serian, j
esperimentados c coslumados ao pasto : quem
os pretender, dirija-se 4 mesma casa cima, que
se lhe dir quem vende:
Vendem-se Iros sobrados, sendo um na ra
do Queimado n. 39, n& esquina do becco da Con-
gregaco, com duas frentes e tres andares na
Crele ; outro na ra estrella do Rosario, de dous
andares a seto, novo e com muito l>ons commo-
dos n. 25, confronte \ ra das Larangeiras ; c
outro na ra do Livramento, lanibem de dous
andares e solio n. 9 : iuem os pretender, pro-
lodos us
- raeio dia,
na rua do (Jueituado, lo.a o leuente-corouel Mo-
racs.
l^avgo da asscinMa.
Ha continuamente para vendci neste trapiche
; saceos de feijio mulaliulio muito novo com G al-
| queires, farinha do mandioca de diversas qual-
i dddes, iiiilliu, farelo superior en saceos muito
Joo Donnelly lendo contratado com o governo ; grandes, arroz do Maranhao, ceri de carnauba,
da provincia, por iulermedio do Illm. Sr. direc- courinhos curtidos, sola c paiha de carnauba, tu-
tor das obras publicas o fornecimento de todas i do por precos commodos e em grandes porcocs
as pedras cxlrahidas da ilba de Sanio Aleixo, j ou a retalho, conforme a rontad< dos compra-
propriedade do annuncianle, para calcamcnto das dores,
ras desla cidade ; e como as mesmas obras
publicas por emquanto se acham poralysadas, e
lenha o Exm. presidente da provincia por despa-
cho de 18 deste mes concedido licenca ao mesmo
annuncianle para dspor das mesmas pedras, c
per grande quaolidade que tem o aununcianle,
no caes do Ramos, oflerece a quem inleressar,
em grande ou pequea porcao, que as vende
muilo em couta. O mesmo annuncianle cnten-
dendo-se com o Sr. Rampa, hbil archilelo, bem
conhecido tiesta cidade, conhecedor das quali-
dades de pedras e lijlos, se tem admirado de cobertes e descobertos, pequeos e grandes, de
nao se lor empregado cm acerces este material, I ouro patente inglez, para homm a senhora
qual as pedras do annuncianle, como se prattea de um dos melhores fabricantes le Liverpool
ua Europa, para evitar a htimidade as paredes. I vindos pelo ultimo paquete inglez : em casa d
u mesmo br. Rampa tem encommendado ao SonthaU Hellors 41."
annunciante 400 toneladas para esse fim, dizen- rfl T ,
do que em obra sua jamis deilar lijollos em 1 ftCll9.S fi mO alicerce;pclo preco que lem o annuncianle W^llc*0 ^ HlU'CHUd3
vendido ao mesmo seuhor lhe salie raui mais j BraKa Silva &.C., tem sempre no seu deposito
barato do que tijolo. O mesmo Sr. Rampa deu- i da rua da Mouda 3 A, um grande sortimento
me licenca para usar de seu nerao no presente j de tacI,ase moeedas para engenho, do multo
annuncio. As pedras escolhidas para armazens | acreditado fabricanle EdwinMav- a tratar no
ou calcadas, a dez mil ris por cem palmos, dei- i mesmo deposito ou na rua do Trapiche n 4.
ladas as pedras em qualquer parte desla'cida-
de a cusa do annunciaule, com toda actividade
possivel, para o que lem ss proporcoes necessa-
rias; os prelendentes dirifm-sa a rtta da Praic,
escrinlorio do annuncianle.
gg cm ifuvu ft. /, jumo a igreja (la ton- g
g cacao dos Militares. gi
S ^ i:.Ac,;a-se^a dlfcf daofficina deste acreditado armazem o hbil IS
estre do fallecido f||j
ara' a encon- <$
>>M r? C1" V"** uai 5ranue e vanado sortimento de roupas '*%&
*M ?,tas'Cf0raoelam:.ca8acas sobrecasacas, fraques, paletots de panno
Mi de cores, ditos de bnm de l.nho branco, pardo e de cores calcas "
l ^ 7T PrCtf e.decre?'dlta* de merino, de princeza, de brins if
^1 pardo, brancoe de cores, colletes de velludo preto e decores, ditos de H
$m e^rgurao, ditos de settm preto e branco, ditos de m^lnn i...~ S-S
^g ditos de fusto branco e de cores, paletots,
S C ^^^ P,etaS,e ,de C0,'e5; Ib,reS Parrt Criad08'' fardamcnlo."^ M
^ a guarda nacional da capital e do interior. K |^
_Apromptam.se becas para desembargados, lentes, juizes de di- |^
-Nao agr- g^g
princeza, de brins
e decores
merino para luto |^f
. casacas, aquetas, calcas K8S
ecolhetes para meninos de 6 a 12 annos, camisas, seroulas. chapes '
para
, Jentes, juizes de di- $%
t ^ dando ao comprador algumas das roupas eitas se apromptarao ou- sli
^ rasa seu gosto, qter corn fazenda ,ua ou do armazem para o que |P
?M l.em esco,1"ds habis oTic.aes, dando-setoda e qualquer roupa no
^^ dia convencionado.
$239
sesSl^ "k? r *!? ? *P !? '!< 1 ff =* rs
*S
i^Ssi V* *^ r' *! ^ -L !- 'le ='*' pr *'* STtf .ra w f-
Hibcria a 2$500 o corte.
No armazem de fazendas da
rua do Queimado u. 19.
Vendem-se cortes de hiberia com 14 covados
fazenda muilo fina, imilando seda, pelo barato
'"o2?r.e 2c5"0' mi cruas Cuas para homem
a 251UO a duzia.
Farinha
DE
d(*qualiiadc especial
Em casa de J, Praeger k
Cha para vender:
Alvaadeem barricas de 4 arrobis.
Tinta cm oleo de dilerciiles corts.
llrim de vela.
Lona.
Velas de espermacele.
Conservas (Pieles) em caixas de duas duzias.
Dilas de horlalica de lodas as q'ialidades Ca-
roltes. etc.
Ditas de crvlhas em latas.
Sardnhas em mcias e quai tas latas.
Mostarda ingleza em frascos.
Tumo americano.
Cerveza inxleza branca e prcla.
Vinho de Champanhe, superior marca Clicquot
Dilo do Porto.
Hilo de Xerez.
Dito de Bordeaui de tres qualidades.
Licores de Marselha em garrafas grandes, su-
perijr qual ida
Na fabrica de caldeirciro da r,ia Imperial,
junio a fabrica de sabao, e na rua r>ova, leja de
erragens n. 37, ha urna grande porcao de folhas
Progresso na cidade da Victoria
2 DE
Francisco Xaxier de SallesCavalcante de Almeida
1 N0
J Paleo da Felra.
0 proprieiario desie estabelecimenio, como se acha com um grande o completo sorii-
ment, tendente a molhados, ferragens e miudezas convida portanto a lodos os moradores
desta cidade da Victon, senhores de engenho e lavradores queiram mandar suas
fencommendas no Progresso do pateo da Feia, pois so ahi encontraro o hora e baralo
visto o proprieiario eslar resolvido a vender, tanto em grosso, como a relalho, por menos
^ do que em outra qualquer parle como sejam :
Lalas de marmelada de 1 2 libras a 1400, frascos com differenles qualidades de doce
i por 2-3000, lalas de soda cometido nove qualiJades a 23000, azeiionas muito novas
passas de duas, vinho de lodas as qualidades de 500 a 2;jl000 rs. a garrafa, licores
francezes de lodosas qualidades, champanhe, conhaque de ditas, louca fina, azul.pinlada
e branca de todos os padroes, ameixas em compateiras e em latas a 1?000 rs. a
latas de peixe de posto por 2000 rs banha de porco refinada, ararula, fatio
ins,
ibra,
bolachi-
nha ingleza, biscoitinbo, eoutras mais qualidades de massas finas, massa de tomate ei
latas e a retalho, latra, macarrao, talharim a 800 a libra, verdadeira gonima de ararula
insenso de todas as qualidades, espiritov de cravo, canella, ealfazema, verdadeiros penies
a imperalris, e de tartaruga de 90000 a 105C00 cada um, tranca e franja de soda Te-
chadoras de broca, pregos em quantidade de lodos os tamanhos e qualidades e outros
muitos objectos que por se tornar enfadonho deixa de os mencionar,
Muila aUeocao.
curco majorliusniao, na rua Imperial,
lias das C s 9 da nadabas, e das 10 ao
na na do (Jueimado, lo.a do tenenle-ce
raes.
Fazendas por Iiaixos precos
Raa do Queimado, loja
de4porlasn. 10.
Aiada reslara algumas fazendas para concluir
a liquidacio da firmado LcilcA Correia, asq*ses
se vendem por dirninulo preco, sendo entre ou-
tras a6 seguinles:
Chitas de cores escuras e claras, o covado
a ICO rs.
Ditas largas, francezas, Coas, a 240 e 260.
Riscados francezes de cores ixas a 200 rs.
Cassas de ceres, bons padroes, a 240.
Brim delinho de quaJros, covado, a 160 rs.
Bnm trancado branco de linho muilo bom, va-
ra, a 1*000.
Cortes de calca de mcia casemira a 2g.
Ditos de dita de casemira de cores a 5#.
Panno prelo fino a 33 e 4.
Muas de cores, fines, pora homem, duziaa
ljf800.
Grvalas de seda de cores e pretas a lj.
Heias brancas finas pira senhora a 3g.
Dilas ditas muilo finas a 4j.
Ditas cruas finas para hornera a 4g.
Cortes de colletes de gorgurao de seda a 2$.
Cambraia lisa fina transparente, peca, a 4j>.
Chiles de lia e seda, grandes, um 2tf.
Crosdenaplc rretode l$60O a 2*.
Seda preta tarrada para vestido a 1*600 e 2$.
Cortes de vestido de seda preta lavrada a 16.
Lencos de chita a 100 rs.
Lia de quadros para vestido, covado, a 560.
Petos para camisa, um, USO.
Cliita franceza moderna, lingjndo seda, covado
ra 400 rs.
Entremeios bordados a 200 rs.
Camisetas para senhora a 640 rs.
Ditas bordadas finas a 2g500.
Toilhas de linho para mesa a 2* e 4$.
Camisas de meia, urna 640 rs.
Lencos de seda para pesclo de senhora a
560 rs.
Vestidos brancos bordados para bapliiar crian,
cas a 5000.
Corles decalca do casemira preta a 6$.
Chales de merino com franja de seda a 5*.
Cortes de caiga de riscado de quadros a 800 rs.
Merino verde para vestido de montara, cova-
do. i #280.
Leojos brancos de cambraia, a duzia, 2#.*
de Antones Guimaiaes t C, no largo da Asseaj- ,,.",'co' Ja prpa/?Aa para l"lhads. c pelo di-
bla n. 19. minuto preco de 140 ts. a libra.
Em casa de Rabe ScLmettanA
C, rua da Cadeia n. 37, rendem-se
elegantes pianos doafamado fabrican-
AO bom e barato que faz ad- teTraumann de Hamburgo.
mirar aos compradores.
Rua Direila loja n. G8.
Nao se engeita dinheiro.
Riqusimos corles de vestidos de grosdena-
pes preto bordado a velludo, cortes de veslidos
de phantas3 de seda muilo moderno, corles de
vestidos de mossulina de seda, cortes de vesli-
dos de barege de seda com ricos desenhos, cor-
tes de veslidos de cambraia bordado a seda, po-
lacas de grosdenaples preto muito bom objeclo
da moda, paletots de panno de todas as qual.da-
dos, ditos de casemira muito fioo,ditos de alpa-
ca de diferentes modelos e qualidades, calcas de
casemira preta e de cores, dilas de brim branco
e de eeres de puro linho, camisas de todas as
qualidades, cambraia organdys com modernos
deseuhos, chales d mrito mnilo fino bordado
a frocolcdo em roda e com pona redonda, obra
de muito goslo, chapeos de sol com molas e
sem ellas, seroulas de puro linho, riquissimos
cortes de casemiras de cores muito fina padroes
de muito goslo, enfeiles de vidriio, luvas, gr-
valas, esparlilhos francezes, alpacas de todas as
cores, grosdetiaples preto francez o njfilhor que
pode haver. Alm deetas fazendas existen) ou-
tras muilas que se eslo vendendo por menos
do seu valor.
CAL DE LISBOA,
nova e muito bem acondicionada : na rua da Ca-
deia do Recifen. 38, primeiro andat.
as para inferno.}
Na rua da Cadeia do Rccife n. 23 loja
confronte ao Becco Largo, vendem-se
"^ andar-so em casas ladrlhadas a marmore jff
ae ou tijolo pelo moJico preco de 3$ cada o&
V
UU GLGfll
DE
U II?11.
Sita na rua Imperial n. 118 e 120 junto a fabrica de sabao
DE
Scbastio J. da Silva dirigida por Francisco Belmiro da Cosa
(JoonnleSlVr5,nu1-C1Tn,0i,a,SerIlpre PromP,0,s alambiques de cobre do dilercntes'dimences
(de 300 a 3:000*) simples e dobrados.para destilar agurdenle, aparelhos destilatoriosi cVnUno*
para resillar e destilar espmtos com graduado at 40 graos (pela graduaco deSellon Cartier) dos
melhores syslemas hoje approvados e conhecidos nesta e oulras provinJias do imporio bombas
de todas as dimencoes asperantes e de repucho tanto de cobre como de bronze e ferro 'tornciras
de bronze de mdas as dimencoes e fetios para alambiques, tanques etc., parafusos de bronze e
ferro para rodas d agua.portas para fornalhas eenvos de ferro, tubos de cobre e chumbo de lodas
as dimencoes para encmenlos camas de ferro com armaco e sem ella, fuges de ferro potareis e
economice* tachas e lachos de cobre, fundos de alambiques, passadeicas, espumaderas cocos
para engenho, folha de Flandres, chumbo em lenco! e barra, zinco em lcncol e barra lsnces e
arroellas de cobre, lenccs de ferroa latao.ferro suecia inglez de todas as dimnsoes, safras tornos
e foliesi para fcrreiros etc., e outros muitos art.gos por menos preco do que em ulra qualquer
parte, desempenhando-se toda e qualquer encommenda com presteza e perfeicio j conhecida
e para commodidade dos freguezes que se dignaren) honrarcm-nos com a sua eonfianra acha-
tao na rua Nova n. 37 loja de ferragens pessoa habilitada para tomar nota das encomiendas
americanos.
Todas as casas de familia, senhons de enge-
nho, fazendeiros, etc., devem estar prevenidos
com estes remedios. Sao tres medicamentos com
os quaes se cura eficazmente as pri icipaes mo-
lestias.
Para senhoras.
Cnpolinhos de la pora uso de manhia e de
noite.
Casaveques de la para uso de casa.
Cacheneres de-la para pescojo.
Jw Meias de la.
Para homens.
|k Meias de l.
^ Camisas de 13.
Se Seroulas de 15.
Loja de marmore.
HSSI , Coral.
Vende-se verdadeiro coral de raiz, muito em
conta, na rua larga do Rosario, passando a boti-
ca do Sr. Barlholomeu, a secunda loja de miu-
dezas n 38. Na mesma loja vendem-se trancas
brancas de linho de caracol, dilas de cores muilo s
baratas, o so vista se dir o preco de ludo ; e
muilas miudezas em conta.
Vendem-se
latas com oleo de ricino muito novo, com
bras cada urna, por prego commodo : na ru
Vigario n. 5.
li-
do
RELOGIOS.
Vende-sc em cas* de Saunders Brothers &
C, praca do Corpo Santo, relogios do /afama-
do fabricam."' Roskell, por presos commodos,
e tamberntrancollins e cadeias para os jpesmos,
deexcellente gosto.-
Prompto alivio deRadway.
Instantneamente alivia as mais acerbas dores
e cura os peiores casos de rheumatismo, dor de
cabeQa, nevralgia, diarrha, cmaras, clicas, bi-
lis, iidigesliio, crup, dores nos ossos, conluses,
queimadura, erupces cutneas, andina, reten-
i cao de ourina, etc., etc.
r Solutivo renovador.
Cura todas as eufermidadesescroph llosas,chro-
nicas esyp hliticas; resolve os deposiios de mos
humores, purifica o sangue, renova o syslema;
p I prompto e radicalmente cura, escrop!iulas,vcne-
I reo, tumores glandulares, ictericia, dores de os-
sos, tumores brancos, aeccoes do figido e rins,
i- erysipelas, abeessos e ulceras de toda as classes,
I molestias d'olho3, difficuldade das regras das
II mulhetcs, hipocondra, venreo, ele.
Pilulas reguladoras de Rad-
e way
para regularisar o systema, equilibra: a circula-
gao do sangue, inteiramenle vegetaes favoraveis
em todos os casos nunca occasiona nauzeas ne
doresdo ventre, drjses de 1 a 3 regule risaro, de 4
a 8purgam. Estas pilulas sao efBcazej as affec-
soes do lgdo, bilis, dor de cabeca, ictericia, n-
digeslao, e em todas as enfermidades das mu-
Ihercs, a saber : irregularidades, fino, reten-
goes, flores brancas, obslruccoes, histerismo, etc.,
sao do mais prompto effeito na escarlatina, febre
biliosa, febre amarella, e em lodas as febres ma-
lignas.
Estes tres mportanles medicamen os vem a-
companhados de instruccocs impressas que mos-
trara cora a maior minuciosidade a maneira de
appca los em qualquer enfermidade. Estao ga-
rantidos de falsilicaco por so haver venda no
armazem de fazendas de Raymundo Carlos Leite
& Irmo, na rua da Imperalriz n. 10, nicos
agentes em Pcrnambuco.
Relogios.
Vende-seem casa de Johnston Pater 4 C, rua
do Vigario n. 3, um bellosortimenlo de relogior
de ouro, patente inglez, de um dos mais afa-
mados fabricantes de Liverpool; tambem urna
variedade de bonitos trancelins para os mesmos.
Espirito de vinho com 44
graos.
Vande-se espirito de vinho verdadeirocom 44
graos, chegado da Europa, as garrafas ou as ca-
andaa na rua larga do Rosario n. 36.
Rua da Senzala Nova n. 42
Vende-se em casa de S. P. Jonhston 4 C. va-
quetas de lustre para carros, sellins esilhoes in-
glezes, candeefros e casticaes bronzeados, lo-
nas inglezas, fio de vela, chicote para carros, e
montara, arreios para carro de um e dous cval-
os, e relogios d'ouro patente indezes
Engenho. |
@ Vende-se o engenho Santa Luzia,sito na @
ti freguezia de S. Lourenco da Matla, entre g
$k os engenhos Pcnedo de Baixo e Penedo de
J Cima : trata-se no mesmo engenho ou no $jj
engenho Mussambique com Felisbino de g
Carvalho Rapozo.
lg^ucia
Grammaticaingle-
za de Ollcndorff.
Novo methodopt-ra aprender a Itr,
a cscrever e a fallar inglez em 6 mezes,
obra inteiramenfe nova, para uso de
todos os estabelecimentos de nstrucoao,
pblicos e particulares. Vende-se'na
praca de Pedro II (antigo largo do Col-
legio) n. 37, segundo andar.
Vendem-se 12 bois mansos e filhos do pns-
lo, acoslumados a Irabalhar era carro : a Iritir
no engenho Roncador.
Vendem-se 2 pares de rodas novas para
carroca ; na rua Augusta, casa desolao confron-
te ao gazomelro. Na mesma casa aluga-se um
moleque.
"~ i,mdP"5e vinho bom da F'Sueira ou de Tra-
tes a 4UU rs. a garrafa, e em caada a 33 no
Recife, rua da .Senzala Velha, laberna n 10">
esquina do tecco Largo.
Vende-se una taberna em boa localidade
da freguezia de S. Jos; a Iratar na rua da Praia
n. oz, laberna.
Vende-se um moleque de 13 annos de ida-
de : no caes da alfandega, armazem n. 3.
Vende-se um sitio muilo grande, pcrlo da
praca, cem casa de iienda, com paredes duhra-
das e sotao ; o mesmo siiin lem grandes boixas
de capim, que se coilam lliO feixes diarios de ve-
lao a invern, terreno para vacas do leite e pa-
raplaniacoes, bom coqueiral e algunsarvoredos
de frucla ; vende-se a dinhdro ou a prazo : a
iralar na rua da fraia, serrada n. 55. Declara-
se que o terreno proprio.
Vende-se um sitio na Possagcra da Magda-
lena com urna grande casa, duas grandes alas
e o o quartos. coz.nba lora, dous copiares far
rcnlo rara o no. toda murada, com porlo d.
ierro, tem bastantes ps de larangeiras, de cal
de lrucla-pao e de outros muito ai voredos
iralar com Joao Manoel Rodrigues Valenca,' no
AolTi gai"' U a fUa d Amorini "un'eros 38.
Tachas para engenho
Fundico de ferro e bronze
DE
Francisco Antonio Correia Cardozo,
tem um grande sortimento de
tachas de ferro fundido, assim
como se faz econcerta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
Calcado, roupa feia e
B*
Sndalo.
Ricas bengalas, pulceiras e leques :
vendem-se na rua da Imperatrizn. 7,
loja d Lecomte.
Vende-se superior linha de algodao, bran-
CBse do cores, em novello, para costura: em
casa de Seuthall Mellor & C, rua do Torres
n. 3 .
Augusto & Perdigao.
SO Vendem camisas de linho inglezas
muilo finas por 40-; a duzia. ditas de fus-
lao por 249, dilas de musselina por H$,
ditas para menino por 249 avulsa a
3500 e 2S, chancas inglezas a 25500 e
bolinas de Melis a 129 : na sua loja da
rua da Cadeia do Recife n. 23.
Vende-se dinheiro de cobre a dous por cen-
to : na rua Direila-n. 8.
Vende-se um carro e um boi, ou cadacousa
separada, o boi muito manso e bem conhecido,
costumado ao Irabalho de carretos desta cidade :
a tratar na rua dii Cruzes n. 30.
FUNDIDO LOW-HOW,
Rua da Senzala Xova n. 42.
Neste estabelccimento continua a haver um
comapletosortimento de moendas emeias moen.
das para eugenho, machinas de vapor e taixas
de ferro batido e coado. de todos os tamanhos
nara dt
de graca.
Urna riquissima armacao, com garanlia da ca-
sa, propna para qualquer negocio, sita-na rua
Uireita n. 13, que se vende por todo o dinheiro
por seu dono se rolirar para fra: a Iralar na
mesma rua n. 6.
Vende-se urna casa terrea cora
grandes commodos e em urna das me-
lhores ras da freguezia de S. Jos : na
rua das Cinco Pontas n. 72, se dir'
quem vende.
Borzeguiis patente.
Lustre e bezerro
A. tiSGOO.
45 Rua Direila 45
Sempre solicito o proprieiario deste
estabelccimento em poupar a bolsa de
seus fregueze*. acaba de descobrir-llies
urna mina de borzeguins, que nao sen-
do Melis nem Suzer, sao todava iguaes
a estes no durar, tendo por nico delei-
to serempoucos.
Refinaco de assu-
cardoMonteiro.
Continua-se a vender assucar crystalisado de
supenor qualidade, da acreditada fabrica do Mon-
leiro, pelo prer.o de 7*000 a arroba, e aprompta-
se barricas de lodos os tamanhos, com brevida-
de e aceio : na rua do Caes do Apollo n. 63.
"~ Vende-se urna casa terrea na freguezia de
>. Jos : quem prelender, annuncle.
Na rua da Cruz n. 5. armazem de G. Bous-
Jr C-' vende-se o seguinle, por falta de lugar:
Charutos de Havana (fines).
Biscoutosinglezes a 1$300.
Vinho de Bordeaux.
Dilo do Porto,
lo do Cherry.
Cognac, indo ullimameote despachado, c por
commodos precos.
K
Augusto & Terdisay, com loja na rua da Ca-
deia do Recife n. 3. vendem as fazendas men-
cionadas, pelos seguinles oreos, que sao os mais
commodos pnssivcis.
ChancasfeHas no Porto p roprias para o inver-
por0l(SoOOnS francczes dos meIhores fabricantes
Boneguins de Meli por 12JO00
Sobrecasacos de panno fino preto c de cor su-
perior por 3JSO00.
Paletots e sobrecasacas de casemira por 25*.
Calcas de casemira superior porlOg e i>'.
Camisas ingleza-s de linho supenor por SOS.
Chancas proprias para andat cm silios e iise-
nhos por 2*500,
Charutos superiores e outras marcas conheci-
da, caixa 5J0OO.
Camisas inglezas
Na loja de Goes Abastos, rua
do Queimado n. 40.
Acaba-se de receber um grande sortimento
das verdadeiras camisas inglezas muito linas,
com pregas largas, petos de linho, sendo estas'
ullimas camisas de um goslo apurado, lano fio
pregas comocm collermhos, pois 6 decente lamo
aos rapazescomo aos senhores de maior. poi isso
sendo muita a ponao que recebemos, delibcrou-
se a vende-las por 38* a duzia, nesla bem conhe-
cida loja de Goes & Baslo.
As melhores machinas de coser dos mais
alaraados autores de New-York, I.
M. Singer & C. e Wheeler & Wils'on'.
Neste cslabelcn-
mcnlo vendem-se as
machinas desles dous
aulores, mostram-se a
qualquer hora do dia ou
da noiie, e responsabili-
sarao-nos por sua boa
qualidade e seguran ;a :
no armazem de fazendas
do Raymundo Carlos
Leite Irrnaos rua da
amigamente aterro da Boa-
mperaliiz
Vista.
Pianos
Saunders Brothers & C. tem para vender em
seu armazem, na praca do Corpo Santo n 11
alguns pianos do ultimo gosto. receiitimenle'
chegado, dos bem conhecidos e acreditados fa-
oncantes J. Broadwood iSons de Londre' c
muito proprios nara este clima.
Escravos fgidos.
Fugio oescravo de neme Cesaiio, idade de
vinte e tantos annos. pouco mais ou menos es-
tatura mediana e reforcado, bons denles c lima-
dos cabra escuro quasi negro, barba na pona do
queixo, olhos avermelhados. peinas um pouco
arqueadas, filho do ,Sobral (Cearl ; polanlo
roga-se aos capites de campo, s autoridades
poltciaes, e qualquer pessoa que o possa encon-
trar, o apprehcndam c o levem a sua senhora, r;o
caes do Ramos, sobrado encarnado, que srfio
gralificados ; e se protesta contra quem o tiver
acoulado em sua casa,
Fugio na noile do dia 26 do correnle o es-
oravo Jaeinlho, crioulo, que representa ter 5
annos, alto e secco, porm esl com principio
de fnaldade. e por isso tem os pos e o rosto in-
chados. osolbosum tanto plidos por soffrer de
ictericia : pede-se as autoridades policiaca, capi-
taes de campo, ou pessoas que o apprehcndam.
o levem a rua de Santa Cruz n. 44, que sero ge-
nerosamente recorapensadus.
400J000 de gratiicacao.
Ainda contina a estar fgido o preto Nicolao
escravo de Francisco Antonio Cabral de Mello'
senhor do engenho Tabocas da freguezia da Ljz
este prelo alto, cheio do corpo. representa ter
22 a 24 annes de idade, lera uas cosas algumas
marcas de castigos, e tem alguns principios do
offlcio de carapina. Ha algumas suspeilas que
ci.e lenha procurado os s'erloes em demanda da
provincia do Maranhao, d'unde veio ser vendido
no Recite. A sua apprehcnsao e entrega, quer
no referido engenho, a seu senhor, quer no Ret-
fe, ao Sr. Manoel Antonio Goncalves, ser grati-
ficada com a quantia cima, de 400g.
Na madrugada de 24 do correnle fugiram do
engenho Monjope dous mulatos, um de nomo
Agoslnho, cheio do corpo, idade de 25 annos,
acaboclado, ps grossos. cabellos corridos, c sem*
barba ; e oulro chamado Izidro, seceo, nao alio,
cabellos crespos e cortados muilo rente, lend
urna cicatriz no alto da tests, e buco de 'barba ;
levaram2eavallos, um melado raposo o rabao, e
outro alasao, um pouco magro : quera os apprc-
hender, levando-os ao referido engenho Monjope
ser gnerosimente recompensado.


(8)
DIARIO DE PEHNAMBUCO. QUARTA fF.IRA 4 DE JLHO DE 1860.
Litteratura.
DO AMOR E DA AMIZADE,
A' PROPOSITO DE BA5T1 MAMA-MAGDALENA.
relo fom. Padre Lacordaire.
V
i ("en ilusa o.)
Fazcndo assim da Santa penitente como que I
infelizv approximar-sc do seu grbalo um
sacerdote velho c venerando, guiado, ignorou-se
porquero, cujo rosto, posto que j enrugado, ex-
prima a innocencia o candado. O corpo do joven
estremecen lodo, o ura calofri percorreu lodos
os seus uiembros....
O sacerdolo ltenlo lia no rosto do mancebo
urna por urna, ns accrb.is sonsacos, que o agita-
vam naquelle momento, c no mesmo lempo, re-
o '.\ | n das esposas do Chrisiu, ha m.Ms conor- ; eorrendo aos cos, pedia o auxilio divino em fa-
ruidadP. crio > u. coro atradicao, o eita-se o vor daquclle, que lhc parec Icrsido, c ainda ser
perigo do dar como o iiodclo da amigada ebria- i0 infeliz
lan uma intimidado enlre duas pessoas de sexo ""
difieren lo. Taes affeiees sem duvida sao puros **'
Algumas vezes, o enconlra-ae mais de uro exea- Poueo a pouco a scrcnidide cometa por appa-
p > na vida dos Sanios; mas antes de ludo jns-' recersobre o rosto macilento do paciente, e ss
ti observar que Santa LscliMasltca para coni S. ;,; __i n. ., -. ,
primeiras palavras, que lho sahirara do pello, fo-
ram estas :
Ah! padre, quanlo sou feliz neste momento
por vos ter a mou lado I Quanlo vossa pre3enra
me traz de consolarlo e de vida I.... Mas, ai de
mim, ludo islo esvae-se como o fumo, porque
Benedicto, Sania Joannade Chanta! para coni S.
Francisco de Salles, inademoiselle Legras para
com S. Vicente do Paulo, eram antes cooperado-
ras do que amigas uo sentido proprio desla
palavra.
Sem duvida esses grandes homens linham por
essos Sanias urna ofTeico toda particular, mas
era urna ternura de pai ou de raiio maior que I Deus.... sim, Deusnao me pode perdoar, e con-
de amigo, e amavaru ncllas principalmenle a demnado morrerei___
gloria do Deus que ellas serviam com lano', n ,
arjor "I De novo o ataca um tremor convulso, e mudo
Em summa, Ika inconteslavel que a amisade ^r' 1ua' estatua, elle fica por alguns moaien-
immal de um homcm para com oulro, ou de los, o volla depois vida,
tima para com outra mulher E sem querer j \y
cahir no escrpulo, admillindo tantas excepces n ,. ., .
de fado quantas se quizerem, bem leaibrar i *e,ho sacerdole. !? com lagrimas nos olhos
algumas vezes a regra eslabeleeida
ou infclicidade. O santo homcm, depois de elevar
seus olhos aos cos, e Osar o inf ;liz, assim lhe
falla:
Meu filho, um grande crime seriamente pai-
ra sobre vossa cabera, porque oftendestes 4
Deus, religio, natureza e i sociedade ; c
Deus jusliceiro, como jamis deixa impune o
crime : por isso vossa pena 6 grande, mas sua
misericordia, sua bondade lo grande e 15o in- ;
finita, quo perdoa as culpas, os crimes os mais
graves, quando o rrependimento Ssfticoro c ver-
dadeiro : porlanlo so estas lagrin as, que dorra- religio que lo bem defende, por vozes esque-
mais, sao nascidas de um coracao humilde o ar-
rependido, se cheio de horror de vossos crimes,
e msiormentc do que acabis de confessar-me,
pedis perdao s vosso c meu Deus, que tanto of-
fendestes, em nome delle eu vos perdo, e vos
rrstitun a sua grata que infelizmcile tinheis per-
dido.
XI
Ao ouvir estas ultimas palavra; urna alegria
expande-se sobre o rosto macilento do joven, e
elle, recobrando todo o vigor do >ua mondado,
levanta-se do leito, lanca-se aos ps do vene-
rando sacerdote, cobre-o de beijos, e dizendo
Julia, estou perdoado, e tu tambera me por-
doars, porque eras um aojo : minha mai, per-
doa-me tambera, porque son agora digno de
por Alberto '"ha sido muda tcslenninha do mudancas to vos expira nos braros de seu virtuoso confes-
iiGrande em seu" P*ra9 da alma: Cuivis repentinas, teniendo que o infeliz suecumbisso, I sor___
viro quawit 0uilier especia esse debel. apressa-so em fallar-lhe deste modo: XII
Sinlo que me soja preciso, terminando, juslili- Mou fil,,0> con,ieC Pl pouco que vos te- | Ao albor da manh.ia virara sabir de urna chou-
rar a exlonsao desio controversia. Deque serve, i nr>o ouvido, pelo cadavrico de vosso corpo. e pana o padre F todo banhade em lagrimas,
diruo alguns, ciu urna queslao livre contestar e pela coufuso, em que vejo vosso espirito ana li succedeu nioguom o sabe, s o viram
Concordamos nesia ultimo parte com o Sr. vi-
vidio, porque sendo a queslao melindrosa, ledas
as provas, e lodas as autoridades sao poucas em
um paiz, onde se er a arcusaco de prompto e
a defezascom difficuldade e sempre era duvida,
e sentimos que S. S. nao desenvolvesse mais
larga esses pensamritos de autores que j nao
existem.
Talento e gesto nao follavam ao Sr. Ovidio pa-
ra islo.
O autor, cluio 3 c nobre zelo pela causa da
cese deque esl reunindo nialeriaes para urna
obra histrica, c o sen eslylo saho das raias tra-
badas pelos moslres, e busca caminho di-
verso.
contraram morle ae martyr ua enseada de Cu-
ruripe?
Porque nao narrou, que os Jesutas vendo a
aptidaodos Indios para as arles o odicios, como
assegura o padre Joao Daniel no thetouro do
Amazonas, e ratifica o Jesuta francez, Charle-
vox, e alem d'isto convencidos de que Godwin
falln verdade quando disse, que tiinguem ha
(absolutamente fallando) inepto esludaram a
iiiclinaro de cada um Indio, ensinaram a elles
artes, sciencia, e oflicio, com paciencia digna
de imitaco?
Porque nao dcscreveu a paciencia e resigna-
ro com que o Je3uila Leonardo do Valle, media-
se pelas matas, suba fragosas serras, para le-
var a luz da religio, e tnzer os ilhos dos In-
Desejavamos que o seu cscripto nao fosse guia- dios para seren educados em um seminario, que
do pela paxo que aqu ealli so mostra : que o fundn em S. Vicente ?
odio nao appar.ecesse em um trabalho, onde se | Arriscada empreza, porquo os Indios amara
defende a religio do Marlyr do Golgota, que 6 muito seus flhos, porm a mo do Deus que
toda de liberdade e toda do tolerancia, o que guiara o padre, coroou seus trabalhos aposto-
emfim nao se esquecesse de medir seus passos lieos I
para nao serarrastado pela forr.a do sua brilhan-
tc inlelligencia, e nem pelo vigor de seus an nos
la i verdes, c lo bem aproveitados. A historia,
como diz o padre Antonio Vicira, mai da
Porque nao pinlou a paciencia e humldade
d'elles, as Iracas, que buscavam para salvar pelo
baptismo os mais rebeldes, ou aquelles, a quem
nao era permilldo tal sacramento pelos nimigos
analyse, j |endes sido bem infeliz, o que um grande crimo algumas horas ao depois levar em seus hombros; descnlpa pelos lempos, quasi exceprionacs, em
cerca dos mais pungentes remorsos a vossa cons- um cadver c dar-lhe sepultura.
oppOr syslema syslemaf lim uliirna
ambos nSo se compensara ?
' Bis aqui minha resposta.
Por sua furnia seductora, por suas proporroes! ciencia ; mas nao desesperis porque Deus
restrictas,
d
verdad, e para se dizer a rerdadp nao pre- I vencedores ?
ciso vigor de cxpresso, a brandura o meliior
meio. Porque nao narrou a caridade com que elles
Foi anda arraslado por sto que o Sr. Ovidio so Prpstavam ao curativo dos Indios, atacados
arremeea sobre o marquez de l'ombal epilhetos de Pcs,l>> depois de cruelmente offendidos e
mais oii menos duros. Respeilando o-par ce se- mal""'ados por elles pela persuaeao, diz Simo
pultisnao duvidaraos dizer que Pombal com- \ de Vasconcellos, do serem estes inofensivos pa-
rnetleu muilas faltas, mas algumas dolas tem i drcs 3 causadores de taes enfermidades?
seio puro e Virginio, reflectindo como raios de
nosso sol intertropical nos daphanos crystaes do
grande lago.
noite os genios transformados em metheo-
ros inflammados descem ao palacio de crystal pa-
ra visitaren] a dama do lago; e algumas vezes
seus gritos agudos, suas fallas mysteriosss e in-
comprehensiveis, confundindo-se com o sibilar
dos ventos da mea noite, quebram a solido au-
gusta dos desertos.
Pondo, porem, de lado essas e mil oulras len-
das romanescas e phantaslicas, a existencia da
monlanha do Bolucavar est na conscencia de
todos. Sabe se qne lodo o ouro empregado no
doramento da egreja de Mogy foi trazido d'alli
pelos Iudigenas que lhe sabiam o caminho.
Ha talvez 40 annos que o alferes Joo de Deus
parti de S. Hoque frente de numerosa carava-
na em demanda dessa raontanha, e no fim de 4
mezes, acabadas as suas provises, e"fatigados do
imitis e afanosos trabalhos, voltou sem ler po-
dido chegar ao Bolucavar, que pretenda ler
avistado por vezes.
No archivo da cmara de Itapeteninga e de ou-
lras villas antigs ha descripcoes do caminho do
Bolucavar, e de suas immensas riquezas. A es-
sas descripcoes dao o nomo de Boteiro e Aranzel.
Em poca recente encorporou-se em Sorocaba
urna companha para a exploragao do Bolucavar,
o os sertanejos empregados nessa explorar na-
da conseguirara senao muita fadiga e grandes des-
pezas para a assocago.
O hbil engenheiro o Sr. Porfirio de Lira, ex-
ligadas ao mundo pelos hbitos, e principalruenie do d'alnia confessai vossos crimes, que o perdi,
pelo espirito de sua vida, que entretanto nao sim, o perdao o a graca descera dos cos sobr
rompern) com a egreja, crendo mesmo perln- vossa CUDeca ,, *
cer-ihe de corac&o, porque raramente faltarn a
PadreAzevedo.
(Noticiador Catholico
suis exoressas prescripre?. E' tiesta zona que
Os Jesutas perante a historia.
Nestes lempos em que a agiotagem e a pol-
tica absorvem todas as atlenrocs, em quo a pea-
na serve, ou para tazer contas do juros, ou ferir
livros orno Sania Maria Magdalena podem fa- o joven, ao ouvir estas ultimas palavras do ve-' susceptibilidades alheias, ura laclo muito pa-
7HI lili! Ill*m llYlUlili^A ...i rtir-i-i y..\ ., i ka^.U *"w l
z"i um tem iminenso ; sotu dissimuliir a venia-
de", toZS2^f*LZZttZ es.v.o e nerando andSo- ^^^ so^ **. es- i admir"-so Pub'caco dMma obra ltte-
que viveu esse grande estadista, que encheu o'commoJar desavengas nao exemplo digno de
mundo com a fama de seus feitos, e que fez a 0CCI,l,ar-sc cm urna Ierra, onde se busca Iravar
sua patria lo pequea, temida at da soberba irixas espontneamente.
Inglaterra queja d'en to quera dar leis s ou-
lras nacoes.
Julgamos que so elle na verdade perseguio a
companha de Jess, fui sem duvida arraslado
pelos embustes de trairocros inmigos, que por
toda a parle linham esses frades.
Longo sera o enumerar muitos outros factos,
no opsculo bem cabidos, c aqu j fra dos li-
mites d'escriptos desta ordem.
Nao sei se somes justos, ou se por vr-nos pri-
vado, com o Um do opsculo, do praser de ler
mais esse bello escriplo do Sr. Ovidio, a nossa
de seus pensamentos, divinas"seducrOes, e sob o prctezto d'arte e luioralura, vo lalvez anear na rugada do homem de Deus, cobro-a de ardentes
alma de oulras Magdalenas um germen*de pieda- beijos. Eleva seus olhos para os cos, derrama
copiosas lagrimas, e assim oh! exprime :
de. que durar alguns dias e as salvara.
Mas convm nao esquecer que so faz o mal
mais depressa e facilmeuto do que o bem. Por-
lanlo, se ao lado de cousas excellenics.algumo se
encontrasse que se preslasse falsas interpreta-
oos, ser esta quo mais ferir a esses espiritos
dislrahldos, e que Ihes servir nao para reformar-
ilies a vida, mas pora juslificor-lhes os desvos e
flaquezas.
Ora, ci-se que neslc lempo e no mundo, de
me eu ha pouco fallava, o amor eonjugal seja
singularmente honrado ? E daqui nao se ve mais
de urna bella leitora reconhecer seu esposo no
retrato desenliado pelo padro Locordaire desse
mancebo coroado de rosas amargas, p. que deve
em summa sor um marido trislissimo ?
O amor no casamento, pensar ella,
quasi irapossivel. As mais graves autoridades
assim o atlirmam.
VI
rana.
,0 Sr. Dr. Ovidio
muito eusado : uo
da Gama Libo por certo
teme inconer no odio des
Fcil era a Pombal o dar crdito esses que "ma8,naca0 D0S su?geT'<> essas faltas
lhe andavam a segredar mexericos : Pombal era Sobre a pureza de linguagem nao acharaos gal-
inimigo da nobleza de Portugal, com ella vivia lecsmo grosseiro de palavra, ou dephrazc. Nao
em lula : a nobreza apreciava e amara a com- urn csciipto verdadeiramente classico, porque
panhia a poni de ser por ella dirigida, e fa- resenle-se um pouco da leilura aturada de li-
que adorara a poca, o verdade ro sacerdote da cil era que a indscric.o d'ura ou outro frade, vros francezes, porm n'ellc nao se erreontram
sciencia, bem como os de Vcsta, procura cons-
tantemente alimentar o fugo sagra Jo que lhe arde
no peito.
Para aquelles quo, como nos, pensam com o
i Sr. Lopes de Mendonoa, que a liiteralura nao
Era meia noite, meu padre, a hora, como
dizera, dos demonios, c eu meditando era urna
mulher que amava, por quem deixei raeus pas,
eespatrie-ine, nao dorma; encostado ao muro!
deseo jardim esperava o momento feliz era que um" lnlisl"a e sim um culto' uma religio que
me podesse fallar. Mil pensamentos vo'llejavara i s veieS n5 VaL Ion8e do n,arlJ'rio' nau deix3-
pela
em minha mente j escandecida pela demora
porque neste dia, dia de horror e de sanguc I ol-
la tinha j passado alm da hora do costume___
O ciume, esle compaoheiro inseparavel dos aman-
tes loucos, como eu, me combata forlemenle, e
entre a esperanea e o temor, a duvida c a sus-
peita, o amor e o odio, cu esperei anda, c....
i rao de admirar a afoiteza cora que o Sr. Ovidio
apresenta-so perante o mundo, mostrando um
| livre e dizendoeis o fructo de niuhaslucubra-
| ces.
O Sr. Ovidio escrovendo para o publicopara
\ si creou, na phrase de S. Jeronymo, muitos jui-
Por conseguate ella nada far para ajudar esse
amor a renascer em um coracao, onde talvez es-i esPerei muil-
leja apenas adormecido ; nada far para manle-I VII
lo dispertado em si mesmo ; esquecer que neste AQnal es que ouco passos vagarosos e pesa-
roiuinercio, como em lodas as relaces humanas I j .. '. .
cada soco deve assegurar-se se tcni cn'prklo at idos : nUcDl eSCUl0> e ,anSando ma0 do Punhal.
o lim seu dever, para queixar-se do outro. es- 1ue comigo levava, espero, ou aotes, vou ao en-
qui'cer anda que uma mulher amavei e chrs- |contro do vulto, que tambera para mim
zes, e como se islo anda nao fosie bastante para
assusu-lo, ei-lo defendendo os Jesutas, ha mui-
to perseguidos e calumniados, temidos ou insul-
d'um ou outro nobre levantasse essa muralha de erros ou impropriedades de termo, que muito
bronze, onde se inlrincheirou Pombal para com Paro censurar-se.
outros concorrerem para a queda da compa-1 Conhece-se que o Sr. Dr. Ovidio esforjou-se
nhia. i por imitar a pureza dos anligos, sem escravdao,
E' este o nosso pensamenlo ; se assentado com S'10 livre, phraze nova, diego Dolida, se-
sobre bases verdadeiras nao o garantimos, por- g'mdo o conselho de Garco, mas despresou o
que talvez a alleico ou a gratdo no3 levasse a SonSorismo, com razo bando, c com maa gos-
defender, como Brasileiro, este ministro, que seguido ha pouco por alguns mocos, alias de
apezar de Portuguez, e nessa poca em que o ruerilo.
Os marlyros de fre Joo Aspicuella para ac- P'rando por ordem do governo a direcro ce
uma estrada que ligasse o sul da provincia com
o porto de Iguap, pretende ter visto de longe o
Bolucavar, em cujo cirno, auxiliado por um oc-
culo de alcance, avistou duas pedras superpostas.
Sendo, a de baixo com a configuradlo de ura ca-
vallo, e a superior cora a de uma mosca com
duas grandes azas aberlas, o que justifica o nome
de Bolucavar, que na linguagem guaran quer
dizerMosca cavaito.
Vamos, porm, tratar de ura phencmeno que
all se deu recentemente, para justificarmos a
epigraphe deste artigo que va cscripto, corren-
le clamo.
No da 31) de margo pretrito, s 11 da monha,
alguns individuos do municipio da Pied'adc, que
se havam internado pelo serto para uma cana
de antas, ouriram uma detonacao rouca a pro-
longada como de um trovo longinquo. Os-ca-
cadores subindo immcdiatamenle ao curae de
uma monlanha que lhes ficava mais prximo, o
voltando os olhos para o lado onde se suppoe
exislir o Botucavar, viram um rolo espesso de
fumo, que da crista da mais alta montaoha-se
elevava ao co como uma longa serpente negra.
Os cacadores ouviram anda
- algumas detonagdes
hoje a pureza de linguagem e z ra- deespaco em. espago que se tornaran cada ni
Brasil era simples e miseravel colonia, animou Difficil
o coramercio das provincias do norte deste impe-1 zSo obvia. O proprio Filinto-Elysio, o desa- I masVurdas'e mais fracas ; quando dissipou-se
a fumaca pareceu-lhes que uma parte do morro
rio por meio d'uma companha; prohibi que piedado prol igador dos assassinos da linua
os colonos ricos, como era costume, mandassem | portugueza, o incansavel apregoador de suas
bellezas, algumas vezes lancou em seus escriplos
aodkMM d'aquella mesma er, a que nunca per-
doou odio, como diz o grande A. F. de Caslilho,
inlelligencia digna de avaliar to grande e ufe-
liz engenho.
toa c uma mina inexgotarel de virtudes e gracas,
de engenhosoa agrados e de sanias industrias, a
que nao resiste o coracao de ura esposo, ruo-
nos que nao esteja decididamente corrompido ;
c Qnalmenle continuar a preferir esse aposto-
lado domestico as inutilidades do mundo, que re-
vollam os maridos mais do que se peusa, os mais
fuleis a menos christos.
Feliz della se, em vez dessa dever que despro-
za, Deus lhe envia alguma amizade
me..le christaa I
Ao contrario, nao para temer que ella encon-
tr essas vas unie3, que adorna o nome da
amizade, e que sem follar das de.sordens occul-
tas a que muilas vozes conduzem) aguam na al-
ma o pouco sal christo, que lhe restava, c teem
o deploravel effeilo de dilfundir sobre ligacoes
baaos e superficiees esses thesouros de amor
incerradoa no corceo da mulher, que santamen-
te empregados sao a salvaco das familias e das
sociedades 1
Lis a rao porque quiz dar lano desenvolvi-
nienlo ao que apenas como eu a principio dis-
se, uma critica de delalhe.
Nem o padre l.acordaire, nem meus leitores,
que j foram, ou que aiuanha sero tambera
se 18, julgaro que esta divergencia de vistas tira
algum mrito Sanio Maria magdalena.
Do boa rontode reconhero com lodo o mundo
que Santa Maria Magdalena uma perola. E
bem pode sor que eu me tenha asscmelhado
esses astrnomos ineptos que procuram mauctias
no sol.
Perdoe-mc o pidre Lacordaire, e nobremenle
vingue-se dando-nos muitos livros esle seme-
ntantes. Eu nao conhero quem possa exercer
urna influencia mais feliz sobre as classes letra-
das, qualquer que seja o grao de chrsliauismo
eui que se as supponba.
EVCEN1E DE MARGERIE.
(MandeSocza Fxlho.)
se ap-
proximava.tf.lle caminha, e ao Iravcz da escuri-
do da noite pude, oh rau Deus, descobrir um
homerr o nao aquella que esperava I___ Todo o
fogo de meu amor e de minha paixo arda em
meu peito, todo-o auiargodocume senta eu em
meus labios. Ceg, desvairado, sera mais inda-
gar, descarrego um golpe sobro o peito do que
verdadeira- eu julgava meu rival, e o vi rolar sob raeus ps,
edepois expirar sem ao menos pronunciar uma
palavra, sem dar un s gemido___
VIH
Petrificado e horronsado de mim mesmo fi-
quc por momentos contemplando em silencio mi-
nha presa ; mas do repente um pensamenlo me
accommelle, antes, jamis eu o (ivesse, sim, o
pensamenlo do ver, de conhecer, do contemplar
minha viclimi. Arrasto-a para oudo oclaro da
noite me pareceu maior, e.... oieu Deus reco-
uheci que minha vctima tinha sido aquella mes-
ma, quo eu tanto idolatra va I___ Caio de rosto
sobre a trra, beijo aquello corpo inanimado, e
j a descarregando sobre mim mesmo um golpe,
quando minha mai quo j se achava no co, se
me aprsenla: seu olhar de compaixo, de dor,
o de reprehenso dcsaruiou meu braco assassino
c quasi suicida, a eu, fugindo do minha victima,
c da vista de minha mai, corr casa al quo a
aurora veio dissipar os phantasmas, que me cer-
cavam, e mostrar-me a dura o lerrirel reali-
dade
IX
suas ilhos para os convenios de Portugal, de
Hespanha e da Italia, autorisou os navios mer-
cantes pura que podessem sabir de Portugal e re-
tados por aquelles que nao se deiarn ao trabalho Sressar do Brasil quando seus donos quizessem,
de estudar a vida e feitos desses incansaveis Ira- I abolindo assim o antigo eostume de andarera era
ibalhadores da vinha do Senhoi tao vidos j0 comboy ; publicou a le de 6 de juoho de 1755,
sacrificios, como Lameanais diz icrcm os outros aclarando- os Indios Montos da escravdao ;
homens vidos de gozos e de prazeres. jehamou os Brosiieiio* para elevados cargos;
Dando por isto ludo os devidos parabens ao spnlUou a instrueco por todas as capita- j tempe e estudo para deseovoher-se, um es-
geaeroso autor desse phiiantro tico brado, em 'as; animou a agricultura, e d&struio o poder j criptor novel que com sua peona to dcil, hade
prol dos sacerdotes que outr'ora foram os nicos! da In1uis>':5. 1ue aos se-us negra e medoohosl deixi-nos brilhanles c aprimorados fructos de
defensores da religio, na opinao bem fundada i carceres leTOU raulos Brasileires d'ura c outro sen talento, que desponta to viroso em lo
baria desmoronado,, visto como apresentava um .
aspecto inteira-mente novo. S
Esla exploso veio anda confirmar a existencia
e abundancia de mineraes no Botucivar, e o re-
cente dcsmorimamenlo poder servir como ara
pharol aos sertanejos que empreheoderem novas-
Lmlim- o Sr. Dr. Ovidio da Cama Lobo, excursocs s regioes aurferas de Bolucavar.
[Revista Go-nmtrcial de Santos.]*
uma esperanza que desponta no Brasil, uma in-
lelligencia cheia de vigor, que s espera pelo
de Flcury, quando a egreja call.olica era ator-
mentada no interior e exterior p)r inimigos po-
sexo.
No meio do verdadeiro prnzer que sentimos
verdes annos.
A Deus fazemos votos para quo
se realise, a inlelligencia se reprod
A Revista Agcola fa Inglaterra publica a do-
cusso que leve lugar, ha pouco tempo, na soeie-
dade dos A res de Londres, discusso na qual to-
maram part e alguns do principaes agricultores
do Inglaterra.
Tralava-sc de resolver a importante queslao da
derosos e ilhos rebeldes, que eipantavam a so- i ao ter este opsculo, na verdade, experimenla-
ciedade por seus erros e seu saber, como nos con-! mos incomraodo quando chegamos- ao ultimo ca- ,0 cresea, a penna escreva, c o indiffercnlismo oa! do cavalo e do homem.
ic a esperanc* < ""a aKi u^ 'i3">":' h|buw quesiapoo
iriuT i i PreC d;|s tres forra monetarias mais ge-
tuuza, o iaieu-, ramente empregadas na agricultura : do voperj
ta Lachalolais, quando o protesttntismo comba- I pitulo.
lia os dogmas catholicos com o 1 jxo e apparato Por certo, tratando S. S. dos Jesutas, e escre-
de ctudirao, quando lellras, sciencia e artes eram vendo no Brasil, onde ardentemenle deseja ver
I
ra alta coile, e sobre um leilo de dores re-
volvia-se um homem, joven ainda ; mas j to
velho o to minado, que pareca octogenario,
tanto o infortunio linlio descarregado sobre elle
Sua mo de, ferio. Deilado sobre umgrbalo,
quasi n, elle, coilado I pedia com palavras, que
seriam capazos de despodacar o corago mais fe-
rino, um sacerdote que lhe dsse os ltimos con-
solos da vida, o derramaste sobre seu peiio op-
primido pela desgraca e pelos remorsos a uncro
do suas palavras anglicas esagradas___
II
Duas horas assim possaram-se, e finalmente o
CH1GIMAL DO DIARIO DE PERNRMBUCO-
"* Desde esla noite fatal, padre, que jamis pude
gozar dos prazeres da vida ; porque ludo quanlo
me ccrcava e acompanhava era o cadver, ou
antes, o espectro ensanguenlado da minha inno-
cente e infeliz victima, e uma voz forte c me-
donha soava semprc em meus ouvidos, e elladi-
zia-me: assassino, mataste uma innocente, es-
ts condemnado, e Deus nao le perdoar----Eis
toda minha vida : lde nella a mudanr.a, que se
lera operado no meu todo, e dizo-rae, por Deus
te peco, padre, dize-rae so pode haver perdo pa-
ra um tal crime
X
empregadas, como nos assevera Jaimes, conlra a
religio, nao podemos resistir ao desejo de ar-
riscronos algumas palavras sobie esta obra que
ha pouco mais d'um mez sabio ,i luz
Nao espere de nos critica que ofrenda, Sr. Dr.
Ovidio, insultos, diatribes e palavras ribeirinhas :
se nos faltara luzes para bem a< aliar os seus es-
criplos, era por isso ignranos que a cri-
tica, como bem diz um escualor portuguez,
tem de ser clemente, para alio servir de ver-
dugo.
O papel da critica acoaselhar o talento,
revela-lo ao publico em ura pai'. to pouco dado
s lellras, e ella nunca matn ror ajusta o que
deve viver, bem como o elogio nunca dar vida
ao que deve morrer. Quem 1er com paciencia o
opsculo do Sr. Dr. Ovidio vea, que elle bem
pode com propriedade ser cas sificado entre os
escriptos histricos.
Com apurodo gosle, perseverante esludo e in-
cansavel actividade, o Sr. Ovidio folheou os es-
criplos de muitos autores, cou.emporancos des-
ses inoffensivos padres que, quando para muilos
restablecida essa ordem que presiou aqui to
bons servicos, era de esperar que desse muita ex-
panso s suas brilhanles ideas, era justo que
deixasse a penna correr livre o. oxpontanen peto
papel.
Por que S. S. apenas de leve apontou to su-
blimes fcilos ?
Para que nao disse, que em muilas Ierras,
como na Rabia, quando se conslruiam a cidade
e a egreja de N. S. o'Ajuda, a primera, que leve
o Brasil, foram os Jesutas, quo cortavam ano-
res, que as tornavam em laboado, que traziam
s costas madeiras e barro, e que fazam casas
e lerapos ?
N'esse trabalho improbo ero ajudados anda
pelos frades de constituico fraca, que andavam
pedindo esmolas, e por outros, que linham offi-
cios. Conta a historia, que Diogo Jacome fazia
coroas e rozarios de pau, oulro frade formava
alpargatas, este anzes, aquelle facas, ludo ser-
via e todos trabalhavom.
Porque nao contou, que quando os Indios
delles erara horas de descancar, foram fulmina- eram considerados escravos, e ento acollados
dos por Clemente XIV, que o lancou s lurbas pelos homens que se dizio civlisados, perse-
que osapuparam cheios de miseria, e que resig- | gu'd Polas matas, esmagadas as caberas de saos
nados ainda beijaram com venoraeoo a mo que
filhinhos em Ironco d'arvores, c ot amarrados
os arrastou do silencio dos claustros, e o braco as bocas de peras, e feitos era estilharos, como
que oslirou da salido das br;nhas, onde bus- aconleceu em 1679, o padre Jos de Anchieta,
cavam o salvaeo de muilos infieis cm troca s
vezes de seu sanguoe de sua v da. .
Nobrtga e outros trocavam sua vida, pela salva-
rlo d'elles; que por meio da densos bosques,
Deste trabalho resullaram muilas cuacos, pe- sombras florestas, rodeado do perigo, Antonio
las quaes o Sr. Ovidio com muita modestia pedo Vicira fazia por toda a parto ouvir sua voz olo-
o desgosto de qualquer critica infundada nao o
faca esmorecec a poni d'esrjuoccr-se de que
Desde muito le mpo os economistas inglese
deve patria o unus, que da omnipotencia re- [lu ,esl", rcsPeil. grande copia de clculos re-
,.!.. ,. a r ":'plcncl'1 ro i sultantes de expen encas directas, o fetas cora
ceDeu, quanao o Creador o bnndou com la-1 os maiores cuidados. Fundlos neatea dados. Mr.
lento. Morln est.ibeleccu que sempre que ascircuros-
No se mortifique o Sr. Dr. Ovidio polo que
disemos a seu respeito: sao apenas simples
faltas, que descubrimos sem razo talvez ; nao o
ofrendemos por que nem se quer temos simples
relares de cortezia e nem seramos capazes de
o fazer, muito principalmente quando cstamos-
ioteramcnle convencidos, que o seu opsculo,
ura brado generoso em prol d'esses venerandos
frades, que tanlo trabalharam cm favor da nos-
sa religio, c da Ierra', que nos vio nascer.
(Piti/icorfor Maranhense.)
Variedades.
ltenlo c silencioso elle fica esperando ouvir a i perdo, logo na quinta pagina, porque julgou que
sua senten^a da bocea daquelle, que chorava suas palavras deviara ser autoiisadas por tesle-
com elle, e de quem agora dependa sua ventura' munhos edocumentos.
quente, c derramava as luzes do chrstianismo; cura, no sentir de Chateaubriand. Os cabellos
que D. Pedro Fernandes Sardinha, o prmieiro
bispo que leve a Babia, com oulros frades, en-
UAaTElRL
30 DE IINODE 1560.
A' maneira de mosaico.
Nao se sorprendam os nossos leitores com o
titulo que hoje adoptamos para o nosso trabalho.
ileflictan, que nos faro Justina. Obedecemos
nislo lei suprema, que nunca deve seresqueci-
da pelo cscriplor publico : lei da conveniencia
bem entendida.
Muitos sao o? panegyrislas da variedade, como
principio ; c nao sao poneos os que a seguem
como doutrina pratica cm lodos os misteres da
vida.
Files locm sua razao. do immemorial dota
a idea quo'prcfessam : e at se pode affirmar.
com algum fundamento, que ella s por s vale-
ra como theona philosophica, frente de alguma
das mais accrediladas escolas.
E essa variedade j uo cm si mesma uma
conveniencia"?
Entendemos quo sim, e reputamo-la uma das
mais graves c imperiosas.
Quando se falla, porm, sobre as cousas Ilite-
rarias e artsticas, sobre os assumptos de mero
recreio para d imaginario, ou ainda do simples
diveiso poro 0 espirito, essa concentencia assu-
me as proporroes de uma medida salvadora, n-
dispensavcl e infallivel; porque sem ella nada
pode haver elegante e formoso uo dominio das
lellras edas artes.
O meslre Horacio, com ser pago c cpicurisla,
o comprehendeu perfeilamente muito seculos
anles deste em que vivemos.
O seu importante preceilo : ^
Omni tul punclum qui miscuit utiledulci,
j era uma consequencia necessaria da sua pro-
funda convkco semeluanie rcspetlo.
E o mais que ella o recebera de Aristteles,' se com lodosos bjectos, pasta a representa-los "'gera que muito entenda da materia :O/b-
o qual, por sua vez, o havia recebido dos sabios I sem difficuldade, e o troduz-los. sem o menor cus-1 Ihetim um genero especial de escripto, a sua
Egypcios, dos Phenicios e dos Chaldeos, os quaes'to. Se lhe pedirem osen plrecer em poltica,! regra nao ter regras.
lambem o houveram, como heranco, dos primei-1 elle o dar muito salsicito ) com a liberdade | Nao que elle corra desatinado e sem freio.
ros pensadores c dos primeiros legisladores da | que mslor. Se o procurarem pelo lado sym- orno um corsel rabe, pelos desertos de alguma
Ierra. pathico das artes ah o tero feiliceiro, jovial,' regio oriental:ou que voc rpido o precipita-
chcio de movimento, abundanie de bellos episo-1 do, com azas de cera, como Icaro.
dios, e rsonho a oo poder mais. Nao! A natureza o seu thermomelro :alm
Se o quizerem oas lellras, percorrer com ellos della nao pode ir nunca ; mas -lhc permilldo
o crculo vasto da phinlasia edo pensamenlo ; ironspor barreiros, que s rlese impozera umdia,
e, ora grave, ora folgazo, se- sempre o porta- quando se quiz constituir senhora absoluta dos
dor de boas novas aos sinceros apreciadores da thesouros do universo.
natureza. O fothtlim prpnde-se le da unidade, pelo
Quando o tenham de acomponhor em suas ex- pensamenlo ; mas nao se descarta, por isso, da
curses pelos campos da sciencia, nao o veroo \ variedade, que loo perfeitamenle lhe assenla,
parecer, obliterar-se ou desvaneccr-se de todo, 1 acabrunhado sob o peso de um manto de purpu- | que lao bem lhe cabe por mais de um Ululo,
naquillo quo constilue a aleada exclusiva do ra j velho c sem goslo, como succede por vezes *
mundo moral c do mundo artstico? aos rudos viajantes no mundo afidolgododosli-
A unidade serio to egoisla, que fizesse guer- vros onligos c das empociradas bibliolhecas. E que muito que elle, o folhelim, o filho
ra de morte aquella oulra le, e se nao harmoni- Quando lhe pedirem o seu vol de rrenra, a querido de Janin e de Philazetc Chasles, o alum-
Ora, se assim nada mais lgico do que ex-
tender-se a theoria todos os ramos do jorna-
lisrao, que entende com as lellras e com as ar-
les, e que, por isso mesmo, exerce uma influen-
cia to prodigiosa sobre o mundo das intelligen-
cias.
A variedade, que para a vida physiologica e
material uma condijo de primera ordem, uma
clausula de indispulavel efhcacia, poderia desap-
sasse com ella? I sua profisso de f, cm arliges de mera litteralu-
Prova cabalmente o contrario a sciencia das an-i ra, nao se aprimar como um pedagogo, pora
tiguidades, a arc/ieoiogto. dizer banalidades cm lom cnphalico, ou em es-
Mas, nos que nao somos archcologo, que nao ] 'J'lo sobremaneira didaclico. Revelar-se-ha como
queremo's campar de antiquario, nem nos preza-l contador de anedoctas chisto na e de interessan-
remos nunca de excavador em terrenos de remo-1 les historilas crilico-litlerarias, ou preferir
iS3ma dala, acceilamos o principio, sem pres- seriedade fastidiosa das temorias o dos tratados
crular-lhe aorigom, e s nos atemos veracidade
que elle encerra.
Nao creaco de uma osela, nao pode ser a
ficcao engenhosa de um syslema : sim, o re-
sultado da analyse c da observafo, ou antes,
uma idea que a propria razo suggcre, indepen-
dente do ulteriores corabnacoes para o espi-
rito.
* *
Tois bem I
Admillido como inconcusso o preceilo nalura-
lissimo da variedade, elle de primera intuico
na vida jornalistica ; e se o quizerem mais evi-
dente e mais ampio, ahi o terao, por vezes.no que
se chama folhelim.
Na verdade, o folhetim um genero de escrp-
to.de lao especial natureza, que talvez se possa cha-
mar de nico, emattcnro ao carcter e forma,
no pensamenlo que o dirige, c ndole que lhe
inherente
Anda-lhc annexo um certo ar de complacencia
c de urbanidade elevada ao maior grao, porque,
abrangendo todos os assumptos, e idenliicoDdo-
de longo folego, a forma allraclva e.seductora
das variedades proposito e vindas a lempo.
O folhetim ser sempre um divagador traqui-
nas, e butiroso, a correr li;;eiro pelas seluas e
pelos jardins, a colher aqu e all uma rosa p-
dico, ou uma saudade lnguida e silenciosa, a
sorrir-sc raeigo para o sol que se levanta, ou a
incliuar-se pensativo para c extremo raio desse
astro que decae no poente, s horas precursoras
da noute.
Bailar com a sylphide flor de um lago crys-
lallioo, ou pairar como a ondina por sobre as
vagas azuladas do occeano.
Assim ser o folhelim sen:pre : especie de ca-
mioheiro iofaligavel que vai do uma plaga para
outra, a levar noticias de una outra extremi-
dade do mundo, a estrellar confidencias de pen-
samentos o do irnpresses intimas.
Quando o virem plangenle e melanclico, ser
uma lcmbrangajdolorosa que lhe rebenta do seio,
paluda e triste como o senti.liento que a inspira,
mos em todo caso expressiva c moviosa.
Pdc-se dizor, por ventura, como j o disse
lancias exigirem grande uniformidade de traba-
lho e forcas cousideraveisy o cusi real de cada
cavallo vapor, nao passap de 28 cntimos por
hora. Nos mesmas condicies o cusi do cavallo
vivo importar cm 50 cntimos e o do homem
em 10 francos : bem entendido, isto tendo-se
em considerado a resultante do trabalho de caa
uma das foreas designadas *
Por clculos tao minuciosos como exactos mas-
Irou-se at a evidencia que o em prego do vapor
como fore.a motora duplicadamente mais econ-
mico que a dos cavallos-, e que comparada cwb a
forca do homem, nao tem relacao admissivpk
verdade quo nem sempre possivel o enve-
go do vapor na agricultura. Campos pouca-ex-
tensos, forma irregular, obstculos nalu-
raes ou arlilioiaes, que podem offerecer, obstam
completamente ao servico dos engenhos movidos
vapor, ou tornara seus servicos mais dispen-
diosos que os do cavallos. Mas lambem forro-
so admiiur quo em grandes terrenos, superficies
nivelladas e cantadas araveis nao se deve aban-
donar a forra mechanka sob pena do nio tirar da
trra lodo lucro quo della se pode auferir.
Ns mesma sesso ventilou-se a queslao da di-
minuk.lo dos operarios com a applicacan do vapor
oos trati.-ilhos agrcolas ; mas Mr. Morln respon-
dendo de prompto era sentido negativo, demons-
tren quo o emprego da forca mechanica nos tra-
balhos agrcolas, longe de diminuir a numero dos
operarios, o augmenta considcravelmcnte, com a
diflerenra, porm. que os operarios, de que se
necessita ento nao sao homens degradados, e
obrigados pela miseria a substitoirem. a forca do
cavallo e do boi, mas sim homans inlelligentes,
que tem de dirigir o trabalho das machinas pro-
ve sua conservarlo, e dedcar-se totalmente
empregos, que longe do lhe atenuaren! as tor-
cas. lh"asconservam. Havcndo alem disto a van-
taaem de raelhorar as suas condi^es moraes, il-
lustrando-se o seu espirito, e dispsndui-os aos.
bons costumes.
ca, visilou os dominios de Roma, estabeleceu-se Em poltica, observa elle unn serio de acoale-
na Italia, e fixou-so bem de pressa em toda a cimentos que se combateo, uma lua de pimc-
Europa. pos que se repeliera, um amalgama de ideas
E' de origem aniquissima, coclaoeo das primi- 1ao *e coniradizem, uma fuso do doutrinas quo
tivascivilisaces, e contemporneo das civilisa- se nao harmonisam de maneira alguma.
ces que vioram depois. I Vc a diplomacia astuta o tencoera pairando
Este, o folhelim, de creacao moderna : as- | V>t cima dos gabinetes, articulando o alphakelo
ceu, talvez, com a musa graciosa doa'Germanos e d;,s conveniencias publicas e sociaos, e saccirvian-
dos Gallos.afTeicoon-se ao co nevoenio da Sean- do, sem rebuco, as maiores arbitrariedades, os
dinavia e daGraa-Brelanha, rospirou fagueiro sob i mais indesculpaveis caprichos,
a alhmosphera balsmica de Veneza e de Cotdo-i. 0uv'e que, cm nome da liberdade, se ataca a
va, e descanta egualmenlo formoso as alturas independencia dos povos, e que os caudilhos au-
piltoroscas de Cintra, e sob o sol esplendido das dazes de unta populaga rebellada querc-m a todo
regies inlertropicacs.
Nao deseo, como o outro, das eminencias dos
primeiros seculos para vrsaudaro nosso: re-
monta d'estc pora aquelles no seu da d'aguia,
Plicnomono mieeralogico Botocavar.
Nos vastos serles incultos que se estandem
como um mar de verdura entre a cidade de Igua-
p o as villas de Una e Piedade, e ergue, i quem
da sorra da Maanha, o celebre morro de Boluca-
var, ao qual a Iradieo de seculos allribue ri-
quezas fabulosas, regatos crystillinos serpenteara
sobre palhetas de outro e pedra3 de diamante,
lagos encantados em cuja superficie lisa e dor-
menle surge as vezes aos ltimos clarees do dia
uma nyade gentil, deslumbrante de belleza co-
mo uma dessas raadonas de Raphael, ou como
essas virgens celestes que a mente otisada do
poeta entrev nos roscos horisontes do futuro,
otravez das sombras de um desses sonhos de illu-
ses que nos enganam e que tem sempre sua do-
dc ouro da formosa nyade se desprndela sobre
espaduas alabastrinas, c meio que lhe vedam o
o transe levantar o seu proprio predominio sobre
a ruina de diretos adquiridos.
Reconhecc que, segundo um direito publico
nteramenle novo.se quer fazer de uma sobera-
no predilecto da escola caprichosa de Gautier e
de Octave Feuillct, o mgico prodigioso dos so-
nhos de HolTman, edasviagens de De Maislrc,
venha a ser por momentos uma especie de mo-
saico, ncsle mundo vaiiadissimo e indefinito das
lellras?
Aos que nos eslranharem a denominago, por
emprestada, aposentaremos o nossa razo :
uma razo como qualquer outra.
A parte a archeologia (com a qual embicamos
quasi sempre), definamos o mosaico.
Entendedores legtimos querem que elle seja
uma especie de pintura executada pela reunio de
pedrs ou de pastas de cores diversas, presas e
fixadas por meio de uma lgeira sida, formando
assim representaces variadas : c um texicogra-
pho j disse que elle um embutido de pedri-
nhas de varias cores o de pedacnhos de esmalte
colorido, com que se imita a pintura.
J se v, pois, quo o titulo nao vem des-
cabido na occasio prsenle. Se o folhelim nao
o embrochado de malcras brutas, que se coo-
catenam, medanle os esforcos d'arte, e que rea-
lisora na pintura uma especialidade de summo
engenho, e do apurado gosto, a msela fanta-
siosa de muilas ideas differentes, que se prendem,
pela variedade dos traeos, unidade suprema da
concepgo. Aquelle, "o nosaico, despertou na
Asia.alvoreceu no Egvplo, aclimatou-se na Qre-
perpossondo magesloso todo o espado quo o sepa-, na temporal, altamente constituida, urna ques-
ra das geroces que j nao vivera. lao de lmites ; e que certas poleadas, que so
E' variado como o oulro. porm sol.ro-lhe a diz.em feae> corceam, merc de paixo^s part-
elegancia e o donaire, quando vem tratar da ima- cu'.ar"- as raias,e os oommios de um estado.
t s ulti- quc sorul 1"e se denomina de progres-
sista, e de cvilisador por excelVencia, em vez da
ser um seculo ureo, um sculo de fett: a
cdodeespetial da mechanica e do indusUialismo
giuaco de poela, e subir com ella a
mas concopres do engenho humano.*
Caminha por toda a parte, com os suas lendas
e com as suas inspiraces mysteriosos ; e a poli-
tica, e as arles, e as lellras, e ai scieucas, e a in-
dustria, encontram-no sempre disposto a convi-
ver com elles, em mutuo amplexn de sentinjen-
tos.e de ideas.
Porque se nao dir, pos que o folhelim um
mosaico sui generis ?
Nao elle como a harpa eolia, que se expan-
de em sons, mal se entreabre a manha : nao o
Amcnophs, dos egypcios, o Mcmnon dos Cregos,
o ici da estatua fallante.
Entretanto, parece que nao vai muilo longe
d'esses felizes resultados.
Se lhe pedirdes a sua opinio em poltica, nes-
te periodo que vamos pe.rcorrendo, que dir o
folhetim ?
Proravelmente aquillo mesmo que todos se*,--
*m, que lodos comprehendem, que o men'jsl-
lustrado poder perceber.
Elle nao faz queslao com as theoriasdo, monar-
chia ou de democracia, de syslema ar\iocratico
ou de syslema representativo.
A sua btndcira neutra cobre '.odas as cargas,
com tanto que sejam legaes, r_ no offendem os
dircilos de lerceiro.
ero toda a forra do termo.
Se lhe pergunlardes o que vai pelo mundo das
sciencias, das lellras e das artes, elle apellar
para o espectculo da poca ; e far esforcos
para mostrar quo. mo agrado as grandes conquis-
tas da inlelligencia, ainda resla muito de mate-
rial as altos espoculoQes da industria e do com-
mercio.
Em ludo, ello lera o seu thema necessario, in-
dispensavel, quasi urgido pelas circunstancias ;
e o sen pensamento capital ser sempre a tiarie-
dade dos assumptos, para submetter-se lei das
conveniencias publicas.
* *
*
F. diro ainda os mais incrdulos que o folhe-
lim nao podo ser um mosaico ?
Dcmonstromo-lo praticamente.
Com estas linhas, que escrevemos pressa,
salvamos a authenticidade do titulo.
T. B.
#PERN. -TVP. DE U. F. DE FARIA. 180,
.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2OHMUMRK_JFCVNQ INGEST_TIME 2013-04-30T20:23:02Z PACKAGE AA00011611_09104
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES