Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09103


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AM XXXVI. MUERO 152.
Por tres mezes adianlados 5$000.
Por tres mezes vencidos C$000.
Jk\s
TERCA FEIRA 3 DE JDLHO DE 1869;
Por anno adiantado 19$000.
Porte frauco para o subscritor.
ENCARRF.GADOS DA SUBSCRIPCAO' DO NORTE.
Tarahiba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaly, o
Sr. A. de Lcmo Braga; Cora, n Sr. -'.Jos do Uli-
veira; Maranhao, o Sr. Manoel Jos Martins Ribei-
ro Guimares; Piauliy, o Sr. Joao Fernandos do
Moracs Jnior; Tara, o Sr. Justino J. Ramos;
Amazonas, o Sr. Joronvmo da Costa.
i'AR11UA UOO tU li 11 l. 1U.>.
Olinda todos os das as 9 1/2.horas do da.
Iguarjssi, Goiaana e Parahiba as segundas
e sextas feiras.
S. Anto, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinhoe
Garannuns as tercas feiras.
Pao d'AUo, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, lngazera. Flores. Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex nos quarlas-feira.
Cabo, Serinhem, Rio Formoso.Una. Barreiros.
Agua Prela, Pimenteiras e Natal quintas feiras.
(Tolos oscorreiosparlem as 10 horas da manhaa
EPHEMERIDE DO MEZ DE JULIIO. *
3 Luacheia a 1 hora e 47minutos da manhaa.
11 Cuarto minguante as 3 horas e 38 miaitos
da manhaa. ^
18 La nova as 12 horas da manhaa.
25 Cuarto crescente as 3 horas e 20 minuto Ja
manhaa.
PREAMAR DE HOJE.
%
Primeira as 4 horaSje 54 minutos da manhaa.
Segundo as 4 horas e 30 minutos dr tarde
PARTE OFFICIAL
Govcrno dn provincia.
EXPEDIENTE DO DA JO DE JIMIO Dr. 1860.
Oflicio a cmara municipal do Recife.Tenho
presente o oflicio que, com dala de 25 do cor- I
rente mez
seal do mantilla no ollicio junio por copia, iiion-
doi pagar, sob minha responsabilidade os venc -
mentos do machinisla da nova barca de escava-
no, Andrew Me. Intery, visto ser ella destinada
AUDINECIAS DOS TRIBUNAESDA CAPITAL.
Tribunal do commercioi segundas e quintas.
Relaco : terjas feiras e sabbados.
Fazenda: tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio : quinfas ao mero dia.
Dito de orphaos: ternas e- sextas as 10 horas.
Priraeira vara do civil: trras e sexlasao meio dia
Segunda vara do civil; Martas e sabbados
meio dia.
ao
para as obras do melhoramento do porto.Com-
municou-se ao inspector do arsenal de raari-
uha.
Dito ao raesmo.Inteirado do contedo de sua
me dirigi a cmara municipal do Re- i informacao de 28 co correle, sob n. 644. dada miado pagar ao cVrurgaTo~grVn^hMprd> municar a
afe, era resposla ao desta presidencia do 15 acerca do requenmento, em que Jos de Olivei- | caridd, Jeta FraoiaM.Miifo Gnima"ies
re/es talhadas para o con- '
caes o reteno unposio. ate que soja ello arre-
matado perante a mesma thesouraria, empre-
gandoparaisto toda a aclividadee zelo pelos in"-
toresses da fazenda, que da mesma cmara se de-
ve esperar.
DAS DA SEMANA.
2- Seg. Visitacao de N. S. a Santa Isabel.
3 Tere. S. Jarilho m.; S. Heliodoro b.
* Cuarta. Santa Isabel Raioha de Portugal f.
5 Quinta. 5. Phelomena v.; S. Tryfina m.
fi- Sexta. 5 Domingas v. m.; S. Hnrala b.
7 Sabbad^S-. Pulquera v., impcralirz.
8 flnmingo S. Procopio m. ; S. Auspicio b.
prsteteme Ua provincia, manda acousar recebido
o offlcio de 28 do correnle, sob n. 702, em que
V. S. lhe communica ter fallecido no dia 19 des-
te mez o alferes reformado Dnmiao Jos de Al-
boquerque que servia do ajudante na fortaleza de
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Bahia
Sr. Jos Martins AWe; Rio de Jneir, o Sr.
Joao Pereira Martin.
EM PEMAMBLCO.
O proprietario do mmuo Manoel Figuciroa d
Faj-.a.nasua livraria praca da Independencia ns.
acerca do cxaine das
shiinio nesla capital.
ra Ramos c Silva pede lhe seja entregue, visto
achar-se para isso autorisado, a importancia dos
cura a cmara demonstrar na priraeira par- Prejs, relativos aos mezes de fevereiro. marco e
o dfo seu olllcio, que a ella compete exclusiva- ril deste anno, dos guardas nacionaes deslca-
incijte pola lei do seu regiment a altribuic.o de d^s l>ao d'Alho, autoriso a V. S
tornear os empreados muniripaes, e que por isso
bnde nao poderom sor olios indicados pelo
bidente da provincia, nem mesmo por via do
irso autorisado no art. 73 daouella lei se ni
se minifiques predila allribuico.
Procura depois a cmara provar, que nao
exacto ser de m qualidade a carne verde vendi-
da populacao desta cidadn para sna alimenta-
cao, o que anda qie o fosse, nao seria ella cau-
a mandar
effectaar cssa entrega em vista da competente
procurado, que dever ser apresontada pelo pe-
ticionario.
Dito ao inspector da thesourari? provincial.
Do posse do seu oflicio do 28 dosio mez, pelo
qual trouxe V. S. ao meu conhecimento e deci-
sao ns propostas dos prelondentes impressao
dos trabalhos das repartices provinciaes, que
nesse da foi a praca peraule a junta dessa the-
leu por rece" l)r- Felippe Nery Collaco 2.80OjO00, por
. quanto Manoel Figueira de Fara declara em sua
sa,do eniretonimento da epidemia reinante, se- souraria em dous lotes, un avallado em 3:50113,
gundo a opinio do dous mdicos que a cmara B outro em 1:500$, pelo primeiro dos quaes otre-
consultou, c cujos pareceres me remello
copia.
Rospondendo cmara municipal do Recife, proposta poder tambera fazer essas impresses,
tenho a dizer-lho sobro a primeira parte de seu parerondo a V. S. quedeve este proponenle ser
ofOeio, que nao havendo acto algum da presiden- preferido polas razoes que allega, e mais pelas
eia Horneando o Dr. Augusto Carneiio Monteiro 1lle ponderou V S. em seu oflicio de 10 do ra-
da Silva Santos medico do matadora, nem indi- j denle, determino que mande V. S. contratar com
cando-d para tal cargo sena o a recommendarao [ referido Figueira a impressao dos trabalhos do
contida no tnou ollii-io de 15 do correte, pa-1 Pnmeiro lote, e que ponhaein arrematacao o se-
t.t que aqnelle medico, que en considorava etn- 8ndo, que evidentemente nao est arrematado,
pregado municipal, continuasse a examinar as ,,ao so Por *l'e aquelle Figueira nao lixa o pre-
rezes que houvessem de ser mortaspara con- ?" P"r 1ufi pretende, nem houve lauco de ou-
summo na capital, nao deria a cmara encher-1lra enipreza, como por que a accuraulac'ao de to-
gar nesse acto da presidencia urna cxlois.io do i^3 a impressao de queso trata, em urna s em-
suas attribuires legacs, as quaes. sendo defl- Preza typographica contraria o pensamento, que
nidis em dirito escrpto, nao podem sor ob- I "le.'cvou a aceitar a divisao por V. S. lemhrada
jet tu de duvida para quem o tem beni presente, e "teresse da maior economa dos dnlieitos
se esforga por ve-lo mantido em sua integri- : pul'licos, e da rogulaiidado e presteza desse ser-
dade. I vico.
Parecendo-me por isso desnecessarias as con-| Dito ao raesmo.Visto que, segundo consta
sideraces da cmara para demonstrar urna pro- : l*e seu "":io de 26 lo correnle, s/>b n. 251, no
"isii-.iii jurdica, cujo simples enunciado conten appareceram licitantes na arrematacao dos ira-
i sua prava, limitar-me-hei adzer-lhe, que nao Ps,os T":'ni> triennioalc 1860 a 1863 devem ser
fazendo eu questo do pessoas da que concome cuDrail"s "s comarcas do Flores.e Boa-vista, ap-
ao alto assurapto da alimentacao do povo, abun- Provo a medida indicada no citado oflicio de sc-
rom cobrados por admiuistracao.
Dito ao mesmo.Ao oflicio que V. S. me diri-
gi em 28 do crtente, sob n. 258, respondo de-
clarando que approvo a arrematado que fez Ma-
noel Barbosa da Silva dos impostos que devem
ser cobrados na comera do Limoeiro nolriennio
: de 1860 a 1863, pela quantia animal de 2:8965000,
Dito admioistrarjao gcral dos estabelecimen- Tamandar.
tos de candade.Logo que haja quota, mande a Dito ao director da companhia de Beberibe -
lsr'5 Sral dos estabeleci.nw.os de ca-, S. Exc. o Sr. prosidonlo da prov! nc* mnda com-
selh."pA; f*"""* f"" 'arues, o qul douro mez de julho devera romecar as obras do
mlLS r ad6Ver relnllvameiue a seos venc- enea} menlo das agoas de Bebeibo para a casa
de daton^ao desta cidade na forma
vozos leuhu instado para que a ex-
rnenlos.
celebrado com a aduiiuislraeaoda companhia do
raesmo norae.
Portara,O presidente da provincia illenden-
do ao que requereu o professor publio da ca-
daira do latim da cidade da Victoria, Jos Pe- '
reir Borges, e a informacao ministrada pelo di-,
rector geral da instruccao" publica, ouvidoocon-l
selho director, resol ve jubla-lo com o ordo-
nado proporcional ao lempo de cfTecUvo exer-
cicio.
ia.O Sr. agente da companhia brasilera
de paquetes a vapor mande dar passagem oara a
STff "retS" ff CnXa/a ^f P'V"- ^^^^'a^emlsrinclu^'o^on"
ca, e a rcquisicao do respectivo presidente, ao I*-- -------------- -
tachigrapho Carlos Ernesto
devendo por isso a ira
paga naquella provincia.
ila.-O Sr. agente da companhia brasilera os quaes. cora quaato entrera dWei
vapor mando dar passafiem, por obra, e sejam por all pagos
la do govcrno, para a provincia do Ceara, no pensados de co
versas
cute.
E porque tivesse ella mandado para aM os ca-
nos necessarios. e nao os (i/.esse collocar, pro-
curen ha tres das fallar com ppssoa dadireced
da mesma companhia, e queixei-mo de urna tal
demora. Essa pessoa respondeu-me que-, se eu
tuina alguem do quera qoeixarme era dt> govcr-
no e nao da companhia ; porm que aquelle
nafofmadocontcatoquefezcom esla correa
obrgaco de avisa-la directamente por tal flm
para enlo comeQar-se a contar o praaa de tres
mezes, dentro do-qual deve ser concluido o en-
canamento, conforme ainda o mesmo uontralo
mas que entretanto, atlendendo s raudos por
miro expostas, a direccao Caria activar os traba-
, F.m 'hc*. sera q todava se enlendesse que ella
m. o EUR. SrOrdenando-rae V. Exc. era dispensava o governo da obrigaeo de- fazer-lhe
ao contrato
__.-,.._,-----.:_..^... ^ 1....IUIUUS lio UUIIIO
diario dous operarios, que all nao exisliam, ca-
sto de Mesqmts halcao. I be-mc d.zer a V. fxc. que esses dous operarios
iportancia respectiva ser; sao o mestro carapina Francisco Martins dos Ari-
jos Paula, e o meslre pedreiro Theodoro Ramphs
paquetes a 0 a orna|
que;no-Somemen^saveT:;a:ass^ienda
diaria na obra, mal voduas vezes por dia dar
ros do corpo iixo daquella provincia, Joao Be-
zerra de Salles.
Dita.O Sr. agento da companhia brasilera
do paquetes a vapor mande dar transporto para
o Cear no vapor procedente do sul, en lugar
feUoiT/ SET'ftiS ',e "^'V a bachD,n" que por isso venam outro rna|. d """Jo que
Das Villela. promotor nomeado esta reparticao xecutando tantas obras slo
o necessano risco, e lomar conta do semeo feito
e examina-lo, como tambera por que ha oulros Ihavam na clara-boia, e adoecido o outro c
trabalhos e obras, de que elles sao igualmente tambera por nao ter o ferreiro. dado as varal
mestres, o que devem visitar todos os dias, sera
, ----------- r. ^^, v ox,, ,,^., ,,, c mais importaui c aiu-
ro de recrula- que le.m de dar esta pro- Irado, domandi una despeia mais crescda uuc
no anno finance.ro de 1860 a 1861 para o | melhor do qu. qualquer outra! pode corapXr
danle e s.ia, tal qual deve ser, para nao onlrelnr
ou empeiorar o triste siluaco, em que se lem
ochado ltimamente a populacao desta cidade,
pode a cmara municipal, se entender que o
Dr. Silva Santos lhe nao merece confianza por
qualquer motivo, cncarregar do exanie das'rc/.cs,
queso hiiuver de matar para o consumo, a outro
inedno, quem pagar a gratificarse marcada no
art. 1" S :1" da le do orc.imento'municipal vi-
gente.
Quanto segunda parle do oflicio da cmara
municipal, tenlu a dizer-lho que, sendo de pu-
blica noloriedadenesta cidade que da carne ver-
do, que se vende populacao, ao menos parte,
o do pessima qualidade, o que j conlirmou
mnito expressamento a propria cmara, co-
mo so tecordar, em seu olflcio presiden-
cia com dala do 19 de feverpiro de 1858,
pedindo al a nomeaco de um medico para
examinar as rezes no matadouro, vejo-me for-
rjado a declinar do juizo diverso, qne a cmara
o numero
vine
exercilo e armada, resolve
dos referidos recrulas se
la, expedindo-se para isso
dous.
Tabella da distribuico dos recru
ma dos avisos da repirlicoda guerra de 3 do
fevereiro ulumo e do ministerio da maiinha do
o do correnle, tora de dar esta provincia no an-
uo do 1860 a 1861.
sondo fiadores Jos Rufino Barbosa da Silva o
Luiz Barballio Vasconcellos.
Dito ao mesmo.Pode V. S..como prope a
junta dessa thesouraria em oflicio de 26 do cor-
renle, sob n. 250, mandar cobrar por administra-
cao o imposto do 2J500 por cabeca de gado var-
cum, que no tnennio de 1860 a 1863 se consumir
as comarcas de .Nazareth, Cabo, Victoria e ltio
Formoso, visto nao havor apparecid licitantes
arrematacao deste imposto.
Cuanto ao da comarca de Goianna, fica por
ora adiada al que haja dociso da proposta, que
prende de informacao dessa Ihesouraria.
Diloao mesmo.Podo V. S. neceitar o offere-
agora omine a tal respeito, porque, se o uso con-' cnenlo que faz Joaquim Jos da Costa, da quan-
tinuado de oma.m alimentacao pode por si s
ser sulUciente para alterar a sade publica as
mnlhores condicoes, obvio que deve ella con-
r para enlreter, seno aggravar, qualquer
epidemia, de que seja prosa a populacao, como
o ionios Infelizmente daquella de que anda nao
oslamos livres
Nem este juiz contrariado, como julga a
cmara, pelos doulos mdicos nos pareceres, a
que se socrorre, porque sendo cerlo, que nunca
considere! a ni carne verde vendida popula-
cao, como causa efliciente da epidemia reinante,
lia de 6:700-5000 annuaes pelos pedagios que, no
triennio de 1860 a 18ti3, devem ser cobrados as
estradas do Manguinho e Lapunga, sendo fiadores
o Dr. Jos Raimundo da Costa Mcnezesc Sebas-
lio Cavalcanli de Albuquerque.
Fica aasim respondido o oflicio que V. S. me
dirigi em 28 do correnle,-sob n. 259
Ditoao commaudaiiln superior da guarda na-
cional da comarca do Bonito.Dcvolvo a V. S.
os pretsem duplcala das pracas da guarda na-
cional destacadas em Caruar", que acompanha-
ram o seu oflicio de 31 de maio prximo lindo,
seno como umadas occasionaos, que sao aquel- ,1'"n ue ser salisfeita a exigencia do inspector da
las que nao leudo p.ioduzido o effoito, o ontre-
lem todava sem relacao alguma com a sua
causa efliciente, c tanto que os concomitantes
os oulros nios artigos de alimentacao,a im-
mundicia das mas, praias'e caes etc., merecerm-
ine providencias simultaneas, como sabes cmara,
claro ser o meu juizo justamente aquello que
expressaroente emiti ura dos pareceres em ques-
lao, tratando das causas occasionaes da epidemia
jt reinante, juizo que no 6 contrariado pelo outro
parecer, que alias s tratou de suas causas elli-
cienles, em que nunca fallei.
Avista poisdo exposto.c estando por cerlo con-
vencida a cmara municipal do Recife de que ante I u.'a 1>ur v'mc- lumbrada no final de
a elevada missao, que teem os governos de cuidar C Jo correnle,
seriamente da saJo publica, eumpre-nos esqiic-
cer consideracoes e duviJas do qualquer genero,
esporo que laucar ella mao, com lodo o zelo
* diligencia, das providencias que Ibe recommen-
doi no meu predilo officio de 15 do frrente
mez, contando eu que por sua parle tratar a ca-
nura do nao alimentar ama questo como esta,
que, podendo lisongear o amor proprio indivi-
dual, nada lem com inleresses geraes de seus
municipes, c cousequenteraente com a causa pu
blica.
Fico inteirado de haver a cmara expedido as
convenientes ordens para o exame dos gneros
alimenticios exposlos venda, como lhe reconi-
mendei.
junio
thesouraria uo fazenda constante do oflicio
por copia.
Dilo ao director do arsenal de guerra. vista
do que Vine, expoz em seu oflicio n. 187 de 28
do correnle, o autoriso a contratar com Joaquim
Das de Azevedo pela qnantia de 20&000 o trans-
porte de cada um dos sentenciados que teem do
ser enviados para o presidio de Fernaudo na bar-
ca Atrevida.
Dilo ao juiz de direito de Flores.Consideran-
do removidos pela apparico das charas, os obs- : dem
ssww arrj.rs aJ;:;c -;?- **
seu oflicio de : dem de Bom Jardim
, espero que seja aquello tribunal idem de faquaritin-a
is breve quo fr posstvel, tendo Vmc. Comarca do Rio Forra
em vista o que lhe recommendei era oflicio de
de raaio ultimo.
E devolva-me os dous requerimenlos a que al-
ludo em seu oflicio cima citado.
Termo do Recife, freguezia de S.
Fre Podro Goncalves
dem idem de Santo Antonio
dem idem de San Jos
Moni idem da Boa-Vista
dem dem do Poco da Panella
Moni idem de S. Lourenco
dem dem de Alegados
dem dem da Varzea
dem dem de S. A. de Jabotao
dem idem de Muribeca
Termo de Olinda, freguezia de S.
Pedro Marlyr
Idem idem do curato da S
Idem dem de Maranguapo
Termo de Iguarasss, freguezia de
Iguarass
dem idem de Itamarac
Comarca do Cubo, freguezia do
Cabo
dem idem de Ipojuca
Comarca de Pao d'Alho, freguezia
de Pao d'Alho
dem de N. Senhora da Gloria do
Goil
dem de N. Senhora da Luz
Comarca de Santo Anlao, fregue-
zia do Santo Anlao
dem da Escada
Comarca do Goianna, freguezia do
Goianna (*)
dem do Senhora do
dem de Ilamb
dem de Tijucupapo
Comarca de Nazareth, Ireguezia de
Nazareth
c 2
p*3
12
21
14
20
12
13
10
8
it
15
13
9
7
21
9
28
14
2
3
2
3
2
2
1
1
2
2
1
1
3
1
i
i
2J
16
23!
24
10
32
16
19 i 22
Dito ao director interino das obras publicas.
rico inteirado de todo o contedo do oflicio, que
\ me. me dirigi em 28 do correnle mez, em res-
i riACl:i tu ni.ni 4a SE. I___t. i li
Dilo a mesma cmara municipal. Sem em-
bargo das consierncoes expendidas pela cmara
municipal do Ret fe' em seu oflicio de 18 do ca-
dente me/., quej respondo, declaro-lbe que se
deve cumprir a mjnha dociso, a que alinde nes-
se oflicio, visto qde o pensaraeuto administrativo
com que mandei sobr'estar na nova diviso dos
districtos de paz da Dreguezia do Poco da Panella
em relaro aos trabalhos eleitoraes, que lero
lug.ir no correnle anno, nao p le ser iludido po-
las razos que pondera a mesma cmara, cuja
lur.;i moral, que meempenho em manter, exige
mesmo que subsista a decisto que dei.
Dito ao Exm. presidente da ParahibaDa in-
formacao junla por copia ver V. Exc. que ha souraria de fazenda"!
delnriencia nao s dos objectos, de que precisa a
cipitania do porto dessa provincia, no arsenal de
marioha desta, como do crdito para se cffectuar
a sna compra no mercado, c nao sendo cssa dos-
pe/a das que podem ser autorisadas sob respon-
sabilidade da presidencia, simo nao poder salis-
r fazer a requisicio fei'a por V. Exc. era oflicio de
16 do cadente mez, que lica assim respondido.
Dito ao commandanln da estucho naval.Re-
cel o seu oflicio n 1H6 de 23 do correte, e fleo
SCienle de havor rhegado ao porlo desta cidade o
vapor Giqvilinhonha, procedente do Maranhao,
O qual lem do seguir para a corte directamente,
logo que houver recebido carvao e mantimentos.
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda.
'Km vista da relaco junta era duplcala, que me
foi remetlids pelo chefe de polica com oflicio de
28 do correnle, sob numero 886, mando V. S.
- pagar a Jos Ribeiro Guimares a quantia de rs.
393600em que importara as diarias abonadas pe-
lo delegado do Bonito aos recrulas Jos Francis-
co de Lemos, Francisco Gomes da Silva e Anto-
nio Jos dos Santos, que foram destinados para o
servico do excrcito.Communicou-se ao chefe
de poliria.
, Dito ao mesmo.Em additamento aofneu ofli-
cio de 21 do correnle, remello a V. S. para o fim
nelli indicado, o oflicio que me dirigi o director
interino do arsenal de guerra acompanhado de
urna relacao dos mestres, contra-mestres e ser-
. veriles daquelle arsenal, cujo3 jornaes precisam
ser augmentados.
Dito ao raesmo.Em addilamenlo ao meu ofli-
' co de 16 do correnle, tenho a dizer que, alten-
Mus os razos opresentadas pelo inspector do ar-
it uiiiu o ma..*.
rea do Ro t'ormoso, fregue-
zia de Rio Formoso
dem de Una
Termo do Serinhem, freguezia
de Serinhem
Termo do Barreiros, freguezia do
Barreiros
a ao meu do 25; e tenho a dizer-lhe'que pro"- croarc! ^R^fn .
v.denclo nes.a dala para que se faca oU de HSBSU VSS*%2ZJ?
que Vmc. uata a companhia do encanamento ^dem d^i'nho '-
d agua, c que pode Vmc. conservar de qualro a !
sois serventes externos as obras da casa dede-
lencao, atienta a especialidade do servico em que
\ me. diz, sao ellos empregados. 0 su oflicio,
a que respondo, ser publicado, como pede, ua
folha ofcial.
Ditoao couselho da compras navaes.Appro-
vo os contratos que o conselho de compras na-
vaes, segundo me communicou em oflicio de 27
do correnle, celebrou com diversas pessoas, nao
SO para fornecttnento de ambulancias aos navios
da armada, medicamentos enfermara de ma-
rlnha e servicos de barbeiro & mesma enferma-
rla, ludo por lempo do um anno, mas tambem
pira oblencao de viveros e oulros objectos ne-
cessarios nos referidos navios e aos eslabeleci-
mcnlos de marinha durante o trimestre de julho
a selembro deste anno.Communicou-se Ihe-
Dilo ao delegado de polica da Escada.Scien-
to pelo seu oflicio de 20 deste, e documento que
o acompanhou, da regularidade do procedimen-
lo de Vmc. e de sen antecessor, relativamente
priso de a'guns Indios da aldeia desse termo,
sobro o que me representnu o director geral dos
mesmos, tenho a recomracndar-lhe mais urna
vez queconlinne a proceder por essa forma, ten-
do sempre em vistas nao contrariar o pensamen-
to manifestado em meu oflicio de 15 deste mez,
relativo a este obJ9clo.
Dito ao agente fiscal da illuminaco agaz nes-
ta capitalDe conformidade com o que me re-
quisitou o chefe de polica era oflicio de 28 do
correnle, sob n. 884, recommendo a Vmc. que d
as necessarias providencias para que sejam ac-
cesos noile os lampees ltimamente nssenia-
dos na3 ras do Tambi c Concei'ao no bairro
da Boa-VistaCommunicou-se ao Dr. chefe de
polica.
Dito ao director das obras militares.Mande
Vmc. pregar tros fechaduras novas em algumas
das portas do edificio em qne est collocado o
hospital militar, visto acharera-se quebradas as
queexistara cm ditas portasCommunicou-se
ao coronel esmmandante das armas interino o
thesouraria de fazenda.
Pito mesma.Nao tendo a thesouraria pro-
vincial agentes, a quem pessa encarregar da co-
branca e orrecadago do imposto de dous mil c
quinhentos res (2500) sobre carnes verdes as
freguezias de Afogados, Santo Amaro de Jaboa-
lao, Muribeca, Poco da Panella o Varzea., recom-
mendo cmara municipal do Recife (jue, a nao
haver inconveniente mande cobrar ^or seus Hs-
Idem de Quipap
dem de S. Caetano da Raposa
Termo do Bonito, freguezia de Bo-
nito
dem do Bezerros
dem de Grvala
Comarca do Brejo da Madre de
Deus, termo do Brejo, freguezia
do Brejo *
Termo de Cimbres, freguezia de
Cimbres
dem de Alagoa de Baixo
Comarca de Garannuns, fregue-
zia de Garannuns
dem de Papacaca
dem de S. Benlo
Termo do Buique, freguezia de
Buique
fdem do Aguas Bellas
Comarca de Paje de Flores, ter-
mo de Villa Bella, freguezia de
Villa Bella
dem do Flores
dem de Ingazeira
Comarca [do Tacarat, freguezia
de Tacaral
dem de Fazenda Grande
Comarca da Boa-Vista, freguezia
de Santa Marie da Boa-Vista
Termo de Cabrob, freguezia de
Cabrob
dem de Salgueiro
Termo de Ouricury, frguczia de
Ouricury
Termo do Ex, freguezia de Ex
11
9
28
18
26

15
11
20
15
24
21
7
17
12
18
12
10
12
25'


20
5-
5
li
16
6
13
12
13
19
12
12
18
11
8
8
14
11
5
17
10
2
1
i
i
13
10
32
21
4 30
TotaI 816 120 936
Secretaria do governo de Pernambuco, JO de
junho de 1860. O secretario, Joao Rodrigues
Chaves.
Expediente do-secretario da provincia,
Officio/ao juiz de direito presidente do jury.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pravin-
cia.difljo-me a V. S. solicitando que sejn dis-
pensado de fazer parte da presento sessao do jury
o lente do corpo de polica Miguel da Fonseca
Soares Silva, cujos servicos sao necessarios no
servico uc ajudanle de ordens.
Dito ao-sCommandanle das armas.O Exm Sr
________>__________
(*) Oi 30 recrulas devem ser apurados ref arli-
damenle as duas freguezias.
(**) Os 28 recrulas devem ser apurados rt par-
tido menlp Bas tres freguezias.
e que na distribuico essas pequeas parcellas de servico que Ih nao
observe a.labelja jun- pertence, e qie se espalham pelas obras peque-
as e pouco curadouras. um tributo que as
obras grandes pagam as pequeas, e que as con-
ii n, (nr I vc"lcllcJas doservic.o aconselham que se naosup-
>r. "o a i prima: e.omapratica multo amiga que achei ties-
ta reparticao, e que acho vanlagem em conservar.
Eis a razaopor que esses operarios nao esta-
vam notados ;omo faltos, despeilo de nao acha-
rera-se presentes, quando V. Exc. fez proceder
a nova chamida, e comparou-a com a primeira.
Cabe aqu bservar, que quando a esse respei-
to fallei a V. Exc. na noile daquelle mesmo da,
entend que se tratava de dous canteiros ; e por
isso aventure que taes operarios ttiham sido no-
lados como ausentes. Depois, porm que averi-
guei o fado, vim ao conhecimento de que o re-
paro de V. Exc. reforia-sc aos citados mestres.
Dadas essas explicac.Oes, que me parecem bas-
14 tantea para mostrar que no tacto nao dao-se cir-
io j cumslanclas que o tornem grave ; pego respeito-
II : smente permisso a V. Exc. para fazer algumas
9 pondoracps acerca do raais que se conten
la [ mencionado oflicio, o que cu na pussu aeix
17 i passar silenciosamente sem trahir a conlianea
I que il o presente julgo-rne com direilo de m-
15 recerdo governo, e consequenlemento, sem ex-
10 ; pr-nie a desmerecer no conceilo mesmo do V.
j Exc, quo eu por lodas as razoes prezo e desejo
conservar.
Comparando V. Exc. o eslado actuil daquellas
obras com o em que se achavam acerca de um
mez, quando as visitou, nota que ellas nao le-
nham tido o andamento, que lora para desojar,
qufer em relaco urgencia que ha de conclu-
las, quer grando despoza qi*e fazem os cofres
previnciaes. '
Infelizmente o trabalho alti executadn nao de
nalureza que faca vulto. as concluses de qual-
quer obra ha sempre urna infinidade de peque-
as cousas, de aperfeicoamentos, arranjos, lim-
pezas e decoracoes, quo consomeni muito lempo
o dinheiro, e entretanto parece que nada valem.
Sao portas e grades que se collocam e ajustara,
sao abobadas que se fechara, canos e iorneiras
que se assenlara e soldara, dobradicas e varandas
17 i que se collocam, rebocos finos e cornijas que se
I terminam, pintura, degros de pedra para escada,
lages, latrinas, ourinadoros etc. etc. Emlini sao
cousas que nao se fazem com a mesma presteza,
com que se faz urna parede, com que assenta-se
uma coberta, collocam-se tenas etc. ele. isso
o que lodos os dias expermentam aquelles que
execulam obras, e cuja pralica eu poderia in-
vocar.
Portanto, posso assegurar a V. Exc. que com a
quaulii que de ento para c se lera despendido,
e no lempo consumido, nao possivel fazer-se
mais. Das duas contas juntas, dadas pelo the-
sourelro pagador desta reparticao, ver V. Exc.
qual o emprego que se deram'os quantias pedi-
das, depois que V. Exc. visitou aquellas obras ;
a vista dellas decidir se ha ahi despeza intil,
e se ou nao, para desejar o emprego que se
tem feilo dosdinheiros recebidos dos cofres pro-
vinciaes.
Quanto a celoridade dos trabalhos que V. Exc.
recommenda, ella depende loda do oslado dos
mesmos cofres; e foi somonte em atlenco a estes,
que no presento mez, depois de ter-me verbal-
mente entendido com V. Ex, reduzi o pedido a
4.000 de 6;500jKM)d que linha sido no anterior.
Ainda assim, a thesouraria achou-se era emba-
races para satisfazer ao pedido desta directora
no prsenle mez, c tanto, que V. Exc. ordenou-
| lhe, que, para pagar ao empreteiro da estrada
18 do norte, cortasse no pedido das obras publicas.
7 Se, pois, nao tenho disposto o servico de modo
| a que o ralo do sul ja estivesse terminado, ou
lo prximo a isso, somente por faltar-me os meios.
14 Todava, pode o citado raio (car concluido no
151 lempo que V. Exc. deseja, menos com as Iornei-
ras dos canos de direccao para agua na cellula
(que, por nao poderem obter-se aqu boas, foram
encommendadas para Europa) c uma ou outra
peca, ou obra, que dependa de servico de contra-
tadores e fornecedores.
Na secretaria de V. Exc. deve existir o orca-
tnonlo da despeza necessaria para a concluso de
que so trata, remellido cm finsde marco ultimo,
por ordom do antecessor de V. Exc. Por conta
desse orc.amento, que montn a 27:188;480, nao
compreheiidendo os canos de ferro fornecidos pe-
la companhia do gaz, e as latrinas e ourinadoros,
lem-se despendido 17:000j}000 ; pelo que, para
terminar o trabalho necessario a despender-se
10 :I88480 no prazo por V. Ex. marcado.
Compromeliendo-me perante V. Exc. a exe-
cutar em menos de um mez o servico que depen-
der puramente da administraco, nao o posso to-
dava fazer para como trabalho que depender de
contratadores, algun3 dos quaes, quando insisto
lendo esla reparticao recebido co-
stralo, que deve "ter sido lavrado
provincial ou na secretaria do go-
vcrno, nao sabendo se de fado existe ou nao
tal clausula, ignorando se era a presidencia ou a
thesouraria que devia intimar a cowpanhia qu
comecasse a obra, ia dirigir-me a V. Ex.:, pedin-
do a sua esclarecida attenco sobre esse ne-
gocio, quando reccbi o oflicio de V. Exc. de aue
trato. ^
Ouanro aoteclo do pateo central, roalmente o
servico que all se fuzia lcou ltimamente para-
usado, nao somente por ter fallecido victima da
epidemia reinante, um dos oflkiacs que traba-
orno
..andan
que devera ser all collocadas,e oulros ferros so-
bre os quaes deve assentar o assoallio que tam-
bem nao est promplo, porque nao Uve di-
nheiro para augmentar a numero dos carapi-
nas. Havendo, porm, dinheiro, esse servico ir
rpido.
No que toca ao emprego de srvenlos livres ua
obra de que so trata,quando, segundeas ordens
da presidencia, devora ser preferidos os presos
devo em primeiro lugar dizer V. Exc. que n
numero desses 12 serventes livres quo V. Exc.
conlou, foram incluidos os qualro l'eitores ou ca-
bos de servicos, o que, porlanto, esses serventes
lcarn rcduzidos a oi
veis para o servico
tanle da obra, onde nao se pode mandar
Francisco de Paula Marianno Ribeiro.Aore-
sente-se no quarlel do commando das armas Da-
r ser inspeccionado. F
Joaquina Mara da Conceicao.Informe o Sr.
chefe da divisao naval.
Joaquim Pedro Brrelo de-Mello Reg. Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda
Joaquim Francisco de Paula.Aprsenle o suo-
piwante na ihesouraria provincial um documento
Z'ter Pr-Ve cs,a?m os seus coaslituin-
es PtOTO ft irmaos autorisados para receber nes-
T'T'V ""Prl3ncia da letra, meefsYtom
embolsado da mesma importancia
Jos Francisco Pinto Guimares.A admini-w
I^anrlSeral S es,ablontos de caridade
e^qt!a.Parapagara9UpplCa0l1^^
Ma*tinho Alves Camello.Remellido ao Sr
commandanle superior d* guarda nacional d
munic.pio do Po-d'Alho para mandar dispensar
do serv.eo 0 supplicante al a prxima rTunia
do conselho de qualilic
icacao, a quem deve- reaue-
rer passagem para a lisia de reserva,
jlaiioel Germano Guedes-Alcoforado.Passe-se
Manoel joaquim de Santa Anoa.Informe o
!>r. r. chefe de polica se o supplicante foi
vat para o presidio de Fernando.
Rita, africana.Informe o Sr. Dr.
africanos.
Z"eferino Aureliano de Figneiredo
motiido ao Sr. director geral da instruccao pu-
blica para aitenderao supplicanta nos lemos do.
sua informacao do 27 lio correnle.
ou
curador dos
Mello Re-
COMMAJDO DAS ARMAS.
Quartel do comuiando das armas
em Pernambuco, na eidade do
llecife, 3 de junho de 18
ORDEM D DIA N. 415.
O coronel commandanie das armas interino vi-
sitou no da 25 do correnle os quarteis dos cor-
pos de linha desla Ruarnioo, inclusive o do 4'
batalhao de artilharia a p na cidade de Olinda-
era gcral achou esses quarteis em estado de as-
i cavallaria lem ruinas que precisam
do 8" de infantaria
. e os de mais que s&
(, levem a efletto aquellos que ja se achara autori-
que, porlanto, esses serventes '"iina icra ru
Jilo, os quaes sao iudispensa- i scr de Proml>to reparadas ; o
externo, e algumas vezes dis-i F?rece deJ*rio! concertos ; e
preso. Por exemplo, qnando necessario man- ,p. a l'fosidencia, e que nao podem ser re-
Am* on ft^^A,________\-:r-- n>tiiri:ilAc \.-K ... .. _______1' .. .
aos arrecifes para Iransporlarem
retardados
dar-se canoas
pedras para
com presos.
ferreiro buscar chapas, dobradicas e oulros ob-i ----"" "*5"% '<'"" nuo a uscripiuracao, coru
jectos ; quando preciso buscaf-se Untas, alca- exc.ePao da do 9o e 10" de infamara, se' achava
iro, pregos, cordas etc., nao possivel lancar-se i m,,s "u meno* ''razada em alguns de seus ra-
mos, cora especialidade a do 8 da mesma arma
que se remonta a poca em que o batalhao niar-
Achou que os seeros alimenticios
ra a obra, nao 'possivel Ir'pola-tas ^Xllc"1" nas rrecaoaqoes, eram de boa quali-
s. Quando necessario mandarse ao aae> !p uorn almoco que vio distribuir em al-
b 'guns doscorpos. Nolou que a escrpturaco, ce
lea- 1 exc.ePCao Qa do 9o e 10" de infantaria. se' acha
.1
i
i
i
2
1
2
S
2
3
2
2
8
1
1
1
23
17
27
24
8
20
14
21
14
11
14
28


23
6
6
16
22
14
14
21
12
9
9
A 16
12
6
11
mo de presos para lal lim.
Porlanto, j v V. Exc. que nao se pode dei-
xar de ter serventes livres na obra da casa de do-
tenco. Alera do que, quando apparecem esses
pequeos servicos de momento, do que aquella
obra constantemente tributaria, e que se lem
de mandar objectos d'ulli, taes como, por exem-
plo, 5 ou 6 tenas para lomarse goteiras no pa-
lacio, 2 ou 3 pedamos de laboas para concertar
uma porta ou assoalho do mesmo, canoas coin
no | ca'K'a c cstilhaco de pedia para alerrar-se o pa-
ar U-u Uu UIC9IUS olv., ol., vio aeuipiu BCleu-
j tos llvies e operarios da casa de detoncao, que
uma obia graude, que os pode ter'para tal
flm.
Foi sempre salvando as necessidades do ser-
vico externo, que esla directora entendeu a or-
dem da presidencia, que alias foi expedida em
virludo de requisco desta mesma directora, a
qual, para remediar alalia que havia de srven-
les, pedio que se lhe ministrassem os presos que
fossera necessarios para supprir semelhaiile
falla.
Na resposla que me deu o Exm. Sr. conse-
iheiro Sergio do Macedo, adherindo medida
que eu lera brava accrescentra S. Exc.:
Os presos assim empregados gJjnharo tanto
quanto os serventes de {ora,euirogando-se a cada
um sua cadornela ele, ele.
Ora, jase v, que louge de mandar preferir os
presos o prohibir o emprego deserventes livres,
como informaran) a V. Exc, a ordem da presi-
dencia admitte o emprego de serventes de fra,
o pelo jornal desles manda regular os vencimen-
tos daquelles. Convra, enlrelanlo, observar
aqu que posteriormente o Exm. Sr. Dr. Taques
mandn que, nao obstante clevarem-se os sala-
rios dos serventes livres, fosse conservado o de
800 rs. para os presos.
Devo ainda declarar a V. Exc. que commura-
mente o numero dos serventes livres nao excede
de qualro a seis, e se ltimamente augmen-
tou-se esse numero, foi isso derido maior
quanlidade de objectos miudos, que se tem es-
tado a conduzir para a concluso do raio.
Entretanto, se nao obstante as razos expostas,
V. Exc. entender conveniente que se despecam
todos os serventes livres daquella obra, assim o
farei.
Peco venia para discordaV da opiniao de V.
Exc. quanto qualidade de trjollo que Mli era-
pregado, e que gente inieressa>8^_erHydesconcei-
tuar as otarias em que elle RTjricado, pro-
pala que manipulado com agua salgada, e
por conscquencii improprio para coustruc-
ces.
Com esse lijlo que V Exc. vio, lem sido exe-
cutada loda a obra que existe daquelle grande
edificio, o a sua solidez, a forlaleza de sua cons-
truccao, o perfeilo estado de conservaco em que
elle se acha, atteslam sobejamenle era favor da
qualidade daquelle material, que alias n feilo
com agua salgada, posto que seja fabricado em
lugar prximo a esla.
l'ermitla-me V. Exc. que eu diga que islo
uma historia levantada por alguns oleiros de
Apipucos ou Monteiro, que talvez desejem ser
fornecedores da casa de delenoo, e que por nao
poderem competir com os precos das olarias dos
Remedios, recorrera a esse meio para desacredi-
tar o lijlo deslas.
Nestc ponto peco ainda permisso a V. Exc.
para referir-rne informacao junta, que acerca da
mesma materia dera a um dos antecessores de
V. Exc o meu antecessor.
Desejando de V. Exc. a necessaria desculpa pe-
lo lempo que tenho-lhe roubado com as explica-
eoes que ahi ficam,resla-me rogar a V. Exc. que,
assim como na folha ofcial acaba de ser publ-
calo o oflicio que respondo, o qual coutm ma-
teria que, nao sendo explicada, como o faro, de-
ve muito enfraquecer o conceilo que, nao menos
perante o publico do que perante V. Exc. de-
sejo manter, digue-se tambem mandar dar pu-
blicidade a este mesmo pelo interesse da inorali-
dade do cargo que exerco por confianza do go-
verno.
Dos guardo a V. Exc.Directora das obras
publicas, 28 de junho de 1860.lllm. e Exm. Sr.
Dr. Ambrozio Leilo da Cunha, presidente da pro-
pelos objectos encommendados respondem-me, I vincla.O director interino, Francisco
que, alera da difliculdade da quadra, nao lhos de Mello Reg.
convem preterir encoramendas particulares,
Raphael
que
sao pagas cora pontualidade, para traballiarem
para o governo, e recebercm conhecimentos de
dividas, que se nao realisam.
De fado, nao s exislem -na Ihesouraria pro-
vincial ttulos de dividas que nao teem sido pa-
gas ; como lambem c por esta reparliQo nao se
tem podido pagar regular e puntualmente os ob-
jectos fornecidos, medida que vo cnlrando pa-
ra a obra, como era costurae.
Pelo que diz respeito ao alrozo em que se
achavam os trabalhos para o encanamento d'a-
gua, e sobre o qual chama V. Exc. a minha at-
tenco, cujnpre-me dizer que essa obra nao cor-
re por cnta desta reparticao, e sim pela da
companhia respectiva, com" a qual por di-
Despachos do dia 30 de junho.
Alberto Ridoux.Espere o supplicanla que
haja crdito
Antonio Jos Henriques.Informe o Sr. dele-
gado interino da reparticao especial das torras
publicas.
Benlo Jos Alves de Oliveira.Ao Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial para informar.
Francisco Firmino Monteiro.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Feljciano do Reg Barros.Iuforme o Sr. ins-
pector da Ihesouraria provincial.
Franklin Jos de Moura Poggi.Informe o Sr.
inspector da Ihesouraria de faz-inda, o.uvindo o
da attandega.
chou para o interior desta provincia, atrazo que o
commandanie respectivo liga a impossibilidade de
se haverom os respectivos papis de contabilida-
de, e oulros documentos das compauhias, que
se achavam disseminados cm comarcas muito
distantes da sede do dislriclo do batalhao que
nao podo por esso motivo organisar uma escrp-
turaco regular, dependente de esclarecimenlos
que se no podiam obter satisfactoriamente. Es-
n*r* pnrl.inln n i>nmnuti<1anla H .,,,0 ,t
lo do3 respectivos senhores coramandantes, que
se esforQaro para por cm dia a escripturaco
alrazada, uem s por que deve ser conservados
nesse p, mas ainda porque estando em dia a es-
cripturaco, presta-se com facilidade as exigen-
cias do servico quo com ella contendem. Nolou
igualmente que as prises contioham avullado
numero de presos sentenciados, e para sentenciar
e desles alguns de longa dala. Inquerindo sobro
a causa da demora dos julgamentos, foi informado
queestavam dependentes da auditoria de guerra,
que sendo exercida pelo Sr. Dr. juiz de direito da'
* vara desla cidade os respectivos trabalhos, qua-
si que lhe roubararn lodo o lempo que de mls-
ler, para o andamento dos processos militares, nao
obstante os seus bons desojos, o o interesse que
toma no desempenhoda seus deveres.
Visitou tambem o commandanie das arraas in-
terino com attenco e cuidado, o hospital mili-
tar as 11 hora3 da noile do referido dia 25, e
achou-o em boa ordem, estando presentes os
empregados que pela lei sao inseparaveis do es-
tabolecimenlo.
Todava notou no exame que fez no livro da
portara, que alguns Srs. ofBciacs de ronda-maior
nao davam cumprimento ao quo lhes incumbe o
artigo 94 do regulamento de 7 de marco de 1857
deixaudo de visitar o hospital e laucar no dito
livro o resultado da visita. Esla falla nao deve
continuar, o sobre este poni chamo a attenco
dos Srs. ofliciaes de ronda-maior, c do respectivo
Sr. director, qe deve diariamente averiguar so
elles deram ou nao execugo a esse dever.
Assignado.Antonio Gomes Leal.
Conforme. Pe tro Gomes d'Oliveira, alferes
ajudanle de ordens do commando.
EXTERIOR.
Circular do presidente da universidade israelita
de A'ize.
Senhores :Em virludc do tratado de 24 de
marco ultimo, sois chamados com lodos os cida-
dos'a dar o vosso vol pelo sufragio universal,
e considero-me feliz consignando-se aqu que
em momento to solemne s vos preoecupa o
interesse religioso.,
Senhores, nao podis esquecer que, apezar da
emancipaco decretada pelo rei Carlos Alberto,
cuja memoria respeitamos e veneramos, os agen-
tes responsaveis do poder teem mantido, com
prejuizo nosso, certas excepces lo humilhan-
tes como contrarias ao espirito e a letlra do es-
tatuto.
Os collegios e as escolas especiaes de Sarde-
nha sao inacessiveis para nossos filhos.
Quando n'uma familia Israelita se converle ao
catholicismoum dos conjuges, pode nos estados
sardos contratar nova unio sem seraecusado de
bigamia.
A constituido, que era uma garanta dos di-
reitos de todos os cidados, eslava, a nosso res-
peito, falseada nos seus resultados.
Nao se pode considerar sem lamenta-lo, que -
os agentes responsaveis tivessem o poder do
suspender para n.s os beneficios da igualdade
perante aiei proclamados no estatuto. E' intil
insistir nas funestas consequencias desemelhan-
le eslado de cousas, que parece dever manter-se
indefinidamente ; mas nao 6 recordar-vos que a
Franca, proclamando a igualdade civil, appiicou
a lodosos seus filhos, sem distineco de crengas.
esse principio que resume aos olhos dos seres in-
tclligenles a verdadeira liberdade.
Dando ura voto de adheso para nos una
questo do consciencia que est muito cima de
qualquer consideraco humana.
Viva o Franca I Viva o Imperador I
Nize, 12 de abril de 1860.
Setmo Acigdor.
O Tymes dehoje publica o seguinlo documen-
to, copia da manifeslacao que faz o prncipe I).
Joo de Bourbon nago hespanhola, e que di-
rige por inlervengo dos presidentes dos corpos-
colgisladores.
A's corles.A renuncia dos direilos que co-
ra de Hespanha linha meu irmo Carlos Luiz,
consignado no seu manifest escrpto em Tollo-
sa a 23 de abril desle anno, obrig-,-me a recla-
mar os direilos de rainha familia e os que pes-
soalmente tenho ao Ihrono y\$ meHS maioies.
Resolvidoa suslenla-los assio-, como o principio
delogalidade era que- tmttftPjB, nao permitm
.",
ill I7CI\/|7| I


SSL
DIARIO DE PERPiAWB'JCa TER$fc ffMM 3 DE JLHOJDE i8J.
m
> >-
que pnra alcanear o tnumpho so appellc para as
armas, e torra "anda mais urna vez o nobre san-
guc hespanhol. Espero ludo da Divina Provi-
dencia, da rcctdo c patriotismo dos hespanhoes
e da torca das circumslancias.
Nao quero subir ao throno, encontrando cada-
veres nos de?rtw : ..ero subi-los apoiado pela Qs ^ iUur4M pe
conviccao geral deque al^1^ s*JbreQ \ .nettkUos no termo de S. Ru
lece a ordera, e com ella o paz na oe pieparar c
illuslra-
marchar de accordo com o prograsso e
cao do seculo. Faco esta manifesiaeo as cortes .
para que a tacao assini o lenha entendido.
Londres, 2 de junho de 1860.
Joo de Bourbon.
Depois da batalha de Calatatni publicou o ge-
neral Garibaldi a seguinte proclamacao :
Caletahui, 16 do roaio.
Soldados.Com cantaradas como vos, todo
pode eniprehender-se, e en vol prove hon-
lem, conduzindo-vos urna empieza alrevidissi-
nie, quer se atienda ao numero dos uossor ini-
migos, quer s suas fortes posiooos.
Sempre conlei com as vossas f o taes bayonetas,
ej verles que Rae nao enganei.
Lamentando a dura necessidade de ter comba-j
tido soldados italianos, e justo cenfessar que fi-
zeinos urna resistencia digna de homens anelos |
& melhor causa, e isto urna prova de quanto
seremos capa/es no dia cm que toda a farma !
italiana, *c acha agiHpada era volta da bandeira
ta redempeo.
Amanhaa o continente italiano celebrar cora
jubilo a victoria dos seus irmaos livres, e dos
iiossos bravos sicilianos : vossas mais, vossas
amantes, tnoslrando-se brgulhosasdn vossa con-
duela, sahiro i. ra com a fronte de orgulho e
radiosa.
O combale custou-nos a vida de irmaos queri-
dos que morreram as lileiras ; maftyres da san-
ta causa italiana, que vivicao os fastos da gloria
la Italia.
tu toinarci noiorio na vossa patria o nome
dos hroes qu-o lo valorosamente conduziram |
ao combate os soldados mais jovens e bizonhos,
e que bao de amanhaa levar a victoria, cm me-
lhor campo Ite batalha, os soldados destinados a
romper os ltimos elusdas cadeias, debaixo de
cuju peso tem estado opprimica a nossa amabi-
lissima Italia.
Viva a Italia e Vctor Emmsnuel.
J. Garibaldi.
[Jornal do Com me icio de Lisboa)
e Peixuto de. Azevedo, ficaudo a uisoussao a-1
diada.
17
Na cavilara dos depnlados, honlem, o Sr. Luiz
Carlos, depois de algumas observardes, offereceu
uin requerimento pedindo o govrno pelo mi-
nisterio da Justina, informacoes sobre o estado
los assassinatos cora-
omo, etn Minas Ge-
raes, com especilicaciio das causas que posaara
havec pan que nao teuham progredido no todo
ou en parte.
Em seguida o Sr, Alcntara Machado funda-
mentou un requerimotito, pedindo que o decreto
sobre o regulamento do sello v a commissao de
constituirn e poderes para interpor sobre elle
seu parecer.
Entrou depois cm discusso o rcqueriracitto do
Sr. Sampaio Viauna, pedindo ao governo, pelo
ministerio da niariuha, copias dos contratos ce-
lebrados desde o enerado de 1857 1858 ae
maio ultimo para fornecmento de catvo de po-
dra aos uaviua de guerra nacienacs no Rio a
Prata ; de drogas e medicamentos dos hospitacs
de marinha ; da eseriplura de compra da paite
da ilha do Mocangu Grande; e urna relace das
inadeirascompradas pelos arsenacs de niM-inha
da corte, Babia e Perttambueo. Fizeram algu-
mas ubservacoes os Srs. Ferreira de Aguiar, Sa-
raiva, ministro da marinha, Sampaio Viauna, F.
Octavian* presidente do ceuselho.sendoo mes*
ufo requerimcnlo retirado a pedido do seu au-
tor.
Entrou por fim em discusso, c ficou encerra-
da depois de algumas observares do Sr. minis-
tro da marinha e Peixottj de Azevedo, o requeri-
nietuo deste ultimo seiiher pedindo ao goveroo,
pela repatlicao da marinha, informacoes sobre o
descunto feilo nos sidos das pracas de prel da
armado, se tem tido cuinprimenlo a disposic.o
da lei q-ue manda arrecadar em proveito do co-
! re dos invlidos os solios alrazados, dos deserlo-
Auna Marcelina de Carvalho rur\ e a U. Fto-
rinda Themira Jacques Ouriquo.
res e dos morios ab-iuleslalo, e q
arrecadada.
19
G senado approvou honlem em
propasicos da cmara dos Srs.
autorisando o governo a conceder
a suuiuia
A cmara dos deputados, 'honlem, depois do
ter o Sr. Junqueira fundam otilado e presentado
um projedo revogando a lei eleiloral de tt de
setenibro de 1855, rejelou um requerimento do
Sr. Alcntara Machado para quti osse mandado
commissao de consVHuico o regulamento do
sello do actual Sr. ministro da fazenda. Houve
sobre este assumptaum pequea debte entre os
Srs. presidente da conselho, Marliuho C-impog,
Alcntara Machado e Benevides, e o requerimen-
to cabio por 69 votos contra 11.
A| uovou em seguida, depois de algumas ob-
aervacesdoa Srs. ministro do imperio, Martinho
Cen pos e Dias Vieira, um requerimento deslo
ultimo scuhor, pedindo informices ao governo
sobre as representaces que alguns negociantes
da Granja dirigirnm ao presidente da provincia do
Cear em dezembro ultime, e do olficio do agen-
te da companhia Pcrnambucana, e parecer do
conselho de estado relativo ao objeclo que ser-
vio de base ao aviso do ministerio do imperio
expedido s presidencias do t.ear, Maranho e
Pernambuco. t
Entrou por fiinem discusso a proposta do go-
verno que IIxa os forjas de trra para o auno fi-
nanceiro de 18011682.
rou o Sr. Bello, Picando adiada a discusso.
Pelo Apa, entrado honlem, recebemos folhas
de Montevideo al 16 do corrente.
Nada bsvia occorrido de nclavel naquella ca-
pital.
Tinha passado na cmara dos representantes
na sesso de 13 deste mez, o projeclo de proro-
! gaco das cmaras apresenU.do pelo governo e
j "sanecionado pelo senado.
Per urna disposico da pt>1ii:u tomada ullima-
mcuie, os pass.igeiros entrados do exterior de
agora em dianle sao obrigados a apresentar-se
na secretaria policial dentro i.e 4 horas, sob pena
de Pernambuco, para a de Carolina, na do Ma-
fanlio ;
O juiz municipal c de orphos. Bernardo Ja-
ciulho da Vriga no termo de T jmandua para o
de S. Jos d'EI-Rei, na proviiicia de Minas Gc-
racs.
Foram nomeados :
0 bacharel Manoei do N'iScimenle da Fonceca
Galvo juii municipal e "je orphaoe dos termos
reunidos de Jacarehy, S. Jos e Santa Isabel,
da provincia de S. Paulo ;
U bacharel Aniceto Jos Burgos, juiz munici-
pal e de orphos dos termos reunidos de Campo-
Mjior e Birras na provincia do Piauhy ;
O bacharel Antonio Marques Rodrigues offlcial-
m.iior da secretaria do Iribuual do commercio do
Maranho :
Ubaldo Theodorico de Pinho, secretario da po-
lica da provincia do Paran.
liuas Geraes.
Tomara posse da presidencia da provincia ; no
dia 13 do correnlo, o Exm. Sr. conselheiro Pires
da Molta.
Bahia.
L-se no Diario da Bahia acerca da Villa No-
va da Raiuha :
A secca contina em sua marcha de horro-
res 1 Oh como triste comtemplar-so o me-
donho quadro desse phantasma aterrador, desse
carrasco deshumano, cujas victimas somos nos !
queris ver at onde anega a miseria em seu
ultimo apuro ? Vinde ao nosso serto, visitai
diversas fazendas de gado, e ento horrorisados,
lereis de ver bracos caneados pela fome profun-
daren) a Ierra, alim de buscarem cm seu amago
urna gola d'agoa, porque os tanques c os rios
tem seccado !
v. Tereis de ver homens e mulheres de todas
as classes, enlrauhados pelos bosques em procu-
ra de diversas raizes e amagos de arvores, des-
pidas da vrente roupagem, para se alimentaren)
e a seus lenros linhos que desde o berco prin-
cipian! a soflrer.Tetis de ver finalmenlo fa-
zeudeiros comlemplarem seu gado murto aqui e
O Sr. r. Jos Joaquim de Suma ichu-sc
err.penhado no curativo desse individuo, que
foi feido no bairro do Recife, c do qualji tra-
tamos.
O referido doulor tudo lem envidado para de- sidente abri a sesso.
Una qutirlo do hora depois do meio-dia, achin-
do-se presentes os Srs. desembargadores Villa-
res, Silva Guiraarcs e Guerra, e os Srs. diputa-
dos Lemos, Basto, Velloso o Buarque, o Sr. pre-
do fallecido Alfonso Jos de Almeida Corte Real
a remisso de parte da divida pro*
fundamento do riuco do Salean ;
que a jubilaco dos lentes da anli)
marinha da-lhcs direilo ao ordena
que percebiam uaquellc lempo; t
do o governo a conceder um anuo
todos os seus viTicimenlos, ao juw
dio Antonio da Costa Moreira.
ndar admiliir m trcala das a- lat.v- Taquary c limar. Responde este decreto para el|os p0[que u,egourari provincial pare-
trul a diversos resolucao lomada pelo goverio mperul de abrir ct achar-se no ultimo periodo de thistea '
va da propo
!o governo a
; cuidados de direilo e da escola cei
esliidaules depois de otaren) os S
j Moita e Dias do Carvalho.
Approvon em 1" e 2 discusso a proposico da
discusso as!
epatados. 1"
aos herdeiros'
euienle do ar-
declarando
s. Silveiru da
KI DE JANEIRO.
9 de junho.
O senado honlem approvou a redaccio das
omoidas eaddicoes feitas alguns artigos do re-
gi^culo, depois de orarem os Srs. Silveira da
Midta e visconde de Sapucahy.
Continuando a discusso addiada do requer- j meshia cmara mandando contarl a autiguidade
ment do Sr. Miranda, propondo que volte s dos olliciacs da armada e do respectivo corpo de
commisses de legislarn e eonsliluic.fio a pro- fazenda que tiverem servido a botdo dos navios
posieo da cmara dos Srs. deputados que man-de guerra naciunaes como pratica lies o pillos
I de scrcm presos e de pagaren urna multa de 4. acola pela fome e pela se Je e verem conseguin-
palacOs. teniente sua fortuna (porque olla se cifra em ga-
Ajuhta econmica administrativa foi aulori- ,i0J boquear no impulso da malfadada secca, que
sada para construir um molhe no local em que desenrolando aos uossus olhos um quadro do ter-
se acha o actual. riveis miserias, nos apunta um futuro de medo-
As ms disposiroes das cmaras onenlaes con- nhos caracteres, que nos promeiie dissoluQo e
t tra o Brasil continan) a manifestar-so sem rebu- norte 1.. Coinludo descancamos na esperanen
a'academia de Um projeclo de lei, assigtado pelos inc.tnbros divina, que lalvez em brev'e vejamos desopp-
lo por iniojro du coiumisso de legislacao, con.-e.ic cidodao reccr ssa peste, esse llagello de ludo.de tudo
3a aulorisan- '> Francisco Arancho a soturna de 10.UU0 pesos cm ,iua!,i0 uxlsle 0 vve.
Ilellcenca com i recompensa dos servteos prestados ao pau por i Os presos desla villa continuara, nao obs-
de direit Pe- esse il,lllvuiuo durante a gurra da independen- | lallte 0 augmento da diaria pa
! coiiirtt o conquista do Brasi'.. I mais nogenla, repugnante e at
Apurovou em 3 discusso a emienda substituli-! J>or docre' c do correrte foi prohibida a compadecida miseria nao cessara um s insian-
d proposico da mesilla cama a autorisando oJosJ?s eslrangoiros a oave,ncao dos nos Cebol- le de clamar das grades da priso misericordia
ara 4U0 rcis, na
ao mesmo tempo
bellar a mortc que paira sobre a cabera do en-
fermo, lornando-se porisso reoomraendavel tan- '
lo mais qnanto nesse sen empento nao tem vis-
tas mercenarias.
Fazem-nos queixas do dous tocadores de
pistn, qae ha no Recife, e que se lem turnado
insupporlaveis, sem terem attenco aos ouvidos
alheios.
Quaudo se expanden) do as su.is volatas
de infernal estridor, esquecem de que a noite
para descanco, eque quem nao lem sotnno, nao
deve despertar aos outros que dormem refocil-
lando-se das fadigas quolidianas. E porlanto,
quer seja para ontretenimento, quer para eslu-
do, cumprc a esses puloaeiros nao txcedeiem
de cortas horas da noile, que tragan iucommodo
paraosoutrosl
Nao vivemos s para nos, e no estado social
devemo-nos reciprocas allencoes ou defe-
rencias.
Alguma providencia sobre o telegrapho faz-
se precisa instantemente.
Alm da fracturado rasslro principal em parle
que se prestava aos signacs dos navios viudos
leste, accrescc agor que nao ha dricas para os
signaes dos outros rumos : o que deve ser repa-
rado desde j para nao ficar-se na ignorancia do
movimento do porto.
Lisia {dos baptisados e casamentes havidos
freguezia da Boa-Vista de 24 a 3o do junho.
iiamina, preta. com 6 mezes de nascida, lha na-
Ertural d'Ambrozina, escrava.
Umbelina, parda, com 1 mez de nascida, lha
natural do Antonio l.ourenco da Silva.
Bernardina, crila, com 2 anuos de nascida, (ilha
natural de Rosa, escrava.
Lucia prea, com 4 mezes de nascida, lha natu-
ral de Rosa, escrava.
Joo, brauco, nascido em 26 de outubro do anno
passado, filho legitimo do Francisco de Paula
Borges, e Maranna Josepha do Sacramento Bor-
ges.
Eulalia, parda, com 4 mezes de nascida, filha le-
gitima de Antonio Jos de Andrade o Antonia
Augusta do Sacramento.
Mario, branca, com 6 mezes de nascida, filha na-
tural de Mara Joaquina, solteira.
Carolina, branca, rom 17 mezes de nascida, filha
legitima de Pedro Raposo do Aiuaral c Mana
Julia.
Euliopio, branco, nascido efu 30 de outubro do
Fui lida e approvada a acta da antecedenle.
Foi suspenso ojulgamento da causa entre par-
tes, Joo KeHer Al C. e N. O. Bieber & C, e o-
presidenle e directores da caixa filial do banco-
do Brasil, cm consequencia da suspeicao.inter-
posta polos embargantes, contra o deputado Vel-
lozo.
Nao se jul?aram os feitos do Vicente Jos do
Brilo, c D. Mara Isabel de Jess Moraes e cu-
tros ; de Manuel Antonio Vieira e curadores fis-
cacs da fallencia de Jos Duarlc de Oliveira Ro-
go ; c de Jos Rodrigues Pereira, e os adminis-
tradores da niassa fallida de I). Candida Maria da
Silva Lima, por nao se acharen) presentes os Srs.
depulmlos Rege e Silveira.
E nada mais havendo a tratar, fui encerrada c.
sesso.
CAKAIU ML.XICIPAL DO RECITO.
SESS.VO EXTRAORDINARIA AOS 23 DE JIMIO
DE 1SC0.
Presidencia do Sr. llego e Albwjuerque.
Presentes os Srs. Barros Rogo, Rogo, Barata,
uliveira, Mello, e Gameiro, fallando com causa
patlicipada o Sr.Franca, e sem ella o Sr Pinto,
abiio-sc a sesso, e foi lida e apptovada a acta
da antecedente.
Foi lido o seguinto
EXPEDIENTE :
_Utn offirio do Exm. presidente da provincia,,
nao concedendo a autorisaco que a caara llio
pedir em dala de ISdo corrente, para levar em
conta ao procurador a despeza que este fez, pa-
gando quem cubrou parte da divida activa mu-
nicipal, relativa imposto e mullas. lnteirad.i,.
e que se communicasse ao mesmo procurador.
Outro do vereador Franca, datado de honlem,
participando que, ior ter de sabir hoje para o
Cabo, negocio d urgencia, nao Iho era possivel
comparecer sesso. luteirada.
Entrando dm discusso o officio da presidencia,
lido na sesso antecedenle de 21, e adiado para
ser discutido hoje, resolve.u a cmara, por una-
nimidade, que respundesse ao Exm-. presidente
da provincia uestes termos .
Que olla eulendia ser de sou rigoroso devor
ponderar respetosamente S. Eu\, que o Dr.
Augusto Carneiro Hnuleiro
da process3r, ainda que ausentes do imperio, e
j'il^ar logo que forem presentes os cidados bra-
sileiros que perpetraren) cortos enmes em paiz
estrangoiro ; oracam os Srs. Fcrraz, Silveira dn
Mulla, visconde de Uamsnguapc, marqnez de
Olinda, Pimenta Bueno, I). Manuel c Sinimu.
Sendo rejc.tado o requerimento de addiamonto
continuou a discusso do projeclo, que ficou
ddiad.) depois de orar o Sr. Suuza.Ratr.os.
A cmara dos deputados approvou hontem com
unaniuiidado, menos um voto, o projeclo de res-
posta falla do throno.
> Entrou depois em segunda discusso o arl. Io
da proposla do governo, que lixa as forcas de
Ierra para o anuo Uuancero de 1SG! a 1862 ;
oraram os Srs. Peixoto de Azevedo c Veriato, e
licou a discusso addiada.
12
O senado approvou huulom cm 2:l discusso us
arts. 3, 4,5, 6, 7 o 8 da psoposico da cmara
dos deputados mandando ptocessar, anida que
ausentes do imperio, e julgar logo que forem
presentes, os cidados biasileiros que perpetra-
ren cerlos i rimes em paizes eslrangeirus, com
as emendas apoiadas. Oraram os Srs. Vascon-
celos, Pimenta Bueno, Marattguapi c Silveira da
Motts.
Continuou honlem na enmara dos deputados
* a 2a discusso do arl. 1 da propusta do governo
que lixa as iorcas de Ierra para o auno Imano i-
ro de 1861I8'.i2. Oraram os Srs. ministro da
gera e P;ranlios, ficaudo a discusso adiada.
- 13
i'iui:i'ueu-se noniem na cmara uos depulaoos
elei'-o da.mesa, que ficou constituida da mes-
illa forma.
Conlinuoii depois a 2a discusso do arl. Io da
propusta de-guveruo que lixa as forcas de lena
pata o anuo liuanceiro de 1861 a 1862. Oraram
OS Srs. Peixoto de Azevedo e Miguel de Araujo,
lcanJo encerrada a discusso.
- 14 -
A cmara dos deputados approvou honlem os
arts 1, 8e3* da proposta do governo que lixa
a* forcas de Ierra para o afluo liuanceiro de 1S6I-
1862.
Entrn depois em discusso o arl. 4 com a
emendada commissao que faz gozar das nesmas
vantagens pecuniarias que tem os naciunaes, os
estrangeiros que estiveren as circunstancias da
lei e sequizerem contratar para servir no ejer-
cito, e permite,que ellos se naluralise'm cidados
brasileiros depois de dous anuos de servico sem
nota ; (cando subtendido que nos corpes de mais
de quatro companhias nao sero admittidas mais
de com estrangeiros, nos de menos do quaito
companhias ale cincoenta, e na companhias
avulsas nunca mais da terca parle da furca no
estado completo. Oraram os Sis. Franco de Al-
meida, ninislro da guerra e Peixoto de Azevedo
e ficou a dKCUSsio adiada.
- 15
A cmara dos deputados approvou honlem,de-
pois de rejeilar um requeiimenlo du Sr. Peixulu
de Azevedo pedindo para que a votaco fosso
nominal,o jatagrapho substitutivo da commis-
sao, e parte do arl 4 da propusta do governo,
que lixa as forcas de Ierra para o anuo liuancei-
ro do 1861 a lb62, acerca do contrato de estran-
geiros para o txercito.
Approvou tambem, depois de algumas consi
derares dos Srs. Franco de Almeida, ministro
da guerra e Pevoto do Azevedo, u arl. 5 da mes-
ma proposta, que versa sobre o pagamento e lem-
po de servico dos voluntarios o recrulados ; bem
como o arl 6, que autorisa o governo adestacar
ot5,000 pracas da guarda nacional em circuns-
tancias extraordinarias.
Approvon aiinla, depois de um pequeo deba-
te entre os Sis. ministro da guerra, Teixeira J-
nior c Paranhos, oe arts. 7, 8, 9 e 10 additivos
da commissao, revogando perin.'iiienlemeule o
arl. 20 do regulamento n. 772 de 31 de marco
de 1851, dando vigor a le desde j, autorisando
o governo a reformar varias repartces c aug-
mentar o quadro do corpo de saudo do exercilo ;
bem como urna emenda do Sr. Teixeira Jnior,
para que a autorisaco de que trata um dos ad-
ditivos vigore at a'proxima sesso legislativa, e
na sua execuco nao exceda o pessoal ora exis-
desde a dala de suas nomcaces.
A eemara dos deputados rojeitou] honlem o re-
queiimenlo do Sr. Peixoto de Aiev ido, cuja dis-
cusso licra encerrada na scssod sabbndu, pe-
dindo ao governo, pela reparlico t a marinha, m-
furmaees sobre o descont feilo r os sidos das
lido cumpii-
i!a arrecadar
os suidos atra-
i:i-inesa(o, e
plagas de prel da armada ; se tem
ment a disposieo da lei que ma
em proveito do cofre dos invlidos
/.ados dos desertores e dos morios
qual asonima arrecada4a.
Em seguida eulnu em discussai
reforma eleiloral, pedindo a palavr
Contra, os Srs. F. Oclaviano, T
Faancisco Campos, Franco de Alm
pho, Carro, Cerqueira Leile e Vili
A favor, os Srs. Saraiva, Sei
a navegneo da Lingoa-Miiim ao commercio
oriental.
Ilatiia partido para Campanea com licenc?, o
Sr. ministro da guerra D. Jugo Lamas. Sr.
Thomaz Villalba, ministro dt fazenda, Ucavn-0
i subsliiuindo durante a sua lusencia.
De Buenos-Ayrcs Iraz-nos este paquete a no-
| ticia da termnaco da missio do Sr. Veloz Sarz-
lield junto ao governo do P,iran.
O resultado dassa roissao foi un extenso trata-
do de unio, que por falta de timpo nao publi-
! canos boje. Os plenipotcnciarits por parte do
'governo argentino foram 3S Sis. ministros da
guerra D. B. Viclonoa e depi.ado I). Daniel
Arsoz. Esse tralado jseaihava lactificado pelos'
dous governos e approvados pdaa respectivas
da Silva Santos nao
anno passado, filho legilimo do major Joaquim era medico do maladouro, porque, havendo sido
i
lixeira Jnior,
dda, Landul-
lla Tavarcs.
du Macedo,
Torres-llomem, Dias Vieira, Podrir, Ferreira
de Aguisr, Athayde, Paranhos, Junqueirj Diogo
Ve Iho, Nenias, \iriatu, rias, Jaclnlhu do Meu-
donra, Cruz Machado, Candido Mundos, Fausto
de Aguiar e Luiz Carlos.
Orou smenle o Sr. F. Oclaviono, e
discussu adiada,
cmaras. ,
ILiviam lido lugar no dia 3 d> correnlo em
Buenos-Ayres as eleii.es c e depitados e sena-
o oroiecto de dores adiadas do dii 27 do passido para aquel
.v i 'le dia.
Por derroto de 23 do m;,io o givernb matcou
Ircs premios de dez mil p isos (IHO-J?) para se-
rein distribuidos pelos militares do estado que-
mis se distinguirn! na defe/.a da cidade de
Buenos-Ayrcs contra as atnus brilannicas, na
guerra da independencia, c uas guerras da li-
ierdade.
L"m jury coinposto'de ct mmandinto geral das
armas e dous generaos o d us coronis nomeados
-Acha-se na vara de delegado o commandan-
le superior Amonio da Silva Duarlc Deus o quei-
ra conservar al que chegue o Dr. GalcSo para
esta villa ; assim como acha-se na vara do juizo
municipal u orphos'o collector das rendas pru-
vinciaes, que segundo nos consta, acha-se nesla
villa ordetn de priso contra elle, por (altas com-
meitidas era sua reparlico : vaina a verdade.
.1 estrada de ferro. Ante huiilem tez-se a
grande experiencia exigida pelo Dr. engenheiro
fiscal da estrada de 'erro, na puule da Plata-
forma.
Trinla e tres icagons todos carregaJos, alm
da locomotiva, e do cjrro, em queiam quasi to-
dos os cngeiiheiros da estrada, e engenheiro fis-
cal, o Sr. Dr. Firmo Jos de Mello, e etnprezano
o Sr. Jonh Walson, e varias outras pessoassa-
liii.iin da Jequiaia s 2 o 1[2 huras da larde cum
grande velucidade, e pasearan a punto, demo-
rando-so tres vezes. no principio, no meio c no
fim, por espago de moia hora, a ver si ella sof-
ria algum abalo, e depois seguirn) viagen para
Peiiperi, edahipaia o Arat Dm da primeira
seceo.
O pozo que a ponte supporlou, assim parado
o Ir durante uioia hura, fui de cerca de 2001o-
nelladas. porque havia wagons, que linhan cada
um 6 toneliadas de carga. J^ se v pois que
est luda prova, porque nao provavel que
lo cedo passe por ella do urna vez, lano pezo.
Continuou em ultimo lugar a discuss
posta do governo que fixa a [orea naval
anno finauceiro de 1801 a 1862; urou o Si
co de Almeida, ficaudo lamhom adiada a
sao.
20
O senado honlem approvon sem debato cm
primeira e segunda discussu as proposites da
cantara iIom Srs. depnlados, concedendo uensres
riscondessa deUoianna.a D. Henriqueta Esme-
ria Nabuco Cjineiro, e ao guarda nacional Ubal-
do da Silva Braodo.
Approvou em primeira o segnnda discusso a
proposieo da mesnia cmara fazendo extensivos
os privilegios lo que t;ozam as apoliecs geraos s
que forem cmitlidas na provincia do Rio de Ja-
neiro, urna vez que n valor dessas apoces nao
exreda a 2,500:000j000.
Rejoilou cm segunda discusso o arl. 2 da
to-'sina proposico, que loruava extensivo o mes-
mo favor s emais provincias, depois de orarem
os ^rs. Ferraz, D. Manoei e Dias de Carvalho.
Approvou em primeira n segunda discusso
qualorze pronosicOS da dita cmara, autorisan-
do o governo a mandar adinittir matricula do
orimeiro anno das Facilidades de Direilo e de
Medicina a diversos cstudnntes.
ficon a l"J, P"nciro deviara det^;nar os ciciacs a quem <( A viageai [ a mais Bgr8davel possivel", nao
cabellara os premios. S p,,ia companhia distincla, com quanto liinila-
Da Confedcrarao as ncticias alcancara ate o tiai C|no peio r(;su|la(lo da experiencia, que a
deste mez. l0ll0S tllcr,eo do satisfazlo.
Goncalves d'Albuquerque Silva e Anua da Cruz
do Passo Silva.
Antonio, branco, nascido cm 3 de marco do cor-
rete anno filho natural de Umbelina Maiia do
Nasciment. '
Silvina, parda, com 1 anno e 4 mezes de nasci-
da, lilha natural da Maria escrava.
Maria, parda, com 12 dias de nascida, filha legi-
ina de II.-milano Jos Xavier de Carvalho Meu-
donca e Francisca Xancr de Mendonca.
Andr, pardo, nascido etn 30 de novorabro do
l.">")7, tilho natural de Maria escrava.
'assageiros viudos dos porlos do norte no
vapor Cruzeiro do Sul:Dr. Abilio Jos lava-
res da Silva, sua senhora, 1 filho, 1 criado e 6
e-cravos, Dr. Joo Capristano Bind.ira de Mello
0 seu criado Joaqun), Theodoro Culos F. San-
tos, Manoei Vidal da Cruz, Francisco Luiz Budti-
| gues, Iiiiiocenrio P. da Cruz, Manuel C. de VI-
buquorque, Felippc Scheul, Jernimo Jos Fi-
gueira de Mello, Joo Marques, dos Santos, An-
tonio de Carvalho Peies de Honra, Jos-Denlo
I". Magalboss-autua mulher, Jos Goncalves Li-
ma, Antonio Francisco Moreira, Joo Peieira
Rabello Braga, fre Herculano do Corjgo de
Jess Brilo, Jyo Luiz Poreira Lima, Jos Mon-
des e sui senhora, Manoei Antonio de Dos. Ma-
noei Pacheco de Andrade, Manoei Gomes d'uli-
veira, 23 raariuheiros americanos, naufragados
em Lucenn, 1 soldado, 3 escravos a entregar.
Seguem para o sul Dr. Francisco F. Alle-
rao, Dr. Antonio G. da Justa, altores J. S. da
Cruz, frei Caelano do Santa Rila e 1 oscravo, Ma-
noei Ferreira Gomos, T. Elouterio B. Lima, Nor-
bino Domingos Moureira, Thomaz Pompeo de
O presidente da C infederaco fez doaco do va
por General Uenacides aires Heceales proviu- I
ca de Corrientes, como urna demonslraco do;
apreco em que o governo nacional considera os'
servicos que na ultima gi erra prestou essa pro-
vincia causa oa nacional.dade.
Achava-so preso o ex-fcovernador brigadeiro-
grnvrnl I) Snno P.-ildo l.cpct, p*n Irr sidw ai-cu
sado de haver inlontado nina revoluco contra o
governador legal de Sania F o Sr. D. Rvzcndo
M. Fraga.
Do Valparaso ha dalas al 14 do passado. A re-
pblica se conservnva em plena paz.
A nao ftanecza Dwjuay Trouin tinha chogado
ao Caliio. A bordo desse navio achavn-seo Sr.
I.esseps, oncarregado de i egucius da Branca, que
a pedir ao governo peruano reparaco dos pre-
juizos causados a um subJu franco/, que ha de-
zoito mezes se acha prese em Lima sem ser pro-
oossado. A imprensa o c governo do Per nios-
travam se preoecupados com esta queslo, mas
al o dia 6 do passado nao tinha havido sanio
artigos iie jomaos e deslalos patriticos.
A volla do Aritpara a Jequitaia fez-se com entregar.
convidado para exercer essa commissao, fura
despediJo em data de 25 de Janeiro deste atino*
por entender a cmara, segundo o pare:or de
homens entendidos na materia, e a experiencia
que oblnve, que tal cominissu era intil, e acar-
retava despezaa etn pura peda dus cofres muui-
cipajs.
Que em vo recorrer elle ao antecessor de S.
Exc., e por ulliino assembla provincial que o
nao atienden, e deixou de consignar quota para
a conliniiaco da naesna commissao.
Ouo, quaudo a situaco actual aconsclhas>e a
assistencia do um medico no maladouro, s-
menla poderia ser chamado u Dr. Sanios, se do
novo fusse Horneado ; parecendo assim cmara
que a ordeni de S. Exc. fra expedida por nao
ter isle chegado ao seu seu coulicciiiioutu, o
suppor S. Exc. que o referido duulur ainda era o
medico du maladouro, e gmenle lulia deixado
de exercer suas funeces, parecendo-lho igual-
mente que essa noineaco era de sua exclusiva
competencia, por sor o emprogo municipal e as-
sim o determinar a lei do de outubro ; c ain-
da que reconhccessc a cmara, e fosso oxpresso
na I, i do 3 do outubro de 183, que serve de re-
giment aos presidentes, que a estes sao subor-
dinadas todas as autoridades da provincia, e na
j cilada lei ds 1. de outubru de 1828, que ser-
vo d regiment s cmaras munleipaes. que es-
las sao subordinadas au presidente da provincia,
todava, entenda que esla superiuridade se excr-
eta dentro dus limites das respectivas allribui-
0es, e nao que ao presidente da provincia cuba
o direilo de azer as nomeacocs que sao da com-
petencia da cmara municipal, uu que lhe orde-
Xquino, Balbina Olympia do Espirlo Santo e 3 no, que taese taes empregos sejim exercidos por
tilitos, Pedro Augusto, 62 pracas do exereilo, 4
recrutas, 4 ditos para marinha, 20 escravos a
a uiaiur presteza possivel, na razo de 10 minu-
tos por legoa. O trein sabio de l s 4 e 23 mi-
nutos, echegou a Jequitaia s 4 c 53 minutos.
Da passagem da ponte ficaram pholographias
tiradas por ordera da erapreza.
Os trabalhos d.i estrada por tuda a parte 03-
lao uiiiiui ndiauados, e duranlo as viagens to-
mim-se lanas caulellas e ha tanta vigilancia,
que dillicil haver um sinistro de qualquer es-
pecie. Alm de outras, de cem em cein passos
ha um guarda com tres bandeirasuna branca
oulra orde e outra vertnelha, encarregado de
annunciar si a locomotiva pode seguiro que faz
com a branca, si deve seguir cora cautellao
que faz cum a verde, ou si deve esperar, si ba
quelquer embarace, e nesse caso usa da ver-
inellia,
Os wagons sao bonitos o commodos, mcrc-
cendo especial menco us da primeira elasse, e
o carro uQieial denominado sano, O que se pu-
de exigir do necio e deconforlavel para este paiz,
em vehculos taes, ha nelles.
J se est acabando de armar oulra locomo-
tiva para trabalhar tambem uo dia da abertura.
Coulinunu lionlom, na enmara dos deputados,:
na primeira parledaVerdem do din, a discusso
do projeclo de reforma eleiloral, o na segunda
a proposla do governo que lixa a for^a naval
para o auno finauceiro de 18611802.
Oraram na primeira o Sr. Saraiva, o na se-
gunda o Sr. Peixoto do Azevedo, brando aquella
adiada pela hora, o esla dependente de um re-
queiimenlo de eiicorramento proposto pelo Sr.
Tobas Leile, que nao foi votado por nao haver
casa.
21
Continuou hontem na cmara dos deputados
a discusso do projeclo de reforma eleitoral.
Urou o Sr. ministro do imperio, litando a dis-
cusso adiada.
Em seguida approvou a cmara os artigos da
proposta do governo que fixa a iorca naval para
o anuo liuanceiro de 18611862, licaudo encerra-
da a discusso, do artigo nJdilivo da commissao
mesma proposla, depois do orarem os Sis.
ministro da marinha c Peixoto de Azevedo.
22
Honlem no sonado continuou a discusso adia-
da na sesso antecedente, da proposico da en-
mara dos deputados, creando urna nova secreta-
r de esludo com a denominaco de secretaria
de estado dos negocios da agricultura, commer-
cio e obms publicas.
Oraram os Srs. marquoz de Olinda, Vasconcel-
os, visconde de Uruguay, I). Manoei, visconde
de Abaet e Ferreira Penna, licaudo a discusso
adiada pela hora.
Continuou huntem na cmara dos deputadus a
discusso do projeclo de reforma eleiloral: ra-
teme nessas repartieses, nem e'elevem os orde- i Traai os Srs" Teix,,,ra Jnior e Sergio de Macedo,
nados alm do que'percebem os empiegados de lil:ando a u sa0 diada.
igual calhegoiii do thesuuru nacional e do arse-
nal de marinha, no que il'u. respeito aos arsennes
de guerra.
16-
0 senado approvou honlem em primeira dis-
cusso o projedo que prohibe loteras c rifas nao
aulorisadas por lei, depois de orarem os Srs. Sil-
veira da Molla e presidente do conselho.
Approvon om seguida c sem debate, em pri-
meira e segunda discusso, os projectos da cama-
Approvou-se depois em segunda discusso a
proposta do governo que lixn a forja naval para
o anno finauceiro de 18(31 a 1862. "
Entrou por fim em terceira discusso a pro-
posta do governo que fita as forcas de torra para
o mesmo atino finauceiro ; foram aprosentadas
varias emendas, e orou somente o Sr. Franco de
Almeida.
- 23 -
Honlem no senado continuou a discusso adia-
da na sesso antecedente da proposico da cma-
ra dos depnlados approvando as penses conce- ra dos Srs. deputados, creando urna novn secrc-
cisca Lima do Espirito Santo Coelho e a D. Atina
Marcelina de Carvallm Pardal.
A camaia dos deputadus approvou honlem era
tuna s discusso o projeclo que manda anrir no-
va praca do aspirante a guarda marinha aos alum-
nos do teiv.eiro anno da escola de marinha Luiz
Barhaluo liuniz Fiuza, Pedro Pinto da Veiga, Mi-
guel Joaquim PeJerneira, Antotiio Sercriano Nu-
ues e Francisco de Paula Telles de Menezes.
Adopidu cm seguida, depois de um pequeo
<3cbate entre os Sis. Vina lo, Augusto de Oliveira
e Pereira Pinto, o projeclo que approva a penso
iiuniial de 1:0*0^000 a Carolina Cecilia Cara-
pos de Oliveira, viuva do chele de esqnadra Pe- Abael
dro Ferrein de Oliveira, reparlidameute com sua
ulna D. Adelin Carolina de Oliveira.
Adoptou tambora, com algumas emendas, o
projeclo do senado que autorisa o governo a man-
dar passar carta de naluralisaco de cidadao bra-
Sileiro ao subdito porluguez Anlonio Maximiano
uo l'iguouedo.
de estado dus negocios da agricultura, commer-
cio e obras publicas.
Oraram os Srs. Souza Ramos, Ferraz, Silveira
da Molla, visconde de Alliuquerque, marquez de
Olinda e Ferreira Penna, icando a discussu
adiad" pela hora.
Temos datas de PortO-Ategre de 10 do corrento
o do Rio Grande de 10.
Os jorbacs noticiara uta c.inilicto havido eai
Jaguaro entre o 12u batalho de infuitaria e o
'' regiment do cavallari.i.
O Mercantil noticia esso successo do seguidle
modo :
Segundo as informacoes, que posteriorm
temos nd|iiiridu sobre O conflicto das Uopa, que
leve lugar em Jaguaro nutre pracas do 12'' ba-
talho o do 4" regiment, a desorden comecou
ocla priso de urna praca dq regiment,, quo
nchaudu-se ebria e estando a fazer barulliu na
occasio da festa do F.spiitu-Sa ito, foi presa por
urna palrullrj do balalho. Accodirara a tirar o
preso das mitos da palrulha outros soldados do
cavallaiia, furtificaram ; palrulha de infantes
nutras pracas, que andavaMi por all perto, e se-
guirara-se insultos de um lado o de outro, provo-
coudo-se em nina especi-! de duello para fra da
cidade.
Nesse primeiro conflicto bouveram seis ou
sote fordos, o leria havido rauilo mais a nu
accodirooi os coramandantcs dos dous corpos. o
da brigada, e o bravo major da guardo nacional
e delegadu de polica Joio Simplicio Ferreira.
Dous dias depois, c quandu j so suppunha
o conflicto terminado,' o lo so reprodu/.io ainda
naia nggravado, subtndo ao duplo o numero dos'
fondos.
'. A's ullimns datas os officiacs subalternos de
ambos os curpus se acha1 mu dia e noite frente
das suas companhias, e es respectivos chefos, e
conferenciavsm frequcn.emenle afini de evitar-
se a repelico de sceuas lio deploraveis. Cilam-
se mesmo fados de energa de alguns daquellos
dislinctus mogos, resislindo a nr.iina._oes que
as pracas Ibes faziara, ou oppnndo-se espada em
rao a que sahissem dos quarteis as que leuta-
vatn oxecula-lo.
Infelizmente esses quarleis-no teem aseon-
diees uecessarias para i iirca reler-se nelles
pracas indisciplinadas, o antes amuliuadas como
se achavam aquellas.
Por emquanto calen a va-se em vinle e cinco
homens des dous corpos os que se achavam fe-
ridos, tendo j succumb.do um ou dous.
Tinha havido tamben algumas deserces.
Os comranndanles dos dous corpos resolvern)
afinal fazer sahic de Jagutro parn o Herval o 4o
regiment de cavallaria.
Basiou esta medida para por lermo ao con-
flicto.
No dia 13 do corrent chegou a Jaguaro o
cois manda nte das annaj da proviucia, e eucon-
t-routiidona maior tranquillidade.
iwm^oti wwe^iaa
REVISTA DIARW-
62
an-
Conlinuon hontem na cmara des deputados a
primeira discusso do projeclo da reforma elei-
loral.
Orou o Sr. Landulphn lodo o lempo da sesso,
21
O senado approvou hontem era terceira dis-
cusso acomenda substitutiva do Sr. visconde de
proposico da cmara dos Srs. deputa-
dos creando urna nova secretaria de estado com ; luana Maoel Cyrillo M rinho, na dignidade de
I a denominaco desecretaria de eslado dos ne- thesooreiro mr, que se acha vaga "na mesma S.
DIARIO DE PERNAMBUCO
0 vapor francez Im, Guyenne, entrado no do-
mingo, do Rio c Babia, apenas adinnlou dous
dias do p/iraciro e um da segunda. Os juntaos
que por elle recebemos lizotn o seguinte :
IIi i de Janeiro.
Por decretos de 2, 2:! e 23 do correle foram
aprosentndos:
O conego de prebend. jnleira da S melropo-
Enlrou por finj em discus=o o arligo Io da pro-
posta do governo que fixa a torca naval para o
anno fiiaoceiro de 1861 a 1862- 'Oraram os Srs.
Jactutho de Mendonca, presidoute dp conselho
gor.ios da agricultura, commercio e obras pu-
j blicas.
Oraram os Srs. Sinimb. viscondj de Maran-
! guape, Dias de Carvalho, Souza Flanco, Carneiro
, de Campos, Vafconcellos c D. Manoei.
Approvou etn seguida em terceira discnsso
diversas reuoluces da ni>sraa cmara conceden-
do pensos a D. Antonia .uiza Horla Barbosa, a
D, FrancUca Uo* o Espirito-Sanlo Coelho, a ,
O conego de meia prebenda Antoniu Pedro
Moreira Ros, na cadeini de prebenda inleira que
se acha vaga na mesma S.
Foram removidos por assim o haverem pedido:
O juiz de direilo Antonio Aparque Lra da co-
marca da Carolina, na provincia do Mar#nho,
para a d-i Boa Vista de Pernambuco ;
O juiz de direitu Joaq)im do Paula Pcssoa de
Ljgs'-da Ja comarca da .Soa Vista, na provibcia
TeTrib hontem so insinuado pela populaco o
boato do que as rezos moras para o consuno
desta cidade linhan sido nordilas por ura cao
que eslava accommcltido da hydrophobia, desen-
vulveu-so na mesma populaco una repugunucia
cmplela para com a carne, de maneira que urna
grande patle que dclln jaso havia prvido, man-
dou-a lancar no rio, mesmo cziuliaJa, como es-
lava aigumalJA.
Eslc boato nescera de haver communicado o
subdelegado do Patalibe ao Sr. Dr. chefe de po-
lica, que de urna loivo de gado conduzido pa-
ta ser cortado nsta cidade por Joo Valerio ou
Joo Viegas, como querein alguns, foram mor-
didas por un cao dainnadu algumas rezes Mas
o Sr. Dr. chefe de polica, apenas leve scicneia
disto, mandn verificar a respectiva exaclido ;
e sabendo que as rezes mordidas haviain sido
enviadas para a Casa Forte, para ah igualmente
! mandn proceder as necessarias averiguaces,
que dernm em resultado a falsidade daquell'a in-
formacao.
Nesta siluara Iralou decolher noticias do fac-
i pelos campias, que se aliveram urna cons-
umi denegaco relativamente esta circuns-
tancia* >"u entretanto n carne exposla nos a;ou-
gues nada tinha quo rovelassc ser de bui mor-
dido, como igualmente foi verificado pelo Sr.
cirurgio da cainarn municipal Francisco Jos
da Silva, e reconhecido pelo r. Augusto Car-
ueiro Monloiro da Silva Sanios, que, como en-
carregado desse servico, desceu a todas as apre-
ciares ensinadas pele sciencia para reconheci-
inetito do mal pretendido ; e essa ausencia d-se
na que hoje ofTcrecida ao consumo.
Devenios consignar, que nao foi por orden) de
autoridade alguma quo foi regeilada parle da
carne comprada e oulra laucada ao rio ; jsto
parti exclusivamente da espontaneidade da po-
pulaco irapressiunada pelo boato dilTundldo com
admitavel rapidez.
Ainda semana passada fizemos algumas ob-
servacoos acercada irrcgularidade do correio da
provincia do Cear na remessa dos cxemplares
deste iario, quo indcclinavelmente sempro en-
viamos nos nossos subscriptores do centro d'a-
quella provincia ; hoje lemos de vollar sobro a
mesma materia com relaco villa de Quixera-
mobim, d'onde polo Cruzeiro do Sul recebemos
vivas queixas por falla de recebimonlos de
Diarios.
Repetimos ainda urna vez, que de nossa parle
jamis se do dessas fallas, purquanlo esse ser-
vico feilo em nossa empreza com tud a exac-
lido queellc exige; c por isso qunlquer omissu
nao nos deve ser imputada devidamente. No en-
tretanto nao nos podemos eximir do chamar a
attenco da administrac.o'do correio da referida
provincia, por mais esta vez. para esse ramo do
servico publico, que assim solfrc cm sua regula-
ndade com detrimento dos conlribiiinles.
Ora, se o imposto assencialinenle odioso,
nao deve a estaco que o percebe, por falta pro-
pria, torna-la ainda em perares circumslancias
por meio de atropellos ; o que se verifica no caso
sobre que reclamamos.
Quaudo o oslado exige um lanto por ura ser-
rieo determinado, c para o desempenho d'ello o
misino eslado crea empregados, cumprc que es-
tes sojam exactos no curapriinento dos seus de-
vpres de bem sorv;r ao publico ; que por corlo
naa deye carregar cow iodo os onus smenle.
Passageiros sabidos para o sul no vapor in-
slez Magdalena:senhora Fret, otVmaner,
Thomac Texoira Bastos, Francisco 11, do Rogo
Mello.
Passageiros viudos do9 portes do sul no vapor
francez Guiennc :Lecat Paul e Pradcrc Ale-
xaiiilie.
Passageiros quo seguem para Bordcax o porlos
intermedios no vapor francez GuienncGuilher-
me Jos Pereira e 2 lillios, Jos Morulla, Pascal
Mandariro'e seu filho, Francisco Pesan!, Geovani
Bojotti, Jos Rodrigues de Andrade, Juo Fran-
cisco de Araujo, Joaquim Aries Nunes, Dyid
Poulcman, Charles Bless, Kunuss Joan, Ignacio
l'eloces Eugeno, Conrad, Ju Marques dus San-
ios, Antonio Carvalho do Moun, Euiilee Louren-
ce, Scchel Phelipe, Bernel e sua familia, Anlo-
nio de Oliveira Barnis-NVelleain Waual, e D.
Jean. (^\
Passageiros, viudos do Aracaty no ltate brasi-
leiro Invencivcl:L/eberalino da Costa Bio
Pergilino E. Aires
Matahocro publico :
Mataram-se no da 1." do corrente para o con-
sumo desla cidade 106 rozes.
No dia 2 do mesmo 108 ditas.
Moni \i.lli\ni-: DOUUl.UO COHRESTR :
Clara Maria da Cutieeicu, branca, viuva,
nnnus, thsica.
Joo Podro das Chagis, pardo, sollciro, 4
nos, angina. .
Celestino, preto, 5 anuos, fobre lyphoide.
Manoei, pardo, escravo, 22 anuos, soUeiro, con-
gestu cerebral.
Alfredo, brauco, 3 annos, marasmo.
Auna Mara da Aunuiicijco, preta, solteira,
anuos, erysipela.
Maria, branca, 2 annos, angina.
Joanna Francisca da Ora, parda, viuva, 3i
nos, fobre pncrpclar.
Margarida de Santa Anna, preta, solteira,
anuos, estupor.
Goncalo Jos da Main, branco, casado, 33 annos,
fobre lyphoide.
Rosalina. preta, 13 dias, espasmo.
Maria Jus de Santo Anua, branca,
annos, apoplexia.
Manoei Joaquim Baplisla Jnior,
annos, anasarca.
Caclana, preta, solleirs. escrava,
rheumalismo.
Eugenia, branca, 4 annos, menengite agudo.
Joo, branco, 9 dias, gastro intetiie.
Joaquim, preto, 5 mozos, espismo.
Maihllde, parda, 9 acnos, lyphoide.
Atina, preta, escrava, solteira, 27 anuos, pul-
raonite.
Hospital de cahidaoe. Existpm 59 ho-
mens e 57 mulheres, nacionaes; 7 homeus es-
trangeiros, 1 escravo ; lo'.al 124.
Na totalidade dos doentes existem 37 alienados,
sendo 30 mulheres e 7 homens.
Foram visitadas is enfermaras pelo cirurgio
Pinto s 7 horas e 5 minutos da raanha, pelo
Dr. Cornelias," s 7 horas e 3/4 da larde.
39
an-
39
solteira, 57
branco, 14
33 annos,


ni liii.lnos que ella nao nomeou, ou demilo,
como poda fazer, depois de nomeado.
Que entenda ainda enmara que o livre exor-
cicio deste direilo nao pude est sujeilo a inier-
venco da auluridadu supetiur, una vez que. nao
exceda as altrbulcoes das cmaras municipaos,
era lo pouco se acha comprc-hendido 113 dispo-
si:.1o do arl. 73 da citada lei de 1828, nao s
pir ijuo l.il oxtv/'.'iio ;c.-i,i cuutrnria nos princi-
pios do_ direilo administrativo, como por que a
iioineico dos eraprt-gado.s municipal s da es-
clusisa competencia da cmara, o, dado o recur-
so, seria multiplicada essa attnboica, c jumis
pode considerar-se cuino urna delibetnco ou
ncurdo, que seja susceptivcl de reviso'ou re-
curso, como V. Lxc. sabia perfeilamente.
Ouo a cmara acrediUva que nao fura V. Exc. '
bem informada respeito do estadu das carnes
verdes, pois que se fossem exactas essas infor-
tnacoes que lhe miuistraram, ella que vela so-
bre a salubridado publica, j loria por si lomado
alguma medida, ou -i solicitado da presidencia,
como Qzera em utlicio do 14 de maio ultimo so-
bre a nomeacio de mdicos por freguezias, para
Matarem dos pobres, sendo que ainda mesmo
quanJo a carne-verde fusse aclnalmente de uta .
qualidade, esla nu seria a causa do cnln-limen-
lo da Cpideuia reinante, segundo os pareceres,
quo por copia reinelti.i a cmara V. El*., d
mdicos habilitados a quem acabava do ouvir.
Que submeltendu por lano a enmara estas con-
sideracoes ao esclarecido juizo de S. Exc, lite
peda se diguasse de applicnr sua attenco pan
os ollicios que ella dirigir presidencia* em da-
tas de 19 de fevereiro de 1858, e 6 de fevereiro
de 1860, nos quaes foram exposlas as rasos
por que Coran dito medico nomeado para a cum-
misslo referida, e depois Jespresando ; e espe-
rava que S. ida. allenJendo-as, a mantivesso
as suas nluibuiccs, como primeira nuloridado
da proviucia.
Finalmente que a cmara parlicpava s- Exc.
que havia expedido circulares aus fiscaes du mu-
nicipio no sentido da segunda parle do officio do
S. Exc, a que responda, icndo-lhes, ha pouco
lempo recoinmetidadu a exacta observancia do
art. 21 do lytulo 4 das posturas de 30 de juuho
de 18-9.
O Sr. Barata requeren quo esta resposta fosso
dada era utlicio reservado, mais cabio o seu re-
querimenlo, por lor sido combatido no sentido
de uo permiltir a lei do Io do outubro que as
enmatas Cafan acto* reservados, e antes deter-
minar quo seja ni publicas as suas sesses-
ospucliaram-se is pelicesde Manoei Borges"
do Mendonca, c Miguel Jus Alves ; c levaula-se
a sesso. Eu Manoei Ferreira Accioli, secreta-
rio a escrevi R'.go P. P., Barata d'Almeida,
Oliveira, leila, Pinto, Cameirn.
VMM
CHRQNICA JICURIA.
. TRIBUNAL DO COAIMERCIO.
SESSO ADMINISTRATIVA EM 2 DE JL'LIIO
DE 1860.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOS
SOUZA.
s 10 horas damanha, achando-scpresentes
os Srs. deputados Lemos, e Bastos, osenhor
presdenle declarou aborta a sossao pata mero
expediente, c dosignou o deputado Lemos para
servir de secretario,
EXPEDIENTE.
Foi presente a cotacao offieial dos procos cor-
rentes da praea, relativa semana linda.Ar-
chive-so.
DESPACHOS.
Um rcqnerimcnlo de Jos Cypriano Antunes,'
pedindo o lugar de agente de leiloes. Seja ou-
vidoo Sr. do&embargadur fiscal.
Outro de Joo Anglada, como socio gerente dn
casa commercial de Aranaga Hijo & Companhia,
pedindo o registro de urna procuiaco. Regis-
tre-se.
Oulro de Mis Lathara & Companhia, com a
inforraaco exigida por esto tribunal. Nao po-
de ter lugar o que requerem sera que seja regis-
trado o seu conlrato social.
E nada havendo a tplar-se, o Sr. presidente
t'ficcrrou a sesso. f
SES.vAO JUDICIARIA EM 2 DE JULHO DE 1860.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DEEEUBaKCaEOB
SOIZA.
Secretario, Julio Guimares,
O calumniador nunca dorme : folga cora a ca-
lumnia, ri cora as injurias, e vela e presenta*
quantos meios Iho iccodem para ferir e maltra-
tar a .inanios lhe sao desafectos.
E' assim que pensuram, assim que diro lo-
| dos aquellos, que laucando os olhos sobro a pu-
blicago feila no Diario de Pernambuco de giur-
la-feira2~ de junho p p l encontraren) as
calumnias anonymas lendenles a ferir o caiac-
ler distinelo, nobte, honesto e probo do Sr. Dr.
Jos HeniiquesFerreia, cnsul Pottugucz nesla
capital.
Diz o calumniador assim :
Dizem por ahi que o Sr. cnsul Porluguez,
sendo convidado por seus collega* para assistir
ao funeral do Exm. general bario da Victoria, o
para urvorar a bandeira no consulado, respon-
der que nao dava semelhanles demonstrare
por porluguezes rebeldes!!
Analisemos a torpeza de um seraelhanle pe-
riodo.
Dizem por ahi: A arma do calumniador sem-
pre se escudou assim, no dizem, em lodos o
lempos. Aquello que hornera de bem, que
tem conseiencia do que avanca, afirma, sustenta
e a luz da publicidade, quandu faz urna tul ac-
ciifaco, ssigna o seu nome sem temor.
O dizer por ahi, revela apenas a alma taca-
nha do calumniador capaz de offender,__mas
de sustentar a villeza verbal ou escripia. Oulro-
\r
r
trexo : sendo convidado por seus collegas para,
assistir ao funeral etc. Era Io lugar, lemos a
ignorancia crassa o calumniador, dando um
convite de tal ordem.feito pelo3 collegas do Sr.
ci-nsul Porluguez. Em 2- lugar, porque no-
so indigilados aquelles que fizeram o convite f
E cm 3" lugar, estando o Sr. cnsul Porluguez
no sitio da Torre, oceupando-se com a sua niu-
danra para oulro sitio na Passagem da Magdale-
na, donde s pode regressar ao consulado de-
pois do funeral do Exm. general, como podio**
ser convidado por seus collegas aqui na capital'4
V-so poilonlo que urna lal aecusacao s pode-
ii r-
i\ #
s-. L


o
ra partir do aigum ente despeitada, e alm disso
ignorante e calumniailor.
Oulra. 4 bandeira nao foi arvorada! quando
toda esta capital sabe, e rio-a tremolando a nifio
pao oin signal do sen limen l o, e nos a vimos no
ma o funeral do Exm. baro da Victoria, cuja
bandeira fui all arvorada pelo Sj chanceller do
mesmo consulado, servico este aue se acha a
servico esie que se
Em qanlo ao ultimo trexo, do que o Sr.
I proferir que nao diva demonstrares
uin parto
seu cargo.
su
con-
por
nauseante
portuguezcs rebeldes, 6 sjo
do um vil calumniador.
Quem foram csses colle_
nhas do que avanza o calumniador? nenhuroas.
ne proferio urna lal proposicio?
as 3 asa teslerau-
;n
nada se diz
C0J.U11.HC10.
BMRIO DE PERKA^MUCO. TERgA FEIRA 3 DE JLHQ DE 160.
Praca do Rccife 2 de julho de 1860.
AS TRES HOIIAS Da TARDE.
Cotaeoes ofliciaes.
Cambios sobre Londres 25, 23 li4 e 25 li2 d
90 d(v. l
George PatchettPresididle.
DubourcqSecretario.
Rendimonto do
Alfandega.
que avanza o
- r-JJieno urna i.il iujiihii m ; tiaua se uiz inuviraenio ti:i i
,":,,''ir'"')ei t"lh'1 fT- Cl,nsul fespeilo 4o tacto ? Volumes entrados cora fazendas .
ii i"aia. r.ogo eviJente, que um lal arra- > com goueros
soado no Di trio de Ptrnambeco a que nos refe-
rimos, nao passa de abjecla defaraacao du ai-
gum ente desprezivel e aviltanle.
Aquello que acensa e hoiiiem de bem, nao
11.790*020
Faimiia de aramia .
dem de mandioca .
Feijo......
Fumo em folha bom .
demidem ordinario,
dem idem restolho .
dem em rolo bom .
dem idem ordinario.
Gomma polvilho .
alq eii "e
alqeire
arroba

*
OJUUU
3!0C0
7g000
1&>0
n^
78000i
l'u.i do
tre os
6 51251)00.
Aarremalnco ser feila na forma da
vincial n. 34J do 4 de mato de 1851
clausulas especiaes abaixo copiadas.
fiupedraiueUi u.i .ir,l.i ", \ iara "en."
marcos de 6 a 8 mil bracas, avaliad em
li pro-
e sob as
itarv.?^q sc1u,zerfn propor a esta arre-
ifimn ,aflHa.>mparecain na sala das sesses da men-
163000 cj0.Madajunta no dia cima indicado, pelo
3. sessao Ue 1S67.
Joao Bernardo de Siqueira........
Joao Carncjro da Cunha............
Francisco Ferreira do Mello........
de cads
excess
33030001 > cr!s'Is,,f,onlra,0s peinados vista de pr'oPos-
Diogo Joaquim da Silva............ 330*000Ilas r?ebidas nu cilaJo liomem
injuria nssim, nao dngM reputaedes do tal sor-
te, nao se escuda no auunymo, no dixem, e cm
ouiras proposiedes vagas, infundadas e asnaticas.
I.'iiliin, emprasamos o calumniador para que re-
fute e destru o que- arencarnos na defeza, bem
como que cite as lestemunhas do que aleivosa-
meiile avanrou no ja reTerido Diario.
Au rccoir,senhor calumniador.
UMA LAGRIMA
sobre o tmulo de Francisco
Waiiocl dos Sanios Lima.
A SIA UlMA.l 1). JOAQUINA KOHTI.NATA DE JESS.
L'm irtna um amigo
dado pela naltircza.
Legouv.
Parece que a mao inexoravel da morte de-
vera poupar certas vidas. Parece que essa
ly da n.ilureza que obriga todos os entes
oo aniquilarnenlo do nada, devia soffrer
urna Fxcopcao para aquellasexistanciasque
loram sompro modeladas pelos severos di-
tamos iia virlude, que nunca se desviaran!
do irillio o dever
Francisco Manuel dos Santos Lima foi o
lypodessa vida.
Irrnao, pai, esposo, niogueai soube me-
llior i-umprir os deveres que impoo essas
tres qualidades.
Se ua esposa deve chorar um esposo
amanta ecarinboso, seus lilhos, um pai ex-
tremoso e dedicado, qnem mais do que vos
lem razos para chorar amargo pranto so-
breo tumulu daquelle que nao foisum
irmao o um amigo, que foi antes um pai
rheio de extremos, que embalen os vossos
somnos d.- infancia, e que ia protegendo a
roasa mocidade ?
Tendes muila razo para chorar. Chorai !
Mas ficai certa de que nao choris .' O
bom irmo era tambera bom amigo.
Sobr-> o scu tmulo juntain-se as lagri-
mas do parentesco e da smizada. E' um
consol ver que-bquello por quem choramos
sobo a manso dos justos acompahhado po-
lis tierii.aos de lodos e pelos prontos do dr
de seus prenles e do seus amigos.
Consolai-vos I Ese o consolo humano
nao basta para as dies romo as que sof-
frois, lembrai-vos que para o maior sofTri-
mento ha um balsamo infallivol.Dos e o
t-o !
IoTlmento da alfande^ak
13
109
genero
Volumes saludos cora fazendas
gneros
com
95
79
122
17*
Descarresam hie 3 de julho.
Rngue inglez-Bellfaxenda.
Patacho poituguezMara da Gloriareslos.
Prtacho portuguezFlor de Mara- diversos g-
neros.
Palhabote brasileiroPiodadediversos gneros.
Polaca francezal'ameuxmullas e cavallos.
Importacao.
Vapor inglez Magdalena, viudo lo norte,
nifeslou o seguinlo :
1 caixa dinheiro de ouro
tras; a N. O. Rieher & C.
1 dita dito de dito e prata. ditas fazendas de
seda de laa e seda, 1 dita amostras ; a Dan-ayer
& Carneiro.
1 caixa joias e amostra
redo.
raa-
1 cmbrulho amos-
as ; a M> A do Figuei-
1 dita joias e perfumaras ; a Cn\ Hardy.
1 volume fazendisde seda ; a Joao Keller & C.
1 caixa rendas de algodao ; a Vaz & Leal.
1 dila livros, 1 dita publicacoes ; a Guiraares
& Oliveira.
1 dita seda
Adour & C.
2 linas bichas ; a Mr. Falque.
1 caixa bengalas e perfumaras
cooite
gales c instrumentos ; a J. P.
a Eugcno Le-
1 dita ornamentosdeigreja.l barril linguaras ;
a Ferreira & Maiheus.
..
aiAKWK
i dita, luvas. fazendas de seda, dita de algodao, ^ ou ^^ (meio] .
arinhos de linhu, 1 dila pertencos de escrip- ........ arrba
io, 1 cmbrulho amostras ; a Ramos Dupral Unnas de boi....., centc
j Vinagro........ pipB
Pao brasil....... quii.
que
hoje em
UMA LAGRIMA
sobre o tmulo do Sr, Francisco
Haaoel dos Santos Lima, one-
reeida a su. Exma. familia.
Vos scules veriles, hemmes, sont Itidouleur>!
(l.AMAIlTINR.)
J vi-ies o maulo negro das noites de in-
vern semeado de estrellas pallidas : J nu-
ristea o canuco montono das agonas nti-
mas da hunnnidade, suinindo-se entre as
quebradas da sorra, j vistos o rio eorrendo
ora entre as quebradas da sorra : j vistes
0 rio eorrendo, ora entre speros abrolhos,
ora sobre alvissimas areias, mas mormuran-
do sempresuas queixas generosas i vracao
da lardo, j visl,. o manto do tmulo aljo-
S frad de lagrimas?
Bis o emblema da vida !
Um berro onde o mogo descaono sua ca-
beca-pharitasiando esperanzas do futuro__
e um tmulo onde adormece sonhaudo es-
ses sonhns^negros do esquecimenlo pelas
illuses dr> ni nudo, eis o'prologo e o epilo-
go d'esse livro da vida v
No meio da festa de sua existencia o ms-
ler que o conviva respire c veneno que exa-
lara essas flores inodoras da morte:
mister que elle saia da alarida dos tange-
ros mgicos para escu'ar a monodia fune-
dos phantasmss da noito enregelados
polo sopro da morte, abracados com a es-
tatua mora das disillusoes', estrellados em
seos loitos de marmore
ll'Uitcm elle escrevra uma pagina r-
deme no livro de sua vida o banhou com
um surriso de gloria a flor de suas lomas
esperangas, hoje corrc-lhe a lagrima amar-
ga das despedidas humedecendo as mos
amigas que o conforlam na hora extrema
Meo Dos I que triste a sorte da humani-
dade !___
Ilontein no seio abencoado de suas cas-
tas afTeices, aportando' em seus bracos
sua esposa oses filhosl hoje, Francisco
Manoel dos Sanios Lima, crusou seus bra-
COs; sin voz nao murmura aquellas pala-
bras doces de censolacao que sabia repar-
tir com os seus: j nao tem mais um sur-
riso para acarinbar sua flha estremecida:
nao lem mais a mao ,iff. < luosa com que a
pertava a de seos amigos
Honiem em sen leito de esposo
Scu leito de morte !....
Viv,.u bastante de honra, embora pouco
i ridi Se a vida do homem ja asas
longa quando otte a tem feilo cheia de vir-
tudes, elle viren bstanlo !
O amor da familia Ih bastara para en-
Bher o vacuo de sua alma e dar-lhe a ver-
dadeira felicidade.
Elle julgara com esse pensamenlo chrig-
o, que a paz do lar domestico era o aces-
sono do bem que frua, e que nao ha ver-
dadetro contentammlo senuo no circulo es-
treno das afTeieoes do espirito e do cora-
cao.
Entretanto nada vale aos cilios da morte
nem as bellas promessas do talento, nem
o presontimcnto de um futuro de glorias
nem a necessidade mesma de vivrr!
Filhos do tempo, tjrde ou cedo seremos
devorados por elle como os filhos de Sa-
turno.
Uasquo importa? ludo isso uma lei
eterna, inmutavel, absoluta importa-nos
seguil-a e cumpril-a.E se avila 6 um ca-
m;nho feichado por dous parenlheses de
podra cumpre ao viajante semeal-o de flo-
res para .que seus perfumes subam aleo
eeo :essas flores sao as virtudes, a hon-
ra, os beneficios o rcais bello opangio
das almas bem formadas, o ttulo mais bri-
Inanle ao amor da Diyindade F. depois
lia no tmulo o descanco para o caminhei-
ro da vida !
Como essos peregrinos da Thcbaida elle
se curva xnle essa caverna escura do t-
mulo; tranquillo como a ave que adorme-
ce ao sopro do vento da uoitc com a cabe-
ca sob as azas no topo das arvores.
Drpois do mundo ha o ceo que premeia
os justos c os que creram na misericordia
do Altissimo. E o homem, ness? viagem
lernvcl deve ser como Colombo, lendo f
no scu sonho de ouro.
Coslutnavam os autgos guardar seus
Ihesouros dentro dos tmulos. Quoreriara
c.les por ah fazer significar que a morte
e lambem um.lhesouro?
Pois bem :o desespero nao 6 a pro va
da coragem, a resignacao. Que a Exma.
familia da victima do sepulchro chore su-
as saudades, mas que so resigne.Seus fi-
lhos e esposa esperavam de Deus a mise-
ricordia para seu pai c marido: seus p-
renles a abengo par* o justo : seus ami-
gos desfoihando uma saudade ne seu t-
mulo, mandar-lhe-ho osignal vivo da
araizade,uma lagrima ?
Rccifs8 de junho do 1860.
F. A. F.S.
1 dila fazendas de la e soda, 1 cmbrulho amos-
tras : a Barroca 4 Medeiros.
2 ditas rendas, botos e estampas : a F. Sau-
vage & c.
3
CO.uaiuuua uu nuil, i una pertencos ae esenp- ,
lorio, 1 cmbrulho amostras ; u Ramos Dupral Unnas
Vinagre
1 caixa joias, 2 embrujhos amostras ; a D P
Wild.
1 dita relogiosde ouro c prata ; a II. Germano.
1 dita joias de ouro ; a Norat freres,
1 dila rologios ; a Schafhleitlim & C.
2 tinas bichas ; a D. A. Matheus.
2 ditas ditas : a Almeida Gomes, Alvos & C.
100 barris manteiga ; a James Ryder & C.
10 ditos dita ; a Mills Lathan & C.
SO caixas queijos ; a Brendcr a Brandis.
2 ditas pcrlences de escriplorio ; a ordem.
1 dila fazenda de algodao, 2 volumes amostras ;
a Gibson.
1 dita joias ; a Itabo Schmettan & C.
16 caixas dinheiro de ouro, 1 dita com chaves
ao banco do Brasil.
1 caixa instrumentos malhematicos ; v W. Pe-
niston.
1 roame soberanos ; a los J. Montero.
1 caixa ditos; a Maooel Ignacio de Oliveira &
Filhos.
2dilasroupa ; a J. Oliver.
1 dila rologios de ouro ; a Sonthal, Mellors & C.
1 caixa ornas de metal ; a S. P. Johnston & C.
1 dita pertences de escriplorio ; a R. 1. Shal-
ders.
1 di"a bonecas, 1 dita casacas; a II. A. Coo-
per.
1 cmbrulho amostras; a Cordn Coopcr
1 caixa roupa ; a John Whitlield.
I dila instrumentos cirurgicos ; a Jos Antonio
M. Das & C.
I dita amostras; a Joao Pinto de I.emos.
1 cmbrulho papis impressos ; a C. L. Cam-
brone.
1 caixa livros, 2 embrulhos
mson Howie& C.
1 embrulho peridicos : a Paln Nash
1 dito ditos ; a 11. Forstcr& C.
2 volumes amostras ; a Se ve, Filhos &
i dito unas ; a Ferreira & Araujo.
2 ditos ditas ; a Linden Wild & C.
1 caixa luvas ; a A. L. Rodrigu
1 embrulho amostras; a
0.
ipecacanhua.......arriba
Lenha em achas grandes .
dem idem pequeas. .
dem em loros ...
Madeiras cedro taboas de forro.
Louro pranches de 2 custados
Cosladinho. ...'...
Costado........
Forro........ .
Soalho........
Varas aguilhadas.....
i dem quiriz.......
Virnhlico pranches de dous
custados.......
dem idem custadinho de dito
dem taboas de costado de 35
a 40 p. de c. e 2 1/2 a 3 de
largura.......
driii idem dito de dito uzuaes
dem idem de forro ....
dem idem soalho de dito .
dem em obras eixos de secupi-
ra para carros .....
dem idem rodas de dita para
ditas........
Mel.........
Mho.........
Pedras de amolar. .
dem de filtrar......
dem roblos......
Piassava em inolhos ....
Sabao.........libra
Salsa parrilha .....arroba
Sebo cm rama. .
cont
1
a
uma
um
uma





um
>



par

caada
alqucire
uma


um
6g000
35200
255000
25500
1$600
125000
35000
9000
85000
6J0OO
25500
45000
25240
I56OO
250O0
14g000
meto
o presento e
dia, .competentemente habilitadas.
E pa,"a constar se raaudou afDxar
publicar p.p, Diario.
Secretaria da. Ihesouraria provincial de Per-,
nambuco, 2i Jnode 1860.O secretario An-
tonio Ferreira da Annunciacao.
Clausulas espee\^es para a arremataco.
1." Os reparos dos eiJPe,'r'"npntos da estrada
da Victoria entre os marcv08 de 6 a 8 mil bracas,
seao fonos de conformidad!'' com o orcamenlo'
nesta data approvado pela dirfcC'oris cm* conse-
Iho e submettido npprovaco do Exm. presiden-
te da provincia, na importancia de 6.-J12 ra.
de
4
uma
"I
NOTICIAS COMMF.RCIAES E MAR TIMAS.
Hio de Janeiro.
Traca, 23 de junho de 1860.
COTAeESOFFlCIAESUA JUNTA DOS CORRETORES.
Camilos.
Londres25 3/4 a 26 9'J d. v.
lienjamim Muni; Barr.Uo,
Presidente.
Diocleciano Bruce,
Secretario.
(Correio Slercanlil, do Rio).
Chegaram este porto, procedentes ilo de Per-
8 do correte, a barca franceza lia"
das de viagem ; a 13, o paladn
com 12; a 20, a barca Recife.
a barca Ijnperalriz Vencedora
...porlancia de 6:.512J rj.
. n.arremataiile comecar as obras no prazo
' 15 das, e as concluir o de 4 mezrs, conta-
dos segundo o art. 31 do regula meo lo das obras
pu .ti 11 ,i>
3.a O pagamento da importancia da arremata-
cao ser foito em 3 preslaces iguaes, sendo a
pnmeira quando livor foito um lereo da obra a
segunda quando houver feilo dous tercos e a u'l-
llma na entrega da obra.
4.'' Em tudo o mais que nao estiver especifi-
cado no orcamenlo e nas'presprites clausulas es-
peciaes. se observar o que dispe a lei n. 286
i-onforrao.O secretario, Antonio Fereira da
Annunciacao.
Olllm. Sr. inspector da Ihesouraria de fa-
zenda manda fazer publico, de conformidade com
a ordem do Iritmnal do Ihesouro nacional n. 69
00 de maio prximo findo, que no da 25 de
julho prximo se far concurso nesta Ihesouraria
para preciichimenlo das vagas que ha de plati-
cantes na mesma : aquellos pois que pretende-
ren! ser admitlidos no concurso devem apresen-
tar nesta secretaria seus requerimentos instrui-
dos cim os documentos que provem : Io. tprem
18 annos completos de idade : 2o. csiarem lirres
de pena e culpa c 3o terem bom procedimento.
Us exames nesle concurso versa rao sobre lei-
tura, snalyse grammatical, orthographia e nri-
ihemettca al a theoria das proporces inclusive.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Per-
nambuco 8 do junho de 1860.
O secretario,
A. F. da Annunciacao.
De ordem do film. Sr. Inspector da Ihe-
souraria de fazemla desta provincia se faz pu-
blico que a airemataciio de uma parle do sobra-
do de dous andaos no valor de um conto-cento
LUCUUU cincoenta ecincc mil quatros e oitenta c dous
iros, silo na ra da Guia, perlenlencento a fa-
l zonda nacional fio virlude de adjudicacao nao
leve elTeilo no Jia annunciado por falla de lici-
tantes ; e por isso ica transferida a mesma ar-
reUcao para odia 30 do corrente mez.
Secretaria da Ihesouraria de fazenda de Per-
nambuco 8 de iunho de 1860. O official maior
interino. Luiz Francisco de Sompaio e Silva.
O Dr. Antonio Joaquim Buarque Nazareth, juiz
municipal r de orphos e ausentes, nesta ci-
dade da Victoria o seu tormo da comarca de
45SWQ
egooo
55000
103000
105000
30g000
280
2g50C
80U
9g000
15120
200
120
25JOO0
10$00C
3g20C
3#520
g300
50*000
Antonio Joaquim dos Santos...... 3'Uttnoi n,a"K
5.a sessao de 1857. A cmara mv'niclPal o Recife vende por
Manoel Martina da Costa -W(v un ro *uu,ic. "s made.."as velhas tiradas dos
3005000 Turaes do mesmo cslabeleCi.'uenlo. as quaes all
220$00(f-*^"cl>ani.
220S000 1 lo' non,cm apprehendido po.r esta subde-
2?ncnnn '8aci? ura cava" castanho com aelli' e manta
quom for seu dono, compareca nesle juzo para
Ihe ser entregue, depois de provar a posst. que-
nolle tem. Subdelogacia de S. Jos do Recife
2o de junho de 1860.Jos Amonio Pinto
De ordem do Illm. Sr Caetano Pinto de
ISOgOOO freguezta do S. S. do barro de Snlo Antonio
I8O5OOO des,a cidade do Recife. se faz publico a quem
ISOcOOO fnvier. "fueos_ot1iciaesde jusca que trabalham
180^000 p0r,0Dl. eslu mo sao os abaixo declarados, nao
Jos Ramos da Cruz.. ]nm' So .om'l! SST' funccio,lar -esmo
. ............... 14(i&U0 juizo, sem o competente cumpra-se Recife 211
ttnftOOO, de Junho Je 1860.-0 escrivao.
Jos Joaquim de Oliveira..........
Alvaro Perera de S..............'
Manoel Luiz Goncalves............
Lourenco Rodrigues UasNeres....
Jooquim Jos de Miranda..........
Amonio Carneiro Machado Ros....
Dr. Joaquim Jos da Fonceea......
Felisbino de Carvalho Raposo......
Dr Joao Mara Seve................
Ubaldo Muoel do Almeida........
Dr. Jos Antonio de Figuciredo ...
Antonio Augusto Maciel........
220j000
20090(io!
2003000 I
200SO00 '
nambuco : a
hia, com 16
Flor da fa hia
com 16 ; a 22,
com 13, e o luigue Olinda] com 12 ; e a 23 o
brigue Santa Rusa, com 15.
Sahiram com deslino Pernambuco : a 9, o
brigue Mentor; a 13, a barca Saudade, cora es-
calla pela Baha ; a 14, o brigue Eugei ia ; a 17
a barca Castro lll; c a 22, a barca ingleza
Anua.
Achara-se i carga ; o palhabote Artista.
amostras
Haliia.
Praca, 26 de junho, as 3 horas da larde.
COUQUES OFF1CIAES DA JIXTA DOS CORRETORES.
Assucar mascarada, da Babia e S
a arroba.
Cambis.
Londres25 3/4 d. 90 d. v.
Guilherme Evans,
Presidente.
Jco F. Froes,
Secrelario.
Londres 60 ASSSAfflmtk 4
Saunders Brothers raris ,> rV^SO o fr
715 a 720 m. b.
115 a II8O/0.
S,.nto Anl.u da provincia de Pernambuco por
8. M I. qC. o Sr. D. redro II, que Dos
; a Ada-
&C.
C.
guarde etc
FacosaboMBe por este meu juizo de ausentes
perante miir/se proceden a arrecadaco dos bens
deixados pela)finada Isabel Mara Be'zorra a re-
quenmenloflo colleclor de diversas reudas ge-
raes desle riunicipio, e como nao se oblivesc
inlormagoei exactas acerca da morada dos her-
deirosda dHa finada, vistoacharem-se em luga-
res nao salidos, ordenei se passasse o prsenle
pelo qual cto, chamo e requeiro o compareci-
mento dos'ierdciros de sobredita tinada, bem
como a todjs os que direito tiverem en: sua he-
ranga afimde rirem habilitar-se 110 prazo de 30
das a publtacao desle, o qual ser affixsdo ou
lugar piiblbo do cosiume e publicado pelo Dia-
rto de Pe na 111 buco em quanlo durar referido
prazo, lindas os quaes ludo prorederei a rere-
lia e na fo ma di lei, e para constar se passou o
eraipe 2!000; l,rcse.nU' (Ill> To' Pt"" 'im assignado cora o sello
0 ~ do juizo, qie ante niim
ex-caufa.
Dada e isssada nesla cidade da Victoria ;
28 de abr do anno do nascimenlo de Nosso Se-
nhor Jesui Christo de 1860, trigsimo nono da in-
dependencia e do imperio do Brasil.Eu Anto-
Joaquim Francisco de Mello Santos
Jos Antonio Carneiro............
Antonio Augusto da Fonceea.......
Manoel Francisco Marques.........
Bonifacio Maximiano de Mallos..
Francisco Rufino Corrcia de Mello
Dr. Antonio Mara de Farras Neves
Jos Rodrigues dos Santos........
Joaquim de Oliveira e Souza......
Antonio Joaquim deSant'Anna___
Jos Marques da Costa Soares.....
Manoel Gomes de S..............
Joao Augusto Henriques da Silva..
Manoel Antonio Viegjs.........
Joao Manoel Rodrigues Valonea...
Dr. Lourenco Trigo de Loureiro ..
Jos'Baptisla da Fonceea..........
Audr Ferreira d'AImcida..........
Joao Francisco laslos.............
Joo Manoel de Siqueira..........
Jos da Silva Mendanha........
Jacomc Gemido Mara Lumack de
Mello...........................
Firmino da Silva Amorim.........
Audr Alves da Fonceea...........
Joaquim de Jesus Pinto............
JosCunegundes da Silva.........
Anselo Custodio dos Santos.......
Jos Baptista Bibeiro de Firias...
Francisco Tiburrio de Souza Neves
1.a sessao de 1860.
Guilherme Rodrigues Monlr." Lima
Benlo da Costa Ramos de Oliveira
Sabino Bruno do Rosario..........
Manoel Antonio.da Silva..........
Jos Hygino de Souza Calvan.....
2.a sessao do 1S58.
Urbano Mamede de Almeida......
Antonio Muniz Perera.............
Dr. Fernando de S Albuquerque..
Dogo Joaquim da Silva............
Hermenegildo Firmino de Lima ..
Joao da Cunha Neves..............
M.moel Jos Rodrigues Braa. ....
1403000 Joaquim da Silva Reg.
1 O-TlOO J,l'Suel Moreira de Souza Mata.
" Braz Lopes.
4O5OOO Albino do Jesus Bandeira.
405000 Joaquim OUs Marlins.
20JW00 FraiiC,SC0 Joao Honorato Sorra Grande.
90-oxua edr0 de Alcntara.
-IJJOOO Pt>dro pem,ira das ch
-iOJOOo Flix Rodrigues de Miranda.
20500O Joaquim Fernandes de Souza.
203)00 Francisco Manoel de Almeida.
onanW AmaDci" Codofiedo Lucas.
f^r;", Francisco da Silva Neves.
200090 Jos Filippe de Medeiros.
2O5OOO Manoel Joaquim do Nascimenlo.
SOaOOO Franciso de i'aula Real.
*>>n ASustinho Jos dos Prazeres.
->.?UOU j()f Chrispim d'Asaumpeao.
OS00O Manoel Goncalves Branco".
205000 Joaquim Jos da Rosa.
205000j
20j000 Pela recebedoria de rendas internas geraes
2050OO se faz publico, que no corrente mez que os de-
20J000 "adores do segundo semestre do exercicio cor-
rente de 15591860, relativo aos seguinles im-
20SC00 Pos: dcima addicional de mao morta ; imposto
2O7000 ^ de 20 por cento'sobre lojas, e dito especial a 80>
203000 ; sobre casas de movis,
20JO00 calcado fabricado
roupas, perfumaras e
em paiz cslrangeiro teem de
203.000 1 pago-lo livre de multa. Recebedoria de P
205000
26*000
2OJ000
200j>000
3003000
3O0.;O,)H
3003000
32OSOO0
2505000!
3405000,
320jOOO I
buco 1 de junho de 1860.O administrador
"oet Carneiro de Souza Lacerda.
Conselho administrativo.
ernam-
Ma-
para fornecimonto
comprar os objec-
batalhao de
O conselho administrativo,
do arsenal de guerra, lem de
los seguinles :
Para a escola rogirocnlal do 8.
infamara.
6 resmas de papel almac,, 400 peonas de
ganco ; 2 caniyetes : 72 lapis ; 6 garrafas de lin-
a do escrever ; 6 librhs de areia prela ; -20 col-
eccoes de cartas para principiantes ; 20 la-
Doaaas; 6 grammaticas portuguesas de Monte-
>erde, ultima ediccao ; 6 compendios de arith-
meticas por Avila, conforme o aviso de 12 do
3205000 junho1 de 185 ; 20 traslados de escripia ; 6 p'au-
3003000 las Petras para escripia; 21 lapis para as
serve ou valha sem sello
i
Hamburgo
Lisboa
1 volume ditas : a C. J. Aslley & C.
1 caixa objectos particulares:"a J. Hardy & C nSSsL .
1 embrulho amorras ; a Ark vrighl & C7 "^l0 %?*?\n}^Zk a 31*500.
1 volume ditas; a E A. Burle A C n da patria-d0f50 a 31.
I embrulho pablk^ea ; a John Flntci.ers SaS ^ WV I#8-t500 a 1
II harneas cera ; a T. de Aquino Fonseca.
1 caixa rendas ; a Antonio Marques Soares.
0 ditas ervilhas em conservas e fructas seccas;
Teixeira Bastos S A;C.
Consiiiadu geral.
Rendimento do dia 2
Diversas
Rendimento do dia 2
provincias.
697*968
3313233

Despachos de exportarlo pfela me- |
sa do consulado desta cidade n 1
! diaS de julho de 1SGO /
1'L,v',rl,ool-galera ingleza Hermone. Patn,
I iNask A; C, 265saccas algolao. /
Liverpool Brigue inglez Melanle, Kalkman
Irmaos & c, 40 saccas algodior
Hecebedoria de rendas internas
greraes de Pernambuco.
Rendimento do dia 2.....1:6173581
de s-9.5300 a 9;40O.
SoberanosO38OO a IO5.
Patacoes brasileiros23 a 23100.
hesponhoes2-} a 2jjl00.
mexicanos15980 a 25.
v (Diario da Rabia).
iscnhum navio entrou, sabio ou acl ava-se S
carga para Pernaiubyco.
nio Ludgero da Silva Costa, esetivo de orpliao*
e ausenifs o escrevi.
Antonio Joaquim Buarque Nazarclh.
.'la inspercao da alfandega se faz publico
da i du nllin provirao, dopoie do moio
280*0011 mMmM Pedias
ZZ Qwm '1"i"'r ****** ,acs ol|ejectos, aprsenle
*-"11""..... mSipSZTnZStL'VSSi
Lonladoria da cmara municipal do Recife 20 J"lho Prnxo vindouro.
de junho de 1S60.
O procurador
Jorge Vicler Ferreira Lopes.
.v;'--, Rp
la^' IW1WM
Deckra^dcs.
Correio geral.
Relacao das cartas seguras eiistenles na admi-
?-"???.d.?.*?.r!ei, dc9ta cid,de P;ira ossenho-
de Carvalho o Albuquer-.
Movimento do porto
Consulado
Rendimento do dia 2 .
provincial.
6:251*320
n.,i 1 iihci* emraaos no ia 1.
IdUia (IOS prCCOS (IOS pnnCipaeS SlCne- jCliermonlbrigue francez de guerra Ueai
ros c pi'oduccocs nacionacs, cnram.andanle-,):de **> A-dr
Navios entrados no dia 30.
Poilos do norte7 dase 6 horas, vapor brasi-
lero Cruzeiro do Sal, commandante c capitau
de mar e guerra G. Mancebo.
Rio de Janeiro12 dias, barca brasiloira Castro
///.de 304 toneladas, capitao Antonio Goncal-
ves Torres, equipagera 12 em lastro ; a Pinto
souza Bauao.
Navios sabidos no mesmo dia. I espaco de 1:800-5, nao se admiltindo poieii l'anro
Porlos do sulvapor inglez Magdalena, com- alS"'ii sobre cada uma das referidas rendas em
mandante R. Woolevard.
Navios entrados no dia i.
Pe
que no
dia, se hao de arrematar em hasta pubicaT por-
ti da mesma reparticao, 79 arrobas e 2 libras
de gesso em pedras, no valor lV 268 rs, por ar-
riba, total 19#700, pertencenles aos salvados da
barca franceza Raoul, naufragada cm selembro
de I806. sendo a arremalacio livre de direitos
ao arrematante.
Alfandega de Pernambuco 30 de junho do 1860.
Benlo Jos Fernandes Barros.
Inspector,
O Dr. Ernesto de Aquino Fonseca, cavalleiru da
ordem de Christo, juiz de orphaos do tormo do
Recife, por S. M. o Imperador, que Dos guar-
de, etc., etc.
Fago saber aos que o presente edal rirem, que
tindas as iros pracas desle juizo, ser arremata-
do de renda, por lempo do 6 annos, o engenho
Dous limaos, silo em trras de Apipucos, com
todas as suas obras, casa de vivenda, utencilios
e logradouros, sob o preco e condices que abai-
xo vao declaradas, sendo a base para a erremata-
cao as seguinles avaliaces deridamente feitas:
A rolheita ou safra de ca*pim annualmente na
quanlia de 4:0003 rs., e a de cannas, por igual
nianotr,
que se despachara pela mesa do consu-
lado na semana de
de 2 a 7 de julho de 1860.
Agurdente alcool ou espirito
caada



botijo
caada
garrafa
caada
arroba


de agurdente
dem caxaca.....,
dem de cana.....
dem genebra.....
dem idem......
dem licor......
dem idem......
dem restilada e do reino
Algodao em pluma 1.a sorte
dem idem 2.a dita .
dem idem 3.a dila .
dem em caroco .....
Arroz pilado......arroba
dem com casca.....alqucire
Assucar branco novo arroba
dem mascavado idem ...
Azeite de mamona .... caada
dem de mendoim e de coco.
Borracha fina......arroba
dem grossa......
Caf em grao bom. .
dem idem restolho ....
dem idem com casca ,
dem nioido......
Carne secca. ,
Barrio de madeira ,
Cera de carnauba em pao .
dem dem em velas. .
Charutos bons......
dem ordinarios.....
dem regala.......
Chifres........
Cocos seceos.......
Couros de boi salgados .
dem idem seceos espichados,
dem idem verdes.....
dem de cabra cortidos ,
dem de onca......
Doce de calda......libra
dem de Goiaba .....
dem saceos.....\ y,
Espanadores grandes. um
dem pequeos......
Esleirs de preperi .... urna
Esloupa nacional..... arroba
Porlos do
capilo
sul5 dias, vapor francez outeniie,
commandante o primeiro lenle Enout.
Navios sabidos no mesmo dia.
Buenos-Ayressumaca sarda Astratalo
Guseppe Mallo, carga assucar.
Rio do Janeirobrigue brasilero A mrente, ca-
pitao Jos Manoel Vianna, carga assucar
Bordeaos e porlos intermediosvapor francez
Uuienne, commandanto o primeiro lente
Enout.
900
500
C40
800 i porlos d0 sulvapor brasilero Cruzeiro do Sul,
280 1 commandante o capito domar e guerra G
960! Mancebo.
320 I Porlos do nortevapor brasilero Paran, com-
mandante o capitao lente J. L. de A. Tor-
rezo.
Navio entrados no dia i.
6g400i Aracaty10 dias, hiato brasilero Iuvencivel, do
SUMO1 35 toneladas, capitao Jos Joaquim Alves d.a
Siiva, equipagom 6, carga cera de carnauba e
mais gneros
800 I
784001
5g00
1S850
3500'
3g6oo;
4$800
2^650
13200
2g000
73000;
-.......- em
separado, mas sim sobre ambas cumulativamen-
te. O pagamento da rendadas batas de capin
far-se-ha por quorteis da dala em que o arrema-
tante tomar posse dellas, a do engenho, poim
operar-se-ha de modo que cITectuando-se o pri-
meiro em maio de 1862. e os demais em laes
niezes dos annos seguinles, vindo o ultimo a
realisar-so em o de 1867.
res obaxo declarados
Antonio Joaquim Pires
que.
Amonio Joaquim da Silva Brilo.
Bernardo Jos Correia do S,
Candido Jos de Mello c Silva.
Domingas Olero de Carvalho.
Francisco de Paula Albuquerque Maranhao.
OuUherrae Amazonas de .->.
Julio Grolhe.
Dr. Manoel Jos Pereira de Mello.
Manoel Soares de Albergara.
Mara Emilia da Conreicao Tila.
Rayuundo da Silva Maia.
Wenceslao Muniz Cabral de Menezes.
1
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para tornccimenlc .
o arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguinles :
Para a botica do presidio de Fernando
Acitalo de potaasa, 2 libras; acido sulphurico,
8 libras ; acantinas, 1 oilava ; alcool gr 36, 2t)
garrafas ; assucar refinado, 8 arrobas ; banha de ;
porco, 1 arroba ; cassarola de forro forrada de '
porcelanas; cralo de magnesia, 4 libras ; ba-,
lauca de columna 1; balanca granulara 1 es-1
permacete, 10 libras ; extrato de bella-doa, 1
libra ; extrato de ruibardo, 4 oncas ; extrato Ue '
opio gommoso, 4 oncas ; espanador pequeo 1 ;
formulario do Arnovis 1 ; gral de pedia grande 1
iodorelo de polassa, 2 libras ; ioiloreto de ferro,''
-i incas ; iodorelo de enxofar, 2 oncas ; suputo! I
2 libras ; malvas, 1 arroba; mel do'abelhas, 12
libras ; massa caustica de Millao, 4 libras ; nitra-
to de piala fundido, 4 oncas ; oleo de oliveira, 2
arrobas ; oleo venm-fuges 24 videos ; oleo de
amendoas doces. 16 libras ; papel de embrulho,
2 resmas; pos de Rog, 12 vidros ; peneiras de
seda4 ; peneiras de cabello! ; gerassia, 2 libras
O arrematante ser obrigado a conservar as rassiras de sassalias, 2 libras ; resina de batata"
obras do engenho de maneira a entrega-las em
perfeito estado a seu suceessor que delle dever
receber o engenho moenle e corrente, c com lo-
dos os ulencilios, que houver de receber do ac-
tual rendeiro, e conslarao de relacao por ambos
assignada, a qual se juntar aos a'ulos depuis de
sellada e rubricada por eslejuizo.
O arrematante ser mais obrigado a construir
8 oncas ; rolhas de cortica 1,000; sangueeu
600; scilla, 1 libra ; salsa parrilha, 1 arroba;
sulphato de magnesia. 1 arroba ; seringas de
borradla sorlida 50 ; seringas de vidro 4 ; sabao
medicinal. 4 libras ; valerianato de zinco, 2 oila-
Sala das sessoes do conselho administrativo
para fornocimcnlo do arsenal do guena 25 d
junho de 1860 liento Jos Lamenha Lint, co-
ronel presidente.Francisco Joaquim Pereira
Lobo, coronel rosal secretario interino.
CONSELHO ADMINISTRATIVO.
O concelho administrativo, para fornecimento do
arsenal de guerra, (em do comprar os gneros se-
guinles :
Pera o presidio de Fernando :
800 alqueires da f.uinha de mandioca por medi-
da relha quem quizer venderla) genero, apr-
senla as suas proposlas em carta fechada na se-
cretaria do conselho, s 10 horas da manhaa do
da i de julho prximo findo.
Sala das sessoes do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra. 25 da
J1111I10 Uc ooo, '
Benlo Jo> Lemenha Lins,
coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira tobo,
CO'onel vugal secrelario.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para forneciments
do arsenal de guerra, tem de contratar o rancho
pava a companhia dos menores do mesmo arse-
nal durante os rnezes de julho e agoslo prximo
vindouro. '
Pao de 4 oiicas.
Bolacha.
Assucar refinado.
Cha hysson.
Caf em grao
Hanleiga franceza.
Carne verde.
Dila seca.
Toucinho de Lisboa.
Feijo muJatinha ou preto.
Arroz do Maranhao.
Bacalhao.
I Finnha de mandioca.
Azeite dore de Lisboa.
Vinagre de dito.
Ouom quizer contratar taes gneros aprsente
I as suas nroposlas em caria feixada na secreta-
ra do mesmo conselho as 10 horas da maulla
do da 30 do corrente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra 23 do
j junho de 1860.
Denlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secrelario.
De ordem do Illm. Sr. inspector da Ihesou-
raria de fazenda desla provincia se faz publico,
para conhecimonto dos inleressados, a relacao
abaixo
ao mesmo capitao.

arroba



.



cento




libra

a
um

7$500
4g500'
^5g000
r 9jj600
5jj000
1600
8J500
13J000
2#500
1SO0O
3#0GO
5j000
4S0O0
260
400
165
300
. 105000
500
400
1S000
3J200
1|600
300
O C a. B z 3 o-c CA 73 es os 0. 0 5 1 Horas 1
V n = c c CA 1* 2 i' 1. Atmosphera
w Direcco. < Vi i c>
0 V w w 53 a, Intensidade.
4y IC en 1 OS 10 c M i- Centgrado. i G; pi l :3 0
50 en * O O --I li 0 b 00 b 1 Reaumur.
S 2 . Fahrenheit
00 co O w 1 c -^ n 2. Hygrometrc >.
%5 -4 l OO b -1 S3 1 b3i Barmetro
- c

=
e
i
es
>
j
transcripta dos credores de dividas da
vas ; violto branco generoso, 20 garrafas ;"v"ina- exf'icios na importancia total de 2:637g782 r3.,
gre forte, 20 garrafas ; x.arope de Lamou'ru, 12 C"J pagamento foi auforisado pela ordem do
. garrafas ; xarope de NalT, 12 vdros ; xarope de lliesoro nacional n. 83 de 5 do crrenle mez.
uma casa do caldeira cm lugar que nao o em que i ponas de espargo, 12 garrafas ; oleo de ricino 2 Secretaria da Ihesouraria de fazenda de Per-
se acha a actual, o que rerilic.ou-se ser o menos rrobas. nambuco 18 de junho de 18C0.O olicial maior
proprio para ella, leudo de entrega-la prompla a Para a enfermara do mesmo presidio. \interino,"Luiz Francisco de Sampaio e Silva,
seu suceessor sem indemnisacao alguma. e per-; Barras de madeira com pes de ferro 50 ; col- l- Relacao a que se refere o
dera em beneficio da propriedude qualquer obra '
que nella zer, sem previo coiiseniimento desi6
de brim 200.
Quem quizer vender taes objectos apresentt
arras ae madeira rom pes de ferro 50 ; col- Relacao a que se
choes 50 ; camisolas de brim 100 ; fronhas de brim Christov'ao de Ilollan
S.brtm ano ; '"a S d laa 5 ; lenes > Albuquerque, Anto
as suas propostas em caria fechada na secretaria I Fausto Frei'e de Carvalho
do conselho, s 10 horas da raanhaa do dia 9 Francisco Cama do Amoral
do crreme raez._ Jo5o jos6 ,
bala das sessoes do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, 2 de
julho de 1860. Rento ios Lamenha Lins, co-
ronel presidente.Francisco Joaquim Pereiro
Lobo, coronel vogal secrelario interino.
juizo.
O arrematante lomar coma das baixas ou ter-
reno de plantacao de capim em o mez de julho
prximo, para comecarlogo a usufrui-las ; edas
ierras proprias para plaoiaco de canoas imme-
dialamenle depois da arreniitaco, devendo en-
tregar urnas e outras quem succoder-lhe (ren-
deiro ou proprietarios) em maio de lb>66.
Nao poder, porm, tomar conla das casas da
propriedade seno em maio de 1861, sem ser for-
$ado a enlrega-las senao nrrmesmo mez de 1867
r* a.r.r0Hmalan,e i"3 CHtUra d Ca(,im B* pode: ,)e ordom d0 Illm- Sr. presidente do con-
Mextender-se alem das baixas que se acham selho de qualiicacao da guarda nacional da pa-
mK. i- -i -..-. !rochia do Santissinio Sacramento de Santo Anlo-
JISu ''"''l'f aPd[n,Uu,?.na Pra3 doRecife.se faz publco.que no da 4 do cor-
S?. pmaCiinpai,hnd0 9 Kdr0r Ch,a e abnad- rcnle- as horas da se reunir na sa-
que com elle se responsab.I.se pelo cabal cura- la das sessoes junta medica que tem de i-
%F*! d?H0daH "S conillTS da. "remala-Ipeccionar aos guardas nac onaes abaiTo deca-
cao. Lm virlude do meu nlerlocutorio profer- rados : -'o uetia
do nos autos do inventario do finado tenente co- i Flix Fernandes dos Santos
fo"n,.lorVn9i a! re,Pe,cliv es"ao Antonio Joaquim do Nascimenlo Barros.
Gaspar Jos Dias Paredes.
annuncio cima
da Cavalcanli de
Ionio de Padua de
Hollanda Cavalcanli o Joo Nepo-
mueeno Bezerra Cavalcanli
Vicente Jansen de Castro eAlbuquar-
que
Ignacio Francisco da Silva, Mara Joa-
quina do Mello c Silva
Antonio Tarares
Braz Avelino Freir
Dcimo balalho de infantaria
Joao Ferreira da Rocha
Luiz Francisco Teixeira
Miguel Ferreira dos Anjos
Miranda A Vasconcellos
Reinaldo Jos dos Sanios /*
Miiuelina Gertruia de Assuropro.
A noile nublada e de aguaceiros, veut7~c e"
assim amanheceu.
OSCILLAQAO DA HAR.
Baixamar as 8 h. 54' da manhaa, altura 0 75 d
Preamar as 3 h 45' da tarde, altura 7.50 p '
1 0.bDs"Tator0 do arsenal de marinha 2 de julho
Viegas Jnior.
Editaes.
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria pro-
vincial, em cumprimenlo da ordem do E>m Sr
presidente da provincia de 23 do corrate, manda'
fazer publico, que no dia 19 de julho prximo
! futuro, vai i.ovamenle praca para ser iirreraa-
lgOO tadado a quem por menos zer, a obra des repa-
fez passar o presente edilal, o qual ser ofllxado
nos lugares do costume e publicado pela im-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife, sob
meu signal e sello desle juizo, que ante mim ser-
ve ou vaina sem sello ex-causa, aos 26 de ju-
nho do anno do nascimenlo de Nosso Senhor
Jesus Ghrlslo de 1860, 39." da independencia e
do imperio do Brasil.Eu Joo Facundo da Sil-
va Guimares, escrivao o subscrevi.
Ernesto de Aquino Fonseca.
O procurador da cmara municipal desla
cidade faz publico que pelo juiz de direito da 1.a
vara crimo desta comarca o Sr. Bernardo Machado
da Costa Doria foram remettidas mesma cma-
ra as cartas de parlicipaco, contendo os nomes
dos individuos multados, por falla de comparecij
ment as sessoes do jury ; afim de que renham
ecolher as respectivas multas, e eritem o pro,-
cesso executivo.
641367
20O00O
401:668
188J987
133S332
52200O
73044
HO9OOO
405OOO
31gl26
opoo
9l20O
147jO0O
73}044
5019966
O novo banco de
Pernambuco repeteo avi-
so que fez para seren re-
Antonio do Bogo Pacheco Jnior.
Sala das sesses. 2 de julho de 1860. Joao
Jos Pereira de Fara, alteres vogal. secrelario.
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria pro-
vincial manda fazer publico, que do dia 3 do cor-'
rente por diante se pagam os ordenados do em- Pnihil'iC fidKlfl A OC nnf OC
pregados provinciaes, vencidos no mez de junho tuIIUUd8 "CSUt lil da llUld
prximo findo. j c\ 1
Secretaria da Ihesouraria provincial de Per- (le 10,000 G 20,000 08
nambuco, 2 de julho de 1860.O secretario.
Antonio Ferreira da Annunciacao.
emissao do banco.
Conselho de compras navaes.
Manda este conselho fazer publico, qne contra- DireClOna geral (la lllStrUCCaO
ta no dia 30do corrente mez, os fornecimentes miKlir>a
de lijlo, de alienara grossa, pedra com esta no- JJUUIlLa.
m\Daa *_ Jl ca1, Para as obras a car6 do arse_: For esta secretaria sao convidados os senho-
res abaixo mencionados a virem tirar seus ttulos
de capacidade para o magisterio, afim de pode-
rom ser admitlidos ao concurso da cadena de
francez do Gywaasio Proviaciai, cuo dia ser
morcado.
nal d marinha cora quem por menos os aea su-
geilando-se as coudices (garantidas por fiador)
de serem essos objectos sempre entregues na
quantidade e da qualidade contratados, sol pena
da raulta^ a favor da fazenda. de 5tj0,'o do valer


X*)
MAMO DE PERNAMBOOO TERCA FEIRA ?, DE JULHO DE 1S.
V
Serrelaria da instrucco publics de Pernambu-
co 27 de iunho de 1860. Osecretario interino,
Salvador Henrique de Albuquerque.
Pessoas a que se refere a declarHCo supra.
Jlippolyl Gadault.
Antonio Jos de Moraes Sarment.
Jorge ornellas Bibeiro Pessoa.
Americo Netto ae Mendonca.
flermillo Eugenio Luiz Duporron.
- De ordem do lllm. Sr. ir*.pector da thcsou-
ria de fazenda desla prov;inca se publico,
para conhecimento deo-jem nicressar, que no da
20 do crtenle mez. peVanie a roesma thesoura-
lia, sero arrematados, a quem niais der, os ar-
rendaroentos 'unnuaes, que devem ler principio
no 1 do ijulbo prximo seguinle; dos propnos
nacionp.es abaixo mencionados.
Secretaria da thesouraria de Peniambuco, 14
de junho de 1860 O oifieial-maior iulerino, Luiz
Francisco de Sampaio e Silva.
Vma casa terrea n. 21, na ra de Santa Thereza.
Urna dita n. 19, na mesros ra.
(na dita n. 10 na rus das Agas Verdes.
Ura sobrado de dous andares n. 11, u ra
reita.
Mta aito de dous andares n. 71, na ra do Padre
Florianno.
\'m armazem no Forte do Mallos.
Um dito no mesmo lugar.
Croa parte do armazem que se acha oceupado polo
consulado geral.
Lu telheiro em Fra de Portas junho ao quartel
dos engajados.
Conselke administrativo.
0 conselho administrativo, para fornccvmento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguimos :
Para o arsenal de guerra.
1 arroba e 20 libras de plvora grossa.
Para provimento do armazam do mesmo
arsenal.
20 garrafas de tinta preta de escrever ; 6 du-
zias de lapis.
Quem quizer vender taes objeclos aprsente as
cm carta fechada, na secretaria
COMPANH1A PtHNAMBUCAiNA
DE
iavegaco costeira a vapor.
Pela gerencia da Companhia Pemambucana de
navcgnciio cosleira a vapor, re faz publico que
lizeram-se razoaveis alteraces as tabellas de
passagense fretesque se deverao pagar do l- de
julho prximo em diante aos^pores da dita com-
panhia. Essas alteraces crlstam das respec-
tivas tabellas approvadps provisoriamente por S.
Exc. o Sr. presdeme da provincia em data de 25
do cadente mez, e que esto ptenles a quem as
quizer consultar no escriptorio da companhia.
Leiloes.
LEILAO
as quaes alm da sua per-
DE
10 escram
de Oeroso
leieao, r eunem a vantage de serem
muitc, fornidas e destilim urna pipa
ea> 16 horas. Esta* machinas feitas pe-
''j m; is hbil artista'Conhecido as pro-
vincias do Douro e Minho, vendem-se
por preco rauito commodo por se espe-
raren! outras que ja se encommenda-
ram. O vendedor garante a petfeico
da obra.
/
Conselho de compras navaes,
Tendo-se de promover a acquisicao do diversos
objeclos do material, abaixo declarados, manda
o conselho fazer publico, que tratar disto em
sessao de 5 do prximo mee de julho, vista de
propostas era cartas fechadas, entregues nesse
da al 3 11 horas da manha, acompanhadas
n- das respectivas amostras, certos os que contraia-
"' rom a renda, de entregarem osobjectos da qua-
lidade e na quanlidade contratadas, sob pena de
pagareai a mulla de 50 Oo do valor de cada um,
clcm de carregarem com o excesso do prego det-
les no mercado, caso niotivem essas fallas rec-
correr-se ahi: bem como de serem pagos pela
orms ha rauito eslabelecida.
Objeclos.
Para o arsenal e navios.
4 arrobas de agua raz.
12 arrobas de almagre.
500 agulhas de lona e brira.
6 barris de breu.
10 arrobas de oleo de linhaca.
60 meios de sola.
Para os navios.
1 arroba de areia de escripia.
234 bonets de panno.
8 ditos com chapa.
16 arrobas de cairo velho.
propostas em carta lechada, na secretaria 300 camisas de algodo azul.
do conselho, s 10 horas da manha do dia 9 de' 3o<) calcas de algodao azul,
julho prximo vindouro 1389 camisas de brim.
Sala das sesses do conselho administrativo, 1385 calcas de dito,
para forifccimenlo do arsenal de guerra, 30 de 53 ditas de panno.
iunho do 1860. fenlo Jos Lamen ha Lint, coro- 50 croques,
nel presidente.Francisco Joaquim Pereira Lo- 110 camisas de baela.
bo, coronel vogal secretatio interino. 165 fardas de panno paro impenaes mannheiros.
Pela delogacia do 1." districio do termo do 100 ditas de brim.
Recite se faz publico que foi appreliendido e se 8 grvalas de couro.
acha recolhido na casa de delenco o prcto Joao,; lo jjnos de compacos e tira-linhas para escrip-
qie diz ser cscravo de Atexsndrc Correia de Cas-
tro, e ter fgido ha mezes : quera, se julgar com
direito ao mesmo, coropareca nesta delegacia,
que, provando seu dominio, lh'o ser entregue.
Becife 30 de junho de 1860.Penna Jnior.
__ .\ administrado geral dos estabelecimentn.s
S caridade manda'fazer publico que no dia 5
O agente Hyppolito da Silva fara'
leilao por conta e risrj0 e qU(;m per-
teucer de 10 escrotos sendo :
moleques de '. 1
muiatinliO'ie 11
negro
mulato
negro
preta
preto
negro
a 12 annos.
a 12
de 16
de 40
de 50
de 20
deiO
de 30
1 todos fortes e de excellentes figuras :
quarta-feira 4 de julho as 11 horas em
ponto no seu armazem n. 35 da ra do
Imperador.
LILAO
DE
OVIS.
de
sessoes,
arreraa-
rua
do prximo futuro mez, na sla de suas
pelas 10 horas da manlia, continua a
la ;o da renda das casas abaixo declaradas :
Bairro do Recife.
Ra da Moeda 11. 31, ra do Pilar n*.74,
da Lapa n. 5, boceo da Lama ns. 26 e 30.
Bairro da Boa-Vista.
Ra da Impcratriz o. 68.
Bairro de Santo Antonio.
Ra doQueimado n. 15, ra do Padre Floria-
no ns. 49 el3. ra do Faguodea n 32, travessa
de S.Jos n. 5, ra dos Pescadores n. 11, fu
da Calcada ns. 30c3, ra de Santa Thereza ns.
A o 7. ra larga do Rosario n. 26, ra da Roda
ns. 3, 5, 7 e39, ra do Callabouco n. 18, ra do
Cabug n. 3. ra Nova ns. 29, 43, 57, 59 o 48,
ra do Hortas n. 33, ruafDireita n. 7, travessa
do Carcereir.o ns. 11, 13 c 47.
Administrado geral dos cstabelecimentos de
caridade 30 de junho de 1SG0.O escrivo inle-
1 ni), Joao Pinto de Lomos Jnior.
turacao.
150 liv'ros errrbranco de 25, 50 e 100 folhas. .
50 ditos impressos, para soccorros, de 50, 100,
150 e 200 folhas.
134 lencos de seda preta.
6 arrobas de merlim.
arrobas de plvora fina.
30 resmas de papel almaco.
5 ditas de dito carluchinho.
15 pares de polainas de panno.
2 raspas de ferro.
445 pares do sapatos de sola e viro.
300 seceos de conducoao.
" Para o arsenal.
1 fole de 12 pollegadas.
48 ps de ferro.
Z peneiras de rame.
Para a enfermara de marinha.
100 camisolas de brira.
100 pares de chinelas.
lOO fronhas de brim.
200 lencos de brim.
50 loallias de brim.
2 travesseims de pallia.
Sala do conselho de compras navaes de Pcr-
namburo, 30 de junho do 1860.O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos._________^^^
Por GulhermeSchulIy
professor de calligraphia.
A importancia e certeza que pode tcrqualquer
pessoa em adquirir aperfeigoamenlo na arte de
calligraphia nao podem ser por domis puhlica-
cadas nesles dias de eminencia commercial. De-
pois de urna carreira professional de 5 annos na
America do Sul, tendo leccionado pelo menos a
5,000 pessoas de todas as idades, inclusive ban-
queiros e corretores, negociantes, advogados,
empregados pblicos do varias classes e nume-
rosas senhoras, cuja habilidade para escrever te-
nho conhecido-ser muito notavel quando seguem
um melhodo conveniente, tenho hoje a honra e
salisfacSo de annunciar que das priraciras auto-
ridades recebi unnimes provas de reconheci-
ini'iiio de que o meu systema o melhor e de
miis fcil acquisicao, reunindoao mesmo lempo
elegancia e perfeicao. Tendo dedicado annos
pratica eestudo desla arte, sou zeloso pela sua
geral adopeo; a maneira desnatural porque ella
gcralmenle ensinada, nao s arruina a cons-
tituico como acanha o corpo, nao se cuidando
em procurar um systema que com poucas lices
os proprios pais podem communicar a scus ii-
lhos, e, sendo perfeito, jamis delle se podem
esquecer. A juvcnlude deste paiz tem talento
natural para escrever bem, e pelo meu inethodo
qualquer pessoa com a raaiorfacilidade podo vir
a escrever como eu esciero. iS eslava publica-
do nesta cidade muilas provas pelo Exm. direc-
tor de instruccjio a favor do meu melhodo. Du-
rante a miiiha estada no pau, facilitarei ao pu-
blico a acquisicao do meu systema, a qualquer
hora do dia, d sorle que aquellos que das mi-
aas licoes se queiram utilisar nao se desvicro
de suas" oceupacos ; alm disso, cora algumas
breves instrueces rainhas, cada um cm su3 ca-
sa raesmo pod exercitar-se no meu systema,
capiando os raeus excraplates. As pessoas que
quizercm frequentar a minha aula, ou precisa-
rem de meus servicos, lenham a bondade do se
dirigir ra do Imperador n. 75, at o dia
THEA.TIIO
DE
Explendido leilao de movis consistindo
em urna magnifica mobilia de jaca-
randa' a Luiz XIV, um piano de bel-
las vozes, camas de Jacaranda', guar-
da roupas de mogno, va -fas de ama-
relio e ino^oo, commodas de Jacaran-
da', lavatorios, toilets, cadeiras de
ceregeira, mesa clstica, apparado-
res, guarda louca, cry>taes, appare-
lhos de poicelana, caadehtbros, ser-
pentinas, tima espingarda para caca
e um jogo de pistolas.
O agente Hyppolito ds Silva fara'
leilao por conta de urna pessoa que se
retira para Europa dos objectos cima
declarados, para o que concla as pes
soas de josto apurado a couinarecereml d".'sir ru3 do ImPl'rador D; 75-at .di" 5 de-
r ,. 1 Ti, I pois acham-me mais oceupado cora licoes
sexta-teira l> docorrente as 1 horas em nao poden ser interrompidas.
Cocos italianos
defolha de flandres.muito bem acaba-
dos, podendo um durar tanto quanto
duram qualrodos nossosa 400 rs. um
e 4$ urna duzia: na ra Direita n. 47,
loja de funileiro.
Atten^o.
Compra-se urna negra que nao soja muito mo-
ca, de boa conducta, que saiba lavar, cozinhar e
ngommar : quem a tiver, annuncie ou dirija-se
s Cinco Ponas n. 80.
Em da do mez de junho do correnle anno
loi ao engenho Pintos, procurando senhor, a es-
crava Joaquina, que diz ser escrava do Sr. Joao*|
Bernardo, morador em Cacimbinha ; o mesmo
senhor a pode vir receber, pois nao me respon-
fuga que a mesma
Ra Nova, em Bruxeilas (Blgica),
SOB k DllUqvO DE E- KLHVAM)
Este hotel collocado no centro de urna das c*pitaes importantes da Europa, torna-se de grande
valor paraos brasileiros e portuguezes, por seus bons commodos e confortavel. Sua posi^o
urna das melhores da cidade, por se achar nao s prximo s estaces de caminhos de ferro, da
Allemanhae Franca, como jor ler a dous minutos de si, todos os theatrose diverlimentos; e,
alm disso, os mdicos precos convidam
rs'o hotel hasempre pessoas especiaes, fallando o francez, allemao, flamengo, inglez e por-
uguez, paraacorapanhar as touristas, qur era suas excurses na cidade, qur no reino, qur
emfim para toda a Europa, por precos que nunca excedem de 8 a 10 francos (39200 4JP00O )
por dia.
Durante o sspaco de oito a dez mezes, ahi residirn) os Exms, Srs. conselheiro Silva Fer-
ro, e seufilho r. Pedro Augusto da Silva Ferrao, ( de Portugal) e os Drs. Felippe Lopes-
Netto, Maooel de Figueira Faria, edesembargador Pontes Visgueiro ( do Brasil, ) e muilas ou-
tras pessoas tanto de um, como de outro paiz.
Os precos de todo oservico, por dia, regulam de 10 a 12 francos (49000 4*500.)
No hotel encontram-se informaces exactas acerca de tudoque pod precisar um esirangeiro.
CONSULTORIO
~s
DO
ponto na ra do Imperador a. 38, se-
gundo andar.
LEILAO
A 0 do com nte.
SANTA I
COMPANHIA
DE
LYRICA

Mm
a
V
Thomazlloywood, estando a retirarse para
Europa fara leilo por intervenco do preposlo
do agente Uliveira, da mobilia c ma.s (bjectosde
seu uso, consistindo em guarnico ccmpleta de
Jacaranda com lampos do marmo'rc, para sala de
visitas, dita de amarello para sala grande e rico espelho dourado sem deleito, para! sabiliso pela vida, ncm por
vestir, lindos quadros a oleo, bancas de jogo, possa fazer.
alcatifas, taptese esleirs de forro, vmesianas,
vasos, jarros e porta-joias de porcelana e alabas- |
tro, lanlcrnas, larnpces, cscrivaninha completa
de Jacaranda com banca e cadeira. cxa com-j
piola para vollarete. guarda roupa, tdicadores j
de Jacaranda e de amarello, bancos jara luz,
camas de ferro grandes e pequeas, hvatorios
com lampo de pedra, ditos todo do mad'ira com
louca completa, cabides, mesa do .anlar, apara- 1
dor, guarda-louca, relogio de paro.de, tadeiras|
pora sala de jantar, ditas de balanco americanas
e de amarello, crystaes, louca para almoco, jan-
tar e para sobremesa, coltieres. sarfos. "galho-
tfiro, bules c outras peas ludo dt metal p-in-
cipe, baudeijas, philtrador d'agua, trem de cosi-
nha, algum vinho velho engarrafado do Porto e
Sherry, e um elegante carro inglez novo de 4
Of. P. A.'
nmus iPiursim s ipumhddi.
i MUA DAGL.OJK1A.GASA 1>0 FUXIIO 2
CUmea por ambos os sysientas.
pela manhaa e de tarde depois de 4 horas,
a cidade como para os engenhos ou outras
as 10 horas da manha e em caso de ur-
por escripto em que se declare o nome da
O Dr. Lobo Moscoso d consultas todos os dias
Contrata partidos para curar animalmente nao s para
propriedades ruraes.
Os chamados devera ser dirigidos sua casa at
gencia a outra qualquer hora do dia ou da noil sendo
pessoa, o darua e o uuraero-da casa.
Nos casos que nao forem sde urgencia, as pessoas residentes no bairro do Becife podero re-
metter seus bilhetes a botica do Sn Joao Sounn& C. na ruada Cruz ou loja de livros do Sr. Jos
Nogueira de Souza na ra do Crespo ao p da ponte velha. .
Nessa loja e na casa do annnnciante achar-se-ha constantement e os melhores medica-
mentoshomeopathicos ja bem conhecidos e pelos precos seguintes:
Botica de 12 tubos grandes, ...".......lOgOOO
Ditos de 24 ditos,..............15$000
Ditos de 36 ditos..............205090
Dito de 48 ditos...............25$000
Ditos de 60 ditos...............Oj-000
Tubos avulsos cada um....... .....1J000
Frascos de tincturas........,.....2JJ000
Manoal de medicina homeopa'.hica pelo Dr. Jahr traduzido
em portuguezcom o diccionario dos termos de medi-
cina, cirurgia etc.. etc. ........... 20#000
Medicina domestica do Dr. Hering, com diccionario. lOgOOO
Repertorio do Dr. Mello Moraes....... 6^000
CALQADO
Grande sorlimento.
45lu Direita4S
Terca-feira 3 de julho.
Tcreeira recita da assignatira c segnnda da pjjlmeira serie para os camarotes. I nets pareanum tSSSStltSSt"'
Uepresentar-se-ha a opera em tres actos de Bellini.
As 8 horas em ponto se dar principio, c para maior
estar aberto meia hora antes. ^
Lxisiem ainda bilhetes de camarotes e cadeiras para assignarern-se,
eo dia do espectculo, desde 9 horas cm dianle juntamente aos de platea.
commodidade do publico, o thealro
ou para serem vendidos
Avisos martimos.
Para o Aracaty.
Segu com a maior brevidade possivel o hiate
Cratido. por j ler a maior parte da carga
prompta ; para o resto e passageiros, dirijam-se
ao l'asseio Publico n. 11, ou ra do Cordoniz
n. 5, casa de Pereira k Valente, no Forte do
Mallos.
ra dous : sexla-feira 6 do correnle, s 11 horas,
da manha na casa de sua residencia no Monde-' Borzeguins arranca
go defronte do sitio do commcndidor Luiz Go-1 Ditos econmicos
mes Ferreira.
Os estragadores de calcado encontra
rao neste estabelecimento, obra supe-
rior pelos precos abaixo :
Homero..
Borzegainsaristocrticos. .
Ditos (lustre e bezerro).. .
tocos. .
Espectculos Ij ricos.
Cigarros superiores de manilha, do Bio de Janeiro, hespanhoes, havana. Para epalha de mi-
lho proprios para os intervallos do llieatro lyrico : na ra da Cadcia do Becife n. 15 loja do
Avisos diversos.
Sapa toes de bater (lustre). .
Senhora.
Borzeguinsprimeiraclasse (sal-
to de quebrar) ......
de merino contra
9<000
7$000
7^000
6^000
5JOO0
Fabrica de tecidos de al- Em seffUIlda mo.
godao.
50000
ara
Aracaty
Hiate Scrgipano ja lem parle da carga, para 3
rosto Irata-se cora Martius & Irmos : ra do
Madre de Dos n. 2.
Cear, Maranho e
Para.
Segu em poucosdiaso hiato nacional Bosa,
e recebe carga ; lrau-se cora o consignatario J.
.>'. da Fonseca Jnior, na ra do Vicario n. 23
Maranho e Para.
O veleiro brigue escuna Graciosa, capilo e
pralico Joao Jos de Souza, deve seguir em pou-
cos dias para os portos indicados : recebe carga,
para o aue traa-so com os consignatarios Alraei-
da Gomes, Alves & C, ra da Cruz n. 27.
Cear.
Sogue cora mui.ta brevidade o palhabote Santa
Cruz, capilo Jos Victorino das Neves ; para o
rosto da carga, lra(a-se com Caelano Cyriaco da
C. II., no lado do Corpo Santo n. 25.
Para a Bahia.
O hiate Bom Amigo sahe no dia 8 do cor-
rente ; para carga, trala-se com o capilo Perei-
ra Marnho, cm casa de Palraeira & Beltro, no
largo do Corpo Sanio n. 6.
Rio de Janeiro,
Desappareceu hontem 1.- de julho, da ra
da Concordia, por andar sola pastando, urna Ca- |wv t 1 ~
bra (bicho) cor preta, com minchas amarellas, e : IWHw tOUOS
est prenhc : roga-se a pessoa que a tenha em calos (salto dengoso).....+$d00
casa por nao saber quem soja o dono, de a man- | BoraegUlIll pata meninas (br
dar trazer ra da Concordia n. 26, que sera v r v nnn
tissimos). .......4J000
E um perfeitosortimentodetodo
cado e daquillo que serve para fabrrea-
e de lo, como sala, couros, marroquins, cou-
ro de lustre, lio, fitas, sedas etc.
gratificada.
No 1.' do correnle fugio um cscravo, cabra
escuro, estatura regular, roforcade do corpo, de
idade 17 anuos, de nome Barthalomeo, muito
conhecido no bairro da Boa-Viste pelo nome de
Berto : roga-se aos capitaes de campo e as au-
toridades policiaes que o apprchendam e o levem
raa da Trerape, sitio n. 2, que se gratificar.
LOTERA
DO
Rio de Janeiro.
Pracada Independencia n. 40
Acham-se expostos a venda os bilhetes e meios
da 45 lotera das casas de correccao, que deve
ser extrahida no dia 6 ou 7 do co'rrenle.
P. J. Layme.
LOTERAS
Cobertores.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
Navegaco costeira a vapor.
O vapor Persinunga, commandante Leialo,
Batir para os portos do sul de sua escala no dia
r) de julho, e s receber carga al o dia 4 ao meio
da. Previne-sc aos senhutes carregadoros que
nenhuma carga ser recebda a bordo sem o xes-
peclivo bilhete da gerencia.
B
ig
4
O brigue Fluminense seguo para o Rio do
Janeiro em poucos dias : para o resto da carga,
tratase com Tasso Irmos, ou com o capilo Jos
Joaquim Bernardos.
lllia de S. Miguel.
Deseja-se fallar com os filhos do fallecido Joao
JosSoaresde Medeiros, natural da llha de S.
Miguel, fallecido em outubro de 1823 em Pernam-
buco, para que vonham tomar conta de urnas en-
commenaas indasda mesma Ilhi : a tratar com
Manoel do Reg Soares na ra estreita do Rosa-
rio n. 11.
Vendem-se excellentes cobertores de la escu-
res, por commodos precos, por grosso e a reta-
lho; osles cobertores se tornam recomnienda-
veis na presente quadra invernosa aos senhores
de engenhos, porque com pouco dinheiro podem
agasalhar os seus cscravos : a tratar na ruada
lmperatriz n. 18. outr'ora aterro da Boa-Vista.
Batatas.
DO
Rio de Janeiro.
SORTES GRANDES
10:000$000, 10:000$,; l\ua estrella do WosavVo
. numero II,
Vandem-s batatas novas ltimamente chega-
das de Lisboa a 2$ a arroba ; na ra da Madre
de Dos n. 20.
Vende-so urna parelha de cavallos casta-
nhos gordos e bons de carro e csbriolet, bem co-
mo umcabriolct de dnss rodas, moderno o cora
pouco uso, com cavallo e arreios, ludo promplo,
por commodo pre o : quem quizer approveitar,
dirija-se a fabrica de charutos da ra estrella do
Bosario n. -55. ou ao Sr. Augusto Ficher, que di-
r com quem ha de tratar.
Sodr & C.
Riode Janeiro.
O veleiro e bem conhecido brigue nacional
Eugenia, pretande sahir com mulla brevidade,
tem metadedeseu carregaroento prompto ; para
o resto, trata-secom os seus consignatarios Azc-
vedo & Mondes, no seu escriptorio na ra da
Cruz n. i.
o Rio Espera-se daquolla oraca a barca nacional
Castro III, de que ca'p/lSo Antonio Goncalvcs
Torres, a qual pouca demoro" deve ter neste por-
to : quem na mesma quizer C*"*t" u 'r de
passagem, para o que tem excipientes commo-
dos, trala-se com os consignatarios Pinto de Sou-
za & Bairo, na ra da Fenha n. 6.
'-.OOOSe'-JL-.OOOS.
Leitr & (rmao na ra da Cadeia do
I Recife n. 18 loja de azendas de 4 por-
i tas, vendem legalmente rubricados pe-
saSBRfi^ww Pwi0^g-3fS^g tnwranR los annunctantes bilhetes inteiros, me ios
| e quartos das loteras do Rio de Janeiro,
presentemente tem exposno a venda os
: bilhetes da 45 lotera a beneficio das
casas de correccao da corte,
hoje pelo vapor francez La Guienne.
Grande novidade
Barcaca.
Vende-se um barcaca de sessenla e
tantas caixas, nova, bem construida e de
madeiras escolladas : trata-se na ra do
Qucimado loja n. 10.
COMIWNHIl
PERNA1BUGANA
DE
Navegaco cosleira a vapor
O vapor Iguarass, coramandanie Moreira,
seguir para os portos do norte de sua escala no
dia 7 do correnle.
Becebo carga para o Rio Grand6 do Norte at
o dia 4, Ass no dia 5, Aracaty e Cear no dia 6
al no meio dia : gerencia ao Forte do Mallo,
Avisam aos scus freguezes que receberara
raanteiga refinada era frascos, e amendoas con-
feitadas, ludo de superior qualidadc, vindo pelo
vapor Guiene.
= O juiz de direito aposentado]..., e abaixo
assignado, propoc-se [como ultimo recurso I...
dentro da esphera de suas habilitacoes) exercer
a nobre e sublime profisso de dvogado ; ou
seja especialmente no fdro e tribunaes desla ca-
recebidos 'Dlla'> ou seJa no de qualquer dos termos eco-
' marcas da provincia. As pessoas que se qvize*
rem utilur de seus fracos prestimos, o podero
procurar em todos os dias que nao forem santos
ou feriados, desde s 9 horas da mtnna at s 3
da tarde, na casa de sua actual residencia, na
ra outr'ora do Collegio e hoje denominada do
Imperador.n. 2, c extraordinariamente em outro
qualquer dii e iiora : asseguraodo a todos quan-
los se dignaren) assim honra-lo e favorecer, nao
s toda diligencia e desvelo no deaempenho de
A commisso liquidadora delta extinc-!?0.- e,m bo.ra/slad. ProPrin PJ "^KSJT
. *. loja de mivdczas, por ser cm dous pedacos
ta soctedade, convida a todos os Srs. so!
cios a virem rebeber o ultimo dividen-1
do que tera'lugar todos os dias uteis j
das 6 as 9 horas da manhaa na ra No-
va n. 58, loja.
saaijrS^fcSaB v3CtS6>3B*ii3Cfci-.c.l
Or. Cosme de Sa' Pereira
eVqltadesua viagem instructi-i
tva a Europa continua no exer-
cicio de sua profisso medica.
Da' consultas em seu escripto-
rio, no bairro do Recife, ra da
Cruz n. 55, todos os dias, menos
nos domingos, desde as 6 borai
te' as 10 da manhaa, sobre os
seguintes pontos :
l'. Molestias deolhos ;
l*. Molestias de corceo e de(
peito ;
3*. Molestias dos orgaos da gera-j
cao, e do anus ;
"'*. Praticara'toda e qualquer!
operacao quejulgarconvenien-
'te para o restabelecimento dos;
seus doentes.
O exame das pessoas que o con-S
isultarem sera' feto indistincta-j
"mente, e na ordem de suas en-
Etrudas; fazendo excep^ao os doe n-
oesde olhos, ou aquellesque por!
fmotivoju$toobtiverfm hora mar-
|cada para este fim.
A applicacao de algnns medica)
smentos indispensaveis em varios^
casos, como o do sulfatode alio-
;pina etc.) sera 'feito,ou concedido
gratuitamente. A confianra quej
nelles deposita, a presteza de sua
^ac^ao, e a necessidade prompta
le seuemprego; tudoquanto o
^demove em beneficio de
doentes.
no mercado.
Uorzeguins para senhora sem defeito
ou avaria de qualidade alguma a|o
par dinheiro a vista, vende se esta gran- 'ao importantes derres, se nao tambem urna il-
de pechincha nicamente na ioja de
Leite& Irmao, na ra da Cadeia do Re-
cife n. 48.
imitada gralido. Outro sim (permitla-se-lhe
declarar mui explicitamente) qpe palrocitiar
gratis a quem querque nao estoja as circums-
tancias do renumerar seu servicos.Jos Fran-
cisco Amida da Cmara.
Deseja-se alagar urna ama im-
plesmente para cosinhar, preferindo
casa de moco solteiro, alfian^ase que-
rendo o CQmportamento, assim coitio a
sua pratica : quem pretender dirija-te
para destil&r agurdente pelo systemc a ra das Aguas Verdes n. 64, loja.
Machinas de Derosne pa-
ra destilacao.
Na oflicina da ra lar{a do Rosario
o, 22 exiftem duas machinas de cobre
seusf
Vende-re urna mei-agua que rende IOS Por
mez, sita na travessa do Caldeireiro n. 7 ; ssira
como urna canoa nova de carga de 2,000 lijlos :
ludo a contratar na ra Nova n. 33.
'Aluga-se um lerceiro andar e solo com
grandes commodos na ra da Praia: a tratar com
Jos Hygino de Miranda.
Aluga-se urna bolla sala com 2 quartos, no
primeiro andar da casa da ra do Imperador n.
75, primeiro andar, onde achar-se-ha com quem
tratar a respeito.
O vigario da frguezia de Santo Antonio,
Venancio Henrique de Rezende, faz publico, que
por engao foi incluido na relaco das licencas
para baplisado, publicada no Diario de 27 do cor-
rente o noroe do Sr. Caetano Pinto de Veras,
quando este senhor tinha entregue era tempo
competente, ese achava langado, e at extraa-
do ccrlido.
Antonio Domingos de Almeida Tocas faz
cente ao publico e a todas as pessoas co'mmer-
eiantes, tanto desta praga como fra della, que o
bilhete inteiro da quarta parle da quarla lotera
do Gymnasio Peruambucano n. 615 est embar-
gado pla quantia de 920$00O em mao e poder do
.hesoureiro das loteras desta provincia, por urna
exewiecr que roove o mesmo declarante pelo
juico uiDdujial da primeira vara do cirel.


Vende-se urr. balco de 9marcllo e envernisa-
ou
na
ra do Pilar n. 120.
Precisa-se de trabalhadores de masseira o
lenilcdeira, e que enlendam perfeitamenle do
trafego : na padaria da ra dos Quarlcis, hojo
larga do Bosario n.18, acharo com quem tratar.
Prcciza-se de urna ama, para cosinhar ora
urna casa de pouca familia: na ra Nova n 7.
Precisa-se do duas amas, urna secca e ou-
tra de leite : no pateo do Terco n. 26,
Sabbado, 23 de junho, pelas 4 horas da
tardo, chamou-se um negro que ia vendendoja-
ranjas, e coniprando-se, em quanto se foi ver o
dinheiro o dilo negro furtou um dedal de ouro
com a firma J. F. A. M., que eslava em cima de
urna mesa na sala onde se comprou as laranjas :
quem souberdo dito dedal, dirjase ra de S.
Francisco n. 39.
Precisa-se de um bom forneiro ; na padaria
da ra Imperial D. 37.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
ruado Vigario n. 22: a tratar na travessa da
Madre de Dees n 21.
O thesoimiio ta irmandade do Divino Es-
pirito Santo erecta no convenio de S. Francisco,
declara quojulga nada dever dita irmandade atiV
o presente ; e se algurm se julgar seu credor,
aprsente suas conlas para serem pagas. Becife
26 de iunho de 1860.J. Nogueira de Souza.
= Joaquim Antonio de Araujo relira-se para
Macei.
Precisa -se de urna ama de boa conducta
para todo o strvico de casa de pouca familia : na
taberna da ra das Cruzes n. 22.
Aos amantes da economa
Na ra do Qu?imado n. 2, loja do Preguica,
vendem-se chitas de cores fixas bastante escu-
ras, pelo baratissimo preco de 6fl a peca, e 160
rs. o covado.
Pechincha.
Com pequeo toque de avaria.
Na ra do Queimado n. 2, loja do Preguica,
vendem-se pecas de algodao encorpado, largo,
com pequeo toque de avaria a 2J500 cada urna.
Na ra da Praia n. 25, travessa do Carioca,
ha para vender 12 pipas de mel de muito boa
qualidade ; na mesma casa ha um moinho e tor-
rador decaf.
Vende-se um terreno com duas me-aguas,
c urna jiklem um acougue ; a tratar as mes-
mas, no largo da Soledadc.
Milho. bom.
fTJVendem-se saceos grandes com milho novo a
5j>000 : na taberna grande da Soledade.
Vende-se um escravo de idade de 15 an-
uos : na ra Bella n. 14.
Para acabar.
No deposito n. 73 da ra do Bangol ha para
vender urna porco. de excellenle fumo da Ba-
hia, tanto para capa como para milo, c grande
qusndade de caixas, muito boas e limpas para
charutos.
Vende-se urna mulata moga sem vicios nem
achaques, cose, lava, engorama e cozinha soffri-
velmenle: os prelendentes podem dirigir-se
na da Impcratriz n. 5, segundo andar, que acha-
ro com quem tratar.
5#000 .
Grande soi-tmenlo de ferros de ngommar a
vapor dos ma9 ricos raodellos que se podem en-
contrar nesle mercado, com seus pertences de
nova invenco, que rauito dever agradar s pes-
soas que os compraren) na ra Nova n. 20, loja
do Vianna. ^
Vende-se leite puro a 320 rs. a garrafa : no
pateo do Collegio junto da igreja da Congrega-
do, das 7 horas da manba em diante.


a
Froposlas de una navio para conduzir 27 pas-
sageiros desle pono para a de Melbourne na Aus-
tralia, se reeeber no consulado britnico, al
sabbado 7 docorrenle.
Roga-se ao Sr. I. D. C. C. establecido Das
C\S\ LHS(I-BR\SLEIRA?
2, Golden Square, Londres.
J. G. OLIVEIRAtendo augmcnlado. cana to-
mar a casa contigua, ampias e escolenles ac-
commodaeoes para rauito maior numero le hos-
de vir ra da Praia n. 27, a negocio Pe<*esde noo se recommenda ao favor e lem-
que nao ignora, e nao o fazendo oestes oilo das branca dos seus amigos e dosSrs. viajantes que
terfo?na.SllDh ** "'""" nra porexle"so ^s-j visitmosla capital; continua a prestar-lhesseus
= Na'ra Diroita n. 84 tem para alagar urna i 8etvi''-oso bons olcios gu'iando-os em tedas as
preta que entende bem do arranjo de qualquer; cousas 1ue precisem couhecimento pral co do
casa de familia. paiz, etc.; alm do portuguez e do nslez alla-se
W| Q I na casa o hespanhole francez.
adeuda dos fabr cantes amerlca-
DIARIO DE PERiN-AMlUJCO. TKltCA FE1RA 3 DE JULHO DE 1860
Bol linho
s.
Anda fgido uro mulato escuro de nome Fir-
mino, j idoso, barbas crescidas, em mangas de
camisa e chapeo de palha. E' grosso do corpo,
c de estatura regular, e alguma rousa desdenta-
do. Est quasi sempre na Boa-Vista, por junio
da ponle e do chafariz : roga-so aos pedestres de
leva-lo casa de seu senhor, na ru* do Trapi-
che, sobrado n. 40, onde se pagar qualquer des-
peza.
O abaixo assignado, residente em Lisboa,
agradece aos seus iniuiigos gratuitos da praca de
Iemambuco, o elogio com que o tem brindado
naquella praca, espalhando falsamente que o
abaixo assignado em Lisboa se achava preso ;
talvez esses seus desai'eicoados, quem quer que
cl.es sejain, estejam ma'is nesle caso, e sejam
nos Grouver & Baker.
Machinas de coser: em casa de Samuel P.
Johnston & ra da Senzala Nova n. 52.
Na ra da Cadeia do Recife n. 38. priraeiro
andar, precisa-sc fallar ao Sr. solicitador Manoel
Pereira de Magall.es.
Do abaixo assignado se desencaminhou urna
letra de 280 saccada em 6 do andante ha dous
meses e acbila pelo Sr. Jos Luiz de Oliveira
Azevedo, pagavel era 6 de agosto prximo. Nao
obstante a dita letra nao eslar sellada e transfe-
rida p elo abaixo assignado, previne-se que esl
milla quando apparecaper haver o mesmo Sr.
Azevedo aceitado oulra de igual data e quantia
Bandejas enfeiladas con diversos gostos, dos
meihores bolinhos do nosso mercado, em porcao
de libras ou a rclallio, que coiueivam-se rauito
para embarque ou viagein ; asim como pudins,
pastis de nal*, crenie, lorias, ou oulra qual-
quer pasleleiia uara desserl: lamLem preparar-
se bolos finos para o lempo d S. Joao e S. Pe-
dro, das meihores qualidades da massa moliada
e secca superior, ludo com o mell or asscio, e o
mais em conla do mercado, diiiji-sc a ruada
Penha n. 25. para Iralar-se. "
@@@@@;
i
i
i
ir ros.
Ama.
Precisa-se de urna ama para cozinhsr e engom-
mar, para casa do pouca familia : a tralar na loja
de livros ao p do arco de Sanio Antonio.
do abaixo assignado.
calazos de pralicar ou lenham pralcado'auiiio A RDl ife 20 de Junho Je 1860.-/oafium Vieira
que dizem do abaixo assignado. Lisboa 7 de iu- Ua
nho de 1860. '
Com mulla urgencia deseja-se falbr ao Sr.
liasiliano Paes Brrelo, a negocio do seu interes-
sc : na ra da Praia, serrara n. 55.
-- Roga-se aos Srs. abaixo mencio-
nados o favor de virera ou mandarera
saldar seus antros dbitos a firma de
Rocha &Lnia Gunnares, Iioje perten-
centes a de Martinlio & Oliveira, por
compra que estes (izeram da loja de fa-
zendas da ra da Cadeia n?0, a saber:
Themoteo Antonio d'Araujo Reg.Eugenho Ara-
ripe de Baixo.
Tadre Fortnalo Jos de Sousa.Vigario de Ha-
marac.
Jos do Carino.Itamarac.
Manoel Cando Pereira dos Santos,Para.
Christovao de Holianda Cavalcanle. Cidade de
Nnzareth.
Joao da Silva Monleiro Pasmado.
Antonio Por Dos da Cosa Lima.Cear.
Antonio Soarcs d'Almeida. Povoacao Carne de
Vocea.
Lourenco Soares Cordeiro de MelloPassassunga.
Jos Rodrignes Revoredo.I.irnooiro.
Andi Perreira de Mattos.Goianna.
Jos Ignacio de Moho.dem.
Amaro Gomes da Cuuha Rabello.dem.
Galdiiio Xavier da Cusa.Goianna Grande.
Vicente Cavalcanle d'Albuquorque. Goianna.
Alexandre Concia Be/erra de Meuezes.dem.
I). Iguana Mam da Conccicao.Barra de Goianna
Francisco Bezerra Cavalcanle.
los da Silva Sanios.Eiigenlio Tajp.
Manoel Jos da Silva.Goianna.
JnsCarneiro da Cunlia.dem.
llc-nrique Cavalcanle d'Aluuquorque.N. Senho-
ra do O'.
Manoel Crrela d'Olivera.
Luiz Pedro Bezerra.Goianna
Francisco Symphronio O- lavares.dem.
I). Iras Marii da Conccicao.dem.
Padre Graciano Gomes de S LeiUio.dem.
Simao Jos de Azevedo Sanios.dem.
r. .'os Mara Freir Gameiro.
Antonio dcMoraes Magalhaes.dem.
Jos Diniz.
Vicente Jos da Cosa.Remedios.
DENTES |
ARTIFICIAOS. 1
@Ruaestreita do Rosario n.3
@ Francisco Pinto Ozoriocolloca denles ar-
gj tificiaes pelos Joussystcmas VOLCAN1TE, #
@ chapas de ouro ou plalina, podendo ser @
$ procurado na sobredila ra a qualquer
j hora. g.
ses@ai?@ @s@ s@@
Roga-se aos Srs. devedores a frrma social
de Leite & Gorreia em liquidacio, o obsequio
Grande e novo sortimento de fazeudas de.todas as qua-
lidades por baratissinios pre*s.
Do-se amostras com penhor.
m
Olferece-se um moco com pralica de labtr-
-,'.;P'1_r8_c;"xe.lro de qualquer laberna : quem
precisar nnnnncie.
Joao Alves de Itrilo v
Lindos corles de vestidos de seda prelos
de 2 saias
Ditos ditos de ditos de seda de cores
com babados
Ditos dilos de ditos de gaze phantazia
de cores
Romeiras de fil de seda prela bordadas
Visitas de grosdcnaples prelo bordadas
com froco
Grosdenaples de cores com quadrinhos
covado
Dilo liso preto e de cores, covado
Seda lavrada preta e brauca, covado ljf e
Dita lisa prela e de cores, com 4 palmos
de largura, propria para forros
s

9
9
de mandar salda seus dbitos na loja da ru do ^puM^^0 d6 Seda dC ga" lr8DS"
Queimado n. 10.
Na ra Nova n. 18, primeiro andar, tiram-
se retratos photographicos, em ambroly-
po, amphilypo e daguerreolypo, syslema ame-
ricano. Na mesma casa encontram-se bellas
caixinhas e quadros prelos e dourados para se
collocarem os retratos.F. Vilella, photograplio.
Dilos de dilos de cambraia e seda, corle
Cambraiasorlandys de cores, lindos pa-
drocs, vara
rUI UIll tUl lt U" tuDCIlO C Manguitos de cambraia lisos e bordados
1 Tiras e entremeios bordados
Mantas de Monde brancas e prelas
Ditas de fil de linho pretas
Chales de seda de todas as cores
Lencos de cambraia de linho bordados
Dilos de dila de algodao bordados
Panno preto e de cores de todas as qua-
lidades, covado
Casemiras idem dem idem
Gollinhas de cambraia a
Chales de touquim brancos
Dilos de ruerln borujua, i;3oo o es-
tampados de todas as qualidades
Enfeites de vidrilho francezes prelos e
de cores
Aberturas para camisa de linho e algo-
dao, brancas e de cores
Saias balo de varias qualidades
Tafel rxo, covado
Chitas francezas cliras e escuras, co-
vado ,.
Cassas francezas decores, vara
Collarinhos de esguiao de linho mo-
dernos
Lices de francez m
pimo.
* Mademoiselle Clcmence de Hannelot
* de Mannevillecontinua a dar lices de 3t
^j, francez e piano-na cidade c nos arrabal- **
| des : na ra da Cruz n. 9, segundo andar, am
PROVINCIA.
O Sr. thesoureiro das loteras manda fazer pu-
blico que se acham venda, lodosos dias no es-
criptorio das mesmas loteras na ra do Impe-
rador n. 86, e as casas commissionadas pelo
mesmo Sr. thesoureiro na praca da Indepen-
dencia ns. 14 e 1C e na ra Nova n. 56, os bi-
Ihelese raeios da ultima parto da pitava e pri-
meira da nona lotera da matriz da Boa-Vista
desta cidade cujas rodas deverao andar imprele-
rivelmenlo no dia 7 de julho prximo fuluro.
Thesouraria das loteras 16 de junho de 1S60
e bronze.
YYu'.v do Bvwm u. 2.
@@a@@s @ a.
C? Ur. tarneiro Monleiro aproveitando da $j
proponao que lera para mais fcilmente @
exceular os trabalhos de parlo, c aconse- @
* ; Ihado pelo feliz resultado que lem oblido
- / em multiplicados parios laboriosos, lera
i fcilo sua especialidade sobre ete ramo
para o que poder ser procurado a qual-
S/i;,r ^S &S@ @@@@ T ,. p
- Sano a uz o o o.no ,., biogra- [\0\a lUllUIf O C ICrfO
pinas de alguns poetas, e outros lio-
rnens Ilustre da provincia de Pernam-
buco, pelo co;nmendador Antonio Joa-
quim de Mello. Contera as biographias
de Luiz Francisco Je Carvalbo Couto,
Jeronymo de Albuquerque Maranbao,
Alvaro Teiveira dev Macedo, e Joo
Antonio Salter de MendonQa ; versos,
f ntreos quaes 30 odes anacrenticas,
urna noticia interersate do levante de
Goianna em 1821, e noventa e dous
documentos inneditos. Por ora em mm
muo do autor. ** li i I II
- O Dr. Joao Perreira da Silva mudou-se da UvOllold C I (II 1S.
ra do Rangel para a do Livraracnto u. 26, so- m n -., _
lo Ra Nova15
Frederico Gatitier, cirurgiao dentista,
faz todas as operaQoes da sua arte e col-
loca denles artificiaos, ludo com a supe-
rioridade e perfeico que as pessoas en-
tendidas lhe recohecera.
lem agua e pos denlifricios ele.
mi'
frisamenlo 500 rs.
Ra da Imperatriz a. 7.
Lecomtc acaba de receberdo Ro de Janeiro
o priraeiro contra-mestre da casa Augusto Clau-
dio, e um oulro viudo de Pars. Esta estabele-
cimentoesl hoje as meihores co idcoes que
possivel para salislazer as cncommeuas tos
objectos em cabellos, no mais breve lempo, co-
mo sejam : marrafas a Luiz XV, cadeias de relo-
gos, braceletes, anneis, rosetas, etc., ele, ca-
balleras de toda a especie, para honens e se-
nhoras, lava-se igualmente a cabera a moda dos
Estados-Unidos, sem deixar urna s pelcula na
cabeca dos clientes, para salisfazer os pretenden-
es, os objectos em cabello serao feitis em sua
prescnca.se o desejarem, c achar-se ha sempre
uraa pessoa dsponivel para cortar os cabellos, e \ Ura C( plel0 sorlfmcnto dc ro m
penlear as senhoras em casa particuur.
E' chegado loja de Lecomte, aterro da .^~
Boa-Visla n. 7, o excellenle leite virginal de ro-
sas branca para refrescar a pcllc, ti :ar pannos
sardas c espinhas, e igualmente o afmado oleo
babosa para limpar e fazer crescer os cabello,
assim como pos imperial de lyrio i Florenca
para borluejas o asperidades da pelle, conser-
va a frescura e o avelludado da pri uavera da
vida
1J200
$
3000
1500
10J000
16J0O0
18000
9

I
9
9
I
900

S640
I
sendo casacas, sobrecasacas, paletots,
colletes, calcas de muitas qualidades
de fazeudas y
Chapeos francezes finos, forma moderna 85500
Um sortimento completo de grvalas de
seda de todas as qualidades 9
Camisas francezas, peitos de linho e de g
algodao brancas e de cores J>
Dilas de fuslo brancas e de cores g
Ceroulas de linho e de algodao y
Capellas brancas para noivasmuilo finas g
Um completo sortimento de fazendas
Eara veslido, sedas, la e seda, cam-
raia e seda tapadas e transparentes,
covado |
Meias cruas brancas e de cores para
meninos *
Dilas de seda para menina, par I96OO
Luvas de fio de Escocia, pardas, para
menino $320
Velludilho de cores, covado lj)20O
Velbtina decores, covado Jj700
Pulseiras de velludo prelas e da co-
res, oj>ar 2gOOO
Ditas de seda idem idem I5OOO
Um sortimento completo de lu^as de
seda bordadas, lisas, para senhoras,
homens e meninos, de todas as qua-
lidades 9
Corles de collele de gorguro de seda
de cores y
Ditos de velludo muilo finos $
Lencos de seda rios para senhora 2j50
Maiijueiuis u .-ml.inLw do soda com
molas para senhora 9
3J>500 j Sapalinhosde merino bordados proprios
j para baplisados, o par 25000
8 Casinetas de cores de duas largurasmui-
6000 I to superiores, covado lj}000
500iSetim preto, encarnado e azul, proprio
I para forros, com 4 palmos de largura,
2*280 I fazenda nova covado 1$600
500 i Setim liso de todas ascores, covado J>
Lencos de gorguro de seda prelos t
S00 i Relogios e obras de ouro
l Cortes de casemira de cores a 5J00O
ao Maranho.
n3
Hiiii-i-iHm
EAU MINERALE
James E. B. Spears.
Fundidor machinisla e engenheiro cncarrega-
se de qualquer obra, assim como sentar vapores
de todas as qualidades para serrara, refinacao,
fabrica de sabao, machinas para amassar pao,
para moer mandioca, ludo por preco connnodo,
I e concerla alv,rengus, bombas, vapores, e toda e
qualquer obra.
ora em J^^^^*|^^^
brado do Sr. Manoel Buarque de Maceado, defron-
le de sua anliga habilaco. A grande pralica de
auscullacao reconhecida por quasi todos os seus
collegas desta cidade lorna-o recommendado no
diagnostico das molestias dos pulmes e do cora-
cao ; assim como p3ra verificar o eslado do sau-
de dos escravos que se desejam comprar. Pelo
erescido numero e variedades de operaces que
ha feito com bom resultado em o execicio de
mais de 20 annos, se juiga habilitado para prali-
car toda e qualquer operacao cirurgica por mais
delicada e dilficultosa que soja.
Ura moco brasleiro, com pralica de 6 annc.s de
commercio nesla praca, e ha pouco desarruma-
do, se ofTerecc para tomar conta de urna casa
commercial de fazeudas por balanco, presta Ban-
ca e garante o bom desempenlio de sua profisso :
*TTTTYTTTTTYyT^TYTTTTTTTTTTs quem de seu preslimo so quizer ulilsar, drija-se
Aluga-se o priraeiro andar e armazens da
casa n. 13 da ra do Vigario : a tratar no caes do
llamos 11. 2, escriptorio, ou ra Augusta n. 94
com Prxedes da Silva Gusmo.
Aenco.
DENTISTA FRANCEZ.
Paulo Gaignoux.
Paulo Gaignoux, dentista, ra das La- ^
rangeiras 15. Na mesma casa tem agua e <*
^ i dentifleo. *<
Hoga-se aos Srs. devedores do estabele-
cimento do fallecido Josda Silva Pinto, o ob-
sequio de saldarem seus dbitos na ra do Col-
eg vanla n. 25 ou na ra do Queim ado loia
n. 10.
*j| a ra das Cruzcs n. 41, loja, deixando seu nome
e residencia para ser procurado,
NATURALLE DE VICHY.
Deposito na botica franceza ra da Cruz n. 22.
Collegio de Bemfica,
establecido na ra da Aurora, edificio contiguo ao do
collegio das orphuas.
O director dete d'ete eslabelecimenio participa que no mesmo se ensinam as disciplinas
segu ules
CHANDE SORTIMENTO
DE
Fazeadas e roupa da
POR MEDIDA.
NalojaearmazemdeJoa luim
Rodrigues T. de .Mello.
Una do Queimado n. 3\l,
em sua loja Ae 4 portas.
Tem um completo soriimenlo de roupas feilas
e por medida a vontade dos freguezes: caigas de
casemira e de brim, colletes de diversas quali-
des, sobrecasacas de minio bom goslo, un sor-
limcnto de paletots dc panno e de casenira, al-
paca, la/.inha, riscadinhos e de brim, que tudo
se vende por prec.o commodo ; um completo sor-
lmenlo de chapos prelos de seda para liomem,
de superior qualidade a IOS, ditos de cas or mui-
lo superiores a 10$, chapeos de sol de seda in-
glezcs dos meihores que lem viudo ao rrercado,
dilos francezes de diversas qualidades, cilos de
panno grandes e pequeos, cortes de vestidos de
seda de variados gostos para diversos precos, um
completo sortimento de bordados e entrc-raeios,
golinhase manguitos, ludo por preco commodo ;
chaly de seda e la de goslo mais apurado que
lern apparecido a l>280 o covado, chitas france-
zas muito superiores de 200 at 440 rs. o covado
dc goslos muito delicados : um grande sortimen-
to de fazendas francezas c Inglezas c allems que
seria impnssivcl aqu se poder mencionar coro
precos, assevera-se aos freguezes que ludo se
vende mais era conta que em oulra parte sendo
a dinheiro.
Ensino primirio
Ensi'QO secundario
Le tura e escripia........
Dcutrina chrisla........
Ariilimetica pralica.......
Grammalica nacional.......
Geographii clemenlar......
Elementos da historia do Brasil. .
Dilos da biloria Sagrada......
LATIM.
Grammalica latina.......
Latinidade..........
Grammalica philosophica.......\ O Sr. Anlo
Mytotogia.......... .(Passos."
Poesa classica ....
TROFESSORKS.
O Sr. Honorato Augusto
de Miranda e o director.
nio Joaquim de
FRANCEZ.
1*. cadeira, grammalica e iraducgao.
2*. dita locuelo composicao e escripia
l.NGLEZ.
O Sr. Froncisco Antonio
Cesario de Azevedo.
O Sr. Jos Mara Ra-
I monda.
\ O Exm. Sr.jDr. Francisco
I Baliazar da Siiveira, que se
. /encarregou d"esla cadeira gra-
Crammauca, traduccao, composicao e escripia. I luilamenie, o por especial ob-
/'sequo ao director.
ITALIANO.
Grammalica, tradcelo, composicao, escripia el
,CUS0...........( O Sr. Jos Maria Ra-
ali.imau. /monda,
dem, id-;m, dem, idem.......\
PHILOSOPHIA. )
Philosophia racional e moral e historia pililo- \ t,r' wnselneiro
Pedro Au
Ao publico.
O abaixo assignado participa ao respeilavel pu-
blico quedissolveram araigaveluiente a socieda-
do que tinha com o Sr. Joao Francisco Monleiro,
sob a firma de Soares & Monleiro. no armazem
de maieriaes c cariocas, estahelecido na Iraressa
do Monteiro, Qcando o mesmo senhor com o es-
labelccimento e obrigado por todo o passivo, as-
sim /como lhe flcou perlencendo lodo o activo
Recife, 28 dc junho de 1860.
Jusliniano Ani-nio Alves Soares.
Quem precisar de urna ama secca para ser-
vico de urna casa, dirija-se Abobada a Penha
no fundo da laberna.
- Elisabeih AVilliams e Lucrcla Tassell com
qualro menores lilhos da uhima, reliram-se para
a Europa.
Ignorando-se quem seja o rerebedor de 3
coucieiras de cantara com a marca M S N, car-
regadas em Lisboa por Rodrigo da Cosa Carva-
Iho no patacho porluguez Diligente, visto le-
rcm vindo a ordent : roga-se a quem quer que
for, se dirija ao escriptorio da ra da Cruz n. 27
uc Almeida Comes, Alves & C.
A pessoa que annunciou urna casa terrea
na freguezia de S. Jos, para vender, dinja-se a
ra do Itngel n. 36.
Aluga-se urna excellenle o cuididosaama
de leite, recenlimenle parida, anda nao ha um
mez, e cujo filho falleceu na ra do Imperador n.
42 : quem a pretender, pode dirigir-se mesm
ra para ratar do ajuste e condicoes com que se
pretende alugar.
s Sis. Joao da Silva Miranda c Alfredo
Cordoso Pereira lem carias no escriptorio da ra
da Cruz n. 27
Otlerece-se um caixeiro com bastante prali-
ca de padana, o qual d coohecimenlo de siia
conducta e pessoa; quem o pretender, annumio
para se- procurado.
Aluga-se una casa terrea que seja no bair-
e(s'nlJ Antonio ou S Jos, e uue lenha com-
njodos pora hmilia creseda, paga-se aoiu^ud
6 mezes, e da-se fiador : quem liver, procure o
sobrado no pateo do Carino n. 2.
' liosa Clajlon relira-sc para a Europa.
fede-se ao Sr. Jos Jacinlho Pacheco que
queira responder por esle Diario se o dono
do deposito da na do Rangel n. 6, ou quem o
veidadeiro dono : isto deseja saberUm ciedor.
Ao publico.
Em resposla ao anonvmo publicado no Diario
de Pcmaubuco n. 147 de 20 do crrenlo sub a
epigrapheum charlatao Rorges Je Mendonca, tem a conseieiicia dos seus
actos em referencia ao prestigio dos iredicamen-
108 applicados por elle aos morphelicos del.0,
2.- .- e 4.-ero. Manoel Borgcs de Mendor.ca
coDvida o ttor do anonymo a una nalyse sci-
enliGca no seu laboratorio pharmacopelico para
o convencer da injusta accusa(2o que lhe Ce/., cm
lace da importante pega do Dr. Antonio Frederico
Cabran de Miral.eaux, otteslado mi proza que
cila o diccignaro dos homens Ilustres de Plu-
tarco.
Compra-se um carro dc 4 rodas, americano
ou Oiro qualquer levo, que esteja em bom esta-
do : a tralar na ra da Cruz n. i.
Compra-se al 8 moradas de rasas lenca':
em bom eslado ; quem livor, dirija-se a roa do*
Moudego n. 83, al 8 horas da manha, a fallar
com Manoel Jos da Silva Cabral.
Compram-se moedas de ouro de 2*0 e 10
brasileiras e Je lt? porluguezas : no escriptorio
de Manoel Ignacio de Oliveira defronle do Corpo
banto. r
Vendem-se livras sierlinas em ouro : em
casa de Manoel Ignacio de Oliveira & Filho. de-
fronle da igreja do Corpo Sanio no Recife.
\oodcm-se dus pequeas casas terreas
cujos alaguis eorrespondem a 10 por cenio do
seu valor: quem pretender, dirija-se a esta ly-
pograpbia que se dar informal oes.
Vendem-se duas prelas da Cosa, mocas, e
um ni'ilequccom i afinos : na ra Impciil nu-
mero 59.
Veode-se urna porcao de arrobas de chum-
bo .ropno para derreler: na ra do Aragao n. 8.
Milho.
sophiga
BIIETORICA.
1 Rhttorica, poet'ca e historia di lilteralura
CEOGRAPHIA.
Geographia, historia e chronologia .
GEOMETRA.
Arilhimelica, algebra e geometra. .
i"
itran.
O Sr. Vilal Ferrcira
Moraes Sarment,
de
O Director.
Musiea...........I O Sr, Jos Leandro
Mar-
Sipop du
mm
JARABE DO FORGET.
Este xarope est approvado pelos mais eminentes mdicos de P:.ris,
__Icomo sendo o melbor para curar consiipai;oes, tosse convulsa e ouiras,
aHeccoes dos branebios, aUques de pello, irrilaces nervosas e insomnolencias: urna colheiada
pela raanbi, e oulra noile sao suflicienies. O ell'eito deste exceleule xarope sal.sfaz ao mesmo
lempo o doenle e o medico.
dsposilo na ra larga do Rosario, botica de Ilartholomeo Francitco de Souza, n. 36.
Relias arles.
(lins Filgueiras.
Dansa............ O Sr. Manoel Bapisla de
| Souza.
Desenl'...........( O Sr. Jos Maria Ra-
(monda.
A. B. Todas eslas cadeiros tem substitutos; portanto nunca deixar de haver aula em 10-
das as disciplinas. Alem d'isto j ires dos professores mais necessarios habitam no collegio para
que os alumnos cbtenham todo o adaniamenlo possivel.
O director do collegio de Bemfica lem empregado todos os meios ao seu alcance, nao pou-
pando sacrificios, afirn de que os alumnos que o frequentarem, alcancem a mais solida ins-
truc^ao, a moral a mais austera e a eJucacao a mais elegante.O director, Estevao Xavier da
Lunha.
FUIXDICAO
DO
D.
" Ra do Bruna (passando o chafariz.)
No dcY> &kai\Vs\iio pava oscngcnliosde assucvv a saber:
Machinas de vapor modernas, de golpe cumprido, econmicas de combustivel, e defacillimo assento ;
Rodas d'agua de ferro com cubos de madeira largas, leves, fortes, e bem balancada;
Cmnos de ferro, e portas d'agua oara ditas, e semillas para rodas de madeira*;
Moendas nteirascom virgens muito fortes, e convenientes ;
Matas moendas com rodetas motoraspara agua, cavallos, ou bois, acunhadas em aguillioes dazs ;
Taixas de ferro fundido e batido, e de cobre ;
Pares ebicas para o caldo, crivos e portas de ferro para asfornalhas;
Alambiques de ferro, moinhos de mandioca, fornos para cozer farinha
Rodetas dentadas de todos os tamaitos para vapor, agua, cavallos oubois';
Aguilhoes, bronzes e parafusos, arados, eixos e rodas para carrosas, formas galvanizadas para purgar etc., etc.
D.W.Bowman confia quejos seus freguezes acharo tudo digno da preferencia com
qie o honrara, pela longa experiencia que elle tem do mecbanismo proprio para os agricul-
tres desta provincia, epelofacto de mandar construir pessoalmente as suas obras as
nais acreditadas fabricas da Inglaterra, para onde elle fazviagem annual para o dito fim,
asim como pela coutinuaco da sua fabrica em Pernambuco, para modificar o mechanis-
do a vontade de cada comprador, e de fezer os concertos de que podero necessilar.
POITRINAL LORIARE
FERRADORES E VETERINARIOS RECOMIECIDOS E
EXPERIMENTADOS DA
DE CAVALLARA DE SAMR,
ESCOLA
prevnem ao publico que acabam de abrir sua officina de errador, na ra de Santo Amaro n. 1,
(ptaca do capim) em o bairro de Sanio Amonio, aonde aeham-se prompios para ncumbir-se d
ferradura e curativo dos animaes que Ihes forem confiados. *
CASA DEBANHO
so
Assignatura de banhos fros, momos, de choque ou chuviscos (para urna pessoa)
tomados em 30 dias consecutivos. ,.....,..... 109000
30 cartes para o dilos banhos lomados em qualquer lempo....... 16|K)00
15 Dilos dilo dilo dito...... 8#000
7 i 4*000
Banhos avuUos, aromalioos, salgados esulphurosos aos prejos annunciados.
Esia reduejo de presos faeililar ao respeilavel publico o gozo das vanlagens que resultara
da frequenciade um esiabelecimenio de urna utilidade nconlestavel, mas que infelizmente nao
estando em oossos hbitos, anda pouco condecida e apreciada.
Vendem-se saceos rom miilio a iS : na ra da
Cadeia do Recite o. 3.
, ~ Vende-se urna negrinha de 18 annos jo
daJecom todas as qualidailcs para urna oxcl-
IpiiIo ama da^casa do iulquer paosoi menlo : trata-se na Iraressa da ra Bella n 6
Milho perfeito.
, Vende-so no Bimazem n. 18 confime ao ira-
picllfl do algodao.
Vende-se una prela moca quecozinha, en-
saooa e engomma perfeitamente: na ra da l'raia
n. za, segundo andar.
A\isa-Ee a quem inlerfssar, que vende-se
urna boa armaco com lodos os perlences de (a-
Dernn, e aluga-se a casa propria para alg.im prin-
cipame, a dinbeiio ou a prazo lodo o ne"oci
se fai : na ra do Aiagjo u 8.
Ana de ieile.
Quem precisar, dirija-se a na das I.arangcir.is
ti. lo, segundo andar.
rrecisa-sc alugar urna pela escrava para o
servlco de urna casa de pouca familia, que saina
cozitibar, lavar eengommar ; quem livor, diii-
ja-se a ra estreita do Rosario, ioja de cera.
Aluga-se
um cscravo para todo serviro de tima casa ; a
tratar na ra da Imperatriz, loja de fazendas nu-
mero -.
Compra-se na iiurra.
Quem liver annuncie por esta folha para ser
procurado.
O advogado Antonio de Vasconcellos Me-
nezes de Drummond pode ser procurado para o
exerciciode sua prolissio em todos os das uteis,
das 10 horas da mani.an al as4 da tarde, na ra
do Imperador n. 75, primeiro andar, e fdra de
taes dias e horas, em casos urgentes, na casa dc
sua residencia na roa do Hospicio n. 9.
Aluga-se u excellenle loja na ra do Im-
perador ii. 75, lado do caes : a tralar no primei-
ro andar di mesma casa.
Tendo-se dissolvido nesla dala a sociedad.'.
commercial que nesla praca gyrava sjb a Urina
de Alfredo, Guilherme JtC., assim o fazetn cons-
tar os aoaixo assignados, bem como que a liqui-
dacao da mesma sociedade fica a cargo dos socios
Beiarmino do Reg Carros e Dr. Joao Alfiedo
Corroa d Oliveira Audrade. Recife 30 de iu-
nho de 1660.
Na ra do Progresso, no Caminho .Novo,
ha para alugar tres easinhaa acabadas de novo o
bem aceiadas, com grande quintal e cacimba com
agua boa para beber : quem as pretender, diri-
ja-se a ra da Praia, armazem de carnee farinha.
Previne-se em lempa que ser millo qual-
quer negocio que se eflectue com o sobrado do
dous andares da ra dos Marlvrios n. 2, peilen-
cente a Manoel Francisco da Silva Carneo, visto
achar-se arrestado ao abaixo assignado "para seu
pagamento, em virtude do despacho do lxm. Si.
Dr.juiz especial do commercio.
Quem se julgar credor de Joo Fernandes
Lopes queira apresenlar-se com seus titulas to
prazo de 5 dias. a contar da dala desle. em casa
de Bernardo Jos Monleiro & Irmao, na rna do
Queimado n. 44, do contrario nao scrao nia'sal-
tendidos. Recife 3 dc julho de 1SG0.
D. Manoela da Conccicao dos Sanios Res
Duarle, por si e por suas duas rtnaas I). Vila Ma-
ria Francisca de Sania Rila Duarle c D. Trifina
Felomena Alhanazia de Jess Duarle, lilhas le-
gjmas de Manoel Jos Duarle eD. Simplicia Ma-
ria da Concei$io, fallecida, avisan ao respeila-
vel publico e a quem convier, que ninguem faca
negocio enm o sobrado de dous andares e solio
da ra da Cruz n. 26, perUncente as annun-
cianles e a seu pai, erubora seja fcilo o negocio
com seu pai ou com seu irmo Jos Calazans Rufo
Duarle, visto que o primeiro nao fez ainda in-
ventario ; e o segundo que lem em si ha muilos
anuos um sitio no Jang e seus reiidi.ncutos tal-
vez mais do que lhe locar nos bens deixados
ppr nossa fallecida mai dita i). Simplicia Maiia
da Concei.'o.asanuuncianles dcclaram ser maio-
res de 25 annos.
Os abaixo assignados fazem scicnle ao res-
peilavel publico que dissolveram amigavelmenle
a sociedade que linham na laberna sila ua praca
da Roa-Visla n. 15, ficando pelo activo e passivo
da casa Jos Domingues da Cunha.Manoel Joa-
quim da Cunha, Jos Domingues da Cunha.
f


(;
rompca-se, vende-se c troca-se escravos : na ra
Di re la n. 66, escriptorio de Francisco Malinas
Pcreira da Cosa.
Rnga-so pela segunda vez ao Sr. Antonio
llcnriques de Miranda o favor apparoccr na ra
dos Marlyrios n. 30, a negocio que lhe diz res-
peilo.
DIARIO DE PERSAMBUCO. TERCA FURA 3 DE JULHO DE 1860.
BARATO SO NOPROGRESSO
DE
P*
DA
O thesoureiro das loteras declara que o pa-
gamento dos premios da quarla parte da quarta
lotera do Gymnasio Pernambucano, cujas listas
leem do ser publicadas em odia 18 do presente
ni.", principia a ser etTectuado dodia 19 do mes-
n.o mez em diente, visto como at o referido dia
18 lera o mesmo thesoureiro c os mais empre-
gauos de estarc ainda oceupados com a con-
cluso da extraceao dos nmeros que nao foram
premiados, para assim se verificar a exactido da
mi ncieDada lotera.
i liesouraria das loteras 16 de junho do 1860.
Camilla Pires.
;,," lin moro habilitado e de hoa conducta ^j
Wb offerece-se para onsinarem qualquer ca- f
.i particular,a pessoas de qualquer sexo, 2
rimeiras lellras, lingua nacional, fran- <
c i /, lalim, msica, instrumental c vocal, |
'* bem assim copia qualquer pera de mu- 3K
Sica milito hom mifcnil#i i i>rtpia illhagrs. %
i>a Hieres gticos ou de outros quaesquer o islo com a presteza que se exigir: a jj
argo
Neste armazem de molhados. con-
tinua-se a vender os seguintes gneros abaixo mencianados de superiores qualidades e tr ais barato
do que em outra qualquer parte, por serein a maior parlo delles recebidos em dircitura por conla
dos proprietarios.
Manteiga ngleza c franceza
perfeilamente flora mais nova que lem viudo
se far algum abatimeuto.
ao mercado de 650 3 800 is. a libra e cm barril
ge
I
tratar na ra larga do Rosario n. 1, pri-
meiro andar.
Quejos Hamengos
muilo novos recentemontc chegados no ultimo vapor da Europa de 1J700 a 38 e a visia do gasto
que o freguez fizer se far mais algum abatimeuto.
Que'.jo prato
os mais novos que existem no mercado alj a lloradera porco se far abatimento.
Ymcixus fraucezas
em lata de 1 1[2 libra por 1S500 rs., c em campoteiras de vidro contendo cada una 3 libra
por 3S00O.
Muslara W&gleza c f vauceza
em frascos a 640 rs. e em potes Jrancoza a 800 rs cada um.
Vevaa&eiros Vigas de coma Are
nj caixinhas de 8 libras elegantemente enfeitadas proprias para mimo a 1$600 rs.
Bolacululia ingieza.
a mais nova que ha no mercauo a 240 rs. a libra e em barrica com 1 arroba por 4$.
Potes vidva&os
! de 1 a 8 libras proprias para manteiga ou outro qualquer liquido de 400 a 1$000 rs cada um.
Baratissimo.
Ra do Qucimailo itly.
Armazem de fazendas.
Chitas francezas finas de padroes miudinhos a
220 o corado, pegas de chila com 38 covados por
5800.
* Coberta a 2J00.
Cobertas chinezas muilo lindas a 2J.
Riscado francez a 2$000.
Corles do riscado com 13 1(2 covados
Lencos brancos a 2<000.
Lencos para atgibera a 2j a duzia.
Algodo monslro a 6U0 rs. a vara.
Chales de merino a 2500.
Clialcs de merino estampados a -2^500.
Casernira preta % GjjfOO''.
Cortes de casomirn preta Cna a 6$, palelots de
brim 3$, fil de linho fino a 800 rs.
Cambraia de cores a 160 rs.
Cambraia de cores multo fina com defeito de
agua doce a preco de 160 o covado.
= Ganga de cor e brim do linho muilo fino a
500 rs. o covado.
por 23.
- O Sr. Jos Alfonso do Rogo Barros tenha a
bondade de se dirigir loja da ra do Crespo n.
ue so lhe desoja fallar.
i i
ltcnco.
'-V
o
fe
5
i
Cursa pratiro r theorico de lingua fran- @
ceza por uma senhora franceza, para dez @
mocas, segunda e quinta-feira de cada se- @
mana, das 10 horas at. nieio dia : queru i
quizer aproveilar pode dirigir-se a ra d;i '$
g Cruz n 1), segnd andar. Pagamentos @
C adiantados.
> --o
&9 333 g@S?@
Os abaixo asslgnadus fazem sciente ao Sr.
I :. Jos Marques, arrematante do imposto de
_' I ir cenfo sobre o consumo de espirilos de
irt turno brasilea, que indando-se no ultimo
(i n corren te mez o priraeiro semestre do 1859 a
I porque fora o cstabe'.eciraento dosannun-
cianli-s, silo no largo da l'enha n. 8. rollcrtados,
! daquella data em diante nao Ihes convm
ven terem em seo estabetecimento mais seme-
lli iiii's espirilos, por iso o previne de que nao
so llectara para o segundo semestre, c do que
; tu I m nao produz a justificae&o que o mesmo
Sr. Marques lem exigido de algons conlribuinles
vi .i nao se acharem essascircunstancias, pois
tai justlOcaco s se dfvom entender para com
1 [i illes que estando colindados querem deixir
c ender e nao coin aquellos que doixam Je
i' i ler polo fado de ss nao collectar mino os au-
nu liantes. Recife, 28 de junho de lSo.Duar-
ti o. Irmo.
Seraea
de superior qualldade, e muito propiia para en-
gordar animaes, em saceos grandes ; no arma-
zem de Antones Guimares & C, no largo da
Assembla p, 19.
Arados americanos e machinas
para lavarroupa: em casa de S. P. Jo-
hnston & C- ra da S'3nzala n. 42.
Verdadeiras luvas de Jovin cVa to-
dasas cores, ra da Imperatriz n. 7,
loja do Leconte.
Barato.
Leite, lenha e fineta
No sitio do fallecido visconde de Coianna, na
estrada deJno de Barros, ha paia vender leite
puro, lenha de malta, c fruct-is do difTerentes
quadades, por pre;o commodo, de modo que
pode se revender nesta cidade e tirar bom ganho.
RtEOlO INCIrIPAfiAVEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Milhares de individuos de toda3 as nac.Ses p9-
dem lesteiaunliar as virtudesdeste remedio in-
comparavel e provnr em caso necessario, que,
pelo uso que delle fizeram tem seu corpo e mem-
bros inteiramente saos depois de haveremprega-
do intilmente outros trataraentos. Cada pesoa
poder-se-haconvencer dessascura maravilhosas
pela leitura dos peridicos, que lh'as rolatam
lodos os dins ha muitos unnos ; e a maior parte
della sao to sor prendentes que admiran; o
medico8 mais celebres. Quautas pessoas reco_
braram com este soberano remedio o uso de scus
bracos e pernns, depois de ter permanecido lon-
go lempo nos hospitacs, onde de viam soffrer t
amputagao I Deltas ha muitas que havendo dei-
xaJo esses asylos de padecimentos, para seno
submetterem essa operaco dolorosa foram
curadas completamente, mediante o uso desse
precic-soremedio. Algumas das taes pessoa na
enfuso de seu recouhecimento declararam es
tes resultados benficos diante do lord correge-
dor e outros magistrados, afim de niais autenti-
carem sua firmativa.
Ninguem desesperara do eslsdo de saude sa
ive3se bastante confianca para ensaiar este re-
medio constantemente seguindo algum lempo o
mcntrataloque necessitasse a natureza do mu.
cujo resultado seria prova rincontestaveluiente
Quetudocura.
O ungento e ntil, mais particu-
larmente nos seguintes casos.
Inflamniacao dabexiga.
da matriz
Lepra.
L0J4 DO VAPOR-
Grande e vanado sortimento de calcado fran-
cez, rpupa feita, miudezas finas c perfumaras,
ludo por menos do que em outras partes : na lo-
ja do vapor na ra Nova n. 7.
SYSTEM4 HfiDICO DE HOLLOWAY.
PILULAS HOLLWOYA.
Este inestimavel especifico, composto inteira-
mente de hervas medicinaos, nao coutm mercu-
rio, nem algum a outra substancia delecteria.Be
nigno 4 mais lenra infancia, e a compleieo mais
delicada igualmente prompto c scguio para
desarraigar o mal na compleieo mais robusta ;
inleiramente innocente em suas operarles e e-
feitos; pois busca eremove as doencas de qual-
quer especie c grao por mais antigs e lenazes
queseam.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam as portas da
morte, preservando em seu uso : conseguiraru
recobrar a saude e torcas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais afflictas nao devem entregar-se a de-
sesperarlo ; facam- um competente ensaio dos
elcazes effeitos desta assombrosa medicina, e
prestes recuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca lempo cm lomar este remedio
para qnaiquer das seguiutes enfermidades :
51
i
^respo n. >
n 4 pal- !)
lualidade j$j
A.n\enAoas conVcViaAus \ropir\as \tava soviies
de S Soao
a 1$ a libra e em frasquinhos, contendo 1 1[2 libra por 2.
C\i \>vclo, \\ysou c pevola
os melhorcs que ha neslo mercado de 1}600,2# e 2^500 a libra.
Ma^as em caixVias i\c 8 \i\>ras
contendo cada urca difTerentes qualidades a 4-o00.
Palitos de dentes \ie\iados
era molhos CDm 20 raaeinhos cada um por 200 rs.
Ti joto trancez
propriospara limpar faca a 200 rs.
Conservas inglezas c Crawcezas
em latas e em frascos de difTerentes qualidades.
Presuntos, choimc.as c naios
o mais novo que ha neste genero a 480, 640 c 720 rs. a libra.
la tas de oo\ac\\in\\a de soda
de difTerentes qualidades a i-^600 em porro se far algum abatimento.
Tambein vendem-se os seguintes gneros ludo recentemente hegado e df uperio-
res qualidades, presuntos a 480 rs. a libra, chourica muito nova, marmelada do mai:afamado fa-|
bricanle de Lisboa, maca de tomate, pera secca, pasas, frurtas em calda,amendoas, noces, frascos Na rua. do Queimado n. 19, vendCm-sc lazir
com amendoascobertas, coneites, pastllbas do varias qualidades, vinagre branco BorJaux,proprio nbs-muito finas para vestido, e para meninos,
para conservas, charutos dos melhorcs fabricantes de S. Flix, manas le todas as qualdades.gom- Pel -baratissimo> preco do 820 rs. o-covado, loa-
ma muilo fina, ervilhas francezas, champagne das mais acreditadas marcas, cervejaa de ditas, I8 de linlio a buO js. cada urna, cobertas a chi-
spermacelebarato, licores francezes muilo finos, marrasquino de zara, azeitedoce parificado,azci : neza'i (le chita muito lina a q.
tonas muito novas, banha de porco refinada e outros muilo gneros que encontraro tendentes a
molhados, por isso prometlcm os proprietarios venderem por muito menos do que out-o qualquer, j
prometem mais lambem servirom aquellas pessoas que mandarem por outras pouco pnlic3s como
e viessem pessoalmente ; rogam tambera a lodos os sonhoros de engenho e senhores labradores i
queiram mandar suas encoinmendas no armazem Progrcsso que se lhc3 affianoa a boa qualidade e
0 condicionamento.
Alcatifa.
Campos & Lima, na rua do Crespo
yg 16, lem para vender alcatifa com
fj| mos de largura de muilo boa q
3 e propria para alcatif.ir, salas e igrejas a
%) 80 rs. o covado, diuheiro a vista.
Laoziiihas para vestido a 3^0
rs., e toalhis de liaho a
800 rs.
Alporcas
Caimbras
Callos.
anee res.
Cortaduras.
Dores decabeca.
das costas.
dos membros.
bn|eriiii,iades da cutis
.em goral.
Hilas do a us.
Erupces e escorbti-
cas.
Fstulas no abdomen.
Fnaldade ou falta de
calor aas extremida-
des.
Freiras.
Gengiva escaldadas.
lnchacoes
Inllammaco doflgado.
Males das pomas.
dos peitos.
de ofhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Queimadelas.
Sarna
Supuraooes ptridas
Tinha, em qualquer par-
te que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do figado.
dasarticulaees.
Veas torcidas ou noda-
das as pern3.
Vende-se este ungento no estabecimento
geralde Londres n. 224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do snl, ({arana e Hespanha.
VenJe-se a800 rs., cada bocelinha contm
uma instruefo em prtuguez para o modo de
fazer uso "deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na rua da Crun. 22. em Per-
nambu.To.
Febreto da especie.
Gotta.
Heniorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Tnflammarcs.
Ir r eg u la ridades
nicnstruacao.
Lombrigasde toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Ohstriicco de venire.
Phtysica ou consuoip-
pulnmnar.
Retencao de ourini.
Rheumatismo.
Symptomas secunda-
rios
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo (mal).
r*""
hiini
stabelec'tda cm Londres
(
sitio
lugar
todo
e
EM
i m tm
CAPITAL
..: ailnoes de libias
esterlinas.
Siunders Brothers i C.a tem a honra detn-
ir es Srs. negociantes, proprietarios de
5, e a f tem ia:.s onvier, que eslo plena-
ite autorisado3 ; la dita companhia para
ctuar seguros sobre edificios de tijolo epe
, cobertos de telha e igualmente sobre o.-
(os que coutiveremosmesnios edificios,
r consista em uiobilia ou em fazendas de
Iqn 'itlidade.
es o
I
ftl
q
Na estrada do Manguind,
da viuvaC^irvallio, lia para se a
uma ecrava recolliiaa, que faz
servico de casa, engomma, cosinha
cose.
Agencia de passaporte c follia
corrida.
r.laudino do lle^n 1 ma lir.i o^^c^nnrlo rnrn
dentro c forado imperio, por commodo preco c
prasiosa : na rua da Praia, primciro andar nu-
mero 43.
Aluga-se por proco commodo o armazem n.
28, silo no caes 22 de Novcmbro ; a tratar em
casa do fallecido commendador Luiz Gomes Fer-
relra-, no Mondego.
&mQ&mvmm mm<& ##
Dr. Augusto Carneiro Monteiro da Silva Jij
@ Santos, medico operador c parteiro pode @
ser procurado na casa Je sua resdeucia
@ na rua do Uangel n. 16. S
^.k "r. '.' "..'T:- -^'..'.-' > -.-> ; \ > -;:>. '.XTv/^v.A^ao
X>t^> '-. -.-w. ., y./. --,-,:. -:-.,, .>. x.y s > < *&&<&
Precisa-se de urna senl.ora que saiba bem
primeiras lellras, francez, piano o msica, para
temar conla da educacSo de seis meninas, em
un engenho da fregue/.ia da Escada : a tratar na
rua do Imperador u. 39, segundo andar, entrada
pelo becco do bolcquim do Pniva.
A tlieiieu Periiamkcaiio.

Novena de N. S. do Carino
v-
C,
(-
Continua snb a mesma
i. noel de Maltes Teixeira
- em homeopathia. As consultas como d'an-
.- les.
-------
Botica central homcojiaUica
\2*

I
direccao d,i Ha- $?
Lima, professor j
Acha-se venda a novena completa eredigida,
LOnSQllOriO CCllirnl llOniCOpallliCOV.' segundo usamos reverendos Carmelitas da cida-
- de do Recife, assim como os versos, salve, etc.,
e tambera a exposicao do excapullario, na rua do
Imperadora 15.
Jos Escunha Millo, subdilo Napolitano, re-
lira-se para Macei.
Oil'erece-se um moco para caixeiro de taber-
na, da qual tem bastante pratica, c d fianra a
sua conduela : quera precisar do mesmo, pode
dirigir-sc a rua da Senzala Velha n. 104.
Preci-sc de uma ama para criar o tratar um
menino recenmascido, que devora ler boui leite :
a entender-sc na casa assohrndada que fica ao
norte da fabrica do gaz, marficm do rio. com o
abaixo assignado.
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.
Sr. Hermenegildo Fernando do Souza Lobo
doixou de ser caixeiro de Vicente Ferreira da
Costa desdo o dia 20 do coi rente mez.
Souza & Lopes fazera sciente ao rcspcilavel
corpo do commercio, que dissolveram amigavel-
menlc sociedade que tinliam na taberna sila na
rua do Rangel n. 18, ficando o activo e passivo a
cargo do'socio Manoel Alvos de Souza.
Roga-se ao Sr. Andr de F. quena trazer
as facas que pedio para rcostra, ou o dinheiro,
poisj fazeml-i dias, seno se declarar seu no-
me por extenso
Joaquim da Silv Torres, Icndo de fazer
uma viagem ao Aracaty, deixa durante a sua pe-
quena ausencia por seu procurador o Sr. Fran-
cisco Pinto Ribciro Guimares.
O abaixo assignado, cncarregado fa desin-
fecto como deve const.ir aos senhores inspecto-
res de quarleirao, pela circular do Illm. Sr. Dr.
chcfo de polica aos senhores subdelegados, a
qual datada de 10 de maio corrnlc, faz scien-
te aos senhores inspectores, que logo que se de-
rem casos de angina, escarlatina e oulras moles-
lias que grassam epidmicamente, aviscm ao
mesmo abaixo assignado para mandar proceder
desinfeceo como por ordem superior foi deter-
minado.Jos da Rocha Prannos.
Aluga-se parle do primciro andar de um
sobrado na rua da Cruz do Recife, consistitido
em uma sala com quarto, propria para escriplo-
rio ou morada de hornera solleiro : quem preci-
sar dirija-se rua da Cruz, armazem n. 11.
Na rua da Praia n. 43
andar, borda-se tanto a ouro
seda capas
etc.
Do
g ISR- SABMO 0, L rlXHO-,
-- Novos medicam'entoshomeopathicos en- S
m viadosda Europa pelo Dr. Sabino. @
f Esles medicaniantos preparados espe- @
f cialmente segundo as necessidades da ho- f*
a meopathia no Brasil, vende-se pelos pre- ^
" eos corihecidos na botica central horneo- et,
linca, rua de Santo Amaro (Mundo No-
I l") G-
>&# Roga-se ao Sr. Jos Mendos Rodrigues
Cumpello que lenha a bondade de apparerer na
rua do Queimado n..!6, loja, que se desoja fallar,
Lices dedesenho
o
e pintura.
F. Gonaz, ex-desenhista da coramissao astro-
nomicade Olinda, c antigo professor de dese-
nlio em alguns collogios da corte do Rio de Ja-
nciro durante seis anuos, ensina em casas parti-
culares ou em collogios desenlio e pintura nos
go;ie:os : flores, paisagens ou figuras. Hotel da
Europa, propriedade de Mr. Louis Luech.
.Jos Lopes Da\im declara ao corpo do com-
mercio e ao publico em geral, que o annuncio
publicado hoje (30 de junho( neste Diario, em
que Souza & Lopes fazem sciente haverem dis-
Sfilvido amigavelmente a sociedede gue linham
i- taberna n. 18 da rua do Rangel, falso e des-
pulo de todo o direifo comniercial, por quanlo
lora feij'o sem consenso do annuncianle, que
socio gerente do dita casa.
Antonio Ferreira Lima avisa ao respeitavel
publico jue deixou de ser seu caixeiro desde 27
de junho prximo passado o Sr. Francisco de
Oliveira.
Koga-se ao Illm. Sr. Dr. Jos Coelho de
Oliveira, quo tem educado pequeos era diver-
sos lugares, queira por esta folha annuncier sua
residencia para ser procurado, que se lhe quer
fallar a negocio de seu inleresse.
Ccdc-se, mediante uma pequea luva, uma
casj terrea no boceo do Padre; a tratar oo mes.
roo becco n. 1).
Precisa-se de urna ama forra ou captiva pa-
ra o servico do uma casa de pouca familia : quem
estiver neslas circunstancias, dirija-se a rua das
Cruzes, sobrado junto a ordem terceira de S.
Francisco n. 2, no piimeiro andar, que achara
com quem tratar.
Koga-se ao Sr. Candido Augusto de Medei-
ros, da villa do Pilar, provincia da Parahiba, o
ttfrnr de vir ou maullar ruado Queimado n. 27,
* leja do miudezas.
Aviso aos membros da socio lade Aiheneu
Pernambucano que no dia 15 de j jIIi, em vir
lude do disposto noart. 2 cap 'it. I dos esla-
lulos u_uc a regem, se proceder a eleicao da me-
sa e commisses que tem de estar em exercicio
ot marro futuro.
Secretaria do Alheu Pernambu:ano 30 de ju-
ntta Ar. 1QCH f\ p*UA aoproliri... Mni)Cel "
phrasio Correia.
Aluga-se o terceiro andar da casa da rua da 0
Imporalriz n. 47, a familia honesti: no segundo ^
andar da mesma. ^
Perderam-se 4 eitras vencilas hoje 30 de j
junho, sendo uma da qjiantia de f65S'260rs., ac- j^
ceila por Antonio de Bezerra de Meuezes I.yra : 5
outra de 6073000 rs.. aceita por Joaquim Ferrei- j f
ra de S ; oulra de 33'($ aceita por Antonio Pe- |fi
reir da Silva ; outra de 5109120 rs., aceita por! %
Francisco Jos Rodrigues Bastos, iodas eslas le-i
Iras sao sacadas por llenry Bruno & C.hoje Kalk-!
man j Irinador & C. e endcadas por Antonio '
Emigdio Itibiro, pois foram conpradas no sen \
cambio ; j estilo prevenidas toda; as firmas afim
de s serem pagas ao abaixo asu'gnado, deca- I
rando o raesmo abaixo assignado que s lhe falta !
recebera de Antonio Bezerra do Meoezas I.yra '
da quanlia de 605J260 rs., pois quo os outros
lhe pagaram reconhecendo ser o abaixo assigna-
do o seu legitimo possuidor. R*cife30 de junho
de 1860.Juo da Cunha Soares Guimares.
Precisa-se de uma ama forra ou captiva pa-
ra ca*a de pouca familia : na rua de Ilortas nu-
mero 16.
Pede-sc aoSr Jos Mondes Rodrigues Cam-
pello o favor de apparecer ua rua dos Marlyrios
n. 36. a negocio de seu inleresse.
Roga-se ao Sr. Antonio Tiburcio da Costa
Monteiro o favor apparecer na rua dos Marlyrios
n.36, para se lhe entregar uma carta.
Tenja-feira 3 de julho, depois da audiencia
do juiz d pai do 1. districto d2 Santo Antonio,
as 2 horas da tarde, viio psacr para serem ar-
rematadas 9 cadeiras de condur i com assenlo de
palhinha, duas banquinhas da mesma madeira
com lampos de marmore, e do'is pares de lan-
lernas, por execucao do Monteiro & Soares con-
Ira o seu dcvedorJoo Gonealvcs. Ferreira.
PotassadaRussia
E GAL DE LISBOA.
No bem conhecido e acreditado deposito da
rua da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender I
potassa da Russia e da do Rio de Janeiro, nova
e desuperiorqualidade, assim como tambem
cal virgem em pedra: tudo cor jsrecos muito
razoaveis
Veude-se um carro de 4 rodas, bem tSttS-
truido e forte.com assento para 4 pessoas de
dentro, e um assento para boleeiro e criado fra,
forraiehie panno fino, e ludo bem arrancado :
para fallar, com o Sr. James Crabtree & C. n.
42 rua da Cruz.
dade.

i
Sil
"O
GSA.DE SOttTIMERTO
Fazendas
1 ^ia
oes
DE
e brasleitas.1
Para senhoras.
^j> Ilecebeu-se pelo paquete francez Bour-
5^ n;:s Bdouine [capas para passelo o sahi- ffi
da de theatre) a 303 cada uma
LOJA DE MARMORE. p
alhadeear-
naba
por baral" prrro, cm porcoes ou a retalho : no
armazem de Anlunes Cuimaraes & C, no largo
da Assembla n. 19:
mmmmmm-mmm mm&
i Champanha.
SS Campos & Lima, na rua do Crespo n.
-M 16, lera para vender uma poroo de g-
(*> gos-cem charapanha de superior quaii-
dade a 203 o gigo.
iE
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areias(malde).
Asthma.
Clicas
Convulses.
Debilidade ou extenua-
cao.
Debilidade ou falta de
torcas para qualquer
cousa.
Dysinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
-nos rins.
Dure/a novenlre.
Enfermidades noventre.
Dilas no figado.
Di'as venreas-
Enxaqueca
Hervsipela.
Pebre biliosas
Febreto internitente.
Vendem-se estas pilulas no estabelecimento
geral de Londres n. 224, Straad, e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America do
Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se asbocelidhas a 800 rs. oda umi
deltas, conten uma instruego em portuguez pa-
ra explicar o modo de se usar destas pilulas.
O deposito g-'ral em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na rua da Cruz n. 25, em Per-
namb o.
Pede-se toda altencao.
Na loja d'aguia de ouro, na rua do Cabugj a. 1
B, vende-se ludo por procos baratissimo* para
liquidar, assim como seja :
Fitas e franjas.
Fila de velludo de todas as larguras, aber!a3 e
lisas, de lindos padroes.
Franjas de seda de todas as larguras e de lin-
dos gostos.
Dilas de la e seda por proco que admira.
Dilas de linho para casavcq'ue.
Ditas de algodo para toalha c para cortina i.
Trancas de linho e de la brancas e de corea.
Pentes.
Penles de tartaruga virados e lisos.
Dilos de massa virados a imilac.o de tntanga.
*!os lisos para atar cabello.
Ditos de desembarcar cabello.
Para baloes.
Molas para fazer bal jes, vendem-se a 1CJ rs. a
Un, ou peca de 50 molhos a 65.
Bicos.
Ricos do soda de tulas as largurase odos pa-
droes. ,
Dilos de algodo.
Loques muilo finos.
('.apellas brancas para noiva.
Chapeozinhos para crianca.
Riqnissimos quadros para enfeite da sala, as-
sim como redomas com flores.
Assim como perfumaras muito finas, e mala
ohjeclosque vala do freguez far-se-ba todo
negocio
KA"
carmaxem
DE
Compras.
ele,
para imagens,
segundo
como a
gorros
Preciso.
Na rua da Praia, taberna n. 39, precisa-se de
um pequeo de dade de 12 a 14 annos, sendo'
Portuguez, para ser caixeiro cm urna taberna na
Escada.
PERDA.
Perdeu-se no dia 19 de junho, da praQa da Boa-
Vista, rua da Iraperalriz, Nova, do Rosario, bec-
co do 8aropatel e rua da Praia, 255J0O0, sendo
quatro notas de banco de 509. e restante em
sedulas de 5#, crabrulhadaS em papel amarello :
quem as livor achado o quizer ler a caridade de
restitu-las a seu dono, um pa: de familia pobre,
pode-o fazer na ma Nova de Olinda, sobrado de
varanda de pao, ou no Recife, rua da Aurora, ao
Sr. Domingos Anlunes Vfllacs, que ser recom-
pensado.
Compram-se es-
cravos.
Compram-se, vendem-se e trocam-se escra-
vos, na rua do Imperador n. "9, prmeiro andar
Compram-se effeclivaraente meias garrafas
que foram de champanha : n rua larga do Ro-
sario n. 36, botica.
Compra-se
o guarda livros moderno ou curso com-
oleto de instruccoes eletnantares sobre
! Na rua do Queimad) n.
40, frente a ni arel la.
j Grande e variado sortimento do sobre-
1 casacase casacas do pannos tinos pretos
l o de cores a 28j. 30$ c 35j?, palelots dos
; mesnios pannos pretos e de cores a 283,
i 20 22-5 e 259-, ditos do casernira mescla-
dos de superior gosto a 16g e I89, ditos
i das mosmas caserairas saceos modelo
l inglez 103,12?, 14el5. ditos de al-
i> paca prctn fina saceos a 43, dilos sobre-
' casa lambem de alpaca a 7g,83 c 9-5, di-
J los de merino setim a 103, dilos de me-
l ri de cordo a 0$, calcas pretas das
* mesmas fa/.endas a 59 c 63, colletes pa-
s ra luto da mesma fazenda, palelots de
P brim trancado a 5$, dilos pardos e de
6 fusto a 4 e 5$, caigas de casernira do
cor e pretas a 75, 85, 93 e 10, ditos das
mesmas casemiras para menino a 63, 79
& e 83, dilos de brim para homem a 83,
I 3">00, 43 e 5J, ditos brancos finos a 53,
* 6$ e 73, ditos de meia casernira a 43 e
e 59, colletes de casemiras preta e de co-
p rosa 53, e 65, ditos de gorguro de seda
j brancos e de cores a 53 e 63, dilos de
a velludo preloe de cores a 93 e103, ditos
| de brim branco e de cor a 35, 3g500 c43,
i palitols de panno fino para menino a
j ISA, 169 e 183, ditos do casernira de cor
' a 73, 8o e 93, dilos do alpaca a 33 e 33500,
l sobrecasacas de alpaca tambem pa.-a me-
nio a 5-3 o 63, camisas para os niesmos
de cores c brancas a duzia 15$, I63 e 205,
meias cruss c pintadas para menino de
as operacoesdo commercio, por Manoel! todos os lamanhos, calcas do brim para
T* _"___"_^f I 1 U 1 __ ^^ fie mnern no MHl rt*-l^* \1 ar it hn A i 1_
Teixeira Cabral de Mendonqa
Qa da Independencia hvraria
na pra-
n. 6 e 8.
Vendas.
Rio de Janeiro
Aos 20:000$, 10:000$, 4:000$
e 2:000$.
Na praca da Independencia n 22, echam-se
vendaos bilhetes, meios c quartos das loteras
44 da casa do correceo c33 das casas de cari-
dade timbrado por Santos Y.eir.
S#@@ @ MMrMM
Recehcu-sc pelo ultimo paquete Bonr- @
us, para saluda de theilro vestidos do
soda de cores c oulros ar.igos para senho-
f ra, ludo do ultimo gos o a duqueza de @
Combcrland ,':;
Loja de maemore. f
os mesnios a1$500 e39, colarinho de li-
K nho a 63000 a duzia, toalhas de linho pa-
^ ra mos a 900 rs. cala uma, casaveques
5 do cambraia muilo fina e moderaos pelo
.j diminuto prego de 129, chapeos com abas
^ de lustre a 53, camisas para hornera de
||| todas as qualidades, scroulas para ho- |
*ji mem a 103, 209 e 253 a duzia, vesliraen- |f
las para menino de 3 a 8 annos, sendo ai
a calca, jaqueta e coletos ludo por 103, co- S
JH borlas de fusto a 69, toalhas de linho
Mpara mesa grande a 7-5 e 83, camisas in- S
glezas riovamenle chegada a 363 a duzia. |k
m&m?*8-z vs&m mmmimm
Vende-se por commodo preqo uro
ino apprelbo de porcelana, mandado
vir de encoromenda, constando de tres
ricos serviros paia cha', almoco ejan-
tar : na rua da Cruz n. 61, armazem.
Farelo do Porto,
em saceos muito grandes, ullmaraenle chega-
dos vende-se na rua do Vigario n. 9, primeiro
andar, escriptorio de Carvalho Nogueira & Com-
panhia.
Attenco
Vende-se a armaco da taberna do pateo do
Terreo n. 28, a dinheiro ou a prazo : a tratar na
rua das Cruzes n. 21.
Fazendas finas e
roupa feita.
Augusto & Penligo.
Com loja na rua da Cadeia do Recife n. 23
vendom e do amostras as seguintes fazendas :
I Cortes de vestidos de seda pretos e de cores.
Corles de ditos de barege, de tarlalana e de ga-
| ze do seda.
Cambraias decores, brancas o organdys.
Anqunhas para 3aias, saias balo, de clina, rua-
dapolo e bordadas.
Lencos de Vabyrinlho do Aracaty e francezes-
Chapeos amazonas de palha e de seda paro se-
nhoras e meninas.
Enfeites de froco, de vidrilho e de flores.
Penles de tartaruga, imperatriz e oulros gostos.
Manguitos e golas, ponto ingles, francez e mis-
sanga.
Vestuarios de fusto, do l e do seda para
crianza.
Manteletes, taimas e pelerinas de difTerentes qua-
lidades.
Chales de louquira, de merino c de l de pona
redonda.
Luvas de pellica brancas, pretas c de cores.
Vestidos de bload, mantas de dito, capellas c
flores solas.
Sinluroes, camisas do linho e espartilhos para
senhora.
Perfumaras finas, sabonetes e agua do colonia.
Casacas, sobrecasacas e palelots de panno preto
e de cor.
Palctoisde alpaca, de seda e de linho.
Calcas de casernira de cor, pretas o de brim.
Camisas de madapolo, de linho inglez e de la.
Seroulas de linho e de meia.
Malas, saceos, apetreixos para viagem.
Chancas para invenios, bolinas de Meli e outros
fabricantes.
Chapeos do Cbyli, de raassa o de feltro para ho-
mem.
Charutos manilha, havana, Rio de Janeiro e
Babia.
Loja da boneca rua da Impe-
ratriz n. 7.
Vendem-se caixasde tintura para tin-
gir os cabellos em dez minutos, como
tambem tingem-se na mesma casa a
qualquer bora.
Aossenhores Iogistas de miudezas.
Bicos pretos de seda.
Ditos brancos e pretos de algodo.
Luvas pretas de torcal. ,
Cintos elsticos.
Linhas de algodo em novellos : vendem-so
por preQos commodos, em casa de SoulhallMel-
lors & C, rua do Trapiche n. 38.
Amendoas conteitadas para for-
tes de S. Antonio, S, J0S0 eS. Pedro e
tambem pora presentes a 2$ o frasco,
vende-se na loja de Leite & Irmao, rua
da Cadeia do Recife n. 48.
^'innrj r^oflDiiOttcsoo
1 Segar contra Fogo
I COMPANHIA
I LONDRES
AGENTES
3

?c
J. Astlsy & Companhia. I
Vende-se
Formas de ferro para

purgar assucar.
Estanho em barra.
Verniz copal.
Vinhos finos de Moselle.
Encbadasde ferro.
Brim de vela.
Folhas de metal.
Ferro sueco.
Ac de Trieste.
Pregos de composicao.
Lona ingleza : no arma-
zem de C. J. Astlev &
:*uaic csctooi
o-
,S0O RS.
por sacco com farnha
gocta n. 5.
vende o Brando, na Lin-
Botica.
Bartholomeu Francisco de Souza, rua larga
do Rosario D>. 36, vende os seguale medica-
mentos :
Rob L'Affecteur.
Pilulas contra sezes.
Ditas vegetaes.
Salsaparrilha Bristol.
DitaSands.
Vermfugo inglez.
Jarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febres].
Ungento Holloway.
Pirulas do dito.
Ellixir anli-asmathico.
Vidrosde boca larga com rolhas, de S oncas a
12libras
Assim como tem um grande soriimenfo de pa-
pel para forro de sala, o qual veude a modic.
preco
Vende-se um diccionario latino M agr.un: Le-
xicn, usado : na roa Dircila dos Afog ados, ta-
berna do Silvano.
.


DIARIO DE PERNAMBUCO. TERCA FEIflA 3 DE JLHO DE 1860.
Seus propnetanos offcrecem a seus numerosos freguezes e ao publico era peral toda e
qualquer obra manufacturada em seu roconhccido estabelecimcnto a saber: machinas de Vapor de
lodos os tamanhos rodas d agua para engenhos todas de ferro ou para cubos de madeira, moen-
das e meias moendas, tachas de ferio balido e fundido do todos os Umanhos, guindastes, Run-
enos e bombas, rodas, rodetes, aguilhoes e boceas para fornalha, machinas para amassai man-
dioca e para descarocor lgodao, prencas para mandioca e oleo de hcini. portes eradiria co-
lumnas e moinhos de vento, arados, cullivaJojes, ponles, --aldeiras e tanques, boias alvarenVas
botes e todas as obras de machin.srao. Lxocuta-se qualquer obra soja qual fr sua natureza polos
des-nhos ou moldes que para tal Ora forera aprestados. Rccebera-se encoramendas neste esta-
beieciraeniona ruado Brum n 28 A e na ra do Collegiohoje do Imperadorn. 65moradia do cai-
leiro do estaboleciraento Jos Joaquim da Costa I'ereira, com quem os pretendentes se oodon,
entender para ctnalquer obra.
de Bordeaux.
Em casa de Kalkmann lrmaos& C, ra da
Cruz n. 10. cncontro-se o deposito das btm co-
nhccidas marca dos Srs. Brandenburg Frres.
e dos Srs. Oldekup Mareilhac & C, em Bor-
deaux. Tera as segua tes qualidades :
De Brandenburg frres.
St. Estph.
St. Julien.
Margan!.
Larose.
Chalcau Loville.
Chutean Margaux.
De Oldekop & Mareilhac.
St, Julien.
St. Julien Mdoc.
Cnateau Loville.
Na mesma casa ha para
vender:
Sherry em barris.
Madjeira cm Larris.
Cognac cm barris qua'.idade fina.
Cognac em caizasqaalidade inferior.
Cerreja branca.
Rclogios
Suissos.
Em casa de Schafleilln & C., ra da Cruz ..
de, vende-so uro grande e variado sorlimento de
relogos de algibcra horisonlaes, patentes, chro-
nometros, moios chronomelros, de ouro, prata I
dourada efolhoadosa ouro, sendo estes relogos!
dosprimeiros fabricantes da Suissa, que se ven-
ueio por precos razoaveis.
Pedras baratas.
.Aviso.
J. Falque participa tos seus. freguezes que elle
acaba de receber pelo vapor francez Guiene,
un pequeo sortimerilo de lui'as de pellica Jou-
vin, botinas Hellis para honras, ditas todas de
dureque prelo ede cor para senhoras ; aim co-
mo por iodos os vapoies recelar um sorlimento
destes e ontros objeclos, que \ tu Jai sempre por
preco razouvcl. >*
Fe *ros de cn-
gemmar
econmicos
a 5#000.
E tes magnficos fer-
ros icham-se a venda
w
o
82
jw.

mu
r^S
GBAPSOE ABflAZEM

DE

399
Rica Nova n. 47, junto a igreja da Con-
ceicuo dos Militares.
jVcha-senad.reccuodaofllcina deste acreditado armazem o hbil
noamazemde rasen- Sg&3 artista francisco de Assts Avcllar, antigo conira-mestre do fallecido
das ele Raymundo Car- ^>>| Manoel Jos Fcrrcira. O rcspeitavel publico continuara* a enron-
Grammaticaingle-
za de OlIcndoriT.
Novo methodj pira aprender a !>,
a cscrever e a fallar inglez em 6 ir.
obra inteiramente nova, para m t
Kt todos os estabelecimcntos de insti i
: pblicos e particulares. Vende ie r*
praca de Pedro II (antigo largo de Col-
legio) n, 37, secundo aacbr.
Vcndem-se 12 bois mansos e lilh. < > -
!>ff.'*fiJ:n?1,4nUa W, trar em dito armazem um
puunco continuara" a
variado sorlimento de
K Ha continuamente para vender neste trapiche
saceos do feijTio mulalnlio mui'o novo coni 6 al-
queires,farinhade mandioca di diversas quali-
dades, niilho, farelo superior em saceos muito
grandes, arroz do Maianhao, cera de carnauba,
courinhos curtidos, sola e pailiadc carnauba, lu-
do por procos commodos e cm grandes porcoes
ou a rclalho, conforme a vontsde dos compra-
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peilospcracamisas,
Bisco utos.
Em casa de Arkwight &:C, ra da
Cruz n. 61.
Vcndem-se 8escravas com habilidades c sem
ellas de 15 a 40 anuos, de S(Ki> a 1:5005, um es-
< ravo de 30 anuos, bom cozinheiro, por 1.30(15
um mulato de 22 annos por 1:300-3. e mr.is al-
gunseecravo8 baratos que se venden), tanto c
prazo como a inlniro, na ra Direita^no escrip-
toiio de Francisco Mathias l'ereira da Costa.
Farello de Lisboa
a 5,000 rs.
Na ra do Vigario n. 19, pnmeiro andar, ven-
c-ee farello ullimameiile chegado, assini como
cal virgem.
Vcnd-sc um exceHente deposito com al-
guna gneros, e urna boa armaoao, boa casa, ex-
cellento localidade, lendo duas entradas, urna
Ii-'.;iru,i do Imperador e outra pelo Caes de22
d:' Nuvcm'.iro para rommercio, c um dos primei-
r>s estabelcciraeutos na ra do Imperador n. 71:
na mesma c^isa se dir com quem se trata.
Vende-se urna escrava de 9 a j
annos de idacle, muito esperta e dili-j
gente no servieo de casa, cose perfeiia-
mettte cliaoe taz labyrintbo: (juera a
pretender dirija se ao largo do Carino
n. lG.
Venda de predio.
Vende-se a meiaejo de um magesloso predio
de um andar bem edificado, ha 3 para 4 annos,
tiluado em una das mais bullas ras dcsta cida-
de (Concordia) : podralo qualquer pretendente
examinar o mesmo predio na ra da Concordia
n. 26 ; para tratar, na ra do Livramento n. 27,
loja de c-lrado.
Na IravesM dos Remedios, boje do liemi-
.i, aiinla se vendeni alguna burros do serlo.j
esperimentados e cuslumados ao pasto : quem
os pretender, dirija-se mesma casa cima, que
se Ihe diri quem vende:
Vcndem-se tres sobrados, sendo um na ru
do Quemado n. 3'J, na esquina do becco da Con-
gregaejo, com duas frentes e tres andares na
liento; outro lia roa estreita do I'.osario, de d andares e seis o, novo e cora muito bous comino-
dos n. 5, confronte \ ra das Larangeiras ; o
outro na ra do Livramento, tambem de dous
andares e soUio n. 9 : quem es pretender, pro-
cure o majorusmao, na ruc Imperial, todos os
das das 6 s9 da induhaa, e das 10 ao mcio dia
na ruadoOucimado, .oja do Icaenlc-corouei llo-
raes.
Fazendas por Iiaixos precos
Ra do Queimado, loja
de4porlasa. 10.
Anda restam alguma3 fazendas para concluir
liquidacio da firma de Lcitec Correia, asquae*
c vendem por di ai:; uto preeo, sondo entre ou-
t:as as wguotea:
Chitas de cores escuras e claras, o covado
alOOrs.
(itaslargas, rancezfs, finas, a2402C0.
liseado6 franeczes de cores ixas a 200 rs.
Cassasde cares, bous padrees, a 240.
Irim deliuho de quadros, covado, a 160 rs.
Ifim trancado tranco de linho muito bom, va-
ra.a IjOOO.
Co-lcs de calca de meia casemira a 2g.
Dios de dita de casemira de cores a 5;Jt
Paino prelo fino a 3?} e 4?.
Mei de cores, oas, para homem, duziaa
lt800.
Gravagsde seda de cores e pretas alj.
Moias trancas finas para senhora a 3g.
Ditas tas muito finas a 4g.
Ditas cuas finas para homem a i$.
Cortes Carabra^lisa fina transparente, peca, a 4j>.
Chales o, lia e seda, grandes, um 2$.
Grcsdenple prelo de l$60O a 2.
Seda pro lavrada para vestido a 1JJ600 c 2J.
Corles degestido de seda prela lavrada a 16$.
Lencos dtchita a 100 rs.
Lia de qudros para vestido, covado, a 560.
Peilos par, camisa, um, 320.
Ciitafraucwa moderna, iingindo seda, covad0
ra 400 rs.
Entremeios'iordados a 200 rs.
Camisetas p ra senhora a 610 rs.
Ditas bordais finas a 2$S00.
Tilha3 de liiho para mesa a 2jj e 4$.
Camisas de nea, urna 64p rs.
Leagos de sida para xescogo de senhora a
560 rs. /
Vestidos urancos bordados para baptisar crian,
cas a 55000.
frutes decalca do casemira preta a 6#.
Ckales de merino com franja de seda a 5#.
Cortes de calca de riscadode quadros a 800 rs.
Merino verde para vestido do montara, cora-
do, 1#280.
Lencos brancoi de cambraia, a duzia, 2#.
Bezerro francez
grande e grosso :
De 4JJ c 53.
Na ra Direita n. 45.
Joao Donnelly tendo contratado com o governo
da provincia, por intermedio do Illm. Sr. direc-
tor das obras publicas o fornecimenlo de todas
as pedias extrnhidos da ilfaa de Santo Aleixo,
propriodade do Annunciante, para calramenlo das dores,
ras dcsta ciaade ; e como as mesmas obras
publicas por emquanto se arham potalysadas, e
lenha o1 Esa. piesidenle da provincia por despa-
cho de 18 deste mez concedido liccnca ao mesmo
annunciaiitc para dispor das mesmas pedras, c
por grande quanlidade que lem o aununclantc,
no caes do llamos, ofleroce a quem inleressar,
em gra:ide ou pequea porcao, que as vende
mulle era corita, mesmo aniiuncianle enlen- ;
dendo-sc com o Sr. Rampa, hbil architeto, bem
condecido nesia cidade, conhecedor das quali-
dades de pedras e lijlos, se tem admirado de cobertos edesoobertos, pequeos e grandes, de
nao se (er pmpregado cm alicorees este materia!,! ouro patente inglez, para homem a senhora,
qual as pedras do annunciat.te, como se prattea de um dosmclhores fabricantes de Liverpool'
na Europa, para evitar a humdade*nas paredes, j viudos pelo ltimo paquete inslez : em casa de
O mesmo Sr. Rampa tem encommendado ao 1 Soulhall lie!lora & C*
anunciante 00 toireladas para esse fim, dizen-
ie que era obra sua jamis deilar tijollos era
fcccrce ; pelo preco qce tem o annuncianle
vendido ao mesmo stnhor lhe sabe mui .mnis
barato do que lijlo. O mesmo Sr. IUiuipa'dcu-
me liccnca para usar de seu nomo no presente
annuncio. As pedras cscolhidas para armazens
ou calcadas,,a dez miaris por cerg palmos, dei-
ladas as pedras cm qualquer parl desla cida-
de a cusa do annunciaiite, com toda actividade
possivel, para o que lem as proporces necessa-
rias; os pretendentes dirifam-sa a ra da Praie,
eseriptorio do annuncianle.
ffbenaa2S300 o corte.
No armazem de fizendas da
ra do Qneimado a. 19.
Vendem-se corles de hiberia com 14 corados,
fazciidn muito lina, imitando seda, pelo barato
prego de 2*500, muas cruas finas para homem
a 2S0O a du/ia.
3^ grS''>o<>'tosdesetira preto e branco, ditos de merii.
o2|| ditos de fusto branco e de cores, paletots, casacas, aqueta
^ e cohetes para meninos de G a 12 annos, camisas, seroala.
no para luto !^g
uetas, calcas &&
.-las, cliapeos '.y*
35> e grvalas pretas ede core?, libres, para criados, faldamentos para l
^<, a libara* nacional da capital e do interior. |^
W* Apromptam.se becas para desembargadores, lentes, juizes de di- ^
H |;e,t0; rauniclPaes p promotores, e vestidos para montara. Naoapra- |S
^ dando ao comprador algumas das roupas eitas se apromptarao ou- sil
^ tras a seu Rosto, quer com fazenda sua ou do armazem para o que ^
^, tem escollndos e habis officiaes, dande-setoda e qualquer roupa no E^
"<; da convencionado.
Iiiiiiiiiiiiiiii- m

Rl
ci':>m
Progresso na cidade da Victoria
c*rru : a i ij:
DE
H
DE
BM!Me&
Tachase moendas
Braga Silva & C, tem sempre no seu deposito
da ra da Moeda n. 3 A, um gr;nde sorlimento
de tachase moendas para engenho, do mullo
acreditado fabricante Edwin ttew a tratar no
mesmo deposito ou na ra do Trapiche n 4.
Em casa de J, Praegcr &
Cha pira vender:
AtvaiaBc em barricas de -i arrollas,
- Tir.ia em oleo de dillerenlcs cores.
Brim de vela.
Lona.
Velas de espermarplo.
Conservas (Pieles) em caizas dedoss dorias.
D.tas de hortaliza de todas as qualidades. Ca-
rones, etc.
Ditas de crvilhas em latas.
Sardinhas em meias o quartaslatas.
Mostarda ingloza em frascos.
Fumo americano.
Corveja inslp/.o branca e preto.
Vinho d.' Cbampanhe, superior morca Clicquo:
Dito do Porto.
Dito de Xorez.
ilo de Uordecux de tres qualidades.
Licores de Marselha em garrafas grandes, su-
periar qual ido
Francisco Xaxier de Salles Cavalcautc de Almeida
m no
B Pateo i\a Fcira.
O preprierario desle estabeleciment, como se acl.a com um grande o completo soni-
9 ment, tendente a molhailos, ferragens e mitidezas convida portanto a todos os moradores
^ desta cidade da Victoria, senhores de engenho e lavradores queiram mandar suas
9 eiuomnendas no Progresso do paleo da Feira, pois s ah encontrarao o bom e barato,
M visto o proprietario estar resolvido a vender, tanto em grosso, como a retalho, por menos
j-s do que em outra qualquer parle como sejara :
Lats de marmelada de 1 2 libras a 140, fiascos com differenles qualidades de doce
2Sr por 25000, latas de soda con lendo nove qualidades a 20O0, aze'uonas muito novas.
^ paisas de ditas, vinho de todas as qualidades de 500 a 2->000 rs. a garrafa, licores
Jc francaes de lodasas qualidades, champanhe, conhaque Je ditas, louja fina, uu!,pintada,
s^ e branca de todos os padroes, ameixas cm compaleiras e em latas a 1T000 rs. a libra',
latas do peixo de posto por 200() rs banlia de porco refinada, aramia, folias, lwlachi-
nha Dgleza, liiscoilinho, eoutras mais qualidades de massas finas, rnassa de lmate cm
to, acostumados a trabalhar cm
no engenho Roncador.
. Vende-se um escravo pardo, moro, d
nila figura, sen vicios, proprio para "to le
vico : na ra do Qweiaada n. 41.
Vendem-se 2 pan de rodas ora*
carrosa ; na ra Augusta, rasa de sota o rr,
le ao gasmetro. Na mesma casa aluga-e um
moleque
Vende-se vinho bom da Figueira ou d Pr>-
iles ai -100 rs. agarrafa, e em can.;la.i;t-
Recie, ra da Seruala Velha, taberna i
esquina do becco Largo.
Vende-se urna Ubeni em boa local, i t*
da freguezia de S Jos; a tratar na ra da p- n i
n. 82, taberna.
Vende-se um moleque do 15 annos de Me-
no : no caes da alfandega, arrcaun u. 3.
Vende-se um sitio muito grand.- pi-r
praca, cm casa de rivemto, rom parales lloara-
das e solao ; o mesmo sitia icm eraexVs
de capim, que se corlara 100 feiies diafioi .. ..
rao ;i invern, terreno para raers de leri* e i ..-
la planlac&M, bomcoqueir.il c algn? arv-.J s
defrucla ; v.ndc-se s diiihnro ou a prai
tratar na ra da Praia, serrara n. 55. Dci ra-
se que o terreno proprio.
Vende-se um sitio na Passagem da V -1 -
lena, com urna grande rasa, dua* rrandes "I,
o oito quartos, co/.inha lora, dous ropiai- i'.
fronle rara o rio, toda murada, rom perlo .'
ierro, u.m bastantes pea de brangriras de al '
de frucla-pao e de ouiros morios arvoredes-
iralar cora Joao Manoel Rodrigaes Valenca --.
.OCm'o U'"' U r"8 0 Amorin' "'-""er
Taclias para eigenh
,v
Fundico de ferro e bronze
DE
Francisco Anlouio Correia Carduzo,
tem um grande sorlimento Je-
tachas deferro fundido, assiui
comosefazeconcerta-seqi^'-
* quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
Calcado, roupa
les.
s>
f5
m
ltase a retalho, letria, macarrao, talhaiim a 800 a libra, verdadeira gomma de aramia, '^
insenso de lodas as qualidades, espirito* de cravo, canda, e alfazema, verdadeiros nenies W
a imperatris, e de tartaruga de 9->000 a 105?000 cada um, tranca e franja de seda fe- 0
chadoras de breca, pregos em quantilade de lodos os tamanhos e qualjades e o'ulros K?
por se lomar enfadouho deixa de os mencionar, bi
S mui tes objecles que
mmmmmm
w%
W3mBKBMSBBBB33SSmR
')
DE
de qualidade especia! para mesa : no armazem
Na fabrica de caldereiro da run imperial,
junto a fabrica de sabao, e na ra Nova, ola d j
ferragens n. 37, ha urna grande porcao de follias i
dentones Guimaiaes C, no largo da A.em- ; tZT^Tm'isTliK' ^ ^ ^
Era casa de Rabe Sel mettan &
C, ra da Cadeia n. 37, vendem-se
elegantes pianos doafamaco fabrican-
ila allenco.
Ao borne barato que faz ad-
mirar aos -compradores.
Una Direita loja n. G8.
Nao seengeita dinkeiro.
Riquissimos cortes de vestidos de grosdena-
ples preto bordado a velludo, cortes de vestidos
de phantasis de seda muito moderno, cortes de
vestidos de mossulioa de seda, cortes .de vesti-
dos de barege de seda com ricos dCsenhos, cor-
les de vestidos decarrrbraia bordado a seda, po-
lacas do grosdenaples preto muito bom object
da moda, pataleta de panno de todas as qualida-
des, ditos de casemira muilo fino,ditos de alpa-
ca de dillereules modelos e qualidades, calcas d(
casemira preta e de cores, ditas de brim brance
e de cores de puro linho, camisas de todas a
qua'.idades, cambraia organdys com moderno!
desenhos, chales d-. mrito ranto fino bordado
a troco todo cm roda c com pona redonda, obre
de muito gosto, chapeos de eol com molaa (
sem ellas, scroulas cortos de casemiras de cores muito fina padroes
de muito gosto, enfetes de vidrilho, luvas, gr-
valas, esparlilhos francezes, alpacas de todas as
cores, grosdenaples preto francez o melhor que
pode haver. Alm deatas fazendas exslera ou-
tras mutas que se eslo vendendo por meoo
do seu valor.
te Traumann de Ilamburgo.
CAL DE LISBOA,
nova e muito bem acondicionada : na ra da Ca-
deia do Recife n. 38, pnmeiro endar.

^1?*
i-m-m-mmzm
Para senhoras.
Capolinhosde la para usodemanbce de
noile.
Casaveques de la para uso de casa.
Cacheneres de la para pescoco.
Metas de l.
Para homens,
Meias de l.
Camisas de la.
Seroulas de l.
Loja de marmore.
Cora
|Cliancas para invernol
^> Na ra da Cadeia do Recife i. 23 loja ^
^ confronto ao Becco Largo, vendem-se g*
^| ci.ancas proprvas para o invern ou para ^ftg andar-so cm casas ladrilhados .i marmore fg
fas^M* wtiwi mtiaminaw
Adrairavcis remedios
americanos.
Todas as casas de familia, senh(.res de enge-
nho, fazendeiros, etc., devem estar prevenidos
com estes remedios. Sao tres medie amentos cora
os quaes se cura eficazmente as piiacipacs mo- uros, chegado da Europa, as garrafas ou as ca-
andas na roa larga do Rosario n. 36
Ra daSenzala Noya n. 42
Vende-sc em casa de S. P. Jonhston 4 C. va-
quetas de lustre para carros, scllins esilhes in-
glezes, candeeiros e casticaes bronzeados, lo-
nas inglezas, fio devela, chicote para carros, e
monlar!, arreios para carro de um e dous cval-
os, e relogos d'ouro patente inalezes
Engenho.
um umm i rsitfi n mvm*
Sita bs ra Imperial n. 118 e i 20 junio a fabrica de sabao.
DE
SebasltiJM J. da Siha dirigida por Francisco Belmiro da Cosa.
Neste estabelecimento ha sempre promptos alambiques de cobre de difieren tes dimencoes
(de 300 a S:000) simples e dobrados, para destilar agurdenle, aparelhos destilatorios contino
para resillare destilar espntos com graduarao at 40 graos (pela graduaco deSellon Cartier) dos
melhores systeraas'hoje approvados e conhecidos nesla e outras provincias do importo bomba*
Je todas as dimencoes, aspcranles e de repucho tanto de cobre como de bronze e ferro, 'torneiras
de bronze de todas as dimencoes e feitios para alambiques, tanques etc., parafusos d'e bronze e
ferro para rodas d'agua.portas paca fornalbas ccrivos de ferro, tubos de cobre e chumbo de todas
as dimencoes para encmenlos, camas de ferro com armaco e sem ella, fugos de ferro potaveis e
econmicos, tachas e tachos de cobre, fundos de alambiques, passadeicas, espumaderas cocos
para engenho, folha de Flandres, chumbo em lencole barra, zinco era lencol e barra, ls'nces e
arroellas de cobre, lences de ferroa lato,ferro suecia inglez de todas as dimenses, safras, tornos
e folies para ferreros etc., e nutres mutos artigos por menos preco do que em outra qualquer
parte, desempenhando-se toda e qualquer encommenda com presteza c perfeicao j conhecida
e para commodidade dos freguezes que se dignarem honrarera-nos com a sua conlianca acha-
ran na ra Nova n. 37 loja de ferragens pessoa habilitada para tomar nota das encommendas.
O ,
lena e
Relogos.
Vende-se em casa de Johnston Pater & C, ra
do Vigario n. 3, um bellosortimento de relogos
de oufo, patente iglez, de um dos mais afa-
mados fabricantes de Liverpool ; tambem urna
variedae de bonitos trancelins para os mesmos.
Espirito de viiilio com 44
graos.
Vende-se espirito de vinho verdadeirocom 44
Vende-se verdadeiro coral de raz, mulo em
conla, na ra largado Rosario, passando a boti-
ca do Sr. Bailholomeu, a segunda loja de mlu-
dezas n 38. Na mesma luja vendem-se trancas
brancas de linho de caracol, dilas da cores muito
baratas, o so i vista se dir o preco de ludo ; e
mutas miudezas em conla.
Vendem-se
latas com oleo de ricino muito novo, com 30 li-
bras cada urna, por preco commodo : na ra do
Vigario n. 5.
BELOGIOS.
Vende-se em ca6* de Saunders Brothers 4
C, praca do Corpo Santo, reiogios do afama-
do fabricante Roskell, por precos commodos,
e tambem trancftlliflf e cadeiaj jara os mesmos,
Jeeicellente goslo.
leslias.
Prompi alivio deRadway.
Instantneamente alivia as mais acerbas dores
e cura os peic"cs casos de rheumalismo, dor de
catceja, nevralgia, diarrba, cmaras, clicas, bi-
lis, indigesto, crup, dores nos osses, conlusoee,
queimadura, crupcocs cutneas, angina, releB-
C&o de ourina, etc., etc.
Solutivo renovador.
Cura todas as enfermidadesescrophulosas.chro-
nicas -esyp hlilicas; resolve os depsitos de mos
humores, purifica o 6angue, renova o syslema;
| promplo e radicalmente cura, escropbulas.vene-
| reo, tumores glandulares, ictericia, dores de os-
jsos, tumores blancos, aferces do fi,;ado e rins,
jerysipelas, abeessos e ulceras de todas as classes,
I molestias d'olhos, dificuldade das regras das
mulheics, hipocondrio, venreo, etc.
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regularisar o sj-stema, equilibrar a circula-
^aodosangue, inteiramente vegelats favoraves
em lodos os casos nunca occasiona :iauzeas ne
dores de ventre, dses de 1 a 3 regularisam, de i
a 8 purgam. Estas pilulas sao eficazes as affec-
Soes do figrdo, bilis, dor de cabeca, ictericia, in-
digeslao, e era todas as enfermidadi Iheres, a saber : irregularidades, fino, reten-
ces, flores brancas, obstruccoes, histerismo, etc.,
sao do mais prompto efTeito na escarlatina, febre
biliosa, febre amarella, c cm todas as febres ma-
lignas.
Estes tres importantes medicamentos vem a-
companhados de nstrucroes impressas que mos-
tram com a naior minuciosidade a maneira de
applica los em qualquer enfermidade. Eslo ga-
rantidos de falsificarlo por s have venda no
armazem de fazendas de Raymundo Carlos Leite
& lrmao, na ra da Imperalriz n, 10, nicos
agentes em Pcrnambuco,

@ Vende-se o engenho Santa Luzia, sito na
B fregaezia de S. Lourenco da Malta, entre
os engenhos Pcncdo de Baixoe Pencdo de
-JJ Cima : trata-se no mesmo engenho ou no r;
@ engenho Mussambique com Felisbino de
Carvalho Rapozo. @
wiMiimtitmni
Sndalo.
Ricas bengalas, pulceiras e Ieques :
vendem-se na ra da Imperatriz n. 7,
loja d Lecomte.
t'ende-se superior linba de algodlo, bran-
cese do cores, em novello, para costura: em
casa de Seuthall tfellor & C, ra do Torres
n. 3 .
1 Augusto & Perdigao. |
a? SO Vendem camisas de linho inglezas
g muito finas por 40#a duzia, dilas de fus- fu
lo por 24, itas de musselina por 24J, al?
ditas para menino por 249 o avulsa a |fj
3S500 e 2S, chancas inglezas a 2500 e ^
botinas de Mels a 12J : na sua loja da |x
ra da Cadeia do Recife n. 23.
Vende-se dinlieiro de cobre a dous por cori-
to : na ra Direita n. 8.
Vende-se um carro e um boi, ou cadacousa
separada, o boi 6 muito manso e bom conhecido,
coslumado ao trabalho de carretos desla ciiadc :
a iralar na ra das Cruzes n. 30.
FINDICIOLOWMOW,
Ra da Scnzala i\ova n. 42.
Neste estabelecimento continua a haver um
comapletcsorlimento de moendas e meias moen.
das para euSenho, machinas de vapor e taixas
de ferro balido e coado. de todos os tamanhos
para t
de graca.
Urna riquissima armaco, cora garanta da ca-
sa, propria para qualquer negocio, sita na ra
Direita n. 13, que se vende por lodo o dinbeiro
por seu dono se rotirar para fra: a tralar na
mesma.
Vende-se urna easa terrea cora
grandes commodos e em urna das me-
lhores ras da freguezia de S. Jos : na
ra das Cinco Ponas n. 72, se dir'
<(uem vende.
Borzeguins patente.
Lustre e bezerro
V CSOOO.
45Ra Direita 45
Sempre solicito o proprietario deste
estabelecimento em poupar a bolsa de
seus fregueze?, acaba de descobrtr-IIies
urna mina de borzeguins, que nao sen-
do Melie's nem Suzer, s3o todava iguaei
a estes no durar, teudo por nico defei-
to serem poucos.
Refinaco de assu-
cardoMonteiro.
Continua-se a vender assucar cryslalisado de
superior qualidade, da acreditada fabrica do Mon-
teiro, pelo preco de 7J>000 a arroba, e aprompla-
se barricas de todos os tamanhos, com brevida-
de e aceio : na ra do Caes de Apollo n. 63.
Vende-se urna casa terrea na fregaezia de
S. Jos: quem pretender, annuncic.
Na ra da Cruz n^5, armazem de G. Bous-
set& C, vende-se o seguinle, por falta de lugar :
Charutos de Havana (fines).
Biscoutosinglezes a 1;300.
Vinho de Bordeaux.
Dilo do Porto.
Dilo do Cherry.
Cognac, indo ltimamente despachado, e por
commodos precos.
Augusto & Perdiga;, com loja na ra da Ca-
deia .o Recife n. i'3. vendem as fazendas u en-
conadae, pelos seguinlcs precos, que sao os ...ais
commodos possiveis.
Chancas fcitas no Portoproprias rara o i !-
no por 2iD00.
Borzeguins francezes dos melhores fabiica iles
por lO^OOO.
Borzeguins de Mell por 12/000
Sobreasacos de panno fino prelo e de c': su-
perior por ffOOO.
Paletots e sobrecasacas de casemira nnr 25
Calcas de casemira e..rc.;... poi J i:-. '
(-misas ingleza-.s de linho superior por 5( J.
Chancas proprias para andar em sitios e enro-
Dhos por 2>5(l,
Charutos superiores e oolras marcas con!
das, calza OjOOO.
Camisas inglezas
Na loja de Goes & Bastos, i ,
do Queimado n. 40.
Acaba-se de receber um grande sorli:.
das verdadeiras camisas iaglezas muito
com pregas largas, pellos de linho, sendo
ultimas camisas de um gosto apurado, |nt i m
pregas comocm colleniihos, pois decente 1. i lo
aos rapazescomo aos senhores de maior.'poi laso
sendo muita a porcao que recelemos, delibren-
se a vende-las por3S^ a duzia, nesla bem r
cida loja de Goes & Basto.
As melhores machinas de coser dos mais
alamados autores de New-Yutk, .
M. Singer & C e Wheeler iSWilton.
Nesle eslab
ment vendem-se as
machinas destes dous
Ijj autores, moslram-se a
*f/ qualquer hora to dii ou
da noiie, e responsnbili-
samo-nos por sua boa
qualidade o segura ni
no armazem do fazendas
do Raymundo Carlos
Leite limaos ra da
Imperatriz n. 10, anligamer.ie aterro da Boa-
Vista.
lo
tas,
utas
Saunders Brothers & C. tem pira vender en
seu armazem, na praca do Corpo Santo n V
ajguns pianos do ultimo gusto, recenliment
chegados, do? bem conhecidos e acreditar!-)8 ff-
bncantes J. Broadwood ASons de Londr""?, e
muito prorrios para este clima.
Escrayos fgidos.
Pugio o escravo de ntme Cesa lio, idadede
.^'.^^"J.osonnos, pouco mais ou menos, es-
ma-
latura mediana e reforcado, bons denles e '
que serao
quem o tiver
dos, cabra escuro quasi negro, barba na ponta Co
qucuo, olhos avermelhados. pomas um ronco
arqueadas, filho do .Sobral ^Cear) ; prniam.,
roga-se aos capitaes de campo, s autoridades
policiaes, e qualquer pessoa que o possa encon-
trar, e. apprehcndam c o lcvem a sua senhora no
caes do Ramos, sobrado encamado
gratificados ; e se prolesla contra
acoutado em sua casa,
- Pugio na ifole do dia 26 do correnle o es-
cravo Jacinlho, crioulo, que representa ter o
annos callo esecco, porm esl c,m prin i. o
de frialdade, e por isso tero os ps e o roslo in-
eliados, os olhos um tanto plidos por soluor de
ictericia : pede-se as autoridades policiaes. capi-
taes de campo, ou pessoas que o apprehenlam
0 leveni a ra de Santa Cruz n. 4, que sera ge-
nerosamente recompensadus.
400^000 de gratiicaeao.
Ainda contina a estar futido o prelo Nicolao
escravo de Francisco Antonio Cabral de Mello'
senhor do engenho Tabocas da freguozia da Un '
este prelo alio, chcio do corpo, reprsenla ler
i a i annes de idade, tem nas cosas al imas
rrarcas de castigos, e lora alguns principios do
01 icio de carapina. Ha algumas suspeilas que
cl.e tenha procurado os sertSes era demai: la da
protincia do Maranho, d'unde vcio ser rendido
no Recife. A sua apprehcnsao e entrega, quer
no referido engenho, a seu senhor, quer no Reci-
e, ao Sr. Manoel Antonio GonealveS, ser "rati-
ficada cora a quanlia cima, de -OOg.
Na madrugada de 24 docorrentefugiram do
engenho Monjope dous mulatos, um de nume
Agostinho, cheio do corpo, idade de 25 auno?,
acaboclado, pes grossos. cabellos corridos, e sen
barba ; e oulro chamado Izidro, secco, nao alio
cabellos crespos e cortados mulo rente, tonda
urna cicatriz no alto da tesla, e buco de barba -
levarara2cavallos, um melado raposo a rabio,
oulro alasio, um pouco magro : quem os appre-
hender, levando-os ao referido engenho Moeiope
ser gneros imenle recompensndo.


**
(*)
DIARIO DE PERNAMBUCQ. TERCA PEIRA 3 DE JLHO DE 1560.
Litteralura.
DO A110II E DA AIII/.AI-,
A- PROPOSITO DE SANTA MARA-MAGDALENA.
Pelo Rvm. Padre Lacordaire.
I
Nao me 6 possivel patontear quanlo sou
Miz
""n enconlrar, ao encelar estes nevos estados Ili-
terarios, 'i excedente livrinho, que o Rvm. padre
Lacordaire acaba de consagrar glorio de Santa
liarla Magdalena.
0 padre LacardaSre A' tolos n?, que altin-
uioios o extremo limite da jovenlude, este nome
uesperta as mais doces emofdes e o maisfervon-
le entli isiasmo da vida escolstica. quanto
mi i!, nunca mais do que hoj Micitei-mo da po-
sico modesta, que oecupo s extremidades das
COllumnss do Monde como oulr'ora do Universo,
iiussn infancia o doce uutne du ruio, ou o doce
nome de amigo.
Oulros penaam que devernos ler poucos ami-
gos fin de mclhor amal-os.
Nunca pude oonfotmar-me com (al opinio a-
lias acreditadsima desde a casa de socrales al
o engenhoso dstico do poeta brelo :
L'amti, doux tresor flnpl on a tant besoin,
Cercle qui se deforme en rflendant trop loin.
Sem negar esses. gratis, cujo respeilo o pa-
dre Lacordaire excelentemente diz: a Na pre-
dilecto mesmo ha prodileoocs tanto o amor
urna cousa profunda, c d'uma liierarchia
sem lim, parecc-me que para certas almas,
quo possuem o senimeiip da amizade. os ami-
gos sao tanto mais charos, qunuto mais se lornam
numerosos,com as mais. que cada (Uno, com
que se enriquece o lar domestico, parecera a-
mar todos com um amor.mais vivo o mais
lerno.
Necessito dizer que nunca fui do parecer des-
amor ; c mostrar-nos esse indo rosto,
que nada ms diz quem a tinha ad irado, e um
horrivel abandono, um -abandono desr.nnhecido
que nem mesnio pode ser sentido, sjecedendo
embriaguez de um culto, que contara com a im-
mortalidade.
Tndo isto o amor pago, muilo frequente,
ah I entre os christaos. Mas preciso que re-
cordemos o adagio corruplio optimi pessima ?
E en' o padre Lacordaire que, se lia um amor
pago, nao baja (ambem urna amizade paga ?
Nao influera multo as ircumstancirs na escolha
ou ao menos no desbrochar de nossas -raizados?
E sera fallar dessas ligarnos deplorareis, que sao
somonte urna associaco para o vicio e paia a
impiedade, qual a mi chrisla, que nao deve
debulhar-se ern lagrimas, cuidando >>m sen filho
sabido puro do seio da familia, ou ce um cole-
gio christao, e cahindo entro as m)s de cama-
radas, dos quaes bem poucos uiereccro esse
sagrado nomc de amigo?
Para ser justo preciso, portanlo, ou lomar a
amizade chrisla e o amor christao < m um grao
nar-me assaz prolixo sobre um livro lo curto ?
E nao ser;: muilas vezes o leilor lenlado a dei-
xai o meu artigo pelo proprio livro ? Duas ho-
ras com a prosa do padre Lacordaire Jalera mul-
to mais que um qnarto d'hora com a minha.
o seu indigno critico) creio ler protestado, em
nome mesmo da amizade, contra o duplo egois-
por quanto ao meuos ainda posso d'aqui patan- sef coraeoes ncoustanles, que transportam na
icir ao Ilustre conforenlc de Nolre-Damo una ain,zade s voluveis insliuctos do falso amor, o
i Imiracao sem reserva, ou temperada unicamen- aPr03sam-se em deixar um amigo, desde que o tpico ou ideal, que ellos raramente atlngem,
le por disoiilimenlos de detalhe. sabem d memoria, como elles dizern ;some- concordo; ou ao oienos supp-los ambos vioia-
Enlrelanto meu prazer enconlra algum eraba- : '',ail,csa esses amadores sem cnlranhas, que lo- ( dos em egual proporco por essa allianca huma-
nen. Como fallar dignamente de urna obra to orosdes anuos vendem os primorea d'arie de; na, que altera os mais divinos de nossos sonli-
arrebatadora ? Como principalmente, nao tor- fua Saler"i para lerem o prazer de inslallar nel- montos.
i oulros nqvos. Basla isto para mostrar quanlo ntt longe de
Ainda mais, (e me approiimo aqu da diver- ser fiel a pintura (cita pelo padre Lacordaire do
gencia que existe entre o Rvm. padre Lacordaire amor christao.
Deixemo^ po3, os lypos e vejamos os racioci- lao grave e lao d
n's. 1 sonlisse de ce
Decirlo; c seria para roim una victoria ob- mo- AV'an& I11", ao erguer-se. em sua vida esse t III hia dizer. com
ter semelhante resultado. O critico que l'niz astro duKC Pl,ro d" amor christao. v ao mes-
dos maoa livros e dos mediocres, nao deve te- mo.lemP empalidecer a estrella de suasjovens
mer constituir-so o aJvogado dos excedentes e amlzaJes, mostra que nao sabe o que eamar.
ou creio quo nunca advogado algum entristecen:- eor*?*0 do hornera, e principalmente aquelle,
que foi lavado as aguas do baplisino e no san-
gue fecundo da cruz, d'uma cnpacidade, nao I conlestavcls'.'
Primeiro que tudo.
mente espiritual, desconhece todos oscarhopos,
contra os quaes muilas vozes vera quebrar-so a
parte inferior de nos mesmos at no amor legiti-
mo : mas se o amor christao fosso justamente
urna roaccao da alma contra a matara ; se o
Sacramento, que d este amor sua consagra-
cao, tiresse precisamente por fim purifica-lo ;
se Deus lvesse querido dar por base sociedade,
mesmo sociedade espiritual, o que no homem
abandonado si mesmo pdeprdduziras maiores
desordens; se em loda a pane da egreja os mes-
mos votos, que teem celebrado os glorias da
rirgindado, livessem exaltado a honra do ma-
trimonie ; se S. Paulo fallava dessa uniao, onde
ludo honroso, e desse leilo sem manchas :
honorabile conmibinm in mnibus el thorus
imiunculatus ; nao dever-se-hia reconhecer
que aqu ha urna imbillissima pureza, lano mais
noliro quanlo mais caramente comprada, quin-
to mais impossivcl s nicas forras do homem;
e que Deus, quera approuve formar com ele-
mentos indinos em apparencia esse magnifico
edilicio da familia christ ? Em urna palana,
essa pureza laboriosa e sobrenatural do amor
christao nao superior a pureza necessaria e
natural da amizade ?
IV
0 que direi da profundeza ?
Nao quera dirigir aqui meu eminente con
traditor i
teirameule no que nao ede Deus. Assim e teem i i.. i a u'"
fundado muilas familias chrislas. ^t^l?^*? e.1,re f !ace,rdo,M ott
Entrados na vida, em meio das mais variadas
posicoes o fortunas, esses mincebos abracaran)
o casamento christao como um devet principal,
dever cortamente bem doce, mas onde muilas
vezes occulla-sc mais dH um espinho, que o
mais penetrante olho nao descobre. Elles trilha-
rara a senda, que lhes Deustracra. Recem-ca-
sados ainda, muitos j passarara por angustias,
cujo nico ponsamrnlo os faz orapallidecer.
Mas de um liergo j est vasio na cmara nup-
cial : a soturna das penas nessas existencias
principio risonhis tem lalvez excedido a somraa
dos prazeres. Aquello que em 1845 loma va to
alegremente posse da vida, est talvez jogado en>
um leilo de dores ; talvez seus amigos nao pos-
sam deixa-lo sem abanar a cabera, o sem pensar
no verde outeiro, onde esse homem infeliz ir
antes da primavera repousar.
Que importa / e que importara que as cores
do quadro devessem sor anda mais sombras '
Se esses esposos se casaram face de Deus, se
Deus presidiu suas dores como seus prazeres,
se a paz da alma sobrenada cima dessas con-
fuidos que agitam lautas existencias calmas em
apparencia ; em urna palavra, se ha nelles amor
christao, perguntai esses mancebos que lugar
lhesi oceupa esse sentimento nos coraces, ose
se cora estas palanas, que entretanto o fazcm
callar ; Iailre un le, la cause esl ententtue.
Has, que livro esse, perguntar-me-lieis vos.
era que calliegoria, preciso eollocal-o ? E'
a porfeito dos senlimentos do homcni. porque
d'enlre elles o mais lvre, o mais puro e o
mais profundo.
Todos os tormos desta enunciadlo me parecera !
im argumento ad hominem, nm pare- i conhecem algum outro mais profundo,
rar, mesmo di longo, em urna malcra Camo, dir-vos-ho
marei ueste
para
um livro de historia, ou um de piedade. obra de W c "!n csPao "em ampio
un poeta, de ura moralista, cu de rtif"i;ieoloo ? "sla? aueicocs. A noiva, depois a esposa, nao
tira a pessa alguma o lugar, que nelle vem oc-
cupar ; elle a esperava___ A alma do esposo
, mesmo c; tongo, em urna malcra j Camo, dir-vos-hao elles, .
o delicada, coush alguma que re-! mundo alguma cousa ou a alguem mais do que
..asura ; ctrelanlo, nao poder-so-' aquella, que Deus me deu, aquella que mi de
r m hiadlzer. coma maior sercnidade do mundo,' meus flllios, aquella cuja vida est lao confun-'
A amizade. diz o padre Lacordaire, o mais Pa comparar a profundeza do dous son-! dida com a minha, que nao ha na torra ou no !
tmenlos, bom le-los experimentado arabos ? c.u raais do que urna vida para ella e para mim ?
bscolhemos por tanto juizes, que sejam ao"
mesmo lempo amigos e esposos
Entro os entusiastas ou violes, que corea vara
: ha iiuinze annos a cadeira de ^otre-Dame no-
', q v 6.FTl da P"o'ao ***** mas Primeiro que tudo. urna vez que se trata do lasles por ventura essas u.vriadas de mancebos
da. NeRo Deus guardn de anlemo es- honiem cheislio, evidente que o mais perfeito I quo sainara da amiga baslica de
a todas asno- qe seus senlimentos o amor de Deus, esse dos ?... E
L lujo isto ao mesmo lempo, ou afftes, a quiu-
i'. sse li i.i o corno que a llor de ludo islo. E' um
mel, que aabellia chrisla compo/. do sueco da
Iheologia, da historia, da erudico, da arte, da
psjchologia; rae! mais perfumoso, que o que
embalsama os cuines do Ida ou os campos de
Pceslum ;mol admiravelmenle apropriado
nossos estmagos enfermos forra de serem de-
bilita lo, a esses labios desdouhosos, que nao a-
colliem a divina poco da verdade, que lhes
or i. -i i em urna taca d'ouro.
Parece-me que Santa Mara Magdalena as-
cu un mesnio sentimento, que guiou a peniia, I
muilas vezes infeliz, dos autores ue romances'
christaos, e que ha pouco inspirjva .Mr. Luiz
Veuillol seu bello livro de t'i el La. O padre
Lacordaire senliu.tambora essa terna piedade por!
urna geraciko, quera mais con vem o leite das
criancas Uo que o pan dos adultos ; que quer o
mas, nao somente boas, mas ainda atlractivas
trasbordando de praser e gratido, dilata-so era
lodos os sentidos ; oda mesma sortu que a fe-
leidade o torna melhor christao, torna-o um a-
iiiiso raclhor, mais dedicado a os companheiros
de sua adolescencia,operarios tambera de sua
felicidade,
amor, quo se dirige directa e inmediatamente I canto,
ao nico Creador ; e que, se depois tecahe como "c
um orvalho do r.o sobre as ereaturas, ama p
cipalmente suas almas e a sal vacuo Jestas, por- Quer cullivassom juntamente
que ha n'isso um accrescimenl'o, ou ao menos
una minifestaco da gloria de Deus.
E como um sentimento nada volt em quanto
permanece puramente passivo, come elle s tem
Tudo cominum entro nos, as mais pequeas
proras da existencia como os mais violentos
abalos ; athlelas ambos do mesmo jugo, aben-
eoamos sem cessar essa doce comraunho, e
nem contra ella nos assoma a idea de recolta,
bracos da- Para educar-mos chrstamenle nossos filhos e
ni convorsacoes choias de ardor e on- ; lllhas, para fazermos algum bom
aos nossos se-
elles pioiongavam as imoressoes. que I melhantes, para cutnprirmos a v >nlade de Deus,
imo I nelles tinha despertado, qual lindo bando do que diz que o homem dcixar seus pais e se uni-
,in- aves, a palavra atrevida do orador r sua esposa, ad hwrebil como fa-lo-hiamos
Ilyppocratcs ou
religiosos de ordens nao clausurados ( como os
Jesutas e Dominicanos ). creio que encarando
de porto, esta, ao menos para os religiosos (1).
a verdadeia amizade. A amizade bem como o
amor parece-me um sentimento e urna afleico
do mundo, que deixam apoz si os que elle re-
nunciaran) ; nella eu vejo, serapre como no
amor, urna docura, um deleite, um appoio para
nossa fraqueza, porm a honra austera da vida
religiosa est em abster-se della.
Do mesmo modo que nao se comprehenderia
um Cartuxo, que s por divcrlimenlo, e sem que
d'ahi devesse resultar urna difTuso di verdsde.
ou um lustro do mais ao culto divino, tocasse
rabera om sua celia ou so deleit&sse em ler os
classicos,dous divertimentos nao s permilli-
do., mais louvaveis em um homem votado
urna voca^o menos alta; assim tanilem os
encantos da amizade me parecem um tanlo hu-
manos para aquelle, que fez vol de pobreza e
decastidade! A amizade, essa riqueza docora-
co, essa ternura da alma, nao deve ser post.i
pelo religioso aos ps da cruz coro ludo o
mais? E Gerson ou A'Kempis, que escreviam
para raonges nao exigiam, que seus discpulos '
regeitassem al as salisfacoes da mais innocente
amisade?
Tendo eslabelecido o principio de que nao ha
amizade pura se Deus nao della o laco a
Imitarn ocrescenta : quanlo mais n homem
se allasta de toda a con?olaco terreslre, lano
raais approxima-se de Deus.
Importa tambero nao confundir os doos senti-
dos bem diferentes, que a Santa Escriptora e os
padres atlribuem alternativamente patarra
amigo.
Quando Nosso Sonhor d cornr- prova da m.Tior
dedicaco, que se possa encor.trar em um Inq-
uiera, como signal de sua propria misso, dw
a vida por seus amigos nao evidente qua
aqui so trata, nao dessa alTeico lV eKolha e
forzosamente limitado, que chamamos amiza-
de,mas dosse sentimento mais ampio e mtis
generoso,que comprehende cm seu vasfoamplc-
xo toda a alma vvente, nao s nosso? ntimos
amigos, como ainda os que s leem comnosco as
s, c aquellos meseses que
ra veremos, al nfuso*
ma palavra, que se trata
U padre Lacordaire e a amizade chrisla I Que
preciosidade nao ha de surgir deste contado Os
christaos veTc-r^ua de Amicitid !
Confessarei que minha expectativa foi Iludida?
Alguma cousa ; no sentido de que eu nao
ousatia acceilar como um panegyrico da amiza-
de, cm ludo verdadeiro, essas paginas deliciosas,
i sua mo de apostlo tcacou esse eloquente e onde se v glorificada a amizade, despeito d
um sentimento, que Ihe julgo superior.
arn'batalor esboco, digno-irmo da Viede saint
Dotuinique e da Oraison fnebre da general
Droicot.
PoilpO-me cita;-j"s, mesmo porque seria dif-
liriHima a escolha cutre lanas paginas admita-
veis, h' de ura s Irago uo se deve saborear
um tal clice.
Alera disso, lenho pressa em justificar o tilu
lo desle cnlrctenimenlo, o chegar ao ponto, em^
qlC
ria
piniao de seu autor.
II.
Bem set que os panegiristas (ao menos assim
o pretendem] quando teem de louvar a um san-
io, por mais obscuro que soja, collocam-o re-
solutamente ao lado e muilas vc/cs cima dos
mais brlhanles tachos da egreja. E por que
tambem nao seria assim, quando se Irala dos
senlimentos da alma? E nao posso cu esperar
que, se o padre Lacordaire, renunciando esse
mirilla vivisstma syrapalhia por .Sania Ma- Irislonho evestus arlemque reponn, que lerniina
Uagdalena n5o ; '.le fazer-me psrttlhar a o- sen volume, quizesse pelo contrario seguir o ca-
1 minho to brilhanteraenle aborto por Santa Ma-
ra Magdalena, adiaramos em um de seus es-
Pl
Este estado ainda, como o pensamenlo de
que elle a realisaco. maisnobro. uso, quc.u
homem possa fazer da liberdade.
Isto conduz-me urna observco importante.
Tendo comparado a porfeila "espintaneidade
da amizade com a sorte monos fivoravel do
amor, onde quasi sompre nao hivera liberdade
de escolha (temos visto que a objeceo applica-
se tanto falsa amizade como ao faso amor], o
padre Lacordaire acrescenta:
A amizade sahe do homem por um acto de
suprema liberdade, e cata liberd ido subsiste
at o lira, sera que nunca a le de hornera ou
a le de Deus lhe consagre as resoluces. A
amizade vive por si c s por si. litro em seu
nascimento ella permanece livre cm seu
curso.
E' islo exaclo ?
Nada ha to conforme ro/.o, ilisse Pascal,
plmenle as oraces d'aquelles que fcavam.
Era esta sua vida ha quinze anuos; o, repito,
se algum da a amizade leve discpulos reco-
nhecidos e ardemos apostlos, era de ceilo
entre esses Nisos o Enralos christaos.
Depois, votaces diversas levaram pss.t raoci-
dade aos qnalro pontos do liorisonte. O exnrc-
Iiihiuu uc- aeu auior. minno 100 iiriinautcmeuic auerto por .Santa la- como a nogacao da razo as
,H, I a Magdalena, adiaramos em um de seus es- de f. Nao poderia dizer-so
A irma de Lzaro nao o somente, para o padre {tudos subsequentes a apologa do amor christao,: bordado e da immolaco, que o
Lacordaire, <> moWo dos penitentes ; anda, e a amizade convidada com loda a poltica dos- della fazer, quer elle s'e una i
pola particular affeicao, que a una ao divino! cer seu lugar? I religiosa, quer nos santos lacos
Mes!re, o mais pereito lypoda amizade chrisla. I Eusei?! J christao ligue a sua urna ut
como a nogacao da razo as comas, que sao |l0 sacerdotal e o monstico recrutarara mais de idea de pedir esses astros solilaiios a clarida-
Mas que lugar convem assignar
elassiiicaco das afToi^oes humanas ?
' primeirores; onde sera hesitar
cordaire.
Sem tambera hesitar.
amizade na
o padre L-
crelo que 0 padre La-
cordaire engana-sc.
Eis as mirillas razes com toda a simplicidad*;.
Nao sou, Deus me defenda ura adversario da
nmizade; antes creio ser ura sou partidario mui-
to enrgico, o devo mesmo comecar por defen-
iei-.i contra aquclles, que por qualquer modo
lite assiguan urna parle assaz limitada.
i id v.-i-m na amizade um sentimento quasi
inacressivcl primeira oJade iia vido. Celo con
i ra io, creio que as raais vivaces dessas unios
iia alma sao as mais antigs,aquellas, que, por
ni dizer nasceram comnosco, e que do in-
EulrelJilo, queroAdesdc j dizer cm quo eu e
o padre Lacordaire^ estamos de aecrdo, e em
que differimos.
O ponto de partida commtim 6 a palavra, que
a Imitaran pe na bocea do Mostr : Nao ha
lifTeri-lilcmcnle ao churo e fraternal associado de I bella^ do corpn, que o principal aliment
- ?.! wimmn-.iMama.
amizade pura e verdadeira seno aquella, de que nem a
cu sou o laco.
Tratando do amor e da amizade, nao entende-
mos o amor o amizade naluraes, mas sim o amor
e amizade, que teem em Deus seu principio c
fim, o amor christao e a amizade chrisla.
Assim, quando se emprehonde comparar es-
tes dous senlimentos um com o outro, seria pou-
co justo fallar-nos de nupcias, d'onde o amor
osla ausento.... de jovens, <' que se deixam
designar por Circnmstanclaa imparioaa* com-
parthcira de sua vida .. >> repetir-nos que a a
do
de f. Nao poderia dizer-so o nrsmo da li-
liu nerri parece
Deus pela vida
do matrimonio
oulra ? Nao haveria
nisso corno que um exerccio heroico do livro
arbitrio, que, bem longe de exhauri-lo, o pro-
longa tanlo quanto dura essa osera.ido volun-
tariamente aceita Inlgar mais livr?, o portan-
lo mais poiftila, a affeicao do
de, que lhe faltara.
FOLHEVLII
ORIGINAL DO C'SFO DE PERMAIYIBUCO-
;L

m
fifii
" XXIII
maiuo.O relatoriu do Sr. ministro da maii-
nha.l'aileciraento do Sr. eapit de mar e
guorra Fernando Vieira da Rocha.O baixo
ii is cabras.inslallaco da sociedade L'niao
Bene/icei le .'! irili na de Pemambuco.
decreto n. 2,108 de 20 de fevereiro de 18)8. cora
o qual seu autor, o Sr. ex-mnislro Saratva, ti-
nha em vista, como explicou era seu relatorio
diminuir gradualmente essa classe de fornece-
dores dolosos, que cercara os arsenaes, esprei-
tam suas necessidades, estudara as deongos
dos processos das compras c dos pagamentos, e
conseguem custo de mil estrategias, afugenlar
os negociantes honrados, que nao pdem acntn-
panha-los em suas ttalicancias commerciaos.
Sentimos, porem, dizer que a experiencia provou
que S. Exc. errava o alvo, porque esta classe
cresceu, e ludo alropella.
Assim devia succeder ; porque no regulamen-
lo ern queslo se estabeleceu ura jogo complica-
do, que aftasla os negocianlcs honrados, e aug-
mentou-sc as cautelas da liscalisaco, que, como
S. Exc. disse, para elles a orig'cra de grandes
lucros.
sagrara
a lern
juramentos ern face de Deus se rre nao enga-
o, urna idea ao menos arriscada o um ata-
que indirecto thooria dos votas re giosos.
Nao ao menos a amizade mais pura que o
amor ?
Nao neg que baja no amor perigo.;, que a pro-
pria natureza da amizade tornara eslranhos
ella; mas ainda ser necessario que nos accor-
deraoa a respeilo da palavra pureza. Sem duv-
da a nmizade, que un sonliiiieutu cxcluiva-
utn soldado entre esses valientes athlelas. Aquel-
los cscollieram a melhor parle ; e nos, qa cal-
caraos a senda comnium e o caminho batido,
bem sabemos que nao somos digno de desalar os
cordes das sandalias esses generosos irmos
que desde esle mundo couiccaram a viver vida
de anjos.
Mas nao poda ser esta a sorle ]do maior nn- ; muilas vezes a amizad.
mero. amizade do sacerdote
memo, em que se 4 e
ridado urna dodics-Oo,
que d sem receber, esperando de Deus a'rc-
compensa. A amisade um gozo, nobre ?ai
duvida o digno de elogio, mas por isso que
somente um gozo, menos nobie que a miadb
que um ministerio. Enlre dnus hmeos a
amar, a amisade oscolhe o mais amavel, uollr;
ao menos para queni a impcllem, de uru modo
quasi irresistivel, ccrla sjmpathia, certa confor-
midade de gostos, de humor, de carcter c de
principios. Entro duas olmas a serrir pola de-
dicaco, acaridadeescolhe a mais pobre, aquella,
quera ha mais bem a fazer. e menos Mlractivo
para aquello que o far.
Ousarei concluir meu pegamento e Jtotf que
um pouco nova e talvez um lano per;gosa. ao
i que me parece, a idea de personificar en Magda-
n !;! "'ai'S inleresscn- ,eiK, a amiga de Nosso Senhor ? Nao seria ie-
.re o tml? ooiai1^1 |n"" -! Ihor escolher como tal a Lzaro, de quera odivi-
Sao Joao, que nao tema chamar-ae : odt.*ripuI>
que Jess amara: Sao Joao, qne repoii.oii wive
0 seio do Salvador, Sao Joao, que com Mari-a es-
lava em p j'unto da cruz; Sao Joao, qtiem,
confiando sua Mi, Jess deu uma prova da ami-
sade. alm da qual parece que nada se pode
eoncebor i
Nao antes aalTei-jo do Salvador por Magda-
lena urna sorte de casamento mysUco. CMM di
Santa Calharirm de Senna e tantas oulras San-
ias? Nosso Senhor, diz Rbadeneira nos- I .>-
res das vidas dos-Santos. Noss Senhor, qi:j
autor do nosso amor, o que nos precede serapw
com o seu, assim como lhe susgoria esse amor.
m seus projoctos | mas tambem sua importancia pratica, sua feriin-
a doce providen- dade, o papel que ello representa na vida de ca-
dade ura to en- da da, nessa rida real, tal como o chnslianis-
canlador apoio e uma trincheira lo solida... mo o faz, e na qual os mais humildes deveres
erara amigos, ou enio nao os ha. tirara dos molvos,que os inspirara uma grandeza,
Dous ora sou laco, o esludo e i caridade, a a qual leem muitos actos registrados pela historia
dupla cirreira.ondo uma santa eraulaco, os era-. Oca, quem nao v aqu que o amor christao
pclla era pbalanges serradas; o amor da egreja, ; um dos fundaraenlos essoncaes da sociedade?
o zelo das almas passarara de ura ao outro A amizade quando muito um dos seus orna-
como uma centelha elctrica ; as missas malut- menlos ; so assim posso exprimir-mo, um
as viam-os minias vezes sentar-so em peque- sentimento de Inxo. Sem ella a sociedade nao
nos grupos ao banquete sagrado, e se o vento da 'cria encantos ; sem o amor christao nao loria
fortuna j tinha dispersado para longe aalguns, baso, amor pode supprr amisade, porque
a memoria docorago guardara o lugar do auseit-! no fundo de todo o amor verdadeiro. ha tambem I
le no pensamenlo, nos onlrelimenlos, e princi- a verdadeira amizade. Esta s por si pode con- I
tribuir
esemplos do poder do espirito humano ; entre-
tanto que ao lado delles o mundo abysmava-se
ua impiedade e na corrupcao, sera ler nunca a
V
Aqui convem lomar caotella conlra uma con-
fuso muito frequente,ainda que nao muito sutil.
Sendo o amor, por sua nalorez, interdicto
todos os que pertencem vida sacerdotal ou mo-
nstica, quando ao contrario nelles? encontra-se
poder-so-lna allribuir i
ou do religioso alurna
ainda linha-lhes fallado aos coraces.., c antes ; desse oslado
do ella entregarem-SO, oraratn o consultaratn-i perfetssima das almas consagradas Deus,
aquello, que enlre elles era o representante de amizade apenas um accidente.
Deus. Disse-lhes que deviam obedecer essa
voz.
Assim o fizeram com esse mixto de abandone
e reserva, que o carcter proprio do christao ;
porque este sabe que os prazeres mais puros en-
respeilavel, ao passo- quo na vida I mais adrante narrando a moile da sania < FM-
a i co lempo depois, ella, deu o espirito a enihwra
simo Espozo e Mestr. (j'onlinua-sr-ar.)
Ire raais longo, e farei notar que- a amizade
rao pateco pouco conformo, so nao letra, ao
monos ao espirito da vida religiosa. A rogra :
Numquam do. raro tres, celebre nos semina-
rios Nao julgo que os prazeres da intimidado
cobrem pegos, dos quaes nao podemos livrar- I sejam permitidos ao Cartuxo, Caoinclita, mes-
nos ; o que nao devenios entregar o coraeo in- rao Irraa do Caridade e se nao- fallara exera-
Comprometteran-nos ncompanhar S. Exc. o
Sr. ministro da marinha na ordera quo adoptou
n sou relatorio para tratar das diversas repar-
tieres c necessidades da armada, o era virlude
dissodeve merecer actualmente a nossa analysc
o que diz S. Exc. acerca das
Intendencias.
Principia S. Exc. por notar uma falta indescnl-
pavel encontrada no oscriplurarao da 1." o 3a
..,.'...., ... -i r j i ... I '-"i" v i""iiuiio-ac .i iiiesiuuiicui, que as-
triV,;','",; mo;a:''r!d *.Ja, casa deposito do senlou-se nisto ouu'aquillo. pedindo a approva-
inuiets da mlendencia da corte, quo nao so acha ; cao da compra.
em ira. nem systematiBada ; assim como com-
Com cffeito, para que se possa realisar hoje a
compra de qualquer objeclo para a marinha
necessario que o conselho do compras celebre
Ires sesses : na l. pede-so autorisaro presi-
dencia paraannunciara compramedida intil;
recebida a autorisaro, fazem-se os annuncios
marcando o '
e o conselho
oulros vveres, accoramodados em pequeas por-
res, separadas urnas das oulras. sem nenlium
contacto inmediato, esto garantidas da corrup-
cao e do ar exterior por seus envolu.-ros, tornan-
ilo-se fcil rcraov-los.
. (1J Amo lerna e estimo profundamente f
! Mrs. de Falloux, do Monlalvinbert; e l)iipanl.m:>.
I Nossa uniao intima, verdade, quanlo j >i.:
j ser no que me rospeila romo rc-ligioso. li> de
i Padre de Itariqtan, polo Padre de Ponlloro*,
V. II., p. 167).
de accommodar-sc em poneos lisiantes depois de
ter o ultimo escaler deixado seu bordo.
Nos recebemos a farinha. a bolacha, o arroz
etc. em saceos, ms passamos todos estes gene-
ros para seus depsitos parciaes ; muilas vezes
sobra espac.o era um dosles depsitos, que lica
inutilisado, quando se elles fossem a-ruinados nos
mesmos saceos, ou oque seria prefetivel, em bar-
ricas, e bem assim o toucinhu e a carne secca,
nao se corromperiatn lo dopressa, era precisa-
ramos estar notamente a pesar n a medir, quan-
do quizessemos passar manlmenlos para outro
navio.
Da maneira, porque as cousas estn entre nos
organisadas, nem em dous dias se furia o servico
que cima aponamos I .
Citaremos aqu as palavras de um distincto es-
criptor ftancez, que deveui
nosso armazeus do almoxarifado se adopie o graduado em 1857, e efleelivo em 1858, o nosso
plano de lord Barban, queja ..- ,. amara la esteve constauleinenlo cm servico acti-
Folgamos de ver que o Sr. ministro da mar- vo. e desempenhou cora honra todas as cmrnis-
nha est disposlo mandar Vi da Europa, porgos de que foi incumbido^ pelo queainda tnere-
: eucommenda, os sobressalenles de que pode ra- ; ceu do governo imperial o officialalo do Crozei-
Gracas esta arrumaco do puro, a nao Snperb' cecer a reprtiro, na corle c as provincias, coran ro, e o da Rosa, a medalha de ouro da campanha
no porto de Palertno deu em poucos. horas nao declara cm seu relatorio. Com um agento all do Tonelero, e o habito de Arfo.
laiioiiard iros raezes de viveros, que acabarara | digno de cooceilo, sobre o qual os nossos minis- | Nunca conheceu elle as docura do descanco,
Iros podem exercer uma til ItscalisacSo, o go- e quando pensava goza-los aqiii,reunido fa
verno pode comprar do melhor que tuja, o por I do sua virtuosa e iuconsolavel esposa^ da qual es-
preros mu mdicos, realisaudo assim grandes lava ha longos annos ausentes, recebeu golpes!
economas para a fazenda. profundos para seu coraran, e finalmente 1-
Estamos certos de quo o Sr. Joaquim Pereira nou-sW
Vianna de Lima incumbido desle servico tem asi raip.cnclrarvcis designios da Providencia!
necessarias habililacos, mas eumpre que S. Exc. | Um dos fastos mais gloriosos da.marinha bra-
se record d,e que tambem o Sr. Io lente Por- sileira por sem duvida a passagem do Tonelero,
tuga 1 se acha em condices, que assegurara olelectuada heroicamente pela nossa esquadra
melhor xito para o estado, polos seus conheci- nelle est inscripto o nomo do finado capitn de-
monios prolissionaes erelaces quo all mantera.! mar e guerra como coraiuandanle da crvela
Esta providencia, e a q.ie S. Exc. loraou, de j Unido, pelo quo leve o merecido premio de ser
mandar vender a grande porco de carvo de pe- promovido capilo do fragata por escolha.
dra que linharoos era Montevideo, merocorn a Como militar, por tinto o nosso cantarada ura
approvaro o elogios de lodos os lionions que es- oxceUele lypo imiUr-se ; porque possuia lodas
timara a prosperidade do paiz ; porque sao me- as virtudes recommendaveis nessa classe, cuios
didas que loctn bem patente O-coobode ulildade
publica.
i so efl'eclue : abrem-se,
| compra, e participa-se
dia para"aprescnlaco das proposlas, ?"Plor trancez. que dovem ler peso, e provara
rcune-se pela 2.a 'vez para que est i "'conteslavelinente a superioridadc desle sysle-
para que
ecra-se, conenrda-se na
presidencia, que as-
mnica assemblca geral quo a tomada dascon-
i do almoxarirado-do arsenal da Bahia, acha-se
atrasada oito annos '
Sao dous faclos de tamanha gravidade, que
pdem ser lo prejudiciaes ao oslado, que nos
admira que S. Exc. se limiiasse expedir ordens
para se por Ierraj a estas irregularidades, sera
responsabilisar os que por sua negligcucia sao
disto culpados:
Queremos quo es emprogados pblicos eos
militares sejam bem pagos, para se dedicarem
exclusivamente ao servico da naco ; mas joiga-
mos tambem ndispensavcl, que," como na Gr-
Brctanha, a responsabilidade d'elles se exerca
;o com yma excessiva severidade, de sore
que, apegados posioo brilhanle em que estn,
se consagrera ella completamente, cerlos de
que a perdero irrcmissivelmenle se peccarem.
All, como no Brasil, o syslema do governo o
representetivo ; fazem-se eleicoes continuamen-
te, e ellas sao bastante disputadas : os governos
sao seus fl'hos, mas nem por isso ficam com as
mos aladas para punir as suas influencias que
commellem faltas.
Esta (orea < que sentimos nao observar nos
nossos aovemos, o que faz predominar, com
grande desvantagem publica, o syslema das
saeces da nfilhadagem, que couduz cor-
rupeao, de que felizmente o actual gabinete se
vai livrando, coro opplauso do paiz.
A marinha uma machina complicada, cujo
movimenlo depende daacco commura de diver-
sas peras importantes. alhando uma d'ellas,
este movimenlo torna-se lenlo, irregular, al que
chega finalmente a extiuguir-se.
E' esta a influencia que as intendencias, ou
para melhor nos cxprimiirnos, os olmoxarfados,
i u opsitos de viveros o sobresalentes "podem
exercer nos destinos da marinha.
Nao basta que urna nayo para ter marinha
possa navios'do'.guerra : precisa raais que
Em quanto a presidencia nao decide, o fomo-
cedor nao pode entrar com o genero, nem to
pouco dar-lhe outro destino, porque deve estar
prvido para quando tiver ordem de faze-lo, sob
pena de pagar urna mulla.
Chega a deciso daquella autoridado superior,
o conselho forma a 3.a sesssao, e cnliio determi-
na aos fornecedores que faeam a entrada.
So se procurasse um methodo moroso, ant-
econoniico e velatorio, eremos quo nao se adia-
ra uutro mais adequado.
O que resulta que o conselho por mais que
se esforc, por maior cautela que tome favor
ma, que ellejulga mu preferir! ando coinuiau-
dante l.ugeol, adoptado em vistas do melhorar o
que se segua em Franca.
deveres sao lo arduos.
Todos os seus subordinados cram lelizes, o o
amarara; porque ello sabia allar as exigencias
i do gua, onde o mar semurean queb>a coi furor ex-
traordinario, deixondo apenas pe !du do \. .
um desembarque, que, quando saltam.s nao era
dos raais facis; pois que baria grande lloreae.V>
sobre as pedras, e s podemos- ir pan ierra
desembarcando com agua pela cintura.
E' inaeredilavel a multido .lo paaana aquat".-
eos que povonm os-dous ilholes-de ara. roben .
railia j de um denso lapelo verde do behiraega* silv. >-
Ires, e de uma quantidade cxlratxrdinaria !e
ovos, que estouravam sob nossos p*!
Ellos fa/.iam u>ma nuvem compacto,qe obscu-
reca a alhrnospbcra, pois quo esoaravam en
numero infinito por sobre nossas cabvas, coa
um grasnar iriiommodo e irritante.
A posico que o Sr. prmairo teiieate Vital i
pira esle liaxo-em sou rotoiro, qu_' se >cha mui
exacto, e plante, lalludo 3*52'O" S, lons;-
tude i)"20 -E, do IIio de aueiro, verdadeira
como vcrillciBos.
A r\ ten sao da ilha em que o- brjguo ingldz
Syren levantan uma pyramidc- te load.ira. u.
piulamos, e sua elevarn cima do- vel do ,n..r
permiltera o oreceo de um pharol, reclamado
altamente petos inleressosda navejwi;o, vendo
que torna-sumui necessario fazer all um barra-
co, como j lembramos- mais de uma vez. cm
Pazemos votos para quo S. Exc. continu neste .
honroso empenho ; porque assim. roalisar eco- \ -IX0" ? ,l'll,"limll.J*de da disciplina cora a que os nufragos achem nao s abrigo, como al-
nouuas no material, que lhe concedern augmen- '' '"ne'"aade do tralo. j gun3 viveros, agua, e una grande jangada, qae
: la-lo sera exceder os ore-amento ordinarios, e l 0'e o digam tod)sos qen serviram sob suas os P&ssa 'ranspottar a coutir.eote com seg-j-
O methodo de fraccionamentocmpregado pe- me|howr a sorte dos servidores da marinha, to ] ordens, para os quaes confiadamente appellamos, | nca.
los Inglezes mui superior sob lodos os pontos
de vista. Postos os vveres uma vez em barris-
nos armazens de Ierra, nao saliera tunca mais del-
les seno para serem consumidos. Conserva-so
por tanlo melhor, e nao podem soll'rer nenhuma
diminuico. Cada barril logo que .hegue bor-
do arruinado ; o peso que elle conten, marca-
do anteriormente, evila todos os erros ou novas
pesadas fazer-se quando baja mo\ ment do um
navio para outro, ou do navio para o alraoxari-
fado.
O barril, til em trra, fica til bordo : elle
precaria e desdilosa quasi serapre.
A qninzena pas3ada foi infausta para a class
militar no Brasil, que nella peedevu dous valentes-
e distinclos membros.
O exercito c a marinha imperial choram ainda-
a morle do bravo lenle general baro da Vlc-
I loria e do Ilustre capilo do raar e guerra Fer-
nando Vieira da Rocha, o primeiro commandantc
; das armas e o segundo capitn do porto desta pro-
! viacia.
O lencntc-general baro da Victoria foi um
permute evitar as separaces que sao mais charas,; hroe, salvou o-Brasil por raais de urna vez da
do fisco, compra serapre mais caro, e que os fer- I o que nao se podem supprimir de )ois de se ler dissoluco, e as provincias do Pernainbuco o Ba-
necedoros procuram por lodos os meiosilludi-lo,' crapregado o contedo.
inlroduzindo gneros do qualidade inferior
contratada, que frequenleiiientc sao regeitados
pelos recebedores dos navios.
Elles calculam com todos os embaracos, aos
quaes nenhura negocianle honrado se quer su-
jelar ; porque fra mister para vender alguma
Ellas ; alm disso, nao dispensaniem- trra o
sacco ou os barris necessaris a todos os niovi-
mentos.
Toda a parte do puro cm que S3 vier desco-
brirum olho d'agua pode ser Bsvaiiada itnniedia-
tamento c sem rjue o transpotle prejudique aos
r.re"esevor; T^Z^S^!^ 23 L5S TJS^JSfiSS ^
hia especialmente lhe devera relevantes ser-
viros.
capilo de mar e guerra Rocha, tendo um !
theatro raeno vasto em ijuc figurar, todava.nao |
deixou de adquirir uma posico nolavcl no seu
paiz.
A morto de ambos, succedida com poneos dias
convencidos de que daro um valioso lesi.-inu-
nho da veracdado desta assarco !
ijue o diga o- rcsfeilavel co'rpo de commercio
desta capital, qrie o esliraava o distingua, c que
tambera se identificou em o nosso senlimotilo pelo
seu passamenio.
Como cidado, o capilo.de mar e guorra Ro-
cha era egualniento um hornera eminente, e nao
discrepa na Cora elfeito, con-tanteciele o vemos-devolado
sua familia., procurando ser bom IIhi, melhor
esposo, e pao dedicado, uio hesitando cm faaeros
maiores sacrificios para- acompanhar oulra pro-
vincia seu filho mais velho, que a morle roubou
ainda no verdor dos annos, e quera- alie foi ago-
ra reunir-so na. mans-j- dos justos.
Oue mais diremos, que raclhor no.cxprimisse
este lucio geral que se observou, a impressaodo-
lorosa q*o loda esta capital senlio quando soube
o nefasto successo ?
Esle facto revela be-m a estima qyelhe notavara
vera em Iransacres
de intervallo parecen uma cahtndade publica, os seus concidadns, e deve servir- de consola^o
tan geral, lo intima foi mauifeslago do scnl-| sua desolada familia, so consolaco pode a ler-
que nao sao avu.tadas ; por-1 "0 ^doalt"a;iaestA roPaaldo',,5ose lem
que as vendas" se subdvidem pelas dvesas I ofiudo perda alguma.
casas de negocios oceupaias cm cada especiali- j O'tantos pordas de espar;o.p)losnterslicios lumulo legado a suas Camillas uma pobceza rom-
dado. 1 dos barris, que sao uteis coixsetvnro ; porque pela, especialmente esle, que seniora-lutuu cora |
Esleja convencido o nosso governo de uma deixam circular o ar;suppondo qu ; ellas exce-lam a adversidade, desde a sua juveniude.
verdade administrativa, muito seguida na Ingla-' as occisionadas pelas nossas anlcpras- de'se-
terra, de que todos os meios complicados de fis- j paraco a exlenso dos paies ludo repara.
calisar.oso nocivos fazenda publica, e sser-1.................................... ....^...........
vem para dar alimento justamente aos abusos Em resumo, nos dividimos para :onser.var, aug-
mento na populaco desta capital. i ra olerecer paradores desta ordorn, para as quaes
Como militares probos e honrados descoram ao i somente a roligwo tem o balsalo saudavel.
logado que ello receben ds seus pas, trans-
raitlio-o intacto sua viuva e filhos um nomc
honroso, lignito a urna pobre;:.-., extrema sorla
que so querem corlar. Quanto mais elles se
afiastarem da simplkidade, tanlo raais perni-
ciosos.
J urna pemia hbil publicou un esboco bio-
graphico do leen te-general Daro do Victoria ;
lirailamo-nos, pois, agora-a avivar a r-ecordaco
de alguns faclos da vida do capilo do mar e
uerra Rocha, quo nos consagrava asna amizade,
perda prematura sentidamente pran-
menlando nossts despezas, e penieiido em cole-
ridade ; os Inglezes, dimtuuindo simultancaincu-! o cuja
te as despezas, as pordas do icmro, e as difficul-! leamos.
O processo seguido, porlanlo, est condemna- dades dos mgviracntos. Es,te nosso amigo njsccu om 1807 na cidade do
do pela experiencia ; porque dava lugar a de- GraQas este syslema nacional, e a providencia Rio de Janeiro, do paos honestes o laboriosos,
longas no acabamcnlo das obras, occasiunara a lomada por sir Charles Middlcten, depois lord que, em virlude da vocaco que prompto maui-
rcraoco de operarios do urnas para oulras sem Barham, e 1 lord do almirarilad-t. cm 1783, de feslou-so nelle, o destn arara a marinha de ger-
os haverem concluido, augmentando o custo da reunir nos almoxarfailos.cn arm.izensseiiarados, ra, raalriculando-o na a cadencia de marinha era
mo d'obra, e inipedindo o txercicio de uma fis-! o material completo de cada navio em estado de 5 dnsetembrn de 18z7como aspirante.
calisaco completa sobra a aclividade do traba- navegar, organisando pela primeira vez ot arma- Corno estudanto foi elle applicado, inlolligonte,
contenha O pessoal habilitado que os deva guiar1 Iho, como o proprio Sr. ministro observa. \sens particulares, que Junen do la Cravicre diz
Alm disso, os navios para receber races dia-, que devem ser contados enlre as medidas de pre-
ras apenas para utn mez, sao obrigados a man- videncia das mais eflicazes, pode urna nao naGraa
dar ao arsenal cinco c seis vezes, como ainda oc-1 Brelanlia, oslando inlciramentc vasia, armar-so, i
corren aqu no mez passado, por serem reprova-1 prompla a sahir cm commisso em lempo de |
guerra, era menos do quarenla e oito horas, com
accao, c que um lempo dado, com a celeri-
dade desejavel, elles possam sor fornecidos de
tudo quanto precisarerh para sahirera ao mar.
Qualquer demora tiestos forneciracnlos pode
ser lo prejudicial como uia derrota; porque dos alguris gneros que tinhaiii entrado para o al-
rclarda a partida da expedicao e uiulilisa-a, por-; mnxarifado.
dendo-se o fructo que se poda colher da exis- Tambem o syslema que seguimos no forneci-
lencia de urna marinha de guerra regular, dos; ment dos manlimenlos mo, e concorre em
e querido de lodos os seus mestres e condiscpu-
los. Ento conlrahio uraizades qne nunca mais
airouxaram.
Quando entrava na vida chcio de especancas.
Esla previdencia, exigida polo inleresseda hu-
inanidado, deve sor quanlo antas dada.
Os coqvieiros que s tinham plantado morrt-
ram ; apenas existen pegioSiS oito ps de mu-
lug.
Na pyramide quo cima nos referimos, en-
contramos as segumos inscpres :
H. II. S. *
Sren
EiMMd this Daicon. November 271857.
R. Pearre
S. Praser
11. Freling
185.
^ 1859
Fish Houks
llale Parahvbano
8dc-agoslo"l8E8
Commandantc Vital.
Tewnle Furjz.
G.uarda.-inarnha Chaves.
Depois de ler tambem inscripto HM zomes
.'iIimi 1) aquel les, vnl lanos quas. ao jiit do Sol
para- bosao div vapor Viamo, c sir.g a'-as para
a i Iba do Fernando.
as.proximidades desta ilha.. a do .lo baixo
laucamos ao Bar algumas garrafas, alendo a
posico. do naario, c pedindo quem as arbasse
que comiuujque pela imprenta u lujar en que
ellas doram. para se conhecexa .tero das eor-
roservada s familias dos servidores do estado.
E' de ere quo S. Exc. o Srs ministro da tnarir
nha, e o Sr. chote de divisan- l.amPgo. que ota
tom assento na cmara dos: Sis. deputados, corir
corra para que se lhes d uma penso, em ro-
muneracio de serviros, quo to bera a merecen,
o nos sunimainente o desejaraos.
Possam estas lagrimas quo derramamos, esle ; reios ocenicas, conhecimetio io*:l na
tributo dearaizade qne pagamos, servir de- loni- gaco.
tivo, se possivel tamanha desolaco Sosia es- j *
posa angustiada, desta mi, outr'or to feliz, e j Nao podemos deixar de fo/er minio, na fese-
ullimatnente lao cruelmente ftida aas. suas ; nha Martima, da instaljco soleis Ua socie-
mnis charas afl'eices..
Cnndoidos do dcsvaliraonlo a quo ola. icou re-
duzida, os officiaes de marinha e das cbsses au-
nexas, que servem nesla provincia, soliciados
pelo Sr. commandanle da cstaro naval, e o cor-
po do coramercio, solicitado pelo Sr. Io tcaeiitc
sacrificios feilos era lempo de paz para a manler
era p, o cxcrcilada.
Portugal agora niesrco nos est fornecondo um
exemplo bem triste desta verdade, nasua decan-
ta J 1 expedicao frica.
A acquisiijo do malcrial para servigo o consu-
mo da armada c mais eslabe'ecimenlos da mari-
nha, como o Sr. rairiislro perfeilamenle declara,
objeclo queabsorvo to avultada parle do or-
1 menlo, que deve allrahir constantemente a at-
ienro do governo, que lem effectivamenle se
oceupado raais de urna vez cora este assuinplo, e
ainda recenlemenlc cora a expedicao do regula-
monto annexo ao decreto n. 2,545 de 3 de marco
do correte atino, que, por ensaio.smcnle a
corle, reforma o regulameuiu a que se refere o
grande parle para a deteriorarlo d'elles, o qual
devido cm parte disposico dos paies dos nos-
sos navios, que sao semelhanles aos francezes, is-
lo subdivididos por grande numero do anlepa-
ras, que fazem perder espaco, e difiicullam a ven-
tilacn destes lugares que lano carecem della.
O syslema ingle/, mais rasoavel, mais hygie-
uico, c d uma cerla superioridado aos seus na-
vios.
Nos arsenaes de Inglaterra nao se embarcara
que se collocam da mesma sorte bordo com
sete mezes de vveres, como se lera feito varias
experiencias.
Nos gastamos mais de um me. para aproraplar
um hiato que esleja as mesmas circunstan-
cias.
Desarmamos hoje um navio, e rccollicmos s
diversas secesos do almoxarfadti o que lhe per-
tence ; outro na mesma occasio se aprompta,
tudo quanto o commandanle ve d'aquelle e lhe
agrada dado ; porque se er.ten Je que Islo c uma
economa.
Chega a vez de tornar a arraat o primeiro, e na-
da enconlra do quo lhe perln ..1 Dala a de-
vveres seno em barris de pequea capacidade,- mora inevitavel omquaulo se compra com a leu-
lido do costumo, e quando a commisso ar-
rasa respectivas taras. 0 rhura nao transvasa- gcnle, larga elle cora falla de ludo, como succede
do como a nossa agurdenle cm grandes quarto- j ordinariamente,
las, que se precisa embarcar vasios, e arrumam-I Acharaos, pola, conveniente que aceitemos a
se immulavelmenle no fundo do purio ; todos os' cao que a Inglaterra nos d de jratja, c que uos
leudo obtido as dragonas que tanto almejava, a Jacques. ajudanle da capitana, que, bem coran
reelisaro do sonho dourado de sua imaginaco, aquello chefe tem sido ura inCMsavol amigo da
fot logo experimentado por um cruel revoz, "que familia, orgauisaram entre si urna subscripeo,
demonstrou a rigidez do seu carcter, o a nobre- com cujo producto se possa alliviar a siluaco
za de seus senlimentos. om que ella se acha, depois de pagas todas as
Tcve a infelicid ide de perder seu paiz, de quem despezas do enterro
receben em heranca o legado sublime sim," mas j Este acto nao s honroso para aquelles sc-
emboraeoso desobslitui-lo na familia, compart-; nhores, como para todos aquelles que se associa-
Ihando "cora outro irmo, ompregado publico, a ram sua realisaco, o pois os felicitarnos ; as-
honrosa misso do que so nchou investido. i sim como agradecemos ao Sr. Viraos, digno nd-
0 joven Quicial de marinha mpoz-so vordadei-, ministrador do cerailerio publico, a delicada Ictn-
ros sacrificios para em seus diminuios voncimon- branca que leve do mandar por utna podra de
tos fazer economas que fossem um recurso para maimore sobre o lumulo do illuslic olTicial de
a familia, sacrificios, cuja exlenso lodos nos
coniprehenmos.
Vio-so, pois. desde logo em lula com esse des-
lino, que se desenhava j lo sombro, e que, na
realtdade, nunca o deixou descansar.
Guarda marinha cm 1827, 2" lente em 1S32,
Io lente era 183C, capilo lenle era 1819, do
fragata por dislincco em. 1852, de mar e guerra
marinha, cotn uma iusctipco singla, niosinal-
tetavel.
* *
No dia 15 dejunho estivemos no baixo das Ca-
bras, e reconhecemos quo lemivel para os na-
vegantes este perigo, enllocado era una paragcni
lao frequentada.
Oceupa elle urna exlenso de mais de uma le
dado L'nio Roneficente Martima di Pvrnambu-
co, que leve lugar no lia de S. Pe*o. que as-
sislimos na qualidado do socio hoorano. Ululo
com que fomos obsequiado.
O fim dcsla sociedade pbilanlppica, como o
sen nome o indica, o exerccio
meio de associaco ranina em uns classe. mais
do que qualqujN: oulra, sujeitaaos rigews da
sorle.
O seu fundador, o Sr. Andr b Abrsu Porto,
levo uma baila idea, c do fundo d'alma forma-
mos os mais ardenles votos par. que esta socie-
dade prospero, nao so esquecoido nunca da sua
divisaA Untan aa a forc.
l'.sla lo til assoriarho vei precocher ama
lacuiia sensivel em noss paiz, e tora para dese-
jar que so propagasse por lodo; os noSsos por-
tas, como exista em Franca e m. outros pues
martimos.
Mais de espaco olTerecemos i coiisidcrao da
sociedade algumas medidas que nos parecen de-
voran concorrer para o seu desenvolvtmesta e
prosperidade.
E. A.
PERN. -TYP. DE M. F. DEFAIUA. -JM|


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7ULFT1KD_65A496 INGEST_TIME 2013-05-01T00:24:33Z PACKAGE AA00011611_09103
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES